Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:15666


This item is only available as the following downloads:


Full Text









Por seis meoes adiantados. ... .
Por noveditos idem.
Por um anno idem. .
Cada numero avulso, de dias a nteriores.


jJro'pnebabe be Iflanoel c


.*'/, "ff



















It
___ -Cf











S<


Areia ainircll'a de
rio-.............
Argila amarella ..
Carbonate de e il..
Cenrada (charrres).
Cinzas reeentas...
Marne calcareo. .--
Sal marinho......
Sodadevaree-h lar-
gaqo) ..........
Soda bruta do va-
rec .. .. .. ..r .
Vidros quebrados..


N. 1
LV


100
80 100

100 a 170
30 a 40


3) a 40

100
103


N. 2 N. 3




100 100
10

5)
10
Ga 10


Ns. 1 c 2, s.' ) as form.nilas segnndo o Dicciona-
rio techrolcgco.-N. 3, 6 formula segundo Ban-
temps (no seu Guide de VFerrier).
0 trabalho das garrafas 6 muito simples. Sauzay
nol-o explica bem clarameote. 0 aprendiz, arma-
do da su t canna, comcqa por colher na abertura
SiA forno um pouco do vidro e depois mais urnsma
poreo. Peito ista, entrega a anna, assim gaar-
nuecida, Lo ajudante, que, depois de ter ajuntado o
S vidro necessario a feitura total ds garrafa, rola-o
sobre a mrarma, assopra-o, aehata a porte inferior
S da garrafa, apoiando-a levemente obre a marma
e forms emfim o gargalo, puxando.a canna a si.
Terminada esta seguanda uperaio, a garrafa
S depois de ter side reaqoecida ma aberturado fors,
Spasda As mAos do official qoi assoprando e
S emendando assim o que ella pons ter de disforme
scaba poX he dr a dimenio propria par m entra
n-mom de, que e de ferr, on do lato. Uuoeadis
rS* y iez .go ioldc, quo as feoh, o.qFi W anopra
S fasendo girar apsa, s.t qae tealba end) e ia
teior do mode. Feito ilta, retire a gatrmfa, im
do buito pusraia (de mawmeTm q6 anboonuw
odaomuaa, a qa e U# a-Prag%
ah. .......e- -dni




Z,
".: .d. ..ro o .". de. 3 f. to- rn -.






r. ,i...7.:.+ '*' "-', ,; -. .,
...4


.-------=^ 4 .**'. .* --



RIO DE JANEIRO, 26 do noveinbro, is
3 hori-as e '; miniutitos, dai tardo. (Recobi-
do is 5 h:'. 5 0 minutos da iimaaih de
2S sob pretexto do affluoncia de servi-
*o0) 1

Foi inomed(Io juiz municipal e 1
orpliAos do termo de S. Vicente Fer-
rer. no Mlaranhfio, o bacharel Jose
Cornelio Leitao Rangel.
Foi nomneado admanistnrador do
vorrelo do Rio Granse do 0Norle, Pe-
dro Paula Viceira de Mello.






(Especial par o Diario)

-1ONDRES, 27 dc novembro.

-Da mtesma formal que a Allemanha
e a tussfa, o goverifo austriaco re-
clamon uaa coparticipacae ana] fls-
caliavrfio da dividia egypcia.

PARTS, 27 de novenmbro, A tarde.

A Camara dos Deputadtios voton os
ereditoo pedlidos par-a -a expedicio
do Tonpim.

PARIS, 28 de novembro.

Bespoaulenrfo a uinma inpterpellacao
na Camavra dos Deputados, o Sr. Ju-
lio Ferry, presidtente do conselho,
pedio um novo credit tie 60 mi-
lh6es dc. francos para cobrir as des-
pezas comn a expediefio contra a Ciii-
na, e declarou aceitar em priscipio
a mediacafio ds Inglaterra.

LONDRES, 2.1 de novembro.

(1m telegramnna de Hong-Kong an-
juaeia que a frota chlineza deixou
o ponto onde estava fundleada, e dl-
rigio-e paras rjm pouto deseonhue-
idop,

Agendcia Havas, filial em Pernambuco,
2S de novembro de 1884.



IiSTrUcio POPULAR

a 'VCDxa.Ca
(Extrahido)

PART II
PUOCESSOS ESPECIAES DE FABRIC
ImI--GA.CA?'VS ,.PRA VISwno
(CWotinuaQoo)
Compo.4-a.--. comprpin;4) do vidro de garra-
fas propriamente dito,-isto e, do que tern a cot
escara, quer preta, quer \verbe,-6 constituida por
su'bstancias que offereccn .mo ftbricante a maior
economia na sua comnprt, v-sto queuos products
teem do ser entregues ao mercado por um preo
relativamente baixo. Aids il'isao, como o com-
bustivel pama a sua fabrita'to 6 a mmisi cara das
materias primas, substitue-se o carbonate de soda
pelo sulphato, por apresemitar *maior fusibilidado c
poupar assim a forna caloriaca do eombustivel.
As formulas que achamos melbores para a com-
posio.io do vidro de g;rrafas sao as tres seguintes,
resumidas n'um qu-.dro :


de V. S. de 14 deste mez, sob n. 783, autoriso o a
mandar pagar as inclusas contas na importancia
total de 714,260, relatives ao consumo do gaz e
agua neste arsenal, bern como os concertos effec-
tuados no encanamento do minesmo gaz, durante o
trinmestre de julho a setembro do corrente anno. -
Communicou-se ao inspector do Arsenal dc Ma.
rimha.
-- A) mes.n).- Tendj em vista a inform tao
de V. S. datada de 10 do corrente, s)b n. 765,
autoriso a in-md-ir pagar ao bacharel Adolplio Si-
queira Cavalcante, juiz municipal c de orphaos do
term de Itambl a diffarencia entire 6004000, gra-
tificaqao que pereebia e 1:0505003, gratifieaao a
que tern direito por forqa da ordem do Thesouro
Nacional a. 160 de 16 de outubro, a contair deju-
Iho deste anno em diante, nos terms da mencio-
nada informacao.
Ao juiz de direito do 20 district criminal
Recommendo a V. S. que inform se ainda se
acha cumprindo sentenVa o r6o Autonio Ferreira
da Silva condemnado pelo jury de Nazareth em
dezembro de 1860, per crime de homicidio.
Ao inspector do Thesouro Provincial.- De
accord corn a information o. 26:. prosta la p, r
Vinemc. em 11 do correute autoriso-o a man larpa-
gar a Manoel Jorge do Nascimento arrematautc
da obra de reparos da p rnte sob o rio SerinhiLaem
no cngenhi Pao Sanga-., a imaportancia do certifi-
eado que devolvo passado pela Reparticio daa
SObras Publicas em 10 de outabro ultima, dedu-
Szindo-p-lbe a responsabilidade di eotylo. Corn
- mnuuicoun-se a RepartiaWo das Obras Pablicas.
0 Ao mesm).- NMo teado comparecido lici-
Stantes i arremataces das obras dos reparos pre-
r cisos nas tree poutes do Rio Forwye o do propric
Squo ahi serve do-eseola publica, nA. obstante o
aoerescimos de 10 "/o permittida par esta presi
Sdecia, em 25 de wetembro a 18 de ouubro, d'ondn
Sresutou e'evar-se o oreamento a 2:069010, auto
B riaei nesta data o eagenheiro caefe d a Repartig&
e das Obras Pnblieas, como solicitoo, a mandar fai
r e- por.dminutrao para o quo mandar Vinmc
i entrat so tbe ewuarr da dita lep a o a qa4n
- tia -ft.
Ao-neO.- F"7V.s. 'eo.h a daposi
a "1 aa Iw>d ,fi 10461Sode .ap w~ia aquan


64 wrim 11'6*--,^qsli^
^ *^ oti^ i^ a~~r6 -Ast j


extromidade do gargalo. Estando terminada a fei-
tura da garrafa, 6 esta cutregue ao aprendiz qae
v leva ao forno de temper.), oidie 6 despireudida da
canni, danJo-se uina pminca-linlimi secca no meio
di;i mnesmne.
Al6mn d'cstas garrafas-em pa-rte m )ldadas-h i
outras moldadas quasi cempletamonmte : taes sSo as
eminprc-gIdas para center rhauira, cognaac (algumis),
etc.
0 ii de 6 composto do trees pecas, das qu;aes
urma, quasi cylimndriei, form o bojo dL g:rrifa,
emnqiuanto :ts duns outros, abriud.)-se em duas par-
tes, tfoinrmm o gargalo e a parte mn6dia entire o 1,jo
e o gargalo.
As garrafias brancas p tirra i-ores, etc., fahricaui-
se do mnicsmo n,)do qie as pretas, mas s6 corn a
differcnea na comnposi4to da roassa vitrosa que 6
Ig"al 'i da vwdr,uma.
(Coutinua).



PARTE OFFICIAL

Governor da Provincia
EXPEDIENTE DO DIA 17 DE NOVEMBRO DE 1881
Actos :
0 president da provincial tendo em vista
a proposta do Dr. chefti de policia, em offieio n.
1232, do hoje datado, resolve exonerar, a pcdido,
naj cargo de lo supplente do delegado do termo de
Nazareth, o cidadlo Joaquim Nunes Machado
Coutinho, e nomear para substituil-o o capitao
Aatcnio (Gomes de Andrado Vasconeellos.
0 presideate da provincia tendo em vista a
proposta do Dr. chefd de policia em officeio n. 1232
de hoje datado, resolve exonerar, a peiido, o cida-
dfoFranciseo Gornmes de Abreu Vascocneellos do
cargo de subdelegado do district de Alagoa do
Cario do term de Nazareth e nomear pata subs-
tituil-o Gervasio Paulino Lopes Lima.--Fizeram-
se as devidas commnunieacoes.
G president di provincial, attendendo ao
que requereu o juiz do direito da comarca de Ta-
quaretinga, bacharel Jos6 Tavaresa da Cunha e
Mello, resolve couceder-lihe um mez de licen~a
corn o respectivo ordenado, para tractar de sua
saude, devendo entrar uo goso da rcferida licenga
no prazo de 20 dias.
0 president da provincia tendo em vista o
officio de h'je datado, do Dr. juiz de direito do
4o district criminal do Recife, do qual se verifi
ca que em consequencia de revisao procedida em
1883 excede a 250 o numero de eleitores de algae
mas das sec6cs da parochia do Santissimo Sacra-
mento da Boa-Vista, determine de accord corn
a indicanao contida no citado officio e em vista do
art. 94 do regulamento expedido em o decreto n.
8,213 de 13 de agosto de 1881, que embora man-
tido o numnero actual d'aquellas secoes e suas as6-
des sejam os respectivos eleitores assim distribui-
d)s:
1' secio. Tendo por sdde o pago da Assem
blWa Legislativa Provincial compor-se-ha de to-
dos os eleitores do 20 district policial e os do
10 e 20 quarteirao do 10 district.
2. secceo.-Consistorio da matriz da Boa-Vista
compor.cse-ga dos eleitores do 3' ao 77 quarteiriao
do lo district policidl.
3a secego. -- Consistorio da igreja da Santa Cruz,
eleitores doS'ao 13) quarteirhes do 10 district.
4a sccio. Consistorio da igreja de S. Goncalo,
eleitores do 140 ao 190 quarteiroes do 0lo district
policial.
5a seccao.-Conaistorio da igreja da Soledade,
eleitores do 20o ao 250 quarteirues do 1' district
policial.
Assim fica see effeito a portaria de 4 de outun-
bro de 1883 relative A supramencionada parochia
sern prejuizo, eutretanto de que a mesma portaria
estatda quanto a freguezia do Nossa Senhora da
Graca da Capungi.-Fizemm-se as devidas com-
municacocs.
Officios:
A' Thesouraria de Fazenda. Afiin de ser
entregue ao interessado, depois do pagos os deoi-
dos direitos, remetto a V. S. a inclusa patent do
alferes reformado do exercito, Jose Bueno Correia.
-Cormmnniceu se ao commandant das armas.
A' mesma. De posse da demonstragio dos
escravos sexagenarios existentes em diversos mu-
nicipios da provincia, e bern assim da reladao dos
que se acham matriculadas e attingiram a mesma
idade, remettidas por V. S. corn officio de 13 do
corrente, sob n. 778, recommendo-lhe provideacie
no sentido de serom quanto antes remettidos 4
secretaria desta presidencia os apontamentos re-
lativos 0os municipios de Ouricury, Exu, Granato
e Taquaretingo, e informed se nao funceionando
as collectorias dos municipios do Triumpho e Vil-
la-Bella, os escravos a elles pertencentes fignram
no numcro dos matriculados em outros.
A' mesma -Para os fins convenientes trans-
mitto a V. S. a copia inclusa do officio quo o jumz
de direito Jose Cavalcante de Albuquerque Uchba
dirigio a csta presidencia em 20 de setembro ulti-
mo a respeito de sua remocao para a comarca de
Piauc6.
A' m-sma. Transmitto a V. S. a ineluna
ordeem do Thesoaro Nacional sob n. 180 de 7 deste
mle a
-- A' mesa. De accordo corn a infonmna.ao


por urnm mz, provisori imente e sem vencimenatos,
a licenaa quo o poticionario obtove ultim 'mmte
para tratar de sua saude.
Officios :
A) inspector da Theisouraria de F.izendia.-
Tendo nos ter:n )s dis d3sposiLmes Cnn vigor, auto-
riiado o director do Arsean il de G-err .i a mandlar
satisfiizer o ieiid) junto pr copia, do artigo de
fardainmznto que para sen uso faz o 0tApito d.) ItV
batalhi-o de mfantaria Estcvao Joss Fnrraz, asidin
o declaro ai V. S. para seu eonhecimento c devidos
fins. Comn'nunic-ua-se ao commandante das ar-
mas.
A) mesin).--mrin'mico a V. S., que o ba-
chard M-tlaquias le Ligoas Ferreira Costa, reas-
sumio 4 7 do c)rrente in uz, o ecxercicio do cargo
do juiz municipal e de orphilos do termo de Carua-
rii, deizando o de juiz de direito iuteriuo da co-
mnarca do mesmo nome, por ter o juiz effective ba-
charnl Agostinho de Carvailho Dias Lima, reassan-
Smido o respective oexercicio.
Ao memo. -Communico a V. S., que o pro
a motor public da comarca do Brit', bacharel Ma-
r noel M tria Tivaures da Silva, reassumio no dia 8
do corrente, o exercicio de seu cargi, sendo quc
durante o sea impediment desJe 'do agosto ulti-
Smo, fort substitute interinammntd peloi cidadalc
Joaquim R-)borto Pcreira.
S Ao inspector d.) Thesoaro Provincial.-Ds
accordo eom a informrwn- por Vine. prestada em
I offieio do 10 do corrente, sob n. 261, autoriso-o i
mandar pagar a Fiolden Brothers, a quauntia de
- I 12 179,540, provenienta do casteio da ffluminaqaxs
- pablica, no m.-z de outabro, conforme as contaf
Sjuntas.
3 Ao director do Arsenal de Guerra.. -Antori-
- so Vine., nos terms das dispasigOes em vigor, a
f mandar satistaer o ineluso pedido deo artlgos d
. fardamento que para seu aso faz o c tpito do 14
o barahiao da infantaria EstevAo Jos6 arr a.
-. Ao commandant do corpo de pollia. --Au
. tonso Vine., a excluir do corpa sob sen oaommardo
i- coafowmo requWWeram oa soldadoo Nioelio Pereinra
da ilva. Cesar e Antonio Joaq a Marques di
i- tlva, de que tratatm saeo ffiies m i,050 s
I1.,05, do 1 I e 13S i co-reate mea, depbis quo in
a demnimrem a fsawada provincial, do qae efti

to A Dr jIzd 4e diraito preurite da juaw
rovifura ds-sfiitsrnento aI~ittt do oozarsa~do Ca
l --1 b a RToe., eso, epota o ium 4ot
e ote q dafeta dftft faia k


I


!iroa be aria & JitIo


do 11 do correntC, sob n. 255, a mandnIr fazer por'
administraglm o 03 rep iros procisos nais tros pasii3e
do Rio Formosao e no proprio qnc alli serve doi
cjoe-) publicA, orid 13 CIs m 1:710303), vi ta quo
nao appa:rcendo licitarntes, a!-i obstante oi aceres-
cimnos de 1) '/ ;aitorisados emn 25 d -i sotuinbro e
18 do ontubr-o. R-:eommniudo ao insp2c-or i!o TL'u-
souro PL'ovincial qmar rmindo cntr.jg.tir :1iJ thmeon-
reira dessa R -parti-ieo a qu tnrit prei i.
Ao prom-.tor a,'l ho, o ; a 'scriv'.vi -i col-
lectori:a geral, mmbnbros d.i jnit:t al.SiifiUitil ar:i de
escravosidolmuinicipio d, PIrnella3.-IttIrmdl-) peilo
officio d', Vine. de 10 do c.i-ri'entt, dos mnitivos pa-
los tluaes a junta classiicea;dor.t do cs-ramvuo dessii
municipio nmo se rcuuio no inesinsi din, cr-1) ri-3
commeudou osta Presidenci:t, declaffa lh.is quei, es -
tapdo o president d-it carum.L'ra min icipal La Iuac-I
.inar ua junta rcvisara do alistamento anilitit',
deve s,1r convidad-.) p.ira fzer parte daquella o
vice-presidente, e impedido este cahama-,e cada
um dos vereadorcs Ina ordem em que Ae aeharem.
- Do occorrido d.r-mo-e hio Vine. coinhecinento.
Portaria :
A Camara Municipal de SiIo Bento que fica
approvada a arremata.ao do concerto das ceroas
do aeuae, alludido no term annexo ao seu officio
a que respond, de 29 de sectembro ultimo.
A Co.npinhi Br:-asileira de Vapor.-0 Sr.
agent la Comnpanhlii Brasileira fana transpor-
tar ao CearA p.ir coata do Ministerio da Guerra no
vapor Bahia proec.ui'to dos portos do sul o ans-
pegado MA.nool Marinhi Coelho, o qual foi por pir-
taria do rmesmo Miaisterio do 16 de sotembro ulti-
mo, transferido do 2' batalhio de infantaria para
o 11 da mestun anrna stacionado aaquella provin-
cia.
A referida pra~a e easada corn Maria Jo i P-e.
ceca de Carvallio, que vai em sun compauhia, bmrn
como sueas fi hos, Manoel Mariniho Coelho do 16
annos de idMado, MAilitio Marinho Coelho de 14 e
Luiza Maria do Espirito Sant-i do 2 anaos.-Conm-
municon-se ao commanda-te da armina.
A mesma.-0 Sr. ageate da Cominpanhia Bra-
sileira fao:t transportar a Param]yba, par conta do
MiuListerio da Guerra no vapor Bahia procedente
dos portos do sal o anspecada d t compa.nhia di
infvm.utaria d'aqtella provincia Josa Alves Floriano,
o qual veio d'alli eseoltando um desertor.-Com-
manicou-se aa comunandanteo das arnas.
A Companhia Pernambucana.-0-O Sr. germn-
te da Comrpanhia Pernamnbueara made dar pas-
sagem aI pr6a ate a Parahybux no vapor que segue
para o norto a 20 do corrence, a Antonio Lins dos
Santos por eonta das graituitas a qae o governor
tern direito.
A mesma.-O Sr. gerente da Companhia
-Pernambucana made conceder passagemn a r6 at0
Araecajd no vapor quo segaue para os portos do sul
no dia 26 do corrente a Herculano Gonyalves por
conta das gratnitas a que governor tenm direito.
EXPEDIENTE DO SECRETARIO ,
Ao agent da Companhia Brasileira de Va-
pores.-De ordem do Exm. Sr. prosidente da pro-
vineia, accuse o rocebitnento do oficio de hoje, em
que V. Exe. communico que o vapor Bahia, che-
gado dos portos do sul seguira para os do norte
amanha as 5 horas da tsrde.
Ao engenheiro Olympio Baptista de S. Leao.
-De ordemn do Exm. Sr. president da provincia
aecuso o recebimento do officio de 10 do corrente
no qual V. S. communica que neata data assummio
a administra o da estrada de ferro de Paulo Af-
fonso, por ter seguido para a corte, em oDjecto de
servigo public, o engenheiro Luiz Felippe Alves
da Nobrega.
Ao juiz municipal de Agua Bella.-0 Exm.
Sr. president da provincia ficon inteirado pelo
officio de V. S. de 8 do corrente, de haver sido
e escravo (C&ario julgado liberty por sentteaa do
juiz de direito interino competent passando-se-lhe
carta de liberdade, visto que foi considerado aban-
donado por sua senhora.
A junta classificadora de escravos de Serin-
haem.-De ordem do Exm. Sr. president da pro-
vincia, aceuso o recebimento do officio de 10 do
corrente em que V. S. communica que se reuni-
ram para comprimento da circular domesmo Exm.
Sr. de 22 de oatubro proximo passado.
Mlutatis mutandis a junta de Ipojuea, Rio For-
mozo, Nazareth, Barreiros e Garanhuns.
EXPEDIENTE DO DIA 18 DE NOVEMBIO DE 1881
Act sa:
0 president da provincia, de conformidade
coin a proposta do Dr. chefi. de polieia, em officio
n. 1,219, de 12 do corrente mrez, resolve nomear o
capitao Jose Maria de Soixas Borgos, para o cargo
de 1 supplente do subde'egado do district do
Frio, pertencento ao termo de Agua-Preta, vago
por nao ter prestado jaramento o cida.-1o anterior-
meate nomeado, Antonio Cordolino da Providen-
cia.--Comnmunicoi-se ao Dr. chefe de policia.
0 president da provincia attendendo ao que
requereu o guard da Casa de Detencao, Dmocri-
to Carlos do Miranda Peixoto, e tendo em vista as
informnacSes do Dr. chefs do pilicia e d) inspector
do Thesouro Provincial, prestatas em officios ns.
1,153 e 259, de 24 de outubro findo e 7 do corrente
resolve concede r-lhe tries mezes de liceuna, corn os
vencimuntos 4 que tiver direito na f6r-ana di lei,
pars tratar do sua slmdo, a contar do di. 10 do
mez de setembro ultimo.
0 prsi"iedte d i provincia attenqend) ao que
requercu o promiitr publics da com~nrcn de Cabro
b5, Jose Mauricio B)rges Junior, resolve, prorsg.ir


b-ico, 28 denovembro do 1881.
0 porteiro,
J L. Viggas.

Repartlaio da Polela
Sae9o 2.'- N. 1,262. -Secrotaria da
policia de Pernambuco, 28 do novembro de
1881.-[Iml. e Exm. Sr. Participo a V.
Exc., que forum hontem recolhidos i Casa
do Detenqao oes seguintes individuos:
A' ordein do subdelegado do Recife, Boll-armina
Maria da Concci*o, por disturbios.
A' ordemn do do Santo Antonio, Hortencia Ma-
ria da ConceiqAo, Antonia Maria da ConceiaAo e
SCypriano de Souzi Viegas, I or offensas a moral
pnblioea.
Deus guard a V. Exc. -Illm e Exm.
Sr. Dr. Sancho de Barros Piment(l, muito
digno president da provincial. -0 chefe de
Spolicia, Manoel Ventura de Barros Leite
s ampaio.

. Thesouro Provinclal
DESPACIO0 DO DIA- 26 DE NOVEMBRO
Bar-o de Santa Cruz.-Informs o Sr. contador.
" Francisco Jos6 de Oliveira Rodrigues.-Ao Sr.
a Dr. admiuiatrador do Consulado para attender.
Antonio Ribeiro do Albuquerque.-Em vista da
* informal do collector, jul foi attendido o suppli-
icantiv"I]
JoTAiBnio de Mello e vigario Jos6 Francisco
da Silva BorgMes, Moyss Gongalves Lima e Anuto-
nio MoroirA Rais.-Iaforme o Sr. contador.
Autonia Maria Aroebia de Miranda e commen-
dador Antonio Joe6 do MKagalhiaes Bastos.-Iufor-
Sme so Sr. Dr. admiaitrador do Conslado.
a Agostinho GemaipiM Pereira do Sautom.-En-
5. ,re._-se pelao poa;. "
-' 1'phimLopes da COrz.-Junte-se oopia das in.
- fomrnj-)ea. "
MaNia Vmnnci de Abrm 0 Lemos Basto.-Ia.
I famre o 8r, esutador. -
27- a
- BIu do.Samfta Cra.-'B vista o Sr. Dr.
*' pwowrador fisl. -.


1
-~ -r


Candido Eustor-gio Fe-rr-,ir Clmaves.- Infm nc A p ao a p..r ,,,tiare:no.3 .,C [, ,) iS o .up- or .i,-,
o Sr. rontador. .- par-tilo brm,,o, s-, piet-.. I: lh_.\-;aut ir i,t' it l4rt.-
Maria Ven-mcia Jo Abr-mi Limra .it-t.---.Hja da rc-volta, tnlh i divulg.i lo o s-mis si-re.ln -i'
vi.~t r D S r. prcli)m iral r fi dal. a- (,. 0 Sm s,'.m Imm, 'i.n ,, ,h. Oi ,,i i .. ,I -...
C" ard-iso & [rmnaa.--lostitnix-.s
U' mIt'rm o T Irii1,i-).-Io ;m-t i-.rr-3:t San,- i s-mntois i a .r t i n !ir. a >'i- -:., !
A:tm io \ie..ir ? I e .,1 r Dt. ,- f Nai vi.t N ,v) e a rcsp).- i ia-li.,.1 .1 i ..ti i r mI,T L
,.t. ,l'.id ri ~t jr ,ia ,.* ,l-)utrin t ,1 aj;vis, d1," I ,I,- f. I^ -'m ,,.., |) ;*, (:. ,, ,:lu; ," ,lU,- .1 r,.\ ,liJ-.;i,, a'n,,.,
v e re iro d od & 1 3$ u eial- l\, '. r 1 is ,n1 I Illi,>. z i tu iPA ;.,r0 r f. ii. lln _'1
D r. Jos. V eo tura doi S.intto R i Jimn .,r.- I 1 j- ,iial 1 .1'-1 ,, i- hr. i .- -.., 1 lis :1 i iml'.tLdOa 1an Lam .
deft -ridn.o ,i vust il lisp_ t,! no .) rt. I. r m.1 h gui l. )- h 'tI ,-, um, ',I i t"rnm-,.ir-,, i, ,i .l ,i.,-. ar.t--ntinoM a.
mi ui tlo d 2:3 .- u.i l o di 1 1'57 1. ,i c i ,, s 1.1 1. ,1 1 ,-' a rta ien tO ,
in p 'indu 111.2 tcr 1 1ma JIar-txInentg-q
M .inuoel dc Mc leir.i s ,cl ia.- D),,-ril.) I* ;.,t.i o, i .' -.,r-.'t: ;it c t .1c,.,- ir -I-l.ira ;. in, de
das int.nrmiamr. fie, l '.io irrIi sp.m -avcl o s ppli- ,i 'r s, f, i,<-a i, imi ,ri- l, 1.1 na-,'' i i.'l- u--li i re-
c a n te pa r p ro v a r u .i.) se r .1 10 .- .1o .) (c sta bc lr, ,. r 'a r ,'r ,i gr ..- i s ,ni .,- ii -,. -. '* oa n 'a d- .
mi.m t, ;t rLu d) Gc_-'vi, u Plia- 11. 4'1) uno ex ,cir d aceor-duo c od '.I- .al .,- ., ,Iu r.a L I,, ,i a
t 1 .'v'5: a 1 '51. fr,rn eirt i :.I-hI I 5 ai.t..','- i i >.r.tI pru tv,,.-r-.Im li
)Int.! S tit Corpo de1 PoliC-n.t- A rp v.im iim. ain' .'ru -. .
-.. dc ,Si-ara Cr1uz:.- f.---ri.li. '' ,, it, .r a tirar a ma.-
Ern-,.-:ii- (.hri-i-ma,)-U Lib- s.i c outr.is Mum ia Jn- aa,,
ronyminit e outras.-Dcferido.A invasao Maria Venancia do Abriu Linma BAstos.-Df- ) sileiras sr:i liarin-,ntla in,) unmia amn' par
ri', icaindo irrcsponsavel i Io debito anterior a s uran r da C ,ifedir.u- ,. r ) lh ,lr sr .mi-
que estabelecer-se na cast in. 258 a ra do Coroi m o dn ggrIs e a r.a.ti iii ar:t,. h stil d
nel Suassuni', visto acar-me fehada e desocvu- pintdo dlagvcrmo rt-ct;t, piro turner initdc
padaa ru sm a aia.parto (to giv'er njo ar~cntiii.) p air s t t )rnr in,vit,,
padca a mesmi csa. icl i gerra, f'az:.uno t. :-inmpri- r ptestos ,fo s.-:
Jose Ferreira da Silva. Entreguec-se pla a'or a pa. a m,.rc.i.- in rn i -bru-
porta. I f i, i i o 1 -is ii iifri.
Delphimn Lopes da Cziz.-Deelre o Contenucio rCoaurreir- detc Pi r ,n-n p tv-r a i-rinot-il
so se ji fi)i prestaida a fianca. q .-0 u rdiv ,l- o S prt- 1 -am ppro 'ct)s d.. in'
Josephina de Miranda P1orto.-Lifor-re o Sr. uJo a dia.-lg .io ,, ni.-)r,:i n, r
tido b n ,'bnn i aunpciria at p-1;r in in-:l-,t:i fri:i i, ; anr v,
contadre liMoJsPocia do Albuquerque lutio. CuniiinIS. lr) prcia, |IIpe. um' ,'z *,,z-I-'sma-
Padre Manoel Joss Pcreira de Albuquerque.-- carada esta bemr ou mdl trlida intrig.,. d!v.ai.-
Intonne o Sr. contador. cer-se-llo as .scn rntim ail-s simus a utrir<-. rit-
Dario Jose Peixoto.-Deferido, e se providence ocer-se-sitarai dspcr(.aas' ,- p ara tmpr.e-.
necessi tariaui dr2 ofiutrus in,,0-,. parc cumprciaen-lr-" r
no sentido do recebimnento da quantia offerecida conquista da Ban mi Ommenai. fiazonl.r re.-iir s,
Cocno paganmento antecipado da ;arreinmataitio, corn breo razl a rsponaalilil:mh d, gmu('r-r.
recolhimento da renda A caixa do deposits para Esrevcndo o quc precede' nao tiv'mos con vi-
a applicatao conveniente nos prazos ordinanios, ta avisar a" nossa diilianar.ia que, ha muita. cst,i
scando dispensadas portanto a fianc- c a assigna- a par das ticas os 'iihs na) ue diz re.p.it.
turn de lettras. ^ Republica Oriental 0) n ,.-, u nami-, tim f..i d-
Ferreira Casca & I-ihlos.-Inforne o Sr. con- A untria O qur, se-coma mm.r dr-vi.iarnos ri m
ta or n onstrar. que', sc- -cu mtn( i:Iodavidl'm os ll i.,
tador. o P ber evitar a. nrnamadilha hi ie oprr,'rudia pelm ,ilitic
Luaiz Antonio di Siqueira.-Ao Contencioso p- argentina, pi)dumos contar coan a paz ria-la ,im:
ra os devidos fins. rante algun. tempo, visto ;t nlu.'stio ,dlis Mi sstes-
Antonio Gonoalves do Azevcdo. Smun, fazendo- m r. g
se a subtitui~A meqaonidcn.nesrno ino ease do immurter o rovinruir lo-luis as:1-n
se a substituiio requerida. justas preten'res-inao ),,d.ir ,l-r lugar a imnaa -i.
,,c claraqI o de guerra da parite d;, l'.uat;-', r'ai-.,


* do e os dU 5u nas Bus fiamndaz
_p.t da.8emis dooeldLa plates
mRA W Bair am tuts certm. o
e aaer que chatd a resul
tabu starn.


juia, jo piz presiiloWt di junta parochidm i S.
tg g iid Ipojuca, tdetermimnidoii hc o cuipn'ri-
mran l dt lei t) iailist-imrne i lt;>r, i eIporo ,i'i
V'n -pr sit i vez onvidi'2 tod.s os mrii)s a seun aL-
c .aC .i ) Lrai I execuvao d:i miismi i IC-i.
) 1ai ui' dc pa': presid -nt-' I iL *j-.th dI ;iist.i-
rnmuLi militarM d.I par)chi Lo 1 S. Migtel de Ipoji.-
c .- .''Ls In I1.) do o :i-i) d) ji ? 12, .1lreOiti, pros]-
,'ont d iL j'imr It rI vi',r. l d e It iac:ti i C ibo de 10
d.) N '4010', 1l. n',11 t p tr:.>;3i t, ,- i2' M, d&' se pro-
ct1,l ni s-) o I st -it.rna :t. iinlit mr m- ic, L'r1c nto o10
;'i1 proiximi) 1) Li&i-I C e ri) aiamn 'i.).n ) di) co-rrente
anu.il.-t.A-niu) a (ILe. qri' s6''1 p *'-TL lid tuimpo e
.b3'crVa--)is cJ pa-1 ,s3 Cst.i- lh,''i I mi1 ) RIgDtiI im :n-
to, Br"5,S81 dc 27 dc fevcr'-iro du, 155.), c avo.iU. a
juinta (I'otIa pmnr.'cihi. o di' -corvn ) a ,- reSpe: ti'0o
trbalos, certo li qutei pel f.ltIa I-Ie uinpriineunto
de sA elli.int 4 6>'ri- L 'Ui- I I la! s I'r ) i 1to-t is t s
pen&A comuniind is a u ) lit.) lt-gulainuto.
Our'simrn, haj.t Vmn do inforimnir o motive por
quoe d,-ixou o present d., ter ahi ezcauao o quc
preceitta.o.ia .ii:n,) Rgalimnannto.
Ao 'etenhciro fiscal da Companhia Recite
Draiaige.-Providencic Vine. para que seja collo-
cado ai 3 um apparelho dess i companhia, no hos -
pital P-oro II como soliceitou o desembargador
proved.-r da Santa Casa ae Misericordia em officio
dc 12,do eorrente sob n. 122.-Coinnmmunicou-se ao
Thesqnro Provincial e ao provedor tda Santa Casa
de M*sericordia.
Poi*.irias :
A' Companhia Pernambueana.-O Sr. geren-
t3 dx Companhia Peraambueaua made conceder
passagenm a proAt at6 o M :teei6 no primneiro vapor
quo sogue para os ports do snl, a Manoel Veris-
simo de Iledci-ros, por conta das gratritas a que
o govern tern direito.
-- A' mnsma.-O Sr. goerente da Companhia
Pernambacana made dar passage 4 r6 at6 a
Parahyba a Manoel Tortuliano Soaros do Avellar
por conta das gratuitas a que o governor tern di-
reito, n(rvapor que segue no din 20 do corrente
para oeiportos do norte.
A' mesma.-0 Sr. garente da Companhia
Pernambucana made dar passage A re, de ida
e volta, do pirto d'esta ciuade ao de Natal, a Abi-
lio de Albuquerque da Camara Lima, por conta
das gratuitas a que o governor tern direito.'
A" mesma.-O Sr. gerente da Companhia
Pernambucana, minande dar passage a re, da ca-
pital da provincia do 1ie Grande do Norte para o
Recife, na primeira opiortunidade, a Juviniano de
Souza Banoeira, por conta das gratuitas a que o
governt tern direito.
A- i. esma. 0 Sr. gerente da Companhia
Pernamn-niana, mando dar passagem A r6, at6 a
Fortaleza,' no vapor que segue amanha' para o
nor't, a Jobo Paulo"de Ciutra Petaluga Barboza
Lima.
FXPEDIENTE DO SECRIETARIO

AOcommandante das armas.-De ordem do
Exm. StL president da provincia communico a V.
Exc pan os fins convenientes e em respost ao
sea officIo de hountem datado sob n. 601, que ficam
expedidas as precisas ordens para o ajuste de con-
tas e transport a Corte dos officials de que tract
o citado officio.
Ao juis de dircito de Beserros.-De ordem
do Exm. Sr. president da provincial, transmitto a
V. S. em resposta ao seu officio de 12 do corrente
um exemplar impress das leis de regulamento
provincial deste anno.
A' junta classificadora do escravos do mu-
nicipio de Beserros.-De ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia accuse o recebimento do offi-
cio dc 10 do corrente, no qual V. S. communica
quae se ama nease dia para cumprimeto da
circular do mesmo Exm. Sr, de 22 de outubro ul-
timo.
Igual a junta de Born Conselho e Ingaseira.

DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DiA 27 DE
NOVEMBRO DE 1884.
Antonio de Araujo Alcoforado.-Deferido corn
offieio de hoje ao Thesouro Provincial.
Emiliana Josopha do Carmo.-NMo p6de ser at-
tendinda a supplicante sem que prove estar comn -
prehendida em algum dos casos em que podem ser
dispensadas as proves de capacidade.
Bacharel Francisco Odilon Tavares Lima.-Sim
provisoriamente e seon vencimento algum.
Genesio Libanio de Albuquerque Monteiro.-
Counedo, corn os vencimentos que por lei Ihe com-
petirem.
Capitao Jose Fslix do Brito Macedo.-Passe
portaria designando o 3' batalh.o do scrvico acti-
ve para nelle ser aggregado o supplicante devendo
opportunamente apostilhar a respectivo patente.
Manoel Figueiroa de Paria & Filhos.-Aguarde
o credito qus hoje solicito ao Ministerio do Im-
p rio.
Maria Amalia Forjaz do Lnc'rda.-Sim, mcdi-
ante recibo.
Maria Liberata da Silva Forte.--Informe o Sr.
inspector geral da Instruucaio Publica,
Maria Amelia do Espirito Santo.-Nesta data
puovidencie convenientemnnte.
Pedro Dian de Assis Junior.-Sim, na forma da
lei.
Viceate Ferreira de Albuquerque Nascimeut,.
Aguarde o eredito que hoje solicito ao Ministerio
da .Guerra.
Socretaria d% Presiliacia de Pornaa-r-


-' --
-.: ,5 -:
%:: ::': :::;% =--: ::/':-uio- 2~


''-a
-A

iepmo dia.


S Wp~

S


.
.-* -t..


S


&XF oVIMIA


* ..


in=
200M
2700W
a10


INTERIOR

As Kissoes e a Republica
Oriental
( Folha Nova )
O boats de gierra, a que deram origem a
creacIao da esquadra de evolu5es e a viagemn do
Sr. Conde d'Eu at provincia do Rio Grande do
Sul, tern tornado corpo em consequencia de, apezar
das declaraqSes do Diario Offcial, e contra a lei,
se estar procedendo ao recrutamento. Nao que-
remos dar-lhes major importancia do que mere-
cem; entretazto, nao podemos deixar de registrar
que ha nuvens no horizonte do sul e que nao sera
demasiada toda a sabedoria da nossa diplomacia
para evitar couflicto corn os nossos visinhos-con-
flicto que elles procurarn fazer nmseer, fingindo
serem provocadus,
Fallou-se inuito nestes ultimos tempos da ques-
tao das Miss5es, para cuja soluqao foi aprescn-
tada pelo ministry argentino uma proposta de
arbitragein que motivou consult do conselho de
Estado. Mas nio acreditamos que della nas"a
urn easus bell, visto nao julgarmos o nossos vi-
zinhos insensatos bastante para correrem e risco
de uma guerra, que atrazaria por inuitos annos o
seu desenvolvimento, unicamrnente p3Aa posse de
algumas centemas di, kilometros quadradoi do
territorio, que-embora uberrimo-nito valeria
o dinheiro gasto para a sua acquisicao pelas ar-
mas.
0 que os argentinos cobicam-e por vezes te-
rnos publicado artigos do. Courier de la Plata,
orgao officioso do governor, que niao deixam du-
vidaa este respeito-6 a Republiea Oriental, a
que pretendem ter direito por harer ella feito
parte do antiro viee-reinado de Buenos-Ayres.
Para possuirem esta join, nao terao receio das
consequencias de uma guerra corn o Brazil ; mas
oseu cuidado 6 encaminhar as'cousas de modo a
nao parecerem eldies os aggressores, fingindo pegar
em armas s6 para soe opporemn a ambiqao do
Brazil.
E' facil comprehender este receio visto a Re-
publica Argentina precisar de Inao comprometter
o sea credit na Europa e saber que os capitalis-
tas inglezes fecham os seus cofres aos governor
sempre promptos a aggredir os vizinhos.
Pjr isso part da imprensa platina, e prini.
palmento o citado journal, nunca so esquecrm de
assignalar como uma invasao no territormo orien-
tal, as compras do terras pjr brazileiros na par-
te norte d'esso Estado, apresentanuo-as como umn
perigo p'ira a C.MifeJera.io. i3as, corno nilo podi-
am apresentar esses factos como de natureza a
provoearem uima repressilo armada, as suas quei
xas nao tiveram o resultado almejado, e for,;onso
foi procuraremn outro pretexto.


Parece qne hole, A custa de muita imagine ao
os nossos vizinhos acharain um meio para obriga-
rem o Br.izil a d'sembainahir a espada e a rero--
sentar o papel do aggressor. Consist elle em
fomentar uma revolvco na Banda Oriental.
Sabem os leitores quo nesse paiz ha dous parti-
dos-B;fancos e Colorados sampre em luta pela
posse do p)id,'r. Os lBlaincoi-uhonra Ih s.-ja
feiti--represeatam o purtido da autonomia ; ao
pass quo os V'ermelh)s sc acco:nm)damn comrn
quialquer protecao pari clihgar a') golerno.
Durante mmato temp) este partido foi suitcn-
tado pelas intrigas argentirias; m-is hoje o ge-
neral Santos cm conseqiuencia d alguinas justas
satisfacues dadas ao Brazil, incorreu nas iras dos
politicos d'altin Prata, qui o denuinciam como
vendido ao [Imperio, c prompto a Ihlc facilitar a
annexaq'a. do paiz.
Em tacs condic5es seria loucura attribuir ;i in-
fluencia brazileira a revoluau, que ftoihasargen-
tinas dizem estar prompt a rebentar. Por con-
seguinte, annanciam-a com-o um movimentona-
cinal promovido pelo partido branco sem gerencia
alguma da political estrangeira.
Diz a esse respeito o Courrier de la Plata.
Parece que a Republica Oriental, eo"'oca [a enhte
dous poderosos visinhos, nao p de viv.r em paz a
sombras dcste duplo protectorado. Palla soa c:ida
mromento de rcvohlu.o; e, como do vez em qu- nAdo
alguma vat rebentando, o alarm 6 perpetuo, c cs
capitaes semnpre reeeiosos togem assustados pek
rufo do tambor.
Hoje nao eo pode accusar o Brasil, que nato sa-
isria desejar dominacao mais complete do que a
que Ihe proporcionou o president Santos. pro-con
sal do imperio, qua recebe as suas inspiracues d.:
ministry brasileiro. E' pois, na realidade um mo-
vimento naciosal quo vai rebentar; 6 o partidc
&ranco que vai pegar em armas. A influencia es
trangeira 6 completamente estranha ao movimento
o que permitted affirmar que die sera reprimrio.
Nao ha exemplo de urns insarreicio tor boa
exito na Badas Oriental sere o auxilio do Brasil.
Mas tern aeontecido frequentemoate um aventu
reiro percorror a campanha duran*'e mrzes, a-
quesndo os departamentos un apes os outros
aterroriusndo e armunando o pail.
A esta$1o 4 muito favorasel para taea empresas
os eavallostao em bom eteado; oa plstos gor


.- .


4


in
5's----


Estradas de ferro comn garamlia
de jurors
(1 olha ocva it
Na propaganda que iemprehendemos a
favor da rescisAo, autorisala pelo actual
orgamento, dos contracts fteitos pelo go-
verno para a construc.iio-ainda nio co
mecada dole tries carissimias cstradas de
ferro, cujo capital garantido attingiri a
70,000, senilo a 80,(X.) contos-nao nos
temos limitado a clamar contra o sen enor-
1me dispendio, que vai onerar o Estado
corn 4 on 5,000 coites annuaes em ouro,
mas tambem a demoustrar-Ilhes a inutilida-
de, como irrefutavelmente fizemos, em re-
lan',o A de Sergipe e a de Pedro L
JA ha algumin tempo rUe reciamamos o
cumprimeuto da vontade legislative; e
nada! E' verdade quo nada fazer c o
mais commodo; e a propria advocacia ad-
nministrativa, colhendo inexperados proven-
tos do labors auitigos, nenhlium trabalho
tern que nao seja conseguir a abstenc.Io,
corn a qual os contracts provisorios inseun-
sivelmnente se ira'o tornando, pars o pubi-
co, effectivos.
A reseisao nao so farai, mas n6s conti-
nuaremos a esclarecer a opiuiiAo a respeito.
Por hoje, occupar-nos-henmos em discutir
a estrada de ferro da Victoria A Nativida-
de, fechando a analyse dessa fabulosaver-
ba, que tanto amrneana o Thesouro.
A estrada do fero da Victoria A Nativi-
dade, estudada e orgada por engenheires
do governor, segundo alargura da plata-
forma, ein 13 ou 15,000 contos, v elevada
a muito rnais-consta-nos-p-lo seu con-
cessiouarios, que se desviou inteiramente
dos estudos primitives, contra clausulas ex-
pressas do edital e do contract.
Essa estrada, medindo cerca de 20-0 ki-
lometros, custari a i razo de 70 coatos
cada urn, sento chelgar ao 80, como a do
Rio Verde, onde se det o escandalo de
construirem-se 14 kilometres seguidos cow
rampas de 3"[.
Qualquer, porem, qu-e seja o seu custo,
essa via-ferrea estA no caso de sem recin-
dida por inteiramente inutil. E' facil pro-
val-o.
*

A estrada da Victoria Ai NatividIade,
seja qual for o seu tram ado, terA primeiro
de atrvcssar 40 kilomectros, oudo uam ou
outro o navegavel ji attralhio a popula-
ciIo agricola, que por elles exports seus
prohtewtos. A producqbo proxima da Victo-
ria n'ro se servirA, pois da via-ferrea ;
continual a utilisar-se do transport flu-
vial, sempre mais economic. Nessoe mes-
mno raio do 40 kilonetros e que florescem
alguns nucleos colonials.
Dahi por diante, entra a via-ferres em
um pleno doserto que someate finda a 200
kilometros nalmi da Natividade. Nada ter
que trau.nsportar, nem das zonas que atra-
vessa, nean das quo lihe fiearn prnximas.
Grande part da extens'o que ella corta,
seguramente um terca na bacia do baize
rio Doce, aprosenta terrenoa aridos, sc-
L cos, ostereis, onale nenhuma cultural pod
Smedrar. Nom pars a colonisaao haverin,
i pois, a appellar, aiuda quo so quiseuo
corn o future justificar a estrada.
Do que elemnentos de trafogo diap~'i,
portanto, eisa linha que tern de iutar Oem-
, tra a navegaclo fluvial, ij eotabeleocis,
c eontra o deserto, contra a esterilidade do
urea grande zoua ?
o


Tera, porem, a estrada do ferr da Vii-
torne A Nadividade meios de bsvm4es, d'
, gando ath a verteute wodidaeal dot at 3
Doce, onde a poplagaco omb drm 1
; Nfo;porque ski, co.O 4 Id- 'tH
" encontrarai Loopohne qus bed S -A
* jar em breve .ono7001knl0 mi dinjU. .

rfas ifima, iu .ibper lfa g!,


.;' .


-.%,'
, .s


I ~L f


4 6.l .do-
















2
7

ano -* 19 :;


das do trafaw Maritime.
A estrads. de fwm do Cwaui01lLa tam-i
-bemn concornwa m a da Viitoria a Nati-
-vidade na regio povoads dorio Boc, ti-1
.rando urma linha do Muricy para o sudoes-
to ate a matta do Pecanha, que attingiri
corn percurso pouco maior quo o da sua
rival. A differenaa, 6 porem, de sobra com-
. pensada por um capital do construc9ao
muito inferior e coardiges technicas de
mais economic custeio.
Adiantada, coinme jA se aoha, chegarA pri-
moire oAquelle objective, estabelecendo corn
antecedencia parsa Caravellas a corrente
commercial, que depois serA diffisil des-
vihr.
E' patente, pois, que nao darA a mais
idsignificante renda a estrada de ferro da
Victoria a Natividade, ncm mesmo que se
prolongue per mais 200 kilometros at6 os
centres povoados.


A lei do 24 do setembro de 1873, se-
gundo a qual foi contractada a roferida via
ferrea, disp~o que nao poda o governo
conceder garantia de jurors, senno As estra-
das que, por dados estatisticos e pianos,
i estabelegam urna probabilidade de 4 0[o de
S.. renda liquidsa. Ora, pars. a de Victoria A
S Natividade chegar a esto resultado, mes-
me no case de nlo custar mais de 15,000
: contos, seria precisa unra renda brutal de
S 1,000 coutos polo menos, deduzindo 400
---contos para o custeio, a raz o do 2 contos
annautaes pa-r kilometro.
'l Como, porem, chegarA a esto resultado,
se nio puder contar corn o transport dos
products da colonia de Santa Leopoldina,
o ponto mais fertil do seu percurso, puo
S manda jA a sua tbundanto producgao de
caf, pela via fluvial?
E' claro, pois, que grand part do cus-
teio sobrecarregarA a empreza quo final
reclamal-o-ha do governor, alleganido quo
contractor a estrada na f6 de qauo ella pro
duzisse os 4 0[o exigidos por lei.


Nada do que expomes, e do que temos
sustentado no toeante As estradas de Ser-
gipe e D. Pedro I. 1 ignorado na secreta-
ria da agricutltura, e, entretanto, nao so
tracta do rescindir os contLactos, emborsa o
onus, quo elles far-io pesar sobre o The-
souro, continue a desprestigiar as nossas
emprezas de viagAe ferrea.
Mais poderosa que os interesses do Es-
tado, C a advocacia admiaistrativa, que
flbrese corn todo o sea est-ido manor.
Nas questoes de que tratamos nem pre-
cisa mais praticar ella actos de bravura;
basta-lha abstor-se. A unica a-tividade
quo sobre est e asswupto vemos desenvol-
ver-se 6 s6 a do nosso college do Jornal
do Comme-rco, que, em logar de deixar
corner o martin, de ha certo tempo iniciou
uina propaganda em favor das garantias
de jurors que durante annos tanta condem-
nara.


REVISTA DIARIA

Autoridades polielae --O capitol An-
tonio Gomes de Andrade Vasconcellos foi nomea-
do 1 supplente do delegado de Nazareth e nao de-
legado como sahio hontem publicado par equivoco.
0 delega lo do Nazareth C o tenente-coronel An
tonio Vicente da Costa Azovedo nomeado em 12
de agoato de 1881.
Por portaria da presidencia da prov;ucia de
25 do corrente, sob proposta do Dr. chefe de poli-
cia, fieou sem effeito a que exoncro. A pedido Ai
Friancisco Gomes de Abreu Vaseoncello. Ido cargo
de subdelegado de Alagoa do Carro, do term de
Nazar th, sendo exonerado o 10 supplente Primo
F-Iiciano Lopes Coutinho, e nomeado para substi-
tuil-o o cidadao Gervasio Pauline Lopes Lima.
Tribunal Ae jury "o ecifte Comple-
tando a noticia de julgamento do r6o Pedro Mi-
liano da Silveira iessa temos pars dizer : que o
Dr. promoter public conclio a sua replica As 9
horns 40 minutes da neite ; e que o advogado Dr.
Manoel Portella incetou logo a replies, concluin-
do a as 11 horas 5 minut- da noite.
Fez entAo o president do tribunal o resume dos
debates e formulou os quesitos, recolbendo se o
aonselho A salad secret As 11 horas 55 da noite,
de oude s6 regressou ao salio as 2 horas e 35 madi-
nutos da madrugada de hontem.
Em vista das respostas dadas aos quesitis, foi
o reo absolvido por10 votes, quo tantos foram os
que reeonheceram haver o reo commettido o crime
em estado de loucura transitoria.
Hontem foi julgado o reo Zeferino Jose6 de
Sant'Anna, pronunciado no art. 193 do cod. cri-
minal por ter, em 28 da abril do eorrente anno,
nos Afogados, assassinado corn urn tiro de pistol
a Jos6 Aiaherto da Luz.
Nuo havendo comparecido o 2' promoter, fune-
cionou como ad hoc o Dr. Aseenso M. de Castro
Maseareuhas, deduzindo a defeza o Dr. Luiz
Emygdio Rodrigueo Vianna. Foi eondemnado a
penasde gal6s porpetuats, appellaodo o preoideata
do jury, ex-officio pars o Tribunal da Relaslo.
S aeuldade d ie 0ilretto-Eis o reaultado
dos actoes de hontem:
20 ana
Joao Maximiano de Figueiredo, distine&Lo.
Manoel de Alenear Guimarles, plenamcnte.
Juho Jose de Brito, idem.
- Jose Lop de Carvalho Ramos, idem.
Diog Fel Pa*a, ide.
uiL-kero de Souz Santos Moreira, idem.
Joo Martins de Gouvea Lima, idem.
JokwO Baptista LitAo, idem.
mu doSoua Landim, simptesmuete.
i BuwrboE H. Cavatelnte, idem.
Sa e Moraes de Albuquerque, idem.
SAb da Costa RBaes, idem.
AfflMO de AlbUquerque Mello Junior, idem.

|A&1=3n Corte Beul, ptcaameuie.
SJee Affons LaWuaier- Godufredo Junior idem.
D14aldo do Alaeida Maia, simplesmente.
r Jos Alvaro freiwa Tinoe, idem.
'Aki~amdr !fCh Mello Ratnboea, idem.
Ifef'K1- 5-fatti.,. **.


Poix6*is~
4OM~


Beato E leuteario de Souza Castro. -
Cetano Lines Amazona Villa-Boas.
Carlos Nunes Perreira, Coimbra.
Canuto de Oliveira GuimarAes.
Christiano Frederico Martins Ribeiro..
Castor Aihetano de Souza Laeerda.
Clemente Ferreira da Silva. --
Carlos Adour.
Cesar de Vasconcellos.
Demosthenes de Olnda Carvalho do Albuquer-
que.
Edigardo Cirne Lima.
Mesa* elleltoraes Tiveram ligar hontem,
n- s parochias de male de urma secao, as eloioes
das respectivas mesas eleitoracs, come preceitua a
lei.
As diversas mesa. que teem de piesidir a elei-
eAo do 10 de dezembro, ficaram assim formadas
nessas parochial.
PAROCRIA DE SANTO ANTONIO
la secoo-Camara Municipal
Presidente- Capitao Jos6 Rufine Climaco da
Silva.
Mfesarios-Jos6 de Oliveira Mello, Aleides Ful-
gencio Barata de Almeida, Manoel Jfiuario de
Arruda e major Antonio Bernardo Quinteiro.
2a secCqdo-Escola Modelo -
Presidente- Dr. Manoel Francisco do Rego
Barros.
Mesarios-Manoel Bernardino de Salles Mene-
zes, Joaquim Jose Ferreira Guimaraces, Joaquim
Jos6 de Abreu e Flavio Gonialvcs Lima.
3a secao
Presidente-Dr. Manoel Jos6 Pereira de Mello.
Mezarios-Capitio Francisco de Souza Rego
Monteiro, Francisco da Silva Miranda, Vicente da
Silva Leal & Joao Ferreira Loureiro.
I'AROCHIA DE S. JOSEi
la secdo-Matriz
Presidente--Antonio Samico de Lyra Mello.
AMesarios--Aprigio Jons da Silva, Joao Carolino
do Nascimento, Agostinho Bezerra da SiIva Ca-
valcante e Joaquim Texeira Bastos.
2' seceao--Martyrios
Presidente-Capitao Faustino Jose da Fonseca.
Mlesirios-Pedro Jos6 Correia, Joaquimn Eusta-
quio das Neves, Antonio Presciliano de Barros
Marinho. e Joilo Gervasio da Cunha Pern6.
3a secao-S. Jose de Riba-Mar
President -Clementino dos Santos Lineu Se-
mente.
Mesarios-Francisco Joaquim Pereira da Costa,
Sebasti-o Muniz Basilio Pyrro, Manoel Diogo
Chaves c Jos6 Daciano Vieira de Amorim.
SEGUNDO DISTRICT )
PAROCuIA DA BOA-VISTA
1' secjo--Assembl6a
Presdente-Dr. Manoel da Silva Rego.
Mesartos-Joao Carlos Cavalcante de Albuquer-
que, Carlos Augusto Lins de Souza, Jos6 Rodo-
piano dos Santos e Jos6 Antunes Ferreira.
2a seceio-Matriz
Presidente-Elysio Alberto Silveira.
Mesarios-Major Joao Francisco Autunes, Jo-
ronymo Jose Ferreira, capitio Hermino Egidio
de Figuiiredo e Alolph) Targino Acioli.
3-1 seccdo-Santa Cruz
Prcsideafe-Dr. Jefferson Mirabeau de Azevedo


Shares.
Mesarios- Manool Ugolino Pereira Giraldes,
Francisco Joao de Barros Junior, Jose Francisco
Bittencourt e Francisco de Assis Silva Caval-
canto.
4a seccdo-S. Goncalo
rrelidete--Dr. Manoel Joaquim Silveira
Mesarios-Julio Cesar Cavalcante de Albuquer-
que, eapitlo Herculano Silveira Bessoni. Dr. Ma-
noel Barbosa de Araujo e Antonio Juvino da
Fonseca.
5' secvao-Sohldade
Presidente-Dr. Jose Jacintho Borges Diniz.
Mesarios Dr. Joio Eeliciano da Matta e Al-
buquerque, tenente-coronel Jose6 Gomines Leal, Luiz
Walfrido de Carvalho e Joao Antonio 'ionteiro.
PAROCINA DA. GRA4A
la secfto Matrix
Presidente-Manoel Antonio Ferreira Gomes.
Mearios- Francisco Bellarmino dos Santos
Froitas, Custodio Moreira Dias, Regino Fenrreira
de Carvalho e Clarindo Ferreira Catao.
2a sec&o Joio de Barros
Presidente-Dr. Jos6 Francisco Ribeiro Ma-
chado.
Mesarios-Antonio Augusto da Frots Menezes,
Caetano Quintino Galhardo, Francisco Furtado de
Mendonca e Antonio Austricliano de Moraes de
Mesquita Pimentel.
teunifesm soeiaem,.-Hoje )a a seguinte:
Do lab Carlos Gomes, As horns da noite, do
Conselho Adminmstrativo.
S- AmanuhA ha as seguintes :
Da Irmandade de Nossa Senhora do Rosario da
Boa-Vista, As 10 horas, no respective consistorio,
para eleiito.
Da Celestial Confraria da Santissima Trinda-
de, As 10 horas, no eonvento de S. Francisco, para
eleiea.
Do Monte-Pio Portuguer, As 11 boras, em As-
sembl4a geral, na reapectiva s de.
Da lrmandade de SS. Chrispim e Chrispinzano,
as 10 hioras, no eonvento do Carmo, para eclei-
ao.


Salgueiro-Escrevem nos em 15 do cor-
rente:
,, Depois da nossa altima missiva de 4 de outu-
bro, quasi nada ha occorrido per aqui digno de
meusao. Commeou 1no dia 31 do mez findo e ter
minou as domingo 2 do correate, em nossa matriz
o triduo em commemnoracAo do Naacimento da Ex-
cclsa Rainha dos Ceos. Houve extraordinaria con-
eurrencia de fieis, que, ao chamado de seu zeloao
e ineaneavel pastor, pressurosos aflnuiram ao ternm-
plo para, hoarando a Virgem das Virgeas, ga-
nharem as graas e indulgencias promettidas pelo
Santo Padre Leao XIII.
S Durante os trees dias houveram muitas con-
fissees, trabalho A que se submettia diariameato e
at6 alta noite, o dito pastor, qne sempre corn a me-
Ihor vontade o executa, nao se cangando de cha.-
mar, do pulpit, que assiduamente frequeuta, ao
cunmprimento dos deveres oa seus paroehianos.
SEspera. se haver misses aqui em dexembro
indouro, ao tempo em que passar chrismando o
noses inclyto arcipreste, Rvd. vigario de Cabrobd,
exuimio missionario deste e do sertues do CerA
w Coasta-ncs que per occasiao das avaliuaos
do inventario a que se esti proeedendo em Leo-
poldina dos bens que deixou o capito Arajt,
foram libertados os escravos ManUoel e Magdalena,
pertencentes ao acervo. Parn isto eoncorreram
os advogados tenentea-coroneis Bellarmino e Cor-
reia da Crus, digno socio secretano da nossa
Emancipadora.
STeve lugar no dia 13 deste mec a 2a e ultima
seusao do jury deste termo que foi presidida pelo
Dr. Miguel Gonalves LimA, digno juiz .de direito
da comarca.
a Sendo subuettido a julgamento Agostino
Tavares da Silva, unico rho pRO ronnciado
no att. 205 do eodigo criminal, fo i unanemmte
absolvido. Ocupu a cadeira d' jUstis o to-
nente coronet Antonio Gomes Correis da Crn.,
noss intelligete dig promoter, a s defe
o Dr. Migul PeruMabco, candidate wyGeral, q
i sportram dous dis antesA do jury, em excup-
Setoeral r oate 1go 3 sieto.
w S. uEx. tea giios ui bo ac pouto de so"
nao06 o aia itfM~iwmf' lff 0^


fayu s, Buw 9 purcMf -, 498





vEr" qureres o -0 u a poeuerImudca
a m & E easi euhMsubtonb a aaphod no meio,
deo7 ea iasoasohrda dIomeio. i
s sum U autro bsrao aoma vinvas e8 filhos con
ttatotMMtedo o-~ilxj'Q* Bfcm *a on-

0, des- tga


l MN Itm a e 4rsniR a a r paMv- a; em,
uainta t6beo w4diift h u ,e mmai 428
pwdftM d uqafww bow wm erz. r* manm de 12




aorn
*; th ia ~attHo< veis quarteernea, o ar mat penetra. Immundicias
diante da sas e sobre as escadat padres. 3a-
nellas sem viros cobertas de poeirmat. Hme de
perpetga. Solo s oberto de lama. Cheirosa ui-
seabundos.
Centenas de millards do pessoas viveM a & -
,,s sobre o0 outros oomo no casebres sdo ipto
len, corn net& cireumstancia aggravante quoegci -
ma inglez 6 nebuloso, humido,*e torna mais a ri-
veis aquelles ninhos de ratos. qa
., Por mais de uma vez se tem levatad. uam
grito de horror vista de umr mal tso extemdo e
to vergonhioso para uma naiao poderosa e 4quis-
aims como a ingleza. 9
A tal respeito se teom discutido c esdmripto
muito.
s Ha mai de quareonta annas que o pariauepto
inglez a e occupa desnta question sem adoptr-s6 as
necessarias e energicas medifla s.
0 sete a sacramelontos Io r heumuaitie-
mao-Na verdade o rheurainato iio um livo que
so imprinme em muitas edice'tc, augtentadas mais
vezum do quo melhoradas, c (-ol teve o prilneiro
ataque de gotta ou do rlicunin-tisma muscular ou
articular pode contar corn outros e defeider-so
delles corn todas as foruas. I
A cansa essencial, antens ataque rheurnatico
(do qualquer natureza que seja) 6 sempre umr ex-
cesso de acido urico no Sangue; a causa proxima,
occasional, 6 um abaixamento da temperature,
uma molhadella dos pes, uin golpe d'ar; pela got-
ti, pois, mais especialmente urn excosso do comi-
da, uma aria on um hymno muito caloroso A Ve-
nus vencedora.
Conhecidas as causes, estanmog no momerto pre-
ciso parsa combater os sous effeitos e o pozta latino
j A ha nmuitos sceulos que o disse :


SFelix qui p id -reru m cogaos cere causes.
0 exame da consciencia rheumatic 6 muito
facil. *
Ser filho do genitores que teem soffi-ido do got-
ta, d'arthrite, de rheumrnatismo, de pedra da bexi-
ga ou de calculos ur'eos.
Ter urma extraordinaria facilidade de soffrer de
does musculares ou aiticulares aos mais insigni-
ficantes desequilibrios atmosphercos.
Ter uma grande intolerancia para os banhos
fries.
Ver freq'ientemcntc as urinas turbidas e comn
mais espeeialidade corn sedimentos luzentes, gra-
nulosos e crystallinos.
Qunem poise ja teve o baptismo do fogo rhcuma-
tico p6de ter a certeza de que seguira toda a series
dos outros sacramentos rheumaticos. Ter. a con-
firnmagao da recahida, deverA fazer a confissdo do
ter no corpo a diathese rheumatic, fara a commit
nhdo com at d6res, o matrimonio indissoluvel corn
o acido urico, as ordens sacras corn a incarnaibo
perpetua do rheumatismo. Monas mdil so nao ti-
ver tambem a extrema unc;ao.
Este, porem, 6 o lade mais feio da meoalha.
Estamos no mundo parsa soffrer, diz o Evange-
Iho, e o repetem os padres do pessimism diaria
mente ; mas temos contra esta sentenca tambem o
beneficio do inventario, que se explica corn a
sciencia c corn a arte. Graqas a Deus nio esta-
mos mais no tempo do Cullen, quando dizia que
contra a gotta nao conhecia outros remedies so-
nao estes: d e paciewia.
Impede-so ou modera-se a excessive forma.ao
do acido urico deixando-se de comer muito e ten-
do urma vida activissima. Facilita-se a eliminacao
do supradito, mantendo vigorosa a acao da pollo
e dos rins.
LelleM-Effeetuar-se-hlo :
Hoje :
Pe'o agent Britto, as 101/2 horas, A rua Direi-
ta n. 36, de miudesas, etc., etc.
Terca-feira :
Peelo agent Britto, as 101/2 horas, da padaria
A rua dos Pescadores n. 1.
Mlisan funebre --Serlo celebraas :
-Jeoje:
A's 8 horas. na igreja do Espirito Santo, por
alma de D. Maria Mathilde Teixeira da Silva, As
8 horas na matriz da Boa-Vista, per alma do ca-
pitao Satyro de Bastos Mello; as 7 horas, no Ter-
Vo, por alma de Francisco Sergio Pereira.
Segunda-feira :
A's 7 horas, no convento de S. Francisco, por
alma de Senhotinha Candida Guedes de Araujo ;
As 8 horas, na matriz da Boa-Vista, par alm% do
Jos6 Lauriano Tavares Cordeiro; As 8 horas, na
matriz de PAk d'Alho, or alma de D. Rita Fran-
cisea de Pnula Cavalcante; As 6 horas, na igreja
da Conceigao dos Mihtares, per alma de D. Rita
Francisca de Paula Cavaleante.
--Terca-feira : ^; :
A's 7 horas, na igreja da Seledade, por alma
de D. Joaquina Candida Ferreira Pinto.
Operacao cirurgica Foi praticada no
hospital Pedro II, no dia 27 de novembro a seguin-
te :
Polo Dr. Pontual:
Hydroeole pels pun*io e inje*,o iodada.
Loteria da p vrovicia-Quarta-feira 3
de dezembro, se extrahira a loteria n. 91 em be-
neficio da Santa Casa de Misericordia do Recifo,
polo novo piano approvado, no consistorio da igreja
de Nossa Senhora da Conceigio dos Militares, onde
se acharuo expostas as urnas e as espheras arru-
madas em ordem numerica a apreciaqio do pu-
blico.
3a grande loterla da corte de......
*O(G1 4iOOtO4-Com novo piano muito van-
tajoso.
Acham--se A venda A Casa da Fortune, A rua
do Creipo n. 23, os bithetes dostaloteria.
.Grande loteria da corte-Esta grande
loteria, cujo preraio grade 6 de 500:000000,
serial extrahidsa trevemente.
Os bilhetes acham-se A venda na Casa Feliz, A
praca da Independeneir. es. 37 o 39.
Loteria de SO 30OO OO -A loteria 165
s6rie A, do Rio de Janeiro, cujo piano foi mui-
to melhorado, corre hoje 29 de novembro.
Bilhetes A venda na Casa Feliz A praea da In-
dependencia us. 37 e 39.
leoemrta-A de n. I65 A, do R de Janeiro
u. S0:000r000 seaA extraidda hoje 29 de no-
vembro.
Bilhete. A venda na Caa da .Fortuna, rua s'
de Marco n. 23.
JLanenla de 409>00.W-Edta gran-
de lotoria do Rio de Juneiro, sA extrahidasodus
5-de janeiro poxwmo vindauro.
B~ilbetesa Tenda uOse 96eliz pafcajhdaln-
depemdeneia B.1fe 39. -
Qtrauie limterla de NItVIerwy-t I.-
tori., eujo prorni. granite 4 d. 4O0-006)
extrahida no dia 5 dejaneiro prozfvialB
Bilketes A venda na Casa da Wortaa, i rua lo
de Maneu. 8.
)c granin loferl da Wpftrft -Es-
ta loteria, enjo capital 6 de 2,000:000^00, divri-
d! em 4 s-rteice, sondo 100G000^00O os premios
ieaazore doe eada-a~e~e,s.aio~exraia ap, di 10 do
janeiro proxiuso vindeuro.
-Bilhoto-A as~ usia Ceaia d Fortuna. Aia L* 1


do Mam o n. 28. j

moviaM449 desot eoabeleemeass~ no 4k,,,1' 7 de|


nga pars c


Eii Mia ispo-
Ia no Matadouro
uno no dia 29 do


nag


tica-
Do Brejo-Appellante Vicente Ferreira da Cos-
ta Tenorio, appellada a justia.
Do Pianc6-Appellante Joaquim Thomaz Perci-
ra, appellada a justice.
Embargo infringentes
Do Bonito-Embargante Jose Luiz Sabmino, em-
bargado Joao Caneio de Mello.
Do Sr. conselheiro Queiroz Barros ao Sr. des-
embargador Buarque Lima :
Appellaco civel
De Jaboatao-AppeUllante Porfirio Mendes Mon-
teiro, appellados es libertos Aleixo, Gon^alo, Pla-.
cido e outros.
Do Sr. desembargador Buarque Lima so Sr.
deaembargador Toscano Barreto :
Appellaao commercial
Do Recife-Appellante Ludovico Gomes de Sa,
appellado Silvino Saeerdote Mendes de Azevedo.
Appellaao crime
Da Parahyba-Appellante Jobo Browman, ap-
pellada a justica.
Do Sr. desembargador Toscano Barreto ao Sr.
desembargador Oliveira Maciel.
Appellag5es civeis
De Palmares-Appellante Laurentino Ferreira
de Oliveira Callado, appellado Bellarmino Anto-
nio Soares da Fonseca.
De Iguarssi-Appellantea Jeronymo Leitao
da Costs Machado e outro, appellados D. Maria
Brilhante da Silveira Pinto e outros.
AppelIa crime
Do Recife Appellantes Francisco Barboss
Moateimo e Jose Francisco de Oliveira, appellada
a justica. -
0 kSr. dmembargador Oliveira Maciel mandou
a mesa pars providenciar sobre a
Aggravo do instrumento
Do Pdras do Fogo-Aggravante AmaroFran
es PaoeirsW aggravados Vietorino CGomes da
lsva e outros.




DIIAGENCIAB ,
DoSr. sao Sr. onseir heireo promotor da jus-
t#wtuigador Piles Gonerv es
Appellci civet


De Pahae-Appe&1ante Fro Januaric dosi
IPontwua4011040l teia aj, appelladod C-

DILIGENCIAS .eItC
Corm vista ao Sr. conseeheiro promoter da jus-
tifa :4
Appelacoes crimes
Do Pocbal-AppeHaoteEstevlo januario dos
$*us fe Apes,:V a a jus a o jmz appellados

P,610 vst% 1w MUMWtr.


wrenteP 7 ui Lreaze.
S ania e De n ae, o.-Movi.meto doa pre-
*- n dia 27 de nov*. o m:
B*ltiam press 378, amtram 4 sahiram6,
dai 18376.
-JIf saber:
-eionaes 8351, mulbw* 4 eslagefitv, 13,
Swo 8.Tot8- 876.
Awamados 362, osaft : bfts 349, doenms 13.
SMovimento da efferaw :
i t baixa: _
04Wei Evangelista dos Santos.



CHRONICA JUDICIARIA
Tulbum& da R e"s:is
SESSAO ORDINARIA EM 28 DE NOVEMBRO
DE 1884 "
PRESIDENCIA DO EXM. SR.* CONSELHEIRO
QUINTINO DE MIRANDA
Secretario Dr. Virgilio Coelho.
As horas do costume presents os Srs. desem-
bargadores em numero legal, foi aberta a sessao,
depois de lida e approvada a acta da antecedente.
Distribuidos e passados os feitos deram-se os
seguintes
JULGAMENTOS
Habes corpus
Pacientcs :
Praxedes Rodrigues. Poreira.--Negou-se a sol-
tura, unanimemente.
JJuvencio Cosine do Nascimento.-Incdeferio-se a
peti9ao, unanimemeate.
Aggravos de petigio
Do juizo do coinmereio--Aggravaute Victorino
Domingos Alves Maia, aggravada a iwassa f:alli-
da de Moura & C. Relator o Sr. c3nselheiro Frei-
tas Henriqu3s. Adjuatos os Srsi. desemnbargado-
res Alves Itibeiro e oonselheiro Queiroz Barros.-
Negoa-se provimento ao aggravo, uanimernente.
Do juizo do commereio-Aggravante Dr. Carlos
Bittencourt, aggravado o juizo. Rdlator o Sr.
conselheiro Queiroz Barros. Adjuntos os Srs.
desembargadorcs Toscano Barreto e Alves Ribei-
ro.-Negou-se provimento ao aggravo, unauimc-
moute.
Appellacs crimes
De Goyannai-Appellanto o juizo, appellados
Joapuim Jose do Sant'Anna e Francisco Pereira
da N eiga. Relatcr o Sr. dscinbargad, r Oliveira
Maciel.- Maudou so a novo julgainento o reo
Francisco Pereira da Veiga, uuanimement-.
Do S. Joyio da Parahyba-Appellaute o juizo,
appellados Jose Dias de Almneida Piuto e outros.
Relator o Sr. desembargador Toscano Blrreto.
-Mandou-se a novo jury, unanimemiente.
Appellahi5os civeis
Do Recife-Appellantes a junta administrative
da Santa Casa do Misericordia e o eommnendador
Jolo Jos6 de Ainorim, appellados Luiz Maria de
Oliveira e outros. Relator o *Sr. desembargador
Toscano Bareto. Revisorcs os Srs. desembarga-
dores Oliveira Maciel e Pires Ferreira.-Convcr-
teu-se o julgamento emrn diligencia.
De Born Jardim-Appellante Antonio Fralncis-
co do Arruala, appellado Jolo Antonio Pereira de
Moraes. Relator o Sr. desembairgador Pircs Gna-
9alves. Revisores os Srs. deseuibargadrr1s Al-
ves Ribeiro e couselheioa Fraitas Henriques.-
Annullou-se o process da seateuga em diaute,
unanimementc.
Appellaqies commercials
De Palmares-Appellante Dativo Antunos Cor-
reia, appellados Jose Pereira de Carvalho & C.
Relator o Sr. desembargador Toseano Barrreto.
Revisores os Srs. desembargadores Oliveira MA-
ciel e Pires Ferreira.--onfirmou-se a eenteua,
unanimemente.
Do Catol6 do Rocha-Ap'pellantes Loyo Sobri-
nho & C., appellado Francisco Hermenegildo Maia
de Vasconcellos. R.lator o Sr. desembargador
Toscano Barreto. Reviscres os Srs. desernbar-
gadores Oliveira Macciel e Pires Ferreira. Fo-
ram desprezados os embargos, unanimemente.
Assignou-se dia parsa julgamento dos seguintes
feitos :
Appella3Zes civeis
Do Recife-Appellante D. Candida Maria Be-
zerra Cavalcante, appellado Antonio Jose de
Souza.
Da Escada Appellante a Jwzeada national,
appelladoAntero Joaquim d os -
DoRecife-Appellante o juizo, appellado Urn-'
belino de Souza Leao.
Do Recite-Appellante Jose Pinto da Cuanha,
appellada a massa de Marques da Silva & C.
PASSAGENS
Do Sr. conselheiro Freitas Henriques ao Sr.
conselheiro Araujo Jorgo :
Appellaco civel
De Mamanguape-Appellante Joao Rodoipho
Chan & C., appellado Antonio Francisco Cerga.
0 Sr. conselheiro Araujo Jorge como procurador
da cor6a e promoter da justice deu parecer nos
seguimtos feitos :
Appellates crimes
Do Baique Appellantes o promoter e o reo
Manoel Joaquim de Sant'Anna, appellada a jus-


meu de Araujo Lima, Eduardo da Silva Avilla e
Dtnamerico lrasileiro Augusto. Como pedem,
Sdpoi de satisfeito o parecer fiscal.
N havendo mais nada a despachar, o Ilm. Sr.
eommendador president encerrou a. sessa'o As 11
e 1/2 boras da manha.


IIDICA OES UTEIS

Medieon
Lonsultsrio medieo-eirurgico do Dr
Pedro de Attahyde Lobo Moscozo a
rua da Gloria u. 39.
0 doutor Moscozo da consultas todos os
dias uteis, das 7 As 10 horas da manhi.
Este consultorio offerece a commodida-
de de poder cada doente ser ouvido e exa-
minado, sem ser presenciado por outro
Do meio dia as 3 horas da tarde serA o
Dr. Moscozo encontrado no torrelo A pra-
ga do Commercio, onde funcciona a mns-
pecco de saude do porto. Para qualquer
d'estes dous pontos poderlo ser dirigidos
os chamados por carta nas indicadas horas.
Dr, Leonardo do Albuquerque Caval-
cante, medico o laureado da Faculdade de
Paris, p6de ser procurado em sen consulto-
rio a rua do Imperador n. 44, das 11 As
3 horas. Residencia provisoria-Alto da
Misoricordia.
Dr. Barretto Sampaio, de volta de sua
viagem aQ CearA, dA consultas de 1 As 4
horse da tard e na rua do Bareao da Victo-
4i a. 45, 2.0 andar; residencia, ruia de
Biachuelo n. 17, canto da rua don Pires.
Advoado
Dr, MJEt. 1 promotor publido da ca-
ptaI tern sent eseriptorio de advocacia, A rua
SoWcceso n. 18, onde pode ser procurado
pr os wistares de sus profisslo.

Dr. Barreto Sampaio, consultas de 1 &8
4 horse da tarde, na r" do Bar-o da
Victoria n. 46, 2.' andar, resideuci*, *r,
in Rbwhuelo a. 17, cato da rua dos Phr*.
-0OWrd a C.
Refe: rua do Mwque de Olinda n.
l6; Sauto Anonio, a Priuwro de Mar-




. -3,; a fmnaitos,- LjvrOa-j :?BJC.
A dou tria unico deposit da n
dia 6 b fteni, puia os de mo de


.a Ye imaag.ape-A 0juizo, appella.
do ManoeI Gongalves do seimento.
Ao Sr. desembargador Buarque Lima:
Re Campia Grande-Appellante o juizo, ap-
pellado Firmmino.
Ao Sr. desembargador Toscano Barreto:
Da Assembla-ApplAinte Alewandre de Frei-
tas dos Santos, appellada a justia.
Ao Sr. desembsagador Oliveira Maiel :
Da Independeuia-Appellarte o juizo, appel-
lads Maria Alexandrinas ,do Amor Divine.
Ao Sr. deaembargador Pires Ptrreira:
Da Independeoaeta-Appellante o juizo, appel-
lade Ernest o Pinto de Carvalho.
Ao Sr. deembftgador PfIres Gonealves :
De Olinda-Appelltaute o promoter public, ap.
pellado Jobo Evangelista de Sant'Anna.
Eneerrou-se a sessio as 2 horas da tarde.

Junta Commerelal da cidade do
Recife
ACTA DA SESS,0 DE 27 DE NOVEMIBRO
DE 1884
PRESIDENCIA DO ILLM. SR. COMMENDADOR ANTONIO
GOES DE MIRANDA LEAL
Secretario, Dr. Julio Guimaries
A's 10 horas da manhla declarou-se aberta a
sessio, estando presents os Srs. deputados, Oline
to Bastos, e commendadores Lopes Machado -
Pinto e supplente Hermino do Figueiredo.
Lida, foi approvada a acta da session antece-
dente.
Fez-se a leitura do seguinte
EXPEDIEtNTE
Officios :
De 30 de outubro, do presidents da Junta Com-
mercial do Porto Alegre, communicando que re-
nunciou o resto da iicen.a corn que se achava.-
Accuse-se-a rccepcao c archive-se.
De 22 do corrente, da Junta dos Corretores
deswa praca, remettendo o boletim das cotauScs
offiiaes de 15 a 22.-Archive-se.
Diarios officials dons. 312 a 316-Sejam archi-
vaclos.
Foram d;..jribuidos -I rubrica os seguintcs li-
vros :
Copiadores de cartas de Vaz & Leal e de An-
drade, Maia & C., e diaries da compauhia de segui-
ros Phenix Pernambucana.
DESPi-CuOS
PeticSes:
Do Pedro Emilio Roberto), para quc se dU balxa
no registro da niomeca~io de sen ex-caixeiro Fr:I
ciseo Arthur dc Mendunmaa.-Deferida.
Do mnesmo, parsa que se reg-istre a nomnea^'io de
son caixeiro Alfredo Eduardo Duprat. Regis-
tre-se.
I)- Moreira Lgpes, Irnnios, baixa no registry
da iuoneaaio de seu fillocido caixeir) A.lolpho
Ferreira Baltar.-Com) )eJem.
Da vmuva Gonialves & Tecixeira, para quo so
archive o unieo exemplar que apresentarn do dis-
trato da dita firmna, pelo qu:atl fia a social I). Ma-
ria Rosa Pinto Gon9alve de posse do activo e do
estabeleeimento e obrigada pelo passive da ex -
tincta sociedade, (que sob dita firmna tivera coin
Joaquim Fcllppe Teixeira.-Archive-se, na fmina
da lei.
Do D. Maria Rosa Plinto Gonralves, p:ara q(ine
ae fana nota no registro da maarca n. 98, Primneiro
Amor, que pela extincao dlt firm Viuva Gomual-
ves & Teixeira, fica-lhe pertenconlo ditax marca.-
Como requer.
Da Antonio do Rego Netto, parsa que se facam
as competentes annotae5cs n% cartsa do registro
do hiate Adelina dos Anjos, por tel-o comprado a
Balthazar de Moura o Silva. Prestado o j ura-
mento e responsabilisado nos preoisos terinos do
art. 463 do Codigo Commercial, facam-se as res-
pectivas annotaqSas.
De Pedro Jos6 Pinto, apresentando a registro
a nova fiansa que prestAra para continuar a exer-
cer o officeio do corretor geral d'esta praca. Dc-
ferida. Nao tomtu part na votaiLo o Sr. depu-
tado Olinto.
Do Browns & C., corn escriptorio de commis
s5es e consignaSes n'esta praca, para que se rc-
gistre a marca das mercadorias que importam e
vendem per conta de scus eommitteutes, tendo por
emblems urn leao. Indeferida, porque a mares,
eujo registro se pede, nao contem declaracbo al-
guma que indique ser para o commercio dos sup-
plicantes n'esta praca.
De Manoel do Nascimento Cesar Burlamaqui,
agent de leiloes d'esta praca, solicitands 6 mezes
de license para ausentar-se d'esta provincia por
molestia de pessoa de "sua familia, lem comno a
approvacao de seu preposto Jose Augnsto Rodri-
gues.--Passe*se a portasia na f6rma requerida, e
registre-se a nomeacao depois de apresentar a cer-
tidao que demonstre ner domiciliado ha mais de
um anno n'esta praca o preposto nomeado.
1.De B. A. Soares Leite, para que se de. bauxa no
registro da nomeaeibo de seu ex-eaixeiro Jose
Maria da Costa Carvalho.-Spja registrada.
Do mesaso, para que se registre a nomeacabo de
sen caixeiro Pedro Chaeon.-Como requer.
De J. C. Levy & C., para que se registry a no-
meacao de seun caixeiros Aetonio Salgado de Al-
buquerque Maranhulo e Joaquim Pereira Rego, e
baixa na de seas ex-caixeiros Antonio Bartholo-


n6s, ensarilhaudo as armas de combat, a noss.i
humilde penna, que nunea foi estyllete, que jam i,
toi envenenada palos acids ferinos do odlio new
das paix5es, vamos repousar par algum temno.
aguardando tranquillos o julgameant final dos
juizes que assistiram commovidos a pagua, asse-
verando de aute-mlo que, qaalquar quo seja o seu
veredictum, recebel-o-hemos corm) a express 8 sin-
cera da consciencia nacioaal, e ;i elle nas curva-
remos como reverentea a'leptos dos mandamentos
da opiniao publiea.
0 que cumpre 6 que todos, gregos e troyanoi,
attenienses e spartanos, conservadores e liberases.
abolicionistas e emancipadores :; todos, sm dis
crepancia de ninguemn, procedamos da mesmo f6r-
ma, nio s6 durante o pleito, mas tambem apos
*lie ; porque, so por umn lado u am crime de le t-
patriotismo perturbar o anda.nento do process
eleitoral, assim procurando annullar qualqaer par-
to, qnalquer fraccao da opiniUo public, par outro
lado sera grandemente censuravel tirar qualqaer
desvaneeimento extremno de qualquer victoria para
ir offender os melindres dos vencidos no campo dai
bataiha do escrutinio, onde os que cahem cobrem.
se de tanta gloria, como os uue ficam do p6.
Se, outr'ora, takes praticas achavam a mais se:
vera repulsa por part de todos os espiritos sloe.
que lamentavam as seenas de selvagismo n'umpWaik
civilisado ; hoje, que a nova lei eleitanr prooum
nobilitar o suffragio e erguer o nivel da ,rrb% -
tagio national, essas praticas, mais uo quo aawa,
nuo podem achar acoihimento nos bonds coraus, e
devem ser de todo banidas, pars que nem seqer
possam adejar em torno do povo lrasileiro, e ma-
xim6 em torno do povo pernambacao, scaso de
suas glorias, o lab6o de b rbav-, qu ame daVida
nos atiraro os povos civilisMadols, ae em tam ewam-
bates nunesa prega semao as armas da =1 r
a palvra e a peanas.
Sejam, pois, calemos tods oa interesadas no plei
to; calmos durante o procaso eleitorsA, elmaoe
depois de conhecido o sea resultedo. Vai W Mi
interesse de todos, per que e a cams phlui 9pe
o exige; vai nisso o interests de doda ua, porq
ninguem p6de lucrar e todos perdem amS oa pr-
tqrbace da ordem, sempre damnom iber-
dade.
Quem for venucido, asiga o exemApl d Sa Wi
lhoueasa dos grandes eatados: M M .. -.
seas lames parza coller foregsa no IBp s inot
doa de i e da sociedade; &a .;f o Bi9M OWWi-
do 6 balid& no parismenb diSmi.N 11S8 U
sig depois do gaors d. CAmR#. y I O bS
-cieneis(U vNA e *A MANVON


Bougaayrol Frerw "Odwml^J^,
Cars. Neste eatsli ji
e0
todos os moedicamentomsl
grande e offatnads .cam ewL 0
granules dosimetricos de BUArggrawS A
especialidad pharmacea i da Ersad
e da A w y, Ph veodadeiro aar,
dgas, ct iai o, tui .Mhin
ceis, es Productos epecams da
flora brasilWra e toda qualidade de fmds.
Hjeabe seompre va&ina frs e a boa. bR
pa Cruz n. 22, Recife.
Pereira& C., eontint alaugaervaow
parm ch, ejantaresetai~s de petal fiao,
trinohantes, copes, c.Jiees, ,garrafas, M .
poteiras, jarros, globos, Janternus, ar,
toalhas, guardanapos, toaI de labynth.
para baptisados, espelhos, bandejas de me-
tal branco para ch, meza elastic e de fer-
radura e outros muitos artigos par casa-
mentos, baptisados, bailes, festas do igreja
e etc., per pregos commodos na ruaS Nova
n. 39, 1.0 andar.



COMMUNICIDOS

0 Pleilo Eleiloral
SApenas 48 hloras nios separam do I." de dezeim-
bro, dia em que, pela boccL das urnas eleitoraes,
ha-de sahir a palavra prdila pela Cort ao pai:
no tocantC a questao scrvil.
Essa palavra, quo tern de iinpriinir dircceAo as
negocios publicos cm gcral. pois que ella p<,f(- (
dove ter a forea de dirigir a po'.itica, p,;iL e de<
ter o powder de soerguer lheurauns e ihkas 'is alttras
da govcrna;iao db Estado ; cssa palavra ni9 con
vem que( saia do coraIo do povo que vota sen!
comro una afiirmna(,1o d )eu valor m)ral. siIU
comno a expressao sileara di.1 s atliros (1- ho1n 11'
livres c conszie;'io is, p ii 1).i:m acimm il tutl I
sun dediaeaAo A patriI.
N6s, que temos pelhj.idI iiC-Its arrLia,, i.; ,.
cselarircr 03 qplc, abs, rv i, I) plo trab'ilri i,
v;IJa vegetativ\;., d-lpui' de pi ;r > .izer.- j,'
estaular as cgusa publicas : ,s, qw. tlea ;n .i;-
retado p-u-a demonstrar, e t .-j a aea ,:vi(( '
haver evidencialo quo t .),las as coudiy;esI da nos0- i
sociedade, tauto as ecoaoinicat cjio as litia
taito as morals como as phIysicts, imnwm-l, ,
ever de ser cautelosos na soliiAo d ]pr.biutm
servile : sentin)-uos calnos, s-'iitimnj-nos trai-
q illos e conliantes no suffragio p umlar. (e *--
peramcs que a voz daa urnis proclairn ;:,.-
ventos da terra os homes dis 0nossJ amnigo., ,1,w.
no seio do p)irlaiento national, ir:o pugnar pe!
boa causa -a da manuten:io da ordemn em to l.-
as rela(;cs do Estad. e I ada liberdade em todi.-
as suas manifesta6cs coustitucioLaes.
Essa nossa canvicqio, ,sue se apoia no cu.b ,
ineuto adquirido na conviveneia dos homes e n1,
concerto lisongeiro que formamos do corpo eleito-
ral, nao deixara, de certo, de tornar- se uma c.s-
plaudida realidade, ser embargo do quanto o.:-
adverse se ten opposto Ais nossas explhmaes po-
liticas, aos nossos concertos em refercncia aos as
sumptos de polemnica que debatemos. gracas aoj
C6o, sem offender a ningunem, e at, concluin to i
discussao corn os mais valentes e briosos dos un~
sos contendores, sem que nos ficassem, ner a ell,'-.
resabios de olios, scmpre lamcntaveis nas luta, li
palavra escriota.
Tudo quanto humiuna e histsricaineate era pos
sivel addazir, cada qual de sen lado, Tpem, ar-
arguindo, que:n defendenlo ; queon aticando,
quem resistindo ; tado foi trazidcl a luz da ih
prensa para illustrar on leitorcs, para eaclareeer ,
eleitorado, pars desvauecer erros. pars desassoin-
brar consciencias, para, em um'n palavra, preparar
todos os espiritos pr.ra o grande pleito do 1.' ,i,'
dezembro, do qual depended a mereha do paiz pela
estrada serena e recta do progress reflectido. es-
trada em cujo extremo so acha a terra promettihla
da liberdade no seio nutriente da ordem.
A nossa mtssio esta, portanto, cumprida : e





















-LDa.'iNpar pe iusultar oave oquoanodia,
akna p& e ovecdoe pow -an. vex pra-
Illcar outro kto- ?Iste'dea cooaplet~aaente
dus 'lois dl.a e4Aimplica eam as formulas ia oW-
ciediades'civilisgdaa e sobr-tudo danuneia. -em
quem-o pratica atimentos via, quoe o rebaixam e
annuUlam a sue victoria.
N.io, qualquer que seja o veneido, nao o offen-
damoe com ruidteas fiestas, e menos dirijamos-lhii,
iasltos, geradores de represalias. Su!amos calmos
as victoria, como devemos ser resignados e pru
dontes na derrota, por que assim nos ennobrecere-
mos e respeitaremos A todos, simultancamente hon-
rando a cause por que pugnamos.]
Sobre tudo deixemosa fallar ivremente as urnas;
nao perturbemos o process elaitoral. Qaemr nao
tiver maioria nltkma parochia ou n'uma seetao de
parochia, resigne-se a flear ahi em minoria, e nao
queira veneer pela violencia, por que esta man-
chart o diploma assim colhido, e farA mais : apon-
tara o seu portador A odiosidade public, ao des-
prezo dos bans caracteres.
Sim, esforcemo nos tbdos pare que a eleiiao do
10 de dezembro seja pura e limpa de vicious, afirm
de que a vontade national se manifest inteira e
imponente, e possa governor o paiz, guindando
este A altura A que tem direito e insuflando nas
nossas iustituiq5es a video que d'ellas como que
anda arredia, peloefalseamento dos principios cons-
titucionaes.
Sus! um pouco de coragem civica, um ponco de
aenor patriot, um pouco de dedicacio A causa da
ordem c da liberdade, e tudo sera vencido corn
hombridade, e tudo sern conseguido nobremente,
sem sacrnficios de dignidade, sem offensas A lei,
sem perigos nerm pare vonencedores nem r para yen-
cidos !
0 qu e era possivel debater, o que era possivel
esgrimnir, fizeinol-o todos, e todos cumnprimos bi-
zarramente o aosso dever. Ante as urnas ponha-
mos termno Ai discussion, para deixar fallar o suf.
fragio popular : nao o perturbemos emn suas elo
quentes mnanifestav5os, dcixem'rl-o funecionar li-
vremente sob o Agido da lai, debaixo das garantias
que ella da.
Pela aossa part, repetianos, cnsarilhaimos as ar -
mas de combate,e deixamos quo feallem as urnas.
Velle a autoridade pela ordem public, pela
qual A responsavel ; mas, sobre-tudo, compenc-
trem-se todos os cidadios do dever que Ihes in-
cumbe de serem calmnos o prudentes antes, du-
rante e depois do pleito
Salvemos este paiz do naufragio, was salvemnol-o
abraqados corn a ordem e corn a liberdade.
MARIO.



PUBLICAOES A PEDIDO

Ao Sr. Phaelante da Canara
Temos diante de n6s o seou iscurso proferido no
Theatre de Santa Izabel a 23 do corrente, publi-
cado no Jornal do Recife de 27 deste mniez.
Refctrindo-nos hoje ao product oratorio de S. S.
nao teomos por fim cotcjar o maerecimento politico
e hltterario de sue mindivi-lMaiidade corn a saaaeo
por maiifas palmas, de que foi alvo ao subir a tri-
baua, segundo resa o primeiro acreditador paren-
these, que piuaculat-o, c neon, tamnbem, pretende-
mos sujejtar a jury as manifestavSes multc-nomnes
que rezam em todo o perpassar do seu suceesso de
tribuma, como fossein a sensacdo, os applausos os
gr-andes appla-sas e a gra de saloa de palmas e
bravos, qua expontanea e cffeotivamente oez surgir
do illustrado auditorio convidado polo directorio
liberal de S:mto Antonio.
Esta grande salva de palmas tern unea certa
analogia corn o mode de acplaudir de certos capa-
docios d.os pastoris dos quebrados c requebrados
criorlos das fiuezas do cordib encarnado e cordao
azul.
Mas, passemos adiante.
Nf o r os eccupamos das pujantcs e arretadoras
figures da velhs:, garrida e sompre querida retho-
rica, que espirrami de quxlquer canto do discurso
de S.S.
A defiaiv.Ao que o orador, saudado por muitas
palinas. den do que A ser republicano, A de um ar-
rojo ta- pftonte de imaginaeqio, que nos surpre-
henaeon ao ser enfrentada por unma gruaade salva
de palmas e bravos!...
Sea republican, diz S. S., A aprocurar abrir bre-
cha no velho edificio da monarchia que reevalla
a para o tumulo como um cadaver desecreditado. ,,


"-'%

*W'."t.
M

.-IS
|i.
fi
.1 Ig:



II!:
I
ft
I,
I-
.$



.1
&*


0sCor. ratWf


wmabouano, o ID
mira -no conhe<


comao jA di1semoo a iatotst eomteipaoranea da
psoviuoia..
Qroediwe&S8. S. que oawaOs? pvAicioB Maw
I notaveis nubtam a apreoatar aot oletoros umss
a som immaad4do e ma a vida como a do Dr.
c Joaquim INbaoo *?!...,
Ora, Sr. Phalate : -nome ioacuaedo & do
caraeter pernambueano, .. e quanto a vida : -
cads equal enterra seu pai aomo pode.
Preerimos os represeotantes uteis aos gloriosos.
Pasemons a seguda injustiga do discursogran-
demente applaudido.
Disse ainda o Sr. Phaelante da Camara, quet
SJoaquim Nabuco tea newe-idade de tornar a sua
pravincia grande, enorme, e eomn certeza elle nao;
6 movido seanto pelo amer da patria, porque elle-
n ato pooder sentir urma grade ambilo per san-
bir de novo a tribune do noso parlamento, de-
Spots quo reeebqu em Lisboa, em Madrid, em
SLondres, em Parins, em Mileo todas as proves de
respeito e consideration que um povo civilisado
a .pode dar a um home eminentemente supe-
w nor. v
Decididamente se S. S. cabala pelo systemna des-
ta tirade, 6 o cabalista main negative que tem o
Dr. Joaquim Nabuco; umea meil duzia destes : a
candidatura liberal do 1." district-. daria em vasa
barrios !
h, senao, vejamos.
S. S. empresta ao Dr. Joaquim Nabuoo intuitos
offensiuos ao eleitorado quo nuneca povo-aram-lhe o
espirito, e que estiao em diametral desaccordo corn
as suas continues e publicas e brilhaates manifes-
tagoes ; apresenta eate illustre pernambucano co-
mo o especifico unico pania dar proper, Io do gran-
deza e enormidade A tradicionalmento grande e
enorme petria dos inexeediveis patriots Cama-
r5es, Negreiros, Caneca e de muitos ontros, e o
theatre dos mais gloriosos e estupendos feitos de
armas ; e affirm que a candidatura deste Ihe foi
imposta pelo amor da petria pela necessidade que
tern do dar a eada provincial as capacidades su-
pra :-visto como o mesmo candidate a naopede
sentir uma grande ambigao a tribune do nosese
parlamento por ter recebido em Lisbon e aliunde
todas as provis de respeito e consideraic amereci-
das.
Corn effeito !... Vamos por parties.
Em primeiro lugar, nossa provincial tern gran-
deza e enormidade propria ; no mappa das pro-
vincias nao represent o papel anonymo e nullo de
bexiga de boi, que toma o tamanho correspondents
A potencia de folego de quen a sobra ; e, em se-
gundo lugar, a tribune do nosso parlanento A mais
ambicionada, sem contestagio para o brasileiro, e
para o pernambucano que se lisong.ia, que se or-
gulha de sel-o, do que todas as proves de respeito
e consideracao possiveis dos povos de Lisboa, de
Milao ou de todo o velho e novo mundo.
Isto A que nao merece duvida.
Se dtrecho que dodiscurso de S. S. acabamosde
transcrever tizesse parte da circular de qualquer
caudidato, este s6 teria votes de inonseientes, e
do estrangeiros naturalisados per calculo, e nao
por adhesAo expontanea a nossa patria.
Mae, qnem authorisou o Sr. Phaelante da Ca-
mara a emprestar sentimentos tao ante-pernam-
bucanos ao nosso distinct eomprovinciano, ao dig-
no candidate liberal, o Dr. Joaquim Nabuco, quan-
do todas as manifestacSes deste talentoso c illus-
trado cidadao estao em perfeita opposicao aos es-
travagantes conceitos acima transcripts ?!...
Ora, Sr. Phaelante da Camara ; nes mais uma
salva de palmas !...
E' precise nao se ter nervosos para atural-o !..
Recife, novembro de 1884.
Um delitor do 1.0 district
que vota no Dr. Joaquinm Nabuco.


A 8lei1o dO 10.' istricto
Em um artigo publicado no Diario de Pernam-
buco de 20 do corrente, sob a epigraphe-Decla-
ra-ao preventive, diz o Sr. Dr. U:ysses Vianna
corner n'csta cidade o boato de que os meus ami-
gos pretended inutilisar a eleicao d'aqui e da fre-
guezia do Altinho.
E' false e revoltante a affirmative do meu im-
pavido contender. Os meus amigos de CaruarA,
como os de todo district, estiao dispostos, o que
ali.As se temrn dado sempre, a empregar os maiores
esforcosa para que as eleic.es corram corn a maxi-
ma regularidade.
Pela minha part garanto que o men competidor
falta A verdade, julgando-me por si. Nato nao s6
aspiro um diploma corn sacrificio de qrcm quer que
seja, como atA preferiria una derrota a tor de em-
pregar meios menos dignos pare veneer, o qne nao
polera de certo affirmar o Sr. Dr. Ulysses Vienna.
Nato se assuste, pois, S. S. Tudo commern em paz
salvo se pretenderem os seus cabos de guerra ian-
pedir que os meus amigos exarnam o seu direito de
veto para cejo fim consta que o Sr. Dr. Uysses
Vianna foi expressamrnte ao Recite pedir ao pre-
sidente da provincial rnimnssa de forci public
come garantia do voto litre no din 1 de dezem-
bro!...
Embora a affirmative em contrario do Sr. Dr.
Ulysses Vianna, foi ease o motive de sue viagem,
assoalbam os seus proprios amigos.
Sempre os metos tortuosos pare a sat~sfaqto de
intentos menos diaenos!


Si como allega o men contrnlor, 6 grande a sue
maioria n'esta treguezia e na do Altinho, o que
muito breve verificareme, pode ficar tranquillo
que ella appareecrA nans urnas, salvo se S. S., co-
nhecendo-se perdido, mandar provocar desordens,
como succedeu em 1881, em Jacarara, e ultima-
mente n'esta cidade.
Neste caso a responsabilidade nao s *rA minha,
mas de S. S.
Tambem tenho ouvido dizer que o Sr. Dr. Ulys-
ses Vianna pretend Lfazer corn que seja inutihsa-
da a eleicao do Limoeiro, onde sabe-se qua ter.
grande minoria de votos.
Nito sei so eassim sert; mas desde qu3 c meu
adversario acha de born accord fazer declaraoes
preventivas, julgo-me obrigado a denunciar ao pu-
blico o qua por aqui s e propala corn viso3 de ver-
dade corn relagio a S. S., parecendo-me de jnustia
que as providencias adoptadas para Caruaru sejam
extensivas ao Limhaeiro, iudo o Dr. juiz municipal,
alias amigo do Sr. Dr. Ulysses Viannaa, para Pe-
dra Tapada, como o desta comarea para a fregue-
zia do Altinho.
Por mind vez reclamo que se ponha cm pratica
esse alvitre, poise serA umea garantia para que cor-
ra sem tropeoo a eleiio do 20 distrieto do Li-
moeiro, onde se di; e temo que o Sr. Dr. Ulysses
Vianna queira pratficar as proesas qua talvez como
excuse previa, ousou attribnir-me.-
Nio quero absolutamente a victoria alcainada
.pela fraud, como nio quero ser por elI' prejudi-
cado.
0 dia de dezembro esti proximo e eile scrk a
prove de qu e affirmo.
Cidade de Caruar, 26 de novemb: o de 1882.
Dr. Francisco d'Assis Rosa e Silva.

A camdldatura Nabueo e o par-

SNa o obstante os conhecidos tropeCos que o par-
tido liberal tem encontrad& no segando reinado,;
ultimaknente ,onseguio a uagra refoarmsa. elitoal,
fazendo seguir da tentative de maiarYefo e
seja a de abolir a escravido, -prenuncio eW& d&
que em breve soarai a horse dis outmr refamw
tao necessarias para a felicidudada paiz, plipoi-
palmente a quae devia aer uswdderad primordialI
-a comoisuiMdesoeratimiaoo do pai. ,p s


io, outkffaas SW


uAao dorusome hado S8
amouto estmbanhao p


liberal de Peraabuieo.
Qq* politico A este suja paimeira palavra 6 do
reprovagAo para. o partido quo a aprosenta e sus-
-teuta peraute o elitorado do primoeiro district?
De modo que, a ear owuvida por today a provincia
a palayra do Sr. Nabaco, o partido liberal sahiria
derotado das urnaseo, St oS Nabuco 6 candido do
partido liberal!
Ainda foi salm o S Nabueo,; francamente deo
claron que pleiteava sua eleigio em nome do abo-
licio nismo, e consaguiatemente solicitava votes de
todos -03 matiseespolitico.!
Dada a hypothese-de sahir trinmphulnte o Sr.
Nabuco, seer derrotada a aboll4o da escravidiao
'no primeiro anno da legislature, o que fia repre-
sentando o Sr. Nabuco? Tendo sido eleito por
votos liberaes e conservadores mas de amatiz abo-
licionista somente, vencendo este, o que represen-
:tarA mais? Su a elevada personalidade que collo-
ca acima de tudo! Vauitas vanitatis et omnia
vanitas I
Nabo supponham que seja uuma simples descahi-
da de moment, e a" continua*ao de um procedi-
mento que mostra ser elle um verdadeiro demoli-
dor do partido.
No livro que ease candidate publicou em paiz
estrangeiro corn o tiulo o abolicionismo-- a pagina
10 diz-que do partido liberal entire n6s cram men-
tirosos os aticerces do liberalism; e continuando
affirma quo a passagem pelopoder havia desmora.
lisado o partido liberal.
. Silo innumeras as citaoes a fazer neste senti-
do, mas basta uma para que possa se aquilatar, e
nio vamos adiinte para nio eanuar.
Nao testemunhamos a constant opposicao que
fez a todas as propostas liberals quando foi~depu-
tado!
A umas dizia que cram incompletas, nao sa-
tisfaziam as aspiraoes liberals, e portanto com-
batia; a outras guerreava como perigosas porque
dellas podium se apoderar os cLerieaes, por exem-
plo, e ficarem derrotzdos os liberals, comno se a rea-
lisagao de uma reform liberal podesse prejudicar
aos liberals! Era dos ineontentaveis, que que-
rem tudo ou nada, embora o tudo seja impoasivel;
nito comprehendia quo as couquistas liberaes sito
difliceis e s9 podem ser obtidas paullatinamente,
palmo a palm.
Em sua apresentagaTo nao nos disee o Sr. Nabu-
co se aceitava o project Dontase qual seria o seu
proeedimento no modo de comabater em prol da
aboliga.o do element servil.
Esta questAo que a primneira vista parece insi-
gaificante, A no eatretanto-de elevado alcance.
Corn a actual comrnposioao do Seaado, e corn os
novos deputados, a avaliar pelo estado do paiz,
por mais abolicionistas qua sejam, sero uma gran-
de victoria a approvaeao do project Dantas, e
maravilhara se conseguir-se a mais alta homena-
gem a civilisagao, e aos principios de eterna jus-
tiga, doterminando-se o praso em que se extingai-
rA a humilhante escravida'o ; pois bemrn, a soffre-
guidlo do Sr. Nabuco, as theories por elle expen-
didas nas conferencias nito permittem a meuor di-
lagao, e o Sr. Nabuco tanto combaterA o project
Dantas por incomplete, insufficient e nio satisfa-
zer as may's vistas, quanto o faraLo os escravo-
cratas.
Quereis provas ? Sempre vos temos dado, emais
uma vez provaremos nossa sinceridade.
Em uma das confer-ncias feitas no theatre Isa-
bel o Sr. Nabuco declarou quo a lei de 28 de se-
tembro de 1871 no art. 4- reconhecia no escravo
o direito de resgatar sua liberdade mediante um
contract de locaglo de servico por praso nunca
maior de 7 annos, send os services a mdemnisa-
ga) do valor do escravo, e ja tend decorrido
quasi 14 annos da data d'aquella lei, os escravos
tinham pago a sens senhores duas vezes o seu va-
lor, e que mais nenhuma indemnisa~ao havia a
fazer.
Quern sustenta estas ideas p6de apoiar o projee-
to Dantas ? Por certo quo. nao, pois ellas s6 tra-
duzem a aboligiao immediate e sern indemnisa"ao.
0 Sr. Nabuco sera pois um dos maiores adver-
sarios queo partido liberal tera no parlamento,
sera um voto contrario ao project Dantas, como
sera um voto em opposigao a todo o project li-
beral, porque nenhum o satisfari. (*)
Um velh/o liberal.
(.) Amanhi responderemos ao Gladstone.

7. districto eleitoral

Causou-me bastante estranheza ver inserida
na 3' pagina e 4a columna do Diario de Pernam-
bueo de hoje, unia publicanio assignada pelo Sr.
Dr. Sagismurdo Antonio Goncalves, candidate
official apresentado ao 70 district.
Nessa publicacao, em eujas palavras se acha
bern clara e manifesto a mtencao do seu autor, A
accusado o anuito distinct cidadao, senhor do en-
genho Sant'Anna, Dr. Jos6 Maria de Laccrda,
de have dito a alguem que ,, nao perderia a
eluiq.to que se deve fazer na estacao da Ilha,
ainda que para vencel-a fosse precise empregar a
dynamite,, ao que eccrescentara que a em eleicao
so era crime perder. a
Pelizmente A tao conhecido o caracter placido e
reflectido do Sr. Dr. JosA Maria, quejamais Ihe
podert attingir a suspeita de um attentado se-
melhante ao que,-fingindo prevenir o caso,-
quer demonstrar em sua intencalo, aquelle que
tern todo intercsse em attrahir-lho odiosidade, e
assim destituil o da valiosa influencia quo ello


pode ter na eleigao daquelle district.
0 Sr. Dr. Jos Maria, porm, nao precisade defeza
porque esta jA esta beita-pelo proprio Sr. Dr. S-
gismundo, quando este diz na referida publicatilo
a creio quea o Sr. Dr. Jos6A Maria Lacerda, nao
temn intenglo de perturbar a eleigio do uollegio
em quo ternm de votar m; e qnando mesmo estas pa-
lavras significassemin apenas um escrupulo do au-
tor da publicacao, nerm por isso deixariam de re-
velar a pouca ou nenhuma confiansa qu de elle
conscienciosamente ligou ao mexirico, corn o qual
tanto se mostra assombrado.
0 appe!lo, que, ao muito digno Sr. desembar-
gador Lucena e ao distinctissimo Sr. conselheiro
Jolo Alfredo, faz o Sr. Dr. Sigismundo, se nio 6
uma ironia A mais un conforto corn que a quiz
robustecer a apparencia do seu simulado receio.
Alas, qualquer qne seja o sentido desse brad de
alarma, causado pelo terror de um phantasma, ou
mais provavelmente por uma illuslo opticde
quern quer que tosse, a o eleitorado do 70 diatricto
sabe perfeitamenteque o Sr. Dr. Jo9A Maria e toda
afamilia a que pertence, salo incapazes delqualquer
desirdem.
Aconselho, pois, ao Sr. Dr. Sigisaundo que
procure outro meio mais airoso para Lfazer political
e nio queira tormnar a serio algum aleive, ou tal-
vez um gracejo; pois quo o Sr. Dr. Sigiamundo
bern comprehende que o seun ompetidor e incapxz
de langar mito de meios do que talvez S. S. nao
eacrupulise muito.
As noticias correm de maodo desagradavel A
corcas d eleicao de Muriboca, mas, n6s esperamos
os factos.
Breve estai dia 1 dedezembro, e eutAIo ve re-
moa de quo part so achata o embuste e a espe-
Oulagao. -
Recife, 28 de novembro de 1884.
7w oierda llla.
AL'M^-M.ftw. 'v- fifc ^ik~K ^ttlf~^f^ lfl^ ^^ -


6QUI sm ouyt puozim apwi ae UB uuutt dirfja-1-81
aw seu ca liqnd )4d lurom
iaesps Ao1 ioarar,, quo emquanto
a.imOR* a emquaato
hardoroe nao ha, laueeo iquido a dividir entire
soios.
Beeife, 27 de, november de 1884.
tLuitsa d Ponmea Oliveira.


so$'distrie.o
Doe accord corn o meu presado amigo capitAo.
Rogoberto Barbosa da $Slva e outros, e poa obe-
diencia ao nosso dignissimo chefo politico, Exm.
*8r. conselheiro Jolto Alfredo, abstenho-me do toda
participagao no proximo pleito eleitoral no 5o dis-
tricto, declarando, que ato solieito nem desejo
votos.
Fazendo esta declaralto, torna-se-me de rigo-
roso dever dar um public e solemn testemuuhbo
de profundo reconhecimento a todos que me con-
sideraram digno de uma apresentacAo, lisongeian-
do.nme os sbntimentos.
Espero ainda pader mostrar-lhes quanto sou sen-
sivel a tanta bondade e fineza de amigos que es-
treme~o.
Perd6o as injuries de quae tenho sido victim ul-
timamente, e peco a Deus que avigore o espirito
nesta quadra de tto acerbas provagoes para tiim...
Terei occasion de fallar a c"da um de per si dos
meus amigos do 50 district, depois da eleicao,
commnunieando-lhes minhas inteng5es; e, em quan-
to it3 se nlto verificar, coufio quo darao o mere-
cido desprezo as machinaoes e aleivosias de al-
guns meus novs desaffectos.
Recife, 28 de novembro de 1884.
Dr. Democrito Ca.alcantedAlbuquerque.


Pernacaueanos
Ti chegado enp0em que precisaes de pen-
sar; jA-deveis ter comprehendido quae nio sito
mais as bandeiras, folhas dc canella, foguetes e
musicas nas ruas, como um quasi insult aos vos-
so3 brios, que poderao fazer-vos degenerar.
Hoje 6 chegada a oceas ao de todos se oecu-
parem mais seriamente na'o s6 do future desta in-
feliz provincial, comn) do socego, e descanso .para
as vossas families, por demaes ameagadas corn
esta desenfrealo abolicionismo, que outra cousa
n-o A sealo uima especulagao e esta bern mani-
festa,
Dai os vossos votos de consciencia, votai em
homes que possam salvar-vos, e nao a quern quer
conseguir soeus fins, a vossa custa.
A eonsciencia.


A hora solemne
I
Cidaditos eleitores !
V6s sois hoje o soberano da nacilo : tends em
vossas maos, abaixo dos designios de Deus, o seu
destiny !
Consultai vossa consciencia, comnojuiz recto, e
Elle nos protegerA.
Nesta hora de tao tremendous perigos e calami-
dades que se approximam, so evos esqueceis de
Deus, elle vos esquecera.
Pedi-lhe inspiraa.o pare former vossa conscien-
cia e fazer vosso juizo c dar vossa sentence o
vosso voto e Elle vo s aeertara.
Espancai todos os preconceitos, todos os capri-
chos : lembrai-vos sa de vossos altos interesses,
do future de vossos filhos, dos perigos c do salva-
mento da patria.
A naggo esta em banca-rota, c a sua fallencia so
se desfaica polos paliativos dos emprestimos quo-
tidianos e da emissao do papel-moeda. Dentro
em pouco, desacreditada a naao, sem mais valor
o papel, nio satisfarA soneus compromissos nerm in-
ternos, nem externos ; new os s:us funecionarios
poderio ser pagos, coma jA se dA corn os da pro-
vincia.
Tudo isto A fructo dos dous partidos que nos
tern governado e que no entanto cantami e dispu-
tam as glorias destas dpsgragas.
Vem precipitar o horrido deafecho a baixa de
nossos products, pela nossa incuria e dos nossos
estadistas e partidos, que s6 curam de empregos
publicos e de arranjos.
Ainda mais : v-o ficar libertados em poucos
annos, se a resistencia nao precipitar o desfecho,
03 escravos, que o sentiment de alta justice nao
pode sofirer mais esta horrivel iniquidade par
muito tempo. Todos os cidadtos que tern corn
que devem participar do sacrificio e n'ao os pro-
prietarios de escravos somente.
A libertacao nao pode ser feita em um dia, que
sera maior desgraga para os libertados e os ou-
tros ; mas a centonas de milhar delles por anna
Ainda assim nao sera possivel domal-os ao traba-
Iho em poucos aninos, e a nossa ruina ainda mais
horrorosa sera.
Cidadatos eleitores espancai vossos preconcei-
tos de partido, vossos caprichos de inconsideradas
adhesSes pessoaes. Vede os grandes perigos c
desgracas, sede livres, independentes e re-
flectidos.
Essas adhcaoes e partidos s6 tern par fim os
empregos e arranjos ; porque nie ha outra indus-
tria, outro rocurso ao b aaileiro. 0 outro quo ha


nao nos pertence, pertence aso estrangeiro.
E' o commercio que sempre di vida e fortune,
qualquer que sejam as calamidades da patria.
E' s6 para onde temos a recorrer. Porque nao
ha de ser nosso o commercio a retalho, se todos os
brasileiros o querem ?
E' o unico pao da vida que nos resta diante de
tremendas calamidades.
Ddlle devemos tratar quanto antes e juntamente
corn todas as grandes questoes, para nos acharmos
prevenidos quando chegarem as grandes desgra-
gas. Do contrario, a fome, que nito tern lei, aug-
men'-ara os horrores da situagAo.
E' por isto que, disputando a eleigio polo 2.0
district, me apresento em competencia corn Jose
Marianne e Theodore.
Serm fortune, sem familiar, sem partido, scm
amigos visiveis que se possam expor, como posse
lutar corn estes dous grandes senhores que dis-
p5em de tAo grandes recursos ?
Porque desgracadamente para este paiz sou o
unico hornem neste vasto imperio, que tern lutado
ha 40 annos corn os maiores sacrificios pela justi-
ca e pelos grandes interesses da patria, sem nun-
ca acompanhar os partidos que nos tern conduzido
a esta situagAto desesperada.
Cemparai-me coa elles e achareis que tenho
trabalhos e estudos sobre os nossos negocios, quo
elleA nao tem; e a summa desses trabalhos, estao
publicados em um livro que ha pouco dei a luz, ec
muitos tern lido.
Aehareis que elles s6 tmrn retina velha de par-
tida, e ambiAo ao poder ou por interest ou por
vaidade ; que en tenho abnega$o e desinteresse,
que sempre desprezei eates partidos, todos delapi-
dadores, desprezei os caminhos que ter-me-hiam
levado curvado ha muitos annos A deputaeao e ao
Senado.
Achareis que em mim ha disposigito para em-
prehenderas maiores lutas pelos interesses da pa-
tria, pol muaor delles, o commereio a retalho ;
para affroutar e1 maiores perigee semi reouar.
como tenho dado disto muitas provas. E' por isto
quentenho fL que acordareis da lethargia, vosdes
prendereis d& preeoneeitbs e caprichos, e apre-
ciamreis os servings e sactifieea de unm home, que
os t6.a felt sobejoe parece'me, para alcangar a
vassa c ano a.
Quando mais nao eja, o oommercio a retalho
havemos de Qnquistar par a 6a', porque no,.serei
s6 neste combats, oomo dizem. o do poea Mf, aMai
4ucoutrarei a v6s todos a opadjavar-me quando
conaus ga $oSq*. lv qtw av wtodse ptimciU-
oas ciddiuesd Braall se t..kd fr precisO. *1'
ElefrOTftn aat do mat raiato -I o vostaaohefe
-Jtolaklo, ft- toser* deto, er w entmor em 2.o
itfiniiii tiil oianr, pV6arien Afite cafio fico.
de t fnaii ini i;nrokousaW nou~ a mimtm vot*-


!'M~w
1 m iK>wafta mas vindecom oa Towm *vo
-too negtredo, e- elle veri que me nIoengouo,
qne o momrerioo de retalho cenquitaremo pas
nosMe filihos, pam a base eprineipio da alvaio
da ptiia.
Affoae d'Albuquerue Meso.

0 dia J." de dezembr.
Pernambacanos, -onde estao os nossos brios, o
nosso patriotismo ? !
Apresenta-se cAndidato pelo lo district desta
capital, urn home quo procurou desacreditar.nos
no estrangeiro ; que, em vez de mostrar que nesta
prra da America tamblm ha coraglo patriots,
tnartyres da liberdadc c do progress, chamou so-
bre n6s a execrato e a maidicgo do muudo civil.
sado I !
E 6 esse mesmo home, traidor a sua patria, e
atW a propria caust que defended, que tern a fria
coragemn de vir, solicitar os nossos suffragios, as
nossas adhes5es, as nossas sympathies !
Perguntai, pernambucanos ao 8r. Dr. Joaquim
Nabuco, quakes os servigos qu e elle tern prestado
a esta terra a osta generosa provincia ? !..
A resposta sera banal e estulta; a procurou
elevar o nome brasileiro na velha Europa !
Irrislo!! elevar o noesso nomr no estrangeiro,
quando nos indicou como un povo barbaro, desco-
brindo as nossas chaqas, sem tornar saliente, en-
tretanto, as nossas glertas, e as nossas conqijuis-
tIs! !
A causa que se pleiteia, portanto, uAto e a dos
conservadores, nerm a dos liberaes, nem a dos re-
publicanos, nemr a dos ablicionistas, nemr a dos
escravocratas e emancipadores, 6, sim, a causa
dos pernambucanos, dos patriots, d'aquelles que
desejam ter um representante no parlamento, de-
fensor dos seus interesses, e nuo um representan-
te de um gabinete compressor e demolidor, de umin
gabinete, que, por todos os meios, quer impor-nos
um candidate, que nato esti identificado corn os
nossos interesses, corn as nossas tradicq5es, corn o
nosso passado, e que, portanto, naLo terA apprehen-
s5es pelo nosso future !
Pernambucanos, cuidado querem tomar de as-
salto e corn sorpresa !
Podemos cansentir que scja o nosso eleito, o
nosso representante, quern s6 nos procurou jA tar-
de, e por ter sido repudiado por outra provincial ? !
0 Sr. Dr, Joaquiin Nabuco, em 14 de agosto do
corrente anno, apresentou-se candidate pelo 2.0
district da corte. e, nesta occasiio, dirigio uwa
extensa circular aes eleitores d'aquelle district,
que assim come9a :
a Aos elhitores do 2.0 district da c6rte.

SAnimado par diversos amigos e co-religiona-
e rios que vem vantagqm para a causa dos escravos
Se do paiz em disputar eu os suf'rag.qios da capital
Sdo imperio, neste 2.0 district tradiccional addic-
Sto ds id&as livres, ouso APRESENTAR-ME CANDIDATE
SAO HONROSO POSTO DE VOSSO REPRESENTANTE.


iAa- JAS35p oAdm"K& NL -I -7
MTUTA COBA.
Pmdarbon. euplou, o lhu & 1k b.
muo dove deMer do pot '-o0M w -W,S a
MAW B XWUUAD A LsW6rMON" = um-
que pensando sere mi eMavasae.ai .. Msf. -
quem fez as cartas-4 mnA nlo cinmr-in i=a
f eliz dia, ao deizar etas proui na
quo seguia para o Rio d Janeiro ; qummra ar
bondade de ver e Icr as copies.


Cara de llbeadm aequae Atoenio .Fr i-
co Cerga concede i seu eeeravo Joo, preto, 4 o6
annos, natural de Pernambuco, matriaeulado em l-
juca, e nesta cidade a 20 de janeiro de 1880, em
n. 1'958; send a liberdade eoancedida corm a em-
di;a'o de ficar em sua cas, on ao ervigo da ma
que Ibe designer, at6 a data em qua lhe tor oet-
gue este titulo.
Recite, 27 dc julho de 1882.
Antonio Francisco Corga.
*
C
Carla de liberdade que Antonio Fra-
cisco Corga, concede a sen escravo Joeo, de cer
parda, corn 12 annos, natural de Mamanguape,
onde foi matriculado junto corn sua mie Maria, e
nesta cidade a 20 de janeiro de 1880 com o a.
1,958 e, concede-Ihe ar liberdade corn a oemtdi9
do ficar na sua companhia, ou ao servico da eame
que Ihe indicar ate fazer-lhe entrega da preseate.
Recife, 27 de julho de 1880.
Antonio Francisco Corga.
*
V
Carta de Ilberdade qne Antonio Fran-
cisco Corga, concede a sua escrava Maria, preta,
de 45 annos, natural de Mamanguape onde 6ma-
triculada, e nesta cidade a 20 de janeiro do 1810,
corn o n. 1,958, concedendo-lhe a liberdade cown a
condiiio de ficar na suae casa ou ao servico da ca-
sa que Ihe indicar ate fazer-lhe entrega da pme-
sente.
Recife, 27 de julhlio de 1882.
Attonio Fra,,is,, ',,riqo.

*
Ao preto velho tenho dito por diversas vzes :
J04o, vou dar-te a carta de !ibcrdade : para oodr
Sque tu vae- depots ?
Tern respondido sempre assim : PARA o.DL:
QUE EU HEI DE IR SENIOR ? FICO COM 0 SENXHIOR E
QUANTO 0 SENHOR ME QUIZER.
0 pequeno e quem compra no mereado., 4 quetm
cosinha e nos intervallos traballia na agricultural.
da qual jla cnterde algumna cousa finaimente.
tambem apanha em regra quando e preciio, e rea
as horas competentes.
A preta, elsa estA ja a alguns annos na casa


n~~~~~~ ~ -i do nin1 *i i* e uaoutra preta. que foi esorava qu; Q LIBER
E, quando o 2.o district da capital do imperao, de uea outra preta qua foi esDrava ; QU'L USEiR-
td n g addto ids lr es ,, re- TOU-SE POR SI, LUITOS ASMOS ANTES DE EL A CONIHE(CE;
tr-adicionalmente addict 6 ideas livres n r- CO31 AS ECONOMIAS DE SEL" TRABAL1HO PELA QvANTv Di
jeitou o aristocrata inglez, por serem suas idas, 1:500000 qie 6agora tratada por Sra. Luzia :
prejudiciaes aos interesses do paiz, e compromet e aquella sober agradla, o filho ha dp v.r a
tedoras de nossas industries, devemos n6s aco- ser um grande fazendeiro e capitlista.o
Ihel-o, procurados como recurso ultimo, e, talvez, Saioa o illustre Sr. Dr. Nabuco, qu eantes a-
por se contar corn a nossa facilidadc em sermos quellas 3 cartas que tenho cm meu poder, peran ca
arrastados por palavras bonitas e phrases bern or- convierj havia passa c-
ande, c uo o ton sm efoatae nn fiexctoretgar qamando me convier, jai havia passado ; o-
nadas, e que so tern um effeito e um fim, excitar trnguc 9.
as paixkes, levantar urn grito de guerra, e plantar 0 hoequassi procd, px tido po
a desharmonia no seio da grande familiar perIaa Cso)-agim qu o.i
escravags ta N.AO.
bucana?! Ps es esmo onm acha qu, a fr a
Acautelemo-nos, pois ; e A oceasiao opportuina Pois esse mesbq o hoa e acha qu,,a m-
de mostrar-mos, unea vez por todos, que sobra-nos te boa qualid.de e madura 6 maj-
muito patriotism, e ainaa possuimos muita alti- to boa. itr Sr. r. Portell, m
vez e coragem, para s6 rendermos homenagens a Onalo enos illustre Sr. Dr. Portella, eimgmf
aqulls ue s emsabdocoquita ploCs)r-na.* condies xda. frurta boa, ningaeui
aquelles que as tomn sabido conquistardpelo esfor- smelhor do que elle na actualidade, represeutari
no sses interesses c a on quo tssa sadignidao defender os vo -este district que a o 1.0 da provmncia e vai fazer-
nossos interesses e a nossa dignidade de povo i- reconhecer como c 1.o em merito no imp-rio.
vilisado, sein confliagas, nem levantar odios pes- Tenho ido a algumas euniSes e onvocadais ltlu
soaesm e d sus confercias diss e Sr. Drillustre Sr. Dr. Nabuco, e ouvi a exposicibo de
Em uma de suas confereacias disse o Sr. Dr- suas Was.
Nai.uco que deviamos estimar antes os inglezes sues ideas.
r Nessas reunioes nao devia discutir e combater
do qne osflaumineuses; a no entanto oSr. Dr. Na. n d
buco apresentou-se candidate pela e6rte, isto 6 os erros que labora o llustre Sr. Dr. Nabuco.
solicitou os suffragios dos fluminenses !... As palavras quoa illnustre 5:. Dr. Nabico. saol-
Que lic.ito mais eloquente e edificante? ta, fogeem. c as minhas aqui na cimprensa tfieam
AmanhI, quo repellido d'aqua, se apresentar presas1lara seem analysadas corn n:tidez.
Amnaqe eehd au, eai-snrl Hoje, do qua o iltustre Sr D~r. Nabuco candidate por qualquer outra provincia, dira -- j, do quoailst Sr r. Nabuco d- m;
que antes ser inglez que pernambucano ; o que quanto otive na reunilo, ., 8 points cram apr.
niao deveri causar espanto, porque ja disse clc, veltaveis se as desenvokvesse.
envergonhar se de ser brasileiro! !... Contiouarei se me deixarem.
Pernambucanos, precisamos de factors e nao de Recife, 28 de novembro dc 1Se1.
palavras!
Nao sao os discursos bombasticos e rhetoricos Antonio Francisco C.,qa.
que darno pto ao desgracado artist, ordenado ao
pobre empregado public, e que salvarAo a pro- sAvis as eli e d dis
vincia do abysmo para que ella celere e vestigi- Alo UI tft I U d
nosamente caminha, a bancarrota medonha rilo0I
corn o seu cortejo funebre lo
E o quo interessa ao Sr. Dr. Nabuco as nossas Tendo a president da provncia, per
desgraqas e'as nossas lagrimas, se amanha, a
soma dos. hymnos da victoria, part pare a corte, portaria ultimainente publicadn, alterado a
onde muito se divertira, na'o se recordando mais distribuigao dos eleitores das .) secev;cs em
que cA para o norte existe esta desgraqada pro- quo foi dividida por portaria de 4 dc outu-
vincia ?.!da
E representante corn foi ja uma vez della, o que bro de 1S83 a parochia da Boa-Vista, que
fez em seu favor? d antes contava 4 secqes, e inantido a
Porventura teve uma s6 palavra de agradeci- divisto da paroehia da Graa cm duas scc
mento, em tantos discursos qu e proferio, para a s, x vez do ura, d ahi resultou uta
terra quo o elogen ?!gec e t ta 'h eutuui
Que proposiTo avancou a proposito dos inte- nova altera9ao e a manuteneito de ura al
dresses de Pernambuco ? teraga'o anterior, que convein sejam beiu
Nerm aqui saltou, quando passou pare a vclha conhecidas dos Srs. eleitores, para quo pJr
Albion, onde esteve durante quatro longos amnnos, um engano nuo venham a perder os seus
aprenaendo a ser aristocrat ; cmquanto que o il- votos .
lustrado Sr. Dr. Portella aqui sempie estevevoe s
creando instituigbes uteis, concorrendo para o en Cada eleitor, portanto, confrontandi o
grandecimento da provincial, coparticipando de quarteirato e a rua, ean quo, segundo cous
nossos padecimentos, e trabalhando esforeada- ta de sou titulo, foi alistado e ain:la se
mente em prol de nossa cause, c da cause do paiz conservco qu nstitun aoa
inte; m iro, conserve, corn os quae onstituem a nova
inteiro.
Estio annunciadas muitas conferencias, onde divisao das seccoes nas duas alludidas pa
veremos sempre repetidas as resmas cousas, e on- rochias, verific.arA corn certeza o pouto cm
de sempre se procurara levantar violentamente as qu tern do votar.
paixbes e os odios.
Nito nos apavoremos, porem, corramos As urnas, Para facilitar aos Srs. eleitores esse
corn as pacificas armas da nosse soberania as Irabalho, fazemn6 aqui a seguintc in lica-
chapas e severamente mostremos qu e sabemnos cAo
fazer justice ; e repellir semr desormdens as usurpa- Os eleitores, quo votavam no P..qo da
es e os usur Dr. Nabuc j propala prtod a parte, Assemblea Provincial e nao requereram
que seri o eleito, quo conta corn a victoria, por- transferencia, e os quo por ventura se to-
que tem distribuido muitas propinas, feito muitas nham alistado novamente nos 1- e 2- quar-
promessas, e violentado muita consciencia corn teirdes do 1- district policial, e em todes
ameaas os do 2 district da fregueziada BIa-Vista
Coragem, porem, pernambucanos, lembremo nos 0
qne taes promessas nunca serIo cumpridas, e que compostos das seguintes ruas : Pnrinceza Isa-
os que estao usufruindo as propinas s6 serao bel, part da da Saudade, part da da
aproveitados at o die 3 de dezembro, se despedi- UniAo, Ilha dos Rates, parte da de Sete de
dos nto forem comn a retirada do sol do mesmo Setmbro Aurora, anto Amaro, largo d
dia 10, depois de terem dado seus votos !! Sant A aro, largo d o
Nao no.-liludamos, portanto, sejamos energicos Santo Amnar, Tacaruna, Luiz do Rego,
e conscienciosos como sabemos, sel-o sempre n6s becco do Leao, Lima, travessa da Piedade,
os pmrnambucanos, e que a alvorada do dia 1 d. Fundigao, travessa do Costa, travessa do
dezembro seja o grande reflexo do nosso patrio- Pombal, estrada velha de Santo Amaro,
tismo, de ncssa coragem e de nossa energia, e o0 e r A a
assignalamento de brilhante victoria do illustrado estrada do Maduro, bocco de Sant) Ama-
e digno pernambucano o Si. Dr. Manoel do Nas ro, estrada do Cemiterio, becco des Almanes,
cimento Machado Portella. e largo do Cemaiterio, devem voter no Pa-
l'77m + ,. n t0 .A I


Cinco Chagas
DE

Dens Nosse Senhor Je-

su1 (Ihsto
0 Saugue derramado de seu Divino Corpo serve
de cO6nforto ame criste que teem LA.
A justita devia ser como o sol; o SOL A PAZA
TODo, mas ae justiga em Pernambuco A pare certos
edeterminados senhores...
Slo muito amaveis oa sra. Drs.juiizes de direito
do civel e do commario desta cidade; mao pela;
patioa e conheementos qau tenho, a dogura de
suia palavras, cBome nio correepondia as prova*
amarpea de seas feitoo, entendi em meIhor persin
tir-emM nao aeoitar OB eua conviteu-nu ] aM A X
Velb& FOeVA o quo 4 s6W al da proviiisa,-Ll-

cedeira d& Relsao pita ir aentar-se u sdo ga-
n ramLt onj. siac O St&. ski.. ski.


g0 da Assemblea.
Os eleitores qu a continuam alistados ou
se tiverem do novo alistado nos 3" 4,
6-, e 7- quarteiroes do 1- district poll-
cial da referida freguezia, compostos dal
seguintes rues : Imperatriz, Hospii0o, bee-
co lo Vers, praa do Conde d'Eu, Via-
conde de Pelotas, becco do Tambia e Ro-
sario, devem voter no consistorio da ma-
triz da Boa-Vista.
Os que continuam alistados ou se tire-
rem de novo alistado nos 8- 9- quasii-
res e quo primitivamente vwtavam s olo-
sistorio da matriz da Boa-Viata, e bmm s-
'aim nos 10, 11, 12 e 13 quartsWse, ona-
poss todos das seguaintes row: Coto-
$o, Pires, Atalho, Giriqaiti lax d
te Veliha, Cae do Capibaib ,Vds Ale
gria, Lelo Coroado e aVimoe 4A


vW1 nv dao r Stad riu. 14 o, 14 13'
^rlisB 4"ne moam 0 ftt vw

Achamos toda esta definivao de pulsa, digna nao
de uma salva, porem, de um bond de palmas ape-
zar de nao conhecermos, ainda, a divizio de cada-
ver cm acreditado e desacredita io e nom o modo
peculiar de re-vallar para o tumulo de cada umn
delles.
Ainda mais: quando o velho edificio da onar-
chia ja estiver de brecha aberta, e nao se precisair,
portanto, procurar fazel-o como se sera republi-
cano ?
E' o que temos a vontade de ver definido por
S.S.
Nao foi, no entretauto, para metternos nestas
fundaras, para as quakes, confessamos. nao estamos
preparados, que empunhamos a penna.
S. S. commetteu en sau palmneado discurso duas
graves. injustices; e contra ellas e que chamainos
a attenvao do seu imaginozo espirito.
Diz S. S., que apezar do respeito e consideragao
de qu e merecedor o Dr. Epaaninondas de Mollo
pelos seus services, este nao pode ser preferido ao
distinct pernambucano Joaquim Nabuco por se
achar o paiz completamente convulcionado, apor
( ser precis nao se querer enchergar pare nio ver
Sem Nabuco nm mogo dotado de um talent vas-
, tissimo de uma illustragio variada, e quanto temrn
Spar a aprezentar aos eleitores um nome immacu-
; lado e uima vida a que nado tern chegado os nossos
* patricios mais notaveis. a
Principiamos per descanhecer o complete convid-
cionamento da nossa patria.
0 paiz acha-se na gestaao de umna reform,
para a qual cada u n dos seus partidos constitu-,
cieonaes faz questAo de ser o referendatario:-isto
nao foi convuldeionamento complete.
Deixando, porem, de parte este reparo inciden-
tal da apreeiacgo phantastiea, feita pelo Sc. Phae
late da Camara. do estado do paiz, firamos -o
ponto da sua primeira injustice na important
questio de preferencia pessoal estabelecida centre
Sr. Dr. Epaminondas.de Mello e Dr. Joaquim Na-
buco.
Se nat tivessemos convic.iao de qua S. 8. da.
provincial s6 conhece a tradieao deo 1817, 1824 e
a couteporanea da data do seu bacliarelamente, do-
anno proximo findo, duvidariainos de seu criteria
abolicionista e reptblicano.- e da 9d-o pormwsi-
tas palmnas, que iecebneu quando uabio-a c*nba.
Somos o primeiro a reemmhmer, queo -o r. Dr.
Joaquim Nabuco deve ser eleito deputado geral:
-nao per que este illstre eidadaws tenai lnemn
tade a palavra 'ao abOlicloniu, a qusl 4 6 eoe-
teupraaeo da escravidlo,-aepinaro po &ne wta
liberrnima porato da livre Ameria nao 'V .a-
vaismo: n oram. sim, comao liberal ma omatuin


um peunutu.
















- almma mu


rmit Le wom ,ws;-^,tuyaenatomWw gat. a^*il:;s (ta^i^
r CA4 s da ,u-s e iorreda do,
Riachnelo, Destino, Quartel da S&-
de, Principe, AttracgAo e Socego, de-
) votar no consistorio da igreja dat So-
Sledade.
Oi que continual alistados ou se tive-
re n alistado no I" district policial da fra-
guezia dao Graa, composto dos 1., 2, 3,
r 4-, 5-, 6", 7", 8-, 9-, 10, 11 e 12 quaOrtei-
roes, compostos das seguintes ruas: part
| da de PaysandA, part da do Visconde de
SGoyanna, Estancia, Caminho-Novo, Baixa-
SVerde, part da de Jolo Fernandes Vieira,
Crioulas, becco do Jacintho, Ventura, tra-
> vessa do Ventura, Capunga, porto do La-
serre, Pernambucanas, Amizade, S. Jos6
do Manguinho, part da estrada dos Afflic-
tos, travessa da Graga, travessa das Per-
nambucanas, largo da Graga, becco da
Graga e Ponte do UchOa, devem votar na
sachristia da respectlva matriz.
Os que continual alistados ou se tive-
rem alistados no 2- district policial da
mesma freguezia da Graga, quo se coin-
poem dos 1-, 2-, 3-, 4", 6", 6", 7-, 8-, 9-,
10, 11, 12, 13, 14, 15 el16 quarteiroes e
estes das seguintes ruas: part da de Joao
de Barros, Hora, Santo Elias, Espinhciro,
travessa do Portella, travessa Amelia, par-
te da estrada dos AjIictos, Tamarineira,
Agua-Fria, estrada do Rosarinho, Rosari-
nho, Beberibe, Forte Coimbra, part do
becco de Santo Amaro, rua do Feitosa,
part de Santo Amare, Bel6m, Campo Ale-
gre, Campo Grande. e strada de Bel6m,
devcm votar na capella de Belem.
N. B. Entre os eleitores alistados de
novo, do quoe se fall acima, nao se com-
prehendem os que foram incluidos n o alis-
tamento por occasilo da.revisao procedida
em setembro do corrente anno, pois que
estes em virtude da lei nao podemn tomar
parte nas eleigos que devem ter lugar no
1" de dezembro proximno vindouro.

Deelarablo necessarla
0 abaixo assiguado, empregado do Consulado
Provincial, corn c fim de previnir qualquer juizo
que a seu respeito se possa fazer, declara que nito
6 a pessoa de que trata a parte da policia publi-
eada no Diario de hoje e sim uma outra de igual
nome.
Recife, 28 de novembro de 188L.
Manoel Cosine de Mello.


Cajurubeba
Mais una ecura notavel!
Pesqueira, 4 de novembro de 1881.-Ilhn. Sr.
Antonio Pereira da Cunha.-EnEm priucipios do inez
de maio, tive de fazer uma pequena viagern a po-
voagao do Salobro, que diett desta cidado oito le-
guas pouco mais ou menos, e passando na fazenta
Papagaio, propriedade do Sr. Pedro Alkcs Muniz
FalcAo, onde pernoitei, encontrei D. Josepha, es-
poasa deste senhor, gemendo e lastimando-Sc, seam
mais esperanca de adquirir sua antira saude.
Indaguei do Sr. Alves, qual o mal que atorinmi-
tava sua esposa, respondeu-me que faziain quatro
annos que soffria umi graunde inflamnmago no baiixo
venture, com dores horriveis acompanhadas de fobre
e muito fastio, fui pouco a pouco indagando da
mesma senhora, que a muito custom pode vir at6 ,
sala, e fui tomando algumas notas em minha car -
teira, sobre os systems da m-Ilestia.
A falta de regras, um grande volume muito duro
no baixo venture que se movia de canformnidad,
comrn as posicoes que a doente tomava, fizeram con-
veneer-me de quo era uma grainde inflainmao no
utero, ou outra qualquer cousa coma polypos.
Al6m deste grande soffrimento, D. Josepha, ti-
nba todo n pescono muito iuchado, muita toss,
emfim, todios os symptoms de hypertrophiaoa
uvula, o halite era muito ietido; consultan-do-a que
remedies havia tornado, respondeu-me quo rouitas
depurativos, e assim era parque vi uma boa por<;ao
de frascos vazios corn rotulos do differentos auc-
tores estrangeiros.
Aconselhei o Elixir Cajurubeba, e no dia 14 do
main remetti um vidro, mandei que usasse confer-
me as preseripN es do seu auntor e pedi que me
avisasse do resultado; em fins de junho veio o
portador buscar outro, dizendo-mo que D. Josepha
ia melhor, finalmente corn o usa do terceiro frasco,
acha-se aquella senhora completamente restabe
lecida, gorda e robusta !
Assim o declarou seu marido o Sr. Pedro Aires
M. Falcao, nests cidade em nosso estabelecimento
no dia 4 de outubro proximo passado, perante o tea-
temunho dos distinctos cidadaos abaixo assigna-


dos: decla-ando o Sr. Pedro Alves, que estava
prompto p-ra attestar sob juramento a cura mira-
culoza que fez o Cajurubeba em sua esposa
A' vista pois do que levo dito pode V. 8. fazer
desta o us o que Ihe approuver.
Da V. S. criado e obrigado.-Miguel -Luiz Ro-
drigues da Fob.eca.
Como testenmunha, Thomaz de Aquino Almeida
Maciel Samuel Arlves de Britto.
N. 2.-Rs. 20'D.-Pagou duzentos r6is na falta
de estampilha. Pesqueira, 4 de novembro de
1884.
Reeonheco as firmas supra, e don fA. Pesquei-
ra, 4 de novembro de 1884.--O tabellibo, Manod
Marqus Galveo.


COIMEIRCIO

Pra bro de 1884
As trees horas da tarde
Cotaoea offijiaes
Cambio sobre Park, 60 d/v. corn 1 1/4 0/0 de des-
conto, hontem.
Cambio Sobre Londres, 90 d/v. 19 5/16 d. por 1,
do banco. ,
-i Dito sobre dito, vista, 19 d. por 1;, do banco.
Cambio sobre Paris, Avista, 501 ra, o franco, do
bunco.
Cambio sobre o Porto, 15 d/v 172 0/0 de premio
F.. J. de OUieira Rodrigue.,
Preoidente.
A. M. de Amoriim 'Junior,
ueerctario.

R efNDIMvBNTOS PUBLICOS
Mox da novembro d 1884
iWf axa=uo De 8a. 27 8%r2Wl G 18
lpaw 8 .de98W


mapto par seren ea stiarn.-I
r __.eo_ % g 1o -


MaudLit as MoigCues da Foinseca.
1lim. Sm. Miguel Luiz iodrigues da Fonseca.
-Cow muaito ptwer pego na penua ,pra espoan-
der as quesitos de sua prezada ei-rta do e CUJA
respweta pode V. S, faser o uso que Ihe convier.
Quanto ao primeiro, sou a dizer- lhe qae miaha
espasa soffria uma inflammaso no utero, corn to-
dos oas symptoms de metrite, da equal -provia a
fa'a do regras coa does agudissitmas, fastio,
f|bre e sade, acompanhando esie inal, urma grande
inalamnmagio na garganta.
Ao segundo, fazcmn quatro annos que soffria
este mral, semr nunca ter allivio, apezar de ter to-
mado graudo porciao de remedies e depurativos;
Saconselhados para esta molestia.
Ao terceiro, depois de canoado e quasi sem
mais esperau a o nosso migom aconselhou-nos
quo mandasse emt sua boticaeomprar umn vidro do
Cajarubeba; assim o fizemos no dia 14 de minaii
desteanno, c principiando ella-a tomal-o, corn to-
das as prescripg5es do author, no espao de 15
dias reappareceraM the as regras, e foi sentiudo
algomuas melhoras; fiualmente corn o uso do ter-
ceiro frasco do milagroso Cajurubeba, acha-se mni-
nha esposa perfeitaimente restabelecida, gorda e
r obusta.
Bemdito seja o Cajurubeba!
0 que deixo dito 6 una pura verdade, o quo ju-
rarei se fOr precise.
Do V. S. criaido e obrigado.
Fazenda do Napagaio, 7 dc novembro de 1884.
Pedro Alves Marinho Falcdc.
Reconheco a firm retro e dou f.
Pesqueira, 13 de novembro de 1881.
0 tabellilo,
lManoel Marques Ga lvao.


Caridade
Em dezoito asylos existem ril meniaas or
I pliss.
Em dous hospitals, miuitos doentes do ambush os s
sexos.
Todos esteo estabelecirnentos em quatro provin-
cias do nortc.
Para que noe desapparqc.a tanto beneficio o ir-
mio Ignacio vos pedo una esmola polo amor do
UDeus.
A esmola attrahe sobre nis a gra:ia, que aug-
menta as nossos bens espirituaes e tctporaes,
apaga em n6s o peccado, e abre-nis as portas du
COo.
Polerio as es'nolas .i s'r entregiis aos Sr,.
Brag Gomines & C., runa Marquez de Olinda ni. 50,
ou no escriptorio do Diario de Pernambuco.


11 district
him. Sr.
Candidate a depitado por esse mnilecimno dis
tricto, eu pepo a V. S. o inuito particular favor de
hlionrar-me corn o seu vote, e dos seas uumneroios
amigos.
Si eu fizer parte do parlamnento,- sustentarci to-
do o project do sabio estadista Exin. Sr. s,'nadr
Manoel Pinto de Souza Dantas, digno president
do con-ielho de inimistros.
Entendo que todo pretendente a represuentante
da naeio, em a elei(io d.) 10 de dezambro deve
apresentar o seu programinma i relativamente ao ele-
mento servil, questi' a iims1 grave que so tern
agitado no- imperio depois do sewpre memnoravel 7
de setembro.
Disponha de quom 6 corn a mai.r conrsidetarS.
e estima, de V. S. aminigo e criarloobrigadissimo
Jose .Iaria Ramos GodJo.
Recife 24 do outubre de 1881.


Dr. Cerqueira Leite

Medico e operator
Do "olta de sua viagem At Europa oxide fr(quen-
tou os hospitals de Paris, tecuido feito um curso es-
pecial de part.os e inmolstias de stenhoras, d.i con-
sultas no seu antigo consultor o a rua Duqmte do
Caxias n. 48, do meio dia as 2 horas.
Esp cahltdade : molestias de creaueas c de se
nhoras.
Recebe ehamados par escripto or no sen consul-
tsrio, ou cm su s residencia xi, rua do Bari-o do S.
Boija n. 30.


Aguiallepirm l teingu01ite, lf Bur-

tschui-M i-la hG ill

Tern as mesmas qualidades therapeuticas das
aguas de Selters, Apolhinario e outs, exoellente
no0 soffrimentos das membranas mncosas, afl'ec-
9oes rheumaticas e artriticas, escrofulas e moles-
tias de glandurlas, edemas do figado, soffiimnentos
do figado causados pela residencia prolongada em
climas tropicacs, hemhorroides, congesties pul-
monares e cerebraes, hypocondria, rheunmatismo


gottoso, catarrhos de toda aespeciP, nevralgias,
asthma, syphilis e molestias causadas pelo mereu-
rio, assim como se presta para ser bebida pela ma-
nhb, qnand. em consequencia de falta do diet na
vesper& apparecerem irregularidades na digestao
Agent geral e depositirio

THIEO. JUST

17--Corpo Santo-17

MOVI TO--D O'-P0 T ---
Navio entrado no dia 28
Cardiff==40 dias, barca norueguense Nordetfunem,
de 296 toneladas, eapitio Ch Bacher, equipa-
gem 9, carga ecarvio de Pedra; A ordema.
Sahidos wno mesmo dia
Manaos por escalas-Vapor national Ceard, com-'
mandante Gu'herme Jos6 Pacheeo, carga va.
rios generous.
Uruguayanna Patacho ingles Sbepherdess, eapi-
tao Frederick Cranehs, carga assucar.
New-York Patacho americano Josefa, capitio
' G. A. Gooduvim, carga assucar,
New-York-- Lgar americauo usse P. Oliver,
capitao J. M. Spare,. arga asucar.

Procedente de Liverpool e esalas tundeou no
Lamargo o vapor inglez Alice, o qual nao Colmu-
nicou com a terra por estar em quarentena do
observa*o.
VAPOR 89SWERADOS
Alice 4.triu*" IofI
4 Plata 4 1 I *


-Ma


vapor fra neez Senegal, idom cm 5 ideit idem, con-
teudo 30 litros d,' vinagre.
Maret F S. Dcz b.arris, vindos [de Liverpool
no vapor inglcz Author, idem ecm 17 ioin ite-i.
contendlo arc de inmoldar, p.'zauo li.luido 3)22
k;los.
Idem idem. Vinte saccos idem cm 23 idem
idemn, contendo ar6a; doi mula;r pezando 21W0)
kilos.
Marea F FBorges. Um fardo, vindo dos por-
toes do sul no vapjr argentino Ricadavia, idem em
19 idem idem, contend 35 kilos do obras ir.-
pressas de unia codr.
3a Secego aa Alfandega de Pernambuco, 26 de
novembro de 1884.
0 chefe,
Cicero B. dc Mello.


EditaIl n. 8
0 admioistrador do Consulado Provin-
cial avisa aos contribuintes dos impostos do
decimna urbana, dos bens de rtiz do corp*-
95es'de mao morta, e do 40 r6is por litre
de vinho e 80 r6is por litro de aguardento
e quaesqner bobidas alcoolicas consurmidas
na provincial, em estabelecimentos de fora
do porimetro dos impostos de repartigao,
dos quaes trata o 8 do art. 1i -da lei n.
1810 (orgamnento vigente)que no dia 1 de
dezembro proximo future comiga'. esta re-
partilo a arreeadaoo, bocca do cofrTe,
dos mesmuos imnpostos, comna o praso de 30
dias uteis na formoa do art. 42 do Reg. do
4de julho de1879.
Consulado Provined de Perna wbuoo,
26 dei18,. 8 .:,: -


.rco .Alagoa deo b i+ 8 0
eawubrnuns 50,00
floa 50o 000
Cuiuartl 400i000
flezerros e GravatA 30('o000
Bom.Jardim 100A001
6.620,80O
Outrosim, tern-e de addicionar & importancia
d,. arremnataao a do imposto additional de 5 0/0..
Socretaria do Thesouroo vrovincial do Prnam-
buae, em 21 de novemubro de 1884.
Aonso de Albuquerque ello.


Edital n. 30
3a praca
De ordem do 1Ilm. Sr. inspector se fmz public,
que as 11 horas do dia 29 de navembroi serdo
vendidas emb leilo, no trapiche Conceiso as mer
cadorias abaixo declardas :
Armuavem n. 1
Marca HN & C. Uman caixa n. 123; virida do
Havre no vapor traneez S. Martin, descarregada
em 8 dejaneiro de 1884, contcudo o eguinte : 8
pares do meias de algodao, compridas de mais de
20 centimetros, 4 ditos idem curtas e 3 kilogram-
mas de bijouterias de -cobre.
Marea FS & C. Uma caixa n. 5,767, vinda do
IHavre no vapor traneez Vil de Ceard, descarre.
gada em 9 do novembro de 1883, contend o se-
guinte : 31 garrafas corn vinho medicinal nilo es-
pecifi -ado, pesando liquid legal 11 kilogrammnas
e 350 grammas ; 30 frascos corn injecVces medi.
cinaes, pesando liquid legal 3 kilogrammas.
Marca FS & C. Urma dita n 5.768, idem, idem,
idimn, contend o seguinte : 12 frascos corn creme
tic bismuth, pesando liquids legal 1,200 gramminas,
100 frascos de xaropes medicieaes, pesando liqui-
do legal 22 kilogrammas ; 66 fraccos, conteudo
capsulas e confeitos mtedicinaes, pesando hliquid'o
legal 1 e 1/2 kilogrammas e 9 kilogrammas, peso
nos ecvoltorios de pastilhas medicinaes.
Marca FS & C. Uma caixa n. 5,769, idem, iderm,
contend livros impresses, eneadernados, torrados.
do papel, pesando -liquido legal 43 kilogrammas.
Marea FDS. Uma caixa n. 5,141, idem, idem,
idemin, contend livros impresses enctadernadlos, pe
sando liquid legal 126 kilogrammas.
Marca FXF. Uma caixa n. 408, idem, iden,.
idem, contend capas de algodao para chap6os dc
sol, pesando 16 kilogrammas e 4 kilogrammas pe-
So liquid de borlas do seda.
Armazem 11. 2
M.rca MJC. Uema caixa, n. 17,982, vinds. de
Liverpool no vapor inglez Orator, entrado emin 22
de dezembro de 1883, contend flores artificiaes,
pesanudo liquid 14-kilograrnminas e 803 graninas.
Arimazein n. 3
Marca C grand WR no ccntro. Ties caixas
is. I a 3, vindas do New-York no vapor america-
no Advance, entradas cm 24 de novemnbro de 1883,
conitendo o seguinte : caixa n. 1. 40 kilograintiIts
de quadros de minolduras ordinarias, piitadas : di-
ta 11. 2, 40 bilogrjinimas, idem, idem, ideim ; dita
n. 3, 40 kilograrninas de anuucios imprcssos de
mnais de utra cor.
Armazem n. 5
M:,rca Z. Uma caixa n. 130, vinda do Lver
pool no vapor inglez Commander, entiada em ,.5
j;ixeiro de 1884, coutendo 120 kilograiinia's, de
obras de ferro batido simples, nio classificada.
Mirca JG & C. Uma grade, n. 55(, idtm ino
vapor iniglez Warrior, entrada um 18 de novem-
ro de 1881, contend 20 ca4ixas coincl ei; da It
dia, pesando liquid legal 193 kilograininas.
Arinazem n. 6
Marca diamante R B & C dentio. Utna caaixa
rili nnnero, vinda do Southampton no v.ipwjvn ts-
rlez OGuadiana, entrado enm 20 tie naVeinblo dti
1873, contend dous chicotes eoin apoutcs part
earrinhos.
Ilem ide m. Umna dit', idai idemn idein, con-
tenbo quatro arrcios de couro branco corn guayr
ni6oes de metal pratcado para carros de ua aiii-
iuA I
Armazem n. 7
Marca D. Umra caixa n. 27, vinda de New -
York no vapor americano Reliance, entrado cm
26 de dezembro do 1883, contend 12 garrahis
moin vinho medicinal, pez.ndo liquid legal II ki-
i.s e 880 grammas.
Marca J A S. Umna barrica vasia, viuda d>i
Liverpool n o vapor inglez Orator, entrado em 21
id.'m idem.
Marca A A P S. Urea caixa, vinda do Rio de
Janeiro na bares nactounal Asqclita, entrd;L eCm
12 idem idem, contendo diversas pctcs para fogio
pezando Ii uido 86 kilos.
Marca H P C. Duaas barrieas, vinJas do Li-
verpool no vapor inglez Orator, entrado ei. 2 d0
janeiro de 1881, contendo cimento, pezamil li-
quido legal 287 kilos.
M'.rea Z. Um volume n. 128, idem idem no
vapor inglez Commander, 3idem cm 7 idem idem,
contend 10 kilos de peneiras de arame.
Idem idem. Uma caixa n. 129, idem idem idem
contendo 255 kilos de obras de ferro fundido.
simple.
Idem idem. Umra dita n. 131, idem idem idem
contend urna prensa.
Letroiro. Um barril, vindo de Bordeaux no


Arsenal de Giierra
0 conselho de compras rccube propostas no dia
4 de dezembro vindouro, at 6.s 11 horas da ma-
nhl, para a conpna dos- artigos abaixo:
Algodiozinho, metros 8,200
Algodao zuarte idem 94
Algodio mescla, idem 4,50)
Aniagem, idem 193,50
Algodao em rama, kilograminias 20
Brim pardb tranado, umetros 9,401
Brim braneo Liso, idem 2,700
Badta encarnada, idem 32
Bonets para service do quartel 639
Bonets para recrutas 131
Bonets do pakno comn listra e lyra para
musicoa 18
Bonets sern listras pFira senteneiados 3
Casimira encarnada enfestada, metros 15
Chapios de Braga comn fita e legend pcra
sentenciados 12
Corna de metal 1
Esteiras de tabda 24
Flanella de algodao enfestada, metros 432
Gr;tvatas de sola de lustre 798
G mta encarinmad, umitros 25,40
1lrIul.;ila de forro il.ern 1,200
Lvtiu,)s de chita 1,181
.\lIias do algodio, pares 1,672
P.an:io mosela alvadio para eapotes, me-
tros 1.152
P n to azul para ponchos, minetros 92,40
S'nmimo azul para fardas, idem ,1441
Sap-itos de cot. ro de bizerro, pares 1.00-)
Tamauneos, pares 38
Prwvine seque nao scrao tomadas em c3nside-
raqalo as propostas que nao forcm feitas na fdrma
do art 64 do regulamento de 19 de outubro de
1872, em duplicate coin referencia anm s6 artigo,
mencionando o nome do proponents, indicar,b da
casa commercial, c preg-) de eada artigo, os nu
meres e marcas das ainostras, declarailo express
de sujeitar-se A multa do cinco por ceuto no caso
do recusar assignar o contrato, b.un como as de
que tratam os arts. 87 e 88 do citado regulamento
Previne-3e mais que os proponents dcverlo de-
clarar sujeitarem-se A realisaao dos pagamentos
s6omente no mez subsequent ao em que tiverem
side forneeldos os different artigos acceitos, de
conformidade corn as instrucues do Ministerio da
Fazenda de 10 de dezembro de 1851.
Secretaria do Arsenal de Guerra da Pernam-
1 buco, 26 de novembro de 1884. "
Frat4ciseo Soaquimn de Sousa,
Seeretario.


De orde.t do lBim. Sr. inspector se fax public
quo no dis 26 do mez vindouro so veuder& em
Lasta public, operate a respectiva junta de Fa.
zonda, o proprio naclonai n. 55, stito A rut de S.
Bento da cidade de OUinda, antigamento perten-
cente ao convento de N. S. do Wrmo.4
Theaouraria de Fazenda de Pernambuco, 26 de
noveibro de 1884.
S .Servi doe erotario,
J.TosA Harmuwene dia lhivedira Amaral.


r wom ; uinuw mo
waeto m d4ireito o
recusa a entrwgo
par. salgadoimas


Qttroai, remetta-se ao Dr. advogad coepia do
ltermo que rVirgino Horaeio. d Freitaa, donor
dessa imlgodeira, obriga-se desiolir sob pena do
malta d 6.1000J. A refeorda salgadeira jho per-
te.6ate a um terceiro em aecordo "s smcien-
eia da Camaro, ae tambe de direito esse ter-
ceiro done opoder litigar eom a municipolidade.
Estas infbrma"- me se a necessarias a bern
dirigir o amen procedimento na questio que tern do
aer agitada na Camara em virtude de tal protes-
to, pois a Camara 6 parte no contrato do mata.-
donro. Em 27 de novembro de 1884.
0 vereador,
Mgnoel Antonio Viegas.
VENERAVEL IRMANDADE
DR

Sataih Oelol, cMW nn maoIz do
M~r8, rtB iitN
S.1 j

(E1lelIo) !
De ordem da mesa regedora desta irmandade,
de novo convido os Irmbos professors para reuni-
rcm-se em mesa geral no dia 30 do corrente, pe-
las 10 horas da manhi,. em nosso consistorio, afim
de procederem a eleicao dos novos funecionarios
do anno compromissal deT1884 A 85. -
Secretaria da irinandade de Santa Cecilia, em
27 de novembro de 84.
0 secretario interino.
Manoel Jos6 de J. Americo.


i,+^ ; -e 9, do" t*eMdo'" dd
azOm t* a qtem intsreesoir possa que nu sea-
ea 8e de winbro proximo, ser40 o Ievados em1
ae d saa Muici dal do Rei. 10,, 12,30
1oemrode,8.1% asdon e11,2
11- 4 a 9, do meicado da freguena da
Boa-Vista, as quaes' jk se aeanim' ocupadas corn
atougaes;, e bern assim os impostor do 120 re. por
earga de farina e legume, e 40 rs. por p6e do
cequeiro.
Pao. da Caaara Municipal do Recife, 26 de
noveminbro de 1884.
Joe Candido de Moraes,
President.
Leoncio QAintino de Castro Leao,
Amaniose, servinudo de seeretario.
A Cawnara Municipal do Recife faz conhtar
a quen iitsreuaar posa, quo na sesdlo de 3 de
dezembro proximo ser o levada em hauta public a
factura de tres mictorios soendo um aso lado da
Faculdade de Direito, outro no becco da igreja do
Rosario do Santo Antonio, e outro finalmente no
fundo da igreja matriz desta freguezia, nu traves-
sa que passa da ruma do Bario da Victoria, ser-
vindo de base- os orgamentos ultimamente feitos
para os mictorios collocados aoo lados da matriz
tda Boa-Vista e Santa Crgz,. cs quaes serao entre-
gues a quem por menos fizer.
Pao da. Camara Municipal do Recife, 26 de
novembro de 1884.
Joe6 Candido de Moraes,
President.
Leoncio Qpintino de Castro Leao,
Amanuense, servindo de secretario.
IRMANDADE
DR

N. S. do Rosario da Boa

Vista
Do ordom do nosso irmlo juiz, convido aos nos-
sos irmlos queestiverem no gaso de seu direito,
para se reunirem em assembl6a geral no aia 30
do corrente, pelas 10 horas da manhi, no consis-
terio da nossa irmandade, para se proceder a elei-
c.Io da mesa regedora do anno compromissal de
1884 A 85.
Consistorio, 27de novembro de 1884.
0 secretario,
Victorino Gomes do Olivoira.

CUlesial mBBIM la" saatssiza


De ordem, da mesa regedora, convido a todos
os nossos carissimos irmaos para se reuniremrn no
domingo 30 do corrente, pelas 10 horas da manha'.
;a fim de se proceder a eleiAo dos cargos- da actual
administracao que se acham vagos.
Secretaria da celestial confraria da SS-. Trin,
dade, 26 de novembro de 1884.
0 seeretario,
J. L. D. Camara.
Compaua in Locomojora Pernaumbu-
Nos terms do art. 5 dos Estatutos,. couvido
pelo prezente aos Srs. accionistas, iA realizarem a
7i prcstaqo de suas-cntradas a razao de. 10. /,
obre o capialdas acqSes subseriptas.. Para este tri
podem dirigir-se a caza n. 56 lo. andar, rua do
AMarqniez de Olinda.
IRecife, 27. de novembro de 1881..
0 thesouroiro.
A.G. de Miranda Leal.
Eitratda de herro dop Recite a. S.
FvanclMCo.

iviso
Pelo present s"o convidadlosos Srs.. accionistas
desta companhia para receberernm na estaiao das
Cinco Poutas o 42 .. drviden.-lo rlihtivo ao seines-
-re find emin 30 de iunho deste anno..
EKscriptorio da supcrintendencia,,Cabo 27 de No-
veminbro de 1884.
Superintendente
Wetis Hood


Or0M
O, abaixo assignado, em cump.-iminento ordem
do supremo coaselho provisorio, do sapientissinno
Grand Oriente ao Norte do Br,,sil, convida. todos
oa mcmbros- desta sociedade, tanto activos como
avulsos, que tenlain adherido a este novo Oriente.
parsa, comparecerem em sessbo extraordinaria A
rua do Barbo da Victoria, As 6 horas da tarde do
dia 4 de dezembro proxinmo vindamro, afim de se
tratar de quest~es de alta transeendencia da mes-
ma sociedade, e expostas pelo sapientissimo Grao I
Mestre Geral da Ordem, que digne-se compare-
cer. S6dc da sociedade, em 28 de novembro de
1884.-O'presidente,
Silvino Antonio Rodrigues.

Soeidade Recreativa Juventude
SOIREE BIMESTRAL
Acha-se designado o dia 7 de dezembro para a
soiree bimestral. Lgressos ein n.lo do Sr. the
soureiro.
Assim corno pedc-se simplicidade nas toilettes.
Recife, 17 de novcinbro do 1884.
0 10 secretariat,
MIanoel Bandeira Fiiho.


COMIPAN RA
DO




lBARBI

Convid -se aos Srs.

accionistasdestacom.

panhia a virem rece.

iar o 73 dvidendo na

razao de 4$000 por

ac ao.

Os pagamentos se-

rao feitos diariamen-

te ate o fim do corren-

te mez, e ao depois,

nos sabbados.

Escriptorio da Com-

panhia do Beberibe,

14 de novembro de

1884.

A. dos S. Co mbra,

Servindo de secretario


Conselhlo de contpras da repair

ia 0 1 de marinha
Supp, imieito dtie viv'r -.s, s-ires ilcntcs e mate-
riaes a i navi.s e g'i'rrt i fttudiie.ilos no porter des-
ta capital eAs d.t.s. dxsto Arsenal.
)De ordmi dI) Exim. Sr. 'ihefe de divisao Jos.)
Manoel I'ivaiIWo lda C'-j.bh, iipector deste Arsemnai
e capital dito porto Il:sta pr;imt.ia, .fao public
que no diai 4 de dzemlro, iAs 11 Ihoras da inamhii,
se contract cm consetho, i Avista de propostas
apresentadas em cartas fechadas, par tempo de
oeis mezes, a contar do lo de janeiro a 30 de ju-
nho vindoaro o supprimento de viveres, sobvesa-
lentes e materials aos navios de guerra fundeados
no porto desta capital e as dependencias deste
Arsenal.
As amostras deveri ser apresentada.W at a
vewpera do dia emn quo tern de se reuni, a .conse-
lho.
Os objects a contractar-se sao os sguiates :
Vivere%
Arr.z, kilo.
Assucar branco refinado, idem.
Assucar grosso, idem.
Aguardente, litro.
Azeite d6co para comida, idem.
Azeite de c6co, litro.
Azeite de peixe, idem.
Azeito para luz, idenm.
Aletria, kilo.
Araruta, idem.
I Boi vivo, inclusive o past ram.
Bacalhto, kilo.
Bolacha, idem.
Batatas, idem.
Came verde, idem.
Came secca, idem.
Cafe em grao, idem.
Caf moido, idem.
Chi verde, idem.
Chi preto, idem.
Oangics, litro.
Conomva, kilo.
D6#ekilo.
farfaha- do mandiacs, litro.
ratitha de Lisboa ou Santos, litro.
-U Preto ou m0a6tiho,- idem.
Manteh Mqftriz,^ k~ *


9a.27-


kilo.


Ago batido, ideam.
A, em ver *,didem.
A6fundkdo an Vagte S8, idemw
Aco em bari%, -ideo..
Ago fundido1 S5, idem.
Are do epioe, m.
Arco de ferro, kilo.
Arrebem, idem.
Amarello francez, kilo.
Acido muriatico, idem.
Almagre, idem.
Aldrabas de terror, uma.
Aldrabas de metal amarello, idem.
Almotolia de ierro, idem.
Arco de pAo pant barril, cento.
Argolas de metal, uma.
Aguiha para lona, idem.
Agulha para brim, idem.i.
Bandeira national de 2, 3, 4, 5 e 7 panoso, manS..
Brocha para eaiar, SS, idem.
Breu, kilo.
Brocha par:' pintar, utma.
Brinzio, metre.
Boccal de metal, um.
Botwes de m.tal,.idemn.
Bronze de ferro, idn.
Bronze, idem.
Bronzil, grammas.
Borracha em lenol .vulcanisado, kilo.
Borracha em lencol SS, idem.
Baldes de sola, urn.
Barril proprio para polvora, idem.
Barometros, idem.
Barrotes de pinho de Riga, idem.
Baldeadeira do folha, uma.
Bulles de folha, urn.
Bandeja de pao, uma.
Brim da Russia. metro.
Balanga roman, uma.
Bragos de balahqa, urn.
Bagotas SS uina.
Banuquinha de patente, idenm.
Caruaitba cm velas, kilo.
Collhercs de ferro, uma.
Cabo niovo de linhio aleatroado, kilo.
Cadeados de ferro, um.
Cadeadoa d mental aminar-llo, idem.
Cabo de Cairo, kilo.
CGtbo du Manilha, idem.
Cabo da conro, id(m.
Cal branch, litro.
Cal preta, idem.
Cal. de Lisboa, idem.
Chumbo cm lencol, kilo.
Clhnumba em rbarra, idem.
C-meito, barrica, uma.
CUolli da Balmia, kilo.
Cobre em vara', idlem.
Cobre cm folha, idenm.
Cobrc emn len.ol. idem.
forente de ferro, idem.
Cr5,. idem.
Correia de sola dobrada, mnetio.
Correia de sola singela, idem.
Craves de ferro, cento.
Cera ainareila em pao, kilo.
Ccra prcta, iaem.
Caios de clhumbo, idtm.
Caibros de qualidades, urn.
Caldeirnio de ferro estanhado, umn.
Cobcrtores de Ia, idem.
Cocehas para cosinha.
Ca~arola do frro, idem.
Clialeira de terror, idem.
Cadinho de laps, tium
Cutellos, uMn.
Canecos de pao, idem. i
Concha de bala,.a, pir.
Cera em archote, kilo.
Cdra ei vellas, idem.
Cadernaes bronzeados, SS,X .u.
Carretel de bancuinha, idem.
Cadeira coin assento de palhiLuha, uma.
Caixa de gui rra com vaquetas, idem.
Correia pars a caixa de guerri. idem.
Denal doe rcpucho, uin.
Dobradicas dc ferro, um,
Dobra;>i;as ,ic metal, idem;
Enuchada, ua. -.
Espirito de viliho, litro.
Escova iigleza, um:i.a.
Escova de araine, idem.
Estopa I lmithlo, kilo.
Estopa dfi algodao, idem.
Estopa da terrni, ilem.
Estanhio cm vergas, idem.
Espunniadcira dc follis, unea.
Esmeril en p6, kilo.
Escarradcira do ferro, uria.
Escarradeira de foiha, idem.
Perro iimglez en varnio, kilo.
Ferro inglez ei barra, idem.
Ferro miglez cm.lengol, ideom.
Ferro inglez em eantoncira, idem,
Ferro inglez Lonmoar cm varno, idesn .
Ferro inglez Lumnnoar em barra,. deia.
Perro inglez loumnoar emn lenc'o, idem.
FPrro dtI Suocia cm barra, idew.
Ferro guza, idemn.
Ferro inglez emn vsnrbo redondo Ss ideoa.
Ferro inglez, cm varmo q~uadlrado, idem.
Ferro da Stucia em varao redaudo,. idach
Ferro proprio para grelhas, idem.
Fechaddua de ferro, uma.


Fechadura do metal amarello, idem.
Folles S6, umn.
Follia do. Fatidres, kilo.
Ferrollhos de metal amarelln, umn.
Ferrolhos de ferro SS, ideo.
Faca para cosinha, uma.
Fund de folha, urn.
Fio e vela, kilo.
Fio de algodao, idem.
Flamulas pars escah-r, tIna.
Flamulas para n:iavio, klein.
Fileuile SS, n:-tiro.
Graxa do Rio Graxme do Sul. C
Griemmna laca, idem.
tdGa c'irte patients, idem.
G ,iva, umna.
Gr-isetc de foriea, idem. ,
Gatos coin sa,)atiAos, uut.
Gatos do torniel, idem.
Globos de vid-., idm.
Garfos de ferro, Liei.
Hstia, utna. ,- .-
Lixa de vid'o, folha.
Lixa esmeril, idem.
L)na da Russia, metro. .4
Lona ingleza, idem.
Lona naeioaal, idem.
Linha alcatroada, kilo.
Linha de barra, idem.
Lanterna patente, urea.
Limas de ago, idem.
Limatues, urn.
Lato em 1en.ol, kilo.
Liame de sicupira, urn.
Liamoes curvos do sicupirs, idem.
LampeSes de ccupula, idem.
Lampeues redondos, idem.
Lampeoes de rdc e vidra, idem.
LampeSes de vistas, idem.
Merlim, kilo.
M.tal em folha, idem.
Mialhar braneo para gachcta, idem.
Machado, um.
Moinho para cafe, idem.
Medidas metricas dc folha, teruo,.
Moit5es bronseados, umn.
Mochos corn assentos de paihinhko idem.
Navalha para marinheiro, urn.
Ouro em pao, livro.
Ocre, kilo.
Oleo do linhaa, idem.
Oleado para mesa, metro,
Oculos de alcance, urn.
Panellas de folhla, un*ma..
Passadeiras, umna,
Patescas de pAo SS, uam.
Pinceis escopeires, urn.
Phar6ea coru a tope, idem.
Pannos mesa, metro.
Pedras e moar, uma.
Nis de from; idem.
PA preto, kilo.
PAos deo quiri, um.
P.11.4.e sfowroquaimu, un.
Pp ein do 4 anr m8, idam.
Phcqhms4md6wASMm dinis.


"A f '/'

!/ i
4;



I1


k























5,


.-


) '


'I


Amor fla


SOCIEDADE

Boi1 e 8M do o


,.,. w wwM


w. ww ,,,















dof-m 0"M,
^^ Pz0go detrOea~)ento.
-Pegoe bde b e .epozcelai, urn.
a., de ihs*, idem.
JE,,omos de fai So, idem.
^ tomfi-de farro, uma.
Bftf e .kilo.
Btoinfa, urma.
Relogion, a.
t eolfa da terra, mcio.
Sola ingteza, kilo.
Saoos de Ionsi, urn.
Saccos do conauccto, idem.
Secante de zinco, kilo.
Secanto de ouro, idema.
Safras de femrro calgadas, urnma.
Stearinas em archotes, kilo.
Sebo emra plo, idmn.
Sandalo, idem.
Serrotes para curtar ceari-', umI.
Serrotes pars m ild-ira, idem.
Sebo em velaa, kilo.
Soudareza, ura.
Terrina dc tfllia. idim.
Ti'jolosa inglozes, inn.
Tijolos do l.idrillih, idemn.
Telbas do burro, utlit.
Tellias de ziico SS, idcmn.
Tigoelas dc folha, idea.
Trincal, kilo.
Traves de qualidadle, uiiia.
Tubos die metal, kilo
Tubes de borraelia, idemin
Tomno de fcrro para baucada, 1
Torno pequeno para milo, idem
Torrador para caf6, idem
Thesoura lde trimchciro, urea
Talhadeiras, idem
Tintciros de estanho, 1
Travesseiros de pallia, ideoma
Tapete pars escaler,-mntro
Torneiras de metal, uima
Toros do jenipapo, 1
Taxas de cibre, kilo
Taxa de ferro, milheiro
Tinta brauca de zinco, kilo
Tinta preta preparauda, idea
Tint4i azul prep-arada, idem
Tuboa de cedro para t'rro, tunit
Taboas de-ccdro do 0,025, i'lde
Taboa de cAdro die 0,019, idle.n
T iboa de louro para s soalho, idein
Taboa de pAo carga d(e 0,013, idem
Taboa de pdo carga, de 0,025, idMe
Taboa do paio carga, de 0,037, idem
Taboa de pAo costado, idem.
TAboas de pio eostadinlho, idem
Taboas de amare!b ptra forro, idem
Taboas de amarello de (',025, idem
Taboa de anmar ello de 0,019, iden
Taboa de am arello do 0,037, idemn
Taboa dc amarello de costado, idein
Taboa d ainm:rello do costadinho, idem
Taboa do pinlio da Suecia de 0,019, idem
Taboa de pinliho dla Suecia le 0,025, idem
Taboa do pinho d.t Succia de 0,035, idem
Tubes de pminho da Succia do 0,075, idea
Taboa de louro pars forro, idem
Taboes de pao carga dc 0,019, idem
Taboa de pinho da Succia de 0,037, idem
T'-oa de pinho da Sueci:t de 0,050, idem
Toros de jernipapo de 2,6i4 a 3,30 de comprimento
e de 0,55 a 0,65 do diametro no towe mais gros-
so e que nao tenham nos, 1
Varas para caniUa, unia
Verde iuglez, kilo
Vidros de vidraca broncos e do cores, 1
Vidro olho de boi, idem.
Vista de os0os, umi:t
Vistas de madreperola, idein
Vassonuras de piassaivw, unia
Vergontea do pinho, idem
Verniz copal, kilo
Vrmnelliao da China, idc n
Verde fraimmz, idtmin
Verniz do coatar, idem
Zaroso, kilo
Zinco era folha, idem


CondieyUcs
12. Tlos os a'-tigos ser.b dc prnmeira quali-
dade.
2a. S r.I,) enitregucs pelos frneecedores nas per.
c5es quc lit foremn pedidas polo alinoxarifado e
pelos navios do guerra, no prazo de trez dias con-
tados di data c.n que os pedidos forem despacha-
dos polo Exm. Sr. inspector.
3'. Os generous ficario sujeitos a approveAqo ou
reprovaiao do perito que for designado para exa-
minal-os.
4a. Os fornecedores pagara'o as multas de dez
per cento do valor dos generous no case de demora
nas entregas e de vinte per cento no de falta do
entregmi, ou rejei'io per mi qualidade, indemnisan-
do neste case a tazenda national da differen.a que
se der entree os pregos ajustados e os per que form
cormprados os generous nao fornecdos os rejeitados
salvo se estes forem iminediatamente substituidos
per outras da qualidade rontractada.
5a. 0 pagamento da lmportancia doi forneci-
mentos sera feito pela Thezouraria de Fazenda a
vista dos documents quo obtiverem os fornecedo-
res, e depois de satisfeito o sell provincial.
6a. Conforme o aviso circular do ministerio da
marinha n. 172 de 28 de janeiro do corrente anne
e fornecedor fieara sujeito a mais sessenta dias de
supprimento, alWm do praso estipulado no contrac-
to, sem que esta circumnstancia Ihe d6 direito a
proroga9gao do ajuste.
Observw.5es
in. Nenhuma proposta sera recebida sem que o
proponents d'clla declare per extenso se m clare
algum, emenda, centre linha ou rasura, o preco de
cada genero.
2". Nio scrA acceita propoata sem quo o nego-
ciante declare que se sujeita ao pagamento da
multa de cinco per cento do valor provavel do for-
necimento durante o prazo para que 6 este annun-
ciado, se na'o ccnparecer n'esta secretaria para as-
signar o contract, no prazo de trez dias, cents-
dos d'aquelle ein que for notificado pela imprensa,
come determnina o aviso de 28 de dezembro de
1874.
3a. Conforme o recommendado em aviso de 11 de
maio de 1880 nao serao admiittidas as propostas
dos negociantes ou nfirmas sociaes qae niao apre-
sentarem os documents seguintes :
Certidio da matricula da junta commercial.
Bilhete de pagamento do impostor de industria no
ultimo semestre.
Certidilo de contract social exhibido do regis-
tro da junta commercial.
4'. Nenhuma proposta serA recebida depois do
dia e hora dosignados neste annuncio.
5a. Os proponents aprecentario os documents
exigidos pelo aviso de 11 de miaMio acima rcferido
trez dias antes do prazo inarcado pario recebimen-
to das propostas para a necessaria vcrificatKiLo.
Secretaria d& inspeelo do Arsenal de Marinha
de Pernambuco 24 de novembro do 1884.
0 secretario
Ant)mnio da Silvai Azevedo.


EARITIOS

Companhia Bahiana de Navega-
qio a Vapor
Mac-i6, Villa Nova, Penedo, Aracajmu,
Estancia e Bahia
O vapor
Caravellas
Commandant Trindade


E' esperado doe ports aci.-
ma ate o dia 5 dde dezenabro,
e regretsar para s nmes-
m p, depoisdademora doeoa.
tame.
6eas, A ed


rntw et- as,
AGENCIA
-^do riganoO.O.


'q*persdo isportw do
"d.ls din 10 ded dembao, e



New-YWrlk
Para cargs, pasagens, e ancommendas, tracta-
se corn os


AGENTS
Henry Forster C.
N. 8 RUADOCOMMERCIO -
1.- andar


N.b


0 vapor
Finance
P Espera-sedeNew-Port-News
i\\ .at6 o dia 19 de dezembro,
feguindo depots da demora
necessaria pars

Bahia e Rio de Janeiro
Pelos vapores desta companhia dto-se passa-
gens pars Liverpool ao preco de 200 dollars ; o
passageiro desembarca-ado em New-York tern ga-
rantia a passagens paxa Liverpool quando Ihe ap-
prouver per vapores de la ordem.
Pars carga, passagens, encommendas e valores
tracts-so corn os
AGENTS
Henry Forster & C.
N. S RUADOMCOMMjEtKiO -- N. 8
1.'andar

ROYAL MAIL STEAM PACKET


COMPANY
Grande redueao nos prefos das
passage as
0 PAQUETE A VAPOR
La Plata
Commandant Hart-Dyke
t esperado
do sul no dia 29
do corrente, se-
guindo depois
da demora necessaria para Lisboa, Southampton,
etc.
Tern optimas accommodates.
Passagens para a Europa podem ser toma-
das na ida dos vapores para o sul
Redne4pio nos preoos para o Rio
de laneiro
1- class 90#000. 3- dita 27#000

Itinerario
IDA


Sahida
Chegada
*







Sahidas
a
Chegada
*


Southampton 1 9
Bordeaux 4
Vigo
Lisbha 7 13
S. Viceute *
Pernambuco 20
Macei6 21 ..
Bahia 22
Rio de JanAiro 26 29
Santos 28
Montevideo .. 5
Buenos-Ayres .. 7
VOLTA
BuenosAyrcs 17
Montevideo 18
Santos
Rio de Janciro 5 24
Bahia 27
Macei6 c-
Pernambuco o 29
S. Vicente -. P,
Lisboa 0 .
Vigo .
Southampton 15


(8) S6 tocarA se precisar carvio.
Para pissagens, fretes, etc., tracts-so corn os
CONSIGNATARIOS
Adamson Howie & C.
3--Ruado Commerclo--8
Companhla Bralsileira de Nave
gajao a Vapor
PORTOS DO NORTE
0 vapor
Manaos
Commandante 1- tenente Guilherme Wad-
dington
E' esperado dos portos do nor-
S te ate o dia 2 de dezembro e
seguirA depots da demora
do costume para os portoado

Reeebe tambem earga para Santos aRioGram.
de, friete modico.
Para carga, passageuna,encommemndas valores,
tracta-se na agencia
46 RUA DO COMMERCIO 46

HafflliiriSnaglamedGbischo
Damipfschifffahrls-Gesellschafl
O paquete
Rosario
SEsper4-se da Eu-
ropa e portos do
norte no dia 30
do eorrente, se-
guindo depois d&
demora necessaria pars
Bahia
Pars passagens, free, etc. tracta-se corn os
agents.
Borstelmann & C.
RUADO VIGARIO N. 3
1 aandr
CIAR-GEIJ Mi-
comipaMa Fraumft dO NMawa.
gE'a apr
Linha quinenal est e 0 Havre, Li.
uoa, Pernambuco, Bahif, Rio de Janeiro e
Saatoi

ViC 4.


. -V i .' 1-.%, .';.i ,


42 RUA DO COMMERCIO -42
NiavTge Cstelra pr Vaipr
PORTOS DO NORTE
Parahyba, Natal, Mucdo, Mossor, Ar'a-
caty e Ceard
Scgueono dia 5 de dc-
zembro o vapor Pira
j pama, commandant
Carvalho, As 5 horas
~da tarde.
Recebe carga at o
dia 4.
Encommcndas, passagcns e dinheiro a frete atW
; 3 horas da tade do dia da salida.
ESCRIPTORIO
Caes da Companhia Pernamflbu-
cana a. 12
COMPANII.A PE1NAMIUCANA
DE


Navegaio Costeira por Vapor

Fernando de Noronha
Segue no dia 6de de-
---. szmbreois 12 horas da
manhi o vapor Giquid,
commandante Mafr8
Recebe caiga atW o
a 5.
Encommendas, passagens e dinheiros afrete atW
As 10 horas da manhal do dia da sahida.
ESCRIPTORIO
Caes da Companhia Perambureana
in. 12.

pacific Steam Navigation Companr
STRAITS OF MAGELLAN LINE
0 VAPOR


Galicia


i~Nmb..


Espera-so dos portos
dosulate odia 8 de
dezembro, seguindo
-para a Europa depots
ida demora do costume.


Para carga, passagens, encommendas o dinheiro
a frete; tracta-se comos
Consignatarios
Willson Sons & C., U imited
N 14 DO COMMERCIO N. 14.


LEILOES


Leilao

Liquida io difinitiva
Ao correr do martello
De miudezas, eonstantes de tiras bordadas, en-
tre-mcios, bicos, pentes de alisar, coc6s e finos,
voltas, meios aderecos e pulseiras, caolc1tas de
hexibequs, espartilhos, camisas c puhos para se-
nhoras, cortes de vostids ein cartoes, casaveques,
bolsas de couro da Russia, meias, collarinhos,
toucas de la ; e moves, a saber : 1 piano de ca-
da, 1 mobilia dejacarandA, 1 dita de junco, 1 mne-
sa elastic, 4 taboas, 2 cadeiras de balanco de
junco, 2 ditas de bravo de amnarello, 2 fiteiros
para port, 1 rico porta licor e muitos outros ob-
jectos.
Sabbado 29 do correnle
AS 10 1/2 HORAS
Rua Direita n. 36


Leilao
De 61 caixas corn batatas
Hoje, 29 do corrente
A's I I horas
POR INTERVENQAO DO AGENT

Allredo Guimaraes
No armazem do Sr. Annes ao largo
da Alfandega

Leilao

Agente Pestana
Da arma9So, generous e utensilios da ta-
verna da rua de Gervasio Pires n. 25
Tonr-fir 2a 2 dgo cmilt
(Na referida taverna)
A's 11 horas
Em lotes a vontade dos Srs. compra lores
POR INTERVENQAO DO AGENT
PESTANA


Leilao
DOS
Ulenlilios e armat o da padaria
sita a rua dos Pescadores n, I
0 agent Brito, devidamente autorisado, levarA
A leilao a armaio corn balcao, pesos e balance, 1
cylindro, 1 masseira, taboteiros, assadeiras, 1 ten-
deira, pineiras, barricas vasias, certadeiras, uma
porNAo de lenlia, 1 lata corn fumno do Rio, meia Ia-
ta corn banha de porco, latas vasias, 1 mesa de
amarello, 1 mesa redonda, urn lote de louca c mais
diversos objects.
Ter afeira 2 de dezenbro
A's 1A 1/0 horas

Leilao
Da arrearo de amarello eavidraeado, balcAo, 0o-
fre bajangas. mercadoria. e utensilios da taver.
na sita a rat de Pedro Aff-ngo u. 82.
ulntarelkW 4 de deucubro
A'S11 HORAS
O agente (Qnbsm a toxisai por ma&dado do
Ezm. Sr. Dr. jaiz de direito especial do emme-
do, faiL leitlo com asustencim do memo, e a ro-
q ueimento doe tiui..da mual twlaffids- de
ag aol i P da aroaya o e
gaessw do t u fo eneionada r proddo so
4tuuliikOnd 4 Bani4@o w eaeriptorio do riebrno


B. .t u 4 A-rmim 51. d o



ri-s 6. P.
l~ePuidiw f 0


al~ oo ~PtW stsa tr6atVeMada
Bi e 1? (fcgmauia da Gras) tndo 2
j: d de e<^ j^-A s eommodos pam
fiM teebr~itti d' ioquartos pars erisdos
e mnpeq d aitoew ibastantea arvore s frueti-
fie0a, rendspd.40000 'annaes.
fataftlra S .de desembro
AO MEIO DIA
No armazmn da rua do Vigario Thenomlo n. 12
0 agemte Pestana por alvasr e assistencia do
1Im. Sr. Dr. jaiz de direito da provedsria, a re-
qucrimento do Sr. Jose dos Santos Coelho, testa-
meniteiro o inventariante d, s bonN doixados por
fallecimento do Francisco Jos6 da Silva Mayer,
levarA a leilLo os predios aeima menciomnados per-
tcncentes so dito finado.
Na mesa occasion o mesmo agent venderA 3
casas terreas na Estrada Nova de CaxangA ns. 70,
72 e 72 A, pertencentes a Irmandade de Nossa
Senliora do Rosario do Corpo Santo survindo de
base a offerta de 5501 offei-recid i no ultimo leilao.
N. B.- Para qualquer informaq'io o mcsmo
agent dara e. sou armazemi a rua do Vigario
Thenorio n. 12.


Agente Brilto

Leilao
Do sobrado de urn andar sito no largo
do Mereado n. 5

Qooga-flira, 3goe Dezmbro
As 11 horas
0 agent Gusminao autorisado por mandado do
Exin. Sr. Dr. juiz de diteito de orphaos a requeri.
mento do inventariante de Manoel Francisco Coc-
Iho, levara a leilao o sobrado a cima mencionade,
o qual se torn recommendavel por sua Jlocalidade,
cujo leilao sera effetuado corn assistcncia do respec-
tivo juiz e terA lugar no escriptorio do mesmo
agent a rua do Born Jesus n. 51. onde se darA
informagSes aos compradores.

Agente Burlamaqui

Leildao
Do Espollo de Manoel de Noura
Esteves


Quita-felira, 4 t odzl bro
A's 1 horas em ponto
No armazem d rua do Imperador n. 22
0 agenite acima por mandado e assistencia do
Illum. e Exm. Sr. Dr. juiz de direito privativo do
orphaos, levarA a leilao o seguinte : cadeiras de
guarnicao, banca, mochos, bahus de folha e de
couro, mesa de pinho, 1 lamparina, 1 relogio de
prata, 1 terreno no Arraial no corner da linha fer-
rea entire o sitio do c:ipita'o Vianna, 1 casa bemrn
construida e nova de taipa caiada e coberta de
telhas na travessa do Moura, a margem da linha
ferreca, corn port e 2 janellas, salas e quartos, 1
casa terrea de taipa caiada, coberta de telhas, na
travessa do Moura sob n. 2, assent em terreno
proprio, em aberto, tendo port e 2 janellas, 2 sa-
las, gabinete, quarto, cosinha, edificada a casa
terrea de taipa sob o n. 2 a travessa do Moura e
que fica pela rua da Harmonia; 1 terreno em
aberto no fim da travessa do Moura, principiando
dos funds do sitio de Martinho Jose Gomes, a en-
contrar coin o sitio do Sr. Dr. Antonio Bruno da
Silva Maia; e dividas aetivas de diversos deve
does conhecidos na importancia de 1:4335760.
Os Srs. pretendentes desde j.1 poderto examiner
as easas e os terrenos, e alguma explicacio corn o
mesmo agent no armazem a rua do Imperador
n. 22.


SAVISOS DIVERSOS
4luga-se para familia0o primeiro e segundo
andares do sobrado rua do Bart da Victoria
n. 14 per 504, todo pintado : a tratar na loja do
memo.
Aluga-se na rua Imperial duas casas, uma
de padaria, corn forno e utensilios, e outra de moo
radia. ns. 198 e 199, por preco muito commodo "
a fallar corn Jos6 Feliciano de Nazareth. a rua
de Pedro Affonso (outr'ora rua da Praia), arma-
zem n. 20.
Precisa-se de uma mulher moca ou de mneia
idadepara companhia de uma casa de familiar de
tries pessoas, prcstando-se a fazer algum servico,
se darA roupa e comida, mediante ainda unma gra-
tificacio razoavel : a tratar na rua da Madre de
Deos n. 7, primeiro andar.
Precisa-se doe uma uma para cosinhar e corn-m.
prar, e mais algum servico de casa de urma fami-
lia compost apenas de tres pessoas : a tratar na
praca do Conde d'Eu n. 9, segundo andar.
Desappareceu no sabbadot uma cabra preta,
grande e mansa : quem der noticias ou leval-a A
rua da Roda n. 54, sera recompensado.
Precisa-se de uma criada para o serving
domnestico, e uma cosinheira para casa de family :
na rua Nova n. 39, loja.
Precisa-se alugar uma ama idosa para co-
sinhar: na rua da Imppratriz n. 17, primeiro
audar.
Aluga-se a casa assobradada n. 19 da rua
da Ventura (na Capunga), propriedade do Dr.
Joao de Sa e Albuquerque, a qual tern exeellentes
commodos e grande sitio : a tratar na rua Pri-
meiro de Marco n. 13.
Aluga se o 2 andar do predio n. 51 A rua
do Imperador corn grandes e excellentes commo-
dos para familiar, tern agua e gaz; tracta-se no pa-
vimento terreo do predio n. 10 A rua do Commer
cio.
-Aluga-se o 1- andar da casa n. 18 o 20
da de n. 66 a rua Direita, o 1 da de n. 3 A rua
da Penha, e a casa n. 1 da travessa da Hora, no
Espinheiro : a tratar na rua do Hospicio n. 32.
Crmpra-se para exportao cacao que esteja
fermentado e secco, quern tiver made a casa dos
Srs. Sulzer & Koechlin a rua do Marquez de Olin-
da outr'ora da Cadeia n. 36.

S -Aluga-se a casa da rua do

Fogo n. 30, a tratar na rua do
Barao da Victoria n. 14.

E' b6a occasion
Aluga-se, do mez de dezembro em diante, a
primeira casinha da rua do Dr. Maia nos Affiic-
tos, proxima a casa do Sr. Joito Ramos. 0 pre-
tendente depois de vel-a dirija-se A casa de ba-
nlhos do Recife.

Caixeiro
Precis-.-si de am clixeiro de 10 A 12 ana)s,
corn pratica ou sem ella, para urma taverns na
Passage da Magdalena ; a tratar na travessa
do Queimado n. 3.

%^ .-%
Preciasa te de uma ama para cosinhr, sendo
livre: na rua da Ventura (Capunga) logo I en-
trada n. 3.

Ama
Preeiba-se de uma auiheira na rua do Pays-
sandi n. 19 (Chora "Amino).

.. Precisa-se de un.. ewa pftmu tstar de urns
creamigs, nas ra do Mar(|nee do Herio a. 26.

Preidaa. is WM. i **. a, usdadPayasani6


j44 4 .ifa i n a m a r e s 4 .
S'. w .
:.,-. ./-._ .. .. I.-
,.::: .. : ,, .. .-


ESTRADA


KECIFE


DO



40 A0


DE FERRO


Fft4NCISCO


AVISO

Nao tendo o Governo resolvido ainda

sobre a abertura ao trafego da nova esta-

?ao de passageiros de Cinco Pontas, annun-

ciada para amanha, 28 do corrente, vO-se

a companhia obrigada a adialwa at6 novo

aviso.

Cabo, 27 de novembro de 1884.
Wells Hood,

superintendent.


I ,'


Aluga-se I AjA
Por prec o coirmodo o 2- andar do sobrado a ruan
do at-o d moe o anar o sbrao Srii Precisa-se de urns ama pars, cosinhar pars
do Barao do Triumpho n. 84, corn accommodates duas 'pessoas :de nmarua damaperatriz conhar2 pri
pra familiar a tratar rua larga do Rosarioe duas ndssars : a a da Ipeatz 2, pn
na. 34. ,,, _____________

Ponte dos Carvalhos
Cabo 0
Negccia-se urma boa casa de pedra e cal, edifi- 4
cada corn solidez e paredes dobradas, corn arma-
gao e soffrivel sortimento de fazendas e molhados,
no povoado de Ponte dos Carvalhos, perto da cs-
taeao da Ilha, da Comarca do Cabo, situada em D. Joaquina Candida & erreira
terreno foreiro, no pateo da feira, e no alinha- Pinto
mento da rua do mesmo povoado, teudo alguns Joao M. da Silva Brags, Guilherme Fcrrcira
arvoredos de fiructas na aria do mesmo terreno ; Pinto, Maria Candida F. de Pinto Braga, Emilia
send muito do notar a posiqa'o e localisa~to da Candida Ferreira Pinto, mimndam celebrar no dia
casa para o commercio, attento o introcamento 2 de dezembro proximo, As 7 horas da manhi, na
dos dous ramos da estrada de rodagem do sul : igreja da Soledade, missas pelo descanso et( mo
pars ver e tratar, os pretendentes dirijam-se ao de sua presada sogra e mni, D. Joaquina Candida
mesmo povoado, no referido estabelecimento, que Ferreira Pinto, 90' dia de seu passamento, e oan-
6 de J. Pereh a da Fonseca, ou nests cidade a rua vidam para assistil-as seus cunhadoe, irmna .' e
Vidal de Negreiros n. 147; negocio que se faz mais parents e amigos, confessando-se ai ida
polo estado de safide do proprietario. mais urma vez grates a aquelles qne se dignarem

AGORA SI (?)


Sorvete e chocolate

A 100 rs.
Todas as noites no BILHAR e LUNCH
IS--Rua Duque de (adas-'IS

150.000
Pede-se ao Sr. Dr. Francisco Xavier Paes Bar-
retto que venha restituir o numero acima ao ex-
collector.
Ao commercio
Eu ahaixo assignado, declare ao corpo commer-
cial, que comprei ao Sr. Francisco Muniz Pacho
seu hotel, sito a rna de Thom6 de Souza n. 5, li-
vre e desemnbaraado de qualquei onus.
Recife, 27 de novembro de 1884.
(Ucuente do Carmo.

Amas
No largo do Corpo -Santo n. 14, 2" andar preci-
sa-se de uma ama para tratar de urma crianca de
um anne e entenda alguma cousa de engommar.
Precisa de outra boa cosinheira na rua do Coinm-
mercio por cima do banco, entrada pela rua do
Torres n. 36, 2" andar. Ambas que durmamn em
casa e sejam bern conhecidas.

LINHA COATS

SLustrosa para mnachina, e a Macia de 6
fios tanto pira machine eomwo para cozer a mao.
-Nao se usa mais linha em novello-
Pede linha em carretel corn o nome
J. &P. COATS. -

N. 3:000.000
tA viuva, pede ao Sr. Jo'o Goncalves dos San-
tos Junior, que venha restituir o que o Sr. tern
consciencia que recebeu.

N. 300,000
Lembra-se ao Sr. Antii, Bezerra de Menezes
Lyra que ja fazem 5 annos que o Sr. recebeu
aquella quantia quando Sr. sen filho estava no 1-
anne.
Aluga-se urna boa c ts; no varadouro em
Olinda urn sitio e divercas casas na estrada Tor-
re a tractar no armnazo: n1. n25 oitao do Corpo
Santo.
Na rua da Pan!ma a. 90, se precisa de uma
aima que seja de idade avancada, para fazer o
servigo necessrio a uma pessoa, de compra, etc.
Vende-se o engerho Caiana na comarca de
Iguarassd, iuma legeas ditanie da estacao de San-
ta Rita : a tratar n" pteo d(in Terqo n. 18.
Precisa-se d& iiu-T m parn criado, que
saiba comprar : a r r::i: i, ,ia do BarAio da
Victoria n. 54, ncv :; i .o moves.
Precisa-se de i .:iem pjrtuguez para
tratar de um sitio : 1 ).u ir-eitai dos Afogados.
defronte da esta;, d .... *.;,.ci .
Cidade a Esada
Vende-3c dozfrUA6.i m'-iat'9adasn rua do Co-
chicho.

Par -mole lai edo18io -
Quern estiver soL-.,ij.' de.ta terrivel molestia.
dirija-se A rua da tr av i.'a dos Expostos n. 14,
que sera curado o matis breve possivel ; e nio
soffrer6 mais deste terr;i'.: incommode, corn calor
de figade. .
-jf'-*^"^"** -- -'- ~ -^~ ^ ^^."i
i luga 90 o s: u L, estrada de Jolo
S de Barros n. 27. con:. grades commodes
pars familia : a tratar na rua do Barao 1
da Victoria n. 11, corn o Sr. Bento Ma- ,
( chado. I
I| 1_____________ i

Sr. Matiii

iuBpMteu (6 oi, ac de cousrias par si e
9M l q^ aueoene mulb potbe, e.e s.e
lldiat^^J~- qo pertence so club S. Ylesien
M M sf^ faber quo nao 6 bont fte~ls as-


-~ ~:- -~;.


Rita Francissca de Paula Ca-
valeante
Agostinho Bezerra da Silva Cavalcante suas
irmaes e cunhados maudam celebrar na seganda-
feira lo de dezembro, Ais 6 horas da manlih, na
lgretja da Concei&o dos Militares, misses pelo
descanso eterno dc sua sempre lembrada mai e
sogra, D. Rita F. de Paula Cavalcante ; convidam
para assistil-as a todos os scus parents e ami-
gos, agradecendo summamentc i. todos iue se
dignarem comparecer a este acto de caridade, e
assim a todos que dignaram-se em acompanhar
seus restos mortaes A ultima morada.

Ponte dos Carvalhos
Cabo
Quem pretender aforar ou arrendar terrenos no
povoado de Ponte dos Carvalhos, lugar muito sa-
lubre, commercial, e ao mesmo tempo proprio pars
passar a festa, muito perto da estacto da Ilha, e
engenho central de S. Ignacio; cujos terrenos si*
proprios de qualquer lavoura c legumes : a en-
tender-se na cidade do Cabo corn Jos6 Paulo. pro-
curador da proprietaria, para meihores c.xplica-
c5es. Ha no aIdgar feira e entrocamento das es-
tradas de rodagem do sul.


It- FRANCFORTSI/MEIN


PARIS l LUNDRES '
15Ruedei chiqier 54-Aldenranbm'iEC









c4 conhecido do mrndo inteiro
como o melhor 6 mais perfeito
de todos es saba s de toilette.
Especialidade.
Estractos 6 essencias triples
S de cheiros. Agna dc Colonia.i
S Vinagres de toilette. P6s d'ar- V I
roz. PommadeLS. Ameites 6 to- "go
Sdasclasesdepcerfumariaasfinaa. 1
Superiores qualidades. |
S Depositos nas principles Per-
S fumaias, Pharmacias 6 Cabl- 10
l eireiros do Brazil. -i
P4 ai
Medaha do Progrcz-V- vi-enna 187&


Este remedio precioso tern goho da acceitn-
.5o public duramte ciucoenta e sete amros. cornm-
egando-se a sua mnufaicta e vmd em ft7.
Sua popularidade e veend&a nm furto t o utm-
sas como aso present; e o, por i m ,.
offerece a melhor prova da su fica um vl-
hosa.
N.Io hesitamos a dizer que isao tern drixido
em caso algum de extirpar os voms. u a em
cieansas quer em adults, qo se adhd k-
tos destes inimigos da vids hu .
Nio deixamos de mccper in
attestges de mnedj em m m d&aMOM
admiravel. A mcaumdoam m lP eM
remedio, tern amapmuu dh k kam.b. O*
sorte quo dev -o utMP illn- I niOMta.


ri4* -ft "

'. l ."i y '
d, '. ',
., o o. -
s-.


I-:
--F

I


'in
A


9. I


- w


,1


5,' ..

























Locomotivas do todas as forgas--para grades via4-terreaa.--Locomotivas agri-
colas.-Pontes rodantes aegyrantes ; guadtwtes rodautes; apparelhos dea suspender, de
todas as forgas; caldeiras de vapor de todba os systemas; machines a vapor de quatro
distribuidores systema Coifias) a d6 tddos os outro s temas; lanchas a vapor; rebo-
cadores; material para abastecimento de ag"a nas idade ; elevadoras hydraulicos ;
pe~aae forj e tdas as diua083e8, set. ; '' **1'1
bunfte M ale&* a. 9r bul vbreogfti e eUt6Ao d96 fMV00 @.bonurim-00 de
estradl o de ftrg' (material lxo e rodaute) e0nstrue, es de
em esen NZaWef ^BENDIENTOS &ABANTIOS)
fpha aanna de-oito cylmdtos, prodhnmdo quatro presses snoces-
Sivas systema Brissormeau e eLa ) atgm e -do 1 a 1/2 o/o o
-fimentoem assucar produzido pelas moendas de-cico a trft cyHndros.
,B"r -DESFIBRADORPARA CANNA ._'( a u. I t a For-
ton), privlegiado e ultima.
mente premiado na exposi9ao international de Amsterdam.
Turbinsl susnpndiP s systema Weston-Cail) GUA- i )O,
Turbinas .susp udid teido Liebermann (privilegiado) para pe-
neirA dW-tunbina.
Apt areiho (ystema Oscar Puvrez, ultimamente privilegiado no Brazil) para
App'l tl a filtrago economic e purifica92o perfeita mecanica dos vinhos
e dos xarope, supprimindo completamente o earvlo animal em fabricagio de
aslucar. Mais de 250 grandes fabricas da Allemanha, da Austria-Hungria,
da Franga e da Hespanha, etc., jA adoptaram este process.
Al mbieu s ('systerma Cail e system Savaldle); appareihos rectificadores;
Sregulador de presslo systema Cail) paia apparelhos destilla-
-. dorms e reetificadorets.

Mf tcri It para fabrica de oleo de ricino, coco, algodlo, tapioca, etc.
.*e t binkvAs hydraulicas dos diversos systems e de todas as
Sodats e tlulbia forgas.
rial d errA s do todos calibres par& artilharia de
~at il l del W Q A terra e de-marinha (systems de Bange), o nii-
co heje adoptado pela commissao de artilharia franceza.
REPRESENTANTE GERAL PAARA 0 BRASIL


CAKADO COmBEIO 141
Rio de Janeiro


F. tY=,lA.sr

70-,-1yIER


Correspondente em Pernambuco


CAJXA DO CORmEIO 141
Rio de Janeiro


AUGUSTO LABILLE


9-..Rua do Commereio-9


CAROBINA
DO
DA.CARLOS BETTENCOURT

MBD100, PHA1SMAOIUTICO E OPKBAOR0


0 GRANDE PURIFICADORTO SANGUE
Empregado em todas as molestias chronicas: rheumatismos, syphilis,
doenas venereas; ulceras, cancros do utemo, menstruaaoes diffleeis ; gom-
mas, exostoses, caries dos ossos, fistulas; beriberi, anazarca, hydropisias;
cachexias, enfraquecimentos organicos, tuberculos, tumores em geral;
molestias de pelle e escrofulas. Este depurativo do sangue 6 urn espeei-
fico de primeira ordem e um tonico por excellencia.


pate e "em qual-
Re coOveeiouare
itA~i-Ue A ma da
earreg-se das


is12 qej


Ana
Precisa-se de urnm an* d leite na roa da Del
edlo 3.12E.


jpiomsttm oa &Rtlqin4oto cuiftdoas
ipmooo4iMAsMt.iui
m a nm tiU8604, a. c"m
Umolmr os oganos digtesUvo., pa
-l4IXTT.2L.j,
S e n),Clo~t


PAJ


"40Pbfir. at fs-- R, A
IL utk ft ,o if; J t o hA
a .1,uM ww gi


a


t.,olv&a*


s


KALYDOR
c riental e vegetal para aforbnsear a cor e a
,ft deeppareeT an Sardaa, a cr trtgurM
9 tta ordedurumdI lnse cts oea rqO-
lb da PONl. Durate o tempo de calor usI
|xuuo fte refrlgemr -to paRa o Rosto, as Jm eI
o Dpes. E' completamente inoffensiva.-A ags
lOWUIANDS' KALYDOR de 20 Hatton Garden, tlM .E
um em u dju as Drocrias e IA=Tia


i PIULALS do I E
Sde IODUK7TO de FERO5 e de QIMQIA
I TWu Td AlHOSbom Ex-Cltortem -d tradom
a aefieaeiaaontestTel d'estas]Ptalasllqaoeueermm
MW atodMelwenof pmeepara a rvfeiwrafo & Wifue.
Pelas Nss proprledade tow e 4#j wi~mfu,
'6 ozoInBTdIc X~iiamrmac .6"fsV*o&&
9 o 4 wo eidcuoa~ do doi *atta r -
0 m- do m ---p Chomse Amm -
Peroda de Appetite
0 u"-EOI Caap1-mpObRWcm~ do Sam"e
A ~ftffbagt arflfas to. -
Upitga rfl: 9, ra id rmB-SaltoaAM, AB
I hsmambueo : BAN" L. da SIhLV-& A 0.


CHOCOATE comm SANI:TONINA L,
WimTD,Ul fIn ileumr aul LfSBIftl6 tfl

Exigir a aelvter :a

MOLESTIAS dos BRONCHIOS e da GARGANTA
(Os.uxoS, Catarroa, Coqueluche, Laryagit)
e PASTA de VA1QUEUN
PABZS, Phmi 31, run de Citry, e outdas Ph-"- -----.------


A 'A I


Por


semana


-se as verdadeiras machines de

SINGER


Qiem ndodeixara de comprar agora unima deslas afamadas machi-

S Venhm a succursal da companhia Singel na



RUN DOCABUGA N.IA
N. B.-.Vendemos tambemi linha superior, retroz em carreteis,
agulbas, oleo, linha de crochet, peas avulsas para as mnachinas,
tado de superior qualidade e por prefos sem-competencia.


I $YOR 4:- z A z Allivio immediate r Cara ccm a
gffEf 1IPSSAbA ROYER ds
Fl ysstraxa do Aaos \. ^ ^s ~ag


[J Dw-6, M Po "inwmbn FBale.y n B '8,VA -
OPPRES S JW mEVUL GIAS .
T-oaa I v *-CUA
TB t CATAHAO-DEFI asis ClIaMSl InC
Bas "aai Aga-se a fumaca que penetra no pelto acalma o symptoma nUrvoso. fadiYt
a tpcr..ioravab e lfavorisa as funcgoes dos orgaos .espul.orfol'
TYn* em staado e ew asa edo J. e81sl C, I de, Vr, S'-am el moris F V -
pma _4ositanos em Per romsm rjfANparc a SILA. r b oLo f^ _-_ PA
Cal, re as ,alofea,,s AGJA


^^^^^^9^^.33 0 qw^ Ma :"I?
^-gIdtf*^,f.Sa 4 3)eb/y 5doe Carmta ea1 01 o
-Uraco P~accesecz- dos (Gam-un..LA4 1-a8t
3 P al-Q3,- n. ASt as ARkaF, 14, siLPAJIX 8
kpsitttAurClia, s Cbgolcrs s SAWo A* imar, yato, l Ctu asa rW& .1 i







POWia bH arn i tUr demonsrao Pa sota tono toemstavol da vesnelda qua r domer ft -
gp .cortla as WOf *,evltar o BO ecu reaplpaecmentovul r vM on 9j.rte, pAB
ywo ueWr po letreiotiro e iage, eap tG Mna" toaos o, vZnwaite., ief
Eel Vf pa Proent em aI se copi to i em ot oasa d aii la r iOnatur urn
e Sh-toaem Pbmra ft3 AmeCI. A P Rd.


fVINHOGILDR SEGUI
u. 1mfIFMFORsd CAbTEacppntrado posleAodemida Neciado msdPark


Plmarnaoi me d378,run SaDnt-Ono,PAI
{ a~mr0 Seaen P ~~aim9o: PPi M. disoa SIVi.&0
do bom eK~o Wo 4emoustradlo a, ozeft ato i Ineaae deste WNWoo quer Cooil ant&
^pior r para mortar as lrelw~yeacv;tar o seu reapparecimento, qu6r como fnrtire, PaRs
fGoawnfteexig"i DebiUJfde do Suaague, Talta do Wenstruagio,Intappetencla, IltmaK
sx-MSifftceto, XSnfarmidsdes nervooax~, Dleblldado causada pela edad,2 ou por excemaow&
Eaf1** Vls a <* c m %"a/ prinuyips aty iyos do uo os pnparados sac lares, YenAad d or.Umo
m mob optwow.-9o 3s,9des abjestar contra o prepo am vosta da nconhecida eaffcacia do 4Ewta o.n
^| Pwarea i ta3K BCta-XJXeCvi 378, rua SaintoHbuord, PARI
IN Zpsmi 6 1 P Lc am. :Ee. anami: 3M A 3F M. da)Z SvIXiV". & 0%


Y *r^^ | T PARIZ, 8, Boulevard Montmartre, PARtB
1 '* A I*Hi L ^BPAETILaUS DIGESTIEVAS fabricadu eqn
^RjH ^ ^ ^Vichy com oA S'acs erjrahaos das~foste.Mo
^^R ^B *^L .B *I^ ^de gosto agradavel ea sueac-AoAowdfra con-
---ijB^B^-Jkj~inJBtra a Aria e as Digest~es dlrlci.1
IMK~kVWIM Pftft OWNH. Um rolo Pama um banbo, para an pessoas que nio podem ir a Vlcchy.
Para evita at faitaode exiyir ewm tedos at products is
axj~a 3D.0 r>A coivty. rB vrxcirsr
go PreivswmIuo. a Productos acima aebio-se em casas de HAnTsSMMENY & LABxD.rn S sM do GoWSaaCM;
a SULZER & KOE.CHL*IN. ;3. rum m a Crux.


DEPOSIT GERAL
1-Ran gPrImel-e de *erau-18
Rio de Janeiro
Unico agent em Pernambuco
ADAMSONN HO=W&IE C.
N. 3 = -Rua do Commercio = N.8
A venda em todas as boticas e drogurias
AIuga-se barato
0 2o anoar 'da rua do Born Jeus (Rocife.
Armazem da travessa do Campello n. 1. Becife.
Os armazens n. 13 do largo do Corpo Saato, c
qual tern commnunicalo corn o do n. 4 no eaes da
Companhia PernambLtcana, corn mguidasate.
Casa terrea da rua da Ponte Velha n, 22.
Casa terrea n. 1, B na Baixa-verde.
A tr tar no largo do Corpo Sanata. 19, primeire
andar

Trastes
A' rua do Imperadorn. 16 compra-se, vede-se
aluga-ee e troca-ee novo e usidos.


Senhorinba Candida Guediem
de Araujo
Jos6 Affonso de Araujo, Antonio da Sih'la
Araujo Alcoforado, Seiihorinha Candida de Arau-
jo (ausente), Maria Luiza de Araujo, Thereia C.
de Araujo Lima, Vessia Raposo de Araujo, Car-
los da Silva Araujo (ansente), Antonio Ferreira
da Silva Lima, Candido Alcoforado, sun mulher e
filha, Dr. Cypriano Fenelon Guedes Alcotorado
(ausente), Dr. Jose B-rnardo Calva'o Aleoforado
sua mulher e filhos, Dr. Cypriano Fenelon Aleo-
forado Fiiho, agradecern As pessoas que sae digna-
ram acompazhliar ao cemiterio os restos mortwo dc
sua presada mai, sogra, irmi, cunhada e tia, Se
nhorinha Candida Guedes de Araujo, e vein eon-
vidal as a assistirem as misses que por alma da
mesma serao resadas na igreja de S. Francisco.
no Recife, e em S. Pedro Martyr, em Olinda, aa 7
horns da manha de segunda-fei;ra, I* de dezembro
proximo future.


Francisco Sergio Pereira.
Joao Francisco Pereira, sua mulher Jcranymn;
Scbastiana de Alencatr Pereira e seus filhos, ten
do recebido a infausta noticia do fallecimento di"
seu prcsado filha e irmilo Francisco Severo Perei-
ra, resident em Nazareth. convidam s todos (-
seus parents e amigos A. nssistirem a miss qu-
pelo sen eterno repouso mandarin rezar no dia 2.'
do corrente, as 7 lioras da manhi, na igreja de %'
Senhora de Tero), 70 dia do sen passanento.
A' aquelLs que se dignarem aosistir a este au
to de religiAo e caridade confessam deede jA snw
etorna gratidaio.





Capitao Satyro de Danton Dello
Aristarcho Lopes convida ao, seus parents
amigos A assistirem urma missa que, por alma dc
capitAo Satyro de Bastos Mello, manda zelebrar
pelas 8 horns da manha de ?)9 do correute, na ma-
trig da Boa-Vista, e desde jui se confessa reconr.he-
cidon a nauem conorrer a eses acto.


: i


i












ito e o
ddeo oo


0 -lt
a site0
.a sorts


tados a tender mais Um aniigo do pobres, economic e de
facil applicaao, 4C annosmaesuccessoes-


os relogios


vendidos n'esta casa
sao garantidos.
do (fCabod U

Caixeiro
Precisa-se de um menino para caixeiro : na
refinaqao do Varadouro em Olinda.
Ama
Precisa-se de uma ama que eosinhe muito berm;
na rua da Aurora n. 109. V


Circular ao sexo amavel

E' preciso reforina!!!
A unica que nao soffre contestarlo. Torna-se
indispensavel preparar obello sexo para as gran-
des lutas abolicionistas. E' necessario o sexo fra-
gil subir ao poder e ver se as finan~as melhoram.
Certo e que a salvaAo deste paiz seri, quando
virmos uma Exmna. Sra., moga ou um pouco adian-
tada para o quo nao deve haver cxclusAo, cabalan-
do para secr deputada ou mesmo senadora ; entio
serao coinpridas fielmente todas as promessas fei-
tas nos sous programinmas, o progress nao so farii
" esperar. Torna-se urgente preparar o estado
maior, pars ectar do accord corn as ideias das ino-
9as, e para isso o Pedro Antunes & C. offerece
uma especialidade, o quo podera ser cxclusivamen-
te todos a uma s6 voz. A verdadeira pate vigita-
le adoncisjante para embelezar a pelle, 6 de gran-
de utilidade 6 de efleito muito agradavel! sera
born previnirem-se. N. 63 rua Duque de Caxias.
Nova Esperanfa
A uIltima hora ndo ha nmais tempo
para uma conferencia
Nio e tials pomada
0 verdadeiro leite de rosas brancas, e o leite
virginal para amaciar e extinguir as espinhas, sar-
das e panos, vendem o Pedro Antunes & C., 63
rua Duque de Caxias.
Contra o cholera
E' da higiene perfurminar os aposentos, e quern
tern a verdadeira agua perfumada 6 o Pedro An-
tunes & C. rua Daque de Caxias. Novea Slpe-
S ranca n. 63.
Produetos que recommen-
damR-se
Quem nao quizer ficar calvo na actualidade, pro-
cure comprar um vidro do verdadeiro Cama-Can,
que, tern a vantage de fortificar os poros capila-
res o Pedro Antunes & C. e quem vende, 63 rua
Duque de Caxias.
Inimigo das moseas
Bales de vidro para estinguil-as, tambem tern
o Pedro Antunes & C. 63 rua Duque de Caxias.
Nfio so feios
Alguns leques de mnadeira e soda de diversas
cores, e tambernm de soeda e madreperola para noi-
vas, vendem o Pedro Antunes & C. 63 rua Du -
que de Caxias.
Sera born vel-os
Quadros de oliographia para sala e quartos, para
liquidar factura vendem o Pedro Antunes& C.
corn relagao de prego 63 runa Duque de Caxias.
Para Uiquid-r
Bordados preguiados pars casacos e saias, diton
em setinetas de cores, estA o Pedro Antunes & C.
vendendo por menos para aecabat 63 rua Duque de
Caxias.

Aluga.se

muito limpo e asseiado, omrn commodos para fa-.
:ilia : a tratar na loja o mesmo predio.

Ama
Precisa-se de urea mulher de meia idade para
eomprar e cosinhar para urna s6 pessoe : a trata
no oitao da matriz de Santo Antonio n. 16.
a Quein quizer alugar o segundo andar do
sobrado n. 43 a rua da Aurora, podera
procurar as chaves em a casa dos Srs.
Negreiros & Irmro n. 30, a rua do Impe-
rador.
Official de pharinada
Precisa-se de um que tenha bastante pratica :
ua pharmacia A rua do Marquez de Olinda nu-
mero 27.

Feitor


Precisa-se de umn feitor para sitio que seja
born : a tratar OCajeeiro, sitio n. 4, das 6 As 8
bors da d9.
r r "festa on po auno
Alaga-se urma casa na povoasgo do Monteiro,
S lljuI perto do rio e pM modieo preo : a tratar
hal- Prtaeiro de Mu" o. 20.

E. I U ,SINA & C.


/ (ANTIGA DA CRUZ)

lea l
^~~~~ e var:' hi Tt iaidi detftf~ AOfhiH-Mim


pantoso.
Nenhuma fawmilia dove estardesprovida
deste remedio.
Extenmamente cura: furunculos pans-
ricios e outros tumores -torcedura dos ten-
d5es intumecencias dasarticula9es do-
res de denotes nevralgias- rheumatismo
- queimaduras-golpes, etc., etc., etc.
Internamente cura: cholera, molestias
do figado, dispepsias, ulcers doengas de
garganta, tosses, etc., etc., etc.
Acautelar-se contrast imitates.
Agentes em Pernambuco, J. C. Levy
&C.
DROGARIA E FHARMACIA
Rua do Baro da Victoria a. 0


PRE9gS
Frascos grande
Pequenos
Duzia de frascos grandes
Pequeno


16500
1#000
126006
9OOO


Luzbrilhalnte sem fumc

Oleo aromatic
HYGIENICO E ECCNOMICC

Para awiiarias


Martins & Bastos


Pernambuco


Numero telephone e a. 83

C) 2% 2%
Aluga-se o primeiro andar do predio n. 27 A
rua do Imperador, corn os seguintes commodos :
2 salas, 1 saleta, 5 quartos, cosinha e agua : tra-
ta se na rua Duque de Caxias n. 47.

Ao coimmercio
Salvador Jos6 Ferreira Guimarles, achando-se
bastante incommodado de erysipela, e nao tendo
pessoas que se encarregue de seu estabelecimento,
o conservarA fechado por alguns dius atW seu res-
tabelecimento. Faz eate anmncio para retirar
suspeitas.
A 184 mensaes
Aluga-se o 10o e 20 andares do sobrado n. 1 do
becco Largo, freguezia do Recife, corn 2 salas, 4
quartos e cosinha cada um ; aluga-se tambem a
primeira loja do mesmo predio per 125000; para
ver na taverna defronte, e tratar A rua da Uniao
numero 34.

Boa 1ocalideIa iiaOsMritorio
Acha-se para alugar o pavimnento terreo e o 10
andar n. 31 da rua do Commercio, onde foi es-
criptorio da companhia Phenix Pernambucana: as
haves pars ver a casa acham -se em poder do Sr.
commendador Duprat As pessoas que pretende-
rem alugar procurem um dos consenhores no pa-
teo do Canmno a. 26, casa de banhos.
Entre amigos
A que devia correr corn a altimaa loteria da
provincia do corrento mez de nvvmtbro, de um
cavallo pret-- e sellado, flea transferida para cor-
rer eom a quarts loteria de dezembro, e serA in-
transferivel. Recife, 26 de novembro de 84.


Pede-se ao Sr. Carlos Augusto Guimaraes Pas-
ses e o Sr. Octaviano Pereira Duzart primeiro an-
nita, que ultimameate bacharelou-se. o favor ?e
vir A run do Imperador, armazem de moves, li-
quidar o negocio que nao ignora.
PHARMACIA HOMEOPATHICA
DO
Dr. Sabino
Verdadeira homopathla
Medicamentos vegetaes brasileiros
PreparagOes nmachinas
Vendas em groese e a retalho
Deseontos vantajosos
Itma 4 do o da Vliotoria a. 48
Machinas electrical
Meiass elasticas
Mamadeiras
Tirs-.ite
Chocolate homeopatieo
Fuudas umbeias e hleriaes
Pandas para mcriaas
Tubos vasios para vaeeina
Theamo~etrofl para febrei
| ~Amseis eleetrioe etc., ete.
Vende-me a phsrwmieia e ea do Dr
bino, A ruas do Bardo da Victni U. 48.. .


Na rua de Pedro Affonso n. 11, precisa-se do
amr ama pars todo servigo de casa do poucs fa-
B~i.. .. _.... + .. .._ = .^ ^..^...2 ":_ .11.:;,
' :-- r'** +. +' .-'* "*K t 7 **i '^ ,r ^S" ^ ^ + : +:++::: .


>m -4 quartos n. 4355,
eim 4 quattos U. 36"
dre a v16# 0e 8#
lwoma aviroin r00Qjt0


to de relo smais

tacreditaiosm habrican-
tes, -e se, a cham habili -


algurm.
Acham-se A venda os seuns afortunados
bilhetes garantidos da 215.a part das lote-
rias em beneficio da Santa Casa de Mise-
ricordia do Recife, (91.8), que se extrahirA
na quarta-feira, 3 de dezsmbro.
P lE COS


Inteir<
Meio
Quart
Em quani
Inteiro
Meio
Quarto


o 4#000
26000
o 16000
tidade malor de oo00
0 36500
1#750
0 #875
Manoed Martins Fiuza"


CASA DOOUII

Aos 4:000000


Ruan do Owfio da Victoria a. 0
Se eass do costume
Acham-se A venda os felizes bilhetes
garantidos a beneficio da Santa Casa de Mi-
sericordia do Recife, (91.'), que se extrahi-
rA na quarta-feira, 3 de dezembro.
PRE.OS"


Inteiro 46000
Maio 2#000
-Quarto 1#000
ei poraodeg io eeo para
Inteiro 3500
Meio 1750


Quarto


.ToIo Joeiqimtiniv&&


CI LiTYe.


barato do que outro

qualquer, visto rece-
berm directamente.


Rua Velha n. 82, sobrado.
E um born sitio nos Afflictos n. 28, junto a es-
taiglo do entrocamento.
A tratir na praga de Pedro II n. 2.

Ama
Precisa-se de uma ama pars cosinhar : na pa-
daria da rua do Brum n 62.
Ama
r.Preeisa-se de uma ama pars lavar e outros ser-
viwo ; na Capunga, entrada da rua da Ventura
numero 3.

otohein0 QngmdloalrN
Precisa-se pars casa de familiar nos Afflictos : a
tratar na rua do Barlo da Victoria n. 13.


TENDIS

Vende-se
on da-se interesse a quem entrar corn algum ca-
piW, a taverns sita s rus de Luiz do Rego, em
Amaro n. 47-D ; quem pretender dirija-se
amesma.
1--*, ---- ~- ---


PAPEL PINTADO
Para formr sai do visits e janta, quartos
alcoves, corredorc, etc.
made e variado sortimento poer prmeoos, ex-

1 3OBikE~l
IV9 -as do--Ao Iffie a Vficcorft I
ACahato p o'a* .


19,eooc4p


o igMslton oz1o:;b
-'0 abaico -'sai c tamn esx0^
renda os s0us flies bilhetes gairantidos d&,
215a parte em b 4 iida'Santa 04'
de Miaericordia, do f ee, quoe se extrabir
quarta-feira 3-de dezembro.
Bihete inte'r0 :

Quarto 1#000
Fi n .. .. porqo 4 10m" Pr,
Bilhete inteiro 34500
Meio 1#750
Quarto 6875
Antonio Auguato dos Santos Porto.





Aos4:OM0$WO

BIUBI gAAITDOS
16-Rua do Cabug--1l
0 abaixo assignado vendeu nos seus
venturosos bilhetes garantidos os premioj se
guintes: 1 inteiro em quatro quartos col'
a sorte de 2006 no n. 1547 al6m de
outras mais de 32#, 166 e 86, da loteria,
n. 90.
Convida aos possuidores a virem roce;,
ber scm desconto algum.
Acham-se a venda os venturosos bilhoe-
tes garantidos da loteria n. 91 em beneficio
da Santa Casa de Misericordia do Recife,
que se extrahirA na quart feira 3 de de-
bro.
PRECOS
Inteiro 4^000
Meio 2^000
Quarto 1#000
Send quantldade superior
a iOO:000
Inteiro 36500
Meio 16750
Quarto 875
Joaquim Pires da Silva.



GCASA DArFOITUNA

Aos 4:000$00O

ZLIZTI;E W:^JTIWOZ
Iuna Primeiro de Iarfo n. 23
O abaixo assignado tendo veadido nos
seus afortunados bilhetes garantidos o in-
teiro n. 648 com jorte, de 2:PQ(Q,
o inteiro n. 3,748 corn a 6orte eS( ,
o inteiro n. 4,367 corn a sorte de 100600,
alem de outras sortes de 326, 166 e 85, da
loteria (90.a), que se acabou de extrahir,
convida aos possuidores a virem receber
na conformidade do costume sem desconto


itU-pWh o, qut
ftinu ter6umr sor-
Iweieo de joias das
uwis 'odernas e dos
mais apurados gostos.


Compromettem-se
a vender mais barato
do que em outra qual-
quer parte
tla o b i I.
Rn ililCIteuII I
XAR-OPE
DE


JATA-ATA
0 matA-mat (lecythis idatimon) com o
qual se prepare este xarope 6 um vegetal da flora
brasileira.
E' um agent therapeutic poderosissimo contra
molestifts do peito e da asthma.
Os numerosos affectados que d'elle teem feito
-8o0, conseguiram um resultado muito satistactorio
cabando por se reconhecer que 6 at6 hoje o me-
hor preparado para a cura da asthma. bron-
-htite asthmatica e antliga e oppres*
*&es i dispensando o emprego do arsenico, fo-
-lhas de estramonio e plants narcotics que aca-
bam quasi sempre pelo abaso que d'elle se faz, e
.mesmo pplo uso prolongado, por produzir effeitos
desastrosos sobre a saide e cm geral entorpeci-
mento do cerebro.
VIONDE-SE NA
Botica Franceza de Iouquayrol
Freres
Successores de A. Caors
22- Rua da Cruz-**
(RECIFE)
INSTITUTE
DG |

N088A 8SENHORA DO CARMO
92-RUA DE S. FRANCISCO--9
CURSC DE FERIA$
Philosophia.
Historia. -
Geographia.
Geometria.
Arithmetica.
Rhetorica.
As aulas comeqam a fuanccionar em dezembro.

Modista
Rua da Prala n. 35, W' andar
Eduvirges Maria Coelho, communica As suas
numerosas freguezas que acaba de fazer urma
grande reforms no pes3oal de suas costureiras, e
que a direceao de sous trabalhos aebha-se a cargo
de ura habil costureira, que corn promptidao e
inexcedivel perfeiVAo farA qualquer toilete, como
sojam pars bailes, theatres, easamentos, etc.
Alnga-se
e sobrado de um andar a' rua Imperial n. 286, 6
nowo, tern muitos commodes e agua do Beberibe:
a tratar na rua do Crespe n. 18.

Ama
Precisa-se de urna ama que saiba engommar e
mais services de casa de familia : na rua do Ria-
ehuelio n. 57, pomtao de ferro.

Ama
Para consinhar para pouca familia, a rua da
Aurora n. 139, atratar das 3 as 6 horas da tarde.

Bom emprego de capital
Vende-se as seguintes casas, em boas ruas e
cm born estado:
Rua de Paulino Camara us. 16 e 18, terreas.
Viscoude de Albuquerque n. 110, terrea.
Travessa de S. Jose n. 37.
Sete de Setembro n. 14.


;oat
;00(
i00t
000(

OOt
m{


Ditos de panno preto fino, forrados 105000
Ditos d3 casemira preta de cordao 105 e 12M000
CalMas de casemira corn differentesupa-
droes, de 55500, 651500, 85 e 101900
Ditas de casemira preta sedan a 85 e 10O00O
Ditas de casemira de cordao 65500
Ditas de casemira preta 6;00(
Seronlas de creguella, obra muito bemrn
feita a 1J200 e 15600
Ditas dc Hamburgo de linho a 15800 e 2500(
Colletinhos pars dentro, sendo de cre-
guella e muito bemrn feitos a 800 e l1SOO(
3amisas, grande sortimento de camisau
braneas, tanto francezas como inglezas,
tanto de linho como de algodAo, seudo
de 20, 25500, 3;, at6 66001
Ditas de cretone de cor de 21, 25500 e 35002
Meias, grande sortimento de meias cruas
para hmens, de 320 rs. o par, at6 50(
Collarinhos, grande sortimento de colsa-
rinhos, tendo de 55 a duzia ate 8;00(
Toalhas, grande sertimento de toalhas,
tante para rosto come para banho, que
se vendee per pregos muito razoaveis.
Tudo isto e eom grande redu9o de pros : n
loja da esquina do been -s Ferreiros.
Novas selinelas lavrada a 00
Chegou para a loja dos Barateiros da Boa-Vista,
a rua da Imperatriz um grande sortimento das
mais lindas setinetas lavradas, tehdo de todas as
cores, mains novas que tern vindo ao mercade, inclu-
sivamente pretas, sendo a fazenda mais bonita que
tern vindo pars a fiesta, e vende-se a 500 rs. o co-
vado, isto na loja da esqulna do becco dos Ferrei-
rmos. -
Cazemiras In'zas a 2400 e
2 O0


Na loja dos Barateiros da Boa Vista, vendc-se
um elegant sortimento de easemiras de duas lar-
guras, sendo inglezas e corn bonitas cores queo se
vendem a 25500 e 25000 o covado, send muito
proprias para costumes, e das mesmuas tambem se
mandam fazer costumes muito bern feito de ealIa
palitot e college peor 30SO e 355, 6 grande pecincha
na loja da rum da Imperatriz n. 40 a esquina do
becco -los Ferreiros.
Fnsttes a 40, 500 e 640
Os Baateiros da Boa-Vista, A rua da Impera-
triz n. 40, vendem um grande srtimento de fus.
toe branoes, proprios pan- vestidos e roupas de
remanas pelosl preoq aeima indicados ; isto nases-
quins do bwo dos Porreiro.
Lils as rs vestids
Albeiro S lv, am6 rua da Imperatiz n. 40 aca-
bam de receber umn grande sottimento dos mais
honitas I siunhas pean vestidos, sendo alpacas
do oro cm id. .cores 500 sr. o covado,
gurpr~ffar lkviA tewlo de todas as cores a 560
ra& e itos ft-l : h de seda 800rs.
d tta~ bos Bo in .iramnte moderas-, e
vetde -s n*a da ra daf Imperatriz n. 40 a es-
uivas do 1*eea6'do. Ptreirnst.


, re.


dm ow


-.1 a tls"
*0una i pratwiz 1
muilagooa 5a4 5 e 5000
mito 20 p que l 8-
rece cretone, corn 20 varas a 5500,
6O0o0 iO
Dito frances, americano, fasenda muito
fina encorpada do 7 ate 1SO20
Algodlo eufostado com 9 almost do lan-
guns pars taxzer.leng6de um 6pan-
no, metro a
Dito trauado eom a meoms largurs,
pioprio pas lenoes e toalhas de
mesa, metro a 10200
Bramante de algodlo corn 10 palmos de
largura, proprio para fazer leng6es de
um s6 panno, metro 128%
Dito francez, sendo de linho, metro a
"1800 e 2500t
Dito inglez de quatro larguras, sendo
de linho, metro a 25500 e 2j800
,reguellas proprias para lenc6es, toa-
lhas, ceroulas, send fazenda muito
encorpada, cada peoa corn 20 varas
por 105800 e em vara a 50(
Ditas corn a meowsma media a 800 rs., ou
vara a I 40(
Atoalhado adamascado para toalhas de
mesa, tendo 8 palmos de largura, me-
tro a 1180X
Assim como um eompleto sortimento de
pecas de algoddozinho amerieano e
inglez, que se vende por peca de 35 atl 6;000
Isto ua loja da esquina do becco dos Ferreiros
Casemiras de cores
De 2:000 ate 6:000 rs,

EBrongaPor oiela
Alheiro & Silva A rua da Imperatriz n. 40, tern
un immense sortimento de casem.ira de cores,
tanto claras como escuras, que vendem a 25000,
25500, atW 64 o covado, e das mesmas mandam
fazer qualquer poa d'obra ou costumes, por pre-
gos muitr rai oaveis, assim como tern tambem um
explendido sortimento de casemiras e pannos pro-
tos ate ao mais fino sedan que vem ao mercado, e
dos mesmos tambem se encarregam de mandnr
fazer qualquer peca de roupa a. vontaie do fre-
guez e corn toda a perfeicao e presteza : isto na
loja dos barateiros da Boa-Vista, na esquina de
beceo dos Ferreiros.
LIlhos a 160 ris
Os Barateiros da B6a-Vista vendem muito bo-
nitos linhos de uma sod cor e de listrinhas pars
vestidos, sendo a 160 rmis o covado e de cO3res fixas,
isto na rua da Imperatriz n. -40, esquina do becoo
dos Ferreiros.
Espartilhos
a 46 -e 56000
Na loja da rua da Imperatriz n. -tu venae-st
muitos bonds espartilhos paia senheras a 55000,
sntos para meninas a 45000, assim como um bo
dito sortimento de fichis a 35000 ; isto na loja d,
qeiuina do becco dos Fereiros.

Para festa
Vende se


Este 6 o numero de ura acreditada casa i rus
Duque de Caxias, cujo sistema tern sido, vendor
as suas fazendas per precos baratissimos, e o0
soeus proprietaries querendo provar a veracidado
do que fiea dito, apresentam unma lists dos preq
dos seguintes artigos, os quaes sao para admiral,
como sejam :
Nova remessa de popelinas de quadrinhos a 160
rs. o covado!
Lindos padres em cretones claros e esac: o a
240 e 280 rs. o dito !
Bonito sortimento de fustves de cores a 240 rs.
9 dito e bmm verem.
Brins de cores pars roupas de meninos a 21P) rs.
o dito !
Idem pardo, lona superior, a 320 rs. o dito!
Idem com quasi um metro de largamra a440 ir.
o dito !
Casemiras inglezas de cores, dua. largura, a
15200 e 1-500 o dito !
Idem pretas diagonal a 2A400 o dito !
Pannos pars mesas, bonitas cores, a 600 ra.,
15400 e 1800 o dito !
E 3plendido sortimento de laes para vestido. a
200 e 500 rs. o covado e pars acabar.
Setinetas trancezas a 360 rs. o ewvado!
Setim macao branco pars as Exmas. noivas a
15200 o dito !
Idem de todas as cores a 15400!
Merin6s de duas larguras e de todas as ewae a
1A200, fazenda de 25000!
Idem preto superior a 1 A200 e 1 500 o dito!
Bramantes para lengoes a 500 rs. o metro, 4
trancado.
Idem de quatro larguras a 1;200 odito!
Cobertas de gangs pars camsa de casal a 3 f
Len9oes de bramante idem a 25000!
Cobertores de Ia, grande, a 25.
Seroulas de bramante bordadas a 165 a duzia !
Meias inglezas corn bocal de cor a 35500 adita !
Camisas irancezas finals a 30A a dita !
Lencos brancos ubanhados a 2A e 3A a dita!
Madapol0o boa vista, 24jardas, a 65 a pegs!
Algodao largo superior a 35800 e 44 a dita !
Cambraia victoria e transparent a 3500 a
dita !
Espartilhos modernos a 40800 e 5 um !
Riquissimas taalhas de labyrintho, pror-ian
para baptisados.
Enxovaes paras ditos a 155 (e 22(000 em cutra
parte).
GuamiV'es de crochet, o que ha de melhor, por
205000 se-rpre se venderam per 305.
Idem av-ulsas a 15200, para sofia 3 !
Colchas de dito a 105 sao lindas.
Cortinados. novos gostoc em bordados. a 74000
o par!
Fichus e sahidas de baile a 44 e 5 urn.
Superiores redes da Bahia (slo de 4 punhos) a
155000 !
Grande sortimento de roupas, bern come de
outros artigos : gravatas, collarinhim modermol,
-punhos, snias bordadas, chales, etc.; tens de-
posito de f.zendas proprias pa-a os aenlcs mne-
gociantes do centre, e as veados em groso da-
mos descontos.
59-RUA DUQUE DE CAXIAS-W
Leja de
Carneiro da Cusmba A C.

Vende-se barato

Sementes de hortalicas, novas, e de totdms a
qualidades.
Grio de bico.
Matte do Parana.
Linguas seeeas do Rio Grande.
Doeo superior de batata de Malaga emk "ia
de uma libra.
Leite suiso condensado.
Azeite de eocQ.
Capachos do Porto.
Cana superior de gmipapo.
S um complex sortimaito de obrs de vio i
garantindo-se a bo. qualade


^ "
Rua estoitdo aniow a. I



Yemds-aosatavqrsssita a ta do XKUIa
A1bcrn *fwo pns &


FARINHA LACTI& DO R.
FRYICHS I
A sase eaiiprti aafi
a&t Latm a omo pido mmIb *
b"ctTO pmr a imiad 0 dAmiol MWO
COB 40 Brad 0 da Numpa ree-k--
sw* do Dr. FRBICHUS a AW&r a'lb
gesoro.
Deve-se poin evitar CM&oo r 9 o i
uma pesso a estranha e do ca p...-
nXo conhocido muita v olem
numerous molestias.
Vende-se a verdadeira m arimia LaW
do Dr. Frerichs:
55 RUA DO IMPERADOR 55
Edtabdecimepnto de mu~*s4ew p6 tie asP1
torPr&ule

CRAVOS& FLOFEl

Na rua da U(iJ i.

3, ha sempre para ns

vender cravos e flBres


Liquldacao

Para acabar
Popelines lisas, de listras e lavradas.
Las de quadros, escossezas e lavradas.
Alpacas lisas e de listras.
Grenadines de cores e pretas.
Cambraias bordadas e abertas.
Vestuarios para meninos.
Leques.
Chapeos para senhora.
Chitas lisas c de cores.
Fichus de soda e de la
Capas de malha de lA.
Para continuar
Collarinhos e punhos para senhora e home, di-
versos feitios
Camisas sem collarinhos e sem punhos. corn pu-
nhos e corn collarinhos e punhos pars home,
desde n. 35 ,A 45.
Camnsas para meninos desde n. 28 ai 35; sem col-
larinhos, de n. 32 A 35.
Camisas, saias, penteadorcs, calcas, golla e iu-
nhos para senhora.
Gravatas, grande variedadc.
Meias cruas, brancas, de cores e pretas.
Capachos, tapetes, malas, esteiras, bolsas, velladi-
Ihos, brins brancos c de cores, luvas, perfmsa-
rias etc.. etc.
Papoula & C.
1 S Rua Fdo Cabugh--l
Em frente a matriz;de Santo Antonio


59


Roupas para homes
POR
Pre vos baratissimc
Rua da Imperatriz n. 40
LOJA DOS BARATEIROS
Paletots de casemiras de quadrinhos, fa-
zenda que so lava 65
Dites de panno preto fino, fazenda muito
boa 7"
Ditos de casemira de quadrinhos e listri-
nhas, forrados 8;
Ditos de easemira escura, de cordalo, for-
mados 85
Ditos de flanella azul, forrados, sendo fa-
zea ia que nao desbota 105
Ditos de casemiras de cores claras e es-
curas 10J


Todos


I


f





















4y, onde
eom a


-or ao, qua foramw
'/ti^ sAltotfnoi'aqueltle ponto Dalai
pariaao treMp*ando .110 Salt. On 088.-R
Altezas, *eI tklyi), foram ver-o famoo h3
Salto Gra -k|rwmgx epalo rio Tikt, 0 '
quanto pared 1 e poetic o salto x
prateado do Pi' d(ixa ndo cahir d
suas aguas do degr ios oi degr&os, o com o fi
6 medonho e assustador o Salto de Itx. 0 d
espe`tador collocando-se sobro a pedra em r
freni para bemrn poder apreciar aquelle
quadrp, como nao a-redita o que ve. Afi- t
gura-zso Ihes ser aquillo uma tola e noe u brn
rio quo, largo, 6 obrigado a estireitar-se
ali e precipitar-so corn uma violencio ver- l
tiginos"a fornando urn dos quadros mais
bells dentre tantos quo existed no into- F
rior .idesta terra, i
c A fabric do fiaito do Sr. Jos6 Gal-
vao, quo funeciona a%) lado do Salto, teve d
uma ligeira visit de SS. Altezas, quo con- t
tinuli,,o na iit-gem para It' alli chegaram
as 10 horas da manha. -
S Foi uma recep9ilo cheia de enthusias-
mo a que tiveram SS. Altezas enm Itd.
Bombas a estourar, foguetes subindo ao u
ar, bandas de musicas a tocar o Hymnno
National, os mieninas do Collegio do S.
Luiz, dirigido pelo padre Mantero, enfilei-
rados emr nuicro do 400 c ao long (da run,
que partindo da estacio dA access a cida-
de, dando vivas a SS. Altezas,rmuito povo,
,verdadeira alegria e muita satisfa-io.
SHospedarara-s em cn asa do Dr. Jos6
Elias Pacheeo Jordito.
( A povoaqto de IEd, cujo nome em
guarany quer dizer salto grand, foi eleva-
daWategoria de villa por Gonalo Cou
raga de Mesquita, tendo por alvard de 1823
o tifteb de fidelissima, e i cidade par lei
provincial die 5 de feverciro de 1842. E'
illuminada a kerozene desde 7 do setembro
de 1864, suas principals runs sao maca-
damisadas o os passeios laterass, calgadas
cons lindas lages que ha nas pedreiras
distantes poucos kilometros da cidade. As
pedreiras ten sido visitadas por homes
illustrados comno o Bargo de Capanema,
Fr. Cermano d'Annecy e outros. A ma-
neira por que estio dispostas as camadas
desita lages afigura-se unia grande livra-
ria em posiqIo horisontal.
c Uma das muitas bellezas quo ha em
It 6 o mragestoso cruzeiro, feto do pelidra,
que so v6 no largo de S. Francisco. Pa-
reco um monolitho assontado sobre uina
peanha octogona que mode de altura 8 ni3-
tros, contando da base atd ao vcrtice; esta
obra tern mais de 100 annos e foi feita sob
a 4irecco do padre franciscano Padua.
SSuas Altezas visitaram a matriz. que
foi inangurada em 1780, sondo vigario col-
lado o padre Jose do Rego Catanho. A
igreja 6 bern proporcionada, as obras de
alta-th6r e dos lateraes silo do bellissirnmo
gosto. Chamava-se Guilherme o architec-
to desta igreja c morreu em Jundiahy; os
dourados dos tires altars principles o as
pintura= do tecto da capella-m6r sao devi
dos ao pincel de Jos6 Patricio da Silva,
natural do Santos; s grades quadros da
oapelta-m6r, corpo da igreja a sacristia sao
tavidos A habilidade do padre Jesuino do
Monte Carmello.
t Existe um orgbto, doado polo padre
Miguel Correia Pacheco, que funubu a mu-
sica parochial da matriz.
c Suas Altezas visitaran depois a casa
da camnara quo, em consoquencia da outra
ter sido devorada par um incendio a 17 de
novembro de 1847, comecou a .fanccionar
no prodio, que hoje occupa, em 18,60.
Ahi o juiz municipal pedio a Sua Altez
o Sr. principle Imperial, depois do bern ca-
bidaalphrases, a graca d( entregar as corn-
petetifes cartas a 14 libortandos alli pro-
sontes o que Sun Alteza so dignou de fi-


Lt tFOLIIETI!


oFILHODE ANTONY
POR


ALEXIS BOUVIER


TERCEIRA PART


.(Continuaqio do n. 276)


CAPITULO III


TormentoR e niagoes doe Vernet


Atravessou o ardim e subio ao quarto
e de Mine. d'Hervev.
A baroneza tinha urna apparencia severe
m, e Vernet ficou umn poucoreceioso. Ella
perguntou-lhe:
-Vernet, d'onde vens ?
Corn uia calmnado admirar, Vemet, que
estava assustdo, responded :
": Sra. btroneza, o poadendo d,rmir
Aerm econciliar p wmMo, di$ot .OA
vou &r ltdam'rnpsea,'. e 6saii.
Sm. bamoueza, quo ''nit.fol par, o*^utr
..; C a ..:.... .
-' 'Eu osahins, 6- iu aaee0u~


raw-so na wn e to ate ui it tu W*uu.P
SA ffet litte^ari ra0inir
random salao smosatrandiasa utheatro, Ian-
a-se no fronteapieio a seguinte inseripE:o :[
ligione et bonis artibus. Cantaram se
yin" s e recitaram .varies alutmnos, entro
utros o Sr. Henriqun Caraeiro LoAo Tei-
:eira, que leu um bonito diseaurso; Jos6
SS)uza Lima Junior, uina poosia -A in-
iAncia desamparada A sua pratestora; Egi-
ieo Pinotti, um soneto italiatfo; .Carlos Pe-
era. Tory, uma poesia franceza-L'hon-
aour et la vertu; Eduardo Martins Fon-
ds, urna poesia portugapoeza -A rosa e sous
Iotaes, a princeza o 03 principes.
a Suas Altezas visitarami tamnibem o col-
egio de S. Jos6 para o sexo fominino, que
!onta actualmento cerca do 400 alumnas.
Foi uma festa do intelligoncia e de senti-
nonto. Oavir meninas rocitar poosias san
as, ternas e cheias di bondado par (a do-
lical-as a S. A. a Sra.. Princeza Imperial, a
;odos commoveu.
(( Suas Altezas percorreram as dependen-
cias dos collegios, notando-so crn ambos
nuito asseio e hygiene.
s A Santa Casa da Miaerieordia mero-
eu urea vVita quo, nto sondo long, mnos-
,rou o int sse quo Suas Altezas tomatm
pelas bWas instituiVes A Santa Cas. de
MIisericordia foi fundada por meio do uema
subscrip9lo promovida polo padre Antonio
Joaquimn do Mello (depoisbispo de S.
Paulo), padre Elias e Joaquimr Manoel Pa-
checo cid Fonseca;. ssa subscripefo cho-
ganlo ao conhocimrnento dos irmaos major
Antonio Paes de Barros (depois BarAo de
Piraeicala) e capitAo-m6r Bento Paes de
Barro (Bariio do eit), assignaramn logo quan-
tins avultadas. Creada a irmandade a 15
do maro do 1840 foi eleito provedor o
Barito de Itd que occupou o cargo at6 fal-
lecer.
( Roeaes servigo ? preston esse cidad.o i4
Misericordia, pois qua a ultima homena-
gam prestada pela Santa Casa foi repou-
sarem sous restos mortaes na capella da
igreja, eneravada no edificio. VW-so alli
uma lapide deo mirmore onde so 1e a so-
gu'nte escripAo: Aqd jaz Bento Paes
de Bairros, Barao dd', Nt, Vasceu a 22 de
maar-o de 1788, falleceu a 9 de fevereiro
de 1858. Orai por elle.
(( Itd 6 patria de hoinens notaveis por
sou talent e pelas suas obras. Alli nas
cou entire outros a pintor Jose Ferraz dc
Almeida Junior, conhecido no Rio pelos
seuns trabalhos expostos na Academia dc
Bellas-Artes.
K De Itu partiram SS. Altezas para Jun
didhy onde numeroso coniurso do povo os
aguardava corn a banda do musiza Avi-
dorcs do Oeste, seguindo logo o trom parn
Campinas, em cuja cstacgao apinhava-se (
povo, vendo-se at6 as pessoas mainns gradas
da localidad3. Apezar do estar esta cida
do em luto, pois dentro de um mez tam fal
lecido aqui oito pessoas pertencentes a di
vorsas families, nao faltaram a SS. Alto
zas as possiveis demonstra 'es de regozij<
pela sun chegada. Hfofedara te wm ca
sa do Sr. Conde do Tres Rios e do sen fi
lho o major Carlos Egydio de Souaza Ata
nha.
Ainda hoate!c den-so aqui o falleci
mentor da senhora do coronel Floriano d
Camnargo Campos, comnmandanta superior
da guarda national, home muito estima
do e bemquisto.
0 Sr. president da provincia acorn
panhou Suas Altezas desde Jundiahy, on
de os esperava.
lHoje Saas Altezas visitaram a Sant
Casa da Misericordia, cuja construcao fc
comerada em novembro de 1871 e feit
sob a. anica direcio do Revn. coneg
Joaquim Jos6 Vieira, hoje bispo do Ceo
ra,, e a expenses do subscripeoes populh
res. Inaugurada corn toda a solemnidad
a 15 de agosto de 1876 foi entregue n
queria-traair o seu patriozinh-, que ihe-t
nha dito quando saliiam :


Nao fagamos buliha para nio acorda
a mama.. .
E' que elle nao queria que se soubess
que tinha tornado a sahir.
E responded ainda cora tola a frauquc
za :


Como sabo, Sra. baroneza, saio pou-
co, e por assim dizer nAo conhego em Pa-
riz .. aquelles quarteiroes do lado de bai-
xo... escura com esta a noite, eu nao
via cousa alguma. E por isso nao sei.
Vernet, tu nao fazes begin em- men-
tir... Estiveste no ministerio dos estran-
geiros.
Ah0! 6 muito possivel, no digo bcon.
trario ; man, como jAt Ihe disse, minha seo-
nhora, nio conliego a cidado para estes la-
dos; p6de bern ser que eu passasse pel<
ministerio, nib6 digo que neo.
Foste ao miisterio, ondeIe ha num bai
le hojo; mou filho esteve la I..
Sa esteve IA.... ih muito pouce
tempo, minha seuhqka. ..
-E o quo se passon...
For sou turn Vemet ealou-se...
Corn qu m t-im-[he fai4 su aema esta per-
gunt. ? Saboiaella 1 qtvoaquelle homein
que tentara eontra a vesu e wid- econtrma
sun honra estavaoem Paris e qu.f:tinha ido
Aquell baite? 0 quo queria dizer tudo is-
to ? Em todoo oean a questao mudav-t4:e
-fe: a bmwrouapbia qi -efle voltava do,
mini;*n4-; at v inh-A. a swwXahado sea fi


e, Silas Altiftaspero6\rerar, jas detpen- A
dencias do hospital o as do aIsltY10 cujas.
skulas Cio regidclas pelas irmis 4 i8- Jos6.
a Suas Alito visitaram a :natriz, do
quo fallarei maanhL.
a D manhAS -, A. o Sr. Conde d'Eu,
coin o prasi' doiada provincim, visiton 6o
lazaroto dos variolosos hospital do lazakos
e o novo rmatadaturo. /
n Sas Altezas pefcorreram o passeio
public e o bosquo dos jeqaetfibAs, exclii-
siva raridado desta cidade.
a Frondosos a copados jaqupotibAs ele.
vamnoae do s61o pAra attoeatar a fora do ter2
rono o quo estto plantados. Visitiramrn
obea igrqj do S. Benedieto, colle
gio:Correia do Mello e Calto A Suiencia,
o hospital da Sociedado Portugueza de Ba-
neliconcia, oade foram reeebidos, pelo Dr.
Valentim Jose do Silveira Lgpos, chefedoti
servig93 clinieo, percorri'ndo todas as de-
pendencias e roparti98es, quo eatRo pre-
paradas coin asseio e hygiene. E' urn
bonito predio situado A pra-ga Luiz de Ca-
tmes, corn jardiin quo occupa toda a fren-
to e casa de banhos ao lado para o servi-
Io do hospital.
Ainda virain o armazem de machines
agricolas do G. Me. Kardy & C.
Ate arnanlil .


LITTERATIIURA


Echos fluminenses
A LINGUA NA-O TEM OSSO
(Do Paiz)
0 dictado, aldagio, anexim, rifao, ou cousa
quo melhor nomo tenha, 6 a expresso
eloquent da sabedori-i dos povos.
E'o conselho, o ensinamento pratico,
dado em pequenas d6.;es, como a homnceo-
pathia ou a dosimetria, corn a different,
pore:n, que na primeira medicine paga-so
o remedio e nao so0 paga ao medico, na
segunda paga-so medico e remAdio, e no
dictado tanto o conselho coma o conselhei-
ro sao gratis.
E' uma anedicina prompt e que esta
semopre A muAo.
Supponham utn pobro diabo atacado de
profunda anemia moral, som estimulos e
sem a aetividade necessaria para ganhar o
pao para si e para a fanilia.
Como cural-o ? Os apologistas dos pro-
cessos allopathicos applicar-lhe-hao logo o
seguinte discurso ou antes o soguinte vesi-
catorio :
A16 quando querera o senhor viver
deste modo ? E' precise oppor um pa
radeiro, ur.a nuralha cyclopea A fatal
inactividade que o impelle par.a o piano in-
clinado da desgraga propria, da desgraga
da familiar, da desgraca da patria e da
desgraga da humanidade! N6s temosi
nmina misslo a cumprir neste mundo. En-
tre a tunica esfarrapada de Diogenes e (
manto perfumado do Lycophron de Cha-
lois l ha um abysmo! Diogenes era un
son'iador; Lycophroa anm sybarita! C
homrem, o ser ponsante feito A iniagem dc
Supremo Architecto do Universo...
E por ahi al6m vai tal discurso, find i
qual o paciente ficarA no mesnmo estado
ou tomarA resolaugo do ir sondar no can
de um revolver os mysteries da eterni
dade.
"Os hommeopathas ou os dosimetricos dir
Ihe-hio simplesmente em latim : Labor ima
probus omnia' vincid.
Em born portuguez diz-se a cousa as
Sim :
VA trabalhar seno mariola. Pegu
na enxadla, no martello, no buril, no pin
Seel, na agulha, na penna e cumpra un
destiny social.
Entre os anexins main populares ha al
guns que parecem ter sido feitos express
samento pars n6s; que se non ajustam
cabega com o verdadeira carapucass.
.* Minha senhora, don Ine minh pala
vra do houra. Sahiram os quatro, o Sr
Felippe e main tires, e por signal que esta
vam bemn satisfeitos. () patrAo disse-m
que voltasse para casa, porque ello i
ceciar.
E nos salhas sabes se houve alguman
cousa do extraordinario. Niao mintas, Veir
- net.
S Juro-lhe quo nao, miaha senhora,
- Sr. Felippe nao se demoron la dez minu
tos, garanto-lhe; e so nao fosse o recesi
que tenho de assustal-a, contar-lhe-bia..
S 0 quo?... Falla, disse amavelmen
te Adelia.


ri
(t-


Quando esperava polo Sr. Felippe.
inesperadamernite um home que acabava
de conduzir umas senhoras a umna carrua-
gem, appro ximoa-se e mandou uui dos,
eriados do miaisterio chamar polo sen trem.
Queria eommunioar the, minha senhora,-
que.aquellEomomen quoe tumbemu sahio d'"^-
so baile era.'-"
Adolia fez umn esos Ai rguntou-lh:
Era queon, V 'i umr do nossos'
am igos ? .1 ;*.. ^ r1;- ;, }:'
Urnd de noass 4 | A| seulho-
ra Ah! o misaq* t trAta-
to que, urmea yes aqllW ieomalui-
to. -. -
-'Ah 1 simaim,, i ji sei;. lM fil,
amOes do ma4, filo.. -Quando v stes* t
haomew, F eplippe JA j4 sotith a tirt6 W I
Nibm.,m rnlha ,, ; ol1.,i 'e


ldr1,b do


wlwr da1-8ea
quo andauin a
l.eobriran qc
Tigor, Uinerei
'jteg9 tev .


ad cousa.
t ehi~ito a no~s
ad os.


est~o


icipal facqaeo da nos
!, mas sin fallar.
tanto os mesmaos phi


't,~#|B I I W "AS -No olheumpaa mrn. zbangadas, podeom
babl ||i 4utorcer-me a poutinhia dotariz or do rosa,
Pir 41OU as podem 'dizer-mB--salhe 'aqui coasa raim -
que o Or Ppodem dar-me at'6 belistes, nada impedir-
- t6 carnaoso e me-ha de dizer a verdadle.
$aS os houens,- centre n0s, por dA cA
Lecatar origens aquaela palhaostio a fallar, o sexo adora-
ine"-lingaa do faz o mesjmo.
quo qufr di- A voz natural da mulher 6 o soprano
tuo sigOifica a sfogato.
N'to ha concertante, c6ro o orchestra,
rodondamento por mais barulhentos quo sejamn, que pos-
sam abafar as notas agudas do umrn soprano.
sa lingua nto Eis a razab por quo a mulher falla sem-
pro main alto quo o home.
lologvs co:n a Aquelle quao ostA habituado a visitar


ipa'*jlcia chinesa, qua os caraderisa, con- casat, onde ha meia duzi
tlnal*doias ,exavaoas sobr. o substantive menos, poderA servir-me
eoriatuestao, accreacentam : que fclea acima, dito.
0 O1, radical dcstes c outros trMnos
aenighantes, assim coma do loquor, fallar,......................
I4,pz6 designativo da humidade e do escor- ....................
roi-o da lingua e dos seus movimentos. .....................
Tado esta propridclde4,. 6 para aimirar
-qite-a palavra lingua, no nosso idioma, nao Fallemos, fallenos.
eoi'eOva polo monou s corn seCIs I!! 0 fallar 6 um dircito.
o ao fillar fosso uinA molestia, que os Sera born, pore, qu
medicos dosignassem, por exemplo-sob o baixo.
none do verborrhagia -viveriamos todos FRLN.x
aqui em constant uso do remedios.
Fallamos e fallamos muito ; e pcior do ,__,,__,
quo isto fallamos alto. a a
Quandoabrimos a bocca para entornar Va IEDA
o verbo, seja em tom familiar, ou decla- -
matorio, 6 sempre em diapasto 'elevado. pover os da
Discursamos nomno da run, ou dentro Os proverbos dan
de uLna bol do mesano modo por quo con- 1 c U
% ...dos de orlgem bra
versamQs em casa.
SDir-se-ia quo as circumstantos sio toclos REDUZIDOS A
aiossos intinmos. PoL
Quantas vezes nio ouvimos o seguinte
noe bonds: P.S. DE A. G.
016, grande maganIo, coma vai ? /Continua
Com va o /ContinuaccA
Bern, e tu ?
Vai-se anrlando. Home, leste hoje o S mpre que algum cl:
artigo do S... a cabea ao mouro inla
Li. perde o tempo e o si
S- JA visto cm tua vida maior banda-
Iheira? Come o sizudo
Quern torn razto naquillo 6 o J. a cabe~a do besugo
EstA visto. O S... 6 um dos maio- mas nao como tudo,
res tratAntes que possue este paiz. pois dA inteira a bog
Ora, ao lado do sujeito, qua assim fallal a sua sogra.
do modo a ser ouvido por todos, esta sen-
tado um amigo do S..., quo... emnbora nio Quem pars cinma
conheva os dons interlocutores, entra tarn- a pedra arremessa,
bern na conversagAo : cahe-lhe na cabecc
'- 0 senhor nio pode dizer isto.
Posso, sim senhor, estou no men di- A tristo preguipa fei
roito. jAmais lava a cabeca
S 0 senhor conhece a pessoa do que e se lava niao penten
etW fallando ?
Como as palmas das minhas nios. Queon cabea teron,
Nio a conhece. nunca carapuga
Conhego-a. ihe falte tambem.
0 leitor, que jA dove ter sido muitas ve-
zes testemnunha deo identicos factors, sabe Tantas as cabegas s
mais ou menos qual o rumo que estas dis- quantas carapugas
r cussoes seguem.
E fazemos isto, porventura, por que so- Boa 6 a tazenda
1 mos brigadores, porque somos maldizentes, quo par mais que cr
- par quoe o nosso character 6 mAo? niio sobe a cabega.
M No.
S Tudo isto estA no escorregadio e hlnmi- Corn cabea de lobo
Sdide-' da nossa lingaa. ganha o manhoso
Effectua-se uma prison no meio da rua. matreiro raposo.
D 0 preso, como 6 natural, procura ova-
- dar-se. Queres acertar?
a Qs agents da autoridade eampregam to Em cabeVa alheia
) dos os eaforgos par agarral-o; oe se conse- has de oscarmenut
o e u pf de mphA a ohmo am maor do
lit -i. dl "mao Nunca em contend
0 Apparecem logo os discucsadores no the a- queiras te achar,
do confticto: porque a cabega


8
a


e





0
l-
l-

a



a
ro
0
a

a
ro



t-


E' um desaforo! Nao se pode aeuti-
hr assim impunemente o cidadiao.
Larguem o home.
Into s6 se vC nestepaiz I
Fora 1 Fora! l
Para estas e outras 6 que o governor
devia olhar.
0 que significa esto fact contrista-
dor ?
Que nao sabemos respeitar a lei, as
autoridades, que tomos tendencies anar-
amcrehicas?
Nao.
E' simplesmiente -o'prurido de fallar al-
t6 de fazer discursos, de ter um audito-
n o ... ____... ...
M4Jatviindo pronuaciar aqle nome, Adae-
Kin estremeceu.
, 0 tat -patife do Antony jA se tiniha
4o embora.qaudoo aSr. Felippe me disse
e voltasse para casa. Nao so zangue
1ig0, Sra.i baroneza. A senhora sabe.
qk6 4o proprias da idado do Sr. FPelippe
cs rapaziadas.
-7foens razio, Vernet... E de hojo em
diitteo'nao me occultes cousa alguma; Ba-
bes perfeitamente que don plena libordade
Irelippe, que lle faz tudo quanto quer, e
te perguntei por isto foi mais por curio-
-fd-ade..%do quo por interesso. Queria saber
SFlippe ostava aborreecida.... por ter
."rdido no jogo; talvoz preciasse de- di
aheiro. Vi-o jogar esta nolt
perdeu, e suppuz quo era tinotivi
per quo elo voltava a aAliD
Oh! p6de eatar d iih
hra. So fsee into eti a .otist W.-
-hia notado o desassocego, 6 pro-
I ssoul i stda. -4i a u f


L1it) ben, Vepwet, vai-to deittr,
aigo; e, obretudo, nNto digas unia
ocna pivr anon filho.. spbra o que te
perguntei esta no&le."-r
Oh nada rcie, minha senhora ;
so o patr:soa liqaw- eu ra um tolo
quo me deixaVI- -jr pela Sra. barono-
zn, davu-.ine nu.$i|^GinpemIsa, nib torn

'*... ~ sfi~le. *>:
130a, os
Boa naoit4,.Sr* sNron&za.
Vi* et .aahito do qrto ba*anto praoe.
4MJiia 10. k10 a 1th rosMungaY#.
; A -fKSI: l. ll- 1'..-


a do mogas polo
de finder polo

...... ... .


fallrmnos mais


3


A JUNIOR.


lingua por-
i appendice
isileira
VERSO


ALVAO


to)

va
ibao.



a


I.

a

I.


i ao
acharao.


espa


ar.


to podem quebrar.
o"
Sempre contendas
busca ttar,
-4 na a acabeta
te hblo de quebrar.
* Depois da cabega me quebrar,
o casco me vens untar.

A dor de cabeca minha,
as vaccas nedias e grossas
ostas sao nossas.


Gabeca tal
sin.^ ^'


tinha medo de leautnr a ponuta do v6o.
Era necessario fallar corn today a fran-
queza.
Logo depois quo o general d'Hervey
morreu no sou post de honra, na tomada
do Blidad, o field soldado trouxe para a
Fran9a todos os seus despojos mortaes.
E coemo fora olle quoem, no assalto, am-
parara o corpo do sen general, que na bre-
cha se conservava de p6, Vernet foi louva-
do em ordemi do dia c coideeorado:. Era
o seu unico console quanda voltout para
Franga, mas ficou bastaint a'rrehendido
do encontrar, logo quo 4oaef do d apor, a
auroneza d'Horvey r4 a irm..
IAs AAs 0agoa0 fs1ra. entrotaato, do
6f utiiaas vont-des do sei
4.t^i.. gqsag- ^ ro-wo inteiramonte ao joven
'I pge..1' 11*-*"
Foi elle quem roalmente o educoa, por-
que, desdo qta onmegou a dar os primei-
rosjpasso:, o soldado nuna mai s so separou
d'i*h. baffi ii. A

megar os eat i
do sopnrar-seo de sea Lfitho, porquO acabava
de perder a sana Camilla, toaiaram so pro
tesaores, o quoe mruito agradon a Vernet.
Afsim nao se soparava mais do seu joven
amo.
Aos dez annos tinha feito d'elle um
grande equitador, e aos dezesaeis um osgri-
iwidor-do prit"eiro qrd#n.
Setor#,,. towepmo ep, ctm omoa o
kaciiw dae Qn4csw, uv*a, um orinad e-


~Cabega faUea
alo ha mister touca.

Quern em pedra du=s ves tiiycwi
na 6 muito quebrar a cable.
Sempre qae a cabeqa lavei
tinhosa a acheci.
Quem cable a ngo tern,
escusa chap6o, meu bemrn.
Embora vAs mal
onde te poem caberal.
Mal sobre mal
pedra sobre cabeedl.

* Nao estai f6ra de canecira
quoem mudar os pCs
para a cabe(eira.
E' baldada canceira
em mineza redonda
busear cabeceira.
Coin homam interessal
nao juutes ten cabedal,
Do todos os santos ate natal.
pcrde o padeiro o sou cabedl.
Por um c -tbeliinho,
se pega fogo no linho.
Pesa como um cab,'rlo
inda quo seja grave e feio
o mal lheio.
Cabillos c cantigas
muito pouco tudo val
a fazer bum enxoval.
Madrinha fazei-mne o topete
e ullo o Ccdilo
porA cm novello.
Se a ca.bra manca cat.,
festa nao farA.


A cabra va i pela vinha
e segue a filha
por onde a mati trillia.


A cabra vai pela vinha,
e a mesa trilha
que segue a mti segue a filha.
A cabra nunca faz sesta
salta alegre, vive em festa.
Quem come cabritos
e cobras nto tern,
de algures lhe vet.
Na vinha a cabra saltou
logo a filhau a imaitu.
De raga em nrava
anda a cabra cm traquejo,
como do bocca em bocca
somnolent) anda o bo:ejo.
* Cabra de mouclia
deu na outra.


Donde a cabra sahio
ou foi primeiro,
entire o cordeiro.
Quem cabras iha
bemrn pagarA.
Quem cabra tern
esse a mama bern.


A cabra de minha visinha,
mais leite dA do que a minha.
* Quem calbna, nao tern
e cabritos vende
d'algures Ihe vem.
Toma a cabra a silva
e o porco a possilga.


* 0 cabrito de um mez
e o queijo de tires.
Para o mesquinho
nao ha cabritinho.

* Quem quizer cact
vA A prAga.


________(Conti*~,) O
va convoenuiduo ao quo per ordom superior
tinham obrigado o general a nao se vingar
de Antony.
0 seou general obedecia na occasiao, mai
reservava-se para o future. Bravo pnr na-
tureza, sabendo que em cada ataquc ia ar-
riscar a vida, nato quercudo entrttanto que
o home que havia ultr.ijado sua mulher
ficasso impune, tomou as suas pracaun3es
para o caso em quo morresso, ,fim do seu
filho, so chegasso a homnem, tivesse o cui-
dado de o vinegar.
Para Vernet os papeis depositados -ema
casa do tabelliaito tratavam d'isso.
Ora, today a noite o velho soldado levou
Ia perguntar a si mesmo, so ao cabo do
vinte e cineo anomms ojura.nento quo havia
feito a sen amo ia .eostava de p6, e se
nao seria mais humano deixar tadno a es-
tado em que eatava.
Final, o qoe paderia resultar? Des-
gostoa, aborimuentos o incomm ioa pftfa
sea amo! Isto era ommos! I
NAo eoria melhor calarae? a.i


revolver todo au~.~md
mais, do que maneira a baronoe i
a cuusa? Tinha-ihe parecido q tj e-
tava pou o disposta a que
Oste assumpto.

coubeccr IV -ala antiga r0
aeoatweida & sua maiT
An o Vernet adommeca, t i
&* vita a dar aodaKmte i tojf

Om' Oa i Io fit do vimb s
*nxk" am **w* it BOMWR m Il


WI^s1 r

4


* .

c


I '


I


I


s


Borio ?11 Dsro




Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E255Q1T32_DNGL60 INGEST_TIME 2014-05-20T00:50:57Z PACKAGE AA00011611_15666
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES