Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:15538


This item is only available as the following downloads:


Full Text





























1~c J*Zauoei
1 4


Aptirha beari, a & JilO


RIO DE JANEIRO, 18 de agosto, As 10
'horas da noite. (Recebido As 104oras e
45 minutes da noite, pela linha terrestre.)

ibepois da eonferoncla de S. I. o
Imperador corn os presidentes do
f0nado e da Camara dos Deputa-
dors S. MN. nandou chamar o conse-
Iheiro Saralva para Ir ao Pace ama-
nba As 9 bhoras do/6ia i estando po-
rma doente o conselhelro Saraiwa,
rn en sean lagar o comselheiro Pa-
ranagna.


(Especial pars o Diario)


CAIRO, 17 de agosto.


A Inglaterra prop6z ao Rel da
Abyssinia libertar a cidade de Kas-
sala, no Soldio, a qual estA asse-
diada polos partidarlos do Nabdi.

Agencia Havas, filial em Pernambuco,
18 de agosto de 1885.



TISTRUCCIO POPULAR

HYDROSTATICA

(Eztrahido)


Notores bydranullcos
(ContiauaQo)


E' assim que muitas vezes basta a acao mais
intense de ums corrente pars destruir pela base o
trabalho e a forga corn que o constructor e os ope-
rios julgaram dar a uma edificago urn grande ri-
gor de segurane;a.
Quantas vezes sao vimos abater os taboleiros
de uma grande ponte, par Ihe faltarem os seus pe-
goes e, de urn moment pars o outro, aquelle
trabaiho de annos, urn monument majestoso, pro-
ducto muitas vezes de grande sacrificios mone-
tarios e de grades estorgos physicos e intellect.
tuaes, desapparece de todo debaixo da acso das
aguas !
A destrnico nem sempre 6 rapids ; o liquid
vai corroendo ptla sua forca e pelo grande poder
disassoivente que possue,-chegbando per fim a pro.;
douzr a derrocada, se alguem no acudir a tempo,
ao sea aviso de destruiclo.
Vamos fechar este trabalho dando urns breve
noticia de mais um genero de macbiaas movidas
pela agua, embora o principio em que ellas se
fundam, nao seja apuelle que ora temos tratado.
* Queremos ifallar dos relogios de agua (ou depsy-
dras), destinados, do mesmo mode que os relogios
de hoje, a marcarem o tempo.
A suan data pertence a epochas remotas ; os an
tigos serviram-se dells corn vantage, relative
ao estado de adiantamento em que be aehavam.
S Depois, os aperteigoamentos na arte de relcjoaria
substituirsm este systems pelo emprego de pezos
e molas, o qual df melhor resultado.
(Continua.)

.PAITE OFFIIAL

Mlildterle da Fazeada
Circular n. 25.-Ministerio dos Negocios da Fa-
zeada.-Rio de Janeiro, em 27 de julho de 1885.
Jos6 Antonio Saraiva, president do Tribunal
do Theseuro Nacional, declara sos Srs. inspecto-
res das thesourarias de fazenda, para os fins con-
venientes, que vio ser emittdos novos typos de
eetampilhas das taxas de 200 reis, 400 r6is, e 21
corn as segmntes diAbnoies:
As de 200 r6is teem 26 millimetros de compri-
mento e 17 de largura. Na parte superior, estA a
palavra-Thesouro-em letras romanas braacas
em uma cerva. No espao comprehendido entire
dons circulos concentricos estgo as palavras--Im-
perio do Brazil-em letras romanas escuras. No
centre o valor-200---em algarismos arabes bran-
cos em urn rectangulo dentro de urn circulo de pe-
Srolas. 0 ftmundo nio occupado pelo valor e o do ree-
Stangulo ado feitos de linhas ondeantes cruzadas a
trao braneo; lugo abaixo entire um pequeno or-
fto a& plavra-r6is--em letra reomanas escuraa.
i Na parte inferior esta a palavra-selo-em letra
SjonanS braunca entire dnas estrellaserem uma cur.
V 0 contorno da estampilha e crnamentado.
1 As de 400 r6es teem 37 millimetros de coupri
meton e 20 de largura Na part superior da es
tampilha estao as palavras Imperioe do Brazil-
em letras romanaj brancas em duna curva; log
sabsixo e em uma alimofada o valor-400-em alga
S rismos arabes b-ascos e euntre dons filetos verti
S eaes. No centro estao os algarismos-400--sowbr
m urn quadrado, sendo o fnado tr dopopr liah
rqtas pMWdetn equidistantes dentro do am eir-
f1 e de perolas. Os espqw" eatre o*cireaW @ a
qua&rado uAo tracado& de lisha. red"m s"sld.
equidistantes, send as das parts Kwermr e tefe
6rio no sentido da mawr dimenuo ta ampa.1
e as das partem lateranes a entido da me"r d.
e "sIo. a part inferior e em nmaalmofad
Sesta palavra-r6is -em iletrus.romana bransw
entre dous vertices, e logo absixo pals
Vras-s -em tras romana branch entredum
a[stlaUs em um aeurvm. 0 fmudo das almofifad
Seompolto da rapetigc5 da polavra Brauil-ei
Mw 1 letas (ie 0 esto.t o da estampilha


PA fiata de todos ietes trees
-ntozio &raira.


6 raxa.-.Joa


Govern. da Prevw ela
DESPACHOS PA PRESIDENT 160 DUI 14 DE
AGOSTO Ds 1885
Antonio Jos6 Vergosa. J isubio a ins-
tancia superior a appellagio interposta pale
supplieante.
Antonio Ignacio de Mesquita Neves.-
Informe o Sr. inspector geral da instru-
cao publics.
Antonio de Araujo Marques. Informe
o Sr. inspector da Thesouaaria de Fa--
zenda.
Bacharel Braz Florentino Henrique de
Souza. Informe o Sr. inspector da The-
souraria de Fazenda.
Bernardino Gomes de Carvalho.-Entre-
gue se, mediante recibo.
Companhia The Central Sugar Factories
of Brasil Limited. -Informe o Sr. enge-
nheiro chefe da repartigio das Obras Pu-
blicas, quanto A primeira parte, sem pre-
juizo da ordem relative ao levantamentbfo
dos trilhos.
Jos6 Francisco dos Santos.-Opportun-a
mente serA attendido.
Dr. ,Jolo Bastes de Mello Gomes.-In-
forme o Sr. inspector da Th.esouraria de
Fazenda.
Josh Francisco dos Santos.-Sim, pa-
gando o supplicante as comedorias.
Jose Manoel do Lima. --Como requer.
Capitio Manoel de Carvalho Paes de
Andrado Gouvin. Indeferido a vista da
informa9go.
Maria Candida dos Prazeres Branco da
Malta. -Informe o Sr. inspector do The-
sonro Provincial.
Maria Simiana da Conceigio. -Informe
o Sr. inspector da Thesouraria de Fazen-
da, tendo em vista o aviso de 14 de se-
tSmbro de 1882, expedido pelo ministe-
rio da Marinha.
Bacharel Manoel Gomes Viegas.-In-
forme o Sr. inspector do Thesouro Pro-
vincial.
Walfrido Barreto de Meflo Rego. -In-
torme o Sr. inspector do Thesouro Pro-


vincial.


17 -
Antonio da Costa e Silva Maduro. In.
forme o Sr. eagenheiro chefe da Roparti-
9go das Obrasa Publicas.
Arthur Octaviano do Silva Ramos.-In-
forme o Sr. inspector geral da Instrucdo
Public.
Francisco Tuade de Mello.-Informe o
Sr. engenheiro chefe do prolongaRento da
estrada de ferro do Recife ao S. Francisco.
Filden Brothers. -Nests data submetto
a present peticgo ao conbecimento a de-
cislo do ministerio da fazonda.
Fielden Brothers.-Nesta data submet-
to a present peti9go ao conhecimento e
decisdo do ministerio da fasenda.
Joao Rodrigues de Moura.-Informe o
Sr. inspector do Thesouro Provincial.
Joaquim Moreira Reis.-Sim, pages os
foros em divida e mais direitos fiscaes.
Capitao JoUo Theodomiro da Costa Mon-
,teir. -Informe o Sr. juiz substitute da
comarca de Olinda.
Jos6 da Silva Loyo Junior.-Intorme o
Sr. inspector do Thesouro Provincial.
Capitao Theotonio Joao da Cunha.-
Nao se provando vantage publics na
mudanga requerida pelo suppliceante, nao
tern lugar.
Tiburcio Valeriano Baptista. Informe
o Sr. inspector da Thesouraria .de Fa
zenda.
Theotonio Alves de Maria.-Informe o
Sr. brigadeiro commandan.e das armas.
Vicente Ferreira de Sant'Anna.-Intor-
me o Sr. commandant superior da guav-
da national da comarca de Cimbres.
Secretaria da Presidencia de Pernam-
buco, em 18 de agosto de 1885.
0 porteiro,
J. L. iegas.


k
m
o
o




I

5
9

k-
in
a
5


<5


RepartliIo de Polela
Seceao 2.a-N. 901.-Secrearita da Policia de
Pernambnco, 17 de agosto de 1885-Il1m. e Exm.
Sr.-Tenho a honra de eommunicar a V. Ere.,
que durante os dins 14, 15 e 16, nealhum erima teloi
praticado nests capital, edo pro. e recolhidos
usna Casa de Deotenco, os individuo abaixo indi-
cados peloi motivos quo pass a preisar.
No dia 14:
A' minha ordem, Theresa Maria de Jesus, slie-
nada, ath que poeosa ser trasferida pars o asylo
da Tamarineira.
A' ordem do subdelegado do Recife, Manoel
Francisco de dBatr,' Jorge Tores de Oliveira,
Joao Francisco Rodrigues, Martinho Pereira da
Silva e Maria Vicancia da Coneceilo, por distur-
bios, os quaes fram solitos no me6o' dia.
A' ordem do do lo distidto da Boa-Vista, Vi-
eeate C4nrioe do Mir por diturbios, e Ma-
moot Ferroira do guia, aliemado at& que tenha o
eo"venieat dostino.
Ios apresestado so vomerando Tribunal da Re-
lao o detanto JW6 Bras. que ub voltou para o
estabdalrwnto per ter oWt&o ordem de hoboab -
%rivam destiso pars o as* dA Tamarineirs,
oa alieons" Ia Lus de Fnaqa Aft& Ferrai*

duos: JosS _dB a6 ra


Tenho a satisfacno de communicar a V. Exc.
A noticia da prison do important c-iminoso Ma-
noel Valdivino de Souza Gira.sol, que se havia
constituido chefe dos calebres criminosos Jos6
Barbosa, Cajarana e outros, prisao qae foi reali-
sada pelo cabo de esquadra do corpo de policia
Jobo Baptista da Silva, no lugar denominado Car-
rancudo prestando um important service.
O delegado de Saigueiro, em officio de 30 do
mez passado, encarece o procedimento de dito
cabo, a quemn elogia merecidamente.
E' de esperar que a segaranca de vida e pro-
priedade alii extremecidas entao veltem ao estado
de quietmao a que torn direito os moradores de
to remontados sertSes.
Nesta data me dirnijo ao commandant do corpo
de policia, recommendando elogie a dito cabo,
come merece, per ease assignalado service.
-Tendo chegado a meu conhecimento que fora
commettido um assassinate em certo individuo,
no engenho Regalado, do term de Iguarass, offi
ciei ao delegado em data de 1 do eorrente, conse-
gu ficear veriflad, por communicalo de dito
qu em dias do mez de julho find deras-
s aquelle eungenho uR conflict. entire Vicente
tervi deAmraujo e MatioelJaquim de Albu-
querque, conhecido r Mpo;ab, resultando
de tai conflieto ahirem ambos feridos por baa,
mondo quo e noel NambU morrera iui.ediata-
mestee Vicente Ferreira fors recothido a ca-
desk.
A autoridade competente fez o respective inque
nto, quejA foi remettido ao Dr jniz de dixeito da
comarca.
Communicou-me o tenente do corpo deo po-
iicia Antonio Gustavo do Lyra Flonra, ue tedo
eessado a commisago em qve e achtao tero
de 8.Job do Egypto, reassumira no dia 26 do
me findo- o exericiwo da delegacia do Afogados
do Ingzelir
Tendo o subdelegado da fregueisa de Sauto
Antonio trasido a men cnhecimnto haver Iftll-
emo em coneauenteia doe mpmancmentog. M1noel


piano de Souza Viegas e Maximiano Pereira da
Cunha, peor disturbios e esubriaguez.
A' ordem do subdlegado de Santo Antonio, Se-
vero Jose6 Francisco, por embriaguez e disturbios.
A' ordem do do 20 distrieto de S Joshj Augusto
Jose des Santos, conheoido por Augusto Biaouro,
por' disturbios a offensaa A moral publics; e Ho-
norio Manoel Liberateoda Silva, per disturbIos.
A' ordenm do do Peres, Firmino Josh dos Santos,
A disposigdo do Dr. juiz do diretto do 30 district
criminal, par star pronunciado no art. 219 do
Cod. Crim.
A' ordem do do Pogo da Panella, Jos6 Bernardo
de Sant'Anna, A minha disposicio, come vaga-
bundo.
A' ordem do da Varzea, Mariana Guilhermina
de Souza Ramos e Anna Waria do Espirito -Santo,
por diaturbios e offensas A moral public, as quaes
tendo sido apresentadas so Dr. delegado do 2*
distnrcto, nao voltaram para o estabelecimento.
Na noite de 14, peias 9 horas, manifestou-se
incendio no estabelecmento de ferragens 6, rua
Duque de -Caxias n. 111. '.
Declarar a V. Exc., que o estabelecimento esta-
va seguro per 40:0004 em duas companies, era
preeisar quo o incendio f6ra proposital; mas, desta
vez ficou isso patcnte a simples vista.
86 pude submetter a auto de perguntas o pro-
prietario do estabelecimento Thomaz Ferreira da
Cunha Junior no dia immediate, pela manhi,
quanao foi encontrado.
Cunha Junior ignore o motive do incendio, en-
tretanto que em o s6lo do estabelecimento, prate-
leiras e vasilbas encontrava-se mass phosphori-
ca emn quantidade tal que por duas vezes recome-
gou o incendio, que toi extinct pelas pessoas pre-
sentes.
Foram encontradas garrafas vasias, das quaes
havia side despejada a agua-raz que existira nas
mesmas, e perelo da qual estava em uma quarti -
nha. Em uma carteira foram encontradas folhas
de papel, sobre as quaes foi derramado semelhante
liquid em nao pequena quantidade.
Alguns dos visiuhos, ao fechar Thomaz o esta-
belecimento, 8 horas e meia, sentiram que havia
fumaca no interior dolmesmo, o que o forgou a en-
trar e voltando dissera-era isso devido a um pe-
queno pugillo de palhas, que ardia, devido talvcz
a descuido de algum fumante.
Os visiuhos nao flcaram satisfeitos e receiosos
de incendio aproximaram -se pounce depois do esta-
belecimento, verificando pela ablertura da fecha-
dura, que havia comego de incendio e deram alar-
ma.
O incendio foi abafado par um pedreiro e um
moeo caixeiro, cujos nomes nao posse piecisar,
send necessario penetrarem pelo telhado, per on-
de autorisei descessem ao interior do estabeleci-
mento, send olles auxiliados peor outros individuos
que levaram baldes corn agua ao telhado, servin-
do-se de escadas de mao.
Mandei ao Dr. delegado do 10 district proce-
doesse a vistoria no eatabelecimento, o que foi cum.
pride, servindo de peritos os engenheiros Antonio
Maria de Albuquerque O'Connel Jersey e J. J. de
Mello Cahtu, que reconheceram ter havido prepare
pars o incendio, que em poucos mementos reduzi-
nia o predio a um montao de ruinas, a nao ser a
promptiddo em abafal-o no comego.
Estiveram no local as bombast do Arsenal de
Guerra e. da de Marinha, corn o respective pessoal
tendo tunccionado per instantes a do pnrImeniro.
Compareceu o director interino dam Obras Mi-
litares., o official de dia a praca, o ajudaitte de or-
dens de V. Exe., um piquete de cavallaria e o
pessoal da guards civic, que guardou o estabe-E
lecimento durante o restante da noite e tode o din
de hontem, quando fizeram-se oe reparos preciaos
no predlo, para reparar os estragoes de destella-
menlto e passage pela coberta e ports da frente,
que fora violentada de minha ordem.
Por telegramma de hoje trouxe ao conheci-
monte desta Repartiao o delegado da Escada ha-v
ver prendido a Francisco Ferreira Ferro Feitoza,
conhecido por Francisco do Norte, author dos feri-
mentos, em nunmeeo de 6, feitos corn faca em Anto-
nio de Mattes. no engenho Tapera do termo do
Santo Antao a cujo delbgado, nests data, commu-
nice dita prislo.
Pelo subdelegado do 2* district de S. Jos.
foi remettido ao Dr. juiz de direito do 30 district
criminal o inquerito pohleial a que procedeu con-
tra Thoaz Gomes de Oliveira, morador eA rua
Imperial, come autor do estujro praticade na me
nor Anna Maria da Conceicao, que tem apenas 10
annos de idade e reside no lugar denominado a-
meleisa, facto precisado na parse de 9 do cor-
reute.


midades do povoado, e penetrando em seu interior,
fez corn que fossem eonduzidos pars o terreiro o
referido Pereira e mais pessoas da familiar, que
entio dormiam, e em seguida mandou demolir a
casa.
SNio costa que houvesse ferimeatos, neo mes
me eonflicto, porque o tenente Bernardino teve A
cautella de mandar aganar cada uma das pes-
swea da familiar de Pereira por dons dos homes
que o acompanbaram, isso em quanto era demoli-
da a cass.
l fomnado o subdelegado do attentado, procu-
rou elleos eoffendidos para providenciar conforme
o case exigia, mas ja to os encontrou, visto terem
seguido para a cidade, onde, perantoe o Dr. juiz
municipal dera queixa contra o tenente Bernar-
dino.
Em officio de 16 do corrente, communicou-
me o Dr. juiz de direito da comarca de Bezerros
que n'aquella mema data fizera recolher na res-
peetiva cadeia o individuo deo nome Carlos de Hol-
land, indigitad como introductor de sedulas fal-
u, em Urqu-nmeirim,
Dias ates havia aquelle individuo compr&do
quatro carneiroe a um Fuao Martins, a quem pa-
gars corn quatro nots de 24000 e uma do 1$6WO,
iendo ias confirmado per ambos. 4
Hontem, is 4hores da tarde, Silvino Leon-
tio da Asmumpco, moador noro lgar denominado
hamlvira, be -aq2disricWod Jose,
esp owu e i a Meira
^ic^ '1 1'""1' 1 *'i'i ** '^ : "11o s8'- ;1 1 ii*


.6e:483|ri
,mi. Na dg
n ma m I *,,. m*-


asuila consid ado
wadi-se, precede o
=madaleit.
sotiiaquese 1 na


Ba.- Em officio de 28 do mez findo communieou-
eo delegado do term de Afogados de Ingazei-
ra que n'aquela ,data apresentara-so o criminoso
A>ano, escravo do.capitao Laurindo Angelo de
Aneida, que estA ali prmonunciado no art. 192 do
04. Crim., sendo recolhido a respeetiva cadeia.
Corn refereneia a um-. noticia insert no
3nvpo de 4 do corrente, informou-me o delegado
dgtermo de Goyanna, em officio de 12, nao ser
64eto que o capitio Joao Lucio da Costa Montei-
rfosse assaltado on aggredido per uma quadri-
144 de bandidos em sua propriedade, no lugar Ita-
pesoca, conforme se diz em tal noticia.
Communicou-me dito delegado em outro officio
dsamesma data, que no dia 9 trees individuos che-
gados alli da feira de Caric6, em Itamb6, eneon-
trando-se corn tres escravoa, tiveram entire si ra-
zSes e- passando a vims de facto, deun isso 'em re-
sultado ficar urn dos individnos terido na perna di-
rita e urn dos eseravos no alto da cabe esqaerdo.
Logo que o delegado teve conhecimento do fac-
to, compareeeu no lugar onde elle se dora e man-
dou fazer a victoria nos offendidos, cujos ferimen-
too foram considerados leves pelo Dr. Antonio Al
yes Pereira de Lyra.
Foram feitos autos de perguntas aos delinquen-
tea e remettidos pars Itamb6.
No dia 29 do mez fiado, as 8 horns da ma-
nha e no becco do Pavao, do referido term de
Goyanna, a parda Ignez, escrava dos orphaos fi-
Ihos do finado Basilio Magno Martins da Costa,
assassinou corn uma faca a liberta Eugenia, sen-
do levado a praticar o crime dominada. polo ciume.
Contra a delinquent que foi presa em flagrante
procedia-se nos terms do inquerito.
Em data de 5 do corrente foram recolhidos
na cadeia da cidade do Brejo, os e-riminosos Luiz
Ignacio da Cunha, Antonio Ferreira do Nascimen-
to, Francisco Pereira da Silva, Jos6 Gomes Bar-
boss dos Santos e Arminio Jose6 de Melle, remet-
tidos para alli de Taquaretinga, sondo os trees pri-
meiros sentenciados e os ultimos pronunciados.
No dia 5 do corrente fez o delegado do in-
dicado term do Brejo a visit da cadeia respecti-
va, onde estavam recolhidos 36 individuos, send
28 sentenciados, 7 pronunciados e um r6o aosol-
vidoe e appellado.
Autorisei hoje que fossem alimentados per
conts do. cofres cia provincia os detentos Pauline
[gnacio dos Santos, Firmino Jose dos Santos e
Manoel Ferreira de Aguiar.
Deus guard a V. Exc.-Ilm. e Exm.
Sr. conselheiro Jolo Rodrigues Cha-
ves, mui digno president desta provincia.
-0 chefe de policia, Luiz de Albuquerque
Martins Pereira.

Sec&o 2'.-N. 8. Secretaria de Po-
licia de Pernambuco, 18 de agosto de 1885.
-Illm. e Exm. Sr. -Participo i. V. Exc.
qpie foram hontem recolhidos a Casa de
)Detencgo os seguintes individuos:
A ordem do Dr. delegado do 10 district, Luiz
Antonio Tavares por disturbios.
A' ordem do subdolegado do Recife, Martinho
Jose6 de Oliveira, que hontem mesmo foi solto, por
distwbios.
iram igualmente postoa em liberdade os so-
guiabes iadividuoa:
Cypriano de Souza Viegas, Maximiano Pereira
da Cunha, Joe6 Franciseco Ribeiro, JoAo Gomes de
Barms e Luiz de Franca Azevedo, por portaria
delta chefatura; e Honorio Manoel Liberate da
Silva, que havia side orecolhido ante-hontem, A re-
quisicao do sublelegado do 2 distrieto de S.
JOB&
Foram apresentados os segpintes: Norberto
Francisco Freire, Martinho Jose6 de Oliveira, Se-
vrerino Jos6 de Mello, Joss Bernardo de Sant'An-
as e Jos6 da Silva do Rego Braga, send os qua-
tro primeiros a esta chefatura e o ultimo do sub-
delegado do 10 district da Boa-Vista.
Desses individuos s6 nao voltou para a Casa
de Detencio o primeiro, que teve destine pars o
Arsenal de Marinha, pjr se ter venrificado ser de-
serter da armada.
Tiveram destine os seguintes: Constantine Jo-
se de Barros, Francisco Ferreira da Costa e An-
tonio Pinto Penna para a comarca de Olinda ; e
oe loncos Joao da Costa e Francisco de Paula pa-
ra o hospicin da Tamarineira.
Tendo o Jornal do Recife, em seu numero
de 5 do corrente, denunciado have urn grupe ar
made e capitaneado per individuo bern conhecido
asmaltado em noite de 20 do mez ultimo a casa
de um pobre morador do engenho S. Caetano, na
comarca da Victoria, naquella mesma data officiei
ao delegado respective exigindo mnformacoes a
respeito.
Cumprindo minha ordem, acaba dito delegado
de indesecar me um officio, cobnndo um outro do
subdelegado do 3o district, no qual vein exposto
o facto, que se deu da f6rma seguiute :
A's 10 morns da noite de 20 do mez ultmo, o
tenente Bernardino de Senna Ferreira Cavalcan
te, rendeiro do engenho S. Caetano, ,compauha
do de mais doze homes, todos armados, dirigio-
se a casa de ntonio Pereira. que fica nae nroxi


Barbo de Petrolina. -Informe a Ia sec
cao.
Josephina Guilhermina de Freitas. .- A'
1' secgo para attender.
Amorim IrmRaos & G.-Iadeferido, em
vista da informagoo.
Francisco Jose dos Prazeres. A' a1'
soco para attender.
Joaquim Anselmo de H. Cavalcante de
Albuauerque, Clemente Gon9alves Netto e
Ricardo Luiz da Cunha. Informe a 1'

mecao.
. Isabel Lucas da Silva.-Attendido, em
vista das informa90es.


Vamara Eualelpal
DESPACHOS DO DA 10 DE AGOSTO DE 1885
Bernardino Josh da Silva Maia.- Con-
cede-se de conformidade corn o parecer
do .Dr. engenheiro.
A. North Brailian Sugar Factories Li-
mited. Deferido.
PEtt~se deupackadas pdo Sr. tenente
Viegas, commissario do policia em 14 de
agoo do 1885:
SJoo Caam&se& C., pedindo licenga parsa
abribi:m uma Ioja de cigarros na casa n.
13 a Psa do Conde d'Eu fregueia da
uPragado
Boa-Vista pagando o aluguel annual de
1206M mil reis. Sim ago respjctivo


SCome requerem a contadoria pars os devi-
dos effeitos, tendo em vista a informaglo
do respective fiscal.
Joaquim Conrado de Aguiar, communi-
cando que vae madar a sua loja de ofuni-
leiro do predio n. 42 para o do u. 20 da
rua Larga do Rosario, treguezia de S. An-
tonio e paga o aluguel annual de quatro
centos mil reis.- A contadorii para os de-
vidos effeitos.
A Sociedade Recreativa Juventude, pe-
dindo licenga para mandar collocar na va-
randa de sua sede urn mastro corn o dis-
tico, da mesma casa no predio n. 2 do pa-
teo de S. Pedro freguezia do S. Antonio.
Sim nos devidos terms
Manoel Custodio Loureiro actual dono
do deposit de seccos a estrada de Beberi-
be casa sem numero, freguezia da Graca,
communica que remove o sen deposit
para a rua de Nunes Machado casa sem
numero. Come requer.
Manoel Martins Fiuza, proprietario do
predio n. 26 sito ao Largo 28 de Setembro,
tendo side oceupada a loja do referido pre-
dio por diversos estabelecimentos e como
esteja devendo impostos e o supplicante
nao pole alugar o dito predio pede que
seja illiminado no que estiver a dever. A
casa do supplicante nao deve de impostos
a municipalidade e sim os inquilinos que
occuparam o pavimento terreo corn estabe-
lecimentos de moveis come so infere das
informag5es exhibidas.
Rodrigues Braga & C. pedindo licenga
para estabelecer-se corn hotel no pavimen-
to terreo n. 2 a rua DuqaedeCaxias, fre-
guezia de S. Antonio, e bemr assim para
collocar distico e paga o aluguel annual de
duzentos nil reis. Sim pagos os respec-
tivos impostos, valor locativo o collectado.
Secretaria da Camara Municipal do Re-
cife, 17 de agosto de 1885.
Servindo de porteiro,
Joaquimn Mileto Maris.


DIARIO DE PERNAIIBUCO
RECIPE, 19 DE AGOSTO DE 1885


Quanto a aggressao que se diz ter Mendonea
soffrido de Lourengo Tunda, informs dito delega-
do que entire ambos se dora apenas ligeira alter-
cacao, sem consequencias.
Communicou-me o delegado do tormo de Flo-
resta, que achando-se em diligencia f6ra da villa,
em seu regresso tivera sciencia de que no dia 31
do mez ultimno haviam se eVadido da cadeia os cri-
minosos Antonio Henrique Joaquim V anna e An-
drelino Antonio Albino de Oliveira.
A evasao deu-se estando de sentinella A cadeia
as pracas de policia Joaquim Joe6 de Sant'Anna
e Jose Simlo da Silva, contra as quakes esta se
procedendo nos terms da lei.
Nesta data me dirijo Aquelle delegado recom-
mendando o maximo empenho na capture dos cri-
minosos e que me informed os crimes em que se
acham elles incursos.
Em data de 12 do corrente entrou no exerci-
cio da delegacia do term de Gloria do Goita, o
alferes do corpo de policia Manoel Gabino ca
Silva.
Polo Dr. delegado do 1 district foi hoje re-
mettido ao Dr. juiz de direito do 3o ditricto crimi-
nal o inquerito policial a que procedeu contra Joa.
quirm Severiano de Souza, pelo defloramento pra-
ticado na menor Maria Joaquina de Souza.
Em virtude de requisicgo do Dr. juiz muni-
cipal do term de Ipojuca, feita a esta chetatura
em officio de 14 do corrente, foi hoje capturado de
minha ordem pelo subdelegado de Santo Antonio,
o criminoso Pedro Affonso Ferreira dos Santos,
que diz ter mudado o nome para o de Pedro Af-
fonso Sobreira de Metllto, o qual esta pronunciado
naquelle term come incurso nas penas do art.
222 do codigo criminal.
Dito criminosa foi recolhido na Casa de Deten-
91o e opportunamente teri o convenient destine.
0 Dr. juiz de direito da comarca de Bezer-
roes remetteu-me 16 faeas de ponta, 4 pistols, 4
bacamartes, 1 revolwcr e 1 estoque, armas essas
que foram tomadas, de ordem sua, a diversos in-
dividuos.
0 subdelegado da freguezia do Recife tam-
bern remetteu-me 5 facas de ponta, 2 canivetes, 1
navalha, 1 lima, 1 agulba e 1 garfo.
Tambem o tenente commandant interino da
guards civics tez me a remessa de duas facas de
ponta.
Finalmente o administrator do patrimonio
de S. Jos6 da Extrema, cidadgo Antonio de Sa Ca-
valcante de Albuquerque, remetteu-me igualmentt,
7 facas que se achavamn em seu poder.
Pelo subdelegado da freguezia de Santo An-
tonio, foi remettido em data de hboje ao 'Dr. juiz
de direito do 2 district criminal o inquerito po-
licial a que procedeu contra o r6o affiancado Jos6
Aphrodisio Vaz Salgado Brags, come incurso nas
penas do art. 201 do codigo criminal.
Aodelegado do termo de Afogados de Inga-
zeira, apresentaram-se voluntariamente no dia 3
do eorrente o foram recolhidos a cadeia oa crimi-
uosos Agostinho Correia Godd e Jos6 God de Vas-.
concellos, ambos psonunciados alli no art. 192 do
codigo criminal.
No dia 10 do corrente, As 10 horas da manha
e em terras do engenho Piragiby, no term de
Agua Preta, Martiniano de tal espancou barbara-
mente a Genuine Severiano Cavalcante.
Contra o delinquent, que evadio-se, fez o dole-
gado o inquerito, que no dia 15 foi remettido ao
juizo competent.
No dia 11 foi encontrado no lugar denomina-
dote Cip6-preto, pertencente ao termo de Quipapa,
o cadaver de um preto deo nome Joaquim Correia,
que soffria de epilepsia.
Do exame a que se procedeu Leficou verificado ter
sidv a morte occasionada per urma asphyxia, em
occasiao de ser accommettido do mal.
Communicou-me o subdelegado do district)
da Pcnte dos Carvalhos, term do Cabo, que na
noite de 13 pars 14 do corrente, penetraram os
ladroes, per meio de arrombamento, na casa de
residencia do cidadao Audr6 Bezerra de Mello, de
quem roubaram a quantia de 2206 em dinheiro,
alem de joias de ouro e algumas pecas de roupa.
Fez-se as deligencias da lei e trata-se de des-
cobrir os autores de tal crime.
Pelo delegado do term de Quipapa me fo-
ram remettidas 15 facas de poata que apprehen-
dera em mao de diversos individuos na feira que
tivera lugar alli no dia 15 do corrente.
0 cidadao Joao Antonio Monteiro acaba de
me communicar quo nesta data passara per en-
mommodos de sauue, o exercicio da subdelegacia
do dlstricto de Apipucos ao 2 supplente, Antonio
da Silva Neves.
Autorizei hoje que fosse alimentado per
conta dos cofres provinciaes o detente Pedro
Aftonso Sobreira de Mello.
Deus guard a V. Exe. hIm. e EXRm.
Sr. conselheiro Joao Rodrigues Chavms,
muito digao president da provincia. 0
chofe de poli'ia, Luiz de Albuquerque Mar-
tins Pereira.

(onsulado Provincial
DEsPACHOS DO DIA 17 DE AGOSTO DE 18.5
Silva Irmao & C.--A' la sec30o para os
fins convenientes.


'* *. U*


1:'.








-.1


es Ineendios no Recife
Quem se propozer a fazer um estudo historic
e chronologico Acerca dos incendios havidos, nos
vinte annos ultimos, na cidade do Recife, ehegara
A dolorosas consequencias, firmando a these de
que na maioria dos eases esses incendios sio pro-
positaes e tn peor movel o desejo de fazer convi-
nhaveis liquidag5es A custaa das companhias de
seguro.
De feito, a quasi unanimidade dos incendios do
Recife lavram em estabelecimentos commercials,
eujas mercadorias estAo no seguro e per pregos
elevados; o fogo sempre ateia-se corn inerivel e
assustadora intensidade, de form que, quando
descoberto, 6 impossivel dominal-o, salvo n'um on
a'outro caso ; e n;o raro se observe, nos estabele-
cimentos em que elle se manifest, indicios segu-
ros de criminalidade, que, n'outro paiz, em qne a
lei fosse mais several, justificariam de sobra a mu-
jeigio A pena e livramento dos autores desse cri-
me hediondo, que, de par corn a propriedade alheia,
pSe em risco a vida do cidadao.
Alhm. disso, o estudo A que nos referimos, quan-
do tcito comn eriterio e severidade, poria em evi-
dencia a periodicidade da recrudescencia dos in-
cendios, tazendo conincidir esses periods eomn os
embaragos economico-mercantis que malcinam a
provincia e prineipalmente o commercio da capi-
tal, atirando-o na voragem das liquida96s raino-
sas, as quaes buscam furtar-se os espiritos chamas-
dos fortes pela braude, servindo-se do inceudio
come meio de obter do seguro o capital e o are-
dito que as mas ,ondis5es da praca ameaeavsm
devorar.
Logo emp6s da guerra do Paraguay, quando o
espinito emprehendedor, acalentado pela plet6ra
de meio circulante entlo existente, atireu-se des-
cuidoso e crente no future ab today a casta de aven-
turas, sem curar de salvaguardar o cabedal ja
adquerido, e come consequencia umanifestou-sef
urma grande crise economico-commercial, que du-
rou alguns annos, e cujos effeitos ainda hoje elo-
sentidos; parallelamente houve recrudesceeucia nos
incendios e cram estes quasi diaries, sempre em
estabelecimentos commercials que estavam asse-
gurados, resultando para as companhias de' egu-
ro avultados prej'nizos.
Ento, n6s, e today esta cidade, fomios testemu-
nhas presenciaes dos factors que acima assignala-
mos, indicatives de fogo posto, de incendio propo*
sital, come per exempio n'um estabelecn-to da
run da Imperatriz, onde vimos percgo flEWfts&-
ne e agua-raz derramada sobre ws- ici e
madeiras panr. facilitar-lhes a combusti, ; ottm
estabelecimento da rua do Barbo da V-ictrt, -
de per ignal form se havia procedid, ideticoe
facto; e ainda n'um outro da rua do Vigio, on-
de, 1l4m d'aquelles ingredientes, haviam ftneiras
de pbquenos paos arrumados pelasiprateueiras, n-.
do na iutengo clarrssima deo facilitar o ineeadio
cujo apagamento at se procurou obatur cortando
Sfaca os canes de solat das bombas t
Pede-se affirmar sem medode d errar que, n'a-
quelle doloroso period, raro, rarissimo foi e in-
cendio que nao foi ateiado de case pensado, como
meio de ageitar os negocios mal parados, oomoe
caminho seguro de fazer li quida"5es ao saber dos
incendiaries, mas de cruel amargor para aes corn-
panhias victims dessa torpe. esac l.
Felizmente e o dizemo. para l .az ..
procuraram e consegui'rn I e
.no fai de longs duragio eame
die. A polioma & entipl
am bw uscava e AV


A
































lijqu tdes fiquem





ae o* A ta mbea de qratg f e
-a pstW m ae* 06 os"u sde q"uow~an ae s
pam obviar*_ crime e pnir, so aonoe
8 s rimmoo. Ctmpos qua a
:| moj6 vai se moatrando, fjaactvivima,
|t iipmpji vei em por em roteve todos os
I: elteretes ao incendios; cumpre que os
joi* s ejuawsevrisimos no julgaaont. das cau-
w1 9emm eie commeraes, maxi=m6 quando es.
S1w tiver rela o cown algum incendio ou sejam
E por tea; o, finalmente, cumpre que as
Sdo Segros sejawm ais cuidadosas
epeqig arehtias aes seguro. e mais ener-
II nrl urem valer -o seas direitos contra os

So as Companhias de Segaros ja tomaram a
pqw i"-e"oeraitiv. do abamms--de elevar
i taxa dos. soegurs; so a policia---o qmie no
wa m teos (iteuovar-j4 se tern o revellado im-
buidk do peaaamento de tornar claro e move dos
inceadios; inafelumente ainda outro- tanto ngo vi-
mas praticado in esphera juditciaria, pis ao con-
tranw%, aindasnao ha muit3a dias, o Tribunal da
Beiamo-releve-nos elle a dureza da phrase-
sWaeoxit um ercandalo n'uma questao de se-
guro ,aaritimo, e den um pessimo exempio aos tri-
btaes subalternos, offcrecendo-lhes um julgado
queeoassitne um verdadeir. aehado pars os de
frao dres da tazeada alheia, puer por naufragio,
qua por iaeendio proposital.
A lci qune iegula a especie, o codigo criminal
usnftteqflativa a incendios, 6 de unra benevo.
leoel iai r6ditavel fora do paiz; e infelizmente
aii.podo de deliberagio do Senado um pro
jesto de 4ei que foi apreseutado A Camara des
Deatdo* pelo Sr. Dr. Moraes e Silva e alias dis-
cutido e approval, regulando os crimes de in-
ibe o ppasindo devidamente aos incendiarios.
*1h* por nA3 obsta A que haja a maior se-
vertd&e da parte dos tribunaes no julgamento
dasXliKsesque disseram respetto a incendio3. JA
qua, pAdwviciosoa lei criminal, os auctores des-
sa *dis e escapam ao merecido castigo, que
n'3ztroa* paizse seo impostos aos incendiarios, sof-
frama elle'ao meanos a perda do seguro e todas
as deasis cotaequencias d'ahi resultantes.
**,.* o Parnamento "o diz,a ultima pa-
lavmn sobi o project A que alludimos, nao devem
as j public eruzAr os bragos e deixar A
mercy# do* isemdiarios a propriedade e a vida dos
cidadis, cntra ai quaes conspiram os criminosos
no intuit. de salvar os seus interesses individuals
por-misa de rendosas liquidagses.
ii .. ...... i i : -- 1 I

INTEIOR

CorrepenodenaU do Dlarlo de
Permambueo
RIO DE JANEIRO Comm, 11 agosto de
de 1885
Sumauo :-Trabalhoe do parlarento.-A inter-
p0460o do Sr. Josi Mariano.-3adis.
eSte dod project saobre o estado servil
-As4 iucripoes dos oradores.-Recla
v*iek ontra a clussifmcafo feita pela
mem. Annuucio do Sr. Zama sobre o
ecerraatao em dia determiiwado.-Uma
emenda do Sr. Josi Mariano.-Motivo
ddla. -Cor"ieo ao aparte do Sr. Ca-
margo.--carecimefit sobre a excep-
fao eontida no art. 2.-0 Sr Correi-a
de Arawjo e a questdo dos impostos de
Pcmambueo.
Aprovestarei o finance que parte amanha, corn
escila per etat provincia para noticiar o occorrido
no parliament depois que encerrei a anterior.
iEeseuo porem, fallar da interp,'ilaeo do Sr.
Je6)liaM o ae Sr. president do conselho, sobre
aktfwsf&'ee impsitos proviaciaes, porque os jor-
naet. frd(8 polo paqusite anterior deo coats, quer
do s 4iurgo do primeiro. quer da breve resposta
dada pejo segundo. Cmo s6 v6 daquelle discurso,
quasi lods elle foi consagrado a politics, e s6 ,-m
n l ena parts, no final, foi que o interpelan-
toM da miateria de modo pertunctorio, sem ac-
-eeutukI i desenvolger cada urn dos quesitos.
Ceutrftando corn esse modo de considerar a
quee o "u cente aoe quesitos. Tambem, ainda mes-
me. qs e o hummado president do conselho preten-


de ftmimr ai6or desenvolvimento a sua resposta,
nioi' |!taz por falta de tempo. A hora
jaeutuestepaai w quando elle teve de fallar. A
misos- foi absorvida por uma larga
J icons a juices de direito, e o
z pelo discurso do interpellante,
+A d "i purs que no o ficasse adiada a pe-
quea- resposta do Sr. Saraiva, foi priciso lue o
Or. Ulylses Visuriarequereese a prorogaco da
sesAo par 15 minutes, que o honrado president
do conselho nao esgotou; utilisand3-se s6nmente de

W& sesad. aeguinte comeoeu a 3a discussion do
rjecto smobre o estado servil. Annunciada ella,
do. L sos iados pediram a palavra. Na forms do
e a list para a inscripcao dos ora-
,i? ..... Ocas taes efica ao arbitrio do pro-


sBe o
lnas
se p


es importantes, e quando a Camara
rpos distinctos, aquella list 6 ape-
idade, e a ordem da inscnpaio faz-
S; 0o chefes dresses grupos, enten-
4 seus amigos, organisam a suae
S*e ificamn os seus oradures Ina
eaber a palavra a cada umn.
ifica o de cada um dos la-
inscripgdo. Por ease modo se
Sassim 6 que, como toda
opposiao, o orador que a
seas amigoe.
o prajeeto Samsiva as
Z ""0404pratieas momuns e
tai~ia


,# E 0 Sr. Nabw-Nio ha tat dIWdenei& Pas-
aadp o project, o partido liberal estA corn o presi-
dente a c d08r. N
SEamase oesdoSr. Nabtiu bem como al-
gumau palavms do 8r. Joa Marianne no diacurso
da int at *o eai + +& tf *UM
dOas .| penoer sao4 Sr. iVa, ni se
oonstrangd. do afdbahr faie4oew oq uS am r-0
tsui so .nobre presidetunte da ew ifo a quuem
deasia ver continuar a frete do gwrso, a & vea
votado o n9projeto-eunuia emtiap4wB o epast doa
S. Exe, a quem prdio qua-e a h qoieas aaobaer-
ralea piiticas que acabava doe a e an eado
a triar da ierpshaca a dreclraeo do Sr-. Ma-
buoos, figo., be oamo essas pawras do .Sr.rJos6
Marianno torn dado lugar a um na veret queo ulti
mamente tern corridor de que a o Sr.I Dintas eata
trabolhmando par a que sopposaiglo ao er. Sarsiva
limnite ao project, eo uma va oapprovado este- na
Camara,m restabelea-se a hairmoniaia familiar libea-
ral, facilitando-se a passage das leis annuaos e
todas as medidas do e governor do qua o mini-teri
procisar. Nalo vai nieto amor so gabinete, neu
desejo de que o Sr. Sarmaiva continue no govern.
E', por6m, o unico meio qu ase afigra so ax presi-
dente do conseaho* como a todos, de manter-se a
situskcao..
Harmouisadoes s liberal na Camara e arrigi
mentados, aem guardarem o dios resentiameatoa e
abstrahindo do iateressei pessoases, para so ponsi
derarem o s do partido, no ha duvidsa do qua, quer
o actual gabinete, quer outre liberal que lIbe suea
ceda tern sufficiente miioria par& viver.
Por issa, diz o Sr. Dantas, qu tirade ao ,Sr. Sa-
raiva o protexto de falta do apoeio na Camara, elle
nao ase retirar i tornaado o partido responsavll, e
quando se retire poer U contsa risco, nao poderai,
entregar o poder ao ea consorvadorea.
R-sta saber quem. sera chamado par& organisar
o noto gabinete, e essa difficuldade talvez scrap|
mais s6ria do quo a primeira. A dat d.. recon
cilianIo, pir ora, vai sendo bem aceita Corn oex
ceprao dos Srs. Cairios Aff-aso Amtaro Benrra,
quo jA ae declararam pela maneira que o hi fiea,
oas outros Do faz-n objec9ao, at poerqu sabeorna quea
o Sr Saraiva, para deixar o powder, neo precisa quo
continuemo a fzer-lhe opposicro depois de convert
tide o projetoa em lei. A queostio 6. saber quem
sera o seu successor. 0 Sr. Dantas, ao qota dizern,
pende pars o Sr. Martinho Camnpo; nio ha, por6m,
cert-za d a quoe os irmaos Affoasosa s conformem
corn isto.
Mas o Sr. Dantas nioe e home qu es.naorea
por difficuidades dessa ordema
E sobietulo, elle conta corn o interesse commum
e o instiucto da coservagaio. Desde que a cousa
6 por amor de todoas, esperas chegar a o desejado
resultado.
Volto e sao ponto de qu me affastei. Para por
terma questo da eo ordem, toamon a palavra o eSr.
Zamia, a disseo que a mesa tinha precedido muito
bem, visto os opposicionistas libermas no terem
concordado naus list quoe organisaram; mase quo
garantuia os nobres deputados quone dead aquelle
dia, 8, at6 sesta-feira, 14; les te'nam temsepo pars
dicutir o projeto; mas que h na eitada s xt .-feira
rectuereria o encerrameto da discussia, com o re-
qu.'ria o da do ordeam, pars comear ado project.
Ease annuicio de encerramento por dia deter-
mintado cansou estranheza, e o Sr. Andrade Fi-
gueira acudio a protestar e contra esseeccerra-
mento pre6vio annunciado ; e vito ter sido ello-
cado em lugar que nd o Ihe perutira usar da pa-.
lavra, promettia servir-se dis reeursos governs-
aentaes, na occasilo em que proposer o eacerra-
ment para manifestar ana opinibio sobre o pro-
jecto. ii

Pe~o venia para ponderar quo Wao acho cousIn-
ravel seae medida de prevonViU towada pelo Sr.
Zama, a cujo cargo tern eatado tarefa dos encer-
ramentos : Acho, pelo contrario, que A um born
precedent que deve fioear cstabelecido. Dado uo
tempo razoavel pars que a mrt..ria possa ser suf-
ficicntemente debatida, ha at6 vantagem pars as
opposic5es em saberem de ante-mado o tempo de
que podem dispor para o aproveitarem deo modo
util A questiLo, e nano o o estragarem corn divagagoes
e enchentes de materials estranhas.
Terminadas as reclamagies, e antes de set da-
da a palavra ao Sr. Leopoldo Balhoes, que foi
quemn rompeu a discusesao, orande at6 depois das
6 horas, form apresentadas alumans emendas,
sends ura d'ellas do Sr. Joes Marianno, a mesma
que elle apresentou come additive na segunda dis-
cusseo, e que o Sr. Fleury nao aceitou, aseam con-
cebida:
a Nenhuma provincia, nero mesmno as que go-
zarem de tarifa especial, ficara isenta do paga-
mento do imposts addicioqal.
Esta emenda. que contem idea que esta no ani-
mo de todos, parece que e motivada polo apante
dado pelo Sr. Camargo ao Sr. Nabuco, de que j&
fiz menggo, ndo obstante ter-se depois digo que
tal apart foi mral entendido pe'os tachygraphos.
Quando o Sr. Daarte de Azevedo, comr eu ja ob.
servui, chaaou a atteneilo da Camara sobre a in-
telligencia que se pretendia dar aquella exceptso
do art. 2.0, comeaaram a dizer que no havia in-
tenuo -de querer-se isentar o Rio Graude do Sul
da nova taxa. 0 Sr. Saraiva memo, em con-


versa corn um college no Senado, affirmou que ndo
havia semelhante pensamento, e que nem tazia
objecelo a que se ddsse A aisposico, questionada
qualquer outra redacg. que afautasse toda a du-j
vida.
E ainda na sessio de hontem o Sr. Werneck,
tratando deste ponto e dizendo que desejava saber.
se o Rio Grande esta exceptuado de pagar o noevo
impostor, bem como que tambem nem o Ceark nemn
o Amazonas devem ser d'elle isentos, quando to-
das as provincias contorreram para combater a
secca do oearA e a guerra civil do Rio Grande, e
nenhuma provincia se recusou aos sacrificios exi-
gidos ; o Sr. Fleury prevenio o orador de que
na mesa jA se achava uma emenda da commission,
para ser lida, que esclarecia o ponto sobre im-
postos.
Antes do Sr. Werneck havia iallado o Sr. Ra-
tisbona, que naio oecupou por malt tempo a tn -
buna, pois eo6 teve por fim explicar os motives
que o levaram a votar contra o gabincte passado
e a favor do actual. Depois tocou. a palavra ao
Sr. Mac-Dowell, que orou longamente at6 o fim
da sassio a favor do project.
Noas trees primetrios quartos de horse, centre outros
requerimentos maudados eA mesa, bouve um do Sr.
Correia do Araujo, pedmieo que o governor informed
quaes as provineias do imperio que tribotam ge-
neros de produeco eatrangeira. *.
Corn esae r erimento n1o .4 X o S r. Cor-
reia de Araujo seuin achar as opportunidadg
:r responder e sele o confewm4ao Sr. Jos-
Aocust W ed ae-
1wndn


por taihwrdo energia, fea a pra
I-_I cdad',eM um officio quwm
+ pois. nia conasta que fose. tom


foi eoecutada par ulthio, siao ge u s e graeude
SPots ,umira jprquoe 6uram emautadas reuelow
e illustre compoista s um habilU regent e misa
AoP Nwhftb%1: at & sha i' r.*

0 b ido ofai brindade pelott rtistas dia eq0
preas, e tendo side chamado aso proseesiotoi vi-
etoriid enthne.tigamnute pets plat&a.
Hojae repte-.se 0 Testamense Aud.
0 31tt lneendt-Eis o auto de visto-
ria feito na suja do ferragea da raa do Daquae de
Caxias, onde se don ao lattimo ieendio :
a Anno do >aseimento de Nomao Senhor Jesus
Christo de 1885, aos 15 de agosto, de dito annoy,
nesta cidade do Rocife, em a rua Duque deCaxias.
onde se aehava o Dr. delegado do 1t district,
Franeisco A. da Fonaeca e Silsva, commigo escri-
Stlo, do seu eargo, presented o Dr. Jos06L Eustquio
Ferreira Jacobina, advogado da CompaAhia Am-
phitrite, os peritos nomeados e aotifisados enge-
nhiro Antonio M. de Albuquerque, O'ComellJer-
sey a Jos6 J- du Mello Cahu, agrimeasor as e tes-
tenunhas abaixo assignadas, pelo Dr. delegadoe
foi deferido o juramento dos Santo. Evangethos,
de bew e verdadetramente desempenhnrem suas
misses declarando corn verdade o que descobris
sem e encontraseem e o qaue et suas consciencis
enteadessemn no exame e vistoria ordenada, res-
pandendo os seguiates qaesitos.
a 10 Se houve incendio.
20 Qual a suna eausa immediate.
S30 Se existem m niterias proprius paras produzir
incendio, quses salo ellas, e se esAo dispostas no
propm ito de tear fogo, ou se nm lugaros e accn-
diciouadas de maneira a servir de genero de comn-
mercio.
a 40 Qaal o valor do damno causalo no predio e
nas mercadorias.
SE recebido o juramento passaramr os p-rtos a
fazerom os exames e investiga*ses ordenadas, cuu-
cluidas as quaes declararam o seguinte :
S Teado comparecido ao lugar do iucendio, logo
em seu cowei,, send coavidado palo Sr. Dr. che-
fe de policia eatrei em conpauhis deate e do Dr.
delegado, que prt-side este acto, na casa onde st
havia ateado. Acs primeiros passes, natei logo, es.
palihada pelo chio, quantidade de palta e corn alla
entremeada, pedagos grandes de phosphoro amnr-
pho, substaucia extremamente incendiaria, como 6
por tados sabidos, e que, ineendrou-se expontanoea-
mente ao apertar um pedalo em minha meo, quan-
do nos achavamos em meia obscuridade, produ-
zindo a comamunicaio do fogo Apalh a mais pro-
xima, bern comao A outros pdagos d d phosphoro,
send fedizmente logo extincto.
Hoje, tend sido nomeado perito por part da
policia, ae commigo o Sr. engenheiro conductor do
primeiro district da Reparti ao de Obras Publi-
cas, o Sr. J. J. de Mello Cahk, penetramos, eu de
novo e este senior pela primneira vez, e observa-
anos que, amn do quo acimna fieou ralatado, ainda
grande quantidade do phosphoro ligado A euxofre,
se achava espalhado por sobre macos de morcado
ria, por dentro de barricas, algumasdas quaes con
tlndo breu e coila, a aecretaria completamente re-
gada corn agua raz, ond- se aeltavam papeis com-
merciaes embebidos da mnesma substancia acmam
e inda mais, um pequeno embrulbo corn pelvora.
w Ainda hoje d*au-se um facto doeeombustio ex-
pontauea, dentro de una barrsquo estava em,
baixo da secretariat veado corn a mesma felicida-
de ser extinct.
o Se o qae disseamos ao sbastamse par formal
a aosae ouvieailo a dispostca da todas n: mate-
rias susceptivei de urma rapids disposigCl qur
no sotito da cast, quer a paVmost, inateior, so-
ria mais do que o necessario Coaniaioa, poas,
que houve proprosito firms corueiate da part
do alguem, em tear u& violentissimo incendio, de
consequencias de-atrosas, no predio da ra. Duque
de Caxas n. ll pelo que respondetm.
A. 1 qusito sim.
Ao 20 substancia extremamente incendiarias.
Ao 3 evidenciou se a existeneia das seguintes
substancias : phosphoro amorpho, phophoro com-
binado A enxofre; agna raz, polvora paihas im
pregnadas dagua raz, barricas dispostas de modo
a tear o fogo todas essas substaucias, se aehavam
collocadas do mod) o mais fail a propagagfo e
violencia do incendio.
Ao 4o avaliamos o damnn d predio, apeom
causado pelo serving da salvacao, em 200*000 dei-
xazzos de avaliar o damns nas mercadorias por set
nile causado pela collocateo sobre ellas das subs-
tancias incendiarias, e meatuo asaim attiagiria
apenas a cifra de 20*000.
E por nada mata hayer deu-se por coneulido
a vistoria, seudo removidas as substancias acima
mencionadas para a rua ficando o estabeleciment a
sob a guards do precurador dos proprietarios do
predio o negociante Joae Auguato Alvares de Car-
valho, por nai ter comparecido o proprietario do
estabelocimeato, Thomas Ferreira da Cunha Ju-
nior.
E Fara tudo constar se lavrou o preserte que
per todos vai assignado. Eu, Joao Gomes dr s San.
tos Filho o escrev. -1rancisoo Auga~ato da Fonueca
e -Si7va.-Engeaheiro Antonio Maria de l4buquaer-
que O'Conmel Jersey.- J. J. de Mello Cahu. -
Jowo Antonio de Almeida.--Joe Eastaquio Fer-
reira Jaobina.-Joaqnin Innocencio Gteos.-J
Goncalves F'erreira e Silva


-7
a Declaro que recusando -se Jos6 Augustj Alva-
res de Carvalho a assignar term de deposit da
cave do predio iucendiado, ficou a dita have em
pzder do ncgoeiante Jogo Antonio de Almeida,
que pars constar assigns a presented declaragrio.
Eu, Jolo Gomes Santos Filho, o escrevi.-PF.
Augusta da Fonseca e Silva.-Iodo Antonio de Al-
meida.
S A casas esmava segura na Amphitrita em
20:000*000 e em igual quai. na North Brist)
Prouaseiado-0 Sr. Antonio Macario de
Asses, subdelegado da parocaia deo S. Antonio, de
ordem do Sr Dr. chefe de policia e em virtude de
requisicio do Dr.juis municipal de Ipojuea captu-
rou hontem, As 11 horas do dia o r6o Pedro Aa.-
so Ferreira dos Santos, que havia mudado o nomeo
pars e de Pedro Affonso Sobreira de Mello porse
achar, pelo referido juiz, pronunciado como incurso
nas pena do art. 222 do Cod Crim.
Pedro Affonso se achava ha dons mezes n'estas
cidade o empregado no hotel do Bahia nua rua das
TriaLheira a. 8.
Ieqinerito ioelclal-0- 8r. sabdelegado
da freguesaia de Santo Antonio, Antonio Mfacario
de Assis, remettea hontem ao S. Dr. Adelino An.
toniode Luna Freir, jaia de direito do 2edistricto
criminal, o inquerito policial quo procedeu contra
o re afiangado Josa Aphrodisio V. Salgado Bra-
ga pelo erime previsto 00 art 01 do Cod. Crim.
perpe i a pessoa do menor ingenue Lui, filho
d En cia escrasvada vinvadoemronl Fraeiweo
V14cor de Mello Albuquerque factor quoomferm
notitiamos oecorrena nodia 4 do corrent-s8 9 4o-:


ausm prmoui
a.i-segv pureat&i
Osa foilztaftft
a algama provi-


0 Dr. chefe de polieia, a quom a autoridada sn-
pra f&lHada inforzo o que narramos, oficiou aso
_-onmel eommandante d corpo de policia afim de
dar as providencias que no caso cabem.

geaho Pirogib.e .i espanoado bb-baramenute Ge-
suino Severiano Cavalqaute por ,Lsartiniauo de
tal. 0 delegado de policia d'aUi logo que teve co-
nheeimanto do factor transport -se ao lagar do
crime e immodiatamente procedeu a corpo de de-
licto, ficando verificado do memo que os terimen-
to silo graves. Procedeu tambem ao inquerito o
equal remetteu as Dr. juiz municipal. 0 deliaquen.
te, apOs a perpetra* o do crime, evadio-se, porim
aquella anutoridade contains a empregar todos os
esfogoe afim de eaptural-o.
Iuga de preoso -Da cadeia do term de
Floresta fugiram, no dia 31 do mez passado, os
crimiaosos Antonio Hearique, Joquimn Vianna e
Andrelino Anionio Albino de Oliveira, quando se
aehavam de sentinella as praqas de policia Joa-
quire Jos d Sant'Anna e Jos6 8iml o da Silva.
0 delegado do mesmo tenmo, das deligencies a
que prooedeu, verificou seremo os unicos responsa-
veis as tafs praas e contra estas prosegue nos
termos do inquerita. Todosos oestorgos emprega-
dos pars a capture dos alludidos criminosos foram
baldtdos.
De boe v-ade-Hontem noticiAmos, sob
a epigraphe que eneima estis linhas, quo tinha-
se apresentado A autoridaie policial de Afogados
de lugazeara o criminoso Albano, escravo do ca-
pita& Laurindo Angelo de Almneida e Silva ; e
hoje souoemos que & mesma auturidade apresen-
taram se os crinminosos Agostinho Correa Godoy e
Jos9 Gudoy de Vasconcellos, pronunciado no art.
192 ao e digo criminal, os quakes fora.n recolhidos
A cadeia d'alli: estes sio filbos do capitio Lau-
rindo Godoy de Vascoucellos, tambcm craimi-
noso.
Laraplw -Na noite de 13 para 14 do corr
rente os larapios form a casa do residencia do
cidadao Andr6 Bezerra de Mello, morador em ter-
tas do engeuho Guerra, do lugtr Ponta dos Car-
valhos, arrombaramin as portas e roubaram em di-
uheiro 220*, obras le ouro e roupa.
Ak autridade toamou conheeimento do facto, e
contra os mesmos criminodos, que se evadiram,
prcede do confoirnidade corn a l-i.
Armaw deles&a Polo Dr. juiz de direiio
da comarca de Bezorros foram remettidas A Se-
cretaria da Policia 16 facas de ponta, 4 pistolas, 4
bacamartes, 1 revolver e 1 eatoque.
Pelo. subdelegado da freguezia de S. Frei Pe-
dro Goncalves, a mesa repartigao : 5 facas de
ponta, 2 canivetes, 1 navalna, 1 lima, 1 agulha
e 1 garfo.
Peolo delegado de Quipapi e commandant in-
terino da guard civic: 24 facas de ponta ; ao
todo 61 annrmas defezas, que terao opportunamente
o convenient destino.
supremO Tiribnal de Jdstita-Rm
ana sesao de I do corrente, cste tribunal julgou
a revista commercial n. 10,331: Recife: R. o
eomnmendador Antonio Valentnm da Silva Bar-
roca. BR. os directors da companhia de fiaa e
tecidos de Pernambuco. Foi concedida a revista
e desiguada a relaylo da eOrte pars a revisbo e
novojulgainente, contra o voto dos Srs. PFetlippe
M*1hu6o, Alaeida, Graga, Camara Silva, Guima-
ribSilveirs e outo.
Mesa,.o do lrnquerio--0 Sr. Dr. Fon-
seae e Itlv, saubdelegado do 1.0 district, reamet-
to ao Dir, juiz dedu'eito doS. district criminal o
a.ritO qa piocedea eeres do deflcoraientte"
as ioMern Mars Joaquian deSoass, attribuido a
Joaq5sni nvuo der BOas.
EOpa..fameato e ftwmento-A's 4
horas da tarde de 17 do' eorrente JSilvino Leoucio
d'Assaukagao, morador no nlugar Gmelleirs do 2o
districew de S. JoAe, espancou e ferio a Maria Jos6
foerreaia dos Sauntas, no pontal da Cabaaga, onde
6 ella moradora.
A offandida toi vistoriada pelos Drs. Souza e
Vieira da Cuha que eonsideraram leaves os feri-
mentos, e contra o offensor qua conseguio evadir-
se, prosegue o respective subdelegado, tenente
Oliveirn Amaral, nos terms do inquerito.
Subdetegaela deo Santo Antonio
Heassumio hontem o exercieio do caigo de subde-
legado da parochia de Santo Antonio, o Sr. capi-
taio Joaquim n [noceneio Gomes.
Dltbeiro-0 paqueto Espirito-Santo levou
paras:
Parnhyba 3:0005000
Rie-Grande do Norte 8:0005000
Ceara 640(000
Maranhuo 6008000
Para 4005000
-0 vapor Marques de Cazias levou pars :
Maceid 1:4808000
Penedo 200*000
L eloles-Effectuar-se-hbo :
Hoje :
Pelo agent Martins, As 11 horas, na rua do Ca-
boga, n. 11, de urna armmailo de amarello e outroe
pernences da casa ahi sita.
Amanhil:
Pelo agente -Pinto, as 11 horas, na Magdale-
ua, de movers, loucas, videos, etc.
Pe'o agente Britto, as 10 1/2 horas, na rua do
Caldeireiro n. 39, da t.verna ahi sita.


Sexta-feira:
Peto agente Britto, as 11 horas, usna rua do Ran-
gel n. 21, di predio.
Mi1sas funebres-Sergo celebradas:
Hoje :
A's 8 horas, no Corpo Santo, por alma do Dr.
Joaqnim Josa da Fonseca ; As 71/2 e 8 horas, na
matriz da Boa-Vista, por alms de Thom6 Fran-
cisco Correia deAraujo ; As 8 horas, na matnz
de S. Jose, por alma de Manoel Moraes de Otivei-
ra ; As 8 horas, em Santa Rita, por alma de D.
Joaquina Emilia de Oliveira e Silva; As 7 1/2
horas, na matrix de S. Jose, pot alma de Simplicio
de Barrot Alves da Fonseca; As 8 horas, usna matriz
de Santo Antonio, pets de Vicente Elias Caval-
canto de Albuquerque.
Amanhil :
A's 8 horas na matrix de Santo Antonio, e As
I 1/2 bhoras ua de Gamelleira, por" alma do Vi-
eute Elias. Cavalcante de Albuquerque; As 7
horas, em S. Pedro, por alma de Manoel Antonio
Salle.
Sexts-felts:
'A's horas,u a matriz da Boa-Vista, por saha
d Jos6 Ignacio 4e Meudoura ; is :111/2, na Ca-
pella de Gnamelleira,p de.s *Vicento Elias Ca-
vacrnte doe. Atahuerquel is 84 as, na matrix
do Gaundileins, por alma- do D.- Anna Lu*i. Ca-
valcsnfo doe "2.-0ddo
.: terla a p i Provwlaa.-Amauhl, 0W1
corote, so e-xt a toeri a 144,o en be-
Aoiio da Santa Cams de ileoricordi do Be-
eonsistorio da igreja de Nesa Senhora da
LubaeWc det Mifithtes, se- &charbt expotaa s
,aww -e as espheftsaa amui4as 01, orttem QUe-.


Os bilketaaebaa 6 usA a n Cn d" For-



doaro,9oaSwsw sobs mnoaudo.
0 bilhet" shauiM I v Nu CasaM Fellz, A
praga da Indepeandmoa & 37 e 39.
Tambemn aoha-w a ve&" na Casa da Fortu-
na ra r 1 de 6 Marp a. 23.
Nercaudo E uniclpal de 8. Joew.-0
movimento deste Mercado no dia 17 do corrente,
foi 6 seguinte:
Entraram :
52 bois. pesando 6.553 kilos
135 kilos de peixe a 20 ris 2M100
29 cargas de fructas diversas a 300
r6is 8%700
10 ditis de farinha, milbo e feijio a
200 r6is 2j00
19 taboleiros a 200 r6is 2,600
5 Suinos a 200 reis 14000
Precos do dia:
Care verde de 400, 240 e 200 i6is o kilo.
Suinos a 600 e 500 reis idem.
Carneiro a 14000 e 80I0 ris idem.
Fariuha a 100 at 480 r6is a cuia
Milho de 480 at6 400 reis, idem.
Feijao de 14200, at6 640 reis idem.
PForam ocupados :
14 compartimontos de suino a 700
r6is 9*80(
17 ditos de frcssuras a 600 reis 10420(
56 talhos de carnet verde a 2W000 112;000
42 compartimento* de tafinha e co-
midas a 500 reis 21001)
65 ditos de legumes a 400 r6is 264000
19 columns a 600 reis 116400
Deve ter sido arrecadada neste dia a
quantia de 2055600
Eatadouro Publico da Cabanga. -
Foram abatidas nutste estabelecimento 1(16 rezes
parao consumo de 15 do corrente.
Cana de Deteocao--Movimento dos pre-
sos no dia 17 de agnsto :
Existiam fresos 228, entraram 2, sahiram 13,
exidtem 217.
A saber:
Nacionaes 192, mulheres 3, estrangeiros 9, es-
cravos sentonciados e processados 8, ditos de cor-
recao 5.-Tothl 217.
Arra<,,ados 201, sendo : boas 187, doentes 14.
-Total 201.
Movimento da entermaria :
Tiveram baixa:
Maria Benvinda Leal de Barros.
Mrnoel Francisco Tavares.
riveramn alta:
Antonio Pinto Pereira ou Penna.
Jose Cardoso.



CHRONIC JUDICIARIA


Tribunal da aftelaoie
SESSA) ORBDINAR& INiM 18 DE AGOSTO
DE 1885
PRESIDENCIA DO EXM. SR. CONSELHEIRO
QUINTINO DE MIRANDA
Secretario Dr. Virgilio Coelho
As horas do costume, presented os Srs. desem-
bargadores em numero legal, foi aberta a sessio.
depois de lida e approvada a acts da antecedent.
Distribuidos e passados os feitos deram-se os
seguintes
JULGAMENTOS
Recursos crimes
De Cam*a Granude Reeorrende Fagundes
Galdino Ferreira de Macedo, recorrido o juizo.
Re-lator o Sr. desembargador Buarque Lima. Ad-
juntos os Srs. desembargadores Pires Ferreira e6
Monteiro0de Andrade.-Nio se tomou conheci-
mento do recurso, unanimemente.
De Soosa-Recorrente Jose Vieira Dantas, re
corridor o juizo. Relator o Sr. desembargador Pi-
res Ferreira. Adjuntos os Srs. desembargadores
Alves Ribeiro e conselbeiro Quciroz Barros.--
Deu-se provimento ao reeurso, unanimemente.
De Taquaretinga-Recorrente bacharel iale-
xandre orreia de Crasto, recorrido o juizo. Re-
lator o Sr. desembargador Monteiro de Andrade.
Adjuntos os Srs. desembargadores Toscano Bar-
reto e Pires Ferreira.-Deu-se provimento ao re-
curse para se annullar o process, unanimemente.
Aggravos de petieAo
Do juizo do commorcio-Aggravante Francisco
Antonio do Oliveira, aggravados Thomaz de Car-
valbo & C. Relator o Sr. conselheiro Araujo
Jorge. Adjuatos os Srs. desembargadores Pires
Perreira e Buarque Lima -Negou-se provimento
ao aggravo, unanimemente.
Do civel do Recife-Aggravante a companhia
de engenhos centraes, aggravado Theodoreo Cris-
tiansen. Relator o Sr. desembargador Buarque
Lima. Adjuntos os Srs. desembargadores Pires
Ft rreira e Alves Ribeiro.-Deu -se provimento ao
aggravo contra o voto do Sr. desembargador re-
lator.
AppeIlagoes civeis
Da Parahyba-Appellante padre Felippe Beni-
ciao da Fonseca Galvio, appellados os herdeiros do
Dr. Antonio Carlos de Almerda Albuquerque.
Relator o Sr. conselheiro Quasiroz Barros. Revi-
sores os Srs. desembargadortes Buarque Lima. e
Toscano Barreto.-Deu-se provimento a appella-
Clo para se reformar a seatenga contra o voto do
Sr. desembargador Buarque Lma.
De Paulo Affonso-Appellante Jos6 Vieira de
Macedo, appellado Alfredo de Oliveira Vasconcel-
los. Relator o Sr. conselheiro Queiroz Barros.
Revisores os Srs. desembargadores Buarque Li-
ma e Toscano Barreto. Poram desprezados os
embargos, unanimempnte.
Do Limoeiro-Appellantes Jos6 Marques da
Silva e outros, appellado Jca6 Pereira de Mello
Dutra. Relator o Sr. desembargador Monteiro
de Andrade. Revisores os Srs. desembargadores
Pires Gonealves' e Alves Ribeiro. -Deu-se pro-
vimento a appellagio para se julgar nulla a sen-
tenea, unanimemente.
'Appellaca commercial
Do Recife-Appellante Antonio Jose6 Ferreira
Refinador, appellado Francisco de Oliveira Gui
marmes. Relator o Sr. desembargador Pires Fer-
reiras. Revisores os Srs. desembargaiores Pires
Gongalves e Alves Ribeiro.-Foram desprezados
os embargo, unanimemente.
PASSAGENS
0 Sr. conselheiro Araujo Jorge como procura-
dor da coroa e promoter da justice den parecer
os seguiates feitos :
Appd *VUaeiocvel
Do Villa Besa-AppellAte Joao Beoersa Lei
te, appellada D. PhiladelphaEmiliana de Campos.
Appelsaoo crime
SDe Verfteso-i-Apeliante -promtoar, appellado
Jo* da Costs Barroas.
.. R.. eyista crime
D- Cabaceiras-Reooronttes Jos6 ereiras; F il-
geira Junior e Manoel PeWfeir Filgueira, recar-
ridsa justiga. 1 *1- '1
DoSr. conselheiro Queirmz Barroa ao Sr. desem-
bargador Buarqae Li aU:
AppeUaj& crime
De Itamb-Appoelante o juizo, appellado Joa-
Do tnr. deeembAgad+r -Barque Lina so Sr.
doe~iatburgsdor Ioemas* Baurrteto: *


Do Uaeei6 -Appelltan o jutwioappeldwkmVa.
noel Vietorino e Bsrardiao Assio Bezertgm
De Agus Beas -Appadie o juizo, appelia-
do Antonio Joqmm Cavacaai.

Mandou-se ounvir o Sr. eaeleiro promoter da.
justiga nos seguintes feitos
Appellacoes crimes
Da Escada-Appellantes Pedro Vieira da Ro.
cha e outro, appellada ajustiga
De Agua Preta-Appellante ojuizo,. appellada
Luiz Felippe Cavalcante de Albuquerque.
DISTRIBUIV S
Recursos crimes
Ao Sr."desembargador Buarque Lima:
De Campina Graude-Recorrente o juizo, re-
corrido Ignacio, escravo.
Ao Sr. desembargador Toscano Barreto :
De Garanhuns -Recorrente o juizo, recorrido
Joaquim Iguacio Cordeiro.
Ao Sr. desembargador Pires Ferreira:
Do Recife-R&corrente o juiz do eommercio, re-
corrido Antonio Francisco Corga.
Aggravo de peticao
Ao Sr. conselheiro Queiroz Barros:
Do Recife-Agaravante o Bareo de Muribeca,
aggravada a massa fallida de Antonio Francisco
Corga
Aggravo de instramento
Ao Sr. desembargador Toscano Barreto :
De Penedo-Aggravantes Vaz de Carvalho &
C., aggravacdos Saunders Brothers & .
Encerrou.-se a sessao a 1 hora da tarde.



IDICA 0ES UTEIS

KedwcoM
Consultorto medico-eirurgieo do Dr
Ped ro de Attahyde Lobo MoMcoso a
rua da Gloria U.39.
0 doutor Moscozo dA consultas todos os
ias uteis, das 7 As 10 horas da manhiL
Este consuitorio offerece a commodida-
de de poder cada coente ser ouvido e exa-
ninado, sem ser presenciado por outro
De meio dia As 3 horas da tarde sera o
Dr. Moscozo encontrado no torreao A pra-
a do Commercio, onde funcciona a ins-
pecao de saude do porto. Para qualquer
T'estes bous pcntos poderlo ser dirigidos
)s chamados por carta nas indicadas horas.
Dr. Barretto Sampaio, de volta de sua
!Aagem ao CearA, dA consultas de 1 As 4
horas da tarde na rua do Barao da Victo-
ria n. 45, 2.0 andar; residencia, rua de
Riachuelo n. 17, oanto da rua dos Pires.
Dr. Simaes Barbosa, medico e parteiro,
inudou seu consultorio para a rua do Mar.
qu-z de Otinda n. 64, 10 andar. N. tele-
phonico 279.
Eudanca de consuiltorio
O Dr. A iriA.o avisa aos seus clients
quo mudou o seu consultorio para a rua do
Queimado n. 46, 1.0 andar. Consultas
todos os dias das 11 As 2 horas da tajde.
Miguel Rodrigues solicitador de causes
nos auditorios de l.a e 2.a instancia; resi-
dencia a rua do Felippe Camarao n. 49
Drogarta
Faria, Sobrinho & C., drogustas pot
attacado. Rua Marquez de Olinda n. 41.
Francisco Manoeld da Siva &;. C., depo.
sitarios de todas as espeeialidades pharina.
ceuticAs, tintas, drogas, products chimico
a medicamentos hommoopaticos, rua do Mar-
quez de Olinda n 23.
odea frameesa e drogaria de Boe
quayrol Fnrreu. Sueceasores
A. de Cao a
Neste estabelecimento fundado desde
1821 encontra-se os products chlmicos,
drogas, tintas, oleos, pinceis, vernizes das
melhores marcas; todas as ospecialidades
pharwuaceuticas dos legitimos autores, um
variado sortimento de funds e aguas mi-
neraes, os granules dosimetricos de Burg
grave e products especiaes da Flora Bra-
sieira. 22 rua da Cruz, Recife.
Consultorlo medico cirurgieo
dentanro
0 Dr. Joaquim Camara da consulta A
rua do Barao da Victoria n. 51, l.o andar,
das 10 horas da manha As 4 da tarde.
LIcee de Piano
Dentro ou f6ra da cidade, Alipio Z. de
Carvalho, rua dos Praizeres -22 -Coelhos.


Professor de ingle"
Mr. George B. Nind ensina a traduzir,
fallar e cs;rever perfeitamente o inglez.
Pode ser procurado A raa EAtreita do Ro-
sario n. 4, 10 andar, e, nas tergas e sex-
tas-feiras A noite, em Olinda no chalet pro-
ximo a estaglo do Caryno.
Nova Hamburgo
Continue o movimento diario dos jogos .
de bilhar, bola o todo o service do costu-
me das 6 horas da manh As s 12 da noite.
Em qusnto durarem as obras do pavi-
lhao central, que terminargo neste rues de
agosto, tocara aos sabbados, no terrao.
uma banda de music para reereio doh
Srs. frequentadores e das Exmas. famai-
lias. S6 terA ingresso quem so apresenutari,
decentemente vestido.


PUBL1CAIWES A PEDIDC


Camera dos D""
ELEMEiNTO SEIal:
Discurso proferido na sessa& deI de agoa
de 1885 pelo Dr. Sigisumndo Astmi
Gongalves.
0 Or. SKglmuinando- Sr. preidente, o Do.
tavel discurso que honteo proihcieou o grande
parlamentar Sr. Andrade Figneira sobre o projec-
to de emancipa*,o dos escravos, toi mais uma co-o
firmalo da coherencia dos seus principis 1 8.
Exc., come em 1871, 6 minda o paladio d resis-
tencia, e hontem se manitoueo. eaWa...
0 Sr. Andrade Piguetiu ,ampoilado;
hoje estou eorn s aboliidoif6..de ....
0 Sr.Saigimrando: --& ^fi, i t 1871,
previs desgragas p:amapath*h. -*1
o Br. Andrade de Figt Zax 5ii *a pow.
01 Sr. Sigisanndo.... oa


J.- Ide


A



































prncipal i tereaa n edia edida legis-
mula Primo : Como todas os quo toin

ttisbora u- E os que nao torn.
iismnudo : Todo o paiz t4 gran-
so na resolugi- do problems servil
was oa interessados muis immediatas
eiftres.
tis auona : -- Qua trabalba.n pars tod.)s


03r. JaQuim Pedro : Cada um trabalhn
PaaimB*:s4tocdos parsa naoao.
1.tI igismmdo ; E' o eseravo que trabi-
Pa 0 l senior porque represents o capital noet
1 ado pelsenhor. (Apartes.)
Seuaos. Dirigirei mneus comprimsntos aa
nobre president do eonselho, e o amius modestos
mas sinacer.s applausos pelo sacrificio quae fez S.
Exe. assumindo o poler em situaisa tao melin-
drosa quanto a actual, que, si offerec- difficuldades
enormes pale problema da emancipac-o dos escra-
vo0, ainda mais so cm iliea palo nosso desequili-
brio finsncebiro, diilcnuldade esta cuja superalao
bastaria para faxer o orgalho do um grade esta-
dista.
Tem-eso arguido ao honrado chefe do gabinete
de nio estar c-), a opartika liberal, do receber in-
flueneia 'i ida easconsevadwraa
0 Sr. Ritisboua : 0 purtido liberal para vi-
vor deve ter idWas c iservadoras, senao tiver seri
um pa-tido de anarchists.
0 Sr. Sigismuando : 0 nobre presileute do
conselhk naa-precisa de defesas em t.l terreno.
(-poiados.)
Eu que me consider insuspeito porque nasct li-
beral, nao posso deixar de recorder a ev.lug'o que
transformou os partidos em 1862, na qual teve
grande farte o veuerando eonseiheiro Ji)s6 Anto-
nio Sarniva, j eatbo chefe dos mais prestigiosos,
evoluogo qua salvou o partido liberal qua, 6 pre-
cise cofeseal-o, estava entao exhaust do forgas e
de pessoal ; e essa transformation ieu ehe a seiva
e vigor qae o eoaverteram no colosso minveucivel
represputliJ hoje runs daas easats do pirlamento.
0 SrnAadradc Figueir, : lavencivel ? Foi
venci ki>tg) depois. (it oautros aprtes.)
0 Sr. Sigismnundo : Pec- licenQa a V. Exe.
para obserwvr loe qumndo dig, invenaivel me re-
finro ao estado actual di) partido lib-ral, graile-
mente representedo nas dua- casas do parlam-ato
e que diapSe agora de fore-is que, si nao o toruam
inveueivel, ainla nio foram vetcidas, e dar)i, ao"
menas ns b:talhas; ern quaesquer condiqaes,
grande trabalho sos adversurios.
Sr. prqsidenite, o nobre president do cns,'lho,
eom to4 a su a vida dtlic.a-a as st-rvtno paublico,
quoe eatli concorrea pars a tranorm ueCla( do
partidos, queo aalvon o regimen parlmeatar coin ;i
deeretaIo <- loi d a reform el.-it,)ral. d-Ando lu-
grari a qua- pdessem sne r gularrmnente represents-
das to lias as id6as p-)itncas no parlanento ; lei
qre permittv) a,) nnu limraio amigo, illuratre de
putado pdlo 50 district de Pern-mbanci, dizer que
o lugar dc dapua-id 6 o hainur 'nais at.) do p-iz,
porque o unico que se pade occupar independent
da toleraremia uie qaemn qtti-r qa seja; lei quedizem
na.o ser lb,.ral, minas quo de At natgbo o governor
de si mentim ; coin takes serviis, stiilk)ues, o iliuns
tre presid.-nti- do cot1si'hu, em vez de dar ouvidos
ass que o accusamin de anti-patriota e de nao ser
liberal, p6de, como Seipib), cemvildali-os ao acom-
panharem aso Copitolio pars dar gragus aos deo -
eso polas victorias p,,r elie aleawgadas em fAvor
da liberdade.
0 Sr. Audrade Figneira e outros Srs. deputa los
dbo apartes.
0 Sr. Sigismudo : -Eatretant-) V. Exc. ven-
cou a eleico en virtur.-l dess4 refrmin eleitoral,
quae 6 a mtior eoaiquisti qae toz o ptrtiJo liberal
(ap, lados), porque anute d-lla p)de-se dizer que
nbo havia eleigo : a mulitidlo ia as igrejas para
uma firc., para uma bamboch-tA, param uma cf-
media, mts Ai para uma eleiqiio, porque nao ha-
via voto. (Apoiados.)
Si V. Eve. disser que o direito de vote se dove
alargar, bemrn, eu nisso o acompanharei porque
ache qno 4leestui restrict. Mas nao se pod)
eantestar que a reforms elciit,)ral tirnott um-t ver-
dade o voto que i'a) o era, quea era umt-i mentira.
0 Sr. Ratisbona :-Sem duvida, fi um grande
parsso que demos.
o0 Sr. Andrade Figueira da um apirte.
0 Sr. Sigismuudo:--Na); eu acompanharci a
V. Exc si quizer alargar o direito do voto, porquc
aeho que esat muito restrict; eu s ,u liberal.
OSr. Andrade Figueira: -V. Exe. 6 liberal
que di griaas a Dens em restringir os direitos
politicos da nagia ; est.u na minha escula. (Riso).
O Sr. Sigismundo :-V. Exe. esti engAnad,) ;
ea na dissae saemelhanto cousa ; V. Exe. estL tr<-
dtwibdo eom immensI liberdade a minh L propoasi-
gao; m-ts direi a V. Exe. quaj nm eaton inuibi
lumge da ean ese-la, pois quo tambem sou coa-
servador, mas s6 des boas eousas.
Sr. presidents, a eman'eipaglo grau-il dos ca-
oravos estA oxigindouua solug.bo, nu pass adiaa-
tado imapsto-pelas vuetunias alcasu-.das na opi-
niU- piblica pela propigards abc1iiiorista, tao fa-
voceeia, animadr e meimncm promw-)wd por gran-
dfe houzons nossas ema todis as tribunal, na tri-
buns papolar, it tribuna universal, na tribune
parlamentar.

Biba fmctificstdo, Sr. president, os avan- s
do iIlstro- -ehefo dii resistencma do 1871, pronun-
ctados eate no da sua cadeura no Senado, de-
dlarahdo-se promnto a examiumir qucudquer project
'O,' qua sobre a- qrentbo-fusse aprenontado.
-0-SOr. Amirarle u imu: -Ah exariunar. Eu
OsbemitOelo exauUrimdo. Paws combnter 6 pre-
'sao exa.m:nar.
^il8r.Vga~letnudo -*Eu aupporibo quo cite an-
^kteioristw~u'wo s)oaute do -uuuziliair, de -dclta-


O An.radatde Figueira:--NAo, elle nuo se
oif etteu a utada disto ; dise qun eawminauia.
0 r. igisrrtwdo :-Bein;lV. xe. tern -ais
esmpebteneia doe- eu pamr tAdtar o -esm""n-
tar4wMurrareido Sr. -eAnuelhisroiram*uno do So& a.
- W.aEndrade Figueira di um apart.
0 8r.- tlado:--Eu mesmoU nAo votaria
ilt~tas etesais, ti nilo liiso par trmumuceil*.i. .
0 Sr. Vaalt.:-E' born qu V.E xe. '-do-
els-e.


0 Sr.


tsmnedor -l -4MeWnte ; nao peme
ua adew.#plw as i das de to

jffApaioq-nuito bom.


m(*v&a*qoft aia-1 dc
patado. IP
etaram polo Sr. 1-a


Da ,ataa tambe. 0 qua dig. e qua o partido li-
ber4l, no studo de labe rda i, o estaudoiajeto
A inflasneia, govermasmoatal, aeampanha o Inavi-
meato adiantado.
0 Sr. Sigisuando :-E' iunteststavel, Sr. proe.
sid-nte, qua o alo s6 a maria, a uma nsieris
eonsideraval dos deputcdo ber-es esta corn ogo.
verao ; sad a guards avasqada, o feranato do par-
tid, na phrase do meu iMustre amigo, deputado
polo 5o distria do de Peruambueo, 6 quo nao eOt
eorn o Sr. presideute do equsetho. (Apoiados a
apartes).
Souehors, eram todos os partid.b ha matizes: ha
alg nts qua se adantanm mnuito quando ouctros si
nao retrogradamn permnanoem estacionarios, e o
maior numero forma sempre ojusto minio, que si
naj tern a gloria de abrir o canmiuho, e nem a de
guardar as tradices do partido como aa' catumnuas
iaabalaveis que commemoram os asetos hberoicos, 6
par demais compensado pela missio de ceder o
qua nao 16 opportune oa nso ae p6de eonseguir, e
do eorrer a salvar a bandeira quando alguma im-
pruleneia da guards avangada a tenha postoa em
perigo. Este just meio, senhoros, 6 incoptesta-
Ivolmeuto a grande maiora do paw tido, e elle apoia
d-.eidida e dodicadameate o hourado president do
conselho.
Si o project do ministenmo merecenu a fortune
do apoo da maioanra dos conservadores...
0 Sr. Joaquim Nabuca : Dos conservadores da
CGimtrma, ms n1o do paiz.
0 Sr. Sigism-ando :-Eu penis quoaso conserva-
dores da Camera representam os conservadores
do pLiz, assiur coma n6sa reprseneatamos o partido
liberal.
0 Sr. Joaquim Nabuco.:-Eu aeredito que de
100 cnservadors d,) paiz, 70 acompanham o Sr.
Aidrade Figueirn. (Apoiados).
0 Sr. Sigismundo .):--Esa questbo foi habilinen
te afastada do terreona partidario polo honarad
presideute do coaseiho.
Antes da asceaglo do actual gabinete, reclamai-
v;I se deo tod-Js os ldos que so retira-is, das lutas
partidarias o problmnt, d a emncipP3, porqu-.
era um problems qua a todos intereasava e uaw
podi.a ser aptirtado nosa mn-A)ldes estrits di) prti-
dtrisin,. 0 Sr. consaiheiro Straiva, assurniadi o
g;)vero, afatstoa a quest'i) das lutas partidnria.,
l.) pedio o ap')o ptrtid.rio, de ningraom, apresin-
tou ,) sou project comn) question aberti para tados
qute o quizessem discutir e emeadar, estando dis-
poito a aceitar ,> qiv, rn.ihjr fosse prop)sto, e de-
clarju mne-n>) qu u no ftzia transa-aca num coin
a Carmara, estand.o prompt.) a retitr-so e a clder
o poder a quim o conrquistasse.
Portanto nba pedio o apoio partidarinao partido
liberal quanta mais so partido conservador.
0 Sr. Joaquiin Nabuco:-V. Exe. falls em
apoio partilario comno de uma esuae vergoahosi.
0 Sr. Sigis:nunlo:-Engana-se V. Ex., consi-
d,-ro-o uin apoio uhor.nsissimo; mas eu estoau jus-
tifi:.-.ido o :aapio dos coaservadores, quo nao 6 umn
apoio) pairtidatrio.
0 Sc. Audr.ido Figaeira:-S. Exe. fez qiaesta)
de g-binete d.a dous pmnta o aceitau tranasicoes
em ambos elles.


0 Sr. Sigis;nunarl:-0 Sr presidente d) conse-
11,., ,leclarou que nio< queria transacc!,o partidaria
coan ainguemn; min's quo aceitaria o apoio de tolo-,
que o sea prjecto estava sujeito a emendas, que
;tceitaria aqurllas que Ihe parecessem melhores e
ineasno eeeitria naquillo que uao lhe parecesse im-
preiscinduvel pars realisar a reformna.
Ainda aute-hoiatem o i-bre pre-iilenate do coa-
selho disse aqui quo estava fazendo sacrificio do
s.- orgulho, p ,rquce lhe increpavamn o nita-) tOr na
Caumara mnaioria so ds liberals, mas quo o sea pa-
triotismo de que eolc declairou, e smin durvidi esta
va Idando una alta prova, ,'xigia easte sacrificio.
0 Sr. Joaquimn N- buo dA um ap.rte.,
0 Sr. Sigisnmuudo:-Ha de deixar o poder a
quom tiver mais forgas; p6oJe sor mes o que ao
nobre deputado. -
0 Sr. Joaquinm uabaco:-V. Exe. sabe qua eu
nUa coete con O sell Lp'Jio. -
0 Sr. Sigiaanualo:-Em termoe; assim absolu
tamente nao.
-O Sr. Joaquim NuibNco:-Nos nio estamos bus-
tantes maduros ainda umn pars o outro, eu e o go
verno.
0 Sr. Andrade Figueira:-V. Exe. em um dia
am tidurecia no governor.
0 Sr. Sigismanunlo:-Eu criou que o nobre de-
putad) nAo levaria para o governor a id6a da
emancipagio immediate.
0 Sr. Joaquim Nabaco :-Com certeza que le-
vava.
0 Sr. Sigismnindo :.--Ahi ntaio me encoutraria a
sea. lado.
Senhores, o apdio dos eonservadores 6 limitado A
reform do element servil. oe m aliguima outra
questao os conaervadores tmrn imptdido certos pli-
nos e nao tmrn presta'o eorpo e hombros ao illua-
tre geaerdas d-forgas rehelde, ormiu illustre ami-
go ex-minjaistro da gerra, 6 potque se t ts tAr,-
tando ;deata questo quoe oillasres ,membros do
partido adverse entendem acertAdamnte quo e
precise ser resolvida pelos dous partidos, porque
neahum delles a p:Sde resolver comr as asuas f#rVuas
exclusivamente.


0 Sr. Andrade Figueira :-E' born declarar-se,
para a illustragab da historic, que nbo tern sido
solicitado.o apoio dos consaervadores pira nenhum
piano de hostdhdade ao mianisteWio.
0 Sr. Sigismundo : -Nem eu o disse. Resolva-
se esta qunetro e abra-se a lteta nesta Camara, e
vtremos.nO se os nossos illustres adversaries JarA,
apoio ao nobre prosiddeateo do espselha); e dire.
emais, veremos se o u nbre president Jo canselho
iceitarA essetpoio, reaolvid,-queo aj a quea"tao
do elemeuto asetvil.
O Sr. Audacte Fignsira dft m u parte.
dos comeen dorees 6 firaad esa paru-
res, e portwmto porfeitamate ao.
0 tSr. Joaquim Ntbucu :--M xe o nobre de-
putadwaosweaservaderes o- jaQtificarem o 'mat
G Sr. Sigismtdo :-P pedo : queieeita
So apoio eomno s o aceitamos, visto quao nao uoa
-separamos do governoque o tern, tambem devw
justificar que elle 6 digno. Ea davo entrar intei-l
ramente no espirito dese-jpoio, perque se ellea no
fsse mais naobre eedigno,nAu nao devia qu erer a
'eoiblkidade della r i'46Vis |prarJnt 3 depqres
HC/iBBe.
O Sr. R-itisboa:--i-O movel desse apo.e nia
pde deixar Of digs : patriotismo.
0 Sr. 8i5n d :-N.w l& Dae o nobre de-
0 St. 8iffmand :- iop ow ,nobre depa,


la


-.... e que den em sreauta-
slo,ue lyou do &asuUGe a
Mn-atos aMfeo em dinleiro
eavatara iateira. -
e$s., o ecoavemidos d i qu
urso d"s for;as do am na o-


I


dos sexagenarios 6 ad pro-



buco, ct" f4wboeictWomo, wstdsu eiMte.-N
aquade, qetu4ulfam-eii.'proao, s iv saufe5r




0:"Otfr; Jo'elyu :-'.-E-eH
su oa 1-amsei .






0 Sr, Ratisbosa : -- R ;q. b~pesemmm.t
eoB






inhe ri. bo" ma. osaies
proctor Aetbriar ... umdtq <'en t 'A
[Annov, T"rq<~ift.-ja~e5 enCt oonua-oo

ipedindobr dq aprftm_ uwwlavodtt

0 Sr. Ratisbons : 9M V. BEx. oao-snre"RZT.
t> Sr. Jwvn q Naim w No a n


mente as proporgowMe"dr~t objeccao mas aim
6111L parese.'te~o o-j~n.0o ijnm~~~u. ^ :'
;0njbmroVWdqliid noatdn dif]ii*ul'44


*tvyi o para revolver a sataI qextao social, 6 qua
ow, e, erAdores prestam o eu apoio, ma d o ga
binete, mas A reforms.
o0 S. Joqauim Nabuco : Eati enganado. 0
gabinete A que elles querem, alo 6 a reforma..
0 8r. Siguamundo : -'V. Exe. demonstrari a sua
these e me d-at ioe"o ra rsoutra eonsidera-
95es.
S 0 Sr. Joaquim Nabueo :-J- mostraram, derro-
ta edo o gabinte Dantas.
0 Sr. Sgismaundo : -Amiga particular e corre-
ligiouario politico do nobre deputado, eu deixo de
part este ponto qa tanto o incommoda.
i 0 Sr. Joaquim Nau-Eco :-Eu tom em conside-
ragao o que V. Lxe. diz, masno me estou ineom
modando.
i 0 Sr. Sigismundo : -0 illustre chbte do aboli-
cionismo, meu distinctissimo amigo e correligio-
nario, proelamou-nos aqui a necessidade do adven
to de homes novos aso poder, dos goveraos de ho-
mens novos, e depois nos explieou que 1aO se re-
feria a movos, e sim a homes de ides novas.
Vejo, senbores, no illustre deputado o campueo
ienodado das causes do futuro ; S. Exe. 6 sempre
o espirito agudo que nilao s6 se adiaata aoseu par-
tido mas ainda ao sea tempo.
Aos homens novos, senhores, como is idas no-
vas, nunca pertence o presented ; os homes novos
silo sempre a esperanga, e as. ideas novas abo sem-
pre a aspiracao.
Onde foi, em quo paiz do mundo se exeluiram
os velhoa, se den privilegio'aos mogos, ou aos hr-
mens de id6as novas, do governs do Estado ?
Onde, era que canto da terra, se aeeitam as ideas
pela sun novidade, excluindo-se o seon amadureci-
unento e o perfeito conhecimento da sua exeellen-
cia e supuerioridade ?
Gladstone, ha pouco apeado do governor, e Sa-
lisbury, que reeolhcu-lhe os deapojoas, provavel-
mente para restituir-lh'os em breve, sio porventu-
ra homes novos, ou homes de ideas no as ?
0 Sr. Joaquim Nabue : Salisbury 6 home
o mais uovq possivel.
0 Sr. Sigismundo :- Como president do c-on-
selho 6 a primeira vez que figure. Sr. presiden-
te, mnm a exclmdo dos homes de maior idade,
que, si tern algum cansaqo e desanimo, os coimp-n
sam pela prudencia e experience, sdquiridas ua
pratica dus negoceos, e ain-a pelo prestigio dos
seus precedentes ; nem a exclusAo dos moaos que,
si nlo rare carecem do contrast da calm e da
mnadura reflexao os compensam pelos fortes impul-
sos do ceragbo, e pela s-eJ do progress ; me pa
rece que 6 precise que a velhiee -c consorcie c*m
a mocidade para comporem um born governor.
Corn as ideas novas, Sr. preoidente, di-so o mes-
mo queo com os homes novos : 6 precise que ellas
se apurem no crysol do amadurecimento para ins-
pirarem co efiinga e podernm ser incluidas nos pro
grammas dos governor
Sr. presideute, o project do honrado Sr. presi-
dente do conaseho sobre a emo ncipaquo basea-se
no system da indemuiisageo, e nem poderia ser
de outro modo. A emancipaao 6 urna aspiraVio
nacunal,. pelo que devem coneorrer tedos para
realisal a, e o merio de soe alcanuar o ctingente
de cada um e o concurso de todos 6 a ind-,mnisa-
gio. Naio se pde exigir dos proprietarios que
abrain mbo da sas propriedade, porque, si A pro-
pried-d.- servil 6 anomala, 6 illegitimn ella-em"
todo o caso foi adjuirida A sombra da lei, 6 legal;
e em takes termos nao 6 justo quo se im onha aos
que empregaram nella os seas capitaes, que trn
por si a lei, que se traduz na garantia da nagao,
a perda da sua propriedade.
0 Sr. Ratiabona : E represents verda4eiros
interesses, interesaes Iegitimos.'
0 Sr. Sigismundo : -0 project, Sr. president,
basean io-se nested systems, por certo quo bao p6de
satisfazer a aspiragio generosa, de quo sao pala-
dinos os meus illustres amigos, o representante do
5 district de Pernambuco e o honrado deputado
do 21 district da mesma provincia, os quaes que-
rem a abuligio immediate sem indemnisagbo.
0 Sr. .atisbona : Si estivessem io governor
nao pensariam assim, senitiriam a responsabili-
dade.
0 Sr. Sigismundo: Senbsres, a emancipaglo
immediate parece me qua nemr deve ser discutida,
porque ella produziria um ataselysmo immense, a
baucarrota national, o cobrira o paiz de desas-
tres de toda a ordem.
0 Sr. Ratisbona :-Fosse o Sr. Nabueo o poder
e elle senniria a responsabilidade do problems em
discusses.
O S-. Sigismundo :-Poranto, insist em dizer
quo o project nbo poderia ter outra base sinbo a
mneonnisagilo, e entree iatuito aiuio a emancipacao
gradual.
As ideas capitaes do prcqecto eao: a alfoarri
dos sexagenarios, a dead iea dos valores dos es-
eravos, e a u afoniad do fasaende iht-
teiras moediante mci. indemmisagao e aervsqos por
certo tempo.
0 Sr. Joaquim Nabto r:---E a coonisanuo.
O Sr. Sigiemundo--Caaidero east ideaaecun-
datin.
o Sr. Irdefenso-de Araujo : ,-E' aaxiliar.
o rr. Joaquim Nabaco: --Bssesreoluisofiphoa-
phones lo a-epartedecut ra. ,
0 Sr. Sigiuinrndo : Paquesatab Ae-*
eundaria ou auxilher, casio obaovou o m gdo-de-
putado pela Babia; pars V. I&ttflw principal.
o Sr. Juqunira Nibuco :-.i4*MNtiva.
o SOr. Sigisrumido: 6w. p4(r st-. aalfiro


Sr. president, a id6aprimitiva do priojcto era a
dedugibo annual de 6 I. do valor de eada escravo
Esta dedagiao foi substituida por umina tabella que
nio tenho a menor difficuldade em dizer, conside-
ro excessivamente meticulosa, sendo mui preferi-
vel a primitive.
(Apoiados).
0 Sr. Correia de Araujo : --0 nobre president
do cmselho disse qae essa tabella era aiada mais
adiantada do que a sun. (Ha outros aparjes).
0 Sr: Sigismundo : Aceitarei mesm a esa ta-
bella porque acho melbor faser-ne alguma cousa
do que resistir e provocar algwuma reacgo; mas
n* minha ihumnailde optailo, dando ella o resuiltado
marwtprrm mam 11es, rwvatura nao fim, de
it on 13 a &po omseseu ffeitosiat6 enaa siLo quasi
nullos,-e 9brtud"oo, prmneros .einco anaos va-
e bern pouco ainda rmesmopara as'elforriaa pr
colea, pelo fund de emanctpeaso, por liberal
ddedoo tereed i t polo proee-o creado- pelo pro
jecto de, emaumipaa defbbriows de fazendas; e
par d&aqui a610 ou 12 amos, como ha dias pon-
damn o-illustre deputado pelo 5o district de Per-
mnwaeo, Mbhab-precisio de legielar sobre a-es-
eravidlo.
- O0 Sr. BosenvCavalcanute:-Aquella emenda ifi
perinr que o soneto.
0 Sr. "Sigi' ido :-Mas,-Sr. president, aeei-
tando cm prineipioa idea vulgarisada polo Sr.,eon-
saelbeiro 0:toi, t meo voue to lonse come S. Ec.
e penw o pweao proposto por Exe; pode -er
maifado me sads.
| S Exe. propose. a. alforriL de am es dez e cravoe
e de um em qnalquorfre*o de des ate memo de
auridade.
-" Cpusidceraudo do eoeasiva ruorgia ease piano,
m smoe violtto,-vea- temrarwbra qie e ta *rasfor-
ose a dedueo de 6 0/. do valor, propoata pri-
witffvuente pelo projbte a*forwia Mil 6es eawoe
t.i1^9quo car-ze~pasdewia 'a.--u eau;16, elim-
portaria oe mB onus que aquella dedaao.
I(Aparte).


0 promesso si t sil, 0 aenbeor que -tivea
escrv06s a.fo.i.i am u tam-erg e *ii
thnweesge RuRHqftftia ouifnar.
0 Sr. Joaquiam Nabceo-Si V. Ete. fisaene
stsssas emseads 4elhorui a o pjrjeeto.'
0 Sr. Sigiwas. :-V. Bxe.,iruo ae goa
p5eo?
S04aw. Jqq*i N N -u-eo: S-Ift' do aft
.o mwe evatama. fTroea-se anurttAL.


as fizs pa


&ipmc.prohta


.016
fitoo


tra logo no gowo da liber&4 repaLle a alforria
* gratuita do-aegenari omedante o onus do ser-
. vir; V. Exc. far* am graudemal a ceausa que tao
P brlh- nuto s advoga, pretended. qua em res-
peto a systemaudo projeeto restrijamcs a lfer-
s ria dos sexagenarios ao namero que pader saer pago
a dinheiro. Mas, a verdade que a tal objecio
rIo proeede porque pecca em considerar igual a
coadi0o grauita d alffrrias dos seisogenarios A
da atlforrias a dinheire dos de eincoenuta nove
auuo. e menoas, 0 que nao 6 preciao oemonstrar que
SprOfundamente different porque ssa difterenoa
6 evidente.
-A4 id% da deduegbo dos valores, que ainda hen-
tern o honrado e illuatre deputado polo 11.
district do Rio de Janeiro deelarou qua fere a
propriedade...
o0 Sr. Anadrade Figueira : -Brutalmente.
0 Sr. Sigismun-lo :-... 6 urma id6a de slean
ce e de resultados demonstrados mathematics
mente.
0 8r. Andrade Figueira:-Ah! Do certo. Qua
o resultado 6 mathematics nao tern duvida nenhu-
ma.
0 Sr. Sigismundo:--A media da deduegio do
valor tern a vantagem de uno ferir immediatamen
te a propri*dade, de nio tazer sentir logo o triba-
toque zmpco sobre a escravatura, dando assim
folego a lavoura e aoe mais-proprietaries de as-
cravos.
Eu quo sou adversario do systems da na o indem-
qisag9o nuo posse entretanto nagar a) Estado o
direito de langar tributes sobre o element servil.
A dedu.lo dos valores nio e mais que um tributo
do que um imposto e muite especial, por qua nio
perebido em woeds e logo applicando a amortisa-
gio do.capital. Reconhecendo a efficacia de medi
da, observarei nao obstante, que os seas effeitos se
t-aduaem em urms emancipagAo adiada embora,
mas simultanea, em massa, ou na fixagib de um
p as,), (ue nao me parnce o melhor srstema para
A solugao do problemna; e so a votarei p,,r espirito
de transaco corn a necessidado de resolver-se a
questalh servil.
A id6a qua ma parece mais feliz nedta questao 6
a que o asenado enuncionu e vulgarisou o honrado
seunador o Sr. Christiauu Ottoni.
0 Sr. Joaquim Nabuco : -Nao apoiado, elle jA
protestou contra isso.
0 Sr. Sigismundo : -V. Exe nao me ouvia.
0 Sr. Andrade Figneira:-0 orador refere-se A
capital.
0 8O r Sigismundo :-Como V. Exe. a quizer de-
unomiuar.
0Sr. Andrade Figuneira daum aparte.
0 Sr. Sigismundo : -0 honrado senad-)r polo
Espinto Santo avogou corn taes accents de con-
vieelo e enthusiasm o ser systems qu e convidou
minha meditagAo sobre elle e deve deelarar qu-
nenhua soluegio do problema servil me seduzio
tanto pleo seu process simplificado e pelos sees
resultados ben-filos pars a causa da emamcipugci
gradual, sem abalo da fortune publica e serm des--
organisecao do trabalho.
0 illustre Sr. Christiano Ottoni propoe como
lemnbrou o nobre deputado peloIli district do Rio
de Janeiro a alforria de 1 em 10 escravos.
Ms senhores, eu nao irei tileo longe; ache quo 6
muite encrg'ea essa ttxa.
0 Sr. Joaquim Nabuco:-E 6 inexequiv-1;
quem tiver um so escravo nao sabe quando ha de
altorrial-o.
0 Sr. Sigismundo : Alforrial-hia no decimo
anno.
Eu acoito corn modifieaqSes a soluglo do Sr.
eonselhiro Ottoni, mas sou muito mais moderado.
Parece me qua a alforria de I em 10) escravGs
serna uman media muito forte ; importaria a alfor
ria annual de 10 por cento dos actuaes eserivos,
ou logo para o primeiro anno, culculando-se em um
milbho a cifra actual da escravatura, a emaucipa-
cio de 100 mnil escravos.
O Sr. Jouqurir Nabco : -Mluito mais.
0 8r. Sigismundo :-lato 6 uma questlo de ari-
thinutica em que nibo pode haver duas opinioes.
iUm em dez.
0 Sr. Joaquim Nabuco :-Mas ha fracoegs.
0 Sr. Sigismundo:-A minha regra 6 outra.
Segundo a regra do Sr. conseiheiro Ottoui o re-
sultado seria superior a cem mil logo no primeiro
anno; de accord, por que o illustre senator quer
a alforria de umrn em dez, e a alforria de umn em
qurlquer fraccao de dezena o seriam innumeras
taus fracoaes.


Sr. president, eu entendo que a alforria de 6
per cento, ou deI 1 em 16 escravos, 6 por tal f6rma
efficeaz, que at1 pederia dipenam esse proeesao de
alfiusa pelo tundo .,de emaneipa*lo, qne ainda
nodeoucousa quevalha a peou, 20 ou 22,000
alfwrniaa em 14 annos ; e este proc-,sso. lembrado
por min, m'n'smo ccIm redugcro nos seus-cffeitos
calculada polo nobre deputado, daria a6 em um
annoetanto quanto -o fiuudode emanxeipagAo tern
dado em 14. ; Eu lembraria qua s-e revogasse se-
maelhante modo de alforrias, deereiando se este e
couvertendo se o funido de emaneipago em recur-
sos para oas jutes d. as polices, que o Sr. presi-
deate do conselho pretend emittir para a alforra
doe escravos das fitzendaspela metade dos seus
pre"os.
0 Sr. Joaquim Nabueo : -Assinm como o substi-
tutivo &reoanente muto efflicaz, send bemrn regu-
lade.
0 Sr. Sigismundo : -Bern. Eatretanto acho
que se podern master a idea da altorria dos sexa-
gematros...
O Sr., J'aquuim NabiEco : cE'omo complemen-
tar d projeetooa da:itabhla ?
0 Sr. Sigismuado ... e cm vez da tabel-
la...
09r. Joaqumm Nabuco di um apart,
0 Sr. Sigismundo b: ... em vez das alforrias
p.pelofuadod.emasmiopagLo, appliemado-se o pro-
dunets deate funtdo aoa jurors dan spoliees pars
a transfx.rmagado4*avmbalho uas 'azendas...
0 Sr. Joaquiam Nabuso : -slMAo ihasxuvida.
V. Exc. rtA mais adiantado do que o gV-


p o 0Sr. Sigiwnudo u-Bm, smasestonA MSO ogo.
vermo. -Em taintitulgo dai tusbela da dedu~o
-ubdo do eanei-
pt- ipin obJfif4'tabo esprtifeair-1'a AMO
tdo -termus quO A etO4i i, a a nrdo 1em-
'li16 terwavos do uouero mexteurte primitivameute.
egao. &efta mwiedi Rlo iruptwiua onus maioreA -4 Iav
Bndo dquwo a- p t4a deduo pummual do valor; de
i Aute a AIW b m avattagemn da-produsir
Wu o gradual esuppinrtavel, se m o mat da
i UaM- .e pqb em masma e apenas deferidaque
w;lflllel~l:q st deducoo prodoumriL
yea hpndm^ euwdtto1 quo a idea mis treasfer-1
pea\ m ic tfsimadoasfiBobti~as datf
por- librtosi dara io bwaweseltados que oapa .Air.
Iwoa prideate do coose.h.
0 Sr. Joaqim Nabauco : Nao apoiad.
be a 0 Sr. Sigiamaudo :-ntr'neuato,seaep6deda-
'-VS iar d. re #Anasa eindm", vorirtite


0 0 Sr. Jeqaim Kabaco _-MNo. A. exiepi quo
V. Em. atabeilees A que e614 *ama.
SSr. 0 8risiam do:-Oesde quo o uobre depu-
tado quer a empnaopa4o urImediata, nao ime p6o
agradar outra qualquer cousa.
0 Sr. Joquim Niabuco :-NIo apoiado.
0 8r. Sigiwiado -Eu nao poasso andar neata
quest. como V. Exc.; sou vagarosao e nao quero
set outra cousa porque acho que aqui applica-ase
perfeitamente o principio-featina leote.
Sr. preaidente, a alforria de um em dezesseis,
que correspond a 6 o/., 6 de resultados mui con
sideraveis.
Qmantos easeravos, para calcular os effeitos da
media, quantos eseravos se emancipariam an-
nualmeate, alfotriando-se um em dezesseis, mesao
corn as excepoes eatabelecidas por mim ?
0 Sr. Joaquim Nabucao:-Uns vinte mil.
0 Sr. Sigismundo: --Sem attender as fraccoes,
a calculaudo em um milhbo a escravatura, de-
veriam ser seseenta mil os alforriados annual-
mente; atteudeado is fracioes, que escapariafa
aos prirn-iros annos, ease algar,smo se reduziria
muits a principio, nao hb.vendo b'-te para calcular
essa reduego. No ereio clne ella eosse tio gran-
de como pensa o nobre deputado, e talvez rmais de
quarenta mi escravos fossem deeds o principio
altorriados annulinente; mas que fossem trinta
wit o mesmno viate mil, corno disse o nobre depu-
tado, acha 8. Exe. que sera eate umn resultado in-
significante ?
0 Sr. Joaquirn Nabueo e -Nio; acho melhor do
qua o project. (Ha oatros apartes).
0 Sr. Sigismuado: -Este proceasso por si s6,
sem ser acompanhado de cousa alguma, s6oenate
daqui a dezesseis innos daria resultado defiuitivo.
Mad, ainda assim, produzirih. o magnifico resui-
tado de ir alforriando desde ja annualmentc qua-
renta, irinta ou pelo menos vinte mil escravos.
0 Sr. Corr6a de Araujo:-Acho a idea de
V. Exc. mais atrazada que a da tabella.
0 Sr. Sigi:muado:--E' um modo de apreciar.
Parece me que o resultada seria enorme; e, se-
nhores,.eu ache esta media tio just quanto a da
dedaegio dos valeres, porque e a mesma cousa.
Na dvducgio do valor lauga-se um. imposto de
6 0/0, que se applica A amortisagao do capital ;
aqui realisa-se logo ease impostor de 6 l/o alfor-
riando-se escravoa.
O Sr. Joaquim Nabuco :-A injustiga esrtA em
que V. Exc. s6 o impunha aus proprietarios de 16
eecravos.
0 Sr. Sigismundo:-Eu nao impoaho apenas
sobre os proprietarios d" 16 escravous.
0 Sr. Joaquim Nabuco:-E 3es outros quando
pIgavam?
O Sr. Sigismundo : Quando chegasse a sua
vez. Em todo o cas, conas-guindo logo grandes
resultados, procederia corn mais moderu.ao do que
o Sr. Ott.ni.
0 Sr Joaquim Nabuco Sirm, 6 muito m,:nos
fflZcaz.
0 Sr. Sigismundo : -Senm a mencr duvida.
0 Sr. Andrade Figueira :-V. Exe. estA muito
atrazado : quem tivesse um escravo s6 no fimn de
16 annos deveria libertal-o ; e, ainda ha pouco,
nos fllava em reacVao.
0 Sr. Sigismundo -Eu nao provocaria a reac-
eao; conteria a prpagark, umost.rnio,-lht- tordos
us Hnnos quarenta, trinta oa pela menos vinte mi-
Ihares de cidadi'os libertus.
Eston lounge de V. Exc., que corn a sua id6a de
p)raso provocaria a reace'o.
0 Sr. Andrade Figucira :-Praso ? Eu nao te-
nho praso n-,nhum.
(Ha outros apartes.)
0 Sr. Joaquim Nabuco : Como parte complex
mentar do pr jecto, e bum ; mas como subiti-
tutivo d'ellh, 6 muito atrazido.
0 Sr. 8igisnuindo : Nao quero ser adiantado
quero somente ser razoavel.
Mas, Sr. presideoto, eu eaton maravilhado dos
protests do nobae deputado pelo 11.0 distinction do
Rio de Janeiro, que estA muito atrazado, u que eu
lembro, de effeito muito lento, muito dvon-rado,
para d'aqui a 16 annos. Isto 6 querer ver o quo
nao exists.
Deus me livre adiar para d'aqui a 16 annos a
extineiao da escravidio.
Ni o seria amedida que lembro o unico elemen-
to ptra a solugto do problema. Ficaria livre Ao
propaganda o seu serviCo, promovendo todos os
dias grande numero de alforrias ; a liberalidade
dos senhores, e tudo mail, continuaria o seu tra-
balho.
E depois, no fim de curta period de annos, o
numero de escravoas estaria sem a menor duvida
muito reduzido, e serial entibo a oecasiao de inter-
vir o Estado corn o sea poder, afire de liquidar o
iaetituicao.
Eu proponho medidas para agora, quo sati~fa-
9am, quo contenham a propaganda ..
0 Sr. Andrade Figueira : Esta nao pode can-
ter.
O Sr. Sigismundo : ... quo a moderem, ao
meono$.
0 Sr. Joaquim Nabuco : Mas esta idea de
V. Exc. 6 substicutiva do project, ou somente da
tabella ?
O Sr. Sigismundo :-Espere V. Exe., tenha p.t-
cieacia.


0 Sr. Sigismundo :-A matricu&A tern :ajor
para os effeitos do project e nuo pars os .Mits
da li de 1831, porque oprojecto ao veoin saneioe-
nar a pirataria quw soe-fez depois de 1831 lato
corn certcza esta f6ra das inteangOes do nob-pro.
sidente do conselho. /
0 Sr. Andrade Figaeira dA um u r a
0 Sr. Sigismundo:-A mgistratura as pdde
aceitar a matricula come prova da importlao an-
terior ou posterior A lei de 1831...
0 Sr. Andrade Figueira: -Pa.lo project, fia
livre squelle que no matricula fiver 60'GOMuos.
0 Sr. Sigismnundo: -Sirm aeahor; .su os afri-
canoe de menes de 60 annos, os de 56 at 59, os
de menos ainda matriculados como nao africanos,
ou scm declaragio dc nuaturalidade, ten por si a
lei de 1831.
0 Sr. Jraquim Nabuco :-Como as p6de provar
a idade ? V. Exe. quer urn outro Custro Malta na
matricula?
0 Sr. Sigismaudo :-Seria amafortuaa hoa-
vesse algulna cousa que dispeommee ma sprova
tao dificil da idade, e a matrect wm*, _isu e
menos :conso prova subsidiaria, sp
bastaute quando o seohor aToe
erm prvys cabaes a declaraca quew *
feito.
Sr. ,psuidente, a estatistic A,, ftow
eaperava, a prova de quese t w i IIft a -
ldi a lei dei1831 na striula .'- -
&0 Sr.i qu m Nabueo : M w t Ainda
"--e 1i a minia em am u i,

0 r. Sigismnundo: -
*pewaoeqne-se dio a ea estua
blatoa p~lmrfenaa mp
mil e nerav muaiores de oW aiiLI ta
estaitiica di um numwnur itiu I44om
tra visivelmente que, si ewse ab o
ama ,escala muito diminutI, fiaid O. 0
Amsa nodU0 que so nos laurava.
O Sr. Joaquim Nabuco: -A estatitisa aw
npaiz nlo prova nada...
0 Sr. A*Jdwda i i :Fw.-a 0*

o Sr. Joaqeidn Nabew;:-~


nismo,0 o nobre deputado pes5.
nambueo.
S o Sr. Joaqnim uo: -ata .
Exe. eomr muito pra .
Sr Sigismundo : o a" .
dente do conselho, que niao A A omI
pars a actuatidade da,4u eedpo ,a HM ftte
meOdidas em atten,-&Ao aiti o_ ugMw -e
dos libertos corn a claumlade jrripo e a steteg
Sna data da extingci da eserido.
0 Sr. Joaquim Nabuco :-Nio fallei nisso.
0 Sr. Sigismujado :-Como aa,%aaLI?
0 Sr. Joaquim Nabuco: Fallei dos ingenuox,
mas nao cogitei dos libertos. A raspto delles
estou de accordo eomr o Sr. Andraae Figueira, 6
uma servidlo quo ninguem tern o direito de crear.
0 Sr. Sigismundo : -Bern, V. Exe. s6 fallou dos
ingenuos e eu por equivoco pensel que V. Ezo.
tinha tambenm cogitado dos libertos obngados a
services par b annos.
Entendo que em relagio aos libertos que eta-
rao ubrigdoas a servigos, nenhuma media ha i
tomar, porque a sua alforria 6 coneedida medianta
taes servigos por 5 annos, e este lapso do tempo
nio 6 tao dilatado que reclame provideueias para
encurtal-o ou abold-o. Quanto aossiungnuos ui.
rei as minhas supplicas as reelamagmea do nobre
deputade.
Quando se extinguir a escravMtdAb havera um
grande numero de ingenues de 8 annos de idade.
0 Sr. Joaquim Nabuaco :-De um anno ate.
0 Sr. Sigismundo: Eu me proponho a con-
veneer a V. Exc. do quae acabo de dizer.
Pela lei do 28 de setembro o ingenue de menos
do 8 annos acompanha a mai iliberta. JA v4 V.
Exc. que quando se acbar corn a eseravidao, o
mais que pod- haver 6 ingenues de 8 annos para
cima obrigados a servings, porque os de menor
idade acompanharao as mAis, quo jA nio serao es-
cravas.
Mas os de aito annos ainda serio sujeitos a13
annos de serving, at6 completarem 21 annos de
idad-, e 6 este um praso muito dilatado. sobre o
qual 6 precise tomar-sb alguma providencia.
0 Sr. Joaquimn Nabuco :--Ma pode haver in-
genuos de utn anno, aquelles Tcujas malis morrc-
rem.
0 Si. Sigismundo :-Eases Btrarao na lei cum-
mum, visto que nao existira o regimen da escra-
vidro, e se Ao oas juizes de orphaos que deverao
cuidar delles.
Por isto insist em dizer que s6 havera inge-
nuos de oito annos para cima obrigados a servi-
cos.
0 Sr. Andrade Figuciro :-Mas o ingenue flea
sujeito aos services para as despezas da eriacao.
0 Sr. Sigismundo :-Assim ae;ia se so manti-
vesse o segimen da escravid.ib; mas no regimen
commnum du liberdade, nao.
0 Sr. Jo iquim Nabuco: Mas nesse tempo a
magistratuia ha de ter idas libetaes a respeito
da cscravidao.
O Sr. Sigismundo :-Sr. president, attendendo
ais circumstancias que se darao coin os ingenuos
na 6pjca da extincoao do element o servil, eu acorn-
panho a reelamaqAo que o meu hoaurado college
diriiu ao S r. president a do conselho afirm de que
S. Exc. proponha algumna providencia sobre ellas.
0 Sr. Andrade Figueira :-Vamos deixar algum
trabalho para os nossos successores.
0 Sr. Sigismundo : Cremo que V. Exe. nao 6
sectario da regra de deixar trabalho ; deixar ou-
tra eousa sim.
Lembrarei que se decrete que cease a obriga-
c.o de servic-s para os ingenues na data em quo
se extinguir o onus do service para os libertos
pela medida transfornnadora do trabalho, came-
ando eutiLo o regimen cmmum da liberdade para
tods os brastileiros.
Sr. president, disse-se aqui que a alforria dos
rexagenarios era tambcm umn meio de dar execu-
cao A lei de 7 de novembro de 1331. Penso que
nau 6 assium. A respeito desta lui eatouu de acer-
do corn o nobre. deputado pelo 11.0 district io
Rio de Janeiro; ella 6 a expressAoA da voutade
nacional. que por modo algum se manaifetou
em contrario. Nao couhego na oollec.o dee
leis brazzleiras actor algum quo tenouhevieydo a
lii do 7 de novemabro de 1831 Peor.mia declare:
sou magiotrado, e Deus me livrede besitar em de-
clarar livrc o africans imported. dopois da loi de
1831.
0 Sr. Andrade Figueira: -Nos teomos do di-
reito ; a matricula ai,) 6 bastante.
O Sr. Sigismundo :-Perfeitamente ; e acres-
eentarei tambem-a sua prole. Nio reeeie V.
Exc. que o meo adiantamento va ao ponto de dis-
peusar os requisites exigidos polo direito. A ju-
risprudencia, quo andou variando e hesitante,tir-
mou-se ultimamente, e duvida que boje prhoalega
qualqunr sentenca que desconheoa o inter vigor
daquella humanitarian lei. 0 project nao pode
ter cogitado dos escravos importadoa depots de
1831, porque esses, em regra, ter m eoBuee 60Qa,-
noa e muitos estarto long deasa ieade.
0. Sr. AndraMe Figueira daur apuea e.


' li****t. ^*./*-,:
* ,",\' ^*^^*,---.' -
'y''^^^^.'-'

"* ^> '* .:.
^&2
% ^---:.

























4-iere i.


-Ui G U0IoR PORTO, DISTINC
8N DA 8OCIEDADB ABO-
DWt AVO iLBBRTA8.


-aepe 1. osos nomenque tuwn,
dwgmue waaebunt


B VIBG.LIo.

; .A X veO Libart no recinto augusto,
s; sk.aaoerdetisa, o fogo asecoends
a. lhDAharnade nam sagradas ars,
HD"eoad e o icenso divino alem recende.

So a Caridade 6 dom das almas nobres,
Em ti sobs de valor, 6 dom divino,
S Pprque esm6las par a dar a liberdade,
S Dbs captives mudando o atr6s destino.

E' asaim quo a mulher se faz sublime
i Conquistamdo uam logar na patria historic;
]r inim qu a mulher se torna an anjo
Pars r no c.o gozar eterna gloria.

Judith teario de more a Holofernes,
Joanna d'Arc salvou urna na.vo,
Leonor, porem, vae ter mais viva gloria
Esmagando a vii serpente--escravidao.

86 vejo igual a ella urma heroin
I (Depois de procuarar corn grande afan)
vou dizel-o ao mundo em voz bemrn alta:
Z da brava Franga a varonil Rohan.

.. cbe, sobe ; Mnlher, scbe inda mais,
S Toma das mn os do Deus o radio acceso,
a Vibra-o contra as horridas senzallas
Reduzindo A cinzas tao enorme peso I..._

Da Via lactea que illumina a estrada
1, Que atterra da promissao leva os captives,
,. Tu As, grande heroine, a luz mais pura.
; A lua que' acnde os arrebdes mais vivos.

S A humanidade te bem diz agradecida,
Consagra-te o Brasil um monument,
0 ten name ornam lucidas estrellas,.
1 .-so no liUro amd do firmamento.
!

^ Goyanna-1885.
SOs mcendlos e maufraglos e
S* a un ssa justlia
^ 0 que, porem, nao contavamos era que essa nos-
S sa asserao, quake s6 a custo, e vencendo certos-es.-
crupulos fizemos, fosse tao cedo justificada, e da
forma a mais cabal.
i Desesperariamos se nao nutrissemos a esperan-
Va de que n'este mesmo tribunal as companhias
-" de seguros encontrarlo juizes quae Ihes reparario
S a clat.orosa injastiga commettida hoje, cornm o que
a parts sa da noes& sociedade foi gravemente of-
fendida, a razio e o direito conculcados, e a mo-
ralidade ferida no coraqao.
Longe, pois. de ter sido vencidaa c eompanhia
., de seguros, ella apenas retbrou-se para restaurar
as forahs perdidas repousando no glorioso campa
Sda batalha juncado de louros brilhantemente dis-
putadoe pelo digno juiz que procurou salvar a sua
Snoore causa.
MaS...
Basta Nio queremos continuar na ingloria ta.
refa de apreciar decisoes que nao nos dizem res-
peito senlo pelo lado da moralidade, e para que a
all.twvIo de pensamentos quae seo agglomeram em
a nosso cerebro, nos amesquinham a alma, e nos en-
chem de cholera nao possam ser transportados para
* o papel em que estamos escrevendo, n6s indigoa-
.dos.. mil vezes indignados quebramos a penna.
**
Ainda meditavamos sobre o assumpto deste nos
a. e so artigo qmando as igrejas annunciaram mais um
ineendio!
SEstremecemos de indignaglo, mas tornando ao,
n oeos estado de calm achamos mesmo que era
S, u ito natural qua houvesse hoje um incendio ou
a perda de uam navio para solemnisar a dmArrota
inlizida A eompanhia de secunros, fomns an lufr


COIIERCIO
Belsa eommerelal de Pernam
bueo
Recife, 18 de agosto de 1885
As tres horas datarde
COtacies affimfiau
Cambio aCbre Par, 15 d'v. corn 1/4 0/0 de des-
Dito eMare ito, 80 d/v. corn 1/2 0/0 de desconto.
A. Leonardo Rodeigues,
President.
BL J. da Motta,
decrctario.

RFENDIMENTOS PUBLIGOS


Mm de agosto de
AhAuXMa-De I a 17
ld a 4 18


a. -


Lczs a-nsr-Da 1 a 17
Idem de 18


C.Wn ,o rm w -ia& De I a 17
Mm de 18a

, ': ""


-- .,'u :. a .-- ,


rtu


228:7098025
17:852j978
246:56210L3


16q88S630
1:220A4-23
17:0090653
25:351835
7501526
26:1025861
13 5451713


ko.-


Tavares da Costa Ribeiro, 59 a Antonio
Jose Soares & C., 25 a Moreir* & Braga,
30 a Baltar Irmlos & C., 249 a Domin-
gos Cruz & C.
Fumo 88 volumes a Sodr6 da Motta &
Filho, 168 a Xavier de Simas Irmaos, 44
a Carvalho Cunha & C., 35 a Joao V. Al-
ves Matheus & C., 10 a Baltar IrmAos &
C., 5 a Jos6 Antonio dos Santos.
Farinha de mandioca 85 saccos a A.
M. de Souza.
Fazendas 5 caixas a Cramer Frey & C.
Livros 1 caixa a Medeiros & C.
Mercadorias divorsas 1 volume A cap.-
tania do porto; 1 a A. de Souza Carvalho.
Machines 3 caixas a Zeferino & Irmlo.
Panno de algodao 15 fardes a Machado
& Pereira, 10 a Olinto Jardia & C.
Solsa 2 rolos a Braz Januario Fornan-
des.


Xaarque 928 fardos
Carga da


a Maia i
Bahia


& Rezende.


Azeite 7 volumes a J. V. Alves Ma-
theus d C
Caf6 100 saccos a Manoel Alves Dias,
Charutus 1 caizxlo a Antonio Pereira da
Cunha, 1 a Antonio.P. Carauo, 2 a Se-
verino & Irmlo, I a Joaqim Bernardodos
Reis & C., 7 a JojsA Aouio -dos &fantoa,
2 4 ordem... f'



iii
-a
?arimha do moandioca M~t wa M.
Alre Di... Fl. do a macacoin A


doft ." f *B i,.'.ii.' y PS* 2

PAor* vvo_ adMen" 4vootsa 1n d,
dao t oA S 4. ua, w ao o .s e
q 11a A.ea mano dav-d e tn d
cMotadow f so Manr 4 101. p,1ar11 1aoqud s .nto




gum a attaidero* a elai s4 oqoh
i~nl, reeiwtto 1 _, -

mvobtidv doi "i rn's.
PoT" voteara d*n AM- ividuos aindat d-
enmaivuAldade do iaeadre qa setrjadoras das
tearricamntos ? a a o
Fioeti pros de q ue as ompaudmas de seguros
quo e pagam sem a mleo davids eenatenares de
ooatoo de reis de siaistro ppar 6no, quando se ne -
gam a attender certax reclaim les 6 porque ha
motivos ponderosisimos.
For Deus I Neo continueis na vossa jpnnaa de
benevoleneia pars cor esses individuos mais ter-
riveis do que os salteadores que infdstam as es-
tradas arriscando tambem a propria vida.
Nao prosigaes condemnando as companhias de
egurom mque eUma nbo podea eAeazer cumpr,-
da mente todas as vosaw exigenwasI !
Lembrai-vos qae ellas tern vida public, e go-
earn de craedito e coneeito que easti no dever d'ellas
sustentar nmpre. Bern saben qae, se urmsa comn
panhia tivr mnitse questSee de uinistros, o pa
blico-retiresi d'ella su. oaaiaom ; por ahi catcn
lai quanto aso'ompanhias pagan indlvidamente,
quanto 6 enorme o sacrificio pars ellas quando a
cousa 6 de natures tal quo as obriga suateatar
um pleito I
Attendei-as sempre!
Abri oas ouvidos as sunas queixas, abrigai no
vosso espirito o direito e a razio de que elias es-
tao sempre revestidas !
Nio espereis que a media de vossa justiga de
tolerancia tranaborde, porque entio a part da so
ciedade que nao communga corn esta horda de
defraudadores, poderi uam dia vos apontar como
verdadeiros autores de tao repiovados acts.
VWJe que, nao obstante o corpo de delicto do
incendio de hoje, o incendiano ,stA gosando de
toda a sua liberdide, porque a nossa jurisprudeu-
cia nao cogita de tal crime !
Contessai agora comnosco que a posiglo das
nossas companhias de segaros 6 nimiamrnto crniti
ca; quando de lounge em longe se descobrem estas
robustas provas, allegadas sempre por ellas, e qu.-
s6 por si na Inglaterra constituem crime capital
que sujeita o criminoso A pena nultia, aqui, eu
tre a6s, oem so menos lhes 6 dado ojusto desforco,
de poderem vel-o preso !
Se, pordm, o servio 6 bern feito, e que o fogo
nao di lugar a esta descoberta, as companies ou
pagam logo, ou quando se recusam por certas cir-
cumstancias que nao 4 possivel justificar, v6s
Srs. juizes, ordenaes que elias o faam.
Isto 6 simplismente horrivel I
Terminamos pedindo q ie nos relevem qualqu.-r
expression que possa parmcer desreipaitosa, pir
quanto ngo foi osta a nossa intengAo.
0 desabato tern sets rasgos de impetuosidades
que se dscuipa corn taciid-tde.
Recife, 14 de agosto de 1885.
Urn oomnerciante.

() Adminlastra.o da proviaela
IlI
Dauas palavras antes de encetarmos o
prosente.
Acabamos de ler no Jornal do Recife de
14, sob a epigraphe dest serie, un arti
guete em o qual so d a auactoria da mes
ina a um cidadao democrats muito nosso
conhocido pelo caminho uno e recto que
sempre tern seguido em toda a sua vida
publics.
0 articnlista desta vez, porem, erroa o
alvo.
Nao laca, poremn, questAo do nosso hu-
milde nome proprio, quo, na bypothese,
em nuda aproveita.
So os nossos conceitos peoclo, ahi esta
a liberdade de imprensa; 6 p ra as con-
troversias e para os seas investimaveis
effeitos quo os povos civdisados fazem del
la questlo de dignidade civics e national.
Mostre-nos Os pontos em os quaes nos
consider injustos, quo tanto escandalisa-
ram o articulista, qae o fizeram apparecer

(*) Este art. nio foi publicado na folha
d0 hontem per felta de espago.
A REDAC(0o


de, 73 a Jog, M ri-wra & C', 51 a Do
mngos Cruz & C., 76 a Baltar Oliveira &
C.
Fumo 35 volumes a Fraga Rocha &
C., 29 a Joaquim Joe6 da Fonseca, 63 A
ordem, 1 a M. A. Pereira, 10 a Maia &
Rezende, 20 a Rodrigues de Faria & C.,
20 a Almeida Machado & C. Farinha de
,nandioca 1,000 saccos a P reira Carneiro
& G,, 553 a H. Burle & C.
Milho 1,900 saccos a Poreira Carnei-
ro & C.
Panuo d'algodao 34 fardos a Luiz An-
tonio Siqueira, 150 a H. Buirle & C.
Saccos 40 fardos aos mesmos.
Carga da Bahia
Alpisto 15 saucos A ordem. Azeite 35
caixas a ordainem. Amostras 10 volumes a
diversos.
Drogas 6 caixas d ordem.
Enxofre 100 cailax a Francisco Manoel
da 8ilva & C. -
Fio 2 fardos sos mesmos.
Gomma arabiesa 5 caixas aos mesmos.
Masua italianas 500 aikas a H. Bur-
l&C
Manna 1 sixa a Fania Sobvinho d C.,
5 a Francio Manoel da Sila & C.
Oleo de liahaga 5 arris Faria 8sebri-
nho & C.
Pipas vaziaa 31 a Preira Pinto U .


DESPAOIHOS DEBEfidal
,;a- .I 7
w a n ni r ,~ .7 -,:.. _. ..: :: ,...,
Ea._ .m a S| .B6
~rf^rt A-4

2 ^> ~^-Z- ^b'~ti&i~K+Rf~el jtMAji'


goa.wo do 0g.f. Sr. Sancho" Pimnutel,"
g*vero a pedido dooe candidate acinaeiow
-..u.qes depois do servidos o qualiti.wramn
..iociaii., oq~uiwtano, pergafutmAdos 8 0

*MwttR ~ "WO Ra~ms' dejii ^ r

knhablitadu pdira romn

'AM qooeue coma n6j, a vida pu
bliasml, pohta e aamnivistrativa d' 8. Ex'.
dirii paromtptorIaunenta ano vr a eia no
meiaglo par a ser o successor do adminis-
'trider que presidio esta provineiL ao tom
po da desastrada campaida deitoral qae
uana nova 6ra begin difforernto .I a qu, pats
sava iria surgir na provincia; quemin, po
rein, uno "conhectise oAs iLntecelmint-s li-
zonjoiros de S. Exe., hojt-, post factuWm,
depois do quo tern sucedido A sus adiui-
aistragio, os seus acts seriAo bastat.'s
para tirminar, at6 nos -ingos, qu, astu wl-
uinistria.or, apezar do nd o ooerfi/ida
provincial, bem conheieda as suas noessi-
dades.
S. Exc., no entretmnto, nao alheiA oa
esta terra, como pretended os candidates
nacionaes.
Nella S. Exc, exerceu durante annos na
ultima situaao liberal o important cargo
do secretario do governor, nolla S. Ex'.
exerceu durante muitos anuos jarisdiqAo
"omnon magistrad o vitalicio em divers.. pam
tos centraes da provincia, o qutm toro
assim elements publicos, offi,.iaea, para
conhecer a in lol doe umn povo, a sua hi
toria, pra'ticamente, ja na capital e jA uns
suas lounges conarcas, nao p6d, ser qualm-
ficado, como nao conhecendo as necessida-
des da provincia, quo vai afininistrar.
A tublo isto accresce que S Ex-. duian
to esta situaAo liberal tern quasi quo occu
pado a sua actividado em cominmisstes ad
wmiuistrativas, o quo quer dizer que t-mn
acompauhado sern i nt-rrupgao toda a situa-
91o adinistrativa do paiz, oe de quau
se t m achado s8-[pre, nesta posieao u;,o
se p6 le dizer, scm injimstitVa manif-sta, que
nao conthece as necesiid',des da provinc;a.
Os acts, por.mn da atluinistraao da- S.
Exc. excluemn esta ignoraana, por qual-
quer lado quo ella seja observada e dis
eutida.
Quanto a seguranga public, o perspi-
caz administrator aa provincial fbi certoi-
ramneute ao calcunhar de Achilles,- to'nou
a mais auertada providencia a tal robspeito,
nomeiando por sua propria iuspiraglo an
official de tropa de linha para subit-l'gaIto
de policia do 1.- district policial io a 5,;,
dla Panella, no,,jeiago que so renovou em
identicas condigoes la primeira, logo qua-
j nomeiado tvvo de pedir deaoissio do dito
cargo, passando este o excrocio sonwnte ao
novo nomeiado.
Tolos sabom quo a muito que este dis-
trieto policial necessitava fe garantias
Alli nao havia seguranga para o cidadlo
pacifico e ordeiro: a capang.da e os ini-
migos do alheio alli tiuha desemnbar.iaa-
meute a sua sede.
Todos os elumentos do iafrene pertuba-
cao, dissolventes do just e do hon.'sto ti-
nham-se agglomerado alli coma par en an-
to ; alli, onde se tornou o homisio official
alos escravos fugidos.
Mas, S. Ex:. landau suas protectoras
vistas para este canto da capital, ends o
homnm honaesto fania a figura do foragi
do, de :ameanado pa-la J16r da gente, e
para isto uuo teve necessidade de ouvir os
oraculos quo sempre so iulgaram com direi-
to de fazerem figure de corpo presented em
taoes nomeicese; e este acto de S. Exc. vye'
leu urna grande parcella de garantia e do
moralidado para os habitants desto dis-
tricto.
Mas, os candidates naciowaes dizm. que


0 doutor LecorceU, medico dos Hospi-
tacs de Parib, em seu notavel tractado theo-
rico c practice da Gotta,'parecido em 184,
fall n'estes termos dos medicaientos do
Dr. Vaville:a
a Entre a maior part, dos especificos
a preconisados contra a gotta, a aeglo do
c celebro liquor do Dr. Vaville, foi semnpre
a notavel e iodiscutivel. a
0 Liquor Dr. Vaiville acha-se na maior
part das Pharmucias. Emn Paris,, F. Co-
mar, 28 rue Saint-Claude. k6)


Para ManauM, P..'araeiro & .'. 5, barrica& corn
2,710 kilos do assucar braneo e 50 barring corn
4,500 litros de aguardente ; M. J Alves 4 pipas
com 1,920 ditos de aguardenta e 25 barricas corn
2,08t kilos de assucar branch ; Amorim Irmids
& C. 50 barrio corn 4,800 litres de aguardente;
H. Oliveira 20 barricas corn 1,615 kilm de assu
ear hranco; B. Gornes & C. b ditas corn 435 ditios
de dito; Maia & Rezende 20 saecos corn tarinha
de Qaadioca, 50 barris e 2 pipas corn 5,760 litros
de aguardeane.
Para o Padr, Amorim Irmios & C. 100 barricas
corn 6,462 kilos do assucar bronco ; P. Alves &
C. 71 pipas e 15 harris com 4,800 litros de aguar-
dente e 10 barricas corn 393 kilos de asauear
branco ; B. Oliveira & C. 5 pipas corn 2,400 litros
do agoardentea, e 100 ,baiep com 6,480 kilos do
assuc&r bFanco ; J. B. do a Santoa psi" coom
1,440 litros de aguardeate ; P. Mei & C.
ItOU0 barrioss corn 5480 kilos de asmca ranco,
10 pipas e 5 barrio 1m k,,050 litros de agaar-
dente ; L J. &' G inmhs 27 pipas o 15 barrio
am 14,400 ditoa dedito; Baltar Irmaos &1.
21 pipas e 1 barrio corn 10,656 litroa de aguarden-
to Ao barricas coat 4,221 kilos de assucar bran
Co; Lopes Braga & C. 15 ditas eom 900 ditos de
dito refinado ; A. B. de Casm 10 ditas com 860
ditos de dith brann e 5 ditas oom 425 ditos de
dito refimadso.
lMai",r sBtende 835saces eon
2m3& L Q Beltrao &
"glo 2Q9ditas i aIWditoh n dito M Baltar
Noun & C. .80 d te. soea 1 4M de dito.

d OVs1omr01

MtAaao por MVoyiii" ls ^NfrtI pt
to &uitiR^ .. .. .. .. .. Atrw~iooIa,


nervoso, ao qual o sanagu empoab*acido
niao p6de resistir, produziado a debiiidade,
a oonsumpcglo. A primeira. cousa quo soe
deve famer 6 enriqunoaer o sangue, r'*cor-
reado-se ao Ferro de Leras soluvel e assi-
mllivel, quoe represent a composaigao do
g4obulo sanguineo ao msmnao tempo quo a
umn born regimen, obtem- so a saude regu-
larisando todas as func5.s ado organism.


Ao public
0 abaiko assignado, morador na Bata-
lha, do tormo de 8. B-nto, da comnarca do
luriiarA, vein plo present protcstar se-
lomneinento contra o preccdimene-o inau
dito e abusive pratieado por Joio Fernan-
des Marques, coniheido por Jodto Barra-
cgo, inorador cm Catende, di comnarca de
Palmnares, obriganlndo so fillhoo menor, d,-
nome Antonio Olyanpio de Souz t Costa, a
assigiar umna letra d qutantia de 5005090
saem nada ever scu tilho ao referido Mar-
ques.
9 para quo am t,-mpo algurnm possa vin
gar essa extorsao, f:iz o pr-sent- protest
S. Bento, 5 do gs.ito de 1885.
Jose Leonardo da Costa.

Anaeahbita Peltoral
.4082
Uana simple tesse p6.le eh'-gr a ser mortal se
na, atalhar a tempo; p.r&n ,vitar-se-h-, cumpl.-
rawnriite o pri, f-z-iid-i-se uso ianadiat.t d.
Anacahaita Peitoral, qd ml mediaate a su be.io
'6- a iilfla.'-iiia fz C ler r api alan t ;i a rrict.t- i
Jls pulen0es e gargaira, e restabelece sua acau
vicor.,sa, regular e sau laval. Os que dizemn quo a
asthma incurivel m rnuimo i euganam.
E,4a fortifictante c,, ;p.sigAo vegetal subjugi
assa afflictiva mnolestia, aind;i mesmo quando de-
b-tixo das f6rnas as wnmis obatinadas e aggravan -
tea. As anginaq uuncrc Lerminarao em bronchites
-a tossed em tysia-uvin a rouquidao em asth-
,na, sa diesde !ugo e-a s'ds principios forerm ata-
lhaldo, corn este bainm, vegetal suavmisador e se-
dativo; bseas beneficos effeitos seao prumptamenfe
,.xecutados nas cauferinidades dos puimoes, des vA-
-as brouehiPs e da pleura.
COMO GARANTIA contl'a as fdlsific'a5,s, observe
se bi-m que os none du Lanman & Kemp, venhamn
astainpa.ilos em letras trmnsparent s uo pa,.ma d..
livriilho que serve de eiuva.llriu A ea e Li grrafa.
lijont-ra-se A venda 'nm taodas un principa-'s lu
J.id de drogas e botiaos.
Agentes oin Peramin>uc.), Henry Forst-r &- C.,
run do Commmerei n i 8.

COLLEGiO
dE

JNO8A 8lHNIO I V111 YLTORIAS
a&a do Hoepleio nc 10
Directoras:
Mine. Blanche d'H -rp-nt T6rgo.
Bironeza V. d'Hrpent.
Este collegian terion optimans accommodates p:ar;t
alumnas internal, e uum corpo doeente de reconhe-
cida capacidade.
Promptifica-se alumnae para exame na Acade-
mia do Rcife. "
LiVoes particuiarea n, collrgio de ftancez, in-
Ilr.z, piano e canto, por Mine. Blanche.
Rcominrenda-se pela strieta discipline mantida
uipste coilcgio, apasrm- das r laj-yes affectuosases
tabelecidas entire as educa4das e suas westras.
Boarding School bur young ladies
Private rooms witlh tuition.
An agreeable residence.


Os abaixoassignados, vum pela imprensa ma
nifestar o seu reuomu e :aimnto a gratidao ao pro-
prietario do hiats national D. Julia. o cigno Sr
Bartholjaaeu Lourenco, pela accao cavalimeirost
que acaba de praticar, ordenando quo o dito bhia-
te siga haje para a port de Mossor6, apezar de
nao se achar complete a sua carga, sacrificanudc
assim os eeus int-reWses em proveito dos carrega.
doras 4o citado hiate.
Recife, 14 de agosto de 18 5.
Correia & Trmdo.
Jeremias da Roeka.


Baneo de eredito real de Per-
nambuco
Teado sido aporovadus, por decreto n. 9457 de
11 de julho passado, os Estatutos d&ste Banco,
sao palo presents convidados os Srs. subseriptores
de Acoea sA realisar no New Londres & Brazilian
Bank, Limited, atWao dis 20 de setembro pruximo
a primeira entrada de dez por cento ou vinte mil
reis por cada aclo, nos termos e para os effeitos
do art. 3." da iei n. 3150 de -1 de novembrQ de
1882.
Recife, 8 de agosto de 1885.
Manoel JoAo de Amorim
Barlc de Petrolhna
Antonio Fernandes Ribeiro
Antonio Joao Furtado
Jos6 Maria Andrade
Jose da Silva Loyo Junior


OCULISTA
0 Dr. Barret o iampalo, medico
oculista ex-chefe de clinical do Dr. de We-
eker, de- volta de isuna viagem ao CearA,
continia a dar consultas A rua do Baraio da
Victoria n. 45, segundo andar, de 1 As
horns da tarde, except nos domingos
dias santificados. Chamados em seu con
saltorio ou em casa de sus residencies
rua de Riachuelo n. 17, canto da rua dok
Pires.


Cascade Saue do Dr



SAa. 1-abort a cam s de saude do Dr.
Mto Maior, itoada A rua de Paysandui
5 (Pawsaagem da Msgdalena) corn acorn-
fiagaes para doentea de todas as classes
da Soaiedade.
0 0 SB feqltativos dea provincial encon
Vtw a'esea d eadta essf db meMoa'


,slad be anbado c*
w66"4ss 24 o livids, Nous
f .. su a.m narinas ampla-
mesa boca aborta; elle, o
pieutecolocAdo em lugar de correnteza
ds ar, eato-se morrer por falta desse ele-
mento indisoAzaivel a vitii : elle appalla
pars a morte, elle pe ie a todos que o soc-
corraw, elle so enfarda corn o medico, elle
blaaphema; e a scien .ia e a maais desvela-
da amisade compungida, Pruzam os. bra-
0os prraote um quadIro tao eontristador, e
nada faz, porqu. tublo quo a scioncia cu-
Nina 6 incerto o inmptoficuo.
Pois begin, o aeaso, este grande deseo-
bridor do profundos arcanos da naturpza
fez coin que so reconh-cesst no cajurube.
ba o mais poaleroso aut (as atlco, c hoje
innumeros pacientes enwleosau sua vir
tude.
C&jurubeba contra nsthina ou puxado
Uwa culhur de sOpa, it meio c:,ix d'a-
gua comn assucar do 3 em 3 horias.
U allivio 6 inaineoditito, + s',guf se depois
o dcsappareciinento do ;t:aqut-, dvuendo-s6-
continuar :on o rm-noli,) s.-gundo a pr'es
cripiLo no t'rasco, ate a curs ralial.


FABRILA DE MAGHINA8
DE
G 8 T LT U A
FBIiTER & ROSSIANN

SOCIEDADE POR ACCOES


Unico represenlantcoem
PERNAMBUCO
T Xf1). XTinST
2-LARGO DO CORPO SANTO -
Machina superior, systeinas Singer e
Whrclcr & Wilson.
APE tiEPEIV'OA DAN
PREMLDAS EH TODAS AS EXPOSI(,OES

Ao public
Os abaixo assignadus, t'ndo reistrad..) d:'p-
sitado as suas inarcas i)'1lustri:jes a rrutulos da.-
suas preparait's na jint.a uominmnrci;l do Rio ile
J ,neiro de confiorinidntd, coin as prescripues ,1:a!-
leis do imperio do Brael, l>cl;ar.iin e pahticipam
,mis infer8ssados, que Cimo unlicos priprietarias.
tern direito exclusiv'o d,- usar as mares, irndt-r
triies e rotuios relhtcimnados ern A maiufauctuira,
fabricao vvpuflda t d, seguiiit-s pr.'pLra,'uLs :
Agna de Florila de Murray e Lainm'an.
Tonico Oriental.
Peitoral de Anacalhiita.
Pastilihas vermifugas de Kemp.
Oloo de 6figado de b.acalhAo de Lanman .& Kemp
Emulsio de ol'o do fig-do de bwcalhiAo corn hy-
puphosphites, de Laninan & Kemp,
Salsaparrilbi no Bristol
Pilulas assucarailas veiretaes de Bristol.
Extracto duplo de aveleira inagico do Bristol, a
unguonto de aveleira magica de Bristol,
e qu-, portanto, persoguirAoa te4dos os falsificado
res ou iminitadorets dus ditas mareas industrials e
rotul.'s, prucurando que sej;rm castigados corn to-
da a severidadc da lei.
Tinb,-rn cautelamos o public contra todos
aquolles qu., intentam substituir as nossas prepa-
raio;5s acis a nmencionadai corn artii.Rn f-ila;fic,,1,s
que lI-vamn rotulos ou inarcas ,,u1cartes que iini-
tam as nossas.
Lanman & Kemp.

Agadeeimenl0


Faclos e nWo palavras.


Aos que se i'esejam tratar serm compronetter a
saude corn preparados mineralogicos.
Nesta typographia e na rua Direita n. 43, 10 andau
vende se tUnturas homneopathicas para inofensiva cu-
ra das seguintes molestias: asthmatico, ainda mesmo
bronchitico ; erysipela enxaquecas; intermittentes
(seam o emprego do faltal qnmino); tosse conv-dsa
falta de mevstruaao; cameras de sangue; estericos
ou metrite: does de denotes ou nevralgia, metrorra-
gia; vermifigom dentigao e connvulsbes das criancas;
tudo manipulado de hervas do paiz.
Assim como tratam-se escrofuloses em qualquerr
Iriao e gomm.atosos.
SS^ ^ -^t S^

SOculista
Dr. Ferreira da Silva, con-
sultas das 9 ao meio dia. Re-
A sidencia e consultorio, n. 20
Srua Larga do Rosario.
S Recife, 5 de margo deo 1885.


CARNE e QUINA! Sao os dous uncoe
elem6ntos quo entrain na comp osicgo d'est-
poderoso reparador das forgas vitaes, d'ess
te fortificante por excellencia. Excessivai
mente agradavel no palladar, e o inimigo
figadal da ANEMIA e das Debilidades nas
Convalescengas das enfermidades, das diar-
rheas e afeocoes do eaj.mgo e dos intes-
tinos.
Quando se emprega para recobrar o
appetite, promover a digestlao, reparar as
torgas, enniquecer o robustecer o organis-
mo e prevenir a anemia e as epidemias
originldas peloa calories, nao ha bebida su-
penrior as vimho de quina Araud.


ditaln. 20
De ordeb do Dim. Sr. Dr. inspector. b api-
dados effectuar e rcolhimento daes
i aportancmas, om senbores quo e m.
tOm.apoAlioMa do mprestin i
da hiemaj8; boa c as *'


.4,


Sem dicta e a m i..i
de eor s" '"-" ".*,;". ,
LABORATORY. *CNTRAL ,.
RUA DO VISCONDE" D- tD Rb ANCO N. 14
Esquina da rua do Regente
kilo de Japeiro
Espeeifieos preparidos pI.lo pharmaneutico
Engenio iarques de Hollaida
Approvados pelas juntas de Hygiene da Corte,
Republica do Prata e academia de iadustria de
Paris
Salsa, carob:a e manacA cura todas as molestias
de pllc,jheumrarismro0 au,ains ou chronicos e to-
dos as affeccqes de origem siphilitift.
Pilulas de vliamina -comliate as prisoes do
ventre, suo depuirativas P reauladoras.
Pomnada ante-hrpetic.i combat a cosseira dos
darts e ernpigens omin 3 lias.
Linimentom aiteo rht-um.,iaieo-curaasdores rheu-
mauticas, orysil|elas e tmn..rd
Sahrna-tesd al ritambrIh a indyroba phenieada
e alcarral) Sull.I1urrs.-....f. ell i ,s nas enfermuida-
'les Ih-rpftiC:ts. ,III-l' i : -, e ul-er;sa dla p,.Ile.
.-\ll!a (n.rj;t:a,,-,r.-;a'r.lo corn os succos da
p um_'a m:il t;r1:1 r ,, 1111A b., n exlitante do ape-
Inj.-cv.'a ve.-t.il d,. ra mi>; (h:ti e cpahiba-cura
rndliin,citat 'as blc ai-rhiil.g;as clhrouieas a-u agu-
11 :1.
DL-poSita, : rl gr.ilita l rovii-ia em casa d%
Franiacoia 1 M ,l1t Silva& C.
liteic


Mudanca
Rua do Bario die .. Rorja, on-
tr'o; a do %ebo, n. 26
f) antig, c-.li-gio parai i-ninitas, denomi-
na',, Nossa Senliori da Penha.,-mudou-
so para () pr lio .1(i113i alito, em quo este-
ve o cullgio Ste tie S, t-imbro.

Medico e parleiro

Dr. JoQuui LourMiri
DA consult;i, bugA n. 14 I.- andlar. Rsidencia tempo-
raria no Monteiro.

Caridade
Amndit a p.ahrew .,ai, .naria aio b.'co do Bernardo
n. 51. impetra as almias varidsas. urnm obulo dos
que team em eonsider;aai(l a d-crepitude ana mi-
s8ria.


Dr. Cerqiieira Leile

!edico e operator
S De volta de sua vikgem a Europa onde
Sfrequentou os h spitaes de Paris, tendo
ifito curso especial de moilestia de scnho-
ras parto ) e inolestia de meninos, ebrio
o seu c. nsultorio Ai rua do Marquez de
SOlinda n. 53. ontfe 6 encntrada, do meio
dia As 2 buras, e desta hora em dianto
ern sua, resideucia ao pateo da Santa
Cruz n. 10 (



Mudonese
Mile Coliaha (modista) para a
run do Inperador n. 5b, 2' andar, per
cima do armazern de n'usicas do Sr. Prea-
les, onde continue As ordena das Esxma.
familiar e de suas treguezas.


ii ''W. .a "a.


t


1t































jti~f!Ccao icara fateno part no Soresen-
oe cotao saim oedisso a siga ow as indi-
temnhas. Do qu. fixa ate. Ea, Vieen
&do Freire Pereira da Silve, scrivA4o in-
escrvi. Lydio Alerano Bandeira do
Ialstio Lamenha Lins de Soua--Fran
noel de Ajmtiida Junior.
Sse Vilo conthba em dito termo de pro-
ii '0 iado. E tendo os supplieantes pro-
aat este nunhts juatificanido a ausencia
icado o escriviAo tfazendo eilare preparer
os fez a miri conclusus, nos quaes dei a
do theor sguinttf. :
iga.-Vistos.--Hfi por justificada a ausen-
igar iueerto Jo justificado e. m inando quo
isti ado por editaeeCom o praso de 30
rotesto do folhns, para interrupAo da
o dos titulos de fihas e tolhuas. Custas
SRecife, 1U de agosto do 1885.-Thoma


E o q e se coatinha emrnta sentence aqui co-
pitda, por forip da qua) *etemo, eito e hei per in
timado a Antoaio fta Rocha de iR4tbtnda Cavalcan
N, paira gquoe dentr d praso de 30 dits coas are
pa ante estejuiso, afirn de allegar o aeu direitu.
E pars quo ehegue ao conhecia ento de todos
mandii passar-o present que serA publicado pela
imprensa e affivado nos lugares co costume.
Dado e passado nests cidade do Recife de
Pernambuco, aos 4 dias de agosto de 1885.
Subscrevo e assiguo. Eu Vicente Machado
Freire Pereira da Silva, escrivao interiuo.


Thonmaz G. P. Montenegro.
0 capitao Luiz deo Franca Caldas, juiz de
paz em exercicio do 10 district da frer
guezia dos Afohaddos, em virtude da
lei etc.
Fas saber que findo os dins da lei, vae
& praca a objects seguintes: 48 tijdas de
louca, 22 moias garrafas de cerveja bass-
31 ditas garrafas de ccrveja branch,
18 garratas do cervejiA preta, quarenta pra-
tos, 8 bacias branc:-, coninuns, 36 quar-
tosa.om sardinhas, 11 vassouras de piaga-
*a, 1 duzia de esteiras do carnaubas, 60
panellas de louca de terra, urnai balanca de
maroa RomLo, 1 barrica coaufeijao, 1 dita
eom arroz de casca, 1 armagao de pinho
S corn balco, piuhorados a Oliveira Vilella
ar C., por exccui'o que contra os mesmnos
move Manoel dos Santos Faleaco, tendo isto
lugar no dia 19 do agosto do corrente an
so, as 10 horas da manha, findo A audien-
cia deste juizo.
E para quo chegue ao conhecimento de
todos mandei passar o present, em o q ual
me assign o fixal-o no lugar mais public
deste district.
1" District de paz da freguezia de Afo-
gados 18 de julho de 1885. En Jo.o
Mauricio de Sna. EserivAo o eserevi.
JosA Luiz de Franga Chdas, jaia de paz
em exercicio.
0 Dr. Thomitz Garcez Paranzhos Montene-
gro, commenlador da Imperial Ordem da
Rosa, juiz de direito especial do commer-
cio desta cidade do Recife, capital da
provinia de Perawmbuco, per Sua Ma-
gestade o Imperador, a quern Deus
guarde, etc.
]ao F saber aos que o present edital virem on
d'elfle noticia tiverem, que se acha designado o dia
vinte do corrente, AO ncio dia, na sala das audien-
das, part ter lugar a reumao dos credores da mas-
as fallida de J aquim Ferreir.a Campos para tra-
tar-se da verificilo dos creditos,delibcrar-se so-
bre a proposta de concordata (se for apresentada)
on formar-se o contract de uniao, nomeando-se
administradores na f6rma da lei; ficando certos
es credores de que nAo serao admittidos per pro-
ourador semn que este exhiba procuraio especial
pari o actor, nlo podendo ser es couferida a de-
vedor do fallido; e ainda de que, prevalecerA a re-
solunao da maioria. que deverA representar dons
tergos do valor dos creditor, sajeitos aos effeitos
da concordata, part assim ser Vfida.
Epata constar mandei pasar o present que
sera publicao pela imprensa, e affixado no In-
gar do costume de que se juwtarA eertido aos
autos.
Dado e passado nesta eidade do Recife de Per-
nambaco aos0 8 dias do mez dt agosto de 1885.
Eu, Jos6 Franklim de Ale ncar Lima, subserevi-
Tho*az Gercez Paranhos Montenegro.
iepartifio da policia
Per ests repartiiao se declara de ordein do Dr.
chefe de policeia ao guard da Casa de DetencAo,
Henrique Dias de Fartas, que tend se aggrava.
do o seu incommodo e nao c.nvindo que continue
a faltar com parte de doent, uminpre que requei-
ra a devida licen" pars tratar-se.
Secretaria da Poticia de Pernambuco, 18.de
agosto de 1885.
0 secretario,
Arthur de B. Faledo de Lacerda.



.* ^Ofimdai
No dia 20, a 1 hera da tarde e depois da an-
S diencia do juizo da provedoria iri. A praca os
i bens deixados pelo finado chantre Jose Joquim
tI Osielo de Andrade coom abate da tuintalparte no
| preeo da avaliacao, conitantes de moves e que na
Ido 13, tade de correoate, deixaram de


Ao Can


Na secretaria da Satuei le Miserieordia do
Reeife arreudaa-apow desum Ad trenes an
osa, as cas aOmixo aade 4 .
Rua do Born Jesus n. 18, ljaL 30"010
id-mn idem n. 13,1 andar 360S000
Idemn idem n. 13,3- audar 264000
Rua do Vigario n. 22, 2- Radar 2400XI
Idem idea n. 22, 3- adar 240 0
Ran da Meeda n. 47 3'UAOOO
Idem idem n. 49 300A000
Rua da Madre de Deus na 10-A 2004000
Rua da Senzala-velha n. 18 240500('
Recco dos Arcos n. 2, 4- andar 725000
Run de Marcilio Dis n. 833 500A 0(
Rua da Palms, n 34 60 $(000
Runt dos Pescadores n. 11 300*000
Rua da Detenc'o n. 3 )dentro do quadro)
mai'agua 845000
Idei idem, n. 5 (id-mn) (aei'agua 845000
Seeretaria da Santa Casit de Misericordia do
Recite, 23 de taho de 1885,
0 escrivio,
PedroB Rodriwue de Sousa.


Olindla
No dia 20 de agsto corrente tern de ser vendido
em praca public pelo iuizo de orphios desta eo-
marca, o sitio denominado Quadro, no lugar do
Janga, cornm capoeiras e mattas, 300 pes de co-
queiros, casa de vivenda de peldra e cal, tend
1,800 palmos de frente e um quarto de legoa de
fund, uvaliado por 7:0i)05, e vai A praa pela
quantia de 5:6005, abate da quin-a part daquella
quantir, a requerimnento do iaventariante dos bens
deixados p.lo fiuado Raymundo Jose Pereira
Bells. e corn o consentimento dos demais conas-
nhores.

Tftseu1 d as 1oteris o Per-

namlnio, 4 fl8daosto go 1885
0 abl,!ixo assignado
tend sido pelo Exnm.

president da provin-

cia nomneado thesou-
reiro das loterias em


substitui o ao. cow-
mendadorAntonio Jose

todrigues de- ouza;
que foi exouerado a
sen pedido, partecipa
aO respeitivel publi-
co, que seaelm no ex-
ercicio do referido In-
gar, continuando the-
souraria a rua do-Ba-
rao da Victoria n. 14,
onde se acin a venda

os bilhetes da loteria

1I em benecfiodaSan-
ta Casa de Misericor-
dia, que se extrahir aa
20do corrente inez.

AuDrust0 O.deSouza.


,COMPANDMA


IMPERIAL


DE
*uIGR*O CONTRA FOGO
-EST: 1803-


Prompt


La. 1<
BRO
N. 5--Rua d


-N.5


U3A~


inha qu na entree
Ma, Pernambuco, Bahia,
SSantos


14 do 00..... 10_; o.. .. .


a[tuw'e Wfine s (U'ir, proupriaioiV ua Y.U a4.
18, 1 ru.a laAurora. *
Jos6 Ferreira Pinto,l da e n. 149 P muesma rua.
D. Franeiwea Guirmaraes, da de na. 147 4 mues-
ma rua.
Lauciano E.genio de Mello e Manoel da Silvs
Reis, proprietarios de rm .terreno ,A rua da. Fun
dico, A miandrem no prmzo de 10 dias. a con
tar de hoje, demolirem os muros de suas casas
e terrenos que ie acham completamente desa-
prumados, sob pens de serem multados, e a&
demoli')es feitas pela Itlma. Camara, correndo
as despoezas por conta dos propruetarios.
.0 fiscal,
Jos6 Augusto do Rego.

Ttiwirari fle Famfnfa
De ordem Jo Ilm. Sr. inspector, se faz public
que no dia 20 do corrente, as 10 boras da manhb,
serio pagas na seegio competent to arsenal de
guerra as costureiras possuidoras das guias rela-
tivas A 1' quinzena do corrente mez.
Thesouraria de Fazenda de Pernambuco, 18 de
ago.to de 1885.-Pelo secretario,
J. H. Oliveira Amaral.


Instituo Arceologico e Geogra.
phico Pernambucano
Quinta-feira 20 do corrente, ao meio dia, rea-
nir-se-ha esta associaglo em assemblea geral para
a reforms dos estatutos.
Secretaria do Institute, 18 de agosto de 85.
Baptista Regueira,
10 secretario.

Juizo dos feitos da

fazanda
EscrIvwio Fr-o Bandeira
No dia 21 do corrente, depois da audiencia res-
pectiva, irao 4 pra pa a.ugueis das casas A rua
Direita n. 21 e Paz im 16m, freguezia de Afogados,
bquella coan port eja is 1 de frente, 2 salas, 2
quartos, comaia f6ra, q-intl mumado e cacimba,
por 60Q e )imeosaa, a esta ca porta ejnella, 2
ahlal, 2 quartos e quintal pequeno, po 45 men-
saae', pertencentes A viuva de Firmino Antonio
Rodrigues.

G08 ss81 D co BelNceitU
es&i.ae aeoblda Keral -
Quinta-feira 20 do correate, pelas 6 boris da
tarde, no theatco anto Antonio, para tratar-se
de assumpto de iuu a importancia. .
Secretsrn do I ebsko Dramatieo efeficente,
19 do agosto de ,.-O secretario,


-^ i,*M ,.





Grande eoMpaUlia de
opera etuicla
(git Ifag Aftsimm


Hloje!


floj~


Iloje!


t0os c-aclos!
Estrondosa novidade!
Ultima representaVio nests cidade da magnifica
operetta em 3 sates (do genero do Perlquito),
poems arranjado do kespanhol polo fallecido es
criptor portuguez Guilherme do Azevedo, musies
dos trees notaveis maestros hespanhoes BARBIERI,
OUDRI' e ACEVES, grande capricho musical
dos mesmos maestros:

0 TESTAMENTO AZUL
No 2.0 actor brilhantiaima festa.


oWedos

Quatfros v.os.
^ *-, ^ :^ *i. ii i.[ :- "*[ ^ .-1 '4


tro da.com-


"
A or-bes
panhia 0*


I-'an m w nwa u
A companhia retira-se por estes diapW
ra, e pr ease motive vio tet lugar os u-tldb
peetaculose
fs bilbetos enontnam-so nasbilhetaria do


tro.
Os espectacloo so


Bab


SPoriambucana

MUNIS


m deo Navega-
Per
o Havre, Li
Rio de Janeiror


STEAMER Sully
Espera-se da Eu-
ropaat Wodia 29
ideasgosto, seguin-
mdo depois da de-
mea do costume

Sio de, Janero e Santos


Recebe carga, encommendas e passageiros, par&
os quaes temn excellentes acecommodates.

temur Vill e Rio0eJanot



Boga-e a 0 18a hnoraoe docrg J81 lo
E' esperao da Eur ?
ropa at, 4Wdia 22 de
-pgosto, seguindo de-
peis da indispensavel
demors para a. Sa-
ia,3Rio de Ja-
neiro e Santios.

r se an Sr. im portadores decarga pelos
vapors deals linha,queirat apresentar dentro de 6
!pas a contar do da decarga das alvarengas, equal
Squer reclamagg concMente a volumes, que par
ventura tenham seguido parasos pertos do sulafim
de se poderemdar a tempo as providencias neces-
sarias.
Expirado o referido praso a companhis nio se
responsabilisa por extravios.
Recebe carga, encommendas e passageiros, pars
os quaev tern excellentes aepomodav~es.
Augusto F. de Oliveira & C.
4 AGENDTEM
42-RUA DO COMfEROIO -42


COMPANMHIA PEMRAmUCANA
DE
Navegacpio costeira por vapor
PORTOS DO NORTH|
Parahyao, Natal, Macdu, Moasord6, Ara-
c Ceard, Acarahu e Camossim
0 vapor Ipojuca
Commandant Carvalho
Seguiri no dia '20 de
agesto, is 5 horns da
Recebe earga tt6 o
k da19.-
E nendas, gens e dinheiros afrete ate
as3hors da tardedia a sahida.
ESCRIPTORIO
am da CoRlpaihlua Pernambn-
.anan. 1iS
CmnpaBia Drasileira deo Nave-
gAI a Vapor
PORTOS DO SUL
0 vapor Permambuco
Commandant ocapitio de fragaa Pedio
H. Duarte
E' esperado dos
.. .pa.a Sportos do anorte
W todia 23 den -
g osto, e clpois da
"edemora indispen-
esavel, seguiri pa-
rs os ports do
Reeebe tam-
ber targl pars a, a toPelotas e Rio Grande dc
4 frets me ico.
Pat carg, pa.sagens, enommondas e valores
paatsoa sgmesa
46 RUA DO COIWEROTO 46

LEILOES

Lddo
De nina impertente armaeo de aimarello. for-
rada envidraada, urea dta do louro, tambem
e daA a rma4do ingleza, um lustre de
_a'ygl part gas, ma arandellsa de crystal, res
balo urma escada do tesours, uma drta de mio,
tma mesa conm tesours part cortar ervas, dons de-
posites de ferro.pars oleo, diversos vidros e boiges
pars botica e outros muithn objectos.
4Ruarta-felra, 19d. eorrente
A'SI U IHORAS
Na s'ua d&LCabuyd a. 11


inte Henry Hm1r, 1 dito de
andia, cadeiras de guaral-
L de balance, teams franu-
Dilletes, apparadores, mar-
o,, core, realejos, cixaa
aavam se da Bahia,'garM-
Bordeautx. e muitod outroa


quo sio todos save
uais loles, a vontode
s6 tm Iagarpor se
te-se achave.
Quluta-fojra
A's


as rnuoroa da tavoe'na, A
Oalereiro n. 39
endera a armacao e generos
e dos inelhores, em um, on
dos Srs licitantes; o leilio
achar o done doente; geran-


0 :2
101i2


do corrente
horas


Leila.
De 54 canastras de alho.
De 5 quintos de vinho branch.
De 100 libras da maimelhida e muitos outros ge-
neros de estiva.
Qnlui-feira, SO do eorrente
A's- 11 boras
POR INTESaV3I( O DO AGENT
Alf e Glilarles
No armazem do Sr. Annes, confront a
Alfandega

Leilho
SDe duas carrogas de 4 rodas para 2 ou 1 boi
Quuata-felra, 90 do corrente
A's 11 horas
POR INTERVEN-AO DO AGENT
Aifredo Guiinaraes
No armazem do Sr. Annes no largo da
Alfandega

Leilao


De 1 cass terra comn uma port e duas janellas
de frente, uma port e 5 janellas nos oitoes, 2 sa-
las, 4 quartos, casinha e 2 quartos externos, sitio
com cerca native, cacimba, em solo proprio, no
becco de Santo Amaro, treguezia da Graga e duas
carrocas do 4 rodas e ns. 233 e 234.
0 agette Brito a mandado do Iltm. Sr. Dr. juiz
substitute dos feitos da fazenda, vendera em lei-
1lo a referida casa e carronas qu e foramn penhora-
das pela ftazenda provincial.
Sexta felra a1 do corrente
As 11 horas
Rua do Rangel n. 41

Leilao
Da casa terrea A rua do Barao do Trium-
pho n. 29
Sabbado, 22 do corrente
No armazem da rua ao Imperador nv.. 24
A's 11 horas
0 preposto Stepple. per mancado e assistencia
do Dr. juiz substitute dos feitos da fazenda levara
a leilao a casa terrea n. 29 sita A rua do Barao do
Triumph, treguesia do Recife pertencente a Cornm-
panhia Ferro Carril, outr'ora a Ludgero Teixeira
Lopes, desde ja podem examiner a dita casa.

Lelao
De uma armago, balcao e um fiteiro, tudo
do amareUo envernisado
Sabbado 22 do eerrente
A's II horas
Rua do Imperador n. 24
O preposto Stepple, per ma-adado e corn assis-
tencia o ODr. juiz substitute dos feites da fazen-
da, levara LA leilao a armagao acima, pertencente a
Lopes & C.; os pretendentes desde ja poderao
examiner dita armaco.
LEILAO
De dividas activas na importancia do....
16.8386280 em letras
SABBADO 22 DO CORRENTE
A's It horas
No armazem d rua do Imperador n. 22
0 preposto Stepple per alvarA e assistencia do
Exm. Sr. desembargador juiz de direito dos
Feitos da Fazenda a requenmento do Dr. Jes6
Anstragesillo Rodrigues Lima inventariante des
bens deizados per fallecimento de Anna Honbrata
Carneiro da Cunha, levarA A leilo as letras abaixo
declaradas.
Uma letra de 1:000A000 acceite de Francisco
Cesario de Mello.
Urma dita de 3:995S000 saccada e endossada per
Francisco Cesario de Mello e acceita por Napo-
lelo Cesar Duarte.
Uma dita de 3:6854140 dito, dito, dito, ditc.
Uma dita de 3:6855140 dito, dito, dito, dito.
Urma dita de 4:471,000 dito, dito, dito, dito.
Total 16:8380280
A l.a saccada em 31 de agosto de 1882 a 26
mezes de praso.
A 2.a em 29 de julho de 1882 a 30 dito dito.
A 3.a em dito, dito, A 42 dito dito.
A 4.a min dito dito a 42 dito dito.
A 5.1 em dito dito a 54 dito dito.
Os pretendentes podem desde j& examinarem os
titulos que se acham em poder do mesmo agent.


AISOS DIVEISOS
AII HE lITE


Pr

am&

tort.


se de lua
Le;ho0es


Aluga-se o 1- andar 0 'sot&
do Brum n. 75, corn grades cc
na run larga do Rosanos n. ,


in;aratwmar
ai'DUci& 5


Atten"Ao
Aluga-se barato o armazem da run do Bramn.
81, appropriado para negocio de assaauear ; a tra.
tar na rus larga d 3 Rosario n. 34, pharmaeia.

AllIeno
Aluga-sa par preeo commodo.o 1" andar e sotio
.do sobrado n 67 a rua Bartholomeu, corn esqlina
para 6 largo da detenaso ; a tratar na rus-la-ga
do Rosario n. 34, pharmacia.

Aluga-se
o sebrado de trees andares e armazem da runa do
Amorim n. 15, o sotw da rua da Roda n. 23, o
pavimento terreo da travessa da Bomba n. 4, 0 o
pavimento terreo da rua do Padre Floriano n. 69;
a tratar na rua Bella n. 23.


Alugas uma casa concertada e pintada de novo,
sita A rua de Riachuello n. 4, propria pars fami-
lia nio mui grande ; a chave estu na Capunga,
rua das Crioulas n. 3

Amas
Precisa.-se de urma ama para cosinhar, e outra
para serviqo domestic de uma menina e para an-
dar cornm enrianea ; a tratar na rua Velha n. 104.
Precisa-se de uma cosinheira qbe compree
faga mais algum service em c-isa de pequeaa fa-
milia ; na rua da A irora n 81, 1 andar.


Alugapse
a oja n. 17 A praga do Corpo Santo ; a tratar at
rua do Commercio a. 22.

Aviso
Henrique de M. Snell declara quo ficam sem
effeito todas as procurac5es passadas ate esta data
DOS cartorios de Pernambuco.
OSr. Emilio de Cerqueira Lima tern uma
earta nesta typographia.

Ama
Precisa se de umat perita engommadeira e que
faca servings domesticos, par& o 3o andar da ty-
pograhia do Diario, A rua Duque de Caxias nu-
mero 42.


Manoel Antonlo Sulao
Manoel Antonio dos Santos, Joaquim Martins
dos Santos e Aloino Martins dos Santo. (ausente),
possaidos de profunda dor pelo premature pan&-
mento do sen sempre presado pai, mandlam ele-
brar uma missa per san alma, no dia 20 do cor-
rente, trigesmo do sea fallecimento, as 7 horma
da manbl, na igreja de S. Pedro, e convidam pa-
ra assistir a esse acta religioso todos os seus pa-
rentes e amigos, e desd- ja se contessam agrade-
cidos por ease earidoso obsequio.
Anna sLuzla Cavalcante de elel
10 anniversario
Herculano Guimaraes e teus filhos convidam
aos seas parents e- pessoas de sua amia de pawa
fazerem o caridoso obsequio de assistirem a -miAa,
que mandam celebrar por alma de sua sempa
lembrada mulher e mai, Anna Luxia CavalearW
de Mello, no dia 21 do corrente me (sexta-feWi
pelas 8 horns da manha', na matriz de Gamel
1- anniversario de sea fallecimento ; c des ej
se confessam eternamente agr, decidos A to
aquelles que comparecerem a este acto de religion
e carl ade.

Ao commercio
0 absixo assignado scientific ao respeitavel
corpo commercial desta pra"a, que venden aos
Srs. Albino Silva & C., o sen estabelecimento de
ferragens sit o A run do Marquez de Olinda a. 44,
livre e desembaragado de qual debito, e quemn sa#
julgar credor do mesmo present e sua conta para
ser satisfeita.
Recife, 18 de agosto de 1885.
Thomaz Ferreira da Cuha.

Porta daFortuna
Aos.



CHOW
2:.ootoo
I:00 .


Joaquim de Si


aimdi


rAo animal
um cao doce


Pufi~teut"


.a I WLO a
A bhem da verdade cabe-ine o
Star cmntra omalicioso boat quo
dade deter doo ocapito Ja=
Junior, -del do de polieia, qi
Spriso illeglque osoffri,, a nita
a te. 0 author de tal prisofol
or [uartr de ndowmes Manl a


)


I


1


r ,
















* ft
.3'


wRMdmmlt~wisdo Docffs,
-1s qa; fira20do oor-

uIT17 s


Inteiro 43000
|>. W,..*WO

endo qnnitldd perf
I.Inteiro 34550Q
Meio 1 7bO
Qpartp 875
Jeasin PFrs da Scap.


CA UtlSk I LI
AB



3UILE TEI J,4A ANTDO@
Praa4 da Jndependen-
cia ns. 37 e39
0 abaixo asigado tern expostos s
.,da os 089s felipes bilhetes garantidos da
la parts em benosficio da igreja da Sants
GCasa de Misericordia, quo se extrahir i no
dk 20 do corrnte.
IPreces
Bilhete inteiro 46000
Meio 24000
Qwurto 15000
aw m i de o 100 000 parn
eila


Bilhete inteiro
Meio
Quarto
Autouio Auguato dos


3w500
15750
4875
Santfs Poro


Aluga-se
..a boa asa a rua de Gervaso Pires n. 18,
corMn grande commodos, agua e gaz, parn unma
urande familiar ; a tratar na rua Vidal de Negrei-
'eaa n. 138, on a alfandega, cum Heliodoro
Rabello, schando se Ps haves na rua de Gerva-
io Pires, casa un. 26.

BAum ue INBIn oloa
Ag-se urnsma easa corn muitos commodos, ten-
do sgua gaz, e born aitio todo murado, uo largo
do eveiro, cama que foi do major Belarmino ; a
fstr na rua de S. Gongalo n. 29.
1 Modista
an& Welb nimereo 19
Aprempts-ue per figurines qualqutr obra ten-
date i. aa profisselo, corn esmero e promptidlo ;
Itim como enfeita-sejchap6o ; preqos commodos.
.AlIase as sep.uiutes casas:
Rp do wpe4ador n. 79, 2- andar.
Baa do Vieemonde de Inhaima n. 73, 1- andar.
tur de Lmasm Valentinas n. 55, pavimento
toio. A triat na rua do Barko da Victoria nu-
Sir4 14.


V"cW a~ede

0 Baeharel Antoino YVenano Cavalcante de Al-
beqmrsae, D. Josquina de Figueiredo avaleante
41 b.uerque, fidho e nora do capitAo 'icc.te
ls CwVddte de Albuquerque mandu'cete
wisa j par sOfit do sea presado pi 'e vogro.
io antrize de Santo Antonio, do eife, -I'
hora. nas deo amelleira 11 1/2 hota"da ma-
ah ".1046in doackeaft in, trigeoho
dW WRs2 h puta" ews" aetos de religion
& eeisS A'ha rte'&eso, a
toes nu9il1^|te rlkjtaaDinareeepk feo-
^ji^j 'Mui^^ii~k~mLifi 1^i% A -^ ^ -*A--&
SWUfMI --- -- M MWuBU-t) TIMBBU C


A peseso quo
mat abnhai do
Odlm Duaem
mUandal-o a
-'.ia4e ro


ncadeira o borrador
it: p enscrivania,
t., da cua doe Sr.
i grande obaequio deo
Qp que para nada I hes


S., ~5

I-tube


Por


semana


-I


*^Ha tarsus teHSw
m PeMnP-e TrC d.-
W 6ISm Sm Os 5IbM -M
m ma a'_ is g me


IF -4F-- paw .


0o aspecms'o B. maim &arl pam a
P qM~iBi|Rft HO Builao Qh~t-Assat fussri nn 4f
6 e IN 1. asc ifstlss
) .tiaymxtaa 0.f efiwto pnmpto oxwi omIM. 4
gru Qfa"MAiSiD awa, a forcaXa 0'tM iz
n 't a 4)w6; -a diffu 3atta' C
eap usn Auvan& U aS a memao@ hortn.. 44 bASS4w
AUPME LASNE .-f TOICO, ANTI-NERIIW
e n w aim d o aa 1 WS s, .4- n s a .
IhWE BEPIRATIVw '=s.. IODURETO U Nr P ii
r earn aeptwi*a Ga emc, eamen. T ob-mum, A 4ts. Sdo

IASOPE SEPTTll --rw.r BROWURETO fr POTAW
Mamw &t mtsga. 5,sWaiwDmas a t&ow. Emm".4i0sQIusem"da. s
amarS %a am" = a smsae mw S- sUs


I*


G.RAGEASj INJECQAO

Ak&cMtrf,Tr i, dll. ace~eane a/gum.
AOTIN, t Wforio as primeiras qu oberam a spprovaPordaeecademioa
'de =iud (In0) o que adoptaram-se nos Hospitaes. Cuam as molestia sscretSaj
I ai rebeldes sem atigar os estomagos mais cpoindos.
A IN@QJIO A o0FORTi sempre recommendada com o complement da medical. I
|opottoo em Persueo slce: FRAMN M. da SILVA & Cb. e nas princlipaes Pharmacia.|


ANIL1- -A


I
I
I
i


V


-- i _--" I- -
can& PETi 'A 185, T PARIS

hxrjm IR itiAL 104ykll uucl
UPW r MMRIPOCESS3S 4 fS9FMOf Wtt
"uub qj --, SIa qyaaajeowp e syaterms, Iujeoto.,
.1.'tfl---do Pa 'l ,.aaV to,. toat flacaide amadtraa ,
SAmdoas, 3cmUMB 0k keoqges para qusquer so. oft., eta
mAuSdmec 0 OATALOe iaXGO -
L. IaICMUb. 4 U I.&*e t bmeur, 34, rua Turbigo, 3S,- PAW
zEsS& w&vapor: AXALMLA, portoeP doPads.
Jace prod uctu tbne datd s ar
*neeacomwng "p~fr -172 -K 4, O -
'~~ ~ Lsf *"* "_ ll'e^tf ll*"^tlc~g^ *'-^^gM.~MM


'U-


iI n 1 IILkIl


I



C.1
fI^


.qywnm*rn- rr'xwww-5- --f-,, raw


A TODOS.

pnelyars aS isldp edkiulto; tamqepus
asosoyaraaOfaeo yjoara tolas as eaniBBB
Pars 0o8 males de ganta, bronohttes reafWlaentosa e tosses.
Tumores naz glandulas e toad a- mlcostias da pelle nal teem semelhante e pars os members
S IcoxtrnaIM a juncmteuas miss, obhm como por emntato.
rimV ml- andoyrnigradinamesftenoe Eirubdednmmo do Prouaar ipnnwAr.
'is, NmmEamW m M AwdA1: o
..Os compradores so l riMD a emiar s rotu- s de cad caina ote, se nlo teem a
_*________ .lM* T6ifl A Oxford saw%_______________


OLE# .fISADO de BA

1P z^I ^HS 11f^^^^^ '*t^ iB


4 Au


SToS OSlQE
,gae Qeo temn 0
i#Aab6u eafd. I
|MOtm ton ma-seso
1*,a~bfio daoP
Bniaofts befQu (lIar
4Dzplmide urn
'^Wf~meWi
Ad "Parrfi hoftst


FP i fr ea verdadeiras machines de

SINGER

eme nibidehartde Miprar agora uman destas afuaadas machi.
MSi?.
Vauu a sinInl da cipaia Singer ia


BUAOCABUGAN.IAr
I B.-Ve wii Weia liaMb superior, relroz em earriteis,
tgItas, Meo, lihUde crnchet, poas avulsas para as machines
todo de superior q alidade e per preqos sem compelencia.

Grmae estabelecineno


CASA


E
DE CONFIANCA


LOUVRE
Neste vaoto e bern sortide estabelecimento de fazendas e modas, cujas proprie-
taries nlo poupam esforgos afirm de bern servir asos seus numeroeos freguezes e amigos,
continuarao as Exmas. famijias a encontrar os prineipaes artigos e os melhores teci-
dos proprios para as mais primorosas toilettes.
Os Srs. agricultores poderlo preferir nos em suas compras, visto que pode-
offerecer-lhes tambom um born so-timento de fazcndas proprias pars trabalhado
campo e po prevos os mais razoaveis, em razo dc- :.s recobermos de ecn&
p.opna, dos mercados exportadores.
Os Srs. navegantes encontrarlo tambem um born tortimento do artigos pro-
prios pars viagens.
Continuamos a repetir que 4 de grande vantage preferir-se sempre o LOU-
ARE, tendo deo fazer se qualquer compra de artigos de boa qualidsde e de born gosto,
visto que se encontrarA constantemente um grande e variado sortimanto.
rit/Cit^ At N itX.
se eucontrar4 constantemente verdadeiras pechinchas; assim como urn born e variado
sortimeonto de roupas feitas (fazendo-se tambem Oar mruedida) apropriadas, tanto para s
cidade como tambem pars trabalbadores de campo, convindo chamar a attenflo pars
os preoSs dos seguintea artigos:
Superiores sobre-tudo de panno piloto a 156, 205 e 255000.
Madapollo Mariquinha, superior, a 44800 a peoa, corn 20 varas.
Dito Jangadeiro cearense, corn photugrsphia ido dito here, a 64200 e tam-
bem corn 20 varas.
Diversas outras mareas a 55500, 66, 66500, 74 e 85000, qualidades e quan-
tidades garantidas, e muitos outros artigos por pregos baratissimes.

Casa de confian a

Rna Prmei0o dl Manr 20
ESQUVNA DA RUA DUQUE DE CAXIAS
N. telephonico 158


FRANCISCO GURGEL DO AMARAL


Alenca.
A pussoa quo aununejou eomprar ou
pormutar umarns casa terrea corn os corn-
modos exigidos, dirija-se oA rua do Livra-
menuto n. 37, loja de oalgadqs.


72% las Alms -' belie
.e9o de mrerado aetWakm iesa regedora ea
do~hajrsaedo 4e pes-r, polo fiseqibaato. des dig-
aoq os. ex jmxsa Jo.6 Baroua 4e Melia a Dr.
Jcaqup Jos6 d. Fonoaeca, fawr eebrar na igre.
ja dets matris do 'orpo Santo, am qast, fAirs 19
do coae te, pelaa 8 boris oH, man, d smiauss
pelo d*. ,apo etunro do sias almas, qmonvida to-
4i os fimA"s em geral, bean coma aoi pantes e
,migos dos linades, para eaiatirem, eonatssnmdo-
de desde j i agradceid iqueUes que so digLarem
de comparecer.
Consistcrio duar, j. d. amo do Becife,
10 de sgpeto de 85.--0 .civi
Ckms4^ 'X rzes.


T- I --- T ,f a.. -w ,m-, ',pl-v "-r -W --



Mv e .7



es.p d .w.m 4 ai" ": ,e
Fiaca, -. eSi, .an mu-
,1>e efixtmmdo~4,deumm?r "Irl-wrn ups le-
ii pr MMdtt uw pgeusdst e uemupro empJR]ma

.e o o q q qisp a d
ftLifdo O Ap e'' griB^'fti swSSUaMm ^s


x -~--~--
c: ~w


&cs


AMAS
Precisa-se de duas ammo, urna para cosinhar e
eomprar, e optra para meninos ; na rua Nova n.
48 A, esqulia.


amoed Noraen de Oliveira
Jess2a L opoidina de Miranada Oliveira, seas
filhos e Jo&o Jo9s6 de Miranda agradecem do fund
d'alma todas as psesoas que se digaaram acorn
pkar oN resto" maorlaes de sea d sepr lnbrado
maario pal e genre, Manoel Morae de Olivreira,
- de no as cenvidiam para apsistirem as miesas
do setlno dia que terao lagar As 8 boris da manha
do dia 19, ana matriz .de .- Jos6, comfesaaio-se
ddede jA amnmmente agiadidos


TominE Franetleo C. de A-Unjo
Miguel de Pijueinxa Paris e sua familiar man-
dam cebrar uana miasa de setimo dia par aim'
de seu presado amigo e paremte, Thom6 Francisco
Correia de Araujo, pelas 7 1/2 horas da manha do
ia 19 do correne, na IMtriz da Boa-Vista; con-
Tidam aos sem parents e am*gas e os do finado
pra esta oltims .rova & epimade.


L
- Siwlista LH~R iyilves 4a
i & ^* OW tIftfRdL~Slr iiari~~~

Rota' Sa
ie ex-

*i*^SB&S8*^E-
JM||| ^


CoA .t -o
MACI FLEXIVEL E LUSTROSO
Iimfw aod- rJDUREAMaSAM.Utostifl


I'
Si

I

I-.


JiiMIES
Unlea legaJmentc auctorisado
pelo governor de Portugal, e approva-
do pelo conselho de saude do mesmo
paiz. mdpois de evidenciada a maefli-
cacia em 'reetidas observafOes mos
hospitaes omciiaes.
Cada frasco esti acompanhado de
urn impr s-o corm as observes doM
principapa medicos de Lisboa, reco-
enhbdas pelos consuls do BruiL
~ ~a^


Herva Homeriana
Remedio poderoao e efficaz para a cura
da-Tuber.ulose pulmon.ir chronic e de
todas as molestias do pulalio e da gargar
ta, licenciado pelo Ministei'io dos Negocios
do Imperio e approvado por muitns gover-
nos e juntas da hygiene 'a Europa, que
tizeram obrigativo o uso da
HERVA HOMERIANA
nos respectivos hospitnes.
E' usado tamrbem em diversos hospitaes
da c6rte e das provincias.
Uniro agents pars o Brasil CARLOS
BERTINI.
culdado eom as falsflceaes
A verdadeira e legitima herva 6 enr la-
tas redondas de 300 grammas ; cs rotulbs
sAo de papel branco tiuto em verde claro,
litograpkado em tints preta, e impresso o
parecer da iunta central da hegiene publi-
ca do Rio de Janeiro, letreiros escripto&
emr lingua national, firmados polo importa-
dor CARLOS BERTINI marca registra-
da acima.
Deposito nests cidade na
PHARMACIA E DROGARIA
Hermes de Souza Pereira..* .,
Successores
I--Rua larquez <.e OIIwda--
PERNAMBUCO


Tisica rPnl nar
ierva H emerlam
Ao pubico-muita attems5o
Ao abaixo assignado, unico asgntoe im-
portador da Herva Homeriana iceDciado
por direito do Governo Lmpenal .ob, pave-
cer de JUsts de Hygiene Pebies&A Rio
de Janeiro, coustando q euexisuaoo moer-
cado um genero que se vende sa& o I jw
acima de Hera Homerima, ,eI.mlpB,
cumpre o ever de previmir G Ao,
fraud de qua e victims deelara iqp dew
ja toma as providencias, poloa 0b Odm-
gas por quo se acabe comn o isi mi
abuso.
Afimn de prevenir as confatacoves eas
provaveis falsificanges, o abaixo aaSgps o
avisa ao public qu e os sub agents, ena-
carregados de vender iervaM iMk
ma, deverlo conservar expostos A vi.h
em s.,as casas de negociouvs cartlo espe-
cial, quo levard lithographado o fac simie
do retulo e da m a resregistrad, .a._a-.-i
nan lasas e p4eots, a tes t tamrumn'.-
sp & a ntoris2gode ovender tMni
sXa, asuignada por 4 a. .
redoudm e s pammceftyiefvo-1 _..a -. "
petentemente registrads, as w~ ih*,-
las @ Eatsn terjo a fima m oune i.de
CR.MOS --BRT a Etb u r ..
frontespicio da caw .e o do pM -
a decreto do Govemo w
., o PA"... '.',.,, -.
fps'.- 0"

.. ,qL^..tI *
Q. .N ,. ,_'^. B -^B i ,

i ; '' .! -b ', ...


- .


I







<'K
t ,'*




i ,*


Im


M,


*m*wwww~mM-


i


IW


Mir_-Nvmn


P=^^^^


todcidk) a srciivat& *4--ib- -

miedicost* da &e~l^twpr!tVfla


*Ci^-i"-;
































ell,


en


A IL.+-l aA 2h"V


Ill


I-1 1 il0 ab ao AiaJMod ied^edidonf
bilhotea gerantidos 4
quotes a.. 1,487. oBm a sort de 1 :000,
ahm eas aortimde 32#y,16#ea 84 ,d
lotesis (143.'+ que se acabou de extrahir,
convida aos possuidores a virem reteber
aas coaformidade do costume sem desconto
Acham-se A venda os seus afortunado,
bilhetes garantidos da 229a parte das lo
teris em beneficio da Santa Casa de Mi-
aerieordis do Recife, la ptrte, que so extra
p hirA quinta-feira, 20 deagosto.
1rn, osE


Inteiro 4WOO
Meio 2000
Quarto 16000
l quantldade maotr de 1009
Inutiro 3b00
Meio 16750
Quartoo 875
Manod Marins Firma.
Ao publico e ao cown


mercio
0 abaixo assignado, pelo present declara que
neate. ouprpu aos Srs. Floriano Passo & C.
o 0to de molhados, sito A praga do
C(amji l sivW eodesembaraadoei todo e
n q* pow& appmeer Recife, 13
doa gtUt.' do851 ".''' ,_
JoA Pinto de Figneiredo.
Alg'iel barato
Aluga-se o primeiro andar e sot6a L rua do
Caldeieiro n. 4, corn excellentes commodoes prm
famdU a tratar no Vargo &d wercado n. 12.

Urgente
Predisa-e algar uma eaateTre,.graa-
de corn andar em cima, oa umnaitiona
mman& condi$ s. para dms families. Do-
soja&..se queseja em algunma das linhas de
belaf ou via-faroa do. CaxangA, a quo
8+ nos tlguiteslngares-: Passagem,Fer-
naades, Vieih m Camninho-Novo, Torre, ou
otvo qualquer lugar que nao seja muito
ditante da capital, cartas corn ma iniciaes
W. W. n'esta typographia.


AagaIse barato
Os arm mems -n. 13 do largo do Corp Saut
com n comunicaao corn o de n. 4 A, no caes da
oempanhia Permnambuean a corn guindaste.
A casau n. 5 do becco do Tambii.
0 sitio n. 7 dw rua da Aguazinha, Beberibe.
L.o andar da travcssa do Campello n. 1.
SCa. do Corredor do Bisbo n. 18.
Rua do Viande de Goyanna n. 107.
A sa da rma do V scende de lotas n. 41.
A. cans series na.m B, un $aixa Verde,
A casa da rua dos Guararape n..' 96.
A tratar no lago do oo $asto. 19. primeir
audar *.** ______
"Oivite

Achando -se centre an6 o Sr. Jonquim Henrique
d4Siiva, fiadador do Instituto Juridioo da Pa-
rahyba, coavida-se aos Parihybanos residents
ntas provincial, para -e reunirem segunda-feira,
pilas 4 horas da tarde, io jardim do Qampo dad
Pmic 'as, Hfimn de eoomnrimeutar o beoeoerito



oomf~mein ___
a 6a6 rea. 6 d orgo,
^S-qnttto luj 2 _100a, Asrite, Iralde _,ta e
Sestk esiad pintadsk: u sdo Ba


Ifih do am. amS. $ario de Tracunfaem, qauei
W s mauida a ruga D jque doAs Caxs u. 73, con-
*1sr o negmo que nb al gnora.


eleacoamIabiWi-
s -av:evder, mi*s


iqluer, visto- reee-
rvm -AlSrwwtfTimpn4P..


tproeasi
te-s nos ic


i tr + s6tmba Tdostos 0 re
S, ,; velidos nesta
o fogo do assentament, podem ser exa a- arantidos.


das as que toram asseni
!lm, eni Timboasu', C
Diamante em Goyamn
mara e Lages em Itam
dAlho, .e outros' no Ri,
Parahyba. .
Chamam a attenao
para os novos vapores
dcreditado fabricante I
mendam pela facilidade
tamniento e economic de 4
de mencionar os engenI
locado, porja terem yen


lugares,

cidos.


e por isso a


Sao os unicos recebe(
teis de Fowler que se
veis pela facifidade da
duramio.
Quanto a moendas, r(
tidas e fandidas, e todas
cisas a agricuitma, t~m
sito, sendo tu o, da mH
Vendem a prazor 0m
onto.


I


iJOSEPH KMR
Acabanndo ang


I,




3

0


logics
casa


tes nos. engenhosie- lie .; n -
ucati, emGamii^ rae 14
a, Pao Amarello, Ca PREPARADOo
0 POR
i, Vidra o em- Pio OR NL',,
o Grande do Norte e ainon..oe deperi teis )
o, doNotee acfita adeutivlo e evita as convul-
$f1e1. "
Eoth importante vegetal brasileiro, da
dos Srs. faagTCltores mi d Etphorbraaeas, estudadoe ap-
d n agri r phead0 pelo autor em innumersas creanua
que tAm recebido do e sempre coon excelletes reanuitados, ven-
e .d de-se na
iobey, que se recom- Pharmacla do .D Ablu-
43 Rua do Bstlo da i Vieoria.-43
Sde conduciao, assen- dPERNAMBUCO
n oAgencia em todas as provincias.
combustivel, deixand6 aga e pouas
lOS em que os terncol- Sard P os
e A herpetina vegetal 4 o unico remedio que cura
idldo 85r ara diversos rapidamente as ardas e pannos do rosto, retfi-
id 85 para ivr Ua0mido a cutis a sua primitiva veluaes : vende-
nso unicamente A rua largs do Rosario D 34, phar
evem ser bem conhe- aci___________
Luabrtilkante, semn Fuwmo
lores de trilhos porta- A I .nm
tornam recommeiida. WIW
collocaqAo re po sua Hygienico e Economnico
PARA LAMPARINAS
das d'agua, taxas ba-
as mais ferragens pre-
sempre grande& d, po-
eIwr .qiaJ de.
a diieiro cor des- i _




ABUSE a c.
AU'19 t,,C15o000
-w Aln~se o pavimento terreo da casa A ma de
m i& SalildA Lormna Valentinas n. 55; atratwna thesouraria
Rs I It uueE (it ntlrilud dat lotenas da rovincia rua do Baroe d% Victo-


*inItabt estakieumb i run 1o
de nro L6 eom mis


a sale to mUiltiumm e tpe prol


lode ohm bdm^al dsfhuI. e eleir.-plale
S dos a ris w ,fablieles do
Biiut ifeie

Couvidar, pis, as g-rame., falis.Seos nane,
ros~s iOs e fegues a visilaMve
lo tse tleimBi ai dn



--+z~. bm++g ,MR. co j
apfeu~ij^rafazae kipstcmI


Kun.


t~A~


ria a. 14.: ...


Ji& F "Astubvg,


Os Wbaim ass#dQ'
ue = Astait vend-eram ao Sr. 7os Plnto de
aote Btabelecimento do moihados, sito A
praa fo ~sded'Etin. 0, uirn e dembuagaad.
edoe qqquer onusm q posaappeeoer.-
*,i +.;" ian r 4 a 'e .
:*+:., r ,+ ,++ ^:/ J w .' U ^ C


.a-s op6nor -author.iva
Exiia-seo neoae do author.


2w000
15500
25000
15000


e i# rs,
CbsgouIpaSa a loja dos-Beratiros da Boa-Vistm
Srua da Imperatn o. 40, m grade sortiment
d. mais indasetetas lavradas, tendo de tods
as cores, as ais novas que tern vindo ao mtecadfe
a vend-se peio barato preo de 500e 640-rs.
to a loja da esquina do beeco dog Fewrrro.
FuStehsnwa a4", SO
640 rs.
SAlheiro & C., & ra ds Impeatrisz n. 40, veb
dem aum delicado ortimento de fustoMs brancoi
proprios para veetidos e roupas de creanas peloi
prego acunma indicados; isto na esquina do bece
dos Ferreiros.
Canirag Inglezas a 2"00 t

Na loja do. Brteiros da Boa Vista, vende-.
uam elegant sortimento de cazemiras de duas lap
gunras, ,sendo minglezas e corn mbenitas cores, pei
baratissimo prego de 2$500 e 2J800 o eovad&
seAdo mnuite proprias par coaftmes, e das met
mwas tambem s- mandam fazer costumes muir
ben foitos.de palitot, calgse e collet per pw30 ,
355, A grande pecinehbi : na loja da rua da In>
peratriz n. 40, eoquina do beeco los Ferreiros
Espartilkos
a 46 e 6
Na loja da runa da Imperatriz n. 40, venae-
muito how espartilhos pas senhoras a 5A5M(
par meminas a 44000 ; assim como urn bonit
sortimento de fichis de U200 ate 3;000 ;imr
nas loja rt, esquina do becco dos Fefireos.
Merits pretos
A 189)o, 18400 e 14000 o eovak.
Os barateiros da Boa-Vista, runa da impero
triz n. 40, vendem muito bons merin6s p-etof
pelo barato prego de 1200, 1A400 e 180G o ce
vado ; assim comb sortimento complete para lute
s. ado chitas, cretones e casemiras ; isto na loj
da esquina do beeco dos F rreiros.

Hrn- Becanto
Vende-se on arrenda-se o engeDho Becanto, si-
tuado na comarca de Serinhiem, moente ecotrreD
te d'agu : a tratar usn rna do Born Jesus n. 2
escriptario de Manoel Ferreira Barthoto & C
Piano
Vende-se pelo barato prego de 15000 urn piaw
de armario, um pouco antigo o qual precise d
concerto; para vet e tratar na travessa do Corp
Santo n. 27, armazem.
Vevde-se duas casas terreas corn sotea, sen-
do uma & rua de S. Jorge n. 55, outra A rua do
Tuynty n. 7; a tratar na rna de 8. Jorge n 55.

PechuichasI! II
PJoch -iAAnlB.hJaCA
SM as seguintee piaa acabar:
Brim pardo lona superior a 300 rs. o covado.
Idem idem corn amun metro de largura a 400 Wrs.
o dite.
SMalesquins fines a I$800e 25 o c6rte.
Casinetas superiores e meia casemira a 2000 e
2;500 o dito.
Casemiras inglezas pars calga, corn pequeno de.
feito a 25800 o dito.
Idem superiores a 4S, 55 e 61 o dito.
Idem de 2 larguras para roupas a 15200 e 15500
o covado,
Idem preta diagonal a 25200 o dito.
Planella ingleza para palitots a 14 e 25 o co-
vado.
Cobertores do 1 de cores a 25 urn.
Colbchas fi-ancezas a 24 urn
Cobertas de gang pars cams do casal a 35200
uma.
Lenm6es de bramante a 25 urn.
Darnascos de cores para mesas e panno de pia-
no a 600 rs. o covado.
Idem par& mesa a 1550 o dito.
Popelinss de seda pars acabar a 320 rs. o 0o-
V1do..
Alpacas finas farta-cores a 360 o dito.
Setiietab bordadas francezas a 50t0 rs. o dito.
Qachemrira e merinds pretos do 2 largutar a
15 o 15200.
Diamaces de seda pura novidade a 14 o covado.
Entradas de baile a 25, 45 e 65.
Piehis de cores a 15500, 25 s 35.
Camisas bordada para senora a 35500 urea.
Bias idem pars senhora a 45 e 65. Sao ricas.
Cortanados bordados para cama a 65 o par.
Colchas de crochetes para Exmas noivas a 105.
Grinaldas e veus idem idem a 125 e 155.
Setim bronco MacAo idem idem a 15 o covado.
Setineta branca final idem idem a 600 rs. o dito.


Irlanda superior pars vestidos a 320 rs. o dito.
Meias finas para senhora 55 e 65 a duzia.
Idem idem crias pars pregos rasoaveis.
Idem pars home a 3500, 41500 e 60 a dita.
Ceroulas bordadas de bramante a 125 a dita.
Camisas francezas finals a 805 a dita.
C6rtes de. gorgurao preto para collete a 2 uam.
Redeo. de cores a 4U.
Idema superiors corn 4 punhos a 154.
Qrande aortimento de bordados de setinetas fi-
imWnmasi a 77 e lI.
I4e bnas a 1a200 e 14W0.
UMdapolb largo a 5 a a corn 24 jardas.
AigodiasupTmor a3 corn 20jardaot
E muito artigos quoe se vendem potr menos 20
por cento em oautt parte.

p alM to

,UlmOR. W-1S


I I


Bramante de algod o corn 10 palm o de
largura, proprio pars fazer leng6es de
um s6 panno, metro 1825
Dite inglez de quatro larguras, eado
de linlio, metro' 25(
Ureguellas proprias para-lengoes, toals
e ezolas, sendo faenda muit encor-
pads, cads pe"s corn 30 vera a 140,
e em varat
Ditas com a mesa iodida a 11508,
e em varas, 4m
AtoalhadO d aeo para toasuma do
men, tendo palms dee-
tro ?.-e l
A soim como urn Asplto ioEe A|Ioe
P"."a de al0 ao11 o iftihK-*
iuoezu 9w 4e0 aidew a pogs -4.
,Igoe as loia da ewquina do becco 4&W^(~^^<
l*. us buds" ^-.f^, *"- aai.^fiASa~~


- :C


IMA6


J]


i


V


di


A~ieir & C., a i a

&atA OWO o (wnwl, le doi

too ate, o "isa 610,Mdr


* 11 eom counw
*1dtie&a. Bb A UK"^^!^
d eu d o ..p ai 4 a1 e ~ el 0 & -

*nhoa parasenoa 1, "am",':, 1.^;^;
aravatmag gmado varioedade,
Meias ermas, braeca, do core.o-e -& .
Capachos, tapetes, malaa, osteira*,1 bo hIm *
ho, brims brance de oe, ut, pe
rias etc.. etc.
Papoula C.
i SRua f@ CaibiA-4
Em frente a matris de t;;7aXfAntOiO
L A COATS
Luatrosaa x para mac/dma, e a r
iarv assto: Para m*acAoa ome para om I144W
-No e usa mais linha em ovenlo,-
Pede. lt em aoarretel omo 00Me
J.&P. COATS -
Cal nova de Lishoa
Oleo de mocot6
Iolassa da Ru8sia
Yendem a pregos sem competencia -
GItmAree & Valeute
Corpo Santa n. 6.
Cakiolel e vittoria
Vende-se um cabriolet e una victoria em pr
feito estado : a tratar na r a Duque de Cadj
numero 47.

Sellins baralissim0os
Aprovelte quem preelmar
Esta-se liq- idando por barato proego selftl,
arrioa e mais artigos de selleiro, pars acabar : '
loja A rua l rga do Rosario n. 28.

Roupas para homn
P03
PreVos baratissium
Rua da Imperatrlz m. 40
LOJA DO S BARATEIROS
Paletots decasemiras de quadrinhos, fa-
zendaque se lava 65U06
Dites de panne preto fino, faizenda muito
boa 750O
Ditos de casemira de quadrinhose liUstri-
nuhas, rforaio s 8W
Ditoe de caemrari e ras formidos 84M6
Ditoe de caemiras de cores olarae ea-
euras 10loa
Ditos da cisemira de cordo, de 105 A 1 25
Ditos dc panno preto fino, forrados Mk
Calgas de casemnirau corn difierentes pa-
dries, de 55500, 64500, 8 e 10i
Ditas de casemira dc eordlo1
Ditas de casemira preta seda a 8a e1 0
Ditas de caammra pteta 6fl
CYoi, &AOeerUella, obra muito bem
feita a la 1E2 e lo
Dia dc Hamburg de linho a 18000e W
Collotinhos pam dentro, sendo de ere-
guela e aimulto bem feitoL a 800 0 101
Camisam6 grade sortimento de camina
brancs, tanto francezas como izi-n oha ,
tanto de linho como de algodbp, se=do
deo 25, 25500, 8, at6 66
Meias, grande scrtimento de media. erua
rahomneis, de 320 rs. o par at 702
Toalhas, grande sortimento de toalHams,
tanto pars rosto coma para bwiho, que
Svendem por pregos mmto raoaveis.
Tudo isto eom grande redugbo deprogos: a
loja da esquina do becen dos Perreiros.
Fazendas braneas
Na loja dos barateira
da Ba-.ista
i-Ruda da I peratrJz -w
VAE^ D -SE
|Madatnolde ear 2( vara. 4W
Dito trancez, fisenda .mntoi oseurpada,
corn 20 vara sa5, 5500, 6, e 6s500
Dito ferances, anercano, fazenda- multo
fima, do 75 at6 1250XK
Algocio enfestado corn 9 palros de lar-
gun, propria pars tazer lentcs de um
s6 panno, metro, is. -01
Dito trangade corn 8 palmos de largura,
preprio pars lengdes e toalhas de mesa, -
metro 15fl13


































a pprovi


.especial, -urn
re a camera approval
*A 4,4cUssio.
Celso Junior requer, mas
arejeita, votaco nominal paras o

ai votaglo do art. 48, quo 6
to com todos os seus paragra-


phos.
q Art. IV. ,os regulamentos quo expe-
dir para exe.Wouo desta li o governor de-
Sterminark:
1 As relates e obrigages dos libertos
para corn seus ex-senhores o vice-versa.
2o As o'brigacoes dos libertos quo con-
Izatarem seus services e as das pessoas
qneuos tomare parsa com aqauelles.
1 10 PoderA estabeleeer penas .de multa
at6 200#00,o e de prison corn trabalho at6
30 dias.
1 ..2o Estas penas serao impostas polos
juizes de paz corn recurso voluntario para
o06 juizos de direito.
S 3* Os contratos de looagao de servi-
9os seroe oelobradbs corn intervenglo do
curador respeetivo.
4. No'processo, que se estabelecer, o
governor determinarA os deveres dos pro-
motores publicos como curadores dos liber-
tos e dosjtuiopes de direito como fiscaes dos
actos das ,autoridades encarregadas da
protecago dos mearsmos libertos, bem como
dos juizes de paz, podendo estabelecer
multas pelas faltas quo commetterem.
| 5 Ineorrerlo na multa de 500, a...
1:A00 8 os quo seduzirem ou occultarem
escrrvos alheios.
S 60 Sao eompetentes para impor esta
multa os juizes do direito, corn rocurso vo-
luntario para os presidents das relagoes dos
respectivos districts.
S7 A imposiglo da multa, do quo tra-
tam os paragraphos anterioresr nao exclue
a aclao criminal nem a civil, para a satis-
fa&go do damno causado.
8o 0 governor estabelecerA em diver-
sos pontos do Imperio ou nas provincias
fronteiras colonies agricolas, regidas corn
discipline military, para as quaes serao en
viados os libertos sern occupacgo.
90 Os regulamentos quo form expo-
didos polo governor serao logo postos em
execugo e sujeitos A approvacao do poder
legislative, consolidadas todas as disposi-
93es relatives ao element servil constan-
tes da lei de 28 de setembro de 1871 e
respectivos regulamentos que nao form
revogados.
Entra em discusslo o art. 50.
Ficam revogadas as disposiges em cqon-
trario.
0 Sr. Frederleo Borges uA qua-
lidade de representante da provincia do
CearA, julga-se no dovar de pronunciar-se
na questao do element servil.
Preci.sa em primeiro lugar de estaboelecer
a defeza da sua provincia, tantas vezes
accusada injustamento por ter praticado
um acto humanitario e de verdadeiro-civis-
mo, qual a libertaglo dos escravos.
Disse-se que depois do hayer o Ceara
transportado para o sul os seus melhores
escravos, e enriquecido assim o mercado
de carnme humana dessa part do Imperio,
entendeu que era tempo de dar a liberdade
aos velhos e invalidos que ainda Ua ficaram
e por isso serm grande difficuldade remiu-
os a todos do captiveiro.
Semelhante affirma~go envolvo uma in-
ltia rovoltante, porquanto as estatisticas
dos diversos municipios da provincia de-
monstram de um modo cabal que a major
part dos escravos que al~imarmente se li-

FOLBETIE


0 PRINOIP DI MfORIA
POR



TERVE1RA PARTE

(Continuacao do n. 185)
XXI


Levantou a cabega e avistou A sua di-
reita, em um caminho transversal, o coro-
nel e a filha, que dirigiam para o seu la-
do os seus cavallos A redea solta.
Em umrn moment chegaram os dons ao
sean lado.
S Onde vais? perguntou lhe o coronel,
apoando-so.
Jacques, disse a menina, voc6 par-
tia ?
Eu partia, balbuciou Heitor.
Fntlo, tornot o coronel, o doctor
aio teodiame que esperasse a nossa volta,
quo tudo se arraniaria e qae Suzana seria
te'sti~-f:1..,- ',.
_:864 Iexamo o prlncipe, Su-
sn-hor.
Pin mulha I R olhoa
aom Um Alar Alsio de, aorrz do feli-
Sd i a ulher ... e .,
IC ailo pr essa do auinunciar en
.tid& SON ulos amigo',


do
atf
nu
ab
fe,
tei


a todcs aquUelles
abilidade desi p
uandes sacrificios c


dever de de
iassumiram a
fnda, e que
Bramn para o


trin umpho 4a causa da libertacgo na sua
provia"a o em todo o Imperio.
Para contraditar aquelles qua disseram
na camera e na imprena quo todos quAn-
too so achavam A frente do abolicioimo
nada tinham a perder, diri que estw m
sua provincia eram sahidos das principals
families, tinham nome a zelar e responsa-
bilidade official a master. Muitos delles sa-
erificaram empregos rendosos e bens de
fortune a prol da id6a abolicionista.
Faz o historic da primeira sociedade de
libertacgo formada no Coara, e, das quo
odella so dirivam, e mostra oa embaragos
que o governor oppoz sempre as triumph
da causa a quo so dedicavam sous desin-
teressados propugnadores.
Os adversaries da emancipago acoima
ram o Barao do Ibiapaba de maior nego-
ciante da care humana na provincia do
Coarai. Outra iujustiga revoltante; porquo
a provincia inteira da testemunho da gran-
deza daquella alma, que jamais reculou o
seu concurso generoso para o progress
da sua provincia e do paiz, e jAmais poz
obices ao desenvolvimento de uma id6a ci-
vilisadora e patriotic.
Lamenta quo o espirito politico esteja
tio c6go e obsecado neste paiz, quo os pro-
prios corroligionarios movessem crua guerra
ao orador no intuito do afastal-o da cama-
ra sob o pretexto do que elle defendia a
causa abolicionista.
Mostra que 6 na opposigao que os
partidos so retemperam, so elevam, se
tornamrn mais unidos e mais fortes; en-
tretanto, o partido conservador, quo tern
uma grande misaso, quando lho assisted o do-
ver do rounir os elements necessarios pa-
ra mais tarde to mar a responsabilidado do
governor, assume a triste posiqao do Satur
no de executor do seus fflfs ; 6 dolorosa
esta parte da historic da actual vida par-
larnentar.
SResponde a uma observaglo do Sr. pre-
sidente, quo se acha discutindo o art. 50,
porquo as observages que tern feito e vai
fazendo prendern-se intimamente A political
e o art. 5", derrogando as disposigoes em
contrario do project quo so votou, 6 alta-
monte politico.
Pergunta so sera crime ter-se collocado
ao lado dos conservadores da sua provin-
cia, que segairam a bandeira de Rio-Bran-
co, do Sr. Duarte do Azevedo e de tantos
outros.
0 Sr. Bezerra Cavalcante: -Nao ha na-
da mais nobre do que um mogo rebelde A
prepotencia.
0 Sr. Frederico Borges historic os effei-
tos d% lei do 1831, os esforgos de Euzo-
bio do Queiroz, erguendo-se depois deste
o vj,) d1d Visconde do Rio Branco; nem
se Jiga que o procedimento dresses estadis-
tas provinha do poder moderador, mas
quando proviesse, honra e gloria A co-
rOa, que se collocou a frente dos seus ho-
mens politicos. (Apoiados.)
Analysanda o procedimento da dissiden-
cia conservadora de 1871, quo desunio o
partido at6 que foi votada no senado a loi
do 28 de setembro ao sorm do enthusiasm
public, send cobertas de petalas do ro-
sas as cabegas dos venerandos ancioes ;
mais tarde unio-se de novo o partido con-
servador e 03 maiores adversaries da-
quella lei sao hoje os seus melhores auxi-
liares.
Estranha, pois, vei o partido conserva-
dor dividido para sustentar 'um project
lado uare da outra, e quo elle facilmente
reconheceu.
0 criado, vendo-o entrar, trouxo luzes.
As duas pessoas levantaram-so quando
Maximo chegon, e uma d'ellas, approxa-
mando-se d'elle :
Esqueca tudb quanto so passou, Sr.
Maximo, come eu tambeim quero esquecer.
ELntre nos nuo dove hayer mais hostilida


de, porque nao sormos mais rivaes, e a
profunda amizade que a Sra. Suzana toern
a sen pasi obriga-me a offerecer-lhe a mlo.
Dizondo isto, o principle de Moria, cujos
esforgos para ser calino e para sorrir eram
mal dissimulados, estava em p6 diante de
Maximo, de mao estendida. Suzana, indo
apoiar se ao brago de Heitor, offerecia ao
filho do medico o espectaculo doe um gru-
po, cuja intimidade encantadora dizia mais
do que era necessario.
Maximo sentio-se empallidecer; mas,
appellando pars o seu sangue-frio, fez urma
carets, que quiz quo parecesse um sorriso,
e tocou corn a mao a que Ihe era offere-
cida.
Como se se tivessem entendido pars dar
a essa demonstraogo apenas o que era jus.
tamente necessariu para satisfazer as con-
venioncias sociaes, os dons homes recua-
ram Ilgo urn do outro, e Maximo, toman
do a palavra: 1L
Eptimo ver que os fervores devotos
da nosma querida Suzana cederam a ou-
tros imuosn que., por serem mais sim-
ples mais vulgame, nao slo menos legi-
timo. A rapidez, por6m, d'esa mudaa.-
$0, PUV6 I= m i- e.
%Oh I ,umOiw d~ e -8uzatn, sor-j
.AsANab u U,& o mn ,m~agroQ,


,votos a de a dstsiencia liberal, porr sso
nao apparoI m rmoges smto em rela-
,no ao project do elemento servil, e nested
pontd o orador no era capaz loe mystifi-
car o sou papel ie deputado pela provin-
oia do Ceart.
Affirma quao no tove compromisso al-
gum corn o gabinete Dantas (apoiados,)
que ainda hojo nao conhece o oiador; a
a sus posigoo foi a mais independent, por
qvoe o chefe do partido conservator na suna
provincial deixoun complete libordado a seus
amigos em relaglo ao project do elemeato
servil.
Rotrata o Sr. Audrade Figueira como a
estatua da lei, e o orador, como abolicio-
nista, applauded o nobro deputado quo acre*
dita quo a lei de 28 de setembro, votada
contra seus esforgos, ha do extinguir a es-
cravatura atW ao fimn do seculo, sorvindo
melhor o seu partido do quo aquelles quo
deram as maos ao Sr. prdsidente do con-
selho, afimn de levar avante a retorma que
so discute.
Entende, entretanto, que o partido con-
servador estava obrigado a fazer esta re-
forma como fez a do 1871; tanto que o
Barlo de Cotegipe disse n'um banquet po-
litico quo o partido conservador poaia, que
ria e doevia fazer a reforms do element
servil.
Observa que este motto tern sido gloss-
do por todas as f6rmas, at6 mesmo para
acompanhar-se o Sr. eonselheiro Saraiva,
quando o partido conservador devia con-
solidar suas forgas e estabelocer um pro-
blema de reforms social pars legitimar a
sua posse dp podor; entretanto pratica um
acto inqualificavel, ajudando o Sr. Saraiva
a desembaragar-lhe o caminho do trambo-
lho do element servil.
Responded a apartes, que o partido libe-
ral so acha dividido do modo quo nao tern
os elomentos necessarios pars dar ao paiz
esta reform ; portaato era a vez do parti-
do conservador apresentar-se pars fazel a.
Demonstra que a opposito feita pela an-
t~ga dissidencia ao ministerio Dantas era
today pessoal.
Sentia entio confranger-se-lhe o coraglo
quando se pronunciava em apartes contra
os seus corroligionarios; mas mais tarde
estes justificaram o procedimento do ora-
dor e dos seas amigos, collocando-se, po-
r6m, em condiggo muito menos sympa-
thica.
Nao acredita em transaccAo, em accor-
do, cm paz geral entire os partidos para a
realisaglo de urma reforms social; quando
esses partidos t6en id6as oppostas sobre
essa reform.
Observa quo o Sr. president do conse-
Iho declarou que nunca so responsabilisaria
por um project tao atrazado como o do
seu antecessor ; mas, sob a capa de um
abolicionismo, o project quo a camera
scabs de votar nada mais 6 do quoe um
salvaterio pars os bancos do pait; so ti-
vesso tempo, o orador demonstraris que
este project vai sustentar per algum tem-
po mais os bancos quo so acham A port da
bancarota.
O Sr. Rodrigues Alvcs :-Corn relagco
ao Banco de S. Paulo esta o nobre dopu-
tado enganado.
(Ha outros apartes.)
O Sr. Frederieo Borges demonstra a
somma de prejuizos que o Banco do Bra-
zil tevo em 1884: na sua carteira hypothe-
carsa.
Sente nao poder acompanhar a reforms,
porque o Sr. conselhoiro Saraiva lhe me-
rece consideravgo e rospeito ; mas os tres
annos de servigo obrigado aos sexagena-
rios 6 um acto de fraqueza, 6 urna triste
pusilanimidale.
Acha que, declarando-se S. Exe. aboli-
cionista do coragbo e de ideas, devia sus-
vai partir pelo trem da meia noite, men
carol Jacques: vou expedir um proprio


pars p6l-a no correio. Assim ganharemos
um dia e poderemos fazer oorrer o prinei-
ro preglo no domingo.
Depois, voltando-se pars Maximo :
JA que falio em carts, men caro Ma-
ximo; nao quero esqueeer-me de entregar-
Ihe esta, que trouxeram parasoc6.
Maximo abrio a carts. Era do Sr. de
Valbreuse, o procurador imperial de Caen.
Eis o quo ella continha :
a Meu care L6cuyer.
S Quando veio visitar.me nvm Caen, o
mez passado, perguntou-me noticias de um
home chamado Jacques Cointel, unico
sobrevivente do John Arthur, e come o
acaso p6z-me na pista d'esse personagem,
dou-me press em communicar.lhe noticias
d'elle...D
Born, disse Maximo de si para si, oneu
bern sei que fim levou esse home.
Ia better a carta no bolso, quando leu
as seguintes palavras:
a Jacques Cointel, nascido em Arras,
estate hoje sa Martinios. v
Maximo, singularmente admirado, langou
rapidamente um oilhar a Heitor e continuous
a ler:
SCointoel, "depois de breve demora em
Franga, foi chamado a essa colonial pars
um emprego, semelbante AquUe que jat
ocoupou, quo foi-lhe offerecido per urnsma
casa do Havre. ot n'essa cidade que elle
embarcou, ha sete ou oito mezes. Aeres-
cent quoe as suas ultimas cartas anmnoia-
yam como provavel urma viagemn A Frauga,


no mez
SDit
Chante


sstas poucas palavras
M do 8r. Bodier, onde di
ehti em vilegiatura corn


4 qrin Wt|pe Iar o Ls amen'tas q o Srpresidenteo doeon-
...e .. ..ddhq
sfi, .%ores. selho nao sorestivess e na declarago que
lpoudaap r-tequnoe v6 id6a von- fez ao apresentar o son project. Se S.
edora; se existed id6a vencedora, 6 a aa Exe. mautivesse aborts a quertao da
redompgAo da raga escrava. (Apoiados.) emancipacao em tedos os sous ptos, cer-
Petgnta e o :cotes ublc, sse aham o.. ... spocos
FPergunta so os cofres publiacs se acham tamentoe no alienaria a adhesio de muitos
em estado de pagar qualquer valor por de seus co-roe igionarios A present re-
urma propriedade que 6 apenas tolerada e forma.
qao 6 um crime de lesa-civilisagso, de ,Passando a fazer considerag3os sobre os
lesa-humanidade e de lesa-politica. varies artigos do project, ao qual o Sr.
Se lhe iosso dadoe apresentar um pro- president do canselho imprimio urna fei
jecto de emancipagbo, daria liberdade im- go emninentemente conservadura, pondera
mediata a todos os escravos do Brazil. que nu ha, nas difficeis circumstancias
A discussao fica adiada pela hora. que atravessa o paiz, que sinceramente
--- doseja a abolicilo immediata, quer cnam in-
SESSAO EM 4 DE AGOSTO DE 1885 doemnisagIo quer serm indomnisagio, porquB
PRESIDENCIA DO SB. PADUA FLEURY qualquaer destes dons systems acarretaria
Elemento servil. inevitavelmente a desorganisacao do traba-
Continuia a 2a discusslo do project n. Iho e consequentemente a ruina do paiz.
1 A, de 1885 (art. 5), sobre a axtincgbo 0 system adoptado na libertaaio dos
gradual do elemonto servil. escravos do grande part da provincia do
0 Sr. .Joaqulnm Pedro pedio logo Rio-Grande do Sal, per meio do servings,
em principioe um lugar no debate solemn comquanto desse alli bons resultados, nao
quo se ia empenhar sobre a mais importan- se anima aconselhal-o para ser applicado*a
to ref6rma que tern side apresentada no outras parties do imperio, que se achamnem
parlamento e s6 agora lhe cabe a honra condigces economics muito diversas coin-
de export a sua posigbo de homemn novo parativamente Aquella regiAo.
na camera e mais ainda a de representanto Portanto nao propo nenhurn destes al-
de urma provincial quo tern id6as assenta- vitres. Quer quo o problema seja resolvi-
das sobre a material de project que so do sem perturbar completamente a fortune
discute, assim come a sua attitude diante particular, sem desorganisar o trabalho e
dos gabinetes que tmrn agitado esta ques- rom levar A desordem, condig5es muito es-
tao. pociaes comparativamento Aquella regiao.
Ha muito quo publicamente o orador so Manifesta-se contra os impostos addicio-
manifestou sobre esta question ; em confe- naes, e diz qua ha do apresentar unna
rencias publicas na sua provincia pugnou emenda isentando desses impostos as pro-
pela aboligao da escravatura o tevo a glo.- vincias que, come o Rio-Grande, tern li-
ria de ver urma grand part da heroic bertado os seus escravos.
provincia do Rio-Grande do Sul constitui- Mas para a libertagao immediate nuo
da em patria do homes livres ; foi em no- propoe nenhurn alvitre, porque nao a quer,
me dessas id6as, combatendo per ellas dia attentas as cireumstancias do paiz: o que
por dia, que alcangou o mandate quo lhe quer 6 a sol'b91o do problema sem abalo
abrio as portas da Camara. da fortune public, sem desorganisaga-o do
Sente que a estreiteza do debate nuo lhe trabalho.
permitta justificar o voto do confianga quo Entende que a tabella da depreciagao
den ao gabinete de 6 de junho, e quo da- dos valores, primitivamente apresentada,
rA a todo o governor quo se inspire nos satisfaz melhor os intuitos emancipadores,
principios severos da justiga, nas regras comparada corn a actual, e sent que o
da moralidade political, na rigorosa econo- project, em vez do disposig5es conciliado-
mia dos dinheiros publicos; mas a con- ras, consigno amedidas que mais o tornam
fianga political s6 a dara. aum govorno que anti-abolicionista do quo abolicionista.


tome a si a gloriosa tarefa do levantar o'
nivel moral da organisaglo social, for-
mando deste grande imperio um imperio
ainda maior, o da emancipagio da con-
sciencia publics. (Apoiados.)
Prestou a sua adhesao political ao gabi-
note de 6 de Junho, porque esto baseou a
sua politics no espirito do seculo, reconhe-
condo o mais sagrado de todos os direitos
do home e preparando a grandeza futu-
ra da patria (apoiados); mas nbo contra-
hio compromisso algum, porque na sua
provincia nao so indaga se o candidate 6
ou nao amigo do governor, mas so 6 o can-
didato do partido.
Lamenta a ausencia do Sr. presidents do
conselho a quern pretendia fazer uma per-
gunta e enderegar urma supplica, mas nbo
toern esperanga de melhor sort do quo ti-
veram aquelles que tanto. abrilhantaram o
debate ; per isso conforms-se corn o aban-
dono da cadeira do Sr. president do con-
selho, cujo espirito esclarecido e conhece
dor dos homes e das cousas, se recom-
menda ao respeito de todos, tanto que nos
mementos difficeis, em que so precisa a
mae habil, todas as vistas convorgem para
S. Exc.
Entende, por6m, que per mais nobres e
recommendaveis quo sejam takes predica-
dos nao bastam para affirmar urma confian-
ga political, principaimeote quando se trata
de resolver umar questAo social.
Teve apprehensoes na organisaggo do
actual gabinete, porque vie nolle elemen-
tos qae lhe parecerana antes de transa-
cgo, do que de garantia pars o triumph
das ideas que o gabinete dizia possuir.
Mas seas receios dissiparam-se quando o
Sr. president do conselho affirmou ser
abolicionista, e que nao traria ao parla-

a olbar pars ease home, que odiava, per
toer aniquilado as suns mais caras esporan-
gas e que apparecia-lhe agora sob um as-
pecto tAo suspeito quanto inesperado; por-
que a carta provava quo ease home nao
era Jacques Cointel; esse home mentia,
esse home cobria-se corn um nome sup-
posto, esse home, que arrebatava-lhe Su-
sans, que ia casar corn oella, era um falsa-
rio, e talvez cousa peior !
Entabo ? disse Heitor corn impacien-
cia.
Falle, meu qaro, disse o coronel, a
quem essa scena estava aborrecendo um
pouco, semr que soubesse porque, e que via
que Suzana estava desagradavelmente im-
pressionada corn os olbares singulares que
Maximo langava ao seu noivo.
Perdlo, respoudeu Maximo, que w.
nha recuperado todo o seu sangue frio, e
que em um memento tinha concebido um
piano de campanha. Nao 6, posetivamen-
te no senhor que me fall esta carts, mas
no naufragio de quoe o senhor quasi foi vic-
tims. Faltavam informagges a respeito
dos infelizes quo perecerarm nessa catas-
trophe.
Ora, ou onto entire a meus clientes
uarma senhora munito altaumnte collocada,
qua tinha today a raslo para, supper que o
sea marido, quo sahio de Gasdelupe, tinha
feito a yiagem a bordo do JA Arthur ;
eu teria pedido tiguma. intormagces a ease
respoito, mas o senhore .., meu carol,
qua, d4as'r que aqui oh g-ei, nao temos
ostado em tbo boa. s como boje.
AIem disso, tend.-se. a as ros de
horde, obo reeb! aenhuat davida quauto
4 sorts do infelis pnincipo.. quo senior


ilSi, como 4.* ton couhecido qa'i
,,do.os p^ra sohaaaso.
Mta^4f H~iPA

Neste easo esta o tabolla pela qual o go-
verno augmentou o prego dos escravos.
So a lavoura preeisa do tempo para pre-
parar a transformagio do trabalho, conve6a
adoptar soluges que mais se harmonisem
corn esta necessidade, porque o paiz nao
precise s6 do libertar os seus escravos:
precise de uma forte corrente immigratoria
que venha explorer as immensas riquezas
que jazem escoudidas no solo; preeisa de
estradas de ferro, de instruegoe e de todos
os melhoramentos que o fagam progredir;
e todas estas conquistas obtem-se unica-
mente A eusta de sacrificios do contri-
buinte.
Nesta questao, quo involve todos os
reaes interesses do paiz, 6 precise transi-
gir, sopitando os mais nobres impulses do
coraglo. Abolicionistas e nao abolicionis-
tas nuo devem perder do vista os altos in-
teresses involvidos na questao. Confie-se
A philantropia do povo aquillo que o legis-
lador nio poder fazer.
S6 assim depondo no altar da patria os
caprichos e vbes temores, cada qual pode
contribuir para a realisaglo de urma obra
hnmanitaria, civilisadora e patriotic.
Nesta questao devem todos ter em lem-
branga as palavras de Francisco I ap6s o
desastre do Pavia: : Perdeu-se- tudo, me-
nos a honra. D
0 Sr. Zama (pela ordem) requr eo a ea-
mara approval o encerramento da discussion.
E' approvado o art. 5-. a Ficaum re-
vogadas as disposigoes em contrario.
O Sr. Candido de Oliveira (pela ordem)
interrompe a votaglo da totalidade do pro-
jecto e pergunta se nuo ha additives pelos
Srs. Penido e Jos6 Marianno.
O Sr. President respond quo additives
nuo, ha emendas.


culdades do sen espuito, abaixou a cas began,
pareceu reflectir, e, apartando a front corn
as duas maos:
Moria! Mieitor do Moria 1... Hei-
tor... do... Moria !...
E a cads palavra, a cads syUlaba d'esse
nomo, que repetio assim, parecia-lhe que
uma faisca electrica atravessava-lhe o pei-
to. Arfava sob o esforgo mysterioso do
urma forga quo torcia-lhe o cerebro.
Jacques! quo tern?... estA doen-
te ?...
Dizendo isto, o colonel correu para elle;
por6m, Suzana, chegando mais depressa
do quo o pal, tinha feito Heitor sentar-se
na poltrona que ele tinha deixado. 0
doutor, admirado, tambemrn tinha ,;orrido
pars o principle o tinha-lhe tornado as duas
ranos, emquanto examinava as suas feiges
corn certa attenglo.
A crises por que o principe passou foi tbo
rapids quanto terrivel. Teve per causa
esae nome de Moria, pronunciado pelapri-
meira vez em sua presenoa, depois dos acon-
tecimentos que Ihe paralysaram a memo-
ria, depois do moment em que a nsu ra-
zao, jA perturbada, esquecendo, repentina-
moenti^ o'paaado, conserrovou apenas a lem-
branga .tas he horrivel quoe lhe ha-
via descnito o vordadeirn Jacques Coin-
tel.
D'ese dia em diante nada havia pertur-
bade o novo curso das suas id6as, nenhum
inoieitto tinha occorrido que o podesse
despertar do sen sonho, tirar do sea error.
0 sen amor por Sumana, por um ente
real, tiuha ja dado ,A suan demencia uam
golpo profundo; sass paixSbo, charnando-o
A novo sos verdadeiros seutimentos da
ida, tinha exerido sobre o sea o erebro
doente ums aso* rpradora, c*Jo primai-
ro svmutoaa era faias&a v roce~i~ r i f a-


conetidiai a vota.ao da totalidade do proje-
ate, os referidos additives.
0 Sr. President : -Oprojeatoja passou
Vozes :-Nil passou!
0 Sr. Penido (pela ordem) pede que
seja consultada today a camara se consent
na retirada das suas emendas, roservando-
se o direito de apresental-as na 3." discus-
aeo.
O Sr. President observa quo nbo tendo
side ainda apoiadas ossas emendas, pode o
nobre deputado retiral-as, sew ser precise
consultar a carmara para isso.
O Sr. Affoaso Celso Junior pedo pars
fazer suas, as enmendas do Sr. Penido o que
a meza nFlo lhe concede.
O Sr. Bezamat (1 secretario) justifica o
procedirnento da mesa, fazendo ver quo
na f6rrna do regimento, as emendas em
questao ficaramn na mesa para screen .dp-
pGrtunameate subminettidas A discussao, e
isto de accord corn os seus autores.
O Sr. Affonso Celso Junior mostra a
conveniencia de ser respeitado o regimento,
e protesta contra o procedimento da mesa
nao submettendo A discussion os additivos.
0 Sr. Nabuco pergunta se passou o pro-
jecto, e se ja deu a hora da apresentagbo
dos additives
0 Sr. President responded affirmativa-
mento.
O Sr. Bezamat diz que a mesa dA testa-
munho de que, depois de approvado a art.
5 foi annunciada a votagao do project
para passar a 3a discussao. Neste sentido,
levantaram-se muitos Srs. deputados; mas,
quando o Sr. Candido do Oliveiaa pedio a
palavra pela ordem, jA a votagao estava
feita. (Apoiados e contestacoes.)
0 Sr. Juaquimn Nabuco diz que A vista
da declaraqto que fez A mesa, de ja ter
passado a hora da apresentagao dos addi-
tivos, a opposigio nao resta sento submet-
ter-se. Protestando contra o procedimento
da mesa, que naio conseutio quo o Sr. Af-
fonso Celso Junior fizesse suas as emen-
das do Sr. Penido, observa quo a oppo-
sigIo ni:o tern querido protelar a discus-
sao ; ao contrario, porque deseja quo passe
o project o mais cede possivel, para qua
o senado o expurgasso dos defeitos que
tern. E deseja que elle passe, nao corn a
responsabilidado dos liberaes, mas coin a
dos conservadores, porque isto era um mo-
tivo para a future propaganda o ataque
corn mais vigor logo qua se comece a dar-
lhe execugio.
O Sr. Bezamat IC as notas tachygraphi-
cas quo dao o project como tendo passa-
do A 3a discussiao. (Contestagses da oppo-
sigao liberal.)
O Sr. Zama entende que a mesa deci-
dio perfeitamento bern dizendo quo nao ha-
via additives. Pela leitura que delles faz,
demonstra a sua assergao.
Quanto As emendas do Sr. Penido, ne-
nhum deputado as podia fazer suas, por-
quo ainda neo estavam apoiadas pela ca-
mara.
E' ministerialista, mas isso nuo impede
de diaer a sua opinibo sobre o incideute
Sda votago do project.
Cr6 quo a votagble dove-so dar per nao
ooncluida, porque quando o Sr. Candido do
Oliveira podio a palavra, ossa votacgo fi-
cou interrompida.
Quanto a opportunidade da apresenta-
cgo do additives, declara quo a oceasibo &
agora. So os nobres deputados os tern no-
yes, promptos e preparados, apreseatem*-
nos, porque aquelles que jat form retira-
dos, Ss. Excs. nuo os podem fazer seus.
Pars ficar liquids a vota~go do project,
pede que o Sr. president consulted do-
novo a casa se a da per concluida.
Q Sr. Jos6 Marianne faz algumas ob-
servag5es pela ordem, e o Sr. presidents
censulta do novo a camara se dat per con-
cluida a votacgo do project. A eaiara
resolve affirmativamente. (Protestos da op-
posicao liberal.)


comegava a assedial-o, precisava dar mais
de um golpe antes |de abater os obstacu-
los quo ainda a separavam da luz. 0 flu-
xo da lembranca teve o sea refluxo natu-
ral e pouces minutes tinham decorrido e
ja o cerebro de Heitor tinha recuperado a
tranquillidade da sua enfermidado.
Quanto As pessoas quo presenciaram
essa scena singular, essas nao viram n'esse
espasmo rapido senlo a impressio caasai
da por lembrangas dolorosas, pela evoca-
91o imprudent do uoa desastreo medonho,
O doutor examinava Heitor corn o olhar
experimentado da sciencia. A sua coun-
vicglo estava firmada. Era apenas umea
crise nervosa, produzida por urma impres-
sio terrivel.
Vamos, meu amigo, disse elle, procn-
re analysar o que experimentou. Diga-
me o quo sentio ha pouco.
Senti, disse Heitor na sua voz mais
natural, como um ferro agudo que me
atravessava o peito.
Depois ?
Omeu cerebro tinio como um sine..
E depois? -.
Pareceu-me que um ente estrauho a
mirm mesmo, um outro que ano eu, agitap.
va-se em mim .e fallava-me.
S6 isso ?
E nao acha isso muito singular ?
Singular, por quae ?
Tenho um modedo horrivel. "
-Qual 6?
Tenho medo de ficar louco.
Suzana den um gemido doloso, e, ap-
proximando.se d'ello, par it d
sos bra os, faer utt abrig, e 4to
gio pans aquelle a quam aaiWva.
o oortnl estava pw'w111 e'- !aai!
AU as dotutor, I qaso -


I


























~-1-




Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EVPL480DT_IZ38YT INGEST_TIME 2014-05-19T23:58:46Z PACKAGE AA00011611_15538
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES