Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:15477


This item is only available as the following downloads:


Full Text












.. ef^. '**.... ; *' g ..... ,- .:
*ii ,r p

* .*,> ..
Tv.7 d 'it.,tzwr-
or


. '. ",.. ... S o
0. 0 0 0
.* '*


57.SS. S-' *- SSW t '*S-^. W S
..g ^^ .... .....v ;:,. *, _.

, "' o'


.. :


* .,# .., p


'I.. -. ., 7 I7 .


*1 I~.' -


, *



-." i
i,'1^


PHOTOGRAPHIA
(Extrahida)


?ARTE II
Operace5v* e processes photogra-
plhicos
CAPITULO V
VAPI- S PROCESSES
(Continua(rto)
Prouesso de photographia inalLravel a carvao-
-Este process 6 fundado ein umina deseoberta de
Poitevin, em 1855; e, depois do successivamente
m-.dicado, 6 hoje final empregado conforme as va-
rias indicai5es praticas queo team feito modificar.
Funda-se na propriedade que tern a luz de toranar
insoiuvel, ate mesmo nw agua quemite, os ecorpos
gommosos ou mueilagiu)sods aidiciomndos de bi-
chrometos alealinos ou teu'r,)o.os.
Eis como hoje se pratica :
a A primnira cmn.imio do resultado da exocuuo
da photographic innalter mvl 6 a boa proparagio
dos mict-s coit.i'-1}', i3to 6, das camnadas do gelati-
nas de cores diveorai, mrn-.i ou menos intensas es-
ten-iidas sAbre as filhas do papel que lhes servem
de suppoAt'. No eorn aroij jA se encontraun h-je
-mixtos corados-pr.-mnptos para a impressao a
carvniao; mas e pref--riv-l preparal-os quando se
teem de empregar cm grandes qaantidades. Con-
forme a substaucia solida e inalteravel que se in-
corporam na gelatin, assim se do ao papel os
tons negros, purpurines ou pardos, da gravura.
a Em primeiro lugar deifaz se em agua a ma-
teria coraute, carvao, sanguine, etc., de modo que
se reduza a p6 impalpavol ; % junta-se-lhe, em pa
quenas d6ses, a gelatina dissolvida em agua quente
e bemn filtrada. A qantidade de gelatiua 5 200
grammas par cata litrom d agua. Mexe-se a mis-
tura de m)lo i.qie fi lai p 'rfeita in.nte Ih .nog---.'a.
a Toma-se una fo!lm IJe p p .1 de ba qnalhd.adl,
molh-i-se, appic.t- s- sio')re unea !amina do vidro
encaixillaida ein I r.-gas,i, que seguram a folha por
todos as lados, do molj que t.-minam uma especie
de tina. A sailiencia das reguas deve andar por
uns 4 millinet.ros. Deita-se sobre o vidro urea so-
lu.bi de g platnia, que e espalha, transformanalo-
se em uma pelliculk: levaata-se esta'pellicula ge-
latinada, separanudJ.)-a d.i vidro, e deixa-se seccar
expontancaunente.
( As folhas d. gelatin slo senaihilisadas pela
immmrsa:o en a1m-n s.luii aquqsa de i-chromato
do potaasa (a 5 por 10 J le sal) ; para. ftazer a im-
pr-ceso, colloza-se uma d'ellas sol) um cichA pho-
tographico que Bs.i exp-. aclio I.A Luz solar.
Quti-udo se emprega unn clichW negative, 6 necessa-
rio inverter a images, scndo per esta eausa no-
eess-trio empregar um support proviaorio que a
imfigemin p'ositiva p-svT faeilmente abaudonar em
mt momoento desejadi.
T.Mo< este process-) 4 muito complicado ; mas
,sts livro na',) noa eanste mainis mniueiod4aCea.
Por tdsa direme mao leitor, eop em geral sma coin-
plot& o proceso, ser mupm sdnmaarm.s em expliea-
jaes minncioasx. Eit o 0' fiot d :
A faihi% impreadgpda -Jmai -- ;aI
atorsfcori, e podts-so di lt|||ii*lfi'-isM
^'l^ ulu- 4wiiK


guo-se entbU este spitdo .Ipro so S: a i
poMOb6naca 46 molha a, e, por presslo, c adutda a
unmsa ehapa collodionada ou a um papbl especial.
Se so emprega a chapa do vidro collodimada,
mette-se tudo em agia quente, e o papel, sepa-
rando-se, deixa a imagem na chapa ; colla-se entao
n'esta am papel-papel transporle duplo--e deixa-
se seecar; depois de ago separa-'L idro,
trazendo comsigo a mJan, que aplArece di-
reitma.
Se se empregare ,fMd, eio 4 neceesario que
este seja o-papel tel ;-e o process
6 do mtemo modo # Oe : o C vidro, como acima
explicamos.
-* "f (Continua).


amp1; ranann lSalo

(') RIO DE JANEIRO, 24 de janeiro, as
2 boras e 15 minutes da tardo. (Recebido
As 4 horas, polo cabo snbmarino.)

Foram eleiton depuladom, em 2.0
eserutinio, por lina& Geraes :
15' district, ceftselheiro Carlos
AEonso de Asnis Figueiredo (L(s
19. districto, Dr. Carlos Pelxoto
ile Mello (C);
Dectfleco o telegramnma -e b6e-
tern, na part referente aos. titric-
too da c6rte. pfor esta forma: t
o.0 districto, oejuiz de direito pre-
sidente da junta comn alguns mesa-
rios deram diploma ao Sr. Valdeta-
ro; a maiorin, porenm, den diploma
ao Dr. Ferreira Vianra.
*.0 district, a maloria da junta
corn o juiz de direito den diploma
a4 Dr. Fernandes d'01liveira : dons
mesarios, porut deramn diploma ao
Dr. Henrique de Carvalbo.
Embarcou para Pernambuco, no
paqnete inglex o desembargador Bi-
gunel Arebanjo Monteiro d'Andrade.






(Especial pa1ra o Diario)

TURIN, 23 de janeiro.

Na regiAo'do Piemonte tern cabido
albundantes nevex. Estfio interrom-
pidas todas as communicac6es. Nu-
merosas avalanclhes tern me distaca-
do dos montes e anusado grades
damnos usan aldeias proximas.

Agencia Havas, filial em Pernambuco,
24 do janeiro da 1885.


() N. B.-O Barto de Leopoldina foi
eleito pelo 9o. distrito de Minas Geraes, e
nio polo 90. do Rio de Janeiro, como por
equivoco sabio no telegramma hontemn pu-
blicado.



INSTRUCCIO POPULAR


.. lo i '. I,-'.
verha-cmh5
Guerra, exercise do It I
no preante mez as m e I
monatraQao nn sso smoo do
-Remettmea-m cop. & Tbosararia de Fsae .
0 presidents te.prmviaia resolve nomear o
Barao de Satito An& e os "dad&s Andr6 Alves
Cavalcante Camboim e Jos6 Francism BUo Filho,
para os lugares de 10, 20 e 30 zuppleatea de juiz
municipal do termo de Barrelw-os. .
Aos nomeados flea designido o ~ s de N
mez pars preatarem juramiento do e0io. .
municou:se aojuizlie direito. "
Ao inspector cda TMouran^ df3t? odoA -
Co cay-V. 6, .uPswn fine
Qipvenieatm, que autorei, negs Ath,, o durqoor
dibArsenal deO uerra a maadi" f4 oair as pe-
paW-nstantes do in eluso pedido qu parsn aue
f&z ealferes do 14' batalho de intstaria Mtno*-
Martins Chaves dos Reis Miranda.
Ao memo. -Commanunico a V. S. q,'li era 6
do'eorrentc, assmnio o respective exercicio oa -r
de direito da comarca d- Barreiros bachsar4 Ma-
noel Caldas Barreto.
Em 7 do refernido ssm o vereador Adeftabfv
tino do Mendoca assumio o exercicio d'JIows-
dejuiz municipal do termo de Itambk argo
liceaeiado e se acharemn doentes sens ois.
Ao mesmo. Ddclaro a V. 8l, (ifin.s
convenientes, que nesta data .#'.guinte
despaebo napetigeo do bacharl Alfrodo Mordm
do Barros Ofiveira Lima, sobre a luai uformou
essa inspectoria em officio do 27 de dezoembro pro-
ximo passado, sob a. 865:
t Mianteaho a deciso constant di officio diri-
gido A Thesouraria de Fasenda em 3 de oiovem-
bro ultimo. a
Ao director do Arsenal de Gaerra.--Autori-
so Vine., conforme as leis em vigor, a mandar for
necer as peas constantes do incluao podido, que
para seu use fiz o alferes do 140 batalhAo de in
tantaria Manoel Chaves dos Reis Miranda.
Portaria:
A' Camara Municipal da Reife.-Para re-
snlver sobre o asstimpto do offielo n. 80 de 17-de
dezembro find eonven que a Camara Municipal
do Recife me declare qual o pro da arrematagil
teita no exericieio pasod', do aluguel das casas
de que tracta o predito officio.
EXPEDLENTE DO SECRETARIO
Officios:
-Ao general commaudante das armas. De or-
diem do Exmn. Sr. president 4a provincia comminu.
nico a V. Exe. que nesta da aato&nisou- so o for-
necimento das pagas do fardamento oonstantes do
pedido que aormpauhon sew officio de houtem da-
tado, saob n. 35.


PART oFFrcAi

CGoverno da PVwvnea
EXPEDIENTE DO DIA 10 DV JMfIRO DE 1885
Portarias:
0 Sr. agent da Companhia Brasileira doe
Vapores faca transportar A c6rte no vapor Espiri-
to Santo, esperado dos portoa do norte, por eonta
do Ministcrio da Guerra, a Soverino Jose de Lima,
quo acompanha o alfer'?s do 3 regimcntole ca-
vallaria Bonifacio da Silva Tclles, de quo trata a
portaria desta Presidencia de 10 do corrente, ia
qualidade do criado.
0 Sr. agent da Companhia Brasileira de
Vapores faea transportar A c6rte por conta do Mi-
nisterio da Marinha, no vapor Espirito Santo es-
perado dos portos do norte, os doze menores da
companhia de aprendizes marinheiros desta pro
vincia, constantes da relaeao junta por c6pia, os
quaes vito acompanhados do imperial marinheiro
de la elasse Francisco Gomes de Salles, e bemrn as-
sim o voluntario para o service da armada de no-
ine Joao, e o reo JoAo Brasiliano de Olivcira, que
na qualidade de desertor d'armada tern de ser sub-
mettido A conselho do guerra.
EXPEDIENTf DO SECRETARIO
Ao inspector do Arsenal de Marinha.-Da
ordem de S. Exc. o Sr. president da provincia
communico a V. Exc. que forum expedidas as ne-
cossarias ordens no sentido do que trata o seaou of-
ficio de 13 do corrente sob n. 11. .0
Ao general commandant das armas.-De or-
dem do Exmin. Sr. president da provincia commu-
nico a V. Exe, que expediram-se as convenientes
ordens para o transport A c6rte de Severino Jo-
s6 de Lima, de que trata o seu officio n. 31 de ho-
je datado.
Ao commandant do batalhao da comarca de
Palmares.-De ordem de S. Exc. o Sr. president
da provincia, accuse recebido o officio de V. S. de
12 dedezembro proximuio passado, em quo commu-
nica ter na mesma data assumido o commando do
b talhao n. 36 dessa c?marea.
A' Companhia Pernambueana.-S. Exe. o
Sr. president da provincial, manda aceusar o re-
cebimento do officio de hpje, no qual V. S. deela-
ra que o vapor Ipojuca seguirA. para s portos do
norte atW Camocim no dia 20 do corrente, As .5 ho-
ras da tarde.
Ao administrator dos eorreios.-De ordem do
S. Exc. Sr. preuidente da ly)'ncia rematto a
-V. S.,- contormeri rol~rrtff- d --
sob n. 33, 1,500 passes da Companhia Ferro-Car-
ril, para uso no servico externo da rcpartiC.o a
seku cargo no corrente anno.
Ao Dr. chete de policia. -0 Exmrn. Sr. presi-
dente ds provincia manda ccm.municar a V. S. que
em sen officio do 12 deste mez, sob n. 30 e 31, acir-
ca ie ajuda de cus'o a officials do corpo sob seu
commando, lavrou hoje o seguinte deapacho:-Re-
mettido ao Sr. insppetor do Thesouro Provincial
para mandar attender.
EXPEDIENTE DO DIA 15 DE JANEIRO DE 1885
Officeios:
A' Thesouraria de Fazenda.-Communico a
V. S. para sea conhecimento e fins convenientes,
que nesta data autorisei o director do Arsenal de
Guerra a mandar fornecer as peas de fardamen-
to constantes da 'relaeio junta por c6pia, que para
seu uso faz o alferes do- 2o batalhao de infantaria
Felippe Benicio de Castro e Silva.
Ao Arsenal do Guerra.-Autoriso Vmc., nos
terms das disposi-5es em vigor, A mandar fornc-
cer as peas de fardamento constantes do incluso
pedido que para sea uso faz o alferes do 20 bata-
lhao de infantaria Felippe Benicio de Castro e
Silva.
0 Sr. agent da Companhia Brasileira de
Vapores faca tranportar a provincia da Bahia, por
conta do Ministerio da Guerra, no vapor Espirito
Santo, esperado dos portos do norte, as pracas
constantes da minclusa relaeao nominal assignada
pcbL secretario desta Piesidencia as quaes seguem
A dispositAo do commandant das anmnas d'aquella
pruvincia.
0 Sr. agent da Companhia de Vapores faca
transportar a corte, por conta do Ministerio da
Gu'rra, no vapor Eipirito-Santo, esperado dos
portos do norte, as praeas constantes da minclusa
relaeao nominal assignada pelo secretario desta
Presidencia.
EXPEDIENTE DO SECRETARY


-Ao general.-De ordem do Ex:n. Sr. presi- ec9ao 2.'--N. 66. oecretarina a
dente da provincia cominunico a V. Exe. quoe auto- Policia de Pernambuco, 24 de janeiro de
risei nesta data oa f-rnecimento das peas de farda- 1885.-Illm. e ExIr. Sr. Participo a V.
mento con.tantes do peddo que acompanhou s" Exe. qu honten a foi recolhidoiadivi
officio de hontem datado, sob n. 2-.
Ao m-sma.-De ordem do Exm. Sr. presi- duo algam A Casa (1e Detento.
dente dai provincial communico a V. Exe. que i-. Deus guarclz a V. Exe. -hUm e Exm"
ram expedidas as convenientes orders para o Sr. Dr. Sancho ae Barros Pimnent(l, muito
transport a seu destiny das pracas de que trata digno president da provinia. chefe
seu officio deohontem datado, sobat 30. digno preside3te da provincia.-0 chete
A' junta classifieadora de Cimbres -S. Exc. do p)lieia, Alanoel Ventutra da Barros Leite
o Sr. president da provincia ficou ihteirado pelo 8 ampaio.
officio de 2 d,) corrente da haverem Vs. Ss. nesse _
dia se reunid) do conformidade coma a recommeon-
daca.) do mesmo Exm. Sr. de 17 de dezembro ntti- Thesouro Provincial -
mo, para dar comeco a seas respectivos trabalhos. CHS D 2 D JNR
Ao director das Obras Publieas.-S. Exe. DESPACHOS DO DIA 23 DE JANEIRO DE
o Sr. president da provincia manda accuser o 1885
tffiei, de- hintem, 11. 7, no qual V. S. declara haver
fat) lav-ar termo do recebimento d.efinitivo da Ricardo F,.nsea de Medeiros.-Ao Sr. conta-
o')ra d) pontilhao de Francisco Gomes, em NPao dor para as devidas notas cm flhia.
Ainm-rello, por ach-ir-se em boan estado, pissando- Theotonio Jos6 da Cunha.-Eutregue se.
so em favor do arrematante certificado de prsta- Manoel J s6 Bello.-Infi)rme o Sr. coutador.
q-lo do resp-ousabilid-ade. Antonio Jos6 da Conoeivbo.-lInforme ano Sr. Dr.
Ao general.-De o'deui de S. Exe. o Sr. pro- adminietrador do Consulad.)i.
sideute da provincia rogo a V. Exc. se diguae de Jose Elias de Oliveira.-Infonrme o Contencioso.
providenciar no sentido de ser apresentada ama- Manoel Jos6 Dantas.-Haja vista o Sr. Dr. pro-
nh' As 11 boras do dia, to Dr. chofe de palicia curador fiscal.
uma eseo.ta de tnres prtas afirn di conduzirem on a J. Alves de Albuqugrq'ue.--Iuforme o Sr.
c.iminwao da mnurte Martinho Jose do Sint'Anua, conitador.
atW o ter-no do Cabo. Maria Albina de Oliveira Costa.-Registre-se e
Ao Dr. chofr de policia.-S. Exe. o Sr. pro- facao-se os devidos assentamentos.
sidente da provincia declare a V. S., em resposta Manoel Cavalcanti Coelho, Leopoldino Crescen-
ao offid'o It. 30( de 13 do eorrento quo providen- cio de Almeida, e Mbanorl Ignacio de Olivdira
cio -se no sentido de ser-lhe apresentada amanh-A Martins.-Ao Sr. contador para ecumprir o dempa-
As 11 horas do dia a eseolta que solicitou, afirn dea cho da junta.
eon.luzir parA :o te-mo lo CAbe o erimniuoso de Baltar Oliveira. & C.-Ao Sr. Dr. administrator
morte de nome Martiaholw Josh de Sant'Anna. do (onesulado para enmprir o despacho da junta.
ZXPEDIENTE DO DI 16 D JANIumRo D 1885 Muuiz & IrmAo.-.u ST porteiro para entregar
Actoss: .. ao.mnteremad .- .. ..
O pre entei d.i proviaim, atteadend ao so e n Joo Franietao MaBix-Pagu--z porar a eaixa
reqauereu aClarniaH ibeiro T Cnpba GaitssAag, da RCfo. r ,,!, '
prefnwr &e enain pri*$ )o ?m a. Cftsu# dm Padre Maosr S'.t P. A Berq1ue.-Entre-

& "watente do httw ds -
pal~~~~~~tefc,~~~~~ ~ r~o*-^^ 1^ ^ ^ -:w .!y.. ^**--..; .- "--'''. ;


p3
09


On]
ta1l.u
det"
do la
taxer i
guiute
L'a (
mo lu
cown a
llia.
ireote
96 oo*



frit" (
guriaw
divpa
cxluda
estabci
conorin
cas
nistrav
4I0 pal






-3.a
eorn 4
nadas
runs t
lando t
plant
4.a
seguin
As
cal e a
de a1v
fingind
part
3.bre





famine
A au
lavrad
lumna:
Os c
nas qu
ripas


W 4AN0 do Carvalho, Alexandre & C. e jeita-se as condic5es do memo edital e plant que lumnas de ferroem vez de 32, eo72 compartN
6ei de iarvalho---Sim. apresenta, sujeitando-se a algama mndificalo de 27 50 per 2 ',50 e 4 de 4 por2-,6 em ot
Aft ira de Carvalho & C., Dimingos Tor- quo julgtr neeesarinaa llnma. Camera de aceordo 60 exigidos, mantendo ua ra gincipal do 6me.
4Wfti, Victor Nossen, Msn>el Mirtins BAi corn o proponents. taos 3r t anarsesdo 4,a r2a ericpa do 6,e-
'Irmawdade do Sonhor Bjm Jesus das Por n Declaraes tros, 3 transversaes de 4m, e 2 lateraes de 2a, 50.
CanalisaqAo para gaz e agua eom done tan-
-4,derido em. vista da" informav3es. SerA o proponents obtrudo tomando por base ques do ferro para deposit desta, alem do on-
rolino Pinto do Magalhos, Irmandade das o alinhamento d& run do Santa Cruz e bern o alin trash que se observa no referido esbogo ; obri" -
.s-da Matrix do Santo Antonio, Z forino JoSI hamento que sorvirA de base e extreme o canto do-se ainda a aeeitar quaesqner outras modi ia-
4".a Valentc e ontras e A-itonio Anuust) de da casa n. 17 da rua de Santa Cruz ao canto da goes quo esta Camara julgue convenient, sendo
is & C.--Dferido de aceordo corn as rnform%- freuto b s'brado n. 26 a rua do Leio Coroado ; e sem indemnisagqo as que nio trouxeram augmen-
sobre estas bases f -zer avanar todas as casas to de custo.
dR. a d Conceioe Dias. -Inform a I 1s0cco, existentes n'aquella travessa por ineio do maros 3.' 0 material A empregar na construct do
". 2 ha & C.-Junte quitalo ao impostor na! eondiq5.s dispoatas no art. 118 da iei 1129 de edificio, serA ferro, pedra, alvenaria e madeira,
.prtiqo crm relao au 10 semestre do cor- fermti a ficar recta aquella rua que ficarA espaosa tudo de primeira qualidade, conlorme indicam as
,Aa prixia;quciad, onore dsa a
. execicio, o m ;sno far'A do lado opposto de formal que, de cores no referido esbo~o, devendo o proponente
elino Lima fe C.-Proceda-a3 a collects de ead lade ficar ure rune eanos :eeioeb^dvno0Pooet
iao LimaS& C. -Proeda-s3 alcllecta docadi lado fiara urn m espaosa : ompregar na coberta thesouras de madeira de lei,
o corn a leii 0_ proponents obriga-se a fsr A sun custa as e otelhas de ferro galvanisado, de estanho e zinco,
poel Jos Peoreira de Castro.-Proaced-seas desapropriae das casas daii ruad L o oreado sobre barrotes de amarello vinhatico ou oitieica
es. notas nolangamentodeoacordo eom0asin- de .as. 24, 22, 20, 18 e 16 em pabe assimn come ou telhas de barro sobre caibros e ripas, so eata
el'- .iobrigaa-se a jardiuar as frentes da roa do Santa Camara julgar preferivel.
ioel Gn1aloves Ferre ie Silva.-Deferidocom Cruz e L Ao Coroado, chamand:) p tra o alinha- 4.0 0 valor da obra, segundo seacha detalbada
l ao 10 semestre, em vista dais informaoeos -nnto per mneio do inuros, gradiameotos de terr no ornamento do ungenheiro da municipalidade
Wain da Silva Carvalho.-Deferido corn nre- e p,)rtes, fiean lo dosta form-i respeitada a plants para uam pequeno mercado de 151:785j900.
. 20 semestre do exercicio correnteem vista da cidade. 0 proponents porer se obriga a construir um
rminarges. O0 mercado ser construid do alvenaria, e re- edificio corn as mesmas dimensoes, segundo o mo-
ia Delfina de Mello.-Em vitas da in baucado doe cimento at A altars quw renn'c a plan- delo do de S. Jos6 e o esboco junto polo mesmo
ndade da Ordem a O de o a tteiS. aFrancisco.-Cor- ta, corrido do venezianas, o guarnecido de lamber- firmnado, coin as modifica5es jA mencionadas nos
olaoade a eS. crancis orm- quinss tud- do aeeordu coin a mesna plant que precedents artigos,pela quanta de 110:00 ;000.
"o lauVmenuto de accordo coin as informal apresenta corn a sani aasigiatura; teand) a eleva- Al6m das modifica '0 s mencionadas, se esta Ca-
.aoacima do solo qae for necessary, send amar- mara, antes d& exeeu9io di obra, pretender ou-
tnuo Mag.lhles da Siva. A la s.cc9o para rado para sAidez da o)ra ao eus cantos, corn bar- tras que tragamrn augmeuto de custo sera este ava-
iha C rneiro ro C..nformea 2ha secla s de lro, iaio por peritos e pag) logo quo esteja exeeut-do,
6eiqa Carneiro C- fornea2,scg. Teri dous p-365Ia.s principaes corn cinco. metro servindo de arbitro desemnp:tador das avaliaeoes
im quest da nona & C.-Prealea o de largura que correspondera as runs principles, o engenheiro director dasobras publicas.
limdo.) cleorr3e mials quatri por0ei lateraes c nn 3 metros cada 5. A obrai serl p:aga cm dez prest:awes pela
dido G.)n9aldvs Torres.-A 1' seqo0 p-ira um de larguma, e mais dous portoes nos oitSas que f6rma segainte:
SJoaquim Svero-A aeeIo par correapoalero as ruas tranisvcrs-ies: A l.a ra occasiao da -issignatura do contract.
wymd) Joaquin Severo.-A l i se pt- a r" TerA 96 compartimantos corn divis53s de ferro, A 2a quando os alicerces estiverem feitos e
ier de accord- coin a lei. barcoes c'm tampo de pedra marmurn, corn,) mir- clcios de alvenaria
ea ~a planta do engenheiro Sim5es. A 3a a chegada da c.)lumnata.
camara Mualiclpal 0 proponents obriga-se a dar fianra idonea nos A 4a quando est. estiver assentada.
terms do art. 4 do edit-l publicado : A 5- a chegada ou compra do material para a
0STAS PARA A CONSTRUC91O DO NOVO 0 proponents ruceberA em prestagSes measaes ; coberta.
MERCADO DA BOA-VISTA apropor~ao das obras que forem executalas. A 6a quanlo a meama estiver montada.
si~n do 0 propoanoute pars bon desetnpenh)i de sea con- A 71 fanido estiverem levantadas as paredes e
b:ixo assignado de conformnidade co0n o edi- tracto, obriga-sc a dar concluidas to.as a. obras portSoes.
blicado por esta Camara para a construcgao dentro do prazo do urnm ano a citar da d.ta da A 8, quando o edificio cstiver lid rilhado.
mercado na freguezia da Boa-Vista propee assi.-natura do contract.). A 9a quando estiverem collocadas as venezianas.
a refeida obra, mediante as condigoes se- 0 propjnente obriga se a empregar na construe- A 10' quando 0s compartimentos estuverem fei-
: .ao da obra madairas d, lei ; fazen.b o encana- tos e todo o edificio pintado e concluido.
Obriga se o proponents a construir no mes- mentor de chumbo c fnrro galvauisado, cal~amento 6. 0 edifieio ficarn isolado e sm ligaio corn
gar do actual mercado e de conformidade de paralelepipedos, e ladrilhos do coimpartivmentos o0 ontiguos, Como esta amuara exige no referido
Plants que off.roce a apreciaVco d'esta de lagesde Lisbha. edital, conrrendo porm peor cents da mesma C i-
Ca~ro 9.)mrcd cr 2mtrs de le de Lisbdic. eis dtl.craoprmP0/0 da mesma Cama-
Cam 0, o ne ) mercado corn 28 metro d. CondirJes especiaes ra as desappropnriaSes a fazer, para alargamento
sobre 37 do fundo, comrqua-troeports, tenio Obriga-se o propnente a f,'zer as obras acitna da nova rua praga.
Ipartimentus interns, distribuid)s polo se- descripts cen ias mli)itieaes quo foc:n feitis de 7. 0 propmnnte obrigp 8. a domoltr o velho
mod.: 24: pars agongues, 6 pans cannes com nm ace 1CC ,rlo e plaut-t apresentada p'--I t qiaan- mercadlo e as propriedades que a Camnara desap-
S p para tssuras, 12 panra peixe, 6 para ti de 118:500. propriar, tend co:no indemnnisai;:o o material de-
as feitas, 12 par& verdaas, 24 para cereacs 0 proponente pedle qie sanlo aeeit. a suda pro- m .lido cm) esta Camn:tra propSo.
ra lougs e outros objects. TerA ainda oposts-a scj:-lie trausfriduo. to lo3 os direitos para 8.0 Tambrcm so obriga a dar todas as explica-
keimento quatro cimp irtimenitos espaosoo, as dasapropnria -s qaie propoah_-sa a fau :ri p-r.a a es necessarias, para melhor dar a conhecer o
me-esti indicado na plants, sendo o 1 oar. tacilididt d' camstruclo. piano que esboou, e a conveaiencia de sua pre-
te arrecadagao, o 2 para a casa da adnu- .. assign com aprsntar em pouco di a
eo I 3o paru a residencia dos guards, e o Rc ife, 21 de janeiro de 1835. terencia, assim Coeaprosentar em poucos-dins a
ra latrina, onde serno collocados quatro Vicente Ferreir-a de A. Ntsein:to, p'anta definitive e a descripcato da obra, isto4,
Ahcs. q Eitava sellada corn dam est-imilh-s no valor com as altera95es em que ambas as parts eoncor-
Obriga-se o proponents a encannar quatro do 400 r6is e devidAinente inutis il. darem par ineaisao do contract a sna oxeea-
sd' gua e destribuil-a -e forimn a son In- 0o.
a'ga 3 t lpoitonnei asCmo so n 9.o 0 proponente conforma-se corn as multas
estatlecimrento per n toreiras, con se Ilns. Exs. Scs: presileate eiiat vcredores prn)postas por esta Ilinia. CAamern, 6 por(m de to-
idecado na plant, assim curna a cAllocair da Can'ra Mai.uiaal do R fe.-9 ab.tixo assi da,_L oqid-ade quo em compensaIAo no caso de
'4tT"-'z. *- -dose pr -aw astrari a nae6 ro 4ia- a0 tU a pagamuanto de alguma ou algumas prsta-
,ectvos bicas, e a fazer os encananmentos digissimtna C:im-,ra projects nu) lgar a onde actu- "cs n tempo contractado a Camara saja tambem
esgto us agunus servidas. Dalmente se ach;, a ribira dA 5 i-Vista, de accor- obrigada a pagar pela mor, o juror c mult.t de
TerA o estabelecimento trees ruas paralelas do coin as as dimenseass e prespeetiva indicadas 1i 1/2 por cento ao mez.
metros de larguras quo pderao sen deasti- cma aedital do concorruncia d atado do 18 de no- 10.o' 0 propoaenute obriga-se a da r fianga idonea
a veda do diverso2s gernos, e mais a ito vembro do 1881 e pui!ieLdo no Dianro de Pernan em bens do raiz ou can apolica provinciaes ou ge-
t.rmnversaes co.n 2n,50 de largari, circa buco como s- v0 dls estimpis s51) n3. I, I, III, racs, A saa opiao para garantia da primeira pres-
todos os compartimentos, conform-V estA ua [V e V aco-npaahad's d,t descripi o e xclareci- taqAo e conclusAo L:t obra, comno do art. 4 do res-
coastru o empregarl proponte as mitus de t'-do o edifieto, quantou aos materials pectivo edital.
a costru empregara o proponent empregalos, disposica), nutnaro e fins a que se 11-o No cAso de que csta Illma. Camara ache
tes materials: destiuam os comnpartimernatos caleamentos e enca diffi-uldadeem rcalisar o enpzestimno autorisado
)aredes sern,- de alvenaria corn argurnaa de namento d'agua ptavel, pluvial e esgot-, debaixo pola lei n. 1,831 de 28 ide julho de 188-1, o propo-
aria, manos as arcades prnineipas qu, sera,) das condin5es seguintes. nente obriga-se a rcceb.r en pagaaannto apolices
euanria batida comargamaca do cimento 13 0 propmeatecatre.gar.i o elificio intuiramen- on itras minunicipitei de 20J3000 cdaa uma, ao
do pedra, e serA empregado tijolo inglez na te caicluido inIlusive a piatura, doutro do prazo par, vencendo ojuro annual de 10%/ pagos semes-
externa das paredes das suns frcntes, con- maximaia d,-das n )s s,,a I) co to q ,,,e.nprpgara trahnlente e amortisaveis em 10 annos confjrmea
rso v aa cpl ra sera de mdeir de lei, e todo o interesse em coacluit- ma,) in uis curtJ espA- sobredita le i, garantid13 corn hyothoea no edifi-
rma-o da cobEa rta sers do m:tdairi do lo, 0 -o de tempo po.sivel. cio e sua renda.
naii quatro faces, susteetada p 21 co- 2.1 A demoli~to da actual riuemra serA por conta 12.o A obra serl c.n-wmita d.-ntro de oito dias
aibrs do fero avdas em antmia vaa d:) pr)pon nte, corn. tamnban lhi peortencrlo todo3 contuados do ptganet. da pcneirna prestacao e
aibros sero tamnbem do madeira lavraiia os materiaes. -oacluida no prazo do un anno).
Latro faces e teirno 0 s,076 p.)r 0m ,06, e es '. Corer p-r ct o proponents as desapro- 11.
sorradas coin 0m076 par O',012, saud.a e0: priacSes indispensaveis, afir n d deixar o nov e.ii- Antonio G. do Reqo Barroca.
.. .. %. k.& .rl A,- r; .. .- "


preg uia .lsp.r a UUUct-ta eutuuin u o ctz.
Os puortes serao de ferro forjado bemrn como ad
bandeiras, que serlo collocadas sobre os dous gran-
des portSes das frentes do estabelecimento, guar-
dadas as dimeng5es indicadas na plants.
As venesianas das janellas que circular o esta-
belecimento, assim come as dos ventilladores, seralo
fixas, e de madeira de lei, corn 0n,05 de espessaura.
Todo o interior do mercado sera ladrilhado corn
lages de Lisb6oa, bern come a calnada exterior que
circula-o, e as diviaes dos compartimentos feitos
de terror e madeira, como as do Mreca-o de S. Jos&.
Os balc5es dos agougues e dos cumparti-aentos
de peixe serao de pedra marmore,
5.a 0 proponents obriga-se a entregar o esta-
belecimento caiado e pintado, emnpregando para
isto material de prnuneira qualidade.
6.- Obriga-se o proponents a fazor a dessapro
pria.Iao Ia casa n. 11 contigua ao mercad) actual
de furma a ficar o novo estabelecimeuto livre de
habitaceSs contiguas e entire quatro ruas espa-
cozas.


7 a 0 proponents fara todas as obras acima des-
criptas dentro do praso de 15 mezes, a contar da
data da approvauao do eontracto pelo president
da provincial e isto pleo prepo de 135:000,000
que serao pagos em cinco prestacues do 27:000-
cala uma; sendo a primeira 3 mezes dcpriis do
comego das obras, e as demais nos prasos de 6, 9,
12 15 mezes a contar da appruvaceo do eon-
tracto.
Dado o caso de que o proponents faca entrega
do estabelecimento antes do praso ina-ceado para a
sua construeaco flea a Camara obrigada a indea-
nisai o dentro de 3J Jdias, da qualqiur qa ntia qu
Sfaltar para compltatr o valor do c ntr.tcta)
8-' As prm -t.,.').s I ?e'b o | .ts oa ii .,S l.a cor-
rentt ; no caso jr6 a, do nii. p-)ier a Caunara
coutrihir P emprestimo detenrniii.a-lo p-l i lei
n. 1,831, obriga 9s' o proponetita a recu.r mas dita,
prestaqoes cm ApAli-ces municip-s, ccin o jumo de
7 o/,, fienio o ren-limnento do ref-rido estab.l.-
cimento hyptilli-. itdo para garantrI da amnortisa
qo e juros dad refaridds apolci, .i ')0J serA de
terrm.inad.) n) mesm cn)ntracto.
9.' A demliqi) do actual merid) sori p)r
conta d- j-rop-meute, a quiem ficar.l p-i'rtene.'ii)
os inatcriaes, aa counfornilader da Lc-l-ula 7a do
edital p'bli:alo.
l).a 0 proponents dari para gmrantii da obra
umr fianva do 10:0,')0000 em predios ou apil:ces,
e mais 10 0/o que sprio dodusidos do cad.a prosta-
VAo a que tiver diireito e que s6n-aente Ihes serao
entregames na c-nelusao da obra, obrigaudo se
aiuah- pagamento de 1:0003m) por clt n mez
de demora quo die-correr depois da fiun- o pr.usu do
contraoco, ficando a Camara' pr sua vez obnrgada
a igual pAgammnto e de igual quantia por ca-la
meza qt exeeder a qualquer prestagao voneida.
Querendo a Camara construir o referid n.-rca-
do em ontro local, no eaon dd assim julgar mais
conveoiente, o prropaB.ak iga-so a fazel-o se-m
alterar as .9ud.msA. wpropoeta, comtanto
que oteierremta e.qi. tashde me coatruido o edi-
iOiIndo t es: estava sellada.)
Recife-, i1 de -ni d 1885.
-. J 46 dVRIo.vir Castro.
dAhiqmerquageacfteto,
`2O e5i M&s(M MU"rD


ficio) iu-iepeandoit e aduosembx.airado-u pr to-lus oas
ladoe, de coatacto oim outros rdifi-ios, nAo exce- ADDI"_3M]
dendo essas desapropria6as das casas indieadas
na plant organisada pelo engenheiro Dr. SimSes.
4.a A Camara pagarA ao proponents a quantia Pelo I
de 130:000$000, se optar porque seja de alvena- edifica9&
ria corn argamassa de cal, ariaa e cimento as pa-
redes de todos os intercolumnios internos e extcr- Antonio
nos do edificie, ou a quantia do 132:0004000 se zer ura P
optar porque sejam essas paredes de cantaria de frente doe s
Lisboa, come o slo as do Mercado de J. Jos6. zia de S.
5.a Os pagamentos serao feitos cm trnes presta- que pedc,
qcSes iguaes. sendo a primeira na occasion em que fiscal.
o pioponente provar por meio de conhecimentos Francisc
que os materials importados ca Europa, tenham um concern
alli embarcado corn destino a esta provincia e corn lugar Car,
esta appiicaaio ; a segunda quan-bo o edificio es- claraud) q
tiver inteiramnente coberto e a tereira fiaalmente poe o art.
quan-o o edificio estiver cinmeluido em condi9oes H-irmnog
de ser ntregdaa Camflea
de ser entregue a Camar e cte eCstad) for reco- da ledica
nhecidi par seus vereai-ui s. do Gatnall
6.a A Cam:nra pagara ao proponents um juror de sando a l
10 /o, por toda a demora qua possa haver no paga- res de qu(
mnento de qualquer presta;ao e isso polo tempo quo estando ne
convier ao proponents. plicante, ii
7.a A Camara por iuternedio de seus eng.- Isabel N
nheiro e vereadires finalisarl o andamento da substitiuir
obra e a qualidade dos materials. pa n. 16 si
8.a 0 engenheiro da Camara farbt o nivelamento Panela.-
do edificio. cia no fisca
9.a 0 proponents n'o estarA sujeita ao pagi- Jose Ca
mento de impostos onu liccnqias inunicipaes, para a mar goteir
exeeuqio d 3 qualqn'-r trabalh) queo dipser respeito em Santo
'is ohras projectadas. cal coached
10 a 0 proponents pre.ta, ein preJios que pos- Jose Ra
sue uesta cidade, de valr superior a qualquer uma mandar a
dL s prestL5t )as, a fia n,-iu ou garantia que a C:i.1 I- .it;a ein S
rai exig, fiaen 1o a. 'amarau coin direito aos mi-;to- trui',al. ua
ril;es c i. eontinu-am.o das obras, independent dis gos u)s lirn
multna estatuidas nai cndiqo 11., se o proponien- J.sepha
to, reoebL-,iju a primewir e se:uudi prestapAo, pAra edifice
i-.bund a-ir a contiauai-qlo d.) trab i1':.. rio do poi
11 0 prpmnent,' ac.-ita todas n i maltas est.t- Ssti-.fit.i
rtuida- ia :, con l,;:c n d) elital di concurrencia pagV s o0
j i refernda:. coin o p-.,
12. Qaiaesquer duvil'-is que possi us su.oet'.mrO so .lmreoli
seiro reas ividos pr airbitros offSreci los pel-)s con- c:tsa de t
tratantes e terc -ir) a sort de ent,-a in'L-s du-as t',,gueazi
apresentados pelos mcsmos- contractantes, prefe- ilarti. 76 ld
rinlo-se prot'essionaes scientifieos. f.,irundaid
Nestes trnnos pele a V, Exc. deferimruent.. E. de-se.
Re M. RccifD, 16 de janeiro de 1o85. Aneondo Vieeit'.
Brun-) da Silva .lbnia. para elifi
EAtv.A ecm\ duas est-impilhis de ivalor de 200 fret-me par
reis cal-i uu in, in-itilisadas na forma da li. Marquez
_pis de cui
Autonio Gi'raldo do Rego Barroca, em visth ,los 1,12) d.
editaes public.ialos p-)r eat t munieipall-i.-ie, 'h-.- mnnucipri
mando hi.itantes para a construcqlo de um ldieio eugenheir
para nova menercado na freguezia da Boa Vista, Polo *
vem aprusentar A seguinte proposal : August,
1.' 0 edificio conforme o art. 1' do referilo edi- q;i parai a
tal teri 26 m-tros de frente e 35 do tundo c-in 4 lugar Are
portas de entradaesahida, e em vez de 6') corn- cq.o comp
partimnentos t-ra 76, corn ruas espaCosas, same- Como reqi
[hautes -as que se vo no Mercado de Slo Jos4. Alpheo
2.P Come esta Illma. Camara faqultit sos lici- devidos i
tantes a moaificaqio da plant apresentada polo a pharma
engenheiro da municipalidade sob n. 5, o propo- deiros de
eente apresenta o esbogo de outm. mais economic, os devido
eonervando as memaa dimweAP sem prejuizo Antoi(
dit sef ra cobelleza, o aodidfafde, claridadc- e nalisari a
I.t.. o, oftereendeo mais a vantagem de 48 eo- deo Goyan

---tm, *


-:. a-,
4-.. .
: b ,.; .'--" .


ENro AOS DESPACHIOS DOS DIAS 22 E
23 DO CORRENTE
yvd. padre Mello, cmmissario de
es :
Costa Parent", pedindo licenaa para fa-
equeno reb6co e rebaixar a calcada da
iua casa sita A irua do Rosario, freguc-
Lourenco da Matta.-Limitando -so ao
concede-se, dando previa sciencia ao
co Pinto de Assis, para mandar fazer
to geral em sua tasa de tfipa, sits no
npo-Alegre, freguezia da Graca.-De.
uaes os concertos e satisfeito o que dis-
76 da lei n, 1,123., volte querendo.
enes Manoel do Sacrameuto para man-
r um: casa ie taipa no lugar deuomina-
eira, freguezia de S. Jose.-Nlo autori-
ei tazer casas de tajpa, senao nos luga-
a truta o art. 97 da lei n. 1,129, e.no
mste caso a que pretend edificar o sup-
ndefiro a suA peti92o.
Uaria do Carso, pura mandar retelhar e
madeira dai coberta de sua caea de tai-
ti em Apipue), freguezia do Poco da
Pagos os direitos e dando-previa scien-
ial, coneeriede-s.
pitalino da Cunha Cavalcante, para to-
-as na casa do sitio do Sr. Adoipho, sit _
Amaro.-Dando pr6via sciencia ai fis-
e-se.
ymundo da Natividade Saldanha, para
uganentar as dppudencias de suA casa
.nto Ainar a, ruan do C.iitltb, Liina, cous-
n quirt contiguo A r)fotri- a easa. -Pa-
eitos c leet'le se.
Maria da Couceii;,w, pedimdo liccnca
car ura c;isa de taip. ua rua do Rosa-
v,,ai'l) Trr-', 'freguezi; de Afogiados.-
o uite di.-piSe o ?&" 76 da ilei u. 1,129,
direitos mnuiieicipaes e de conformidado
ceier d.) S-. engi'uheiro, concede sae.
u-) Autonio I r-,ira, para construir urna
aip. nt n,,v.t estrai. d,i Inberiiloeira,
di Afoga I ),s.-Satisfeito o que disL,5 o
lei n. 1,12), pigos o.J direitoas e do e.-a-
cinn o pirde-e dd engenheiro, cmce-
F-rreira1 ile Albuquerque Natic'.aeito,
in;r umtn caua ,terrean coin sut,.t, tezilo a
a a ruan dte S. Jo.o e o uoitio p.r t ., do,
d Hlervial, fregat';a do S. IoA.--De-
atuprilo o 'q1e disp, o art. 76 d lei u
6 .-t- jahi de 1883, pimos oa direitos
eas o de conformidad-, corn o parenor do-
o, c-.ne.ie-se
St. Viegas, conmwissario de policia:
o R.drigues de Oliveirn, p'dindo licar
brir urn estabalecimento de taverua
Aas freguezia de Atogados, cuja arv
rou a Lourengo Juatau*o) de Limi..
uer.
S. Raposo, pedindo que.sejam. teitos o
ancamentos no sestido de-ter oomprada
cia n. 26 A rua do Bo Jesus, aos bar-
Pedro Muniz.-Sim, A Catadoria puw
a effeitos. .. -
i Casadoniua4,,?Sintlado hiceongs fa,,.
ins pars a casa a. 90 miss do viaoneH
Ma. -Como reuer, peo F1951
.7 ,


a rie ia & Jilljo


"9


- -


*0
00


tff *. "//-" .,. -\ i'1f


~tt% ';.. ',
0. ,. :." ,'
2 ".
~.


Ao mesmo. S..gxe. o Sr. proesidante da
provincia manda communicar alV. Exa. que nesta
data habilitou a Thesouraria de Famenda corn o
credit neceassario para o pagamtento. do pessoal
de que tract esse commando de armas em officios
de 3 e 8 do corrente'mez, sob us. 5 e 16.
A' ageneia de paquetes.-Da ordem do Erm.
Sr. president da provincia acecaso o aeebinmto
do officio de hoje em que V. Exc. comamWie tv e
o vapor Espirito Santo chegado dos iportos do
norte seguira para os do sui hojo mesmno, Aa 6 ho-
ras da tarde.

DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DIA 23 DE
JANE[RO DE 1885.
Bacharel Antonio Francisco Correia de Arau-
jo.-Ao exame, que tern de requerer o supplicante,
s6 se podera proceder na Secretaria da Presiden-
cia.-Quanto A segunda part certifique-se.
Bacharel Braz Florentine Henriques de Souza.-
Sirm, pago o porte pelo peticionario no correio.
CapitAo Benevides de Souza Menezes.-Informe
o Sr. inspector da Thesouraria de Fazenda.
Capitao Estevao Jos6 Paes Barretto.--Informe
o Sr. inspector da Thesouraria de Fazenda..
Joaquim Tavaros de Mello Barrctto.-Remettido
ao Sr. inspector, da Thesouraria de Fazenda pars
mandar attender.
Jose Maria de Albuquerque e Mello.-Certifi-
que-se.
0 mesmo. -Certifique-se.
Jos6 do Livramento, -Inform? o Sr. inspeet)r
da Thesouraria de Fazenda.
Joao Maurieio de Abreu. -Informe o Sr. ins-
pector da Thesouraria de Fazenda.
Lourengo Jos6 Correia.-Remettido ao juiz mu-
nicipal de Agua Prcta para tomar em considera-
cao.
Manoel de Oliveira.-Remettido ao Sr. inspec-
tor da Thesouraria de Fazenda para attender ao
supplicante nos terms da informaeio de 20 do
corrente, n. 42.
Paulino Jos6 Tavares de Lyra.-Remettido ao
Sr. director do Arsenal de Guerra para attender o
supplicante.
Secretaria da Presidencia de Pernambu-
co, 24 do janeiro de 1885.
0 porteiro,
J L. Viegas.

Repartlio da PoHelia


j

f/
I)

I !


-4



a'


























I --


i-


4


&.I. -,


I


I'


I


>
I
li




















. ,,.


' a-rosfeitaa '-
do ns. ,it r b
visto provwnm 4 annto ser* O
o valor mio M& M asnM e_4
.... o sea ad imnI WfmaSmm dam.
'do.
Pedro da P 1eud li(a PM ar W
eca no larp tstmto van4
nsorveto, oa^, cigarros e-dhirutos du-
os dima da festa.-Sim, pago o imposto, Ii-
i-se somente a expor & venda o quo requer,
q.qure chamo a attenglo do fiscal.
Za eUneOes & C., pedindo que seejam fitos o0
S. 4dyidos lanqamentos no sentido de terem compra-
e 4a 3d-fiuo Joe6 dei a o ,stb dt9 f nemnto
-b y lot sito u ea caa n. 137 A so lugar Areias
Aft ados. -*Sim, a Coatadoria para
d4 Aguiar, pediado licenga para ter urma
o_ Beftio Amnaro d.s Salinas, durante os
3^ f~a6taS ptrar vend4 de sorvete, caf e bolos.
f,< "L. "o o"lposto, lirltando-se a vender o quo
\ "af,^^ -ira o que chamo a attebni do fiscAl.
I ee Ribeiro & C, pedindo licenga para
:^ tr fdrir da casa n. 24 para a de n. 56 A. sits a
dta-Motoeolomb6, o sen estabelecimento de ta-
vqo TSim, a eontadoria para ns devidos effeitos.
F Mtfta Therea da Silva Duela, pedindo que se-
.; jum faitoo os devides langamentos no sentido de
i ter .acabado corn o seu estabelecimento de moLba-
do, aite na Boa-Viagem. -Sim, devendo pagar o
"" inapoto do exereicio corrente em vista da infor-
macio ,do fiscal.
.... chapel [Kano-l Mayrinack M)ateiro de An-
dr'h. c d pediudo lie nra p tra mvadar ealdisar
sa. casa, u n. 9 a ra da Auror,.-Sim, pago
. .. Sap. Mqweo Ferreira, replicando, pede
S qu. o iseute do pagamento do imposto de amuro
Vquatp0 Q ex-propiotario da casa n. 69 A run da
PaVWi a, boje do.sia prpriedade, bern como
S q, 3 i eliminada a casa desse imposto.-Em
LTc resoa& da Camara em sessao de 21 do
:. corrntes ow case identico, defiro a sua petigeo.
Prosper ]goadi, pediodo licenoa para expor ao
public junto as pontes e par poueos dias objects
nacionacs e e10trangoiros de pouco valor.-Sim,.
pagau'io o imposto de que trata a ultima part
do | 87 artigo unico capitalo 2 do orsamento vi-
gtnte e nio prejudicaudo o transit public.
Rachel de Souza Monteiro, pedindo licenca para
vender aguardente no Campo Alegre, freguezia
da OGra.a.-Sim, pagos os impostcs dos N 26 e27
S do artigo unico capitulo do orgamento vigente.
? Secretaria da Camara Munieipal do Re-
cife, 24 de janeiro de 1885.
I Leopoldino C. Ferreira da Silva.



MiMO BE PERINAIBUiCO

RECOIFE, 25 DE JANEIRO DE 1885
Noteias do norte do Imperlo


Qpq~ete iacioasl Mandos, que passou hontem
para s o sI, trouxe do note as seguintes noticias :
Amazonas
Datas ate 10 de janeiro :
S1o deatituidos de iateresse as noticias desta
provincial.
Lemon no -Carreio do Amazonas de 8:
0 Sr piloto da armada national Antonio Mon-
teirao Teixeira da Costa, escapou de ser assassina-
do coarn alguns tiros de revolver, em dias da sema-
na paw&".
x. omsta-nos qonie a antiga e nao liquidada,
dou'lagar a quo o aggressor osperasse melhor oc-
casiio para a desforra, que segundo nos dizem e
justifiada.
SLamentamos esse facto que em nada abona ao
Sr. pilot Monteiro da Costa. a

atas.at,6 17 de janeiro:
N ,dia 12 verifleou-se o 2o esenutinio no 4 dis-
trieto elitoral obtendo o Sr. cenego Siqueira Men.
des 387 votes e o Dr. Demetrio Bezerra, que ha-
via declarado abster-se do pleite, apenas 1.
S- Chegara a canhoneira portugueza Rio Lima,
sends a ua noffcia4idade muito, obsequiada.
Lemos no Diario do Grdo Pard de 14:
A's 111/2 horas da noite de ante-hontem, na
cadeia desta capital, o preso Manoel Pereira de
S Dev* que ahi aguarda julgamento no terao de
Brewes, aggredio inopinadamente os seus compa-
nheiros de prisa corn numa faca de trabalho que
escoaders A tarde, e ferio os de nomes Angelo Jos6
Soares, Jos6 Alves de Castro Brito e Martiniano
Antonio Pachecc, sendo graves os forimentos do
primeiro.
,, Pxesume-se que Manoel de Deus tenha sido
S accommettido de loucura, pelo que se acha -em ob-
servayjes medical.
Fallecera o Dr. Leonidas Ferreira Barbosa,
advogado em Belem, natural do Maranhbao.
Maraahao
Datas ate 18 de janeiro:
Foram eleitos deputados geracs :
1.o districto--Dr. Jos6 da Silva Kaia.
S3.o districto-Dr. Gjoaes -de Catwo.
Devia proceder-se ao 20 escrutinio no Go dis-
trieto, *o dia, 261 doacoreunte.
^ 0 president da provincia f6ra A Monio vi
sitaro engenho central ali montado.
Lamos no Paiz de 13:
c Regpessou de su. viagem A Vianna e Monqao
o Sr. Bariao de Capanema, que alli foi examinar
*:/ pesooelmente a natureza do terreno, para ver se
po r'IA podia levar a linhi telegraphica terrestre
S qu$ seAirige para o ParA. Veio S, Esc. conven
cidcWa impossibilidade de cunstruir a linha nes-
seaewmes banhados, que se esteudem na zona
qu e pereorreu.
i A Liga o Sr. Bariao de Capanenma a aaSior im-
&rtaneia A construgcao desta liaha, porque Ala
; tefde encontrar o cabo submarine norte-ameri
cano, que viA a um n dos partos da costa do nort(
S do Baail.
i<1ao podendo pasr a liaha d'aqui para Al
canteara, nio s6 per ser precise lanar urn cab(
submarine una bah;a, que -flea centre esta' e aquella
icidade, come porque, nao ofterecendo a linha exis
ttere boauss eondig5es nos extensos mangaes daEs
tiva, procura S. Exc. um ponto atastado desses
lurgares. Desejava que fosse por Piuheiro, Visa
na e Penalva ; mas, nio sendo possivel por eause
S dos campos innundados, como jA dissemos, a linhi
p partira do Itapecurui, na altura pouco mais ou me
S nos de Caximbos.
SVi, E'to o que esta por ora assentado.
a Vio para alli partir os engenheiros afimn di
estudar o terreno c levantar as plants.
,` O0 Sr. Br-ao de Capanema, a quem nao ha fa
digas que venam, nesta viagem affroutou a todo
os inoemmodos, par, faizer o i-xame, que fez, cominple
S to a o de nao deixar duvidas.
d -'[inms que S E~c. part para o Rio ao pro
: xipquete. a


4 .atwt. atE 4 de. janeiro :
Ajonta apnr.Ld,)r;d ito 1 district expedio di
lom de deputado auo Dr. Candido Gil C'stell
Lra co. Houve. pr,,testo por nullidade da .'licd
nam iaaochias dc Nossit Senhora des Dores ..1, The
r zia"' e de Nisa Senhora da Victomia-di- Uioiras
s endo protestante um dos membros da junta.
Leakosn' Epoca, de Therezina, de 27 de de
s: zembro :
i.- is Desde maito diziamos que a junta apirador
i daParnahiba nlo daria diploma ao Dr. Simplici
R ezende, fose qual aosse sun maria de votos n
: eklio de deputados geraes.
*' Traou-se o pleato e sablho victorioso o nose
euoegn corn 60 votes de maioria.
t,. Nic mpodificamos o nosso juizo e continuamo
.S enaie da qpesma manein, porque sabiamos se
doe-direito da Parnabitba o bacharel Firmidn
sMa M~irtins,.ieotesvetlmatei umn dos ho

Ai i. 4 .i..ndi.O -de
l ^''-" fHa'tM^'.OB^^iifeB'dOP'Obfn* ry
*^^^^^^^*^''^^^ r B816W 'lra


L
f
I

I
1


*HBim RI" ._li .juv; ^ .. g, *T'
gB .o n .. g un par < r a
io4ili s-.=.-
*o fa Ka entaicbohl b 14 ow Pamt"o i
I de euw i>e, inao d J
to-MA.--


&iobe o qul aEfor46edorre na0 .ia s
d peg^ f de-a ia de ddr 8eio db
A-- ei, p qmdva M .oa-Assi* d" MW ,P
5&o. 4-"ufw cand dill eormm maiml *
TAt cdM c V.I-' fl. 3o era 4L4
wrw diffhwedv&r AfIR &AMfl 1a1lgpff do FWW-
nahyba, e a celebre-pedra do roeo,--enore
rochedo qua se levanta no meio das aguas, e
sobre o qual a forca da correnteza atirava .as
embarcacues, fazendo-as sossobrar, doixou de
ser o terror dos navegantes torgadoo a passer
na cachoeira, pois graias aos melhoramentos rca-
Eresaft, o --- -cufc itaetau* ra pw1
e saporangs.
A -omaissIo tendo cenolaido as ebras d'es-
1M cachoeiras, mudon-se para a Vila de Nova-
York, afim de proseguir nos trabales da do-
Surubim cujo serne ji ebatante adiantado,
tern estado parado, poir falta de algumas maqui-
aws'necesarias parm a continuago dus obras, e
que pla eommissao foram requisitadas ao gover-
no central.
% Ao Dr. Benjamin Franklin, chefe da corn-
adssai, e aoas engenheiros, seus auxiliaros, cabe
* gloria de ligar o seu nome ao mais impoctante
Sproeitosojmelhomamento material da provincial
do Piauhy,-qual o de franquear A navegaclo o
rio Parnahyba, farendo desapparecer oa maitos
e perigosos tropegos que alLi existem. E nesse
empeuho tern o iluatrado engenheiro e seus dig-
nos companheiros do trabalho envidado todoa OB
oatoros,, felizmuenfe coroados de born exito, comno
as obras da Varzea da Cruz.
S Nossos emboras aos distinctos profissio-
niaes.
Ce~ar
Datas at6 21 de janeiro :
As tolhas desta provincia nada referem digno
de nota.
No anno proximo findo de 1884 a estrada de
ferro de BatnritW apresentou este balanQO :
Receita 299:5084614
Despesa 261:157,793
Saldo 38:350821
lio Grande de Norge
Nao recebemos jornaes desta provincia.
Parahyba
Datas at6 23 de janeiro :
Pelo 4.0 district f6ra eleito, em 2.o escrutinio,
o Dr. Manoel Dantas Corra Go6eo.
Constava que seria perturbada a apura.ao
do 2.9 escrutinio no 3.o district Para alli seg*i-
ram o chefe de policies corn urma forca eos Srs.
commendador Silvino E. Carneiro da Cunha e Dr.
Manoel Carlos.
Escreveram da villa da Concei*o em 4 do
corrente ao Diario da Pcrahyba :
S 0 delegado de Pombal, capitao Jos6 Juvi-
niniano, a requesiAo das autoridades de Caja-
zeiras, toi a povoacao de Santa F, corconu o com-
mercio no dia 21 do passado, estando no commer.-
cio os celebres caboclos Agoatinho e 'Nicolau-
que tanto tem estragado a freguezia de S. .Jos6 de
Piranhas.
Os caboclos romporam a tropa, como se
diz no sertao, e depois fizeram fogo sebre ella
retiraram-se para um serrete visinho.
S A povoacao esti assombrada, e os homena, a
quem esses caboclos perseguem, em verdadeira
afflicglo.


INTERIOR
Congress da InstrucIao
DO
RIO DE JANEILRO
8a QuJ5sTAo


Educacao physical nos Jardins da in- I
fancita, nas eseolaa primarflas e no*
Pareeer do Dr. Joiao Pedro de Aquino
Introduceci8o
De todas as quest5cs de pedagogia modern,
aquella que mais interesse e solicitude deve me-
recer da pate das families brazileiras, e sobretu-
do do governor imperial, 6 sem duvida alguma a
educaao physica.
Baseada na physiologia e na hygiene, intima-
monte ligada com a educaciao moral e intellectual,
ella offerece urma series tao grande de assumptos
imporantes que 6 muito difficil, senate impossivel,
tratar de todos elles minuciosamente em um sim-
ples parecer, como este, que tenho a honra de
apresentar.
Assim, pois, limitando-me a descrever em tracos
largos as prineipaes questoes de educagao physical,
que cuidadasamente se deve attender nos jardins
da infancia, nas escolas primaries e nos collegios,
procurarei por emin evidencia as id6as dos mais dis-
tinctos physiologists e hygienistas mjdernos.
A educaaoio physical eomeca desde o nascimen-
to do home e a natureza e o melhor dos aiestres.
As diversas sensaVoes de fome, de s6de e de frio
quae a crianaa experiment, determinam energica-
mente.a hara em qae ella deve comer, beber e
agazalhar se.
Os rmnoarentos instinetivos que ella faz corn a
eabea, cornm os braos e cono as pernas, encarre-
gam-se de desenrvoalver os musculos de-tod as a
parties de seu pequeno corpo.
O grito e a risada que ella dA, quando uao saEo
era excess, manito contribuern para fortalecer os
seus fracos pulhnes e mais ainda para facilitar a.
Tespiraveo.
Finalmente, o inmovimento de seus olhinhos para
anompanhttr urma luz que se move ou urma bola que
Sosdihla eomo umn pendulb; a attenglo que ella
presta ao canto suave de suna mi, quando a quer
- faser dormir; o esforco que ella emprega parsa ap
Sprehender um object que se lhe apresenta pela
Sprimena vez; natda mais 6 do que um principio
e da edueacgo natural dos sentidos.
0 bom educador deve guiar se pela natureza. e
- observer -attentameate come ella procede, para po-
) der imital-a.
i A mai,,r prova desta verdade esta em que o he-
- memr selvagem 6 physicamente mais apto- do que o
- home civilisado.
i E, si nas lata-s coutra os civilisados .nem sem-
- pie vencem os selvagens, 6 porque estes nio pos-
i suern anrmas de guerra iguacs aos daquellas ; e
a tambem porque os selvagens nao ten asuella mo-
- ralidado e instrucio que, revestindo a conscien-
cia do homem de urma certa superioridade, Mle dA
ao mn'smo tempo today a coragem de qqe elle no-
B cessita para rcsistir aos perigos.
DA EDUCA9Go PHY8ICA,'EM GERAL
- A educacao physical tern per fim emprsgar todos
a os mesa necessaries pars quo s diversos orgros
do corpo hu;nane funecionern conforme o seu des-
tino, sein nunca de mode aigum comprometter a
siide do indlividuo.
A physiologia eos dA a conbecer a fuunceio de
cala orgao e a hygiene nos mostra os meios de
conservar a saude.
0 eJucador physico dove tcr been presents os
ou segiintes principios :
o 1 --Todo orgao cresce e fortifica-se pole exer-
!- cicio e se eafraquece pela inacqdo.
i, 2.--Oprogresso de ium orgao contribute para o
proyresso dos outros orgdos e mais ainda para o
desenvolvimento do corpo inteiro.
3.---'0 progress de um orgdo s6 se faz depcis de
a muito tempo ede um modo insensivelo. Nenhant or-
o Ago pode ser desenvolvido bruscamente.
a As parties da educaqAo physical de que nos va-
in-3s occupar, slo as seguintes :
o 1 a-Desenvolvimento do system nutritivo.
2.8-Desenvolvimnto da forca de resistencia
s contra os agents eoternos que tendem a .nfraquecer
r 0 corpo.
o 3.' Desenvolvimento da forca muscular e da
agilidade.
4.a-Desenvolvimento da actividade de todos os
e sentidos.
10 DESMNVOLVIMENTO DO SYSTEM NUTR'ITVO
Alimentapdo.-Os meninos devem ser alimenta-
L. dos em hora eerta, mnastigar e inalivar.be a ao-
mid, e receber -ma qafida.dMer do a _td tal,
-' -quo etes fiquei sajsfojtos. Na it .aao ..ema
r- pfna-iMaitar.-m-ea offlrd de aliaieto.keeaa-o


p
In

00
e
ci
ro

ci
n
ce



a
a
m
C
s
c
n
d

8


4u
a




p
14
t
c
1J

I
U
-l

!

t
v
i,
t


"Om
*se*ergia; -o<
urwil oUffld


E "portanto
exctamente a quantid e d alimento que praecisa
eate ou aquelle merino.
Quanto a quaufiddade- A akowtU94 VBK b
reconhecido que ella deve seo mixtit: enter
mubetancias azotadas hadrocahuaroda idti

viado os prinaimo- par& -a TWeUievin tdos
e oa ultimos paru smerem qudmlimm.dpete exy
que a uipir intredufo4 -geisnUM.
FAtA ho promvdo -qua, penafama ent
mer boa, deve cmta pows dma eOImHowun I7
grammas de erbwlm d 6 iqmaas de aouftcia
azotada; e como nao.a, wamnta algns qw af-
teuha netas properr o earboto e os _td, .e-
rgue-me que a abzeataio-deve aser variada. Ahm
imto, aindahia urna out b raze pmra variar a ati-
mentaao : a diveridade de alimeneto 6 um esti-
malante nervoso actilva as pulsagim e i corabO
e faz com quoe o sangue, .sendo expeUido eom
mais firna, a.xilie a digest.
D'onde se conclue que nos collegios a owi4a
dove ser abundant e variada; cada menino BO
estado perfeito de saude deve e-colher instizoti-
vamente os alimrnentos que mis lhe oonv&a ;re
no estado de molestia dove preferfo eite ou aqu
alimento, que f6r aconselhado pelo medico quqoeo
estiver tratando.I '
Bepiragio.-Os orgies da respiraao aoaqd-
les que mais neeessidade ten, aqui no Rio de J*-
nsiro,de davolver-se morto nas eriavas, afimga
evitar a grande mortandade, devido & ti 0c


almoner.
Para isto devom ser as aulas, os dormitoriowe
i refeitorios bemrn arejadus, espago0os e clat.r b
os m-ninms devem easier onstantemnte eor-
icios de leitura em voz alta, de declamagio e
ousica vocaL
Comtudo, 6 precise nio abusar destes ulttin
ieios, porque podem resultar delles eonseque*c
ias bem funestas, taps como a perda maios oame,
os complete da voz, as laringites chroniese, e
ertas molestius pulmonares.
DESENVOLVIMEMTO D A FORA DS aBES1ISTBcA.
Vestiario. Demonstra-se em physiologia que
irradiacao do calor no corpo das eriangas 6
nuito maior que no dos adults ; e que 6 neces-
ario para impedir a perd a de calorieo, que tm:
omo consequencia a falta de crescimeuto dos me-
ainos e differences molestias, que o vestuario seia
.le umna fazenda compact.
Liebig diia a que o vestuario d para n&.o
irnples equivaiete de urea ,erta qmW ided e
alimento m, porque diminuindo-se a perda deoca-
orico, diminue-se tambem a necessidade de e0w-
bustivel para manter o copo em unma tempera-
ura convenient.
0 vestuario dos meninos nio deve ser do seda,
Ie velludo, nem de qualquer outra- faendla de
uxo; etambem n ao deve ser ser de coesquoe sse
ujem facilmentd.
0 vestuario dos meninost deve ser do l1,eeuar.
)astante folgado, paras que os memaos pousam
pular, correr e brincarMlivemonte.
Banhos frios.-Quando se expoe oeorpo.hu-a
nano, dur. nte pouco tempo, a um frio nat ain-
enso, ohserva-se- quo e oorganismo sa e uenma
reaceao: a circulagio aceelew-se, a pelleafi-
vermelha e aente-se um calor mais forte do que
intes da expesigo.
Esta reacio fortifica a pelle, habitua-osa
nmelhor supporter o abaiameuto de ei
e por isso tem-se considerado o banho fLio come,
um poderoso meio hygieouieo .de prevenir e-de cu-
rar certas molestias, prinaipablmente -nos paizes
Comtud, 6 precise se ter sempre em vista os
seguintes preceitos hygienicos:
1o. Sd6 se deve tomar bwhos frios depois de
terminado o trabalho de digestdo.
2o. Os banhosfriws devem ser rapids e. %midos
immediatamente de exermiios moderadoe.
3o. Salvo indicaf o therapeuticA, padem. tonmar
banhos Trios os individuos que estiverem no estad
perfeito de saude.
DESFNVOLVIMRNCO DA FOBRA MUSCULAR E DA
AGILIDADE


Gymnastica. Existem 3 expecies de gymnas-
tiea: gymnastics de corpo livre; gymnastica
con appareldhos moves; gymnastics corn appare-
lhos fixos.
A primeira 6 a unica que envem aos alumnos
maiores de 6 e menores de 10 annos de idade; a
segundas p6de ser dada a alumnos maiores de 10 e
nmenores de 14 annos ; a terceira s6mente a alum
nos maiores do 14 annos.
Antes de 6 annos de idade, nenhum menino
deve aprender gymnuatica.
Nes jardinvda infsaia, quo eso estabolecinmea-
top dostiwados a edueaco de ,eriagas meAnores,
de 6 annos, a gymnastioa6- eaubstituida p-oes
eseroidioi* qIe o menilo faz -cotn aceabea, .oom os-
bxaqos, oem as pevnas e con a v ia-imitsdo di-:
vonrsos offivios e profissoes, takes como o aifaiate, o
sapatoiro, o serralheire, o amelador de facas, o
saldadv a eavalo, o machinsta deuan trem de.
ierro, etc., tudo aeoompashato doe eantico pro-
prios, dando cada umn uma id6a do officio ou da
pBofisao que o menino peotendeimitar.
A gymnastics de corpo lire tern por fim desen-
volver, per mero- de certoe .aovimentos e attitudes
piopr'is, uua flezxbilidade cowveniente a todosoIS
orgios do corpo do meoipo, velatiameute ao sea
estado de maude.
0 Dr. Schreiber, o pnimntiro mestre desta a es-
peloie de gym-nastica, apraenta em seu livro-
Gymastique do e4ambre, traduaido do allemlo
para o francez pelo Sr. Augusto Delondre-qua-
renta e oinco destea exercieios, oada qual mais
interessante, e destimado a -um eerto e determina-
do tim hygieico ou thebrapeutico.
Todos .0 directcres de collegios deviam ler este
livro e tazer pratiear todo-.estes esxereicis, eomo
e,'. fiz em meu collegio, sob a direegio do distine-
tissirmo professor de gymnastiea pedagogiea o Sr,
Paulo Vidal.
Qiando os exercicios de corpo livre sao acoma-
panhados de um canto alegre e patriotic, comi
se pratica na Suissa, onde ha uma music eapc-
cial pars a gymnastics escolar, entao os effeit-js
que elles produzemn, tanto no moral comno no phy-
nieo do merino, sao de alcanice extraordinario.
A estes exericiios se c-umos tr-i r-unir onutros, nto
ineuos imp-',rt-ntes, c'>i)m form-ituirns militares c .i
pelotio, n-rehas, Coutrti-marehas, i-c.
A gyrnnastica corn apparelhos Amoci, t, rn po. filn
dar basUtante eaergia io s6 aos musculos dos 1.,..,.
qos e das perisna, comno tumberna nos musetilos dos
urgaos respiratorios e .bdonainaes.
Os a pp.rcl hos enpregados nestagymuasfica saIo:
os pulshos (haltres) de tereo ou de chuubo, as
clavas (m;lls) de mnadeira em f6rma de g;arraifa, as
varaz. simples, as barras de inadeira tercinadas
por espheras, a tamborete iaeliuado e corda par-a
sautos cm altura, os cabos para teosdo, as perchas
cyhudricas c cabos para subidas.
A gymnastics coim apparehos fixos, taes Loaio
barra fixa, barras parallelas, inastros, trapesiose
.,'ullas, esti boje condemannada per quaisi todes es
Saesadores moderaos, como serviudo mais paqa
,-Jbacia do que pars pedagogia.
Outros exeroicios de nao m -aos utilidade sio: ia
na taglo, a equit&alo, a eagrima e a rena*io (exzo-
cicioa de relies ; os quakes nio podom ser aqai
description par faa do tempo.
DESENVOLVIMENTO DA ACTIVIDADE-
D OS So h HPQ--
Viadcfl _a tftna a i aa~siiflllk&icsl nN .ia


rouMkdma tamaoa I~iii iBta
ntro dlhos OA

ypias, et, a tand todos os or
io reflected por saa vez sobre oorgao da vista,
uiiaasindm oma. jmaidtenaa.t-desta orgia.
Aedue od 4rt oMnpre de rineo psr-
es seguintes: '., aguead vista; 2.a adajtoao


A agudaca-de vwftrubtom-so nos -nmuinos Eazen-
.0 corn que eHeo obseryem esutautemente .*jeu-.
os stuados a ratoad dtaeas.
E' em virt.de -die exercicio continado que os
narithiro, habitados a viverem em frent" dM
torisoa t imneousos, posuma tanta agdeza de
A adaptao da vista s a fanculdadc que tm os
lhos de verem nittdamente o mesma objeto a dis-
ancias diversas.
Obtem-se esta adaptaao fazeno corna qu os
meajuos nao se conservemn por muito tempo em sa-
as peq enas e quasi escuras ; nemu tambem que
eiam livros impressos corn lettra miada.
As isiauses d: vista podem ser rsconhecidas polo
Aonstante exereieio de emMparaco de divemrsas es-
lampas do mesmo ubj'-tco desenhado em differen-
Ies pouices, ou plsa observaao de objects natu-
-aes oellocados em maior ot menor distancia do
)bservador.
Tedis estaq ilunsFes coordenadas e sujeitas a
egras determmindas, servem de base a este ramo
rmportanfte da mathematics, que se chaina Pera-
sctiva.
A emporia das imapress aes consist em fixar no
penarmento, parn sem apresentada qoando houver
aecesidade, a lembrs. de certas irpressoes vi
iOes. Adquire-se esta memorial por exerici o
eontinuado de concentracao do pensamento.
Applicada aoe lugares, chama-se memoria to-
cal; ao rosto hunsana, mewn-ra pysiornmmica; aos
objeetos, memorial graphlca; as cores, mrnoria
lakromtioa.
A precis-ao ouo golpe de vista se a qualidade que
t6rn certas pessoas de rapidamente determinareoin
o cumprimeto de uma linha, o numerdo de bjectos
on de pessoas contidas em umr grupo, a vdeocidade
de umr movimento, et.
Esta qualidade so se acquire no fim de muito
tempo e depois de murito exereie io.
Os engoaenheiros, quando trn muita pratica di-
zem, sent medir, qual e o eamprimento de tal !i
nha, o general quo tern vivido muito tempo no
esercito, olhando pera um batalhao, diz quantos
soldados elle eont6m; do mesmo maodi o machi-
nipta pratico diz corn que velecidade se move umr
tremi de ferro, etc.
SOuwvido.-Pode-es educar o sentido da audicao
polo exereciio deste orgo; e6 preciso porem nSo
abusar, porque em vez de desenvolvimento podrem
apparecer diversas molestins.
Um exereicio convenient e que os meninoeb gos-
tam md ito, contiste em da m uma graunde pancada
em u tympanoo em Uma ecampamha e fazer corn
que elles atteadam e esperem que o som vA pas-
sander por diversos graos de intensidade ate des-
aeparecer completamente. Por estes exercicis os
ouvidos adqn rem grande setusibilidade.
izeato e ofatmao.-Ates.dous sentidos sd se des-
euholvem no fim do mlito tempo; elle tern sua
iiportaucia em ehimiea, por causa dias proprie-
dades orgawleoti6am dos corpos.
Tacto.-O tacto ton por orgao toda a superfi-
cie da pelle; onide, pm ele se manifesto eonm
mals intensidade. 6 s rt. os.
.P.r meio do taetoreconhecemos a temperatura
o polido e a rugosidade dos objecios, a forma
muitas outras pr opriedades dos corpos.
:Por uma lei adinravel da Provideneia Divina
*Tail-unm-bJw-*ns*o ..-o.ta t "* d~~m j~Iluyivm maii
energia; 6 por isoe qui os oges te a o taste m.i-
to finoe e s surdos-mudos ura grande agudeza dc
vista.


RfiiSTk DL I0A

Autoridade. polleftae Pr portarias
da presidencies da provincial de 23 do corrente, e
sob proposta do Dr. ehefe de policia de 17 e 20
foram neralas.a npalin, Sft assetnintes. astori-


am grand. ii u u* Ye o inquect toi
ci Sa o. a n an tn>'. :r
llltlee -ieftw de nn d Rao
ardiaa ea it promatr liamE.o a
de minstracu o pi' w dam dad_ d
freguesi do & ht W M eo ftgalve%, rdino
EUntrio. Teimia -rro-
0 fillocidoi1 0i 1 T ab 50
annos e exrdarn. o=aMaib^O.
Deixou na mu r za s.a yiutagsa
w 5 filhos.
Club Litteks~a r vsu Naf-
wareuo-Esta aauociago olemnisara co-n uma
festa, no dia 27 do corrente, o 4 anniversario da
*M dacao.
A eomissio nomeada para os festejos comp e-
se dos SCs. Abilio Clementino Bezerra, Bellar-
ii. da Aade I.tas a Maal Xamwec do An-
ara&T'aaoneelos Sobrinho.
Feimti os cairsawaleseo-Tambem os
moradores da roa da Imperatria se preparam para
testejar, como e6 de costume. os tree dias de carns-
val. Para isto, or Wnisou-se desde o principle da
semana ruma eommissso, que tern jA trabalhado
bastante, encontrando o neeesario auxilio de to-
dos qautea nHi resi :em.
Cempoe-se a referida commission dos Srs. Joa-
qi Teixeira Peixoto, Abilio Pereira da Silva,
Joo Fernandes Alves de Carvalho, Justiniano
Pereira da Silva, Francisco Soter, Antonio Vicen-
te da Silva, Antonio Maciel deo Siqueira e Jose
Henrique Pereira da Silva, o penultimo dos quaees
6 o thesoureiro.
Applaudimos de coracao estes festejos pois que
ale6m de concorrerem para maior brilhantismo dos
folgs-es daqueftes dias, fazem corn que seja es-
quecido o eatipido e pmge* o entrudo.
Instlitef Aileew"glis e t4eogra-
phle --Esta associagio, na f6rma do costume,
commemora no dia 27 do corrente, depois de ama-
nha, o 230 anniversario de ana creaao e o 229
anniversario da restauragge de Pernambuco, corn
a expulsion dos hollandezes.
Havera isessao magna litteraria, a 1 hora da tar-
de, na side do Instituto, que se conservara aburto
e franco ,A viits public.
Aualverwarlo-No mesmno dia 27 complete
7 annos do idade S. A. o principle D. Luiz, segun-
do filho da princeza imperial.
ExpoaeliaoCtlltieo-hEdustrlal-Ho-
je, As 6 1/2 horas da tarde, terA lugar no salao de
hours do Lyceo de Artes e Officios, a distribuieao
dos preminos conferidos aos expositoxes da ultima
exposico artiatico-industrial realisada pela Impe-
rial Sociedade dos Artistas Mechanicos e Libe-
raes.
Couwas graves-Eneontramos no Paiz, fo-
Iha do Maranhio, o seoguinte :
a Hoje entire os despachos pelo Sr. Barao de
Capanema reeebidos de Montevideo veio o seguin-
te, de quo fez-nos S. Exc. o obsequio de dar co-
pia :
p Montevideo, 17, As 11 h. 50 m. da m.-Em
Buenos-Ayres foi declamado curse forgado para os
bihetes do Banco Nacional. 0 ouro tern 20 /
de premio.
S As manobras do Conde d'Eu, nas frontreiras,
teem causado muita inquietaao.
Na capital do Chile deram-se grandes de-
monstrates contra Lopes Netto, ministry do Bra-
sil, por seus discursos contra o Chile no tribunal
intern-eional .psra as indemnisaoes de guerra.
Reoeia-se rompimento das relagses diplomaticas
o6m o Chile.
SSendo muito grave esta noticia, perguntou o
Sr. Barjo de Capanemi se eram fidedignas as
fontes d'onde ella vinha. Responderam que cons-
t*va de todos s diaries de Montevid6o, de hon-
tem e hoje. .


Bepresentantes da ftaea-Ao bordo
do paquete Mandos, seguem parsa a c6rte vindos
do norte :
Amasonas-Dr. Antonio dos Passos Miranda.
Pard-Dr. Joa6 Ferreira Cantiao, Dr. Guilher-
me Francisco da Cruz, Dr. Demetrio Bezerra da
Roeha Moraes e Dr. Samuel Wallace Mac-Dowel.
Maranhao-Dr. Francisco Dias Carneiro e con
selheiro Almeida de Oliveira.
CAsmd -J.D. adenx- Ainto B]Iges, Dr. Je-
': Pompeu do Albuquerque Cavaleante, conselhei-
ro: Antonio JoaqaimNRodrigues Junior, Dr. Met-
tou da Franca Alencar e Dr. Thomaz Pompeu de
Souza Brasil.
Rio-Grande do Norte Dr. Amaro Carneiro
Bezerra Cavalcante.
90o. Dintricto No dia 22 do corrente reu-
nio-se, no Bonito, a junta apuradora do 9o distric-
to eleitoral desta proviacia e expedio diploma ao
Sr. Dr. Jos6 Bernardo Galvio Alcoforado Junior.
Nao houve protest.
Dinhelro -0 paquete Mandos trouxe do nor-
I& _. __. -


-,,- ...... r.... -- .......... e para:
dades: Silva & Guimarnaes 4:640A000
iRaymundo de Sa Araujo do cargo de delegado Baltar & Oliveira 2:001,000
do termo de Salgueiro Miguel Jos6 Alves 2;0004000
0 alferes Joaquim Eduardo de Godoy Vascon- Costa Carvalho 1:500000
cellos do cargo de delegado do termo de Panellas ; JQs6 de Oliveira Lopes 1:073,680
0 tenente Gercino Martins de Oliveira Cruz do Joseph Krause 600,000
cargo de delegado de Tacaratd. Braga & Gomes 587A500
Foram nomeados na mesa data sob proposta Jos6 da Silva Reis 5004000
as seguintes autoridades policies : Soares do Amaral 270J000
O alferes Carlos Augusto de Almeida Scares
paea. delegate do Tacaatv ; t3 1 t larn Ha hoje as sgunin-
TeaMiae-ocormnl Joaquim Aae S ASajo, dieter 'e :
gad: de Salgueiro; Dos Artistas Mechanics e Liberaes, em assem-
SAxtoio iJosi QwoWales Pire Feereirs, dele. bl6ageral, As 10 homea da manhi, pans elei''o da
gado do tanetUas. avaO directoria.
SDaa 1ngsna,.As 11 horas do dia, para eleicAo.
Bilketes falsos.-O Sr. Dr. Francisco Au- DO Mqnte PioBorn Suooesso, em assemblha ge-
gusto da. Foaseca e- Silva delega&do -o disteicto rail, As 1 hwas da manaiL
,di capital, conelnuo ante-hontem o inqnerito que. --Aanaihaa s seguintes :
.4rio para o descobrimento dos autores da fajsTfi- Da irmnandade de Nossa Sehora da Luz, :s 11
ca0o deb hilhetes da eatradi-de rro de Ofiida,e horas do dia, no respective consistonro no conven-
Beberibe, facto de qne jA.demos aos Ieitores resu- todo Carmo, pars eleiO da nova mesa.
mida noticia. Vilwa de t utpap& -Erm 23do corrente es-
Al6m das buscas rigoropas que procedeu nos creveu-nos o nosso correspondent a seguinte car-
estabelecimentos de Agostinho Albino Beserra, de ta:
-R'aposo & Roma, de Epaminondas Marianno de a Nao occorre aos antigos desta terra uaea epo-
Souza Gouveia edoe 3M4odo & IMa0o, pwocedeu cha tao escassa de chuvas come a que temos atra-
tbmbem em a casa de residencia de Antonio da vessade desde os primeiros dias dc setembro at6
Silva Azevedo A rua do Apollo; paor ordem do S hoje!
Dr. chefe de policia procedeq o subcelegado da Duranate o iateyrrgnoda ultimi secca faltou
freguoezia da Boa-Vista, buscas tambem em'csa chuva bastante para:crear a lavoura mas nulca
de Jos6 Martins de Castro, morador em Olinda, e taltou a ponto de .nao poder alinentar os xibeiros
na de um dos socios da lytographia de Raposo & como agora succede.
Roma, em Beberibe. c Estamnos quasi sewa agua para bebler!
Apprnhendcram-se bilbetes em powder de Manoel A soemana paosada houve uma ,trovoada ao
Augusto Ferreira de Novaoe, Antonio di Silva puente ascompanhado de relampags.; se houve
Azevede, Jos6 Martins de Castro e Joaquim de cbuv, a.i no os cnatou ainda e aqui apenas tive-
Almnida Reis Junior, impressor da lytographia de mos a atmosphere cairregada, como dizem, e nada


Novaes, declarou que por mais de urma vez ven-
dera bilhetes a diversos, entire os quaes citon Dio-
nisio da Silva Guimarnes, que por sua vwz declarou
vendera-os ua Estatoe, sendo desmeatido pelo res-
pectivo empregado.
Antonio da Silva Azevedo declaou que os bi-
blhetes encontrados em sen powder, tinha-os achado
ua rua da Penha, e Jos6 Martins de Castro e Joa-
quim de Almeida Reis Junior, que compr:Atra os
dirus bilhetes na Estaao.
Interrogado tambem Auptreclino Gomeas, decla-
rou que ashou no paiteo do Catrmo em Olinda, trinta
e fantos bilbetes da companhia, os quaes por duas
iotra8 vezes d6ra a Novaes para vender.
Interrogado Pedro de Fcrtes Ferraz, dcelarou
que em 6 dc novembro ultimr ITe appareeeu Jolo
(h! Almeida Reis Junior. em sun icas, e encomn-
ni,.ndou-blhe que abrisse a gravura de um bilhete
de segunda classes, a mandado de seu patriAe Epa-
minoadas M. de Sousa Gouveia, dciaranudo Reis
que o gravador da casa estava doente-Feriraz,
ajustou o trabalho por 5%000, e no dia seguinte
deou gravura prompta, recebeado a importancia
Jdo seu trabalho.
) depoimento de Ferran- foi confimnado par 3
teatemunhas que foram inqueridus.
Interrogado Reis, negow o que diase Ferrz, o
qua por aua vez, rcanieomu at emte os bilheotes
falsos, segundo o exame, aaigms sahidoan impse-
sos da giravuan que Lc, e -4 no bolm
de Reis, na-lytogm ia.Bde sa a paW alan-
ao m -
C-ampWe astir quo Joo de ArefiU4pie jH urn-a
^n .^ .onaW^^^ uindij|; nQa


i chisaiG.e.sa d a


Occultamoa ,ha dias trees casos de variolas
nestsa v, illa, felizmente benignos, visto que smear
a noticia e desanimar o commercio e afugeatar o
povore que emigra par aqui, e demais pedir recimr-
sos ass poderes publicos 6e clamAr no deaertc, p),
cujo dissabor temos passado mais de uma vez.
c 0 Diario, eatreta.to, erp sea numiero de 17 do
current, dando centsa da abertur.t de maa esta-
qio, diz qui somos nun povo que inereaeenos ja al-
guaina attenqcio dos poderes publicAs, etc.
,, Poies bem, os ultimos cases da variola foram
tuatados pela caridadm popular tendo a. freante o Sr.
Dr. Lustos.a e o delegado de pulicia ; agora ha
inais quatro em unma numnerosa familiar pobre, a
quid, conform, ouvi dizer vendera alguns ob-
jectos de imprenendivel necessidlAde prL o tr~ata-
mento dos dueutces e aquelles cidad,is, cminuuamn
na meritoria tarefa de ageoeiar dunativos para
ausilial--s.
ic E, se propagar-se a cpedeinia quenm estAi dis-
postoa supprir hoaspit;es de todo o necessarily?
,, Urna vez pedimr vaccine c esta ca ei.)a vcio
rititerainos o pcdido que no custs mauito para se-
:ittendido.
Deus quira que mais tarde nilo teu'iamos dc
reponspa'hilisar os takes poderas publicos por tanta
falta de interested pelo bern publieo.
PMrn quin nao conhaee o horario da psrtida
dos trends daqui para tUsa, cumpre advirtir que 6
a 8 hoEsae nponto, da manhh ; isto para quo
ninguem perca o: trem, onmo jA alguem Lem suc-

SC iaU-eatiq. o mpovinento de cargas c
pa aa rie w ^two..
As 4Iguv# m na exportaio

-A em Wpr de efi-
1ANE ^ C eM



,B... i 4..-..


-AL-
-4."w.' : -.i -


Lwovoe do ado"....





mdian an& -
oidWW J10 08 UN^ ^^

'U 0M irtuado daem v 1iet -
>X kg n-Oi n t~il y w t swe



,rti cones muito faIl aere nnqtmalioo;
IMversa. Esta se a diffena centre s dous retr-
m* dl-poac- flaw,s ag ido oi fdd


Uiwdade da s ntoas-As un4 p e rt q
m a pei enturain no doamaiome d b vllea. o.
, pode sent bells mita o orn fazer estrategs ?


As unline dofondemn as eutrem-idadern doe dedo.
as quaesd sodffre as daaerrotas, ra cousa 6 u. l
iversa. Esta c a differena limetre os dos retrana,-
oas pques do mesmo ta sala. o rsce cad me.
Scuidadeo dam unhas est -A st uneitaenta limits-


o ao usa do eanivotinho e dan temouram sobn a
arm liv e e entram no dominion da belle. prve-



ir quo a epiderme adhira A superficie da lunnia
so pralongue sabre olln. A inargem d'oesa epi-
em pode aero dbve nunca sm o cortada, feias unh asp ?-
As unhas defendem as eztremiidadcs doe dedoe



So limar-se a souperfici dz para unhpertar e t, pae assim



lia engrossa-se muito.
A ms crunhas devem um melim corn a esovinha m-
osada, pe ja do mesmo tamanho cresem cada meos. E'
re0 cuidado das unique jam eortadas as nthas a amento limitir-
o, e nuso duito eanivetinho eas. A dos pt devemor ante a
argem livre e prcsora quadada e sobretudo nafimo de preve-
or que aptaias c-i decl adhira o suprficie danulajusto.




Nio ha pars isso regma mais important. do quo
spertan prologue oa bra e ella. A margem d'ie a epidere,
ierme nio deve uunca ser cortads, e aem raspar-




e frms o liitmar-se a sp base rfici da unha. B, torque assim pe-
,Ila engrossa-se muito.



As unhas devem limpai smaefim coun a escovinha mo-
hada, e jamais comn instruments a 'doe. E'



anrecis paa oquser ejar desortacada a marge livae smcia-
pidm, e nao muito curtas. A dos pa ha. s devem antesto
;uer cos usa ora quadrada e sobretudo nao deve-
nos apertal-as c-m calgado muito justo.
Nao ha par& isso regra mats unportante do quat
Lpertar para traz a margem livre da epiderme,
pw forms o limited da base da unha. Basta ape.
aas adoptar o pressor de marfim duas vezes nta se-
nana para conservar destacada a margem livre da
apiderme, gem offender a raix da usha. E se isto
juizermos usar com muito violeneis e freuni
a raiz ficara offendida e se fornaarao manchas
Tanuas.
Quaando as unhas sujas ou pallidas, deve-w
adoptar o succo de limao.
Ter as unhas mrito compridas, posso que poli-
Last, 6 loucura e prova de effeminaao. 56 con -
v&m para dar urma semrnelhanga de unhas de ga-
riio, desprezar muito tempo, renunciar a volu-
ptuosidade d'apertar a mao dos homens de bern e
iomo se deseja As bellas; 6 precise igualmeate
er pouca estimagio ao tempo para prestar tanto
nulto e tanta attenVAo a umarns parte tao issignifi-
cante do nosso corpo.
A estes leIes ennuchos lhes applicam murmu-
rando o verso de Dante:
Ache vil fine conrien che tu caschi.
LeUdiem-Eftectuar-se-ha'o :
Amanhi:
Pelo agent Gusmao, as 11 horas, em frenate
i Associacio Agricola, de assucar bruto.
Pelo agent Pinto, As 10 1/2 horas, a rua do
Bom Jesus n. 49, de fazendas inglezas.
Ter&a-feira:
Pedo agent Pestana, ao meio dia, na rua do
Vigario Tenorio n. 12, de um predio corn sitio e
um cavallo.
Pelo agent Martins, As 11 horas, na rua estreita
do Rosario n. 29, de moves.
Quarta-feira :
Pdo agent A. Guimaraes, As 11 horas, na rua
do Angel n. 43, da refinaria ahi sits.
Pdol agent Silveira, As 10 .1/2 horas, A rua
do Barak da Victoria n. 45, da armsaco e roupas
do estabelecimento shi sito.
XSIisas funebres-Serao celebradas:
Terca-feira :
A's 8 haras, na matniz. da Boa-Vista, por alma
de D, Idalina Regueira Cavalcante.
Quarta-feira :
A's &thoras, na ordem terceira de S. Francisco,
por alma de Joaquim Jose6 de Seixas.
passagetrosn-Chegados dos portos do nor-
te no vapor national Mandos :
Joa6 E. da Fonaseca, Antonio T. de Carvalho e
2 irmas, Antonio P. Monteiro Junior, Estevio G.
de Amaujo, Euzebia Maria da ConceieAo e 1 me-
nor, Manoel Joaquim da Costa Pinheiro e 1 filho,
Jose C. Pinheiro, padre Jose Esteves Vianna,
Francisco ?Ribeiro Guimaraes, Manoel Antonio
Pinho, Jose da Silva Oliveira, Octaviano A. de
Mh.alhaes, Maria C. de Magalhaes e 1 filha, Ale-
xandre F. tiodinho, Jos6 F. da Silva, Carlos A.
da Silveira, F. W. Comber, Manoel M. Viegas,
Jos6 Justino, Manoel Ferreiral Francisco Thio-
plo de B., Vicente Bello, Antonio J. dos Santos,
Antonio F. de Sonza, Florencio F. F. Tano, Joa-
quire Jos6 P. Goncalves, Sebastiao Teixeira, An-
tonio Ramos, L. C. Lima, Manoel Henrique Stay,
Deeji J., H. M. Gilbert, Joaqsuim Manoel Pimen-
ta, J. J. Ieal, Eliza H Olivetma; J. M. Galle, Es-
nesto B, Dr. Benjamin Aristides Fetyeirs Ban-
deila, sua senhora, 8 filhos e 1 ?riada, Apolonia
Silva, Alexandre e Sebastiao, Jose Valeriano
Costa, Joaquim dis Merces S. e Silva, Dr. Henri-
que D. da Silva, Mauricio Catunda, Euclides Be-
vilaqua.


Loteria da provincia-Quinta feira, 29
do corrente, se extrahirA a loteria n. 103, em bene-
6cio da igreja da Piedade de Santo Amaro das
Salinas, polo novo piano approvado, no consistorio
da igueja de -Nosaa Senhova daConceigAo dQs. Mili-
taxes, onde se achara'o expostas as urnas e as es-
-pheras arrumadas em ordezem numerica A aprecia-
co do public.
,Loteria do Cearfi-Esta loteria sera ex-
trahida no dia 14 de fevcreare proximo vindou -
rm.
0 rest dos bilhetes na Casa da Fortuna, rua
I' de Maron. 23.
Loteria Extraordinaria do VWpt-
jranga-Esta loteria, cujo maior premier 6 de
100:-00O000, serA extrahida no dia 5 de mrcp
proximo vindouro.
Bilhetes A venda na Casa da Fortuna rua 1
ie Margo n. 23.
Loteria da Bahia-Esta loteria, cujo-pre-
mio grande 6 100:000i000, consta que core im-
preterivelmente no dia 10 de fevereiro proximo
vindouro.
Bilhetes A venda na Casa Feliz A praca da In-
dependencia ns. 37 e 39.
Grande loteria de Nitheroy-Esta lo-
teia, cujo premio grande 6 de 400:000,000, serA
cgtrahida no dia 11 de abirl proximo vindouro.
Bilhetes A veada na Casa da Fortuna, A rua 1o
io Marco n. 23.
Loeleria-A de n. 170 B, do Rio de Janeiro
ciQ 30:000000 oser extrahida no dia 28 dejanei-
rq.
Os bilhetes acham-se A venda na Casa da For-
tuna A rua do Crespo n. 23.
L<9tewia de 30tWsOO"O -A loteria 170
s6rie B, do Rio de Janeiro, cujo piano foi mui-
to melhorado, corre no dia 28 de janeiro.
Bilhetes A venda na Casa Feliz A praga da In-
dependrocia us. 37 e 39.
3a grande loleria da core de......
S&sOO(Q$%000-Comn novo piano muito van-
t'ioso.
Os bilhetes acham-se A venda A Casa da For-
tuna, A rua do ('respo u. 23, os bilhetes dosta lote-
riu.
Grade loleria da corte -Esta graudt.
.tA.-ria, cujo preraio grande 6 de 500:0004000.
seri estrahida ,revementc.
Os bilhetes :Lchamn-s AA vendsa na Casa Feliz, a
pra-a da Independencia vs. 37 e 39.
Nercalo lMunicipal de M. Joa 0
movimento deste estabelecimento no dia 23 de
janeir,) foe o seguinte:
Fnrrmmram pare sercm vendidos : 22 2bois, pesan-
1o 3 475 kilos.
No umiesno dia eutrai-am para omemoens-


taibeleciruento:
Peixe, 422 kilos.
Farinha, milho e feijao, 15 cargps.
Fructas diverse, 21 ditas.
Suinpos, 3.
Camneirp, 3.
lPreas dos dias
Carna verde a 720, 480, e 320 ris o kilo.
Sinpo a 600 riba o kilo.
Carneiro a 21 idem.
'aip a da 500, 400, at6 280 r6is a oWS.-
MW de'480, a 320 rbis a cua.
pa= .800, e500 rs. iw.
IFtanaacqqpados:
,i434*14 .eo Verde.
12 dt de sutidO.
1.0 ilw, de ~.des i a
S85 eompartimnontot dfi faminha e to~iaws.
'--

.' =., ,,.:'.. .- i.-r .._" ': -:1 -..


- '--
~i-4-~
- -


mmDmmwmmmmmm


I


I I ll~l


tead emaei~d a
por'ee~~ate


Hi -"40
P-00, I e__


















f.Total' 384.
"3 a -.60
-v ^^ adoa'.'t W 1*183fi*uadb : boaSB 9dsun-teBu17
S" ': .......- I Movimeuto da crifermaria"
S- '" Teve baixa:
^"" Barnab4, eseravo do tenente-coronel Louren~o
Z' ': d* U-avalgante.
t^;_ '" '- J1ve-alta :
.. ....Graciano Francisco de Lima.
S"*e- miterio Publie. -Obituario do dia 23
S.do corrente:
... Maria Marcelina dos Santos Villas Boas, Per-
^nambuco, 22 annos, casada, Recife; febre purr-
pesal.
Nabor Arthur de Araujo, Rio Grande do Norte,
: -i$ aUos, solteiro, Boa-Vista; variolas.
{ Laurentina Maria Falcao, Pernambuco, 33 annos
caspda, Recife; tuberculos pulmonares.
Maria Jos6 de Jesus, Pernambuco, 42 annoe,
| viuvo, Afogads tuberculos pulmonares.
SManoel Francisco Rodrigues, Pernambuco, 46
annos, caaado, S. Jos6; tuberculos pulmonares.
Maria, Pernambuco, 9 mezes, Boa-Vista; Vario-
las.
Joao, Pernambuco, 2 aonos S. Jos6; colite.
Paulino Baptista da Silva, Pernambuco, 33 an
nos, casado, S Jose; febre tiphoide.

.... k JU KI II II
CHRONICA JUDICIARIA
SlJunta Commercial da eidade do
Recipe
ACTA DA SESSAO DE 22 DE JANEIRO
SDE 1885


PRESIDENCIA DO ILLM. SR. COMMENDADOR ANTONIO
GOES DE MIRANDA LEAL
aSecretario, Dr. Julio Guimardes
JA's 10 horas da manha, declarou-se aberta s
Isew4l, estando presents os Srs. deputados 01 Olinto
Bastes e commendador Lopes Machado, faltando
as Srs. deputadas BoltrAo Junior e Rolim.
Lida, foi approvada a aeta da precedente sessao.
Fez-so a leitura do seguinte
EXPEDIENT
Aviso circular do Miuistermo da Agricultura.
Commercio e Obras Publicas, de 12 do corrente
para que se envic ura relauo das marcas de fa-
brica e de commercio registradas nesta junta desde
a exeeucgo da lei n. 2,682 de 23 de outubro de
1875.-A' secretariat paran os fins convenientes.
Oficios :
De 10 do corrente, da junta commercial da ca-
pital do imperio, remettendo a relacAo dos conm-
merciantes matriculados no mez de dezembro pro-
ximo passado.-Reaponda-se e archive-so.
De 16 do corrente, da junta commercial do S.
Salvador, aceusando o recebinmento do officio que
se Ihe dirigio A 31 de dezembro ultimo.-Para o
archive.
De 15 do corrente, do Dr. inspector commercial
de Mace:d, remettendo uma representagiao que hIbe
.dirigio a junta dos correctores d'aquella prasa ins-
truida cornm um doumento, contra o despachante
da alfandega Francisco Manoel de Souza Pinto
polo facto de exercer attribui5os proprias do offi -
cio de corrector sem titrlo coapetente, mediante
urodica commissao.-Haja vista o Dr. fiscal.
De 2 do corrente, de Francisco Jos6 de Oliveira
SRodnrigues ex-presidente da junta dos correctores
desta praca enviando o relatorio dos trabalhos da
junta dos correctores e da boalsa no anno proximo
passado.-Vista ao Dr. fiscal.
De 17 do present mez, da junta dos correcto-
res desta praqa remettendo o boletinm das cotaVoes
oficiaes de 12 A 17 do corrente.-Archive-se.
Do 10 do cotrrente, da junta dos correctores da
praca de Macei6, dando acieneia de star em exer-
eicio a nova junta nomeada A 4 de dezembro find.
-Seja archlivado, depois de accusar-se a recep-
ias.
Diaries offcliaes de ns 362 A 361 do ann) pro-
ximo passado e de ns. 1 a 14 do corrente anno.-
Archive-se.
Distribuiram se A rubrica os seguintes livros:
Diaries, de Francisco Ribeiro Pinto Guinanas,
Soza Pinheiro & C., Joalo Chrysostomo GalvAo,
Ferreira Iodrigaes & C., da typographia do Dia-
+ rio de Pernambuwa, Beirlo & Almeida, Manoel
Cortez da Silva Curado, Passe & C., e Lopes
Alheiro & C., e copiadores de Jolo Chrysostomo
Galvio, Gomes de Mattos Irmlos, Souza Nogueira
& C. e de Lp33s Alheiro & C
0 Sr. commendador president deu sciencia a
junta e esta fieou inteirada do que A vista da ur-
gencia solicitada mandou registrar a nomeailo de
Joaquima Barbosa de Lima e Izidero Bezerra de
Vasconcellos caixeiros de Eufrosino Rodrigues do
Couto, e archivar a alteraq."o da condigfo 2a do
contract de sociedade de Manoel da Silva Pei-
xoto & C. a-c.ehivado e:n 1882, de cuja sociedade
so sociaes dito Peixoto e Norberto Jos6 Teixeira,
domiciliados e estabelecidos na cidade, provincia
das Alagdas.-Inteirada.
DESPACHOS
Peticoes :
D.3 Jastiniano Francisco Pereira da Silva, para
que so registry a nomeagio de seu caixeiro Jos4
Henrique Pereira da Silva e se d8 baixa na de
swu ex-caixeiroa Manoola dA Silva Pereira.-Defe-
rida de confornidad c corn o parecer.
Do gerente da tabrica de fiaio e tecidos de
Pernambuaco para que se archive na forma da lei e
relacao nominal dos accionistas de dita campanhia.
-Archive-se.
De Jose Gongalves Lopes Pereira, Bernardino
Lopes Alheiro e Bellarmino Alheiro Pinto Osorio,
para que se archive o contralto de sociedade em
nome collective, e em commandita que celebraram
| sob a firm de Lopes Alheiro & C, corn o capital
S.dde 19:M343200, send o fund em commandita de
I 4:343,J200, paraa contrucqAo do commercio de
mereadorias n'esta cidade A rua larga do Rosario
a. 21.-Seja archivado.
De Joaquim Alves da Silva Santos, para que se
registry o credit maritime que apresenta.-Seja
regnstrado.
De Antonio Jost Moreira e Francisco Joaquim
Antunes, para que se archive o distract de socre-
dade que tiveram sob a firm de Antonio Jost Ma-
reira & C., fieando dito Moreira de posse do active
e do estabelecimento site A rua do Duque de Ca-
sias n. 60 A, e obrigado pelo passive da extinctai
sociedade.--Archive-se na form da iei. !
De Fragozo & C., para que se archive o dis-
tracte de sociedade que celebrara.n Antonio Far-]
reira Pinto de Magalfies e Domingoan Jose Fra-1
goso, ficand,) este de p'usse do active e do estabe-
leciimento aito a rua do Livraineaato n. 30 e obriga-
do pelo passive da extincta sociedade.-Achive-sa
depois de satisfeito o parecer fiscal.
A's 11 horas e 1/4 da manhi o Ulm. Sr. corn
mindador presilenate ecacerrou a sess'o par nio
" have mais nada 4 despachar.



ImnDIcAGizS uTEISr


ip lMedieos
t anuultorlo medieo-cirurgice do Dr
Pedro de Attalsyde Lobo Moscozo a
Sruma da Gloria n. 39.
0 douet, Moscozo dA consultas todos os
d ias uteis, das 7 As 10 horas da manha.
SEste consultori;) offered a commodida-
..d a de peoder cuai.a .).ate ser'ouvido e exa
.,j nado, sem ser presiaciado pear atroe
Do. u iD din as 3 horns da tarde ser o
-" 'Dr. Moscozo encontrado no torreo A pra-
S.l.^. & dhCoraorrcio, onde fueaeona a ms-
poeelo de safide do porto. Par qualquer
:" d'egtes dUs poatoes podeo b sser dirpi
os chamadoes peor carta nas indicadas hoas.
tr, L..& de *bo W are ta.
a'. e, medico e laureate aai dde

ara do Imperador a.4 A aI A
oBsidt proviwo"ia Alt", 4.
^^ BS S ~~s~ -q' -," *~^'". ^ '*?E s ." '"'*'


=- Die. Loonam[k, As, Jtjbeuerque Cavaleanei
ne bb fti {A = -.p6de ser amewra-
do em sea =ou&fxri0 I IaSb Marquez do. Olin-
da n. 52 (wtgzk da-Cadeia)- 40M 11 3, oa em
sua resideneia & .ia dt. ImperIua a. 7, segundo
andar. Chamadc tier enripto a qualqqer hborsa.
Dr, Ma&W. LO pminb' ypubadxeas ca-
pital tom seu escriptorio de advocacia, A rua
do Imperado n. 22, onde pode ser procu
radio para os misteres de sua profisslo.
Phereacla bimoeepait-
A. Cars Rouwuayrol Frres ($Suce so-
res), depositaries dos remodios hmo opa-
thicos da casi do Catelanm do Paris -22 rua
da OCruz, (Recife. )
BoUea Ifsammea e tagaria .de RoS -
quayrol trres. a -uee es
de A. caorM
N'este estabelecimento fundado deed
1821 oncontra-se os products chimicos,
drogas, tintaa, aleos, piuceis, vernizes das
melhores minarcas;..todas as ospecialidades
pharmaceuticals dos legitimos autores, urn
variado sortimento de funds e aguas mi-
neraes, os granules dosimetricos de Burg-
grave e provluctos especiaes da Flora Bra-
sileira. 22--rua da Cruz, Recife.
Drogarla
Francisco Manoed da Silva & C., depo-
eitarios de todas as especialidades phanna-
scuticAS, tintas, drogas, products chimico
e medicamentos homceoaaticos, rua do Mar-
quez de Olinda n 23.
Olaria da Casa Aaarelia
De Candifl' Thiago da Costa e MolUo,
rua Imperial n. 322, veude barato tijo-
los pars paredes, ditos para ladrdlho de
qualquer dimenvao e format, telhas, eto.
Tem canvas para conduglo e aluguel. Ap-
parelhio telephonico n. 221.


PUBLICACOES A PEDIDC


Mig Yiih do patoe da Solodale
Chamamos a atten9a) da policia para o inquilino
de uma das cabas daquelle Pateo que, nao s6 vive
em continue gritaria offensive a moral, como tam
bern pelo facto de apredejar as casas visinhas, co-
mo hontemn se deu, cuja pedrada foi jogada corn
tanta forVa que penetrando no prelio n. 14, hia
fracturando e craneo de uma creanga, attribuin-
do-se isto o ter sido encontrada uma gallinha pre-
za no chiqueiro da casa do memo, sem sabermos
para que fin.
Providencias.
Recife, 24 de janeiro de 1885.
Manoel do Nascimento Oesar Burlamnaqui reti-
rando-se temporariament3 para o sul do imperio
corn sua family e nao podendo despedir-se pessoal-
mente de todos os seas amigos, o faz por meio do
presented, offerecendo-lhes cs seus limitados pres-
timos onde so achar. Aproveita a occasiao para
declarar aos seus amigos e ao commercio que en-
earregado de soneus negocios tendentes a leilao flea
o seu preposto o Sr. Jos6 Augasto Rodrigues e de
seus negocios particulars deixa como procurador
o Sr. Antonio de Pinho Borges.
Recife, 24 de janeiro de 1885.
Manoel do Nascimento Cczar Barlanmagui.


5'. distrieto
0 resultado da elei9ao, a que se procedeu n'esse
distrieto, nlo 6, noem po eer object de duvi-
dasa.
Todo o paiz tern noticia, e estA na consciencia
desta provincia inteira, que, apezar da interven-
gao official a inais desbragada, o resultado do plei-
to me toi tavoravel.
At 0os falcificadores das authenticas de Itama-
raci, e estes mais que todos, estao intimameute
eonvencidos de que obtive nas urnas, sobre o meu
competidor, mais de cincocuta votes.
Julgo, portanto, absolutanmente desnecessario de-
fender semelhante eleivao das contestag5es anony-
mas, que Ihe tern sido oppostas pelo Jornal do Re
cife.
Todas essas contestaqoes baseam-se em doeu-
mentos visivelmente falsos, obtidos por meios in-
confessaveis, que revelam, por certo, grande falta
de escrupulos da parte dos que os promoveram.
Mas, assim como taos dceumentos naoproduziramn
o desejado effeito perante a junta apuradora do
Olinda, quefoi presidida porummagistradointegro,
como 6 o Dr Hermoegenes Socrates Tavares de Vas*
concellos; assim tambem nao o produzir.lo na Ca-
mara dos deputados, onde apresentareo opportuma-
mente proves irrecusaveis da sua falsidade.
Nao se incommodem, pois, os meus amigos, uFmi
se contrarie o independent eleitorado do 3. dis-
tricto: a fraud a que recorreram os me.us adver-
sarios, em desespero de causa, nao ha de vingar.
0 diploma de deputado, corn que tanto me
honro, sera reconhecido pelos eleitos da nacao tao
puro e legitimo, como dignamente o alcancei das
urnas eleitoraes.
Recife, 21 de janeiro de 1885.
Antonio Francisco Correia de Araujo.

SONETO
Ao distinct abolicionista pernambucano
DR. JOAQU1M AURELIO NABUCO DE ARAUJO.
Eis que se alevanta portentoso,
No grande imporio do Brasil !
Um vulto sympaithioe e gentil,
0 grande abolicionista valoroao.
Rasgando corn mAo varonil
0 jugo horripilante, horroroso !
Do escravo mizerrimo. choroso
Accena-he urn co cor de auil. c
M.3.trnindo a gr.and-. mnltiio,
S A forua que despreud seu Trabuco,
AJivrar a negra geranao !
E brada-orgue to-Pernambuco !
Liyra-te do abutro--escrividi.) !
Eta-me aqui, o teu -Nabuco
Viceniia.. 2) !j.irI~iro ,Id 1835.
E. P'gas.
Pastoril
Faltaria a mocidade pernambucana c'm urn de-
ver se per ventura no procurasse dtinonstrar corn
o maior calor e enthusinmo a apreci;,QAo just e
merecada de que tern sido alvo a sympathica e
activa D. Adelaidu.
Retirando-se a companhia que tr.abatbava no
largo do Arsenal de Guerra, e de cajo pastori1 era
D. AdeHdo a meatS, resolves sta continued eozn


o sea se ipre mppaudidopatordi no the4ttsSto
Antonio, e ted lugaa qiutS-feira phn a
estr6a, sendo quoeam beadeio da mues. ema-
pattica Adetaidie polo- quoe s mA Bate do
pastoril deve eoner, ski dM que netSs at-
fiibieo ameirads( -41rf*,
Viva Ac44lii a soN V6 radif e~ff
4Vt p~ w* it~fte-ij _*edqwoKl'^^
comn a melhar pirfeMa *.St a^ Il

Cc'


pu. que m'B.
preciso, o 0qi. AM lla
dove ter em eeu pocr. -
Ao depois de ter e 'lnfrgado ao Sr. Camaeailto
titulos de predio, terrenos, escravos e todos 9s do-
eumenatos de tudo quoe bavia pertencido a men ma-
i-ido, fiquei muito deseanvada, porque julgana que
me tinha coafiado A urn home de couaideraXo.
Tinha eu numa vida compl6tamente isolada, sew
relapo algauma, (por quo elle evitava, fingindo tcr
ciumes), e seido ellUe to habil na arte- de engaaar
e illudir, s6 vim a conhecer o seu character muito
tarde, aso depois de sun primeira quebra.
Sigamo os as.acotentoim As.
Semanas a depois quo Ihe del a primeira quan-
ti, apresenton-se em minha casao Sr. coronel Ba-
rata, da part do Srs. Saunders Brothers & GQ,
um dos credores de men marido, para entender se
commigo sabre o que meu onrrid fioaras a dover A
casa d'aquelles scahors, entio eou dissae Ihe que se
entendesse corn o Sr. Camnes quo era a poesea, en-
carregada de pagar a todos, pais tratava do inven-
terio ; a mesa cousa diss',a mais alguns que me
procumnraail.
ihegando o Sr. Cairns a maiuan icasa, pergun-
tc-lhe porque raao niao tatava d pag. araoe re-
dores ; ell e comrn muitits evasivas e a maito custom,
disse-me que nao tinlha pago porque a que havia
para vender-Le e contas A reeeber, dava para pa-
gar a todos, e send corn mabatimento ainds ficava
bastante, e que o dinheiro que tinha recebido de
minha mao tiuha botado em.negocio! !... Suas
palav-as :-o dinheiro 'mudb&-; que este anto ti-
nha sido feliz corn 1:C005 que tinhaldado pata ne-
gociar a. o Joba Marcireiro, tinha dado de lucro A
este a quantia de 4005, e se havia de dar lucros 4
elle, dara a mirn (pormin nuna m'os deu). Eu po-
rim, ndo satisfeita corn este iaodo de proceder, do
noevo exigi que me pssasse umn docamento, disse-
me enta@, que cu ficasoae deccau-a por qua esta-
vu creditada em seus livros; am effeito, indo eu
ao seu armiazem, elle mostroun me os livros, dizen-
do que estavam sellados e rubricados, e nesta oc-"
casiao vi que eu estava com o su a credora da quan.
tia de 10:000,4; pergantei-Ihe por que nao me ti-
nha creditado em toda quantia? respondeu-me,
que conforme o negocio que elle fizces-e botaria o
rest, e que eu naeo era estrafih-, e nalo havia de
dar-me prejuiso.
Convdm notar-so, que muitas pessoas viram es-
tes livros o disto.sabornem pleaamente, astim como
que ago form estes livros oaque o Sr. Camoes
apresentou na sua ftalleneia; fez livros novos para
o que levou um guarda-livros para a sua casa da
rua do Progresso; sei diste perfeitameate e mui-
tas pessoas o sabem; a mim communiconume, di-
zendo que eu nao podia apparecer come su. ere-
dora, por que eu ( stava corn elle !..... 0 public
que d6 onome que oelle merece.
Embolsou-se, pois, o 8r. Cam5es, nie s6 dos....
13:5005 que Ihe dei, como de todas as quantias
que Sr. Avellar recebeu, o qute lUe proprio ven-
deu, a importancia das eseravas que vendeu-se por
1:2004, o product da venda dos terrenosa, que fbi
4:4425, a importaneia da casa da rua do Nognera
por 1:7005, vendida em praga per aeglo que pro-
moveram os Sr&. Saunders Brothers a C., para
pagamento da divida de meu:marido, na importan-
cia de 1:9005; par6m como ca tes senhores per-
doassem a divide, reeebneado sdmente as eustas
que importaram eim 775j, o rest'nte o Sr. Camoes
chamou a ordem. Eu nioe soube em qne'dta- se ven-
den a casa, ta"ta confianga tinha eu no tal cava-
lheiro de industrial.
Narremos mais urn actor de esperteza.
Veio & minha casa o Sr. Camoes, acompanha-
do da pessoa que eomprou os terrenos, e as teste-
munha, os quaes vinham me fazer eatrega da im-
portaricia; o Sr. Camucs deiaou que elles se reti-
rassem, e pedio-me o dinheiro, dizendo que preci-
sava para acabar o inveutario; adtanireilme e per-
guatei se um inventari o gastava tanto dinheiro?!!
Eis suas palavras-por causa e seow dbte e a jus-
tiga, vui todo o dinheiro, as6 aso eserivAo 8005- ;
pedi-lhe que dos 4:442 me deixasse em casa ao
menos os 425, mas nemr isto conseoitio.
Recife, 23 de janeiro de 1885.
Isabel Augusta de Oliveira Motth.
(Contin-a).


E" ettetna *
DA HYSTERIA NOS DOUS SRXOS
(Clinica de Nazareth)
Nevrose muito frequent na mulher, a
hysteria serial segundo a opinilo dc Jacaoud,
um predoainio das funcg5es da meduLa sa-
bre as funcces do cerebro; no estado nor-
mal o cerebro ordena, a medula obedece ;
na nevrose hysteria seria o contrario quo
se observaria.
Para Niemeyer e Hasse a hysteria seria
urma perturbaelo da nutriylo do system
nervoso em sua totalidade ; esta nos pare-
ce ser a verdadeira pathogenia da hyste-
ria.
Na mulher a doenga se manifest quasi
sempre a partir do memento da puberdade
para desapparocer no moment a ide fin-
dam as regras. Tem-se cquerido-estabele-
cer urma correlaglo entire as affecgoes do
utero (ulceragcos do collo, e -fleazes deste
orgbo) e de seus annexes. (Kisto doeovario)
oqm o desenvolvimento da hysteria. Nota-so
algumas vezes esta correlageo, mas, d'ahi a
estabeleccr come regra geral, come quize-
ram fazer alguns autores, que today mulher
affectada do utero 6 ura hysterical, on que
today hysteria 6 uma doente do utero, vai
long; comtudo nots-so frequentemente a
hysteria nestas doentes. Tem-se attribui-
do tambemn urma correlagio centre a chloro-
se e a hysteria de sort que Guedeau de
Mussy affirrma que today a chloretics 6 mais
ou menos hysterical: temes verificado a
justeza da proposigio deste ilustre clinic.
As decepyses no casamento : a demorA ou
o desengano deste : os supprimentos perl-
gosos quae engauam a natureza, come diz
Rousseau, nas virgens; a posse d! urn
marido envelhecido ou usado polos exces-
ses anteriores ao casamento: as leituras
que exdtaw a ianaginaribo: a frequentagaio
de, bailes e principalmente urma educaglo
negligenciada, come ve-se era certas fami-
has ond e tern-so o pessimo habit de tace-
der a todos os caprichos de urna creanga
fantastica, podem engendrar a hysteria.
Durantc lengos amnos pensou-se que o celi-
bato era ulna das causes mais frequeleasda
hysteria, e tinha-so per habit trazer coinom
exempio as Ursulinas da cidade do X,
(deiso no silencio o no:au da cidad-), quo
erain todas hystericas.
Est:mis gracioasAS Religiosas serviram as
sim duranto muito tempo de exemplo, 0os
curses da Faculdade, em favor da produc-
ylo da hysteria peba cetibate. Mas, oh
decepylo dae daeopgOe! as panieateq bus-
cas de Bernutz, creia eu, que aempreemv-
tentou a jisil qpea, hevam a
dsaherir-so qua ez L am eamieho sub'-
tertaneo qv# fsi! corumunicar este con-
vento tat o oatt da. gentle do wo
domela qIfs da arte. W &o


pouc't isnitada..
O4I S amuwtei a a de-
Cifgbqt elfi esprsweatou.pela de-
Stoe trgada do- casamente a lanaou
f *tma maP h stearitw a fdrIa melan-
'a o a.. 4061OU oilse o eafA-
t munto: a mania persists nale obsL'ipte
Ohsmsento. e apresenuta osciIkfies ora
Siauhori o* para pedibr. Nbta-se nesta
doe taha^B sAbaolta dos mom-
Sbits die sat. que eao. ao tern conscien-
do ua agafiha eoterrada nestas paftos.
SNota so timobemn urma grande fraqueza
n estes rmembros, porn, estes phlnaoe-
i a'8 pla s5o 0on&Datasf eoll desapare-
i iesa oac"ertof memaentos pdra apparccor
do nova etc. Temos tratado esta docu-
to conm a hydirotherapia e as nJec 5es
Sdo morphia, aoetndo a pratica de Voisin
a de Pali do6pdL- t4avia de te feito
,Ww f
,K uso do broAn."lW t saio por alguam
a tempo. e
Veinoes n'este cawe -Sibtar facilanente
n'unma hysterical a- ia." malhancolica por
seguida de urma peqaeuoa. deeopVao que
para ella foi immiensa) provindo de urea
dimpless demora do cosamento e talvez tam-
bemn do desgaeto setiwdo pela descren~a
o -ver a suma-nde se restab-lecer.
St aito A aente' ia&te grave inconve-
Yoente que estot aujeitas as hystericas:
ode-se tambem observer n'ellas as differ
renters paralysis, a perda da sensitfilidade,
e4 catalepsia -e,- minauito raramente, felizmnen.
Sa nymphomania. Era a apparigilo pos-
4ivcl d'esta complicaglo que fazia da hys-
teria urma doenga quasi inconvenient a tal
ponto que nio era permitti to a urn medico,
sNo pena de passar per mal educado, dto
dizer a uma senhora, a senhora 4 hysteria.
tfra precise dizar, a senhora 6 nervosa;
iMs di-Ihe, come diz meu exoelle mestre o
,4 rofesoor Peter; um ar de boa companhia.
o se ne 6o mais possivel negar-se hys-
tia no home: a soiencia abunda em
eotmplos. Virnos ,o Hotel Dieu de Pa-
rin no serving do professor G. S&e,
um mooe de bordo, de appareneia effomni-
nala, que dava e reeebia, provavelinente,
toda sorte de cousa, apresentar ataques de
hysteria born caracterisados e que determi-
naramn a sua entrada n'este hospital.
Por6m, para quo vamos procurar exem-
plos taoI longer? N'esta cidade dnde a cli
niiea- w 6 rica em cases importantes n varia-
dos da medicine, tomemos entro nossos clien-
tes, um doente que offer'ce o typo da hys-
teria no home. Trata-se de uam mogo de
temperament nervoso, de constituiglo de-
licada; este mogo inteligente e active luta
coatinuamente corn a manutenglo e corn a
redac9Ao de seu espirituoso journal, 0 Ther-
momnetro de Nazareth. Esta luta de cads
dia, cheia de emogoes de today aspecie, neo
-nos parece cstranha ao desenvolvimnento de
sua doenpa.
A nossne pedido o nosso client teve a
bondade de nos enviar estas linhas, nas
quakes elle decree o seon soffirimonto e que
annexamos voluantariamente a este artigo.
Ha uns tres annos comecei a experi-
t mentar um carte acabrunhamento on
qualyuer cousa que nao possp exprimir.
'a rio espirito. Late prolongava-se per pnu-
a cos minutes; porem, jA para tfir toma-
a va certa intensidade que tornava-se uma
a especie do syncope e obrigava-me a en-
a costar urn ponce a cabeba afim de fazer
passar aquelle ambasamento de ideas.
a Andava eu assim quando a 10 de de-
a zembro de 1883 estando a escrever, ap-
a pareceu-me a primeira vartigem ou ate-
* que o qual at6 hoje so tom reproduzid0
' mais quatro vezes E' entao, dizom-me,
a que pesce a fall eos sentidos, experi-
-mente fortes contraeyoes em todos os
muaculos, principiando a catastrophe par
gritos que desprendo. Isto que dura par
a poucos minutes desapparece, tornando eu
a falla e a razio. N'estas ultimas vezes


a quando torn a mim into ainda nos ner-
Syevos uma impressio dosagradavol que
a dosapparece poueo a poueco, ficando-me
a o corp o bastante doido e principalmente
' os musculos, comno ainda da ultima vez
a senti per dous dias muito doloridos os
I musculos do pescoao. Algumas vezes
. resta-me a cephalagia; e de outras find
a o ataque nada me rest senno urna certa
a hypocondria, que nee se dissipa senao
c per uma explosfo de chores copiosos. )
Come seove, o nosse doente descreve,
quasi come um pathologist, o sea ataque
hysterico. Temos tratado corn a hydro-
therapia e o bromureto de potassio, mas,
ainda nae obtivemos um rosultado bemrn
manifesto.
Dr. Dorado de Azevedo.

The Euitable Life
(A Eq-lisIva)
Sociedade de seguros sobre vida, dos Esta-
dos- Unidos
Esta sociedade comprou recentemente o edificio
do banco The Metrupolitan Bank, na esquina ao
norte de Broadway e de Pine Street, polo prea de
J765,500- (m/m ail e novecentos contos de r6is
em moeda brasiteira).
A compra 6 feltsApora melhor accomminodavio da
companhia, correspondendo assim ao seu graudio-
so e rapido desenvolvimento.
A Equitativa j4 posauia a propriodade a.jacean-
te ao bauco em Pine Street tendo sido urna par-
te comprada ha ponco A propnedade Storm) a
igualmente os prudios ns. 112 e 114 em Broad-
way, actualmente occupados per Delmonieo.
Os directors da Equitable consideram estas
propriedades optima aequisiteo ec o preVo v~iLtajo
so, pelo ousts de 5113,52 por cadla p6 cubico
(s iu (re foot).
Ha poucs foi veudida, por i119,00 cads p6 e u-
bieo, a propriedade da eompanhia de seguros de
fogo:-The Willamaburg ;-e eslando a proprieda-
do agora adquirida pelo Equitable mais proxima
do Wall Street de dons blocks, calcula-so a diffe-
reangs do valor am mair de vinte por cento acima
dqt reo fr-eauto.
O-pro baixo -pele qual a obtiveram foi davido
amiacto de achar-wie o baco The Metropolitan
Bme--em liquidago e forgado a realisa seas ha-
vea p1ra Msaldar suas coatas corn o Clearing-
trahido 4 Ji- Daily Tribune de 29



d v o I
04 At'


a-,,.B, o VUge. u.*


O tabellilo public Antonio Borges da Silveira
Lobo, tendo no dia 8 do eorreate, assumido ozexer-
eicio de suas funegcesoffereee aeo repeitaael pa-
blice em geral e especialmente aeo corpo commer.
cial desta cidade, os aeus serrigos relatives aso
officio, a qualquer hora do dia e da noite. Es-
criptorio rua estreita do Rosario n. 24. Resideu-
cia, nrua da Imperatriz n. 14, 1 audar.

English
Mr. J. IPastmone (of London) begs to in
form his pupils that he will recommence his Eve-
sing Clas#ee of PaACtca UNIGLISH on Feb. 3., at
his roama, rua estreita do Rosaui n. C
Getlemen or Ladies wishing to perfect thema-
selves in the EngIsh language and desiring pri
vate lessons please to communicate early.
Er. PFstonme begs also to inform such
geotlemen ws have honored him by requesting
tuition for their sons, and which he was obliged
to decline through pressure of engagements, that
he is directing Englia sh Classes both Practical and
Theoretic at the highly efficient colleges MEIRA
nrua da Imperatris) and INSTITUTO ACADEMICO
Mondego).
Mro Fanstone may be consulted from 12
t112, %P. M., or in the evening from 7 till 9, at
his effiee, run estreita do Roario n. 4.


^^'sC-


Companhia de Trilhos Urbanos
do Reetlf a OlHndaeBeberibe.
(BILHETES FALSOS)
Tendo side apprehendidos bilhetes fal-
sos de lao 24 classes em circulasAo nests
companhia, e havendo noticia de-que fdra
do suas estaoles e dos seas trens tem side
realisados trocos e vendas dresses bilhetes,
de use exclusive do seu seron e; avise o aos
Srs. passageiros em particular, e ao publi-
co em geral, que a circulag.o de nossos
bilhotes dove ser limitada ao nosso trafego ;
que a companhia nlo estAobrigada a acei-
tar bllhetes n'o emittidos nas suas esta
95es ou trens, conhecidos por signaes ca-
racteristicos; e que os bilhetcs falsos que
agora appareceram, se distinguemn pelas
seguintes differongas :
0 fund clorido dos bilhetes verdadei-
ros nao 6 uniform, notam-se ahi peque-
nos pontos brancos desordenadamrnte es-
palhados; ao passed que esse fund 6 plo-
namente igual nos bilhetes falsos; send
different o papel de impression de uns e
outros.
No bilhete false de 1 classes notam-se
as seguintes differences mais caracteristi-
cas em. relag.o aos verdadeiros; a letra m
da palmavra meia 6 mais aborts, curta, e
espontada, send as linhas de ornate das
pernas da letra mais espagadas. No mono-
,ramma que oceupa a part central do bi-
lhete, a letra o 6 menos encorpada, send
que o trago horizontal do t 6 mass grosso,
mais regular e limp.), acabando diifforente-
mente em poutas rombudas. Os pontos no
geral salo moenos regulars e iguaes, send
as letras que os prfcedem mais delgadas.
Neos bilhetes falsos de 2' classes, dos quaes
duas sale as estampas falsas, notam-se
em relaeAo aos verdadeiros as meguintes
-differengas inais visiveis: A gravura k today
muito mais mal feita. Oletreiro C T U R 0 B
6 mais baixo e mais delgado, faltando em
aiguns a saliencia que tem os verdadeiros,
come enfeite na letra C desse letreiro. A
letra m da palavra media e a letra p da pa-
lavra passage slo mais delgadas e menos
francas. Os pontos sao tambem todos diffe-
rentos, menos pronunciados e mais irrega-
lares. Sendo que o monogrammo que em-
cima o bilhete 6 em todas as suas parties
mais acanhado e delgado.
Fazendo semelhante aviso, 6 meu ftimn
prevenir deploraveis enganos, pois de ac-
cordo corn a lei, sera preso em flagrant
todo o individuo que, enos trens ou estag9es
da companhia, pretender passar tees bi-
lhetes.
Em um quadro fixado no vestibule das
estagaes da rua da Aurora, existem afixa-
dos para o exame do public, tacos de bi-
lhetes falsesa e dos verdadeiros.
Escriptorio da Companhia, 22 de janeiro
de 1885.
0 gerente,
A. Pereira Sbnimes


Oaiara Inuic 1l fio OIbo
Errata
Na quarta column, terceira pagina, Ulinhas -lei
leia-se :
d'onde result ou a nenhuma applicavlo da 30
ou a absolvicio dos ladroes pelos mesmos prole ta-
rios.


Dr. Leonardo de Albuquerque Ca--
Svaleanti, mudoa sea eonaultorio pare
run do Marquez de O(inda (antiga da
} Cadeit) n. 52, 1 andar e fixou sua. ) i
rIaneencia narua da Imperatriz n. 7, ( 7
2 andar. 7



lola parieular de primeiras
lettras
Antonio Cesario Moreira Dias Junior tern iber
to, a rua duas Nymphas n. 2, renar aula de primen-
ras luttras que comovrA a funecion~ar no dma S do
mez de jaineiro vlhdou'o.


Seininario episcopal de Oiindi e

Colegio Ilesano
A come:ar do dia 1 de ftivereiro proximo. as-
tar ab rta a matricula do cui so superior do re-
ninario de Olinda e a do de preparatories doCol
legio Diocesano; as aul:ms, porein sr comevarIo a
funcionar no dia 3.
As disciplines de que consta o curse de prepa-
ratorios. inclusive a aula primaria, s.o :
Portuguez, latim, trancez, inglez, geographia,
biatoria, arithmetica, geometric, philosophia, rhe-
tori.a e musiCeS
Reeebem-se pensionistas e externos. Na.) sera-
admittides A primeira matricula alumnos peusio-
nistas maiores de 14 annos, exepto se vierem de-
terminadamente pars a caseira ecelesiustica.
A penadlao des, A de3500000 pelo ann o lectivo
(10 mazes), pago adantamente em duas presta-
oes de lI&OW -(da umia.
Dons irmlos pagario a annuidade na razio de
305000 Per men. tda um ; sendo tres, um delles
pagart -mdat dalponbe mental de 35J5000; se-
do quatro, am sera PW&
AA joia A ,tS rans aS vez, a qual dA
beifo quepie ve orprespeeto de 1882, ex.
oeptando.se papal, pennaa e is.
Os eatrnas natricS era no curso de preparato-


-- r- ruH m' .B -

do e "
Susaifi-ri6eGhrmneqm4aO ftjr. de 19O
CongeA kst.~i Airn& v de A. Canreuwi


-9|


Cargo prom I PIW
1 Rui ma mik perI" frz
As aulas deste collegio acham-
desde o din 7 do corrente.
D'ora em diante .ureo primary ....
se a cargo excaiA director. .5
Este cu no mariMo de-&
aluianns on
panstour -
Recife, lq,
: i-, t~- ;. o A e



linsil t de'.tA;t
=-Rua do IV OW

Numero teleph ome
DI)RECQAO J s.. -:
Bacharel Luiz da Co sFerr T
Carrciro-
Este estabelecimento de educto, ilFi
te mudado pars a rua do Prog-cso z,
aos Srs. pals, pelas magnificas accomnn J
boa hygiene da nova casa, todas as condo
giveis de um eistalmlecimnento de edua -
perior.
Continfia a aceitar alumnos internce, I'f-
pensionistas e externos- -"-11 como a o t '
corn o cursor de ferias 'aINl -. Iodaea -ta-
terias paraos exames ofi i vssiIade
accord corn o programinma do Efsq. 6r. miavWro
do imperio.



j Dr.Hello (owes

} Medico operator -
( Rua do Barao da Victoria, antiga
rua Nova n. 37-, 1 andar

SOnde pode ser procurado A qual-
t quer hora do dia e da noite. Consultas
Sdas 10 a meio dia Recatbe chamados
Spor escripto e para f6ra da capital. De
Sdiaes-so cornm especialidade ao estudo deo
Sfebres, molestias de peito e affiecces sy-
\ ^ pbiliticas de ambos os sexos. I
\ APPARELHO TELEPHONICO N. lo 5


m wm

TIlE EQIJUIT E

(A EQUITATIVA)

Sociedade det Seros sbre Vi,
do Estados-Unidos

Eserlptorlo central, em Neva-
York, Broadway n. 1I0
Escriptorio lial, em Londres,
Chempide- a. SI
Escriptorlo filial, em Paris,
Avenue de l'Opra a. 36
E riptorio filial, emN Hambwrge
Neueberg n. 32
Escrlptorio Ufilial, em MADRID,
Carmen a. 93
e em todas ax prIaelpaen
capitaes da Europa 5 da Mae-
riea Septeatrlomal e Meaidkel

PLANO PUPII T lIIThG


Durante o semestre deeorrido de I1 de janeiro atl
30 de junho proximo passado, pagou esta compa-
nhiador 38 8 simstros (monrtes) a importancia to-
tal de 1,827,217 dollars ouro dos Estadas-Unidea,'
ou em moeda brasileira cersca de 4,600:000;, sea-
do:
Em Janeiro por 60 sinistros 5 268,925
Sfevereiro por 50 0 209,615
a marcopor 75 252,1-86
abril par 84 1 0 396,261
maio por 61 1 409,595
m junho por 58 a 290,635


Sinistrom na ia
Tocargao A Inglaterra
A A Escossia
S a Irlanda
S ao CanadA
AsIndias Occid,
S A Franca
A A Allemanha
A Hespanha
a A Suissa
S ao Chile
S as o Mexico
a aos Eatados-Unia.


Total


Durante o mesmo period
cm 1883:
Em janeiro par 56 sinistros
x fevereiro n 55
a marco 75 i-
Sabril 54
,, maio 6.5 ,,
T junho 69 a
Total por 3OG9


[aportancia
6 de J
5 vm
2. 6
2 jo 59
8. *
10 1-
2 5
2 19
Ga
6.
3371.
a. S
6. 5
3370 51,!


388


1 1,8


19,125
22^0
9.o000
87,000
1Pooo
12,6900
^,O80
30,000
7,000
17000
558,912
827,217


pagou a comolFhia


-- S
S
S
-- S
- 4
- 5,
A


199,900
2V,t12
255,654
232,205
365M58
227,370
1,500,599


0 rateio da mortalidade sobre os seguros vigen-
tes era em 1883 de 1 10,100.
0 total page pela companhia nos ultimoi 25
annos, por sinisaros, dividend's, annuidades e
liquidacoes de ap.lices, era emin 31 de deaembro
proximo passiad", 83 877.699 51/, ou "/"........
200.0otA).0000000.
0 total drs h .. .in- da companhia em I de ja- -r--
neiro de 18.4 err A 53,030.582.00; o total deo sab.
respousahilid.ides emfotbrme a taxi de 4 1/2 0/'
(padrilo do Estado de Nova-York) A 40.02085.00,
dcixando o enorme surplus, fucdMo de reserve, a di-
vidir-se tre os mutmiarios (possuidores de"pli-
ces de l2.i10'3.757.00 ou cerca de 3.0000.0001M0.
r 0 r.ateo dos haveras da companhia par cada
A 100 de su re3p.:onsabilidad e 6 de 129.
(Extrahido dos Relatorios Officiaes. ,
As pessoas desejando iaformavses ou qiuerendo
fazer uma proposta para segurar a vidn, podem
dirigir-se aos Srs. Henry Forster & C., os corres-
pondentes, oe ao Sr. William Muun Webster, rna
do Commercio n. 3, o enearregado dos negoaios da
companhia, nesta prasa.
Recife. 7 de Novembro de 1854.-77<,eod Sn;rtm,,
Agent gera' neste imperio.


I :iiliw 6 -a-


CoHe*,























- *...i


". eatabdleeeato de instruoo prunania e,
". WA par o esezo femenino tern a osu esde
^ ^'lj.p:. nfiortavel chacara na Ponte d'Uch6a n.
SaIteriam enjingdas no collegio sao as se-
'. s,.Hw : Rego, po.tugu.e, francez, inglez, alle-
bhintora, geogrepia, piano, desenho e pinta-
t iugs U ads no'm o as franceza,
Se ailemI, para tern mestrs que
*-- Mln no egio iW.
._ i tora neaer gundo a vontade dos
u u',t de preparer as sl para fazer exames na
- 'u ni comon fez eo no corn brilbante re-
M aldo a collegial Mft Eugenia de Mattes, ob-
S a i dstine a o om frucem, inglez e portuguez.
S- Directora,
Anna CarrollU.


'. -





I ,)

0'
"". ,".
'..


t. .

K.

EV.
g"

I-.:! '




'."
|..


Cambio sobie Lisboa, 90 dlv. 1660/0 de premio.
A. Leonardo Rodrigues,
Presidente.
M. J. da Motta.
iecrctario.


, BIND'IiNTOS
.-_ Me doeaneiro
.,, A ._,, a- A e 2 a 23
Umti dq24


', I CA
*^ ^^- tli^ h l11...!-
. :B| .'. | -1jx

- -.
- *. -, -'a
4-.- --ft ,. a


PUBLICOS
do 1885
631:8065289
24:820'222
656:626A511
22:6795727
4:150A620


26:280A847
L--De- 2 a 23 187:108A537
15:047.982
2020:156A45

ISO".
""" >.
.* r '.


k


-i r'
;*'. ; y.
'w'1' ; ";'


Islationiu franaise de demoi.
sellers
RUa do Baro de M. Borja (antiga do
Sebo) n. 50
0 anno lectivo deste collegio comegara em 7 de
janeimro de 1885. Recebe-se alumnae internal,
gomi-internas o externas.-A director,
I. Adour.

Collegio de S. Luiz Gonzaga
Corn o titulo acims acabo de abrir na rua do
Hospicio n. 20. um institute em que tenciono co-
cuper-me da educa*o de meninos de cinco a doze
annol.
Comquant) ousada seja a tentative, todavia nu-
tro a esperan9a de que os pais de familiar nao ne-
garlo( seu valiAso apoio A uma empreza que re-
dundara em immediate beneficial de seus filhos.
Nao pouparei esforcos para ministrar aos meni-
nos que me form confiados, a par da melhor edu-
ca*o intellectual a devida cultural moral e reli-
giosa, hoje, mais que nunca tAo necessarias a DOS-
sajuventude.
Os pais de familiar, que desejarem saber das con-
digoes de aceita*ao em nosso cAlegio, podein pi o-
curar-me na casa acima indicada.
Recife, 16 de janeiro de 18a5.
Padre Manoel Lobuo Carneiro da Cuiha.
Collegio

SANTA CRUZ

54-Rua do Marquez do Herval-354
A directoria do collegio Santa Crnz faz sciente
ao respeitavel public que este estabelccimento
acha-se aberto dcsde o dia 12 do corrente.

Escola particular
Para o sexo IFewenhulo
D. onAra deo Anjos Dornellas Cna-
mara co;petentemente habilitada, tern aberto
emsua resideneia, rua Duque de CQxins n. 70, 2.0
andarumaaula particular de primeiras. lettras,para
o sexofemenino, a qual funcionA das 9 A-s 2 horas
da tarde dos dias uteis. Ensina, al1m das matex ias
que eonatituem a instruec'o primanria; os diversos
trabalhos de agulhas. As pessoas que a quizerem
honrar confiando-lhes suas filhas pod'-m dirigir-se
a casa acima, ou corn sea pai o professor Camara.


Collegio-Pedro 11
Cues do Ramos n. 82
As aulas deste estabelecimento principiaro a
funecionar no dia 7 do corrente Recebem-se
alumnus interns, meio-pensionistas e exteruos.
0 academic Julio de Mello Filbo, pro-
pse-se a leccionar, segundo o programma
official, francez e inglez em collegios e ca-
sas particulares, ou em sua residen|-ia, k
runa do Coronci Suassuna n. 173, por mo-
dico prego.

0 Dr. AdriMo
IEEDICO
Contin6a a dar consulta, das 11 As 2 horas d,
tarde, em sen antigo consultorio, a rua Larga do
Bosario n. 36, I." audar. Chamados por script
a uqalquer hora, na: pliarmacia Bartholomeu & C.

Collegio do Santissimo

Cora o de Jesus
Este collegio para instrucco do sexo fe-
mi Ainio e que funeciona no prcdio n. 15
da travessa do Veras, abrirA suas aulas
no dia 12 de janeiro proximo.
Tendo feito acquisition die bons profcs-
soaes pars as materias que constituem o

: COIIERCIO
Praea Roelde, 31 de janeiro
de t85
As tree horas da tardo
OotafGes officiaee
Algodio do Araecty, la sort, 85400 por 15
kilos, hontem.
Dito de dito median, 7S400 por 15 kilos, hontem.
Dito de dito 2a sort, 65400 por 15 kilos, hontem.
Cambio sobre a Bahia, Avista, 1/2 0/0 de premio,
do banco.
Cambio sobre Londres, 90 d/v. 19 9/16 d. e do
btaneo 19 3/8 d per 1.
Cambio sebre liapoles, Avists, 495 rs. a lyra, do
bane..


t1~Iaa Ii,


S, 8.as


Piano e .mu" a ctora.
AAl=mde aa dmaa a, o.A, o eni4a
trabalbos d'agulb bolrdados, etc.
Recife, 31 de dewmrbro de 1884.
A directors,
Viwemnia Ceeari do MeUlo.

Collegio mor Divine

Ru a da Impoeratrz m; 39
AbrirA as aulas no die 12 do corrente. Ad-
mitte alumnos internos, semi-internes e externos.
A directors,
0. A. de Mend mna.


Instilulo vaccinico
Buam Larga do Bonari6 n, a I -t a dai
Funciona todos os dias uteis de 10 as 12 horas
0 director
Dr. Arruda Beltr&o.

Aulia particular para meninas
Vidal de Negreiros n. I 1
Carolina Leopoldina Coelho de Araujo, participa
aos pais de familiar qae de fev'reiro erm diante
estarA aberta sua aula particular pars meninas, A
rua Vidal de Negrehires pateo do Tcrco) n. 12,
1- andar, onde a mesma leccionarA primeciras let-
tras, trancez, piano e diversos trabaihos de agalha.

Ao public
Achando-me desempregado, sem imeios
de subsistencia, e oncrado de familiar, pelo
(ue vejo-me obrigado a incommodar paren-
tes, ainigos e conhecidos, em grande esca-
la, quasi que diariamente, parti nio descer
a praticar actos illicitos que a moral o oh
bons costumes altamente reprovamu; e por
nao d(lever continuar por n.ais tempo a in-
commodal os, quandlo disponho do algum ea
bcdal litterario, que me p6dc auxiliar do. al-
gunua forma; venho hoje do alto da impren
sa pedir e rogar aodistincto corpo coramncr-
cial d'esta pruvincia, ao illustrado fu6ro do
Recife, e a digna classes dos fuuceionarios
publicos, a protcctAo quo sabem dispinsar
nos que os proceiramn ; afiin de powder publi-
car ii'csta cidilI;e, emu algumna -Ie suns typn-
graphias: uina comedia de( mini lavrai, sob
o titulo dic UUim Engano Conjugal.
Dirigir-ine-heli pessoalmente, ou por car-
ta, a diversos negociantcs desta praca,
einpregadlos do foro, c function: rios i
blicos, pedindo lhes sua digna coadjuvanio.
no sentido dle contribuirem eoim a pequeua
importaneia do um mil rcis, para uma as-
signatura ; afin de corn algumas fazer face
As despezas da impressaho, que sera sis-
pies.
Assimn teuha obtido numnero do assigna-
turas sufficientes, que cubra o quantitative
da edic3o, suspenderei o alvitre aqui to-
rnado, e proseguirci na distriLuigao de
exemplares por diversas classes e pessoas,
A vista d'elles.
Aquelles a quem tiver a honra deo. deri.
gir me pedindo-lhes assignaturas adianta'-
damente, para o fini acimna dito, ter'ao di-
reito, cada urn, A umrn exemplar, e se qui-
zerem a dous (scm indormaisaiAo o se-
gundo) ; e en prova do muita gratid'o e
consideraciio, publicarei no tim da nmesmt
cormedia, a cxemplo de outros, os respci-
taveis nosnes dos bereffitores de sua pu-
blicagno, em lista alphabetica.
Reeorro a este mejo do publica'ibo por
nao poder dispor de outro.
Em quanto disposer de exemplares de
mcu trabalho litterario, cmbora hunail'le, p
encontrar almas generosas e bewfazejas,
terei meios pal'a impedir de ver minuhas fi-
Iliinhas, thiesouros de minbi'alann, sofr'eremn
necessidades.
Creio que se conseguir em poceos dias
algumas assignaturas, pelo fin do frevere-
ro ou principio do margo vindouros, cstar-'
dita comedia promptificada.


Os alunnos interns p rga;iram por
trimestre
Os aeiui-internos dai eschola in-
fitntil
Os semi-internos do cdrso se-
cundario
Lavamgcm c engominado de
roupa
Externuos do eur-so priinario
Externos por qualiquer classes


150,^000

7515000



205000
206000


do curso sccundario 15#000
Por qualqucr lasse de art-ss. 151000
Piano 305000
Resultado dos t.,u's ,:., I;:":"..t, tdos p-
iUs alumnios Jo '1cI..-"ii d;. t o (mIO de
1884.
PORTUGULEZ
Manoel Cav;:l-anti11 do R0g, B.rros, ap-
i r ,vido plenaientp.
S.MUVIMENTO DO POIXt'( -

NavLos eaitradis no dia 24
ManAos por escaJlas- dias, vapor nnciooal .la-
nidos, de 1,999 toneladas, cominmandante Gui-
Ihcrme Waddington, equipagem GO60 passageiros,
carga varienos generous; ao Barao de Petrolina.
Cardiff-5 dias, patacho ailemao Tried" de 170
toneladas, capitao Jan Gebloeez, equipagem 7.
carga carvlo ; a Samuel Johnston & C.
Montevideo-9 dias, vapor inglez Sicily, de 1078
toneladas, commandant Harbord, equipagemn
27, carga graxa; a N. J. Lidstonc & C.
Sahidos no memo dia
Rio do Janeiro por escalas-Vapor national Ma-
ndos, commandante Guilberme Waddington,
carga varies generous.
Rio Grande do Sul-Brigue inglez Cambrian, ca-
Spitaio H. Phel'ps, carga assucar.
Pelotas-Patacho allem.1 o Perle, capital C. VWar-
ring, carga assucar.
Obsearvaces

Procedente de Trieste e escalas, fandeon hoje
is 9 horas da4 manha no Lamarlo o vapor austria-
eo Menfl, o qual nao cemmwuaicou om a terra por
estar em quarentena de 241 horses. ,
Tambem fundeou no Limario proeedente de
Genova e esealas o vapor italiano apidLo L. que
tambem nao communicou corn a terra por eater
corn 24 hora de observagao.


VAPORE8 ESPERADO8


Sculptor
V~ie ole R~oe Jo-



F-. -,'
ir.ie
77%


dal o .,-hje
4e -i aah


49-. --
'9,^ '>


-&~.WI


F


Zefesino Pouitualp plmi^
Mene. C. do Ow app-v
Carlo. Adourb I9.
Jmosel Mariinos Ihwbu^ji knL
Reprovado 1 .' -'-


? "T '?^ .'" :a.* i' '- "^'^^ ''^
i eCii 22 ..... p7,o do,t.
Red ... .. .

DOr.. Bette

C-ru '-a:estreitamento .da urethmredo reto
condoa pole ekdtrolyue sem Or d;- fiisulas; tnumo-
ree do tero. n b ydrMedw e -m e* (an_ rin
dical). E aNWAIM ntp --ILE de 8a-
equet. uleeuw. -..dhotf..:' maetw do. ..P
e da gar= Stu.. S blu ta-wm aweaeda
pelle; ffeet do oreulo. .Buado li d.O
Olinda n. 34, dam 12 a Sliorada tade. hama-.
dos por escrpto.

Dr. CerqRoira .ite

lem e operabr
De -olta de suo viagem A onde frqen-
tou as hospitals de Panin, tendo itoMun e'pnro es-
pecial de purtos e melestni_ do senhoras, d.i eon-
sult.is no seu antigo einaultorio rma Dtiqe de
Caxias n. 48, do meio dia is 2 bores.
Especialidade : molestias de cr~anoae- e de so-
nhoras.
Reeebe chamados por escripto ou no seu oesul-
torio, oun em sna residencia sA rua do Barab. de .
B3rja n. 30.

OCULISTA
0 Dr. Barretteo ampaeI rmed#40
oculista ex-chefe de clinical do Dr. de Wq-
cker, de volta de sua viagem ao. Cte
contains a dar consultas A-rua do Barnoda
Victoria n. 45, segundo andar, de o A 4
hora.s da tarde, except nos domiingos e
dias santificados. Chamados em seu ..
saltorio ou emi casa de sua residencia 6
run do Riachuelo n. 17, canto da rua dos
Pircs. .


lnslituto PhitmnaI o, L
03 RUA DO VISCONDE DE ALBV-
QUERQUE- 33

erso ie i ulvaqI riiaa #
ocnpudar~ia
DIRECTOR


Internato e externato
As aulas desto estabelecimeuto de in&-
trucciAo c eduicaiio cstar'o abertas do dia
7 da corrente em diante.



Insilulo Aeaad iemic
153~Rl lae Yis coR~lido, l1a3

(Woudego)
Ebte collegio, estabele.ido em umu dos
mnais vastos edificios d'esta cidaile, aeha-se
convenieniteinmente preparado para receber
:,ininos interns, senii-internos e externos.
A situaqao do edificio tim. un dos- lugares
mais hygienicos, a di.posiA.-o dos salves de
estudo e dormitorio de acord: corn a boa
discipline, a excUlente chiaenra, par -re-
creios, o corpo doeente a-loogapr-attc*' b
director nas materias do ensiao devem ser
penhores assaz stffi.cicntp dzcoptinmo desen-
volvimento physico, intellectut e rooral da
infinoia. i
Penshes e. Roemrarlos
Os pagamentos s~o f itos adiant-idamonte
per trimestres nos 5 primneiros dias dos me-
zes do janeiro, abril, jutho e outubro. 0
director nio fornece objeeto algum ao alum-


f talelomay ru A des. F i
'~~~~ -^ gi M^'*'11a-u* P y i~mttrms^rortmsmeu. Latlnt -^ l
*, "g.. -.
emms~rl wIea~ Zia.

Otest. ff e ioatuedou, tendo os alumnos obtilo sempre boowem-" Q4
.tw G maPM ta -no Imsttato-am no Coellegio das Ates.
AMlartae~o 6 .e aJadantentiiiweuidde se apreuaa ceutos fructos e outras conuluka o eawul
Q u.gkm iateno nitb 6 Ve.uathOi ha horma destinadas. pAra estudlo, recreio o rvmes., .0
eomon whlt ria eruloo./alumuaR.t"vafo da4alimentauae uem deiarirao de repousar as h mM exigmde
pela hygim.
0 trabalho 6 distribuido de eonfonmidade corn a idade e dtsenvolvimento physmico e moral d
eada ur.
0 prelo 6 commode, aceiado e em geral clarm e fresco, coma-espaqosas salis para aalas, refei-
tor, dormitmios e reereio, mobiliadus eomnvenientemente.
0 coUgio fornece gratis, pennasrpapel, tints, lapis, crayoas, ardosias, livros pamn. eonsultas
aol au~mo.- materono no Collegio.
08 alhummo internmos tambem tin direio & roupa lavada e engommada, sem remunevamS algu -
ma al6m da meealidade.
Tambem nao dio joia na entrada.
Enxoval dos alumnos iaternos


Camisas. i-
Camisolas -
Calga preta de-asemira
Calcas de brim. pardo
Jaqueta preta de panno fino
Colete preto, idem idem
Gravatas pret as
Chap6o preto redondo
Leangos .
Pares de meias
Botinas par .
Sapat5es idem.
Lengoes.
Cobertas.


6
1
S 6
1
1
2
1
12
412
.. 1
1
6
4


Cobertor de bahin encarnada
Colcha .
Cama de lona
Travesseiros .
Lavatorio de ferro e bacia
Toalbas para rosto .
Ditas para banho
Cope de metal.
Escova para dente&.
Pc-nte de alisar
Dito fiuo.
Espelho pequeno
Thesoura


- 1
1


--., INOGL
Jos6 Gap:r da .lha X ye approvado
corn distinooio.
AAfredo olippe da Costa, idem.
Joaquim N ne Ferreira Oeimbra, ap-
provado ple te.
IJo0o Custodo de B: Cosa, idesr.
Alfredo da 8ftj Loyc. idem,.
Manoel C. do RNo B. approvado.
SAndre Dia nheiro, idem.
Jb-oaqaim S. de Arruda Falcsob idem.
Joa Luiz G. Ferreira, idem.
Reprovados 4.
LATIM

Horacio de Almeida Guimaraes, appro-
vado plenamento.
Horacio Cicero da Silva Tavares, idem.
Jbao Custodio de B. Costa, approvado.
Manoel Cavalcante do Rego Barros, idem.
Joaquim N. Feweira Coimbra, idem.
Joaquim Siqueia de Arruda Falclo, idem.
PompLo da Silva Loureiro, idem..
Leonidas A. de Mattes Torres) appro-
vado.
AWI'HMETICA
Jose Hugo Gongalves, approval dploena-
mente.
SSebaatiao Lins Wanderley, idem,
Joaquim S. de Arruda FalcSo, idem.
Horacio Cicero da Silva Takvares, ap-
provado.
Jolo Custodio de B. C-sta, idea.
Andr6 Dias Pinheiro, idem.
Pompeo da Silva Leureiro, ides.
SReprovado 1.
GEOMETRIA
D. Deinira S. da 0osta, apprcvado ple-
namente.
Eutibchio Autrant,. approvado.
Jose Hugo Gongalves, idem.
Joao S. de Arruda FalcAo, idem.
Eduardo I. Ferreira da Silva, idem.
Jos6 N. Ferreira Coimbra, idei.
Jose Ferreira Muniz, iden.
Praxedes B. de Mendonga Vasconccllos,
diem.
Joao Custodio de Birros Costa, idem.
Horacio Cicero da Silva Tavares, idem.
Manoel Cavalcante do Rego Barros, idem
OOILGRAPHJA
Pompeu da Silva Loureira approvado
plenamente.
Jol o S. de Arruda FalcAo, ilem.
Joao Custodio de B. Costa, approvado.
Eduardo J. da Ferreira da Silva, idem.
Jose Martins Fiuza, idem.
Manoel Cavalcante do Rego Barros, idem.
Reprovado 1..
EtSTO-3IA


gestaaea o loaperador, etc.
l-'az iaber quo na priinni,;i sesi.I) or rlinaria d.)
jury, convocada para o di;L 9 de fuveieiro do cor-
rente anno tem de ser julg.mdoa os r-os auscnt.s
Raphael, liberto e Albino L,)pts Ferreira, aquelle
prouuuwiadn no artigo 257 do. codig.o criminal, e
este n) refei'ido artig.) combinado cona os artigos
5o e 35 do. dito codigo corn referenciat ao artigo Go
1 em virtude do requerimento d4 autor Joao
Walfredo-de Mvdeiros, visto coin!), os nencionados
r6os auseates silo pronaiia-l)-ii ein: ciines que ad-
inittem fiinca; soh pe:na d:' cserein. jQg1idos a re-
velia se Yo din designalAu para o j .igi:namt, imio
estiveremi presented.
E peiua que chegue aoo e3liecineuto dos iinte-
ressadusmiandei passar o pruseutu editul que serA
publicado pela imprensa e affixuado nos lugares do
costumw.
Suberevo e assigao. -0 eseriivao do jury, Flo-
rencio .driguos do Miranda Prauaco.
lcife, 23 de janciro de 188,.
Tranciscoq Alves da Silva.


-- v procuratio LIUU LH amam IUUIUCI^IaL aU nl^-
cife, chamina os possuidores. de apolices a virem
receber nesta ptuoeuradoria a64 preatm9o de juros
das mesniaq.
Proeuradoria la camera. municipal do Recife,
23 de janeiro de 1885.
FBancieco de Pau'a Silva.


DECLARADOES


) eu1st~her


ilfsverein


General Versamnmlung am 24 Januar 1885.
Abends 8 uhr imn Locale des- Clubs Coneordia
Fagesordnung.
Rechnuugsablage und: Beric-t
Neuwahl des Aussehusses.
W. Wie',n ,Schriftfuehrer.
Imltilnin A pPS -na P.n P .nmfrp..


Joo Siqueira de A. Falcao, ap.rovado Lasil Pe mIuun0 Iw UVatt"i
corn distinegRo. dGyni asio re i nu i .ucauo cacaIIo
D. Delmira S, da Cossa, approvada phe- phar F n1-5n
papmente.o d l EM 20 DM JANEIRO D "A 1885 Esta associate ceebra o 23'anniversario d
Jos6 Ferreira Muniz, approvado plena- Pela Searetaria do Gymnasio Pernambucano so. sua installauAo e o da. restauragio de Pernambu-
e re r aro declara aos Srs. pais de familiar, e A quem mai5 eo do poder dos iolluandaes, no dia 27 do correnta
mnte, -interessar possa, que a albertura solemne do curso. a 1 hora da tarde, no edilciom da Escola Modelo.
Jose N. Ferrei-ra Coinmbra, idem. scientific e litterario torA I ngar no dia 3 de few- SAo pois convidados. para semelhante effeito em
Manoel Cavalcante do Rego Barros, ap- reiro proximni vinduro$ ce desdejA se.i ucha abeta assemblda geral todos. os Srs. socios honorarios1
oprva-lo plenamente. a iuscripqao da mnatrict-a p:ara aquelles quec ys- effctivos e correpovltentes, aesowiages litterariaes
oo Citod do Barros Costa, ap o- teudcremn estudar as. seguintes diseiplinas : a.-tisticas c de bercfieeacia, exiatentes n'esta cida.
Jolo Castodio de Barros Costa, appro- Lingua national. de, authoridades ueamioaes e tstrangeiras, e haes
vado. Dita lailini. !de recpartilues p*Wicas.
RHETORICA Dita franc-za. PaLra conhbecimeinta odas pessoas que tivere5, de
Dita inalcz:i. ornar a seesso coa a sua palauvra, se declare. qua
Joao Siqueira de Arruda Falco, appro- Dita allen, c it:anc;a. antecipadaineutle deverao dirigir-se ao 10 secita-
Geogr-aphia antiga e inoderna. rio, parn este providenciar na forma d) art. 28dos
vado plenamente. Hist-,rii .agrada antigI, e modern. estatutos, ultnima, parte.
Manoel Alfredo M. do Passes, idem. Geometria. A palavra serA dada:
Reprovados 2. Aritlhmetica. 1". Aos mnembros do Instituto.
PHILOSOPHIA. Phil.osophia. 2". Aos oradores das commissoes preseates.
D. lmira Secundina da Costa, appro- Rhetourica e poetica. 3". Pelaordem, da inscripQao, aos cavalheiros
Delmira Seundina da Costa, appro Historia e corographia do Brazil. que tivercm de fallar.
vada plenamente. Sciencias naturaes. Secretaria do Intituto, 22 de janeiro dc.-1885.
Joao S. de A. Falclo, idem. Desenho. 1'. se--. tario
Joao C. de Barros Costa, approvado. Gymnastica. Joao Bapfd. I;f'/ieir',u r ola'i.
Horacio Cicero da Silva Tavares, idem. Musia.do instit .o e 19 A
0 corpo doeente do instissueiae m0 Cot'lere)al de Peru
M-.noel Cavalca.nto do R-go Barros. pr,,fesa. r,-,',.ll)pandI S' .- Ln 1,-'.'-;,,- .,n<-n- ri- x I "
idauia. te corm : T'-ri u 1 .!4:a-1-i -'. -.a i -a j e I;i l
Jos.6 FcrreiraM uniz, iulm. din ra. ,,,. .' -il-l2
1.-provado 1. coiuf,ra,.-- c a- lh:m ,,' ii.; ,-:'-: 1 -.a:,.;,:.-. ,Il l- Villhos artifciaes
RESUeO ternos, ,ie.- pr.,i:i.,ii-,u 'v ,-.\' ;I.. .. Lm in )io ,I. l>mv;;'v.l cnpenlho.c da S3iceJade
Approvados coin distiucno 3 Od 1 ):-i.. i-ti;s m-.i,'I'.,i a-. iil:;.: -. t,.n lh(CirntColailtwrc-iAl 'l? .101Molilos, do Rio de Janei-
Ilom plenameute 2:3 dirt ,'- .i r i it .-'la l 'i: '. .X,* i TO, -L a. sou-i:aq.'in f'iz publicur o officio i)aixn
Arp rovados 45 cUI'o *',.-i: I :hiS.. II...n..' '. ji,.-; a .:i, t eu <:.; elI- trna-cripto. l tcr t;-, 24 de jant-inxo.-,l (directoria.
cido: scr ;limncta<.'.- s:. li.& e :abtla Iaia'tem-,ntc;
tractadl .-,m H:as t,!" nri jl,,ls j : !.H-:) do CENTRO CO3MMERCIAL DU MOLHADOS
Total 71 institute, ft' uec-caado-Il-e tamlini st c inedicarnem ii 111m. e Exm. Sr.-Sahio ante-hontem deste plr-
Reprovados 10. to; a ter roupa lavada e engoinmnada regularmenC- to comn destino aos de Peruambuco e Maranhblo, a
Para conlihcimento Jo pubhLio o director te duas vezes pjr scinana, banho etc. ; tudo isto barea portugucza Camoes, comn carregamento 2e
aro colegLo pimento o pu rlsos o adirnctor pela modica quantia do 4005 por anno. vinhus artificiaes das fabricas aqui esthbeleei-
do collegio declare que os cursos do anno Os mc-io-pensionistas se apresentarao uo esta- des.
lectivo comegaribo a 15 de janeiro do 1885 belecimento nos dias lectivos, A hor,, em que as A directorial do (Centro Commercial de Molba-
Recife, 24 de dczcmbro do 18.4. aulas se abriren e desde eutro a serein encer- dos pede a intervenlaio e o concurso da Asboois-
0 di-cctor, iradas A tarde, s3o equiparados aos intrnos, ten. Qo Commercial do Pernambuco, afim de quo seja
< I i'a d' do como estes os mesmos direitos nuanto ao esta- o commercio dessa praea avisado da origeam e na-
Jo., lerei'r'a da nCruz Viemira do, aliimenta9Ao e recreio : isto pela mo-Jica quan- tureza dos vinhos que transport o referido mavio ;
tia de 240. e c saibam ao mesmo tempo os consumidores e. peri-
Os externos s6 ten dircito ;'As licues e explica- go a que tern a sauda exposta usando semelhantes
P BR[ iTI n MP Ies das materials enslnadas no curso, quacsquer vinhos artificiaes sob o falso nome de vimhos na-
que ellas sejam, pagando npeuas no ae di ms- turpes conforme eo.a vendidos no raereado.
1 R A Dl IA J ltricuIla a taxa igual a q:ie pagaira Os alairmros no Tratando-se do defender o commereio legitirn
DE Collegio das artes. contra os ataques dos falsificeadores do vinhos, que
G w T r W Os alumnos internos deverilo aprcseutar o en- a um tempo desprezam a rmoralidade do commer-
c A S T 8 g Y A oval prescripto no regiment interior e ter cor- ciante., a saude da populb(lo e desfalcam as rev-
Vnun B nIfSANCU W respondente na capital, para compromptidc.o satis- das do Estado, eata directoria conta comn o apoio
FRi uilTE -lM l fazer as pensoes e outra qualqucr despeza de que da Assocacao Commercial de Pernanmbuco.
tiver elle necessidade. Deus guard a V. Exc.-Rio do Janeiro--Se-
SOCIEDADE POR AC(OES u ApenoW esscreo pagas na secrctrii:L d. ;,isti- cretaria doCentro Commencial de Molhados, 12de
tuto, par trimnestres adiitades. janeiro de 1885.- Illm. e Exm. Sr. president da
Ssccre0 ri.. Associagioa Commercial de Pernambuoo.
A-74 1 Celso Tertdiano 1. Q,'tntella. Joo Jose dces Reis Junior,
n Presidente.
rnicorpresen ne em dita 10A. M.p. Barboa,
PERNAMBUCO 0 adminiatrador do consulada provincial faz Vice-presidente.
T [ public a quem intereasar possa, que o prazo de Paulo Faria,
3ST0 dias uteis, macado pars o pagamento, inde- Secretario.
Spendente de mu ta, das impartaneias relatives ao Carneiro 4branmches.
2 LARGO DO CORPO SANTO- 2 1- emestro do exerciclo de 1884-85 dos seguia- Thesoureiro.
Machines nor, t Siige ~ ~tes impostos : taxas de repartiglo, 20 0/0 sobre _-----
.. &ehiP ystemas Singer e ectlnento niocomprehendidoz no perime- A A
aW*'6r &,' tre tax, ; .2MSO.po.r tonelada d.evapor; OLONI r
S- 1000 por d tir. bifhfes ; r UULoU CIE FRANQAISE
iFii- '"- -- ".'-..... .8 -B..*... pO'T~eAW eln6 r eFa Ovineia, n velfnte J
pon -eua om! b p Iienwaw fteunion de tons
...-._ *^ y^ m--.^^. :- bunrorsgavebrinonte Mwr~v w vu


Xavlo Morm.


1e~ -fran~ais saniedi 24
cwantk8 7-.

s*~J
'ci
-;- ~ -- -
.0


Confio cm que serA coroa'lo do born exi-
too iieL' franco appello As distinctas classes
a qu, ora me derijo, o d'aqui Ihcs cnvio
,ninha gratidAo.
A' primeira em 1880, dediquei uma co-
media de mininha prodiuneo, sob o titulo de
Uma Patus'.-ada, em prova do conside-
raibo c estima.
A' segunda, perter.o ainda conio sim-
pies escrevente. que tenho sido deo carto
rios e advogados.
A' terecira, pertenci (e (d'ella tenimo a
DESPACHOS DE EXP-URTAyA-
Em 23 lIe janeiro de 18S5
Para o exicrior

= No brigue norueguense Okonom, carregou :
Pare Liverpool, J. H. Boxwell 90 saecas corn
6,545 kilos de algodao.
Na barca norueguense Boreas, carregou :
Para New-York, P. Carneiro & C. 1,000 saccos
com 75,000 klos de assucar maseavado; J. S.
Loyo & Fdho 410 ditos corn 30,750 ditos de dito;
JuHio & Irmmo 97 ditos corn 7,275 ditos de dito.
= Na barca ingleza S. Antonio, earregou:
Para New York, F. Case & Filbo 886 saccos
corn 66,450 kilos de assucar maseavado.
Na barcea americana Mary G. Reed, earre-
gou :
Para New-Ydrk, M. J. da Roeba 500 saccos
corn 37,5'X) kilos do ass-car maseavado.
=- Na barca americana Benjamin, carregou :
Para New-York, Pohiman & C. 1,300 saccos
comrn 97,500 kilos de assuear maScav.Ldo.
Na barca portugueza Minho, carregou :
Pars Limboa, J. S. Loyo & Filho 500 saceos
corn 37,500 kilos de assucar branch e 1.000 ditos
corn 75,000 ditos de dito mascavado.
Pama o imerior
No patacho allemnAo Hermann, carregou:
Para Porto-Alegre, Anorim I aio & C. 1,425
barricas cornm 11917 kilos de smucar branco e
565 ditas omn 47,426 ditos de dito maecavado.
No pataco nadonal Maria 2, arrego :
Pare Porto-Alegre, Maia & dRezod 17 volu-
mes corn 500 kilos doe oleo de ieiao.
Na baeca neihJl Niowa, a u :
Pare Pelotas, B. Oliveira &C. 50 barrica
acorn 4 kilos -d a bmnim.
No ptasebe &no" rmex Jbprwm, earregm
pan ofim s 6~r~anm -o W, J 'S Lo a& hb
740- .rieew m, a
am J
pan. Ut-.


Em atiencito as diflculdades coin que luctamN o senhoret pam para
educar seuse flhos. nao podendo mulious sutmentar tdo penado encargo de
60460O meusal por cada urn.m eomo alumnto lniermno.aleum de outra matl-
tan deupexas que occorrem,i flem estabelecida a seginie tabella s
Alumno intern-ms 40000 per mcz Alunnos externus d'aula se-
meio-pension;sta 25000 undaria (2 Pr 9000
parat.). 9000 ,
externo d'aula pri- cxtcrLO d!aula sc-
maria.. 5000 cuudaria (3. pre-
externo d'aula se- parat.). 1 25000 .
cundaria (1 pre- Aula de musical. 50 a) a .
,,i danma. .- 55080 ,V
paa-)at..).. 00 ... deseuhlio. 5500 a
N. B. Os pag.ult,,s s.uo eitoy -,r ti.r frimntres adiantado!.
As Lulas aomneqain a f'ul:iunIr a "Ido jaieiru c term-in;am a 15 de dezembro.
0 dilrector..
Hlerin mo Rodrifjues de Siqueiia
EDxITA S lian,) fiudo, relerntes aos exercicios de 1879 80
EIT ES I,188 L81.
i &liiJ& o *IXs A 81.
i T'hesouraria de FAzenda de Pernaimbuco, 23 de
0 Dr. Frtimisco Alves da iSilv.i, jtiz subs- .janeiro dc 1885.
tituto do.3- distrh-icto ciiwd 1repar.- 0 secrdtaria da junta,
dor dos procussos do jiry, pI x irSet .ia- 0Luiz Emyglio Pnhciro da Cunha.-
S V .- -\1 ....1 .. UI. .. -.a ',ma 1Lr AP._::-Ij l U1- D ^-


".1 _. '


I


no, salva a conveu.iAo corn seua pae ou tutor.


I a23




. i.


4 ..


.':
{p i-p


ilk. "W U 4M
Pelo regulamento da c ;inp'uthia estA estipulado:
I. Que quacsquer reelinaaces acerca do servi-
-yo public on particular, quer do fornecimento
d'agua, qu.r relative oA illuamiinacao, para seremn
attendidas devem ser fcita;Is POea ESC.IPTO, datadas
e assignalas, dirigidas ao escriptorio da Aompanhia
(oflicinas de gaz nos Miligres) diarianiente.
II. Que silo responsaveiss por semoelhantes recla-
magies os sens signatarlois, no caso em que as des-
pezas neo sejarn da competcncia da coinpanhmia
(canalisayIo no solo das ruas p:>r onde passem os
.encamentos).
III. Que a companhia reserve para si o d reito
de fechar a communicayio do giz ou agua a qual-
quer easa ou estabelecimcnto, Cujo DONO nio pa-
gar com promptidito suas contas de co;:sumo, as
quakes deverAo ser pagas ein Olinda.
Publicand, estes artigis para pleno conheci-
mrento do publico, aproveito a oportunidade para
declor que quoalquer conta de cousuino ou c-on-
carto d'agua ou gaz s6 dcve ser pago mnediante re
cibo e estando per mima rubricado.
Escriptorio da companhia, 1 de ianeiro de 1985.
A. P. Shimes,
Gerente.

Escola Nornial
De ordem do Dr. director faz-se public a quem
interessar possa, que as matriculas deste curso
estarao abertas desde o dia 15 do corrente ate 3
de fevereiro proximo.
Os pretendentes A matrienla do 1 anno deve-
rao instruir os seas requeriiments coin os docu-
inentos seguintes :
1I Certid.o de idade inaior de 18 anuos pars
homnaes, e,16 para mehoris.
2o Certidaio de nito hayer soffrido coudemna;ao
por algumn dos crimes que motivamn a pcrda da
eadeira aos professors publicos.
3 Attestado de approvaaIo em exame nas es-
colas publicas de instruceao primaria.
4 Attestado de moralidade passado pelo res-
pective parocho, ou pelas autoridades policies e
litterarias da freguezia em que residir o peticio-
nario. Aquelles que nio poderem exhibir attes-
tados de exame primano em alguina escola pu-
blica, dever1o inscrever-se para os exames de
admissio, que deveriao comecr no dia 26 do cor-
rente, de conformidad c coin os arts. 75 e 76 do
regiment intern de 17 ae Eetembro de 1880
Pars as matriculas do 2- ou 3- anno basta ins-
truir o rcquerimento corn a certidgo da approva-
so no exame do anno anterior.
Secretaria da Escola Normal do Recife, 7 de
janeiro de 1885.-0 secretario,
A. A. Gamina.

THEATRE

S+ANTA lIt-AEL


Em principio do mez vindouro, fevereiro, teri
lugar o
Concerto vocal e Instrumental
DO
Vblinista Francelino Domingos de Moura
Pessoa
corn o concurso de alguns bons artists que gra-
ciosamente prestam-se a coadjuval-o.


Tiro ao alvo
Grande desafio entire 'amadores e peritos
atiradores nacionaes e estrangeiros
Domingo 23 do corrente
No largo do Carmo, em Olnda.
ao lado do tivoly do
Bragudnha
A tostio o tiro
Das espingardas de ar
A mi reis seis tiros
Da esplngarda FOWLER
0 premio sera corn honras conferido ao ven-
cedor


IAITITOS

CHARGERS EUNIS
cmiupanhIa Franeeza de Navega-
O a Vapor
LTnha quinzenal entire o Havre, Lie,
S boa, Pernambuco, Bahia, Rio de Janeiro a
Santos
^ teaser
ye~de3BiodeJaaeiro
t .4 a.d.$ o


as i mesa regedm e iarmndade
hmbi,-,.. de uowsirm;*que tendo
geril relvIdo tavAdr" edificar as
,N.]to ceemterio publieN toram nomea
S swtesim pars agenciarem as espurtulas
PBslerem tero o direito a ellas, passando o
W#eumen to, que serA assiguado ppla mes-
B~im iu ao, eomposta d&@ irmnos abaixo.
Mgnez;a de S. Josn', Livino Cliristiano Pra-
aedA.
Saato Antonio, Manaul Severino da H. Martins.
teife, Manoel Me ri.- d4, Nascimento.
Boa-Vista, Jos6 Marni da ConceicAio.
Livino Christimno Praxcdes,
Scretnario.

Sob.. Loj.'. Allianca

Sess,'. Esp.". de Ell.'.
De ord.". supt.-. convoeo a todos os nossos
CCh.-. c Rle.-p. IIr. a compareceroin a
sess.' csp.-. d ell.- p:ira o aiuo social de
1885 a 1886 (Er. -. V. .) qne teri lugar domingo
25 do andante, pel:is 11 hora dai manhi, cm sua
sAde ao vail. -. do Imper. -. n. 14, tcrceiro an-
dar..
Secret.-. 23 dejaneiro de 1885 (Er. V. .)
Mcltke 18. .
Seer.-.
Sociedade Beereativa Juventude
Uoir6e bimestral em S de
feverelro
Scientific aos Srs. sscios, qne esta soir6e, prin-
eipiar6 as 7 horas da note.
Ingressos em wit) do Sr. tliesoureiro
Recife, 20 de janeiro de 1885.
Manoel Bandeirc Filho.
Secretario.
ComPROa Sntu Thippu7

ie abastecininto d'agna e luz a
cidade de Olinda


da demora do costume.


Espera-se dos
portos da Europa
at odia 15 de fe-
vereiro e seguiri
lpara os do sul e
do Pacifico depois


Para carga, passagens, encommendas e dinheiro
o frete: tracta-se comn os
Consignatarios
Wilson Sons & C., Limited
N. 14-RUA DO COMMERCOIO-N. 14

United States & Brasil Mail S. S. C.
0 vapor
lMerrimac
E ^ Espera-se deNew-Port-New 1
/ \ '. at6 o dia 2G de janeiro,
?eguindo depois da demora
neeessaria para

Bahia e RIo de Janeiro


Pelos vapores desta companhia daio-se passa-
gens para Liverpcol ao preqo de 200 dollars ; c
passageiro desembarcaado em New-York tern ga-
rantia a passages para Liverpool quando Ihe ap-
prouver per vapores de la o-rdem.
Para carga, passagens, encommendas e valores
tracta-se corn mos
AGENTS
Henry Forster & C.
N. 8 RUADOC'MMitR(dlO -- N. 8
1.'andar

BOYAL MAIL STEAM PACKET
COMPANY
Grande reduceio nos prepos das
passages
0 PAQUETE A VAPOR
Neva


E esperado
do sul no dia 29 do
corrente, seguin-
fdo depois da de-
mora necessaria


pars Lisboa, Southampton, etc.
Tern optimas accommodates.
Em eonsequencia das quarentenas ios portos
brasileiros, os vapores qu e sahem de Southampton
no primeiro de cada mez deixam de fazer escala
per Bordeos, continurndo de tocar aqui nos dias
18 a 19, e os vapors sahindo de Southampton nos
diAs 9 de cada mez deixarilo de tocar neste port
e no da Bahia., indo em direitura de Lisboa a Rio
de Janeiro.
As datas de regresso pars Europa nos dias 14 e
29 de cada mcz per emquanto sem alteragio.
Passagens para a Europa podem ser torna-
das na ida dos vapores para o sul
Reducpio nos pre~os para o Rio
de Janeiro
1- classes 9000O. 3- dita 274000
Para passagens, fretes, etc., tracts-se corn os
CONSIGNATARIOS
Adamson Howie & C.
3-Rua do Commerelo--3
COMPANHIE DES IIMESSAGE-
RIES ARLUITIMES
IANHA MENSAL
0 paquete
Senegal


Commandante


Jioreau
Espera-se da Eu-
ropa atW odia 4 de
fevereiro, seguin-
i do depois da de-
*mora do costu-
me paras Buenos-


Ayres, tocando na
Bahia, Rio de Janelro e Monte-
tevideo
Lembra-se aos Srs. passageiros de todas as
classes que ha lugares reservados pars esta agen-
cia, que podem tomar em qualquer tempo.
Para carga, passagens, encommendas e dmheiro
a frete: tracta-se cornm o
AGENT
Auguste Labille
9 RUA DO COMMERCIO -9

Fazmse public que, por ordem
superior, os vapores desta cornm.
panhia do mez vindouro em dian.
te, na volta para a Europatoca-
rio neste porto em 23 de cada
mez em lungar de 20 como ali
agora.
Ceoim paha 3rauM da de NvO-
gaqloa a Vp~r
PORT DO NOTE
Ov0


42-RUA DO.M Rf-O -42

;aefcS mtmNavltiaon Crnpan
STRAITS OFP MAGELLAN LINE
O VAPOR
Magellan
S Espera-se dos portos
do sul ate o dia 2 de fe-
vcreiro seguindo pars
-*. a. Europa depois da
'di~emora do costume.

P ira carga, passagens, encommendas e dinheiro
a frete; tracta-se comn os
Consignatarios
Wilson Seons t C., Limindted
N. 14- DOCOMMERCIO N. 14
0 VAPOR
Araucania


Da refinaVio da rua do Rangel
n. 43
Quarta.feira 28 de janeiro
A's 11 horas
0 agente Alfredo Guimaraes autorisado pela
viuva e inventariante do finado Josi Fernandes
dos Santos Bastes, venderi no dia acima mencio-
nado a refinaCaio e seus utencilios, contend mais
de mil arrobasIde assucar em caro9o e refinado,
eujo balance so acha cm mae do referido agent,
onde poderA scr examinado pelos pretendeates.
Em continuacaio venderi o mesmo agent diffe-
rentes moveis no 1o e 2o andares do mesmo pr-e.
dio.
Garante-se as chaves do estabelecimento.

Leilao


De bons


moves


Sendo uma mobilia de pio carga entalhada, corn
encosto de palha e tampo de pedra, 1 cama fran-
ceza, 1 guarda-vestidos de amarelle, I guarda-
louc, 1 mess elastic, 1 marquezio, 1 toillett, 1
mcia commoda, 1 lavatorio, 1 sofa, cadeiras avul-
sas e muitos outros moveis em born uso. .
Terpa-feira, 27 do corrente
A's I t boras
No sobrado da rua Estreita do Rosario n. 26

Polo aente Marils

Agente Pestana

Leilao -

De um excellent cavallo mellado,
andador de baixo e meio
TERA-FEIRA 27 DO CORRENTE
A's it horas
No armazem da rua do Vigario Teno-
rio n. 12
POR INTERVEN.AO DO AGENT
Pestana

Leilao
Fazeadas inglezas
(Em continuaciAo e por liquidagio)
Constando de
Deversos volumes corn madapolSes, chitas, brings,
cambraia victoria, cobertores e outras fazendas
de leci.
Segunda-felra, 96 do eorrente
A's 10 e 112 horas

Argnto Pinto
No armazem da rua do Bom Jesus n. 49

Leflo
Qorta-foira, 28 (I corroilt
A's 11 horas da manha
0 agent Silveira, pr mnandado do Exm. Sr.
Dr.juiz da direito especial do commereio e assis-
tencia deste juizo, levari a leilao a requernmento
do Dr. curador fiscal, das massas dos negociantes
Arruda Lustosa & C., e Arruda & C., constant
no estabelecimento sito ruam do Barb da Victo-
ria u. 45, 1 armagio de amarello envidrasada, ca-
nalisayAo para gaz, bancos, roupas e mais uten-
cialos, 1 copiador, e 1 burrsa de fmro.
0 eatabelecimento sito A mesma rua n. 41, uma
armaaIo de amarello, envidragada, canalisaUo
para gaz, utancilios e roupas.


~~w~E~, Ym~- Ca LmlyoUmjlp aa

1 B Ir sma a 4 r
don b iwdas BW ioftpde ww
al ha:vev unoaktabeteen a.-Sto ..8, i
1 m a do In-perador.
= A quern interessar decl&amoa que nests
data deapedimnos ao nowo empregado Joqauim
AntonIo de Araujo. Recife, 12 de janeiro de 85.
Floriano Paso & C.


dia 26.
EneOummenda, e d aheiro a frets ato
da 3 horas da trde do dia da sahida.
ESCRIMRIO
Caes da Companhia Pernambucans
n. 12

LEILOES

Agent Pinto
Segunda-feira 26 do corrente cpntinua o agent
Pinto corn leilao de different volumescom fazen
das de lei propria para este mercado, existentes
no armazem da rua do Boni Jesus n. 49.

Leilao
De 4 .5 saceos co'v-assuear bruto
Segundarfeira 26 do correnlt
A's 9 1/9 horas
Em trente a Associago Agricola
0 agent Gusmilo, autorisado por mandado do
Exm. Sr. Dr. juiz de direito do mommercio e a re-
querimento dos exequentes Bezerma Irms, fara
leilAo com assistencia do mesmo juiz, de 45 smaccos
corn assucar bruto, pertencentet ao execulado Jus-
tino Percira de Brito, cujo assucar se acha depo-
sitado no armazem dos Srs. Jolo Licio & Irmaos.

Agent Pestana

Leilao
De urma cxcellente cisa tcrrea de pedra e cal
e um grande sitio no lugar denominado Cumbe em
Beberibe ten lo a casa 2 ports e 2 janellas de
frente e 2 portas e 2janellas nos oitoes e 1 terrago;
tend a casa os seguintes commodos: 2 sallas, 5
quartos, cosinha f6ra c grande sitio arborisado sen-
I do todas as arvores novas tend o sitio, a frente e
um dos lados tode murado e outro lado murado atW
o meio, e o rest cercaido; passando no fund o rio
Beberibe,cujo sitio e casa pertenceram ao Sr. Va-
lenga.
Tcrya-feira, 27 do corrente
AO MEIO DIA
NVo armazem da rua do Vigario Tenario
n. 12
0 agent Pestana coinpetentemento autorisado
fara leilio 4a casa e sitio acima inmencionados.
N. B. Para qualquer informagao os Srs. preten-
dentes podem desde jai dirigir-se ao reierido Agen-
te no niencionado armazem.

Leilao


= Alnga se o 1- e 2- andares A run do Imne-
radar n. 39. e a loja no pateo do Teryo n. 20 : a
tratar corn Luiz de Moraes Gomes Ferreira.

Medico
0 Dr. Joaquim Camara fixou suan residencia na
cidade de Palmares, onde pode ser procurado
*raOs mmistaerede sua profismao.
Aluga-se o ar-

mazem corn sotfa, a
ruada Madre de Deus
n. 1


Ao pablico
Martins & C., estabolecidos A rua do Amorim
n. 27, veem declarar ao public que nunca tiveram
negocios corn o Sr. Manuoel dos Santos Falcle ;
pelo que naio se entende corn mos abaixo assignados
o annuncio publicado neste Diario, em 21 do cor-
rente, firmnado por este senhor.
Recife, 22 de janeiro de 1885.
Martins & C.

C. Heckmann
Usinas de cobre, latao, o bronze do Berlim.
G61litzerUfer n. 9. Berlim S. 0.
Especaliadade;
Construcfso de maehinas e ap-
parelhos
para fabrics de assucar, destillac5es e refiuages,
corn todos os aperfeigoamentos modernos.
INSTALLAQAO DE:

Ph Matos dBassasnce corM1tos
Estabelecimento filial na Havana sob a mesma
firma de C. Heckmann.
Clle de San Ignacio n. 17.
Unicos representontes
,Haupt Gebrdder
EM RIO DE JANEIRO
Para intormag5es dirijam-se a
Pohlman & C.

Ru Bo Conomercio n. 10

Aviso necessario
Carvalh3 Souza & C. nilo toms responsabilida-
de algum par qualquer debits ou cobranca feito
em seii nome, de quern quer que seja, salvo mos-
trando habilitacues necessarias, como existem le-
galente constituidos. Recife, 24 de janeiro de
1885.

Ao public
0 abaixo assignado dcclara que nio se entende
a publicaqao feita nos diaries de 22 do corrente
con a firm dos Srs. Farina & C., a travessa do
Peixoto, e bemrn assim corn os Srs. Farias & C., A
ruan de Guararapes Recife, 24 de janeiro de 85.
S Maneel dos Santos Falcio.

Ao comereo


O abaixo assignados declaram polo presented
* ue dis eoram amsnigavelmeute a soctedade que
Salbja deofizuendas rusa Duque deo Ca-
*. ab soab a -firma de AzevedoI &Campos,
uzdo-se o o Jsoc Anonio Jose de Oliveira

_%. M, ln~e h_&
?ital 0 lucre.,

-, O s,, ..


Alogap-B uJna MR ,aa,
o As i.
quarter, 2 sha, quonhs,
pam a mu doe GusrapuM
n. 66 : a tratar "sa rn wa


Sna a do S, Jorge
n. &


Almas do Reirfe
DicD m que a actual mesa regedora deta irman-
dade pretende vender em leiLo 22 camas de seu
patrimounio, as quw a toram doadas A menna con
a eondiglb de que nao sendo por ella satiafeitos os
neuargos dos legatarios, reverterein ditas casas
em beneficio da Santa Casa de Misericordia do
Recife e Santa Casa doeLoanda, como tado consta
das verbal testamentarias, portanto nao podem
ser vendidaB, e ninguem deve propor .se a compra
de taes casas men antes ter examinado os tests-
mentos, que a o os unicos titulos que a irmanda-
de tcm para assim proceder.
Muitos irmlos antigos.

Gasta-se pouco
No ji conhecido hotel da rua de Hortas n. 24.
existed diariamento umna magnifies fejuada corn os
seus pertenee, pela insignificant quantia de 320
rs. ; assim como urma grande variedade de lun-
ches, e tudo isto preparado corn o maior esmero,
promptidlo e asseio.

Ama
Precisa-se de uma ama para cosinha, pars casa
de familiar : na rua de Pedro Affon3o n. 31, pri-
meiro andar.


0 2" andar da rua larga do Rosario n. 37, es-
quina defronte da igreja : a tratar na mesma ca-
sa. tabacarip., onular.


Aiuga-se casea asnobradada a. 19 da rua.
da Ventura (usn Cipunga), prLopriedade do Dr.
Jo4o de KA e Albuquerquo, a qual tern ecedientes
eommodos e grande sitio : a tratar a rut Pri.
meiro da Marco a. 13.
Akga-se a easa. n. a rua sLembranga do
Gomes, em Santo Amaro, grande, fresoa epintada
de novo, tern agua : a tratar na rua da Impera-
triz n. 32, 1- andar.
Preeiosa-se de impresares pars typogra-
phia : a tratar na ruta de Maris e Barros n. 14.
g!- Precisa-se de unma ama pars cosinhar e mais
servings de can de famiiia, e de um meno para
campras e recados : a tractar usna rna do Marquez
de Olinda n. 51, 2 andar.
JosA Paulo Botelho, tencionando retirar-se
temporariamente para a Europa, julga nada dover
nests praga ou f6ra della ; todavia quem se eon-
-siderar soeu credor cu da firm Jws Paulo Bote-
Iho & C.. queira apresentar-se corn os respectivos
doeumentos, dentro do praso de trees dias, a con-
tar da data de hoje. Scientific mais que desde
1 de dezembro passado cedeu seu estabelecimen-
to sit o A rua de Pedro Affonso n. 68 ao Sr. Anto -
io Jose Lopes Braga, fisando este senhor encar-
regado da liquidaeao do activo Jose Paulo Bote-
Iho & C. Recife, 15 de janeiro de 1885.
r-, Aluga se a loja com dous quartos A run es-
itreita do Rosario n. 38, e a casa n. 30 da run do
Ainorim ; A tratar na rua do Pilar n. 56.
Passo & C., declaramn que o Sr. JosA Ferrei-
ra da Luz deixou de ser seu cmpregado desde o
dia 31 de dezembro, e que niao se responsabilisam
por dividas feitas pelo memo senhor.
Precisa-se de um caixeiro que tenha pratica
de molhados; A tratar na run Imperial n. 128.
1 Alugam-se o lo andar da casa n. 18, o 20 0
de n. 66 A run Direita; o lo, 2 e 3o da.de n. 3 A
run da Penha; o 2a da de n. 25 a run de Santa
Rita ; o 10 da de n. 34 A run do Rosario Estreita;
tratar na run do Hospicio n. 32.
Cotuirire de livros : precsa-se na rua
Duque do Caxias n. 39.
== 0 abaixo assignado declare que o annuncio
relative a Martins & C., nio se eutende corn mos
Srs. Martins & C., estabelecidos A rua do Amorim,
e aim corn outro de igual firma, estabelecidos a
rua de Santa Cecilia. Recife, 23 de janeiro de
1885.
Manoel dos Santos Faloiao.
= Aluga-se o 2- andar do sobrado n. 28 A rua
do Visconde de Albuquerque, muito friesco, limpo,
corn agua e banheiro : a tratar na run Velha nu-
mere 28.
Jose da Silva oraes
Participa a scus amigos e tregu zes que mu-
deu seu estabelecimento de cocheira de carros de
aluguel e cavallos A trato da rua da Roda n. 60
psra a de Santo Amaro n. 3, entrada pela mesma
rua da Roda.
Precisa-se de uma cosinheira, para casa de
amilia, paga-se bemrn : a tratar na run do Barlo
da Vict ria n. 39, loja.


Lola Beon ada castro comomer-

cial 1 ran dlo Mar oxz e

Olind I 19,
Os proprietarios deste estabelecimento fazem
sciente ao respeitavel corpo commercial, que em
31 do dezembro do anne proximo passado dissol-
veram amigavelmente a sociedade que tinham em
dita loja sob a firma de Bourgard & C., retiran-
do-se o socio Jos6 Leopoldo Bourgard page e sa-
tisfeito de seu capital, ficando a cargo do socio
Jos6 Antonio dos Santos o active e passive de dito
estabelecimento. que continual sob a razao de
Jes6 Antonio dos Santos, successor de Bourgard
& C., e unico proprietario do mesmo estabeTeci-
mento. Recife, 5 de janeiro de 1885.
Jos6 Leopoldo Bourgard.
Jos6 Antonio dos Santos.

Fabrica de cigarros a

vapor a rua da Impe-

ratriz
Os proprietarios deste estabelecimeito fazem
sciente ao respeitavel corpo commercial, que em
31 de dezembro proximo passado dissolveram ami-
gavelmente a sociedade que tinham na dita fabri-
ca, sob a firm de Bourgard & C., retirando-se os
socios Jos Leonpoldo Bourgard e JosS Antonio
dos Santos, pagos e satisfeitos de seu capital, fi-
cando o active e passivo a cargo do socio' Pedro
de Alcantara Borjais e Castro, que continue como
unico proprietario do mencionado estabelecimen-
to, sob a firms de Pedro de Alcantara Boria e
Castro. Recife,5 de janeiro de 1885.
Jose Leopoldo Bourgard.
Jos6 Antonio dos Santos.
Pedro de Alcantara Tlorja e Castro

Atten io
Aluga-se um grande sitio bern conservado, corn
muitas arvores fructiferas e mais de 200 pes de
coqueiros, baixa de capim, dous grandes viveiros,
cacimba corn agua boa, casa de moradia, proximo
da linha dos bonds, aluga-se per preo rmeodico, e
muito convenient para quern tivcr carrogas ou
vaccas de leite. So os dous viveiros rendem
rnais do que o aluguelpara quern cuidar delles : a
tratar na rua da Madre de Deus n. 7, de 11 horas
atW 2 horas da tarde.
/W "A
Precisa-se de urma ama para cosinhar, lavar e
engommar para duns pesasoas : na rua do Viscon-
de de Goyanna n. 72.
Ania
Narua da Cruz a 32, prim.eiro andar, preciha-
se de uma arna que lave e eng.rnme, para duas
pessoas.

BR. DE DBUSINA & C.

Ru B e Beol-Oll+] n,18
(ANTIGA DA CRUZ)
Casa de commissoes
Grande e variado sortimento de amos-
tras e catalogos de produces da Alema-
ohs, Franga, Inglatera, Austria, Hespanha,
Italia e Estado-Unidos.
N. B.---Informanes. sobre macbinismos
agricolas, ditas para engenhos centraes-
bombas, etc. pars incendios e outras ma,
chinas e utensilios.

Ama
Aluga-me urna boa cesinohira; A tratar na rua
doatm ,ab n. 16, seguado mndar.

^tp. i.; i m' e mecorta-


DO -
,Pbarmame., Aicee -u w.
Cumrapid ea sem'dor ,
smorndo: opsaeito, as
botica do Reif, a rua do Born Jesus (anUga mda
Crmz) n. 26, Recife.

Patri4ias
E' o nome de dus boas cqrroas con as com-
petentea pipas para vender agua a quem tern bee,
e que se vende por barato prego. Tambem ha
para vender urma boa casa de taipa, nova, bern
preparada, corn divisao an lado par taverna 6 ja
corn as competentes prateleira, balcAo e mais
utensilios ; assim come um born terreno pars edi-
ficar, tude na rua do Quiabo em Afogados : quem
quizer comprar entenda se corn o Sr. alferes Cons-
tantino.

Sitio ecasas
Aluga-se um sitio cornm casa, tendo baatantes
commodos pra familiar, na rua das Criouas nau-
mero 59. |
Uma casa na rua da Ventura n. 4, corn 2 salas,
3 quartos, cosinha e cacimba.
Outra propria para taverna, corn armaoo, na
mesa rua n. 31.
Outra pars familiar, n. 35, na mesma rua ; todas
na Capunga : a tratar na praga da Independencia
numerous 2 A 8.
Trieofero


de


Barry,
ltraiite-.e <|ic
fi.z crus.c: o
C A B E LL C,
ift. cur la dictnittd'*"
a TIkPHA c a -A"A.
QiCli-c 0 caL'tr.no-mccciniento
o CABELLO cemca tos os ca-
sos o toraa iavariavelmente
Macio, B'ilhanto, Formosa e
Abundanto .- oe
Emuse hamalsdeoltentaannio
e ter Inator venda que nenhum
outro prcparado para o cabeUllo em
toW -oundo.
Agua Florida
de Barry.
DUPLA.
Preparada segundo a formula
original unada pelo inventor no
anno de 1829.


Tern duas vezes mals Fragrancla
que qualquer outra.
Dura duas vezes mals tempo.
E'multe mals rica de perfume e'
mais suave,
E'multo mais Fina e Delicada.
Tern dobradaforea Refrescativa e,
Tonlea no Banho.
Fortalece ao Debile ao Canoado.
Cura as Dores de ocabeca e 'os des-
malos. s
E'muitissimo Superior a todas as
outras Aguas Floridas Actual-'
monte a venda. -4
* Desooberta Importantissima.

Puro Oleo de Figado de Bacalhao
--- COM


IODURETO DE FERRO,
DE --.
Barclay & Companhia.







Cnra rndicalrmente e com seguranca os peores caos'
die PI'hthisica, Escrofnlas, Rheumatismo, tas doensas
dia Espinha Dorsal, dos Qnadris e dos Ossos, as in-,
lhanmmaV.-es do Figado. do Bago e do Utero, etc., etc.,;
e restitue ao corpo enftranecido e fatigado o sen pri-
ai.tivo vigor e arredondado dos contornos. E" certa-
iu,;nte e.iunt grande descobcrta o Puro Oleo de
Fftado de Bacnlhao corn lodureto de
Ferro-do Barclay S& Ca., Neow York. s


Xsrope de VidW
de Reuter No. 1.

r. O4,I.frH fifli


DEPURATIVO E PURGANTE.
Este novo e admiravel purificador'd
sangue aetna obre'oos intestinos
o ugado, os rinso'a pellet
E'cura infaltivel contra a Debilidade
Iervosa, as Dores de Cabeqa, a Dys-;
pepsia as Sezoes, o contra as doen-
cas de origem Miasmatlca ou occa-
sionadas por desordens do flgado
ou pobrezae Impureza do sangue.p
Depositos. Em New-York cm cama
dos Srs. Barclay & C. em Pernambu-
co e em casa dos Srs. Franeisco Ma-
noel da Silva & C.


I r .FORNECECOR
3 ,OA CASA REALLY "
.' ..,, o.-:. 1
i Om. tb-. :)... I. \ 1u,: a .- ..l ,. -,i
Ir~ll,'.' rt i" ,,- ell
: E 'lhan:ina, I C '..; Cru ia -
P d r f u rn e i .i
Deposato r.-s prliaic,pis PS m-I,'n.';-": .;
Pharpx..;.s e c--bI'c;-,' n;. i
......, .> '^^7'^TC~:--.'-.'J.^.' "^ t;


~11u~-. ~*
-'.::e
-.4-,..- 4-


1


4'
- -.1.


Maria da Conceigao Seixas e seus filihos, Jose
Scares de Seixas e sua mulher Flora Scares de
Seixas, tend de mandar celebrar misses por alma
de seu finado esposo, pai, tio e sogro, Joaquim
Jose de Seixas, no dia 28 do corrente, 1- anniver-
sario do seu fallecimento, na veneravel ordem ter-
ceira de S. Francisco, pelas 8 horns da manhA,
convida aos seus parents e amigos pars assisti-
remn a este actor de caridade e religiao, pelo qual
ficarlo eternamente gratos.

Ama
Precisa-se de urma boa cosinheira que de fianoa
de sua condacta; A tratar na rua d'Apollo n. 36
armazem.

Ama
Precisa-se de urma, que cosinhe e engomme cornm
perfeiyao para casa de familiar de duas pessoas ;
A tratar na rua do Barae da Victoria n. 7, segun-
do andar.

Engommadeira
Precisae-se de urma engommadeira A rua Duque
de Caxias n. 86.


I 9 -" ?L".%' ..


C.imaandwa A


<

^


*r, ,^,


























Vinho Nutritivo de Camer
Unico legalmente auctorisado polo
gooverno, e pela junta de sadde public
de Portugal, documents legalisados
polo consul geral do linperio do Bra-
zil. E inuito util na convalescena de
todas as docu'as; augmenta conside-
ravelmentc as forces aos individuos
debilitados, e excita o appetite de um
mnodo extraordinario. Unm calice d'esto
x \i!ho, rcprescnta um born bife. Acha-
e a. venTa nas princiDaes pharmacia.


Ama i
Precisa-se do uma engommadeira : na run da
Aurora n. 109.
Ama
Precisa-se de uma ama para cuidar em crian-
cas : na rua do Apollo n. 2, 1 andar.
LINHA COATS
a uistrosa v para machine, e a a Macia de 6
flos tanto para machine como part cozer a mo
-Nao se usa mais linha em novello-
Pede linha em carretel cornm o nome
J.&P.COATS -

Aviso
A' rua do Marquez de Olinda n. 51 precisa-se
le um plequeno que tenha alguma pratica de miu-
dezas e que dU garantias de sua conduct.

Aproend ss costureiros
Precisa-se na Encadernacao Commercial, rua
Laque de Caxias n. 39.
Amar
Precisa-se de uma cosinheira : no largo do
Corpo Santo n. 17, 3- andar.

Muito pode o progress
Grande loja de fazendax de Custo-
dio de Hendonwa d& C., rua Duque
de Caxlats n. I1.
Neste estabelecimento estA abolido o system
(i, vender caro. Os seus proprieiarios teem adop
tado o system de vender pelo eusto, ganhando
t.n somente o desconto. E' o system mais aper-
.coado e que garante ao comprador ser scmpre
i*in servido. Todos, portanto, qne quizerem com-
i,'ar, estejam convidados a honrar este estabele-
cimento, onde encontrario, a par da sinceridade
e agrado, um complete sortimento de todasi as
fazendas, como sejam :
Setinetas lavradas e lisas, o que ha de melhor
em gosto a 500 rs.
Setineta preta adamass6, fazenda lavrada, de
born gosto e muito larga a 800 rs.
Merin5 preto fine a 1;400, e superior a 1U800.
Merin6 setim preto fino a 1800.
Setins de cores finos a 1I400.
Sctim preto superior a 24500.
FustAo branch fino a 500 rs.
Saias bordadas a 4, 5 e 64000.
Complete sortimento de fichus.
E muitos outros artigos que 6 infadonho mnien-
cionar, e mesmo nio e agradavel fatigar a pa-
ciencia das Exm-s, leitoras.
61--Runa Duque de Caxiam--61

Attenao
Na rua Direita n. 74, vende-se ovos muito
frescos, em por*o e a retalho, e mais barato que
em outra qualquer parte.
Criado
Precisa-se de um criado : na rua da ,Aurora
numero 109.
Loteria da Parahyba
No estabelecimento n. 2 C A rua do Cabuga,
acham-se expostos a venda os bilhetes de nma
nova loteria da Parahyba organisada segundo um
born piano, que cont6m os seguintes premios:
1 de 4:0004000
1 de 1:000O000
1 de 200000
2 de 100A000
4 de 501000
15 de 209000
40 de 10000
50 de 5OOO
500 de 25500
Este ulthno 6 o preco de cada um bilhete alli,
sendo elle em Pernambuco 2i750 para os vende-
dores e na casa 3A000.
Os premios sao aqui e alli pagos integralmente,
sem desconto algnm, a vista da list da extrac-
Sao estas vantagens que nao podem deixar de
ser apreciados pelos que gostam do jogo das lo-
terias.
Trastes
A' rua do Imperadorn. 16 compra-se, vende-s* {
luga-se e troca-se novas e us'do,.
Aluga-se
o terceiro andar e sotao da rua do Born Jesus n.
63, junto ao Corpo Santo, corn commodes para fa-
inilia : trat: -sc na rua do Apollo n. 30. arma i


zem.


Sulfato


N

M





N

0


S[SP KRUSE tC

kcaBnde i entar o sei ia bIn cenhed
iportantle esabelecimento rna I
deomarfo n. 6 corn mais

am salao no lo andar luxuosamente pepar-
rado e provide de uma exposi.


Cilo de obras de prata do Porto


e electroplate


dos mais aramados rabricantes do
mundo inlteiro.
Convida, pois, as Exmas. families, soeus numen
rosos amigos e freguezes a visitarem
o sen estabelecimento, afim de
apreciarem a grandeza e bom goslo corn que
o obstante a grande
despeza, o adornaram, em honra


desta provincia.
Al1A-SE ABBE TODAS 7 Ys


fl

0






M


H


8 DA NOITh


'E#4:2


I' AVISG JviH>YiANLi 4
g, Persoas dce ma f6 v i mdc1 ,b
Sao iint. de Xarope c Grag.as sa-
gundo a formula do D'. Gibert ou
l de Gibort & Boutigny. contrafac-
g6oes e imitagoas iiais ou luL.os '
inertes ou perigosas.
ai 6 garautimos as verdadeiras '-
C orrageas e o verdadeiro Xarope -_4
: Depurativo lodurado do D. Gi- ,')
.; bert cujo rotulo leva. em tinta encar- '
nida. as assignaturas do Dr. Gibert
v- i de Boutigny Stcce.ssores e alem r
Sdisto, o scllo do Governo Frcicc-z.,
inp.,sso corn tinta azul. 0 prco uaico3
tlestes preparados c de 5 francoe em
^tPaM. _____3
Para satisfazer ao desejo de grani |
S namuniero de possoas consegruimos en.er-
%i rai em Grageas de volate imsignif/iante, f
- toils os principios activos do fl'sso)
1 \.IopG.
WA)S GAGEAS REPRESENTAM
I'MA COLLIER DE SOPA DE XAROPE
i Towidas no miei.o ou /fin das r-efeicocis, as
SGrageas Depurativas loduradas
4do D' Gibert tnm sobre o Xarope i
qraath oaatagem de scrom do mni emprego "
(extrellmailJmtc samples e facil, c de cons-
t ituirern tambem o mais agradavel,
melhor, inais activo e economic
de todos os depurativos conhe-
Scidos.
S Encontram-se em toidas as boas
C-1 Pharmaciais D)rofias. .


ELIXIR &VINHO

TBOUETTE-PERBRET


de PAPAINA (Pepsina 'egeta).
bo O0 mais poderosos digestivos conhecidos atW agora, para comfiater S
AFFECgOES DO ESTOMAGO: GASTRITES, GASTRALGi-
BIAtREAS, VOMrTOS, PESO NO ESTOAGO, MA DiGkSA1i ETC., ETC
M; GAUGE LOGO DEPOIS DA GOMIDA BASTA PARA CURAR OS CASOS MAIS SBSSUiS
A venda nas principaes Pharmacias e Drogarias.
Vena ow groaso cm Parib :TROOETTE-PERRET, rsa Saint-Astoie, e4
efes uegir oSeUo do GcTmo rmoe ASobre o 3 Frascos pan evitar as raisidosI.
,.r,.silarios cm Pernambuco : FRAN' M. da SILVA & "P.


I~
ifi

ii


li I


AGUA VEGETfAL COM 6IPERFUMES A&AD0 9
GkQUALIOADK SUPERIO4R6
f 1 ar.li' ffrN.. CAB,1LLOS fi.WV-raSwie% ,can%
Efts 1iio l o C4tracto d u substanwas detersivas e fottficaa'sJA
Iga do ovo. Pelo sea uo, conscerva-e o aeo e a saide do o
Scabd); imped-se o Cabdllo de cabir. Oi seus perfumes slo ttM- e
9dauIan, ds de se tcr servido dda, um chiro agradav L
iN#. iQ W- b -fWM HAY ORiZA DEr PAMPAS YLAWUt V.LAA 4
-' d@OKjOOIyv-oi u JA .SMIN O'SPAONE POl- MAicH oo'O U
OSIS -08R'RO TREVOL j 'OLSTTS ODE
" BB VB'. ,t ms-, -- 92 te BOUQUET OPOPA,, .x .
L. LEORAN 0, Perimnii, fmnwe or aitsas u rtvrmir aW*
PA3RIS 7. rja 8a~t-Hy.^ jf7 P~2 <
0a6'04iT0 NAS p jNCITAWPA" LkPASHA5S3 E GASAS DABL.aa
NFIR s O AS FPAL-iFUCAL" WF "W -!
^-60-;.ai ^ -A&, ^.^


de Quinina de


P-et[e


Chamado dos 3 Cachets
ARMET DE LISLE & C"a, Successores
Desde a descoberta do Sulfato de Quinina por PELLETIER, este p-oducto tern -:antido a sua rei;puL io de
bondade e pureza, e a sua marca 6 preferida em todos os mercados do munlo, a-pez.r da coumpetcaie c da
falsificagao. Os Snrs. ARMET DE LISLE, successores de Pelletier, realisando um novo progresso, itl cduTcln
o Sulfato de Quinina de Pelletier em pequenas capsulas redondas, delgwnda., transparentes, I Muito
soluveis, de conservao indefinida,que nao endurecem como as pilulas e grageas. S-o o especifico ce to das
febres perniciosas, terciarias e palustres, das d6res de cabega, enxaquecas e nevralgias,
gota, rheumatismo, as affec9des do figado e do bago. Na d6se de urma ou duas pot dia, o Sulfato
de Quinina constitute o mais poderoso dos tonicos; excita o appetite, favorece a digestao, cornbate as transpi-
ramoes exageradas,reamimna as forgas e da ao corpo a energia necessana para resistir as febres e enfermidadfs
infecciosas. Vende-se em frascos de 10, 20, 100, 200, 500 e 1,000 capsulas, o que permitted ao pharmaceutico
satisfazer todas as preseripgdes medical.
Cada capsula contem dez centigrammas e leva o nome Pelletie; impresso em preto
Depmito exclusIvo, emPARIS, RIGAUD & DUSART, 8, Ras Vivienne, encontram-se tw4 as Pirmacia.-
^ .. ^ ^^ 1. .li*1 1 i' 1 1 1 .1 1 i i~ t i i i i n T


' !5






i
11j


V11 .:-
1*-


Em prestaoes


_^ 18000

ElPor.semana

Pode adquirir-se as verdadeiras machines de

SINGER
Quem ndo deixara de comprar agora urea destas afamadas machi.
nas?
Venham a succursal da companhia Singel na

RIUA DO CABUGA N". IA
N. B.-Yendemnos tambemni linha superior, retroz em carreleis,
agnlhas, oleo, linha de crochet, peas avulsas para as machines,
tudo de superior qualidade e por preqos sem competencia.


FUNDI[A0
AJ


IL FFI0


DE


CARIDOSO & IRMAG

RUA DO BR M N. 100 A 104
DIPOSITO I DJ jAPIOiLLO HS- I 2 B
Os proprietarios deste bem conhecido es-
tabelecimento pelas suas relaoses directs
comn osmelhores fabricantes, e comn um dis-


[nglaterra, offerecem
encommendas, como
1-1 "3 n


provam corn os apparelhos completes


tes nos


engenhos


Mlassauassu'


assen-


e Bosque,


meio apparelho no engenho Conceiao.
MACHINAS a vapor trabalhando s6


corn


exammina-
enhos Be-
amelleira,
trello, Ca-


mara e Lages em Itambe, Vidracao em Pao
d'Alho, e outros no Rio Grande do Norte e


a atten~ho


dos Srs. agricultores


para os novos vapores que tem recebido do
acreditado fabricante Robey, que se recom-
mendam pela facilidade de conducao, assen-
tamento e economic de combustivel, deixand6
de mencionar os engenhos em que os tern col-


locado, porja terem vendido 85 para


diversos


lugares, e por issojia devem ser bern conhe-
cidos,
Sao os nnicos recebedores de trilhos porta-
teis de Fowler que se tornam recommenda-
veis pela facilidade da colloca;ao e por sua
duraafio.
Quanto a moendas, rodas d'agua, taxas ba-
tidas e fundidas, e todas as mais ferragens pre
cisas 'a agriculture, tem sempre grande depo-


sito, s
SVen
conto.








ml
,,D't

i
1 -
'i ff t
'fif+ :, *


endo tudo da melhor qualidade.


idem


a prazo


ou


a dinheiro


corn


des-


13-


Escrofulas e todas as Molestias
provenientes d'ellas: e para
DAR VIGOR AO CORPO
PURIFICAR'O SANGUE.
Prw i, pet, ODiJ.C.AY[R& CIA Lo-..J Mf CiU.
DEPOSIT GERAL
Run Pa-imneiro de Mlnrco-13
Rio de Janeiro


Unico agent
ADAW.QN
N. 3 =- Rua do
A venda em todas


em Pernambuco
OVOWIE 4 C.
Commercio = N. 3
as boticas e a -ogarias


Precisa sc I. u!iia pr:. cusinhar na rua do Co-
ronel Suassuia i. 1 ..

Arrendamse
0 engenho Santa Cruz, conliecido p :- Cabeca
de Porco, sito na freguezia de Un:i cunarca do
Rio Formoso, moente e correntc, c n duas boas
casas de vivenda, inagnifica capclla, gri,:nde sen-
zala, muitas mattas, grand e bern cercado para
200 cabeqas corn capacidade para ,-;frejar 3000
piles annuaes, inmuito) bomn d'agua corn mocnda de
40 X24 polegad;ts ingli zas e n ssentamento de fa-
zei assucar pclu systmcina do Sr. Einiliano de Brito
que faz 240 ples por semnana. espa;,uzas casas de
engenho e cahld-irn, casa ,le purgar para 800 pa'es,
boa casa dc r, t:mine, casa de bagano, distila.o,
casa de farinha c scrraria movidas por :'^a, gran-
de estribaria, e forno para 150 f6rmas, qusi tudo
de pedra e cal, ,in pertkito estado de conservanao.
O engenho tern mnagnificos sitios para lavradores
e pode embarcar o assucar por Gamelleira, estra-
da de ferro ou por Una porto de mar. Vende-se a
safra criada.
A tratar, corn Leal & Irmaos rua do Marquez de
S inda n. 56.
.Criados
Precisa-se de uma para ceosinhar e outra para
andar corn mcninos, e urn rapasito para recados;
a tractar na rua Duque de Caxias n. 59, loja.
Engenho
Traspassa-seo arrendlumento do engenho GOIA-
BEIRA, distant de Jaboatao mcia legua, movido
por agua, monte e corrente, muito bern acabado,
corn excellent casa de vivenda, scado todas as
obras de pedra e cal- Vende se a safra que acha-
se nas melhores condig5cs, boiada, carros, alam-
bique, etc. 0 motive se dirA ao pretendente,
tractar na rua Nova de Santa Rita n. 49 ou
mesmo engenho


Clara Breckenfeld Vieira
da Sikva
Tereeiro anniversario
Christovao Breckenfeld Vieira da Silva e Jos6
Maria Breckenfeld Vieira da Silva convidam seus
pare.tes e amigos para assistirem a missa que
serA celebrada na igreja do Espirito Santo, no
dia 24 do corrente, As 7 horas da manha, por alma
de sua saudosa mai Clara Breckenfold Vieira da
Silva. Agradecem inaos que se diguarem de com-
parecer.




Idalina Regneira Cavalcanite
Joao Barbalho Uchoa Cavalcante convida os
amigos e parents a onvirem no dia 27 do corren-
te, pelas 8 horas da manht, ni matriz da Boa-
Vista, a missa do trigesimno dia do passaimento de
sua extremosa consorted, e agradece lies o compa-
recimento a esse acto de religion c caridade.


ALIDO POSPUATO DI EHORSFORD
preparado em harmonia corn a formula do
do professor E. N. Horsford, de Cam-
bridge,
para indigestfio, prostracao mental
e physica, %mores nocturnou, etc.
E' esta uma preparagao do phosphate
de cal, magnesia, potassa e ferro com aci-
d. phosphorico, de tal forma combinados,
que mui facilmente se assimila ao system.
Nao divergem. as opinikcs na elevada
autoridade medical, relativamente ao me-
rito dos phosphates; entretanto ate loje
nenhuma preparaqio se offcreceu ao pi-
blico quc corn os mais felizes resultados te-
nha satisfcito a nc -r:'nsI, g-ia]., como


esta.
E' agradavel o paladar, e sua acao se
harmonica perfeitamente corn os estimnu-
lantes que seja uecessario tomar-so.
Os medicos mais celebres dcs I'stados
Unidos tern ultimainmeute onpirgado o
Acldo Phosphato coin ii Ilhor exito
para combater os lUahos effeitos pro-
duizidos pelo effelto d-.; :xamo.
Faz tum delicoso tonh'o sim-
plesmente comn assucea e -: giua.
AGENT EM PERNAMBUCO
Adamuson Howie & C.
3 Rua do Coniuuerio- 3


Rua do Brin
Aluga-se o 20 e 3' andares do sobr: .:o da rut
do Bruin n. 62 corn agna ; a tratar no mesmo
(pad riaa).I
Aluga-se barato
02o anoar'da ru a do Bom Jesus (Recife).
Armazem da travessa do Campello n. 1. Recife,
Casa terra da run dr> Ponte VeJha n, 22.
A cisa terrea na rua da Palma n. 11
S casa A rna do Visooade de Goyanna nr. 79.
A casa terra n. 7 da rua de Lamas Valeutinas.
A luja n. 10 da travessa do Carmo.
0 armazem n. 13 do largo do Ccrpo Santo, o
qual tern communicaCio corn o n. 4 A no e's da
Companhia Pernambucana, corn guindastv.
A mei'agua da rua do Nogueira n. 2.
A tr tar no largo do Corpo Santn. 19, -'-nsem.
audar"


tincto engenheiro de ]
grandes vantagens para
'I'


o fogo do assentamento, podem ser
das as que foram assentes nos eng(
l6m, em Timboassu', Cucaii, em G
Diamante em Govanna. Pao Ama


Parahyba.
Chamam


rVINHO oEFRESNE M
Sv INICO-NUTRITiVO
COM PEPTONA.
FMMEAUCTO-POPiATO ODECA.LTUAJES. .
Sendo o Vianho Defresne d'um gosto delicioso, tarm-
bem .vr.nco reconstituinte natural e ampleto.
t o mais peecioso do todos os tohcos; sob a. ia
ihfluencia, desvaneoem-se os accidents febris, renase
o appetite, fortilecem-se o musculos i voltarn asforqa.
o nprega-se om exito cor. a& inapptecnla,os crew
muaf ttos rapids, convu.acengas, molIstia do
aV.mago (Gastralgia. Gastritis e Dysentera), e
dobliMadM : a ansmia e ojonsuwtyo.
WBIUER: #oumeuir i i pita.. Parli, katw t4 h P"latwa/
b ;"teas qj nuaai


- - 9 w u *


---..!


am


14 11 11 lillil 11 'A,4 ,- -b ` '- -- I -


-- -,


ss~-'""";t TW JW R* 9- I


-ML- %w I-F -I- -IL-JLJL.JLI%















~.-.

--"'pa. a rr
.^eI publicneo, que
S cohtinuam ter um sor-

Simento de joias das
. as modernas e dos


mais apurados gostos.
Compromettem-se
a vender mais barato
do que em outra qual-
quer part.

RI t d0 n.lah L 4

Luz brilhante sem fuinmc

Oleo aromatic


QYGIENICO


E EC NONICe


Pm \amIaas










Martins & Bastos
Pernambuco
N-nmero telephonieo a. 388



AO COIIERCIO

Viagens ao cenlro
De OliHda Altabayanna por Igua
rassa, Goranna e Itambe
Todos os sabbados, As 4 horas da tarde: passa-
gens tomam-so eA rua Primeiro de Margo n. 1,
oja.
De Itabayanna a Olinda por Itam-
b4, Goyanna e IguarassmI
Todas as tercas-feiras, As 4 horas da tarde :
bassagens a tratar corn Louren~o Pereira d'Amo-
tim, em Itamb6.
Viagens avulsas para qualquer part e em qual-
quer dia, partindo doponto que se convencionar e
a precgo commodos. Essas contratam-se i rua da
Companhia Pernambucona n. 4. Encarrega-se das
bagagens que nlo odeiem ir nas diligencias.


11 -i 1


Ratlto da jor
Um amigo dos pobres, economic e de
facial applicae), 40 anna -cde a caae es-


pantoso.
Nenhuma familiar .Ive estardesprovida
deste remedio.
Externamente cura: furunculos pana-
ricios e outros tumores -torcedur& dos ten-
does intumecencias das articulates -do-
res de dentes -nevralgimas- rheuimatismo
- queimaduras-golpes, etc., etc., etc.
Internamente cura: cholera, molestias
do figado, dispepsias, ulcers Aoengas de
garganta, tosses, etc., etc., etc.
Acautelar-se contra as imitaqSes.
Agentes em Pernambucn, J. C. Levy
&C.
DROGARIA E FHARMACIA
Rua do Barae da Victoria ,o. *A;


PRECOS
Frascos grandes
Pequenos
Duzia de frascos grandes
Pequeno


15000
9100


-,+.t Emmrza lo Gaz ata, Qu
Sosolca i sc rto da ma do

1 InordorU1, lParna man rua

is. 2o, aarf tiTrro ont, oM Sit-

n a m rocolerr icr a-

7- 3p fB Nt A for di-
+; to ai0 end0 tafna ;I|', 0 11 I84 f i m il
Affney
V"".'4 -fl '

fl1=,++ +_


BHAHTiftA~
Pr ea a d.'.'.'


[Pra~a da Iniependen-
cia ns. 37 e 39
0 abaixo anaclmo vdeon t eae on s
tWizw bilhetes sarmi ddf* &S loria,
a aorte de 2000 eni 4 quarto n. 4795,
a sort de 100#( em a quartos n. 680,
alum de outras muitas de 32, 165 e 8#.
Convida os possuidores a virem receber
sem desconto algum.
0 abaixo asgnado ternm exposto A
vends os seus felines bilhetes garatidos da
14a parte em beneficio da igrejada Pieda-
de de Sants Amaro das Salnas 103, quo


Ie extrahirI


quinta-feira 29 do corrente.
Preqos


Bilhete inteiro
Meio
Quarto
-m porefo de


S Woo
2#000
1 15000 ara
1005000 para


elma
Bilhete inteiro 35500
Meio 1#750
Quarto #875
Antonio Augusto dos Santos Porto.


CAA BA- AFORTUNA

Aos 4:oo000000

BILBImS GARAIMOSQ
Atn Primneiro de Uarto n. 23
0 abaixo assignado tendo vendido nos
seus afortunados bilhetes garantidos 4
quartos n. 1,764 coma sort de 2:0006000,
4 quartos n. 4,921 corn a sorte de 100#000,
al6m de outras sortes de 32#, 16# e 8#, da
loteria (102.'), que se acabou de extrahir,
convida aos possuidores a virem receber
na conformidade do costume sem desconto
algum.
Acham-se A venda os seus afortunados
bilhetes garantidos da 14a part das lote-
rias em beneficio da igreja de Nossa Se-
nhora da Piedade do Santo Amaro das Sa-
linas, (103.') que se extrahirA na quinta-
feira, 29 do corrente.
PREC OS


Em


Inteir(
Meio
Quart
quand
Inteirc
Meio
Quart(


) 45000
26000

idade malor de 1000
0 3#5500
15750
o #875
Manoed Martins Fiuza'


GASA BOOUIIO

los 4:0ooo00o00


Sua do Barlo da Victoria n. 40
e casas do costume
0 abaixo assignado aeaba de vender
am seus felizes bilhetes quatro quartos de
n. 717 corn a sorte de 10-iOOO e diver-
sos premios de 32#000, 16#500 e 86000.
O mesmo abaixo assignado convida sos
possuidores A virem receber na conformi-
dade do costume, serm desconto algum.
Acham-se A venda os felizes bilhetes
garantidos da 14.a parte das loterias a be-
neficio da igreja de Nossa Senhora da Pie-
dade de Santo Amaro das Salinas, (103.a),
queo so extrahirirA na quinta-feira, 29 do


corrente.


Iteiro
Meio
Quarto
am pore-
Inteiro
Meio
Quart.


PIECos


-45000
2#000
1d000
de 104 o pma

3#500
15750
.5875


Joao JOH{UW da Cosfta Loit.

A VENIUI9OA

los 4:0005$#0




16-.Rua do -Cabuga-16
Acham-se A venda os venturosos bilhe-
tea garantidos daloteria n. 102 em benefieio
da igreja da Pidade de Santo Amaro das
Salinas que so extrahirA na quinta feira
29 db corrente.
PEU0 S


son


Inteiro
Meio
Quarto


4W000
21000
15000O


do quantldade superor
a 1400:00
Inteiro 30500
Meio 1 #750
Quarto 875
Joaquim Pires da Sva.


Canarios d'AJUleanha
DE
C. DRAIUDMIILLER
Veafd-se
RBfit -l-pmrna iHt


MIGUEL WOLFF & G
Offerecem ao respel-
tavel public um gran-
de e variado sortimen-
to de relkiosdo mais
aereditados fabnean-.
tes, ese acham habili-
tados a tender mais
barato do que outro
qualquer, visto rece-
berm directamente. I


Todos


os relogios


i if prh


Verf44i.Ara oltoefc.
59 == Ba Daqe de w o ia = 59
Gorgwunnaa superiores pars. vestWda a 500 m. o
ca= m do sda furt-core a 400 r. o dato I a
ifriuus dle 4wa4 rgras, toda as 00, a
110M o1ditoI

St u fperior a IMa superiors, s 8
-a diagonal para patot a ^20M o c
vado! olo de dnw hwgf'M-
Uede cortsin whaa a 1I2M e LOW0 I
e Aneajlesft, @.=4, a 11460 o dito I
Cwdsas brfimma francezash superiores, a 28A
adpzia 1
40rsbla de bramawte a 16 a dita!
Lepc4de liabo1 emwasixhasa 4U a Mdta!
0lamascs e paue proprios par mesa a 60 e
Z o covado!
arnante de ma largura, trangado, a 600 r. o
metro! hwmde do l0
Lenooes de dito, grandes a 2 urn I
Cobertas de gangs, forradas, a 2S500 uma!
Colchas de fasto, braneas e de cores a 21500!
Ditas riquissimas de crochet a 10, !
Chales de easoemirs modernos a 25500 e 835.
Fichua superiors a 25500, 3 e 4X.
Set m macao iordadero a 14400 o covado!
Dito preto superior a 1200!
Cambraia victoria a 39500 a pea de 10 jardas!
MadapoIla oa-vimta a 5 a dita dA 24 jardas !
B*a de Supe rioes a 2 oc6rte !
Dito pardo^ lona, a 320 re. o covado!
Dito braneo n. 6 a 1500 a vara !
,;;Oao bordado, de lin&ho, a I e metro!
iPtr artigin a VreWo remmidos.
5W=:aS*9& Puque, de Caxi 'as==59

Engenho
Ose o engenho Maurity, antigo Ga&o, na
co e de Palmases, prompto de urn tudo pars
safer jar 4,( 00 pes : os pretendeutes podem ir
vel- e admirar a fertifidade do senou terreno. Aom
moe se dira a xazlo- perque se vende, e testa-
se cE L. G- da SUva Pinto, no Recife, on no
mes o eagenho corn J. Matheus Fcrreira.
Borracha para limas
Vinde-se na funilaxia de Francisco Teixeira
Barbosa, A rua larga do Rosario n. 20.

la senpre novidades


Para vender
A dinheiro ou fianea idonea, vendc-ae uum das
melhores casa de Afogado, bern situada, corn
.randce commodds para umsa failia que setrate,
oireulWa- de tettago, grsnge jardim, Dm stio e
todo arbori&d de arvores .uctiferas, quartos
;para chados, galMheim, bamheire e outros cmn-
modo .: a frente toda gradeada e corn portAo de
ferro, ternm nos fundss sahida paraa estapo da
ferro-tva de A. Franciseco, bonds viveiros e coquei-
al: qutem pretender entenda-s p comrn o Sr. Jobo
Dusrte,


Attend o
IMat3es, Austin & C., a rua do Commercio n.
18, teel para vender :
Pinho de resina


Chegado agora e de superior qualidade, das
segfidfes dmensoes :
S 11/2X9
11/2 X 12
{2X12
3 3X12
3X9
^ 4X9
41/2X9
Em lotes a vontade dos compradores.

IaPael inltado
pars fhr ir salas de visits e jautar, quartos, al-
covas, eerredcres, etc. Grande e varnado sorti-
nmento 4or preqos extremamente imodicos
SEM COMPETIDOR
acaba de chegar pars a
Liuraria IndusaItritI
& rua do Bardo da Victoria a. 7.
BORRlACHA
PARA

Vendem Souza & C., A rua Estreita do Rosario
n, 22. E' especial e commodo o prego.


--rrecisa-se de arma que lave eeeagomme de- Piano forte
front do Gaz. Piano forte


Vende-se um piano torte ; A tratar na rua do
Bario da I ictoria u. 5.

A, cles!!


vendidos n'esta casa
siao garantidos.




Espelho do mundo
Espeho do &mundoe 0o titulo de urn hello quadro
qut talvez tenha de ser brevemente expsto
vit=ina de ums das livrarias desta cidade. Este
important quadro 6 eomposioo engephosa de
um modesto pincel ailenAo, e represent urn louco
interrogando no espelho a ensua propria sombra,
diante do qual flea, ou julga-se preso esperando
corn anciedade a resposta da pergunta que fez.


Cozinheira

Na praga da Inde-
pendencia n. 38 a 40
se dira quem precisa
de uina mulher forra
ou escrava para co-
zinheira de casa de
familia.


Victoria de Bernardi
Modista A rua Primeiro de Mar-
o n" 18, 0 andar
Esti preparando um complete sortimento de
toilets para os bailey carnavalescos do club Carlos
Gomes, tudo pelos ultimos figurinos de Pans. En-
carrega-se de qualquer trabalho no mesmo genero
pars quem de seu prestimo se quizer utilisar. Ga-
rante modicidade nos pros e apurado gosto na
confecqAo de seus trabalhos.
Ao commercio
Esteves & Secades, estabelecidos corn refinaClo
de assucar por grosso e a retalho no Caminho
Novo n. 26, resolveram collocar o telephone em
neu estabelecimento para mais commodidade *nos
pedidos de seus freguezes. Recebem tambem en-
commendas pars fara desta praa, garantindo
pontualidade, modicidade em precos e sinceridade
em suas transacgoes. Os proprietarios esperam
merecer a protecao do seus freguezes e amigos.
Numero do telephone 77
Cosinheira
Precisa se de uma cosinheira : a tratar na rua
do General Abreu e Lima n. 4, 1 andar (antiga
de Santo Amaro, bairro de Santo Antonio).


Aviso
JA chege- pars o unieo agent nests provincial
o acreditado kerozene imexploeivo de Coral &
Cardeso, que se acha venda no unico deposit .
rua do Bon Jesus n. 38, junto ao correio.

irna
Precisa-se de uma cosinheira : na rua da Au-
rora n. 109.
Caixeire
Precisa-se de um menino corn pratica de
taverna : na rua do Marquez do Herval n. 170.
Cosinheiro
Na rua do Born Jesus n. 45, negundo andar, se
precisa de nm cosinheiro.
Criado
Precisa-se de um criado : no largo do. mercado
n. 33, hotel.
Balaneeador
J. dos Santos Vieira, corn pratiea d e balanos,
contratis e distratos sodcaes, offerece os seus ser-
vigos aos senhores commerciantes. Chamados A
runa do Rangel n. 3, ou eem eut residencia, A rsoa
da Pemka n. 7, pri'meire andar.
Por festa ou par aino, corn pagamento adi-
antado ou fianca idonea equivaleate, aluga-#e o
pequeno sitio da travessa da rua da Mangueira,
que foi do fallecido Jolo Francisco Carneiro Mon-
teiro. Alem de rnutas arvores fructiferas, tan-
ques c esaeimba corn excelleute agua potavel, e se
aehar murado, tern casa de habitablo em born es-
tado, corn 2 saJas, 3 quartos, 1 despensa, cosinha
e um quarto f6ra pars criado ou feiter, acereseen-
do ser esse sitio nmuito proximo ao rio Capibaribe
e As duas estacles cla Casa Forte e Caldeireiro
da linba f.rrea do Reeife ao Caxanga : quern o
pretender Ode entender se corn a familia do Sr.
Manoel Miranda ou com-o Sr. majoi Jose Camel
lo do Rego Barros na mesma travessa da rua da
Mangueira, que ihe mandarao mostrart e poderlo
daw as iaeKrnamaews necessarias, oui- corn o Dr.
Pinto Junior, A run Velha n. 59.-"


P~a'!Ii~ta


4-MUa da I7eratriz a4
VEjNDXE-SE
eada o t mitMPargo o2r90varas a4 e 60X
Dito, fenda muito encorpada que o -
reoe -rete C 20 vas a W ,
tame 0 6m,(
Pit. f-ase--, am-eziano, fasenda mnito
a eeaepad de 75at 1K0(K
Alpdio eueuamde com 9 pa o. de lar-
gM para tauerIten96o um s 6 pan-
., mtroa
Dito kauadp corn a meouna largura,
prpro para lenoesa toaihas do
maeoan me"r a 1020
Bramante de algodlo corn 10 palmos de
largura, proprio pars fazer lenoe0 de
um 14panno, metro 15I
Dito frances, sendo de linho, metre a
12g,800 e 2X00X
Dit inle do quatro larguras, send
ie, metro a2500 e 20O
Vreguellas proprias para leng6es, to-
tAa, eeroulas, sendo fiw nda muits
encorpada, cads pega eom 20 varas
_or 10800 e am vara a 500
Dita corn a mesa media a 800 m., ou
vaM a 400
Atoa& ado-adamascado par toalhas de
mesa, tendo 8 palmos de largura, me-
tro a 1800
Assmu come um complete sortimento de
p a de algodiozinho americano e
"nglez, que se vende por peIasde 35 at9 65000
late ua loja d& esquina do becco dos Ferreiros
Casemiras de cores
De *:000 at 6:00 rs,
I ronapa e l
Alheiro & Silva A run da Imperatriz n. 40, tern
un immense sortimento de casemira de cores,
tanto claras como eseuras, que vendem a 925000,
25500, atW 65 o covado, e das mesmas mandam
fazer qualquer p0a9 d'obra ou costumes, per pre-
9os muito raoaveis, assim como tern tambem um
explendido sortimento de casemiras e pannos mepro-
tos atW ao mais fino sedan que vemt ao mercado, e
des mesmos tambem se encarregam de mandnr
fazer qualquer peca de roupa i vontade do frie-
guez e corn toda a perfeigo e presteza : isto na
loja dos barateiros da Boa-Vista, us esquina de
beeco dos Ferreiros.
Lii~los al Iiai
IM a lG0 reis
SOs Barateiros da B~a-Vista vendem muite bc-
nitos linhos de urma s6 c6r e de listrinhas para
vestidos, send a 160 reiso covado e de coresfis,
istona rua da Imperatriz n. 40, esquina do beceo
dos Ferreiros.
Espartilhos
a 4# e 5o000
Na loja da rua da Imperatriz n. -v venae-st
muitof bonds espartilhos paras senheras a 55000,
antos para memnas a 45000, assim como umn bo
dito sortimento de fichds a 3O5000; isto na loja do
qeiuina do becco dos Ferroiros.
Para festa
Vende se

Roupas para homes
oBa
Preo os baratissinmo,


Rua da Imperatrlz a. 40
LOJA DOS BARATEIROS
Paletots de casemiras de quadrinhos, fa-. 0
sends que so lava 6g00L
Dites de panno preto fino, fazenda muito
"boa 7000(
Ditos de casemira de quadrinhos e listri-
nbas, forrados 8100i
Dites de casemira escura, de cordio, for-
rados 8500(
Ditos de flanella azuJ, forrados, sendo fa-
senIa ls que nie desbota 10l000
Ditos de casemiras de cores claras e es-
curas 105001
Ditos dc panno preto fino, forrados 105000
Ditos d. casemira preta de cordio 10; e 125000
Calgas de casemira corn differentespa-
droes, de 55500, 65500, 85 e 105001
Ditas de casemira preta sedan a 8A e 10500%
Ditas de casemira de cordao 65([50(
Ditas de casemira preta 6;00(
Seronlas de creguella, obra muito bem
feita a 1,9200 e 160t
Ditas dc Hamburgo de linho a 15800 2500C
Colletinhos pars dentro, seudo de cre-
guella e muito bem feitos a 800 e 15000
aminsas, grande sorticento de camigs
bmaneas, taujt 6 .rieezasce'ome M inghzao,
tanto de lihmo comdo e algod endo _
de 25, 25500, 83, atW 6
1Ditas de cretone de cor de 22, 2s500 e 350000
Meias, grande sorfimetto de meias cruas
para omens, de 320- rs. o par, ate 500
Collarinhos, grande sortimento de colla-
riAheos, tendo de 5N a duzia at _- 8000,
Tbalhas, grade sertim6nto de toalhas,
tanto para rosto come prar banho, que
se vendemr per preos muito razoaveis.
Tud isto 6 eem grande redurio de prevos: n
loja da esquina do bece iaos Ferreiros.


Novas setinetas iavrada a 300
Chegou para a loja dos Barateiros da Boa-Vista,
rua da Imperatriz um grande sortimento das
a itlindas setinetas lavradas, tendo de todas aF
c orea. mais novas que tern vindo ao mereado, inolu-
sivamente pretas, sendo a fazenda mais bonita quc
tern vindo para a festa, e vende-se a 500 rs. o co-
vado, isto na loja da esquina do becco dos Ferrem.
ros.
Cazemira, Inglezas a 2$00 e
O8M
Na loja dos Barateiros da Boa Vista, vende-se
um elegance sortimento de -cazremiras de duas lar-
guras, aendo inglezas e corn bonitas cores que se
vendem a 25500 e 20800 o covado, senido muito
proprias pars costumies, e das mesmas tambem se
mandam fazer costumes muito bearn feito de calks
palito e college per 305 e 354, 6 grande ecincha
na loja da ruan da Imperatriz n. 40 a eauina do
becco los. Ferreiros.
Fustfies a 400, .60 e 640
Os Barateiros da Boa-Vista, .' rua de Impera-
triz n. 40, vendem um grande sortimonto de fus.
t6es brancos, proprios para vestidos e roupas dt
creancas pelos precos acima indicados; isto na es-
quina do beeco dos Ferreirs.
Usinhas para es1idos
Alheiro & Silva, A rua da lu-i:peratiz n. 40 acu-
barn d,.- rcctber urn grande sritimento das maik
bonitas lansinhas para vestidi.s sendo alpaca*
de cordao ccrin lindas cores a. 500) r. o covado,
gurguries lavrados tendo de todas as cores a 56(;
rs. e ditos muito finos corn brilho de seda a 800 ra
todas estas lAbinhas sao inteiramente moctemnas, e
vende se na loja da rua da Imperatriz n. 40 a es-
quina do bocco dos Ferrein-.


i


DO
Dr. Sabino
Vendas em grosso e a retalho, descontos
tajosos ; rua do Barao da Victoria n. 43.
Pernambuco.


van-


Cimenato portland e polassa nova
Vendem Orestes Travassos & C., em seu escrip-
torio no largo do Corpo Santo n. 19.

Bilbar

BIBIO LUX: 5S5ILEI50
Ritua do Imperador n. 83
Os proprietarios deste bern montado e conhe-
cido estabelecimento, tendon recebido directamente
da Europa urn grande sortimento de tacos que ha
de mulhor neste genero, ternos de bolas de marfim,
de primeira qualidade, jogos de domin6 e outros
artigos concernentes a este fim, e como tenham
tambem feito uma reform em seus novas bi-
lhares, forrando-os e collocando marcadores nae
tabellas de todos elles; por isso convidam aop
seus freguezes e amigos, a visitarem como de cos-
tume este estabelecimento onde encontrarlo tam-
bern urn complete sortimento de bebidasfinas emano
sejam : vinhos, cervejas, licores, champagne e re-
frescos gelados de dizersas fructas do pai, e o
magnifico cafe moka a qualquer hora do dis on
da noite.
Outrosim, vendem bolas, panos e tacos usado
per modico prego.

Prar as lo r sos
Os verdadeiros anneis etectricos encontra-se na
loja do Pedro Antunes & C., A rua Duque de Ca-
xias n. 63.
Como sao lindas!!!
Bonitas e elegantes bonecas, A o Pedro Antu-
nes & C. quern tern, torna-se indiapensavel entre-
ter o espirtito das interessantes criancas, polo que
os proptietarios da Nova Esperana ina pti paim
extors ; rua Duque de COias-n. 68.
10,000 bolas de borracha
Especialidade pars faaer present As criancas,
o Pedro Anhunes & C. distribue gratis aos seus
freguezes ; Nova Esperanya n. 63, A run Duque
de Caxias.
Cabellos broncos *6 tern qieam
qoer
A verdadeira e especial preparaglo, vende o
Pedro Antunes & C., pela quantidade que vende
prova a sua especial qualidade ; na rua Duque de
Caxias n. 63.
SiAo bonitas
as luvas de soda abertas, canno alto, que acaba
de receber o Pedro Antunes & C, A rua Duque
de Caxias n. 63.
Pars os banhos salgados recebeu o Pedre
Antunes sortimento de sapatos especiaes; rua
Duque de Caxias n. 63.
Sapat~es napolitahos, especiaes, pars otra-
balho do caapo, tern o Pedro Antunes & C., e
esta liquidando para fechar factura ; rua Duque
de Caxias n. 63. E' a Nova Esperauna.


E' barato
Vende se um terreno em Beberibe, corn m25
palmos de frente e mais de 1,000 de fund, v nuaJ
fica junto ao do Sr. Francisco Antonio larn (sa :
quem quizer dirija-se ao escriptorio deste Di ar o,
que se dirA quern vende.

Vende-se pnr preqos modicos, urma dilig A,
urn carro de enginho, quatro bois e cinco cavu We
corn trees ccllec6es de arreios: para ver em tG r
da, casa de Francisco Negro, e a tractar A ift
Duq4ue de Caxias n. 86, nosta cidade.

Livros para escolas
CASTRO NUNES, compendio ele'nentar da
grammatiea national, segunda edicao corrects
e annutada por Jose, Martiniano de Souza, 1
volume.
IDEM, elewentos de arirbmetica, nova edicao
revista e meihora'ia por Jose Martiniano de
Seuza.
IDEM, resume da duutrina chri tl, no"a edicao,
rev;ista n annot'.da por um sacerdote.
JOSE MARTINIANO, elements de orthogra-
phia, terceira edicao, revista e melhorada.
PERGENTINO GALVAO. o livro dos bone con-
selhos.
BISPO DO PARA, historic biblice, ou narrati-
,.as do velho e nero testamento.
A venda ni livraria Industrial n. 7, mr d3 Ba-
rio da Victoria ; e na livraria Economics, ri
t Primeiro deMarco, junta io arc' de Santo Am
tonio.
Catrr.~n awaN


Vende-se ums b6a emr arogAu.
r e tratr na rua do
] e .. .


Para aear
Popehi...119m4 do. se
Alpaeu I=sas e de out
Grenadine. de cozea e preta
Cambraimas bordada asertas.
Vestuarios pars meninos.
LTques.
Chap6es pars oehor.
Chitas Haas e de cores.
Fichus de seda e de 11
Ca s de malbha de IL
ftrac-m~mutlf _
Collainhos e punho. pars BlelnD e homnei, S-
versus feitiog.
COmias. Lim coibrinhose mem punb., com pa-
uhoa e corn qolarinhos e pumho pamra sm ,
dead B. 3 & 6 .4.
Caniaa pWA meainoo.dwi e 28 85; emn o1-
larinhos, de n. 3 A 35.
Camisas, Msaiaapeteadem, caimas, glls .e pa.
nho pars senhon.
Gravata, gmade vaiedada.
Meias crua, bramca., de comes e pretax.
Capaco tat mala, teira bos, velludi-
brins braicoa e de es, hlua, pefuma-
rias etc.. etc.
Papoula & V.
I@ -I=a do Cabuoi-1
Em frente a matrix de Santo Antonio
FarlnhaLactea
Nos primeiros mezes a aimeuta* mak
natural e apropriada para alimentar a criaa
9a de peito 4 o proprio leite materno o qua
em caso de necessidade deve ser ..nbastitu
do pela
FARINA LACTEA DO DR.
FRERICHS!
A sciencia e a pratica adoptaram a fm.
nha Lactes como poderoso element mu
trictivo pars a infancia e distictos modi
cos do Brasil e da Europa reconheeran
ser A do Dr. FRERICHS a melhor n'est
genero.
Dove-se pois evitar confiar o filhinho
uma pessoa estranha e de comportainentk
nlo conhecido muitas vezes o germen
numerosa molestias.
Vende-se a verdadeira farina Lactee
do Dr. Frerichs:
55-RUA DO IMPERADOR 55
Establedmeno de muias w a piano d& Vie'
to Prall e
Pharmacia homeopathica


Rua Duque de Cailas n. 80
Caseptira chariol eQm 2 larguras ninguem toern a
29 o covado.
Linds ehitas modernas a 200,240, 260 e 280.
Brine pardos lisos a 240, 320, 360, 400 e 5('0 rs. o
covado.
Bramante para lengol corn 4 larguras a 800 rs. o
metro.
Casemira pekim a 400 rs. o covado, que pechincha.
Setidetas lisas e lavradts a 360 rs. o covado,
aproveitem.
Po elinas corn listas de soda a 360 rs. o covado,
ebem bom.
Madapolao americano corn 24 jardas a 5S.
Dit&Boa-Vista corn 24 jardas a-6A.
Cortingdos bordados a 64.
Ditosiditop recortados a 7A.
Merinis pretos a 800, 900, 15, 1200 e 15500 o
covado.
Canuisas branch francezas a 25 e 15800 urma.
Ditas de cretones franeesas a 24, aproveitem.
Espartiihes corn couraca finissimns a 45500.
Meias brancas pars home a 25800 a duzia.
lsto s6 se vendo. E' barato!
Leagos brancos corn friso pretoa 800 rs.
Dit corn bar o.de ocoes,.a 1800 a duxia,
DiAS de linho ars senir.s & 1&600 a dulia.
Ditd imitaio de seda a 15800 a dita.
Ditos de line finos de 85 por 35500 a duzia.
Lincas bandeiras nacionaes e portuguezas a 40800
a duzia.
Lindos setins macao a 153000 o covado.
Vellidilho bordados a 15 o covado.
Rica. ventarolas chinezas a 600 rs.
Ditas ditas bordadas a 15.
Flanelas de todas as cores.
Tarlatanas, gangas corn paisagens tio baratas.
Causa
Admiracao
N.-80.-
Dos barateiros
Aproveitem.


I















~q'. A'.
-* ~ *r --


-.


Ou porque a condessa nao quizesse dar
a comprehtender qu tinha comaprehendido
a inconveniencia do Lovelace die baixa es-
phera, reservando-se nao tornar a ver, ou
porque tivesse adiado para mais tarde a
liegiAs quo merecia a sun impudente fatui-
dade, approveitou a occ.asiio, que se ithie
offerecia, de levar a oonversaAo para ou
tro lade.
Tern, entito, esta noite de affrontar
algum perigo general ? perguntou ella.
Oh! oh! disse Labor, emendando a
mao, digo um perigo sem ter a certeza, per
que os bandidos, cuja destrui-o vou em-
prehender, s6 devem ter coragem para at.-
car os podre s diabos sem dofeza.
Comtudo, quero experimentar as forgas
do meu adversario. Per isso enoarreguei-
me do urma expedigio quo se deve fazer
esta noite. Espero fazel os cahir em um
lago quae Ihes prepare ha oito dias.
Um bomrn lao? repetio a condessa
corn um tom do curiosidade que parecia
pcdir detalhes.
Labor comprehendeu e, sorrindo corn c
proximo effeito da sun astucia, conti
nuou:
Saiba que, ha oite dias, fiz espalhar
o boat de quo a receita de Nantes, que
chegou a Ingrande, onde era augmentada
corn a receita desta ultima cidade, devia
partir esta noite para Angers. Corn cer
teza, os bandidos vio emboscar-se na pas-
sagem pars atacar aquella presa, que ex-
cede de quatrocentos mil francs. Ho dec
perder a partida porque mandei escoltar
as carruagens corn forgas distribuidas pels
estrada .que acudirao as primeiro tire.
Os bandidos cm vez de escudos encontra
rmo ballas.
Qunem sabe? disse a cendessa coan
urnma expressao de duvidg.'
Julga que o famoso Corta Cabeqas
deixarai de aventurar-se n'estas eircum-
stancias ?
A condessa de Meralec poz-se a rir.
, L- So nao receiassse offendel-o, general,
,lAia que... comegou ella.
S .- .'-Que? disse Labor.
, 'Qaue o seu piano deixa muito ad esejar.
-, Te4io muito medo que os seus escudos nO
cheguem a Pariz.
--!oWrquae
S" '--Manda escoltar o comboio s6 d'In-
'2 *ii.*rnd*at6 Angers, nao 6 verdade?
-- &m, s6 at6 Angers.
'eave caso, quem Ihe diz quo os
ides qu a tamnbem devem ter os seus
"I. nao irno esperar o comhoio A sa-
C 4 ;deo Angers, onde ja n,)e correrlo o ris-
datfzer e masa colheita de balls que

H ^.-w- arir.
reheatouo? pergwtou elle.
'0


*; t


*':









r


i:
,,*



;;



i -.


Sodas as perolas d'aqello vast anor em
o li miIIas.
Rib.'iro da Silva e assimn: ap6s as lu.tas
do cerebro. seqte so comapensado e verda.
deiraicene feliz coin un sor-riso de bocca
vermelha de moga. *
ParA 4ie, a ba do pranto-da cominmo-
9go rolia4o das palpebras d'uma aralhe
bon"its vale asSodo0 e ..a ,coroa de *Iuam
C". q a 4a bAn crragC4uua.i .* ,'
:ra


...--:- _. .- -_ n. -
S-iU. .110l CHAVwT~rI

PRIMEIRA PARTE
*
0 VIRA-TRIPAS
(Continuageo)
XI
NIo! 6 um bravo tenente de gendar.
mes, chamado Vassseur.
So Labor nIeo estivesse too absorto na
contemplaglo da m o da condessa, teria
ficado extraordinariamento sorprehendido,
vendo a pallidez que subitamente invadio o
rosto da formosa mulher.
Quando o general, pondo fim ao son ex-
tasi diante da mieo da condessa, levantou
os olhos, a condessa nio tinha ainda podi-
do dominar a perturbago quo Ihe havia
causado o nomo de Vasseur.
A' vista d'aquelle rosto alterado, a fatui-
dade monstruosa do military o obrigou a
empregar urna enorine peta, quo necessita
de algumas explicag5es.
Labor era, come geralmente so diz, fi-
Iho das suas obras. Antigo empregado em
um agougue, agarrado pelo recruta ,ento
em um dia de embriaguez, era sargento
quando a revoluiAo rebentou. Era um
louco que gostava do cheiro da polvora, atW
A temeridnde. As guerras da republican
forneceram-lhe tantas occasioes do provar a
sua audacia, que rapidamento fez a sun
carmreira.
Mas sob o uniform de general, o he-
mem havia ficado o que sempre tinha side,
isto 6 unia natureza brutal, grosseira, de
Appetites baixamento sensuaes, de iostinc-
tos vulgares. Pesado, alto, de boa appa-
rencias, julgava-so um Adonis quando nio
passava de um mono Triumphos faces
lhe haviam dado uma base sufficient. A-
quelle D. Juan do amores faces tinha che-
gado a imaginar quo nenhurna muliher Ihe
podia resistir.
Per isso, A vista da porturbaa Io da viu-
va e notando que ella o tinha pouco a pou-
co levado para distant dos convidados, a
vaidado estupida de Labor fez-lhe attri-
buir a si essa emogibo e dizer-lhe corn umn
sorriso de vencedor :
Tome cautela, condessa, observamt-
nos.
Phrase, torn, sorriso, era tudo tao gros-
seiramentc tolo, que a condessa ficou inter-
dicta, perguntando a si mesmo se o beba-
do n.lo teria bebido de mais.
Longer de comprehender. Labor attrin-
buio-se ainda a gloria d'aquelle embargo.
Levou-o a cortta da perturbagtIo da mulhex
que se ve conhecida.
Sempre enfatuado, murmnurou este se
gundo conselho:
Per favor, condessa, domino a siu
physionomia.
Depois accrescentou cem umrn tom tola
monte amnavel:
E' capaz, formosa damn, de ser
causa de quo eu esta noite seja unr co
varde.
E apressou-se cm dizr corn umi torn in
dolente:
Sim, esta noite, tremanrci diante dI
perigo, lembrando-me qua posse sey par.
sempre privado da felicidade do a tornar
ver.


malicioso, quanto a isso desafioo e por
uma excellent razao.
Qual ?
Que ninguem pode fallar d'elle.
Emquanto a viuva meneiava a cabeca
em signal de que nao acroditava cm uma
discripgaio taio absolute, o general aecres-
centou, pesando as suas palavras:
Visto ser a senhora a unica possoaes
que conhece esse segrodo, pois, darei as
minhas ordens s6 no moment da par-
tida.
A viuva deitou a Labor um olhar, agra-
decendo-lhe a confianga que depositava
n'ella, e ia sem duvida accrescentar algu-
mas palavras quandto, desviando o olhar,
perguntou :
Queres me fallar, Cardeuc ?
A esta pergunta o general voltou-se.
Por detraz d'el'e ostava o field servidor, que
responded:
Vinha receber as ordens da Sra.
condessa antes de ir para casa; A sonho-
ra precise de algumna cousa ?
Nada; que durmias bern, meu born
amigo, disse alegrenmonte a condessa.
SAhl! affiango-lho que hei do comprir
as suns onirdens, disso alegrernnto A eon-
dessa.
Depois d'estas palavras, voltando-se para
Labor, enviou-lho este comprianento :
Podemos agora dormir tranquillos,
sabendo qua times o soinrno protegido
polo general.
S E sahiu, corn um passe arrastado c pe-
sado, depois de coniprimnentar sun a na e o
genal.
Uma hora depois, a conhlessa recebeu as
despedidas dos seus convidados. Quando
se despediu do general, olhou para olle
anciosa :
At6 amnanh. dclisse ella, vou ficar
muito inquieta. Conto conu umn recado sou
quando voltar, para me tranquilisar.
Consente que, em vez de escrever,
venhia pessoalment.3 mostrar que nao estou
morto ? perguntou o general.
EntAo ate amanha, disso vivamente
Sa viuva. E nada do imprudencias esta
noite; lembre-se des seus amigos.
0 general inelinnou-se sobre a branch e
pequena milo Ihe que davam a bcijar.
(Continra.)

r Uma tirada sobre Cora, a fllha
de Agar

S (DRAMA DE JOSE CAYALCAXTE RIBE1RO DA SILVA)

> 1
I

Quern ha bhi quo desconhega aquelle
r enorme vulto plastic (le formas estatuarias,
a aquelle her6o luminoso e athletic dos tem-
Spos mythologicos da Grecia, aquella indi-
Svidualidade imaginosa que os poctas cer-
- cavamin de reverberagtes e que enche o
- myvitho grego come a chammina do sl o infi-
- nito todo ?
S Que bell, aquellaf tigura musculosa, se-
r mi-deus e cscravo ao inesmo tempo, ora
i cavalleiro andante, Gra audacioso corsario,
trancando urnas vezes fies d'ouro em tear
* pequenino, outras vezes esmagando mons-
tros e gigantes!
Quern n'io conheco Hercules-o here e
o arnante, a incarnav.o da fornga o a incar-
s nacao daI fraqfueza a um ternp%, ora corn a
- testa altamente bello a batbr no ceo, era
corn a pequenez da gruta mistioa c perfu-
mosa em quea lormeeia O(nphale, a deusa?
Pois behn. Nao quero aventmr tt hIr-n
porholo; nio quoro dizer quo Ribeiro da
Silva, o sympathies autor da C'ora, seja da
*estatura soberana do here da lendagrega.
>Nao.
Q nero sirnplesmente apontar o seguinte :
Rlbeiro da Silva tern a grandeza do homem
que luta a a terno fragilidade do homnm
que ama. Tern alguma cousa do Hercu-
les A derrubar columrnas o algumas cousa
de Hercules, tremulo de anceios, A desfiar


ordem pars 13 ? d
A vtua, per su turno, retrttiu-BI a j
phrase: s
Tome cuidado, general, olho que Dnos
observam. e
-0 beberrio, em vez de comprchender a Z
ironia, teve uma nova criso de fatuidade I
idiot. Julgoa ter a cidado conquistada o, n
corn o rost o todo illuminado corn uras glo s
riosa vaidade, ia soltar ainda alguma mons- c
truosa tolice, quando a viuva Ihe retribuiu c
a sua segunda phrase: c
Por ruem 6, general, domino tambem [
a sua physionomia.
Depois, sorrindo, peguntou; c
E esse jogo encoberto ?
Oh! 6 mftito simples. Nas carrua
gens que rmandarei escoltar at6 Angers n~o
ha in soldo.
EntiAo os famosos quatrocentos mil
francs nAo existein ?
Sirn. Mas emquanto o Corta 'abe~as
os vai esperar na estrada de Ingrande a
Angers, dies irao de Inugrande a Laval.
Sem escolta?
Para que ? Se o ina doslocamento
de forgas em torn das minhas carrua-
gens vazias attfkhira o Corta Cabeoas
para urna pista onde nada terA qua ata-
car?
A condessa abanou a cabeva corn um
ar do descontentajento.
Seram escolta, repetiu ella; 6 muita
imprudencia da sua parte, general-
Mas, ropito-lhe minha bella, que de
Ingrande a Laval o meu piano terA libertado
a estrada.
Sim, mas quern lie assegura que o
Corta Cabeqas nao conhece o seu piano?
Oh disse Labor, corn um soriso


,bs : -
V~ajneja leatfl.S aIt$i:
le mofto anoeo moeode *-4sJt46
ot, este lyriio quo soube allia4 ve
Oa alguia 0oosa do dondo t t qou-
a de TMelanuhtli.:o que faz sorrir quo i
amociona; o poeta que tio galantemente i
allou d'cssas ptixess italianas o hespanho-
as, qae mordem nos beijos e aptanhalam
ias aloovas, vds queo A JAates A. do Mus-
et, dizei me: ha iada mais esthetico do
iue aquelle desprender d'alm.a de Rolas -
o suicida--no espasmo da urn beijo, o mais
;asto de seus beijos non labios rubros de
)aixio de Marion adormecida ?
VOs que sabeis de quo elpisodios tocantes
istava recheiado o livro d'aquella vida
ragabunda e tristo, nao tereis A refluxionar
mn vosso corag.o urna vaga santa de corn-
nog/o o compaixto ante o cadaver d'a-
quelle mogo descahido ao sesio offegante da
amante ?
Ribeiro da Silva 6 capaz de ter essas
pretensoes: lutar e morrer, por6m morrer
como Jacques Rolla ou entlo come Marco
Antonio no regago morno d'uma mulher
quo ama.
Eu admire a rija musculatura moral e
intellectual d'esse mogo c tenho sempre as
minhas desculpas para os seus desfalteci-
mentos de poets e portanto de amante.
Que lhe atiremn a primeira pedra aquelles
que podem passar sem que os tentem os
fmroctos da arvore do paraizo.
Bern o disso eu. 0 Ribeiro da Silva
tern a grandeza do home qu e luta a
terna fragilidade do home que amina.
Poeta e pensador.
JA vimnol-o poets cinzelando no marmore
da phantasia umas cannes da cOr das ma
drugadas parn revestir urn idal de mulher,
ictd6al que fez de Phidias urn doudo.
Agora apresenta-so o Ribeiro da Silva
corn a tace voltada para o mundo social,
empenhando-se na grand questao que agi-
ta o esp'rito public brasileiro, angnmentan-
do assimrn o numero dos quo nada tern i
perder no dizer dos retardatarios.
Eil o abolicionista sincere, trabalhando
emin detez-i dos direitos dos pobres series
doearpitados do suas almas e condemnados
A pcnsar e querer segundo a vontade de
outrern, ne dizer brilhante do Pelletan;
sem outro fim ia nao ser, ter comno premio
dos servings e esforgos emprogados- hoje, a
ingratidao e o esquecimento do dia do ama-
nhA.
Tematid-o propagandista por meio do
drama.
Analysemos o dramina.
II

E' um drama apparatoso o C('ra-cheio
de situagoes atrahentes qua fallam A al
ma e quo por vezes fazem porejar emr mui-
tos olhos compassivos algumnas gottas do
pranto.
Ribeiro da Silva filiou esto drama de
propaganda A escola romantic.
Os typos por excellencia, os que ocru-
pam os prinmeiros lugares no piano do dra-
nma. sao: C6ra una escrava-quasi bran-
ca, formosa come aquella Esnmeralda, a hio-
roins de Notre-Dame, aquelle ideal que V.
Hugo entrevira em sonhos e que revistira
da volupia d'um beijo, -a dogura d'uma
earicia ; aquelle conjuncto de anjo e domo-
nio, creature para quem se podia tcr, A
unie vwz, a genuflexso do um extasi pla-
tonico e o irnpulso d'um dosejo lubricot
Pedro um velho negoeiante fallido, fi
quem os azares do destiny e os desgosto-
da vida oceasionados pela morte prematu-
ra Ia esposa e a perda do filhinho a quom
o ocean serviu de tumulo, o collocaram na
posicao do dirigir pobres machines humsa
nas, mas quo era coxupensaaco torna-se c
carinhoso pae da triste raga espurin da
senzilla; um feitor cxecepcional pela


S., -.. 1P


AgWa sobem s sIbas obereva3as.
XRibeiro da Silva filioi o sau drama A
eseola romantics, eri. east a f1i1. -) carac-
teristica do drama na aetalidade?
STenho para nmim quoe a drama, deve ser
a tells fulgurosa onde- a realidado saite,
palpite como paipitavam a9 cntranhas das
victimas que os antigas foiticeiros dilact-
ravam para encontrar auguries. 0 drama,
pars mimn, 6 a acq3o, 6 a vida, 6 a paix3lo
A fallar bstante alto emin frento a multidlo
pasma.
No drama actual tudo quanto estiver re-
vestido do cunho do ideal impossivel, comno
aquellas creaaea sahakspearianas, cheias de
transfigura5es lumninosas, ricas do munita
poesia, para faseinar pelo brilho mas nun-
ca pars convencer pela nudez da verosi-
milhanga, dove ser repellido.
Em Londres aquilles granles qualros
tragicos, aquellas sobsrbas ercaroes imrnagi-
nosas qua traziam impregnadas om si todas
as paixaes violentas e teranas da humani-
dade o do quo Shakspeare o grand espiri-
tualista e psycholugo, sabia revestir tao
bemrn, jA sato postas A margem, nio sobem
A scena. E porque ?
Porque o theatre modern ja nato sup
port as impossibilidades do theatre anti-
go, porque a litteraturadramiatica niao p6de
ir aem do cireulo da naturalidado.
O espectador torna-se minudo do assom-
bro e admiraiio em frente d'este ideal
tragico que o tascina, que Iho fall ao co-
ragIo sem fallar Iho ao espirkito todo, que
Ihe 6 estraniho, que nao estA ao alcance do
sua comprehensio porque jA na o 6 do seu
tempo, e saho cim a alma vasia do con-
vicgao, convic9,o que s6 a verosimilhanca
pode gear.
Per isso os inglezes deixaram par.i a
imaginagao dos pintores esses typos tragi-
cos, illuminados e impossiveis d(to theatre
antigo.
O drama modern dove ser o desdobra-
monte palpitanto, vievo da natareza, cheio
do quadros reaes ond.e haja o reflexo de
algnuma cousa do grandiose, motal e insi
nuante que fiag o home olhar para den-
tro do si e tragar a norma do conduct
quo o ha de guiar no scenario da vida.
JA o naturalism invadiu a poesia, inva
dio o romance e porque nao h:.a de invadix
o drama? "
Para isto trabalham os granves ospiritcos
O talent finamente aristocratic do Du
mfTiS Filho, a grande intodectualidado dc
V. S'-ardon, Feuillet, Augier, Z)la e outro.
vrio dando uama nova orientaqio ao drama
Para mirm os perfis tragados pelas maos
d'eszcs homes temrn a nudez correcta di
verdade, sfio a copia field da realidade.
NMo ha negalo. Aquella maneira final
aristocratica corn qu e elles vio apontar to
das as mnaculas que eufoiam a sociedade
toda a corruptels quo reins n'elal A o.uh
de Sybaris; aqnelle tacto e perspieacii
quo os leva a inatar toJos os abuses, ri.Ii
eulos e vicios quer na sun manifestacfl ,lo
mestica quer nit sua manifestaglo social i
que turvam o din azul e primavival da fell
cidade humoana, sao dignos d'umna admira-
e ltoenthusiasta.
Eu vejo n'ellas, n'essas peoas theantr.ics
a rigidez cortante d'umna espada quo d,
golpes profandos nse costumes.
No entretanto condemna-so por ahi es
sas peeis por serem vasi s d, .uoralidido
por nib terero talvez no final as apotheo
s sos da virtu Ie, urn corne quoe ngmupamefnt
de eoreas de louavs sobre a freorto dos 113
rdes on das victims.
iMas quo quereve ? Per acaso o cspecta
'lor que so consorva muds em frente A
peripotnas naturaes quo ontromciam o dra
xma, nao estarA deduzindo das iniquidadc


- Discutio o them que convulciona. hoj
o todos os espiritos, corn essa convic9io d
i- quem tern crengas e as conserve immact
o ladamente firms e discutio regularmente
o Abrio sua alma larga do poeta e fall
ao coragao do public, inoculando-lhe urn
.s pulsagAo de mais-o sentiment invenci
s vel d'uma piedade profunda pelos soffri
s mentos materials e moraces junto ao so8h
i- sempre querido da liberdade
I- Eu posso applicar ao CUra o que um es
? pirito bast inte illuminado disse daquella
a paginas radiantes de Ren6 de Chateau
i- briand : -Ren6 6 mais do que um poem
*o 6 uma revolutaJ e urna revelagao.
m Cdra 6 tarmbem unma grande ternura.
.e Os desfallecimentos angustiosos daquell
a alma isolada e suave, aquellas vivas luta
a- travadas entire o coraglo e o preconceit(
le slo comno umn grande solupo dilacerante qu
- sobe da terra ao c6o, e ao descei sobre a
almas contristadas 6 acolhido como um
e supplica de mii carinhosa e boa.
n Deste acolhimento nascem as santas re
m soluvoes quo vio se avolumando como a
i- aguas d'uma corrento que jA se tornou cas
-s cata p',ra chegar a ser ocean.
is Eis o fin qu3 teve em vista Ribeiro d
-o Sliva, fallando ao corar;i.Ao corn a sua C6ra
para fazer adeptos A causa d-i redempga
o dos captives.
a- Mluito bem! A curvature de minha sau
o daso ao poeta e amigo Ribeiro da Silva
a 1884.


JA


RA.


VARIEDADES


liunmorlsmo


LA4O
Tambem preguci-te u logroI 1 Acreditaste
Quo nao mais fallaria a teu respeito,
Chamrnaste-mo de tolo e-de medroso,
De fazedqr da versos sem ter geito.


A4%W

QOW-Av eft capaw f pa 4a ol
Ezolama D. CAhs, IMJOin
Vinda IA do inferno do encoanmenda.


V -v


part, d aMd

E pdi~oe uscrp o sid mob *a Uimfex-_
g memo brut m l xo deve appars w
ea seea,% Ao pars er triumphaate, So
para senr gloriido, ua s pars ,ser eabofe-
teado, parm- asswiasdo p- pushal da
indigi-alo do espectvdor honamto?
porquoo naturalismo apresenta todo o
lado caneeosam e mJo da sociedade, ewm
scena aberta, toda lJts voraz das paixoes
hamnanas am sua formmais ma negra, tend
um tim bhumanitario como o do cirurgilo
amputando um mombro qualquer do corpo
humane para evitar os progresses da gan-
grena, dove ser repellido como attentato-
rio aos boos costumes?
Sera porventura nesses dramas onde
ressuiubra uni sentimentalismo doentio,
onde ha s:enas quo servemn do lancar o
germen de minuita corruplo eim cora'5es
virgins de toda macula, sera nesses dra-
mas aphrodisiacos, semr formal, neiu pensa-
monto que fa9a tear a ahnlma comno uma
sctta finissima, quo existe a moralidade?
Entre o romantismo que aunroei^a o vi-
cio sobre urn prnhado de petalas do rosas
e o naturaliamnu quo proeura extirpal-o (db
vez, v6s, mnieus burguezesh onestos, prefo-
ris o prianeiro, n'to 6 assiin?
Val inais quo vossas filias e vossas es-
posas aprendain o poeina orotico em toda a
extensao d,, sia perniciosildale, do que
aeostunem-so a repellir todos os faetores
do atrophiamento d'alha, tudo quanto pode
corroer-lhes os santos estimnulos do bean c
do dover?
E pensar quo toda essa gritaria contra o
naturalism no drama vein unicamente
pela apparigo do vicio cm seena aberta!..
Mas, que querem ? 0 lhornmemr nAo podo
so coasagrar A virtudo sonia sob a condi-
5io essential de saber o que C o vicio, dis-
se-o um born poets burguez. A virtude nao
6 mais do que a pratiea do bam alliada A
abstenoo voluntaria do mal; ora, para que
a vontade se exer9a 6 mister quo a intel.
ligencia a preceda. Para so docidir, pcr-i
escolher, e mister comep:r por saber, por
conhecer.
0 drama naturalist tern o p)der do en
Srar a enferm dade moral da souiedado ecu
que vivemos, da mesma form que aquel-
Sla miraculosa piseina do qao fall a Escrip
Stura ondo aquelles pobres doentes que nelk
sa langavam quando o anjo vinha revol
ver-lhe as aguas sahiam cu:adlos o fxrtei
pela grande f6 que lIhes acariciava a alma
r Tern ulia missao civilisadora e doutri
nante, e so expoa o vici- eim Coda nudeo
6 part corrigil-o somente.
c A pathologi na0o ereou a docnva poi
estudal-a nas fun-oes do organism, a!
s contrario apontou A medicine o meio de
oombatel-a do modo mais director e proficuo
3 Nu so emondain os defeitos sociaes, nai
Sse corrign os3 costumes feihando os ou
vidos as vozes que Iles annunciam as ina
e culas D, disse o illustrado Dr. Souza Pint
prefaciando um draina de umrn soeu amrnigo.
Ora, eis ahi estd a minha intuigao obrh
a odramina na aetualidade.
; Voltomos ao nosso drama Cora.
IV
E' um drama cheio do episodios qu
e emociouam e onde ressumbram aquella doe
- melancholia do Sterno; ha hells quadrc
- naturacs como ha tambomn situates qu
pecai, pela inverosinilhanua.
, Ribeiro da Silva delineou urtn poem
u rowantics de dor em trovas quentes, tend
cin vista nao a satisfa9Fio d'uma vaidad
- litteraria, inas um tiW humaaitario.
, Volveu uama olhar hurmido da piedado
i- sort dos oscravos, quiz tambem earregar
o sua p-dra pars a obra da regeneraynio.
Achou quo a propaganda devia ser d
rigida ao lads terns e adfectivo da huros
n- hi lade ao cora9ao -e ha se foi a bater c
s todos "s peitos, a hater em todas as alma
o- e a pedir a osmnola d'umna lgriiua, a e,
s mola da compaixso para os desgracado.
Nenhuma censura the cable.


Julguei qu'estimarias quo matis nunca
Houvesse do seguir os passes teus
E que per tal motive satisfeita
Tivesses do render gragas i Deus.
Mas tal nro succedeu! Precipitada
Fizeste renascer a tempestade,
Pois eu d'hcje em dianto te garanto
Teus erros profligar sem piedade.

Niao mais te deixarei Heide por forga-
Contar o que tu 6s a today a gento
A quem vais enganando coin mentiras,
Corn ares, coitaditha 1 d'innocente.
Descango nao teras I Direi A todos
Da qu4da quo tomasto na escada
Do ura certa casa pars onde
Disseste quo tu ias raptada.
(Cahiste, 6 beon verdade Uns quiaze dias
Ficaste de urma perna minuito manca.
Pormrn nao houve roubo, pois no mundo
Quem 6 que vai roubar uma ca-rranca ?
Qaal 6 o desgracado e seam juizo
Que tal cousa faria do mAo gosto ?
Nenhum! pois causa medo e causa tedio
Olhar-se mesmo A furto p'r'o teu rosto.
Foi tudo uma comedian qua arranjaste,
- Asneira quo te veio no pensamento
Quizeste ver assim so mesmo velha
Podias conseguir um casamento.
Contando quo algum tolo, algum palpavo
Quizesse se prestar a soductor,
Mas nada nem um doudo ou mesmo cego
Do tal so leminbraria! Causa horror I
Voltaste para a casa! Uia semana
Fingiste ter ataques, -fariquitos
Que toda a vizinhanca encommodada
; Noe pode socegar, pois davas gritos

Horriveis, estrindentes, s6 dizendo:
Porque foster tso falso 6 meu Manduca!-
Fingida I se cu te visse te applicava
Um caustic muito forte sobro a nuica.
Depois ja, convencida que faihara
0 piano que escolheras illusorio.
Pozeste-te do pe mats seiupre create
De achar para o future algum casorio
Descanga, fleca em paz morres solteira!
3 Nao penses quo assim ,fillo per chalaga,
S0 mundo findaria se tivesse
SAcaso do esperar per tua raga-
Dosculpa-mo por6m, -nao tinha em vista
Contar nesteo memento a tal historic
SEmbora tenlia factos similhantes
Gravados, indeleveis na memorial.

a Culpada foster tu I Se nao tivesses
Fallado muitos mal da minhla vid'
. Talvez que nco voltasse e quoe te desse
. 0 men eterno adeus de despedida.
Agora pacieneia I -inexoravel
Serei; naio me commovo o ten supplicio!
SEu hei-de sensurar-to que nao gostem!
Quo eu nAo deixarei mais este officio.
Lograste-me, 6 verdade : I Inda me lembro
SDas peas, dos bites do Natal,
- Poreai toma sentido que bem port
- Eu vejo vir surgindoeo Carnaval.
a Recife, 24 de janeiro de 1885.
PAULO PEREIRA. "-^

SLyrismo
ROSA

. Rosa! Quo nomo bonito!
Diz bern corn a cor de teu rosto
Onde parece quo nunca
Pdle aninhar se o desgosto.
E's tao feliz! neao de love
Nunca soffreste, crianga!
' Tens uaa vida risonha,
e Fagueira, cor d'esporanrea.
S


a Tens a teus p ra mil vw-ssaillos
Qu'imploram urn ris o dos teots,
- Por ti de amores suspira
S Quem podo tudo, ate Deus!
Nilo sei que dor, que attractive
a Tiveste da natuireza
, Que o mundo pasma e uhao cess;
) De coutemplar-te a belleza.


Surgissem Id do outro mundo
Os 'Dais eximnios pintores
Corn seuas pinceis sublimados
Munidos de finnas coris

Que nho teriam a ventura
Do deselnhar-te as feig~os
Embora A mente tivessem
Um bands d'inspiraves.
S3 eu pudesse, de certo
Te erigiria um alt ir
Oade prostrado, contricto
Toda a existencia a rezar.


Eu passaria
V.-


Andaste.com o Diario pelas casas rn iervonr
De tras oonhecidas da cidado Tends por
'Pimado : -ide nao sabem do que deu-se? A mais fiel
5o da-roe mne novidade. Tes um altar, I
"!"..." *' ? perguta um band Na alma do tro
mao. aintigua, Rosam, s minba!
q i #a~~pM Nae chammas d





.'..- W.. -,u."....o.


a conlente
osa oragA9
ti tao soiMente
devoiso.
tens um tkroao.
vador, -
Pte abram.-. -
lo ew .
,:, .-*'* ..'' .. *\*,." .t ,.,^.;- *..
'' *'' l. *' ^*: -.' :s ^ ...-.? ^
ffM ll!iwCklH Ci^ ,, *""'ii^ B BBySjA.


grandeza d'alma.
0 senhorfazendeiro tenente-coronel An
drada, urma individualidade quo tern nas
veias mnuitas' gottas do sangue de Johr
Falstaff pela ecrapula mais feis, e em quoea
Dracon, o grego, talvez encontrasse unr
born substitute pela rigidez barbara do co
ragfo de pedra bruta.
Carlos o orfao, um pobre official de ma
rinha que concebe pela escrava um arnoi
rasto, castissimo e santo come o amor d -
anjos nas nupcias do ceu.
Jorge de Almeida, umrn bandido que'tra5
a carteira rccheiada do papel moede,' cal
ca luvas de pellica c cuja consciencia e as
simr da cor dos funds dos tumulos cerra
dos ; uma miseria social cuja vida 6 urn:
series de crimes de tola especie...
Junte-so a tudo isto a pintura faiscant(
do naturalidate da vida do nossos serta
nejos mwrenos e membrudos, que auam -
Deus no ceu, e a viola unida aos gostoso!
saracoteios die uim samba rasgado, na ter
ra, a entremeiar o drama o A fazer rdben
tar de rir!
0 enredo 6 simples.
A eserava C6ra para furtar-se aoss rigo
res do jugo servil e As soducg5es do tenen
te-coronel seu senhor, e sob a egid6 d(
boarn velho feitor Pedro, fuogo da fazendc
do Para pars a capital de Pernambuco badf
frequent a ahigh life social; d'.hi se ve coa
gida a emigrar para o centre da provincis
por ter sido descoberta.
Quando na capital, C trlos urnm orphlo offA
cial de marina trm pars coin ella Cora
os estremoeeiwntos de um amor immacu
I do qua ella partilia, mas que sC unver-
gonha de o confeasar, por ser captiva. A'
par d'este amor santissimo, do Carlos ha
Sas tcqtativao do amor brutal e satanidco dc
Jorge de Almeida o ricaas bandido em
uenja asa commercial o protector Ad -'6
ra-Pedro 6 emnpregado.
Surge d'ahi urma inipi cdua otn
Carls -o Jorge de Ala-idah; a virtu le e
vicio co:batem, o quaa dA oa rat
um project ngro 4, d v.inQa '
de Jorge contrCaa t(M.* :ii
0 desonlaco 4 eappW.8
do C6ra pTr fkA
drads, fihii.


S.
* 1.--.-


'{ .




?...



i, .-'.



Foi grande o enthusiasm I Vos today&
Cahiramn sobre mim tanto de lingua
Que outro quo t' ea teisa susto -
De vir morreor, coitado! quasi a mingua.
Mas eu nio fago caso deseas cousas,
Conhego a voces todas muito bem rn
E set que certain a peUe umas as ountras -
1lo tend quo fallar de mais ninguem.
Eu quiz o consegui quo tu cahisses
-No lango que to armei, espertalhona,
E hoje convencido digo alto ;
- Que 6s uma complete toleirona.


I


LANDELINO CAM


a do vicio o castigo fatal, nio estara eolloca
do na posigio de juiz para julgar os cri
- mes praticados, as maldades A reprimir,
s ridicule A affastar; e d'esta dedualo con
a centrada, d'este reflectir consciencioso na
StirarA elle illaqes provaveis A respeito d
a desenlace final?
- Serai per acaso os espectadores d'essa
peas uns beocios, que nao enchergam doi
- dedos adiante do nariz, e para os quae
r haja mister urma tirada final onde so mos
a tre a virtudea triumphant e o vicio cales
flo come Satan aos p6s do anjo do bemrn
z Li ,lgures o seguinte, quo synthetic
- porfeitamente o quo quero dizer: A monr
- lidade d'uma obra dramaticajaz no center
- de sua propria aegaos, a sun forga prove
i das proprias forgas do vicio e so embald
procurades em scena o represent:ante d
e virtude, olhae pars a plat6a porque ahi ea
- contrareis a indignagao e essa curiosidad
I do qu-.m quer conhecer a verdade pars p(
s der deslindal-ana vida real.
- Pois begin: achamn quo nao 6 assim,
- quo estas obras geniaes que tern por fii
dissecar o cadaver social, que tern per fi,
estudar o condemnar os costumes depnr
- vado. de urna epocha, sibo immoralidadE
- incompativcis corn maitos ouvidos e vista
) castissimas e quo transfonruam o theater
a em lupanar.
S Fano porque so pinta e so apresenta
- vicio em sun manifestagAito domestic it
acarnad,, por exemplo : n'uma mulher corn
a Mathilde do Dumas, qua para assegurar
- fortune do marido vende-so torpemente
, umr home 'a quom aborrece, deve sex ist
Staxado de imamoralidade e repellido da set
- na come atte-ntatorio da honra e dignida
' de?
S Entlt, nao cabe ao dramaturge revolve
Sa chaga d'uma sociedade corrupts applicant
a dohe o cauterio, nio pode ser licito ,
um eospirito perspieaz examiner essa ferni
queporefa, ondal a e uprese.ntal-a coi
Sell 6 ,. a os aemeabros da failia hu
:piana p-arc m~ul flute 2. NX ha meri
^ Hst ? ^*.. ..-:- .
'I," .-"&-4... t j"fv ad ora a doo
Irrtbaute a fMVKO




Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ECIHB4OOS_ZSD7EI INGEST_TIME 2014-05-19T22:22:28Z PACKAGE AA00011611_15477
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES