Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:15143


This item is only available as the following downloads:


Full Text





























jfeM> Jrlkria 6 -14,j05


|| RIO DE JANEIRO, 21 do maeio, s 3
ho-oras e 59 minutes da tarde. (Re-ebido
SAh 4 horas e 35 minates, phla linh% torres-
tre).

& A Camara do. Srs. Deputados ap-
provou hloje, por 60 contra 41 votos,
emn 3, discusAMio, a reform Judlicia-
via.
S Depois a nmema eanmara appvrovou
S em 2.a discussibo o art. 1., do orca-
mento do Mlinlsterio da Fazenda
para 1884-1885.
A taxa do cambko sobre Londres
S ot oioje d e 201/106 d. por 1090.


(Especial para o Diario)


MADRID, 20 de maio.


eWove lugar hoje a abertura das
e6rtes hespanholas. A mensagem
real menciona as b6as relates ex-
Seriorea, e depots tract exclusiwa-
mente de questies de lnterease na-
clonal, como o equillbrlo do orca-
Amento pelo acrescino adas rendas.


LONDRES, 20 de maio.


9 Parlameuto, ap6es o praso de
adianmento, entrou novamente em
ftaenc.es.


PARIS, 20 de maio.


gverno franeez pedio As eama-
r&am u nowo eredito de 3S 3milh6es
de franuos para obtemperau .A des-
pexas eomn a expediruo do Tonkin e
6 miliWSes part a de Madagascar.

Agencia Havas, filial em Pernambuco,
21 de maio de 1884.



INSTRUCCIO POPULAR

SS(Extrahida) :
(Extrcthida)


PARTE II
ANATOMIA E PHYSIOLOGIA


proposal do Dr. chefe de Polieia em offinio n. 439.
deo hontem datado, resolve exenerar Joo Rolrigaes
Nogueira de Lam L, do cargo de 2, aupplente do
subdielegado do 1 district do term de Grmeleira
por nao ter prostado juramento, e nomear pars
substituil-o o cidadto Joaquim Militao Alves Lima.
-Oo'nmunieou-se ao Dr. chefoe de plic a.
0 president da provincia do ac-ordo corn a
proposta do Dr. chefe de policia em officio n. 441,
de hontem datado, resolve exonerar a pedido, o ca-
pitao Hermano Jos da, "Silva do- cargo de subde-
legado do district' de Itapisaoma do term de
Iguarassa e nomear para subitituil-o o ca,)itdo
Manoel Lourenco da Silva Sobrinlio.-Communi-
cou-se ao Dr. chete de policia.
0 president da provincia, attendendo no que
requereu o juiz municipal c do orphlos dos terms
de Exd e Granite, b:.tcharel Augusto Frederieb de
Siquera Cavalcante, resolve c) iceder-lho 3 moezs
de licenga coin ordenado, para tratar do sua saude
devendo entrar no gozo da eferida licen-a no
prazo de 55 dias.
0 president da proviacia, de accordo'co n a
proposta do chefe de policia em officio n. 437 de
hontem datado resolve exonerar, a pedido, Jos6
Bento dos Santos Bernardes, do cargo de subdele-
gado do district de Boa-Viagem, e nomeailr para
substituil-o o actual 10 supp'ente capitol Bra- Bar-
reto Carnciro Ccol, pars o lugar deste actual 20
supplente Manoel Filgueira deXMenezes e part este
ultimo lugar o cidadio ElyAeo de Albuquerque Ma-
ranhlo Q'eiroz.-Communicau-se ao D.-. chefe de
policia.
0 president da provincial, attendendo ao que
requereu ojcidadlo Juvencio Taciano Mariz contra
a decisAo da junta revis6ra dacomarca de Caruaru
presidida pelo respective juiz dedireito, cm virtu-
de da qual foram eliminados da list dos juradosos
cidadaos Francisco Roberto Ferraira da Slv.,Joao
Baptista Nuneo, JoaquimManoel C impello, Manoel
Alves da Fonseca, Joao Gomes do Andrade Ta-
bosa, Jos6 Athanasio de Freitas F!orencio, Manoel
Joaquim Fernandes da Motta, Antonio Pereira do
ValleI, Manoel Xavier do Olinda, S dlustiano Flo-
rencio da Silveira, Jose Placido da Siva, Juvenal
Pastor do Nascimento, Jolo Manoel da Silva, Pau-
lino Jos6 Pereira, Antonio Pereira da Silva, Jos6
Rodrigues de Vasconcellos Azevedo, Francisco
Pantaleao de Nogueira Mello, Joaquim Fernandes
Pinheiro, LeodegarioGunuinoSecundino dos Sant( s
Theodomiro Cicero de Pontes, Francisco Marti-
niano dos Santos Franciscos Jose Bezerra de Mo-
raes, Antonio Rezerra Maduro, Antonio do Couto
Pacheeo, Dionizio Rodrigues Jaowbina, Firmino
Francisco de Almeida, Florentine Ferreira Calla-
do, Felippe Jos6 de Mello, Joaqiuim Florencio de
Mello, Jos6 Barbosa da Cunha Moreira, Joio Ma-
noel de Oliveira, Antonio R nrigues da Silva Ca-
tit%, Antonio Lins de Omeno, Alexandrino Bamos
da Silva, Joaquim Rodrigues da Silva, Alvaro
Xavier de Omena, Joao Ignacio da Silva, Jolo
Francisco de Azevedo e Silva, Joo Francisco do
Barros Rego, Jose Faustino Brandlo, Antonio
Joaquim de Macedo, Joaquim Mtchado Dias2 Cle-
mentino Ferreira Callado, Manoel Joaqun db
Torres, Antonio Thomaz de Souz-i, Francisco Be-
zerra de Mello, Antonio Ferreira da Silva, Feli-
ciano Zenobio de TorresG illud,), FranciscoGomes
da Silva, Juvencio de Barros Correia, Fran'irco
Antoniolda Silva, Luiz Miguel Gomes dos Santos
e Manoel Fernanies Piuceiro; e consid, rmndo
estar provado que ditos cidad5es cram jurados
e foram exeluidos sem indicagio das autoridades
policies; cML-dqmado n'o ter o juiz de di-
reito dadoa razfo plausivel da exelusio; consider.
rando ainda que n o podiam os ja mencionados ei-
dadlos que erainjurados, ser excluidos sem pro-vas
concladentes de suas inhabilitagoes legnaes; resolve
dar provimento ao recurso no sentido de serem ellc
admittidos na lista dos jurados da comarca de Ca-
ruaru.-Communicou-se ao respective juiz de di-
reit).
0 president da provincia, resolve de confor-
midade corn o decreto n. 2881, do 10 de fevereirode
1862, abrir sob sua responsabilidade um credit da
importancia de 6:690003) para occorrer ao paga-
mento de ajuda de cust) aos deputados geraes
elcitos por esta provineia e nella residentes.-Com-
munieou-se ao inspector ia Thesouraria de Fa-
zenda.


actor da Thesota ia-deilazoeila e Csnrmandante
pps arnas.
-Aom inpoctor geral da Instruego Publica. -
Autoriso Vme. a justificar as faltas de exercico
0c'alar da pr.fessor.i Maria Hrminina dos Passes
Litim, altudids eta sea offiio, a quo rospondo
n. 117 de 21 do corrente rmez.
Ao jaiz de direito de Itamb6.-Coavem que
Vmc. indique pessoa idonea, afim de completar-se
a lists (dos supplentei do juiz municipal do term
de Itan )A.
Assimn flea responlido o seu officio de 14 do cor-
rente.
Ao engoenheiro das Obras Publieas.--Appro-
vrd o contract, quo per c6pia, acompanhou o offi-
cio de Vmi., de 19 do corrcnte, sob n. 93, cele-
brado coin Israel Banjamnin de Oliveira, para en-
carregar-se da eonstrucIo de umt casa de bar-
reira junto a ponte sobre o rio TracunhIcin erm
Nazareth.-Communicou-se ao inspector do The-
szuro Provincial.
A0 juiz de paz mais votado deo S. Se'Sastigo
de Canhotinho.-Declaro a Vinemc. que a consult
constante de son officio, a que respond, de 11 do
corrente mez, acha-so resolvida pela 2a part do
art. 186 do regulamento expedido corn o decreto
n. 8,213 de 13 de agosto de 1881; pelo que podcra'o
ser votaslos na eleir o a que soe tern de proceder
no dia 2 de junho vindouao ao s6 os antigos como
quacsquor outros candidates.
Portaria:
Declare a Camara Municipal da villa de
Leopoldina que jA foi intimado o tenente Joaquim
Felix Bezerrat Cavalcante a quernm se rcfere cm eou
officio de 22 de mnareo proximo find.
EXPEDIENT DO SECRETARIO
Offiio:
Ao director da directoria do Ministerio da
da Agriculture Coinmercio e Obras Publicas.-Do
ordem do Exm. Sr. desembargador president dai
provincia, remretto a V. Exe. 4 exemplares impres-
sos da Fala corn que o mesmo Excm. Sr. abrio a
sessitoe cda Assrmhlha Legislativa Provincial no
dia lo de margo ultimo.
Ao Dr. lo secretario da Assamblea Provin-
ciaL-De ordem do Exm. Sr. desembargador pro-
sidente da provincia. devolve a V. S. em resposta
ao seu officio n. 62 de 15 do corrente mez eo abaixo
assigaado de moradores do povoado Mayaral e pe-
ti*ao de Antonio Teixira Pimeutel, corn a infor-
maelo junta em original prestada pelo inspector
geral da InstruceAo Publics.
Ao Dr, chefe de policia. -De ordem do Exm.
Sr. desembargador president da provincia, re-
metto a V. S. o passe que solicitou em sea officio
n. 440 de hontem datado que assim fica respon-
dido.


D



di

ts
ci
B(

pe
81
tl
Si
d

ci


n
to
ti


(Continnfa0o) -0 president da provincial, attenlendo ao que c
requereu Marianna TeixeiradaCosta Mello, profes-
A pesca do arenque 6 (come ja dissemos no prin- sora de ensino primario do Duarte Dias, e tendo c
cipio d'este livrinho) urma das mais importantes. em vista a informanIo n. 141 da 21 do corrente mez
N'ella se empregam todos os annos venlrdadeiras do inspector geral da Instrmucto Publica, resolve 2
esquadras de navies. prorogar por 3 mezes corn tolos os vencimentos a
No seculo XVII os hollandezes cmpregavam licenga ultimamente concedida A peticionaria para
n'$sta pesca 1:500 a 2:000 embarcacoes; e esta tratar desua saude onde lhe convier.
industrial davays que fazer a minuitos milhares de pes- 0 president da provincial, attendendo ao
seas (diz-se que a 800:000 individuals!!) qde requereu o Dr. Antonio Baptista do Mnoraes,
Os nornemuezes, os .americanos do norte, e os commissario vaceinador, resolve prorogar por 3 n
inglezes, assim como tambem os francezes, igual- mezes corn todos os vencimentos a licenoa que ul- E
mente se entregam a este ramo de industria, ainda timamente lhe foi concedida.E
hoje importantissimo. Modernamente e ainda em 0 president da provincia, resolve exonerar
larga escala a pesca do arenque, em todos os por- o Basilio da Silva Santiago, do cargo de promoter G
tos francezes situados entree Danker-ue e a fez do public da comarca de Cabrobo, por ter sido no- A
Sena; n'esta industrial se empregam 300 a 409 meadow juiz municipal e de orphAos do termomde s
barcos corn 5:000 pescadores. Arapuahy na provincia de Minas Geraes.-Fi- t:
A pesca do arenque temn so visto ultimamente zeram-se as devidas commnuanicaes. r
ser sujeita a certas variacSes periodieas e atW a 0 president da provincial, resolve nomear c
um quasi complete abandon por falta de peixe. Jos6 Mauricio Borges Junior para exercer o cargo
Assim em 1567 o arenque deixou de apparecer de promoter public da comarea de Cabrobo.- -
nas costas occidentaes da Noruega. De 1650 a Fiscram-ae as devidas communicavqes. 1
16541 de novo desappareceu. Ern 1781 houve ihVo Officios :
desapparecimento. Em 1870 cessou novamente a Ao Exm. bispo diocesano.-Pelo officio, a c
pesca do arenque nas co:wtas norueguezas. que respond de hontem datado, fico inteirado de o
Crm-se que a causa verosimnil de takes desappare- hayer V. Exe. Revm. deixado na qualidade de go-
cimentos seja o precisarem estes peixes de proca- vernador do bispado, por ter da seguir hoje para
rar a sua nutriao (que consiste em pequeninos a sul do imperio em procura de melhorar A sa S
camarues, alguns molldscos e annelideos) em pa- saurde, em 10 lugar o Revm. Dr. Estanislio Fer-.
ragens mais ao largo, quando os nio encontram reira de Carvalho, vigario geral, em 2o, o Revd.
junto das costas aonde habitualmente vem de iun- enego Dr. Luiz Ferreira de Araujo, em 3 o Revd. c
verao. Dr. Jeronymo Thom6 da Silva, e em 4o o Revd.
Nao s6 o arenque que em determinadas epo- conego Antonio Arcoverde de Albuquerque Ca- t
chas visit e frequent as costas dos paizes do valcante, e ter na mesa data passado o governor g
S*orte. da diocese ao primeiro nomeado.-Communicou-se
A sardminha, o bacalihao, o atum, as anehovas, ao inspector da Thesouraria de Fazenda.
atbo no mesmo easo e dbo igualmente lugar a im- Ao Sr. chefe de policia.-Autoriso V. S. a
pgasntes e rendosas pescarmas. mandar fazer os concertos de que necessta a pa-
.. #almio tambem se torna notavel pelas viagens diola existente na estac*o da Guarda Civies daI
.4efaz. Este peixe habitat nos mares arcticos e freguezio do Recife.
'a primavera entra pelos rios qube s6be em nume- Assim flea respondido o officio de V. S. datado
x ^wos cardumes. Ha particularidades curiosas de 15 de marco ultimo, sob n. 299.-Communieou-
a'estas periodicas emigracoes do salinao. Elles se ao inspector do Thesouro Provincial.
entramn pelos rios formando dunas fileiras, A test Ao mesmo.-Dedaro a V. S., em solueo aos
4u quaes vai a maior femea, e na retaguarda ca officios us. 334 e 416 da 26 de margo ultimo, 17
am os nahcs de menores dimensoes. Estes do correate, que approve o eo tractor de locvio
*kumes nadam produsindo grande ruido; eami- oelebrado corn Man'el Apoliariaio Satiaqo, oem
laan mais m ma eWp t se6 o calor 6 moderado, rela*o a uma ca ae sa prpidade, sit em
usli paras fo iaa temperature 6 mui ele- Pedra T sod, term de Linoeiro, pars servi de
Ada. quarter o adeia, polo aluguel mental de 125000 a
Os salmOIes nadam com tma velocidade tal qu contar de 15 de november ultimo.-Coummnunicou-
vezes se torn imposasivel seguil-os corn a vista. se ao Thesuro Provincial..
rnto antio no sea cambnho tasesquer obstaculos Ao inspector da Theonuraria de Faenda.-
se opponham A sui mar esteanim s sal- Remetto a V. S. a relaso de 8 eseravos que foria
parsfora d'aguaspart voacerein ees obstaeu- libertades-no municipio de Born Consaelho, por conta
e no pulo ch6gam A s vezes awma altura de 4 a da 5a quota do fundo de emancipaglo, afim de man-
eroseimaeda peicie da pagar am interessados a ipoetiva importan-
salmeie chegam at6 As aseentea dos rios; cia depois de esagotado o plaso do ar 44 do g-
aEdesovar eseoliem ribeos enjas aguasse- lament de 13 de novembro deo 1872.-Coinmmni-
illas, Iidaores eue -e ado-oo respective juis de orphAo.
; i~tx. Devois de deta A fica A o director do Arsenal de GuoNo
eS ueido; volta para o aBr no atom- tend o 14o batalhbo de infantaria meiob paa
ri quoe hvaf w d tranportor deoe Arsenal par& o respective ar-
depositados covas que a femea tel o armrilo aelle pertenomotec en em -
me a ia, visndo de7s o ma eo dar sen conduuido por oldadoe de fachina, is ado
4A," ova& 1diaia -aoebrigadeiroeconmnandante dan arm em


ESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DIA 20 DE
MAIO
Antonio Pereira da Silva.,-Informe corn urgen-
ta, o Sr. inspector da Thesuraria de Fazenda.
Aviso do M.nisterio da Guerra.-Informe o Sr.
ireetor do Arsenal de Guerra.
Clementino Tavaree Bezerra.-Indeferido.
Bacharel Ezequiel Franco de SI.-Passe por-
iria na f6oma requerida.
Dr. Ezequiel Correia doa Santos Junior.-En-
arjinhe-se.
Major Firmino Pomposo de Mello Falcao.-Pas-
p ortaria. :
Hermin Patoenw C.-Defrido eorm officious de
oje ao director &Aratal deoGuerra me ao i6-
ector da Thesouraria de Fazenda.
Joao Rodrigues de Moura.--Aguarde a conees-
Ao de credit.
Jeronymo Cabral Pereioa do Amaral.-Remet-
do ao Revd. Sr. Dr. regedor interino do Gymua-
io Pernambucano pars inscrever os menores afim
e serem admittidos quando houver vagas.
Jobo Thomaz de Oliveira. Sim, mediante re-
ibo.
Manoel Brano Ales do Couto. -Sirm, corn vean-
imentos na f6rma da lei.
Manoel Jose Gongalves Braga.-Passe portaria
egando provimento ao preseate recurso.
Marianne Jose Ferreira. Informe o Sr. inspec-
ior da Thesouraria de Fazenda.
Manoel Joaquim da Costa Carvalho.-Sim, sa-
isfeitos os direitos fiacaes e procedidas as diligen-
;ias do estyle.
Telesphoro Lopes de Siqucira.-Estando preen-
hida a cadeira nao tern lugar o que requer.
Secretaria da Presidencia de Pernambuco, cm
1 do maioe de 1884.
0 porteiro,
Joaquim Leocadio Viegas.

Copia la seecio.-Secretaria da Policia de Per-
ambuco, em 12 de maio de 1884.-N. 509.-Il1m.
Exm. Sr.-Aceuso o reeobimento do officio de V.
ixe. datado de 14 de abril ultimo, no qual exige
afcrmaj5es sobre urn artigo que publicoa a folha
9lobo de 12 daquelle mez debaixo da epigraphe
tbusos Policiaes. Reformado o dito artigo a factor
uecedidos na freguezia de Santo Antonio c 1o dis-
ricto de Sd o Jose, mandei ouvir os subdelegados
espectivos, os quaes me prestaram as informay5es
onstantes dos officios juntos, por copia.
Devolve a V. Exc. o numaro do Globo, que aeonm-
panhou o citado officio. Deus guard a V. Exe.-
lim. Exm. Sr. desembargador Jose Mmnoel de
Freitas.-M.-D. president da provincia. 0 ehefe
le policia, -Raymundo Theodorico de Castro e
Silva.
Copia.--Subdelegacia da freguezia de Santo
Antonio, 10 de maioe de 1881. -N. 75--HIllm Sr.-
Somente agora respond o officio n. 233. que per
V. S. me foi dirigido em 15 de abril ultimo acom-
panhado do n. 69 do Globe, periodic que so pabli-
cs nesta eidade, e que devolve, confoime me re-
eonimenda. Deu lugar a demora de minha respos-
taa necessidade que tive de fazer minuciosas inda-
gaVces relatives ao object do artigo que sob a epi-
graphe Abuses Policiaes eecreveu a dita folha.-
!osso asseverar a V. que no 4 costume nests
freguezia empregar-se a escada como instruments
de prison, e rnem ehguei a evidenciar d3 que asi
houvesse dado o facto a quea se refereo Globa, E
mai nimn dessas inveng5os em quo molevolament
se procura eompromutte a galicia. Campro assin
0 queepor V. S. me foi oerenado no dite office
Deus guard V. S.--Illm. Sr. Dr. Rayimundo-Theo
dorico de Castro e Silya.-M. D. 'ehefe de police
de Pernambuco, 12 de maioe de 1884.-Confolrme
socretario Eduardo de Barros Falcbo de Lacerda
Subdelegacia de polica do le distirtoe da fregue
zia de SW. Jos, em 16 de abril de 1884.-Im. B
-Em resposta ao officio de V. S de hontem data
do, sob n. 2331 ao qual cpanhou copia da"no
ticia publieada usna foiha de 12 do current
debasuo d a epi npeAbww Policiaes comrnlao
a faetos 0ace naesta freguezia tenho a intw
mar a V. S-. qu rante o tempo m qu me ac
no exercicio de ubdelegacia, 6 exacto que tean
procedido cerosa em frentede muuicas quo pereoa
rem o men districto, towndo se capoeira4, e memn
le individ es ongravta o qua veem eam fren
das mesmaa, instruenetoz nao s6 coatuvdntt
oomo pedfumantoa, massecm que douesae crcos hf
vessena zesultad. feet.s que teuham dado hauar


Qanto a conducgao de presos armirrados em
ecaa tambem nilo 6 verdade, pois nao men acecusa
a casciencia que factor desta ordena tenhi eu
aiadri pratieado, e por conseguinte a folha Globo
nao fallou a verdade, pois que os seus redactores
slo menos eserupulosos no desempenho dos season
deveres, parecendo s6 term o blrbito de aensura-
re-n A policia pr nm:ids morigerada que ella sja
n) desompenho dos seas deveres, 6 quanto tenho a
informar a V. S. a quern Deus guadc.-Illm. Sr.
Dr Raymundo Theodorico d,' Castro e Silva Mt
D; clihfe de polieia da provincia.-0 subdelegado
ManelI Rodrig ies da Silva Junior.-Secretaria dc
Policia do Peruaimbuco, 2 de maio do 1884.
Conform".-.) se.rctario, Eduard-o de Barros
Filceo de Lacerda.
2.' secclo.-Seer.t-ria da Policia do Pernam-
buco, 19 de maio de 1884.
llln. e Exmin. Sr. Para que V. Exc. tenha co-
nhecimncnto, transmitto per cpia a essay Presiden-
cia a inuforma'o que ein data de 13 do corrente
me prestou o delogado do term do Bomrn Conselho,
acerca do espaucamento e ferimentos que soffreu
Auto:iismiho, praticados pelo individuo de nomec
Romlo e mrnais dous companhciros, bern come sobre
a aggressbo que soffreu o alferes Jos6 Pinto da
Silva S3uto, da parte dos iimlos Manool Barroson
e Olavo Barroso, factos estes de que se ocupou o
J.ornal do Recife de 3 do corrente.
Deus guard a V. Exe.-Illmn. e Exm. Sr. des-
embargador JosA Mauoel do Freitas, muito digno
president da provincir.-0 chefe de policia, Ray-
mundo Theodorico de Castro e Silva.
Delegacia do policia do term de Born Conselho,
13 de maole de 1884.
Eilm. Sr. Accuse o recebimento do officio de
V. S., de 5 do crrente, no qual determina-me V.
S. que inbrmine corn urgencia sobre os factos pu.-
blice-dos na Gazefilha do Jornal do Rectfe de 3 do
andant.
Em rctspesta tenho a deelarar que ja dei parte
a Cess cbefittura do facto criminoso praticado pelo
individuo Romao de Barro, Jos6 Leandro e Josv
Callado, contra os quaes tendo esta delegacia pro-
cedtd4 is diligencias necessarias e ao compatcnte
eorpo dc delicto nos offendidos, acham-se os mes-
mos denunciados pela promotoria publics da co-
marca, jia tend o juiz municipal designado dia e
h)ra para tomar os depoinmeatos das testemu-
nhas.
E' verdade que os commerciantes Jos6 Souto e
Hemeterio Souto foram insultados per Manoel
Barraso e Olavo Barroso; mas comparecendo im-
mediatamente o subdelegado effective do distric-
to, fez prender os dons irmaos Barrcs), e nao ten-
do ontea praticilo offenses physical do especie
alguma, forum conservados detidos o tempo que a
autoridade julgou bastante pars correceAo.
Deus guard a V. S. Illm. e Exm. Sr. Dr.
Raymundo Theodorico de Castro e Silva, muito
digoo chefe de polieia. Luiz Tenori) de Albu-
querqu. Mdello.
Sepertaia da Polcia de Peraambuco, 19 de
maiQ de 1884.
Conforme.-Pelo secretario, Francisto Geraldo
da Silva Barroso.
N. 539.-See9Ao 1.a-Secretaria dAr Policia de
Pernambuco, 20 de male de i1881.
Iltin. e Exm. Sr. Para conheeimento d'essa
Prmid-uciri-.e fins conivenienfites, passe nAs miaos dI.
de V. Exe. o officio junto por copia, que em data
d3 17 do corrente dirigio-me o dalcgado de poli-
cia do term da Escada, relat.vamente sos moti-
vs que o leva.-am a pedir a retirada de parte do
destacamento al i estacionada.
Deus guard a V. Exe. HIm. e Exm. Sr. des-
embargador Jos36 Manoel de Freitas, muito digno
presi.lente da provincia.-0 ehefe de polieia, Ray-
mando Theodorico de Castro e Silva..

Delegacia de policia do term da Escada, 17 d
maio de 1881.
Ill:n. Sr. Levo ao conheeimento de V. S. os
motives que me impellimam a pedir providencias
immeidiatas' no sentido de retirar part do desta-
camento d'esta cidade.
Hontem, As 8 horas da noite, fui procurado em
minha easa per duas pracgas do destaeamento d'es-
ta eidade, o anspecada Jos6 Esteves e o corneta
JosTA Joaquim de Santa Anna, os quakes ao me
encontrando continuaram no mcenlo propocite, o
qne conseguiram poueco tempo depois, visto achar-
me perto, em urn um estabelecimento site A rua
do Barao da Escada, dirigiram-se a mini, inqui-
rindo-me o motive polo qual representava eu con-
tra o destacamento ; me surprehendendo tal pro-
cedimento, reprehendi-os : n'isso o anspecda des
embainha o sabre corn intencao de accommetter-
me ; nao levon a effeito o offender-me, nao s6
per tel-o repellido energcamente, come per ter-se
agglomerado o povo em men auxilio, disposto a
m;.n'er o respeito a autoridade, fazendo-os temer
e obedecer a ordem de prisio intimada per mir a
ordem do Exm. Sr. commandante das avnas. Em
segaila foam recolhidos ao xadrez da cadeia pelos
cadetes Cadeno e Pedro Rufino e o soldado Joao
Fragoso ; depois d'isso o alferes commandante do
destacamento, apesar de ter conhecimento do oc-
corrido c estarem as pracas recolhidau A ordem do
general, os fez relaxar da prisbo, ordenando que
estivessem de promptidbo e embalados. Espa-
lhando-se esta noticia, alarmou-se grande nume:
ro de possess e dirigiram-se as casas dos Drs.juiz


Sde direito e j 'iz municipal e pediram providen-
Scias, isto as 11 horns da note ; o Dr. juiz muni-
r eipal veio A cidade e entendeu-se corn o alferes
commandant do destacamento pedindo-lhe qu(
mandasse recolher as pragas, aim de evitar gra-
ye conflict, em vista dos animos estarem exal-
tados.
0 alferes, depois de muitas observaoes, pro
Smetteu so Dr. juiz municipal qu e os mandava re-
eolher, o que fez As 2 horas da manhi, pondo-a
a em liberdade As 10 horas.
S Fix remetter so general commandant das ar
e ma5 a part eircumstanciada da prison, pars qu
seja tomiada na devida consideragao.
Deus guard a V. S.-Illm. Sr. Dr. Raymundc
n Theodorico de Castro e Silva, muito dilp' chef
o de policia.-0O delegalo em exercicio, iom&o Pc
pulo de Andrade Lima.
i Secretaria de Policia de Pernambuco, 20 d
o maleo de 1884.
L Conforme.-Pelo secretario, Francisco Gerald
a- da Silva Barroao.

' Llsta dos prIlllegos econcedldos do
M t rante o ano e *s 18 e. de quo trat
ta o art, 5 do regulamSentoI
0 8* de 80 de desembro de IS2
r- N. 1. Deereto de 24 de denbro de 1882, Ha
ro rique Myohl; vulcanisa* o da borracha e gutti
ho percha. 1 f
-N. 2. Deeretoae 27 de janeiro de 1883, bach!
o rel F erancisco IAio Ferrei;ra aplic o no
de, da naphta, em -ubsttuicao da agua-ras comirui
ma -Obteve em -7 de abril do 1883, pnivilegio
Wt- melhoramento.
a A S. Dereto de 27 deJaneiro de 1883, Joi
mag oureae de 8eixas; fbiMica de craves pa
no frrnafd r8s.
0, 4.IDecerto do27 de Janeiro de 1883, Va]
we rio Publipola Alves do u*;za; systems pna


Sterias fecaes extrahidas dos tanquei de procipita- a- fabric de verniz denominalo-Verniz eco-e
4 910. nico
/oN. 7. Decreto d e 10 do fe ,eereiro do 1883, H. n ,m ice
I N.7- o deam de fe-n de 18831 N. 5a5. Decreto de 16 de junho de1883, Eduar-
Ulique Delforge; apparelho destinado a mircar a do Baptists Roquette Franco ; macbina denomi-
entrada de passa-eiros nos bonds, denominado nada-lirahybunense-de descascar, ventilar e
Contador fiscali^ador. triturrr arroz, trig c cafe.
N. 8. Dreto de 10 de fevereiro (l 1883, Joo N. 56. Decreto de 16 de junho de 1883, Au-
R[,cha Martins fabrico e prepare de chapos corn guto Gomes Netto, apparelho denominado-Ziza
peolles de animaes. -para o fabric de cigarros e ehartos de forma
N. 9. D.croto do 10 de ofevreine di, 1883, Al- -pm ofbiod Ianro ehnutod forms
N. Decrto de 10 de fvereiro d1883, A- especial-Em virtude da escriptura publics de
fradl Elay; eollocai;o de galerias, sanefas e cor- venda, passada em 18 do dezembro de 1883, o
tinas crn janellas e portas sem emprego de esca- concessionario fez trausfrenecia da concesa-b a
pullas. ,ieas a Costa Faria.
N. 10. Decreto do 10 de fevereiro de 1883, Gus- N. 57. Decreto de 16 de junho de 1883, Ifenri
tavo Hugo Elste; fbnrieo do products industries Crot; mnlhorarmncntos na condensacgo do sumo da
provenie-ates das patas do animl'i vaeum. uva onu do nosto.
N. 11. Decreto dr 21 de fevereiro de 1883, Cle- N. 58. Decreto de 16 do junho de 1883, toe4
ment Ader; system de post telephonieos. Clhermont Rodrigucs c Deosir Lachauss6c; mia-
N. 12. Decreto do 21 de fevereiro de 1883, Cle- chint, destinala a dar simultanearuente muitas
meant Ader; system de telephone receptor de pc- corrcutes coatinuas de luz electric, dcnominada
los magnetics surrexcitados. aSystn chadso & Chennont.
N. 13. Decreto do 21 de fevereiro de 1883, 5 Dccreto de 16 de junho de 1883, Achille
Joao Jose do Rego Nunes; system de preparar Mariottc, Abel Mariotto c Lugenio Bouffy; pro-
crina vegetal. cesso destinado a aperfci~oar a mnoagein do triio e
N. 14. Decrcto de. 24 de fevereiro do 1883, outros ccreaes.
Eduardo Btptista Roquette France; machina para N. (30. Decreto do 16 de junho de 1883, Joseph
matar formigas saAvas, denniinada.-Fiilminnte. Wilson Sewan; melhoramentos introduzidos nas
N. 15. Decreto de 24 de fevereiro( de 1883, An- lainpalas clectricas.
tonio Gon~alves Teixeira ; preparaAo de pedra N. (. Decreoto de 16 do junho de 1883, Frede-
plastica. rico Morri. ; meilhoramentos introduzidos na ina-
N. 16. Decreto de 24 de fevereiro de 1883, Car- china denominada Arnalganater Setler.- Em
los Basto; system detramawys electricos de con- virtude da eseriptura de compra, passada em 11
doctor subterraneo, applicavel is ruas da cidade. de julho. de 1883, o commissario fez transferen-
N. 17. Decreto de 21 de(10 fevereiro de 1883, An- cia St. John Dol Rey Mining Company Limi-
tonio Francisco dos Santos Marnlu; machinha des- ted.
tinada a descapcar e brunir cafe e outros gr.os N. 62. Decreto do 16 de junho de 1883, Hen-
-Cruzeiro do Sul.-Privilegiada em Inglaterra C rt Gerner ; melhoramentos introduzidos no fa-
confirmada a patente no imnperio. brico da borraeha, gutta percha e gommas ana-
N. 18. Decreto de 21 de ,evereiro de 1883, Luiz lo-gas.
Candido Lacombe ; conservacao de legumes, fruc- N. 63. Decreto de 21 de junho de 1833, Henri-
tas em caldas, massa e a secco. que Pinto Alves Brande ; fabricaco ae ferradu-
N. 19.Deereto do 24 de feverciro de 1883, ras per um novo system, denomninado-Ferrada-
Christian Hcinzerling; preparagao de pellets. ras Brandlo.
N. 20. Decreto de 24 de fevereiro de 1883- Ma- N. 61. Decreto de 21 de junho do 1883, The-
noel Correia de Alimeida ; extracao de polvilho de maz Ribeiro ; apparelho paia evitar desastres
differences plants tuberculosas, fabrieacao de mi- provenientes de queda de pessoas ou cousas nos
Ihos e outros cereaes por mcio da machine deno- trilhos dos bonds, denominado-Salva-vidas Tho-
minada-Utididade Brasileira. maz Ribeiro.
N. 21. Decreto de 24 de fevereiro de 1883, iH. N. 65. Decreto do 21 de iunho de 1883, Joao
Uhique Delforge; maehina para catar cafe denomi- Jos3 do Rego Nunes, process para preparar linho
nada -Industrial. national.
N. 22.-Decreto de 3 de marco de 1883, Anto- N. 66. Decreto do 30 de junho de 1883, Gusta-
nio Alvares Leite Penteado; applicanao dos teci- yvo Hugo Elste; process para o fabric de gela-
dos impermeaveis ao empacotamento do cafe e do tina de ossos.
assucar. N. 67. Decreto de 30 de junho de 1883, Joae
N. 23. Decreto de 3 de marco de 1883, Emilio Antonio Pereira Neves; system de rodas adap-
JosA de Mira; apparelho de preparar, per vapor e tadas a vehiculos denominado-Carros cylindricos
cortar fibras de piassaba. Neves.
N. 24. Decreto do 10 de marco de 1883, The- N. 68. Decreto de 7 de julho de 1883, Alexan-
maz Alva Edison; apparelhos destinados ao des- drt Copell de Guadino; fogies.
envolvimento de correntes electrical e i illamina- N. 69. Decreto de 7 de julho de 1883, Julio
91o pela electricidale. de Mattes Correia e Jose Ramos de Paiva; evi-
N. 25. Decreto de 17 de marco de 1883, Carlos tar desastres nos bonds,-por meio de urn appare-
Leopoldo Augusto Ferreira, Jose Marques de Car- lho a que deunominaram-Salva-vidas fluminense.
valho e Eugenio Dilermando; apparelho que de- N. 70. Decreto de 7 de julho de 1883, Jose do
nomnina-Aferider Instantaneo. SaI Hollanda Cavalcauti; evitar que os bonds pi-
N. 26. Decreto de 17 de marco de 1883, The- serm as possoaess ou quacsquer objects, per mcio de
rnmiz Alva Edison; melhoramento dos seus appa- um apparelho que denominou-Preservador Caval-
relhos de luz eleetriea. anti.
N. 27. Dzcreto de 17 de maro de 1883, Deme- N. 71. Decreto de 7 de julho de 1883, Samuel.
trio Isola; machine prank illumina*ao corn hydro- Beaven; secear cafe e cereaes, per meio da ma--
chrburetos liquidos, extrahidos de petrolee pureo china que denoininou Seccador multitubular da*
A patent original foi concedida pela Republica Beaven *
Argentina e confirmada no imperio. N.
N. 28. Decreto de 17 do mar de 1883, Jose N. 72. Deroto d21 de ulhodenap e 1883, Tiburd-
Machado de Carvalhe e Antonio Machaddo deCar- cio Furtado deMendona ; preparar as fibras do-
valbo; brunidor de cafe denominado Machado co-eiro de mode que possam ser empregadas em
do t,.cidos de qualquer especie, a que denorminou- -I .
dc Carvalho. vegetal cocolina.
N. 29. Decreto de 31 de mdro de 183, Carl 73. Dereto de 21 de julho de 1883, Julien -
Daniel Ekmminn, William Bancroft Eipeat, e Richert ; system de apparelhos destinados a illu-
Heorge Try ; method para extrahir a materia minar as machines de costura.
saccharifera das substancias vegetacs. N. 74. Decreto do 21 de julho de 1883, John
N. 30. Decreto do 31 de marco de 1883, Carl Frederick Cook, Tarquhar e Walter Odham ; sys- :
Daniel Ekmann; method para tratamento da temda de filtrar, quo constanterment desobstree o i
madeira, afim de obter-se fibras adequadas ao fa- filtro, faciiitando a opera9Ao.
brico de papel e outros fins. N. 75. Decreto de 21 de julho do 1883, Achille
N. 31. Decreto de 31 di margo de 1883, C-Irl Giuaiun, process paa evaporar e eoncertar mate-
Daniel Ekmann; methedo aperfeigoado destinado rias assucaradas e outros liquidos assim como crys-
a obter materials coloriferas. telizar o caldo do assucar.
N. 32. Decreto de 31 de marco de 1883, Carl N. 7. Dcreto do 28 do jlo d 1883, Edar-
Daniel Ekiminn; method-o melhorado para o tra- N.7.D.eod 8d uh e18,Eur
Daniel Ekmasan; othodo do -o Magnin; apparelho para medir cornamaiorr
tamento de plants fibrosas, afim do obter-se fibira d aaro paa o ra mo
precisilo a agua consumida pela populag.io, deno-
d 3 ecrc3o de 3 mar do 1883, J minado Hydrometro de nivel constante.
N.a33. Airet N. 77. Decreto do 28 de jurho do 1883, Paul
Joaquinm Alves de Barcols; systenmadofo -Henri Michaux, Francisco Anmed~e Miehaux e
laealimeatadas pen an quente.
Ins. 34. Decreto d7 do abril de 1883, Carlos Amedfe Charles Raingeard-; injector dagua, li
Eduardo Alves de Mattes n machina golpeadeira quides, am, gaz e vapor, de nsun voeno.
saceharina. N. 78. Docroto do 28 do julho do 1883, Luiz
N. 35. Decreto do 7 do abril de 1883, Prosper Eugenic do Leios; systems pa rs evitar a fraude
Lamy e Clement Lejeune ; fabric de collar de na renda dos bonds, denominado Systema Le-
pollee e f-aminhae do Prosper & Clement Lejoune. moe.
N. 36. Decreto do 7 deo abil de 1883, Gus- N. 79. Decreto de 4 de agosto de 1883, Ante-
rits, France, Soarce & C.; system do matar nie Lopes Cardoso ; oleo especial para a pintura
tormigas deominado--Slphaia on e tradao- e outra substancian denominado Petrolectrnia ob-
N. 37. Dec-eto do 7 oe abril do 1883, Americo tides pelo sen process privilegrado pars tornar a
Cincinato Lopes; ventilador para dormitories e kerosene desinfectudo colorio e inexplosivo.
eslas. N. 80. Docreto Ice 4 do ugosto do 1883, Alfredo
N. 38. Decreto de 21 de abril de 1883, Alexan- Bastes da Silva; apparlhio electric e lampeoo a
dre Graham Bell ; apphicacbo da electricidsde. gaz para evitar os eacontros dos bonds ua eocru-
N. 30. Deereto do 21 do abmil de 1883,- Ale- zilhada dae ruas.
xandre Graham Bell; molhorainento nes mecopto- N. 81. Deceoto do 11 do agosto do 1883, Benja-
nec telegmuphicos corn applicacvbo ao telephone.,m rai1utterwarth ; mnelhoramento non moinhos de
-A patente estrangeira foi confirmada no im- canna.
N. 8-2. Decreto do 11 de agento do 1883, Anto-


1perl0. o L6 od
N. 40. Decreto do 21 do abril de 1883, corn- nio Augusto de Souza Leite e Autoine L'on Rod-
panhia Bruek Electric; process relative A pa-de e Pierre Souberbie; apparelho denominado --
- teaio e dourasgo de lampadds electrics. A Estaite micro-telephonico.
patented estrangeira foi confumada no imperio. N. 83. Decreto de 11 de agosto de 1883, Eug6-
e N. 41. Decreto de 21 do abril de 1883, coi- ne Ferdinand Leblond; machines de fabricar ci-.
- panhia Brusk Electric; machines e system de garros.
lz- oleetrica.-A patente estrangeira foi confirma- N. 84. Deereto de 25 de agosto de 1883, Antoi-
da no imperio. no Rippert; system -de earruagens, omnibus, de-
" N. 4:2. Deereto de 21 do abril de 1883, ceompa- nominado-Carro Ripper.
- nhia Brusk Electrie; symtema de lampadas elee- N. 85. Decreto de 25 de agosto de 1883, Ante-
tricas.-A patente estrangeira foi confi-mada no nio dos Reis de Macedo Bentes; process pars.
mnptio.Dertcondensar a borracha ou leite de seringueira (sy-
N. 43. Decreto de 21 de abril de 1883, Francis- phonia elastic) e sem a defuma9eo.
c co G ,mes Teixeira Campos; melhoramento dos N. 86. Decreto de 1 do setembro de 1883, Joeb
phosphorus de c6ra. Evangelista de Araujo Macedo ; apparelho meca-
o N. 44. Decreto de 21 de abril de 1883, Justino nico, denominado Pedemoto pars indicar corn
Sde Almeida Guerra; process pars tornar males- precislo o numero de pesaas que entrarem em
- vet o marfim vegetal. qunlquer lugar.
N. 45 Decreto do 21 de abril do 1883, Jos W. 87. Decreto de I de setembro de 1883, Luis
le de Almeida Ramos; machine denominada-Des- Terragno; sinetes denominados Photometali-
caseador eeonomico.
S N. 46. Deereto d 21 de abril de 1883, Jose N. 88. Decreto de de setembro de 1883, Fran-
Coelho Barbosa; tubes eseoadores. cisco de Camargo Pinto; systems de caixas de la-
N. 47. Decreto de 21 de abril de 1883, Antonio ta pra acondicuonar herva mate.
i- Augustu doe Santos Luzes; system de estabele- 4. 89. Decreto de 6 d setembro de 1883, Jos86
" cimento8 balnearios fluctuantes. Moreira Pinto; system de base indestructivel
s N. 48. Deereto de 21 de abril de 1883, Cesario pars assenter os trilhos dos caminhos de femo do
So Gongalves; apparelho motor hydraulieo par& pe- via accelerada e ditos americanos (bends, tram-,
dorIe s a pahani elho moto hyd au.i pantac ^ ^ d in-
a- quenas induatrias. was). Decreto de 15 de setembro de 1883 A-,
a- N. 49. Decreto de 21 de abnl de 1883, Alexan- N. 90. Deeto d 15 d setembro d o 1883, An-
dre Graham Bell; melhormsmentos nas tramac- tonino Alves de Castilho; preparao par nmatar-
a- 95es e receptores eleetricos. formigas denominada-Tanajureceda..
v& N. 50. Doereto de 9 de junho de 1883, Antonio N. 91. Deereto de 15 de setembro de 1883, Join-
in. Alves Ribeiro; machinismo pars facilitar o de,- quirm Antio da Fonseca Prata e Antonio Joaquim.
de easeamentoedo ca denominado-Desecsscadorc;- Marques Peixoto; oleo para pintura, denomi:=l'
rangolense. --Oleo mineral.
No 51. Doemeto do 9 de jusho do 1883, S.S. N. 92. Decreto de 15 de setembro de 1883, Ma-
a Sfdindler; proveitamento das folhas do eafk eor noel Antonio da Silva, forro caracterisado pela
Sas uiers odbtenm-se bebida, a qlueo enomino-Ca- coll do canos conductores nas n suas extr6-
i s- de o-inda d i= e ao qual denowinou Form SilS-*v
Bo panI aroe.imnt de ve~iduo, do eesaii
a a N. 52.Decreto de 16 de junho de 1883, James pan aprovoitement o esiduo d r ab
ta- Livers y Joshua e James Hidil, ;'a Brmeto' dtetembri dedl J
- os ap arh de 1c, deotinado a augmentr e 9,Q& Docretode 15 dostbr 188 ,J
an- -derfe asubstamn ioepelomprego Autbod& Feus ca P ea) atoi J
.... ,n.. t.0..n ,.I s Peoixoto, yernijsza aotquaf de


dam 1883,
kniar: ;me


A'
a


* a


w
-^iA
-.'.?<:

:; *>*:*^1- 111.;1.

^"*^.l^i:-
*v".^ ; .."',''*'ft:'^
'."*1" *!l;"":*l -^?:;^i:i?.
J*-l
"' ,Wf .**'"" .Wt.-


-4'.


John





















































o as-


naco, a qu etd-
o4e 1883.


,taria daPoll-
a6ode 1884.
asV. Ex. quo
.#sa de Deten-

Revoredo, eomo
crim. ; e Julio,


mscvo o e osIe naI. cioe 2a prw "wauuar au-
zet6 a as, ea^*fta^| ^ se _.r
X ordemdob gido3doBecife, R. C. W.
Rasthy A reqerhn do consul da Allemanba.
A! ordem do de S to Antonio, Zeearias Fran-
cisco das Cbagas, por distarbtos.
X A ordein dode dPeres, tinhor Pereira da
Silva, por crime de fjrto.
A' ordem do da M agdalena, Jos6 Martins da
Uva, por distrbioa,
0 individuo de nbie Joao -Machado Bevredo,
de quem acua trto i hontem ca turado pl
elega4e do 20 4i~rioto 4 8. Jos6, Job Perei-
r Basto",prouwninado Comoiineursna1"penas do
sa't. 205 do cod. etrimn, po6rhavereao gravemente
win urn tire de revolver a Thereza Sebatima de
Alencar, facto este occorridO no di a 11 de Mar
do anno indo.
Dens guarde a V. Exs. Illm. e Exm.
Sr. desembargador Jos6 Maoel de Freitas,
muito dignopresidente desta provincial. -0
S ciefe de pocia, Raymwdo Twdorico de
(Cstro e 6ilva.

.0.



Verresp@dReladI o 4 DiMlo de
,,laBode


PORTUGAL. LISBOA,
1884


Na minha de 29 do p
Sr. conde de Casal Ritb
os diguos pares eonsorv
tra o project de lei 4
rindo aquelle estadists
eqafianca d'aqueles pr(
vo partido, cuja denoni
UiP aL. Este- nucleo1
s idoos dtssidentes
d inbas as casas do
alvo dos epigratm ase
benevolos da imnprensm,
e'm o sobrique de nova
Patrulha chavanmamn an
sirtas e as regenerador
.a political ao grupo w
eonselheiro Jos Dia
O:Sr. conde de oaOsl
to las as opportunidad
ragoes muito explieitaa
S o do novo pa o pO
I'm Parar n$O 6 moe
o illaustre estadta ha
-t. Faoi urnma b beS
TUrns chuva de com
sa rgeneradora cahia s
liaie a, tentando jiisvil
tido coam que ellas havi
0 Dia-rio I'opuar,
Marianne deCarvalho,
lb oppoSlto vleo pprev
x'aelsqeha asserco ha m
quand o se reavalla nai
a march& da admmnistr
o ponto de vista finan
ais urgente fzer det


Stendo a
ivoes e
escrevii
- fteoine
tandecc
anente s


7 de maiole de


sado lhes referia com ao
o se tinhamn aggregado
ores que votarmn con-
fonrnas poiliticas, decla-
wver sid o honrad corn a
res na a resAdir so no-


vamente apresentadas tamibem canmars as ap-
prvou. .. .:
Na Camara dos Pares deve entar em discus-
do eslte assumptodentro em ponucos dias.
A proposta do governor para 0e e do
18,000 contoe para a conholida* o da divide flue-
tuante, approvada ji na eamars popular, .-
jecto de largest e prolixos debates na Caoar.a do
Pares, servindo deo pretext para se discatim m-
sumptos que nbo teem relaco algumna eoca ar-
jecto. '::
A imprensa ministerial tern gritado mlaito con-
tra o obstrwdcinimo que diz estat-se enpregando
n'aquella camera par& obsar on regular o expdi-
te andamento dos debates. Seja assim, seo qui-
zerem; mas pareeeme Oque a imiprensa regneraf-
dora, que tant o folgon em 1881 corn o stem
obstruccionista que ainal deu con o gabia4e o-
gresists em terra, nao tem L crandesdiFretos a In-
scrgir-se contra as delongas das discusses parls-
mentares, sobretudo qnando nao 6 fact averigua-
do que ellas provenham d'umn parti prife tado
pelo acsete, conmo aquelle que to aco&etado se
tornon ha tres ansa. por parts da opposigA& r*eg-
neradora, sobretudo na eeleborrima qso.sho dos
coroneis !
SAnte-hontem entrou em diseousslo na Damara
dos Pares o projeto' de lei (approvado j nau on-
tra camara) organisando o quadro daPeniten-
eiaria-central.
Os ultimos acontecimentos do Lioeiro, fizeram
comn que alguns pares da opposi*o, que tenionema-
vam ao qe paree, impugnar caloro ament o
project, o na o. fizeasem; porqu e indispesavel
acabar com as scenas hediaondas a que tern .dado
lugar as condice iM posiveis em que se encentra
a velha cadeia do Limnoeiro. Ha dias um eclera-
ddo dpeior speci ia matando o general P
director interinuo da cadeia, e ferio gravemet
um tenente do exercito, filho d'aquelle general
quoe acadio em dae, de sen pai. A'ubos se acham
de cama, o primeiroe corn series ferimentos teitos
pOr navalha de points e mola, e o segundo corn ti-
ros de revolver.
Os tiros que o tensate disparou em legitima de-
feza, nba forum e i asdos. A' coragern epro-
senga de espirito do b da guard a do Limnoei-
ro e A firmeza e subordinabao da tropa as saas
orders se deveu naoter tid o outras consequen.ias
o coflicto, on iwte revolt em queoreteadiam
envolver-se tambem ontros facceinoras, que alM se
acham aepumuladoa em eonvivencia corn prese
de penas meramento eerrecdionaea.
0 Limoeiro serv i unicamente para esta ulti-
ma elasse de press, feitas as repirasoge o me-
Ihoramentos wd qoe At careeenoono sob o petodedo
vista hygienlco, e s condeonados de reoponsabi-
lidade rseo re'ovios para a Peniteneiaria-cen-
tralisto66, pars apart. d'aquella carisaitna edili-


reidido pelo Or. Ben unoa p *a "* u m
=al a constrairarn, quo urna part daq
temrn aproveitado e difcle m no p e s habl nerA
miar, em d.e.la- se4 i n mese us reat, p orqu ares
ia e organla- i gat aindo nle aio enluido.
Interinamente fobi pnmeado direeto-
Ssalvar disia do Limoeiro e uio de polieia
Sna camar al- horm e valente, mas n o exagerado em
Scores, que emais procm do quen sub
Saa impren- queules misemveso. ot isto a que sue
las palavras fa-- as vexaos excesadas que Ihes fais,
verdadeiro sen- boa vontade de acertar, *6 general Ca
roferida& tinhi substituido o Dr. Ag 4st5ho da
thor dizer, o Sr. relaxismo diseiplinar e abandono do
tolocadono0p- tinha feito d' ill urn verdadeiro a
dam te que faz meoedp faa, ode fabricavamfir
6 Parai, trodasiam armas de today a eapecie, ha
a, 5 *a sa~lvao de mais a mais, eptre os press, gnzone=
a entire n6s, sob tas que emprestavam i para fr, sj
1 que punea foi quantias valiosas, eoo se veriicon ame
dero d rgnifi- oa famigerado Prelade, que um outro
tl ernpromet- sassinou a facadae.Itdentro. Umsven
pelos enase- vera de Caeo I E' r tudo ise, F
4itos. project que organs0a s quadros da Pe
ekvador-liberal, fol hontemrn votado sem opposing import
ic iommoda Na camera dos deputados foi vota
Sque Vao s"es- melos c tambem o foi o projeto da r
b -ria& Fckil- do corpo de marinheiros militares, I
0 tanto porque combatido pelb Dr. Mariano de Carvalh
^eg ^ V Shows Hontem eomegou na emaraa doa
4** din-^W a deiscssbo da reform do exercito quo
tes temtodo o emnenho do faoer a"


pordida de urn a*yo de aventuras que passou Oei-
ando o noe po vinciado aos prngressos
Ido'fii..p muudo WOM L '''
Dei mente volto muits vezes, e a p na
I es p ens
que tenho, 6*o poder A T r tambern ma chou-
pininha de cflrao, coin a-s de cortica, rude,
agreste, corn as rosas de ml o a espreitarem-me
pelas.frestas rustisas e as madresilvas trepando
pels modestissima port do meu palacio pastoril.
mr idylo, U idyldvoid tou eomIo se coats
no Pal*-Duo de oaecoq.
A proposito, a companhia franceza de opera-
eomica ehama todas as uoites ao Colysen (o circo
transformado em theatre) cerca de 3 a4 mil pes-
seoas.
S. Carlowvai reabrir corn umas companhia tam-
hem franceza de canto.
Hontem A e. no circo, novammnte redusido a
ireo, zsersanpoi tralhoas os socios do
RSeai yMaao Ch todo s is rapaes sd boa
roa e Us melHo fifiaa, queJAs ae apremen-
a melhor do que os artistas eeutrests e acro-
de profiss&6. Um Aeirio e chamadais e
Oorose ranoa, palwas vivas e bWavos! l1
E' sempre assim quando sppFOWm ao public
pvido de os victoria, porquw 4o dies os preeur-
sores deounmsraa forte, arrojada, sadia, agif e
honesta e capsz das maiores dedi aoes comotudo
que nao e pusilanime I
r, ueeia- o'd
Equeci-me dizer-lhes que entiree n6s, esta
Sr. Kugger, president da repblica de Trans-
wal que deo-de levantar urnm emnprestimno n a
oanda, de visitar Lwnres e Paris, vem i onfe
renciar corn o govern o portugnez so breo acai-
nhode ferrode Lu oues par Pretori
e vineular tai m aa de amisade e opti-
rins rela94es acomaqreaes em que deseja viver
eornoco na qugla do born visinho deoAm
parto important dao nossas colonlas afrlcaaSk.
0ri banqueteou -o a e os seeao s ministros e
comitiva.
A Sociedade de Geo*raphia vai dar-lhe umjan-
tar, discursos, e rhetoric e quo 6 aiida mehor
:o que a rhetoric, umn psseio fluvial no Tejo de
accord corn a Associao Commercial de Lisboa,
sendo o cortejo compost de oito au des barcos a
vapor corn bandas d e musis, senhoras, illmina-
oes veresianas pars quando anoitecr. Bar-
arolas, cantos chores, urm desunbramento foati-
yal que a sitaI ia deste inom-
paravlporto Ihe devo tormar muito agradavel.-
E fioe-mre hole Dor au Bern uraeoedor tenho


P. 8.-


L el-rei


as que n'estes ul imos aas tern
adon p8r em liberdade mais %l-
ie e achavamnas prisues de 8.
suspeitos de cumplicidade na
419o; mas ao mtsino tempo que
os individnoasjalgados innocen-
elbas outros de queen a policia
w coomproeiottedoras. Ha quern
que a conspirao, a soltura de
sea pris de novos republi-
r*nqjo oleitoral emrpregado pelo
,parsadecidir os habitantes a
idatos conservadores. Nio se
to mais qae o process nlo 6

Ls nota-se liHgeira desconfianga


A catastrophe de Aacudia, continue a dar lu-
gar a deseneotradas verses.
a Tudo pornm leva a sorer que o comboyo entrou
us ponte jA doscarrilhado, on que descarrilhou
quindo o-atravessava, fact de que proveio o desi-
quUilibrio, queo to triste res aultado teve.
0 estaremn cgrtados a machado em 27 kilometros
os postes telegraphicos nao se comprehende muito
bem.
w Para um attentado d'esta ordem sao precisas
muitas horas, e as commnunicaq4es telegraphicas
interrompem-se cortando-se aponas o no. AM6m
d'isso, estando cortada o telegraph n'essa extenslo,
comao sahio o eomboyo de uima estago, serm avisar
a estacao iminedirta e receber o signal de enten
dido?
4 Eats pergunta s6 fits por nmjornal hespanhdol
que nio obstante ser da 6pposigo nUo tern reve-
lado n'este assumpto a mais ligeira parcialidade.
a As folhas governamentaes insinuam que ode-
sabamento fol intencionalmente preparado, e que
os autores da catastrophe slk os revolucionirios di.
rigidos pelo Sr. Rui Zorrilla.
pmA dis qui 9 goveruo sabia que os re-
volucionarios traTavmi d iolar as povoacoes qua
pensavam sublevar por meio de cortes nas viae
fre a e ontinuando a referir-se ao lamentave]
acontecimento, diz que bandidos, ou malfeitores
vulgares nao praticaramno nefando crime, porquae
nio boave ronbo, nem ppareceu pessoa algums
de que se podesse decona .
Guerra nao ha em Hespanha nemo civil, nem es-
trangeir a e 6s carlistas quando destruiamn uma
ponte, avisavam a tempo para evitar as desgra-
as; quem cortou, pis os postes e a p%)te, pre-
ranado assimn o mator crime que a Europa desdo
os tempos barbaros tern presenceado ? pergunta
a f6a citada.
E' o que falta averiguar e as informac.es sdo to.
das tiocontralictorias que difficilmente se cheoari
a urnma explicaelo aceitaveL
0 que desde ji se sabe, 6 que o governor con-
fessa, plos sens orgas da imprensa, que sabia do
$aW dos revolaeioAnrios relatives a inutitisiAo
das omrnunicacoes por via-ferresa,' pareeend 3 im-
popsivel que nio houvessa podido evitar o desas-
Ire qaeuo hoje constitu e o object de todas as conver-
ea"4es no visamho reino.
E' muito de supper que o desastre fosse ci-
sual e devido A m eonstruc io da poate, ou o des.
cambamento, e queo governor neo podendo ressus-
citar os mortos, quer ao menos explorer, eom c
aconteeimento, o medo dos vivos inaugurando sen
opposiAo formal, urna politics repressive fundada
na necessidade de evitar que o socialism europeu
estenda as suas negras ass a Hespanha.
a A objeclo de que os eagenheiros deelararam
nao haver sido casual o desabamneto da ponte,
oppomo o exeiplo recent das eleicoes em que
houve apresal.
Seumn governor obriga a quasi totalidade de
urn corpo eleitozral a votar em determinados can
didatos, como no ha de ter forca para levar 0o
seus engenheiros a darem uma infbrrmacAo no sen
tido que mals convenha a sua politics
Seja isto dito em boa paz e sem a mais lev
ida doffende r os peritos que examinaram a
ruins da pont, se 6 qae a plonte esta em ruins
S -Os cado do fora maior so grandes attennan
te ainda nos maiores crimes, algumas vezes d&o
alt a absolviVo ae aceeusados e a presebo dogo
verno nas circumatancias etues da Hespan
constitw UaNm caBodefrga rmaior, prfeitamnenti
justificativo, de qual er procedimento menoa
oasencioso doe ag eiros. 0 espiritode elas
se, bo a camaadagem tambem podem muitas ve
zes influir em assumptos d'esta orden. Repetin-
do que a nossa hypothesenAo envolve a minorin-
tengro offiagsive, muspondqeunos jusiquor-aprecia.
9o ga qoaegovano do Madrid, to'conaecdo
dos ptous remOluciomtrios, diga nuae form oi
av qe rairam o hedondo attentado


'I:


mhpaontinuamn a si


or pou


falla-m de novas
ei6rte de urnma outra
telegraphias, pri-
-que a naio amr e


Srave..


corres-


nalmna


correspon-


o re-
Lon-
:,],A--*


sOu aepois aquenaa cduae,
governo para tractor do
ron na. Camara que a pri-
eto franeez A nota d a In-
a termos inais amaveis, e


S0 principle de Bismark reeonheeendo que a ena
amea a de a uedonar as redeas do governor nao
prodazio o effeito desejado, isto 6 que o parlamento,
para impedir essa reosaou; preojudicii p-a- a
A4ueau4i, espeoialmente sob o pouto de vista da
political exterior, nao se decidio a approvar as leis
propostas pelo chancellor, retativas so socialism
do Estado, political que o prineipe preconison ha
muito, inventor agora outro meio de pressao mo-
ral. Propoe.so agora oSr. de Bismark a refor-
mar a Constituio e faz insmnuar peles seus or-
gaos na imprensa que se o Reichstag o contratia
muito nos sous pianos, darA um golpe mortal no
pariamentarismo, que eutende desnecessario, e tal-
vez nocivo ao grande imperio alemao.
Nio nos parece que o chancellor de ferro so
atreva a tanto, e muito menos que o imperador
SGil h'erme I'o eonsin.a.
0 balto toi laneado ao ar, mas o resultado das
observacoes feitas sero contrario ao pensamento
do primeiro ministro da Alemanha.
Attribue-se ao prineipe de Bismarck a intenelo
* de resescitar o conselho d'Estado prussiano, que
nao funccionava ha trinta e cinco annos.
SA Nordentehe AlUgemeine Zeitwung, fallando a
este respeito, diz que o conselho d'Estado nao dei-
xou nunca de ter uma existencia legal, vista que
t nunca foi decretada sua suppressio.
Segundo a folha officiosa, o governor real n3o
entende que seja necessario uma lei para ressus-
citar o conselho, julgando-se no diretto de o con-
) vocar par uma simple media administrative,
prehenehendo, por meio de nomeagies regulares as
Svagas produzidas no seu seio, depois da ultima
Sretuiao.
1 Em apoio da sua these, a Norddentsche AIlge
Seine Zeitung lembra que o Annuaria real nunca
r deixou de publicar a lista dos membros vivos do
Sconselho em questio.
Eta assemblea comprehend de direito os prin-
Scipas da familiar real, maiores de desoito annos, os
narechaes, os ministros em actividade, o primeiro
president do tribunal de coatas, os ehefes dos ga-
binetes civil e military; eonta alm disso, nove
personagens designados peias suas elevadas func-
ons, u pela sua competencia official, emfim, os
generals exercendo commando, e os presidents dos
tribunaes superiores das provincias ten n'elle as-
sento e voz, quando se encontram em Berlim.
Para apreciar o sentido d'esta restauraalo dis o
Temps, referindo-se ao mesmo assumpto, 6 precise
Ssaber o que era o autigo eonselho d'Estado pris-
siano.
Creado em 18u8 pelo Barlo de Sterry reorga-
nisado em 1817 pelo chancellor Hardenberg, era
depois do poder real, a engrenagem principal do
organilmo governmental. Os ministros estavam-
Ihe na realidade sabordinados, vinham defender
os sous actos poeiante o conselho, que exercia a
Ssen respeito um direito absolute de fiscalisa*o, e
de veto.
Na sua formal primitive o conselho d'Estado era
pois um verdadeiro conselho de governo. Seme-
lhante instituicao nao podia subsistir cmn um re-
gimen parlamentar. A sua autoridade devia re-
partir-se entire as camaras, e os ministros respon-
saveis peranteella.
Assim a introduced do system representative
na Prussia, poz term ha muito tempo a autorida-
de do conselho d'Estado.
E' esta a instituicgio que o Sr. de Bismarck
qner restabelecer pocdo-lhe A freate o herdeiro da
corda, e constituindo-se ele seu vice-presidente.
.Facilmente se suppoem as consequencias d'esta
media.
A primeira seria a deslecacao do poder executi-
Svo, que passaria do ministerio para uma reuniao
L irresponsavel de prineipes e funcionarios; a se-
Sgaunda seria unima nova reduciAo da influencia do
parlamento na marcha dos negocios, influencia que
j hoje como'se sabe 6 muito restrict.
Os projects de lei baixariam completamente
elaborados de estado, ao conseiho de ministros,
que passaria ipso facto, a uma oathqgoria inferior;
o Laedtag nito teria depois diante de si, se nao
Sagentes despidos de autoridade, e conseguinte-
mente isentos de responsabilidade.
Estes projects concordam comn as intencoes at-
tribuidas ao principle de Bismarck de deixar a pre-
sidencia do ministerio prussiano para tomar a do
e conselho de estado.
Par detras d'esta nova dignidade, exerceria o-
bre a political do reino uma accia tla podeosa,tao
" directa, como agora, sem ler os ataques, que tanto
o irritam de nuna opposi94o parlamentar.
Russia
e A'cerca da reapproximacao entree a Russia e a
alliance austro allem, da informac3es dignas de
s piengio a carta do correspondent da Gazeta da
i. Slesia. Este iornal gosa de certa autoridade na
imprensa allomi
Segundo informacoes obtidas do fonte complete
. mente segura, a reapproximacao entro a RJussa e
r as dons imperial do Eu a central, produzio-se
3 tpueo tnmpo depois da morte do prnoipe Gorts-
) cakoffo ease faor foi provacado par ease memo
diplmat, adespoito dos suas inten9oes.
. ?xaminando os papeis do failecido, o Sr. de
Giers encontrou a correspondencia tracada entire
s oprineipe de Bismarcke o 0principe de Gortasba-
i koff; ce spondencia, que se nao era completa-
- tamonte official, tainbem nao so revestia do carac-
- ter partiriular. N'easas cartas o Sr. do Bisinarek,


vrnounha 6Russ ligar-se estreitante con a
eia-. Allemrane, e i'sto n'numa poca em ue a allianga
ia que aj stro alleMA nao e otia concluida.
miarwr 0 principle Gortechakoff nao dens conhecimento
1 I a ninguean d tal c3rre^pondencia. A political des-
ate de to diplomata cnsistia em nao deixanr estabelecer
verdadpeirainent erande confanca o ntre a Russia


27deabr4, es Allem
de cabi- esta eonr
>m p 1rte n clear fleoi
Dsto do anno qae o pri
toi hlieapas- .eam a
uma anmisa- eem A v


mu


a rea


i


0 SB. PITAxGx-... respondera a um aparte di-
zendo que S. Exc. o Dr. Adelino Freire precisaria
em consequeneia de sea estado nervoso de tomar
bromureto de potassio. S. Exc. Ihe respondera,
aceitando como ridieulo o remedio que lhe dera
aquelle qae discutia, Dhe respondera que S. Exc.
precsaria de ferro em brasa, porque desde que S.
EPoc.fizera um a applicaco ridc- a a um deputa-
do, deixara lugar a que este Ihe respondesse to-
mando a desforra que lhe p.iecesse rasoavel.
0 Sn. M &mA-Nao com insultos.
0 SB. PLTAiiGA-A resposta foi na altura da in-
dica ,
0 SB. G6.s-- nobre deputy o Sr. Dr. Pitan-
ga, que 4 medico, A ques p6de saber se houve in-
sultoa.
0 S. PrrINo.&-- Eu caton aqui, nio como medi-
co; eaton como V. Exc.iPti n'esta cadeira, e 6
n'este earaeter que oecupo lugar de 20 seere-
tario.
.Eu teuMh o direito de dizer o que se passon,.
porquqe sendo.encarregado de historiar o fact, nko
querendo en fazer pesar sobie S. Exe. o motiyo-
e a causa da suspensao da seselo, nern tso pouco
sobre aquelle, declare a S. Exe. o qae motivara 0.
cenflitra. dls d: -nne estando na mesa a vice-pre-


SeeS
ciade
Ma.r0
foram
.A Mb


I



I


:.Esse e~alofoi aponas irnigorlo. 1 |:
-De qu e servirA ao ministerio egypeio disCatir, e-
resolver se kInglaterra 6 que mind ? 1:
Quizeram os ministros arrogar a sia o p*pe do-
poder aetivo, quaado nia sao main do quopder-
pewive, se assun se p6de diser.
SA Inglaterra nao s6 deizou ao abandon Khart-.
turn e Berber, mas at6 impede que os soldados
egypcios vio soccorrer o general Gordon, repre-
sentante inglez, 6 a suA idea prelxa, 6 a disio-u-
9ao do exereito egypcio. Nestas ceircumstancias
os conselhos do ministerio egypeio, nuo podetA ser
tomados a s6rio.
A situacao do Egypto preoeeupa neste miomento
a diplomaeia europea.
Ha quasi dous annos que os negoeios d'aquelle
paiz sao dirigidos pela Inglaterra, A qual as gan-
des potencias, quizeram deixar o cuidado exclUsi-
ve de levar a eabo uma empreza devida A su:Lini-
ciativa.
Mas as cousas tmrn chegado a urn ponto tal, que
a Inglaterra, apezar do seu tradiccional egoism-'
e exclusivismo, ja peusa em substituir A sua ac.o
isolada, o concurso e o apoio das outras potencias.
Para esse fim o governor inglez acaba de dirigir
uma nota identical aos demais gabinetes euro-
peus.
0 dAsejo do gabinete britannico 6 consultar os
governor das grand-s potedieias, acerca de diver-
sas medidas a adoptar, para resolver a questlo fi-
nanceira. A maneira como a consulta hade ser
feita, ainda nao esta assente, mas, quer tenha lu-
gar sob a forma de conferencia de embaixadores,.
ou sob a de negociaVes de gabinete a gabinete, o
tacto terA sempre uma grande importancia, e sig-
nificara, por qcalquer modo que se encare, uma re-
Sconsidera*,o da Inglaterra, para nao dizermos
ama confissao tacita da sua impotencia para arcar
corn as difficuldades, que os ultimos acontecimen-
tos lhe thm creado no Egypto.
A situaco deste paiz 6 hoje peior do que na ves-
pera do bombardeamento de Alexandria.
Nenhuma prosperidade material do paiz, ne-
nhum desenvolvimento das snas instituigoes, ne-
nhum acerescimo de commercio europeu se p6da-
notar no Egypto, desde o e3tabelecimento da tu-
tella ingleza nos dominios de khediva.
Urn levantamento em massa dos arabes, ameaa
o Egypto de urn desmembramento, que seria tam-
bern fatal ao progress da civilisaclo europea aa
regioes equatorias da Africa. As despezas feitos,
corn a guerra do Soldlo, juntas aos encargos ja
esmagadores da occupaco ingleza, endividam o-
thesouro egypcio e affectam, conseguintemente, oa
interessesdos credores europeus.
E' este o quadro! foi isto o que fez a Inglater-
ra em done annos de tutella.
Porque nmgaem esperara, de certo, que o pessi-
mo estado das finangas egypcias, 4 a consequencia
dos acentecimentos politicos posteriores a confe-
rencia de Constantinopla.
A imprensa europea continua a occupar-so
da confereneia cuja reuniao o governor inglez pro-
moveu pars. resolver a questao financeira do
Egypto. I
Parece que as differences potencias que a tal
respeito foram consultadas, todas adherem A ida.
da conferencia ; mas, que variam os alvitres quanf
to A extensio das attribuigSes em que ella deve ser
investida.
A AUllemanha e a Austria pretendem que a eon-
ferencia sc occupa umcamente da questao finan-
ceira, isto 6, da lei da liouidagao da divida publi-
ca, corn excluslo de qualquer entrada no terreno
politico.
A Frana, em obediencia ao aphorism que exi-
ge boa political para que possa hayer boas finan-
9ae, quer que se tracte em toda a sua plenitude a
questao do Egypto.
A Russia suppoe-se que se inclina para o pare-
cer da Franga.
Nao ha novas neticias do Soldao, nem se sabe o
que tera succedido em Bei her, nem o estado de se-
guranga de Khartum.


PERIAIBUCO

Assemblea Provincial
41a SESSAO EM 29 DE ABRIL DE 1881
PRESIDENCIA DO EXM. SB. BARAO DE ITAPISSUMA
(Coatinua9&o)
Vein A mesa, 4 lida, apoiada e entra em discus-
sao conjuntamente corn aacta a seguinte emenda:
N. 1.- Accrescente-eo, depois da palavra -
levantaram--o seguinte: por casa de umn apart
dado polo Sr. Adelino Filho em relacao ao orador.
-J. V. Meira de Vaeconcelos. s
o Sr. Praxedes Pitanga (20 secretario)
Sr. presidente, a emends nao pode ser aceita
porque S. Exc. s6 deo calor a discussed (rcferin-
do-se aso Dr. Meira) em eonsequencia de urn apar
te que lhe dera o Dr. Luna Freire Filho, e isto o
fizera em resposta a uma indicagao medical, que
partira de S. Exe.
0 SB. MEIi -Mas que nao da lugar a uria of-..
fensa.
0 Sn. PLTANGA-S. Exc. discufia o projecto e no
calor da discuss.o...
O SB. MEIRA-Estava frio.


, /I


I"%3


V
I
































!o-


desutes
norma
-queria
VamaW
to, am


&RembRa, eram do* -dominio do pu-
Sr. pr~wesi,-'secitar rem-edio a um
Luaem fbi r tar mo a sa. sues pi-
hnt*- S. Eie, vaesbou claramente- que
o dirlgi-se A oAumilde pessoa do ora-
Y a-awoopa a vossa zltten.0o.0.
;rar i'estaeceas desejira quoe cada umn
g03 parlamentares -viessem dar-me a
)rvceder e discutir estas materias;
I3. Exes. me dissessam como se eleva-
%sWesn'esta case ; mas, Sr. prsiden.
covr ellen muitas -vezes a doWer a
ividuaes.


IiNunes absohutamente tive oceasilo de trocar pa-
lavras menos amaveifs corn qusquer dos enores
deputados, sema qo e nao fosse enttetanto para isto
provooado.
Ainda hontem quando retribuia aquillo que me
quizeram lancar em rosto, aquillo qae quizeram
dker de mirm e que entretanto devia deixar de la-
,do, porque absolutamente nao toca a minha pwssoa
pois que se a minha vida public 6 bern curta, as-
* tA todavia patente aos olhos de todos e peno aos
nobres-deputados que me aponntem uam s6 fact
-d'ella que me faga corar, V. Exe. vio o que se deu.
(Trdcam-se apartes).
r0 SR. Pa29s8-TE-Pego ao nobre deputado q e
discute a acta.
I0 Si. LuxA F& miw JuNoI--Mas, Sr.presiden-
t, e, aprendi corn os nobres deputados a nio me
-collocar muttas vozes em discussion eandigna que
deve ser agitada n'esta casa.
Quando pela primeira vez p.1di a Valavra para
jtutificar um requerimento, reqaertimento maito
srio que tinha relaclo immediate corn interesses
da provincia, V. Exc. e a casa benm se lembram
da maneira porque foi encarado esse meu reque-
rimento per esta bancada conservadora, nlo ele-
S "vaam o assumpto a altura qua eu quiz eleval-o,
.. procurando atM6 per todos os meios captar a atten-
-oio e a benevolencia dos nobres deputados, no ;
agao fizeram isso, e o ridiculelo quo quizeram lancar
na a discussion niao cahio sobre mim absolutamente
porque tratei a questao convenientemente, mas
cohio sobre Ss. Exes.
(Troeam-se apartes).
O SB. Pasm.ENT r-Peco ao nobre deputado que
discuta a acta.
O SB. LuNA Fawna JUNIOR-Mas, Sr. presiden-
te, ao discutir o nobre deputado polo 2o district,
eu disse que a maneira de qualquer individuo en-
-carar certas questoes, dependia do seu tempera-
-mento, da sua excitanlo nervosa.


d imi *iOt*os "rtioUaVS-O s pro- kwniii.i;0011M d _oan-
a -- ;qoejbre de-
tome~~~Ee *m i uo~o ~ i ~e tivesse oudido.
flenrao tost~e. s ^ gae os;.^ 1a e ueAn 0 8- t 0 S ae -JA dise. qua nao tvn iatwe i 40de


jEittriet fi pimewist.o a'drumebpdep d-o.
VoaoAV!. E0 tempuv N.do-mntitarie ;t 0 B. Limr usmB~kmzoB-Seporventursa Be-
da0 S&. lueA PaaiB m iJnaB-Pao n es, eade umo s quer at enu s a po bilida4 ADno i- 1


a sit. L mA ma opinives. 0 Sa. LuA, F as umt a -S S Eespn i. di *die
do nobmea deptdtads teamum papo rais elevado; cidente d ho atem a noo que ella e a. dVidi-
q0 xasammptos *dest& AAsembla- o taoA6impor- da; que sejam denuneia m os verdadeuro auto-
tanteos, quno odeixmn maergem a diseusos aeindi- mres do incider nte s Conseguintement a casna
viduses. Eatuetanto o nobre deputado pela 2' podeo deixar de ineluir na et os name do nobre
distrieto feoi o primeniro a dar um exempio eontrario. deputado.
Eu nao peaderideiar deo aercompanhar a S. Exc., u a. uutr.-S i que p eo- reclmtei.qom lva
dade que se referee a minha pessoa, e de medo eestA -ubtendiUdo.
algum As ninhas opiniem.h 0 Sa. LUNA FnEima JNuao -Be S. Exc tiveese
O Sn. MIKam da um apart. aproseutado a emenda neate sentido, en seria o
o Sg ui A Pnata JcO-ami-Sao palameuntateme primeiro a approval-a ; mas, desde o que so 0o no-r
aritigos, slo homons cujas cabeas teem os cabel- me nioefigura antes do meu, acho que a emend
eI embianquocidogt (oqu e send nuitasY ews o nio p6de ser aceita pela cas.
reflexo do 'pensar, tambem muitas vezs o signal UKe S. DEpuTADo-t Ma. o apart do nobre de-
do eseandocimento do cerbiero ;) de modo qu e eu putado nfei que. provouas recamaes.
esperav queo Ss. Exes. me indicasse o ecamiahe 0 Sn. LsunA Fbresiu JuSio Ma s qual foi a
a segui n'esta casea a miequanune tomA causa do men apart? Foi o (que disse o nobre
partonadaa discusoes d'esta .As4seslda. deputado referiundo-se A minh pessoa.
O- Sa. PasiwRoT-Pe9o d eeo noe deputado que Digs-se portanto quoe a proferir en urn apart
discuta a actea. em respostab aumapiroposiae ofensiva eo pessoai
0 Sn. LuxAs Fyese i JuxIoB-Ban; mas, Sr. pre- que me diritio o Sr. ?aira de Vasencellos teve
sidente, voltando ao incidente, auo havia absolh- lagar o incioente. E tanto isto 6 verdade que al-
tamente razi o para que se levantasse o nobre de- guns do s nobres deputados da baneadea liberal to-
putado que 6 considerado como aquelle que degta maram a minha defeza. Os nobres depatadospo-
bancada vai abrindo caminho As discussmos desta dem dar testemunho disto.
Assembl6a, que o 6oatant sapeur... Ditas estas palavras, eatou conveneaido qu e esta
Ux SR. DzPuTA.Do-Eu admire eomo V. Exe., Sr. Assembl6a nao pode nem devo aeeitar a emenda
presidentt. cosenteo esta discussion; se fosse. e do nobre daputado, porque ella pretend i ugir A
que por eata form estivesse discutindo a act&, responsabilidade, deizeudo-me s6 no campo da
quantas vezes teriajA V. Exe. toeado a campanhia. responsabilidade.
o SR. ParaswowTim-A censuta quo o nobre de- 0 Sr. Densocrito Cavalcante -(NIo
pntado me esta irrogando nioe tom razio de ser, devolveu seu discureo).
porque eu teniho coastantemente chamado a atten- Vem a mesa 6 lida, apoiada e postal em discus-
cao do orador para o object em discussao. (Apar- silo corn a acta a seguinte emenda :
tes). I N. 2. Logo depois das palavras : Passou-se a
0 SR. LuOA FizrzE Jumroa-Sr. president, di- ordem do dia : diga-se: 0 Sr. Dcmocrito Caval-
zia en que a maneira porque me manifestei nesta cantc, pela ordem insistio no sen pedido de ser da-
tribuna nio dera motive algum para levantar as do para discussilo come projecto de orcamento pro-
iras do nobre deputado e obrigal-o a dirigir-se vincial, o orcamento vigente, -na forma do art.
contra mim. 143 de regimento, visto a commissao respective,
0o SR. MzIA da um apart. i nao ter ainda apresentado seu project ; e bern
0 SR. Lu,& FaEIBn JUNIoR-Nem esta bancada, assim que a mesa pena A commissIo de orcamento
nemr aquella defronte de mim, podium absoluta- municipal, que traga o seu project. Per fim o
mente fear magoadas corn as palavra que en mesmo deputado pedio que fosse dividido em duas
proferi, porque, Sr. president, eu quiz simples- parties a ordem do dia para figurarem na la so-
mente ternar saliente um fact ;-que muitos dos monte os orcamentos e a forga policial.- Demo-
nobres deputados corn a apresentag9o de suas crito Cavalcante. ((
emendas, que provoearam o incident a que me (Continda).


RIELATORI0 Abril 80,478 Abril
Maio 58,858 Maio
Junho 25,878 < Junho
DA DIRECTORIA DA ASSOCIA9XO COMMERCIAL AGRICOLA DE Julho 11,068 Julho
PERNAMBUCO, LIDO EM SESSXO DA ASSEMBLEAl GERAL DE Agosto 13,029 (( Agosto a
14 ABRIL DE 1884. ---
1.229,579
SAFRA

A nossa agricultural da camnna foi na ultima safra ESTRADAS DE FERRO
grandemente animada, quanto a quantidade do product.
Infelizmente vendou-soe este per pregos tao baixos, Bons e importantes servivos prestam as estradas de
q'ie de certo nao conpensam o trabalho e gastos da pro ferro do Recife a S. Francisco e do Limoeiro a Nazareth,
ducelo. Este facto teve per causa unica --todos o sa- esperando-se corn anciedade a abertura da de Caruari,
bem -a concurrencia do assucar de beterraba nos merca- bemrn come a terminalgao das obras dos differences prolon-
dos consumidores, concurrencia, que, pelas vastas proper- gamentos.
4oes que o cultivo dessa tubera vai assuminido em diffe- Relativamente "no da via ferrea de S. Francisco tao
rentes paizes, podo comprometter gravemento o future descommunalmente demorados hio side os respectivos tra-
agrieola desta provincia, se novos e fortes elements de balhos, que sinceramente admira come o governor tern at6
produegao a nihu vierem auxiliar na lucta economic de hoje assistido impassivel e despreoccupado a um facto
jia a dia mais intensa entire o assucar da canna, seu que esta provineia testemunha tomada do mais just pas-
rincipal genero de exportabte, fonte quasi unica de sua imo, qual o de ver desperdigarem-se avultadas sommas,
riqueza, c o da beterraba, actualmonte de consume tao ge- tempo immense e precioso na conclusao de urma obra ur-
oral em today a Europa. gentemente reclamada pelas necessidades locaes e de cuja
Niao basta que os nossos agricultores se entreguem realisagao resultarA iudubitavelmente consideravel augment
denodadamente ao trabalho e que abservem d'aqui em! da producgqo agricola.
diante a mais estricta economic, base de todo o resultado Nao menos lamentavel e que nao tenham side atW ap
industrial; indispensavel facultar-lhes meios de eleva- presente removidos os obstaculos oppostos A de ha muito
rem cada vez mais a producgilo, diminuindo ao mesmo projectada linha entire Nazareth e Timbanba, porquanto 6
tempo o custo originario desta, ja pela barateza dos trans- licito esperar inapreciaveis vantagens da realisaglo de tal
portes, jA pelos emprestimos a juro modico, applicaveis aos project.
gastos de extensas planta5cs e ao aperfeigoainento e ra- As tarifas carecem de sermodificadas, nao s6 porque
pidez do fabric. silo realmente muito altas, mas porque 6 mister procurar
Seria tambem para desejar vivamente a promulga9go po~esse lade urma compensaglo proporcional A baixa de
de leis concernentes a facultar aos pequenos lavradores a pregos que acaba de soffrer o assucar, baixa que infeliz-
explora9ao de terras proximas as linhas ferreas, sem os meoe nao apresenta o caract-r de um phenomenon extraordi-
pezados onus, a que de ordinario os sujeitam os grandes nario e passageiro, mais constitute antes, come demonstra-
proprietarios, assim come a por term ao dominion de im- mos n'outra sec9lo deste relatorio, um facto que serA d'aqu
mensos terrenos incultos, obrigando per meios indirectos em diante permanent e econonmicamente normal.
o de forte contribui9 lo, per exemplo -os respectivos Pos- Emfim, os interesses agricolas da provincia requerem
suidoros A optarem centre cultival-os ou desfazerem-se par- neste assumpto a mais esmerada atten9io dos poderes
cialaente delles, em bern do progress national. publicos.
Latifundia perdidere Italiam, dizia Plimio. Dos IMPOSTO DE REPARTIqiO
grandes e ,nao trabalhados dominios territoriaes desta pro-
vincia e de outras se podo dizer pelo menos, que slo for- A convite da honrada Associaglo Comamercial Bene-
,as atd hoje inteiramente perdidas para o desenvolvimento fienote, teve esta Directoria de encarregar-se do penosis-
da riqueza publiua. tI'simo trabalho de destribuir a quota de imposto que no
Nlo nos deixemos illudir pela vlo-esperan9a de queo o oramento provincial coube as classes quo esta Associaglo
* nosso assucar possa ainda obtor os antigos proeos nos represent.
mercados estrangeiros. Ease facto s6 podera dar-se em: Nas condioes dilfcilimas em quo so aciam as finan-
circumstancias excepcionaes; normalmente o valor actual cas daprovincia, era ur gene, aceitar o facto como elle se
dossa mercadoria de ha conservar-se, so nio tender a -produzio, se bern que na esperanga do quo novas medidgs
baixar progressivamente, uma--vez que a quantidade pro- viessem alliviar os contribuintes e sanar os defeitos reco-
duzida de assucar da' canna e da beterraba 6 muito su- nheeidos na pratica desse modo de contribuigio, cuja col-
perior as necessidades do consume. Ilecta s6 corn enfadonho esforgo e muitas contrariedades
Damos em segaida o resultado das safras do assucar consegaimos ultimar.
desde loje setembro de 1883 a 31 de margo de 1884, Naorganisa9go da competente tabella procurou esta
comparado comn 0 de iguaes mezes do anno anterior. iDirectoriaoi era d rigoroso dever, approxuar-se o
Dese quadro se evidencia que aquelle foi muitopi mais possiveyda razeo c dajustiJAeonvidando insn-
supeior aoeste. temoneteos inBterossados- parca- nfem cow ella e
E maiotera side a safra do assucar se as excessi- apresmentarem-lhe as ecaia Ue e
: vasehavas de janeiro do anno passado, nk tivessem prejiu- pdind'a eoloaglo, oalls
dicado muito a. canna plantada nos lugares baixos p etentes doles ino desempenhodeisao tao ardaquaanto
E:ste.anno 6 precisamente da falta das chuvas de debaixo d' muit potoes do vista,
janeiro que os agrwiutlrcs se queixam. 'qu Aada a t$ o onaegmii qear mwt rvbalho
quoUCAR -1 au-rdo Se todoe 4*iW9Po -. al* ,
il1'.11'" :1:- 1:. '1;' ASSUCAR -tn ~ o; Sr.' A saio. ;de 1:;'-:


1883
; i


1883 a
)11797 a


0 Sr. 1. secretano procedu A leitra do se-
guinte oxpodieate :
tUmofi&io ,ddo secretario do govemo devolven-
Sin "agda `potio de Barthoulame Geminia-
no, de Anoi Bl e SiLva- A qAq :mo S x a *qL- ,
Smapeti o de 'Manoel Franciaeo de Mello re-
qtrendoqe se marquae-quot para pagaoento deo
OeU veaimentoao due rieotempo:emquo Owsi eun
tnteii*uamute oa nagisterio pruiasrio no' povoede
do Abreu de Una. A' comuuisso do o opp ento
Sutra do Manoel EadoxioPae Barreto, proeu-
radar daCimra lMurdieipal do Plnares reque-
rendo quo s marque P quotI de 1:050A pars in-
denuisar ao Thesouro Provincial deo 42 -meses doe
alaguel do predo rque serve alli de eadeira e quar-
tel-A coommiusIo de oramento municipaL
0ut" de bacharel Luir Rodrigue;Ferreira de
Meuaoo Veeaooleao de. LDxuimmoud requerendo
qne e marque nea quota de 5:0001 para impri-
nur diverass obras ineditas deixadas por sea fal-
leeido pasi, Dr. Antonio de Vasconcelios Menezes
de Drummnmoad.-A! e aimisao de petiqes.
SOutra de Thomai Antonio Maciel Monteiro,
ptofemsor public de Timbaiba, roquerendo que se
autorise o pagamento da gratificaeao que Ihe 6 deo
vida per ter leccienado na aula nocturna d'aquel-
la villa, desde 6 de julho a 31 de outebro de 1882.
-A' commissao de orcamento provincial.
Outra de Jos6 Antonio da Silva Galvao, done
de uma grande propriedade na villa do Buique, a
qual se presta para cadeia, casa de Camara e ju-
ry, offerecendo dita propriedade per 5:0005. A'
commissad de peticoes.
Foramn & imaprimir os seguiutes projeetos, send
o de n. 195 precedido de parecer da commissilao de
instrucio public, e o de n. 196 disensado da
imprenssao em avulsos a requerimento do Sr.
Ferreira Jacobina:
N. 195. Autorisando a elevar-se a 3a entrancia
a eadeira de iustruceao primaria do sexo femini-
ne da Estrada Nova de Beberibe, sem prejuizo da
actual professor.
N. 196. Autorxsando a abertura de um eredito
extraordinario de 31:0105000 e de um supplemen-
tar de 2:499A590.
Oa Srs. Nile de Miranda e. Antunes Pinheiro
oraram pela ordem.
Adiou-se de novo pela hora a discussao do re-
'qnerimento do Sr. Antonio Correia, pedindo in-
forma9'es sobre o concurao para preenchimento de
cadeiras vagas no Gymnasio Pernambucano e
Escola Normal, tendo orado o Sr. Barao de Na-
zareth e ficando corn a palavra o Sr. Cunha Bel-
tr5.o.
Passou-se A ordem do dia.
Approvou-se em la discussion o project a. 29
deste anne (creaqIo de uma freguezia na comarca
de Cabrob6 coin a denoinina9gao de Npssa Senhora
do Patiocinio de Be16.n), scndo tambem approva-
do um requerimento do Sr. Praxedes Pitanga para
ser ouvido o Rvm. Sr. governador do bispado, re-
mettendo-se-lhe unia infutiinagao do Rvm. visita-
dor, sem prejuizo da la e 2a discussAo, e send
dispensado do instorsticio a requerimento do mes-
me Sr. deputado.
0 Sr. Pereirajde Lyra, pela ordem, communicou
que o Monte Pie dos Honoraries do Exercito en-
viara uma commissno para convidar esta assem-
bl6a a absiztir a uma missa que mandarin cele-
brar no dia 24 do corrente, na igreja da Concei-
vao dos Militares, e a festa que se realisaria no
dia 25.
0 Sr. president nomeou para assistirem A mis-
sa aos Srs. Praxedes Pitanga, Pereira de Lyra e
Altredo Correia, e para assistirem a festa aos
Srs. Barao de Nazareth, Jos6 Maria e Amaro Fon-
seca.
Entrando em 3a discussao o projerto n. 58 des-
te anne (licenca a diversos funccionarios provin-
ciaes) foram apoiadas e approvadas 10 emen-
das.
Adiou-se pela hora a 2a discussao do project
n. 123 deste anne (eoneedendo a Jose da Silva
Loyo Jnnior, & empreza que se organisar ou seus
ooncessionarios o prazo de 30 annos, para exclu-
sivamente, assentar e explorer nesta provineia li-
nhas que transmittam a electricidade e o movi-
mento, sob diversas condiiues) teado oradoe o Sr.
Jos6 Maria.
Adiou-se de novo peia hora a 2a discussao do
project n. 23 deste anne (fixanao dc forca poli-
cial) tendo orado o Sr. Antonio Correia.
A ordem do dia 6: 1 discussao das projactos ns.
160 e 196; 2a do de n. 29 e das emendas ao de n.
58, 3a do do n. 40, todos deste anno e continua ao
da antecedente.
Acto da Presidencia--Em data de 20 do
eorrente foi exonerado a pedido o delegado do
termo de Serinhaem, Sebastilo Antonio Lins
Wanderley, e nomeado para substituil-o o actual
10 supplente Henrique Lins do Barros Wander-
ley.
Convencao consular de Portugal-
Acha-so substituida provisoriamente, desde o dia
21 do corrente, pelo decreto n. 855 de 8 de no-
vembro de 1851, segundo telegrarmna do Exm. Sr.
ministry dos negocios estrangeiros de 20 deste
mez.
Quarda national Pela presidential da
provincial foi expedila a seguinte portaria:
,( 2a seceae.- Palcio da Pr'as'idencia de Per-
nambuco, em 20 de maio de 1881.- -0 president da


provincia resolve nomear Joaquim Elisio Percira
de Magalhaes para o psto de capitao da 5a cornm-
panhia do 6' b-talhlo do service active da guar-
da national da comiarca do Recife em substituiiao
de Joaquim Francisco de Moraes que foi promo-
vide a major ajudante de ordem do commando su-
perior da referida comarca.-(Assignado)-Jose
Manoel de Freitas ,
Howenuagem ao finado conego Ro-
chael pela Escola Normal- Hontem,
apezar de jA adiantada a hera, achando-se reuni-
dos os professors daquelle institute, solicitaram
do actual director a suspensio das aulas em sig-
nal de pezar polo passamento do conego Francis-
co Rochael Pereira- Britto de Medeiros, cuja no-
ticia f6ra transmittida ao public pelas folhas
diaries.
Fandando-se o pedido nos servicos que pres'ara
o finado A instruecao public desta provincia, corn
especialidade na creagao daquella instituigao, a
pnimeira que abrio as portas A educagio da clause
menos abastada, formando officialinente pessoal
de ambos os sexes para o magisterio primario,
nao podia, per eerto, delxar de serattendido.
0 corpo docent desse estabelecimento assim
rendeu uma bern merecida homenagcm,
Associacaoe Conmmnercial Agricola-
Come se v6 da parte do Relatorio desta associanea
hontem pablieado, foram agraciados corn o titulo
de seas socios benemeritos os Srs. Drs. Fran-
cisco de Assis Rosa e Silva e Jos6 Vicente Meira
de Vasconeellos, pelos relevantes services que,
come membros da Assembi6a Provincial, presta-
ram A esmema associao e A provincia, ponido a
sua palavra era favor dan ereaiio do Banco Corm-
mercial Agricola e Hypothecario, pelo qul se eas-
forava a dita associaelo.I
Era a maior ho kraq a Asaooisao Commercial
Ancricla dePae irnaimbu c iui *titar sat U illun-E


Nil, ,I):hkorea.isasW do dia 25, no awa1lo
waoiede Benefteente Luzo.Brsileiro, cedido gra-
ciaottnte poersua illustre directoria, terA lugar
aminses io m e. de posse da nova direetoria.
.Pam abrillwmtar eases act o0 monte p/o dot
honorario do exercito 2onvida a tolo os seun ca.-
ratadr dad capanh a do Par y, quer do exer-
cito, quer da armada., e quer fianmente volunta-
rios da patri, as auterided I civis e militares,
W aw. em t go a imprensa, e todeos que
ream us.rna wifSe&A projectada, uma recordawAo
das glories patrias.
Utie ft"e, mixta Redemptora dos.
Captives e Protectora ado& lagenuos
-Corn esta denominaco foi fundada na noite de
19 do corfente nea pocidade composta de senho-
it* cavlei-r, aosioafima JuplO do redemir os
eserayqs a protege e edgear aos ingenues. Ap-
provadta os eaeatutos e feifa a oaefiaq da dir ee-
tori definaitiva, verifieou-se o semguinte result ido :
President -Dr. Jodo Barbalho Uchoa Caval-
cente.
10 vice-presidente-Dr, Jos6 Jacintbo Borges
Diniz.
20 vice-presidente- Coronel Candido Jos6 da
Costa.
1- secretarlo-Joaquim de Oliveira Borges.
2' secretario Tiburcio Tavares.
Thesoureiro-Capit'o Manoel Antonio Gongal-
ves.
Orador Dr. Vicente Ferrer de Barros Arad-
jo Wanderley.
Vogaes-Agostinho da Silva Neves, Irineo de
Araujo Cesar e Antonio da Silva Ramos Neves.
Em breve sera fixada a data da inauguagao.
solemne, para a qual serao feitos convites.
Chegada- A bordo do vapor francez Ville
de ernambuco chegou da corte do imaiperio onde
se achava corn licenca acompanhado de sun Exnia.
familiar o Dr. Francisco de Souza Cirne Lima,
Barbao e Santa Candida.
S. Exc, que 6 natural desta provincia tenciona
dermorar-se n'csta capital algum tempo depois do
que seguirA para a provincial do Para, em cuja
capital exerce dignamente a 2a vara de juiz de
direito.
Comprimentando ao illustre hoepede agradece-
mos a visit corn que nos honrou.
Inquerito policial-Pelo subdelegado do
1' district da freguezia da Boa-Vista, foi remet-
tido ao Dr. juiz de direito do 4o district criminal,
o inqgerito quone procedeu contra Tolentino, ex.-
escravo do Dr. Cicero Odon Peregrino da Silva,
pelo crime de ferimentos graves praticado na pes-
soa de Francelino Ramos de Almeida, na noite de
4 do corrente, a rua Formosa, daquella fregue-
zia.


Paquete Ceara-Este paquete nacional,
tendo sahido ante-hontem do porto da Fourtaleza,
deve chlegar amanha ao nosso porto.
Exmola Uma senhora, que se quiz conser-
var incognita, remetteu-nos hontemrn 2 para uma
viuva pobre, que pela imprensa tern pedido auxi-
lie. Fizemos chegar ao seu destine aquella quan-
tia.
Educacao scientifica-Sob este titulo o
Sr. Alfredo Pinto Vieira de Mello, alumno do 3o
anne da Facaldade de Direito, publicou umrn folhe-
to de 24 paginas, occupando-se corn a necessidade
de urna educacio litteraria e scientific mais re-
gular, no ponto de vista modern, para a nossa
mocidade.
Agradeeemos-lhe o mime que nos fez de um
exemplar do seu folheto.
ExcuarMao ao Rnpunury-Lem' s no
Journal do Commercio, da corte:
Sabemos per carta particular que o Sr. com-
mendadorm Antonio Jose Gomrnes Perecira Bastes, ar-
rendat.arieo das fazendas naciouaes d- S. Marcos e
S. Bonto, situadas- rs campos do Alto Rio Branco,
provincial do Amazonas, -satJa >! effectuar unma
interessanute excursAo ate o rio Rupunuiiytria-k.;ya-
na Ingleza, verificando a existencia de vastissimns-
territorios brasileiros que habitantes daquella
Guyana presumenom pertencer-lhe-se oude praticam
actos de commercio, a salvo de qualquer fiscalisa-
clo per parte de autoridades brasileiras, nenhuma
alli existindo.
( Havia noticia de se aciarem estabolocidas em
parte daquelle territorio cisas d(e comnercio in-
glezas, as quacs negociavam prinripalmeante coin
os aborrigenes, quando o subdito inglez William
De Roy e sun mulher, D. Joanna de Roy, ehega-
ram ate a pvoa,Io da Baa-Vista, no Rio Branco,
acunpanahados por varies indios carregados de ge-
neros que iamin sendo vendidos a troco de gado ou
de dinheiro. Esto facto determinou o Sr. Pereira
Bastos a emprehender a excursao e a 20 de feve-
reiro parties da fazenda de S. Marcos, acoinpanha-
do per Joao Pacheco Canario, sargento do forte de
S. Joaquim, Antonio Firmino, inspector de quar-
teirao, Clementino Francisco Scares, Jobo do Vas-
eoncellos e Pedro Mucuxy, havendo tornado na
maloca denominada Do Inglez dous indies praticos
no camninho que leva a Rupunury. A 21 pornoi-
taram no campo, junto io igarap6 da Raia, e a 22
ena maloca situada a pouca distancia do morro do
Picoe habitada per indies que fallam o dialecto
aupichana e a lingua iagleza, declarando-se per-
tencentes aos inglezes. A 23, acompanhados por
dous destes indies, seguiram ao rio Rupunury,
onde chegaaram as 5 horns da tarde depois de ha-
v-orem atravessado o rio Arabahd c as sierras que
se lhe seguem.
Alli foram inrecebilos pelo Sr. Roy e sua mu-
lher e per 50 indies que se achavam a seu service
sem contar 27 que estavarn na escola, mantida
pelo Sr. Roy, e onde aprendem a lingua ingleza.
Assim o Sr. Roy como sua mulher. fallram os dia-
lectos aupichana e mucuxy, tend conversado corn
os guias qu acompanharain o Sr. Pereira Bastes.
Na casa do coanmnrcio do Sr. Roy ha deposits de
madeira extrrahida das serras do Guano-Guano
(territorio brasileiro), e foi informado o Sr. Pereira
Bastos que nas cercanias da mesma serra existem
varias malocas corn grande numero de indies, ten-
do estes come chefes ou directors subditos ingle-
zes civilisados que fallam o aupichana e empre-
gando-se na extracco de products naturacs, mi-
neraes, dos quaes fazem aquelles directors avul-
tado commeicio para Demerara, que demora ape-
unas a dous ou trees dias de viagem, rio abaixo.
Os generous vendidos palo Sr. William Roy no
Rio Branco sio nimiamente baratos per nao pa-
garem nenhum direito.
o Os subditos inglezes, estabelecidos naquellas
paragons, julgam pertencer A Guyana toda a re-
giao que estAo explorando, comprehendida entire o
Tacatu e o Rupunury, existindo alh uberrhnos ter-
renos cortados per varies rios e igarapes, e excel-
lentes madciras de lei.
c Estamo seguro.s de que o governor imperial
procurarA verificar ate que ponto sao verdadeiras
cestas informages e, a serem exactas, fara- irradiar
a acglo administrative, ja pela cateehese, ja pela
creaqAo de districts policies e postos fiseaes, e
ainda per outros meios, at6 onde se estender por
aquelle lade o territorio brasileiro. Sem constran-
ger a iniciativa de subditos inglezes, ou de quaes-
quer outros estrangeiros se esta inieiativa se con
liver na esphera das leis do Brasil, o governo im-
perial nil0 deve cosensetir qu estrangeiros pene-
toem no territorio nacional para exercer atos de
commercio em damno dos rendas.
Passagetro-.Chegados da Europa no va-
pOr inglez Guadiana:
Bemaevdo Jos6 de Araujo, Francisco Lopes Bra-
gaJob oJose Teixeira, Antonio da ilva Netto,
Antonio Pereira de Mattes, Antonio Pedro Fer-
naades, Luiz Pedro Fernandes.
-. Sahidos pera 0o sl no mesmo vapor :
r.I ArnarC.-B. C mnte el criado, A -


Pdoag^eP ini^ -Sto,'aomie di, as rua d1o <-1 Do
Jesus a. 2,. 4eto mveis eotroseearti do ;SPP-
torio, e fazeadas ah ariidaI
Pedo a Bete Pestwaa s Is 11horas, nao
do Carmo n. 29, da armagio da taverna a.r
aPeo ene Si veira, as 101/2 horas, no lr o.,
do Parazo n. de gneros e armao da tae-
na ahi tita.
Pelo agente Buarmaqwi, as 11 horas, na rita dPB
Imperador n. 22, de predio.
Pedo agevate Britto, As 10 1/2 horas, na rue do'
Rangel n. 41, de moveis.
Pdo jagete Alfredo Girmar ai, s,- 11 hors, i
raa do Bom Jesus n. 45, do mobiti.A de janWc
avariadas.
Segunada-feira :
Pelo agent Silvdeira,. As 11 horas, no pateo *
do Paraizo n. 25, de um torreno.
Pelo agent Burlamaqui, as 11 horas, no eAes '
do Apolloi n. 47, de farlhia de trigo.
lna* ftmanebres-Seraocelebradas :
Amawhd : as 7 1/2 horas na matriz de San-
to Antonio, per alma de Joao Ferreira Ramos; as
7 1/2 horns, na matriz de Santo Antonio, per alma-
de'Manoel Pinto das Neves.
-- Sacibbado; as 8 hras, na ordem terceira do
Carmo, por.alma de D. Maria Amelia Gonealve u
Neves.
Segunda-feira: das 8 as 7 horas, na oraeu,
tereeira do Carmo, per alma de D. Anna Maria ;
dos Passes ; as 8 horas, no convento do Carman
por alma do conego Francisco Rochael P. de Brito :
Medeiros.
Loteria da provincia Amanh, ,' 3
do corrente, serA extrahida a loteria 39.', em be-
neficio da igreja de Nossa Senhora da Boa-Via-
gem de Pasmnado, no consistorio da igreja de Nos,
sa Senhora da ConceicAo dos Militares, onde se
acharao expostas as urnas e espheras arrumadas
em ordem numerica A apreciaao do public.
Loteria-A de n. 148 B, do Rio de Janeiro-
de 25:000;000 sera cxtrahida no dia 24 do cor-
rente.
Bilhetes A venda na Casa da Fortuna, rue I*
de Marco n. 23.
Loteria do Ceari-Corre no dia 7 deja-
nho, cujo premio grande e de 5:0004.
0 resto dos bilhetes na Casa da Fortuna, runa
1' de Marco n. 23.
Loteria de 2-:O00000-A loteria 148!
series B., core impreterivelmente no dia 21 da
maio
0 resto dos bilhetes acha-se a venda na Casa
Feliz a praca da Independencia as. 37 e 39.
Grande loteria de 0:O0000OOO-
Esta extraordinarily loteria serA extrahida na c6r-
te no dia 16 de julho proxime vindouro.
Os bilhetes acham-se a venda na Casa da
Fortuna, a run 1 de Marco n. 23.
HMtercado Municipal de S. Jose 0
movimento deste estabelecimento no dia 20
do corrente foi o seguinte:
Entraram para serom vwndidos : 51 bois, pesan-
do 6,893 kilos.
No mesino din entraram para o mesma es-
tabelecimento:
Peixe 188 kilos
Fructas diversas 35 cargas
Farinha, milho e fcijaio 109 ditas
Suinos 2
Carneiros 3
Presos do dia:
Carne verde d 600, 520, ate 160 r6is o kilo.
Suino a 640 reis o kilo.
Carneiro a 1j idem.
Farinha de 500, 400 ate 289 reis a eia.
Milho de 480 a 400 reis a cuia.
Feijlo de 1,800 a 1-200 idem.
Foramin arrecadados:
61 talhos de carae verde.
12 ditos de suino.
9 ditos de fressarnas.
60 compartimentos de legumes.
40 idemin de farinha e comidas.
Deve ter side arrecadada neste dia a impor-4
tancia de 2203060.
" 4 jt.& el etencrio.-MIovimento dos pre-
sos no dia2 o t : 2- )
Existiam presos 33, tmraram 8, sahiram 25,
existemn 315, a saber: nacir s 285, fulheres
8, estrangeiros 8, escravos 14- ,315.
Arracoados 307, seado : bons 291, doentes 1G.
-Total 307.
Movimento da enfermaria :
Tiveram baixa:
Jose Francisco Pereira.
Francisco Henrique dos Santos.
Tiveram alta :
Claudino Ferreira da Silva.
Pedro Antonio Vital.
Cemitereo Pablico-Obituario do dia 18
de maio :
Vicente Thereza de Jesus, Pernambuco, 74 an-
nos, S. Jose; estupor.
Antonio, Pernambuco, 5 mezes, Graga; gastrcr
entriti.
Maria, Pernambuco, 6 dias, S. Jose; tetano.
D. Juan Anglada, Rio de Janeiro, 54 annos, c-
sado, Recife; beriberi.
Manoel da Silva Carvalho, Pernarnbuco, 24 an-
nos, solteiro, S. Jose; fcbre pcrniciosa.
Felippo Joil Baptista, Africa, 60 annos, casa-
do, Graia; lesao cardiac.
Josepha Maria da Coneceicio, Pernambuco, 85


annos,viuva, Santo Antinio; gastrite.'
Eliza do Rosario Pcrcira Pinto, Pernambuco, 20
annos, solteira, S. Jose; tuberculos pulmonares.
Izidoro, Pernambueo, 3 dias, Santo Antonio;
hemorrhagia.
Man6oel Sim5es Celestino Gomes, Pernambueo,
55 annos, casado, Boa-Vista; ferida penetrante.
Pedro Celestino, Parahyba, 42 annos, solteiro,
Boa-Vista; ascite.
Manoe!, Africa, 70 aunos, solteiro, Roa-Vista ;
tube'culos pulnonares.
Antonio Agostinho Pereira da Luz, Pernambu-
co, 22 annos, casado, Boa-Vista; pneumonia.
5 destes foram pela caridade.


Delfina Maria de Souza Reis, Pernambuco, 5
annos, vinva, S. Joso; cyrrhose do-figade.
Maria Leocadia de Jesus, Pernambuco, 66 an-
nos, solteira, Boa-Vista; lesio cardiac.
Maria Emilia GCngalves Neves, Pernambuco, 26
annos, casada, Olinda; paralysia.
Estevao Gonualves de Carvalho, Pernambuco
19 annos, solteiro, Boa-Vista; bexigas.
Jos6, Pernambuco, 2 annos, Boa-Vista; ente-
riti.
Sotero, Pernambuco, 3 mezes, Boa-Vista; co-
lica intestinal.
Adelia, Pernambuco, 3 mezes, S. Jose; entfe-
riti.
Umna crianea do sexo masculine, 9 mezes, Gra-
"a; convulsSes.
Iria Maria do Livraineute, Pernambuco, 32 an-
nos, snlteira, Boa-Vista; lesao cardiac.
Laurentina Maria do Espirito-Santo, Pernam-
buco, 18 annos, solteira, Boa-Vista; febres.
3 destes foram pela caridade.



PUBLICACOES A PEDIDO

Cartas de um lavrador a Sua MaU-
gestade o Imperador
II
Senhor!
tim mnotivo imprevisto 'superveniente e alheio a
miah a vontade tern demorado esta segundi eqrtn.
da erie, que proyz-me a dirigir aossa : :,-
fa& iaerial,pa informal-o de certo' ),.tos
nott~bs ao pai, mas ignorades pDvax n iiente


0 ,


I





























qua,


que


--: !.mnwcaao a minim rainui, q muanauom-re 'ITV
eepd t.Iographo obrimoaue a partir da rua, de
recebi o aviso, Ma dpendir ne qaee r do men
osequioso Correspondente e hospedetro.
felixmente, a epo de evitar a eatm-
vtroph l, e dea ead i o osario, que,oem che-
Sdo it, pedio e obte a -corps do'jais
direito eoqul, no eontente de soltal-o, on-
S demnou-me a paqnr o tresdobro de nao et o
tesq e deiod amn da salvo' so ex-preso o direito
de processar-me no set porque crime.
AE.i, Imperal Senhor, o rosario de deograas
que sofri desde a minha priuseirsa artae bem
jstificada me paroce a demoora da present.
Em outra posterior voltarei mais a vagr ao
missionario e aoj-iz; agora, por*m,devo compile.
S tar a historic dos teleranmmas expsdidos. pelo
vosso governor aos abolicdonitas onearenses, no ul-
S timo anaiversar'o do juramento da Constituic*o, e
S publicados na G(ainta de otija.w de 22 do mez
S passado, onde le-se:
Por occasile das grandes festas realizadas no
dia 25 de mar9o no Ceara, foram dirigidos os se-
I guintes telegrammnas ao Sr. Dr. Satyro, president
daquella provincla:
I A emancipaoo dos escravos de nma provin-
c ia, guardado o respeieo devido d lei e d proprie.
dde,4 6 um.nfato aupicioso para todo o impe-
no.
SA ssocio-me ao regozijo public do Ceari pelo
modo honroso corn qun festejon o anniversario do
juramento da nossa constituigao politica.-Affoneo
Penma.
SFelieito a V. Exe. por ePtar presidindo hoje a
provincia semr escravos, e A provilneia pelo novo
regimen de trabalho que The 6 aberto pela awsen-
cia do deemento servil.-F. A. Maciel.
A' Libertadora Cearense:
Rio, 25.
SSua Magestade o Imperador agradece as feli-
citagoes, asociando-se de eooragao a todos os es-
S forces em prol da emancipagao dentro dos raias da
legaltidade.-Lafayette Rodrigues Pereira. *
Eutretapto, se Vossa Magestade Imperial quer
saber comb andaram long das raias da legalidade
os autores daquellefacto auspicioso, queira ler a
seguinte confissio, insuspeita aos proprios aboli-
cionistas, e inserta em um editorial do n. 85 da
mesma Gazeta do dia 25 de marco proximo fin-
do:
v Pois bem, nao 6 isto urnma illusao: e o facto
ahi estA palpavel pars quern quizer verifical-o e
estudal-o em face dos dados estatisticos.
Baston que a escravatura da provincial ficas-
se contornada pela propaganda e postal fdra do
S alcancee do trafico, para que a fazenda, que na ca-
pital naquella Apoea daya de 1:2005000 a 1:500A,
em peoucos dias se depreciasse atW a triste oferta
de 50A.
a Nao esquecamos, porem, que tudo isso se deve
A resistencia offacierda nos dias 27, 30 e 31 de
janeiro de 1881 pelosjangadeiros, que se recusa-
ram a fazer o traneporte de estciavos em suas jan-
gadas para bordo dos vapores que os deviam con-
duzir para o sul, resistencia esta que, depois fran-
Awmente insuflada e apoiada pela Libertadora,
den como consequencia o gravissimo ineidente de
30 do agosto do mesmo anne, diam to-
-. tropas existentes na M r3l1eza, nem todas
as amoms-s e meios cof iosie de qne lanoau mao
o presdedrm sufficientes para obri-
gar os hom0t!"do porto a tomar o remo para con-
duzir um escravo.
a Ddsd) esse dia, p)de-se dizer que o Ceara
condderou-se capaz de libertar todos os saus es-
craves. -
N'essa passage ha polo menos duas inexacti-
does: a primeira onde diz que afazewda ficou re-
duzida A triste offerta de 50,.quando de facto fi
con sem valor algum; a segunda, onde attribue
aow jangadeiros o fechamento dos portos da pro-
vineia ao trafico, que apenas cesson quando o im-
posto prohibitive das provincias do sul foi langa-
do sobre os es-ravos importados do note.
Todos sabem que a principalindustria eearens
-a eriac$o do gado--e feita exdcusivamente pelos
braMos livres, que desde muito affluiam para ella
em numero superior ais suas necessidades, e que,
per consequencia, a relativamente insignificant
escravatura do CearA estava reduzida a mere go-
nero de exportagao, e quasi nao tinha ontro vala,
senso o commercial.


Supprimindo este peolos impostos prohibitivos
do sul, cessou a razeo de ser d'aquella proprieda-
de, e os traficantes, vendo estancada essa fonte de
receita, vingaram-se dos seus desconfiados fre-
guezes, depreciando, graas A boa vontade do go-
verno de V. M. Imperial, o memo general, que lIhes
havia vendido.
Dest'arte tomaram urma desforra injustifiavel;
camparam de liberals A oasta alhoia, e ainda pro-
curam langar o labeo de deshumanos a n6s, que
s6 temos a culpa de havermos comprado, em bja
f6 e por born dinheiro, a propriedade que elles nos
offereciam antes de serema, ou para seem depois
aboliclonistas. Mas, corn o deride respeito, ad-
mittida mesmo a versilo da Gazea, nmo nos pare-
cem nada legacs os csforqos em prol da emancipa-
co, empregados no CearA; porque comprehende
V. M. Imperial que, lanado o impostor de 1005
annuaes sobre cads escravo, depois de reduzido
artificialmente a 505 o sen valor, nada mais logi-
co do que o desapparecimento d'paa proprieda-
de comida pelo impoasto.
E' come so, per exemplo, o paramento conser-
vando intacta apparentemente adotaao de V. M.
Imperial, no orgamento da despeza, langasse-lhe
a sorrelfa (o que Deus nao permitta) um impostor
de 1,600:0004, no oreamento da receita. No dia
seguinte V. M, que, diz-se, s6 p5e mao em dinhel-
ro para dal-o a alguem, talveos a se incommo-
dasse corn isso; mas o digno Sr. mordoao corn cer-
tes renunciaria immediatamente Aquella rend
convertida em onms polo imposto.
B ainda n'isso haveria urna different ceontra os
senhores de escravos, e vem a ser qae na lists ci-
vil o impostor teria sido apenas do dobro da rend,
ao paso que no escravo foi do duplo do valor da
Priedade.
Ma no foi smnte o -imposto exceessivo que
deu eabo da depreciada propriedade eserav na
onerosa provincia do Ceara, foi o i coop-
rando.com o furto e co0n o terror espamo e n-
tido pelabolicionista, poato fa e im da
a l r nis na tolerancia do governor. -
am prova d esta a serglo bastii a V. XM Im-
peaal lerni a a 1de oticiau de 17do mzpas-
mado a now7P. uoa &uteoa La mFota1aSL.QaI


Aspire A hor. de secret d tAo
geral puan a proxima legislatura'de 885 a
1888 pelo brioso e indepedente eleitorado
dodegundo district destaprovin .t
Aos mouse co-religionarios e aMgo, dig-
tinctos chefes do partido, a quo tenho a
honra de perteneer, pegodesculpa da mi-
niha ousadia.
A minha resoluago excltsivamente actor
de minha vontade.
De ninguom roecebi j amais a mentor ins-
piraq o, nem a candidatura 6 o resultado
e alheia combinaceo.
D'este modo assume toda responsabili-
dade de minha apresentaglo, serm me jul-
gar corn o direito de provocar dos meus I
amigos politicos uma preferoncia, que po-
deria ser-me desfavoravel.
Corn a maior frauqueza declare que sou
candidate em opposigio ao illustre deputa-
do polo mesmo district, o Exm. Sr. Dr.
Jos6 Marianno Carneiro da Cunha, cuias
idWas a respeito do modo, porque so dove
fuzer a emancipagio dos escravos centre
n6s, julgo raineusas ao paiz inteiro, e at-
tentatorias do sagrado direito de proprie-
dade, tSo amplamente garantido pela nossa
constituigIo political.
Eu entendo quo o grand e generoso
partido liberal, a que pcrtengo, nao tern
necessidade de rasgar a pagina mais es-
plendorosa do nosso pact social para sus-
tentar-se no poder corn os applausos da
naglo
Eu entendo que a idea democratic, per
mais adiantada que seja, dove parar dian-
te da anarchia, e da desordem, da calum-
nia e do insult contra uma elasse, pele
moenos, tdo merecedora, come qualquer
outra, do respeito e da veneragio de qual-
quer govorno sensato e moralisado.
Eis come penso, e eis a razIo por que
opponho a minha candidatura A do illustre
deputado polo 2a district na ultima eljiglo
geral.
Sem odio algum, sem e menor despeito
pessoal contra o illustre co-religionario, A
cuja candidatura me opponho corn a maior
franquezi, na luctA, que se vai travar, e
da qual r' juiz o illustrado corp o eleito-
rai do 2" district, protest nao me servir
de outras armas, que nao sejam as da mais
perfeita cortezia e cavalleirismo entire con-
tendores leaves, que so respeitam e se pro-
sam reciprocamente.
Em tempo opportune apresentarei ao dis-
tincto corpo eleitoral, a quem me dirij0 nes-
te memento, o programma politico, que
cumprirei A risca, se merecer a honra quo
solicits.
Gaipi6, 19 do maior de 1884.
Amnbrosio Machado d Cunha Cavalcante.


Ao Sr. Dr. Joaqulm Correla de
Araujo
Attendendo ao podido quo me fez S. S.
pars declarar se me referi a S. S. quando
fallen e:n mendigar clients efazer de pira.
tas no foro, apresso-me em satisfazel-o.
Causou-me admira*lo, sarprehendeu-me
mesmo, que S. S. tivesse pressentido has
phrases notadas urea alluslo A sua pessoa
ou ao seu mnode de proceder come advo-
gado.
0 trecho per S. S. transcript, parece-
me 6 tdo clare, traduz tiAo perfAitamente o
meu pensamento que nao sei mesmo como
S. S. julgou-o reference A sun pessoi.
Per outras palavras, o tWecho citado quer
dizer que A companhia, ao seu banco, aos
Mackenzies (os novos e actuaes directors)
ano devo attenoes e considerag5oesque me
levassem a sacrificar om provcito delles
mneus intetesses, incmeus direitos quo conside-
ro legitimos e incontestaveis.
Ainda mais; que nilo mendigando eu cli-
3ntes, come no mnendiguei ser advjgado
da companhia,- exercia, come exergo, um
direito legitimo, procurando fazer corn que
a companhia pagae os meus servigos pres-
ados, cujo pagamento nao 6 exigido sem
fundamento; seria precise que eu fosse
am pirata no fore pars pretender exigir
aquillo a qutae ulo tiaha direito, o quo aliAs
tao se accordaria covetI a minhamdignidade e
alt'vez.
Comeo se ve, do facto d na o mendigar
kt clients e de n ao ser pirata no foro, S.
. -nEp podia concluir quo eOu queira a si
eferir-me.
Recife, 20 de ina de 1884.
Dr. J rr..o Vieira de Ara-jo.
(Da Jorwd 4do kwifs) -


f

a
r
S

G
I-.
r


tado ju

do 3.0i
riament
menorc


b rigu.1reo.
oobtdo polo sou
6 soffrendo meon

la dumlocaso da
Mu-s4 uma4fistula
dao alguns facul-
itrangia dizoarew
atas poderia an-
do Cajurubeba,


IW eo ti.- Wfl roemtado, quo em meio do lo fraseo,
a o de4 aa4r a esa today, no sentindo mais
tortu ; a fistula cesson de )anto suppurar e
Anqucada, devendo-se auppor proveniente, segundo o ei-
ido.
de 4ue goza hoje meufilho quo, parece-me, comn o uso
O|eepire a cmura radical da fistula, m*ito embora o ca-
uosr e- ~~teve a forfl4e distruir, serm a
onjosa grades nas bordas da referida fistul .
o0 ud que Ihe aprnouver. dsta minha deelArtipcn


af--ca--o ----- e-- ihes- r -m --T-mns.Ar.mru1
escripta port v ir ,dii-, sub..revo-.e. -'
D Vmc.ine attecioso vee eor ecriado.
n .ol Florencio de Moras Pires.
(Empregado na Thesouraria de F aa-da e morador A rua de Marcilio Dias
n. 36).
Reconheq9, verdadeira a firma asupra.-R- cife, 19'de maio de 1884. -Em
tesatemunho da verdade (signal pubilico). -JW Bnifacio dos & antos Mergulfhto.
0 Comgrese Pharmaeuateo e 0 ri, venho pelo present declarar,, quo nen-
CaJur Wbeba do ro A. P. da human parte tenho, direct ou indirecta-
Cuaa. monte em ditas correspondencias, que des-
IX te lugar tern partido.
Illms. Srs. da commissao.--SatisfazendoI Declaro mais, que nunca escrevi nem
o que me pede esse congress, respond; jAmais escreverei contra pessoa alguma, e
ue me achando doente de uma molestia nerm tambemn aconselharei para semelhan-
e polled, usei do remedio do. Sr. Cunha, teo fim, visto ser contra rio a meus ha-
denominado Cajurubeba, e nenhum resul- bits.
tado obtive; e ao contrario, a proporao. Se fago a presented declaraoo, 6 para
ne ia *rtTnmanndrln man mil la cnn-r a u fn .iA A,.- -x_ --- _


I-" lab-- &---- --w** *-.-.- jAv (-;UjEg 4UQanUo,
polo que me vi obrigado a abandonal-o.
Podem fazer o use quae Ihes convier des-
ta minha resposta. De Vs. Ss. (Assig-
nado) Francisco Xavier Soares. Roconhe-
go a firma retro. Recife, 20 de maole de
1884.--Em testemunho de verdade. 6.
P. -0 tabellilo interino (Assignado) Jose
Carlos de Sd.
(Continha.)

Cartas de um lavrador a Sua
Magestade o Imperador.
Senhor, a moralidade de minha primei-
ra carta a V. Magestade, p6de ser resa..
mida na seguinte historic (haja de descul-
par o cacete). Dous gatunos entrain em
um bond, e logo ap6s, um doles diz ao
companheiro, muito atrapalhado:
Sabes de uma galante? ,.- -'
Furtaram-mo o relogioj-
Con8ola4e,- di o ei6tro, que era philoso-
phd, e tinha lido muitos romances de E.
Sue, a cousa come vem, assim vai,
Esta Sr. 6 curta (visto ter side a pri,
meira longa, por6m 6 certa e boa.
UMn subdito jid.el.
Rocife, 21 de maio de 1884.

AIlanea
Constando-me que corre per esto lugar,
certos boatos, de ser eu o autor de di-
versas correspondencias, que tom sahido
no Thermometro e no Rebate, relativamen-
to a este lugar, e nao me convindo assu-
mir odiosidades, para as quakes nao concor-


CO8IERCIO


Prara do Recif!, 01 de male
de 1884
As trees horas da tarde
Cotagfes officiaes
Apolices da divida public de juros de 6 OjO
do valor de 1:0005000 a 1:100000 oea.
da nma.
Algodao do Aracaji, 75500 e 75600 per 15 kilos,
sem inspecco.
Cambio sobre S. Paulo, 60 d/v. corn 13/8 0/0 de
desconto, hontem.
Na hera da bolsa
Venderam-se
43 polices da divida publiea de juros de 6 00
ao anno, do valor de 1:0005.
F. J. de Olivedra Rodrigues,
President.
P. J. Pinto,
Pelo secretario.

RENDIMENTOS PUBLICOS
Mez de maio do 1884
%lVAwaA== -De 1 a 20 664:984A129
Idem de 21 45:296A734.

710:280868


BCBasBmmos=--De 1 a 20
Idem do 21


31:1995777
1:3195983
82:519A760


IONSULADO AovmincuLr-De 1 a 20
Idem de 21


dmao D luo -D 21 24
l[mdoe s-21.


DESPACHOS DjE *IMPRTAVIXO:
Vapor franeMe dc d- Af rsa*IUo etrado


quo mus amigos ua comarca, nao suppo-
nham ser eu autor dos ditos escriptos, e
appello para as illustres redacgoes do
Thlernwmometro e do Rebate, visto ter a mi-
nha eonsciencia tranquilla.
Sera um favor de quo muito grato Ihe
ficark, seu amigo e assignante,
Gaspar Antonio dos Reis.
Allianga, 17 de maio de 1884.


Ao eleilorado do 2. distrielo
Conscio de que, no exercicio do manda-
to de representante desta provincia corn
que fui honrado, tenho procnirado corres-
pohder A confianca do digno e independen-
te eleitorado do 2.0 district, e nem um s6
moment esqueci os interesses de mnha
estremecida provincia, ouso esperar ique
ser-me-ha renovado o mesouO mandate, no
proximo pleito eleitoral.
Se apresentar-se algum outro candidate
em nome do nosso partido, para que nao
seja sacrificada a causa liberal, appellarie
previamente para o eleitorado e, sendo-me
contrario o seu juizo pr6vio, cpmprometto-
me ,a trabalhar pelo candidate preferido
'corn o mesmo ardor corn que trabalharia
-pela minha reeleig~o, porque reconheco no
eleitorado o unico juiz que me p6de con-
demnar ou sagrar os meus servings.
Abolicionista que nito transige nem se
retract, mas que nao quer a subversito da
ordem public, si tiver de ser condemnado
por amor da santa causa quo abracei, dar-
me-hei por Jagtante compensado tend por


Espclhos 1 caixa a H. nesch & C.
Fume 1 caixa a Jos6 A. PilrAo & Irmao. Fcl-
tro 2 caixas a D. A. dos Reis. Ferragens 1 caixa
a A. dos S. Oliveira 2 a Parente Vianna & C.
Lixa 2 caixas a E. Oujmam. Livros 1 caixa a
G. Laport & C. Lou9a 4 caixas a Manoel Joan-
quirm Pereira.
Matefiaes para estrada de fer.) 4 volumes A
ordem. Manteiga 190 barris e 315/2 ditas A eor-
dem 25 e 32 a Paiva Valente & C., 30 e 80 a M.
J. Carlos. Cardoso, 15 e 15 a Costa & Medeiros, 5
a Abrantes & t." 16 e 20 a J. F. de Almeida. 15
c 20 a Rosa & Queiroz, 15 e 20 a Domingos Fer-
reira da Silva & C, 10 e 30 a A. A. de Souza.
Aguiar, 25 e 30 a Fraga Rocha & C., 25 e 25 a
J. B. de Carvalho, 70 e 140 o Auguste Libille, 15
e 10 a M. F. da Costa Ribeiro, 25 6 59 a Souza
Bastes Amorim & C., 10/1 a H. B. de Oliveira, 14
caixas a Sulzer & Koechlin, 10 a Rosa & Quni-
roz, 8 a Carvalho & C., 16 a Fe.-nandes & Irmao,
15 a J. D. Sirm5es & C., 41 6 ordem, 5 a J. Joa-
quim-Alves & C., 6 a Abractes & C., 15 a Domia-
gos Ferreira da Silva & C, 17 a Paixa Valente
&C., 84 a Joao Fernandes de Almeida, 6 a Paula
Joa6 Avires & C., 10 a H. J. Carlos Cardoso, 15 a
Fernaudes da Costa & C., 22 a Ferreira Rocha
& C, 15 a R. G. de Araujo, 9 a Costa & Medei-
ros, 1 at H. B. de Olivoira, 6 a Augusta L tbifle,
26 a H. Nuesch & C. Mercadorias diversas 3 vo-
Ilumes A ordem, 1 a Jos6 A dos Santos & C., 1 a
Leite Bastes & C, 9 a Nunes Fonsecv & f'., 1 a
H. Vogeley, 2 a Cardoso & Irmao; 1 a A. D. dc
Lima & ., 1 a Medeiros & C., 1 a GuimarAes Ir-
mao & C., 2 Gomes de Mattes Irmmaos, 1 a Ribeiro
& Almeida, 3 a Francisco Lautia & C., 1 a Costa
& C., 2 a Otto Bohres Sueeessores, 1 a Miranda
& Souza, 3 a Francisco Xavier Ferreima Gaima-
raes & C., 10 a WV. HAIlliday & C., 4 a J. P. Pon-
tea, 1 A irdem. 14 a Oliveira Bastos & C., 4 a Sa-
izaar & C., 1 a Suler & Koechlin, 1 a Guimaraes
onseea & C,, 1 a Bourgard & C., 2 a Rougayrel
& Inmo, I a H. LNueseh & C., 1 a Parent e iana
&,c,, I a J. P. do Lemos, 3 a M. N. Vieira, 1 acs
ompignatarios, 1 a J. A. Oliveira Maciel, 1 a J.
A. ernande, I a A. D. Carneiro Vianna, 4 a An-
tonio Jos6 Mia & Irmao, 2 a Jose A. Matta Gai-
miIas 2 a Gubnagi CarPfd oso & C., 2 a Var
& Loal, 8 a Forrerai Gulaaew1e 1 ;:;
FregJ a .3 U""as a As dos Santos Oliveira.
8 relaac_.a&A.~ ~Lpkda& 0. Parafin9O'
am a C. -fernande P C. rovisioma0 caixu
a'I'siva haft teii C. P^ 1 ab aj
4 'eaixs aJ4 &C~w e 7lcsixasA

*dwAira 4.a JoalW. de


TRIGESIMO DIA

Eu te saido
a. A. .' N:

Bilolinkee.


SoeiedadeAve Libertas
Em no"n da dirtoria das notedade Ave Li-
berta, deoaro que so eompostes do senhors as
commuaoes que aquella nomeia pars agenciarem
donativos destinados a emaacipaio de eseravos,
afim de que nmaie sdei.e o public illudir pela es-
pertesa de alguns cavalleiros de ndustria que em
nomae nUo s6 d'aquella, comw de outras socihdades
abolicionistas, andam segundo costa armando a
credulidade public.
Recife, 20 de male de 1884.
Maria Albertina P. do Rego.
la seeretaria.
Institute. Arheologleo e Geo-
graphleo Pernambucamo
A commissia incumbida de promover um con-
certo vocal e instrumental em beneficio da biblio-
theca do Instituto Archeologico e Geegraphico
Pernambucano vem dar um testemunho de son re-
conhecimcnto as Exmas. Sras. e sos Srs. que se
presteram a auxilial-a neste empenho, tomando
part na execnu*o dos numerosos trechos musi-
caes.
A festa de 14 do corrente fez honra a esta ci-
dade, revelando a aptidao e o gosto, corn que en-
tre n6s se cultiva a music. Eximios profissio-
naA e amadore, professors provectos e meninos
principiantes, todos mereceram os applausos; que
o public dispenson a todos, mostrando-se enten-
dedor c just. Mas a bOa vontade, corn que fa-
voreceram unma instituicao until, ainda merce
maier louver.
Publicando, por ordem alphabetica, os nomes
das pessoas, a quem se refere, deve a commissao
especificatr os trees eximios professors, a quem
coube mais pesada tarefa: o Sr. Jorge Victor
Ferreira Lopes, director do concerto, e eos Srs.
Marcelino Cleto e Candido Filho que dirigiramn a
orchestra e as bandas militares, alm-das peas que
eIes trees executaram em piano, violino e flauta.
Recife, 17 de maio de 1884.
Quintiuo Josd de Miranda.
Antonio Gomes Miranda Leal.
Cicero Odon Peregrine da Silva.
Francisco Magarinos de Sosuza Leao.
Jojo Baptista Regueira Costa.
SJoseHygino Duarte Pere.ra.


Relagao das Exmas. Sras. e cavalleiros que se dig-
naram tomar part noconcerto
As Exmas Sras. DD.:
Adelina da Silva.
Amahlia de Paula Ramos.
Alice Adour.
Amelia Fiok de Miranda'.
Amelia Rabello da Silva Santos.
Aurea da Cunha Leal.
Dina de Miranda.
Eliza Fernandcs da Camara.
Euthalia Froes de Oliveira.
Francisca Baptista da Silva.
Hermina Froes de Oliveira.
Isabel Clementina de Brito.
Julicta dos Santos.
Leopoldina Viegas.
Maria Amelia Teixeira Gui maracs.
Maria Annnnciada Magalhlaes L:al.
-Maria Cabral.
Maria da Camara Sampaio.
Maria Leobina Braga Loyo.
Ma ia de Paula Ramos.
Philomena Candida de Oliveira Fonseca.
Os Dims. Srs.:
Alfredo Sergio Teixeira Lopes.
Dr. Antonio Carlos Beltrmo.
Antonio Martins.
Augusto Hygino de Miranda Junior.
Candido Filho.
Candido Lyra.
Conde de Loredam.
Carga dc Lisboa
Batatas 20 1/2 eaixas a Guimarces & Valente,
20 a Jos6 Joaquim Alves & C., 50 a Paiva Va-
lente & C. 50 a Rosa & Queiroz, 50 a Manoel T.
daCosta Ribeiro.
Cebolas 20 caixas a Rosa & Queiroz, 25 a Ma-
noel T. da Cunha Ribeiro.
Joians 1 caixa a J. Krause & C.
Luvas 1 caixa a Guimaraes Irmao & C. Li-
vros 1 caixa A. Santos.
Vinho 4 pipas e 20/5 a Souza Bastos Amorim
& C., 10 e 10/5 a F. ILR. Pinto Guimaraes.


Vapor inglcz Gaudiana, entrado dos portos da
Europa no dia 21 do corrente e consignado a
Adamson & C., manifesto:
Armas 5 caixas a Antonio Duarte Carneiro
Vianna, 11 a Monhard, Mettler & C., 2 a Otto
Bohres Successor, 1 a Manoei Rodrigues da Silva.
iAmostras 23 volumes a diversos.
Batatas 100/2 caixas a Domingos Ferreira da
Silva I C.
Cognoc 1 caixa a A. Labille. Champagne 10
caixas a R. do Drusina & C. CalVados 3 caixas a
Cesar Lopes & C.
Encerado 2 volumes a Antonio Jos6 de Aze-
vedo.
Ferragens 2 caixas sFrancisco Lauria & C., 2
a ordem.
Luvas 1 caixa a Antonio Corrcia de Vasconcel-
los.
Mei-ts 1 caixa a Olinto Jardim & C.' Mercado-
rias diversas 1 c ixa a Francisco Gurgel do Ama-
ral, 3 a Francisco Manoel da Silva& C., 2 ao The
New London and Brazilian Bank, 6 a ordem,
ProvisOes 53 caixas A ordem. Papel'r 12 'caixas
& ordem, 1 a ParenteVianna &C., 6 a Otto Bohres
Successor, 40 fardos a Monhard, Mettler & C.
Qaeijos 35 caixas A ordem, 13 a Domingos Fer-
reira da Silva & C., 13 % Joo F. do Almeida.
Sardinhas 100 eaixas a Pexaoira Carneiro & C.
Sapatos 1 caixa a Gomes de Mattos Irmmos.-
Toucinho e pr.sunto 6 barricas a H. Nuesch &
C. Tecidos diversos 15 volumes a Cramer Frey
& C., 3 a D. P. Wild & C., 6a H. Barle & C., 4
a Loumeiro Maia & C., 4 ordm, 81 a Rodrigues
Lima &C., 5 a into Jardi') C., 3 a A. Viei-
ra& C. 63 a Luiz Antonio Jquera, 87 a Mo-
aha settler & C., 2 a ruciso Maia &C. Tin-
tU 1 caixa a Paremnte Vianna & C.
Viaho barril a A. M. Veras, 2 a Mello & Bi-
et, 3 a A. Nseiimento, 2 a Bemnct &C., 3 a H.
Barte & C,2 e 50eaixasa Ramos & C.
DESPACHOS DEXPORTAQAO
Em 20 de maio de 1884
P o* exterior
-No vasow m ale r iam'.asM-. tauan:u


U ICIAQ E Ao Mr i 1SgE
17 1RQA00 ORO SNT 1
k- 111 I-: 1i Af I ').


I


Para o Rio Gcande do Sul, H. Lundgrin & C.
89,000 litros do sal.
No vapor francez Ville de Maranhko, car-
regou :
Para Santos, S. Guimaraes] & C. 500 saccos
corn 30,000 kilos de assucar mascavado.
No hiate national Dens te Guarde, carregou :
Para Araeaty, Oliveira & C. 57 barrincas corn
2,150 kilos do assucar branco.
No vapor national Ipojuca, carregoa :
Para o Natal, L. G. da Silva & Pinto 2 saccos
corn farinha de mandioca.
Na barcana Ralnoa dos Anjos, carn-egou:
Para Maracajad, P. Alves & C. 4 barricas corn
240 kilos de assucar rcfinado.
-- Na barcaca Maria, Olympia, earregou :
Para S. Miguel, J. A. G. Fires Junior 1 barrica
corn 100 kilos de assucar refinado.


MOVIMENTO DO PORTO
*Navios entrados no dia 21
New-York per Baltimore 98 dias, hligar inglez
Hawy Keslak, de 253 toneladas, capitao J. P.
Le Blawcq, equipagem 8, carga farinha do tri-
go; a H. Nuesch & C.
Southampton c escalas 23 dias, vapor ingl:z
Guadiana, de 1,490 toneladas, commandante F.
A. Horton, equipigemn 68, carga varies gene-
ro3 ; a Adamson How'e & (C.
New-York pelo ParA-24 dias, vapor inglez fPer-,
tuense, de 939 tonela-l.ts. comm-indante Frede-
rich Hews, equipagm 30, carga varies gene-
ros ; a Johnston Peter & C.
Cardiff-34 dias, barca noruega Kaltad, de 482,
toneladas, eapitao S. Moasen, equipagem 12,.
carga carvao; a Wilson Sons &U C.
Rio de Janeiro-10 dias, iluga ipgklz May, de
.296 toneladas, capitito David M. Calpen, cqui-
pagem 8, em lastro; A ordem.
I Nvios sahidos no mesmodia
Montevid6o-Lugar ailemao Thilothea, c.pitao
SJohn Muller, carga assucar. "
Havre e escalas-Vapor francesz Vile de Pernain-
buco, commandauto Thannay, carga various go-
noners.
Santos por escalas--Vapor inglezs adiana, com-
mandante F.A. Horton, carga varieso generous.
Observalo -
Suspen;cu do lam-rlo pars Maeei6o lugar in- V
glez Mene, capital William Mulchny, corn a m3a-,
inma carga qune trouxe deTerra Nova.-


VAPORES ESPERADOS

do #WM-e *
4^l'^ l ;*(:,B~


a, 25,
:lIy~A -
a IGlll


Restauragao Pernam.

bueana
Nio tendo sido spresentado o parecer da com-
misdo de fimmanas. sobre o qual devia basear-se.
aliquidasap deata seciedade, fieou a sesslo adia-
da pars terga feira vindoura, 27 do vorrente, a
qual era intanaferivel, embora s6 compareea nu-
mero legal pars funecionar ordinariamente,
Recife, 14 de mako do 84,=0 secretario,
Deomedante Magalhes.

10nta-Pio o0sO[ficiafes HIorarius

gto Hirdto
Tendo este Monte-pio de olemniaar o sea 100
anniversario, corn uma eessAo magna e de posse a
nova directoria, convida a to los os Sris. officials.
honorarios, a comparecerem no dis 25 do corrente
is 11 horni da manbh na skde da sociedade Luso-
Brasileira, afim de assistir este acto.
Da mesa f6rma convida aos Srs. officials ho-
norarios e mais coitpanheiros de campanha e pa-
renutes d'aquelles que falleceramn na memoravel
batalha de 24 de mnai, a asistir a missa e me-
mento que o Monte-Pi iandla resar na igreja da
Conoeico dos Militares a; 9 horas da manh do
referido dia. hd
Sccretaria do Monte-Pio, 2rde maio de 1884. 0
Io secretario, alferes-Apolinario L. Carneiro.

Obraspublicas
De ordem do II!m. Sr. engenheiro chefe, faco
public que em virtude de ordem do Exm. Sr. de-
sembrrgador president da provincia, vao em pra-
ga, perante esta reparti ao meio dia, os reparos de quo ainda precisa a.
ponte dc S. Joae, na importancia de 2:458M480.
0 orcamcnto e mais condiVes do contrato se
acham nesta repartigo para serem examinados
pelos pret ndcntes.
Secretaria da regartiao das obras publicas, 15
de maio de 1884. 0 official,
Jolo Joaquim de S'q eira Varejao.
De ordem da Illma. Camera Municipal, sao-
convidados os donoa dos estabelecimenlos das
ifreguezias de S. Jras6 e Recife, para virem a sec-
gao cempetente ever os pesos, medidas e balan-
gas dos mesmos, uo proximo mez de maio, sob-
pena da lei.
Pago ds Camara Municipal do Recife, 30 de
abril de 84.
Jose Caudido de Moraes,
President.
Pedro G. de Ratis e Silva,
Sec ietario.

Inslilulo Areheologico e Geograw
phico Pernambucano

Sexta-feira, 23 do corrente, a 1 hora da tarde,
haverA sessao ordiriaria.
Secretaria do Institutb, 20 de maio de 84.
0 10 secretario,
Baptista Regueira.
A Camara Municipal dn cidade do Recife
faz publieo a quem interessar posse, que em ses-
sao de 14 do crreute, se resolve designer o final
do caes 22 de Novemnbro extreme sul da freguezia
de Santo Antonio, na travessa da rua da Praia,
para deposit de matcrias inflammaveis, visto
existir um s6 ponto para esse mister.
Pago da Camara Municipal, do Recife, 15 de
maio de 1884.
Jose Candido de Moraes,
President.
Pedro G.-udiano de Ratis e Silva,
Secretario.



























l-::I;


8390 8419 84,4 @-1 l 9 gm
8433-8438- -8439-8M484444.8
8460 -w466-- 846254f141-14O^-8466
8484 8486-M05 -8507 8509S ,8519
8521 8528 8529-8534 858M-8 M
8545-8550--8554--8560-8573 -8583
7934-8071-8209 8285 8354 8453
8990-8110 -8222 -8321 8367-8472
8021 815-8235 8330-8387-8520
8055 8187 8262-8345--8432 8542
5BRocife, 21 de maio do 1884.
Q0 geate,
Francisco Jo. uim Pereira Pinto.
0 vapor inglez Feutonia esperado da
Europa ate o dia 29 do corrente, segue

depois da demora preclsa, -pars a Bahia,
Rio de Janeiro e Santos. Recebe carga

e passageiros a prego modico. A tractar

corn os agents Johnston Pater &C a rua
do Commercio n. 15 1' andar.


S.Recife, 21 de maio de 1884.
l ADMINISTRAQAO DOS CORREIOS DE PER-
-NAMBUCO, 22 DE MAIO DE 1884.
K Por deliberalAo da ageneia, foi transferida par
S hoje a sahida do vapor francez Ville de Maranhao,
fexandoa mala regislrada As 10 horas, e a ordi-
naria as Ithpras.
0 administrator,
yffojso do Rego Barros.
;IRIANDADE
DO

sn cralnto dlamnzfls,8 Jose
D do Recife
De ordom do nosso irmlojuiz, convido aos nos-
we9 car-os irmaos para eompareeerem em nosso
cousistorio no domingo 25 do corrente mez, As 9
horas da manUh e 7 da noite, para encorporados,
assistirmos aos actos festivos do nowso padroeiro
o patriarchs S. Jos&.
Consistorio, 21 de maio de 84.
0 eserivao,
Heliodoro Rabello.

Celestial confraria da

SS. Trindade
De ordem do irmlo provedor, convido a todos
os carissimos irmAos, ex-juizes, cx-secretarios e
ex-thesoureiros. a comparecerem em nosso consis-
torio na quinta-feira 22 do corrente, pelas 10 112
horas da manha, para rennidos em numero legal,
serem escolhidos os irmaios qne devem administrar
esta confraria no anno comnpromissal de 1881-85,
de conformidade conm o art. 55 do compromisso.
Consistorio da celestial confraria da SS. Trin-
da", 20 de maio de 81.-0O seeretario,
Jos6 Ramos Olivcira Junior.


Bstra g dpte ferre tdo Rg cifo o8o

Francisco

Aviso
Em virtude do art. 76 do regulamento desta
estrada, As 10 horas do dia 26 do corrente e na
estaaio do Cabo, se venderao os seguintes objec-
tos : um saeeo assucar, area DGC ; uma barrica
louta BC ; um caixio fructeira de madeira COI ;
trees saccos cal JPS ; ruma marqueza ST ; dous
caixoes louca e gaz JCS ; -duas tachas velhas
MF ; um bahu roupa SP ; tires atados arcos de
ferso MRS ;umr caizo livros FS ; um embrulho
roupa JBS ; e outros objects dd pouco valor.
Cabc, 19 de maio de 1884.
Wells Kood,
Superintendent.

Santa Casa da lisericordia do
Recife


Na Santa Casa arrenda-se por um ai tre,
os segumtes predios :
Rua da Saudade
Casa terrea n. 5
Travessa de S. Pedro
Sobrado de dous andares n. 2
Rua do Born Jesus
Segundo andar do sobrado n. 13
Rua do Burgos
Casa tcrrea n. 27
Becco das Boias
Loja do sobrado n. 16
Sensala-Velha
Casa terrea n. 18 M
Rua da Moeda
Casa terrea n. 49
Senzala-Velha
Casa terrea n. 16


s annos,

40$000
305000
305000
18000
125500
255000
35O000
254000


. Run Imperial
Casa t,-rrea n. 127 12o000
SRua do Encantamento
Primeiro andar do sobrado n. 9 15000
Run do Viseonde de Albuquerque
C&3a terrea at. 61 175750
Secretariat da Santa Casa Ae Misericordia do
SBeAdfe, 13'de maio de 1884.
0 o erivao,
Pedro Bodei"so. do Souza.
CO


poa-wdo u


~IimI~o~meante, so-

Par pafagens, ftetc-, traeta- eom OB
agentes.
Borstelmann & C.
RUADO VIGARIO N. 3
P andar

hce Steas NavigaTIon Company
STRArrS OF AGELLA LE
0 T
Araucania
SEspera-se da Eu-
raps atWodis 8
de junho e segui-
rA arar'o sul de-
da demora do
Para carga, psage, en.om nda e dinhefir
a frete: tracta-se comos
Consignatarios
WLoso moAs AC., Limited
N. 14-RUJA DO COMMEROIO-N. 14


o vapor
Magellan
do sulat, odia 5 de
junbo, seguindo pars
-~ ~ M EzprR9 -106 '~ts
uropa depois da de-
ors do costume.
Para carga, passages, encommendas e dinheiro
a frete; tracta-se comos
Consignatarios
Wilson Sons & C., Limited
N 14- DO COMMERCIO N. 41
Companhia Brasileira de Nave-
gapao a Vapor
PORTOS DO NORTE
O vapor
Manaos
Commandante Gilherme Waddington
S E' esperado dos portos do
sul at6 o dia 25 do corrente
e seguira depois da demo-
-ra indispensavel, para os
A~mportos do norte ate Ma-
naos.
Para carga, passagens, encommendas e valores,-
ruacta-se na agencia
44- RUA DO COMMERCIO 44
PORTOS DO SUL
S0 vapor
Ceara
Commandante o 1.* tenente Guilherne Pa-
checo
E' esperado dos portos do nor-
et ate o dia 24 de maio e
SseguirA depois da demora
do costume para os portoadc

Recebe tambem carga pars Santoe e Rio Gran
de, frete modico.
Para carga, passage, eaom0mmedas wBlkI
tracta-se na agencia
44 RUA DO COMMERCIO 44


Rio
Victoria
Bahia
Macei6
Parabyba
Natal
Ceara
Mamranhlo
ParA
Manaos


Passages
90A000
811000
365000
185000
185000
31;530
67,500
995000
1355000
2055JOOO


Proa
275000
275000
135500
95 iO0
919'00
95 )00
105800
135500
165200
23;400
405900


ROYAL AIL STEAl PACKET
COMPANY


irande redaceAo nos precoe
pa maffens
0 PAQUETE A VAPOR
Tagus
Commandante Dickinson


daI


*S k E' esperado da Europa mo dia
'-> /123 8do corrente, seguindo de-
^J^^pois dademora nocessaria pars

IaNfa/, ode o aneiro, Ionte-
vd46o e Bmemos-yAres -
Redueiao nos preos para o lo
C 9 de a eiro 8
S.cI.ase9O e 3. clase27gSO0


Iliacrario.
IDA
lahida Souxthamnptom 1
(Imugada Bordeaux 4

S. Vic *
S Pemnrabuo o 20
MaceWW 21
S Ba & 22
ie de Janeiro 26
S Santo. 28
1Montevido w .
S: Bueo-Ayes
Coorme as ordeasdo Rio


I':
24
20:
6 -
10
.a


7 2

bels.


II5UEIU 113w
Sexta-feira, 23, o do engenho Burity, o da
caa terresa n. 7, da rua de Mariz e Barrox, edo
9obrado do largo do Mercado n. 19, edificado em
chlos proprios.

Leilao semnanal

CAIMO E SILVA
Sexta-feira 21 do corrente
AS 11 HOBAS EM PONTO
Mobilias e moveis novos e usados, espelhos, qua.
dros, relogio, lou9a, vidros, miudezas, ferragens,
phosphoros, retroz, hIbas, camisas, costumes de
casemnira, lona, joins de ouro, prata e brilbantes
e outros muitos objects patented.
32 paneiros corn gomma. .
Um important eavallo novo born andador, bo-
nito e gordo sem defeito;
Ao latert io martello

27 Travessa do Corp0Santo 27


Leilao
De ama caixa area F. L. n. 111t
contend espelhos
A variada e descarregada de bordo do vapor al-
lcmlo Corrientes.
S .a -feiNr. 23 do corrnIto
AO MEIODIA
POR INTERVENVAO DO AGENT

Alfredo Guimaraes
Em seu armazem a rua do pom Jesuns n. 45.

Leilao
Do sobrado do large do Merca
do n. 19 ediflcado em ebios
proprlos eom sotio e dous
quintaes. --- .. -
ta -f4iNa, 23 tl0 cofnnte
A's 11 horas
Na rua do Born Jesus n. 43
0 agent Pinto levarA novamonte e pela ultima
vez a leil6o servindo de base a offerta obtida no
10 leilao a casa de urn andar e sot.o pertencente
ao espolio do finado Franeisco.das Chagas Galvio
servindo de base a offerta- obtida sendo que
n'aqaclle dia sera effeetuada dita venda corBquem
melhor vantgem offerecer de conformidade cornm o
despacho do HIm. S. Dr.juiz de brphlosem vista
da informa*o do inventariante dao mesa casa

Leilao

De fazendas avariadas
CONSTANDO DE
Algodies, hitlas, brims, melas
e muitas outras fazendas
exta-foi, 23 oi corrolte
A's 11 horas
POR INTERVEN(AO DO AGENT
Alfredo Guimaries
Em seu armazem a rua do Bom Jesus n. 45.


Leilao
De urma caixa corn 1,000 duzias de carri-
teis corn corda para viola
Sexta-feira, 20 do corrente
A's II horas
POR INTERVENAO DO AGENT

Em sou armazem a rua do Born Jesus n. 45.
Leilao

Da aragao, pertences, e mercadorias da
fabric a de ciganoda ruaDireita n. 1I
En kumn oU mai Wlote
Sextaeinra, 2Sdo crrente
VA's I h h as
Pelo, agen:' te_ Martins.

jLiI&om-Ar'
1 ', **- 1*, .' \ y '. *' ll>lt -


LN. 41


u burma :prmt fogo, 1 secret.rina corn
5lI, eat r.ns parami d pessoa, 1 dits
- pw1 2 pwes "a s "o, mo spars fazendas e outros
6vvwls do srmisim da Rui do B&wn-Jesus a. 2.
S4b1a0o24
A* w~odia

(^Em emitmasncao)
UI~fflaobP1Scoam tempos do pedma, cadeiras do
.Shiano, 1 guard loupa, meoas, tadeirr e oo-utroe


Agele Rurlamaqui
S Lila6o definitive
De um sobrado de urn andar e grande pavi-
mento terreo a rua de S. Se' astilo em Olinda sob
n. 8 em ehbo proprio, oide funeciona uma padaria
e rende annualmente 700$000; serve ndo do base
a offerta do 1l leilao de 3,5105000.
Sabbado, 24 do corrente
A's 12 horacs'em onto
No armazem da rua do Impe-
rador a. *a
0 agent acima, autorisado por D. Ismenia de
Almeida Vasconeellos, lt:vtrA a leilao, o predio
acima mencionado, que se acha bern localisado,
ondo funcciona o mesmo ramo de negocio ha cer-
ca de annos.
Os Srs. pretendentes desde jA podero examinar
referido sobrado aeima menconj'do.

Agente Pestana

Leilao


De uma armnago toda de amirello, envi-
dragada e quase nova da taverna do
pateo do Carmo n. 29.

8bbao. 24 do corra to
A's It i horas
No pateo do Carmo n. 29
0 aente PeItana, c mpetentemente autorisado
fara WeWdo por conta e risco de quem pertencer,
da armaco acima.
Ao correr do martello

Agente Silveira

Leilao
De generous, armaao e uten(I-
lies da taverna sita ao largo do
Paraizo n. 31
Sabbado 24 do corrente
t A's 10 1/2 horas
O gento acima, devidamente autorisado, leva-
rA a eililo a referida taverns, em umn ou mais lo-
tes. Garante-se as crmaves.

Leilao
De 50 duzlas de chales de lia
Avariados
Sabbado 24 do corrente
A's Iti horas
No armazem da rua do Born Jesus n. 2
0 agcte Pinto levarA a leilao, por autorisaciio
e em presence do Sr. consr de Frana, urna eai-
xa marca M&P e F em baixo, n. 434, contend 59
duzias de whales de la, vindsa de Pariz no vapor
francez Belgrano, consignada aos Srs Machado &
Pereira, negociantes n'esta prza; o leilao terA
lugar As 11 horns, por occasiao de mn outro leilao
de fazendas limpas e avariadas. ,


Leilao

De differences volumes corn fazendas


avariadas
Descarregadas do vapor inglez ,
"Constando


Trent (


Estopas, saccos vasos, madapoloes chitas,
algodoes, chales, oxfords, e outras fa-
zendas.
oabbo, 240, do corrento
A's Iit horas
No armazem da ruMa do Born Jesus
n. 2.
0 agent Pinto ihvar.A leilo por conta e or-
dem de diversos differences fazend4 a variadas
existentes no armazem di rua do Born Jesus
n. 2.
Eon continuaaio
Venderi o mesmo agent
Por liquida0io
Brins-b-Cos e.pardos, toalhasi platilas de li-
nho, riaad*, fixs, casaveques de Ia e outras fa-
zendme.


Urna barma prova de foge, 2 caras, 1 seerm-
tana, mesas para fazendas e eotree- moves.


47
m ao l '. ,v'.*


A*.^ tIhlewas1
POR INTERVENILO DO AGENT


En seu eserifptoro d rua do Born Jesus
n. 45

Leilao
Do engeorho BURITY, sito na freguezia
d'Agua-Preta da comarca de Palmares,
comrn casa de vivenda e de lavradores, to-
dos os sens pertences, mocnto e corrente
Sexla-feira, 23 do corrente
A's it horas
Na rua do Born Jesus n. 43
0 agent Pinto levarA novamente A leillo, s r-
vindo de base a maior offerta ultimamente obtida,
A requeriimento dos administradores da massa fal-
lida de Jos6 Tavares Pinheiro, e por mandado do
him. Sr. Dr. juiz especial do cominmercio, e enge-
Iho BURITY, pertencente a mesma massa; As 11
boras do dia-acima dito, em sea escriptorio, rua
do Born Jesus n. 43.


Agente Silveira
Leilao
Do terreno sito i rua de D. Maria, fregue-
zia da Grna, terreno proprio
Seguoda. felra, 26 do corrente
A'S 11 HORAS
No armazem de moves larm-go do Paraiso
n. 26
0 iagente acima por mandado e assistencia do
Exm. Sr. Dr. juiz de direito de aunentes, a reque-
rimento do Dr. curador de auscntes, levarA a lei-
lo o referido terreno, espolio de Marcellino Mruno
do Rosario.


AVISOS DIVERSOS




URGENTh
Precisa-se de urma

ama dle kite, que seja

sadia, para amamentar

uma crean a de pouco
tempo, paga-se bern;
no escriptorio d'este

Diario se dira.
Aluga-se o segundo andar da run do ....
da Victoria n. 14 ; a tratar na loja do (1;0.-.:i
sobrado.


0 desembargador Henriqtic Percira de L'i-
cena perdeu a police provincial n. 2839, do v)a.
de 1:0004, pertencente A su. tfilh Maria Arinini-
ciada Carneiro de Lucena, e para poder requerer
outra em substitui"ao, faz a present declaraa',.
Aluga-se o andar terrco da c:is;i n. 41 a rua
do Rangel ; o 2o andar ao sobrado n. 34 A rua
streita do Rosario ; as casas n. 1 a travessa dai
Hora, no Fspinhciro, e a de n.... em Apipucos.
A' -t o+rimeiro andar do predio n. 10
A praga imercio : a tratrr no pavimento
doco errmie p redlo.
Aluga-se uma boa casa na estrada d&s Af-
flictos : a tratar no escriptorio de Jos6 da Silva
Loyo & Filho, caes da Companhia Pernambucana.
Quem precisar de uina aria deo kite, indie",-
se na travessa de S. Pedro n. 8.
Offerece-se urna senhora de born eominporta-
mento, para ensinar em easas particulires as pri-
meiras lettras e todos os trabalhos de agulha :
quern de seu prestimo se quizer utilisar, dirija-se A
rua da ViragAo n. 31, sobrado.
Precisa-se de uma ama para comprar e co-
sinhar; na rua do Bara.o da Victoria n. 14.
Precisa-se de urma ama de leite e de urna
engommadeira ; na travessa de S. Pedro n. 8.
Compra-se uma police provincial dc 1:0005
e cinco de 1005 : a tratar na rua Primeiro de
Marco n. 12, 10 andar.
Aluga-. e os aidares superiores do predio n.
51, sito A rua do Imperador : a tratar no pavimen-
to terreo do predio n. 10, A praqa do Commercio.
Precisa-se de urma. ama que cosinh e cnglnom
nme corn perfeiqao, para easa ide home roltciro:
na rua da Uniao n. 54.
Offrece-oe uma. -.osturrira par i mortar b o-
ser em casa de familiar ; na rua de Hortas n. 12,
primeiro andar.
Pede-se ao Sr. Antonio Lopes Rodrigues,
que venha dar cumprimnento A suan palavra fixada
pars o firmde abril, na rua Nova n. 26, primeiro
andar.
Preciaa-ss fallar com o propritario dos f6ros
do sobrado da rua Duque de Caxias n. 46: a
tratar no mesmo.
Bijouterlas de phantasla
Alfinetes de gravatas em 40 models, correntex
de relogio e botIes pars homes, pulseiras, alfi-
notes, voltas e porta-leques para senhpras e meni-
nas, models bonitos, a Imita*o de ouro; amos-
tras'na vitrina da loja A rua Nova n. 16.
Arrenda-se o engenho Parana, silo na fire.
guezia da Escdav moente o corrente a vapor,
b obrado, corn proporoes para 2,000 pIes an-
nuaes, e distant urma logoa quer da estaso de
Ribeirao, quer da eatasao de Aripibr ; a tratar
no ,engenho Born Destf, p Gaamelleira, corn o
capi lo Domngos Thedoro Regueira, ou no en-
genho S. Pd corn o eapit o Ernesto G onalve
Perira Lime.


Sfap


em presar de uram senhora pars ensi-
ugu6, dou"riaa, franesz, mustso e pjano,
nflod do madeir, eoumro e bordado deUt.
dira- a ruam do onde .'a Boa-Vista
Caiinho-Now n. 128- Na mesma casa
s de um' benhore que tenha, Rgunla


deja-
S17 : :'
1 .-3 -


Prc~o Ama
Precia se de umn ama para eomprar e eosi-
ntar: na rua do Wtddeireiro n. 12, Andr.
Caixeiro
Precisa-sQ de im e'iixciro corn rrticadeota-
vernam, do idade de 12 A 14 aInos ; na run da
Ponte Velba n. 77. .

Ama
Precia-se do nna ama eosirtheir, para easa de
familiar ; a tratar no 2- andar da casa n. 51 dit
rua do Marqnez de Olinda.

Ama'
Precisa-se de uma cngommadeira pars easa de
familiar : a tratar na rua d(to Hvspicio, casa tcrrea
numero 45.
-- r t-4 deuU i.tjji professor ou professor, jA
de idade avan~ada, scm ftamnilia, para ensinar em
umn engenho a dous me-tinos as plinciras lettra ;
quern pretender, dirija-sc a rua do Imperador n-
81, ala da frente.
IM


JOae ~Errira Ramos
1 anniversario
Maria de Jesus Lcnmos Ramos,f Joaquim Fcrrei -
ra Ramos, Jraquim Ramos Ferreira, Caetano
Ferreira Rimnos, Minocl Ramos Fsrreira. Juse de
Faria Machado, Candida Ramos Machado, Ma-
noel Jose Maia, Aguida Rmos Maia,, Joaquim
Ferreira Ramos Sobrinho, Anna de Jesus Ramsp
e Maria de Jesus Ramos, convidam a todos Is
scus parontcs c amigos 14 assistirem as missas que
por alma de sel fallecido inarido, irmao, pai e.
sogro, Joio Ferreira Ramos, mandam celcbrar na
matriz de Santo Antonio no dia 23 do corrente, : .
7 11 horns da hd, primeiro anniversaries d-
sell passamenito.





Othon Xavlcr de Oliveira


A viuva, m>e e filhos da Othon Xav'r de 01 i-
veira, convidam seas parents e amigos para as-
sistirem as missas que no din 26 do corrente, pri-
meiro anniversario do fallecimento do mesmo, man-
dam celebrar na matriz do Corpo-Santo, As 8 ho-
ras da manhi, desde jAi confessam-se agradccidoa.
por este piedoso obsequio.

A




Manoel Pinto das Neves
A direetoria da Associalo Portugucza de Be-,
neficencia manda resar urna missa por alma do
finado consocio bencinerito Manoel Pinto das Ne-
v s, no dia sexta-feira 23 do corrente, pel.xs 7 1- 2
horns da manh;, na 'grIja matriz d- Santo Anto-'.
nio, para a qual conuvida a todos os associados,
parents e amigas do tinado, antecipando reco-j
nhecimenuto aos que compareccrom. retaria da.
direetoria, 21 de inaio do 84.
0 secrctario,
Mano" Martins Capito.


Maria Enilia Goicalvces Nevex
Ludgeru Joaquim I e Faria Nevcs e seus filhos
profundamnente scntidos pela morte de sua presa-
da esposa e mili, agradeccmrn a todes os seus ami -
gos e parents quo se di.naram acomnpanhir ?t&
o cemiterio public o cadaver da mesma sun es-
posa e mai ; c dc uovo Ihes pedem a earidade dc
assistirem as missas, que pelo eterno reporso daI
mesma teem de ser cclebradas As 8 horas da i-
nha do dia 2-i do corrente, setimo do seu falleei-
mento, nas igrejas da ordem terceira do Carmino do
Recife e na mnati.-I dde S. Pedro Martyr de Olinda;
antecipando-lhes sun cterna gratidao.
qf




Anna Maria dlos Passos
Rnga-se aos senhorcs reverendos sacerdotes
para celebrarem missas pela alma de Anua Maria
dos Passes, na ordem terce r .t de N. S. do Carmo,
das 6 Ais 8 horas da manlih do dia 26 do coTrrente,
1" auniversario do sen fallecimento.
9




D. Deiphita Iar nin ldo Souza Bei
Antonio Francisco' dos Santos, D. Anna Rosa
dos Santos, D. Luiza de Souza Gouveia, Dr. Ma-
noel de Souza Gouveia (ausente), agradecem cor-
dialmente A todas as pessoas que fizeram o obse-
quio de concorrer ao enterramento de sua presada
cunhada e irma, D. Delp'- ia Maria de Souza
Reis. Outrosim, convidam seus pr)utes e au i-
gos para assistirem as misses de setimo dia que
mandam celebrar em suffragio pela alma da finada
ea.nda-fsira 26 do corrente, na -L'eja do Terco,
As 7 horas da manhg, e desde jA se coufessam
eternamente grates.
Conego Fratuneisco lto ael Pereira
de Urtteo Medeiroes
JoAo Vicente de Torrei Bandeira convida sos
psArentes e amigos de reverendo conego Francisco
Rochael Pereira do Brito Medeiros, a assistirem
no eonvento do Carme, no dia 26 d a corente, As
8 horas da manh, urma missa que lhe mando re-
sar por sua alma ; -pelorne decade jA se eaou-
fessa #rato por esse aotc de earidade e etema
me o a. ,*,*, __ ^ __ '



MOFINA
A nada disso o bruto se movia.
Ha steo aunos que seorogao14 g aio
Vieira de Mello, 1 escn ri dit &" do-:
Nazareth, has.olo anno squ o-pw -- Au. V


,T-."
.11 =1


'1.'1














|, *N









= i^'1


IU:e 1l
























tem oxpogto-
etes garantidooB da
1 rigrejla- de Nossa
de Pasmrado, -qu
23 da corrente.


Pre'~ps
S Billhete inteiro 4W00
Meio '* 2WO
Quarto Woo
X p po~fie de o 00" para
elm
Bilhete inteiro 36500
Meie_ 1#750
Quarto 875
Antoio Augnsto dos Santos Porto.

(]SA DoOtOU#0


Uos 4: 000


Rua do Barao da Victoria n. 40
e casas do costurie
0 abaixo assignado acaba de vender
em seus felizes bilhetes um quarto de n.
199 com a sort de 4:000#000, dous
quartos de u. 2,692 cori a sorte de 2006,
dous quartos de n. 3,063 corn a sorte de
100k, um quarto de n. 976, corn a sorte deo
100 000, e diversos premios de 323000,
16,X00a 8#000.
0 mesmo ab:;ixo assignado zonvida aos
possuidores a virem rpceber x 3. conformi-
lade do costume, sem desconto algum.
Achamn-se A venda os felizes bilhetcs
garantidos da 9.' parte das loterias a be-
neficio da igreja do Nossa Senhora da Boa-
Viagem. de Pas:nado (39.'), que se extrahi-
2, na sexta-feira, 23 do corrente.
PfRECOS


Inteiro
Meio
Quarto
Em porlao


4000
2000
16000
de t00,%000
elma


para


Inteiro 36500
Meio 16750
Quarto i875
Joaoo Joaqum da Costa Leite.


Altenacao

N. 600,000
E inacreditavel que o Sr. capitao do 14o bata-
2iHo Francisco Antonio de Sa Barreto nao queira
por forma alguma chegar a um aecordo corn seu
credor quando tern consciencia qup foi para um
fim tto sagrado.
N. 390000
Ioga.-se ao Sr. Antonio Bezerra de Menezes de
Lyra quo o adiantanmcnto que se Ihe fez foi para
um uimn ta'te tao sagrado, e quando o senior
3e- fi1ho csPlv no 10 anne, tendo consciencia que
set credor precisa.

Aftencao
No Chacon. taverna do Hypolito, vende-se um
;iindro inglez todo ae fcrro, em porfeito estado,
Tina masseira corn fundo novo e tampa, de ama-.
relie. e tendedeira ; todo e qualquer negocio se
.iaz, visto que nio precisa.


Precisa-se de uima easa pars regular familiar,
eom agua, esgoto, etc., situada perto das lUnhas
4 bonds daN Magdalcna ou de Fernandes Vieira,
e alem das ruas da Soledade e Visconde de Goy-
amnna ; na rua d Bernm Jesus n. 61


A
Mathlue
M. 18, tee
2ezmna :


TTENCAO
3 Austin & C., na rua do Commercio
'm para vender madeira de pinho de


3X9
3X12
4X9
1112 X 9
Em lots a vontade dos compradoreq. preqos
modicos.


Aluga-se numa easa no Espinheiro A rua do
Dezcmblargador Nunes Machado n. 1, corn gran-
ges comrmodos e um grande quintal murado corn
rnitas arvores fructiferas, muito boa cacimba,
corm agea encanada c um bonito jardim : a tratar
-,a rua de Pedro Affonso n. 70.

Caixeiro
Precisa-sc de urn caixeiro corn pratica de ta-
verna, de 12 A 18 annos : no Corsario Negro do
Taradouro, cm Olinda.


Este remedio precioso tern gozado da acceita-
So public durante cincoenta e sete annos, comn-
eando-se a sua manufacture e venda em 1827.
S" a r poprlaridadee venda nunca fordo t5o exten-
-, CM aom present; e isto, por w si esino,
Olib~a a ^no !1rova da-ns ua imcia maravil-
Nr o olsitamos a dkeii,. ,aitcemrdeizad
9m 0"s0; 019M de .Xhtiip= -as vonwis.. nuer em


toes uft *** .M yyaa Agog*1-."
memia9 mems miachiticos deevm a
sande ao iu da Pepima. Por i.. qm"
consideine mo aum verdadetro ever o *o-
,.emmeudal-, os meudoevimsaumj igrandw.
,numero de ;ca.,s
* f Tephoprtiaado como medicopubiomdi-
rante s annoaoie t83t a A86l paw& odo & un
que a necessidade de o roaltmentos
ir.aiediatamentle 4sunMo kaim m-
.p6riosa do que hoje; e o u eo 0 tltu1
SerdUM maiS vIosga'wam ftgjwn"Ih
Sp dotadas d'um robuso apmtiet. faoreublU'
grade abundmncia d mucc"s ps
ae provo-.ava a prmpta tranfoa.
'6 &os alimenteos maw, refractatio.
v Iojeporf, po iisqeosectomagosdsidln
Wtaos careoem de enegia, 6 enavwesisaf
lan~ar raio de todau as atbtanda a .f-
:ciUta a digestio, como, por exmpo, do '
3ua Pancreatina.
0 preceito de hygiene mate impometate,:
i:ordm trais desprezado 6 este :. G#o-r.
,,ilto pors reparar muito. E' este s oe-
Sgredo da saude, o durante muite tempo w
I -eus estuuls tiveram este aunjtt por
Principal objeeto; alfm d'isso, a .nfnha ii-
tuaRo de medico na RepamtiaL e dBeBeefi-.
cencia d'esta cidade, em que os scrofulosoe.
>e iymphatizos abundant fora de medida me.
permitted fazer muitam felizes &Tppicaoe
de seus excellentes products. .
SAcha-se o deposit de tio valicto zedl-
camento nas Pharmacias e Drogarits d'esua
cidade. E' precise cuidar em recoitecel-o'
e nio Eceitar as imitaghes, exiginio que.
%eiavnrdadeiroVITHO PDEi-AM .




0 Shr Ion BLOCH, de
SGenebra (Suissa), tern a honra de
informar aos Sfirs Med'cos que
| acbaae aperfeicoar,pedajunKo
| "oNMICROSCOPIO

SThernmomietrdo .Cinica
de MAXIA .
N fl'-eglado em Framac no Estrargemro
Syenda m Oraoe, cm GENEBRA, na Coa do Inventor.
Shgiuamd Ptrm mbvee.Fr.Mldaflhaftm.


*1


4- j Is O :1,u por 15$90 ?

A. It 4 IHSWTY Tndo rebido em depawit, um grande quantidade de
T0108 DE.PIRATA 01gIR, tern esoldo epol-os a veziia pelo dimi-
e.liy hatoi proa. e d'15#000. Todo este relogios aseo moiak sore PEDRA\FINAS,
bow aon e s -l wrdore ^ i6 ualidtd6 rAl s d g 1d '


Eai1Wt..Oi
A-W LS$StoAl


I--- --B^^ ^ ^^ *~
I^kc .;defA ..'"
^IWimat *


Pr4rsmi- WI; 4 t inh rIS6UYMkr
rrmn fk a p~swrnadoidpt e e 4o ch< BAf.
ART0S REcGMtDMS

&sMUhs ydsu .C ld*isl diL
60WAS CONCEM ADASu puraeo0 f
OLIOCOMIE par a bellea doo &emu.k
I'EW NMfiO$' ACIIAIM-E AFAIMI
PAIS 13, m d'Eghime, I 13,Pm
BIpai u B tAd.. u Pfulbar, ftms tb
Cabelereiros do Amioam.


V4lV POPHOSPHITOSMI*

OS XAROPE$
AE HYPOPHOSPHITOJ
._ de. ea, do Cal e de Fer'-
.- -..megad, ecru tantu. eoito psaa?
!fan"' ritL tuica &, az sjo~ois'iist3?
tar'b,-uiosaa. vendemi-ss unicanaeats
OM 'joutor Cuzi"CnciLL sr'bre o vidrK.
Cob a Ictluenc'adcs HypbOhosphitoJe.
toss- dimin.e, o appetite aument&,|
fas for.ao tcrndo a vir, os suoaS aroo-
|'$upnno8 e c.va eatar dosusado. ar
.ijpophcsphib uo tevleo a itvs.
Pdo fabric. da Ph2rn. '.cia SWANP,, ,2r
.uct Castiglion3, Parid, sio os unicos'
PicmlJC-'P3;io$ e ?afG7fP..ffnlaxdos pelo
Or' CI URCKHILL, tuior" da descoberta s &
vus prpriedrcde* w.rvtoa. s.
% -o : 4 Ai. per frasw c: r F-nne. j
nag prIndpatus Pt trCsd, F


Grade Exito ha mals toe 20 annos


Ecte sMEDICAENTO, de sabor agrmdave,
_._ J_. I_ I. _*_ !. J* t.* _-_ *


9 Mapiao peos meinores eo ico ao rao ri
,mSS~ "jj! :" O01 i^L. s :B~l

BDEFLUXOS, GRIPPE, TOSSE, DORES DE GARGANTA ,
CATARRO PULMONAR
IRRITACOES do PEITO, das VIAS URINARIAS
Psm a da BEXIGA
J'S" ;, p, r1,m ,, Iris-Sait-setnr PIMS
rp oatos em Pwarnbc:r Ale M. I -SILVA P. .
a us a vrinfzraftTH PX*m m Y


VINHO EETRACTORFIGM
I ds:E SACAWAO d. A.
~~Csbl~ ^ttori 0. 4. H fuUs, asmi Ml oasis
* ^ rta IKSOasrv. puma Ai ^ssoaf quo ol podia sq* N4
"Vag"apet~dias ^ 4wutS 01*.
WtoMado aM m memaM das e omae wean.
*e*ga-se pois coo a a,
Aema ~ 4~


M M lW JI-8ENCImN 6. 3 A 40
CHAPEOS E CHAPELINAS PARA SENHORAS



C aliasn rlasrts 0 gCfons com vdri1hs.

Ditas effl., bn 9No ooeg corl..

Om iam ON ft Italia ofingloza Dan scllora, moninas e


IODINE

FMos go sfo ia, mitcacli o ramo s.
Chu do sa tImita lindllrosra baI)gtt

11m comlBto8oetiiltOn d01oll fosas timaios 0 cores.
GMeado o vafladissio sortlmoloto m sils, DomOS, lul s,

DOlWas N tno 0 tlgDtU a [itsa rDanmalento o (I IoN 0

yesthos.
Oload0 nata mpas, Dartuhs linfississimos.

sta casa roc bo M iroctanl at a Era sa rinciaos nmo-
istas flo Paris, o ie ha siro li g oalRa noy ido o aris [go



Joaquim da S. Carvalho &. C.


CUtAPELERLA VICTORIA


FUDICAO BRAL


ALLAN PATERSON 8f
N. 4--Rua do Brum--N. 44
JUNTO 41 ESTAVAO DOS BONDS


C


Tern para vender, per pregos medicos, as seguintes ferragens:
Tachas fundidas e batidas.
Crivaqoes de diverssos tamanhos.
Rodas de espora, idem, idem.
Ditas angulares, idem, idem.
Varandas de ferro batido.
Ditas de dito fundido, do lindos modelos.
Portas de fornalha.
Bancos de ferro corn serra circular.
Gradeamento para jardim.
Vapores de forga de 3, 4, 5, 6 e 8 cavallos.
Medas de 10 a 40 pollegadas de panadura.
Rodas d'agua, system Leandro.
Encarregam-se de qualqer conertos, asentamra machinimnos executam qual-
quer trabalho' corm perfeigao ou preste a.



APROVEITEM!!
Em vista de grandes compras e saldos de differences fazendas, estamos habili
tvdos a fferecer uma series 4e artigos, cujos pregos admiram, como sejam:
Fichus grandes de malhes corn bordados de lI e seda, a 44000, urn; C pe-
cliihcha e novidade!
Fi -h us de tecidos rendados bemrn mimosos, a 36000, um rn; convem !
Alt odlo liso, corn 20 jardas e em perfeito estado, a 36500, pega; que pechin-
chi iacoatestavel!
Saias bordadas, a. 3#000, 4#000 e 5#000, uma.
J1'hus pequenos, grande variedade de padres, a 1 500, urn; seo bemrn onsb-
i reto, trangado, i 500, covado ; que pechincha!
; ) branch alcochoado, grande variedade de padres, a 500, o covado;
aproveitem
Brim parlo, liso, a 360 rs., o covado!
Setim dee 26res, a 800 r 'o covado!
Chales aveludados, a 36{XO, um ; que manA!
Oxford's transado, fazenda superior de 400 rs. por 280 rs. o covado.
Casimira de duas larguras, preta e de core-s, a 2#200 o covado!.
Merind preto, bom, a 1#000 e 1#200'o covado!
Costumes de banhos de mar para home, a 84000, um I!
5 5 a : a senhora, enfeitados, a 10j000, urm!
Camisas doe inhuh acem lanhos,& a 48#000, a duzia; aprovoitam que nio ha


disso sempre I
Lenco abAlxhado para uso, a 20O(, a duzia!
: uiso d'algodo, a 4500, a pega; convem!
Clchi Parancms, de 7#000 a 12E400, urm!
Meia alvas, finissimas, pars senhora, a 5#0W, a duzia I
6 ,isaPara--homemA6#, a .bernbs!
Ha constantemente umuito boss casimirsa, fins extsactos,
punhos, lengos, gravatas, ceroulas, meias, et.., etc., em sluima a
i:|eittode artis. Para zoxmzem e Iqbei sim., grand. deposit dBe


camisas, collarinhos,
mais complete sorti-
roupa feita pars tra-

do em peg&.
fedo 1


WWWWWal,


Dito inglez de quatro largaras, sendo
de linho, metro a 2-3500 e 24800
Creguellas proprias para lenc6es, toa-
lhas, eeroulas, sendo fazenda muito
encorpada, cada peca corn 20 varas
por 104800 e em vara a 500
Ditas corn a mesrna medida a 800 rs., ou
vara a 400
Atoalhado adamascado para toalhas de
mesa, tendo 8 palmos de largura, me-
tro a 1800
Assim como um eompleto sortimento de
peas de algodaozinho arnericano e
inglez, que se vende par peca de 34 ate 6000
Isto na loja da esquina do becco dos Ferreiros.
Casemiras de cores
De 2:0O0 at6 6:000 rs,
SE rour aor.mffila
Alheiro & Silva A rua da Imperatriz n. 40, tern
urn immense sortimento de casemira de cores,
tanto claras como escuras, que vendem a 2W000,
2A500, at6 64 o covado, e'das mesmas mandam
fazer qualquer peca d'obra oucostumes, por pre-
9os muito ratoaveis, assim como tern tambem um
explendido sortimento de casemiras e pannos pro-
tos atW ao mais fino sedan que vemi ao mercado, e
des mesmos tambem se encarregam de mandnr
fazer qualquer peca de roupa A vontale do fre-
guez e corn toda a perfeicao e presteza : isto na
loja dos lbarateiros da Boa-Vista, na esquina de
becco des Ferreiros.
Merin6s pretos
aA62009,14009, 400 e 9#900
Os Barateiros da Boa-Vista, A rua da Imperatris
n. 40 tern um grande sortimento de merin6s pretoo
para vestidos que vendem de. 1 200 ate 2W20,
sendo muito boa.fazenda, aasii como ditos eneor-
pados para iroupss de homen 'e meninos qua
dem muito barato, na loja da esquina do beceeo do
Ferreiroa.

Os Barateiw 4a Ba-Tiata vendem muito bo
nitos liahos d jm,4 '9 do lisuiuhaa mat&
vest siens al6'soivado e de6re4-
Wistoa aru dla M a .40, esqum do b%_
dooFPerr wi.r


?.%! :y 1









i^"'





y: l;. i =


' /,I


J


DEPOS"O GERAL
13-Rwa P] 'eIro de "IxO-AS
Rio&k Janeiro
Unico agent em Pernambaco
ADAES4WHOWfiU *C
N.---3 Rua do Commereio---N.-3
A venda em todlos as laoticas e drogarias.
S Aligase barato
A easa terrea da Baixa Verdei n. I C.
A easa terrea sita L rua do Visconde de Goyan-
na n. 107.
A tratar no largo do Corpo 8anut-. 19.
AMA
Precisa-se de uma ama para lavar e eugommar,
para casa de familiar : na loja de livros ao p6 do
arco de Santo Antonio.
Pede-se
Ao Sr. Francisco da Cunha Moreira o favor de
vir & rua do Socego n. 70, A unegocio de sen inte-
resse.
Boa cosinheira
Precisa-se de umra cosinheira de boa conduct e
que seja moralisada, para servir em casa de uma
familiar : a tratar na rua Nova n. 13.


Fazendas

Para vestidos
Setinetas lisas e lavradas, sendo eom as
cores e lavrores o mais honito que tern
vindo ao mercado a 500 rs. e 640
Ditas muito bonitas, corn barras largas e
estreitas, covado 640
Gorgor5os bonitos de 1H, lavrados, para
vestidos, tendo de todai as cores, co-
vado 640
Merin6s de urnm s6cor, tendo de todas as
cores, fazenda de gosto, covado 500
Fastoes brancos, proprio3 par& vestidos e
roupas de criancas, de 440 rs., 500 e 640
Cretones corn barra e muito encorpados,
proprios para vestidos, camisas e roapas
de crianqas, covado a 360 rs., 400 e 500
Chitas, grande sortimento de chitas claras
e escuras, de cores fixas, de 200, 240 ate 400
Mariposas, as mais lindas mariposas que
tern vindo ao mercade, corn deseahos miu-
dinhos, co7ado 360
Paptiste3 corn delicados desenhos miudi-
nhos e graudos, assima camo lisos 200
Cambraias brancas tapadas e transparen tes
corn 8 jardas a peca 3;000
Ditas mmrito finas, tanto tapadas come
transparentes, tendo 10 jardas cada peva
a 4$, 4,500, 5j e b t6 7;000
De toda; estas fazendas se dao amostras corn
penhor, na loja dos barateiros da Boa-Vista, es-
quina do becco dos Ferreiros.
Em0nnmai m araas Ran., UaiiliRs

Fazendas brancas
Na loja dos barateiros
da Boa-Vista
40-Rua da Imperatrlz -40
VENDE-SE
Madapolo, peas de madapolao francez
enfestado corn 12 jardas a 31000
Dito muito largo corn 20 varas a 4 5000 e 51000
Dito, fazenda muito encorpada quo pa-
rece cretone, corn 20 varas a 5A500,
6000 e 6M500
Dito francez, americano, fazenda muito
final e encorpada de 75 ate 12A000
Algodao enfestado corn 9 palmos de lar-
gura para fazer (en96es de urn s6 pan-
no, metro a 900
Dito trancado corn a mesma largura,
proprio para leno6es e toalhas de
mesa, metro a 1A200
Bramante de algodao corn 10 palmos de
largura, proprio para fazer len96es de
umn s6 panno, 'netro 1A289
Dito francez, sendo de linho, metro a
L1800e 21000


_ M A


m


1MsVw~


&mom






























4


Tern bom srtimene-
to de panos, waemi.

mFs, cheviot, elastwc-
tim, brim e meI'&I6s
Pm a facts.
Preparam ternos paI
ra into cm 12 horas.
Modicidade, preste-
zaeperfeipAo.
'E _'ua da rma de

Santo Amnaro.

0 desrahqe e a vicima
N. 2:000,000
Bega-se ao Sr. Joao Gongalves dos Santos Ju-
nior que venha restituir aquillo .ue ihe servio
parao senhor nio commetter um crime lembre-'
S qae o qe enhor estA empregado, usufruindo dous
A.pregos, e 0o eeu eedor 4 pobre.
A 0MiATICANACIONAL
DE
J. A. DE CASTRO NUNES
Annotada pelo professor
JOS1 MAUKTINIANO DE SOUZA
Admw-se d venda
Na Livraria Industrial, A rua do
Barbo da Victoria n. 7 o nas demais li-
vrarias da cidade, a 1#000 o exemplar
d unsAma
Precisa-se de uma ama : na rua do Santa The-
reza n. 27.
Jardim das plants
B] a do Mondego n. 0SO
Sapotiseiros e sapoteiros muito vrandes e co-
pados, dando fructo, a 4; e a 3,, segundo o ta-
manho, e descondo ate 1A, corn seis palmos. Com-
prando-se mais de dez faz-se abatimento. Ha
outras muitas plants tambem para precos com-
modos.

Vende-se
os terrenos foreiros dos predios da rua da Impe-
ratriz ns. 27,29, 31, 33,35, 37, 39 e 41: a tratar.
na mesma rua n. 78, 10 andar.

Leite de aveloz
Para cora de cancros de toda a
espeele
Perfeitamente couservado liquid gramo e con-
denado, approvada pela Exma. junta de hygiene
publics do Rio de. Janeiro.
Privilegiado pelo governor imperial, pela effica-
cia da sua appcaao.
Os frascos trazem o retrato do bacharel Joao
Baptists Gitirana Costa corn a sua assignatura do
proprio punho e slo rubricados corn tinta encar-
usda pelo cirurgiao dentist Numa Pompilio.
Unieo deposito em Pernambnco, rua do Barno
da Victoria n. 54,1" andar.
Preeo decade frasco para cancros 6,300
Para uleeracoes e grannulacSes do collo do
eno e cancros syphiliticos, formula es-
ci[u 5A>000
Criado
Na rus do Born Jesus n. 57, segundo andar, se
precisa de umrniado.


DB
MIGUEL WOLFF &C.
Offerecem iao respei-
tave,.I, public n gran-
tee v*arwpo sortnimen-
tode :'o*iosdos.


An lhabui-i.


nos egenS 'Ara eOr d0sti
prvBa, e Boa Vista de ar a,
'"a 0 fr. v 4. asscntarmeat4o se produz o va-
pOr neessario para a moagem.
Ei *n as, rodas d ,agua, vapores e todo o
maebimsimu e ferramens preisos para enge-
A1os terna a venda grande sortinento da me-
ibr juml .
TML-*OS PARA CANNAS-. Tern de system por,
tatil simples, sea es ineonvenimeates que al-
s presea co; m carras prrios, loeo-

motivas etc. a prejos razoavcis, podendo fa=
er c.tntrato para o asscntawnento.
Nesta fu.di &o, a nulls autiga dcsta pro-
vincia, vende-se a prazo, ou a dinheiro corn
deseonto.
FUH |L oA-0 39 BOWENA


FUBDIUAG


DE E
DE


CARDOSO& IMO
RUADO BR t M.100A1104"
D ISIO IIS o IJ AIPOLLO33.2 K.2 B
Os proprietaries deste bem conhecido es-
tabelecimento pelas suas rela5oes direc4as


corn os melhores fabricantes, e corn urn dis-
tincto engenheiro de Inglaterra, offerecem
grades vantagens para encommnendas, como
provam corn os apparelhos completes assen-
tes nos engenhos Massauassu' e Bosque, e
meio apparelho no engenho Conceieao.
MACHINAS a vapor trabalhando s6 corn
o fogo do assentainmento, podem ser examina-
das as que foram assentes nos engenhos Be-
lem, em Timboassu', Cueai, em rGanelleira,
Diamante em Goyanna, Pao Aomapllo, Ca-
mara e Lages em Itamb6, Vidraao em Pao
d'Alho, e outros no Rio Grande do Norte e


Parahyba.
Chamam a atteneao dos Srs. agricultores
para os novos vapores que trn recebido do
acreditado fabrieante Robey, que se reeom-
niendtam pela fae liie de com n.cv aen-
tamento e ecenomia de eomustivel deixando


de mencionar os engeis eYqe otem col-
locado, porjat eremm vesido 88 par-a diversos
sraresemco e-,
lc1gares, epor i a evem ser be conhe-

t.is de Fowler ,> l AW
... .s( e id o is""& ,: *; 1 *', : ... ....:+ .' / +" ,+ : ,'p +:'++ ,


veis pela faciid' 'c

'AIM
a o ....... ...... *'*^ ^i


' Ac~as vend& os, ventariaom bfihe-
etwgaraaitidae da lateria n. 39 em beeticio-
da *jade Nossa Se&nhorad BUa Viaem
4e Paimade que e extrahbir na sexta-fei-
4*r do orr ente.
i telro -:4O2

war" 11 o
#.S. at4 4p0:000
'N eiOW 3:600

._ Joaquim Fires da Silna.
LSAg.ABAFOITUNA+


&los 4:00000
~~tNT.DA


Ria Primeiro de laro n; 25
0 abaixo assignado tendo vendido nos
Deus afortmunados bilhetes dous quartos n.
2,990 corn a sort de 800#000, dous quar-
tos n. 2,692 corn a sort de 2004000,
dous quartos n. 3,063 corn a sort ie
100#,O- dous meios n. 2,891 corn a sort
de 100#, e outras sortes de 32#, 16# e 8#,
da lIteria (38.a), que se acabou de ePtrahir,
oesvida aos possuidores A virem recebor
ua conformidade do costume serm desconto
Acham-se i vnda os seus aforhnados
bilhetes garantidos da 2." parte das loterias
a beneficio da igreja de Noassi Senhora da
Boa-Viagom do Pasmado (39.1), quo so ex-
trahirA na sexta-feira, 23 do corrente.
PBECOS


I Em


Inteiro
Meio '
Quarto
quantJ
Inteiro
Meio
Quarto


4.000
26000
I 1#000
Idade malor de iO0@
36500
1#750
,6875
Mlanod MAarthns Fivsa.


Pedra Tapada
Jos6 Severino da Silva, negociante estabelecido
nesta povoaVo, faz sciente aos seus freguezcs e
amigos em particular, e ao public em geral, que
havendo pessoas de igual nome, resolve assignar-
se de hoje em diante Jose Severino de Arruda e
Silva, o que faz public para o conhecimento de
todos e devidos effeitos. ,Pedra Tapada, 15 de
maio de 1884. _____
Caixeiro
Precisa-se de um caixeiro de 14 a 16 annos, corn
pratica : rua do Hospicio n. 34.

Calt o piao
Joaquim Francisco Vieira, professor de canto,
e sna esposa Germana Vieira, professor de piano,
teem a honra do annunciar ao respeitavel public
de Pernambuco, que se acham nesta cidade aptos
para dar lig5es de canto (escola italiana) e piano
pelowmelhor method conhecido na Europa; quern
desejar utilisar-se de seus prestimos, podu procu-
ral-os no hotel de D. Antonio, Caminho Novo, ou
deixar o some e morada no escriptorlo do Sr.
commendador Luiz Jose da Silva Guimaraes, no
4ecife, rua do Commercio n. 5.

1 LtitedeAlvelloz {}
uConservado e garantido pelo pharma- J }
eeutico ,
{ ~ Antonio 1. eras
SCads vidrio corn as instrucqSes 3OO000
Os effeitos obtidos pelo leite de alvel-
8 lei do nosso estabelecimento, sao a me- j
Ihor garantia pars quemn desejar ter es.
te remedio puro. U
Pharmacia Pernambucana
Rua do Cabugd n. 11 t

^~ ~ AM A ^
Precisa-se de uma para engomm i r para casa do
familiar: na rua da Unilo n. 47.
Iguarassu
160,000
Lembra-se ws Br. Dr. Francisco Xavier Faes
Barreto que faz tempo, ..q'uando V. S. era pro-
motor.

VEDIAS


Vende-se urna taverna propria pars prinei-
piante, por ter poucos fundes, nrua do Motocoloam-
b6 n. 6, freguezia de Afogados; a tratar na rua
da Santa Crus n. 3,freguzi.4 a Boa-Vista.

Vende-se -a melhor aguardente de cairna que ha
op percado, em ancoras ,do dez canadas; "M
te-se a uperiq qualidade na rua estreita o-
a.grw U. A-.
Vende-se uait ^Iate sits ao Csawi*o
*Vo a. 18% pri~pr&-l prig, PW'
se a c a6 : ae thaitar us D)0D1 if


la da ru do Cfal ugg.4n. 5 A
a dirija-me A mesms, a tratar
-Fli.a & C.


qoem pre-
com ofvqn


Febres j: inr!llne
Chauadas vulgarnente SEZOES
- Cursra pida e certa pala
AGUA ANTISEZONATICA
do Rouquayrol Irmaos.
EPste poderoso preparado. e reeonbecido
omwe BSP-WFI00O contra esta molestia,


hoje


NOVO SORTIMENTO
DE
#0oupas para honmens
FOR
Pr os hbaratissimos
Rua da Imperatriz a. 40
LOJA DOS BARATEIROS
BoaVista, vendem :
Paletots de casemiras de quadrinhos, fa-
zenda que so lava 6, 000
Dites de panno preto fino, fazenda u.aito
boa 74000
Ditos de casemira de quadrinhos e listri-
nhas, forrados 84000
Ditos de casemira escura, de cordao, for-
rados 8,000
Ditos de flanella azul, forrados, sendo fa-
zen Ia quo nao desbota 10000
Ditos de caseniras de cores claras e es-
curas 104000
Ditos dc panno preto fino, forrados 10,3000
Ditos d3 casemira preta de cordao 105 e 123000
Callas de casemira corn differences pa-
dr5es, de 54500, 6A500, 84 e 10,000
Ditas de casemira preta sedan a 8, e 105000
Ditas de casemira de cordao 6500
Ditas de casemira preta 6.000
Seronlas de creguella, obra muito bern
feita a 1 200 e 1A600
Ditas dc Hamburgo de linho a 14800 e 2A000
Colletinhlios para dentro, sendo de ere-
guella e nmuito bern feitos a 14800 c 2,000
Camisas, grande sorti7euto de camisas
braneas, tanto trancezas como inglezas,
tanto de linho como dc algodio, sendo
de 23, 2A500, 3,, ate 64000
Ditas de cretone de cor de 25, 2.500 e 3-000
Meias, grande sortimento de ineias cruas
para homes, de 320 rs. o par, atW 500
Collarinhos, grande sortimento do colla-
rinhos, tendo de 55 a duzia at 8,3000
Toalhas, grande sortimento de toalbas,
tanto para rosto comno para banho, que
se vendem por precos muito razoaveis.
Tudo isto 6 corn grande reduc.o de precos : na
loja da esquina do becco dos Ferreiros.
Vende-se
Na botica franceza e dragaria
A. Caors
RUA DA CRUZ (RECIFE) N. 22


ARMNTD BO CABELLO

ULTSE E VERA
Chegou nova r(


messapara a Livraria
Franceza, a rua 1. de
Margo, n.
CONIU DE POSITO
Preco 800 ris.

LEITE NATURAL
(SEIVA)


ALVELOZ
CONSERVADO LIQUID SEM ALTERAR-SE
0 ALVELOZ, plant da familiar das euphor-
biaceas, que habitat os nossos sertoes, 6 hoje reco-
nhecido como um verdadeiro especifico para des-
truir os epitheliomas ou cancroides, facilitando a
renovacao dos tecidos atacados, e trazendo afinal
urma cura complete, sem outro tractamento que a
applicacao topic de sua seiva (vulgarmente leite)
como caustico.
Slo numerosos os casos de cura, alguns dos
quaes jA levamps ao eonhecimento do public, em
diversas publicaqZes, pclo illustrado clinic desta
capital, o Sr. Dr. Alcibiades Velloso, e optimos re-
sultados tambem foram obtidos nas feridas e nas
ulceras chronicas de caractor syphiliticas.
Recebemos do interior da provincia, (do Brejo
da Madre de Deus) de pessoa de confian"a e en-
tendida, a seiva ou lite de alveloz; portanto, po-
demos garantir que cclhida da verdadeira plan-
ta a que expomos A venda, conservada de modo a
nio soffrer alteraqo, e corn a necessaria fluidez
para facilitar a sua applicacao corn seguranca de
born resultado.
DEPOSIT GERAL
Pharmacia -e drogaria de Bar.
tholomeu & C.
34, Rua larga do Rosario Pernambuco
US0 m01 t60tHIDu
Vende-se livros de procurag5es; na rua do
Bar.o da Victoria n. 7, livraria industrial.
Trastes


A' rum do Impertador a. 16 coinpra-se, vende-st
lug-e e troem-as novoe e ua44os.
Drogiaa
Faria Sobrinbo, & ., droguistas por atacado,
Srua do Marquez de Oliudas.41.


de Rouq"yl
14 gI A QTJNCEZAW B AF~DROGARIA
Jw aCvvw (Recift) u. 22
Ifow-pfre superior
-VeM&i m ba-se: b*soi 4ambas liquidas
8 n: -o&lAji da CompAhia Peruambucan


'* : ; '-.- .**.. -M y y++:iy *. :;,. ... *. .;*+ -
m4- Ascietia e a poaticw ekopt e an-
WwkoT Pama a ilifanti<>a e ^iA-^ftm, adst
aw< .*^ao lasil e Europ reconbeeomm.
sw A do Dr. F ERICHOSa melkr a .t%
genero.
Deve-se poq evi8tar onfiar o filhb
uma pessoa etranha d ee comrpcxta
nao conhecido muitas vezes o germa
numerosa molestias.
Vende-se a verdadeira farinlia Laem
do Dr. Fierichs:
55 RUA DO IPERADOR 55
Estabdeimmto de musical a piano de Re-
torPral e

CRAVOS E FLORES
Na.i rua da Uniao a.

53, ha sempre para se

vender cravos e flores


Vende-se
A metade do engenho Una, moendo COITCEG,
muito boas terras e grandes mattas, perta da
nova estrada de Santo Antao ; garante-se a vey-
da de outra metade : a tratar nu largo do Menca-
oo u. 25.
Riscados eseocezes
a 280 rs.
Por terem um level toque de
nuofo
Vende-se finissimos riseados escocezes pau
vestidos, sendo fazenda de muita phantata c
cores seguras a 280 rs. o covado, e a nao teva=
um leve toque dc mofo custariam um cruzad2;
esta pechincha vende-se na loja dos barateiro: S&
Boa-Vista, a rua da Imperatriz n. 40, esquia t
beceo dos Ferreiros.


AVISO
Adamson Howie & C. tern para vender:
Vinho do Porto fino, em caixas e barrios.
'Whiskey Donville verdadeiro.
Tinta de impressa'o, boa qualidade.
Brins de Marshall verdadeiros, de todes es nte-
ros.
Remedios de Ayer.
3-RUA DO COMMERCIO--3

Eparaacabar!

5 9--elia d liq Co saa-5


Temos resolvido liquidar corn urea grande pac-t
de fazendas, os quakes foram compradas em lei*
por precos menos 40 e/o do seu valor, como ss-
jam :
Superiores casemiras de c6res de duas largirr-AS
a 135u0 o covado! Sao proprias para roupas de mo -
ninos.
Idem preta diagonal (2 larguras), a 26404 T
dito !
Cortes deo mcia-casemira do cores a 14800-! S
de 2,3500.
Idem de casemiras de scores e pretas par, .a
verno a 245u0!
Lindo sortimento em las do cores a 200, 3"- e
400 rs.
Merin6 preto para luto, ( larguras), a 1200 r
1,.500 o covado !
Bramante tranqado de uma largura, alvo e ma-
to born, a 500 rs. o metro !
Idem de duas larguras, a 900 rs. o dito
Brim bronco n. 6 fine, a 1500 E' nova s,-
messa.
Idem pardo lena, o mais largo que tern vindf
a 500 rs. o covado !
Peas de algodaosinho corn pequeno defeito .
3,400 20 jardas!
Idem de miadapolao superior a 5.,000 24 ja-
das!
Camisas brancas francezas, colarinho deitad,a
36,3000 a duzia A' ellas.
Ceroulas de bramante, superiores, bordada&. A
16A%000 a dita!
Lensos de linho imbanhados, a 2,3500 a dita !
Meias inglezas corn bocal de c6r a 359 s.
dita!
Toalhas felpudas finas a 5,000 e 6,000 a dIa-
Rices cortinados bordados para camas e jan-
las, a 6,500 o par!
Punhos de linho superiors, a 1,000 o dito .
Cobertas de gang para cama de casal, a 3"3V
uma !
Lenc6es de bramante, idem, idem, a 24000 1
Lindissimas colxas de crochets para noiv a& z
840OO!
Idem de fustao brancas para 44000. IF a-
rato!
Baptistes de cores fixas e finas a 300 rs. o ma-
trot!
Cretones superiors a 360 rs. o dito T,3-,s
claras e escuras.
Setinetas francezas para acabar, a 5CO r,.&
dito.
Lindas caps brancas de pelucia muito gra'a&
a 73000 Mandem ver antes que se acabe.
Chales de casemira grandes corn defeat a.
3,000.
Ricas saias bordadas a 3,000 Sao de 60M.
Superiores sobre-tudos a 18,000, assim cotm
temos grande deposit de ditos para trabalhade-
res de campo a 43.500 cada um, algoddes nacia-
uaes brancos e listados, o que pedimos a atteaS*
dos Srs, fazendeirosM
A'S VENDAS EM POR AO, DAMES
DESCONTOS
Carneiro da Cunha


&C.
59..RUa O nu41e de Caxias-5

Brim pardo

Covado a 30 s.
a iloja da rua da lmpatris n. 40, vende-n
brim pardo 4io, prop, o par psotote, calmas e
oupas do erfis a 60 _s. -o eovado, hito port
urn leve toque-de mofo, que lar go que .
molhe: ;6 poehsne<; rs wIo os Ira-=
teiro deeuin do becco d
Nova 1w, e c__


A


































Do_


ao a ..el. -i m -'s


III























fazonaa, hwong. do suas nrndas,
dos reditentos'do seas hbense doas mIul-
Stas qa. Ihs:pertencerem, te- gozaro dos
Ir~iAgio que, peas leiss em vigor, per-
tencem A fazenda publioa, sem prejuizo
* esta.
1.- Os agents on empregados fissaes
N das cameras, ou oarrematantes, no casa de
,alcance ou extravio dos dinheiros a seu
*targo, ou falta do entradas, nas 6pocas
combinadas, fleam sujeitos as mesmas dis
posi9qLs que s'ao ou form applicadas aos
fiscaes ou exactores da fazenda national.
2.. No caso de sentena exee.utoria
contra as cameras minunicipacs per divida ou
obrigtrlo em dinheiro co custas, o paga-
ments so realisarA quando as assemnblas
provinciaes fixarein mineios para isso, no
comp'tindo contra as cameras aegao alga-
ma para tal fim.
Art. 16. As receitas dos municipios fi-
carLo sujeitas somente As despozas proprias
do governor municipal.
1.- Os vereadores sao responsaveis so-
lidarios para corn os credores per despesas
resolvidas, sem crodito no oriamento.
2.- Se a despeza estiver paga, os ve
readores, que a resolveram e efffctuaramn,
ficarAio obrigados a restituir aos cofres a
sun importancia.
3." Os sorvieos, obras ou fornecimon-
tos realisados reverterlo em benoficio gra
tuito l das cameras.
Art. 17. Nas posturas municipals so es-
tabelecerA a sancao do sua infracoio poi-
comminalo de penas do pristo at6 40 dias
e de multa ate 150b5; as quakes poderno
ser elevadas ao dobro nos casos de rcinci-
dencia.
1.. A pena do pris-to poderA scr com-
mutada na do multa, sempre que o infrac-
tor assim o requerer. Para tor lugar a
commutagAo cahcular-sc-ha o valor de cada
din do prison em 5O000.
S2.- As multas per infrac9go de postu-
ras serbo impostas administrativamnente per
despaciho da junta municipal, proferido A
vista do auto do infracq'o o ouvidas de pla-
no as testemnnhas do mesmno aut,, o infrac-
tor, quando comparecer, e suns testemnu-
nhas, so as d6r. 0 auto do inquiriqcto e o
resume da defeza seraio lavrados polo fune-
cionario quo houeaver reconhecido a infracg'ao
ou, em falta d'este, par outro a quern a
junta chame para esse fim.
Da imposivao de multa superior a 10,
ou sua commutagio, terIo as parties recurso
para a camera municipal, que resolverA, di-
zendo a junta.
1 3." 0 process per infracqito de postu-
ras, de quo trata a a't. 45 do -rogulamento
n. 4,824 de 22 de novembro de 1871, s6
terA lugar quando a contravengto tiv, r de
ser puuida corn pena dI prisao, nao haven-
do em tal case direito a commutaciao para
os que recorrerem a este moio.
Art. 18. 0 servigo nas camiaras munici-
paes e nas juntas e gratuito e obrigatorio,
salvo havendo causa de escusa, que a ca-
mara jiilgaria.
Art. 19. Esta lei nae revoga ou restrin-
go nenhamrna das attribuiques de quo teem
tstadu de poss e as cameras miunicipacs, em
virtade da lei do 1" do outubro do 1828;
nero altera as obriga^o. s quo per outras eis
erm side impcstms us nesmnas camaras, as-
sitn comr nilo dispi~o sok'e o numero e at
'tribuic~es dos emnpirgcaos municipals, quo
ccntinu .rao a roger-s.* pcla rcspoctiva le-
g's'aoao provincial.
Art. 20. A camera municipal da curte 6
cqulpar.ida em tudo as das capitaes das pro-
vincias, corn as segtintos modiiicageis
a) Fica dependents da assombIa geral
em tudo quo nas proviacias dopenle do au
torisaoao ou approva9*io da assombl'-a pro-
vincial.


qu a '-respzito ..hoior .. eitas, ease ai-
do 6 iinjustificavel sno inqualifiveal'l
InqIalificanvel, r6pteo:' orador, poquer
os homouns, na posiglo do Sr. president do
conselho, os horuens s6rios, aunca fazem
raccua:mi-os, leaves oa graves, a quom quer
,q. -?(.ji, principalmente oa um seu collfega
'o companheiro da vespera, scm virem im-
nmediatamente adduzir espocificadamene os
f T :! 11 t quo baseiam as accusacoes e em
e.g:tia. o xi ibir as provas justificativas.
lDs qus assim procedem, isto 6, dos
q4-, l-i-m, mrecusando as prova3, pode-
S- llizr, seon injustica, que faltam A ver-
Slac, e so p'o-seatos, Tquando provocados
pra exhibic.o das mesmas provas, reco-
thmin -s ao silulncio, jA no intuito de man-
dL)r ,,h-0n dos seus amigos ou asseclas, re-
lmm, J longe, a accusagao e a inverdade,
aqlla.o upitheto-de ter faltado A verdade,
pode-se accrescentar o do cobardia.
E-t,4s conceitos, quo acaba do manifes-
tar, oc-irreram Ihe natur ilment3 quanlo
lOu u Jiscur.-o do honrado smnador pola
provin:ia do Rio Grande do Sul, o Sr. Sil
v.-,-i Mrtfins, proforido no senado, nases-
Ia f'1 sext:i-foira, quando alli se discutia
o orcaimoiuts do Ministerio da Guerra. Nes-
so discurso e honrado senador tum)u a s1
o np.p(l que competia ao Sr. president do
S,' o, c corn essa prctenga9o quixotesca
e o}, n'cste paiz, o primeiro em pa-
triotismio, em intelligencia e em todas as
c-i gns, semnpre animado per esse region
..tt.. .. i.. de character quo Ihe foi passado,
r--pcto a argaiito da carta, attribuindo-se
taimbceu o direito de distribuir patentes de
e-1p nida.e a sileus amigos e do incapacidade
aS'.A sm~r i 11)1'03.
ILU O Scra umn lamentavel abuse da tri-
btmna, cormo ha abuses da imnprensa, e tan-
t, (le iqui, ate jA houve um Corsario, si
umo fosse, come 6, urma cousa poaco s6ria,
paia iio dizer ridicule.
Qie lhie importam, diz o orador, os'con-
ceit,,' rpaixonados do Sr. senador pelo Rio
Gi( ancl do Sul, que para mais se inculcar,
o qu0 aliAs todos jA conhecem, de poderoso
am go do Sr. president do conselho, to-
mou, o primiro para si, a tarefa propria
do que o Sr. president do conselho nalo se
q-,i5z incumibir?
O Sr. President: 0 nobro deputado
pr-mitta-me u;iaa observagao. V. Exe. jA
(,<:.it5 os tres quartos de hera.
Vozus: -Pe9a urgencia.
O Sr. Gomne do Castro:-Esta em dis-
c 0 a Ilaldade do governor.
O Sr. Rhdrignaes Junior: V. Exe. cornm-
prchl;ubl!, Sr. president, a necessidade que
tenho (de concluir o meu discurso, e pro-
meoto fazel-o em mais alguns minut 6.
V\zOs.: Poe.t urgancia.
Outras vozes : -Per urma hera.
O Sr. President: Si V. Exc. contenta-
se corn alguins mininutes p6de continual o seu
d~i.^curss.
Vozcs: NKo, requeira urgoncia.
Outras vozes :-Por minais tempo.
"0 Sr. Rodrigues Junior : -Nile podenldo
ii:ter'ompor o mineu discurso, peg' a V.
Exc., Se. president, que sa dignoe de con-
sultair a camara s- me conscdo urgoncia
per uima quarto. .
Tos: -- Por un a hera.
O Sr. ltldr'g'ies Junior: -... ou p-r
raci.t 'na, afir do termuinar, osperando
quo a ,ramara naio mn negarA este favor.
0 Sr. Pr-sidente: V. Exc. fa~a 0 fa-
:or d, (chlarar o tempo.
0 tr-. R >drigues Junior:-Mei, hera me

C('.-;u't'i(,a a camara sobre a urgencia
.lida polo Sr. Rodrigues Junior, decide
; ml:lt'ivnrt tlva.
0 Sr. Presidente: 0 nobre deputado
pod!q '., ortinuar.


o Ao ministry dto impeno, na comrc, (A cadeira da presidencia passa a ser
-competem as attribuioess coaferidas aos pro- oen 11hIda polo Sr. Morcira do Barros.)
sidueitcs de provincia, cm relacao aos ne- 0 Sr. Roirigues Junior, continuando, diz
gios municipaes. i,; IQaco lhe important os conceitos apai-
c) 0 ministro doimpnero e os preaiden xoadlos do honrado senator que, em sua
tes de provincia podem approval proviso- idomt.-viq quixotesca per si mocsinmo, julgan-
riamentJ qualquerprojccto d. postura miu- dos o priineiro personagem do Rio Gran-
ficipal, quo sera inmnediatameate sujeito 3 o 1Su, suppe que ainda lA estA, e que
i assenmna log'ishtiva Conpetento, s S- h aqui quem se arreceie das suas intnm-
tiver reunida, ou logo qua se rou:ia. pcrna-ms de linguagem. Engano flagran-
d) 0 ministry do iliperio, ca. rel-aIo ,m te o nr.nifosto, exclama o orador, porque
camera municipald da crt, p6de approvar- si o rabinos de Granada a temem, o o era.
provisoriamente, faizendo executor logo, 1'- ,o.
nao s6 o orgamento da me:ai.i caminara, co- Nio sio as accusa-es vagas, come as
mo qualquer proposta do mcrhoramento oa da earta do nobre president do conselha;
obras urgentes, coin o ,essoal quo tor ne- nl) sao as palavras mais ou menos retum-
cessario. bantes, come as do honrado sounder, que
Art. 21. Al6m das pe..as comminadas podem prejudicar a reputa9oi do algaem,
nas posturas municipaes para as infracqoes prioipalmente a de umhomem do bern.
ahi previstas, podem as cameras mnunici- LE a prova, accrescenta o orador, estA
pages e as juw 'as executives, sem depea- quo o honrado senator fazendo seus os con-
Sdencia de approvagio de outra autoridade csitos do Sr. presidents do conselho, con-
imp6r administrativamente multa at6 30% c I.) que elle mesmo procurou engolir e
Sprisio atW since dias, per dosobediencia a quo tcria substituido per outros encomiasti
qualquer ordem ou deliberagAo sua; e as mom, si porventura o orador a isso se pres-
autoridades poliiaes darno a forga que fr tasse, nao achou pars fazer A administra-
necessaria (so a camera a nao tiver pro- 97o do orador sonao essas censuras quo
pria) para effectuar-se a prisao que for re- coanstam de seu diseurso, umas infundadas,
quisitada pela junta executive. outras inexactas, nao recordando-se alias
Art. 22. Nos regulamentos para a exe- d'o que essa mesma administracgo mereoeu
cualo d'esta lei, quer na crte, quer nas por espago de nove mezes a mais plena ap-
provincias,; poderio ser impostas as penas provaogo do Sr. president do conselho e
designadas na mesma lei. dos outros ministros.
Art. 13. Revogam-se as disposig3es em 0 orador alo retira urma s6 virgula do
contran. discurso que ultimamento proferio, porque
-- -ahi s6 disse a verdade.
E8SAO DE 12 DE MAW0 A occasilo hoje alo 6 opportuna para
discutir os services da sua administrcgla;
0 Or. Rodrigues Junlor comeoa fal-o-ha em occasuio mais opportuna.
4izendo que a Camara, que ouvio a loitura Tambem alo discutirA hoje, emn vista do
da celebre carta quo Ihe foi dirigida pelO nosso direito censtitacional, si o seou proce-
Sr. president do conselho, e que tem sido dimento de ir direct e pessoalmente dar a
i 'estes ultimos dias tlo discutida e corn- sua demisslo a Sua Magostade o Impera-
mentada, a Caminara que ouvio ao mesmo he foi ou alo regular, tanto mais que est
tempo a resposta qae o orador den a essa questlo ji foi sufelcientemente discutida no
carta c as observagoes que sobre ella fez, senado polo honrado Sr. senador Junquei-
,Ntranhou, corn just raza, que os houra- ra.
-dos Srs. ministros, quo estavam presented, Er todo caSo, 6 um facto consummadAo,
Aar de provoeados, alo viessemt A tri- o o orador etendeu aa oce"ilo quo 0 Sr.
nua paraexplica-se ou oppor-lhe qual- president do eonselho ago the merecia
4J ^ contesticg.. ama resposta, porque a descortezia e a in-
Ignal reparo- devena ten mereiido, com sionc deslealdade de S. lExe. assim o exi-
-sctivamiente 6r o : : Q -iencie a quo
ieco-. .,-tto senado o ho -ado Sr.pre- 0 nobr am or poelo Rio Grd O -do
I 'enDdo 6el aaid4 disoli. gSl, diz a orador, tout ra@ contra ex-
A&


tos. NAo U- Ao 4frtmiat i olquq- oIntp;o-
r4am umna inexstfi14 .
+ Isto foi dito, 6 verdade, pr umn auony
mo -Coari ewm am avulso publcado horas
tuorutw ite, corn o fim anadifesto de
intAigar t ehor pescar nas aguas 'urvas;
este avulso foi publicado depois de sua sa-
hida do niniaiterio.
Do quern fosse o author d'este avulso po-
dia dar noticia a S. Exe. o nobre depu~ado
polo 7" district do sua proviacia, i ppo-
sicionista enrage, e aqui agora jA u,. go.
vernista fervoroso.
Os seus dissentimentos corm o honrado
ministry do imperio tiveram outra origem :
foram questoes do promotes, graduates,
transferencias de commandantes do corps
e de fronteiras, transferencias de officials de
umas par. outras provincias, e d'ahi tam-
baom desgostos do Sr. president do conse-
lhb, si bern quo dissimulados, porque o Sr.
ministry do imaperio era para S. Exe. um
enfant gate, tanto quo do certo tempo a
esta part o Sr. president do couselho
prestava-se a servir de transmissor das
pretengoes do Rio Grande do Sul.
Ora, diz o orador, bern so ve que as re-
sistencias do ex-ministro da guerra a tio al-
tos e elevados pedidos constituiam os pec-
cados para o Sr. president do conselho,
do quo na1o se arrepende.
Come partidario, leva a sua condescen-
dencia para corn os seus amigos o correli-
gionarios at6 um certo ponto, mas al6m
dos limits do qua considera-justo ninguem
p'de conseguir nada do orador.
Felizmente o pouco quo e deve-o a si,
nFlo e preposto do ninguem; deve-o A sua
provincia, A seus amigos, que lhe hao de
fazer a devida justiga, embora amea9ados
pela posiglo que assumio na camera, e que
outra nalo podia ser.
A reaccAo jA comegou na sua provincia.
Os jornaes deram a demisslo do presiden-
te o do 1- vice-presidente do CearA e a no
meailo do um a inimigo pessoal do orador,
de um home que, dizendo-se liberal na
ultima elei lo, podia a seas amigos quae -
fizessem toda a guerra ao orador, preferin-
do atW o candidate adverse que era um con-
servador.
Por aqui se ve qulo livres promettem ser
as eleioes a que se vOo prooeder este anno;
entre'aito o orador alo eitranfarA ta-
d) quanto o actual governor fizer contra
os seas amigos ; o que estranha 4 que
ainda scja president do conselho que-n
nao tern a coragem de seus acts e pala-
vras, e quo so manda defender de longer e
per terceiro.
Varies Srs. deputados pedem a palavra.
0 Sr. President: N- o ha nada em dia-
cusslo. 0 nobre deputado polo CearA pe-
die proroga9ao do hora para terminar o seu
discurso. Nao ha assumpto saobre que a
camera delibere; por cousequencia entro
na ordem do dia 3a discussio da reform
judiciaria.


SESSAO DE 14 DE MAIO
0 Sr. Cruz diz que a provincia que
tern a hour de representar acha-se entro-
guo IL aMis apprPhensiv, e anornaial situa-
9iou; quo ao regimen legal, estatuido polo
acto additional, substituio-se o regimen da
diet-itdura, desde o dia 1 de julho de
1883, dictadura que perdura coma amenaa
de prolongar so.
Historia os factos que se hlh passadb en-
tre a Aisembl6a Provincial do ParA e o is-
pectivo president da provincia: o o6a-
monte para 1882 -1883 foi sanccionato;
nas e:u 1883 a mesma Assemibl6a Pro,'-
cial quo dccretAra aquelle orcamento, an
do mindado cont:r os novaes exercioioi-
nanceiros dejaneiro a dezemnbro, votdi o
oramennto para o correute anne, inclu i.Q
nest, a prorogativa do orgarnsntC en:mi-
gor at6 31 de dozeambro de 1883, par.i.le
gislar a reeeitao despeza do 2' semnsre.
d'aquel e anne; mas esto or9amonto jio
foi sanecionado polo actual presidentdda
provincia, que deixou encerrar a seislt
ordiaaria da Assomblea Provincial no er-
ceiro din, a coata.r di data em quetlhe
remnotteu as raz". s do nao saneto. Fican-
do sem orgamnonto, o president n'to coa-
vocou sessao extraordinaria no devido tem-
po, nao obstante a reclamaglto que o era-
dor levantou na tribune da Camara na ses-
sao passada e a despeito das recommenda-
95es do Sr. inuistro do imperio ; s6 depois
de elcita a nova As'sembl6a 6 foi quo esta
convocada no din 3 de dezembro, pala R)r-
taria que l.
Estygmatisa o. procedimanto d'aqifble
president, quao prova o capricho de,*ao
submetter as razoes de alo sangAo dcuor-
gamento A Assemblea que o havia votao,
esperando encontrar na novag Assiqra
uma maioria geitosa aue appravaa aos
seus actos; porqaanto S. Exe. admwia-
trando dictatonialmento a provincia no 2 3-,
mestre do annoe passado, realisou um on-
tracto de calgamento e esgostos, de oalor
superior a 500:0004000, sem autorisa1o
logislativa e sem ter verbal no orgamonto.
Relata o que se passou na reuniloex-
traordinaria da nova Asembl6a provitI,
em que a minoria, sob umn pretext til,
foi formal outra Assemblea, annular| di-
plomas legitimos e approvando illegitiM s
o que pryovs lend o acta e varies
do regiment da Assembl6a. '
La tambem a portaria do preside, da
provincia, adiando a reunilo da A
pelo motive de se have co
doas grupos e 1e tambemn a resp.M. o -
cretario da legitima Assombl4a; po| Jno
prinacieo do margo, dopois do e -
Zs rcantrate par& o


desejo p 0 iii em
rencia centre liberaef
ra entrarem em ac
da Assembi6a; realize
proposto que so pas
bre o quaae arvaoi
nova vesific40o-dle I


unma
0. se


pOrtqtr padido a
SSr. Caudidotie Oliveira, o se-
||i|^ i^ 1om. ,
-8 it*A PROYCIAL DO PA.Ri
& q,%W TOso pen f o govern- as ae-
guites infortnages, por htermedio do ni-
aisteni do imperio:
g V Se o governor, recebendo comma-
nicagflto de nao ter side sanccionado o pro-
jecto de lei do orgamento votado pela As-
aembl6a L.dlhtiva Provincial do ParA,
em sesslo ordinaria do 1883, recomm3ndo t
ao president dessa provinceia o immediate
emprego do meio legal da convocaglo ex-
traordinaria da mesats Assembl6a pr.i re-
solver sobre as raz~es de nio sancgo ae3i-
tando-as para emendar o project, ou regai-
tando-as para revalidal-o, nos ttrai s d3
a-t) additional?
I 2a Se o president do ParA que entIo
jA administrava sem lei de or9amento sa-
tisfez immeaiatamente essa recommenla-
3a Em qe data a prsidencia da P-
c 3' Era quo data a prosidencia da Pa-


rA communicoutao governor o sea a.to de
16 do abril do 1883, negando sane9go ao
project do organaento provincial?
S 41 Se o governor tevoe conhecimonto I
das portarias da presidoncia do ParA do 3
de dezombro de 1883, |ie 6 do janeiro, 6
o 17 do margo do corrente anno, prorogan-
do o regimen da dictadura inaugurado a
1 de julho, deo 1883 at6 15 de outubro
vindouro?
S 5 Se o governor approval o procedi-
mnento do presidents da provincia do ParA,
doixando de convocar evtraordinariamento
a Assembl6a L gislativa Provincial do
biennio find, no period decorrido de 19
de abril de 1883 a 3 de dezembro do
mesmo anno; bem como o adiamcnto
das sessoes extraordinaria e ordinaria da
Assembly Legislativa Provincial. Em 13
de maio de 1884. (G. Cruz.
0 Sr. Mac Mowel (pela ordem) diz quo
trata-se de um assumpto importantissimo,
sobre o qpal o governor nada tern provi-
denciado, e que nato podo acreditar quo,
dando-se na provincia do ParA um facto
escandaloso, qual o da duplicate de Assem-
bl6as Provinciaes, facto quo fero de frente
o actor additional, nao soja ouvida a
respite a palavra do Sr ministry do impeo-
rio; per isso requer urgoncia, por mams
urma hera, para ser discutido o raquori-
monte.
Posto a voto o requerimento do urgen
cia, 6 approvado por 45 votes, contra 43.
O Sr. president adverte A camera quo
vai per em discusslo o requerimento do
Sr. Cruz, segundo a votagio da camera;
mas que d'aqui em diante ha de cumprir o
regimento, que determine que a urgencia
votada s6 podle ter lugar na sesslo immo-
diata, salvo sobre material que fique pra-
judicada, aeo ao for discutida immediath-
mente.
0 Or. Canldido de Oliveira es-
tranha quae so podisso urgencia para se
ouvir imnmediatamonte o governor sobre
material quo implicagrandenumero de ques-
toes de fact, cujos documents o governor
nato pode ter em mio repentinamente; os
notres depatados pelo ParA deveo *1!
antes urma discussio ampla do assumpto,
coin a correspondent apresentaglo dos do-
cumentos que Ihe dizem respeito.
O Sr. Mac-Dowel nota que o orador es-
ta discutindo a urgencia jA votada e n ito
dispute o requerimento.
O Sr. CanliA do Oliveir-a responded que
a opposition da sites a2resoelt iva interp'ela-
goss, umas ap6s outras, agora mudou de
system; os nobres deputzidos sabem per-
feitamente como as cousas correram no
Par-A e sabem tambom que o goverao nao
pode immoliatam-nto dar a respeite uma
resposta complete; mas o que se pre;sn'le
e protelar ainda mais a discussao do orga-
inento da agricultau'a, que C urgeute ser
mandado para o senado.
Foi somenta para deaunciar esta nova
estrategia que pedio a palavra.
0 Sj. mai-Dowell admira-se que
o Sr. Candidr deo.Oliveira laupasse mao de
subterfugibo para querer mostrar que a
materia do requerimento em dis -ussao 6 do
nenhuma ipportancia, porque tracta-se de
attribui0i.s dos governos provineiaes e de
a an duplicate Z1 assemblea provincial,
qus e6estranha ao governogaral; isto quan-
dI opresideate da provincia 6 obngadn a
fazer comnmuniqeso immediate ao governor
germal do todas occurrencias graves que
so derem na provincia que administer; ad-
mira-se ainda das palavras do nobre de-
putado, quando o Sr. ministry do imperio
acaba do fazer a leitura do seu relatoria,
dando informagos dos factos arguidos.
Acha, pois, improcodente a argumenta-
cat do na bro deputado, do ser precise o
governor munir-se de' informaooes par. es-
clarecer a camara a respeito, e mais \i~-
proeedonte ainda, allegandh o nobre depa-
tado a aocessidade deos discut'r o orgamento


da agriclta, uando a canamara sabe qe
qcle esoo vai ser encerrada.
Entan present dos facts, quo o
governor na36 seo preoccupa corn o estado
anomalo em quo soe acha oincia do
Par e que deia que o pr-' dapro
vincia vA adiando a reuaiAo di assemiUl4
provincial indefinidamente, quand4o ,a
dove rennir-e polo menos dous miezes -4m
cad. anne, segundo a letra do actor addi-
cional; o governor geral tern today a res-
ponabilidade pelos actos dos seus delegs-
dos nan provincia-
Julga, prem, que o governor 6 incapas
do de d1arar a aara quad aresolhglo queo
tam tornado a respeito, procuoando napn I
urma tangente; o que admira espealmen- I
te o noSr. minister do i&perio, cujas opi- i
ni3es sobre a mateoria sio conhecidas ; eon-
tretanto alo quar dar mais uma prova da
sua apregoa ergia queoI s4s exere
sobre os bensdos fradet e sobre oa p %s
moradores de cortiow.
Ha de foran o nobre istro impe-
rio, pols meios rega nte a .vi respok-
der saobreestei a umpto; p(y mio de uma.
4ntrpeaq~ jA quo a ~govorno %*-mAio-4
ridin quoerema iuforraf- camara, 1 por
m4eio do re'queri o foTl, Atm fcto quo


pk-;: -Uw J-UH & V '.I
0 Sr. M3hutaudon (pe1. ordem) reiver o
enerraimuento da discisaso.
0 jir. Paulte de Souza protes-
ta emt noran da oppOxsiiZo conservadora, da
digailade parlamuentar, da forms do gover-
no da constituigo, contra o precodente
singular e anominalo de, em umn paiz regi-
do por iastipligaes represeatativas Unega-
rem-se os ministros respousaveis, depois
do urna urgencia votada pela camera, a
dar contas dos seus actol on dos seas dele-*
gatidos :1s provincias responalendo ais vozes
da raprosonta.ago national corn a proposta
da ecqearamento. (Maitos apoiadQs; mui-
to bo.n da opposiggo.)
Posto a votos o encerrainento, 6 appro-
vailo por 49 votos contra 46.
Posto a votos o requerimrnto do Sr.
Cruz, 6 rejeitado.
SEGUNDA PARTE DA ORDEM DO DIA
Orgamento du fazeuda


Achando-sena sala inimnodiata o Sr. pro-
sidonto pa conselho e ,ninistre da fazenda,
introduzido no salAo corn as formalidades
do cstylo.
Entra ean discussao a propasta do poder
executive convertida em project de lei fi-
xando a despeza do ministerio da fazenda
para o exericio do 18S I -1885.
Vein A mesa, 6 apoiada e post em dis-
cuassuo conjunctamento a seguinto emenda
additiva ao art. 19 n. 103:
(( Pica igualmeonte autorisado a conver-
ter os vencimenntos dos empregados da re-
cebodoria da corte em dous tersos do or-
denado o e um tergo do gratificaglo. Em 16
de maio de 1884.-Geminiano. (
0 Sr. Rodrlgue Junlor diz que
afin-Al tern a fortune de encontrar-se frante
A fronts corn o honrado Sr. presidents do
coaselho, pela primeira vez depois da ul-
timna reorganisacto ministerial.
Asim, aproveita estejensejo para prove-
car a S. Exc. a vir justificar as graves
arguiqoes que ao orader fez n'osse ocelebre
document que a camera, o paiz o a coroa
conhocem.
Julga nio ser licito em paiz algum civi-
lisado que um president do conselho faga
a umn sea college de gabinete accusagoes
de factos graves qualificados de tibieza e
de inconvenient diree'Ao dos negocios
publicos a seu cargo, sem vir perante o
parlamoento provar as suas arguig5es.
Se o precedent passar, as consequen-
cias para a in)ralidadl da administration
s )rio dosastrosas.
Encetando esto debate, teve apenas par
fim provocar o Sr. president do conselho a
justificar as suas accusacSos, sob pona do
considerar o silencio de S. Exc. a respei-
to conuo a confissio plenA de um error, de
urma leviandade, da umrni injusti:a e de
urma dobrez de character.
Aqui remata, portanto, o que tinha a
dizor.
0 Str. Lafayette presidente do con-
soelho) consider a pergunta que o nobre
deputado li- acaba do fazer -quaes foram
os motives de sua reerada do ministerio -
urna perganta injusta, porquanto os moti-
ves se acham mencionados na cart-i quo
Ihe dirigio.4
O Sr. Rodrigues Junior:-Vcnham os
^facto8.
O Sr. Presidents 4o Conselho observa
qua o nobre deputado, pedindo factos,
confunde a questa-o. 0 orador nao allegoua
factors, e sim falta de capacidade do hon-
rado ex-ininistro para g.arir a pasta da
guerra.
O Sr. Rodrigues Juaior: -E a prova
d'isto? (Apoiados e nuiwrsoss apartos.)
O Sr. Belizario:-Porque o conservou
no ministerio durante novel m'in -zes ?
(Continuam as interrogac5os. 0 Sr. pre.
sidentJ pede attenqlo.)
0 Sr. President do Consolho diz quo
S. Eve. nao comprehendia. os negocios da
guerra (oh! oh !) nunca pisle former u:na
id6a segura e precisa d'esses negoeios.
(Oh! oh!)
0 Sr. Carneiro da Canha: Isto nao 6
governor s6rio;- (Ha outro. apartes.)
O Sr. presidents do Conselho observa
qae era esta a convicgao que para erie e
seas colleges de gabinoto resultava do ex.
gediento dos negocios da pasta da guerra
>-0 Sr. Rodrigusr Junior: -Quero factos
e alo palavras.
Um Sr. Deputado:-Porque o escolhes-
tes para ministry?
O Sr. president do jonselhe response
que esta objeclo nalo tern valor, porque
quando .organisou o ministerio procurou
names que tivessem foroa parlamentar, e o
nobre ex-ministro era tide corn e chofo do
partido em sua provincial.
Eis porque o escolheu, coavlcto de qua
S. Exo. teria a clareza de ideas o a ener-
gia precisa qara gerir os negocios de sua
pasta, tilnto mais quanto o nobre deputa-
do havia merecido da camera a confianoa
dc um lugar distincto em umai- de suas


commissoes. Mas no contactd'diario corn
S. Exc. teveo o rador occasion de.verifi-
car o mode porque corria o sea expe-
diente. '-
0 Sr. Rodrigaes. Jnmor: -Dodainc hwi
s6 fact dc erri o de inconvonieacia, OV
Exc. tern o dover de fazel-o. -- --
0 Sr. President doAonselho doclara
que se convenceu de ,, honrdo ex-
inuistro alo podia boel gerjr a pasta da
guerra, e ento teve um procedimento quo
pu/ga at6 digno de elogios. Nlo procuro
un meio hypocrita para langar fora do ga-
binete ao sew ex-collega, uan"oa do um
dos rocursos commuans o saidos pars
obrigal-o -a retirar-se, ao contruap eaten-
leu que devi a'dirigir-se a S. E&c e dizor-
Ilhe qual o motivo porque julgava quo S.
Exa anlo podia coatinuar, e qasseria mli-
o %certado da sua part retirar-so.
Umi Voz e:-A quo fica, reduzila a po-
igcS um smiatro d'aqui per diante I
0 Sr. -odrigaues Junior --E entretanto
Snobre miniatro deoia ptaeurou substi-
tir a carta par outra. ()h! oh!)
O &r. Priesideonta N Cohselho enteude
ue ete irecedeo0; Tbge do desastroso A
3onra8ida eda dministr4ago, ao contrario
b um boo exempilo digno de ser imitao.d
V oteatacoes). 1 1*..;.
*Y bonrado deputado doixao entrever je
> pradiiueuf6 do goveno, quando dAlle
governo;
f kia partge'oS.',V i3;o-era :tiyl
A 'i a AlimaL


br. &e.M41.ftio do cneh 1ed~r
arta a oeelorador dirigida para a sa|r.
firads-do' ministrio earn -notaverfbk
falta do convenient direeao nos nego
cios da guorra; e ouvio ar rexpe I tt
icaba do dar S. Exc. A inteop for-
nal quo lho dirigio.
Mas as expresses vagas da carta a quo
. IExc. se reports nao demonstra'n por si
s6 a eonveniencia d'aquillo que o nobre
ministro tinha em vista.
O0 Sr. Presilente do Canselho: -A con-
icienca da c.imAra apreciarA os3 motives
que alleguei.
(Troeain-se diversos apartes.)
0 Sr. R)rifrguvs Junior pr vza o Sr.
president d3 eonselho a articular um s6
facto praticado polo or:idor qua demons-
tro tibioz-i inconvenieaonia ni direcao
dos negocios da gaerra.
0 nobre ,ninistro, na alt.t pasiao ,que
oceupa, nao poade, nero h)mom nenhum,
fazer aceusao:es vagas do incap-icidide
siern articular ao menos uan fact' que pro-
ve a s5-U asser$Co.
(Apoiados, nhto apoiados e apartes.)
Isto 6 u n procedimento in lualificavel,
exclamin.' o oraidor, quo s6 p6de ter urn h-
1n3In comno o Sr. presidents do conselho.
(Apoiados e n-lo apoiados. Nunerosos
parties.)
0 orador provoca ainila urma vez ao no-
bre ministry da fazenda a articular wm
facto quo exprimnisse tibieza ou inconve-
niencia na sua gest.3o da pasta da gaerra.
Assegura que durante nove mezes que
administrou essa repartieo, nunca o no-
bre minister) nem nenhum dos sueas colle-
gas o advertiram de nenhum error ou omis-
sao no sea procedimento. Entretanto,
quando p3de factos, tomrn em resposta pro-
posioes vagas, que nada significant e que
important para o orador umra injury%.
Desde, portanto, que S. Exc. nDto idi-
car faetos, julga-se o orador no direito do
dizer que o nobre aministro da fizenda fal-
ta A verdade o nao tem a coragem e a
responsabilidade de seus artos. (Apoiados
e contesta90bs.)
E a prova do que acaba de dizer, 6 que,
depois da sua retirada do ministerio, o
Sr. conselheiro Lafayette empregou os
maiores esforgos para substituir a carta
que ao orador escrevera.
0 Sr. President do Conselho diz quae
isso 6 completamente falso. 0 nobre de-
putado foi quointa Ihe mandou emissaries
para tratar desse negocio. Urnm delles foi
o Sr. Ratisbona.
0 Sr. Ratisbona contest : foi esponta-
neamento, como amigo e nao como emissa-.
rio. Pole IL palavra para explicar.
0 Sr. Rolrigues Junior diz quo era tal
a convieato do nobre ministry do quo ti-
nha procedido corn injustica o doscortezia,
corn deslealdade e perfidia (oh oh !) quo
mandou junto A pessoa do orador o Sr.
ministry da justiga inaeuabido de offerecer
propostas para a substituigio da referida
carts (o Sr. ministry da justiga contests e
pede a palavra para responder), corn a
promessa de que, substituida ella o gever-
no faria para o CearA tudo quauto orador
quizesse. (Oh! oh 1)
Vozes: -Isto 6 uma v Irgonha pars esto
paiz.
O Sr. Rodrigues Junior diz que a sua
dignidade nao Ihe pormittia ace'.tar seme-
lhante transaco'9o, e por isso repellio-a.
Nalo pode o nobre ministro da justi~a
contestar que por diversas vezos procurou
S. Exc. chegar ai accord corn o orador a
este respeito, dizondo qau tinha ouvido
previameuto o Sr. conselheiro Lafayette,
e qae S. Exc. estava convencido de quo
tinha cominnttido urn orro, e per isso acha-
v.-se rcsolvido a fazzr todia astransac93s
possiveis, comtanto que esta cirta nao ap-
parecosse.
(Numerosos apartes interrompom o ora-
dor. 0 Sr. presidents pocde attsncao.)
Mas nao insistira matis sobre este ponto,


visto como o nobre ministry da justiga
pldio a palavra e v;ti explicar.
Uia vez quo o nobre presidents do con
selho nho articula um so facto qua prove a
sua accusaao, e neoin o podia fazer, desde
que 6 S. Exc. o proprio a r-conheccr a
falta de veralade e o proceditnento desleal
para corn seus colleges, quando procurou
substituir a carta per outra, escripta em
terms mais honrosos para o orador, tern
este o direito de dizer que quem procede
desso modo nao p6de coatinuar na alti ad-
ministraobo do paiz (apoiados e apartes),
que 6 urma cousa seria e quo todo o alto
funoeionario tern o dever do zelar.
Incapacidade, disse o nobro ministry!
Mas indique S. Exe. urn error commettido
pelo orador durante nove mezes da sua
adrninistra-lo, nos actos em quo o nobre
ministry, como todo o gabine, era soli-
dariotie--
S. Exe. esteve at6 agora recolhido ao
sileneio, e hoje vem repetir as mesmas ac-
cusa9a3s vagas. Por isso tornas a dizer:
o nobre president do conselho procedeu
corn uma dobrez de character s6 digna da
sua peasea.
-WSr. Prisco Paraizo ministryo
dai justiga) assegura A Camara que o Sr.
president do conselho jAmais teve confe-
rencia alguma corn o orador no sentido de
substituir a carta a que alludio o nobre
deputado.
o Sr. Rodrigues Junior: E' iaexacto ;
teve uma e muitas vezes.
0 Sr. Minitro da Justiga ao ler a carts,
que Iho foi apresentada polo nobre ex-lhi-
nistro, logo que a recebera, notou em S.
Exc. tanta apprehenslo .pelo conteAdo da
mesma, que, como amigo, buscou dissipar
essa impresslo.
Entao Q orador observou-lhe que, se a
desse descobrir umn motive quae nl ho r
fosse to offensive como aquelles que aS.
Exc. parecia:,estarem contidoa na .arta.
ago duvidaria em apreseutal-o A su&.seonf
sideranlo. Respondeu-lhe onob!*G -*
nistro que, so se allegasseOF iotivo htn-
roso. elle e paras ASInete, a;eta-o-.,
hias. conteitalqo Sr. Rodrigues JAL
nior.)
Infelizmente, at6 A ultima horpt, nuna
pde, orador eucontrar a metivo quo.
ainorasse a dot profunda quo o nobre eX
ministry pareeia seutir.

'1yp.&iD do \_ l-listw ft-:,


|c!i

















.
4

.


1






ii


V







V




Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8 standalone no
fcla fda yes
!-- Diario de Pernambuco ( Newspaper ) --
METS:mets OBJID AA00011611_15143
xmlns:METS http:www.loc.govMETS
xmlns:xlink http:www.w3.org1999xlink
xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance
xmlns:daitss http:www.fcla.edudlsmddaitss
xmlns:mods http:www.loc.govmodsv3
xmlns:sobekcm http:digital.uflib.ufl.edumetadatasobekcm
xmlns:lom http:digital.uflib.ufl.edumetadatasobekcm_lom
xsi:schemaLocation
http:www.loc.govstandardsmetsmets.xsd
http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitss.xsd
http:www.loc.govmodsv3mods-3-4.xsd
http:digital.uflib.ufl.edumetadatasobekcmsobekcm.xsd
METS:metsHdr CREATEDATE 2014-04-17T17:10:23Z ID LASTMODDATE 2012-07-07T11:07:24Z RECORDSTATUS COMPLETE
METS:agent ROLE CREATOR TYPE ORGANIZATION
METS:name UF,University of Florida
OTHERTYPE SOFTWARE OTHER
Go UFDC FDA Preparation Tool
INDIVIDUAL
UFAD\renner
METS:note Created individual volume records and augmented METS file (Mark 3/18/2013)
METS:dmdSec DMD1
METS:mdWrap MDTYPE MODS MIMETYPE textxml LABEL Metadata
METS:xmlData
mods:mods
mods:abstract displayLabel Abstract The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
mods:accessCondition Applicable rights reserved.
mods:genre authority marcgt newspaper
sobekcm newspaper
mods:identifier type ALEPH 002044160
NOTIS AKN2060
OCLC 45907853
mods:language
mods:languageTerm text Portuguese
code iso639-2b por
mods:location
mods:physicalLocation UF Latin American Collections
UFLAC
mods:note funding Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
dates or sequential designation Began with Number 1, November 7, 1825.
numbering peculiarities Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.
mods:originInfo
mods:place
mods:placeTerm marccountry Brazil
mods:dateIssued Thursday, May 22, 1884
marc point start 1825
mods:recordInfo
mods:recordIdentifier source AA00011611_15143
mods:recordCreationDate 951023
mods:recordOrigin Imported from (ALEPH)002044160
mods:recordContentSource University of Florida
mods:languageOfCataloging
English
eng
mods:subject
mods:hierarchicalGeographic
mods:country Brazil
mods:state Pernambuco
mods:city Recife
Brazil
Pernambuco
Recife
mods:titleInfo
mods:title Diario de Pernambuco
mods:typeOfResource text
DMD2
OTHERMDTYPE SOBEKCM SobekCM Custom
sobekcm:procParam
sobekcm:MainThumbnail 00011thm.jpg
sobekcm:bibDesc
sobekcm:BibID AA00011611
sobekcm:VID 15143
sobekcm:EncodingLevel u
sobekcm:Source
sobekcm:statement UF University of Florida
sobekcm:SortDate 666202
METS:amdSec
METS:digiprovMD DIGIPROV1
DAITSS Archiving Information
daitss:daitss
daitss:AGREEMENT_INFO ACCOUNT PROJECT UFDC
METS:techMD TECH1
File Technical Details
sobekcm:FileInfo
sobekcm:File fileid JPEG1 width 1000 height 1416
JP21 7544 10680
JPEG2 1441
JP22 7393 10657
JPEG3 1435
JP23 7466 10713
JPEG4 1444
JP24 7354 10618
JPEG5 1434
JP25 7428 10652
JPEG6 1419
JP26 7578 10754
JPEG7 1425
JP27 7457 10625
JPEG8 1423
JP28 7528 10715
METS:fileSec
METS:fileGrp USE archive
METS:file GROUPID G1 TIF1 imagetiff SIZE 80655850
METS:FLocat LOCTYPE OTHERLOCTYPE SYSTEM xlink:href 00345.tif
TIF1.2
TIF1.3
G2 TIF2 78872980
00346.tif
TIF2.2
TIF2.3
G3 TIF3 80069452
00347.tif
TIF3.2
TIF3.3
G4 TIF4 78170206
00348.tif
TIF4.2
TIF4.3
G5 TIF5 79208762
00349.tif
TIF5.2
TIF5.3
G6 TIF6 81580334
00350.tif
TIF6.2
TIF6.3
G7 TIF7 79316098
00351.tif
TIF7.2
TIF7.3
G8 TIF8 80748712
00352.tif
TIF8.2
TIF8.3
reference
imagejpeg 679318
00345.jpg
685233
00346.jpg
661487
00347.jpg
699535
00348.jpg
651143
00349.jpg
604472
00350.jpg
659220
00351.jpg
712712
00352.jpg
imagejp2 10071344
00345.jp2
9848509
00346.jp2
9997992
00347.jp2
9760686
00348.jp2
9890490
00349.jp2
10186828
00350.jp2
9903937
00351.jp2
10082911
00352.jp2
THUMB1 imagejpeg-thumbnails 13327
00345thm.jpg
THUMB2 11868
00346thm.jpg
THUMB3 12340
00347thm.jpg
THUMB4 13775
00348thm.jpg
THUMB5 14837
00349thm.jpg
THUMB6 14496
00350thm.jpg
THUMB7 15406
00351thm.jpg
THUMB8 12928
00352thm.jpg
PRO1 textx-pro
00345.pro
PRO2
00346.pro
PRO3
00347.pro
PRO4
00348.pro
PRO5
00349.pro
PRO6
00350.pro
PRO7
00351.pro
PRO8
00352.pro
TXT1 textplain
00345.txt
TXT2
00346.txt
TXT3
00347.txt
TXT4
00348.txt
TXT5
00349.txt
TXT6
00350.txt
TXT7
00351.txt
TXT8
00352.txt
METS1 unknownx-mets
AA00011611_15143.mets
METS:structMap STRUCT1 physical
METS:div DMDID ADMID ORDER 0 main
PAGE1 Page 1
METS:fptr FILEID
PAGE2 2
PAGE3 3
PAGE4 4
PAGE5 5
PAGE6 6
PAGE7 7
PAGE8 8
STRUCT2 other
ODIV1 Main
FILES1


xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EHCJP97I0_NR1JJY INGEST_TIME 2014-05-21T14:36:46Z PACKAGE AA00011611_15143
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES