Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:14921


This item is only available as the following downloads:


Full Text















e- .. -.:,- .
ta. -, ,",
C-..-,.. b..


giem.
avulso,


C
'h--i I


* ?-'<* j-'" .' ?
M- k-w


*q 'a-
%iV


6200 -,
1.''' .



I~ n-

r


SYropriebabe be JAano


isuirda be Jaria & .filjoz


UU710? AITICULLA DO AI


SDE JANEIRO, 2 do junbho, Ais 4
n e .25 minutes da tardo. (Recebido


" :' .iL 5 horas e 45 miantos, pela linha ter-
Hr ... o M..

Jar mr o .eo-; o
k '" i~aCamara dos Mrs. Deputados fol


hoje approvado um requerimento
do Sr. ALdrade Wigueira, por S3 con-
tra 52 wotom,mandiaudeowoltar a corn-
MasfAo de redaeeu eproJeclo de
lei dars execueoes cosmerclaes.
,lau-n a a I -m


om astoern dMem aftentadem air-
daAMo trram i defteoberto, A da el
to dam maim aetilvawm IUdaga6e.

Agendcia Havas, filial em Pernambuco,
2 de junho do 1884.



INSTRUCCIO FOP!R'I
Pit


STOIA TUILLDOS 21 5Da)2
(Extrrahida)


PARTE III
CLASSIFICAQ.AO DOS PEIXES
Peixes cartilaginomom
(Centlnuagao)


S- Ha um animal'bastante singular na saa organi-
putado Zama, e consia que lambem naq;to que deve pertencer, por causa d'ella, ao
esta na opposicao o cmamselheiro grupodos vertebrados), o Amp/ioxus, o qualse as-
Francisco Sod similha muite nos peixes nLI forma, differindo d'el-
len pLdle n em nao ter as soeus caracteres inais no-
Corre queo mninisterio sera derro- taveis c que por isto se classifica n'ima divisao
tado amana na eleirao da mema. especial. MNio ternm o Amphioxu. nem vertebras
propriamente ditas, nerm coraqilo, nem o sangue var-
Foli exonerado da premidencia da mellio, neoin unm cerebro distinct.
provinria ,do Par A sen pedido. o 0 0 esqueleto 6 s6 representado por uma haste car-
tilaginea, muito anadloga ao rordao dorsal que se
Viseonde ie )laracajb. wendo no- vO no embryo dos vertcbrados ordinaries, e que
Meado para substituil-o o conse- precede a formacio das vertebras. 0 eixo cerebro
I- -oo Ma. i de S spinal no Amphioxus tern a posiqdo ordinaria e
iheiro UJoio SiEveira de Sonza. aSual,-uao apresentando, por6m, anteriormente
Foi exonerado de presidenle daa nenhum engrossaamento. que possat comparar-se
.r o o cerne o mencephalo. A circulacao 6 feita por mneio
prowincia do Amazonas o Dr. d~ayro vasos contractcis; e as paredes da eavidade da
d*O11wetek Diaus. pharynge desemp-iihaan as fune5oes do apparelho
A 3 r Dbranchial ou guehras.
A ltaa do camblbo s!obre Lhondres 0 Anmphioxeas 6 um vertebrtdo bastante inferior
lto hbaoj a 20 d. por 1 000 mobre a e que alguns zoologos fazemn entrar na classes dos
caxa Matriz. peisxes. maas que parece ser o intermedio entire estes
animaes e os invertebrados. constituindo urma sub-
divisito especial.
Quern estuida oas animite-, os vegetaes, e ainda
us iainti'raes, sob o pontoa de vista da sua classifica-
33*171N 11 MO Iq (ma. i,:ia eU IA uceontra transiqScos rapidas e bemrn defini-
Jri 6ii duV- i~las tde uis par.i outros d'cste. rcinos, nemn nos di-
versos grupos de eada um d'elles.
Naara ta-a /Ite cit sallus:; ito 6, a natureza nao
(Especial i)ail':l 0 Diiariot ) |a-sa abiupltamente da plunta part o animal, nem
apresenta caricteres tie tal maneira salientes entire
Sa diversas subdivtsles, puramente artificiaes, dos
MADRID, 3 1! d, in61ii. uiittrcnrtes iuiaividuus da especic animal e vegetal,
lite .-e posslA a.ia t e claramen-te dizer onde acaba a
o Sr. Palac-io oi non-uado enthi-14-a0l1ata pa'ar oiucar o animal, ero ende um deter-
t, P.i- inada group tie vegetaes ot atimaes termina
tader ae Hespanha em r bMontevideo. paina; o seguintc ter comevo.
81 do maic. "Passarcuios agora 'I ultinia part; isto 6, vamos
LONDRES, > e aio. fazer aia desberitAo tito ininueiosa quanto nos per-
mittrin as limilen d'elle) dos principals peixes, se-
Acabnm tie dar-se iiesla 'ilaidet- gu"indo 'esta dcscripqao a classificaclo que flea
exposta. Fareminus I)ori dar os nomes vulgares dos
duas grande expilosOe.t, elet-andto- peixes mais canheeidos em Portugal e BrasiL
me A 18 o numero dos feridos. (Continua).


PIARTE OFFICIAL
SGOWERNO DA PROVIfCIA

Lei n. .*O00

() l.'sembargador hionorario Josn Manoel de Freitas, official da
Imperial Orldemin da Rosa e president da provincia ie 'ernainm-
buco:
lFa:o saber a todlos os seus lImbitantes que a Ass-2mblea Legis-
lativa PIrovincial decretou e eu sanecionei a resolucAo seguinte :
Art. ,nico. Fica coinpanhia de Santa Thereza dispeasada do pa-
ginmenito do imposto relative a sociedades anonymas no exercicio de
l.;' t I 1.0U eon virtude dlo disposto nas leis us. 953 de 9 de julho de
l167. e 1,719 de 28 de jullio de 18M2.
Revogadas a1 disposir:es em contrario.
Manmdo, portanto, a tordrs as autoridades, a Mluem o eonheci-
meint-) execuc.io .l presented resoluyio pertenc-r, que a cumpramin
t'a;:iaa ciinprir tilao nteiramente como n'ella P,' cont6m.
(1 -." rctariao l:t Prcsideaci-'a dcsta proviiaci:t a tfis-L imprilir,
piibli>-ar e correr.
'.iht'.io ala 1 Prcsiulencia d., PPernambuco, '7 Ie mnaio de lsS-4,
i' Ia, ,li iilependecia e do) impe-rio.
!.. S. .J.-,'. M .\. ar,, I. n u: F :r.ITAS.
>>.:l i.I: e pL iblica'-la a I)r.'.i-,'ni>, resolu aj'. ne-ara secretariat da
Pr,'aid n'C-i it i l'c -rianmbl)c,, aL,).; 2-7 ie maai) aile lIS,-I.
1. secra-tatrio,
Jut',, .- l\,{fft fe -il//iib,, 1,,L' Mr, aatehuto
tLei n. .,OI

( desa0 n' ira .;!al "in a,-',n:raari, ,-* .T a n: ''-l ale FI reitas, ali,-ial il:a
liumperial r.-l ..i i,;i Ii, .-at e pr'il'it'i, da pr)ovinciai de 'crtnain.-
iaco :
FW;n i .AtiPl t1 iIos os .a-il--a iiaaabi.iantsa r iati a- Assenbln a La,'is-
lIativ;i l'r.,'iv i-.'iil, 3'ill bi,)1 sta dal Caimnari Mutnivipall de iLimnup-iro.
de 'cl t 'it l'- inailtlai apuljlicar a resulu -a,. sogiiinta :
.i-'. tll,-a. l-'aic r'Vogado o a 14. doi art. 1" d:i lei n. 1,737 a.l-
15 dal' iall:i I- 183.
.Lm;ati, la, prtaanto, ai todWas 1is .ttoridlaales, it quem o conhieci-
iucmita v' extecuaO da prescnte rcsolucnao pertecer; que a ciumpriun a'
taa;n ear'.mprir tAo inte.iramentc comain n'eillat so contm,
() s2cr.--tario da I'ra'iianei, az-.--tat4 iprovincia a taaa imnprittir.
albliv:ir o e ror.r.
IPalacio da Presilenei'it de Pernanmbuco. 27 de maioe dtie 1,4.
6-34o la. itlependlencitii e do impario.
L. S. J,,.-- MANOELI. Dr. FtErr.lAn.
S..1lh:ala o apiUblieCa.Id It U resente rcsaaluaio nesta secretaria da
Prcsid,:ieia de Pernambuco, tos 27 de maio de tIc 184.
0 secretario,
Joao A'ga'slo dc AIujq,,crqfe Maran/ado.


FT HAII lO nagrea.-A' comminsao de orcamento provincial.
PEr IM Iu ~Outrado bacharel Duarte Estevao de Oliveira.
ex-juiz municipal e de crphaos da comarea dc
tAssembl a Pr iuial Cimbres, requer'ndo consignacao de quota para a
asseniia Provincial Camara Municipal d'alli pagar-lhe o quo entiver a
dever-lhe do custas.-A' commisao de or.amento
44a SESSAO EM 26 DE MAIO DE 1884 municipal.
lSM-ENCL D o .EXAt. SUit D. AtUUrsro DE SOUZA LE0o Outra de Manool Gregorono Vieira de Lima, pro-
f essor publicode Alagoa do Carro, requerendo 6
Ao meio dia, feita a chamada, e verificando-se mezes de licenVa coin ordeaado para tractor do
entarem preaeites os Srs. Aristarcho Lopes, Josh sua saude.-A' commisaio de peti9es.I
Maria Silvino Cavaleante, Viscond de 'rabatin- Outra dt Antio Boarges Alves, escrivilo do crime
Pereira de Lyra, Cunha BeltriLo, Eririo Cou- jury da Gloria de GAita, requerendo verbal es-
ftmnho, Arrada Flalcao, Amaral e Meldo, Lourenro pecial parna pagamento de 195550, que lhe deve a
de SA, Fiel Grangeiro, Santos Pinheiro, Ferreira Camara Municipal d'alli.-A' commissao de orna-
. Jacobina, Jnvencio Mariz, Lana Freire Junior, mento municipal.
' Conkmatantino Lins, Amaro Fonseca, Maximiano Oiatra da-.compaahia da estrada de terror do Re-
SDnarxte, Praxedes Pitanga, c Auguato Leho, o Sr. cife ao S. Francisco, requeracid ronsignagbo da
S iproudento declara aborta a sessAAo. quota d' 7:373A570, irraiportancia do transport do
Compareeom dcpois os Sras. Olympio Marques, pracas de policia e presos por conta di provincial
Slsliv"ode Oliveira, Meira de Vasconcellos, An- effeetuados nos exereicioa de 1881 a 1884.-A'
Pianeiro, Nile de Miranda, Domnocrito Caval- commission de orgamento provincial.
Gde Cavaleante, Drummond Filho, Roa e Oatra de Joaquim Jolo da Cunha Pimpim, ar-
.x, Antonio Correis, Joio Avim e Alfredo Cor- rematante de impostos munieipaes na cidade da
VictoriA, requerendo oer relevado do psg.unento
% U ytolimma O rs. Paunlo de Olhvoira, Barao de do um tri.estre.-A' commission do oryamento
Jot o Augusta, Bario de NazSaretlh, manicipaL
l-Tlw io. Outra de Joes Teixeira da Motta Cavalcantr,
illsa da weUof antecedeste e appro- ecm r d.i rndas povinc.aean de Ignaiaxf, e-
,OS ) ioil- 'querendo a ma apaeotadoria.-A' commiaio de
o e p 1 ikeitara do Mi-
j dn abt doln ra .o ze.s Do
na, $ 6


-.a
Ya-4'j5r< 211


.. a,
a .- ,
". a "'" ,:--a ',,' ?a. aa9, "' .4.
.' ut,,. r,.


1.:' ,


acto ensiuravel, ;:to que repute tile dscorteziAi
para coin o nosso college o Sr. B mir.o de Nareth.
E tanto ranis, Sr. presideite, u eoutiriuo o-,.-i
opinion e julgo ser ella verdadeira quaudlo me re-
coralo 11t11 aa'esta sessao estai Assembl6a jA can 'on-
div3es identical adiou imna disceuSsA, jpratieamdi>
assim ui ;acto de delicadeza para coimigo que
aliis nio pertenvo a maioria.


Eta tinlia urn requerimento na minsa e este fafi
dado para discussao em oceasiao emt qiue cu ii' o
mne aehava prezente.
0 meu dlistincto college e particular amigoa o Sr
Alfredo Correa requereu o adiamento d'essa dis-
cussio c vi que esoc requerimeuto foi adoptado
pela assemblies, ficando por isso adiada at li--
eussieo.
Este facto estabelece um precedent que deve
regular o procedimeuto da maioria nesta occasion,
tanto inais qunanto se. trata de o n eorreligionaato
muito distinct dc Ss. Exes. come o Sr. barilo de
Nazareth, que tern protestado sempre nesta cisa
defender as autoridades superiornes aia provincia.
Coano pois entende a rmaioria que so deve en-
cerrar essa discassio, votar imesmo essay requeri-
mento serm que S. Exe. tenha tornado part
nella ?
Eu creio que em vista nio s6 do precedente, co-
mo tambem pelos outros motis ailegados neo po-
der& a maioria tier ese proceduoento; e se atten-
.lermos ainda para urma outra circumstancia, eu
ainda estranho que a nobre maioria cogite em se-
melhantte cousa !
Ha poecos dias o Sr. bar-to de Nazareth deixaon
esta casa, por que vid rogeitatia uma emenda
sua.
(Nao apoiado e apoiados).
LApartim):.
Eu w di;rei que esse aeto da asscmbl6a que
mvoqum, istole 6, o actor dOlla ter regeitsdoa emen-
da do Or. baro de Nuaareth, foWs. um etot de
desconsideratlo, mas ek maM uo dead (%sd ar
dos o nto apoiadon), tant quae frroa astem-
neo de nA voltt s dim tbi sedotrmmediatuseat.-
rotitron -o do feiuto. .

S o&6eta 6 quo att boje S. Exo.'ainda nib rot-
ton V GAUa". .

=j"~e wr~roai da Ordft' 40N

ri, e t"W6- ttteit.lW^ ^ ^
Aps* e)..^ ^l


1.C
." .. -' -,--.A-

o'*. .' ,'-' ..-a.
/,.' ,, .*+4


commisss de forVa publics, como 6 que hoje na N. 31 Para ser colloeada onde convier e mais a
sua auocia oesusa maioria quer que a diecussAo quantia de 1:6471 para collocacao e custcio de 25
de umr RuerimAito em que esta elle corn a pals- lampeoes de kerosene para a cidade do Born Jar-
vra nio fique adiada.preteriudo asaim os direitos dim.--E. Coutinho.
d'aquelle seu illustre correligionario? N. 32. Para ser collocada onde convier, e mais
Entendo que nao p6de ser este o procedimento a quantia de 1:64:75 para collocacao de 25 lam-
da nobre pmaioria. S. Exc. quo jA sahio daqui ma- pebes na cidade de Nazareth e custeio dos mesmos
goado aintla mais o ficarlA. durante urn anno,-E. Coutinho
(Apartes.) N. 33. Para ser collocada onde mais convier :
ilo me indifferente isto, porque final a oppo- e mais 3:0004 para urn avude na cidade de Naza
sigo seria maior c entio teriamos que daquella reth. -E. Coutinho.
bancada haveria mais uma voz para clamar contra N. 34, Para ser collocada onde mais convier :
os abuses e arbitrariedades das autoridades supe- e mais 8:0005 para continuaa;.o das obras do
riores. Hospicio de Alienados.-E. Coutinho.
(Apartes da bancada liberal.) N. 35. Ao art. o1 ao 24 em vez de 3 '/0 sobre
E talvez esoe facto nao se d& so coan die. o valor locativo diga-so -2 0,'o. Santos Pinheiro.
Alimento essa esperanca porque nao ereio que N. 36. Ao art. 10 12 cm vez de 2 O/o diga-sc
esses factors nile deixem de actuar no animo de Ss. 1/2 ,/0. Santos I inheiro.
Exes., e portanto algumas converses se h-o de N. 37. Ao art. 1o 8" em vez de 80 rs. por litro
fazer. I de vinho, diga-se 40 rs. Santos Pinh/eiro.
,(Apartes.) N. 38. Ao art. 10 44 em lugar de 8 r/o diga-se
Eu entendo que a norma do governor seguida 5 o/o. Santos Pinheiro.
pelas auitoridades superiores 6 tal que muito cm N. 39. Ao art. 1o suppriinam-se oa ns. 46, 47 c
breve teremos da'luella bancal.ai muitos adeptos 56 da part 4a e l68 da parte 5.a da tabella dos ian-
(apartes da baneada liberal) que virlo para esta posts para fbri da ecapital.-Sanatos Pih/aeiro.
confess* qu.- o Sr. president da provincia sondo N. 40.-Ao art. 20 5, clove-se a verbal no
franco e desbragaamente partidario '6 inio admi- sentido de s-ercm equiparadas sos continues os
nistrador (nao apoiados e apoiados) e que o sou vencimentos dos 30 officiaes.--Jos,: Marhi.
partidarikmo veio ja chegando A arbitrariedade c N. 41. Eleve-se a verbal a mais 2:aJ000 pars
a violencia. (NMo apoiados c apoidos.) encanamento e deposit de a..ua, torneiras c 4 ba-
Pensando assim espero que at nobre minaioria cias uojardini do pa(:,a da Assemlblaa. J,,.,-'" Ma-
adopte o reIjuerimento do meu illustre college e ria.
amigo o Sr. Deinocrito Cavaleante, para nie nao N. 42. Ao art. 21 ) 'a xccresc,:nte-se : inclusive
se corte mais urma vez a palavra a um depttado e o professor addido.-Jos,-a Maria.
para que nao se pratique mais um acto de descon- N. 143. Ao 1rr. 2' 12. Emr vez ale 1:;2700
sideraco ato Sr. Bareo ade Nazareth. liga-se-1 A.) 3-Joa" Maria.
SApartes.i N. 41.-Supprnna-se o 22 do att. 2".- Josi!
V,,ZES-MNlito bern, inuito. M'Tria.
0 Sr. Drummoinoil aFillo-(N.to alevo.i- N. 45. Ao art. 2, 1) 25. dia--sc emn vez il
vei seu 'liscurso.) 1 :aIi7a720l, 1i;0i.-Jod: Maria.
Venm A mesa e lida,. apaiata e entra eonjunetax- N. lW. Suipprimia-se o 5i, do art. 2', iiie se i:n-
mente em discussao coin o requeriiecnto a seguin- fore ;i alimentaao dos pr'sos pobres. Jo-', Ma-
te cinenda: raut.
,, Em vez rie 48 halio:as diga-se-p.ira ser dis- N'. 47. Ao art. 2-, 59, diza-se cmi vez de
cutido quando por antiguidade ever entrar em 7:037.590Y, 4:027 300.-J,,sa' M,'ani.
discuisso na forina do precedent estabclecido ilela N. 4S. Supprima-se o 1a9 tho art. 2-.- Josi
rnesa.-G. de Drum,nowaal Filho. Mur/a-.
0 Sr. Sanlos Piunaielro (phlat ordem) N, 49. Ao art. 2-a 70), accro..eente-se : deven-
manda a mesa a seguinte nmenda qne 6 igualane- do fiuneccionar diariamente das 1.) horas ao mneio
te lida, apoiada e posta emni discussed coin o reque- dia.-Josc' Maria.
rimento: N. 50. Ao art, 20 29 : Eleve se a verba a
,, Em vez de 18 horas-diga-se 24.-Santo-s Pi- mais 400)4, pereebeldo o escrivAo 1:6006U, rever-
n/e,'ro. tendo A receita da provincia s oeinolumentos (jL


caa de Beserros.-A' commisaio de di .:v'u
e ecolesiastica.
Outra do eapitlo Joae6 Soares de Olivi a-
de, proprietario e aonseuMor do eagenho
termo e freguezia de Bezerros, requerml a
uat propriedade donminada Ipeeacunha xa
as terrenos do dito eagenho, ma'Mituada e-
zia e termo de GravatA, passe a pertence ris-
dicao civel o ecelesiastica do termo de ro.
-A' commisslo de diviajo civil p eccleso&
Outra da confraria dos 88. Crispim e pi-
niano, requerendo a extraeAo de urma ou m par-
tes a loteria quo Ihe toi concedida.-A' eaf".0-
de orgamento provincial.
E' tambem lido e vai a lmprimir um pa r da
commission de redaqto sobre o projeeto n. esute
anno.
Sao approvados os seguintes pareceres :
i N. 143. A commission de instructor pW 'ica,
tomando em consideration a petico de Anto. de
Menezes 1 ysneiros Bandeira de Mello, pnor
public da povoaqaio de Cruaugy, o qual pe'h que
a sua cadeira passe a 2a entrancia, precia a qoe se
ouea o inspector geral da instruceAo public% nobre
esta petigio. Sala das commisses, em 0 ) de
abril de 1884.-.Adedino 4. deW'Luna Froke Ja-
nior.-E. Coutinho. 0
a N. 141. A commisslo de instrucqao pulio aa
quern foi present a petiao de Mlaria Joaqina
dos Sanutos, a q1atl requer quo seja o soea uos in-
cluido no quadro dos professors publicos, 4uer
que sejat ouvido o inspector geral da instrflAo
pnblica sobre a lnesma peti':'io. SaIla das ,pm-
missies, 30 de abril de 1884.--Idelino A. deona
Freire Junior.-Ermirio Contiah,. a 'T
Sao lidos, julgados objecto de delib'raio e.,vil)
a imprimir os seguintes projects de lei :
N. 14'). Art. 1'". Fiea o president- da provincia
autorisadlo a discnsar il J-.aiiuiza LCandida do Albu-
querique Jaapon e Maria Nicacia do Jesus Coelbo,
do lapse do tempo que lies falta part ,tvw tneula
na Eseola Normal.
Art. 2". Revogadals as disposivxei em covtrario.
Saila dlas coniauissu'es, eom 2 de maio de 1E 4. -
Adelina' de Lua Jaiaor.-Ernirio Conftinho I
N. 141. Art. unica. PFica o president daPro-
vincia autorisado a de.pender at6 a quantile ;de
2:0005000 corn as obras da matriz do ter*tb de
Correntes, conarca dc Garanhuus.
Revogadas as disposiqces em contrario. -M.I
Duitrte.-Constantino de Albutquerque.
N. 142. Art. unico. Fica desde jA transrtrida
Spara a povoanIo de Pooe Fundo a s6de da fregae-
zia do Santo Antonio de Jacarara sendo elevld:t A
matriz a respectiva igreja do Sinto Antonio ims-
tente no supra dito povoado. ".
Rcvogadas as dispasiqves em contrario. e
Paco da Assemblea 2 de mrnaio de 1881--Jou-
cio Ma i Iz.
Veto A mesa 6 lida, approvada, coasiderada 4pxo
requeriinento a seguinte indicacvo, ficando I.6a
ser opportunainente diseuitida a seguinte in i
qao: v'
aIndico a mesa, para que sedigne, nomearnumaa
commission que examinando a estatistica dos mu--
nicipios formule um project no sentido de umsa
nova organisaa'o de fbrqa pelas bases que offe-
reqo. -i:
Sa 0 corpo de policia que pesa ineluidamente o-
ke os cofres da provincia, sera substituido. pr
guardan locaes, municipals, fazendo-so assim nma
economic de 559:3815000.
,a As guards municipaes serao organiwAJ e
pagas pelas respectivas cameras mu iielpabi, ten-
do-se em vista a populaqao do municipio aoirlo 6
msxiaop lpcagas e 1 caumnuandaun t,ui autmSi
um commandant.
,, Para organisaqao dessas guardas conemo'erimo
o president da Camara o promoter public, e o
delogado de policia.
a As nomeaZcos deo comrnmandante sari ade no-
meaqo das camaras em sua maioria.
Nesta capital o numero de pra-as serai de
200.
,, Autorisar-se-ha as camaras a cobrarem de
cada cidadio attendendo ao seus rendimentos umrn
quantum que nao exederA de 400 no maxima e
WO) no minimr.
,, 0 fardamento das praeas scrA descontado
coma se precede no corpo de eolicia.
a 0 president da provincia dar;A o cCessnarioi
regulamento.
SEn 2 de maiode 1381.-Santos Pianheiro. a
O Sr. Neira de Vasconceilos-(N;io
devolveu sou dincurso).
0 Sr. Rosa e Shil'a-iN\;o dovolveu o seu
dascurso.
Continue a discussto do requerimento do Sr.
Dr. Democrito Cavalcante, sebre um attentado em
Palmeiras.
0 Sr. Democrito C'avalcante (Nao
devolvcu seu discurso).
Veoin a mesa 6 lido, apoiado e entra em discus-
sao o seguinte reqaerimento:
a, Requeiro o adiamenta 'Is dliscussaio pr -18
tioras.-Demoocrilo Cavalcaeart.
0 Sr. Olympio Marqu(-s-(Ndodevolvei
o satu diseatirso.
0 Sr. Nibo de Miranda-Sr. president,
nao mc daixorarci muitr, n:t tribuna, pIir quo ntan-
do que a materi.t natao o)ianprta-a Irrga discussao.
Entretainto direi sempre alguinat palav'ras p.ira
vc-r so constgo que a illustro matoria que pareceo
qneror votar cottra aa adiamonto requerido, tnao,
teala ocucnitlhan to proccliinontaa, na;o p,.ariqia c'st-'


MENTO PROVINCIAL).
N. 1. Ao final do n, 2, parte I da tabnletld.a re-
articaes accresenute-se-e main 15 por cento so-
re mobilia ou obrans de inareincrias estrangeiras,
oportadas pelas casas que as venderem em gros-
).-Amiaral e Meolo.
N. 2. Dcpsis do 8e do artigo 1, accresento-
e: 5) rtis por alqueire de sal importado.-Amau-
atle Mello,
N. 3. Depoisdo 20 acerescentc-se: 3 por cen-
a sobre o valor locativo dos armazens que nrizerem
descarga dos navlos per prauchas.-Amaral e
delo.
N. 4. Ao n. 21, part 3a da tabella das reparti-
5es, em vez de 4:5004000 diga-se 3:0004000.-
Lmaral e Wello.
N. 5. 1ecjabclia-ae a verbs para pagamento
[ah fm-u-da-cl dl Re ifli, que oido
evem ser supprimnidas.-Amaral e Mello, P. de
lireira.
N. 6 Flea o president da provincia autorisado
conceder a gratificatao de merito ao professor
ntonio Jovino da Fouseca, uinM vez que se veri-
quc ter mtuis de 15 annos de excreicio.-Bardo tidc
Taza reth.-Maxiniano Duarte.-Dr. Pitasya.-
delino Jaun.or.-E. Coutianho.-A, Lopes.
N. 7. Ao artigo 2,' 24 ace:eseente-sc: de eon-
armidade corn o artigo 1" n. 3 da lei n. 1,790).-
.ntonio Estecvao. -Bardo de Nazareth.-A. de Sou-
a Lodo.-Saatos Pi,dciro.-D)r. I'itanga.-Pe-
eira de Lyra.-Amaral e Mello.-JosS Mafaria.-
ma ro Althaquerque.-Frawisco Tibtrcia-juen-
io Mariz.. -.tlaximitano Duarte.-Cunha Beltrao.
N. S. Ao 7). Artigo 12 diga-se exeCptuados os
accos de estopas.-Adelino Junior.-Visconde de
I'abatiaga.
N. 9. Ao 20 4lo artigo 10 accrescente so-Is
idade de Pesqueira.-M. D1),,art'.-D)r. Pitaiaixa.
N. 10. Ao artigo 15 o artigo 6a da Ivi n. 1,786
e 1883 manidand-) vigor.ar, depois das palavras
ecima urbaana, diga-sc-c antuidades da Conm-
:tniaita Drainage.--./'. .e Olivcira.-nAmaral e
Yf r. lu.
N. 11. Ao artigo 21. A subvenq;io para o novo
outracto corn t ('ompanhia Pernalmbuaana ser-a
natior de 12:OOa)a'),).-P. de Oliceira.-AInaral c
fello.
N. 12. Ao artigo 2-' 2 restabel'qa-se a verbal
estinada aos alumni-s pobres do Gymnasia, de
ouftranid',ade coin a lUi %igcnte.-P, de Oliveira.
4 anaral e Aeilo,-eJos,. Maria.
N. 13. A,, artigoo 20 23 reduza-so a 12:0.)35 ma
ubvenv;li o A CjUlinhiltia Pernainbucanua.-P'. de
)'iceira-.Aminral e M'1 't.
N. 14. A, artigo 2' 57 cnm liug-ar de........
07:317 ;r)a dlig.S-o1e liJS:7173Y.r) s-,n'lo i ,wal>'-
ladodo proeurdadt r do feito; regulado p-l-- arfi-
;e 2 dxI lei n.i 1,;')3 de I dc allo de 1,......- E.,-
erdo de Olicaira.--. de Oliceira.--Jsec aria.
N. 15. No 8" do artigo 2- infinec, acrc-sc,.'-
so: e para executiqao do II do, a.ttigo 1- idai lei
I. 1,786 ale 26; de jullio de 1883-2o:0OJa)4J0).-
E,:tcvdao de Oliveira.-Josi Altria.-.unhu i .'l.-
rao.
N. 16. Ao 13 do artigo 1- onde se 1 2 por
ceato diga-se I1 por cento.-Barlo de Nazareth.
N. 17. Sapprima-so o 0 18 do airtigo 1- pir so'r
iuinposti municipal.--/ardo dc Nazareth.
N. 18. No 12 do artigo 1- oude seodiz 2 por
cento diga-se 112 poi conto coino d'antes era.-
Bario de Nazareth.
N. 19. No 241 do artigo 1 ondese 1I 8 por
onto daga-se 5 por cento com o d'antesc era.-Btt-
ra dei Nawreth.
N. 20. Ao I do artigo 1 ecm que sc diz 3 por
cento diga-se 2 1/2 por cento c)mo d'antes era.-
Barao de Nazareth
N. 21. No) l l:do artigo 1 supprimrr-so as
pal:ivras-oa jiudicial.-Bar,'i- alc Na:urelh.
N. 22. No 19 do arrigo 1- diga-se -qaia doe-
carregare c u (lato qe carreogarcan.-Bara do Na-
zaareth.
N. 23. No 24 cm vez dc-c 2.) por cento so-
bra o daquelles em que hajam, diga-se 10 por cen-
to, ctc.-A. Lopes -F. Taburcio.
N. 24. Ao 19 em vez de 200 reis por tonelada
de todos vapors, navios in mereantcs de coberta en-
chuta, estrangeiros on na:-ionaes qu. carregarem.
diga-se--navios mareantes de coberta eneluta,
estrangeiros, qua descarregarcm no port, etc.-
A. Lopez
N. 25, Ao 8o em vez de 80 reia par litro de
vinho o 120 rein per litro de agrardente etc., di-
ga-so 40 rs. per litro de 'vinho e 80 rs. per litro
de aguardente. A. Lopes,
N. 26. Ao 5 1, em vez do que se acha redigida
diga- s": 10rs0 po Bauuo de assuear em fazan-
da ito l Abricada ns provioeia.-A. Lope'.
N. 27. Ao 5 9^Js vez de 3, "/A diga-se 2 1/'
f,r ---A 14c.,"t
,-i88. Ao 5 ltesa vez de 30/o diga-se 2 to/
---A- Lep-.
.JO 8 do- art.1I- cecet~ 0r
EiSST1..- Ut oat J napona

-" <| laBpontauy yagom AV Muir '-
tR 0 365KP'


8, ad4itivYO digs-so momentt
A .,rw b.-F. 2V oe.-
9,Mcat


este percebia.-Josi MNaria.
N. 51. Ao 60 do art. 24 accrescentc-se ; Fi-
candaa cada agent arrecadador do imposto de
3:500). em vez de porcentagem, cornum 1:200A de or-
denado e 60NS de gratificaqc.o. -JosS Mar;a.
N. 52. Ao 5 do art. 2' : Elev-e-sc a verbal a
6":3824990 part exeeuqvio da lei n. 1.790 do anno
passado. Jose Maria.
N. 53 Ao 57 do art. 2" aocroecente-se : In-
clusiuc o ajudante do escrivLo da receira, ter'i cathegsria de 20 escripturario da mesma re-
partictIo.-Jos Mlartia.
N. 54. Ao art. 2', na seeqoo de soccorros de l.e-
neficencia, acerescente-se o seguinte paragrapho :
Para execucao do art. 1" da Ici n. 1,665 de 10 de
junho de 1N82, a contar o nez de abril do eor-
rente anno, -. l:50.-p Bario dec Nazareth.-
JosS Maria.
N. 55. Ao art. 2e 9 : Eleve-se a verba a
mais 1003, ficando o 2-' continue em 1:201)30'00.-
Joae Maria.
N. 5;. Aqart 2o. Depois do 14 diga-s: E
mai 8:;500U000 pora as escolas noeturnas da fre-
guezia da cidade do Recife, inclusive a da 6a ca-
deira mixta da Blaa-Vista, nos terms do art. 11
da lci u. 1,666 de 1883.--Josd Mlaria.
N. 57. Ao art. 2 37: Eleve-se a verba para
serein coll-,eados 4 na trava-ssa do Fonseca, nos
Remedios ; 2 na rua da Fundiqao ; 1 na travessa
lo Ferreira; 1 na travessa do Gonvalveo. em San-
to Aaarot; 4 na ruan do Maia; 4 na rua Amelia,
na Grava, e 6 no Encanamrento, do Poo.-Josd
Maria.
MN. 5S. Ao art. 10 15 : Em vez ale 51--3000.
aiga se diga-se lt) e irn vez de 7535001.9 diga-se
1505000.--Josd Maria.
N. 59. Ao art. 1 1", : ELn vez det 904000, dlli-
ga-se 100.000.-Jos Marua.
N. 60. Ao art. 21: Em vez de '203000, di-
ga-sc 50-5000.--Jose" Maria.
N. 61. Ao art. 1' 2$: cm vez de 53000 por
escravo etc., .-iga-sc 53000 di.arios por escravo,
etc., c supprimnam-se as palavras-ou por deposit,
etc., atu o fim.-Josr Mlaria.
N. 62. Ao art. 1" 44: Em vez de 8 /. diga-se
3 0;,.-losa3! Maria.
N. 63. An n. 11 d tatbella d.-,s impostos deo rc-
partia(:'o, ianlustria' e profissite.s, d ,ig.a-sa.' 58)0;)X0
eta vr'z da, l:.--003QX).-Jos MNlariat.
N. 61. Sapprima-se o art. 21.--Jos, Mtria.
N. 65. Ano art. 9- accresc-ntc-sn: exsceptua-lo a
tais .iadtiri.is a;Ls freguezias ,hi etlade do aRecife.-
Jro.t'. Maria.
N. 66. Su)priitnam-so oa .;rts. 8 e 10.-J.qd'
Maria.
No 67. Ao n. V, p-irte : *-' ,l:a tAtbell a .1-S impo-)-
tos, e.a vez da ,5:W:)3:(.)1)ali.ra se 2:5-)l-)l.)W ).-
Jo.t M,'(aria.
N. 6. Ao) art. 10). S2 for npprovaid: a crnendat
que miantalt saiptinriiria o a;t.-t-ara-d!:c-nt', p ee-
pois atis p-ilavr.ts--i) nfeit.s--em vez ,i' Con-
sulado e collect -rias aliga-so r,.'parti;IIo isa:.I e d,'
arirec.tala c.--JoS-a .latria,


N. 69;. Ac 5S. Impp)sta *hI rr'pi.rtia;o. Em vez
de: conu-ignatarios e vendenlores de assucar da
da provincial, digs-sc: consigaatarios e vcndedores
ate assucar e outrros generous de produc/tLo agni-
cola dal provincial 17:000$000.-Pereire de Lyra.
N, 70). An 1'P do art. tI em lugar de o3 o/o di-
gst-se 2 1/2 0 e-incmo dantai era. B13. de Na:are!h.
N. 71. Ao 19 dG art. 1 onde sec diz quo earre
qarem, digat-se: que daeseaarregarem smente.-
Barao de Nuzarcfh.
N. 72. Ao 75 ti) do art. I1' dli..t-se : 5 o. nem Iu-
gar de 8 o0,.--B. da Nazareth,
N. 73. Ao 14 do art. 1' da receita onde se
diz: particadar sipprima.-se a tpilavra aJdic/ial-
B. de Nazarejh.
N. 74. Ao 12 do- art. 10 diga-se: em lugar da
2 '/, 1/2 0/a soanente conic dantes era.-B. de Na

N. 75. Ao 24 do art. 13 cu hiigar de 30 0'o
dliga-se: 20'., comeoestab uo noreameuto vigente.-
B. de Nazaeet/h.
N 76. Ao 26 do art. 2o accreseente-se 3:000
parna a compra de umna cas q:-ie sirva para cadeia
n;t villa de Floresta, dando-se prefoterencia.i a casa
qie para estate fim ja se acha occnpada. August,
d? Souvza Leao.
N. 77. No n. 76 d i- 5 partao da t;abella diga-se
30)6 can lugar da, 6-r0Y.-Bardo de Nazareth,
N. 78. No n. 61 da 5a parte da tibella diga-se:
se far a dlivislo de mdir que nenhnaan a casa pla-
gar:b ouaintia suarior a 200a. Barao de Na-
zareth.
N. 79. Ao art. 1" 2 cm vez do 3 o/. diga-se
2 o/,.--Anmaro J. F. Albuquerque.
N.80. Ao 18 do art. I em vez de 205 per
mascate na cidade do Recife e 10e 5 os dnemai
Smunicipios-diga-se : 503 no primeiro case e 20,
no segundo. Amaro a. F. Albuquerque.
N. 81. Ao 9 do art. 2 accresccnte-se : inclusi
ve a mensalidade dos alumuns pabres 96:000J em
vez de 62:4005 -Amaro J. F. Albuquerque.
N. 82. Ao 3 23 do art. 2 emr vez do 4:0005 di-
ga-soe : 2:400S. -Amar3 de AUmquwrque.
. N. 83. Ao 27 do art. 2 aeoreaoente-se: inclu
a sive 5:10 parsa o enpedramentq do pnimeiwc
lance da atda d it, dentre da villa de Ja-
SbdatioeffBctusdPdt dmwfniStraS(_e de prefe-
- reia; 1e 005 eO r mhugare do 120:0006--Amur
J. F. de AtbWfey ,-


N. 84. Ao 44 do art. 2 em vez de 4:0005 di-
ga-se 2:400--Amaro de Albuquerque.
N. 85. Ao 45 do art. 2 em vez de 4:0005 di.
ga-se 2:4005.-A maro de Albuquerque.
N. 86. Ao 51 do art. 2 em vez de 2:0005 di-
ga-se 1:2005. Amnara de Albuquerque.
N. 87. Supprima-se o art. 10.-Amaro de Al-
buquerqae,
N. 88. 0 art. 20 seja substituido pelo seguinte :
0 president da provincia designari o professor
mais antigo de iinstrucaqo primaria da capital,
cuja cadeira ficAlra extincta, para reger a escola
primaria do Gymnasio.-Amaro de Albuquerque.
N. 89. Ao art. 2 48 cm vez de 2:0004 diga-se
1 :000i.-Amaro de Albuquierque.-=--Saitos Pinheiro.
N. 90. Aoart.2 52 em vez de 1:000,4 diga-se
600I3.-.Amaaro de Albwquerque.n-Santos Pinheiro,
N. 91. Ao art. 2 46; em vez de 2:000)4 diga-se
1 :(W)O).-Amaro de Albuquerqe.
N. 92. Ao 15 do art. 2 augmente-se corn 200t
para mobilia da escola do sexo maseulino de Pal-
inares. Santos Pitnheiro.-Baraio d' Nazareth.
N. 93. Ao art. 2 onde couber : Coin 40 lanm-
p'poes na cidado de Palmnares e 40 no Rio Formo-
so.--S'ant.s f iahtifro.--harao d, Nazareth.
N. -M4. Suipprima-Ge o d l0 lo aart. 2. Sant,..-
Pinleiro.
N. 95). Ao airt. 1.-) oa irt. 2 atgrnientc- c : COin ,:
lite est:i a ever o Th.'osouro ao profiessorJos61 Mu-
niz T'eixe-ira Guimaries ao exere-icio undo pela
ditfl'-rpn,na do' entrancia.->,'a;/t.s Pint/eiro.
N. 9tj. Ao 5 do au rt. 2 onde ctaubler aigmen-
te-- : (a-"c-in 31005r para ?oncrtos dla caa t que ser-
ve iara e<\colai lo sexo matseailino em Barreiro',. -
Santos. .-liic;ro.--Bartio de Naaar-fIh.
N. 97. Ao art. 3 aontle se diz : rsc-tt a1gmentar o
pesial, diga-se supprimindo o ,Iaa' julgar conve-
niento-.-Saantos Pih/eiaro.
N. 98. Ao) art. 21 no final acrescente-se : beirn
comoa a de tocarem seus vapores nos portos do Rio
Forrmoso e Una.-Saantos Pinheiro. Bardo dla
Nazareth.


REVISTA DIARIA
Asmemblbat Provincial Funccionou
iontem, sob) a prsidencia dlo Exm. Sr. Baro de
Itapissuma tendo comparecido 22 Srs. dcputa-
dos.
Foi lidt e approvada sewi debate a act,; ,:.
sessao antecedcnte.
0 Sr. 10 secretario procedeu a leitura do se-
g;uinto expediente :
Uin otfici(o do sccretario do governor transmit-
tiudo urn officio d;t Camara Municipal do Recite
em que represent sobre a incoveniencia do pro-
jecto n. 165 deste auno.-A' commissio de oarea-
mento municipal.
LUma petieao de Adolpho Firmno de Oliveira re-
querendo ser comtemplado no quadro da divida.
passiva da provincia c que se providence no sen-
tido de serein pagas as prestast'es a, vencer-se
rnos terms de seu contract de arremataqvo da
estrada de rodagem de Agua Preta a Jacuipe.-A
coinmissao de oraimncnto protiunial.
Ontra dc Amelia dos Santos Rosa Cunha, prv-
fessora da freguezia dc Sauto Antonio, requeren-
do que soe lie marque quota para pagamento de
sua gracificaq qamento provincial.
Outro de Fielden Brothers, emprezarie da illiu-
minacao a gaz desta cidade, replicando do pare-
cer da commnisiao da fazenda v o;-:anmit,., qut
opinou polo indCferimento de sua peti;Io.-A'
comnmissAto do lgisla;'io.
(Ontro de William Wynelhamn Robilliard.. ne-
gociante estabelecido nesta praca corM casa do
commissoes, reclamando contra a collecla que o
obriga ao pag:-nncato do imposto de que trata o
S11 do art. 2- da lei n. 17816 combinado coia o
n. 54 d;:t tablla. A' commissIo de orqamentc
provincial.
Foram approvados quatro pareceres de comis-
soes do redacv6es sobre os prjeclos ns. 42, k,
129 e 240 dpst' anno e tres da do orqamentu
municipal sendo: um dcclinando para a de postu-
ras o abaiso assignado do negociantes, proprie-
tarios e muradores no pevoado Jaqueira; outro
ilem para (a de orcamento provincial e petiqio
de Manocl Eualoxio Paes Barrctta, e cutro ica-m
para a do posturas o abaixo assignados de pro-
prietarios e inoradores na serra do Mauivoba.
Foi a imprimir o seguinte project, precedido
do pirecer da comnmissa.o de rendas municipacs.
N. 211- Tornando extensive a Joao Franiei-
co Ferreira Juinior o disposto na lein 1753.
Fas,.>;ut-.o a orduin do dia.
Ali.-uat so pela hora a 3- discussio do project
11. l.aM dlste atnal) orqaiinento provincial) scnda
:;poi;td:ts 99 eehniedis e tenlo orado os Srs. Ba-
r.io de Nazareth t, Estevilo de Oliveira.
A ordem do ilia : 1" discussaio dos prajai.-tea
us. 31 e 1I.5 de.-,t- anuc e contid:ia;lto da antitrc-
di.nte.
Comaio as emendA.is approvadas no sabbado aot
pro.le to u. 29 deste anuu, fui tanibcin approvado
uni rcqucriinnit,, dos Srs. Praxedcs Pitanga, Au-
gusto Le.o, B1ara:o tcl Nazaieth e Santos Pinhei-
r) part que o additive fosse separado e constitui;s-
se inn praajeeto saparadoa, sondo ret;raalo a pedido
do Sr. Ferreira Jaeobiina o requerimento par ell,
o p,:l, Sr. Francisco Tiburcio a-sigaiado pari
ser enviado.) an En. Sr. Govcrnador do Bispado.
o additive, qiie trata da creaqio da freguez;t
de S. Jos6I da Boa Espcranua passando o prejecto
recob i ao n. 210.
Auloridadeam policine.-- Por portaria.
da presidencia dtie 31 d tienaio find.) foram nomea-
ds par; os lug.: res vagos de 2' e 30 supplentc
Jo termo d C';ibrob>., Antonio Joaquimn Netto c
Francisco Rodrigu-n de alMories, senlo-flies d-sig-
nado o praso de 2 muzes pran prestarein o jura-
menmo do estylo.
Tribunal do Jury-Iatvendo coanparc-
cidu smernte 20 Srs. juirados, n1o pijde scr lhon-
tein installida at >.-ssf.) d'este Tribunal. senail,
multados cm 20 oas que faltaramn, o sortcado. aa
s,'guintresocidadios :
Fre/yaezia do Recife
Shbastiao Lopes Guimaries.
Augusto Francisco dos Reis.
Fregua-zia de Santo Antor.io
Alcebiades C tvalcaute de Albuquerque.
Thomas de Figueiredo.
Joao Francisco Ferreira.
Jo-o Bernardo dt Siaqueira.
Freguezia dc S. Jose
Agostiuho Jose dos Santos.
Fregawzia da Boa- i7sia
[Jr. Joaquim Jos6 da Camara.
Dr. Luiz Lopes Casteflo Branco.
Trajatto Alipao do Carvalho Mendonva.
Jos6 Ricardo Coclio Junior.
Bendicto Luiz dos Santos Aim 'ida.
Jos6 Teixcira Coimbra.
Dr. Affonso de Albuquerque Mello.
Epazninondas Pinto 1andcira Accioli de Vascrh-
cellos.
Eugenio Lauro Maciel Monteiro.
lhindolpho Olylnpno dos Reis Campello.
Frr.ncidco Gomes Castellao.
i)r. Feliciano Placido Pontual.
Dr. Miguel Jos4 ie Almeida Pernambucb.
Fregnaia de Aogadoas
Christovao do Barros Rego.
Jos6 Francisco Machado,


Fregu.na da Graga
Jos6 Nicolko Ferreira.
Joaquim Pedro do Santoam Beserm.
renente-coronel AugutA OctaTiano de Sou
JFrmia do 0 'o
Vicente de M u b Mell WI
Francisco de Paula Siva. S


a -,-.. ..
1 -


- a a ,a


.N .. .
'i
-a-. ,
La- 141


a-4-.-,a :
rat .-.' :. -


.4- a
724.--.
-q


-la-I


'ri
~~-~1


*. -' --


Pt


'a
!"


ILL
P4.'


-f


INN imi


*** *; t;


( Coui iiti'a. )

EMENDAS APRESIENTADAS EM 3' DISCI'SSAO
AO PROJECT N. 158 DESTE ANNU (OiC'A-


trw We Na


rl































,' -M an Ic-ttfi't. 1^^w
-taus.doAzs d o e dernna e 4eouroe ume
*, aptta-eartos do fiao motal, fl*udo em nome det-
Iau a jovnea Herminiaa Maia e SiLva, que terintou
tdo e depordo ano porta-carto, s otto lides ear-
tea, eada um dos qaies dizia:
I a .lerinua A.- M~iu e Siis felleitae aam tedaa
e, tas 'ulma ao sou iucansavel mestre Foseo-
CS, pelas virentes louros que tern meoquitado. a
Amelia Rodrinues Guirmaries express reco-
nafecimeutoe respeito ao consmencioso cultivador
da arte delCarios Gomes-E. Fndoeca, seu intelli-
gente mustre. a
Florinda A. Maia e Silva consagra ao iatelli-
geMte mestre, sua firm gratida o pelo proveito que
team fruido de suas sabias lies. o
m Caudida R. Rodrigues uuimnara.es enthusiast
discipula de E. Fonseca, offerece-hie palmas e flo-
res, just premio confetrido aos perogrinos d'arte.,
a Maria Amelia Guimraraes Teixeir., ao seu dis-
tmctoe mestre E. Fonseca, ronde hoje, come semn -
pre, o mais sincere preito de homenagem. ,
Marin Celeciutia todrigaes, nmodesta dLicipula
do E. Fowsoea, .halcla de coraeol que aquelles quo
tiverem a felicidade de ser seus diseipulos, saibam
tanto houral-o, quanto tern elle hourado a arte quo
profess. ,
a Maria A.. Maia e Silva, discipula de E. FePon-
aeea e admitradora couvicta dos seas taleutos ar-
tisticos. rejubila-se e)m os triumphos do distinct)
inestre. )
a Oliva C. Rodrigues Guimares protest ao sou
infatigavel mestre E. Fonseca, aprego e venuera-
0.
Euo acto continue, o Sr. Agostianho da Silva
Lel, ein nome de alguns discipalos e amigos, of-
fertou ao beiueficiado umna linda batuta de ebano,
fteastoada de prata, corn inscrip9o aiualoga, em
tuma caixa de velludo.
Find a p imenira parte, o acaduemico JoIo de
Hollanda Curha Junior, representando o Sr. Jos6
d'Azevedo Main e Silva, depoz nas maos do Sr.
Juclides tires cartas em favor dos escravos Altre-
de, Leocadio e Samuel, unicos que possuia aquelle
honrado commerciante que, sem onus algum, e em
homenagem no digmo professor de suns Exmas. fi-
lhas, concedia-lhus liberdade. Esta manitestaiao
maito coimnoveu ao Sr. Eaclides que, passando As
maos de Samuel, unico que se achava present,
aquelle titulo que o restitnio A sociedade, receboiu
do mesmo um bonito bouquet de flrcs niaturaes.
No correr da exeeuoc o da segimda part do pro-
gramma forai aiuda offertados ao Sr. Euclides us
seguiates objectos :
Pela interessante Maria de Siqueira, un alfinc-
te corn brditaute par-a gnravata.
Pelo Sr. Antonio L-onardo Rodrigues, um outro
alfintto fo.-mando umn troph6o artiAtisco disposto
de uma lyra, uana batuta e um diapasio.
Pela Exima. Sra. D. Maria I lementina Maia e
Silva, um album de musicas, encadernado em cha-
grin, aeompauhado de ua bartio comn a rcspeetiva
dedicatoria.
A todas estas provas de justas sympatlnias, cor-
rspondia umn estrepito de palmas d'aiquelles que
alli tambem forainm attrahidos polo ieonoutestavel
merecimento do nesso distinct com;nprovineiamno, a
quern cable, sem duvida, a gloria de ja ter ass is
concorrido para o deseuvoiviin.to da arte musi-
eat entire n6s.
Termninado o concerto ainda diversos amigos se
dirigiram ao tablado pars comprimeutar c abracar
o inteiligeate artist. Si, 6 eerto, ,adj ter produzi
do esta fiesta tanto quanto era de csperar, relativa-
meunte ao merito e capricho do ben.ficiado, deve
esto todavia estar satisfeito per toer inais urma "ez
posato em provas, us seos dotes artistieos, ante
uma sociedado escolhida, como a que presidio a
ara festa.
Navio nautragado-O Sr. commendador
inspector da Alfandega, por comnmuuniealto que
teve do Sr. guarda-mn6r, suaspeita que as madeiras
osparsas pela costa sul desta e da provincial de
.Alagoas, foram da bare a americaia Elliot Retchie,
wre, estando nai lt. sul 110 40m e long. deste de
enwich 340 30'm, naufragou emi consequencia
deter aberto agaa, e foi band inida pela respec-
tiva tripolaeio, coastanite de 10 pessoas inclusive
o capita-), tripolaeao que, sendo encontrada no
mar, foi recolhida petoe vapr ingtez Pleiades, o
equall entrou no nosso port p.itr deixal-a, comeno
tudoe consta desta Revista de 15 de maie findo.
0 Sr. guarda-mn6r counnunicou que, tendo d'aqui
partido ao bordo do Medrza as 9 horas do dia 23,
ancorara as 5 horns da tarde cm Santo Alaixo, e
na madrugada de 29, suspendondo, fora aneorar
8s 8 e 1/2 horas do dia na enseiada de Gravatsi.
D'ahi ate S. Jose, extrema sul de Pernambuco,
na extensilo de 4 milhas, verificou u Sr. guardti-
mor a existence d grande p nro (ie tuiboia c
pranchoes de pinho de Riga, ja esparsas, ja' em-
pilhadas, em qaantidade superior A 2.000, sere
eonoar mais do 1,0J0 que o Dc'. juiiz municipal ,-
Barreiros iavia man lai lo comIJuzir t) ira o povoae
do de Abreos. na umargiin do rio Una.
0 Sr. guarda-mor ji se tinmi ontoudido corn
aquelle magistrado, c providoncia.lo para que to-
di a m idcira seja transport uda para esta cidade ;
eo:n ctj.) tit) i fretou di' orsuis b:urcanaI, a prim 'ia
dda qaUaes, cmnm o nounue te Lindo Vapor, cntrou
ho'tiL- no port do Recif.', trm'z ;,do 133 pram-
chiV.'s.
0 S". comnnn'dalor ins.)'t itn da Alfau legt a'a-
terisout o Sr. guarda-mt'r A .1 ,tmijrar-s nu'at-n-luas
paragoins e a empreg ir tambom o vapor M<\et(o-r
nto transported do madeiras.


Z ltub --D antao-hotein pair, lhoItom i noir-
te s laratpios for.iun a ra, do Aimn)ri nw fregue-
zia iLo )!%eif e :tr:'o:n):in:lo :is (,,irtas do cstabe-
leei:n,,nto do Sr. Antnio iaria di Siluvai, roaba-
r.un-lhe a qu:wtitia tlI 8000 )JO.
Ao Iugn" uio coumtoarcci s-t.quer uin agents dk
for::,a public, pdendow oi la:lro's uao mite p troec
fazor a coiheita sein o in-)r eoiistrait.iteuito.
Ablieiouii.ta Mlarsa3iZaesie 28 dse
Jul Zao -Anit-hiont-mi, p-lts 11 uiras tio dia, tfoi
u.1 L cjMLiwSs.so a cisa d S-:'. 'Dr. Jos, ,Joaquiin
S : mira, entregar-lhe o dipion:it de socio honorariu
q u. a cta sociedado offereeui-lhSe.
N.sta oeea c ito o ora'lor da commisi'o s.ssim
a)-ooutros socios pro:munciaram discursos aos
quacs responded o Sr. Dr. Soabra.
Laeta e ferimento-No sabbalo Ai 1/2
hora da noit, pence oiiis ou menui%, uis individu,' s
Joaquim Jose Leopoldo conhcido per Joaqupm
da lRwtnt e Anutoni) Elmlias do Carm) conhtcido
per Antonio Triumapho amboi pmnbeiros, estando
em grossa pgedbira em auma tasci, sita no lugar
Bairros Buixo, 10 distrieto, do S1o Josa6, resultou
em consequeneia da yapodeira, que estava aim i-
dissima e opipara de bebidas, travaram-sc de razses
e, d'ahi andar copes e garrafas voando de um pa. I
outro lado
0 subdelegado do district comparecendo na la
pode fazer, por t"er os eujos aleangado urma distan-
ieta avantajalha.
As 3 horas da manha natravessa do fort onde
moram os mesmos, que ainda estavam na TiLsaa,
entenderam p6r terms a pagodeira con. nm duello
a horas mortaf e6, aem preambulos srhiratmn para 'i
rua e ahi Jaaquim da Romana armado de unina faa
envctio contra Atonio Triampolw que armado de
umn compasso, embors corn tires faeadas, tambem
w pr Bsa vez ferio Joaquin da 1Romana levomente.
0 umbdelegado compareceau e preniendo-o 'em'
l,-iagrante delieto, proccden nos termino da formagio
da eulpa.
Ma colbeita.
Uela ihrtusiat a-Para o respeetiva agen-
-cia, A rua do Baro da Vitotia n.. 9. seaba de
S .e garo u .lW, do1eorrente, duta revisa,
1 tmiedo fi e fo%% de mo odes. e
^'~ ~ ~~6-0Du '1 1^:lcal ( i> 014~inadoe, Mo bado Ultimo,, -1 noite enk~teMa


rim, e a cOete Joao Sna CRs- wb ^e,
destes, tambem o 2o e o 40 tro6xeram familik e o
50 um creado apenas;30 praas do 2o e 14dt- a-
taihies de la linha e 28 entenciados, almu dt& -
gumas m'nlheres c filho' dstess.
S Reeebida a commissio peo Exm. Sr. briga-
Aeir* Pawetm ILboomtanmt 21b11148 PresidiO, e
por ouatros empregidos, os qna a foram eperar
no porto de ih atiarquie, f i logo a meams corn-
missao pa-a urna easa, que, noeie mremro moment
tf6ra posts a sna disposicdo, e onde ella t ost ha a
fuuceionar dosembaraladamento, tondo jh feito
importantissimas apprehensoes de garrafies e gar-
rafas coin agiardenite e vinho, quo hlviam desem-
barcado de bordo.
SNo dia 25, As 12 h'a'as da manhi, foi a coin-
inissio fazor sua apresenta'o official ao Exmin. Sr.
commnaudantc, quc do ante-milo havia determinit-
do que todos os emipregaduos se oacassem present
tLus a esse acto, estaudo postatla en frento a casa
du coanmnaido a batnd." d,' inmsirc:i, (luO tocou ao
entrar e ao sahir d'aquella.
S0 Sr. Dr. Materno, president da comnuissio,
prouunciou n'essa occasiao algmunas tpaavras, co-
inmo manifcstaqo do m node independcuitc, coin quo
elle os seus eompauheiros comunissionados, ten-
cioamn cuinprir o honrmso mandate, de que foram
investidos pelo governor, e depois pudio ao Sr. corn-
manldaute pue lhes facilitasse os maios, do quo ca-
recia para semclhiantc fim.
Ahi logo o Sr. brigadeiro ru.ipon-iou que tudo
envidaria p:ra auxilial-o nesse mrnitr, coaclaiido
por dizer qu e inuito o hooraya c u:tegrava a pre-
senea dessa commissAo, quo, sta ,hir:ida, desim.'n-
tiriA as vehementes e infuaidadas ac-cusacoes, quo
se faziainm o ainda se fazeni a si.
S Nio podendo terminar os sous trabalhos nos
pouicos dias, q(je aqui so dinora o Giquid, a corn-
missao resolvtcu csporar polo vapor do mez seguia-
toe, no qual entco regressana para essa capital.
0 Sr. capitzio Manoel Alexandriuo do Albu-
querque Pitta, que, A sou pedido, f6ra exonerado
do cargo de almox:rife, passou o respective exer-
cicio ao Sr. alffres Antonio Francisco Pereira Gi-
tirana, a qucnm o governor imniperial nmmeara para
ditas func5es.
a Em varies unnos de sem cxcrcieio aqui do al-
moxarife, o Sr. eiapitlo Pitta revelou-se um born
empregado de fazendia e um cidadIo probe.
0 Sr. commutndauiitO publicou a:torec dosse
ex-fuuecioniario uma liouros:L ordlemn do dia.
Tambem r8.assumnio o cargo do seerctario o Sr.
capitao Corte Iteal, qu', dlsJec dez-mui'ro do auiio
find, se aclhava licndiiia lo pela PresiJeacia. 0
sou substitute, o Sr. tencnte do excrcit) Josc Joa-
quim de Aguiar, se conduzio ness: imtL riiitla.'iLod
cimnco mezes e dins per modo a mcrecer tainbem do
Sr. comnIandante um u elogio cmi ordcm do din.
SP.assou a fazer part do dcstacamento o Sr.
alflres Vilarim.
Ao anmailiecer do dia 28 de abril, 11 senten-
ciados quasi que se evadiam; o que no consegui-
ram e.n consequcncia de ter iilo no sen encalcu),
devidamente guarnecida, uana grande jaugtda
mandiada constrir polo Sr. commandainto s6men-
te para porseguir evaore; emn qualquer opportu-
nidade.
a Fclizmente ditos press foramn per aquella sor-
prehendi los no alto mar, e entlo tiverarn de r>-
gressar para terra, vindo todos bemrn maltraitadis
pelo esforgo, que empregaram na sun improvisada
navegai9o.
Esse melhloramnento post.) em executIo polo-
Sr. general Lobo, 6 uma garantia para cvi'tar as
continues fugas de seiutenciados, que aqui se da-
vain ; pornm so deride a fidta de um n avio de
guerrt, quo devia permanacer rias aguas desta
ilha para esses e outros mist6rcs de occasidi), takes
come : revolta do press, etc., couforme masnmo
preceitua o regulamnento do Presidio.
SRetorna hojc (23) para o port dessa cilade o
vapor Giquid, e vrio n'ellc : 1 cabo coin 29 pra-
cas, escoltande 16 sentunciados; mais 6 minulhe-
rcs e 12 filhos destes.
STcmos tide minto.) bon iivcreno, e de presu
mir que teahamnos igualinente grande safra este
anno.
,i At6 a seguinte, quw devermi ser breve.
A Ieitcleeira -R' o titulto de umn livrinho de
sortes para as noites de Santo Antonio, S. .,odo e
S. Pedro, cdictado pela Livraria Econornica, e
ond3 se enuontra a vendaa 400 rois cada exemn-
plar.
As sorts sio bonitas quadriuhas, e o livrinho
tLrn comr appondice umat colleecao de trovas po-
pulares.
Irf (Batrietn-.Nui vaga deixada na Camara
TIemporaiia pelo fiuado Dr. Inmouenieo Seraplico
do Assis Carvalho, deputido polo 11 district
itL'esti provincia, 6 eumaintito do partido conser-
vador o St. Dr. Beuto Ceciliane dos Santos Ra-
UiOS.
Palmares--Sie do Echo de Palmares dIe 1
A variola esti grassando espantosaimento nat
cidade, juL podoitos coumtar uns 30 a 40 variolo-
sos ; cunmpr,1 pois qaue o Exm. Sr. president da
provilcia cn:ido, pili segmudrnd vcz, Os meios de
soecorrcr a pobrcsa omm'anmetImlo umi moimUleo quuo
possi sujr.itar-s5u a umUn. ritribuiuam proporcionral as
fiuiaras h-; n rovinia. ,,
N.I s ,xt:-feimi, 3), ,r'n itn ,sitio que tern no
lado opposto a osti ci lade, foi frkido un i obrm ,
velhmo coelu tim tiro de spiugurdut, dado uor um


ioro soeu coniimjiinhiiro do casra.
0 offcnsor evadiu-sc e informni:m-nos q'ne nuro
s:u, graves os f-.riimintjs.
SLano -1 FerriMda deo Lima mnrromn)ou o barr'm-
o., d ,s trabalhadures d; capit.Lo Seb.istiio Alves
la Suiva, d'ollot rouboa un bahi coutt-ndo roupa e
linmuiciro pejtuceute a scrava Agacda proprie-
it'- to unro s'.) capiti).
S0 lin IIa.OtCe foi pra.e;) c)nfe;san'lo o erime,
o coimtr(i cite ot dalog d) proeede mos terms do in
qittcrit. policil.
Anaiversario-E' hoje o dma do 7o aiiri-
vursario do grailnC Jubilleu Episcop.d dc Pio IX.
Club Tiiomaz Canutuaria-F'unduu-s.
eom este titulo umra sociedade mmunical, quo, aute-
lhont'mn, fez sua segaurda reunito, elegeudo pela
seguiute forma a sun directoria:
Presidente-Marcelino Cleto.
Vice-presidente-Araujo filho.
Thcsouroiro-JoAo Romeo.
1,o secretario-Vitaliano Ribeiro.
2,o dito-Manoel Mourn,
Biblothecario-Fredcrico Vieira.
Orador-Joeo Ribeiro.
FalIecimento-Hontem, pela madrugada,
falleeeu, de amoleeimenwo cerebraL, D. Maria Se-
verina Lins de Miranda, digna consorte do Sr. ma-
jor Lanrentino Jose de Miranda e sogra do Sr.
eonselheiro Quintino Jos6 de Miranda.
Contava a fiuada 53 annos de idade, e possuia
as mais aerysladas virtudes, queffaziam a ven-
tara de sen esposo e de toda saua familiar; A quern
damos seatidos posames.
Mwevimenato do port do Recife.-No
find mez de maio f)i este o movimento do
port do Recife:
Entraram do exterior
21 vapors lotando 32,611 tonetadas
35 navies de vola 9,966 %
Eatraram dos portos do imperio
22 vapores lotandd 24,393 toneladas
22 navies de vela. 4,714 a
Dandto para total das entradae
43 vaporea. lotado 547,004 toneladas
57 navio de vela. 14,680
Sakiram para o exterior
15 vapors.
10 ziavios de ve..
Saldramniraaos port do kaperio
21 '*rvarres.
14 Daviodes iovol.
v s- S ,MI par total das sak, ,1


Dmam w <] ifi ai K -1
berto estava proumdamente peaaliado, rveado
grand vexame pela sort dos sous irmalos, do mor-
to, a da viuva.
a Qie nio toiei eomprehctenr emnq)q le
facto se der.& quanto tudo corria ealmamente e sere
,,ajtoruaAo. .
Antouio Brauno da Oliveira, ttemnnha rfe-
rids, neam proferiv 0o nou si d(o eAyitto Rg,)brrto e
do advogad-o Jo.s Cypriaaw. Sbia o que se diz
vagamente.e ecouheee tis dte unsa versao sobre o
lamentavel acontecimeato.
As outras.testemauhalms tern tlo pou o valor
quoe umein vale a pena amjnaion:ir-lths os noms, e
os seus depoimantos. Corn tudo, 6 bomn dizer, qao
siao testeinitahas do ouvido, e nao precisaut a mais
insignificante eircamstancia. Nada sabem da em-
bmscada no.mi da premiddtagdo quo a queixa inven-
tou.
S Do r mud), que as 30 testeinanhas d;t devassa
nmo s6 nlo chigam para levar A forca os accus,-
dos, c0mo aiud nado servemn p:ira classificar o cri-
me no art. 192, que se pedioe.
,, St o uarauto dessa campninha tivesse mais amor
a verdade jP devia ter-se mettido pelo chao mL den-
troe.
,, Na com.urma a opini.no e urma so. A vinganca
esta desonoumlisaia, e o sau representante entra c
sahe das auidiencias sem prestigio.
i Os mnasin-)s desaffectos do capit.o Rogoburto e
advogado Jos6 ypriano reconhicem e e.)nmfessam,
que a s tl iumaoceucia 6 patente, e elles s.l victi-
minas de cruel perseguiceo!
SAainia ino tiuha-tlhe fallado de unit colebre
inlciuuitac, do tem:l eans:do.
S" S.rratirauimtnte tfez- s avaliar o darnno pro-
vonieute o.l. iassasiuato d. Lu),reno em 80 cantos
de rdis, e para gtrauiti:ta d.s c uorin, soum:n i, re-
qtilereu-se Isp I';!:ls'io d it respcetiva iynyIttreca
o) qui' possuim;n JoI) B trbosa, Olympio e Fr:.tucis-
code doL ,-m ini a oa msm Lproiriedev Im leja.
I J): docisiw, l;it jitlgen essa csp ci.tlis:Ltgo, o
curador dte O!ynai iut.m'rin, agg'a.i, pitra a rela-
9d), unle 6 do eq)iprar, qi.; a coUt OI fi In, ir hitzila
so quoa vale.
,, A li de 3 ho doze:nbro, dete3rminamnhd no art,
68 e q;u nao so' quetiune mon:tis tn- acrlo civel do
indemnmis Oco s)brii a auit-)rii L.L critl qimaud.,
isto .ja est i. ldecAido n fero ejn,:ap*tcut', dexut irn-
plicita a cundinAo de fazer-se ai prava aiat-.s d l
p)rop-situra da i nsm sn aci;v u' civol ; assimu ji d&'!-i-
die a relauao da Balhia, c asiin opia or : ceo;ulneimi
Paula Pessoa.
SNingiem igior qu" os rapaze, nai. posuaen
nada q(le se pareqa corn oitenta coantos ; o que sf
pretense, p..rtanto, um caltsjo ta i)Isat do campi-
tao Rogoberto.
a Coi.nj tolo ftect.o hu-.nano, o process de que
Ihe fall, versando sobre urn aconteeimento tlo
triste, tmn tide o) s-i'i qpte de ,- 'ai o ri licul;,, p lo
dezazo coin que foi ,i'a ininhlt ,. ,
Palmnira d;i '-i annun.>-I), st-i looa-
lidide, em 30 do niemz proximo iiudo escreveram-
nos o seguinte :
A proximai villa de Correntes aeha-se actual-
motite dalurtadmi devido iste a director mienotis con-
vuiciente da f rgi public alli estacionada sob ,
commando do Sr. alferes Tiburtino Jose de Oli-
veira delegado de pelicia do term.
a Lumpre-nos o direito de denunciar ao gov ir-
no corn a lealdade que nos carecterisa tude o que
reconilccer-mos que 6 censaravel.
a Segundo ulna carta que acabamos de receber
do nosso college d'aquelle termo, a policia d'alli
tein soldados quo na.o proeedeu bern.
a Na missiva que antmriosmnente these remetti
afiin do ser publicada em sun conceituada Revista.
toruei bern patent as occurrenceias que aqui se
derainm ultima mente.
SNovas scenas acabamos agora de presenciar.
A Manoel Regis. que no dia 17 do corrente vol-
tava da provincia das Alaguas, para odle tinha
-ido fazer uma cobrani ano passar pela port a do
inspector do quarteirio Merides, deo nome Manoel
Cavalente de Albuquerque, conheeido por Ma-
noel Pequeno) foi por este accomnvmettido, no in-
tuito de Ihe tomar uma pistola que trazia. Regia
oppoz-se, assim como outras pessoas que se acha-
yamin presents e depois deo expiicag6es de part a
part, o inspector deixou-o ir-se embora. Mo-
iroentos depois segumindo Regis ao seu destino foi
surpreendido corn a presenga de Manoel Pequeno,
que a pouca distaneia estava de emaboscada e que
quc shindo-lhe de nevo a encontro deu-Ihe duas
faeadils, das quacs aeha-se graveniente enfermo.
a Ate esta hera (3 da tarde) nao nos costa que
a autoridarle competente tivesse proeedido ao iii-
dispensavo0 eorpo de delicto e mais diligeneias da
torma de ostylo.
0 ins 8rCt.ir qiii ainla desasombradamento.
a Em lem-mida A pittoresca villa da Impera-
triz da visinha provincia das Alagoas dove se-
gour no din 6 do vialouro o alenres Jos6 Antonio
de Moraes, acompantlmdo do sna, Exma. faimila. a
Club Litterario ele Seuto-C-om-
unruimeam-nos :
E Esta seciodade funccionou hontem, 24 do
mani, em session extraordiunarir, sob a presidencia
doi Sm'. capitio Luiz F'olippe Ca'valcaunto de Albu-
querque, e presences 14 Srs. socios.
lida ;a acta da anteucdente, foi approvada
scm leibato.


Passando a ordenm dos primeiros trabalhos, o
Sr. 1, secretario deu paran cxpcdiente: entradas
de 8 vols. brohis., differeutes obras, offertadas ao
('ltul) p'lo socio eorrespnrmdente o Sr. Dr. Felippc
Fig .eirna; 3 vols. brochs, pelo soeio effective, Ju-
lio Alves di Silva Valeu.iA, e 1 vol. enc. e 1
broeh., differentes obras, p-lo socio effective Joa-
iuiti U-uilhermne de Oliveira.
Achand--se na ante-sala o sodio Joaquim
Maiiso da Silva Sobrinho, o Sr. president nomeou
u. a cImnmtissao compost dos Srs. Olavo Crespo c
JoAo de Oliveira, para, corn as formainlidades do
estylo, covidaremi'i-no a tomar assent, como elfec-
tivaimente tomou, e logo fez o oradur da casa a
alloeueiu do costume.
SEmr scgaimeutoi, o Sr. Jo!o de Oliveira pedio
a palavra c apresentou a mesa a proposta de eli-
mina';io do Sr. desembargador Jos6 Manoel de
Frcitas de socio correspondent do Club, pelos
seus d(isserviVes ao Club, pedindo a suppressor da
cideira de latim e francez d'esta Villa, creada per
iniciativa do Club.
SOraranm a favor da proposta o signatario d'ella
e Francisco de Oliveira, que mostraram a desleal-
dade e falta de considera*o do Sr. desembarga-
dormFreitas para cornm o eluib na qualidade de sen
socio, e mostrando ainda a sun sem razio; pois
que, nio bavendo quota para a cadeira, ella em
niada estava sendo prejudicial a provincia. Ora-
ram contra a proposta os Srs. Olavo Crepo, Cle-
mentino Valenga e Quintino Valen a, e sendo ella
post a vota-14u, por eserutinio secrete, cahio per
S4 votes contra 8, sendo approvada uma emenda
apreseatada n'esse sentido pelo Sr. Olavo Orespo,
propondo que, em vez da eliminaAo do deom-
bargador Freitas, o Club representasse 4 Assem-
bl6a Provincial a incoaveniencia da suppresstida
cadeira de latim e francez d'esta Villa.
L elles--Effectur-se-hio :
Hoje :
Pelo agent Burlamapud, as 11 horas, na rua do
Imperador n. 24, de prediv, cabriolet e vidroms
finos.
Pelo agents Pinto, Ais 11 horas, na rua do aQm
Jesus 43, de fazendas.
Peo agm Britato, As 10 1/2a horas, ns rua do
Ragel na. 41, do moves, louga, etc.
Peo rwente Afred Guintarde is 11 &ras, nf
rus do _injesis 45, de movers-
.o 3 'ag eaSis i11/2 bor, A ii u de-

-:Amanbhr
P eelo, aeot_ &kqa,,.a^ts11:m., no h


Sit*~p a w~~&


"Wara o o- F oam vapw:

a Ianoel Ignaci. 4 Matte9.
Chegados de Lisboa na barca portugueza
Perwa .oryes:
Guilhme Pereira dc Moraes.
Ca~a die Oetenauo.-Movimeoto dos pre-
9ss no dia 1 dejunho :
xt prsg i 315a, eitraam 28aeaxm 8,
exlstem 335, a saner: nacionaes 297, mulheres
13, ettrangeiros 7, escravos 18 -Total 335.
Arranadoa 287, sendo : bons 272, doentes 15,
--Total 287.
Movtmento da efcnonaria :
Tetvc baixa :
Manoel Juvencio de Olivcira
TivC alta:
Igwacio Mathias Antonio de Souza.
Loteria da pre& lenta .- H8je 3 0do 8r-
rente, sera t3ralida a loternia 42.9, em heae-
fieio dt Ordem Tcirceir~t do Carm8 do Recife,
uo conasisorio da igr..ja de No sa Sahora da Con
ci.Xo dos 7 MiUtare:s, onde se achar2o expostas as
utuiam e espheras arrinadas et' ordtm numerical
;a aprecia 'o do publiui.
L4cterla-A dA n. 119 B, do Rio de Janeir)
doe 2"[i5:Y0.3J serA cxtrahida no dia4 4 de ja-
nlio.
Bilihetes a venda ni Casa da Fortuna, rua 10
de M3ar~o n. 23.
Lnoteria do Ceara-C-orre no dia 7 deju-
nho, cejo premi) grande c da 5:000s,.
O resito dos bilhetes na C.asa da Fortuna, raa
I d.- Mar) n. 23.
Lotera de 50 090- loteriaden1 149i)
derie B., corre inpraerivdan.oiat no di3 4 ,,'
junhy
O reoto dos bilhetA s acha-se a veuda na C isa
Foliz ;A praa da Independencia ns. 37 e 39.
GtrandL' loteriail 8 509:O9999 000-
Esta ex.tr.twdin;-rt lo~triu senr extrahida na cor-
te no dia 13 do julho proxime vinidoiro.
Os bilhetos aculm-s a ve.i lsa na Cash da
Fortu1a, rai 1 do M.[rno n. 23.
lorcia do 2l5i0ic9p0i <0i l. Jose 0
moviui ;uto doatte estb.L l'hiin ;nito nos di is 31
de mai, e I do correate fo o scguinte:
Entraurn p Lr.L scroti voin lidos : 103 bois, posin-
do 15,951 kilos.
Nos mesinos dias entrarac n para o enasmC es
tabeiloimnuto:
Peixe 243 kilos
Fructas diversas 38 e3irgas
Farinhat, milh, e fcijto 1 814 ditas
Stinois 9
Cutriciros 13
Pric.sa do dia :
Carfu vxrae A ti 5I3, 43), a;tr 3D ) r2is o ki.).
Su1iuo a 640 reis o kilo.
dC.r-ir do oa 1 ideorm.
Fariunia do 500, 403 atu 28) r:is a caia.
Milhio do 430 a 400 reis a cuia.
Feijd o de 1U800 a 1 2') idemn.
Foram arrecadados:
128 taihos de care verde.
32 ditos de suino.
21 ditos de frossuras.
129 compartimentos do legumes.
80 idem doi fariemha e cor1idas.
Dove ter sido arrecadada nests di'. a iprpo-
tania de 4279560.
Foran mandadas lan1ar ao m:r, depos do ex:i-
me medico, grande por~io do frdssuras.



INDICAGOES UTEIS
SMedlico1M
Consultorio aedleo-eirurgleo do
SPedro de Attatyde Lobo MlosCozo a
rua da Gloria n. 39.
0 doutor Moscozo dA consultas todos ot 1
dias uteis, das 7 As 10 horas da manh. .
Fte consultorio offerece a commodida-
de de powder cada doente ser ouvido e exa-
minado, sere ser presenciado per outro.
De meio dia as 3 horas da artde sera o
Dr. Moscozo encontrao o no torredo a pg*a-
y do Cornnercio, onde fancciona a ins-
pec8io de sai de do porto. Para qualquer
d'estes dous pontos poder'ao ser dirigidos
os chatmados por carta nas indicadas horas.
Dr. Baptista d Moraes, rua do Barao
da Victoria n. 37 1.', andar; consultas das
10 horas ao meto dia; chamados dor s-
cripto a qualquer hora.
Dr. Leonardo de Albuquerque Cavalca'idi,
medico da Faculdade de Paris, pode ser
procurado em seu consultorio a rua do Im-
perador n. 44, 1. andar, das 11 as 3 ho-
.Has da tarde. Residencia a rua do Hospi-


cio 36, onde dA consultas das 8 As 10 da
muanth e recebe chamados por escripto a
qualquer hora do dia ou da noite.
Dr. Lyra, medico, da consultas das 8 As
S11 horas da manha a raa do Barao da
Victoria, n. 48, 1." andar, para onde ihe
pOde ser dirigido qualquer chamado.
C'ilnica medico-clrurrlca do Dr. An-
drade Liman
0 Dr. Andrade Lima, continue a dar
consults de meio dia As 2 horas da tarde
in sen consultorio a rua Larga do Rosario
n. 50. Chamados per escripto a qualquer
horo emi scu consultorio, ou em sha resi-
dencia---Capunga---rua das Pernambucanas
n. 68. Especialidades febres e molestias
do apparelho respiratorio.
Occuaitta
Dr. Barreto Sanmpaio, consultas de 1 Ao
4 horas da tarde, na rma do Barao da
Uictoria n. 45, 2.b andar, residencia, run
de Riachuelo n. 17, canto da rua dos Pires.
JBonrgard & C.
Recife: rua do Marquez de Olinda n.
16 Santo Antonio, rua Primeiro de Mar-
go n. 3; B 54. Grande fabric de cigarros a vapor.
Especialidades: Cigarros, charutos de Ha-
vana e nacionaes, cachimbos, tabacos e ob-
jectos para fumantes. Livros de medici.
ua dosimetrica e unico deposit da fari-
nha laceea de Nestle, para os meninos de
peito e leite condensado.
Rfrofarfta
Francesc Manode da Silva & C., depo-
sitarios do todas as especialidades pharnma-
eciticas, tintas, drogas, products chimico
e nedicamentoS homueopaticos, rua do Mar-
quez de Olinda n. 23.
Plaraaaela Pernambucama
Rua do CabugA n. 11 de Antonio Mar-
tiniano VWras, pharmaceutico. Avia-se corn
promptidao e esmero todas as receitas e
encommendas que ihe foremu:oiiadas.


do$s goVerwo e soe inastrrumnto's, e ea, servindo
seipre' eoanm os partidos aa oppasi o, nunea pude
asibir om ellela, 'rqe, naopo e, cada wailogo
peior do oqueo dqu ege. ': 1.
6 uma ves pu p leanpw, eomn supp$Rnte,
pelo Cabo, ur easjirzna sssa pmrjcial; m as,
occupando a tribuna 4iatnte20 di's tautW fbmi-
nei os abusos e os deaegramenstos cotm an e ou-
tro partido, q fo ram buao;r o doe da eadcira
doente e em braod paaw me epellir.
Pelo tempo li 4 g cra i jim l mosmndo
a nfi as missf ada pria.
Veio a elei$. 4re e pmdlva desata. terra,
porque todos os h-tmens s roim s deeintereseios,
so tinham retirado da eleiglo; e hoje estao a estes
cntregaes os destines do paiz.
Apresentei-me candidate pol9 10 district e d4-
sisti do intent nas vesperas da eleiao ; per que
conheci a traicao de fingidos amig ,s que sorviamn
a 48 ae *a oite' Om todas as forlas, e
vi a d-rrota.
Agara offereio o meu humilde nome aos eleito-
rei do 2o district para a eleiolo qne tern de hL river
es:e anno.
II
Miniha vida e meus principios soe geralmente
bcrn conhecidos; mas ranitas vezes nao me com-
preheunden, e o3 instrumuntos de ineus idmnui'7
so prevalecem disto para intrigar-me e me diffa-
mn-r. .1
errunittam-mr, pOi3, qai, relem )ranlo, o0 ex-
pliqur.
S)a republican da mniis prafuiIla cvicieo ;
inas csti opiniio nunca impedio-m, ,l' eoipregar
tcdos os muus esforgos e:n bncm d'esta torrA, sob) o
regimnm-n adoptalo pla grande in lioria de sous
hIbitnrantes.
Livrce o:no sou, stujito me A n.tio)ri;i, ilt i mlhor
boa vontadct Meus trabatlho)s 11 provincial (qac
corrmin impress us nas primeiras p.ginas dc sets
anueios), meus trabalhos pfla imprnis:i e durante
o lougo period de quarnota aInio.3, pr)vanm isto
b:istante.
A r:iz.o disto 6 b.;m clara : sou r.'publicano,
in:ts autes disto sea brawileiro, sou ipatrioti, corn)
o tenlto provado) corn todos us miuu trabalhirs.
J.' quo nIo vivo sob o regimen dc inrhilias con-
viceCs, f.I9o A niulha p.trita, sob o ,lit: e. n (i1c
vive, os scrvieos que posse para deix:a-a a incmus
fillihos mclh,)r d, quo ella (.
III
D-' touos os 0ossos males nenhumn vejo tio g,'a--
do comeo o de sr o comnmrri-io deste priz tods oe-
c'il'ido pC05os estnrul-eiros.
S6 t,-n).u duas in lustrias, o comn'.r.cu e at agri-
cultur.t. Esta jA toz algum-is fortuin.ts, mis hoje
CstAo drliuiharuloilntsi t),loqs oa a -xer'uim. Al6;Mn
disto ella demnarida capital o estus faltitnf a im-
umemtsa qmtanti.la'.l[ d.i nossso Iih),nes c rlt,-,oi e
que vivenm ilsoccupados, aiVnauo pari:tr, o inm-
progos publicos.
No eutanto que o commcrci, qaeuo d-via dar oc-
clra) CUpL ido plus estrargciros que aquii cheg:en corn
is inmos vasiiLs, e se toriari s1so1hores c tpitahls-
t;ts, e milionarios, c transp rtamun as suas tortunas
paILa a suit terra.
Pois tola a nossa gente cduca la c sun Ii.'io ido
vida, ha (It ir traba:lh.ir na enxt(La iMn pi, p ira
con os pro lucto-s i agricol is fazor as frtuinis 0)-
tquo'ias c graidcs Ct cstrimig-iros gossuiro s tue
qujl wiqui veeon edunar-sc !
P6doJ hayer miseria e dosgrii:,t mniior?
E porque so d .i isto ?
Por que os0 deputados no se important cnm :ias
iuiserias da p itria.
C:la um s5 cuida de si, do sacus arranjos, do
suas p'atotas e nenhum tern coragemn do affrontar
tUnma classes tlo plerosa, a utnica cm qu. se con;-
ceittra a riqueza do parz.
Pori6:n, os deputados nao s:o mAis do goveruoe;
e per quo continuam assitm como dates ?
E' per que os elcitores, cmin grmal, nio v.)tarn
p -r si, inas pela ordem dos ch. .s c i por spinrito dos
dous partidos que nao teem i mtis priniciples c siao
iguaes.
Assirn s doputalos nao dopenlemin dos eleitonrs,
u1:1ts s6 dos chefs; e portanto nAo se importmmin
comic as desgracas da patria, bastaiido-lhies agra-
dar aos chcfcs pira ter segura a sua' reeli1o.
0 pretexto do, q:iuo se preval.ce.n os chefes
para esta obediencia que Iho dia a dictadura, 6
p ara nio vecueer o canditato do partido contra-
rio.
Mas se o doputado nat c dos oleitores mas
simr dos clhefcs, tanto friz que seja da uri partido
cmuo do outro, porquranto, niiio deponudendo dos
eleitores, eties tio pouco caso fizoun dos inte-
resses di na9Ao sedo do um parties, come seil-
do do outro; e a razao c quo os partidos no-
nhuma idea hoje representam mnais, e per isle
tanti jvmlde um come outro: no podcr sao todos
igu'oes.
Para os L eicitores term deputados sous o que
devem fazer se conrbinamera na creolha do cun-
didato que melhor se possa dedicar. aos iiterossos
da patria, e principalmente a este primeiro inte-
resse da n.mcionalisacao do eommercio.
Per estc meei haverm rnmprego p)ara urea im-
mensidadc de brazileiros, hiavera riqueza nacio-
nali, os capitaes neo serio transporta'Ios para a
Europa, e corn olies aqui, dos nacionaes, haverio
muitas outras industries que darno vida a mui-
tos outros brazileiros e tudo isLe cngmrandecera
esta nacao.
Do entire mode, abdicando os eleitores de sn.,


soberania e sujeitando-se na cleiciio ao mando rio
hliefe, esta terra ser eada dia mais miseravel e
n6s s5 tereonos a legar a nossos fillihos a miscria c
toJas as miserias.
Se eu mereceri a bhonra do vossos suffragio,
farci esforqos sobrehmlimanas e hei de conseguir
aquelie grande beneficio, ou mn muatarao ; p)ois
que per esta grande id6a tenho lutado toda ut mi-
nha vida e me sacrificado.
Dcscancai que no mue comrnprariAo ; nao porque
eu nao seja de care, rinas porque Dnrs na.o qtur ;
D)eus em cuia f6 assentam todas as ininhas fuor'as
nai luhita, a calin:i com que affroalnt os perigos e to-
das as advorsas mi-uifestanSes.
IV
A nossa segunda necessidad c a aboliieo da
escravidito; torque a part (!,o ) p3vo quCe l t(n
escravo e coin cuja forcia os scnhores coiit ivam
para sustentar seus eseravos na escravidio, esta
gente, esses hiomens pobres noe defendem mais
Os scnhores, e per tanito a abolicao deve ser- fei-
ta per grande uumero do escravos per anne, 300
mil per annoe, para si ir satistazendo o senti-
monto popular e evitar-se as grades conflagra-
v6es.
Os proprios senhores das cidades e villas a quo-
rein, corn regular indemnisacao.
S6 a ella se oppsem os agricultores, negando-o
ao mesmo tempo, dizendo que a querem.
Se o querem nio ha nada mats facil: a grande
maioria dos representantes 6 delles: reprceen-
tern, pois, as camaras legislativas pedindo a ab -
licZLo cm peouces annos e corn indemnisacao regu
lar, para evitar-se perigosa conflagraqao ; repre-
sentem assim que as cameras nlo o poderAo Ihes
near.
o sul do imperio j, vai conhecendo estas ver-
dades.
Ma. dizer que querem a abolicao, e para ella
nao pedirem mais do que o cumprimento da lei de
28 de setembro, 6 uma chicana, e irritar o senti-
mento popular, 6 provocar grandes desgiraas ; e
nio poderao merec"r indemnisaao aquellcs,, que
sao causa dellas.
V
Accusam me do contradiceio neste negocio:
no emtanto que tern sido sempre neste sentido
que tenho trabalbado, defendendo os agriculto-
res como abolicionistas que diziam ser, defen-
dendo a indemaisagAo que elles queriam, e re-
voltando-me contra elles desde que elles julgan-
do-se ento munito seguros, recusaram em- soeus
clubs tudo que nao foase a lei de 28 'dle setem-
bro que 06 acaba a escravidio pela more do ulti-
mo escravo.
Twdo o que net6 senutido tenhe teito tem i sido
para abrir o olhos dos egos agricultores, pars
que aqjawa prudentes, pedindo elles proprius is
cameras que apressem a eneipa~io regalan-
*Como 0 J ~ pmt4 dos liboe tudos, eomo
0 Balji esti pedindo, afim de evitar-se as gnsidefs
daograW Ide vmn insawmaoioqes ^afpiNe levan
yw ixir qw~qaer cireunuamift om um p*Bi&t 4on-


o 1o iwverAA qer ia aio aeit4eque nae nao hao
gocib melhor para quern anoe qqer uin 1Be "t
atirar a arriscadas emprez is.
Coam isto se &rt umna econeiuga de muituo FA
eout por aawo. -

A q4arta"Inemsidade 6 o rebate da moeds. yi
pal at a quarti que eleve o eambio a 27;it
qa-#s muitas emiiwoes deese pupel tem levantado
V preeo de todas as oumas abaitaudo o cambio ;
er isto ul6m de outra vantaeas, ainda se p6t-
yw limits mil eoatos -qe o governo paga de df-
fIm adea cambio.
vm
A quinta necessidade 6 acabar'com o roubo of-
ficiail, os jurors de 7 "/0 cu garantia de empreias
concedidas s6mrente para benefici de afilhados, e
as grades patotas.
Tudo isto temn reduzido cste paiz ao estado de
tio grande pobreza que todo o anno se auginentam
Us impostos, e, sendo isto ainda pouco, todo o anno
oa soe emritte minais inoeda papel on se pede dinhei-
ro emprestado. E assim crescem todos so dias os
juros e os impostos para pagal-os.
E nada chega, e 6 preciso toemnar sempre empres-
tade para pagar os jurors e os jurors dos jurors.
Per isto tode din tude flea tanto mais care que
n.to Iha renda nerm lucre quo chegue para viver.
E este nosso cstado de miseria j, 6 ti'o conhe-
cido na Europa, que na Inglaterra ja se escreve
quc o Brasil sd sera bom payador emquanto achar
quemn Ike empreste.
E estes cinprestimos sao sempre muito onermsos
e alatdroados.
Srs. eleitores.
V6s 6 les que dessas altas qaucstoes do to "mo-
inmentoso inturcsse nacional nAo so occupam Os
i(oisos represeatantes, levadro todo o tempo na
luta dos partidos, mnn para sustentar-se no poder,
C oeutro pars conquistat-o; cstes partidos que nAo
tern inais id&Ls distinctas, que s3o iguaes.
Sc en inrecer a, honra de vossos sniffra.'is. to-
los estos hlio de sr assumniptos de minha esforca-
dti occupaqIo, come delles me teaho occupadb pela
imprensa.
IX
N;to seja minotive p:ortr1 ac!.itird-cs minha cin-
dlilatura, o nao p 'rtcwier eu a incihum dos p:arti-
dos militants; por quanto a a bos tenho estori.a-
laeineute servido quando minais de sarviwo proci-
sar, q(u"ind')o sof)frcin as viol';iniwa, injusticas e
veix:iy;Ss do podor, e nos te:npos passados prin-
cipalment', a:iJeo era muito maior a intoleran-
cei; tLo lealinunto servi a causa de cada uin dos
puirtidos qiand) est-tva debfL;x., nA', come liberal
)I eousnrvador, inAs 0oln1 oe,)Y):icioliistai, que tive
senpre fracas as e)u-nna s d todJas as gazetas,
jrga.os d NAo scjji to pouco motive dc nleilo accitardes mi -
*la canudidatura, o nio ser en apres-ntado per um
p irtilo. Qut tern ganho o paiz (..i:n todos os de-.
put.tilis apreseutaldos plos partidos; isso 6, pelos
eihfes ? Near gaiiharai nuacae rnmjqiianto neo tiver-
los deputad..is de Vossa livr. eselhia.
J.;nu sci quo aindta assign alguin p6de trahir
vosso6) mnuidato ; minas toulos nio trahirao, c tereis o
remin"io di nilo ruelegerdes os qn 1inal so porta-
remn.
N, scja aidila motive doi me ruocusardes vossos
sulfrhagios, o rcI'o do p-.rder vos.io voto por nao
.sr ca aprosciatado per uim partido.
Os (lque cicord:iun coin as ininhas idtas e me
julaimn capaz do cuimnpir o que pronietto, naio pecr-
ttiln witda -m distinguir coin o sou voto tul cida-
da.o qiu o julgam diguo delle.
Assirn, pois, nao perdem o voto ; o perdem se o
deruin a candidate que os cleitores conliecem que
kI nwlmuhium destes verdadeiroi interosses e neces-
sitlades da naao se occupamn, e0 in ao 1inons pro-
,ir'ttomiu se occupar. Voto sempre perdido 6 o que
6 dado aus ciidifatoi do:; chefes oa losses parti-
,los scm inais principio LlguItI qji o distiuga, os
tlarei so lutam per assaltar o poder ou se conser-
var nelle; porque ielles ntuneai sero deputados
dos oleitores, verdadeiros r,,prescat intes da na-
,,io, por&n semente dos chefes, corn) ellcs o temi
ji minostrado. N.I aIuiencia (le pirtido politicos
que lutem p~lo triumpho d( urna id6a, nunea o
eleitor perd' seu voto quando coin elle distingue
um cidadlo que julgue digno delle par suns ideas
e trabalhos.
X
Os que me detrahemn salo os instrumeutos de
ineurs iuirnigos, daquelles cujos illegitimos interes-
ses combato eia favor dos nossos pAtricios.
Quaudo o fizorem pergnntai-lhcs em quo tenho
peeeado?
Pcrgantai-lhos qual 6 o brasileiro que corn mats
coustanica c desinteresse trm-so dedicado a defe-
sa do todos es interesses de nossa terra, serm nun-
e' so prestar a ser instrumnemto do partido, nera
rnesmno das 0pposi95es, come quando todas cilas
mnihtoi?
Se este procodimonto nato serve, o que servira ?
Ser mstrumanto dos partidos, ser instrumento
dos chefs? Assim s5 se p6de servir a si, mas
neo A patria a ouja causa tenho-me sempre dedi-
eado.
So nao animardes as sincoras e desinteress'adas
dedicaSes, o que podeis esperar do future desta
patria de vossos filhos ?
Os vossos votes, qualquer que soja o numero
delles, nunca sermo pois perdidos.
XI


NAo extranheis, senhores eleitores, que eu nao
pe~a a cada um de vos nem a todes o seu vote,
porque todos os nossos mnteresses 6 o maior a es-
colhlia de vossos representantes; porquauto a estes
estA entreguec a defeza de todos ellos, os destinos
da nalo, o vosso future e de vossos filhos.
A v6s, pois, 6 que compete a escollia do candi-
date) que inelhor yevos parea dover e powder desem-
penhair corn abnegac.oo e sacrificio a alta misso
de reproseutante da naa,).
Pedir-vos, pois, um tal encargo, e nao s6 um
ataquo a essea interesses. como um insult A vossa
digtidade.
Ao candidate, cntendo que s6 6 permitti o apre-
seutar o seu noeme aL apreciacao (dos eieitores, cx-
hibir as suas ideas, coin declaraclo das principals
medidas por cajo atcance se esforcarA, lembrando
os scus trabalhos e os seus precedentes.
Sc nao aceitardes a mininha caudidatura recebe-
rei coin a mia.is perfeita calm a vossa sentenca, o
mats profound respeito o vosso juizo, sobre mn ob-
jecto que, do todo vos~o interesse, s6 a v6s 6 dade
oscolhc-r livremente o individuo a queen deveis in-
cumbir o seu desempenho; se mejulgacs digno do
desempenliho do mandate para qno offrecoe meu
n,)me, confio cm Deus que vyes serci grate per tAo
honrosa distinccao, dedicando-me corn todas as
furas e at6 os maiores sacrificios ao cumprimen-
to do present compromisso, a todes os beneficios
da patria.
Recife, 23 de maiob de 1884.
Affonso de Albuquerque Mdlo.

Coiousas politieas
(Gazeta de Noticias de 19 de mnaioe)
0 Sr. Dr. Bandeira Filho pedio demissio do
cargo de inspector geral da instruc9o primaria a
seeua"daria do municipio da corte, per considerar-
se desautorado per um acto do Sr. ministry do ima-
perio. I
Foi o caso que, tenlo havido eoncurso para urma
cadeira de instrucoo primaria, foram approvadas
quatro das concurrentes e classificadas tres, na
form da lei, para d'entre ellas o. governor ese-
her aquella em quern devia recahir a nomeaao.
o0 Sr. inspector geral informon o governor qae em
sui opinilo a classificaoo nao era just; qu a
concurrent collocada em terceiro lugar na sta
revelara menos habilitaoes que a outraexceluida ;
o Sr. minitro do imperio, porem, ngo s6 nao at-
tendeu 6 reclamalao mae nomcou para o h
ustamente a couecrrente que occupava o tetireo
lugar.
Tem-se traivado a este respeito larga discusuio
na imprensa, mas de tal diacussmo n&6 tern waul-
tado tuz. 0 Sr. inspector geral proceden corn
hombridade e energiao auuuc.ando ao sen a e.o,
mas ainguem deseonhermi que uma-.vez qu a
lei ,ermitte ao goveao ho oAler entre a s trsa *s-
sificadas, o Sr. ministro do imprv eastyva w-on,
direito e-o&hido juqierd4aepomftw*
dar as rOeSquo militav'iaem favor dwv :g!

Nao ha nto office* O daa IN $ em 4 qw40a$


I-is


i-s,


i"7


.,












(c~i






























'_OW~ftf OM'~i~ ira xUgW rofessor& -uadajun-
AR1 ee9o kia uAa- %ontrAaiP-4O d esta Corte;
Oea a e 1rpemor ae aoodo govomna, quo
A era israelita; tlem naes-
issusdisipuMlas oBensino da re-
&-e. etou exame desat material n'es-
IJeS weursotdtque lhe rt'eultou mais glo--
riaque proveito; alern detudo isso, antes de
inscrever-se, indagpu minuciosamente de todos
quantosa podium dar-lhe mnformaoes a respeito so
Sacrenga religiosa era empecilho A sua just am-
bicao. Forum todos unanimes em dizer-lhe que,
perante a lei, tinha ella osa mesmuos dirsitoes quo
qualquer outra coneurrente.
Confiava na seriedade de quem assim Ihoe fal-
S lava, apresentou-se a concurao, deu. proves bri-
I lhantes de suns habilita9es, que Ihe valeramn a
c elassificagio em primeiro lugar, e no entanto v0
S nomear outra concurrente e pendente sobre sun
Scabega a ameaea de nio ter esperanea de conti-
uu uara earreira para que se preparava.
A declaracao do Sr. president do conselho
quer dizer nada menos do que isto : que urma so-
nhora brasileira, baseada em expresses disposi-
95es legaes, emprega alguus anuos da sua vida a
preparar-se para exercer uma funcllo public,
para a qual a chamava a sun vocagio ; que e Ihe
permittiu tudo, atW o exercicio de umn emprego se-
cundario ; que- se lhe pdrmiittio concorrer parasum
lugar superior, o alvo de suas maiores ambig5es,
fazendo-se Ihe crer quo nenhum embaraco havia
a sua pretonsao ; c que s6 agora A ultima hora
quo se ihe diz quo a lei 6 lettra morta, que o seu
trabalho tern side em pura perda e. que 6 inutil in-
sistir, porquo, por mais qua se esforce, por mais
que estude, por melhores provas quc d6 de suas
habilitagSes, tern contra si, perante o tribunal de
inquisia'o do governo do Sr. Lafayette, osta ina-
cula original : ejudia.
Nio 6e menos cruel que os antigos este modern
auto de f&. Cr6 ou more, diz o Sr. president do
conselho de ministros no Brasil, no anno da graca
de 1884.
Nao deixa de ser curloso confrontar o ease desta
brasileira israelita corn o dos estrangeiros catho-
lices, que vein aqui fazer, pelo ensino, a prop;t-
ganda que.ja nao podfm fazer nos scius paizes.
A iaraelita e alumna d'i Escola Normal, dia em
concuso as provas mais brilhantes dt suns hirbili-
taoces, 6 classificada em primeiro lugar e nao 6 no-
nmeada por ser israelita ; as irmits do caridado e
os padr's lazaristas, em snamaioria francezes, ints
que a Franua repelle de sens estabelecimentcs do
SedueaviLo da moeidade chcgam aqum, nAto se lihes
pede provas de capacidade professional, e abremn
colegios. c e nusinam, psrque tern a maior das com-
peteifeias, a unicaindispensavel e que suppro toJas
as outras : siso catholicos, apostolicos, rotn:mos.
E note-so ajudia nSo 0 fanatic.
A judia tern a cren:-% de eeas pais, mas nao pre-
tende propagal-a; fez examine de doutrina christi
ensina-a; ensina ti.o barn c)no a pdJe ensinar outra
profeasora filhade pais catolicos, baptisada, cris-
madt, confessada, mins parfeitarnmente indifferent
a crenna christil.
Saba-se que a sociedade brasileira, em sun gran-
de maioria, nao 6 religiosa ; se toids os cidadios
brasileiros fazemo baptisar seus filhos, 6 p,)rq.mi o
vigario da fregauzia e o unico fauccionario publi-
co que pode furnocer a certidlo de idade, que ga-
rante o estado civil.
Se a senhora a que nos referimos pertencesse
a uma familia catholica, qua tivesse dado como
prova uniica do suns crencas o facto do fazer b:lp-
tisar seas iiihos, seria noweada ; se fosse dotada de
um espirito menos escraupuloso e passasso peoa
formnalidade do baptismo, nao para mudar de crea-
a man par adquirir inais um direito, sceria nomea-
da; se levasso a falta de esmrupulo a ponto de fa-
zer falsificar urna cortido d 3 baptismo, seria tamn-
bern nomeada.
E' que a dissimulaqlo, a dobrez de animo, a dce-
honestidale sao virtudes muito' recommendavois
aos olhlios do nosso governor, so as compararmnos cin
este vicio inaanavel, csta nodoa original indelevel:
ser judia e c-nfessal-o abertamente.
Ha na Cainara dos Deputados, no S-unado, no
consellio de Estado, em todas as fancies publicas
cidadlos que nio cem crengas catholicas, numioutra
cren.a qualquer, e no emintauto prestam jurameauto
de mantor a religiao do Estado e exercem os sens
cargo. Ninguenm Ihes leva isso a final; mas que
lhes n1io siganm o exenpio os pobres, os desampa-
rados, desprotegidos. Isto de mentir publicamente
a propria consciencia 6 privilegio dos grandes.
0 quo pod, a lei exigir do professor ? Que on-
sine. Corn os principles de tolerancia que os nossos
governor apregoarn, mas que sio os primeiros a nao
applicar, o alumno das escolas primarias neo 6 obri-
gado a ser catholics, nao e obrigado a receber o
easing religioso : respeita-se em princpio, a liber-
dada de psnsainmuto do discipulo, que n'aquella
idade rcpresjutl; aponas a liberdade do peasainen-
to de sun tanilia ; min i oodeana-se inmiinine a
liberdaide do peusasaante do mastre, a qiem s6 se
permitted o ser create na religion do Estado on hy-
pocrita, ser catholico ou dizer que o 6.
Este procedimento do- governo deve dar aos re-
feridos discipulos acatholic3s de nossas ccolis p:i-
blieas 6 As suns respectivas familiar a media de
tolerancia, corn que o governo diz queo o acolhe e
que Ihos respeita as ideas.
Podeis vir As eseolas, v6s outros, protestantes, re-
formistasatheus, israelitas, mahonetamos, boudhis-


tas N6s, os que governamos este paiz da Ame-
rica, virgem A falta de brakes que o cultivem, pobre
(a mingua de cidadios que Ihe exploram as enormeo
riquezas, abrimos a todos vos indifferent mente as
portas das casas de instrucgo. Nleo quereis ve,
a image do Crucificado, supprimiremos a images
do Crucifieado: nao quereis aprender doutrina
christIl, sahi quando o professor comecar a ensinau
a doutrina snisti. E todos affluem e quando est.o
dentro daquella casa, em que se lhes disse que ted );
as crenqas eram respeitadas, assim ao espectacul
da expulslo de un dos sens, o primeiro. o mnestre
pelo facto de nio acreditar n'aqueile Christo, cuja
imagem foi retirada da escola para nao maguar


~COIrEK'o


Praea do Bezfe, % de Junho
de 19-44L
As tries horas da tarde
Cota"oe. officiaes
Cawbio sobre a Bahia, 60 djv. corn 1114 0OO de
deseonto.
A. M. de Amorim Junior,
Pelo president.
P. J. Pintt*
Pelo secretario.


RENDDiENTOS PUBLICOS
Mez de maio d,l8s-
- &,AnaA=XDe 2 27:3815129


SUL"*o 1MsY ^f-'l
it Na itii^ 11'1


7:132M08


creinlas resapitada5, gutIft, ds e o nuiques pCosa03
uaturaes do paiz
A declaracIo So r.. presideate dofmo.ko,,
poren faz verqueo, project 6 apanmuma.0rae-N
9oe que na pratica o que eontinua a dominar,
reasmo a despeito da lei, e a mui ferrenha iatole-
ruan~ia. 11 '1

Born dardim
A voz da verdade, foi o pseudonimo de
quo serviu-se o genie do mal, para descre-
ver corm as cores mais carregadas os nego-
cios desta comarca, nas part e referente ao
lamentaveis acontecimento dainveja.
E esse pseudoniimo, que forma uma so-
licitada insertsa neste Diario, edi Ao do 24
do corrente.
At6 hoje o public conhece esse triste
facto pela versAo criada por esse espirito
diabolico.
A essa versao chama-elle a verdade
qnando a conscinenic publi-a estA conven-
cida do contrario.
Seja-o, porem, ou nao, o quo mais tarde
se saberA ao certo, cumpre, que, desde ja
desafivele-se a mascara a esse tartufo, c
so o apresente A sociedade tal como 6, no
sou duplo character de tyrano de cornedia e
do manequimn, dansando toda vez quo se
pucha polo cordaL.
Eil C official da antiga guard nacio-
nal: acode por major. E' velha, boato e
philosophy nos modos; finger scriedado e
coinpun9ao; e vive das suas agencias,
isto 6, da sua advocacia ambulante pelo
fund da Parahyba e nas comarcas limithrd-
fes de Pernambuco.
Niao costa, que tenhlia demands pro-
prias; mas 6 certo quo tom-nas de toda
ordenm, dos que o nao conhecem, ou, conhe-
cendo-o, vem nelle a form do seu p6.
Na sua pcrigrinacio de Ashaveras, do-
parou corn aum inf.-Aiz, quo o acoitou per
hospc.d, e deu-lho t(o1s os comniodos da
vida : mesa, cama. roupa, credo cavallo,
papel, penaa e tinta, ete- queebrudan alii.
Elle aceitou, e vai desfrutando tudo.
Uina vcz juntos, ruminou-se um piano
do vingan-ua contra os inimigos. 0 homom
ia ficar no sen element.
A principal desses inimigos irmaginou-se
enforcar; aos demais bastava deter emn
Fernando para toda a vida...
Elle nto tend interesses d- nenhuma
ordem nesto Born Jardim, ao qual nio du-
vidaria tear fogo para assar o sea ovo;
miascate, que tanto vende aqui o seu pla
quwt, como no Catole do Rocha, deu f6rinma
ao plano, o metteu ma'os a obra na cxecu-


90o.
A inveja encaminhou-lhe as vistas para
a Inveja. LA estava oinfeliz Lourenego,
boa minina de ser explorada! E o foi impie-
dosainmente !
L3urengo, aconselhado para o mal, che-
goa at6 ao suicidio, atirando-se a uma lu
ta, que provocou, sob o false supposto de
que podia resistir A posse legal dos Bar-
bosas ate corn as arenas !
Coitado Exploravam-lhe at6 a dispo-
sicAo physical, que a natureza deu-lhe, a
coragem e a apregoada valentia! Des-
humano explarador! Se elle tivesse alma
e cora9gao; se a sua beatice nao fosse um
grosseiro fingimento, na-o jogaria assim
comn a vida de um home, e a sorte de
uma moga e seus filhos!
Morto Louren9go, qual Pedro Malazarte
do Trancoso, tirou-lho uma banda, e foi
pegar urubf na carni9a ; quer dizer : foi
especular corn a dor, a miseria, o pranto e
o lucto!
Uma queixa-ienuuncia de oite folhas,
umrn immense artigo da gazeta, ameagasde
morte, suspeigao de escrivaes, insult aos
juizes, o espalhafato, a mentira e a calum-
nia, tudo isto fez-se corn a rapidez do pen
samento.
Era a execuelo do jplano: faltava que
ells sorlisse seus desejados 0e terriveis ef-
feitos. 0 capitAo Rogoberto devia ir A
forca (maximo do art. 192),o e o advogado
Jos6 Cypriano, para Fernando, de macho
aos pes, apanhar carangueijos e evos de
viuva na ilha Rata.
Nc entanto, a elle e que deve estar re-
servado esse destiny, ou outro semelhante,
porque S. Paulo falloan de certo sugeitos
cyoj Deus 4 o ventre e cujo jim 4 a per-
divao.
E, de feito, n'esse caminho at6 onde
chegara o malvado instrument de ruins
paix5es ?
A causa dos offendidos da levewa, per
Vinagre 2O pipas e 50/5 aos consignaimarios. Vi-
nho 40 pipas e 25/5 aos mesmos, 7 e 15/5 a F. R.
Pinto Guimnariles, 16 e 20/5 a Fernandes da Costi
& C., 19 e 4 112 ditas, 60/5 e 20/10 a Domingos
Alves Matheus, 22 e 40/5 a Souza Baste, Amorim
& C, 85 e 75/5 a Domingos Cruz & C,!121 e 135/5
e 121/10 ao capital, 12 pipas A ordem, 1/5 a Pe-
dro da S. Augusto PrMa.


Vapor inglez Teutonia, entrado de Trieste, no
dis 2 do corrente e consignado a Johnston Pater
& C, manifesto:
Axeite 26 caixs a Silva Gaiarims & C.
Conservas 2 caizas-aso moeuon..
Estatuetas 2 caixa a Ram. & C.
Fariha d trigo 3,50 barieas a Machado La-
pe3 & C., 500 asc i ey uW at r& 'C', 0-a Costa
Carvalho & C., 115 a H. Nescha & C., 78 a T.
Just 280 e 20 saseos a Browns & C., 100 barricas
aeor=eI
Licores 2 caixas a RaBmos &-C,
Massas alimenticias M-aisxas a Amorim Ir-


,,l.. &C.
I). Oaraeiro
Sor&mdn, 5 a
D. 0. CanCeir


reraas 3 volumes a A.
aletin & Marques, 2
Moveis 80 volume. a
v L o-rd 1 .,, 1'::,- I ,


'3, e oresutad 6 o

0o e o advrgamia Jos&
)so de toda calt, a
db U1 |FO-
R.'al I- qI o


yam, absoltafuote Uando, ao pass
a prewaga frea patente.
E, todawia efie o corvo, o abutra,
crve- orreaspondeuias como a do di
Quo consciencia I
Mas, isto 6 nada ainda para caract
e espeeulaglo.
Antes quaea formal da culpa t
nasse, fez-so avaliar em segredo de j"
o damno causade em oitenta contos, e
garuntia dosse thesouro, pedio-se es
llisag.o da hypothoca nos bens dos q
ados!


qne

es-
241!

sarj
mi-1
9tiia1
pra
emia-
lerel


E, come quer que Joao Barbosa, 'lym-
pie e Francisco talvez nio possuam inem
15 contm, torna-se patonte o desej de
dotar a viuva do Lourenco corn a fotuana
do capitio Rogoberto.
Mas, come isto 6 torpo e iudigno! No
meio do todo o escarcSo pla punigao dos
criminosos transparece a ganancia pei di-
nheiro! D3 mode quo, corn dinheir ra-
para-se a dor moral, curam-so as fe.ida.
i'alhna, estamcam-se corn as lagrimaj !..-
Quoe torpoza!
0 que 6 facto, 6 que a inditosa viva,
confiscada pelo abutro para suns espela-
goes, vive illudida corn a proinessa de um
dot- do 80 contos !
Proseguiremnos.
Bom-Jardim, 31 de maio do 1884.
Que zebra.


A malevolencla do (,Tempot
Sem ligar importancia aos conceito( do
org.to do partido conservador, vou dar tma
ligeira explica9So aquolles somente, quo
me nao conhoc-mn de port, a respeito da
patota do becco do Bernardo.
Bernardiao Peroira Ramos constituiO em
1882 a mfu irmio; baueharel Daarte Esto-
vio de Oliveira, seu advogado parapro-
mover peranto a Assembl6a Provineul a
isen9go do pagamento do annuidados, en-
canamentos, apparellhos e mais services
feitos pola Bompanhia Recife Drain4ge,
nas suas meia-agnas, sitas na travesse do


Bernardo.
A commission que estudon a reclamg to
do Bernardino, entendea que este tinha ra-
zAo, e apresentou o parecer e projeto,
cuja intogra se seguem.
Parecer n. 53
c A commission de Logislacao teado d--
vidameonte apreciado a petiAoe do Bernar-
dino Pereira Ramos e mais documents con
que foi ella instruida, e attendendo ser o
pedido do petieionariojusto em face dailei
e do direito, visto come proven nao paga-
rein as meoins-aguas ns. 1 a 37 e 2,& 62,
sitas ia travessa do Bernardo quantia su-
perior a 13.500 de decima urbana come
tambem que essas casinhas foram edifica-
das nos annos do 1863 A 1866, .deferindo
a referida petiqio, a commission offereco a
consideragbo da Assembl6a o seguinte pro-
jecto:


1882 Projcto n. 72
A Assemblea Logislativa Provincial de
Pernainbuco resolve:
Art unico. Ficamu isentas do pagamento
das anauidades, encanamentos, apparelhos
e mais servings feitos pela Companhia Drai-
nage as meias-agnas ns. 1 4 37 e 2 A 62
sita na travessa do Bernardo pertencentes
a Bernardino Poreira Ramos visto gosarem
do favorda disposigao do art. 17 da ianova-
9ao do contract celobrado a 18 de do-
zembro de 1866.
Revogadas as disposigoes enoontrario.
Sala das commissios 28 de maio de 1882.
-NMio de Miranda. Luiz de Andrade..
Note-so quae os conservadores estive-
ram em maioria no bieonnio de 1882 a
1883.
Pois bernm: o parecere project mencio-
nades, alias confeccionados por uma coIl-
missto de conservadores, foram approvados
na sessio legislative de 1882, sem quo eu
houvesse tornado part na sua votagao, por
me haver cousiderado impedido.
Mas a lei nao foi sanccionada pelo pre-
sidente de entro., o conselheiro Jos6 Libe-
rato de Barroso, contra quem desenvol-
vi a mais energica opposi^So, dopois do
contract das carnes verdes.
Consta-me que elle aproveitou o ensejo de
ferir-me, negando sancego a !uma lei, pela
equal me attribuiam grande interesse.
Enganaram-se um e outros.


Para Puarnga 7PTCarniro 1S&C74,0 cocos
fructa.
No patacho norueguene RBeidar, carregou :
Para Santos, J. M. Dias 2,00) suaces eom
120,000 kilos do assucar branco e 1,500 ditos corn
90,000 ditos de dito mascavado ; H. Lundgrin
& C. 1,000 cocos fraeti.
No hiate Lacional D. Julia, carregou :
Fara Mossor6, J. J. da Silva Campos 5 harris
corn 460 hlitros de aguardente.


Gei

-13
k


MOVIMENTO DO PORTO
Navios entrados no dia 1 do ju
naova e escalas -15 dias, vapor italiauo
yrio, de 2,384 toneladas, oemman-
laute S4 i!a$ ija -Rce qupaget
09, carga viais generous; a Pereira
ourneirio & C.
^( 1 ^ "* *-!''""-' 'f^^ .i** '. .-* *


ilrs.Ire-N.ilQ e suiz de.An-:
4~e-08sli~atarios 4 pamet e prdiOotP.
o ivna oamoooxva res e ami-
gos dedicadosdos redaotoreAdo Tetpo.
Sogue-so, pois, quo essese netocio & utna
patota, pxtoteiras foram aquelles que do-
rain efonrmaularam o pareoer e project jA
referidosa.
Entretanto o Tempo nIo ha de aceitar
tio injusta, quao fatal consoquaenei..
Por ultimo direi: desenvolva esso orgao
da imprensa toda a sua malevolencia coa-
tra mim; isto nada me incommoda, desde
que nao pretend agradal-o: tenha por6m,
cuidado e criterio, quando atacar a reputa-
9bo alheia, para nao offender por contra g)l-
pe a dos seus proprios amigos.
Recife, 2 de junho de 1884.
A Estevao de Oliveira.



lo Sr. Dr. BarrotoS aio
Um facto raro" o important acaba de
dar-se na clinical de olhos do Sr. Dr. Bar-
reto Sampaio, e que importando mais uimn
louro aos seus talents, elevou-o As altu-.
ras de umna celebridade na material.
Foi uma operaqao de catarata- pratica-
da-em um velho de 95 annos de idade
mais ou menos, que achandlo-se cege, ha
3 annos, hoje devido ao explendido resul-
tado daquella operagao, goza de excellent


vista.
0 operado quo se chama Manoel Pedro
da Paixito, sendo pobre, nao tendo meios
de fazer ao menos, uma love indemnisa-
a1o- aquelle d6utor, per isso quo takes ser-
vigos nunca se pagam, pede-me para levar
ao conhecimento do public, os seus votos
de eterna gratidlo pelo inapreciavel bene-
ficio que Ihe fez, arrancando-o das trovas que
Ihe roubavam o presioso sentido da vista.
Agora, come intermediario nesta opera-
9Ao, cumpre-me tambtm apresentar ao il-
lustre doctor, o meu reconhecimento, pois
que qnando o procurci para fallar em favor
do operado, elle corn aquelle desintoresse
das almas- grandes, nao se recusou 'ao men
pedido, mostrando ao contrario a melhor
vontade e int-resso pela pratica daquella
operaqr., a qual offereceu ao Sr. Dr. Sam-
paeio mais uma occasiao de provar o seu
incontestavel direito ao nome de Wecker
brasileiro .
Arthur Bezerra.
Recife, 2 de junho de 1884.


Acta da sessio do Club da La-
voura da Eseada em assemblea
geral.
A's 11 horas do dia 29 de maio, reunidos na
saia das scss5es 38 soeios, o Exin. Sr. residente
declara aberta a sesslo, e que send um dos fins
da present reuniao dar posse a nova directoria
couvidava o Sr. thesoureiro, em obediencia ao art.
17 4' dos estatutos, apresentar o balancete, sen-
do uuanimemenze approvadas as contas.
Foi logo em seguida approvada a acta da ses-
sao anterior.
Empossada a nova directoria, passou ella a ele-
ger a mesa send eleitos; president, major Joao
Manoel Pontual ; lo secretario, Dr. Samuel dos
Santos Pontual; 20 secretario, Dr. Francisco Dias
de Arruda Falcao ; thesoureiro, capitao Jose Ca-
mello Pessoa de Siqueira Cavalcante.
Foram propostos e aceitos para socios effective is
os Srs. Jose Francisco da Purifica~go e Leonardo
Bezerra Cavalcante.
Foi lido um officio do socio Fructuoso Dias Al-
yes da Silva participando que por motives justos
deixava de comparecer.
0 Dr. Samuel obtem a palavra e propoe que o
Club se dirija a Sociedade Auxiliadora da Agri-
cultura para convocar-se uma reuniao dos agri-
cultores, commerciantes e dos cidadaos sympathi-
cot a causa da lavoura, afim de concertarem nos
meios de acelo a oppor urn obstaculo serio aos
pianos de anarchia e de offense as leis do paiz,
principaimente das do direito de propriedade que
eseandalosamente estao sendo desrespeitadas pe-
los soi-dizant abolicionistas.
Indica para lugar da reunia, !o salao da Asso-
ciaco Commercial Beneficente.
0 Exm. Barlo de Frexeiras diz : que a candi-
datura do Dr. Ambrozio send de todos conhecida,
o Club bern come obs agricaltores deviam empe-
nhar todo seu prestigio por seu triumph.
0 Dr. Samuel declare digno de admiralo e do
applause dos homes series o procedimento do Dr.
Ambrozio.
0 major Pontual mostra a naecessidade de virem
todos em defeza da lei, e do direito de proprieda-
de ameaado.
0 Dr. Ambrozio comega agradecendo a aceita-
eao que tern tide sua candidatura per part do
Club. Que todos conhecem os terms de 'sun cir-
cular, e se bern que penhorado pela adhesao que
tern encontrado seu procedimento, retirarA sua
candidatura se o commercio e os Clubs de lavoura
entenderem que ha outro que melhor possa occu-
par lugar tao distinct.
0 Dr. Vicente Cysneixo diz : que tendo o mi-
nistro da agriculture pedido A Camara Municipal
do Cabo um parecer sobre o estado da lavoura do
municipio, tinha side per esta corporaWo encar-
regado da confecAo d'este trabalho, que pedia li-
cencga para sujeital-o a apreciaoo dos socios pre-
sentes antes de dar-lhe o conveniente destino.
Bahia Vapor allemo Rosario, comg nan-
dante P. H. Dreyer, carga variosge-


neros.
Montevid6o Patacho hespanhol Elvira,
capitol Lourenzo Sampero, carga as-
sucar.
Navios entrados no dia 2
Trieste -80 dias, barca noraega Patriot,
de 484 toneladas, capitao N. O. Fel-
lefsen, equipagem 12, carga farinha de
trigo; A ordem.


Nlo iouve sahida.


VAPORES ESPERADSO
a: s "* a a hoje
"0 d noite a 4
CIOPaioco a5
tB 1111;i.a1, -,;4e..X t oFw ^^a ,, ';
MAw^.~i^^II1, aJ.-*


Qu A lavop ae p 4por grandocrise, nm
podiat 08 0a oUtiti asUgMnoato
ae imppaigo, e qua a'ste sentido deeisse rope-
aftmar A sem _B'Ma y ei|?i l u Impalente
fuzendo part da, eoWm de orgamento um dos
mnoibros do Club da Lavoura. Termna dizendo
que a ecsndidatntra doDr. Anbrowrio nAo podia dei-
xar de our bern aceita porque as arms. dos id-
versarios ~o eran odx.& eavalleiros, e que o con-
mereio queja esti soffrendo as consequencias de
sun imprudencia prestar-lhe-ia todo apoio.
0 Dr. Art.uda Faleo ditz : que fol portador de
urnma repreaenta*o AkAsembl a Provincial, mais
quoe mombro d oemmaisso de orqamento provin-
cial par quem tmiha de ser endereqada a repre-
seatagao, tinba limitado a dar d'ella conhecimen-
to & Asscmbl6a em um diseurso que bpportuna-
mente, serA publicado, e que agricultor, represen-
taute de urn district agrieola e portanto imme-
diatamente identificado corn os interesses da agri-
cultura, diz-lhe a consciencia ter feito per esta
classes o que decentemente devia iazer. Qae se
tinha consentido no augmento de 1 o/a sobre a
taxa do exportacao e porque, sendo pessimas as
condigous economical da provincia por causa da
suppressao do Jimposto de consume, vendo-se a
eommissao na dura necessidade de lanmar fortes
imposic5es sobre as demais classes, n~io quiz que
se dissesse que o espirito de classes, senao de in-
teresses proprios, me faria n.o aceitar imposigao
alguma sobre a lavoura. Que era convi'-ao sua,
que a lavoura que nas horas critics C sempre
quem paga os maiores encargos ja de sangue, jA
do dinheiro, supportaria este accrescimo, e mais
algumn, se Ihe garantissemrn justica, policia e res-
peito ao direito tide propriedade.
0 Exm. BarAo de Frexciras propoz que o Club
tivesse um procurador, que se encarregasse da cO-
branra da inmensalidade dos socios, e que a nomea-
9go fosse da exclusive competencia do thesourei-
ro, que podia marear-lhe uma mensalidade pelo
trabalho.
0 Dr. Ambrozio apresenton para socio honora-
ri) o Dr. Vicente Cysuiciro polos servio)s presta-
dos a lavoura corn son brilhanto trabalho, send
unanimenmente accito.
Todos os socios presentes fizeram a segunda cn-
trada do siis annuidades, louvando o Sr. presi-
dente ao coroiil Marcionillo por nao ter querido
receber o qua o Club Ihe estava a ever.
Nao havendo inais nada a tratar o Sr. presiden-
to levantou a sessleo as 4 horas da tarde.
E-ciua, 29 de inaio de 1884.-Francisco Dias
de Arrudar Falc(2o, 20 secretario.


E' comr o r. Dr. Oliveira
Wonseca
Dcixo do, cabalmoente, responder aos insultos, e
calumnias, que pelo insubordinado fiscal do Recife,
o Sr. Zc, me foram dirigidas no carmacter de ve-
reador commissario de edificacSes em mna petiqao
ou officio, que cndcreiara L Camara, do quo ainda
a mesma Camara nio tern sciencia, e jA publicada
sob a rcsponsabilkldarlde do Sr. Dr. Oliveira Fonseca,
que sc fez echo dos ditos insultos, e caluniias, per
que vejo no minesmo Sr. Dr. a vcneranda penna de
de sea digno pai, a quem acustuinmei-ine a respeitar
desde a minha infancia.
(Ynobre character dc advogado, Sr. Dr. F',,nscca
dao lle dA direito para subscrever insultos, c ca-
lumnias contra pessoa alguma, e principalmente
contra quern sernpre o tem rcspeitado. e acca-


tado.
Nao posse, porem, deixar de tractar sobre ser,
ou nulo o commissario de edificagu5cs competent
para dar ordens, cmi relaao aos passeios das ca-
sas, e se no mesmo character, pode, ou nao multar
o empregado desrespeitador, e transgressor da
suas ordens legaes.
Se o commissario de edificac; temrn ou nao
competencia para ingerir-se nos passeios das casas
ninguem, ainda mesmo atacado de loucura transi-
torea poderA negar. Basta um rapid olhar para
o titulo 7.- da lei n. 1129 de 26 de julho de 1873
para se convencer, que s6 elle, e nao outro com-
missario e o competent. Emquanto o poder im-
por multas aos fiscaes, respond, transcrevendo o
art. 25 das desposig6es geraes da lei n. 1394 de 2
de maio de 1879, que 6 seguinte :
As attribui95es, que sao conferidas A Camara,
poderio ser exercidas nos intervallos das sessoes
pelo seu president, ou commissario, ao que deve-
rao na sessao immediate communicar a Camnara
as medidas, que houverern tornado corn as razces


justificativas para seremn ou nio approvadas.
unico. Case sejam rcvogadas, n'eo .e-unulla-
rio os effeitos anteriores.
Emquanto o 37, citado per mim na portaria,
apenas foi um engano, quando devia ser o 58 do
art. 48 do orcamento vigente.
Emquanto o officio que o desrespeitador fiscal
dirigio A Camara, na quarta-feira sera devidamen-
te apreciado.
Recife, 2 de junho de 1884.
Padre, Antonio de Albuquerque Mello.

Despedida
0 Dr. Ezequiel Correia dos Santes Junior re-
tirando-se temporariamente para a c6rte despe-
de-se de todas as pessoas que nesta provincia o
honraram com a sua estima.

Estrada de ferro do Recife a
S. -Francisco
Partindo temporariamente para a corte por mo-
tivo de molestia, me 6 agradavel vir a public dar
testemunho de minha affectuosa gratidlo a todos
os distinctos empregadoa desta ompreza, no zelo e
aptidio dos quaes encontrei poderoso e efficaz
auxilio ao desempenho de minha tarefa.
Dr. Ezequtde C. Santos Junior,
Engenheiro fiscal.


Agradecimento
Euclides Fonseca faltaria corn um ever que
consider sagrado, se niao viesse publicamente
agradecer aos seus cares discipulos e amigos sin-
ceres que, de tAo boa vontade, tomaram part
em seu concerto de 31 do mez find, e as demons-
traes do estima e aprego que esses mesmos dis-
cipulos e amigos Ihe deram nessa noite de tAo
gratas reeordaqces para si.
Agradece tambem aos Srs. Antonio Leonario
Rodrigues, Adolpho Guedes, Jos6 de Azavedo
Maia e Silva, Jos6 Joaquim Dias Fernandes Ju-
nior, Agostinho Leal e Andr6 Costa, a coadjuvagio
franc%. e amistosa que he prestaram; e aos seus
convidadoa a sympaia comrn que foiacolhido.
A todos a sums eternaagratidao.
Dr. Souto Maior, medico, dA consultas
das 11 da manhl As 2da tarde, 6 rua lar-
ga do Rosario n. 34 10 andar, per cima
a phamarcia Bartholomeu & C.


Theatro-Santa "Wt~
I7 t a f
num ,ifl ^


za 0 direito de displdo& ugarUKT-
clamados, afim d Nattenier a outr "
dos.
Recifo, 30 de maio de 1884:
Tended a companhia chegado hontem, fi gado at6 tera-feira 3 do corente o prasopar
prineira arrecadAc* io das assiguaturas.
Itecite, 1 Junhi de 1884.

0 Dr. Souto Maior, medie.o, da consaul-
tas na Pharmacia Popular, rua da Impe-
ratriz n. 71, das 11 horas da mnaphl as 2
da tarde.

Consultorio medico
o Dr. Joao de Sa Cavalcante de Albuquerquer
dI consultas das 10 as 12 horas da manhi, na rua
do Born Jesus n. 20, 1o andar.


H0s1ital Portu dz do Boni o
Assennblta Geral
Tendo de proceder-se a leitura do relato-
rio dajunta adwnnistrativa e posse da ulti-
mamente eleita, convido todos os scnhorea
socios como os minembr,)s da mesma junta,
a reunirem-se n'esta secretaria quarta-fei-
ra 4 de junh;) As 5 horas da tarde afim de
dar-se cumprimento ao que determinam os
estates.
Secretaria do Hospital Portuguez de Be-
neficencia, cm Pernambuco.
Recife, 31 de maio de 1884.
0 secretario,
A. B. D Ferreira.


DR. CARNEIRO LEAO
1ME DIB
Consultorio e residencia a rua Duque de Caxias
antiga do Queimado, n. 88, 1 andar.
Consultas de 11 As 2 horas da tarde.
Chamados per cs(ripto a qualquer hora.



Dr Dr oman lfll Jniilor 1
} MEDICO {}
( Consultas A rua do CabugA n. 14
Residencia A rua do Hospicio n. 62



Sibylla Moderna

Novo liro de sortes para as noic
tes de Santo Antonio, S. Jobs

e S. Pedro
Contend, alem de doze assumptos poeticos va-
riados, escolhida colleccao de espirituosas anecdo-
tas e epigramunmas para os amantes do rise e da
galhofa, e juntamente um pequeno diccionario de
flores, folhas e fructos, dedicado aos fieis subditos
de cupido A' VENDA
i A1 VENDA
Na livraria franceza, run 1o de Mar~o n. 9
Preco-I S00



MEDICO E PARTEIRO
Br. Joaquim Loureiro
S Consultorio e residencia rum Duque
cte Caxias n 39, defronte do DIARIO
DE PERNAMBUCO, onde di consul-
tas das 10 as 2 horas da tarde.
,...... -- ....-.......


{ CLINICA HOMNEOPATHICA {t
UDO I

o DR.TRISTAO {
Consultas das 7 as 9 horas, e chama- Ii
dos a rua da Unia'o n. 15,
} Nusmero telephonico 154 {


Oxxxxxxxx--xxxxxxxx

0 Oculista
S0 Dr. Barreto Sampaio, medico ocu- :
Slista, ex-chefe de clinic do Dr. de Wee-
N ker, dia consultas A rua do Baro da Vie-
toria n. 45, segundo andar, de 1 as 4 ho-
ras da tarde, except nos domingos e dias
N santificados. Chamados em seu consultorio
Sou em casa de sua residencia a rua de
Riachuelo n. I7, canto da rua dos Pires,
xxxxxxxx--xxxxXX@


Facilila a dentifio e previne as
convulses

Cardornus
Unleo depoaslto na Pharmacla
Do Dr. Sabino
43-Uia do Bar io da Victoria-&4-
PERNAMBUCO.


DRA ALRMHDAIAPAR
DB. IMI fl*MALBU
MEDICO OW'ERADR@
ESPECIALISA EM PFAreS E NOLSTIAS DA-,?
MUJLHERES
Tern o seu conaultorio em casa de su-
residencia A rna da Imperatriz n. 30, 1.*
andar.
-" 3ONSULTAS de 8 A 10 da mauM e
doi 2 1 a slda tarae. Chaniados pr wl
cript A, quralquuer -,hox

*Dr. Costa Gaines, rne o d*uis
r Aina do Born Jesus n. 3;


Dr. Bettencourt

OperacSes, fistulas, vias urinarias, mo-
lestias de senhoras e crianuas. Estreita-
mentos da urethra tratados pela eloctro-
lyse sem dor. Affec5es de pelle e sy-
philis. Molestias do peito e da garganta.
Marquez d Olinda n. 31, das 12 As 4.


7__-


m


!


- a ip1b


obt-l























d Sociedade Ave LIBI


De 10 horas da manha as 4 da


0 Dr, -Afii o
MEDICO
Coutinfa a dar consultas das 11 s 2 horas da
tarde, o aeus antigo consultorio, a ruia Larga do
Bosario n. 36, 1.* andar. Chamados por escripte
a uqalquer hera, usn pharmacia Bartholomeu & C.

Discrostnte lAibri
0 melhor remedlo para impar
ealdefras a vapor
E prevenir a formaglo de pedras em
caldeiras
Invenolo do Dr. Pascoal Alfieri
A NAPLES.
THEO. JUST
Representante do fabricate em
7 EPRIADOvRuCO
17 ---- PRAQA DO OCORP SANTO--- 17-


Empreza telephonical


Bourgard
Para commodidade dos Srs. assignantes,
a empreza public os nomes que podem
entrecommunicar-se.
A
1 Associagao Commercial Beneficente.
41 Associagao6 Commercial Agricola.
23 Allan Paterson & C. (fundiglo geral).
55 Amorim Irmaos & C. (escriptorio).
57 Amorim Irmaos & C. (a bordo).
47 Augusto Kruss Successores (fabrics
de cerveja).
52 Andrade Lopes C. &
48 Antonio Augusto de Lemos (fabrics
deo cerveja).
84 Antonio Augusto de Lemos (Magda-
lena).
68 Antonio Pereira da Cunha (officina)
58 Antonio Jos6 Maia Irmao (mrua Nova).
60 Antonio Jose Maia & C. fabrica de


89
98
101
110
139
118
133
137

8
50
5
42
61
71
109
117
126


chapeos).
Antonio Soares Raposo (residencia).
Adolpho Pereira Carneiro (residencia).
Albino Cruz & C.
Alfandega (sala dos despachantes).
Alfandega (salao dos despachantes).
Arruda & C. (Palacio de Industria).
Aimeida, Duarte & C.
Antonio Correia de Vasconcellos.
B
Baltar Oliveira & C. (escriptorio).
Baltar Oliveira & C. (a bordo).
Bourgard & C. (Recife).
Bourgard & C. (Boa.Vista).
Bartholomeu & C. (pharmacia).
Borstelmann & C.
Browns & C.
Bernet & C.
Bernardino Gomes de Carvalho.


C
11 Companhia de Seguros Phenix


Per-


nambucana.
37 Companhia de Seguros Amphitrite.
18 Companhia de Seguros Indemnisadora
39 Companhia do Gaz (escriptorio).
40 Companhia do Gaz (Gazometro).
44 Companhia Pernambucana.
3 Cemiterio Publico (Santo Amaro).
92 Cramer Frey & C.
36 Cardoso & Irmao.
113 Companhia de Trilhos Urbanos, Reec
fe, Olinda e Beberibe.
120 Casa de DetenqAo.
142 Cunha Irmaos & C.
138 Corpo de policia.
D
2 Dr. Raymundo Bandeira (medico, re-
sidencia).
26 Dr. Constancio Pontual (consultorio
27 Dr. Constancio Pontual (residencia
31 Dr. Malaquias Antonio Gongalves
(consultorio).
72 Dr. Malaquias e Rodrigues Mendes
(Ponte d'Uchoa).
62 Dr. Affonso A. Cysneiro de Alb-


querque (consultorio).
21 Dianr de Pernambuco.
76 Dr. Jose de Miranda Curio (consul-
torio).
70 Dr. Jos6 de Miranda Curio (residen-
cia).
81 Dr. Jose Maria de Albuquerque Mello
(Capunga).
79 Dr. Carlos Bettencourt (pharmacia Ga-


leno).
99 Dr. Carlos Bettencourt (consultorio).
-95 Dr. EstevIo Cavalcante de Albuquer-
que (consultorio).
132 Dr. Barros Sobrinho (consultorio).
90 Dr. Barros Sobrinho (residencia).
130 Dr. Carneiro da Cunha (consultorio).
143 Dr. Santa Rosa (residencia).
102 Dr. Sabino (Pharmacia Homeopatha).


E
51 English Bank of Rio de Janeiro,
mited.
93 Eugenio Coelho & Vieira.


Li-


F
10 Ferreira Guimarles & C.
28 FPerreira Rocha & C.
9 Franciscode Paula Mafra.
67 Francisco Antonio de Albuquerque
2elo.
82 Parica de Fiao e Tecidos (Mag-
dalooa)..

54 ongaUo Bras Smatos &C., (phsr-

'91 Gommi do NtI 4 Ia gonsn. I


rodCosa Reis (1Phwar
d'Albuquerque Olivei &rx


eo-


[: Filho s.
103 Joaquim do Gusmao Coelho (
cheira ).
105 Jos6 Pereira Carvalho & C,
106 Jobo Wright (rma ee Santa it&).
122 Jos6 Vicente Godinho.
124 Jos6 Augusto dos Satos & C.
134 Joaquim Agostinho & C.
L
34 Luiz Jos6 da Silva Guimartes.
12 Lima & C., (trapiche do Gaz).
104 Luiz Antonio de Siqueira.
1


46 Miranda & Souza.,
69 Manoel daCunha Reis (Afflictos)
75 Machado Lopes & C., (armazem de
farinha).
66 Moreira & Braga, (armazem de mo-
lhados).
80 Manoel Alves Barbosa, Successores,
(Pharmacia Conceigao).
59 Maia Ramos & Santos.
32 Mendes Lima & C., (armazem de
bacaliu)
33 Martins & Bastos fabrica de oleos)-
30 Manoel Gongalves Agra.
23 Moreira & Braga (armazem de algo-
dCIo)
,31 Monhard Mettler & C.
44 Matadouro Publico (Cabanga)
N
14 Numa Pompilio (de itista)
0


1
1
1

11


53 Oettli & Rapozo
20 Oliveira Bastos & C.
P
96 Pereira Carneiro & C.
97 Paulo Jose Alves & C.
111 Palacio da Presidencia.
100 Parente Vianna & C.
119 Prolongamento da estrada de ferro do
Recife II S. Francisco.
140 Paiva Valente & C.
R
35 Restaurant Portuguez.
17 Ricard H. Connoly
115 Rouquayrol, Irmaos (botica franceza).


13
22
38


S
Saunders Brothers & C.
Samuel Power Jonston & C.
Silva Guimaraes & C.


45 Shares do Amaral & Irmaos.
86 Santos Selva & C.
112 Secretaria de Policia.
121 Severino & Irmao.
T
43 Tavares de Mello, Genro & C.
116 Theod. Christiansen.
i45 Thezouraria Geral.
V
63 Visconde do Livramento (escriptorio)
65 Victor Neesen (prensa de algoda-o A
vapor.)
129 Viuva Lages (rua do Vigario)
136 Vitello, Ferreira & C.
W
24 William Halliday & C. (escriptorio)
25 William Halliday & C. (armazem)
88 W. W. Robilliard4


EDITAES
Edital n. 22
0 administrator do Consulado Provincial avisa
aos contribuintes dos impostos de decima urbana,
sobre bens de corpuracues de m.o morta e de 120
rs. por litro de vinho, vinagre e aguardente, que
na mesma repartiaio se fara a cobranca dos mes-
mes im.postos, A bocca do cofre, corn relacAo ao
2' semestre do exercicio corrente (1883 a 84) a
comewar no dia 1' de junho proximo future, de-
vendo terminar no trigesimo dia util, na f6rma do
regulamento de 4 de julho de 1879.
Consulado Provincial de Pernambuco, 28 de
maio de 1884.
Francisco A. de Carvalho Moura.
0 Dr. Joaquim da Costa Ribeiro, juiz de
direito do civel d'esta cidade do Recife, e
set ternzw, capital da provincia de Per-
nambuco, por Sua Mlaqestade o Inmpera-
doe a quemn Des guard, etc.
Fa(!o saber aos que o present edital virem ou
d'clle noticia tiverem que por part do gerente da
compa.nhia da estrada de ferro do Recife aCaxangA
por sea procurador me foi dirigida a petigio do
theor seguinte : im. Exm. Sr. Dr.juiz de direi-
to do civel. 0 gerente da companhia da estrada
de ferro do Recife a CaxangA, vem declarar V. Exe.
que estando teita a desapropriago do terrenc e
casas do Manguinho pertencente aos herdeiies do
fallecido' Manoel Pinto de Souza e depositado o
product, digne-se na forma da lei, mandar affixar
edital por 15 lias para que chegue ao conhe-
cimento dos herheiros ausentes, a Fazenda Pro-
vmincial e Geral ou a qualqucr outro credor, que
esse product serA entregue per este juizo a quem
direito tiver mostrando-se dividamente habilitado.
0 pr ducto depositado 6 6:000S000, e a desapro-
priaelao livre de impesto. Pede V. Exe. deferi-
mento, sendo sintimacAo acostada aos autos de-
peis dos 15 dias nos terms da lei. Recife, 16de
maio de 1884. JoTo da Silveira Borges Tavora,
proewador. (SeIlada cornm uma estampilha de
200 reis regulamente inutilisada) em dita petigo
proferi o despacho do theor seguinte : Corn m e-
quer. Recife, 19 de maio de 1884.-Ribeiro.
B nada mais secontinha em dito despacho aqui
trancpte.
E para que chegue ao conhecimento de todos
mandei passar o present edital com o praso do 15
dias que sera publicado pela impreusa e affido
no lugar public do costume.
Dado e passado nesta eidade de Recite do Per-
nambuco, aos 21 de maiodo 1884. Subserovooe s-
signo.-O esearivio, Pedro TerXdiao da Cwuha.
oaqtwm, do Ceefa Rbeiro.


&dital


fl
IL :.
PM9


De ordemdo Ili
q as 11 hordes do
vea4idas em leillo,
oadoniaI abalab de4


57


r,s e fgx
LO

7, vinda do I4yer-
entriado em 9 de
do calVado, aendo :
de mais de 22cen-
ares de sapatos de
Om, 19 pares de sa-
2centimetros, com-


Tereeira see
co., 2 de junhod


0 chefe,
Cicer Brasileiro de Me o.


EdItal a. 648
De ordem doinspetor goral a instruceao pu-
blica, se deelara & profeEsora Amelia Maria da
Conceiqo Ramos que, pela preidtencia da pro.
vincia foi considerada oem cffeito a portaria de
$1 de maro find, que a remove da cadeira de
ensino mixto em PaSasutnga para a de igual en-
sino no povoadb Propriedade.
Secretariat da Instruc*0 Publica de Pernam.
bueo, 31 d( maio de 1884.
0 secretario,
Pergcntino S.. de Araujo Galvdo.


DECLARACOES


Seeretar.a da Camara Municipal do Recife,
2 de junho de 1884. hIlm. Sr. commissario do
mercado, coroner D Oecio de Aquino Fonseca, sirva-
se V. S. de informar so as inultas imposuts por
infracqAo do regulamento do mercado, e arrecada-
das. tern feito parte do rendimento do mesmo, de
conformidada corn a postura provisoria de 21 do
setembro de 1883. E se assim se nao tern Drati-
cado, queira dar a razi'o disto, ficando na intelli-
gencia do que assim deverA ser observado em to-
dos os mezcs que se seguiremn desta data per
diante.
Deus guard a V. S. HIllm. Sr. procurador da
Carnara Municipal. =0 seeretario,
Pedro Gaudjano de Ratis e Silva.
Sceretaria d& Camara Municipal do Bec.fe,
2 de jtuho de 1884. HIllm. Sr.-De ordem do him.
Sr. vwreador padre Mello. commissario de edifiea-
cAo, fica mnarcado o praso de ,48 horas, para que
Vine. inform quantas casas se estao edificando ou
reedificando em sua freguezia ; e bern assim quaes
as cas-s, ou nuas cal;adas, t-iujas pedras existem
f6ra dos passeics, eu desloeadas, e s" essas edifi-
casces estao de accord corn as posturas.
D.eus uarde a Vine.-lllin. Sr. fiscal da frLgue-
zia do Recife.-0 secrctario,
Pedro G. de Rates e Silva.
Secretaria da Camara Municipal do Recife,
2 de junho de 84.-Illm. Sr.-De ordein do him.
Sr. (onommissario do mcrcado, coronet Decio de
Aquino Fonseca, sirva-se V. S. de informar qual
foi o rendimrnento do mercado de S. Jos6 uos mezes
de rnaio dos annos de 1882, 83 e 8t, e bcmn assim
as d'espesas to mesmo mercado em di'os mezes e
aunos, corn declaragao das quantias pagas ao Ban-
co do Brasil.
l)eus guard a V. S.-Illm. Sr. contador da Ca.
mara Muuicipal.-0j secretario,
Pedro G. de Itatis e Silva.
SOCIEDADE

Ai lal onra tAgricltnura om Pir-

iia~inhico
Conselho administrative
Previne-se aos Exms. senhores membros do
mesmo conselho, que foi marcada para o dia sab-
bado 7 do cerrento unima sessio extraordinaria, na
qual ser-iA discutida a question adiada da uniao
corn os clubs da lavoura, e deliberar-se-ha corn os
meombros que comparecerem, per se dar o case pre-
visto pelo art. 30 dos estatutos Verificar-se-ha
a reuniio As 12 horas do dia, na sede da soeiedadc
a rua Primeiro de Marco n. 83. Recife, 2 de ju-
nho do 81.-0 s-cretario geral,
Henrique Augusto Milet.


Santa Casa da Miserleordia do
Recife
Perante a Iilma. junta administrative desta
sauta casa, na sala do suas sessoes, pelas 3 horas
da tarde do dia 10 de junho vindouro, ha de ser
arrematada a quem mais vautagens offerecer, a
propriedade flha do Nogueira, pertencehnte aos
estabelecimentos de caridade, sob as condioes
seguintes :
rPagar mensalmente a renda annual de 1:6001.
Ser o arrendamento por tempo de tres annos.
Faacr a sua custa os concertos de que precise
rem as casaso e o viveiro do sitio e entregal-os em
born estado de conservaeIo na conclusilo do arren-
damento ; nbo eriar gado e plantar em cada anno
150 p6s de coqueiros, sob pena de pagar 2;000 de
multa por cada urn que deixar do plantar, de
modo que findo o prazo deverA apresentar os 45-
pds, bemrn tratados e conservados, sendo de tires
em trees mezes verificado pelos respectivos mor-
domos o field cumprimento das obrigaoSes da pre-
sente condiefto, e na1o powder abrir nem conscntir
legradouro nos terreno. da ilha.
Apresentar-se no actor da arrematagao corn fa-
dor idoneo ou carta deste.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife, 29 de maio de 1884. 0 escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza.

Santa Casa da Misericordia do
Reife


Na Santa Casa arrenda-se por um
os seguintes predios:
Rua da Saudade
Casa terrea n. 5
Travessa de S. Pedro
Sobrado de dons andares n. 2
Rua do Born Jesus
Segundo andar do sobrado n. 13
Rua do Burgos
Casa terrea n. 27
Becco das Boias
Loja do sobrado n. 16
Sensala-Velha
Casa terrea n. 18
Rua da Moeda
Casa terrea n. 49
Senzala-Velha
Casa terrea n. 16


Raa Imperial
Casa terrea n. 127a Impria
Rua do Encantamento
Primeiro andar do sobrado n. 9
Raa do Visconde de Albuquerque
Casa terrea n. 611'
SRua Sete de Setembro
Can terrea n. 28 4
Estrada do Roumrinho
sitio n... 21
Secretaria da Santa Casa deMisericc
Recife, 13 do maio do 1884.


Theo


De o
convidados
guezias de
*a compel
Vas dos m
pens de lei
Pawo di
maio de 18


I(wUNZAGI
rama era 4 aetos do poeta dos escravos Castro Alves.
(Representado por mogos estudantes da Faculdade).
Terminard o espectaculo corn uma bella apotileose A

LBERDADEJM


ERTAS*


I Comeqarn As 8 horas.


lem da Ima. Camara Municipal, sao
Sdonos dos estabelecimentos das fre-
S Wgadoo e Varzea, para virem A sec-
te ever os pesos, medidas e balan-
smos, uo proximo mez de junho, sob


"I
.Camara Municipal do Recife, 31 de
S Jos6 Candido de Moraes,
President.
Pedro Gaudiano de Ratis e Silva,
Secretario.


[ 0 rind0 tProvincial
Faz-se stiente pela 1' secco do Consulado aos
senhores ntribuintes do imposto de industrial e
profisslo, comprehendido nas taxas fixas e de
repartiao, gue no dia 5 de juuho vindouro se
finda o prapb que lIhe fOra concedido para paga-
mento do 6lesmo, livre de multa, depois do qual
se procedeA a respective cobran9a corn a multa
do art. 60 la lei n. 1736
1" Sccso do Consulado Provincial, 31 de maio
de 1884.
H. Peregrino.
The New London and Brasilial
Bank Lindted
Rua do Commerci9 n. 32
Saccapor todos os vapores sobre as cai-
xas do mesmo banco em Portugal, sendo
em Lisboa, rua dos Capellistas n. 75. oN
Po, rtorta dos Inglezes.


C WPARJMA
DO


N escriptorio d'es-

ta companhia paga-se

o 72 dividend cor-

respondente ao semes-

tre find, a razaOo de

3U$000 por ae ao, sen-

do diariamente de 15


a31 do


corrente mez,


e ao depois, nos sabba-

dos.

Escriptorio da Corn-

panhia do Beberibe,

12 de maio de 1884.

0 secretario,

Jose F. Jacobina.


lARITIIOS
Companiula Brasileira de Nave-
gapie a Vapor
PORTOa DOTN OR'TEp?.


0 vapor demora seguira pars
Bahia New-York via
Commandante 1- tenente Aureliano Izaac
-*~ "^- E' esperado dos portos do Precos das
sulateo dia 6 de junho 1' class-
So.N e seguira depois da demo- Loadrcs (via No-
J ra indispensavel, para os va-York)..... 40.0.(
***-.2, portos do norte at6 Ma- Nova-York..... 27.0.(
ios.0 SAWo Thomnnz on
Para carga, passagens, encommendas e valores, Barbados..... 2.1 23.0.0
ramcta-se na agencia
44 RUA DO COMMERCIO 44 Para passoi.e, frctcs, e
PORTOS DO SUL CONSIGNA
o vapor AdamsoiliH
rernambuco 3-Ru; do Coi


rantia a passagens para Liverpool quando lhe ap-
prouver per vapores de la oerdem.

ROYAL MAIL STEAM PACKET
COMPANY
Grande reduccaio non precos das
passagens
0 PAQUETE A VAPOR
Tamar


A. E. Bell
E esperado
do sul no dia 14
, do corrente, se-
* guindo depois


da demora necessaria paraLisboa, Southampton,
etc.
Tern optimas accommodac5es.
Passagens para a Europa podem ser tomna-
das na ida dos vapores para o sul
Redneuao nos preeos para o Rio
de Janeiro
I lcasse 90#000 e 3. classes 27#000

0 PAQUETE A VAPOR
Elbe
Comminandante Brander

,-- E' esperado da Europa no dia9
,,- ou 10 do corrente, seguindo de
'- .... _pois da demora nccessaria para

Baiia. Rio de Jaaneiro, Monte
video e Buenos-yAres


Itinerario
IDA
Sahida Southampton 1
Zhegada Bordeaux 4
K Vigo
o Lisbha 7
o S. Vicente
o Pernambuca 20
Macei6 21
S Bahia 22
RiJ de Janeiro 2<;
Santos 28
S Montevideo
Baenos-Avres .
VOLTA
tConforme as ordens do Rio
Sahida. BuenosAyres
a Monteviddo
a Santos
S Rio de Janeiro
hCegada Bahia
N Macei6
S PerRaambuco
S. Vicente
S Lisboa
Vigo
S Southampton


6 toca
$o tocara


92927
.24
13 5
21 10
26 13
29 16
5 22
7 24
de Janeiro)
17 1
18 2
7
4' 9
27 12
13
29 14
21
11 28
5 230
15 2


se precisar carvo.


Linha ova Pra os Esta0os

0 VAPOR


Guadiana
Commandante Horton
Yil..r Espera-se do


Stores annos, ICommandante


404009
305000
30,5000
189000
12QOO
120500
205000
305000
205000
125000
155000
175750


o capitho de fragafa Pedro
H. Duarte
E' esperadodos portosdo nor-
te ate o dia 4de junho e
Sseguira- depois da demora
do costume para os portoado
msul.


Recebe tambem carg paa Santos e Rio ran-
de, frete medico.
Para carga, passage, oencommendas e vaiff
tracta-se na agencia
44 RUA DO COMMERCIO 44


Pa L'sbee e PoOle


Seguira nestes poucos dias
para os port acima barca
'portugueza aNow Venedora :
opara caga e pamsgehoiro trats-
guatarios Jos da Silva Loyo &


Bs&IDrasilINailS.So.1,C.,


0 dos prtos
i 5 dejunho,


de Janeiro no dia 14
1dejunho o qual.de-
oppois da necessaria


S. Thomaz


passagens
2a classes :3' classes
0 28.0.0 17.0.0
) 18.0.0 11.0.0
) 15.10.0 11.0.0
tc., tracta-se corn 0os
TARIOS
owie & C.
mmerelo-3


COMPANHIA PENRANBUCANA
i DE
Navegacio Costeira por Vapor
PORTOS DO NORTE
Parahyba, Natal, Macdo, Mossord,
Aracaty, Ceard, Acaracu e Camossim
Seguenodia 5 deju-
nho o vaporPirapama,
.+:= i commandant Rino,
-s 5 horasda tarde.
Recebecarga atWo
:- = -- : in 4.
Encommendas, passages e dmheiro a free atW
is 3 horas da tarde do dia da sahida.
ESCRBIPTORIO
Caes da ComipaunhIa Pernambu-
cana n. 1I


COePAlUi DENS MESSAGE-
in MARITINES
LINRHA MENSAL
0 paquete
Gironde
Commandante Moreau.
^ 11..1 *,:;, ,Elpesa.e da Ba-
1 ""'t1'1 11 *ii i~~r *,' 1 .J-- jt..**A t l u2-- ,I


t


NO


Avariadas
Terga-feira 3 de junho
A's 11 horas
ARMAZEM DA RUA DO BOM-JE-
SUS N 43


Agente Pinto
Em eonotinuaio
Uma caixa corn chapeos de sol, toalhas, chitas,
brins, sabonetes, platilas e outras fazendas, e ca-
saveques e vestuarios para meninos.

Agenle Brillto

Leilao
De mobilias. 1 rico lavatorio corn pedra, ricos
espelhos, cadeiras de junco e madeira, commoda,
cama, marquez5es, quadros, candieiros, louga
fina, vidros, etc., etc.
Teroa-feira 3 de junho
A'S 10 112 HORAS
SNa rua do Rangel n. 41

Agenle Brillo

Tercir e oMtiM0 le1190
Da typographia da rua do Fogo n. 87, ser-
vindo de base a ultima offerta
Tera -felra 3 de junho
A's 10 horas
0 ageate acima, por mandado do Exm. Sr. Dr.
juiz de ausentes e a requerimento do Dr. curador
geral, farA leilao da dita typographia, que faz par-
te do d&polio de Marinho Falceo.

Agenle Silveira


Lejiao
TRANSFERIDO PARA

Terfa-feira 3 do eorrente
A's 10 1/2 horas
Do hotel sito a rua de Thom6 de Souza n. 5, am
un oa mais lotes.
Garante-se as' haves.

Agente Burlamaqui


Leilao

Tera4feira, 3 de jnhob
A's 10 12
NO ARMAZEMA WUA DO IMPEA-
DORN. 24
De 10 barrioea con coposo fino, compoteiras
caliou, weatisaeae mans de Baccarat e OaU"e.
muit b wirtoe, pra fekawiento de oon*tti
tIdoaoUo Terdomztefo porordema dodiver


Conmmandante
roi;Z N,L


af trete: tracta-se comsa
Consignatarios
Wilson Sons & C., LIited
N. 14-RUA DO COMMERCIO-N. 14
0 vapor
Magellan

dosulat6 odia 5 de
junho, seguindo para
a Europa depois da de-
inora do costume.
Para carga, passagens,-encommendas e dinheiro
a frete; tracta-se comos
Consignatarios
Wilson Sons C., Linmlted
N 14- DO COMMERCIO N. 41

CiiARGEUBS lEUNIS
Companhia Franeeza de Navega-
.cao a Vapor
Linha& qitinzenal entire o Havre, Lis-
boa, Pernambuco, Bahia, Rio de Janeiro e
Santos
Steanier
Vile de Bahia
'"^^ k E' esperado da Euro-
i- ~ pa atd o dia f de
^f. ^'.Ttt junho, seguindo de-
*h _iit pois da indispensavel
idemora para a Bat-
hia, Rio de Ja-
neiro e Santos.
Roga-se aos Srs. importadores de carga pelos
vapores desta linha,queiram apresentar dentro de 6
dias, a contar do da descarga das alvarengas, qual-
quer reclamazio concernente a volumes, que por-
ventura tenhamn seguido para os portos do sul, afim
dese poderem dar a tempo as providencias necessa-
rias.
Expirado o refcrido praso a companhia nao aw
responsabilisa por extravior.
Recebe carga, encommendas e passageiros, para
os quaes tern excellentes accommodates.
AGENTES
Augusto F. de Oliveira

& V.
42 RUA DO COAMIERCIO -42
(Entrada pela rua do Torres)


LEILOES

Agente Pinto
Terqa-feira, 3 de junho, deve ter lugar, por in-
tervenuao do agent Pinto, o leililo de lonas, ma-
dapolics e outras fazendas avariadas.
Quarta-feira, 4, o de pianos, nmobilias, louna,
vidros, quadros, espelhos e obJectos de casa de
familiar ; no sobrado da rua do Bom Jesus n. 6.
No armazemin (do sobrado da ruta do Born Je-
sus n. 6, exposi(Ato de quiadros A oleo e c-pelhos,
em leilao, scm reserve de precos.

Leilao
Be pannos de lona, naadapol6es,
oxfords e ontras fazendas in-
glezas


4-t'
* i,


.


!1Pra


wmmendaa dinheiry


I
I


I


!


lo Rio


I


I


- I


*ribY


1,a jI un


I..


. ... %F a.11vAI















oiu eCB-
$oledade,
a .canai-
,pe zada e
n. 32.
'Ailh


0 ieillo:


fin, 4 b Joflb
t'1 i'i : AO MM ODIA
: No armazem de moveis
S. Largo do Paiaiso n. 26
0 agent acima devidameute autorisado levarA
Sleilio o terreno onde esta edificada a casa ter-
S rea spita A rua das Nymphas n.24, medindo 26 pal-
mos de frente e 80 do fund.
SnQuarta-feira. 4 de Junho
i Ao meio dia

Agenle Burlamaqui

l eilao
De urn cabriolet amer:cano corn dous ,issentos,
quatro rods, arrcios para um cavallo, urn cavallo
gordo proprio do cabriolet, e inais dons arreios
novos para carro e bridges.
Terfa-feira, 5 de junho
A's t hoIras em ponto
NO ARMAZEM A RITA DO IMPERA-
DOR N. 24

Agenle Silveira

Leilao


Quarla.feira, 4 de junho
A's 11 horas
No arma'ieO, de moves largo do Paraiso
n. 26
0 agent acirna, por mnaudacio e assistcucia do
Exm. Sr. Dr. juiz de direito da provedoria levarA
A leilao :
Urn terreno proprio no lugar denominado Baixa
Verde, freguezia de Nossa Senhora da Graca,ten-
do o di:o terreno 18 metros e 60 centimetros de
largura e 24 minetros e 35 centimetros de rfundo,
corn alicrces para casas -e umn pequeno quarto.
Quarta-feira. 4 de jnuho
A'S 11 HORAS


40 leilajo


e definitive


DE
W1 U E DI (O
CARMO E SILVA

QU1r.tgf in, 5 g1 j1nh0
AO MEIO DIA EM PONTO
Por minandado do Exm. Sr. Dr. juiz de orphios,
a requerimento de Manoel Marques Avila, inven-
tariante dos bens do espolio de Manoel Ignacio
Avila, corn a assistencia do minesmo Exmin. Sr. Dr.
Ulz. VENDERA.
Um sobrado de um andar corn tires portas de
frente, verandas de ferro, corn grandes commodos,
sotao, terrena proprio, sito A rua do Bemfica n. 31,
Passagem da Magdalena.
Na agenda de lellees
27 Travessa do Corpo-Santo 21

Leilao
DE
Moveis, louIa, vidros e
d "quadros
| onstando de 1 solid mobilia de jacaranda corn
tan p de pedra, lanternas, jarros fins, quadros,
tapes, escarradeiras, pannos de crochet, enfeites
pars consoles, I toilette de jacaranda, guard yes-
tides de amarello, 1 guard roupa de crianva, 1
meia commoda de amarello, cabide de column, 1
excellent bahtl de amarello para roupa branca e
1 tocador.
Uma mesa elastic de amarello de 6 taboas, 1
guard louga de amarello, 2 aparadores de colum-
| na, 1 sof, 12 cadeiras de amarello, 1 mesa de
amarello corn pedra, I quartinlicira, 1 eama grande.
para meninos, 1 cama de lena, 1 balaio para rout
pa, 2 relogios de parede, 2 marquez5es, 1 appare-
Iho de porcelana para jantar, 1 dito de dito para
almoco, copes, calices, garrafas, compoteiras, 1 ap-
parelho de electro-plate para cha, 1 excellente es-
cada de thesoura de amarello envernisado, lbergo
de Waia, 1 carneiro gordo e outros muitos moveis.
aurta-feirn, 4 o corlireltu
AS 11 HORAS EM PONTO
Na rua das Flores, casa n.
Jose Luiz de Mello tend de fazer ama viagem
a Europa corn sua Exma. Sra., fara leilio por in-
tervencao do agent Martins dos moves e mair
objects existentes em dita casa onde aetualmente
reside.
Leilao
S de uma seraphina para igreja, uma baga-
tells (mesa dejogo), 395 termos de 5
medidas para seccos, urma burrs france-
za, 10balangas romanas, 2 ccarteiras
para uma e duas posooas, medidas de
ferro para 50 e 100 litros .e 2 barricas
corn tinta verde.
Quwarta-feira 4 do corrente
AGENT PINTO
S No armazem da rua do Bom Jesus n. 6, per oc-
eaaiLo do loillo demoveis, pianos, quadros, espe-
T Iho. louga, vidros e amurns burrs corere.


Do. *oveis, quadro., espelhos,
a v1 :^ ^ idr tes :,1. 11


lougas


idares, rua do Pa-t


de fazendas avarladas
Costando de:
Umna caixa com 40 peas de molesquino, 2 fardos
corn madapoilao, 51 peas de regatosneaseniras,
brins, zephinei, estopa, 1 caixa corn espelhos pe-
quenoues, 1 di'a com chapeos para senhora e muitQs
oatras fazendas.
Quarta-feira, 4 do corrente


A's 11 horcs em points
SPer intervengflo do agent -
Alfredo Guimaraes
Em sen eserlptorlo & runa
Bom Jesus i. 45


do


Leilaio
Da easa terrea n. 29 da rua da
Conquista
(ila-fiira 5 db o coreit
A's 11 horas emponto
No arnumzem n. 16 da run do Imperador
0 agent Martins, farA leiilo por mandado do
Illin. Sr. Dr. juiz de orphAos e em sna presenga,
-da casa terrea acima, a requerimento de D. Pauli-
na Maria da Costa Sanfos inventariante dos bens
deixados por seu fallecido marido Luiz da Costa
Santos.

Leilao


De genaros do eslira
CONSTANDO DE:
Gingcrale, limonada, soJa, champa'iha, wiskey,
cognac, chainpanbe cider, agua dc Rosbache, sal-
saparrilha, Zamine e outras bebidas.
Milhio ein conserva, m6lho inglez, medidas para
seccos e molhados, balancas roruanras ,pesos, 2 co-
fres, 2 carteiras, e mesas para fazendas.
Quiiinta.feira, 5 de junho
A's It horas
AmmNT PINTO


No


armazem da runa
Jesus n. 6


do Bom


Agente Silveira

Leilao
Be moves, lounas e vidros
OMnlta-fira 5 do cor nnte
AS 11 HORAS
No I" andar do sobrado a rua do CabugA


n. 7, entrada pela rua das Larangeiras.
Constando do se-


guinte:
2 mobilia de amarello entalhada, cons6los e jar-
dineira corn pedra, 1 toilette, 1 cama francezaflde
amarello, 1 espelho, 1 guarda-vestidos do amarello,
1 guarda-louga, mesa elaatica, 3 taboas novas, meia
commoda de amarella, cadeiras de gurnigo, 1 sofa,
1 repartimento de pinho, 1 grande coche para ba-
nho, 1 bacia grande de flandre, 2 marquezoes, jar-
ros, lantcrnas, quadros, 1 relogio, lougas, vidros e
mais accessories.
0 agent acima autorisado per unma fami-
lii levar a leilao os moveis acima mencio-
nados, existentes no 1.0 andar do sobrado
sito A rua do Cabuga.

Leilho
De bons moves, finos cyrtaes,
objecos de electro plate, es-
pelhos, quadros, vinhos e I es-
pingarda de Flobert
A saber :
Sala de visita
Urn excellent piano forte e novo du -Pleyel, 1
cadeira para o mesmo, 1 mobilia de jacaronda a
Luiz XV corn 1 sofa, 2 consoles, 2 cadeiras de
bragos e 12 de guamniio, 1 espelho oval tedo de
crystal, 1 mesa oval, 4 eadeiras de balance, 2
candieiros a gaz, 2 almofadas, 2 descangos deo ps,
6 cadeiras corn encosto de panno, 1 tapete de so-
fA, 2 jarros pars flores, 2 quadros grandes corn
molduras douradas e 3 lancas para cortiuados.
Sala dejantar
Urma mobilia de sala de jantar de madeira de
carvalho, 1 mesa elastic, 1 guarda-louca envi-
dracado, 1 aparador, 12 cadeiras de guarnico, 10
quadros, 1 cadeira alta para crianga ir A mesa, 1
piano de mesa, 1 apparelho de porcelana para
jantar, 1 dito para cha, I dito dessert, copes, ca-
lices, garrafas, compoteiras,el apparelhode elec-
tro plate para chA e 18 cadeiras de junco.
1 quarto
Urn guarda-vestidos coin espelho, 1 guarda-
roupa eguarda-vestidos do amarelo, 1 livatorio
con pedra, 1 guarnigao e espelho; ,1 commoda, 2
cadeiras de abrir, 1 balaio, vatori, 1 tapete, 1I
cabide, 2 vases para aguase 6 cadeiras.
2' quarto
Duas camas de ferro corn estrado de arame, col-
ches, travesseiroe, cobertores, cortinados, 1 com-
moda; 6 cadeiras de junco, .3 lavatorio de ferro e
guarniao, 2 castigaes e omangas e 1 tapete forro
de quarto.


3o quarto
Urn mmrqezao de amarello, 1 cortinado, 1-ber.
o de a 1 eommoda, 1 lavatorie, 1 ta9ete forro
oquar 1 cabide, 6 cadeiras e2 castias corn
Despenna' vcosinha.
Umrsguardscomida de madeira e'arame, 0'
de eagominnado e eagaka, 1 balangn I asawAdirs
wmcr erda. I flandrespur pie, I' livatorio 'do
%aee I Jmrrj4 8 bspisi 4 vam griodfw a
1 1ari 2 aadeirao de %I & Iwica
ee trem d .


Itro ZnmriW 3*.SU, eM, q..10 !I* .ro'
Vmn a o&saterx*e A ias 'Impez
1Uma eaas terrea a- rrais -6ei
-qwntal~grande em Bf'~ro
lUtaaca-sa.armaze r-da~d
val n. :7, er~al solo foreiro :.l^1.t


pno. ,- .Ma lllamaem wvetra
ri0 n. 125, con 2, Alvaro Affonso deOliveira, Maria Laura Neiva
Ia, etc., slo foreiro. de Magalbaes e seus filhos mandam resar uma
de Setembro 20, issa nuscapella do cemiterio public, is 7 horas
quartos e4ernos, da manhi do dia 4 de junho, trigesimo dia do
/ pasamento de sua nunca asseas esquecida esposa,
LoMarquez do 1Har- a e inrm Para este acto de caridade e reli-
rW, convidam aos seus parents e amigos, e aos
lildidn f&Uecida, confessando-se desdef6 summamen-
toea idoe.


Iu. jtmu


N1a'agencla-deI lefoeu : U7Vaeii a eeho da
227Francisco Victor Coelho da Silva manda cele-
..''.j' + ..'.! .; 1 ..........bar uma missa na matriz da Boa-Vista, is 7
__ ___ ____ _"_ _hores da manh& do dia 4 do corrente, setimo dia
do passamento de sua presada esposa, Maria de
'v s '1W ,1 I Sant'Anna Coelho da Silva. Para este acto de
O VT caridade e religion, convida asos seus parents e
-- ...... amigos e aos da fallecida, confessando-se desde jA
Aluga-se por preo eanmodo a eXcollente summamente agradecido.
chacars A run do Caldeireiro, no Caldeireiro, corn
magnificas accommoda" s parasfamilia, muitas M
arvores de fructo e boa agua potavel. 0 sitio, i i P
estA perfeitamente murado em tod a onga area' 'i l
de terrenos que abrange, e tern alem da casa de de d
principal, muitos commudos externos para ia- Vende-se uns paos de madeinra de qualidade, de
dos, grande estribari-, guallinheiro fechado corn 20 25 palmos de comprimento e de 4, 5 e 6 polle-
grades de ferro, banheiro, etc., etc. : trata-se na gadas de quadrado : na rua do Born Jesus'n. 10,
rua do Apollo n. 32, 10 andar, escriptorio. officina de marcineiro.


Precisa-3e de um cai eiro corn pratica de
molhados ; a tratar na rua do Marquez do Herval
numero 14'.
Bijouterlas de phantasia
Alfinetes de gravatas em 40 models, correntes
de relogio e bot5es para homes, pulseiras, alfi-
netes, voltas e porta-leques para senhoras e meni-
nas, models bonitos, a lmitagao de ouro; amos-
tras na vitrina da loja A rua Nova n. 16.


Bom nnegocio
4:000#000
Precisa-se de un socio que entire corn esta
quantia, garante-se o capital, e 2: 005 de lucro,
podendo retirar mensalmente 1600 por conta de
seus lucros, ficando sempre o'seu capital garanti-
do : a quern convier deixe carta no escripterio
deste journal para ser procu:rada, corn as iniciaes
J.W.


Aluga-se o segundo andar do sobrado n. 41: 0 lli
A rua do!angel; o primeire do de n. 25 A rua |
nova de Santa Rita ; a casa terrea de n. 17 no cs o
largo de Apipucos ; 1 da travessa da Hora no Es- Preeisa-se de urnma cosinheira : na rua da Au-
pin eiro ; 36 A rua da Ventura, na Capunga:a rora n. 109 H, defronte do segundo chafariz.
tratar na rua do Hospicio n. 32. A


0 desembargador Henrique Pereira de Lu-
cena perdeu a police provincial n. 2839, do valor
de 1:0004, pertencente A sua filha Maria Annun-
ciada Carneiro de Luceba, e para poder requerer
outra em substituicao, faz a present deelaraq&


URGENTE
Precisa-se de uma
ama de leite, que seja
sadia, para amamentar,
i1mnn erpnnon t np nnllrni"'l


AO commercio


O abaixo assignado faz public que nesta data
comprou ao Sr. David Constantino a sua tavernma
sita A rua do Visconde de InhaAma n. 65, livre e
desembaracada de debito algum ; pede a quem se
vulgar corn algum direito a alguma reclamango, de
fazel-a ao abaixo assignado no prazo de tres dias,
findos os quaes realisara a compra e depois por
nada se responsabilisbilisarA. Recife, 2 dejunho
de 1684.
Manoel Joaquim Gomes Ferreira.

Ao comminercio
Manoel da Paixao Ramos, tend liquidado o seu
estabelecimento sito ao largo do Paraizo n. 31,
julga nada dever nesta praca nem f6ra della, e se
alguem se jnlgar seu credor, ae apresente corn
suas competentes contas no prazo de 8 dias, no
mesmo largo n. 8.


S1 4 %A m a
tempo, /pag'a-se bem ; Precisa-se de uma ama que compare cosiuhe,
: *para casa de pequena familiar : trata-se na rua
no escriptoro d'esteDuquedeCaxias (antiga das Cruzes) n. 39, pri-
,. meiro andar.
Diario se dira. Ausento-se desde o dia 26 de maio do cor
_____ rentee anno, de casa dos seus proteetores, na es-
As aees- Estao se acabando ficam por trada dos Afltetos, defronte da capella, o menino
motives justos transferidasparacorrer coalo pardon, de 15 annos de jdade, por nome Faustino,
teria Ique se occupava em vender bolos, muito conheei-
teia_44 da nesta cidade e seus arrabaldes : quern delle
IB- Preclsa-se de uma ama para cosinhar ; na fiver noticeia e o levar A dita easa, sera gratifi-
runa de Gervasio Pires n. 30. cado.

PH3LA1ACIA LEVYY
Antiga pharmacia de P. laurer
25 RUA DO 8310 DlA IYTOBRI
Elixir depurativo regenerador do


PMaoiop ielo iNamuncsnwlc
JOS lPRANCISCO DEV'ENCOURT
Cox
Salsa parrilha, velame, cainana e caroba
Os resultados admiraveis d'esse medicamento e a grande aceitago que tomrn suo-
i-do, fazama-no recoaimendado para as mais ltoiesyphliticas e impurezws do megnie




B0M P, EIT0!!
Quern visitar o estabelecimento de fazendas e roupas feitas, a rua 1.0 de Mar9o
n. 20 (casa filial do Louvre) encontrara alum de absolute lhanesa no trato, a mais
complete infinidade do artigos recommendaveis por sua boa qualidade e rasoabilidade
de preoos, como sejam:
Meias finissimas, para senhoras, a 5#000, a duzia que pechincha!!!
Ditas para home a 55000, aproveitem.
Brim part), liso, a 360 rs., o covado, e bem born 1!!
Oxford's tranlado, fazenda superior a 280 rs. o covado !!!
Fichus de l1 bordados a 4#000 urn, barato!!!
Colches para cama, de 75000 a 129000, convom
Grande pechincha de chales de casemnira, de 5#,500 a 6500 umrn!!!
Exposigo complete de brings deo cores a 1800, a 2#000 e 2#500 a vara.
Camisas de linho pars home a 48#0(00 a duzia 6 bern borm!!!
Casemiras alcocoadas a 2500 o covado, L pechincha!!!
Ditas do cores a 220WQ o covado, corn duas larguras!!!
Toalhas felpudas pamra rosto a 5000 a duzia!!!
SSobretudos do panno piloto de 256000 a 286000um I!!
Cobertas de gang, forradas, a 3000e 45000 urma !!!
Vaiiado sortimento de sets deo .sres, A 800 rs. o'D covado 1!!
Cobertores de 4, nisiros de .500 a 10000 um!!!
Costumes par banhos de maw par todas as idades, de 7#000 a 10000 urm!!!
tias orda4asparas enhorasm, a 3#000, 4 e 5 00, una!!
Gouardanapos de linho a 4000 e 000 4'zia, e muitos outros artigos, que con-

S rua i L..d Mar.oi n. 20
C Q' A :1 T:t' 1 4


-'--,,


~~I* f~


epoito em casa dos oprietaris

J. c. LEVY&C.


N. 25-Rua do Barao da Victoria-N. 25


C


JOSEPH KRAUSE IC.

JOSEPH, KRAUSE 8: Co


N

M




N
a
Uz


Acabam de augmentar o seu ja bern conhecido
important eslabeledmento a rua 1o
de marto n. 6 corn mais
um saHlo no 1o andar luxuosamente pepar.
rado e provide de uma exposi.


Aio de obras de prata do Porto


e electro-plate


dos mais afamados fabricantes do
mundo inteiro.,


Convida, pois,


as Exmas. families, sons nume-


rosos amigos e freguezes a visitarem
o soen estabelecimento, afim de
apreciarem a grandeza e born goslo corn que
ndo obstanle a grande
despeza, o adornaram, em honra
desta provincia.


ACHA-SE ABERTO A DS


fl
0







M


A'S 8 DA NOITE


aI4 0r irEV'


Vk


I I
4
4


SCAJTJRTJBEBA

O MAIS PRECONISADO DEPURATIVO DO
SANGUE DA ACTUALIDADE.


COMPOSICAO
DE
Firmino Candido de Figueiredo.

PROPAGADOR
Antonio Pereira da Ounha.


VENDE-SE


NA


DE
MA wIMO MI0A :ILVA


23 RUA DO MARQUEZ


DROGARIA


DE OLINDA 23


PERNAMBUCO
Em grosso e a retalho pelos pre(os do Deposito Central.


I -11" \-\_


* oenas Nervosas I
RADICALMENTE CURADAS COM 0

BRO.MURETO LAROZE
Sc,' Ca'as (s c4 La ranji am.rgas s
| comrn 4ETO de POTASSIO
P.OP'. .D.Z.'.. J,'NTV DE L-YGia.E DO VIBAZIL.
J DB' mnra.te de Po!?Asio -e c-xclusi-anen-e.receiadop: .'-mais
arose, como olodos os pioacros ;celc'bres medicos de todas as facil-i
itos n'este estabel-ciaiento., Jd Cades para combater corn certoza:
iuma pui-Le absolute. condicfio 'Hs- as afleccoies nervosas do coramic;
Spensavel para quese obteu!ba efie'i !o da vias 'di,-istivas e respiratorias
eativ ss e aodynos sobre o ys- as nevralgias, a eA.epsia, o ..Vte-
tema Uer oso.-0 rico, a Sanc" de S. Guy, a insonmi&
Dissoivido no Xawope Laroze de das c.rianqas durante a dentJi'ao, em
Csceis de laranjas amargas, ,sze bio- uma palavra, todas as aiieo@es
amuveto 6 universalmen 0 erupregado nervosas.
Io rmesiiio oeposito acha-se a venda os segufntes Productos de J.-P. LAROZE (
XAROPE LAHOZEia', ,as TONICO, ANTI-NERVOSO
Contra as Gstrites. Gastralgias, Dyspepsia, Dores e Caimbras de estomago.
XAROPE DEPUAATIVO- -i ao iODURETO DE POTASSIO
S C'tm a* aAM .as--rofuloacfs, oanoe-v os Tumoras A&idex d sang,
SAzciddtas syphilitacos sectiundarios e terolarles.
XARO,,,,PE L.RUQINSOm^ ^ PROTO-IODURETO(FERRO
mrt a aas, ChlJ-o AnemiaO C8re pallidas, Flores brana, Rachitisn tL
fophsito om tedu a boas Lgrasia de do zuu
Paris, J.-P. LAROZE e Cia Pharmaceiticos,


~2 RUE DES LION$-SA;NT-PAUL, 2.

ELIiR VINRO
Ju u Th 1JL *UY 1eJlUm


-w w w w


T


/ill

*ms




ji.-i%
*i^







,!1'





s%


- L JLI- _


!l


IN 11


II /


C) -- I


I


I


VIM[^














*I '


Joawuim Pires da Silva.




Aos 4:04W40#


A Primeiro de Ibar o n, 2
0 abaixo assignado tended vendido nos
sas afortunados bilhetes dous quartos n.
2,193 corn a sorte de 4:000#000, dous
neios n. 3,594 corn a sorte de 8006000,
dons quartos n. 178 corn a sorte de 1006,
Pous meiosn. 3,900 cornm a sorte de 100#,
e outras sortes de 326000, 16# e 8#, da
loteria(41.1), que se acabou de etrahir,
cnvida aos possuidores a virem rmceber
na conformidade do costume sem desconto
Acham-se A venda os seus afertaunaIoB
bilhetes garantidos da 21.a parte das loterias
a beneficio da Ordem Terceira do Carmo
Recife (42.'), que se extrahirA na terga-
feira 3 de junho.
PRECOS
Inteiro 46000
Meio 2#000
Quarto 16000
Em quantldade malor de o100
Inteiro 3#500
Meio 1#750
Quarto 6875
Manoel Martins Fivsa.


A- SA ?FEL IZ

AOS 4:0004000
BILnETE* GARANTIDON
Pra.a da Independen-
cia ns. 37 e 39
0 abaixo assignado tern exposto .
venda os seus felizes bilhetes garantidos da
42a loteria a beneficio da Ordem 3, do
Carmo, qu( se extrahirA terga-feira, 3 de
junho.
Preios
Bilhete inteiro 4#000
Meio 2#000
Quarto 14000
Em pompio de 100$000 para
elma
Bilhete inteiro 36500
Meio 16750
Quarto 6875
Antorio Augusta dos Santos Porto.

CASAI 1111 QUID

Aos 4:0009000

BIRIITE3,RANT1UO8
Rua do lBario da Victoria n. 40
e easas do costurie
O abaixo assignado acaba de vender
em sens felizes bilhetes um meio n.
3,832 com a sorte de 2006, dous quartos n.
178 corn a sorte de 1006000, um meio n.
3,804 corn a sorte de 1006000, alem
e diversos premios de 326000, 166000 e
8o000.
o mesmo abaixo assignado czonvida aos
possuidores a virem receber x a conformi-
dade do costume, sem desconto algum.
Acham-se A venda os felizes bilh'tes
garantidos da 21.' parte das loterias a be-
neficio da Ordem Terceira do Carmo do.
Recife (42.a), que se extrahira na ter~a-
feira, 3 de junho.
PIE oS


Inteiro
Meio
Quarto
Em porvio


4000
2#000
14000
de OOOOO psra
elma


Inteiro 36500
Meio 16750
Quarto #875
Joio Joaquim da C4sta Leite.


N elo piano
Jeaquim Francisco Vieira, professor de canto,
e sna esposa Germana Vieira, professor de piano,
teem a honra do annunciar ao respeitavel public
de Peruambubo, que se acham nesta cidade aptos
paia dar Hices de cantQ (escola italiana) e piano
pelo melhor method conhecido na Europa; quem
desjar utilisar-se de soeus prestimos, pode prccu-
ral-os no hotel de D.;Antonio, Caminho Novo. on.
deixar o some e mtorada no eaeriptorio do Sr.
commendado Lt aIiz ,oe d Stlva Guiiare, Bo
Recife, rna do Co ercio n. 5.
ArPA~ifiATnk'-n


Mathues Austin & C., na rua d&
n. 18, teem para vender madeirn
rezina :


3 12
4 X 9


lots


IU
dq pinho de



pr*9osJ


A Aw.l\^ddivasum ts amanhos.
2Rodi de eaji 'm, idem.
Ditas au lare idem, idem.
Varlialais de fro batido.
Ditas de dito fundido, de lindos models.
Portas de fornalha.
Bancos de ferre corn serra circular.
Gradeamento para jardim.
Vapores de fora doe 3, 4, 5, 6 e 8 cavallos.
Medals de 10 a 40 pollegadas de panadura.
Rodas d'agua, system Leandro.
Enearregam-se de quaiqer cotertos, asentamao maohinimos
Dr trbalhlo corn perfeiqgo ou preste2a.


-- *d' voses des, Bsobas
Wodaa as a ftts dosPfo
E 6 z2i9 PAr em. og
SSOW A 64" --tv- / b -&m i

SOGRES
.:!'o m~pWdo d
ELi.I DENTIFIIICIO
905
R.OPP. BENEDWOTIN
da ABBADIA 1 SUMIAC8 (Frait, 6rod)
bern AWWjmr Prior
Ouas Mdalhu ds Ouro, Exposigso de Bouxoensago
as mels alat a Recompensa. 0
-INVENTADO iPI.O PRIOU
JNo A9LNO0373-qpierre 5cu-"AUD)
I .to geral: EGUIN, .l rua H tIerlo, Bwo eanx
a'" J l tI .155 t,,uts "" du.4 iar,ki'&t &i .
-ro Iitstytl & ?fgocia nta. 0P
*^ v~^Ij E laA. e. ot~
|J A(rsgte-3>^'*^MMcM


SNk4ilk 4 Dr.th aie
fl PLoM HAtIIES R40MPEfM.f

iA UA DIVIWA

'AUO- MAS D, aAIOE
?fw9i3 =ira o to cadoT, como rnarat.
preservawdo da ste e do cIolera aodsy.
ARTIGOS RECOMMENDADOS
PEBRFIJARIA DE LAGTB1NA
IecMW~atemd rii M~krUds lilian.
OIAS CONCENTRADAS para o iew.
'OLOC5N par a belleza do. cablaU.
TWS ASTIl0S ACIIAM-SE NA FABIWO
PaIs 13 Im d'Eghiei$. 13 pAtM
s* "B todas Perura Ph&umiM
Cabelleros is Awlmric,
_ um- -


executam qual-


CHAPEUS
Altos, de castor eseda, baixos, de feltro de
todas as qualidades e para "engenhciro" for-
ma ingleza. Manufacturados corn perfeiiao
e elegancia,--precos resumidos garante-se
o aperfeivoamento no trabalho.
No deposit da Fabrica a Vapor, rua do Ba-
raio da Victoria n. 34, de Antonio Jose Maia
&C."


~ U
I


^^^y ^\ vf ^^
f^ y
^/ ^ ^3 o a
^o *^ ty'^ B^
^^ ^^ 63.^1 B ^ B


OINMA rODcA As
KOLESTIA~dV AS BfAA
UPBCIALKxi!T2
Ctarife cIronlco di iexliga,
Irritar&o do Canal da uresr,
miefskas da prostotg,
f9eont1iAsncle da Urina,
Area ne urtia, etc.
SWANN, Phanu;,ceutico-ChimicoI
FAMItI8. jrA uA6i;ONB, m PsBI$
- EXPOSIQCIO DE PARIS 1878
W "R& DX COHRCUO


~72~
~
4
L ~ A.
1 ,'


A1
- I
'-'.1


C AD


PAR A


iomm -, f-I V a5. ..'E US M %a,--
1Euz ir HOI. Allivio immediaCto r Cra cow a
O ?Il ftL WI I POMAI A RO YER
Z-1 PHAZIMSCRUTIC0
X- CS z S CaI oA20S A s ua Salnt-Jfertin, 605, PARISO.

B Diaron P'Naubuc: f&WsA a w .0VA A "M I
OPPRESSO | IT NEVRAGIAS .A
-r'osa 8**B CUbA
CATAEIBUO-DUFLUO hs PalmCIGOS ESPIC
Aspira-se a fumaca que penetra no pelito acalma o symptoma nervoso, faclilta
a expectoracao e fAvorisa as flincOes dos organs respiratorios.,
Venda em ataeade em easa de J. ESPIC, 419, rua StL-Larem em Paris
Deositarios em Pemambineo: FRANC- M. da SJLVA & Cw*


<,1




.,, :,,


4 A C





AVISO


^ ~'" -- .Para que o public reconheca que os queijos carimbados corn a marca acima, im-
Ub oam- e todos os Perfumistas e Qabelleireiros port seria e bern fundada garantia do recebedor, transcreve aqui a 3.*a parte de suas
da Franga e do Extrangoiro instrucges sob as quaes slo fabricados os mesmos queijos no SERIDO', cuja inspec-
Sio 6 alli feita por seus agents, a quern compete carimbar s6mente os que recebem
A^ ndos fabricantes corn as suas devidas numera9oes em baixo relevo, como se verificarA
tO 4lTS -nos mesmos queijos, na part inferior a marca supra.
iSOS IWtd4 1mecM INSTRUCOES
PRWRAW 0o0 MJ MSltJTo 3. parte. Os fabricantes marcarao os queijos no acto de pol-os nas formas corn
Por C "I. A '-.,* FA Perumista as numera9es quo ilhes forem fornecidas pelos mesmos agents, deixando por6m de os
S.AIiS, I N iaw la Pai. 9, 3.A S marccar quando o queijo nAo sahir nas condiges exigidas, pelo qual perceberA o fabri-
--- caste o mesmo prego como so estivesse marcado.
'V IN H O CIL ERT U |Do q e lica acima dito comprehenderAo bemrn os apreciadores do leite do SERIDO
f I IMa ID T 5 EUil~ iS que s6 desta marca se poderA fazer um present de leite puro. As encommendas
V l"N H *ILBERn Ipara caixas de 4, 6 e 12 queijos deverAtoser feitas corn antecedencia no armazem do
FEBRIFUGO FORTIFICANTE approvado peol AotM&la ed Mewdlina r Patt rocebedor A rua da Madre de Deus n. 5,a vontade dos compradores, nas principles
S. .............casas de molhados a retalho desta cidade.
Sosonta a2o0 G p d Recebe dos portos do norte por todos ospaquetes nacionaes.
e de bom exito temr demonstrado a efeacia neon-tT' tav3 dest, r e B H O0 quer come ,tt i
veriodi.o para cortar as rebres e evitar o seu reapparecimento, qu6r como fortifleante nas
C Cavaleseengea, DeblUda e do Sange, alta de o enstruageo, Zna4ppem Iteo4 gMwel-
ts dlflelo, infermuddesnervosa, VebiUdade causada pela edade ou por excesses. o (. _
Este Vits., que contdm ,Mahs pp.ncipios activos do Q"8ft o prepios W ndsHM ppUdemw ft jieco'Cw^i
pouco ma&8 eloado.--Nao so dve ojector contra o prego em iet dta ieonftci afa o b mediesfntiB
R barmacia a3-o 14B3<3 XTWm9, 371% rfta Sfclt-Nonor6, ]PARIS Jj T I^
flepositarios em. IP'ernambi.Aoo : VXA-r ||i. dit SI5=.VA. 0%
--w w~wNOW


im Immo -jk P 9," W A

0 wrizaAnia
AGUA VEGEAL COM OS PRFTUMES A3AXO -
"^---^^ QUALIOADE. SUPlERtOR
.i ? P impar CABELLOS econservar i Satde ia CBEA
sma lnio d o extrxacto das substance s detersivas e fordficamis d
gsdo ovot. Pelo s eu uso, conserva- o aceio e a sadde do com
Scabiudo; ipede-u o Cabd&o .. cwa.r. Os ses perfumes s.o n S
"*-r deixam, depois de se ter svid delia, um cheir agraodavel.
I B^^B PZXPXIB .-_.io _, r_
NEW I-VWI HAY OmZA D0O PAIPASI YLANO YLANO
DOOXEIY-OLUB I JASMIN D'ESPACNE I flOtIEKM"* OOUpl
.j BaagaaM'K~-ROi JRteVOL J IWOLETTE DESBir So
I&O's"Oft .,rRvoL V l "RO~ ne -IMK
.igaa VMVKrYlV B INDES I ESS. BOUQUET 1 OPOPO"AX
L LEGRAND, ns1f ornsc..re& rras Cflh M4afgl
PAMI 207, ua Sant-HOJOlf;, k7 PAWN
,osrro T NAS mmDPABS PARUMABAS E CAS D RI CABELLSH:U "
QZSC qNFIAR P ? AS FAL8IFItCAQgES -W -W -W NVF p
Idn 01
DUSMIUSVTIVS- ftDTINA
V aradfic 1.de 1 2Clas, Fornmedof Ao Hospitaes de Pat-N
[ APafotmatlna empreada nos hospitals deoParis, 6 o mais poderoi '
digmti6 quoe se conhech, visto comoetern a aoppridade do digerir ]
ba i "s ilrt)41vets p o rione e a carne e 0s05 o po gor~f tr'ip o" *1'
tahmbem o plo, o amid e As feculas.
Qualquer que seja a caa dintoleranciados .almeitos, alterao,' oil o
uisencia de succo aBstrioag inflammap'oinf o Weemb. do &etomago. niB


GRANDE OFFICINA DE ALFAIATE


ARiUJDA


BE


LUSTOSA


&


CO


41i..lu do barie da Victoria. 41
N'este acreditdq estabelecimento sse enontrar sempre urn sortimento ; re-
Pleto depaoinno slcasemirAa do todas as cores, propriaspara costumes e calcascom-
,ebemos' directamente -. oa a fazendas por todos os vapores da Europa. Brim
branco e de ecres, e todas ms fazendas tendentes a urmna casa m esse genero denegoo.
ApromptaU-e costumes para luto em 12 horas.
hDapoe deo unr pessoal habilitado e corn os meihores elements para servir
seus amigos, e aR qualquer pessoa que quizer honrar seu stablecimento corn suas
,ncomomeDdag. d
*-.a do Bahio da Victoria-41


zi p :1 Piartic a *N ^omiercia ucemr-
%ft o A rtaVidal de ermos n.
lo, rA j an&bir~ lon
Sits 'desemsjg
iS~~yS|ftbs.**o. cfaem lsajlgu&ll,


CaSAIKO SUA


l ^PARA 0 CABMaO,
TORIANDOD
M IACO, REXIVEL E LUSTROSO.
Pre03rado solo Dr.J C AYERaOA. WinelLasIsln
DEPOSIT GERAL
138--Rua PrIumelroede Earo-A-iD
Rio de Janeiro
Unico agent em Pernambuco
ADAM[SON H]OWIE =t C,
N.---3 Rua do Commercio---N.---3
A venda em todos as boticas e drogarias.

Sitio para alugar-se
Aluga-se um grande sitio corn camb6a,
casa de morada, quartos para criados, (
cheira, agua encanada, muitas fructeiras,
baixa para capim, na Torre : i tratar na
rua Primeiro de Margo n. 17, 10 andar.





B.A



N ESrT 0
Este remedio precioso tern gozado da acceita-
io public durante cincoenta e sete annos, com-
eiando-se a sua manufacture e venda em 1827.
Sua popularidade e venda nunca forao tdo exten-
sas como ao present; e isto, por si mesmo,
offerece a melhor prova da sua efficacia maravil-
hosa.
Nao he!itamrnos a dizer que ndo tern deixado
em caso algum de extirpar os vermes, quer em
crcancas quer em adults. que se acharAo afflic-
tos dcsaes inimigos da vida humana.
Nao deixamos de receber constantemente
attesta96es do medicos em favor da sua efficacia
admiravel. A causa do success obtido por este
remedio, tern apparecido varias falsificaqcies, de
sorte quo deve o comprador ter muito cuidlo,
examinondo o nome inteiro, que devi a ser

VTnlffle d B.A. FAHNESTOCK
Precisa-se de urn home para feitor de en.
genho, prefere-se portuguez ; no becco da Penha;
segundo andar n. 8.

ELECTRO-PLATE


Vende-se, por pregos reduzidos, linos
artigos prateados. quer para mesa, quer
para ornamentos de salas, toilettes, haven-
do igualmente um variado sortimento de
artigos proprios para presents, artistica-
mente acabados.
42 RUA DO MARQUEZ DEOLINDA 42
0lo andar
G==


N conhecido do mundo inteiro
w como o melhor 6 mais perfeito 0
Sde todos os sabaos de toilette.
Especialidade.
SEstractos 6 essencias triples
Sde cheiros. Agua de Colonia. M
*4Vinaaresde lcitl. Pos d ar- *
Sroz. ommadas. Azeites C to-
Sdasclasesdeperfumariasfinas. "9
Superiors qualidades.
[ Deposfito3 nas princinaes Per-
Sfumarias, Pharmacias e Cabel-
Sleireiros do Brazil. o (r
eadal atde Pror)r_:zt a iennaa18M

CRIADO
Corn esta epigraphe tern sahido por mezes neste
Diario um annuncio de precisar-se de um criado
na rua do Born Jesus n. 57, segundo andar, Se 6
um equivoco rectifique se, nao ha tal preeisao ; e
se 6 proposital, propositalmentc rende-se eterno
desI raso ao autor de tal anuuncio.
Caixeiro
Precisa-se de um peMueno portuguez de 14 1 16
aunnous de idade e que dM conhevimento de sl
cendueta, para segundo caixeiro; a tratar na
padaria da prama do Conde d'Eun.14.


Precisa-se 'de '
stitio oande ..ct a <


us -
sos At~ictos~


I,


JIV\


D !7OF


I0


















Dva&4AW eOOO.
20 max" a.*50
rnefaxenda muito
71 atW
= r9pahboadelar-
q6esdw um m 6Pon.


quer prte.,


1 i.i i s^^^ ^ '
*Leitede Alvelloz
Conservado e garantide polo. pharma-
ceutico
Antonio Veras
SCada vidro corn as instrucoes 360001
Os effeitos obtidos pelo leite de alvel-
loz do nosso estabelecimento, sao a me- )
Ilhor garantia pars que;n desejar ter es
te remedies puro.
S/harrmaeia Pernamnbucana
S Rua do Cabugd n. 11


Luz brilhantle sem fumo
Oleo -aromatieo
YlGIENAO E ECONOICO
Para maism


4


Martins & Bastes
Pernambuco
Numero telephonlco n. 33
IA GIIAMATICA NACIONAL
DE
J. A. DE CASTRO NUNES
Annotada pelo professor
JO]S MARTINIANO DE SOUZA
Acha-se a venda
Na Livraria Industrial, A rua do
Sarlo da Victoria n. 7 e nas demais Ii-
vrarias da cidade, a 1#000o exemplar

Leile de aveloz
Para eura de caneros de today a
eapeiee
Perfeitamente couservado liquids gramo e con-
4 ,sado, approvadao pela Exma. junta de hygiene
p1blica do Rio de Janeiro.
Privilegiado pelo governo imperial, pela effica-
cida sa a s pplicsao.
Os frascos trarm o retrato do bacharel Joan
1Baptista Gitirana Costs corn a sua assignatura do
#,oprio punho e slo rubicados corn tinta encar-
da pelo cirurgilo dentist Numa Pompilio.
Unico doposito em Pernambnco, rua do Baro
4a Victoria n. 54,1- andar.
Preo de cads frasco para cancros 65000
Pra ulceraq5oes e grannulaoes do cllor do
ero e cancros syphiliticos, formula es-
ci[' 55000
Aproveitem
Grande por*io de portas, vidracas de amarello,
usadas, que se vendem na nova fabric de cerveja
Srua da Florentina n. 15. Tambem se vendem
Grades de amarello, novas, e nasus por tas.
Menino
Precisa-se de um menino de 10 A 12 annos para
vender na rua, e que tenha boa conduct : na
rua Imperial n. 134. Paga-se bem.
Amas de leite e para
cosinhar
Precisa-se na praca do Corpo Santo n. 19, se-
gundo andar. Pga-se bern.
.Cosinheira
Precisa-se de urmsa cosmheira : na rna do Ria-
chuello n. 57, portAo dc ferro.


MGUEL WOLFF &C.
Offerecem ao respei-
-tavel puali -ugran-
de e rariado sortl.nen-
to de .elogiosdos uais
acre 08fabricau-


apprehos eonmpletos ,assen-
s Massauassu', e Bosque, e
no engenho Coneeiao.


n Yede-el uim eaua na rug Impeial U. 79,
,uito boae, emtemna Tpri(o e0 amu ouatjumto:
tmttar n Camino va n. 128;.' a mi ms
es vende-e jarros corn flores artificiaes mmuito
bounitase fazem- de encommendas.
'- Vende-se uma case marua Imperial; a tre-
tar no Cirinho. Novo 128. Na mesa casa see
vende e faz-se jarro corn fiores lindas artificiaes,
proprie para e eueero do santo mes mariano.
Trastes


NAS a vapor trabalhando so con us-Uwon edo.1cp-, o-s


o fogo do assentamento, podem ser exammina-
das as que foram assentes nos engenhos Be-
lem, em. Timnboassu', Cucaui, em Gamelleira,
Diamante em Goyanna, Paio Amarello, Ca-
mara e Lages em Itambe, Vidrawao em 'Pao
d'Alho, e outros no Rio Grande do Norte e


Parahyba.
Chamam a attenvAo dos


Srs. agricultores


para os novos vapores que tem recebido do
acreditado fabricante Robey. quese recom-
mendam pela facilidade de conduceao, assen-
tamento e economic de combustivel, deixando
de mencionar os engenhos em que os tern col-
loeado, porja terem vendido 85 para diversos


lugares, e por issoja devem ser
cidos.


bem conhe-


Sao os nnicos recebedores de trilhos porta-
teis de Fowler que se tornam recommenda-
veis pela faeilidade da collocae"ao e por sua
duraeao.
Quanto a moendas, rodas d'agua, taxas ba-
tidas e fundidas, e todas as mais ferragens pre-
cisas a agriculture, tem sempre grande depo-


sito, sendo tudo da melhor qualidade.
Vendem a prazo ou a dinheiro com
conto.


des-


FUNDICAO DO BOWMAN

RUA DO BRUM N. 52

PASSAIDO 0 CHAFARIZ
Offerece vantagens para as encommendas
de apparelhos aperfeivoados de fazer assu-
car, pelas suas relafoes direetas, e pelo bom
exito dos apparelhos que temn montado nos
engenhos Inussu', Sao Salvador,- Maciape e
Mussu', onde, corn um dispendio tamto menor
que nem se compare com alguns dos que por
ahi se tem feito, tem-se obtido resultados iguaes
senao superiores, em vulto de produa&o, qua-
lidade, e preVo de venda.
Chama a attenvao aos melhoramentos para
eeonomia de combustivel que temn introduzido
nos engenhos Pereirinha, Arara e Or* desta
provincia, e Boa Vista de Marangape,aonde
corn o fogo do assentamento se prndz o va-
por necessario para a moagem.
hm moedas, rodas dagua, vapores e todo
a ,so e frragens precisos para e -
Rhos tern a* veada- flafte sNptimeato da- me=


Nova machine de cos-
tura
D0enomnada Aurora
Esta em expoaio A i do Barao da Victoria
n. 30, loja de Antonio Pedro de Souza Soares &
C., a nova machia ; cose co-i dous carreteis de
linha, podtndo ser de 500 jardas cada urn, e
forma s dous pospontos comno se fosse de langa-
deira, 6 de grande vantage. No memo estabe-
lecimento tern oenstantemente urn grande sorti.
mento das melhores machines de costura de todos
os principaes fabricantes, a vendem em poroo e a
retalho sempre por preos8 muito razoaveis ; as
rma do Barko da Victoria n. 30.

AVISO
Adamson Howie & C. tern para vender:
Vinho do Porto fino, em caixas e barrios.
Whiskey Donville verdadeiro.
Tints de impressio, boa qualidade.
Brins de Marshall verdadoiros, de todos as nume-
ros.
Remedies de Ayer.
3-RUA DO COMMERCIO-3
Cambraias transparen-
tes a 34
E' pechinc ha
Na loja da rua da Imperatriz n. 40, A esquina
do beeco doe Ferreiros. vende-se peas de eam-
braia branca transparent, sendo azuladinhas,
pars vestidos a 34 a peca ;; sao muito baratas.

Vendemse
a taverna rua do rabugi n. 5 A : quem preten-
del-a dinja-se a mesma, a tratar corn Silva Ribei.
ro Filho & C.
Sitio em Olinda
Vende-se o sitio denominado Sebastilo Lopes.
corn urma pequena casa de taipa, coberta de telha,
corn muito boa varzea para qualquer plaatacio,
corn diversas arvores de fructo, inclusive mais de
80 coqueirom que dlo fmcto ; a tratar na mesma
Olinda A ruas do Bispo Coutinho n. 4.

Liquidacao a dinheiro
DE
Fazeuas flhas e grossas
Ar 0Ios 1 O n11o0 aerflaI s e0
o .8tros octo fOSM OS fsa

*-Rua do Barao da Victoria 2
0 proprietario deste
important estabebe-
leeimento de fazendas,


tend de


se retirar


brevemente para f6ra
da provincial, resolve
vender por todo o
preco, para aeabar!
os artigos acima espe-
cifeados e outros de fi-
nissimo gosto eultimas
modas!
Nota-se que esta
grandeloja de fazen-
das finas, foi aberta a
concurrencia public,
no eoC, ro do corrente
auio e portanto nio
ter malcaides!

FarinhaLactea
Nos primeiros mezes a alimentao nmais
natural e aproprisdapars alimentary a criauw
9ad peito eo popio te materno 0 m
em d i de dve ser bti


awl
6<5000


900


e.em outra


Na loja da rua da Imperatriz n. 40, vende-se
brim pardo liso, proprio para paletots, calgas e
roupas de crianga a 360 rs. o covado, isto por ter
um love toque de mofo, que larga logo que se
molhe; 6 grande pechincha ; na loja dos bara-
teiros da Boa-Vista. esquina ao becco dos Fer-
reiros.

fmAAN DO CaBHLLO

USE E VERA
Chegou nova re-
messa para a Livraria
Franceza, a rua 1. de
Mar9o, n
UMCO DE POSITO
Preco 800 rfis.
Agnardentede canna
Vfndo-se a melhor aguardente de canna que ha
no merado, em ancora s dde dez canadas ; garan-
e-se a superior quailidade : na rua estreita do
Rosariou.8.

Yesdoso Tavern uiqe
Vende-se uma taverna propria pars qualquer
prineinte, be afreguezan da, e o motivo da ven-
da 6 o don no hrAn.ar.. in & i&da A rtasl n. n


tes nos
rneio aj


Dito trancado corn a mesma largurs,
.:p' pri parn lenoues e toalhas do
mmametrna 1*200
Bramai te d algodao aem 10 palmos de
largura, proprio pars fzer leng6es de
um 6 paxmnno, 'metro 1*289
Dito franeez, seodo de linho, metro a
1*8000~ 2*000
Dito inglez de quatro larguras, seudo
de linho, metro a 2500 e 20800
ureguellas proprias pars lencoes, toa-
lhas, eeroulas, send fezenda muito
encorpada, cada peea eom 20 varas
yor 106800 e em vara a 500
Ditas corn a mesa media a 800 rs., ou
vara a 400
Atoalhade adamascado para toalhas de
mesa, tendo 8 palmos de largura, me-
tro a 1;800
Assim como um complete sortimento de
pe" s de algedozinho americano e
inglez, auoe se vende por pega de 36 atW 66000
Isto ua loja da esquina do becco dos Ferreiros.
Casemiras de cores
De *:000 at 6:000 nr,
EBroMpa Dor iela
Alheiro & Silva A rua da Imperatriz n. 40, tern
um immenso sortimento de casemira de cores,
tanto claras como escuras, que vendem a 26000,
26500, at6 66 o covado, e das mesmas mandam
fazer qualqu-r peca d'obra ou costumes, por pre-
cos muitc ra, oaveis, assim como tern tambem um
explendido sortimento de casemiras e pannos pro-
tos atd ao mais fino sedan que vemn ao mercado, e
dos mesmos tambem se encarregam de mandnr
fazer qualquer pega de roupa A vontale do fre-
guez e corn toda a perfeicAo e presteza : isto na
loja dos barateiros da Boa-Vista, na esquina de
becco does Ferreiros.
Merinos pretos
a -1600, 1400, 26000 e 11200
Os Barateiros da Boa-Vista, A rua da Imperatriz
n. 40 tern um grande sortimento de merin6s pretos
para vestidos que vendem de 16200 atW 26200:
sendo muito boa fazenda, assim como ditos eneor
pados pars roupas de homes e meninos que ven-
dem muito barato, na loja da esquina do becco doe
Ferreiros.
L s a160 rois
Os Barateiros da Boa-Vista vendem muito bo-
nitos linhos de uma s6 c6r e de listrinhas para
vestidos, sendo a160 r6is o covado e de cores fixas,
isto na ru ma da Imperatriz n. 40, esquina do beceo
dos Ferreiros.
Brim pardo
Covado a 360 ra.
Na loja da rua da Imperatriz n. 40, vende-se
brim pardo liso, proprio para paletots, caleas e
roupps de criancas a 360 rs. o covado, isto por
ter um leve toque de mofo, que larga logo que se
molhe, 6 grande pechincha : na loja dos baratei-
ros da Boa-Vista, esquina do becco dos Ferreiros

Fazendas
Para vestidos
Setinet" lisas e lavradas, sendo eom as
cores e lavrores o mais honito que tern
vindo aso mercado a 500 rs. e 640
Ditas muito bonitas, corn barras largas e
estreitas, covado 640
Gorgoroos bonitos de la, lavrados, pars
vestidos, tendo de todas as cores, co-
vado 640
Merin6s de uma s6 oor, tendo de todas as
cores, fazenda de gosto, covado 500
Fustoes brancos, proprios pars vestidos e
roupas de crixncas, de 440 rs.. 500 e 640
Cretones corn barra e muito encorpados,
proprios para vestidos, camisas e roupas
de criancas, covado a 360 rs., 400 e 500
Chitas, grande sertimento de ehitas claras
e escuras, de cores fixas, de 200, 240 ate 400
Mariposas, as mais lindas mariposas que
tom vindo so mercado, corn desenhos miu-
dinhos, co 7ado 360
Baptistes corn delicados desenhos miudi-
nhos e graudos, assim como lisos 200
Cambraias brancas tapadas e transparentes
corn 8 jardas a peea 36000
Ditas mmito finas, tanto tapadas como
transparentes, tondo lOjardas cada peca
a 46, 46500, 56 e ft6 76000
De today' estas fazendas se dao amostras corn
penhor, na loja dos barateiros da Boa-Vista, es
quina do becco dos Ferreiros.
Brim pardo
Covado a 360 rs.


Idm p p ot iagona (2 larnras), a 2%400 0
d(;rtemdern aesa a doeovao,1;800 !1
do.200.
Idem de doe e preitas para in*
vem.o a?
Lisdo- sotim to m las d& oes a 2,00, 8206
400 ri.
MerI86 preto a rluto, C larguras), a 1200
16500 o covado
Bramante trau ado de umn largura, alvo e mai.
to bom, a500 re ometro!
Idem de duas argurae, & 900 rs. o dito!
Brim branch n. 6 fino, a 1500 E' nova re.
mesa.
Idem pardo baa, o mais largo que tern vindo
-a 500 rs. o covao !
Pea de algodaosinho corn pequeno defeito a
3*40o 20jarda! i
Idem de mad pol o superior a 5*000 24 jar-
das !
Camisas brancas francezas, coelarinho deitado.
360000 a duzia! A' ellas.
Ceroulas de bramante, superiores, bordadas, a
160000 a dita!
Lenqos de linho imbanhados, a 25500 a dita !
Meias inglezas corn bocal de c6r a 3;500 a
dita!
Toalhas felpudas finas a 5*000 e 66000 a dita!
Ricos cortinados bordados para camas e janel-
las, a 6500 o par!
Punhos de linho superiores, a 1$000 o dito!
Cobertas de gang para cama de casal, a 3600
urmsa !
Lenoes de bramante, idem, idem, a 26000!
Lindissimas coixas de crochets para noivas, a
8,4 00!
Idem de fustao brancas para 46000. E' ba-
rato !
Baptistes de c05res fixas e finas a 300 rs. o me-
tro'!
Cretones superiores a 360 rs. o dito! Temos
claras e escuras.
Setinetas francezas para acabar, a 500 rs. o
dito.
Lindas capas brancas de pelucia muito grande
a 76000! Mandem ver antes que se acabe.
Chales de casemira grades corn defeito a
34000.
Ricas saias bordadas a 3;000 Slo de 66000.
Superiores sobre-tudos a 18$000, assim como
temos grande deposit de ditos pars trabalhado-
res de campo a 4A500 cads urn, algod6es nacio-
uaes brancos e listados, o quc pedimos a attenca
dos Srs, fazendeiros
A'S VENDAS EM POR9AO, DAMOS
DESCONTOS
Carneiro da Cunha
&C.
59--Rua Duque de Caxias.--9

CRAVOS E FLORES
Na rua da Uniao n.

3, ha sempre para se

vender cravos e flores

NOVO SORTIMENTO
DE
Roupas para homes
POR
Pre os baratissimos
Rua da Imperatriz a. 40
LOJA DOS BARATEIROS
Boa-Vista, yendem:
Paletots de casemiras de quadrinhos, fa-
zenda que so lava 66000
Dites de panno preto fino, fazenda maito
boa 76000
Ditos de casemira de quadrinhos e listri-
's, forrados 86000
Ditda de casemira escura, de cordao, for-
rados 86000
Ditos de flanella azul, forrados, sendo fa-
zeala que nko desbota 106000
Ditos de casemiras de cores claras e es-
curas 106000
Ditos dc panno preto fino, forrado 106000
Ditos d casemira preta de cordl106 e 126000
Calcas de casemira corn differentes pa-
drkes, de 56500, 66500, 86 e 106000
Ditas de casemira preta sedan a 86 e 106000
Ditas de casemira dc cordao 66500


Ditas de casemira preta 6,000
Seronlas de creguella, obra muito bem
feita a 16200 e 16600
Ditas de Hamburgo de linho a 16800 e 26000
Colletinhos para dentro, sendo de cre-
guella e muito bern feitos a 800 e 16000
Camisas, grande sortirento de camisas
braneas, tanto h-ancezas como inglezas,
tanto de linho como de algodo, sendo
de 26, 26500, 34, ate 66000
Ditas de cretone de cor de 26, 26500 e 36000
Meias, grande sortimento de meias cruas
para homes, de 320 rs. o par, ate 500
Collarinhos, grande sortimento de coila-
rinhos, tendo de 56 a duzia ate 86000
Toalhas, grande sertimento de toalbas,
tanto para rosto como para banho, que
se vendem por precos muito razoaveis.
Tudo isto e eom gcrandc reduce de prevos : na
loja da esquina do becco dos Ferreiros.

Fust6esa360 440,500
e 640 rs.
Os barateiros da Boa-Vista A rua da Impera
triz n. 40, vendem um grande sortimento de fus
toes brancos, proprios para vestidos e roupas de
criancas, pelos preges acima indicados : isto na
esquina do becco dos Perreiros.
Setinetas A 500 e 640
Na loja da rua da Imperatriz n. 40, 1 esquina
do beceo dos Ferreiros, vende se um elegant sor-
timento de setinetam, tanto lisas como lavradas,
sendo as cores mais bonitas que tern vindo a
mercado a 50) e 640) rs. o covado; assim como
um bouito sortimento de lainhas lisai e lavradas,
proprias para vestidos, de 5 4, at6 W0 rs., 6 pe-
chincha : na loja dos baratirmo d& Boa-Vista.
Espartilhos
a 46 e 5640"
Na loja da ruis da Imperatris zn. 40 vende-ae
mto bons epartilhos pa sehoras a 5000,
ditos pa menina a 0 aaimomo um b.
nito mortimento de fichs a 3S000; iato ma loja d4
esquimna do bor dos Ferreiros.


'I


























as o
as do


waeiras, na pQovino.a
rLIIOZ'O, PlO dojj n
Jardiin e Dinoeiro, 81 f1oinas


A vil. do Velrtejtes, p64e da comarca, 6 uma po-
vosTaomodern quedata de 1860. EstA situada ao p6
da serra Taquaretinga, em terreno elevado edesigiiual; cerca
de 160 eaass, igreja de S. Jos6, cemiteri, escolas pu.
blicas, etc. A villi consta de auma s6 rua, larga e ex-
tensa, no ceitro da qual pass a estrada geral quo segdie
para o interior da provincia, e dA communicalo cornm as
do CearA e Parahyba. Born clima e salibridade, agua
potavel sofirivel, mas difficil; feira semanal, pequeno
commercial, nenhuma industrial a excepgco da pastoril.
Freguezia de Santo Amaro de Taquarentiga.
Tern por s6de a povoaglo de Taquaretinga, situada
na chapada da serra do mesmo nomem, um terrenopedrego-
zo e desigual, em distancia de mais de 5 kilometros da
Villa de Vertentes, de possimos caminhos, de 76 da
estagao do Limooiro, e do 156 da capital. Boa igreja
matriz, de solida construcgLo, cemiterio, escolas publicas,
etc. Clima saluberrimo, agua potavel muito boa e abun-
dante; cultural da canna, caf6, mandioca, algodlo e cria-
glo de gado; 19 engenhos de rapadura, etc.
Povoagoes:
GravatA de Jaburu, a 15 kilometros de Vertentes,
em terreno elevado, boa igreja, casa de caridade, hospi-
tal, etc.; Torres, A margem do Capibaribe, em terreno
pedregoso; Tapada, couro d'Anta e Santa Maria, povoa-
goes mais on menos importantes.
A comarca de Taquaretinga, e de pouca importancia
pelo seu commercial, industrial e riqueza ; no entretanto
ispoe de elements de prosperidade, e de terreno fertil
em geral. No sertAto e catingas produz born "o algodao,
milho e feijAto, e na zona arenoza, optima mandioca, e al-
gamas plants do fructo, come cajfu, pinha, c6cos, etc.
Nas serras per6m, principalmente na de Taquaretinga, da
vantajosa producca-o o cafk e a -canna, havendo jA para
a industrial desta, 22 engenhocas, algumas movidas a va-
por, quo fabricam aguardente e rapaduras em grande
quantidade. A cultnra do algodao 6 o genero predomi-
nante do trabalho da comarca, e o prepare da l1 6 feito
peor 23 bolandeiras e um vapor; fasendas de caf6 cul-
tura de outros generous do consume na localidade; fazen-
das de criaglo de gado. 0 clim 6 ordinariamente frio
sobre |as serras; nos sertces e catingas e variavel, era
quonte, ora frio, segundo as estanoes.
A villa de Vertentes, s6de da comarca, flea, a 156
kilometros da capital, e a 66 da estac"to da linha ferrea
do Limoeiro, por caminhos regulates.
Panellas


Comarca geral do a entrancia, creada pela lei pro-
vincial n. 1093 de 24 de mndo de 1S73. Consta de dous
municipios, Panellas e Quipapa, e das freguezias do Se-
nhor Born Jesus de Panellas, corn 8401 habitantes, e Nos-
sa Senhora da Conceitao de Quipapa, corn 15,895. Li-
mita-se ao norte corn a comarca de Caruarfi, ao sul corn
a provincia de Alagoas, a leste corn as comarcas do Boni-
to o Palmares, e a oeste co:n a de Caruarf.
A villa do Panellas, sode da comarea, esta. situada
em umrn valle farmado pelas serras Bouqueirio, Santa Cruz,
e Saccada, que formal urma cspeciam de trempe, de cuja
circumstancia vem o nome de Panellas; proximo a villa,
ficam as nascentes do riacho Capoeiras, que vae desagaar
no rio Una, pounce a baixo da cidade de Palmares. Born
clima, agua potavel abundante, edifiaclo regular, pouco
commercio, nenhuma indastria; igreja matriz, escolas pu-
blicas, agencia do correio etc.; 46 engenhocas de rapadu-
ra, pequena criacaio de gado, cultara de algodao etc.
Municipio e freguezia de QuipapA. Tern per s6de
a villa do mesmo none, situada ao sul da villa de Panellas,
em uma larga chapada no alto de umrn morro que dA para
os valles dos rios Pirangy e Quipapa, e na confluencia
dos mesmos; tern aproximadamente uma area de 120m.
quadrados, e apresenta urna perspective bolla e agradavel:
edificagaio soffr'ivel, igreja matriz, cemiterio coin capella,
escolas publicas, agencia do correio etc.
A zona do municipio 6 quasi toda accidentada, e cor-
tada em todas as direc9os por grandes ribeiros e corre-
gos, e as encostas e os valles de suias serras, saio de mui-
ta fertilidade em todos os ramos de' cultural; o algodiato e
a canna sao os principals generous do cultural, send esta
empregada no fabric de rapaduras, cm mais de 190 en-
genhocas em todo o municipio; cultiva-se tambem a man-
dioca, milho, feijilo, e outros generous, e se acha jA bern
adiantada a cultural do caf6 e do trigo ; gragas a fertilida-
de da zona que occupa o municipio, tudo ali produz ad-
miravelmente; a canna de assucar chegi- a produzir de-
desoito annos sem soffrer replante, e o algodao attinge
a seis, de constant produc9gio.
A cultural do fuimo, 6 tambem muito desenvolvida,
principalmente nos lugares apropriados ao sen plantio, nos
agrestes e sens encostos, e minesmo nas mnattas, notando-se
pela sun excellent qualidade c bern preparado, os de
-loquem, Luz, Queimnadas e Jorema, que sato veadidos no
Recife, come de Garanhuns.
A villa de QuipapA fica a 20i kilomrnetros da capital
e a 30 da esta9cAo de Mayaral do prolngamento da estrada
de ferro de S. Francisco, o qual byevemente chegarA a
QuipapA.
Povoaoes : S. Benedicto, a 18 kilometros a leste de
QuipapA situado a margem esquerda do rio Pirangy; 5
engenhos, 8 engenhbcas, fazondas do algodao, boas estra-
das tanto para o centre, como par,i provincia do Ala-
goas, co mmercio animado, capella de S.B3nedicto, cemiterio,
escolas publicas, estaqao da via ferroea etc.
PAo Ferro, a oeste (de Qaipapa, A margam diroita do
rio Pirangy; fazendas de algoddio etc., e regada per di-
versos ribeiros, e prosta-so perfeitamente a cultural do
caf6, canna e outros generous de cultural.
Quimadas, a 30 kilometros de QuipapA; e Jurenma, a
oeste da villa de Panellas, na encosta de umna serra, e As
nascen9as de urnm riacho que vao desaguar .no rio Pirangy,
pouco acima da villa de Quipapa.
A villa de Panellas, s6de da comarca, flea a 194 ki-
lometros da capital, e a 97 d I estalo de oCatendo do pro
longamento da estrada do ferro do S. Francisco, por ca-
minho regular.
Ciasbres

Comarca geral do 1" entrancia, creada pela ei pro-
vimnial n. 1,057 de 7 do junho de 1872. Consta do dons
manicipios, Cimbres o Alagoa do Baixo, e das frgaezias
de, Nosa Senhora das Montanhas de Cimbres, co-m6,112
hliabitntes. de Santa, Agueda do eqneia, coin 12,693,
do ehe o a:: ido aixilcta
8 do i N oes $mnbro do :la-lConcetiqt d Aajoiul


ra,
mo


cal.


404, commfti;ciae, of-' j
ie,;
eo Orig gado 0
3r assucarT e einge-
e do outros generous


Povoaes:
Olho d'Agua dos Bredos, a 37 kilometros a oeste;
Pao Ferro a 10 ao norte, a margem do Ipojuca,
A villa de Cimbres flea a 339 kilometros da capital,
e a 22 de Pesqueira, por maos caminhos, atrav6z da zona
do OrarobA, iingreme o podregosa.
S Municipio e frguezia de Alagga de Baixo. Ternm por
s6de a villa d'esse mosmo nome, situada sobre urea elova-
9o 1 margem esquerda do rio Moxot6, em 580 metros
de altura, clima agradavel, terreno secco: povoaqao flo-
reseente, boa edificagao, igreja matriz, poquena, mas ele-
gante, cemiterio, boa casa de quarter e prisalo ; commer-
cio animado, 150 fazendas de criagio, algodo, milho,
feijno, mandioca; grandes minas do salitro e giz de diffe-
rente cores; hyeroglificos e inscripcges nas serras Jabita-
cA e Velha Xica, no riacho Barriguda, e sitio Selel6. A
villa flea a 110 kilometros de Cimbres, a 20 do terriiorio
da comarca de Alagoa do Monteiro, na provincipda Pa-
rahyba, e 330 do povoado do Sant'Anna, em Alagoas,
ponto mais proximo da villa n'essa provincia.
Povoages:
Quitimbfi, a 60 klomtros ao poente de Alagoa de
Baixo; Cupety a 66, do sudoeste, e Geritac6, a 70, ao
sul.
Os principals generous de produclo e commercio da
comarca, sao a cultural do algodto, e a crea9Ao de gado
vaccum, al6m do outros em pequena escala, e para o con-
sumo local.
A cidade de Pesqueira, s6de da comarca, fica a 285
kilometros da capital, e 180 da estaglo de Palmares, da
via ferrea de S. Francisco, per mAos caminhos e vere-
das.

Garanhuns
Comarca geral de 1' entrancia, creada pela lei pro-
vincial n. 22 de 3 de junho de 1836.
Consta de dous munieipios. Garanhuns e Conceigio
de Correntes, e das freguezias de Santo Antonio de Ga-
ranhuas, corn 24,786 habitantes, e de Nossa Seneora da
Concei9ao de Correntes. Limita-se ao norte comn as co-
marcas de Caruaru e Buique, ao sul corn a da Assemblea,
na provincia das Alagoas, a 16ste corn a de Caruaru, e a
oeste corn as de Born Conselho, Aguas Bellas o Buiqao.
A cidade de Garanhuns, s6de da comarca, esta si-
tuada no centre de umn grande planalto, junto as nascen-
gos do rio Mandahri, que vai langar-se no rio Canhoto,
pouco acima da villa de Muricy; 845 metr6s a cima do
nivel do mar, clima temperado e saluberrimo, terrenos de
uma fertilidade prodigiosa, vegeta9go esplendida, aguas
abundantes e magnificas, ( cun verdadeiro oasis em neio
dos serttes quentes do norte. )
Cidade prospera, commercio animado, boas estabe-
lecimentos; edifica9.ao desenvolvida e muito regular, cons-
tanto do cerca de 400 predios, que formam dez ruas,
quatro pragas e algumas travessas; igreja matriz, casa
da camera edificio de um andar o do agradavel perapee-
tiva, cadeia, escolas publicas, agencia do correio; asso-
cia&o reereativa, etc.
Municipio e freguezia do Correntos. Ternm per s6de
a villa d'este mesmo nomem, situada na fez do rio Corren-
tes, na barra do rio Mandahu; flea aJ 70 kilometers do
port do Pilar em Alagoas, per onde nutre grande com-
mercio. Ao norte de correntes flea a povoaqao de Pal-
meira, mnuit) prospera, contando 34 engenhocas do rapa-
dura e aguardente, e 22 fazendas do criacio de gado.
A comareca de Garanhuns 6 uma das quo mais pro-
mettem como estabelecimento da via fonera, per sens re-
curses naturaes, pela sua riqueza, e pela sua zona privi-
legiada. Dividida em tries parts distinctas, mattas, ca-
tingas e agrestes, disp~o de terrenos magnificos, do gran-
de fertilidade, que so prestam nmao s6 a variadissimas pro-
duecges agricolas, come ainda a criagIo de gado de toda
especie, e tambem a cultural do trigo e outros cereaes do
Mei Dia da Europa ; flora riquissima, clima magnifico, a
todas essas vantagens reune ainda a de sua riqueza mi-
neral, que apezar de nenhumas exploragoesja raspeito, sa-
be-se coin certeza da existencia de christal de rocha na
serra do Burgos, de calcareo e marmore, em Pedra Bran-
co, presumindo-se have no lugar Trahiras urea impor-
tante jazida de cobre.
Relativamonte a vantage que offrece a loealidade
,pelo seu climax, bastam o resultado de algumas obs'rva-
9oes meteorologicas feitas em janeiro do 1872, quando
o calor em Pernambuco 6 mais pronunciado, erm que o
thermometro centigrade marcoa 17' As 6 horas d-. manh.t,
e nunca excedeu ao maximo de 24 As 6 horas-de tarde.
Taes vantagens farno certamente convergir para Cara-
nhuns uma grande populagao, quando chegar at6 la o ca-
minho do ferro, pois ali encontrarao os emigrantes euro-
peus todos os recusos para a suna prosperidado.
A villa de Garanhuns flea a 259 kilometros da capital


a 150 pouco mais ou menos da estagao do Palmuares, cujo
prolongamento chegard at6 la/em nm future proximo.
Buique


Comarca gera! do 1- entrancia, creda pela lei pro
vincial n. 956 de 12 do junho do 1870. Consta de dous
municipios, Buique e Conceigaio da Pedra, e do duas fre-
guezias, S. Felix de Buique, corn 9,155 habitarAtes, e
Nossa Senhora da Coneeiglo da Pedra, com 4,549., Li-
mita se ao norte corn a comarca de Cimbres, ao sul corn
a do Garanhuns e Aguas Bellas, a leste corn as de S.
Bento e Garanhuns, o a oeste corn a de Flores.
A villa do Buique, s6de da comarca, ostA situada a
oeste da serra do Macaeo, correndo proximo a leste, o rio
Ipanema, que atravessa a comarca do norte a sul, entra
na do Aguas Bellas, atravessa a proviacia das Alagoas,
sempre na mesma direccio e vai langar-so no rio S. Fran-
cisco, junto a povoaqito de Ipanema; igreja matriz, edi-
ficio modern e elegant, cemiterio corn capella, agude,
escoIas publicas, agencia do correio, etc.
A principal industrial da comarca, 6 a criagito do
gado, cultural do algodao o mandioca, e em menor eseala,
a do milho, foijao e outros generous. Os habitantes oentre-
gam-se tambem, em grade escala, na extracgio do sal
mineral, a qao cha. am 2sal da terra, ou p6, que encontra-
so em abundancia na L.agia do Paju, nas epocihas poste-
rioresa ao tratnsberlameuto de suas aguas. :
A. s6de do. comarr.'a fic. a a349)..ilorctros a oeotoe-
sl4.estlo da .dapital, oe a 90 de. Gar'anhmuns, m n.%"esil


A, Aalluslft ao odio '4 usurpado, faz o ra-
r dor. dizer queo os usurpados sio os oppsi-
cionistas liberaes, que noie so e confortnam


coin ver occupado por S. Exe. o lugar
onde querem ver os homes de sna confi-
anga, os chefes de sen partidos (Apoiados.
S. Exe. quiz fazer epigrammas e pro
vocar o riso, mas imitou apenas o mestre
de philosophia do bourgeois Gentilhomwne d(
]Moli6re. Zurzido physicamenta por outrom
mestres come parlainentarmento o foi all
no dia 14, o nobre president do conselhc
observou qua seria vingan9a sufficient fa
zer-ihes uma satyra no estylo de Juvenal
0 Sr. president do conselho: -NRo a-
chei graga.
0 Sr. Paulineo de Souza noe se descon.
tenta corn essa declara9gao de S. Exc., (
como foi o nobre ministry quemn se cello
con no tpapel de Sganarello, que Ihe ficoe
tao a character, lembra que S. Exe. fez coin
relagao ao orador o papel do avaro do mes
mo Moli6re sempre preoccupado corn o set
precioso cofre, que no case dado 6 a pas
ta da fazenda, pelo orador nilo disputada a
S. Exc.
Tranquillise-se S. Exe. Se o orador qui
zesso o poder, collocava-se na posigao d(
que para elle foi S. Exc. cscolhido, taci
turno, acastellado na nullidade political
sem ter uma adhesIo nesta ou na outr;
casa do parlamento, reduzido a tao extra
ma simplicidade political, de quo niao so
pode comparar senao A do ponto mathema
tico. Nao commandando escaramugas, fa'
zendo protests c, sobretudo, tirando
moralidade da fabula, come S. Exc. disse
que o orador se amnoldaria para todas
quaesquer circumstancias que possio oc
corner.
Alludindo ao direito do descendencia (
ligacoes lateraes, o orador diz queten
a fortuna de ser irmAito de umrn Brasileiro
que teve a honra de consagrar a vida in
teira ao servi(o de sua patria.
0 Sr. Lourengo de Albuquerque diz que
isso naeo 6 um crime, mas uma grande
honra.
0 Sr. Paulino de Souza nunca tirou d'ah
desvanecimento, antes procurou sempre
conseguir que lhe perdoassem esse grand
de de~icto, e 6 hoje quo pela primeira vez
diz ter o Visconde de Uruguay, quando (
recommendou na sua primeira candidate
ra, assegurado aos seus amigos que o era
dor havia de proceder, comno die, na sum
vida. Aquelles que o conliecem dirao si
nao tern procurado desempenhar aquelI
honrada palavra.
Quando o Supremno Romunerador cha
mou a si aquelle virtuoso cidadao, o orador
era simp'es advogado nesta c6rte tornou
em opposicAo ao parlamento o dalli fo
chamado na sua terceira legislature panr
fazer part do ministerio de 16 de julh,
organisado pelo illustre Visconde de Itabo-
rahy, a quem era ligado per lagos de afi
nidade.
0 Sr. president do conselho foi tirade
do seu escriptorio de advocacia per nir
dos seus clients, particular amigop do Sr.
conselheiro Sinimbi, o qual apresentou-c
para fazor part do gabine de 5 de janeiro.
Eutropio, o eunucho Armenio, comnquem
tnao pode comparar o nobre ministry, subic
A posiAo de ministry do Imperador Arca-
dios peor uina escada, nlio-dira nunca que
mais digna, mas talvez mais no case da
notoriedade historic. Nio pode compauar,
diz, porque Eutropio parace ter side sem-
pre monarchista, nmio constando que abju-
rasse a f6 political para approximar-se do
throne do Oriento.
Ha outre typo, na antiguidade, que melhor
se coaduna corn a physionomia political do
nobre ministry; refore-se a Esopo o fabn
li~tt, que devia ter side republican, mas
pis3o per muito tempo os tapetes do pala-
cio do rei dai Lydia, sendo seu agent, o
quo S. Exo. tambem aqui 6 do poder exe-
cutive.
0 Sr. president do conselho diz quo o
orador esta infeliz nas citacoes.


0 Sr. Pauline do Souza diz que ent todo
case menos do que S. Exc., que chegou a
collocal-o entro os roil Merovingios para
mostrar erudicito. Este trecho porem eatrou
de vespera a martello no discurso de S.
Exc.
E' verdade que o nobre ministry fez a
citagAo para, d mdo superioridade nominal
ao oradom, collocair o nobre deputado pelo
11" district do Rio do Janeiro, come su-
balterno hierarchico, ainda quo offectiva-
mente corn todo o powder e responsabilida-
de. Reclama s6mente parVdizer que o seu
illustre amigo estA sompro c em tudo nas
condigoes da maior superioridada.
Em uma opposicao come aquella compos-
ta de illustragoes political e chefes de par-
tide, aquelleo que serve de centre nilao se$-
no o executor das delibera$3es de todos:
-refleeto o pousamento dos amigos e co-
ordemna a dirncao dada accordemente per
todos. Nmunca tovo nom qaer outro poder
e outra rosponsabilidade.
A posiego a que o ben illustre amigo tern
direito 6 aquella quo o nobra president do
conselho indevidamente occupa.
Pertonce ella de direito ao conhliociimen-
to exacto eprofndo das necessidades pu-
blicas, Adecisto requerida para resolver
ap diffi[lades, A dedicag.o e a elevagAo
do patriotismio: ueo "pode caber ao egois-
m, indifferenga e A indocis-o.
.Depois do referir-s& a uma6 proposiAQo,
qu consider inoxacta, proferida pVlo Sr.


ae ter unm gove.ano senrio. i oui-.
A discussion ofca adiada pela hora toi onvida ?
SESiSau EM 21 di pA hra Nao pode aceitar a qualificacio que Ihe
SESSAO' E11 21i DE~ MAIO/ I i..i n ^
E' approvado o at 1 den o Sr. president do conse!lho, nIao s6
E' approvado o art. 1."
Entr dis s a "porque ella envolveu unia intriga, come
Entra e discuss o art. 2: porque S. Exc. assustado coin a retirada
0 Sr. Andradc Figiveira diz do apoio de seus amigos politicos, j ve.
que o Sr. president do conselho esta tto amas do out o mundo que Ih querem dis-
empenhado em defender esta situagvto ar- putar o powder, mas os memibros do partido
tificial, que chegou ao ponto de ser injusto conservador desdo 1878 nao t6'n opposto
par coomsiado mesmo. 187 nz't t i pp
Para coinsigo m esmo. menor embara.co ao governor liberal" as
E' assim quo na discuss to do oreamen- resistenias qu o ata git em-
i, r.. ,. ,^ ,resistencias quo o act-aal g.-A-omiatA enicou-
to d;i despoza do Ministerio (dia Faz3ada tra sit o do ses amigos; a inoria no
S. Exc. declarou corn emphases que vnia sabe (o quo vai pelo pap, nom a (uji-
de:nonstrar praticam te o reg imen das dadede resistencia que o .gabmiet en.on-
econoinas que apreguou, porque achando- tra no leitor dos m inistros, nero a que
ae ha cerca de um anne na govenmaco do st ucotra no actual cabinet.
T-,~~ ~ ~ 1 ., ,, i>. esto eucontra no actual gabimcte.
Estado so tinha aberto credits supple- Mostra quito injusto foi o Sr. prvsiden-
mentares nta importancia do 500:000U, te do conselho em noutra allusito ao pran-
quando sous antecessores tinham-nos aber- teado Sr. Visconde do Itaborahy, porque
tos em quantia superior. S. Exo. reconhece hojo o grande merito
Notaeontretanto o cruder que entire o daquelle profando estaeista.I
exercicios do ultimo decenio ha tres cre- Referindose ao relatorio de S. Exc. o
ditos abortos de qua cab3 a responsabilida- ao discurso que proferio na (amara, o ora-
d.i ao actual Sr. ministry da faizenda : c dor!serva quo o Sr. ministro da fazends
nio devia portanto, no intuit de defender erdrn osime e o n no sobrn as mesmas ques-
o sen novo programme, accusar as admi- toes: diz que 6 urgent debellar o deficit
nistraoes sebastianistas de que S. Exc. o deixa votar-se o ornameuto sem roalizar
fez part. as economics de que fallouen, ao paaso que
IMas ni ev na asseveragio do nobre ao seu programma declarou que nio pre-
ministro motive para qua S, Exc. possa cisava do impostos porque a economic bas*
vangloriar-se. E a prova 6, que S3 os taahoje ve proclamar a necessidade
seas antecessores abniram craditos mais deanovos impostosparaarestabeleceroequi.,
avultados, e porque nmeo estavam, come m libriod tsra resaeo
agora estao os ministros da Fazonda, ads- ita as divetrsas cotradices do nobred.spoza.
tritosa tn pecetoletal ue fie ime- Cita as divensas contnadicg-es do nobre
tnictos a um preceito legal que Ihes inpe- ministro da fazenda, fazendo notar a con-.
de a abertura do credits supplementares sulta quo dirigio ao conselho de Estado so-
e extraordinarios cm quantia superior a bre o recolhimento do papel-moedae
5,000:0O^$. quanto vem dizer ao parlamento quo a de-
Demais, ainda falta dous mezes para a ficiencia do mneio-circoulanto 6 a causa que
conclusV do actual exoremcicio, e 6 bemtn pro- flagella a praga do Rio de Janeiro: entro-
vavl qu duranto espao d tempo tanto que esta rise n.to 6 devida A falta de
aovos creditor sejam abortos que comple- inio circulante, mas A falta do capites
tome at excedan da quantia mareada por de que o governor so aproprionu; mitemt
lei,
ld : r razao de ser a explicaglo da o mesado
Portito, fi S.-Exe. injusto para corn aio eirealante paraaspov cis
is admiistra s suas antecossoras, que eio ciru eselanto para as pr nso state,
tivoram cesidade do abrir esses credi- porque 00 tern volta ,: :obst
toe quo O nobre tuinistre n a criee comtinua.
nosRcossidade qo-onbemnsr a Eatiranha queo e nobre zuinstrQ 4iga -
ewinotrou pru~ o fo 4teve, vorao aqael- ~ ~ ~ rbt4~td
I ____ Citaarbtdsdog


du~c9ao nas escandalosaa despezas para a
Proposta a garant do Jaros pa8 rea reorganisaio da academia de M
estradadterro ia Bahia, onobre ministro votadas em project especial e se di-
procedeun como o orador esperava a op- cusso, admittio uma emenda quo emduia
posiqo foi em sou auxilio. S. Exc. foi a verba de soceorros publicos, paraq
derrotado e n' o mais torn,u A Camara de- pos abri credit. -
pois disso.epois abrio-credito.
poledisso. Mas julga inuteis todas as preeauetj
Vozes:. -Temestadogravemeatedoonte, do legislator para impedir os abuses d&
0 Sr. Paulino de Souza lamenta que Governe na abertura de creditos
seja 08 o motive da ausuia do nobre 0 governor ainda agora acaba de con.
ministry. Augmenta-se a sua sympathia firmar este fact, abrindo um credit para
per S. Exe. desde quo o vio votando nas Obras do Ministerio da Justiga, quan-
fileiras dii pos9,o, o corn elle derrotados do ura lei em vigor impede a abertura
ainda queer poucoa voto. ^ m^ mvsr" ^ aaetr
ainda e por pavou-se a acs vo o nobre ms- de credits para semelhante verba em
Quandistro trav j us e a acingio o obre mi- qualquer dos ministerios. Assim mais
nistro da jLstiga cingio go a espala doe ura vez burlou a disposiao que marca o
combat, aquellaI espada rutilante da guar- limited para a abertura de credits supple-
da national (hilaridade) que, segundo o mentares.
nobre doputdo pelas Alagoas, chammeja E' eomn constrangimento que vai entrar
corn desusado fulgor nested anno de elei- em algamas cousideragoes geraes. A isto
oes e congregaI os adeptos em torno de v-se obrigado porque o nobne president
S. Exe. Victorioso o nobre ministro da do conselho irrogou sobre o orador a sus-
justiga sobre o president do conselho e o suspeita de ser director de um grapo que
ministry da agricultura, estes tinham ti lanca improperios sobre o governor e dirin-
sahir do gabineto e aquelle de orgamisar ge expansOes offensivas a dignidade e ao
novo gabinete. (Reclamagoes, apoiados, decoro da representa o national.
nclo apoiados.) E' o que 6 logico e de Disse ainda que S. Exe. que esse grupo
accord corn os principles e praticas do no tinha a a educa'to precise para no-
regimen representatives. nhum debate parlamentar, desde que f6ra
O Sr. Andrade Figueira: Eu no me este deixado ao cuidado do orador pelo
sentaria mais corn umrn college que assim ehfe da minoria.
faltasse para commigo A lealdade e Sllda- Mas sabe o ordor que o Sr. president
riedado ministerial, do conselho procura inverter os principios
(H.a outr*os apartes.) parlamentares, e por isso nao estrainha que
0 Sr. Paulino de SouzanioC'capaz doS.Exe. realise a maxima do Larochiefou-
insinuar cousa alguma ao nobr mrni.stro, cauld, de quo-aquelle quo quer insultar
tratando-se de sua dignidale political e mna por dar-se por insultado.
brio pessoal. Acredita que S. Exc. guar- Na interpellasio do din 14, em que S.
da corn certo rocato as tradiccies da ve- Exe. responded oo nobr3 ex ministry de
lha honestidade mineira o no retire, m gaerra sobre os fctosquo deratn oriein a
quo estaS. Exe. hI do eouvir o se r os colebre carta, a opposico conservadora
dictames da sua consciencia. a ee sao o ar
Observe quo nio pensa em dar bataihas assistio a osso debate sere tornar parte
Observe qu nao pensa n'elle. Somentoe depois de dadas as ex-
campaes ao nobre presilente do conselho, plicavTes entendeu o orador ever tirar os
porque pensa que S. Exc. ha de succum- crollarios d'aquella discussao ; mas nato o
btr cm um simples reconhecimento. (Ri- accusa a consciencia de havel-o feito em
so). As batalhas campaes foram precisas termos qu nAto fosser proprios da educa-
quando a luta era corn homes da forga Ao do n cavaiheiro. (Apoiadcs.)
do Visconde do Rio-Branco e outros, a Nto sabe, portanto come o Sr. presi-
quem teve de fazor opposing. dto do conselho declarou-se ingenuo
Queria fazer um protest na present do aredit0ndo que a minoria era dirigida
nbre president do conselho p: ra nesta pelo Sr. conseiheiro Pauline e reconhe-
parte confirmar o dito de S. Exc.: era condo mais tarde que era dirigida pelo
contra o silencio de ministros responsaveis, orador.
que se obstinao em nio dar contas do seus Observa que o nobro president do con-
acts e (os seus delegados A representaeo selho, no dia seguinte, inventor insultos
national. Depois quo 3o n~bre president ~ ne netnislo
national. Depois quo nbbre president que ninguem Ilhe dirigio na camarf, para
docnoloentrou na Carnara injuriando qujigenIe(iii)n anrpr
do conselho entrouna Camara juando ter o direito de vir insultar os membros
os deputados e nidicularisando a tudo e ada minoria, sem que fosse chamado A or-
todos, nada mais reclanma nesta parte, pois dem pelo Sr. president da camera.
vwcilla centre o silencio dos ininistros o o Sr. President declare que nio ourio
oscandalo por ecues dado. 0i.Sr. Pte sie aecaaqo nL ui
esVandalo, pore, tirar a moralidao. insulto algam pronunciado pelo Sr. presi-
Vaipoernq tirar a moraidade do eas dente do conselho.
preseute, que aproveitara no nobre presi-j Sr. Aadrade Figueira record quo em
dente do conselho como lin-io e experien- 0
Cia. 1871, quando se discutia a qu-stAo cuban-
Esta hora que corren t1to long e afflic descent do elemento servil, orando o sem-
ti"a S e doo pro chorado'deputado mineiro Pinto Mo-
tiva para S Exc. nao so deve imputar reira, o Visconde do Rio Branco, entao
nas culpas do orador, mas nas facilidades president do conselo, tee a ipruden-
j presidente do conseiho, tevo a iinpruden-
do nobre ministry. 0 orador encommo- cia de dizor que o orador nito estava em
dou-se, emquanta fallava, vendo o nobre estado do deliberar, mas a minoria levan-
presidente do conselho remexer-se incesto-se e peso e obrigon o lrosi(t eda
satr e t na su, cae r ser ac a tou-se em peso e ob rigon o presidlente ua
santomento na sua cadeira sein acthar po- '3, i. i
santqunent oa s cei r 11 hr, *art camera a chamar a ordem o president do
sio que ihe srvisse, dar-lhe apartes ina- conselo; is passo-so n'uia cainra
dequados, chegar ao ponto de qualifical-o consorvadora; eutretanto, quo hojo o Sr.
nullidade dourada, o quo tudo prove quo president do conselho insulta os meoe-
S. Exc. estavr desnontoado. hnpute-o S. bros da camera, sere nenhuma adverten-
Exo. a si mesmo, que foi qoem provocon. i da mesa.
Iria muito long se quizesse fazer umn Rcorda ainda o exemnlo do Cromvell
apanhaco ainda quo rapid da situago ante o parlamento inglez, mas esse tinha
Dirt pare termmnar quo a relaxasaoem que atraz do si ur exercito formidavel e diantb
cahie a forga moral da autridale, a indeci- d siu ur parlamento corrompido; emquan-
sao dos ministros |ante urno situagio diffi to quo o Sr. president do conselho nio
cilima e cheia de penigos, o desembarago podo ter o pensamonto de sacrificar o son
corn que perinanecern na administracato de- rei, nito tern glonias militates, noro *xen-
pois do combat qo ti'av rito uns corn on- cite obediente, eomo reconheceu no dia 25
iros naquelle recinto. todos estes factos e do outubro, e torn ante siur parlanonto
outros que commentarA depois, levito-n'a e quo so ache a nata da na1io coamo,
offerocer A meditacto da canara o concoito pois, pode ser tentado a vir perante a ca-
de quo asta nacao tao digaa esta no caso mara corn a liinuaeem insuhtuosa oe lhe


in




I' -

/


I
/-


do f


I ii,Miamanta oa t An


-4,

'j


I













-t




Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EAQIHJDN5_RBQ81Q INGEST_TIME 2014-05-20T00:13:34Z PACKAGE AA00011611_14921
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES