Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:14853


This item is only available as the following downloads:


Full Text








rP am3.m3 3 oiRA DA DPROVWMCIA


*2~~
*0


9 9 S 0 *

do ~osm di..


* U
* p *.


Pa-Po ato. .. .
" Per'" .idem. .....
Por idem .

Cadi nu avulAso, de odima nteriores.


. .2. 71000
. |20


4ropri>ambe ietAl anoelt


ILLLIiI14EEA~


BA IA2O rdTouuL2A f DO 1IAhO

BAHIA, 25 do outubro, As 12 horas e


- 30 minutes da tarde. (Recebido As 2 ho-
ras, pela linha terrestre.)

Embarcou no vapor PERNAMBUCO,o
Sr. Antonio Caetanmo da Silvt Ke4l*
inspector da Themenrarla de Fasen-
da de Pernambuco.
Fol acompanhado at4 o vapor per
numerosos amigos.

^ ~ 4A~ '^ ^-i'B^ Q ^ outiih67ra*
3 horas e 40 minutes da tarde, (Recebido
as 5 horas, pela linha terrestre.)

Embarcou no paquete inglex o dl-
plomata Dr. Pedro d*Aranujo Bel-
trAo.



SEB~f I&.:3 A7A3

(Especial paira o Diario)

BRUXELLAS, 24 do outubro.

0 ministerio continua a estar em
crime. e provavel que esta m6 ter-
mine pela formacaio de um gabine-
te moderado.

BRUXELLAS, 25 do outubro.

Mr. Bernaert foi encarregado de
former umn noo gabinete.

Agoncia Havas, filial em Pernambuco,
25 de outubro de 1884.


isriuc io POPULAR


MACHINES DE VAPOR
^ _(Extrahida)


PAB^S451 --^-'
LOCOMOVEIS
(Conclusao)
As locomoveis pbdem, por excep9lo, mover-se
por si proprias (isto 6, ser ao mesmo tempo loco-
S motors e transportar-se de urn para outro lu-
gar).
A disposigAo d'estas machines 6 diverse da que
vimos terem as machines fixas.
Tendo principalmente em vista a locomovel in-
dustrial de Hermann Lachapelle, a locomovel
consta de uma caldeira nao tubular especial, as-
sente em uma base de fern-o corn bastante sohldez,
e de urn cylindro onde se move urn embolo, cuja
haste tinsmitte o seu alternado moviinento ver-
tical a ruma arvore horizontal, em cujo extreme
hauma u grande roda, cujo movimento circular 6
transmittido por meio do correias sem fim, aos lu-
gares onde convenha. "Existe tambem uma bon-
ba alimentar que vai l, iscar a agua a urn reserva-
torio, gcralmento aquccido pelo vapor que sale
dos cylindros e quoe s escapa hepais pela chaini-
n6, activando a tiragem, como vimos succeder nas
locomotives. Ha tubes de nivel, torneiras de pro-
va, valvulas de seguranga, regulador de oorca con-
trifuga, etc., como nas machines fixas.
A caldeira nao 6 tubular, 6 de ebiullidores, em
numero de 2, cruzando:-ae no interior do gerador.
0 fogo acha-se portanto eacerrado em uma cama-
ra, cujas paredes salo bauhadas pela agua.
As locomotives ruraes sao menos complicadas
na sua estructura do que as induatriaecs. Redu-
sem-se urma caldeira e urma macbina do alta prus-
slo, transportadas sobrc um carro de 4 rodas, po-
dendo ser abrigadas das intemperies c transpor-
tadas por maos caminhos. Devem al6m d'isto,
ser simples nas suas peas, faceis de reparar, gas-
tando pouca agua e poieace combustivel. 0 typo
geral d'estas machines 6 o mesmo das locomintivas
nao dando porem a machine movimentos As rodas
de traccaio do carro, e send d,- muitissimo menor
forea. Urma locomotiva agricola ou rural deve ser
solidamente construida pars evitar o minim acci-
dente que poderia trazer o seu descredito centre
gene quo na'o prima pela illustraqIo, e que v6
sempre coin repugnancia as alteraques quo o pro-
gresso traz as suas praticas rotineiras. 0 menor
pretexto serviria para que tal gene de todo per-
S desse a confianca em tao uteis auxiliares das for-
gasdo home.
Os models principals de locomoveis ruraes sAo
os de Calla, de Durenne, de Call & C., de Anju
bault, e o de Fowler (especialmentk destinado a
lavoura a vapor).
Ha ainda locomoveis especiaes destinadas para
esterroari; tal 6, por esemplo, a de Barrat. Nao
x6 as artes agricolas a locomotive presta services.
Hoje em algumas cidadcs o macadam das ruas 6
comprimido per meio de machines lozomoveis.
E tamnbem nao menos importantes devemos can
siderar os ensaios (per ora infructiferos, infeliz-
mcente !) de applicar o vapor As viaturas terros-
tres, fazendo circular nas ruas das cidades e nas
estradas carruagens movidas por este podcroso
agent, tio fccundo em vantagens praticas para
Os progresses da industria humana.


5-





S PAiRTE orFICIUL


onde hajam estabelecido engenhos centraes
destinadqs ao fabrico-de assucar de canna,
companhias que gozem, no todo ou em
parte, dos favors inmoncionados no art. 6"
do rogulamento approvado polo Deer. n.
8,357 de 24 de dezembro do 1881, com-
prehendendo o 1" district as provincias do
ParA, Maranhao, CearA, Rio-Grande do
Norte, Parahiba e Pernambuco, o 2a as de
Sergipo, Alagoas, Espirito Santo o Babia
o o 3 as do Rio de Janeiro, S. Paulo, Mi-
nas Oeraes e ainda o Municipio Noutro.
Antonio Carneiro da Rocha, do meu
conselho, ministry e secretario de eatado
dos negocios da agriculture commercio e
obras publicas, assim o tenha entendido e
faga executar, Palacio do Rio de Janeiro,
em 14 de outubro de 1884.
Corn a rubrica do Sua Magestede o Irm-

Antonio Carnedoi'-R o~:"

lmiisterlo do Imaperlo
Per despacho de 18 do corrente mez:
Foram agraciados: corn o grAo de com-
mendador da ordein da Rosa, Carlos Tei-
xeira Leite Sobriuho, o corn o de official,
Bernardo Gornomes do Abreu, em attenelo
aos relevantes sevigos, que prestaram ao Es-
tado o A humranidade concedendo alforrias
gratuitas.
Foi expedido o seguinto aviso:
Ministerio dos Negocios do Imnperio. -
Circular. 3' directoria. Rio de Janeiro.
9 de outubro de 1884.
Illm. e Exm; Sr.-Chamando a atten-
9ao de V. Ext. para o que disp5e a cir-
cular deste ministerio de 27 de seteminbro
de 1883, recommend a V. Exc. que sem
pr6via autorisaAo do mesmo ministerio,
que em casos urgentes podera ser solici-
tada por telegramma, nao ordene nem faga
despeza alguma por conta da verba Soc-
corros publicos ainda nos casos previstos
no Deer. n. 2,984 de 1 de fevereiro de
1862.
Deus guard a V. Exc.-Fdelippe Fran-
co de Sa. Sr. president da provincial


de...


Milnlsterlo da Justlpa


Per decretos de 14 do corrente
Foram removidos :
0 j uiz de direito Francisco de Paula
Cordeiro do Negreiros Sayao Lobato, da
comarca do Itapecerica, de 1o entrancia,
para a do Paraizo, de 2' entran ia, ambas
na provincial de Minas-Geraes.
A pedido :

l rA Cav- nt
de 2' entrancia, na previncia de Goyaz,
para a de Itapecerica, de igual ontrancia,
na de Minas-Geraes.
0 juiz municipal e do orphaos, bacharel
Vicente Pereira do Rego, do term de FI0o-
res para o de Born Jardim, ambos na pro-
vincia de Pernambuco.
Foram nomeados:
Juiz de direito da comarca de Cavalcan-
to, de 1' entrancia, n.i provincia de Goyaz,
o bacharel J6Ao Vieira da Cunha.
Juiz de direito da comarca de Cururipe,
de 1l entrancia, na proviucia das Alag6as,
o bacharel Esperidigo Eloy do Barros Pi-
mentel Filho.
Juiz substitute da 2' vara civel da ca-
pital da provincia do 8, Paulo, o bacharel
Lupercio da Rocha Lima.
Juiz municipal e de orphaos do termo
de Ipd, na provincial do Ceara, o bacharel
Fructuoso Lins Cavalcante do Albuquer-
que.
Foi reconduzido o bacharel JoIo Anto-
nio de Barros Junior, no lugar do iuiz
municipal e de orphaos do termo de Iguas-
s8, na provincia do Rio de Janeiro.
Foi expedido o seguinte aviso:
2* sec9lo. -Ministeriu dos Nogocios da
Justi9a. -Rio de Janeiro, 9 de outubro .de
1884.
Illm. e Exm. Sr.-Foi presonte a Sua
Magestade o Imperador o officio do ante-
cessor de V. Exc., de 12 de junho de
1883, corn os papeis relatives ao conflict
de jurisdiclo, suscitado entire entire essa
presidencia e o ijuiz substitute da 1' vara
da comarca da capital, em consequehcia de
embargos oppostos, nao s6 pela companhia
Urbana d Estrada de Ferro Parenso As
obras de assentamento de trilhos da corm-
panhia do bonds Paranse, mas tambemin
per esta As obras quo- aqnella companhia
eitava executando em sua linha, na esta-
91o de Nazareth.
E o mesmo Augusto Senhor, confor-
mando-se por sua immediate resoluglo do
4 do corrente, corn o parecer da Soccgo de
Justiga do Conselho do Estado, em con-
sulta de 20 de marco ultimo, Houve per
b)m mandar declarar quo, por ser o as-
sumpto de natureza administrative, como
expressamente o reconheceram as proprias
companhias interessadas,. que podiam co-
existir erom seas direitow definidos, bern
pfocedeu V. Exc. mandando continuar as
dicas obras, o assim reselvendo o conflict
provenieate dos referidos embargo, um
dos quaes veio a ficar sem effeito per acto


Elnlsterlo da Gue#*a


Per decrefo de 14 do corrente coneedera -se as
honras do posto de lo cirurgiao do cc. "= aide
do exercito ao Dr. Polyearpo AntonWi;. on
do Atuaral. asson'.e
Foram expedids as seguinates ai--
Ministerio dos Negocios da, Gnra.-m Jafa-
neiro, 14 de outubro de 1881. [lIm. e.
Declaro a V. Exe. em solulo aos o6
ns. 9 e 10, de 17 de setembro findo, 4e
o faga constar A TheEouraria de Fai.
os credits supplmentares abertos pwr- ,'
sidencia, no exercicio corrcnte, de 2.M: a
nos 10 c 11 Corpo de Saude e HiWpitaes,
-4:00XJ no 16, etapas e 65A no 22 eo.nmisbasf
militares, devem ser incluidos na dimtribtiiAo
feita por aviso de 6 d'aquelle mez nki podendo,
portanto, considerar-se augmentadas as masmas
rubricas. Dens guard a V. Exc.-Candido Luig
Maria de Oliveira.-Sr. president da provineia
do Rio Grande do Norte.
Ministerio dos Negocios da Guerra.-Rio de J i-
neiro, 17 de outubro de 188L.-Ilim. qi Exin. Sr,-
Corn officio n. 707 de 30 do julho ult mo, subme
essa presidencia A eonsideraqlo deste miniae
de n. 82, de 28 desse mez. em que o
da companhia de infantaria ahi de guarni- p
sulta, si as pr"as da mesma companhia qe ez
em diligencia policial eu destacadaa no interiotda
provincia e As que serve de ordenaneas e eabos
das ordens qu A disposigico da reparticaodoo jle-
graphos, 6 applicavel a 17a observaeao da tarmla
approvada polo decreto n. 9019 de 27 de atbr
proximo passado, que prohibe o abono de qai Mre
pega de fardamento as prcaas que, uans dtis
epocas, nao estiverem presents no respeetiW
corpo.
Em solucio, deoolaro a V. Exe,, para os fins eor.,
venientes, que a alludida disposic*o s6 se referee
as pracas licenciadas, conform jA foi deeidido
per este ministerio, em ariso de 17 de Maou :tb
eorrente anno, a respeito de igual consult, t-
pela presidencia da provincia do Rio GmaB
Njrte.' ^ ;
Dens guazde a V. Ex-Candido Luix Muae
Oliveira.-Sr. president da provincia do i,
SMinisterio dos Negocios da (Guerra.-itsde
Janeiro, 17 de MarCo de 188L _'.,
IUfim. e Ex. Sr.-Em resposta so office
de 17 de Janeiro proximo findo, enm que
communicando haverem-se aousaitado duvi
bre a inuterprotagAo da 17A obseroiao dki
de distribuo deo fiurdameato, que bir
deerotoan. 9049 del7,dde0irt de
pectivo o d


MW 11in] j ueo t -paav qu of


~' eir~a be $uia & JitIjo~


mITIT VlA WA E n


A
que-
Cu
drig
coa
part



T.
rits

Dinal


0!
MOM

jmory


- *-. M--. .
-s :
.-. .. .. ~~~~ ~~.5'. ,-.:.... :: -


- -


-Yom,


Manoel Pinto de Souza Dantas, presi.
dente do Tribunal do Thesouro Nacional,
communica aos Srs. inspectors das The-
sourarias de Fazenda, para os fins convo-
nientes, que foi prorogado at6 o dia 30 do
junho do anno proximo vindouro do 1885,
o prazo marcado pela circular de 6 de
abril de 1883 para a substitaiio sem des-
copto das notas de 104, da 61 estampa?
M. P. de Souza Dantk. /
Circular n. 39. -Ministcrio dos Negocios
da Fazenda. -Rio de Janeiro em 9 de ou-
tubro de 1884.
Manoel Pinto de Souza Daa prefti-
dente do Tribunal do Thesouro Nticional,
tendo observado, na corrospondencia offi-
cial das Thcsourarias do Fazenda corn o
mesmo Thesouro, que muitow officios destas
repartiqoes versam sobre mais de umn as-
snmpto, o que 6 prejudicial A boa ordem,
_reglaridade e distribuiglo do serving, re-
commenda a-o-sm.-iMi- tores das referi-
das thesourarias que nio triit6'Msumn
s6 officio de mais de urn object, conformS-3
jA so Ihes toern determinado em diversas
ordens e regulamentos do Ministerio da
Fazenda; convindo que esta mesma re-
commendaglo fagam a todas as repartiqes
que Ihes sao subordinadas, para a devida
uniformidade. M.' P. de Son"z Dantas.

Mlinlstero da Agrleultura
Por portaria de 14 do conrrente foi no-
meado o engenheiro Luiz Monteiro Cami-
nhoA para o lugar de fiscal do 3.. district
de engenhos centraes.
Por portarias da mesma data foram re-
movidos, o engenheiro Francisco do Rego
Barros, do 2.- para o 1.- district de fisca-
lisaaIo de engenhos centraes, e o enge- I
nheiro Jos6 Goncalves de Oliveira do 1.- '
para o 2.- district da mesma fiscalisaglo
-Foi expedido o seguinte aviso:
Circular.--Ministerio dos Negocios da
Agriculture, Commercio e Obras Publicas. (
Directorio do Comnmercio.-2.a secplo.
-N. 4. Rio de Janeiro em 17 do outu-
bro de 1884. r
Illm. e Exm. Sr. Saa Magestade o Im
perador, conformando-se, por sna imperial
resolu9io de 22 de setembro proximno pas-
sado, corn o parecer do conselheiro de es-
tado Affonso Celso de Assis Figueiredo, t
exarado em c)nsulta da socao dos Nego-
cios do Imperio do Conselho de Estado,
datada de seis do referido mez, sobro os
estatutos da compnhia engenho central de
*. Fidelis, have ;or bemrn declarar que as
Waqa,^ ou j9Oedades &UoayI"AA
jar jeX V teusteiode 6ngefto L
centraes, castio comprehendidas na excepglo
estabelecida no n. 3, 1.- do art. .' daA d
lei n. 3150 de 4 de novembro de 1882,
e, conseguintemente, dependem de-autori- d
sag2o do govorno para que so poa9mi or- P
ganisar. 0 que communico aV. E=., para 4
seu conhecimento e para que prlidenoiei
afirm de que na junta comuercid $1-J
registros de hypothecas das.sj. 1 .
sa proviucia niao sejam arm e'.tt.a-
tos ou contracts de socieda"i tfnisada
para o memo afim, emquan-i.j &-lhees for
present a carta imperial que ,Iforisa a
sua organisa9io. ix
Deus guard a V. Exe. A'jiio Car- g
ieiro da Rocha. Sr. president da provin- A
>;o Aa "r Id*


~1


1-
!







re
tot



'do
PN

pa
no
do
rI



nc
rid
na


pe(
Re
ria
I
da
(
cia
pli(
ro
I
Ser
sou
do
can
Fonr
h
o di
Mil
Pul
14(
nea
;ra<
0
Rec
-ia




.u





A
ac
0 '
K05

ire
A

For



ilv
1.
H
Aen
uel
Lut(
er
eit4
SA
iorn
N
os^
kilv
ui sir
de
N
eCo
ria
I
ir.
',1
',e


o10 president lajrovincia --O chefe de Em 1109, elle transferio a carte parsa Loyang. Em 146 este minorreu envenenado. Subm ao.
cia interino, J ronymoMatern- Pereira Em 1079, falleceu e sacceieu-lhe Koang-Uang, throne Han-Huon-Ti.
Carvaho. soeu filho. Em 167 este talleccu. Succedeu-lhe Han-Ling-
Em 1053, sueeumbio este e subio ao throno Ti-
-- Po vinTchao-Uang, son filho. Em 189 esto succumbio. Subio ao throno Hang-
SlheSoure Provincial Em 1001, deixou este de existir e foi elevado ao Hien-Ti, seu filho
i)i'ACH0S DO -DU 24 DE OUTUBRO throne, seu fihi MNu-Usang. Em 222 a China foi partilhada em 3 imperioa.
o Scete do Tor Bardeira. -- Infereo 4Em 97 fallecee este e succedeu-lhe Kong- o de Hang-Hion-Ti, o de Tsao-Pi-Uen-Ti c o de
SVacente do T ing, seu filho .g Tchao-Li-Hoang-Ti.
riksadade dNossa -Senhora da Conceiao. Em 934 sucembeo este c comeoua A imperar Y- Em 265, Tsin-U-Ti se apodra do throne.
mue n, quamtia de 600A000, produnto da 3.a Uang.
er da me an i mandade. Em 909, finou-se este e succedeu Ihe seu irmio Tehong, um de seus 15 filhos sob o nume de Tsin-
buem ito Adnibo Panlino da Silwa --Certifi- Hao-Uang. Hoei-Ti.
Adriao Paulino da Silva Ce E Ye-Uang Ibe succedeu. Em 306 falleceu ecte. Succedeu-Ihe Tcin-Hoai-
ommandador Albino da Silva Leal, Jolo Re- Em 891, Hiong Kin, principle de Tchen, usur- Ti-
rAbnLa, ^ U o g no. bEm 313 suctumbio este assmsinado Ox Liu-
-nes do Araujo e Jos6 Antonio da Costs..-Ao penuo geverno.Em33scubeotausiad orI-
e oo d araodeios int Costa. Em 878, subio ao throne Li-Uang. Tsong, principle dos Hans, que auccedeu-ihe.
ndade do Bomr Jesus das Portas.-Ao Sr. Em 842, falleeceu no desterro este e h3uve entao Em 317 este mirrea. Subio ao throne Tcin-
im" qt^ nar a. o interessado. umn interregno do 14 annos. Yuen-Ti.
G. dme 4d Mfe[ Thoma Antonio Guira- Em 827, foi aeclamado imperador Siven-uang, Em 322 finou-se este. Teve come successor
Gale"0n e S- onadon. filho de SiUang. Tein Ming-Ti.
- Snf ine 0 S.r. contadr.Fam advi Em 789,o .i*nerador foi vencido n'uma bataisa Em 325 falleceu este. Steoedeu-lbc Tein
-. Joe6$orihawde Souza.-Facam-se as devi- Kian-Yea',hefe dos Ioags Tehing-Ti.seu fuho.
aotas da pnrtaria do liee a. pnKian-Yoag, chefe dos lougs. Tchin-Ti, soa fiha.
anoel aFernmdes Velloso, J. Hygino B osa Em 786, Silven- Uang venceu os longs. Em 342 sueeumbio este. Succeden-lhe saeu ir-
Jz, Uardoe & mnaoa. Em 782, elle falluceu e succedeu-ihe sen filh6 mio Tcin.Kang-Ti.
Yu-Uang. Em 3i3 este fiuou-se. Suecedeu-lhe Tein-Mu-.
=._ ___ ___ -_ ___ __ Em 772, este foi apinsionado n'um combat e Ti, filho de Tein-Tching-Ti.
mortopelol principe de Tehing, adxiliado pos Em 361 falleeerott-d Teve come success
RIOR Ilongs, tartaros e Tsens. Foi acclamado Y-Ki fi- Trein-Ngai-Ti, flho de Tein-Thiag-Ti.
___________l______Iho de Yfi-Uang, sob o nome de Ping-Uang. 1pm 365 morreu este. Tomou poe mdo thirmo
Ein 720, falleeeu Ping.Ung, suceedeu-lhe sen Teo n-Y-Ti.
r I .do p ImperadoreBa chl m p succei- Em 371 foi deposto egots polo general Hloan-Ue..
netto Chuau.Uang.
M'.Le t Em 682, fitou-se. este o foi se successor Hi.- Subio ao throno T -Kien-Um-Ti.
o 682, f dbae heltrlt Ueang. Em 372 eate deizod de ezistir. Feucosden-ihe
Em 677, este suceumbio e fci clevado ao throne Tein-Hiao- U-Ti, en fho..
it Fqsdm-Universela de Buret de Long- sen filho Hoei-Uaug. Em*396 more oste. Sueede-.lhe Tcin-4gia
" champs Em 651, deixou cte de existir, occupou o thro- Ti, seo filho.
neF n gEm 418 eate suoeumbio estragulado. Succ-e
.. ... ...no sou tilhe Sian-Uang. dnIoTr-Kn-i
.- n o Carmo 8.rpm e 8ilva) ^ ^^^ ^^ ^ *? ^ Sb.. ^
do Cam SeraphimeSilva) Em 619, ap6z o obito deste, comegou a govenr 40deu-lde Tcin-KoSt-Ti.
iFou-HI, o pnimeiro monarcha o imperio seau filho King-Uang. Tan I lTi
Ea. 'le uhaba tide por patria Em 613, tendo tide logar o pa .mento deste, iEm 422 fallecu nte. S e .a-lb. -C -Ti
.- Honan e failleu 8346 a&n" foi investido com a dignidade de imperante Bu sen filo.
filho Kuang Uadrg. E 4 st f S. d h % a
4-he Vhin-Noug, o qual deo Fn 607, flaalimouavidiote. Sen irmiao Uing- s Tk-TmT-Um-.TL.^ ee=
U"s.a91EimiZ sosgovsrw> wrtoiparLU M&aWr -
-o a-F. 59% e, ois batons tTAro i antAiteos, then tinsel Er pU-TL p
SI8-C BEm 066, falleceu. aSeeedam-Iheb en -Tang. iEs 44 am i m0 Ha-U- he s
Em-4"u4fll. st.Como .
i TOWMUl. ao.. 4LtRiU L n 672 eawt Swopaw M- T doUei a como acsea-Ti.
., 4 No o uw g^ M 4 deShi dmfiikk in.'&
~.*0 6 RMowss othr~meal 3 nui i~ W b~ IU3

.. -: :.~' ... ,- -


Dens guarJe-a V. Ex.-Affona' Augusto Morei. Em 2752 suecedeu-lhe Yen-Ty-Yu-Ouang. Em 468, este finou-se. Succedeu-Ih seu 6lho
i Penna--Sr. president da provincia do Rio Em 2697 teve come successor Hoang-Ty. Tching Ting-Uang.
rande do Norte. Em 2626 ellec nomeou astronomos para calcula- Em 441, este deizou do existir e foi clevado ao
rem corn exactidluo o movimento dos astros. throno Kao U.tang-Gnai LUang seu irmilo numa
-DESPACIIO-DA PRESIDENCIA DO DIA 23 Em 2625 creou urn systems de contabilidade e batalha contra oile mintou-o e collocou-se n cg.)
DE OUTUBRO ordenou o uso de pesos e medidas. vcrao.
Anna Cezar de Almeida Pessoa. A cadeira Em 2622 mandou fundir sines quoe davamin os E'n 42';, lialou a exi.t.n--i; Ko Ting a iT.r
Me requer a supplieante foi encerrada. primeiros cinco sons da musical e comnpoz hymnos succedeu sea filho Uei Li-Uing.
Adelino de Souza Martins.- Aguarde requisi- para servirem na abertura das festividades. Em 402, estefallcoeu. Succedeu-lhe Ngan-t'ag
eo. Em 2613 fez construir embarcag5es em qu? seu filho.
Xugusto Cezar Pereira de Mendonga. Come atravessou largos e caudalosos rios. Em 386, este succumbiu e foi reconhecido impe-
Ener. tn 2608 ordenou que se cunhassem minoeJas. radur sea filh) Kien U'n."
Albino Jose da Silva.-Deferido corn officio des- Em 2606, escreve urn livro em que eaisina o Em 321, este finuou-sc. Si:,-,liu I),. s u filh
data a Thesouraria. de Fazenda. home a conhecer a si e aos outros. C hmn-Tsing Uang.
Domingos Alves Matheus.-Informe o Sr. ins- Em 2605, suna primeira mulher ensinou a criar Em 315, este fallecju. Succedeu Ie Nan- l-ui.
to do Thesouro Provincial. ch do seda e a fabrical-a. Elle morreu Pn Em 256, este morreu sem herdeiro.
%gnez Maria da Coneeigao.-Informc o Rvdm 2592. Em 255, apossousdo governao Tchao-i.
etor interino da Colonia Isabel. Neste anne succedeu-lhe Chao-Hao, que falle- Uang, principe do Tsin.
oaoRufino Barbosa. -Informo a Camara Mu- ceu em 2516, no qual succedeu-lhe Tchouan-Hiu. Em 251, morreu este. Sicccdeu-lhi. Hiao-Uen-
pa do Recife. Em 2436 falleceu este e subio ao trono Ty- I Uang, o qual morrenijo neste mesmo anno succe-
Jos Joaquim do Araujo.-Sim, havendo vaga, K ou. deu-lhe Tchuang-Siang-Uang.
gando o supplicante as comedoeias. Emn 2367 este fallcceu e succedeu-lhe Ty-TchJ. Em 247, este falleceu, succedendo-lhe Tchin
Jaoo Evaugelista.-Aguarde deeiso do over- Em n2357 este foi deposto pelas suas desordens Uang qu' tomou o nome de Tchin-Cthi K ,ing.
'perisl.9 e acclamado Yao. Em 226, houve urna tentative de ssass.inato
Jos1 Thiago dos Santos.-Aguarde a concessao Em. 2258 falleceu este e suceedeu-lhe Chum, o contra o imperador podo filho do prnieipn* do Yen.
;e-odito. qual s6 tomou posse da cor6a em 2255. Ea 219. Tchiu-Chia-K,)an-.Ti mnnla construir
Tos6 Xavier Faustin< Ramos Junior. Indefe- Em 2250 fundou unm collegio imperial, urna capital parsa o iinpmrio c urnh palacio pars *i.
o, a vista do-ayiso do Ministerio da (Guerra de Etu 2208 elle falleceu e succedeu-lhe Yr., neste Em 215, elle repellio os tartaros. -
Ml-tor-imt-. .... comegam as dynastias do celeste imperio. A la Em 213, submetteu a Cochinchina. u
anoel Francisco de Barros Rego. Informeo toey 18 imperantes at6 1766 e chamou-se Hia. Em 210, fallecendo o mnsmo. n u -l, b. Enil
inspector da Thesouraria do Fazenda. E m 2-iAY eceu e succedeu- Ihe Kie. Chi-Hoang-Ti .- -..
kanoel Jacintho de Oliveira Cacheado. -Defe- Succeden a Kie Tai:la;g,.aue foi destronado Em 203i, T aoTose acclama imnperad,.w
lo com officio desta data ao inspector do Arse- em 2160, tendo per successor Chao-1ang Em 207, Eul-Chi-Hoang-Ti para nia ser ana,
1 de Marinha. LEm 2139 Y6 usurpou o throne, send vencido- snado pelo eunuco Tcdiao-Kao deixoti throuo. S,
Rabello & Sobiinho.-Sim, mediate recibo. per Han Tsui. eccedeu- Ihe Liu-Pang, corn o nomeno d Kio-,Ho-
24 Emn 2118 Chao-Hang fugio paras nao ser assas- ang-Ti.
Beaedicto Alves de Souza.-Informe o Sr. ins- sinado per Han -Tsi. Em 206, Yang-Yt se apoderou lo thrown.).
actor da Thesouraria de Fazenda. Em 2079 Chao-Hang foi rcstabelecido no thro- Em 202, elle se suiciduu.
Dandida Rosa de Albuquerque Nascimento.- no per sea Filho Ti-Chu, que matou Han-Tu. Em 200, Kao-Ti soc fez cscolhcr s.)berauw..
'rra so quizer para o inspector da Thesoura- Em 1921 Pu-Kiang -snccedeu a Chao-Hang. Em 195, falleccu este. Saccel'u-lhe Iiao I oei-
de Fazenda.e Neste minesmo anne Ti-Kiang, sea tio, Ihe tirou a Ti, seu filho.
Pielden Brothers.- Deferido corn officio desta era. Em 188, fi-iou-se este. Suceewl-u-lhe Liii Hiu.
ta a o Thesouro Provincial. En 1870, antes de Clhristo,Kong-Kia succeleu tend sua mIai come regente, pois o iwlora-ior imu,
Smesmo.--Fiea autoisado o Thesouro Provin- a Ti-Kiang. tinha filhos.
0. effectua opagamento a queooE allude o6 Lp m i-Kou6 foi o successor de Kocng-Kia. Em 180, ella falleceu. Succedeu-lh- Hilao tenti
caneffetuar o p.gamento a que allude o SUP Aquelle entregou-se A devassidao e mandou cons- filho natural do K-io-Ti.
) meo.-N'esta data 6 autorisado o Thesou- trmuir urn tanque o qual enche de vinho. Em 179, Hiao Uenti n)in,,um su h,'rJl.iro. seu
Provincial a effectuar o pagamento solicitado. Emrn 1777 elle fez assassinar Koan-Long-Pong, filho mais velho, Li-Ki.
[rmandade de NossaSenhora do Livramento de seu ministry, quo cnsurava o seu procedimento. Em 157, fdleeeu IIi.o U,-mto. S-c,--dem-li,-
rinhaem.-Remettido aq Sr. inspector do The- Emn 17b66 as provincias da China havendo revel- Lii-Ki sob o none de Hiao-King-Ti.
ro Provincial para mandar effectuar a entrega tado-se contra o imperador Li-Kou6, este fugio e Em 141, falleceu este. Succedcu-lhe Li i Cite
produeto de loteria, a que se refere a suppTi- succedeu Theing Tang. sob o nome de Han-U-Ti.
ite, mediante fianga idonea nos termos da in- Em 1755 falleceu este, que teve per successor Em 140, elle expelliu os sabios da corte.
macao de 20 do corrente n. 227. Tai-Kia, seu neto. Em 87, falleceu o mesmo. Succedcu-lie 1I in
Wanoel Bruno dos Santos Gouveia.- Mantenho Em 1722 este teve par successor Vo-Ti".g. Tchao-Ti.
espacho de 1 do correntef A vista do aviso do Em 1691 este associou ho Throne Tao-King. Em 86, est-'fTi desterraio. Succedeu-lhe c mo
nisterio da Agricultura, Commercio e Obras Em 1667, per morte deste subio ao throne Siao- regent Ho Kuang.
blicas de 13 de junho de 1883, e da portaria de Kia. Em 77, este foi restabelecido no throne.
de maleo ultimo, pela qual foi o suaplicante no- E% 1630 este alleee e sueedeu-lhe.e Yang_ Ki. Em 74, elle falleceu Lemn filh)s. Succeduea-lh,-
ado para auxiliar o engenheiro fiscal da es- b7 succedeu- eu rma a-v. Lit-Ho que foi deposto logo subindo ao thrno
da a que allude. Em 1562, falleceu Tai-Vu e subio ao throne Han-Siuen-Ti, sujeito a umn regent.
Irniida Julia de Albuquerqu- Nascimento.- Tchong-Ting seu filho. Em 49, filleceu Han-Siuen-Ti. Succeleu lhe
rorar. so quizer para o inspector da Thesousa- Em 1549, este finou-oe e teve por successor Uai- Han-Yueun-Ti su filho.
de Fazenda. Gin, ea irmarh. Emn 37, o eunuco Che Hien se acclamou impera
Secretariat dea Presidencia de Pernam Em n1534, Hotan-Kia soue irm.) foi elsvado ao dor.
imperio. Em 33. falleceu Han-Yuen-Ti. Succedeu-il,-
co, 25 de outubro deo 1884. Em 1524, mrnreu este e succedeu-lhe Tsu-Y, Han-Tehmg-Ti seu filho.
0 portoiro, seu fi1 ho. Em 8, falleceu Han- 'chin-Ti cnvenenada Subiu
J L. Viggas. Em 1506, por more deste, succedeu-1lh2 Tsu- ao throne, sea sobrinho Hfau-Ngai-Ti.
-- --Sin. No 1 Ianno autos de Christo fellcc(n Han-Ngai-
Aepartlvio a Pollela Em 1465, este falleceu e foi acclamido Vo Kia. Ti. Succedcu-lhe Tchong-Chaur, nete de Hau-
.'-N 116-S rtrad seu tie.
-0 2.- N. 1,156.-Secretaia da Em 1433, Nan-King, filho de Vo-Kia, expellio Y em-Thavido 22 dynastia. neste vato m
;d4e r w Tr oabro de do direito e u c es fo T n havid 22 dynastia neste vasto ipi
S2 outrn T dos His, a do&Chang, a dos Tchems, a do.
wMIrm. o Exm. Sr. Participo a V. Sin. Tsins, a dos Haps antes de Jesus Christo. a do
e, que foram hontej recolhidos A Casa Em 1408, Yang-Kia filho de Tsu-Sin, sobio aO Heons-Hans, a dos Tcins, a dos Songs, a do.
Dete individuos, throne. Tsis, a dos Loangs, a dos Tehins, a dos Siuis


idie de Fernando, A diposico noDr. juiz d Em 1352, morreu estee succedeu-lhe Sibo-Y ul Jesus Christo.
,ito das execUuen.es, time, filho de Tru-Sin e irmlo da Sia.-Sia. No lo anne da era christi tomara-m centa dos im-
ordem do Dr. juiz de direitos do 1 district Em 1324, succumbio Siao-Y e foi elevado ao pere Ouag Uag onselheir e ministry d fal-
iiaal, Antonio Viccate Ferreira, per crime de throne Kao-Tsong, seu filho lecido T a imperatniz Uang-Chi aquelle sbo e nn
nentos graves. d Em 126o, falleceu Kao-Taong e succedeu-lhe do Han Ping
ordem do subdJlegado do Recife, Manoel de Tsu.Keng, sen 1 filho. ,Em 13 morres U.ing-Chi.
aes Na'arro, per distarbioa. e Em 1258, morreu Tsu-Kong e subio ao th-rone Em 23 foi decapitado U g-Ouang. Subi. a.
ordem do de Santo Antonio,'Joa Cyriaco ia Tsu.Kia, seu 2 e filho. N in H d i
Manoel Proira Bezeorra Frau-lin Ri- T 1-K 5, sue2u0 bioTs-K eseede h throne Lia-Hiunco
sgrav. Eta1225, sucuobie T -Kia oe succeu Ihe Em 25 este foi deposto. Succedeu-lhH Kuan
dae Almidarr,.per distarbioe.3Em1 5 ,m reT uK g e bi aot on7
do Almeida, por disturbios. Lin-Sin, scu filho. U-Ti, general chinez.
ntn, s 9 horid an, e no estabeleci- Em 1219, deixou de existir este, a quern succe- Em 43 Kuang U-Ti abJicou. Sucedeu-lhe
to n. 62 da r.a dwAmnpimn0 pertencente a Mi- leu Keng-Ting. Lid-v
o Fn cisco 'u pe tirxe Em 1198, falleceu este, e foi elevado ao throne Em 57 falleceu Kuang-U Ti ex-imperador do
evolver, empregando-se a-bala-no buvido di- seu filho U-Y. Celesto Imperio Lii-Yan que era seu 4-' filho to-
o. Em 1194, comecou ma imperar Tai-Tsoung. mou o nomede dHan-Ming-Ti.
endo conduzido pars o Hospital Portuguez ahi Em 1191, falleceu este, e foi aclamado Ti-Y, Em 75 falleceu este ultimo. Succedeu-lhe Han-
rno hnras depois.o soeu flho. Tchang-Ti seu filho.
Sdia 3 do reate, os individnos d nomes E 5 finou-se est, e succedeu-lhe Tchen- Em 88 fdleceu este. Succedeu-h.h Hun-H,-T,
Bizerra ds. Si c sen filho Jeio Bison-n-s. da Sin. sithMce__14) s

*, mora'dptes -ar Cafundd do termo de E-n 1147, este desposou Tan-K'a. En 1)1 falleceu Han He Ti. Suceed.--i,..
oCar Em 1144, Then-Sin, fez encareorar Uen-Vang lin-Chaag-Ti, so- filho, sob a rogeucia di iu-
*uf~rm aLi noi a pen cinunes da fa~l deste. poratriz Teng-Chi, sun. mhi, peis elle apenas eon-
atr a o rlei;etu[tes, i doaxquaes foi presB Et 114i2p Uen-Vang, foi reinteegra~to no seu tava 3 mezes e 10 dias de idadc.
,iare Jos: .I,,-a da Silv) procedeu-se nes prisnipado pela sagacidade de sen filho que apre- Em 106 este falleceu. Subio ao throne thn
me, d dsentoi a imperador urna sua filha do rara belleza. Ngan-Ti.
oce d 1 loi. p o R,"-,tn d 1122, havendo um combate entree Tchen Sin 0 Em 125 este finou-se. Occupou o throne Harm-
lbida a respeetiva e4ia 0 so ntoeuiado per Uen-Uang, este venceu e matou aquelle, succe- Chun-Ti, seu filho.
e do furto Manoel F,-aaisco d-a Silva Gnto, dendo-lhe no throne. Em 144 este deixou de existir. Tomou psse
eus trd N- ". me Em 1115, fallecen Uen-Uang e toi acclamado d imperio H ma-Tchong-Ti, sen filbo.
he guard a Exe. IUm. e sxm. e lho Tching-Uang, corn 13 annos. Em 145 succumbio este. Suceedeu-ihe llan
Dr Sancho de Barros Pimentel, muito Em 1110, este visitor o imperio chinez. Tche-Ti, desaendente do Hoang-Tchang-Ti.


r
', i*


I


_ ..


;Pul .


I ^C Ulls UU


It















M' Em549amorren. Sueeedea-uhe Liang-Uea-
Ti, seu fithb.
Em551 estefi envenenado. Suceedeu-lhe Liaone-
Yuen-Ti .
Em 554 esta iaxu. Ommobu-lhall|K)*
Tchuang -
Em 557 da eB ebriWlTei, U Musua'u c0
throne. : .
Em 566 este fi.a.ei- uooeetA TciB Pea
Tseon sob o non i Fi-'l :
Em 468 elle b deout. Swcedto-lie fin-
Suen-Ti. I
Em 582 esteo BumaB "0 o aironr Hiu-
Tchu.
Em 589 Uen-Ti tIBola de tor-v ne-'unsxbfiL
talha Hiu Tchu apasbnm-se da cor".
Em 601 finou-se Uen-Ti. Deixoa como succes-
sor Yang-Ti seu filho.
Em 717 cste foi estrangulado. Succedu-lihe
Kong-Ti.
Em 618 este abdicou em Knao Tsu.
Em 626 ainda este uftinmo abdicou em Tal-
Tsong.
Em 635 morreu este.
Em 649 fallecm tambemin Tai-Tsong. Subio n-o
throne Kao-Tson, seu filho.
Em 683 este falleeu. Succedeu-lhe Tchomg-
Tsong.
Em 681 esta foi deposto e teve por success.)r
U-Tan. -
0 actual imperador da China tem o no-n me de
Kuang-See; subio ao throne em 1874.
A 8 de abril de 18331 falleceu a imperatriz da
China Tse-Hanemr Pekin.


INTERIOR

Correspoadencla do Dtario de
P ernambuco
RIO DE JANEIRO-CORTE, 19 de outu-
ibro de 1884
SUMAtRIO : I rplicaQJo das aleqrias do Sr. Dan-
tpls.-A missao do Sr. Rodolpho Dantas a
Bahia.-Os sews resdultados. Comno ficou
J composta a chapa de deputados nessa pro-
vincia. Reconciliagio da dissidencia libe-
... ral do Sr. Barbosa de Almeida.-Como o
Sr. 'QaLntas passa os dias contents -Des-
lnecessid~t da candidatura do Sr. Ruy
Barbosa p or j/.S:-- Contentamento de
de (( Clarkson,, -A circular (le urn can-
ia didato ,onservador por Minas.\--^,Como
1 ,f Clarkson consider urnm artigo publicefto
t* no Diario de Pernambuco. -Factos da
) -provincia do Ceard. Discussdo na impren-
S sa.o-As dissidencias que se dao nos dons
Spartidos alli. Uma carta dos Srs. Cotegi-
I; pe, Padino e Joao Alfredo. -0 Sr. Joao
^ Brigido e as cartas que os amigos ihe escre-
,i| viamo
;& Est1i cxplicada a causa das alegrias que, do
i'V dias i esta parte, ilhuninam o semblante lo Sr.
% president do conselho. Nada mains e nada menos
-6 do quo o resultado obtido pelo honrado filho de
SS. Exc., o Sr. Rodolpho Dantas, na sua recent
missao a Bahia, para onde partio d'aqui no dia
S24 do passado, e de onde chegon, como era espe-
| radio, A 12 do corrente, acompanhado do senhor
Sseu tio, Dr. Joa.o Dantas, afim de passar o dia 14,
| anniversario do seu nascimento, no seio de sua fa-
-^ milia.
SE na verdade, o Sr. conselheiro Dantas tern du-
plo motivo para star alegre. Se como pai tern
,S just m itivo para regosijar-se, como todos os pais,
I (todos 6 urn modo de dizer, p rque ha pais que -so
/} amamn os filhos quando elles nAo lhe gastam o di-
i nheiro) quando v'em o3 filhos em quo depos tam
suas mais charas esperang:s, corresponderam a
Sells em todas as situaq2es da vida, sabendo con-
| duzirem-se corn habilidade e tino nas questoes
imelindrosas em que porventura se achem envolvi-
dos ; como governor, como chefe de um gabinete
'qae acaba de fazer appello as urnas, como politi-
g co, emfim, e politico bahiano, o nobre president
do conselho nao deve felicitar-se menos pelo alvi-
tre que tomou de mandar sea illustre filho A sua
terra natal, para o fim de remover, ou antes ven-
ocr as difficuldades politics que poleriam, e'n
altima analyse, dar a eleino do P de dezembro
uma tal feicao que significaria uma derrota para
3 o ministerio.
^, 0 Sr. Dantas derrotado na sua Bahia !.. Seo-
ria um eumulo.
Quando o Sr. Rodolpho partio d'aqui, disse-se
iS' : qne, m)vido por sentiments de amisade e dedica-
Oo ao Sr. Ruy Barbosa, ia exclusivamente tratar
i da candidatura deste, accommodaudo-a no dias-
tricto em que ja o havia elegido, o 20, ou emrn
S~ qualqner ontro se alli niio tosse possivel veneer as
* resistencias que se haviam manifestado.
S Ninguem pensava, por6m, ou antes ningncm
'r disse quo elle ia em missao reservada do senhor
soen pai, corn poderes planos para resolver todas as
Squestoes que fossem sascitadan eom relaco a elei-
^?to ;o, c para negociar corn a dissidencia liberal do
I Sr. Barbosa de Almeida, fazendo-lhe as eoncessies
Snecessarias, que nao deveriam ser de grande va-
lor, porque ella tambemrn nao tern grande valor e
pouco pode fora da capital.
S E aqui seja dito, qua a rccouciliagao corn aquel-
A Ie grupo nunea foi excluida dos calculos do Sr.
Dantas, e so cm inais de uma occasion delle n-
!!procuron realisal-a, on n ilo tentiu-a seriamente,
; foi para nao desg.tar o Sr. Saraiva, que nunea(
; quiz entender-se corn o Sr. Barbusa de Akpeida,
i principalmente, porque este, ao que ouvi entlo di-
1; zer, nbo prescindia de apresentar ezone candidate
: o Sr. Buleao, de quem o mesao Sr. Saraiva era
% inimigo pessoal desdc 1861, por um ineidente que
sc dera naCamara, send ambos deputados, e o
segundo ininistro ate estrangeiros no gabinete
Olinda. Entietanto o candidate agora apresca-
S tado pela dissidencia 6 o Sr. Antonio Euzebio,
: pAo o10 distrieto, quo dispute ainda corn outro
t cand'dato liberal, o Sr Ferreira Franna, almt doi
I conservador, o Sr. Barib, de G-uahy.
*:;, 31as, voltemos a mnissao Rodolpho. As cousas
: form arranjadas de modo que todos ficaram sa-
( tisfeitos ; e tanto os amigos do Sr. Dantas eomeo
0os dissidentes assignaram a combinaeao feita, re-
'I3 commendando-o por toda a provincial, e declaran-
do quo todos aceitam o project do governor e de-
i, claraudo tarmbcrn feit~i a uniao do partido. A
I' combrnaeao consisted no seguinte : S r. fuy Bar-
, bosa. que tinha sido eleito pelo 20 district, passa,
|- para o 80 que era do Sr. Mourn, e este para o 2.0
|i 0 filho do Sr. Joao Dantas, que anitnaLt pOa se
g' nhor seu pai e outros parents, ialem de numero-
.i :0 sos amigos, estava desarranjando o ST. Sodr6 no
7 Jistricto, fica no 9o, que era do Sr. Rodolpho,
o a assim nao sahira da familiar, e isto tanto A goato
t: e agrado d'aquelle dito tio, que chegou a vir corn 1
i'ri^ o sobrinho para tomar-lhe o chia no seu anniversa-
r" io, ,m lamilia. Um Sr. coronel Pinto Lima e
|fc; candidate do 6, oecnpado na Camara di.eolvida
pelo Sr. Araujo Pinho, conservador. No 14 o
-I Sr. Marcolino Moura dispute, eomo na eleig.bo


E passada, corn o Sr. Barao da Villa, da Barra. Os c
Soutros candidatoa sio os que faziam parte da Ca-
l- mara e pelos mesmos districts por onde ja foram
'. eleito.
1' Quanto ao 1.0 district, unico por onde podia
S'= ser apresentado o eandidato da. disaidencia, o Sr.
|? A. Euzeblo, nao tend consentido o Sr. Franga em
retirar a sua candidate a, ficou assentado que no
1 .o escrutinio concorresse cada um corn sus foe iA,
S man no 2.0 serial susteatado em nome do partido o
que disputasse corn o candidate conservador.
1Compostas assim as divergencias e divergidos 1
i que iam crescendo, extineta.a dissidencia e portan-
Sto domado o irriquieto Sr. desembargador Imiz
^ Antonio Barbosa, assegurada as reeleivSeadosSrs.
Sodr6 e Ray Barboa, ja o Sr. president do con-
selho pode dormir tranmquillo e passar os dias con-
tente, e at6 dar contra ondens para Goyaz, oude,'
S segundo noticias que d'aUi *iar m de heg ja
havis ida anuaciad" -eoandidatura do d r.
aRuy, ngo polo novo president, que ainda nao ha- .
i via ebegado a capital, de quae aise achavm pro-
ximo, tend atravessado sileocioao o asuldapro-
vine*, "m, polo Sr. Iepolda Balhoes, exzdepUta-
do, que o acompanhava desde Casa Brans en S.
Paulo, ovide reO& ad nran e hi.a
aquelle eandidato rcomo uan gloria naciial,m ,
1phrao que mwekhva noagtig q
ngou que o gabinete tivoe caa idwt e .
Wit.. wftflarHO clnlntowttedo Sr. Datntal,
irocewe- Oe o que no Jorf, -&t ComWivmew 4e ham'_
*Kj^.1.1,ktofiauaw w sorfwn, qw awumito dias" Bo
oannareAil m andflUav corn o*tro nome. e umew


laal iuHa snaermue- omieaus0Hs mm aso pa
prseindir.do qlemento .e.r.i.....
Verdadeiro effeito ea*t:outrep- muitos,.diga-.
se o que quieter, lei expistoia nmpitia hman-
dade, como todas a instituig8es boas on mn, a
vid ....O kdo uaMMl neceawmio

avvio s bduo- iededo,, do evil
-con"84wohaocs, aMows,
Eiartf o tramedeft1polkca da* i
aoncs. eadean fouwi t a- L*scrav
lo. AgsaEho, SM glnig, gBauet,..qwnai*'
re* gesm- da %iyej a, a. e. am e tolh-b me
w~oa arew arirodeasw do* Bfclfles chiiUwf re-
dteziram a-aqmp esa i1a1iii --n aco s t
senhor e eserave a grande lei da caridade.
a No Brazil muitos pensam assim, mae poucos
o dizem. Para que esses subterfugios, essnis arti-
manhas, politics, essa tatica pueril? T
a E' preciso que todos soe convengam do que ho)-
je no Brazil.nao se pode ecombater vantajosamente
o abolicionismo, senbo opp&do-ae frrqivm &
franqueza, coragem A, coragem, e quoe quern na
quizer aer abolicionista devea ser eseravoreata. ,
Accrsoenta ainda o mencionado eandidato que
quem" pensa come eUe nao, pode ao mesmo tempi
claminar contra os abolicionistas e professor per sua
causa boa vontade que nunca se realisa.
Clarkson applande essa franqueza do candidate,
e acha que a sun circular 6 urm pAdrio de since-
ridade e de logica.
a Sinceramente diz elle, 6 grande a nosesa ad-
miraqao pelo illustrc candidate. Elle deu exem-
plo, digno de imitaqbo, tend a eoragem, talvez
unico de entre todos os escravistas, de aunauciar
As claras todo o sen pensamnato e do mostrar at6
as raizes pelas quaes eoste penwamento se liga a
doutrina dos doutores da igreja. *
E acrescenta depois de algumas considera5oos
sobre ser ou nbo do direito divino a escravi
dio :
Pare~a ou nao absurdo este programn., lie
Smerece toda a alta consideragaio quo lhie dcedicou
o Diario do Brazil. E' na redalidado o progrannmma
de todos os escravscratas; o coraitoso e andidato
diz corn tauta energia quanta verdade :-Eu pen-
so come v6s todos, corn esta s6 differen9a ; eu digo
o quo penso. Parsa quoe os subterfugioa a quo re-
correis, para que as vossas artimanbas politics,
para quo essa tactica pueril ? Dizei a verdade, se
tenies convicao della. Os abolicionistas aestiao
corn a philosophia, que 6 o sentido moral do mua-.
do, estao corn a philantropia,.qnue--'orirnamento da
alma ; estao co.o.,-Oi5ii,,) do seculo, quo 6 o
producg-diTf(6 seculos de civilisaggo remodelada
"olo oensinamento christio. NSsa, escravocratas,
devemos e0tar em opposigibo a tudo isso. A tudo
isso Perfeitamente. A eonfissino e pireciosa,
quanto exemplar a franqueza. a
Entrando em varias orders do idea,, e passando
a doutrinar a lavoura, expondo-lbo o que pensa
que e o interesase d'ella, achit Clarkson opportuni-
dade para reforir-se a un artigo publicado no Diam
rio de Pernamnbuco, quando ahi chegou o Sr. Joa-
qnim Nabuco.
a Lemos ainda hontem, observa elle, quo Clark-I
sin tern injuriado a lavouran, isto dizendo uma folha
de Pernambuco, que de semethante pseudonym
prescntio transparecer o bell nome do Joaqwim
Nabuco. Levantamos a increpagqo porque m ito
nos doeu. De quanto tomes escripto 6 impossivel
destacar uma phrase quo, mesmao de leve, seja in-
juriosa A lavoura. Nio poderiamos fazel-o sem al-
luir pela bae o edificio quo nos esforgamos per
construir. A lavoura ha de ser a nossa alliada, a
nossa collaboradora ; do mesmo modo que todas as
outras classes, ella ha de influir no curse do pro-
blema, e ainda mains do quo outrage, por quo ella e
a mais interessada em substituir a actual f6rma
provisoria do trabalho pela f6rma definitiva-, a-
forma do trabalho universalmente adoptada. *
Disse acirna qu e os negocios do CearA estio send
aqui animadamente diseutidos, e assim 6. De to-
dos os president's actiaes, anuelle corn quo a im-
prensa da opposiclo aqui maic se tern oeeCnp tdo, 6
o do Ceara, o Sr. Carlos Ottoni, tanto por ter feito
varias alterac5es no pessoal da policia e nomeado
delegados militares. comn por ter suspendido a
exeeuiAo da lei do orcamento municipal, votada na
ultima reuniao da Asseminbl6a Provncial. Nas
quadras communes aquellas alteracea, e mesmo as
nomeaqees de delegados inilitares nao causariam
reparo, nao obstante a grita que oa liberaes levan-
taram quando estavam em opposiqio contra taeo
nemeq oes.
Mas, estando-se em plena eferveecencia eleitoral
o quando o partido liberal esta alii profundamente
dividido coma tambem esto a couservador, todos os
actos do president, contra o qual se tern declara-
Io a parte talvez mais numerosa do seu partido,
iassam pela mais rigarosa fiscalisacao. A faeili.-
jade corn que o telegrapho transmite noticia dc1
qne alii occorre e a promptidlo com qua o orgeo op- .
oosicionista,dando publicidade not-factes, common-
tn-os, e lan~a-nos a conta da incinceridade do Sr. )
Dantas. na execucao de sen programma de absten-
gao, obrigam S. Exo. a star em 3ontinua commu-
-icaeno corn o seu delegad., erpedindo lhe tele-
grammas, rujas rospostas nanda publiear no Di6- a
-io Official.
Em unia dessas rospostas diz o 8r. Carlos Otto-
ni que tern nomeado apenas seis delegados mill-
iares, e o brazil de hoje, em telegramma recebido I
P'aquella provincia, noticia mais am, qua o eleva (
o numero a sete.


Essa folha tern cahido, com grande forca sobre (
) Sr. Ottoni, que 6 defendido em interlinhados no,
Tornal do Commercio. Destes os dons primeiros
dizem que foram do Sr. Theodaureto Souto; os oa-
tros tern sido por encommenda do governor.
Menos por interesse da deteza de quo por ma- (
lignidade, um dos oscriptores do governor transcre- (
veu do Pedro II, folha da fracqo conservadora
dirigida pelo Sr. BarIo de Aquiraz, urna carta di- -
rigida a este e assignada pelos Srs. Cotegipe,
Pauline de Souza e Joao Alfredo, recoairnendando
a reconciliacIo dos da mesma fraccao corn a outra.
dirigida polo Sr. B. de Ibiapaba, e insinuando que
eomo excepcao, poderia ser convenient auxiliar- (
se, oa combinando-se os esfobrcos, ao grupa dos li-
braes que tendon por chefe o conselheiro Rodri- l
guea Junior, haviam, come os conservadores, votva!o
contra o governor, e hio de votar do meamo mode
se forem inreeleitos.
E' este urn docuimento de character reservado, e i
nao se expliea a publicidado que lhe foi dada se o
silo como uma justificativa do convite ou appello I
dirigido pelo Sr. Aquiraz ao 8r. Ibiapaba, n qaal (
respondeu-lhe que, ouvindo os seus amaigo, nio r
odia entrar em combinagao com elle, por nlocon- E
ar na sun lealdade. D'ahi o que se pode inferir
Sque cada urma das.- fraecoes conservadoras se hi- c
P rA na elei"ao, a um dos liberaes, sem sacrificio c
osteriormente dasa reapectivas autonomias,, eman-
tendo quem for eleito a denominaiEo de conserva- I
lor ou liberal, segundo a sua procedencia.
Parece, pormm, impossivel que em qualqner don i
ious partidos na provincia do CearA, possa dar-se
nma reconeiliagao, de modo que venham a recoam- a
por-so coma originariamente eram. Ha, e verdade 2
exemplos de takes reeonciliacies, depois de fian bn- d
ga de familiar e muita lavagem de roupa auja. Ahi
em Pernambuco mesmo, para nio ir maris long, d
beaba de dar-se um caso dresses, que deve ser ma-
ivoe de prazer para os que desejam quo etre n6o n I
has partidos fortes e bemrn organisados, corn ideas e (
principioas defiuidos, e nao grupos de ambiciosos u
ofregos, fraccoea indisciplinadas e corrilhos que se t
ilimentam de inveja e intriga. Assim 4 que corn
satisfagio vejo ao lade do nome do Sr. senador
Luiz Felippe e do Sr. Epaminondas de Mello, am- q
eos come organisadores da chapa de seu partido
Sreeomamendando a como chefes que slo, no C
nesmo s6 do igualdade; o nome do Sr. Epaminon- f
las de Mello, de quem, nas vesperas da oleieao
passada, sob o ministerio Saraiva, dizia um eor-
espondente d'ahi para o Jornal da Conmmercio
talvez um dos que agora fizeram sua chaps, cober- a
as coam o prestigio desse name); de quem se diia s-
oue-podia considerarpucerrada a sna carreira pv- t
itica, na provincia, e que era home morto, eomo d
m quem deixraa de ser deputado, flea morto na po,-
itica e nao pode, do outro maodo e emn qualquer
outnas considerac5es swovir no sea pai0 N
Come dizia, porm. no ear i tat ree6Omciipo I
ada vez mai adifflciw ertori. db que oe61 pr
unda a resgpsta que a Sr. Jol Brido deu e man'
lou tmanserever equi no a omereio, Jorn
imsa aggrsIao pouc prante que'vol seadb s*i-
-oa-lhe o-Sr. YVriato i 1, 'de
NIo uopteuteem~repondefpaip3 ansan *j
Loa mmpgso titral; at frf ^BKJ ^-;:^^ 4tta~
devia atirar a ls dapublc -
mab.nea. t 4n51,mI fa A1 PAJI5t Ilo o


~a~uswp tauisW contdracmo m on a
gas, quo, i'eBado peadente do eorpo iegias 0,
foi approvado na camera e regeitado no senado:
P contrario do qua aconteceu agora comn a emenda

cis ao^ ^^^a- ~ ^ asiitesso
lhe 0iiteim'Agrilt1ra. euio rt)
em l.ta4H baI f atic latiKe di rrta
qw si vaiaw' ar
nso 40 = m ir4*ern klo-S aconewtvidkLi A
!crtm, Voans WWAGadow ~alt,*-Jon-
nuitaBar qreaao faunariLIN aI ceras.Pto
q ma S J- L a-i na- n.ar a y a &u id
Madw do vg o islb d p xojau q pan utW r
(Aqd i poz o Sr. Joao Brigido easta no ta : Re-
foreo-se a um seu colloga da Canara corn alvada
n io Miasterio d'AgricItara. e )
E E V. tainbene foe ablativo de viagoe conti-
na; a cartdi, seo aprofundar erta8 cousas. Pois
saiba, me n Joao, que aqui na Parabyba soube de
M4JoOo quatrdw rew o q &6nto d &o cudir um. o~i-
tador de votes dos provinoias, qrando unito tern
de preiute o Joe6 Julio e as carne prs padres queos
fornecodores da corte mandam para salvarem os
nossos pobres retirantesj
Quern seriaease deputaldoa corn aiada no Minis-
terio da Agmricultura n'aqoella. epocha ?
E' bem de ver que o Sr. Ratisboua nao podia fi-
car calado ; elle veio taibem ao oJorial, e em ter-
mos resuraidos, exprobando o procedimento do Sr.
Brigido, o dando-the pernissao para que publique
todrr as sna s carteips, obseiva quanto a qnlle
ponto :
S Achando-mre f6ra dos ngocioaes publicos em
79, quo muito 6, se ura ou outra ves c em contact
codm o Sr. Joo Brigido e seas inigos, tronaase-
inos ou discutissimos apreciaqoes injustas, ds
quacs f)ramr viAtirnas caract'mres tao respeitvefs9 ?
Quantos, n-) miio das nossas ltas. poLitieas das
rccritniuaeoos reciproeas, souberain guardair in-
ticta a virtuio dejalgir os adversaries, e memw)
amigos du qurm nos sopararuos cm utn momento
dad1, corn soreaidade de aninco e do consciencia ?
a Aquelle qua se julgar assimrtao puro, seja o
primneiro a atirar- me a pcdra.
SQuaern hoje, pmrein, pudorA negar a justiga A
que tern direito os calumnados dessa epoca?
Acrodito que o Sr. Ratisbona estA hoje conven-
cido que foi illudido, e tornou-se echo de uma ca-
lumnia. .Mae- a. de'eB r. ...Xfa.
'iomem do sua idade, posigao, criteria % experien-
cia dos negocios nao aeceita corn tamanha facilida-
de histories d'aquella ordem, para affirmnar qne
sabe de tudo, o quando, a hera. e quanto coube a
cada urn. Qae mostrasse desagradado pele pre-
sidonte e pela farinha podre corn qua mirmoseaam
o CearAi, durante a seeca, vA, estava em seu di-
reito. Mae fazer aquellas affirmativaa nao.



DIARIO BE PERNAIBUCO

RECIFE, 26 DE OUTUBRO DE 1884
Notielas do Pacifico, Rio daPra-
ta e sul do Imperlo
0 paquete inglez Britania, entrado hontem do
sul, trouxe as seguintes notieias e as que constam
das rubricas Parte Official e Interior.
Datas telegraphicas ate 12 de outabro:
Huancayo foi occupada por forces de Iglesias,
sem tcr havido resistencia. Os departamentos de
Ayacucho c Huancavelica estavam eornpletrimente
indefeso&.
Foi- decretada a dissolueaNo do quartel general,
estado-rmaror, arsenal e bagagens do exereito de
operaqoes no Perd.
Foram prorogados at6 20 do corrente mez as
sessoes ordinarias do congress do Chile.
Depois de largo debate, o senado approvou na
generalidade o project de lei de reform da cons-
tituicao enviado pelo poder executive.
Em Santiago houve um duello a pistola entire o 0
senador Jos6 F. Vorgara e o deputado Julio Ze-
gor, sem que produzisse nenhuma lesao. 1
Rio da Prata
Datas de ambas as capitaes atW 13 de outubro : (
A camera dos deputados da Republica Argen- (
tina resolved, par vois coWtta 2. sxm. -rirai&-
todas as- verbaa do or~amento destinadas aoa..- c
minarios. ,
0 diario catholico La Union, disse que ner*
xariam de existir os semrinarios catholicos, prquc *
se sustentariam corn recuraos proprios. "
Monsenhor Mattera, nuncio apostohco, regres- -
sava por terra de San Nicolaa e Buenos-Ayres, I;
zemorando-se em varies lugaren. a
0 ministro da Franca dirigio ao dos neoeios I
estraugeiros ura extensa nota, queixando -se do r
procedimento arbitrario corn quo se applicaram as .
nedidas sanitarias aos vapors franeezes Proveno d
(irond e Bearn. c
Na Republican Oriental, o conselho universatario c
resolveu acatar o acto do governor que destituio o
professor Desteffanis, faaendo-lhe entretanto con- n
silJerames no intuit de mostrar que nao foijusta c
a sua revaluco. 0 governo devolven ano onse- d
h) a nota que lhe dirogira pmr sem desrespeitosa ;
per sua vez, o conseiho communicou ao ministerio
da instrucao public que mantinha a sua noet
do dia 10 nos terms em que foi eoncebida e lh'a
levolvia pelo secretario. !


Rio Grande do Sal
Datas at6 12 e telegraphicar ate 17 de outu-t
ibro : e
Diz o Correio Mercantil que o promoter publi- h
3o de Uruguayana denunciou oa c detes do 6- ba- d
talhao Landelino c Brederodes, comao dous doe as- d
saltantes da casa do vice-coasul o Sr. Abel Coe-1
ho e destruidores da typographia do Guarany. r
JA havia sido suspense a escuna allemA rede- a
rick, quae f6ra mettida a pique pelo vapor inglez e
Chaltam.
Em Pelotas dous homes mascarados atacaram,
em sun propria casa, o Sr. Joaquim Martins Lyra s
iao chegando a offendel-o por ter acudido a po- s
icia. r
0 Joriial do Commercia da corte publicou r
este telegramma :
S Pelotas, 17 de otubro. v- Em sessao soleaune,
ina camara municipal desta eidade, preseates o
residente da provincia e o bispo diocesano, foi d
hontem proclamada a libertatlo dos cinco rmil es-v
3ravos deste municipio, concedida esponeanea- V
riente pelos senhores. aHouve 'e-Deum iooltine
grandes festas populares. t
Estao inscriptos 150:000, para a Sociedade re
Ie Immigranio desta Midade, organisada corn o
capital de 300:0005-.
a Enthusiasticas acclamaces ao Imptrader, A I
'rinceza Imperial e ao governo.
0 president da provincia vwi visitor as cole- dt
sins.
, A camera municipal de S. Luiz, eommuoica c
Total libertagio dos escravos da villa, e do 10 e t
P districts, faltando poaco pars completar-se a
h) 30 e ultimo do municipio. d
a A villa de S. Framnciseco de Assis, tbertou to-
Ibe os eseravos alli domiciliadas. t,
a 0 juiz de direito de Urugtayaa partieips que r
jatorre passou para a povoa* de Librea, em
,orrientes; Gil embareou pra rs ncordia e Sal- d
anck para Caceros. Foram proses Berro e ou-
ros em GualeguayehA. Espera-se que cessem o(w
ireparativos de revolugo. so
a 0 commandant da flotilla de Bag6 inform a
lue, em fins do mez proximo passado, o general d
Irredondo, os eoroneis Flores e Lagero e Nieo a
,oronel pretenderam tranVplr Uruguay corn
orga. h
I'arama II
Dta ate 12 de otubra: d
A prosideneia da provincia sanccionou uma re. d
oluiglo da assembhasprovineisd concedendo fa-
'ores A empre q futdw a prifals fubrica do
ecer pasnes de algodao no district algodoeiro da c
iomnar de Castro;o e ompregar Gapital nunca in-- t
erior a 15:00000. e
N ea pital D. Juatina Deolinda dos Santos deu d
iberdcade gatuitamente aos seus eacravos Sebas. 81

Datas a*14 doo* abro: -o
Nada referem as folhas que merega- muhwlo..-
DataW at 19 de outubro:
egw4 A b U ^ -indo Aw ibizs o a0- M
*00", As *


wuweao wwcsrm-
adeia CQwwik~t
eim trabiaffi. go


a7 (P
Iam


........ W dletad de embr*Peo
o9os do commercio, qae estavamn t d-,ad
- no jardim do largo da CoroanAoo, vendor
iAl povo vinha em auxilio deteos, comearam
- s pedras, armando uma grande desordem, da
4pl oahiram feridos gravemente dous dos* maria
,.eiros e levemente algma a pessoas do povo, qu
feram alcangadas pelas pedras. Um dos maria
nheiron foi medicado na pharmacia Galleno,
qa sa dos barulhentoa -ae di, cadais.
A -soe o Correio Pkurtolo de 16':
BU tem, carma daw8 hoer. da ,aaah, U'UW
mrroavago site entroa a al ue paxiae a
AniRf do Triumpho, appem um eladawTftr
O pleno access doapho5%2furosm
0 *pbre animal, fb teA lamsdsd baba
venou, extorcia-se *i la-es dewosGmar
remim do-se cego e spe coax* to", o
objab ao alcanee d& e dtBm ad as
prs arnmes corn pwom'deftri.
Os moradores Va circumvisinhanna, atterra
dos por este espectamulo e por ease latido e uivr,
caracteristicos do 'Co damnado e que cn.t yea ou
videos nao mais podem ser esquecidos, fPchamam-si
deutro das casas, nao ousando tomar quaesquerc
providencias.
S0 -proprietario de urn armazem proximno resol-
veu-se, final, exterminar o misery do, o que
consegnio ap6s quatro tire de revolver contra ele
disparados.
x Informam-nos quo no bairro dn Bjrn R-tir,
ha mais 3 ou 4 cles manitestamente hydrophobos
e dlversas pessoas tentaram matal-os m: as ain
nenhum exit. n
Refere o Correio Paulistano de 17:
a Consta-nos quo a commissao das obras do
munumonto do Ypiranga, em reumanio do hontein
resolve, de conformidade corn o contrato ultima-
monte celebrado corn o governor da prvincia, dAr
principio Aquallas obras, no lugar jAi desiguado
executando a plant do eugenheiro Bezzi.
LU-se no Diario de Santos de 17 :
0 Sr. C. J. Kreomer, commrnindante d: vapor
Ranmses da Companhia Kosmnoi, entralo ante-hon-
tern cin Santos communicoa-nos ter encontrado co
dia 4 de outubro, As 8 horas da noite, no estreitc
Magalhales, centre o cabo Virgem e o roclhedo Con-
dor, o navio trancez Articque cmn chiammras. En
Puenta Arenas ja tinha aquelle conmmnandante tidc
nticia do naufragio do reterido vapor.
,, Nao tend os signaes de soecorro feitos pelo)
Ramses recobido resposta,jjulg)u o rospeicctivo corn-
mandante que a tripolagao do vapor .'a o
tisha abandonado..-..-- .
a Af/2Uhoras seguio o Ramnes viagem para
-Mb ne video. ,,
Refere o Rio Branco, de Pirassununga, no
seu numero de 16:
0 Sr. Motta Junior estA promovendo urna ex-
posi~ao municipal de caf6, cujo product depois de
exposto nesta cidade, sera enviadlo para a corto,
ao Centre da Lavoura e Commnercio, afim de alli
ser exhibido na quart exposic~io brasileira de
caf6, quo vai ser aberta no proximo mez de no-
vcmbro.
a( E' estaa primeira ve. que vai appareear pro-
ductos deste municipio nas exposi(;"l pro:n)V'irII
por aquella important assoeiaqao. 0 Sr. Motta
Juniorja reeebeu 12 amostras de caf6 do cxcollen-
te qualidade Moka o Chato. )
Rio de Janeiro
Datas at6 20 de outubro :
As principals noticias constam da carta do nos-
so correspondent, na rubric :- Interior.
No Asylo de Mendicidade foi lanqada a pri-
meira pedra, no dia 17, para a construenao de um
dos trees ranios que fialtam no referido estabeleci -
mento. A solemnidade toi honrada coin a presen-
9a de S. M. e Imperador.
A's 5 horns da tarde chegon S. Magestade,
acompanhado do Sr; Viseaondo de Tamandar6, c,
send reeebido polo Sr. ministro dajustira, presi-
dente da commissAo encarregada de levar a effeoi-
to a construc9io, dimigio-se para a Area onde dc-
via effectuar-se o langamento da pedra.
Pegaram na padiola S. M. o Imperador e os0
Srs. conselheiro Francisco Sodr6 Pereira, Condo
de S. Salvador, de Mattosinhos, e Barao de Quar-
tin. Conduzia a caixa corn as medalhas, jornaes
e o auto da certmonia o director da casa de co-
n'ecao, encarregadode dirigir as obras e fornme-
oaer o material preciso.
Concluido o assentamento dai pedra S. M. o Im-
perador, acoinpanhado de todas as pessoas presen-
tes, subia ao paviioento superior do. asylo, cujas
lependencias percorreu e nas quaes se acham c-
rolhidon cerca dc 400 rialigentes.
A's 6 horas da tarde retiroa-ae S. M. o Impora-
lor depois de harer assigaado o seguiate actot-
,, Aos 17 dIas do mez de outubro anuo do nas-
rimrnoto de Noaso Senhor Jesus-Christa de 1884,
is 5 baras da tarde, nesta heroica eidade de S.
4ebastii.o do Rio de Janeiro, estando present S.
it. o Imperador o Sr. D. Pedro II, se dignouno
aesmo augusto senhor de lannar esta pedra do
sylo da mendicidade A rua do Visconde de Itauna
>ara -eonastrucco de um dos tires raios que faltam
1e inesma asylo, e que a commission nomeada pelo
0verno em 29 de setembro ultimo resolve des-
L ja levantar corn os donativos dos homes do
:orancao bemfasejo e corn o recurSos da easa de
orrsecao da eonte.
c, Assistiram ao acto da beneibo da pedra o mes-
ira augusto senhor, o president da eommissibo
-onselbhuro PIanciseo Maria Sodr6 Pereira, os


hembros della, conselheiro Conde de S. Salvador
de Mattosinhoa Barao do Quartin, conego Luiz
laymundo da Silva Britto, e conselheiros Tito
Augusto Pereira de Mattes, Joe6 Bento da Cunha
Figueiredo Junior, Bellarmino Brasiliense Pessoa
Ie Mello, e diversas pessoas gradas, tendo side
fficiante o conego Luiz Raymundo da Silva Brit-
o, vigario geral deste bispado : e depois de pro-
didas as demaiis fcrmalidades do estylo foram
lanados dentro dt mesma pedra, em uma caixa
le chumbo caborta, corn otttra de eadre, asornaes
lo dia, as moedas de 205 e 10, em ouro, de 25 e
I em prata, de 200 e 100 r6is em nikel e de 40
ekis, 20 r6is e 10 r6is em cobre, e bern asaim este
aute que ar qualidade de 2- secretario da dita
ommissAo foi por mim Beliarmino Brasiliense
.essoa de Melo, lavrado e vai assignado per S.
1. o Impcrador, pelo presidents da dita eomnis-
ao e membros desta e mais pessoas pessoas ire.
enters .-D. Pedro 11, Francisco Maria Sodre Pe-
eiza, Condo de S. Salvador de Mattosamhos, Ba-
aio de Quartin, conego Luiz Raymundo da Silva
Britto, csnselheiro Dr. Tito Augusto Pereira de
Watts, Jose Bento da Cunha Figueiredo Junior,
Bellarmino Pessoa dc Mello. Visconde de Taman-
arW6 e outros. o
- Sibre o trespass do Dr. Jos6 Mauricio Ne-
es Garcia, escreveo o Jornat do Commercio de
9:
a Falleceu hontem as 8 horas da manhA e sepul-
itu-se hoje no cemiterio do S. Joao Baptista, este
espeitado professor e antigo clinic.
, Filho do distinct compositor e instrumentista
iUminense Jose Mauricio, nasceu na cidade do
lio de Janeiro a 10 de dezembro de 1808. Da an-
iga academia medico cirurgica recebeu o titulo
le cirurgiiEao; depois conferio-lhe o grAo de doutor
numedicina a escola de medicine, na qual foi mais
arde lente de anatomia.
,t Clinicando como parteiro desde 1827, era ain
ia agora consultado nessa espeeialidade.
a De sen psi herJou part do talent musical,
endo publicedo, emra 1851, comn o titulo As Mau-
iais. 65 pegss de musica de sua composigio.
- Em 1854 e 1855 publicon um Curso elementary
le anatomia humana ou liq.es de anthropotonia.
a Tambem publicou os trabalkos: wMemoria
obre a torgao e ligadura das arteries : Estudoes
obre a photographia physiologtea. Nova forms de
preciar os ferimentos do peito com offenaa duvi-
osa das entranias e muitoe out aos non Anuaes da
academia de medieina do Rio de Janeiro.-
K Era professor homaorario da academia das bel-
as artes, mnembro da academia de, medicine do
lie de Janeiro, do institute historico e da socie-
ade dama sciencias medical de Lisb6a, cavalheiro
a ordem de Christo e oflicial'da da Roxa. ,
- Eis as notitas, commercials recentes:
Rio, 18 de outubro de 1884-0 mercado de
ambio abrio nas meamaa eondigoes de hontem, A
iaxa de 19 15/16 d. Lendres em todos os baneos,
aesiale eonoervou at6 A 1 hoer d taude, quarn .
Lolsmadon-Bank e Engles Bank reoasaem reali-
ar opeaiies, a este prego. Do ento ea& diante a
Stama de 19 15/16 d., affisada naa respetivef to*
imlas polo commercial e do Coammereio, vigorava
6ments pa-ra operas ao bale&co.
o0 movinwnto do die- fbi me0s que regular, re'
Izando-se do rmsah a operqeA sobre LodroI
19 15/4l4, bencario, 20 d., dito sobre caimI
natri, & 20 1/8 e 20 1/16 d., papel particular, e
e tarda a 20 d ., dati.
Sobre Frang acou-se a 474 e47- rs. poet ran-

Kta= a0ma.*-iw AtoiW regular. .


Datv*_ftk 22 de otu~biro_: 1


C i-S B ide Ce- rmorseoObras 'Pul caquo aasdiesti-
ao gml que so vae proceder: biod qtdSod
S 10 district. Bar.o de Gaahy. bni da a quota dof and doe i,:de a s -
21 distrieto.-Dr, Jos6 Eduard ) Freir de Car- Aie a pevri- aa q ia
solve quoe esa quamatia seja epplicada& J ibortaa
valh oo esravr osJ nor mun epios o laat a do qu d
- 40 distrmicto. Dr. Pedro Muniz Barrettoe de ju n p ropor da popr"Ctoserav nld e
o Arago. existence atA o dia 30 de juni- do stan passade
5o districto.-Dr. Jos6 Marcellino de Souza. serinda de base A presented distrbui o numer
e 61 districto.-r. Americo de Souza Gomes. do 83,835 seavs. Resolve o siquabea
7o distrieto,-Dr. JoaI& Ferreira de Araujo Pi-nadivisi-o a que tia deso1;4e 5 m cad, eramvo
nh.seya o mostoma in 4orui o 06 ececd
nho80 distriet&--Dr.'Lnnoeeueio fa-%es de Arau- sJorso iporiamia o ,VA076, aavido
a 80 diat 21e Junior.-D*nocqcw daar dto- q a destiruada ao manicip de Granito a qual
a 9o GdistJnictor.-Be "Ge r o eate os de 176505 ia dente odo el eva a
10' district I D*r. Lua Franisco JoilquimrnEU&-Sauw ddoBarro ePitei.
A Ayrcs do Almeida, Quadr O'a PO c e
110 distrieto.-DMir auiamecioly Preira 1ranco: j do Pnaao eYravo a existent do prd
s 12 distrieto-;-*Joaquium Jerwoynmo Fernari- 188$,dadeP pr-tar-ia d ekj uns o d e
sds afa. oCa 1885 d ual P'elr r earia de hojr se distribiia
- 13o dta strieCm o ,r lArt het'r z dd 6. 1or ad cde eewwmipa n' 4importa-
130 detri Ar hr icia de 122d 000100, de aecordo corn o ar iso Nr.
140 districto.-Bar'o da Villa da Barra. cular do Ministerio da Agriculcura, Commercio
s No dia 21, As 3 horns da tarde, depois de e Obras pubca, do 27 dsetemo prox o .-
Sterminados os traballihos do expedicate, os empre- qeOb ap cs del *ste br poim poai-
o gados da Thesourariade Fazenda e Recebedoria sad, pafors constant d csa para:
r incorporados dirigira -se h casa d seu e x-chefe -sc icii ,.-to di ...t-e
a Sc-. Anta oS.a aao d Silva Kelly, o eprseiu- escpra ,', iwdq
Stearam-no corn urmt bilheteira do prata e um;G Recife 11, 16,: 1 4-I1.
e penna de ouro cravejada de perol-as, saphiras e Olinda 711 1: 3A.'5
e rubise.Jaboatio3,1)771.2
A entrega dos referidos objects toi realisala JlabIatI ,9 5:47,4j6
-elSr Sr. Ernestio H. Ribeiro, 1, escripturario, qui Cabo ) 3,1 : .;"
s pronuneiou ure ama breove allocuio, exaltando a ome- pojtca 2I b'i I ,";'
Srecinento e os servings do Sr. Kelly, coma inspoc- j,,c, 142 -:1'
for da Thesouraria do Fazenda. EscI da 5 P,5C 2:.1;,.43'J
Em seguid% o Sr. Anizio Vianua, 2-' escriptu- PAo lAuho 2,362 1: 0;47 1
o ario, rnecitou urn bern cluabora disaurso. Gloria do Goiti 7l'> '60 1: -,
Fizeram tarntmbem usodia palavra, o Sr. Ernesto Ganmelleira 1.317 l1, -' ) -
Silva,. lo escripturario, Moreira Sampio, prat- Lirnaoeiro 11 ,
r cante e Maximiliano Nascirnento, praticante da T aqurctin -I; .",,~- 1
1Recebedoria, pr part de seus companheiro-. Goya a 8:33
0 Sr. Kelly, coin mo video, agradece u a manifett- Nazareth 4.3l3 :
ubo qno lhe fizera, os seus subordinados. NzRio Forehoso 1,461 -
Estiverarn presented diversus posso.s gridas, Selinhiem 2,254 '.,
centre ellas o Exrn. Sr. nareclal comn-mndanite das Born Jardim 2"116 :': 7 4I
4 arimas 1'mbrrrrba 1"S11 2:-,6 5
Durante o act tocou a music do 1;0 batalllo p.,imarcsb. 611 2:36:i ;,. -K
do infantaria, qnue foi obsequiosainonte off"n'cia A ngua P-reta 2.127- ::15., *-,
Spelo Exm. Sr. gini-ral I1 rm,;ri d toPuaser i. Victori- :.03;6 6:,16 i i1 n )
4 Procedente de.Kiel por Cbo-Verde cheara no I-,lit) 1,*;:;:; -:- 7,;r.4
dia 21 corn 90 dias de viagem, a curveta a vap.)r Pancllas 1, 023 1":'''t2 WMj
Sallemit Nymphe. .. ..1 -
E'co m~:.A Di-' .. ...... Caruaru .;.44 'l. :
E..... ..... poSo Von 1Riche, traz urn- Bezorros 1-;15 2"::;1 5
T ti'pula~ao de 207 pessoas e U)nt- 1%) 1c An cntrar no Dporto trocor corn a forta,-za d- S. .i. -;
Buique 1 :)..-)6 :: ; ;, 12- ,"7)
L Marcelo as salvas do estylo. Flores ::;; j-r i ,
0 trafego da cstrada de ferro da Bahi- ao S. Barreiros 1.9 35 2: I ;,:12',
Francisco durante o mez de agosto ultimo for fl Brcio 1s, ~ 2: 61)-2
to por 83 trens, send 62 ordinaries (mixtos) entree S. I'entu ,';; 1 -1 ,'
Bahia c Alagoinha, 19 suburbanos entire B:lhi o Bonm Conselho 1:; :2' i1:;5
SMuritiba c 2 especiaes de carga entree varias cd- Aguas Bllas 5.2 7:;1 i4lo
taoes. -- Cimbres 1.II4 2 77i;51 }'
0 peicurso (dostes trens foi die 8i570 kin., 1(60, Tac Hrt :101 1:1 i,:-
sendo o mindio do 103 kin.,250. Flor-,ta 1: 2,' I '50
0 percurso das locomotives foi 14,111 kin., 30. Villa Bela 1. ;71 : .P.,I
0 consummo do combustivel foi de 66kgl88, o gazeira 1.1B13 1 : 4,4,
que da i Gkg,109 por kilonretro percorriao. Tr iupho 67,s 1, 143 : ;:P
A receita foi de 31:5914980 e a dcespeza de pitroo ;s '. '
46:525S140, deixando urnm deficit de 1-1:933W160. Boa- Vista ;13 ,
Acerca do pharol dos Abrolhos constava o aI .o :;l l;,'7,;0
seguinte : Leopoldina 17'7! 2 117,
SNo dian 5 do passado fallecen o 1.0 pharoleiro Cabrobh .l.0 >'2:.N,
Tito Alves dos Santos, quo foi sepultado no dia Granito 121 .139
seguinteo em umrn lugar da ilha, onde jl haviain duas Exp 1:;31 2,r 2215
sepulturas ; talleceram depois o 2.o e 3.0 pharolei- Ouricurv 2-E 4j-x21i 1,
ros entire os dinas 6 e 19, nao se podendo precisar a
data; o 4.o o ultimrno, depois de dar sepultura aos Total 83'35 122:#,-,m .
cadavers dos trcs companheirus, fez signal a urna Pancio da Prcsidencia de Pernanmbnc(. 22 2
embarcaqao, que por acaso alli passava, e, depois outubro de 1684. -Sancho de Ba rraos P1ne,',t,
do arrastar-se at6 a pramia. ferido e todo ensan- Boalos rfaios. -w rendo-s 01tei hf k, -P
guentado, pelo attricto nas pedras, embarcou na I1 0 a notion de que as prose a cidlrd ,- o-
dita embarcagio e abandonou a ilha a 19, data em anr havian arronbado a cadela, se da l al d rov-
que deixou de fanceionar a luz. a" haviam arrombado a cadela sendo assa1-
Em ua pedra, qua se achava pendurada napa- nadas diversas a, toridades. verificou,-s b,,ra,i-: d.
E a pdra, qu se achava penduada na a- poias ser tudo isso, felizminente inexacto.
rode do pharol, encontrou-se o seguinte oflicio, es- I D'aquella cidade obsequiou-nos o S;r. Dr.ca
cripto pelo pharoleiro qu e abandonou a ilha e diri- Polyarpo Moreira de Azevedo cos o sreguinte te
gido ao capitiao do porto desta provincia capitibo Pley-rama, que recebeios Aes2 horas ,a tarih h
e fragata Joaquinm Leal Fcrreira: F oanna, 2u rdebuo d lrs a a 1ru
rp G1TI o* i -ryantia, 25 de outubro fde 1SM, is I11 horao
Tomo a deliberaiao de communicar a V. Exc. c 55 miutos d a manr.sr .
o seguinte : A' 11 horns c media da imanha do dia ,I Nada Ihouve por aqui. Reina a rasior paz. A
5 expirou o 1.0 pharoleiro Tito Alvcs dos Santos, noticias parah i trausmittidas foram falsas.
que desde muito queixava-se de palpita,6es no CAiapa oonservadora-O partido cou-
ooraqAo e inchabo, sm tin n-e aqui tivesse urn so'
corauo e di cmehaa.o, sem aqe a ui tivesse um so servador organisou pela seguinte f6rma a charpa
edicamento que podessemos applicar, bados de dos seas candidates AdeputaSiio gernl no p. ^it ,-
recursos para Caravellas, srm termos ate entao 1' do dezembro vindouro:
avistado uma so6 lancha. 1 .o districto-Dr. Maca1l do Nascimecto Mach*-
A's 12 horas do dia 6 sepultamos o sou coda- do Portella.
ver no pauto denamuado--Buraoa--ndeo irltamr- 2.0 district -Conselheiro Theodore Marchai
bern sepultado o 2' pharoleiro A. G. de A. F. come [romo Perneira da Sil-a.
V. Exc. wra do officio junto. Estamos tambemr 3.o districto-Dr. Antonio Francisc. Corr-ia i.-
atacados e suppomos que 6 a mesa molestia do Araujo.
2* c 1e par isso pedimos a V.Ex. anssa exoa- 4.o di-icta-Dr. Belarmino Commein do 4 rlivei
neraqibc. E' o quc posso esela-ecer a V. Exc. a Andrade.
uome Deus guarde.--Illm. e Exm. Sr. capitabode :3.o districto--Dr. Francisco do Reo Barren -i
fr'agata, Joaquim Leal Ferreira, M. D. capitao do Lacerda. a- r
parto da provinoin ca Bahia.-- 3o pharolerro, 6.o districto-Dr. Henrique Marjlueo dc l--I-
Vicente R. Oliveira. ln Cavalcant.
Os pharoleiros que hoje vivem na ilha saio: 1" 7.o districto-Dr. Ignacio Joaquim de Stuz.
Antonio Jose da Penha, 2 Francisco Antonio dos o d. D g
Santos, 3o Joao Peliciano Aires Cajazeira e 4, 8.o districto-Dr. Gaspar Drunmnond.
Francisco Soares dos Passos. 9., d tric-Dr. Jos6 Bernardo Galvo Ale'-
Lemona no J'ornal de Noticias: forado.
c, A 14 do corrente a lancha Mez de Maria, que 10.o districto--r. Francisco de Assis Rosa ,i
havia sahido do Morro de S. Paulo, onde arnibara Sila


em viagem ae. ESntarem a este port, salvou, gra- 11.o districto-Dr. Bento Ceciliano dos Santo
cas a humanidade de seu mestre e proprietarno Ramos.
Bernardino Jos6 de Lem3s Dego, a trees naufragos, 12.0 districto-Dr. Antonio Gonualv-cs Ferreira.
dous homes e um menica que agarrados ao cos- 13.0 districto-Dr. Miguel Jose de Almeida
tado de urma canoa virada achavam-se a merc6 Pernambuco.
das ondas ida sorte. Uendimento puablieron No primeir,
a Conta o Sr. Lemos Dege, qua ponce depois de trimestre do exoncicro do 1884---, compamado
^ ^ ^*^ ^ ^ P^^ ^ trimestre do exereicio de 1884--85, comparwio
tOr sahido do Morro avistara ao long sobre o mar trimstr d 183-84, fam e
umn vulto que lhe prendeu a attencao, polo quae tez os rendimentos das estacdes publicas :
a sun lancha se approximar delle, reconheeendo Alfanilme a :
em breve a precaria situaeao doe miseros naufra- PrimeiroAtrimestre de 84--88 a2:21:S')2
gos, que immediatamente recolheu a bordo, levan- 83-84 2::875:094 i .1;
do-os ao Morro para onde voltara, send este um
actor muit o louvado por todos, principalmente pela ns em 84--85 5;;>.5 4-I
tree creaturas salvas e polo Sr. capital Joa.o La- e e
megc, proprietario da cano6a. ,, Recebedoria Geral
,, Sob pavorosa impressio se acha a villa de Primeiro trimestre de 8! -65 127:022;74!'
Curralinho, segundo nos inforina um amigo n ella .83-84 118:5234312
resident e que muito concerto nos merece.
SA causa do grande pavor, diz-nos esse ami- Monos em 84-85 21:74li:7;
go, prov6m da more de uma mulher que foi mor- --
dida por um cao damnado, que mordeu tambem a Correio Geral
mais treze pessoas. Primeiro trimestre de 64 -65 41:-'.o491 175
A longa e terrivel agonia da mulher contris- ..83--4 i':!7131U
tou e imprecsionou a todos de um modo que nao -
so descreve e realmente o caio nao foi pare me- Mais em 84-85 41.2ti'5I
nos.


lmag!ne-se que em toda a villa se oiviam os
gritos medonhos que dava ella em sens accesses
de furor, os quaes s6 terminavam com o seu com-
plete desfallecimento; isso tanto durante o dia
como A noite, em que ninguem podia dormir ; foi
necessario prendel-a em uma casa, guardada polo
povore, por isso que a hydrophoba quiz ir recolher-
se A easa do vigario, que, entretanto, apesar do
risco, confessou-a e ungio-a no intervallo de um
dos accessos. n
Victim'a de antigos padecimentos falleceu no dia
[9, As onse horas da noite, a Exma. Sra. ID. Jo-
sepha Maria de Jesus Leite, na avanea la idade
de 86 annos.
Era mai dos Srs. Barao de Sauhype, coronel
Francisco Fernandes Leite e Firmino Fernaixdo
Leite, e sogra dos Srs. Barto de Rio Real e Joa-
quim Vidal de Ohliva.
Sergipe
Da Villa do 'onde escreveram ao Diario de
Xoticias da Bahia o segumnte :
a Em 17 d'este cadente mez falleceu na cidade
da Estancia, onde f6ra em procumra de tratamento
dia cruel enfermidade A qua e fim succumbio, de-
pois de cruciantes padecimentos, o coronel Anto-
nio Martins FPontes, muito distinct e prestimoso
chefe do partido conservador'do municipio de
Santa Luzia, da provincial de Sergipe, onde era
proprietario.
Apesar de contar a idade de 74 anuos, mos-
trava ser robusto e vigoroso antes da terrivel mo-
esti, qu e levou ainda alguns mezes a dar-lheL
cabo da preciosa existencia.


RETII~aDiAIA

Ckdaide de ofyamma.--Da Secretaria da
Presidencia remetteram-nos hontem para publicar
o seguinte telegramma;
o RepartiAo Geral dos Telegraphos. Estaao
do Recif2, 2de outtrbro, de 18, as 6 hornas e 30
ninutos da manhL Procedente de Goyanna. -Ao
Dr. chefe de pelicia.-A comarca estA em perfeita
pal. o eonnta novidade algaum.-Gerocio, juiz
Is ditmto:.
a4 quota do tando de emancipae
-L, Thibua p U o o seguinte acto da -
enia, da provincia:
Itie, noda<1o io retProe"sldencaB em22do
do em vista o aviso circular uhd'w27. 4..etafir
timo, no qual o Mihstero da Agriealtora, n%-


Cowssulado Provincial :
Primeiro trimestre de 84-K5
83--84

Mais cm 84-85


-J


21:8401 417
28-2: 1.S354)4
l:r;015lit*<


Awmeucar e algodao-As entradas de as-
sucar e algodio, na praca do Recife, nos P'- s.
nmestres comparados dos exercicios d e ISSl4 a I ..
e 1883 a 1884, foram as seguintes:
Assucar:
1.o trimestre de 84-85 27,-84 ic,,6
1.9 trimestre de 83-84 115,884

Menos em 84-85 8.800
Algodao:
1.o trimestre de 84-85 13,045 '-* a-
l.o trimestre de 83-?1 44.415:

Menos em 84-85 31,370
A exportacAo comparada dos dous products.
nos referidos trimestres, apresenta estes resulta-
dos :
Assucar exportado:
.L trimestre de 84 -85 6.723,016 kiig.
l.o trimestre de 83-84 13.023, 12


Menos em 84 85


6.299,996


Algoddo exportado:
1.o trimestre do-34-85 855,221 kilg.
1.0 trimester de 83-84 3.;06,305

Menos em 84-85 2.851,084

Agmardente e aleI--No lo trinmetre
do exericieio corrente, de 1884 a 1885, compared
corn igual trimestre do exercicio de 83-84, .ii -
portado em aguardente e aliool pelo porto do e-
eife:
Aguardente e alcoot:
1.o trimstre do 84---85 9831.8 lio,
I.otrimestreded388 -84OW

Mais em 84---85 Mt N

Couame-Nos roferidwIdma trasw oaval""
.s foi untdoaqr do 8W8s:


A


I


|









I
I










I
!


|



I


' 7-'































19 1/8 A 20 1/4d. por I&%'
20 / 6 A 21 7/16 d. por 10
% d. pot tr

477 A 495 rs. por franco
445 A 460 rs. ,


33,5 rs. a


595 A 607 rs. per reichsm.
61 A 565rs.

38 rs.

160 1 172 0/0 de premio
145 A 154 0/0

16 1/20/0


Theatro Santa Isabel. A comnpanhia
lyrica-enomiea ropete hoje a opereta de Offembach
-La Belle Helene,
Circo da compsinhia Europea,- Ha
hioje dousespectaculos negte circle, site ao largo
do Arsenal.de Guerra ; send um A tarda, e outro
a note.
Auntverario.-AmnanhZI complete 46 an-
nos de idade S. M. o rei de Portugal, D). Luiz I.
Inspector da Tilesouraria de Fa-
zendla. Ao bordo do paquete national Pernana-
btco, esperado amanhil do su!, embarcou na Ba-
hia, ante-hontem, o Sr. Antonio Caetano da Silva
Kelli, reminovido da inspectoria da Thesouraria de
Fazenda d'aquella provincial para a de Pernam-
buco.
Laflr6e --Na mnadxugada de 20 do corrente
e na cidade de Lnnoeiro, os ladroSes arronirbaramn
polo tccto a casa commercial do subdito portuguez
Manool Fernandes da Silva, e levaram 90 emrn
dinhtro.
A autoridade policial respective tomou conhe-
cimento do facto.
lmprensa-Na typographia Apollo acabam
do ser iinpressos dous opusculos, um intitulado
Insfriuc-o sobre a caltura dofumo, e outro Boletim
das curas obtidas corn o Cajurnbeba.
Agradecemos.
Ferimento grave-No din 13 do corrente
Josd Bezerra da Silva e soun filiho Jolo, moradiores
em Cafund6 do termo do Buique, feriram grave-
mInilte a Luiz Antonio Canario.
Contra os delinquates dos qiaes foi preso Jose,
est;eo a procecer de conformidade corn a lei.
Cato ladrao-No dia 11 do corrente foi
capturado no tcrrno de Buique e reccolhido a res-
peotlva cadeia, Manoel Francisco da Siva Gata,
sentinciado por crime de furto.
Ceaeflcio da Sra. Springer. -A prima
dona Sra. Springer, que tanto tern agradado ao
nosso public, darA na quinta-feira desta semana
um espectaeulo ein seu beneficio, no theatre de
Santa Isabel.
Contarn!i o cspeoctaculo da bonita opera-comica
Edaciandas de Sorrento c do 3' acto d: Ernani de
Verdi.
A beneficiada faz com a recita em sem benoficio
as suas despedidas ao Brasil, onde se acha ha al-
guii3 annos.
E' da esperar que na quinta-fe;ra haja no thea-
tro de Santa Isabel, uina boa enchente.
kasasisiinato.-Emn 11 do corrente, escre-
veramin-nos da Pedr'a do Buique noticiando o se-
guinte:
o Sabbado, 27 do mez proximo find, Roberto
Jose Soares, teondo vindo A feira, voltava A noiti-
nha para casa, quando ao passar polo lugar S.
Francisco, que fica uina legua distant desta villa,
dispararam-lhe de emboscada urn tire, do qual veio
a mryrer paucas horas depois.
,, Hbert) Soares era um honmiem earregad) de
fatAilia, trabalhador e muito bemiquisto no lugar.
Qatm s -ria o crimninoso, e que motive teria para
tio atrz perversidade? E' o que ate esta data
ainla uingaem sabe.
Xm declara5oos quu elle fez antes de expirar,
mostrou suspeitar de um individio de nome Jose
da Scrra, que por aqii apparecen ja ha algum tem-
po. vindo das bandas do rio S. Francisco, on-e di-
zerm e alo segnia uma norma de vida muito re-
gilL.-.
SDisse quo era a casa de Jose da Ssrva, qunr
costuma a tomar, quando vinha a feira; e tendo
para la tdb n'aquelle satbbado, que Jost da Serva
m)strara-se todo emnbaratadoj ao vel-o, recusando
ate sentar-se corn elle A mesa para jantar, cousa
quo, nrmuna d'antes havia acontecido; que o demo-
rara ate tarde na feira, como para impedir que elle
voitasse antes do anoitecer, e flnalmente que vira
um clavinote carregado a um canto de sua casa.
(r Taes foram as declaragoes que proferio o in-
feliz Roberto, antes de exhalar o ultimo suspiro,
declaracoes que n-.a laneam nenhuma luz sobre o
mysterio de sua morte, nem provam cousa algums
contra JosA da Serva.
SDe seu lado, tambem as autoridides do lugar
neo fizeram diligencia alguma no'sentido de des-
cbrir o criminoso, que talvez passaie entire n6s,
satistuito da certeira poataria que fez, e gosando
corn cynica craeldade do espectaculo desolador que
aprosentam urma pabre viuva e uns poucos de or-
phlosinhos, semr arrimo e expostos a soffreremn to-
d)s os horrores da miseria. n
Suicidio por eamagamento Hon-
tern, As 6 1/2 horas da tarde, quando subia para
Olinda o trem dessa ferro-via que parte da rua
da Aurora aquella( hera, urn inoi, eujo nome nao
foi possivel saber |de prompto, parecc que atn-
rou-se sobre os trilhos em frente ao dito trem, na
curva que precede o pontelhao -do largo do Hos-
picio, e foi esmagado completamente pelo mesmo
trem, morrendo instantaneamente, e ficando o sen
corpo tao dilacerado que foi apanhado aos peda-
9os.
Esse moco, segundo informou o Sr. Antonio da
Silva Rimns, i6ra caixeiro de Mais, Rainos &
C., que ultimasmente falliram ; e entrara depois
para urna casa de miudezas na roa do Daque de
Ckxias n. 109, pertencente a Costa & C.
Parece que isto lhe transtorinAra as id6ae, e quie
toi deliberadamente que cie se fez esmagar pel
trem, pelo menos, desae petnar sic o maoLinista
que dirigia o trem e inns mutser de cor prota, que
testeunhou o case, pole quo ambos aeco-rdes ,nt,
declaram,-e lime foram totadas por tiermn a do-


clatagoes que a moge em qaeio astirou-e do
motu proprio sobro os trilhos ptaa more.
Poce, portanto, que o esmaggamentn ale fol
mais do que umD nicidlo, dearo special, e'-
ja incitado per dow eatrios emeilmante 6 mi
ha itos dim oo erridos. i
Depois de dada esta aot. is .awssie pW. ain-
-" foisz chamaTa-aaJoAO quelaeok de t46 ha
16 annos e ~dti
Iac &eea do puau'y... Amt 4 da no-
ticia que hoIstma deiB -o 4e ums obra, Iaedo, feit __ pedu Lqea4
tsOe 'li-t: = s


Menos em S4 0,724
.Ca &mlos--Nos re(eridos tr-m1estres cOmpara
dos foram oS extremes do eambio:


esatio comprehendidas na excep"io estabelecida no
n. 3 lo do art. 1I da lei n. 3,150 de 4denovem-
bro de 1882, e, conseguintemente, dependem de
autorisaclo do governor para que se possam orga-
nisar. -O0 que communion a V. Exc. para seao co-
nhecimeuto e para que proviiencie, atim de que
najunta commercial on nos registros de hypothe-
eas das conarcas dessa provineia, nulo sejaun ar-
chivados estatutos on oontrketos de soeiedade or-
ganisada para o memo fimn, emquanto noI lhbe
for present a carta imperial que autorsa a sun
0rganisaco. Dens guarded a V. Exc.- Antonio
Carmdiro da Roca.
Canado met veses-Diz a Proeimia de
Minas, de 16 do corrente, quo falleceu em Sabari
am home ehamado Antonio Gomes que tia 100 t
annos, era conhecido polo aleunhla de Agyravawmte
s tornou-se nptavel por er easado sete vezes, dei-
xando filhos da iutmminaulher.
Quando rapa, teoto easar -comn ura moa, en -
jos parents. se oppuz Irn a mmiii ; esoir-se oem
)utra, corn quom viven 30 sanos ; -enviuvando, a
aminda existindo solteira saa primitiva nolva, com
ella casou, pausando depoa a aubsequenteo matri-
oanios at o setinito, em que pez te p mi mAoi omea-
nia matrimonial, tendo-se esado eom duos viuvas
Ie trees maridos cads ma.
ReunnMies moeiaes Hoje ha as seguin
tea:
Da Confraria do Senhor Bom Jeat da SantaR
Cruz, is6 hours da tarde para olei*i.
Da Union Comierwlat Beneficente dwsreieiros,
so taio dia, psar-s eeo.
ro Uougresw Ablwieoai a do Rsef; 4 14 Iso-
ra9 4fi din, _a -sa o ef .
CUemnero,. it 3 1/2 habe s a taw&e, ma vre-b
Bano do Victoria n. 58.
* Do O"iOrlo do C ru6-b ma racewt *&
- Do Club Libettador hnAreira Ffsanc, 1 10 ho-
ia8 do diaW^ ^ *"1.- 1
Aanila IM Ir iinmt 1


Extrmeow deo atrfteutaate pelk d icAdio
liaiejr e pw or w de WicJkr. I % j
Xwit at 41a pvrvwei-seguuca-feirs, 23
a eta 1teria 8 em be-
Se|. lro Martyr de Olinda,
Ro~ 1A.Ii a do ^oBa Snlaora da Con-
'cMbl 8-a< e a^ro ezpouta as
ra e an iad esa wdeR atme1ioa

Ltera dai egrte: = Eisailista
dos maiores premios da 1.a part da 6.'
Ioteria ( 161, ) coacdtida em beaefieio 4da
tiutriz d S0o Jo0o Baptiata da Lagoa,
extrahida a 18 do corrento:
NUMBROS8 PBEM3oS
3412 ...... .. 25:000#000o
6596 ....... 10:000o000
2481 ........ 5:000#000
6857 ....... 2:000#000
1444 .1:0006000
1459 . 1:000#000
1675 1:0006000
2821 1:000#000
3276 ... 1:0004000
4678 1:000(000
3411 Approximag-Io 1:000000
3413 1:000000
NUMVeROS DOS PREMLOS DE 50000O
1021" 2318 6528 7612 J11
11251 2569 7183 6595=Approx.
1825 46352 7565 6597= ,
NUMEROUS DOS PIEMIOS DE 200,000


&obre-Londres:
1.o trimestre de 84-s-85
1Lo trimestre de- 8&84
Mais caro, em media
em 84--85
Sobre Paris:
.o trimestre de 84- 85
1.o trimestre de 83-84
Mais carne, im m6da,
em 84-85
Sob"r 12tfiro:
1.0 trimestre de 84-85
1.o trimestre de 83-84
Mais care, em mndia,
em 84-85
Sobre Portugal:
1.o trimrosatre de 84 85
1.o trimestre de 83-81
Mais care, em m6dia,
emn 84 85


cr'C J Co uan-to st, 0 -to do U W a,
SuCoasa Public a s e o4.astic has ao ta0 dlasi-
1& 't., eQ.iii? EscrzLo vio, do'0e~hih~r(ada Caar$a,- 25de'~
Putubro doe 1884 e lo. 8M jL igo na -a
ari. deio.e a piaraa e ph nfixQtiei
passolrhaeaw4?o a devid atSAno da il ia-
uara que jA estA bihstante lteirda. do p ohay,
para umas obraca em construcc'o ao lade do palao
cete do Lyeeu de Artes e Qificios, julgo ,eoepe-
tir-me e tempo levat ao Baf de- quo neanhauwa infrae*o alii exit% jpeo-que
passe a eexpr.
v Pela plianta da cidade e plano, approyato em
1871, tendoem vista as alteraoes ahavidas nu
eonstruaedo do Lyceu, o do muroe alli feito, que
deveria ter guardado paralloo equidittaatoe dA
caes o Capibaribe, dei a devida cordeagco de
accordo corn o mappa, construidS e approvado em
1871, ligando os maeiios da rua de Santo Amaro
aos da travessa da Florentiha, denoniniaad beeco
do Ciume, coin o qua! nuaa contour as obr4s pu.
blicas.
t Ventilada esta questio 4e se levantou,
achou-se que a plant da eidade tinha side alte-
rada'em 1877, e que o ongenheiro das Obras Pu-
blicas, devido a sua actividade e zelo, nao coW-
muiieara a Illma. Camara, e esta nao tendo
obriganao de advivinhar, poz em pratica os
seus alinhamentos pela pl-nta que vigora ainda
at6 hoje, e quo o inesmo engenheiro coufessa-7a
de que ignirava existir takes altera5es, explica-
ao esta que dou, firmado no que expozera aquelle
engenheiro ao Dr. Jos6 Osorio de Cerqueira, que.
bastautemente estudou aqaella questAo, e ainda
mais quando pelo inesmo engenheiro f6ra reinetti-
do ern character particular, eopia da plant e suns
alteran5es approvadas emn 1877 onde se v6 que
determin.ida nina linha curvelina para o inure do
Lyocu, a ligar se corn a liuhi de maci9os a rua
de Santo Amaro, era esta construida recta, ain-
da ny, se tendo guardado a paralleia equidistan-
to do cies.
SDisto digne-so Vv. Ss. come hiabilitadissimos
napmateria de deduzir, quaes os responsaviis c
ainda quern serA o responsavel pelas alterac5es
havidas A rua do Barao de S. Borja, Caldeireiro,
Santa Thereza c outras quo as aponutarei se pre-
cise f6r, conno a que agora construe a cunpanhia
da estrada de ferro do Recife a S. Francisco, que
no largo do Forte costrue sem respeitar o projec-
to e piano da cidade.
E' tudo que per era tenho a dizer psdiado a
Vv. Ss. para quo se dignem justificar-me porque
a verdade 6 esta.
Deus guard a Vv. Ss.--fllms. Srs. redacto-
res da Revista Diaria do Diario de Pernambitco.
-0 agrimensor, Thomnaz de Figuaeiredo, engenhei-
ro da CamaraN Municipal. ,,
Abolicioni.iuno --Da Corte recebemnos horu-
tern urn exemplar do opusculo intitulado: Ban-
quete dado pela canfederaoibo abolicionista e al-
guns amnigos da iida, no dia 19 de agosto de 1881.
emn homenagemn A libertaao do Amazonas e aos
deputados que apoiaram o gabinete 6 de junho.
Revi.ta do Exercito Brasileiro
Tambenm da corte recebemnos o fasciculo desta Re-
cista dos mezes de agosto e seteombro. E' este o
summinario:
I. -Vis-ita A fabric de S. Joao do Ypanema,
polo tenente de estado major A. G. Souza Aguiar.
II. Observa-6es sobre os calcareos do Rio de
Janeiro, Minas e S. Paulo, per Orville A. Derby.
iII.-Guia do official e do sargento em eampa-
nha.
IV.-Memorias da campana do Paraguay, pelo
capitao reformado do exercito Miguel Calmon.
V.-Exericiios militares polo alferes de infan-
teria S. J. Goncalves.
VI.-O fuzil de oito millimetros.
VII. --Necrologia.
VIII. Informaces.
Batuque-Reeebemos hontem o segainte
bilhete postal:
s Os mnoradores do Barro, freguezia de Afoga-
dos, pedeai encareeidamente se digne chamnar a
attenglo d.i autotidade policial para um batuque
infernal que ha nos sabbados n'aquella localidade
corn grande iucomrn;ndo da visinhanga que pe e
uma providencia. -
Filisos de Talma Eata sociedade de-
terminou escolher o dia de a:nanhai pelas 6 heros
da tarde, p'nra fazer a distribuicaio dos bilhetes
para o espectaeulo quo tern Ie dar no dia 15 do
vindouro.
Divlseiro Chegado do norte no vapor Ja-
cuhypc para :
Monhard Huber & C. 9:7505000
Cramer Frey & C. 7:1815620
Rodrigues-Lima & {C. 3:9685220
Gomes de Mattos Imrios 2:0004000
Silva Alves & C. 5615000
Emugenuol centraes- A seguinte circu-
lar foi dirigida a 17 do corrente pelo Ministerio da
Agricultura As presidencias de provincial :
illm. e Exm. Sr.-8. M. o imperador, confr--
inando se, per sua imperial resolucao de 22 de so-
tembro proximo passado, corn o parecer do coae-
Iheiro de estado Affonso Celso de AEsis Figueiredo
exarado em consulta da secao dos negocios do
imperio do conselho de estado, datada de 6 do re-
ferio mez, sobre os estatutos da Companhia Enge-
nhIo Central de S. Pidelis, houve por bem declarar
|ue as companhias ou sociedades annonymas, que
niverem poronjeetmvo oeusteio de engenhos centrses


1254 2791
1308 2971
1415 2984
1476 3002
1752 3019
1822 3041
1938 3075
1948 3275
1989 3277
2121 3287
2125 3367
2241 3484
2271 3669
2335 3684
2427 3748
2447 3756
2473 3769
2606 3793
2680 3846
2708; 3891
2735 4024
2780 4032


4113 5542
4168 5706
4442 5748
4446 5829
4697 5863
4716 5866,
4955 5871
5017 5970
5054 5991
5077 6060
5090 6131
5094 6318
5189 6326
5194 6470
5206 6485
5300 6546
5361 6550
5369 6706
5379 6780
5402 6810
54511 6893
5467 6933


S6995
7099
712G
7136
7224
7293
7297
7323
7331
7441
7459
7507
7511
7564
7681
7688
7695
,736
7807
7835


Loteria de 830tOOOeO -O-A loteria 162
serie B, do Rio de Janeiro, cujo piano foi mui-
to melhorado, corre no dia 29 do eorrente.
Bilhetes ,' venda na Casa Feliz A praga da In-
dependencia ns. 37 e 39.
Loteria de 25:000 "00 --Sabe-se por
telegramma recebido pela Casa Fcliz, que a lo-
teria 161 B,extrahida hontem na co6rte, foram idre-
7.330 25:000;000
247 10:0004000
1.281 5:0005000
Bilhete ik venda Ca & C FW ii praja da In-
dependeneia ns. 37 e 39.
vembro inpreterivelmente eujo premio grande e
de 5:0005.
0 rest dos bilhetes na Casa da Fortuna, rua
10 do Mareo n. 23.
Passageiros Chegados dos porttoe do nor-
te no vapor national Jacuhype :
Marcal da P. Loreto, Jose C. Pies Ferreira',
Manoel-Xavier de Moraes, Maaoel Pinto. Virgi-
lie Augusto Lopes, Grogdnho F. de Carvalho, Dr.
Hercilio Lupiciano de Souza e sua senhora, Anna
C. Beltrio e 2 criados, Josepha Maria da Concei-
eo, JoeoR. da Cruz, Manoel Felippe do Souza,
Manoel da Silva Novo, F. T. Blyor, F. H. Klem,
H S. Adornem, J61o S. Antunes, Basilio P. de Mel-
lo, Manoel de A. Costa e $A, Francisco R. da
Silva, Horacio Mangabim, Torquato D. R. Ca-
mara, Joaquim Guimarales, Francisco D. Caval-
cante, Dr. Mario Tulio, sua senhora, 2 filhos e 4
criados, Revm. Manoel Lobato, Manoel L. de
Vasconcellos, Carlos Bastes, sua senhcra e 1 fi-
lha, commendador Joaquim Lopes Machado, Dr.
Antonio Ferreira Coelho, Caetano de Carvalho,
Anna Schiap e um criado, Leonor de Carvalhdo,
Augencia V. de Miranda, Frei Jos6 de Santa Ju-
lia Botelho, J. R. Fenton.-
Chegalosdos partos do sul no sapor inglez
Britania :
Joseph Vial, Francisco Lopes Cardina.
er1oead M AnAicipal de 440" o
movimento debate estabelecimento no dia 24 de
outubro foioseguinte:
Entraram parn serem vendidoe : 38 bois, pesa
do 5,78 Lkilos.
No mesmo dia' entramara para o mesmo es-
tabeleciumeto:
Peie, 712 kilo.
SFa ir, lkw e fojio, 82 carg&s.
Fruetas diversas, 31 dita.
Suinos, 4.
Carneiros, 4.
Precos dos dias:
Came verde a 480, 320 e 160 is o kilo.
Suino a 600 reis o kilo.
Carneiro a 1 idem.
IF'arinha de 500, 400 at 280 reis a cuia
Milho de 480, a 3r6isa Cnia.
Feitdo 800, e 500 Dr. idem.
mompcc -aos:
58 talhos de carnet verde.
19 ditos de saimo.
18 ditos de frewnrs.
65 comintirmnto & i ttu. ...


aAl4a nests 2 diasiimp a or-
'waft 4katidas no Matadoumr
parl ooasumo do dia 26.do


bioelPi ba6i 10mezs, Boa-Vista; me
0o~o Pemlmboieoi 7 aewel S.,- Jo*6 icte-^
4 fermmiuaw 6 6 *aio, Iwoa- Vista febre
&raeubuo, S srnfwm-oS. Jos6:; tuber-
coLs pulmonares.



IiMCiOES UTEIS-


Medicos
Lonunsu rte ue41iio- ire *o Dr
Pedro de AttahTde Lobe Itoeozo a
urnt 0 doctor Moscozw di oonsultas todos os
dias uteis, das 7 As 10 horas da manhA.
Este consultorio offerece a commodida-
de de powder cada doente ser ouvido e exa-
minado, sem ser presenciado per o .tro
De meio dia as 3 horas da tarde serA o
Dr. Moscozo encontrado no torreo A p-a-
9a do Coramercio, onde funcciona a ins-
peeqAo de saaide do porto. Para qualquer
d'eptes dous pontos poderao ser dirigidos
os chamados por carta nas indicadas horas.
Dr, Leonardo de Albuquerque Caval-
cante, medico e laureado da Faculdade de
Paris, p6de ser procurado cm sen consulto-
rio a rua do Imperador n. 44, das 11 As
3 horas. Residencia provisoria Alto da
Misericordia-
Advogado
Dr, Milet. 1 promoter public da ca-
pital tern seu esgriptorio de advocacia, Ai rua
do Crespo n. 18, onde pode sor procurado
para os misteres de sua profiss.o.
0 conselheiro Soares Branddo, abrio seu
ascriptorio na c6rte do Imperio, A rua da
Quitanda n. 37.
Dr. Seabra, mudou seu escriptorio de
advocacia para a rua do Imperador n. 30.
Das 10 horas da manh As 3 horas da
tarde.
Occulista


Dr. Barreto Sampaio, consultas de 1 As-
4 horas da tarde, na rua do Bar-o da
Victoria n. 45, 2." andar, residencia, rua
de Riachuelo n. 17, canto da rua dos Pires.
Bourgard k C.
Recife: rua do Marquez de Olinda n.
16; Santo Antonio, rua Primeiro de Mar-
go n. 3; B.a-Vista, rua da Imperatriz n
54. Grande fabrnca de cigarros a vapor.
SEspecialidades: Cigarros, charutos de Ha
vana e nacionaes, cachimbos, tabacos e ob-
jectos para fumnantes. Livros de medici
na dosimetrica e unico deposit da fari-
nha lac&ea de Nestlh, para os meninos de
peito e lite condensado.
Drogaria
Francisco Manoel da Silva & C., depo-
eitarios de todas a'; espccididi-Jues pharina-
*utions, tintas,,', di: -s, prod.i'-tos chiiico
i. rn-edicancntos hom niep aotici(s, run 'to Mn;'r
quez de Olinda n 23.
\Motica franceza
Rouquayrol Freres successores de A.
Cars. Neste esta.belecinmento encontra-se
.odos os medicamentos homeopathicos da
Arando e offamada casa Jo Catelan. 0
ranulos dosimnetricos de Burggrawe. As
japecialidades pharmaceuticals da Euroda
e da America, dos verdadeiros autores,
drogas, products chimiphos, tinaas, oleos
pinceis, vernizes. Products espociaes da
flora brasileira e toda qualidade de funds.
Recebe sempre vaccina fresca e boa. Rua
da Cruz n. 22, Recife.
Fabrica de Cerveja Pbenix
Industria aperfcigoada de Antonio Au-
gusto de Lemos & C., a rua do Jolto do
Rego n. 15 (antiga rua da Florentina).
N'este estatelecimento, montado a capri-
cho, ha sempre um complete sortimento de
cerveja estrangeira, das mais conhecidas e
mnelhores marcas (alem da do seu fabrico)
vinhos, licores e mais bebidas. Ha tam-
beta para distraccao de seus freguezes e
bons amigos, jogos"de bithar, bola, domi-
n6s, etc., etc., e reservados para familhas.


PUBLiCA OES A PEDIDO


A eseravidAo
Essa magna quest o de quo tanto se tern
preoccupado o espirito public e cuja solu-
Ao procura-se com maximo empenho, tern
sido de certos tempos A esta parte agitada
por tal modo, qu6y na imprensa, qu6r nos
clubs, qu6r nas pra~as publicas, theatres
aat6 msmo no lar domestic, queinfeliz-
mente nao so comprehend 6 tudo ex-
trejno, tudo confuslo !...
Nbo temos a veleidade de qure roe-
solvel-a, apenas pedimos ao public sen-
sate quo nos acampanhe, lendo corn algu-
ma attenfgo o que passamos a considerar
e depois nos louvaremnos no seu criterioso
juiso.
A escravido urnm mal, ella nos avilta,
clawam todos abolicionistas, emancipa-
dores e cremos que at6 mesmo escravo-
cratas intransigentes.
A esgravidlo 6 contra o direito natural
divino e humano, dizem outros ; logo deve
ser abolida immediatamente. Eis o ex-
treme, o exagero em tudo...
Pormittam-nos esses senhores que diga-
mos por aoss ves algoaa oocsa SoQo bte
assumpte, que pocaBdo o mio tesmo
falkemos oI a hoa e pedamos a
veriaAL-
A escravidlo remonta-se aos tempos pi-
mitivos. Os patriachas po sui M aorav0os
e depois d'elles qua*i ted.. (i 4 .tips-
Ow e : 1 ; '. **.. *" "
dade. ...
06 ar5 es., p. rosi m r anhi 4os vi-
4lido quo entree os howien4 noL D"CaIA
para a liberdade, outros para a espravi-
me 6 em, Aika dk I** 4000 w-


,sob eondilo'|deu d seViopergt, r ei
ulna ofva $oo moca, som ir de a-
ontro aso direitot natural, sem fazer-lhe a
nrtnor injBtti ig., F, eow sabemos, no
6stado .dm families errontes e nomadas,
quando naio haviaaaiida sociedade civil os-
talocida, tm ecravo nioe podia mudar
de nao podia dospedir seus escravos sem ar-
ruinar asunas famuilias.
0 ,escravw era portanto inevitavel na so-
eiedade domestic, posto isto, seria urn ab-
surdo supper-se que a escravidaio era entAe
contra o direito natural.
Nito era tambem contra o direito divino
positive, porque as lois Meysa.cas nao s6
nao a prohibiam, mas pelo contrario abri-
gavam-na sob sua protecgAo, adogavam os
seus diroitos e amenizavamn ein tudo o ju-
go do captiveiro.
(Gen. v. 15& v. 2 Exod. c. 21 v. 1 o
sigg. Levit. c. 25 v. 40 etc.)
NiIo era tao pouco contra a lei humana
ou civil, porque todas as naoes admit-
tiara n'aquelles tempos a escravida'o. Logo
esta sorte de escravidao nunca foi contra
o direito natural, divino positive e human.
Corn effeito : quando Jesus Christo veio
ao mundo os direitos da humanidade nao
cram melhor conhecidlos que no seeulo d.
Moysos e comtudo em sua sabedoria nuio
jUI'gou convenient atacar de frente o pre-
tendido direito da escravidito ; por quanto
se o fizesse, teria dade lugar A resistencia
da part das potestades da terra ao seu
Evangelho.
Mas o Divino LeAislador fez ,neUlhr :
por suas maxnimas do caridado, do do~ura,
'te fraternilade entree os homncns, dispoz
0:, espiritos a seotir quo a escravidao devia
desapparecer da face da terra para dar
lugar ao nuovo reinado, A idade de ouro,
feliz 6poeha emin que todos os homes se-
riam iguaes perante a lei, todos seriam ir-
maos. E a igrejai d Jesus Christo teorn
continuado desde entcio ate hoje a missito
do Divino Mestre.
Sempre moderada, branda, docile e fiel
ein se f mandato, cII todos os tempos torn
procurado veneer as difficuldades sicm pro-
cipitar os acontecimentos, era tolerando
corn prudencia e sabedoria; ora caStigan-
do; unnas vezes estimulando os brios e
sentimeutos humanitarios, outras vozus
persuadindo cem a palavra evangelic,;
fazendo finalmnente tudo quanto esta a seu
alcance para ben ida humanidilalc, po.r.L
fraternisar os homes e d'eiles forruar un
so rebanho corn um so pastor -unum evil:
et unus pastor.
Estabelecida, como 6 noegrio, a csera-
vidAo na America, ha seculos, torn iu-seC
umn direito public admettido pelas loi.- p-
trias e garantido pelIa constituiAio; de
modo que sem crime civil, nem minesmno d.
consciencia, podia-se possuir escravos, coni-
pral-os, vendel-os, e s6 eramn responsaveis
perante Deus, a sociedadle e a lei pelas ex-
cesses comnnettidos contra os mnesmos. E.
assim era licito tanto aos seculares, coMno
aos padres e a quem quer que fosse pos
suil-os, restando-lhe tio s6.nente o devor
de os tratar corn toda hiumanidade possi-
vel.
NIo padece duvida que era um direito
real fundado, m.s era urn direito adqu--i-
do quem torn sido sempre respeitado ga-
rantido ate que o mesmo poder que o con-
sentiu, o faca desapparecer, como 6 para
desejar, sere ruina c abalo da sociedade;
e praza aos c6os que esses infelizes se ve-
jam em breve no pleno goso de sua liber-
dade, na posse d'esse bom inaprociavel
que tanto ennobrece ao home.
Alguns inconscim, tennento clamam con
tra o clero e contra a igreja, polo facto de
nato se apresentar em public a gritar c
leclamar per todas as parties contra
esse pretendido direito dos senhores que
possuern escravos, Inao fazer coro coin essa
gritaria descompassada c delirante que
quer de mornento e a tod{o transe a aboli-


gao immediate sem indemnisag9io e o que
runais 6 estimulando as mnassas escravas
contra os seus senhores suggerindo-lhes
it' o assassinate coupp dA pde i>)
Nao! a inissito sacerdotal 6 de paz de
tranquillidade e nio a revoluiAo, o derra-
nmamento de sangue, a carneficina; a sua
irma 6 a palavra, a persuaslo, o conselho.
a prudencia que tern per fim dirigir a hu-
nanidade a melhor vida, a seun destine e
iltimo fim.
Mas isto nao quer dizer jAhnais que o
clero seja infenso A libertaglo, esteja arre-
hio da id&a abolicionista, nao concorra per
nua vez e o quanto Ihe 6 permnittido para I
ipressar o advento do glorioso dia em
que do uma A outra extremidado do solo
)rasileiro repercuta ingonte e mavioso o
radio : --() Brasil se libertou, nao ha mais
escravos, sonmos todos irmAos Sirm : ve-
aha este faustoso dia, salve-se a na;Ao;
nas salvenol-a ser fazel-a estreinmecor aos
heios extremes, serm as funestas conse-
tuencias que so nos antotham no povir I...


Para o Exm. or. pre, idemne da pro-
vincialer e levar ao conuheciment
do Exm. Sr. miniatro da jautica.
A rise por que estnl passando o Presidio de
Fernando de Noronha, sob a fiscalisa*ao do actual
major da praqa, o major da guard national, Gui-
Ilhermino Paes Barreto, os horrores, depredaoies,
-e vergonhosas locupletages praticadas per este
sordido e ambicioso official, excedem a today a ex-
presslo, e sio de tal arte. aasombrosas, que nmo ha
meinoria, nos annui-es df'aquella ilha de um proce-
dimento tio mnonstrmso.
E' o caso da vetha de Siracusa.-0 major Gui-
ihermino, no curto espaco de quatro mezes, que
ialli se acha, resumlo em si, todas as paix5es e mi-
serias de todos os seuas mais perverse antecesso-
res.
Vamos arg enwtar esm faictos. Ei-os:
Tendo paa Fernando de Noronuha, este
brutal e am tio o major, ueja triste no
iota aqui recebida geralmeute com- psamo,
rsesea' que o Oonhecem, no mez de junhe ultimo,
i tal o sen furor do enriquecer que no lo vapor
que de Ii veio de regremaso, remeiteu logo pars
Iota capital 51 vommn de genes da produce
40A AV-*de ,
la y*-se vro. o oarg .. do vap 'or ..

a MiI'-"! li Vz Aa- ft 4 a & af 'B.M i


i B',. o aetua"0 lw fin em- ft sbix 40lMM0
'J eowrw,0U(ente doe, infewme *nrtIiW V~iia .
leatoo-lbh'.A que 5 elUe pRMa I
Qe nmomlidade pade ter m un miuts foot?
As notidi que d'ali no& chega Ub f sM
aSterrwadoa pussiveis I
Urn verdadeiro aelvagM Of tes fmram 4 Mi-
bidinageop, nio zeapeita estado, cedeW'o aMW
idade! E' rare a mulher de aenteaniado que le
tern sido seduzida ou forWada potr ete wmentro
por seu filho. digne de tai pai, um libertinuvi-
lente, que alli o acompaaha.
Per isso meamo jil tern sido a vida d'este des-
bragado major ameaeada por mais de duas ve-
aes. e umn infeliz injuriado chegou i arranea tr-e
corn urma faca, os botoes de sua farda, a* nvmnto
em que Ihe pretendia violrntar a inteliz miber!
A que estado Exm. Sr., tern chegado aqadcle in-
feliz Presidio!
Uma c',nfragraRto csta pyestes A alli atear-me.
reelamai neariaa e urgentcs Rinedidas.
Uia mez mais de indifferen"a, e, talvez, o reme-
d'o j cheguc tirde !...
A Opiniao public.

Srs. Redactores do Dinrio de Plermam-
buco. Foi coin grande admirnago quo le-
mos cm seu conceituado Dirio de 23 do
corrmite a noticia que dcu o corresponden-
to do M rarnhao, relative ao nosso amigDr
Januario Constancio Monteiro de Andra' lc,
inspector la Tliesourarii do Fazenrila; e
porque icja principio corru'te cm direito,
a quo ninguen pode ser conileminado, secm
sor ouvido ; qaucira por isso o rosp,'itavel
public, suspend:;r a i;rpress.'o d .sagrada
vol que por venturi tc.:ihi f'it). ilti".,-'a-
monte ao nosso prestinos) a:nigo Monteiro
d(o Andrade, at6 quo possa elle justificar-
se do fact a qu allhid o referilo corres-
p;n lenute.
Coan esta ipubliha(:ao muito lhes deverni
(, B.


Au Elm, Sr. Dr. ce n do policia
Sub a epigr.,phe i:ciin; (a i;r:uri 0i1 chr m um ;r
tigo firinado i)or (dcr..' m ,rad,'r,- ,do Arroial.
cm contestr4Tho a uati enitr,. p-i>lic't to a ulias neste
inesmino Diari'o no qi:dl o .- u actor tcvc pr iJim
levar ao colnhcimnento d, Exm. Sr. I)r. chef ide
policia, a falta de ;i)tii;,I ',Io ctn:l s br t'I(.;al2o o
Sr. Deodato T,-rrcs, cono mo-raflor [ue sou 1 ,te
Ilrgar causou-ine aalnirm;,'t() de ver conoo Sr.
Torres (ou algucrn p.r i titve a oram_4- d- vir
cm public contestar factor. cijai veraci6lt id s
acha ao alcance dc t.;Jo.I iiira'ad r.rs 1I',ljU(-Ii Il.
gar coino seJjan ter o S1. ). Torres aban l,,nI.,l
a frguc tzia, ldur;nte al-guns ias, nrt-)ri-ando por
(cta f:'rna a livre trati-ca "1' actor 'Jac ( Sr. 'For-
r.os dcvia ser o priin'iro a rcpriinil-< s.
,_,mo por :x'nplo o celf-br e roin! i !a ar r
etc ....
Bern s.lb(rnos quet o Sr. ','-rr- ;;i;n h'e cowrrr-
var-sc na subiilegaei-I sti prom iendo un tii-
xo assignado, julgando por esta t1,7n t polcr afas-
tar do Exm. S.Dr. Dr. iv-fe l dc_'iat'ori v l (l : cu i a I':txiin;i j sti +a t o n .n,'
Exir. Sr. possn faz1.r a .u riu .to.
AH rc'e-jr.
Joavpm.

Ao Exoi. Sr. Dr. chlire de policia
Corn a epigraphe acini -alhio unt ,,rtizr, 11
Diario de ern imb, ') dc 2:'1 d,, c,)rreinto. is- -;
do Os i'rvfl, i,. I Arraial.
Nbo pr'tris;in entrar na vp-1ia,0i.ra airi'v-
de tal arii- qui 1 o ;i lo- dlo uii n arrtz,,-Ai
de calunnial (,i (t i I, se p rett n i, in, iiiach.tr iil
liba a r.t;put1 ',, I .h ,. .1n -- 4 'zi i ti *ii r1at ,
rini digno -inlls! 'a I, o Sr. -i,,lato G,,,: t .
Fyrrcs.
Comi irn) l'.,-rs n',i-tc diistriet, o r.' tt'.t (n,
'ontra o rcjr,. arti.^o. d<'clara i n -i ,, Sr
Deodato Torros t-.:n : i,1i) eCmlnprir (-,)in j'iStkn
os dcveres de seu carg, policial.
Arraial, 25 do ot' tniro <1' 1-1'L
Jose Vicira ,i. Silva Brga.
Frincisco Vicir- I .-ii ln-;iz.
Adriano tda it'J i I*. P re'.
Mathiias Muniz Ti tArcs.
.tOlO Valenti.n F. ]bastos.
frederico -ay I.
Joaquirn Rodrigi,, da Silva.
Manoel Elias Alvs de F'arias.
Carlos Hoffmann.
Camillo Augu-to Ferreira dat S;;,V;.
irnirno Fcrreira u it Mello.
Marianno Jacinth) ,14)s Sanit.,.
Mathias Euncnio Peixot,.
Marocl S. F. Bastes.
Manoel Armenio Il.)irig ,.es.
Antonio da Silva.
Joaquira Arcoucih Braiico.
Joaquimn Luiz Tcixcira.
l'redh') Alu'n.
Maurizzo Francisco Xisto.
Fr ncisco Jos- Guedes de. Lacerda.


Maiwoci Joaqniam Pereira.
Joaquim A. GuimnarIes.
Francisco P. Leal.
D)omningcs G-ines Correia.
Joaqnuimn Fcrrcira di unha.
Jose de Castro IMuiteiro.
Jorge Guedes dt Araujo.
Joaquimrn Maximiano Pestana.
Francisco Antonio Correia Cardosao.
Aut.rjaio Vicente de Magalhies.
Francisco de Paula Gomnes.
Alfredo Rodrigues.
Francisco Adolpho de Araujc.
Aut)aio Feriuair-es Silva.
Francisco Guedes de Araujo.
Carlos Eugenio Douarehe lavigni, r.
Joaquin de Souza Lima.
J. B. Castro e Silva Junior.
Vicente Ferreira da Silva.
Eigenio Guedes de Araujo.
Manoel Nunes de Sa.
Scbastiao Muniz Basilio Pyrrho.

h.m Jarn.
Eseola partly ulmr go ,i0 pMPO
micuim" pehr
Quando umna' ida tem per fim garantir
a humanidade e elevar a ma,;a do pove
iesvalido, nAo conv6m que- fique sepultada
wt lethargia.
Ha 14 annos, entendo que s6 se p6e
vrulgarisar o ensino primario, este.dende-o
i ultinma classes, mas nao se p6de aca-.
gar isto sem se facilitar urn mete iumpls


!

1


o decisive.
Exfte corn effeito o ensino obrigatorio,
por6m como letram morta, porque Oa 69g .
aos nas suas leis de orarmento, aimda Dalo
tiveram coragem de consiguar urma quet
(sem duvida attento ao crocido numero e
individuos d'emsa infelia cka,) o qwo tr-
na-os impotenteS parsM obri.arvao prab-i
taruio, ao miseravel; pw ima icoateta-
velmente faz-so precise ums eacokdme-
uno.o pobres deaClos, com W weis
sm geeris, creio, em par$e Ij dpow
tonho reasolvido "brir o I 09 061
(Fasta do Tod" a. Seuti) Ur *nso
gratusta pata tod.. nwo sm, -a mdA-
timn o de car e q idade, po a s
pas, prnntes e amoo, "Wm d, pdiw
dirigri-os.



Ai d*; 6 AS 8 ho6as d& a~l *1::1:


1431 3683 ftl 4147 11 5769 1i 6194
1483 385011 4490 6015 11 6362
2003 4051 4683 6116 1 7378
2178 4064 5297 f 6183 1 7418
.. _0I It
2480 Approximaito .. 1506000
2482 1504000
NUMEROUS DOS PREMIOS DE 100,000
83 II 1853 1i 3368 11 4023 II 6253 II 7587
817II 2244 3504 f 4196 Ii 6820 jj 7592
1167 12655 37841 4485 17029 1 7647
1378 29371 3836 j 6053 17232 7830
1606 I 3283 i 3841 1 6222 1 7332 17970
Numerous dos premlos de 408000


197
260
389
436
447
489
510
543
562
601
625
662
685
718
773
788
801
847
949
999
1015
1090




























titutos, jiltendo-se offerecido paMr isso at-
guns cavalheiros.
Em temupo ded iarue quo Atenho pro-
tenglo algura, nem to pou~o pretend. do
governo a menor subvenglo.I
Prazs a Deus quo a ideam se derrame
por todas asm prowinias, mormiento pr
aqell que me deau o. nascimento, aobap-
tismo, oea escola- isto Sergipe,
Cidade do Borem Jardim, 17 rde outubra
de 1884.
Padre Jose 'rancisco da Silva Borges.

A Coempamla Lasaroen lassa-
a Ielle-earlant o
xv


Audaces fortuna fuvat.
Se de uma parte nao aceita Massaniello a de.
feza de leviano do resto dos amigos qne lh'a fa-
zem, de outra parte insisted elles em attribuir A
leveza do amigo a facilidade corn que se fiou ns
promessa do ministry.
Em negocio de tio alta importancia, de vids
e morte para a sua provincia, nao podia o extre-
| nuo patriot confiar-se sem leveza na promessa
do ministry, acham elles.
Pois nao se devia lemb;ar o Jos6, que suspense
o imposto de consummo, immediatamentc se sus-
: penderia a alimentaco da provincia, e corn esta
S o movimento vital, e quo os takes dez por cent
ainda estavam a decretar-se ?
x E emquanto elles viessem, de que viveria a
provincial ?
S Se podia soffrer ella a suspensao da vida espe-
rando, nao podia antes soffrer o patriot ainfrac-
.. o de uma lei por outra por mais algum dia,
para evitar calamidade titao grande ?
Pois 6 sen amor pela lei mais extrenuo do que
.por sua provincia, embora nunca fszer caso d'ella
em todos os seus interesses e caprichos ?
> Nao era a provincia que fazia mal a lei mais
S nova. Levantaram-se contra esta alguns corn-
merciantes mais ricos, a cnjos e maiores interes-
s es ella prejudicava.
S 0 prejuizo que elles iam soffier, nao era em suas
S fortunes havidas ; era o de nao meter em seus
cofres os mil e seiscentos contos que tinham de
alimentar a provincia. A' qual devia pois mandar
que esperasse por combinada providcncia ? A'
provincia que ia suspender sua vida, ou os poucos
ricos importadores, que perderiam de empalmar
aquella quantia se o golpe nio fosse dado assim ?
Mas estava o remedio, a preveniao, na promessa
S do ministry. E emquanto ella chegava, comnio,
corn que meios iria viver a provincial ? E, mais
que isto, se o ministry nao cumprisse a promessa?
I 'isto e que estA a leviandade do extrenuo pa-
S triota, insisted os seus amigos.
E na verdade n'isto teem toda a razao takes
S amigos. Pois come esperar do ministry, eonfiar
em promessa alguma em bern da provincia, do mi-
nistro que despejava da casa a provincia e botai-
: va-lhe os trastes na rua ?
Essa casa era a Alfandega, esses trastes erain
S as fazendas de que a provincia cobrava o impostor
4 -e consummo. E o ministry, cumprindo uma or-
4T^em do outro ja decahido, sem aviso A provincia,
AW1fm prevencao, bota a provincial para f6ra de
C. asa, e a deixa na ruan sujeita a tod-is as miserias
da mais horrivcl situacao.
Que havia pois a confiar em tal ministry que
tratava a provincia como urn duro senior au nin
ciao tinhoso que tange o a morrer na rua sern
abrigo nem pao ?
E vieram os ladr5es, c achando a provincial
despejada e corn os traites na rua disseram :
Esses trens nao pertencem A provincia, por-
que a lei que lh'os conferio nao e constitucional.
E flzeram motim em nome da lei, para nao di-
zerein ser para roubar a provincia, e pediram ao
governor apoio.
E na Camara de tantos representantes gregos
e troyanos, nem um que :A pobrezinha acudisse ;
a os amotinadores eram os mais poderoios da terra,
Se faziam a berraria em nome da lei.
S E se eutre os treze da companhia naio havia
f nenhum Christo e todos os outros desanimados fi-
guravam de Pedro ou como elle se portavwm,
houve um corajoso que tomou a parte dos malfei-
tores e entregou a triste provincia ao sacrificio do
estrangulamento.

COMMERCIO
Prava do Reelfe,15 de outu-
bro de 1@41
As tres horas da tarde
Cotaebe officials
Algodao do Rio Grande (o Norte la sorte, 8M100
por 15 kilos, em 20 do corrente.
Dito de dito median, 7,A100 por 15 kilos, em 20
do corrente.
Dito de dito 2a sorte, 6i :00 por 15 kilos, em 20
do corrente.
Assucar bruto, 14700 por 15 kilos posto a bordo,
em 20 do corrente.
Dito dito, 14753 por 15 kilos post a bordo, em
23 do corrente.
Desconto de lettras, 7 010 ao anno, hontem.
F. J. def Oliveira Rodrigues,
President.
A. M. de Amorim Junior,
Secrctario.
REVISA CO@IERCIAL
Da semanade 20 a 25 de outu-
bro de 1884.
Cambio sobre Paris, 3 d/v 483 reis o france.
Cambio sobre S. Paulo, 60 d/v 1 1/4 par cento
de desconto.
Cambio sobre Londres, 90 d/v 19 7/8 15000, e
I do banca, 90 d/v 3/4 15000.
Cambio sobre o Rio de Janeiro, 90 d/v 1 1/2,
[ por cento, 60 d/v 1 per cento, e 15 d/v 1/4 per
cento de desconto.
: Desconto de lettras a 7 e 8 peO cento ao anno.


eneres nackonaes
dente. = Vendas de 605000 por uma
Agod.- Entraram 6,577 saccos, vendas do
doier!tio de 85100 por 15 kilos.
Dito-de Macio.- Ultimas vendas de 85200 a
6J200 par 15 kilos, conforme a serte.
Dito do Rio Grande do Norte, vendas de 8A100
S a 6,100 por 15 kilos, conforme a sorte.
Assucar=Entraram-.21,032 maccos, vendas aos
preeos seguintes :
0 branco, superior, de 3.4 sorte, boa, a 83100
e 31200 os 15 kilos. 0 dito de 3.0 sorte, regular,
de 2A700 a 3$000 osl5 kilos. 0 dito de 4 sorte
24500 a 24600 os 15 kilos. 0 dito somenos, de
25100 a 25200 os 16 kilos. 0 mascavado, purgado
born, 1500 a 1600 os 15 kilos. 0 dito regular,
de 15 a 15500 os15 kilos. 0 dito america-
Sno, a 15660 Os 15 kilos. 0 bruto, regular, de
5600 a 15640 os 15 kilos. 0 bruto, venda de
14750 e 11700 por 15 kilo post a bordoUli.
SCd6e= Retdhto de do 560W a 8$8M00,o 15 kilos.
Vou ros salgadd. verdos== Ultimas venda A. W :'
r6^stimkilo. Ditos, ditos, aweoos= Vundas de
620 reis urn kilo. .Ditos espichados. = Nonisal
do 650'Aiuim flo. -


E v sije ss jtttiloc"
minds h quem 0a
sainds depztado, -
muitoe do esmfiecidoe,
se esguerando, vito-se A
A#onto d'.


roe ade eouvfgooi
mdo l...
uquerque Melo.


Temos ouvido dixer que a resposta so tele.
gramma dos senhores empregados provinciaes,
sera a asegniute:
Vote noa Srs. Nabusio e Joe6 Marianne, que
rceberao os seus ordeadosa eom mais inter-
Umn que Owio.
,*. *
Recife, 24 de outubro de 1884.
Ihlum. Sr.
Candidate a deputadpor esse umdecimo dis-
tricto, eu pego a V. S. o muito particular favor
de honrar-me com o se voto, e damoseus numero-
sos amigos.
Si eu fiser parte do parlamento, sustentarei to-
do o project do sabio estadista Exm. Sr. senador
Manoel Pinto de Souza Dantau;'digno president
do cons ilho de ministios.
Entendo que todo pretendente a representante
da nanio, em a eleico do lo de dezembre deve
apresentar o seu programma relativamente ao
eclemento servil, question a mais grave que se tern
agitado no imperio depois do sempre memroravel
7 de de setembro.
Disponha de quernm6 eom a .naior consideraglo
e eetima, de V. S. amigo e criado obrigadissimo
Josd Maria Ramos Gurjdo.


E' domingo
Que haverA o divertimeneo do-Boi-cm--e Bebe-
ribe e jA ag ra pode-se apreciar ta bonito diver-
timento, porque um negociante do Recife, vendo a
falta que havia em tal arrabalde, montou a esme-
ro um hotel, onde a qualquer hora se eneontra es-
tada e optima mesa, como attestam diversos que ia
tern ido e tambem o abaixo assignado, assim pois
nio percam a occasiao.
Em 24 de outabro de 84.
Serafim Moreira Prata.


Ao public

Declaro que de hoje

em diante, em vez de

assignar-me (Gaspar

de Menezes -Vascon-

cellos de Drummond),

assignar-me-hei s o -

mente como se vd

abaixo.

Recife, 24 de outu-

bro de 1884.

Gaspar de Drum-


mond.


13 distrieto
him. Sr.-Apresentado de novo candidate A de-
putagilo gcral por esse distrieto, campro o grato
dcver de dirigir-ue a V. S., solicitandoainda uma
vcz sea vato e valioso apoio.
Membro, embora obscure, do partido comerva-
dor, por elle indicado para representar essa e r
cumscripeao eleitoral, as minhas idtas siLo as mes-
mas que tem sido pregadas pelos nossos mehfcs
nas duas casas do parlamento c pela imprensa
conscrvadora em todo o imperio.
Entretanto devo dizer a V. S. que, em relaeAo
A questao servil, que se agita, penso que devemos
matter a lei de 28 de setembro de 1871, da.ndo-
Graxa do Rio Grande do Sul == Cotamos de
7,700 os 15 kilos.
Mel=Na o ha.
Milho== Retalho de 60 reis por um kilo.
Pelles de cabra== Nominal de 5905 a 6)5 um
cento.
Sal do Assd.= Ultima venda de 1.4203 os 100
hlitros.
Sebo= Cotamns de 85700 os 15 kilos.
Solas do sul= Nominal, de 35033 a 6.550') por
umn meio.
Vellas stearinas do Rio de Janeiro. == Retalho
a 380 r6is um mass.
Xarque do Rio Graude do Sal.= Deposito cer-
ca de 77,100 arrobas, retalho de 46WO a 5,600
os 15 kilos.
Generous estrangeiros
Alpiste== Reta7ho a 55200 5J300 por 15 kilos.
Arroz da India= Retalho de 25900 a os 15
kilos.
Azeite doce.-= Retalho de 35400 poi cada um
gall-o, e em barril.
Baealhao-= Deposito 18,000 barricas, retalho a
185000 e 184500 uma barriers.
Breu Retalho de 125 a 145 por uma bar-
rica.
Batatas em caixas. = Retalho de 5J000 75000
uma caixa.
Ditas em gigas== Retalho a 45000 por cada
uma.
Carvio de pedra== Nominal de 165 a 185000
uma tonelada.
Cemento.=Retalho de 7% a 10 urma barricea.
Canella-= Retalho a 15600 um kilo.
Cerveja Bas== Retalho de 105 a 115000 uma
duzia.
Dita preta== Retalho de 105 a 11000 uma
duzia.
Dita de diversas marcas== Retalho de 65500 a
75500 uma duzia.
Cebolla= Retalho a 95600 a eaixa. .
Cha= Retalho de 38300 a 65100 um kilo.
Cominhos.= Retalho de 165000 por 15 kilos.
Herva doce.-= Retalho de 165000 por 15 kilos.
Farello de Lisboa== Retalho de 5)20Q per um
sacco.
Dito do Rio da Prata e == Retalho de 45700
um sacco.
Farinha de trigo.= Deposito 11,000 barricas,
aos pre9os soguntes:
A amnericana, 215 2254000 urma barriea. A de
Triestre e Hungria, de 26000 a 285000 edad
uma barriea.
Feijlo mulatinho== Nominal de 85000 por um
sacco.
Dito de core. = Nominal a 65000 por um
sacco.
Kerosene==Retalo de 45000por ua lata.
Lonsa lngleza== Retalo a 3M60 por eento sobre
a factua.
Maasus itaulanas.= eRtaiho de 105000 cad&
caixa.
Mauteiga fraameaa em barrio== Retalho a 1918
10962 por ua rs 1 dum kilo.
DjtL m ltak d mirest..Iuoiit~= BRtalh de


aumwcw% ao 4quu m e penaems flwiH-bfmA"-
rein la*o de gaii. .* '1^*\ "
son, m a mau dutincta estima o elovd COB-'
sideraVle de V. S., amigo, patricio e eriado obri-
gadte. .--
Recife, 15 de outubro deo 1884.
Migue Josi doe Almaida Pemwmbubo.




BR a IA&rgA ii. 3.Swt I. 90 So da
Funciona todos os dis uteie .o10 as 12 hraes.,
0 director
Dr. Arruda Be.tro.

Aos digeos eleitres do S.- dIf-
trieto
Sem quo falte as conveniencias partida-
rias, especialmente em urma quadra em que,l
pela indole do system eleitoral adoptado,-
o corpeo eleitoral ou antes cadaeleitor deve
assumir uma importancia saliente diante
dos centros de deliberao politica,--,enfra-
quecidos entire n6s, alem do tudo, per falta
de homogeneidade de principles, o de sin-
ceridade do vistas patrioticas, venho an-
nunciar ao distinct corpo ,eleitoral do 3.-
distrieto d'esta provincial que aspiro na elei-
co proxima do 1." de dezembro a honra
do represental-o na camera quatriennal.
Nao sound um home novo nem desco-
nhecido na political: portanto, limito-me a
declarar que o meu passado servirade nor-
ma ao meu future.
A consciencia do que tenho aido ate hoje,
e a confianga inabalavel na independlencia
e no patriotism do corpo eleitoral do 3.-'
districto, eis o fomento A minha aspirag.-o
present.
Tondo-se feito constantemente da politi-
ca, na esphera elevada do nosso mando of
fial, umrn campo de exploracoes em provei-
o de individuos que no da causapublica,
toespirito national acha-se abatido e a an-
tonomia das provincias, em sun general
dade, aniquilada.
Pernambuco, esse centre d'onde sempre
emanAram todas as concepgoes grande e
todos os commettimentos generosos, tern
servido de presa a ambiVes acanhadas de
homes de proporgoes liliputianas, e arras-
tado o seu desprestigio at 6 o ponto avil-
tanite de constituir-se o prolongamento das
provincias menos importantes do imperio,
conforme as influencias predorninantes nas
organisaoes ministeriaes, e as presidlentes
que se Iho tern dado.
Politicos que atfagam e apoiaiu todos os
miinisterios em troca do miser-v.weis vanta-
g.'ns pessoaes tn vendido poresse vii prc-
0o o direito do primogenitura de honra c
dignidade d'esta provincia.
Prejudicada em sens mais vitaes interes-
ses, ultra ada ecm sbus f6ros e escarnecida
em seas brios, olla;tcm necessidade inIek
clinavel de levantar-so giganteraltiva, foa
-midavel diante da turba mults quo 4i
present quadra eloitoral pretende coruKw
jar em suas entranhas, e de enxotal-a Mis
urnas, se nao com o fez o Christo aos quo
mcrcadejavlo no temple, ao monos coin a
attitude serena e austera do jiz que nato
transige corn o seu dever.,
E'a oceasiao de se separar os homes'
sinceros, desinteressados o dedicados A cau-
sa public dos que vivem de expediontes
interesseiros, atropellando e pisando todos
as sentimentos e principios elevados, e
mentindo e atrai~oando a coasoiencia publi-
ca revoltada que os condemns.
Dita de outras marmas. Rselho de 2.$000 a
2.5100 par uma groza. !
Queijos- Retalho de 45 a 45200 cada urn.
Sardinhas= Retalho de 300 a 320 reis a lata
de quarto, conforme a qualidade.
Toucinho de Lisboa.=-Retalho de 124 a 135 os
15 kilos.
Dito americano.- Retalho a 145500 par 15
kilos.
Velas stearinas= Retalho de 550 a 970 reis um
Vinagres= Retalho de 1454000 e 1655000 par
uma pipa.
Vinho tinto de Lisboa= Rietalho de 225(000 a


e 235g unma pipa. Dito da Figueira=- Retalho
da a 2355 e 245.5 uma pipa. Dito do Cette, braaco,
=Retalho de 2204 a 2305000 uma pipa. Dito
do Porto, em caixas== Retalho de 94000) a 25.5
uma caixa de 12 garrafas, conforme a quahidade.
Xarque do Rio da Prata. = Deposito calculado
em 22,200 axrobas, retalho de 5400 a 0 -400 poir
15 kilos.
RENDIMENTOS PUBLICOS


Moz de outubro
lLFAMnGA==De 1 a 24
Idem de, 25


tnCBmzDoaA=De I a 24
Idem do 25


>OXLADO D rsoviNcLIL-De I a 24
Idom de 25


Lsci n Dnauame-De
Idem da 25


1 a 24


di 1884
695:9085561
41:325A799
737:234#360


75:1165147
2:253A912
77:370A029
63:1865487,
4:626A956
67:813A441
4:757A819
1855811
4:9425630


DESPACHOS DE IMPORTAIO4.}>
Brigue inglez Mennie Gray, entrado deI
Londres em 25 do corrente e conuignao
a Augusto F. de Oliveira & C., manifes-
tou:
Dormentes 7,207.-
Ohapas de Ferro 310.
Carveo dopedra 70 toneladas.
Triho deago 403 Avi*-ferrea do Re-
cife a if. Francisco. -


lHiato national Saito Ambrosio,
do Asst em 23 do corrente e co
alumed JouimPes6ot manife
u 15,360 liftmai:* A orde


^tw^oda oven~da, resulftnte cresse retma
a SiiPoh fihdo n'potiswmo
c, dfa oan t dinaiamenut a
htet orpampstaria, estancaram todas as
viva de. pges material e moral
fW pineCia, deixsdo-a a bra-eos in
uma divida que todos os dias cresco, e na
irngfoisibiidade do prover A seguranga pu-
blic e ao servigo ordinario das repartices.
I 0 soldado e o funecionario provincial,
ja de si, poter-via de rogra, mal retribuidos,
acham se na contingencia ou do abando-
nar OB seus lugares ou de morrer A fome.
Emfim, una perturbagloe um desequi-
librio em tod as rela s da vida econo-
mica-sacial esferma os espiritos e stle
reclamando dozlo politico medidas promp-
us oe bem combinadas. que a oautellem o
future mnedonho que se nos antolha.
Comrrelao 4 quest quepreaentemen-
te tra agitae o espiritopublico, a do ele-
mento serv,--devo dizer que amando a
liberdade no sentido mais amplo da pals-
va,-e tendo n'esta conformidade passado
carts do liberdade em 1860, a titulo gra-
tuito, sos esemravos que entlo me couberam
em partilba do- bens do meus finados pages,
:ser-me-a umn dia de extreme contentamento
aquelle em que se annunciar a todos os
ventos da publicidade a extinccao da es-
cravidao entire n6s. Isto, porem, nao quer
tlizer que pretira interesses que, si nao slo
sagrados, nio deixilo todavia de ser res-
peitaveis diutmte da sociedade em que vive-
ras, e dos embaragos que assoberblo a
fortune publics e particular.
A lei de 28 de setembro de 1871, confir-
mando a aspiraqio national preexistente
da extinceco da escravidlo foi o marco mi-
liario de urma pocha de regeneragio mo-
ral no Paiz; e, porque na evolu9ao das
cousas humans as ideas generosas, por
urna lei providencial, tendem a engrande-
cer-se e a substituir-se As velhas ideias, 6
claro que, depois de umn period do 13
annos, que tanto decorreu da data d'aquel-
a lei at6 hoje, a sociedade niao p6de ficar
estacionaria em material do tanta* magni-
tude.
Augoentar portanto, e augmentar con-
sideravelmente o fundo de emancipagio
por meio de novas taxas que recaiam so-
bre today a popuilaoo, visto que toda ella.
direct ou. iadirectarnente, aufere as vanta-
gens resultantes do trabalho escravo; tor-
nar effective, por meio de disposigoes re-
pressivas, a garantia da propriedado es-
erava, ja tlI depreciada, nio esquecendo
o estado de decfinhamento do nossaagrmcul-
tura,. unica fente de renda que temos, fa-
zer que a indetanisagsao do proprietario
seja uma verdade e nao, em uns casos, o
resultado, de una chicana, e em outros, o
do um favor, improprios da magestade dos
tribunals que a decretao ; providenciar ens
ordem a que a emigraq;to se fa~a em larga
escala para o Paiz, e nito seja object de
reprovada especulaoo mereantil; aprovei-
tar os bragos livres, matando o parasitisnimo
bureaucratico e civil, afin de que cada ci-
C adlto seja uma alavanca de engrandeci-
,nento national, e nao uma fonte perfnne
ih perturbagao da ordem public e do cs-
ic4 indevido doa recursos publicos e par-
ticulares Sao medidas, que, a meu ver,
nao podem ser procrastinadas em uma si
tuafao, onde, par um lada, a humanidade
protesta em defesa de seus direitos concul
cados e par outro, a sociedado estrebuxa
a rringoa dos meios os mais clesnentares
de vitalidade.
' Feita a syntheso do meu modo de ver a
actualidade, aguardo confiadamente o vere-
dictum do corpo eleitor 1.
Recife, 22 do outubrode 1884.
Silvino Cavalcante de Albuquerque.


Par New.York. J. S. Loyo & Filho 2,052
saccos corn 153,900 kilos de assucar mascavado.
No vapor americano Finance, carregon:
Para New-York, S. Brothers & C. 51 fardos
corn pelle de cabra.
No patacho poituguez Mario, carregou :
Pars o Porto, P. Vianna & C. 12 pipas corn
5,760 litros de aguardente.
Para o Interior
No vapor national Pernambnco, carregou:
Para Manaos, H. de Oliveira 40 barris coin
3.8i0 litros de aguardente.
S:;ra o Para, B. Oliveira & C. 30 cascos comn
4,800 litros de aguardente.
No hiate nacional D. Francisc 2a, carre
gou :
Para o Natal, E. C. Beltrio & Irmao 25 bar
ricas corn 1,250,kilos de assucar mascavado; Oli-
veira & C. 8 ditas corn 610 ditos de dito branco.
a b r-caa A nmelia, carregou :
Para Villa da Penha, J. A. G. Pires Junior 1
barrioa corn 100 kilos do assucar branco e 2 ditas
corn 180 ditos de dito mascavado.


MOVIMENTO DO PORTO
Navio8 entradosno dia 25
Maranhao e escalas 16 dias-Vapor national Ja-
cuipe, de 382 toneladas, commandant Fabio
Rino, equipagem 30, carga algodio; a Compa-
nhia Pernambucana.
Londres-46 dias, barca ingleza Minnie Gray, de
349 toneladas, capitao Robert Moncrieff, eqni-
pagem 9, carga dormentes de madeira; a Au-
gusto Frederieo de Oliveira & C.
Buenos-Ayres e escalas-31 dias, vapor inglez Bri
tania, de 2,608 toneladas, eommandante G. Mas-
sey, equipagem 85, carga various generous; a
Wilson Sons & C.
"Saidos no mesmo dia
Liverpool por eaealas-- Vapor inglez Britania,
commandant 0. Massey, earga various generous.
New-York-Patacho inglez Annie Austin, capi-
tio S. S. Stevens, carga assucar.
Obsermovao
Suspended do Latanlo paraMontevieo a ca-
honeira ingleza Alge-ri.
Di I pam r Barbedos o brigue norueguense Aabi
Sapitdo A. li, em laatro.
a pars a Parahyba a barca norueguense
Sant Olaf, capitio J. Sivcrtsen, em lastro.
SFudou no Lamarao um Idgar, quo nao com-
mudidi co t a term.


VAPQBF81 ES ERADOS
Artuioania oaEuopa
Perambuco do sl
Fiasce do Sull-
S. Salvador da Bahia
No v"dembu
Sr" & "d i ovte:
Oesw4 do etoS-to
hrgoliti d41 EaEurope,
date dja -t *umps.

Tai o 'r :*11 da Ensspa *^- *-


a26
a 27
a 27
a 28
a29 -
a 2
a 8
a 6
s6
a


Convencido detr, quanto me foi pos-
feivel, cumprido o mandate com que fui
distinguido em 1881 pelo digno elitorado
do 9. district, oveho lioitar a renovaca
dome mandate, come approval o de meu
procedimento.
o0 pleito leitoral, que se approxima, vai
ter lugar em eondi5es muito graves e ex-
cepionses, numna vez quo trata-se de apu
qar equal a opinilo do paiz em relaeo A
queetlo do element servil, que, colloeada
pelo governo no terreno da confianca, deu
em resultado a dissolugo da Camara.
Negando, como fiz, meu voto ao gover-
no, repellndo as ideas contidas no projento
que eloe adoptou, per offenderem o direito
de propriedade garantido pela Constituigio
do Imperio em toda a sua plenitude, julgo
ter defendido osm mais importantes interes-
soe do paiz, e correspondido assim a con-
fianga em mim depositada.
Nao quero, e creio mesmo que ninguem
querera, que so perpetue a escravidlo no
Brasil, havendo apenas divergencias quan-
to ao mode de aprecial-a perante o nosso
direito constituido, e moeios que devam ser
ompregados pars sna complete extincgo.
Debaixo deste ponto de vista, penso que
a aboligio immediate sem respeito As lois
que garantem a propriedade, e antes de
ser organisado o trabalho livre, como con-
v6m, importara urnm golpe profundo na la-
yours, a fonte principal de nossa riqueza.
Antes, pois, de dar qualquer pass f6ra
das raias da lei de 28 de setembrb de
1871, cumpria ao governor solicitar do
Parlamento medidas, que chamarei coaw-
lementares, e deveriam sobretudo visar A
ocaglo de servings e a repressIo da vaga-
bundagern, porque infelizmente as leis, que
possuimos, niao satisfazem comnipletamente.
Na questlo do element servil e minha
opiniio que a referida lei de 28 de seten-
bro, convenient e amplamento desenvol-
vida e lealmente executada, p6de e deve
dar excellentes resultados, ao menos em-
quanto nio melhorarem as condi5es eco-
nomicas do paiz e niao forem votadas
aquellas medidas. Uma reformna quo vai
affeetar interessas de ordem elevada da so-
ciedade, nao p6de ser feita de um mo-
menta para o outro, sem produzir grande
e profundos abalos.
Si pela segunda vez tiver a honra de
occupar urma cadeira na Camara dos De-
putados, p6de V. S. ficar certo dc que se-
rei coherente corn o voto que dei, procu-
rando, quanto permittirem minhas forgas,
defender os legitimos interesses publicos.
Si V. S. julgar que essas ideas, que
alias mantive na legislatara finda, mere-
cem sua approvagao, espero que nio me
negarA seu voto e valioso auxilio ; certo
de que serA eterno o meu reeonhccimento,
Corn a mais distincta estima e elevada
consideracbo sou
De V. S.
Patricio, amigo e obrigado criado
Jos4 Brnardo Galvwo Alcoforado Junibr.


Carta de van
Iagestade
Sobre o ele .ento
ao leitor e


a lavrador a tua
o Imperador
servii coin um prologo
um P. S. ao paiz


Esta obra, quo interessa aos agriculto-
res polo seu assumpto, deve ser lida por
todos os homnens politicos porque, par das
apreciagces historical do segundo reinadu,
desenvolve um piano geral de 1ef6rnia da
ConstituivAa.
Recebe-se assignaturas A 2000 o exernm-
plar in casa de Arthur & Deziderio rna
do Cabuga n. 3.

Illm. Sr.-Apresentando-me candidate pelo. 1'
distrieto desta capital, nas proximas elcis6es para
deputados geraes, dirijo-me a V. S. para solicits
o sen apoio ecn favor da minha candidatura.
Nao precise fazer profissiao de f politiae- V. S.,
como liberal e ten-lo lutado nas inesmas- fleiras
em que eu ha mais de vinte annos mulito, deve
conhecer o pessoal do partido liberal e os servi"os
deseuns carreligi'narios, para fazer -Ilcs devida
justica.
Care~o, porem, em face da melimidrosLssima si-
tuaao que atravessa o paiz, dizer con today a
franqueza, a cada um dos Srs. cleitores, o meu
modo de ver acerca das quest5es nais in momento-
sas a que, por certo, seraL chamada a resolver a fu-
tura Camara dos Deputados.
Em primeiro lugar figure a magna questao do
element servile, eujo problemna entendo deve ser
resolvido de maneira a nao tri-azer o aniquilamen-
to das forcas vivas do paiz, a bra"o corn embara-
,os de tal oadem, que aos espiritoas menos perspi-
cazes mloa es-eapan, p -r certa, as cnisequencias
desastr-Osais (e quCu esti-nos ai -anaolos.
Pi.rtilhlwudo a opiniio dos qe dcscjainm a ex-
tincia.o d4 ocancro qne corroc as entranmihas deste
paiz, o-piimiaio a-r mtiioria da u-ift'lo, teis) coiicorri-
do e cAthImnaI'c a concorrer, cnvidando esfors-cs
para at sua :,bolio-ao e consoeuintemente para a
regeae-t:.o dest joven imperio, sem apartar-me,
entiretauito, de imin dos priiceipios rcguladores das
sociedades bern organisiadas; o respeito ao direito
de propriedade de todj cidadao. sob qualuier for-
ma que csse direito so manifesto.
Apoiarei neste terreno todo governor que, seria-
mente empenhado na solueio deste important
problema, apresentar medidas que na pratica dam
os resultados desejados, sem abalo para o paiz.
Propugnarei pelos interesses da lavoura e da
commercio, principals alavancas e sustentaculos
do edificio social; concorrendo corn a minha pala-
vra e comno meu vote para tudo que possa trazer-
Ihe o mais pequeno influxo de prosperidade.
Nio serei indifferent ao triste estado a que
acham-se reduzidas eatre nas as artes, que for9a
Sconfessar, n io teem sido attendidas em suans
justas aspiraLses, send esse abandwno a causa
efficient do abatimento em que permanece entire
nds uma classes que nos paizes cultos concorre
poderosamente para o engrandecimento national.
Nio darei o meu apoio a nenhumrn governor dela-
pidador dos eofres publicos, certo, como eston, de
que a restauraqao das fiaangas do paiz estA de-
pendente da mais severe eeonomia d-js dinheiros
publicos.
Espero tambem nio ser langado ao rol daquelles
que slo acoimados de esquecer as necessidades
da sua provincia, deixando-a jazer em condom-
navelabandono.
So estas, Sr. eleitor, as ideas que pretend pOr
Aempratica, se merecer o vosso valioso apoio, que
muito me fortaleeerIL nesse desideratum, tanto mais
quante, de nenhum modo vinculado ao carro do
poder, posso dar-vos como penhor o men passado
politico.
6 de, outabro de 1884.-De V. 8. correligionario
e criado obrigadisaimo-Paudo Josid de Oliveira.
Ao partid liberal
Apresentamoo, tendon ouvido os nossos amigos,
a eombinacalo de nome para a eleigio geral do
Is de dezembro do corrente iano.
Eatsa bbitiaao nia eatende com a questlo
dc edeiBntnto 'lo e &ttndea simeute as conve-
lcias dor p do.- t
-i qWe m- m a adhesion de todos
om tioffi e mliicm mws e amitos, e que oates


Ilo" dire. D1;.
%f6%&N dito 431.Podrdas irw.ti __,!.l"i



12o dito. Dr. Cr Padre a N
180 dito. Dr. Antornio Muod do Sqmkii C
cante.
Recipe, T7 de- outubro do 1884.
Antonio E0-a"...du.de AdW
uis 'i&ppe de Somr Lda.

I ur oirihtia
Patricio Moreira
En-cameg-se de todo e qualquer trabalbo tf-
donte a cirurgia, prothese dentaria e boecal, achbmw
do-se para isto munido de moderaon e aperfei.a-
des inutrumentos e apparelhos.
Extrahe dentes sem dor pelo apparelho de Ri-
chardson.
Fax obturarfme a ouro, prata e marfim, coloea
dentes a pivots, dentaduras em chapa" de oMr
vulcanite.
Trata todas as molestias da b6cca e da primei-
ra denticeAo.
Consultas e operaices das 9 horas da mainh! e-
as 4 da tarde.
CHAMADOS POR ESCRIPTO
5-MuBam Duqme de Caxlam--T

Cirurg'iao dentist
Jos6 Basilisco da Silva Sautos, cirurgilo
dentist e pharmaceutico pela Faculdae
de Medicida do Rio de Janeiro, colloca
denotes pelos- systems mais aperfeigoados,
obtura (chumba) a ouro, A platina e a osso
artificial;: fa. reconstrucges de dente de
ouro, trata das molestias d A bocca e corri-
go as irregnularidades dentarias. Acha-se
das 10 As- 4 horas no sen gabinute i rua
da Imperatriz n. 1.



| Curso de preparale i its
F rancex, geographla e aritkh- *
nmetica At
J Informnayoes coin o Dr. Tobias Barrette,




{ CLINIC A I1OMCEOPATHICA
DO j

U Dr. Tristao
SConsultas das 7 as 9 horas, c chama-
Sdos A rua das Unii1o n. 15.
< > Numero telephonic 1*64 -
.-- -, ,-,_.--_ x


DBR. ALEREBO T A1FK
MEDICO OPERATOR
SSPECIALISTA EM PARTOS E MOLESTTAS DAS
MULrERES
Tern o 'seu consul torio em casa de sua-
residencia A rua da I mporatriz n. 30, 1.L
andar.
CONSULTAS de 8 As 10 da mauhn'l e,
dA. 12 As 2 da tarde. Chamados- pr es-
cripto a qualquer hora.

Dr. Seve
Medico parteiro e operador fixou a>sda resi2ea-
*ia na cidade de Palnares, praca dc Manrity a.
4, o, ds pode sr proeur~tdo pam-nos misterms de
sua prfissiao.


} MEDICO E PA.TEIRO (

j Dr. Joaquiui Loureiro
*" Consultorio rua D,,que ne Caxus n 3. '
defronte do DIAR[) DE PERNAM- \
BUCO, ondeda consuatas das 12 As 3.ho.
r[ rs da tarde. Rasido tampora-iamente no |
Monteiro, 11.


0 Dr. Adria
MWEDICO
Continan: a dar consultas das 11 2 horaa da
tarde, em sen antigo consultorio, A rum Larga do
osario n. 36, 1. aadar. Chamadoa por escript
a uqalquer hora, na pharmacia Bartholomeu &
*gXXXXXXXX-XXXXXXXX9

0 Oeulista
0 ODr. Barreto Sampaii<% medico .ace-
04 list, ex-caefe de clinic- d.o Dr. de Wee
Skier, dAd co:sultnas iL nia do-Bnrao da V-k-
Storia n. 45, segundo and.t(,v. de I As I ho-
> ras da t;,rde, excepto n1os0( dming<* ( e s ?t9
santitic-los. Cliamnmdos em sen c(n&athorio
Sou em casa de sua resldencia A rua de
SRiacbclo n. 17, canto (da rusi os Pires,
3XXXXXXX xxxxxxx#

DR. PEBRIA DIE LYRA
MEDICO
Pixsu a suan residencia na cidade de Caruaui,
owde pode ser encontrado para os misteres de sua
profissao.

AMudanna
0 advoado Adelino A. de Luna Freire Junio&
mudou o sea escriptonro da rua do Crespo n. 12
para A run do Imperador n. 51, junto A Relaao.

Liquidato aproveilavel


Synopsis ou deducao chronological dos
factors mais notaveis da historic do Brasil,
polo general Jose Ignacio de Abreu P
Lima, 1 vol. com 408 paginas
Da soberania do povo e dos principios
do governor republican modern, lioes
pronunciadas na Faculdade de Direito de
Pariz, por M. Ortolan, traduec*o de A. P.
de Figueiredo, 1 vol. corn 160. pagimas
Retforma eleitoral, collect* o de diver-
sos artigos sobre a eleigo directs por di-
versos lentes da Academia do Recite, 1
vol. corn 860 pagias
Doze proposi8es sobre a legitimidade
religious, da verdadeira tolerancUia dos
cultos por Ephraim, 1 vol. oom 200 pap.
Estudo elementary de direito de uso-
frueto adaptado a legislaa patria em
gorvi pelo Dr. Jeaquim C. da Cunha Mi.
randa, 1 vol. com 174 paginam
Segredo da gerao on arte de pro-
crear raparigas e rapm es isiritoos,
etc. etc., (leiturm s6mente pae 'pames),
1 vol. eoon 00 paginas
iMe n ao miameao, Ueen i de
'^~othistorice j"-ia popWaiti
eiedts uriieidades, tendH- aatlqIa
Setc, tudo rel.Ivo a {inyVA do

^Rai& nadre F (4 frt ow" 4a4aifi


1A000


2W000

15000


15000


0


hom


- C


I


,t






















do


Do- voplta do sue vimpa A Europa an4e
'trequent l~l'oshospituee do Paris, tend
-feit ftrscaem cial de partos e moles-
tam do senloIrfaT, consultas no seuit-at-
go onsultorioA rua Duque de Caxia n.
48, do meio dia as 2 horas.
Eapcialidade molestias de criangaaoe de
senhoras.
Recebe chamados per escripto ou no sea
consultorio, ou em sua residenciaA rua do
Barlo de S. Borja n. 30.

Faclos e nle palavras.
A0s que s.seeCeja tratar sermn eompromettera
saude corn prepai'ados mineralogicoS.
Nests typographia e na rua Direita n. 43, 1 andar
'vende-se tmituras homrneopathicas para intofensiva cu-
ra das iseguintes molestias: asthmatic, ainda mesmo
bronch tico; erysipela, enxaquecas; intermittentes
(sem o emprego do fatal qnino); toss convulsa
falta de meuitruario; cameras de sangue; estericos
ou metrite; dwes de denotes ou nevralgia, metrorra-
gia; vermniffugoi dentico e connvulsSes das criangas;
tudo manipulado de hervas do paiz.
Assim come tratam-se escrofulosos em qualquer
graio e gommatosos.

ob Antonio MartinscaenOc
Joao Antonio Martins fIovaes


Glicerato Vegetal
Applica-se corn exit admiravel nas affecce.
,siherpeticas, sarnas, frieiras, cosseiras, fendas
chronicas, e em todas as molestias tern side scm-
pre d'um grande resultado, operando o a Glycerato
Vegetal a, uma cura rapida da molestia, evitando
-A repetiiao d'ella.
Em cada vidro leva uma direcelo cnsinando a
maneira de usar. e diversos attestados de medicos
e. pharinaceuticos que tornariain enfadonho men-
-1ionar.
Pre doe cada vidr. 25000

ODONTHLGICO
-GOmA CILBSI55
Cara radicalmentc as does de dentes, seja qual
Ior a sua origem Desapparece a dor immediate
mente. Em cada vidro acompanha urma direce4lo
come se dove applicar.
Prev de cada vidro 25000
Bartholohien & C.

Sgthtrmal 8tompunto, do Bu-

natsoll-ki-la chapoll
Tern as mesmas qualidades therapeutics das
aguas de Selters, Apolliuario c outras, excellent
19os soffrimentos das membranes mucosas, atffec-
9oes rheumaticas e artriticas, escrofulas e moles-
tias de glandulas, edemas do figado, soffnimentos
do figado eausados pela residencia prolongada em
climas tropicaes, hemhorroides, congestoes pul-
monares e cerebraes, hypocondria, rheumatismo
gottoso, catarrhos de toda a especie, nevralgias,
asthma, syphilis e molestias causadas polo rmercu-
Trio, assim como se prcsta paras ser bebida pela ma-
nhil, qnando em consequencia de falta de diet na
vespers apparecerem irregalaridades na digestao
Agente geral e depositario
THEO. JUST


17--Corpo Santo-- 17


EDITAES

Edital n. 25
la praa
De ordem do HIm. Sr. inspector so faz public,
que as 11 horas do dia 28 do corrente mez serao
/ vendidas em leiolo, no trapiche Conceigao as mer
cadorias abaixo declaradas :
Armazein n. 1
Marca DSP e RB em baixo. Uma caixa n. 85.
vinda de Hamburgo no vapor allemao Corriente,
entrado em 1 de maio do corrente anne, contando,
40 kilogrammas, peso liquid, de estampas nao es-
pecificadas,'abaudonada dos direitos, por J. Sa-
!oino L. Pinho
Armazein n. 6
Uma caixa, sem nuinero, vinda de Bordeaux no
vapor francez Seneqgal. entrado em 7 dejulho idem,
contend 17 kilogrammas do sinetes corn cabos
de madeira e 750 grammas de brinquedos de fo-
lhas de Flandres, para criancas, abaudonada dos
direitos per JoAo Besse.
Armazem n. 7
Marea GB. Uma casixa n. 178, vinda de Ham-
burgo no vapor allemao Periambuco, entrado em
28 de .iulho idem, contend 10 kilogrammas, pe-
so liquid, de cartazes impresses em daas cores,
abandonada dos direitos per R. de Drusina & C.
Terceira secao da Alfandega de Pernambuco,
24 de outubro de 1884.-0 ehefe,
Cicero B. de Mello.

Edital n. 24
3' praoa
De ordem do lllm. Sr. inspector so faz public,
que As 11 horas do dia 28 do corrente mez, sera
vendida emn leilao, no trapiche Conceii"o, a mer-
cadoria abaixo declarada :
A saber :
A r 7


'otiv tiQ


Visto.-jrranciu Rganarius.

Do @rdem do lim. Sr. Dr. inspector, No:pa-
bWico que no dia 80 do eorrante ii 46e ovo i
prae o imupoasto dio disim do g & vaeoum, ca-
vata e muar relative FlIore e aInsmra,eom
o abate de 20, offerecido por Jernyo Tho-
toio da Sva L creiro, aobre a importance que
service de bate A primeire arrematao, a equall fea
redBaid a1:7766M000.
becretarie do Thteouro Provincial de Pernaim-
buco, em 15 de outubro de 1884. Na ausencia
do seLretario, e official,
Lindolpho Campello.
o0 Dr. Joaquin da Costa Ribeiro, juiz, d
direito do 10 district criminal da comar-
ca do Recife, por Sua Magestade o Im-
perador a quem Deus guard, etc. *
Fax saber aos quoe o presente edital virem que
us revisao do alistamento eleitoral da parochial de
Santo Antonio, a que procedeu ultimamente, foram
incluidos os seguin6tes eleitores :
JO Quarteir&o
Travessa da Madre de Deus
1 Manoel de Oliveira Mollo.


4' Quarteirdo
Rua do Amorim
2 Jolo Antonio Ferreira.
3 Josa Joaquim de Moura.
80 Quarteirao
Rua do Marquez de Olinda
4 Fabioe Xavier de Souza Fonseca.
5 Rutilio dos Santos Barros.
6 Antonio Lopes Braga Junior.
7 Carlos da Fonseca Carvalho.


90 Quarteirdo
Rua do Bom Jesus
8 Jose Luiz Cavalcante de Mendonca.
9 Antonio Pcreira Lopes.
10 Qua4rteirdo
Rua do Born Jesus
10 Fausto Gonalves ce Albuquerque Silva.
11 Luir Antonio de Mello.
120 Quarteirao
Rua de Domingos Jose Martins
12 Camille Candido da Silva.
14o Quarteirdo
Rua da Restauragao
13 Nestor Alves Barbosa.
14 Jose Balbino de Lima Dias.
15 Joao Francisco de Souza.
150 Quarteirdo
Rua do Viscoude de Itaparica
16 Jost Ferreira Marques.
160 Qarteirao
Rua do Brumn
17 Domingos Frantisco Ramalho.
180 Quarteirao
Rua do Pilar
18 Manel Jose Rodrigues Pinheiro.
190 Quarteirdo
Rua de S. Jorge
19 Manoel Teixeira Bastes.
22h Quarteirao
Largo do Chaco
20 Roberto Joi6 Pereira.
Faz saber tambem que foi eliminado por ter mu
dado de residpecia o eleitor seguinte :
1 Pantaleao Bezerra.
Faz saber finanlmente que deixaram de ser alista-
dos per nao terem vindo corn as assignaturas re-
conhecidas no prafo legal, os seguintes cida-
daos :
1 Tiburcio Adelino de Oliveira.
2 Francisco Antonio Ferreira de Albuquerque.
Per nao ter provado a idade e renda legal e que
reside na parechia ha mais de um :
Joao Francisco Delgado Lins.
Per nao ter provado a idade legal, o seu emprego
e os veucimentos que tern :
Alferes Joaquim Venancio Cordeiro.
Por neo bastar pare habilitar e alistar-se como
eleitor, o titulo de 2- pratico da burrs :
Manoel Amando Lobe Gomes.
Per nao terjuntado o attestado do domieilio p:s-
sado sob juramento :
Francisco Pereira de Miranda.
Per nao ter juntado os documents a que se re-
ferioe :
Joaquim Nunes Padilha.
E para que chegue so conhecimento de todos os
interessados, imandei passar o present edital que
sera aflixado nos lugares do costume e publicado
pela imprensa.-
Recife, 23 do eutubro de 1884.
Eu, Antonio do Burgos Ponce de Leon, eseri-
vao o escrevi.
Joaquim da Costa Ribeiro.


DECLARACOES


Confraria des S. S. Chrlsplm ,e
Chrisplalaeno nomeovento do
Carmo do Reelfe
De ordcm da mesa regedora desta veneravel
confraria, comepunico que foi transferida para o
dia 16 de nevembro proximo vindouro a festa
deste padroeiro. Recife, 23 de outubro de 1884.
0 secretario,
Antonio M. Ferreir. dos Santos.

Sia.. Gr.'.orig. ior', do Brase'.
C^apf Vicp
De ordem do Sap. -. Gr-. -. Meat. -. Ger.-.
Comm.-. Prov.-., convido indistinctamente a
todos os mma.- deste Ori. -. parajf em sea.-.
mag.-., que tera lugar quinta-feiira, 30 do eor-
rente, as 6 1/2 horas da tarde, no 3.o andar do
predio n. 14 ao val. -. do Imperador, prestaremn
juram.. a Const.-. deste Sap.-. Gr.-. Ori.-.
Gr. Seer. Ger. ". do Sap. -. Gr. -. Ori. .
ao Nor. -. do Bras.- no Ori. ". do Recife em
Pernambuco, 24 de outubro de 84. (E. -. V.- .)
U. Ribeiro 88.-.
Gr.-. Seer.-. Ger.-.


Deord. m d 6*
o.dadw queOada
reunirem no dia 2o
mahi na "de da
outubro de 1%4..


Asevedo.


jouidente, condo as
uI a eote .ongraso, a se
cormte, As 10 howda&
a Emaneipadora. Sorom
ipionio* do Recif9, t4 do


0 I" secetaro,-
_JI. do Oliv"#A!,
Juizo dedir ito da

Por despaeho do Illm. Sr. Dr. juiz -de direct'
da provedoria, serta arrematada por venda a quen
mais der, no dis 27 do correate, so c.iaua
asala das audiencias, uma eaqa terreas, sita atue
do Visconde de Albuquerque n. 144, freguezig da
BoaViatsa, corn porta e janella de frente, 2 salas, 3
quartos, cosinha external, quintal murado, corn
cacimba, terreno proprio, medindo de vao 4 metro
e 80 centimetres, e de fund 14 metros e 14 centi-
metros, avaliada per 2:000j, euja eass perteeen-.
do ao espolio de Anna Thereza do Sacramento,
que per este juizo se acha inventariando, vai A
prsoa a requerimento do respective inventarlante
pare satisfalo dos 6nus testamentarios. Recite,
23 de outubro de 188L.-0O escrivlo,
Luiz da Veiga Pessoa.


Cumlal lea 8nta Theraze
Abasteelmento d'aguna e uInz em
Ollnda
Provine-so aos Srs. passadores de festa,
que, segundo o art. 24 do regulamento da
companhia :
S Quaesqner reclamagoes acerca do servi-
go public ou particular, quer do forneci-
mento d'agua, querrelativos a illuminate,
para serem attendidas devem ser feitas
per escripto, datadas e assignadas, dirigidas
ao escriptorio di companhia (oflicina nos
Milagres) diariamento das 7 horas da mrua-
nhl As 3 horas da tarde. o
Escriptorio da companhia, 23 de outu-
bro de 1884.
A. Pereira SimOes,
Gerente.

painulta o tMlt0os nrbanos do

Recif a Oi0Ba


Assembial geral
De accord corn o art. 73 do regula-
mento das sociedades anonymas e 12 dos
estatutos da companhia, sao convocados
os Srs. accionistas a se reunirem no es-
criptorio da companhia no dia 31 do cor
rente, ao reio die, afim de tonarem conhe-
cimento dos negocios relatives ao ultimo
anne find'
Escriptouo da companhia, 23 de otitu-
bro de 1884. .
A. de Almeida Cunha,-
Secretario da assemblba geral.

Matriz de Santo Antonio
Irmandade da Altm=a
Polo present e de conformidade corn as dispo-
sigoes do compronmisso, convido aos irmos da
veneravel irmandade das Almas, erects na ma-
triz de Santo Antonio desta cidade, A compare-
cerem noa respective consistonro, as 6 boras da
tarde do dia 28 do current, para o fim de proce-
der-so a elei*o da mesa regedora do anne com.-
promisual de 1884.85. Consistorio, 24 de outubro
de 1884.-0 escrivio,
Manoel Alves.

li LibMNaflor Frerira FuFai
Sto convidados todos os socios deste club a so
reunirem hoje, as 10 boras do dia, para sc tratar
de assumpto importantissimo. Reci.e, 26 de ou-
tubro de 1884.
Antonio Pires,
1o secretario.


Grande


Circo


OMPANHI mBOPA
Equestre, zoologiea, quadrlmana
e canina
DE
PAUL SEBRIKO
Largo do Arsenal de Guerra



Duas grades funccoes
Segunda estrea
DO


a bem no
a qua) ha


Art. 16. Pica prohibida a ooucepao do dea.
pcel0e 1)o don. dit" dzog4onsume, fra do
camoe qtue- o permitted ax dispomi prei-
minars da tarifa das alfandegas, e suspemasa am
que tnhbam sido eitas A empremza on partieu-
E por.m, o governor autorisado a conceder a
s aNdeo deise favor aoa que o tiverem em
virtud"doe contratos synlagmatico, depois de
sord Bobre o pramo em que deveri caesar, e a
retitir a importance dos direitos que liouvvrem
pa drtante a 6as0io. ,
A dsourark de F u de Pernmmbuco, 17 de
outubrw do 1881K-O secretario da junta.
Faac8ieco Antonio d Oliveira e Silva.


SEftUROS
MIAR"iMOS CONTRA FOGO
Co*1panhla Phenlx Per-
nanbueana
Rua do Commercio n. 34.


ONTRA FOGO

The Liverpool & London & Glob

INSURANCE COMPANY
AGENTS

Sau8lirs Bromrs & c.
ll--CORPO 8ANTOll.-

ODUAIIIADE SB1IGRO8
CONTRA FlOcO
North British & Mercantile

CAPITAL


9:000,000 de bras sterUlias
A GENTES
Adnison Howie & C.
RUA DO COMMERCIO N. 3.


,OMPANHIA


IMPERIAL


SIEGUROS CONTRA FOGO
EST: 1803 -
Edifieios e mercadorias


Taxas baixas
Prompto pagamento de prejuizos
CAPITAL
EL. 16,000:0005000
Agents
BROWNS & C.
N, 5- Rua do Commercio N. 5
MDKNISAI)ORT
AstefreeaM marlumoa* e contra
FOGO
RUA DO COMMERCIO N. 44
COMPANHIA AMPHITRITE
de

SOms aros e toIost
N. 9--Praga po Corpo Santo--N. 9
The New London and Braslilan
Bank Limited
Rua do Commerci9 n. 32
Sacca per todos os vapores sobre as cai-
xas do mesmo banco em Portugal, send
em Lisboa, rua dos Capellistas n. 75. oN
Po, rtorua dos Inglezes.


EARITINOS
Compamnbia Bahlana de Navega-
fio a Vapor
Macei6, Villa Nova, Penedo, Aracaju,
Estancia e Bahia
0 vapor
S. Salvador
Commandant Senna


E' esperado dos portos aci-
ma ate o dia 27 de outubro,
e regressara para os mes-
moo, depois dademora docos-


Stume.
Para carga, passages, encommendas e dinheiro
freta tracts-se na
AGENCIA
7-Rua do Vigario 7
gomingos Alves M ,alheus

COMPANIIAl PERNAMBUCANA
DE
Navamao Costelra per Vapor
Rio Formosa e Ta-


Comiwaantage ifreaus

ropaa tdisa 41
nove -se d
Vr iks -do dopoisdsde-
m dmeROsW -
me psi Buenos-
Ayr* a
a ab, lito de qwaselre e Weinte-
tevwid
Lembra-se aoe Srs. iros *de todas u
classes que ha lugares reervaos para esta agen-
eia, que podem tomar em qualquer tempo.
Pars carga, passagens, encommendas e dinheiro
I frete: tractI-e oamo
AGENT
Auguste Labille
9 RUA DO COMMERCIO -9

CHARGEiRS REUNIS
Compankla Franceza de iVavega.
4Io a Vapor
Linha quinzenal entire o Havre, Lie
uoa, Pernambuco, Bahia, Rio de Janeiro e
Santos


Steamer
Ville do OearA
E' esperade da Euro-
pa at ao5dia deno-
Ivembro, seguindo de-
is da indispensavel
erora pare a Da-
la, Filo de Ja-
met'o e Saitos.
Roga-se aos Srs. importadores de carga pelos
vapores desta linha,queiram apresentar dentro de 6
dias, a contar do da descarga das alvarengas, qual-
quer reclama*e coneernente a volumes, que por.
ventura tenham seguido para os portos de sul, aflim
des,e poderem dara tempo as providencias neceessa
rias.
Expirado o referido praso a companhia ao o
responsabilisa per extravios.
Reeebe carga, encommendas e passageiros, pars
os quaes tern excellentes accommodawoes.
AGENTS
Augusto F. de 01iveira

&C.
42- RUA DO COMMERCIO-42

Para o Maranhio


A bares p ortugueza Alliana recebe carga a
frete.modico para o porto aeima, e segue neates
poucos dias : a tratar no escriptorio de Jos6 da
Silva Loyo & Flho.
United Mates & Brasil Mail S. S. C.
0 vapor
Finance
VE' esperado dos portos do
sul no dia 27 de outubro, e
Sdepois da demora necessaria
seguirn para o
Earanhio, Park, e S. Thomaz
Para cargs, passages, e encommendas, tracts-
se corn os
AGENTS
Henry Forster & C.
N. 8 RUADOCOMMERCIO N. h
1.- andar
?acific Steam Navigation Company
STRAITS OF MAGELLAN LINE
0 vapor
Araucania
-Espera-se da Eu-
ropa atW o dia 26
de outubro e se-
~guiripars o sul
iepots da demora
do costume.
Pare carga, passages, encommendas e dinbeiro
a frete: tracts-se cornmos
Consignatarios
Wilson Sonas & C., Limited
N. 14-RUA DO COMMERCIO-N. 14
COMPANHIA-PERNAnBUCANA
DE
Navega,4o eosteira per vapor
PORTOS DO SUL
Macei6, Penedo, Aracajd e Bahia
0 vapor S. Francisco,
commandante Pereira,
seguirA no die 27 do
corronte, As 5 horas da
Recebe carga atA c
1/2aia.


Encommendas, passagens e dinheiro a free
A3 3 boras da tarde do dia da sahida.
ESCRIPTORIO
Caes da Companhia Pernambucana


n. 12

LEILOES

Leilao
Dos generous, arrmaslo e divides, do esta-
belecimento de molhados, site a rua da
Roda n. 48.
0 agente Britto, venderi os generous, armaeo e
dividas do dito estabelecimento, em um ou mats
lotea a votade dos Srs licitantes.

S ula-foI 2I o con te
A's 10 1/2 horas


I ;erT lo.yurun, zo 9 wIuM
A's it hrW
Zmwe umript a do Benosw Jpg L 1
PC INT~V EN9AO DO AG3WIO

Gusmalo

Leilao
De 21 saacos .com arm' avaria 0 e deca ga-
dos do bordo do vapor igha 71.1.
Tera-feira, 28 do wreme
A* melo dl&
FOR INTERVENQAO DO AGENT

Alfredo Guimares
No armazem do Sr Annes no largo
da Alfandega
Em eontinuagao venderA o men o agenate 12
caixas comrn cervejas e muitos outro gemeros de
estiva.

AVISOS DIVEBSOS
Aluga-se a cama asobradada 19 da rut
da Ventutra (a Capunga), propidade do Dr.
Joao de 8 e Albuquerque, a qual ten excellent
commodes e grande sitio : a tratar aa rut Pri-
meiro de Mar o a. 13.
Precisa-se alugar urmas ama que eja boa
cosinheira, pare case de pequena famdia e qe
nao tern meninos ; a Iratar na pra~a de Pedro H,
antigo largo do Collegio n. 77, primeiro andar,
da 9 As 10 horas da manhi, e dU As 4 da
tarde.
Alga se o 2 andar do predio n. 51 a rut
do Imperador corn grandese e xcellentes commo-
dos par familiar, tern agua e gas; tracta-se no pa-
vimento terreo do predio v. 10 a rua do Commer-
cio.
Aluga-se o primeiro andar do sobrado n. 12
A rua de Marcilio Dias, ant;ga run Direita :a
tratar no segundo andar.
Aluga-se a casa terra n. 74 da runa dos
Guararapes, corn bastantes commodo. para famu-
.a ; a tratar na ru do Born Jesus n, 2, bo-
tica.
Ahga-se urea a at esca, em OUnda,
rua do Catmo n. 2, muito perto dos banhos do
mar: a tratar no Caminho-novo n. 128. Na
mesa caa se vende urma parte de casa ta rue
da Imperatriz, onde 6 pharmacia


Aluga.-se na Capunga, rue da Ventura, dam
aixas de eapim, umea plantada. aO o da Sra.
viuva Pinto, e outra contigua to Sr. Dr. Joio de
SA que estA per plantar ; uinm come o sobrado
n. 36 A beira do rio Capibaribe : a tratar em
Bemfica corn sua proprietary.
Precisa-se de urmea cosinheira que durma cm
casa, para Ceasa de familiar : na rua do Bario da
Victoria n. 39, loja.
Na rua Imperial n. 34, engomma-se perfei-
tamente, a tambem se encarrega de cosinhar
mensaimente i quem convier.
Aluga-se um sitio e casas em frente sos
bonds da Torre : na rua do Imperador n. 49 se-.
gundo andar.
Aluga-se um sobrado e loja, de um
andar e sotea, corn muitos bonds commo-
des, muito fresco, pintado, corn agua en-
canada, banheiro e gaz, na rua do Coronel
Suassuna n. 278: a tractar no Choranme-
nine, sitio da capella, corn Jose Antonio
Marques.


Sreforia elitoral
anuotada e seguida de um exemplario de actos de
mesas eleitoraes e juntas apuradoras
PELO JUIZ DE DIREITO
Francisco Teixeira de Si
Esta obra recentemente publicada, acha-se A
venda na livraria Economics, rua Primeiro de
Mar9o n. 2.

Attends
Vende-se o estabelecimeato de wolhados aso
largo do couselheiro Joao Alfredo, na Pasasgem,
corn a arma*ao e generous. E' muito bem locali-
sada e ecorn boa freguezia : a tratar na referida
taverna.

Casa mobilhada
Aluga-se ura na Capunga, completamente
prompt, e propria para quem qucira pasar a
festa f6ra da cidadc, garante-se a casa atW ma-go
proximo future : a tratar corn o Sr. Manoel Car-
pinteiro Peres, a rua das Crioulas n. 1. na Ca-
punga.
Precisa-se de uma criada para cosinhar, e
de urma rapariga de 12 A 14 annos, pars andr
corn meninos ; a tratar na rua Duque de Caxias
n. 59, loja.


Novo porlo do carvao
Ruia Marquee do Rerval
Vende-se carvao a 640 rs. a barrica, farina a
320,360 e 400 rs., muito boa, milho a 20 e 300
rs., feijao a 600 e 640 rs. a cuia, cocos seccos e
verdes, abacaxi, laranja, girimuns, etc., etc. Ou-
trosim, o comprador $q direite a urma, barrier
eom carveo, gratis, desdo que complete o numero
de 30 barricas.
al de Jaguaribe
Em barris, a imitacIo da de Lisboa : ana rua Ja
Cruz n. 33, LadislAo G. do Rego.


Criado
Precisa-se de um criado : na rua do Coixcr-
cio n. 44.

Casa em Olinda
Aluga-se por commodo preo a que pertenceu
ao finado conego Firmino de Mello Azedo, sita na
ladeira da Miscricordia ; a tratar no Recife, rue
do Atalho n. 11.


9


!


I




















Isore em An ae a .m
Abi eb a a oes .uI6timb os )d4hs~
Nesta c-a temn se re urm complete sortimiento em artigos de
1*1 w ii f homens, enhoras e rianas, reeobe
te ntdt pimeipaes modistas de Paris o queha de mais
alta on'idade em chapoos e chapellinas.
Gamnte-se sinceridade e pregos modlqw. ;


POLYCLI NICA


, CAijLOS BETi iE UIT


MEDICO ORPERADOR


(m~eiri-J-Ra ao Marm bl Minh 34
-4--t-*
0 Dr. Bettencourt, dispondo de unina longa pratica das primclp'...
clinicas da Europa (Pariz e Londres), bern como de umn arsenal cirurgico
bastante complete, pratica qualquer operaqito pelos processes mais ino-
demrnos.
Trata da elephantiase dos arabes pela electricidade e pela electrolyse
(novo tratamento).
Eustreitamnentos do recto e da uretra sem d6r,pela electricidade.
Opera os polyps do utero pelo process da sua inveniko, sem dor
nerm hemorrhagia.
Tratamento-curativo das gonorrheas chronicas pelo method das in-
tillacoes. Hydroceles sem injecqao.
Opera as fistulas vesico-vaginaes pelo process americano e prolapsos
completes .do utero pela elytrorrhaphia mediana.
Molestias da garganta e dos pulmoes pelo spray a vapor, medicamAo
topica.
Syphilis, molestias venereas e da pelle. Embalaawamentos
Consultas das 12 is 3 horas da tarde.


I


JOSEPH KRAUSE ft C.
Acabim de augmentar o sen ji bem conheldo
important estabelecimento a rum 10


de mar" n. 4 o"n mais
um sallo no 1o andar luxuosamente pepar.
rado- provide de uma exposi.


0s Ie obras de prala do Porto


e eIec1rs~pIate


dos mais afamados abrkantes do
mundo inteiro.
Conmida, pois, as Exmas. families, seus nume.
rosos amigos e freguezes a iitarem
o sea estabeedaimento, al- i de
apreciarem a grandeza e bon gosto com qne
,- o0bstanlte a grande
despeza, o adornaram, em honra
desoa provm,

kaG -8EABRE TWOk7 iAS 8JA IQI


R ARELCA LEVY
Antiga lhamaeId P. later
5 LV DO33A -AD
Elixir depuralivo reMe40eri*r
^'v--- j--L.J--'I.^ ^ MU TI-F


JOSEU' FftA1MCISC^ BETI'E^4RT
3M,


n




N


4
K


rOau
do


Salsa parrflha, velame, cainaa e caroba
Os resultados admiraveis d'esse medicamento e a grande aceitaso quea tern ame
reoido azu-iao reom 9endado para as mais Itoiesyphlitieas e iiopurezr do aage.


IN\TI(; rIVR C A
JaAPAn U


25.


MA -


I


tel W do,=~~~4I
*sN 6iuwdo
4 jr 200 e ~ ~i WIE 4WP#~




*-a : iai aO l iu 'I m a r toaaor, caoro i.r=aaIls-
e0*ilAIS ?atoiu gr ie% oerece OBus tas as peuas pta do ^ e do c moinse.
tereeira. oate as ; re e a mo sads .
isorvi8o olull~ve balanCos, por an tias e rodtwnas assim cOi.0 ut ---as a
ntoaread, e p6de ser pro- sortumeto compieto dos Mcaielko? AfiTiGOS RECOMI4MENOAOOS
eurada t ra aiio Dias n. 6. n Bm oo: : f
-,,,too,.LaR Tslu.-Le R, ; ICBFUMAaIA DE LACTIIA
JWW^I~ T~^iv C 'bSa 4Niu Bear geida .,'; its isa 4ii $easri4;4rss fiedk{:.
1 Ka~a-Uetoi .ta 1, b8almdp redal.4&'>a^daw wlaquram,^ 9,niu ft <'2s~ #LU iOCMlO~liara a b~etzer il calbt.b .
]c oaa ,iONOLoco ;f 1fn W TIT60$ ACHIAM-E NA FA.)W-Al 1.

?xs1;zf~i~ t( ori ~. 7L PARIS IS. tU d'Eighi,. IS pawm
ee re4nessa e4 m carts fto.nquee4a, cdomJ
N.la rm uaoBomwJe an.d45, Eat g do andar, se '(iU ftiia de n ra o selios d os- p D ?.con tda Ma[ 'uf'.w, fiwMinMi
precisad e um cooheiro. t aDia.s .ualquer p7!z. t. |abegereifts da Amma'/

Plmelu.-i *, u IR&Msasnhelra,
Pr""0a-!"Bal>a'"iiera '" HJIHG IAP
do ayanaSS rus.lVP 19 (Passa
PwjtirtCc. IbDO
continuum alhrgrs-eaWrieos para cha e jantar, ta- S G lr04as
Ihre d uta -ins tinhate, ops calices' idineon NRtAPIwo.



heres de metaloBtriahantes, copes, ealiees' : i r O T
ga mrrfas, co mpqteiras, Jarroqg, lobos, lanternas, ,; K OW AD MjlfA
lustrous, toallhas, gdanos taalhas d labyrn- &a A.
tho para baptisado, etopeidto, ndejas de metal M AI UD & C'. Pierfuinltaf
braneo part e, mesa. elaatic e,,de ferradura, e .. K
outros nitoo attigos para CAasatiento, baptisa- ,:- mV iVi7i.t PAi1
des, bales, festua de igrejas, etc., etc., por pre os "- I- a
commwodos: ,. mua Nova n. 39, 1" Iadar. ..... ir-- --trah-a da' f I
I-I-AJ& I S = P cAhT.AS :. i p.,U., T. vya ,. avj d... s:u.s, .
O, #y5sT ANSJ#EI9OADO DIE iKaR STUAr & C. .:
- Browwns & C. receberam desenao e .:':.;. ,-.:'..-'3,- e.--xc^e C3 CoS ticos iaai *
especificaoes demtes trlihos, L:,' ( ;:i. o a.Op)ada por teda 4 .. ^
como taumbexn de wa;oes .... *e;'" -, ,**.:... 3
e 4;e o0tvam We m b i *a-1k*
Os Wrilhoe e'domela.saotoddodeao por tanto ... .; p"rfum- "lcio5o ,
tern muita dura-o-o assentaieito d mais fail do ., ... ': ,. -o- ra^^1^" ^^^-
qua corn dormentes de madeira. .... ..
N. 5--Rua do Commercio-N. 5 ": i:+ -:- : efloesceRcia' d a pels.
Eseola ed&aS S OppREV A
Paioo do Carmo n. 9, 1.o andar -tiA TII OS
Galdino J. S. Mendonca, professor d'esta escola, Mg 1 Ap.dra-se a umaca qua penera no pelts aealma ,o symatoma n Cveo, tct&'J
nao s6 ensina bern a dangar, como tern um habil -, '3 -. a iZp'.omra1 5 e favormia as funccoes dos orgaos respirunr'or
professor de musica ; e pelo zelo empregado, ga- We$nds enaleelodem ea- de4.. EPIV., an, rua 5LXa P~rSem Pris
rante dar promptos os seus discipulos em pouco -. ,..--- -_possriaa eers.m iujFyRAJ'" S. da dEL!A 9 7? _
tempo, mediante meodica recompensa : das 7 is 10 ..
hoMa, daJS not oe poua memo< p~rofes- f J tus.. Psrfi~it.. e Cabrilefre^.-1 I
sor no predio acirna mencion-ado.- hag 0lft do Nxta-angelro
Aluga se umra casa corn todos os commodes,
tendon jardim, ecocheira e estribaria, situada em || Sa pars v g la
optimo lugar : a tiratar na rua Sete de Setembro me
numero lb. pr A) ma e B s
ows 6:tt J 'gmeiP000e0s Fin satPR
dos, f de etcr C -I. FAec, Perfwmi ta
jMonte de ouro o. e.35 R. N-ov 3 P 1, A ,,
R.a da Imperatiz numero 30r i r iu
Neste estabelecimento ooto o eROOI tES, TOSSES, Catarros Pulmnonres,
biliete n2,935 corn a sort do 6:000000, e di-
versas sortes de 200@, 100@, 50k, 20 e 1Q ; DEFL.UXOS, Mo.estias do Peito, TISIOA, Asma*. !
Ha um pequeno numero debilhetes da u terceira CURA APIDA B GERTA PBLAS
part da primeira loteria, que crre no din 31 do
eorr, rite. A' elles, antes quose acabem.m ot a v oi ne
;e Aa Gottas Livoniennes
Precisa-se do umea aema: narua de Hoatag s nu- j' r OTnTT -ES-e5R 1' aI -
n ero 5. C ie
...:- .te. CI TBl de PAIA ACJTRXO de NORUE9'A e 3ALSTAMO C. -'OLU
aiX I) 1 p reparaio, ifa livel pars curar radialmente todas as Iolestis das h d
S''. qrlfatoias, e reeojamendado pelas Notabilidades medicas como o unico efflcas.
Precisase do urm pequeno pa aixeiro d ta- I medicamento que !ea doe nao fatigar o estomago, I brtifoa, stonitue desertr -
nhio. 8p -Reua iuas gottas pe/a manhaa e a :1 rde bastam para triumphar dos eo mals ebAs.
rihiro -.;---_ --- ------- .___ -*- DhIVE-SP 2XIGIR 0 SIELLO B:* gARANTIA DO GOVERNO VMUCES<
Aluiga-se :,.,, = -.,. *-o,,.
soad 9nait prlncpv':. ROUETTE-PERRET, 165, run Saint-Asteino, PAlS
sobrado n. 9 na Pasaagem da Magdalena. ) EI.in ei -o .s .: 'i.1ancico C.dia S'I.VA & C1, e nas principles Pharmaclag.
ardin das plantas R '
Sapotiseiros e eapoteiros mui. o raMdes e op- M
pados, dando fruto, a 4I e a 3m, segundo o ta-
manho, e desecendo ta 15, corn seis palmos. Corn- oC- ervosak
pnando-se maois de dez faz-se abatimento. Ha ^& o ^ s.^ it
rontras nitas plantaa ltambem para preeos corn- j I"1MCALMEINTE CURADA3 OM 0
t higa-se IROQNURETO LA OZEJ

iAIAd d, abrasdo S o4as .o NCt-. ,M.-- 88, 0 -- r -r 'T V
corn frente para a rma do Marqsez do Herval, a A Cs 'as c La r a am.rea -


corn uma aramo propria parm qualquer estabe- aa B -( -I..i d AS i
lecimento, especialmente de molfmdes, pela boa 3 \ :6"u
loea-dade : f tma^&r Barua lerga do Roman. u- APSOVAMO P21k JU' TA DE HYGIENY, DO BAZIL.
m ero 34. --- --- -,- e
---,do p 1rfs o -a ?o G30io 4 exciusivamencereci.iiopolo
All =Sfl t3 I ( coseo idos os j,-..O!ct.as clk-bres medicos, ie odas a. fac-j-
.ijos ies0 Ubalacaut e dads para comibater coe meartoza
p, s iS 14te j L r NI bc 0, .+ as P.1 ecr,-es nermosas do cor-acn5
u segundo e terceiro andares do sobrado n. 48 A S l3 .-c ta A .- as ffecces nevoss d cora
rua do Commercio, corn varandas para o largo do p!tSaei >aa qurse obtenha efifaihs da vias dij-es.v e rsloraeoria.
Corpo Santo, 4oerto" -es pintadom de novo ; a -1' 8 Lwj iys Scbire 0 SYS- aS nievralgia& e-jlepsta, oa
Strata em o a..46 da mmma rua. r Icoaa ,i0. r0o, ana.cde S. Gvy, a.Z;otiq M W
tS& 03 <1^ 's;' -s-'-6 VIx F. b.; .- as v-, :A :l!-a. czIpre.do i n e 3.s,
Alutga,se : aegundo andar e sotA arma de o.
Lomas Valentinas n. 50 : a tratr na livraria lip ;C0 V"enda SeS6 J.-.. E..
,parngiense, A rua Primeiro de.1 W-80, 7 A. e^- ~7 --** I f^ -;Wf
do cor e.erfC inzair:n^fr^ i~~-J ^18> Affla B '-j-'-i'''^;ri?;a. .'-ai.-s'^ia? Dy no-,-4'a 4or.'seailmbstas de estomaqo. g
Precisa-se de uma ama para cosiahar,- e ie pOTA J" 'L
durm em casa : a "ceio n. 4, p- 3 Acidz dac
,. r o i ndIa RXto E .UiianSo,,,e... P 01'9-i8MOUBET6lrFERRO
dospulm eda garganta do larynx, etc. 3 : r.-a chla'sc nn a. '6re a. -. -ran as. Bacltio
""'- ,' D .... _ER

TRATAMENTO e cura infallivel pelas agaa ..p,&C. ', l O Vs; S r ..SM 0 ^"
sodica, sulfarosa e calcica a- 1rs A. L LAROZE e C PTlarm.aoeuticos.
2, RE D&ES LIONS-SAINT-PAUL, 2.
(Baass-Pyren6es, France)
Agentes para w.Io "tan4o gr-9Il o UIINJ"M^W3UFISI -
f a
.12er-ssi'ma"tO o deeitidissp6ta

Re s&U. 2-deotaresa dol
-4- v) ootfat


K
AV qp


Purgante nas Familias.

DEPOSITO GRAL
i s-Rlia Primemr de Earve-- 8
Rio de Janeiro
Unico agent em Pernambuco
ADAMSON HOWIE d C,
N.---3 Rua do Commercio--N.---3
A venda em todos as Loticas a e drogaria
SAluga-se barato
Os armazenf n. 13 do largo do Corpo Santo, c
equal tern communici VSo corn o do n. 4 no caes dh
Companhia Pernambt.cana, corn guindaste.
Lomas Valcntinas n. 4, casa terrea.
Rua de Santa Thereza n. 19.
Travessa do Carmo n. 10, loja.
Armazem da travessa do Campello n. 1. Recife
A casa terrea n. 1 C na Baixa Verde (Ca
punga).
Idem da Palmat n. 11.
Rua do Coronci Suassuna n. 143.
A tratar no largo do Corpo Santa. 19, primeir
audar-

Ar
PreciLa so dc una par, casa de famtilia, a tra
trar .1 rua do Born Jesus. n. 58 armnazein.
Costureira
Precisa se de nma costureira : a tratar na ru '
da Saudade n. 16.
Aluga-se
0 2t andar do sobrade a. -1
a ruma do fBal.o da Vicroria a
o5o0oo 5000r na loja pot
baho do E c o



U. Alice de edeiros Fluza
Manoel Martins Fiuz't Junior ( Aitonivo I .l
cio do Rego Mledeirot, agradcceii iniceramwentc :"-
pessoas que so dignaram acomnpailiar a urti;iu
morada, os restos 4tfiortaes ile; sn cars (p;i-a
filha D. Aliee Medeirus Fiuza, e conividamn ; ;hs-i
tir as misses quo por sna alia iti tiaiiia c< in].r'Wtt
na igrejia da Orlem Terceira Itl S Francisco. se-
gunda-feira 27 ilo corrente, As b horas da tainuith
70 dina de seu fallecinento. antweipando profun i
reconhecitineuto por maii cssc obsequio.




Para o dia de fimados
No estabelecimento do Sr. Paula Mafira tv,1
pessoas habilitadas que se encarregam dnc armnt
5es de tumulos e catacumbas, fornecendo tud&
quanto for nceessario a simipls ou pomposas 4,-
ceraSes ; na rua do ImperAdur u. 23.
Isabel Ferreira Ialtar
Theodolina Ferreira Baltar, Paulina Ferreira
Baltar, Isabel Scola Fraga e Antonio Jonaqnin
Gouaalves Fraga, puugidos pleo pasamento d-
sua presada mai c av6. Isabel Ferreira Baltar.
agradecem a todas as press -as quo a acompanha-
ram a sua u tima morada : e convidamn-as para
assistirem no dia 2S do corrente, is 7 1 2 hora-
da manha, na ordein tereci-a de S. Francise.,
uma missa do seu satirmo din.
Antonio Lult doK %antoM
D. Maria Luiza dos Santos, seos fiihos e geur
mandam celebrar misses por alma de sen finad:
marido, pai e sogro, na igreja da ordemn ttrceir i
de S. Francisco, segunda-feira, is 7 1/2 horas d.i
manha.
PHARMACIA LIOMEOPATLILCA
DO
Dr. Sabino
Vefdadeira homeopath a
Medicamentos vegetaes brasileiros
Preparacoes a machines
Vendas em grosso e a retalho
Descontos vantajosos
Rua do Barao da Witorla *. 413


Machinas electrical
Meias elasticas
Mamadeiras
Tira-leite
Chocolate homeopathic
Fundas umbelicas e herniaes
Fundas para criancas
Tubos vasios para vaccina
Themomctros para febres
Anneis electricos, etc., etc.
Vende-se na pharmacia homeopathica do Dr.
&abino, A rua do Bario da Victoria n. 43.
Cosinheira
Precisa-se de uma boa cosinheira: na rua da
Aurora n. 31.
Agent de leiles
0 agent Gusmio mudou sea eecriptorio pmr a
rua de Bom Jesns n. 51.
Especialidades
Os products espeeiaes do Dr. Carlo. Bitaa-
court encontra-se A venda na pharnacia de Her-
ies de Souza Pereira & C., run da Cadeia a. 21,
e na drogaria de Francisco Manoel da Silva &
Companhia.

Precisa-sc de urma ama pars imihar para emsa
de ponesa familiar : a tratar na ru Doque do Ca-
xias n. 59, loja.


Trastes


Sma do uWdoroan. 16 opa-, veido-
-iaga-ie e taroc-e *u


A' m da lmpesatris a. 58, pmeiro adar me
prmis-d e-mulhr de boa o oducta pua e-1r
Soui-iar paa 6mwifac.

"we" deawl. .d.A To harem1 4o 0
"m> tm nnuifco ommewdo" a "a do I11|ii
-#*W r maaodioCrnp a~a. I&


S


I


N





RU
^10
k

e



O


[ I I I I IM r _


.v vY'ry

fla do4Rp
jut- A


a


4=
























~owproettemse
-a v~luermais barato
4r qae em outra epta
qnpier part.

BaaI iotaL t
Va l M''.



A0o COIlEKiO

Viageis a0 ceitr
De Olinda Iltabayanna potr Ipm
paBs6, Qt anna. e Itauab
Todos os sabbados, As 4 horas da tarde : passa-
gens tomam-se A rua Primhneiro de Margo n. 1,
loja.
Be Ilabayanna a Olinda poer UItaa-
b4, CGoyanna e Iguara.su
Todas as tergas-feiras, As 4 horas da tarde:
eassagens A tratar corn Loureuno Pereira d'Amo-
rim, em Itaemb-.
Viagens avulsas para qualquer parte e em qual-
quer dia, partindo do ponto que se convencionar e
a pregos commodos. Essas contratam.-se A rua da
Companhia Pernambucona n. 4. Encarrega-se das
bagagen, que nao Dodt&em ir nas diligenciaa.

Casa de campo
Na estrada do Luca, ciuco mmutos distant da
estaqo dos bonds da Magdalena, aluga-se uma
elegaate casa de campo con excellentes commo-
dos para uma pequena families (Fe trataments ; tern
easa de banho, lavadouro, coeheira, jardim, al-
gmnas arvores de frueto e baixa de capim : a
tratar corn Luiz Daprat, rua do Commercio n 28,
e as chaves estao em poder do Sr. Manoel Bran-
dao, taverna ao chegar ao sobrado grande.


* )










'4%
~* -'I

Vi-
..1 "





% I


iMi


*ouvids a"a p<6"t'ores ^,vaw':ieebe

Al; w .sa-gvend*"< ettaotnlo
biitietes ds 1
teuwa bwaficui i uatri t d% Pdro
Martir do Olinda (82.-), qu e extrara
na segundwferha 27 do corremte.
fill o&


Inteiri
Meio
Quart
E I quamR
Inteirc
Meio
Quark


0.


44000
24000
1000


tidade malor de 1000
0 3#b00
3#1500
14~750.
Manol Matim 875a
Mernee Martins Fiuza-


GASA DO QUIO
Alos 4:000)000


Rua do Baro da Vitoriaa 40
e easams do etestre
Acham-se A venda os feizes bilhetes
garantidos da 210.w part das loterias a
beneficio da matriz de S. Pedro Martyr de
Olinda (8g.'), que se extrahira na segunda-
feira, 27 do corrente.
PEC6OS


Irteiro 4#000
Meio 2#000
Quarto 1W000
Gm porglo de 100 000
einm


Inteiro
Meio
Quarto


para


34500
1#750
#875


AJo Joaquimda Costa &.


GSAA IELIZ
AOS 4:000Qoo
BRLKTEX GARAt[TIDOM
Praqa da Independen-
cia ns. 37 e 39
0 abaixo assignado vendeu entire os seus
telizes bilhetea garantidos da Sla loteria a
sorte do 8004 em 2 quartos n. 1921,
a sort do 100# em 2 quartos n. 2653,
al6m de outras muitas de324 164 e 84.
SConvida os possuidores a virem receber
sem desconto algum.
0 abaixo assignado tern exposto A
renda oa seui fefiies ilhates garantidos da
loteria 82a a beneficio da matriz de S.
Pedro de Olinda, quo as extrahira segun-


da-feira, 27 do corrente.
lreeos
Bilihiete inteiro
Meio


Quarto
om por.o deo


-10


eima
Bilhete inteiro
Meio
Quarto
Antonio Augsato do#


4000
2I5000
14?000
o5000 para
34$500
1#750
#875
Santm Porto.


Rua doDarE Oda V--aOS---
Frascos grades PRES 4 16.Rua do Cabugi-16
Pequgnos 1 .
Duzi deofrasiosgrandes 12 6 0 absio assignao vendeu nos sens
PeDueno I venturos"e bilhetes garasutid os premo. se-
Pe-que -- -"a Q7 guiutes: 1 inteiro coman sort de 4:000#
d-lC v ~no n. 1412, 2 qaartet com a sorte do 200#
M ,& J ^ no n. 979, 2quartos om a sorte di 1004
t f .flT 1 TflB [ no n. 2653, alam de outra s mais de 320,
a, M OM 164o 8#, da loter n. 82.
Convida sos posmsidoro a virom race-
uur 5W-LI UVSU lJuImJU-i


Vinho purpose
Proprio pa
Em barnrU d
ddeclm

SVENI
FERREIRA DA C
DA a do Ame
7~lfQ


miconfeifaot


i
ira osa



DEM
COSTA & I WAO
wmb n. 64 I


UOJ; BCU1A UDtU.,Ut tU&Utl.l,
Aciam-se vends os venturoson bilhe-
tca garantidos da loteria n. 82 em benefcio
da mariz de S. Pedro do Olinda, que se
extrahirA na seguda feira 27 do cor-
rentea


Iiteiro
Meio
Quart
Aendo q
Iateiro
Mear
Qaart<
<


rllvos


44000
24000
>w~a 145000
HINK superior
a 3|6O00
)875
adqp.im Pires da, Siva.


to. de. reloifdx k-0640
aereditados fabrican-


tados a v ender mais
barato do que ontro
qualquer, visto reee-
berm directamente.


Todos
vendidos


os relogis


n'esta


casa


sato garantidos.
Runt do ]L 4i


Modista
Baa da Praia na 3Se' uado andar
Eduvirges Maria Coelho participa as suas nu-
merosas freguezas que tendo feito grande eseolha
habeis costureiras, e tendo por gerente de sua
sa uma das mais insigne maestra cortadeira, se
ha prompt a satisfazer qualquer toilet para
samento, bailey, passeios, theatres, etc., e en-
vaes par baptisados.

Chielto Tarcm
10 Rua do Bar& da Victoria 10
0 ultimo vapor da Eurapa acaba de
conduzir para este bern conhecido estabe-
lecimento, tudo o quo de elegant se pode
desejar em calgado, nao s6 para senhoras,
como tambem para homes e meninos.
A's Exmas. families, as distinctas. clas-
ses academic e commercial,- e ao public
sem distincoo de cathegoria, convidamos
a visitarem nossa casa, convicts estamos,
que ninguem se recusara honrar-nos corn
suas encommendas, caprichos de moda, ou
modestas compras, ante o explendido sor-
timento, amabilidade e pregos rezumidos
que sustentamos.
Estas garantias 46 offerecem
Thomaz de Carvalho k C.
SConipra-se
diaries na rua do Ranel n. 67.
Gratuliano & C.,


avisam ao


respeitavel


public que sob es-
sa firma organisaram
uma companhia de car
nes verdes, e que a
partir de hoje dario
principio a venda de
carnes.
Os talhos perten-
centes a companhia
estaio assignalados por
um bandeira branca.


Recife,k


7 de outu-


bro de 1884.
Aluga-se o primeiro andar do sobrado n. 27
Srua Vidal de Negreiros ; o primneiro e segundo
do de n. 16 a rua de Hortas corn bona commodos
e reeentemence pintada s: a tratar na rus do Hos-
picionumero 32.

Fleres
Urma pessea competeatemente habilitads as
arte de florists, se propSe a dar lig3es em casas
particulars ou em algum collegio : quemn de sea
prestimo se quizer utilisar, p6de deixar o sea
adresse naus livrars ecnnoica a rua 1o de Margo
(outr'ora do Crespo) n. 2. __ _
Alaga-se urs salad, e alcova Aruestreitv
do Rosario n. 34 : a tratar na rua Duque de Ca-
zias n. 63.

SAlnoga se
uma ona em Santo Amaro das Salinas, corn 3
quartos, 2 salas, cosinha, copiW e quintal, psaa
a limba dos bonds junto; pars ver e tratar usna
estrada d4 Lui do Bego n. 1% tsvwa&.


---- -- -


Bat enou0 daran q5e pft-
e, eoo '20 vara, a 6Ji500,


.6fi"M


Dito flbee, amoriosno fiwenda uite
fhtw eoeepet a d74 at4W 12M000
Algodlocenfestad6>osu ftIealodsdear-
guimpars taw rwekedo urn adpan-
no, metro a C t
Dito trancado corn a mesma largura,
proprio para lenses e toalhan de
mesa, metre a A2
Bramante de, algodo corn 10 palmos de
largura, proprio para fazer Ienq6es de
umn s panno, metro 1928(-
Dito france, sendo de linho, metro a
1,5800e 2,O^
Dito inglez de quatro larguras, sendo
de linho, metro a 21500 e 2,800
lreguellas proprias pars lenioes, toa-
I hae, eezoulas, oendo fazenda muito
eneorpadx, eada peqa corn 20 varas
por 104800 e em vara a 50(
Ditas cemrn a mesa media a 800 rs., ou
vara a 40(
Atoalhado adamascade para toalhas de
mesa, tendo 8 palmos-de largura, me-
tro a I8(X;
Apsim come um complete sortimento de
peas de algedaozinho americano e
inglez, que se vende por peca de 34 ate 6,5000
Isto ua loja da esquina do becco dos Ferreiros
Casemiras de cores
De 0:00 at6 0 0M rs,x
ErouDnporInla
Alheiro & Silva A rua da Imperatriz n. 40, tern
un immense sortimento de casemira de cores,
tanto claras como eseuras, que vendem a 2,000,
2;500, atW 6, o covado, e das mesmas mandam
fazer qualquer pega d'obra ou costumes, por pre-
9o% muito rai oaveis, assim como tern tambem um
explendido sortimoento de ecasemiras e pannos pro-
tos ato ao mais fine sedan que vem ao mercado, e
dos mesmos tambem se encarregam de mandnr
fazer qualquer peca de roupa & vontaie do fire-
guez e corn today a perfeioo e presteza : iste na
loja dos barateiros da Boa-Vista, na esquina de
becco dos Ferreiros.
LuOa1s a10 ris
Q Barato a Bo -.Vista ven4em suito bo-
nitos linhos da urea s6 c6r e de listrinhas parm
vestidos, send a 160 reis o covado e de cores fxas,
isto na rua da Imperatriz n. 40, esquina do beceo
dos Ferreiros.
Brihu ordo


I
Covado a 360 ra.
Na loja da rua da Imperatriz n. 40, vende-se
brim pardo liso, proprio para paletots, calas e
roupas de eriaucp a 360 rs. o covado, isto pw
ter um love toque de mofo, que larga logo que w s
moelhe, 6 grande pechineha : na loja dos baratei-
ros da Boa-Vista, esquina do beeco dos Ferreiros
Fusdesa360 440,500
e6040rs.
-Os barateiros da Boa-Vista A rua da Impera
triz n. 40, vendem umi grande sortimento de fus
toes broncos, proprios para vestidos e roupas de
criancas, pelos prees acima indicados : isto na
esquina do becco dos Ferreiros.
S 0
Setinetas A 500 e 640
Na loja dam rua da Imperatriz n. 40, A eaquina
do becco dos Ferreiros, vende -se umn elegant sor-
timento de setinetap, taAto lisas copo lavradas,
sendo as cores maim bonitas que tern vindo as
merzdlo a 500 e 640 rs. o covado; assim como
um uito sortinmento de lainhas lisa eelavradas,
proprias para vestidos,. do 5&. at SCO rs., 6 pe-
chifJa : na Jloja dos barateiros da Boa-Vista.
Espartilhos
a 4L e S#oOo
Na loja da m da Imperatriz n. w- venue-s<
muitos bons espartilhos paa senhoras a 5,000,
sntos para meninas a 41000, assim como um be.
dito sortimento deo fichds & 38000; isto as loja da
qeiuina do becco don Ferreiros.

Novos tecidos
POR


Prevos baratissinos!!
Lindose padres em fustOes de cores a 240 rs. o
covado!
Bonitas setinetas lisas e lavradas a 360 rs. o co-
vado !
Baptistes de cores finals a 200 s. o eovado!
Alpacas de quadrinhos finob, modernas, a 400 rs.
o covado!I
Merino6s de cores a 700 rs. o covado!
Dito preto de dua larguras a 1,200 o covado !
,Casemiras proprias para roupas de criancas a
10500 o eovado!
Ditas pretas diagonal a 2,400 rs. o covado:
Saias bordadas, novidade, a 3,5 uma.
Cambraias transparentes a 38500 a pega de 10
Sjarda!
SDitas victoria a 3%500 a pea I
Madapollo boa-vista a 6 a pea de 24 jardas!
Colehas bnancas a 29500 e 3 5!
Cobertas de gangs, forradas a 2,500!
Leng0es de bramante a 2, !
Camisas coin collarinho deitado a 38, a duzia!
Serialas bwdadas a 16,9a duais!
Toalhas felpudas a 5, a duzia!I
Fichus modems a 2A, 3U e 4A.
Pannos de crochet para cadeiras a 1J200 t
Ditos para softA a 3,;.
Ricas toalhas de labyriatho a prego resumido.
Complete se rtimento de capela, e veos pam noi-
vas a 10i e 14S.
Popelin braneas e setinetas para. as mesmas.
Espar os a 4A5 0 e 55, leques, gravatas, lIn-
Setc. etc.
GranP e deposito de fa das e roupas. Vendas
S =/ em grosso, damos desconto.
]BRua Duque de Caxias-5
r LOJA D9

GdriO f t Go & U


owim flores.a 400 reis A covadob.
Ct(olpoe se n s3eobeta w OWrdis co-
Done ssde WeeB A'a!gQdo, proprio pars el-
xsa 600 cxis i oovii6.
eoe ane para coberta a 500 r6isa.
Ditaingla pas coberta e oambre a 280r&
ocovado.
Vhtasmodernas .nlds e mragaifcos padroea a
200 e 240 r6is o covado.
e nme a apompadout 280 6 covsdo.
Lescoeesa a 280o( covado.
Dit d e sres a *0-. 400 ris o covado.
Meriz-preto corn duas largueras a I000, 14500
021000.
Funtoes brancos para 400, 500 e 700 reis o co-
vado.
Brim pardo liso, fino a 320 e 400 rkis o covado.
Camisas de cretonss de cores a& 1200 umsa.
Dita branca 1,800 uma.
Dita branca peito de linho 3,000, 3%500 e 4,
Corte de casimira ingleza por 5,000 um.
Casimira ingleza por 3000 o covado.
Assim come outros artigos que corn a vista se
pode avaliar. Para o respective annuncio cha-
mamos a attenee do respeitavel public e das
Exmnas. families na
Rua uque de Caxia n. SS, loja das
quatro pargmts* n. 8
Grande armazem de mern

claria

De PIas lender & Co rua Ess
treita do Rosario n..9
ESPECIALIDADE EM
Blicoitom de todas as qualidades.
QueUoMs idem, idem.
Linguas do Rio-Grande.
Ditam preparadas.
Premuntom de Lamego e inglez.
Mortadelam e salames.
Carme do sertio.
Uvas e maoes.
Doees estrangeiros e nacionaes.
Faarlsbe lactea, ararnta e saga.
Conaervaws inglezas e francezas.
Vlnabao finos e communes, grande sortimento.
Licoreo idem, idem.
Cognac idem, idem.
Caft idem, idem.
ClA idem, preto e verde.
Aspendoas e confeitos.
Mammas pars s6pas de todas as qualidades.
Mate do ParanA.
Obra de verga.
Sesentes do hortaligas e flores.


E os afamados requoijees cm latas,
todos os dias

Piano mssimo
Vende-se um piano de mesa, muito born, p
pri. pars aprendiz ; a tratar corn Adolpho Fe
reira da Silva, )A rua do Livrainmento n. 1.


ro-
Per-


Pharmaeia
Vende-se uma boa pharmaeia beim localisada:
a tratar na rua do Barlo da Victoria n. 51.


Liquidaao-

Para acabar
Popelines lisas, de listras e lavradas.
Ls de quadros, escossezas e lavradas.
Alpacas lisas e de listras.
Grenadines de cores e pretas.
Cambraias bordadas e abertas.
Vestuarios para meninos.
LeqIues.
Chapdos para senhora.
Chitas lisas e de cores.
Fichus de sedae de la
Capas de malha de li.
Para contonuar
Collarinhos e punhos pars senhora e home, di-
versos feitios.
Camisas serm collarinhos e amo puuhos, corn pu-
nhos e corn collarinhos e punhoe para home,
desde n. 35 A 45.
Camisas pars meninos desde n. 2& a 35; serm col-
larinhos, de a. 32 A 35.
Camisas, saias, penteadores, calWa, gollao e Pu-
nho" para senhora.
Gravatas, grande variedade.
Meias cruas, branch, de ocee a pretas.
Capachos, tapetes, malas, esteira, blas, velludi-
lIhos, brins brancos e de corme, luvas, perfuma-
rias etc.. etc.
Papoula & C.
IS -iaa do CabuiWg-I
Em frente a matria & S ta Antonio


NOVO


SORTlMENTO


DE

Roupas para hmens

Pre Oos baratissimof
Rua da Imperatriz 40
LOJA DOOSBARA1RBUOS


Paletots de casemiras de' quadirafaf-
sends que se lava
Dites de panno preto fin, fazendh mito
boa
Ditos de casemira de tmb etibtri-
nhas, forrados
Ditos de casemira eseura, de cordon, for-
rados
Dios deflanella amula os, r- ed fb-
zen ia que nia desbota
Ditos de casemiras de cores clats ees-
cur"i
Ditos dc panno preto fino, forrados
Ditos da eaamira pretax seo&dwMho e
Calas de casemirsm corn diie Lt pa-
dres, de 5,500, 6,600% G4
Ditasnde casemira praeta se SL1 e
Ditss de casemira d cord
Ditas de casemira preot
Seronlas de creguells, obra muitwe m
feita a 1,9200 e
Diftos dc Hamburgodelinho 1 a0 e
-Colletinhos p ara b denro 11mdee
gulla e muit-I'be ffita a 6v
Oamimia gmahde sortirent de d iofM#c
branam, tanto t ct =ea
tanti'doelimho como de a! ekdo
de 2,, 20,500, 3A at
Ditas de cretone de cot- d 2
Ueias, grande nortiu ti* s


6,500t0
6100(
woW

8O50t
Owx
710

low
1015000
P-1

l2oot
l|60Ci
215000


do pe1#
oIba LAOTA DO DL
A science' oda viw -a i.
nha Latetm ooo pedrom u mt s
trictivo para a in.fimit dibimam
cos do Brasil e da XUV"- rosdmhin-
aer A do Dr. FEICHS meabwU a'b
genero.
Deve-so pes evitr nfr o mlm
um pesoa estrmab, e d co pu-..t..
nlo conhecido muita as o gur-
numerosa moletias.
Vende-se a verdadeira farima Lmft
do Dr. Frerichs:
55 -RUA DO IMPRADOR 55
Mcde MUic e pia. dife V
torPr&iae

CIAVOS E FLOdRS
Na rua da Unito t

33, ba sempre pan se

vender craves e flores


LUITE IE AVELOZ
Concentrado, perfeitamente incoagulavel
e conservado pars exportaglo
PELO B XCHAREL
Joio Baptista itirana Costa
Manipulado pelo cirurgilo dentist
Numa Pompilio
P Y-iado pelo Governo Imperial e approva-
do pew^.anta Central de Hygiene do Rio de Ja-
neiro.
Para a aura de eameros, fermdaS
ehroleas e sypindUtea
Unico deposit geral em Pernambuco
Rua do Bario da Victoria (et r.
ra Rua Nova) n. 54 aui-ar

o rua 1 deIoI nL ilo ilal8iru
Preco de cada fraseo para cancros 6A000
Formula especial pars ulceragoes e gra-
nulagoes no colle do utero e cancros
syphiliticos 5M000
Para feridas 6J00
Para calos 2M005
Cada frasco leva o retrato do bacharel GitirmB
Costa e assignatura de proprio puuho e rubies do
Numna Pompilo corn tinta encarnada.

Vendense
o sobrado grande de urn andar e sotio na estrada
de Luiz do Rego n. 13, em Santo Amaro, cm
janella nos dous oitoes, quintal grade e murads,
quartos f6ra, cocheira, viveiro, porao e grade d
ferro nas frente e um grande barracio fechado w
lado do mesmo sobradc, enenamnent. d'agua,j
e drainage : para iuformnaves no Comulado Bri-
tannico, rua do Commercio n. 16.



FIl DAILIHA
Souza Moutinho &
C., tem constantemen-
te ai venda fio d'algo-
dao da marca L,mui-


to conhecido


mercado,


n'este


em novello


de 200 a 400 grammar
e emsaccos de 25 ki-
los, da muito acredi-
tado fabric Bom-Fim,
de Catilina & D'utra.
Rua do Marquez de

Olinda n. 22,

Grande rabriea d'aguas

ganosas
DE
William Chance & C.

Rua dasM Crftmlt m. 51
(Capnna)
Deposito
Caes 22 da Novembro n. 42

Gof itaia OM
Gingerale dumia 3000
Limonada 3,0M
Tonie Water 3#009
Soda Water 24400
Agua de Selt z (em Syphon), 1#500


0 M1iluor Wo di PIT! Nv4
latador n do
Um amigo dos pobres, economic e de
facil applicaglo, 40 annos de success es-
pantoso.
Nenhuma fai ilia deve estardesprovida
deste remeJio.
Externamente cura: furunculos pana-
ricios e outros turnores torcedura dos ten-
does intarneeenJias das articulates. do-
res de dents ncvralgias- rheunmafismo
7- queimaduras golpes, ectc., etc., ete.
Internamen(te cura: cholera, molestias
do figado, dispepsias, ulcers doenhas de
garganta, tosses, etc., etc., etc.
Acautelar so contra as imitates.
Agentes ei, Pernambuco, /. C. Levy
&C.
T"lD'tC AYA : i r'T-T A DIAATA


I -! -


I


I


I
























.r .I el de capitl0do sartilhie..
Svergena repciva case rreiras
ob&asOparado ml. do uma yez os dons
mrpazes, sewn lgrar, conmtudo, afrouxar os
lao4 da intimidade quo os unia. Ambos
hp.r dissimos, em mais cousa alguma se
aemelhbavam e talvez estivesse n'isso o0
jep.dork da'profunda harmonia que centre
-Ambo.s, o iotava.
to0erto de La Pave, depois ne ter sido
ui a crianga traquinas, turbulent e gene-
rosa, era agora um home eaergico, on-
t;husiasta e apaixonado. Phisicamente ors
t erigueiro, gtsso, vigoroso, brusco, comn
Solos negros que despediam chammas.
1 Parecia 'que a quell robusto marinhei-
f ro, seria facilimo 9 quebrar sobre os joelhos
q .se camarada Fr6meuse, de apparencia
g" L 4!a: como' a. de urma rapariga.
; A'Tlarefa por6m, seria mais difficil do
i que a primeira vista se julgava.
0 mogo capitio de artilhoria sob aquelle
S aspect delicado, escondia nerves de ago
S e um coragao de nao menos fina tempera.
S Tinha escolhido por gosto a artilheria ao
; sahir da escola polytechnic. Elegante e
S brando de maneiras, de olhos azues e fines
b igodles fulvos, s6 o aninava o troar dos
S canhoes, e era do ver entio n'aquolle ros-
S to encantador o ar terrivel do archanjo
S militant.
SDe resto, nada menos demonstrative que
o sou temperament ; desde a infancia fOra
reservado e timido, embora profundamente
S sensivel.
Lembrava-se ainda corn tanto acanha-
mento quanta. commocgo, do dia em que o
-inflammavol Roberto, que entao teria os
: dez annos, o arrastara mysteriosanmente
para junto de uma velha cruz de pedra,
unum recanto da aldeia, e lIe fizera jurar
sobro essa cruz um pacto de eternal ami-
sade.
E 6 que o tinha jurado, o tal pacto, e o
quo mais 6, ambos o tinham fielmente cum-
S pride.
Come as suas duas families, que passa-
.vain o inverno em Paris, fossem visinhas
Sde campo durante o verto os dous amigos
approximavam se naturalmento um do ou-
:tro, logo que os acasos da profissao que
exerciam Ihes davam alguns dias de liber-
S:: dade.
Aproveitavam esses enaejos para preen-
1.1 cheranm as lacunas que a 9orrespondencia
-' ainda a mais active deixa sempre nos des-
S'abafos da amisade. Informavam-se miu-
S damente de tudo que a ambos succedera e
S os dous honrados coraq5es retemperados
Sn'este contact, voltavam depois mais for-
; tes ao combat da vida.
Sjn djunheo de 1869 voltavaRoberto do
^1] L Pave um pouco can9ado d'uma cam-
panha no Extremo Oriente.
*" Teve apenas o tempo necessario para
apert.ir, a meio de Mauricio, cuja bacteria
f6ra enviada para Africa. Prometteu-lhe
S por6m, ir ter corn elle e passar algum tem-
po na sun companhia, depois de ter ido
tratar-sq_ a Vichy.
Tres semanas mais tarde, Mauricio de
S Fr6meouse, que principiava a assustar-se
corn o silencio do Roberto, recebeu d'ello
a carta. seguinte :
Encontraste alguma vez na sociedade
a menina Marianna de Epinoy, filha do
defunto general de Epinoy? Responde
polo telegrapho. Urgentissimo
Depois de tor procurado debalde o sen-
tido d'csta breve epistola, o Sr. de Fr6
me use renunciou a tao espinhosa tarefa, e
redigio n'estes terms o telegramma que
lhe exigiam r n Nunca, em dias de minha
" vida. ,
Feito isto, poz se a ospesa, corn alguma

FOLIETITI



0OFILHO DE ANTONY
POeR


ALEXIS BO1VIER


PBRIMEIRA PARTE

CONSEQUNISDE UMA FALTA


(Continuaiao do n. 246)
CAPITULO V


Os tormentor do coronel d*'ervey
E levou para f6ra do quarto o velho sol-
dado, que so dcixou'eonluzir como urma
.creanca.
Antes de sahir A ports, voltou-se, e corn
os olhos humidos, beijando a ponta dos de-
dos, enviou-lho um beijo, dizendo, corn
voz commovida:
S Oh! querida filha, se soubesse, dou-
tor, come a amo agora "*
0 doctor emapurrou-o para f6ra, exacta-
mente no moment em que, tremula, Ade-
a se levantava, e oom o leonol limpavao
em'que a boeca do coronel tioha
sido denedo:
0 u beijo escaldou-me a pelle.
S bravI soldado, commovido, aperta-
jp;,* mlo do douter,mlo %od-endo, -"Ieu-
lio ,palavraParan]hle dizer jbrig.%
or w alvaido afutela a t ai snm


dadeiraente Conve.o i de que sqmos
predestinados para amar urma s6 mulher
centre todas que existeo... A's veses pro
curamol-a muito tempo... julgamos tel-a
encontrado mais de una ves,... (Corn
certeza! V.eBmo aseam ctal...) mae
quando a achamoa emfim verdadeiramente,
que deslumbramento subito! que abalo I....
Como exclamamos corn sagrado enthusias-
mo :-E' ella!... Corn que laos 90 nmyste-
riosos, potentes, irresistiveis ella nos attrae,
nos enlags, nos prende pars sempre!...
Entalo, entao? (Nao estA elle maluco!)
Comprehendes agora, men amigo, a
minha douda carts do outro dia... (Eu
cava voz menos.) Quando esta paixo ful-
minante me invadiu todo, quando senti
que ia dar-lho o men corallo, o meu san-
gue, a minha vida, a minha alma, tudo
emfim, apossou-se de mirm um escrupulo...
um terror... e disso comigo: Conheces
as minhas chymeras-que talvez tu hou-
vesses encontrado essa menina este inver-
no em Paris. Se a tivesses visto, jA so
sabe que nao podias deixarde a adorar !...
Quiz immediatamente esclarecer eate pon-
to capital... Porque antes do arriscar
n'uma rivalidade amorosa a noses amisado
sagrada, seria eu capaz de fugir para o
fim do mundo. (Pobre rapaz!) Gragas a
Deus, jA sei que nunca viste Marianna...
por conseguinte alo a amas... per con-
seguinte case-me eu corn ella! Polo menos
6 esta a minha tenglo, 6 ests a minha es-
peranga, o o meu sonho.
4 Sabes, meu care, come eu sou doido
per mulheres... (Oh set !...) Desde que
cheguei aqui, paroceu-me Vichy sob este
ponto de vista, um s;tio encantador. 0
numerod as muiheres, bonitas, que passeiam
no parquo ais horas da music, 6 incalcu-
lavel. Logo que doscobri esta especiali-
dade, senti-me encantado e commovido,
come um homrnem que ama naturalmento o
born e o bello, e que al6m d'isso volta da
Indo-China. Dizia eu a Carlos do Ville-
dieu, que encontrei hI e quo 6 o meu ci-
cerone: Corn mil demonios I estou capaz
de me ir embers. Aqui ha mulheres bo-
nitas de mais. Isto agita-me e demora-
me o restabolecimento... Estava eu n'es-
tas disposigoes que ves, qunndo na terga
feira passada um dia lindo per signal,
urma rounino brilhantissima-vejo atraves-
sarem modestamente a multidaio, e senta-
rem-se a dons passes do distancia, duas
senhoras, ruma nova e outra jA velha.
Caro amigo, as lindissimas mulheres
da vespera, object do meu enthusiasmo
exaltado, deixaram immediatamente de ex-
istir; nunca mais vi em torno de mim se-
neo bonecas informed e muito ieias.. JA
nao ha seneo uma malher bella no
que... em Vichy... no mnundo inteiro: e
ella !
t Ah i meu Deus, disse eu para Ville-
dieu, o quo 6 isto ?
(( Isto, responded Villedieu, isto 6 urma
deusa.
a-Bern vejo.Mas o seu nome... o seu
nomo de mortal?
((-E' a menina d'Epinoy, cujo nomer
proprio 6 Marianna, filha do defunto ge-
neral d'Epinoy. Ao p6 d'ella esta a tia, a
senhora de Combaleu -a mtt do Comba-
leu... do Gremio.
Pergunto a Villedieu se conhece pes-
soalmente aquellas senhoras conhece-as.
Peco-lhe que me apresente-apresenta-me.
- A' noite eneontro-as outra vez no Casi-
no. Converse, on antes, balbucio corn a
mejina d'Epinoy. Sinto immediatamente
quo estA deeidido o men desiine... Foi na
seguinte noite, meu amigo, que me ac-


nuy, passou a manga pelos olhos e, vol
tando, perfilado, direito, entrou nns apo-
sentos: foi de encontro ao hussard Vornet,
que corn urna mlo na test e a outra na
costura daialga, disse:
Coronel, estA ahi um paisano, que o


procura.
Grandissimo estupido I


nio recebo


ninguem.
Foi o que Ihe disse, mas o sujeito in-
sistio, disse que ssttva encarregado deouma
grave missalo junto do coronel.
E' algum d'aquelles individuos que
estiveram aqui hontem ?
Nio sei, meu coronel, mas tern um
todo muito desagradavel: parece-me um
empregado do policia.
Poe-me esse sujeito no olho da rua!
Ouviste ? Dize-lhe que trate da sua vida
e que me deixe em paz.
Pol-o na rua! repotio o hussard Ver-
net, parecendo contents coin a ordem, jia
vou, mou coronel. .
E partio, emquando o coronel d'Her-
vey voltdva pars o seu quarto. Altuns
minutes depois o hussard voltava corn auim
ar aparvalhliado.
-- 0 que e? ,
Ah! meu coronel, 4sso que'havia d3
o ver por forga. Vem 4aiparto do minis-
tro da guerra.
Do mi;istre da guorraI ,repetio o
coronel, fazendo-ao paldo. Anidsa'dpe-
sa, Vernet ,veto vesir-a @ o. .... L ..
Sirn Ique ocoronael nlo o pode nr-:
oeber, upascarado de paisano.
0 coronel estava muito intrigado coin
aquclla viita iatina, tinha press em so
aelharna mn -J O aJ, qO. oli-
nistro, (i..g.t.t.. u ..u a v
0: etni;66 *dgtioat.!e!' quo queria lsto
dizor


hor tnu capitao, e
percebo o t. aorriso. Em virtudo deque
eufatuaglo kdeseulpavol, imr ina este
honrado Reberto, ujo pysico est6 abaixo
da critical, arado a eas divine pesoa ?
.. Mintu asugo, n proprio sito 3mes- -
.to ospaut; map quo qizeros? pare-
ce-me qano lb nno desagrado. Prinira-
mente, sabes que eu sei querer violenta-
mente aquillo quo quwro; depois'tonho o
o aspeeto de um sorsario, e as miulberesa
nao detestam ease genero. Depic t porque
no fim de contas I nacessario dizet tudo -
em rosultado das minhas desgra~as de fa-
milia, encontro-mo acttalaents a fposa
de trezentos mil franeos de rendioimeitos
Sests umas circumsatancia que c-rca doe
certo splendor a front menos exaordi-'
naria. ;
E' verdade que a inenina d'Eoino nlao
6 pobre; terta quatrocentos ou. qainnotos
mi francs do dote, quer dizesr vinte e
cinco rail francs do rends, mas isreto no
tira que eu seja para ella ui partido van-
tajoso.
A tin parece contemplar-me corn olhar
clemrente. A familia excellente... Em
fim, care amigo, apezar dos abysmos inson-
daveis que separam um flibusteiro como
eu de unria creature divina come ella, a
verdado e que tenho esperania de te dar
em breve ura irmat, que me has de te
agradecer de corto. -E corn isto te abra9o,
nao, to affogo 1
Robert..
P. S.-Sabos de rest quo o casamiento
foi sempre o meu ideal.'



VARIEDADES


Mumorismo


EM UMA LOJA DE CALVADOS.

Nao ha um s6 logista na cidade
Que falle bemrn de ti um s6 moment,
Nerm mesmo o Bernardino, quo conhego
-Como home sisudo e pachorrent*

Nao sei em que te fias, fazes cousas
Incriveis, de pasmar a today gente
Que As vezes, refltoctindo, v6m-me A idea
Fazer examinar se estis demented.

Mas logo me convengo da verdade
E v46 que tu 4s espertalhona,
Que buseas enganar a todo nmuQndo
Fingindo d'innocente e tolewona.

Ha dins, me contaram, as ouze horas
yatases n'4ma loja de calpados
elc 4ts Jaiga, prwuran
Sapatos de peltica, taxeados.

N6s temos, sire sonhora,ieMnos tudo,
De quanto ha de melhor, grita o caixeiro,
Por6m ja resolvemos d'hojo avante
Fazer somento as vendas A dinheiro.

Incivil! gritas tu fula de raiva
Soltando um grand murro no balclo,
NIo quer me respoitar? vou ja depressa
Fallar, onde L qu'estA o seu patrIo ?

O pobre do caixeiro todo tremulo
Corn medo de ser posto para f6rp,
Procurava acalmar-to murmurando:
-Nao vyes quiz offender, minha senhora.

-Bem! veja o quo quero, pois disposta
Nio estou a perder o. dis inteiro,
Traga ja os sapatos, dos mais fines
Que eu cA ha fago caso do dinheiro.
Gomo, estupido, pois tu vens incom-
modar-me, fazes-me perder urnsma hera a
vestir-me, neem ao menos sabes o nome
d'esse sujeito ?


IIAfte ooe servi ehn comenafeo

W Vt-'aqulleo depresos I t dei
a'eir.mel muer te doend
Est nao I este nlo! eu -ja h dissoe
7QuiawRo ealgo apato euvernisado.

-- fsculpo, ni. nuao temos Maio calyadu
Que -he poses servir, s6 d'enoommenda
Eu ja trouxe os aitiores, --Sao peqsuos!
(Apirtt) que mulher! quecousa horrendi
'9^


A-lb etto ubo esperou nais; tornou-a nos.
t9raos como se foss uma crianga e come-
Sgoau a andar apressadamente para a casa
de D. Branoa, emquinto a moga nalo cee-
? sava deorepetir:
! Ah I senhor Alborto, dovo-lhe a vida,'
a honrs, tudo, porque eu nem quero pen-
sar no que serit de mim entire ho uens da
qualidade d'aquelle, quo mein levava.


'!
i !


-.Qua loja!I isto 6 14 loja? iseto 6 bodega,
Que eara faz voce 6 seu madrago ?
Procura-se calcado e nlo s'encontra,
Vofea6 tern em casa calhamapo.

-L'erft, minha senhora! eu nao merego
m"i mnsulte corn gritos tlo enormes.
QiA" pa tenho eu da natureza
I'HeOm takes p6s assimn disformes?

"Disfonhes! seu bregeiro I ande, ropita!
I'^ o de malneo 4 petulante.
Zuwalp cincoei", mais ou menos
E teoAho os p6s toe grande se- tratante?

oi um grande batIhol imuita gente,
Indagava o que ers, qual o facto.
Vygonha! que disfetatl tant, cousa.
oe, causa do urma escolha do sapato!

Dou-te mais um conselho, nAlo desprezes.
E' onselho de amigo verdadeiro:
-Be quizeres sapates nao te movas,
E manda vir A casa o sapateiro.

Recife, 25 de outubro do 184.


PAULO PEREIRA.


As seenas de sangue
POR MELCHISEDECH DE J. A. LIMA
XV,
(Continuaao)

O mananoebo ouvira o apello da donzela, e
embora nio conheeesse as pessoas que ti-
nha diante de si, a sua honra mandou que
protegosse aquella que implorava o sea
auxilio.
Lara-a, ou mate-to, -gritou elle a-
pontando ^ cane carregado 4 cabega do
bandido.
0 miseravel conheceu que se nito a lar-
gasse estava perdido; ngohesitou, arrancou
a faca do cinto e disse:
Mas ella me precederA; e assim fal-
lando ergueo a faca; antes porem que ti-
*sse tempo de ferir, Alberto ntirou-so
sobre elle, desarmou-o o atirou-o para um
lade.
EstA salva, minha senhora,-disse o
mancebo derigindo-se A Vicentina.
S-- ada nito,-griton o bandido levan-
tando 1.
Ou vais-te, ou enterro-to esta faua
que foi tua, -respondeu Alberto empunhan-
do a faca na ma'o dircita e conservando a
espingarda na esquerda.
O, ban4idauavia reconhecido o joven,
sern qtuo este t,'esse ao menos tempo de
Ibe e cwar o i o to, e portanto comprehon-
don quen o melhor era fugir, e deitou a cor-
rer.
Senhora senhora! estA salva ; quern
6 a senora? A nmoa nao respondia, esta-
va desmaiada.
O mancebo inclinou-se para ella, come
so a quizesse beijar; fitou-lhe bern osem-
blante o exclamou:
Vicentina t Vicentina!
Quoem me charma perguntou a moga
voltando a si.
Eu, minha senliora, que a salvei.
Ah! o senhor valvou-me. Obrigado.
Vamos, vamos depressa.
A senhora estA abatida, alem d'isso
o bandid6 dcixou-a cahir n'esto chlo taio
duro, dove star sentindo alguma cousa,
portanto permitta-me tomal-a em meus bra-
9os e leval-a atW a casa.
Mas eu posse andar.
SE se o miseravel tiver companheiros,


ra; era o ministry da justice (lu- q cii .u
via dizer.
Perdlo, coronel, dovevo explicarIho...
0 coronel interror-peu-o vivarnente :


Von perguntar, menu coronel. JA sei o que o senhor quer. Mas em
E o hussard sahio a corner, voltando minha casa quern manda sou euon, c julgo
quasi immediatamente. que nao 6 necessario atormentar minha mu-
O criado vendo-o receber o bilhoto do Iher, quo ja foi victim d'aquello maroto.
visit do desconhecido, offereceu a salva Sei tudo o estou habilitado a satisfazcr a
de prata que servia de ordinario para apre- justiga.,
L sentar os cartels e as cartas sos amos : Engana-se, nio vim ca para o quo o
mas o hussard, neo conhecendo a etiquqta, senhor pensa.
Spegou na aalva corn urma malo e no biLe-. Veio para colher informagoes sobre
te corn a outra, e entrou assim, offerecen- a criminosa tentative, veio para proceder
do o bilhote ao sen coronel. a am interrogatorio... a pesquizas... a
Emquanto elle ia o nomne da visit, Ver- urma por'plo de histories, as quakes me op-
net, vivamente embaragado, pergtmuntava ponho.
de si para si qual o use que poderia ter a Na'o se trata nada disso, coronel.
salva de prata que lhe haviamdado; metteu-a Mas o qu. eaos. !do dizer-me, declaran-
debaixo do bragoe,depois escondeu-a atraz do que quer evitare o escandalo, interro-
das costa, receiatho que o coronel, Is- gatorios, um proceesso, finalmente, faz-
vantando a eaboea, o visse corn a salv Ana me espeirar que a miuha missle serA fa-
mlo. Pars que diabo lhe havia o Joao cil.
mettido aquillo naa maoos ?
coronel d'Hervey, tendo lido o bhe- Ah I o que estA a dizer ? disse o co-
te dise eim vos ala : ronel, franziindo o sobreconho. Nlo o corn-
Sejournet, sntigo tabellilo. Nili co- prehadc; ;ntlo cosaho.0 senior vein,
nhgeo-o, uanda-o entrar. diape falar-me do uo enhomn aqui
"War- d honem qu
Vernot .ahio e atirou comn a Sal"A a ce; corn que titulo ? 0 qa me
criad, dizendo4-he:. )? Quem Avuou?
-Faze favor do guardares a taa N Ih dar, qnanto ao qatem
Se qauar ter a b*Iwsda^dod^ pernlta1n a|eoxplicA
min, o coronealet en.-s es e a. a3 pwa que.aveio aborrecer-win?
E 'emqusna*tBo. S'ourfsi peto ree4-ia, 4dW e:_,e el o fiioso, por soe ter iaoomn-
eab -3 disi. a JOAOl ; odado c.ad"do As prosae. Nil e eswtAen-;
)ej ixestar quelhas de pagar as tuaas arregad,) do instaurar o prooesso; nlo 6
brii ras.- da po !a, new iangitrao d ,e introduz-se
Ape|i>fisarar aon osalibo,~e I oor aanel fez, aIir_ i n, ,eryido-se do nome do mi-
u g, a*e^ l o,, bou 0s tsn PMistro .
Q'e ift ia i 0 dacw'nhecidn At ,,tuntb vli~


XVII


Tia Joaquina tendo certeza de que Adol-
pho estava livro do perigo do ser agar-
rado, apressou-se ein vir communicar a Vi-
tal o desapparecimento da moga.
Bateuon corn for9a e ouvio urma voz que
perguntou-lhe:
Quern bate a estas horas?
Senhor Vital venho da part de D.
Branca.
O maucebo salto u da cams vestio-se
apressadamente e foi abrir a porta.
0 quo ha?
Um home acaba de raptar a so-
nhora D. Vicentina.
E' poesivel? perguntou o mancobo
empallidecendo e estromecendo.
Apresse-se, a Sra. D. Branca esta
affictisirna.
Em poucos minutes os dous chegaram A
casa de D. Branca.
Esta estava na sahli ca Amrnelia, que
havia acordado.
Sonte-so, Sr. Vital o ouga, diss- D.
Branca : -Minha filha acaba de desappa-
recer. Hontem uma senhora, veio pedir-
me a sua mao pars seu filho; eu respon-
di-lihe que minha filha jA estava de casa-
mento contractado, e hojc minha Vicen-
tina desappareceu. Joaquina, que havia
acordado, sentio rumor, accendeu urna
vela e foi ver o quo era. Acordei polos
seus gritos e tambemn corri pars ondo osta-
va ella; entao contou-me tudo o que ti-
nha visto ; vou ao quarto das minhas filhas
e encontro o leito de Vicentina vasio.
E a pobre moai dava murros na cabega.
Mas a quern attribute o seu desappare-
cimento ?
A esse tal Migucl.
E' verdade elle despeitado podia ter
praticado essa acqito covarde.
O mancebo levantou se c dirigio-se para
a porta.
Onde vai ?
Vou fazel-o restituir-me Vicentina,
ou matal-o.
Muito bem, muito bem, resmunga-
va tia Joaquina n'um canto da sala, d'on-
de ouvia'toda a narraqao.
Apenas Vital acabava de proferir a ul-
tima palavra, entrou Alberto trazendo nos
bragos Vicentina.
Alberto, foster tu ? gritou Vital.
Si, fui eu, queon a salvou.
Vicentina estava vestida corn um roupio
de chita escura, e, julgando aquello vesti-
do pouco decent pars ester entire rapazes,
foi pars o sen quarto aconipanhada do esua
mai, afim de mudar o rouplo por umn outro
vestido.
Tado esta perdido! tudo perdido, e
euiri-dizia comsigo tia Joaquina arran-
cando os ceUosa.
Alberto !-exolamoou otra vez Vital.
0 que? queres saber todas as minu-
ciosidades do rapto? Chaman Vicentina e
sabers tudo. Agora permitte-me pergun-
tar-to: o que vieste fazer agora, a estas
horas tao adiantadas da noite, aqui, disse
o mancebo sorrindo se, tu que 6s taio re-
trahido ?
Fiz rmal ern nilo ter-te cormmunicado
ainda quo Vicentina e minha noiva.
Vaes casar? e nio me disseste, ao
passe que eu te confio as cousas mais in-
significantes que se passam commigo.
Perdoa; foi urna fraqueza, o costume
quo tinha do nada dizer a5ninguem...
As tree mulheres estavam novamente na
salad, e D. Brrnca adiantando-se para Al-
beoto, desfez-so e nigaradecimentos.
--Fiz apenas o iiu dover, -respondeu
o mancebo corando.
Sontem-se, sentem-se,-disse D.
Branca mostrando as cadeiras.


As injuries, e dentro em pounce passaria As


ameagas.
O sujeito tiro u entao do boise ura gran-
de carts, marcada corn o carimbo do mi-
nisterio, e, apresentando-a, recuava.
0 que 6 isto?
Urnma carts do Sr. ministry.
De que mninistro ?
Do ministry da guaerra.
O coronel acalmou-se immediatarnente
e, perfilando-se, como urn official diante de
um superior:
Do ministry da guerra, e estava ca-
lado corn isso 1
0 senhor nao me queria ouvir...
Desculpe-me, disse o coronel muito
vermelho. Fallo um pouco alto: corn li-
cenga.
E pegou na carta o leu-a corn o nmaior
paswmo.
Leu o seguinte:
(CONFIDENCIAL)
Dentro de vinte e quatro horas voltarai
o coronel d'Hervey pars o seu posto, le-
vancdo comsigo sua mulher. OuvirA as opi-
nioei'e os conselhos quo Ihes serlo dados
polo portador, afim de evitar oe oscandalo
em torno do seu nome, a rospeito do dole-
rose acontecirnento qu toeve lugar em sua
casa.inistro,
Poel ministry,


(Itlegivel)
0 rosto do valeho soldado estava comple-
tamente transtornado quando levantou os
'ohos para o portador da estranha ordem
que recebia.
Nao pcrsso conmpehender, senhor, em
quo nos muns negocios particulares tonha
f Sr. uinistro de intervir. Queira sen-
ta-s. Ao qu parectemr conselhos a dar-

$ la|o|s P#vsi o colonel dHer-
vy, U1 era-i mo memo, titaba-se transformas
da, tinha *s ones des grand oecaeisss;


'! IO, venhora m ;1:1^' '.*^. *t1
-' Julgava IU in- ;-q
acabei de pratiWar, qubria q"o V" Ap*.
sas desapercebido. .
Insignificante !... o souhor ariim-
do a sua vida? insignificantUM ?... um fnls
vor de quo nunca mais nos esquecereom t
Porem conte-nos o Sr. mesmo o modo "p
que salvou Vicentina.
Entilo o maneebo contour ponto por poa-
to tudo o que acontecera desde a caada
atW o memento em quo o bandido fuiq
accrescentando que nao o pudera conhecer.
Bern, murmurou Joaquina dousppa-
recendo pars o interior da eas.


XVIII


No outro dia dia A noits, Vital, como
sempre, estava na casa de sua noiva.
Nesso dia havia mais urna pessoa Ao
da velha, das duas irrnms o do. mancebo:
era Alberto quae, a pedido do Vital, acom-
panhou-o A casa da noiva.
0 mancebo, quo at6 entio vivera des-
cuidoso da existencia, niao pensando em si,
e trabalhando somente pars o bemrn star
de sua irmmi e de soa mai, comecava a sen-
tir unma cousa, pars elle, at6 entio desoo-
nhecida.
Elle mesmo nao sabia o quo ese operava
em si; mas sempre os seus olhos encon-
travarn-se corn os de Amelia, baixavam-se
como sc nio pudesso resistir ao olhar da
moga.
Queria fugir dalli; porem nao sabia que
sentimento desconhliecido nao o deixava af-
fastar-se. Jurava nao mais voltar Aquella
casa.
Elie, e filho de urn taverneiro ousar er-
guer os olhos para urna mona do posigbo
dez vezes superior a sua !
Era precise fazer calar immediatamente
as vozes do seu coracao, pars no future
nao vir a sentir as consequencias de um
amor quo Ihe podia ser funesto.
Mas, porque Amelia nao afastava taw-
bern um s6 instant os olhos do rosto do
joven?
Amal-o-hia tamrbemrn'?... Aquelles dous
cora9oes estavam possuidos do mesmo sen-
timento ?
O olhar de Amelia fitando o sembante
do mopo, parecih perguntar-liae so elle nao
era indifferent ao sentirnento que lhe agi-
tava a alma.
Os olhaves trocados, fizeramn conhecer
a ambos a posi.Ao que dominava os seus
coroges.
Alberto convidou Vital paras se retira-
remn, quando duas loves pancadas soaram
A porta.
Amelia ia levantar-se para ver quem ba-
tia.
Eu vou, minha senhora, na-o precise
incommodar-se, disse Alberto.
Foi Ai ports, e apenas pde ver urma
milo que entregou-lhe umra carta e urna
voz dizendo:
Para D. Branca.
E a pessoa, apenas sentio que haviam-
na recebido, desappareccu.
Para V. Exc., disse Alberto voltan-
do-so para onde estava D. Bramea.
A vellia recebou a carts, olhou para o
sobscripto, volton-a duas vezes nas mi los
e rompou o sobscripto.
A carts dizia o seguinte:
SUrna pessoa que deseja a tranquilli-
dade de sua tamilia, avisa-a de que a des-
graga que hontem lie ia acontecendo, foi
causada pela criada Joaquina : o se qaer
ver-se livre de desgragas irreparaveis, des-
peqa-a quanto autos.
( UMA AMIGA.
Meu Deus men Deus! -exclama-
va a velha lendo e releudo a carts.
0 que a6 mamili? perguatsam as
duas mo9as mo0as assustadas corn a pal-
lidez, que se estampava no rosto da ve*
lha.
Ougam, disse a velha: e leu em eoz
alta a carts que acabava de receber. Aca-
bando perguntou :
0 que devo fazer?


(Continwil)


the mandava um home que The-devia da-r
conselhos, o que elle traduzia corn mais
precislo per ordens verbaes I
Muito inquieto, ,collocando a sua cadei-
ra defronto do Sejournet, o coronel son-
tau-se e proseguio :
0 quo tern a dizer-me ?
Sejournet, que tinha observado coin at
tenclo na physionomia do velho soldado o
effeito produzido pela leitura da carts, que
tinha coin satisfacgo verificado a mudanga
operada no seu torn e nas suas maneiras,
comeou per dizer-lhe:
Sr. coroael, o senior C roAead,)i pla
sympathia de todos, 6 estimado por todos,
que o conhecem: quando o doloroso acon-
tecimento, hontem occorrido, foi conheci-
do nas sitas regimes...
Nas altas regioes ? repetio o coroner,
sorprehendido.
Ficou-se vivamente preoccupado com
a impportancia do facto. A honorabilida
do do Sr. d'Hervey nio podia ser posts
em duvida. tEntretanto, a sua chegada a
Paris era urna cousa extraordinaria.
Nio comprehend ; o qtal'quer di-
zer ?
Pensou-se que o senhor era victim.
de urma intriga.
Do umrns intriga ?
Sim, colonel; fez-se rapidamente am
inquerito e chgaram a concluao ae que
uAo so tinham enganado. Queriou, coon-
promettendo Mine. d'Hervey, tomal-e ridi-
Culo: algumas possoas que le quereim nal,
ao que parece.
0 colonel, ouvindo estas palavras, pa-
recia ua home que, sem o qucrer, rece-
bia urma ducha d'agua fris. Abria a bocca,
arreogalava os olboa. Ell, qeia-IImhe
nal, Lra victims de ura intriga.
Sournet, antigo tabeIlixo oontiamuava
wom a maior calms:
Nao me comprhendo ?
Noe, senhor!I dkse o ooronel, daA
in grad sup ro.


obscu (~~)


s

I
I


I


Obcu


mOLG




Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EVVMQPRO0_6A0YJX INGEST_TIME 2014-05-20T00:29:56Z PACKAGE AA00011611_14853
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES