Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:14490


This item is only available as the following downloads:


Full Text



































11a. o Exta. .-l .... ,
RAM MAS te sobre o Rio Doce, em Olinda.-MtttisM-MC- Ilm. : -Em feOT ^^I^^!1^
TI LEG11AM MAS ta f ao inspector do thesouro provincial. Non'recoldos A cp < debO C
*_______ --___________________ -Ao director interino do arsenal de guerra. tindividuos; :. i'
.. -TransrnittoaVmc., paraos devidoseffeitos, o No dia 6 eorurep Minha ordem):
EW& TSC avisocircular do imnisterio da gunrra, de io do nacioa Lucas1''!- MtAi* the uuum1i0t9
ew^m^ ^r corrdnte, junto, no qual so determin'a que as reubo; Joad Gomes 4a
P -y? r 1S avipolvorase munioesde guerra, quaado arruina- do nMPrtei dLepo io d. o
t( VO 4M-J poJlas o dadas em consumo, sejamrn recolhidas ao do 5,0 district9 -Ain t
LS 1rt- f-^to nboratorio pyroatehnico para sArem alli bene- do Lirnoeiro, doma 6-Crim 0.art
t.k ~^^o 9wlvllua, o^ dedes ou passarem -pelo roesso de quo valos ; Man, Inio ie M i
SCo ha- de cars e ferro0 as instrucvoes annexas tambem por de Oliveira, vindos'd&Timbauba, o pri AM
sbo ut ou a novya nha peO no iatuito(de aproveitar-se 0 i aittre 00om senr%iaddoevadiio da cadeia tedo Cain- t
ater ,+ro l 0i4ei do Teoat ao Cl 00 -anaquelle artigo, cumprind9 quo, nos na Graore 9 proviaia da Parabyba, e 9Q v
va o, emmdo daJunqueiram BeIentia 1wos do final da citada circular seja remel-i do, dmq criiooasA de i-orte no term@a t
da -te| t Bel. da aquella soecretaria de estado, a not d6 -'Bo m JaxdM. '
ISBOA, 81ea utubro. peso da dita substwiia e o da p&.Rova quo a A' ordera do Dr. juiz de direito das exect
*roduzio. e intefdeocla da aerj. tOdaoo 0goes. Lomaa OMau M-4 0m a $M al


PORTO, 8 de outubro. .. "
Estai aberta a exposigio de ilores e
dlelructos no palacio de crystal.
Ha bastante coneoftencia, e magni-
ficos specimens dte amibos os generous.

BAH|J 9 de outabro.
0 te Irancez PARANA, naufra-
gado rochedos ao norte de Ita-
poaun A hora da manhaa de hontem,
aicha-se completamnente submergido.
Salvapi e-.se todos os passageiros.
.9OMMERCIAES

LONDRES, 8 de outubro.
Fundos brasileiros de 5 O;'o, empres-
time de 1875, a 91.
Mercado de assucar calmo, corn ten-
dencia a baixar.
LIVERPOOL, 8 de outubro.
Venderat-se hole cerca de 25,000
I)alas corn algodao de diversas pro-
cedencias; sendo o de Pernambuco
a 6 5'8, e o FAIR de Santos a 0 11,/16 d.
por, libra.
NOVA YORK, 8 de outubro.
Camblo sobre Londres 4-81.
Preeo do ouro 102 1,2.

Algencia de Pernambuco, 9 de ou-
tubro de 4877.
PELO DIRECTOR, J. BROCHIER.


PARTE OFFICIAL

Governo da provincia
*iPEDIENTE DO DIA 15 DE SETEMBRO DE 1877
Acto
-- Q president da previncia, tenrdo em vista
a pro tlo eVedor do gymnasio, resolve
nori W. professor Manoelgaetano Spinola
para eKercer- intei te,1bargo de censor.
-F'izeram-se as cadCes.
_+a armas.-Expe~a V.
I:\c suas ordens no senlidw de se apresentar
t) juiz de diroito do 4o district criminal do
llecile, unia pra~a de cavallaria, affin de en-
tcegar aos subdelegados de policia dos arra-
baldes os offlcios concernentes a convocacito
da 5, sossSo do jury.-Comrnimunicoui-so ao ines-
rao jIliz.
Ao director geral dos indios.-Reinetto a
V. S para sea conhecimentoe fins cunvenien-
tLas, copra do aviso circular de 23 de agoslo,
om que o ministerio da agricultural recoin-
,neuda qae seja feita- corn a uri or cluarza e
regularidade a escripturaio5, dos livros que jA
estiverem ou tiverern side adoptados nos al-
dleiamneaLos lesta provincia, obrigados os res-
pjectivos directors a prestar contas de sun
gesit.o nos prazos inarcados fela thesouraria
ide fazenda, e que os relatorios que estes de-
vein apreseutar anuiialmente, sejam acompa-
uhados do or(ampuoilo da receilta e despeza
,):;respo:,lcente ao exercicio seguinte, affin do I
,1r o, govertlo possa conhtecer corn exactiddo
.ii. s5i a :ipplicac;5o. do diniiteiros concedlidlos
;s 1"ioo 315os directorss p)ara o servi o de cate-
t'w;c[1 inlis tubca_) ; itiu)ortafl(cia dos ere(dilos
..i? iimaalnWe (ldeve fixar aos refriiilos;t-
*(!:tneiliUS.--N'o IU'isin-) soutido ;i LihOso3Iraria |
1c'2 foze1da.
-. A.u iiSp2cLor do arsenal do inla inlia.-
A.friso V. S., coio solicit em seu officio u.
.?), to J,1)1 corrente, a imaudar desli.ar i.l res-
tctiva complattillia de api'rendizos m nitrih.l&ros,
il.iioel liiamos do Nasciriento e Hlercilano da
,:i*,, visto) ai:hliar-s ollos em ablioluta impos-
-.ibitidade de cont inhir 11' servi(o, pot' soiTre-
r0111 monostias incuraveis, se,.au.lo consta do
pj4receotr Iedico annexo por copia ;o citalo of-
-- lAo dlaithoiraria (iC fazeuia.--ltcoin-
imn'lo a V. S (qi en vie a esta presidencia
Iiiorin rSes circumnstanciatIs sore o servia,)
,., itlri icula d3'in1eYtlots no 1iunicilpio de In-
:o ut.,ira, ali'n lJ que possa seo satisfeito o que
.* _.* < iilo uen ariso do' ninisterio da a.ricuttu-
L ( l eL,; 2) le LtgstO, sob n. 19.
Ao il1Csino.-(oilnlimuliico a V. S. ,flie no
I.t I i do coreloue falleceu o Co.adjuvailte de I1
*hise do sorviQo technico da roparti5ot da
,, :ervaoo dos portos, Josti'i Francisco da Sil-
v> terreira, sagundo parLicipou-mr o respec-
;i'.. director.--espoideu-se o offi,:io do inos-
;n, director.
Ao inesulo.--'rauliiiltto a V.S.: para os
(i-_vJdos fins, o decreto ile n)noieaoaf do bacha-
r i Adolph. de Ciqueira Cavalcante, para juiz
il iiicipal do termno de Goyarina.


Ao mesmo.-Remettoa V. S., para os fins
,:m.,'enientes, U ordens do thiesouro national,
i,- s. 168 a 7IT3.
Ao do tliesiuro provincial.-ECn addita-
;i-itlO ao nmat of'icio (Io 3 do corrente, recomi-
.iewdo a Vine. que ininJd entreair a Fr. Fide-
Its Maria do Fuogunao ou a F'r. V mancio Maria
ne Ferrarai, 10:09)$, rolativos A I. lI)restaQito da
quota. autonrisada para as obras da colouia
hajjel, no actual exercicio.
Ao nestno.-D,)volvendc a Vine. as con-
tas juntas, autoriso-o a mandar pagar nos
terinos da sua infbrmaeao de. 13 do corrente,
ui. 121, 131$6'0, devidos ao bacharel Riuflno)
August-. de Alineida. pela de:.poza por elle fei-
ta amninistrador da casa de deten.ao,
c 10iP nto de individuos que alli recolhi-
i)s com)rn eravos foram soltos com livres.
A msmo.-Daberindo nesta data o re-
e t d-3 Vicente Ferreira de Albuquer-
Sque to, arkematante da obrado aou-
4eeb ros, autoriso Vinec. a mandar en-
-tregkr4^ termosdo art. 53 da lei n. 1,179
I eISIs 18 5, a importancia do deposito
zidas das prestaces estabelecidas
Tcontrftloy,.Wto ji ter sido rece-
i W -iesma obra, conforme
4* e qro chefe da reparti-
em officio n. 249 do 5
du-se ao reorido en-

10 da repartiolo das


T-Ao jhii- municipal do Bonito.-De accord
coin a informaCao do coronel commandant do
96 batallao de infantaria, corn a qual se con-
fortla o commandant das armas, em officio
n. 73 de 13 do corrente, approve a providen-
cia qno tomou Vmc., segundo commurica emn
seuofilcio do 10 deste mez, de autorisar Jos6
Ferreira de Souza Grande, negociante ahi
estabelecido, a abonar a etapa de 450 reis fra-'
ria ao corneta do mesmo bathihao Lino Feir-
reira Campos, que estai sendo processado nesse
termo.por tentative de morte na pessoa do
paisano Antonio Francisco Nogueira, convindo
que o referido negociante autorise alguem nes-
ta cidade para receber mensalmente do dito
batalfito a importafqcia despendida corn o so-
bredito corneta.-Coinnmunicou-se ao cormman.-
dante das armas.
Ao commissario de policia de S. Bento.-
Cumpre que Vmc. nao dcixe o seu posto, como
tern praticado, para incumbir-se de service
que pode ser feito pelas pragas da guard local
sob seu commando, o beorn assim participe ao
delegado do policia quando por qualquer mo-
tLivo tenha de ausontar-se dessa villa.
EXPEDIENT DO SECRETARIO
Officio :
-Ao conego Dr. Franquelino Cabial Tava-
res de Vasconcellos, regedor do gymnasio.--
De ordemn de S. Exc o Sr. president, accuse
o recebimento do officio em que V. Revma.
communica-me que acaba de reassumnir o
exercicio do cargo do regedor desse institute.
-Fizeram-se as comriiunigles.

DESPACf:[IOS DA PRESIDENCIA DO DIA (i DE
OUTUBRO DE1877.
Alexandrino Antonio de Oliveira. -Informe o,
Sr. brigadeiro commandant das armas.
Anna Liberata da Fontes Rabello.-Defcrido
corn o officio desta data, ao provedor da Santa
Gasa de Misericordia.
Companhia Ferro Carril de Pernambuco.-
Sim.
Companhia pernainbucana de navegaedo a
vapor.-Nesta data me dirijo a thesouraria de
fazenda sobre o pagamento do transport da
sogra e cunhada do official a que allude o sup-
plicante, quanto ao pagamento das passagens
dadas d pessoa de famnilia de senteneiado, na-
da pode ser autorisado, visto serdespezas par-
ticulares.
Felicia Petronilla da Conceigio Cousseiro.-
Informe pdf fl a J&_Lmouraria de fat-
.: V -^ ^ S y !" ^ g yj' -^ ^ .... ;1= ....+ i
Joaquirn Pedro Cavalcante de Albuquaerque.
-Sim.
Dr. JIost Austregesilo Rodrigues Lima.-
Sirm, cornet inade do ordenado somente.
Manoel Francisco de Oliveira.-Informe o
Sr. juiz de diroito do 2, district criminal.
Secretaria da presidencia de Pernambuco, 8
de outubro de -1877.
0 porteiro,
Joti) Gonalves dos Santos ,i-i'Oe.

DiA 8-
Bacliarel Augusto Frederico do Siqueira Ca-
valcanto.-Estando preenchido o cargo a que
allude o supplicante, nito p6de ter lugar a no-
meaCao requorida.
D)nmingos Jost Raposo.-Informne o Sr. ins-
pector da thesouraria de fazenda.
Francisco No)a de Almeida.-Ao Sr. inspec-
tor da thesouraria de fazenda, part inforrnari
Irmandade do N. S. da Conceigao do povoa-
do do Burro, freguezia 'do N. S. da Paz dos
Afogados.--Indeleridd.
Joao Antunes Guiniarues e Jos! Pores da
Cruiz.-Prejiudicado, enm vista d) despacliho des-
ta data, exarado na plriieirapeticao dos re-
corrente;.
Joao Autunes Guini:irtes e Jos6 Peres da
Cruz.-Prejudicado, ernm vista do despacho des-
ta daba, exarado na priiw'ira petiet-o dos re-
correntes.
Joio Aitunes Guirnardes e Jos6 Peres da'
Cruz.-Estando a padaria situada na Soledade,
lugar destinado pela s posturas da amnara para
os estabelecirneitos desta ordeal, e sendo a
eonccss.o feilti coin a condicio de serem as
obras executadas d'accordo coin as ostlras,
nrio hma ftundamaenlto part o recurso.
Jose Gomes Soares de Atlmoida.-lhforme 6
Sr. inspector da'thesouraria do fazenda.
Professor Joaquim Domicio Leopohlino Fer-
roira.-Sim, nmoliante reciho.
Joaquiin Jos6 ltibeiro.-Informne a Sr. juiz de
direito da comnarca de Ouricury.
Manoel llugolinj Poeroira Giraldes.--ada hia
a; d'fcrir, por nato ler esta presidencia dado
provimnento ao recurso interposto por Joao An-
tunes Guirnaraes e Jose Poeres da Cruz.
ItoquaAntilnes Correia.-- Passe portaria, no-
meando us Drs. Augusto Trajano de Hollanda
Ghacia Malaquias An onio Gounalves e Joao
Pedro Maduro da Fonseca, pa'ra inspeceionar
o supplicate.
Professor padre Rufino Epiplhanio Rodrigues
dos Sautos.-Sim.
Secretaria da presidencia de Poernanubuco, 9
de outubro do 1877.


0 porteiro,
Joao. Gonfalves dos Santos Juani,'.

Commando das armas
Quarter general "do commando das armas
de Pbirnarnbuco, 9 de outubro de 1877. Or-
demin do dia n. 1,018. 0 brigideiro comman-
dante das arms faz public), para conliocimnien-
to da guarnivto e fins necessarios, que nosta
data so apresentou da commission que lho foi
commettida, de inspeccionar a guard local da
diversos districts do sul e norte da -provin-
cia, o Sr. m jor graduado do 2.o batalhlo Ie
infantaria. Luiz Antonio Ferraz, cornmminsito
que terminou no dia 30 de setembro proxinmo
ndo, confor-e declarou o Exmn. Sr. Dr. presi-
dente da pi-ovincia, em officio de 5 do corren-
te, abaixo transcripro :
Seelao l.a Palacio da presidencia de Per-
nambuco, em 5 de outubro de 1877. Ilm. e
Exm. Sr.-Para os fins convenientes, commu
rnunico a V. Exc. que o maj:r Luiz Antonio
Ferraz termininou em 30 de setembro ultimo a
inspecclo de diversas guards locaes, de que
fmra incumnbido por esta presidencia, sbrdo
louvado pelo tomn desempoenho dessa coni-
mrnissao. DIeus guarde a .4 Exc.--Manoel Cle-
meatino Carneiro da Canhma.-A S. Exq; o Sr.
brigy4eiro commandant das armas Manoel
la uAnM W.underley Lit.-G-lfame.,--O ma-
ih : Bonifwe d^Edo*-Wa se a *, I


jutz. 1
A' ordem do Dr. .deogAdoa capital, Justi-
no Gloria, i dis io i t i e. uis da direito
do 5.0 district criminal; por-ea, pronuncia-
do, como.inecurso nas. pens dp artigo O01 do
codigo criminal. *
A' ordem do subdelecgado do4 Recife. Antonio
,Demetrio Cavaloante deO A1uquerque e Pedro
Ivo Cavalcante, por erime 4 roubo; +
A' ordemrn do de Sant, AritonioLeionora, es
crava de Manoel Pinto do Aram i, rrequeri-
'mento do seu senhor; Maneel Catan Bar-
bosa, Elesbilo da Costa Mariao;J4jk6scravo
de Isabel Maria das Chagas, por disturbios.'
A' ordem do do 1.o districtiWe S. Ids6, Fe-
lix Correia de Oliveira e Albino VictotIano dos
Santos, por disturbios; AntoniO Joaquim de
Oliveira, por crime de furto "e Franoelino Do-
mingues da Silva, como vagabundo.
A' ordem do da B136a-Vista, Bellarmino Alves
Bandeira, por embriaguez e disturbios.
No dia 7, ai ordem do subdelegado do 1.o dis-
tricto de S. Jose, Antonio Ro;as do Arruda,
por crime de furta, Bellarmina Maria Fra cis-
ca do Espirito-San to, por embriaguez e distur-
bios; Manoel dos Santos do NaScianento, Lu-
pecino Pergentino'do Espirito-Santo, Apolina-
rio Sim5es do Espirito-Santo, Paulo da Guia
GonQalves da Sitva, Bento, Augusto de Miran-
da e Laurinda Ferreira da Costa Dias, por of-
fensas*: moral publics; Antonio Jos6 de Sant'-
Anna, Pedro Ratis deAlcantara, Luiz Theodore
Alves da Silva, Joao Gualberto de Castro e
Souza e Felisardo, escravo da viuva do briga-
deiro Hygieio Jose CotlhWd. por jogos prohibi-
dos. -
A' ordem do da BWa-Vista, Miguel, escravo
de Augusto Cezar de Azevedo Guedes,.por ter
sido encontrado fora de horas serm bilhete de
seu senhbr. .
A' ordem do de Santo Amaro das Salinas,
Izidro, escravo de Agela Mria de Lima, a.re-
querimento de Sj*senho.a.
'Deus guard -a V. Exc.--Illo. e Exm.; Sr.
Dz. Manoel Clemrnentino Carneiro da Cunha,
muito dignqopresidente da provincial de Per-
nambuco.--thtbef- 4e policia intqrino, Her-
inmoenes Socrates Tavwres de Vasconel!os.

Vi00

Vileitode o ro

^g~mpieteu ion tem seiss aw de existy*..
'r Udtinaaquinida nesse period-
que ja nao 6 denma o curto, verifi :a-so que
os terrores que es i prodqzio no decurso
de sua g-esltaio lintmn mais findamento nas
suggesttes do patr ismo que no sentimen-
to da realidade. Tr"ia-se a deaorganisagao
do trabalhlio, e acaso-lperturbacao do socego
public.
0 tempo deuxazio aos confiados, nuo cum
prindo nenhum dos vaticinios.
A execue,4o da lei naio achou tropego na po-
pulaeo livre, e a nenhum acto de crimmosa
impaciencia conduzio a populac.o escsfva.
Convemn dizer, em honra do paiz, que raro
ou nenhurnm espirito se achou entire os qre cri-
ticaram essa lei, cujos Sentimentos se podesse
dizer que fossem affects a eseravidio.'
A propria voz dos interesses estremecidas
nao chegou a proclarnar-se adversa A liberda-
de.. Divergencias houve, e.profundas, no modo
e pa opportanidade de resolver o ruag-io pro-
blema; sol)re a necessidade do' o resolv.er a
opiniao foi unanime.
Essb'e espectaculo, digno de um povo livre,
6 uma brilhantepagina da historic brasileira.
Hoje, qua, extinrto o elio dos debates, a re-
flexao dornind Was p:ixoes da occisido, ninguem
ha que negue A lei de 28 de setembro a gloria
de ser umna das mais generosas conquistas
deste paiz.
Tinhamos uma individualidade political; mas
o edificio social repousava sobre a mais funes-
Ladas itrstituicoes, funesta ainda mais aos se-
nhores do que aos escravos, ultimo 61o que
nos preudia a uzka ordem de cousas que ha-
viamnos repudiado em 1822.
Para rejeitar ossa t'iste h-Iranca do domirnio
eiropeu, sabe-se que rios de samgue e de
dollars gastaram os Estados-Unidos durante
uma rebelliao de- qatro annos. Tal rebellillo
era impossivel nO solo brasileiro onde o par-
tido selvagon da-escravid.bo nunca teve mode-
los nero imitadores. Mas h'avia custar alguma"
cousa romper corn a ins~ituicao traditional.
A lei do 28 do setembrk" aparou esse golpe
do future por modu igualmente audaz o caute-
loso, estancando a foute do mat o determinando
o meio de a cxtinguir, sem prtijuizo do traba-
Ilio nern quebra de autoridade dos senhores e
dos bern eutendidos interesses, sempre res-
peitaveis em toda a sociedade cult.
Esta ainda na memoria de Lodos a luta pele-
jada no pai'lamento por occasiao de ser pro-
posta a lei cujo inniversario recordamos. Nan-


guemn ainda esqueceu o ardor juvenile e a su-
perioridade intellectual corn que o honrado Sr.
Visconde do Rio-Branco a defendeu, artigo por
artigo, atW conseguir o final triumph.
Calou-se o echo da voz do illustre parlamen-
tar ao mesmno tempo que a de seus tenazes e
generosos contradictores; mas a memorial de
seus esforgos hia de perdurar corn os beneficios
da legislacibo quo elle iniciou. Nessa occasion
nao foi o illustie estadista um samples chefe
do partido, mas um benemerito brasileiro, dig-
no da adpiirae.o e da estima dos brasileiros,
porque nato defendia alli um interesse partida-
rio ou ainda urn principles exclusive da sua es-
,ola political ; fincava no chao da patria a mais
pura das bandeiras, a cujas dobras v6 hoje
abrigar-se a totalidade dos cidadAios.
Collaborador itiustrado, judicioso e activeo
dessa obra de npssa regeneraQgo social, just
6 lembrAr o Sr. conselheiro The6odoro Macha-
do, a cajo nome sfio devidas mnerocidas ben-
qaos e a gratiddo do paiz, e que, altm da parte
que teve na tarefa legislative, organiaou e fir-
mou o notavel regulamento de 1871, tri pdos
mais perfeitos que ainda sahirati de nossas
secretaries do.sstauo.
Posta a lei em execuq;o, vemos que tern
sido lealmnente cumpr!da dasde a alta adminis-
tragAo at6 seus ultimos agents. Urna gtandp
parte de seus services siao executados gratui-
tamente, conforme as disposi4fes regulamon-
tares, sem a neenor sombra de rebedia,'ant$$
coin a iPaior'pontualidadee elo' eIo "-
Se em algumna'parea iocurifi.- ,em aluis
casos a interpretagAoa er'ro to
!tw fmeame,)te a tad6"040


, It ." .1.1,
Espi0m]i" gaz, illustr4na4w reftectido, S. Ewo.
cmpr e todu o alcacA que para o nosso
paiz te it0olu4o leda e pacifi&4 do temerq-
so-probl=, esabecoa*nar b respeito dev4.
do A prq de om,- A pro4c".o a que a IlI
berdad., iito. ,.
Comd =s Mrocste'dia oes-
cla recido iro, ptadist que
inliciou1 a S. soWfop !U fos pj e
za, cujo- I*& ~uA-
quelle tgr tooI ,civiiadbro cliw-
ta o + : T "

(Do Jomrnal do Cowm c.iiO,)

A leide 628 de setembro de 1871
A extinc4ao do nefando traflco de escravos
tinha sido cbra de um emineate estadista con-
servador, que se chamou Euzebic do Queiroz.
Traz e nomt de outro nao menos distineto
homemr de tado, o Sr. conselheiro Jose Tho-
maz Nab=co de Araujo, militando a esse tem-
po nas fileiras do grande e generoso parlido
conservadom, o acto que decretou a emancipa-
ea dca afriknos lives que houyessem pres-
tado sejrvigns 4 particulars pr certo numero
de ahTiw. L*
Foi no doKlinio, do g -ete de 16 de julho,
sendo uainisiro dos n los dajustiQa e illus-
trado r. opseib ,. de Alen(ar que, pro-
hibidas, coq pena de 'nuliidade as vgndas de
escravw deiaixo de pkngio e eni exposigiQao
publics, fei vedada aom a mesmia pena a se-
pareclo d4 milia escrava. -
A huz liria poltica lavia feito seu oami-
nho. ts! eAdencias do espirito public pela
causa da-nrauncipalaq, jA naio eram para nin-
gueai oaJect de duvida.
Foi naestascircumstancias -que o gabinete 7
de ma" %, guiado polo geni o do benemerito
Viscond' dd Uo Branco, lancou ua lei de 28
de setedBbrode-3487i as bases dessa revolu-
CAio pacffica,social, humanitaria e ehrista, que
desde eatio se penra no seio da patria sem
convuloes npm attritos.
Ness. mefimv-el dia, que se passou sob a
rvencit daiicli'ta Princeza Imperial, a huimia-
nhid dlser1 w entire os nomes de seus bern-
feltore$;iv d wrm grande cidad~o, o Viscoude
doRionMnc, ;- -
NeOLftha d um partido qu tjtritiphara,
"a*&M2lao, blica, a conscieS. akIopal, a
4irutib b n a, o direitoor a 'jb taj *-
ClO p ik'i g wes aidas, a d 28 de se-
p aao qtJ I= st5-


Cas T tW 17 e-I7f n -e e
Esse home, a patria e a hunianidade o en-
conLraram no enilwi,.t.e cidadao,-cue taoAi an-
de numero de existencias rvatnitidas A-jear-
dude abhng6am hoje. ,
Cu6rte, 28 de setembro de 1877. .'
(Do Jornal do Cohmme,'cidt]

Viscoande do 1Ifio Branco
No meio das festas de quo ha tres dias e
theatre esta grande cidade, altamente sighifi-
cativas da rnuita dedicaQo, respeto e estima
que a populaqaio fluminense, bemrn corno a de
todo o imperio, se preza de consagrar ao chefe
do Estado, nao passou desaperdebida para os
amigos da humanidade essa memoranda data
do 28 DE SETEPMBRO, que, recordando um dos
feitos mais gloriosos da actual geranto, tao
alto elevou o nome do benemerit) estatista a
quemn a patria dove, pela rmaior part, vOr ini-
ciada entire os applausos do mundo civilisado
a era da liberdade, que cornegou (3m igual dia
do -1h71.
Honra ao visconde do Rio-Branco, ao cida-
dio eminonte que soube fazer sua, n. mo-
metito opportune, urna ardente a:spiraQ5o na-
cional, identiflcar-se corn ella, defendel-a comn
hercu.eo esforco e assegurar a grande idea o
mais briihante e glorioso triumph!
Hlonra ao preclaro estadista, icujo nome a
historic registrou desde 28 de setembro de 1871
entire os bemfeitores da humanidade, ao patrio-
tico gabinete 7 de marao, e a todos os coope-
radores desse monumental dacretc legislative,
depois do qual ninguem nasce escravo debai-
xo do sol quo illumina o gigante imperio am3-
ricano!
Nunca maior telento foi posto a serviqo do
causa mais sympathica. Nunca 9 genio de umn
honmern do estado traJuzio corn minais sincera
paixito os gonerosos impulses da consciencia
de um povo livre.
0 visconde do Rio-Branco. que j4 havia umn
nomo por muitos titulos illustre, ao 'collocar-
se A frente da santa cruzada, toraou-se desde
entito mnais que umi brasilciro benenherito.
Entre os grandes cidalios a quemin a historic
da humanidade reserve lugares do escolha, o
visconle do Rio-Branco ropresentarA coudig,
narnenLo o sou tempo e sua nobre patria.
Snia maior gloria 6 esta: ter sibidzo reali-
sar uina grande idea que nao era de ninguem.,
porque era do todos, e realisal-a pelb modo por
que o fez, seon abalo nem perturbagdo dos
graves interesses sociaes compromettides3 na
soluCico, ou, se o quizerom, corn o mais ligei-
ro estremecimnento que media de tamanho al-
cance podia produzir.
- Aceite o benemerito cidadio as lhomenagens
que. em nornme de todos os amrnigos da humrani-
dade Ihe offerece


-: Soi
quo. fo
viscon
do eler
gatiho
qualito
cdos, e
Istado'
I po4si
bonra a
a repre
za Isab
carla d
existent
a As
mads a
lei, tac


Un brrsileio.
(Da seccao livre do Globo.)

Uma data gloriosa
s annos, seis annos correramin ja depois
i dado a Jose Maria da-Silva Paranhos,
e do Rio-Branco, lavrar a conhecida lei
lento servile. 0 quanto na0e tempo tern
o caracter da nacAto c61a essa lei, o
de prices e de votes teem subido aos
min gratin Aquelle illustre hbmem de
3 aos le120adores que o auxiliaram, nato
el Caleular. A lei de 28 de setembro
i vn tempo o seculo, o nome brasileiro,
sentaao national do tempo ed prince-
el que marcou corn o seu name nessa
e liberdade o dia mais fulgido de ua
Cia. -
conturbaces economics -omn que os
ugures. arneagavam o paiz,.passando a
se reaUsaram e fti desde aquielle dia
Hsetembro que hoje se com iemora que
Sii Wunasosetern convencido
ba- df ama grande naci)nalidade e
I. nacdonlidada honesta: o trabalft.
te livr,. -1 : .1 :7 ]


FRANCA
No dia 22 publicou-se o decreto convocando
os eWeiores para o dia 14 ie outubro, deven-
4o as camaras reunir-se no dia 3 de novembro
proxirfmo.
0 period eleitoral comega eni Paris no dia
24, e nos differences departamentos 24 horas
depois de ser alli conhecido o decreto publi-
cado no Jornal Official.
0 governor recommend francamente os can-
didato* para todas as circumsbripgOes, e deu
Sordemn ios prefeitos para impedirem a affixa-
Oo do profissbes de- f6, em que se attribuam
'ao goyerno intengSes bpllicosas, dando ao
memo tempo ordem pars que sejamrn entre-
gues aos tribunals os autores de takes ca-
lumnias.
0 marechal fez publicar o seu manifesto aos
eleitores, que foi affixado em todo o Paris, e
publicado por todos os jornaes; 6 curioso esse
document:
0 nmarechal de Mac-Mahon pr'esidaie da 'epu-
blica ao povo fraucez. "
a Francezes: Sois convocados a nomear
os vossos representantes Acamara dos depu-
tados.
Nao pretend exercer pressito algumra so-
bre a vossa escolha, mas empenho-mne em dis-
sipar todo o equivoco.
t E' precise s berdes o que tenho feito, o
que intent fazer, e quaes sao as consequen-
cias do que v6s mesmos ides fazer.
(( Eis o que tenho feito :
SHla quatro annos que tenho rnantido a paz;
e a conflanca pessoal, corn que me honram os
soberanos estrangeiros, tern-me permittido
tornar todos os dias mais cordeaes as nossas
relagses corn todas as potencias.
a No interior a ordem nao fbi nem um ins-
tante perturbada.
a Gracas a uma political de concordia que
chamava para junto do mim todos os homerins
dados, aiema de tudo, ao-paiz, a prospe-
ridade public, detida por umn moment pelas
nossas desgraa, tern tornado grande desen-
volvimento. A, riqueza geral tern creesoido,
apezar dos nossos pesados encargos. 0 cre-
dito national tern-se fortificado.
( A FranQa pacifica e conflanto vio, ao mes-
mo tempo, o seu exercito sempre digno dlla
,reconstruido em novas bases.
( Estes grandles resultados, por6m, ameaca-
vain ver-se compromettidos.
a A camara dos deputitados, escapando-secada
dia Wain- dire *o dos homes moderads, e
teda v mais domninada pelos chetefs ..cfti..-
dos do radicalismo. tinha chegado ab onto
de desconhecer a parte de autoridade que me
pertence, e que nao podia deixar anmesqui-
nhar, sem comprometter a honra do meu nome
perante v6s e perant3 a historic. Contestan-
do ao mesmo tempo a influencia legitima do
senado, ia ate mesmo a substituir o equilibrio
necessario dos poderes estabelecidos pela
constituiqao, polo despo'lisno do uma nova
convengdo.
A hesitaQZio nao era permittida.
a Usaudo do mineuA direito constitutional, e
corn o parecer do senado, dissolvi a camnara
dos deputados.
S Agora pertence-vos fallar.
( Dizem-vos que quero destruir a repu-
blica.
M Nao o acrecdieis.
a A eonstituigao estA confiada a minha
guard. Fal-a-hei respeitar.
S 0 que espero die v6s 6 a eleiCto de uma
camara que, elevando-se acima da competiiao
dos partidos, se pmeoccupe acimna de tudo dos
negocios do paiz.
(Nas ultimas eleiQces abusou-se do meu
nome. Entre os que entio se diziamni meus
amigos, muitos nio cessaram de me comba-
ter. Fallam-vos ainda hoje da dedicatiao a
minha pessoa, e que s6 pretendem atacar os
'meus ministros.
M Nto sereis illudidos por este artificio.
Para o destruir o nmet governor vos designara
entire os candidates aquelles que unicamiente
se podern autorisar corn -o meu nome.
a Pesareis maduramente o alcance dos vos-
sos votos.
< Eleicues favoraveis Ai minha political faci-
litarmo a marcha regular do governor existent.
Affirmario o principio de autoridade minado
pela demngogia; assegurarao a oTdem e a
paz.
a ElciSes hostis aggravariam o conflicto en-
tre os poderes publicos, demorariam o movi-
mento dos negocios, atearmam a agita'to ;. e a
Franca no meio destas novas comnplicacoes
tornar-se-hia para a Europa um object de
desconfianca. ,
Quanto a mim o meu dover engrandeceria
corn o perigo. N8o saberia obedecer As inti-
macoes da demagogia. Niao saberia lornar-me
instruments do radicalismo, nero abandonar
o posto em que n constituicao me collocou.
a Ficarei pars defender, coin o apoio do so-
nado, os interesses conservaderes, epara pro-
roger energiqamente os functionaries fleis que,
n'um memento difficil, se nao tern deixado in-


timidar por vlas ameagas.
a Francezes! Espero corn inteira confianca
a manifestagao dos vossos sentiments.
Depois de tantas provoceOs, a Franca quer
estabilidade, ordem e paz.
( Corn o auxilio de Deus, asseguramos-lhes
estes bens. Ouvireis a palavra de um solda-
do que nao serve partido algum, nenr paixao
revolucionaria ou retrograda, e que nao 6
guiado seau4i etlo amor da. patria. Feito om
Paris a 19 etenmbio de 1877. 0 president
da repuWca, drechal de Mac-Mahon, duque
de Magnta. Pelo preidenite da. rpublica, o
ministry do interior, De Fou'tlo. *
Como se vt deste document, o .narechal
sustenta nao s6 a integridade dos seus pode-
res alW o f imn de septemnado, maw igutalmente
todo o gabinete, e os fuccionarios quo Ihe tern
side fieis. Os candidates, que aceitam a pa-
tronagem uniti" l .e presidential, devem
acoitar todas consequencias politicas do
actual gabinete.
0 marechal responded igualmente ao discurso
deoGambetta, deciarando que nao quer stub-
mitper-s, nem demittii-se, mas que,: apoiado
polo senado, hade resistir por todos os meios
ao seu alcafoe, para codservar o powder, que
Ihe 6 garantido pela constituicgo al 1880.
-No dli9.-foi onovojulgamento do Gain-
bettal, e d mlpte da Rdpubliqc Franaise,
0 tribunal decarou-s codmptente, discutindo a
afegaao mide inompetecia apresentado por
mvaqve a causadevU


Chama os aonservadbres pare erea a njP-
blica cordata e conservadora ; ti- a apologia da
camera dissolvida; protest contra os autoM
do 16 de maio ; pede a lUberdado das eleiQWfj;
legalidadeeserupulosa e socego. I
0 Sr. Grevy, segundo particip-a tle
phicamente de Paris, aceita a candidatM peWa
9.' circumscripAo que elegia sempre ao Sio
Thiers, e por consequencia a presidencia dos
363, corno se disse desde o principio. '
E', por6m, provavel que se proponba igual-,
mente pela sua circumscripQco do Jura, ond.
tern a eleiCao certa ; emquanto que a de Paris
6 actualmente duvidosa.
AUSTRO-HUNGRIA
Os magyares tomam o priineiro ltugar na-po-
litica austro-hungara, e tendem a inmp6r i mo-
narchia o procedimento politico-quo mais con-
v6m aos seus interesses e suas aspiraCOs.
Os magyares minamn a allianoa dos tres ip-
peradores, propondo-se a pbr em 'cheque s
combinacoes de Andrassy, Gortschakoff e Bis-
mark.
A sua victoria sobre a questio do toast im-
perial, questao de que os magyares se apro-
veitaram corn rara habilidade, nao plondo em
duvida que a palavra allitado nao tivesse sido
pronunciada pelo imperador. cowo se negava,
e pondo a pessoa do sobera f4ram da questao,
cahiram corn ltodas as (orCan mbmo element
rvsso-philo da corte, sobre a q uiko da iin-
prensa, e especialmente, sobr# a dimesco im-
pressa pelo conde de Andrassy ao ministerio
comnmum dos negoeios estrangeiros.
A imprensa nao o poupou. 0 Pest-Naplo, por
exemplo diz
P6de ir agore encontrar-se em Sabzburgo
corn o seu amigo de Bismark, e dizer-lhe que
ninguem 6 capaz de nos obrigar a contrahir
urma alliance 4m a Russia, e que d'aqui em
diante nlo queremos obedecer As ordens da
Allemanha. Q 1nosso monarcha nao se chama
Guilherme, mas Francisco Jos6, e disp6e de
um milhia de soldados. )
No dia $5 de setembro abrio-se a dicta de
Pest, o desle a sua abertura tem-sb apresen-
Lado umn grande numero-de interpellagOes so-
bre a questao do Oriente, Os oradores das dLo
versas fracqtes succedem-se na tribune. pe-
dindo ao ministry dos estrangeiros, oSr. Tisza,
explicaCes sobre as relates da monarchia
corn a Allemanha e corn a Russia ; os seus
campromissos na-.allianqa dos trees imperado-
res, e seu procedimnento future sobre o con-
flicto turco-russo. -
O cbnde Appoayi+o, bar o Simonyi, o 8rs.
lranrryi, Helpy, Ernesto Simonyl, e ougto c->
batem directamente o Iabee, eIcaBM* .
situagio externa austro-hungara sobre todas
as faces, e exigindo explicaCbes cathegoricas.
0 Sr. Tisza nao poderd responder ai-este di-
luvio de interpellaebe;, nem nmesmo teria tem-
po, mas ver-se-ha obrigado, quer seja em xima
resposta collective, quer em muitas respostas
distinctas, a fornecer um relatorio, e um pro-
gramma da political externa do paiz.
ALI.EMANHA
A imprensa allemi tinha emprehendido unnr
campanha, depois dos primeiros revezes da
Russia, para demonstrar a necossidade de urma
intervenCio direct do imperio em favor da
Russia ; o piano era fazer occupar pelas tro-
pas federaes as provincias occidentaes da
Russia, para Mhe permittir dispOr de todas as
tropas, que ella tinha de conservar alli para
mantier a ordem. Os jornaes officiosos acres-
centavam, para fazer acred.tar n'um desinte-
resse complete da parte da Allemamba, que so
poderia tambemrn convid ir a Austria a correr
em auxilio do czar, occupando igualmente al-
guns districts meridionaes da Russia.
Esto desinteresse, pemposamente annuncja-
do, nada tiniha de sincere: esperava-se depois
da guerra guardar as provincias ent&o occupa-
das, e fazer pagar por born preco ao. colosso do
norte, os servings pagos no moment do pe-
rigo ; mas, para colher esse resultado, era pre-
ciso' obrar corn circumspec-o, e nao fazer an-
tever de modo algum o pensamento reservadb.
Entretanto unea folha inexperiente, a Garma-
nia, inutilisou o pIano pronunciando, sem ro-
delos, nem reticencias a palavra annexado !
Estava o piano, desmascarado, e a imprensa
procurou negar e tornar-so difficil.
A Gazetta da Allemanha do Nodte declara, do
modo o mais formal, quo a acquisicao pela Alle-
manha da margem esquorda do Vistula, nunoa
fora objecto de deliberacio alguma, ner me s-
mo de negociacSes ; e accrescenta que a ex-
periencia da annexaceao de elementos polacos
ao imperio germanico, eram sufflcient0s para
fazereia perder ao imperio allemlto lode o de-
sejo de annexar elementos identicos.
Affirma-se, porem, que as tropes russas, es-
tacionadas na Polonia, receberam ordein parg
estarein promptas a marchar ao primeiu
signal.
A' respeito deste piano politico 6 preCiso re-
cordar qjue om -1863, 6poca da insurreiaoi| Po-
Iaca, os jornaes puhlicaram.uma onvelrsa d "
conde de Bismarlk, qtie nao foi desnieiti~a, e


que tern muita relaglo corn este asmumpto.
O Sr. de Bismark havia subido ao poder, e
nao tinha entao a reserve dliplomaticaque hoje
tern adqumrido ; havia, por mais.de uma vez,
em presenca dos embllixadores da Inglaterra e r -
da Austria, manifestado a sua opinilo bastante
desdenhosa sobre.o poder military da Russia, .
e que os exercitos do czar nunca poderiam
abafar a insurreicao. --i1, .;
Um dia, em pleno baile da .. qi .rrend ..
sobre este them corn o presI
da Prussia, o Sr. Sehrend, dis .
a Esta questao p6de-se resolve as m- ;
dos: ou 6 precise abafar protpptaate a Min-
surreigao de acc6rdo 00m a .. -
perante as potencias occidentae + *i
consunrinado, ou doixar a sit &46
ver-se o aggravar-se, esperar
sejam expulsos do) nuo da UP
dos a invocar auxilio, e entl o- er co '
ousadia, e occunar o reino poi P ;
sia ; no fim de fres annos tad9
nisado....
q Mas isso 6 uma convertr
pondeu o Sr. Behrend estu
SNio; responlbu o Sr.
serihmente de cQoas series.
,fartos do reino. 0 impor d
se-nbs, A mim imesmo, 1
i t ; hoje,.da
que ema16;se~b~


VVWMKWW MUM.


Am


















t~am teqnr340a"bigas o-pesadao,
0eje V eies e 4I smaos. Talvez que.a
vitdanga da Pstaagio lhe produza umareacqao
SfvoraYele the P a sua antiga libe-dade'de
esp6iito, mas nto soep 4 era*Pcur
c. complete, por(leAp, 4 ei P Wii
xa osperar umrna m dsva sto s-
tante iachadas e a in a'aprogt,g o B 6
dos mais graves synrtl naS. .
0 governor italim oc(pa-se sevialite
6m,, melhorar o estad|4s mqintha de gwa, ;
t' rabalha-se activaniesao atmiament'O d 'ai-
Iius, um dos maiorescwraoados a qjte Ittual-
,iente se acha -de dia e de noi '
Em Spezia H alha-s comr aeivWade em
concluir a'construco do outro grande cou-
raCado, o Dtandolo, que csta no estaleiro.
A destribuicao da frota 6- feita de tal nfodo
que possa facilmente reunir-se, no caso de
ter '(y, .ir ,dt tmene operates. A;
eorteta couricada Terribile, fa7 experiencias
de artilharia no golpho de Napoles ; a fragaita
Verez, e a corveta Archimedes, tambhemn so
aeham nessas paragens. A corveta (,'ariddi,
-5m qu esta embarcado o principe Thomas,
estAef rMilazzo; os porta-torpedos Vutlcano e
Pieha-Micca, estto em Spezia, onde eotnple-
taMn os arranjos interns ;- a fragata Vittorio-
Emawemle acha-se entire Tunis e Argel ; a cor-
Vett *G&'ibt4di, seguida do aviso Anthe'is,
ctIeg' "8.yijoa no principio de setemtbro,
vio de-Jatffa, Beyrouth e S. Joao d'Acre.
S-Voltarp novamente os espiritos a"occu-
p*I.Ae da j9*;kIo da Sicilia'," Tem-se elevado
vwirismas querx'as'da populaiAo insulana con-
tra a autorindade politica.
-V0#a ar -*sas 'principaes das-desordens
Sws" 'Sf ov do desaeoto eentreo aaito-
Ei4W 61iaO,' r6a tutoridade judicial, e da
pT#Wo .,.'dnoaria que-'os representantes
do' gverno ptethdem exercer sobre a ma-
W196ir6eflnte o Sr. Vajani, procurador ge-
ral em Palermo, deu a sua demissaio, para se
exiiN #sta rwessito. 0 novo magistrado
it4t41, nio quer abandonar o seu
j istir :-i recommendou aos seuns
SbMternon, isto ', aos pretores, aos juizes e
abs pocuradores regios, em nurna circular, quo
S nuta -det ham o eurso da justica obedocendo
aO'irtiMniaces dos prefeitos, conio at6 a"qui se
toni t'ito ; cita a pressao qnue a autoridade po-
litica excr'co sol)re a magistratura, as prisoes
arbitrarias o-rdonadas pela policia, serm o con-
curso tlos trihunaes e at6 mesmo, em despei-
to dos seateutas absolutorias pronunciadas
pela justice ; e linalmente a negacAo de jusUtia
coit qu re'opond? aquelles que derunciamn os
ab*9os, os actors Tirbitrarios, e as violacQes da
lei comrnmettidas peles unccionarios da policia.
0 pr'ocurador gerM exhorta os seus subal-
ternos a resistirem cnergicamente A tod asas
presses, a nao permittirem quo o santuario
da justica seja violado, e a fazer executor rigo-
rosamente as decisles pronunciadas pelos tri-
bunaes, e a dar hivre curso a justica, messmo
quando se traxe proceder contra funcciona-
rios, A cargo 4es qeaes se tenham dado factos
previstos o e hros polo codigo penal.
Tael e o 6kff 1eOM 4nue se acha a pobre Sicilia,
q(-ne mtiitee d^1da-que o governor central de-
razAio !to mhaoisfr,*-o independent contra a
acfAo da autoridado.
Declarou-se mira gr(Wevo consideravel nos
valles do Biellais, no Piemnonte. Mais de oito
mril operarios tecoloes -eslDto em grOve, recu-
sando-se aceitar urn reglamnento verdadeira-
mente dracconiano. ,lue lies queriamn irnp6r
os patroes. ( que torna a sit*%q.o grave, 6
que o governor, em lugar de tentar unia conci-
liaC.o centre patrcos e opdrarios, quiz sdbmet-
te-los a forca, publicando umin decreto de dis-
solutao contra :m sociedade de socorros mu-
tuos, que era o principal recurso doS operarios
durante a greve.
GUERRA DO ORIENTED
A luta ontre os turcos e os russos entra no
sen ultimo period. I
D)epois das dcrrotas dos russos centre Kadi-
koi e em Krasna a 6 de setembro, o exercito
turco de' loustehouk, commandado por Ah-
mod-Pacha, executon um moviqnento de con-
versio, e, fazenjo a'Himntar a sua ala direita,
tomou posi Na esquerda, sobre o Lore, a 7 de setembro,
Ne3i4 Pacht oecupotva Optca depois de urea
luta en iada. "No dia seguinte no centre,
Mhtiemet Alu punha os russos em derrota em
Katzelovo.
Derrotados em todos os encontros corn gran-
des perdas de homes, de muni(oes e de at.-
mas e de bagagens, os russos retiram-se pre-
cipitadamente sobre a Jantra.
Nesto memento desemboca Mehemet All,
eom duas colunmias principaes, A esquerda so-
bre a estrada lhiita-Plewna ; A direita seguin-
do a margout 41a mdo Danublo, em direcqio
de Sistova. '1 -
A mavobra6ois, caramente indicada; a
simple* -p da carta basta para com-
prt e olri ec u nv t a
Mehemoet-sii'i'lxeeuta um movimento para


tornearBomaa saaala esquerda o flanco direito
dos russos, e entro como eixo em Biela.
A ala direita manobra de modo a tornear os
russos e a corbir-lhes a retirada sobre $is-
tova. -
0 monmenaeta solemne, es russos batemn em
retirada euwto4alinha. Em tros dias de en-
contros ,uco v5s tiverarnm perdas, que se ele-
vaMi a -naMiso]A quatro mit homes, grande
quantidado ed armas e de equipamentos mill-
tarew. ,
No dia 12 'xercito turco occupava jA as
posicoes sgalntes : Domnogila, Batinca, Ko-
pininca, Karav*a, Dragatovo. Os russos oa-
viarn-so concentrado emi Meka, Obiternik, Bie-
la eTirnova.
A ala esquerda turea estendeu as suas li-
nhas : a cavallaria, tendo passado a Jantra en-
tre Trembucho Senowira, ameaga Burnuku na
estrada de Plewna. 0 grosso do exercito se-
gue a alguns kilonmetros de distancia.
SAo do adinirar' a intelligencia e a precisao
das manobras executadas sob a direccao de
Mehomuet-Ali, quo tern sabido ter sempre em
cheqbe as divisoes russas, obrigando-as. ou
pelafort'a das armas, ou por movimentos de
flanco, #(Pandonar as* suas posigOes A urna e
um W.,:+
S.ah Oa p ea defeza de Plewna sio umrn dos
mals br s feitos da historic.
0 fog? 0 tlwcos 6 de urma tal precisio que
na 6 vl app:'oximar-se de suas linhas,
seai co o 'sacrificio do umn numero conside-
ravel doftwnens.
i A do... bro 16 )atclh;ies roumanios e
cinco o|ntar'mni dar assalto aos reduc-
tos a ;, Pl wn .; mas. logo que chega-
ra m" ao .ida infantaria tureca, tiveram de
recuar i,4wa-inteiras cahiam por terra A ca-
da 4eu.s.....;i necessario renunciar ao ata-
No dia -rtisos cneganaram o bombar-
deimentoi Ir'ande violencia. Os turcos
respmnderarnmfacamonte. Julgou-se quo Ihes
falLHriam ,at es ; o fact 6 que os projects
russos n'io Uziam grande damno.
A. 11, qu e fez a reuniao das tropas
parA- o ass; preciso,- apezar da protec-
o da 4*tirarem-se cinCq vezes pa-
ra as primeiro occupavam, para
seporedo foga da artilharia ini-
li 'eahiam con incivel
S.. -- ar columns inimigas,
^:' l'a 'O 'L tries kilomtetro! do dis-
,' "' .'-'rd as tropas do general
Sn m i-ferinar em columnnas


.e chegaramn ao al-
ralmente anniqui-
)s esco:hiam c4da
-se umai pequena
lumas, e depois
L mKQrtoso e feri-
in mt desappare.
ma dos mortos.e


tm o 10v-am o rgo mais intensao mais
:i es ep odeimaginar, corn wbam .,
rrova; parecianm arrastados pela
uii aamirara prectsao corn quaeostur-
cos .manobrarml *a artilharia e infantaria nos
seus ataques eu campo raso. Os. sustenta-
ctUo e as reserves nunca deixaram de se oon-
wirvw -dist a -"gu ar.,-r para
iw.;a MAip, qsr' pPW& Osbeair a reti-
A aft dt' ttilhaia -o ,U. almente onQta-
el ; balrite nao ssavam de sustentar os'
eaforQos da inantaa'Ia, dirlgindo o fogo para a
flrent 11anew do iLinigo.
Os aoviQmntos eram darigidos corn preei-
ao e promiptidao, sm quo houvesse desordem
ou aocumulacOes em ponto algum.
U ESPANHA. ."'
AcerCa desse reino bscreve nosso correspbn-
dente de Lisb6a :
a Corn quanto se nOo posa ada affirmar
positivamente cousa alguma Acerta-das confe-
renceis de Biarritz, nio Succeede outro tanto i
respeito das nov" f negociagOes do fusao de
centralistas e costliteionaes, iniciadas pelo Sr.
marquez de la Vega do Armij,--da notaeacao
de vinte senadores constitucionaes, e ga pala-
vra empenhada pelo Sr. Sagasta de ebter que
o sou partido abandon a abstengIo.
a Diz-se poi :-Que os constitucionaes, con-
forme a oprniAo ha moito tempo susteitada
pelo Sr. Sagasta, nib admittirao c1ie deS
dos ceBtralistas. p6rqutb .repAllewm qau$b
idk.a 4daus&b; estando conmtudo dispostos a
1ecebel os.novanmente nas suas fileiras. Nao
aceitain a fusao coin os centralistas, porque
nao teem oifiaBCa nelles, e sabam 'lue nito
'sera difficil que qualquer dia Ihes voltassem
as costas sep Sr. Canovas o cham'tsse.
SJulga-se, pois, quea unica cousa que osSrs.
UllOa e 0 Vegga dArarijopodeim tratar, 6 de un
accotdo -afla a entar.
aA nova attitude dos constitucionaes ndo serd
couhbcida antes de se convocarem as c6rtes,
reunindo-se nessa oecasito a junta directora,
do partido e declarando antes que, o que re-j
solver a metado e mais umn dos members da
junta, sera acatado por todos.
X A opimio da maioria dos constitucionaes
6 pela continua-tto da abteneao, sem pref,
juizo do que a junta haja de resolver o queo
tiver por mais coaveniente.
SPareco que a Sr. Canvas, derr<-ad4 |)elas
circimstancias e pela conforencia enhtraD.
Isabel e senu filho, e, nuo podendo continual a
oppor-se ao casamento de D. Affonso, encon-
trou umrn novo auxiliary em sou marido D. Fran.,
cisco de Assis, que, dizern, ter-se jA mostrado
pouca disposto a approval o casamento de seu
fllho. Este recurso, coin que o govcrno nno
contava, podorA ter grande valor. Em troca,
parece que o cardeal Morono protege o enlace
de D). Alfonso coin D. Mercedes, e faz pezar
Loda a sua mfluencia na balan(a palaciana.
a Diz-se que a rainha mA D. Isabel, anLes do
regressar a Scvilhlia, tera de concihir uma opo.
ragio financeira, que apresenta certas diffi-
culdades.
SQueixa-se a imprensa da opposigSo da
fatta de interesse quo merecem os assumptos
de que os mmnistros se teem occupado nos ul-
timus conselhos. Os orgios minnisteriaes de-
claram que o -governo tern tratado de negocios
importantes, e entire elles da questAo pautal,
que Lanto prendo as atten:ocs, e do t:atado
feito corn Marrocos.
o 0 art. ", deste tratado, assignado em Te-
tulo, em 20 de abril de o1860, diz assim :
(( S. M. Marroquina obriga-se a conceder
perpetuamente a S. 5j. Catholica, junto de
Santa Cruz Pequena, o territorio sufficient
para 'a formaCito de um estabelecimento de
pescaria, comno o que a liespanha teve alli an-
tigamente.
q Para levar a effeito o que fleca accordady
neste artigo, procnmraro cliegar a combir'a-
cOes previas os gbvernos de S. M. Gatholica e
de S. M. Marroquina, os quaes devereo no-
mear commissoes, por um e por outro lado,
para indicar o terreno e os limits que deve
ter o referido ostabelecimento. a
a1iesta ultima parte d0'artgo que o governor
hespanhol trata de fazer Vxecutar. AteC agora
torn dito o sultao do Marrocos quo nio podia
Tazem-se ohedecer dos Kabilas quo occupavam
aquelle territorio, o que trata agora de levar a
effeito. E' para este fim quo se nomeiam os
commissaries, o quo 6 devido a influencia quo
no assumpto tem exercido o mini$torio de es-
tado enan~espanha.
a 0 estabelecimento das pescarias de que se
trata interesse immensamente ao paiz vizi-
nho, e corn especialidade As ilhas Ganarias.
a Uma carta do Paris falla do offerecimento
de 16,000 hespanhoes,'feito par D. Carlos ao
imperdor da Russia, para combaterem con-
tra os turcos. Esta for(a seria commandada
por Beet e outros cabecilhas carlistas.
a Um periodico die Madrid,'alludindo a esta
noticia, pue em duvida que D. Carlos podesse
dispoc de tao grande numero de homes para
aquelle fim.


a Um telegramnia de 24 do corrente [pela
manhi] diz-nos que o vice-almairante Pastra
substituio o ministro da.marinha o Sr. Ante-
quara, o qual pelio a sua exoneracfo pelo
sen mao estado de saude.
a Parece quo a modiflcacio ministeriMl nao
ficara por aqui, mesmo antes da abertura das
cortes.
( Tamnbem noticia que esta decidido que a
tonelagem dos navios francezes, vindos aos
ortos de Ilespanilia, sora coatada pelo que de-
clararemin os papeis de bordo.
Assegura-se que as cOrtes se nio abririo
antes de janeiro proxino.
a Diz-se que urn important estabelecimen-
to de credit se proper antecipar ao governor
uma quantia consideravel nas condicoes ordi-
narias da divida fluctuanLe, e conseguinte-
monte, sem garantia alguma.
( 0 Sr. Canovas, recebendo uma commission
de indtustriaes catalaies, prometteu proteccio a
industrial national, a qual nao soffreri prejuizo
algurnm.
(( Fallava-se ha dias em Madrid da publica-
cAo de um folheto intitulado: a, Urnm mautri-
monio de estado ), escriptc por um ex-redac-
tor da Epoca, que dizem ser o Sr. Perez de
Gusman, no qual se trataraide pravar o quanto
seria pouco born para aHespanha, que affectos,
que ja se tornaram osiensivos, tivessem to-
rnado outro objective. a 0 autor [diz u6 cor-
respondente que parece bern informado) que-
rih dedicakr o foiheto ao Sr. C.Anovas; mas este
recusou a dedicatoria por prudencia, ainda
quo ha qqem julgue que o tenha inspiraoo. )
(( A' ultiwa hora dizem ilde Madrid qty se
malogrou a negociaQio entire o ministry da
fazenda e a casa Rothshild.
( Falla-so na jubilagdo ou aposentagao do
prnsidente do supremo tribunal D. Cecilio Al-
varez, quo sera substituido pelo actual minis-
tro da justLga o Sr. Calderon de Mantes. ,
A Hespanha, seguindo o exemplo da
quasi totalidade das nacoes da Europa, reor-
gahisou agara o seu exercito, conform as
b geralmente adoptadas. A. sua infanta-
ria de linha no continent, que se oomptiuuha
de 80 batalhOes e 8 companhias de 120 ho-
mens, foi organisada, pel decretq de 27 de
julho deste anno, em 1 0 batalhnes de 6 com-
panhias, sondo 4 activas, na forga de 250 ho-
itiens cada urna, e? de deposit. Qs sous 20
batalhoes de cacadorbs a 8 conpathas, pas,
sam a ter a mensma organisaoo loiifataria
de lina, e os 81 batalbOe4e resorva 4A ele-
vados a 100. tn '4 coinpAnibas orLes eada
um.
( Portu.al e a Inglaterra. slo os unicos
paizes da Europa qu e ainda teem uman orta-
nhtso military em moda aopriampios deste
sedlo, elioje abando iadlapoir O' as otras
nacoes' do velm .'ontiaonte., :
< Parece. qno brevemnenLa It'Mdrid a
ainha Christina.
':a Diz umn tegranm receatil Op id
i erad. estA redigind4. na + anl feel4 n1'A
s -gs rrligiaoPiSfJAlp .c
Deolisb6 epicve noss#illustra.
. do correspondente ..
K Refefia-se hontem (.65. fo.h
do jisbtqa a carta geapt a Euro
F ... s yte f l W
dp4 evasseur,'
,aue *


to ao despnvo1itnentRD 'das
rea% a:tb..e kilornetm
uho.rb fwm p*r cada 1 00 kili
qudrad< doAemerficio. Est4:
giados 17 pr'mipaes estados eurooj
na seguinteescala, de maior a' men-
Belgiea, Luxemburgo, Gr.-Breta 04 e
Irianda, S 'iw
mara, R -"W A&m tAUI
Frana, S "sti, i

Ia, Sueim, turquita, Noiuaga.
eGrecia. 'T os onml superno
res e seteoi iariores, segiiH*este tra-
balt do ,ilstre geogri. Em J e-
guida a alhluida t0 ht ,,i.
AerBaante mnppa 4ft5 O-WO-fd"it m4
sas linhas ferreas, que offerece os se-
guinrtes poiemiores,:. .
c Caminhos- de fori'o construtaos em
0,,r# a .+.... ,- ..
esxphraz seie .1:"--111- 1 --
t.( l.a ordemn: norte e leste, 502 kilo-
metros, Lisbloa a Elvas e Gaia; Minho.
e Douro, 82, Partoia Barcellos e de
Ertnezinde a CifUlI ,t ul e sues t0 7-74,
Barreiro, Casa'Bi I Quintos.
t 2.a ordersir.ll1 "o4e Braga, IG ki-
Iometros,. ;d*Niw Sga- ;ramal de
Setubalt, 'i, ntb!b|o';f a Setabal;
ramal de Extreiffdz78', Casa Braaca a
Extremoz; ramal (o Algarve, 47i ileja
a- Casevel. ,
a 3..t 3 (rti : linhats da Povoa. d Var-
zin, 2$,V1i6ortetros,. Porto a Villa do
Conde ePovoa.-Total 940 kihdornir
construidos, senido 758 doe ta ordem ;
154de 2.a e28"a',
Itndustriaes:' inhas de Alustrel,
(9 01iometros; de Poimaro, i8; dos
Monges, 5; porlocomotivao.' Cinha
de S. Martinho, 37 ; do Ca'bo'Mhdego,
4; do Bra.af; :<$ ,pavalWp.,-$Somn-
Mna 9OfiUoietas. I,,m 4
OmCwtho,4e fer b i.on6^CgaoO
-Iit oPd'em l'nortet' kilbme ", 'Vilfa`
Nova de .Gaia ao Porto; Minho e Dou-
ro, 174, de Barcellos pyor Vianmna, C.a-
miniiha, ValenVa e Tuy, Cahide ao Pi-
nhdo; sul e sueste,.tI, Quintosa Serpa.
e 2.a ordem : ramal do Alg4rve, 58
kilometros, da Portella c dA lveira a
Faro; Bougado a Guimnariaes; 1, do
Bougado a Santo Thyrso..-Ltal 257
kilotnetros, sendo 189 de 1Ah adei e
68 de 2., ) t1
Como se vd, o total kilometrico
dessas linhas e de 1,197 kilomeiros,
excluindo as linhas dos ind.usttiaes., Se,
o camrniuho do ferro d Beira, inhaf, de
tdo alta importance pavt o deenvolVi-
mento do commercio geral epartieu-
larmnente da midustria de uir.a s BOS-
sas rnais ferteis regioes, estivlaesiaj co-
megada, comno reclarrm'a prn," da-
de national, muitd mais vana.jos.seria
a nossa posicbo emnrelaio a~s sutros
estados europeus.
( Corn tudo isso, nalQ oputf.os
neste movirnento civilisador. o mats in-
ferior lugar. I",
a No dia 24 (43o anaiveisatio da
more tie D. Pedro IV] h6eve exilqdfas
na S, it quo assistirain SS.IIn1I.: Ei-Rei
D. Luiz e D. Fernando, $. A,; finfan-
te D. Augamsto o ministerioq o suncio
de S. Santidado, o ministro$o BJasil,
com o .slg4 4a respectivaf, <
o os Sis nt4 -,Pwqira,4,<^^5^
Soares Fc..tco, 3Antmn 5os6#M<1-
lo, generae.alnmeimi fe Ba~ r tIfj j!j||a

Louhe, generals Talaja, Mae4o Da-
mazio, Caule, commandantes dos'eOe'
pos, contingeutes., ooooia da" irman-
dade'doa fnisos, dos Caetanos. Ofli-
ciou o Revd. .d4"o Cabral, e o Libera
me foi entoado pelo cardeal patriarch.
Fazia a guard de bonra o batallhra de.
cacadores 5 e um piquete de'tavallaria
4. &ra grande oconcuyso do pvo. A'
noite nao houve esoectaculo. Durante


o dia os navios surtos no Tejo, 'salva-
yam emrn funeral de quarto em quarto
de hora.
Foi nomeado por El-Reio Sr. D. Luiz,
para o lugar de bibliothecario da re.l
bibliotheca da Ajuda, lugar que ficeda
vago por obito de Alexandro Hercula-
no, o medico do pao e muii distinct
academic, Dr. Jose Eduardo de Maga-
lhies Coutinho, e 1.o official da dita bi-
bliolthlieca, o antigo empregado Rodrigo
Vicente de Almeida.
( Acabam de ser agraciados por S.
MAl. El-Rei comn varias merces honorifi-
cas os segcruintes cavalheiros, todos sub-
ditos de S. M. o Imperdor do Brasil,
uns que acompanharam os imperado-
res a Europa, e outros que fazem parte
da legagco brasileiraem a Lisboa:
o Corn i gran-cruz da Conceidao, os
Srs. almirantes Delamare e visconde de,
Nioac'; cor+ a'grau-craz de Christo, os
Srs. visconde do Born Retird e bario
da Japurai, ministro do Brasil; corn a
commenda da Geonceigao So r, conse-
Iheiro Souza Fontes e Evaristo de Athay-
de Mcorm, seeretario da legacRo;
con a'commenda de Christo, os Srs,
Jodo Bernardo Vianna Dias Berqu6 e
Pedro de Aiaujo Beltrao, addidos; corn
o.habito daConceigao, os Srs. Arthur
Tei..eira do Macedo e JS 'Bernardo da
Serra Belfort, addido ..
k( A Sra;4aroneza de Japurd partiira a
23 para Mtid% COico sua fitha D. Isabel,
e urma (te guas netas.
0 Sr. hario partira brevemente
para aqmella capital, onde vai gozar (da
licenca que obteve do seu governor.
( Pelas ultimas noticias de Macau
sabe-se que as nossas relagdes diplo-
mnaticas con.imp)Brio chinev e seuso
altos dignitarios i se reciprocamienfte
amrigaveis. 0 g'errador daquella colo-e
nia, comro ministro plenipotenciario, tern
ja entaholado "com. algumas autorida-
des chinezas negocia(oes, cujos res u I ta
dos se affirma term sido te fa-
voraveis aos nossos interest e il,
dade. .
c Na rainha ultirna carta Ihes dei
conta''do e telegramma de S. Vicente
(fbo-Verde) noticiandoqueo explora-
or ingi.z Stanley descobrira as nas-
efltes do Zatim, nova deeo athnde imor-.
itncia geographica 6 Vp "A -

i op .cupa o .,0 + : "ni
t,*- a


arW de Londr tr
ptora43reo britdimcs e em,
.Sr. Carneroti;U(lti de Por-
.ermos muito INtN iros..
,rimeiro telegraki"w .
ima, no rio Coo le4osta occi-
da Africa) 10 do agosto de 1877.
Check uil, vindofZ a

eo lo. Sabiinmo(le.
*id[anyaena, V4 ove 0
de *Lendo o trajec ,per
poo u 'u. Nao p;de *va
por causada espessu N
decidim.-aos a atrave f 6 f;*alI e
cotinuaiaOR o cainin ma
esquerda, so nordesteiu.
indigenas infterceetaram-nos a passa-
ge fo Wi-b^ a4(e Mow-
taram-'ios e'O S ram-nos mni as pes-

Ocoi4mates no meio d ests retioes
habitadas pocanibaes, forafi quasi ,e-
sesperados. Tentimnos serenar esses sel-
vagens, por rneo de bri'ides e corn ac-
tos de beullOl cia ;'n mas elles repelli-
ram-nos, etmiiderMido as'4sssis in.ta a-
cias comoprb0oa 6 obaraik'. Pal'aocu-
u1o'd e desgir ;e pscolta.d'o 1i40 ho-
mens,que tinharnoscontratado imNyan-
gwe, negou-se a passar d'aqu'*l1 ponto.
No entretanto, os indigenas' faziam o
derradeiro esforigo para ifiteiramiente nos
anniquilar. Defendemno-nos corn o major
vigor, pordms6 nos restava, pira sahir
da -terrivel posip-o em quae nos achava-
ruos, ou acceitatca alternativa de retro-
giadar e abandon saimossa emproza,
ou servirmo-aosIdai n6ssascan)as. Em-
bora tivessBm68s` varwtagem 'sobre os
selvagens em um crnifibate naval, cada
(dia de viagern era a repetiao das lutas
do 'dia anterior., Era, ettectivamente,
urn corn bate contifuo e desesperado.
o Depois de termos conseguido pou-
co a pouco, Ibrir caminho descenido (
rio, achaMio-nos de novo emn fente de
urna seriede cataratas, nio menos de
cinco! ",ituadas a pequena distancia
urnas dais outras,- ao sul e.ao norte do
Equactor. Para as atravessar, tivemos
que abrir pa'ssagem atravds 13 milhas
de espessas florestas, arrastar as nos-
sas '18 barquinhas, assim como o nosso
barcode exploraoao.por terra, trocande
muitas vezes o machado pela espingar-
da, para repellir as ataques dos mindi-
genas. Depois de terms passado essas
cataratas, descangamos alouns minutes.
Extavarnos exhaustos die foras.
; Pelos 2.0 de latitude-norte,o grande
Lualaba deixa de correr para o norto e
toma a direcdo do'noroeste, depois de
oeste e emlirn do sudde'te, corn m cur-
so de 2 a It) milhas de largura e nume-
rosas ilhas.

enfraqueciam, navegamos pelo centro
do rio ate que, martyrisadus pela fame
tts idias seguidos, resolvemos arrostar
corn os cannibaes e'desetfibarcimnos na
marge.ui'6.rda do Lualaba.
$,Wed |r3tea tribu quo occupa a-
quella rargem entrega-seao 0 omnmer-
cio. Os habftantes possuiam apenits
qu "a s vidtas aTcota oc-
sidental. lles4fi jque o rio,
io~qual uaveow& J-.u tu va-

DOpois de termos niutuamente de-
inonstlaado q -4s"F r --r-
nos em boan relaqOes, compramos
mantimentQs cpoqz' abhgijacia e tenta-
inos proseguir a' nossa *gem na mar-
gem esquerda do Lulabe.
Passados tres dias, chegamos ao
tcrritorio de uma poderosa tribu, cujos
habitantes, sem excep~ao, vimoes ar-
mados corn espingardas. Logo que nos
avisinhamos d'eltes, lanyaram a agua


50 pirogas ggandes e atacaramn-nos. Of-
ferecemnios-lhes baldamente punaos, e
gritamos-lhes que eramos amigos e
alliados. Responderarn-nos corn uma,
descarga e minataram-nos tres homes.
Replicamos entato coin energia.
(O combite durou encarnigado em-
quanto pe-corrernos como umras 12
milhas do rio. Foi o penultimo dos 32.


combates que sustentamos no Luala-
ba. Este rio, mudando de nome mui..
tas vezes, toma o de Kwangb ou Zaire,
aproximando-se do Atlantico. Atravessa
a grande bacia que se estence entire o
260 de longitude leste e o '17o de la-
titude leste, e percorre 1,409 mnilhas
.em interrupgao de especie, alguma,
re.ebendo copiosos affluentes, p)riMn-
palmente do ]ado do sul. Depois, pas-
sando atrav6s a ampla cinta de mnonta-
nhas que separa aquella grande bachi
do oceano Atlantico, desce, por meio de
30 cataratas, na maior parte rapids e
perigosas, atd o curso principal,, entire
as.cataratas de YeHlala e o Atlantico.
(( As nossas perdas foramni mui dolo-
rosas, e choro principalmente a more
do meu ultimo companheiro branco, o
valente inglez Francis Pocock, arrasta-
d. pela corrente nas cataratas de'!Mas-
sassa, aos 3 de junho ultimo.
Naquelle dia, ia sendo tainbem
victim' coin sete -dos da minta es-
colta no turbilhao das cataratas de
Mowa. *
..$ mea~uas depo,-1, o a
da g Aice i eraa Ie os pela
forgTia4a -cata*a de Albelo,'bud'e nos
m-$tios da, tr'te, pelo assim dizer,
llagrosamente.
c0 meu fiet Companheiro Kalula
tambem morreu.
a De Boma levarei a expedig5o p)or
mar -td Cabinda; d'ali seguirei pa'ra S.
-aulo' de Loanida, na costa occidental
da Africa,
0 Sr. Price, da casa datton & Cook-
son, IIfeL eorpool, .encarregou-se de
levar as Mf'ths cartas, via -e Arigola.
e^t ique srtanley. :o
Q''i fe- ogrsr'ima publicado, quando o
iltus**,; oI41o chegou corn -eoffeito
+T< '~,j'as rMliquias da expedi-


cao, o s
S. ,S. PaU
-A expdi
triz alffiir


9, 22 de agosto:
tqti satva, mas
muito dcentes
OS, escorbuto
an.mez, comtu-
abelecidos., Os
as 'tern ( Iu i-


Pt "- ^1 "]
NDizemn de o q [i po de, int-
WIfttao e nianoefa qukl' "m -eapilfo
prussiano. 'istoq no dia-23 o acampa.
tntlt 4 Jirdx> w4I lendidanenite recebi-
do. ICHuve 'iissa carnpal, inldo das po-

sanitario continuava magnifico.
SContintiavarn as folhas politics em
remoques e dictinhos i proposito tda
recepgao brilhante que foi feita o Sr.
Fontes Pereira de Moello por grandis-
simno numnero de sons amigos P eorre-
ligionarios E'.colculo err'ado, este de
deprimrnir, por, 4 systetoa d(e reciprota'
rnalquerenca, os homes que lId f6rairtf
cebern inequivocos tesemutinhos e
apreco em qine so tidos, e que soW%
coatradicio ionram o paiz por seu
talent e capacidade governativa.
Ao Sr. Jgao Duarte de Almeida,
agricultor no -istricto de Mossamedes
[Africa occidental] foi concedida isen-
gdo de direitos de importagao pela res-
pectiva alfandega, polo tempo de '15
annos, de todo o material emprega4o,
na lal)oragdo da fabric de conservas
alinenticias que alli pretend estab)ele-
ce, e bemrn assirm isenCdo de direitos de
impqrtaaIo e exportacao da dita fabri-
cacao nas provincias ultramarinas pelo
'mesmo praso.-
(( Parece que as conservas serao prin-
cipalmentede peixe, que abundam pro-
digiosamente naquella costa.
Ao Sr. Henrique Luri Carlos Alfre-
do e Merre e i companhia que clle
orgariisar, foram concedidos 18,000 he-
etares (to terrenos baldios on incultos,
pertencentes ao Estado na provincia de
Angola, para a cultural do algoddo, cafd
e %utros generous coloniaes.
S0 Sr. visconde de Joromenha,
n'um artigo que Ihe faz muita honra,
publicado no journal a Nacgdo acerca, e
Alexahdre Herculano, que fora seu
amrnig6, deu conhecimento ao public
de un a trecho- de urna lbiographia do
grande historiador, escripto polo sou
propr'io punho. Eil-a:
(( Alexandre Herculano nasceu a 28
de margo de 1810, filho de Theodoro
Candido de Araujo, recebedor d:& j unta
dos juros (actual junta do credit pu-
blico). Estudou as humanidades nas
aulas dos congregados de S, Felippe
Nery, corn destine para a Universida-
de. Nao seguio esse destiny, por tVer
seu pai cegado em 1827 e sido aposen-
tado, faltando-lhe porisso os recursos
para a continuago dos estudos supe-
'iores. lmnplicado n'uma tentative de
revolugao em 1831, emigrou para In-
glaterr, d'orfte passou a Franca. D'a -
hioembareou para a ilha Terceira, d'on-
deveio ao Porto em '1832, na_ expedi-
e,,,de D. Pedro. -


7""1- rcru iaiW'rpauw.t uLe IUmASit u iII
da guerra civil, posto que nomeado em
1833 para segundo bibliothecario da bi-
bliotheca public do Porto, lugar que
occupou atW setombro de 1836, em que
pedio a '.ua derissao ,na conjunctura
da revolucaodesse anno. Publicou en-
tao os dous folhetos-- A Voz do Pro-
pheta )--os seus primeiros escriptos,
depois de itres ou quatro artigos no
Repositoario Litterario do Porto. Em
1839 foi nomeado espontaneamente, por
el-rei D. Fernando, seu bibliothecario,
e encarregado da administragao das
duas bibliothecas reaes da Ajuda e Ne-
cessidades.
,a Eleito deputado polo Porto em
1840, pertencia a opposiao cartista, e
retirou-se da catiara no anne seguinte,
para seguir exclusivamente a vida lit-
teraria.
c Eleito socio da academia em 1846,
despedio-se della por desgostos, tendo
tornado a entrar potr nova eleigdo de -
pois da reform da miesma academia
eoA 1852. Tinha sido eleito socio da
academia das sciencias de Turim em
1850, e da academia da fiistoria de Ma-
drid em 1851. No tinha titulo hono-
rifico, condecoraga-o, ou distinegao al-
guma, e espero em Deus que nuhca
as tera. -
((Constou em Lisboa por um telegram-
ma de Roma, da'tadao de 21 do corrente,
que, no consistorio celebrado naquelle
dia polo Papa, conferio S. S. o barrete
cakdinalicio a Garcia Gil, arcebispo de
Saragoca, e preconisou bispos para as
(ioceses dq Cuyaba (Matto-Grosso) e S.
Luiz (Maranhao) no Brasil, erde Ca--
thagena emI Hespanha, e que noineou
camerlengo o car(leal Joaquim Pecci,
arcebispo-bispo de Perugia.
a No diai 14 de outubro e que serao
realisadas no-Porto as exequias solem-
nes mandadag celebrar pelo corpo com-
mercial, para suffragar a alma de Ale'
xan(dreo. Herculano. Foi convidado o
conego Alves Matheus, de Braga, 'para
recitar a orago funebre.
S0 poeta GomesLeal pablicou, n'mn.
follieto de 14 paginas, uina poosia '.
Mo'te de Alexandre Herculano.
(a No dia 22 tbi lanuada a agua a ca-
nhoneira Quanza, construidano arsenal
de marinlia. Assistiram, aldin de S. M.
EI-Rei D. Luiz, o ministerio, os vice-
almnh'aute viscoade de Soares Franco,
visconde da Praia Grande, os coinman-
dawtes dos navios de guerra surtos no
Tejo, various ofticiaes de mnarinha, e
gmandt numero de espectadores, e en-
tre elles muitas senhoras. Ao signal
dado, a canhoneira sahlio da carreira
corn muita tQlictdade. Ao entrar n'a-
gua, as embarcagdes 4e guerra famndea-
das no Tojo, emtandeiraramn e salvou
coin 21 tiros o 0'! ragado Vasco da
Gama. -
f A QuanzatetEii 143 dd.Cor
rika _,ILq4


A W ,p al.'- r portaria d
pres eia. provnia, de,5 do trente, foi
Piomdo..uin avierarneiroda Cunha
Lacrda, 3o uppl(to do ilelegado do term
de abtaoi. .. 4
1fdpec"Waoe duardas 1ocaei.- 0 Sr.
major Luiz Antonio Ferraz terrninoii, a 30 de
setembro, a commission de quo f6ra incuwbido
pela presidencia da provncia, do inspecionar
diversgura la,, ... -..u -..
Jury do RecIfe. Corn a assistencia da
39 Srs. juizys dr factor rrio-se hontefl ses-
sao. .
Foi submettido a julgamento o reo Luiz Mar-
tins de Souza, pronunciado nus'arts. 237Tee16,
2 parte do cod. criM., porAt( b fia 17Meju-
Iho de 1876, tirado umrn sac6 cori a Iquantia de
106I000. pertenceo j IsajE ,oyola da Pai-
xao, o resistido a h' he foi intifada
1Wos soldados da cOi'elu. M age,
TU por advogado b Sr. Dr. Lutz EmvyJ.io
, 91guo0s Vianna. t;'
Em vista dap decispes do jury, foi absglvido
o accusado, e polo juiz appellado.
Fboram multad4us cmn 20$000 os j'iizes de I'ac-
to que teem deixado de comparecer, e os quo
faltarawm t scssio de hontem que sao os se-
guintes Srs. : Jose Co4lho da Silva Araujo a
Joao Cusario de Mello.
Commissao central de soccorros-
Foi-nos remettido o soguinte para publicar :
Garanhuns,!o de outubro de 1877.-Illms.
e Exms. Srs.-Satisfazendo o'recommerindado
em o otfficio circular de Vs. Excs., datado de
7 de agosto deste anno, e em continuagao ao
constant do nosso officio ultimo de 17 do
inez findo, remettemos a conta do mez ante-
rior, e passa.os a dar aS informaC;es do no-
vimento do mesmo mnez.
0 Depois do posso ultimo officio nada rece-
bemnos sen5o umn bo, doado pelo cidadc'a Jos6
Telles 'urtako, para a ohra da rnatriz quo
sendo remettido em sal, Ibi distribuido pelos
"infehlizes d4h secca, vi:tLa a relhao que ha.corn
tal-obra, no quo Conveio o doador.
t A secca coilinlrfia a fazer estrago nas co-
mareas cenrtraesdesta provincia e outras limi-
troplies.
a E' grr'adc o numero de retirantes, tend
no mez indo aqui passado 212 families, com-
posta de '1,487 pessoas, como ve-se da relaQAo
junta. Tern subido o numrnero dos que aqui fi-
cam, como se demonstra corn a respective
rela,5o.
v Corn os transeuntes distribuimos os ge-
neros alimenticios, conform o numero das
pessoas e a dirccQio que toimarn ; e corn os
poeroanentes fazemos distril)buiQao diaria.
c 0 povo emrnigrante aqui perrnanece a 4es-
peito de nossas (xhorLartes, e assim urge ri-
gorosa necessidado a continuagao de soccor-
ros, nao s6 para elles, como para os quo pas-
sam.
( Naio temos mais recurso algum, tanto quo
contrahinos umn emprestirno, sob a nossa
responsabilidade, o' pela conta v6-se terms
um saldo de 215#750 em nosso favor ; -ficando
em deposit 2 alqueires de farina e 1 sa.co
de feijAo, do remetltido a 7 de julho do andan-
te anno. Teros occasiao de nos parecer ne-
cossario fechar as portas aos pedintes, ou
suppormos haver abuso; porem depois fica-
mos convictos continuar em nossa ardua mis-
slo para que no "soffra o necessitado por
causa dos vadios e preguicosos, que nao po-
demos discriminarp.
a Esperamoqs providencias prompts do Vs.
Excs., e apresentamos o negociante Antonio
da Moraes Campello, que nos ajuda na distri-
buigdo e p6de informar o que ha. Deus guar-
de a Vs. ixcs,.-dIllms. e EKmns. Srs. membros
da commissao central de soccorros.-Joaquim
Cordeiro CGoeAo Cintra.-Padre Pedro Pacifico
de Barros Bezerra.LGorgonie Jost Yianna. )
Conta corrente dos dinheiros e genererecebi-
ios nf.lap #pmi8snofsecia! de soccx&ros de
-uara'ihansdesdfer l0 Va y} ms9d-
te anno e bern assia daappliabOA44e4tino
quetivram. +



~, o3>~ '1o
*$9. *ocfl ^ 3
.' | .



00.0 .'nfi- *. S i
)~
oa S 2,

>?' o ". .


= = = .'_
I


CD- CD Mq g -o 0 i

0 r a OZ C- D
rn 0 "1 .
^.9 ~ '8- 0|^
^D' G,0,1"',0
S .. .0 _.
0 CD r'
so(T CD CD W' -. a
CO CD
5 S -. s-' 3 .
CD

.00
La Eg -11 -2
-- O -
Sg ^ -. ) .



I I
... I

E n I
~C)
CAo w to m -4 C) _j^
00 IOC 00 8 CJ
Rela(Ao das families emigrants quo permane-
cem nesta villa e se occupam mais. outmie-
nos nos trabalhos da matriz. i
Localidades Familias
Piancd 82 .
Pajeu 27 ... *j -,'1"
Buique 24
MochotO .20 .
.Gariry Velho. t .
Pesqueiia. 3 .-.:
~114 I^ ;11
Relaq.ao d(as familiagtranseuntes elbi, s)
qiue receberamn forecimento da com |
especial de soccorros desta villa, de *a
ultimo de setembeao do corrente anneG
Localidades Familias Pes
Pageft. 78 6.
Buique ... 38
Mochot6 26 i"
PianeO 23.
Pedra ...
Cariry-Velho 12 I ,
Cimbres 12 -
Crato.,... ..
Granito .. '.I
Peequeira .,.. I i

Garanhuns, Pda @ O| 0
Pedro Paoifioo &jarfE B
Juizo d direito i


A


alM W40-ACWN-dbOu rw%


w


l


















O tah r. b r o oa ronsdo nume-
ro-re dobelsos;. sendoe u lo -le dar-se
trabalho ails i que perderam
suas plantrre'eveY eute baldos
do reoursos. Dwlsuaile a x.--lim
Xxm.q.r. DrJiMadWel Gl eitinoe Carn4iro da
Cunha, muito digno piesidente da provincia.-
Q juiz de direito in4erino, Lycurgo de Ai&ka-
:om al',&.d e"'anellas, 1'de outubro do
1877.-Him. e Exm. Sr.-Devendo satisfazer a
circular de V. xo. de 15de junho gltimo, re-
firo-me a mesofficios anterior&, dizendo
qua continujam effeitos da secoa, e portan-
, to a passar retiattes que, nai ont menos su-
jos e trapilhos, vao esmolando ou buscando
trabalho para o quo procurawn os lugares de
lavowras e mattas. As chuvas sao ligeiras e
nrlofrequentes, e as lavouras nos lugares de
Scatinga estWo perdidas. trazenrdo a carestia dos
genetos o receios de future. )eus guard a
V. Ee,--Illm. e Exm. S. Dr. Manoel Glemoen-
tino (I Meiro da Cuntla, digno president desta
provincia.-O juiz de direito, oao Diniz Rtlibei-
rp 4d Cunha. D
Juizo de direito da comarca do Brejo da
mire de Deus, 29 de setembro de 1877.-Him.
S4 Exih. Sr. Tenho a communicar a V. Exc.
que, depois da ultima informaCAo por mirm
prestada,' cahiram alguns aguaceiros que to-
ram, entretanto insufficientes para influir no
estado Ma cumarca, em reluagio a secca.
( Ainda apparecem inidividuos retirados de
outras comarceas desta provincia e das da Pa-
rahyba.
Entendo, poise, qua coav6m continuar a
soccorrer-se as pessoas desvalidas, como atW
aqnri se tern foito, corn os recursos para esse
fim aestinados pelo governor. Deus guard a
V. Exc.-I'lm. e Exm. Sr. Dr. Manoel Clemen-
tino Carneiro da Gunha, muito digno presiden-
te desta prorvincia. 0 juiz de direito, Manoel
Cahlds Barreto. )
SJuizo municipal do termo do Granito, 20
do setembro de 1877.--I1m. eExm. Se.-Ainda
em eumprimento ao que me foi ordenado por
V. Exc. em officio circular de 15 de julho pro-
ximo passadlo, tenho a informal o seguinte:
S410 Infelizminente ainda continfa a fazer sen-
tir sens lhorriveis estragos neste terrmio, a sec-
ca que flagella os sertoes desta provincial. e
atW agora apenas tern apparecido neblinas e
nio ha esperanca de chuvas que possam ser-
vir para a plantacao e colheita dos grios que
se houverem de semear ou de quaesquer ou-
tros products da lavou.'a;
S 2o Tern crescido.-extraordinariamente .o
numero de retirantesoque por aqui apparecem
e a maior part delles 6 do Rio doPuixe, pro-
vincia da IParahyba, e T lha, Vonda o l6d do
Ceari.
a( Alguns len aqui permanecido e outros
te0i seguido para Joazeiro, Jacobina e Capim
Grosso, da provincia da Bahia, e Boa-Vista
desta provincia;
3 A poonlacao'indligente nao temn sido
ultimamente soccorrida, porque nito chegaram
ainda de Cabrob6, os recursos enviados polo
governor ;
S4.o Jul-o mais acertado que em lugar de
se remnetter para aqui genero$ que chogarn
por urn preo;o muito alto e quasi senmpro dote-
riorados, se remnmetta dinheiro, corn o qual
p6de se mandar ao Joazeiro e Jacobina, dis-
tantes desta villa 60 o 90 leguas, por muito
menor p)reIo compral-os, cujos generous serio
nmais facilmmente transportddos pelo rio S. Fran-
cisco ate Cabrob6.
( E' muito necessario tamnibem fazendas (que
no Joazeiro sao muito baratas, segundo me in-
formam) para se distribuir corn os indigentes,
assim comno milho, feijao e arroz para se plan-
tar, porque estd proximo o inverno.
", E' o que por ora cabe-ine informar. Deu's
guard a V. Exc. 1Ilm. e Exm. Sr. commen-
dador Dr. Manoel Clementino Carneiro da Cu-
nha, muito digno presid6nte da pro.'incia de
Pernambuco. O juiz municipal, Candido Al-
ws Machudo. )
ConsumIo de gado no Recife. Damos
em seguida uina tabelia demonstrative do go-
do vaccum abatido no matadouro public da
Cabanga, no decennib de 1867 a 1877, segun-
do os dados colhidos na secretaria da camara
municipal:
Exercicios Numeros
1867 a 4868 31,406
-4&68 a- 18GO ^.4M
19(i9 a 1870 34,622
1870 a 1871 34,876
4871 a 4872 33,808
1872 a 41873 31,610
1873 a 1874 32.708
1874 a 1875 32,176
1875 a 1876 32,360
1876 a 1877 31,421
Conllicto e morto-Nas carnpinas du en-
genho Diamante, do district de Tracunhoem,
procurou o rest)ectivo subdoegado, as 3 ho-
ras da tarde de 20 do mez ultimo, capturar o
criminoso Jose Talhado, alli morador, e outros


que se achavam em casa deste.
OppondQ s6ria resistoncia Jos6 Talhado eaos
de seu grupo, qu e comecaram" por atirar so-
bre a-Torga, travou-se luta renihida qeuo termi-
minou corn o ferimento de um soldado, a mor-
te de um dos criminosos, o de nome Jos6
Pianco6, a prisAo de tires delles e a evas5bo de
Talhado e um outro.
Facada-A's 4 horas da tarde de 5 do cor-
rente, Joao Januario das Virgens ferio leve-
monte corn urma facada a Manoel dos Anjos
Wanderley, o evadio-se no lugar Areas do dis-
tricto do P'eres.
Tribunal da RelaCAo.-Este tribunal dei-
xou hiontemn do funcionar nto s6 por falta de
quorum, mas tambem conimodemnonstragco de
pezar pelo fallpcimento do seu president, o
Sr. deseinbargador Anselmo Francisco Peretti,
Dinheiro.-O vapor Pard levou de nossa
praga, para a da Parahyba, ,2.0000.
Colonia Leopoldin-,ua'irante a junta
da thesouraria de fazenda desta .provincia vao
A pra'a, no dia 5 de dezobro-proximo, -esa
seis lots de terras pubhicas devolutas, situa-
das na barra do riacho Carito, proximno da co-
lonia L:opoldina, servindo de base o prego de
um real pu-r b,'a) a quadrada, jioffertado, al6mrn
Jts ,espezas de medicao.
Pontide Riaehuelo.- Gareq.prorpto
repnteo a ponte sobre o canal de Riachuelo, no
entroncamoento dos dous lados da rua Unino.
E' born realisa-lo agora, porque deve custar
pouco.
Deputado geral.--Abordo do vapor Pa-
ra passou huntemrn para a provincia do Paii, o,
Exmn. Sr. Dr. A. J. Gomes do Amaral, digno
representanto da provincia do Amazonas na
Camara dos Deputados.
Durante a demora nesta cidade, esteve S.
Exc. hospedado 6mn casa do seu college o
Exm. Sr. coronel Raphael do Mello Rego.
-Fazemos votos pela sua prospera viagem.
Propliecia-Por occasiLo da mnorto do emi-
neteestadista francez t r. Thiers, houve na
Alemanha quern recordassoe unia prophecia
Angular, feita alli por occasion de terminar a
prerra franco-prussiana.
'Esta prophliecia re luzia-se a isto: quo'a
wQrtede umin ctogenario, grand personagem
poitico francez, precederia a do Sr: Bismark,
W ltres vezes teintu dias.
Stempn) inos demnonstra. a veracidade des-
W, stravwmmante prognostico.
hst@tvlos-Unido3 Um telegramma 4e
WAshitnrgon, eon 21 de setembro, I tarde, diz :
-h Foi destruida por um incendio a parte da
ropartiCIo dos privilegio'de inveniAo. )
uIprensa.-Para as respectivas agenias
erarn polo vapor Pard as seguintes pu-
SGazeta J*J('ridica,fn. 174, revista mensal de
I no, jurisprudencia e legislaQao, da qual
etario' e redactor o illustrado Sr. Dr.
F.Marques'Perdiio .
de julgados imnportantissirmos sobra
Civil, cormmes U e criminal, traz
oi tres artigoswre a remissto da
e1tr-ega do titulo, sobre as condi-
habeas-corproe sobre a reform


antica,
"ic",1


contend
pr 4-ddrDf


tesIa ; nWum album. 1 '
I lascriplao do flgurinW ifl.Mtas, e expllea-
Oes das estampas de bordados, de moles e
d aaquarella. 4
Aeoimpanham o n. ; um figurino, colorido ;
duas estampas de bordadbo e de moldes; aum
coliarinho de guipure ; e urna aquarella : o
pritneiro cachimbo.
Saison, n. 17, do 1* do corrente, corn va-
riados artigos, lindos e interessantes figu-
rinos e desenhos. #
Revista Illustrada, ns. 82 e B3, cornm hon-
rosas homnenagens aos dous grandes vultos
Thiers e Alevandre Horculano, chistosas gra-
vuras acerca dos festejos e do- caricaturist
'Bordello Pinheiro. '
Armada brasileira. Foi julgada em
constlho de guerra, na- c6rte, no dia 29 de
setembro, o primeiro tenente Jos6 Carlos de
Carvalho.
Presidio o capitao de mar e guerra Delama-'
re, sendo vogaes o capitao de fragata Chaves
e capitaes tenentes Souto Cirne, Rollin e Quei-
roz, e servindo de auditor o Dr. Accioli.
Otenente Carvalho produzio a sua defeza,
fallando unma hora e um quarto, send acom.rn-
panhado polo Dr. Rodrigo Octavio, que orou
p6r espao de duas horas.-
SAjudas de custo.-Pelo ministerio da jus-
iga foramn marcadas as se-guintes:
De 800$ ao juiz do direito dacomarca do Rio
Grande da provincia de S. Pedro, Domingos
Antonio Alves Ribeiro.
De 5W0000 :
Ao da comnarca de S. Joio da Barra, na pro-
vincia do Rio de Janeiro, Ignacio Teixeira da
Gunha Louzada;
Aojuiz municipal do termo de Christina, na
provincia de Minas, bacharel Jos6 de Barros
Albuquerque Lins;
De 2:001#000 ao desembargador da relaoao
de Cuyaba, Marcos Antonio Rodrigues de
Souza;
IDfi 1:160S000, ao da de Goyaz, Jos6 Antonio.
da Rocha.
De i.5 0$600, ao juiz de direito da 2s vara
civel da capital do Para, Francisco de Souza
Girne Lima.
Nova publicagio-Para a livraria do Sr.
Jos6 Nogueira de Souza, "A rua Primeiro de
Margo n. 2, acabam dd chegar exemplares do
romance denominado Romnance d.r malher
que anou, pela princeza **, commentado por
Arsene tloussaye, versdo porLugueza da Exma.
Sra. D. Narcisa Amalia, acerca de cuja obra
assim se exprossa o Globo :
a ActAha o Sr. B. L. Gamrnier deo fazer publi-
car a versato de umrn dos iais commoventes
romances dW Ars6ne Houssaye, e encarregou
do trabalho delicado da verso d talentosa
p)oetisa a Sra. D. Narcisa Amalia.
S E' o -Romance da mulher que amot--uma
composicao delicada, 'cheia de espirito e de
scenas palpitantes de emnogo.
( Nao D6 urn romance de costumes, nem de
realismo duro ; 6 urma historia que, se nao 6
verdadeira, tern muita verosimilhanua.
x Alli ha tanta arteo.na disposiiuo das figu-
ras, tanta verdade e espirito nos.dialogos, e
urma belleza tdo grand nas descripc5es, (pie se
acompanha corn ardor todas aquellas scenas,
on Ie o leitor estremece mais de uma vez.
(( Se este romance nao fosse considerado
umrn dos melhores de Houssaye, bastava para
o recommendar o npme da traductora.
( A versilj 6 feita a capricho e corn todo c
cuidado, Houve a maior attenc.o na esculha
dos vocabulos e no torneio da phrase.
a Hoje o Sr. Gamier nos da este trabalho
do pintor da sociedade parisiense, amanhi ou
dcpois teremos os-Awmdres de Philippe,-a
miinosa coaiposioo derradeira de Feuillet.
Tambem esta versao tfoi feita corn esmero,
e o public julgara disso nestes proximos
dias. ,
Senado-Na sesslo, de 24 de seenbro,
foi' lida, post em discass.o, e adiado por ter
pedido a palavra o Sr. Figueira- de Mello, o
seguinte reqVerimento: -
( Requeiro que pelo ministerio da justice
sejam solicitadas as seguintes informa(.Ses:
l 4.a Quantos juizes do direito avulsos, quc
percebessem ordenado? existiam ao tempo em
que S. Exc. assumio a pasta da justica, ou
existed ainda2 2
a 2.' Qual o motive pelo qual ficaram avul-
sos esses magistrados, qual a entrancia das.
comarcas a"' q tpertenciam, e, no caso ,de Jl,
lhes terem sido designadas novas comarcas,
quaes frmeini ?
a 8ala dos sessoes do senado, 21 de .se-
tembro de S. .-Dominaos Jose Noqaefr Ja-
ExploragQes na Asia-Segundo vetoos
n'uLi journal estangeiro, as exploracges em-
prehendidas na Asia polo coroner Projevalsky,
teem dado resultados interessantes pare a geo-
graphia. Pela primeira vez, depois 9e Marco
Polo, o famoso l!,o Lob foi visitada por um
viajante ipstrfldo. 0 coronel Prejevalsky per-
corrou este lago n'um barco; reconheceu a
situacao do rio Tarim, a 120 milhas ao sul do


lago; p-rcorreu uma cadeia de montanhas,
chamada Altyw Tan' cuja altitude ascende E
40.000 pts, e onde encontrou muitos camellos
seiVagens.
E. pedieao ingleza A. Africa-A expe..
divao ingleza; qtre dove partir para a Africa
Central, em execugao do piano da commissao
international belga, 6 acompanhada por um
official do exercito austrico, o tenente M. Pau-
litsyhky, encarregado ded estabelecer urma es-
tagao ou porto para commercio e pars mis-.
sbes.
Esta estagCo deve ser instatlada a 400 mi-.
lhas da costa occidental, a partir do territorid
do chefe ittdependente chamado Smith.
0 official dove ahi permanetbr por algun.;
annos, e tomar posse do terreno em nome do
imperador Francisco Jos6, arvorando a bandei.
ra austrica.
Decididamente todos querem o seu qtinhZio
na Africa..
Tragi-comedia--Tem "toeas as apparen-
cias de um canard o seguinte success con--
tadoe commentado em muitos cireulos de Pa-
ris, e quo um conrspondente referee assim :
x Certo suieito, cuio nome napo preciso ci-
Itft-;' ffaV 61E'6 'p7tssageiS'nfttffroy"' eni
companhia de um& conhecida actriz do thea-
tro de Variedades.
( De repente a actriz d. um grito de terror,
e principia a dar saltos, como se f6ra accom-
tpettida,,de um, ata*que de dacina de S. Vilo.
N'um destes saltos esbarrpu corn um tran-
seunte, que pecrde o a quilibrior e cahe langan-
do urn gediido. SealpeitilfiA tingea-sa line,
diatanmente de sangue.
Dous espeotadores do caso aeudiram i
soccorrer o ferido.
SUmrn d'olles vgarrou brutalmente -por unm
Dra o a actriz. Esta aca o iiritou o outro born
aamaritano, que desembai hou um estoquo
que leva4va, ameagando atratessar de lado a
lado o poico delicado cidad.io.
( Este retirou-se prudentemente para o lado
do boulevard, por6m, corn tanta infelicidade,
que rcsvalou ao chegar a borda do passeio,
cahindodetcostas na valeta. No mosmo ins-
tante passava i trote largo um trem de alu-
guer, cujos cavallos, nao podendo refrear-se,
flizeram passar as rodas do 4ehiculo por cima
do peito do desventurado calbidd' no chao.
( 0 cocheiro aturdido coin os gritos da mul-
tidio que havia presenciado horrorisada taoL
espantosa tragedia, abandonou as rodeas; po-
r6m, corn tao pouca sure, que cahio da al-
mofada como um chumibo..
a Os cavallos, ao sentirem Ooltas as redeas,
desbocaram-se e arrastaram a carruagem em
vertiginosa carreira at6 d pra;a da Goncordia,
sem que ninerqmiV se atrevesse a detel-os,
apkzar dos angustiusos gritos que soltava uma
senhora que occupavao trem.
(( Chegados i praga da Concordia, os caval-
los, exhaustos-por tAo rapida cirroira, deti-
verai-se de matr-proprio ante umna das for-
tes que. alli se encontram.
a Comio os. gritos da senhora que ia no troin
haviam cessado, os curiosos e"os agents de
policia, que haviam seguido correndo os ca-
vallog desbocados, abriram aportinholq coin
manifesto receio. -
SUrma crdatura recemiascida ohorava aos
pes da senhora, qude havia perdido bs sehti-
dos.
a A parturiente por desbocamiente, fbi con-


euru cio~iirpo a owopezaoo, qjianeg w
toffido- dfittno, algamr, pontreq,
dor, do periodicos levava, na aiB B O J o
fracaaso, duas resmas de pap 6.lSObA
debaixo do facto, para nao serem utodas
(eram jornaes republicans talvez!) AsrodaU
passaramn sobre as folhas,; pcrem sem cusa-
rem darano alguam ao portador.
c Cohbeiro e vendedor de jornaes, dirigi-
rami-se ae-eafe de Madrid, que 6 proximo ao
local aemil ,e seealAvam. patr*sro r avgeiiP
liquid que Ihes Izesse passar o susto. Qual
nho seria o seu .aAombro ao reconhecer, sen-
tdoas a umrea mesa, 9 home do estoque e o
desventurado cuja camisa se havia tingido de
sanwue ao ser derribado.
c Assima como o atropelado era vendedor
do jornaes; o ferido era corretor de vinbos
e o que tinha manghado de encernad-0 o seu
peito eram dous frascos de amostras que le-
vava nQ bolso interior do casaco, e que se
quebraram com o choque.
a l Emquanto mediavam estas explicac-Ses,
chegon o companlieiro da actriz; esta expli-
cou que um rato que Ihe havia subido inopi-
nadamente pelas pernas, tinha causado con-
torsoes antoriores.
( Assim explicado satisfactoriamente tudo,
cocheiro, vendedor, samrnaritano, corretor,
actriz e cortezZio form ceiar ao cafe Peters.
(( Esquecia-me dizer que urn cao rateiro,
que possue a proprietaria de umn kiosque que
esta em frente da dita passagem, havia comido
jA o rato, causa original desta tragi-comedia.))
Cat'vdo de pedra.-O Diario de Minas de
21 do corrente, pubLiUca o seguinte :
a A proposito da descoberta desta mina,
em S. Miguel do Jequitinhonha, termo de Aras-
suahy, julgamos convenient a publicacao in-
fra do officio que a S. Exe. o Sr. conselheiro
president da provincial dirigio o director da
escola de minas ; transmittindo o resultado do
exame feito em urna amnostra quo para isso
Ihe havia sido remettida.
(( Escola de Minas de Ouro Preto, 15 de se-
tcmbro de 1877.-HI1m. e Exmrn. Sr. Tenho a
honra de transmittir a V. Exc. o resultado do
exame qne no laboratoriu desta.escola se fez
no carvaIo mineral, cujas amostras dignou-se
V. Exe. reraotter-mne.
(( Deste exame result, como dernmonstra a
notajunta, que esta amostra deve ser consi-
derada comno uma hulha de b6a qualidade.
( Infelizmente a pouca material posta d mi-
nha disposiQlo, a falta actual do informagoes
a respeito do terreno em que foi encontrado o
combustivel, nao me permittem emiUtir uma
opinido sobre o valor da jazida.
(( Seja como for : nao insistirei sobre a im-
portancia capital que haveria em descobrir-se
na provincia de Minas umra jfazida exploravel
e a amostra extrahida apresenta todos as ca-
racteres desto precioso combustivel.
(( Seria:t, pois, do grande interesse a obten-
gdo de informacOes possiveis sobre estaja-
zida.
x Conhecendo cornm que dedicagao V. Exc.
so inLeressa polo desenvolvimento da indus-
triada provincia, rogar-lhe-hei, se julgar con-
veniente, ordenar a publicavao da analyse fei-
ta nesta escola, e querer empregar sua gran-
de influencia para que se obtenham novas
amostras e infortnagSes a respeito da locali-
dade em que foi encontrado o carvao,
(( Seria until que urna pessoa da localidade
pudesse rdsponder aos-quesitos seguintes :
Q (( L A amostra foi encontrada isolada ou
irrancada do forinacio ?
(7 2.o 0 carv'io parece former unma camnada?
S3.o Esta camada foi encontrada por meio
de alguma excavagao ou mostra-se em um
barranco?
S 4.o Qual 5 a sua espessura ? E' horisontal
ou inclinada ?
( 5.c Per-to do carvIo ou no terreno encon-
tram-se plants, conchas, peixes petrificados
ou estampados na rocha ?
a As pesquizas 46esf fosse'ts devem ser,
sobretudo, feitas nas camadas argilosas ou
cristosas que estiverem vizinhas dos carvo!s,
6 pelo estudo dresses quo ser-me-ha possivel
conhecer a existencia dos terrenos carboaife-
ros, g. dove se ter cuidado de enviar amostras
nao s6 do carvao coma tambem das roehas e
terreno da regiao em quo foi encontrado.
a Peooienia a V. Exe. de entrar em deta-
thes, mas presentomente a questao -do hulha
esta na ordemn do dia no Brasil, como no mun-
do inteiro.
g 0 p,'mmi~c.r ranlnaica noPard~m
zonas tern a5ssgnalaWo S f a lU ^tr tTT-N-
carbonifero; o quo tenho visto me permit,
creio eu, affirmar a existencfa do estado car-
bonifero na provincia de S. Paulo; mas em
parte alguma se encontcou ainda urna camala
de hulha exploravel.


a Soria urma grande felicidade para a pro-
vincia de Minas, que mais do que qualquer
outra pdde tirar partido desta fonte de riqueza,
ver realisar-se urma semelhante descoberta,
descobertlai que poderi ser levada Avante por
meio da amostra enviada polo Ilmn. Sr. Dr.
juiz de ,direito da comarca do Arassuahy.
Deus guarde a V. Exc.-hIllrh. e Exn Sr. con-
selheiro Dr. Joao Capistrano Ba;ieira de
Mello, dignissimo president da provincia.-0
director, H. Gorceix.
(( Notaa que se referee o officio supra.
a Escola de Minas do Ouro Prete, Labora-
torio chimico.--Analyse de um carvao remet-
tido pelo Exm. S. president da provincia de
Minas-Geraes,
Peso espeiflco 1,30 a 21.o
Materias volateis 36.7
Carbon fixo 62,5
Cinzas 0,8
Poder ealorifco referido
ao carbon 0,82
( As cinzas sao esbrauquigadAs e O1voo fer-
ruginosas. 0 coke 6 agglutinado eftem urn
brilho metallico; os gazes fornecidos pela dis-
tillaQo ternam um cheiro betumiposo *ito pro-
nunciado. .. .- 1
a 0 brilho da amostra, s-su e11igerds, a
natureza do coke, resultado da analyse, fazerm


A classes da hulha e approximar-se-hia das
variedades das|hulhas gordas e 4olon c am-
ma, muito procuradas pa o0 tra lho s e
ferro e a fabricagae de gd. .
(( Tornar-se-hia notavel, arelm disso, pelas
fraeaaporporoe.- deinzas qte elle cbnt6m,
facto que augmentard ainda mais o sou valor.
PioVjiwto, 45 de setembro de 1877.-40 direc-
tor, .? "Gorceix.
Hospital Pedro II.-Oimovimeato desse
mbdfbeleeffinto do dia 10 ao 4 79 Tdeo outubro
f4 o seguinte : l ,
1 Wtiar 439, entraram 67, sahiramp9, falle-
cert 7, existed 440.
.. dvertencia..
Na totalidade dos doentes existem M40, sen-
do 266 hbmens e J74 mulheres. .
Foram visitadas as enfermnarias ane4tes dias
As 7, 7 1i2, 8, 9, 40, 8 1/2, pelo Dr. Moscoso;
As 9 4/2, 9, 9, 9, 9 1/2, 9, pelo Dr. Vi~na ; as
7 1/2, 81/2, -8,7 4/2, 8, polo Dr. Cylneiro de
Albuquerque ; as 9 i/2, 8 2 2, 8 1j%%peolo
Dr. Pontual; as 9,. 8, 8 9, 8, I la-
quias ; as 9, 8.47 1/2, 9, 3, 7 1 /2' 1 % i elo
Dr. Chacon ;-ts 8, 8, 81/2, 7 3/4, peI Dr. es-
tevao Cavalcante.
Falleceram r
Clemencia Maria do Rosario, diartbba.
Anna Joaqaina de Jesus, eciema.
Bernardo, ulceras gangrenosas.
Jos6 Libanio Tenorio, epilepisia.
Vicente, bexigas hemorrhagicas.
Jos6 Francisco da Silva, febil' ^ rniciosa.
Silvana, cyrthoso ido figa p."
Vapores-Sao esperadA os Seeguotes;
Guadtana da Eurofa amlinhl'
Minho do Sut l ate.' : t
Ceuarit do Not e a*t6 -15
Bahia 'do Sul at I 1I
Potosi doS ul at.....
OrHnoque o Sl-at W20
Lote#U da p iwitaia- Quinta-foA, 411
do corrente, 6e iMtfhir a 10oteria U44., era,
beneficio -das& O tbS dAwatriz de Jabapo. 1
Os bilhetes achai-se Avenda-n_ tba jgra'
ria das loterlag Ioja d o lgaos do-fr. 'wr-
to, A praCa da Indeira4no^ia 37 e
As listas sahirao e'
ao i qanut ,poA


u11 5i
na rux


I A daoB:m,,sus n. que cresce nas im
iruai do Maxixe. e de um LMexiemo. '
A-- A.*- -


loCO, fttga6Zia 0S AIO-


sagelros--Vindos da Europa no vapor
inm Iz John Elder
S a nardo Norat, Miguel Carneiro, J. Reballo,
Sa, Thorn e uma criada, Custodio Jos6 de-
Olive ira, Antonio T. dos Santos. Joao da Silva,
Man el P. da Silva, Jose M. Lodo e suafa-
mnili,
ahidos para o sul no mesmo vapor
R. Wackentost, E. Broo, I. toger, L. de
Saint Ouro.
Sahidos para o norte no vapor Pirapama :
Ileinaldo. da Silva Porto e uni irrnmao, Joao
Silveiira Carneiro da Gunha, sua senhora o
unia criada.
-Cemnlterio public Obituario do dia
tle outubro de 1877:
Antonio Pedro da Silva, pardo, Pernambuco,
E3 annos, sotteiro, Boa-Vista ; aneurisma.
Heoriqueta Bertholeza Coe ho Mo'nteiro,
branta, Pernambuco, 50 annos, viuva, Olinda;
febre perniciosa.
Josepha, parda, Pernambuco, 8 minezes, S.
Jose ; espasino.
Manoel Rodrigues de Azevedo, bronco, Por-
tugal, 38 annos, casado, Po~o ; tuberculos pul-
monares.
Isabel Cawdida Chaves, parda, Pernambuco,
15 annos, solteira, Santo Antonio ; febre ady-
namica,
Joao, bronco, Pernambuco, 19 mezes, Reci-
fe ; convulses.
Jose Francisco Pereira, preto, Pernambuco,
40 annos, solteiro, Boa-Vista, hospital Pedro
11 ; tuberculos pulmonares.

CHRNOICA JUDICIARIA
Tribunal da Uelaniio
RECIFE, 9 DE OUTUBRO DE 1877
PREFIDENGIA INTERINA DO EXM. SR. DESEM-
BARGADOR LOURENQO SANTIAGO
S'cretario Dr. Virgilio Coelho
As 11 horas da mnanha, tendo comparecido
os Srs. desembargadores Reis e Silva, Motto,
procurador interino da coroa, Accioli e Doria,
o Sr. president inter!no declarou que nao po-
dia haver sessao, ndo s6 por falta de quorum,
como tambem em signal de umrna public de-
nmonstragAo de profundo pesar de que todos
se acham possuidps pelo fallecitnento de *.
Exc. o Sr. conselheiro Anselmo Francisco Pe-
retW, mui digno president desta relaQio que
hontom as 5 horas da tarde rendeu sua alma
ao Creador.


INDICACOES.UTEIS

Medicos


Dr. Lobo Moscozo, rua do
de Albuquerque n. 39.
Advogados


Visconde


Dr. Gaennes, rua. do Imperador n.
18.
Dr. Antonio Drummond, rua do Im-
perador n. 20.
Fazendas e modas
Antonio Correia de Vascor cellos rua
Prinmeiro de Margo n. 13.
Chapellaria e modas
Costa Maia w.& C., rua Primrneiro de
M'argo n. 6.' -
Fabrica *e glgaS'o a vapor
Bourgard 8 C., Recife '15, rua do
Marquez de Olinda, Santo Antonio 3,
rua Primeiro de Marco, B6a-Vista 51,
rua da imperatriz.
Pharmaela e drogaria
Ferreira Maia & tG.,, rua.Duque de
Caxias n. 57.
Eacadernaigo, pautaVao e papelaria
Miranda Junior, rua Duque de Ca-
xias n. 37.
Li,?oes de france:z
'LigSes theoricas e praticas de fran-
cez, polo method mais facil para se
aprender esta lingua em poucos mezes.
Curso todos os dias na rua da Aurora
i. 41, 2. andar.
Archiarmazem do.6ampos 2-rua do
Imperador-28
Leite condensado superior, presun-
tos para fiambres, linguas afiambradas
(em latas), fiambres'em latas, chd fino,
doces, licores. acipipes e grande varie-
dade de vinhos finos, oe de pastos.
Vendas corn descoato, em gosso e a
real no
William Inglis d C., rua do Impera-
dor n. 57, armazem,, grande deposit
de fazendas frawncezas, inglezas, bedgas
e allemies. '


PUBLICACO9S A PEDIDO

Comarca de Jaboatao
Chafma-se a attengdo do Exm. Sr.
president da provineia para o facto
ue se vai dar publicidade, visto pen-
er da decisao de S. Exe. urntm recurso,
concernente a negocios da camera mu-
nicipal. deste tormo.
Foi.eliminado por deliberaAo desta
camera um vereador pelo fatil pretex-
to de ser 20 supplenfe do juiz substitu-
te, sem nunca ter entrado no exercicio
desk mt~f~fr#t
Pergunta-se
A camera municipal tem-competen-
eia para assim eliminar urn vereador,
creando incompatibilidades alguresa-
chadR9 paTa agital-,as, a si'umodo, a
casos diversos ?
Ignorara esta camera que os sup-
plentes des- -Bu bstu0los s f0fic-
cibnam no impediameato (lelles e se-
gundo a escala de sias supplencias, e
ndo cooperam..activa e contiuamente
corn elles, corho succede aos supplen-
tes dosjuizes mtrmipa* nos seas di-
versos districts, argut to da lei de
Set. art. 8 1o, Rlegul. desta lei art.
6o 3o e art. 48t 1o?
Ignorar. tambem que nas comarcas
especiaes, coino e ella ohde ha um so
juiz de direito nao ha division. de dis-
trictos especiaes, ,para nelles terem
exercicdo os supplentes de juizes subs-
titutos, porque isto 6 temr lugar nas
comarcas geraes, onde somrente ha jui-
zes municipae, seg.nd 8svo deprehen-
de do art. 60 4o do R i7L ?.
Ignorara ainda qae a&s abuiges
dosjuiz substitutes sao ottras qidas
dos juiuB municipaesi, e portanto di.
versas ao as dos seus supplantes'?
Jaboatao, 4 de outubrd dd 187T.
0 bomn wDcrio

$rs. redactores. Tondo 'v,.Ss.em
saa Reuta de hoje, pdblicd o tra
at ido do, declarado qt' o roB"u-
Aes fi e...ef 1 pelo "1r.. Rodri1

relB ao nao.1 4 excto, pprqule -f


I'iT 1 1-


0 feitoral de Anita, S e prepa-
rado corn o balsamnico succo VAa rve,
tern enchido o mundo delespa a raio.
Os proprios medicos confess -uc
se lhes havia entrado na idea, de qnud rse po-
desseextrahir de nenhum product da terra,
um especifico tao maravilhoso e complete pa-
ra a cura das enfermidades da garganta e dos
orgAios da respiragAo.
A tossed d'um caradter o mais confirmado e
violent, desapparece sob a sua magic in-
fluencia, dentro em poucos dias, e as vezes
mesmo dentro de algaimas horas, depois do
se haver tornado unma,garrafa do mesmo. A
rouquidaio por mais cavernosa e protunda que
seja, promptiamente desvanece e a voz dentro
em pouco recobra e adquire today a sua cos-
tumada clareza e sonoridade.
Os bronchites se alliviam mediante o sen
uso. Cura os pulmoes feridos e inflammados.
Os que padecem de asthma principiam por
respirar corn desafcgo e rogularidade, lugo
depois de se haver tornado a's primneiras doses.
0 catarrho declarado incuravel desappare-
ce ordinariamente ao cabo de uma semana.
Emfim a sua exeellencia e grande efficaeia
nao tern e nem terA igual por meio do todas
as mais medicines tendentes para o mesmo
fim.


CONMERCIO

Junta d(os corretores
PRACA DO RECIFE, 9 DE OUTUBRO DE 1877
AS tres horas da tarde
cotaQoes ofllclaes
Apolices da divida public, de 1:0006000 e ju-
ros de 6 0/0 ao anno,,por 1:030000
cada unia.
Gamrbio sobre a Bahia, vista, cornm 1,/2 0,0 de
preinio, bancario.
Cambio sobre Londres, 90 di v. 24 '13/16 d., e
bancario 24 3/4 d. por 18000, hontern.
Dito sobre dito, 3 d/v. 24 1/2 d. por 'IS000, ban-
cario
Gambio sobre Lisboa, 90 d'v. 111 0,0 de pre-
mio.
Bernardino. de Vasconcellos,


President.
J. Leal Reis,
Secretario.
ALFANDEGA
Rendimento do dia 1 a 8
Idem do dia 9


288:5876691
28:638S337
317:2256998


Descarre ,am hoje 0 de outubro de 1877
Vapor national Braganpa, (espeo'ado) generous
nacionaes para o trapiche Compa-
nhia.
Vcpor ingiez Guadiana, (esperado) various go
ncros e bagagens para alfandega.
Escuna ingleza Dahlia, (atracado) bacalhAo
despachado em transit pelo trapiche
.Conceicqao.
Lugar inglez Dora, (atracado) bacalhio despa-
chado ev ttransito pelo trapiche Con-
icoiQO.,,.
Barca ingleza Glentilt, ferragens despachadas
para o 10o e50 pontos.
Brigue sueco Esmeralda, feno despachado
pars o 5 ponto.
Polaca hespanhola Camtgucyacna, madeira des-
pachada para o 5 ponto.
Brigue portuguez Damido, various generous para
alfandega, e vinho para deposit no
trapiche Cunha.
Barca ingleza Metteor, bacalhdo despachado
em transit pelo trapiche Conceicao.


-.Lugar inglez Dora, entrado de Ter-
ra-Novaem 8 do corrente e consigna-
do a Saunders, Brothers & C., manifes-
tou :
Bacal hAo 3,200 barn icas aos consigna-
tnios.

Escuna ingleza Dahlia, entrada de
Terra-Nova na mesma data e consigna-
da a Johnstou Pater & C., manifes-
tv U ; ]
Bacalhao 2,054 barricas aos consi-
gnatarios.

Patacho allemao Alert, entrado do
Rio-Grande do Sul emn 9 do corrente e
consignado a ordemn, manifestoun:
Bagres seccos 8,326.
Grata 181 pipas.
Sebo coado 319 barricas, dito socpdo
32 barricas.
Tainhas 40 barrios, tudo i ordem.

Barca ingleza Meteor, entrada de
Terra-Nova, na mesa data e consigna-
da a Saunders Brothers & C, manifes-
tou :
Bacalhao 3,465 barricas aos consi-
gnatarios.

DESPAGHOS DE EXPORell AO NO DIA 8 DE
OUTUBRO P E 1877-
Portos do exterior
No patacho americanb M. R, Cusa, ocarrega-
ram para Nev-York, H. Forster & C. 4,086
couros salgados corn 49,032 kilos.
Na sumaca hespanhola Jovem 'Matia, carrre-
garam : para Barcellona, J. S. Loyo & FRho
518 sacoasaom 53,152 kilos de algodao.
.5 Portos do interior
No Vdpor naci6nal Pard carregaram: para
.636 kilos de assucar bronco ; E. da Cunha Bel-
trAo 20 barriquinhas corn 638 ditos de dito ; L.
f.. da Silva & Pinto 11 barricas corn 670 ditos
de dito.
Para o CearA, L. G. da Silva & PintO 600
sae-cos _r. ktlordetrmhnla. '. -""O'
No vapor nacio oalt Ptrapama. carregaram:
palr Macao, P. A0es & C. 2 brrricas cornm 120
kilos de assucar branco.
Para o Cear4, P.sAl&s k. 10 _D. iWco%
07 kilos de as'uar reriTdoi'4. "
Para ojAracaty, ,GIr 500C. 500.sacccj
coirn 20, ktlos d8lofarin a C
Na barao Maria, arigo pm, Miri
C. G. Tores 400 saceos com 16,000 kilos da
farinhlia.
Na barcaoa Tres Irmds, carregou: para b
Gearf4 C. G. Torres 1,200 saccbs com 48,0(0)
kilos de farinha.
Na barcaga B.. Esperanpa, carregou : para
Mamanguape, J. B. de Carvalho 2 barricas corn
201 -kilos de assucar refinado.
Na liaroaaa Lipfo, carregou: para o Natal,
J. A. G. Pires Junior 5 saccos corn 375 kilos
de assar refinado e2 ditos corpa 80 ditos de
feijiao.

COA4TAZIA D ALFANDEGA
Rendi~i^o do din1 a,8 7:142#W2
I(*ern do dti",9 : I:199|OO
1 *.^ .. M ^ ,, ^ ..19 -


VOLUME'SEj
Nol 4- 1 s
Vapoo P,4a"


NTRADOS
'


VOLUME'S SAHIM~S
No diaA a# "
11' di&4S *
-Primeira porta.


' 3*


No dia a
No ;ia 9 "T^


1
'2


RECEBEDORIA DE RENDAS INTER-
NAS GERAES DE PERNAMBUCO
Rendimenito do dia 1 a 8 9:492$020
Idem do dia 9 1,676873

-1:-i68893

CONSULADO PROVINCIAL
Rena' nto do dia I a 8 35:287588
-'dem do dia 9 3:926|05

39:2134946






A companhia de se-

guros Indemnisadora;,es-

tabelecida nesta prapa,

toma seguros maritimos

e contra o fogo, a rua do

Vigario n. 2, casa cornm

frente para a.Praca do

Corpo Santo.


SEGUP-OS.

Maritimos e contra fogo
Companhia Phenix Per-
nambucana
Rua do Commercio n. 34

Companhia de seguros

terrestres e maritimos

lFidelidade
Estabelecida em Lisboa em
1835
Toma seguros a premios modicos
rERRESTRES de toda a especie, contra as ris-
cos de fogo ou suas consequencias
MAItITIMOS sobre mercadorias importadas
exportadas em'vapores e-navios veft.
Nos seguros terrestres faz a concessao gre
nlita do premio do setimo anno aos segura-
dos que durante seis annos consecutivos fize-
rem seus seguros nesta companhia.
Agente nesta cidade Migucl Jose Alves, d
rua do Born Jesus, outr'ora da Cruz, n. 7, 18
andar.
Saques

Augusto F. de Oliveira & C. sacam
por todos os vapores sobre o Barnco
de Portugal e Banco Unido em Lisboa
e Porto, e sobre as caikxas filiaes e
agencies dos mesrnos bancos em tdas
as cidades e possesses do reino do
Portugal.

Seguro eontra logo
The Liverpool & London &
Globe
Insurance Coi]ipauy
AGENTS"
Saunders Brothers ftC.
11 -Corpo Santo--l


ros



isa e
ros e


00


MOVI TODO PORTO
,.s-a hido no dia 8
Rio de aneiro-Barca portugueza 'Victoria,
capitao Manoel MNaria de Mesquita, carga as-
sucar e aguardente.
Navios enitrados no dia.,
Terra-Nova-39 dias, escuna ingleza Dhalia,
.de 10 tooeladas, capitao H. SteM- equipa-
gem 8, carga bacalhao; a I ston. Pater
& C.
Terra-Nova-37 dias, barcai M& de
247 toneladas, capital W., 1 julpagemi
1,'*targa bacalfito ;,a hS
& C.
Rio Gr'ande do Stl--$ dias.') 1oa
Alert, de 160 toneladas,I I.
equipagem 7,'cargseor
dem.
,Liverpool corn escala-19 r inglez
John Elder, de 2,650 ton maonasa-
te W. H. Thomas, equipa earga va-
rios generous ; Wilsou kG,S
Navios sahidos no" o di;
Portos do nortQ--Vapor br'aPa0r ooMn-
mandanto 10 tehente ,sntonio moes,
carga varios gefleros. ..^ .
Bahia Mbm esc, Vapor. ,iro Mandahu,
comMndan ga varies g-


j para a -inscri1
-- tao dos can
2 ancorrer ao
:do 1.0'I1snno-dil
SdemissAo o'-
Ribeiro Pe's
134 ihm tpublica
*-A,.ta rho 4 877


- -



























'A'


-S
poW&domit to.

BiP'# flJz agrfulturs ee i&mestio e obras publiR
.-: :i- t ca d ,de o4 de agouto: proximo pissado, "
t ,.i A Laiswmit pOela presidireia em 4 -do
0 e 0 *m eI 0 r i s de setembro liMndo, vioo .A pra
rH| i% l^ Rod ueYa- 0 para serem arrematados per venda, pe-
ygdio RodtuesVian- rnt ajdita desla thesouratia a quem
t do theor f me- 3 offerecer,-a'umi hora datarde
6^ s"- S. deaerbar- do di 5 do mez de dezerdbro vindbu-
oiophlos.-Diz o'bacba- ro, 16 lotes de terias publicas devIluZ
p11 L tygdio Rodrigues Vianna, tas ha harra do riacho CariLtO, pouco
curador dos interdictos Francisco A- distaute da colonial Leopoldina., servin- t
mancio Mamede de Almeida e Jose do de base para o prego da arremata- t
Francisco Mamede de Almeida, eju- lo urnm real por braga quadrada jia of-
Edos wenores lilhos de Josd Fran- fertado, aldm das despezas de mIedico.
oo Mamede de 4lmeida, que achan- E para constar a quem convier lan- !
lto desoccupado o sobrado de quatro par cm ditos lots de terras, mnandou
Vidares numero quarenta, da rua do fazer o presented edital, que sera pu-
Cmmercio, e convindo alugal-o de o10- blicado nos jornaes desta riulade c afli-
4a produzir 1m reudiraento seguro xwio nos lugares mais concorridos da
Ira os possuidores, requer a V. Exc. comarca de Palmares.
4gne-se mandar passar edital para seCr Secretaria da thesouraria de fazenda
Apgdo cm praga por seis annos, airn de Pernambuco, 8de outubro tie 1877.
t obter maior prepo possivel, servin- --0 secretario,
Sde base umn conto e duzentos ril J. Mmdes Pereira.
rdis annuaes, obrigando-se o arrematan- ,_____________
-Taos concertos P conservaicao. Nestes
tpmos pede a V. Exc. !deferimnento.- BE
Eicrivao Ur ito.-Espera receber iner- CLr A
.--RIecife 12 da setembro de 1877.- De odem do Hlim. Sr. engenheiro
SQtutor e Curador L.uiz Ernygdio Rofdri- chefe iuterjno da reparticao das obras
t es Vianna.-Estava urma. estarpilha publicas, favo public a quern interes-
e'f'ddzefitos rdis, inutilisada na f6rma sar possa, que, em viirtude da ordemn
do estylo. Nada mnais se contLinha em rdo Exm. Sr. 1resideirte da 1proviiicia.
dita peLigao e sello, depois do que, so vai a prapa perante esta reparti<;Io, no
via o espacho do tlieor seginte :- dia 20 do correute, ao meio dia, a obra
Siti ecife 13 de setembro de 1877. de einbarreamnento dos diversos areiaes
S" A ra Maciel. E para constar, man- ,la estrada do norteo, no lur -denoini-
di passar o prescnte, que ser''aflixaIdo nado {Cht da Mangabeira, na impor-
kys:i'lngares do costuine e Cpublicado tancia de 1:257$490. 0 orvamento eas
pela ii.itpretnsa.-lhiado c passado sulb, condit:es do coutrato aclniai-so nesta
meu 'signal e sello on vallia sin secretria para sereniexamniiamlos pelos
sello ex-causa, nesta cidade d o Reid- pretendentes.
fe de:Pernambuco, aos 20 de setemlbr- Secretaria das obrng. publicas, I de
de 1877.-Eu, Floriano C(,rrca de Britc oulubro de 1877.-O offici.l, JoJo Joa-
to, escrivao, o fiz escrever e subs-re o quin de Siqueira iVarejdo.
o.-Francisco de Assis Olivcire" hm-a Pela recebeduriai de rc;idas in-
131 ~. t ernas (eraes se faiz pul)lico (quIIe c nes-
2' secgIo., Secretaria da presidencia de i te inez tie outubro tjue tem de ser pa-
Pernambuco,eaom.de outubro ide 1877. Por go, livre de ,niulta, o. primneiro semrnes-
esta secretaiate faz public, em addiLaineio e cici current do 877- ,
ao edit de do corrente, qui e a s'eventi itre do exerimpostcio sobre ind1877--trias e
vitalicia dos officios tie 2 tabclliio de notjs,1 relative ao imposto sore industries e
escrivrto do civel, crime e privativo das exe- r1 ofissoes, depois do que sel-o-.jla corn
,:,itOes civeis do termo de P'anellast concofrre- a multa de 0 por cento.


W^^P~fi' aaiaaespela Ponta
^^lli||^ 6m Onsquencia d 'c~pl-
9 lastro.,
4kre Aiart ,Aas obpe
db e outubro de |877.

isaeon do
A Illma. junta administMitva (la Santa Casa
da Misericordia do Recife aenda fazer publico
que na sala das suas sesesoes, n dia 11 de
outubro' pelas 3 horas da tarde teem &H' ser
arrematadap, aquem mais vantapens ofrsecer,
pelo tempo de um a tros annos, as rendas dos
predios em seguida decrarados :
ESTABELECIMENTO DE CRIUDADE
Bud de S. Bento emOlinda.


Ir, tbesbprtfro. no da
PrSP-*8 45" 4.K wne aWt' -ntd'*''M-~i
anhBtf, rar4 pqsssewtodS asuahia~s. 4*^
idas do Jabot aUisa*bro Ando, 4 isa
F apresmatEsa comas crfEngeU.qu a
oram-conadas.
Seoretard do smdta casft da mAertord do
Reife, 8 de outubro de 1'77. '
0 escrivao,
Pedro Rodrigu l de Souza

Consulado de Portugal em
PeFrambuco
Por este coinulado se faz public
para conhecimenWto- de todos os subdi
tos portdguezes,, on naturalisados por-
,uguezes, residents nesta cidade, que,
em virtude do decreto de 6 dejunho
proximo passado, tern de proceder-se
ao.recenseamento geral. da popula9&o
existente no Reino, no dia 31 .de de-
emibro do correntb anno, e conmocom-
plemento desle iecenseemento. houve
sua magestade el-rei, por bemn ordenar,
em portaria expedida a este consulado,
pela repartigao de estalisticai do minis-
terio de obras publicas, commercio e
industria, que se proceda tambein ao
recenseamento da populayio portugne-
za residents no district deste comsula-
do ; e em virtude desta ordem, cpnvi-
do a todos os portuguezes, ou naiura-
lisados portuguezes, residences nop4is-
tricto deste consulado, no dia 31 dede-
zembro do corrente anno, a rcmnette-l
rem a este consulado, por escripto, in-
forminaOes que contenlhhm os nomes,
idades, estados, profissbes suas c de


300o000
2045000
1515001


Idem n. 5 208000
Rua da Virafao
Idem n. 7 2076000
Idem n. 19 24050 0
Sn Rua larga do Rosario
3.0 andar opsobrado n. 24 A 2678000
Loja e lo andar do sobrado n. 24 A 9639-117
Loja do sobrado n. 24 1:0366450
Ruta da Imperatriz
Casa Lerrea n. 68 362500
Rua da Moeda
Sobrado de 2 andares e sotao it. 37 [fe-


chado] 375$000
Becco (ok Abreu
3.0 andar do sobrado n. 2 (fecliado) 900000
4.0 idem idem 90#000
Loja idem idem 4120000
Rua dos Pescadores
Idem n. 11 24/000
Rlua de S. Jorge
Idemni n. 92 306000
Ruita do Pharol
QA-. n Ban


caaa pessoa porugueza (e &uas laifit- IUemi 1. u
lias, corn a declaraao dos qne, em ca- a Ruado Encantanfento
d lugr teem sidnca jitbui OLoja do sobrado n. 3 kfechada)
da Ingar teem "residencia habitual on Itua de Santa Rita
nelle estao nmomen)tanatnente de pas- 'Casa terrea n. 34
sagem ; ou dirigirem-se pcssoalmehte' Rua das Calradus
a este consuladto para darem estas in- }dem n. 32
formaQ6es vocailmente. Cinco Ponlas
'Recife, 27 de setembro de 1877. idem n1. 70
S 0 consulll Rua de Santa The eaa
C. de,4. uim,,'ies. dem n. 4
C.A .Gumwtts-Rta do Gaj4t
Idem n-. 2
Institute Archeologico e Geo- Rita da Moeda
graphic Pernambucano :'ol'ado de urn andmiar n. 41
IIavera sessdo ordinaria no dia quin- br a u uada Lapa
ta-feira. 11 do corrente, peols 11 howas obrado do eumander n. 8
Rita do -Visconde de A lbuqa'u
da manhi.-Ordem do dia.-Parece- Casa terrea n. 91
res de commissoes e o mais que occor- PATIPMONIODE ORPH.A
rer. Secretaria do Instituto, 8 de ou- l d go do Paraizo
Lubro de 1877.-0O secretario perpetuo, 2.o andirdo sobrado .. 29 (feehad
Salvador Henrique de Albuquerque. idem Rua da Lapa


1 UOj~x.TvW
1806000
2306000
1369090
2310000
2888000
'208$009)
o$o0oo0
347%007
378#000
erque
'20800(
OS
o) 243$75(


, :i S t : **
Ites u.S ( ^fe^r^' ^. Vi'.s
Sobrado de 2 andns u. 16
:Ienideal a.- 14
Idem n. 18 (e ldA) ,
Rua d qewalla Veoha.
Casa terrea )i. 18 [fechada].
Sobrsdo de 2 andam u. 132
Rua o oeda
Cas torrea n. ,45
dew n. 47


- w t I





2t'79000
217(000


6M0"4
imOa.


,. .S,].A ", W.

SANTA ISABEL
.. 1 "11-


pI


Rua do or ev *.R ramnp nhi hnan hoh
1.0 andar do sobido n. 29 (feihada) 225%00 tiv.mpanuq i .Wf.
RIua do Amorim, DE ..

Idern n. 45 [fechada) A AI
Cesa tenea'n. .

Idem n.-24 ,' 89500 .,
Idem n. 26 123000 I Il I
E Rua de S. Jorge
caka terrean:t04 O-42000 Quinta-feira 11 do corrente
Idem 94 .(]
Idem n. 100 [fechada] 2992 6%' R l I SI AT ,A
Os nretendentes deverlo apresentar no acto 4.2 REGlTA UE ASSIGNATUA
da arremataqCo as suas flancas, ou comparece- agtiifica funccio
rem aconmpanhados dos respeotivos fladores, .Zarz.ietl m S atos ori os
devendo pagar alnm *da renda o premig da Zarzueli em 3 tos,, origwm dos
quantia em quef6r seguro o predio que in- Srs. Barbieri e Venlura da Verga, sob
Liver estabeleclmento.,commereial, assim coor a direcgao de scena do Sr. Thomaz
oservioq da limpeza e prego -dos apparelhqj e GalvAo
annuidades. s00
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Um thesour0 ew i
Recife, 30 de maio de 1877.
0 escrivao, Personagena.
Fedr.o aodrioues den.iu.a_. Magdalena, aldea Sra. Garcia.
'.Rosa Sra. Hespanha.
Batalbhao patriotico 24 Lucas, aldeo-Sr. Lerner.
.e mai Escaligero, maestro- Sr. Ortiz.
d om ib Roque, ferreiro Sr. Galvao.
De ordem do Sr. commandanteo sAo Um inquisidor- Sr. Orfiz Filbo.
cojividadas as pessOas que tomam parte Aldeiaes, coristas da opera, damas,
no mesmo, e as que se quizeiem alis- inquisidores e c6ro geral.
tar, a comparecerem no dia. 10 do cor- Principiara as 8 horas.
rente as 5 horas da tarde, na rua do
Rpsario Larga i,. 26, 1.o andur, asshnim Havera depois do 6spectaculo trem
como pede-se As sociedades Atalia, Re- para Olinda e Bebenribe e bnnds para
creio Juvenil e Euterpe Philarmonica, Magdalena, Fernandes Vieira e Afoga-
o obsequio de atsistirem A dita reu- dos.
mao. Os bill:ctes aclihramn-se a venda no es
Secretaria 'do batallao, 9 de outubro criptorio do tlieatro.
de 1877. secretrio,
0 .', rdo secretos Estrada de ferro do Recife A
ereira 'dos Santos Caxana


I
I
>


)
)

)


305"000


Sociedade dramatiqg particular
Campezina
De ordem do Sr. presiderlt'convoco a Lodos
os senhoCes $ocios paa reupirem-se a rua da
Imieratriz n. 32, segundo ahdar, quinta-feira
11 dio correntb mez, As 7 horas da noite, para,
consti4uidos em assembly geral, proceder-se
A elei(c6 da directoria effecLiVa desta sociie.
dade Pede-se o conmparecimento de todos os
socios. Recife, 10 dMoutubro de 1877.
0 JIn secretario interino,
MAloel da Silva Garyallio.
Sabbado, 13 do corrente, flnda a audien-
cia do Sr. Drwjuiz de di.'eito da 2' vara tern de
ir em praCa public, pelas 11 horas da manha,
na sala das audiencias, uma marqueza de


Do4ia 15 do .orrente p6r diante a carga
para as estaQSes de CamuAho-Sovo, S. Jos6,
Torre, Ponte de Uch6a, Jaqueira, I arnamci-
rim. SanL'Anna, Case-Forte, Porta d'Agua.
Dous Irmnos eJPedra-Molle, s6 sera despacha-
da havendo pessoa que a acompanhe; ou
quando ihouver na esta&ao do destino quem a
receber immediatamente que chegar o trem:
o que deve ser declar.do na occasiao doIles-
pacho.
No caso de faita da pessoa quo deve rece-
ber a carga, esta seguira para a eslIeaio inais
proxima, onde houer empregado que a
guard.
Escriptorio da comnanhia, 8 de outubro de
1877.-0 gerente,
F. R. ,'enn.


ESTRADA


DE


FERRO DO
.1 6


RECIFE


A


C CAXANGA


Do dia 14 de Outubro de 1877 em diante a iaftida dos trens serA reoulada pela, labella seguinte:
-.fr



IDA "


Dias uteis Bom os e dias saiieados
A" -
. .= _______________________. -- __,,_---, .. _-___ ___________; ^ ... -. ___....


Dist.


Kilo.


- --I.


700
-1.000
1.310
1.970
2.425
2.840
3.

3.83

S8.400
3.095
." ".o3.440
-,.... ; 3.900
: 4 .420
.... 5.100
- a. 5.700
6: 475
6.850
l 7.58S


19.6
13.59


Estaq6es




Recife .. .
Rua do Sol -
Rua Formosa
Officias..
Sokalde..
Caminho Novo.
Manguinho. -
Entroncamento
Igreja dos Affi. 5j
Tamarineira .
MKingabeira. f
Casa Amarella. |
Monteiro .
lntroneamento. .
S. Jos6 .
Torre .....
Pontc de Utha .
Jaqusira ....
Parnameirim
Sant'Anna .
saForte .
deeiro...
Mo-teirq .
d'Ag .
kAPIUiCOS.
Dous Irmlos I
dra Molle
Cxangai .


Manhi


*1i4


5-30'
5.32
5.34
5.36




5.37
5.39
5.41
5.43
5.46
.48
5.51
.53
5.56
'.0o


6.10
6.14
6.16
6.19
6.21
6.23
6.25




0.27
6.29
6.31
6.33
6.36
6.38
6.41
IL43
6.46
6.50
6.55
4.58
7.03
7.05
7.12


6.30
6.33
6.38
6,42
6.45
6.50

i i


7


7.35
7.391
7.41
7.44
7.46
7.48
7.50
i...



7.51
7.53
7.55


8.0o5
&07
8.10
8:20
8 "'p
8-.2D
-AM,
8,38
8.40


8


7.45
7.49



7.58
8.01
8.06
8.10
8A3
8.18







e.,.
,* '*


12 14


9.25 12.
9.29
9.31
9.341
9.36 ,
9.38 1



9.401 '
w



9.544 .
9. 46 |
9.51 S
9.53 .
9.686
10 1
90.5 -
"' I
.. to ,


2.20
2.24
2.26
2.28
2.30
2.32
2.34




2.36
J.i~
"''1

2.40
':42
.45
47
2.50
2.52
2.55
2.59


iU .
A'


17 19


.... 3.451
....13.A9
.... 3.21
.... 3.23
.... 3.25
... 3.27
.... 3.29
2.37 ....
2.40 .
245....
2.49 ...
2.52 ....
2.57 ....
... 3 31
3.33
.... 3.35
.. 3.37
-. 3.40
3.42
3.45
.. 3.47
.. 3.50
300 3.54
3,03 3 57
3 06 4.00
3.11 ....
3.13 ....
3. 20....


A _tll '_

2 23 25 27 29 32 33 39
.-I .._. t


4.47
4.50
4.55
4.59
5.02
5.07







5.10
i:ii
5.15
5.20
5.22
5.29


5.15
5.19
5.21
5.23
5.S<5
5.171
5.29




5'32
5.34
5.36
5.38
5.41
5.43
5.46
5.48
5.51
5 55
5.58
6.01
6'07


6.00
6.04
6.06
6.09
6.11
6.13
6.15





6.20
6.22
6.24
6.27
6.29
6.32
6.34
6.37
6.42
6.45
6.48
6.53
;6:55
7.OR


6.50
6.54
6.56
6.58
7.00
7.02
7.04
7.06
7.09
7.09
7.14
7.18
7 21
7.26


7.35
7.39
7.41
6.44
.7.46
7.48
7.50




7.54
7.56'
7.58
8.00
8:03
8.05
8.07
8.09
8.12
8.16


.... 8.25
8.29
.... 8.31
8.34
... 8.36
... 8.38
8.40
7.55 ....
7.58..
8.03 ....
8.07 ....
8.10 ..
8.15 .4.
... 8.43
... 8.45
S,.. 8.47,
... 8.41
.7::
.... 8.50
.... 9.02
.... 9.07
sA. 9.16
.9 9.10
9A9
.. 9.21
.. 9.18


8.46
8.49
8.54
8.58
9.01
p.06






a.


10.0
10.4

10.0
104
10.4


10.11
10;t.






10.2
io-29
10.2!
10.2
10.3
10.3
10.3
40.4
10.4
40.4
10.m
10.5
11.0
o.


430
4.34
4.36
4.38
4.40
4.42
4.44




4-46
4.48
4.50
4.51
4.55
4.57
5.00
5.02
5.06
5.09


Sm -'.."-.. -- ~1~.


Eaes -
EMagOes'
1 3


Recipe 6.00
Rua do Sol. .6.04 .
Ru Formosa 6.06 .
Offlcinas. 6.08 ,!
Soleade 6.10 .
amiwho Novo. 6.12 :1
Manguinbo. 6.14
Entroncamento ..I
guejados Affl. .- .
Tamarineira .1
Mangaf ira. C 7.
Casa AmWella. .. 7.
Monteiro .- 7.'
Entroncamento. .16 .
S. Jos. .... 6.-8i.
orre 20 .
Ponte d'Uch6a 6.22 .
Jaqueira ... 25.
Parnameirim .27
Sant'Anna .29.
Casa Forte. .. .3 .
Caldeireiro .34
onteiro.... .387.
Porta d'Atua .4417.
Apipucos, .6.447.!
* slrmasos .497.
adt Molle. i.51 7.
-. .. 6.587.
iii- -


6 ---' -


S15


15
49
51
53
55
-7
59
04
13
16
21







25
.8
31

15


7.30
7.34
7.36
7.38
7.40
7 42
7.44

V..,


7-45
7.47
7.49
7.51
7.54
1.56
7.58
.00
8.03
8.10
8.13
.01
.2830
8ks30


7 9


8.159.00
8.199.04
8.21 9.06
8.239 08
8.259.10
8.27 9 12
8.299 14
' ... 9.16
.... 919
.... 9.28
... 9 31
8 9.36
8.31 ....
8 33 ....
8.35 ....
8.37 ....
8 40....
8.42
8.44 ....
8.47 ....
8;50 ....
8.559 36
8.58 9.39
P.ft 9 41
9.069.46
9.08 0.47
9.159 94


10


940
944
9.46
948
950
952
9.54




9.56
9.5
1000
1002
10 05
10.07
0.09
10 14
10.14
to-tO
10.18
1(1..21
10.24
10 29
1031
10 38


14 15


S101.20
1.14 t.24
1.16....
S18 ...
120....
122....
1.24 ....
1.29
..... t 32
1.. .37
. 1.. t.41
... -1.44
1 .49
1.286 ....
1 .28 .. .
1 30....
1.32 ....
1.435 ....

1 44 ....
1 49 ....
1 531...
1.56 ...
2.01....
2031....
2 101 ....


17 19


205
209
2 11
2 13
2 15
2.17
2.19





223
2.24
226
2.29
S31
233
'235
238
242
245


SW
2$A
256
2.58
300
30M
8.04
305
3.09
314
3 19
321
3.9


S Tarde


22


400
404
4.06
408
4.10
4.12
4.14




4.'6
4:48
4.%
4.20
4t22
4-'

'4 38
4-31
434
438
14.41


4 2f
' 9.t -


4211
426
4.30
433
4.38




a.
a.-..

so..

*- 0


5 00
5 04
5.06
5.08
5.10
5.12
5.14





5.18
5 20
5 22
5.25
5.27
529
5.31
5.34
5.40
5.43
4.46


A .. A~-~ -


3 1
I I
27 29 31


5.50 6.40 8.05
5.54 6 44 8.09
5.566 46 8.11
5.58 6.48 8.13
6.006.908.15
6.0216.52 8.17
6.04 6.548- 19
6.06 .... 8.20
609 ... 824
6.14 ... 8.29
6.18 ... 33
6.21 ... 8.37
6.26 ... 8 42
... 6.55 ...
.... 6.58 ....
.... 7.00 ....
... 7.02 ...
7.05 ...
.... 7.07 ...
.... 7.10 ...
.... 7.12 ....
... 7.15 ....
6.307.191...
6.337.22 ,...


8.50
8.54
8.56
8.58
9.00
9.02
9.041
L.o1




9.06
9.08
9.10
9.12
9.15
9.17
9.20
9.22
9.25
9.29
9.32
19.351


C


;- -. a 3. .-


* .. ,. 1


VOLTA
%


SBDias uteis 1' Domingos e dias satfados
_.-~~~ia u is -1 ,oi* *j. 1;11im* ..i..i ...


Dist. Este s Xach 1* Tarde
Kl Es I O6es J tY"-,.----.. ., ", 4Y Jt---7I. Estaes Y.....--, -.. ..
L.m 2 13 c6.8 12 161181,9D01211' I 6 8 2128 30 32


Casa terrqs n. 16
.Rua do Padre FloriatW.
Casa terrea n. 47
[deni n. 49 (fechada)
Idem n. 45 (fechada)
Becco da Carvalha


i>.
S' ,.
W...,,


)- 1



I.


1;. -,


*1
6j.







4 -


i 35

9.40
944
946
9.48
9.50
9.52
9.54
* -



9.56
9.58
10.00
10.02
10.05
10.07
10.10
10.12
10.15
1OA2
10.20
10.23
10.26
10.31
10.33
10.40


1'


I


I"


I


i _, c
















5W ~


A comparlhia fef .4 Olinda, corn-
.. p H asde 0ity 'lica
pra ulipas de oityica eoas dimens6es
seguint8s :-comprimento*9 palmnos,-
larg 9 poillegadas, e grossura 4 polle-
ga!aW4-O gerente,,, L. J. de'firanda.


__IAYIIOS


COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegag&o costeirapor vapor
Porlos do norte
Fernando de Noronha
0 vapor Giquia.,
ll~lJi^tt commandant Costa,
seguird para o porto
facima, no dia 15 de
S ouiubro, ao meiodia.
Recebe carga ate o dia 8 ; encommdndas,
passagens e dinheiro a free, atl As 3 horas da
Larde do dia da sahida : escriptorio na
Rua da Companhia Pernambu-
cana n. 12.
Barca portugueza Luiza
Aracaj(i
Pretende sahir nestes dias para aquelle por-
to a barca purLugueza Luia, recebe carga e
passageiros, a tratar co Il Parente Vianna &
C,, A rua do Marquez de Olinda n. 59, on corn
o capitAo a bordo.
-OMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegaedo costeira por vapor
Portos do norte
Ceari e Aracaty
0 vapor Pirapama,
commandante Silva,
seguira para os portos
acima no dia 10 de ou-
tubro, ts 6 horas da
manhii.
Recebo c irg.a, encAmmendas, passagens e
dinheiro a Crete, atW as 3 horas da tarde da
vespera da sahida. Escrfptorio na
Rua da Gompanhia Pernambu-
cana n. 12
Os senhores ciirregadores queirain mianlar
hoje [4) aio e-zcriptorio da companhia declarar
os volumes qu pretendem embarcar, aft 'i de
ser resolvida delinitivamnente a viagenm, no dia
e hora acima indicados.
Escriptorio-Rua da Compauhia Per-
nambucana u. 12


Companhia Brasileira


Navegaga o a vapor
-. PORTOS DO NORTE
PORTOS DO SUL
0 paquete a vapor
\ Ceara
Commandante Alcoforado
SE' esperado dos por-
-S tos do norte atd o dia
15 de outubro e depois
da- demora do costume
.. seguirA para os do sul,
inclusive ode Santos.
PORTOS DO NORTE-
0 PAQUETE A VAPOR
Bahia
Commaudante o primeiro-tenente G.
Waddington.
9 Espera-se dos por-
tos do sul ate o dia
17 dotcorrente e de-
pois da demora do cos-
.tume. seguirA para uos
portos do norte.
Para carga, encomniendas, valores e passa-
ns,, trata-se na agencia, escriptorio de corn-
aissies de
Bernardino Pontual
12 -Rua do Bom Jesus--2

CHARGEURS REUNIS
ZOMPANHIA FRANCEZA DE NAVEGACAO- A
VAPOR
Linha mensal entire o
Mavre, Lmsboa', Pernumbuco, Bahia, Rio de
Janeiro e Santos
STEAMER
Ville de Rio de Janeiro
Commandante A. Fleury.
E' esperado da Eu-
,, ~ropa atW o dia 22 do
corrente, seguindo
depois da demora in-
E dispensavel para os
p)ortos do sul de sua escala acimrna refe-
ridos.
Roga-se aos Srs. imporLadores do carga, pe-
los vapores desta hlinha, queiram apresentar,
dentro de 6 diab, a contar do dc descarga das
alvarengas, uialquer reclamaglo oconoernente
a volumes que por ventura tenhau seguido
para os portos dlo) sul, atimn de se poder dar a
tempo as providentias necessaries.
Expirado u referido prazo, a companhia nao
se responsabilisa por extravios.
Para carga, enkconmmendas, passageiros, tra-
Wa-se corn os
CONSIGNAkTARIOS
Augusto F. do Otiveira & C.
42-Rita do Commercio-42
Entrada pela rua do Torres
Companhia de uavegaqao a va-
por Bahiana, liltada
Macei6, Penedo, Aracajfi, Estancia e
Bahia
0 apr
s o SaIya r
S. Salvador
Commandante Beltao
Segue para os
lJi ~portos acima uo
dia 10 do corrente
his 4horas datar-
/ 1' de.
:,, Aracaj Estancia e Bahia
0 vapor
Bragan a
"f 'E' esporado boje 40
i Penedo e seguira para
us referidos portos no
dBIi. .14 do corrante, ao
L tc'~ei6Pnd, neo dia.
"6. :! ,ei6, Penedo, Aracaji, Estanci
-hia*'

te PenM *, .


I


Xrmandante P"

,,i dia n


0 PAQOtWff'VAMI.
~ r IiXIMl a
Gommandante.Compton
Toi.*wdo eVio d
.. -K spera-se, dos p or-
_ri-.... tos do sul no dia 14 do
SJl&L1 corrente, o qual depois
dadem ora do costume,
li i ~seguirA para Antuer-
o prL pia, Southampton, to-
cando nos portos de Vicente, Vigo e Lis-
b6a.
Tern dous vapores por mez, destd compa-
nbia, tanto para o sul, como para Euiopa.
As chegadas e sahidas sao as seguijies :
Da E-ir6pa
lie Southampton nos'dias 9%. e 24 de .zaia met.
De Lisb6a nos dias 13 e 28 de cada mez.
Do Pernambuco nos dies 10 e 25 de cada mez
Dod sul
De BuenosAyres nos dias 1 e 15 de cada mez.
De Montevideo nos dias 2 e 16 de cada mez.
Do Rio de Janeiro nos dias 9 e 24 de cada mez.
Da Bahia nos dias 12 e 27 de cada mez.;
De Pernambuco nos dias -14 e 29 de cada mez.
PRE(OM DAS PASSAGENS "
CLASSES
*1.' 2.' 3..
Para LisbOa d Vigo. 20 e 25 15 9
- Southampton 30-35 20 13
- Bahia. 508 25S 155
- Rio de Janeiro. 100S 50$ 3(g
- Montevideo. 23 11. 76.8.
- Buenos Ares 24 12 8 .
BilhetL de ida e volta teemni umn abatimento
de 25 por cento.
DA-se vinho gPatis nos passageiros de to-
das as classes,
Faz-se grandes abatimentos a 'avor de fa.-
milias e. Dara reduccOes sobre os nrecos da


tabella, tratase corn os consignatarios.
0 PAQUETE A VAPOR
Guadiana
Espera-se da Euro-
pa, no dia 10 ifo cor-
renteo I. qual depois
da derma do costli me,
seguirfi para Buenos-
--* Ayr" s, trcatblo nos
pots da Bahia, Rio de Janeiro e Montevideo.
Para passagens trata-se corn .os
CONSMINATARIOS
Adamson.Hlowie ft C.
Rua do Marqpez de Olinda n. 37
Entrada pela rua do Bispo Sardi-
tnhan. 37.
Companhia des Messa-
geries Maritimes
LINHA MENSAL
O paquete
Orenoque
Commandante De Somer -
t Espera-se dos por-
y tos do sul no dia 0
,, ~ do- corrente, seguindo
-.__ depois .da demora do
,.-. .costume para BOR-


BEAUX tocando em
Dakar, Lisb^a e Vig.
Para passageiros, encommendas, etc., a tra-
tar com o.
A(ENTE
Auguste Labille
9- Rua do CoinmAroo- 9;.


LEILOES


LEILAO
DE
mioveis,.louga, crystaes e urm faqieiro
de prata do Porto, a saber: .
I piano forte, I mobilia de jacaranda, casti-
gaes e mangas, 2 cadeiras de balance, 1 es-
pelho oval, -1 relogio de parade, 2 quadros, e
serpentinas, 2 jarros para flores, 2 flguras de
jaspe. I candeeiro inglez corn 2 pavios, 2 oes-
carradeiras, tapetes grandes e pequenos.
S cama franceza, 1 guard vestido, I mar-
quezao, 1 guarda-roupa, I commoda. 6 cadei-
ras, I sofA e i lavatorio
-1 mesa elastica, i guarda-louca envidraqa-
do, 2 apaiadores, i guarda-comida de arame,
12 cadeiras de guarnicao, louca, vidros e ou-
tros ubjectos de casa de familiar. "
'1 faqueiro corn objects de prata do Pofto e
1 paliteiro.
-Hoje
No sobrado n. 4 da rua de Santo Ama-
ro., em frente a oochkeira do Pinto
0 agent Pinto farA leilko por conta e ordem
de uma familiar que muda de-residencia. dos
muveis e mais objects existentes no sobrado
de azulejo da rua de Santo Amaro n. 4.
S Pric" iarA as 10 11i2 bheras.
LEILAO
DE
iazendas, miudezas e alguns moves
Hoje
QUARTA-FEIRA 10*DO CORRENTE
A'S tI HORAS
A' rua da Imperatriz n. 58
0 agent Silveira, competentemente auto-
risadofw. leilo de diversas fazendas. miu-
dezas e alguns moveis, conslando de algo-
dOeszinhos, madapoles, chitas, brins, meias,
camisas, etc., etc. Coques, filas, rendas, bo-
Wtes, retroz preto e de cOres, canivetes, etc.,
etc. 12 cadeiras de amarello, completainente
novas, I meia commode, I cofre, calices e
outros muntos artigos, oiqaa. tudo serA vendi-'
do sem reserve de precgos, em lotes, A vonta-
de dos-coneurrentes.
Hoie
QUARTA-FEIRA 10 DO .C-O RENTE
A L 11 horas
A' rua dai Imperatriz n. 58
LEILAO


I -


DE
Um sitio na rua do Maxixe, eis Afogados,
>m 378 palmnos de frente, corn viveiros, -to-
lueiros e outras arvores de fructo.
Um terreno corn cerca de 100 palmos de
ente, em guo se achliam edificadas 5 casinlias
e pedra e cal, na rua dos Pooos, na- mesa
eguezia do Afbgados, corn cerca de 100 pal-
ios de fundo.
Quinta-feira 11 do oorrente
A's 1 lhors.
OR INTERVENE DO ACENTE
.PINTO
Na rua do Bom 'lesusa n. 43
Os preteadentes podeiao loUr qualquer in-
rmaclo elabeleeiWmento do Sr. Jos6 Pi.o-
Msno, nos Afogados.
O agene Bdmiamiqui
IMPORTAJTJ LULA
.- Nosdias 23a e 24 do or te
Al 10,10


I j571?


coliec:
do.


a preco cominio-


-PRECISA-SE de uma ama para
cosinhair e comprar: na rua da Concor-
dia n. 43.
Pretende-se alugar urma casa corn accom-
modacges para familiar, que tenha sitio ou
quintal, prQxima da cidade, em qualquer das
estradas por onde passam as linhas dos bonds,
Passagem ou Fernandes Vieira, tendo encana-
mento d'agua e gaz; indemnisando-se de
qualquer bemfeitoria ': a tratar na saboaria do
Recife. -"
-RERDEU-SE no dia 6 do corrente,
no theatre de Santa Isabel, um alfi-
nete de peito corn uma pedra no centre
que Ihe chamam topasio; pede-se.a
quern o tiver achado e querendo res-
tituil-o, sera recompensado : d rua Du-
que de Caxias n .1.
Consta que se pretende venderr a casa
terrea n 46, sit$ a iua da Assumpcao, fregue-
zia de S. Jos6, avisa-se a quern comprar que o
foreira e dev, alguns f6ros, assim como o lan-
demio.
Para cozinhar e engommar corn perfel-
go, para uma s6 pessoa, PfTerece-se uma
mulher portugueza _Ipra informaosqs, na rua.
large do Rosario n. W.
Precisa-se de urma cozinheira, preferin-
do-'e eserava : na rua do Queimado n. 31,
segundo andar.
-, Um est.angeiro precise alugar um sitio
que tenha baixa de capim, estribaria e com-
modes para criados," que seja proximo da ci-
dade, em qualquer das entradas por onde
passam as liohas ferreas e bonds : a tratar
nesta typographia.
0 imico deposit dos
remedies do Dr. Ayer 6
em easa- de Adamson
Howie & C., aruado
Marquez de Olinda n.
37, entrada para o es-
eriptorio rua do Bispo
Sard4nha n. 37, outr'o-
ra rua do Enantamen-

to. d ea
Fugio desta praga, no dia 23 do
mez proximo. passado, o escravo An-
tonio, mulato de 35 annos, pouco
mais ou menos, pertencente ao Sr.
coronel JoSe de Carvalho de Araujo
Cavalecante,' morador na fazenda Cam-
po Alegre, em Papacaga, levou uma
pequenatrouxa-corn roupa, e vestid6
corn 'calga e carnies 4e algpflAo de lis.-
Wras e chapdo de couro, ja. velho ;
baixe e grosso e tern alguma -barba,
usa dp. rosario no pescoro, tern os pea
apalhetadbs, faHa mansa e diz ser li-
vre: quern o apprejppder e o levar 4
rua do Marquez de Oinda n. 50, ou a
seu senhor na, mesma fazenda, ser
gratificado.


-Pr-ecisa-seo e ujuia-imana 1 r
da AuAro' n. 19, 1.- andar, que saiba
sozinihar e engomntr e que se preste
Sir para f6ra 4a T j "
Trapassa-se utma ypoieca da quant4a
de 3:500l sobre um predio Ade dobrado valoa:
quem prptqndie azr esft ngocio,.deixe caG
ta feebada neda tygram a corn as inicias
B. s.. P., par ser poaado.
-- PBECISA-SE de uma ama quie
entenda de engommadQ, costur- .e
mais servieoa domesticos: na rua .
Concbrdia .n. 12, :
--Narua Vidal dePt iros a1361 preoi
sa- se de vudedfag docesW pap-
-PFufio srfae a* ebno do co&nitoe anq,
da freguezia d. ia o escravo por n oi
Pedro, d e idaa _4 N 4 09oN.m o0s a
8iuintes : alto, crplajni- f.ala
serva barba e a Vass r4ap. to. R
des e eunchados. Pr B d.du ford
em am abas pernan, 1 9tes
chato eaqailiao; J;ugp e teri D1
cilfe e Capunga, aode temas m :
se as autoridades p.Uie.sa que -f
dam e levem-no a' travsa do ei f
taverna do rsr. Azovedo Pi a ,
-- OQuem prealsar do dtha
tarito pars rroupa de tenhora come doi
d& lja-saruar du n lo-ntas 67 .que el.q
cor0[q.pu tra a ..
Prnec'sa-e ^atus; Vtam bti~ar out CC mppW-:
N1 beco do Cawj.. AI4 ..,
J48 j'q^ d sendo
par moayo. foga I-
p~tpa ciuortWdefa d *, .s..(muOlo df b h ni niiiit .li


Atten tio
No Vsci"pto'i ,. roJMo "a^^'
to, ArA d~o Bom' emnQ.I
*0 oade. -'**;,' : ; ^' L\





Maiimino da Silva Gusmro, filho do
major Antonio da Silva Gusmio, de-
clara ao piiblico que protest contra
qua4qtr acto de indignidade 9ue oen-
volft o nome de seu finado pai, o que
farua se6mpce em honra de sua.-ileran-
da memnorlb.

-Aluga-se o predlo da
rua de Hortas n. 4, constando de ar-
mazem e sotieo, cornam 2 quartos e salas
proprias para moradia de quem n'elle
se estabeleper corn taverna, para o que
tern armaAo e utihsilibs e o lugar e o
melhor possivel, a tratar ni thesouraria
das loterias.
Jrecisa-se de uma perfeia cozinheira
na saboaria do Recite.


vliio gin L

No) rcstaiuranle italia
no, rua das LUarangei-
ras n. 23. vende-se o Cex-
cMllentc viniiho M1iarsala
Dclkh FalUlria de Gin-


Itomarico de Barros e Sflva -
Jo~o Jos6 de Crvalho 'Moraes mnanda cele-
brar por alma de sen amigo Romarnco de Bar-
ros e Silva, urma missa na igreja de N S. da
Gloria, As 8. horns da manalt do dia 10 do cor-
rente, e convida aos seus parents e amigos,
e bern assim os do finado, para que se dignem
assiatir a este religioso actor.
Manoel de. Fontes
Gomnes, feridodo mais
doloroso sentiment,
convida aos seus pa-
rentes e amigos para
ouvirem algurnas mis-
sas que por alma de -sua seprre cho-
rada n~it Guiomar do Espirf1 Sanito,
fallecida em Portugal, manda resar ter-
?a-fe 9 .do corrente, is 5horas da
manhi, 30.o dia do sep fallecimento,
na igreja matriz de S. Jose ; e desde ji
se conessa grato por esse actor de cari.-
dade ereligilo.
A-itonio Clma Morira
.^ ? Temporal
ftan@'Pl (lermnano Re-
gueira Pertira de Bas-
*tos.convida pelo presence
a todos os seus amigos e
S/ os do finadoAntonio Cli-
Smaco Moreira Temporal;
H residents na- freguezia
e Serinaem, para assistirem a uma
missa que "pelo eterno repouso de sua
alma, manda rezar na igreja matriz da
mesma freguezia, no dia IO d corren-
tp, pelas 9 horas da manhA, trigesimo
do seu fallecimento, e confia quese
prestario a este acto de caridade oque
muito Ihes agradeceri. Recife, 8 de se-
tembro1de1877. -.
Miguel dos p&ijosde Aliaieda
v VMaroca
Raymundo de Almeida Sampaio e filhos con-
vidam iius parents e amigos, companheiros
de arn fio fnado tenente Miguel (dos Anjos
de Alq Villaroca, para assistirem a missa
que p alma mandamn celebrar na igreja
do Teri, as 7 horas da manhai, nra quinta-
feira I do corrpnfe, setimo dia de su passa-
mento. Dasde ji a gradecem a todos que se
press M.m a e acto de religiio e caridade.
|g a 9 pa Cavalanti
de Albuquerque
0 cai MaNaoel Qaudint do Oliveira Cruz,
D. Isab i Claudinae Cavalcanti de Albuquerque
Sse ws ih atimrea G eino Martins; de 01i-
reira b 1. Raymanda LaUra de Araujo
.Cruz, Firmina Felonila de Oliveira Cruz,
teftiml teClaUidino Marinho de Oliveira Cruz, D.
Ijaria audina Cavalcante de Albuqueque
(ausen ), alferes Joo Cl0udino' de Oliveira
Cruz ( aentV), qferes pharmaoeutico Arsenio
Custavo Blrgeu, D. Maria Amelia de Oliveira
Borgess genro, filba e netos de D. Ignacia Jo-
sepha avalcanti de Albuquerque, posasidos
da mais pura gratidAo, agradocem A s p-
.EI wigOe que. sdinara = a '-nhar
as rests mortars dasua chapa uAi, sogra e
avo ao cemiterio public desa cidlae, e -ro-
4 .moes aos ses parents e amigos
* jpa a_ lnia aiuma do setimo dia que
I .As 7 i/2 hor.:da waxi& do
H M te, na igrejag matriz doS." Jos0;
_I l ,os 08mesmos desd ji4a04 etemo
no, plo acto de. tatim'efgiao e



11Z1C POIEIIA' IJAVER lMABf CABEtLW;3 BRAS-
CO5S, COM A TI4TWUA C1UNEZiA
Frepftrada par A. m amalho.
1-rUA.DOMARQVEZ DE OLIN-
DA-21
.Esta. tintura faz tornar os cabellos
l idamente pretos sem offender" a cu-
, e muito faj4 se appear. Cada
iNmo acomn jBi^ as instrucVoes he-
autor da tniurm cainza' nQo precl-
..a e enher. as coluptwias 4easa jorual
4a1to muitos oul0oa -- f,.w et -
tot0*r unmaravilh


e u U P ,l4I 0 U0av 0e
a. WC,.9 b oPtu
br'o~aS^^ de IuQ dia x"^^^^^ *
XMauel Maroelino Monteiro. P L MRL bE
Mluga-se o a m do io pd da rua de!O grande remnedia.[
s. Joao n. : a traq na rua uquae d Caxias tern sido elmrama
number 80. te 'i" eb, a
"nuero o commendado pelo
S' j .. .. ." penrial de Beriim con
nr ,n^^ mais alta excell ia e
M MAa S1 A-1 i | artivo da phtydca e tda 'I. lelIas
'l" ^lD EFORD. iJ da gargarnta. do peito e d ihaies
Vendemn -
1| A ^ al ii 2Bartholomeu e Conmp. A. Cars, Jose
M -A G N E S I A Elias de Moura e C(omp, P. Paure'
MA. b N S. eeCqrhn.


GRAOfAS DEPURATIVAS
do D' GIBEMT
Kembro da IcAndmla Kt Medicina do Paris,
kMedico s lo do Hopitald do S. Lulz..
ACCXO PODEROSA BjMFALUVEL
e(Ao p~No ea. mvu m d
MOLESTIAS DE PCLLU ANTIGAS
Vice do usai p=eslu wsmrofulase de todos
82 mccidarnkM -bfl epsae. dam doeuqas cou.
tagiosas (syphlitics) lrs ou in mveteradas.
h REBLDE A QUIALQI B OUTRO TRATA0ENTO
Acautelar se das falsiflcaces e cxilgir o sell,
(iinprcss corn Unta azul), do Govemo francez.
ARiS, w 2.ma Nmmn ru 46 CIy, 31.
Pharmaoia BOUTIGNY, DESLAURIER8, Sucoessow
Depwito em t odas as Pharmas e casas de Drogam


-_a ao__es m o'7-.' m, ; i-
S ceiec o, e r or ei a,
OW Ow t m oo r.r arestando
,1os destsdir da-,-
-tJP~g ~o agr or sobrado n o, imro ada, da
fulHoriw n. 48,w pot o, 5 quartos,
qui a e 5aei t ar. rtar no 6 primiro n-
dar do mesmo9
Aluga-se o sobradio n.85 i rua do Mar-
quez do Herval, bem constvridc e asseia4o,
tern todos os,-om modos para tres famijas,
bom quiental e cocheira para a rua da Paoi& W
os pretendentes dirijam-se A rra Primeiro de
MarOo, sobrado n. M, primeirg andar, da 9
horas as 5 da tarde.
ALUGA-SE o teroiro andar e so.
tio da casa da wa A Corrmiircio .n-
10, .muito frescoq, oinwodoI para
familiar: a .ata~r lar*.azem.
Afi S Precisa-se deo duas% uma
A'lA para. lavar e engomn'ar e
outira para cozinhar, para casa de fa-
milia: a tratat na rua do .Vixconde de
Itaparica n. 32.
'A I Precisa-se de uma ama que co-
zinhe bern e compre, para casa de
pequena familiar : na praga do Conde d'Eu n.
30, segundo andar.
A IT- Precisa-se de umra ama que saiba
coser corm perfeiao ; n-i rua do
Marque. de Herval n. 12.
AM Precisa-se de uma para co-
ilA zinhar, comprar e erngommiar :
na ruh da Cohcordia n. 153.
Alnin Precisa-se de umra aina que seja
perfeita cozinbeira.,pdra casa de
familiar : na rua Vidal de Negreiros n. .46, se
gundo andar, outr'ora pateo do Tereo.
D. Blandlna Amalia" Fiagoso'.
de Albuquerque
SLydio Mariano de
..: Albuquerque e sua
filha Anna Clotille
Fragoso do Albuquer-
~q> ue agradecem do in-
timo d'alrna a todos
S OS seus parents e
S -" ..- amigos o obsequio de
term assistido no cemiterio-publico a inhu-
maCAo do cadaver de sua sempre lembrada
esposa e mni D. Blandina Amalia Fragoso de
Albuquerque, e os convidam de. novo a assis-
tirem as missas, que pelo eterno repouso de
sua alma, minandam resar As 8 horas da manhl
do dia 11 do corrente, setimo do ;seu falleci-
mento, na matriz do SS. Sacramento de'Santo
Antonio desta cidade, confessando-se desde jA
por esse favor eternamente agradecidos.


SOLUqAO COIRRE
SAO CHLORHYDMPHOSPHATO DE CAL
0 m podo do ritt. Remedio pru emab desde
-uos Medi Fba adojtdo pW a os Medices aafraq.u m
ma AumiM, Ma Clfroem, ma T'urn, oau Coekexie, as scrofuloia, '- Rch&
m De _aM does O, Mo Ccimato diflfUl dO eriZmsfa, DO Fno am iD.p.-
ties 0an Aefu uerves.
1WA.-O me tlo 1 lasoripto m 15573no smpplemanto do Codloo kamm.
COImR, Pharmueunttlo, 1t, ;a do Chercbe-Midi, em Par*.
pm .uim/iu mais BMAS M MO3U0 A- e. aWmu apMm phamA6,L


16,600
-ro -


RMompfm uA cinO" W 16,00 mn.
oibl" fouRO aT.Lm"
NA&MA A BCTNIgAO Mo PASm 1975
k igie dogse & AeadsMft 6 hIUs


"'"ELI
Extweco compi


AI tal dt
tend. a total
StffittdB90


LareoehO 6a urn m elixir agradavel con-
il'ade doe numerowe prineipimo das
m de qla d fmrnaUsa, verna db
Wa bem comutatada mOS bu paae,
kao aas doe msos, tiontra. t=Oa ;
gwuarg&e.-affoeges d ei p
p um in~dmiradab, e OMama -


OLIO 1O DR DUOOjk
ZOalO-FDn&EBOO3U Q#^TA. U
1 PE 0. B LAPE1A. M" 5"

so d. 4- =1_
av ac a do dmwse e *l a
rino prouaive o di
0 isto P001 9po aos *imawnoBrMtm a jnlM
ffia~fT~iso p"Uasm


I utNIbuum
I -
I -


I----
106 dee8qui= n
oanico e brifgo.
.; o FERRUGINOSO
0 erro ore olm e a quina reunidos oonstmu o
trataumto repaador mais poderos. da matn

Iip cIgol* e dlun c y iao cr~oacra-
6. niM^, elr adkmd ao dir vid acergaf mt a-o i
4t 0 Bllse a aUode.
RomMadado contrm a debiliUdlde causids
p-l idMe ow pes fadiVas, co.tra a ppbr=:a do
aMWI, JUC v, fraueua depols do parts.
| M 2 mm DeMsOt, .-M todas u
o :,a AaFC; A. CAO ti. ,ido Ta. 4


tt queianra qu seu'aator 0
e ms,/mm


iAvlSO. !L tandolafnlossAdu abc U
zv i(1uistradas no Biazil, todo o coontrau@
el actor .era punido de multa dd
C)5 c-conafurmidade a lei.
As Verdadeias

PILUL4S *
3
LA N C
e-BANCARG|
Ajudu pals JMtU do 10ig o a t k JaM -
SSAo AS Umcs *
APPROVMIS PELA ACADEIA 6E ED C
Po DE PARS
For sua Pure= e loalttrabiltdade. O
OVURAM aescrofula, a insurflcienciadocanxmO
a atemla paludosa, .
S FORTIFIOAM as constitule ta "U "
oil arulnada, V
AJUDAM" a formagio das Jvou*, 010, 1e,
Exigir "OMa *0"4 ^/r |^i&
aqi junta, PON& IPM
parte sfim/oo do an iiMSm'i g
* erulvde.
., AAtttZ-iX
*00 0 00 0 000~4l
L^ o: CaorsAlan',
Mu oiry 08.Fer~aMly01N



LUL .
DO DO UTOl'ti;'.

pHA4
DE .
PARTS
Sao o melhor, o mais segfro 00 fliff
agradavel dos pv rgantoe, le.qoe,
tomadas corn bons alimnentop 0 l
fortificantes, nao causam rdi|'
S e sAo perfeitamente tog.,A






OS XAfOPES
DE HYPOPHOSPHITO
S de soda, de cal e de ferro0
Empregados con tant exito iara curer a
phtbiica e as uo'estims tuberculoU, vTl--
den-se vnicamente ei frascos quadrados.
Cada frasco ,erdaaeiro, Ird iinscript no s
vidrt o none do D' CHURCEILL, no injollorio
acha-so a firma do memo doctor redeatida
quatro vezes, e no rotalo sobre a rolha, a
marca de Fabrtoa da Pharmadoa IMlAM,
rue Catlglione, a t12, tum Paris.
Os bypopkosphitos da Pha'macia SWAN
sdo 0os unicos recenhecidos e recommendados
pele D' LCBIlCILL, &ior da descoerIta
de suas proprieoF'des eralivas.
Preco : t fr. per fresco em Frane-.
Vendim-se oa.= prhinnaes Pbarmai'iam. t


'I


I


I


(I


I I


moqm & -





















I 1'V


E RDOS PUG ODIIOOSPATIS

ulos purs aiA aCASA
*IPlulos puros Ayariadto
* ,4-Catelan CATRAk I"' OS d eca


Ulos dynanyaados
!'/: e Tintura#t
|.. Itmrastes yazos
Bo s tamanhos.


iortimento
ifteiras


BB pare globulos e para
PFA= tisturas,
22-RUAt1fiOMJEWUS-2i chd e chocolate

PERNAMBUCO homeopathico
2&kz k!a


S .RAIlCISCO H. BA SILiA & V
I6



.,.- ct im

7. 6M.S g ., .Hl ,- ..
directamente

4 #ARAIET3M



3P BA RTHO MEWtC00

DIERA EX,"IOE 'O '0r PRMER PREModDuSUtocSt'
R N AO MAIS CAGELLOS fHANCIS .OS -

Agua do a chaliioli

Para tingir instaaneamente 68 cabellos
PREPARADA POR "
3 BARTHOLOMEU &C.-
P HA1UTICOS PR, GCASA EAL CE S. MiF. EL-REl DE PORTUCO.J" PRFMIADiO EM A
DIVERSAS EXPOSIgOES DOM 0 PEUMEIRO pREMIO DE SUAtL'N5.
Unico composto, cuja base principal sio principi s vege _qbipode
por isso ser usaopor toeo indgfmid, S9I 0 MENQU. EU-IO deHltera-
Co di a"ide. i.^ k. fm LL. t a
eer e brilho nattiral, de pe o, astanatd Ogro, e, as6ihit 4ttodas as
tint conhecidas, tern urn aroma agrad,.llissimo, que facility 0 sed us( as
Ne2 s, ainda mais difficeis. AFFWANOAM-SE .-S RE4SLTAD0S '-E
EWFNITOS INOFFENSIVOS, qunr a applicagwi.f seja limitada : ibirla, qudr
c~prehenda bs cabellos da, caheca4 3
Todo o fhasco, que nio ltvawira em mataruja waca, deve ser
regeitado como umarn s o
S "DEPOwO GEB=
PHARMACY X D 1OGAIA..
A-.--Rta Largado RoMA6`."-


WiECIAw ONR,. ILL-TFAEIE

UNICA SOBERANA E INFALLIVEL
Na cua da leucorrh a, flores branceas e eorri-


I mentos reeentes ou chronicos
9^ A blenoorrhagia oujpurgacao, E uma inflammacao do canal daeuretra, occa-
': -1ada a P1air parte das vezes pela communicaca impure. Nao e uma aftec-
Sgeral, que de lugar, como a syphilis a accideAtes secundarios. E' uma at-
ro0 puramenteiocal. Effectivamente, os medieamentos que ha muito teAh
1 sappIiea os i teriormente cpntra este mal, taes como a copthiba, cubebas,
W^, anao p.oduzon effeito senao communica as ourinas algumas das suas
' pt oes, quo, pela sua pass gem atravelidb canal, se tornam uma verda-
dei injecgao.
N Prar que sera necessario carregar o estomago corn essas preparag5es nau-
si&bundas e repugnantes? Para que e precise fatigar os intestines corn a sua
iCo irritante? A resposta e Amples Nao se tinha" ainda descoberto uma
Si9tura que, introduzida directamente no canal, produzisse os mesmos effritos
m temer mAos resultldos. As iqjeccoes tao fallacas ated aqui, consegueim fa-
I' Ai parar a purgagdo, porw'.pela irritago consecutiva'que produzem no canal,
Srema pr a-etUeadIeW 0lito mais terrivel que o mal
Sse pretend crar. iwaor part do& medicos, recusam,
i'r,: ..'+ ,:senprtemnde, estnr ul ad, onoeit.Aneq't tp-
eam razAo, de as empregar. -
$ .PAhewentemente, estet-fudase testor nso etiste. A injlua'fth depre-
i bentalmos ao public, que contb 10i.anaol de bons resultades, *to ive(ormpi-
sfis; nao e irritant. E' arfiti-blennorrha-aa em:todas a extenslo a'alclavra.
s uamos dizer a causa do ma, que ell a destr6e decompondo os ele entos
f b. purgagAo e tonificand a e as "glandula's d'onde prpvdm a sola on-
A sua applicacao nl. e se urma ligra impms -a.se Ague a
eg i5rmt io essa JIM 'ipott ra, V, FMe-K b saeo
*' *^im Jigka. J aAo d 4*e .a(t rdvzeAIL
urn4g'- 0pr fti ne xmurn ou-
SSara,~ a,' ~.. e fais tBs Iind.a as
i', :... ^^ ** Hft n r fiic f f lrl:'" S''$ 6t' ''' 'h ""
lIa^;.. cr.*WSf 3' .q6xk gist.qnohou-
lhofl il B-


e if a academia de medici-
a ta ." Babia
l0 e aovo desoobrlmento
'bA PHTSIA E DOENQAS




gw ar e phtysici pul-
tal &inerus cups effw-
o seu deobrimento. E'
Sem alta as pelos medicos


'fW^ .. r ** **... '. .. "f. **. ^ .*-, *v < ,- ',* .
u d. .;2

llTORIO Ou.*AW BR EW
e aos senhores Agtci toes que made
ras poiseslafazenda ti

|a o trabalhoda .ar i gr
em relacho A iil "


PIIARMACIA WHOMBOPAI CA


Copeiro
Aluga-se um optimao copeiro, escravo
tratar corn Omido Mw eauMdo, no largo
Corpo Santo n.. .


...... A: po... r q i i^ on ,.
4 m bg a loe eq pe-dra dura,
Tanto da at qii fumra.
*4^?eat a 6,,d- bg='e ". Bse fio
po ser er .).
U W ao IlaI. Sr. Inacio Vieirm
de Hello, escrivio da cidade de Naza-
reth, desta ]rovincGA o favor de vir A
rua Duque de Caxias n. 36, % concluir
aquelie negocio que S. S.. p eompro-
metteu a realisar, pela terceija chajna,
da desle jomrnal, -Pm tins de.qA4mbro
de 1871, e depois parajanifro, qe pas-
sou a fevereiro e abril de 1872, e nada
cumpr-o; e por este motive, pois, d de
novo chamado para o dito fim, pois de-
ew S. S. lembrar-so que este n'gocio e
de mais de oito amios, e quando o se
nhor seu filho s9.chava nesta cidade


: a
do


Coziihwro e l
Par esse s servings W .ti m BO-
leque d4 boa. -oducit um.rwtro
para seruico em armazem ou sitio: a
Strata ia do Ataggo i. 1, segqndd

'i '


Escravfo fwwi0
#6 dia 4 do mezA fS. i no NO da
lBaha, de bord6. do vapor nadol am o
escravo Romubldo, quT:'seguia deste
porto para o Rio de Janeiro, de jo t j e
do Luiu Joe6,.du Silva Ouhnar ei, te
no Recife, qcf o houve por cor 5t de
maio de 1869, a Jeronymo Theotonio da Silva
Loureiro, morador na Baixa Verde, cujo es-
cravo tem os seguintes signals caracteristi-
cos:. c6r acabralhada,' estatura 5 pbs, 1 polle-
gada e 3 pontos, cabello preto e carapmhbo,
rest comprido, olhos pretos, corn olhar aser-
tecido, nariz afilado, bocca grande, eodos os
denotes, barbapouda, e corpo grossr, em urma
das mlos, por traz do pulso, tem um carogo
A especie de um lombinho, pronuneia compas-
sada, coiservando-se, quando fall, em attitu-
de humilde e vista baixa, tern de idade 30 6
32 annos, pouco mais ou menos, 6 fllho de Joao
e Antoniaj escravos de Manoel Salvador, de
.Algir Fazenda Grande ou Pajefi de Flores,
d'ona-o ter'idoescrafro 6natral, e on.de ex
ercicia o oftciotefbrrelro. Sahio desta cidade
vestido corn cafsa camiam brana, ptot de
alpaca Oreta, chapr do GChile, levoujrn ba-
huzinho de couro, om tds6tante roupambanca;
assim como consta qua no actsr do qua
aqcfi, um preto foi A bordo e e nttIi-lhe a
quantia de 606U000 a mandado de tllnmasia
de nome Romana. 1 provavel que I mu-
dado de nome e de vestuai o, f ande
calCado, para assim intitular-se livre e iludir
a vigilancia das autoridades. Ha de con cer-
teza seguir camiuhe da Bahia para esta cida-
de, em algum dos vapores da ci-
anna, desembarqando em _eb NIn-
terior das duas provin4a -; roga-se, portanto,
as autoridades po4iciaes e aos Srs. capitles de
campo, ou a qualquer cutra pessoa que delle
tiver conhecimento, o apprebenderem, parti-
cipando ou entrog o-o ao seu respective
senior no Lecifie, i'a tdO Gonmleroio n. 5,
que Ierlo recanmpensados lnm a gr&tiicAQo
acima.

Advogados
Os Drs. A. Clodoaldo de Sou- .
zeSos6 Eustaquio Ferreira
eobina mnudaram seus eserip.
tbrios para a rua do Imperador
n. 57, primeiro andar do
dio, em cujo pavimento
teem armazerm de fazend
Sr. W. Inglis & C.,' e
p.o cuaes 22 de Novembro.

In.gtlA^JDjt .


0 BAU-V 13t 0 9l7 OUS !'41t10PAR TPOPa,






NLOJUT-USRINDIN
PO PIF CLOR M DEB SARROZ
a- r r t a o's u .t$-loV-
a nd'
tmf A ,mi


'PO oe F.IOR DE ARROZ
epe B mmp" U^ '1ir t/!td e spat n. 'r A. Y .... .. a


20:000 000


Dd-se a premio ajuros' sob predios
em diversas quantias: Ai ua de Bortas
n. 86, se dird quem d.i.
Ama escrava
Precisa-se de uma ama para vender
bblos, prefere-se que seja escrava: a
tratar na Capunga, na rua das Peraam-
bucanas n. 12.
Piano, music e francez
Ressente-se a falta na cidpde de Ma-
,mamguape de urma senhcra, para lec-
cibnar piano, music e froncez; haven-
do naquella cidade bastantes meninas,
e dpsejo dos pais dar-lhes educaCo,
confforme suas posses, deixam por
tanto de o fazer, uns por casa de des-
pezas e outros por nao quererem ex-
portar suas filhas ; faria boa aquisigo
6 senhora que se resolvesse ir para l ;
qualquer pessoa que desejar algumas
explicag6es neste sentidc, dirija-se d
rua da Cruz n. 37, Recife.
Breu purificado
claro, barricas de 400 libras, no arma-
zem de Jorge Tasso, A rua do Amorim
n. 37.
Ama de leite


Presisa-se de uma ama de leite que tenha
born leite : na rua Nova n. 34.
Medalhas milagrosas
Chegaram de ouro em ponto grande, para a
loja M.ode Ouro, it rua do Catmuga n. 9 A.


Ao pubtico
N6s abaixo assignados proprietaries
da Confeitaria do Campos, sita a rua
do Imperador n. 24, prevenimos ao pu-
blico e com especialidade' aos nossos
.amjgos e freguezesi que o Sr. Manoel
Gongalves Caseiro, deixo'a de estar em
nossa confeitaria desde o dia lo do cor-
rente e que por isso qua LIquer negccio,
tanto intern como externo, relativo ao
nosso estabelecimento, deve ser dirigi-
do a n6s s6 e s6mente. Recife, 2 de qp-
tubro de 1877.
Marquess C.-



Os abaixo: assigimdos declaram ao
respeitavel public que o Sr. Manoel
Paulo dos Reis nesta data deixou de
ser caixeiro da casa, sita rua do
Commereio ns. 4 e 6.
Recife, 5 de outubro de 1877.
Hlerman Lundigren & C.
Aluva-se
dues, 6asao na Cdpunga, urna nq rua das
Crioulas n. 61, e outra nos Quatrd' Cantos n.
29 : a tratar na rua do V4igario 33M pri-
meire anridar.
Attbno ..
Precisa-se saber aonde existed Augusto Pin
to de Barros, filho de Damiana do Carmo, na-
tmual da cidade de Villa Real. em Portugal,
vindo para esta provincia em 1866 : queendo
qualquer pessoa fazer o obsequio de dar noti-
cias dirija-se A Paulo rJulio, a bordo do vapor
national Ceard, que deve chugar a eate porto
no dia 45 de outubro, dos poitos do norte.
e
Cozinheiro e Copeiro
Aluga-se um eseravo perito cozinheiro e co-
peiro : nbs Quatro Cantos da Capunga n. 18,
a quatuer bhora.
Ao0 funiaites
0 abaixo assigniado, oslabelecido corn
fabrica-de cigarros, convict da justiga
que o publico- dispensa anos -productos
de sua fabric; expostos it venda em
sebus deposit& 6 na Iojh do Sr. Joa-
quim B. dof Reis, prefine aos confl
pradores de seuh digirromi que ultimt-
mente descobrio que alguns vende-
thffes, conprando-os em portio, yen-
dem-os a retalho, rificIan'Or coi o ro-
tulos, que depois.*eddnm a outros fa-
bricantes. t ,
t. como o abaixo assignado ter mjB-
yiccao de que oas f nu ke ii
sao bons e escolhi. jw at
mente, estes out pmtes que se
apadrinham co0n .srotylos, nao os
fari'o corn os mes mfas trazendo
assim un u descredit ,'asua fabric,
pede aqiiem cowa tigarros de sues
mnrcas e nAo os08'bcba lonfs, que ve-
nba conferfl-os; et .al ox6liecer-se
q m os t im.e ,,.
Aindq3o dia 3 afparee-lhe um
rnenino" 6fteree.ndo I; rotulos, que
dizia ter comprado a 'hu, seu visinho,
a 640 rs. o cento, o qua prova a... eco-
uomia do toesino seu vbiinho.
dtfe, 9 de outubbo de 1877.
Jos6 Antonio Domfvg0es ile Fiueiftdo.
Aluga-se
o sobrado a rua do, 'H as.picio n. 59,
corn commodo, pa!ra .'rande familia,
:muito fresco .e ,ore agea, e pASsa o
bua*o porta: a tn ar rm rua do
J~g^ .. .^0^^


.* p.'.
'*'


ISalsaparrilha e caroba
DE
Carlos Bittenevurt
Grande depurativo do sangue
Empregadanashydropesias, rheumatis-
mos, affece5es gotosas, infartos glandu-
lares, escrofulas. syphilis, papeira, mo-
lestfas ebronicas do pefle,, cadhexin mer- I
|CtUMAJ apus, sycote eczema, crie es-
d ia^H~ij 4 darthros, boul., bu-
KaM )f s l nolestins que.teem a
l ia do sangue.
B=,5b colheres de sbpa
-dig fur agua e mais progressiva-
D EPOSITO GERAL
Phoflacia popular
tarlos Bittencourt
MIa Nova a. 51
Pernambuco
9iua-se
dous grande arma:eft a rua e caes do Brum:
a tratar no largo do Corpo Santo n. 19, pri-
meiro andar. ,
Para banhos do mar e
passar a festa
Aluga.-se uwna excellent casa na
i-Boa-Viagem, muito fresca, tend coni-
modos para grande familiar : a tratar
na rua do Aragdo n. 1, segundo andar,
ou coan o Sr. Dr. Pitanga, A rua da
Imperatriz.


Tintura Japoneza


A uinica approvada e.premiada pelas
academics d Paris e Londi es, por nao
ser prejudicial iA safide, encontra-se nas
principles casas de cabelleireiios e em
todaa as boticas principles d& Pemam-
buco, Caors, Bartholomneu & C. Mau-
rer & C. e rua da Cadeia n. 54, .o an
daV.

Fumo hollandez
e cachimbos de barro vende ,
SH. Ledebour, rua dq Commer-
Scio n. i, i andar

Born predio para ali-
gar-se
Aluga-se o predio do Dr. Castello Branco,
sito a rua das Pernambucanas, na'Capunga,
corn jardim. sitio arborisado e todo murado,
casa corn banho ; acha-se todo reparado e
pinlado de novo, e muito arejado e. tern gran.
des commmodos para familiar; esse predi3 fiea
proximo a nova ponte que se vai fazer para a
Torre, o preo e cnommodo, e trata-se no se-
gundo andar da rua do Queimado, casa n. 73.
Na Magdalena
aluga-se uma boa casa cornm agua e gaz, sita A
rua de Passandti n.19 :. a tratar na rua da
Florentina n. 32, taverna
Ama de leite
Precisa-se de urma, sem filho : na
ruma do Cabugk n. 8, loja.
Capellas mortuaues
Rua do Barao da Victoria [outr'ora
rua Nova] n. 40, 1o andar, tern bonitas
eapellas de flores artiliciaes, porpregos
pommodos, assim como fazem tie per-
'petuas naturaes, sendos stas feitas a
encommertda tres dias antes.
GrAtde. easa


60 a NOW`. .."W. cu',w


$6o lia 20 de agosto de 1877, rfugiram dor
engenbo Cgrwragibp, do termo de Serinhiem,
dous' escraaos de neme.Jos6, sendo urm alto,
corpo reiguar. pouca barba, cabello carap.inha-
do, tern uM bra qnebralo e por iso urn
pouco torto, teafl algumas oicaLrips 4de relho
nas costas ; este escravo Ni eomrqado,em 16
de mAfo deste aono nests .daUf a# :r. Pa-
tricio ,osea Tavares, quo e mmprm '" cidade
da Parshyba. 0 outro de alt.r maegnmfr, cor-
po tarabem regular, muita barba, falla flna,
idade 31 annos ; foi comprado na mesma data
em que o outro, ao Sr. Manoel Travassoa Sa-
rinho, morador em Born Jardim Parahyba;
eOte escravo 6 viuvo e deixou filhos na Para-
hyba : roga-se As autoridades policies e sos
capitles de campo a apprehensao destes-es-
cra'vos, gratiflendo-se a quti os entregar
nesta cidade aos Srs. Manoel Alves Fe'reira &
C., A rua d-. 'polio n..4. primeiro andar, ou ao
respective benhdt, no engenho Gamaragibe,
em Serimhem.
SAluga-se um excellence sitio em Be-
beribe, no Porto da Madeira, junto ao
rio,contendo mui boa casa de vivenda,
corn todos os commodos precisos,
Sjardim corn gradeamnento de ferro, ca-
Scimba e algumas arvores de fructo,
Sbem como um gradde terreno cornm
baixas de capirn a tratar no largo do
Corpo Santo n. M5,1 oandar.

Bolos de encomnmenda
Faz-se bolos de eiconlmenda para
casamento e partidas, na Capunga, no
rua das Pernambucanas p. 12.
Aviso
0 abaixo assignado, estabelecido corn loja
de ferragens A rua da Imperatriz, declara ao
respeiLavel pubieo e ao corpo do commercio
em particular, que nao se responsabilisa por
debito. algum contrahido por quaiquer pessoa
sem sua prbvia autorisagAo *irbal ou por meio
de titulos firmados pelo seu proprio punho.
Recife, 8 de outubro de iff77.
Jose Victor da Silva Pi nentel.
Moleques e rapazes
Precisa-se de ii.eleques e rapazes
para vender bolos e bolinhos pelas ruas,
paga-se boa vendagem, na qual podem
ganhar para mais d- dez tust6es, atW
4 ou cinco mil rdis por dia, conforrne
a diligencia : a tratar na Confeitaria do
Campos, A rua do Imperador,. 24.
Olinda


Casa da Fortuna
Ao.i 4:0004OOO
BILHETES GARANTIDOS
A' rua Primeiro de Margo (ou-
tr'ora rua do Crespo) n. 23 e
casas do costume.
0 abaixo assignado, tend vendido nos seus
felizes bilhetes um quarto n. 387 corn 8005000,
um inteiro n. 1422 corn 1005, e outras sortes
de 401 e 205 da loteria que se acabou de extra-
hir [243.'1, convida aos possuidores a virem re-
ceber na conformidade do costume, sem des-
aeonto algum.
Acham-se A venda os felizes bilhetes garan-
tidos da 14.M parte das loterias a beneficio da
matriz de Jaboatlo [244.'], que se extrahirA
na quinta-feira, 11 do corrente mez.
PREqOS
Bilhete inteiro 45000
Meio bilhete 25000
Quarto 18000
Emr porgio de 1005000 para clima.
Bilhete inteiro 35500
Meio bilhete 11750
Oiarto 5875


Manoel Martins Fwa.


ALUGA-SE
o primeiro andar do sobrado n. 3,2, a
rua estreita do Rosario; e muito fres-
co, tern commp.odos, agua do Prata e
gaz : na thesouraria das loterias.

COIPIRA
COMPRA-SE uma escrava que
saiba bern cozinhar: a tratar na rua
larga do Rosario n. 32.
-Compra-se um estabelecimenrto de.mo-
lhados, que srja em boa localidade : na rua de
Hortas n..17, se dirA quem compra.
Compra-se um escravo de meia idade quo
Feja robusto e de boa conduct : no largo do
Corpo Santo n. 19, escriptorio.
Compras
Compra-se um cylindro de padaria: na rua
larga do Rosario n. 22, loja.


VEIDAS

Vende-se
o engenho Gonceieio, em Srinhlem, esta
provincia, muito born d'agua, podendo Ifre-
jar annualmente 2,500 pes : quem o preten-
der, dirija-se A praea do O&rpo Santo n 15,
primeiro andar, onde acharA corn quern tratar
a resp.ito.
Fazendas e modas
Conquista
6 -Rua do Cabug& 6
E.
K'
400 rs. o vado
Rua Duqj# de Caxias n. 43
..CorraeWf. venham ver
Popelines de' 'hiho e seda, padres
inteiramente novos, uso actualmente
em Pariz, poY 400-rs. o covado: da-6.sIt
amostraA corn penkor. 0 43 da rua
Duque de Caxias.
Vapellas
Vende-se tresc ,pellas mortuaries em per
feito estado, e pj' preco commodo. corn as
seguintes letreiros : born pai, saudade, aceita
minba dor men eaposo : na -rua do Marquez
de Olinda n. 35.
Vende-se
no telheiro que servio para a recomstrucceQ
ponte dos Arogados,. orgAo de madeiral
qualidade, e quanUa ief. pedagos de
rello, de 5 a 22 palif .i de omprimento,
prios para officinas d#0'kcineiros e carapi-
nas, assim como I2QQ palinos de gradeamen-
to de madeira que serfitrim no passadiqo da
referida ponte.


Aluga-se a ereslente casa da rua'do A 21ao m ilhero
Padre Nobrega n. 30, comi jardim na
Parent, braee nt30, orn d efrdr,, ae- de cartas de a b c e taboadis lrohha
frcanada, corn deposiento de f rrheiro e ,)organisadas por J. A. de Castro.
boas accomimodajd6es para familin: a nes: vende-se na Papelaria CGor
itar L d.0 j(1-xia n. 52, cial rua estreita Q Rosario n.
tar diuas n. 52, .,eT q Rods e 1
ra ~ 52, ci Venlde-sea p escq~torio de Tho,--
1.o-amaer, rnmaz de Aquiooirpi~ec & C., d rua
a. a d ijr d."do Vip r i' ""
RCera eR :fume.: ..
Aluga-se a casa corn armado e mais Ceref e gs ..
pertengas da antiga e .auito afregueza- pC m 'i"hS'- d n ,'
att- a xa. pev do Miedco, 6 d i .
fftegfi do60oaoda Parqell pot!
7' ;.a ti.jgr r IL
.. 'ri.' + .:.


;0 agriuBsuO1 ^""H Bg
rea ofi s s OnIxp
pios do. eBgelhOe, para estu or1ler-
rtmno e assentar trilbos p ara condua*:as
cannas dos seus partidos para a cAu
do fabric. Aldm da mooicidade do
prepo que p6de eustar esta via de trans-
,porte, ella offerece ao seinhor de enge-
nho, prestza,, menos carencia de bra-
gos, menos fadiga e mais methodo. po-
dendo os trilhos ou via nlownente
seen. mudados e collocad s0os
ainos para os lugares em ..p ache-
rm as plantaSOes.
A constraclao do tees trihos p6de
ser empreftada on feita por adminis-
traAo, sendo que se procedera a urn
ajuste ou contrato pelo qual o benhor
de engenho saberA logo o custo da
obra. A madeira a empregar, ate na
coiistrucao dos carros ou carropas,
poderi setr tirada nas proprias mattas
do engenho.
Oflferece-se tambem para fazer de-
marcagSes e nivelamentos para leva-
das, etc., etc.
P6de ser procurado A rua doiCrespo,
loja n. 6, d]as '10 da manh ais 2 ho-
ras da tarde.
Bom negocio
Quem Liver moleques e pretas desoccupa-
dos, p6de obter todos os dias um born aluguel,
querendo emprega-l(os em vender bolos pelas
ruas, porque a confeitaria do Campos, A rua
do Imperadrr n 24, fornece bolos de venda-
gem : a tratar na mesma conf-itaria.
Por 25$
Aluga-se a casa n. .07 da rua do Marquez do
Herval : trata-se na rua da imperatriz n. 47.
Aluga-se
Ainda csl para alugar um sitio na Copun-
ga, rua das Crioulas n. 59: a tratar na rua do
Vigario n. 33, Io andar.


.Lp


p.


Aluga-se uma casa terrea, coram 2 sa-
las, 1 gabinete, 3-quartos, cozinba f6ra,
sita a rua do Sol, na praia de S. Fra.!-
cisco, em Olinda, distant 400 passos
do mar, offerecendo assign a grande
vantagem de poder sahir-se de&a corn
trajos proprios para o banho salgado,
alem de sua proximidade a estagao do
Carmo e ser confront a capellinha de
S. Jose : quem a pretender, dirija-se
ao sobrado n. 5 da rua de S. Pedro
Martyr, da mesma cidade, a tratar corn
o seu respective proprieterrio.

Cognac e
SBisquit Dubouchd & C.,** e
H. LedePbor, ,rua do Commer-
Ai 7, 1. adl jar

PA .T..NHAR
Precisa-se de unma ama forra ou es-
crava, preferindo-se desta ultima con-
dicao, para comprar e cozinhar : na
rua Duque de Caxias n. 42, terceiro an-
dar (nesta typographia). Adverte-se que
em poucos dias a familiar tera 'de sabir
para f6ra da cdade.


A :..
'^ ""

i* .


itt


i & c S.l llujll.oli .


4" -t





































por 15000? E' o custo de ura fiasco
e verniz, que da para envernizar urma
mobilia. Conserva seu brilho For es-
S pago deG6annos. Ostrascos tern nos ro-
tolos a mancira corno deve serefita a
sua applicacAo e por isso p6de ser ap-
- plicado por qualquer pessoa.
VENDE-SE NA RUA NO VA N. 30.
VWos e capellas para noivas
Chegaram lindas capellas e veos de blond
deseda para inoivas a 0, e 10#, 6 baratissi-
mo: na fraaLa amazonas, rua Dnque de Ca-
xias n. 47.
24-RUA DO COMMERCIO-24
Neste es4abelecimento vende-se o
veardeiro e superior vinho die Boi-
deaux, tanto em barrios como em engar-
rafado, e mais barato do q % em qual-
quer parte, por ser recebido de conta
propria. No mesmo estabelecimento
compra-se garrafas vasias que tenham
servido para vinho de Bordeaux ou
cognac.
Chapeos para senhoras
Elegantes e primorosamente enfeitados cha-
p6os, acabamrn de chegar pelo ultimo vapor, os
quaes estAo se vendendo por preeo muito
s ommodo : na Fragata Amazonas, rua Duque
de Caxias n 47.
Beros de vime e de
ferro
Vende o Bazar Victoria, rua do Ba.
mo da Victoria n. 2.


PECIINCliA\
Lindissimas baptistas para vestidos.
a 240 rs. o covado.
Variadissimo sortimento de maript
zas, a 400 rs. o dito. ,
Grande sortimento de popplinas para
vestidos, a 400, 500 e 600 rs. o covad
Maripozas brancas, *o que tern vindo
de mais gosto.
Riquissimo sortimento de cretoneE
corn desenhos inteiraminte novos.
Popelinas de seda pura, a 1#000.
100 o covado.
Popelinas de seda branca para casa.
mento, a 1 ,000 e 16200 o dito.
Madapolao francez de duas larguras,
a 56000 e 55500.
Cambraia transparent para vestidos.
a 36500 e 4000 apega.
FustIo branco para vestidos e ves-
tuarios para meninos.
Bramiante cor4 4 larguras, a 14500 a
vara ; e muito barato !
Camisas bordadas para senhora, a
35000 e 46000; que pechincha !
Gorgorao de l, de cores lindas par.
vestidos, baratissimo.
Leques de madreperola finos, dese.
mhos riquissimos a 10#000.
Chitas : grande s .rtimento e para todu
prego.
Temos urn complete sortimento df
sfazendas, das quaes a maior part nc
annunciamos, para nao enfadarmos
os d gnos leitores, e de todas se dac,
amostras e mandam-se em casa da?
Exmas. families para melhor escolhe-
remi: na Fragata Amazonas .
47- Rua Daque de Caxias -47

Tomem nota:
14-Rua do Imperador-14
.ARMAZEM DO NUNES
Nutrieao instantanea)
Grande variedade
de generos alimenticios
de superior quahidade.
Modicidade espantosa!
Fapgiidade gastrica!
Vantagem proveitosa!


Veijam:
0 Nuncs tern resolvida-vender barato, bara-
tissim- ; .7aranlir a superioridade de suas
mercadorias ; sustentar umna prodigiosa varie-
dade du ,,neros raros e saborosos, e final-
mente iioltrar a facilidade de qualquer pessoa
passer lem cornm p.uco dinliheiro.-
Custa pouco
.. Veriliam tirar a proy% e depois digam se ha
-"q: lm tenha sorrimento mais variado e supe-
I"" rMr; que ,enda mais bambo e d6 melhores
provas de sinceridat.e fwtiqucza do que o
-- .'-I ND


Batatas"
*onde-se muito novas a 35000 a cai-
I rs. a libra :i na rua do Livra-
tton. 31.

Canmponacidade
Vende-se uma casa reforrmada de novo, corn
6.quarLos. 2 .alas, sotLAo corn janellas, cozinha
L f6ra, estribaria, cocheira, deposito'd'agua,
banheiro, quartos, tainque do lavagem, jardim,
e grand, (fqintal, em uirna des mblhoreb rtias
da Boa-Vista : para ir ver e tratar, A. rua Nova
nDimero 13.
,.... Atten a '- *
, :i de.... ... '.o .i-.


2. Ae Ca-aW .3, a 'a6Ienc 0 E
4a16m de Bmi`splendido sorti"Mntp4
iartgos de eaa repartioao, mais os se
gain-tes:.
S A.utigos acessarios
"Palpp e 'envelopes para eseriptoqc
"pehnas. caligraphicas de boa qudi p
bons lapis arietas, optima tinktpa
Sescrever-se, dita para marear roiipa
agua para pratear os metaes, aspas pa-.
ra espai'tilhos, forrada's de cqmu.ra
Iqgarea para bardy-se 4' Ma, e Wad
frxa para borda-se: alnova Espe
rawa tuem tertem.
Artflgos baratos.
Agut %forida a 1S, fita de linho a 6C
rs. a pea. Lapel- armadfe a 400 rs. i
caixa, cordao para vestide a 20 vs.
peca, envelopes a 509 rs. a caixa
na Nova Esperanga, a rua .uque. de
Caxias n. 63. ''
Artigoa de luxo J ph, tadA
Estampas allegoricals, para Ornar sa
las c gabminetes, bonitos leqIuew oom phu
mas e gem ellas; alta novidadeA ikdoi
livros delenabrar~acom capa de mafim,
iproprios para senhoras, delicados- ra-
,mos- de finas flores para oabeca, novoS
coques de moldes simples e elegantes,
agulhas para crochet, sendo de ma-
dreperola ; tudo .isto encontra-se na
Nova Esperanca, &'rua Duque de Ca-
xias n. 03.
Para os que sao devotos
Um pequeno sortimento de fminas es-
tampas de sant9s : reoebeu a Novi Es-
peranca, A rua Duque de Caxias n. w.
Para as floristas "
Papel para petalas, dito para folhas
de rosas, calix e peitilhos e mais pre-
paros para tal fim ; tern a Nova Espe-
ranga, a rua Duque de Caxias n. 63
Aos pals de familih
Quereis distrair vosso filhinho, ou
presenteal-o ? dirigi-vos a Nova Espe-
ranca, i rua Duque, de Caxias n. 63,
comprai urn lindo brinquedo, pois que
ella .recebeu urn complete sortimento,'
e.esti vendenlo por prego muito razoa-
vel.
Bonecas
Umrn born sortimento de bonecas man-
sas e choronas, pretas e brancas : re-
cebeu a Nova Esperanca, a rua Duque
de Caxias n. 63..
Cabellos brancos s6 tern quem
S quer "
A Nova Esperanca, rua Duque de
Caxias n. 63, teal a verdadeira tintu-
ra para tingir cabellos, pretos, casta-
nhos, 4 instantanea e nao damnifica os
cabellos, e vende-a ratoavelmente.

S CGal de Lisboa 4
%9 V'Vende-se cal fe Lisboa, chegada no
Sultimo vapor, em muito boas barri-
cas : no largo do Corpo Sarto n. 15,
primeiro andar.
0 Bazar Victoria
Vende:
Lindas gravatas'de seda e de linho e se-
da, para senhoras e homes.
Lenros de linho corn listras.
Meias de algodao e la para senhoras
e homens.
Na rua do Barao da Victoria n. 2.


Mudou-se o tempo
JOAQUIM FERREIRA CAMPOS & C.
Rua 1 ,o de Margo n.o 21.
RECEBERAM AS SEGUINTES NOVIDADES:
Lencos de linho corn letra e barras
de c6res a 9$, a duzia.
Toalhas alcochoadas para rosto a 4$
a duzia. E' pechincha.
Meias de c6res superiores para h9-
memn, duzia 8$, '10 e 12$000. Sio lin-


das.
Metas superiores para senhoras, du-
zia 10$ e12$000. Admira !...
Brim branco qlcochoado superior a
35 e 35500 a vara. E' baratissimo. -
Coques frisados do ultimo gosto a
55000.
Cortes de linho bordado, a 125000.
Lifiho bordado, qpvado 500 rs.
Dito liso corn 4 palmos,covado 360 rs
Alpacas corn listras de seda, covado
500 rs.
Chitas chinezas para colchas, covado
500 rs.
Camisas brancas para menino, urna
28000.
Cambraia slisas de cores,metro 500rs
Algodao corn 5 palmos de largura,
vara 400 rs.
Toalhas felpudas, monstruosas, para
banho, a 28500.
Lindas-mariposas, brancas e de co-
res, a 360 e 400 rs, o covado.
Fil6 preto corn salpicos, vara-500 rs.
Brilhantina preta e de cores, cova-
do 500 rs.
Esguiao amrnarello, corn duas larguras,
vara 1 (20,.
Lindissimas mantas de setim para
home, a 15000 e (1200.
Casemiras de cores, finissirnas para
costumes., covado 35500.
Special flanella azul para paletot,
covado 3#000.
Damasco de la e seda, pelo diminu-
to prego de 3 000 o covado. "
Capas de berracha, prova d'agua e no-
vidade a 245000.
Cortes de casemira de cores, lindos
desenhos, a 5800 e 10.p00.
Camisas de linho piar home, o
que ha de superior, a 405000, 505000
e 605000 a duzia. .
Ditas bOrdadas, uma 65000.
Ditas. de bonitas cretores, a 308000 e
408000 a duzia.
Cambraia preta fina, vara 640 rs.
-Marailhas a brasileira, a 55500.
ROUPA FEITA
E' tMo bonito o sortimento deste ar-
tigo e por tdi.. arato..-prego, que sO
corn appesencio elegant cavalhei-
,okse podera mostrar a realidadk.
flt--- --- --- --" nf..-- U


I


'I


I,
B


B



i
B







i


possivel -de desacunhar, por vire : a FORMAS para assicar, pintadas e galvanisadas.
RODAS D'AGUAkSMes ebem acaba4as.
RODAS IRENT! s e qu*
lidades. -
TACHAS 1BAftlS e Tilind4b
ARAOS de todas as "'daIes.
MOINMIOS ptft mandioa.
SFORNMS para toinrar farina, e


Vinho de Bordeaux TODAS A OFEIUIAGENS precisaS a agriultura
a 45000' por duzia de meias p J .'ni
Sgarrafas corn capas de palha; u/--a. pr -. .
Caixas sortidas de vinhos fi- C vir l Mandan
n|os : 20000.! -- ..T EN COlMkDAS --Mandamn r da Europa qual
H. Li'debour, rua doCorn- ..-" 1-
merciQ n. 17, 1.o'andar. 7 quer maci ,n smo, response isando-.se p a sila
Me:*: o: boa qualdade.
Cimento portland CONCERTOS-Concertain qualer Miachinismo
Vendem Jos6 Joaquim Alves &C., d arua d6f a
Baflo da Victoria n. 69. e a inc tm oo "cner s
Boo. _e fazem contrato annual para tod os concertos
2t od e'genhos; para esse tm te@!a tabrica bern
Smon ad, cornm grande e born psoa, e dirioida

Pechinchas em liqul- PO1 .'engenheiros
davCo ISRA CO'C1O RlA E MESQUITE CACIDOZO,
Na loja das tre ports ha-nouco iepdo da Inglaterra.)
A rua do Crepo -n. 20 h r .. .,u.
Lindas lAzinhas de quadrinho, gostos GEO fi TA (o aisprauico ane'o cque aqui ha)
novos, a 320 rs.o covado: e pechincha. I.l ,' r i /
Grande porgodepopelinesde linhob, kua I Bir n .ns. 10. a 404.
bons gostos, pira 240 rs. o covado. a u ,_F 2 e z i" i
Bonitis batistes, todas sortidas, miu- -. Mp ouo ru d o Ao pol y" 2 9 e2R
dinhas, 240 rs. o covado.
Etoayles de cOres, ultimos gostos, a A PI-4
440 rs. at covado : aproveitem.
LUzinhas escocezas, padres escuros,
Para 160O ri. e covado. A 'P
Ricos cOrtes de linho pardo, liso e Na lojad'America. rua do abugan. 0
bordado, aberto, 9$ urn. MENDES & C., LIQUIDAM AS SEGUINTES FAZENDAS POR PRE*Ol
Chitas escuras e claras, para 200 e BARATISSIMOS
240 rs. o covado. A tt n i
Lindissimas mariposas, brancas e de
cores, lisas, de flores, achamalotadas e Popelinas de seda, fazenda de 28 a 15200 para acabar.
arrendadas, para 320, 360, 400, 500 e Ditas d'uma s6 cor imitagao de g6rgurdo a 15600.
600 rs. o covado. Grosdenaples e gorgurao pireto de seda, pregos sem competencia.
Bramante de algodao, 4 larguras, Setim macio, todas as c6res.
para 1$400 e 18600. VWos e mantilhas de fil6 preto de soda, prepos rezumidos.
Dito de linho, corn 10 e 11 palmhnos, Fil6 de seda preto, branco e de linho corn salpicos e liso.
para 28 e 25500 a vara. Bombazinas, merin6s, alpacas, canto, prince ta e 1a lisa para vostidos, etc.,
Fazendas do ultimo gosto, novas etc. .
Jaines lisos,i -uma s6 c6r, proprios Alpacas de c6res pirayestios, ipaagnifico sortimento.
para vestidos, a 800 Ps. o covado. Baptistas miidinhas, finas, lindos padres e c6res fixas a' 240 rs.
Gorgordes de 1A, as mais lindas c6res, Mariposas brancas e de c6res, cretones e chitas, born sortimento para todo,
para 900 rs. o covado. os preos.
As mais lindas popelines de seda pu- Q1 brancas a 25000, e pechincha, aproveitem.
ra por 1$800 o covado. Peeadores de casas lisa bordados a 45500, 6 barato.
Os mais moderns gostos em lis es- Puihos e collarinhos para senhoras, enfeitados de reada, e novidade.
curas, fingindo quadmos, 800 rs. o co- Vos de fll6 para chapeos corn salpicos dourados e prateados.
vado. Gravatas para senhoras e para homes, esplendido sortimento.
*Elegante sortimento de gravatas e Meias de c6res e lbrancas para senhoias, homes e meninos.'
mantas para senhoras, e muitos artigos Lengos de linho em caixinhas de phantazia, duzia 45000.
de phanftasia, que vendemos muito ba- Cafnisas de media differentee qualidades e precos.
rato. Cambraia adamascada para cortinados, e cortinados bordados.
. Loja das 3 portas, antiga do Tap6tes' de todos os tamanhos. .
Guflherme Secilias, bretanhas, esguiao de linho e bramante de 4 larguras.
S-a Casemiras pretas 6 de c6res em peas e cortes.
Panno preto e azul 6speclalidade para 75 .e 85000.
Colchat brancas e de cOres e cobertores de Ii.
"- ^ ""ales a 'rainha Victoria"
Ricos whales, mantas superioridade em tecido e cOres, nunca vistos a 12$
Pechinchal eem tdlllsa Espartilips i Princeza Regente, sdo lindos.
SCamisas brancas, corn collarinho, a Granadina preta de soda de listras e quadrinhos.
2( a duzia, uma 15800. Chapdos de sol, seda trangada*e eastOes de phantazia.
Ditas de cretone, o que ha de melhor, Gainhos para bomens, superior qualidade a 75500.
a 305 a duzia. uma 2500. l es pretos bordados, lisos e de cores sortimento complete.
Ditas francezas, brancas, as mais ole. s pretos, bordados, lisos e de c6res, sortimento complete.
gantes em punhos e collarinhos,.diver- *' isa. branca e de cores o melhor sortimento possivel.
sos gostos, de 505 a 605 a duzia. storess escuros de la a 14800,,e pechincha.
Grande sortimento tambem de pu- -. brancos a 15000 urn. *
nho ,col'inhs.,dl.
nose collarinhos. d d esguiao, finos, a '25000 a duzia, e pechincha sem igual. .,
0mesmo em meias e ceroulas, de S i1t l'nnild
menor ated o maiior preco, bem coma lu 1U1W C
mantas e gravatas. Fichuis deia eseda, recebidos hontem, e o q~e de mais gosto se pode d .
Antiga loja do (luilherme, rua. sejar, e vendernos l&r commode preco
do. ,>epo n. 20 NA LOJA D'AMERICA A' RUA DO ... .10.
V ~ t t l n -.. '. .. .. .. .... -. .. ..-...- -
-,m ,,,t -o= [, Essencia concentrada de salsaparrilha e carobar
Uns imporntantesaS h t ,Plezes,
ido _rnolrno corn ta- nipos- de afaa- PREPARADA POR


drados e triangulares para at rde'ca- RARTIOLOMEU & .
sa, corn os appovlbhos rateades, gosto LR7 10 LOMEU &Ca
modern, na travessa do Marquez do PiEMDCE c'A.,SA REAL DE SM. F. EL-REI DE PORTUGAL
Recife n.o 12-A, casa-do machinist de o PREMIADS EM DIVERSAS XPO$IdOES.
gaz, Luiz Moreira & C. Para cura de lodas as inolestias que tam sua origem na impureza do
az, Lu ri angue, como-sejam aq molestias syphiliticas, botibaticas e ascrofulas, rheuma-
Lage .iso emdLbaa, dadrtos, tys, ulceras, erup oes etc. etc.
Ert pequenas-e guides porgses: vndep L'DEPOSITOGERAL-MSUA-PHARMACIADR6GARA -
na'sabuaria do Re-fe. -, --'34--Ra Larga do Roeario--4
a-ramisaws IitjlOTaS IPERNAMBUCO. ________
Lam u 0.ii zas o ..-.
a ,.-30 a<, nfraNOa aw.o LibraNest#linas Alta novldade'
rif aDaque de Caxias n 47. v
--,,-ih--- '.. i "" e ten e -Itiibra. (S|terlfnas na tua do Ad coeza pad. es
> 'topt, 'i a Sdisqp isnd s
f...D'" .mnh c -: !. S,..' -.- 5 ..,I.-,
44.


Pecas de cambra'a. Vict"* final, a
38 a peca. "
MadapolIo francez infestade,. a 5't a
peea.
Brim pardo trangado, a 400 rs.. e a -
vado.
Chitas escuras, a 240, 280 320 rh:
o covado.
Chales de casemira grega, padr6es
.pe.t6ebes.a 2S urn.
Ustora preta, fila, a lIQ'
vado.
Camisa s bordadas, YfOMl9 -.
Organdis bordadb co ,a
rs. o covado. '
Peca de algodao a 30 e "
Pega de carnbraia tran, fif,
a3500 e 48.
FMlores de cores, de lIPa, p.-
drOes ultimamente chegadu ltw rd.
o covado. I.."
Chita escarlatb, propria v-
djs e polonezas; a 320 rs..
'Alpaca preta, fina, .a "OIL
va4. = i.
Merino trangado, corn
largura, proprio para roupt.l
e de senhoras, a 258500 o usi
Setim Macao de todas II'
18500 o covado-. 1- .
Toalbas ac6lchadas a |4
Meias para meninos e
3S a 48 a duzia. -<.. *
Ditas de cores para ho
'duzia, e outros muitos ar
rato preco, vende-se em gr
taWlho a .
RUA DO QUEIMADOSA 1 .
Armazem e loja de o a I &
Fernandes
Binoculos .
de madreperola, marfim, tartarici,;
metal : veodemin Amnaral, Nbnuc ..,
rut do Barfio Victoria n. 2.. _
apellas morl,
Amaral, Nabuco &.
timento de elegantes capeil .n"bioms,
brancas e pretas, corn as segmaite -
cripgoes :
A meu pai A meu filho
A' minha mAi A' minha filha
A meu esposo Sau4q4es
A' minha esposa Le -
.UmaJagrinrt. C,
Vendemna rua do Bardoda Victoria n, i.
Folar de cores
a 500 rs. o covado
Rua do Queimado n. 43
Rival dos barateiros
Folar de la e seda, corn listras e la-
vores, padres 'novos, uso gctualmente
em Paris, pelo modico prego de 5W
rs. o covado ; venham ver ou mandem
buscar as amostras, mediante .qualquor
penhor: s6 haino 43 da rua do Qdei-
mado.


Vestidos bordados '
a 100, 12a e144
S"America, t rua do Cabugi n. 40;
so, veWnde por este prego,
Potassa da Russia
A mais nova do mercado, em barrios -
quenos : vendem Domingos Crux & C,, na tI4.-
vessa da Madre de Deus n. 1.
Attend 'i.o
Vende-se uma important mnachia
para cortarbolacha, em perfeito estadA,
corn todos os jogos de cortadeiras. a tio-
tar na rua Imperial n. 208 ou no pates
da Santa Cruz n. 1.
Vende-se a barcaga Flior dos Car-
neiros, que carrega atd 200 sacce
corn assucar, pinta'da e calafetada de
novo: quern a pretender,, dirija- e a
rua do Marquez de Olinda n. 50.
Vende-se urn casal de escravos, 5)WBM
robustos, para engenho, bern m mo um puui
cozinheiro e copeiro, uma pada periam4-
gomminadeira e cost.ureira, assim comno ouii
escravas que serao presents adM compr.ft.
res : na rua de Pedro Affonso I. 59, tera*@
andar.

Nazukes a 280 ri" "
vado.',

Receberam Almeida & Cam.' f
mais lindos 'nazukes para vestido,,6e'.
gantes padres e as mais modern
cores, para 280 rdis; d pechincha. ''
Rua do Crespo n. 20.
Almeida & Camp4l

Correias para mach j
Foges americauos para lenha e ,r-
vao.
Grades para a lavoura.
Ma hines. ra descarocaix algodo.. 0.
Machinal apor de forca de l!I 3
Se 4cavallos. d .
Vendem-e na rua do Marque4 ..
Olinda n. 14. .
I ,3W. oe
**^^ fr-^ ^^aA
.** M H i S g 'ja~i ..... ..... ...


~4



I

.1


- I
'6.1


'I, '.~


,FP-


3e qtq!arm.8s, ,propna.pp" vetuios,
teo de lodas as'cores,,quese Bvendeuo
a 360. e 400 rs. o covado ; assim come
um bonito sortimento de mariposas,
das mais finas e lindas que tern vindo
ao mercado, a 400 rs. o covado ; isto 6
rua Duque de Caxias n. 55, loja de Pe-
reira da Silva & C.
VENDE SE a taverna estabeieci-
da no quarto n. 1 da ribeira da B6a,
Vista, a qual e boa acquisigo por de-
pender de peqneno capital, ser muito
afreguezada e em lugar de muitacon-.
currencia: a tratar no largo da Alfaa-
dega n.e2.
. .. .., "o-" '' o 'j.
..'iiA
















eios, po
tudos

Nio ol


nor-
;,.d
::ei,
rlp.


q uese` ar na nossa se cenutnuar
i .mareha. "S
0 Moo sto no e6 o Imperador, por-
q o perador nao e s6 o Sr. D.
*ar K^ltj ei 6 elle e todo3 os que
a fc. emr; o monstro, a deformir I
dade, Apprincipio que constitute unma
Varte das sciencias naturaes, queoseote1F
iie tera-ogia-tratado das mons-
S"a natraes, ueemw i
ffp, rque os series muitas
uses w 41 ici y ati de organisaQao, per
iaN ifl ia adquirem deformida-
d4 &taoelo sujeitos a uma clas- ,
siticacao sientifica.l
O orador declara que tern apreudido ,
Sdo Sr. president a combater a dege-
neraAiio do system, os vicios do gover-
as, o; abusos de umn systemrna que se o
qr dizdr livre, mas que em verdade '
4 ftaduz a tyrannia. A responsabili-
Waie nao 6 de uinm s5 individuo, e de (
todos; para aquelles que, comnio o ora- p
dor e o Sr. president da camera, tra-;
iMlham :para que as cousas marelem "
reularnmirte, estes vicios constituemn
uma monittiosidade; e e precise que,
la;.vldel'ia opinito public nas ur.
nas, a mlacao cmrte estes males, ampu-
te estes mibros gangrenados, para
Wae o systeiia constitutional march
fvre e desassombrado: naio ha pois
iqui idda da mo:-O do Sr. D. Pedro
fL._..,
Se porem, exclam',na o rador, a vida
de Suna Mlagestade fosse incompativel
corn a liberdade do men patz, comrno
bemn public, ei diria sem hesitar--
pois bean,- que desappareca Sua Ma-
stBdev 'que viva a minha patria; e
i mdentro ou la f6ra hia um s5 ho-
aiem q|e seja capaz de affirmnar o con-
Jtaulo e digo que elle chegou a ulti-
uaa de&madacao humnana e nao merece
ser o i*^t11+ -.1 +
Dadas estas'expiica6e.;, o orador en-
tra a matemria, sentindo que o nobre
fucpie de Gaxias nio tivesse satisfeito
completamnente A explicagdes que pe-
4bo, porquanto niao disse quantos ani-
rnaes comprou, quLanto despeledcu,
quantos morreranm e quantos restain
ao Estado; os balancos sdo incomple-
tos, so umrn verdadeiro mysterio, sao
41tos para enganar o parlamento e naio
para esclarecel-o.
Quauto As prornoces o nobre Duque
,squeceu-se que so tratava de promo-
,tio p6r merecirnento, e que restava
provar'o meito dp promrnovido: nds ha
comparacao entire o merecimeuto (lde
urm official, que fez a campanha de
,,airico amios, sempre elouiado e o da-
quelle que fic na capital debaixo do
coberta enxta, eom o afago da fami-
lia; e quo em urea guerra anterior,
chegando ao sea regirmento que mar-
chava para o c6mbate, pede passage
parda um regimnento da corte; ndo ha
jttstica em tal promocao; para esta
nao basta o merecimento, 6 necessa-
rio que o of-icial tambem tenha hon-
rabilidade; e debaixo deste ponto de(
vista nao quer ser mais explicit ; pede
ao Sr. miinistro quc examine corn riprf
o procedimento de alguns quo promo-
veu, c est;i certo que ficart envergo-
tmhado de havel-o feito, porque o ora-
dor esta convencido que S. Exc. o igno-
ra.
A, lei estabelece o premio de o400$ aos


itraO6t poaijse 6stab 'ee pieorn
wa m rifciio,? 0 up e mP !per
ae dante do am, honmem e' egeni
serm instrueao e--que maravilha nao
;eri elle se tivesse auma oulturma igual
i grandeza do seu espirito ? E a corm-
paraiao vflgar entire o brilhtate brato
e o lapidado, o Qpimeiro 6 o carbon
purocrystalisado, ras acompanitado do
eascalhaI; dep6is de lapidado, refrange
os raios do sol e ple, se tor de bom
tamanho, offuse'ar a vista dequemr o
Itar.
'A cultura do eppirito 6 sempre pro-
veitosa, pouNca mle, 0r que nenhUNma
e a maxima 6 m llor qu a media: e na
profissAo milttar ideve isto ser exigido
nais que nenhuma. Nao ejnvem que
se faca da militia Umia profissio para o
soldado; para o official p6de seb-o. 0
soldado sahe do povo e deve ao povo
voltar depois de servir a patria para ter
as nog5es da lh.dustria, do eommercio.
Naio podemos. quBrer a antiga organi-
sagdo da Russia em quo o-soldado nas-
ee no regirmento e no egfmento more.
A eduacagio do soldado deve ser pro-
porcional aos deveres; a do official de-
ve ser comp4eta; o quadro dseste deve
ser exrenso, porque 6 confiando na sua
pericia que as na6es atiram sens
contingents nesses moldes formida-
veis que se chamaio exercitos.
0 soldado deve I)ater-se nao porque
o commandant o manda, porque tern
atraz de si a chibata, mas polo senti-
mento do dever, porque conhece que
serve a patria e a honra national.
Admittir que so libertem por dinhei-
ro os que se dedico ao estudo da me-
dicina e de direito, 6 abdicar e des-
truir no exercito as poderosas faculda-
des que pode encontrar para o corm-
mantio das suas fileiras nos dias de pe-
rigo. Este systema ternmainda outro in-
convenienite: ninguetn quer estar ins-
cripto no quadro fatal que depen'de da
sorte. So a obrigaao fosse para todos,
o pobre estaria satisfeilo por ver a sen
lado o rico e este nao ficaria descon-
tente, porque a j)sti3, eAbora desa-
grade no moment; mais tarde satisfaz
a consciencia; mas este systemrna de
desigualdade irrita o pobre contra o go-
verno; aquelles que tern alguma cousa
emprnregarm. osiproprios recursos, outr'os
formamrn grandes associates para corn-
prar a dispensa do nobre servigo das
armas ; estendendo o principio, diz que
se us pobres tambemn recorrem as asso-
ciacoes a consequencia seri que tere-
mos necessidade de estrangeiros enga-
jados pelas associaVoes, entregando a
defeza da patria a mdos mercenarias.
Respondendo "a um apart do Sr Car-
los Luz, diz que os soldados veteranos
re-engajados e tre-engaj lis rao. ai
e os francezes nao os querem mais se-
neo por tempo muito limitado. Pode-se
re-engajar certos homes que mostrarn
aptidao para officiaes inferiores que siao
o ponto de contacto'entre o soldado 6 o
official; a maior parte dos veterans
habituados par 20 ou 30annos am vida
de tarimba co'mpoe-se de 6brios ; por
esta razao charna a attenco do nobre
duque para a proporcionalidade de teon-
po. 0 re-engajamento pode ser urna
media boa em certa proporcao, mas
estende-la a engajados, re-engajados e
tre-engajados 6 media que p6de ser fa-
nesta.
Alludindo ao discurso do nobre de-


voluntaries e de 500$ aos engajados, putado pelo Rio de Janeiro, (o Sr. Du-
esta phrase parece irregular; os volun- que-Estrada Teixeira) diz que desculpa
trios so engajados, portanto os enga- S. Exc. de ter chaniado de anecdotes
jados desta lei devern ser re-engaja- factos que o orador referio, porque des-
dos. cobrio a intendo de S. Exc., que tinha
JA de-laroau que era adverse 4 isen- d'ianfeode si urn problema insoluvel,
cu. por dinheiro, que estabelece privi- que era mostrar o muito que tinha feito
leio para o rico. 0 direito de servir a o ministerio de 25 de jynho, que em
patia e um grande direito de que a dous annos nada fez ; Exc. queria
mocidade deve ser ciosa e nao deve ab- fugir da questAo para em vez da apolo-


FOLHETIM

OS FILHOS DO MONFI
POR
FERNANDEZ Y GONZALEZ
VOLUME I
PRIMEIRA PARTE
OS AMORES DE YAYE
CAPITULO XIV


kMi QUE SE SABE PORQUE DIXA.RA.A SUA
0 CAPIT.O ESTROPEADO
(ContintuaeIo do n. 231)


CASA


-. e 6 1 Witfeliz da Pre tua rebVlde
0-4? vta a cornpam~6ia, do cap~ib
eliz da trib 4 dosdorto
unha ao seu passed. As ca-;
,* endiadas, os 'horeens
is as mulheres captivas, e se
cacique se concedia a. vidai
i troco de immensas qmantias*
lesouros que atravessavarnm os ma-
mi4- tegavain a Hespanha, e viaham
seaultar-se no teu subterraneo das Al-
Stpujarras. Nio me podes negar, Yuzuf
qte' te servi beam, que me deves muito,
e fue tenho direito a que me pro-
: ns.
Ora bern, quando foi que te ne-
gaei a minha protecgio'.?
S -:- Nunca, 6 verdade ;. mas agora I
pmweao 'ella novar mente, e parece-meo,
qiu vai se r difficil obte-la. '
.;. -1 P ede. "*
S -Autes de formular a minha pe-
: -lnecessario q ue pr aminiha


corn a mrninha companhia na fronteira
e bemn depressao nosso conhecimentose
tornou em amizade. Frequentava asua
casa, comia ordinariamente a sua -mesa,
e era recebido por elle nos aposentos
mais particulares, nos aposentos onde
n~ao entravam seaio as pessoas do seu
ser vio.
N'um d'estes aposentos lhavia um
gabinete, onde o duque passava a
maior parte do tempo. Nas paredes
nao 'havia mais de que urn quadro,
mas esse quadro,. encerrado n'unma
Smoldura magnifica, estava coberto por
umn panno preto. I-
Esta singularimdade despertou extraor-
1dinariamente a minha attencao. Afi-
Snal, urn dia, ser rei e2s era. 4
nao in4iscreto, vencil dasminha cu-
riosid*de, perguntei ao duque azo
Sporque estava tdo tristernaente [ado
aquelle quadro.
Os olhos do duque enceheram-sede
Stlrinfs 1**'
- Olhai, disse-me, e comprehendei
a iazao do meu luto'e da tristeza quo
me devora.
E levantando-se, correu a tela-e dei-
xou-me ver o reLrato d'uma dama quo
teria uns dezeseis annos, tao formosa
que nao pude deixar de me senior -na-
morado.
0 duqua accrescentou enta.
-Esta era D. .Ignez, Minia filha
u ica.
SComo extremamente -. ne interessara
aquele retrato; exclamei corn seniiti-
mento : '-
St-ep :re ,
-.$. Si dw ler rmorrido, etorquio
o 4tuue. Os ilolatras raptaran-n'a
h^Ima*t1 snnos 'nrSum surproza.' Foi


dou o. nobreami u l& paa em p
ordem do dia re hander um ceta
do corpo e ilandar restabelecer urma
muicai no regimiento.
S. Exe. o fiscal supremo da admi-
nistralo da guerra e se da o exemplo
da violIao da lei, irrita os seas su-
balternos e crea o despotismo no exer-
cito.
RIfere que no dia 7 de setembro os
Offieines do 3.o batalho e aos do 5., re-
gimaento determirna-sw festejar
diauttnuminando os seus quarters s dae
um bile em gala, com.rn uma sociedade
partiei para o qual fornecia a mu-
sic .,'roginoento; o general Pedra,
co.mrandtn 4i a fronteira do Jaguarao,
estava de ie ordo. por6m um seu ami.
go, que foi julgsad> incapaz de assistir
aQ baile, foi, pela directoria, elirminado
da lista dos cbnvidados.
0 general mandou o seu ajudante
exigir -urn convite, que, diante da exi-
gencia, foi negado; realisou entdo S.
Exc. a ameaca, declarando que nao
compareceria no baile e naio consente-
rta que nelle tocassem as bandas mili-
tares, determinando que esfas tocariam
em frente aos seus quarters, recolhen-
do-se a noras que as impossibilitassem
de figurar no bailey.
Esta decisdo 6 exorbitinte, porque a
music nao 6 creada por lei, 6. tolerada
pelo governor, 0s officials compram os
instruments e asustentam d sua cus-
ta; o commandante, pois, dissQlveu a
music e dissolvida ficou momentanea-
mente.
0 general entao apresentou- ao epnm-
mandante do corpo uma series de quesi-
tos, para saber por que motive a tinha
dissolvido, quem a pagava, etc. O bri-
gadeiro commandant do regiment
nao responded, por. nao .esemosq"esi-
tos (da comnpetencia do general ; este
levou o n.gocio ao conhecimeno do,
nobre duque, que responded :-respon-
da o coroner e ordene que* restabele-
Qa a music. 0 governor naaop6de timar
um r'eal a ninguem ; e fazel-o pela vito-
lencia, chama-se no codigo criminal-
roubo.:

Restabeleceu-se a nmsica, lper"e
ninguemn quer jogar as p6ras corn seu
patlro. 0 nobre minWsiro nao podia
autorisar semelhante procediiento,
como o fez corn a sua ordem dea%6 ca
e illegal, mandando restabeleer-aimu-
u6ae a telei neo peamitte, 6brigando
os ofieiaes a um sacrificio peciumrino,
pois por 6$ ou 7$ por mez ellesm4o se
arriscariam a ir.para Mato-Groso, Q.u
para o Alto do Amazonas.; elles se re-
signaramn, mas nein por isso se consti-
tue o acto do nobre ministry, o que a
lei nao quer, em principio legal ede-
pois o voluntario que se alista 6 para
servir a patria e nao para tocar piston;
aprender music 6 urn acto voluntario
o depend de aptidAo.
Se houve acinte, comfo d(liz o nobre
minfibstro, partio da incapacidade do ge-
neral, a quern S. Exc. entregou aquella
fronteira. 0 nobre ministry podia dar
satisfacao ao comrpandante, mas nao
tinha direito, de decretar uma contri-
buicao per parte dos offieiaes. Nao se
admire que o aabuso se praticasse ; ad-
mira-se, pordm, que unia camera Com-
posta quasi exciusivamente de jatiscon.
suites, applauda media tao viblenta;
isto mostra ate que ponta tern chegado
o respeito pela lei.
Nao quer fatigar a camera, senao le-
ria as reclamacoes desse general, em


do tornar a fdllar mais sobre aquelle
assumpto.
Mas d'aquelle dia em diante, um
project audacioso em que influia tanto
o sentiment que D. Ignez de Carde-
nas n me inspirara, como a amnbigto de
chegar a ser rico .e poderoso por meio
d'um servio prestado ao duque, im-
pelllo-me a tenter uma i.mpreza difficil,
arriscada, na qual s .%o pHm fcontar
probabilidades de morite 'cem por
urea "de triumph.
SConsistia o menu project em pene-
trar n'aquelles desertbs et'iga4s de
montanhas ; n'aquellos internlenms
enpoes de area, irquelles ma-do
veilora e flores, cbariados, pratt
ekquellas selvas bravi., crue@ |
cormia sua sombra centenares
gaas; procurar n'aquella iume MA
o eu rei, o terrivei Calpia, eP.D
Igisz vivesseb arre:,; .,Era .e s- in
projeeto que em nso da sa graand-
za lisongiava o meutorgulho, e par,
cuja realisap-o s6 coatava corn o indo-
mavel valor dos cem monfles que for-
rnavamrn a minha companhia de arca-
buzeiros.
Urn dia, ao amanhecer, sem avisar
ninguem, sem pedir icen(a ao fron-
teiro, serm dizer a miriha gene aqade.
a conduzia, passed corn 'ella a frontira
e embrenhei-me no desert.
Todos os dias, r.e impediam o qami-
nho immensos Bandos de mextanos
armados.
Atacavam-nos, e cada combat, e
se empenhav&aerapara n6s um-triuiok
facil, a quepq.comnduziam. aaos


S.e taaxe, siAlcios tWm
ExeOpism a a po-
cupa, po rue na guerra os
rnquistara o triumgpho ep0
eiemn as recompensas ia
gte *tluem ignora que tembrn ha-
vido beaem que o general lia
so soldados sdo vceores;
4iq lo cita o general VilLeroy
h lr as breves" considerac6es
w tiahba A fvr.sobre oart.2o; pede,
alit 're-duque 'he
ma r sobre umrn contrato que
ole -ftza |arzam ofornecimnento de
arreios para o exercitbo, quando no ar-
senal do Porto-Alegro ha arretos para
mais, de doze annos, chegando MesMo
Se nao htavia necessidade;
e W .-que entraram pra o arq
nal 'PorAlegre arreios j; an
mente rdcusados Dor niIo ela e


prm ia1 1 tqOue .jao siper'
serrpi6 6 ca Compram-so arTeif
como se compraram os cavallos, estes
para morrer de fome no Saican, aquellesi
para serem destruidos no arsenal pelos
vermes.
Neste andar nao ha dinheiro que che-
gue e o paiz chegar a insolvabilidade.
Anti-armente, por 1lew iniquias, o doeve-
dor msolvavel ficava -escravo do seu
eredor.- Tem'os visto casos de occupa-
ao military -de conquista estrangeira,
para que uma nagdo pague a outra o
que Ihe deve ; o orador record a inva-
sAo do Mexico e conclue diziendo : o
que 6 ce6rto 6 a miseria public, 6 a
violcao de todas as leis, a descrenpa
no principio da autoridade e o abalo
social, a desordem, a revoluedo; o e6
isto que os que se intitulam conserva-
dores querem produzir porque nada sa-
bemrn conservar.
0 Sr. Duque de Caxias (presi-
derite do conselho) agradece ao Sr. de-
putado pelo Rio-Grande do Sul,. que
acabou de occupar a trib4na, a manei-
ra attenciosa por que o tratou, apezar
de Ihe fazer algumas accucsaoes que
nio merecia.
STeve razAo no seu.rTeparo de nao ter
dito qual o numero do cavallos que
cornprou, e qual o que hAtvia sido com-
prado durante a administragdo do seu
antecessor. Passira-lhe da idda satis-
fazer neste ponto o desejo do Sr. de-
putado. Comprou 20,500 cavallos e o
seu antecessor compnraira 9,00X)0.
0 preco fui de 45$9,4endo a ultima
compra sido feita A razdo de 470400.
Ve-se, portanto, que nao excedeu o pre-
go do costume. Comprou ainda 3,000
mulas a 70$000. Nao foi intencional-
mente, como disse, que deixou de fazer
estas declarag6es.
Fatlou S. Exc. de uma compra de
arreios. Como no anno passado bavia
receios de movimentos na fronteira,
julgou que devia prevenir-se. paio s6
c mprando cavallos para os ter d e re-
s rva, como augmentando o numrnero de
arreios, que neste caso seria-n precisos,
n que mandou ouvir o director do ar-
se nal de guerra de Porto-Akegre, auto-
ri. ando a compra segundo as informa-
gtes daquelle funccionario.
Va,esponder ainda a uma pergunta
d, Sr. deputado, que desejou saber se
os soldados voluntaries ou nao volun-
ta lios sao obrigados a ser musicos.
0 sotdado assenta praga e nao e obri-
gado a ser in music em nenhuma das ar-
mas. Sio elles que pedemi e instam
porque teem mais vencmentos e o ser-
vico Ihes 6 mais commodo.
reodos os corpos de infantaria teem
mnsica, tend os de cavallaria e arti-
ltharia apenas cornetas e clarins, a que
Schamam tambem music.
Os olliciaes de alguns corpos,. por
sua livre vontade, corn o fi n de se di-
vertirem, concorrem para relhorar a
music, o que sempre tern silo tolera-
do, tendon melhoros musicas os corpos


voe, a quem concediamos- a vida para
q te noi.c-donduzissemrl as riqluezas que
arrebatavamnos aos vencidos,caminha-
vain no meio de n6s vergando sob o
peso do ouro e das pedras preciosas.
Os bosques erarnm incenliados por
n6os o piecediam-nos como q ie um re-
demnoinho de fogo ; do mei(i d'aquelle
circulo inflatamado sahiam os indios
coin-a raiva do desespero e a ataca-
vam-nos cheios de s6de de vingan,;a
Apagavamos corn o sea sangue os
troncosibrasados, e continuavarnos o
eamrninho corn uma temrnpestide, ebrios
deoriqueza-e (de sang'ie,
Tiuhamos jA atravessado as praderas
imrniensas, profundas e ruidosas tov-
rentes,.selvas que s6 haviainmos pido
torna r aceessiveis por rmeio dQ I,
e depois de atravegar tima barreira
formada de mrontanllas: utitianos pe-
netrado n'urna extensa confaeca ex-
tremarn6nete fertile ,e deleitasa ; descen-
do polas montanhas ,itnos imrnmensa'3
povoacge, em meio de ferteis veigas.
e To u+pOnt. o antigos monu-
ment os0lonava.n star aquel-
Pa!co l'va& v muitos
k a i do s., :' ...... '0
Era u'a provincial o deseoberta
iada pelos hespanh porque nin-
guem se atrevera ainda- peaetrar onde
n6s penetravamos.
EIr-E mo'io d'aquella cornmarca extensa,
sore a planicie enfeikda corn. o sea
verddr, as suas corites e arvoves4
descohrimos umrn objeto queo nos fez
-soltr tii grit de jngasa,-Ia alegria
I iSt~fc- ontanhai qutl reluxia- aos
raios do..sot d'um iodo deslimbramute.
Era a 4 pot certo a famnosa "mota-.
nha tno.t-ae-mtant ambiciosOs Ie-


o V o* cqonfada.it, -a frontdr
ordenado que-.4tnmm ea nicni os lf
,o-nm bailey, -carommandAidie
imento, flor acpteahi mandou "p,--
&f. Tendo +b general representao, p&4
rowndo-lhe que aquelloacto oa unm
ao e de um rnubordinad a sea chefe,
ent~ndeu dev<'t dar a est' t forga mo-
r$ Sobre disciplina niftar cada urm
tem o sea moo4o de persar, e talvez que
o seu n0o seja o meihor.
SOSr. DuqU-Estrada Teixeira
felicita-se eo cm"csr apelas eoticages
corn que-o Sr. I#utadopu oio-Gan-
tde do S comrnegou hoje o seu discar-
'0, e espera quoeS. fExe. naopntestar4
que procedeu selm inteniaob euiando-se
poelo. uouvto e ta nas palavras do
sui o 'f Ntra 'em novas
piil!l e -pr4 sbiuirw dizend,


I
r


onrica e nas Iicoes dos povos cultos, foi
que se nao p6de exigir um curso com-
pleto deo todas as materials quo consti-
tuom a arte e a sciencia military para a
tiomeanao ou acclaiagiao de um gene-
ral. Sustentar a opinion que lirmou
ndo 6 mais do que acompanhar o modo
de pensar senrsat e apoiado no exiem-
plo dos povos cultos e nas li6oes da
historic. Isto 6e, pordem, bern divers
do que advogar a causa da ignorancia
das classes militares, como interpretou
aquelleSr. deputado.
Quein louvou,o governor do-seu par-
tido por ter melhorado as condigaes do
exercito, quern apresentou como umr
dos seus titulos de gloria A gratidao na-
cional o regulamento de 1874, certa-
mente tornou bern patent que advoga,
nio a causa da ignorancia, mas da in-
telligencia da instituigdo military.
Isto 6, pordm, bemrn divers do que
sustentar que se nao p6de ser general
sem se possuirem bastantes conheci-
rnentos scientificos, o que nao e consa-
grado nem pelas lilies da historic, nern
pela experiencia do rmundo, nem [.elo
exemplo dos povos cultos.
Cita para exemplo o dito favorite da
Franca. 0 soldado francez leva na pa-
trona o bastdo de marechal. Istoquer
dizer que corn a organisagdo democra-
tica, corn homenagem rendida a capa-
cidade natural dos heroics servidores
de umpaiz 6 franca a carreira a todos.
Conforme o seu merit, os seus actos
do bravura e as provas de capacidade
manifestadas nos campos de batalha,
p6de elle subir todos os graos da escala
social, passando da espingarda a em-
punhar o bastIo do commando su-
premo.
Provada a injustiga da interprtetagdo
do Sr. deputado pelo Rio-Grande, passa
a occupar-se de outras proposig6es que
nao foramn mais fundadas.
Poderia dispensar-se de fazer algu-
mas consideracoes sobre a lei de 1873,
porque 6 fallar contra o vencido. Nio
p6de, todavia, .ximir-se 4 defeza de
uma lei quoe foi um verdadeiro bene-
ficio.
Nota a divecrgencia de opiniao que
tern a seu respeito o Sr. deputado pelo
Rio-Grandee oa Sr. deputado pela Bahia,
ex-ministro do 3 de agosto. Desenvol-
vendo esteo ponto, record as discusses
que teem dado lugar As. leis de cons-
cripgao, lembrando os discursos elo-
quentissimos proferidos pelo Ominente
eladista Adolpho Thiers, quando em
1850, no parlarnento republican 'da
Franca, se tratou da questao do resgate.
Estranha profunaamente que o Sr. de-
putado pelo Rio-Grande ousasse corm-
bater a idea (1o reengajamento, ditendo
que elle'dariaoccasiao a que o exercito
se compuzesse de maros soldados.
Thiers, fulminando entaio as doutri-
nas exageradas dos. ultra-democratas,
fundou-se exactamente na razao oppos-
ta 4 que produzio o- nobre deputaado.


balde o rei d'aquelle.novo imperio, que
nao se pod6ra livrar de n6s corn as
suas triplices barreiras de areas, bos-
ques e montanhas, debalde reunio em
voltade si os mais fortes, os mais va-
lentes dos seus para nos sahir ao en-
contro.
Mais d'uma vez o rei do desert,
Calpuc, se vira obrigado a retirar-se
corn enormes perdas para a montanha
dourada, que vinha ser para os mon-
lies urn pen(dao de enlouquecer que Ihes
triplicava as forgas eo 6 valor e lIhes fa-
zia praticar faganhas incriveis de mnara-
vilhosas que eram.
Nem urn s6 dos meus.morrera ainda.
Intimidados os mexicauos pela valen
tia hespanhola, cediam-nos sempre o
campo as prineiras desoatrgas be,mos-
queteria, e as suas settas envefenadas
ernbotavam-se nos meios corpos d'ar-
rias de que a minha gene ia pro-
vida.
Atinal Caipac vio-se ob)rigado a en-
cerrar-se na povoagio qu4# Ihe servia
de c6rte. '

Eita era pequerla, mas de boa appa-
raneia. Defendia-a uma parede de ped ra
comnseteiras, O;Aima 4'aquella especie
de mim via;se uhicaramente erguer-se a
pasa'* l e o temple em f6rma de py-
ramide'sobre cuja part superior, se-
gaindo o horrivel costume dos mexi-
panos, so. via cravados em postes uma
orrivel fileira de cranes h uiano.
Mas aldin, ao poente da cidade, a umas
quatro leguas de.ditancia, avistava-se
a monttaha dourada,'q longe-as ex,
tennis campinas e as has azuladas
doriie qo a""n t:d-a
.Poa dizer-.e que aterrada toda a
poy +ikb .....comma se refu.g n


Baseando-se sa opini .# %
P'as consideraoes que addoz, ptomll
demonstrar a conventencia de q "te o,
soldado', tervinando o sea teomp. de
servigo aos 25 annos, sg a.oerve io
exercito ate os 35.
Figurou o Sr. deputadoeWiwi res-
ponde uma hypothesp g ta e at6
inj uriosa para o nosso exe 4gizendo
que os quarteis eas tanimb teenvos
seus vicious, imrnagilhando lopo,- Ooldado
bebado. A hypothese 4a lei 6 bern
divers. -E' rengajaro bont soldado,
E nifo ha motivo, nerm de ordem tioli-
tica nerm de ordem particular, que leave
a repellir essa vocagao para se ir bus-
car centre as massas dos cidadaos biso-
nhos mais um recruta para as fileiras
do exercito.
Esta nmridAncia da lei 6 tamanha e


t-Aoimportante, que Thiers, appellando
para as ligdes da historic, dizia que as
derrotas de Napoleao e atd a esteri-
lidade de mtitas das suas victorias se
explicavam por to ter elle j4 nas suas
ultMias batalhas. aquelles veteranos
beaurecidos nas pugnas da guerra,
o iidaran a ganhar as batalhas
di ro ica na Italia, e nos
so M.. ....t m de Mpo,, e de
ji.-:"'" 1: t u.


Entende, q
livres, e a m
tualquer ou


ue as vocag3es devem set
rilitar 6 tdo nobre como
tra. NMo yv molivos de
conveienci p1.bica.e.. iro-o


conveniencia public nem direito no
Estado para sullocar urna vocagao co-
mo a military.
Nao se devem tambemin confundir os
exercitos minodernos coin esses antigos
xercitos permanentes que a politico
rnostroiu serern nmua arina de guerra e
muitas vezes o instrument de golpes
de estado.
Hoje a tendencia da organisagao mi-
litar, sobretudo entire os povos regidos
por institui5Ces democraticas, 6 con-
fundir quanto possivel a classes military
corn a classes de cidaddos. E' o que
succede na Prussia, nao obstaiiLe pa-
recer militarisar-se toda a naao.
Record comno se procedia na Franca
no tempo de Napoleao III, e como
hoje a republican adnitte alli a cons-
cripgao fazendo corn que todos passem
pelas bandeirs ; e fazendo muitas con-
sideragdes em favor da lei, diz que
sempre a applaudird.

Sustenta em seguida a coherencia
de suas opini6es sobre as refortnas que
tern sastentado, em resposta d argui-
gdo que ihe fizera a respeito o Sr. Sil-
veira Martins, referindo-se especilmen-
te is reforms judiiaria, do recruta-
mento e da guard national.
Faz largas considericoes para res-
ponder ao ponto em que aquelle depu-
tado disse que muitas vezes eram os
soldados que venciam semr os generaes
e que eram estes que colhiam os lou-
ros da victoria, cintado Napoleao na ves-
pera de Austerlitz e depois ua batalha,
Gustavo Adolpho rei da Suecia e Nel-
son em Trafalgar.
Passa depois-,a referir-se A accusa-
gdo feita ao Sr. Duque (e Caxias so-
bre a questiuncula de urn haile em
que tigurou uma music do exercito.
Narra o facto, justificando o proce-
dimento do general. Sustenta tainbem
a conveniencia e a necessidade das mu-
sicas nos corpos, achando conveniente
o modo porque ellas se organisam.

Fazendo largas consideracoes a este
respeito, aprecia a questao sobre various
pontos de vista, diz algumas palavras
em defeza do general arguido, que
tern sempre figurado dignamente nas
fileiras do nosso exercito, e acha ple-
namentejustificado o procedimento que
a seu respeito teve o Sr. Duque de Ca-
xias. Conclue dizendo que S. Exc.
praticou.um actor de discipline que de-
ve merecer louvores e que nao p6de
ser como foi accusado de injusto.
Esta discussed ficou adiada pela hora.

interesse era chegar qiianto antes 'a.
montanba de ouro.
Gastaramos urn anno em ir das fron-
teiras do desert atW aquelelonto, um
annro durante o qual todos dias se
nos tinham proporcionado u I a-
to, uma ratana, urn rico desix o. Vi-
mo-nos o1brigados a deixall',
numerosas riquezas por f1as
que as conduzissem, e viam
os meus soldados a montanha 11
e eu a cidad'e de Calpuc, ride .
certo vivia, devia habitat D. Ignez de
Cardenas, a formosa tilha do duque de
Ia Jarilla, a quem nao poddra esquecee'
desde qnn ihevira o retrato.
Apezar de nato a conhecer senao por
meio de uma pintura, aquaIla mulher
Iogn-ura interessar-me profundamente
o coracao e o espirito.
Desejava ardentemente para o men
amor a sna formcsura, para o men en-


grandecimento a s.n.umao.
Era de presuini', salvando-a eu,
dos idolatras, sewi .. s.f recusanw.
a dar-m'a por os ijue o duqt-
nao tivesse f ostjk equencia do
estado da si saie gasta n'urna vida
de 6ontinuas dissipagaes.
Podia pois chegar a setr, g
Igpez, um dos grandes del
inais principaes, a cuja gra
vianm prestar um. brilho e 0urb
immensosc os thesouros que e
sava trazer das Indias para a patria.
Portanto, urgia sobre tudo accq*.
meter a cidadef de Calputic, apoe
me d'ella e-procrar D. Ig .
nazpi'esentto me diziag qeo
estavaaalli, e lgurmas vezes, a
s bre os terrawos do palacio:.iA
uIalhares ves tidas de branch, o
; qlb coitn iwmi


*


ij


I




Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EVRRFE6XG_J1FFXV INGEST_TIME 2014-05-20T23:05:38Z PACKAGE AA00011611_14490
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES