Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:14347


This item is only available as the following downloads:


Full Text

























K


LI*~~IUI~IURO -


(Especial para o Diario)


SPARIS, 30 de maio.


0 project de lei sobre o divorcio
adopeado pe&la Camara dos Deputa-
d*es. acaba de ser tambem adopta-
1 do, e definitivamente, pelo Senado.

Agencia Havas, filial em Pernambuco,
31 de maio de 1884.


INSTRUCqIO POPULAR

zi c: ;;-;:,L ao m
(Extrahida)

PARTE III
CLASSIFICA(AO DOS PEIXES
Peixes cartilaginosos
(Contbinuaao)
A ordem dos Selacios comprehend todos os pci-
xes cartilaginosos, corn as guelras lixas e cujas mna-
xillas sao moves c convenieatcmente dispostas
para a mastigagito.
N'esta ordein entrain (como veremos na descrip-
Cao especial que fizermnos das principals families
dos peixes) os esqualos comprehendendo o'tubarao
propriamente dito, o peixe marcello, o peixe serra,
a raia (grupo a que perteneem as torpilhas).
Todos os peixes pertencentes a esta ordem teem
aos lados do pcscogo (se tal none se pode'dar a
alguma part do corpo d'estes auimaes correspon-
dente A rogilio cervical dos manmmniferos e das ayes),
ou na face inferior d'elle, einco aberturas bran-
chiaes corn a forma de fendas. Alguns d'estes pei-
xes teem na parte superior da cabega duas aber-
turas, charnadas respires, as quaes comminunicam
Corn as guelras e sao deetinadas a levar a cstes or-
.gaos a agua precise para a respira(;auo, quando o
animal tern a bocc=&l cheia coin umna preza muito
volnmosa.
Slo estes peixes mnuitissimnos vivazes, e notaveis
alguns pela sua grade fjr.a e inultiplicidade de
dentes.
Uns slo ovoviviparo.f; ontros, oviparaos. Os eves
sao guarnecidos ou involvidos cm urma casa dura
o cornea.
A ordem dos Cyclostomas. a ultima d'esta sub-
divisAo, 6 caracterisada pela especial confotbrmAiOLo
da bocca, apropriada para a suc'o, disposta i
maneira de urna ventosa, a quIald 6 formada pelas
maxillas soldadas umra a outra constituindo um
sanel. i
Sao estes peixes os mais imperfeitos de todos os
_Vertebrados,
O' Q quteto 6,va!guhs coapli&nfte iBfA 'N.
nose e menos complicado que 6 dos outros peixes.
As gnelras s'o em forma de borlas; e o system
nervaso 6 pouco desenvolvido.
As lamnpreias silo o typo d'este grupo.
(Continfia).



PART OFFICIAL


muitodiguopres
chefe de policia
Castro e Silva.


idente desta provacia. -0
, Raymundo Theodorico de


Camera Municipal
DESPACHOS DOS DIAS 29, 30 e 31 DE MAIO
Pelo Revmn. Sr. padre Mdlo, vereado'
commissario de edifica~ces :
Andre Roempcke, autorisado pelo barao
de Campo Alegre, pedindo licenga para
correr a coberta, substituindo caibros e ri-
pas, ladrilhar e roparar o repartimento de
sua casa n. 40 A rua do Cajui, fregdezia
de Santo Antonio.-Pagos os direitos, con-
cede-se.
Dr. Antonio Joaquim do Mor.es e Silva,
para reparar a coberta de senu predio n. 48,
A rua do Coronel Suassnna.-Pagos os di-
reitos, concede-se.
Antonio de Paiva Ferreira,eem additamen-
to a licenga obtida, corn referencia a sua
casa n. 26 A run a do Fogo, pede para.subs-
tituir mradeira na coberta, levantar para-
peito, fazer cornija e levantar mais dous
palmos a cada uma das janellas do referido
predio.--Depois de page o excesso dos di-
reitos municipaes, cone ic-se.
Antonio Gongalvos de Azevedo, para re-
telharas suas casas de ns. 155 B, 125 C,
155 D, e 158 A rua Imnperial. Na f6rma
do parecer.
Barno de Santa Cruz, para correr o te-
lhado, substituindo uma trave, bern come
reparar alguns rebocos de sua casa n. 33,
A do Pocinho. -Pages os direitos munici-
paes, concede-se,
Bernardino Pereira Ramos, para tomar
goteiras e pequenos rebocos e concertar
as cal9adas de suas casas de ns. 38 C a
64 A rui do Padre Nobrega; ns. 227 a
20 .156 A A 156 P, 156 A 160 e 164 A
rua do Marquez do Herval; ns. 33
F 33 Z 5 a .) A rua da Cadeia Nova;
ns. 10 a 16, 24, 32 a 76 A travessa do
Peixoto; e n. 2 a 62 A do Ramos. Con-
cede-so.
Candido Casimiro Guedes Alcoforado,
para concertar o telhado de um quarto no
interior do sitio n. 45, a estrada do Men-
toiro, born como fazer um quarto e rasgar
urna parade no oitAo da referida casa.-
Na f6rma do parecer do engenheiro.
Felix Pereira de Souza, para reedficar
as quatro paredes lateraes de sua olaria,
sita a travessa das Barreiras n. 10, bemn
come abrir dous portoes. -De coaformida-
do corn o parecer do engenheirp e pages
os direitos municipaes, condede-se. ,
Franaisca Maria Caruilro, para faaer

dios.-IMem.
Ferreira Barbosa & C., para demolir a
a fachada existente no fundo de sea esta-
beiecimeanto site A rua do Duque de Caxias
n. 92, levantando-a de novo.-Na f6rma
do parecer.
Guilherme Francisco Paredes Porto &
C., para tomar goteiras na casa n. 76 A
rua Duque doCitxias. -Dando previa scien-
1ci. nn fisonl .nnalde-qap.


Governor da Provinela -.. ..'.....
p, DGailhermina Carolina da Silva, para fa-
DESPACHOS DA PRESIDENGIA DO DIA 30 zer o passeio de sua casa n. 72 a rua d
DE MAR) Dias Cardoso. Idem.
Frei Alberto de Santa Augusta Cabral Jes Jos J de mr d
do Vaseoncellos. -Deforido corn o officio rando ser sita a rua do Conde da Boa-Vis-
de hojo ao Thesouro Prwincial. tan. 65, c no na do Conde d'Eu, como
0 unesmuc. He)je sleferi a potic-ao dotan6,oaeni oCdedEcm
spplica mesmo. -Hj de a ptio do per equivoco disse, a casa que pretend
aupplicst, Js concertar, cuja licen-a solicita.--Pagos os
Ca lito Jos de Mllo.-Passe porta direitos munieipaes e limitando-se ao que
na in, do estylo, ^pere, concede se.
CommissJo encarregada da organisao Jacob Martins da Paix'o, para concer-
dos estatutos da socitdade do Beneficencia ta o mro e reedificar a frente do sua ca-
Italiana.-h-a'se port.arla na forma requ-.-tao r eedicrafen esu -
Itliana. -Passe portaasa de taipa n. 39, A rua das Creoulas, fre-
rida .g uezia da Grai;-a, send de tijolo e cal.
Dr. Es;equiel do3 Santos Junior. Comeo uzad r~,nnod iooccl
reqDer. EePages os direitos niunicipaes e deo confor-
requer, C d i r midado corn o parecer do engenheiro, con-
Eliseu Cavalcante do. Siqueira Brito.- -n
Deferido corw officio l ltincc brig-a cede-so, (lopis de declarer o nome do mes-
Deferido coin ofi o dlesca data a~o brig'A ^
in tre da obra.
deiro commandant das armais.
Herpidia Maria da Conoeie'o. -Informe o Joaquirn Manoel Ferreira do Souza, para
Sr. cominmandnte do Corpo (e Policia. tomar goteiras na casa n. -.3, a raa das
Mminoel Viceate d Curlnhia. -Intbrm o i Trincheiras. -Dando previa scienceia ao fis-
Sr. engenhciro cheft da Rlepartic o das cal concede-se.
Obras Pablicas. JoXo Ignacio de Medeiros TPgo, para
-Manoel Sesino do Amuquerque Mara- corrar os telhados da sua casa n. 13, 1A
nhao. Como requer. Passagema da Magdaleno e de suas depen-
Mesa rogodora. da Irmandade deo Chris- dencias. Idem. -
pin e Chrispiniauo. -Para attender a sup- Jose Feliciano de XazarAtli, para tomnar
plicante, nesta data determaino ao thiesou- gaoteiras em seuas predios ns. 193 e 198
veiro das Loterias que faca oxtrahir a lo- raa Imperial. -Idem.A
toeria a que allude o nii. 4f; do artigo 34 do Joaquiin Manoel Ferreira de Souza, pa-
Orgamento vigent3 visto coming o benefiieo ra construir um quarto no quintal da easa
da que correu a 8 de abril ultimo encerra n. 114, A rua do Coronel Suassuna, e abrir
-u eltra applica9go. a janella fingida de inure. Pages os di-
Sociedade Ave Libertas. Sir, ecten- reitos municipaes e de conformidado corn
dendo-se asupplicante corn o empresario as posturas, concede-se.
da companhia lyrica acerea do beneficio.
Secretariat da Presidencia de Pernxmbaeo, em Joaquim Francisco das Chagas e Silva,
31 de maioe de 1881. para tomar goteiras e rebocos, bern como


0 porteiro,
Joaquim Lcocadio Viegas.

Repartilao da polleia
Sacio 2a-N. 588. -Secretaria da Poli-
cia deoPernambuco, 30 de maio do 1884. -
jlm. e Exm. Sr. .Participo a V. Exe. que
foram hontem redolhidos i Casa de Deton-
910, os0 segrtintqs individuos:
A' ordetn do subdelegado do Recife, Bernardino
Alves Cardoso eteobaldo. escravo de Joaquim de
-GusmWaCoelt-por dist'rbios.
A' ordemin e Santo Antonio, Jui tna Maria
do Jesus, aliia at6 quae possa ter o convenient
destino; e L a, escravo de Antonio de Oliveira
amos ,rThotga, per disturbios.
A' orde do do 10 di&atriectIe S; Jos6, Justina
3eria cpeaus, Francisco Correia de Mello, Ea-
Mbio Wi de Assump~Io, Francisco Felix de
ira a Pioe 'ns6 de Sant. Rosa, pr.eminbriaguez
*dist iou.
A' em do do 20diltileto de S. Jos6, Antino
LQO'edIo Y tl4 a or urbios e Sveo.
3oj 0- lttO*oezerimc de fxirto.


concertar as calcadas de suas casas ns. 20,
22 e 24, A raa da Hora, fraguezia da
Graga, substituindo caibros na primeira. -
Ooncede-se, pagando os direitos relativa-
me.ti a de n. 20.
Maria Josepha, para tomar g6teiras na
casa n. 10 a rua do MAarquez do Olinda.
-Limnitando-se ao que p-de, conbede-se.
Manoel Fernandes da Costa, para mu-
rar o sen aerreno n. 1 A rua da ventura,
freguezia da Graga, o qual mode 250 pal-
mos. De conformidade corn as postures e
dado o alinhamento pievio, concede-se,
pages os direitos municipals.
Maria Amelia de Albuquerque, para to-
mar goteiras e reparar o algeroz de sue
casa n. 15 A rua da Penha. De eomm'um
aecordo ecm -as poturas e pages as direitos
municipaos ,cneede-so. -
Manf .4 os6 da Costa Cbral, B pican-
do delarspze a easat', sob I a .81*ita -4'
gf"S do ei ne o 84quopratotide


Torre.--Pago os da ireitos e dados a cor-
deaglo, coarcede-se.
Baharel Manoel Barbosa de Araujo,
para reecdificar o predio n. 63 a rua Ve-
Iha.-Pagos os direitos, concede-se.
Mathias Goncalves Fernandes, em ad-
itamento a liconga obtida, pede para fa-
zer parapeito e e encanar as aguas. -Pa-
gos os direitos, concede-se.
Santos & Baptista, para fazer rebocos
parciaes no interior e exterior de seu es-
tabelecimento n. 17 a travessa do Peixo-
to. Dando sciencia ao fiscal, concede-se.
Tito Livio Soares, come administrader
de sua mulher, para correr o telhado de
sna casa n. 35 A rue do Vidal do Negrei-
ros. Idem.
Victoriano Domingues Alves Maia, re-
plicando pede reconsiderago do despacho
que impoe a construoego de du* casas na
travessa do Prata, que pretend fazer 4,
visto haver terreno sufficient. ,--Reporto-
me ao despacho de 16 do coa. --quo foi
de commum accord corn o q& dispoe as
posturas.
Veneravel Ordem 3.a de S. Francisco
pedindo licenga para mandar ecncertar a
contra verga do predio n. 15 ,a ria Estrei-
ta do Rosario, bemrn come retalhar as de ns-,
1, 3 e 5 a rua do Duque de Caxias.-Pa-
gos os direitos municipaes, concede-so o
concerto da casa n. 15, bem come as de
ns. 3 e 5, quanto porem a de n. 1, o fiscal
procedendo exame per dous peritos pagos
a custa do proprietario, intimarai ao moow


me para quo cuimpra o resultado desse exa-
mne, demoliudo-a ou reparando-a no pra*,
determinado no termo que lavrar, tudo de
accord corn o art. 124 da lei n. 1129 de
26 de julho de 1873.
Advirto ao Sr. engenheiro, quenos sous
pareceres, s6 imponha a canalisacao da*
aguas, construcages de parapeito e cornija,
quando tenha-se de edificar e reedificar ou
concertar a frente das casas, segundo dis-
p(e o art. 70, combinado corn o 94 da lei
citada, afiin de nao por embaragos as
parties.
Pelo Sr. coronel Decio Fonseca. verea-
dor cofmmissario de arborisaao: *
Antonio Fernandes dos Santos & C.
pedindo licenga para quo pos-am arborisar
as frentesdas casas ns. 54 e 56 a rua do
Bareo de S. Boija, onde sao estabelecidos.
-Sim, quadradas as distances o seem di-
reito a indemmnisa(bo algumrna.
Peoe Sr. Dr. Jose O.orio, vereador com-
missario depolicia :
Aristides Xavier Lopes, pedindo licen-
YAS Awia jb;%rracg.,A,.,jajQ a8n
o Theatro de S. Isabel visto alli nbo ex-
istir kiosque, obrigando-so a desmanchal-a
logo qae a Camara ordeno. Sim, scm pre-
juizo do contract dos kiosques.
Hermenegildo Jos6 da Souza, pedindo o
pagamento da quantiade 311,050 reis im-
portanciaporquantoarrematou os concertos
quo so acham concluidos das casas ns. 12 e
32 a Praga da Independencia, bem come da
quantia de 30t000 pelo concerto feito no
mictorio do urea dellas, cuja obra nlo
foi incluida no orgamento. -Pague-se a
quantia de 311$050 reis e quanto a9 ex-
cesso aguarde deliberaco da Camara.
Secretaria da Camara Municipal do Re-
cife, 31 de maio de 1884.
0 porteiro,
Leo1oldino C. Ferreira da Silva.



PERNAMBUCO


Assemblea Provincial
43a SESSAO EM lo DE MAIO DE 1884
PIESIDENCIA DO EXM. SR. BARno DE ITAPISSUMA
Ao mcio din, feita a chamada e verificando-se
estarem presents os Srs. Aristarcho Lopes, Olynm-
pie Marques. Jos6 Miria, Bariio de Itapissumna,
Silvino Cavaleante, Nile dtie Miranda, Demo-
crit,, Cavalcante, Ermirio Coutmnho, G(;es Ca-
valcante, Amaral *e Melln, Lourenr3 de Sa, San-
tos Pinheiro, Ferreira Jacohina, LInna Freire Ju-
nior, Amaro Fonseca, Antonio Correia, Praxeles
Pitanga, Joao Alves, Augusto Leio e Alfrelo Cor-
rein, o Sr. president declare aberta a sessee.
Comparecem depois os Srs. Estcvbo de Oliveira,
Antuncs Pinheiro, Arruda Falcilo, Drummond Fi-
liho, e Maximiano Duarte.
Faitam os Srs. Paulo de Oliveira, Meira dc
Vasconcellos, Viscondo de Tabatinga, Pereira do
Lyra, Cunha Beltrio, Joao Augusto, BariAto de Na-
zareth, Fiel Grangeiro, Francisco Tiburcio, Rosa
e Silva, Juvencio Mariz e Constantino de Albu-
querque.
E' lida a acta da sessl'o antecedente, e sem do-
bate approvada.
0 St. lo secretario procede A lecitura do se-
guinte
EXPEDIENTE


Um officio do seeretario do governo devolvenda
informada a peti(io 'de Martinho da Silva Costa
-A quern tez a requisiqao.
Outro do mesmo, idem, a do Candida de Mene
zes Drummond da Costa.-A quern fez requisi
9io.
Outro do minesmo, idem a do bacharel Joeo Lin
Cavalcante de Albuquerque.-A quem fez a re
quisi9io.
Outro do mesmo, communicando que o Exim
Sr. desembargador president da provincia deu a
necessarias provideRmieas afim de serem soecorri
dos o0 indigents atacados de variola na cidad
do Cabo.-A quemn fer a requisigao.
Ointro do mcsmotomamunicando que foram ro
mettidos a Camara Municipal de Garinhuns o otdi
cieo e abaixo assignado sde resideatos h'aquelle mu
nicipio e o respective parecee. Inteirada.-
Outre do mesmo, remettendo urme inforrmavi
do Thesouro Provincial rolativa a altar de credit
pSra occorrer ao pagamento de 110A150 de tran3
fti t effeetua r ento
potes effeotads per conte da provincia.-A-
commisao de oa winento provincial. .
Uma petigao de Bartholomea n ermnano de An
ehieta e Silva, residonte a a olade4da ,eseala, e
qaureondo ser pro'ido etmA LlEdan- odeiras-do-
entraneia.-AX CoMsibsdoo de in tr !- psioa
dOutra de Themres a Umkiiaa d W& M4
rondo'na adrissT o dae'seuftho so 0
nawio Pornfmbqeano,e o'no pftat 0A dpojn
eik.--A' niftw sis 4odepetiue
Oitrao-&. 46 oO ae uon;auiro de Albaei


edo Senhor Born Jesus das
*4% Ma:dre de Douo, Ioe
R4OxtraW Oe u parte
a do or smcnt pro-
k vadoem84, debate unre da,
.sbrio project n. 8 4 teo
'. Ij6 a.i (pela ordem)-Sr. prsi--
4-4venhO 6 fls wte pe(dirA V. Exe. qv so
kde :prov(i e iar d-B o a que sejam rerO-
ados ost1 lhos da improis-gos prqjectoj
wwntads A dellberA^o Iestgt caeaa,,per isto
AjuH- i|' es~o apresentado'-pore crtdos oe-
doae.-a dos. ser impresses em aiulsos corn a
fta 'gteza, seudo preteridospor outros apre-
n&rs muito empoe depois..
S. 'ANToNIO CORAtIA-E' ama eensBa, A
Sn! Jos* MaIAl--Oe prjectos saoi dos

S"Atypog-rap& e WSoS projeetoo,
Sde imprimir ow que lb-in remettidos an-
adamente, imprdmwd6 miquelles quo receben
is, qaando ha empeinhos para isso, "
Sa. DEPUTADo-Pai-ra isso nao p6de, b*ver
I-


F
I


I -5. J0osj MAIAxu-Tendo arescntado corn ou-
ti deputados a project n. 84, foi Ole remettido Ai
graphic. Quotidianamente iat eu a Seeretaria
Sseja6 tinbam vindo os avulsos tendo sempre
Aticia de que ainda nio haviam ochegado da
-:- phia,. ; (Apartes).
Slais ainda: fur examiner o protocollo e ahi en-
|1trei lanqado o project, tend side assignado o
ibo.por ma dos proprietarios da typographia.
tretanto, quando isto se dava, achavam-se na
efma impresses alguns prejectos de ns. 100 em
ine.
R, D.PUTArDO-Posteriores ao seu?
Josa MiTxA -Muito posteriores, porquan-
eu tinbaion, 84.
i foi isto, ; oucam os nobres doputados:
:mo0&4. em que 'eu apresentei o projeeto re-
o nofi|o da em'ancipacil dos eser-,vos, foi
oentado uieidA obre cognmissao de petio5es,
retivre a nprivilegio para ,iz eleetriea,- Pois
,logo na prlimeira sessao foi aqui disfiibuido
avulsos o project relative 'A luz electriea, nao
t*ao sido at6 hoje enviado para, esta Asoemblea
cu projeeto sore escravos, assim come nao
a muitos outros anteriores Aquelle. (Apartes)
Affirmo aos nobres deputados que chegaram l-
je.a esata casa, impresses ou avulsos, projects ate
o n.. 114, ao pass que desde ante-hontem tinham
4Ao distribuido o project sobre luz eleetrica que
"nm o n. 123.
SSegundo informnag6es que tenho, sao impresses
*a-projeetos, n'o por ordemrn numerica, minas segun-
4 oss pedidos. Isto nio me paree3 just : eu en-
- tado que a impression deve ser feita eela ordem
ptque sao os projects remettidos, nao dando-se
iferenci AqiLuelles polos quaes se interessam eer-
Cl3 deputados, porque todos os deputaidon saLo
Iguaces. Creio que a casa 6 accord em que naio
deye prevalecer para isto a amizade nem a defe-
reciIia que possam ter os donosda typographia pa-
'a comn determinados deputados.
Os proprietaries do Diarlo de Pernambaco, que
rIm o coatracto corn esta Assembl6a, podem dar
*fereucia aos artigos particulares que ihe aA4
.aettidos pelos sewo corrp-ligionarios; podem doi-
artigos que sao remettid OS peMos liMrTies, .exi-
dendo-se de accusac5es inserts n'aquelle Diar;o,
mas nao teem o direito de, preferencia, impri -
mir os projects apresentados per certos deputa-
dos, on polos quaes se interessem aquelles pro-
prietarios, preterindo assim a impressio de pro-
jectos que Ihes train romettidos anteriormoute,
apresentados per deputados que tern o mosmo di-
reito que outro qualquer.
Espero, portanto, que V. Exc, Sr. president,
providenciara de mode a que os projects de ora
em diante sejam impresses pela ordem porque d'a-
qui sao remettidos para a typographia e nro con-
forme a sympathia ou desejo que tenham de bern
servir aos sons amigos os proprietarios do Diario
de i erriambitco.
0 SB. PrmstIOsr--A m3sa tomnirA as necossa-
rias provideneia .
Entra em discuss-)o o requerim3nto do Sr. De-
mocrito Civalcante, adiado n-t sesaiAo antecden-
to, pedindo informauIes sore as provid.'nias da-
das no sentido de se famndar um asylo d r infancia
desvalida nesta provinaia.
Ninguem pedindo a palavra 6 encerrada a dis -
aussioe post a vots o requerimento, 6 'rgO-itad b .
E' lido e cntra em diseas.sio o sogainte roqrueri-
mnento:
a Requeiro quo so p .-i. ao Th--so:iro Provinciail
por intermedio da Presideneia da Provincia, a se-
gainte informaec.lo : -Porque motive no se temn
contract-ado o sorviQo d-i illnminacIo' public e
aberturrdats fontes d'agua d -i ci lade do Naza-
reth, tantas vezes dIr-retadas enm lei.
S3 doe abril do 1883.--Dernoerito Cav-ileante.
0 Sr. Democrito Cavalcasnte-(NXIo
devolve seu diseurso).
0 Sr. Ermirio Comftinlq--Sr. presiden-
to, voto contra o raqiuerimento etn (lise;iSi;o ; mas
longe deo mi:n a int nm-Io de cob-it ir ias i,16as
aprescntadas pclb nobre deputado quo acaba de
sentar-se ; voto contra o requierimento, mas acorn-
paniho S. Exe. em relac.,o as iustas e imperiosas
neeessidades cuja satisfaciAo 0co0n todo; dir, ito
reelamado pcla p importante cidade de Nazaretih.
Ninguem m-tis do quo eu se interessa per aquel-
nla localidade ; ninguem mais do que eu ternm o (lde-
ver do per clla interessar se, porque sou nazare-
no e devo minha eleicio cm grade part A aquelba
i omnare-a.
Us SR. DEPUTADO -Tom par Ia as suas justas
a -pira~i~cs.
0 SR. ERIRI-o-So as tenho, ecimo diz o meu no
bre college, julgo-me corn inlgum direito, porque
* tenho conseiier'ia do hayver prestado alguns sor-
vicoa a minha terra natail.
(Troeam-se algens apartes).
Dove interessar-mp, Sr. president, ate- mesmc
polo facto de ter sido o deputado quo nesta cas:
, apresentou o projecto a que se refere o meo dis
. tiacto eompanheiro da district ; corre-me, poise,
dover de dizer algumas palavras em reaseo a<
o:equerimento out! se dis oute ; entretanto, Sr. pro-
sidente, apezar (10 asobr no todo justas as obser
vacoSesque S. Exe. acabou do former, toaavia ni
s pso aeomnp-nh;l o quanta ao requerimrnto qum
-. acaba de apresentair, e nao posse ftuzer, porque es
tou perfeitamonto infomrmado das r:izoes que at-
hoj, tern eontrariado a execucAo dessa lei quo pas
son nesta casa, quando o nobre deputado aicdl
ngr tinha asseuto nestas cadeiras.


o Era en deputado em 1868 e poeteriormente ern
lS81, quando apresentei projet-m neste sentido
Tive a fortune ,ie ver convertidos em lei projee-
i- tos qce entao apresenteii; mas razbes de order
a- superior, mnotivos inherentes ao eatado precari
d -:s nossAas finaugns fizerain comn qne as lets nI
o tivessem execuilo. Naos6, Sr. president, fai e
o q-'em pelio agua para aquella localidade, cnon
Statambem Inz. Recarda-nae que coidsignei n'un
L' projerto a, quantia de 3:000000, afim de serec
t iasdoappara a serventia public duas fonte
n- quo forneccaseB ngna mel hohr naquella localidade
e. ns. Atdo isto nla p6-lerealwimr-se pela emperios
la leid-l ieeasidale. U)'ahi.para ca infelismaeuto
. ovP! ia teot cabido do decadeuoia em decadelo
e- CLi; e, reiando deodegrro em degewo, nao ei atl
n- onie iriAohogar.
1. 0 8B.' *:^0e 1 tMAILQUEa-V. Exes. po letn sal
,Ml-n este amneo.
0 A-Sa tOS'B*o 1- -1' t ea rs 1 i
J, -*l''jytal -''*4*! l ..^ ."i~."* '.*' .!*.*'* '.'''..." .*.*" ..'* *.^^ ^A- Q ^ i -C > t i M o


Squo Vv. Exes. me interrorr-
po t a teu.nso obriado adtzer q n*i s i-
borne.1 ,n eqxtaente nao cabp reS-
posihidade dease atrao, d'essa decadencia ehm
qd lsho, coocada a nossa prwvtia* -,
Niaf ieintuio fazer aqui recriminaoes.
Cor4 pornaimbucanoi'lamento qretenhamos de-
eahidg tato em reUa*o A finances; mas forca 6
eonfoupque outros foram os causadores.
Afaltl de eebomia osdinheiros publicos um
mal quo peaa sobre n6s de long data. -
Opardt libal quasi sempre infeliz, quando
6 chaxp4qpara assumir as redeas da goverango
-do estado,
S. Quasi sempre encontra os cofres vasios e o paiz
Srado do lividas. 4
S\iNo saeBpoi0 de hoje as causes da decadencia
de' QPsas finanas.
Fo am causes aeummuladas, foram elements
delecetrios que ponco A po'wco foram convergindo
e que final deram em resultado o triste estado
em quanos achamoa ..- .
Causas aertmlada. qpe tivenran sua origem no
luxo .inpoaveuiente fazer-se ob"iaaqvgQAo grtni
adabSo1uta necoesidade, despezas que no ceram
reproduetivas, despezas de pure ostentaglo para
as quaes atW se contrahio um avultado enpros-t
time.
Um SR. DEPUTAOO-Qual 6 esta?
O SR. Eaitmio-rEu satisfarei a V. Exc. : temos
o page d'esta assenrbl6a, podiamos passar sem elle
porque nao era despeza urgentemente recla-
mada. .
Temos aquelle bel-o produeto archietonice o que
que se chama Escola Modelo, cuja ut'lidade ainda
nao p6de ser reconhecida.
Temos urn belleo jardim public que realmente e
de alguma utilidade, mas quo podia .ser addiado
para attender-se a necessidades mais palpitantes.
Temos esta provincia inundada de cadeiras pare
ensino primario muita das quaes sem frequencia
legal.
UM SR. DEPUTADO-Por ahi vai mal.,
0 -S. Earxiio-Conhe9o que nao posso agradar
A illustre minoria; mas consintam V. Exes. que u
continue apesar disto.
Cadeiras creadas por mero patronato para at-
tender-se a amigos da loca lidade.
0 SP. ANTOIro ComR-IA-E' justamente o queo
est& aeontecendo agora.
0 Sit. ERiio-E-EA posse garantir a V. Exc.
que actualmente nao foi abida creada unea s6 ca-
deira -que nieo seja de utilidade .publica.
V. Exes. approkeitaoi-se de tudo para o fim de
fazer opposiAo, de modao que umLa resposta minuito
simple, inteiramente despretenciosa que eu pre-
tendia dar ao nobre depnutado meu distincto com-
panheire de district, querem converter em uma
question political, /
Eu, por6mp, fujo d'ahi porque nilo quero collo-
car-me neste terreno.
Eu volto para a quest.o modest do requerimen-
to em discusigo. -
Dizia eu Sr. president que cert-eovno estou das
razoes que actuavaeu para a naoie 8euio da lei
e vendo ainda mesmo que se itt.4e lois de si:n-
ples autorisacilo quo caducam- so .por ventura nao
sao executadas dentro do exerel-io e que nao po-
dem mais hoje ter exucnao, entendo que n'estas.
condiiies o remedio 6 apresentar-se um outro pro-
jeeto no mesmo sentido.
0 Si. DEZOCuITO--FiA o que eu fiz o anne o pas-

--BOEM Epumtnuo-Mas j1: cad cou;
a S. PDEMOCKITO-LD umn aphir'6.;
O SR. EU.MIRIO-Pois entaio peco ao nobre depu-
tado quejunte os seus exforcos aos meus ante a
commission de orqamento, afim de obtermos esta
concessio que 6 muito just, que e a satisfacao de
umea necessidade.
A comarca de Nazareth, Sr. president, e uma
das mais importantes da nossa provincial; agora
vac florescendo de um mode extraordinario, e come
os nobres deputado sabem ella concorre grande-
mente para o augmento de nossas rendas.
Eu tenho mesmo a minha disposicAo ''m quadro
demonstrative dos generous sahidos do Ia para a
cidade do Recife e do mercado do Recife para l,
que realmente 6 muito lisongeiro e revela do mode
icontestavel o progress rapido e admiravel que
tmrn expcrimentado aqudlia comarca n'estes ulti-
mos tempos.
N'estas condiSes qucro que o nobre deputado
junto as suas instancias as minhas ante a commis-
silo de or9amento para que se faca effeetiva a dis-
pos'i~o da lei do anne passado.
Sao pois estas as consmderacoes que neste me-
mento me ocoorre faser em relacio ao requrrimcn-
to do nobre deputad) pelo 5. district.
Ninguem mrais pedindo a palavra e encerrada a
discussao, e pasto a votes o rsquerimnento e regei-
tado.
0 Sr. Olympio Marques--(N~o devol-
ven o sou discurso).
E' rejeitado o seguinte requerimento de ur-
gencia :
Pe9 urgencma por 10 minutes p-ura um re-
querimanto, avisrmalo a aihniunl-tracrio cia provin-
cia que principtou se a realisiar a :.nd~mtra annun-
ciada no meu requerimento do urgercma, nio ad-
mittido a (ldicus.i-) n', sessiio de hoe tern.
0 deputado gerel Joss Mariano Carnoiro da
SCutnha alresent,)u-so na nmatrir, acomparihado de


utna t**o,;a, co nosti de indivi-huos d eal~o,, ar-
- imdos doE c:cetes e de facas do ponta, do sup-
plente do suib:l-le-aio Luiz Mavignier, do swbde-
Slegado do '3.o district Jolo Baptista do RIego e
grardas civics vestidlos A paisana, entire os quakes
um de nome Joio de Lemos, e procurou desasatar
- ovigario, ridicularisando as corim-mias de umn
Scaamento que celebrava o m--sinemo vigario e pro
nmettendo vltAir para perturbar o exereicio reli-
gios.o que deve comeqar hoje, A tarde, na matriz ;
S Que se advise ainda a adhniuistracAo quo o sub-
dolegado do district assistio a tol;e esta scena,
- m:.s doeclarou quo noilo tinha forca para provenir,
neri p:1ra obstar a realisacAo dans amea-.as que
ouvio fazer coantra a s3-uranma ini.lividial e a or-
demn public ;
E que finalmente se in-lague do Sr. president
) da provineia se recebohea d', respective vigario com-
a municai'o olicial do ted is as occurreaeias. 1.o
- de maio de 181.=')lymp;o Marquew.
0 0 Sr. PreSideente respon-lendo a uma re
0 `clamrna.io do Sr. Olympio Marques, diz que estc
- requerimento sera public-eido, a-sim co-nm foi o
- apresentado na sessiloe ant cedente.
0 Entra cm L.a diseussao o project n. 59 d'este
o anno, deelarando que o officio que se acha iago,
- do escrivao do Jury e de exe(uoces criminals do
e term do Limoeiro, fleca reunido ao de eseriiao (do
- crime e civel dlo mesmo termo, e de .Lo tabelliac
a tie notas, que esta annexo iquelle officio, fica re-
unido ao de escrivao de orphios, capellas e resi.-
a duos.
D. 0 Sr. Nilo d e Mirauda-Sr. president,
- padi a palavra, nao para impugnar o projeeto,
m porque dosconheqo os fundawrientos que levaram a
o nobre commissao quo o frmnulou a este proeedi-
,o mento ; mas para notar o facto para mimna estra-
u aho de, faitzend) eu part- d'essa coinaiss'i, nao
io ter silo ao mcnoa otivido ce)m relhIoao A material
m de que tract o projeeti.
n 0 Si. ESTEvA D E OLIvFmi&A V. Exc. estava
N ausente quando se iavrou o parecer.
0 SR. NILO Os ineus distinctos colleges qne
v fazern part d'csta commission, oceultaram intei-
a ramente de mini a mr1teria do project que alias
- me consta voiaaustruida com documents a por
t -parte d'aquelles que reqererin a .a. edidi qu
elle cont6in, tanto que m sormoues n3- dise.m
1- que elo foi aprsntadoiA consideiraiao da cas
me caommiuinkwara s;o rPaa ea por p minha vez
o estddar eases. dX e vaor se Sa. Exes. ti-
riham oa'wio raelIfltmia'do-o5.


SEAst facto realim.ente 6 estrsa ei; uma fal--
fi de eonsiderailO -1" ,
0 $n, EswnvIo DE OVLivBA- -NAi-*poiado, eu e
o eoog nhi n ao teoa raw Alguma para.
descotsideroal-o. ,
S NI o-Mas o que e eerto 6 que e0te facto
so deu. "
Se tivessemos tide grades divergeincias, ou eu
fizesseo pjioo.systematica a. Ss. Exes., os no-
bres deputados teriam razab.
',Q0 SR. L:UYA FzEMx Jus6oa V. Exe. neo e- -
aehava presented na occasiao em que so eformnulou
o projeeto. -
O SR. NSr--Mas depois de apresentado o pro-
jeoto decorreram muitov dias para que os nobres
deputados podessem dar-me explica9,-es a respeito
dLelle, e no rm'as deram.
Portanto eu votarei contra o project, apesar do
fazer part da commissilo, porque nao vi os docu-
mentos em que ella se fundou, a menos que os
ineus colleges nao me (xpliquenr cornvcniente-
mente os motives que os levaramn i formulal-o.
0 Sr. Estevao de Oliveir.-a (Nao de-
volveu seu discurso).
0 Sr. Joao Alves-Sr. president, causou-
me uaia ,.rtt estranheza o modo por que se hou-
ve a illustre maitri'ia 4a aAobc eommissao de jus-
tiea civil e c'-iminal, eomposfaidos tire- E .teir 4e_ J
Oliveira e Lourefi(o de Si, que sio liberals, e por (
copsequ9ucia progressistas, em face do program-
ma que devereger o partido politico a qae Ss.
Exes. pcrtenciem. Causou-md estr-anheza, Sr. pre-
sidente, pqlue as ieobtes deputados revelaram-so-,
d'esta vez essencialImet teIres6sistas, secundan-
do as raz5es apresentadas pls Srs. Herminio do
Nascimento Lima e Manoel B Silverio, na re-
presentagao que dirigiram A 'esita-ft''embl6a, soli-
citando a extineao do cartorio do jury da cidade
de Limoeiro.
E, Sr. president, o espirito verdadeiramente re-
gressista que presidio o acto da nobre maioria da
commissio de justia divil e erimnial manaifesta-
se claramente em face de suas assignaturas sobo
project n. 59 d'este anne, que V. Exe. acaba de
submaetter A discussion.
S.r. president, a comarca de Limoeiro, creada
talvez, ha maisa. de um seculo possuio sempre um
cartorio privativo do jury, ao qual esteve sempre
annexo o primeiro tabellionato; tendo mais o car-
torio de orphiaose.o das execucoes civis e crimi-
nae "s. 1 *
Em outros tempos, Sr. president, em 6pocas em
que-a comarca de Limoeiro nao tinha attingido
ainda ao -grAo de prosperidade que hoje tern nio
houve pessoa.alguma quo se lembrasse de reelamar
contra a. qxitencia separada de cartorio de jur
da mesa slarca; clle sempre encontrou quem, o
servisee de mtdto boa vontade, porquo os proven-
tosqire delse result ehega atd para accumula9go
dcsseaypieasf omo aconteceu ao Sr. Herminio,.o
thesi,e q tendo passado a ser depois escrivao de
orpgAsii pretende hoje accumular o tabellionato
qie'pertel? ao cartorio do jury.
,sse funecionario tendo exercido priineiramen-
te o lugar de escrivio do jury de Limoeiro, ao -
qual se achava annexo o primeiro tabellionato da
comarea auferio taes lucros n'esse cartorio que
ehegou a reunir fortune bastante para fer hoje -
senhor de engenho e umn dos primeiros capitalists -
d'aquelle termo, sem que houvesse tide outro meio ,
de vida tprofissIo.
Hoje, Sr. pesidente, que a comarca. de Limoei- ).'
ro se achaw'6i& muito melhores condiczes, e que,
por isto in)ioo trabalho maior devem acarretar
o03 seis crtor'-no"quo se pretend, seprr.oetiw al-
gnm jistfieaido extnig'iir o higarde eerivio do
jury e lo tabelliai, de notas.
UM SR. DEPUT.ADO-Nilo se extinguio.
0 SR. LUNA .iFIREiR JuNsio-Continda come
eat i.
0 SR. Jo.o ALVES-Niao contin'a como estf,.
porque se pretende annexal-o a outro cartorio,
quando naoha nienhuma razAto de ordem superior
que isto determine.
Entretanto, Sr. president, o officio de escrivao
do jury 6 privativo e especial, devendo per isto
mesmo ser exereido por umn funecionario que nio
accumule outros officios de justica.
UM SR. DEPULTADO-M1aS S. Exe. sabe que esse
lugar nunca 6 exercido isoladamente.
O Si. Esrnv-o D: OLIVKIRA-Isto n'u'ma comnr-
ca rica imagine-se n'uma pobre, 0)e no 6 a do Li-
moeire.
O SB. JoAo ALvES-A comarcea do Limoeiro nao
6, corn effeito urma comarca rica, concordo ate cer-
to Fporto corn V. Exc., mas tambem neo-se
pode dizer que scja ella tao pobre que o cartorio
do jury, come o primeiro tabellionato que ihe 6 an-
nexo, nao possa ser exere do per um funccionario
exelnusivamente.
Taste 6 isto ver-dade, Sr. president, que o Sr.
Herminio tendo chegado na comnarca do Limoeiro
sere eira, nemn beira, -eni ramo de ficgueira (quero
servir-me de nma expressao usadir. n'esta nss:.m-
bliia) estf hoje cm muito boas condicuies pecunia-
rias, devidas A usse eartorio do jury, que preten-
dern hoje reunir "a outro cartorio.
0 SrK. LUNA FirtaKr JuXIoR dai um apart.
0 Sr. JoAO ALvris--Sr. president, eu conheao
o Sr. Herminio dcsde minha infaneia. Sei que
logo depois (le sua chegada no Limociro foi elle
nomeado escrivAco do jury, exercendo tambem o
lugar dIe 10 tabclliiao de notac. E soube hayer--so
de tal modo e con t'l economic no excrcicio die


sua profissito, que uhcgou a constituir peculio para
mais tarde edificar c-genho e assumir a chefia do-
partido liberal d'aqueclla comarca.
J.i vcmi os nobres deputados que o officio de
escriviao do jury do Limoeiro pode ser cxercido
per um serventuario exclusivameute.
O S. LUxNA FizRxnr Juxior-V. Exc. nuo dizjisto-
de conscieneia.
O SR. JoAo ALVrws-Eu costume ter sempre
consciencia do que digo, e ragor;a mesmo argumen-
to em face dos tactos de que teuho conhecimento,
o accrescento quo s6 poderA dizer o contrario-
qucm nao estiver a par d'elles.
Ache, portanto, Sr. president, quo o projecto-
tendo a rstringir o progrcsso da florescente ci
dade do Limoeiro, per quern eu sinto uma certa
inclint.IAo amorosa, e a quemn devemos dar toeos
os mencios do vida c anituaeao; nao concorrenuo tio
mode nenhumrn para o cereamento desse progress
u'aquella important localidade
E acho tanto mais importuned esso project
quanto vejo que elle constitue umn favor pecunia-
rio ao Sr. Herminio, que ja e proprictario abas-
tado n'aquelle lugar.
0 S, LUNAx FRmuI 'Usiorn-Como favor?
O Sa. JoAo ALvEs-Favor porque p-lo project
fie irA elle corn um tabellionato que d'antes nao
t nha
Um SR. DEPUTAuo -Elloa jA 6 tabelliio interino.
0 SR. JoAo ALVPS-Por isto mesm, ique 6 in-
terino 6 que lucrarA muito passando a ser effective.
V. Exe. bern sabe o que sAo essas interinidades;
basta um juiz a Iverso para acabar corn ellas.
Eu penso, portanto, Sr. president, que este
project nio deve mercer a nossa approvaVAo, per
que nio consult nenhum interesse legitimo e
apenas encerra um beneficio ao Sr. Herminio, be-
neficio que sc pode muito bern traduzir corn piga
de servicos eleitoracs prestados aos correligiuna-
rios de cA. E assim parece ser, pois ner Bo
menos se quer ouvir a respeito do project a
palavra autorisada da mangistratura d'aqUella d-
dade.
Em viata do que tenhc exposto oomProhendc-he -
omeu vte em a joecta, Im
que reeuseo icu voto en favor do proct Pr
qu e raputo muito prejudidia1, ia8s 18es (da
juiti"a e dos habitantes daiaa mdo Lirmoear.
SNinguent mats pediA TW6 corr" a ..e
discusuo e postal vtl# a etto6 &PPr %p
sendo diapcnsd tiIos a _eq
do 6r. i o -


-
1. '~ ~ -


*? sS'-
- '*


I


- .:'' '' h le he 'l A ar .... .
























0 alferes, Joaqi


4w w4 eam, -
Vejo par 0*pd oa.*O allas,St. prwdent
Uma concedendo aa ti C. de Mello Ottoi uM
dno ode liena; Coaheg parfeitamonto eea dig-
m a senhoma;; ase quoella est l soffaudo do uima
moleetia grave i-on m qa tor l taer ato %A hojo,
sado improficuos todos os meios therapeutieAs em-
"1 .e .dos. -,
Yejo terbeomsaentre essa efidaumn s utan que
concede 1icoa~a a Vicenoiana Palkarss.
Soethores, ceio quo esta cana tedi cenhee o ci.-
dodd. quovue ve pedit-lhe um 1ieaan pama tnetar
Sde sun saude (Apoiadoas).
Victoriano P&Uhare, meon senhores, aquella in-
telligencia robusta, aquelle poeta vieso que
eaantava a ,socedade permabueau conm as saas
produces litterarias, aquellamlo ae obedecia
a um cerebro tilao intihgete e fecanlo, ja ni ao
pdde mais escrever, e volta-se para eata Assemn-
bla pedindo unma licena pra tratar d sua sar-
de, arrainada talvez para sempre, e arrmunada, sa-
beis v6s como? Eu vol-o direi ; arruinada no
serviwo public, arruinada em umi asituaao gra-
vissima em que elle reveloea admiravel abnegaglo


10


eoragem.
.. Houve, meus senhores, um ineeadio pavoroeso
que doetruioa uma casa de ommnereio importantis-
ima na rua da Cadeia d'esta cidale, hoje Mar-
quez de Olinda; Victoriano Palhares atrahido
pelo desejo-de prestar seas servi9o3, portou-se ca-
so um bravo ; foi miis do que isto, trabalhoa ca-
I, me um loueco, atirando-se no meio das chammas.
Sobre o seu dorso cahio um pasado f arda qu
coatuandinado-lhe a columna vertebral tqrao- ocda-
g^^ ^ fermoW at6 hoje, enfermidado-eom a qual tem elle
I- l.-an me"t@-utttAd ia t6 esta data.
S' i+ Voaes--E' verdade.
S0 Sn. EEmamo-Vejo, meus senhores, muitos oe-
ftros peticionarios corn igual direito ; vejo Jos6
L Luiz de Franca Torres, professor public da ci-
+ dade de Nazareth soffrendo de beriberi, moloestia
S'gravissima quof nao da tregnas, quo exige promp-.
"+ to, immediate e effleaz tratamento ; cUlle tambem
Veio pedir a esta Assembl6a umi lieenaa para
S-tratar de sua saunde. I
Devo dizer-vos alguma couso em relaqAo a ease
professor. J. L. de Fk'ranca Torres foi o primairo
que requereu a esta Assemblea um anao do li-
cenga para tratar da sua saude.
A sun petiaio, vindo a eommissao de instrucao
public, da quaal faz part o humilde orador deu
+ immediatamnente parecer, que conclnio per um
projeeto de lei, o qual intelizmente, s6 teve atA
hoje uma discussao. NIo enchergue a mesa nas
minhas palavras, menor sombra de accusacaio. Eu
sei que circumstancias imperiosas, imprevistas e
quasi excepeionaes, tem obstado a que se ponha
em discussion muitos projects que aliAs ja deviam
ter passado pela comamissao de rcdaco e ter su-
ido & sanc'o presidential.
Canuado de esperar, o protessor Torres, tendo
alias uma licena da prisidencia, que ja se aehava
esgotada, requereo prorogacao da licenca. S. Exe.
escrapuloso com o deferio a petiilo concedendo
a licenea sem vencimentos. Mas o professor Tor-
res, tendo a seu favor o regualamento vigente, re-
plicou do despacho de S. Exc., pedindo para ser
.mspeccionado e sffectivamente foi mspeccionado,
e estou convencido que S. Exe. Ihe fari a devida
justia. Ndo tenho receio que.- o projeeto pass; corn
todas as emendas, porque tracta-se de uma lei de
simples autorisacao. Confio no criteria de S. Exc.
-e conto que elle nuo concedera licenca : quemt no
tiver direito. Confio no criteria de S. Exc., auxi-
liado pela distinct junta de inspeccdo, que, seja
dito die passage, tem prestado a provincia rele-
Vantissimos serviMo.
N'estas condiooes, Sr. president, declare a casa
que vote pelo project e por todas as emendas, in-
elusive aqaella que reduz a licenca ao simples or-
denado, e isto fao attendcndo ao estado financei-
I aro da provincia, que ninao permitted largas despezas.
i Tenhoaconeluido.
0 bo S r. *rammond Fllto-(Nao devol-
yveu sen discurso).
0 Sr. Luna Freire Janior- (Nao de-
volveu seu discurso).
0 Sr. Antunes Pinheiro- (Nao devol-
veu sea discurso).
Ninguem mais pcdinao a palavra, 6 cncerrada
a discussio, nao se votando par falta de numero.
Entra em discussdo ficande adiado o project
u. 23 d'este anne (fixaqode forga policial).
S0 Sr. president levant a sesoso designande a
seguinte order do dia: 2' discuss-o do project
n. 59 deste anni) e continuad.4o da antecedente.

1 DISCURSO DO SR. DEPUTADO DEMOCRITO CA-
;VALCANTE, NA SESSAO DE 21 DE ABRIL
0 Sr, Damocrito Cavalcante Sr.
president, nao pretendia voltar A tribuna para
.discutir ainda este requerimento, ncmrn tao pouco...
0 Sin. EsmnvI.O DE OnvErmA-Tres vezes.
0 Si. Dck,,inc-ro--Nio, senior. Nemn tilo pouco
o ailditamento do mea illustre amigo deputado pelo
lo district, que acaba de occupar a tribune.
A irntpagtiaio, que oppoz o meu illustre compa-
;-nheire de district, o Sr. Ermirio Coutinho, e os
Sa-rgamentos coarn uue aquelle amigo justificon o se-i
additamento, obrigain-ine aindla :a fazer tum-It ligci-
Sra defesa ao in mu distia--ta amigo, o Sr. capitol
++ Jose Francisco Cordeiro lc Arruda, nio porqito
S considers S. S. canrcedcr dc defesa; ma3s, porque
S M corre-mine o irnmcriuso dver de nao ouvir silcneiioso
aem p-rte algaun.i, u:n+i ctisura iafunadada A cs-e
:1 presado amigo.
., 0 Sn. EI.RMrrO dni um aparte.
0 Se. DEMOaaRT.-Diasu O men illustre comrii-
^u nheiro de district, qro 6 correutto nt conmrcn d.
^ Born Jnrdim, a suspAti do capiti) Arrada ,colt ir
>' crimnanos e~n sot caguiiho. R1 pliluei imnnediat:a-
^t'. mente que S. Exc., crit 5'i)s con) c, ex:,riniimulo-
se pin c-soe mn i>, r 'cinvn-so victim'- bla baLclla
de anverrsario do capitio ArrnuI:.
E, na verdale, ao cottrariu disto, o Sr. capital
Anruraca goasa na sum coftrt'it, odLlt ni:tsceu, oanle
y. pelo seu trabalho prc\severautc toraoui-so recmn-
;!+ nmendaveL e ajuntou fortuna....
o, SOR. ELBmIH--Eu nao reconheqo sec victims
;, d'essa balella.
O Sn. DxMocmrtro-Digo, que scnlo V. Exe. cri-
terioso, exprimindo-se per esse mode, contrario a
| verdade sabidA, mostrava que era violtim- doa ba-
K. lolla de adversaries do Sr. capitdo Arruda. E, nao
||+ teaho duvida, que V. Exc. A victima de um j uizo
i: inexacto. 0 capitao Arruda, 6 um cidaddo honest.


- -(Apoiado do Sr. Antonio Correia).
Caomo proprietario de grande extens'a de terre
no, abriga muita gente, antes corn o generoso sen-
timento de soccorrer aos pobres, do que aom a in-
.. par certo corn intuit de proteger criminosos.
it:: (Apartes).
O S. ANTONIO CortrI.-Apoiado.
0 Sn. Drmoc-Tro-Nao se p6de inferir do facto
fde o Sr. capitao Arruda aceitar emn sas terras
muitos moradores, que S. S. tenha a iatengao de
protege criminosos. 0 facto nilo se presta a essa
Sillagdo, o character do Sr. capital Arruda 6 ineom-
S pativel corn a protec~ao A criminosos, e nenhum
S proveito tiraria o meu amigo em affrontar a let,
forneeendo motives de constant persegicgio. Elle
torn o bnom sensor de nao justificar a perseguiso
dos seus adversaries. Elles que continue a mo-
1 lestal-o sem motive algum. (Apartes).
Ora, foi para fazer eose ligeira defesa (apartes),
ao me. amigo o Sr. capital) Arruda, que pedi a
palava. Mas, ua vez, que os nobres deputados
me inteMnompema corn tantos apartes, pecolhos
,petrisos para reprodusir a justifiai -do r u
S requerimentol, mnbrando o fazendo conhecra
SB. Exeon quo o cerbo do eagenho ahMelcia, tatnto
f, 'in gm o gidepersegui*, oi fin zaelvode
seaig pacte Isa opiniao publics, que
^^^p^,,.,fwmw. plt ^^f~^~g e8 eriores, of nm ^sub-
ant^ip1 dast& ,eneaod g
^H ^^'t^'ate -.^iiiMK'^ntoM" ewaf WT


iFl.. BI nsplr) mai quae a wver-
1&xWo-.-V. Exe. ,ine responda: o.: p
to e-inflaeocia legitimi ou lao &aqtsl 4
jic d < q La .* --*i


I


Art. 7P 0 term) de Muribeca terA dous tabel-
liieis do notas, accumulando o primciro os officious
de escrivito de orphaos, provedoria e ausentes; o
seagmlo os do civel, conmmercio, jury e execu6'es
crunminaes send exeroido por distribuia-o'o officio
dos crimes. IIav-erA tambem um partidor, que ac-
cnularA.r as funcecis de distribuidor c coutador.
Art. 8o Fica creada a comarca de Agua-Preta,
que comprehenderA o termo do nimosmo nome.
Art. 9o Revogadas as disposig5es em contrario.
S ida das eominissoes, em 31 de maio de 1831. -
Adeline A. de Luna lfreire.--odo Baptists do
A maral e Mello.-Pereira de Lyra.


A eommissao de redac1Oo 6 do parecer que se
adopted o seguiate parsa o project( n. 88 deste anno.
A Assoemblea Legislativa Provincial de Pernam-
buco resolve:
Art. 10 L' concedida A companhia ou compa-
nhias que se organisarem para a construcqgo das
estradas de ferro de que tratam as leis n. 1,455 de
9 dejunho de 1879 e 1,684 de 21 de junho de 1882
a subvecaco de 9:0005000 por kilometro depois do
verificada a entrega dofinitiva de cada um delles,
certificada polo fiscal de que trata o artigo do
respective contract.
Art. 2 0 pagamento dessa subvenglo sera feito
em apolices ano juro de 5 u/,.
Art. 3o 0 president da provincia flea autorisa-
do a fazer a emissilo necessarias A proporgAo que se
tiver de realisar a referida entrega, preeedendo
avis.) da companhia ou companhias dentro de um
prazo nunca inferior a tries mezes.
Art. 4o Revogadas as disposim"es em contrario.
Sala das commissbes, 31 de maio de 1884.-
Adelino A. de Luna Freire.--Pereira de Lyra.-
Jobo Baptista de Amaral e Mello.

A commissio de redaeglo ,6 de parecer que se
adopts o seguinte par a o projeto an. 129 J easte
anno. 1
A Assemblea Legislativa Provincial de Pernoam.-
bauo revolve -, : :, 1i; o
Art. uniso. Fica eowsidermda nmixta a oadeira do
sexo masculine de Maricota, sede- trausfauida
par& 9 lugar Ag Fria de 0limdo- -
Revoradna Am dimnoosiOeS em eomfrio. -


0 U fDlnocaia-Auto. do reoqudr .ipter-
gantaria aYV. Exe. aque Proposito invoir oawone
desse mea distiacto amnpio e polietade graademe-
reiamtoquando S.S. n& 6e satoridale !
[ 0 Sa. Vaxxxo- JE' porquae a&& foi paeguida ?
0 Ba. DZMoCRITO-O3 pearasidwares6 que doveu
erplicarassuAs prefereaitas.
0 iae paso explicar a V. Es. 4 qua o eapitlo
IRagoberto uam eavalheiro; numm cidadao manito
digno de tod respeito e atton Ao. EstA satisfito?
U Sa. D89 rruTa--O- Sr. capitao Rogoberto j A
tern sido persegaido e talvez aiada0 o seja.
0 Sa. DsxocaTo-Nmngioe.n sabe quando serA a
sua vez, mas respoado ao sobre deputado, que-nao
me compete esmarilhar os m-tivos, que torn a |au-
toriidade para nscolher o o r. capital Armruda, o que
me compete 6 denunciar o abuse a intenuilo de per-
seguir, e nio o desejo de cumprir devers, proec.
ranado-se crimiuosoa ond3 as autoridadas bemrn -
biarma, qua nao existiam. /
Uias outra circamstancia quo n-o esse.eferi,
quando pela ly vez me oceappi do requiermento 6
qua o cereo foi premiditado maieo mais de um mez
antes da sua realisaeao ; e para quae V. Exc. coa-
heoa: come proeeden 0 Sr. eapitiAo Arruda, e tonha
mais umai prova de quo S. S. n1eo e;culta crimino-
,Aoa- 4, -qe -sabendo elle deose p.ano,'sabendo, que
se pretendia cercar o seu enganho, nao tomnu nem-
huma outra providencia mais do que detixar o c -
minho franco, pars que a autoridade chegasse at6
1A e procedesse como fosse de direito.
Is:o por6m, qusi elle nao so temia da presenca
da autoridade, assim comr prova quo nbo tinha
certeza, namn suspeitava quo o iniividao, euja pri-
aso diz-se que o chefo de policia requisitara fosse
crimiaoso.
Mas, Sr. president, o ame preatimeso amigo e
distinceto correligionario politico, capitlo Arruda,
nao precise de defeza, porque o seu p:nseado e o
seu present o abonam malhormante do que todos
os discursos, que en the podesse dedicar. (Apoia-
do do Sr. Antonio Correia).
Cabe-me, Sr. president, dizer agora algama
cousa quanto ao aditamento do nobr-e deputado
pelo 1-' district. Eu tambem estoa informado do
facto a que allude S. Exc. e que faz object do
referido aditamento. E' exact que um emprega-
do do engenlih Babilonia, conduzindo gido do
Limnageiro para esse engenho, ao pasr pd-la pro-
priedade do Sr. major Leitao, foi detiilto pIlo mao-
tivos que o nobre deputado referio, atnarrado c
conservado na prison durante nove dias !
Daando assim o meu testeAmunho, nio tenho em
mira accrescentar proevas contra o Sr. major Lei-
tdo, a respeito de quem externei-me da mode jus-
to ; mas deixar patente, que ainda assim S. S.
obed.uce a lei dominant : 6 um verdadeiro liberal
na pratica das pequenas e das grandes violencias
(Apartes).
Nao e proposito nosso, nunea o foi, pela minha
parte o garaunto, molester individualmente aqui os
nossos adversaries ; mas 6 e umprimeato de um
ever, egtranhar o procedimento das autoritiades,
quando ellas contrastamn corn a lei e feremn direi-
too do cidadAo.
Portanto, V. Exc. nao terA nenhuma repugnan-
cia ea o espero, semr quebra das suns rela*5es
amistosas parsa corn essas autoridades, em votar
pelo requerimento que offereci A consideraciao da
casa, e tambem pelo aditamento do meu illustre
amigo, deputado pelo lo district.
Restabelecida a verdade, rectificado mais uma
vez a born conceito que merece a reputacao do Sr.
capitao Arruda, eu vou sentar-me, esperando que
o nobre deputado corn os seus amigos, vote pelo
requerimento e polo aditamento, conveneidos de
que o menu procedimento niQo 6 de opposicionista,
mas de um cidadao que interessa-se pelo bem pu-
blico e pelo field cumprtmento das leis.
VozEs-Muito bern.

A commissoo de rodacqdo propSe o seguinte pro-
jecto n. 42 deste anne.
A Assemblta Legislativa Provincial dc Pernam-
buc) resolve:
Art. 1t Fica creado o termo e comarcea de S.
Lourenco da Matta, compost das freguezias de
Nossa Senhora da Luz e S. Lourenco da Matta.
A sede desta comarea sera a povoa-ao de S. Lou-
renco da Matta, que flea elevada A cathegoria de
villa corn o mesmo nome.
Art. 2o No munieipio e termo da comarca de S.
Lourenco havera dous tabelliles de notas, aceu-
mulando o primeiro os officios deescrivdo de or-
orphdos, eapellas e residues, jury e execuqoes cri-
minaes, e o segundo os de escrivao do civel, com-
mercio e registry geral de hiypotheoas. Os officios
crimes sermo exereidos par distribuicao. Fica
ignalmente creado no mesmo termo o officio de dis-
tribuidor, partidor e contador.
Art. 3 Fica creada a comarca de Triumpho
corn os limits conhecidos seguindo ate S. Sera-
phim, e elevada a cidade a villa do mosmo nome.
Art. 4 Fica elevado a comarca o termo de
Gravatd, conservando a actual circumscripnlo e
passando A cidade a respective villa,.
Art. 5 Fica elevado a comarca o terms da Glo-
ria do Goitn, sob a mesma denominaiqo, corn a
unesma circumscripqdo territorial.
Art. 6 A freguezia de Noss.m Senhora do Rosa -
rio da Muribecr o todulo a district de paz de Boa-
Vi:gem formarno um municipio e termo annexo ai
con nrca de Jaboatdo. A sude do nrov munieipio
serm. a povoa?Ao die Muribe.a, que fiba elevada a
cathecroria de villa.


Approvou-se em 3a discusslo sendo remettido a
cominissao de redaceao o project n. 129 deste
anno )considerando mixta a escola do sexo mas-
culino do Maricota) bemrn oomoe o de n. 88 tambem
deste anno (subvenao de 9:0004 as companies
quae se organisarem para a coastrucelo das estil-
das de ferro de que tratam as leis ns. 1,455 e
1,684).
Eom 1v discussao approvou-so o projeeto n. 141
deste anno (jubilaao de urnm professor) sendo dis-
pensado do intersticio a requorirneuto do Sr. Ar-
ruda Falcilo.
Approvou-se corn duas emeadas em 2a discus-
ao o projeeto n. 29 deste anno (freguezia de Nos-
sa Sen hora do Patroeinio de Belem).
Entrando em 3a discussao o projeeto n. 25 deste
anno (restabelecimento do lugar de aduinistrador
do cemiterio de Santo Amaro) foi aprcseatado e
approvada uma emenda.
Approvou-se em 3a diseussao, send remettido
A commissao de redaccao, o profecto n, 204 deste
annoa (remissio do que deve a fazenda provincial
o coronel Thomaz de Aquino Cavaleante). :
Em 2a discussso approvou-se o project n. 169
deste anno (supprimindo o district de paz deTa-
bocas) sendo dispensado do intersticio a requeri-
mento do -r. Juvencio Mariz.
Approuvou-se em la discussao o project n. 136
deste anne (crea.ao do mais dous lugares de ofli-
ciaes de just" para o juizo dos feitos da fazenda
desta cidade) sendo dispensado do intersticio a
requerimento do Sr. Santos Pinheiro,
Em 2a discussIo corn nma emenda foi appro-
vado 9 projeeto n. 163 deste anno (linha de ferro-
carril em Nazareth),
Approvou-se em 1a discussao o project n. 181
deste anne creagio de umn segunao eartorio na
cidade de Bezemrros) sendo dispensado do inters-
ticeio a reqaerimento do Sr. Cunha Beltrio.
Eatrando em 3a4iseasslo o projeeto n. 64 deste
anno (mandando pertenoer o engenho Camella A
freguezia de Ipojuft): foramn apresentadas e ap-
provadas mais quatro emendas..
Encerrou-se a 2a dismsslo dj project n. 123
deste anno concessiono de prao de 30 annos a
Jos6 da Silva Loyo Junior para exclusaivamente
asentar e explorer nesta provincia linhas ue
transmittamn a electricidade par a luz e o aovi-
mento) alo se votandopr falta de nurero eten-
do orado os Srs. Jos Maria, Baro de Nazareth,
Aristarcho Lopes e Erufirio (outinho,'
Adiou-e de novo opr e adado da coniis-
saP defazenda e orpamentO sbre repreaentaga..
do inorcisiros, .**tvll*: ii'^*^*:
A ordem do dia :
la dioc ssio d" Pm too no. 164, 191 2I
2a ds d nL20 L42 14169~, 176,
181: 3* dos do 49.i 158 ea.9. hat it r;.6"


Caviro RamoeP
uabrosio Rago Pa-


N. 27.-Supptimae a emenda n. 5, maatendo-
ee o,.i:8,do 1I dvmaneiracuese achampro-
jeto.-ntem P*lhea ia D *-
N. 29.-Supprimaa-se o1t 6' do art. 2 a. 1-Ba-

N. 2a.-Supprima-se a emenda a. 5 aprjoenta-
da pela co uisaio.-Bzr& do Nazare4.


Riprodazimos o segeaiste parecer, por ter sido
bont em publicado com enganos:
A e:Cmissio de redaco propoe a segainte para
4 projeeto o, 58 dest anneo:
A Assembl&a Lgislativa Provincial de Pearam-
btco resolve :
" Art. 1o Fiea o president da provincia autorisa-
o a conceder as aeguintes lieeagms corn ordenado
so.nentep: r urn auao para tratar. de aua xaude
unde lhe anvier ao bachrel Ilearique Affoaso de
Hiranli. Leal, chite de seegio da secretary da
presidencia, Joas X:ivier CameirQ de BArroaVAm-
pello, Ana&IJgnez daSilva Ramos, profesaoraksta
cidade, 8obastiao Olegario de Vasconcelloa alvo-
Balbina Firmina da iRsa L3al, professor de San-
har6a; p:r urn ann> dentro da provincial a Jos3
Luiz de oFrtaqi rorres, professor do, Nazareth,
Maaoel flenrique de Miranda Accioly, professor
de Igarassu, Minervina Francisca Cardoso, pro-
fessora mixta da cidada de Santo Agostinho do
Cabo, Franciieo Augusto Paes Barreto, 2 official
da seeretaria da presideacia, Manoel Jeroaynmi da
'osta UAhna enmpreg.do'das Obras Publieas, e A
Victorian) Josh .tdr.1lr Palhares, corn todo oa.ven-
cimaontos; por seis mazes para oude convier a
Sophia Ga.ilherminia de iello, Diogo Carlos de Al-
meida e Aklbuquerque, tnnitor do. Gimnasio Pro-
vincial, MLria Cleoboliai. de Mello Ottini, prot'es-
sora de Sio Froi Pedro (niialves, Jos6 Candido
da Silva Pass'x, professor de Olinda; para dentro
da provincia, por seis mzes, a Anna Senhorinha,
Varejo Barblsa, Carolina Militana de Carvalhos
professor da Ponta dos Carvalhos, Luiz lhpiphanio
de Souza. escrivao d.) Thesougo Provincial, profes-
sor Bomardo Teixeira do Moura, professor Anna
Franeclina do Rego Barros, Guilhermina da Silva
Canha, professor de Slo Bento, professor Antonio
ML:ximo da Barros Leite, Anna Senhorinha Montei-
ro Pessoa, Alexandrina Umbelina de Freitas U4eoa,
professor de Togipi6 e A profossora mixta do Ja-
boatAo.
Art 20 Ficam revogadas as disposic.es em con-
trario.
Sala das commissues, em 30 de maio de 183t-
Adeliia A. de Luna Freire.-Pereira de Lyra.-
Joio Baptista do Amoral e Mello.



REVISTI DARIA I

Asembl6a Provincial Funccionoa
bontem, sob a presidencia do Exin. Sr. Barlo de
Itapissuma tendo comnparecido 22 Srs. depata-
dos.
Foi lida e approvada sem debate a acta da
sessao antecedente.
0 Sr. 10 secretario procedeu a leitura do so-
guinte expediente:
Um officio do secretario do governor declarando
que o prazo para a conclusao das obras da barra-
ragem da ilha do Jardim. em Barreiros, foi proro-
gado por 6 mezes per portaria da presideucia de
16 de dezeminbro de 1883.-A' quern fez a requi-
sigio.
Outro do mesmo, remettendo um original a in-
formaao prestada pela Repartigiao das Obras
Publicas acerca da barrage da ilha do Jardim
em Barreiros.-A' quem fez a requisicao. .
Forai# approvados 3 pareceres da commisas
redaccao sobre os projects ns. 25, 28 e 56 deate
anne.
Foram a imprimir os seguiates projects :
N. 208.-Conccdendo a Anna Emilia de Albu-
querque e Francisca Ramos da Costa Lima, o fa-
vor em terms iguaes ao de qae trata a lei n.
1,591.
N. 209.-Transferindo a scde do district do
ParA da freguezia da Pedra da cooxarca de Bui-
que pars a povoa1o de Santo Antonio da mes-
ma comarca.
Passou-se a ordem do dia.
Adiou-se de novo pela hora a 2a discussao do
project n. 165 diste anno (orgamento municipal)
sendo apomadas mais 4 emendas e tendo orado os
Srs. Bariao de Nazareth e Luna Freire Junior.
Approvaram-se cm la discussso o projecto n.
142 (transferencia para a povoacao de Po"o Fun-
do da sede da freguezia do Jacarara) sendo dis*
pensado do intersticio a requerimento do Sr. Ju-
veneio Mariz, e o de a. 159, ambos deste anno
contracto de lampeues para Pao d'Alho) sendo
dispensado do intersticio a requerimento do Sr.
Maximiano Duarte.
Em 2a discussio foi approvado o projeeto n. 135
deste anno (revogac.lo da lei n. 1,796, pondo-,ao
em vigor as arts. 20 da deon. 601 e 3o da de n.
921, scndo dispensado do interstioio a requeri-
mento do Sr. Praxeles Pitan~ai.


esse appello admittido pela mesa sendo para ser
opportunamente tornado em consideracilo, a MnI)-
ria, pelo orgdo do Sr. Dr. Nile de Miranda lavrou
um protest contra o acto da vespera quo a rues-
Sma Minoria chainmau umi violencia, c tolos os
memnbros da dita Minoria se retiraram do recinto,
declarando nao mais atli voltar.
Eneorporados e seguidos do um numeroso gru -
po de pessoas do povo, dirigiram-se os deputados
para o escriptorio da redas.o do Tempo, do onde
os mesmos deputados e outras pessoas fallaram A
grande massa que se reunio na rua, prolongando-
se os diseursos ati5 depais de 3 horas da tarde ,que
foi quando dissolven-se em paz o ajuutament). a
Iomo se v6, nas encabeoamos esta noticia dizan-
do : a Corom sabem os nossos leitores, etc.; e pois 6
evidence quo ahi fizemos alluslo ao quae se havia
passado na sess-o de 26 de maio, e de cujos fac-
tos tiveram sciencia os nwseos leitores peia chro-
nica da Assemblea, publicada a 27.
N'essa chronic fern dito o segainte:
a Approvou-se em 2a discussao o projeeto n.
23 d'este anne (fixango da forqa policial) tend
orado, pela ordem, o Sr. Jos6 Maria, que propoz o
encerramento da discussao do art. 2(, send o
mesmo enweramento approvado.
a Submettido a discussao 6 art. 30 houve gran-
de reclamacao da opposigio polo que o Sr. presi-
dente suspended a sessao.
a Em seguida foram approved os arts. 3o, 4
e 50, sendo suspense de novo a sessao depois de
votado a art. 4o e levantada depois da approvagao
do 50. v
E' obvio que estando ahi referido pelo miudo,
tanto quanto comporta uma chronic parlamentar,
o que se passou na session de 26 da Assembl6a, nao
havia mister que o repetissemos A 28, tanto mais
que o nossoe fito era refenrr o que se passou depois,
isto 6, a retirada da minoria do seio da Assemble6a
e o mais que se Ihe seguio.
Assim, basta confrontar a part da chronic de
27, referente as oceurrencias de 26, corn a primeira
part da nossa noticia de 28, para ficar patent o
mais perfeito accordo.
Na chronica falla-se detalhadamente dos arti-
gos do project n. 23, na nossa noticia de 28 tra-
ta-se em globe da 2a dissd desse project, e nin-
guem de boa f6 dira ue por esse facto as duas)no-
ticias se chocam servmndo 'a chroniea, comoe preten-
de a illhusteMinoria, parn provar a inexactidao da
notieia de 28.
0 que nos parece evident 6 que a illustre Mi-
noria naio presto bastante attenlo A nossa noti-
cia de 28, peis quo acreditou qne nessa noticia nos
haviamoa referido ad encerramento do art. 2 doe
projeeto, qumando o que disemos fo, come se v0
zchna,--entrando em 2a d&4w o o proje6to n. 28,
quo fixa a fa poltial para e faturo aexericio, A
rquenrimto de ua membro da maioria, foi eu-
w rada t e-2 gUlW ^..:V 'l*^^ -t- *-111[**:1


Tueate, I(auoel Bapom Pereira.
Atfw, Leodegario Rteira Varejie.
iAignado -Jod Mewu de FreitA.. v
irldades pUet -- Por portarias
da presidencia de 30 do corrente e sob propoota do
Dr. chefe de policia, foram exoneradas as seguin-
tea autoridades policies :
A pedido, do cargo de subdelegado do 41 distrie-
to do terwo do Cabo, o capital Joao Hermmno de
Oliveira.
Do de le upplente do subdelegado do 4o dis-
trieto do mesmo termo, o idadao Luiz Cesar Pin-
to do Faria.
Par portaria da mesma data e proposta, foram
nomeadas para o 4e district do term do Cabe as
seguinteo autoridades policies :
0 actual 2 supplente Antonio Mendes Pereira
de Car valho, para e cargo de subdelegado, Ma-
noel Jose Mkendes da Silva Santos, actual 3o, para
o de 19 supplente, Agostmho Theodore de Mello
B arreto, para o de 2o, e Antonio Cavalcante de
Araujo para o de 3o supplente.
A Miaoria da Assewabla Provin-
cial-Nas columns edietoriaes do Tempo de
hontem a illustre Mnnwia da Assemblea Provin-
cial fez iaserir urnm escripto em que, ap6s algumas
retlexoes, A n6a dirigidas, transereveu o que dis-
serana & 27 de maio findo, na chronic da Asse.n-
blea, taut3 este Diae io e)mo o Jorrnl do Recife,
levando em mira aquella Minoria corrob)rar a rec-
tificafco, que nos havia mandado e n6s publica-
m')s, a notieia quoe havia-nos dado A 28 do alludido
mez do maio sobre os factors oecorridos nas sessoes
de 26 e 27.
Santimo-nos obrigados A dar uma resposta, e
vamos dal-a tao peremptoria quanto marecem-n'a
s08 sign;Atarios da contestanao, tao francs e cathe-
goriea quanto pedem-n'a as interpretaq5es sibili-
nas que d forciori ha quem preteada dar ao que
escrovemos.
Eis o que no Tempo de hontern publicou a tillus-
tre Minoria da Assemnbl6sa:
Nao pretendondo mais incommodar a ill ustrada
relacclo do Diario de Pernambuco acerca dos
verdadeiros motives que determinarum a nos-a re-
tirada da]Assembl6a Provincial, faremos aqui urma
ligeira, mas formal contestaio Ai veracidade dai
informaqAo qne I he foi dada par pessoa que ella
qnalifieou de circamopdca.
c NIo duvidamos da circumspeqao do informan-
te do Diarlo, e desejariamas mne.,m> que elle se
d6sse a conhecer e viesse sustentar a sua affirma-
tiva.
a Temos, por6m, mcio do provar que, por mils
eircurmspecto que s(,ja, enganou-se corn excessive
simpt icidade.
. Bllastar-lhe-hia ler o quo publicaram tanto o
Diario, come o Jornal do Recife na suaans Revis-
tas de 27, quanio noticiraram as occumrrencia da
sessao de 26.
(Seguem-se as transcripcoes A que acima allu-
dimos).
Ahi se diz que se oppue c umi ligoira mtis.or-
mal contestagdo a veracidade da infornagao s que
nos foi dada per pessoa circumapecta, e gripha-se
a palavra -circumspecta- come que parn p6r em
duvida o valor que demos a esse vocabulo.
N'este ponto. s temos uma observaco a fazer
e 6 quse, por rmor quoe seja a circumspecigo e o
amor A verdade de que se natram os illustres au-
tores da contestacao, nao julgamas sominenos em
nada A nenhum d'elles o nosso informant, quo
nos'merece todo o conceito, tola a f6 que Ihe de-
mos quando, par pedido nosse, foi colher a infer-
macao quo nos subministrou.
Accresecenta, entretanto, a illustre Minoria que,
a' no duvidando da cireumslpecco do nosso infer-
mante,-affirmafiva quo alias estA em desaccordo
com o quo flea apontado, tern meio de provar
que enganou-se (o informant) corn excessive sim-
plicidade, e procura fazer essa prova corn as
traansripq5es citadas.
Vamos, pois, ao principal ponto do eseripto a
que respondemos, e demonstremos que o nosso in-
formante foi field c a nossa noticia (contestada)
perfeitamente exacta.
Eis a reproducqgo exacta do que escrevemos a
28 de maio e:
a Come sabem os nossos leitores, na sessao do
ante-hontem da Assembleas Provincial, entrando
em 21 discussao o project n. 23, que fixa a forca
policial pars o future exercicio, a requerimnento de
um mombro da maioria, foi encerrada a discunsao
em meio de clamores e protests da Minoria, que
exigia o cumprimento do art. 130 do regimento da
corporaqde que assim dispie:
Todos os deputados tern direito de fallar duas
vezes a respoito de qualquer project em geral, e
de cada artigo em particular, except o auter do
project ou o relator da commiss.o, que o tiver
apresentado, cada um dos quaes poder. fallar
mais unia vez; e o mesmo sobre qualquer mate-
ria, que entrar em discussao, e unma terceira vez
quando houver omenda. cc
a Sem embargo das reclamaq5es foi approvado o
encerramento, e a sessao levantou-se no meio do
um quasi tumulto, em que tomaram pirto as ga-
lerias.
a Hontem, logo a)pos a leitura do expediente,
urn membro da minoria, podrado a palavra, fez um
appello A Assemblei para que reconsiderasse o
qua se havia passado na vespera, maa nao send


Affirmamos que o nosso mode de dizer exprime
melhor a verdade dos facts, e que outro nao p6de
ter side o pensamente da minoria.
Corn effeito, nao 6, nao p6de ser crido que a il-
lustre Minoria desprezasse a questao de fundo
pala questao de f6rma. Aquella era inquestiona-
velinente o actor do encerramento da discus ao do
project n. 23, contra o que prescreve o reorimen-
to da Asembl6a ; e foi contra isto que a M eoria
protestou, e foi se u proposito que fez o appello.
A questao de f6rma, questao secundaria, havida
a 27, foi a da opportunidade de ser discutido e
resolvido o appello ; e, repetimos, ninguem se
capacitarA de que foi esta que determinou a illus-
tre Minoria a tomar a gravissima resolnuc.ao de
abandonar os sous ilugares na Assoembl6a Pro-
vincial.
Assim, em honra da propria Minoria, nao pode -
mos fazer-lhe o sacrificio da nossa noticia de 28,
n'esse ponto, e temos a conviecao de que, se a il-
lustre reclamante expressou-so per f6rma divers
da nossa, nao teve pensamento difforcut3 do que
exteranamos na dita noticia.
0 qnc rest depois d'isto ? 0 detalho apenas
dos factos. Mas a falta d'elles, 6 forqa confessor,
por mode nenhumn inquina d- vicio a nossa noti-
cia, e muito menos daI o direito a quem quer que
scja do contestar a circumspccgcao do nosso infor
mante.
Em conclusao, pelo que fica expendido so v6
que a reclamaga'o da illustre Minoria, nos trechos
referentes A segunda part da nossa noticia de 28
de maio, tambem nado tinha, neam tom procedencia ;
* pois flea evidenciado que, sendo ella inaceitavel
em ambas as parties, nao deviamos n6s assumir a
sua responsabilidade, que deixamos inteira aos
seus illustres signatarios.
Se fbi este ultimo facto que resolve a illustre
minoria a fazer a publicacio 4 qui respoudemos,
ainda nuao teve ella razio, porque devem saber os
dignos cavalleiros quo a compoem, que ninguem
aceita a responsabilidade de actos e factos senao
quando uns e outros se ajustam completamente
ao sea mode de sentir e dizer ; e n'este ease nao
so achava a rectificagio, porque nao havia o que
rectificar n'uma noticia, laconica sim, restrict se
o quizerem, mas field, exacta come a propria ver-
dade.
RendIimento publicos Arrecadaram
as seguintes estagoes em maio :
Alfandega
De 1884 985:3714476
De 1883 721:4465400
De 1882 870:3575221
De 1881 837:5120469
De 1880 806:073$198
Recebedoria de Rendas Geraes
De 1884 50:023$401
De 1888 52:294$473'
De 1882 59:323021
De 1881 55:786037
Do 1880 52:864317
Uossukido ProniTal
De 1884 124387 473
Do 1883 66:764088
SDe 1882 170:250640
Do 1881 203:7694235


*V -eLwK ~r-& a Ame WU; no Famom Parue
lo oques edeama +ra tedid a vota~go do art. 20,
teve gar n" to m dwarts. 30, 40 e5o, que
table e o po nu proeeso mAis .turario ainda
(por quo nem requerimento de eaeearrmeto houve)
foram couuiderados approvados pelo presideate da
Assemble, simultaneamente comn outras tantas
saspenso e da eesao. laso memo coastal do res.t-
me da sesao, publicado na RBWist de hontem.
Asatin, cremos ter deixado assas claro e liquido:
0lo que a primeira part da noss aotieia de 28, de
perfeito accord e m a chronaica de 27,-alias apma-
tada com o prova par a rtificaf,-foi perfeits-
mente fiel; 20 que a reclama.o feita e o pedido de
rectificacao nessa part, partindo de umn equivoco
ou false supposto, nao podia ser attendido per n6s
senaoe come o foi, isto ,4, sob a exclusiva responsa-
bilidade dos reclamantes.
Nao tinha, pois, razio a illustre Minoria para, A
gaiza de censura u n6s, mandar inserir nro Tempo
de hontem as palavras quo em comevo transcreve-
mos; e tanto menoi razio tinha para isso quanta,
dande de barato que nos houvessemos referido, na
noticia de 28, 1 discussao apenas do art. 2o do pro-
jecto n. 23-hypothese gratuita, come flea prova-
do-, ainda assim a propria Minoria nos justifica-
ria corn o appello que fez a Assemble6a na. sessao
de 27, appello que o Tempo de 30 de Mnaioe publi-
eou, e 6 o seguinte:
Appellamos para a casa e requeremos que
esta, na conformidade do regiment, art. 138, de-
eia se o Sr. president da Assembl6a vieloa o re-
gimento, aceitando, sujeitando a votaqlo, semr dis-
cussio, negrando ate a palavra pela ordem a di-
versos depuaados, urn reuerimento de encerramento
do art. 20 do projeeto n. 24, e dando per approvado
esse requterimento, quando a Assomblea, no estado
de pertuibacao da ordem e do tumult em que fi-
cou, achando-se todos os deputados em pt, nao po-
dia deliberar, nem era possivel verificar a votagao
que alias nao houve nem podia ter havido, no
mesmo moment em qae o Sr. preosidente declarou
que, ntlo podondo manter a ordem, suspendia a bes-
sao.-27 de maio de 1884.-Dr. Francisco A. Rosa
e Silva.-G6es Cavalcante.-Joao Alees.-Nilo de
Mirawnda.-Antonio Correia.-G. de Drummond
Filho. Alfredo Correia. Antunes Pinheiro.-
Constantino de Albuquerque.-Olympio Marques.-
Jose Vicente Meira de Vasconcellos. n
0 que ahi flea dA a razao do equivoco da illus-
tre Minoria, que to.'non o seu appelo pelo que es-
crevemos a 28; e isso mesma serve para pur em
evidencia a improeedencia da reclamna~ao, mostran-
do contradiqdo centre o firmado nesse document e
a rectificacao pedida do documents que publicamos
4 30 de maio.
Quanto A' 2a part da nossa noticia de 28, quo
tambein mcreceu os reparos da illustre Minoria-
parte esta que 6 a propriamineute devida ao nosso
mintormaate-ainda nao procede a rcclama.ao, per
que, embora laconica e sam rninudencias, exprime
a verdade dos facts occorridos na sessao de 27,
per summa capital.
0 que dissemos n6s na 2.a parte da noticia de
28 ? Eilt-o, e no se pcrdo nada em repetil-o :
, HoIntem, logo ap6s a Icitura do expediente, um
membro da Minoria, pedindo a palavra, fez umn
appello 'a AssembleL para que reconsiderasse o que
se havia passado na vespera (veja-se o appelto),
inmas ino seado esse appello admittido pela mesa
sendo para ser opportunamente tornado em consi-
deragdo, a minoria, polo orgao do Sr. Dr. Nile de
Miranda, lavrou um protest contra o actor da ves-
pera, queo a mesma Minoria chamou urna violencia
(veja-se o appello), e todos os membros da dita
Minoria se retiraram do recinto, declarando nao
mais alli voltar.
0 que disse, por6m, a illustre Minoria na recti-
ficaga'o quo nos remetteu e n6s publicamos a 30
dc maio ? Eil-o :
Todos estes factos foram relatados e especi-
ficados pelo nosso amigo Dr. Rosa e Silva, quan-
do justificou o nosso requerimento de appellaqao,
requerimento que nao pcdia deixar de ser lido e
votado na f6rma do regimento.
a Assim nao procedeu, por6m, a mesa, admit-
tindo que o deputado Jos6 Maria o discutisse
pela ordem, atW findar a hora do expodiente, nao
obstante as nossas reclamaqoes ; recusando man-
dar fazer a sua leitura para submettel-o a vota-
gao, como 6 expresso no regimento; e passando
ex-abrupto A ordem do din.
Foi para estabelecer numa questao de ordem
aeerca da direcao que a mesa dera ao nosso ap-
pelloi quoe onosso amigo Dr. Nilo de Miranda
procurou fallar pela ordoem ; o n.ao sendo attendi-
do, nao obstante a usisteacia legal quo oppoze-
mos ao acte da mesa,' foi que, reaberta a sessao,
depois de suspensa, tomamos todos a resoluqdo do
retirarmo-nos. ,
Confronte-se o que ahi e rclatado corn o qne dis-
semis, e vai acima, e tenha-se em eonsideraqio o
appello, tambem publicado, e ninguem deixara de
confessar que a nossa noticia, ainda que summa-
rio, esta field, post quo, a primeira vista, o final
da contestac.o pareca em desharmonia corn o que
escrevemos.
Na rectificacao se diz que, nao sendo o Sr. Dr.
Nilo de Miranda attendido na reclamacao que fi-
zera a, mesa sobre a di-eccao dada ao appello, a
minoria resolve rotirar-so ; e n6s dissemos que,
a nao sendo esse appello admittido pela mesa se-
nao para ser opportunamente tornado em conside-
raq.o, a minoria lavroms urn protest contra o actor
da vespera e retirou-se. a


c Uma ruidosa e prolongada salva de palmas,
sandac5es e abragos acolliheram esta gencrosa pro-
messa do distinct cavalleiro.
a Na manha do dia seguinte, 18, teve lugar o
acto solemne da entrega das cartas, presidido pelo
illustre Sr. Dr. Cordeiro de Castro, representando
o S-. president da provincia, per ter o Sr. Jorge
Sobrinho de representar o Club Amazonia, como
orador da fiesta, o que iez proferindo enthusiastic
discurso. v
Houveram diversos discursos, e festas que da-
raram dous dias.
0 Sr. Teixeira, al6em dos seus escravos, manu-
mnitio outros existentes nas suas terras, concorren-
do corn a quantia de 820.000.
Nas pehdras do Arrozal batera o vapor na-
cional Rio Branco, quo fez um grande rombo no
costado, de que resultiu avariar-se grande part
do seu carregamento.
Tal 6 o que referee o Diario do Grao Pard do
21 ; mas no din aseguiate accrescentou a mesma
folha:
(c 0 vapor Rio Branco afundou totalmente, sal-
vando-se apenas a tripolaAo, os passageiros e os
livros da cscriptnraqao.
a 0 vapor, dizei-nos, estava seguro, n'lo nos
costa se tambem o carregamento.
Os passageiros acham-se jA nesta capital,
para onde foram trazidos pelo vapor Vulcano. a
Fallecera o capitao Egydio Paes Duarte, se-
cretario da Camara Municipal e ex-redactor do
Diario do Grdo Pard.
MAANaHzoe-Nao recebemos as folhas desta pro-
vincia. Pelas do Para porem sabemos que falle-
cera o conselhciro Jodo Caetano Lisbon, presiden-
te da Relacao de S. Luiz.
CEAR,(-Datas att 28 dc maio :
Nada encontramos nas folhas que mereqa men-
9ao.
Menores e loeos 0 illustrado Sr. Dr.
Tobias Barreto de Menezes, lente da Faculdade
de Direito, mimoseou-nos corn um exemplar do li-
vro de sua lavra, edictado pela casa H. Laem-
inert & C., da corte, sob o titulo Menores e loucoe
em direito criminal, estudo sobre o art. 10 do co-
digo criminal brasileiro.
A m6r part do livro em questao ja foi publica-
da em artigos neste Diario, que muito se penlie-
rou corn essa collaboraaeo valiosa do Sr. Dr. To..
bias Barreto ; e pois,jA os nossos leitores coIhe-
cem o valor intrinseco do bellissimo trabalho do
festejado escriptor, trabalho sobre que disseram
os edictores do livro que a 6 de character theorico
e 6 apto a despertar a attenalo e merecer a leitat-
ra dos mocos estudantes de nossas Faculdades j4
ridiftas, e, em geralm, de todos os que se applhca
As investigators e analyses do direito criminaL,*
Agrad-3cendo o delicado mimo, temos por esed..
sado, recommendar o livro, que por si mesmo s$
imp.e.
Tribunal do Jury do 3 cife.-Ama,
nhl deve comear a 3.a sesso deste trtbual i
corrente anno, send peresidida pelo Sr. DI ALSW
noel da Silva Rego, juiz de direito do4'
criminaL ""'* ....
Par. ema s'1a0o fora msortoeados .
jUixes do facto: ,- .- :


I t. ..


1 Jbmil
f2 Jo6

3 Joio


hifeiVL


a


00trapi.0de Oun4a-Mal
mo n6, a* wevc hemf. o quodisserosf s
ro o 0estado precarie da neguransa d proprieda&a
de em Olinda, que hontem aiesmo t imvsseamos uiwa
naft prova, *e st. d.mnais alanmantes, acerca do
eatado da viaha cidade!
Hantem, peki madrugada, aceordando o Sr. MK
noel Pinto de Barro, estabeleeido cru loja de f
nileiro no Varadoaur, e sersaber om eerto qae ef
ras emm, abtio a port. do seu estabeleej enq
sabio parao exterior.
m lediatanete foi abeirado por dous indivi-
duos pintados de preto, e dous pardos, os quakes,
armados de facas e pistols, the disseram que
queriam beber, suppondo sem dnvida que o esta-
belecimenco do Sr. Barros era urma taverna.
0 Sr. Barros abrio de tolo a sua port, mostran-
do aos cujos que nao tinha o quse elles diziam pro-
curar; mas os tees mdividuos, apontando-lhe ao
peito as facas e pistolas, exigiram do Sr. Barros
que se nao movesse nem desse alarma, em quanto
elles varejavam-lhe a casa.
Assim o fizeram os cujos e empalmaram ceresa
de 500. que encontraram n'um quarto e mais a
roupa que Ihes conveio levarem ; e depois deram
supapos e fizeram contus5es no Sr. Barros, ame.a-
qando-o de cousa peior se desse corn a lingua nos
denotes.
E retiraram-se na santa paz do Senhor, porque
em Olinda ndo ha policia, e a vida e a propneda-
de dos cidaddos acham se merc6 dos bandidos,
que, corn todo o descaro, assaltarn ao raiar do dia.
aos pacificos e inermes. que repo isam nas segu-
ranWas que Ihe deixam entrover a autoridade !!
E 4io foi tudo.
Na noite do mesmo dia, uma pobre mulher ue
se dirigia r p6 para Olinda foi assaltada e maltra-
tada no ingar ponte da Tacaruna, As portas, por
assim dizer, de Olinda.
Se estes ifactos nao piem o rematte m tis esplen-
dido As gentilezas que hontem narrAmos, entao nao
sabemos o que mais 6 precise para levar A ultima
evidencia a necessidade urgente, indeclinavel de
serem adoptadas promptas energicas providencias
'.eom rela'o -A Olinda, onde os bandidos, arvorados
em quadrilha organisada, estao impondo a lei da
forca, semr que lhes sirva de tropego a forya da
lei.
Enimola-Um devote de Nossa Senhora da
Conceiqao, em commemoraqdo ao encerramento do
mez de Maria, remetteu-nos 55000 para distribuir
corn families pobres.
Attento ao estado de angustias em que se acha
a viuva D. Miquilina Sebastiana de Albuquerque
Vidal, mortdora na rua do Nogueira n. 12, de on-
de estA am aauda de scr despejada pelo inflexivel
senhorio do predio, mand~imos a esmola a essa po-
bre velhinha, digna de todo o nmpao.
Companlia lyrica italiana-O vapor
Sirio, que traz a seu bordo a companhia lyrica
italiansa, de que impresario o Sr. P. Mario Mu-
zclla, nao ehegou ante-hontem, como se propalou,
porem sim Iontem. Ao escurecer appareceu na
horisonte. Deve entrar hoje.
o Secuo-Publicou-se o n. 4, do 2- anne
deste orgilo da sociedade Lta Litteraria.
Notieian do norte Pelo vapor allemgo
Rosario, reicebemos as seguintes noticias :
PAKd-Oatas ate 22 de main :
Continuava a grassar a variola na capital e em
alguns poritos do interior, inclusive Bragana.
Diz Diario do Grao Pard que A cidade de
Braganca cheguu o Sr. Dr. Ignacio de Moura, que
alli toi emcommiss'o do governor.
0 Sr. Dr. Moura fez utma conferencia em que
tractou la gamente das vantagens que no future
vai aquellf localidade usufruir corn a estrada de
ferro de Braganca.
Os Srs. c ronel Pinheiro, tenente-coronel A.
F. de Miranda e Antonio Caetano Ribeiro offere-
ceram-lhe um almoio, durante o qual levantaram-
se brindes ao Sr. Visconde de Maracaju, ao coa-
cassionario da estrada de Braganca, a imprensa,
etc., etc. .
Diz a mesma folha que no dia 6, per occasiAo
do anniversanro do Marapariense, foram concedi-
das seis cartas de liberdade per esforgos de alguns
amigos d'aquella folhia.
No engenho do Sr. Francisco Alves Teixcira
foram libertados par esse bcnemerito todos os sens
escravos, celebrando corn estes uma commissilo do
Club Amazonia contracts de locaqio de service,
come era intuito do illustre libertador.
a Este, que concedera a liberdade gratuita, es-
tabeleceu nos contracts urea soldada de 305000
mensaes, per tires annos minimo permittido pela
lei, sustento, casa e iratamento. Os instrumentos
form escriptos pelo escrivdeo de paz, Sr. Autoni
Danglars de Almeida, rubricados pelo juiz de paz
do district, Sr. Jose Floury Correia Caripuna,
assignando a roge o digno promoter public e cu-
rador geral da comarca e esforcado abolicionista,
Sr. Luiz D. J. Tavares.
a Form 26 os contractor, deixando de fazer-se
os dos libertos menores e orphaos per dependerem
de licenaa do juiz de orphaos.
Concluido o acto, durante o qual os libertan-
dos nao eessaram de louver a seu bemfeitor, este
de-larou sos circumstantes que, si find o praso
do contract, os libertoas procedessem bern, come
at6 o presented, distribuiria par elles a terra quo
haviam fortilisado corn tanta dedicaqdo e traba-
Iho.





























Anl
M..ai


e Almeida Cunha.
wo da Motta Albuquer-
uIza Pinto.
im Silveira.
reira.
is de Souza.


W Jose Moreira as Suva.
31 Dr. Antonio Pereira SimSes.
32 Antonio Basilio da Silva Guimaries.
33 Bonifacio Antonio Borba.
34 Domingos Borba.
35 Bruno Alvaro Barbosa da Silva.
Graca
S36 Joao Carneiro Ferreira Barcellos.
37 Augusto Jos6 Gonralves Lessa.
38 Laurindo Jose de Barros.
Afogados
39 Manoel Felix da Silva.
40 Caetano Francisco DurIes.
41 Jos6 Pedro Velloso da Silveira.
P69o
42 Caroline Goncalvcs da Silva.
43 Antonio Caetaoo de Oliveira Coragem.
44 Eduardo Henrique Gryet.
45 Jos6 Joaquim Borges UchoSa.
Graca
46 Manoel Francisco das Chagas.
47 Tenente -coronel Manoel Martins Fiuza
Vista.)


(Boa-


S. Lourenqo
48 Dr. Francisco Xavier Paes Barreto.
iMoviannto de dinhieiro. -No proximo
findo mez de maio a praca do Recife, per interme-
die das diversas conpanhias de vapors que a ser-
vemi:
Recebeu 6(U:2433150
Fxpedio 1.165:604,500
A expedi~ao foi para :
R io do Janieiro 879:300 000
Bahia 25:450,000
Sergipe 17:654s 500
Alag6as 222:7003000
Rio Grande do Norte 20:500$000
Beuni6es sociaes.-Hoje ha as seguin-
tea :
Da Ave Libcrtas, de senhoras, As 10 horas do
dia, na rua do Impcrador n. 31 ;
S Doj.ongrcsso Pharmaceetico, As 6 horas da tar-
de, em sua s6de.
Do Gremnio Libertador Ribeiro da Silva, as 7
horas da noite, no lugar do costume.
Bapto-Acerca da noticia que sob este titulo
publicamns ante-hontem, escreveu-nos o Sr. Fran-
S cisco de Araujo Caldas Lins, dizoendo que na casa
n. 42 da rua das Calgadas minora elle corn sua ta-
milia, e que d'ahi nao foi raptada nenhuma mno.a,
nemo elle conhece o individuo A queen fai attribni-
do o facto.
SMandamos o nosso reporter informar-se do
case, e chegamos A verificar, -par intermedio do
sabelegado do distrieto, que o rapto se deu no
predio n. 42 da rua Velha de Santa Rita, e n'
na rua das Calcadas ; polo quo temos assim recti-
ficado o equivoco.
Camara Municipal Submettemos a
apreciailo da Caminara Municipal as seguintes li-
nhas, que nos dirigirainm :
S Apezar de jA terminos incommodado per mui-
tas vezes a Vv. Ss. A respeito do que vanmos trac-
tar, renovarao-lhcs o pedido para dar publicidade
ao seguinte
E' sem qualificacao o procedimnento da Ca-
mara Municipal desta cidade c do fiscal du Santo
Antonio!
Sc Temos ja per diversas vezes reclamado con-
tra o abuse que quotidianamente se pratica em
frente A rua da Deteualo, junto aos muros da ca-
deia ; mas providencia alguma foi dada ainda!
c Os infelizes habitantes daquella immunda rua
niLo podem gosar do ar livre, e tern sempre do sup-
portar calados o pittoresco aroma que results do
lixo, bicehos mortos e immundices que alli se lan-
Oam revolvidas constantemente pels enorme bi-
clarada que alli passeia a seu bel prazer na qual
sobresaie a raca suina.
SOs infelizes detidos na Case de Detenalo par-
ticipam tambein do mesmo mal, per quem, as au-
toridades competentes deviam ter mais zelo.
E', pois, possivel que n'um paiz que dizem
caminhar para a civilisaao, u'uma cidade come
esta 6 haja tanta rniseria ?
0 case 6 que se alguam morador do lugar in-
tervem contra queen vai alli despejar o que Ihe
apraz este responded que o fiscal autorisa.
SE' entao conveniente quo isto seja desmenti-
do e que as providcneias piecisas se realize.
Correiutes-Escrevein-nos em 23 de maio
findo:
SNo dia 17 do corrente, voltando Mraoel Re-
S gis, da provincia de Alagoas, para onde tinha ido,
afirm de fazer urma cobranga, ao passar pela ports
do inspector de quarteirao do sitio Mendes, de
nome Manoel Cavalcante de Albuquerque, (conhe-
Scido per Manoel Pequeno) sahio-lhe ao encontro o
mesmo inspector, no intuito de tomar urma pistol
que Regis trazia, o qual ponderou-lhe que nao ti-
nha per costume andar armado, e se n'aquella oc-
casiao o estava era per ter ido a Alagoas fazer
numa cobranga; e logo apresentaram-se diversas
S pessoas abonando a conduct de Regis.
cc 0 inspector deixou-o seguir; mas pouco adian-
te emboscou-se, e, ao passar alli o referido Regis,
sahio-lhe ao encontro, e deu-lhe duas faeadas, das
quaes tern estado gravemente doente.
cc Escusa dizer-lhe que o inspector nada soffreu
e nem ao menos procedeu-se A corpo de delicto no
offendido.
c De urma ecarta que temos sob as vistas, vinda
de Palmeira de Garanhuns, extrahimos os seguin-
L tes topics:
) corrente proximo vindouro tern de ausentar-se den-
i tre nos o nosso ineansavel quio prestimoso amigo
o e distinctissimo correligionario alferes Jose Anto-
i nio-de Morases acompanhado de sua Exma. familia.
Vai este nosso amigo firmar a sua resideneia
na Villa da Imperatriz da provincia das Alagoas.
,,c A dor e o grande pesar que noa acabrunha
tae inexperada separacAo, nao nec permitted ja-
mais dizes-lhe o quanto perderemos corn suo au-
| eencia, d'esta localidade, se bem que estam s coa-
| vencidos de que a sui permanencia alli zera tem-
SI porariameute.
i a Segundo 6 voz public nested district, o que
i motivou a sua retirada foi ter side avisado de que
s aeris definitivamente vietimiado etc. etc. cc
i+ Slatadouro publico. Foram abatidas
'f/: no Matadouro Publico 104 rezes para consume do
[ dis 1 de junho.
; X',eiIeU m--Effectuar-se-hio :
Sr ete agents Si'eira, As 11 homas, no large do
Paraiso n. 26, de urm terreno.


Pjte a gente Carmo e Silva, ao meio dia, na tra-
vessa do Corpo Santo n. 27, de predios.
Peo agent Gusmao, As 11 horas, A rua do So-
cego n. 26, da moves, etc.
Terga-feira:
Pet agente Barlamaqui, As 11 horas, na ruma do
damIOr n. 24, de predie, cabriolet e vidros
narta-feina:
0agte Silveira, as m11 hras, no largo do
n. 26, de um terreno. .
|agase Carmo e SUva, ao meio dia, na
doCow ,Santo, do preaio.
""Oldw Martin., as 11 baAj na ma das
IjK^ iz. 9 d oveis, loupaa.ete .
ft A brem^Sc. eapebradt : -
i^^^^BMMBHH^ A.LM^ 6&!fL- I M,^J *p 4 L .^'rV^ ^l'f '^. !.. .- -


11 (is Margo m2.
14teria d o &*a@0_ 0 A Ate Qs49s
aserie B., orre imprterivelmiente no diw 4 de
,juzho
0 reoto dos bilhetes acha-se a vends nas Casa
Feliz a praada Ind pendeneans. 37 e 39.
EFta extraordinarm loteris sarA extrahida na c8r-
te no dia 16 de julto proxime viudouro.
Os bilhetes acham-se a venda na Cas& da
Foi-na, A rua 1 de Margo n. 23.
Ilereado unlctpal de d Jo 4 0
movinmeito deste estabelecimento no dia 30
de corrente foi o seguinte:
Entraram para srem vendidos : 37 bois, pesan-
do 5,397 kilos.
-- No mesmo dia entraram parsa o mesm es-
tabeleeimento:
Peixe 444 kilos
Fructas diversas 11 cargas
Farinha, milho e feijao 94 ditas
Suinos 2
Carneiros 2
Preeos do dia:
Carne verde de 560, 400, atW 280 r6is o kilo.
Suino a 640 r6is o kilo.
Carneiro a 14 idem.
Farinha de 500, 400 atW 280 r6is a cuia.
Milho de 480 a 400 r6is a cuia.
Feijao de 1J800 a 14200 idem.
Foram arrecadados:
64 talhos de care verde.
10 ditos de suino.
10 ditos de fressuras.
65 compartimentos de legumes.
40 idem de farinha c comidas.
Deve ter side arrecadada neste dia a impor-
tancia de 218.780.
Casa de Deeneiiao.-Movimento dos pre-
sos no dia 30 do corrente :
Existiam press 309, entraram 13, sahiram 8,
existem 314, a saoer: nacionaes 286, mulheres
6, cstrangeiros 6, escraves 14-Total 314.
Arraqoados 298, send : bonds 271, doentes 16.
-Total 287.
Movimento da enfermaria :
Teve baixa :
Joao Joaquim Ferreira.
Tiveram alta :
Francisco Jose Ignacio dos Santos.
Jos6 Antonio dos Santos.
Nao houve altcraqao.


INDICACOES UTEIS
Medicos
Consult orio medico-elrurgice do Dr
Pedro de Attahyde Lobe Moscozo a
rua da Gloria n. 39.
0 doutor Moscozo dA consultas todos os
dias uteis, das 7 As 10 horas da manha.
Este consultorio offerece a commodida-
de de poder cada doente ser ouvido e exa-
minado, sem ser presenciado por outro.
De meio dia As 3 horas da artde sera o
Dr. Moscozo encontrado no torrelo A poa-
ga do Commercio, onde funcciona a ins-
pecgao de saide do porto. Para qualquer
d'estes douspontos poder'o ser dirigidos
os chamados por carta nas indicadas horas.
Dr. Baptista de Moraes, rua do Barao
da Victoria n. 37 1.-, andar; consultas das
10 horas ao meio dia; chamados por s-
cripto a qualquer hora.
Dr. Leonardo de Albuquerque Cavalcati,
medico da Faculdacte de Paris, pode ser
procurado em seu consultorio a rua do Im-
perador n. 44, 1. andar, das 11 As 3 ho-
aas da tarde. Residencia a rua do Hospi-
cio 36, onde dA consultas das 8 As 10 da
manha e recebe chamados por escripto a
qualquer hora do dia ou da noite.
Dr. Lyra, medico, dA consultas das 8 as
11 horas da manha A rua do Bara'o da
Victoria, n. 48, 1. andar, para onde Ihe
p'de ser dirigido qtualquer chamado.
Cilnica medico-cirurgica do Dr. An-
drade Lima
0 Dr. Andrade Lima, continue a dar
consulto.s de meio dia As 2 horam da tarde
m seu consultorio A rua Larga do Rosario
n. 50. Chamados por escripto a qualquer
horo em seu consultorio, ou em sha resi-
dencia---Capunga---rua das Pernambucanas
n. 68. Especialidades febres e molestias
do apparelho respiratorio.
Oeculista
Dr. Barreto Sampaio, consultas de 1 Ao
4 horas da tarde, na rua do Barao da
Uictoria n. 45, 2. andar, residencia, ruma
de Riachuelo n. 17, canto da rua dos Pires.
Bourgard d& C.
Recife : rua do Marquez de Olinda n.
16 Santo Antonio, rua Primeiro de Mar-
Go n. 3; Bla-Vista, rua da Imperatriz n.
54. Grande fabric de cigarros a vapor.
Especialidades: Cigarros, charutos de Ha-
vana e nacionaes, cachimbos, tabacos e ob-
jectos para fumantes. Livros de medici-
na dosimetrica e unico deposit da fari-
nha laccea de Nestle, para os meninos de
peito e leite condensado.
Drogaria
Francisco Manoel da Silva & C., depo-
sitarios de todas as especialidades pharnna-
ecuticas, tintas, drogas, products chimico
e medicamentos homceopaticos, rua do Mar-
quez de Olinda n 23.
Pharmaeia Pernambucana
Rua do Cabuga n. 11 de Antonio Mar-
tiniano VWras, pharmaceutico. Avia-se corn
promptidao e esmero todas as receitas e
encommendas que Ihe forem 3onfladaa.


PUBLICIACOES A PEDIDO
0 Seal da freguezia de Redife.
Por meu amigo o Sr. Jose Pedro dos
Santos Neves fui consultado sobre a multa,
que Ihe impoz injustamente o Sr. verea-
dor commissario de edifiteaes. AIm de
manifestar a minha opiaia sobre a iUeg" a
lidade deese actor, emprebhtdi fazer um
requeriiento em home do Sr. Santos Be-
yes ; nias, em atten~Io a praze estabele-
cida7 dei ao.meu trabalho a f6rma de offi-

Vendo hoje publicada a ptaria daqiwk
1e vweador, n&o posso resstia dao
d. toaar iguahaente publieas as poader*-
Sata 1Neves Bao teiia o~ dwsito dube iai
ine saa pub11cac$o de que aaa 1tl


Nao


dCie"


eres,
,fiearI


qual a imputaglo a mim feiLta, e procurar
na disposig'o citada falta eo a pena.
Entretanto deparei con o segainte :
I Art. 48. Pera ocorrer d despezas,
fieam as cameras, acima meneionadas, au-
torisadas a arroeadar no exercicio de 1883
a 1884 os imposto# especificados nos para-
graphos seguintes...
al 37 10#000 por easa de sobrado e
5q000 por casa terrea nas ruasja cialJ9ada
e que nao tiverem os passeios correspon-
dentes feitos no mesmo alinhamento dos
que ja tiverem side executados em confor-
midade das posturas municipals.
Nao possuindo casas de sobrado, nem
casas terreas, nao posso estar zncurso nes-
ta disposigio; e quando estivesse incurso,
teria de pagar imposto e nao multa.
Dous precedents me lev&m a conjecturar
o que motivou a deliberagao do Sr. verea-
dor commissario de edifica'ges.
Ha cerca de dez dias recebi de sua par-
to urma tira de papel, contend a indica-
91o de tres predios, cujos passeios neces-
sitavam de reparos.
0 primeiro n. 46 da rua do. Born Jesus,
e pertencente A Ordem de S. Bento, ne-
cessita de uma reconstrucglo, quo a mes-
ma Ordem nao tern podido fazer; notan-
do-se que a situagiao precaria do respective
patrimonio jA foi reconhecida por uma lei
provincial. Todavia obtive a promessa
de se mandar brevemente concertar o pas-
seio correspondent a ease predio, come
sabe um dos Srs. vereadores.
Quanto aos oatros predios, ns. 52 e 58
da mesma rua, nata-se apenas que nos res-
pectivos passeios, hatidos per vehiculos,
se desligaram algumas lages. Tambem
exigi quo fossem feitos asses pequenos re-
paros.
See indagar se era da competencia do
Sr. vereador commissario de edifica95es o
superintender na conservagao dos passeios;
serm por em duvida aquelle meioe de expe-
dir ordens simples remessa de uma pe-
quena tira de papel-dei a maior impor-
tancia a ordem recebida.
iHontemn, As 10 horas da manha, e quan-
do eu estava em serving na rua do Mar-
quez de Olinda, fui chamado a altos bra-
dos pelo Sr. vereador padre Mello, que se
achava na pharmacia n. 61, e em seguida
reprehcndido e injuriado, a pretexto de
nao ter obedecido Aquella ordem remetti-
da alguns dias antes! Foi tal o desabri-
mento, cram takes os gritos, que agglomo-
rou-se povo; e fui obrigado a ponderar ao
Sr. vereador padre Mello a inconvenien-
cia de pretender desmoralisar-me perante o
public e subalternos meus. Algumas horas
depots recebi a communicagao do Dr. se-
cretario.
Esta Imoma. Camara nunca. teve empre-
gados, que mais se interessassem do que ea
pela conservaga.o dos passeios, ou por qual-
quer outre scrvivo. Isto estA na conscien-
cia de todos. Expontaneamente, e pondo
em contribuigao a benevoloncia, que a mi-
nha boa vontade e o men zelo grangearam
dos homemns bonds d'esta freguezia, conse-
gui mais de uma vez que proprietaries,
depois de allegar a impossibilidade de se
occuparem desde logo de concertos de pas.
soios, chegassem a dizer-me : pois bern,
mande concertar; eu pagarei qualquer con-
ta que tiver o seu visto. a E cumpriram a
promessa. Em jornaes sahiram at6 grace-
jos no sentido de que eu, corn as minhas
exigencias de concertar, estava protegendo
aos pedreiros. Levado polos mesmos senti-
mentos, e pondo em contribuigao a mes-
ma benevolencia, ja consegui o calcamen-
to do urea rua, e alguns outros melhora-
mentos, A custa de particulares.
Para quem assim tern procedido, serial
mA recompensa e pesssimo estimulo-a
desmoralisa9ao, a injujia e a imposituo de
multas.
Nao fiquei incurso em artigo algucu,
nern sujeito a pena alguma, nao commet-
ti uria falta qualquer; e portanto espero
que esta Illma. Camara me farA a devida


justiga, julgando sem effeito a multa que
por mera prevenglo me foi imposta.
Deus guarded a V. S., etc.
0 coneurso para empregados de
lazenda
IV
Pretendiamos tractar do Sr. inspector da The-
souraria de Fazenda, que per forga do artigo 70
da lei n. 2,549, de 14 de marqo de 1860, 6 o presi-
dente nato dos concursos, em auto apartado; po-
r6m, apesar de suas cans brancas, como dizia S.
S. em epochas idas, nAo'temos outro remedio senao
metter S. S. jA na danga.
Quando o senador Angelo Muniz da Silva Ferraz
referendou a lei citada, que invested os inspecto-
res das Thesourarias de Fazenda de tao grande
missile, qual a de presidir coneursos de individuos
que pretendem empregos no ministerio da fazen-
da, isto 6, individuos que serao a guard da for-
tuna public, nao Ihe occorrmu per certo que S.
S. chegasse a ser inspector de uma repartiggo taeo
important!
Nilo cable aqui rememorar miudamente o que a
respeito desse funecionario publiea dusseram, em
epocha nao muito remote, os jormnaes desta cidade,
por6m, recordando por atacado essps faetos, sea
grande esformo evidenciIL-se que o inspector da
rhesouraria de Fazeoda desta provincial urm
funceimnari6 inhabil e trahidor!
Inhabi porque no conhecee seus deveres; per-
que o direito das pates 4 caprichosamente tmuci-
dado e extravi se-as, oa rdocaaiumntos do interessa-
dos.. TrMdor, Pozqe fz. a ruins de divereos
"asde familia, cujasdeoaiuues prowCoun 6Aflwas
N, sem haver nem sequer, a nenhuudl dUes, adver-
tide so meose.
Entre sua5 vijtas, *8r, iuspetor, enatram-
e, homewa quoeUvmi a, s go-por 8,10,12 e 14
annos, aea a mais leave nota, -grnoa se proven eowm


' diw Jxlodoi


st w 'a ew a cnmeue mo-
fir. iu or. I
*g-uayWeio vaDos eOcamar de
smwao que tern a fataidade
ijoaortan=6& a iffprensa as=a-


laniada deita terra- -
S. & jugIa-se muito altamente cotlocado e sap-
poe-se impossivel de ser derrocado! Ehgana-se ;
nos mea tamo minado outros castlo. e visto-
Ihesas ruiamna. Vamos, porkm, aos factos. .
0 artigo 15 da lei de 14 de margo de 1860 diz
que lavrar-se-ha uma acta, que deverA mencionar
a ordem que o autorisou (o concurso, o dia em
que teve ells lugar, o0 nomes dos examinadores e
candidates etc., etc. e TUDO Mms QUE OCCOREum
DTUANT 9 ACTO etc., etc. Perguatamos n6s A sua
respeitavel pessoa:
Foi mencionado na aeta da primeira sbeslo, o
protesto do candidate que obrigou S. S., de accor-
do corn o examrinador deportuguez a mudar opon-
to dade para prova escripta?
Onde ficou a determinagio do artigo citado, que
manda mencionar na acta TUDO mAIS que ocorrer
durante o aeto?
ConstarA tambem da acta a discussa'o, alias in-
conveniente, havida no primeiro dia de concurso
entire examinadores e concurrentes? S. S. tera a
coragemn de negar qae houve distribuicgao por duas'
vezes de papel rubricado?
Negara S. S. que houve examina&iores e candi-
dates que levassem desse papel para suas ca-
sas?
E o segundo protest feito, em que se reclamou
contra a substituigio de provas, e que S. S. disse
que a conhecia a lei e que ella tinha sido obser-
vada o tambem costa da acta?
E as filangas no terceiro dia de concurso, em
que os espectadores davam descaradamente o pen-
to escripto em pedacos de papel machucados:
tambem consta da acta, que devia center o TUDO
mais que OCCORRER?
E os compendios abertos em cima das mesas,
tambem foram consignados na acta?
Tambem constarA da acta, que um candidate
de nome Gaspar Costa, companhairo doe casa do
examinador bacharel Abilio Cavalcante de Albu-
querque, faltou A prova escripta do arithmetic, e
no dia seguinte compareceu nos outros exames, e
fei recebida a prova escripta que, certamente, fez
em casa, corn o auxiiio de seu companliheiro exa-
tuinador?
Observou-se a este respeito o 40 do artigo 12
da lei citada?
Sr. inspector, S. S. nao C um home s6rio!
Se nao fosse o respeito que devemos a n6s mos-
me e ao public illustrado e sensato que nos tern
lido, outra seria a linguagem que empregariamos
para ver se conseguiamos enrubescer a quem es-
quecido dos sacrosantos reveres do julgador, per
interesses mesquinhos, oblitera a razao, falta a-3
prineipios da justice, sacrifice o direite alheio e
come verdadeiro saltimbanco, depois de reFresen-
tar sua palhagada, apresenta-se ao public, cons-
cio de ter desempenhado bern o sen papel, e quan-
do espera applausos dos espectadores, e recebido
corn assuadas e apupos!
Nao ha ladrAopeior do que o querouba em nome
da lei! 0 salteador da bolsa alheia, tambem 6 la-
drao terrivel, porem arrisca sua vida na resisten-
cia, que Ihe possa offorecer a victim; mas aquel
le que, corn a lei na milo, embora trucidando-a,
calma e friamente, falta aos principios da propria
dignidade e monte a sua razao; que abusa da po-
siao em que os homes e a lei o collocaram, so-
mente para servir a fins inconfessaveis; aquelle
que alien conscienciosamente os saos princi-
pies da moralidade, nao sabemos que qualiticativo
deve ter na soeiedade moralisada!
Bazdleu.

Urla aIgrima sobre o tumulo de
LuizNi Carolina Gamitte, hoje
trigesimo dia do sen passa-
mento.
Debaixo d'uma lousa mortuaria
Jaz um anjo de olhar quasi infantil !...
Tua alma foi levada polos anjos
Pela vasta amplid.o do eoe de anil.
Roqou-lhe pela front o vento gelido
Do frio vendaval da morte impia,
Mostrando corn seu dedo macilento,
A pedra d'uma lousa immunda e fria!..
Tombastes, Luiza, e assim tao cedo
Te ausentastes dos teus, d'aqui do mundo ;
A teus irmaos deixando para sempre
Immerses n'um pezar o mais profundo.
Desta dor eu tambem compartilhei
Quando vi-te seo vida, no caixao !...
A capella e a palma que levaste
Foi de tua corSa sea florao !


Olinda, 1 de junho de 1884.
Belmiro Antonio de Oliveira


Rouxinol.


Hilm. Sr.-Tendo resolvido retirar-me
do movimento abolicionista, pe9o a V. S.
que se digne communicar A directoria da
sociedade Nova Emancipadora que nao con-
tinuo a fazor partedessa associa.ao.
Recife, 31 de maio de 1884. Deus guar-
do a V. S. Illm. Sr. Dr. Manoel Coelho
dos Reis, muite digno 1" secretario da so-
ciedade Nova Emancipadora.-Joao Ra-
mos.


Hlm. Sr. Levo ao conhecimento de V,
S. qae deixo de fazer Iparte da CommissAo
Central Emancipadora do Recife, porque
tenho rosolvido retirar-me absolutamente
do movimento abolicionista.
Recife, 31 de maio de 1884. Deus guar-
de a V. S. -lllm. Sr. Dr. Antonio Joaquimr
do Barros Sobrinho, dignissimo presidenteda
Commisrao Central Emancipadora do Re-
cife. -Jeao Ramos

Dr. Souto Maior, medico, di consultas
das 11 da manhl As 2 da tarde, A rua lar-
ga do Rosario n. 34 1" andar, por cima
da pharmarcia Bartholomeu & C.
Watn Pffr ti-dt Busmc

S&s9einbIa Geral
Teando de proceder-se a leitura do relato-
rio dajuntaadmuistrativa e posse da ulti-
mamente eleita, eonvido todos os senhores
saocios come os membros da mesma junta,
ia reunirem-se n'esta secretaria quarta-fei-
ra 4 do juho 'as 5 horas da tardo afim de
dar-se cunmprinento a& que detrminam os
el~taeos. 1 *'i.
S ecretaria 46 b poital Portuagne do Bep
imfieencia, emi Perambabo.
R.-.Becife, 31 de naiod1884 .

-A. D. D. Ferreima.


do do,


"I


LA numregdors 4Adiaz i dax e do DivinoEsR-
irito-Santo, tendo dado4 gande impalseo as-obia
'de r a igreja e desejando fazer-lhe nma modesta
itets Pw e'omemf o, tio assigualado dia de
Penteeoates; espera dos irmaos e devotes a sia
valiosa coadjuva o neste spenho, sendo ella
conform o seguinte
PROGRAMMA
Ao meio dia de sabbad 31 do corrente. subirA
ao ar urma grande gyrandola de foguetes, precedi-
da da exeellente music do 14- de linha, annun-
ciando a vespera do grande dia.
Domingo 1 de junho, as 4 112 da manha aera
resada utha missa em tengo de todos os irmlos
vivos e defuntos.
A's 5 horas, sera annunciada a alvorada por
uma salva de 21 tiros ao som da referida mu-
sica.
A's 11 horas entrarA a festa cuja orchestra serA
regida pelo maestro 'olAs, sendo os solos entoados
peFos melhores artists da cidade.
E' offieiante o mui illustre Dr. governador do
Bispado o Exm. conego Luiz Francisco de Arau-
jo, orando ao Evangelho o Rvm. e elouqente padre
Candeias, find a festa subirA ao ar um lindo e
rico balio denominado o Balao do Anjo, offere-
cido pelo juiz da irmandade.
A's 5 horas da tarde tera lugar um modesto
Bazar de Prendas sobresa indo muitas de valor,
o qual acha-se armado no salao anterior a sa-
christia.
A's 7 horas entrara o Te-Deum, send oradoro
bemn conhecido pr6gador da capella imperial Rvm.
Leonardo Joa'o Grego.'
Em todos os intervallos dos acts a music do
14" farA ouvir os acordes harmoniosos corn as va-
riadas pegas do seu vivo repertorio.
0 escrivao,
Manoel Felippe de Souza.

DR. CARNEIRO LEAO
MEDICO
Consultorio e residencia a rua Duque de Caxias
antiga do Queimado, n. 88, 1' andar.
Consultas de 11 As 2 horas da tarde.
Chamados por escripto a qualquer hera.


Theatre Santa Isabel

OmDU ia 4ie (w itallanau

afilado
Empreza P. M. Mluzella
Devendo chegar hoje a companhia que
devera estrear nestes poucos dias, a em-
preza avisa aos Srs. assignantes que esta
procedendo desde ja na-Livraria France-
za, a arrecadaclo das importancias das
assignaturas, na f6rma das condig-es ante-
riormente publicadas, a qual devera termni-
nar no dia 1 de junho.
Depois deste praso ficara livre A empr-
za o direito de dispur dos lugares nao re-
clamados, afinm de attenier a outros pedi-
dos.
Recife, 30 de maio de 1884.
Tendo a companhia chegado hontem, fica proro-
gado at6 terqa-feira 3 do corrente o praso para
primeira arrecadacA.o das assiguaturas.
Reci'e, 1 Junho de 1884.

0 Dr. Souto Maior, medico, dA consul-'
tas na Pharmacia Popular, rua da Impe-
ratriz n. 71, das 11 horas da manha as 2
da tarde.

Consultorio medico
0 Dr. Joao de Sa Cavalcante de Albuquerque,
da consultas das 10 as 12 horas da manha, na rua
do Born Jesus n. 20, 1 andar.


I Dr. BoMilll Jnlitr {

MEDICO
S Consultas A rua do CabugA n. 14 (
Residencia a rua do Hospicio n. 62



Sibylla Moderna

Novo hivro de sortes para as noi-
tes de Santo Antonio, S. Jogo
e S. Pedro
Contendo, alem de doze assumptos poeticos va.
riados, escolhida colleccao de espirituosas anecdo-
tas e epigrammas pars os amantes do rise e da
galhofa, e juntamente um pequeno diccionario de
flores, folhas e fructos, dedicado aos fieis subditos
de cupido
A' VENDA
Na livraria franceza, rua lo de Marqo n. 9
Preco- 11$000


S MIEDICO E PARTEIRO
Dr. Joaquim Loureiro
Consultorio e residencia ruan Duque
S ae Caxias n 39, defi-onte do DIAEIO
DE PERNAMBUCO, onde dA- consul-
tas das-10 As 2 horas da tarde.
----- "-- '-'-'- -^'


Dr. Bettencourt

Operagoes, fistulas, vias urinarias, mo-
lestias de senhoras e criancas. Estreita-
mentos da urethra tratados pela electro-
lyse sem dor. Affecoies de pellet e sy-
philis. Molestias do peito e da garganta.
Marquez do Olinda n. 34t das 12 As 4.



SCLINICA HOM(EOPATHICA
DO

DI*. TIIISTAO
S Consultas das 7 as 9 horas, e chama-.
dos A mrun da Unie n. 15,
l NrNumero telephonico 154 }



F ilaa adeti e previme s


Cardornus,
S'1**'Il'-'rf^r1! '-'^ l


vidamA seus ami

e bfrlej ses A visittir

seu estabelecimnto,

que se acha presente-

mente montado e devi-

damente preparado a

semelhanca dos me-

Ihores estabelecimen-

tos desse genero das

principles capitaes

d'Europa.

Recebe por todos

os vapores products

simples, chimicos e

preparados pharma-

ceuticos, dos melho-

res, mais conhecidos,

e acreditados fabri-

cantes d'Europa; pelo

que se acha habilita-

dos a fazeruma reduc-

ao sensivel nos pre-

osja conhecidos. Fa-

zem tambem sciente

que sao depositarios

dos medicamentos do-

simetricos do doutor

Bourgraeve, S edlitz

chanteaud, cha preto

de Horniman e das

perfumarias de Gos-

nell.


DR. ALFPEDO GASPAR
MEDICO OPERADRO
ESPEC1ALISTA EM PARTS E MOLESTIAS DAS
MIULHERES
Tern o sou consultorio em casa de sua
residencia A rua da Imperatriz n. 30, 1.*
andar.
CONSULTAS de 8 As 10 da manha e
de 12 As 2 da tarde. Chamados por es-
cripto A qualquer hora.
0 Dr. Costa Gomes, medico, abrio seu consulfoe
rio A rua do Born Jesus n. 33, 10 andar onde pod-
ser procurado a qualquer hera do dia ou da note
Aos pobres das 2 As 3 horas da tarde, gratis.

Dr. Simnes Barbosa
Medico e parteiro
Da consultas de 12 as 2 horas as tarde, na rus
do Marquez d'Olinda n. 18, primeiro andar.
MUDOU sua residencia para a rua d'Aurbra
n. 81.

gXXXXXXXX XXXXXXXX ,


SOculista
S 0 Dr. Barreto Sampaio, medico ocu-
Slista, ex-chefe de clinic do Dr. de Wee-
Sker, da consultas A rua do Barao da Vic-
i toria n. 45, segundo andar, de 1 As 4 ho-
N ras da tarde. except nos dominagos e dias
Ssantificados. Chamados em seu consultorio N
N ou em casa de sua residencia A rua de o
; Riachuelo n. 17, canto da rua dos Pires, N
XXXXXXXX--XXXXXXXX


.. Advogado "


}Tibureio de Carvalho{

iRua 1. de Mar4o n. 2

~ ~ 0


} { CONSULTORIO

IMedio-cirurgico denlario

RUA DO DUQUE DS CAXIAS
SN. 57 10 ANDAR (
0 Dr. Joaquim Camara de volta de
sua vagem a Europa, onde fez estudos j
especiaes de molestias da boca; encar-
I rega-se de qualquer trabalho de cirur-
gia e prothese dentarias: extrahe den-
tes corn anestesia por meioe de appare- '
Ihos apropriados : obtura (chumba) )
S corn ouro, platina, cimento, corrige as
irregularidades dentarias, colloca den. I
tes pelos processes mais aperfeicoados.
Consultasa)
De 10 horas da manhi as 4 da tarde.



Empreza telephomea

Bourgard
Para commodidade dos Srs. assignantes,
a empreza public o omea qoe podurni
antreeemmmicar-se.


A
Associagk Comiercia
Assaeia9so Coamercial A

Amorim Irmaos& F


7 47,
512


Af


,/1)



I.-^*


I+


I


























16 2- upwie&C
i137 AAtonio Correia de Vasconeeflos.

I 8 Baltar Oliveira &,C. (escriptorio).
50 Baitar Oliveira& 0. (abordo).
S 5 Bourgara. & C. (Recife).,
42 Bourgard & (Boa-Vista).
61 Bartholomen & C. (pharmacia).
71 Borstlmann & C.
109 Browns & C.
. 117 Bernet & C.
126 Bernardino Gomes de Carvalho.


c
1 "1 Companhia de Seguros Phenix
nambucana.


Per-


37 Companhia de Seguros Amphitrite.
18 Companhia de Seguros Indemnisadora
39 Companhia do Gaz (escriptorio).
40 Companhia do Gaz (Gazometro).
44 Companhia Pernambucana.
3 Cemiterio Publico (Santo Amaro).
92 Cramer Frey & C.
36 Cardoso & Irmao.
113 Companhia de Trilhos Urbanos, Rec
fe, Olinda e Beberibe.
120 Casa de Detencio.
142 Cunha IrmAos & C.
138 Corpo de policia.
B


2 Dr. Raymundo Bandeira (medico, re-
sidencia).
26 Dr. Constancio Pontual (consultorio
27 Dr. Constancio Pontual (residencia
31 Dr. Malaquias Antonio Gongalves
(consultorio).
72 Dr. Malaquias e Rodrigues Mendes
(Ponte d'Uchoa).
62 Dr. Affonso A. Cysneiro de Albu-
querque (consultorio).
21 Diario de Pernambuco.
76 Dr. Jos6 de Miranda Curio (consul-
torio).
70 Dr. Jose de Miranda Curio (residen-
cia).
81 Dr. Jose Maria de Albuquerque Mello
(Capunga).
79 Dr. Carlos Bettencourt (pharmacia Ga-
leno).
99 Dr. Carlos Bettencourt (consultorio).
:95 Dr. Estev'o Cavalcante de Albuquer-
que (consultorio).
132 Dr. Barros Sobrinho (consultorio).
90 Dr. Barros Sobrinho (residencia).
130 Dr. Carneiro da Cunha (consultorio).
143 Dr. Santa Rosa (residencia).
102 Dr. Sabino ( Pharmacia Homeopatha).
E
51 English Bank of Rio de Janeiro, Li-
mited.
93 Eugenio Coelho & Vieira.
I F
10 Ferreira Guimaraes & C.
28 Ferreira Rocha & C.
9 Francisco de Paula Mafra.
,67 Francisco Antonio de Albuquerque
Mello.
82 Fabrica de Fiacio e Tecidos (Mag-
dalena).


54 Gongallo Braz Santos & C.,
macia Americana).
91 Gomes de Mattos & Irma-os.
-135 nimra-s & &Valente.


( phar-


II
16 Hospital Portuguez de Beneficencia.
87 Hospital Pedro H.
49 Hospedaria D. Antonio (Caminho
Novo.
4 Henry Forster & C., (escriptorio).
6 Henry Forster & C., (armazem de
farinha.
108 H. Nuesch & C.
125 H. Burle & C.


Journal da Recife.
Johnston Pater & C.
Jos6 da Silva Loyo & Filho (Mangui-


nho.
15 Jose da Silva Loyo & Filho
d'assucar.
14 Jose de SouzaAgniar & C.


(armazem


COIIEI4CIO


Praea do Recife, 31 de malo
de 1L84
As tres horas da tarde
Cotagoes offiiaes
iao houve cotanao.
A. M. de Amorim Junior,
Pelo president.
A. P. de Lemos,
Pelo secretario.

REVISTA COlMMERCIAL

Da semana de 26 a 31 de maio
de 1884.

Cambio sobre Londres, 90 d/v 20 1/8 e 20 d/s
'15000, banco, e & vista, 19 7/8 e 19 3/4 15000,
banco.
Cambio sobre Paris, A, vista, 479 reis o france
bunco.
Cambio sobre o Para, 60 d/v 1 1/2, 30 d/v 3/4
per cento de desconto.
Cambio sobre Lisboa 90 d/v, 164 per cento de
premio do banco. Particular, 90 d/v 160 per
cento de premio.
Cambio sobroe oRio Grande do Sul, 60 d/v, 1
3/8 per cento, de desconto.
SCambio sobre o Porto, a vista, 167 por cento de
premio, banco.
Venderam-se 10 Apolices da Divida Publica, da
jurors de 6 por cento, do valor de 1:000000 e
1:1002000 cada uma.
Desconto de lettras a 8 por cento ao anno.
Generom naekonaea
.Aguadente= Ultima venda de 685000 por uma
pipa.
Algodo Entraram 3,467 saceos, venda do
* do sertio dO 85800 per 15 kilos.
Dito do Arac j, sea inspeccao, ultimas vendas
d eo 7000por l kilos.
Assuear == Entraram 9,649 sacceos, aes pregos
D beaneq, saperiori 4 3sorte, a 319700 35860
S 16 ~kao. 0 Ait 4e18.O d o3 te, boa, de o 500 a
Cai A' os. Odetod. 3.soteWrt egular"-de
S 41L5 kilos. '0 ditode a sorte, do
,a a 100 15ki op 15 it s de


P1I~aerera Onrvalho & C.
106Joo Wigt (a de Santa
122 Jos6 Vicente odihoQ.
124 Jos6 Augusto dos Santos. &
1134 Joaquim Agostinho & C.


C.


L
34 Luiz Jos6 da Silva Guimarles.
12 Lima & C., (trapiche do Gaz).
104 Luiz Antonio de Siqueira.
hI
46 Miranda & Souza.
69 Manoel da Cuniha Reis (Afflictos)
75 Machado Lopes & C., (armazem de
farinha).
66 Moreira & Braga (armazem de mo-
lhados).
80 Manoel Alves Barbosa, Suceessores,
(Pharmacia Conceic9o).
59 Main Ramos & Santos.
32 Mendes Lima & C., (armazem de
bacalhladu)
33 Martins & Bastes fabrica de oleos)-
30 Manoel Gon.alves Agra.
123 Moreira & Braga (armazem de algo-
dho)
131 Monhard Mettler & C.
144 Matadouro Publico (Cabanga)
N
114 Numa Pompilio (de atista)
0
53 Oettli & Rapozo
20 Oliveira Bastos & C.
P
96 Pereira Carneiro & C.
97 Paulo Jose Alves & C.
111 Palacio da Presidencia.
100 Parcnte Vianna & C.
119 Prolongamento da estrada de ferro do
Recife A S. Francisco.
140 Paiva Valente & C.
Rft
35 Restaurant Portuguez.
17 Ricard H. Connoly
115 Rouquayrol, IrmnAos (botica franceza).


13
22
38
45
86
112
121


Saunders Brothers & C.
Samuel Power Jonston & C.
Silva Guimarics & C.
Soares do Amaral & Irmios.
Santos Selva & C.
Secretaria de Policia.
Severino & IrmAo.
T


43 Tavares de Mello, Genro & C.
116 Theod. Christiansen.
145 Thezouraria Geral.
X7,T


63
65

129
136

24


Visconde do Livramento (escriptorio)
Victor Neescn (prensa de algodao a
vapor.)
Viuva Lages (rua do Vigario)
Vitello, Ferreira & C.
wV
William Halliday & C. (escriptorio)
William Halliday & C. (armazem)
NY. W. Robilliard


O~ ~~ ftf H
0 Dr. Adriano
MEDICO
Continua a dar consultas das 11 As 2 horas da
tarde, em sen antigo consultorio, a rua Larga do
Rosario n. 36, 1." andar. Chamados por escripto
Suq.alquer hora, na pharmacia Bartholomeu & C.


Discrostaii Al ri
Smnelhor remedlo para Uimpar
caldeiras a vapor
E prevenir a formagao do pedras em
caldeiras
Invengao do Dr. Pascoal Alfieri
A NAPLES.
THEO. JUST
Representante do fabricante em

17----PRA9A DO OCORP SANTO--- 17-


EDITAES
Edital n. 2
0 administrator do Consulado Provincial avisa
r6is um kilo. Ditos, ditos, seceop== Ultima venda
a 610 r6is um kilo. Ditos espichados= Nomi-
nal, a 780 reis um kilo.
Fumo do Rio Novo= Nominal de 224 a 245000
os 15 kilos. Dito de Goyaz= Nominal de 245000
a 275000 os 15 kilos. Dito em rolos= Nominal a
10, e 125, os 15 kilos. Dito em latas= Retalho
de 10, a 185 os 15 kilos.
Farinha de mandioca == Retalho de 35400 a
452.j0 um sacco.
Gomma de mandioca=Retalho de 24 e 25200 os
15 kilos.
Graxa do Rio Grande do Sul = Cotamos de
75800 os 15 kilos.
Mel = Ultimas vcndas de 455000 a 505000 a
pipa.
Milho= Ultimas vendas de 60 a 70 reis per um
kilo.
Pelles de cabra== Ultima venda de 955000 um
cento.
Sal do Assu= Ultima venda 900 r6is por 100
htros.
Sebo = Cotamos de 85800 os 15 kilos.
Sola= Nominal de 45500 a 65000 um meioe.
Vellas stearinas==-- Retalho de 320 330 r6is o
masso de 6 velas.
Xarque do Rio Grande do Sul. == Deposito
152,000 arrobas, retalho de 45000 a 5A400 os 15
kilos.
Generous estrangelros

Alpiste== Venda de 4A600 por 15 kilos.
Arroz da India =- Retalho de 20500 e 2A450
por 15 kilos,
Azeite doce = Retalho de 3A200 pote cada
um gallo.
Bacalhio= Deposito 11,000 barricas, retalho a
175500 e 18M000 ruma barrica.
Breu == Retalho de 124 a 145 por unta bar-
rica.
Batatas em Saixas= Retalho de 4500 e 4000
umra caixa.
Ditas em gigas = Retalho a 24000 per uma
Carvdo de pedra== nominal de 14$ a. 1800
una tonelada.
Cemento- Retalho de 85 a 105 uza barred.
Canela-=Retalho a 15350 um kilo.
Cerveja Bass= Retalho de 95000 a 10&000 ura

Ditapreta== Betalho d 9000 a 10:000 A ma
duzig.
ieta do d eroasmacaBe 'etfl&Ot d de 65000 a
8#500ram dusig.


^ -'^g^ llw.^ .1 ,l.- +l1^
dor a qe k .gW61 e
Fago saber aos que opresente edital virem ou
d'elle noticia tiverem que por parte do gereatoda
companhia da.estrada de ferro do Recife aCaxanga
per sea procurador me foi dirigida a petigao do
theor seguinte: Urm. Exm. Sr. Dr.juiz de direi-
to do civel. 0 geronte da companhia da estrada
de ferro deo Recfe a Caxanga, vem declarar V. Exc.
quo estando feita a desapropriagio do terrenc e
casas do Manguinho pertenaeente aos herdei6op do
falleeido Manoal Pinto de Souza e depositado o
product, digne-se na forma da lei, mandar affixar
edital por 15 Aias para que chegue ao coahe-
cimento dos herheiros ausentes, a Fazenda Fro-
vincial e Geral ou a qualquer outro credor, que
esso product sera entregue por este juizo a quem
direito tiver mostrando-se dividamente habilitado.
0 product depositado 6 6:0004000, e a desapro-
priaceo livre. de imposto. Pede V. Exc. deferi-
mnento, sendo a intimaio acostada aos autos de-
pois dow 15 dias nos terms da lei. -Recife 16 de
maio de 1884. Jodo da Silveira Borges Tavora,
procnrador. (Sellada corn uma estampilha de
200 reis regulamente inutilisada) em lita petico
proferi o despacho do theor seguinte : Coio re-
quer. Recife, 19 de maio de 1884-Ribe0ro ;.
E nadain mais secontinha em dito despacho aqui
trancripto.
E para que ehegue ao conhecimento de todos
miandei pa:ssar o present edital corn o praso- d 15
dias que serA publicado pela imnprensa e aflixado
no uigar public do costume.
Da1lo c passado nesta cidade do Recite do Per-
iinimbuco, aos 21 de maiode 1884. Subscrevo e as-
signio.-O escriva'o, Pedro Tertulliano da Cunha.
Joaquim da Costa Ribeiro.

Edital n. 56
Segunda praga
Do ordain do Him. Sr. inspector, se faz public
quo as 11 horas do din 2 de junho vindouro serito
veciidiJas em leilao, no trapiche Concei~ao, as mer-
cadorias abaixo declaradas, a saber:
Armnazem n. 3
Marca DSP, 2 caixas ns. 71 e 72, vindas de
lhiamburtgo no vapor atlemao Ceard, descarrega-
(las no 1" de abril 'itimo. contend 500 kilogram-
inas do cartazes de annuncios, abandanadas aos
dircitos por J. Sabino Pinho.
Armazem n. 6
Marca HB&C, 2 caixas ns. 2,604 e 2,605, vin-
dns de Southampton no vapor inglez Douro, dcs-
carre=adlas em 26 e 30 de janeiro de 1880, con-
fendo 278 kilogramnmas de casenira de la corn
tod traina de algodio, abaur-,'adas aos direitos
por H. Burle & C.
Arm.'. n n. 7
Ma1ca diamante. ,63 no cectro e'contramarca
BB&C, 1 frasco de vidro, contend morphina, pe-
sando bruto 980 graminmas, parte da caixa de
iM'arca A margem, n. 1, vinda de Southampton no
vapor ingilez Minho, entrado em 13 de mar(;o do
correite anno, abandonade aos direitos por Bit-
tencourt & C.
3 siec( Lo da Alfandega do Pcrnawil'-co, 29 de
insio de 1884,
0 chefe,
Cicero B. de Mdlo.

Edital n. 64S
De ordem do inspector gcral da instrucqAo pu-
l)Ica, se declara A professor Amelia Maria da
Couccicio Ramos que, pela presidencia da pro-
vincia foi considerada sern cffeito a portaria de
31 de mnarco findo, que a Vemoveu da cadeira de
cnsino mixto em Passasunga para a de igual en-
sino no povoado lPropriedade.
Seeretaria da Instrucao Publica de Pernam-
buco, 31 de maio de 1884.
0 seretaio,
Pergcntino S. de Araijo Galieo.


DECLARAgDES

Thesourarla de Fazenda de
Pernambuco
Arremutacio de obras da Alfandega.
Dc ordem do Him. Sr. inspector se faz public,
para conhecimento dos intcressados, quo em curn-
primeuto a ordinm do Thosouro Nacional u. 34 de
18 de fevereiro proximo passado, se receberao nu
din (3 dejunho proximo vindouro, at6 1 hera da
tarde, perante a junta da fazenda, propostas em
cartas devidramente selladas e fechadas, para exe-
cuc.o das obras de quo precisam a ponte e a co-
berta da Alfandega desta pr.vincia, na importan-
cia de 12:3785511, cujo orcamento se acha nesta
Thesouraria a disposico dos pretendcntos para
ser consultado.
Thiceouraria de Fazenda de Pernambuco, 30 de
maio de 84.==0 secretario da junta.
Francisco A. de Oliveirae .!Silva
Santa Casa da llserlcord- a-do
Recife
Perante a Illma. junta administrative desta
sauta casa, na sala do suas sessses, pelas 3 horns
da tarde do dia 10 de junho vindouro, ha de ser
arrcmatada a quem mais vantagens offerecer, a
propriedade Ilha do Nogueira. pertencente aos
-Faridha de-trigo= Deposito o16,000 barricas,


aos preqos seguintes :
A americaina, de 215 a 215500 a barrica. A de
Triestre e Huugria, do 265000 a 3040900 cada
uma barrica.
Feijao mulatinho= Retalho de 13,000 por um
sacco.
Dito do cores= Nominal de 83 a 9-000 um
sacco.
Keroseue= Retalho de 3A300 uma lata.
Louna ingleza= Retalho a 350 por cento sobre
a factur'a.
Massas italianas = Retalho de 7A500 a 75800
uma caixa.
Manteiga franceza em barris. Vendas de
15744 per cada um kilo. Dita em latas, da
marca Inout.-= Retalho a 2616 e 2;725 por um
kilo. Dita italiana, em latas retalho a 25616
e 25725 um kilo. Dita em latas, da marca
George Naux, retalho de 25616 a 25725 um
kilo. Dita em latas, da marca Dinant Alcard,
retalho de 20616 20725 per um kilo.
Passas finns-== Relho a 65000 e 85000 uma
caixa.
Papel de embrulho= Retalho de 640 a 1,500
uma resma.
Pimenta da India= Retalho de 15200 per cada
um kilo.
Phosphoros. = Da marca Jonkopings, retalho
de 25100 per cada umna groza. Dito da marc
Nitedals, retalho de 15600 a 15900 uma groza.
Dito da marca Wenesborg, retalho a 15600 umna
Croza.
Queijos-- Retalho de 35000 a 3;200 cada umn.
Sardinhas=- Retalho de 290 e 320 reis uina
lata de quarto, conformIe 'a qualidade.
SToucminho de Lisboa =-= Venda de 13000 os
15kilos. Dito americano Retalho a 105500
os 15 kiles.
Velas stearinas== Retalho de 380 a 880 rdis um
maco.
mVimagres-= Retalho de 120 e150E uma pipa.
Vinho into de Lisb6a- Ret1aho a 210 .i,21
umna pipa. Dito da Figueir= Betalho 2155 e
225 uma pipa. Dito do Cette, branoo=s= Retalho
15 e 220 uia pipa. -Dito do Porto, em caixam
Retalho de 8;000 a 20000 Uma caixla de 12
Xanote doRio da r Deposito 140,WQpa
US=645takh 44500.54 WOOpor 15 kilos.

RWNDINNTOS ?UBIAIOOS


Reie, 29 doe maiaB o 1884.-- sesreivo,
Pedrento Rod obrigaues de Souza. pre-



TliesuanrIr lOF~olu
et conise h o para fornecimento d viverc forransentir



gena e ferragens aos corps desta guarnio e en-
ermaria military, recebe propostas no dia 9 de ja-




nho do corrento annoy at6 a 11 horas da manh.,
no quarrel general do commando deste.s armas, onde




fimociona. o mesmo conseiho, para co'itratar o for-
neciniento do generos alimenticios As pra~as de
pret, forragens, f erragens, pastagens e medica-
mnSecrets para a cavahada,s durante Mio 2 semestredia do





do auno eorrente, a saber:
RAgaife, 2bal9 demao de 1884.-0 eerivo,
Aguardente litro.Pedro Rodrigues de Souza.
AThooetriao kilogramma. o
0 cAmeixaselho para fornecimento ds, idem.ivers, forra -
leas e fberragens aos eorpos desta guarnigio e en-




Araria military, rdem.cebe proposals no dia 9 de ju-
Assuanho do orrente anno rfiade, de 11 haras qulidade, idem.anh,
Assno quaro refinado de 2' qualidade, idea armas., onde
funceions o mestno couselho, par& contratar o for-




ecAssuiar refinato do generous 3a qualidadmenticis idem.A praas de
pret, forragetns, ferragens, pastagens e medica-



mentosu par mascavlho reinadoa d 3a qualidade, idem.
do auno eorrente, a saber':
Agua, balde.


Aguardzete doee de Lisboa, litro.



Azeitecioace de Lisboa, fino, garrafa.
Bacalh'c, kilogranmma.
Banana prata on laranja, duas.
Ditas de S. Thom, urea.
Banha americanietria, kilogramma.
Ameiatatas inglezas, idem.
AraBiscoutos dem. araruta, ide.
Bolachinhas ameno riefcanasd, ide qm.idade, idem.




IBorra,hos ou pombos, urn.
Caf6 cm guio, idem.
AssuCar m oido, ide 2m. qualidade, idem.
Assucar d carneiro, idem. 3a qalidadeidem.
Asucar mascavo refinado de em. qualidade, idem.
Caze de vacoce de Lisboa, litro.
Camzeite d e Lisboa, fino, garrafa.dem.





Carne secca do Rio Grande, idem.
ChA. da India, idem.
Bacalha prto, idem.






Covadinha, idem.
Cerveja nanaci prata ou laranja, dfa.
Ditas de S. Thom6, uma.






BanChocolate commurn, kilogramma.
Batatas inglezas, id1





BiChocolautos de ararmusgota, idem.





Farinhia fina de Mag, I' qualidade, litro.
Bolachinha fina de Maga, 2 quaidade, idem.m.
Borrauhos ou pombos, um.





CaFcijmo preto, idem.
Cafejo mulatinho, idem.
Carne de carneiro, idem.





Care de poranco, idem.





Figos passados, kilogramma.
Frangos, urn.
Gallinha, urea.
CaGelrea de mo vacca, ide vacca, kilossgramma.
GeCae de marmvitellos, idem.
Care secca do io Gran, i dem.
ChGoiabadas em latas grandes, idem.






Laranjas da China, urea.
LaCh anjas selectas, idem.idem.







Laranjas da t'rra, idem.
Cevadinha, idem.







Limrn~is azedos, urn.
LiCerveja ns acionaes, meia garrafa.dem.
Machcolate commum, kilogramma.s.
MCoolate musgo, idem, idem.
Farinlia fina de Mlage', 1- qualidade, litro.







Farinhtiga ingleza de Mag 2* qualidade, idem.
FcMarmjao preto, idem.ional, idem.
Fatte em foalatinhoas, idem.
Feijao branem p6co, idem.
OFrVngos, um.
Gallinha, unma.
Geloa de mAo de vacca, kilogramma.













Pao-de-16 torrado, id,.m.
GelPassas, ide marmellos, idem.
Geixae musalgado, idem.
Goitoadas m latas grades, idem.o.
QuiLaranjas de MChina, urn.
LaiRosajas dselectas, qualidade, uma.
L)ita ranjas da ommunrra, idem.
Limas, kilogramma.dem.
Limues azedos, um.
LimZes deces, idem.






TapicarAO, kilogramma.
MaToucinho de Minas, idem.
V inho branch, litro.eza de qualidade, idem.
arDitoelada nacional, idem.dem.
Dito Matte em folhas, idemgarrafa.
Dito Malaga p6, idem.
ODiVoS di, mlitro.
P)io, kilogramma.






Dito Por-de-16 torrad, (commum).






Dito dito fino, garrafa.
PassasDito di generous, idem.
Vinagre brsalgado, idem. Lisboa, litro.
Dito tintfresco, idem radeao.
Verduraeijos d tmperoins, raumo.
Roseas de la qualidade, uma.






Ditasura forrcommuns, idem. eferrages
Alfafa, kilogramma.
SCapi, media caixtroo.
Tapioca, kilogramma.






FerraTouinho de Minas, idem.






Cravos, canto.
Pastagens para a eavaihada, numero.
Medicamentos, idem.
Parg dieersoe misteres
Carvio madeira, sacco.
Dito ciok, klto.


Dito coke, kilo.
Graxa do Rio Grande (bexigas) idem.
Lenha em achas de 1 metro, uma.
Dita om toros, uma.
Lavagem de roupa sem distinc*o de peas, urma.
Polvilhio, kilogramma.
Idetn do 31 2:973S128


JONSULADO PROVINCAL--De 1 a 30
Idem de 31


REIcFE DAmNAGP--De 1 a 3)
Idem do 31


50:0230401
113:5125389
10:875,084
124:3875473
14:8864986
960(01
14:981590


ALTERA9AO DAPAUTA
Para a semana de 2 A 7 de junho de 84.
Algodio em rama. 520 rs. o kilo.
Alfandega dc Pernambuco, 31 de maio de 1884
Os conferentes,
J. J. de Miranda.
Tito J. C. Rangel.

DESPACHOS DE IMPORTAQ.-O
Vapor allemao Roaario, entrado de Hamburgo
e escalas no dia 31 e consignado a Borstelmann &
C., manifestou :
Carga de Hamburgo
Amostras 13 volumes a diversos.
Cimento 2A0 barricas a ordem. Cartas para jo-
gar I1 caixa a Ferreira & Irmao.- Chapios 1 eaixa
a Affonso Oliveira & C. Couros 1 caixa a Francis-
co Lauria & C. Cerveja 95 caixas e 35 barricas a
ordem, 15 a Joaquim Duarte Sim6es & C., 18 a
H. Petersen & C. Cadeiras 1 caixa a Carvaiho
Leito & C.
Drogas 7 volumes a Francisco Manoel da Silva
&C.
Ferragens 4 volumes a Nunes da Fonseca & C.'
5 a Ferreira Guimarles & C., 4 a Francisco Lau-
ria & C., 2 a Eugenio Coelho & Vieira, 4 a Oli-
veira Basto & C., 3 a Ferreira & Irmio, 7 a Otto
Bohres Successor, 3 a Manoel R. da Silva, 42 A
orde m.
Lonua 66 caixas A ordem.
Mercadorias diversas 2volumes a Aolpho Nedi
mann, 2 a F, Manoel da Silva & C., 8 a Eilio
Roberto, 12 a J.Azevedo & C., 2 a Maia & Ir.
,MAs 4 a Adpho&F2, & a HL Petarsen &
C., 1i Francisco Lauria & C. 1 a Salazar & C.,1
4 a Guimaries Cardoso & C., 3a August. Ferua-
4 & & M., 2a& Moedeiros* & C.1 &ordem, .


1YrIPWuu, zv a i 71; =wy.'tu>a -. ; *
Phosphoroa aeriaos ut caixa, grosa.
Saaguesugas, pela applicaeso de cada uma.
Objectos adventeioa para a enfermarir
Papel pautado fiume, reaa uma.
Difb matta-borrAo, folha.
Pennas de ago Ferry, caixa.
Gomma arabica, frasco.
Tinta preta, garrafa.
Canetas, duzia.
Lapis preto de Faber a. 1, duzia.
Hostias, cento.
Incenso, kilo.
CondiQies
1I Todos os generous serao de primeira qualida-
de, e os fornecedores deverao satisfazer os pedi-


Tom** Seguroa Inarittmes e "UitrI

LARGO DO CORPO SANTO -


CONTRA .FOGO

The Liverpool & London & Glob

INSURANCE COMPANY


os uteumrd uuo prazsus UrIua..o "nsa r^u"'"" n\ AU I N TE
contratos. entregando os mesmos generous nos l
quarteis, ou fortalezas e enfermaria, P depositarA ollllR8Brotller3 &
na Thesouraria de Fazenda uma quantia, como eoU o u
caueiAo, que sera arbitrada pole conselho de for- 11-CORPO SANTO.-
necimento"
2' As propostas deverao center a declara-ilo {?' .. '
express de sujeitar-se o proponents A multa de 5
OO da importancia a que montarem os viveres ou
artigos que form aceitos, se deixarem de compa-
recer para assignarem o respective contrato, den- t)
tro do prazo que for notificado pelos jornaes.
3a S6 podera concorrer aos forneeimentos an- )
nunciados quem habilitar-se ate o din 7 do yin I"
douro mez, na f6rma do art. 18 do decreto n. 7685 (
de 6 de marco de 1880. )PE A
4' Da falta do field tumprimento de qualqner das 0 MEhII A L(I
obriga95cs contrahidas, o fornecedor ficaril sujeito l
a pagar o valor de quanto se comprar por suai con-
ta e ineorrerA na multa de 25 010 sobre o valor C1TR I
do gcncro rcgeitado ou nao reeebido em tempo. CONTRA
5;1 Os concurrentes sao obrigados a apresenitar j
amnostras dos gencros ou artigos quo forei julga- 1
dos precisos pele conselho.
G-a As pr-opostas serbo aprscntadas cm dupii- I
catas ate as 11 horas do di(. 9 do citado incz, cm
que serbo abertas c apuradas em pr(sciica (los
proponents. Na mesmna eccasiao se acoitarlo
propostas para a venda do cstrume dos animnaes T'enildo rcduzido as suas ta
dacompauhia de cavallaria premlio offerccc agrandes van
Thesouraria de Fazenda do Pernambuco, 14 do z
maio do 1884. 0 contador, aos rs. ncgociantes e prc
J. de B. e Accioli de Vasconcellos. rios.
7I- Premiom modicos,
De ordem d.t Illma. Camara Municipal, sao 1%s ".a m a induubitave
convidados os donos dos estabclccimentos das fire- E- pra. pto pa1'a[ en4
guezias de Afogados e Varzea, para virem A sec- Et)a p to pagamili
clo competent rever os pesos, medidas e balan- p Prejuizo*, =
"as dos mesmos, no proximo mez de junho, sob
pena de li 0 Capital 161000:00081
Paco da Camara Municipal do Recife, 31 de I, 0 0
maio deo 188. Recif-, 1 do a-osto de 18
Jose Candido de Moraos, AGENTES
President. 1 B ro
Pedro Gauidiano de Ratis e Silva, Drow ns &
Secretario.
Socretario ILUA DO COMMERCIO N'.

Consalao Provin Ial .. .
F;az-se sciente pela 1l scce-ao do Consulalo "os
senhores coutribuintes do imposto de industrial e G0
profissao, comprehcndido nas taxas fixas e deo
repartigao, quo no dia 5 de junho vindouro so eS G
finda o prazo que lhe f6ra concedido para paga- S G
mentor do mesmo, livre de multa, depots do qual
se procedcrA a respective cobran;a corn a multa MARITIMOS CONTRi
do art. 60 da lei n. 17.f m3a Ph ni
1' Seecio do Consulado Provincial, 31 de maio Companhia Phenix
do 1My4. nambuiicana


H. Peregrine.

Santa Casa da Misericordia do

Recife
Na Santa Casa arrenda-se por um a trcs annos,
os segunites predios :
Rua da Saudade


Casa terra n. 5
Travessa de S. Peiro
Sobrado de dous andares n. 2
Rua do Born Jesus
Segundo andar do sobrado n. 13
Rua do Burgos
Casa tcrrea n. 27
Becco das Boias
Loja do sobrado n. 16
Sensala-Velha
Casa terra n. 18
Rua da Mocda
Casa terra n. 49
Scnzala-Velha
Casa terrea n. 16
Rua Imperial
Casa terrea n. 127
Rua do Encantamento
Primeiro andar do sobrado n. 9
RP'. do Visconde de Albuquerque
Casa terrea n. 61
Run Sete de Setembro


401000
305000

183000

125500
205000
305000

205000
125000
15100
175750


Casa terrea n. 28 480;000
Estrada do Rosarinho
Sitio n... 2501000
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife, 13 de maioe de 1884.
0 escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
The New London and BraslHaim
BaUk Limited
Rua do Commerci'? n. 32
Sacca por todos os vapores sobre as cai-
xas do mesmo banco em Portugal, sendo
em Lisboa, rua dos Capellistas n. 75. No
Po, rtorua dos Inuglezes.
Perfumnari:ta I aixa. :i or lh:,.. Pianos 3 caixas
a H. Nuesch X- C. i'hcsphoros (5 ecaixas ;' ordcmn,
5 a Joaqaim Du)uarte SimieCs & C., 5 a RoIdrigrues
de Faria & C, 5 a Dias Pinheiro & G. Papcl de
embrulho 223 f:ardos a C,.-.ta & Medeiros, 119 a
ordem, 5 a J. C. L.-vv &. C., 2 a Ferreira & Ir-
miTo, 1 caix:t a Antonio Pcrsira dat Cunha.
Tecidos diverso.s 6 volums a Bcrnet & C., 1 a
ordem, 5 a Monhiard Mettlcr & C., 2 a Cramer
Froy & C., 3 a iloIrigaes Liina m & C., 1 a Ferrei-
ra &z Irrno, 3 a Olinto Jardim & C., 3 a Gon.al-
yes Irmniao & C.
Vinho 35 caixas a R. de Drusina & C. Velas
100 caixas a Fraga Rocha & C., 5 A ordem.
Carga de Lisboa
Azeite 1 caixa a Joilo F. de Almeida.
Batat-s 150/2 caixas a Silva Guimaraes & C.,
100 A ordem, 80 a Domingos Ferreira da Silva
& C.
Cevada 5 barricas a Joao F. de Almeida. Ce-
bolas 50 caixas a Silva Guimaraes & C. Carne e
queijo 4 caixas a Jose de Sampaio Coelho.
Livros 1 caixa a Joao W. de Medeiros.
Plants medicinaes 1 caixa a D. M. B. Mendes.
Vinho 90 pipas a Fernandes da Costa & C., 40/5
a Domingos Alves Matheus, 4/10 a J. 8. Coelho,
60 caixas a Ferreira Rocha & C., 30 a Joaquimun
Duarte Simnes & C., 40 a J. dos Santos Salguei-
ral.

Pataeho national Urano, entrado de Montevi-
d6o, no din .'. do corrente e consignado a Pereira
Carneiro & C., manifesto :
Xarque 168,068 kilos A ordem.
DESPACHOS DE EXPORTAQAO
Em 30 ,le male de 1884
Para o exterior
No vapor inglez Marimer, carregonu :
Para Liverpool, S. Brothers & C. 200 saceos
corn 15,000 kilos de assucar mascavado M. J. da
Rocha 30a ditos corn 22,500 ditos de dito ; A.
Bahia 131 saceos corn 6,967 ditos do cera de car-
naiba ; J. Clementino 2,707 saccos corn 121,245
kilos de algodlo.
No lIAgar portuguea Litano, carregou;
Para o Porto, A.Bhia 271 oouros espiehados
corn 1,937 kilos e 25amarraos comrn 4,401 kilos de
garras de ooura.-
Wt 0-Z o Uhte.or
Nae um aMionalM ,ae y carregon
Pama o Rio Grande do Sal, J. S. Loy0 & Fillo
9D a: 9600) itro do agtardente.


11


~Rog.


is
AFOGO
Per-


Rua do Commercio n. 34.


COMPANHll DE SEihURiOS
CONTRA FOGO
North British & Mercantile
CAPITAL
2:000,000 de libras sterliaas
A GENTES

Admson Howie & C.
RUA DO COMMIERCIO N. 3.


Camara municipal
Despesas feitas corn a li.pesa das ruas, praqas,
caes, pontes e travessis das freguezias de S
Fr. Pedro Goncalves do Recife, Santo Anto-
nio, S. Jose, Boa Vista e Afogados, na semana
de 26 A 31 do corrente incz.
Despendido corn a folha da limpesa da
freguezia de S. Fr. P< dro Goncalvcs
do Recie, inclusive latrinas 1615440
Idem corn a folha da limpesa da frcgue-
zia de Santo Antonio, inclusive la-
trinas 1815440
Idem corn a compra de objects para a
mesma freguez a 514000.
Idem corn a folha da limpesa da freguezia
de S. Jose 153J760
Idem corn a compra de objects 25A000
Idem corn afolha da limpesa dafreguezia
da Boa Vista 121A440
Idem corn a compra de objects 410400
Idemin corn a folha da limpesa da fregue-
zia de Afogados 165000
7514480

Contadoria da Camaara Municipal do Recife, 31
ide maio de 1884.-0 contadoi,
Jos% Maria de Souza Araujo.
-N a barca --Peasamntno Livre, carregou :
Para Mamanguape, J. B. de Carvalho 10 barri-
cas comn 600 kilos dc assucar refinado.

Navios entrados no dia 30
Montevideo-21 dias, patacho nacional
Urano, de 176 toneladas, capitao Adria-
no da Silva Leite, equipagem 7, carga
xarque; a Percira Carneiro & C.
Sahida no mesm dia
Rio-Grande do Sul-Patacho dinamarquez
Vedela, capitAo Henninqsen; carga as-
sucar.
Terra-Nova Lugar inglez Sunbean, ca-
pitao Richard Woolgard ; em lastro.
Terra-Nova Barca ingleza Ethel, capi-
tao Gcorg3 Debrinrrs: em lastro.
Navies entrados no dia 31
Hambargo e escalas- 31 dias, vapor alB-
mito Rosario, de 1,376 toneladas,_ com-
mandante P. H. Drevyer, equipagem
39, carga, various generous; a Borstel-
mau & C.
Sahidos no mesmo dia
Buenos-Ayres-Barca americana Aueduck
capitao Johsns Slocuns; carga varios
generous.


VAPORES ESPERADOS


Tetonia de Trieste
Gironde da Europa
Pernami&co do norte
MageUan do Paafico
Baia d0oul
Vie de aki 4do Europa
Fiance do sul
Araucuma daua Eux.p
E8b Nda-Buropa
Author da Europa
Guadianados;i ^ ianeirw
rkilav rn 1.do sul
Akwwsmlav~io,.- 'do1.1. M .., .,


hoje
a B
a 4
a 5
a 6
a 6
a 8
a n


I:

4
$1







iS ::1






*1 1



.: 7


I /

I,~ /~


xas do
atagens


I.
oprieta-


to de


000
5$1.

-I.
15


A 0. Tl-, XT lT., Q
























Do' mingo, 1 de junho

Ultimo espectaculo
BEEF"CI fAS AGTRIZES3

FRANCISCA LEAL EJESUINA LEAL
.. Offcrecido ao Exmin. Sr. commendador Jo0?o Pinto de Lemos e a sua Exma.
familiar.
Subira A seena o magnifico e sempro applaudidissimo drama em 2 actos, de
propaganda, escripto expressamente para JULIETA DOS SANTOS polo flim. Sr.
JOAQUIM NUNES.



COJIA OPIULENTA
Pelo sympathico e popular artist LYRA, em obsequio As BENEFICIADAS,
urma das suas mais chistosas e applaudidas
SCENAS COMICAS
Segue -so pela phenomenal actrizinha JULIETA DOS SANTOS a chistosa e
sempre applaudidissimia scena comica, toda ornada de music



1AE01E Hf tUPIDN
Onde a interessante JULIETA canta a conhecida SERENATA da opereta de grade
Success


a3. UxrET1A
Terminara este grande e magnifico espectaculo pela desejadis ima comedia
em uam acto, do costumes portuguezcs, original do actos COSTA LIMA-

A ESPADELLADA
Em que se cantam os seguintes numerous de music :-1- o Malhao por Julieta dos
SS&ntos e Lyra; 2- Cauna verde, por todos os artists e figurantes; 3" o Desafio-por
Jesuina Leal e Jolo Rocha; 4- a Ballada-por Julieta dos Santos e Jesuina Leal, e
coros; 5- a Serandinha, cantada c dancada per today a companhia e figurantes.
N'esta comedian, ver-se-ha n'uma barquinho, os serandeiros, vindo n'ella os
artists JULIETA DOS SANTOS, Adelina Castro, Lyra e Castro, cantando o Ma-
lhao corn acompanhamento de viola.


0 distinct actor LYRA prestou-se gentilmente a abrilhantar este especta-
cualo, que muito agradecem as beneficiadas.
N'um dos interallos irAo as beneficiadas cumprimentar os seus -convidados,
attendendo a brevidade da partida da companhia que segue para o CearA.
Bonds para todas as linhas depois do espectaculo.

THEATRE



SANTA ISABiIL

1er a-feira 3 de junho

Beneficio da Sociedade (Ave LIBERTAS

DmGONIZAGA
Drama em 4 actos do poeta dos escravos Castro Alves.
(Representado por mogos estudantes da Faculdade).
Terminara o espectaculo corn urma bella apotheose A

ComeBEDAAEs 8 horas.
Coine9ai-a as 8 horns.


COMPANifiA
DO




No escriptorio d'es-
ta companhia paga-se
o 72 dividend cor-
respondente ao semes-
tre findo, a raz ao de


3;000 por


aceao, sen-


do diariamente de 15


a 31 do


corrente mez,


e ao depois, nos sabba-
dos.
Escriptorio da Com-
paniihia do Beberibe,
12 de maio de 1884.
0 secretario,
Jose' S. F. Jacobina.

EMPREZA DO GAZ
0 Gerente pede aos
$rs. co.summidores quo


no 1 das, 10 horas da
manha 1 hora datarde,
onde tambem se pece-
ber? qualquer conta que
queipam pagar.
Os unicos cobradores
externos sao os Senhores
Francisco Felix de Mello
e Hlermillo Francisco Ro-
drigues Freire, e quando
for precise o Sr. Antonio
Martins Carvalho.
Todos os recibos desta
empreza deverao serpas-
sados emn tales carimba-
dos e assignados pelo seu
gerente, sem o que nao
terao valor algum.
John Cochs

IAIITIIOS
PORTOS DO SUL
0 vapor
Pernambuco
COrnmana&nte o wpitao de fragata Pedro
IH. Duarte
W E' esperadodosportoodo*or-
l~l^^ to W t eo dia 4 e jaubo a


Navegalrio costeira per Vapar
PORTOS DO NOTE
Parahybc, Natal, Macdo, Mossoro,
AracatyCeard, Arcaacfi e 2Carnossim
Segue no dia 5 deju.
_nhoo vapor Piralaoa.,
commandante. Eino,
s5 horasda tarde.
Recebe cargo atW o
Encommendas, passae e dmheiro a firete atW
as 3 horas da tarde do dia da sahida.
ESCRIPTORIO
Caes da Companhia Peramsbu-
cana n. I1

ROYAL AIL STEAM PACKET
COMPANY
Grande reducceo nos precox das
passagens
0 VAPOR


Guadiana
Commandante Ilorton
Espera-se do Rio
de Janeiro no din 14
dejunhoo qual de-
pois da necessaria
demora seguira para
New-York
Para passagens, fretesa, etc., tracta-se corn os
CONSIGNATARIOS
Adamson Howie & C.
3-]Rua do Commerelo-3


Itinerario
IDA
gahida Southampton 1
Chegada Bordeaux 4
Vigo
Lisb2a 7
S. Vicente a
S Pernambuco 20
Macei6 21
S Bahia 22
S Rio de Janeiro 26
Santos 28
Montevideo
Buenos-Avres
VOLTA
(Conforine as ordens do Rio
Sahida. BuenosAyres
Montevideo
W Santos
SRio de Janeiro
hCegada Bahia
S Macei6
Pernambuco
S S. Vicente
Lisboa
S Vigo
Southampton
S6 tocara se precisar carvao.


92927
.24
13
24
26
29
5
7
de Janeiro)
17
18


1
2


7
4 9
27 12
13
29 14
21
11 28
o0
15 2


iPacific Steam Navigation Company
STRAITS OF MAGELLAN LINE
0 vapor
Araucaria
^ Espera-se da Eu-
ropa atk odia 8
de junho e segui-
_rA para o sul de-
pois da demora do
costume.
Para carga, passagens, encommendas e dinheiry
afrete: tracta-secomnos
Consignatarios
Wilson Sons & ., ImlDted
N. 14-RUA DO COMMERCIO-N. 14
S0 vapor
Magellan
-. Lpeca-e doe p(rtos
do sulWat odia 5 de
junho, seguindo para
a Europa depois da de-
.... o.ra do costume.


Para cargoa, passages, encommendas e dinheiro
a frete; tracta-se comos
Consignatarios
SWilson Sons it C., Limited
N 14- DOCOMMERCIO N. 41
COMPANIES BDES MESSAGE-
RIES MARITImES
LINHA MENSAL
0 paquete
Gironde


Commandante


Moreau
Espera-se da Eu-
ropa at o dia 3
de junho, segumn-


_ jj mjfi _^ do depois da ide-
rmoma do costu-
qqg me para Buenos-
Ayres, tocando na
Bahia, Rio de laneiro e Monte-
tevldto
Lembra-se aos Srs. passageiros de todas as
classes que ha lugares reservados para esta agen-
cia, que podem tomar em qualquer tempo.
Para cargoa, passagens, encommendas e dinheiro
a frete: tracta-se con o
AGENT
Auguste Labille
9 -RUA DO COMMERCIO-9


~ii~edSAatesJ

Pi


Parsca
Be com os


tBrasilMail S. S. C.
0 vapor
nance
E' esperado dos portos do
sul ao dia 7 dejulho, e
depois da demora necessaria
seguirA parao


,ens, e enonimmendaE,: totat-
.GENT9 .8^^


S.--


Fesperado da Euro-
paW s t o dis 6 de
unho, seguiudo de-
ais do indispensavel
ina par&a 0a&-
Mo ede 4a-
op-seae oao rs., importapdores deo carga pelos
vaperes desta linha,qeiram apresentar dentro de 6
dias, a conta do da descarga das alvarengas, qual-
quer reclamalao concernente a volumes, que p'r-
venturateniham seguido para os portos do sul, aifim
dose poderem dar a tempo as providencias necessa-
rias.
Expirado o referido praso a companhia nio a')
responsabilisa per extravioc.
SRecebe cargoa, encommendas e passageiros, para
0os quaes tern excelentea accommodates.
AGENTES
Aagusto F. de Oliveira
&C.
42 RUA DO COMMERCIO 42
(Entrada pela rua do Torres)
PNra LTAWso Porto


s corn
Filho.


SegmrA nestes poucos dias
para os portos acima a barca
portugueza Nova Vcncedora :
-- para carga e passageiros, trata-
ns consignatarios Jose da Silva Loyo &


LEILOES


Agente Pinto
Teroa-feira, 3 de junho, dove ter lugar, por in-
tervencao do agent Pinto, o leilao de lonas, ma-
dapolues c outras fazendas avariadas.
Quarta-feira, 4, o de pianos, mobilias, louca,
vidros, quadros, espelhos e objects de casa de
familiar ; no sobrado da rua do Born Jesus n. 6.
No armazem do sobrado da run do Born Je-
sus n. 6, eiposicao de quadros A oleo e espelhos,
em leilao, sem reserve de preqos.

Leilao
Em continuahio
De 1 mobilia da jacaranda,. camas francezas,
mesa elastica. cadeiras de balango, aparad(ores,
quadros, cabides, machine de costura, lavatorio,
loueas, vidros e muitos outros objects de uso do-
mestico existentes na casa terrea na rua do Soce-
go n. 26.
Sgaunda-feira, 2 io i111o
A's II horas
POR INTERVENCA.O DO AGENT
Gusmao


Agente Silveira

Leilao
Segunda-felra. 2 de Junho
A's 11 horas
No armazem de models
Largo do Paraiso n. 26
0 agent acima devidamente autorisado levari
a leilao o terreno onde estA edificada a casa ter-
rea sita I rua das Nymphas n. 24. Medindo o ter-
reno 26 palmos de frente e 80 de fundo.


Leilao
Be pannos de lona, madapoloes,
oxfords e outras fazendas In-
glezas
Avariadas
Terga-feira 3 de junho
A's 11 horas
NO ARMAZEM DA RUA DO BOM-JE-
SUS N. 43


Agent Pinto
Em eontlnuamao
Uma catia corn chapeos de aol, toalhas, chitas,
brings, sabonetes, platilas e outras fazendas, e ca-
saveques e vestuarios para meninos.

Agente Britto
Leilao
De mobilias. 1 rico lavato*o corn pedroa, ricos
espelhos, cadeiras de junco e madeira, commoda,
cama, marquezoes, quadros, candieiros, louga
final, videos, etc., etc.
Terea-feira 3 de junho
A'S 10 112 HORAS
Na rua do Rangel n. 41


Agente Britto

Tercogoir ol ltil o
Da typographia da rua do Fogo n. 87,
vindo de base a ultima offerta
Terpa-felra 3 de junho
A's 10 horas


ser-


0 ageate acima, por mandado do Exm. Sr. Dr.
juiz de ausentes e a requerimento do Dr. curador
geral, farA leilao da dita typographia, que faz par-
te do espolio de Marinho Falcao.

Leilao
De mobilias e cadeiras avariadas
Teria-felra, 4 de junho
A's 11 horas
POR INTERVENVAO DO AGENT

Alfredo Guimaraes
Em seu escriptorio d rua do Born Jesus
n.45

Agente Burhlamaqui

1 ,Lelao
ITerfaaefa, 3 de jnho
,ItAX)O IIPNERA-
A 's 1 j o'aT s- 12
XO AfiMAZE A; rftA1Q Wssm-
^ ~ ~ ~ I V -**" 9tAtifr.A"' :' *. '


Tercafeira, 3 de jw5ib
4'.s 11 horas emponl
No armazem da r .a do Impe-
d rador n. 94
Exm Dr. juiz de direito da provedoria* leva-
r a leilo a easa terrea n. 7 A rua e travessa da
Baixa Verde (up Capunga) servindo de base o
preeo queobteve.
Agente Burlamaqui


Leilao
De um cabriolet americano corn dous assentos,
quatro rodas, arreios para um cavallo, um cavallo
gordo proprio do cabriolet, e mais dous arreios
novos para carro e bridges.
Terga-feira, 3 de junho
A's i1 horas eni ponto
NO ARMAZEM A RUA DO IMPERA-
DOR N. 24

Agente Silveira

Leilao
Quaria-feira, 4 de junho
A's II horas
No armazem( de moves largo (do Paraiso
n. 2G
0 agents acimrna, por mandado e assistencia do
Exm. Sr. Dr. juiz de direito da provedoria levara
A leilao:
Um terreno proprio no lugar lenominado Baixa
Verde, frcguczia de Nossa Senhora da Graca,ten-
do o di-o terreno 18 metros e GO60 centimctros de
largura e 24 metros e 35 centimetros de fundo,
corn alicerces para casas e umn pequeno quarto.
Quarta-felra. I de jinho
A'S 11 HORAS


4.0 leilao


e definitive


DE

CARMO E SILVA


co reegmfcado.
Um sobrado de 1 andar es otao .A ruadas
cheiras n.440, em s6lokprori.
Um grande sobrado de3 andares, A rua do -
dre Floriano n. 40,'em s6lo proprio.
|Uma casa terrea A rua Imperial n. 125, corn 2
sa4la, 4 quartos, cosinha exteina, etc., 9s6lo forero.
SUma casa terrea A rua Sete de Setembro n. 20,
csm 2 salWs, 4 quartos, cosinha e quartos exteoubs,
quintargrande em solo proprio.
Uma casa (armazem) A runa. do Marquez do Her-
val n. 7, em s6lo foreiro.
Seiiua-feiira, 9 deillo
Na agendela de lelles
27 Travessa do Corpo Santo 27


AVISOS DIVERSOS
Aluga-se por preco comamodo a excellent
chacara A rua do Caldeireiro, no Caldeireiro, corn
magnificas accommodates para familiar, muitas
arvores de fructo e boa agua potavel. 0 sitio
estA perfeitamente murado em toda a longa area
de terrenos que abrange, e tern alemn da casa
principal, muitos commudos, externos para cria-
dos, grande estribarii, gallinheiro fechado eom
grades de ferro, banheiro, etc., etc. : trata-se na
rua do Apollo n. 32, 10 andar, escriptorio.


Aluga-se urma. casa no Espinheiro, a rua do
Desembargador Nunes Machado n. 1, corn gran-
des commodos e um grande quintal murad a com
muitas arvores fructiferas, muito boa cacimba,
corn agua eneanada e um bonito jardim ; a tratar
na rua de Pedro Affonso n. 70.
Precisa-,3e de umn cai:hciro corn pratica de
molhados ; a tratar na rua do Marquez do Herval
numero 14..
Bijouterias de phantasia
Alfinetcs de gravatas cm 40 models, correntes
de relogio e botucs para liomens, pulseciras, alfi-
netes, voltas e porta-lequcs para senhoras e meni-
nas, models loiiitos, a Imitacao de ouro ; amos-
tras na vitrina da loja a rua NSova n. 1 G.
Precisa-sc de umrna ama de leite e de uma
engommadeira : na travessa de S. Pedro n. 8.
Pede-se ao Sr. Antonio Lopes Rodrigues,
que venha dar cumprirnento a sua palavra fixada
para o fim de abril, na rua Nova n. 26, primeiro
andar.
Aluga-se o segundo andar do sobrado u. 41
a rua do RangQl; o primeiro do de n. 25 A rua


At a nr d ih0 nova de Santa Rita ; a casa terrea de n. 17 no
Slargo de Apipuos; 1 da travessa da Hora no Es-
A U1IA, U N jpinheiro ; 36 A rua da Ventura, na Capunga : a
AO MEIO DIA EM PONTO tratar na rua do Hospicio n. 32.
Por mandado do Exm. Sr. Dr. juiz de orpliaos, 0 desembiargador Henrique Pereira de Lu-
a requerimnento de Manoel Marques Avila, inven- cena perdeu a polic provincial n. 2839, do valor
taniante dos bens do espolio de Manoel Ignacio d 1 :000, pertencente a sua filha Maria Annun-
Avila, corn a assistencia do mesmo Exm. Sr. Dr. ciada Carneiro de Lucena, e para poder requerer
izVENDERA outra em substituiaio, faz a present declaraao.
Um sobrado de um andar corn tires ports de Na rua do Cajd n. 6 engomma-se corn per-
frente, varandas de ferro, corn grandes commodos, feicao e per commodo prepo.
sotao, terrena proprio, sito a rua do Bemfiea n. 31,
Passage da Magdalena. 1 .. I
Na agenda de lelloes
27 Travessa do Corpo-Santo 27 IRPIU 1IT ITU


Lei


U t.UliJUUiALI A
lao Precisa-se de uma
^. ~ ~ Y"c Id A" I "r < 1 r 1" "l-/* A- 0Aa-1^ C l/-r


Moveis, 104ca, vidros e I. "' uUIJC uu
Movs, oua, vidros e sadia, para amamentar
quadros cor
Constando de 1 solida mobilia de jacaranda corn um a creanl a de pouco
tampo de pedra, lanternas, jarros finos, quadros,
tapetes, oescarradeiras, pannos doe crochet, enfeieos tem po, paga-se bern ;
para consoles, 1 toilette de jacaranda, guard ves-
tidos de amarello, 1 guard roupa de crianca, 1 p t d
meia commoda de amarello, cabide de column, 1 no escrlp oJei Ute
excellent bahd de amarello para roupa branch e r
1 tocador. Di lario se dira.
Uma mesa elastic de amarello de 6 taboas, 1
guard loun&a de amarello, 2 aparadores de colum- -- Preeis-se de u-"--m caixeir--o- de 12 i 14 anns
no, 1 sofA, 12 cadeiras de amarello, 1 mesa de de idade, que d^6 fiador de sua conduct ; a tratar
amarello corn pedra, I quartinheira, 1 cama grande na ruda Santa Cruz n. 3.
para meninos, 1 cama de lena, 1 balaio para rou- a rua da Santa Cruz n. 3_____________
pa, 2 relogios de parede, 2 marquez6es, 1 appare-
lho de porcelana para jantar, 1 dito de dito para Proveitoso
almoco, copos, calices, garrafas, compoteiras, 1 ap- Urna pessoa competentemente habilitada n'arte
parelho de electro-plate para chia, 1 excellent es- de florist, se pope a dar li5es em casas partei-
cado.do thesourn do amarello envemnisado eoutros do florsta s ro^ ada i^ em. casas part-
muida de thesoura de amarello envernisado e outros culares ou em algumn collegio, mediante modico
uitos mrelsPr j J t do rro]l[ preco : quem do seu prestimo se quizer utilisar
Il f T- pddc deixarmo seu adresse'a livraria economic 6.
ulu 10 D rua 1 de Marco (outr'ora do Crespo n. 2) para
AS 11 HORAS EM PONTO ser procnrado.
Na rua das Flores, casa n. 9 Aluga-se os andares superiors do predio n.
Jose Luiz de Mello tendo de fazer uma viagem 51, sito A rua do Imperador : a tratar no pavimex-
a Europa corn sua Exma. Sra., fara leilao por in- to terreo do predio n. 10, a praea do Commercio.
tervenco do agent Martins dos moveis e mais Precisa-se de duas costureiras : na rua lar-
objectos existentes em dita casa onde actualmente ga do Rosario n. 26, 3 andar.
reside...... --. Precisa-se de um criado ; na rua da Uniao
v *inumero 59.
Leiao Precisa-se de urna engommadeira: na rta
da jIiao n. 59.
De moveis, quadros, espelhos, lougas Precisa-se de 2na boa eosinheira ou cosi-
e vihdros j nhciro : a tratar na rua da UniaJ n. 59.
A saber Aluga-se a casa n. 8 do largo da Soledade1
tern cormmodos para grande familiar, agua canali-
Um piano forte, 1 mobilia de jacaranda, corn 1 sada, gallinheiro e banheiro, e se achareparada "
sofA, 2 consolos, 2 cadeiras de bracos e 12 de guar- eaiada de novo: a tratar na rua Direita n. 32.
nicao, jarros para flores, espelhos dourados. qua-


dros A oleo com finas gravuras, 2 cadeiras de'ba-
lanco, jarros para flores.
Uma mobilia de vinhatico, 2 espelhos para con-
s6los, 4 capiteis de canto, 2 ettagers corn jarros.
Uma eama grande corn colxao, 2 marquezas, 2
commodas, 1 lavatorio, 1 toilet, 2 espelhos, 12 ca-
deiras de guarnioo de junco, 1 cadeira de viagem,
1 guarda-roupa, 2 mezas de ferro, 2 camas para
meninos.
Urma mesa elastica, 2 apparadores, 4 mesas corn
gavetas, 24 cadeiras, 1 guarda-louga, 1 apparelho
de porcelana dourada para jantar, 1 dito para
chi, cops, calices, garrafas, compoteiras, 8 qua-
dros corn finas paisagens, apparelhos de louga chi-
neza, mesas, cadeiras e muitos outros objects
de casa de familiar.
afta-f[ira, 4 e 1111o
Agente Pinto
No sobrado da Rua do Bom
Jesus no 6
Em continuaAo
SGrande e variada
EXPOSIVAO
do quadros A oleo e espelhos dourados centree os
quaes, alguns de 5, 10 e 15 palmos de altura.)
Lindos apparelhos para ch.A.
Uma burroa (cefre.)
Ouarta-feira, 4 de junho
No armazem do sobrado da rua dE
Born Jesus n. 6
0 leillo principiarA as 10112 horas.

"GRANDE LEILA0
I, ..DE


Precisasaa de tres amas, de leite, cosinhi e
engommado : nia trevessa de S. Pedro n. 8.
D. Maria Francisea ]Laura e/
Magaluae* Oliveira
Alvaro Affonso de Oliveira, Maria Laura eeiVa
de Magalbhaes c seus filhos mandam resar( uma
missa na capella do cemiterio public, As 7 horas
da manha do, dia 4 de junho, trigesimo dia do
passamento do sua nunca %ssAs esquecida es/posa,
filha e irma. Para este acto de caridade (e reli-
giao, convidam aos seus parents e amigos, e aos
da fallecida, cionfessando-se desde ju summniamen-
te agradecidos.

Caixeiro
Precisa-se de um pequeno portuguez de 14 4 16
annos de idade e que d6 conhecimento de sua
cenducta, para segundo caixeiro ; a tratar na
padaria da pra.a do Conde d'Eu n. 14.

CRIADO
Corn esta epigraphe tern sahido por mezes neste
Diario um annuncio de precisar-se de um criado
na rua do Born Jesus n. 57, segundo andar, Se 6
um equivoco rectifique se, nao ha tal preeisao ; e
se 6 proposital, propositalmentc rende-se eterno
despreso ao aoutor de tal annuncio.


9-


I


2 **






S"i
*.^ -




-a
4 .

7 .'^


I


c


I



























ntelr 3600
moe 1 :60
*=" uato 876
Joaquim Fires da Silva.


CANADA ETUNA

Alos 4:000$000


Rua Primeiro de Marfo n, 23
0 abaixo assignado tend vendido nos
s eus afortunados bilhetes dous quartos n.
2,193 corn a sort de 4:000#000, dous
meios n. 3,594 corn a sort de 8006000,
dous quartos n. 178 corn a sort de 100#,
dous meios n. 3,900 corn a sort de 1004,
e outras sortes de 32#000, 166 e 86, da
loteria (41.&), que se acabou de e-'trahir,
convida aos possuidores A vir'em eceber
na conformidade do costume sem desconto
Unm.
Acham-se A venda os seus aforlanados
bilhetes garantidos da 21.8 part das loterias
a beneficio da Ordem Terceira do Carmo
Recife (42.a), que se extrahirA na terga-
feira 3 de junho.
PRECOS


Inteiro
Meio
Quartc
Em quanti
Inteiro
Meio
Quarto


CA


44000
24000
16000


Idade maior de 100#
3#500
1#750
4875
Manoel Martins Fivsa.


FELIZ


AOS 4:000000
BILftETE g CARANTIbDO0
Pra~a da Independen-
cia ns. 37 e 39
0 abaixo assignado tern exposto A
venda os seus felizes bilhetes garantidos da
42a loteria a beneficio da Ordem 3' do
Carmo, qu se extrahirA terga-feira, 3 de
junho.


Pre4
Bilhete inteiro
Meio


Quarto
Em pore o de


4o000
24000
1#000
1005000 para


elma
Bilhete inteiro 36500
VMeio 16750
Quarto 6875
Antorio Augusto dos Santos Porto.


C ASA oIIOUIIO
Aos 4:0006000

BIILTH 10 ARANTIDO8
Rua do Barfo da Victoria n. 40
e casas do costune
0 abaixo assignado acabsa de vender
em seus felizes bilhetes um meio n.
3,832 corn a sort de 2006, dous quartos n.
178 corn a sort de 1006000, um maio n.
3,804 corn a sort 4D 1006000, alem
e diveraos premios de 326000, 166000 e
8#000.
esiQzesmo abaixo assignado convida aos
possui ores virei receber i a conformi-
dade do costume, sem desconto algum.
Achaei_-se A venda os felizes bilhetes
garantido4 da 21.8 part das loterias a be-
neficio dala Ordem Terceira do Carmo do
Recife ( .'), que se extrahirA na terva-
feira, 3 de junho.
PB ECS.S
tIn ro 46000
Mei 26000
Qua o 1000
Em pe io de 100oo0ooo para
cima
Inteo 0350
M618750
O.? ot # 5875
Ioao Jocquim da Costa Leite.

Ut nt0 i RiOi
j Francisco Vieira, professor de canto,
7 e eus posa Germansa Vieira, professor de piano,
:teem a honra de annunciar ao respeitavel public
de Pernambuco, que se acham nestsa cidade aptos
para dar lies de canto (escola italiansa) e piano
pelo melhor method conhecido na Europa; quem
desejar utilisar-se de seus prestimos, p6du procu-
ial-os no hotel de D. Antonio, Caminho Novo, ou
deixar o nome e morada no escriptorio do ST.
'tommendador Luiz Josd. da Silva Guimardes, no
3Reeife, runa do Commercio n. 5.

ATENCMO
Ie&ae4s AuO C., na rua do Commnercio
'tc y teerai *ara 4dern m ad a pwoo de,
3&x9
:3 lX 1 2

4 voits -don. ompra^ o, d 1o*


SA venda emn c-+atde
in, rua da Cadeia n .36.


ROWLAIYDS'
Macasar Oil
Oleo conhecido ha mais de 84 annos como o
uwlhor preservativo dos Cabegfs, particularmnente
nos 'paizes quentes. Impede os Cabellos de Cair
0 de Incanecer; fortlfca-os e convey especialmente
is Crianas.- Vende-se tambemr COr de Ouro.-O
ROWLANDS' MACASSAR OIL de 20
Hatton Garden, Londres, encontra-se em todas as
Drogarias e Perfumarias.
MOLESTIAS dos BRONCHIOS e da GARIANTA
(Defluxos, Catarros, Coqueluche, Laryngite)
XAROPE e PASTA do VAUQUELIM
PARIS. Ph', 31, ma de CIry, e em todas Ph', Do g e rIw
I : ----------

CHLOROSE ANEMIA
CORES PALLIDAS
IFOBIRECIMENTO DO SA IE
6 0 FERflO BRAYVAIS
6 umn dos ferruginosos mais ener-
gicos, pois que algumas g6ttas
por dia bastam para restabelecer a
safide em pouco tempo.
0 0FERRO BRA.VAIS
nao produz caimbras, fatiga de
estomago diarrhea, nerm pri-
sao de venture.
0 FEBRRO BRAVAIS
nao tern sabor nem cheiro e nao
da miu gosto ao vinho, agua ou
qualquer liqt, o em que f6r tornado.
60 FERRO BRA VAIS
So mais barato dos ferruginosos,
visto o frasco inteiro durar de urn
mez k seis semanas, importando o
tratamento em alguns reis por dia.
0 FERRO BRAVAIS
unCoa eOnegrece os denies
0 Sfir BRAVAIS s6 pode garantir a efil-
CaCia do ferro de que d inventor, quando
os rotulos dos frascos tiverern a sua assi-
gnatura impressa corn tinta encarnada.
Urn proaMoeo detalnado acompanha
cada trasoo e indica o modo do uwar
doeate prooioso terruginoso.
VENDA SN OROSSO
Em Casa de BOUTRON & Ci
40, flRua 8t-Lazare, Paris
DIPOSIT03 em toda8 as PRINCIPALS PRARI&AI


4
6


-vende e..9 as Beguintes ferAgens:

* Ro:a'.'+1l' do espora, idem ider.
SDitas angulares, idem, idena.
Varaidas de ferro batido.
Ditas de dito fundido, de limdos imodelos.
Porta de fomala.
Baneos de ferre corn serra circular.
8 Oradeameuto para jardim.
Vapores de forga de 3; 4, 5, 6 e 8 cavallos.
Medas de 10 a 40 pollegadas de panadura.
Bod" d'agua, system Leandro.
Encarregam-se de qualqer conertos, asentamoo machinimos e
quer trabalho corn perfeico onu preste2sa.


1m13


IK Es PO V < SP H I ifos i
A

I Y P0PHOSPHIft

OS XAROPES
DE HYPOPHOSPHITO
Sde .oda, de Cal e de Ferao
Btopregad& oom otanto exito para,
enreur a phtLuSioa e as moliesti
|tub'erculosas. vendem-as unicame.aiy
em frascos qawdrados corn o -arme (1-
'4outor CHURCHILL orbre o vidro. 0
&b a influencla dos Hypophosphilos ,
a tosw dimin., o appetite augment,
a forCas t ornAo a vir, os suomer noc-
turnos-ao oso, e o doto gmt* 6e tdcaI-
Tbem estar desusado. 1
0s hypophosphits qaue letaoa jarca
d6 fabrica da Phirm-.cia SWANN, 12%
rut C(astigliona, Paris. sno os unicS
"econbehcido s rwcommenaadoa pelo
' ICHRU1RCHILL, utor da decoberta de
wis propriedade ourativaa.
" fI1-- : 4 r. po- aco mw ra --, .
VqawHmu e n principal Phannaed


a aeQnUre i-u 5mu w 18* t3 araum n BW
mnago cammado, doentoe on cm Lax digps-
, a S U P m allt o o

* s Te hopratitdoa uomoWmedi"opaip_ dutr
aen micas m Mo81 ra 0Itpw %&TMd o:
aque a necessi dade dep diO Per i S aiqt
.conaiders.C"& um' Ufra IIis 4~ ee ro- ,
, ommedatalente onsumldosm aono ran-,
*numero de cau>s.
*Tenho pratflado come media pnatice da.
*rante as wanns do 1831 a 1I6M, Periodo on'
^que a necessidade de digerir as alifnestos%
,poriosa do que hoje; ento as constit4Ul,
*ram mais vigorosasn unguinoas enerlas
P dotadas d'umn robudto apetUm. eworecida
kwe uma grand abundancia do o.uc.s. p '
r'aw eo provocava a pr.mpta transformaw
. i *OB aimete, Uai refrahctarios.
s Hoje,pordm, j4queeos8tomago0dOblio.
tat. carecem de energia, A oouvdoiest
*lanwar mio de todas as iubeancs eims e ft-
cilitam a digestlo, como, par 4mm do'
sua Pancrei4iaa.
0 preceito de hygiene nMai i important,
orm mais desprezadoe e6te o: GastO.
Smuilo pam reparatr mudto. rte a o e I
,gredo da saude, e durante muito tempo Oas
neus estu-)as tiveram este as"tUPdo ao.r.
principal objecto; alm disso, a nuha i-
tuae.o- de medico na epa-tiCl de Besefio;
concia d'esta cidade, em que os,4icrofuloMo
e lymphatios abundam fora de media me.
,permittem fazer muits felizes t'plicaPC,
de seus eoxce)lntes products. 9
SAcha-se o deposit de tio valiio' 1edi-
ceamento as Pharmacias e Drogari;s d'essa
cidade. E'prciio cufdar em recoilecel-o
fe nao tceitar a imitafbes, e JxiAo ,e
suiaos dadeiroV nHO D FI'B. M


,ww w w w w w v w v' wYvwwWv 'W*,
goenvas gervosas
RADICALMENTE CURADAS COM 0 I


BROMURETO LAROZEa
-2 AT-EO:P E SEDA.rTI-VO
ta Cascas da Laranjas amargas


com BROMURETO de POTASSIO
APPROVADO P'iL&A. JUNTA DE HYGIENE DO iSBAZIL.


0 Breoumeto de Potasssio 4e
X1Pros9, corno todos os ppoductos
,-itos n'estestestabelecnmento, e d-
uma puJa absolute, condiedo indis-
pensavel para que se obteuha efleitos
Idativrs3 e uoodynos sobre o sys-
te=nma e1 oiso.
Dissoliwlo no Xarope Laroze de
Cascs de laranjas amargas, sie bro-
wueto 6 universalmene empregado


e exclusivamente receilado peios mais
celcbres medicos de todas as faWal-
dades para combater corn certeza:
as aifec95es nervosas do coraqo.
da vlas'di-Jstivas e rekspiratorias,
as nevralgias, a eplepasia, o a1.iTte-
rico, a aanco de S. Guy, a insormijit
das criancas durante a dentjAo, emn
urna palavra, todas as a0eo9oe*
nervos3s.


S 9 mesi'io oeposito acha-se 5 venda os segutntes Productos de J.-P. LAROZE 4
XAROPE LAROZE ,.+s5 ras TONicO, 0 ANTI-4ERVOSO
Snotra as Gnlrites. Gastralgias, Dyspepsia. Dores e Caimbras estomaqo.
XAROPE DEPU P rTiVO ,Pi ore 'iOiOURETO DE POTASSIO
locr as Affes?,ea sscro+fulo-,s, cance.osas, Tumor-as branoos, Acidez de sangae
AacideAtes syphlitico3 seouncdarios e torciarios.
XAROPEi'"mwuan~ndecasc~asdelarul+_.
-XAROPE ,ERRUGINOSOe+;:, 5W rno PROTO-iODU RBETO.o FERRO
Costrl a AnasMia. Chlron Anemia, C~res nallidrs. Flovos branoas. iftachitltusn.. 4
pos=to em tedas as boas ioganSU do (O uL 4
Paris, J.-P. LAROZE e Cla Pharmrnaceuticos, 1
A 0 II ~o llnlO OAII'T n~Ali


6, nuc i/cV L&WIQN-5riNif(-PAUL, 2.


' pIVERe m-l4u

Hevto PEIFUMARtIA Extra4#a^


QoPYwi~r$i$ voj MAON
A2 A oftt


... .. ,m ...L. S
*ate..~--++ ...^W:OSS

xecutam qual-


CHAPEUS

Altos, de castor eseda, baixos, de feltro de
todas as qualidades e para "engenheiro" for-
ma ingleza. Manufacturados corn perfeiao
e eleganeia,-preqos resumidos-garante-se
o aperfeiqoamento no trabalho.
No deposit da Fabrica a Vapor, rua do Ba-
rao da Victoria n. 34. de Antonio Jose Maia


& c.a


I L -, ,,,\' I lIo


/


II K


VENDE-SE NA DROGAI
DE
PRAmj AIaO mNA

23 RUA DO MARQUEZ DE OLINDA


23


PERNAMBUCO
Em grosso e a retalho pelos pregos do Deposito Central.


/ I!


Cosi oiro
'Precisa-se de urn cosinheiro que seja perito na
arte e possa dar informagies de sua conduct : a
tratar na Passagem da Magdalena, rua de Bem-
fica n. 12. Paga-se bern.
Anias de leite e para
eosinhar


SPrecisa-se na praVa do Corpo Santo n. 19, so-
,ando andar. P se bem.


iviLeiUlmo
Precisa-se de urn menino de 10 A 12 annos para
tender na rua, e que tenha boa conduct : na
rua Imperial n. 134. Paga-se bern.
Ama
Precisa-se de uma arma : na runa de Santa The-
reza n. 27.
UTHOIGRAPtHIA
Na lRua larquez de Oliuda n.
8, preisamse de um born e prali.
co impmssor de transportes litho.
graphicos.


Precisa-se de unma cosinheira : no segundo an-
dar do sobrado n. 7 da rua do Cabuga.
Balec de volta
QueMn tiver para vender, dirija-se A rua Duque
de Caxias n. 2.

Cachorro perido
Pede-se a pessoa que encontrar um cachorrinho
branco felpudo (do rein#) o lev<( A rua da Attra-
1o n. 4, que serA generosamente recompensado.


so 1o Sr. Antonio BIzerka de
> o adiantaoento quese so .h
|ff-S^ liW agni, e fuim
e %fta elIanno, tendon cown
or preciza. .


Aluga-se barato
0 2 andar do sobrado a rua do Bruin n. 84,
corn muito bons commodos, caiado e pintado de
novo; a tractar a rua larga do Rosario n. 34, bo-
tica.


Jost Joaquim Pereira Mendonca
Filbo
Jos6 Joaquim Pereira Mendonca e candida Eu-
genia Pereira de Mendonca agradecemn do intimo
d'alma a todas as pessoas que fizeram o Caridoso
obsequio de acompanharem A sua ultima morada
os restos mortaes de seu presado filho ; e de novo
rogaam aos mesmos, a todos es seus parents e
amigos para assistirem as missas do setimo dia
que mandam celebrar por alma do finado, no dia
2 de junho proximo future, na ijreja do Espirito
Santo, as 7 112 horas da manha ; e desde ja' se
confessam eternamente agradecidos por esse acto
de canrdade.
D. Bleatri. Bitteneourt Corte
Real
D. Joaquina Angelica Bittencourt Corte Real
(ausente), D. Maria Henriqueta Rabello Bitten-
court, D. Maria Anna Bittencourt Corte RWal
ausente), Raul Bittencourt ( orte Real, D. Emilia
ittencourt Corte Real, Manoel Thomaz Bitteu-
court Corte Real, Valtriano Manso Costa Reis, D.
Carolina Emilia Cysneiro Costa Reis, D. Maria
das Mereds Cysneiro Costa Reis, Manoel Cysuei-
ro Costa Reis e sua mulher, pharmaceutico Jos6
Bernardo Cysneiro Costa Reis, tios e tias (preseu-
tes e ausentes) agradeeem dirintimo d'alma a to-
das as pessoas que se dignaram acompanhar atd a
ultima morada os restos mortaes de sua sempre
chorada filha, neta, irin, sobrinha e afithada, I).
Beatnz Bitteneourt Corte Real, e mandando cele-
brar missas pelo eterno repouso da finada, segun-
da-feira 2 de junho, setimo dia do seu pae!amen-
to, as 7112 horas da monha, na matrix da Boa-
Vista, convidam os seus parents e amigos para
assistirem a esseacto de religilo e caridade, pelo
que se confessam summamente gnatos.
Antonio Werumogee Pereia
dl ]o


Jos6 Firmo Pereira do IUgo sua mulher, fi-
lios e nora agradecem sinceraetee s pessoas
r que aoopanharam ao cnmterio o cadaver d e seu
jkh, in e nao e .nhado Atoei Irj es P-
Wwa do Lago, e convimda oseus awigos e os
9, ^filap, pars assistirem an Ha quo maudam
is qiie reoar nws.igrejas Aa ,fl8T49, Qq obisclog
~ Asn 4aftadhwo. 2sso As6 te Otini*4d
ow' wfion D.,e aSo e*waofrst"


DEPOSIT GERAL
1.-Rua Primelro de Mareo-I-
Rio de Janeiro
Unico agent em Pernambuco
ADAMSON HOWIE dk C,
N.--3 Rua do Commercio---N.---3
A venda em todos as boticas e drogaries.
Pennas de ema
Bento Machado & C. a, rua do Bargo da Victo'
ria n. 11, loja d'Aguia Negra, vendem por*ao
destas peunas, de superior qualidadc.'
ANA
Precisa-se na rua da Imperatriz n. 6, de uma
ama p&ra tratar de meninos e qne lave e engom-
me para os mesmos, paga-se bern.


DEPURATIVO E PURGAOITE.
Este novo o admiravel purificador do !
sangue actna sobre os intestines"
o flgado, os rin o a pelle.(
E'cura infallivel contraa Debilidade 1
Nervosa, as Dores de Cabeca, a Dys-
pepsia as Sezoes, e contra as doen-
cas de origem Mliasmatica ou oe-j
slonadas por desordens do flgado]
qu poflezaa impurexa do sangue.
Depoaitos. Em New-York em casa
des Srs. Barclay & C. em Pernambu-
co e em casa dos dos Srs. Francisco
Manoel da Silva & C.


16 awe.,a cwe4


^j1


CAJURITBEBA


0 MAIS PRECONISADO DEPURATIVO DO
SANGUE DA ACTUALIDADE.


COMPOS I CAO


Firmino Candido de Figueiredo.


PROPAGADOR

Antonio Pereira da Cunha.


I


AIlk


k, P"-V


14 -- Amk


L


[A


Precisa-se de uma cosinheira : na rta do Ria-
chuello n. 57, portao dc ferro.
Compra-se
diaries e jornacs : na run do Rangel n. 75, e na
run larga do Rosario n. 13.

Jardim das plants
Rua do Mondego n. 0SO
Sapotiseiros e sapoteiros inuito frandes e co-
pados, dando fructo, a 43 e a 3., segundo o ta-
manho, e descendo atW 13, coin seis palmos. Com-
prando-se mais do dez faz-se abatimento. Ha
outras muitas plants tambem para prccos com-
modos.

Ao cormmercido
Participamos ao corpo commercial que compra-
emos o deposit sito "A run Vidal de Negrciros n.
21, pcrtencente ao Sr. Trajano Sabino Vicira da
Cunha, livre e deseminbaracado : quem s- julgar
credor, apresente as suns contas no prazo de trees
dias. Recife, 30 de maio de 84.
Sebastiao Jos6 de Souza Correia & Irmae.
Precisa-se de urn home para feitor de en-
genho, prefere-se portuguez; no becco da Penha,
segundo andar n. 8.


a&'a e.s 3y,-

ull,"ti4 caivnslvn e, l U; co ; O
ettra raili ea!n; er-'
a TB: A o a CA3PA.
rositivamento impele a
a o e o e :rL'a: .r
oCA.LLO IOe oe 3o aca-
Ssos o torna invariwvelmente
Macia, Er!zaautc, liorMioco a
Abundant3
Ii .E uso h:'i m nis( otentia 'Inos
/O'I o Sr, l tl'radu plartt a cabello en
to .:rand:>.
e Agua Florida'

de Boary.
DUPLA.
Preparada segundo a formula'
original usada pelo inventor no
ain o do 1829.
Tern duas vezes mals Fragrancla
que qualquer outra.
Dura duas vezes mais tempo.
E'muito mais rica de perfume e'
mais suave.
E'muito mais F'na e Delicada.
Tern dobradaforca Refrescativa e',
Tonica no Banho.
Fortalece ao Debile ao Cancado.
Cura as Dores de cabeca e os des-
maios. *
E'muitissimo Superior a todas as
outras ,Aguas Floridas Actual-i
monte a venda. I
Desooberta Importantissima.

Pure eo de Figado de BacaIhak
COM
IODURETO DE FERROI
DE
Barclay & Companhia






Curs radicalmente e corn seguranea os peores casos1
de Phthisica, Escrofalas, Rheurnmatismo, as docncas
da Espinha Dorsal, dos Quadris e dos Ossos, asin-
flammaoes do Figado. do Baro e do Utero, etc., etc., ('
e restitne no corpo anfraquecido e fatigado o seu i'ri- '
nutivo vigor c arredondado dos contornos. E' certa-.'
monte uma grande descoberta o Puro Oleo deo
F1aado de Baealhao corn lodureto doe
Perro-de Barclay & Ca., New York..f
Xarope de Vidai
de Reuter No. 1.


11 y


lV If


RIA


AL hk LdifkAL A | AM&L'-L


I


1


m,,


Cosinheira


"k%


-1i.'% 'I__ -
















L30varasa4A0O0 e
menwpfda quo pf-
it20 yamsa 6 44M,


wwtr-l
embro


-do que .em outraI qualm
quer parte.



Leite de Alvelloz }
Conservado e garantide pelo pharma- )
ceutico{
SAntonio Veras
SCads vidro corn as instrucoes 34000
SOs effeitos obtidos pelo leite de alvel- .
ti" do nosso estabelecimento, sao a me- |
I' hor garantia para quem desejar ter es-
te remedio puro.
Pharumaeia Pernambucana |
hRua do Cabugd n. 11

Favor
Por motive just deixa de ser extrahidA corn a
loteria da provincia n. 42 as acV6es entire amigos
-ob o titulo-Favor-e sim corn a de n. 60.
Alw- so
-duas casas terreas ns. 24 e 18, a rua Capitao de
Lima, em Santo Amaro : a tratar na mesma rua
3L 30, ou na rua do Marquez de Olinda n. 8.

Luz brilhanle sem fumNo
Oleo aromatico
HYGIENICO E ECONOmICO
Para Iwmias


Martins & Bastos
Pernambuco
lNumero telephone n. 3
-A GiBAMATICA NATIONAL
DE
J. A. DE CASTRO NUNES
Annotada pelo professor
##,0X1 MARTINIANO DIB SOUZA
Acha-se d venda
Na Livraria Industrial, A ma do
Barto da Victoria n. 7 a nas denais li-
vrarias da cidade, a 16000 o exemplar

Leite de aveloz
Para c-ra de cancros de today a
especie
Perfeitamente couservado liquid graxo e con-
dcuado, approvado pela Exma. junta de hygiene
public do Rio de Janeiro.
Privilegiado polo governor imperial, pela effica-
ia da sua applicag9o.
Os frascos trazem o retrato do bacharel Joio
Baptista Gitirana Costa corn a sua assignatura do
toprio punho e sao rubricados corn tinta encar-
usda polo cirurgiio dentist Numa Pompilio.
Unico deposit em Pernambnco, rua do Barao
da Victoria n. 54, 1' andar.
Preco de cada frasco para cancros 61000
Para ulcera 5es e graunula5es do cohllo do
ero e cancros syphiliticos, formula es-
ciro 5000
Criado
Na rua do Born Jesus n. 57, segundo andar, se
precisa de um criado.

Abten(ao
No Chacon. taverns do Hypolito, vende-se um
eylindro inglez todo ce ferro, em porfeito estado,
urma masseira corn fundo novo e tampa, de ama-
rello. e tendedeira ; todo e qualquer negocio se
fax, visto que nao precisa.



RELOGIOS
0 1118BD1 E JOLAS
DE
MIGUEL WOLFF &G0
Offerecem ao respei-
tavel public uri gra--
de e variado sortimen-
to de relogiosdos mais
acreditados fabrican-
tes, e se acham habili-


tados a vender


mais


barato do quee outro
qualquer, vipto rece-


tincto, engieiro' de IngIatem1 ,Offerecen,
grandes -vantageus para eucommuendas, comno,
provan con os appreihos copletos assen-
tes nos engenhos Massauassu' e Bosque, e
meio apparellio no engenho Conceinao.

MAC I avapor trablhando so6com
o fogo do assentamiento, podem ser examina-
das asque foram assentes nos engenhos Be-
lem, eni Timboassu', Cucau, em Gamelleira,
Diamante em Goyanna, Pao Amarello, Ca-
mara e Lages em Itambe, Vidravao em Pao
d'Alho, e outros no Rio Grande do Norte e


Parahyba.
Chamam a


attencao


dos Srs. agricultores


para os novos vapores que tem recebido do
acreditado fabricante Robey, que se recom-
mendam pela facilidade de conduceao, assen-
tamento e economic de combustivel, deixando
de mencionar os engenhos em que os tern col-
locado, porja terem vendido 85 para diversos
lugares, e por issoja devem ser bem conhe-
cidos.
Sao os nnicos recebedores de trilhos porta-
teis de Fowler que se tornam recommenda-
veis pela facilidade da collocacio e por sua
durav;ao.
Quanto a moendas, rodas d'agua, taxas ba-
tidas e fundidas, e todas as mais ferragens pre-
cisas a agriculture, ternm sempre grande depo-
sito, sendo tudo da melhor qualidade.
Vendem a prazo ou a dinheiro corn des-
conto.


FUNDICAO DO BOWMAN

RUA DO BRUM N. 52

PASSANDO 0 CHAFARIZ
Offerece vantagens para as encommendas
de apparelhos aperfeifoados de fazer assu-
car, pelas suas rela-es direetas, e pelo bom
exito dos apparelhos que tern montado nos
engenhos Unussu', Sao Salvador, Maciape e
Mussu', onde, com uminn dispendio tanto menor
que nero se compare corn alguns dos que por
ahi se tern feito, tern-se obtido resultados iguaes
senao superiores, em vulto de produnao, qua-
lidade, e prefo de venda.
Chama a attentao aos melhoramentos para
economic de combustivel que tern introduzido

nos engenhos Pereirinha, Arara e Ora desta
provincia, e Boa Vista de Maranguape, aonde
corn o fogo do assentamento se produz o va-
por necessario para a moagem.
Em, moendqs, rodas d'agua, vapores e tode 0
inahinismo e ferragens precises para enge-
nhos tern a venda grande sortimento da me-
lhor qualidade.
T'ILHOS PARA cA1.AS Te d sy Spr-
tatil siuples, sem os 0imcaveteItes qwt odw


Vende-se uma easa na rua Imperial n. 79,
inuito boa, em terr.no prio, e um outra junto:
& tratr no Caminho ovo n. 128. Na mesm
a vende-se jan0 corn flre artieficias muito
boiMtas e fazem-se de eommend.
Vende-se uma easa na rua Imperial; a tra-
tarZuo Caminho Novo n. 128. Na mema casa se
vende e faz-se jarros corn fires lindas artificiaes,
proprios para o encerro do santo mez mariano.
Trastes
A rua do Imperador n. 16 compra-se, vende-ue
aluga-se e troea-se novoa e usadoe.
Nova machine de cos-
tura
Denomlnada Aurora
EstA em exposio a irua do Bario da Victoria-
n. 80, loja de Antonio Pedro de Souza Soares &
C., a nova maehina ; cose corn dous earreteis de
linha, podendo ser de 500 jardas cada urn, e
f6rma os dous pospontos como se fosse de lana-
deira, e de grand vantagem. No mesmo estabe-
lecimento tern censtantemente um grande sorti-
mento das melhores machines de costura de todos
os principles fabricantes, e vendem em porco e a
retalho sempre por pregos muito razoaveis ; na
rua do Bario da Victoria n. 30.

AVISO
Adamson Howie & C. tern para vender:
Vinho doPorto fino, em caixas e barris.
Whiskey Donville verdadeiro.
Tinta de impressio, boa qualidade.
BrMs de Marshall verdadoiros, de todes eas nume.
ros.
Remedios de Ayer.
&--RUIA DO COMMERCIO-38
Cambraias transparen-
tes a 34
E' pecbincha
Na loja da rua da Imperatriz n. 40, a esquina
dobecco dos Ferreiros. vende-se peas de cam-
braia branca transparent, sendo azuladinhas,
para vestidos a 30 a pega; sio muito baratas.

Vende-se
a taverns A rua do Cabuga n. 5 A : quem preten-
del-a dirnja-se a mesma, a tratar corn Silva Ribei.
ro Filho & C.
Sitio em Olinda
Vende-se o sitio denominado Sebastilo Lopes,
corn urma pequena casa de taipa, coberta de telha,
corn muito boa varzea pars qualquer planta9ao,
corn diversas arvores de fructo, inclusive mais de
80 eoqueiros que dio fructo ; a tratar na mesma
Olinda rua do Bispo Coutinho n. 4.

Liquidaoao a dinheiro
DE
Fazendas has e grossas
AM osle xo, Iriomiflaso
oftros obiectos neioessanos s
sailftlns.
2-Rua do Barao da Victoria -2
0 proprietario deste
important estabebe-
lecimento de fazendas,

tendon de se retirar
brevemente para fira
da provincia, resolve
vender por todo o
preco, para acabar!


os artigos acima espe-
cificados e outros de fi-
nissimo gosto eultimas
modas!
Nota-se que esta
grande loja de fazen-
das finas, foi aberta a
coneurrencia public,
no comedo do corrente
anno e portanto nao
tern alcaides!

FarinhaLactea
Nos primeiros mezes a alimentao mas
natural e apropriadapara alimentar a crian-
9a de peito 6 o proprio leite materno o qual
em caso de necessidade dove ser substitui-
dopela
d Ao mBA ILACTEA DO DR.
FRERICHSI I .
A sciencia e a pratica adoptaram a fai.
nha Lattea como poderoso element nau
trictio par a mfancia e disiactoa medi&
cos d& Brasil e da Europa reconheceram
mwn A do :Dr. FttR1HS a ineihor jt!estt
P"r.a^i" 't^llil Bee.Bftt


M]m
?f"-


faienda muito
aopda 79W de 7a-
fersado eon 9 palmos de lar-
iLi Menooes de uMr ao pan-


6*500
12*000


Dito tranado corn a mesma largura,
proper para lenowes e toalhas do
mesa, metro a 14200
Bramante de algodlo corn 10 palmos de
largura, proprio para fazer lenses de
um s6 panno, metro 11289
Dito francez, sendo de linho, metro a
1800e 21000
Dito inglez de quatro larguras, send
de linho, metro a 2500 e 2;800
ureguellas proprias para leng6es, toa-
lhas, eeroulas, sendo fazenda muito
encorpada, cads peags corn 20 varas
por 10,800 e em vara a 500
Ditas corn a mesa medida a 800 rs., ou
vara a 400
Atoalhado adamascado para toalhas de
mesa, tendo 8 palmos de largura, me-
tro a 11800
Assim como um complete sortimento de
peas de algediLozinho americano e
inglez, qclue se vende por peca de 3$ ate 6;000
Isto ua loja da esquina do becco dos Ferreiros.
ICasemiras de cores
De ,*:00 ate 6:000 rs,
E roua ior onea
Alheiro & Silva A rua da Imperatriz n. 40, tern
unm immense sortimento de easemira de cores,
tanto claras como eseuras, que vendem a 2W000,
20500, atW 6 o covado, e das mesmas mandam
fazer qualquer peca d'obra ou costumes, per pre-
os muito ratoaveis, assim como tern tambem um
explendido sortimento de casemiras e pannos pro-
tos at o mais fino sedan que vemi ao mercado, e
dos mesmos tambem se encarregam de mandnr
fazer qualquer peca de roupa A vontale do fre-
guez e corn toda a perfeicio e presteza : isto na
loja dos barateiros da Boa-Vista, na esquina de
becco dos Ferreiros.
Merinos pretos
a 100, 16400, 92000 e 2200
Os Barateiros da Boa-Vista, A rua da Imperatriz
n. 40 ternm um grande sortimento de merin6s pretos
para vestidos que v&edem de 14200 atW 24200,
sendo muito b6a fazenda, assim como ditos encor-
pados pars roupas de homes e meninos que ven-
dem muito barato, na loja da esquina do becco doe
Ferreiros.
Li os a 160 ris
Os Barateiros da Boa-Vista vendem muito bo-
nitos linhos de urma s6 c6r e de listrinhas para
vestidos, sendo a 160 riis o covado e de cores fIas,
isto na rua da Imnperatriz n. 40, esquina do becco
dos Ferreiros.
Brim pardo
Covado a 300 ro.
Na loja da rua da Imperatriz n. 40, vende-se
brim pardo liso, proprio pars paletots, callas e
roupas de crianWas a 360 rs. o covado, isto por
ter um love toque de mofo, que larga logo que se
molhe, 6 grande pechincha : na loja dos baratei-
ros da Boa-Vista, esquina do becco dos Ferreiros

Fazendas
Para vestidos
Setinetas lisas e lavradas, sondo eom as
cores e lavrores o mais honito que tern
vindo so mercado a 500 rs. e 640
Ditas muito bonitas, corn barras largas e
estreitas, covado 640
Gorgoroos bonitos de IA, lavrados, para
vestidos, tendo de todas as cores, co-
vado 640
Merin6s de urns s6 c6r, tendo de todas as
cores, fazenda de gosto, covado 500
Fustoes brancos, proprios para vestidos e
roupas de crianqas, de 440 rs.. 500 e 640
Cretones corn barra e muito encorpados,
proprios para vestidos, camisas e roupas
de criancas, covado a 360 rs., 400 e 500
Chitas, grande sortimento de chitas claras
e escuras, de cores fixas, de 200, 240 ate 400
Mariposas, as mais lindas mariposas que
tern vindo ao mercad., corn desenhos miu-
dinhos, eo0ado 360
Baptistes corn delicados desenhos miudi-
nhos e graudos, assim comeo Uses 200
Cambraias brancas tapadas e transparentes
corn 8 jardas a peca 3g000
Ditas mmito finas, tanto tapadas como
transparentes, tendc: 10jardas cada peca
a 45, 40500, 55 e dtO 75000
De toda estas fazendas se dao amostras corn
penhor, na loja dos barateiros da Boa-Vista, es
quina do becco dos Ferreiros.
Brim pardo
Covado a 360 rs.


Na loja da rua da Imperatriz n. 40, vende-se
brim pardo liso, proprio para paletots, calcas e
roupas de crianca a 360 rs. o covwdo, isto por ter
um leve toque de mofo, que larga logo que se
molhe; C grande pechincha ; na loja dos bara-
teiros da Boa-Vista, esquina do becco dos Fer-
reiros.

GARAlN DO CABELLO

USE E YERA
Chegou nova re-
messa para a Livraria
Franceza, a rua 1.0 de
Marco, n.
UINICO DE POSITO
Preco 800 rHis.
Aguardente de canna
Vende-se a melhor aguardente de canna que ha
no mercado, em ancoras de dez canadas ; garan-
e-se a superior qualidade : na rua estreita do
Rosario n. 8..
Taverna


Vende-se uma taverns propria pars qualquer
prineipiante, bem afreguezada, e o motive da ven-
da 6 o donor achar-se doente, na rua de Hortas n.
56 : a tratar na rua de Marcilio Dias n. 14.
SFebres inleritltentes
Cha as vulgarmnte SEZtES


08
1I I


ATICA


Ditas de casemira preta sedA a 85 e 10A000
Ditas de casemira de cordio 64500
Ditas de casemira preta 6,000
Seronlas do creguella, obra muito bem
feita a I$200e 19600
D.tas dc Hamburgo de linho a 13800 e 2$000
Colletinhos para dentro, sendo de cre-
guella e muito bern feitos a 800 e 1o000
Camisas, grande sorti.ento de camisas
braneas, tanto francezas como inglezas,
tanto de linho como de algodao, sendo
de 2,, 24500, 3$, ate 64000
Ditas de crotone de cor de 24, 2,500 e 3$00(
Meias, grande sortimento de meias cruas
pars homes, de 320 rs. o par, atW 500
Collarinhos, grande sortimento de colla-
rinhos, tendo de 5A a duzia ate 8;000
Toalhas, grande sertimento de toalbas,
tanto para rosto como para banho, que
se vendem por precos muito razoaveis.
Tudo isto e eom grande reduao de precos : na
loja da esquina do becco dos Ferreiros.
Fust6esa360 440,500
e 640 rs.
Os barateiros da Boa-Vista :A rua da Impera
triz n. 40, vendem um grande sortimento de fus
toes brancos, proprios para vestidos e roupas de
criangas, pelos prees acima indicados : isto na
esquina do becco dos Ferreiros.
Setinetas a 500 e 640
Na loja da rua da Imperatriz n. 40, 1A esquina
do becco dos Ferreiros, vende se um elegant sor-
timento de setinetas, tanto lisas como lavradas,
sendo as cores mais bonitas que tern vindo ae
mercado a 5041 e 640 rs. o covado; assim como
um bouito sortimento de lasinhas lisas e lavradas,
proprias para vestidos, de 5 W ate 8(0 rs., 6 pe-
ohincha : na loja dos barateiros da Boa-Vista.
Espartilhos
a 4# e 5#000
Na loja da rua da Imperatriz n. 40 vende-.se
muitos bons espartilhos pata senhoras a 5 'Owl,
ditos para meninas a 4i000, assim como um br o
nito sortimento de fichis a 3000; isto na loja de
esquina do bee0o dos Ferreiros.
Vende-se
a lythographia da rua de S. Bom Jesus (oub-o
Cruz) : a tratar usna mesma.
A 2$50


e reconhecido hoje
t oleti Saccos
B'l''1 -;*'l. ? I :l* 1'1.- 1.i


meetB a


J


Fur I fuqyw um.eoU w 40 w BOU TMX nw
u[ iofme casemniras de tores do duBe
a uo eovado! a8opropriaspararoupa mapr
demPoreta dial (2 wgnOas), a 2AW 9
dito!I
Cortes do meis-casemira do cree a 18o0w 35'
do 250M.
Idem do easerniras de e8res e pretas para in.
ve a 2A I0!
Lindo sortimento am ls de cores a 200, 820e
400 rs.
* Merin6 preto para luto, larguras), a 120m
1500 o eovado
Bramante trangado de uma largura, alvoe mui-
te born, a 500 rs. o metro !
Idem de duas larguras, a 900 is. 0 dito!
Brim branch n. 6 fino, a 1500 E' nova ie.
meesa.
Idem pardo lona, o mais largo que tern vindo
a 500 rs. o covado !
Pecas de algodaosinho corn pequeno defeito a
35400 20 jardas!
Idem de madapollo superior a 5$000 24 jar-
das!
Camisas brancas francezas, colarinho deitado,
36$000 a duzia! A' ellas.
Ceroulas de bramante, superiores, bordadas, &
16A000 a dita!
Lengos de linho imbanhados, a 2500 a dita!
Meias inglezas corn boeal de cor a 3500 *
dita!
Toalhas felpudas fins a 5J000 e 6J000 a dita!
Ricos cortinados bordados para carmas e janel.
las, a 6500 o par!
Punhos de linho superiors, a 1A000 o dito !
Cobertas de gangs para cama de casal, a 3$00
uma !
Lenc6es de bramante, idem, idem, a 2$000!
Lindissimas colxas de crochets pars noivas, a
8W
Idorem de fustlo brancas para 4$000. E' ba-
rato!
Baptistes de c6res fixas e finas a 300 rs. o me-
tro!
Cretones superiores a 360 rs. o dito Temos
claras e escuras.
Setinetas francezas para acabar, a 500 rs. 0
dito.
Lindas capas brancas de pelucia muito grande
a 7$000! Mandem ver antes que se acabe.
Chales de casemira grandes corn defeito a
3O000.
Ricas saias bordadas a 3$000 Sao de 6%000.
Superiores sobre-tudos a 184000, assim como
temos grande deposit de ditos para trabalhado-
res de campo a 40500 cada urn, algod6es nacio-
uaes brancos e listados, o que pedimos a attengo
dos Srs, fazendeiros
A'S VENDAS EM PORQAO, DAMOS
DESCONTOS
Carneiro da Cunha
&C.
;9..ltua Duque de Caxias-59

CRAVOS E FLORES
Na rua da Unio an.

d, ha sempre para se

vender craves e flores

NOVO SORTIMENTO
DE
Roupas para homes
POR
Pre os baratissirnos
Rua da Imperatriz n. 40
LOJA DOS BARATEIROS
Boa.Vista, vendem:
Paletots de casemiras de quadriv',os, fa-
zenda que se lava 6A00
Dites de panno preto fino, fazenda mito
boa 7$0(
Ditos de casemira de quadrinhos e listri-
nhas, forrados 8S008
Ditos de casemira escura, de cordao, for-
rados 8$000
Ditos de flanella azul, forrados, send fa-
zen Ia que nio desbota 10$00@
Ditos de casemiras de cores claras e es-
curas 10000
Ditos dc panno preto fino, forrados 10$00@
Ditos d3 casemira preta de cordao 10$ e 12$000
Calcas de casemira corn differentes pa-
droes, de 5!500, 6$500, 8$ e 105000


hav.6 -ura
Ca te 1,111


I


























iordo


'-"-0 I Masdeo


A tancia-dadaao alumni emnado
aGrmpromwtte A &qwidade do professor;'i:
c rario, n:eop 'robastecel-a, per-
ai p s d aginar urn p!ano de
gove .1 de aveturar juizo seguro, na
maioriados cases, seram os alaunaos os pri-
meiros a exigir quo e professor manifeste
sua opinilo, corn a qual se conformam. E'
experiencia amiudadas vozes renovada per
emeritus pedagogos, e queo-o Sr. Taylor
Root corrobora. Dest'arte a docisio do pro-
fessor, aceita pela quasi unanimidade da
escola. tern antes o character de resoluglo
auffragada per uma assembl6a deliberate,
quo de ordem baixada do um poder sem
contrapeso; a autoridade do mestre ganha.
em prestigious sempreque o alumni reconho-
ce que ella se basea na razito o na justice.
Cumpre fortificar no alumn) o sentiment
da propria responsabilidade, o e por este
motive que n'o podemos concordar corm o
escrupulo de certos pedagogistas quo en-
xergam perigos no systelna dos professors
que dividem os alumnos em partidos, cu-
0os posts superiores sio conquistados po-
los que mais se distingunem.
Poderiamos alongar as nossas obcerva-
95es, suggerindo outros conselhos em be-
neficio da escola; pensamos alias have
post em ralevo os mais dignos do ponde-
raioo parm os educadores popuilares. Todos,
por6m, sernio infructiforos, se a vocag"ao
professional nao os robustecer corn as vir-
tudes sem as quaes ( impossivirel a quern
quer que seja, home ou mulher, conquis-
tar a amizade c a sympathia das criangas.
Antes de alguem dedicar-se A vida do ma-
gisterio public, C indispensavel proceder a
rigoroso exame do consciencia. Ella cons-
titue pesado encargo, uma vida chelia de
sacrificios; as maiores vantagens sio es-
cassas, si n.o se puzer resolutaminente a
mira na regeneracao da patria. Quern nto
so julgar forte para arrostar o escabroso
tirocinio mude do idcas, si ainda niao esti-
ver iniciado; ou abandon a earreira, si
pretender convertel-a em inglorio ganha-
pio. 0 professor popular nlo tern o direi-
to d. regatear aos aluiunos esforgo, nerm
fadiga; de abrigar-sa A sombra de arga
mentos que protejam a sua inercia; de oc-
cupar-se em reconven903s contra a admi-
nistracio, para furtar-se ao cumnprimonto
do dover. NIo ha dffficuldade que, na es-
cola, o born professor nio possa veneer
corn dcdicag-to e boa voutade.


.A naien Per feicao da atarsa.

Foi bella, muito bella mas no tempo
Em quo tna lo sonudvas ,d.o eaer,
Quando Deus atrapalhado, imaginava
Nas prendas que to havia d'off'rcer.

Acaso se hoje em dia um'outra Venus
Contigo s'eceoatrasse frente A front,
Morroria do dor e do vergonha
Ao ver-te teo formosa e resplendent.

Mas pnrdoa mulher, eu divagava
Per um mar bonangoso e sem esoolhos, -
Que me ia osquecendo de repent
De cantar a bellesa de teus olhos:

NIo sao pretos, castanhos, nem escuros
N -m morenos, azues, nem co*r de mar,
Mas sim esgateados, qu'eu nio posse
Corn os de outra bellesa comparar.

Sio grades, digo, enormes e tlo doudos
Que niato levam um memento socegados,
E as vezes confess, tenho medo
De vel-os a luzir esbugalhados.

Acaso se te olembras de langar
A vista sobre alguem corn attenqAo,
Augmentam do volume e s6 parece
Quererem vir aos pulos para o chao!

Se to zangas, horror! sio duas tochas
Da fogo abrasador os olhos teus,
Qu'incendiam quom vive sobre a terra
E fazem ter cator ao proprio Deus.

Um bicho de uns olhinhos matadors,
Come muitas per ahi sabemn fazer
I nfiltra dentro d'alma umna alegria
Que a gente muito bemrn pode morrer.

Poren se alguma vez ta te lembrares
De um s6o bicho fazer, mesmo corn custom,
Mataras corn certeza muita gente,
Mas nunca de prazer e sim de susto.

Havia de ser bello e do ter grama,
Niao posse me calar, nada de rolha,
Fazeres um bichinho requebrado
Assirn come tu s torta c zarulha!

Mas diz, tu que te imports de s sr vesga
Quanto a ti do que vale e serve um bicho,
Se a propria naturesa to formando
Creou-te commne il faint, mesmo a capricho ?


0 professor primnario que sabo e umprir Socega, pois,
os seas deveres 6 o benemerito da patria. Nilo veiu a l'
,AJ hoje nao Iho reconhecem oin merito, na Embora um'o
proporglo a qne tern direito, amanh, .a ,I ,riin-do das
opinion eselarecida ,-rA for.ada a inclinar- -
se perante o operario ser o qual Sria h.a- -1884.-
possivel o progress e a graudeza do paiz.
Os outros trabalhadores soeiaes apresentam
A luz da publicidade os products de seus
esforgos ; slo apontados e applaudidos pela Chre
multidiio. 0 modesto professor trabalha na (Gazeta
obscuridadce os seus maiores sacrificios 0 theatre
consummam-se em beneficiodessa mocidade melhores cre
que, quasi sempre ingrata, esquece os fa- 9ito que mercy
vores recobidos na meninice. Emquanto critic per pa
muitos de seus discipulos, victoriosos na ga. .. em dit
latea pela existencia, galgam na pujunga da ra Petropolis,
idade asjerarchias socians o alcangam po- para a reside
saioes brilhantes ou accumulam riquezas tife, corn a cs
avultadas. o innominado mrstre continna na imperial cidan
velhice a recomnecar a sua tarefa sem fin, A popula9i
a rolar, sem aspira9o3s e sim glories, o municipio ne
eterno rochedo. Animal-o 0 o dover dos go- come deo ven


FOLHETIE



0 VRIL ETA


G. PRADEL


PR(Contino do R. 153)PRTR
(Confinua.o do u. 153)


III
A evasiio


Toraminos, pois, a esto no momento em
que transpoz a porta do amphitheatre.
0 ceo destapara suas terriveis cataratas.
A chuva cahia espessa, serrada, e estalava
no calamrnento corn um estrepito de ensur-
decer.
Bernardo Paloque pOde assim corner sfm
chamar a attenQ&o das -sntinellas.
Per vezes um relampago rasgava a chu-
va, e um trovio formidavel perdia*se era
ribornbos longinquoE.
Chegara sempre correndo ate a altia da
ultima sentinella, quando avistado.
Dar a senha, rospodwler ao sargento, que
alhio procipitadamente corn um molho de
caves na miio, tudo isto foi negoci de
polucos minutes.
FPor umn moviinmento born natural, Palo-
w :enterrara o bonot do uniform at aos
: e levaitara a gola da sobracasaca at6


6 for, ind'at5 hoje
uiz bellesa igual a tua,
utra Venus appareea
espumas todcla nua.


PAULO PEREIRA.


nlea da semana
dle Noticia de 18 de maio)
de Joao Minhoca, uma das
ag5cs desta capital-a crea-
2ccu urn verdadeiro estudo
irte do nosso primeiro colle-
nonsies,-havia emigrado pa-
coincidindo a sua traslada9ito
ncia de verbo do nosso high
stada da familiar imperial na
ide.
[o que habitat esta parte do
utro, tl cheia d- microbios
ledores de bilhetes de loteria,


agoitava-ihe o rosto, cegava-o, mas mar-
chando para diante corn a alacridade de
um cavallo fugido, elle tremia sentindo
unia alegria immensa.
Paloque naio dissera a vordade a Men-
lieu no que reofria-so a.Morio.
0 gale fugido conhecia semduvida Tou-
lon, pois, sem heiitag'o ia sempre corren-
do, orientando-se comn scg:-ian9a no meio
dasrus da cidade.
Depois de ter atravessado a rua do Ar-
senal, enfiara pela rua dos Saboeiros e
pela que so Ihe segue.
A cidade cstava desert, adormecida ;
nom um barulho, nemr um cute, a chuva
continuava sempre.
Paloque parou na rmua Lirminedion, em
frente a urea casa de modest apparencia.
A porta do eatrada achava-se entreaberta.
Elle exhalou um suspiro de satisfacio e
tomoue per urna aleaeseura. Subindo dons
langos de urma (s ada em earacol, abrio
nMIa porta sobre a qual tinha side esqueci-
da a chave, o aehou-se cm uma camera
elegantemente mobiliada.
Um tapote de Smyrna de lit superfine
abafava o ruido, bern come es )cssas corti-
nas algerianas suspensas ais janellis; so-
bre unia pequena mesa ardia umta lampa-
da protegida par abat-jour.
Ora bem, disse Pailoque, com umn
sorriao de satisfagio, este boin Morio sabe
fazer as cousas.
Molhado at; aos osssos, elle empurrou
a porta de urn gabinat de toilette e dos-,
pio-se em uram abrir o fochar d'Blhos. .
Havia roupa branuca A dispreg'o, elle
veostio-a o experimentou uina cxquisita sen-
salIo do fraseara.
No fualdo de u'na alcova via-se ou ma-
cio beito, cujas cobertas alvisaimas convi-
davain no soano. As vests imoihads de.
AMonlien fora m introdi(ala;emIsmuesWb-
derije daii redeprnxi4ao ca'
AD deitar-soa Il e bsreiou.'1
bros e dorniio o soamr* 4&S#juqteas,
tindo, cor neeeio:
-Jesus ICie ib~&


lreSa.e .. eas loi cuain divertimento,
e apiuel l eu am o thearo lyrieorp or
neceaoide. io oste! talo- ,e
Isto post, coamprehende-se at6 quoepon-
to o theatro JoaJo Minhca exereinoa t ein-
fluencia sobr o s costumes dai pol~ate
d'hste fnporiorre lud, ode a-fbaf ''
rella eso Sr. APedro ,9re'inar alqn
tivamEnte: eso e no uinverao excluaivaienote-
e aquella exclusivamente no veramo. -
-0 Jolo Minhoca 0 nosso Jpolo Mi-
nhocafoi urn ingrato liSafou-se par'a sPe-
tropoliS, justamente agora quoe d'elle matis
precisavamos Ora o Joso pMinhoca! Me-
Ihor fora ter niorrido, do que abandonar-
noes!
Ete o grito da populagao saudosa! Es-
tas as lamentagues dos que soffriam a au-
saencia do theatrinho predilectp, d'oste in-
nocente diveortimento, onde a arte corre
parelha corn os progresses da patria nos
boas e soalos costumes.
Pois bem. A suprema bondade da Di-
vina Providencia, ease poder superior que
em mais de uma emergencies difficil tern se
manifestado e intervindo em prol deste povo
digno de melhor sorte; a Divina Providen-
cia ouviu osgemidos afflictoseo compadecen-
do-se d'elles fez coin que Joaio Minhoca de
novo aportasse As bemdietas plagas de S.
Sebastiaeo do Rio de Janei ro e recoineasse
a sua grata e edificante tarefa de divertir
os habitantes do municipio neutron ilhas
adjacentes.

Jolo Minhoca esta entire n6s.
Nao encerra novidade, sabemrnos, a pro-
posigAo emittida ; mas seguramenten a no-
ticia nerm por muito sabida perde 'o inte-
resse : todos applaudem-n'a porque o thea-
tre Jo'o Minhoca 6 um poueco mais do
que o nosso primeiro divertimento... em
prco. Joao Minhoca e tamibem o aferi-
dor dos nossos costumes, do nosso adian-
tamento e do nosse born gosto.
E viva o Joao Minhoca!


E' do theatrinho predilecto do publco
fluminense, que vimnos de assistir a uma
interessante farqa cm unm actoe, cujo comp-
te-rendu daremos ligeiramente a nossos
leitores, desde que a semana nada nos for-
neceu de interessante a Ao ser political,
esse assumpto escabroso e difficil que abo-
minaminos e evitamos tanto quanto possi-
vel.
Que nol-o perdoem os leitores ou que
nol-o agradecam se melhor Ihos convier;
mas desta vez substituimos a nossa Chro-
mica por unia amostra do que 6, do que
vale, e do quanto merece o


THEATUO JOAO MINHOCA
(0 edificio 6 conhecido do publico : pou-
cos camarotes : quatro ao todo; duas or-
dens do galerias lateraes ondo Z&6-Povo
repoltrea-se em bancos poucos commode;
entradas para o salulo nobre, destinado
aos amigos dos actors e dos contrare-
gras, o aos representantes e filantes da
impronsa).
(Representa-se a farga Qtasi qte se
pegam, original brasileiro do Sr. Dr. Pe-
dro de Louvain.
A's 11 horas em ponto, e mais quatro
quartos de hora, ostando present nume-
ro sufflqionte de actors e comparsas...
n'uma list arranjada a lapis, s6bo o pan-
no, tondo antes tangido a companhia o
nobre director de scena). ,
inidica95es mais minuciosas sobre o attenta-
do de que tinha sido victirna, urna carro o
transportara A sua casa.
Miette acolheu-o 1aido gritos agudoe.
Coin algumas palavras elle a poz ao
corrente do qae acontecera, e, alquebrado
de fadiga, dessecado pela emogao, deitou-
se e conciliou an somrno long e penoao.
0 despertar nto foi agradavel.
A's 10 horas do dia, una plantzio batia
A sue port e fazia-o estremocer, dizendo-
Ihe estas palavras:
O ahlinirante deseja fallar Ihe.
Estas simples palavras, no instant em
que elle despertara sobresaltado, produzi-
ram-lhe um grande terror.
Toda dosculpa era impo3sivel, e o Sr.
Monlien, em balde, procarava urna.
Per fas ou por nejfts er.t precise carmi-
nhar, e um miinuto de espera aggravava
mais a situanao.
N'estes cntremeates ohegara Mietto e
corn a'sua vivacidade baca comeueara por
mander o almiurante a todoa os diabos, dif
zenclo que o sed Luciano esta6va moribia-
do quae, so quizessem inqueril-o, sira
pit|&.o ruandar buscal-o em unra liteira;.
Sahiria da1 coixa dq, ao esto .4i-
raute do diabot1 dis E batendo ooo
p6. Ah.! so tiver n da.de do dsias !0%-
plicacoes, qi e so inFo0t le id a o estl4-Vo
alto qao nao ,possa vi, proctral-o, e tlo
longer 6 da ruan do C:, nIxAprofe U'a qua-


ai-a ; fizera
depretas,
ette, quxo


nvai~ de
hibia-Iho
param )
.Ali
o ajudanti
ria a


0.V.L

0
S.it


z iiivn
FVpI|M|Su:.-6tp ,-,*o (e wana!
or o .&p]do divar oe iamo..

"z partidta do um banio solitgrio.

Svozes partidas do difforentes ban-
S apoiado.
WDOR, m-ls carrancud) aincda:
,isso, pago ao nobre o honrado
idente dti compan'.ia quetra ex-
son act0 e dizer a que vaio aquel-
, e se estA rsolvido a mandal-a a
Si-as oontratados, isto para dos-
K... isto 6, para qua saibamos
woeeder quanlo o govrnom for

DIRECTOR DA COMPANHIA
iune e strabioo quanto lhe 6 possi-


Seihores, de facto eu escrevi a carta a
quo allude o nobre e muito inconvenient
inteellante; e ainda mais :, tenho muita
honra n'isso, visto que 6 um precedent
feliz-..muito mais feliz do que o movimen-
to a quo eu assignei um manifesto nos
povos...
SUM COMPARSA (born ensaiado)
Hum hum (tosse)
DIRECTOR DA- COMPANHIA
.Entreotanto vou dizer-lhe o que a respei-
to li Aumn classico...
ANIZETTE (entrando em scona vermelho e
tremebundo)
Nalo 1 Nada do cLissicos qua n6s nao
entendeamos. Prefiro a linguagemn rude,
mua verdadeira,- do nobre artist despedi-
do *risadas inas geraes).
-- 0 ARTIST DESPEDIDO
Eu apenas tenho a dizer ao public
quo entrei nao sei p-r que, para esta mal-
dita companhia, e que desta maldita com-
panhia sahi, nla sci per qui. E a pro-
posito :
Nilome poderao explicar por que sahl ?
Quero explicagoes; 6 precise que os meius
amigos, os meus inimigos, os visinhos da
esquerda e de defronte, o paiz... e eu,
aaibamos porque fui despedido!
Cano-me de parguntal-o, debalde, de
p6 e dosta tribana!
c Chama, ninguem me responded ; olho,
niao vejopninguerm! ))
0 DIRECTOR DA COMPANIXA
Pois ahi vai outra vez a carta !
VOZES DE ALGUNS COMIPA RSAS
Nio Basta I Nlo maiis carta !
VOZES DE OUTROS COMPARSAS
Carta! Leitura! Cartas na mesa!
0 DIRECTOR DA COMPANHIA
0 artist que exercia os papeis de tyran-
no neo tinha de marcial senAio o porte. No
mais era mollo como miolo do pao fresco,
e duro de roor come mtio!o do pio de tires
dias.
E como diz um classico...
0 CENTRO SR. PENEDO


Apoiado! 0 paiz inteiro faz justi9a aos
sontimentos de V. Exc!
0 DIRECTOR DA COMIPANUXIA
... Um classic que os honrados colle-
gis nao conhocem. Entretanto, vejo que
pessoas estranhas a estes negocios, jA in-
teiramente liquidos...
UM ARTIST RECENTE31IENTE ENTRADO
Pordao! Os liquidos silo co nmigo.!
A questao do abastecimMnto das aguas,
o rachatorio do Pedregulho e outras cou-
sas inmais silo as uaipas raze3s quo me esti-
inulam a fallar n'oste augusto theatro...
0 CENTRO SR. PENEDO
Apoiado! 0 paiz inteiro faz justiga aos
sentinmentos de V. Exe.!
VOZES COMPARSAS
SBasta de aguas! Venha A scna o direc-
tor da companhia I
Era um velhote, magro, secco, de barba
branca, cujos olhos negros indicavam uma
energia ponce commum.
Langou a Monlieu urn olhar profundo, de
gelar.
S- Senhor, diss elle see mais pream-
bulos, recebi ha pouco o relatorio do offi-
cial de servigo quo estava a noite no arse-
nal, e o de seu chefe director, o cirurgiao-
mor. Estes dous relatorios que concordam
em todos os pontos, pareceramn-me muito
exquisitos, per isso mandei chamal-o para
que me fornecesse alguns esclarecimentos.
Monlieu appelloun para toda a sua cora-
gem, e, tendo recobrado algum sangue frio,
responded :
SEstou a is suas ordens, almirante, bas-
ta quo me interrogue.
0 almirante olhava sempro para elle.
-- Pergunto a minir mesmo, disse lenta-
monte, quaudo olho para sens hombros e
para soeus bragos, come um home pode
tite facilmiente mettel-o a'urn chiaeUlo.
Fiquei t3o sorprehendido, lo pasmo..
ja tinha am lengo na bocca, quando final
pade comprehendor quo era o.bjecto de um
titaque.
-E o seahor niao conseguio livrar-se, o
senior nio podo dar cabod'squellea mor-
dai do- no,, guitar, urra, chamar per
aoccorrdM^ais ainda! aquollelihoem foi
bastante solido, ipen :abjugou-o, para
despil-o pega porpeQa e451-0 DA Como a
miaiha a wl3A -.Sersa pi qa elleq e fossoss


tLmirantei, pareceu-mne que
'rto qu ello 6 fuito for-
lagarganta e estrantu-


era


tor 0como: seu,4altS6rmnd etoda a compa-
nhtia por sun a'aniguailda; 0como0 5 isto
fosse uina cava lada do Rio Grando do
Sal que eIle diri iseo a rebenque...
VOZES UNCOLERISADAS
Nao apoiado! Forn a cavalhada! Abai-
xo o rebenquoe!
0 UNICO.PEIXOTO DO LOGAR
Meus senhoros. seja 6 hora de propor a
rolha, queiram dizer'!
ESPECTADORES8 DAS GALERIAS
N-lo Neo! Continue a pandega que vai
beurn !
0o MESMO PEIXOTO UNICO
N'esso case... recolho a rolha.
0 ARTIST DESPEDIDO
Jamais se via urn facto igunal, succedido
entree os artists da companhia do Joio
Minhoca! E ao Proprio Sr. director da
companhia fez tao mAo cabello a sua car-
ta, que ellde mesmr andou a querer substi
tuil-a, tanto que pediu para obtel-a da mi-
nha poesboa ao Sr. encarregado das injusti-
gas d'eate theatre...
(Entra em scena um artistaindefluxado,
muito cheio de barbas e de caclienez; tipo
perfeito que chega a ser... mais que per-
feito.)
0, HOMEMI I)A IN.JUSTKIA
Senhores. Eu pudera fazer um discurso
em que dissera a mentira; mas home da
verdade e da franqueza eu preferira dizer
con lealdade o que succedera. Houvera
expangoes de arnisade e en pedira a carta
em quest'ao, mas seni qua tivara conversa-
do a respeito corn o Sr. director, e sem
que o Sr. director tivera conversado a res-
peito comigo. Dissera ainda, meus senho-
res, se n'este memento eu conseguira...
VOZES INTERRUPTORAS
Perfeito! Mluito perfeito! Mais que per-
feito -o discurso! Basta!
0 CENTRO SR. PEXEDO
Apoiado 0 paiz inteiro faz justice aos
sentiments do V, Exe!
(N'este memento entra em scena um ar-
tista conhecido pela alcunha de Rata Boa
ou Boa Rata).


BOA RATA
Dovo dizer sobro o incident que nao
6 o de 25-que tambemrn quiz retirar da cir-
culaAo a carta em questlto, pois quo sou
home serio, amiigo dos inmeus amigos e re-
sidente no rio Parahiyba....
O IIOMEM DA INJUSTI'A
Fora isso que eu ha pouco dissera, sem
que me houveram obrigado....
0 CENTRE SR. PENEDO
Apoiado! 0 paiz inteiro faz justice aoc
sentiments de V. Exc.
BOA RATA
Entretanto, nio o cousegui, e por isso
fa9o o que mais e molhor me convem: re-
colho-me aos bastidores, (Swo-se.)
0 SR. ANISETTE (iatis vermelho aimwla)
Tremam todos, que chego eu 0 paiz
vae em descalabro! Esta companhia des-
mantela-se Eu sinto-m3 tornado de hor-
ror-e de rouquidio! (0 po vo das galeri-
as ri.)
0 DIRECTOR DA COMPANHIA
Al! Elle 6 isso ? LA vai fabula!
O CENTRO SR. PENEDO
Apoiado 0 paiz inteiro...
0 I)IRECTOR DA COMPANILIA
Era urn dia urn leto e um burro... isto
e, e o seu companheiro; e niao continue
porque o nobre orador que me antecedeu,
tomrn o direito do saber qual era o compa-
nheiro do lieAo.
ANISETTE (aparte)
O que disse elle?
VARIOUS ESPECTADORES
Oh oh! hom'essa! A' scena Joito Mi-
nhoca!
COMPARSAS DE CIMA
Apoiado I
COMPARSAS DE BAIXO
Nio apoiado!
(Urn cavalheiro grave segreda um
lavra ao ouvido de Anisette.)
ti, depois de uma pausa. Coino o sen -or
sabe, recebi ha algum tempo urna porgao
de queixas a sou respeito e at6 mandei cha-
mal-o por este motive: Sua situagao jia
regularisou-se quanto a isto ?
Pouco mais ou minenos, almrirante, res-
pondcu corn hesita'o Monlieu.
0 senhor achou capital ? perguntou
o almirante corn sorpresa... pagou aos seuns
credores ?
Arrn'anjei-me corn elles.
O almirante inclinou-se ironicamente ; os
arranjos de urnm isero cirurgiibo sem for-
tuna parcciam-lhe irrisorios.

Eu tenho sabido, tornou elle, a exis-
tencia quo o senhor leva it vista de toda a
marinha em Toulon; previno-lhe pela ulti-
ma vez doe que cumpre que isto cesse, ou
eu ver-me-hei obrigado, corn muito pezar,
a tomar medidas de rigor. Bern, o senhor
p6de retirar-se. Nao ihe occultarei tam-
bern que n'esse attentado de que affirma
ter sido victim a noite passada, ha cousas
para mim impossiveis do oxplicar.
Monlieu sahis cumprimentando. Inan-
dava-o unm suor frio come nevero.


0 diabo oie home, iumurmurou elle,
retirando-se, tern suspeitas, tern duvidas.
Comeo ele encarava para miri.
No meomento em quo subia a rua do Ca-
nhlo,uma voz bern timbrada chamou-o na
passage.
Era Roberto do Laitres que vinha ao sen
encontro. '


Men care
para aIltmar,


o yquo th
|oso. Qu'oI
o! Coin q
sabre sern


SBravos! A' seenas "O M heca!,
AS C SMpAINIt!as
* Tmtinilnintimtim...
o 0 DIRECTOR DA COMPAMAA
Ora esta! -
0 CENTROSR. PENEDO
Apoiado 0 paiz interior faz justioae
sentiment do V. Exe.!
0 SAL DA OPPORTUNIDADE '
E so discutissimos a salinha da Bi*hia
FELICISSIMO
Se eu jAi estivesse na Sibeyia...... ?
0 SECRETARIO DA COMPANHIA
Proponho que se nao do emais entrada
livre aos espectadores do theatre Jolo Mi-
nhoca. SAio elles que nos perturbam e nos
obrigam a seenas pouco dignas... da
Praia do Peixe. Os senhores que appro-
vamin a emisslo de bilhetes para os espec-
tadores gratis do Joiao Minhoca queiram
levantar-se (levantam-se dous ou itres ar-
tistas.) EstA approvado.
FIGARONI
Perdito 0 Sr. secretario aprevaitou-se
da confusa'o, e...
0 SR. ANISETTE (ainda minais vermelho)
Cynico Desfagadette !
0o SR. MORINGUINIIA DEI BARRO
Retire o cynico !


Pois begin, quo ninguem o at '
minha vista, disse impetuosamente el
to, porquo ou sei o que hei de respoMder
-pra defendel-o.

Monlieun apertoii corn for.a a mo do to-
nenito, radecendo-lho crm f#sSo.
Agora coutinuoen te, quo eu vej
que vosse nto morreu, permitta, erAM.
amigo, quite Iho fall aum poce de iam,
Acertou hontei a ( do. disse qu, e is
casar-me. E' voe ma das pimeirspa
seas a quenm o ommuinico. Fa ia |E-?
de eorpetioe diss1o hieu amigo, p0.s v
nio Aavida da rn^ldoftidaegtim&a el-c~r


ANISETTE
Ora tire o seu cavallo da chnva.... isto
6 retire o burro da fabula, o Sr. director
da companhia!
DIRECTOR DA COMPANIHIA
Agora estou muito preoccupado cA corn
unina outra fabula.
ANISETTE (rubro)
Pols, se naio retire o sea burro, eu nao
retir o mineu cynico!
(Grande confusao no palco e nas gale-
rias; fortes na orchestra; a scena 6 cober-
ta por tuna gaze branca que finge nuvem.
Baixa ao paleo D. Antonio, trajaudo o ha-
bito... dos bons costumes.)
D1). ANTONIO, (grave, pausado.)
(Silencio profundo.) Mous amadoa ir-
mAos! Ex auctoritate quaftnyor, resol-
vo que devem ambos ser retirados de see-
na: tanto o burro, como o cynico.
UMA VOZ SUMIDA (que julga-se ser do
centre Sr. Penedo.)
Apoiado! 0 paiz inteiro...
O POVO DAL GALERIAS (0o a bilhetes na
algibeira para a recite segaint,.)
Bern, muito bern !
(Forte na orchestra.)
CAHE 0 PANNO
.... e quasi A SITLUA1XO.


A greve d'Anzin
Os trabalhadores d'esta important re-
giaio do norte da Franca deciaram-se da
dias em grove :
Em Denaiu, n'uma reuniio eelebrada
no dia 28 do mez passado, appellou-se jA
para es soccorros ..do estrangeiro, particu-
larmento para os %a Trades-Unions, per
que a rueseria ia augmentando.
Per outro lade para c'itar a volta ao
trabalho decidio-se fazer conferencias no
domingo seguinte em treze comminunas da
bacia hulheira.
A continuaga'o da greve foi votada por
unanimidade pela assemblea.
Em Lille, em casa de unm minero quae
voltara ao trabalho houve no dia 29 urma
explosao de dynamite que occasionou uni-
camente prejuizos materials.
Em Coron, a sahida do trabalho dos
operarios deu lugar a uma scena tumul-
tuosa. Duzentos individuos, homes e
mulheres, apuparam e injuriaramn os mi-
neiros que nao quizeraim continuar a adhe-
rir A gr6ve, tendo de intervir a forga pu-
blica.
Os grevistas de boa f6 qua acreditaram
ao principio nos oradores que Ihes diziam
que a intervenglo do governor era possivel
e podia tudo sanar, principiam a perceber
qne apenas Ihes fizeram promessas vas.
A desillus-ao nao tardou a ehegar._
--No 6-so 'isto, meu caro Roberto, con-
tinuou Monlieu, tomando de subito um par-
tide e decidindo-se a ir adiante das accu-
sagoes que o almirante podesse formular
contra elle. Imagine voce qua eu acabo
dAo comparecer perante o prefeito, quo re-
cebeu-me come se ca fosse algumr cachor-
re. Nao comprehend cousa alguina do que
inme succedeu ; nio p6de conceber como e
que eu fui victim do seminelhante embosca-
da. Emfim, despeli-)-me, dizendo quoha-
via n'esta evasao alguma cousa que cllo
nao podia explicar.

Ora esta mas elle esta doudo in.-
terrompeu Roberto. Voc6 ficou aterrada,
sentindo-se agarrar per aquelle cadaver vi-
ye. Que mais quer cie ? Que interesso po-
deria ter voce ern deisar evadir-se um
lega ? ^

Nio importa, voce vera que esta his,
toria vai atrapalhar-me em toda a mi
carreira. Sabo, men care Roborto, quanta
o mundo 6 mao. A calumnia comeca pe-
quenina, depois cresce e nos esmaga. Ve-
ra, se, devido ao almirante, o que eu es-
tou a dizer-lhe dar-sc-ha ou nao.


(I






t'I




Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ED47UBSS8_AXAXRC INGEST_TIME 2014-05-03T09:21:00Z PACKAGE AA00011611_14347
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES