Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:14346


This item is only available as the following downloads:


Full Text
























kit $&~ria6


con 0 cable da
dos Santos, do


- -- '. .r 1 .':''llil .IJ.*l'l. *, ^ -




RIO DE JANFIRO, 14 de julho, s 4
horas e 5 miutoes da -tarde. (Recebido


S6 horas, pela linha torrostre).


Na Camara dos Deputados ftol boje
approvado am requertmeato 4d o .
Renrique Marques de lollauda Ca-
valeaute sebre a neressldade de ouo
oerem diminpldas as verbas o.ra-
,mentarias para as olwas do prolon-
amen-to da torr.o-via de 4., rancls-
co e via-ferre a do eeftA Carmaar*.
A Camara eit* dise""ndo oa.rt. s.o
do projeeto sobre o estado servil.


(Especial para o Diario)


CAIRO, 14 de julho.


E bheje davldosa a notiela dada
relaUvamente ao talleelmento do
MAhdi.

Agencia Havas, filial em Pernambuco,
14 de juiho de 1885.


INSTiUCCIO POPULAR


HYDROSTATICA
(Extrahido)
1; Princlpleo de Archnimedes
t r Conuiuafio)
A arte de nata&o tern ura importancia immense
fquo todavia, entire nuds, esta muito long de ser
Sbemrn eomprebendida, porque, se assim o fosse, fa-
rma part obrigatoria da instrucglo escolar.
Sem reeorrer a esta arte, aquelle mais leigo a
Sells pode eonservar-se dentro da agaa o tempo quo
| quiser, so estiver mumndo do apparelhos proprios,
desttnados a iugmentar o volume da aguw deslo-
Scada, sere quoe o seu peso se tome sensivelmente
maior. Estes apparelhos sdo: boias de cortica,
S cintos de cautchuc cheios de ar, bexigas de ar, etc.
Todos teem presenciado que os animaes que mor-
p;* rem na agua, vio pars a o fundo ; passados, por6m,
J alguns dias, toxnam a vir A superficie. E' isto
I- esuI~ado -h e^^JireaAe pny^veron gazes, pela pou-
itrefaveo, que enchendo os tecidos, augmetanm o
volume dos corpos, sem qua todavia ) augmento
do pso so torn sensivel.
!|Os peixes teem quasi toedos, abaixo da espinha
t dorsal, e na part superior do abdomen, urn sacco
J membranoso que se dis beziga natatoria; por
meio d'esta bexiga, os peixes descem e s.bem na
agua. Para isso, teem elles a faculdado de patu-
I ralmente poderem, em resultado de certos movi-
1 mentos museulares, contrahir ou dilatar a bexiga
natatoria, dimninuindo out augmentando assim o
volume dos seas corps.
Ha um apparelho que serve pars mostrar a ac-
I e.Ao da bexiga natatoria : este apparelho chama-se
Sludion.
k Consta de urna esphera o6ca de vidro, tendo em
^ ~ suspensao urma pequena figure de poreelana, po-
S dendo fluetuar nw agua de um vaseo cylindrico, fe
chado superiormente corn um embolo; a esphera
cont6m agua e ar, e tern um orificio na part mer-
gilhAda, que serve paradarentr4a eosahidaa agia.
Fazendo daseer o embclo, a presslo.e6 transmittida
A agua, a qual entra dentro da esphera, comprise
o ar, tornsa-a mats pesada e obriga.-a a ir so fan-
do; allivia"4 a pressao, o ar, existente na esphe
ra fa sahir d'el&la a agaa,-ce a esphera,tornan-
do-se mai-teve, sob at6 au meio do vase on at6
>. superfiei% segsuds alliviamos de todo o naoe.
E' de vw que nas eonstruc~oes navaes o prmnci-
!i pie de Arehimedes tern muna importancia maxima,
--e nao s6 propriamento na part de construego,
i mas ainda no carregamento dos navies. E' por
li aeste principio que se determine a tonelagem de n
ncmvio ouo seu peso tatsl. Este peso deve set
/ igual ao peso liquid deslocado pela parte do caseo
S.: que mergulha; a esta part da-se o nome de que-
*Fi 1 1-1",'renta.
^ Multipticando o volume da querena pelo peso
especifico da agaa salgada, temos a tonelagem do
i' navio.
A agna salgada 6 mais densa do que a dos 4wos,
Sg aha, pois, a attender na navegagio a esta sensivel
J' different de densidades. A earga dos navies
deve ser alliviada nas embocaduras dos rios,-
porque merguihando ahi mais os navios, pode dar
a origem, come tern aeontecido mauitas yeses, a quo
sossobrem.
Finalmente, entire muitas outras applieaoes do
prineipio de Archimedes, elle preside tambem a
S eonstruc9io dos areometros, apparelho destinado A
H avaliasgo das densidades dos solidos e liauidos.
f" (Continua.)




''I~*$ da 1 -;: '-jl~a
Por decretos do 4 do correate
Foram noweadoa: JuitRdo. dirsito da
cm:arca d Piratiny, de t serfk tre
4 nasprovincia-deoS. P'edodo Rio
Graudo do Sul o bacharel Franstojae It

i muwiaipaes adoorphito:Do


So doviserva, Polyoarpo to Silv
d; Sousa',.s f, msa


Mlhlstewl< da Quarra
Por dcreto de 4 do corrento foi no-
meado escrivIo do almnoxarifado do labora-
torio pyroteehnico do Campinho o ama-
nuense do referido estabelecimento Joao
Baptists Malhbeiros.
Por portarias de 1 do corrente forgo no-
meadose; 3' scripturario da ropartig4o fis-
cal annexa a secretariat de estados dos ne-
gocios da guerra o praticante. Alf.edo Er-
nesto de Souza e praticante o adido a
mesma repartige Iguacio Antonio Moreira
de Queiroz,
Tambem per portaria de hontom foi no-
meado Jolo Alves Carneiro pars o lugar de
amanuense do laboratorio pyroteehnico do
Campinho.

lunisterio da arinla
Per titulos d& 4 do oorrente rues foram
nomeados guardiles do corpo do officials
marinheiros da armada : o cabo do esqua-
dra do corpo de imperiaes marinheiros Ma-
ximino Pinto Ribeiro o imperial marinheiro
de la classes Miguel dos Santos Pereira e o
ex-official marinheiro extranumerario Ber-
nardo de Paiva.

Governor da prowinela


t Hontern As II horas da manha, foram
jalgtia oradotn da rma do apirita Samo
Sdepertaidospor ralaas grtos quo partial d

&dolcgtadoCazias, ane na"uiv& ii


municon-m ott o (.i* 40 do t oio de$t.
Bento, qua fora captui a i.
na respective .ad.ia pindfvido de
Pedro de Aloa mz,
morrt no lugar acuype, da coaro d
Porto Calve na provincial das Alag6as.
No alluaido termo deo S. Bento, Luiz
Salustiano dos Santos e o criinoBO de
more Joaquim Simlo de Macedo raptaram
no dia 24 do mez find, da casa paterna,
a manor Antonia iMaria da Conceigbo, a
quern arrastaramn para os mattos e ahi a
defloraram violentamente.
Mais tarde foi a iofeliz enacontrada por
pessoas da famia em estado deploravel e
semn sentidos.
0 delegado tomou conhecimeto do facto
e procedia a respeito nOS terms d o inque-
rito policial.
Ainda o reoerido delegado do.termo de
S. Bento communim-ou-me em officio de
30 do mez findo quo no dia 28 fizera pren-
der a Benedicto Alves da Silva, o qual na
occasilo da prisao declarara ser desertor do
do 20 batalhio de linha.
Conduzia elleo umn cavallo de sela e urn
sabre, quo foram apprehendidos e se acham
depositados naquella delegacia, send que
o cavallo pertenee a Francisco de tal, mo-
rador em Barra Verde do term do Alti-
nho.
Nesta data dei sciencia disso ao general
commandant das armas e providenciei no
sentido de ser removido o desertor para es-
ta capital-
Autorisei hoje qua fosse alimentado
por conta dos cofres da provincial o detente
de none Evariste Rodrigues de Almeida.
Dens guard a V. Exc.-Ilm. e Exm.
Sr. conselheiro J-.o Rodrigues Chi-
ves, mui digno president daesta provinaea.
-0 chefe de policia, Luiz de Ahugvsrqse
Martins Pereira.




R^FB," 1'15 DIE JUtBLKA, l^^
NoOeIaf do norte -.do I rloe
0 paquete nacional Mandos, quo passou
hontem para o sul, trouxe do norte as se-
guintes neticias:
Amaxuoas
Datas ate 27 de junho :
A presidencia da provincia demettio
eomaudou responsabilisar o juis commissA-
rio do munimipio da capital, Bento de Fi-
gueiredo Tenreiro Aranha.
Reassumiu o exercicio de inspector
do Thesouro Provincial, o coronel Antonio
Rodriguos Pereira Labre.
Chegou a capital o cearense Ray-
mundo Josh da Silva, que assassinou no
rio Perus o seu comprovinciano Jo4o Sal-
viano.
A presidencia da provincia sanccio-
nou a lei que declarou, que os cargos de
delegado e subdelegados de policia da ca-
pital sao incompativeia corn quaesquer car-
gos geraes, provinciaes ou municipaes ex-
cepto os de commisssos.
S A camera municipal da capital arre-
cadou no exereicio de 1883 -1884......
175:093#490 e despendeu 151:937#953,
havendo um saldo de 23:1555960.
No Igarap6 Maraja no Rio Negro, o
peruano Luiz Tenorio, assassinout a Manoel
Joao de Souza.
No Rio Purus continuava a falta de
seguranca individual.
Falleceu o chofe de seccao do The-
souro Provincidl, Manoel da Silva Cam-
polio.

Datas at6 6 deoutfl3 :

*etin^ioleit^-orsJ ^^ noI itreo endo Jli
to o Dr. Jo0i erreira 'anto, quo embar-
cou no paquoto Mandos pars a eorte.
Lemos no Diario do Grao =Pard
de 4:-


DESPACH08 DA PREBIDENCIA DO DIA 13 DE
JULHO DE 1885
Antonio Alves de Medeiros Brito.--Re-
queira per interim lio do sou superior.
Clementino Valerio de Miranda.-Sim,
mediante recibo.
Capitlo Estevlo Jos6 Paes Barreto.-
Nests data dirijo-me ao MinisteriH da
Guerra, conforme requereu.
Fraga Rocha & C. -A' vista das infor-
magoes obtidas e da clausula 7a do contra-
to corn os supplicantes, nao podem ser at-
tendidos, podendo, por6m, dadas novas or-
dens, pars evitar-se os extravios de gene-
ros, a qua alludem.
CapitAo Francisco da Silva.-Renmettido
ao Sr. insqector do Thesouro Provincial,
para mandar pagar, nos terms de eua in-
fornsaa9a d7 7-dea-te, m ob a. I7L
Joa6 de Vasconcelto.-.-Encaminhe-se.
Joaquim do Rego Barros Barreto..-
Como requpr.
Jose6 Francisco Epiphanio do Souza. -
Informo o Sr. Dr. chefs de policia.
Marmeder Justidfano dos Reis. -A cadei-
ra pedida polo supplicant, foi supprimida
por acto do 6 do corrente.
Theotonio Alves de Maria.-Informe o
Sr. brigadeiro commandant das armas.
Secretaria da Presidencia de Pernam-
buco, em 14 de julho de 1885.
0 porteiro,
J. L. Vieas.

Repartleo da Pollela
Seeogo 2*. -N. 778.-Secretaria de Po-
licia de Pernambuco, 14 de. julho de 1885.
fIlm. e Exm. Sr.-Participo a V. Exc"
que foram hontem recolhidos A Casa de
Detengbo os seguintes individuos:
A' ordem do subdelegado do Recife, Jo-
s6 Honorio Salgado, Sergio Rodrigues de
Oliveira, Joseph Belle, Augusto Bayhonns
e W. Sehilien, que bontemn mesmo foram
postos em liberdade, per embriaguez e dis-
turbios.
A' ordem do de Santo Antonio, Hilario
Jos6 dos Santos Pereira Pinto, Francisco
Pereira de Souza e Antonio Francisco Vic-
tor, por disturbios, sendo que o primeiro
foi hontem mesmo solto.
A' ordem do do 10 district de S. Jos6,
Joao Baptists do Rego, por disturbios.
A' ordem do do lo district da Boa
Vista, Antonio Francisco de Souza e Au-
tonia Maria da Concei-oo, per Aisturbios.
A' ordem do 4. Yari Manoel Fleris-
no da Silva, por erobriogaez e disturbioe.
Foram tambem postos em liberdlde
os individuos deo nomes Jos6 Antonio dos
Santos, por alvarA do Dr. juis de direito
do 5" district criminal; Manoel Joaquim
do Eapirito-Santo e Antonio Domingos, A
requiai*o do subdelegado do 20 districto
da Boa-Vista, send queo primeiro- aia.
6sidoeolhio no diaO1.o o segundo 'no
dia. 11 do crrente... :
Foram apresentados 03 seguintes.
JoA6 Antonio dos Samntos e Antonio lbado-


Ie 'cohra, lanua mode 4urnas
*e sobt a -eductor- olto, p0-
Scomo ums raio, foge-lhe da

lia, porem, nao fcf aqui, avauna
perfis mulhepl-, ea, corn s8do
sasauma-aorn trees horriveis
ido urna sobre o coraglo e duas
tellas, do lado direito esquerdo.
,foi ao sea quarter, confessor
a cabava de commetter, e IA


kcna reou"B" pnsao.
- No' was de hoptn foi
aAo thesouro provincial:


Ar&eposito
juros
a Lsttras


este o bala-


86:367#,9d4
9t6:9893"9#30
2:932#000
23:834#691
4 f .f 10 Afla Jn n


Em junho rendeu a Alfandega.....
57:423#494.
- No anne financeiro de 84 A 85a
tesma repartigo vendeu 6:682:796#991.
j Xarauhao
SDatas atW 8 de julho :
SLemos no Pais de 2:
e Engenho Central.-Chegaram ao nosso
cqnhecimento noticias bemrn assustadoras
*sta localidade. A 39o kilometros entire
e Engenho Central e Vizeu, na picada que
s esta abrindo pars a collooagio do fio
tlphonico, foram os trabalhadores ataca-
dis pelos indies selvagens corn flechas,
qSe felizmeato nao attingiram o atvo a
que eram destinados.
I Urma carti dirigida daquella localida-
de a um honrado aegociante desta capital
e Ope nos foi obsequiosamente mostrada,
descreve dsste mode o facto alludido, corn-
municando o susto e terror de qus todos
ai se aebam se accommettidos.
a Diz a carts :
c -Dons trabalhadores, andando A ca-
, foram atacados per dons indies, que
ajraram sobre elles duas flechas, quo fe-
lilamente aeo foram acertadas. Os traba-
llndores quo levavam armas de fogo. dis-
ptram tiros sobres os takes indies, um dos
qaes errou, parecendo hayer ficado um
s indies chumbado, porque ap6s o tiro,
ele cambaleou, cahio, mas levantou-se
immediatamente e oorreu.
I Das duas flechas expedidas pelos in-
dios utma fez despregar a cases do urma
amvor e foi cahir lenge, nao send encon-
tr Pa outra, por6m, foi ter junto ao al-

floewea fi rore ttda pado Dr.
Barroso e acha-se exposto em S. Pedro.
0 mesmo Dr. mandou log, aqui um
positive trazer esta noticia e buscar quan-
ta espingarda, polvora e chumbo aqui se
podesse encontrar.
c Este facto deu-se no dia 21, ao cor-
rer do dia.
c Os trabalhadores estao se retirando aos
magotes e nao sei o qua serA do intatiga-
vol Dr. Barroso e dos trabalhos sob sua
direcegAo, corn a noticia dos indios terem
ataoado.
a 0 que terA acontepido a um allemro
de nomo Carlos, quo d'aqui partio ha cer-
ca de urn mezs, acompanhado de uns 12
homes, em exploraglo, a encontrar a pi-
cads quo se veom abrindo de Vizeu para
este Engenho Central?. E' verdade que
no numero dos 12 homes foranm uns 5
indios mansos ocomo interprets, no case
do encontrarem aldeiamentos bravios, etc.
etc.
K Per urma carts do Dr. Barroso escri-
pta a um amigo, consta qee o mesmo Dr.
estava resolvido, depois do ataque dos in-
dios, a seguir corn muitos trabalhadores
armados no roteiro do allemao Carlos.
c Nao serA mAo quq o amigo exponha
o occorrido A redaegio d'alguma gazeta,
pois creio que o Dr. Barroso apenas faz
levar ao conhecimento do Barlo de Ca-
panema o que aeaba do dar-se, per te-
legramma.
0 que lhe sei dizer e que o panico
ontre os trabalhadoros da estrada do li
telegraphico 6 e orme, e me parece que o
Sorigo, que marchava tAo bern, vai entrar
em embaragos, pela recusa da gene que
nao quer expor Seu peito As fiochas trai-
coeiras dos indios.
No que posse tenho ajudado e facili-
tado ao Dr. Barroso no seo trabalho, re-
movendo todos oa tropegos quo lhe tern ap
parecido e que estao no men alcance. A
coune, porem, agora mudou de figure e
soquanto eu alo vir trops barn armada
no ultimo aeamparnente do soervig, receio
quo iaja foe ciOmibttm poique coasta-me
queno um em que vai a picada ha onui-
tiisald eia ^1ojd e(iutbras, qao sal maui-

-Cowao se vA data intuottasteo emi.


chegado juntos dacidade, indo na meqma
cab~s.
c Do palavras passaram A vio do fact
e o cearenso den urns terrivel facada em
Antonio Vieira, interessando-he prolfunda
mente a regilo abdominal. -
* % 0 criminoso foi preso immediatamente
em flagrante polo inspector de quarteirgo
Modesto Martins Amado, que o trouxe ao
Sr. Dr. chefe de policia. Ahi lavrou-se
auto de priap em fiagrante.
0 ferido foi transportado pars a cida-
de, e na salsa pars ease fim destinada, na
secretaria de policia, prooedeu-se ao res-
pectivo cerpo de delicto servindo de peritos
os Drs. Tolentindo Machado, Raymundo
de Castro e Jansen Mello, quo declararau
ser grave o ferime*o e poder resultar a
mottoe do offeadido, e avaliaram em um
conto d. i6is o damno causado.
e 0 Sr. Dr. chef de policia ,requisikou
da presidencia que o ferido, pessoa pabre
fosse recolhido A enfermaria do hospital
da Santa Casa de Misericordia.
S0 r6o acha-se recolhido a cadeia pu-
blics. D
Rendeu a Alfandega no mez dejunho
140:112#935.
Plauby
Datas at6 27 do janeiro:
Proseguim em seuns trabalhos a Assem-
blea Provincial.
0 Sr. Dr. Joaquim ParanaguA depu-
tado provincial, na sesslo de 27 offereceu
a deliberate da Assembl6a um project
tambem subscripto pelos Srs. Raimundo
Caetano, Gervasio Passes e Claro de Car-
valho, transferindo a capital da provincial
da cidade de Therezina para a da Parna-
hiba.
Lemos na Epocha de 20:
( Inforrmagts quo nos vieram do mu-
nicipio do Livramento trouxeram ao nosso
conhecimento a noticia do um barbaro as-
sassinato perpetrado na villa daquelle nome
em pleno dia; As 2 horas da tarde de 14
do corrente.
SChamava se a victim Antonio Mar-
ques de Araujo e o assassino, cujo none
esqueceram so do communicar-nos, foi um
dos tres soldados quo la so acham desta-
cados.
a Deu so o facto da seguinte maneira:
K Antonio Marques e Clarindo de tal es-
tavam A beber aguardente na quitanda de
uma muiher de nome Josepha.
K Trocaram-se entire elles algumas pals-
vras desagradaveis, que nlo chegaram a
degenerar em altercaglo non deram lugar
A vias de facto.
c Clarindo sahioe da taberna resentido,
foi e&aonder-se corn o su|ielegado de po-
licia eelle conseguio ordem para so effec-
tuar a prison do Araujo.
Voltando comn os trees soldados ao lu-
gar, onde estivera, jA nao encontrou aquel-
lo; mais tarde porem achou-o em casa do
sogro, Antonio Pedreiro, por alcunha Pau-
roxo, resident na villa, de onde jA ia par-
tindo corn a muiher pars a sua morada-
Cajueiro, distant urma legua.
q Convidou-o Clarindo pars ir de novo
tomar urma pinga em casa do Josepha, mas
send, ao chegar, advertido per Jolo Me-
nino quo haviam-Ihe armado um la9e pars
prenderem-o, retiron-so apressadamento.
Em caminho encontrou-Le corn os sol-
dados, quo o procuravam.
Quizeram prendel-o, mas Araujo fugio
entrando, em meio da carreira, em easa de
Francisco Ivo, da qual immediatamente sa
hio per urna outra ports, sempre em direc-
9ao A morada do sogro.
Os soldados quo o haviam perseguido
sem treguas, violando mesmo a casa de
Ile, quo nao respeitaram, alcansarau-o ao
chegar at residencia do sogro de Araujo e,
na occasiao em quo este transpunha o ii-
miar da poral, desfechou-lhe urn daquelles
tao certeiro golpe que em peucos minutes


o prostrou sem vida,
a Dest'arte Araujo, quo nao ha via com-
mettido crime algum, pelo samples facto de
fugir a urma prison injusta e arbitraria, foi
victims do sabre policial, que naquella ter-
ra substitute o punhal do assassin.
-Lemos na mesmna folha de-97 :
Na noute do dia 4 do corrente foi
barbaramente espancado dentro das russ
mais publicas da villa de Jaic6z, e em
frente A casa do delegado de policia, o es-
Crivlo da collectoria provincial. Messias de
tal, polos filhos de Bernardo do Oliveira,
residents nos suburbios ctaquella villa.
Sa Informam-nos ter motivado o espan-
camento a saspeita do haver side Measias
o deflorador do urnsma irmr dos. sarradores,
que appareceu grivida.
I Seja como for, nao deixa do ser la-
meatavel a falta de seguranga individual
em que nos achamos.
a Parsa o facto chamamos a attenglo das
autoridads supeoriores da provinciaespe-
cialmente a do Sr. Dr. chefe de policia,
que devera providonciar coni urgencia pars
se tornar effective a punicao dps crimino-
60 ,. -.


Mt6 11 d
L 2. foi


I :n


casa de urnsma sua parents doente e r*
Ibis-se a seu domicilio, espan0cou-o barbs.
ramente e prendeu-o; mas, para. evi
um corpo de delicto, o soltou na praga
Collegio.
A Alfandega rendeu emnjulho.....,
112:296#156.
Falleceram: na capital Antonio Jos
de Genova e o major Chrisanto Piaheot
de Almeida Mello; na Assumpcao o to-
nente-coronel Luiz Francisco Brags.
Rio Grande do Norte
Datas at6 12 de julho:.
Alem do que referee a carts do noesSo cor-
respondente, publicado na rubricas Interior,
nada mais adiantam as folhas.
Paratayba
Datas ate 13 de jelho:
No dia 8 assumio a administraeao da
provincia o0 edro da Cunha Beltrie.
s no Conservador de 11:
'- f. r.ceartas agora recebidas da vila
N'atb esabemos que mais um desfaique
aoaba de soffrcr o cofre provincial.,
a 0 collector d'aquella villa se acha .i-
cangado em somma avultada quae neo reeo-
Iheu em tempo, e nem recolherA; pois tal-
vez nao esteja afiangado come nao estb
os demais da provincial.

MNotlelas do Pacfico, Rio da
Prata e sul do Imperlo
0 paquete inglez Elbe, que passou hoatem pa
a Europa, trouxe do sul as seguintes notice'as e
que constam das rubricas Parte Official e Inte-
rior :


Pacifico
Datas telegraphicas atk 30 de junho:
Segundo cartas telegraphicas de CallA.o para-e
Chile, o eneontro, em Huaucayo, das forces de 04-
ceres corn as de Iglesias, foi insignificant e em
nada ;enfraqueceu os recursos bellicos do primai-
ro. Acreditava-se que Caceres mandou ura van-
guards come media estrategica pars attrahir as
forgas do general Mas pars Izeunhac, onde aqat-
le caudilho estava e de onde repellio as tropas do
governor. Esta noticia, diziam cartas de Lima,
era confirmada pela evacuacAo de Huancayo pe-
las forces do general Mau, e immediate oecnpa*io
do mesmo ponste pelas forces de Caceres.
Reeciando algum desastre, o governor de Limt
mandou regressar a capital as forcae que estavm
em Huaraz, no norte no Peru, tratando da psei6-
cAo daquelle departamento.
No dizer de pessoas que passavam por bemrn ia-
formadas, a situaalo de Iglestas era dificil; en-
tretanto o governor annunciava o contrario; amne-
verando a imprensa de Lima que Caeeres pedira
suspensa'o de hostilidades por falta do tecurss
pai a proseguir nellas.
Monsenhor Tovar, investido de plenos podem
pars abrir e concluir negociagues conduceentes i
consecucio da pacifieagio da republics, partira de
Lima, levando Andr6 Aramburu come se-ftarib ,
doue ajudantes e urma escolta. A imprena do
Lima applaudia aquella preys de conecordia da"i, -
pelo president Iglesias, esperando 80eo results-
do corresponds aos desejes d& patriotism.
I Rio it Pratl -s "
Datas de BRenws-Ayres at6 1 e de Mont;4i...
atW 2 de julho:
Na Republics Argentina o general Victories
renunciou definitivamente o cargo de ministry da
guerra. Nas rodas political commentava-seo soe-
melhante retirada justamente quaudo o general
Victories era interpellado no cengresso nacioud
pelo deputadu German Puebla.
0 governor apresentou ao eoagresso o project
de oreamento de 1866, promettendo observer am
regimen de suvera economic, unico meio de salva-
0o possivel na actualidade. Pars a melhora re-
lativa da situacao financeira contribuio effleax-
monte a noticia da negociacao dos cmprestimoe
autorisados pelo congress anteriormente,
No semestre findo entraram 61,090 immigran-
tes.
Constava que o ministry do eulto da Republics
Oriental do Uruguay dirigio ura nota muito ener-
gica ao bisp, Yeregui per causa de urma pastoral
que este dirigio ao clerto.
s. Paulo
Datas atW 8 de julho: .
Escreveram de Piracicaba ao Diario de Cam-
pinas uoticiando que na noite de 29 do passado,
uma preta velha quo juntamente corn dons meno-
res passava corn. um carrote de b3is pela estrads
do Areal, foi assassinada, desapparecendo os me-
nores sem quo se saiba o fim que tiveram.
0 carro chegou ao sitio a que se destinava sea
conductores. Daseonfiava-se que alguns escra-
vos fugidos assassinaram a pr~ta eos 0 mene-
wes.
Em Campinas neo p6de ser feita ante-hontemrn a
exhumaVao do cadaver de Francisco de Meira Ce-
sar, por nao haver comparecidp o Dr. Beuto de
Souza que juntamente corn o pharmaceutico Ra-
phael de Salles, devia proceder ao exame. A po-
licia dirigio-se a diversos facultativos: mas nus
foram eneontrados e outros recuasram-se a proee-
der ao exame per motivoa mais ou menos ju.tas.
A exhumacgio estava, pois, iudefinidamente adiads
ate qae apparecessem dous medicos que de boa
vontade se prestassem a proceder a autopsia.
Diz o Diario de Santos que ante-hontem foi fe-
ride nan s custas, per um tire, o portuguez Kan4l
Fernandes Lobo, na occasilo em que, em freate
ao Mercado carrpgava areia pars urma scarroW-
0 tire parties de um dos navies fundeado en
frente Aquelle lugar. 0 ferido for examnna&d*
medicado polo Dr. Motta e Silva, que jalgoa o fe-
rimento leve. 0 sublelegado tomnon conheeimeat
do facto.
Bio de daneiro
Datas at6 9 de juiho:
Constam as prineipaes noticias da ceart -
nosso correspondent, publicada na rubricaLs ie-
No Senado, a 6, foi. approvado 0 req0 i- -
monte do Sr. Veira da Silva, cuja diac-us _.-.
ra encerrada na sesslo antecedents pedindo ia-
formacoes sobre a praxe, no foro desta ckte, d.
processes de informagbes dos r a55-
tarios.
Prosegnaio depois, aa la part d ordeotam de-i]i
a 2^ discuss. da proposts sbffte mniusi dot.i^
25,000:0o0X0X0 do r9oejK t*cu r 'eoW..1u
3ortia eC u ^lsa l
ie~prod~~~


I


1 ..e


!'














































aer da lIa e omissio do,
to do d7 iusftietddo Ceark,
reettmado Oputado o Dr.
ana Bruil qum tomou as-

o parecer da cannmisilo de
to deputado pelo 14 diatric-
I Villa daBaurrs.
reanao Mora e Baro da
0, euoerrada a discuadeo e


*l nv em nir trabalhos a M e1m6a Pro.

A' 9 honuv ma iennilo de depsitadas pro-
vinletes, impro e divers s oatros eavalheiros
fustratar-se deassumptos reterentes A colonisa-

I Slemo noDario de oticias -de 10:
lQtando hoDtem, eeres de 8 horns da noite,
I i dirigjs nto theatro O nossO intellig.nte amigo
o Sr.':. &.Francisco, Brrulio Pereira e sua senhj-
'R abond quo ddecia rapidamente da runa Dire'-
; ita dof.claacicolheu-os no tneiodo trilhis, derru-
-pr CiWR arrastoU-inm-
V't~i iicofenesdobreak..
x z 6tt o ite asccorrldos per centenares
de peassos, f ,ram tirados dde aebaxo do bonded
eoundaid o Eamarote do Sr. Dr. ah!fe do poli
cia, oade Ihes oram prestados os prim iros soc-
S corras medicos, pelo Exm. Dr. Almeida Cont",
digno president da provincia, conselheiro Sodr6,
Dras.Carraeosa, Pacheco Mendes, Henrique de
!i Franca e outros muitos distiactos medicos, de cu
Jo nomes nao nos recordamos.
SValh fjr-a levados em marquesas para a ca
aM do Sr. Joo Jose Das da Roche, tio dos offen-
didos, nio conasentindo os amigos do Sr. Dr. Bran-
lie, que outros, a nio serene elles, carregassem as
marquesss.
SCerea de quatroeentas pessoas acompanharam
os feridos, conservaude-se a run do 8 ,die por es-
pao de mais de hora cheia de povo detudas as
classes.
SApenas se den o desastre, esapithou as logo
ypr tola a cilade e arrabatd s que tanto o Sr. Dr
Braulio Pereira, corn) a sat extremoas esposa, ti-
nham fieido esm igadls palo btn ; felizmente, po
r6m, tal nao se den, nao deixando comtudo de ter
semebhante desastre produzido na estremecida al-
mas, dos parents d's victims profuania breeha,
que s6 eessarA de sangrar quaide os gemidos dos
pacientes forem substituidos pelas lagrimas de ale
gria qua o sea c;)mplero restabelecimannto farao
brotar nos olhos d'aquelles qae sentem ass arte-
nas correr o seu proprio sangue, ou no coracio o
notiamento da amisade.
< aD'aquella dosgraga resultou fear o Sr- Dr.
Branlio Pereira coin um a fraetura no ante-brago
esquerdo, doas na porna direita, diversas eseoria-
goes e contuss na cara e dunas soluoas de conti-
nuidade na eabsa; e a sun digna espona corn unim
fracturea a perna, direita e diversas esaeoriae.s
ana car e naas mias.
Alagoas
Datas at6 13 de julho :
Assunmiri, a 6, o cargo de preaideate da pro-
vincia o Dr. Pedro LeAo Velloso Filho.
Foi noieado chefd de policia interino o juiz
de direito da Iwperatriz, Dr. Tiburcio Valeriano
da Rocha Lins.
Prosguia em seas trabalhos a Assembl'a
Provincial.
SCommunicaram de Atalaia ao Diario de Ala
gaas, que o tenente Francidco de Paala Araujo
Cabral irmlao do subdelcgado tain Cap-lla, aggre-
diado, icom f.r9a armad ua rna forca qu e vinha-
da Iapeaatriz, toinou uin preso que a dita forca
eonduzia, .de naomn Manoel do Pontes pronunciado
em crime da turto d& cavallo ; e aesse actor foi fe-
rido gravemente o ssrgomnto que cnmmandava a
forca e anna prala d% m mesma forca.
a, L o houve corpo de delicto, e o crimiaoso os-
teata cam bravatas os seus crimes. v



.. INTERIOl

c orrespIadencla do Diarlode
SPernambueo
RIO DE JANEIRO. -CORTE, 9 dejulh
11- de 1885 ..
SUMAARIO :-Ooutiwt^oo ca Jiscuag do projoct
'ie e.* aksdo gerri i.-Dicaursa sdos Sn.
::ne e. Zrbu.-Porq.e agqutiecaceita
,< : #I;e6 eite, o -projecto.-O credit pars
a lazaretto.-Ainda verifiscao de to,
: : deres. Ura portaria do Sr. Moura.-
0 Sr. Joad Mariann o orr,'poandenie
do 1l Diarno. Aggreaa.to *ryjueta ao
1^4, Arekivo Mtlitar..-0 que depsois ocoar-
reu,-Poi-que o correspoadente -e--op6d
-, aes der no mesmo tom.-0 articmdsta
Ijl: ;?:-*, 11''11::quo se auuigna ^ Alma do BodJ. '.'-ii

Esper|va^go quo no dia 6, depois de fallarwo Sr.I
LaR|i, : quo- ,Io qiiz preseindir de justifiear o sea
vot 1 q1woec^ :faio3:tse 'enoers-ada -s'i di-^
i .1eaAao doa~at. F. Nic nconteoeu, poroin asaimi.1:'
Q1'. ZJ.*% ;(ama.,procrand mostna',r sc~m a-anton.i-
dad 4 .ro a ~ "dim quo qutanlo edo so
..q^j'u q eso pee, A.nttsarie quo se


Teftt~tdbfia es VW'oraxerir o oawfirtdo. ":: ''
otem ra 4 asesAo fot consaarnid&a corn verifi-
cqa~o depoXen Depai de reeaobocidc o Sr.
ThO8 Ppo, dtsuafio-se a eI*1o do lit dis-
tricto da Babia por onde pleitewm os frs. Villa
ds a nar*a e vcAlao Moara. Eomerrado o de-
baWepor deliberaqio da casa, A ,equerimeneo do
.Sr. Piuho, 0 Sr. DA& a. i ia; voi6 do pareoer
para itje, allegaado star tenittsd a hoera. sLto
provocan viva. reelama. ks, e a wesko scabeot
tamaltuariamente, p-,r naso a ooaformnm es'am i-
.vosd,.)Sr. ViLl4da Barra, eatre os quaes o Sr.
Zama, com a iateneiu da votarlo -
No Smado tes con i a c iAtir-se o -redi t
da emTs4 do 25,00(,que h-e daOaser voado
em 3a diseusaao, por ter nmfdo ho1^ nea i rriardo
o debate, deoisade terem fallado contra os Sra.
Correia e Jose Boaifacio.
-A Agoa, em failta de matiria, passarei a referir,
como prometti na posada, o qua disse o Sr. Jos6
Marianno do coruespondente do Diario de Per
aambuco, e o que dep ,is oceorrear
Tomando por pretexto a noticia quoe dei de
ter elle deAistido da palavra|para responoer ao Sr.
Drtimacad, quando aeste oepou-pse coin aegocios
dessa provineia, o honrad&) deputdo affirnou que
foi por doenate e ndo por medoe, quoe uao responded
Aquelle seu college, come disse o correspondeato
('it 6 exicto) d:, qaal alis n-lo se qaeixa porque
afi< elle sempre achou alguma cousa em qua
se occupar, visto que na reprtiqo onde 6 empre-
gado e qiuo se cham-i A.reuivo Militar, p-tra onio
v;ati o etafirno, o militar que nao'tem commissaao,
no hia o que tazn-r ;' urnaa especie de museum, um
pateo de biehos, parw o qual 6 atirado o sugeito
qua nao tomin inreimeauto cu habilitacoes, e &li
cooa neo ten em qne se occupar, emprega se em
fazer correspondencias parw um, dos jornaes de
Ptrnambuco, zurziado o governor; que o dito cor-
resp mndeute, duante a guerra d) Paraguay, em-
quauto os militaros validos, e que sentiam pulsar
por baixo da farda um pcito de brasilairo, corriam
em:n dufeza da patria vilmente ultrijada, e le apo-
drecia ern uin arsenal de guerra. A
Como se vs o Sr. Jos6 Marianuo neo declinau o
nome do correspondent e nem o podia fazer des-
do quo este noo subsacreve as saas missives, e
ningun-m tern o direi'-.o de violar o anonymato,
g'rirdado por motives do que s6 o escriptor 6 o
juiz.
Mias toroon, quanto possivel, tranhsprente a in-
dividualidade a que se dirigia, e o fez no men en
tender e sem que entre-me no animo o intent de
offender melindres de um representante da nauae,
intfeliz e desastra-iamente,
Si o Sr, Jose Marianne tivesse se limitado A ata-
car somente uam crto e deteirminado official, qua
- *eja dito de passage, nal levou "a apodrecur
em um arsenal durante o period da guerza, pois
quo estia comeou em 1865, e elle s6 foi para o ar-
saenal em janeiro de 1869, quando a campanha jA
tianha eutrado em sua phase de decliuangio, depois
dos combats de dezembro precedent, que faisua
esperar A todo o moment a an- terminaao, qua,
entretanto, teve iugar no0 de marro de 1870; si
o Sr. Jose Marianno, repito, tivess e lims hitado a
umn certo official, sem envolver em sunas desbraga.-
das diatribes a reparticao em quepor ventura elle
,steja servindo, e da qual fazem parte cerea de
30 officials das armas scieutificas, de todas as pa-
tentes di-asle tenet at6 coronel, aowra o chefe
que 6 um general, e eujos importantes trabalhos o
illustrc censor nunca teve occasilo de ver e apre-
ciar si t6 quo eta no casi do apreeial-os e dar-
lh-s valor; a cousa passaria sem protest e atRO
desapercebida porque o correapondente do Diario
de Permnambuco, na sua miss do e hronista, 6 cla-
ro, nao poderia dar resposta condigna a aggreaelo.
Alma'-de que ndo Ihe seria licito, o rcpugna. ao
seun caraeter -- c nverter as eolumnas de um jor-
nal sirio em trepeea de arrieiro, para trocar des-
comnpusturasicom o deputado) que, abusando da
imunidade do cargo, faz da tribune, em que so
deveinm ser dcbatidos os negocios de interesse pu-
blico, part de diffamaqao d'aquelles que tem o
infortunio, oa a fortuaa da incorrerem em seu des-
agrado.
Mas o Sr. Jose Marianne, habituado a nao en--
eontrar quem lhe resists. e no asabend o guardar a
gravidade que a poesiAo devia iinpr-lhe, nao me-
die o alAnee do que a paixilo lIe ditou na occa-
silo, e. prorompeu n'aqualles excesses, de quae,
acr-dito, em nementos de calmna ha de ter so ar-
rwpandido.
Oftondidos per semalhauto mode, reagiram ios
offiumaes quo sorvem na Archivo Ml~itar, e, em n
artigo pubticado ni Jonal do dia r, vob a assig-
nura-- alna-de Bodid, masm cooeebido emr ter-
TmO qua nao dissimulam a sun origem, repeUiram
coma today a emergia a affronta feita par queft ig-
nora o q sa S(faz a'aquella reparticilo, ar onde nilo
tiverain ainda entrada, dizia o artigo, os que neo
trepidan cm pe rbar a soreuidade dos temples
augustos e trausformal0s em ciree s e alabr'aasa e
praca de meroado. a
Aifirmando qu A dits. repartiato tern a per-
tencido, em diffseeate3s Opocas, a lor da nosia o-
genharia, assim come diiuiras trmaas sciatificas,
e quo d'ahi tem shideo mniitares ilgustrsis quoetem
se distioguido em elevadas posicee, politina e aid-
ministramivas, couquistadAs pnlo propnio esfosoo
e aptibilo, a perguno: ; O e Q titalos 8e
-arroegat dir-ito do3e;ignr-se cmain dios mereei-


menutos alheis, quenm atO o preousate tern pro-
duzido couaa alguma uatil ao pa em Como par-
ticular, nem omo repreae te da ol
Em conclusi, obervon o artulihta:
SQuanto ao qaue departicula aentou0 o Sr.
Jo*A Marianno.seerosa de urn oficaL e rncsunoa


Nu eppectatlva do d.quo far 8.3Ere. mmuido,
dos elemtauta neessanios para uma iscusaao s&-,
mria, 6 tere uvoslouvores a -drigir-lhe ecma e
desapaix-aadaoiente, tratar quramente loastvi-
tos daquella repartigio, a -us ad apedtro
em aer conhecidosa no seio a re preata a-
cional; asaim come mantemo-nos no fire propo-
site de reagir ecorn a preci energia, se 8. Exe.
simpleemente mse entrnihande-v uo ta tortusa ve-
roda da diffamao e d injturia contra nam cor-
poIraao que nnucs.a aggredio, que nao nbhee0, e
qae nenhuma culpa tern de sans desaventW poli-
tiUess orem quern quer que sejla pr questbesdeo
a Havemos de medir osa uossos passes pelos que
tiver de adiantar o Sr. depatada Jos6 MNariamuo,
na discassio qua provavelmentp.- vai travar-se
sobro o citado repuerimento, coataudo n6s cim o
born seaso e imparciaidade dos representantes da
nanao, que hao de fazer a devidfa justiga, sabeado
donee partio tito iatemapestiva qao gwrastuita ag-
grossio.
a 0 governo, par seu la6lo, esta habilitado a dis-
tiaguir eantre nmanifestaoes irritadioas de paixeas
mal -tontidas e o proeedimnUto qua se impoe aos
homes do bern quando atueados em seas brios e
dignidade, miuximae quando no ataque valo envolvi-
dos, nlo simplesmeite alguns, mas amea corpora-
|1o inteira do exercito.
A alma do Bode. a
Eis o p6 em quo por emquauto se aeha o mei-
-inte provocado pelh 8r. Jose Marianno, e
que, par dever de chr-anista tenho exposto c)m
teda a partieuridade clareza. Se quilquer outro
motive padessea nessa occasiao aetuar sobre mim
seria o deaeji do dar o oratoria do Sr. Jos6 Ma-
rmianno, passndo-a piarsa as paginas. do Diario,
maior cirwulaqio do qua ella poideria ter se ficasse
apenas registada nas colamnas do iMiario Offi
cial.
Nem outra vinganaa quereria o correspondent,
a quaem o illustre deputiado, qua se proclamna de-
feusor d- todas as liberdades, procura privar.da
impreasa, por mreio de uma intriga sedica, affir-
mando que elle occupy .-se em escrever zurzindo o
governor, quo o mesmo correspondente, cousa me-
Ihor poderA dizer o leitor nao passa de saimples
narrador dos facts, e s6 raras vezes ajuntaado
de propria lavra, alguma apreciacao.
Se elle cantasse hymnos.. ao menos & alguns
tartufos, o case serial outro.
Liberaes de miuha trra 1 I

Correspondeacla do Diarlo de
Pernambuco
RIO GRANDE DO NORTE.-NATAL.
11 de julho de 1885
SumMtAIO :-Embdrque do Dr. Altino.==Males in-
calcdaveis de sua admrinisrago.==
Quean o subtituird ==As i Uvre.-
Naufragio no Rie d FOgo e prisdo
do capitdo Kleipp.-Baucw epecuae
para exames de preparatoriec.=As-
sassinato.=Fallecimento.
Vai, te'zaente, deixar a admtinis t
proviaa $r.. Dr. Attlna"- de Awi-h
barc amanhl para Pernambuco, onde dea. do
pequena demora, seguira para a c6rte.
E' opinigo geral que o desabisado president
nao se podia sahir peior da importantissima mis-
sal,) que em mI hora Ihe foi confiada; pois andou
sempre desviado do cumprimento do dever, mos-
trando-se a cada pass partidario ezaltado, docil
a vontade dos amigos quo o rodeiavamn, e des-
potico em quasi todos os eeas actos, que deviam
ser unicamente pautadosipela leii!
Os grand-s abuses pratieados par S. Exc. no
period de sun desastrada administrflo sao
uma provysa eloquente desta verdade, aque so
rtlecte no estado estertoroso; desolador e agoni-
sante em quae se debate esta pequena e esquecila
part do imperio-victima dos desvarios do um
mogo que nao recuou- diante de diffienldade algu-
ins, e que tudo sacrificou paras bom servir A
ruinosa political do seu p:rtido .
O Sr. Dr. Altino toi um president que nunca
se comapenetrou dos seas deveres, nerm se identi-
fieou corn os legitimos interesses da provincia;
d'ahi talvez, a razio porque, contando corn a im-
pumndade do seus. actos, muitas vees violantos e
arbitrarios, nuaca ae inSpinoi no ben public !
De outra sort, nao se animariaS. Exc. actualisar
o infortumiu da desditisa provincia quo tie mal
anamniatrou, e qua vai .deixar cotnpletamento
abatida e arruinada em suns financaa, deptimida
eom pate do sea funccionalismo adventiebo, A ul-
tihah ora arranjado por elle, o rebaixada no qae
diz respeito ao nivel de sun iaatrnccao !
Quoea virlm substitnilo ?. ...
A imprenasa honesta e impareial da provineia ex-
prime-se a respeito do ex-presidente nos seguin-
te- termo:s:
S. Exe. deixa amanha a administracao, vai
mar em f6ra eaminho do seu berno natal, em do-
manda dos amigos qua IA ficarnam e da famnlia
que ancioan aguawda o mornom-to de vel-o e abra-
9a1-0, e a provineia, a misera provincia flea ina-
nida, exhausts no soe leito de moribunda a maldi-
zer a hora em que reeeben em seu seio o Sr. Dr.
Altino de Araujo -, -..


8. Exe. que iaterrompea aua uluminosa carrei-
ra de mag-istrado p an se dealambrar com as se-
duetoras faseinaaes do uma posieo ephemera,
p6de viver vinte, trita quareuta annos, galgatr
as mais elevadas' posies vociaes do -pi, pode
8er rainistra, onselheit.de catado, senador doim-
pemio, tudo, mas nti*nqR aunca -so swn tanA de


000. -Ae etOl Vdi~a-o _queo ogo -
O W 6 tt o ulo aeto admini..
-*Wvo do Vr. Dr. Altinod&AtuJolI
-A e teve sutrha* pra mandar abri
a p a o-se autorisado a genera-
1uar oribvio de baRa especiares T'1 .'
i,-- A:I#11horasdai noite do dia 8 do corrente,
fi~a w ado arua da Uruguaysm deosta ca-
t Joaqui Heruntogene. de Albuquerque, de 28
aniios dae idade, soltairo, filho de Jose Francisco de
Albuquerque. O
Deu lugar a ease tristo acontecimento uma pe
quma desavenga entre o infehliz moo e uma me
retriz de noe Josefina Mossorb u Ilhe destarre-
gou dkas panhalidas dah quaea ewi succumbio.
A crimiaosa foi prbsa A meia noiteo
0 subdelegado do 10 dihtricto procedeu a carpo
dedelieto e.trata d% organisa"Lo do inquerito pa.
rafter lugar a.-formaglo da culpa.
Na idade de 68 anogs, fallieceu no dia 8, no
Afto Aldeia. Yelhaproximo a esta. capital, Joa-
quire Jose Torres, cidadio prestavel, quoe muito se
recommendava pela -sua abnegato e caridade que
sabia exeroer para corn os pobres.



PERNAIBUCO

Assefmbl a Provincial
EXENDAS APRESENTADAS NA 34 DISCUSSAXO
DO PROJECT N. 21 DESTE ANNO (Ol-
VAMENTO PROVINCIAL).
SN. 384. Dons lampeoes no caes do Santa Isabel
e tres no beeco do Ciume, entire a rua da Floren-
tina e caes de Santa Isabel.-Jos6 Maria.
N. 385. Pica approvado o regulamento da Santa
CaiBa d Miserieordia, expedido em 28 de aavosto
de 1879 c Q additamento feito cm 6 dc abril do
corrente.-E3teovo de Oliveira.
N. 386. Sa eliminados da collect, como ne-
goaiantes da piano, no exercicio de 1883 a 1884,
Silva Fernardes & C., visto seem estabelecidos
corn armnazens de moves nacionaes e estraugeiros,
e nao do pianos. Jos6 Maria.- Luna Freire
Junior.
N. 387. 0 amanuense da Secretaria do Thesou-
ro Provincial tera a cathegoria e vantagens de
que gosa o archivista do mesmo Thesonro.-Jos6
Maria.
N. 383. Ao 7 do art. 1.o Se pasaar a emen-
da n. 324 acerescente-se: o official da mesmna se-
eretaria torl ven.imentos iguaes. aos dos primei-
ros officials do Thesauro Proviacial.-Jas6 Maria,
N. 389. Ao 71 acerescent*-se : 365,000 a Jo
s6 Germano de Lyra, de alugueis da casa que
serve de quarter e eadeia no povoado do Riaeho
do Matto. Jose Maria.
N. 390. Se tfr approvado o imposto de consun-
mo on o de gyro, accrescente -se : a arrecadaiio
de qualquer desses impostos cessarA logo que se-
jam restituidos A provincia os 10 %/ addicionaes,
que estao indebitamente pertenceado a receita
geral. -- Dr. F. A. Rosa e Silva.
N. 391. Oftereoo como eamenda ao orgamento
provincial o project n. 71 do anno passado.-M.
Duarte. Gaspar de Drummond Filho.-Jolo Aiu-
gust po. et"
Ei o project A quoe se referee a emenda n. 391.
A Assembla Legisfativa Provincial do Per-
nambuco resolve :
Antigfo tunice. FPica o president da provineia
anrtirisado a madar construir imna ponte sobre o
rio Pirapana, em terras do engenho S Manoel, ou
na local que for mais conveni-'nte, despendendo
para isso at6 a quantia de 10:0001000.
Revogadas as disposioes em contrario.
Sala das commiss'es, 4 do abril de 1884.-Ba-
rio de Nazareth. -J. Auguasto. -A. Leao.
N. 392. Os devedores da fazonda provincial de
exercicios anteriores, que eatisfizerem durante o
actual exercicio suas dividas, ficarlo- isentos de,
todas as multas, tendo alm disto umrn abate de
20 O/o.-Jose Maria.
N. 393. Artigo additive Pelo emprestimo se
pagara o que e devido a Manoel Fernandes da
Costa & C. nos terms da& lei n. 1,584 de 17 de
junho de 1881.-,os6 Maria.
N. 194. Para ser callocada onJe convier : 704
a Jdse Antonio de Lima, importancia de urea gna-
rita que forneceu para a ceadia da cidade da Vic-
toria, tuna vez provado o sea direito.-Dr. Cunha
Beltrto.
N. 395. Se for approvada a emenda n. 381 an-
creseonte-se : Hygino, fiiho de Jose Pedro da
Cunha Pedrosa e Jea, fliho de Manoel de Araujo
Pereira.-Pereira de Lyra. Cunha Beltrao.
N. 396. Sub emenda n. d381 e Hermino filho
de professor de Gravata, Joao Jose Ribeiro.- Dr.
Cunha Beltrio.
N. 397. Sub emenda a emenda n. 301 o quo
for devido do sun gratificacao/de merito ao profes-
sor de Gravata, Joao Jose Ribeiro. Dr. Cunta
Beltr-Ao.
I, 398. Ao 2 do art. 2.0 0 imposto de expor-
taeao sobre o algodao sera equiparado ao do assu
aiir sendo que o algodlo quo for exportado em
fazemda nan fabricada na provincia pagara mais
500 Ps. por sacco ou volume. --Aristarcho Lopes.
-Dr. Pereira de Ly -a.-G. de Dmummond Filho.-


Santos Pinhoiro.-ILourenco doa S'A-A. Falco.-
Vi'cade de Tabatinga.-- Torres Gmangeiro. -
Barao de NazaretlL7-Antunes Pinheiro. Cunha
BeltrAo -M. Duarte.-G6oa Cavalcante.
N; 399. Se for approv'tda a emenda n. 316 tor-
naando vitalieio o lugar do director da Wbibiotheca
provincial, aewoscente-se e todos os empregados
pablise proviumaes.-Goss Cavalcante..
N. 400. Ao a. 307 : em lugar de caltculada na
iAzSo do triple, diga-se : caloalada -a mesma ra-
S dee 3 0 oe deo pis d Dalavra mereadorias, ac-


f odQ antigo regimen restictivo e dode penden-
cia por outro inteiramente contrario, quando a li-
ain estnevio'e aexaCepe, 7 91oeva seintrpre a
nova lei, eas fo soe precise de acordo com o poe-
saneato que tiahs presiffiJ a sea B copnfeaio, com
o *pinito quo tinha aun*do wos legisladores ao
rIIil-a, e numma easperar, que em oa nova regi-
men applicassem os pnrinipios oppostos de inter-
pretaso, o que me fez conaiderar o recurso comoe
o preenchimenlo de um ever citado por cscru-
pales.
A este respeito mandei consultar a opiniao do
senator Antonio Mardelino Nuncs Gonoalves, um
dos parlamentares que part mais active tinha to-
rnado na coafeeoao da lei, c tive a resposta de
quo ab estavainmos sujeitos a approvgago do go-
verno.
Nao obstante os esforgos do proeurador desta
Companhia, retardava-se a decisao do recurso, e
eutAo, em 3 de maio do anno find, enderecei um
requerimento ao governor geral, submettendo ao
sou conhecimento a reform qae tinhamos feite
nos estatatos, para qua d6sse aua approvacAo, se
assim entendesse de necessidade, revalidando to-
dos os aetos anteriores praticados bonafide em
virtade do archive acelto pela Junta Commer-
cial.
A deeislo do recurso nio affectava a existenacia
social desta Companhia, nem tinha iifluencia so-
bre seus negocios em geral, pois esta Cumpaohia
tern existencia legal de 46 annos, reconhecida e
approvada por diversos decretos imperiaes, do que
tratava so era apenas de ura formalidade e do
augmento do capital; mas era desagradavel estar
dependendo de decisAo de qualquer especie que
fosse, e careciamos do augmento do capital para
relisauao de opersocos de que tratarei em se-
guida.
Quasi ao completar um anno de demora, em 25
de novembro de 1884, foi dado provimento ao re-
curso do secretario da Junta Commercial, em vista
do parecer das seqoOes reonidas do Imperio e .Jus-
tica do Conselho de Estado, sem que tivesse sido
possivel ter tido andamento, no mesmo Cuonselho
.de Estado, o requerimento que ffz submettendo ao
conhecimento do governor geral a reform doe es-
tatutos.
(Jrgi., pois, terminar o incideate, c 0 que en-
tendi ser mats acertado toi solicitar do Dr. Jaco-
bina, nosso Udirector secretariat, que immediata-
mente segaisse para o Rio de Janeiro corn os pa-
deres precisos e corn urn novo rcquerimentu, para
o caso de ser necessary, afin de obter a mais
breve approvacao dos novoa estatutos, Nao
obstante os prejuizoa que disto Ihe resultava, coin
a melhor vontade prestou-se o Dr. Jacobina, e
sern demora embareou para aquelle destino.
Tanta actividade e dedicagAo desenvolvcu o Dr.
Jacobin%, qua conseguio ser assignado em 14 de
fevereiro do corrente anno, sob n. 9,372, o d.?creto
imperial nao sa approvando a reform dos estatu-
toe, sem a menor altcra-lo, come tambcm revali-
dando os acts praticados par esta Compauhia emin
virtude do anterior archive felto na Junta Com-
mercial.
SAlem dos services qua aqui tern sempre presta-
do o Dr. Jac-bina, a sua viagem ao Rio de Janei-
ro o torna merecedor de nossa gratidio.
A experiencia tern demonstrado snfficientmeonte
a inutilidade da interven9ao do governor nas so-
ciedades anonymas para o fim que soe teve em
vista aeautelar, no entretanto a dependencia 0 um
grande embarago para as sociedades em geral,
embawaqo que pode causar prejuizos e talvez mes
mo mallogro de emprehendimentos da maior utili-
dade m,ublica.
0 qua deu-se corn esta Companhia 0 um exem-
plo bemn frisante: tinhamjs deveres a cumprir
corn a provincia em prazos fataes, mas estavamos
na depeadencia do augmeato do capital para )o-
der fazel-o, e o governor geral demorava a decisao
e approvacao do referido augmento por um espaqo
de tempo muito maior do quo o dos compromissos
corn a provineia, do mode que se nao fossem as
reserves accumuladas e o credit conquistado em
sua long vida social, esta Companhia lucaria corn
embaragoa muito sarios. L
Registrando o facto fazemos votos para que em
breve seja de novo reformada a lei sobre as socie-
dades anonymas afim de, em breve temp, ficar
eompleta e perfeitamente traduzida em disposi-
eAas claras a ampla liberdade das associates,
unieo meio de proveitosamente utilisar em larga
escala as elementos individuals pawrs realisa-So
dos melhoramentos materials do paiz.
CAPITAL SOCIAL
- 0 art. 4.o dos novoas estatutos elevou o capital
social a mil e duzentos contos de reis, addicionan-
do-se pars ease fim ao capital primitive os luoros
nao distribuidos e existentes em dinheiro, bens e
obras, o que tinha feito o active attingir a mil o
quatrocentos contos de reis, reduzindo-se, porrm,
esta importancia ao valor daquella para fear ain-
da melhior representade o capital social : cada
unia dns acsces passou a ter valor duplo.
Do feito, durante oa 37 annos em que esta Crm-
panhia tom abastecido d'agua esta cidade sempre
exeoutou melhoramentos e obras novas, ureas quo
foram inoluidas nas despezas de custeio da em-
- preza, e outras, importantos, quo duplicaram a ex-
tenseo dos encanamentos, que figaram no seu acti-
vo, e nas ultimos annos Oonstituio-se am avultado
fundo de resarva quo permittio a iniciacao das
obras presentemento em execucao corn os recursos


propoas.
Era pois chegada a occasigo de fazer os accio-
nistas partilharem daquella accumulagio de lu-
crosy e foi o que maito acertadamenteo deliberou
a assemblies geral dos aceionistas, muito embora
tiveseem adoptado um valor inferior ao custom das
obras em tempos paseados, e muito inferior ao
queboje so despencdteia ase tivessem de fazel-as.
NoOrecurso do secretario d4 Junta Comiercial
taibemi tli -ineluida esat deliberacAo, por.enten-
der etle que devia preceded. uaa avalia$io par pe-
ritaS; mas no provimento do recarso' nitda se do-
cidio sobre este ponto, porquanto expresaamente
foi deelarado-que o parecer apenas versava sabre
a priminar-dependencia da approvacAo do go-
verno para ser registrada a refir-ma doe esa utOu 9
66" 3ni1 a, Quandg ests-ose dodar ap.
I0 t~W-.o .4 to pqat e~ationad ; -of
N^ t- -deste anno asprova #a refbr-ma dos esta-
ttaoflcoma tiahamnos to,1'oBeta aminima modifi
ca 'ae conae temate saniono a eleva,9o
do -saossocapita.
Verne ldBae em mea crelatorio do anna prpoxisno
saado, de accords coma opinae da commnissaa
il logoaalter'Ao ddo
CH pW a ai ndo.4oetaisio 49Gretars9; deams-
raa44seo pe4e m mnito, a decide, coar tratoLva-se
di ~formal5idade 'qeneno affketaya a
dia si$*effaetuad no d e s
eobmo iudLspenaavel, ano eserrar 0
,- n Ar


aeoW distribuid s 'pan qp a qe poisaiam -r i
rar eonptituidas, lvo o- cas do art 31., quW
as acea sfornmarem o fundo de amortia .
ta companhia possum 1234 aeoes do aP. -
dc de amorti ao, o qual dessapparecera e jo-o
regiseta dos e*tatuto8 anteriores a a actuaes pdla
que tinhaM sido incorporadas ao fando de reaer-
va, que pelos ovos aestatutos foi runcido ao capi-
tal.
0 art. 13 dos estatutos estabelece o meio dc ef-
feetuar-se a amortieacao, o qua s6 realisar-ae-ha
nos dek uatimos annos do privilegio.
Asilm polls, antes de completar-se o semestre
social em que tinha sido approvada pflo governor
nossa deliberagao, fez-se a emissio das acres resa-
tantes.
As condigoes da emissao aio bem conhocidas
porquanto cnastam de annuncios feitos pelos jor-
naee.
Nio obstante os possuidores das novas-acroes
nao terem direito ao dividend do semestre em
qua cram emittidas, e ao estado geral dos nego-
cios aqui, aentro de uma hora, no proprio dia em
que sabho o convjte paia a subscripgaoodas acoes,
foi excedido o valor total da emiss.o, e tanta foi
a concurrencia quo nos tree dias emn que ella effec-
tuou-se attingio a 54,504 accoes pedidas per 202
psaoas, tend-) peor conscguinte se elevad) a mais
de quarenta e cineo vezes a quantidade n.-cessa-
i ia. .
E'umrn facto raro, que denot. muita confiatqa
nesta companhia, o por certo nito pogso deix:tr de
rcgistral-o corn prazer, facto este que servir-I de
estimulo aos Srs. accionistas para caminh-iem
desassombradamente em a nova senda qu Ihess
abre parsa o desenvulvimento da empreza afirm de
a collocarenm na altura das mai adiantad-is com-
panhias de abastecimento d'agua. A lei do pro-
gresso 6 impoata imperiosamente As emprezas in-
dustriaes, e des le que ellas nao a acom ,nha -nem,
cooservarem so estacion;trias, fatadin carlo seas intoresses, serAo victimrnas da inereia.
Ao mresmo tempo que tractava-se das opera(oes
da alteraclo do capital mandei lytographar os no-
vos titulos de aceges parsa substituirem aos anti-
gos, cnrno dispue a terceira parte do art. 4' dos
nossos estatutos.
NOVO ABASTECIMENTO D'AGUA
Em men relatorio do anao passa-lo disse que
urma das primoiras prccacpaVious da actual 'lirec-
gio tinha sido cumprir a.3 obrigfnas contraliidag
por esta companhiA. para a provincia pel:) eomtrac-
to celebrado a 17 de jaucirJ de 1882 ; e hoje ca-
be mne aeerescentar que tern men:irniatlo a ser
constaate est.- preoccnpay:o, que ncnhum m men-
to ternm se deixaitdo de cogitar a respeito, porque
consideramos o future da ceompanhia estreitamen-
to ligado a realisaiao do novo aoastecimnnto d'a-
gua, alin de que as comrpinhias,-cm r-aos indivi-
duos, gosam da estiina e coasiderabieo publica na
inesmia prp rel que cuinpremn corn seuo deveres,
e esta direc-i,) traiou corno norma de conduct
cumpr.1-os psntualmnente.
SAntes de termicrado o praso, foi apresentado o
novo project de abasteicnento d'agua, ernm-sabs-
tituiaiio aos contractados p--,lis Srms. Recd, Bowen
& C. ; e o Exm. Sr desembirgador Jos6 M;mnoel
de Freitas, muito digno president da provincia,
depois d .er miandado proceder as deligencihs
legacs, approvou o n, vo project, cfm 28 de junho
do anno fiid,), e doterminou que as obras tives-
sem come9o de execugao dentro de seis mez's.
Apezar dos embara~os que tinha euf tomar to-
das as delibera5es parsa immediatamente ser ein-
cectada a construcao, no entretanto tomei todas
as providencias necessarias para que as obras ti-
vesse comeqo no tempo fixado e prosegaissem
sem interru, Pao, e realmente a 22 de dezembio
foi principiado o assentamento dos novos encana-
mentos
PESSOAL TECHNICO
As novas obras exigem que eata companhia te-
nha um pessoal technico dcvidarnente habilitado,
que conhela todasas particu1-ridadrs d-p65s-i,
constantemente presida, assists a exeeucI)- de eA-
da uma das parties das obras, quer pela sun im-
portancia e natureza especial, quer finalmentS
pelo pequeno praso fixado para sua realisaqao, o
que torna necessario muita actividade e vigilan-
cia.
As minhas vistas voltaram-se logo para o an-
tor do project, o engenheiro Oswild Brown, o qual
offreeendo-me o seu valioso concursao em Lon-
dres, apresentou-me as procedentes razues que o
impossibilitavam de star auseate daquella cidade
por muito tempo, mas propoz o nome de un joven
engenheiro, Joseph William Jenkiason, que repu-
tava como plenamente habilitado para dar coat
da commisaso de que esta companhia queria en-
carregal-o, assegurando que durante os annos que
Jenkinson tinha trabalhado sob sun direcca.o, sam-
pre demonstrara ter oas requisites de um enge-
nheiro coma careciamos.
Engajamos entAo o Sr. Brown coma engenheiro
conaultor desta companhia, durante a execuoiio das
obras, e para inspeccionar o material quo t-'moa
de comprar na Inglaterra mediante a commiisso
do estylo. As habilitases e longa pratica do Srw
Brown eram um penhor segaro dos bans services
que nos prestaria, o que tern sido coafirmado pe-
los resultadoas obtidos.
Tambem foi engajadcs o Sr. Jenkinson para en-
genheiro residente, mas coma eble achava-se em-
pregado no abastecimento d'agua da cidade de
Adelaide, na Australia do bul, a6 poude chegar


aqui em 7 de janeiro deste anno.
Logo que tomaram se estas deciaies, forain dis-
pensados os services do Dr. Paulo Jos6 de Olivei-
ra, que servia de engenheiro da companhia, cujo
praso de engaiamentoja tinha terminado, por nao
convir renoval -o pelas razSes aoimi, ncm ser con-
veniente entregar a execaio do novo project a
quern,emmbora nao o imnpugnasse, nao o considera-
va como a soluqio mais aeertada, como aquella
que em seu entender devia ser aioptada de prefe-
rencia.
S6 tivem)s motivos de satisfaeo pela& eseolha.
do engonheiro Jonkiasoa, porque mostrou achar-
so na altara Ja commisnao do q'i f-ra incumbi-
do, qner pela aptidAo, quer pala actividade, de
modo que fiquei tranquillo pela part techiyea das
obras ; mas, infelizmente, em pouco tempo tive-
raos de soffrern* olpe dolormos- do&ve Jenkinao:
ser ataceado dMe ire a marella e suceuambir emi 4
dias, A 10 do-e maro, a despeito tdosr'nmiorm-efot-
cos einpregados parn salval-o, sem que Aada se*t!-
voes. peupado dosi meios, indidesda pela 8eieatlna
em taes: s I :
Permitta-geo1, aqui estampar a manifestacao
do mais profaudo- pezar pw tlo triste *-aeotejai-
Inento, cuja victim tinha a maior dedicaAo peL6
trabalho, conusiderava-o um sacardocio, e morreu,
pode-se assim dizer, trabalhando.
Em nomne da-companhia cumpri corn todos. -
deveres qua takes casos iin* ma. .
Semn demora, no diasegainte, auntorii, p-1-
legr~wmua, a. os Srs. Kuows & Fostatm,4it lt
o -eagalanuoto do tin- subitleW qua 4 te ': Po-,
tisaeu semdetengc;Ae- : correct tsa 0 -


. \
































o ao segue apresenta em resumo o
mbag no anuo proximo passado:


V vdrfaade 1e ha rnuitos. a qeflL 'o w; 0igfWa
qu- e o raanAacee, salloeoaotitai^dot iame6nte
pelas.-naeentes, iato ,.pelos lagar _'4'O l r.-
tarn as agaas, e provavelmente se admairarQdo :
minha preoeuapaqio, por6mi nieau intntto 6 corttes-
pander a couflmna em mira dep3sitada n^o limi-
tando me a questoes do momehto, e aim garaantia-
do futuroda compabia- e tratandlodoo seuasne'
gocios como o devem ser.
Em do virtude solicitaquo minha, a presideaoci&a
da provincial espedio em 4 de fevereiro deste'anno
o regulamento para as desapropriacies necessarias
para seroar realisadas as obras desta e ompaahla
e; em 17 de fevereiro do eorreute anno, -tambnen
por proposta minha, foi reeodhecida de .tilidade
public prefereueial provincieal a posse de todos
os terreaos situados dentro dos limited da pro
prieodad Dou Irmiwio pira o abastecimento d'agua
Sa esta cidlado, ficanlo por consegainte esta coin-
pauhia habilitada a adquirir por desapropriaglo
qualquer direito que sobro aquelies terrenos nae
perteut a -esta comnp .uhia. Trato de proeeaer
as coampetentes averiguat5es, e esparo caneluir o
negocio amigavelmente, para, o que empregarei
todos o 3 esfor.os.
Por oeeailo da compahlauhia ,da estrada de ferro
do Caxsongi pr)per z presidential da provineia a
desizaa-ab d, local para stafio terminal etn
Dous Irinais, uao pwlo dcixar de oppor-ine ao
qua preteudia aquelli cumpanhia corn prejuizo
desta; e fcr:oun tUijustas miuhas reclamacbes que
na )6 cs6alaram na espirito d1i Pr.sideacia da pro-
vincia que procurou hi nimisar as daas compa-
nhias, c.mn) tambcioa o gerente da referida compa-
nhia recouhaecau o quaiato tinha sido mal aeonso-
lhadlo o chegou a uma aceordo eommig.,-, adpptan-
do-se a soluVao quo nai, uus prejudicava.
Rahinaute nao so d.via tsperar outrra solugi,
porquanto 6 do propri, interessc das emirczas o
est:irem em hartio-aia, d1:- A quie aquellos que as
Sdirigem boin co:nprehaiad.dn a missao do que cs
tao cunarregados, piiacipdiant3 quandlo os int3-
resses dlias se encoutrain.
Desde eutilo tcmrs eaimii-nhlo no inmelr acoor-
do, e o ger'ote d'aquella coanpanhia mostra-so
bern dispoato a que jaimais s( de novo conflict, e
1 boamente o ereio, prquc assim o tern demons-
trado.
Para cvittr co iplic:,c3 ftturas, c para me-
lhor garautia das du-ts .rtos coSatractantes, la-
vrou-se nina escriptura public a 19 de mar~o de
1865, na qual esta compatnhi~t prinittio que aquel-
la estrada de ferro coustruias sua esia:o tcrmi-
naL. em terras d cng'oah) DOJus Irmnios, no local
escoihid pclas dunas parties c)ntraetantcs, obri-
gando-,'e a inemnsrI estraid-'. de feorro a ceder a esta
comrnanhia p iri s3u ruo czusivo os trilhos em
troionga-oento A mes.a i csta;io ati em frente a
casA d".s mitehinas, e a lovautar s restantes, n io
podendo in-is assental-os d:i nuv) em qualquer
dii cei cedendo um passe gratuito para servio dcsta
compaouhia.
MATERIALS


Qaaudo f)i app:-ov;v o n Iuvo project dc obra
possu~a:nos umacert, qintrtidaiode duatnriaes que
tinh-am sido cominpra,-d!oas cua d3stino o melhora-
nmento que pretendia r .alisar, e quo podliaill
servir para o coraleo d-i obi as, co:mao oa aprovei-
tai~os.
t mt das primeiras provilencias a tomar para
levar a effeito as obras, sen interrupao ncnm de-
sorganisaa,.)l de servia,), era a asopia6lo dos ma-
teria -a coin a david-i amf.ct.d.ini, e dist cogita-
mos conj'nnctamcnte corn as otrras medid is.
Aqui dove fear registered o ahonroso proaedi-
mento dos corresponutites deota companhia em
Londres, os Srs. Knwies & Foster, qu ao tereri
coanhecimeuto do piano das obras, offereceram-so
i immedialamente executarem as eneommendas de
todos os mat-riaes e ferranentas, fazmdo para
esse fiai todos os adiaattamentos precisos, median-
te o mediojuro do costume, ate que esta Compa-
nhia incluissc as opcracoes decredito que tinha em
vista.
Essa prove de eonfiaUa manifostada einm eleva-
do valor, dove ser considerada como muito lison-
geira para esta Companhia, e torna-os merecedo-
res de nossa gratidao. Outro procediiaento nao
devia se esperar de tiio honrados commerciantes
que serve 4e correspoadentes desta Companhia
desde sua organisiaA,-, a mais de 40 annos, o sem-
pre reveliaram o maior zeOo e probidade.
Desde que se tratava de materials em grande
quanticade, recommended que se abrisse concur-
rencia entire os fabricentes melhor reputados para
cada unma das especialidades.
Tanto o fabrico como o recebimento de todo
ease material 6 inspeccionado pelo engenh iro
Brawn, de aecordo corn as especificaSes o0rgani-
sadas par esse fim, pois A indispensavel ter par-
tigcular cuaidado quer na boa qualidade dosnatenAl
quer no ftabric por causa da elevada presslo a
que tern de resistir.
Grande parte do material metallic e ferramen-
ta ja tern ehegado, e o restate aqui desembarca-
rA dentro de um mez.
Os outros materials qne tambem teem de vir
do estrangeiro chegaram dentro de trez mezes,
porque recommended que so6 fossem embarcados
em epoca a aqui serem recebidos depois do inver-
no, para nao ticarem avariados, como asoja o ce-
mento.
Tenho ad6ptado o system da coneurreneac a para
adquirico dos materials em grande quantidade,
todas as vezes que 6 pcssivel; e assim como man-
doi proceder deste mode no estrangeiro, o mesmo
tenho feito aqui; e jA fiz anauncioa paa o forne-
cimento de pedras e tijollos pars o reservatorio
, de D-is Irmios.
\ ENCANAMENTOS
ae novas obras foram encetadas pelo assenta-
ment\dos enceanamentos na cidade, pnincipiAndo-
se pela' ua Imperial onde tfoi aessentado o primei-
ro cano lm 22 de dezembro de 1884.
0 trabaio foi Modo feito eomnbreviddef, em-
boer neo emregassemos muito esforno pela cspe-
rt do materiael4te modowe no meiado de marq9,
quando os paralylei, apds o fallecimetnto do eng,-
uheiro Jenkinoson9, ja estavam assentados 5,179
metros de canas.
O ennanamentoS asseatatts sSa os segauintes :
Rua Imperitl, do Viveiro-do %WaUnis cA igreja de
S. Migueld ens Afogada, send ,656 metras de ca-
nos 6, Qm'fa0 (8 pollegad"a ingleca)* de diama^
trs te ,1,4i1 do 0,152 (6 polegadae), ce m92hu
A I4l Jmi.AO. *


oarqueI so cloOcara Ur u g iute, eB -atm a
dentro do terreeuo se Is r uha de arri
de ferro. .. .. ... : : : r
8 'Se conasiderar-s a-qua;it donatriqu
teremas sempre de o ie 'a eU peso, fi d
comprehender a vantage d,"Ii udau"
Ja foi principiada a IsotWacglo do ediOio'
para offlaiua,e trata-se da doteleiros, etc., para
que eateja concluidas a'mtes d. reComelarem-se
corn afiuco as obres que foram piralysadas, e co-
meoada5 as que ainda nai o tinham sido; e eon-
cluidos que sejam os preparations dos novos arma-
mizens, so poderi vendor o terreno da rua de S
Joito porque ficarA sem prcstimno para eqta Corn-
panhia, e assimn muito diminuido o custo do novo
terreno.
MACHINES


>:i~


,i
e!


so


Para que as machinasposam star fuuccionan-
d em 22 de dezembra do proximo vindouro, indis-
pensavel era que no principio 4este anno fosse au-
torisada a conastruoe dellas, e assim se proce-
deu.
Remetti aos Srs. Knowles & Foster as especifi-
ca'5,s feitas peio engenheiro 0. Brown para o fai-
brico das maehinas. afim do convida. aos mais
afamados falhicantes a apresentarem suas pro-
postas.
A16'n das eondie#'s dcstinadas a esaegurr as
boas condic5es das machiaas, exigia-se do fabri-
cante o asentamento das mesmas machines, 1 res.
ponsabilidade do funecionamento no primeiroanno
para verificarem s3 todas as condi5coes do con-
trU'acto, e finalmente a determinaio do maximo do
cjusumo do carvao.
A ultima clausula merece muita attena'o em
tats eucommeadas, porque refere-se a uma des-
peza pe:inaaente, despeza quo, as vezes, em al-
guns annos absorve a cconomia no pre9o, e d'ahi
cm diante a machine torna-se mais cara do qne
outras que apenas o cram no custo.
Os fabricantos a quem remetteram-so as espe-
cificaoees c pedio-se a apresentaygo de propostas
foram os seguintes, cujos nomes sao bem conheci-
dos e altamente repaitados.
Joseph Falcot & C., Paris.
Simpson & Cy, Ldudres.
James Waitt & Cy, Soho.
Laidlaw & Son, Glasgow.
Hathon D.avey &( Cy, Le -d3.
Corliss Engine Comnpany, New York.
Holly Munufacturing Coinmpany, N;w York.
f. Worthington, New York.
Apenas apresentaram propoatas os Srs. Simp-
soe & C., Hodly ManufActuring Company, e de
nvo ten:o sidej pracurados alguans dos eutro3 fa-
bricantes, declararai' seram muito rigorosas a3
ciausulas, que entregariam as machines em seus
est tbAelcimentoas sob f6 do nomn da quo goze-
vamn; e entao aceitamnos a proposta dos Srn. Simp-
son & U, do system Cuwper, pelo prc;o de
11,673 ; e logo que cheguem os daseuhos manda-
rei construir oa edifieioa que as deverrao center.
RESERVATORIO ".


A construceio da reservatorio deve effictuar-se
dentro de uann esataio de verao, send coudicA,
imperiosi o tel-o concluido antes deo cahirem a3
chavas do invern) seguinte. Assim peis as obras
principiarno peol mez do agasto ; j i eastao tonma-
das todas as providencias aeeessarias.
Dentro do pouco deverA chegar aqui o plano in-
clinado que mandei buscar paxa subida dos mate-
riaes e deseida do praducto das excavas5os ; como
tambem espero outros apparelhos precisos.
0 cemento ji foi comprado na Iluglaterra e todo
elle aqui chegarA em agosto, nio viudo antes para
nao fiear avariado corn as chuvas ; chamei con-
currentes pra o forneeimento das pedras para
o eoacreto dos alicerces, e dos tijolos para as pa-
redes e abob.idas do reservatorio.
Alguns trabalhadares etao procadendo a roga-
gem do matt.
CHAFARIZES
Tenho promeurado corn a devida antecedencia ir
adquirindo easinhas e -terrenos para collocaglo
dos ohafarizes, de modo que fiquemr livres do dam-
no que trequouteamente soffrein a noite, e pae que
tenhabm elles outra fOrma que melhowr preato-se a
fincalisa* da renda
Alam disso serA um bem public, pelo e formo-
seamento que provirA do desapparemimenoto dos ve
lhos chafarizes.
Primeirameute tev-sw eam vista oUocar um hy.
drometio em eada. chafariz, ma se isto saervia
para medio, da quantidade d'egua, na impedia
o desperdicio, e nto dava teo eiguo resultado co-
mo o que se preteade faxer.
Nas easinhas de chafaris: eoloaar-se-ha apptre-
Ihos munidos de torneira que d& eada ves que se
abre sad da a quantidade ear epondnta a um bal-
dr, movendo ao memo tempo ua numero do mos-
trador do mode qne no fim do di a sabe-se exacta-
mente quantos baldes d'aga forum vendidos. 0
apparelho e inteiramente novo, fci precise primei-
ramento construer u par maodelo, corrigir-the os
defeitos, pare ad resolver definitivamente, no que
so despenden to*apo, pelo que ainda nao esta con-
cluido este negoeio, mas espero termos todos eastes
apparelhos at o fim do corrente anno.
Apenas tomes antiguas caamhas de chafariz no
Forte do Mattos, na travessa da Concordia e em
Santo Amaro das Salinas, e tbram compradas a
de n. 14 do Largo do MrA-do, pare o chafariz do
memo nome, o ue aio qn uantIae d'agua yen-
de, a do n. 56 da travesa do P ta a o ehafa.-
tie. do- ?oio Lued.At &Jrde
easna. 5M d- ruMae -4.i par&a o chifauz
do largo div dedade; a tenho %A-otablado aego-
io c tn s i9tgae'inatw.
A Casioha da avessa do Prat ^ eatA re4NOW-
truida, filtando-'ho, poram, a colleca#o dos ap-
parelho. *.

SPEr os-a tona-ate liunitadis al squiza do systs-
ma do hydrouastro oqne dev ps-efosri't. -
*agmheiro Br'iown 1 P ikawas -.tem i


Org~iaqk o 4pro-

Canoa da tomada das
aguas liee
As aentamento dos
Memo egxtleriad do
Maettlu, caldeirus a
accessrioa
Cases das macinas,
caldeir.s e alicerces
ChaminW e cano de
passagem
Reservatorio de dia-
t^nibui~ai .
Canos de doifribuiqlo
Assentamentoades
mesinos
Machines e ferramen-
tas para as obras
Officinap na cidade
Machines e ferramen-
tas para as officinas
iHydromet~s
Indemnisacio de tor-
renos
Direceto technmca das
ebras e empregados
Aprovisionamento do
apparelhos para de-
derivacoes de penas
d'agua'
Chafarizes econstrue-
ilo de easaas para as
mesmos
Eventaacs
Apparelhoa para ex-
tincqlo de incendios
Direitos pagos na Al-
fandega
Despezas ainda niao
classificadas


3*7881

69;91~04

218:000A

50:0004

10:0001

139:1125
301:1155

82:8605

22:50P0
10:0005

12:0005
50:000;

5:0005
60:0900;


167:1310027
8:1855303

9"0275475
3965530

10:1435066
1:087A905


14:1814108


10:000U 6:6615126'

24:0005 3:0735920
81:7155 3:836,820]

1:0494790

54:8864666

3:2724180


Totaces 1.170:0005 316:3306181
As deapezas corn os apparelhos para extinct o
dos incendios nos sonrlo iudemnnisadas pela proviun-
cia como dispha o art. 13 do contract, de modo
que apenas faremos o adiantame-to do dinheiro.
Em capitulo apart trato dos direitos pagos na
Alfandega, cuja importancia nao foi nmcluidi no
oacamento em virtue do art. 26 do contralto que
celebram.-s corn a provincial.
As despezas ainda nio.cbassificadas silo feitas
corn inateriaes que tirao diversas applicaghes, c a
proporcao que vi!ao second empregadas, escriptu-
ram-se na verb% compentente e elmina-se da pro-
visoi Ia.
APPARELHOS PARA EXTIN5A -' DE
INCENDIOS
Temos diversos dosses apparelhos que mandei
buscar coimo amostras c as informnaoes Lo suffi.
cieniis par a basear-sc o project e orcamento para
o servi~do de ineendios, cujos apparelhos serlo for-
necidos p)r esta compauhia, nris a custa da pro-
vineia; pelo que logo-que esteja formulado o pro
jecto e ornamento submettenci a approvaau daI
presidencia da provincia.
APPARELHOS PARA IRRIGAIAO
DAS RUAS
Temos tambem as informaoe5s mas falta-nos
aiudais os apparelhos de amostras.
Esses apparelhos correm par conta da munici-
palidade, a quem apresentarei nao s6 o project
como o orgamento e amostras para que previa-
mente fiquem ajustadas as coadio5es.
ACTUAL ABASTECIMENTO D'AGUA
E' boern conheeido dos Srs. Accionistas o syat-
roa do actual abastecimento d'agua para que en
me dutenh-m em dar muitos detalhes.
A distribuicao d'agua polo actual system, como
6 obrigada esta companhia, palos anteriores con-
tractos, em quanto nilo ficam concluidas as novas
obras, funcctoaou perfeitamente bem sem o menor
motive de censura.
Da tal modo satiafactorio 6 distribuida a agua
que muitos, que nio conhecem as vantagens do
novo system, consideram como dispensaveis as
novas obras, bastanuos impleswento assentar canos
nas ruas em qu e ain4a nao os ha ; porm4 do modo
algum me deixarei afrastar por estas opinioes.
A quantidade d'agua foneeida regulou, term
medio, 3,600 metro cubicoa por di% o quo cor-
responda a 45 litros por habitante. No inverno a
media do tornecimaento foi do 3,400 metros cubioos
e no verao de 3,800 metros.
Forga 6 confessar que uma grande parte dessa
agua 6 perdidapelo desperdicio na& peaas d'agua
quer pehl defeituoso system de graduagro, quer
peiaa mas condig6ei dos eneanamentos das dni-
va.aes que tend skido feitos corn materiaes impro.
prnios em ponoo tempo ficam estragadoe, e deixam
eslcaar agua. 0 unico paradeiro a por 6 a com-
plota substituigo dos eneanamentoe das deriva-
95es na part que prejudice a esta coampanhia,
como ja foi deliberado na aesemblia geral dos Srs
accionistas no anno proximo passado.
Nenhum melhboramonto emprehendi por ser des.
peza inteiramente inutil, quiVA prejudicial uas no-
vas obras polo que me limited a manutenulo do
antigo estado do eeusas, nas melhores condi95es
de conservaao possvel.
MANANCIAES
.0 aqude do'Prata foi o que forneeeu major
quaatidade d agua para abastecimento d'esta ei-
daee no anno social fiado, tendo-se eonservado
nas mesmas eondiOes descriptas em men anterior
relatorio, notando-s sornente abaixamento do ni-
vel, no fim do vera, eam cosaequicia da soeca
oe ultimamete tam l4a -est prorvinucia, no
dese -mat4. aisde0=7, m JA eame aste-
bir de onov-.
Ptra re"ahmenteoeasoldarus ribanceiras do aga-
de do Geraiano teho mnandado arraucar as esta-
eadas enfineadas nopal, as. quaes, em vex de bem
Ystav am cguaada costautes demoronamentoofe


motros ae canoe ae 0
pico, centre a rtua do
metro* de 0,152 (6 pol
;aqgeir, centree r.ertn
d.e erro do Cazangr


Horas de traba-
Ilho par ifi I


16. 1.4 -- -


Horas de traba-
Ihopordia:
I midia If


"ab -"j&-j-. "k.rvrr
te a' 'O otb Oen o qA^ at Cc _____

cobtww toS bS b9 to wO b to w9
. .. 4htSO Golpe8 doe cen-
^NN bplos poar mez
;f. 4 C" do -7l w3 IS0c- tl uw u
I c.6 o I." to

I Gulps do8s em
ooooopoo o ooco bolos poT mi-
90- y1 nuto:m~dia
c)11ED w t-1 ]w- mp )
6~A A -AI
80 C> cz0 0w 0 0. t o co
A w P" 0- CD QU, LD Quantidade em
ox C% CD 0 zW litro8pormez
v 0mCo 1r toto 0 o UR o*dg
9 0 -oi o0 0 0 C. I

?1 Wo CM *CO C*o :o4 po o Quantidade em
w:, ND w v ?-A 8 litros por"dia:
w m w media
'Cm '-1i'-0 *0 3it^*'1 'i^00
EIZ 0 cc, 0O CDtW= 033zw'S0
WO Z C) 0 0C c Wf. C7 _W_> L ID________
Pressdn d'agua
em libs. por
| poll.2 illgl.:
S| m~dia

SPressao d'agua
em metros:
e~sio e y. ^'^ media

I Consumo de car-
0S00 0000Si S = .=vao em kil.
to b 0 .. pormez
zo00 1 0 C 0 0 a)0 0 0 _


Apenas
name ntos.


ENCANAMEMTOS
ligeiros reparos foram feitos nos enca-


Sdmcnte no anno proximo vindouro se procedure
a limpeza dos encanamentoas a que me referi em
meu -nterior relstorio, porquanto Ideve se esco'
Iher para este tirbalho a estacibo invrnosa, quan-
do h-a menor consumo d'agua, e conseguiaternente
quando nao ser.nimuito sensivel qu'dquer interrup-
cilo passageira queo possa haver no fornecimento
d'agua.
Conti que neste inverno podessemos realisar
este service, mais, embora tivesse-nos chegado com
a dcvida antecedencia a raspadeira mechanic,
nio reeebemos outros materiaes indispeunsaveis.
Accresee ainda que dievendo entao jA estarnas
sentada a nova linha de oneanameuta, no caso de
necessidade poderemos recorrer a ella para o for-
neeimento d'agua.
Nao convem precipitar as obras, o publico nao
precise s6mente do melhoramento, nao devemos
olhar exclusivamente para as vantagens que va-
mos proporcionar, o que imperiosamente se nos
impSe 6 fornecer sempre agua sufficient a popu-
lacio, sem descurar das outras obrigagSes.
Regulapnente se tern dado esgoto aos eaceana-
mentos para lavagem e sahila das incrustag5es
que vilo se desaggregando em virtude da maior
pressaqqfqe ha actualmente.
Crcio pd er asseverar nao term acereseido, de-
pois do annb passado, as incrusta$5es dos eneana-
qontos.
CAIXA D'AGUA
Acha-se em born estado de conservacio ; e con-
tinua a servir de chafariz, como expliquei em men
anterior relatorio, at que concluam-s u as -novae
obras e seja abandonada.
CHAFARIZES
Em todos os chafarizes existentes o fornecimento
d'agua foi felto corn promptidao de modo que no-
ahutm ajuntamento houve em suas proximidades.
SLimitei me a mandar fazer os pequenos reparos
precisos, principalmente nu- torneiras bieas.
Deade que em breve tempo vlo ser substituidos
Codos os chafarizea, nao me parecen prudent estar
a. fazer despozas cornm restauraeBos ou embellesa-
mentos, despezas inuteis, perdidae eompletamente,
pois o qie interessa ao public 6 a retirada delles
dos lugarm em que tio iucouvemietementeacham-
se colloeados.
0 consaumo media Bm hafarizes foi de 15 mail
baldes ou 450 mil litres por dia, elevando.s ensa
media a 18 mil no ver e deseeAdo a 10 ml no
invorno ; omaximo consumo foi de 20 mil baldes.
PENNAS D'AGUA
Pequeno foi o movinento nas pennas d'agna
durante o ann o find, tend havido apenas o ae-


cresemno de 174 pennas.
Eis a estatistica das pennas d'agua.
PEASA D'AGUA EM 30 DE ABRIL DE
Pennas Baldes Baldes
8 de 10 80
64 de 101/2 672
3 de 12 36
1.067 de 15 16.005
22 de 21 452
1 de 24 14
46 de 30 1.380
2 de 33 66,
1 de 36 36
72 d& 45 3.240
1 de 48* 48
1 de 51 51
14 da 60 480
1 de. 75 75
14 do 90 1.260
1 de 105 105
3 de 12 360
1 de 135 135
2 de 150 150
I de 180 180
1 do 260 250
I de 600 m

i$127 26.055


1885
Litras
2.400
20.160
1.080
480.150
13.860
720
41.400
1.980
1.080
97.200
1.440
1.5w&
25.200
2.250
37.800
3.150
10.800
4.050
4 5W
5.400


1P4NIAti JZE1A*UA
1880a1881 72:8815750
1881 a 1882 83:4055380
1882 a 1888 85:122S020
1883 a 1884 89:187$760
1884 a 1885 97:929180
CHAFAURZES
1880 a 1881 87:6245320
1881 a 1882 92.8125900
1882 a 1883 96:326 500
1883 a 1884 101:757,960
1884 a 1885 102:7640820
RENDA TOTAL
188C a 1881 172:6105951
1881 a 1882 191:2216989
1832 a 1883 206:577J067
1883 a 1884 207:5475454
1884 a 1885 215:852,690
E' lisongeiro o progressive augmented nas diver-
sas verbas da reeeita, sobresahindo o acerescimo
do rendas nos ehafarizes apezar de havw'r mais de
15 por cento do pennas d'agua, e no anno anterior
ter tambemrn acerescido 22 por cento.
Malor sera a renda dose cbafaiizes logo que ti-
vermos meioee'seguroas de certificarmo -nos da quan-
tidade d'agua vendida, o que obter-se-ha corn os
apparelhos que pretend collocar.
As pennas d'agua nospromettem um largo aug-
mento de renda, e nao me teria sido difficil ele-
val a a mais 50 por cento, elevaco quo se pode-
ria prolongar, mas consider isto daltamente in-
coiveniente e prejudicial A companhia emquanto
nio concluirem se as novas obras.
Presentemente cumprimos fielmwnto corn os n',s
sos deveres, mas estamas sujeitos a eventuilidad's
damrnosas, e nao podemos ir muito alc.n d'- estado
actual; e 6 preferivel estar habilitido a dar as
peanas d'agua pedidas, do quo fazer propaganda,
offcrecel-as, augmental-as muito, momentaneamen-
te, aagmentando da mesma forma a rrceita, e dq-
pois ter de estacar e despertar novos ciarnoros
contra a companhia.
Satisfiz-me corn o resultado obtido, doixani,
pormin a propaganda para ser feita quandi tiver-
mos agua em demasia.
Para melhor se ajuizar do de3envolvime:to dai
receita apresentamos o seguinte resumo potr de-


ceHl"c0.
1864 a 1865
1874 a 1875
1884 a 1885

1861 a 1865
1874 a 1875
1884 a 1885

1851 a 1855
1864 a 1865
1874 a 1875
1884 a 1885


PENNAS D'AGUA


CHAFARIZES


RECEITA TOTAL


15:7731081
66:5510910
07:929M180

76:166632
83:9293961
102:7611 20

G5:8903 48,
93:5G26531
152:4393861
215:852 690


DESPEZA
A despeza foi de 76:2143240, como vein -me-
lhor descrimirida nos balancetes annexos.
A comrnparaco do ultimo quinquennmo 6 a se-
guir.te :
1880 a 1881 50:8744275
1881 a 1882 55:194527
1882 a 1883 91:834M657
1883 a 1884 98:230518S
188-4 a 1885 76:2144210
Nos ultimos trees annos temos sid suobrecarre-
gados corn as dvspezas d) custoio das bi)mbas, o
que nio houve nos annos prec.,deutes, observau-
do-se que nos primeiros dous annos a que me re-
firt, fUi necessano restaurar muitas obras, de
medo que feitos as devidos descontos pode se
asseverar que a despeza tern se conservad a
mesma.
Fazendo a comparagn o por decennios; not-i-se o
seguinre :
1854 a 1855 23:8995J-i
-804 a lOGI 19.047635
1874 a 1875 36:186i434
1884 a 1885 76:21452-10
0 saldo do anno proximo passado fi doe......
139:638,450, o maior quet-'ve esta compAnhia.
DESPEZA TOTAL
Foi esta a despeza total:
Despeza ordinaria 76:2145240
Dividendos 84:9734)00
Novas obras 60:756A1e0

Total 221:943A420
As despezas corn as novas obras foram feitas
com o product do antigo fundo de reserva.-c corn
o saldo do anno passado nao distribuido como di-
videndo.
DIVIDENDS
Distribuimos dois dividends, como diap5em
no3sos estatutos. umn, sob n. 72, em 15 de maio de
1884, e outre, n. 73, em 15 de novembro do mesmo
anno.
0 primeiro foi na rasuo de 35000 por actao,
12 /, do antigo valor das mesmas, ou 6% do
nowo valor; e o segundo na razio de 45000 por
acco, correspondendo a 8 0/ do actual valor das
aeo5es.
Do saldo do ultimo semester diastribuimos, em
15 de msaio do eorrente anna, em o novo anno so-
eial, o dividend. uob a. 74, na prepo o de4d200
por -ee, ou 8,4 G/o do vor Bnmiunai, ou a7/o do
ultimo prego, 12CA000 porque foram vendidas.
86 distrimbuimos coma dividend urea part% dos
lucros liquidos; assim : em 15 de maio de 1884 o
dividend n. 72 fwi de 36 contos de reis, ficando
ainda 32:4501956 que foi reunido ao funlo de re-
serva, em 15 de novembro do mesmo anno o divi-
denda, n. 73, fai de 48 eastos do r&i, sobrando
ainda 17:191$320 do saido ; e altimamente, em 15
de maio, o dividendo n. 74, o nmaior atW hoje dado,
foel de 50:400$000, deixando unm rest do......
24:046040. -
VW-se pois que apezar de avultados, relativa-
monte, os divdidendoa poderiam ter sido maiores,
pelas grande reserves qoe ficaram.
ACOES
Forum registradau as-tranferencias de 714 ac-
O5e, send 295 por evoluao de hbatana, e 419
por venda, regalando os pre"os desta de 955000 a
109000 per aego._
Ulimnmeaete form registradas vendas a...
1205000 eada aeco.
Geralmente faeem as transaceos em particular,
pelo que nota se umam grande diveraidade de peos,
sendo alguns tio baixos que admiram; no entre-
tanto seria pare desejar que essass transac9oes
fussem sempre effietuadaa na bola ecom o fim de
ser o preco da vevda exeetamente aquella em que
a a*co 6 reputada, conviudo aqui deelarar que
oas mais altos pregos foram os obti-as em venda
pnblies na bola.
0 espirito dft lei 6 qne assim sejam effetuadas
as taUsnfureneas das ae e osa veondedorea de-
ea tfiear 'cqaene'ido porquo a aeipenreneia o
'prwa, d# qua wu larpnwatew n dom so
ehtreg" iB .titpat aes correctores para fa
Em UluZ |n pein-c uw *a ooe elevou-se de
'100190W w1 30A% it4oa maie 200/, prego
,essoV aa pe(nda -a- 140% de premia .do valor
1 aQW4 vlprttiivo, ea 2061a do aetWal valor no

- 111 1. T1;, 1 lI^ all T h'i WWA;^ilet^R1Wh l;.. s.- ~':.i1,


V iao cowacdiia i
21 da leiD. 243


Para asobias doabastedmefl iHa A 6BO I*-
dade, disposi'9o de lei qe
do justia que nao se naesco bma||
importaio.o deo materiaeas detinWdo
para aquelle fina, ampliagio das obras Prii
o quo era tanto mais just quatoah xideti"i
de circumatancia tinha sido deferid o -
mento de outra Companhia. .
0 Dr. Augusto de Souza L&o, digha prei-
dente da provincia, quando requeri a o Miaite-
terio da Fazenda, preston informal munrito *avo-
ravel a esta Comipanhia, e inesmno solicitou a refe-
rida isempao em nome do interesse publieo, como
a provincia se compromettera pela clausula 26 do
contract.
Ha pouco fui sorpreheadido corn a notioia de
que por despac'!o de 30 de maio ultimo tinha sido
indefirido o requerimento desta Companhia; mas
o Dr. Jacobina immediatamente recorreu da deei-
sao, e nao podemos considerar como perdidas nos-
sas esperangas em quanto nao houver despacho
definitive.
EMPRESTIMO
Ao mesmo tempo que tratava-ae da execageo
das obras propriamente ditas, cogitava-se de ob-
ter os mneios pecuniarios necessaries para aquelte'
fim.
A 1 de dez,,mbro de 1882 resolvestes em aswtm-
blWa geral extraordinaria que se contrahisee um
emprestimo para, corn o products delle, oceorier
as despwzas corn as obras ; e a 15 do mesmo mez
concedestes a direco a competent autorisaSo
para effcctuar a transactAo.
Em virtude da. duvida suscitada por occasion do
registry da reform dos nossos estatutos na junta
commercial, como ji expliqu i, julgamos preferivel
esperar pela dccisado do governor geral para entio
rea!isar e emprestimo.
Organisamos um proposto que fizemos distri-
.buir entire capitalisasi nacionaes e estrangeiros,


consultando-os a respeito.
As garantias do cmprettimo sAlo as estabeleei-
das pela lei para as obriga".bs (debentures), isto
c- hypotlihca d.3 bens e ren 'as da compinhia ; e t
detcrnninamnos na) exefder os juros a 7 /o, ainmor- i
tisando sc-o debito em 15 annos ; 8 effectuando-se
ais entradas ern quatro pre-staSes semestraes, son- l
do a primeira triuta dias depois de rcalisada a
trausU'cIo. ai
Q r'-iama)s assim estabelecer parallel o entire as _
condit5.:s quoe nus fossem iudicadas no paize nas
divwrsas pra-as estrangeiras, e mlhor julgar nao -f
aS das vant'ijosas da.transacyio ean si, comeo dos
lucros que colheria a c-mpanhia pela especie de
moeda emin quo so realisasse o negoeimo. .
Ainrida ura vez ficou patente o quanto 6 bern
funi'ado ocredito desta companhia, pois informa-
ram uos ser facil u realisaqlo do emprestimo, que -
na6 se propunham por na'o ser possivel competir '
coIn os nsos honradoscorrespondentes,Sr. Know- ..
lea & Poster, e entenderem que ninguem conse-
guiria maior's vantagens para compalnhia do que
os referidos errespond-tes, em Londres, mas es-
tavani prompt-)s a encarregarem-seda transaeao ;
e realmcnte foi confirmado o conceito geral.
Logo quo os Srs. Kwowles & Foster tiveram no- -
ticia da approval iao do piano de obras que iamos
execitar, de quo provavelmente teriamos de re- -
c-rrer ao credito, antes do receber nosso prospec-
to, off receram-se a tomar conta da transaca.o, -.
p igando-se-lhcs somente as despezas e a commia-
seo que arbitrassemo0seo. a4 -
Depois do maduramente estudado o n egoeio -';
rer.ettid -s tdos os documientos necessarios.Ai -
vstab Adtcid- que o emprestimao scria de 100 C.
brns cste ..rain., emaiss.1 ao par ca. jnuroA d, 7 /
ao anno, ou a 95 eoam jurors d,, 6 '/o, eqxg .,s eao
tradas, a.nortisae:u em 20 annos, a cotar do sao-
gundo anno cm que soe efreetutAgCsea --.... -
pagando-s( nos d.is primpiros soi t j _
1 :-- .. .0, .to osji B.. ..
pela prase estbeleeida na praga de L mdres,por-
quanto os emprestinmos de importaucia inferior a
100,01)0 uno toem cotaao alni, e conseguinte-
mcr.te sao n igociados diicilinente, sao mais one-
rosos. Alm disso nos proporciona maios de dar -
grande desenvolvimento as pennas d'agua, pois
em vez de rail hydrometros e nm pequeno suppri- -
mento para os eaucanami-ntos de derivablo, come
vera no orgamento, podcremos alargar-nos e mais
rapidamente augmentar a renda da companhia e
fazer corn que mais depressa a pcpula& o vA ten- _
do agua nos proprios domicilios.
Outrosim tinhamos a contar corn as despezasdos
direitos de irnportaglo, porque se conseguirmos a
isem rIo seroi talvez quando jA tivermos gasto
metade da importancia, e a restituiao faz-ae sem-
pre c-m grande retardamento, e provavelmente,
se a obtivermios, n1o podlri ser empregada nas
obras.
As sobras que houver serao applicidas ao res-
gate das obgrigaoes por meio de compra na bolga
de Londres.
A amurtisaaZo s6 come.-ira dois annos depois,
por precaucao, para dar tempo a assentarera-se as
derivacoes para as casas, augmentar o consumo
d'agua e a renda desta companhia ; assim come a
amortissiio em 20 annos nao sero tao posada, po- ,
dendo-se no entretanto solver o debito em menor
praso, desde que. haja recursos para esse finm, pro-
vendo-sq nossos correspondents dos funds pro-
cisos pata ir resgatando, alnm da amortisagao, asa*
obrigaQUes quo forem send offereeidas I venda.
Preferimos a bypotbese da emissao a 95 a juro0
de 6 o/, por ser mais vantajosa do que a feita ao
par e juros de 7/. -,
As 95,000 slo bastantes para as obras, nao
ha necessidade imperiosa de 100,0.a0, s6 accdi-
tariamos esta pelas raz5's acima expostas.
A primeira hypothese 6 mais vantajosa : 1 por
ser menor o encirgo annual, razio merecedora de
toda a consideraqao, prineipalinente nos primei-
ros annos; 2' porque nos vinte annos terA esta :
companhia pago de jurors e resgate do capital ,
cereca de 12 mil menos do que na segunda by-
pothese. "
A transaclao foi realisada no mes proximo pas-
sado; tend sido feita a pnrmeira entrada naquel-
le mez, e a segunda o sero em 20 de agosto pro-
ximo vindouro. -
As entradas foram caleuladas de accord eoam .
as necessidades das obras, sendo a primiesa pare
pigamento da conta dos Srs. Kaowles & osater
e para o primeiro impulse das obras, oe a -egund -
coincidirn corn a compra do restante dmiateal ...
eomeno das .obras mais despendioaatsw:ati tr
alguns meios de sobra doque fear a merct'^af &I|.
aconteeimentos embara~ado. o '
As duas entradas do emprestimo come ::7,
sensiveltente as quatrn do prospecto e .1n-
santa. ...* *'
PROPOSTA DE ORgAMENTO .
Baseando me nos anteriores balan~as orpaiss- -, i
a propoasta de orcramento que em noam do de o .,-..
9Lo lvos Joffeneca. .1; 1::.11 -11,* :1*^ l
A previsaa do anno proximo pasSado torsion-a,
uwa realidade, o qe aiunda mais tu ert sa ezan- .
tidito dos dadea em que nos firmanaos. .. --
0 total.dti receitae tekva-se a 868&469t20, : -H
que inelue-se n3.o .6o tom|udas d ontas ..^,a h. '
d'agu~a do anuno, comno tausbon d^ d.|i96-
* ashimenta aue nile realis, so eau -a *os a4n.'1 .-^


. I: -!:,


r L


" :" PIA


. OD,.



















































dezembro e
p Wmrw-dCe
ds41,0a 0lomc


*0VaWAmWnicip quo i-adeeytda-
Ip k" WhB39buO 6o *oabreae"ou`l- i
^bu x porne- do de docisi o do T ouro
urn" m vista do recurso que interpis, dei-
s a Pa-ded w ormss dav propriedades que

SS^ Aeoaia: oo meio dos embaram s e d4it-
uldads* -d sorte que tivemos que veacer,
2 *; *: b 4imestoe poupou ompregar *odoe Os esfor-
41eu alcnce e rafas .i unaidade de vistas,
''iIa dulea es, foiL possiel superar todoa
a e tplhar -o ca-ono odo pdogroso
dalti.dobbm publicO, oquo folgo em
| o *1 vE^UT nest& opeaaiio.
c ab aa aaViv* satisfiaLo de ser o interpre-
jtedosentit toda direcqao agradeeeudo-vos a
S eoostante anima*,o que nos podglisasts, 4gra-
do*a de wito que de minha part ainda torna-se
rn a sr.
S A eonftn"a que o public tern maifeatad o nao
a -o i egocios e future da compauhia, como tarnm-
beai Us fidelidade corn que cumprimos as obriga-
wc .oitrahida pars o melhoramento do abaste-
r pimento digs, impoe-noso ever de aqui expres-
mr nessa grrtid"o.
eAcife,jauo do 1885.
Cecliano Maedi Aloes FyNa.4
director gerente.



RIviSTI 11ARIA
AumemwI6& Prowvincil. Fanecionou
-B sob a preidencia do Eim. Sr. Baro de
sums, teado eomparecido 30 Srs. deputa-
1.,Jao approvada a actada sessio anteceden-
?4 1Sr. Rosa e Silva que reclamou uma
0tu ficaa parte em que se declarom ter elIe
y. iinib J &paar ao n. 60 deste anno,
AetiQ eom a palavra.
y~g.S-.L-jT dxaewusAo d2 reflngrignenta tda
anj I sbreops o 0 ^^
&s d e om relaQo a epidemia, que grassava em Ca-
S tekde, o tram os Sts. Viscoade de Tabatinga, Fiel
*ojiiro e6, de Nazareth, que apresentou
= madditivo ao mesmo requerimento send este
afil refirado, polo auator, e ficando assim preju-
do o additivo.
Pamou-se a l.a part da ordem do dia.
Coptinuando a 3." discussao do project n. 21
ute anne (orgamento provincial) f)ramn apoiadas
dCwersas emendas e urn substitutive do Sr. Meira
S deVasconeellos, e praram os Srs. Paulo de Olivei-
ra, Meira de Vasconeellos, Nylo de Miranda e
Arlo deo Nazareth, tendo side approvado um re-
quorimento do Srs. Paulo de Oliveira e Bareo de
iazeti, pars a 2.a parte da ordem do dia ser
dedlcada a discasso do referido projeto, e depois
um outro do Sr. EstevIo de Oliveira e Lma Frei-
/r Junior, pedindo adiamento da mesa discus-
A( o ate a pubiceao do supradito sbstitutivo.
O Sr. president nomeouma o Srs. Fmaneisco Ti.
* Wecio eJuvencio Maria, pars completarem a eom-
xi misdo de negocios eeolesMistleo.
2a part da ordem do dia.
Approvou-se'em 3. discuselo que foi enviado a
s emauslo de redace*o o project n. 116 deste
mno (autorisando a abertura de ereditos supple-
mentares).
S Adieu-so pela hera a 2.a disehasslo do rojects
: desteo auno (elevando a freguezia o district
de Psz dQiPalitmeira de Garanhuns, orando o Sr
Walde oNazareth.
Aordem do dia 6 continuagao da autecedente
V IPrmoltor publico.-,-Por portaria da Pre-
idoueia da provincia, de 13 do corrente mez. foi
S zomerado o bacharel Manoel Cabral de Mello, do
cargo de promoter public da comarea de Pio do
S Alho, vistu tcr side nomeado juiz municipal e de
orplos do termo de Nazareth e nomeado para
sbetituil- bacharel Marcolino Ferreira Lima.
T ia do Jury do IRecife -N'este
tribal fi. hontem juigado o r6o Joaquim Leo-
11d; de Souza, pronunciado no art. 206 do Cod.
Cus., porque, em 11 de marco do eorreote anne,
forib a Valentim de Souza Pexreira Moreno. .
0 ju ry negou a gravidade dos ferimentos e a
ir latranuis, pele que foi o reo absolvido pMr perem-
ll1'^1 p do de afo. *
| --_ saguida eoi julgado Silvino Jos6 Caval-
S' tte, praga do 14 batalhbo de infantara, e pro-
:- s' uciado no art. 205 do dito Codigo.
IM ceondemnade a 5 annos e 3 mnezes de prido
i.'-' omulta eorrespondente a metade do tempo.
^$/ Produilo a defesa de ambos os accusados o 0 r.
I'' LiB myg.io Rodrigues Vianna, advogado do.


a &a ZWepUo W Ae Wloaa V*m m w *--
,evera qae fra oivrti to46 Edmunds a,
mavitei aaapm oan!!; qae so i sgtavam Maris
Awalia e Antonia, as quaqm onvidiarn pars
abrineadeira de ona cans aspef~wo preOaOtes, fi-
cando dw exados Thomai Da 1)a a ee que se-
ga par a eisa d ao Wh i zona, d'oa
do vie LDativo embroagado, p e stratr n-
cass de .aria AmaMis; qaeu DOs oendo diso
privado chamou-o emA auiioe elle dera-
do o acadio coko fim desapartar 4%Pat,&a e evjr
um eonuflicto corn Dative; quoe fbi 0eSam oeoa'i
esbordoado per urna grsade nutero de individoa,
dos quaw eon ulrmilo Muaiao6 qaeq 6 sea
inifigo, e foi quem laseou,4he a eabeoa; quo (Ge-
neros soe proximou e pedio qaeiUo o masssem ;
qae bauhado em saugue retiroa-se sem' que a-
0ue o peowguis.o.
Geme eu o det dos quatro pimeiros res-
pondents, asuum a de lUAoceeio, dii que an 'm-
dividnaose o ehamarftm par a ports de Maria Ama-
lia, de cja saas s` iram maitas pessoas que o
esbordoa6 a, que eatevesjuanto do eognflito pedia-
do por IniQaeio; qe ouavio aum tiro; quae he
.foi dad o tornado um revolver na abe per queom;
quo vio Herinao im lata; e que Ilmnoeeneio rece-
boeu yesV de prisao.
Podenm "ad eom ouvida as t temateunhas,
Manoel seouso, resideate -o beecb da Bomba,
Justino CaliutrAstoe Santo., morador no ra d4
Coastlheiro Peretti, e Vicente de tal, morador -aA
rua de 8. l'rneic.
0 ewarivio remetta o preseate inquerito o
Dr. lo prm otor public, per atermodio do
juiz de dire t do 20 distnt. eritnaLt
Santo Antoio do Jecife, 10 de juiho
l885.-Astoio .wcario de Anis. s 7
Club doe e"raU ,PerfUUea6e
0 Sr. Dr. Barro i S oinodirigio-awo as seguintesa
linkuas, que boameate aceitm, eCom reetifi=Valo:
Srs. Redactores do Dirwie de Perummbuo -
Tendc lido a noticia que Vv. e8s. e diagram dar
a respeito da noaasa fts de doigoudltimo, cum-
pro-me, como president d sweiedtde, podir a VvY
Ss. umar pequea retfietaeo no fiual doesse otil-
em que entravam os escaleres Dick e ACeo, a
ahando eate ultimo, qae era goveruado polo imna.
Sr. JIo Alfarra: ao ter tide alociedade scien-
cia do desafio entire o escaler Meda e o vapor
Casesa, quo se teve lugar, foi tleito particular-
monte; e quae, finalmnete, 6 inteirameate fatles a
uotieia do btile do dia 18 do cotreate, pois nem
sequer ainda se tratou disso.
Agradeeondo eisa attenao son de Vv. Si. at-
teonto venerador, criado obrigado. Dr. Barr..
Sp0britAo,.presidente do Club de oBgatas Pernarn-
bucano. a
Corrole o miRiaeae -E' otitale do jor-.
nal quo, o basmuito, anaciaeoo appareceris a&
edrte, sob a dieeao do Sr. D. Joas6 Avelino Gar-
gel do AwsraL -
Publcado me dia do orroenat, o on lo number
tSaz, aa irinsa dos eatyles, ur attigo do spresen-
taio, do qual destcamo es te sitgaicativo tre.
ehe:
S 0 C o rreio Nhwal de epoad ns fileira
dos soldados ras da idaco rv a. No mo-
mento aotual cada um dove estar no eo post.
Se no o6 a revolau que ym do lfg.,o e ujo es-
trepito a s onve'do teoda part s co as ho a do
uar civilisao que se diatla, 6 a transormaCAo
que se op6mra aes oostumesa publioes, nas rags,
as inatituioes, no earator secular de certoes
factors, intirados a um julgameuAo iAs diantedo
direito, A zIns da diguidade humans, tendon par
base o respeito a toedo s legiti of interowes in-
dividuaes ue cro I-eran aibm "ra da1A6, o ams
quaos esti aIsda itifapieats U9646& a$4sas vast.
sommdoinaderteiam ltaseliae& a I 1'.1-111:
Comprimetasndo o novos. oltgasesajamo3-Ihe
long% vvads.



3ibihtheea P*alar* Wrafyb.
-Da visiaha provineia d aParsb no poe
a publicao do asegmste Bmbvie Bonda BiNit-
ca Popular so triusestro de asiriltah imofindo:


AbrH...
Maio. -


OUTSTAS



volumes caps-
WnmsA" 0 BI


p3di"i *ihA 0 1/21hors.,-. as mado

Ueusessfe do .aveirispo erawt"e
Isais object s m ^ :.'-1 ~, --;11 "11'1 111:.
Mo 490- Pi. As 4 khorsi, na, r&aM-0-01n


48 deedea

ArnAlmhi:
i: 7 hors. nas a d Asenio. per al-
P(aa^do ^ ^ Vol& Arm -i 11' hr 'W r; do*'11.


ILA&m dep di,
S deo AwlexBad*i1a Ma ri1 do Esp rito Rant

A-!a 2 hoa s, aCwpo Santo p or no vapor -
amcedes delSomma Barraii; is 7 horss-ea S. Fraul
Ciscoi POT alma do Dr. Paulo Martins de Alomsa;
4Aa7 hor~a, na matrix de-banao Antonio, por &I-
110% de Alexamdriaa Maria. do Espirito Santa
J~irawmaetewm-CMegadoodo norts no vapor
macioaal AfMnam .:
ianeol MioruO4, J4e" C. Psoass do e Mols, Ma--
Maoel Nogaira, Migael d4 Vimoneelibs, A. Mar-
i Manoel J. F. de MullU W. J. Jessop, Pompi
ib ago. Candid. F. de Soa Martins, Luiaz F.
de Soausa Martins, Luiz Vietra Perdigbo, ,Seo Hes-
ae, Porins aMaria Csf-, ManuoeU InuoceuCo Pere1-
rase sm senhora, Maaol J. do Nascimento, Jos*6
Joaquim Correla do Axsarnl Autonio M. de Arau-
jo, Jooe U de Sousa Biadetra, Pedro Luse, -G. J.
Kief eapitto, o pilot 4 naafragas da esamma bol
[a6des RteUlliua, Dciasa C. de Albuquerque,
Manoel Xivier Sobriaho, Fraeisco X. Barb Goemes, Bemvenuto C. do Naseimento, Autonip
Porreira Limaa, Joae Ferreira da Stva, OCadido
Jayme, Jos6 Pereira Borges, D. Ismenia dos 81n-
tos, Egydia Tortes, Dr. Candido G. de Albqquer-
que, Eutai dedo A. u Mello, Dr. Celaso F. H de
Sousa, s sa enhora ama esemiava, Jolo F. de
Oliveira, D. Maria &. da aearnm ) Lin;ia,1fea-
ry5 Gower, Augusto Riemam, Joseph -Vegnes e
Jouquim Augusto Goms. u.
Chegsdos daul no vapor ingles se:;
Dr. Aristides6alvao de QaaciroZ, saymaudo
aA, L"p Vaaconells, Mtria Francisae
J46,8, F. de Vacaellos, Silvino
ia C., Rodoipho Mira'ida d& SIlvA, Permii
eixeara Praga Jaetntho Doreira da Gaa&s e
tiaio Magalbes Oliveiom.
-ehidos pars a Europa no mesam vapors
ite, W Hoo 1, Jaeiatho Moreirs da G-
atonia M&. 4lo Otiv rLa, Mis Msay feauIliy,
Jaque J. Moons, Mmodi Nogueiaa, Mael
J. Josquim do A. Guimuares, J. de-sau
tba Oiiveira, Jo0s6 Magaibes, Jos6 Ferreeir Ju--
mior, Maaoel .rtado, V. J. os &dPei-
ChegAdos do al no #-naeiooa Jam-
Arnur Vaz, Joaquiln Israel,.Joaquimn da* Csta
Dour do, Manoel A do Nasetiment, Joui lerrbira
de Aeae-xes, Carlos Bisehoffe e Josepha Maria da
Conce~i&o.
Chgados da Europa so vapor ingln Trekt
E. M. Saudero, Mr. H. B. Forater, r. A. E.
Puanehard, J. Pate, OJacar Felinger, W. Lipmnan
IzidoroAlves PitAlo, Jos6 Ferreira de Castro,
Idahina Ferreira Darte, Claudiao Mai&, Jos6 Re
drigues Ambio e Jos C. Pereira.
Sathidoe para o sd as me amo vapr :
John L. Junior, C. A. Silveira e Sabiao Santi
go da Motta.
iera e crsuW" eaMI-Foram pratica
daw no hospital Pedro II no dia 14 dejulh-;aA
Pe Dr. Pontual: .
Posthotomia pelo proemso de Rieord reclamnda
por phymosis.
Dilata'io de fiWlatl, rect-peiaeaes, pelo thert.
m0 canferon,
Dilbtao de etreitamento do recto.
Pels Dr. Alcibiades Veiloso :
Excisbo polo thermo eaaterio do elephantiases
dos grande labios.
Pelo Dr. Vieira da Cuamba:
HyJdroeeie pla puaco e cau terisa b de -
trats de prata. ; '
XLoCort i ft da Rig. Os as. mais nr-
iaos a a 2 part2 da 22T.' ta (184 B d*toi,
te Pio do. SerVidores d extrhi 8
aBMios DU 30.0005000 a 1:0005000


1652 30:00(
83881 lOOO(
44,07
0.1 12:00A
1074- 10O1
2421
S1: 00

r65 M1OS 0 E 5005000-
ail 675 1428 2088 864k S54 6W41 6190
6776 -
.1 ^i. ^ :!1pnxxio as 8000d000 *1 11.
178 782 1304 168 3M4 3678 8946 40*0
4626 4864 4M3 6807 5716 5745 611 6286
"-~~~~ ~ ** .z ;:l:l^ .-~l Mit a rn^,'l^a a a^ .'


8 40a VOeAtU014 preaentft on Scrs. deseft1
a em 684 -uero legal, foi aborta s &sesso.
Po v lid approvada a acta da antceedente.
epados os feitos deraim-se os
JUL"a AMXRN TO&
Habeas corpus
ManootNepomueno da Moraes. Mandju-se
sottsr, unaiineulnto.
i .sktoaio rzmtel dor Araujo Twco.- Maadqu-so
atir o juizde rdireito de Garathunas.
JAOo Arotiano Vieira.-Mandou-ae ouvir o juai
do direct. do 20 ditricto.
Juvencio fmlorecido das&msatos.-Mandoau-se on-
vitro Dr. ehete de poleia.s
Agravo de peti*o
Do c!miretio rdo Lecife-Aggravanto Antonio
MPito Oorio, aggravades Barthohiomeun & C. Re-
ator o e eonselbeiro Arajo Jorge. Adjantos os
brd. desemb rgsdomts Alves Ribeiro' e Monteiro
do Andrade.--Negou-se provimeato ao aggravo,
uuanamerneate.


PASSAGENS
Do Sr. eonselheiro Freitas Henriquea ao s
conscltheiro Queiroz Barros:
,AppellaoSe crimes
De Timbanbi Appellante Mauoel Carneiro
Souza, conhecido por N6, appellada s justica.
De 8. Bento -Appeliante Manoel Francisco C
tado, appelada a justia.
0 Sr. coaselheiro Araujo Jorge come procaur
dor da corda e promoter da juastia deu parec
aos segaiantes feitos :
AppellagOes civeis
Da Paraltyba-Appellar.te o padre Felippe B
nicio da Foneca Gaval'), appellados oa orphi
filhod do finado Dr. Antonio Carlos do Almei
Albuquerque.
Da Cimbres-A.ppellanto o juizo, appellados
libertaudos Jos6 e Marcoliuo.
AppcllagAo crime
De Itamb6 Appollante ojuizo, appellado Igo
eio Jose Gailo.
Do Sr. coaseliheiro Queiroz Barros ao Sr. desci
* bargaslor Buarqae Lima. :
Appetflagoes crimes
WDo R icif' --AppltaueAt Aib rto Uoque, appell
da a jugtiga.
De Paalo AffLnso --Aippllantoe o juizo, app
lado Juao Pluhei:ro dos Sautos.
Appellach ceivel
D Patrahybl Appeilante FrAneisco Goo
arqes di fo'soea, appellado Luiz Francisco
&Asbutuerque Maradhbo.
Do $^desetmbargador Pires Ferreira ao
idesembaitdor Mout iro de Audrade:
Appellaoes crimes
De Ingazcirao-Appoliante o juizo, appella
Joaquinm do Nascimeawo Ferreira Lette.
-*,,;oel Rodrigaes
Souza, appeltada a jstapa.
Do Sr. desembirgadQr Aanteiro de Andrade
Sr. desembsrgador Pircas Gonaives :
App liaoso civel
Da Olinda-Appelitaute H-uriqae Ferreira Po
tes, appellado Mauoel Elias d! Moiura.
Do Sr. desembargador Alves Ribeiro ao i
conselheiro Freitas Henriques.
AppellaoSes crimes
SDe Igoarasssu-Appellante Moys6s, eaeravo, a
pdlada a Justica.
De 8. Jos--Appellaute o promoter, appulla
Thomaz.Uroa9alves dos. Santos.
Do Rectife-Appolante Innoeencio Lucio Go
aga, appellad& aa jastipa.
Do -. Miguel-Appelante Lourengo Jos36
Araujo, appollada a justia.


DILIGENWIAS
_Mandou-se ouvir o Sr. cooselheiro promoter da
jstia sos segvintes feitos
.Appellages crimes
Do Reeife-Ann uate o jnizo, appellado Je-
rOnymo Tavaiwvw
Da ludepeni-Appellante Firmino, esera-
o deIgnacio de Freltas Marinho, appellada a
De Ooyanna-Appellante Manoel Joaquim de
Sant'Anna, appellada a justiqa..
Mandon-se dovolver aojuizo a qu6 pars dar-se
-'Tta ao appellado r
S Appellaebo erime
Da Asoembl6a-Appellante o juizo, appallado
Francisco Alres de Oliveirs.
SFti apresentsa & mesa para providenciar a
S-Appellageo civel
-Do Limoeiro Appeltautes Jos6 Marques da
Silva e outro, appellado Jos6 Pereira de Mello


LOu Sr.
LNiIng
rbeiro

)oeoa


DI8TRIBUI90ES
Reourbs crimes
oUselheiro Freitas Henriques:
,ba ba.Reeorrate Augusto de Barros
.ecaroido o juice
epa~elheiro Qucior.z Barroa :
A-anetnprotoeo juize, rerrido Jos6


de

ame


sotros -Baiyos: -
oife- Aggravanto Migue
yves, aggravados Igascia
aouttro .


orretra -
S, appellado Jo.-
E-t Andtado:


;~av~I~eO~ndau41.


A^* anta8, dirogas produetos hirnico1
bo patosarux do Mar-

Nova wavblwg4
(Cervejaeta allwil) do Augusto Kruss,
S ccesaorea, ua -d Florentina n. 20 e
cap de 'anta Isal n. i, ondo soe acha
iraqueada ao roapditavel ublica a nova e
sumptuosa seoaso do rocreios; composta
d galerias, -pavilhoes e terravos, ew que
a Exaias. families poderio gozar das dis'
traooes de patinalo .o" Rink, music,
etc., ete- Jogas de bilbar e bolas. Servigo
prompto de refrescos" gelados e cerveja al-
lqom, ingleza e da miarca NovaHamburgo.
notlea ftancezt e droewaria dee Bou-
quayro! jr6reNa. SuieeenMorc
de A. Caore
Neste estabelecimento fandado desde
1821 encontra-se os products chlmrnicos,
drogas, tintas, oleos, pinceis, vernizes das
melhores marcas; todas as especialidades
pharmaceuticals dos legitimos autores, um
variado sortimento de funds o aguas mi-
nerses, os granules dosimtrincos de Burg
grave e products especiaes da Flora Bra-
sileira. 22 rua da Cruz, Recife.
Consultorlo medico cirurgico


dentario ;
0 Dr. Joaquim Camara dA eonsultas A
ruta do Barlo da Victoria n. 51, 1.o andar,
de das 10 horas da manila is 4 da tarde.



,e PUBLICAo A PEDID

le- 0 eserlptor das Cnlueo Chagas no
zo oratorio


Esta no oratorio o rableo eseriptor das cixco
CHAGAs; o hmjnes do b.*lan,3 fraudalento, o ho-
mnerm-corga, emfimi: qial outro mal das vinalas;
mas de mcmoria celebremcate triste e immorr,
doura!...
0 Dr. juiz do commercio marcou-lhe o praso dc
3 dis para apresentar defeza.
Tristv e compromettedora defeza scra a do ira-
cundo tallido!...
Sera-a ncudemnaao do reprobo no jmzo -fi
nal .
Qae raio de luz espacneara as trevas d'aquelle
espirito obseeado pela ambiclo para humildemente
dizer o-peccavi...
N'aquelle oce-ano revolt de fraudes e torpesas
onde encontrara salvaqao a area dourada dos seus
sonboss!...
Pobre eseriptor?!!...
0 qae dirA el le sobre os motives de sua fallen-
cia?
II
EstA plenamente provado pela correspondence
"# ttxosttirt, --rn-eart i sen airmo (seu comr
pdrsa passive)-- que a fallencia era precise para
condeguir seas fins. v
Or, um eommerciante que procara a fallencia
para conseguir fins, 6 porque a fraude-6 o ele-
mento dispositivo do actor.
SAqui, a occul:agao dos livros modernos do sen
negoeio deixando, entretanto, as antigos intactos,
vern come corollario do pianos preconcebidos.
Nao colhe, portanto, a evasiva quo por es-
tarem prescriptas as dividas inutilisara estas corn
os livros. a
Quanta iogeauidade do manhoso fallido em sup
por-se acreditado!...
E' verdade quo os seus artigos... fulminan-
ts... e qua o diga o Sr. F. Ulyasses.
Mas, o famoso escriptor das cuCo cucAAs ano
inutilisou, como disse, os seus livros; e, pra ser
aereditado, deserevena squellas oapas come verba
activa; dando, so mesa tempo, um solemne tes-
temunho de desrespeito a soea guia! !...
Boria muito pars admirar quo, o Ferrabraz das
Cico CkIag8, inutilisando livros, deixasse, n a pea-
quira que passou aos quo deviam compromettel-o,
ehegar A juizo um livrinho...; Mas preciosidade,
tio celebre come o nossoe here de eternal &mi-
narias; no qual, novo D. Job Tenori, notava
suas proeaa amantetas, eomo se 1e A fi. 16; e,
segundo ress a notes:
0 ditoso amante encontrira
0 que, por certo, nao souhara!...
Sfugi sensitivas
Que as almas esqnivas
Desmaiam lascivas
Da lua aso clarlo...
E em notes escuras
Oh bds que sois puras
Temei ventures
Qae eu sou D. Joo.
a E a doce Margarida ao deapertar no leito
Sem aquella innodencia oceulta das criangas,
Etivolveu seu rest, emra lagrimas desfeito,
No luctuoso veo das perfaoadas trangas.
.J. Bittehourt.



0 abaixo assignado, polo presented, vem
manifestar peraute o public desta capital,
em signal de uifcero agradecimento e ter-
ta a-. sos WI6. 8f. Dr. chefe deo
06t~i, e ftel Pamtoay, ao digno sabdele -

sr_ dAkkgooo _46FO B P~ reita, ePao
dO $|um Alm im I 6 4ow a
l~f864tbeftefpiclg
ioffiftil' ttto dia 5 do


&a. cir urgAl da_ Laud _o(fr -a
erasiee 4e 100 ec ^ aunlah: Tcoa l ;
do uwinunar-vow qu. as vossaa
obtiverm um rcsultado compteto;?I4f
livrJ da febre e rdo. asores noctum,1 e
iachaio edematosa dos members infera-
res; tudo desappareceu corn o usea da
Gapsutas aPeliatier. Cowno pore so appro-
Xitia o outono, epoca em que r ino as fe-
bres, desejo possrir o m 3io de sahir vieto-
rioso, se novamente a molostia saeommeft-
ter-me. P N'to podom havor palavras mnais
explicitas.

Suave, porkm poderoso
N. 306
Apesar do vigor e promptidlo corn que a Silsa-
psrriltha deo Bristol, iut. contra as molestias as
mais pepoheitasr, comtudo a sua ac. e tuave e
seaus cotnpoientes vcg.!tae4, emi nrtem-nte cura-
tivos o fortificantes, nmo sc auhaii desvirtualisados
por nenhumna substancia mineral. P6.ie-s-s admi-
nistrai corn tod. a segurauq:t as cran~as e as se-
ahora deuicadas, que padecem as molestias e des-
ordens pbyaieas inherentes uo sea sex, e achario
que 4 o unico reicedio pars seus padecimentos e
debilidade. Todas suas tendencies oe salutiferae.
Abre o appetite, tortifica o estohago, regular o
figado e o centre, cobre o corpo mangro e extenua-
do corn carnes novas e firmes, di torn sos nerves,
retfresca 03us wurculous, da elasticidade ao cor o e
suavisa o esprit. Basta dizer'se que dentro do
espago do 35 aunos, nunea coastou que falhasse
nina so yez no curative das eafermidades ulcero-
sas e eruptiveis.
Eucontra-se i venda em todas as principles lo-
j as de drogae e boticas.
Agents em Pernambuco, Henry Forster. & C0.,
rua do Conmmnrcio n. 8.


Programma


Da festa de NWs Senhora do

Na vespera do grande 16 do corrente atmeio
dia, e ao soum das excellent musicas do 2.- bsta-
lhao e da policia, uma salva de 21 tiros sonum-
ciarA ao povw desta capital a graude tests de Nos-
sa Senhora do Carmo ; e nesso mesmo dia as be-
ras do costume e corn a maior solemnidade haveri
vespers, estando a igreja iiluiniaaaa e armada do
melhor gosto pelo distiucto artist Bartholomeu
Valeriano da Silva.
A's 5 horas da madrugada do grande dia pars
o povo catholico, urna salva lembrara a todos os
fieis que 6 chegado o teliz dia da festa da grande
Virgem do Carmello, havendo a missa rezada co-
mo 6 costume applicida or& todos os devotes.
A's 10 horas do dia 16 impreterivelmente entra-
ra. a missa soleinne; ao Evangdho occupara a tri-
buna sagrada o excellent pregador conego Anto-
uio Eustaquio Alves e Silva.
A's 7 horns da note entrara o solemae Te Deum
pregaudo o BRevd. Frei Pedro da Purifica*Ao Paes
e Psiva.
0 vigario proviqoial convida, e espera que o or-
thodoxo povo da capital tome parte em todos os
actos em bonra da Santissima Vitrgem do Carmo,
corn aquella decencia, consi'leraAo e respeito, que
costumes, e ihe e propria como eminaentemente civi-
lisado e catbolico.


Remedfios que curaim
*em dicta e nem modfleagoes
de costumes
LABORATORIO CENTRAL
RUA DO VISCONDE DO RIO BRANCO N. 14
Esquina da rua. do Regents
Rio de Janeiro
Especificos preparados pelo pharmaceutico
Eugenio Marques de Hollanda
Approvados pelas iuntas de Hygiene da Corte,
Republics do Prata e academia de industrial de
Paris.
Salsa, earoba e manaei cars todaa as olestias
de polole, rheumatismo agudoe on chronicos e to-
das as aeffecues de origem siphilitica.
Pilulaa de velamina-eombate as pisoea do
centre, a o depurativas e reguladoras.
Pomada ante-herpetica-ceombate a esejseo dos
dartos e empigens em 3 dias. -II
Linimento ante rheumatico-curaas does rhett-
maticas, erysipelas e tumores.
Sabonetes de mutamba e andyroba phenicada
e alcatrno sulphuroso-eucekfn es nas enfermida-
des herpeticas, manchas e ulcers da pelle.
Molho maritimoe-preparado corn mos succos da
pimenta malagueta, 6 um bom excitante do ape-
ttie.
Injec*o vegetal de sambaiba e eopahiba-cura
radicamente as blenorrhagias chronicas eu agu-
das.
Deposito geral nesta provincial em casa do
Francisco M. da Silva & C.
ellfe


Mudan a
na do Bar! de I. lorja, on-
-tr'ora do Sebeo, un
0 -antigo collegio pars neninai -denomi-
nado Nossa Senhora da Penha, -mudou* /
se pars o predio acima dito, em quo ese-
ve o collegio-Sete de Sktembro. /


-



SODr. Joaquim Camara tendo obtido res-
tabeleeer-se do seas encommodos no iute-
tior dosts provinmet, abre de nevo Ion con-
sultoie A a do Bara da Vietoria n. 51,
filo almar; "
Osc nheeimatosadquiridossna haropa4
seerba de mosestias dabocca habilitamu-o)
ae-ncarregatr.se de qualquer trabatbod..
oururgia e prothosse desteno;a~ eartti
doutescousantbcsia potr eiode4 aEf-.- -^


!' '


















'' i*": -
A-

St


L


II-;'


/""









4


/
',1,


)

4 *


N'
iv


k


=1


r m- ^
i-.^..;.-^


mosen-:]to
JA


I





































J. Evangelista da Silva tern e POeu eseriptorio
rua Primeiro de Mar9o n. 18, 1' aridar, e attekide
a chamados iota desta cidade.

OCULISTA -
0 Dr. Barretto Sampalo, noodico
oculists ex-chefe de clinics do Dr. do We-
rker, de volta de sun viagem aso Ceara,
contirna a dar consultas A rua do Barb da
Victoria n. 45, segundo andar, de. 1 as 4
horas da tarde, except nos domingos
dins santificados. Chamados em seu con
saldtorio ou em casa do sua residencia
run de Riachuelo n. 17, canto da rua dos
Pires.


Dr. Cerqaeira Leite i

De volta de sua viagem a Europa onde
frequentou os h,.spitaes de Paris, tendU
feito eurso especial do molestia de shnbo-
ras partt) e molestia de meninos, abrio
e seu conisultorio A rua do Marquez de
Olinda n. 53. onde c-ncontrado do meio
di ia s 2 horas, e desta hora em dianto I
em sua residencia ao pates da Santa
Onrs n. 10.


Caridade
Ainda a pobre octagnaria do beco do Bernardo
n. 51. impetra as alnas caridosas, um obulo dos
que teem em considermacio a decrepitude na ri-
weria.


Dr. Souto Maior

Medico
Da consultas de 11 horas As 3 da tarde, na run
Nova n. 23, (esquina da Camb6a do Carmo) 1
madar. Chamad-a a qualquer hora.
Espoeialidade iaolestias nervcsas : tatques
Jhystericos e epileptacos, paralysis, nevralgias,
caimbras e dormenuias.
Trata o beriberi pelo meio unic e effiea, o gal-
vanismo.


0 atilouio Airm e Xall
Teo seu escriptorio & rua Duque de Caxias n.
l 1o andar.


Medico e parteiro

Dr. MA~luIM Loireiro
Da consultas das 12 As 3 na rua


buga n. 14 1." andar.
raria no Monteiro.


do Ca-


Residencia tempo-


D. Porcia Constanta de Mello, continue
a receber em sua casa, meninos de anibos
Sos sexos, para educar, ensinando todas as
materias litterarias proprias dos collegios,
music, canto e piano, e outros instrmen-
tes. Muitos trabalhos de agulha, o tnrtes,
e diversas linguas. Por vinte e cinco rail
reis mensaes pages adiantados, e urn pe-
quenajoia a0 entrar todos os annos coin-
^ former ajuste.
Na passagem da Magdalena, run do
.:).ili Dr. Epaminondas n. 1.
lBaeamitniBmo chronlcoM. muolestia
eda pele, Intfartem, i-mpigens, e-
fy creOfulao uleetam, 'wicios da an-
*e e doenea syphniltieas,
As unicas vcrdadeiras Grag6as depura-
tivas ioduradas do Dr. Gibert constituem
o melhor e o mais agradavd, active e eco-
^ nomico de todos os depurativjs conhoci-
dos. r .
. Contvem a todas as idades o a tods teme-
seramentos dos dous sexos.
Encontra-se em todas as pharmacias e
SDrogarias.


Ao public
'\ Os abaixo assagnados, tendo registrado e depo-
s sitaro as ehas marcas induastriaes o rotulos das
" suas preparacoes na junta commercial do Rio do


" i gOI ERCiO
Bolsa eommerueal de ?ernam
buco
Reeife, 14 de julho de 1885
As tree horas datarde
lotaye offwia
Accoes da companhia do Beberib?, do valor de
100! apmreco de 1255 cada uma.


Vend


Na hora da bolsa
mm-se-:


5. .
em,1 .- -- ',


~4iejulho do
I a 13


a 1i~WIR5 S ERI-


1886.-O csewiv5o, I


2 -LARGO DO C0BPO SAT0-2
Machina superior, systemas Singer e
Whrcler & Wilson.
APBttPFIII[40ADAS
PKEMIADAS EM TOI.A8 AS EXPOSISES
Pilulas de itaIt md- Pr.
ti. ipando das proprilaeaa do IODO e
do FERRO, estas pilulas conv~m sorem
tomadas especialinento contra as doengas
t?(o variadas detcrminadas pelo germem es-
crofulas (tumores, obstrucoes, etc.) affec-
coes contra as quaes sao do nenhum cffei-
to os simples terruginosos; contra a CHLO-
ROSIS (c6res palhidas), a LEUCORRUEA
(perdas brancas), a AMENORRHEA
(menstruacao nulls on difficil), a TISICA,
a SYPHILIS CONSTITUTIONAL, etc.
Erafim, sto, para os medicos, urn agents
therapeutic dos mais energicos pars esti
mulAr o organism e modificar as consti
tuices lymphaticas, fracas ou enfraque
cidas.

~ ~EDITAgE~


0 Dr. Hermogenes Socrates Tavares do
Vasconcllos, juiz do direito da prove-
doria da comarca de Olinda, per Sua Ma-
gestade o Imperador, a quern Deus guar-
do, etc.
Fa9o saber aos quo o presented edital vi-
ream, passado a requerimento da irmanda-
de das Alnas da matriz de S Frei Pedro
Goncalves do Recife, que no dia 16 do cor-
rente mez, depois da respective audiencia,
o portoiro intbrino dos auditories desta ci-
dade, trarM do novo em" praca public de
venda e arreematacuo, A quern mais der,
o predio seguinte, pertencente ao respec-
tive patrimonio: Ulima ensa terrea sob n.
3, A rua do Santa Thereza, corn quatro
metres do largura, vinte e um de compri-
mento, duas salas, quatro quartos, cozinha
cxterna o quintal coa aberto, corn ports e
janella de frente, solo proprio, avaliada
per 2506000. Cenvido, pois, a todos os
pretendentes para comparecerem no dia e
hera acima designado efire de se effectuar
a alludida arremata~bo.
E pars que chegue aso conhecimento de
todos, mandei passar o presented edital, que
sera affixado no lugar do costume e publi-
cado pela imprensa.
Dado e passado nests cidade de Olinda,
ass 3 de julho de 1885.
Eu, bacharel Francisco Lins Caldas, es-
crivao, o subscrevi,
Hermogenes Socrates T. de Vasconcedos,-
0 Dr. Thegmn Garces Parxahos Moutonegro,
commenadanr da imperial Owdem da Rosa e
juiz de direito especial do coumercio desta ci-
de do Reeife, capital da provincia de Pernam-
-buco por S M. Imperial e Coastitucional o So-
ahor D. Pedro 11, a quem Jeus guale, etc.
Faro saber aos que o presented ed:tal virem ou
delle notilia tiverem que se ha de arrematar em
hasta public deste juizo depois da respectiva au-
diencia do dia 23 do current. mez e anno, corn as
formalidades e pregoes do estylo, os bens segain-
tee : 8 vaceas de late por 2405, urna novilba por
205, 12 bois de correia por bOOJ, 1 piano de ma-
deira de jacaranda por 1005, cujos beos vao a
praQa por exeuete que move Manoel Joaquim"
Alves Ribciro & C., contra Jose Mendes Vieira. E
nao havendo lanador quo cubra o preco da ava-
lia98o a arremata98s serw feita pelo precio da ad-
judicateo eom o abatirneato da lei. .
E para que chegu aso conh-cimoeto de todos
tnandei passer o presents edital que sera publicado
peha imprensa e aflixado nos lugarcs pubheos do
co tume de que se juntara. certidqo aos autos:
Dadoe passado nests cidade do Recife de Per-
Alfandcga do Pernasibuo, 11 ide julho do 1885.
s de o i laymnundo P.do 0. Moell.
A. A. ~Marcques.'1 :1.


DESPAC0OS DE '' illTAA -^
Vapor national Mandos, cttado dos port-o do
norte em 14 do corrente e conaiguado a Bernardi-
no Poi-tual, manitoston: :
Barris vasies 50 a Baltar Irmaos & C.
Chap6os. do Chile 9 pacoto l||tacbado & Pe-
Milbo 300 a-.co. a JoaJoaia da Fonaee.
: Pipats 20 Ia Baltar I &kAl6> a
Pinto A V1. Phs 8enapd. ^dea.eov^h^


61



l~~


**0 Dr. 1*' sa Qace Paraniso. Mon'ye-
e s4m ^r^a pdsaq svdo '1"- ., Commemadaor da imperi Grpem

'eve wmo* lde owaii~i elE9, protvin~a*C~i j cirz ePernem6zsc,por szta Mtages-
spci ^ ^^I s 5 aodi d impia e Ca o r.D.
daemaoto do So jae2ro do 1834, o rugin a Pedro II a quom Dens Ouarde etc.
matemia-dO co4 o 2~e tblle o'ul
judieiale nota, aerviodo o 10 do eosrivlo de o--, paQo abera os que o preoente edital virerm, ou
phos, eapelhaB e residuoe, eo 2 de escriviod f daBl netic_ tiverem que por parte de Domingoa
execu8ea civeis e crimes, e tendo aide omuidewa Pinto de Freitas administrador da massa fallida
do pow aviso de 26 de abril ultimo iavallido s een- d Josi Tavares Pmikeiro me foi drimgida a peti-
curse pasesse fia aberto em 2 de outubro de 980 do theory seguinte:
1844; de novo ponho era-coneurso os referidos of- Illm. eExm. Sr Dr. jail do eommercro.-Domin
fieios e eonvido os pretendentes a apresentarem go. Pintos de Freitae na qualidade de adnainistra.
seun requerimentos no prafo de 60 dias da data dow di masea fallida de Jose6 Tavares Pinheiro
deste edital de coafornidade corn o art. 11 do de- quew interroanper a preaeripk da lettra junta do
ereto n. 817, de 30 de agoato de 1851. As peti- aeeete do Manoel Verissimo Correia Mineo, cujo
oes, nos termos do art. 14 do citado daereto n. vencimento teve lugar em 15 de julho de 1880.
817, devem seo datadas, aseignadas pelo preten- E como quew quo o supplicante more em lugar in-
dente on sea proeurador, acompanhados de foiha certo e nao sabido, queso supplicante intimal-o
corrida, certidbo de idade e raeis documentoa que g do protests respeetivo por meio do citea~o edital
entenderem eonvenientes, todos devidameute eel .|e epaw isso o supplieante requer a V. Exc. se dig.
ldos ; de exame da lingua portuguesa e arithme- ne de admlttir a justifiear o allegado nos tento.
ties at6 as projorcuos, prestados em qalquer es- da deid Peti jus Pede a V. Exa. doferimento. R.
tabelecisnento de inatwnc98o publics (dowoto cita- M.--Recife 8 de julho de 1885. 0 advogado, Dr
do, art. 11); de attestado medico que prove nao Gones Parent..
tor o concurrente enrfermidade ou defeito physico oellada na formal da lei. E' o que se contem
que o ewbarace no born desompenho do cargo, em dita poti98o na qua! doi o deepacho do thoor
decreto citado, art. 12; cumprindo advertir que o sgiato.
exase do enficiencia semi. weguhado pelos dccme- Destribuida--Como requer designed o escri vbo
to. us. 8,276, de 15 de outubro de 1881 e 8,526 de dia pawna i8q8iiiao das tesneg nhas ecite 8 do
13 de maie de 1882. julbo do 1885-Montenegro.
E para que chegue ao conhecimento do todoe os d E por forga deste despacho ,depois do destrbui-
intereesados mandei passer o presented quoe ser da a peti9o o respective scrivao lavrou o term
affixado A port da casa da Camara da villa de deprotesto do theory segointe :
Correntes, enviando se urna copia ao Exm. Sr. As8 8 de julho de 1885 em men cartorio com-
presidente da provincia para o fazer publicar pela parece o solicitador Cussy Javenal do Reg e pe
imprenea. ranxie as testemunhas infras disse que em nome de
Dado e passadq nests cidado do Gamanhuns, seu conetituint.e proteatava pars interromper a
aos0 27 doe junho de885. prescrip9o da letrw de que trata a peticao retro,
Eu, Joaquim Arcelino do Mello, etcrivbo o es- candoa meera peticao fazende parto do presen-
crevi. t*. B de come aseirm o disse e assign. Do que
- Anionio Baptists de Malso Peizoto Junior. fis ete eu Vicente Maehado Freire Pereira da
EstA confomme.-O escrivi Joaquim Arcelino Silva, escrivao interino, escrevi. Cussi Javens'
dE Mello. odo Rgo. -Francisco Manoel de Almeida Junior--
deMello._ Salusto Lamenha Line de Souza.
0 Dr. Tkhoas Garcez Paranhos Montene- E mais se nao coatiaha en dieo term de pro-
gro, commendader da Imperial Ordem da teeto aqni c~piado. E tend o supplioante produ-
l?' ',,* /< ^'**, *,? ^ ^.^ ido suns testezunuhas juetilicando a ansencia do,
Rosa, iuiz de direito especial do commer- sippicado o test, e vin faea j solao a e prepamae os
cri desta cidade do Reeife, capital da autos os fe a mim conclusos nos quaes dei a sen-
provincia de Pernambuco, por Saa Ma- tenea do theor seguinte:
gestade o Imperador, a quem Deu. ,Visto. Hei per justificada a ausencia em in-
g et gar inserto de Manoel Virissimo Correia Mineo e
guarae, etc. m, anido que seja e01e intimado por editaes corn o
Faz saber asos que o presents edital vi- praso de 30 din. do protest de folhas para inter-
rein ou delle noticia tiverern, que se ha do rupeeo da prescripcao do titulo do folhas custas ex
arrematar per venda a quem mais der em cauza. Recafe 9 dejulho de 1885.-Thomaz Gar-
praia dcste juizo do sis da respctiva an- cez Paranhos Montenegro.
S .e zop d rpe a E quo quse eontinhaem dits senteona por forea
diencia do dia desaseis do julho do coren- da qual o escrivao faz passar o present edital
te anneo o seguinte: vinte bests de diffe- pelo qual chamo, cito, e hei por intimado, a Manoel
rentes cores corn o ferro C. X, avaliadas Viriseimo Correia Min6o, para que dentro do prm.
piburros corn so de 30 dine eomparea ante-este juizo afire de
por seis centos rai reis, quarto bro rn llegaw o son diroito.
o muesmo ferro avaliados per duzmntos mi! E para que chegue aso conheeimento de todos
reis, quatro bois corn o meatuo ferro ava- foi psasado o presents edital que sera publicado
liados por duzentos e cincoenta mil reis, polo imprensa e afixado no. lugares publicos do
costume.
urea canoa pequena avaliada per cincoenta Dndo e passado nests cidade do Recife de
rail reis, vbo a praca per execucao qu* Pernambuco, as0 10 dias do mez de julho de
move Joao Bastos de Almeida, contra Joe6 1885.
Mendes Vieira. E nao havendo lancador Sabecrevo e assign. Eu Vicente Machado
quecubra o preco da avaliacao a arrema- Freire Percira ds Silva, esewivio interino.
freita polo prc~o da adjudica. o Taormaz G. P. Montenegro.
tabatsertpo darei._ da ciddo, A__________ s i______u_________d
cm abatimento da lei. 0 cidadbo Aprigie Jose da Silva juin do


i jI para Sju uueguo as uuwt muuSu at
todos mandei passar o prosente edital que
sera puJiicado pela imprenea e affixads
nos lugare do costume. DPdo e passado
nesta cidade do Recife, ao 3 de junho de
1885.-- Subscrevo e assign Jos6 Vicnte
Macbado Freire Pereira da Silva.
Thomaz Oarcez Paranhoa Montengro.
0 capitol Joaqaimr Maned de Souza Oli-
teira 30 juiz de paz dafreguezia de Se-
.rinhd&m, etc.
Fago saber ans que o present. edital viren,
corn o praso de 30 dias, que por part do Manoel
Farreira Bartollo, como Successord Manoel Alves
Ferreira & C. me foi dirigida a petiglo aegainte:
llim. Sr. jaus de Paz do district de Serinhiem.
-Diz Manoel Ferreira Bartollo, negociante ma-
triculado na .praca do Reeife, herdeiro e sneees
sor de Mauoel Aives & C., digo, Manoel Aires Fer-
reira &O,. que sendo devedorJoa6 Francisco Acci
oly Lins fno valor de 17:0005000, |iltm do jniro
da morn, e fcomo tenhadito devedor fallecido e
queira o supplicant. haver o pagamento de aeus
hordciros, e nests haja o Dr. Antoaio Ctementino
Aecioly Line resident. em lugar incerto e n
sabido, e seja necensario ehamal-o a coneili clo,
quer pow i~sao O~upplicante juetifleor a aizacucua nit
nos, d, lia9 toneais -.oiukdaitB 'Guil
iherme radciiton, Eca mol; a Beran.diuo Pontual.
Butenos. Ayro oe seat- yapor iaglez Elabe, d
| l/on^ ^oln.s, iiorapaadawte* J. Masder, equr.
f*ngaiu r, .1^gnvio. *es hsZ:; anAdameon
Ro do Jaaeiroe aescalas-20 dmas, tanspoite do
.*_guera.nacona Mafca.comtnsidnanto capitao-
do fmagata Pedro Resnjmin do '3iquc~jra Lima ;
car-ga material de goonr. .'1^. ~'~''^:,
Bahia e eoalata--7 dian, vapor naeio Jaou 'de 352 touqladas. comni~itcat P*bi Rasa,


iinatfit


mu


paz aos anno aosta treguezza ae o.
Jose6 do Recife em virtude da lei etc.
FaQ. saber que no dia 18 do corrente as 10 ho-
ras do dia a porta da cas n. 9 run Nova de Santa
Rita serao arrematados por quem mais der 19
animaes suinos os quaes form aprehendidos polo
dies! do 2' destricto desta freguesia podendo os
donos reclamarem que pagando a multa The serao
entregues.
E para constar mandei passar editaes para sew
affixado no lugar do costume e publicado pela im-
prensa.
. Fregesias de S. Jose do Recire 14 de julho de
1885.
Eu Jose Goncalves de Sa escrivao o escrevi.
Aprigio Jos8 da Silva.
0 Dr. Adelino Antonio de Luna Freire, official da
imperial ordem da Rosa, juiz de direito priva-
tivo de 6rpbhos e ausentes nests comarca do
Recife, por S. M. Imperial, a quem Deus guar-
de, etc.
Faco saber aos que o presents edital virem on
delle tiverem noticia, que na audiencia de 21 de
julho do corrente anno, na respective sala, ira a
pregko para ser arrematada por venda, a quem
nais der, servindo de base o preco da avahacao e
a requerimento de Rjsalina Maria da Paix&',
uea part. que na oasa terrea sob n. 225 (outr'ora
215) & rua imperial, freguezia ae S. JosA, preoi-.
sando de series concertos, avaliada por 1:3005,
valor que 6 causa pawn quo o da part ahi possui-
da pelo mnenor Ananilbo seja o de 3335333.
para conslar lyvron-se o presents, que sera
publicado pela iapprenS& e alIxr-do no lugar do
Dado e passado nestascidade do Recife, aos 11
deojalo dor 8 .. .. .. : "
Eu, Olavo Antonio Ferreira, escrivao, o fis es-
crever e sqbserevo.
Adelino A. de Luna Freire.


i|@98 938 9498 9657
9360 9504 9670 9780
9674 9787 9851
9676 9788 9852 9975
9789 982-9976 9865
9866 9977 9366 9536
9988.
Recife, 3 dejulho de


9486
9651
9779
9850
9974
9364'
9531
9689


1885.


9940
9854
9480
9644
9778
9849
9972
9363
9529
9688
97?3


9351
9472
9643
9770
9845
9970
9361
9524
9683
9792
9867


0 gerente,
Francisco Joaquim Ferreira Pintc.


i.. Ilocrativa Juvnatuila
Parttd do 110 a.nhlkvergarlo em 14
*de amo~mo
Ao Sr. president podem deade ja os Srs. socios
apresentar suas notas para "onvites.
Retife, 4 de julho de 1885.
Manoei Bandesra Filho,
1.o secretario.
COIFRARIA
DO
Senhor Born Jesus da Via-sacra
da igreja da Santa Cruz
Mesa geral de elelao
Por deliberacao da mesa geral, em cumprimento
do art. 36 do compromise. quc rege esta confra-
ria, convido a todIos os noses irmaos para com-
parecerem em nosso consistorio da mesma igreja,
no dia sexta-feira 17 do corrente, pelas 6horas
da tarde, afim de em aumero legal, como determi-
na o art. 40 do rnesmo compromisso, proceder-se a
eleicao para os cargos de provedor escrivao e
thesoureiro, para a nova mesa regedora do auno
compromissal de 1885-86, em vista dos irmaos
eleitbs terem pedido escusa dos mesmos cargo.
0 escrivao,
M. D da Silva.


AssocieiaoCi omo rcja1 Bu8fleceunte


A direetoria da Associaeao Commercial Benefi-
cente convida a todos os senores socios effectivos
e honorarios a se reunirem sexta-feira 17 do cor-
rente, nelas 12 horas do din, na sede desta asso
ecisoa, ufim de, em assemblea geral, se tratar de
assumpto de alta transeedencia, como seja o res-
tabelecjmento do impostor de consume, que preten-
ds decreta*r a Assemblea Provincial Legislativa,
sobre a denomina~ao de impostor de gyro.
Secretaria da Assoeiacao Commercial Benefi.
cente 14 de julho de 85.-0 secretario,
Antonio Guedes Valente.


Soeiedade Reereativa Juvenltde
Esta sociedade precisando de um professor de
dauna, em ccnsequencia do fallecimento de sen
professor Manoel Francisco de Souza Magalhaes,
chams aos professors que so quizerem proper,
afim de, par meio de proposta, se apresentarem ao
Sr. thesoureiro, A run de Hortas n. 17.
Recipe, 15 de juiho de 1885.
0 20 secretario,
Joao Mendonca.
De ordem da Ilhna. carnara municipal, sao
convidados os donse dos estabelecimentos commer-
ciaes das freguezias de N. S. da Graca, Po0o da
Panclla e S. Lourenco da Matta, para virem a
seesao competeate ever os pesos, balancas e me-
didas dos memos, no proximo mez de julho, b
pena da lei.
Paco da Camara. Municipal do Recife, 27
junho de 1885.
Antonio de Siqneira C. da Cunha,
President..
Francisco de A. Pew Roes
Secretario.

CaImpnb~a ti Baberibe

Nao se tendon reunido oa senhores accionistas
em numero sufficiente parn constituirem-se em
assemblea geral no dia 1- do corrente mez, sao
ie novo convidados a retnirem-se em assembles
gerwn ordinaria no dia 15 desto mez, ao meio dia,
no escriptorio desta companhia, a rma do Impera-
dow n. 71,,devendo a reuniao effectuar-se corn
eualquer que seja o numero de aecionistas pre-
Bentea.
Eseriptorio da companhia do Beberibe, 4 de ju-
lho de 1885.
Ceciliano Mamede Alves Ferreira,
Director geral. ]
Antonio Joao de Amorim,
Director, seeretario interino.


Santa Casa de lisericordia do
Recir
Na se-cretaria da Santa Casa de Misericordia
do Recife, arrondam-se per espaco de um A trees
annos, as casas abaixo declarndas :
Ruan do Born Jesus n. 13. loja 48051000
Idem idem n. 13. 1- andar 4005000
[dem idem n. 13, 30 andar 2645000
Idem idem n. 14, sobrado deum andar 1:000500
[dem idem n. 29, 1' andar 2405000
[dem idem n. 29, 2- andar 2405000
Rua do Vigario n. 22, 3- andar 2405000
Idem idem n. 27, 1- andar 180000)
Bua da Moeds n. 47 3605000
[dem idem n. 49 3005000
Run do Barko de S. Borja n. 5 360000
Ran da Madre de Dens n. 10-A 2405000
Run Imperial n. 2c3, sobrado de dous
aoiares, set~o e loja, tudo por 480000
aun dos Pesoadores an. 11, 2405000
Run da Detenc'o n. 3 (dentro do qua-
dre) mei'agua 845000
[demn idem n. 5 (dentro do quadro)
mei'agu 84n000
Seeiet;ria da Santa Casa de Miserieowdia do
Secifo, 2 do maio do 1856
0 eserivo,
F1 1:* eds. Bwdrsuu" de 5Su


con-


Haver eparta-fee ra do de0uaftu a j
Nb grand. salao
1 D A 1 1..1*/ '1; 1

Fahciti Clirr~mia Pfgi
N. 15 1Kuaida Florontinii -NH. 16
Hnvor4 em presozaca do jpnblieo a represeata-
90 da Velka ralmenmta corn o seo benivia.
do esposo E6 povaim o, dando nesta oeuiloa
gargalhada monstruosa, e executando ditmceis tra-
balhos.
Toma parte toda a companhia.

E nthd 500 refs
0 gerente,
Jose Maria de Vasconceltos.



MAREITIBOS


Navegaao Costetra per Vapor
Fernando de Noronha
0 VAPOR
Mandahu
Commandante Lobo
~~Segue no dia15 da iu-

sanha. Recebe cargo
a~ti odis 14.

Encommendas, passagens e dinheiro a frets M"'
as 11 horns da manh8 do dia 15.
ESCRIPTORIO
Ao Cases da Companhia Permambucma
n. 12.
CONPANHIA PJBN&AIMDUCANA
DE
Navegafao eosteira por vapor
PORTOS DO NORTE
Parahzba, Natal, Macdu, Mossord, Ara-
caty, Ceard, Acarahu, Camossim e Ma-
ranhao.
0 vapor
Jacuhype
Commandante Fabie RUno


Seguir A no diii 20 ale
juho, e 5 horas dal
-- -- ocebe carga ati o

Encommendas, passagens e dinheiros afmete at-
is 3 horas da tarde do dia da sahida.
ESCRIPTORIO
eaes da CompanJila Pernamnab-
eanan. 12

CHiARGEURS REUNIS
Companila Franeeza de Mavega-
iao a Vapor
Lnha quinzenal entre o Havre, Lis.
ooa, Pernambuco, Bahia, Rio de Janeiro e
Santos
steamer
Ville de Santos


Os vapores desta companhia ant-wr no port
ancorando em frente aso caes da praca do Commei4
cie o send muito incommodo o embarque dospas-
sageiros no fundeadouro das paquetes twansatlan-
ticos, no Lamarao e demais devendo todos aportar
aso Havre, que e o porto mais visinho de Paris, 6
f6ra de duvida que ha grande vaitagem para quem
quizer ir a Europa em aproveitar-se dos ditos va-
pores tanto mais quanto, aIlem de soiem os preco8
das passagens mais medicos, as despezas-do embar-
que aqui e as do transport do Havre a Paris, sio
muito menores do que as que demandam as viageww
nos paquetes das outras linhas.
Conduzem medico a bordo, sao de march rapida
eofferecem excellentes commodes e optimo passa-
dio'
As passagens poderao ser tomadas de antemao
Recebe carga, encemmendas e passageiros pasa-
os quaes tern excellentes accommodaoe9es.
Steamer
Ville do Cear


E' esperado da Euro-
ropaatk o 4ia 22 de
julho, aeguiado de-
pois da indispenmavl
demora pan a *a-
Ibia, io e e. an-o -
Ineiro e atantOK*


Bogs-se so. Sr. importadoreahearga pelos
vaporesdetalinha,queoiam a reseat-ar dtrode B
dias a con.r doa da deseargs
quow weelamaca~io concorne~ater a oueB i 1:
vent-urn t-qnbss seguido para os pertoB tn ,am
dese podereadar a tempo as provideaci&'eo .
Expiwado o referido praso a companbia. aoe so
respeasabiliss por extravios.
Roebe carga, eneommendas e pasaaes, pars -
os quaca ten exeellent-s ies ," .-
Amugsto F. de ^Uirt


i1 a 13


.1


K


'f I

-I;


f-I/













I- "^ -"


!


(
<
1


*J


I




































eiat'o' dos irrv 'etoi-
jt6 o dia15 de juihO,~
groes&ar-v aramosmes-!
hdep~eid4adeinora docos -
L, encommendao e dinheiro
NCOIA


.c


Opaquete
iauQ e-


'... .a :1 Port-News, Wt o
dia 27 do julbo,
o qual seguirA de
dl."- pois da demora
-necessaria para
4JA12 it a e R # taneiro
Pi eirgi, passages, e encomnendau, tracta-
ll.', -GW ."** :
o-oa
0 VAPOR
~Advance
A dvn E' esperado dos
dia 23.do corrents
seguindo depoisda
demora do costu-
eme-pars,
:i- aS^Pawr, S. Themaz
es e New-York
..-Paraaga, pasagen e encommendas traeta-
Ageites
L isboa e Prlo.
R eeebe cargaa frete a barcaportugueza Luizca -
a ftratar com Si iva GQuimaraie & C. A rua do Corn;

LEILOEm

Leilao
D Io 1 bilhar, grande quantidade de moyveis,
quaBdroso balanha decimal e de Remno, espelhos,
v inho do Porte em garrafas vinho Xherez, Old,
: Tom maias geoeros de molhados, ao correr do mar-
t" i polo agent Brito.
arta- felra, 15 do eorrente
A's 10 112 horas
S Run do Rangel n. 41
:Leilh0

Da armag.o e generos de molbades da ta-
verila sita a raa do Socego n. 70
0 agent Brito, devidament autorisado, levark
z -1eilo a referida taverna, em un ou mais lotes a
sAd;e do. S m. pretondentes.. te
i o.' wwRiero, 1,6 d46, -rrente
,; A '-WS 10 l112 HORAS

| -- *Leiiao-'
i D .4 asas temas de ns. 9e9 A, 1 e2afru
di m" %ov 4 triavessa U rUH 44, i




.B'^ toe~adieuu..um^a^ a
.._^^PotocefuWAo do 16Wli de q

SLeikzo


m "e w-iepdhos, ferramenta e bauicopai
-Raeiro, cott stando do 'g-carda roaps, g atda
imp, aparadoree, 1 realejo grnde, epelho oval,
mqwezes teletes e do do pizho deorezino,


pry


o pagamento por oeste system se
-Effecf dtro de quatro mezes, abatimento
do 64MQ.
Abs ti;:n toa.do 10650M a dinheiraoA vista.
Rog.. .:,,aos'pretendenteg, de virem aso cs-
,, imiptorio ,dacompanhia para informases cir-
W cumstanciadas. -
S4 mme asa .e real vaatagem 6 obterse, o
N -m.lhor artigo nas welhores eondioes.
peni comprarA semalo a verdadeira.
duo dej SJWlkGin


SOTT! 9


.H.'wijai^wM^^aotusvq, 14M 4eals 4 OL J"^ 1.~~w m1^
tabrq1 ud4d6-4 I me#t ;,aeiitina 6 i ;a iiido4r 1o Pour ."eri tad.velmente a. melor, ialls forte, nmals bern aca-
taboas, 1id Iwda- ,! 1#ea~a44, r.t. s et, aaiaa a -:,ecos9
10 ditU do amareflo, $ apra[dg t ,attidt odIb.4a,0i slplei als durados a, a unica que tern obtido mais de 300
Madeira eode .lha, apareiho4joijantar, dio ...ed.i al -a unioa giia qne tern mais de 100 imitadores.
para aiOlmo, j cabi eaid e i q-t"I 'e 3 Pqr exiatir urn deposit soeeursal da propria companhia, onde se ,ran-
Pr $i 1 -par : to tas maebiwuas- p ur Untempo iUIlItado e onde sempre se encontra
lheres, facas,, UQ.O "1....ui idatAt e-e iZ "to aiids
pam viAi6ge 4uAtwo z;":1.'1 quo os^pL, tude dwa repreito ascmesrSas.U
patenteur i$ .espf !h d o 3o 4Fhidoe&te Sre x'f aheq. r, Fiaeteporque aquellas pessoas que at o present, por falta de meios,
A.a T i -,..i).igno*re0 pcu vender sa njo podiam satiifazer o seu desejo comprando uma d'estas excellentes machines,
eiet qa pode ga co today afacilidade compral-as mediante a modica prestagao de
eli mpdv qajl a a csnkda, xe podem agra cr
: e t-ow um terreq qus. perte a~so a
Da casaterrenu7,na Estrada Nova do Caxan-'signa. o qual pricipia deade a meama eosinha
g corn ctino metros e vinte e sete centimetros e terminal a 200 aos & imarge rd nova ma $ 0 r
de frente, dose metros e cincoenta e cinco centi- projectada. Reeie, 14 dojalho do 85. 1 0 O AA
metros de fundo, corn 2 Walas, 2part-s, ensiha _____ Maoel Marqes doLemaos. Eecommendamos corn insistencia -Nio se iMlludam Ecom as iaehinas
metro tree odo cornso aloe e artam, eei hUIN-S" aRoe
f6ia, cacimba corn 2 janelias e 1 pIrt de frente, qe taze nOSSO O e que no passai de RU S
edificada em terreno propro, con;-itio, teondo do TAV E
fundo 170 metros'e dd largura 55 metrms corn 16
p^s de eoqueiros aoutras arvores de truto. Urea a mereiaria sita &A r.a do Paysandt n. 5 : a tra- Vendemos tambem linha superior, retroz em carretels, agulbas, leo, linha
dita dita n. 72 B (junto a de cima) corn 4 me- tar na Capunga, corn o Pacheco. de crocjuet, pe as avulsas para aits machines, tudo de superior qualidado e por pregos
tros e 20 cenuimetros de frente, 12 metro de Costuri se conpetencia.
fundo corn 2 poftas de friente, coainha t6ra,-em roaUl 0 unicoe deposit das verdadelras machlnas de Singer nesta cidade
terreno proprio corn sitio,rtendo 17 metros de fun- Precisa-se de eostureiras ; na rua do Marquez u d C b r. mb
do e cinco Metros do largura. do Herval n. 10. Mua do Cabug nI. I A Pernambuco
I Sextafelra, 1 do eorrente -dHe -l-10-; eranu
A's 1 ahma Ama de leite bDirec 1o geral para America do sni I rua do Onvidor 101
No armazem da ri'a do Bom Jesus n. 43
Agre, te Pbito o-guS dd bit la lAs. Rio de Janeiro. Casa matriz-.4 UnionSquare, New-York
O agente aeima levarA a leilo em present a dot
Sr. muencoraas peronens oeass AleOere ConSoertos em machines de todos os autores per precos baratissimos.
Sr.. consul do Portugal as duas easas e terrenos ik o
acima mencionadae pertencentes ao espolio do
subdito portuguez Antonio Francisco Martins. Na rua Augusta n. 173, precisa-se de urna ama
Os pretendents poder1o, desde jA examninar di- seecs para menino, e que saiba engommar. Na -
tas casas e terrenos e concorrerem ao acto dolei- mesma casa precisa-se tambem de uma ama para s 0 P O
1io. cosinhar. K N N GIA A I
Aluga-se a ultima casa da rua da Aurora m. f O JAU
173, pintada de p.ovo o reedifieada, corn agua po- ... .........
I"^- III @ ;Itavel, cstribaria, cocheira econ os comrnodos quo e
S L eiI o sepo6drldesejar : ospretendentes podem dirigir. K VIVCIJ- JD & J 0| -W
L "ei se aoSr. Bernardi o,- dono do estaleiro, a que o PAB.R a- M VivieBSis 8 FUIO
De seis-getinwas prt do sobrado do do.- mora*1._ 2 -- oo 'S '1 "d q
andares n. 12, da rua do Coronel Suas- Oleo de gacznaagct


suua. I M T |A V N IL


Sexta-feira, 17 do corrente
A!&II.HORAS
No armazemai a ra do IImpera
S-dor, n.
0 aente MartinsfrAa leilL por mandado do
Illm. Sr. Dr. juiz substitute dos feitos da fazenda,
e em nua presence, de seis setimas parties do so-
brado acima par pagamento do que deve a fazen-
da provincial D. Josepba Maria Ferreira da Cu-
nha e outras; deixando de ser vendida uran setima
part pertenceite a J. A. da Costa e Si, por nio
estar comprehendida na execuilo da fazenda.

Leilao
EM JABOATAO
de urma casa terra d alvenaria, corn 3 portas de
frente, 2 smal, -2 q san"s, ezinba f6ra, quintal
grande, tdrreno -opto,a e de urna armaoo de
lonro p opria p--t tavern, nan- peveaglo de Santo
Amaro de J as ruka do Camarao n. 40, pelo
agent, .

s$ ]is m hCORRENTE
Aks 0W horas!


nmios da Cruz.


:/''a ^^ illk lia
*f V ea ter tita it Vidal do e-
grei~ea. e8,com bow ec~tntodee grane quia-
tat e fe-tado, terren prio ; a tratar
is. sa mpe nial "/181. "


-Aimdmf ftst ;- PAC SIZt. 16 fewar M oaturf
GBANDfl--RXLE.-AtfegaI mphaUcae,di
adasviasdigestivas,obnBr5ew do fgado edo b
olstraceoes vieeraes, eotre. calculosau da I
R SOPIThL. -Affecesdas viasdigestivasincom
dw do etlomago, digeto difllcil, inappeten
gastralmga dyspepsia. -
Cfi.ESTINS.-Affea-s dos rtins, a bexiga sr*
concresdas ouriuas, gota, diabetes, albamiac
HA'UEBIVE.-Affecs&es dos Tins, da bexiga:ar
concre,esdasouriana, gota, (f abete3, albnmiau
EX -Kl-SE o 9 a FrTE na GAPSUL&
Um Flzaonbuco, as Aguas das Fontes d ; Vichy,
arima noneadis, achio-se em casas t-
kntASME~alY & L-AEILLE. 9, m do C;ommZ3
0 eSUXaR, j & OLGCULIN, 35, rsa di CCm.






B'!HgTOSDEG|
jbc 1 XYPOPOMPI0IE

Elnregado sorm tanto egito para CUam
phthisica a as milentias- tubtrielos
Ieademnse uoMoamento em rasces, qux,
jdaa ( cbmu uo4'i 0 4row C GiricHBFc&I ADO


0HlL, & K*!r'dade&-, bq
!d# was pr=p =eeAies Our(u-
I fuC: 4 francos Vor firaco imQ asw
fonmd# si *Acijpeew FIigrv#-
..'^ *^*^ -wfi *i 'ii." pqqo*' .,'* -- **K gKymi -!


mini','


Dfario


Uofciclo sob 0 D nome de Tihezotra dos *abeiio
Bnao d nmais do que o oleo essencda. da Pirus japo.-
net. EI& inapreciavel preparado alem de aer am excellente toico,
amaci e da bri ho aos cabellos. fal-w crescer. imDede-os de crc e


S I jdeipa na cabega um aroma delicioo e tgo perasistetene, quo se iente
Imuito tempo depbis de tel-o usado.
5 I Pnesn-se tambepae Oleo de o uampg -@ o s tesprzftt i "
ic, tIiUET VICTORIA I HELIOTROPE | MARECiAL VIOLETA
| IN. hI8 iE0T i JASMIM MILLE FLEVIUR WHITE-ROn
D ia i i JOCKEY CLVI I RESEDA I R1LATLAn A
ACQA-Si A rEDAn mu TOAS AS CPUFUNfliA

SPPRESSAO l EVRALGIAS
J~kywT'Oi& T0BE *'^***ir'H CURA >A
ni; CAU-"mB is Peloo CGAa.OS ESPIC
t Asplra-se a flmaca que penetra no pelfo acalma o symptoma nervoso, faclita
S~i~ a l aexpectobacaIo favorisa as f=m0ed sdoeorgafres mdienosrL
m:i..1au S _aiem ndoPAM e. s w, V. Ja Vipn NS-Lar s a o N \ai
a -a~se .rouunhaueft .P a: N ANC--AL.d o rEA o01%^

'o u gevaenv j"ffervosas .


,I
3iGALEiTE ?-- ADA- C-M 0 ..

"ra

03 de rs do lu'aijaq amprgas
M1 $ cm-13OM ETO de POTASSUO
-~a^ -* \ ^ A1?;O7AD0 PMLA JUNTA ODB9 H! rEN DO 1sAZ1L.
-to t a a toasio tie e axclusivammsi.rnfieitadopelosia
1-1 pcoP I -wos os pi.c)a 1k.; I celeb;-s medicos de tod&s ss fitcuJ-
paw, ;Ln-'z-3 S si nleciieaio, A d- diides paa o0nbater corn certfza:
-L-"a p 3?ia bailta,. condir~o ili S- | as a iecyss nervosas do coraic,
P-jasawl pana qujEseobAe nha e eA- 1da vas diagevau o rosmpratorias,
^.. j0SydliyTa o S1~ji'atoa ^obrs o) sys- | aa zevmalg:., a epilpapia, o 1-'-ste- -
wwa ac^~ l'8 0 o ." rico, a cano' de S. Guy, a instnmis%
Ths~lvxo nOZ~WR~pOLoiozedttdaieiangas dr-ronte 1-Rdenfig-o- em
Ca5s e 3-lanns m ai Bgas. (CLbro- umi a palav'xe, aodas ae S c4R aB iG
11~ ~~et A^ mEii't^ versakinen~e cmpr~ado6 aervoaie (.
*1it la ffPsito acba-ss A venda es 'S3U!rt PP3 iuiz 68 J.-P. IJdROZEt' #
ITIt so., oSaaijyiar. Dyspepiaa, fleros e qadoras 43,3 edtooago.
RAWEP ~P~ iEt EPOTASSIO
ct&llRx i- A-ceo$3-aa z -rroi-.a.-r-- oc cgosna. niT szisn branch Acdms do a easue
A,'. ^sjy l ~o~itoo' s, Tu i -s


' ROT.,NOWBET, F.ii a
'y a .:' .asmE se-3 Ms. nBt. 'Z.oz ll-'a, o'I :' iurancau. .achltisma.
^^^-^iilMj^ g 11. ..* *do


-U CIIDADOCto m "
-AS. FALSIPICAtrES- I


7/


M / ^Y PARA
0 LNrO 0 TOUCAD0A
LE E 0 BANHQ,


BLACK IEA

Cha preto, qualida-
de superior vendem
J.C. Lewy & C., rua
Nova In. 25 Pharma-
cia Franceza.






Deomedes de Souza Barros
Jezufina Alves de Senna Barr.s e Manoel Al-
ves de Senna agradeccum do intimo d'almna a to-
das p pessoas que tao carinhosamente acompa-
aharaaw A ultima mortda os r5stos mortaes de seu
3empre chorado espos) e genro, Deuoinees de Sou-
za Barros ; e de novo as cnvidam para assisti-
rem as missas do setimo dia, qup, se bao de resar
aa igreja aatriz do Corpo Santo,. quarta-teira 15
do eorrente, As 7 horas da manha ; confessam-se
desde jA eternamente agr.decidos por este actor de
religiao e carid&de.


Um-campadre e amigo de Felintho dae Iala
Martins, inanda n o dii 16 do corrente. aete Inezes
do seu eassameato, eclebrar uma misaa no con-
vent,) de S. Francisco, pela, 7 h)ras da manhi,


Ao public
Previno a quem L, teres.ir possa, qne as duas
letras de 3:OOU4 cada urma, nceitas por Balthasar
de Moura e Silva, A veneer a primneira em 30-de
maio de 1886 e a segunda em 30 de marc
1887, em favor de D. Constanca Jannaria do Me-
deiros Lages, pela venda q ie esta fez Aquelle do
hiate Jodo Valle, pelo preco de 12:00000A nao
podem ser negiciada s, visto como acabo de pro
testar perante o Dr. juiz da commereio, e na qua-
lidade de procurador do mesmo Balthasar, que
datas letras nao serao pagas pelo aceitante, em
quanto nao estiver o hiate des: mbaracado da di-
mvida, competentemente registrada na junta comn-
mereial, para corn Josquim Alves da Sil -a Santos
Recife, 11 de julho do 85
Man-el J&6 da Cunha Porto


Att910


Preeisa-se alugar pama vender na ruaa, algun.
meninos ou mulheres : na rua dos Martyrios U.
148, segundo bndar.

Por 221000
Aluga-so o segundo audar e sotlo ,rua, de Lo-
mas Valentinaa n. 50: atrata na rau P'uiaeo
de Margo n. 7-A, livraria Pariaiese,
Capunga
s Alnga-se urn sobrado, am sobradinho e Bams
cass terrea na run da Ventura : a tratar eola a
sua proprietaria A rua Real da Torre n. 23.
Pede.tse ao Sgr. cpito Fraew Ao
de SA Barreto, Joio Gongalves doe Sautso Jnaimr,
Antonio Beserra de Meneres Lyra, Dr. 1Freiseo
Xavier Paes Barreto, Joo -Baptsta Fertefra
(engenho Gaipi6), a bondade de appameei t-
rua do Corouel Suassuna n.. 148.


- Dr. Silva Ferreira, medico, eoensultaa todo
os dias em suna roidencia, cidade do Caim; a-
madou'por escripto a qualquer hora.


- Aluga oe a 8a8 uma" mesas agam 1"m
timentos, na travessa dar Bareiras, becco 'do*-
Aquino ; a tratar na rua do Cotoviello n. 25.


p
-.,.


Aluga-se parte do uma ceas9 a umnI senlaora
honesta: quem pretender dirija-Be A ma. Nova u,
40 1: audar, quo se dirA qurem aluga. -
Quern preeisar de pman enmoma parP cum
do fsailin, -psra'sa. teeirija-se' A run
'Ve^ade h ai" do Sant Ms
Aas a- se -e ta& jdte dw&-,ft
eisa Qliiadp'e. % oe O:, 6a.-'av* 4*-. *
milia, uniufmesea, etAgaad lao-,4-b
Owrtada. do novo: atm 'as O4o:.C *, -
. Ix'iperatrniz. Rika m-Mea uaa vende-* oa t- m .40,
a-$a. du" c assw-na ma,. Litpia1 am.304 -rnuibl
boas'eporpreropuito barsto.
,- |PrBnei c- de uma especial cosinhtetra ,.
tra taxsna flwjDqe. de Cs'1ias n.
- 1. eisenho-am^ dadowz* d oii


"!t

i~^
i


I



/







"A"



*


-4-


I


r f ri" "F ....... .. ..


I v M -N' i 6fii M -i n


I


t




























F5os pa0a4atpK :.b<-. ---' ^ -
VRE, tendo de fa-a,:-" -mm
visto que mewort*<^l

se encontrari couststlan
sortimento do roupas fit(a a
cidade com o tambem pata*hadon- de eampo,


4: -.
..'"-.,4 ..-


a0I~ a attezz~Ro ~'pra


os pregos dos seguintes arties: *. l
Superiores sobre-tudo de pamao pilotela 15#, 20# e 25- '
Madapolo Mariquinha, superior, a 4800 A pega, corn 20 varas.
Dito Jangadeiro cearenae, corn photographis do dito h"e, '. 62O0 s tarn-
bemrn corn 20 varas.
Divorsas outras marcas a 5#500, 6#, 6#500, 7# o 8#M00, qualidadea e quan.
tidades garantidas, e muitos outros artigos por pre"os baratissimo'.

Casa de confiani'a

Rua ItIto !r i s. 20
ESQUINA DA RUA DUQUE DE CAXIAS
N. 'leephonico 18


-4<
p4


t Qnalquer pe.: d 1hitelilgcncla regular podl apprender tudo que se acha nesta obra.
r 'c,'i. !.00 '::d;a e'-:',1ar, encadernado em pannO, eatreguo franco. -
S- Em ,j',,,ii:- i", hvr-o rrc-.bein-so selos de eorrelo, prferTindo-s.e os dna nenores denorinn96cs. Aos 9que om-
)racm is !t:I: -'i u ceimpleto daremos gratis nit exemplar do dito manual. Apparelhospara Amadtores de o 10.00
arai cninm.
Enviar-,se C:tlalogo cm Poriungnez a qnem que o pedir.
E. & H. T. AIHONY co00. 591 BROADWAY. NOVA-YORK.
Fai-ricantcs do tola cspicie do materiaes photographicos. Estabelcnidlos hia rmis de 40 unnos neste ramo do negocio.

Os o Ctebea Sehbnpps omaico de o IMledam da T.dipoUdat%,I W somb O iW n h
de Coevada d primetra quaUdade, caidadosasente -collhda dos melhres p uu l dotdimIto'
mais afamadospela qualidads do p.-o, como tambem do fcto do fi-agrante Enebro, sao puricamdos por pM
cemo especial que expurga do esprito todasas particla acres.
Como meio deevar e coi go seftos dasagndaeis e muitvzes pgosoprodazidos toe6ago
sos Intestaot por aguas eranas,oque aconatecea sosviaat e is peoasn ni accimatadas
OS "SCHNAPPS' AROMATICOSoE SICHIEODA
adham-e absolutaineate INAL.Lr VES; e no easos de H UOPIA, P31 MA, OBMltCO.
CIO nos BINS, XOLESTIA da BEXIGA, ESTTICTVUA, DYSPEPSIA e DE1UJ.
DADM GEAL, saio recommendados corn instancia pelos membros mais distuctos da pofuisso medical.
Sio preparados em garrafm demeo e de qumrto, ecaixotadas comn o nome do abaizo a ad em eada
garra e corn a marca da fabrics e uma st iaMe da sa assignatuaa no etM ou 0 .rotAo.
Vendem-etem toda" saPhmanaia. uLsJ-do saMpo. Tem sidao ugeiuw A, aalyse dos
chimicosos maisafamados e por ellesforamdedkrdc ser o mais puro espdrico j aais fbrcsdb6,
Teudo saim vereficado sam pure e suas propredades envmiou-se amosts a dez i nam medicos, incluindo
tod. os wais cdebrem clinicosdos Estados Unido tfim de queocsa expermentaaem.
Uma circular pedindo uma rigorosa prova e uma lafnsa exact do s lado, wum ea
amostra. Quatro mil dos clinics mais eminaentes dos Undo p Sam
opiniiodoartia era unasimementefavoraveL Tal repaacaii A *abe~amm to hAk,
mente .ecessamn porque nemBama comhnma se poda depodtwu r --1 commondooatd ad
miAsoumcosadult^8e prtaa.oiute, par oaprbopdtom nddio Aexefe apwioe lerca do
oleo do Bnebro que um dos pedkntoMpris dogI&te 8 ppjunamste cof0Pm
dole usma opisaio dos medicos notavld speioridade sobe Wodasos estiudanues como dhtfilo, tomco
BstaBebida Medicnal fAbrIcadapda p poprictarIosemmeuengenhodo dsti a emScbdm,Helm
e1p1emametepar aos usmemdidnaes.
UDOLPHO WOLFES SON k CO., 9 BEAVER STREET,


Ao commereio
Os abaixo assignados dcclaram polo preseute
que desde o dia 301de junho proximo passade dis-
solveratn amigavelmente a sociedade que tinhamrn
sob a razao social de Manoel'Joaquim Alves Ri-
Sbeiro & C., no estabelecimento de mereiaria a
Stravessa das Cruzes n 16, ficando desde aquella
Sdata em diante o mesmo estabelecimento perten-
Soendo exclusivamente ao socio Manoel Joaquim
Alves Ribeiro, e por isso mesmo obrigado a rev.
I sax o passive da sociedade ; ficando, outrosim, o
5ocio Paulo Jos6 Alves desligado de toda e qual-
quer responsabilidade relative 4 mesma socieda-
de, da qual so retira pago e satisfeito de soeu ca-
pital e lucros. Recife, 30 de julho de 85.
Paulo Jos'6 Alves.-
Manoel Joaquim Alves Ribeiro.

Alugadas


SA' ruan da Imperatriz n. 14, segundo andar,
precisa-se de duas, sendo uma para o servzco de
cosinha e outra para cngommar.
Duoas especialidades da ilha de
S. Mignel
A primeira e lataj de 7 a 8 libras corn
Torresmos
Maxellas e
Linguipas.
A segunda vem a ser .
* geummao winho de awa amnerficana
que se reeopmenda pela sun simplicidade.
Vende-se
eam -casa dos Srs. Aquilino, Pedro Affonso a. 31,
Amarnul Primo & C.,' aru Larga do Rodario n. 37
e Vietorino de Almeida Rabello & rua dasCruno,
e na rue de Mariz e Barros n. 44. Neste ultimo
:estabelecimento tern do mesawmo vinho am sorse.
Caixeiro
Precisa-se de um caixeiro de 12 A 14 annos de
idade, c >m pratica ou sem ella, pars taverns ; &
traur na rua das Trineheiras n. 23.


-Milho


5-.


Vepdwirmaei~Pm pwr.oe a retalho,-proprio pa-
ra ~91..-Pti usm maito apuffiuefi ttovo ; as
*f


4,.
-p .' 7 sear d p ,m

y-~ ~ ~.,.- .- r^ j*tr de todas .'bfiti-'de *..
| <" ; **" ^~ ~ irhts Cliib j.. ii ff ,
.- .~i *' "'**' ..^u r ; ..,
.. A.. _s. ltOm lZ -H-I



!ZUlf lT;.


S W-TORIK, U A.



Aluga-se a metade de ura easa; -a tr naus
rua larga do Rosario n. 42, 3. andar.

Tosse convulsa
0 unica especifico pars a curs certa e infallivil
dessa teirivel molestia o
XAROPE DE BOURGIOIS
Este xarope preparado segundo a formula que
nos foi confiaida pelo finado Dr. Aquino, 6 appll-
cado eomr o mais perteito resultado, nao 6 usna
osse convulsa, eomo nas tosses intensas e asma-
thicas, pot effeit9 de sua acao calmaate. '
Vende-se


Na pharmacia e drogaria de Bartholmt & Q
.. Successores
Espeeialidade

IXr01io v0e1 alinnomu
flu
BO
Babo de tali, preparado por
BARTHOLOMEU & C. SUCCESSORS
Este novo medicamento reeommeuda-ae come
de todos o mais efficaes pars a curs certa dus
tosses antigas e reeentea, catharro pulmonar, asth.
ma, tosse couvulsa, catharros broncos, e em geral
contra todos os soffrimentoe das vias respiratorias.
DEPOSITO-
34-Ru a larga do Rosario-34

LEITE NATURAL




CONSERVADO LIQUIDO SEfALTERBAR-I
0 AIjWVIOZ, plants da famuilia das lephor-
biaccas, que babita os nooos sert5es, 6 h4 e B -
conbecido como nm verdadeiro especifeO lra dins
truir os epithelioWiass ou cancroides, f -f
renovaaOE 4 oras orm coakta, sewm out tasqBesto qaf a
upiica topics de s ma te i mAave u 14te 4.
jM~fte ti. oOWN
1sI Ieus Wefeas *'o tfBd a a,atin


AA
.... .
"*. -,. ^' -:
.....rrn n


V. .'


s-sW
dlMA ISTOS

^ ~ t 4iateu AS 2 o a, andar do
*** ^rfdo X 43A .ra dic'Ums, potoeri
Pao as d tm em a loIs do. SruO
SNlegreiro rmao, A rua do Imperador
mimero 80.

Balanceador
J. dos Santos Vieira, encarrega-m de proceder
Sbaiangos, organisar contratos e distratos eo-
ciaes. Chamados i ruan das Larangeiras n. 28,
lo:andar (residecneia).

sob Sapotiseiros
e sapoteiros muito grande, daudo fructo, e de
todos os ttmanhos, muito baratos, v outras plan-
tan ; no Mondego (Visoonde de ooyannaT n. 80
segundo portAo. __ _
Pedido
Pede-se aos seguiates Sm. per nao so saber de
suss moradias o favor de virem a rua do Impe
rador n. 16 a negocio de interests :
Florentino da Silva. I
Joae Francisceo do Oliveira Lima
Joaqnim Raphael
Jose Sanxo Filbo
Luis Paulino Cavalcante de Albuquerque
Rodolpho Sergio Ferreira.
Oetaviano ?ereira Susarte.
Joaquim Paes de Mello.
Joao Climr-co dos Santos.
Mamede Justiniano dos Reis.
Antonio Felix Pereira Junior.
Francisco de Farias Castro
Pedro Barrteto de Mello Patriots.
Lemos Duarte & C.
Manoel Fernandes de Almeida.
Joaquim Nunes Padilha.
Antonio Caetano de Oliveira Coragem.
Heleodoro Cyrino de Oliveira Coragem.
Aluga se
o primeiro andar da rua do Rangel n. 73, e a casa
terrea da rua do Fogo n. 50,: a tiatar na ra do
Barko da Victoria n. 14, thesouraria das loterias.
Sobrado es Olinda


IAlugam-se
douro n. 1 :
14, loja.


1- e2- andar
os andares acima da casa do Vara-
a tratar na rua do Crespo numero


AIA
Preeisa-se de uma amt queo cosinhe, para casa
de pouca farmilia : a tratar na ruan de S. Jorge
(antiga Pilai) n. 120, segundo andar.
3:000000
Da-se a jurors esta quantia sobre hypotheca de
am& cass nesta praga, -nova eu em bon eetado de
eonservaglo, corn accommodaglo regular pars fa-
milia, e que bemrn garanta dita quantia e os res-
peetivos jutes, tambem compra-se emin identical
condioes : a tratar na rua do Barbo da Victoria
rua Nova-n. 26, corn G. A. 8. L.


La barOgda
Vende-se por preo commodo per ser grand.
9porAo; na rua de Pedro Affonso n. 68.

Olee de ricino

Semgosto esem cheiro
DE
ALLEN & HAMBURYS
Este oleo 6 superior atodos os conhecido., nao
s6 por ser absolutamente puro, eomo 'por ser isen-
to do cheiro e gosto desagradaveis, que caracte-
risam o OLEO DE RICMoG.
Qualquer pessoa pOde tomal-o sem a m1emor re-
pugnancia, meaosmo as crianeSs.
Vendc- se unicamente na pharmacia do Hnanes
de Souza Pereira & C. Suecessores. rua do Mar-
ques dc 0 inda n. 27, Pernambuco.
Aluga-se
o vavimento terreo do sobradlo n. 14 A rua Duque
de Caxias, proprio para familiar. e o 1 andar do
sobrado n. 59 aa meausma rta. proprie para eserip-
torio : a tratar Dn loja deste ultimo.
Taverna
Vende-se urmsa tavernma bem loeati-a, corn poa-
cos funds, 'propria pars prineipiante; ia rau Di-
reits do. Afogdos n. 16. Na mesmatem nconmno-
dos pars pequena familiar e o aluguel 6 razoavel.



VMSdtoi, ,
e86tacof-tld (M iuuefre su, a
;Bm maiewlguadg subrsteoa paraazo
lha bogi'de qbem6

tnr ~ ~~~~LL ecao e rw ,

Iff B-IifomaSe Bbre ma&Wau
-1gffabiitas panra etganbos ent
bomb,*is, mPra iftoendis? e outrs
'ch~IzSe VSQW-


- taveliA~o1 ingran-~

-I e rvartdo sortimen-

: ito de relJgosdos mais

. ...acreditados fabrican-


Iwm
im
I m/h


PREPARADO
POR
Siam. JL Pinh.
(Nove annos de experiencia I )
Facilita a dentioe evita 'as convul-

Esto important vegetal brasileiro, da
familiar das Euphorbraceas, estudado e ap-
plicado pelo autor em innumeras creangas
e sempre corn exeellentes resultados, ven-
de-se na
Pharmacla do Dr. Sablno
43- Rua do Bario da Victoria-43
PERNAMBUCO
Agencia em todas as proviucias.


DIUAS AMAS
Precisa-se de urna para lavar e gommar
para familiar de 3 pessoas e de outra que
cosinhe bern e compare; s6 serve nao dor-
mindo f6ra. A tratar na rua do CabugA
n. 14, 1.o andar, de meio-dia As 3 da tarde.

E' para ademihar
Cortes de ETOFFE bordados para se-
nhora, artigo modernissimo a 12A000
Setinetas WAFERS, fazenda que vale
800 rs. o covado a 4w0
Chitas para coberta, c6r fix, o eovado a 240
RUA DUQUE DE CIA XIAS N. 62
mendonva, Primo & C.

Boa casa
Esta para alugar a casa corn sot6a ns rua da
Ventura n. 22 (Capunga) tendo excellentes com-
modos pars familiar, gaz encanado, quartos para
criados, banheiro, viveiro pars passaros, quintal
arborisado, tornndo-se recommendavel por se
ache r situada na estrada onde brevemente pas-
sara e fairl ponto de parada o trem da via-ferrea
do Caxanga, A tratar usna rua do Marqnez de Olin
da n, 35 armazem.

Casa na Tamarineira
AMuga-se uma casa corn as seguintes accommo-
dagres : 4 salas, 4 quartos, salkta para engom-
mar, cosinha eow togao de ferro e gaz, e urn sitio
muito grande, corn muitas arvores fructireras, ca-
cimba corn boa agua do beber, sito na Tamarinei-
ra, junto da estoLao : A tratar cam o dono na
mesma casa, Manoel Duarte de Figueiredo.


Modista
Prepara-se corn esmero e promptidao
vestidos por figurines na rusa das Crume I
n. 24, 1.6 andar.
yd-.^zz--2--Z2Z -^-^-W

Jose da Silva iMoraes
participa a sons amigos, freguezes e conhecidos,
quo muitos ainda nio sabem que sea negocio
aVqa existe s6 de bons carros de aluguel phr
qnasquer acto e corn boas parelhas de cavallos, e
recebe cavallos a trato; e hoje sus cochqira usna
rus de Santo Amaro n. 8, entrada pela rua da
Roda. _____ ___________
Trastes
A' ILa do Imperadorn. 16 compra-se, vende-ve
alugs-e e trees-ue novis e undo.
AlUgas-sc baoaut
Os amazens n. 13 do largo do Corpo Santo
corn commnunieavSo corn o de n. 4 A, no eaes 4a
eompanhia Pernambucana corn puindaste.
0 sitio n 7 "da rua da Aguazinha, Beberibe.
1.0 andar dsa travcssa do Cimpello n. 1.
Casa n, 18 do Correder dofBisbo n. 18.
Rua do Visconde de Goyanna n. 107.
Idem de Loma. Valentinas n. 10.
As casa terrea n. I B, na Baixa Verde
0 armazem n. 46 A rna de Pedro Affonso.
A tratar no lago do Corpo Santo. l-. primeuc
andar" ;__ '

As almas caridosas
A viuva Maria Candida Wanderley Autran,


pede as almas caridosas, uma ermola par ma nter
trez orphaiu que temrn, em ua companhia, e que vi-
vem em extreme p oibresa.
Qualquer esmola pode ser enviada pars o oitdo
da Matriz de Santo Antonio n. 10.

Io e 3' aedar
Alug,-se os andamr acimas da caa A rua de 8.
Jo arstiga do &War n. 72, a t atar na rua
Seiro de-Mar0 6i. 17, lojia.
Col0ariuhos para homem
Go tW4SR as qmaulmades e modeloes
"" D eitdo
Aberteas
S:- Fechado.
Do..p deCaias a. 62, Mend.o- P .im


gas .~5IUSV
ad.


,C, ,
S'W<.M..


S~m4~a*a

I


A'w ,_.._
-g i r" -.. "


tea, e se acham habili-
tados a vender mais

barato do que outro

qualquer, visto rece-

berm directamente.

Todos os relogios

rendidos n'esta casa

sao garantidos.

Rioa Oobn# 4

Ensino particular
0 academico Ovidio Filho offerece-se pars lee-
cioaar portuguez, francez e arithmetic pratica :
a tratar na rua Duque de Caxias n. 4.

VENDAS
SITIO
Vende se um sitio no lugar estrada de CabatLc
terreno proprio ; o sitio tern cerca de 4,000 pal
mos de fundo e 230 de frente, :ruito bern tratado
casa corn estabelecimento de molhados e commodot
para familiar, reonde 205 por mez, muitos p6s dt
coqueiros, muitas fructeiras, e vende-se barate
a tratar corn Bernardino de Souza Duarte, no Re
cife, ou em Beberibe corn Manoi-l Correia LobAo.
Cimento Portland
E

Vendem Orestes Travassos & C. : no seu e,
cnptorio no largo do Corpo SantD n. 19.

COARNEIIRO DA CUNHA & O.
Declaram ao respeitavel public e aos seus fre-
guezes, que estao resolvidos a vender todas sk
suas mercadorias, por pregos menos 20 0/o dos seuw
valores em qualquer parte: contande, pois, corn a
annuencia das Exmas. familiar e diguos leitores.
apresentam em seguida alguns art gos baratissi
mos, para quc.fiquem convencidos da realidade.
A saber:
Esplendido sortimnento de poupelinas de seda b
320 rs. o covado
Lindas alpacas lisas furta cores a 400 rs.! b
ellas.
Casemiras pretas, duas larguras pars vestidos
1,000 e a 14200!
Merin6b de cores, idem idem a l000I
Setins MacAo de todas as cores a 15500; c
melhor que ha.
Setinetas lavradas a 320 rs. o dto para aca-
bar.
Fustoes de cores pars vestidos a 240, 400 e
500 rs.!
Panos pars mesas, adamascados a 600 rs. e
1U400!
Brim bronco n. 6, linho puro a 1;500 a yara!
Dito pardo lona, largura quasi um metro a 44k
rm. o eovado !
Casemiras inglezas, duas larguras, de cores b
l150O!
Idem diagonal pretas, idem a 2A200, 34 e 45 !
Cortes de dito para o inverno a 2500 e 3 e
de graoa.
Idem superiores inglezas a 4<-00 e 54!
Seroulas de bramante bordadas, duzia 124000 t
184000!
Camisas francezas, brancas, finissimas o 305!
Meias inglezas para homes e senhoras a 3A5(X
e 5,000!
Lengos broncos finos a 25000!
Riquissnimas colchas de crochets a 10;000! si
de*18^000.
Idem brancas de lustdo a 35 e 4000!
Lecoea de bramante, para cams de easal a 25 !
Cobertas de gangs, forradas a 25500!
Cobertores de 1a, de cores a 25000!
Cortinados bordados pars camas e janellas a
65o par! /
Espartilhos fines, de couraca a 45500 e 55 !
Pecas de madapelbo trances, corn 24 jardas a
whales de casenmira a 2A 35e 45!
Fichus, grande sortimento a 25, 35; e 55.
Idem superiores de pelucia a 65500 "..
Chitas claras e escuras francezas a 240 'e, 2 rs
Aigodbes brancos e de cores da Bahia e Rk
por precos sern crmpetenc'a; sortimento complete
de roupas de todas as qualidades, enxovaea pars
baptisadose casamentos, tecidos de todas as qua.i
dades, pars vestidos, e muitas outras fazendas qut
serao Jembradas A presenaa dos Srs. compradores
69 Rua Duqnue de cazlas-5S
LOJA DE


Carneiro da Cunha & C.

Novas selinetas lavradas Ai 500
e 640 rs,
Chegou pars a loja dos Baraceiro. da Boa-Vista.
A ruan da lmperatra n. 40, um grande sortimento
dan mais lindas setinetas lavradas, tendo de today
am corep, as mais novas que tern vindo ao mercadc,
e vende-se polo barato prego de 500 e 640 rs. :
isto na loja da esquina do becco dos Ferreiros.
Fustles branches a 400, 300 e
640 rs.
Alheiro & C., A rit da Inperatris n. 40, ven.
dam um delico ortimento de fubt5ea braneos,
)pproie.para vepidou e soupas de crenas peplo
plro acma.iadicado; ito a oquma do beo

C uirais -a su 7 57


pa da Boao. Vista, vende-w
o do camemira do duas n r
acom c writes I a ww, pok-
3586. e 280(0 o wovado,
:NNW,

4AL.


v~ps OIts .: .


e seoui
C~amspralioaiadee desdn.~ 4-*' y~
Camhui nU as sas~dore, W. e, I'u
i dravatae grande va iedad.

Meuas es, branea, d co res e e u.a


CaBachos. tapetes, mlain, e dSftaM, bolhsa, d
can&"s para mewsos deade~n 28 f 8t M~A
.larinhae, de n. 82 A 35. '
Oamuam sawa, petaor*, calca rli
nboo para, Benhoa
Gravatam, grande variedade.
MeWa eruaz, brancaw, de cores e p,~w.
Capachos.. tapetes, malas, eateiram, bolemu4 veltefi'
hos, brings broncos e de cores, luva, petk's
rias etc.. etc.
Papoula & C.
18 Rua do Cabugh--f
Em frente a matriz dn Santo Antonio
LINA COATS


LuAtrosa para machine, e a M Jaea do I
Uos a tanto para maehina come para cower a M
-NAo se usa mais linha em novello--
Pede linha em carretel corn o non "
-J. &P. COATS -

Chegaram

Obras de vime
Cestas para co-- pras, de diversos tamanhoes.
Ronpeirom.
Arafatles.
Cowturelroo.
Condecam.
Balaio, parap
Cadeiram.
Bua estreita do Rusariiio n.'9, Povas Mendee A
Companhia.

Burros mansos
Vende-so 35 burros m:ansns ja acostnmados us
servivo de earr(cas ; a tratar no escriptorio do
empresa'do prolongamento, :i rua do Impersad
n. 77, ou cm Palrnarps co-rn Ernesto A. de Pamavs
Aos marcineiros
Vende-se para liquidar 3 bancos para manru-i
riae algumrna ferramenta: assimrn como marquezSl
para casal, lavatories nnves e usados ; pars v&
no pateo do Paraizo n. 21 e tractor no largo do
Mercado n. 1.

floupas part homiens
POR
Preo os baratissimof
Rua da Imperatriz n. 40
LOJA DOS BARAIEIRO8
Paletots de casemiras de quadrinhos, fa-
zenda que se lava 65000
Dites de panno preto fino, fazenda muito
boa 7(00
Ditos de casemira de quadrinhos e listri-
nhas, forfraios 850Q
Ditos de casemira escura, forrados 85006
Ditoa de casemiras de cores clamas e ea-
curas 10000
Ditos da casemira de cordao, de 105 A 12A M0
Ditos dc panno preto fino, forrados 105000
Cal9as de casemiras corn differences pa-
dries, de 5/500, 6590,0 85 e lo00
Ditas de casemira dc cordao 65500
Ditas de casemira preta sed! a 85 e 1000oo
Ditas de casemira preta 65000
Ceroulas de creguela, obra muito bemrn
feita a 1A200 e t160
DItas dc Hamburgo de linho a 15800 e 25000
ColletinhLos para dentro, sendo de ere-
guella e muito bern feitos a 800 e 1o000
Camisas, grande sortirento de camisa
brancas, tanto francezas Cono inglezaa,
tanto de linho cornmo de algodol, send
de 25, 25500, 35, at6 5A000
Meias, grande scrtimento de meias eruas
para homiens, de 320 rs. o par ate 700
Tosahas, grande sortinoto de toallas,
tanto para rosto como para habnho, q.ue
se vendem por pregos muito razoavems.
Tudo isto 6 eom grande reduao de pros; a
loja da esquina do becca dos Ferreiro..
Fazendas braancas

Na loja dos barteiros

da B4Ia sta
40-Rua da Imperatrlz x-40
VENDE-SE


Madanolao corn 20 varas
Dito francez, fazenda muito encorpada,
corn 20 varas a 5., 55500, 65 e
Dito francez, americano, fazenda muito
fins, de 7A at6 1
Algodao enfestade corn 9 palmos delar-
gura, propria para tazer leng5es de um
so panno, metro, rs.
Dito tranqado corn 8 palmos de largura,
proprio pars leonces e toalhas de mesa,
metro
Bramante de algodao corn 10 palmos de
largura, prmprio pars fazer leno6es de
umn s6 panno,' metro
Dito I ingles de quatro larguras, eeatdo
de linho, metro
tregueDlas proprias para lenc6es, toalba
e eeroulas, sendo fazenda mute eneor-
pads, cada pea corn 30 varas a 14
e em vara
Ditas camorn & mesa medida a 115I,
e em vara, re.
Atoalhado adamascado para toalhas do
mesa, tendo 9 palmos de largura, me-
tro
Assim como um eompleto sortimeito 4d
pas de algedaozinho americano e
inglez, que Be vende a pe" de 85&-a
ate I .. n MIf





der
Iusa loja dt o esquina 4.




Aihoiro & U., a rma dsl.i~ f


46BB

20500
120M


200
1J536


009


lIwo


-a; .'


i~ -.1


p


14






Ir1
''S


f.:
..|


die,1


,%-


I


^fi






























a esu
a sus


apartes


nrvsores uma s rowto-
e e asiegurasse as con-

e uQt4 s.ablsla do pro-
to ,uniform. -preforiria
segundo o valordw as-,
idea ds diversas pro-
ate nas de Mins, S.


A hI er--asin, poderain surgir coa-
UAW" wbe, valor venal do escravo,
Sour Um lade a tabella p6de ser
ItiS'rsua provincia p6de no
-a*or.parmaoutra, l variedade doe.,ir-
c;tu s, de endiS esquo olks apre-
i m.Daqui i p6deresnltar prjuMao ao
| .pr*apeiotemo favor da emancipagla em
uiBa provincia, e dar-se o contrario em
I ;1 oiltoa.1: : -
S Portanto, julga quo serA melhor censer-
S var a tabella actual pars as provincial ondo
for ande o valr venal do escravo, e di-
m zuinuir 25 o para as outras.
S 0-projecto Dantas continha nma dispo-
siTAo 'is moderada do que o actual sobre
a depreciaZo, do valor do escravo. Taxa-
: rai em a or essa depreciaglo sobre o va-
lor rodusido, ontretanto o project taxa-a
em 6 s 4 sobre o valor primitive.
Ora, convindo A transfornmaglo do tra-
S balho uma apreciac= o mais gradual, nao
consults o actual projscto esta conveni-
r: enoia.
Concorda corn a segunda part do pro-
jecto, porque na verdade a solu o do
problema nao se reduz a abolir a eseravi-
dlo, mas tambem a transformer o trabalho.
Eata questio, send bern resolvida, vira
a sou tempo restattrar as nossas finangas
0, por consequencia, a desenvolver o pro-
gresso da paiz.
0 plano do nobre president do conse-
Iho consiste em offergeer aos lavradores
meioes do mobilisarom a metade do valor
enpregado nos escravos ; e elles, caucio-
nando oa vendendo as apolices que recebe-
reom, poderlo organisar o trabalho livre.
S Pars iso estabelece S. Exc. o impostor
additional de 5 0[o, destinado ao servigo
do juro das apolices e da emoncipagAo.
Mao o orador tern duvidas sobre a effica-
cia desta media, quo nio tern corrective
nenhum contra o resgate dos escravos.
Nao ha meio de tolher esseo rosgate, que
em certas circuinstancias p6de aeearretar
a des6rganisaglo do trabalho.
Falta tambem no project urnsma provi-
dencia quo garante o trabalho do liberto,
o da qual a experiencia nos mostra a uti-
lidade. Urma media neste sentido impe-
diria a vagabundagemn quc observamos da
part dos libertos.
Comtudo nao deixa de dar o sen vote a
este plano a esto ensaio do transformaoo
o trabalhoo ; mas quizera que uma parts
do dinheiro a despender corn este serving
S fosse applicado A colonisaglo.
Acredita que o piano tenha effccacia nas
provincias do norte, isto e, que o trabalho
S dos oeiravos seja substituido polo trabalho
46s libertos ; nas provincias do sul nao se-
nA tSo effleaz, e assim pars quo a reform
na o fique man~a, serial convenient dar a
questao uma solugio que aproveite a todas
as provincias do ikperio.
Pensa, come um seu college de deputa-
t3o, que em nada se altena o project, nerom
se desfalca em nada os impostos, na parts
rolativa ao serving dos jurors e A autorlsa-
g io dos titulos do renda, se for a part
destiaada, propriameinto ao fundo de eman-
cipailo, applicada ao" serving de colonisa-
coe immigragbo.
Acha aproveitavel a id6a do 8r. Affon-
o Oebsd, de que o liberto deverd traba-.
lhBa de preferencia nas fazendas do seu
et-asehor durante um certo numero de
annos, porque assin ficara impedido a va-
diasgo, e sern nm born casino pars a tran-
sforrnagto do trabalho.
Observando o enthusiasmo que mnostra
o Sr. president do conselho pela colonisa-
ceo e immigra93o pade a S. Exc. qe nio
as esqnega de que a proviacia de S. Paulo
nests servigo tern contado unicamente corn
os sous promrios recursos. --
Aens| pvincia muito lucrarA corn a
a : >^c: de urns medida que facility a is-
!:i:i!:+i.!!i !i,, ,qu ., diap ndoe do te as forn,'
ii!: :' :+on ". p+de +acudir u-n g.. nd..+e
L s11: irnatignantes, +a0 ;0;1Blf e B :dos-


raorria a S. Zxc.
Quanio subio o ministerio Dantas, Yen-
do S. Ex. arecusar o goveron ,n'ama series
* artgos publicados coin a asignatura
Gladstoe no Joma do Comaeroio, estra-
nhou a absten*o deo S. Ex. de organisar
um gabinete, quaado se julgva necesario
resolver a question servil.:
Provaeys coin ist o que esperou sempre mai-
to da iniciativa do nobre pre'deat do con-
salho, por que S. Ex r tiahsa para resver
oats reforms, a qualidade. especial do ser
o hornem de roior prestigio entire as cles-
sea conservadoras, que o indicavam parf
chefe d'esse partido.
0 Sr. Saraiva presidente do conselho):
-Obrigado.
0 Sr. Nabuco nao teve, porem a hour
de ver S. Exc. ao lade do ministerio Dan-
tas quando waste, quasi desamparado, luta-
va corn o monopolio da eseravidio.
0 Sr. Saraiva presidente do counselbe):
-Porque reprovava os processes segui-
dos.
0 Sr. Jos6 Marianne : -Ento devia ter
a franqueza de profligal-os na tribune e nah
recolher se ao silencio.
0 Sr. Saraiva (presidents do conselho)
diz quo apoiou o gabineto Dantas emquan-
to entendeu ever dar o sen apoio.
(Ha outros apartes.)
0o Sr. Nabuco affirmsa que esso gabinete
sahioe do poder rnaier do quo bavia pars
elle entrado, porque sustontou urma tremen-
da luta corn a riqueza accumulada pelo
poder da escravatura e per que estava ao
laJo d'aquelles quae queriarn libartar a sua
patria.
Responded a urn apart do Sr. president
do do conselho, qne estA explicando o mo-
tive per quoe separo-seo de 8. Exc.
0 Sr. Saraiva presidente do conselho)
diz qae ha muito tempo o nobre deputado
estA distanciado do si, quo a id6a do armbis
era a msoma, mas o nobre depatado queria
realisal-a do mode diverse.
O Sr. Nabuco quer consignar o facto de
que S. Exc., no period abolicionista, em
que so preparou a malor quae tornou pos-
sivel, que S. Exc. so apresentasse corn um
projocto para ser apo:ado polo partido coa-
servador, o Sr. president do conselho nio
concorrea pars esse movimento senio corn
o seu silencio.
0 Sr. Sarsiva presidente do conselho):
-Porque tinha seguranga quo a causa ha-
via de ser vencedora.
O Sr. Nabuco pensa quo S. Exe. esta-
va enganado, porque seo Sr. Dantas nao
se tivesse sacrificado e o Sr. president do
conselho se apresentasso corn este project,
teris side recebido come o foi entlo" o Sr.
conseiheiro Dantas.
Responded a um aparte do president
do conselho que, tendo S. Exc. em consi-
deraglo o terreno conquistador e os sacrifi-
eios feitos A causa da patris, screditou que
S. Exe. apresantava-se pars impulsionar o
desejo do partido liberal e nao par& tomar
o commando do que parecia aceito pelas
duas opposiNes coligadas. Mostra que
em S. Exc. na organisagio do seu gabi-
nete, prevaleceu unsa certa descoaulia
nos eleoientos que mais se tinharn corn-
promeutdo corn a minieterio transacto; 0e"
per ise: S. Exe., em oes de seguir o ras-
tro lurinoso do soa Anteceesor, suoteuta
urn project que nao tern per fim seouo
Lazer do partido liberal, endrirecido pelo ce-
ment. conservador, urna bandeira, urna en-
ds e urn hite de dinhciro.
0 Sr. Jobo Penido :--0 que era o pro-
jecto austontado pelo Sr. Dantas ?
O Sr. Felicio dos Santos.: Era a mos-
ma cousa.
O Sr. Jose Mariano :-So era a rns


cousa, como e que os nobres deputadoe o
repelliram e apoism este ?
(Ha outros apartos.)
0 Sr. Nabuco iemonsora que project
redus o partido liberal, dep d. tortal-o
coveiro do es ravo e tu nnos, a soer
1' anjoit Ui oin Maa .n A mn e eau s *in fi a e tam


o Sr. pi


PAIS, PrlAvo leo0Onus"- do prnoecto
ainda mai s .o YIog var, sem etpro mr
o resultad q .ue a n deaja.- ,
Roeomd& eno Sr. presidente.'do eons.-
Iho em 18 otes questao de gabinete de
uran simple s urgencia doda a un deputa
do, porquea s6 entao curava da eloiglidi-
recta, querendo fechar a qeatlta servilno
naseedouro; ento S. Exe. alo pensava
quae cinco annos depoisto havia achar n-
arregado de im project que limits a oes-
ravid o orador podoudo provar que
oentao jA oquprehendia o seatirnento geral
do pai. -
Demonstra quo o legislator nunca se de-
ve collocar no ponto do vista da actualids-
de, mas procurar prover o sentiment das
correntes quoae marcham ; 6 precise ver qaue,
depois de tres seulos do escravidlo, em
einco annos de propaganda preparou-se
urnsma valvula que se acha prompts a arre
bentar.
Acha o project to anasehronico corn as
sue disposiooes de luxo de compressao so-
bri os libertosm, que vai provar qae o al-
varA de 6d de junho de 1775, do rei abso-
lute de Partugal,-6 mnuito mais vantajoso
quae o project quoae se dispute, per quae .esse
alvaria, que 16, ananda que os libertos fi-
quoem habeis pars todos os officios, honras
e diguidades, sem a notes de libertos.
Cits ainda a lei de 28 de setembro de
1871, que autorisa o escravo a vendor sonus
services pars cornprar sua llberdado, limni-
tando a sete annos esses services ; isto quer
dizer quo, legitimanmente, a eoravatura
nio podia durar mais do que soto annos
depois dessa lei; entretanto jA IA vio qua-
torze annos e ainda hoje se vemi pedir um
praso igual pars compensar o tempo que
na naglo brazileira, humans e christa, o
hemern deve servir pars alcoangar a sua li-
berdade!
Demonstra a forga do partido liberal en
tode o paiz e que aso alo fosse o facto do
achar-se dividido, o partido couservador
alo Ihe poderia dar batalha vantajosa ba-
talha que ainda precisou ser ganha na ca-
mara.
(Apoiados e contestagOes).
Refere a resistencia quo o partido con-
servador fez A id6a abolicionista, capitu-
lando por fim,
Nio sabM porquo, nests questlo, se at-
tribue ao Imperador uma opiniao que elle
nao tern. Tern-so dito quoe o 6 chefe da pro-
paganda, mas o order jA disse e repete
que falta a Sua Magostade a intuiio do
moviinento abolicionista.
0 Sr. president observa ao orador que
a pessoa do Imperante nio pode ser tra-
zida ao debate.
0 Sr. Nabuco naole dispute a pessoa do
chefe do Estado, mas nio Ihe pode ser pro-
hibido referir-so ao chefs do Estado come
se tmrn referido ontros oradores e rnes'no
ministros do estado e porque a imprensa,
que 6 o nivel do parlamento, se referee come
entende o Imperante : mas nao deseja in-
sistir nests ponto, em que apenas tocou
corn o fim de referir-se A actual tolerancia
do partidoe conservador.
Julia, poerka, quo no haorisonte assoma
uma grand. questlo qua o partido oonser-
vader nio poderd aeompanhar da meoma
rma, qual a questto federal.
Affirma quo se os abolicionistas da ca-
mara tivessem a responsabilidado do go-
verno m maioria pans fazer passarrum unpro
jaeto, este. somia a abolicgo immediate da
esoravatura.
Mediado a responsabilidade da sua pc-
si.io, a orador acrediba que represents a
honra e a dignidade do partida abolicionis-
t., que v6 mais de urn nilhbo de escravos
esperando anciosos a melucao deste pleito,
tomando a resolacio de rejeitmr-o prejocta
do nobre president do eonselho, porque
estA certo que a nacio, em manes tempo,
farA mais o melhor, porque o future estA
perfeitamen~a esbo~ado, per que arnstir-
cio servil esterilisa o territoiio e -iata


hemsin, -~ I


naoe


o em


opinion
posiglol


RI onviobO 9 d, defnder a boa causa
e o erdA0i' interests da clase infeliz
ehaimada soxrav -.':1# 1-! *,
Nao p6e soer suspeito aos abolicionistas
defend4doo actual project porquanto ao
ewonhee -a propriedade do ho=1m aobre o
noMen. Portanto, pensanido qua o escravo
tern direito A sua -liberdade, procura estu-
dar a question no intuito de ver se p6de
oonceder o po0oo diante do muite que tern
0 direito de exigir.
Sogu o e coneeito de Terencio: quando
nao so p6de obter o quo so quer, 6 neces-
sari? qu se quira aquillo quo se p6do. E,
par is1o, diz que, so estivesse em um paiz,
ao de 140.00, made 1,400:000 eleitores,
ago teria duvida r m vir pedir a camera a
approvaglo deo um project que extinguisse
ieuma a6 vez a escravidgo 6m o nosse
p^a'. 1 '-* ,
Tem ouvido dizer que a riqueza do Bra-
osil depended do brago escravo, e-.ao mosmo
tempv-que a lavoura agonisa e reclama
auxilios. Come? Pois soe a riqueza do
Brasil depend do escravo, o o brago es-
crave tern tide o condito de collocal-o em
tio mAs circunstancias, para que conservar
uama instituiglo, um regimen do trabalho
que dAl tao mAos resultados ?
I NIo 6 possivA- manter o trabalho escra-
vo sem ouidarmos do mode de substituil o
pelo trabalho livre que queremos organi-
zar. Felizmonte o espirito de associaglo,
de que ternom dado brilhantes provas a pro-
vincia de S. Paulo, robustece o'orador na
crenga de urma efficasz cooperaglo desse
element parA a solualo do problnma da
transformailo do trabalho. Per isso nao
so arrecei. das ameagas de sobresaltos des-
de que so trate do qualquer cousa que to-
uha per fim a extinegeo da escravidlo.
0 meio de pagar ao trabalbador livre
prov6m da b6a cultural das terras, e nile do
governor, quo s6 dove attender aos interes-
ses geraes da sociedade, e nao do agricul-
tot a quem porventura falloam reoursos.
Sendo esta urma reforms que s6 p6do
fazer-se por urna trasacglo, come bemrn pen-
derou o Sr. Delfino Cintra, cumpre quo as-
aim se faga, porque assim o reclamam as
convenioncias sociaes.
Increpam o orador de mostrar-se tio en-
thuesiasta per este project, quando aliAs
susteahtou o do ministerio de 6 de julho.
Mas se o actual proiecto 6 o continuador
do de 15 do julho, mant6m agora a mesma
posiglo que manteve outr'ora.
E demais, o actual project 6 mais adian-
tado do que o anterior. Aceita, portanto,
o que Ihe offerece o nobre president do
conselho. E' pouco, 6 verdade, mas jA 6
alguma cousa em prol dos desvalidos es-
craves a quom quer beneficiar.
Declara que apoia os principios, a nao os0
homens. A sympathia e estima quo lhe
inspirou o Sr. Dantas inspira-lhe o Sr. Sa-
raiva. Assim, recebe este, come reeeba
aquelle project, de bragos abertos.
Disse o nobre deputado Sr. Nabuco que
o actual Sr. president do conselho queria
fazer governor liberal em uma situaglo con-
servadora. E' urns flagrant injustigado
nobre deputado, porque so fosse come S.
Exc pensa corn corteza o Sr. Andrade Fi-
gueira sosia o mais fervoroso apoiador do
gabinete.
N'uma questlo d'esta ordem neo 6 pos-
sivel repeilir o concurso dos conservadores.
Beonvindos todos aquelles que conoorrerem
pars a desoppresseo dos oscravos.
Diz ser falso que o project Dantas alo
consagrava o principio da indemnisagio dos
sexagenarios. No senado, o ex-ministro do
imperio declarando que aeeitava uma emen-
da no sentido de consignar-se urns indem-
alsacao em servings, nocessariamente a fa-
ria de accordo coin o ex.presidente do con-
selho.
osta admirado dos apartes quo tern ou-
vido. Hontom um liberal em conferoncia


Spublics dizia que o liberal quo apoias~a o
actual gabinoto trahiria o sou partido; e
hoje6 e Sr. Nabuco quen julga ter na male
a bitola corn que ha de regular a opinion
de cads am.
A diversos apartes respond que nao
penma como o Sr. president do conselho,
que possa haver superfluidade no partido
abolicionista; o que ni o quor 6 partido
abolicionista estoril, que nmaa faga.
Sr.' 8araiv, .(jr~es&|i|nconuslba):


e' .oolvimnentfl o dair induatria ts*quad a'zons-
i dopin' d pemi serle rapids e farlo avultar
grtemnt *||^||| as' ren:das pabliess.


sente I


i p 4i.ia tasq mdiata; mas
miznquanto as cndiq scwiaos form as
existentea, no tetn direito do impar a sua
-opiab, apeast p6de brAdar a consciencia
naoior"al quo a escravidto 6 urn crime quo
Ros deshonra.
0 Sr. Adriano Pirmentel: -Pr6ga o quo
k born, mae vota o quo r mAo.
0 Sr. Zama pergunta : quonem n'este mo-
mento, beneficia mas o escravo, aquelle quo
querem marcar umn term A escravidto, ou
aquellos que nada propoem ?
0 Sr. Jos6 Maranano, responde quo o
movimento abolicionista caminharA depress.
sa, sem lei que o opprima.
O0 Sr. Saraiva presidente do conselho)
diz que nao dove camiahar senauo auxiliado
polo govorno, qua tambam quer a em nni
pa9to.
Ha outros apartes.)
Sr. Zama entenJde que, para se che-
gar ao resultado quo pretend o Sr. Na-
u0o e quo 6 o desideratum dos abolioio-
nistas, 6 preoiso retocar a lei eleitoraf.
Escroveu uma carta ao Sr. president
do conselho, quando S. Exc. tratava da
reforms oloitoral, fazendo-lho sentir os de-
foitos o lacunas dessa reform, o quando a
diseutio na camara pedio quo o direito do
vote fosse dade a todos os cidadlos quo
soubessem ler o escrover; foi partidista dos
districts, mas estA hoje convoncido quo ha
nisso grande inoonveaiente, porquo elles
quebrainm a diseiplina dos particldos, sem dar
mais forga ao elemaento popular.
Nao coahece legislaglo qua teaha cons
tituido direito a escravidlo, e, quando a
houvesse, essa lei nao podia mais prevale-
cer contra o direito natural, que 6 o moldo
polo qual os legisladores so doveoa gaiar.
Conhece, pore6n, o alvara do 16 de ja-
neiro de 1773, registrado no Rio do Janei-
ro em 11 do janoiro de 1774, polo qual
D. Jos6 I decretava quo ficavam inteira-
mente livres des to aquaolla data os quao nas-
cessem do venture escravo no raino do Por-
tugal e sous dominios, sem a designaago do
libertos ; 6 esto o unico monument legisla-
tive quo ha a respoito dcste assumpto; do-
pois s6 houve a lei de 1831 que qualificou
de pirataria a introducgo no Imperio do


africanos como escravos.
Responde a apartes, descrevondo as vic-
torias que aos abolicionistas temn conseguido,
deelaranjo que jAmais pretenders satisfa-
zer os desejos do seu coraglo per neio da
conflagraglo da soeiedade brasileira, mas
quo, como home de coragco, so diz ao
parlamento o que julga ser a verdade, corn
a maioer isonglo. (Apoiados.)
Vozes: -Corn brilhantismo e dedica-
gao.
0 Sr. Zama demonstra que o Sr. Nabu-
co, que tern recebido tantas manifestag5es
de estima e quo acaba de ter umsa poca
na sua vida quo talves nao so reproduza
piais, foi injusto com o partido liberal, que
tern side enmbagado constantemento na
realisaglo das id6as quo proclamou em
1869.
Entende que a'o se podom conseguir os
fins semr se applicar os meios conveniontes
e quo nao soe pode exigir nuito de homes
fracos que se acharn mA frente da institui-
93es defeituosas.
0 orador nunca serad traidor ao seu par-
tide: hoje presta apoio a urn home res-
peitavel, probidos6e desinteressado, que nilo
torn promovido o filhotismo, que pode errar,
mas nunca ha de sacrificar a honra do


partido liberal, que tern mostrado muita
abuegaglo polo poder\ e que s6 o aceita
quanda comprehend que 6 esse o sou de-
ver de patriots. (Apoiados.)
Mostra quo a entrada do Sr. const lhe-
ro Penna no ministerio era natural,
pars que o gabinete offerecesse garantias
A antiga dissidengia, al6m de ser a proves
da conquista das id6as abolicionistas, que
deverm applaudir soempro today a colla-
boragio, qualquer que seja a origem.
Depois do outras consideragoes o orador
terminal declarando que acompanhou o ga-
binete anterior na suan reform corn a mes-
ma lealdade corn quoe acompanha o actual
na reforms que sustenta e que julga
umn pounce mois adiantada do que a ante-
terior: quauto ao Sr. Nabuco, cujo mere-
cimento 6 o primeiro a preclamar e cuja
segunda eleigo hour a si sos e ekit)res
que o elegeram, julga quo S. FIxc. nao foi
teliz no ultimo dia em que fallou (apoia-
dos e nlo apoiados), nao corresponded ao
sagrado amor que tern manifestado pela
causa dos eseravos, quo nao podem viver
de thiorias, entretanto qne o nobre dopu-
tado rejeita taude, come o Si'. Andrade Fi-
gueira,:collocando a causa do abelicionis-
me n'umna posiglo incorta.
9 Or. i9> aln Nabuee 6 forga-
do a responder -aodicurs do Sr. Zamn,
repetindo qas, eatow deaemoaho do sea man-
ato,/nao pode deioarde repelHr o project
to eo discuisso, porque nal so B trata de
unaa lei qle.6 seja executada pelo Sr,
oonseliro Saararva, mas que flea pras ser
executada por quern governed: peor isso
Ilao eta o a a ietem,-qnuo: 6 sagrado paras
o oradors4t, rmass tccano general quoe substi-
Wio a banduira-do piaido liberal no m-


sotu o saeigtgamets, ptrqUaede &. KkcE0.
esperava um project menos- adiatao.'
0 Sr -Saraiva presidento do ooslao):
-Onobro deputfado conhece as minhbas
id6as, ja tomes conversaio muito a ires.
peito.
0 Sr. Joaqui a Nabuco comprehend
quo o system parlainetar 6 todo de trans-
acglo e de compromissos, mas isto s6 6
legitimo quando seja o unico meio do che-
gar ao resultado quo so protende; entre-
tanto o nobre president do conselho nao
precisava transigir quaado achava a naglo
disposta a aconmpanhal-o.
R3corda quo este projicto tern peor fim
tranquillisar a lavoura, revogara lei do 28
do setembro no diroito quo dava ao escra-
vo sobro a sua avalia?Lo, impor urn impos-
to pars comprar escravos importados de-
pois da lei do 1831, que faz crime do urn
acto nobre, qual o do dar refugio ao es-
crave siviciado. crime justificado no pro-
prio codigo criminal, quo constitue na se-
cretaria da agricultural leilito ab~rto para
quo o proprietario do escravo possa ter di-
nheiro para mandar vir colonos; emfim, 6
uma lei que faz quo o term fatal da es-
cravatura nao soja mais 60, mais 65 annos,
rasgando uama esperanha legitima quo
esses desgracados jA haviamn concebido.
Justifiea a phrase do que se servio, cha-
mando a situavgo conservedora 'corn umn
governor liberal, fazendo honra aos conser-
vadores, porquo se aeompanham o nobre
president do conselho 6 porque team gran-
do compensagilo future.
0 Sr. Saraiva presidente do conselho)"
V. Exo. aeha quo o ministerio pode pas-
sar o poder a quem quer que seja?
0 Sr. Joaquim Nabuco observa as in-
clinaaoes dos nobros deputados conserva-
dores; e o Sr. Zarna disae que a belleza
da lei eleitoral estava em ter dade a ca-
mara uma inetade conservadora e outra
liberal, que aos liberals adiantados alo
suspeitos ao Sr. president do conselho e
aos aeus amigos.
0 Sr. Araujo G6es Filho: 0 nobro
deputado veio elcito corn o auxilio do Sr.
miqistro da marinha.
ZHr outros apartes.)
0 Sr. Joaquim Nabuco suppbo que S.
Exe. nao foi contrario A sua candidatura,
porquo o Sr. ministry da marinha compro-
hoende quo na posiglo de chefe do partido
liberal da Peraambuco, teom de guavdar
diante dos sentimpntos pessoaes umna noer-
ma do conducts qua Ihe meroga o apoio
de grande part do partido liberal; mas
ease facto nao alter de mode algum a po-
siqlo do orador perante o project que
se dispute.
Acredita quo dentro do 19 annos, soea
impostos, pelo impulse da conscienoia abo-
licionista se terA feito a libertaglo dos es-
c'avos.
0 Sr. Saraiva (premidente do conselho)
-Tumultuariamente.
0 Sr. Joaquim Nabuco responded qur o
tumulto nao se estava fazendo nas ruas;
que a rev6luglo faz-se na consciencia, bas-
ta olhar para o CearA, para o Amazonas,
para o Rio Grande do Sul e para outras
provincias oade so inicia a emauoncipaglo
sem o vise do coinmercie estrangeiro.
Responde a diversos apartes quo o pro-
jecto em discussao 6 una poquina refor-
ma que mata a grande reform, ,quo serA
a destruiego de una forga quo, para sor
viva, devia ser deixada livre; quo os vo-
tos que apoiam o project sao a sua con0
demnagao, porquo uma lei para ser boa
devia ser imposta a resistencia; que a
missao do partido liberal nao 4 a de co-
veiro de escravos de 65 annos, nom de
capitne do mate o nero de corrector de es.
craves.


Eatende que a mission do partido libe.
beral 6p~r-se A frente do movimento nas
cional; pertence A escola revolucionar4,
nao da revolug9o das ruas,, mais das lois;
per isso quizera quoe o partide liberal rom-
pesse corn os interesses illegitimos das
classes poderosas.
Mostra que a razio per que se abando-
nou a emancipagio dos escravos de 60
annos foi para ir ao encontro da antiga
dissidencia, pars completar o cimento desta
situaglo, entretanto quo esases infelizes jal-
gavam-so cobertos corn o manto imperial
no dia em que foi dissolvida a camera
transacta ; mas hoje discute-se um projeo-
to quo nio pode ser considerado como lei
factora dos destines do paiz.
Pergunta per que 6 que S. Exb. n'o li-
borta os escravos de 60 annos nas condie-
os dos outros ,julga absurd a distinego
dos escravos do 68 anose sorem prferidoa -
na liborta-lo pelo fundo de emancipacg,
deirando os de 60 annos eseravos atW soa
65 annos.
Vota contra o project porque, p.1
opinito do Sr. president do eonsalio, WWl
os escravos que tem de pagar o irnposto
do projee to. : .. .


o discars ao sal-J L o quo di uamN
owuiselh, quari- refarindo-se a iuMf p'q
l ut Iastificar a: sua -a -


I----.


I












f


!


i e,,,




Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EOKBK2VTR_S6SFR1 INGEST_TIME 2014-05-03T10:48:49Z PACKAGE AA00011611_14346
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES