Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:13983


This item is only available as the following downloads:


Full Text












idem. ......
avulso, de dias a.nteriores.


57; R 1360
. ." 2+0p0
. 276000ooo

.- -. .- -. .-200


proprietbbe a be JHanoet Jioueira be JYaria & Juloj


RIO DE JANEIRO, 11 de janho, is 3


RIO DE JANEIRO, 11 de junho, As 3


horas e 45 minutes da tarde.


(Recebido


as 4 horase 40 minutes, pola linha ter-
restre,)

A taxa do cambiO sobre Loladret;
fti hoje de T 01/4 d. por I 000.




(Espe A :arB IA SI&7ASr

(Especial para o Diario)


LIMA, 10 de junho.


0 ministry plenipotenclarlo di
Franca, reaidente em LiAina, aeabvt
de suspender suasm rela6es conom o
governor do Per*.


BRUXELLAS, 11 de junho.


A camnara do representantes da-
elglca, enm consequencia dam ulti--
ma. eleieoes, pode ser assim divi-
dida:
50 liberaes s
St clericaes.
Desordens de certa importancia
- deram-se em Bruxeilas e em Antuer
pla* Todavia 6s autoridades con.-
seguirasm comprimnls5.


PARIS, 11 do junho.


0 mlnisterio Belga emt enm crime.

Agencia Havas, filial em Pernambuco,
11 dejunho de 1884.



IISTRUCCIO POPULAR


(Extrahida)

PART IV
DESCRIP(A0 DOS PRINCIPLES PEIXES
l.a SUB-CLASsE-PEIXEs OSSEOS
(Continuagio)
2a e 3a Ordens. Malacopterygios abdominaes e
sub-braehianos.-Serve de distinctive a estas or-
dens (come vimos) ser ecartilaginosa a Is barbata-
na dorsal e seem as ventraes situadas per baixo
do abdomen, atraz das peitoraes. Sio estas or-
dens que teem o maior de numero de peixes de
agua doce. Os da 3a teem as barbatanas suspen
as" aos ossos da espadua.
Especialisaremos alguns generous:
Os Barboa teem per earacter essential a falta de
denotes e a membrana dos ouvidos corn trees raios.
Seun corpo 6 oblongo, a cabeea comprimida e co-
berta per grande escamas. Teem so uma barba-
tana dorsal no meio das costas; as outran espe-
cies de barbatanas existem todas. Teem canal
intestinal curto, figado pequeno, bexiga area du-
pla e grande. Nutrem-se de lodo. A sua came 6
estimada.
Um pequeno numero de especies teem barbillhes
(isto 6, uns appendices cm fonrmna de barbatanas
compridas aos lados da cabeca e inferiorminte).
A Carpa (Cyprinus carpio) 6 o mais conhecido
dos peixes pertencentes ao genero dos barbs.
Cria-se facilmente nos tanques e viveiros, chegan-
do a idade bastante avancada. Pode ter at6 1m,32
de comprimento; 6 extremamente fecundo.
Apenas citaremos mais tres especies, a saber: o
Barb ordinario, de pounca importanicia; a Tinca
on Tenwa; e o Cadoz (Cyprinus gobio) pequeno
peixe dos nossos rios, tendo apenas um 0m,16 de
comprimento, tambem corn dous barbilhues.
Dos barbos que nao teem barbilhoes, citaremos
de passage apenas os principles.
Temos:-a Rauivaca das redomas e dos tanques,
notavel pela sua bella cor vermelha corn reflexes
dourados; a Raivaca dos rio.; o Alburnete, que
so distingue pela cor brilhante, e de cujas escamas
se tira a material corante que serve para tingir as
perolas falsas; a Mugea, Falaga ou Tainha, peixe
corn a form do arenque, cinzento corn listas escu-
ras, e frequent nos nossos mares; os Arenques,
que teem o corpo prateado, sem manchas, e o quei-
xo inferior mais comprido do que o superior; a
Sardinhla (Clupea spratw),-menor que o arenque,
e d'elle different em s6 ter 13 raios na barbatana
do dorso a do arenque tern 18), muito vulgar entire
u6s e abundantissimo em certas 6pochas do anno,
dando ensejo a rendosas pescarias e a nao menos
rendosas salgas que a tornam propria para a ex-
porta*o (A qual tambem a sardinha so adapt con-
servada em azeite,--industria muito rendosa em
Nantes).
(Contlnua).


PAITE OFFICIAL

Govermo da provlnela
XPBuDImNTE DO SECRETARIO
Offiios:
De ordm do Exm. Sr. desembargador presi-
dente a provicall, trasmitto a V. 8. as omffcio, por
cpi de 4 sdea do anno pad dodo e Li de
iito da eara de Pao d'Aho. corn o respec-
tivas ifrmaes, tabm juntas por c6pia, afim
de que ems Asiembla, resolva sobre o assumpto
d u dito, oeaom a da Voamliai--Ctes da Camamra de
P A~m "Ms& ds cidlwria.-Comamuniemse


de Bom Conse-
bargador presi-
. a. quenests I
l[e velo amexe
pd emcm-


.931884 1


da treguezia de nto Antonio, e tendor'em
$ras informa95es n. 74 e 503 de 29 de fevereiro
de margo ultimo do inspector geral da Ins-
triiccao Publics e Thesouro Provincial, resolve de
acoordo corn o I" do art. 12 da lei n. 1766 de 21
do junho do anne passado, conceder A peticionaria
a gratificacao dc merito da que tract o art. 141
do regulamento de 7 de abril de 1879, visto con-
tar mais de 15 annos de efifeetive exerecicio no ma
gisterio publico.-Communicou-se ao inspector
geral da Instrueglo Publica.
0 president da provincia, attendendo-ao
que requereu Manoel Felix do Nascimento, pr
fessor da cadeira de ensino primario de Nossa Si'
nhora do 0' de Maranguape, e tend em vista as
informa95es n. 69 e 516 de 27 de fevereiro e 27 de
margo ultimo .do inspector geral da Instrucco Pu-
blica e Thesouro Provincial, resolve, de aecordo
corn o 1 do art. 12 do lei n. 1,766 de 21 do ja-
nho do anne passado, conceder ao peticionario a
Sgratificao. de merito de quo tracta o art. 144 do
regulamento de 6 de abril de 1879, visto contar
mais de 15 annos de effective exercicio no magis-
terio public. -Communicou- se ao inspector geral
da Instruc"io Publica.
0 president da provincia, attendendo ao
que requereu o 10 cirurgiao do Corpo de Policia,
Dr. Jos6 Joaquim de Souza, resolve, de accord
corn a lei n. 1,522 de 11 de abril de 1881, e as in-
formac6es do Thesouro a que allude o parecer da
commissao de fazenda e orcamento da Assemblda
Legislativa Provincial, de 21 de abril ultimo, con-
ceder ao peticionario a gratificacato permittida polo
art. 5o da lei n, 683 de 5 de maio de 1866 e que
deverA corresponder a 5a pa:te dos seus vencimen-
tos, visto contar mais de 30 annos de servio0 e
.continuar no exereicio das respectivas funcqes.-
Communicou-se ao Thesouro Provincial.
0 president da pro .incia, attendendo ao que
requeren Marcolina Furtado da Silva Cabral, pro-
iessora de ensino primario da rua Imperial, e ten-
do em vista as inrformacoes n. 65 e 516 de 25 de
fevereiro e 27 de marqo ultinmo do inspector geral
da InstrueQyo Publica e Thesouro Provincial, re-
solve, de accord coin o art. 12, 1o da lei
n. 1,666 de 21 de junho do anno passado, conceder
A peticionaria a gratificago de merit de que
tracta o art. 144 do regulamento de 7 de abril de
1879, visto contar mais de 15 annos de effective
exericio no miagisterio publico.-Communicou-se
ao inspector geral da Instruegio Publica.
Officiws:
Ao inspector da Thesouraria de Fazenda,-
Communico a V. S. que o bacharel Luiz Jos6 Pe-
reira Simoes, em 23 do mez findo, assunmio o exer-
eicio do cargo de promoter public da comarca do
Brejo.


Ao mesmo.-Mande V. S. pagar ao bacharel
Antonio Martins da Silva Porto, nonmeado per de-
crete de 5 de abril ultimo, para o cargo de juiz
municipal e de orphitos do termo de Amarante, na
provincial do Piauhy, a ajuda de custom na impor-
tancia de 6004, a que allude a ordem do Thesou-
ro National de 15 de*dezembro do anne passado
n. 254, visto achar-se o referido bacharel nas mes-
mas condiq5es do que anteriormente fora nomeado
para aquelle cargo e nao o aceitara.
Ao vigario do Pogo da Pauella.--Declaroe a
V. Rvma., em solucAo de seu officio de 30 do mez
find que me dirigi ao Dr. chefe de policia para
providenciar de mode a ser garantido o cult nessa
parochia e ni o haver alteraio na ordem pu-
blica.
Ao inspector do Thesouro ProviueiaL--N.8
terms da sua informagCAo de 23 de abril ultimo, n.
580, made Vine. pagar a Fisiden lkroteu aqusan-
tia de 15A808 constantly da inclusa cents e pro-
veniente de gaz consumido corn a illuminavao do
jardim do Campe das Princezas e do concerto exe-
cutado no respective eneanamento em marco ul-
timo.
Ao adjunto do promoter public deoTacaratfi.
-Corn a inclusa copia do officio do Dr. chefe de
policia de hontem datado, n. 469, respendo o que
Vine. dirigio-me em 15 do mez findo.
Portaria :
0 Sr. gerente da Companhia Pernambucana
made dar passage a r4 at& Mossord por conta
dos gratuitas a que o governor tern direito, no va-
por que seguir para os portos do note a 6 de cor-
rente, a D. Maria Galdina Regale Braga e D. Ma-
ria do Carmo.
EXPEDIENTE DO DR SECRETABIO
Officios:
Ao Dr. juiz de direito das execug6es ccrni-
naes.-De order do Exm. Sr. deoemborgador pre-
sidente da provincial transmitto a V. Exc. guia do
sentenciado Jose Joao dos Santos, fallecido no pre-
sidio de Fernando de Noronha de asphixia por
submersio conforme consta do incluso officio per
copia do respective commandant n. 1,243 de 22
do corrente mez.
Ao commandant do presidio de Fernando de
Noronha. -S. Exc. o Sr. desembargador president
da provincia manda communlcar a V. Exe. que em
sen officio n. 1,223 de 7 de abril ultimo exarou-se
hoje o seguinte despacho:
a Ao Sr. Dr. juiz de direito das execuoes cri-
minaes para providenciar no sentido de ser arre-
cadado o espolio inclusive as quantias empregadas
em despezas que Ihe parecerem ter side feitas con-
trariamente a lei e disposicoes do decreto n. 3,403
de 11 de fevereiro de 1865.
Ac director interino da Fatculdade de Direito
do Recife.-0 Exm. Sr. desembargad6r president
da provincial manda communicar a V. S. que em
soeu officio de 25 de abtil find foi proferido o se-
guinte despacho:
S Remettido ao Sr. engenheiro das Obras Pu-
blicas Geraes para providenciar e devolver.
Ao inspector do Thesouro Provincial.-De
ordem do Exm. Sr. desembargador president da
provincia remetto a V. S. 16 exemplares do alma-
nack para o corrente anne, sondo 10 para esse
Thesouro, 4 para o Consulado, 1 para Preeurado-
ria dos Feitos da Fazenda e 1 para o procurador
fiscal. -Fez igual remessa a diversas repartig5es.


DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DIA 10 DE
JUNHO DE 1884
Belisario Pernambuco. -Passe portaria na fdr-
ma requerida.
Francisco Luiz do Carmo Ribeiro.-Prerogo por
45 dians o prazo concedido ao supplicante para so-
licitar a patent.
Dr. Francisco Jacintho Pereira da Motta.-Sim.
Francisco Gomes de Andrade.-Informne o Sr.
Dr. jniz de direito das exeeucoes criminaes da co-
mares do Recife.
Jolo Hermenegildo Cesar.-Sim, quanto aon do-
cumentos, mediante recibo.
Jobo Brindaley Fox. Sim, corn ordenado s6-
mente.
Maria dos Santos Moreira.-Sim, corn ordonade.
Manoel Carneire Leal.-Indeferido.
Secretaria da Presidencia de Pernam-
buco, 11 de junho de 1884.
0 porteiro,
J. L. Viegas.


Reptarttlo da Polleia
Seco 2."-N. 632. Setrearia de Po
ait de Pernambuco, 11 deojunho de 1884.
-Dim. e Exm. Sr. participo a V. Exe
Li forR hontem recoidos Casa de De-
waOl0 osm t izdividuos: .


0 Sr. Dr. Carneiro da Cunha tomando part na
discussao, fidallou em sentido favoravel a proposta
de Luiz Ca-tello Branco, e concluio dizendo que
o peticionario em um supplement, que agora apre-.
senatou, addicionando-o A sua proposta, concedia
gratis sepultura aos pobres, sujeitava o cemiterioI
a fiscalisaco da Camara, assim come a approva-
cio do seu regulamento interne, assegurando que
esse Cemiterio em nada serai inferior ao de Santo
Amaro, podia o Sr. commissario dar desde jA o sen
parecer, uma vez que o peticionario, alem das con-
digoes do supplernento, que offerecia, deixasle
tambem A Camara a escolha do local.
0 Sr. commendador Neves, obtendo a palavra,
disse que abundava nas consideragbes feitas polo
Sr. Dr. Jos Osorio, aereseentaudo que 6 da ex-
clusiva competeneia da Camara a creacao de ce-
miterios, nao s6 pela lei do 1l de outubro de 1828,
come por muitos arises, qne a tern explicado e cor-
roborado, e que soendeo assim nio devia a Camara
deseer de sua autonomia, nio devia coder essa at-
tribuico, que Ihe dio as lois, sob pena de ser
nullo todo o contract, que nao for per ella feito
para tal fim.
0 Sr. Dr. Correia de Araujo disse que presein-
dia da questAo de competencia ou nao competen-
cia da assembl6a para contractor a construction
de cemiterios; mas que havendo o Sr. Dr. Jo0e
Osorio dito que achavam-se ema mo do Sr. com-
missario do cemiterio papers referentes A erwco
do cemiterio na freguezia de Afogados, achava
convenient que fosse elle ouvido ace srea deste as-
sumpto.
Posta em discussdo a proposta do Sr. Dr. JosB6
Osorio, o Sr. Dr. Carneiro da Cunha, fez aentir a
urgencia desta material, e concluio requerendo
verbalmente quoe o Sr. commissario apresentasse oe
sea parecer na Ia .sec9lo.
Suscitou-se urma questao de ordem entire os Srs.
Drs. Carneiro da Cunha e Correia de Arauje, de-
daiado este Sr. vereador, que nileo podia assegu-
rar a apresentao do seu parecr na la n esAo,
s6 porIque havia muito que estudar per sor o
assumpt s6erio e important, mno mesmo porque
nio podia previnir o que de future podese appa-
recer queoimpoowibiotasse'dito, mai ais vrrava
que se efroaria pars apresental-o 9 mais breve,-
mete posiel. v
Posma votos a propose do Sr. Dr. Jos6 0orw
foi approvada, declarando Sr. capitol Torr
que votava contra.
Aprelentftndo-Ee oa, ocw a Sr. Bttltba-
uar eje6doe R64 jaudej -xaz is t'egaeILII de S.
FreiPedro GhocaveaoB|cNe elito pan o 4'
anno, afim dejurBwatar-ashe foi ddefrid esfie



Adwanis a'tifj viu #iH'dmi w nei offi il e


Bellarmino Correia da Costa .lepha Maria do
Espirito Santo, por disturbios. ,
A' ordem do do to distrieto da B&a-Vista, Vi-
eento PFer'a de Lima, por disturbios.
A' ordem (| do 20 district da Boa-Vista, Ma-
noel, escravo de Jose Mauricio dos Santos, per an-
dar fugido.
A' ordem do do Pogo da Panella, Abdon Bra-
siliano de Christo e Candido Victorind de Britto,
por disturbios e offenses a moral public.
No dia 7 do eorrente, As 8 horas da noite, mor-
reu repentinamente, quando passava pela rua lar-
g do Rosario, o individuo de c6r parda de nome
tVermano Guilherme Borges.
0 Dr. Jo|:Joaquim de Souza, examinou o ca-
dawt- a conite d4o subdelegado da freguezia de
Santo Antonfo e deelarou ue a morte fra oc-
casionada por urma apoplexia fulminante. *
Doe de a V. Exc. Illm. e Ixra.
Sr. des am s6 Manoel da Frei-
tas, maito 5p resident 'da.provincia. -i
0 chefe de 2XIm(,do.T/eodorico
de Castro e it va"W, '- ,

Camara Municipal
ACTA DA SESIO ORDINARIA DA CAMA-
RA MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE,
EM 21 DE MAIO DE 1884.
PRESIDENCIA DO SR. COMMENDADOR MORAES
Aos 21 dias do mez de maio do anno de 1884
achando-se presents As 10 1/2 horas da manha
no Pavo da Camara Municipal da> cidade do
Recife, os Srs. president da mesma, commendador
Josd Candido de Moraos e vereadores, faltanAlo
coin participagio o Sr. Natividade Saldanha, e
sem ella o Sr. coronel Octaviano de Souza, assu-
mio o Sr. president a cadeira competent, e de-
clarou aberta a sessao.
Lida a acta da auteeedente, e post em dis-
cusslo foi apprQvada plenamente e assignada.
Entrando-se na primeira part dos trabalhos da
mesma, apresentou o secretario as redaeones de
officios dirigidos A Presidencia, e os despachos da
anterior, send tudo approvado e assignado.
Apresentou mais o expediente contido na pasta,
do qual foram lidas e tiveram convenient destine
as seguintes peast:
Um despacho da Presidencia exarado em 19 do
eorrente no officio do 10 secretario da Aasemblka,
remettendo urna proposta de Luiz Bemardo Cas-
tello J1ranco da Rocha, contendo hazes parn cons-
trucco de um cemiterio na freguezia dos Afoga-
dos, afim de que a Camara informe sobre este as-
sumpto.
Posta em discussAo a material, o Sr. Dr. Joe6
Ozorio, obtendo a palavra, disse que a proposta
per um particular para fazer um cemiterio na fre-
guezia de Afogados, mediante o privilegio de 60
annos, e e pagamento de um imposto per cada um
cadaver, que alli se iiihumar, e uma novidade e
umna illegalidade.
Que o estabelecimento de um cemiterio 6 objec-
to de postura, e dove ser feito pela Camara de
accord corn a autoridade eclesiastica, come dis-
p6e o art. 66 da lei do I* de outubro, e tern side
dicidide sempre pelo govcrno..:
Que isto seria bastante para nao aceitar-se s o-
melhante proposta, se n'esta nao houvesse ainda
urma outra razio, qual a de nao sujeitar-se o pro-
ponente A enterrar gratuitamente os cadeveres dos
indigentes.
Para estes principalmente 6 que se neeuita de
um comiterio no 1o e 20 district d'aquella ire-
guezia, 9 q meo ,4" gau em- esi a
Camara, como lhe cumpre, quizesse auxiliar a ini-
ciativa particular, que se mostra interessada n'esta
questAo.
Apezar de tudo quanto tinha dito, entendia que,
achando-se esta questao dependent de um pare-
cer do digno vereador commissario dos ecemiterios,
dove ser remettido A este a proposta afirm de apre-
eial-a por oceasilo de apresentar o seau pareeo.
Que por mais de urma vez tern pedido providcn-
cias no sentid3 de facilitar-se naquella freguezia
o scrvigo dos enterramentos; mas, come esta con-
vencido, de que esta questao tornou-se, sem razao
de ser, urma questao de capricho, absteve-se ulti-
mamente de tocar nella.
Hoje, per6m em vista das novas reclamaoes e
da proposta, no tern remedio senior pedir a Ca-
mara que d_ ura providence de accord corn 05
interesses dos municipes, e nao corn as de parti-
culares e concluio mundando a seguinte propos-
ta:
Proponho que va a propestas ao commissario dos
cemiterios para dar o seu parecer, afim de so po-
der informar a presidencia d provincia. Jose
Osorio.


la-A Camara Municipal do Recife, nao poden-
do ser iudifferente aos relevantes services pres-
tados A humanidade e a esta provincial polo finado
medico Dr. Silvio Tarquinio Villas-Bas, que dei-
xou de existir na mais extrema pobreza, tendo ser-
vido diversos cargos de cleigio popular, inclusive
o de vereador desta Camara, e estando assim o
ilastre finado nas condic5es do artigo 23 da lei n.
1,233, de 24 de abril de 1876, proponho que os res-
ton mortaes do mesmo finado, seja em tempo col-
locados em um dos deposits feitos nas cabegas
das catacumbas, comprehendidas no lanco das que
pertencem a esta Camara, cobrindo urnma pedra tu-
mular corn a seguinte inscripca0:
A Camara Municipal do Recife no anne de 1894,
para perpetuar a memorial do finado Dr. Silvio
Tarquinio Villas Boas, fallecido no dia 3 de maio
de 1883, mandon erigir esta lapide em prove de
reconhecimento pelos services prestados a esta pro-
vincia, e a humanidade polo mesmo doutor. Reci-
fe, 21 de maioe de 1884. -0 vereador, Decio de
Aquino Fonseca.
2a Proposta: Proponho 1 oque A rua denomina-
da Alegnia passe A denominar-se rua do Conse-
Iheiro Aguiar em honra do venerando Conselheiro
Dr. Jooe Jose Ferreira de Aguiar, que tantos ser-
vies tern prestado ao paiz, come representante da
nacao e das letras.
20 Que A irua denominada Ponte Velha passe a
denominar-se rua de Antonio Carneiro, em memo-
ria do finado tenente-coronel Antonio Carneiro
Machado Rios, que tantos services presto A esta
provineia nos differences cargos que exerceu e na
Assemblea Provincial come representante, que foi
desta provincia, que o vie nascer. Recife, 21 de
maeio de 1884.-0 vereador, Decio de Aquino Fon-
see".
Ainda continuando o memo Sr. vereador, apre-
sentou a seguinte requisigio de objects necessa-
ries para o service do Mercado Publico de S. Jose
n'eates terms:
Para o Mercado Publico de S. Jose6 precisa-se:
Wm armario de madeira pintado, para guardar
livrose papeis pertencente ao mesmo Mercado..
Urma bacia de metal estanhado, pequena, para os
guardas.
Que seja construida urma das latrinas que se
acha estragada.
Que tambem seja concertada urma das tomneiras
do deposit d'agua.
Qoesjam plantadoa de preferencia a quaesquer
outras arvores nos lugares, que no ladoe exterior
do Mercado se acham vagos, per term morrido as
que existiam. Reeife, 21 de maioe de 1884.-Ve-
reader, Denio de Aquino Fonseca.
Posta em discussuo a material, o Sr. tenente
Viegas disse que, urma vez qe se tin*a de plantar
arvores, pedio ao Sr. cemmissario sua' attenailo,
par que nao seja plantado um arvoredo denomi-
Uadq PichicK que nenhuma belleoa nem impor-
tancids terns, e que, seondo per isso de mui baixo va-
lor se te planmtado em alguns points em substi-
tutjlo de outras arvores. .
A Camara approvon a requiilo do Sr. com-
iiaisitio, atorijadoasim a deopesa a ella atti-

0 Sr. tenento Viegas, obtendo a palavrayela
ordem die ue de aecordo co o r. Dr. os6
Orio, tmlsario de.bolieia, fasisa na proposal
d. idade no intuito de apreo-
tai as ..taoao inverousa, jo4 co0m vantage e
L wV Be sobt6m o patio de arvores, tat
L Maljw t e p ots eroas rese antem d'ests
r Be liao' esta occauAo a a&estivo
*00*01 -qu ea"na arvores de qualidai e w1ao
dori tam panmtado, tndo emviSta o fim

u s~ verb* o gente orawannto poru.
_^^^^^ OA. po j m a ganftaix de ser
i|Hi~i.xwnprincipw do xercicie fioao,,


era facil achar quem disto se queira encarregar;
isto posto mandava A mesa a segumnte proposta:
Propomos que seja aproveitado o inverno para
o arbonrsamento daa ruas Conde da Boa-Vist:a,
RiAchuelo, larga do Rosario atW o pateo do Paraiso,
Duque de Caxias, largo do Arsenal de Marinha,
largo da Alfandega e lo de Marco corn a condicio
por6din, de quem disso se encarregar remember n'este
exereicio o resto da verbal, que houver para o mes-
mo service, e o restante no exereicio vindouro. S.
R. Em 21 de maio de 188 i.-Viegas.-Jose Osorio.
Posta em discussao, foi approvada plenamente
e quo se autorisasse o Sr. commissanro respective.
Communicando o mesmo Sr. tenente Viegas apre-
sentou a seguinte proposta, que foi plenamente ap-
provada.
Proponho quo a rua dos Patos seja denominada
rua do Netto de Mendouga. S. R. Em 21 de maio
de 1884.-Viegas.
0 Sr. c'pitao Silva Neves, commissario do Ma-
tadouro deu conhecimcnto A Camara de ter man-
dado que o Logradouro informasse sobre o facto
de ter o marchante Sydronio Ignacio de Mello
abatido rezes antes de completadas As 48 horas da
lei, como denunciou o Jornal do Recife, e apresen-
tou a minformaelo do dito administrator, declarando
ser falso quanto diise aquelle journal, pois affirma-
va que o referido marchante nunca abateo rez al-
guma antes do prazo. determinado pelo regula-


Petielo de Eustorgio Jos6 de Albuquerqne, pe-
dindo lieenca para expor A venda nos talhos, que
tern na freguezia da Graa, carnet de rezes abati-
das no matadouro da freguezia do Po9o da Panel-
lapelas razoes, que allegava.
rosta om discussao a material o Sr. Dr. Carnei-
Sda Cunha fallen oem sentido favoravel A petiilo,
a restringindo a concessao ato ponto ua Jaquei-
ra somente, e nao A today a freguezia da Graq.a, e
ncte sentido mandou a mesa o seguinte requeri-

v ARequeiro que seja restringida a concesslo ao
iougue da Cruz das Almas, fronteiro A outro
igual e pertencente a freguezia do Poco.
Recife, 21 de maio de 1884.--Dr. Carneiro da
Punka. 0
Posto em discussto o requerimenta corn a peti-
jo, fallaram sobre a material alguns Srs. verea-
5es e encerrada, e a votos a materia da peticao
0rvo o requerimento, foi plenamente approvada:
p0sto a votes o requerimento foi igualmente ap-
pr6vado plenamente.
SReplica de Francisco dos Santos Mac6do, re-
co Tendo do indeferimento, que Ihe foi dado polo
S r. commissorio de pelicia na petico em qne
rqueria licQn9a para abrir um estabelecimento de
serraria A vapor corn officina de carpina no cAes
d Capibaribe ns. 28 e 30 em face* do artigo 51
da posturas.
Posta em discussao a material, o Sr. Dr. Jos6
OQsorio explicou t razao do sou indeferimento des-
te modo :
Que a reclamagao que acabava de ser lida, era
urma especie de recurso, interposto de urma sua de-
clei.o, pelo qual indeferio a pretenclo do peticio-
nario.
Que indeferio a petiole firmado na lei n. 1,112,
que prohibe o estabelecimento de machines, pa-
darias, etc., em certas ruas, mas notava que na
rua de que se tract, ha duas machines de fazer
gelo, pelo que entendia quo a Camara, antes de
qualquer decisao, dove mandar que o engenheiro
examine a machine em questao e o estabelecimen-
to, declarando a inconveniencia que pode haver,
ou nio na concessao da media.
Eneerrada a discussao e post a votes a conclu-
sio da exposiilo do Sr. Dr. Jos6 Osorio, fei ap-
provada plenamente.
Peticao de Benedicto Almeida, queixando-se do
dilctor-chefe da 4a secao de aferig6es por nao
quner aferir um metro do estabelecimento n. 50 a
u*do Bario da Victoria, pertencente a Bernardo
Augusto Soares Lcite, sem que fosse paga a mul-
ta que estava este A dever.-Ao Sr. commissario
de afericoes, ouvido o ehefe da 4- seccgao, o procu-
rador e o fiscal respective.
Outro de Antonio da Silva Quintas Maia, re-
querendo per arrendamento as casas ns. 28 e 30,
sitas A pra"a da Independencia, pagando mensal-
monte a quantia de 30A000, offerecendo come fia-
dor Manoel Pacheco de Lima, come responsavel
peles alugueis, e condic5es do arrendamento polo
teoipo que convier a Illma. Camara.
1iscutida a material resolveu-se que o Sr. pro-
eusor fizesse o contract, no qual ficarl- o inqui-
lmI obrigado A f.zer a calcada, send idoneo o
fiador que apresenta.
0 Sr. coronet Decio, obtenda a palavra pela or-
dem mandou A mesa o seguinte requerimento, que
juafcou:
i Requeiro que o medico desta Camara diaria-
zwte compare pela manhiL no Mercado Publico
dek Jow4' afim de emaminsr on generous expostos
1 bda, espeeialmente as carnes verdesR. L R.-
'f.,21 d aemio de 1884. Decio de Aquiao

Asto em discussion o requerimento, 6 S. capi-
tiAo Torres requeren que ao requerimento se ad-
diccionasse---estenda-se a visit do medico tam-
bem o Mercado da Boa-Vista.
Poito em discussilo o requerimento corn a emen-
da e a votes, foi tudo approvado plenamente.
Continuando corn a palavra o mesmo Sr. coro-
nel Decio, mandou A mesa as seguintes propostas,
que foram tambem approved as plenamente.


eagco do procurador, que na sessao pasiaaa par
ticipou a Camara que a primeira lettra da comn-
pra do Cawjote, vencida em 21 de junho do anni
passado, nao foi paga, correndo pertanto d'ah
em diante o competent juro; que isto era para a
ima dolorosa sorpresa, pois, havendo para -mai
de 23:000J no corrente exercicio, destinados sa
pagamentd das dividas passivas, nao achava ex
plicao para o faeto de ficar fora da list do
credores a referida, e unica lettra; divida, qu
de preferencia devia ser paga, pois qeo, alemn di
falta, em qune eneorrqu a Cuuaura, tiha deofiea
sobreeanegada de juaos, que seg-ndo heparecia
montarlo I50i mensaes, quoe erIkeretia, minex
plicavel e Bern rauro plausivel 6e0 o
eerto que o orgaiento Mandu f r os paga
Smentos, segundo a on&antigmidaA Man ursma let
tra era preinevel & quAqui outra soe con
tam; e quaeu,. orinsv&de erte par
ulterior dispimsi* Iet &Ouumpt o. do aa
ber & idae d atus pagss, V9-50 f(rdo a fa
t '* eg^Bt eqWisaimo


nento.
A Camara ficou inteirada, e mandou que seo pu-
blicasse no journal da casa a portaria do Sr. coin-
nissario e a resposta do administrator do Logr;i-
louro.
0 Sr. Dr. Jos6 Osormo, obtendo a palavra pela
rdem, apresentou seu parecer sobre as propostas
te Francisco Avila de Mendonoa e Jos6 Augusto
Carvalhode Medeiros, para a demolicao das casas
is. 2, 4 e 6, sitas A raa de Barao de S. Borja, e
reconstruceio do sobrado n. 1, sito a esqnina da
nesma rua nos seguintes tcrmos:
Parecer-Duas silo as propostas apresentadas
para a demolilo das casas ns. 2, 4 e 6, sits A
rua do Barao de-S. Boija, e reconstrucao do so-
brado n. 1, sito A esquina da mesma rua.
A de n. 1 limita-se a declarar que fez a demo-
.iiao das tires casas e a reconstruccao do sobrado
confonrme a plmanta, recebendo em troca os mate-
tiaes das casas demoldas, e mais a quantia de
4:000U pages em duas prestac5es, uma das quacs
no comego do trabalho.
Nao indica quaes os reparos, concertos, que se
)briga ai tazer, nerm offerece fiador idonco, nuo s6
para o cumprimento do contract, como da quantia
que se propoe receber per adiantamento.
A de n. 2 declare fazer a demolicao das tres ca-
sas terreas, e a reconstrucoo do sobrado de con
formidade corn a plants, consistindo a reconstruc-
gao e reparos no seguinte : coberta nova, encana-
nento das aguas, para-peito, terraco, de accord
corn a plant, mudanga da eseada, novos reparti-
mentbs, concertar a cozinha, collocar grades no-
vas, portas para o quintal e os0 demais reparos ne-
cessarios, isto pela quantia de 5:1144700, e o ma-
terial resultant da demolicao, obrigando-se a dar
fiador idoneo.
Se bemrn quo a segunda proposta ni-o seja de to-
do complete; porquanto na declaragao das obras
A fazer, devia o proponents accrescentar as se-
guintes :-abrir seis janellas no oitao e duas no
sot'o, picar e guarnecer todo o oitka efrente, fa-
zer calcada do lade da rua do Berom de S. Borja,
fazer muro no quintal, cimentar todo o terraco,
caiar today a casa, e pintar a oleo os ferros, per-
tas, janellas e barras, 6 preferivel a pnrimeira ain-
Id owm 9eteemde 1:U4114 em vista d.icLs condi-
*6es das obras a fazer e clareza da mosma pro-
posts.
Accreasce que pela segunda nada tern que adian-
tar a Camara ao proponents ; ao passe que pela
primeira, alem de facer o adiantamento de metade
da importancia da reconstrucgio, nio tern a ga-
rantia offerecida pela segunda.
Assim, penso qne se o segundo proponent ac-
ceitar, alem do que se acha na ssua proposta, fa-
zer mais o que so acha acima declarado, esti a
sua proposta no case de ser admettida, e aceita
pela Camara, que per su a vez se obrigarA pelo pa-
gamento em trees prestag5es iguaes; a 18 30 dias
depois que der eemego as obras ; a 2a qnando se
achar a mesma obra em meio; e a 3a quando o
proponent tiver concluido todos os concertos, e
reparoes, e fizer entrega da chave da casa, estando
esta pintada e em condic5es habitaveis, para o que
ever/ prestar fiador, que assigned o respective
term.
E' este o men parecer. Recife 21 de maio de
1881.-Joeg Osorio:
Posto em discussao o parecer, foi approvado
plenamente.
0 Sr. padre Mello, obtendo a palavra pela or-
dem, fallou sobre a obra da casa n. 1, sita runa
de S. Francisco, hoje rua de Francisco Jacintho,
pertencente A Thomaz Teixeira Bastes, a qual se
fez fora das prescripo5es legaes, por ter side pela
contadoria mal comprehendido o seu despacho,
conoedendo a liceuna, pages os direitos munici-
paes, referindo-se ao art. 122 das posturas ; e con-
clnio propondo que se permittisse ao proprietario
concluir a obra, comtanto que guardasse as pro-
porgses relativamente A portas e janellas; por isso
que a casa s6 podia dispor de 20 palmos em toda
a sua altura.
Postal e-n discussa'o a proposta, o Sr. tenente
Viegas, obtendo a palavra, disse que pedia licenua
ao seu illustrado e bomrn amigo para discordar de
sua opminio desta vez, pois que sempre opinou que
qualquer que seja a obra, ou concerto externo de
urma casa. nio se podia despresar o dispesitivo do
art. 122 da lei n. 1,129, e qualquet que seja a re-
solucao da Camara, ou do commissario despresan-
do-o, 6 urm ato illegal, pots que a lei obriga o on-
canamento das aguas pluviaes em todas as casas
do municipio; perem, come nilo 6 possivel obri-
gar-se A todos de chofre ao cumpriment deste de-
veo, tem-so deliberado, come actor equitativo, es-
perar para a occasiiao de qualquer concerto exter-
no, quo se tenha de fazer, para realisar-se o dis-
positivo da lei; que a sahir disto, 6 sahir fora da
iei; portanto parecia ter bern andado a contadoria,
fazendo applica'9o do citado artigo; que seniprn
assim tern pensado e quando exerceu o cargo de
commissario de edificacoes, urna so vez se nac
apartou desta opinibo.
Que quando ao f, ndo da questao apresentada
polo amigo e collega acerca do detalhe dan obn a
a fazerem-se, que se appellava para a Camara;
louvava-se cegamente no alvitre do seu collega;
qualquer que fosse, pois reconhecia o gosto e peri-
cia, cow que desempenhava o commissariado.
Encemrada a discussao, foi approvada a proposti
do Sr. padre Mello.
Aiuda proseguindo corn a palavra disse o Sr
tenenteo Viegas que tinha em mio urn communi


Requeiro que me sejam apresentados os docu-
mentos de despezas, relatives ao pagamente das-
dividas passivas, eftectuadas no corrente excrci-
cio. S. R. Em 21 de mnaio de 1884.-Viegas.
Posto em diseussao o requerimento, ainda con-
tinuou o seu autor A justifieal-o, depois do que
obtendo do Sr. Dr. Jos6 Osorio a palavra, disse
que vinha explicar o que ha a respeito do paga-
mento das contas e dividas do exercicio anterior.
Que determinando o art. 56 do orcamento vigen-
te que as contas sejam classificadag e pagas pela
suia antiguidade, mandou no principio do exerci-
cio que a contadloria fizesse a classificagco, do
que se den noticia A Camara, e ordenou que o pro-
curador pagasse de accord corn a classificaao, ou
antes corn a lei, da qual nao podia affastar-se.
Qu e 6 de support que os pagamentos tenham si-
do feitos nessa conformidade; e que, se a lettra
de 5:000j, dd quo trata o Sr. Viegas, nao estA in-,
cluida, 6 porque a verba 6 limitada e nao pode
abranger todas as dividas.
0 Sr. tenente Viegas ainda replicou, mostrando
que essa divida 6 divida de honra e alem disto
accarreta o prejuizo dos jurors.
Encerrada a discussao e posto a votes o reque-
rimento, foi approvado plenamnente.
0 Sr. padre Mello, obtendo apalavra pela ordem
cousultou A Camara, se atactura de umn telheiro
estA sujeito ao pagarneit) do imposter pela area
que occupar, como estao todas as obras de edifica-
ypes e reedtficadao.
Discutida arnaterii, resolveu-se que os telheiros
nada tern queo pagar de area.
0 Sr. Jos6 Ozario, pedindo apalavra pela ordem-
disse, que indo A ante-sala uma parte reclamar
contra urma decisao do director, ou chefe Ia ses-
sao de afcricao relativamente aferi.ao de pesos ;
por que tendo esse marehante 16 talhos mandou
os pesos, e balancas, correspondents a oito, afim
de serem aferidos, visto nao poder remetter todos
por ficarem os talhos sem pesos, o chefe da aferi-
,Ito cntendia que so podia aferir vendo os pesos de
todos os talhos de uina so vez. E comno nao tives-
se o commissario da atericao decidido esta questao
e estando a Camara fuacionando, trazia o facto
ao seu conhecimento para diliberar A respeito.
Diseutido a material, resolveu-se que fossem,
aferidos os pesos apresentados, send os domain.
que completam a totalidade ateridos de outra vez,
0 Sr. Dr. BarrosiRego, como rela or da commis-
sao. engarregada para redigir a representalao &
Assembl6a Legislativa Provincial, fazendo cousi
deracoes sobre o project do orcamento munici-
pal, apresentou a minute dessa representaeao, que
16u, postal em discusslo, o Sr. tenente Viegas, ob-
tend a palavra, disse que nada tinha corn a re-
daccao da represeuntaAo pois jA votou contra e
poremn como bern disse nai senssopassada seu digno
mestre o Sr. padre Mello, q, o direito de petieao
e representacao 6 outhorgado pela constituia'o .
em virtude desta mesma outhorga era que nao
queria usar d'este direito, o que the era licito, e
permittido por isso nao assignava a representacio
por considerar uma questao political, e confiava na
maioria da Assembl6a.
Que ao ter ella despresada e.orqamento manda-
do pela C imara, o memo aconteeeu o anno pas-
sado, quando a maria era coaservadoru, e nao
houve entao a menor reclamago e concluiu que
sob sua responsabilidade recusava sua assignatura
a essa pega de architecture.
o0 Sr. Dr. Carneiro da Cunha tambem tomou
parte na discussao, e depois de alguinas conside-
goes concluio dizendo que, sendoa maioria da As-
sembloa liberal merecendo por isso a sua confian-
'a esperava que ella Io dscurarfla dos interes-
ses do municipio; por isso votave contra a repre-
sentagAo.
Eneerrada a discussao, e posta A votos a redac-
9o da representation, foi approvado,, contra os
votos dos Srs. tenente Viegas Dr. Cairneiro da
Cunha, capitio Torres, e Silva Neves.
0 Sr. Dr. Barros Rego, cumo relator tambem da
commissio encarregada de dar parecer sobre a
proposta de Francisco Joaquim Pereira da Costa,
offerecendo bases para. comtractar a servico da
limpeza da cidade, e a presentou o seu parecer,
que leu, e 6 do teor seguinte : Aproposta de Fran-
cisco Joaquim Pereira da Costa para limpeza da
cidade nao pode ser acceita pela Camara admitti-
do como foi na sessilo passada, que o servi9o da
limpeza fosse feito por contract. 0 meio legal de
realizal-o 6 abrir a concurrencia public, estabele-
cendo a Camara as clausulas, que serao as do con-
tracto de Penna Motta & C. corn as seguintes al-
teracues 1' condicao excluidas as palavras por
meio da 2a condicao substituidas as palavras
430O000 pelos 600000 9' condicao substituida
a palavra oito por 3 13, 14 le 15 eliminadas 18
condicao depois da palmvra infracao accrescente-
se imposta pelo fiscal corn recurso para o commis-
sarno on por este sem recurso algum, ser. dedusi-
da do pagamento semanal 19 e 21 condicues eli-
minadas 22 condicoes depois da palavra deleterios,
e antes de e bern diga-se perceb, ndo o contractan-
te 5oOOL mensalmente por cada um 24 condi9ao
eliminada, 26 condiao em lugar do 80?, diga-se
5- i, 27 condicao, o contract sera por espaco deo
quatro annos; e o contractante nao terd direito A
indemnisacae dos materiaesempregados, e delucros
realisados e cessantes, se abondonar o emprego
por qual qper motive ; e as duvidas que houverem
serao definitivamente resolvidas pela Camara, sere
recurso oa,'a as autoridades administrativas, ou


a judiciaries. Decio de Aquino Fonaeca, Manoel
e Francisco de Barros Rego.
t Posto em discussao o parecer, o Sr. Dr. Jos6
e Osorio, obtendo a palavra, disse que nao teria da-
Svids em acceitar o parecer como base para urma
Sdiscussao, mas que nao sendo conhecido de todos
Sos Srs. vereadores o contract, a que se refere a
counmisso, entendia que devia ser el!e redigido,
pela secretaria de accord corn as alteragies apre-
sentadas pela eommissiAo, e impressos em avulsoa
aaim de ser distribuido pelos vereadores; e isto
p .ra que oada um estudando oposso discutir corn
mais -oeguranca e a ptesentar as emm'ndas, e alto-
raises quejulgar convenientes.
S Posta em discussio, e A votos a proposta do Sr
SDr. Jos6 Osorio foi plenamente approvada.
Nao havendo mais numero legal f-A levantada
e a sessao, e designado o dia 28 dd corrente para
Sa seguinte. De tudo se lavrou a present act&,
que eu Pedro Gaudiano de Ratis e Silva, secrets-
a rio, escrevi.
SJoss Candido de Moraes, prcsidente.-JosA Pe-
Sdro dsa8 Neves-Manoel Antonio Viegas.-Padre
SAntonio de Mello e Albuquerque.-Josi Osorio
Sde Cerqueira.-Decio de Aqutno Fonseca.-Frant-
cisco de Paula orreia de Araujo.-Jodo Gongalves
a Torres.-Antonio da Silva Neves.-',uwsy Juivenal
do Rego. Dr. Antonio de Siqueira t.arneiro ds
C uanha. Manoel Francisco de Barros Rego.
S DESPACHOS DO DI& 10 DO CORRENTE
o Paleo Sr. president commendador Mo-
i raes, no impediment do commissario de edi-
f iea~es:
s Francisco Jos6 Leite, communicando
s- qae vai mandar retelhar a casa n. 24 & rua
Os das Crioulas, freguezsia da Graga. mSium,
", dando previa mciencia ao respective fiscal
ir Hospital Pormguez, pedindo 1ieon$a i pa
, reparar o reboco da casa n. 17 A rus
-Oominercio. Sim, de co'nforuWade Co*IZ
Sparecer do engenheiro e pagos 0 direit '
municipaes.
M- Dr. Joaquim Corrrei.do Arauj.--, i-
a oecetar o danodeagoto dat ai
viaes da an. 1i7 ruadaUhik 4
8': li.geiro. w.repar*sno mutr dests
























^* ............ ...... ..... ^^ i ^ m ; fi r-'iip


^ 8i*^BB B Hj~idNBqL" i a ar. -t
S32 doorgamento vigent .
Lanilla "Eudoxia do Morseepar& rete-
ITh aa sua casa n. 2 A estraca dos Rmne-
*iog--Como reqter.
X o|l aalNuues. da Frauma, ,para -collocar
duas soleiras, corn as cornpetaotos hoon-+
A eiras de pedra, em substituiao as gra-
AA& de madeira da casai n. 65 A rua ilo
Viseonde do Inhauimna. Sire, de conformi-
i dade comn as prescripq8es do engenhoiro e
things os direitos munioipaes.
| Manoel.Alves Machado, para concortar
,o telhado e rebocar de novo a frente de
s aa casa, aita ao largo da matriz de S.
L 'ouren~o da Matta. -Satisfaga a exigoncia
S do engenheiro e volte.
Maria Angelina de Azevedo Tinoaco, para
eoncertar o minure de sua casa n. 45 A run
do Jardim. Sirm, do conformidade corn o
parecer do engenheiro e pagos os direitos
munieipaes.
Victorino Joaquim da Silva, para repa-
rar a frente de sua casa n. 23 A run das
Crioulas, fregaezia da Graga, substituiulo
por novas a grad's das portas e jancllas.
-Sim, cumprindo as prescripgoes do en-
genheiro e pages os direitos municipaes.
Pelo Dr. Jose Osorio, vereador com-


missario de policia:
Andr6 Pereira Soares, pedindo iicenUt
para abrir um estabelecirmnnto de tavorna
n lugar Campo Alegrce, freguezia da Gra-
,./ va.-Simn.
Agapito Antonio de Barros, pedinao que
se Ihe seja permnittiulo continuar corn a sua
loja de barbeoiro, sita a rua de Marcilio
Dias n. 94, pagando o respective itnposto
de porta aberta.-Cono pedo, pagando a
multa em vista ula inforinacAo do ifisacl.
Antonio Ignacio do Rego Medeiros, pe-
dindo que sejam feitas as devidas avcrba-
9les no sentido d( ter acab:ado corin o u'-
gocio que tiaha no predio n. 19 a rua do
Vigario Tenorio.-Coino pede.
Antonio Augusto de Lemos & C., para
levantar uma t-dda no quintal de seu ,esta-
beleciuento site a run de Jo'ao do Rego
n. 15, afimn de proporcionar recreios cam-
pestres aos seas freguezes. -- Sim.
Antonio F. da Silva, para canalisar gaz
para o predio n. 114 ao pateo do Tere. -
Sim.
Bruno Alvares Barbosa da Silva, para
que se do baixa no imposto -referento ao
se u escriptorio de eomminissoes de assucar,
site oA rua do Marquez de Olinda n. 50,
visto tur deixado- de commercial. Siu,
pag o oque estA. a dever.
Francisco Barbosa, para abrir um dupo-
site de fazendlas na casa n. 178 A, a cs-
trada nova do Caxauga. -Sim.
Henrique Altstctler, para abrir urnm es-
criptorio de conimisoes e consignacoes no
o 1. andar do predio n. 24 A rua do Mar-
quez de Olinda, bemrn come para collocar
urma taboleta na varanda do pre.dio. -Sim,
page o imposto do exericieio corrente.
Manoel Joaquim do Nascimento, para
que possa ter uma garapeira na casa n. 10,
A estrada nova de CaxangA, como precei-
tuan o art. 48 14 da lei n. 1791.-Sim.
Olympio de Burros Alves da Fonseca.
para abrir um deposit de seccos em u.ia
casa sita a segunda travessa da run do
Rio, do povoado da Torre.-Sim, pagan bo
os impostos, igguado a informaqao do
fiscal.
Pedro Bezerra da Cota G-aedes, pars
abrir umn deposit de molhaLos na povoa-
$ao do Caxanga, freguezia da Varzea. -
Sim, pagando os impostos a que se refore
a Contadoria.
Caimara Municipal do Recife, 11 de ju-
nho de 1884.
0 porteiro,
Leopoldino C. Ferrei-ra da Silva.


P MLIBUCO

Assembla Provindcial
44'a SESSAO EM 7 DE MAIO DE 1881
PRESIDTCfIA D) EX3L. SR. DB. AUGUSTO DE SOUZA LE.!
(.'ont'nuaao)
O r. Drarummn Pi atho-Sr. president
corn o rccterimnto, quz V. Exe. acaba de su,-
metter A iliicuse a, teuh.:, cm vista que ester As
semnible;L s'ja irniorinada oflicialmentoe sobre a.;-
phalia polieial do Muriboeca. Iesj,)jo, que sr ;i s
informed, s- 6 exa-to aue, d.da ailgiins rnezs,
acha-se aeephala a p'hlia d'aquella localidade,
e A ser veridico seuielhante facto, que m tivos de,
ordem superior torn actuado no aiumo ode .:- Exe.
o Sr. desembaTgador Freitas para assim proe.
der!
Por informa<6es, qne ministraram-me pessoas
criterios3is e fidedignas eston hkbiiitado wA dc-
clarar que, desde outnbro ,do.masno 'poim' p tssa-
Sdo, as auturiMiados policies de Murrbeca sotiei-
taram, pi)r meio de officios, exonerate dos cargo.
que exetciam, oflicios quo atW hoje nio tiveraui
resposta!
UM Sa. DEPUTADO-Se V. Exc. ja estA informado
disto, para que quer rnais inforinaces!
0 o SB. DRUMMOND FLHo--Mas V. Exe. attend,
que eu tenho infornacaes particulares e as info'r-
mages que peqo, presentemente, devem ser offi-
Ciaes.
Em consequeacia cde, nerm sequer, terem -obtidh
wjposta algama aea officios dirgidoes, resolrveira
a autoridades plkrciaes de Muribeea ai uao eon
tinuarem a servir.
Easa resolugo nao fara extranha ao anmniff.
trader da provioia, mwas, nem por isoo, ease ad,
.istrador dispoz-se i uomear novas autoridades,
Sd'ahi re ando fle acepiala a policia de Muri-
beea.I
Ora, tMeihainte eilado de f1o4sas e cou6pleta-
SMft afotftw T! wb"em plMAfimipeet.. os ei-
didie .,jue residemin 'iquella fregeari1e. q a&d.
= t 6, IPor t-aemtratamhme de
: P& B O WDf M fito H ^i^ (&U m~ie


i~_pi rii dami ido?
10) SLIBBaUSRUD Ji'JtuQ- -is oi & 4 0UOna 4ei e O
W'* eujaz i -nio e*mriodejo ati r. Co 1 -Sr pr a -u ja epmvawper
r)Iuma. dellas conheqo-as como cidadios de e a- 0i.Mu osDm o-E' posivellq eonc3- isao.
racter e deo bonas costumes. Tivesseam oa nslo ra- da-n'a. Ew Ntoo o ease passarei a requerel-a e (Ha u m aparto.
zao, ets o quo nao quero diseutir, senlo entretant en- o f moo esperaaa t s aer attemadido. A asasembl6 naLo noineou empregado V Exe.
f6r.a de dauvida que, desde qua S. Exe. n-Wtevu em A -mesa, 4 lido, apoiado e rjeltado o se- me attend se quoer discutir corn eama; eu s6 que-
sobre ellas aseadenucia em ordAem A tazul-as O- guinte requerimento: ro inspirar-me no verdr-leivo scntimenuto de jus-
trar no exercicio dos cargo policies, era sea de- a ReqeiroprorotggaiO per 20 minutes. -G. de tit.
v rent ar outts. (Aeidos t aopp#3i) -Drnmotm ,, r. president, umtnvez que o nobre deputado
Mas, S.,Exe.,nem os fez entrar em exercicio, A disessi-ofiea-adiada pela hore. para justifiear oseou project deu-me um aparte
nomso abalauei a prover a aseepilalia! oauM DO Au. falltando dos empregados do eonsulado, eu me oc-
Qaer-mo pareeer que os amig)os d ali doixaram Pi-oeedd.c -se A votao e 6 approvado em 2a dis- cuttarei d'easa aparte.
S. Exe. em eompleto abaudouo Ja eltou hieli eussAo o projecto.a. 24 de 1882 (eontinuaga'o do A assembledna o mnandou rcintragrar esse fufie-
na-do A prnsar comn o men honrado college, repre- estradas de rodagena), sondo dispeasado do interas., cionario, fez cousa inuito different.
sentaute do 10 distrieto. ticio A requerimnmito du Sr. SantosPiaheiro. -Diversosempregados do Consulado foramn do-
0 Six. OLympixo MAxqois di um ap:irto. Eutra ow 3a discusalo o projoco n. 1 din 188'2 mettidos pela supposicao de terem incorrido em
0 Sx. DiummoND FILHOE-Sirn, tAo peico crite- (elevando A freguezia o 2o diatrieto depaz da fe- umn crime.
rioso trm-se revellatdo o Sr. desembargador Froi- guezia do Altinho, corn s6de na povoaciio do B- Ut SR. DmrorADo-Foram demettidos.
tas na ewoolha do autoridadjs policies, quo diffi- bIdouro e sob a invoeaeAo de Santo Antonio do 0 SR. G6hs-Foram demettidos e para esses lo-
cilrnn'e sob a adininstra eo de S. Exe. presta-so Bebedoaro. gars woadas outras peso.
A servir de autoridade plieialo cuidadio, que te- Veton Amiasa, 6 lido, apoindo e entra. juntaanete Depois dai vrificagao qua aquelleg empregados
niha rwputaiao A 'mmauter e credit A zellar (Apoia- Cin discussio eomn 0o projectO, o scguinmto sabstitu- nenhuma culpabilidade tinlihamn nos escandalos que
dos e uiAo apoiados.) tivo: se deram n'aquella repartiAto, procurou-se renpi-
Vejo S. Exe. acercando-se de nmna policia des ] Saubtitiua-se o art. 2o, polo seguinte : rar a injustica de accord) ceom o president da
ordeira, aves:tda na pratica do tropelias e habi- Art. 2." A nova fregiezia terA os seguintes provincial, dando-se-lhe um mcio de resolver a
tuada it desrespoitar, couculoar us direitos do-s limits : partindu dlo Pice, d, Jardim (ponto que difliuuldado para nl o dimittir os novos nomeados.
cidaidos. s erve di divisa centre as frognezias do Altinho e A. assemblda nao maudou reintregrar, por que
UM Sa. DPurADO-- SBe V. Exe. disso qua n'lo Oaruarh) alimih, divisoria irA pnla sera dos L- s o 0fizessecomnimetteria um erro, pois isso &exe-
hltviaii autoridades no lugar. cos at6 it 0,itta d tne 0 5.. DauMMOSD FmLrO-- V. Exe. co:n certoza la.~t do pe ida serra, desta em rumno certo para a IA assambla o que fez foi autorisar 6 prosiden-
,t-o presto attenio ao (qu eiu disst, e so por c3ts; L:ag" do C:pim, di'ahi em direcaeo ;A ca*sa que fbi to aaddir esses empregadus a qualquer reparticuo
iimotivo lihoniira-me ciii t.lIo disp rattado aparte. ElI de Joaqluim do Mtllo em tSanto Antonio, seguiulo atO que houvsema logar3 par:i. clloz.
estava al dizor que o Sm. de-.embargudor jritas pjehiistrtadt abaixo a L.mg6a das Ltges ate oSa- Ora, Sr. president pergunto ar,-a: ao nobre
tetm-se couduzido inutito mal na es.Alila dc auto- quiulh) s-dime a surra d'tot iomn, sobre o Uit4I deputado se ha pariduide entree um fact e oatro?
ridtdes policies. s eiro, tudo na freguezia do Attinho. D'eatoe point) Estando o proprio president da provincia con-
0 Si. Baioour NAZARET-- NTIo apoia-lo ; teoin sguimt.'ti p1lo alto da mesma serra at eneieutitrar vecido dai iunocencia d'aqueiles emipregados, a
proceiido eminpre com innuito tiuo. Con at Scrra Vemlrt,, e por esta abaixo at6 a estra- Asaeinbl6;t quiz apni:as hlmailital-u Ai -p-trar essat
0 SR. OLYMPIO MaRQUOs- Pois niw.... dosati- ,11 PLei)o!ire,, uue servirA do linhr divisoria at6 i.ijustica.
no 6 que o nobre deputado devia dizer. eumi'untrari couno catminho pul)lie (quo vai do La- INonhumna pariletd existe corn o pr..jccto que su
0 Sit. DauMMOND lFVLJ. S. Exe., tn vez do -0 A d.I. G-atos pnr. B&Itttciras, servindlo o rorermuo di cuto, n.dau.'o qua a Caniara r-t.atrtgutw no
escolhlier pessoas serias, ecoeitualas e criteriosas-i, -CmiIIh di:'io di ai t6 a tt:oir.:a d'js Quaaduas i- luar de odtlimi troadmJo cu.pa tinri0 illna *>e13-o;l
quo p)ossan inspirar gairatiina a vid, liberd dc ( clusiva;iiente. que tinlia sido deimittida por falta de conifianca.
iropr'ieriam d do eidau, :mutia of ca,'g i pliiciae.l ,, i ),, QmA,:,! as nmrra do Prata nto rio Una Parcee qie neilninm dos nobr-cs dcputados con-
,i indivtd;i) desmorahsado serm ne,,s d &- d.v ,p,^)r et riaiho aciit ate a s'ra do Urued c Mo- tostara o diroito da Camarna escolher livremiente
dgumns dos qlaes ate r6 )s tl:. pol.icia chit,') i:i:.h:iv,, desto ponto segira p.ra a serra os seis emprg:tdos.
0 Snt EIaxtIto Isto) 6 sul)posiao dI V. Ex, deC Lin'r:ratubtI e L ,igoa d ) Dontro inclusive; de Eu nilAo quero oentrar na questao se a Camara
0 S:. DauMMUxO IxiiLio- lEni .:oa-s in eu col- oi o.le Sg,1inidlo peli alto da serri irat liiintaudo-se proce.lcu eon j.sti.a ou niao demrnittindo a esse
loga : u a v,.'aalec conwirjvtd" p.r FAct..s a} al- 1-m ;i frxguiizoia do B.zorr.e :ttu a serra do Men-" fmnceionario. L)uevo, pore, dolftander as prerog (aceC do touns. ) ,1, (i'r.gutomi ui Altitilit)) e pir e0lla atii iiu atcin tivas da Ca:n;lra C o direct i qi.- temn a livre esco
\,u'.:6 Nio ap-)0iItI). 0 .iconti-ar a c.atr;,lt. (mmi vati p)ara Carilutrdiu nor Te ilia iudo sens cimpregados.
Un it. J )mu'rLo- E' rinlit,) ch)niiciii at pii- ra V\c,'1,i-lh,:, alu, ,xist, a cr.ts: qe 5tO-ti dha Aint,- A CaUnara Muuieipal emtendendo quo css func-
cia L, Sr. u-se5ni sirg tuor I'rait.is. mo ro Vi.,nce u ,'ahi ea slir',tut.o pinto dl pairti juuio-riio nao convinh.it a)s iitere-sscs do rnuuiCipio
(rocuain-sc apartes.) n da.Ju'- /'uI MaIriz. o d.mnittio a bnmh do servim,-, publi-o. Por eonse-
SSit. Ditu.tMa-o D jILHO- S C ou quizus.<, .vsoer i \,m 1 cm;u, 6, lidou, apohailo e ,.tra tam)em cm gtuiut, pr.oel!i-4lo a-ssi;n, 0iso1 it iiumiriattribuio;:o
a unomicar iulividualidades, poJeria, por cxomnphio disctj;sio corn o project o semuinte reqiterm-iment: ito limoc conferidat cim Ici ; cxrcrie umn direito
ap,,tatr uunit dts atnr.es i;tt, uoridad-es da Victoria, individI queo ecstcve proiuaiiiiiado pin csan, scin prel'iso dIt discissmt.-Jitvueio a1- Per.tnto : isod it Assen(bla dizer a Camara
crimne de roabo. ri.-Roa e Silva. e que dcimitta umn funecionario sent por enton er que
0Ut.-- Sit. DEPUTADO- Niao c exicto. Yinr-'hiin ndihnfi nlavr't o enmerrntda a dias- .11h Tf o,,vnim,,,tu 9 l>........', .... ,, ,.


UMtON iL --- Eis aui', sv. Exei. cssaf ,prw-edlndo m- votaio 6 a6pprovado o pro- putado que sustente scmnclhante tlheoria; e sc sus-
aiadi ntAo sabein a qiuern ,n rntaio o ji mn- coate-- jecto, bIcm con1 o 0ttbst1utivo to art. 2' e o re- tntar, niio acredito quo seja de conviceao. Isso
tarn ji.u-ri:nseto. series constituirem-se aits Caminaraas Municipaes eCi
Usr Si,. a'tro-- Q n essa mattn)ri,lad,' Entr' em 1' 11 discussion o project ni. 2G d'ste cimnellarias (Apoiados e apartei).
o Sa. BIZ1u. D. NAzama -- V. Exc. lig a o inuo (rn.stabpelecendo o luigar (b- admininistrador do As ainaras Mumiicipaes teem is snas leis orga-
nomn'. Dto de s neemit-rio public d( Santo Amnaro e pondo eoa pie- nicas e. as attribuicees das Asseminbl6as Provinciaes
0 i. DMOND i O-' Eu fo desjna do- igor a li 1,233 na part que Ihe diz r1spei- sto restricts pelo Acto Addicional; e portanto
clinal-o ; mas umna vez que ittsistru, dirni qlti c o Ito, se ldo reinttegrtho on dito ltmgar o ex-iidmimnis- tO psemnos coarctar o(s dirnitos quo o Acto Ad-
Sr. Mamoel Nunes Firaz- o dt Alencar. It tdor J,,)Lo Baptista do Rogo comn os venimeuntos dieional eonf.o its Camnaras Munmicipaes. (Apartcs)
S Sit. tBMLmno Ndo exactto. q. ,e percebi), stundo o pagarnmeuto feito por verbm Sr. ppresidente, nao ha de ser por este mcio que
0 5.K. DtusM.M DI'tLO- lPart qut o colloga ri ormam-nto ?igente). use conseguirmf a entrada na Camara Municipal des-
avauua urna preposia;o desta ordemrn ? 0 r. CoGav OatleaWte-Sr. president, te funeeionario quo por elle foi deminittido; s6 a
Pois nXo eomprelhnde, quo eaa nao m anniw:n- ,".u v,,ui disouitir csto project coin sacriti-io, per ipropria Camiara po" unua dclibutrago posterior po
Ia A a1irmar um fact assin, a formular u;ia no- ,eh-ir mnito incommodado. Nilo tmndo cons3- der.i admittir este fimecionario, ou reintegral-o
ousayio grave pauirm s cuifidido ui"lo do Sr. president, que fsse discutido cm ino exercicio de suas anteriores tuntcies; por-
( irocaitn-sf aprmtes.) .citr-a oceasiao. quanti sabemos que nas corporaSoes doliberativas
Escs imdividuo foi pr)cssado em Carutart. is ii ero que s a encerrado o presetito de- quo'hj se jlga liiito injusto, umant pode-
alur cpia da pnmrtau do dclogado que f.z in- bate scin quc sm:t voz ao mncuos se levant, pro- se julgar just, e um acto posterior podto inntilisar
quderito. (Lend i) iitestando coutra o que'se pretend corn OstL pro- -o qua se t ez miteriormente.
,, 0 escrivuo interino dosta dclegacia (iouza) ,J" Sr. preside entcndo qne o proicto r.TO
In ) 1 ~jecto.8.peiot,'ttnd u ricojloc
autoandlo a presnte, o auto dt pIrguntas e Doveria, Sr. president, impugnal-o dou nm mo- srinplesmente hconstitueional, q Uoea violencia.
corpo d dlicto iAlus6s notifique ia ru u-eta do imatis cabil ; mnas inaMelizmeiHte nio poderei. Este precedetite nos nao devemos firmanr, porquec
i desta cidado d( ciuco a oito pessoas, que bern 's qeprofc-zenr'rectfoimn m; mad m'paree tard as Camaras municipaes mno terem a
saibam do roubo perpretado na noite de 10 Vpars. 'e ni er ro erc aeeitop.la-sa, pare- unda em r M cipac meo t ohn ic an-
S'isudot u project a p6de sm -acoito lp-c sal, pr- iltoeuuinia,.nem passirnot .de.-tmina haucelaria quer
11 do c entena casa d Antonio Manol dc quc6 insonstitucional; e-sendo asigii, naIo d dos presierites da provinia, quer da Assembl&a
SAlnmeida Do6d6 par a c )iiparccoroi na casa d iazcr part dos nossos trabakhos. -. Provincial.
Sminha residenuia no dia 12 do corrrente as 10 1Eun.io discutirmi as rwzzesqueodectcrainaram a
i qoras dar manh a pfir do deprem no f process,), ;apriusent.,i.?o de-te project, porque eonsidero a Sr. presidcrite, nao 6 do hoje qaue ciu elamreo con-
Sqie se vai imn taprar plo rctridao -tacto. oce-tsiao imnopportuna. Oeep.r-tne-hei pienas Itra essa inivasao que so faz nas attr'ibuices dais
Cuni.D-Juao Jo- M das Silv L eoro. cnm mostrar a casa que'le 6 illegal, inconvoenionte atnaras Muniecipaes. V. Exc. se qnizer ter o t-a-
Ud Su. DnPUTADO- Mas h l n'ao deolina monoe por eonseguinte nAo deve ser approvado. ibalho de consultar os Annaes desta Assemnbla, ha
dposMioao SlgD iDEPUTADO-U S. -Dru-D-Quod probandumn. ide n'elles encontrar prdtestos incus.
U.1 OuTrO Sit. DPuT.tDo E nin despacho 0 St. Gous-Sr. president, nilo eontesto u As- Eiu sempre reclaimei nest ea sat contra os abuses
de pronuncia. :semnbl'a Provincmial odireito que tern de suppri- ipraticados pla Assoetibla de autorisar o presi-
0 San. -DRUMmioxi FiLno- Lerei o despacio doACmir on fazer alteran6es nos etnpregos ,maiicipaes, derite da provinciala a conceder licengas a empnrga-
proiunicia. Pnr olle verio Vv. Excs., que o indi- porque n6s abemos que isto lhe e fteultadi pelo -dos municipaes; sompre sustentei que deviam se
duio, ai quernmme refiro, fira pronunciado por nri- ;aeto addieionsl. Mas tambem n6s devemos saber ias proprias Camaras Miinitipaes, porque os presi-
ine dercubo. lque pelo aeto additional cll.a nio temecompetencia .dentes dai provincia s6 teem interferintcii nos ne-
0 Sn. DMEIRM.- Boa policia l para o provimento do emnpregos munuicipaes e nern goeio'muticipaes quando as Assombl6as Provin-
O t. Dum mMox(tLiL--DEis o despacho de pdde emi muitos eases legmilar, sem que proceda a ciaes nao funecionam.
prouueia. (Lmndo) proposta da Camnara. Nilo se deve ententer que o president da pro-
a Vistos estesauitos etc. Julgo procedente o pro- A casa sabe que ibo tendo ha.vido proposta da vineia cm qumlquer cireu nstancia teuha o poler
cedim.nmto ex.-offiio contra o r o Mano3l Fraziao Camara Municipal do Recife regulando os servi- -de intervir ern negoeios miauuicipaes. Protestei
N unes do Alencar em face dos depoimeitos das 0os do Cemiterio, a Assembl6a n'to podia toer a minitas vezes contra as antorisacoes que se davamrn
i tstemunhats de fl... e curpo de delicto a fl... iniciativat, para crear tues services e alterar o nu- :ao president da provincia para aposentadoria de
portanto, 0 prouancio coma incurso no art. mero dos empregados. -empregados munieipaes, entendendo que estas mtu-
269 do codigo criminal sugeito A prisao e hivra- U Sa.R- DspurADO -V. Exe. estA arranjando fo- torisaqes de-viam set directamente concedidas As
,nemueto. ,, go pnar se queimar. 'Camaras, porqure s'o as competentes para apreciar
U-mm S. l)m'U.uT-- MtAS1Ma no foi suIstenttda a o SR. G(Os -- Sr. president, se se tratasse do lo rerecimenuto dos seus funccionarios.
pronuncia d projeeto do oroamento municipal e nesta occasiio Ora se eu sempre tenho condenado estes abuses
0 SR. DUlU.ON-D PLno--E cengano de V. Exc. quialquer deputado entendesse convenient rear como havia de cousetmr hoje que mais este se
Houve susteuntacio de pronmincia. o supprimir alguarn emprego municipal, eu seria o viesse commetter ?
U.i Si. 1DEPI)rADO- IL, houve tal. primeiro a dar razao ao deputado que assim pro- Eu.nao receio que nenhum dos nobres deputa-
O Si. I)DmnuToD FILHO-Afiirmno ut V. Exc. que cedesse. Mas toda a vez qne nao se trata de dis- dos possa provar-me que as Camaras Municipaes
a pronuni f01 sustentutdi. cussao) do project de oramento municipal ou de nito tern o direitoda livre eseolha de seus funcio-
) Sm. MAIz-0 que V. t Exi 16o, foi certidao. ama pr)posta da Camiara, sobre policia c econo- uarios, nem tambem a demissao delles quando nao
0 Sit. DRauMMOND IFuirmIHO -Nao ; foram copias de rmm, nao ha base para se fazer essaaltera*ao e Ihe mereeerem confianwa.
varies p)eC(as do pr)cesso. apenas a iniciativa do um deputado apresentando (Troeam-se apartes).
Un SR. DIPUTAOO-A eertidao 6 que tern valor, o present project. Seado mssim penso que elle Os nobres deputados nao contestam este direito
0 Sit. DR L.1M.OND FILno-Nio estramos em tr-ibu- vai de eneontro ao preceito conatitueional, prineci- 4s eatuaras munlcipuies ; por6m a que ficara re-
nal judiciario, ondo seja precise certidlo para pro- palmnente cogitando a Assembl6a de fazer estas dazido se a Asiembl6a Provincial ordenar que a
var-se o que seallega. Desie que affirmoo facto e uomneaoes. Cmara Mumicipal do Reeife reintegre un fnuc-
exitibo as copies, qtie eu meisoin extrahi do process UlM S. DEPUTADo MNs o project nern crea, cionario qu demittio porque n o lIhe meeeoia con-
so, n;1o polenti og colleges por em- du.ida mnilhaa nem supprimne, "fiinqa? Nao sera i3so o esbulho de uma preroga-
palavra. (Troeain-se apartes). 0 Sn. BARiO DE NAZAPHTI-- V. Exc. assim esta th-va da Cam-4ma Municipal? Nao sera umrn prece-
Unia vez, por6m, que d';vidam, comnprometto- em comnpleta contradic.Ao corn aquillo qiue dizia o dente furiestissimo e que hade reduzir as cameras
me ;i exhibir certidao, que manndarei extrahir dos annoe passado. nuinieipaes a mras ehancellarias de uma maioria
autos do proecsso. 0 SRit. GOES -- V. Exc. atteuda beirn para as mi- da Assemblea Provincial ?
0 SR. EsTmEAvo Dr OLuvEmriA--Mas qual foi o re- Inhas palavras, afimn de nao me chamat de contra- Comprehendo Sr. presidtlente, que a Asauembl6a
sultado ds process ? ditorio. om suna maioria per occasia'o de discutir os or'a-
O Sit. DumuDwrw Luc Ftmo-Eis-o que nao me cum- 0 Sn. BAn.o DE NAZARETH Tonliho prestado today mentos munieipaes e suas -posturas, fita as res-
pre ind(agmar. a atten"io. timcos que quizer; mrs no que diz respeito a
0 Sm. EsTEvXo Dn OLrvar.A--E' que V. Exe. -'s6 0 S. GoEs-Eu disse e repito quese se tratas- escolha do sea fanecionatlismo, a Assetnbla nao
clhega onde Ihe conv6m. -se da disoussito do prqojeeto de orgaifento inunici- tern competencia.
) Sit. DI)ruSMOD Fnro--E nerm precise ir mais pal, qualquer deputado podia lembrar a e-reoa o 0 ,S. BA&itXAo D NAzARRTH dia um apart.
alcn paras provar o que avancei. En disse, que o -ou satppressio de qunalquer uam lgar da Camara 0 S- (fs- --)sobre deputado niatarahnente
Sr. desembargador Preitas havia -nomeado atrto-i-I Municipal, porque ahi existe a proposta. qaerreferir-se stippressito d un fiscal da fire-
dade policiali a urn individno, que tinha sido pro- Este projeeto se divide emn dwaa parteo: 1na gaezia da Aaglateim,. Pois aguira saiba V. Exe.
nunciado par crime de roubo. primeira trm"t--ae de re stara'aqo deoaa lugar ; e qae a Camara Municipal do Recife nio demittio
Exhibi a prova, istoe 6, o despach- dc pronnnia, foi supprimide por lei dtta Assembl6a e que az estefinecmnionaio porqne a Assemblea nio orde-
basta-me isto. (Apoiados da opposicao). parte -do orqafiento ewooipaal -da aetal Camara "ouc quando ordenasse, a Cama'ra nio devia acei-
0 Si. BELTRaO-V. Exc. sabe perfeitamente do do Recife. tar, seFlhalmten imposigio da Assembiea.
resultado.O SR. OLYMar Me.gapMs-ne-Sem da. (Ha um apart do Sr. Barlo de Nazarethe).
0 Sn. DRuMMOND FILuo-Mas que importa isto? a Go s p e tae oa Assebl6a o 0Re fez foi suppnimir um fiscal
Admittamos,quoindividuo, doque s tract, de rerpregado d'aqella d no difrieto da Magdena eotendendo que a fre-
hovss sido, despronnciado ou absolvido, oa O que foi demittido a bem do serve pulblie l ge"ia de Afogsdsa nao 4evia ter mais de oam fis-
que houvesse sido, d afid, julgado nullo ao proces- S t. president, que 6 inetmctE- BfzaCo uoprjeto m e f m Malii 1 46 W
so. Por voentura qaalquer destas hypotheses tern m Vida.q I do sus pa.tes naD ha a m&er +u O a e B e D NCAZmaraiti wa tnl pa1te.
a forna de destruir, o qu e alleguei e provei, ise to 6 1d 0 & f N Ajr-1 qu0Sa. ?d0s--aiba o toble deptid& 'quo a
que a umn individuo que sofre-a urn procsso -or On Sir. o s N p v*r- i qu ? t sefsar onge 'Xe Jrijt*iaemfi a minh- t 'aZgas
O Sr .in u s Pfrt s lotge a npo tern i. %ct, a mo, iltvaiigfet
crime, de roubo, sendo pronuncisudo e sustentada a Oii J, tiser4,q .rt inaao ten s eatf et .&oreei.
proumunuia... .- p aeia f m Pars11f At okpj0%&.i6 I f garJdA
UM Sn. DEpUTADO-NbO heave tall sustentaea re T18 TO ywws mswwewr. doA^^ykli4 lllI 1 Ma a~lena, *t~ a
deyrontune'a, *1. 1 Sn. l3na~jo nn IN~t-V&,^. Rie. eb~tA ~nemg^a- 1Ma- -Ot^'u tc *i1*aO
OSi. Dauonxon Fuo---... insist, e sustenta, do a doutina quke aust Oif notpaa 0i3o. ,o
da a pronuacia, (trocam-se aartes) S Exe. o Sr. O'Sni. ,n'-=fo hatai. t ^twiaa iital^ I^
douomabar~gador J'roitns nomneara nutonidade pall- U 8a. osi& .MAmr~ i~tula'fl l.^ ~^I^i^1^11^^*w
0:. S-. A U 1?)a______ V. i
SB. BBLTKro-Eis umaaecusa~lo, que nioio V. ___ Exc< e -+ pded. te e


w=i o r. j+=xof. <-= |p
" =. Dnu*oMDI ELsvw- -Coiprehmndstu, .,I
Lie. Euaauo estou acusaa. eae ia rca
uuie Eo ,rocesaade. Neim new r a on amh dnan. I


SSr. president disettti ewtt(afig dweow-lvimen.
to do quo ptrv. e ta eata qutao. ;
Cada um4-e no's rm o aiite precio para
proceder coew eannder,g1e w de que por: maior
que seja lifrpem jutficar tate pjecto,
ninguem podera& eoaenear ;A qm -*spirito
calmr o de qe a Asaeabltfrovi tttemw-mpe-'
tencia paraimwdar "s Cmaias Aimie'm no-1
mnear eminpr dos Aem s tai ittido
a bem do s'MWo co. Aa
quo enteuder. *,aeCaM r-r iitm. t *&iwS at-
tribuices o qauiser imanter a sua utonomia, nao
ha d. cumprir essa disp.si*o da Assemblea Pro-
vincial, porque 6 illegal e iniqua; e aquillo quo 6
illegal e iniquo, nao ha corporaao quo tenha obri-
ga ao de cumprir. Se eu estiver na Camara hci-
de fazer today a opposie-o para que ella nao cumn-
pra semelhante lei, porque 6 offensive aos direitos
d'aquella instituico.
Procedam os nobres deputados como quizorem,
jamais concorrerei corn o meu voti, para quo sqja
adoptada sciriellhante media.
0 Sr. Antonio Correia (pela ordoin) -
Sr. president, V. Ext. deve star lembrado de
que om urima das se.3sies passadas, nos pritneiros
dias ern que funccionou esta casa, o nobre depu-
tado pelo 7o distrieto, o Sr Lourenlo de Sii, apru-
scntou umn roquerimento pedindo o adiaiun..to da
discuaiso, para que foisse logo discutido un pare-
cer da commissAo de poderes, por ser material iin-
portante c que devia de prefereacia prender a at-
tenoiIo da Asecmblca.
Agora, a exompl, do quo fez o ni')bre deiputado,
cu vcnhj pedir a V. Exc. (quio se digue ai+.niir ,o
d.'gninte requcrimento: (l).
Eu espero que V. Exe., nio deveudo ter duas
medidas, ima para a opposi'ao e outra para os dC,-
putados da inaiorm, acite o mneu requerim.nto, a
exemplo do que praticou corn o nobre deputado
pelo 7o district.
Vein A mesa, e lido, apoiado e entra juit:imci,-
te emn discussau o uuni o prujecto o segnmnte requc-
rimnento :
Requciro o adiaeinuto por 438 horas tt. discus-
sA debate project o que id interesse individual,
para que se discuta o de forma policial, qu(e 6 (1
ijiress.-e publico.-- autWio (.orreiu.
O Sr. B nriio se Xazar e-th-PCeo a p-a
favra.
0 SR. PRiiESIDENTE-Tim na palavra.
o Sr. Bstraito de ,'NfizaretIa--(Mao dcvol-
veit sen discurso).
0 Sr. Joio A.guw.to--(N'o devolve sau
discurso).
0 .r. Jo.6 ylaria-(Nao devoheu sen dis-
curso).

0 Sr. G6e. Caiaca~nte--Sr. prcsi.hnte,
o d or)'iga-ine de novo a subir a tribune, fazmndo aim-
dao saciriicio de dizkutir o project que oeeupla a
atteniaLo da casa.
S. Exo. animiado p'l. deztejo. d ser-vir bcmn aos
iiitenresses d(o sea partido, niao t--ve eserupulo en
attribnir aos collegas, adversaries p)iliticos, irntu-
tos qua tleos nilo tiveraul nil coiifecl.1o da lei do
orcaintito municipal do anno passado.
0 nobre del utad-) dowvia sor miais rasoavI-l
lenbrtar-sc do adaigio qu. qucin por si so julga a
iiinguemn offended.
Lintretanto, Sr. president,,, eu nao sou capaz d0
dizer que o nobre depatado proccde neste caso
somente inspirado nos seotimcntos partidarios ;
creio que S. Exe. a par da defeza desses interes-
sos leinbra-se tainbeci quo e6 representante da pr9-
vineia e se occupa de proferencia dos negocios
que mais iuiteressam a ellat, do que ao in ividio
emnbora pertenea eile a sua pareialidlad p li-
tica.
Qe armaioria da Assinbl6a no anno passado
iiao procedeu caprchosame4te nia confeeiao da iei
do orcamento municipal, estA na eonscieucia d'a-
Iquielles que coin calm e espirito de justi(;a apre-
ciarao o trabalho da respectiva co'nminissao, po)r
que n'elle so eneontra o principal fitn que ella to-
ve em vista de fazdr economics principulincuta emi
beineticio do tuna maniceipalidade que jAi nao tom
muito credit, porque nao p6de solver os sens de
bitos e eomnpromissos ati6 de homira contrahidos ha,
;tantos ainos, gastando miais de metade da sua re-
ceita no pagamneuto dos sous empregados.
A commnisso, Sr. president, teve cm eonside-
ranao que a Caanuta Municipal do Recife contra-
hindo urn debit(rimportante com o Banco do Bra-
sil, soem amortisal-o, sendo os juros capitalisados,
mais tarde nao teria possibilidade de solver este
debito, que contrahio para a construceao do Met-
cado Publico desta cidade.
Portanto, era urgemnte o neessidade-de econo-
miasreduzindo ordenados e veneimentos de em-
pregados, quaesquer qub elles fossem, conservado-
res ou liberals.
Eu empraso, a V. Exc. sob pena de ser conside-
rado quo foi por demais injuso o se deixou domni-
nar nesta questao s6mente por interesses partids-
rinos para quo me prove so na dirninuicao dos or-
denados dos empregados n-o form tambem inclui-
dos os conservadores, porque se o naio fizer eu di-
rei ainda que s6 teve emfirn. defendendo o projec-
*to, prestar servi.os a um amigo politico.
0 SR. BARIO DE NAZARET--Estou aqui proeu-
rando remediar a injustica.
0 SR. OG6s-Ja niostrei quacs os sentiments


que dominaram a commissao do an o passado ; e
fazendo justig9a a .V. Exc. nao acredito que seria-
mente tivesse emprestado A commissao e a maio-
ria da Assembl6a passada os inteatos que acabou
de manifestar ; por quanto V. Exe. julgando-se
'incapaz de proceder nesta casa, insuflado pelas
p tixofs por partidarios deve fazer a mesmo juizo
de seas eollegas e se nao a fizer deve conceder-
lhes o direito de dizerem que V. Exe. euntao quasi-
do discutio nao attended ao bemn public, mas sim
ao iriteresse Individual.


Eu nao affirmno isso porque n io attribuo aos on-
tros o que nilo dezejo para mim. entendo que V.
Ex. e capatz de defender cs interesses da provin-
cia como qualqaer de n6s.
O SnI. BARIO DE NAZAR.ETH da unim apart.
0 SR. Gozs-V. Etc. fique certo de que hei de
responder ao seu discurso e nilo tenho reccio de
que o public fmta de mim, nem da commission do
anno pass-tdo o inizo que V. Exe. parece desejar.
Sr. presilente se a commission nio tivesse pir
fim eceonomnisar os dinheiros publicos do mutiieipio
do Reeife, se nao tivesse em consideracIo princi-
palhente evitar a banca-rota dos cofros iminici-
paes que tendianm a isso, peor certo que nao res-
tringiria o numero e vencimentos de adguns em-
pregados ; porque essas economies nao forarnm fe-
ri s6m.,inte aos liberaes, prejudicaram tamitbem
aos empregados conscrvadores; e se V. Exc. sup-
pue que neste moment estou proterindo uma pro-
posi;Ao inexacta para produzir effeito en o pr6vo.
co para que mostre se no orgainento da Camara
Municipal do Recife do anno passado, ha ou nto
redur ao, de vencimentos refereantes a emprega-
dos conservadores.
Sr. president, en quero aproVeitar o tempo c
nao posse estender-me muito sobre todos os pon-
tos do discurso do nobre depatado. S. Exc. attri -
buio ao nossoproeedAmeato aA vontade'ou despel-
to politico contra o empregado demittido pela Ca-
mara Municipal. Ea vou provar t o nobre depn-
tiado qee s o ineapaz de preceder dAeste mode,
quando se trata de erpregados publicos.
A primeira Vez que tive a honra de fazer part
desta Assemblea, manifestei-me contra a demissAo
de Ufn fnecionario, quando a matoria ds mteus
eollegas pugnavam por ella, isto porque entendia
que aqWlela demissao consultava mawis as paixaoes
partidarias do que a coaveniencia do servigo pau
AMie0,
E a respeito de.te emplregad6 de que se trata
hojeW de6 diwer a V. Pkc. mie Atea 4e ut eRt at-
tribuidas faltas por eltle feormattidas, fendo en
part da comnisao deorcamento huucipeal, aeoi1
tei uma en da-atie Ihe era favoravel.


0 81 OEUW- -- ..I .e : '.-,M

'0- .SH4 oEO-*7 PrgpidienU~, acabei de mestxau
qftL-ois8tado ,.tr*qoom !ujieiP era lasatxio.
V unimco do Islil aam va U ,Camara de far
apealwt em asu reatas, porque ella uno tinha
;pago memn oajuros da divida. Nessas eircuni -
bwciamera nee imtrioaAtedo oitrause fazer-se eco-

A camissaoifz apews algumas reduejoe,a e
rltbigtantpe vae ndi.oes -finaceiras da munici-
*Plidae-do'HeTifee foi assim que entenden con-
veniente annexar o nlugar de administrator do ce-
miterio ao do capelliao, nio s6 porque resultava
d'ahi uma econominia para os cofres municipals,
mas aiuda porque Ovitava tas luctas que se davam
entire estes dous funociona.ris de qaoin acabo de
tract-a. ID- m- dj quo, eonlo assia: uIo se des-
organisava o servico n'aquelhla repartiqio; ao eon-
t'ario meolhorava, cessaudo osa3 luct.i, inasjiiuda
sQ, fazia umia cuunoinia de que : Caai'ia tanitto pre-
cisava par: nwlto cahir cm banearota. EIe 0os mi)-
tiveo plos q('aces a omrnissiao de or.aincnto o anno
passado iis'sin provedeu.
Sr pre idonute, a oppu.ie.o (,u,, failo a este pro-
jecto nuo 6 por espirito partidurio, c taUto n0o e
assign que alguns colleges liberals o cuaibat'm.
E o nowro deputado qUto se referindo ao ilustre
1I sceretario u :-r. JoAo Augustu o inou de lu-
Yciro, estA iia obrigaiao do accitar a opiniauo de
S. Exe., porqiu cffuctiumentci cll 6 Lim dos lu-
zeiros dejt.L casa, e urma autoridado liberal inuito
eoinpctuate p-ira defender as legitimnas preroga-
tivas das caiuuaras imunicipacs (iu ,i ;i (diA cstaZo
s!ndo uiisurpadas. A essay institoli.', l- ncIte
ipoito .u cstout de pe:-li.itoo c'-rdo c,,.n o ilin.tre
d(pitadt, deve cab.-r o direito da escolha de seas
finctionItrios.
Attecdain us nobres d'.putados ( c.@ eu nAo voto
c(untra o project por caprichlio plrtid;triu, e sim
per justice ; ao contrariu nao cont.taria coUIIn o dis-
tinucto corrcligioaario de Ss. Exes.
UM Sn. DEPUTADO-MIas V. Exc. vota sempre
rO111 a sua banucada.
0 SI. ALFREDO COIURUEI.-I-O nobrCe dop;'.t; q. -
r:a qu c votas uco:ii a banerda lib-eral '
0 S. (-UEs C.VAL.r.cA.x'rT -V. EXC. IUIlU;I iluts-
ca:ir os annaes q(ti, i4t .o vor inaita div'tr.onciri do
iiniha partoe n ) proprio s'io is dos 1n0. :. i;iii, .
) SR. JS' MAKA-Ndo o aInnoII) patssi l)u.
0 Si. G'-ES ).AVALV.ANT":- Li solidarii o 0rin)
pjassado (c sempre imauntrei a inim soii;iabriedade
cmn qualqurer qc,+o )oliti..
So vulteii ; trihuimi para respoirw'r to Sr. l~art)
(le Nazai eth, qule pretieudeu emprestar-mo intuitos
que nine: tiv'. Eu apruveitaidlo a oc.'asilo devo
notir (Iqn S. Exe. alpwsar do f.ilar t:ant, deminons-
tran(lo unila eloquencia iiesta causa, niAo poude
adduzir iumn s arguumento coin que provasso a
comnpetencia (la Assemblna para nonicanr c demittir
e;npregados min.icipacs.
A reiiitregacao do adlninistrador do Consulado,
o Sr. Carnciro u.t) vein a proposito, porquo nt.olfOi
a Assernmbla (jic antorisou ; ste distinct fiunccio-
nario fui ruintregado por portarit do prjsid-:nte, e
o mnosino so dcu conm o Sr. Alfredo. Por conse-,
guinte o acto praticado polo president nao p6de'
ser invoealo para ajustificacao do acto arbitrardio
e escaod-alusu que pretenule praticar esta Assenm-
bl6a inandando q(ic a Camara lo Recife nomncie
quem jA foi por ella demittido.
Sr. president, o art. 73 da li de 1,828, invoea'
dto pelo nobre deplutadu, o Sr. Dr. Jos6 Maria, nao
tom applieacao, pois nao se tract, de un recur-
so. E aiuda quando assim fosse, iino aprovei-
taria o art. 73 para ser invocado ein favor do pro-
jecto, porqe,t a lei nao se referee aos cmpregados
demittidos.
Al6ni de tudo o project nao 6 o rcsultado de
urn recurso interposto pelo fuinccionario demit-
tido.
Sr. presidente, vou concluir ; a hora estate a fin-
dar so. A Assemnbla proceda comio entender.
Creio ter cumnprido mineu dever, protestando contra
o project. porque entendo que elle 6 attentatorio
A dignidade e prerogatives das carnaras.
Ningemn inmais pedindo a 'palavra 6 cncerradB& a
discuss be ,posto a votos o project 6 apptrvado
sendo regeitado o requerimento do Sr. Aritonio
Correia.
Entra cm 1.' discussqAo e setn debate appro-
vado o project n. 47 deste anno (accesso a qua-
tro professors cm diversas ca'teiras.)
Continda a 2." discusaao do project n. 23 d'este
anno (tixacao de forca policial.)

1)ECLARA'OES DE VOTOS SOBRE AS EMENDAS
AO PROJECT N. 158 DESTE ANNO (ORQA-
MENTO MUNICIPAL)
Declare que votei contra a iinposieao lan?.ida a
exportacao do assuear, isto pelo augruento de mais
1/2 /o.--B. de Nazareth.
Votamos pela emonda n. 20, sobre agriculture.
--Santos Pinheiro.-Arnaro J. F. de 4lbqurquc.--
Javeitcio Mariz.
Decl~ramos quo votamos em favor da emenda
n. 62.--l; Daarte.-Frascisco Tiburcio.
Declaramos quo votamos pela emenda restrin-
gindo a 2 1/2 'h a disposilao do 10 do art. 1 da
lei do orcamento.-Aristarcho Lopes. E. Coiti-


Declaramos que votamos pela emenda que sup-
prime a congrua dos coa jutores.-Adelino de Lu-
na Junior.--Pereira de Lyra.-Franasco Tiburcio.
-Estevdo de Oliveira.-Jos M-laria. Amaral e
Mello.
Declaro que votei contra as emendas ns, 43 e
45. -Dr. itanga.
Declaramos que votamos pela emenda qn e'z-
tingue o imposto de 100 r6is sobre os volluieCi do
nssuear exportaJo.-A. Lopes.-Pereirt dic Lyra.
-J. Maria.
Declaro que votei a favor da emeudn 2G. -
Santos Pinheiri.
Declaro que votei contra a emnenda u. 33. M.
Duarto.
Declaro que votei a favor da emenda n. 48 so-
bre cougruas (dos coadjutores.-Santos Pinhziro.
Declaro que vote contra a emenda u. 59. 21.
Duarte.
Deelairo que votei contra a emenda que concede
7:000, ao Instituto Archeologico. Adelino Ju.
R+io).


REVISTA DIARIA
ALemblea Provinfial Funceionou
,iuptern, sob a presideucia do Exm. Sr. Barao de
Itapissamnu tendo cominparecido 23 Srs. deputa-
dos.
Foi lida e approvada sem -debate a aeta da
sessito antecedente, corn uma emen la, jastificada
r pelo Sr. Esteviiao de Oliveira, de que nan referida
sessao falarA para dar. uma explicaAio, quando se
discutia o projeeto de orcamento provincial.
O Sr. 10 secretario procedeu mt leitura do se-
gumnte expediente:
Umna petico de Manoel Figuehi'oa de F.iar &
Filhos, contractantes da publicaglo dos debates
desta Assembl6a no biennio de 1884 a 1885, reque-
renda que se ihe faua extensive a disposi*o do
additive n. 250, relative ao contra -to dos tach7-
Foi a imaprimir weogiiaite pto*cto precedido de
parec-r td tofAiho do peti5es :
N. 232.-IC6ucedetndo t mees .de flde09a coMi
ordenado s6mente ao professor Manoel Gregcrio
Vieira Bia
Approvaram-sedoaus pareceres da commisscoO
de redaecAo, um sobre ura emenda ao projeeto n.
24de1882, e otr so ie o pat e-r -n. 290 deste
an% seido e--a. -tom wm emdi to sr8 1Stevie
de ei* pa sV ltemata r edoo, e tdo dt.
rigid-& a rqxreteiiolo Oki tknicai 9'Aes iia


N ute useStiordo*R do *a-

Votaram-se e feurka! *O
_ W^**.* t &ba no, 3a -ik 40io do l .


ii



-Ii' I










- u-i


N


! '
l i

[ ,
i ,
i

ij






























pelo


O sieute da provincia deo Pernarmbaco.
a ag a Fa Fatnpresidencia da
a ivpedid; seguintelpotaria:
21 *^: o aa da presidecia de Pernaa-
6w.Odejh- de884-0 president da pro-
MlCi& resolveomear para o 56 batalhio doser-
vi4o active da guard national da comarca de PIao
-K d'Alho, os seguintes officiaes:
l-J Fimmno 4.a eompanhia
Tenente, Firmino Soares de Figueiredo.
6.1 emwnpankia
l' Teneote, Jos6 Francisuo da Silva Junior.
r(Assignado)- Jowe Manodel de Freitas.
S Autorid ides potciaes. Por portaria
S da' Presidencta, de 10 do corrento e sob proposta
do Dr. chetfe de policia, foi exonerado, A pedido,
Jolo Felippe Cavalcante, do cargo de 20 supplente
do subdelgAdo do Is district do termo do Buique
e noinmeado para substituil-o a Mauoel Raymundo
Bezerra.
Per portaria da Presidencia, da mesma data,
foi nomeado o coronel Jeronymo de Albuquerque
Maranhao, para o cargo de delegado do termo de
Pao d'Alho.
A variola na cidadle do Cabo Da
Secretariat do Goveino nos foram remettidos para
-publicar estes oflipios :
N Juizo de direito da comarca do Cabo, em 7 de
junho de 1884-Illim. e Exam. Sr.-Cabe-me tra
zer ao conhecimneuto de V. Exc. que estando cx-
tincta a epidemia da variola nesta cidade, recolhi
i colleetoria geral deste municipio o saldo da
quaatam de 3004000, que V. Exe. mandou p6r A
minhks disposigio para soceorrer a populagiAo indi-
S gente accommettida da mesa epidemia,, saldo na
S inpvtaucia de 235000; tendo despendido s6-
'mente a quantia de 65.000, conforme se v6 dos
bilhetos juntos, dos quakes 12-sao firmados polo
medico Dr Autonio da Silva Ferreira, aqui iesi-
Sdente, que espontaneamnente se incumbioe do tra-
i tar dos indigeotes, c 2 pelo subdelegado desta ci-
dade actualnente cmi exercicio eapitio Manoel
Duarte Vieira.
Julgo ter assim corrcspondido A confianca
coinm que V. Exc. me distingnio cncarregando-mc
a.. de serneihante servico.
S- Deus guard a V. Exc. ILm. c Exm. Sr.
desembargador Jos6 Manoel de Freitas, mui dig
S no poegsidente da provincia. 0 juiz dc dmireito,
... raymtesco Teixeira de Sd.
-Palacio da Presidencia de Pernambuco, ent 11
dejunho de 1884. 2.a seceie. -Respondo ao offi-
dio dC 11 do corrente, louvando e agradecendo o
important service quo V. S. presto, incumbindo-
*' se corn todo o zelo de applicar a quantia de 300,5,
Sque mandei entregar-lho para tratamento dos des-
validos accommettidos de variola nessa cidade,
tendo apenas da dita quantia despendido A de'
6500O9.
Dens guard a V. S Josd M3anoel de Frei-
tas. Sr. Dr. Francisco Teixcira de SiA, juiz de
direito da comarca do Cabo. ,,
Alfanlega de Pernambuco-P.ra sa-
tisfazer ao diguo Sr. inspector da Alfaumloga aqui
publicamos as seguintes peas :
a Il/m. Sr. redactor do Diario de Pernambaco.
-Tendo jA, ha alguns dias, o digno Sr. aduminis-
trader dos Correios desta provincia feito inserir
em todos os jornaes e em fortra de edital, um offi-
cio do Sr. director geral dos Correios e referente
a um incident sem importancia e jA terninaimdo,
havido entreee aquella administragio e esto inspe:-
torianrogo-Ilhe o obsequio de, em sua Revista Dia-
ria, fazer tambem inserir o officio que em resposta
dirigi em data de hontem. Sou de V. S. amigo e
criado.--J. G. Cavalcante.
Copia.-Alfande/a de ernambuco no Recife,
10 de junho de 1884.-N. 201.-Illm. Sr. S6 hoje
tive occasiao de ler o edital que corn Iouvavel itt-
sistencia tenm V. S. publicado, em todos os jornaes
desta cidade, sob o titulo Transporte de malas.
N'esse edital transcreve V. S. o officio que
recebera do Sr. d rector geral dos Correios e em
que esse digno funccionario diz :
10 0 servivo de transport o de alas do bordo
para terra e vice-versa e de exclusiva tompeten-
cia dessa repartieao.
a 20 Estando esse service a cargo do Correio,
nao tern o inspector da Alfandega attribuigao al-
gUma para fiscalisal-o.
a 3o Deve V. S. continuar corn a pratica esta-
belecida an6 que ella seja inmodificada pelo Minis-
terio da Agricultura.
a Pela leitura desse officio vio csta inspectoria
quo V. S. nao foi fiel na exposcao que, por ven-
tura, fez, ao Sn. director germal dos Correios,
do incident havido, entire essa administragieo e a
inspectoria desta Alfandega, sobre conducgo de
mala e que gragas ao meu animo conciliador ter-
minou, sem que prejuizo houvesse para nenhuma
das repartiSegs.
a Esta inspectoria nunca teve a velleidade de
fiscalisar o servico a cargo do Correio, tanto mais
que estA convencida de que tal servico nunea po-
derA estar sob melhor administragilo. 0 que quiz
evitar, e o fez, foi que V. S. usurpasse attribui-
gSes suas c definidas em lei !
a Dado porem o case, per certo lamentavel e
que esta inspectoria precurarma sempre evitar, do
surgir qualquer conflict entre ella e a digna ad-
ministraceo dos Correios desta cidade, nalo serA
per corm o Sr. director gerd dos Correios,
bern ou mual informado, que terA de solvel-o e sim
S. Exc. o Sr. ministro~da fazenda.
\ a Em resume, corn o presented officio, quer esta


inspectoria deixar bem claro : 1-, que nunca quiz
fiscalisar o servigo dos Correios e at feolgn em re-
conhecer que elle feito de form irreprehensi-
vel ; 2', que nio reconhece no Sr. director geral
dos Correios superioridade hierarchica para deci-
dir conflietoa, caso elles surj am entire 9i c a admi.
nistragio dos Correios ou outra qualquer autort-
dade e aproveita a occasiAo para declarer que
continue em vigor a licenga jA urma vez dada para
a baldeag'o das malas na barca de vigia ou re-
gistro desta Alfandega, reservando-se o direito
de em qualquer tempo revogal-a.
,, Deus guard a V. 8. HIm. Sr. Affonso do
Rego Barros, digno administrator dos Correios.
-.(Amsignado) 0 inspector, J. C. Cavalcante. a

0 PraItoPertido de Miilton Nao
hamiuirto tempo, annunelamos que a important
easa edictora de Lisboa David Corsazi ia meter
.homtbr &a una grande empresa, dando A estampa
nma excellente'traducito,-eam correctissimo verso
portuguez do Dr. Antonio Jose de Lima Leitio-,
do Ptraizo Perdido de Milton, obra monumental,
S conhecida de todos os povos, 4ue a estimam polo
seu alto merecimento litterario,
Pois bern, nao ficou em project a referida idea,
|- r pois que 6s quatr0 primeiros fasciculos da obra
aeabam deoehegar pare a Livraria Flunminense, A
rua do Bario da Victoria n. 13, onde se tomarn
assignaturas para o immortal poema do grande
epico inglez.
A ohbra estA sendo imp ressa em grande format,
em optith papel, e em typo maiusculo do melhor
carasAroerevel umnaultidez quo faz hona A utim-
| prenatesp"ogUaabdA de ha muito conheeida
cOme equivalent As melhomes europeas.
A obra 6 oruda com finissimnas gravuaras ema
4 de Gustavo DoM6, gravuras queswo as mes-
'um do edice* fia do gnraide peetuwa. Cada
fmeicule traz dums. dossao immitaveis giavurna.


ria-,a bDOUlsinma PWSI4MWfl mchnewisr- way
Blast.
Theatrw ato AtA toent-Neste thcatro
o on.-tresao Dramatieo Benelieente di hboje utnm
espectaculo coin o drama Gapar o Serralkei'o, a
seOna comica Cara durn, e aeomedia FFeRe.R .
MbMlfteb a do Pevo e 4awm Bee
-ChOegarawm mais os. volume no-. 77 e78- desta
Bibliotheca para a Livraria Fluminense, a i r do
BaraW da Victoria n. 13. 0 prunmeiro tnats da
Arte no Theatre, e o segunde da Photographia.
S.o ambos muito interessantes.,
0* Froutcbse inK* Madame DAbo-
Tainbcn chegaram para a indicada livraria os
fasciculos 29, 30 e 31 deste excellent romance, de
Montepin, illustbado corn ehromo-lithographias. 4
Ferro-via d, Cakxaug&-- Hoatemn, 'As 10
hIor.as e 15 minutes da manhI, um trem especial
djsta ferro-via, que se dirigia para o Mmguinho,
ao pissar na pinte que, sobre o Capibaribe, liga
o largo do Capim a rua da Aurora, soffreu nin
descarrilhamento, de que resultou ficarem partidai
algumias peas da mesma ponte, ficando ebta mais
arruinada do que desde muito se acha.
Em consequncucia foi suspense o trafego por ella
parando os trens descents na rua d, Aurora, e
d'ahi partindo os ascendentes.
Substituir-se-ha agora essa ponte por outra, re-
tirando-se da cidade aquelle aleijio inform ?
Vercmos.
LMesao cardia-a-Na noite de antc-hontem
para hontem, tendo o pardo Adolpho de tal per-
noitado na casa n. 22 dat ra do Fogo, ahi f-si ac-
coinmnettido do umia dor, que se fot aggravando
ao ponto de ftaliecer lle .1 1 hera da tar.le de
hiontern.
JExaminado o cadaver polo Sr. Dr. Barros Car -
heiro, ai mandado do subdelogado da parochia de
Santo Antonio, reconheccu-se ter sido o obito de -
vido A uma lesbo cardiac.
Furto-Durante a noite de ante-hontcm para
a de hontem, um ladrito, que, pareee, ficara dentro
do pago da Assembl6a Legislativa Provincial, fur-
ton os trcs timnteiros c duas urnas de prata da me-
sa, e abrindo unna dos portas que dA para a rua
dla Aurora, safou-se, pulando pelas grades do jar-
dim. Deixaram, per esquccimento urma salva de
prata.
0 Sr. subdelegado do lo district da freguezia
da Boa-Vista, compareceu n'aquelle pago, onide
proccdeu ao interrogatorio do porteiro e de dous
serventes; e trata deo deseobrir o criminoso ou
crimimosos.
Os objects furtados sao avaliados em 4003.
Tribunal do Jary do Recife-Neste
Tribunal foi hontem submettido A julgamento o
reo Joaquim Francisco Tavares, accusado de, em
23 de abril de 1883, ter ferido gravementet A Felix
do Monte, no district do Peres, da parochial de
Afogaidos.
D. duzio a dcfera o Sr. Dr. Luiz Emygdiom Ro-
drigues Vianna, sendo o reo condemnado no mi-
ninmo do art. 201 do codigo criminal.
0 Gtremio dos Professores Prima-
rios Publicou-se o n. 10, do 2.o anno, deste
periodico, orgao da sociedade do mesmo nome.
Sergipe e Alagoas-Pelo vapor costeiro
Ipojsca, recebemos hontem folbas de Sergi-
pe at6 31 de maio, e dc Alag6as ats 10 do junho
corrente.
F6ra condemnaio A 4 mezes de prisao e multa
correspondent a metade do tempo, pelo Dr. juiz
municipal, o editor do Guarany, de Sergipe, que
appelltra da sentenga para o Dr. juiz do direito.
A condemnagio foi por crime de injuries contra o
president da provincia.
Lemos to Echo Liberal, do Sergipe, de 25
de maio :
a Deu-se no municipio do Lagarto um barbaro
homicidio, perpetrado na pessoa desum velho inva-
lido, por Manoel Iyppolito, conhecido por Pag'o.
0 motive por demais frivolo do crime cifta-
se nisto :-o velho A morto por intentar iivrar das
inmaos de Pagae a sun filha, que, amasiada corn
este, o deixa c procura a casa paterna. ,
a No lugar denominado Caissara, do term do
Lagarto, deu-se o arrombamento de uma casa por
dons soldados de policia, que conseguiram seus
fins.
,, A justica public denunciou contra os crimi-
noses. ))
Fallecra na Estancia o professor de latim e
francez, Jose Leandro Pinto da Costa.
As folhas de Alagbas nada contcm que me-
reca mengio.
Casandra E' o titulo de um livro de
sortes para as noites de Santo Antonio, S. Joao e
S. Pedro, edictado pela Livraria Parisiense, A
rua Primeiro de Marco n. 7 A.
Alm das sortes, em mimosas quadrinhas, traz
o livro, como appendices, urna colleecao de chara.-
das, de jogos de prendas, de recitativos e de pen-
samentos e proverbios.
Liberdade 0 Sr. Manoel Francisco- de
Paiva, negociante na villa d, Timbadba, conee-
deu hberdade gratuitamente e sem onus aos s-us
escravos Maria, de 26 annor, Gertrudes, de 32,
Joao, de 24, e Izidoro, de 15 annos.
Registramos o anto corn prayer.
Asylo de Mendlcidade Sendo amanha
odia do padroeiro deste estabelecimento de cari-
dade, celebrar-se-ha na capella respectiva urna
missa solemne pelas 10 horas da manha, e a tar-
dinha cantar-se-ha urna ladainha, segumndo-se o
anto da bhnoao do Santissimo Sacramento.
Das 4 horas da tarde em diante tocara a mu-


sica do 14 batalhIa no jardim em frente do edi-
ficio.
Awe L[bert*a-.Em beueficio desta seoeieda-
(1t, um grupo de amadores va6 dar um espe.taculo
;ramatico no theatre Santo Antonio, na proxima
quarta-feira, 18 docoirsnte,representandoo drama
em 4 actos, do Sr. Tito C. de Oliveira A honra
na miseria on o crime na opulencia.
Parae esta festa os bilhetes neo tern prego : cada
convidado darA o que lhe dictar a sua generosi-
dade.
Cadaver.-O cadaver do criado de Madame
Chaba, criado que hontem noticiamos ter ses ato-
gado por traz do Gazometro, foi hontem A tarde
retirado do rio Capibaribe, onde reappareceu no
mesmo local do aceiiente, e por ordem da autorida-
de policial depositado na matriz de S. Jose onde
serA hoje vistoriado.
0 tal criado chamava-se Joaquim de tal, e tinha
24 annos de idade.
Beunlees s ociaes -- Ha hoje as seguin-
tes :
Da Emancipadora Pernambucana, as 4 1/2 ho-
ran da tarde, no 10 andar do predio n. 58 da rua
do Barlo da Victoria.
Do Cetrao Emancipador, is 6 horas da tarde,
na-rua Visconde de Goyanna n. 119.
tmfeiro-O vapor Jacmhype trouxe para
Fernandes da Costa & C'. 2:O000i00
Seixas & Irmo 1:7&50
BAtar Oliveira & C. 1:495A6Q
Pereira Carneiro & C. 1:4,004000
Shares do Amaral & Irmle. 656tG
Machado, Lopes & C- 6
Jo6 da S. Loo&Filho. --.m .
U1m pal yI ek los eaS B Moak
-EsCreveamardenoNew-Yort ao D iarnio-4do Qm
Pard :L
a' Nesta terra da cotreas es fat r se


-4manhi:
Po aente larmo e &iva, As ItI horas, na
tvoessa do Corp), i ito, do mweiVW, louias, joiaa,
etc., e:
Pe"t ageate Martins, "s 11 Uhota. na ras do.
Imperador n. 16, de moveis, lotaa.sw 4e.
SPdo agente Pestama, As 11 horas, n1 arnaizem
do Anso de, generous deo. tiva.
Pete daente Brito, s 11 horas, na rQ4. reita
n. 36, de moveis, Luas,. ete.
Peto ageate GemTo, As 11 horas, ,A ram do
Marquez de Olinda& ni 10, do mwvei L, Ia'ae li-
vros generous de estiva etc. etc. '
Sabbado:
Pelo agent Afredo Guidmardes ao meio din, no
cases do Apollo, em frente ao armazem de Machado
Lopes & 0. de farinha de trigo.
-'Segunda-feira:
Pdo aqente A. Gaimaraes, A 11 horas, narua
do Born Jesus n. 45, de predios.
Peto agent Pinto, as 11 horas, na rus. do Brom
Jesus n. 43, do fazeundas inglezas.
XM uas fa-beiren--6erAo celebradas:
Amanlia: As 7 horns, -no Tergo, pla alma
do typographo Manoel Raphael da Silva; As 7
horns, na igreja de S. Francisco, pela alma de D.
Florencia Rodrigues de Hfirauda Franco; 6 horns
no de SAo Francisco por alma de Miguael Fabio C.
Albuquerque.
-. Sabbado : as 7 horas, no convento de S.
Francisco, por almna do Dr. Manoel de Figneiroa
Faria; as 7 horas na ordpm 3a do Carm, por alma
de 1). Rita de Cassia Cordeiro. ('
Matadouro publiee, Foram abatidas
no Matadouro Pablico 106 rezes para consume do
din 12 de janho.
PamNageira---Uhogados dos portos do sul
no vapor nacional Jacuhype :
Dr. Jos6 M. Correia Nunes8 Dr. Matheus dc
Anuiar, Joao Jacintho Caoador, Arthur Antero M.
Furtado, Ignnacio Francisco Gusmao, Joao M; da
Fdnseca. Christovao do Rego Barros, Angelina M.
0. Brandao, Jos6 Arthur, Antonio Petrocelle, Braz
Bello Mtnte e O.lilon Lins.
Loterka da prowineia Sabbado, 14
do corrente, sera extrahida a loteria 45.', em be-
nefieio da igreja- dos Martyrios de Goyanna, no
consistorio da igreja de Nossa Senhora da Con-
ceiilo dos Militares, onde se achaeao expostas as
urnas e espheras arrumadas emn ordeln numerica
A apreciacao do public.
Institute Litterario Olindense -
Hoje, As 1O horas da manha, e no lugar do costu-
me, havera sessao do conselho dirceti;
LoLeria--A de n. 150 B, do Rio de Janeiro
de 25:000,000 serA extrahida no dia 14 de ju-
nho.
Bilhetes & venda na Casa da Fortuna, runa I
de Marco n. 23.
Loteria de 2S:OOO U0I-O-A loteria 150a
series B., corre impreterivelmente no din 14 de
junho
O resto dos bilhetes tha-se a.venda na Casa
Feliz A praca da Indep dencia ns. 37 e 39.
Grande loteria e 500:0O00WOO-
Esta extraordinary loteo *t serA extrahida na c&r-
te no din 16 de julho pro me vindouro.
Os bilhetes acham-se venda na Cas& da
Fortuna, a run 1- de Maro) n. 23.
Mercado Municipal de S. Jose 0
movimento deste estabelecimento no din 10 do
corrente foi o seguinte:
Entraram para serem vondidos : 57 bois,pesan-
do 8,794 kilos.
No mesmo dia entraram para o meesmo es-
tabelecimento:
Peixe 228 kilos
Farinha, milho e feijklo 142 cargas
Fructas diversas 14 ditas
Suinos 2
Carneiros 2
Pregos do dia :
Carnet verde de 480, 400, at6 200 r6is o kilo.
Suino a 640 reis o kilo.
Carneiro a 14 idem.
Farinha de 500, 400 atW 280 r6is a cuia.
Milho de 480 a 400 reis a cuia.
Feijao de 1 4200 a 500 rs. idernm.
Foram occupados:
64 talhos de carnet verde.
2 ditos de ditos do lade do sul.
12 ditos de suino.
11 ditos de fressuras.
40 idem de farinha e comidas.
65 compartimentos de legumes.
Deve ter sido arrecadada neste din a impor-
tancia de 2285160.
Foram mandadas lancer ao mar, depois do exa-
me medico, grande porgAo de fressuras arruina-
daa,
Caua de Deteacn .-Movimnoto doa pro-
sos no dia 10 dejunho :
Existiam presos 323, entraram 10,-anhiram 10,
existem 323, a saber : nacionaes 285, mulheres
13, estrangeiros 10, escraves 15-Total 323.
Arragoados 295, sendo : bons 282, doentes 13,
-Total 295.
Movimento da enfermaria :
Tiveram baixa :
Cypriano Joaquim de Sant'Anna.
Joao Francisco Leite.
Leopoldino Felix da Silva.
Joalo Marinho de Barros.
Tiveram alta :


Francisco, escravo, sentenciado.
Francisco Ferreira dos Santos.



CHROICA JUDICIARIA

Tribunal da Relapoe
SESSAO ORDINARIA EM 10 DE JUNHO
DE 1884
PRESIDENCIA DO EXM. SR. CONSELHEIRO
QUINTINO DE MIRANIDA
Secretario Dr. Vvrgilio CodAo.
As horas do costume presontes os Srs. desem-
bargadores em numero legal, foi abcrta a sessio,
depois de lida e approvada a acta da antecedente.
Distribuidos e passados os feitos deram-se os
seguintes
JULGAM ENTOS
Habeas corpus
Paeieites :
Jos6 Bento Beltrio Velloso. -Negon-se unani-
memen;e por estar pronunciado.
Antonio Alves Beserra. Negou-se unanime-
mente.
Francisco Jos6 Miguel. Mandou-se ouviro
juiz.municipal de Naareth e o jaizs de direito do
2' district.
Recureos crimes
Da Vietria-Reteorrente o juizo, recorrido Nes-
tor Nanbro CorbiRiano. Relator o Sr. cone-
Iheito Freitas Henriques. Adjunta os o Srs. cona
sellhemv Mona ir. da aAWflaAa A aamh

Ammaw*'& ieifeAftmuantaaHenri-.
0 C Iato|saminado, -C(arlo& Alvcs Bar-:
ord rgdrOlliira Ma-
'A n-teihra. desembarg4oros Baarque
'Ferreira. -'iegu-se provinento,

DO f *Mnw|( iei do Ueife -Aggravaute o Barao
|do. N' dol |o Carneiro Rodrigue3
Osmpeillo., R; a.; oif t .dembairgador Toceano
Boneto. Adjuntos os Srs. consetheiro Freitas
Henriques e desaembargadr-BharqVe Lima.-Ne-
goa-seo provimento, unanimemente. I
)) oconmercio do Reeife Aggravante Fran-
ei*m PerreiraM da Silva, aggravado Joaquim Ri-
beiro da Gaina. Retator o rr. desembiargador Pi-
rea Forreira- Adjultoaena Sls+ desembargsdores
OIieira Maeie cowaselbiro Qieiroz Barros.
Negou-se provimisnto, unanimemente.
Pronogagio de mventario
Inventarianute Seraphim Volho Camello P-essoa
de Albuquerque.-Maadou-se ins'ruir a petig1o.
Inveatariante Ludgero Joaquirm de Farias Ne-
ves.--4oneeden-se o prazo pedido.
Appellaq5es crimes
Dol,'Borbuaremsa-Appollante o juizo, appellados
Eancdine Simoaede-de Faria e <,utro. Relator o
Sr. desembargador Oliveira Macie. Mandou-se
o r6o a novojury, unanimemente.
Do Jaboat.lo- Appellante o juizo, appellado
Antonio, escravo de Francisco Gomes de Andrade
Lim L[Iutor o Sr. desienbargador Oliveira Ma-
cieL-M-Audou-se o rmo a noiro jury, unanime-
meonte.
Da Escada---Appcllante o juizo, appellado JoAo
Goa rlves Ferreira. Relator o Sr. dembargador
Olivoira Maciel. Julgou-sa nullo o process e
maudou-se instaurar ontro, servindo este de base.
Do Recife =aAppellantB o juizo, appellado Jos6
Rayinundo. Relator o Sr. desembargador Olivei-
m4, Maciel.-Confirmoa-se a sentenga, unanime-
monte.
De Borburetna -Appellante Joito Baptista de
Moraes, appellada a jastica. Rlator o Sr. des-
emnbargador Oliveira Maciel.-- onfirmnou-se a san-
teng'-, uwanimemente.
De Gamelleira Appellante o juizo, appellada
Maria Joaquina de Oliveira. Relator o Sr. des-
embargador Oliveira MIaciul. Madou-se o r&er a
novojury, aaunaninimente.
Appella;5es civeis
Do Recife-Appellante o juizo, appellado Ma
noel Cavalcante do Rego Barros, senlhor da escra-
va Autonia. Relator o Sr. desembargador Tosca-
no Barreto. Revisores os Srs. desembargadores
Oliveira Maciel e Pires Ferreira.-Foi confirmada
a sentenag, unanirnemante.
Do R'cife-Appellantu Ignacia Francisca da
Conceigao Patricia, appallado Jose Caudido de
Souza. Relator o :-r. desemibargador Toscano
Barreto. Revisores os Srs. desembargadores Oli-
veira Maciel c Pires Ferreirm.-Foram despreza-
dos os embargos contra o voto do Sr. desembar-
gador Pires Ferreira.
PASSAGENS
Do Sr. conselheiro Freitas Hcnriqucs ao Sr.
conselheiro Araujo Jorge :
Appellagito civel
Do Reeife-Appellante Mathias Gomes For--
nandes, appeliado Thomaz N. Leite.
Appellagao commercial
De Nazareth-Appellante o teuente-coronel Jo-
se Cabral de Oliveira Mello, applcUado Dr. Sym-
phronio Cesar Coutinho.
Ao Sr. conselheiro Monteiro de Andrade:
Appellaq5es crimes
De Pae d'Alho-Appellante o juizo, appellado
Gervasio, eseravo do capitao Antonio Joaquim
Camello.
Do Bonito-Appellante o juizo, appellado Gal-
dine Alves Barbosa e outro.
Do Buique-Appellante o juizo, appellado Jose
Eufrazio e Benedicto Gomes da Silva.
De Goyanna Appellante o juizo, appellado
Antonio Bellarmino da Silva.
I Da Misericordia-Appellante Manocl Marinho
de MafalhIcs, appellada a justiga.
De Timbauba "- Appellante o juizo, appellado
Joao Jose Baribosa.
-Joo0 Appellacoes civeis
Do Recife-Appellantes D. Joanna Francisca
de Mello Cavalcante c seu filho, appellados Leal
& Irmilo.
Do Recife-Appellante D. JoannanPraxedes de
Albuquerque, appellado Manoel Fernandes da
Costa.
Da Parahyba Appellante Francisco Gomes
Marques da Fonseca, appellado Dr. Dario Gomes
da Silveira.
Da Escada-Appellante a fazenda geral per
seu collector, appellado Dr. Antonio Francisco
i.orreia de Araujo.
Do Sr. conselheiro Araujo Jorge ao Sr. conse-
Ihoeiro Montoiro de Andrade :
Appellaoees civeis
De Nazareth-Appellante Antonio Xavier Car-
neiro do Moura, appellado Manoel Rodrigues da
Silva.
Do Recife-Appellantes os herdeiros de Joao
de Brito 'eorreia, appellada D. Umbelina Leoncia
Borges Diniz.
0 Sr. conselheiro Araujo Jorge come procurador
da corna e promoter da justiga deu parecer nos
seguintes feitos :


Appellagces crimes
DeMamanguape-Appollante ojuizo, appella-
do Joaquim Jos6 dos Santos.
De S. Joio-Appellante ojuizo, appellado Vi-
cente Ferreira da Motta.
De Pedras dn Fogo-Appellante Firmino Dias
de Araujo, appellada a justiga.
Do Bonito-Appellante o promoter public, ap-
pellado Jos6 Cypriano Bezerra de Mello.
De Bomrn Jardim Appcllante Manoel Soares
dos Santos, appellada a justica.
De Itamb--Appellante Antonio Vieira da Ro-
cha, appellada a justiga.
SDe Timbadba-Appellante o juizo, appellado
Manoel Florencio Alves da Silva.
Do Cabo-Appellante o juizo, appellado Au-
gusto Cabral.
De Olinda-Appellante Francisco Jos6 Ignacio
dos Santos, appellada a justica.
De Villa Bella-Appellante Jos6 Themoteo de
Campos, appellada a justiga.
De S. Joao-Appellante Jos6 Bezerra de Souza
Limp, appellada a justiga.
Do Sr. conselheiro Monteiro de Andrade ao Sr.
conselheiro Queiroz Barros :
Appellacoes crimes

Do Buique-Appellante o juiz, appellado Ame-
rico JoSe de Andrade.
De Ipanema-Appellante ojuizo, appellado Fe-
lippe Alves Duarte.
Do Recife-Appellante ojuizo, appellado Octa-
viano Alfredo Gomes Padilba.
De Pesqneira.-Appellante Andr6 Alves de Bar-
ros, appellada a justiga.
De Gamelleira-Appellante-Manoel de Sant'An-
a Moura, appellada a justiga.
De JaboatAo-Appellante Jos6 Pedro da Silva,
appellada a justica.
De Bezerros-Appsllantes o juizo e o rio Cos
me Jou6 Barbosa, appellada a justiga e o reo Pe-
dro Gomes da Silva.
De Jaboa"t--Appellante Antonio Jos6 do Nas-
cimento, appelada a justiga.
De Atalaia x= Appellante o juizo, appellado
Elias Jos6 Romao dos Santos.
Do Reoife-Appellante ojuizo, appellado Jos6
Gaspar Loureiro.-
De Leoimldkna-Appellante o juizo, appellado
Sebastiao de Oliveira Roeha.
Appellaao civel
De Maei6-Appeliante o juizo, appelada. D.
iLdiaAngel do S Sto Mosaea4, senhoma d
-eacrava Leo.or. d-
* Do Sr. conselheiroQueirox Barros no Sr. des-


VAnna. upplnlada a" jugfiga.
A1Appelln1 oommercial
Appellantes avares deMello G enreo & C., ap-
pellado Alixandire Hlppolito deoVergosa ins
Do Sr. desembargador Oliveira MAeiel ao Sr,
desembargador Pires Ferreira :
Appellacao crime
De Born Jardim Appellante o promoter, ap-
pelilado Antonio Claudio Vieira de Moraes.
De Caja.eiras-Appellante D. Anna Josepha
de Jesus, appellado Solo Torguato de Figuciredo.
AppellaCoes civeis
I)De Palmares- Appellante Francisco Antonio
Pontual, appellado Joao Pereira de Araujo Car-
doso.
Do Atalaia-Appellante o capitao Jos6 Lopes
Cavalante, apellada D. Maria das Montanhas
Tenorio de Albuquerque.
Appellacao commercial
Do Recife-App'llante Augusto Caors, appel-
lados Darnast Rouqueirol c outro.
Do Sr. desembargador Pires Ferreira ao Sr.
desembargador Pires Goncalvcs :
Appellacoes crimes
De Penedo-Appellante Luiz Xavie: da Silva,
appollada ajustia.
De 8. Jolao-Appellaute Satyro Alves de Abreu,
appellada a justiga.
De Born Jardim-Appellante o prominotor, appel-
lado Antonio Barbosa de Araujo.
Appellagao civel
Do Recife-Appellante o jaizo, appellado Au-
rcliano dos Santo-s Coimbra, senior da preta Ca-
tharina.
Do Sr. deseminbargador Pires Gonqalves ao Sr
conselheiro Freitas Honriques :
Appellalao civel
Do Rccifo!-Appcllante Francisco Joaquirnm Go-
;nes da Silvai, appellk.do Antonio Gomes de
Araujo.
DILIGENCIAS
Corn vista ao Dr. curalor gcral e ao Sr. con-
selheiro procur.ador da corOa nos seguintes feitos
Appella,5es civeis
Do Brcjo-Appcllanrte Belmiro Alves de Car-
valho Azevedo, appcllado Ilonorio Mendes da
Rochla.
Do Recifce-Appellante Antonio Joss Ferreira
Refinador, appeltado Manoel Alves Santiago.
'Corn vista as parts :
Appella5es civeis
Do Recife-Appellante D. Vicencia Perpetua
Freire de Araujo, appcllado o juizo.
Do Recife- Appellante a compauhia central.
para tabrico de assucar do Brasil, appellado Drl
Joao Vicira d(c Araujo.
Do Recife-Appellante D. Cand;da Maria Be-
zerra Cavalcante, appellado Antonio Jos6 de
Souza.
Do Recife-Appellante Antonio Maria Marques
Ferreira, appellaalo Manoel Gongalves Pereira
Limna.
Apclla,?To commercial
Do Recife Appellante Zcferino Carneiro de
Albuquerque, appollados Ferna:ud s da Silva &
C. e oatro.
DISTRIBUIU5ES
Recursos crimes
Ao Sr. desenibargador Toscano Barreto:
Do AlagSa Grande -Recorrenta o juizo, recor-
rido Antonio Jos6 dos Santos.
Ao Sr. desembargador Oliveira Macicl:
De Camaragibe-Recorrente o juizo, recorrida
Maria Francisca da onceicao.
Ao Sr. desembargad)r Pires Ferreira :
De Bezerros-Recorrente o juizo, recorrido Ma-
noel Hermino Pessoa de Mello.
Aggravo de peti(cIo
Ao Sr. desembargador Pires Gontalves :
Do commercio do Recife Aggravante Dr.
Amaro Bezerra Carneiro Cavalcante, aggravados
os herdeiros de Francisco Accioli de Gouveia Lins.
Appellaoes crimes
Ao Sr. desembargador Oliveira Maciol :
De Goyanna Appellante Antonio Leoncio dc
Mendonga, appellada a justice.
Da Gloria do GoitA-Appellante o juizo, ap-
pellados Jose Olegario de Souza, Manoel Geraldo
do Figueiredo e outro.
De Souza-Appellaute Raymundo Jose de Ma-
ria, appellada a justic-a.
Ao Sr. desembargador Pires Ferreira :
De Atalaia-Appellante o juizo, appellado An-
tonio Lopes do Fatio.
Do Bonito-Appellante o juizo, appellado Joao
Francisco da Silva.
De Camaragibe-Appellante Pedro Mauricio de
Paula, appellada a justiga.
Ao Sr. desembargador -ires Gongalves :
De Porto Calvo-Anpellante o juizo, appellado
Antonio, escravo do bacharel Joao Baptista do
Rego Mello.
De Gamelleira-Appellante o juizo, appcllados
Pedro Vicira da Costa e Maximiano Jose d;a Silva.
Do Recife-Appellante Bernardino de Oliveira
Campos, appellada a justiga.
Ao Sr. consclheirqJFreitas Henriques :
Do Reeife-Appellante Joao Carneiro da Cu-
nha, appellada a justiga.
Do Pombal-Appellante o juizo, appellado Ma-
noel Pereira de Almeida.
Ao Sr. conselheiro Monteiro de Andrade :


De Souza-Appellante o bacharel Manoel Ca-
valcante Ferreira de Mello, appellada a justice.
Do Recife-Appellante Manoel Correia da Sil-
va, appellada a justiga.
Ao Sr. conselheiro Queiroz Barros :
Da Independencia Appellante Bernardino
Ignacio de Miran a, a pellada a justice.
Da Gloria de GoitA-Appellante Antonio Mar-
ques de Siqueira, appellada a justiga.
Ao Sr. desembargador Buarque Lima:
Da Gloria de GoitA-Appellante Antonio Mar-
ques de Siqueirn, appellad- a justice.
De Nazareth-Appellante Joae Simoes dos Pas-
sos Ribeiro, appellada a justiga.
Ao Sr. desembargador Toscano Barreto:
De S. Joao do Egypto Appellante o juizo, ap-
pellado Pedro Vieira da Silva.
De Souza-Appellante ojuizo, appellada Anna
Jusulina de Moraes.
Appellaco civel
Ao Sr. desembargador Buarque Lima:
Do Recife-Appellante o juizo, appellado Lin-
dolpho da Silva Farias.
Encerrou-se a sessio As 2 horas da tarde.



PUBLICAIOES A PEDIDO

Ceasuras iajustas

Tern levantado d opposic'io aqui e na cOrte uma
grande celeuma contra o honrado president da
provincial, A proposito de urn telegramma que S.
Exc., satisfazendo a exigencia do governor, dirigio-
Ihe sobre as ultimas occurrencias da Assemblea.
Abstrahindo da inconveniencia da linguagem e
das injuries, que nao retaliamos, e que, de certo,
nao attingem Aquelle notavel cidadao, que por tan-
tos titulos se tern elevado no conceito publieo, de-
monstremos simplesmente a improcedencia da cen-
sura--Injuriis vincere turpe est.
Argde-se de nexacto o alludido telegramna em
dous pontos : 11 quando diz que o project de fi-
xagno de forga policial estava em discussialo, ha-
via dous mezes; 20 quando diz que o regiment A
omisso eom relagio a requerimentos de encerra-
mento de discussion.
Antes de tudo releva ponderer queo0 severe ad-
ministrador da provincis nao informou, nem podia
informer de sciencia propria, porquunto, nao so
immniauindo ell, come de facto nao se immnaiscue,
na organisaco da ordem do dia, an direct $ao dos
trabal.o# da Assemblea, nas preferencias ie pro-
ject.a, etc., tve doa reaoer a quern bern he pe-
die isowrawasobre as eemTeieias dosm di 26,
27L de usial...
Pakataio d I. nPedmefooe en


sabilidade do twdo. qwtot- Iheawtoorre, adultr-
rando, perversamiaee n me suas palavraes e ooene-n.
tando-as em linguagem do alcouees.
As informancoes- contidas no telegramnma sso
exactas e -escrupulosamente exactoa foram mos dis.
tinetos cidadgos, a quem recorreun S. Exe. para sa-
tisfazer as exigencias do governor.
E' isto o que exuberantemente prova, quanto no-
primeiro ponto, a seguinte nota que obtivemos da
secretaria da Assemblea:
( 0 project n. 23 deste anno foi apresentado.
pela respective eommnnissi'o no dia 17 de margo,
sendo dado para ordem do din na sessio de 19.
Entrando em la discussao na session de 22 foi ap-
provado, depois de orar o Sr. Olympio Marques,
que requereu- adiamento da discussao, send re-
geitado o sou requerimento.
L Foi dado para ordem do dina na sessao de 27
em 2a discussao
a Em 8 d(e abril adieu-se pela hora, tendo era-
do os Drs. Democrito Cavalcante e Nile de Mi-
randa; apoiou-se um requerimento dos Srs. Nile
de Mi anda e Olyrnpio Marques, pedindo o adia-
mento da discussto por 24 horas.
SEm 1 de maio adiou-se, per falta de numero.
SEm 6 adiou-se pela hera, depois de orar o Sr.
Olympio Slarques.
SEm 7 adiou-so pela hora, depois de fallar 0 Sr.
Nilo de Miranda.
,. Em 8 ficou de novo adiada pela hora a do art.
1 ', tondo orado os Skms. Banrao d& Nazareth e Olym-
pio Marques, o qual .ci'iara a mesa outro requeri-
mento pedindo o adiamento da discussao, que nao
foi aceito pela mesa.
,, Em 9 a liou-se pela hora, tendo fallado o Sr.
Nilo d(o Miranda.
S Em 10 fui adiado pela hora, depois de fallar o
Sr. Fiel Gremnmeiro.
Em 11 .lioa-s" p1l:a hora, temILdo orado os
Srs. Joao Alves, pola ordi-m, Barao de Nazareth e
Olympio Marq ueC.
Em 15anhaldo, tcnd)o ortlo o Sr. Antunes Pi-
nheiro.
SErm 16 adiado, oraudo os Srs. Joao Alves e
Estevao de Oliveira.
SEmn 17 adiado, orando o Sr. Rosa e Silva.
SEm 21 adiado, orando o Sr. Antonio Correia.
Em 23 adiad eooranto os Srs. Pereira de Ly-
ra, Joito Augusto e Luna Freire.
Em 24 adiado, orando o Sr Alfredo Correia.
Em 26 enicerrun so a discuissto a pedido do
Sr. Jos6 Maria, seado cousultada a Assembl6a. ,
Evidengia-se, pois, da nota supra que o project
de forca policial foi submettido a !1" discussao a 22
de marco dando-so o enccrramento da discussao
a 26 de maio, isto e, dous mezes e quatro dias de-
pois de cncetado sobre elle or debate.
E, e so em alguns dlias durante esse long pra-
zo elle nao foi discutido, responsavel e a minoria
que propositalmenite occupara toda a sessito dia-
rio, nao raras vezes, corn questao de ordem -tue
levantava a proposito de tudo, e corn requerimen-
tos destituidos de todo interesse public, simples-
mentc protelatorios.
As palavras ha dous Inezes em discussio -
smgnificam quo durante dous mIezes nito pode a
Ass-mblea votar o project de forga-o que de-
tcrminou a maioria a encerrar a discussion, que a
minoria qucria eternisar.
Era este o facto principal sobre que devia in-
formar o president da provincia, nao tendo que
entrar em minudencias para verificar se durante
os dous mezes, o project de forca fci discutido
todos os dias, ou se emi alguns deixou de sel-o.
Foi essa a infonrmnai-o quo teve, foi essa a infor-
inmaao que transmittio ao governor.
Comprehonde-se que o president nao devia,
ncm podia requisitar os livros de actas da Assem-
blea para verificar per si quanutas vezes nos dous
mnezes o project de forca entrou em discuosao,
on deixou do cn trar. Isto seria o cnmulo do
absurdo.
0 proposito, que tinha a minoria, de protelar
os trabalhos da Assemblea era incontestavel e
at6 ficou evidentemente provado pela grita, que
levwntou, dizendo-se suffocada em seus direitos de
discutir, porque foi encerrada a discussao de un
project sobre o qual ja se tinha profcrido 22 dis*.
Curses !
Nao e menos desarrasoada a opposiito em o se-
gundo ponto de sue censura.
As palavras do telegramma-regimento ornisso,
precedcntes-referem-se ou exprimem os motives
allegados pela maioria para o cncerramento da
discussio.
$6 a mais requintada mA f6, aproveitando-se
da extrema concisio do estylo de telegramma, po-
dia dar outra intelligencia Aquellas palavras.


0 honrado president da provincia nao emittio
opinion sua sobre omissao ou nao omissio do re-
gimento, nem tinha necessidade de fazel-o. S-
Exc. informou apenas, segundo esclareeimentos
que obtivera, que a minoria abandonara a Assem-
blha, porque a maioria approvara um requerimen-
to de encerramento de discussao, e a maioria as-
sim procedera, porque entendeu que a discussao
se prolongara demais e que o regimento nao pro-
hibe eos precedentes autorisam tal providencia,
come corrective aos abuses da palavra. Nada
mais, nada menos informou S. Exc.
Entretanto, essa informajito tao simples, quan-
to sincere excitou as iras da opposicao que tern
emprestado todes os seus defeitos e vicious ao aus-
tere e distinct desembargador Jos6 Manoel de
Freitas, a quem, corn muita propriedade, dirigi-
mos estas celebres palavras :
As iibjurias de vossos adversaries sado o cortejo
da vossa gloria.

Blll-Jardim
A MENTIRA E A INJUSTIqA CONFUNDIDA
III
Antes do entrar na material destinada a este ar-
tigo, sinto-me forgado a dizer aigumas palavwas
sobre o cerebnno protest do Dr. Democrito Ca-
valcante no Diario de hoje ao meu primeiro ar-
tigo.
Disse elle referindo-se a series de artigos : cu-
ja part principal vai ser a reproduegilo de todas
as injuries e falsidades de que tern side victim o
meu amigo capitilo Rogoberto Barbosa da Silva,
dou-me press em protestar, etc. ,.
Nunca o autorisci per qualquer acto meu a fa-
zer de mim este juizo minha vida jA bern conhe-
cida protest contra isto e fique certo S. S. que
sun palavra naoe temn fore perante o public para
me fazer author de falsidades comifalsidades. Sua
proa nao p6de converter a mentira ein verdade e
nem a verdade ema mentira.
0 public sensato nos julgarA; elle nao se en-
gana corn embustes. 0 meu unico caminho sAer
a verdade : descanse o Dr. que o seu idolo, capi-
to Rogoberto, nio seri victim de falsidadesnmi-
nhas: tambem descanse, que corn falsidades e ca-
lumnias contra mim e o mui distinteto e probo te-
nente Nieolio A. Duarte, S. S. -nio poderA defen-
der seu amigo client: quem elle 6, e que moe
de defeza indecoroso e ate inept fei tornado, em
breve o public* sabera corn a verdade nia e cra,
embora continue ousada a louca pretenaio de queo
rerem-'a confudir corn a mentra.
Vamos ao officio reservado (seem reserve) do- .
'Dr. Coimnbra de3, publicado no Dia d e '..1
malo find o na-Parte Official. /,:*.*a il
Quaudo li tal official awK irei e&iTaM1*:
ditel quoem, ega. uea ita wuio m jula.s4ws


/ f

















Ra.
Rosa


deu a.


m Barbosa ax-
tar o arrema-
I de maio de
do theor se-


v# Julgo pr E4!ett"a lmeatcaCAo de fl. parm
tque produR to oB effeitos de direito.' COstas
pelo aweriataftte. **''.
Boma-Jardiima 12 de mareo. de 1884.-Jos Go-
me* oimfra ; quo, assignada a carta de arrema-
ta$Ao polo juiz preparador (inoompetentemente em
face da lei e jurisprudencia do paiz), o arrema-
tante sd com ella sem preceder peti'a.o, norn cita
91o do consenhor apossado Laurenc* de Bnrros
Passos e sun mulher, tomou'posse dada per um
auto lavrado pelo escrivao de orpha.s coin um of
S ficial de just a; que eom essa carta e cise .auto
SJavr',',) no fim d'ella, roquereu o aIv. gado Josc'
S Cyp,'..ao em nome do arrematante Francisco
Barbosa ao Dr. juiz do orphaos despejo contra
Lourengo e seus.foreiros Joao Josa Vicira, Ale-
xandre Jose e outraos e send deferido pole dito
juiz, cm aidiencia de 3 de abril, forain assigna-
dos 5 dias aos eitados Lourenuo e foreiros para
despejaremn a propriedade Inveja, de quo estavam
de posse, sob pena do nao o fazendo no ditopra-
so serem despejados judicialmeute ; que Louren-
co coin seus toreiros pediram vista e embargaramn
esta acao de despejo comn umrn excepgao de in-
competencia do juizo de o:',),,h o n,.lhidade dat
carta e posse taminbem pr imncompetencia ; que fi-
mnalmeute constava do auto de vistoria e avaliaa:,;Lf
do rendimento da propriedade Inveja, que Lou-
rengo tinha engenho de ferro do fabricar assuear
sito na dita propriedade e o engenho nto entrou
no arrendamcnto por nmo ser do minonte com-
MUM )).
N'esso p6 ficou tado por tcremrn cntrado as ferias
de Pabchioa, que fiudaramn-se no dia 23 do abril,
quando deu-se o assassinate.
Ora, si C ccrto que o arrcmuatantc Frauncisoa)
Barbosa s6 podia toumnar posse da propriedade no
1u de maio, quando principiava o tempo do dcum-
tado arrendamonto ; se e certo tannbcm, que asim-
ples sentence de homnologacAo d'esse arrendamen-
tono tiuha fora para .conferir posse judicial,
especialmhnte scn preceder citaaiIo do interessa-
do apossado e se finalmente 6 certo, quo pelo
simples facto do arrematante ter assignado praso
na celebre acAo de despejo para Lourenco e sens
foreiros on moradores despejarem a propriedade,
de que est-'vain do posse, sob pcuiti d< dcspejoju-
dicial, s6 podia a posse ser de Lourcno ; C' obvio
e nao precisa ser -se jurisconsulto para saber,
que Francisco Barbosa nao ti'ia posse de quali-
dade alguma como arrematante do arrendam-nto
e muito menos posse judicial.
Em vista, do cxposto c provado cstA o Sr. Dr.
Coimbra em um dilemma: ou iguorava esses co-
mezinhos principios de dircito sore posse judicial
quapdo deu sua intformnaao ou a deu de mA fe con-
tra a verdade dos- autos; em qualqiuer dos casos,
me par..ce, pecou e nao tem explica;)o lpossivel,
que ojustifique.
A propriedade Inveja constant de terras, casas
e aqudes fei no antigo inventario do tenente-co-
Tonel Joio Barbosa avaliada por 30 contos, e to-
cou.a D. Francisca, mullier do Lourenco........
6:7124317, de legitima patcrna.
Lourenco apossou-se de sun parte, n'ella mora-
va e trabalhava, levantou um engenho, e safreja-
va ha 4 annos, gosando portanto o privilegio d;
-integrldade de scuhor de engenho, e queria o
Sr. Dr. Coimbra que corn a scntenea de hominolo-
gaAo do arrendamnent,), quo Lourenmo sahisse cn-
tregando, e perdendo sou euigenho, safras, lavou-
ras, etc., fazendo assim 'im verdadeiro esbuilho-
juris ordine non scrvato.
0 inepto advogado Jose Cypriano tomnindo por
base a carta de arremrnataiAo e em execu.ao re-
quereu despejo judicial pelo juizo de orphaos con-
tra Loureno, e todos os sens foreiros out morado-
rxes para dcutro de 5 dias s-thirem de p6 a pi", scm
ao nenos tenter a concilia;ao no juizo tie paz,
sendo que os moradores numnca forant ouvidos na
causa do arrendlameniito, c nelli deviamn ser, sen-
do portanto essa c:iusa para elles res inter alios
acta autjitdicata ,, c o que 6 de admirer, o Sr.
Dr. Liberato Coutinho despachou e concede esse
absnrdo, e forum Lourncno corn seus foreiros in-
commodados comn essa tumnultmaria acciao, nunca
vista talvez no foro brasileiro cm identicas cir-
cumstancias : tal era a desabrida perseguieao, e
injustica contra Lourenro.
A praga forcada da propriedado, sendo ella di-
visivel, era illegal, pois qunem tem a sua terra e
precise d'ella para mnorar c trabalhar nao deve
ser compellido a arrmundar : a ord. 1. 4 tit. 96 5
s6 faculta o arrendamento fur<;;do, quando a pro-
priedade se nao p6de partir seti damno, como se
d'cstas palavrais : Tcndo os lerdeiros on corn.
,panheiros al/gnna cou.sa que uado possa parlir sem
.damno,,... arrendal-a-hdo e partirdo a renda en-
tre sl ,
Loureuco niao queria arrmndar, c tendo os 4
consenhores requerido e concordado na prac.a, ti-
nha elle prcfereneia como consenhor do maior qui-
nhao, e como senhor de engenho coma privilegio
da-integridade -, c assim protestando por sun
parte contra o arrendamento, requereu prfetfren-
cia no dos outros que nie gosavam de privmlegio
e queriam arrendar, o Sm. Dr. iolmbra em vez de
julgar nullo o arrendamento per parte de Louren-
co, ou coneeder-lhe a prefereneia, desconheceui
-i'io claro direito e queria que Lourenco sem ser
ouvido e convencido ordinariamento, sahisse do
pe a pe perdendo o engenho, cannas, etc. S6
justica do Born Jardim !
Agora'sobre o segundo ponto.


O esemcvAo do process Joaq(uim Martins da Cui-
nha cm virtude de pedido e despacho deu em 30
de mnaio cpia do auto de cxxame, e verificaoao do
lugar da embosaada oaidc se deu o delicto, e eis o
-resumo :
Subdelegado do distrieto capitAto Joilo G0---
mes de Moura, eserivAto Antonio Raynmndo de
Albertino Monteiro, peritos juramentados capitol
Joao Guilherme de Mourn Coutinho e o inspector
Francisco Estevao Correia de Oliveira.


COIIERCIO -

Iraea do Recife, II de junho
de ISS4
As tires horas da tarde
CotaCioes lfflciaes
:Millho d:i Peondo. 75 rs. o kilo, hontem
'Cambi,- sn)'re a Bahia, vistat, 112 010 de premio,
do banco, hontem.
-Camlio sobre Londres. 90 div. 20 d. e 20 1[8 d.
por 14, do baneo, hontem.
S Dito sobre dito, 90 d[v 20 118 d. por 1U, do banco
,Camnbio sobre Paris, Avista, 479 rs. o franco, do
T banco.
Cambio sobre Lisboa, vista, 164 0/0 de premio,
do baneo, hontem.
t J. de Oliveira Rodrigues,
SPresidente.
|:' 1A. M. de Armorim Junior,
1" ecretario.


RENDIMENTOS
M','z de junho
-LFAsDEG'oB=-De 2 a 10
idem do 11


RjBBfloaiADe 2 a 10
Idem de 11


,oasvuWo pomcViAL-De 1(
Idema de 11


iAn--De 2 a 10


PUBLICOOS
de. 1884
277:3064702
37:9924376
315:2994078

11:092.4149
5:4 13538

16:4933687
0 50:106M472
3:841b815


53:9481287
2:6735185
281 At43
2:9b4j228

IPORTAAO
Y doA Livermoal e,


doepara e'mimia na rgiBr do naseente entre as ca-
sinha das diktas UtnbAlit e iKarlIaFelieiiaria, mu-
ther de Joao Cosmae, sendoque os assansinoa se
embrcaram-.... cera de 3 braoas de distancia mna
freinte da case do dito Jolo Cosine,e ocaultarmpn-
se detraz de uras bananeiras annas verdes, e on-
trois detraz'das toceiras das cannas verd-as na mar-
gem de nascente do cainminho ; e alli eles verifiae.-
ram os vestigios da toealha, eucontrando atG fo-
lhas do cannas toradas e furadas dos proiectis dos
tiros ; send que onde eahio Herenulano era no ca-
minho proximo as toceiras de cannas, onde estava
part e dos assassinos, de sort que podiam alcaniar
HIercdano coin instrument conatumiente que tivre-
se uma vara de comprimento, c o mfeliz Lourenco
calhio sobre as relvas na baixadat do a-udc, e d'npois
lovantanldo-st.... corn algamna distancia eahio
junto a um p6 de iaqueira (d; casa de Umbelina
por cimna doe unim cornoat'A de espinhos, .... segundo
os :Ilnassados e vestigios que vcrifiet--am 0
subhdltegado j'ulgou por sentenoa o auto.
l[)nreino (iecpois do confessado, e prestos a mor-
ror, intlorrogado peoio delegado deuclarou que rece-
boti os tiros de emboseada, sem antes daremin pala-
vra, e logo cahlio.
0 cainn, segundo crescido nimero de testemiu-
!h:im, ticira ulmtn da emboseadla cerca de 50 bra-
uas no fini da ropr&ea do actide, e era dito capima
e 7 ;innos plantado c tractadoi por Loureuuo.
0 cseravo Sebaistiao, c6-rvo itremrogido pilo Dr.
juiz municipal miu din 25, couifssoum Ijle selui s$C-
ivuhres haviain fioado sontados nus ciauuintt e elle
eOtava s< cortaudo capimin, quanilo unlvio o.s tiros, e
viiil, com o capiun p:irat c0a:t onioutrotn ll!re;:kl io
e Louren:o calhidos.
J:i se '0 pois, que n:to hLonvo luita neun alli i.r--
s.(o dla p irte de limuirenr). (s. dlocinn .mitos fi:;;iu
dep)ositadoIs i a typog:raplia
Est'4j;'L es'! extcnso, lprosegmuirei no seg'uinte.
Atb aiiianhi:.
10 do ju1nho de 1884.
Atonio e Lellis c ,S'Soun, Pouc,;.

Fallencias
Te'in hitavido iefclizmuwtte quielbras centre os n.'go)-
ci.iitcs di, estivas ajui e n;i Parahlyba, c sentimoi
n'Io l-av'r mais mnoralidade citre n(os nas propos-
taIs qu4: os fallidlos aipcsnftaiun.
li,. nuito tompo que ulmo inos loliibriminos de umul
falHido tvr page aos seus crodlres p-nr inticro, cini-
bora onhiea.;no.is hoinu.S quo depois de fiallidols
t0.1 f'to) fortuinmia, nmas que nunea julgain1 do soe
dece'r p)tgar uis suns divi la.is m ilno coitoucteui o
quo e6 hlItorta-t-mnbouI t.oI s:itb'.n o ],u; lie'(, dIt
tof'lrr comu estos dintliceiros (iue pert. trp. Essas pcssoas passainl pjr grailits inSiflici-
dI.o c diesgostosi pnr si (u p('r )mpeso:s da familiar,
ist) 6 0i'icto obs-rmvado.
Quma'.mlo qmi eh m*l'ium il l 'o; ialit iuui, a pr'iiiOuila
coii(jiL que faz 6 ver iquanito :;!lt;lmIueiito podc 0-
semuir dos cr-dore.s4, Cutmuor i q(tm o (seu estado con
pou:.-i de;:mrra do !a'.i ;>;i.ir" tuido.
0 .5 credloms u.'u dcviali j.lintis t-'.r lmicwi(o mcli
mnesii o (1dintheiro coun as p pssoas que ( .-1i0 os lto-
C-.,n state resoltui.-o entr'- to.los minclliorair.'i mnito
a mnor:l idiaI mm'sta l)ri(:a.


Anlltonio Alberto de Souza Agliar
por divirsas veiz(s teiii mu:milini Alo lial) sO ms)sp ;i-
sabilisar por debit-) aillgium c entruhido oem sut no-
ine, e coulmo nlguuis iincaitutos tenhain sido ilhlidilos
po," dols Iadlios s1n 1o, mi s -m atillislo c o41.o diz-
se seu crii do, aos (quacs i esde niuito prmliihio
ilil'tsi SO CIlI suIn einsa ei colLse([cliem.iia de se pll1i--
siAo1 lon)porta lalminbto), e, Se ;ilgum d'estes inoceniites
so .hl'('seltar ;a fitzer compras eslm Sen onoic (evnno
lemi f'itu at6 coin bilhetes falsos) pede o favor de
agarral.o e entrcgal-o ai policia.
0 anmiuuinciante ainda confirmtina que SuS co0111-
pris em vcndmi, a.nugni e p.iularia szlo pages dia-
rimiente a exeepaou da casu do Sr. Carpinteiro
cii.jas coitas doe carne siio mensacs, sendo-lhe dita
C .ct eCi.tregnme diariam'nt. en m sua casa por irn
emulpregaldo d.iquellh sciihor.

tpresentalimos ao grande patti-
do conservador aa provlahia
a u mnica chapa capaz de concs-
Eiar osintercsscs do niesmo
pariido.
1." dimtricto Dr. Mamoel do Naisimininto Macliado
Portotla.
2. dito l)r. .Jaquim de Souiza Reis.
3." dito Couselhliiro Thcodlero Machlido Froire
Pereira di Silva.
4. dit:, Dr. l1'llarniimo Corr!i'i de Olivir>a.
5." dito Dr. Francisco do Rego Barros de Lacer-
da.
6. dito Dr. l[cmirique Marques dft Hollanda Ca-
vi lea rite.
7.0 dito Dr. Ignacio Joaquimu de Soiza Leoio.
8. dito Barmo dc Araagy.
9." dito Dr. Joiio Barbalho Uchna Cavaleante.
10. dito D)r. Francise' de Assis Rosia e Silva
11.o dito Dr. Bento Ceciliamo dos Samitos R'I-

12." dito Dr. Amntonio 0-onalves Ferreira.
13. ,iito 1)r. Antouio Fr-ncisce- Correia do A-


r1i ujo.
11 dejiunho de 1884.
.mitos eleitores co0(rvad( cs.


Ao public
(.'rre'-ie -) rigoro.so dever de vir a imprensa
de -hlrar solenoincmente (isn o artigo inserto cin o
n. 44; do T1hermiounelro de 26 d1 d ilbril deste inIilO,
tbihit que se publiea niesta idade, nao foi escripto
Co no iu hIaviat pudio au rie-actor daqpumlle pcrio-
dio, o qilul, ablmsando i e i diinaiilifi m. t, redigio o
allu lido artigo coii iunvcrdades e de i;lodo offlasi-
voe, calumnioso e io'juripso ao major Joaquiu Na-
m,.s M.iachado Coutmho, diguio ul-leg.adt .de policia
naquelle tempo.
Certamente nunca foi minha intencIo offen-
Carga de Liver
Amostras 7 volumes a diversos. Aco 4 feixes a
Ferreiia Guimaries & C. Arcos de ferro 100 fei -
xes a Miranda & Souza, 120 a Vianna Castro &
C., 328 a Victor Neesen. Agua-raz 1 caixa a J. S.
Medciros. Alpista 10 saccos a Domingos da Cruz
& C., 15 a Fernandes & Irmao. Armaoes para
selling 3 caixas a D. P Wild & C. Arroz 50 s ic-
cos a Fernandcs & Irmao, 20 a Francisco Hanoel
dai Silva & C.


eum o me -.oqim zb pS~de3ue10d veN
nobre earaneJ ^? e|J i e
Gomutinho, 1 seanldo ictoqu=i
ao publcoumfto COim eflsOl eate f
o qoae pedi ao reiapto r.do Ternmom .* :
iPceqo aos Srs. re~detores q:'. deoim publ,
a -estais linaasnpara rstab1eleimento dB ver
eor(eeoL0 de quem deu a isso lugar.
Cidtde de Nazareth, 6 de junho de 1884.


Eleiao

DAs8 DEVOTAS QUE HXO DE CONCORRER PARA
OS PIEDoSOS ELXERCICIOS DO MEZ MARIANQ
NA IIREJA DE S'O FRANCISCO EM OLIN-
DA NO ANNO DE 1884 k 1885.
Juiza Perpetua
I). Maria Josepha de Jesus Barcellos fi-
lbu: di, professor Tobias de Santa Rosa Bar-
collos.
Juizas por eleigao .
As Exnr. Sr". D. Laura Theodora Bello
dc ':axias, filha do Sr. capitao Jos6 Alves
de Cauxias. A Exma. Baroneza de Taca-
i-un ~i.
D. Amelia Maigre Restier, espowa do Sr.
S;arlos Augusto Maigre Restier.
D. Auumn Augusta Ferroira Pihuoantol, espo-
za do finado Jose Felix dda (.anara Pi-
miontol.
D. Firancisca Honorata da Costa e Silva,
e-.piza do Sr. Francisco da Silva.
I). Laiz-t (de Franca da Silva Magalhies,.
iilhiI do major Francisco da Silva Emnyg-
,lio MIagaltihacs
I). Filoinena, cspo-a do Dr. Hermogences.
.). .1:tiiilde Gon9alves, cunhaida do eins-
ino Dr.
D. (UL-illicrmina Francisca de Araujo S.
C.irvudlho, cspoza do Sr. (Carvalho.
D. Franicisca Emilia do Rgo Barroso Mas-
carenhias.
D1). Auua Laonila de FigueirO6a Farias, ca-
poza do Sr. Francisco Figoeir0t de PFa-
lialS.
Juizas por (devo"ao.
As EX!\. Sr". D. Oiyinpi-t Othilia do
Rostisi c Silva, cspoza do finuado Tlihomaz
M()or.-irLa d,.u Larvallio.
I). Niumupha B.isto~s d( Assumipqio, espoza
I.o Sr. L3opoldo Marques ,Ia A ssumippC-io.
D. Maria Brisid, MlorCira(1 dc Cu'alhlo, so-
briuhilia do D)r. Pe.iro Guldiano R-titis e
Silva.
Juizas Iprotcctorms.
As Exlins." Srs.' D. Joinna do Rego Maia
Tavares.
ID. 3Mria Rosa Letmos, cspoza do fina'lo
S.. Lomos.
D. Maria Rita Moreira (de nrvalho.
D. Porcina Roza Nuncs Viaumina.
Escriviies.
As Exns.a Srs.1 I). Izabel Augusta de
Castro c Silva.
iD. Joaquina dic Mello l)altra.
D. M.i3rtha ospoza do Sr. RffAel Itidiano.
Tlliesoureira.
I). Josepha Guillierinia Peregrina da
Silva.
Irmies procuradoras.
As Exins.a Srs.-a D. Flora ( 'mntil P.-gr .
(lint Silva. x
1). Claudina Maigre Restier.
D. Rita A. de Azcvedo, espoza do Sr. T-f
xeira do (Carvalho.
1). BIatriz T ixeira de Carvalho, espoza do
Si Florindo Jos6 da Costa e Silva.
D. Maria 1,andida do Caritio.
D. Auna Digna do Espirito S.ito Pereir;a
dc Machado.
D. 1:tria Theophila do Rusario e Silva, cs-
o,,za do Sr. Francisco Manoel do Rosa-

D1). Maria Montes do Alcantara, filha do
Sm-. Jose Pedro de Alcantara.
D. Adelina Joaquina dos Passes, fi~ha do
Sr. Zeferino de Oliveira Souza.
D. Guilhermuina Maria da Conceig.ao, espo--
za do Sr. Innocencio Apolinario da 1u-
unha Preot.
D. Alexandrina Maria do Monte, espoza
do Sr. Praxedes da Silva Simocs.
1). Joanna Paula Madeira, espoza de Que-
rino Madeira. D. Joaquina Serpa.
iD. Maria Justina da Couceiqao.
1). Theodora innoliana de Macedo.
DL. Marcolina de Sant'Anna.
1). Rufina, espoza do Sr. Antonio Pires do
C irvalho.
1). TloiztmZ'i Ct 0mnlidot Figmceira de Firias.
1) M'aria do Nasciutento Figucira de Fa-
rias.


D. Anna -le Souza.
D. Maria d, (Souiza.
1). Elvir.i 'Ic t'CuzI.
D). Josopha Mlar'ques dt Cunlia.
D. Rtz:aimia Francisca da Silva-
D, Caetana Simplicia de Barros L3it,-.
Comnpany, 60 a W. Halliday & C., 2 a Vianna
Castro & C., 34 a Francisco Jos6 A. Gtuimnr.es,
4)0 A order, 3 a Man)el C. Ayres, 1 a Francisoo
L turia & C., 19 a Allan Paterson & C., 5 a Aul'-
tonuio D. C. Vianna, 18 a Samuel P. Johnston &
C., 67 a Manoel Rodrigues da Silva, 1 a D. P.
Wildi. Folhis de Flandres 50 caixas a Gomes de
Mattos Irmlos, 70 a B. J. Baptista, 20 a Parente
Vianna & C., 30 a Antonio dos Santos Oliveira.
Farinha de trigo 100 barricas & ordem.
rf..,-41 o aI Tio,..-:- U'. (,inr n9 f)


Batatas 106 b.arricas aos consignatarios. Ba- s a lernandies &e h 'm i as, 0 a Aoiu, d gi-
callhuo 40 caix-is a Browns & C. Biseoutos 5 cai- ga;s Aeinandes & IrmaLos, 40 a Antonio A. do
xas a Jose de Maeedo, 19 A ordem, 4 a Moraes & 6)sza Ausiguatario., 10a Sou a Manoes, Joaqurim & C.,
Marques, 10 a Fernandes & Irma'o. Barras de 6) os c nataios, 1 a Banoel JoaquicrPe-
frro 95 a Great Western Brasi Raylway & Crei,-a. Linha I caixa a Otto Bohres Successor, 3
frro2 95o a Great Western Brail alwaysy & C a Gomes de M ttols rii os, 31 a Nunes Fonseca
211 c 262 fixies a fcerreira' Gjuimara.es 4 C. o ^' i .
1 c 26 i a Fr ir ui& 0 16 i ordemn, 2 a Parente Vianna & C. Lon4
Cabos 38 volumes a J. A. da Silva Santos. Ca- -'o* a William Hu;liday & C.
minsas I caixai a Thomaz de oIarvalho & C. Cain-
diciros 4 caixas A ordem. Coke 21 toncladas aos M1ula3 1 caixa a Agostihom Santos & C. Mer,
herdmirus Bcwman. Cimento 50 barris a compa- cadorias diversa0 3 volumes A. ordem, 1 a T. Just-
nhiia Ferro Carril. Cerveja 95 barris e 15 caixas 3 a Gomes de MNattos IrnIos, 9 a Parente Vian-
a ordem, 40 a Paiva Valente & C., 15 a Salazar na & C., 1 a Andrade Lopes S C., 1 a Laite Bas-
& C. Cachimbos 1 caixa a Azevedo & C. ChA 2 tos x C., 4 a J. A. dos i-antos & C., 3 o J. Aze-
grades A ordem, 2 a Antonio Loureiro & C., 3 a vodo & C., 4 a Recife Drainage Company, 1 aNu-
Fernandes da Costa & C., 4 a Moraes & Marques, nes Fonseca & C., 3 a Francisco Lauria & ., 17
2 a Domingos F. da Silva & C., 15 1/2 caixas a a A. D. C rneiro Vianna, 4 a Vaz & Leal, 2 a W.
J. Joaquimr Alves & C. Chape'os 2 caixab a Browns Halliday & C., 2 a C-mpanhia de Fiagao e Te-
C., 1 a Nunos Fonseca & C., 4 a Parente Vian- cidos, 1 a Augusto F. de Oliveira & C., 1 a Mi-
na & C-, 1 a V. Neesen. Cidra 20 caixas a Browns rauda & Souza. Machinismas 1 caixa I ordem, 1
& C. Chumbo em folhlia 30 rolos a Gomes de aos consignatarios, 1 a Manoel -dos Santos Vilaca,
Mattos -.4 Irmiios. Couros 1 caixa A ordem. Cal- 20 a Grest Western B, Itailway Company, ditos e
gados 1 caixa a Oliveira, Bastos & C., I a Fran- ferragens 153 volumes e peasa Cardoso & Ir-
cisco Laurio & C., 2 a Tiomaz de Carvalho & C., mAo, dits e materials para engenhos 867 volu-
1 a Antonio D. C. Vianna, 1 a B. Duarte Campos mes o peas a J. J. de Castro Medeiros, 258 aos,
& C. Chapeos do sol 2 caixas A ordem. Cobre 1 hcrdeiros do Bowman.
volume a Ferreira Guimarles & C. Oleo de linhaga 12 barris a B. J. Baptista* 10 a,
Estniho 10 volumes a Parente Vienna & C., 2 ordem, 1 a J. C. Levy & C. Objeetos para ga 3
a B. Joe6 Baptista. Enxadas 12 barricas a Pa- volumes a empreza do Faz.
rente Vianna & C., 12 a Miranda & Souza, 5 a Papel i caixa a Pereira Carneiro & C., 3 a J.
W. Halliday & C. Estopa 2 fardos a tH. Fors- A. dos Santos & ". Piment 15 stems ordem.
ter & C. Panella de ferro 25 a Ferreira Gaimaraes & C.
Fio 2 fardos a Vianna Castro & C., 6 a W. Hal- Provisoes 2 caixas A ordem.
liday & C., 4 a Oliveira, Bastos & C. Ferragens Sherry 10 caixas A ordem-
39 volumes a [*;rreira (rni:narles & C., 18 a Pa- Tijolos para limpar facas 25 caixas a Fernau 1
renteVianna & C., 2a) i (Tomes de Mattos Irmlos. des at Irmlo. Tintas 40 bareils a Prancaiet
5 aO1iveir'v e ; -,r C., 1 a Nuues Fonseca & Manoel da-Sdval &C-; e U ds vm
C., 2 a Antonio auo Santos Oliveira, 1 a B. Duar- lines a orJem,62 aMach&o&P ira,7 Al-
te pmpbs & C., 1 a Reis & Santos, 5 a Jacintho meida D te & C., 5 a Ca r 0. 8
4dAzevedo& C., 41 a Miranda & Souza, 1 a Jos6 Bernardi Maa & C., 2 Albi A
A4guto do Santos & C., 4 a Recife Drainage 6 a Monir Mettler C., Ia A3a


-li---

-- 1


Barcellos.


j 96 Igtacio d Cuinha Pre'
tinda 15 dejaeiro do 1884.
i!:, iPolo gitardilo commissarib,
Conego, Manoei Jojo Games.

e Ao distiert. e Independente
leltorado do 11ii. distrieto


0 fallecimnento do Dr. Innocencio Serafico de
Assis Carvalho abrio uma vaga no seio da re-
presentacao national e para preenchimenbt della
tern de se proceder nested distrieto no dia 4 de ju-
Iho vindouro a eleicaio de umn deputado A Assenn-
blia Geral.
Aspirando a honra de representar esta briosa
provinceia no parlamento brasileiro, venho decla-
rar ao distincto corpo eleitoral deste district que
soui candidate ao lugar do deputado na elei.ao a
que sf vai proeeder.
Comprehendo todo o aleance de minha aspira-
ceo e sentir-me hia vac llante e desalentada, si
nao tivesse de entrar na pujante luta que me
aguarda, tendo por um lado todo o apoio do glo-
ri6so cliefe de meu partido, o illustro e venerando
conselheir Joao Alfredo C)rreia de Oliveira, e
por outroo prestigio e dedicaco dos meus bons
amigos e correligionarios no district e na pro-
vincia.
Nao precise p6r .erm relevo os meus servi~os ,
causa do grande partido couservador a que me
desvanego de pertencer. A minha dedicacao aos
amnigos e de todos conhecida. Quando so tern
feito precizo, tenho chegado mesmo ate ao sacri-
ficio e nio hei sequ6r re;nado ante o risco de mi-
nha propria vida por mais de nma vez amea~ada
por amioi da ordem e da justiqa, que sao para rnim
o mianaucial fecundo de todos os bens sociacs.
Rcu-iiovido de minha comarca na qualidade de
Juiz de Direito, deixei-me declarar avulso, coin
taiito que nao abandonasse a causa dos amigos,
coOs (is quakes me acho identificado.
Rlesidindo neste district por onde desejo ser
eleit,, para elle apollo e espero que serA corres-
pondi 1 o men apollo. Ninguem melhor do quo ei
conhece as snas necessidades; ninguem mais do
qo eun deseja a prosperidade desta provincia que
me deu o berco e que tern sido victim escolhida
dai. actual situacao.
A todo o eleitorado, pois peco que me dispense
a sua valiosa coadjavaqao, e si tiver a felicidade
de sahir triumphant das urnas, desdejai tomn o
so'eiuico compromisso de pugnar na razio de mi-
hilias tforas por tudo quanto possa intcrcssar a
esto. distrieto e a provineia inteira.
Fillho do povo e conliecedor de suas mais palpi-
tuites necessidades, penso qu,, gramas aminha
firi do vontade e As minhis boas inten0es, nao
.o-l indigo do servir de echo aos seus justos e
coistantes reclamios e por isso a elle me dirigo
co(iiiado em que ainda desta vez nio abandonarn
a cu.usa de am dos seus, que e a sum propria causa.
B-iti Consellho 29 de Marco de 1884.
Bento (ecdliano dos Santos Ramos.
S qtel Europe ituado no mellior
4- nain aprasivel lugar da formosa
cidade de Belem do rafio-Para -
Brauil.
Eite antigo e acreditado estabelecimento tenio
p:tssado por grandes reformas e melhoramenitos,
prsta-se corn muita vantagein aos Srs. passagoi
r's que demandam as magestosas plagas da grain-
dt ;imazonia; dista apenas dous iniiutos da pon-
tc do desembarque.
0 referido estabelec'menoto tem magnificos apo-
snimtos mobiliados corn decencia e asscio, bemrn
cUiii0 banheiros corn agua potavel, e um se vico
mii:igniifico a par de urna modicidade em precos
svIn comipetencia.
Este estabelecimento aeha-se situado A rua da
lIuperatriz, corn frente pmra a praca do Visconde
d- Rio Braneo, vulgo Merces.


EDITAES
Jdiltal i. 22
0 administrator (do Consulado Provincial avisa
aos contribuintes dos impostos de decima urbana,
s .'ire bens de corporaVSes de mao morta e do 120
rs. por litro de vinho, vinagre e aguardente, que
ii mi esma repartigao so fara a cobranca dos mes-
in.-s impostos, A bocca do cofre, coin relas1ao ao
2 seinestre do excrcicio correutc (18,3 A 84) a
conewar no dia 1 de junho proximo futuro, de-
vIfii.Jo terminar no trigesiaio dia util, na f6rma do
rmgulainento do 4 de julho do 1879.
Consulado Provincial de Pernambuco, 28 de
uI.mio de 1884.
Franeiseo A. de aCrvalho Moura.
Edital a. 9
Faco public que no dia 11 do corrente ira A
praca, perante a junta dcste Tlhesouro, o forneci-
m rinto de alimeiitacaio sos proses pobros da casa
d,! deteneao, relative ao trimestre proximo future
de jimho A setombro, servindo de base a diaria
i<-' 4(K0 rs.
Scerctaria do Thesouro Provineial de Peraam-
bumo, 6 de junho de 84.--Servindo de secretario,
Lindolpho Campello.

Edital n. 62
l)c ordem do Dim. Sr. inspector se faz public
que, achando-se as mercadorias contidas nos vo-
uiunmms abaixo declarados, no caso do serem arre-
1 m t.mdas para consume, nos tenmnos do Cap. 6' Tit.
do iro',.\ul:amii 'to d'! 19 de sct.?mnro d( 18G0 e
Ar'. 18 do deorcto de 3[ doe dezembro de 1863. os


s-.1s ii. ilcntro do praz) do 3 ) dias, sob p:'na de find
(S- '. s-rtm von lid-tit m)r su c'mmt:, sinm que lies
hfi. !coumpetindo allegar contra os effoitos dessa
VO .l;-i, ; sabl)er :
Ar n;zem nit.- 1.
U ct THI"VC, I ctiau n. 46,093, vinda do
H;avre it.) vap ir fm'.icez Vill: d e Santos, detcar-
ream Ila em 24 de marjo de 1882, contend 6 kilo-
g'-ammias, peso liquid, d cartoes para annuncios,
de tintit so cor.
tos C., 16 a Stilveir-t & L, 14 a Olinto Jardim
& C., 2 a Souzai Moatinho & C., 8 a Loureiro
Maia & C., 5 a N-ircio tAiia & C, 3 a Rodrigo
de Carvilho & C., 7 a Alves de Brito C., 10 a
D. P. Wild & C.. 4 a t. iimutrAes & IrmaIo, 10 a
Soz i Nogaoirn & C., 2 a F. G. do Amaral, 11 a
A. Vieiva v. C. 5 a Franr:ciso de Azevedo & C.,
6 a;L FrtiniscOa Liur a & C., 2 a Severino & Ir-
mnuo, :3 a Luiz Antonio Sequeira, 34 a Albino
A',norimn & C, 11 a Andrlide Lopes & C., 3a
Ru'Irigues Lh:uw & C. 1 :I Goncalves Irmao 1 C.,
Tiuta 3 barricas a Aitonio D). Caraciro Vianna,
2 a Manoel Cardoso Ayres. Trapos 4 fardos a
Manage the Brisil Street Railway Ciampany.
Vrdros 15 cai:xas a Parent c Viauia & ., 15
or.lem.
Carga de Lisbo.t


Azeite 53 c.tixas ;i D)omingos Cruz & C., 10/5 a
PFerriizn Portira & C., 8 caixas a Jost %R.N. da
Selva.
Bagas I bairr'c: a G. Laport & C. Batatas 50/2
caixas a Fe,-r.iz Pereira & C., 300 a Silva Guima-
r.es A, C., 25 a Palmcira C., 2539 a JoAo F. de
Al,-cida, 50 a Doi4iagos Ferreira da Silva & C.,
449 a F. R. Pinto Guimiaraes, 50 a Ferreira Ro-
cha & C., 350 a Cunha Irmaos & C., 100 a Do-
mingos Torres & Carnciro.
Conservas 2 caixas a Joao1 F. de Almeida, 7 a
Domrniagos Ferreira da Silva & C., 7 a B. J. Bap-
tista. Cestos 4 eneapados a J. J. de Amorim Ju-
uior. Cebolas 25 caixas a Praga Rocha & C., 25 a
Paivi Valente & C., 25 a M. F. da Costa Ribeiro,
25 a Gaubnar'es Rocha & C., 20 a J. B. de Carva-
lha, 10 a Palineir, &C., 10 a Antonio Loureiro &
C., 100 a Ferreira Roeha & C., 50 a Silva Guima-
.w C 0.,-0 a Domingoa Torres & Carmeiro, 30
a F. Plito Gaimarles.
IDrogas 4 volumes a Manoel A. Barbosa Sue-
'Ilas ms ix a iaG. Laport & C., 1 a A. D.
dos S*atos.
f*1vTos1 caixa a Joalo W. do Medeirofs,1 aJos6


-Tr klograS, peso, liquido, de cartOes para n- ]
[nWnnot i npressos em wa s6 cor.
Armazema. 7
Tres fogareiros quebrados, vindos doe Lndxe ]
no vapor inglez Nerze, entrado em 26 de oitubro
de 1883.
Terceira secwo da Alfandega de Pernambu-
co,10dej uftode15884.t
0 chefe, ]
Cicero Brasiteiro de Mello.
Edltal a. 649.
0 professor public Lindolpho Coriolano Bezer-
ra Cabral, removido por acto da presidencia da
provincia de 6 do corrente mez para a cadeira pri-
maria de Olho d'Agua da Onqa de Taquaretinga,
deverA assumir alfi o exereicio no prazo de 60
dias, a contar da data da remogIo, sob as penas
da lei, o que se declara de ordem do inspector ge- '
ral da instruecao publiea.
Sceretaria da Instrac(?ao Publica de Pernambu-
co, 10 de junho de 1884.
0 secrotrio,
Pergentinohw S. de Araio Galvaio.

Edital n. 650
De ordem do inspector geral da inltruclo pu-
blica se deelara ao alumno-mostre titulado pela
Escola Normal Francisco Marques da Trindade,
que pela presidcncia da provincia fui considerada
serm effeito a portaria de 13 de marco do corrente
anno que o nomeou para roger a cadeira primarina
de Olho d'Agu.a d Onca de Taquarctinga.
Secretaria da Instrucqao Publiea de Pernam-
buco, 10 de junho de 1884.
S0 secretaiio,
Perqentii-i S. de Araijo Galvao.
Edital n. 6a1
No dia 21 de maio ultimo (data da nomeac1ao)
cotnea a eorrerjo prazo ,de 60 dias para o prof'es-
sor public Americo Pereira Brandao assumiir o
exereicio escolar na cadeira priiniria de Vicencia,
sob as penas da lei, o que se declare de order do
inspector geral.
Seeretaria d% instruc'ito publiea do Pernain'u-
co, 10 de junho de 84.-0 secretario,
Pergercntino S. de Araujo Gtilvto-.

Edital n. 652
De ordem do inspector geral da instrueio p11u-
blica, faVc saber aos interessudos que no dia 17 do
corrente mez comccarao peas 11 horas da manha,
no Gymnasio Pernambucano, as proves escriptas
do coneurso para provimento da cadeira de Geo-
metria daquelle estabelecimento. Acharn-se ins-
criptos os seguintes senhires :
Joaquim Cavaleante Leal de Barros.
Dr. Joaquim Antonio de Castro Loureiro.
Eungenheiro JoIo Jose Fernandes da Cunha.
I)r. Manoel Augwsto Ferreira da &ilva.
Felippe S:a)oia la;ndeira de .MIllo.
Trajano Alipio TeJni)oral de Mendonwra.
Jos6 Ferreira da Cruz Vicira.
Dr. L:urindo Carneiro L-ao.
Dr. Abiia Cava-ante de Allbuquerqul.
Seretaria da Instrueclo Public: de Pcrnam-
buco, 1'- de junho dt 81.-0 secretario,
P. S. de Araujo Galvao.


Airandega de Periaimbiico
EDITAL N. 59
Por ordem do IlIIn. Sr. inspector se faz public
que no dia 14 do cor,'r'-i.:e, ;is 11 horns da inanhil,
no trapiche Conic- (aIo, serao v, nditldis cm hasta
public divers' pranchoes de pinho de resina,
por coita de quem pertencer e livres de direitos.
3, sec(;Ato da: Alfaadcg*. da Pcr2 l'arc, 4 de
junhilio de 1884.
0 chefe.
-Cicero B. de Mello.



DECLARUOES

Thesourarla de Fazenda de
Pernambuco
Fornecimento de gencros e outros artigos para o
presidio de Fernando
De ordem d. 4Illm. Sr. inspector da Thesouraria
de fazendla se faz public que a 1 hora da tarde
do dia 17 do corrente mez, em sessao da junta, se
reesbcrio na mcsina Thesouraria propostas em
cartas fechadas e selladaw para o fornecimento dos
generous o diversos artigos necessarios ao suppri-
ineiito do presidio de Fernando de Noronha, du-
raute o ecmocstre de julho A dezrnbro proximo
vindouiro.
Generous
Xarque, kilo.
Cafe emin grao, idem.
Assucar mascavinho, idem.
As.-ucar br.nco refiuado la sort, idem.
Finno emn lates, idem.
S b'ao amarellu, idetm.
Alcool de '6 a 38 graos, litros.
Banha de porco, kilos.
Bui em pe, u'n.
Doce de goiabl)a, kilos.
Fariaha de trigo, marca SSS F, barriea.
Marmellada. kilos.
Sal, litros. -
Vinho branch, idem.
Vinho do Porto, idem.
Vinho tinto, idem.
Vinagre de Lisboa, idem.
Diversos artigos
Arame de latao sortido, kilos.
Arame ue ferro sortido, idem.
Arcos de ferro sortido, feixes.
Algodao tran;ado azul; mnet,'s.
Bandeira imperial de 6 pannos de filete, uma.
Botoes de osso corn 2 furos, caixas.
Camisolas de brim, uniuma.
Cautisola d, ;i.roao, idem.n.
Catmisola 'ic tit;;i, idem.
(2allctiS, d(i;.i:a.
Cera brmimn.,v fin vclas dc 22 grammas, kilos.
Chluuibo ciin ha.-ra, idemn.
CoIchocs ,d, lidi ,eiorrs lid palla aII, min.
Cra'vos de ferro p:ra;i, luriil, idi-un.
Ditos de dito pira i ipir, cenito.
Citertores de it, uimi.
Etuichameis de qualida.le, idet-.
Escarradeiras di ltiO, uiiA.
Espanadores, unm
ERtanhic em verguinhas, kilos.


Sementes 1 caixa a -. Laport & C. SalpicoSes 1
c mixa a M. F Bartholo.
Vinagre 15/5 a Ferraz & Pereira. Vinho 27 pi-
pas c 15/5 a Fernandes da Costa & C., 4 e 10/5 a
Domingos Torres & Carnciro, 3 e 35/5 a J. F.
Monteiro, 3 e 40/5 A ordem, 30,'/5 a Ferreira da
Cost.i & Irmiao, 15/5 a Joaquim Duarte Shnnes &
C., 6/4 e 4/10 a Mendes Lima & C.. 5/5 a Fran-
cisco Xavier Ferreira, 5/5 a Guimarkcs s Valen-
te, 2 barris a Virginio Janezzi, 4 a J. A. dos San-
tos & C., 20 eaixas a Bernet & C.
Vapor national Jacuipe, entrado dos portos do
sul na mInesma data c consignad a i Companhia
Porr-nmbucamnnu, manifcstou:
Az,.ite de palma 5 pipas a ordem. Algodao 228
saccas a J. C,. Vianna.
Ba.rrieas 80 a Seares do Amaral Irmgos.
Couros seceos salgados 131. a Pohlmann & C.,
46 a A. Vaz & C.
Fazendas 1 caixa a ordem.
Li barriguda 20 saceos a J. C. Vianna.
Objectos para navio 149 volmnes ao mesmo.
Vinho 5 barris a Joaquim 1). Simncs & C.


DESPAC[IOS DE EXPORTAQAO
EmII l e junho de 1864
Para o exterior
No vapor allUemo Rosario, carregou :
Para Hamburgo, Nuesch % C. 300 courts sal-
gados corn 3,600 kilos ; E. Santos 1 sacco corn 60
kilos de eafe e 1 caixa corn cigiuirros e fumo.
No patacho inglez Tiber, carregou:
Para tllifax, S. Brothers & C. 4,7019 saccos corn
852,500 kilos de assucar maseavado.
i lP&a'ra o Interior.,
No lgar national Amdeia, carregou :
Para o 2io Graude do Sul,,Maia & Rezende
33,280 Uros de a W.
ia escuna national MacawW, carregou :
?Parao Rio Grande. do Sul, Azevedo & Maia


inalt


Lenqkes do linbo, unm.
Ditos de algodao, idem.
Liman chatas sortidas de 7 A 10 pollegadaa, duzia.
Ditas meia-cana, sortidas, de 5 a 10 pollegadas, .
idem. 1
Ditas triafgulares, sortidas, de 5 A 10 pollegadas,
idem.
Ditas chatas de desbastar, de 16 A 18 pollegadas,
idem.
Limatoes sortidos, de 8 A 10 pollegadas, idem.
Lapis pretos de Faber, idem.
Lapis para carapina, idem.
Linha branoca, carritel.
Madapolao para mortalhas, ataduras e compres-
sas, peta.
Ourino6es do louca, urn.
PAos de jangada, direitos, corn 10 metros de com-
primento e 22 A 25 centimetres de dianmstro na
parte mais final, urn.
Pedras de amolar, uma.
Papel almaqo pautado flume, resma.
Dito cartho matta-borrao, f,>lha.
Puinats d'aco caligraphicas d 1 Perry, caixa.
Pregos francezes sortidos dc 1 112 A 3 pollega-
dts, kilos.
Seccante, fezes de ouro, idem.
Sierras de volta, unea.
Taboas de amiarello para soalho, idem.
rTahoas de cedro, idem.
Ditas de louro, idem.
Ditas de ptinh de 314 de pollegadas de espessura,
idem.
Toalhas de algodao para a eafermnaria, idem.
Tinta preta, litros.
Dita azul da Prussia, kilos.
Travesseiros de linho, cheios de palha, urn.
Vassouras de piassava comn arcos de ferro, uma.
Verde chromo, kilos
Ccra amarella, idem.
Dita preta, rodas.
oIur' s cortidos para forro, um.
Faean ainmericnas coin cabo de pao para sapatei-
ro, uluna.
(Jros:is clu-tas sortidas, duzia.
Pregos framicozes de mina potlcgada, kilos.
Solt, meio.
Tmixas de a(coo para p hunil]irm, kilos.
D)itas deac o it. 16 A 18S para salt, idem.
Diitas de lataoit n. 11 e 12 para encostar, idem.
VaquAtas)prcparadas lsgr ambus os lados, meio.
CoundiV6es
Os goeberos dcoverao ser de boa qualidade, e os
toruecedores seri-o obrigmudos a deposital-os em
mi dos armaazeus da compainhia periLambucana ou
oitro qualqucr designado pela presidencia para
s.-rem e iaminados, pesados c acondicionados, de
mrodo (liUe possamn coming tcilidadc prestar-se ao re-
firido process, sendo parnt isso, obrigados tam-
bum ma ministrar o pcssoal c os instruments neces-
:tarios, afin Cc qu e possam ser transportados.
A's despcsais (oon a conclusao e transport dos
.eneros serao feitas por conta dos fornecedores,
die oeonformidade com as instruce6es da presiden-
cia da provinucia, de 2) de janeiro de 1882.
Thesouraria de Fazenda de Pernambuco, 10 de
jurilnho (de 8-.-0 secrmtario da junt1.
F. A. de Oliveira o Silva.


Devoefo ule N. S. (da Conceitao erec-
ta no convetio de Santo
Antonio
)De ordem da mesa regedora, convido a todoa
os imnnaos a comparecremn em nosso consistorio
no di 12 do corrente. pelas 9 horas oa manhi,
afim de reunidos em mesa geral, procedermos a
eleiiao de alguns mesarios que deelararam nio
aceitar, e be)n assimn approval as contas da admi-
nmstracao.
Consistorio da dcvociio de N. S. da Conceiao,
9 dejunho de 84 -0 secretario interino,
J. C. L. de Mello

Club Caroies Gomes
Annivermario da lbibliotlleca
Effeotna-se boje o sarAo deste mez em solemni-
satao ao segundo anmuiversario da biblioth3ca, ten-
do come As 8 horas da inanhit a sessao megna,
wque precelcrA a inauigura'ao do retrato do nota-
vel music, Thomaz da Cunlha Lima Cantuaria e
de outros, seguindo-se o concerto. HaverA bonds
para as liihas de Magdalena e Fernandes Vieira.
Secretaria do Club Carlos ( de 84.-0 1 secretario,
AndrA F. dn(sOia&

Santa Casa de Mliserleordia do
Reeife
A Illnma. junta administrative da Santa Casa
de Miscricordia do Recife, na sala de suas sessoes
pelas 3 horas da tarde do dia 17 do corrente, re-
cebc propostas para o fornccimento d.s gcneros
abaixo declarados, que forem precisos para os es-
tabelecimentos a sen carga, a saber : Hospital Pe-
dro II, Hospital (dos Lazaros, Casa dos Expostos,
Asylo de Mendicidade, Hospicio de Alienados na
Tamarincira c Collegio das OrphAs em Olinda, na
trimestre de jullo a setembro do corrente anno:
Aletria, kilo.
Arroz, idem.
Aguardeute, litro.
Azeite de oliveira, idem
Araruta, kilo.
BacalIAo7, idem.
Banha de porco, idem.
Batatas, ideinm.
ChA Hysson, idem.
Cafe cm grao, idem.
Carnet sceca, idem.
Cebolas, cento.
Farinha de mandioca da terra, litro.
FeijAo, idem.
Fumno do Rio, kilo.
Gaz, lata.
Milho, kilo.
Mahitciga franccza, idem.
l1),t7ssa, idem.
Ni apf, idem.
:ilbao, idciii.
Sil, litro.
Tapioca, kilo.
l',twlmcto, ideilm.
Vclats dtie carnadlia, idem.
D)itams stearinias, uidem.
Vinho into, idem.
Dito branico, idem,
l)Dito do Porto, idem.
Farclle, sacca.
1,500 ditos de dito branch ; J. J.- G. Guimaracs 9
ditas corn 540 ditos de dito refinado e 1 dita corn
60 ditos de dito branch ; J. P. da Silva 7 barris
corn 630 litros de aguardente.


MOVIMENTO DO PORTO
Navios entrados no dia 11
Bahia por escalas -7dias, vapor national
Jacuipe, de: 382 toneladas, equipagem
32, conmnandante Jose' Henrique da Sil-
va, carga vario.; generous, a Companhia
Pernainbucana.
Terra Nova-46 dias, patacho inglez Gra-
tia, de 157 toneladas, equipagem 8,
capitao James B. Meaning, carga baca-
lhdu, a Saunders Brothers 0 u
Sahidos no mesmo dia
Parana Patacho hespanhol Francisco, ca-
pitao Salvador Sala, carga various ge-
ros.
Pranaguai-brigue hespanhol Antonita,
capitAo Marcelino Guilpi, carga sal.
West-Indies Barca allema Murie Spatz,
capitiao Ernest Bosserdick, em lastro.
Guam Escuna allema CCwordia, capital
N, Closte, em lastro.

VAPORES ESPERADOS


Guadiana
Taimar
Eupirito Sasto
Marinko Visconde
Vile de Maramvdo
Congo :
Derwent
Vile de Mace
mandwi
Netv .
Paxso


do Rio de Janeiro
do sul
do sul
da Bahia
do sul
dosul
da Europa
da Rut-epa
da Eurnna
da ... .


: ^ l'" + J" 4 >,


1' .. "' ;/~

it-


f








~


I





















ed coesr-
o dinmihoiro


0 TBce-


socio


Ipma.Jmunta- a4m'InIstmntiva da Santa Casa
01efCicorndin doIRtcite, na sala. das suas seas-
i, pelas 3hSate da taride do dia 17 do corren-
ehebe propostas panra o t&aecimento da came
lo da melhor italidade que houver no merca-
| que f6r precisa para os estabelecimentos A
cargo, a saber: Hospital Pedro IT, Hospital
Lazaros, Casa dos Expostos, Asyloe de Mendi-
dc, Hospicio dos Alienados, na Tamarincira,
Alegio das Orphas, em Olinda, no trimestre de
s a setembro do corrente anne.
a propoatas deverito ser cm cartas fechadas,
idimnente selladas, indicando o fiador e obri-
o-.- o arrematante a pagar a multa de 50/0
e o valor total do fornecimento, se no praso
I dias nitio vier assignar o competente term.
icrrtaria da Santa Casa de Misericordia do
5e, o de junho de 1884.e
0 vscrivao, 9
Pedir Rodrigues de Souza. 9
sta Casa de liserler rdla do
Reeife


f hina. junta administrativa a Santa Casa
o Mit-ericordia do Recife, na sala das suns scs-
oe,e pulas 3 horns da tarde do dia 17 do cerren-
Wtereebe propostas para o fornceimrnento deo assu-
ea rseitdo de 1, 2a c .3a series c turbinados, que
r neceCssario para os cetabeleciniontos A son car-
g :% Hospital Pedro II, Hospital dos Lazaros, Ca-
doi4s Expostos, Asylo de Mendieidadc, Hospicio
S, AMienados, na Tamnarincira, e Collegio das O0-
cI em Olinda, no trimecstrc do junho a setem-
do corrmute anno.
As popostas deverao ser em cartas fechadas,
-damente selladas, indicando o fiador, e obri-
doo-si o arrernatante a pagar.a multa de 5 0/0
eo valor total do foruecimeonto, se no praso do
9 6s nio vier assigmir o competent termo.
l$|k|retaria da Santa Casa de Misericbrdia do
iee, 5 dejunho do 1884.
0 escrivAo,
-i:1 Pedro Rodrigues de Soouza.
tAta Casa da lisereicordla do
Pel r rte: 1 Reelfe
rintel a IlLna. junta administrative desta
nutaeasa,a na sala de suas scssoes, polas 3 hiors
44|xtarde do dia 17 de jutnho vindouro, ha de ser
%*MI'matsda a queoi mais vantagens ofercecer a
lllllliadae Ilha do Nogucira, pcrtenceate aos
stx' lecimentos de caridade, sob as seguintes
ofiAtioes :
gar menaalmente a renda annual de 1:6001.
Ser o arrendamento por tempo de trees annos.
'sazer a suna custa oi concertos de que precisa-
mo as casas e o viveiro do sitio e entregal-os em
bem estado de conservaIo ana e-uclusio do arren-
.waeuto; n'o criar gado e plantar em cada anno
150 pAs do colueiros, sob penn de pagar 2j de
malta por eada am quo deixar de plantar, de mo-
do quo find o prazo dcvtrA apresentar os 465
p6., bent tratados e couservados, send d. trees em
t'es umezes vc:ificado pelos resoeetivos mordomos
o iet cumprimento da obrigaVSes da present con-
olt, e n4o poder abrir nein consentir legradouro
ns terrenos da Ilha.
r Aprcsesttar-se no actor da arremataiao corn o
fiador idoneo ou earta deste.
Scretaria da Santa Casa Jo A Misericordia do
Reife, 29 de omaode 1884.-O eserivio,
Pedro Rodrigues de Souza.

Arsenal de Guerra
De ordem do Illi. Sr. coronel director, fago pu-
btico que nos termnos dos arts. 95 e 96 do regula-
mento de 19 de outubro do 187-2, esta rcpartico
S precisa con tractar para o 20 semestre de 1884, o
seguinte :
Para o aimoxarifado
Azeite de carrapato, litro.
Azeite de e6co, idem.
SCabo de linho brauco de differentes grossuras, ki-
logramma.
Cabo de dito aleatroado, idem.
Fie de algodlo national, idem.
Vassouras de piassava chapeadas de ferro, uma.
Vassoura de junco, idem.
Para as eolcinae
S Arcos de ferro cortidos, kylogramma..
SAgua-raz, idem.
lvaiade de ziunco, idem.
Asul ultramar, idem.
'Aidrabas de latao e ferro de differences tama-
-, alhos, uma.
Bi es de metal prateado, grades e pequenos, urn.
Botoes de metal amarello, grades e pequenos, urn.
Botues de osso branch e preto, grandes e peque-
nos, para bluzas e fardetas, um.
SBotoes de osso brancos e pretos, grandes e pe-
quenos, pora calcas e camisas, grosa.
C0stado e ocostadinho de pAo carga, urn.
Costadoo e costadinho de amarello, urn.
irzvos de ferro sortidos, milheiro.
Cattrvio de pedra, kilogramma.
Clia da Bahia, idem.
Cordiode li e. de algodalo branch e encarnado,
m:etro.
kcr6, kilogramma.
lncham6s, duzia.
lpirite de vinho, litro.
rerro inglez de differences qualidades e grossu-
-ras, kilogramma.
Feoro sueco, idem.
Il rro em leneol, idem.
F Fl. de vela, idem.
?Feebadura de broca para perta de diffeoentes
i- qunlidados e dinmouobes, numa.
Iualadeomrma lacca, kilogramma.
l LIiimas e limataes de differeates qualidades, duzia.
O|l|':(0eo de linhaea, kilogramma.
^lSii~ere amarello idea.
|+'Pranehao de amarello, urn.
:Yi^ianchaQo de, jacaranda, umn.
SPranehio de sicopira, urn.
Pinup~raneha de piuho da Suecia, urn.
P{ ranelo de *pinho de Riga, urn.
Preg o d'differontes tamanhos e qualhdades,ma-
Bi^ freez es kilogranma.
nthrbgmczsa polidas para rebolo de dif-
^q^uae 8ades, umna.


ma.
e latio de


differences dimen-


DarA fim ano epeotae


3 horas da tarde, i ,adia17 doi .^ ori$e rca:ebe
proposta para forn"eimento do ple, e l bcmgcih. que
for preeico para oCellegidas OrpL era iOlIda,
no trimestro de julbo a setembi o do eorrente anno.
As propostas deverio ser em eirts fechadas,
devidamente selladas, indieandoo finder, e obxi.
gando-se a pagar a multa de 5/% sobre -o valor to-
tal do forniecinmento, se no praso de 3 dias, nao
vier assignar o competent termo.
Soeeretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife, 5 de junho de 1884.
0 secrotario,
Pedro Rodrigues de Sousa.
Do ordem d.i Illima. Canmara Municipal, s8o
sonvidados os donos dos estabelecimentos das fre-
guezias de Afogados e Varzca, para virem A sec-
o competent rever os pesos, inedidas e balan-
eas dos mesmos, uno proximo mnez de junho, sob
penha de lei.
Paso da Camara Municipal do Recife. 31 de
maie de 1884.


Jos6 Candido de Moraes,
President.
Pedro Gwidiano de atis e. Silva,
Secretario.

Santa Casa da Misericordia do
Recife
Na Santa Casa arrenda-se por um a trees annos,
os seguintes predios :
Rua da Saudade


Casa terrea n. 5
Travessa de S. Pedro
Sobrado de dous andares n. 2
Run do Boen Jesus
Segundo andar do sobrado n. 13
Rua do Burgos
Casa terrea n. 27
Beeco das Boias
Loja do sobrado n. 16
Sensala-Vellia
Casa terrca n. 18
Rua da Moedsa
Casa terra n. 49
Senzala-Velha
Casa terrea n. 16
Rua Imperial
Casa terrea n. 127
Rua do Encantamento
Primeiro andar do sobrado n. 9
RuA do Visconde de Albuquerque
Casa terrea n. 61
Rua Sete de Setembro


404000
305000
30;000
185000
125500
201000
305000
20o000
12;000
155000
17;750


Casa terrea n. 28 4805000
Estrada do Rosarinho
Sitio n...- 250A000
Ruja da Restauiraga1o
Casa terrea n.a 25 16JO00
Run da Lingoeta
Segundo andar n. 14 15A160
Rua de Santa Thereza
Casa terrea n. 4 155000
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife, 13 de maio de 1884.
0 cscrivilo,
Pedro Rodrigues de Souzsa.
Monte de Moeeorro de Pernam-
bueo
Os possuidores das cautelas de penhores
abaixo, slo convidados a resgatal-as ate o
dia 14 de junho proximo vindouro.

7134 -7135- 7920 7926-7929-7932
7940 7946-7955 7960 7975-7986
7993-8000-8001-8004-8009--.8013
8034 8035-8041 -8042 8047--8050.
8062 -8063 -8065 8066 -8067-8068
8074 8076 8077-8082 8085-8100
8113 8117-8120 8123-8141-8146
8162-8164 8169 8182 8183-8184
8190 -8192 8201-8202-8206 8207
8210-8212 8214 8216-8218 8219
8223-8225 8228-8229 8233-8234
8236 8241 8245 8250-8254 8259
8264-8269-8274--8278-8279 -8282
8286 8289-8299-8300 8301--8302
S322 -8325-8329 8332-8333 8334
8337-8338-8339-8340 -8341 8342
8346 8348-8349-8350-8351 -8353
8355-8356 -8358 8360 8361- 8364
8368 8369-8372-8373 8376 8383
8390-8419-8441 8426-8429-8430
8433-8438 8439-8442-8444 8450
8460-8461-8462 8464-8465-8466
8484 -8486-8505 8507 8509 8519
8521 8528 8529 8534 8535 8536
8545-8550-8554-8560-8573 8583
7934-8071-8209 8285 8354 8453
8990 -8110 8222 8321 8367 8472
8021 8151-8235 8335-8387-8520
8055 8187-8262-8345-8432-8542
Recife, 21 de maio de 1884.
0 1gerente,
Francisco Joaquim Pereira Pinto.


Companhia Phonix

Pernambucana
De conformidade corn o art. 19 dos estatutos,
serao vendidas 15 acqoes desta companhia ns. 56
a 550.
Os pretendentes sao convidados a aprosentar
suas propostas em cartas fechadas, por iatermne-
dio do corrector geral, atW ao dia 23 do corrente,
ao meio din, no escriptoriodesta companhia.
C.path~a ?einuPambucana, 11 de juaho
do 1884. .


PrincipiarA As 8 horas.
A-VISO
Os Srs. socies podem procurar *eus bilhetes em
mao do Sr. thesoureiro, A run do Duqume de Caxias
n. 109.

HATRO

I-LiftIIlot[



COMPANHIA DE OPERA ITALIANA E DE
BAILADOS

Empreza P. M. Musella



5 feira 12 do corrente

Recila extraordinaria
Representar-se-ha a splendid, opera de Mar-
chetti:

RUY]



Corn bailados
PrincipiarA as 7 e 1/2 horas,

MIARITIEOS
COMPANEIA PE UNAMBUCANA
DE
Navegaplo Costeira por Vapor
Fernando de Noronha
k Segue no dia 13 do
-corrente ao meio dia
9 vapor ia, eom-
~mandante Malta.
Receho caiga Wt6o
Encommendas, passagensa dinheiros a frete atW
as 10 horas da manha do dia da sahida.
ESCRIPTORIO
Caes da Compahnkia Pernambumna n. 21

CiAIGECIS IENIS
Compaakla Fradea de 4 avega,
eoa Va ipor
Linha quinzenal entire o Havre, Lis-
boa, Pernambuco, Bahia, Rio de Janeiro e
Santos
Steamer
Ville de Xacei6
; Ko-. aE' Sesperado da Euro-
aW ato o dis 20 de
u tunho, seguindo de-
is da indispensavl
omora para a fl-
a Pm ai a de -
neiro e S&anato.
Regp-se aos Sr.. importadores de varga pelos
vaperes desta linha,queiram apresontar dentro de 6
dias, a contari do da desar das a.vue s qual-
quer reelamaglo coneernente a volumes, que por-
ventura tenham seguido pra os portos do su4, afim
dese poderem darma tempo as providencias necessa-
ries.
Expirado o referido praso a companhis alo, sr
rosponsabilisa per extravios.
Recebe carga, encommendas e passageiros, para
0a quakes tern exeollentes accommodaces.
AGENTES
Augusto F. de Oliveira

&C.
42-RUA DO COMMERCIO -42
(Entrada pela run do Torres'
COEPANKHIA PERNAMUiUCANA
DE
leavegaeo Costeira per Vapor
PORTOS DO SUL
Macei6, Penedo, Aracajui, Estancia e
Bahia
L It, 0 vapor Jacukwpe,eom-


mandante Cos& Silva,
seguiriA no dia 16 do
corrente, As 5 hodawsda
tRecebe earga at6 o
dia 15.
Encommendas, passagens e dinheio a frete ate
as 3 horas da tarde do dia da sabida.
ESCRWTORIO 1
Caes da Compala Peiaamb-
ca m a. A


1 IA MENSAL,


unaiellq, dunn,
n. -
ffcfrmtes diren-
ama-pollegada de
Send neo83eSA
de dotoeteiros, desta companhia
as munrdo Sol e


S 7-Rtuat do igario 7
lmtigo s Alves latheus

IDT I &STEAMl FAIET
C1?PANY
waftnde re4duce now preo da1 am
passbweusI
0 PAQUETE A VAPOR
Tamar
SCom a edarate A. ao
Reua ....do sul no din 14
do corrente, se-
guindo depois
da o necssearis pa raLisboa, Southampton,
ste.
Tern optimas aecommoda95es.
Passagens para a Europa podem ser toma-
das na ida dos vapores para o sul
Reduealo nos preeios para o RIo
deJaneiro
1. elanse990#000 e 3. classe 27#000


Itinerario
IDA
Said Southampton 1
Chegada Bordeaux 4
o Vigo
Lisboa 7
S. Vicente *
'Pernambuco 20
Maceid 21
Bahia 22
S Rio de,. aneiro 26
S Santos 28
a Montevid6o
Buenos-Ayres
VOLTA
(Conforme as ordens do Rio
Sahida. BuenosAyres
S Montevid6o
S Santos
a Rio de Janeiro
hCegada Bahia
Macei6
Pernambuco
a S. Vicente-
a Lisboa
a Vigo
a Southampton
S6 tocara se precisar carveo.


$2927
.24
13


26 1
29 1
5
7
de Janeiro)
17
18
5i4
27 1
29
11
15ii
15


a EIll 1ovaPaa ~os Estailos
SL ha m os Ell0o


0 VAPOR
Guadiana
Commandante Horton
Espera-se do Rio
de Janeiro no dia 14
dejunho o qual de-
pois da necessaria

New-York via S. Thomaz
Preeos d" passages
la deasse 2a classes 3& classes
Londres (via No-
va-York)..... 42.0.0 28.0.0 17.0.0
Nova-York.... 27.0.0 18.0.0 11.0.0
So Thomaz ou
Barbados..... 23.0.0 15.10.0 11 0.0
Para passagens, fretes, etc., tracta-se corn os
CONSIGNATARIOS
Adamson Howie & C.
$-Rua do Commerelo-3
CompanhlIa Brasileira de Nave
gaelo a Vapor
PORTOS DO NORTE
0 vapor


Espirito-Santo
Commandante Joao Maria Pess
EB esperado dos pc
sul ate o dia 16 de
g^"lKa^R e seguiria depois da
ra indispensavel,
: portos do norte at


oa
ortos do
junho
Sdemo-.
para os
t Ma-


naos.
Para carga, passagens, encommendas e valeres,
ciata-se na ageneia
44 RUA DO COMMERCIO- 44
PORTOS DO SUL
0 vapor
Xanaos
Commandante Guilherme Waddnigton
E' esperadodos pertosdo nor-
/C te atWodia 21 de junho e
+. +tUR l seguira depois da demora
gdo costume para os portos do

Reeebetambem carga pars Santos e iRwGran
de, frete medico.
Parn carga, passage, enoe- dmmid valof#
tracta-se na agencia
44 RUA DO COMMERCIO -44


LEILOPS
Leilao da semana

Cafmo e Silva

a, 1G do correnlte
.*,,:-,L -r-I-o tOSpraA ta + :.1 :
Mobiilas,010otlal.rdas vestidos, mezisi a-s
teal' otmtes5 lxlB wo, espo-hos, quadros, machi-
nag io asiltlaN deouro e prata.
M" gi Ibahas, rttero, colaxinhos, ineiao, reu-
asoit* Ph hoaohsn. pitihla. eux6s. nmachadoet es-


.quaes se tornam
aite opouco use.


7. 167 da r4: sh.do
.16
o dos moveis aeima
idaveis per trem
i: 1; 1


Agente Driltl

Leilio
Sexta-feira, 13 do junho
A's II horas
NA RUA DIREITA N. 36, 2" ANDAR
De models, loueaespelhos, ta-
petes, etc., etc.
0 agent aeima, autorisado pelo Sr. Jos6 L. da
onseca Magalhaes. que se retire para a Europa
no vapor de 14 farA leilo do seguinte:
Uma mobilia de amarello corn tampos de pe-
dra, 1 dita de jacaranda, 1 guard vestido, 1
guard louga, 2 aparadores corn tampos de pedra,
1 espelho oval, 1 toialet dc jacaranda, 2 reolgios
para cima de mesa e parede, mesa elastica, cadei-
ras avulsas, marquezoes, quartinheiras, cabides,
louca para jantar e almoeo, tapetes, jarros, facas,
trem de'cosinha e outros objectos que serilo ex-
postos na occasilo do leil"o.

Agente Pestana.

Leilao
De 966 libras de manteiga em
latas de 2 e de 5 Hbras e 1t20
caixas eom batatas novas
Sexta-feira, 13 do corrente


A's I I horas
NTa port do armazemn do Sr. Annes, no lar-
gfo da Alfandefa
POR INTERVENE CAO DO AGENT
Pestana


Leilao
De 1 cofre de ferro prova de fogo, 1 secreta-
ria, 1 estate, 1 armario para livros, 1 toilet de
jacarandai massico, mobilias, mesas clasticas, la-
vatorios, quadros corn finas pinturas, 10 caixas
corn cerveja, latas'eorn marmellada, 1 lote de trem
de cosinha, livros do direito, louns, espelhos,
obras d'ouro e diversos moveis avulsos, existentes
no armazem da rua do Marquez de Olinda n. 10.
Ao eorrer do martello
Sexta.feira 13 do corrente
A's 11 horas
POR INTERVEN9AO DO AGENT
Gusmao

Leilao
De 3 duzlas de tacos novos para
blhar
Sexta-feira, 13 de junho
A's II horas
No arnmazemin a rua do Marquez de Olinda


n. 10
POR INTERVEN9AO DO
MISIm.n


AGENT


Leilao
De eerea de 480 barrleasl eom
farlnha de triego avarlada

8bbado.14 dloco Rto
AOMEIO DIA
No ctes do Apollo confront ao armazem dos
Srs. Mfachado Lopee & C.
0 agenp Altredo Guimaraes levara a leilAoe cer-
ca de 480 barricas corn farinha de trigo avariada
e descarregada de bordo do navio inglez Hawy
Keelak per ordem dos Srs. H. Nucsch & C., e por
conta e risco de queoa pertencer.
3. e ultimo leilao
Da casa terrea coin sotAo corrido, frente
de azulejo, agua, terra9o fdra
Segundamfeira, 16 de junho
AS 11 HORAS
Per alvara do 111i. e Exm. Sr. Dr. jniz da pro-
vedoria a requerimento de Jos6 Antonio Macedo
Lopes, testamenteiro e inventariante do espelio de
Domingos Joaquim Ribeiro Soares e coin assis-
tencia do mesmo juizo, sera vendido por interven-
ao do agent Altredo Guimarles, a casa terrea
corn sotao, ultimamente reedificada n. 51 A run
Direita, a qual acha- se occupada per um estabe-
lecimento que rende 400A.
Em seu escriptorio d ria do Born Jesus n. 45
Grande leilao


Dol impotlts proios
Quinlta-feira, 19 de junho
Ao melo dia
CARMO E SILVA
Plenamente autorisado venderA os se-
guintes predios
1 sobrado do 1 andar e sotao a rua das Trincei-
ras n. 40 em solo proprio, 1 dito de 3 andares a
rua Padre Floriano n. 40 solo proprio, 1 casa ter-
rea sita a rua 7 de Setembro n. 20 com 2 salas 4
quartos, eosinha fora e quarto externo quintal em
solo foreiro, 1 casa terrea sita a rua Imermal n. 25
corn 2 salas 4 quartos eosinha externa, quintal solo
foreiro.
Qamt-ffiirj 19 dlie Mi
ma
Na Travessa do Corpo-Santo 27


Leilao

De fazendas laglezas avarladas
-Se d,-feira, 16 do correnlte
M" 1 R 1-: 11' 1:11-11 ^ g i a 1 1

SM OESCRIPTORIODA RUA DO BOM
JESUS N. 43
genie fla <11oa :^i.l,


Dr. Eanoel de Flgueir6a Paria
A vinva, a mi,fos irmaos, cunhados e cunhadas
do Dr. Manoel de Figueiroa Farla, man-
dam celebrar misses por sun alma, no convent
de S. Francisco, as 7 horas da manha do dia 14
do eorrente, 2o snniversario do fallecimentQ do
mesmo Dr. Manoel de Figueiroa Faria; 6 pera
assistirem a esse acto convidam.aos scuse aos pa-
rentes amigos do finado, aos quaes desde ja so
cntiessam grates por esse acto de caridade.
Aluga-se por preco commodo a excellent
chacara A rua do Caldeireiro, no Caldeireiro, corn
magnificas accommodates para familiar, muitas
arvores de fructo e boa agua potavel. 0 sitio
esta perfeitamente murado em tuda a longa area
de terrenos que abrange, e tern alem da casa
principal, muitos commuodos externos para eria-
dos, grande estribari gallinheiro fechado com
grades de ferro, banheiro, etc., etc. : trata-se na
rua do Apollo n. 32, i1 andar, escriptorio.
Aluga-se o prinMeiro andar da casa n. 25 A
rua velha de Santa Ritax o primeiro e segundo do
de n. 24 A rua do Aragao, as casas terreas de n.
36 A rua da Ventura na Capunga, as de n. 1 na
travessa da Hora, e 26 A rua do Niunes Machudo,
no Espinheiro : a tratar na rua do Hospicio nu-
mero 32.
Arrenda-se a casa grande do sitio das Ja-
queiras junto a estacao do mcsmo nome e corn
bastantes commodos.I
A chave em casa do Bento Jose da Costa na
Ponte d'Uchoa.
Aluiga-se quatro casas novas ao p6 da ponte
dos Remnedios. mas nuao para grande familiar, por
s6 terem 2 salas, 2 quartos, cosinha e cacimba, a
12$000 mensaes, dando-se por 104 a quem pagar
seis mezes adiantados : a tratar no mesmo lugar,
casa de azulejo, taverna.
Precisa-se de um home para feitor de en-
genho, prefere-se portuguez; no becco da Penha,
segundo andar n. 8.
Preeisa se de uma criada para o servico do-
mestico, de uma cosinheira e de um criadinho para
casa de familiar : na run Nova n. 39.


Aluga-se uma casa na Torre,
perto dos bonds, tern boas commodos
lia e cacimba corn boa agua ; a tratar


A rua Real,
para fami-
nesta typo-


graphia.
Aluga-se um siatio no Chiacon, corn casa ree-
dificada, corn acommodanSes para familiar ; a tra-
tar na rua do CabugA n. 7 A, on uA run da Aurora
n. 81, armazem de molhados.
Miguel Fabio C. de Albuquerque
Rita Franeelina C. de Albuquerque convida as
pessoas de sua amizade e de seu finado marido Mi-
guel Fabio C. de Albuquerque para ouvirem urma
missa que manda celebrar no convent as 6 horas
da manhal do dia 13 do corrente e antecipadamen-
te agradece.
Paula Joanna de Miranda Pinh
Antonio Jos96 de Pinho, Antonio Marcal de Mi-
randa Pinho, Manoci Gongalo de Miranda Pinho,
Joaquimni Victor de Miranda Pinho, Anna Fran-
cisea de Miranda Pinho e os mais parents agra-
decem do intimno d'alma as pessoas quo se digna-
ram acompanhar no dia 10 do wrrente aq Cemi-
terio Publico os rests mortaes de sua mniui presa-
da esposa, inmai e tia e de novo rogam aos mesmos
e a todos os conhecidos e amigos para assistirem
as missas que por sun alma mandarin resar As 8
horas da manhi. na igreja matriz do Corpo-Santo
na segunda feira 16 do corrente, 7- dia do seun
-asamento

ngenhos para arren-

dar
Ainda estao para arrendar os engenhos Boa
Sorte proximo a Victoria, e esta.ao de Queimadas,
e o Goiabeira juito a villa de Jaboatao. A tratar
na rua do Imperador n. 77, mercearia, ou na rua
da Imperatriz n. 49, segundo andar.
lita attendSO
Na rua da Uniae n. 47 faz-se plises e recorta-
se babados de seda de todas as larguras, pontu-
dos, redondos e miudos.
Con asselo e promplidio
Lava-se e engomma-se : na rua Imperial n. 16,
segundo andar.
E' sem igual
a massa de mandioca que se vende na Camboa do
Carmo n. 10, send secca, a 14 o kilo, e molhada
a 8:0 rs.
A CiganiSha Jardineira

Novas sortes em cartfzinhos de 6 e
12 rozas; slo mais do encantar do que on-
tras per serem em flores.
2- RUA CABUCA'-2
Loja de mnaehinas de eostura
Papoula IrmlOs & C.

Aiai -s~
o 1 e 4o andares do sobrado a run do Brum n. 84,
os quaes tern grades aceommodaSes e estalo
pintadas de novel ; a tratar na run larga do Ro-
sario n. 34, botica.
Aluga.se
a easa n. 12 da run de S. Jorge (Recife) corn hbons
commodos para familiar; a tratar no cacs do Apol-
lo n. 75.

Mass para bolos
De superior qualidade, assim eomo assucar re-
finado especial para os mesmos; vende-se na re-
finacAo da rua do Rangel n. 43, e per preco sem
competencia, visto a grEande quantidade que ha
para se dispor. Ven"am ver para crer, que nao
deixarao de comprar, quer pelo preco quer pela
qualidade.
43-Refinaaio da rua do Rang-l-43

Preslai altencao
Casemiras de cores, duas larguras, a 1S009, corn
defeito, fiaenda de 5000.
Madapolito avariado, pequeno toque, 3&500 a
^^,24 j'ardas,1 o to 1 ,:**
.Baj aras. para toalhas e leutotes, 500
rs. o mel^^auroveitem. +


na r


VN


40-1=


I
























Aluhia 's ea u-veu-e am itio A rade Saito
Filias n. 4, beco do Espinaheiro: a tratar na rusa
doas 1to Amit*o, treguesia de, Sato Antonio, ta-


Ulm )Sa pem 2e tentemente habilitada n'arte
do0 oia, pr I a Ldar lioes em ceasas parti-
ouiafts oU em a lgV coliegio, medlaute iodico
E q o o- petp1so, se quiver utilisar
da da (outr'ora do Crespo n. 2) para
a,- proonrado


we ,ta. Ofmidt:Abdrukl 1 v&o



b mliftwndo dena 5de 00e

reds= d M :Cs0ieies do enapeuo
1it-6 ditu4 e eneo de rgad 1 te 1obho 1 0
pitaraW d io d aslao 18.omes5 b 1 d
Solsh vosee brochura AW000
MiEta da O p lnois geraesc do impenoa

18II7, volume enoadernado 51090
D aga dde)v tIeo 8br,2 volumes br-1200
ehados '5A000
])its dafi leis poieam de Pernambuco
isa-, NZ eneadernado, 1A9
DiPt de ditas das;Alagode 1823 a 1872,

6 vol. eneadmnado 512000
PEVfSSA d6 1neia~nto, Archeologio de
INS A f872, 2 vols. eneadernados L 5,0Z
OWDE14 DO VIA doexercito (do Pa-
11iSV)I voluinoB brochados 12J9000
"I'MW D TfNGNOO de 1828 a 1872 _
I vol. enadoraiBfdo 5|E000
I. 13. Faz-se abatimento a quem comprar
iodba.


CA3 n II ''z


Prava da Independen-
cia ns. 37 e 39
0 abaixo assigna4o tern exposto A
venda os seus felizes bilhetes garantidos da
2a pamt4m kt wiam da igreja dos Marty-
rios de Goyamnna, 45a quo eso extrahirA
sabftdo 14 do coitente.
Bilhete inteiro 46000
Meio 26000
-Mt 1#SOQ
E]B .w dee o $lowo A para
dma
BMhete inteiro 38500
Meio 1#750
Quarto 875
Antoiio Auusto dos Santos Porto.






Bum so ....

16Rua do Cabug-16
0 abaixo assignado vendeu nos seus
venturosos bilhetes garamutidos os pre8 os
seguintes: 2 meios corn a sort de 8004
no n. 2567, akmd de vorumia3 de 32#
16e86;, dalteriasn.44t
Obbvida aos possudores a virem fte-l
ber sem desconto algum.
Acham-e& a venda os venturosos lhe-
tea garantidos da loteia n. 45 em beneficio
da igreja dos Martyrios de Goyanna que
se extrahira no sabbado 14 do corrente.

Wtteiro 4:0*
metehe:60
Melo 3:4Oo
Quarto 1000
bolta", AiM ftlt 6 *ttEWIF RUOi

]"te 8:6
AN"o t1.060
Quarto @I
Joaqion Pires da Silva.



CASA t111
Aft-4:0440"



Rua do Barao da Victoria n. 40O
e easas do eoftuie
0' abaixo assigado aeab" 4e vender
em seus felizes bilhetes dous meios n.
3,845 corn a sorte de 4:000", alum
de divers pvrios do 200,' l00 e
86000.
0 tomesio abaiDxo assignad6 =oiid tmo
Ousuidores a virem, receber a i conformi-
d. dadu d" costume, sem descouto algum.
Mh*.' Afam-se & vrenda OB felines bilbetes
y-,, gr~iisBda 2* arto. das lotetias abe-
nieficio da igreja itoe Marytriodo eyun
g) (45-a), que a B eia ir .ssbao14
do:& corrent. ..
W S111':1' 11 a ? II ^-1111'11* ''^ iafiO R'1. 1


tes a
Sc taIIt d isejar tisar-seo de MU8 preatim
WNaloja*aftIft-da inpetris 40, a esquina rat-O no hotel de ID. Aatouo Ca
dobeo doe Ferreiros. vende-se peas de tam- deixar o 0 ome e morada no es
btais branea transparoubm mendo azuladinhas, comaieneador Luik Jos6 da Silva
pars vestidoes3 a p9 i; t amuito baratas. Rbcife, rua do Coinmercio 5.


to,
mI


) do Sr.
inefB O


do Z"a u do ae de Qvassi am
UW PRUTO-IMO fjRETG d6i FERIl)
f 9VmuMat* por IftP. LbAROZE, PiroYl
SNO 2,ana"s-raw *&o ft <*
W3CVAlO nMMA JUNTA M, XTWON5 90 !M ASim.


bemprews*d,, bsnmcmuerdo, prtta
sos aft & Iaiqutdo, detI
todas )preprac esl^rfisLos~,aS
^Qftwn -moifploriis""UJdos.g
a ialueeic<*efticipios *~'f
sot% f cateua de iaftnj e da
muiaamasi4 fWM e 6 amiladlo
wiitmeate e produa effeito pimo1pto
egaw; :tmtuine'. -t safngue, a forta;
#A PWo 4A damza; aos difforenies


tedidoe, aetividade o vu mom.
sarias i smss fuuaOea divemn.
Ponritso, a0Z ft.eI.,ie
ft J. P.Ls- &momr con I
medicos da Faculdade de Ptis,
o ewpecifico mais acertado pOMlAs
ma-9s de langr, Gimo. -
L.a, ClSAri-Auamia, Fl umO hsak-
oes a* dixesto^. dsxnorafds. 3,o
lstiu s morbutlathoae .st' Uie
flahitiam la.


me epau~, #hinduu~ emaevinm roevi~ter.. ab 44.4A Ws#
[ k>mti -t~tt *& -< -B< c 4~ i AR LAROZE TONICO, ANTHNEROsU

KAX*HOPEBWPUBiAT!0 M~...-l, HiREiTOB-ERPrOa0
K~~a Aii 8 gs mtlQiaiot!iosai. ea'nssat~, Ttabr b-aii4AM~S *MiWs J
IAROK -KPUS,,,vO waM~rgla OM- I .OD,~
(40 itsmoms wr i. M S MUI darIo a & trari s S. ,
XAROPEUOATIVO BI' --a BROMUBRETTO POTASSlO
Gom MORImmisagusmsm.BMnaama. uy. Iomia dasnwat or aP3a Dia a j|
^^ i~smimoom SON & rol AS jM E-AS MS uIN 100 AMSOA6-ftli- 1 ,


04 il Iatwacoioifni
^^^*U^U^^^I|L Pharmaaavtiso-Ckfmlooo de1*C~a Ejoofab&pefhor W>-_
U, mana ugaglo bauta, "aidM esMI
do.Tome mais vioteafts eowh0- -m0
a.-- feI*e* re^U~ted..- A A
^-----^---^XB^^ e~mpzgp, qne afs flgo-doeste, *ntlw^O q~~tf~
*,wuv~ 0 1% noit asbta-, Over 4i-"'
no quarto de 4ormir urn poue do ARTI0Jl W
I:COITiriA.-SE NA MISMA PRA1R CA .', ,
(k~ls 1W 04) FUIFUOS.kU am Ognpre" 0"
aewa I flfixa8 D6mres de Cabeo sA, s& -A msaeid ins6utav
febres d6 pals qate humidos : =udw w amrana, ae, .
DePosit, (eral P. ei* GAMVIiKA, em Compi.gne (fanMi.
So aF1'aiasfbucoO : A.IrCISCO w-. da _i3&.V.A._& 0'.


ELIXIR &VINHO4


TROUETE"PEIRRET
; Ade PAPANA (Pepsina vegetal)}
Sb oe mals poderosos digestives conhecidos atd agora,'paida coinbatft U
AFFE0CES O ESTONAGO: GASTRITE[, ASTALBIAS
ODtRREAS, VOmTOS, PESO 1 ESTOMAGO, A DItGESTAO, ETC., ETC.
UK OGUBA 1OG6 DEPOTS DA CQMIDA BLSA PARA GUMA" 08 GAfOS O Aw Itt3LD~
i weda MW* ptBipes PhamrnaciI* Brua
7te T 4604W" -% 'NobBosma evsPM
mDepositaries em PatumVa 1FAN* da 8ILVA A Uc".


E MEICA*INTO, do .alor qgnmi&W,
p6si" -melhore Medicos do P



CATAUl
S.o PTO, das VA UA






16,600.PmBAAYNAcminALS6, PA-
M E; -IIIMII^ ^-fe~alii-^ :^tlf'".


Alert


.Avisa-se pars que pessoa alguma fagaqualquor
contrato corn os predios seguintes : sitio de Belem
n. 14 o o sobrado ,A rua do Coronel Soassuna n.
22, pertencentes ao ospolio da finada Christiana
Maria de Sonza, que v*1 entrar em questio por
diridai que deixou a maesma finada.
Amias
Peeisa-.e de didas aemas, sendo urma pars cosi-
nhar, lavare engommar, e outra pars amamentar
urma crianga : a tratar na rua do Queimado nu-
mero 111.

Roseiras
Vende-se quarenta pes de roseiras, grande,
de diversas qualidades finas, bern acondicionadas
em latas, prestando-se assim a qualquer trauspor-
te ; a tratar na Capunga, rua da Ventura n. 11.
Eserava
Aluga-se urna engomma4-ira : no becco do Ve-
ras n. 15, segundo aWlar.
BDjouterlas de phantasia
Alfinetes de gravatas em 40 models, correntes
de reloglo e bot5es para homes, pulseiras, alfi-
netes, voltas e porta-leques para senhoras e meni-
nas, dweloas bonitos, a Imitaoo do ouro; amos-
tras s vitrina da loja & mrua Nova n. IC._
Boa casa
Aluga-se a casa corn sotio, da Travessa dos Pi-
res n. 31 "Giriquity) toda cainada e pintada, corn
o pavimtni.to terreo todo cimentado, corn 5 quar-
tos, 4 salas, quartos para dispensa, cosinha, quar-
to f6ra para criados e quintal grande corn uma
boa eacimba ; rcconmmenda-se por ser muito fres-
ca e perto da cidade : a tractar na rua do Lima
n. 30 (Santo Amnaro) ou na Lytographia Purcell,
rua do Marquez de Olind'i n.
AA
Precisa-se de uma ama pars cosinhar e lavar,
para easa de pouca famiiia ; na rua larga do Ro
sario n. 16, taverna.

Am
Precisa-se db uma ama para eosinhar e comprar
para casa de pequeta familiar ; a tratar na rua
Duque de Caxias (antiga das Cruzes) n. 28, se-
guado:. andar.
U" t m pedaggo aliemo. que jA dirigio various
eolIegios nae provacia do Paulo, se offerece co-
me preeepto a :Ihos de aligma famia desta
-'ou poi .ra. ou parSa da ices particulares.
Par informcg5es quehatm dirigir-se A redacclo
desta folha corn as iniciaes Me A. E. H.
OLSWT dos BRONII0S 2 da GRMa RGATA
(Dauxo., Caterros, Cooqueluchp, Larnrite)


0


ao eixtracto d6
Fifado de Bacalhak
6uJo UZO
prodeiz.
m mewmos rezuttdoa

que o de

OlEO1 DE PIGADO

^ ,.^


89l1ow a sori 200 ,MM a nteiro',
1,409 com nasote de.O6 o ointeiro&
n. 3,796 corn a sto detOQ, W000 e.
outras sorteas do 300, 16# e 8, dai
11ieu (44.& )?qse acabou de eP*abir, I
convid" ao ,possuidores .A vireim ceber
a conformidade .do costume sem descontel
algmnUL
Acham-se A venda os seus afaritnados;
bilhetes garantidos da 2., part dasloterias
a beneficio da igreja dos Martyrios de
Goaynna (45.-),:que se extrahirA no sabba-
do 14 do corrente.


Inteiro
Meio
Quarto
Em quant
Inteirc
Meio
Qaarto


PRECOS


2#4000
2i000
16000
Idade malor de 100O
3#500
16750
S6875
Manoel Martins Fiuvsa.


Urie agents .em Pernambuco
mCwwaxwn oav,
N.----3 Rua do Commerio-N.---3
A -Rvenda em todos as boticas e idgari.
,Rio do Janidro 'r
Unieo agente em. Pernambuco
ADAMSKON V^ dieC,7 **:-*
N.--3 Rua do Commercio-N.-3,
A venda, em todes aa boticas e dragarlft-.
Aluga-se barato
A casa terrea n. 107 a raa do Visconde de Goy-.
anna.
Idem idem n. 4, rua de LoDmas Valentinas, corn
s8tio.
0 1I andar traveesa do Campello(Recife) n. 1
0 20 e 30 #.ndares no largo do Corpo Santo n. 4.
A tratar no largo do Corpo Sant-. 19, primeiro
andar.
Precisa-se de umint inmulher fobrra ou escravay
que saiba vender fructa:, bolos does, etc. na rua,
dando fiador de sua eonducta : pdde dirigir-se A
rua do Coronel Sa&ussuna n. 189 para tratar.


SAluga-se a casa n. b A rua de Lelo Coroa-
do, crm grandest accommodates, sujeitando-se a.
Ipessoa a poucos concertos de quo precisa, caiar e
*q. o ongadeacmoaSs uetnos
Sintar, o que os proprictarios levarao em conts
Snos alugueis ; a tratar na rua da Ribeira da
Boa-Vista n. 34, corn a Sra. D. Maria Joaquina
Abreu.
D. Florencia .fRodrigues de Miranda Aluga-se uma grande casa emr'Santo Anmaro,,
Franco rua Lembranca do Gomes n. I, muito fresca, corn
Fiorencio Rodrigues de Miranda Franco, Joa- grande sotao, dous grande quintaes murados e
uim Francisco Franco (ausente), Luiz MIelanis corn boa penna d'agia ; a tratar na rua da Im-
Franco, Eulalia Roberta Franco, Joanna da Pal- peratriz n. 32, segundo andar.
ma de Miranda Franco, Francisco Xavier Rodri.. Precisa-se de duas atas de leite e cosinha;
gues de Miranda, Jos 6 Joaquim Dias do Rego, n ravessa de S. Pedro n. 8.
Feliciana Barboso da Siiva Franco, Joanna Ma- n-ava _____________deSer.8
rinho Arantos Franco (ausente), Josephina da Prezisc-se de urma ama pars cosinha e mais
Silva Neves Franco, filhos, genres, noras e tarn- services, porem que durma em casa ; ua rua da
bemrn os netos e bisnetos da finada D. Fborencia Praia n. 12.
Rodrigues de Miranda Franco, pelo pr~sente agra-
decem as pessoas que assistiram o seu enterro ; e Quern precisar lie urma senhora para ensinar
de novo as convidam para a missa do setimo dia, doutrina, portuguez, francez, music, piano, flores
que terA lugar is 7 horas da manha do dia 13 do de couro e madeira, dirija-se ao Caminho Novo
corrente, na igreja de S. Francisco, e desde ja se n. 128, na mesa casa precisa-se do urma mulhe-
confessam agradecidos, que seja de b6a conduct para companhia' e pres-
tar sens servigos em casa de pouca aamilia, na
] l mesa casa tomam-se orphas desvalidas, e da-se
j j educagao, ensina-se por caridade, na mesma case
vende-se urma casa na rua Imperial n. 301, comn
2 244 pailmos de fundo. 26 de frente acabadai ha
*W s pouco tempo, muito bonito lugar, esti sempre aIU-
Rita de Cauita Cordeiro aa
Jose Moreira Pontes, D. GermanaCordeiro Pon- Aluga-se o segundo andar do sobrado n. 41
tes, D. Clara Maria do Monte Cordeiro, D. Brisida a rua do Rangel; o primeiro do de n. 25 a rua
da Silveira do Monte Cordeiro, D. Isabel Ephige- nova de Santa Rita ; a casa terrea de n. 17 no
nia Moreira Pontes, agradecem profundamente a largo de Apipucos ; 1 da travessa da Hora no Es-
todas as pessoas que se lignaram acompanhar atW pinheiro ; 36 A rua da Ventura, na Capunga: a
o cemiterio public o cadaver de sna presada eu- tratar na rua do Hospicio n. 32.
nhada, maua e tia D. Rita da Cassia Cordeiro, e: Preeisa.se alugar urma escrava de boa con-
as convidam pars assistirem as missas do setime ducts para o service de casa de pouca familiar :
dia, na ordem terceira de Santa Thereza, As 7 trata-se corn o Sr. Franc. J. R. Pra a, A rua da
horas do dia sabbado 14 do corrente. Praia n, 70, armazm de came secca.


II l ,




CAJITRIBEBA

0 MAIS PRECONISADO DEPURATIVO DO
SANGUE DA ACTUALIDADE.


COMPOSICAO
DE

Firmino Candido de Figueiredo.

PROPAGADOR

Antonio Pereira da Cunha.
-----o>^ ----

VENDE-SE NA DROGARIA


S DA MlVA,
23 RUA DO MARQUEZ DE OLINDA 23
P=NAMBUOO
'V Em grosso e a retalho pelos pregos do Deposito Central.
g. '-7 --- .. ... .... .".T -' ".. ., -- -- ^g '=


Quem visitar o estabelecnimento de azendas e roupas feitas, 'A rua 1. de Mam .
n. 20 (casa filial td Louav) enconkarA alm de absolute lhanesa no trat a s :u
complete infinidade de artigos recomrmendaveis por sua boa qualidade e rasoabiida
de pregos, eoinoasejam: ,
.MeiaS finissimas, para senhoras, a a duzia que pechinchaM1
Ditas para htaem a 5"000, aprovoitem.
Briimp-1rj-llisa,, a 360 rs., o covado, bern bern !
Oxford's trangado, fa-Aend superior a 280 rs. o covado I!
ru.s doe lA bordados a 4W000 urn, 6 barato !I!
Colehoes para cama, de 7W000 a 12Sw), eonvem
Grande pechincha de hales de casemr, de 5500 a 66000 umr!!!
Exposilo coimpleta deobrins.de corqs. a 1800, a 2#000 e 26500 a vara.
Camisas do linho. Jmhiomeaa 48#000 a duziaa 6 bemrn born !!!
Casenirsa aucoi aadis a2& o covado, 6 peehincha!!!
TDiua doecaiaa2 0covao, a ,cowduaw largias!! ..
Toa as feitpda s para, artto a $0( a dnukaf I!
Sobretudos 7e apxt~wt vAo de 26400 a 284000 urnU


i





!
i


I


I"


!


li


Adg"NM6 AW-M6AWMI A&tA& 436 Jbift, ANN. ARL A, A&. lgi -Ak RL AOL iAg--Aff.


i






























species, cm vulto de produrio, qua-
e, e prero de veada.
ima a atteniAo aos mellihoraimentos pars
dia de t mbustivel que temintroduzido
"nhos Pereirinhalm, Arara e Ora desta
IM IT* A A X& i l -- -


Irivoneia, e nca visBa .Ve Idaraugnape, aonue
'OM o ogo do assentamento se produz ova-
per neeessario para a moagem.
Em moendas, rodaw dFagua, vapores e todo o
.ckiinismo e ferragens precisos para enge-
Rhos tenor a ynda grande sortinmento da me-
Ibor qualidade.
T'IULHOs PARA CANWAS. Tern de systeMa por-
tatil siinples, sem os inconvenientes que al-
guns apresentam; corn carros proprios, loco-
-vas etc. a precos razoaveis, podendo fa-
rentrato para o assentamento.
Nesta fundipo, a maIss antiga desta pro-
dacia, vende-se a prazo, on a dinheiro corn
dsconto.


FVNUhI~AO


H XIII


4JARD0OSO & IIIMAQ0

RiUALI MUM M.ll1iA1O)4
3AS IT ""A NIJ! A iIOM.S 2 i 2
Os proprietarios deste 'bem conhecido es-
tabelecimento pelas suas re-aioes Airee4a
corn os melhores fabricantes, e corn urm is-


into eng'enheiro 'de]
grandes vantagenspara


[nglaterra, Sffereeem
encommendas, como


provam corn os apparelhos completos assen-
tes nos engenhos Massauassu' e Bosque, e
meio apparelho no engenho Conceio.
MACHINAS a vapor trabalhando s6 corn
o fog'o do assentamento, podem ser examina-
das -as que foram assentes nos engenhos Be-
lem, -em Timboassu', Cucau, em Gamnelleira,


Diamante em Goyanna, Pao Amarello, Ca-
mara e Lages em Itambe, Vidra"Qao em Pao


.dAllho, e outros no Rio Grande do Norte
. arahyba.


Chamam a atteniao dos


Srs. agricultores


para os.,novos vapores que tem recebido do
aer ediledo vmwoeamt e. Rotbey, ^e^-eoi-
mendam pela facilidade de conduei, assen-

omento e eeonomi*ade" oitbugtivel, rleixando
ieniefltonaros genhos em que os temrcol-
porj teremedido 85-par diversois
res epr ~sa ideveran ser'b~em eh-


tados a -ender' mais
barato' do pie outro
qualquer, visto reee-
berm directamente.


Todos
vendidos


os relogios


n'esta


casa


sao g'aranidos.

HnaahMai no
Ama
Precisa-se de uma ama que cosinhe em, para
casa de familiar: a tratar na rua do Baruo da
Victoria n. 23, lqjn.

o segundo andar do sobrado da rua da Penha n.
17 ; a tratar na rua do Livramento n. 32.
Siti no SaIgadinh0
Aluga-se um sitio junto a estaeao Teixeira Lo-
pes, corn grande casa de vivenda; a tratar na rua
do Impe, ador u. 16, armazem de trastes.
Ama
Precisa-se de uma ama que compare e cosinhe,
para casa de pequena familiar : trata-se na rusa
Duque de Caxias (antiga das Cruzes) n. 39, pri-
meiro andar.

l eite de Alvelloz {}
I Conservado e garantido pelo pharma- {
ceutico < .
Anteno M. Veras
Cada vidro corn as instrucoes 3S000 \
Os effeitos obtidos pelo leite de alvel- r !
Sloz do nosso estabelecimento, sao a me- )
Ihor garantia para queai desejar ter es.
te remedio puro.
S) Pbarumacia Peramabucana ( j
Rua do Cabugd n. 11


Leite de av&
Para cura de eancres de today a
,espoe
Perfeitameute couservado liquidograzo e con-
dewado, approvado pela Exma. junta de hygiene
publics do Rio de 3aneiro.
Privilegiado pelo governor imperial,.pela ffi&a-
ela. do .ua applie=ao.
Os frascos trazem o retrafto do b r.el J4,
Baptists Gitirza,Co6a corn a sua assignatura&d
proprio punho e uio rubricados corn tints encar-
nada pelo cirurgiAo dentist Numa Pompilio.
Up^^eo .Perf~wnoo ri ,do A^arac
da Vietoria n. 54, 1A ndar.
Prego de cada frasco parsa, cancros 6J000
Para ulcerates e grannulaoes-ddooilo do
ero e caucros syphiliticos, formula. es-
ee 4.5/000

Preejsa-se de ur amaa que seja perfeit. cosi-
mhelira : a& rma Duque de Caxias n. 43, loja.

(hsninheira
Precisa-se de uma ama para cosinharm
no 3 andar do ,predio n. 42 da raa;Dnqu.;
de Caxias, por eimua da typographia deste

Luz brilhihanle sein fia

YIo CaroE atio
HYGIENICO E mEt0NOi


Martins & Bastos


m easd do aTient
D; v=4ft-jwAe ebem a mA~a, ro parties, algu gdo de criai, e uma
Sipda o eqpnho, de bo*s terras, e
Ngebo muito fail d'agua. 0 engenho
8, cormgO largo, 6 grawd, e tern a
a&s terras obertas com maMaae ca-
an o teweno para fundar a proxiha
rmpto e plutanvdo-se, aaim como eer-
e cercas feitse. 0 proprietario farA
oito dias, caso compre-se tudo, inaeln-
eie, porqae pretende retirar-se para o
ioente, oonde worava. Os pretoudentes
wr-ae &rua 19 de Margo n. 12.


NOVO SO TIMENTO
DE
Bupas para holmens

POB
Pre oos baratissimos
Una da imperatdz a. 40
LOJA DOS BARATEIROS
I11aVista, vaenfdm:
Paletots deassemimas de quadrinhos, fa-
zenda que se lava 66000
Dites de panno preto fino, fazenda u.nito
boa. 71000
Dimos de easemira de quadrinhos e listri-
nhas, forrados 86000
Ditos de casemira escura, de cordao, for-
rados 86000
Ditos de flanella azul, forrados, send fa-
zemi la quesiao desbota 10000
Dito de casemiras de cores claras e es-
curas 106000
Ditos dc panno preto fino, forrados 106000
Ditos da casemira preta de cordao 10m e 126000
Calas de casemira corn differences pa-
droes, de 56500, 6A500, 86 e 106000
Ditas de casemira preta sedan a 86 e 106000
Ditas de casemira de cordao 66500
Ditas de casemira preta 66000
Seronlas de creguella, obra muito bemrn
feita a 1;200 e 1A600
Ditas. de Hamburgo de linho a 14800 e 26000
Colletinhos para dcntro, sendo de cre-
guella e muito bern feitos a 800 e 16000
Qamisas, grande sortimento de camisas
braneas, tanto trancezas como inglezas,
tanto de linho como de algodAo, sendo
de 2A, 26500, 36, atW 66000
Ditas de cretone de cor de 2,' 26500 e 36000
Meias, grande sortimento de meias cruas
para homes, de 320 rs. o par, at 500
Collarinbos, grande sortimento de colla-
righos, tend de 5 6 a duzia ate 86000
Toalhas, grande sertimento de toalbas,
tanto pars rosto orno para banho, que
se vendem por preeos muito razoaveis.
Tudp isto 6 eom grande redud o de pros : na
loja da esquina do becco dos Ferreiros.


SA Tifa do cavallo castanho boneca que corria
corn a 3a de junho, fica transferida para a ultima
de junho por motives justos.
Febres intermittentes
Chamadasmvalgarnaente SEZOES
Curs rapids e certa pela
A. UA 4NTISEZONATICA
de R# mayrol Iri=Aos.
Et v re eparsdo e reconhecdo -hoje
Omo 'e at sta molesti

Na ,boftlea franeeza e draWpa,
RU4M

umar macina para costura (author $nger) em
perfeito estao e quasi nova, cose corn os p6s, e
corn machinismro para coser A mo, vende-se ba-
rato ; ,aa-mua da Ventura n. 11, Capunga.


Adamson Howie & C. tern para vender:
Vinhqdo Porto fino, em caixas e barris.
Whiskey Donville verdadeiro.
Tints de impressao, boa qualidade.
Brins de Marshall verdadairos, de todes ea nume
ros.
Reunedios de Ayer.
3--RUA DO COMMERCIO-3
tueijos do sertao
o que ha de mais especial, feitos em muxillas :
VENDEM
Pocas, Mendes & C., 6 rua estreita do Rosario
numero 9.
CRAVOS F FLOIE S


Na mrua daUniao n.


5, ha semnpre para


se


ive ter -oes e Ieres


Nova mAchiina de cos-

-DewUnnda Awrora
EstA em exposicao ,A rua do Barlo da Victoria
i. 38%toja de Adtonio Pedro de Soua Seares &
lj9 Unyap ; cose eoQ dous carreteis de
Sapo" mOw doe500 jxrdas cada urn, e
.s dpu s pospontos como se fosse de langa-
Sdeirs, 6 de grande vantage. No memo estabe-
lJeeimanW am, tarnsoutanteuoaete ~wngrande sorti
,1, 4s 14 %af.d|inaKadoe-tura do.
es,;: o^^pqfa ~n,( 0vendera em por"jo ex
c. OuU:tO mn.. razoaveis ; us
rua do BwAir Vlteria U. 30


s por stAcado.


Joao, (qutrors,


e Zvv #Am 7='MW05I(W e U0 io eu V50v -omo w
Sueioe aiaairas de e~res de duaa lariruram.
a IJOo eovado SAo proprias pars roupas e me-
niuPs. i11:i.,
drem preta diagoal (2 larguras), a 2400 Ao
aito!
COrt^dse iea-iseianmrs do c6res a lSO! E'
de 24b&0.
Idemd de eaensdead cores e pretas ,pavs uin
verno a 2X5500
Lirdo aertimento em las de cores a 200, 20 e
400 re.
Merin6 preto para luto, C largurms), a 1*200 e
1A500 o covado 1
Bramaute trangado, de uma largura, alvo e mui-
to bom, a 500 ar. o metro!
Idem de duas larguras, a 900 rm. o dito!
Brim branco n. 6 fino, a 16500 E' nova re.
messa.
Idem pardo lona, o mais largo que tern vindo
a 500 rm. o covado !
*Pe"a de algodaosinho corn pequeno defeito a
3A400 20 jardas !
Idern de madapolao superior a 56000 24 jar-
das !
Camieas brancas francezas, colarinho deitado.
36;000 a duzia! A' ellas.
Ceroulas de bramante, superiors, bordadas, a
165000 a dita !
Longos de linbo imbanhados, a 26500 a dita!
Mcias inglezas corn bocal de cor a 36500 a
dita!
Toalhas felpudas finas a 5or000 e 6000 a dita!
Ricos cortinados bordados para camaslo janel-
las, a 66500 o par!
Punhos deo linho superiors, a 16000r o dito!
Cobertas de gang para cama de casal, a 3600
uma !
Lenoes do bramante, iden, iidem, a 2o000!
Lindissimas coixas de crochets para noivas, a
Ide m de fustao brancas para 4u000. E' ba-
rato !
Baptistes de c6res fixas e finaus a 300 ers. o me-
tro'!
Cretones superiores a 360 rs. o dito Temos
claras e escuras.
Setinetas francezas para acabar, a 500 rs. o
dito.
Lindas capas brancas de pelucia muito grande
a 76000! Mandeim ver antes que se acabe
Chales de casemirna grades corn defito a
35000. v
Ricas sais bordadas oa 3%000 Sao de 66a000.
Superiores sobre-tudos a 184000, assim como
temos grande deposit de ditos para trabalhado-
res de campo a 4500 cadsu umr, algod6es nacio-
uaes broncos e listados, o que pedimos a atten0ao
dos Sirs, fazendeirosM
A'S VENDAS EM PORQAO, DAMOS
DESCONTOS
Carneiro da Cunha
& C.
e9-m, ua Duque de Caxias-r0. 9
o mez de jiho efnsagrado ao
sagrado coraeo de Jesus
PELO PADRE
FRANCISCO VANETELLI DA C. DE G.
e traduzido da segunda edire o italiana
PELO REVM. PADRE
E1ANCISCO DO REGO MAIA
iVende-se na livranria industrial, m rua do Barno
da Victoria n. 7, e emr todas as livrarias desta ci-
dade
Preo de cada exemplar 1a000.
dEleMSnos de orihographia da
9 iu gua porlu i .eza


G. MARTINIANOiDE SOUZA
Vende-se na livrana idustrial, rua do Bai"o
da Victoria n. 7, e em tda as livrarias desta
cidade.
Prego de cada exemplar 14000

Fa&zendas

Para vestidos
Setinetas lisas e lavradas, send eom as
cores e lavrores o mais honito que tern
vindo ao mercado a 500 rs. e 640
Ditas muito bonitas, corn barras largas e
Sestreitas, covado 640
Gorgorqos ,bonitos de 1o layrados, para
vestidos, tend de todas as .cores, co-
vado 640
Merinds de umr s6 cor, tend de todas as
scores. fazenda de gosto, covado 500
Fust5es branqos, proprios para vestidos e
roupas de crian as, de 440 rs., 500 e 640
Cretones corn bara e muito encorpados,
proprios para vestidos, camisas e roupas
de criancas, covado a 360 rs., 400 e 500
Chitas, grande sertimento de chitas claras
e escuras, de cores fixas, de 200, 240 at6 400
Mariposas, as mats lindas mariposas que
tern vindo aso nercads, corn desenhos miu-
dinhos, co 7ado 360
Baptistes corn delicados desenhos miudi-
nhos e graudos, assim como lises 200
Cambr'ias brancas tapadas e transparentes
corn 8 jardas a pega 3;000
Ditas mmito fmas, tanto tapadas conmo
transparentes, tend, 10jardas cada peca
a 41, 45500, 55 e, t6 76000
De toda- estas fazendas se dao amostras corn
penhor, na loja dos barateiros da Boa-Vista, es
quina do becco dos Ferreiros.
Brim -ardo

Na loja da rua da Imperatriz n. 40, vende-se
brim pardon liso, proprio pars paletots, calgas e
roupas de crian9a a 360 rs. o covado, isto por ter
um love toque de mofo, que larga logo que se
molhe; 6 grande pechincha ; na loja dos bars--
teoros da Boa-Vista, esquina do becco dosFer-
,reiros.

armrinaLatea
Nos primeiros mezes a.almentarq.iai
natural e apropriada para a1imentar a emn-v
&de peito 6o propno leite matero o q ua
,ett caso de neces'idad d ser W
FARTHACLATseA DO DEr
A sciencia e a pratica adopttram a fan
ha LAtea cjmo, poderoso elemrento n
C is do Bw "
trit A do aDr. FJcERAMIL a e 4or,
eirnero. conliar o \14inilo6
D eve-ae! jpts, eviWa comfiax o filkiho A


)


Liquidacao a dinheiro
DE
Fazendas finas e grossas

t du d ilo,, D arias e
otron oi uctos fflnosaris

subllls.
e -Rna do Barao daiVtoria I
0 proprietario deste
important estabebe-
iecimento de fagzendas,

tendo de se retirar
e
da provincia, resolve
vender por todo o
prevo, para .aUahbir!
os artigos acima espe-
cificados eoutros de fi-
nissimyIostoeultiimas

modas!
N4'se li esta
gwrajide Ija de fazen-i


Matiifpewa de madapollo france
e tado eam 12 jardas a
Dito inuito largo comrn 20 varas a 44000 e 5M
Dito, fazenda muito encorpada que pa-
rece cretone, corn 20 varas a f50,
6 a000e 6cp0
Dito fruaees, amWeriea, faenda mto
ina e encorpadas de 7 at6 125000
Algodao enfestado corn 9 palmos de lar-
gura pars tazer lenses do um s6 pan-
no, metro a 9
Dito traunado corn a mesa largura,
proprio par a lenses e toalhas- de
mesa, metro a 1U200
Bramante de algodao corn 10 palmos de
largura, proprio pars faser lenuVes de
um s6 panno, metro 11289
Dito francez, sendo de linho, metro a
1 800e 29000
Dito inglez de quatro larguras, seudo
de linho, metro a 26500 e 2;800
Ureguellas proprias para lenpoes, toa-
lhas, eeroulas, sendo fazenda muito
encorpada, cada pega corn 20 varas
por 10800O e em vara a 500
Ditas corn a mesa media a 800 rs., ou
vara a 400
Atoalhado adamascado para toalhas de
mesa, tend 8 palmos de largura, me-
tro a 15800
Assim como um eompleto sortimento de
peas de algedaozinho americano e
inglez, Que se vende por peca de 34 ate 66000
Isto ua loja da esquina do becco dos Ferreiros.
Casemiras de cores
Be ?:000 at" 6:000 rs,
E OrUipa or zi aii
Alheiro & Silva A rua da Iraperatriz n. 40, tern
uan immense sortimento de casemira de cores,
tanto claras cornmo escuras, que vendem a 26000,
26500, at6 616 o covado, e das mesmas mandam
fazer qualqucr ptea d'obra ou costumes, por pre-
0os muitc rat oaveis, assim como tern tambem umn
explendido sortirrento de casemiras e pannos pro-
tos at, ao mats fino sedan que vem ao mercado, e
dos mesmos tambem se encarregam de mandnr
fazer qualquer peca de roupa a vontale do fre-
guez e corn toda a perfeico e presteza : isto na
loja dos barateiros da Boa-Vista, na esquina de
becco dos Ferreiros.
Merinos pretos
ail O0,1#40, 2 8#000 e 9oo00
Os Barateiros da Boa-Vista, A6 rua da Imperatriz
n. 40 tern um grande sortimento de merin6s pretoe
Spar vestidos que vendem de 16200 atW 26200,
send muito b6a fazenda, assim como ditos encor-
pados para roupas de homes e meninos que ven-
dem muito barato, na loja da esquina do becco dos
Ferreiros.
Lios a 160MSo
Os Barateiros da Boa-Vista vendem muito bo-.
nitos linhos de uma s6 cor e de listrinhas pars
vestidos, send a 160 r6is o covado e de cores fixas,
isto na rua da Imperatriz n. 40, esquina do becw
dos .Ferreiros.
Brim pardo
Covado a 399 rs.
Na loja da rua .,da Imperitriz n. 40, vende-se
brim pardon liso, proprio para paletots, calqas a
roupas de crianas a 360 rs. o eovado, isto poe
ter um leve toque de mofo, que larga logo que so
molhe, 6 grande pechincha : .na loja dos baratei-
ros da Boa-Vista, eaquina do beeco dos Ferreiros
Fustiesa 360440,500
6~40r.
Os barateiros da Boa-Vista a. rua da Impera
triz n. .40, vendem um grande sortimento de fus
tOes brancos, propnos pars vetidos e roupas de
crianas, pelos prees acuna ndic4ados : isto una
esquina do becco dos Ferreirop.
Setinetas a 500 e 640
Na loja da rua da Imperatriz n. 40, a esquina
do becco dos. Ferreiros, vende 0se urn elegant sor-
timento de setinetas, tanto lisas cqmo lavradas,
send as cores mats bonitas quej.tm vindo as
mercado a 50) e 640 rs. o covado ; assim como
un bouito sortimento de lasinhas lisas e lavradas,
proprias para vestidos, de 5 t at6 8<0 rs., 6 pe-
chineha : na loja dos barateiros da Boa-Vista.
Espartilhos
a ii e 5QO
Na loja da rus da Imperatriz n. 40 vende-se
muito$ bons espartilhos paras senhoras a 55000,
ditos para meninas a 46000, assim corno um brn
nito sortimento de fichus a 35Q00 ;sto na loja da
esquina do becco dos Ferreiros.


m


10 VOWIKIH


SI


mamma~~ll~llT


t


me
























Bu F qo e 1.:s, rwenW6 & isco, no limits
'st prvipcia-ow aaBahia,a a !te co na | a
de Aguas Bolba.e. corn aprovicia das Alagoas plo ario
'l'i^_^ ..lIJ ^ z 1 ~ ,. ^:. ^ M -* 'a- OnMO.1. 1 AM_ 'vL v%-t M+l~l ^- 11.O 1; 1':


iha, oun Sl. Vicente', lato aeUinuran-as, wniu ai
imenos:iinpgoantes.
SOi o,- coaros sele sM*ota. pequenos couros. cur-
tidos, 20 e:)o90ios, 90 engenhocas de m Ipadura, al ta
-* ge*;-.1 .f *i i o.r1 s_ p d ra a 1 Svftaa


-V


a lste, e a da Varaea do Tire, ao sul, em distancia de
50 kilometros, pounce mais ou menos, do rio S. Francisco
em 272 metros de altura acima do nivel do mar. Consta,
per assim dizer, de urma s6 rua, larga, extensa e quasi
recta, ficando no centro a rua, ou praca do Commercio,
corn ura extenslo de 220 metros sobre 50 metros em suan
menor largura; cerca do 150 casas, alguns sobrados, doas
igrejas, send urma a matriz da freguezia, cemiterio, ca-
deia, mercado, escolas publicas, agencia do correio, etc.
A villa de Foresta fica a 595 zilometros ao sudoeste
da capital, e proxima a estasoo de JatobA, da estrada de
ferro de Paulo Affonso, quae parte de Piranhas em Ala-
goas, at6 onde ha facil viacgo fluvial per vapores; o ca-
minho de ferro de S. Francisco, passarA, segundo o tra-
9ado, pela comarca, atravessando-a do leste a oeste, e em
distancia de 30 kilometers da vila, junto a foz do riacho
Preces, affinente do rio PageA.


Ingazelra


Comarca geral de 1"a entrancia criada pela lei provin-
cial n. 1,260 de 29 de maio de 1877.
Consta de dons municipios, Afogados de Ingazeira e
S. Jos6 do Egypto, e das freguezias de Senhor Bomrn Je-
sus dos Remedies de Afogados de Ingazeira e S. Jos6 do
Egypto. Limita-se ao norte corn a provincia da Parahy-
ba, ao sul corn a comarca de Cimbres, a leste corn a mes-
ma comarca, e a oeste corn a de Flores.
A villa de Ingazera, s6de da comarca, estA situada
A margem 4wquerda do rio Pageu, em 557 metros de altu-
ra acima do nivel do mar. Born clima, abundanto'cultura
nos annos regulars, pequeno commercio, cultura do algo-
diu, milho, feijie, arroz e outros generous, em pequena es-
cala.
Afogados de Ingazeira. A povoaoo estA situada A
margem esquerda do rio Pagefi, a 25 kilometros da s6de
da comarca. Consta, per assim dizer, de uma grande
praga, chamada do Commercio, que mode 80 metros de
largura media, sobre 150 de extenslo, contando ao todo
pouco mais de 100 casas; igroja matriz, cemiterio, escolas
publicas, agua potavel muito bQa e abundante, bibliotheca
do Club Litterario, etc.
Povoagoes: Varas, a 40 kilometers A margem do ria-
cho d'esse iome, capella, cemiterio, aqude, fazendas de
criageo, etc.
S. Jos6 de Egypto. Fica a 48 kilometros ao norte
da sede da comarca, sobre a base da serra das Balancgas
A margem direita do riacho S. Jos6; 120 casas bern cons-
truidas, formando algumas ruas symetricamente dispostas,


FOLHETII



0 GRIL I


POR


G. PRADEL


(Continuagbo do n. I


Salgoeiro


Comarca geral de l a entrancia, creada pela lei pro-
vincial n. 1,464 de 16 dejunho de 1879.
Consta do dous municipios, Salgueiro e Leopoldina.
e das freguezias de Santo Antonio de Salgueiro, corn
6,895 habitantes, e Sant'Anna de Fetrolina, corn 2,019,
Limita-se ao norte corn a prove da do sears, aso sul ow
a comnarca de Cabrob6, a lste com a da Villa Bella, e a
oeste on a de Ouricury. ,
A villa de Salgueiro, s6de da- comara, estA situad
em uma eminencia estreita, pedregosa 9 aecidentada, que
eleva-se de sul a note, ficando-lhe n'aqttelle lade o valle
do riacho Salgueiro e neste o do riacho do Cedro, e a lMste,
bern ao sop6, o vale do awude da villa, passando junto a
mesma o rio da Pitombeira,tributario do rio Terra Nova,
quo vai desaguar no S. Francisco, na comarca de Cabrob6.
Villa pequena, de pouco commercio, quasi nenhuma indus-
tria; igreja matriz, pequena e mal construida, cemiterio, em
lugar elevado, junto a villa, casa do mercado, cadeia, em
ruinas, agude de grandes dimengoes e bemrn construido, esco-
las pu blicas,|associagio Ermancipadora 8algueirense, agenci
do correio, etc. Clima quente e secco, em geral salubre,
agua ma e escassa, seccas periodicas; fazendas de criaea
de gado vaccum, cavallar e ontreos, mas em pequenas pro-
porgoes, 50 engenhocas de rapadura e aguardente; cor-
tames, fabric de obras de barro e fabrico de cal, em pe-
quena quantidade ;- cereaes e legumes de consume na
propria localidade.
Municipio e freguezia do Leopoldina. Tern por s6de
a villa desse mesmo nome, situada nas frrldas de um
morro que demora a esquerda do riacho da Baigida, eujo
valle formoso se estendo ao sope ; fiua em diregAo leste-
oeste em cujo centre pass a estrada que vai de Salgueiro
a Ouricury; tres ruas, algumas casas bemrn construidas e
de gosto elegant; igreja matriz, cemiterio corn capella,
escolas publicas, etc.; pounce commercio, nenhuma indus-
tria; born mclima, agua potavel soffrivel e abundant. 0
municipio cortado em todas as direcgoes por muitos xia-
chos, o que o torn muito fertil, nao so em, produclo
agricola, come de born poixe, contribuindo ao mesmo
tempo a vantagem da criagno de gado.
A villa de Salgueiro, s6de da comarca, fica a 688
bilometros da capital, a 180 da estaggo de JatobA, do ca-
minho de ferio de Paulo Affonso, a 63 de Cabrob6, a 80
da cidade do Jardim, no CearA, e 400 da provincia do
Piauhy; caminhos mAos.
(Continua).


J~k~o


garpor tereeiros, portadores desconheciao-, mAo humor, quand note no ky per-
quoe guiados pelo interesse, guardavam re- de um luiz ao besigue ?
ligiosamente 6 segredo. Af6ra este lade perigoso, o Sr. Vani&-
Este estado de cousas era conhecido na res era um excellent marido e o melhor
Tn A roda de Vanni6res. Gracejavam, faziam dos pais. Attencioso e delicado para corn
grande cagoada. Mas o banqueiro deixa- a mulher e a filha, procurando agradar-
.L va-os fallar e continuava o seu caminho. lhes, divertir-lhes, inventar-lhes mil sor-
A fallar a verdade, era maniaco, e foi press, ainda nisso se mostrava reservado,
no jogo da Bolsa qne se refugiaram toedaas a esforegando-se par. que o segreio se
as suas mamnias. Concentrado, reservado, guardasse atW o ultimo memento.
come ja dissemos, tudo o que podia aeon- Aline tinha dezoito annos. Era mar-
tecer A sua casa de banqueiro, o deixava vilsosamente bells em toda a forga da sna
impassively e fnrio, quer se realisasse um belles. e da mocidade. Inutil 6 dizer qu
prejuizo, ou mesmo a fllencia do um el- seu Rai so sentia orgulhoso, e quo para lloe
-leF de provincial, e, entretanto, a menor n6o havia pra, ial ao de ver su fia
o6uao da Bolas o commovia e o torna- admirada eorte Ficava litteralmen
ya nervoso! te louco. So ellIhe pedissa as min"s de
Golgonda, os bancos do Schiraz e de Or-
Esforava-se par. nada deixar transpa- manS, inomarcmpral- os.
134) racer, ocutltava as suas impress5es; mas Tondo a menina Vannieres ,ntifCatado
os qu e sabiam nseo deiavam illir e a desejos deo pasear um invemo em A
ISra. Vainires era Ladiia padixoaa
e 0 um sun r" .ciipo de inqiet o : e ota mawimes a eqeeuoeg am
SMe ogo ravez aa Bol- da I sa per atinst6o
faeto voi- .sa. a.r1 1 p :. ::agte8
R* l ;ax 1 etAm? a U&a a mnme& mam 'direita l"-laon. wii& 0


jxost, :o t ,er.M :itt vrensima f. t fazendas de cragao ae ga4o e c deura ne mannioca, ina,
SA villa de Tacarat, s6de da comarca estA sitada milho, feijlo, arroz e outros generous, tudo isto em liwita-
e um valle, 4 margem direita, e a pouca distanciae o das propor..es, constitute principal genero do comme.-
SMoxt6, que desagua no S. Francisco proxino Ia- cio e indust n da comarca
cheea de Paulo Affonso, ficando-lhe ao sul umr. pequeno A villa dae Ingazeira, fis da eomarca, ca a 485 ki-
riachol quo nasce nas serras quo formami o .valtle meque lometros da capital, a 300 da estagno do Limoeiro, por
estA situada, e vai lancar-se no rio Moxot6; 393 muotros caminhos geralmento mmAos, e cerca de 40 dos limits da
de altura acima do nivel do mar; cerca de 150 casas, provincia da Parahyba.
igreja matriz, cemiterio, cadeia escolas, etc.
Clima ameno, terreno fertilissimo, principalmente nas Cabrobo'
serras, agua abundante, produz bern todos os generous de
primeira necessidade, accrescendo a vantagem da constan- Comarca geral de 1I entrancia criada pela lei pro-
cia das chuvas na esta~go propria, sondoe rare o anne em vincial n. 520 de 13 de maio de 1862.
que se nota a sua falta. Naregilo de Tacaratuf as aguas Consta de um s6 municipio, Oabrob6, e de uma s6
sao perennes, sempre verdes so conservam as plants, des- freguezia, Nossa Senhora da Assumpcpo de Cabrob4, com
conhecendo-sa completamente os males que affligemin o ser- 6,453 habitantes. Limita-se ao norte corn as comaroas
tio durante as seccas. TAo foliz, porem, nbo 6 a zona de Villa Bella e Salgueiro, ao sul corn o rio S. Franisco,
propria da criaglo do gado, e raro 6 o anno em que nIo limited da .provincia da Bahia, a 16ste corn a eomarca db
so senate os effeitos da secca, e os males e prejuizos em que Florcsta, e a oeste corn as de Salgueiro e Boa-Vista.
import. A villa do Cabrob6, s6de da comarca, estA situada A
Segundo algumas observaoes meteorologicas feitas margem esquerda do brago do rio S. Francisco que form&
na villa em julho de 1875, a temperature observada no a grande ilha da Assump9lo, em uma bella explanwu a
thermometro centigrade, A sombra, den no dia 7 As 3 ho- fronteira a mesa ilha, mas em terreno baixo, cercadode
ras da tarde a maxima de 23 5', e no di seguiuto as 7 ho- alagadigos, os quaes recebendo as aguas do rio por occa-
ras da manhi, a minima de 17 .5. silo das enchentes, cercam a villa completamente ; fica a
A comarca conta presentemente cereal de 50 fazen- 357 metros de altura acima do nivel do mar; ruas irre-
das do cria~go de gado, genero de seu principal commer- gulares, edificaelo antiga e casas mal construidas; igreja
cio, numero este muito mais elevado, antes do flitgello da matriz, cemiterio, casa da .feira e agougue, escolas publi-
ultima secca; 41 engenhocas de rapadura, mandioca, cas, agencia do correio, etc. A 16ste e proximo a villa,
etc. gniLvla
etc. corre o rio Terra Nova, que atravessa a comarca de note
A villa de Tacaratu, s6do da comarca, fica a 517 ki- a sul, e vai langar-se no S. Francisco, entire os povoados
lometros da capital, a 43 da margem esquerda do rio S. de S. Miguel e Ib6.
Francisco, limnite da provincia da Bahia, a 243 da villa de Clima quente, humido e doentio na estaglo inveraosa
Flores, e a 60 a oeste de Matta Grande, na provincia das e perlbdo das vasantes do rio ; terrenos arcnosos, pounce
Alagoas. Meios de transported. polo rio S. Francisco atW prod ctvos, seccas periodicas, fica apenas urnma part mAi-
o port de Piranhas, navegaglo a vapor, e dahi a villa, to insignificant que dA boa cultura e produclo, inma per
per caminho quasi recto, e geralmente mAo, em uma ex- tempo limitado, que sao os terrenos que hcam descober-
tensaio de 100 bilometros, ponco mais ou menos. A pro- tos pelas aguas do S. Francisco, nas epocas do vasante.
jectada estrada de ferro de Paulo Affonso, de Piranhas a, A principal indnstria dacomarca ,6 a criaglo de gado
atoba, passarA ao sul da serra de Tacaratu', proxinmo a voccum e muar, e o cultivo do algodlo, cornm que commer-
villa. cia corn a Bahia e corn a capital 'do Recife ; pequena in-
dustria de obras de couro ; commercio insignificant ; cul-
Floresta tura do milho, arroz, feijio, mandioca, batatas e outros
generous, corn pouco desenvolvimento.
Comarca geral de 1I entrancia, creada pela lei pro- A villa de Cabrob6, fica A 788 kilometros da capital,
vinciial n. 1,260 de 26 de maio do 1870. facil commucicaso fluvial at6 o port de Piranhas, em
Consta de umn s6 municipio, Floresta, e de uma s6 Alagoas, e m4 dahi atW a villa, nao s6 por terra, come
freguczia, Senhor Bom Jesus dos Afflictos da Fazenda polo rio S. Francisco, em cainoas, pelos embaragos que
Grande, corn 15,153 habitantos. A comarca de Floresta, causam as diversas cachoeiras que interrompem o sen eunr-
limita-se ao norte corn a de Villa Bella, ao sul corn o rio S. so. A estrada de ferro do Recife ao S. Francisco, passa-
Francisco, no limited na provincia da Bahia, a l6ste corn rA, segundo o tragado, pela villa de 'abrob6, e a de Pau-
a comarca de Tacaratu, e a oeste corn a de Cabrob6. lo Affonso, de Piranhas, nas Alagoas, a JatobA, n'esta
A villa de Floresta, s6de da comarca, estA sitnada A provincia, encurtarA umn tero do caminho, d'este ponto a
esquerda do ric Pagei, entire a fez do riacho dos Navies, villa.


- As ImmandaGes em oMespanha
Slo horriveis os pormenores que nos
trazerm osjornaes do reino hespanhol Acerca
das inundates do que a agenda Havas
nos tern dado noticia.
Ma recobradas ainda as provincias do
Levante dos tevriveis prejuizos causados
p& inunda* es de 1879, cuja recordacao
dolorosa difficilmente se apagara da me-
moria dos seus habitantes, essays provincias
v~enk-se de novo a bragos corn os desas-
tres eausados por urn novo e furioso tem-
poral.
Torna-se impossivel apreciar desde jA,
escreve urma folha hespanhola, mesmo ap-
proximadamente que seja, a intonsidade do
desastre que pesa neste moment sobre as
regimes de Alicante-. de Murcis ; mas que
as suas proporges devem ser aterradoras,
dizem-n'o corn eloquencia os telegrammas
das autoridades, que osjornaes madrilenos
publicam em grande numero e que resu-
mimnos em seguida.
De Alicante dizem em data de 23, que
nuo havia memorial de urma inundato co-
mo a que acabavam de experimentar.
As aguas, trasbordando dos seus leitos
estendiam-se de uma maneira incrivel, can-
sando prejuizos consideraveis, inundando
os campos e entrando em muitos edificios
da cidade. A povoageo de Molins estava
completamente inundada.
De Mgtcia diziam no mesmo dia que as
aguas tifiham penetrado ate a praga do pa-
lacio. Nos arredores muitos habitantes
estavam refugiados nos telhados das suas
casas, esperando soccorros. A populagbo
rivalisava em dedicagbo acudindo a urn e

excuraes do mar, e pouco tempo depois
nao havia enseada, port, anfractuosidade
ou rochedo que nIo tivesse recebido a vi-
sita da menina Vanni6res. Como 6 natu-
ral, levava comsigo sen pai e sua mai, nos
seus passeios ao long da costa.
As ilhas de Hy6res, aquelle E ten cer-
cado d'agua, deviam naturalmente receber
a visit do Aline. Um certo dia, voltando
em uma pequena embarcaggo de uma ex-
eursao a PorqueroHles, a menina Vanni6-
ret, quorendo. voltar pela peninsula de
Gien pas -tmr ar aaa s de Pesquer, a
sbarcafo fi sorprehendida na altura da
ilha obad per urn forte mistral. 0
patro, un pioveongal que nao estava bemrn
oerto da manobra, bern como os marinhei-
ros que o acompauhavam, puseram-se a
trber chamando por Santa Barbara, por
outros- snto pouco conha3cidos e por os-
a Senhora da GGuarda.
'A ilha Rouband poRue ao aul: um pe-
VOW porto ao abrigo do veto note. 0
1alatdo aproon Bra 1- o bote. epesar d"


Ao, adeocerte, quns tooust!
0r-se os tormentpa d'uma auseacia!
W` recifo ter calmsa para a gontO
No perder de numa vez a paciencia.
Quanta WIta qu'eu sinto dos suspiros
Qu (ttS '0ra nosSos peitos desprendiamn,
e ajusrwa dia promessas aiaorosas,
Que nossos corages juntoiaziam
Como ainda me lembro dos mementos
Felizes, excitantes de ternura,
Nos quaes sempre contents desfructavamos
Uma vida tio cheia de ventures!
E hoje ?-3eparado da belleza,
De ti,-santo pharol do meu viver
Se apodera de miri uma tristeza
Difficil de poder-se descrever.
Paciencia por6m! 0 tempo voa!
-Em breve ver-me- has apaixonado
Reeeber de tens labios purpnrinos
Quentes beijos de amor, febricitado.
Entao, -eu te prometto quoe mais nunca
Havemos de soffrer igual tormento,
Pois hei de trabalhar aY vr se arranjo
Viver sempre cumtigo !-o casamento!
PAULO P BBEIBA.

Repolho em salmoura e costel-
letas de poreo
COlTTO
Certo medico da Alemanha, estando A
tratar de um doente, ferreiro de profisslo,
o qual softria de uma febre nervina, vendo
que nao havia mais recurso de salvar o ho -
memr, declaroq A sua mulher que o maride
nao escapava e que havia de entregar a
alma ao Creador n'essa mesa noite.
A pobre mulher ficou bastante agoniada
corn tal noticia, e, querendo alliviar as ul-
timas horas do seu querido marido, per-
guntou A este so desejava comer alguma
cousa. 0 home pedio -chou crout-(re-
polho em salmoura, corn costelletas do per-
co.) Sem perda de tempo, preparou-se o
petisco, que foi logo devorado polo doente.
SNo dia seguinte apresentou-se o medico
para passar a certidilo de obito. Mas
qual nbo foi o sou espanto, vendo o ho-
mem sentado no meio da familiar e almo-
9ando ? !
Passado o primeiro moment de espanto,
perguntou elle A dona da casa qual fora o
remedio que sea marido tinha tornado.
Remedio, nenhua, Sr. doctor, respon-
deu a mulher ; eldie pedio chou-crout corn
costolletas de porco, que prepare; e elle
come A vontade; dormio today a noito e
hoje parece que so acha restabelecido !
0 medico tomoae o seu livrinho de no-
tas e escreveu :
K Contra as doeneas de febres nervosas
--Repolho em salmoura e costelletas de
porco t1
Pouco tempo depois, um pobre alfaiate
cahe doente da mesma molestia, e o dou-
tor foi chamado, e ordenou :
a Repolho em salmoura e costelletas de
porco!-
0 alfaiate morreu no mesmo dia de uma
indigestAo.
Novamente abrio o medico o seu livri-
nho de notas e escreveu :
S Eate remedio s6 serve para ferreiro e
nlo par- alfaiate. 0
.C.A.L.


inundates decrescendo em muitos pontos.

As separaV6es de pessoas em
Franca
Da estatisticajudicial publicada ha dias
na folha official da republican franceza ex-
trahimos os apontamentos seguintes relati-
ves As acqoes de separa9go de possoas,
intentadas em Franga durante o anno de
1882.
0 numero total d'essas aces foi de
3:523, numero que accuse uma diminuiglo
de 165 sobre o anno de 1881, nao obstan-
te ser ai ida superior de 259 A media dos
cinco annos precedents. Come nas ou-
tras estatisticas, as suas aces slo fit sua
grande maioria intentadas pelas mulhes
res (86 lo).
Nas 3:523 a aces requeridas, 152 fo-
ram por adulterio da mulher, 140 por adul-
terio do marido, 28 por condemnacao in-
famante de um dos conjuges. Em todos
os outros casos, a acqAo foi fundada em
excesses, sevicias, ou injuries graves.
Em 1882 foram pronunciadas pelos tri-
bunaes 2:806 acc5es de separagio de pes-
seas, e n'esse mesmo auno celebraram-se
280,460 casamentos, o que dA uma pro-
porcao de 10 s6para es por 1,000 casa-
mentos. No departamento do Sena essa
proporcgo sobe a 28 por 1,000, desce a t
por 1,000 no Ard6che e na Corsega, e a
zero no Indre e nos Landes.
E' curioso observer no fim de quo tem-
po de casamento as separagbes foram pe-
didas. A estatistica indica quo 19 accoes
em 3,223 foram intentadas depois de 40
annos de casamento; 117 depois de 30 a
40 aunos; 401 depois de 20 a 30 annos ;
1:251 depois de 10 a 20 annos; 1,093 de-
pois de 5 a 10 annos; 600 depois de 1 a
5 e 23 s6mente, no primeiro auno.

0 tabaco
0 consumer do tabaco em Franca duran-
to o anne de 1883, foi o seguinte:
35.621,834 kilcgrammas vendidos, re-
presentando um valor de 371.217.489 fran-
cos.
Em m6dia, o consume em Franca, 6 de
945 grammas por habitante e por anno.
Emquanto ao product de venda 6 em
m6dia de 9 francs, 70 por anne e por ha-
bitante.
As principles quantidades vendidas fo-
ram:

duzio o sex ultimatum, quando elle asseve-
rou que nao tornaria a pOr a vela, senlo
quando o mistral tivesse cessado.
Olhe, disse elle a Aline, no sou ca-
lo, quando o mistral sopra, o diabo anda
A solta em Provenca.
A ilha do Rouband era um verdadeiro
rochedo.
A Sra. Vanni6res e sua filha estavam,
pois, bastante assustadas,o e o banqueiroj A
fallava em nada menos do que estrangular
o patrio e os seus marinheiros, e de por-se
elle mesmo ao leme.

Por aquella 6poca a esquadra estava
fundeada na bahia de Hyeres, e Roberto
de Laitres, na qualidade de 2, tenento es*
tava embarcado a horde do Magenta.
N'oaae di., em urna solida lancha a va-
pr, 4stava ele de serving em Porquerol-
Pe long. vio no cas a mademoisele
Vanniires, corn quern havia. por diverse
vezes valhado no _;Cassino do Nice,.e do.
polo 4o a tar respoitosamento sandado, diau1
seira^Joumigo:;-.:.^-.'1' i~i:* ii''ll-~~f


Em. 0nihue$s estavam. inundados o
bairros de San Juan, 0 em diffrentes pen-
tos da provincia as chuvas tao tinham
cessado de cahir copiosamonte. Assim em
Calasparra as aguas muito engrossadas do
Segura adquiram uma violeucia temrivel,
inundando os campos, levando sementeiras
e fazendo prejuizos incealculaveis. Em Al-
cantavilla, as aguas tinham entrado na po-
voacao.
Em Totana, o rio Guadalentim levava
mais oito metros do que de ordinario ;
Un'alguns pontos a altura das aguas do Soe-
gura era de 17 metros sobre o seu nivel
ordinario. Estes numerous sAo por si elo-
quontes, e basta indical-os pora que se ima-
ginem bemrn os desastres que as inundates
terao produzido.
Em Lorena tinha ficado sob as aguas o
bairro deo Santa Quiteria, sem esperantas
de qne ficasse uma unica casa de p6.
Os periodicos das provincial inundadas
cont6n jA alguns detalhes, que permitted
apreciar os primeiros effeitos do temporal
nas cidades e terms do Alicante e de Va-
lencia.
Nas cercaria de Alicante, as aguas inun.-
daram tudo, pondo em grave risco as co-
Iheitas, que talvez estejam completamnente
perdidas.
A forga do vento foi tao impetuosa du-
rante o sabbado ultimo, que derrubod
grande numero de chamin6s e candieiros,
o muitas arvores nos passeios, nos jardins
e nas pragas. 0 porto offerecia um es-
pectaculo assombroso. As tripola5es dos
navios passaram a noite reforgando as
amarras; afaindaram-se muitos barcos pe-
quenos. Alguns vapores accenderam, a
lutando corn o tempo foram fundear na
bahia de Santa Pola.
SAs noticias de Valencia nao so menos
desconsoladoras. As arvores derribadas
pelo vento ascendem a muitos centenares.
As chamin6s, vidragas e adornos salientes
de muitos edificios foram arrancados pela
violeneia do vento. Entre os edificios que
mais soffreram conta-se o theatre de Apol-
lo, qne toern derrubada parte da fachada.
Em Alcira, Gandia e Roia os prejuizos
sao incalculaveis, sobretudo nos vinhedos;
as alfarrobeiras e as oliveiras arrancadas
contain-se aos milhares.
Comprehende-se bern quo os temporaes
e as inuudages de tal extenslo e violen-
cia tenham feito muitas victims, sobretu-
do nas pequenas localidados, onde se tor-
nava difficil a organisaoo immediate de
soccorros.
As ultimas noticias davam felizmente as


Uma senhora, ja' farta de criadas
capital, pediu a uma amiga da provincia
que lhe arranjasse unia.
Vein uma, corn effeito, muito desemba-
ragada, mas muito bruta.
Dizia-lhe no dia seguinte a ama:
Olha: vae tomando sentido no que to
digo, que eu te irei ensinando. Agoro vae
me limpar o p6 da*al"
A rapariga fica a olhar para ella muito
seria, e pergunta;
Sim! Mas a senhora o que fica en-
tdo a fazer ?

Amonm apresenta-se em casa do
condessa X.
Nio o quero ver, disse esta a criada.
Um home que Ihe quer tanto! ob-
serva uma visit; que era capaz de so
deitar A agua para a salvar!
Bernm' sei, redarguio a condessa ; mas
6 que eu nao me afogo nunca, e eUle abor-
rece-me sempre.
***
A' said do lyceu.
Um menino do dez annos, bemrn vestido
e seguido de um criado de libr6 que Ihe
leva os livros, v6 approximar-se d'elle um
rapaz andrajoso :
Um vintem, per amor de Dens, quo
sou muito desgranado...
0 fidalguinho olhando par a ello corn es-
panto:
Desgracado, tu! Ngo tens que
aprender o lati m, eainda te queixas!
*
_
Dois cocheiros insultam-se mutuamente
ao voltar de ruma esquina, e quasi que vbo
acabar em vias de facto.
Um sujeito comn a cabe9a f6ra da por-
tinhola de um dos trens :
Cocheirol I 0ha que nao temos
tempo a perder. Faltam poucos minutes
para o comboyo partir.
Depois, dirigindo-se ao outro cocheiro,
corn toda a amabilidade.
Meu amigo, p6des entender-te corn
ele d'aqui a nada. Vamos A estacgo.
*
YVm gommoso conta uma anecdote
muito equivoca em presenga d'uma se.
noora e de sua fiiha.
A mai desata a rir,
A fliha corn um ar severe :
Vejo que a mamli entendeu...

vio o bote que cormsa A procure de ,a
abrigo na ilha Rouband.
P6r-se, elle, a sua lancha e os soeus ho-
mens As ordens da Sr. Vanni6res e de
sua filha; dar-4hes hospitalidade durante
uma hora no Magenta, e pOr today a fami-
lia em seguranga na port da alfandega,
perto de Hy6res, fo1 o que Roberto exe-
cutou corn a maior galanteria do muudo.
Este pequeno service valia todas as
apresentaces. Aline achou o se u salva.
dor, era assim que ella o chamava, encan-
tador sob todos os pontos ; e n'isto foi da
opinibo de sua mt, e sobretudo do ban-
queiro, que se enthusiasmava cori o joven
official e so agarrou a eoie ate tomral-o com-
mensal do seu chalet de Nice.
0 Sr. de Laitres estava prestos a tsr.
minar os seos dons annos de embarijeo
devia em seguida dirigir-se a ?ais^ suji
devia pasm uina, lieefta do i mea.

fauilmmiaania estava
ti

Tabac o 4onasear': 7 1000~-'
mas no valoe L9 ilhtes.
Note-se que nestes nuimeros noes
comprehucndidos os products das v
dos tabacus nas zonas _|is-onteira, n M
tabacos para o exercito, nem pra ex.o..
tagno.
Notas falsas
As grades casas bancarias deoPa
nham sido avisadas ha dias de que 3,06
notas de banco falsas, representando cada
uma o valor de uoma libra esterlina on urn.a
total de 75:000 francs, tinham sido fabri-
cadas em Londres por pessoas que procu-
rariam introduzil-as na circulaglo em Pa-
ris.
Urma vigilancia aetiva foi immediata-
mente organisada nas principals casas fi-
nanceiras e nas de cambio.
N'urma manhit dest s, dons rapazes yes-
tidos corn elegancia, de maneiras distinctas
e que pareciam inglezes, apresentaram-se
n'um dos guichets do Credit Lyonais e pe-
diram para trocar um mass de notas per
dinheiro francez. Um exame attento d'a-
quelles valores fez descobrir ao emprega-
do que as notas eram falsas. Dissimulan-
do as suas suspeitas, o empregado convi-
don os dons gentlomens a entrarem em-
quanto elle ia A caixa iazer o troco.
Momentos depois voltava effectivamento
niao corn o troco mas acompanhado por dous
policies, que levaram para o commissaria-
da mais proximo os dous individuos, ape-
sar dos seus protests energicos. Esses
individuos slo empregados de um cambista
muito conhecido em Paris e a justi9a estA
procedendo um inquerito.

Um poueo de tudo
Baptisava-se urna judia, de dezesseis
annos, corn toda pompa e estrondo.
Um beberAo'que matava o bicho n'umarn
casa de paste, perguntou ao caxeiro, a9
ver passar o cortejo :
Olha la, o tea vinho 6 que nao faz
tamanho barulho quando se baptisa, hein ?
Antes do gasamento:
Antonio, ouvlndo a noiva a fallar corn
uma amiga:
Que deliciosa voz a deste rouxinol-
zinho!
Depois do casamento:
Antonio, ouvindo a mulher, queo Ihe dA
urn recado em voz mais alta:
Oh! meu Dens que voz de pipia a
tua!


*1
R


I II- -I I-Iv




Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E1ZGGGXLL_IRTQIC INGEST_TIME 2014-05-02T22:07:14Z PACKAGE AA00011611_13983
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES