Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:13763


This item is only available as the following downloads:


Full Text








Por sei
Por noe dito.
Por um ammo
Cada numero


I indiaauitn.da .. .
idem. ,
idem...........
avulso, de dim anteriores.


* a Sm
*. S. ......-
. .e0


U r mrniwmw m
S" 1cpritebab tJe Jtanoed itatira be aria & fIjotr

"" __. t I __ ,, ,I I I II __ ^_____ "_uI1"I nn


TELKRAMIZU


75











-~


Governo da provincia
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DIA 6 DE
MARO
Antonio Alexandrino Vieira.-Informe o Sr. ins-
pector da Thesouraria de Fazenda, coin urgencia.
Antonio Baptista Teixeira.-Relevo a multa im-
posta ao supplicante pola collectoria geral da Es-
cada.
Alferes Affonso Moreira Temporal.-Informe o
Sr. conmmaudante superior da guard national da
cj:narca do Recife.
Anniano Jose da Costa Prata e outros.-Enea-
minhe-se pagando os supplicantes o respective por-
te na reparticao dos correios.
Diogo Carneiro Lina de Albuaquerque.,--Provi-
deuciado.
Dr. Jose Joaquim Seabra.-Como requer.
Joao Vaz Cabral.-Encaminhe-se, devendo ser
pag o na repartieao dos correioso porte do officio
hoje expedido ao Ministerio da Justiva.
'Luiz de Franca Mendonga.-Informe o Sr. juiz
de direito da comarca de Caruari.
The Central Sugar Factories of Brasil, Limited.
- -Indeferido a vista das informarues.
Tenente-coronel Apolinario Florentine de Albu-
querque MaranhAo.-Passe portaria.
Ternte Jose Severino de Almelda Pedrosa.-
Passe portaria.
Secretaria da presidencia, em 7 de margo
V de 1884.
0 porteiro,
Joaquim Leocadio Viegaw.

2.' Seccao.-Secretaria da Policia de
Pernambuco, em 19 de fevereiro de 1884.
SN. 206.-IU1m. Exm. Sr.-Em 31 de ja-
neiro deste anno mandei ouvir ao subdele-
gado do Poao da Panella saobre a noticia
que publicou o Tempo d'aquella data, de-
baixo da epigraphe -Quo inspector I -na
qual se accuse aquella aiktoridade por ter
nomeado inspector, a Francelino Pereira
Simaes, sobre quem pesa a imputaglo de
hayer desfechado um tiro em Procopio d
tal. Da informa* o junta por cop. que me
presto o referido ibdelegado, em dab
4e i, do corrente, vera V. Exc. a rnaU 9
teove aquUa autoridade para faier _. p
lhante nomeago, bemrn come o motive poz
quae foi logo demttido Pereira Simoes
asAim como o accordao que o posr omn ser
Sberaade'elo que se lhe attkib ,-.
pe-I guawdea V.. FAf.'Jian. Exm
Sr. desmbogiaar Jo*& Maood, do ?* aj'
midto digo readente da pro-="-a.""
0 dea do pd=ia, Ia
veaihv 4 evil. ^^


,+.+;.:,.. ..'. ^*^S&.5,^&
-I ," ./ -1 -A.- ,,.L. ..+; ,:. + ,


(Especial para o Diario)

(1 ia Galtceston -DBenos-Ayres)

RECTIFICAQAO 0 segundo telegram-
ma ho)uteln publicado deve ler-se assim:

A Camara dlos Communs adoptou
o BILL relative ft extensfio do direito
de suffragio.


INSTRBCIO POPULAR


( Transcrip-o )

CAPITULO V
CESTROS DE GRAXVIDADE-EQUILIBRI9
(Continuaqdo)
E' fundado em todos estes various prinipios, que
ficam eaumnerados, que o architect e o engeuheiro,
qualquer constructor emfim, consegue edificar os
mais sumptuosos monumeatos e as mais singelas
habitacoes,-chegando mesmo a construirem-se
edificios que, obedecendo a uns certos preceitos,
serve para praticamente demonstrar a confianca
cos principles scientificos, e quaato pode o arrojo
do homem: salo d'isto 3xemplo as torres inclinadas
de Pisa e de Bolonha, que ha seculos parecem
prestes a cahir sobre os viandantes per causa da
.sua inclinaco, e que comtudo estilo em eqdlibrio
tao estavel, que os seculos as nio conseguirdo der-
rubar, emqumnto a vertical do sen centre de gravi-
uade continuar a cahir dentro da sa base de sus-
tentaclo.
A.estabilidadedos carries depend, nAs a6 da sua
tonra e disposicdo, com o tambem da arrumrnago
da carga que trawuportarem. A cada memento as
degigualdado do aso poem comprometter a sua
estabilidad&.
Um can'rr er tanto Mads ettave, quanta ma%6
baixo eW n Bao em o &4savM"k; 9 por im
deveo setu t t de W Ie
o centre de gt e oerrempuidm, ioana
maenos, ao ponto eatal da figure, fc .isIo
pontos de potato daw rodaa. oe ocW a1, esllmaa-
do-se parn iuo s objeetes mais peoad. as part
inferior para abtmxar cetr de dgravkade.
Assim, o centre de gravdade de urm caro aUo
esta A mesma altura, quando o canro vai cheio de
passageiros, ou quando vai vazio, on memo qusan-
do s6 leva gene no tejadilho, ou ad no interior,-
haveado maior ou menor tendencia para cahir,
quando em algumas d'aquellas condiges. A peior
de todas ellas e a que se di quando s6 o tejadilho
leva passagefris po*qase a Ww drai i L
enutao mito elevado, e o equilbrio tende I tkr'aT.-
se instaveld.
Nos navies tern igual applicaego o que acaba-
nmos de dizer para os carries; mas entdo, a impor-
tancia da arrumnago do sen carregamento 6 major,
porque, se o centre de gravidade nao estiver eollo-
cado o mais baixo que possivel for, pode uma ra-
jada de vento iaclinal-o de mode que nao mais o
levante. E' para obter este resultado que se las
tram os navies, transportando um peso considera-
vel sem tirar lucro a gurm de tal transport. E'
ainda por esta mesma causa que, muitas vezes em
occaiAo de temporal e de tempestade, se tern de
alijar deitando ao mar todos os grande pesos que
estao sobre a coberta do navio.
(Continula).


PARTE OFFICIAL


Exm Sr.-Sobre o factor de que se occu-
pou o Tempo effm 20 do corrente sob a opi-
graphe -Violencia policial-dovo informar
a V. S. que na noite de 16 para 17 do ci-
tado mez, entrei na casa n. 3 da rua do
Sol, onde estavam diversos individuos jo-
gando trinta e urn, a dinheiro, o quo e
prohibido polo art. 74 das posturas muni-
cipaes. Entre esses individuos encontrei
seis armados. Todoi eram ganhadores de
rua, e urm d'elles deo nome Vicente Motta,
6 donor da casa, que 6 geralmente conheci-
do por casa de tayolagm. 1oecolhidos a -1'
Estagio daguarda civic e na manh.de 17
mandei-oa para a Cana de Deten 'o, por
ter sido a priao effeotuada As 2 hora da
madrugada. Cumpro-me diser a V.- S. ue
na casa em quesatAo tern side encontradoa
diverasos objectV furtados, e o Tmpo so-
mente soe ocpou d'este facto por ter
side mal ifnormado pelo Sr. Joao Pacheco
de Mederos, que conustituio o cenor da
olcia, inquerndo deo tudo e pedindo ao
Mesordeirow pwairem A sua casa a ma
nhl de 17 foi o Sr. Pacbo a 1P -2ea ,o
e pdi'o ao cabo, Palino Franmdco &
rPA para ir A privadaj m nou afim an
13 enteader corn os preo, 6omo va V
S. do officio tuantos. FAst "R
do ex-sup ..nte de subde d'tu


$o do Tqwpo, sobre iafomag vos

do1 me Za mftbwd& a4ooo c do ft M
aboia& (k ea -diw 183"ei ftar ef


9Wito idY. S. sob te
-l 4, ^By^BB ui.' '.'
4:% t~ A a041 G ft ;


I


Francelino Pereira Simoes, conhecido
per Franga Pereira e m)rador no Oiteizo,
de mea district, foi per mim nomeado
interinamente, em 26 de janeiro ultimr,
inspector de quarteirdo do Oiteiro e Co-
queiro, souio o soeu nome me apresdutado
per um amigo, visto Ique pessoalmente o
n'o conhecia. Tres dias depois, porem,
que o Oiteiro quo, na divislo antiga forma-
va um quarteirlo, ficara pela divisdo me-
donraa pertencendo ao quarteir-o do Men-
teiro, quarteirio que jA achei provide de
inspector, chamado Atgusto Monteiro;
polo que, iimmediatamente cassei a nomea-
ei3 de Frau.i Pereira pr 1ULo poder ser
mantida. Quando, pois fuli'aetiisado polo
Tempo ja elle pelo motive "acima dit) acha-
va-se'exonerado. Quanto ai segunda part
nada constava n'esta subdelegacia, a res-
peito do facto criminoso de que foi elle ac-
cusado, e s6 depois do officio de V. S. foi
que, syndicando, soube que se Ihe tendo
imputado o crime de ter dado um tiro em
Procopio de tal, foi per Accordao da Re-
laqAo de 28 de setembro ultimo posto em
liberdade, como melhor vert V. S. da co-
pin junta. Fica assim cumprida a ordem
de V. S. a quom Deus guarde. Illm. Sr.
Dr. Raymundo Theodorico de Castro e
Silva, muito digno chefo de policia d'esta
provincia. 0 subdelegado, Antonio Jero-
nymo de Oliveira.
Secretaria da Policia do Pernambuco,
19 de fevereiro de 1884. -Conforme-0O
secretario, Edtardo de Barros Falc&a de
Lacerda.

0 Dr. Virgilie de Gusmio Coelho, so-
cretario vit$licio da Relaco do Recite.-
Certifio por me ser podido e em vista don
autos de habeas-corps requerido a esto
Tribunal, per Francisco Pereira Simoes,
conhecido per Franca Pereira, que o Ac-
corde proferido nos mesmos autos 6 do
timeor seguinte: Accordlo em Relago :
oexaminados e exptost os ecwlarecimentos
obtid0os obre a pride do paciente Fran-
oglino Pereira A a, madam que o ea
Ile soto por Xi 4r regular o p "di
mento.-da storidde pelicial quo a decr-
tou w-face dodispoto nos 2-4e 40 do
art. 13 da lei n. 2033, e pague a municipa-
lidade as custas. Recife 28 de setembro
de 1883. -Qtutinto Jos6 de Miranda, pre-
sidente, Freitas Henriques, Monteiro de An-
drode, Queiroz Barros, Oliveira Maciel,
Buarque Lima, Pires Ferreira. E mais se
nao continha no Accordo pedido per cer-
Ad Iaft. ate do. atoac ng*am.
Lreporto e dou- f. Eu Julio C-:
zar Cavacante de Albuquerque, amanuen-
seda Relaggo do Recife a escrevi. Subs-
crevo e assign a present que vai semI
cousa quo duvida faga e dou f6. 0 secreta-
rio, Virgilio. de Gusmao Coelho. Estava
'sellada corn uma estampilha de duzentos
reis.- Esta coaforme -0 subdelegado, An-
tonio Jeronymo de Oliveira.
Secretaria da Policia de Pernambuco,
19 de fevereiro de 1884. Conforme -0
secretario, Eduardo de Barros Falc7o de
Lacerda.

Ia Secg.o -Secretaria da Policia de Per-
nambuco, 1- de rmar~o de 1884.--N 246.
-Illm Exm. Sr. --Acerca da noticia que
publicou o Tempo do dia 20 do mez findo,
debaixo da epigraphe -Violencia policial
-contra o subdelegado da i4eguezia de
Santo Antonio, transmitto per copia a V.
Exe., a informacao quo prestou-me a au-
toridade accusada, afim de que V. Exe.
tenha conhecimonto do que se passou.
Deus guard a V. Exc..-Illm Exm.
Sr. desembargador Jose Manoel de Frei-
tas, muito digno president da provincia.
O chefe de policia, Raymundo T/heodorico
de Castro e ,ilva.

Subdelegacia da freguezia de Santo An.
tonie, 29 de fevereiro (te 1884.--Ilm-


meia-agua n. 29 IAua-Domingos Theotonio.-Pa-
gos os direitos municipaes p'de conformidade corn
o parecer do engenheiro, concede-so.
Antonio Jos6 Rodrigues, para correr o telhado
das meias-aguas de ns. 1, 3 e 5 A rua do Dique,
afim de tomar goteiras. Dando previa sciencia
ao fiscal, concede-se.
Barlo do Mattosinhos, declarando ter 12 pal-
mos de frente e 11 de fundo, o quarto que preten-
de fazer contigno a cosinha de seu predio n.53 A
rua da Imperatriz, cuja licenca solicita.-De con
formidade cornm as posturam em vigor eparecoer d
engenheiro, concede-se, pagos os direitos munici-
paes.
Francisca Candida da Silva, para desmanchar
a cosinha e terrao do sotio de suan casa n. 19 A
rua Velha de Santa Rita, bem come transformar
unma poaa em janella, ladrilha e tomar rebocos.
-De conformidade corn o parecer do engenheiro e
pagos os direitoa municipalms, concede-se.
Joe Doming *a iara fair um deposit
d'agus e um quarto A|lnho no fundo do sitio n. 4
em Apipuoe-'Pago e8 direitos municipaes, eon-
cede-se.
Joao Ipacio de Medeiros Bego, para substituir
tre soleiras o uma ombreira dua portas do predio
n. 77 L rua do lmp tA*.--Page os dirsito mu-
nias e de oonformidade com opaecer do en-
genheir% coneede-me
S Maria on do Paw Silveirs, para conertar o
algems, bem emao tomar goteiram em wea predio
in.8 irua da o -- De ofi
Iem o em 0m Iiliro, obeervadas as p-
3tM8 0 pagOm w4mw =" maepa coneede-fe 4
MathlblGidWAmu Fe = para
ro1-tkiund eaibros e tapar s;-p=! a A
u mm noda a & 6 avam a Cu d'!C i
Dfileguezia do Poco "a PanielM16De -oiriA-e


am0.ouPr da a...6 0 .a d N P W doM O -
laQM r mk &M~oM ir S io. J0

Bif"e'+ .... :a +. ."'"~'-.- .
pnt oxrer o tdhowtk'd oam n. 86 *Xiba do 6


0 subdelegado, AicA&s F. Barata de Al-
meida.
Secretaria da Policia de Pern'ambaco,
lo de margo de 1884.-Conforme Pelo
secretario, Francisco G. da Silva Barroso.

Commando goal da Guarda Civica de
Pernambuco, 27 d* fevereiro de 1884.
-Illm. Sr,-Satisfaiendo o coniteiudo o.
officio de V. S., datado de 25 do corrente
mez, entendi-me incontinent corn o--Sr.
alforos commandant da primeira estaglo
e pude chegar a evidencia do que no dia
17 do corrente, houve convenes entre o
Sr. a/feres Joao Pacheco de Medeiros, e al-
guns individuos que entao so achavam pre-
sos no xadrez d'esta estaglo, e depois de
os ter ouvido, disse quandoforenm soltos en-
tendam-se commigo. E' o que tenho a In-
formar.
Deus guard a V. S. -Illm. Sr. capital
Alcides Fulgencio B.' de Almeida% dignis-
simo subdelegado da freguezia de Santo
Antonio -Manoel Joaquimn dc Castro Ma-
deira, commandant geral.
Secretaria de policia de Pernambuco, 1
de margo de 1884. -Conforme. Pelo se-
cretario, Francisco G. da Silva Barroso.

Commando da prtmeira estag'io da Guar-
da'Civica, 27 de fevereiro de 1884. -Illm.
Sr. -Accuse a recep9lo do officio de V.
S., datado de 25 do corrente mez, sob n.
64. Tenho a inf9rmar a V. S., queo dia
17 do andante; pola manhl, veio a eAi es-
tagao o Sr. alferes 1o61 Pacheco de Me-
deiros e pedio ao cibo Paulino Francisco
de Paula permiasso para ir ao apparelho sa-
tisfazer urma necessidade natural e sendo-
lhe pemittido, pouco demorou-se, pergun-
tando porem alguns individuos, que soe acha-
.-am recolhidos ao xadrez provisorio, o mo-
tive de aSua priado e ouvindo-os diase :
quan&do ewUremn eendam-fe commigo. E1'
o uo tonhoa informer a tal respeito.
..... -- I min_,, -r. capitlo1

ManOelMeIfm astro Madeira, digE-
uIdsimeo -ooanuaclaa gehida hi.ara i
vica.-0 alfere Fraae & a Codta Fe-
rax, co0indte. Secretai&a da oici
de Pernambuco, 1 de naru6 de 1884.
-Conforme.-Pelo secretario, Frmodco
G. da 8lWa Barrow.

RepartlVoe da Polela ,
Seccao 2.a- N. 272. Secretara da
policia de Pernambuco, 7 de marm de
1884.-%&e, e Exm. Sr. A A
quo foram IontemnwwQ
de Deteneo os seguintes indivi uos:
A' minha prdem, PogO" Francisco da Silva e
Idalino Nunes Pereira, vindos do term do Boni-
to, o primeiro come iebtentiado appellado, e o ul-
time por ser deserter do 14o batablho de linha.
A' ordem do subdelegado de Santo Aptonio,
Bellarmino Ferreira de Carvalho, por offeoas A
moral public; Eliziario dos Santos Pereira,'Jodo
Francisco Ferreira e Anna de Souza Lima, por
disturbios.
A' ordem do do 2o district da Boa-Vista, Jose
Pereira, por disturbios.
No dia 28 do mez find foi capturado pelo dele-
gado do termo do Brejo o criminoso de nome Jose
Miguel, o qual est alli pronunciado come incurso
nas penas do art. 257 do Cod. Crim.
Deus guard a V. Exc.--Illm. e Exm.
Sr. desembargador Jose Manoel de Frei-
tas, muito digno president da provincial"
-O chefe de policia, Raymundo Theodori-
co de Castro e Silva.
Camera Municipal
DESPACHOS DO DIA 6 DE MAR'O
Pelo Sr. Dr. Jose Osorio, vereador
cnmmissario de policia :
Manool Ferreira Bartholo, pedindo licenca para
mandar canalisar agua para seus predios ns. 66 e
68 A rum da Soledade.-Sim.
Pdo Revm. Sr. padre Mdlo, vereador
commissario de edificoes :
Antonio Joaquim Casodo, pedindo licenca para
mandar internar cans, fazer parapeito, calnada,
concertar a coberta e substituir caixilhos na sua


em beneficio dos a Albergues nocturnmos de que
Sua Magestade foi o fundador. 0 produeto da
fiesta, que se espera seja muito avultado, destina-
se ao estabelecimento de mais outro albergue no-
cturno em Lisboa. Como e grande o empenho per
obter camarotes, e nao falta quem os possa pagar
cares, reeolveu a direegio dos albergues adjudi-
cal-os em licita Wopublica4 "o que se fez hontem
nq saleo da Trindade. Os preqos daa plateas sao
de 4A500 (fortes) paraa superior, e 230 para
os lugares de geral. Ha todavia peduos de lu-
gares de cadeira, acompanhados da rteessa de
cinco, ou seis vezes o preco estabelecido.
Tomam parte na festa as principals notabilida-
des artisticas existentes em Lisboa: o tragico
Ernesto Bossi (que represent agora no Porto) ;
Taborda, Brazae, as illustres cantoras Borghi
Mamo e Donadio; o barytono Devoyod e os prni-
meiros professors da orchestra de S. Carles.
Todas as despezas geraes ale feitas per el-rei o
Sr. D. Luiz I, revertendo o produeto total do sa-
reo para o fi desiguhado como acinma disse.
Confirna-se a noticia da trmnsferewcia do
8r. Mendes Vigo, representante de Hespanha jnn-
to do nomo governor, para a lega deo deRom,
sendo dobtituido cm Lisbos polo Sr. D. Saturnine
Alvam Bugallal.
lg agndl am. acao carnavallesca. Os bae-
les pubfleos, sem saboreA, como de ostume. No
Seccede o meumo as .isr A particulares. Uma
d main falldas 6 a que dlo Ma noite d'e.tas os
eoudea. de Valbom, e oade figwari uma quadr-
iha deapaesB emeniaaW d' e ma mRiskfiafo-
s daf &iA a da disodediasI OeMse, dansnd
miueates das orte, tan tqwo on umo uiquiWi-
Imobl A modata 6p"&fa -
A Camra Mnipcal do Lbsa, deo que I
'E! to o Or. Bbn Apud% pr de" wate p
Yot oota MU buslas pars apcradi*4 e
5 a t a B, o9Sr. A1045 que 6 deputedW ai
apfsat-e1 1.5 ha diinurn prjedto d p lei pas
ainsUadse j autaribada a eomtiahli
uan e-mosiibs 4. ft iUtee soutos de r6imbxte


B-=Iao tgefatm g


ro, observadas as posturas em seus terms e pagos
0s impoefos municipaes, concede-se.
. Secretaria da Camara Municipal do Re-
tffe, 7 do margo do 1884.
0 porteiro,
Leopo'dino C. Ferreira da &ilva



EXTERIOR

CVrrespondencla do Diario
de Pernambuco
PORTUGAL.-LISBOA, 23 de fevereiro de
f884
Prqsegu-e, .Atpunara dos Deputados, a disc us-
sao o'projeeto. letde reform eleitoral, onde
vem jA establceid& o novo principio da represen-
taeio das minoxias, mas por ora, unicamentc para
os circulos cuja. sldes sao nas cabegas de dis-
trieto. a.
! Por.aestes circuit consigna-se na lei que haja
ministros, n'oulfs quatro e no de Lisbo6A.-is
lefhatados, devendo as listas center, na priimeira
lWpothesc, s6 dous nomes, na segmunda tres, e na.
trceira quatro.
SResultark d'esta combina"ao que as minorias
I oderlo ser representadas nas cabecas de dis-
tricto, por um deputado, e em Lisboa por dous;
E' conhecido este system pela designaoo de
Slista complete ,, como se usa em Inglaterra e
em outros paizes da Europa. Serao de um s' de-
putado os outros cireulos como eram d'antes, nao
havendo n'elles representago das minorias. Foi
isso o que se combinara no accordo dos partidos
monarchices ; entretante a imprensa progressista
affirma que e o seu desideratum. Tambem have-
ria, como creio ter jA informado opportunamente
os meus leitores, atW seib deputado. per dccumula-
$o de vto,. 0 minimo-paraa se. bter a eleigao
por este meio, em todo o Xjno e ilhas adjaeentes,
6 de 5,000 votos, systems ue tambem se usa jA
em algumas outras naces. Tem-se discutido na
Camara severamente ; tern-se debatido tambem
pela imprensa, e em pamphletos doutrinarios, os
diversof pontos do project e os pr6s e os contras
dos-diversom ystemiw, citando-se os publicista
"F -14 pj e q teem esacripto sobro a ma-
te r i a .7. :- '
Na so e co9d3d fiA t diwscu s na generali-
dade. Os doce .dzI. 4e1O eiMdo dao lavara,
tom midod Sn. ra Cot .Jue i
tor do prokcto) "w maM deuma dyo-
dNa~rro6.Jo Sak8idanha, DiiGat hrank
beiaao de Catr%, A onio Maria d4 Carvaiho
, roe deputado._de que me aito reeordo n'ete
lailento, occupando alguns a ardent do dipdo
WaosueSw coouuecitivaa.
T -aequo o t .eet 8 o % q, aeu i
iA426 ei plorqaaite deVd pRomfaealume" Sif
devotalto tamnbem,'por mino qo a oppohia desie
partido estava repraeetsda na coamiambo que
d*uparecer wobre a prposta miasterial e em al-
gutas pento a modifio-; man apesor d'eta bar-
moaia political, a discusao tern de e9 losing ain-
da, sobretudo na especialidade.
JA passou na Camara dos Deputados e eati
em discuslaao na dos pare-eo project de lei conce-
dendo a liberdade da cultural o tabaco no Douro,
-t 0oa -16|tpy]lT soap avediante certaa woa.
w t A titulo de ensaio e permittida
aa eultura, reclamada alias per toda a previn-
n'4mna rea de mil hectares. 0 tabaco pro-
dM ddo n'esses terrenos ficarA pagando de imposto
men 150 riis (fortes) por kilogramma, qu_ o
tabaco importad& dos paizes estrangeiros. Tern
discursado na Camara alta sobre este project os
Srs. Conde de Casal Ribeiro, Conde de Castro,
Conde de Valbom, Visconde de Moreira de Rey,
Visconde de Arriaga, conselhei"o Ferreira Lapa.
Proseguem os debates:.
Foi nomeada pela Camnara dos Pares uma
commission de onze membros, dos diversos parti-
dos, para dar o seu parecer sobre a project da
reform -mrta. Sao os Srs. FenrrAo (presiden-
te), Vi< f Seabra, Visconde de Casal Ri-
beiro, u io es Sepa, Ayres de Gouvea, Conde
de Fical Henrique de Macedo, Barros e SA,
Marquez d Vallada e Vaz Preto Giraldes e Tho-
maz Ribeiro (relator). A commission ja se reunion
duas vezes, assistindo a cada uma d'essas sessoes
o Sr. Fcqntes, president do conselho de minis-
tros.
Nboem peiorado o Sr. Conde de Bardi, ca-
sado cornratn irma do Sr. D. Miguel de Bragana.
No Hotel Central, onde reside o principe entermo,
estk ha poecos dias o Conda de Rosemberg. Diz-
se que este titulo eaeobre o verdadeiro nome do
illustre viajante recem-chegado, o qual se aflirma
ser o proprio D. Miguel, filho do principle pjoscri-
pto, e proscripto elle mesmo per uma lei que am-
do nao foi revogada, apesar de estar a sua revo-
gacao nas ideas tolerantes de todos os partidos
politicos. Muito pode o tempo 0 illustre via-
jante guard o mais rigoroso incognito. E' acom-
panhado per dous medicos, os Mrs. Paoli e Passa-
vant, que veem expressamente ver o estado do Sr.
Conde de Bardi.
Prepara-se para o dia 8 de mareo um es-
plendido sarao litterario-musieal no theatre de
S. Carlos per iniciativa d'el-rei o Sr. D. Luiz I,


INTERIOR

Correspondenela d Diarlo e-de
Pernambuco
RIO GRANDE DO NORTE NATAL, 5
de minargo de 1884
A maior novidade 6 a revoluqio qua tern causa-
do o acto do Exm. ministry da agricultural man-
dando syndicar do facto per nds narrado na nossa
missiva publicada no seu Diario de 24 de janeiro
de haver o negociante da villa de Arez, Joaquim
Jose Ribeiro Bedon, deixado de remetter pela via-
ferrea duas gigas de louoa per se ter na via-fer-
rea pedido 21A de frete. -',
Narrando o fact dado ado foi nossa intenao
famer crer que a administri*o da via-frs mco-
Sbrava taxas ao seu arbitrio: nao foi em o woao
pensamento; o que tivemom em vista foi camar a
attengao do govemno do pain para o alto proco da
tarifa compamado cemo da rnaveg o docabota-
gem, qu eonomeorre cow a fero-vis, end muter
ter mnuitaattema9lo para em lo par, que ae
po&an melhorar a rda da fe
Nesta' eovinciamningu igDuo S, o -
Iciante" duVimw d~e Ae Gqyahnh% PNuba,
reebem uas meradeinas, e remettem e game.
romaupeloportodoTib7as ji pelo da Peala, por
a ero frete mais barato dxando dee utilir da
via-forre quopass. ma.dumA ultimas villa.: d
pra ens t oqu todo devem chamar a ten-
S o dopoea om pars quo as tarifiu
S ma nm pmaraa lugare em uisa naveg.
B910 de e emcorra cow a m a feamua.
S Os home afero-via desta proicia, entem-
do= quoquiquw-re-hlmaMo quo ae a 13i
r a atteim bo dequeo p6de pasm amor-
Sgo publio6o, e um ataque infalliblidado e d qu
ges om noean viasferra.
o IMeAtDde aea devep ae asa qMibr
Sliwas a todosqe aU t.aIM Iit
5 131.1130 dMoIS 4


I


S
I






fr


gariam para nada, n'um emprehendimento d'essa
ordem.
Outra quest.o que tern dado -margen aos com-
mentarios do jornalisino, 6 a inixstencia corn que
se pretende fazer acrcditar que existe no paiz uma
rise de tribalho.
Ceint.mas tle op-rarios faznm q(Ittdilanas roma-
rias ao pao L;t Ajuda peilindJo sio'corron e traba-
Iho; tie l;t sio manaialdos parao ministerio das
obras l)uIblicas ; a c;it,,rna minimicipal nlo pode ad-
mittir mais geute nas suns obras.
A innuitos d e'stes operarios tcni-se-lhe prop)sto
no ministerro das obrads publicas screen admittidos
fora de Lisbon cm ;versan propriedades ruraes.
8f um numero insignificante d'illcs aceita.
()utros sao reeebilos nas obras do governor, c
deutro cm poncos dias sao dcspedidos por man-
driues. Nao duvido que hajam alguns a Pluecm ver-
dadeiramente falta o tr.iballiho, mas k certo quo
tern vindo muitos da provincial engrossar a turba
e Ul pensam ser Lisboa um El-l)ourado. As fo-
lhas republicans, em estylo declamnatorio, vdo
explorando estas peticues espectaculosas e fallam
muito do proletariado portuguez, pelo prurido que
ha aqui em eaxertar questoes que lU fora assume
um character muito serio. Creio que a idea mais
;.4eliberada no governor 6 fazer levantar um ea-
'dastro dos operarios desempregados e extremar
os especuladores a relapsos, dos quo sao realmente
merecedores da protecego official. Do contrario,
Serial renovar a pitanta do caldo nas pertarias
conventuaes, que alimentava um verdadeiro paut
perismo organisado. E' para notar que os doiy
deputados republicans, os Srs. Elias Garcia c
Manoel de Arniaga, que sao ouvidos sempre corn
attencgo quana erguem a voz no parlamento,
ainda na'o abriram alli a bocca para advogar esta
causa. Elles que o nao teem feito, e porque teem
justificadas duvidas, como toda a gentle, sobre a
genuinid: .,tNis allega5es que fazem os operarioi
pedintes, ,I isseiam pela capital aos magotes e
de que as t,.. s republicans querem fazer outras
tantas victims da monarchia !
Esta definitivamente eseolhida, a localidade
para a edificaglo de um palacio-em Lisb6a, pars
o service central dos correios, telegraphos e pha-
roes do reino. E' muito central e accessivel, o
sitio onde havia o antigo merecado da Ribeira
Nova, a S. Paulo. Lembram porem algumas fo-
lhas que seria bem que a area outr'ora occupada
pelomercado.da Ribeira Nova fosse convertida em
parque, e se tranaformasse em edificio para o cor-
reioo quarteiro de ecasas em frente para o largo
do 1. Pa&oa e Ribeira Nova, que em tempo fora
edifieaft pelo primer marquez de PonmbaL
Die,?que no tratado comrn a Inglaterra, con-
enents a aire, so dispe a ceasso aquella po-
.teni6por art do overno do Portugal, do Forte
dem &Joo Baptiatase eAjuda, na Costa da Mina
qu~q do u sda o serve, ae n do de serem as insig-
uiicanteo guarnivsea d'aquella fortalesa ladibria-
dp vlmttse cuarneeidas pela pretalmada da
._mt4 m"isin se an, d rado re do Dahomey.
L-ibumva dimvuujovea.4 ;4o governo a urgen-
cia de mandar busaear aquelles pobres soldados
quanto antes, porque o soberano barbaro e capaz
decumprir o seu juramentQ em sabendo do eas.
Este era nem mais nem monos que o de mandar
cortar o pescogo aos militaries portuguezes, porque
de mode algum lhe convem ter por visinhos os
inglezes. 0 rei de Dohomey ainda sacrifice, em
hecatombes espantosas de crutldade, centenares
de victims humans, a proposito de qualquer
acto t regoeijo public, tendo elle mesmo per
gosto, e satisfacao de server de-ajudante aos ver-
Sdugos n'aquella tarefa sanguinaria. Cornm este es-
pectaculo atW obsequeia os seus hospedes estran-
geiros, apesar das ameacas dos inglezes. Agora
porem nao ha de ficar o case em palavras, e os in-
glezes saberno peor cobro aquellas tropelias medo-
nhas do selvagem africano.
Principiou a 17 do corrente a exposiudo dos
trabalhos dos alumnus da escola de bellas artes
no anne lectivo de 1882 -1883. Os exemplares
sao 100, expostos pelos alimnos de Lisboa e 8 os
dos pensionistas do estado, em Paris.
Continuam corn actividade os trabalhos da
construcqao do ascens6r da cal~ada de Lavra, que
vai do Largo da Annunciada ao pateo do Thorel,
proximo ao campo de Sant'Anna, hoje, dos Mar-
tyres da Patria. Depois de inaugurados, o que
nao tarda, comeqardo os trabalhos para outro as-
censor na calcada da Gloria, que vai da antiga
rua occidental do Passecio (hoje Avenida da Liber-
dade) ate ao jardim do S. Pedro de Alcantara.
No dia 13 foram ao pago da Ajuda deputa-
coes das duas camaras legislativas, dar os pesa-
rues a El-Rei pela morte de sua irmd, a princess
D. Maria Anna, duqueza de Saxe, fallecida em
Dresde. El-Rei affastando-so da etiqueta, pro-
nunoiou muito commovido, um eloquente dis-
curso.
A senhora baronesa viuva de Japura, esteve
a'guns dias em Lisboa, e partiu para Madrid.
0 actor Furtado Coelho c sun esptsa D. Lu-
cdnda Simues, ambos artists dramatics de pri-
meira ordem, sahiram ha dins para Paris, d'onde
seguirno para o Brasil e Montevideu, em digresseo
artistica.
Esta melhor o ex-actor Santos, que, alem
de estar completamente eego, tinha ha pouco par-
tido uma perna, mesmo na cama. S. M. o rei D.
Luiz e o Sr. D. Fernando tern mandado repetidas
vezes saber das melhoras do que foi actor insigne
pelo quesste se acha muito penhorado.


ha diversos cles eontaminados.
Infelizmente a6 agora a Camara Municipal d6
ordem para que fessem mortoe os cao emeata-
dos nas ruas da cidade, o que faz no lembrl
o rifao-antes tarde.do q.e iina.
0 subdito hespanhol que em dias do mea deja-
neiro foi levado a assasuminar Gustavo Aramha. i
proseso no sitio Camboinha da povoaqlo de Cabs-
dellUo.
A autoridade pOidal merece alogio pelo aeft
de tao important dfligencia.
Eis a receita do Oousuhado no men de fewete
proximo passado.
Receita proprna. 13:02M ,
Dmnheiro corn applicas especial I84A1
Total 13 I.'
0 rendimento total da Afiwau
mez proximo findmo foi die 3:5761W .
Preoda aca:
A.uao bru e 10 00 poar 1 k3m._w : "
AsMeau brutoe100 a 1IS=pw 15 b&


DlilIO Kina"

RECIFE, 8 DE RAXQOtB 1m4
Poels mapor oe Bai .-O.to
do Bort% aroeahMa sm agrn mlia:i

Datas aga 0 do bfomake:
OSr. Dr. Iasm Pmagaepina
Ira is d.*prolalsas l iiusiliiN
rine JouMmiii, e qmb'a *i1
o ex-dmh-WN5Laaw l*i^--
de doixar andle flB
ustaqis do a i




Do-


t kbfff. 5


'9
'-a.


--.+/ ti.. ', 4


-..
, .i a *. :
-o


'. -' -' ". 4-7 '

'Kte *> .. .".. .'--
;.' ;:.- ". atife^


irE~>


A administracao daoerro-via n o poderi W
testar o facto narrado, c a retirada daw gig. 4.
louaa dos cus arma.nas pelo despachante do
fandega Joao Avelino Pereira deI Vascomeerkm 4a
sua remessa para 9 villa de Aren por via da v"4.
da Macahyba.
A administration da via-ferreca colrando 21
pcdio legalmente o que a tabeilla appwovada
governor i anda.
) que tivemes cm vista foi chanar a
do govero, para o fatuto para que a tabelas
reformada cm relanio ao luigares en que a maw-
garo dtie cabotagen corn ella ( -ncrr.r. para v
se se consegue attenuar nos cuonitaat e etee
dbfi,' .(, que ella aprcsentai.
Nao tivemos cm i:ist:a coma narrmno do fa-"
off;i'ilr a qumciii ihr jli., sia: 'n tei.[a a par-
te a imprensa ap)i)uta os defeits c l.iciauas quo
me do nesse service. a que p r)run :- nu'mI; t1-
gore.
E' pensar mal.
Para a cadeira vagra dle lingua national c rea-
torica, foi noinmcalo mediante (o)ncuro o lr. A*
gusto Carlos de Mello L'Eraistre.
0 carnaval correu corno em tAda parte insipidM
e sem o lustre de outi 'ora, m coui mpcuaaido Irumvg
abundancia de laranjinhas.
Consta ter sido capturado pelo delegado lde Jar-
dimn, LeocadlinoJose Maria. criminuoso no tcm-nno d
Campina, dia provincia da Parabyba.
Temos tidA alguinas chuvas nesta capital, E4 cons-
, ta que para differeutcs lugares o macso teem acon-
tecido.
Deus qucira que scja o inicio de umn born inver-
no.
Os rios do CcarA-merim e do Assu teoa tidb ea-
chentes.
A renda da Alfandega no mez findo fA de....
8:528d661.
PARAHYBA DO NORTE-6 DE N.uA,
DE 1.P4.
Temos a grande aatisfaaio de communicar, quo
o carnaval pasamo-se centre nas, sem que hoqi-om
um facto lamentavel.
Fallava-se que teriam de pereorrer a cidade I-
guns grupos mascarados, fazemd almumes offemi-
vas ia autorids&ds da provincia e a ontras pean.
distinctas.
Este boato tornou-se geral o deu lgar a que, m-
guado nos intomnam, se preprasem outroe gu.
pos contraries e taunbem allusivos.
Deste mode esperava-se que enmtre m ase dime=
grande desordens durants oas trm dim d w
naval.
Tendo a policia tomato e o heeaito be Mas
preparativos, itRout-n a p e a eri SO pa
Va de infaataria, o que fom lMtaate pars p
tote o mal.
Ito cmnstituen mais ums prMa ma nw An
boa iWdle do pore deta capital, o o M
o o Sr. Dr. chef do pliem a Mn pUB
diaria de 27 do me proxime pa-mado.
0 Liberal Parakybauo de 3 do aoreote p S
un quadro detmomtrativo da ecoi nia e
da refrma do Themouro PrOmincial. Pr d v-
se que a referida economiwa motsa aetwenn a
3:328J620 annuaes, sern fdlar da *isTa
temn de ser feita de certos lgares doq" 16as
resultar a eeonomia total de :522JT776 M B.
Tinhamums portanto, ba te raibo qII. Of!
firmavaum em nosmas misivs astmo qu a
referida reform havia de tracer grad" vmA-.
gems panra os cofres publicoa.
No dia 2 do correat two lugar o ameataeaft
da primeira pedra do temmf$ que o padrB Herae-
negilda Herculap Viehra pretende edificar a 4i-
pensas dos fieis, no lugar denominado Cru do
Espirito Santo. !-t
Este zeloso missionario tern sc mostrado incaa-
savel no eumprimento dos seus deverem.
0 acto esteve muito concorrido e a elle assisti-
ram muitas pessoas desta capital que para a Wae
dirigiram em um trem que partira d'aqui as T_% -
ras da manhil, e voltAra as 4 da tarde do meuo
dia.
Nestes ultiinos dias tomrn cliovido 1astant nesta
cidade e seus arredores. t)s signaes atmosphri-
cos indicam que coatinia a cover no al)to sTti').
Eatretanto temos recebido noticias dc ,uc o scrtio
medio continfa abalroado eomn a secca.
Foi nomineada a commissdo quc tera de azonciar
douativos para a couclusio dos obras do edilf
da Escola Normal.
Como espemravmunos, form es.lhidas osoaS,
distinctas dos diversos credos' politico. ptquo qw e
do prefer que a commissao, (-',mpenetrmi'ta da im-
portancia do fim a que se destina. nao pouparti eo-
forcos afim de que sejam ultimadas as ohras d's-
quelle edificio ja hoje indispmnsaveL
Acha-se entire n6as o Sr. Dr. Antonio Feliciano
de Castilho, ultimamente nomeado ajudante do on-
gcnheiro fiscal da estrada de ferro Coande d'Cu.
Moco talcatoso e de excellentes qualiaclism o ,r.
Dr. Castilho mostra-se digno das nosas conjai-.r
raises.
Corn grande pezar noticiamos que a hydropiw-
bia vai entre nas augmeatando o numero dam victr
mas.
Em dins da semana find lum edo. atacado da
terrivel mal, mordeu nesta cidade a dons inoldadA
e uma malher. Conata que em um dos arrabal -


4.



'Li


~4


i '

^',,;,,


S



4'




Ii


iki:


*b +VH


4


AD .. % '
























ti;rxeou de sO n amm t sobre uveoags "aers
^^f l itiukdo por solkbtx o c umem dossab sazoi-'
in favor da neia quepreteifte sealisar.
kiN,*Desapparecea Manoel rri do Lma, e-
'V corn Henenegda a Mostefro de Lints,,
esidentes na ilha ds Mmuras, no- Solvses.
Henmnengild, depois de prcadar, em vio, no-
iias de seu marido, soube polo menor Jes6 Do-
mingos, filho da viuva Anna de tal, residents
n'aquella ilha, que seun marido havia side assas-
Ainido.
4 Par&
IDatas at6 29 de fevereiro:.
.ASfstas do carnaval estivemm muito animadas.
--Ainda reinava a variola tanto usna capital,
o em algans pontos do interior, inclusive o
lueiro,u0nde haviam 80 atacadoas do mal.
0 commandant do vapor Maud, da eompa-
do Amazonas, foras suspense de suas fmuncoes
directorial polo tempo de 30 dias.
SLemos no Diario do Grdo Pard, de 24:
No dia 15 ou 16, alguns mogos que d'aqui di-
rigiam-se em passeio A Guaj'ri-assfi, encontra-
ram a fluctuar no rio o cadaver de um individuo
d eor preta, que apresentava varies ferimentos
t ~oelo corpo e tinha a cabeya completamente ea-
tragada.
A.-y Os mogos conduziram cadaver a presenga
di ,o delegado de Guajari-assui, que deixeu de man-
S dar preceder a o corpo de delicto, em vista do
adiantado estado de putrefacco do mesmo cada-
ver. ,,
I -- Nada mais que merega menq'o.
r: +. MaranIAao
,Datas at6 1 de maro.:
X A' 23 de fevereiro, por se achar doente, fora o
V freidente da provincia passar alguns dias A Ponta
4 4;hi a. Alli, por6m, nio teve melhora; polo que
; ]no ga 1 do corrente escreveu o Pai :
% Em consequencia de soffrimentos beribericos,
det hoje ou amanhit a administration da provin-
cial Exm. Sr. Ovidio Joio Paulo de Andrade, que
sege para o sul no vapor Bahia, esperado do
S cPara s Alcantara partio hontem a canhoneira
SMaidos, afim de conduzir o Exm. Sr. Dr. Carlos
S Fermando Ribeiro, convidado para assumir o go-
Vy ehno da provincial na qualidade de lo vice-pre-
sidente.
A 4 .- ,A Assemblea Provincial, depois de alguns
de sessao, interrompeu os seus trabalhos em
2^ eonsequencia de ter de ser mudada a sua .s6de
S pars a casa da bibliotheca, passando esta para o
Iocal onde aquella funecionava.
-S~F~-Fora exonerado de promoter public de Al-
*antara, o bacharel Clovis Bevilaqua.
-- Lemos no Paiz de 23 de fevereiro:
SEm Periperi houve um conflict entire o des-
tacimento e a turma de trabalhadores do telegra-
S pho terrestre.
4 As autoridades do lugar dizem que estes fo-
S ram os provocadores, mas parece que [a provoca-
gl 0 patio dos soldados.
*Eiso caso:
|C Veio urma turma de trabalhadores assistir a
fon|esta de Reis na villa, e estando dous d'elles no
large vendo a dansa dos pretos, impoz um solda-
do aum traballiador que tirasseo chap6o.
oa ecusando-se o homem a obedece r A intima-
| e'o, i aggredido por um escravo.
Ej a mesmo instant o outro trabalhador era
S aconmettido pelos soldados, que o deixaram fe-
ll.. S 0rido.
0 rest da turma, correu ao lugar e vendor os
ceompanheiros atacados, investio contra os aggres-
sores para arrancal-os do powder d'elles.
S 0 delegado, sabendo que o barulho tomava
I oserias proporeoes, mandou novo reforgo de tropa
S (vindo atW soldados que estavam press) para es-
pancar os trabalhadores ?
SFelizmente intervindo outras pessoas conse-
guiram estas serenar os animos.
-- L-se na mesma folha de 27:
c Recebemos do Sr. comnandante do Espirito
S anto esta carta :
S a boadade de publicar em sua conceituada folha o
segunte acontecimento que poderia ter dade ore-
Sultados funimestos :
| a Comno pharl de Sant'Anna a vista hontem
nid pnco depots de meia noite, appareceu na pr6a
uia luzn I encarnada. laudei guitar um pouco pars
[E. B, eomo manda a regra, mas approximando
y main reconheci um pequeno hate que seguia no
e bardo do mar corn o pharol trocado, isto e, a lhz
^' encarnada do lade de E. B. Felizmente dei a
|p tempo pelo engano, e pude evitar aabalroas.9o
Svenrta, desviando o vapor.
,' Corn a maior considerasao se assigna o seu
p rTesp dor e criador,-Joao Maria Pessoa, com-
1^1 mandante do Espirito Santo. Maranhto, 26 de
Sfevereiro de 1884.
% J20 Commercio de Caxias de 26 de fevereiro
SI refer"
-S na part do destacamento d'esta cidade o
cabo0 de policia Marianno Monteiro da Silva casa-
Iry.'- corn Leocadia Francisca de Souza, natural da
de Picos, d'esta provincia, a quem tractava
eorn tedo carinho e decencia compativel corn es
senus recursos e com quem vivia na melhor harmo-
ris. Merecia ole, pelo set optimo comportamen-
11^ to, a confianua dos seus superiores que nunca ti-
11L veram per esse motive occasnit de reprehendel-o
ll :1 ou admoestalal-o.


i Domingo passado, por6m, suspeitou que sua
eonsorte Ihe era infiel, por disto ter encontrado
vestigios no fund do quintal dacasa que oceupa-
va, e pelo empenho comrn que ella Ihe lembrava a
Sahor em que devia compareeer a revista no quar-
teL *
t A's 5 horan da tarde, pouco mais ou menos,
foi aio A revista e voltando is 6 1/2 sempre im-
esonado e ancioso por obter umn prova que o
Mwes de que era trahido, fez grade arrodeio
plegar sem ser s presentido aolugar que dea-
de manhil e que motivara a sua descorr-
S Seriam 7 horas da noite quando chegon ao reo-
S ferido lugar, e quiz a sua desventura que encon-
trass- alli duas pessoas, que elle tomou per sua
mulher a quern havia surpreheudido eonjuncta-
monte corn o seu amante. F6ra. de si, n4lo tractou
de averiguar nada mais, apesar da sombra da noi-
te ni lhe deixar reeonheeer as fs que tinha
enfsua presenga e que tomou pot -igas de sun,
os cvavou a bayonet sete ve*s no primeiro
ojulgou sroseur o se rival. Feito isto seguio
Bf i na direcao em que sua supposta
svdira,afilp de alcancai-a. Entranda no
Sde sua casa, encontrou sua. infeliz mulher,
--se para elle, apenas o vie. Agartal-a e
ferimntos eorem a bayonet, foi obra
- ae quando ajulgou serm vida, foi en-
^ -- prislo, apresentando-se para este fm


ISIO PUS a CASs. da carmars a. feridos,
aft q a mulher do cabo Mariana a Domingo.



de #& am se pelamaahinlo oea

Nob bft"r iiaiefa fava ain&vL
'^^^^^' ,** o eciBTv oa( z doo we toosatorio p&-
o delegado de psia..oanuceu uma rap..
nom Savors, escawa d iaM

Iso vuau polo cawm"



som raes-dyisoit


dn~aeA wcoaado: o,46 de Thaesrutia a Nw-a-
hio, paainaugursa-n a eommuaniea* o entire as
: 1 Ceara.
Datas at6 4 de marco:
A' 24 de fevereiro chegara o bispo dioeesa"o,
quae 1 hora da tarde fez sua entrada solemne usa
cathedral.
S. Exe. Rvma. foi recebida por toas as princi-
paes autoridade' da provinai- e gidedoe cneurso
de povo, tendo salvado a fortaleosa as entrar o pa-
quete.
No memo dia foi servido mis 4 horas da tarde,
um esplendido banquet a S. Exc. Rvma.
Foram removidos os promotores publicos da
comarca de Jaguaribe-mirim, Antonio Joaquim
de' Sonza Rolim, pars a de Lavras e o d'esta Gre-
gorio Thaumaturgo da Silva Pereira para aquel-
ha, bem como o promoter public da comarca de
S. Benedicto, Dr. Pedro Gomes da Frota, pura a
da Granja, visto o promoter d'esta ultima, Dr.
Justiniano Raymundo Freire, ter side nomeado
juiz municipal do term de Coritibanos 'em Santa
Catharina.
I Correram muito animadas as festas do car-
naval.
A Alfandega rendeu em fevereiro........
113:3115968.
Rio Grande do Nerto
Datas at6 5 de marco:
Constam as noticias d'esta provincia da carta
do nosso correspondent na rubrica-Interior.
Parahybat
Datas ate 6 de marc:
As noticias sio de pouca importancia.
Foi nomeado promoter public do IngA o ba-
charel Abilio Ferreira Baltar.
Lemos no Jornal da Parahyba:
a Dora-so, ha dias, em Mussur6, um coaflicto
entire Andr46 Jos' de Figueiredo e Francisco de tal
consonhores de uma propriedade no Engenho Ve-
lIho.
SSegundo somos informados o primeiro emba-
raeou ao segundo no uso e goso d'uma servidailo,
de que ha muitos annos se achava de posse, sem
que houvesse actor algum judicial, qi#e legalmnente
contrariasse semelhante conduct.
( Encontrando-se ambos deu-se um conflict
tio s6rio, que d'elle poderiam ter resultado fats es
consequencimas.
a 0 primeiro, acompanhado d'um filho, travou a
huta com"o segundo, resultando ferimentos de par-
tea part.
S0 segundo se acha no hospital da Santa Casa
de Misericordia em traetamento.
S Consta-nos que a policia procedeu.nA devida
vistoria nos ferimentos do que se acha no hospital
de Misericordia, assim come os outros jA o reque-
reram tambem por sua vez. a

Notlelas da Europa
0 paquete francez Nigev que passou hontem
para o sul, trouxe da Europa as seguintes noti-
cias, cujas data de Lisboa viao at 23 de feverei-
ro, adiautando dez dias as trazidas polo inglez
Tamar
Portugal
A carta do nosso correspondent na-rubrica Ex-
terior, di as noticias deste paiz.
Mespanha
Eis o que esereve o nosso correspondent de
Lisboa, acerca da Hespanha :
SAccumulam-se nuvens pesadas no honsonte
da political hespanhola.
( 0 minister Canovas del Castillo, inaugurou
uma political reaccionaria e compressiva que amea-
9a produzir tristes resultados pars a monarchia
de D. Affonso XIL.
a Prohibio elle qualquer manifestacAo que se
intentasse pars celebrar o dia 13 de fevereiro,
anniversario da proelamaciao da republican em
1883, e levou o seu rigor at6 a nao consentir que
se effectuassem banquetes em que fosse superior o
numero dos convidados, e mandar que a policia
vigiasse attentamente aquelle em que tal numero
fosse excedido.
a 0 resultado deste rigor absurd, foi que os
differences grupos repubhcanos, que atW agora se
degladeavam corn furi* excessive, agora victims
da perseguivao e da intolerancia, form unanimes
no mode de manifestaiao que lhes ficou livre, e cc-
lebraram aquelle anniversario pacificamente, e
por form bern significativa.
Em Madtrid e nas provincial houve grande
namert de banquets tedos de menos de vinte con-
vivas, e efcncasa dos homens mais importantes do
partido realisaram-se t-uniSes panticulares que
form bastante concorridas.
n Durante todo o dia heuve utia procissao de
gente que ia deixar bilhetes de cumprimento em
vasa dos Srs. Castellar e Rye Margail, antiges
presidents da republics, o primeiro chefe dos re-
publieanos possibilistas, o segundo dos federaes.
Quasi todos os jornaes d''aquelle partido, pu-
blicaram no referido dia a acta da sesalo das enr-
tea, em que foi proclamada a republics depois da
abdieanao do rei Amadeu, e artigos demonstrando
cque o governor violava o direito de reunite, prohi-
bindo as manifestaco.es pacificas e legaes.
Todas as folhas liberaes condemnaram seve-


ramente o procedimento arbitrario do governor e a
political reaccionaria cque esti seguindo. Prevt-se
ue os erros do ministerio hao de produzir a cel-
higagio de todos os grupos liberaes ; e que a agi-
ta*a democratic tende a tomar um aspect gra-
ve. A imprensa ministerial procura chamar o ri-
diculo sore as manifestag6es republicans e diz
queo governor proseguirA na sum political actual,
procurando naturalmente a allianga dos catholicos
e dos Hliberaes.
c 0 marechal Serrano ao regressar de Paris, foi
recebido na estacio do caminho de ferro, por gran-
de nrumero de homes politicos e de generaes.
Reunion depois os principaes membros Aq es-
querda dynastica que decidiram manter oaro-
gramma do partide, e adiar pars outra reunion, e
tractarem do procedimento que devem guardar
us 6poca electoral, e da escolha dos chefs, esco-
lha que se diz recahira nos Srs. Mattq, e Lopez
Dominffos ,
S T,-se como cirto que todos 0s partidos da
opposigao se abstem de entrar na luta electoral, e
essa abstentao faz lembrar a que preceded a re-
voluno de 1868.
jParece que o governor inglez nho se mostrv
disposa a concordar nas modificaiea que o aga-
"iete hespanol pretende introduzir na conven-
91o commercial provisoria, assignado peoI minis-
terio Poeado Herrea.
0 gabinete de Londes observe que a Hes-
paa tem feit oe aeav er po" etencia,
que lhe tem neuas&a ququer ru o noa di-
reitos sobre os vinhos hepMboea, aiat qu a
Inglttewr4, afii do obter a siauwle b toopa. P e5
gociaoes ulteriores, red*W&a do26a.8Qr4Owd4
imes, a eeala alogice.
FoPamee quoa a ga digme 4 govrno ewpa
Sao etre, aU qww figfur OFda redum Is, wm.a
&0alia6iat Gfg a tempoN. i lew a -
glatIOWv a slusmdoner affeo ve propiuwia cam-
- v e-d som red _so peei, .* direit. sob
asesmaftmeais. da. aditra .atat, SewA d


an bsat.*df qiotzn h.apol t 41 4 or14nfl As

plow'* a am fiasa, gid.wlta c


Traetou-se agim deo -e er acwmnishlo do in-
querito que "vii sn er osposta d4e 4 deputados,
a a maiori, eintendi deve, desfazer todos as ar-
41 das opeios e mostrar quoe seocnservava
ainda reiida e compact em volta do governor.
Proceden-se A eleigo nas seegies, e ficaram elei-
tos 35 deputados declaradamente ministeriaes-
alguns dos quaes tinhamn votado contra a propos-
ta Clemenceau-, e apenas 9 da opposigao.
Este resultado niao somente significative, por-
que tira today a feicao heostil para o governor ao
inquerito a que se vai proceder, mas tambem por-
que este, nasmlos de urnma ommissio em que os
radicaes tivessem maioria, soeria uma armsa torri-
vel ao service do socialism revolucionario.
Comega a produzir certa impression em Fraao
0a urma sensivel differenga, ultimamente observadu
nas receitas publicas d'aquelle paiz. Nos ulti-
mos tempos, corn quanto aquellas receitas, na-
houvessem deseido abaixo das previsSes do orgao
monte, tinham comtudo deixado de apresontar,. -
progressive erescimento quo so notara nos annos
anteriores. *
Mas no mez de janeiro ultimo, o caso tornou-se
mais digno de atteneiAo, porque differences verbas
da receita ficaram Aquem dos calculos do orea-
mehto.
E' assim que no impostor sobre os valores mobi-
liarios soffreu uma baixa de 1,072,530 francs, a
contrlbuico do registro tambem teve urma baixa
no seu product, e o mesmo aconteceu ao rendi-
mento dos correios e telegraphos.
A diminniqgo na totalidade dasreceitas durante
o mez de janeiro foi de 9:324,800 frances.
NMeo 6 para assustar graudemente per em quan-
to, por se tractar apenas das receitas de um unico
mez, e porque a different de receitas nao avulta
extraordinariamente nas elevadas sommas do orga-
mento francez, mas como n'aquelle paiz ha juizo
na cabe0a da gente que govern, tanto o minis-
terio, come a commission do ornamento na. camera
dos deputados, entenderam em presenga do facto
ever tomar resoluq6es importautes.
0 governor declarou que prescreveria do orqa-
mento de 1885 qualquer novo augment de dos-
peza ; a commissao de accord corn aquelle prin-
cipio adoptado polo governor dando parecer sobre
um project do Sr. Paulo Bert que tendia a intro-
duzir differences melhoramentos na organisag!Q
da instrucilo primaria, declarou inopportunos,
nas circumstancias actuaes, os augmentos de ver-
bas que o project o importaria.
Inglaterra
Os aconterimentos do Soldio abalaram profimn-
damente o ministerio inglez e nao sera para admi-
rar que a opiniato public se mostre tao several
contra a political seguida polo Sr. Gladstone non
negocios do Egypto que o obrigae a larger o po-
der.
0 Tbnes que costuma a reproduzir no sou mode
de apreciar as questies as phrases da opiniao.
sem. se mostrar muito severe para corn o governor
ihe aconselha claiamente que Ihe corre o d-
ver de exonerar-se. No parlamento a attitude do
ministerio tern-seo mostrado frouxa, e o Sr. Glads-
tone perguntado sobre o que o gverno contava
fazer .para soccorrer as guaarniqoes de Souakin, e
deo fokhar, cercadas pnlas forWas do Mahdi, res-
pondeu corn una evasiva, dizendo nio se r n'aquel-
la occasia.o convenient revelar as projectos d&
guerra.
Infelizmente a primeira d'aquellas pracas, cato
jA eim poder dos rebeldes send morta a respecti-
va guarniaio.
Foi um cruel desapontamento para o gabinete
e mais um golpe na sun existencia.
0 ministerio Gladstone, s6 poderal salvar-se,
declarando o protectorado inglez, no Egypto, ce
operando corn extrcma energia e promptidao, de
mode que consiga deter os progresses de Mahdi, e
salvar o que restsa do Soldio. A suna sorte est
tambem ligada, i sorte da mission que foi com-
mettida ao general Gordod.
N'este moment esti em discussao na camera
electiva a moeio de censura do Sr. Sttaford Ner-
theot, que 6 formulada nos seguintes terms :
o A camera tend lido, e examinado a corres-
pondencia relative ao Egypto, deposta sobre a
mesa per ordem da rainha, 6 de opinion que os
recentes, e deploraveis acontecimentos do Soldao,
sio devides em grande parte A political vacillante
e inconstante do governor.
Estal. correndo tn parlamento britannioo a
hucta, em que a opposicio julgou dover empenhar-
se contra o governed tomando par pretexto os acon-
ttecimentos do Egypto. Sejat qual for o resultado
final nao p6de duvidar-se de que o ministerio Gla-
dstone sahira muito mal ferido da peleja. n
Os dous chefes do partido conaservador, rompe-
ram rijo o combate, cadra un delles na camara
em que tern assento.
Na camera dos lords foi o marquez de Salis-
bury que apresentou a mocao, censurando a poli-
tics do governor no Egypto.
Na discussao em que a opposicao empenhou
tedes os recursos, lord Granville nilnitro dos
estrangeiros viouse constrangido a confessar qne
a Inglaten a se metteu n'uma empreza impossivel
de conduzir a born caminho, a de govemar Lon-
dires do Egypto. Segundo se esperava as noticias
dos desastres do Soldao dividiram a malaria go-
vernamental, e quando foi a votar-se, a reocilo de
censura foi approvada por 181 votes contra 31.
Esta votaco da caar~ a hereditaria nio decide


porem da sorte do governor. Esta esti dependent
da camara'elbctiva, que 6 a verdedeira represen-
tante da vontade da naggo.
Alli continue o debate sobre a'mogo do Sr.
Sttaford Northcote, da qual ji veio publicado o
text. Tem defendido o governor n'aquella casa
do parlamento, o proprio Sr. Gladstone, que diga-
se a verdate, tern side frouxo na defesa sentin-
do-so atravez da incontestavel habilidade do lea-
der do partido liberal a instabilidade do terreno
em que esta collocado o governor.
Entretanto o ministerio sahio da sus inacclo, e
esta empregando todos os esforgos pa"a salvar a
guarniaa do Tokhar, cercado pelaa forcs do
Mahdi. Confirms-so a noticia de se ter organisa-
do no Cairo, a expediclo destinada a seguir para
Souakim, como para Tokhar a cuja guarnigio se
aconselhou que prolengue a todo o transe a resis-
tencisa, para poder ser soccoraida a tempo.
Seo govern o inglez hvonesse desenvolvido esta
energia mais cede, nao -eia havido a lamentar
as horriveis destruiqoes dos exercitos dos generaes
Hicks e Baker, nem a horrorosa hecatombe 'de
qcue foi victipa a valente guarniqo de Sinkat.
SUm jornaldo Londres public pormenores de
desastre d'esta ultima, que Ihe foram transmitti-
dos de Soakin pelo telegrapho'
Tewfik-Paa qce govemava Siks ttnha, ape-
nas sob as suas rtdens 3 homes do exerpito
egypeo. Crcad ape Readaete, pela gente dog
o esistio eau po.... EiAgotadoas os meWo
de resistencia, qW*,egar a pnaca a o -
Cua Offr B^ a~li^ nt^ ecr
P .morte q uasi cwa,% ,
Sa viooma ag ,ji e- ecow orost&dodhabi-'
tantes, I raata drmp unlias narchou aem s4f'
fi~ ag a~a; aaa eqS" '01tac so atraya


i~~ o.0 #Io+
410 i0iwr. i
vi6boseando% quo em combat. i a matgp, e a
*Iapa(noonat*ues Naw- WSW%


IoijofundIaapeu& a at e*

dgqmjp~acier soreofes1ta pwdoo o govew do ga-
4a$ iiOiTd s a adha~ e Ao pod ter pv
I'o cttal poeaser o resutado da Yeta*~ :d* 10-


my 0 wa quo aIa-


0 DUyNew., que .o glo d aoria initis-
twiMlconfeudsa u sdutirao deasres do .: -
i&a. v fcrdid o e to pa a", aInlaterra,
| unia vigorosa repauiu1(e pelas arnas.
jgoietto eerie ucannmn.leetiva a discus-
.4 Zida dio~io do cen. ua apesetada pelo or.
afford ortheote, e ease debate nit vai propicio
pu. ao gowerno. Umr deputadi Minuisterial ehegou
a dizer- io seondiscarso Idyeachava ponea justfii-
cada. a political do .aveorn z o Igypto, mas que
nib votava a moglo de oeaura, po-quo apgrova-
da esta, seguir-se-hia a quad. do ministerio cu
a dissolnuqo da camera, a que qualquer destas so-
lu90es n:io fazia senao augmientar a confasilo do
actual moment.
0 general Gordon que dove ir a estas horas em
caminho de Berber para Kauntun, tern dirigido
telegrammas paras Londres, em que se mostra ani-
mado corn mrespeito ao exito da sun missio..
Entre os documents apresentados A camera, a
respeito dos negoeios do Egypto, figura urnms me-
moria escnipta per aquelle general ji em viagem
a bordo de um vapor.
0 Sr. Gordon conelde que o Soldao foi e serA
sempre uma possesslo inutil. Julga que o go-
verno estA perfeitamente justificado em rec)mmen-
dar a sun evacuaqio, prineipalmente porque os sa-
crificios exigidos parsa manter a administragIto da-
quelle paiz, t.e osteril e tao vast, scriam minuito
onerosos para que valesse a pana oneral-os.
Silo um pouco mais tranquillisadoras as no-
ticias do Soldio.
Um tclegramma expedido de Soakim para Lon-
dres palo almirante Herwett di centa de que es-
tao alli bemrn dispostas as cousas para a resistencia
do Mahdi, e de que j I havia chegado umrn reforgo
de infanteria de marinha. Um outro telegramma
etviado pelo consul inglez na mesma cidade, diz
que ha socego public tanto na cidade come nas
proximidades, e que o inirnaigo havia abandonado
as mais proximas posiqcSes logo que chegara a no-
ticia de queo iam per-so em march tropas ingle-
zas. Era opiniato geral na cidade que Tockar ti-
nha elements para resistir at6 ser soceorrida.
Na camera dos deputados inglezes contiuia ain-
da o debate sobre a moca.o de censura proposta
pelo Sr. Northcote. Foram apresentadas main
duas nogies em substituigao d'aquella; urma de
um deputado da opposicaLo dizendo que o desas-
tre de Siukat, e a more da sun guarnigao foram
devidos a apathia e A negligeneia dos ministros
da rainha; outra de um amigo do governor propon-
do que este, depots de enviar uma expedigao ao
Soldlo e ao Egypto propriamente dito assurma a
responsabilidade da administragao d'aquelle paiz,
at6 que esters terminada a evacuaiao do Soldao,
o que este ja definitivamente tinha restabelecido
a ordem no Egypto.
A associaaoe conservadora de Londres convo-
cou um meeting para n'elle se tratar da question
do Egypto. Concorreram a reunite umaa 2,500
pessoas entire as quacs alguns membros d parla-
monto e outros homes politicos.
Foram alli votadas tres resoluh5es, uma protes-
tando contra a politiesa vacillante do Egypto, da
(quial resultou o sacrificio de milharcs de vidas,
outra censurando a fiscalisacio dos ministros in-
glozes sobre a administra.to do Egypto e unia
terceira declarando que nenhuma soluiao satisfa-
ra a opiniao public, se nilo garautir a suppres-
sao do trafico de escravos e as relaeoes cbmmer-
ciaes corn a Africa Central
Acaba da fallecer em Londres o Sr. Chenery,
director do Times. Era creoulo e tinha nascido cm
1826. Succedera em 1877 ao Sr. Vellance, ent!o
enfermo c qu falleceu pouco depois na director
ainda do mesmo jornaf a lhe deixou tambemr a ca-
deira de arabe, que regia na iniversidade de Ox-
ford. Chenery, era urn orientalista e polyglota,
era tambem um escriptor de primeira plana, um
home de negocios emiuentemente pratico e gran-
de conhecedor da political. e da historic comtem-
ponea. As suas relapses corn o Times .rincipia-
ram servindo de corrtspondente d'este journal em
Constantinopla, duraute a lucta diplomatic que
preceded a guerra da Crimea. Foi depots corres-
pondente do Times em diversas occasioes, colla-
borando sempre n'elle em diversos artigos, revis-
tas c critics.
Constava A ultima hora, por via telegraphica
do Cairo, que os inglezes soccorreriam brevemen-
te a praca de Tokar.
0 general Gordon 'creou em Khartum um con-
seollLie nutaveis, queimou as registros do trigb
d~s-pula~eos e Os instrumentos do supplicio da
.stonada e demoliu as promises. As tropas bran-
|Bas regressaram para o Egypto, ficando 5 no
Soldao as tropas indigenas, sob o commando de
ofliciaes pretos.
Outro telcgramma di. que Musarus pacha pro-
poz a lordGranville caviar tropas turcas ao Egyp-
to, mas sb- a condicao da previa retirada das tro-
pas inglezas, cuja presenca no Egypto foi a causa
dos pnmeiros acontecimentos do Soldao.
Mausta-SaS
0 papa acaba de dirigir aa episcopado francez
urna encyclica, de que appareceram extractos
n'alguns jornaes e a qne tern side attribuida bas-
tante significaqioo. N'esse docnmento Leao XlII
lament ter a igreja franceza perdido a melhor
parte- dos seus privilegios e a sua influencia nos
negocios de estado ; mas n'outra part pronun-
ciando-se sobre a linha de procedimento que deve
seguir o clero perante es poderes publics, aeon-
seoha cordura, moderacao e obediencia as autori-


dades censtituidas.
E' notavel o que a encyclica diz a respeito da
concordata. At6 agora Roma considerava o re-
gimen da concordata come urma transacgio deplo-
ravel que a igreja s6 podia aceitar como remedio
extreme ; o papa actual fall d'elle corn extrema
benevolencia e parece ligar grande aprego a sun
manutenco, reivindicando-o paraa igreja e para o
estado.
Be todaa linguagem da eneyeliea transpira a
intenglo do pontifice de conciliar os interesses da
igreja corn os da Frans a e se elle por um lado la-
menta o que inculca, ser a perda das regalias e
liberdades religiosas n'aquelle paiz come naoe po-
dia deixar de o fazer parsa nao alienar a benevo-
lencia do clericalismo mais exaltado, per outro
ladoe evidence que tern em mira lesviar o clero
das luctas political e da opposicAo que temrn feito
ao govern o da republics. E' certo que oa pontifi-
ce usa de extrema moderaiao na sua linguagem e
que os conselhos que dirige ao episcopado sao
prudentes e sensatos.
S6mente seria desejavel que as advertencias
fossem mais imperiosas e n-o tivessem apenas a
feigio de uns conselhos anonymous, que 0 clero p6-
de deixar de seguir.
A sentenca ultimameute pronunciada, diz essa
nota, no-processo respeitante a congregaao dos
propagandistas da fM, o mais rude dos attenta-
dos perpetrados contra o Vaticano polo governor
de Italia. Nao s6 do poder temporal que se tra-
ta, 4 tambem a missao spiritual do papado que se
invade.
0 gabinete romano deve respitar a lei de ga--
rantias, que 6 obra a. W Fixandoadotao, an-
nuada San"ta 86, aItalia nile fez enrporar no
ientario dos bow poaficioa as ro da
4^aue con~age~o., -4M .., -
: i no g ? s endu' hed&."e. red
S.tata de por em duvida a suaa solvabilidade.
as.nexa. pa Oea nd* a udae, do
Z^Mti~o Abetelasa4* ciylisag teunina p.a
ofmnuwa N ". ddpsiar aos diver-
-a gdpoadsoi$ ro a dai i derr-.
-apara fora dIl talia
48010a 4euu d ro. FaileS o 0Dato .4usawatr.'-
ti ~raS coMraUad wdinoiro doa fieis, deoti-





a ~ fld~ a 'um doneta
*.-ff^ ^""^^^ e ,- a* **- ''i*ii n raA' l A' -

*i *ir^ somir naut .0,i~d gow a d


obhinceler e'fct error.
KEnr. Vienna de Ausfaia "-ara d dos
canefto a discass da prtdi
rms doptad~r~s eo ovemrne woegarftl~a dACa-
pital. Oa decretos wnm 4= os pe mainistro
da 'ustia, ciorn d principal Jfmdamento' de que o
regimen discricionario esiabelecido desde alguns
annos na Allemanha pela lei contra os socialists,
teve p6r effeito deslocar na Europa central a cen-
tro da acngo reyolucionaria, e transferir para a
Austria uma grande pirte da actividade do partido
a que se fechou Q territorio allemao.
Os decretos foram per fim approvados por 177
votos contra 137, ficando registrada a declara9go do
governor, de que nao fara uso d'elles senauo contra os
ian cos anarchistas, e de que fara cesir a sua
execucao, logo quo cessem tambemn as circmnStliu-
cias excepciouaes que os motivaranm.
Norueg
Vai-se aggravando a situacAo da Noruetoa, cada
vez mais, accenatuando-se, do dia para dia a lata
do parfido avanVado contra a realeza, corn grande
intransigencia. 0 partido revolucionario, apoiad,)
na maioria da camera dos deputados (storthiwj)
tern adoptado certas providencias que neor o go-
verno nern o soberano se teem prastado a sanccio-
nar.
Em resultado d'essa resistencia, resolveu a ca-
mara metter os ministros da corona em process.
Organisaram-se os processos e p)rcsume-se qu\i to-
dos elles serao condeinnados-, porque os juizes hies
sao todos hostis.
Para que takes resolucies prosigam, doliberam os
chefes do partido revolucionario, aeaudildblos pelo
demagogo Soerdrup, organisar umn comiltc suprc.ini
que dictaria as leis ao storthinj.
Estio subordinadas AIquellc cmit 0os soeioiead s
de tiro que estao estabelecidas no paiz, presrunin-
do-se que sao muito numncrosos os seas mnembros,
post que se na'o conlicqain. I-t inuitos annos que
essas sociedades viao clandestinaminente fazenlo ac-
quisiao de espingardas. Coin esta base de ope-
raises por qualquer golpe do mao, 6 de receiar que
a parcialidade de Soerdrup so balance a procla-
mar a republican.
Entretanto, ao pass que vao progredindo estes
trabalhos de sapa do partido revolucionario, por
oetra part '. ve-se que o rei e a rainha da Suecia e
Noruega foram enthusiasticanmente victoriados iha
poucos dias em Christiania, capital da Noruega.
Diz-se que o rei Osear sabe tudo quanto se pas-
sa e que estal disposto, no moment opportuno a
defender corn energia a unidade dos dons reinos,
por quanto 6 sabido que o partido revolucionario
pretend que a republican seja proclamada na No-
ruega, ficando este paiz separado do reinot da Sue-
cia.
Italia
Parece resolvida a viagem do rci Humberto a
Berlim. A viagem effectuar-se-ha entire 20 de
maio e 5 de junho, indo corn o monarlcha o Sr. Dc-
pretis president do couselho de ministros e o Sr.
Mancini, ministry dos negocios estrangeiros.
0 inquerito a que se procedeu acerca dos tiros
disparados entire 3Montalto e Corneto, quando o rci
Humberto voltava da casa fez conheeer curios~s
circumstancias. Umn corajososo carabineiro, Va-
richic 6 que fez fi)ogo sobre uns quatro individuos
desconhecidos que se prcparavain a fazer saltar
corn materials explosives as carruagens do comboyo
real.
0 rei Humberto tern recebido muitas felicita6cs
e testemunhos de sympathia.
Nerwvia
O ministerio servio deu a sna demtssao, e apezar
das negociag6es entaboladas, n1.4 se co4scguio ain-
da resolver a crise. Os progressistas nao querem
aceitar o encargo de organiser galinete sein que
previamente se lhes garantam certas cxigcncias
que julgam indispensaveis para fazer governor pro;
veitoso.
Chiina
As ultimas uoticias do Tonkin, constant po r iun
telegramma de Hai Phong, publicado polo Tnimes.
Estava destinado para o din 12 de fevereiro o
ataque de Bac Ninh, cujo resultado pora term
provavelmente a acfao military dos francezes, por-
queo obrigarii a China a reatar as negociaues di-
plomaticas sobre a base do reconhecimento do fac-
tos consumados.
0 ataque sera commandadopelo general Millot,
que recebeu o refor-o de 3.000 homens.
O mesmo telegramma fornece csclarecimentos
sobre o estado da defeza em Cantao.
Nos arredoros da cidade est'o concentrados
20,000 homens, e os fortes do Bogne salo defendi-
dos per,4,000. A artilheria das fortificeiios com-
pSe-se de sete peas de carregar pela culatra, de
25 toneladas, e de muitas outras de carregar pela
bocca.
O curse eos pontos de passage do rio sao de-
fendidos per baterias bern eonstruidas. Estn tudo
prompted pars obstruir a passage Wampoa. Tem-
se come certo que um ataque contra a cidadle seria
bastante perigoso pars os atacantes, principal-
mente se os europeus actualmente ap serviro do
vice-rei tomassem a directSo da defeza,


PERNAMBUCO


Assembly a Provincial
ACTA DA 3.a SESSAO PREPARL.TORIA EM
29 DE FEVEREIRO DE 1884
PRESIDENCIA DO EXM. SR. VISCONDE DE TABATINGA
(Continuao)
0 Sr. Jo4s Maria Sr. president, dei-
xaria de tomar part n'esta discussio por tcl-o
feito brilhante e satisfactoriamente o meu college
e distinct amigo deputado pelo 6* district, se o
nobre deputado polo mesmo district, que pertence
a bancada opposta e acaba de deixar a tribune, nao
tivesse repetido na segunda edicqgo como que para
fazer insistencia, e corn o fim de fazor crer que es-
tavam de p6, es. mesmos arguments, arguments
inteiramente falsos que per S. Exc. foram articu-
lados quando tomou a palavra pela primeira vez.
Uma vez, por6m, que S. Exe. insisted, a despeito
da demonstra9io em contrario, feita cabalmente
polo nobre deputado Sr. Arruda Falao, eu sou
obrigado a vir novamente sustentar o parecer da
commisslo de que fago parte.
Poderia, Sr. president, desprezar todos os ai gu-
mentos apresentados polo nobre deputado o Sr.
G6es Cavalcante, a sxcep9qo de um unico, porque
nio A possivel admittir-se que S. Exe. tenba mais
interests na clei o que se diseute, do que o can-
didato que foi prejudicado, assim como tambem nao
admitto que S. Exc. tenha mais conliecimeuto dos
actos que occorreram por occasiio d'essa mesa
elei*o do que aquelle candidate. Eu poderia,
pois, limitar-me, Sr. president, ao object da re-
clama= o apresentada polo Sr. Aquilino Porto, de-
clarando simplesmente que eram improcedentes as
outras questoes aqui levantadas, atiradrs aI dis-
cusslo. Entretanto, proenrarei acompanhar part
passu o nobre deputado que acaba de deixar A tri-
buna, e que t tant caeonaseieneia de que o sens
argumentos io resisted a umna analyse seria que
retirou-se logo que terminou o sen aldiscurso.
VOZEi DA -nCAA COM0SWADUA (nlo a polado.)
G St. KwmviD R OUivNmA -Estava caado.
o0,LJwA aXr&-. a ne frs depitads tiTlwm
dito jmue e soeio rs pox esow U tiveue
:a nei d'rste nbo tomaria aplavra e esperaria
S. Exm podess aistir a contesavo que The
on beer.,
DIefti em Pjimeirae 0, pato Uicoro


'd^ i t quo a mesa orgamsada n6 2p di.
9 ea pars pmoesi ere a ek da I
af~ik o~w^Wv deatadeni~o *o ibre, do-
0u>pl 0 &itiicto devn em lIevznt0do eat
qa~ffo S~ntbL o AribdAfcaV& 0 OM ipea
d We~iii(Iemr|6ik 4* & efi _tw2'1 "ftrf10


Sltlr~I XSSEIA* f

u^L^ M *X Kt.^A Alillojitfmiait >1

|^j^^l~~~~~~ ~~~~~~ yen*._^._n^t&i^f^'jk~ ,lfKt~ Is^K 00M^
A DOW. DVA*S^S^^^1 wb' a %'mooii^j'^", *s


N. dis pemnteo p4m, w I mer. e a 14
tendo comparecid apas o .4 jab de pas,.* S.
I*' Joaquim Brbear, as mo af ta p4cLab
e chamou para m pprir a hf adM qae delmam
de comparecer don c dio eim o, C Sr. A-
tonio Joaquim Alvea de Bar!s, e aoMd Antona
doa Santos Dias. (Apartm.)
' A lei nao 4liz, senim, qwa .6 poder oar
ehamado parm snpprir a fiat dc juis de pa a qu
deixar de comparecer o eleitor qu o for im*i-
ediato em voto Aquelle.
0 que a lci exige 6 que o que for ehamado seja
eleitor e estando o substitute do juiz de pax n"-
tas condic Ses est, preenchilda a exigencea leai.
Foramn convidados mais donu cid idlos ignal-
mente eleitores para completar a mesa, silmstituia-
do per este nodo o imme-liato em votos.
([1a um aparte).
Nao e tal. Se, estando present o immediate,
president da mesa chamnas para substitui-o tr
outro, esse immediate nceessariimeate reclamaria.
(Apartes).
Nio se pode concluir isto; desde qu e comnsta da
acta que o immediate nio fez parte da mesa: qiue
o substititie i eleitor, nilo havendo protfsto mu
re-elamaalo aigumina, claro 'i ue ese iminediao sio
estava present.
0 que iunporta que tenha votado ? E' que veio
depois de organisada a mesa, corn o fim unieo Ail
lar o sou voto.
N6s tivemos, senhores, na ultima eleiIfa, ia
frc uwzia da Boa-Vista, exomniplo emelhante.
Umn dos mesarios da 2a se'c;io achamdo-e mlito
mincomninodado, c io plodend,)o tomar parte nos tra-
balhos da mesa, dieixm d comparecer, mis n.>)
deixou de me honrar corn o scu votp.
0 SR. OLYMPTO MxRQUEs-Isto outra ens..
0 SR. JIsI: M[.AIrA-l-t e'I a mo.1 ma con-* .
A mesa foi portanto organisada de accr.l') c-r:n
a lei; no ';ha sobre este poiro a menw)r duvidla, e
sealguma duvi.la j. le-se hayer, o nobre .anlila-
to derrotado, que so achava pr.'sentA: na ,(-oa;i.i ),
teria naturalnmeni te apreentado o sin protesto.
O SR. OLYMPI, MAimwm-:s-Mas apresentou iwran-
te a Assemblh''a q(it' t* o pd(er cormp,'tente.
0 SR. JOsi Mf.utr-.V-NL o provc!,". Iprtaw t ..r
president, a argrnenta I(Ao lprduzibt p lo s -1, dlr.'s
de)utades a favor d(o menu distinct. aini..> Sr.
D)r. Aquiline Porto. (ra. resde' qitie o point uni--
co, cm que se baseou o Sr. Dr. Aquilino Porto fi-
cou completamnc:.itc do-tnruidn. romplet uncm:t. (o-
fito, eu pAderia dar p1,r rerinia,'.a c-t~t qi-T,'
dizendo: a casa nao terin mais 1ue to:nnr ei em-
sideraIto a reclamaRao feita pel, illusitre, ,.:nii.!-
to quo foi derrotado no ;.' districro. Mas nw.7v-,-
r-. inein devo fazel-o. Vou analysar ,ioe-tflo, I- >r
questilo, arumrnento por arinmemnito, ilro-s I f'rnt o
alui levantadoi, afian de mostrar a improved n,-ia
delles, or antes a falidae de todos. Ant, ,j--
t'-, por6m' pcrinitta-me t caisa (qu e n di'iare qntv
nAo faio grande ealmdal dti leilo ro 2' : ri"t"
da Eseada. Podhrci at6 votar p'la sua nn1mli'l,,
apezar de estar eonvencid( dai i sui l:.itim?,la I..
porque a organisaci'r, da mesa foi feita ,ie pirfeit)i
accord coin a lei.
Nia fa 0 SR. DRIII-oxD FiLHo-Nete ca.so V. Exe. vr-
ta contra o sea mode de i-onsar.
0 SR. JosE MRrT-Qu(,iro apenas sor y,)orb-')


paira corn o nolre dejpuitado; qu'roo o)ndc tni'..t:r
co.rn S. Exe.
()0 SR. DRU.yMOND Fn.nmo-De s,,rtr que V. Exr.
estaz convenciIo da Ilealilade da orzumi-aciio ,t
mesa, mas vota contra ito.
0 SR. Jos:. M.Itmx-( nohre deputaulo bem tmw
comprehende.
Sr. presidenite,. o illuitre deputado plo i" I)I-
tr.icto tquandilo eom ou a ustentar. por um dvxr
de gratid'Lo que eu muito lonvo, o i-,iv,<-i' o e
amigo o Sr. Dr. Aquilino Porto, lanm:oi urnma O-n-
pura a 2 commissio de inquerito in equal fei'(
patte, por nilo ter tornado cm consiideraV:o a rc-
clamaciao apresentada pelo candidlaro der-otad,.
Que fundamento tinha S. Exe. para fazer ,nn-
lhante argaimao? Em que se baseou o nobrc de-
putado pars aflirmar que a commissio de que s1t
um dos mais humildes membros, (nao apoiadoso,
nao tinha tornado na devida consideramio Cesa r,'-
clamaio? S. Exe. nio tinha o direito de a--:im
prdeeder, porque hontem mesmo eu declarci ,nru
ji havia dad o parecer sobre essa eleicio. quai lo
nos foi apresentado o docutnento de que se tract.
Aehava-se sobre a mesa ease pirecer, pnnrpt,
para discutir-se, elab-rado corn o maximo cuirla-li
e, apezar disso lemons a reclamavAo do Sr. IDr.
Aquiline Porto corn toda a attenVio, cornm today a
imparceialidade, sem a minima prevent.%, c n1-
enconutrando umn arnrumento tu on lhe ler' ss,- 4,!
base, nao tivemos nccessidade de annular Cou .-
formatr o parececr dado, fazeudo inen('Io ,le-c ie-
cumento. para terminal-o pelas mesmas coacl-.'l .
Nestas circumstancias, Sr. president. aeo s? p I, l1
dizer que a commiss.to foi parcial, procurando dI ir
ganho de causa a um correligionario soeu. Nio;
em case algum eu faria, ponrque costume cumprir
corn os meus deveres quando son encarregado ,le
urma missAo qualquer; nitao o faria ainda porqIne
muito me merece o candidate derrntado. qut 1in<
honra corn a sun amisade. E, se nao fosse por
um principio de justica, se nao fosse eu aqui es-
tar cumprindo corn o meu ever, por certo empre-
garia todos os esforqos para que S. Exe. o Sr. Dr.
Aquilino Porto occupasse urma cadeira nestc re-
cinto.
Sr. president, n;lo quero continuar na aprecia-
Toe do exordio do discurso no nobre deptaso pelo
6o district, em que fez S. Exe. muitas outras in-
sinuaSes, como per cxemplo: quoe ns tinhamos a
intuito, a intena-o antecipada de proceder corn in-
jutivas. Nio quero entrar nesse labyrintho porque
sintome-me incommodado, e alum disto estou no
fire proposito de tractar a todos corn a maxima
delieadeza, comtanto que se me nio offend pes-
soalmente.
Assim passarei a analysar, a combater os argn-
mentos ficticios, para usar da expresso do mesmo
Sr. deputado, per S. Exe. apresentados.
Disse S. Exe. :--a maioria 6 ficticia, porque foi
phosphorica, nio era composta de eleitores legiti-
mos, e eis o motive porque o Sr. Dr. Amaral e
Mello obteve maior numero de votos.
Primeiramente, Sr. president, 6 iweza-te a quie
disse S. Exe. A maioria que obteve o men dis-
tincto amigo o Sr. Dr. Amaral c Mello nao 6 for-
mada pelos votes que lhe foram dados e qut foram
tornados em separado. Dada a hypothese de lhe
serem descontados todos eases votes, ainda assina
teria S. Exe. maiortia, e esta grande_
E o nobre deputado sabe quae esses votos no
podem ser descontados, pois a lei clanra termi-
nante n'este ponto determinando qe o recurmo pars
a Relayo nao tern effeito suspensivo.
Desde, portanto, que nio temrn effeito suwpesivo
o excess apresentado, emquanto a Bela o do dif-
tricto nao tiver mandado desalistar os eiddp
de quemn se recorreu, estando de posse <' eVtitalo
estio no goso do seu direito e podem portanto
votar.
U- SR. DEPUTADO-Boa theoria.
0 SR. Joae MARA--BUa theoria, sim seahor.
E ainda quando a lei nio fosse clara, quando a lei
nao tivesae aido terminante, ainda ea argiumenta-
ria an, po ue iato que 6 logico, porquito06
quo e6aioa
Eas, senkoros, ainda pa-a provur e dittif
tinhj quae asists a nobrO doputads, Or. AMewd 0
Medoea separarei otats"p 4%bduv toq tfami*
pelo nossos advamuios couidedos j-
trigo. En don de batato quo u me Po e n-a 0te
votos; ainda, asimn o Sro r. Amasmi lm6 e d-
putado.
Q Sm. Ournuso HAtTaqm.-Powmris iuf etA
acabeda a quesSto...
o SB. Joui AeTA-A pean dmsd, r top, uas
o Dt-. AmrasmieMel. fiesar dleits, e**j
pno erio peltmdde. u a ca d bal
0 SB.. AsnosIn d -9taio bSr. Dr. Aumaral, e M oale j..d. ds
vos in ser~r" eleito.
o11 S6.JoX AM A-Nao MeIn o usha d uek e.J
teba cbfqa a cuat cenclu-o: alo q .sonsi
nor ugo quo on rfcnne *jmiwo q ta =
QSI cXG, quoe cono' sabe wi eu ihur


-jUft f o
0. m. $ocA Ee(azaSe111 3 5s- jmiSSii
ipsu siea as-rinr65 qimt& -u. a
*'S'e y^^ Cd- fmr~>^yi


/:





































moia de cegw
ae a4ll. c


as que verifi-
elpadaune~to,
cm nobrelode-
s condicoes,
aacisBefoi ou
a tern ascen-


'nei- d ineoa eobledeele ou nao, e nete caw torna-se
onamo n torna-se vi6lado o due umas?
0 So. A oxwI Comm--Aa quoae o cr de rooa
quo no ee conheeom...
0 S. Joa* mu ,.-Conheeema-se tambem as cor
do rosa, comqunq to o signal Mno eja te evident
Come elte, porque mais de uma pessoa p6de escre-
Ter em pal eor de rosa (Aparts).
Esta outra cedula tern tambo externamente,
come affirmou o nobre deputado, mas dous borrmes
astautle grandesm, e qle se distinguem perfelta-
mentebom. 0 mesario, portanto, ineumbido de
verificar so o eleitor havia bem eumprido a pro-
maessa, tinha meios de hegar a evidencia, podeon-
do aflirmar quoe esta chapa pertencia ao individuo
A e esta outra pertencia ao individuo B.
Posse memso affimar sos nobres deputados que
estes borroes eram signaes, porquanto, estando eu
entao ng Escada e pedindo a um eleitor que se
dignasse de dar o son voto ao Dr. Amaral e Mel-
lo, olleme declarou ser-lhe isto impossivel, porque
a sua cedula soeria reconhecida. Isto prova evi-
4dntemente que os signaes coUllocados-interna ou
externamente nas chapas tinham por fim tornar
c % conhecido o voto.
0 borrno desta 6 interno, e perfeitamente dis-
tincto dos demais (mostrando). Por aqui se co-
nhece que isto 6 um signal, porque nem ao menos
Sum borro feito a esmo, como os eutros, mas
urnma especie de funil.
0 Sn. NnLo-Seria algum funileiro o eleitor ?
0 Sn. Jost MABr&- Ah E' bern provavel que
tivosse sido dadaa aum funileiro.
A outra chapa tomada em separado o foi porque
esta eseripta da seguinte maneira : a Para de-
putado Daquilino Porto. Al6m disto esta today
borrada.
lergunto eu aos nobres deputados : nestas con-
dicoes, carimbadas estas chapas, cada uma corn o
sou sinete especial, para que fossem conhecidos
os seus portadores, pars que se soubesse se elles
tinhaim dade fiel cumprimento ,As ordens recebidas,
podliam as mesmas chapas ser apuradas engloba-
damente come as outras ?
Nao, e tante nao podium sel-o que a mesa elei-
toral, em sina maioria conservadora, tomou-as em
separado; e tanto nu o podiam que o proprio can-
didate derrotado conformou-se corn a resolupio to-
mada pela iresa e nao pedio para que fossem con-
tados esses votes englobadamente.
Foi S. Exe. mesmo, o Sr. Aquilino Porto, o pri-
moire a acquiescer e0 que taes chapas fossem to-
madas em separado, porque effectivamente esta-
vamin carimbadas, affirmando S. Exc. nessa occa-
silo quo as marcas nao tinham side collocadas
propositalmente ; mas tio procedcntes eram as ra-
z5es que teve a mesa que S. Exc., repito, nao se
oppoz ao procedimento d'ella, neron pedio para que
esses votes fossemn englobados.
0 SR. GoEs -Porque confiava na justiga do tri-
bunal verificador.
0 SR. Jost MARIA-Homem! Essa 6 muito boa!
Confiava na justi9a e nao apresentava defeza ?!
De sort que, com esta theoria do nobre deputado,
o reo, que confiar absolutamente no jury, no tri-
bunal que o tern de julgar, nao dove apresentar
defeza porque confia na justica dos julgadores,
porque tern coma defeza o seu pretendido direito,
embers o jury ignore em que assents esse direito!
(Apartes).


Mas, senhores, eu ainda quero ser benevolente
para corn os nobres deputados : eu lIhes concede,
que sejam despresadas as chapas tomadas em se-
parade e eujos votes cram dados ao Sr. Amaral e
Moello, quando a lei determine que sejam sommia-
dos ; concede que os votes dessas chapas carima-
badas sejam addicionados a vaotasao liquid que
tevc o Sr. Aquiline Porto. Vejam os nobres de-
patadoes come oeu vou fazer concessoes.
0 Sa. DRUMMOND FILHO Depots esbarra-.;eI
n'uma que nao Ihe agrada.
0 SB. OLYMPIO MARqUES Agora eu queoo uma
concessao.
0 SR. JosE MARIA-Qual 6 ?
0 Sn. OLYMPIi MARQUEs-Que venham as aeta;
(Ha outros apartes).
0 SR. JosE MNAIA-0 nobre deputado polo 6,
district censurou a junta apuradora per ter feitoi
a apuracao na ausencia da acts da eleicao proce-
dida no 3o district da Escada. Mas o que devia
fazer a junta apuradora ?
Como ella propria declara na suna acts, reclamou
pW mais de uma vez essa acta, que lhe na o foi
entregue. E 6 precise notar que, embora ahi ob-
tivesse o Sr. Aquilino Porto mais dous votos do
que o Sr. Amaral e Mello, nao foi por culpa nossa
que a acta nao foi apresentada, porque a maria
da mesa do 3o district da Escada, do distrieto de
-Frecheiras, 6 eonservadora.
Houve, 6 certo, tim piano em no se mandair
essa acta, mas esse plano nao fobi nosso.
0o plano era o seguinte : adiar indefinidamente
a apuraao atW occasiao agradavel e econveniente.
Mas, senhores, nao faEmos question d'isto por
que n6s poleremos addicionar a ambos os candi-
dates os votes do teroeiro district da Escada, fi.-
cando assim o Sr. Aquilinmo Porto corn mais es
dous-votes.
O Sn. Daumaoxo-V. Exe. acaba votando pela
emenda do Sr. G6e Cavalcante.
0 SR. EswvloDE OriB.m A-Espere por iste.
0, SB. Jost MABIA-Faz-se, senhores grande ca-
bedal pedindo-se que sejam apresentadas todas as
actas das parochias, dos districtos e das sessoes
do 6" district electoral.
O nobre deputado polo 60 district, qua] batel
desnortedo, vindo de ecachopo em cachopo, quasi
a submergir-sae, procurou esta taboa de salvavao:
engeg, ru ejam alpresentadas as actas, mas por
.xci. ao as trouxe ? (Apartes).
S E para que a present dessas acts, se n6s te-
aoam acta da junta apuradora que o transmump-
Sto& todas as actas do distrieto oleitoral ? E,
Ie-se per em duvida e tes documents, do que
o prsidente da junta apuradora e6 conser-
dier, do plea confiana, tanto qneu hefe &da
locaJidadc...
Um S. DpUTADo-Nio ha tal; 6 um magistra-
S 4o muito honrado.
0 SB. Jost MaA-N. eoton paondo em davida
u hour. do Dr'. 1Mgelafies, ojas 6 carto que, S.
Exe. e hefe do partido e0neervag Us Viebtrao
S que uatlo quer dit W ja, desheo, u t.qu. o
^ T: teoau hshsu a. 1 -11' 111 .*..' ". *'1111.'1.1 ii1


Dix a :act+a ft:" *,
actas reoebides dpfesrfdat cle B] deaftrand
nieaso receber a a d U d" re| ,ta : : jld
apesar de te r requiitado mais de uma vexi a
junta resolve quo erocedesae a apunle que se
fes pela forma gut ..
0 SA. PBESawNmB--B entire 4o nobre dep.-
tado que a hora se approma, pelo qo pe po-lhe
que resume o seu disewso.
0 SB. JJosi MAmIA-Eu vou eoncui. Mas V
Exe. me ha de permittir que terau e a eitiat
d'exte doeumento, certo de que resuminel o mawi
posaivel as comnsideraces que tiver de faer de.

(Continua al er) Coleglo de Bezerroos, bha-
charel Aquilino Gomes'Porto 54 vote, bacharel
Jobo Baptista do Amaral e Meilo 48 votes e 7 em
separado. Collegio de Gravat, taclardAl Aquili-
no Gomes Porto 40, Joao Baptista do Amaral e
Mello 37, e 2 em separado.
Se o nobre deputado quizesse ir tomando nota
d'estes votos, eu ficaria muito grato aS. Exe.
0 Sn. OLYMPIO MABUBs Eu estou tomando


notes.
0 SR. Jost MARIA (continuando a ler)-- 1.0
district da Victoria Amaral e Mello 63 votos e
1 em separado, iquilino Porto 59 ; 2.o distncto,
Aquiline 22, Amaral 20 ; 3.o district, Aquilino
26, Amaral 26 ; 1. district da Escada, Aquilino
66 e 4 em separado, Amaral 45 ; 2.0 diatricto,
Amaral 11, Aquilino 6 e 1 em separado ; 4.0 dis-
trieto, Amaral 49, Aquilino 13. *,,
Bemrn, vejamos agora o resultado.
V. Exc. sommou ?
0 SR. OLYMPIO MAiQUEs-JA tinha sommado.
0 SR. JosE MAxA -Quanto da ?
0 Sn. OLYMPIO MAQUES-286.
0 SR. Jose MABA 286 para o Sr. Aquilino
e para o Sr. Amaral e Mello 299 e 9 em sepa-
rado.
Pois bem, a junta, que foi tomando uma por
urma as votacoes dos diversos collegios, engaaou-
se na somma, acecrescentou 10 votos ao Dr. Aqui-
limo, escrevendo 196 quando a somma exacts a6 186.
0 SB. OLYMPIO MARQUES -Logo ha erro.
0 SR. Jost MARIA -Mas onde o error ?
0 SR. OLYMPIO MABquns--Hei de dizel-o mais
tarde.
0 Sn. Josh MAIxA-As votaCoes parciaes con-
dizem corn as actas que aqui estao ; 6 impossivel
que se tivesse dado a coiacidencia de ter havido o
erro ou engano justamente nas duas que faltam,
alkm de que o nobre deputado polo 6.0 district
sabe de c6r a votaglo de todos os collegios, e nao
teve coragem para affirmar que aquella que da a
acta da apurcaio, referente saos collegios cujas
actas na'o nos foram entregues, nao 6 a mesma
que obtiveram os candidates.
Prow. que as parcellas estao exactas, que con-
dizem corn as aetas dos collegios o facto de nao
ter o Dr..Aquiline Porto protestado, e ell e de-
veria ter lido a acta da apurao cornm o maximo
euidado, cotejando esta corn as parciaes.
0 SR. PRESIDENTE-A hera esta terminada. Ha
um requnerimento de prorogacao sobre a mesa, e
eu pego ao nobre deputado licenca para mandar
lel-o. Queira pois interromper o seu discurso por
alguns minutes.
0 SR. Jost MARIA-Pels nao !
E' lido c sem debate approvado o seguinte re-
querimento :
,( Requeiro prorogacao da hora per 20 minutes
para ser votado o parecer.---Bard-o de Nazareth. ,
0 SR. PESIDENTEr-Pode agora o nobre deputa-
do continuar.
0 SB. Jost MARIA (continuando)-Comprehen-
de o nobre deputado que se tivesse havido erro
nas parcellas, cste teria side faeilmente desco,
berto, e o Sr. Aquiline nao o deixaria passar as-
Sim.
0 Sn. OLYMPIC MARQUEs-Ha erro na somina.
0 Sn. BARAO DAITAPxSSUMA Coma erro na som-
ma ?
0 SR. OLYMPIo MARQUES-V. Exc. verifique.
0 SR. PREsmDETIE -Attenlo I! Quem tern a pa-
lavra 6 o Sr. Dr. Jos6 Maria.
0 SR. Jost MatIA-Se tfivesse havido erro, re-
pito, ter-se-hia reclamado contra elle, e o nobre
candidate nao fez a reclama9So, porque vio que
se havia engano este era a seu favor.
Isto nao quer dizer que S. Exe. tivesse combi-
nado corn o engano, nao. Faco o mais elevado
concerto do illustre Sr. Aquilino Porto, e o julgo
incapaz de tricas semdhantes ; mas ama vez que
o acaso'permittio que houvesse um engano, sonde
este a seu favor, S. Exc. nao reclamou...
0 SR. OLYMPIO MABqUs-Nao apoiado.
0 SB. FALclo-Apoiadiswimo.
0 SB. Joe -. w no que fez muito bern,
poih nbo devia 5. Exe. accusar-se a si mesmo, ser
o primeiro a levantar a lebre.
0 SR. OLYMPIO MOnqUES d& um aparte.
0 SR. Jost MABIA-JA que Vv. Exes. insisted
corn tamanho ardor sobre este ponto, eu vou con-
tar, Srs. deputados, o que se deu por occasion de
se reunir a junta.
0 SR. ROSA E SILVA-Vamos a demonstraAeo.
0 SR. JosE MABI-Tenha a bondade de ouvir-
me.
No dia designado para a junta reunir-se eom-
pareceu o meun amigo o Sr. Dr. BeltrAo A cidade
da Victoria pars asistir e fiscaisar os trabalhos
d'aquella junta por parte do'candidato sen amigo.
A junta nao reuno-se porque estava deliberada
a fazel-o na ausencia de tod. aquelle que podesse
enxergar um poueco, e impedir que sefizesae .quil-
lo que em liuguagem vulgar se chuma- u--s
branquinha. (Riso) Convocada a 2a vez a mesma
cousa se reproduzi6, at6 que da 3s vez a muita
instancia do Sr. Dr. Belt-b rounio-se alinal.
A razao qae so apresentpva de s3o se enir a
junta, era a falta da acts d o3 district da Es-
cada, que tinha sido guardada propositaimente,
com maior do eupada (rise), pois a enosa desse
district 6 em sun maioria conservadora..
Eis porque esta acta nao foi apreseantada, eis
porque nao foibsommado,-eip poqnue no a rosent-
tonim pars aqui. -: :: ;1- 1:. 1 111 1 "
A vasta, perem, daisiseni do e Sr Dt.el-,

Levia doe'nnitlvapinet. us reunmir epoeee
ra-


ant~houticsa, o mewmo Sr. Dr. jail do direito so-
cordou em quo a sej reuws. o que S0S'e
den 1 u a; .. **^ *1'/
O' n.0M qu." +* O&Ie
86 fui o


claraeo jurada sob pena de eonfesso foi julgado
tal a revelia, sendo digno de notes que a citaglo
foi intimada nao por um official de justica, mas
pelo proprio esenvao do juizo.
A gravidade desta infracaoeeta na razio da
commodidade que prwporciona aos abusos o pro-
dominio injusto das mesa de que o 0velho syste-
ma eleitoral nos deixou as mas dolorosas recor-
Cotra o disposto no 21 do artigo citado o
proteato apresotado pelo capital Francisco Tei-
xeira d Macedo, de que faz meneo a acts fISo
volei appensado a authentica da eleiclo. que reoe-
ben esta Assemblanem tao pounce a authentica
remettida a junta apuradoram, em euja acts se 16:
0 protosto de qae traeta axithentica do eoUe
% le de IBor Cselko apresentado pelo capit-
SFancio Teiea de M cedo no vio appen-
Sado*nuamnaau-entica.
E"nma Uifeauta &m a deete vicio tanto mais
quanto o prote*nte nilo A um shuplof eleitor,
ma8.figMii U& t Se" Udsgsisao da mesa como


o se pode pro-


Ww4 piia o iuemfmieparado e

MwM vepan veneer
r0, 84 Iswtiwuho nae
will IUIMI tIonqe njoeneouer,'%per

Em vista, j*aSenhw ta "posigAo franca, as-
oute em.n bases-olam. em argumentos irrefaita-
I V"1 4cmjpiov"AR, bver u neata eam
algemd'entreao qai se aasente corn m)nais
direito, que teula lido entrada por ports ma's
lara, maisespa~osa do que o meu ilustre e res-
6 el zmgSr, Dr. A ral e Mello ? (_uiteo
bem) enhum In Nenhuna eleico 6 mais legi-
0 B. OIlxo MAuquz-- Nao contest, mas
vam vesvrfiern.
0 SR. Jost MAA- ..6. mais real, 6 mais
verdadeira doqw a delle, que dove orgallar-se
de ser represettante livre de um districto livre,
como ea me orgalbo de sel-o. (Muito bern)
0 SB. Oywmo KiWuus-Isto todos n6s omos.
0 &. Jos* MhArA- N'estas condig6es, senho-
res, nao pode a bancada conservadora inaistir em
querer incrimiaar de nullidade o diploma do Sr.
Amaral e Mello.
Tenho concluido. (Muito bern; muito bemn.)
(Continna.)

1881-PARECER N. 19
A commission de constituigo e poderes vem com-
pletar o son trabalho sobre o 110 district dando
parecer sobre as eleic5es das freguezias de Jesus,
Maria e Jos6 de Papacaa e Nossa Sanhora da
Conceieo de Pedra.
A Papacaca
A eleico da freguezia de Jesus, Maria e Jos6
de Papacaca 6 eivada de tantos vicios que nao
pode ser aceita para fundar o mandate de repre-
sentante da provineia. I
Contra a imperative disposico do 15 do art.
15 da lei 3,029 os trabalhos eleitoraes comegaram
as 10 horas do dia, 0 que consta da propria acta
da eleicao. E' um vicmio gravissimo. 0 legislator
consider tio important a questio da hora de co-
meWo doa trabalhos, que permittindo, case nao te-
aha side possivel fazel-o de vespera, que a mesa
se organise no dia da eleicao no 13 do art. 15
terminantemente prohibe que o process de orga-
nisagio centre pela hora marcada para o cmneto
dos trabalhos eleitoraes; ainda mesnmo que deixe
de haver eleicVio na parochia, district ou secto
Art. 15 13 da lei 3,029 :-r Quando na ves-
pera, ou nio send pmssivel, no dia da eleicao
(, at a hora marcada para comnco dos trabalhos,
a nao se poder installar a mesa eleitoral, nao ha-
o vera eleicgo na parochial, district ou secavo.
Se um motivo tao grave nao justifica ante a lei
o adiamente da eleicao, 6 inteiramente inaceita-
vel urma eleicao em que o retardamento s6 tern-per
motive o arbitrio dos mesarios e a falta de respei-
to a lei.
Nao consta que fosse cumprida a disposic'o do
artigo citado 4o que determine que o lugar onde
dover funecionar a mesa da assemble eleitoral
sera separado per ama divisao do recinto da mes-
ma assemblea de mode que nao se impossibilite
aos cleiteres a inspeceao e fisealisaao dos traba-
lhos.
Falta que a commissao reputa grave sempre que
nao tiver a attenuante ou o corrective do 16 do
mesmo artigo, e, na "hypothese, v8-se da acta da
organisacgio da mesa que o candidate Dr. Maxi-
miano Francisco Duarte que apresentou uma re-
clamasao e igualmente o candidate Dr. Antonio
Francisco Correia de Araujo nao tiveram fiscaes
na mesa que salvaguardassem sens direito3.
Fazendo mene-o da hora em que comerou, a acts
nio diz a que hliora terminou a eleicao.
Entretanto a lei electoral no art. 15, tractando
de reg4Jar a eleicao e prescrevendo que a a elei-
cao comegarA e terminara no mesmo dia no seu
primeiro paragrapho eneareceu o apreco que o le-
gislador Ca a esta exigencia. Secundando o pen-
samento da lei, o regulamento eleitoral precisa a
hera em que deverA terminal a eleigao.
SAo exigencias de tanto valor que na imnpossibi-
lidade de sua satisfagio a lei prefer que deixe do
haver eleiao na parochia, district ou secqio.'
E' pois manifesta a gravidade da falta de de-
claraeao da hera em que terminou o process elei-
toral, sobretudo attenndendo-se a facilidade corn
que a mesa respectiva desrespeiton a disposicao
legal quant a hora de comecar.
Tendo principiado os trabalhos As 10 horas do
dia nao os teria a mesa terminade as 8 da noite ?
Feito o celculo comparative entire o numero de
eleitores que compareceram e a votacbo obtida pe-
los diversos candidates e o dos eleitores que nao
comparecerom a ehamada, verifica-se a difference
de um veto para e qual nao hana actaexplicacao.
Este facto, quo per si s6 nie teria grande alcan-
ce ligado a tantos outros faz salient quante foi
tumultuario o process da eleicao.
EstA provado que foi infringida~a disposico do
art. f1i 5 18 votando quasi todos os cidadbos sem
exhibirem os devidos titulos pelo simples conhe-
cirnento possoal di moesa anvonada assimn, contra a
terminante disposiclo da lei, em tribunal de reco-
nheqeaento da identidade de pessoa do eleitor.
Alem de urna justifieacbo prestada em juizo, o
proprio lO juiz de paz, president da m sa Candi-
do Carlos da Costa Villela, citado para uma de-


gislativa Provincial o Dr. Maximiano Francisco
uarte.
Sala das commissoes, 7 de marco de 1884.==
Je4s Maria de Albuquerqae Mello. -Dr. Francis-
co da Cunha Beltrdo. Francisco de Arruda
Falcdo.



REVISTA DIAR1A

AemSl.6a ?rtwvtl -. Funiccienou
houtem sob a presidencia& do J Sr. BarAo de
Itapissuma, Iavendo comparecido 30 Sra. depu-
tados.
Lida a aita da sesao autecedente, Atpi ap-
provada, tendo orado o Sr. Olympio Marqu4e que
declarou ter pedido que o project n. 6, qo n a
vespera apresentara, fosse remettido a commisso

d r. 1 seretaio procedeu ieitura do s e-
guinUte expediente: .


AManoel
do aMa I


umwou pra quu ia sl luwu awo uw 9- pa
cer a. 18, da mesa eemmiss4 obre o recohs-
dwento do -Sr. Dr. Amaw Joaqai. Yoswa de
entroaAdbuquerque, como deputuad pelo 110 dis-
trieto, em diseusgSo o referido precer.
Pepqis de orarom os SrA Olympio *arques, que
envioa iimesa um requerimento da adiameato, a6
ser impress no journal da casa a reeluaao do
Sr. Dr. Maxlunimano FranciscoDuarte, Joo Ang-
to, Ni. de" Miranda, Meira de VaswonceUos dLaI
vezes, enviandoum requerimento de adiamento da
votaglo at6 a public*s 9o dos documents, nao foi
aceito pela mesa, Fisl Grangeiro e Luua FPeire
Junior, e pela ordem o6 Sr. GWes Cavaleante, fi
encerrada a discussao.
Rejeitado o requerimento de adiamento, onti-
nuou a discussao do parecer; ficando adiado pela
hora depois de o discutir o Sr. Olympio Marqaos,
nao se votando por falta de numero um requeri-
monte de prrogagio per 60 minutes, apreseatado
polo Sr. Joo Augusto.
A ordem do dia 6 a continuaglo da antecedente.
Aunaridades polictae.- Por aetoa da
Presidencia da provincia, de 5 e 6 do corrente, o
sob proposta do Dr. chefe de policia:
SForam exonerados :
Joaquim Manoel da Silva Filho, do cargo de 2o
supplente do subdelegado do 10 district do termo
de Santo Antio;
Jeronymo Alves Varella, do cargo de I* sup-
plente do subdelegade do 3' district do memo
termo d 0
Manoel Constantino da Silva, do cargo de 10
supplente do subdelegado do 2- district do term
de Barreiros;
Jos6 Austriclinio de Souza, do cargo de 1 sup-
plente do subdelegado do 1 district de Barreiros,
per se ter mudado.
Foram nomeados:
20 Supplente do subdelegado do 0lo district do
term de Santo Antio, o tenente Manoel Fraslo
Nunes d'Alencar;
10 Supplente do subdelegado do 30 district do
mesmo term, o alferes Jolo Fernandes da Silva
Barbosa;
10 Supplente do subdelegado do lo1 distrieto do
termo de Barreiros, Manod'Leoncio de Mello;
1P Supplente do subdelegado do 2- district do
mesmo term, Eudoxio Ascendino d'Almeida Pes-
sea;
Subdelegado do 1o district de Barreiros, vago
per ter side nomeado o alferes Manoel Gabino da
Silva, delegado do termo de S. Bento, o alferes do
Corpo de Policia, Joaquim Servulo Vieira da Paz.
Embarquie.-Seguio hontem para a corte o
Exm. Sr. senator Luiz Felippe de Souza Leao,
sondo acompanhado atW o caes do embarque per
crescido numero de amigos c correligionarios.
Qu6da fatal.- Ante-hontem a noite, des-
condo as escadas do predio em que residia, a run
da Imperatriz, cahio Jose Maria Goncalves Vicira
Guimaraes, negociante estabelecido na mesma
run, e poucas horns depois falleceu em consequen-
cia da forte commocao recebida.
Era home maior de 60 annos e abastado.


Umaaprova circumstantial veto ainda eorrobo-
rar o pensamento da commislo.
As asuignaturas doa eleitores constituem urma
pea distincta da acts da eleico, lavrada mesmo
eim liv different, na forms do art. 15 19 part
.U da lei citada: devendo vir, portanto, na an-
thentiea, on antes, ou em seguida, a acta da eleigao
propriamente dita. *
9a ataentica offerecida pela mesa de Papaca-
9a, por6m, vem a c6pia das assignaturaa dos elei-
tores intercalada no final da acta, antes da assig-
naturarda mesa, de modo que nio havendo gran-
do attenoo, o leitor se iude, suppondo ser ji esta,
seguida da assignatura dos eleitores quo o quize
ram fazer como faculta o 20 do artigo citado.
Para mais aggravar o engano v6m em primeiro
lugar mencionados o6 nomes do president e mem-
bros da mesa corn as respectivas declarag5es de
Beus cargo.
Parece tanto isto um ardil adrede armado ao lei-
tor que a commiselo no intent d- o fazer patent,
a Assemblha pede permisso para insistir repetin-
do nos proprios terms em que 6 feito.
Depois de completar a relaoo de todo o pro-
cesso da eleicao diz a acta : o E present o ta-
belliLo Luiz Antonio Cordeiro para trasladal-a no
livro de notas, assignaram-n a o president da
mesa, os quatro mesarios e os fiscaes-C-andldo
Carlos da Costa Vilella presidente.-Antonio Pin-
to' de Miranda, mesario.-Francisco Tenorio de
Macedo.-Candido Tenorio Villa-Nova, mesario.
-Laurindo Pinto de Miranda Seabra, mesario.
Seguem-se 164 nomes proprios, depoisdos quaes
vem a assignatura da mesa em que figure Jobo
Correia dos Santos Rocha Gico.
Tudo isto Itraz a evidencia de que a mesa que
presidio a eleigio de Papaeaya esta comprehendi-
da na disposicao do art. 15 12 e a respective
authentic condemnada pelo art. 18 no principio
que prescreve que : na apuragao a junta se limi-
tarA a sommar os votos mencionados nas diffe-
rentes authenticas, attendendo s6mente as das
a eleig6es feitas perante mesas organisadas pela
Sf6rma determinada nos 7 a 11 do art. 15.
A junta apuradora procedeu, pois, arbitraria-
mente e contra a lei express sommando os votes
desta eleica.o que devem sert postos A. margem pa-
ra que seja restabelecida a disposi 'o da lei.
Pedra
Da freguezia de Nossa Senhora da Concelao
da Pedra foi remettida a Assemblea e present a
corn missao uma c6pia de acta que nao estando con-
ferida e concertada na f6rma do 22 do art. 15
nao p6de ser considerada authentic.
. Nestas condic5es a comamissao appellou para a
acta da junta apuradora do district que para
cumprimento de sou encargo de via ter recebido
tambem authentic da eleigao e vindo esta regu-
lar o mal estaria sanado.
Na acta da apuracao geral, porem, encontrou
a commis3aQ a declaragao scguinte : Veri-
a ficoe ainda a mesma junta queo a authentic da
eleicae do collegio da Pedra nilo foi conferida e
Sconeertada pelo respective escrivao ).
Neom ao menos, 6 respective president da mesa
Clementino Alves do Siqueira Cavalcante compa-
receu a junta apuradora quo podesse ter ministra-
do informa5es a respeito.
Em tat case, nao podia a junta apuradora som-
mar os votes da pretensa authentic que tao pou-
co p6de merecer a attencao desta Assemblea.
0 art. 18 da lei citada em principio diz : A
esta apura9io se procederA pelas authenticas
Sdas actas d'aquelias eleic5es .. E o 22 do
art. 15 define o que seja authentic no3 terms :
, A mesa fara extrahir tres c6pias da referida
Sacta e das assignaturas dos eleitores no livro de
que trata o 19, send as ditas c6pias assigna-
, das per ella e concertadas per tabellide oe es-
Scrivao de paz ..
9 0 20 do mesmo artigo na sun segunda part
determine : c A mesma acts serA transcript no
Slivro de notas do tabellibo ou escrivgo de paz c
, assignada pela mesa e olcitores que o qui-
& zerem ).
Esta transcripeao no livro de notas C essential
e constitute o instrunmento publieo da eleicao, que
em face da nova reform ficou assin sondo d'a-
quelles actos quo demandam escriptura public. E
diante da junta apurladora e do powder verificador
s6 se p6de provar este requisite polo concerto do
tabelliao ou escrivao de paz, que fez a trauscrip-
cao e deverA para c-neertar a copia confrontar
unia e outra.
Dest'arte excluidos os votes das parochias de
Nossa Senhora da Coneeicao da Pedra e Jesus
Maria e Jos6 de Papacana tern o Dr. Maximiano
Francisco Duarte : em Correntes 16 votes ; no
Buique 31 ; em Garanhuns 55 ; em Aguas-Bellas
7 ; ao todo 105 votes.
Tern o Dr. Antonio Francisco Correia de Arau-
jo :em Correntes 28 votes; no Buique 31; em
AguasBellas nenhum ;em Garanhuns 56 que pro-
fazem o total de 102 votes.
Tern o Dr. Sofronio Eutiquiano da Paz Portel-
la : em Aguas-Bellas 75 votes; ernGarauhuns 2;
em Correntes 1; no Buique nenhum; ao todo 78
votos. Polo que a commias~o e de parecer que se-
jam adoptadas as seguintes conelusoes :
1.' Deduzam-se dos candidates do 11 distric-
to eleitoral os votos sommados indebitamente pe-
la junta apuradora come obtidos nas freguezias
de Nossa Senhora da Conceicao da Pedra e Jesus
Maria e Jose de Papacaca.
2.a E' recenhecido membro da Assemblea Le-


IA


ore des depuiie&-j4 &Menim |IM | fr'^ B
UL. Wiener.-IA ftevie 4 e
chenins de for.-La dobun. Mt -
AILL Mou enuma&-Le -~ Tc AMespr-l
J. Santa Am& eqy.4Soedud L -Atif.t
can; el waivers d arO
rierd'Ajn6riqew.-Bevue XxM .-AM
nanci6re.-Revue C680rncrciaia.-A u-rm.#
faits divers.-Mouveaet maut u .-AuM .
On. 7,de14121 do ir s d&LCw-
rier Ineme i: ow n i--io:
A nos lecteura et abo- ms-Lf e p
Janeiro.-A as enfi de I&. pie m
se et 6trang6re.-Exposit i
tionale de Rio de Jaaro-.t li
-Le couton et a cue Ai m umsat
rier de l'Am6rique haiue.-L'Itli &amu
Acts officiels.-La Bruit de P-duA-A I
le. monde.-Les Foe de i kmi S P
Un groM sandale.-OMriw deLftssttim dV
CourTier de Nice-Expo4iti1.-L. s
no-Ameicaines.-Ao Tadki..-O m r d'E .
-Aden--Le T'm,.-Vournl d'tlfie.-Usoster
scientifique.-Cofrtier agri-eol- i EM
rai.-Petites novee-III.-Pr res IIIIId161
tions.-Nouveiles des th6tres.-Revue fu i,.
CluI 3irb/leta.-Hoj, 6 1/2 hra. b
tarde, ha seas neate club, pma tretar-se &a -I
formal dos respectivos estatutos.
Propagad r e Iwo" da *4i 6op.
;la.-E' amanhi7 is 5 borns da tarde, qwe sa p
sao de assemble geral desta sociedade pan e I*
do donovo conaselho.
Cavallelres da Crus.-A's 10 kome
dia de amanha ha sesao deta usoeiedade pma
eleicao da nova directoria.
Proestclie.-Amanh, As 4 rham da tardN
irmxnndade de Nossa Senhora da Solede, er
na igreja do Livramento, expie em sleamue p
cissio a imagem do Senhor Bown Jesus Prese e i
tras analogas. A procisdo percoererA as s* @pl
tes ruas: Livramento, Duque de Caxias, traive
do Collegio para rua do Itperador, travemls
S. Francisco, rua do Duque de Caxias, a eatrar n
run estreita do Rosario e dista para a largi dL
Rosario, Cabugi, Ba o da Victoria, Coaeordiu,
Bartholomeu, Palma, Flores, Camb6a do CanrmN,
largo do mesmo, Coronel Suassuna, rua de Vidal
de Negreires, Cinco Pontas, Marcili,, l)ias, tra-
vessa da Penha, largo da mesmna, Rang-l.
Falminados pelo ralo.-Muadaram di-
zcr da cidade da Victoria, em 5 do eorrente, a
Jornal do Recite:
c Aproveitando um port:ilor que neste oxmeat- 49
segue para essa cidade. comn:nunicamos-lhe o se-
guinte lamcntavcel acont.'eiincnto, qu4 nf;tl d,'.re-
vemos minuciosami ntc Ai idtia de informase s eom-
plctas:
o Hontom. no engenho Ribeirao, desta comarc,
a duas leftufis da cidade, trabalhiavain no cnwn
diversas pcssoa, iuaiudo ap'4s fortissima trovroala
cahio uim r. io, matanlo iustantaujineincte doS
homes e deixando scm fall e m perigo de vida
dous outros.
Xo .nos recordamnos de que ji sc tcnia dade4
agui facto idcntico.
SApparccin de coutihno no e<'o siz.naeas .
cliuvas; cntretanto estas uito chcgain por cA e
falta minuito scnsivQl. ,
Infanteeidio. Tambem maiadaram diaw
de Bomrn Jardiin A refcrida fullia:
A popula;o da nova freguczi doSen
acaba de s'r sorpreliendida pxr uni crime I'-
roroso, fria e calculadauinte1 pasto em pratiea p"s
scus hodiondos autorcs!'
,, Foi o case que umnita nmoa, dole ncme Maria da
Coneeiiao, filha de Joo Franciseo d- Lima, A6
entao reputada honesta, ach.indo-se g'avida, det
A luz a uma crianca, na noite do dia 25 do m6u do
fevcreoiro ultimo.
cc Joio Francisco e sun mulher Autonia de tal,
considerando-se offcnudidos in sun houra pIor em
infcliz dcsvio de sua fiiha, proeurarain, desde que
ella sc apresentou ncsse eitado. fazel-a ab)rtar.
a Par.t iso censeguircm, (obrigariun-n'a a to-
mar remedies gastricos. coro, fumsec ehwinhe
outros ingredientce, nio nmn ]perig, o s.
Nada, poremn. obtendco o- desnatunrads pd
corn csses mncios indirectos. form a:l lanvru. iS
do assassinate!
Horror!
SE assim foi que, quittro dbis vatcs d., dar a
mora th luz, fizeram abrir p)r trmz de stta easa umr
pequena ecva.
Causando isto especi' ao cidadao Carlos Joe
da Silva, que jA andav;i na pista dc--.? trama infer-
nal, teve a idea de ir algus dias depois, no dii *1,
examinar aquelle sinistro lugar. Mas qauil ni
foi o seu espanto quando verificcou achar-se a cdvi
hermeticamentc fechada!!
,, Crescendo de ponto a sun curiosidado. revolve
a terra e depara corn mn quadro borripiUaite -
uma crianca corn o ranceo esrnigalhado!!' ..,.
A noticia desse crime monstruoso eorret rt a
pida como um relamnpago. Entao, o povo era ins;-
sa, pondo a easa dos assassins debaixo de ri- s.ll
goroso cerco, expede aviso ao subdeleogdo Ant, tie
Christovao, que nao se fez esperam no theatre do '.|
delictuoso acontecimento. 1",:^1
A moca, sendo interrogada, tude co ufesfrs a 1
essay autoridade, narrando corn a maxima fidelidads -
os criminosos projeetos de seas rai ate a eota m -
mecao desse crime horrendo.
,, Presos assim os criminosos, o subdelude -


fel-os apreaentar ao delegado de policia Cirs;,
Leitao. Esta autoridade, por&n, usanido do sm ?
poder discricionario, pue os criminal em libar-
dade!!!
Dibllotieca do Club Carl. 4 o GM"
-Frequentaram este mez 209 pessoa : aahira|
para leitura dos soeios 60 obras em 97 volues,
receben as segnintes offertas :
Pelo socio Manodel Coelho doe es, oIyl& 4 *
bellas artes, por Ayrea Gamn,a 1 voL
Poleo mo TAhome Ribeiro, Sonhos e Retlkade,
por DuarteFilho, 1 vol.; II aertao lida o Con-
gresso Pedaggico Inteciomnal, por Abio Ce-|
sar Borges, I folh.; COferefue Piie 1. 1 I
folh.; idna i dem sobre lies de commas, I f
0 Mmqwesde PomnbalporAAntoBi Sousa Fub-
to, 1 vol.
Peloeocis(AugtBrsgalalnuaMuE, pecX-r
geni Marques de Hollaada, 1 folk. -
SPolo soeio Euclides da Fouseca, Le Curoet p
de L'Opera, por Th. de LAjarte, 1 voL
Pelo socio Adolpho Gueds Aluforado, e
annos dojornal A Arte.
Pelo soc JoeL Maria di Co.(at P
cripcoes Diocesana, doIMan.. 1J,"e
Silva BarneloV.; Espn ..
~:~raN 1:% aLjrI OsvmAWVs% VW
Catroei A. I wi.,0 B ^*pi
P40 quarilh a sd &U onpOBa< i~t"t~d

Polomoe.i J066 Fearmira PiAt a1h^s;
I~i& farnia do baosp
Epoea: d~ca

p1bn B4r* ArrwmA Lmd 0 "
9 w-N 0Bkmpov 0 ^ 0 11rP% b


Facaldalade de Direito.-Scrbo chaman-
dos hoje Ao exames do curso do dircito:
2.0 anno
Elpidio de Abreu e Lima Figueredo.
Benicio Nelson Fernandes da Cunha Mello.
Antonio Roxo Lima.
Joaquim Velloso Freire.
Francisco Silverio de Farias.
Alfredo Odilon Silvcrio Coelho.
Comeqarbo A 11 horas da manha.
3.0 anno
Manoel Ubaldino Nascimento de Assis.
Trasibulo Teixeira Pallia.
Marico Catunda.
Francisco Xivicr dos Reis Carvalho.
Silvcrio Tertuliano de Almeida Lins.
Joaquim Alves de Souza Carvalho.
Comegarao As 9 horas da manha.
4.0 anno
Estevao de Sb Cavalcante de Albuquerque.
Antonio Filemon Gonaalves Torres.
Torquato Boptista de Figueiredo.
Olavo Graciliano do Mattos.
Raymundo Ignacio da Silva.
Alvaro Ferreira de Souza Mendes.
Comnoarao ao mcio dia.
Eis o resultado dos exams de houtem:
Historia
Jorge Goinms de Mattos, picnamente.
Lourenco de Moracs Freitas Barbosa, idem.
Pauline Jolo de Souza Mello, idem
Jos6 Joaquim dc Moracs Sarmnento, approvado.
Pedro Secundino de Souza Landimn, idem.
Jose Victorino Domningues Alves Maia, idem.
Americo Villela Ribeiro do Lago, idem.
Levantou-se da prova escripta 1
Provas nullas 2
Ser'o chamados A exame de:
Arithmetics
Samuel Ramos de Farias.
Salustiano Luiz de Franca.
Silvestre Dantas de Albuquerque Lima.
Trajano de Mourn Gondim.
Antonio Jos6 de Mello Souza Filho.
Arthur Barrette da Rocha Liuns.
Bianor eo Oliveira.
Christiano da Gama Lobe Filho.
Deoclecio Fabioe da Silva Rego.
Eduardo Eugeniano Dantas Barroca.
Ismael Evaristo da Cruz Gouveia.
Joao Baptista de Miranda Souza Gomes.
Vapor lManos-Chegou hontem da Europa
este vapor, mandado construir na Europa pars a
Companhia Brasileira de Ppquetes a Vapor. E'
um vase lindissimo. que foi feito A capricho, e tern
em si muitos commodes e grande melhoramentos.
Vale apena ir visital-o.
Vapor Flnance-Este vapor americano,
entrado hoatem do norte, sahe para o sul hoje, ao
meio dia em ponto.
Dazar de prendas-Amanha, A tarde, rea-
lisa-so em Olinda o bazar de prendas em beneficio
dos pobres I cargo da conferencia de S. Salvador.
ComearA a fumccionar o bazer As 4 horas, no pa-
teo do Carmo, sendo alni memo vendidos os bilhe-
tes e pages os respletivos premios. Os que porem
nMo forem tecla immediatamente, serlo de-
pois eatregues 3 80 dias subsequentes, em caq&
do prqodente dia comissao, no predio n. 10 da iu
do Pono Sejro.
A festa annuneia-se corn certos attractivo4,o e o
fim A que se destina o seu'producto no pdde ser
maio tgoritorio.
Priuexeo Atlas d erRl-Recebemos de
SParis um exemplar do Peqlmo Atlas Geral para
0wo dos co"e00 io" approvado pelo consoeho de Ins-
trucc.o Pubfica da corte, e eontendo os 11 segun-
te. s mappas: Mappa M Syria, Palestina, ei-
node David e &1lno, Europa, Asia, Africa,
America, Oceania Portugal e suas colonial e in-
perio do BrasiL
E' uma nova edigio nitidamente imprensa, endo
.os mappas gravados em acoq&
Nhw trau*ta-0 pOaSer levon brn-I
Stm PAM .AW a taouxo '.do 20 Wwars

Bav trou.do......r


I


cdoso c'

















pth iineeimao emtido de teruinar corn eateM s M .


S -.827 40.000 18.100 2.500
_: ... 19 U 1 .900
6 .47 20.000 21.47 2.500
22.228 2.500
.5.265 10.000 23.684 2.500
24.326 2.500
S 246 2.500 24.484 2.500
S.521 2.500 25:607 2.500
t.427 2.500 26.464 2.500
IS .985 '2.500
.415 2.500 9.636 2.000
.735 2.500 9.638 2.000
4.395 2.500 11.326 1.500
t 5.065 2.500 11.328 1.500
S Gemen aimeatlelen Pelo. vapos
.CaUmwder, Niyer eeB ee po navion
are., Rluiraeo eLie H, Voiera paia o mereade
&i Recife : as2#140 aceos.; ameoixas, 21 eai-
-asu; aseite doe liveira, 131 caixas e 15 qmuinta;
smeitonas, 7 cakas; batats, 30 eaixms; bacalhae,
44 caixas, 3250 barricas e 500 meias; bisatos,
0 eaixas; oaf,30 saccos; care, 2 caixas; eabc-
las, 389 caixas; cerveja, 41 caixas e 200 barri-
eas; cevada,.20 barrisB ; eha, 16 grades e 1 vo-,
')nme: cidra, 30 cgixas 4 cognac, 75 caixas ; co-
0ninhos, 2 sacoos; conservess, 122 caixas; doces, 4
'itas; ervilhas, 5 tlitas; farhiha de trigo, 1900
Iwricas; feijao, 397 saccos; genebra, 100 caixas;
iao de bico, 2 sac'os; licores, 28 caixas; mas-
as alimentares, 4 ditas; nezes, passes, 11 ditas;
jimenta, 25 saecos; presuntos, 7 caixas ; provi-
Mles, 10 ditas; queijos, 1 caixa e 1 tina ; salame,
S-g ixas : sardinhas, 33 barrios e 30 caixas ; vina-
-gre, 16 quintos ; vinho, 82 pipas, 191 quintos, 60
larris e 280 caixas; xarque, 322:526 kilogram-
Jnas.
Leilles-Effectuar-se-hMo
Hoje:
Pelo agenie Burlamaqai, As 11 horas, nas ceasas
ns. 23 e 30' a rua de D. Maria Cesar, da padaria e
.aroefmnacio ahi existentes.
Segunda-feira :
Pdlo agente Guanao, L4 11 boras, no oit-o da
matriz de Santo Antonio n. IS, de movcis, espc-
]hos, louca e vidros.
Pelo agent Alf'redo Guimarnes, As 11 horas, A
=ua do Born Jesus n. 51, de relogios c outros ob-
,jectos.
-Terva-feira:
Pelo ageite Gusmdo, As 11 horis,, na rum do(10
Born Jesus n. 51, de objectos de marmore, alabas-
fro e carbonato.
Misas flunebres-Serao celebradas:
Sequnda-feira: As 8 horas, na matriz da
Boa-Vista, por alma do Dr. Joio Tlion6 da
Silva; As 8 horai, na matriz de Palmares, por
alma de Bernirdo dtie Souza Leao Filho.
Trca-feira: as 7 horas, na igreja do Li-
vramento, por alma de D. Adelina Maria Soares
Aa Silva.
Natadouro publico.-Foram abatidas
nf-Matadouro Publicoda Cabanga para o consu-
me public do dia 8 do coiTente, 73 rezes.
Loteria do Rio de Janeiro-A lotoeria
n. 334 B, do Rio, de .20:000O00 serA estrahlida
hoje, 8 do corrente. Biihetes A venda na Casa
da Fortuna, rua 10 de Marqo n. 23.
Passageirow-Sahidos para os portos do
norte no vapor national Gequid :
Pedro Calabia, Dr. Jos6 P. do R. Barros e 1
criado, Germano Antonio Machado e sua seuhora,
Manoel Rego, I Or. Manoel Jose do M. Costa, Bem-
jarnim Antunes, Bemcjamim F. Pedroza, Dr. Ma-
noel de Carvalho Souza,, Joao Olympio da Cu-
nha, Joao E. Barbosa, Umbclino do Mcllo, Joao
D. da SdIva, Antonio G. da Cunha e Maria da
Corceioo.
Sahidos para a Europa no vapor francez
Ville de Ceard:
Joao de 0. Leite e Souza, Joaquim Duarte
Campos sua senhora e 1 creado, Paul Guntz.
Loteria da provincia Segunda-feira,
10 do corrente, serA exstrahida a loteria 19.', em
beneficio das eseilas primarias de Instrucqvo Pu-
.blies, no eonsistorio da igreja de Nossa Senhora
da Conceiiqo dos Militares, onde se aeharlo ex-
postas as urnas e espheras arrumadas em ordem
numeric A apreciaco do public.
eCana de Detencio.-Movimento dos pre-
m os no dia 6 do corrente:
Ez. Eistiam press 273, entraram 7, sahiram 11,
eistem 269, a saber: nacionaes 238, mulheres
7, estrangeiros 7, esoraves 17.-Total 269.


COIIERCIO


\ Praga do Recife, I de mareo
de iSS4
As trees horas dca tarde
CotagOes officiaes
'RNo houve cotaqilo.
F J. de Oliveira Rodrigues,
President.
A. M. Amorim Junior.
Secretario.


RENDIMENTOS
Mez de marco
ALADEOQA=De 1 a 6
Idem de 7


cZBBEBnoiA=-De 1 a 6
Idem de 7


isuoLADo PRovsmc.-L-De 1 a 6
Idem de 7


aci DAXmmAG--DI a 6
, Idem de 7


PUBLICOS
de 1884
227:299A093
41:215A789
268:514,882
15:2650778
5:329,564


20:5955342
22:9635880
3:0925315
25:996A195
20:4165433
8:7935559
24:2091992


.-:'- DESPACHOS DE IMPORTAQ&AO
wo ingles Commander, entrado de Lyverpool
,i-TiMos em 6 do corrente, e consignado a Samn-
Brother &C., Manfstou:
.' :-.. SO0 'r de de -rp
;' JSrou8 seea~ewdIa lOaJeoo..deAl-
*07 ,||d 100-~R~atbae RibeiW NmoW Onmariages
a^, l ooe do Msoe4o 50 a Fiaga Roeha & C,140
fIrm2& Aleado 40 baris i or-
Am. Amotras vlunBum a ilverme. Aresm de
a r 50 Bfeixes a W. Hmlliday& AC. Ao.e-
+ *^ d s Anoio D. C. Viana. A'm
I Ji caxas ordbm. Agna i 12 ba-
2*5 A W&.
Marm demtr 3 a Ferei Gnip ses & C.,
..4 3 tMa a Cmdni& mI5'Ma e15s 6 a -
L.P. llkll Je C., 109 e 60 a .W, HSW. daW
SSSSSS lldl Bu iia0 tato a ff'tS &
ySHSftyy-i10 d p"rir Oambam f C.-
49. Aratip 4Ue ux 4
40. o"S J. Z. A '


,&OCali
-*l! A. '


. .. I .- .. .. -^ ,-. -


Domingos Ferreira da Silva & U. Uevada 20
barricas a Soares de Amaral & Irmlos. Couros
1 caixa a H Nuesch & C. Cobre 29 volumes a
Ferreira GuimariLes & C., 1 a Beltrao & Costa.
Conservas 5 caixas a Snulzr & Kcechlin.
Drogas 2 caixas a Francisco Manoel da Silva
&C.
Estdpa 50 fardos a ordem, 35 a Olinto, Jardim
& C., 10 a Gonvalves Irmlos & C., 4 a Gomes de
Mattes Irmnnios, 2 a Andrade Lopes & C. Esta-
nho 5 cunhetes a Francisco Laurieo. Enxadas 8
barricas a Samuel P. Johnston & C., 4 a Ante-
nie Rodrigues de Souza & C. Elastico 1 caixa a
Parent Vianna & C.
Flores artificiaes 1 Icaixa a Adolpho & Fer-
rso. Fie 6 fardos a W. Halliday & C., 2 a Go-
mes de Mattes Irmilos. Feltro 1 volume a Beltrio
& Costa. Folhas de ferro 54 a Ferreira Guima-
rues & C. Ferragehs 57 volumes sos mesmos, 11
a Jacintho de Azevedo & C., 41 a Parente Vian-
na & C., 28 a Manoel Rodrigues da Silva & C., 1
a Oliveira Bastes & C., 1 aT. Just, 33 a Gomes
de Mattos Irm-os, 1 a Soares do Amaral & Ir-
mus, 1 a Antonio D. C. Vianna, 1 a Joes A. dos
Santos, 6 a H. Nuesch & C., 5 a Vianna Castro
& C., 5 a Cardoso & Irmao, 3 a Miranda & Sou-
za, 1 a W. Rebilliard, 87 a Samuel P. Johnston
& C., 12 a Companhia do Beberibe, 6 a ordem., 2
a Silva Guimanlaes & C. Fogre ms 299 a W.
Haiday & C. Farinha de tigo l,00 barricas a
ordem. Fumo 4 caixos a Bourgard & C. Folham
de Flandres 50 caixa a Antonio D. C. Vianna.
50 a W. Halliday & C.
Genebra 100 caixas iA ordem.
Linha 32 caixas a Gomes de Mattos Irmost 25
a Francisco Iaurio, 42 a H. Nueseb & C., 2b6 a
Olinto Bastos & C.10A ordem, 1 a Julio&Ir-
mio, laJos A. dosA antoe & 0. Livro l eai-
za a Otto Bohresa, successor, 1 a Sidva Guimares
&C. Lona lfardo a Gomes de Mattos Irmlos.
Loua 189 gigas & eordem, 18 a Souza Bastos,
Amorim & C.
Machinismos 1 volume a Miranda & Seusa. Di-
too e ferragens 681 volumes o peps odAn, 42 a
Cardoso & Irmbo. Ditoes, femrrgeine sae'rie
= re engenho 40 volumes a peop sq. hard ire.
I:=B Mdiversas 21 vubmoes I -r
de, lOa Antoio L. L. ViLV na, 2 a Faciso
LAria, 4 a Pareate Vinna & C.. 2 a Allan Pa-
tenaon & C., 1 a Osivi B. to & C., 8 a Ja
A.- dose Santos & 0., I aa wn 2a H. Pater-
son & C.,2 A. livrm & C.C, 2aManoelJ.
Ribiuc, 1 a Va Le, 1 a Bergad & C, I a
E. Heidelberg. ai do eostnra 17 caixas
a Parent ViasA -., 015 a Gomma de Mattos
Irmso 14 a Jo@6 A dos Skuanto. & C., 1 a Papou-
s & C., 6 a Francisco Lauria.

Oleo de haeaa 50 barris a Franeiao hosi
da ,i 254tt, A dm e
tofi a+ hf .... .. 0 s.f'j. t.. ..- .+~
a^^lG"" WIN=:~filf


W.. I


Lauria, 4 a Silveira & U., 17 a Oliuto, Jardim 4
C., 3 a Jose A. dos Santos & C., 8 a Alves de Bri-
ta & C., 10 a Bernardino Maia & C., 4 a Luiz
Antonio S'queira, 4 a Souza Moutinho & C., 5 a
Browns & C., 9 a Francisco de Azevedo & C.,
54 a Andrade Lopes & C., 11m a Gaerra & -i Fer-
nandes, 6 a Rodrigues, Lima & C., 12 a ordem, 3
a Loureiro Maia & C., 5 a Almeida Duarte & C.,
1 a Jos6 Autunes Guimarles, 2 a Rodrigo de Car-
valho & C., 2 a Monhard, Mettler &z C., 2 a Ber-
net & C., 1 a Ferreira & Irmuo. Tinta 5 barricas
a Vaz & Leal.
Vidros 10 volumes A ordem, 8 a Otto Bohres,
Successors, 5 a B. D. Campos & C. Vinho 30
caixas a Sulzer & Koechlin.
Carga de Lisboa
Azeitonas 7 caixas a Pcreira Carneiro & C.
Agua de Vidago 4 a Bartholomeu & C. Azeite 3J
caixas a Francisco R. Pinto Guimarses, 62 a Do-
mingos Cruz & C., 4 a Jose G. Ganches, 9 e 5/5 a
Joul R. Nuncsda Silva, 10/5 a Ferraz Pereira
&C.
Batatas 10/2 caixas a M. Joaquim C. Cardosom.
Bacalhao 25 caixas a Abrantes & C., 19 a Joa-
quim D. Simoes & C.
Cal 4 barris a Meuron & C. Cebolas 30 caixas
a M. J. C. Canrdoo, 25 a Fraga Rocha & C, 25 a
Joaquim Duarte Simes & C., 20 a Dias Pinheiro
& C., 25 a Araujo Castro & C., 25 a Ferraz Pe-
reira & C., 20 a Jos6 B. de Carvalho, 20 a Guima-
res Rocha & C., 20 a Carvalho & C., 50 a Ferrei-
ra Rocha & C., 15 a Candido Jos6 da Silva Gui-
maniles, 10 a Antonio Loureiro & C., 10 a Gauima-
rles & Valente, 10 a Domingo Ferreira da Silva
& C. Carne leaixa a Cmustodio F. Martin, 1 a
Ferreira da Oosta & Innmo. Conservas 108 cai-
xs a Silva GuimarAes & C., a DImingos F. da
Silva & C.- Oomhdnhios-tmaeeos a Dis Pnpeiro
& C CarrIe animal 3hariea a Jeoaquim da
Silva SajncimL 1OAJ0MaI G. da Silva, 10 a
Floredesa biwo2 ans 4Irdem. Fe .'o50
aecos Aordem, 28aFaa 8a, a. 0., 20aM.
Jccqnim C. C&rdaof a A&mw Albwto de Soa-
a Agiu, 0 aJ L a~e~, 15 a Paih vaiet-
toe&C.,15 a J5oaF.doeAlmeid& 25a Guitar"e
- Valf,5aJ.5aDobaia10d.Iahta. -
teedo ebivoaacea AahnirtrW Vakte.
L M a 1. F. .. -6 a1 a -
Andr Do~~beib
Lam -

a Pereira Peato A &
Pineis 1 cainxa CampsAU. "li., m -
moe 6 caias a Caelaao C.d4a Dos% ;uwutu la
Joaquim da Sva Sawt 's,
nttrIa wnso.
*t0. U-. I *^ w ^ aia.i is


*;k i^B^-''A* Xdi-^a*ca. C M 4 J-INN gt-^ ^jK^kkX-

rsmrou-,que e 61 him* Ga l darde.



mu.cauI- f lim
= ii I ,. = l I II f l IIa


ablmares


!


Apresentaaofn p doputado

0 bacharel Fabio Alexandrino doe Reis e Silva,
talent traneondente, oardor distinct qne j I 'le'
provm a tribuna d'Assembl a Provincial, ad4i-
gado de prineira ordem no foro d'esta c ipital,
pelo. vastm eophecimentos de que dispoe, mapre
que tern causas de coneiliaglo e inventario, m-
fmencia do partido eonservador em Onrioury, e
membro de am familia altamente eollocada. E o
usico possivel de ser apresentado por aquelle dis-
tricto.

Enaglsh Bank olf Rio de Janeiro
(Uimlted)
Capital do Banco em 50,000
aces de 20 cada uma 1.000,000
Capital realisado ..... 500,000
Fundo de reserva...... 165,000
BALAN90O DA CAIXA FILIAL EM PERNAMBUCO,
EM 29 DE FEVEREIRO DE 1884
Actiro


' &wS i*ow r jngf *4ft.. '
UMhruusre *Ir&Aeq
e -gadmn e MN BMee abaftas i
flae 4 de xid ie. prwe sob dm- "-
D bibsiadiwo e pe ios se fiatos des-ses

tl&l(FAX*N.TO8
n Habeas corpu
Puaciate:
Je Franciso -Carno.-Mandon-se onvir r
fDr, chafe de policia e a autordidle crimind do'
Cabo.
HSebastilo Jos de Lusa. Mandou-se ouvir e
Dr. eihefe de pdHei.
Lawentino Teineira de Vaso llos Preira.-
Mandsn-ge solar 0 pAenacw ammiflS.
Reers eeSitmeors
De Pianao-Roesrente Manoel Pinto de S a,
recornrido Joao Alves da Costa. Relator o r.
eomedhei ro Araie Jeiorge.-Negou-se provimeato,
unanimeente.
Do Piane6-Raeorrente Manoel Pinto de Soaua,
reorridos Manoel Pinto Jordao.e Antonio rieento
de Arruda. Relator o Sr. conselheiro Queirs
Barros.-Negou-se provimento os o@ recurew, coan-
tra o vote do -Sr. desembargador Pires Ferreira.
Do Pianc Recorrente Manoel Pinto de Soua,
recorrido Manoel da Silva Tol1. Relator o Sr.
desembargador Pires Ferreira.-Negou-se previ-
mento contra o voto do relator.
Do Pilar-Recorrente Francisco Ignacio Car-
dose de Lela, recorrido Jose Cavalcante de Albu-
querque Loite. Relator o Sr. desembagador Pi-
res Ferreira.-Deu-se provimento ao recurso, con-
tra os votes do relator e do Sr. conselheiro Quei-
roz Barros.
Recurso crime
De Paulo Affonso-Recorreute o juizo, recorrido
Manoel Aatenio Cordeiro. Relator o Sr. desem-
bargador Buarque Lima. Adjuntos os Srs. desem-
bargadores Pires Ferreira e Oliveira MaeieL-
Negou-se provirmento, unanimemente.
D9 Recife-Recorrente o juizo do 40 district,
recorrido Antonio Manoel da Silva Braga. Re-
lator o Sr. desembargador Buarque Lima. Ad-
juntos os Srs. conselheiros Queiroz Barros e Mon-
teiro de Andrade.-Negou-se provimento, unani-
memente.
De Borburema-Recorrente o juizo, recorrido
Joaquim dos Santos de Macedo. Relator o Sr.
desembargador Pires Ferreira. Adjuntos os Srs.
desembargadjres Buarque Lima o conselheiro
Monteiro do Andrade. Negou-se provimento,
unanimementc.
Carta testemunhavel
Da Escada-Aggravante Jose Eduardo de Bar-
ros Costa, aggravado Jos6 Francisco de Arruda
Falce.o. Relator o Sr. dtlesembargador Pires Fer-
reira. Adjunto,)s os Srs. desembargadores Buar-
que Linia c Oliveira Maciel.-Confirmou-se a de-
cisso do jury, uuauimem( rilte.
Appcllaces crimes
De Bananeiras -Appellantes o juizo e Jose
Soares da Fonseca e outros, appellados Manoel dos
Santos da Fonseca. Relator o Sr. consellheiro
Monteiro de Andrade.-Mandou-se o03 r6os a no-
vo jury, unanimemcnte.
De AlagSa sGrandc-A.ppellante o juizo, ap-
pellado Antonio Jos6 tie Medeiros. Relator o Sr.
conselheiro Monteiro de Anilradlc. Confirmou-se
a sentenxa, uuanimeniente.
De Born Conselho-Appellaute JosA Bispo de
Sales, appellada a justiqa. Relator o Sr. oonse-
Iheiro Queiroz Barros.-Mandou-sc a novo jury,
unanimemcnitc.
Appellaqves civeis
Do Recifo-Appellaate Joaquim Moreira Rois,
appellado Eustorgio Jose dte Albuquerque e ou-
tros. Relator o Sr. conselheiro Araujo Sorge.
Revisorcs os Srs. censelheiros Monteiro de An-
drade e Queiroz Barroa.-Fors m desprezados os
embargo, unanimernente.
Do Riecife-Appellante Antonio da Silva Pon-
tes Guimar6,es, appellado Antonio da Silva Costa.
Relatoro Sr. couselliheiro Araujo Jorge. Reviso-
res os Srs. conselheiros Monteiro de Andrade c
Queiroz Barros.-Foram desprezados os embargos
unaimemecnte.
Appellacao commercial
Do Recife-Appollantes o consul de Portugal e
Jose Joao de Amorim, appellado Carlos de Paula
Lope.. Relator o Sr. canselheiro Monteire de
Andrade. Revisores os Srs. conselheiros Queiroz
Barros e desemba-gador Buarque Lima. Foi con-
firmada a sentence, unanimemente.
PASSAGENS
0 Sr. conselheiro Araujo Jorge como proenrador


LhDeiroe. e promoter publ.Uo,


Arrmeuiarevistfr a e I Ceestino Jconeto do




juIoSdle^Appninesto t*0 dhoito do orphomel
I na o da .... ., .



Apesne-oa meswia Be WSoux, aoyWl r, ^lTi.



dgrvodopt~
aDe aoi Enn dio Simonoete
do Msri.-e ootroA Montire do Andada.
De XaaNIhApla o romaer, appellado
Vieente Joee dai
Arnawooa frevbutbrofta no confli&to de
jurisdfeieo lat e os j'Nzes de direito de orphlos e
o da provedoria do leeife. -
Apresentou-se a me Fa pata r rovidenciar
Aggravo de peajio
Do aeoife--Ag vanteo coanul de Portugal,
aggavado o juice do commercio.
Do Sr. eonselheire Monteiro de Andrade so Sr.
conselheiro Queiroz Barros :
jAppellaqo crime
Do Brejo-Appellante Faustina, liberta appDel-
lada a justiva. Tvo
Appella o civel
De Macei6 -Appelante Alagmas Railway Com-
pany Limited, appellada Dr. Joa Antonio de
Kendonca.
Do Sr. conselheiro Queiroz Baurros ao Sr. des-
embargador Buarque Lima :
Appellacao crime
Do Recife-Appellante o juizo, appellado Delft-
no da Silva Tavares.
Do Sr. desembargador Oliveira Mrciel ao Sr
desembaagador Pires Ferreira :
Appellacao crime
De Caruard-Appellantes Damiilo Cypriano de
Barros e outros, appellada a justira.
Do Sr. desembargador Pires Ferreira ao Sr.
eonselheiro Freitas Henriques :
Appellasoes crimes
Da Palmeira dosa Indies Appellante o juizo
appellado Maanoel Alexandre de Mello.
Do Limoeiro Appellante o juizo, appellado
Antonio Gomes dos Santos.
Da Floresta -- Appellants o juizo, appellada
Maria Bemvinda Leal de Barros.
Appellaeao civel
Do Ing.u-Appellantes Antonio Lelis de Souza
Ponties e outros, appellado Jeronymo Leoptoldo de
Araujo Pcreira.
Ao Sr. consellieiro Araujo Jorge: .
Appellanlo commercial
Do Recife-Appellante Francisco Xavier de
Athayde, appellado Laurentino Jos de Miranda.
DILIGENCIAS
Mandou-se ouvir o Sr. cousclheiro promoter da
justihya nos seguintes feitos :
Appellacues crimes
De BS)m Conselho-Appellaute Joaquim o C)rria
da Silva, appellada a justice.
D) Bniqae-Appellanta Seobastir o Jos6 le B.r-
ros, appellado Jos Magalhaes da Silva Porto.
DCom vista as parties :
Appellaqlto clvel
Da E-c.ila- Appellante Daniel Antonio d.os
Reis, appellado Antonio Fernandes dos Santos.
Eiibargos inf'iungentes
Do Recife-Embargante Francisco Antonio dec
Oliveira, enfbargados Thomaz dd Carvallo & C
DISTRIBUKR.ES
Recurso crime
Ao Sr. conselheiro Freitas Heuriques:
D'Arecia-RecorreInte o juizo, recorrido Firmi-
no dos Santos Oliveira.
Aggravo de instrument,)
Ao Sr. desembargador Pires Ferreira :
Das Escado-Aggr-pvante Jos6 Frincico de
Arruda Falco, aggravado Joaquim Manoel Fer-
reira de Souza.
Appellacoes crimes
Ao Sr. conselheiro Freitas Henriroues :
Da PLilmeira dos IAdiop = Appellante Ignaeio
Malheiros Aceioli, appellada a justice.
Do Recife-Appellante o juizo, appellado Oeta-
viano Alfredo Cromes Padilha.
Ao Sr. conselheiro Monteiro de Andrade :
Do Recifc--Apiellante o juizo, appellado Jose
Antonio Ramos.
Do Recife -- Appellante Nominato Saturnino
Bezerra de Sa, appellada a justica.
Ao Sr. eonselheiro Queiroz Barros :
Do Limoeiro --Appellante Manoel Francisco
Tavares, appellada a justic;a.______


Gontas correnLes
simple .
Deposito a prazo
ftxo corn aviso
e por letras..


Patsino


49): 799) )

1,075:35613 9;-)


Letras a pagar .......
Titulos em caugAo e deposit
Diversas contas .


S. E. & 0.
Pernambuco, 7 de ni.i rqo de 1
Henry K. Greqory, i
A. J. P. Clarkson, i


1,566:1564190
.. 59:921961954
S. 137:212)780l
639:1396430
Rs. 2,402:4384350

881.
iiaiager.
accouitant.


Club da Lavoura da

Escada
De ordlemrn dec S. Exe. o Sr. president d'cste
Club, e em cxecucio ilo art. 13 5' dos e.-statutos,
convido a todos os soeios, para co)mparecerem no
dia 13 (o correonte As 11 liliras il; tanlia na ci'la-
de da Escada, na sala habitual retniito da assemiblla geral priara tractar-se tie as-
sumpto de maior interesse.
i tl marc.) de 1.'VS4.
Frai'ct,co DDius dc Arr"ltt Fi'rIj.


Inslililo Dezenove td'Ahril
Curso iuterno e (xtern,)
c00m1,prheudcndlo eCisinuo e rimau'
e secundario
SOB A DIREC(.,'.o LITrri R.LP or.

LuizPorto Carreiro aoCarlos Porto

Carroiro
.E PIRE(7.X, ECr.NOMICA DE -L': %M
D. Josepha A. Porto Carreiro
quo ambm soencrreg t-


que tambem se encarrepRtI da
AULA PRIMIARIA
Rua dofBariio de N. Bornja


n. -41


Consagrawto Suiprema
E o que acaba de receber o Slfato de
Qttiniza de Pelletier. Em raz,'o das escan-
dalosos falsifica9oes descobertas nos hospi-
taes de Paris, a Assistencia public man-
dou substituir o product alterado, que con-
tinhlia 43 010 de cinchonidina, polo Salfato
d- Qtinin t de Pelltier on das tres firn'mas,
vendido A onca, reconhecido l)puiro e de-
clarado tal na Academia de Medicina fran-
ceza polo professor Se. Teminos hoje o
prazer de aunnaciar que, para offerecer
major garantia ao corpo medico, os Srs.
Arimnuct de Lisle & C. successores de Pel-
letier, fabricam alem do seu sulfato ordi-
nario, (p-'t)3las finas o transparentes, de
conservagi-o indefiuida, vendida; em firas-
cos de 10 e 20 capsulas, que toda pes-
soa prudento deve ter A mao, em casa.

A's auloridades brasileiras e ao

respeilaiel public
0 abaiso assignado, subdito portuguez, voun do
alto da imprensa agradecer As autoridades brasi-
I.elirns a justiqa que Ihe fizeram, despronuncian-
do-o no process qua sc lhe instaurou por haver
praticado uin homicidio casual na pessoa do in-
feliz Celestino de Carvalho Rosa, na noite dc 20
de janeiro proximo passado, reconhelicendo a sua
innocencia ; e ao respeitavel public o juizo ver-
dadeiro quo seminpre fez a son respeito ; assegu-
rando-lhes que eterna serA a sua gratidao.
Recife, 5 de marco dc 1881.
Jose Gaspar Loureiro.

Aonde ira islo parar?
Hontem, o fiscal de Santo Antonio e o medico
da Camara Municipal, cm commissao, dirigiram-se
a vends dos Srs. Souza Travassos & C., A irua da
Concordia, e no intuito de examinarem os generous
Vapor francez Niger, entrado dos portos da Eu-
ropa em 8 do corrente e consignado a Augusto La-
bille, manifestou:
Ameixas 10 caixas a Carvalho & C., 5 a H.
Nuesch & C., 6 a Ramos & C. Amostras 5 volu-
mes a diversos. Azeite 1 caisa a J. Laguin, 25
a Ramos & C. -
Batatas 50,'2 caixaa a Domingo Ferreira da-Sil-
va & C.
Cebolas 50 caixas a Silva Guimaraes & C., 10 a
Domingos Ferreira da Silvai, & C., 24 a Cunha Ir-
maos & C.
Coaros 1 caixa a Parente Vianna & C., f"H.
Nueseh & C. Chapeos 1 caixa a C. de F. Tavares,
2 a Joaquimn da Silva Carvlho & C., 3 a Pa-
rente Vianna & C., 1 a J. Christiani & U., 1 a A.
Fouguan, 1 a Antonio Jos6 Maia & Irmao. Cami-
sas 1 caixa a Odilon Duarte & Irmio, 1 a Jos6 A.
dos Santos & C. Cognac 50 caixas a H. Burle
& C., 25 a Ramos & C. Cpnservas 7 caixas a Ra-
mos & C, Calados '2 caixas a H. Nueseh & C., 1
a Parente Vianna & C.
Doces 4 caixas a Ramos & C.
Ervilhas 5 caixas a H. Nuesch & C.
Impresses 1 caixa a J. F. Bastes.
Joias 2 caixas a J. Krausa & C., 2 a A. Rego
& C., 1 a David Haynes.
Luvas 1 caixa a Mendes & C., 1 a Main Sobri-
nho & C. Licores 28 caixas a Raemos & C. Li-
vros 1 caixa a A. D. dos Santod.
Mercadorias diversas, 2 volumes a Jms4 a Silva
Loyo & Filho, 3 ao Rvm. padre Venancio, 4 a Pa-
rente Vianna &CQ, 1 a A. D. de Lima & C., 2 a
H. Nuesch & C., 2 a Jos96 Augusto dos Santo
& C., 2 a A. Feuaquan, 1 a Andrade Lopes & C.,
1 a J. A. da Motta GuimareaI, 1 Josm 0. Pinto.
Maas alimenticias 4 caixas a Rosa & Queiroz.
Objeetos par chap6eos de sol 9 caixas a Fran-
ieo Xavier Fereira d& C.
Suigons 1 barriers a Domingo Ferreumira da Silva
VC. Papel caia a Azevedo & C, 1 a viuva
Peueira Pena, 2 a Sod-da Mott ft kAho41A
ur4ea, 30 fhidoa .rdenu, S ealka. Roligius
da Paria & C.,W5fmudsbta Pmf' tt ft
Ppsaul1 cairns a. entusa a~ar~e< u^
asina 4 ealiam a Dominhgbs FevafRa di lva & C.
10 eaixa. a Camlho aC. Psefumanims
I-lhl a Parente Viana JbC.
Qisifjo1 tiasalmrnos&AC.
Boahs aa 1 te o'akJ ifeoih. -Sep41 duixa
& A. Bones Loite, Is flemirdino 1'outual,
Smm wuuiw a Mamee &6.C. Impatasl

u Itin .l, i5 m inPll it9!l- IrS a
ffllW n i


Irs, n, yiia, n,.S-ub

sits bluea, m hixaaps ep.M
PromSIte v vs J0a hiep p-m.L
deBansdimemasas
Resbsnow pfiinnlMO astIns


CESSOR
?sALLmqo1A ni ConmE MARQUES SUC-
Nos autos de falencia, nerm credores,
hem juiz, disseram urnm s6 palavra decla-
ranudo qumee os individuos que compuze-
ram a firma supra, quaes os responsaveis
por ella.
SAppareceu agora desvendado o misterio
no Jorwal do Recife de 4 do corrente ; o
responsavel 6 o herdeiro resident em Por-
tugal.
0 pobre velho pai e herdeiro de Joez6
Francisco Correia Marques jimais veto ao
Brasil; a procura~go que mandou e que
existed em Palmares, tanto no iuventario,
como na fallencia, foi nomeando procura-
dores para arrecadarem e liquidarem a
heranga e remetterem o seu product para
Portugal.
Assim tanto 4 impossivel quo o velho te-
nha negociado por si porque aqui nunca
esteve, como por procuradores, pois que,
para tal fim a nenhum constittio.
Nestas circumstancias, arrecadar os bens
delle como pertencentes a massa fallida da
misteriosa firm, 6 plano que p6de muito
convir As algibeiras dos -interessados, mas
nbo p6de ser levado a effeito sem o des-
credito dajustiga do paiz.
Recifo, 6 de margo de 1884.


Parae escala---7 dias, vapor national Bdta.t dc
1,999 toneladas, commaudante Silverio Antoni,
da Silva, equipagem 60), carga various geucrom
a Bernardmo de Senna Poutual.
Glasgow por S. Vicente e escalas---2 din, vra cr
brasileiro MOamdm, de 1,99:1 toneladas, comwnman-
dante Gaillerme Wuhlington, eqnilagemn 45.
em. lastro; a Bernardino de $meuna Poutual.
Santos--29 dias, higar inglez Caledonia, de 311
toneladas, capitAo F. Hoffineyei, equipagei 8,
em lastro; a ordem.
Bordeaux e eacalas-16 dias, vapor friseem 3 7er,
de 2,023 toneladas, commuandante Jacques, equi-
pagem 12, carge varies gener.; a Augste
Labille & C.
Porto Alegre-35 diap, '- nu portguea I Vala-
dares, de 156 tkmeladas, capitio ecundino Jo-
s9 Monteiro, equipigem 9, carga aMque; a
Baltar Olivam &. C.
Montevideo-39 dias, patacho hespanlWl Elvira,
de 149 tonecladas, capitio Loreno Smper,
equipagem 1', earga xarqoe; a Batar tlira
& a
Bahia-lOdias, brige es'sma Tadeve, rioen-i
dante Jo & Atouio da 8 hi Guiarika.
Raids omM dia
Pan&-Ugr rlag1 u Nw Ow Ms, s iel. A-
toaio H. da iSav parp vans gnmM.
Buenos-Ayres por ecalfa-Vapw Wmm ,s 2"r,
coonliadal Jacqusa, ePgio i-l i.

Lattim,-eom a ar qa e tets a. Xt-
raNova.

S-sgaqeadoLuateemo pas Na aI P

Inomns, carpa que trom do TomNavaw.


* VAPOREB


VBf j-]|f '"I !i'XN
Pera s. ...



Ji~l~ill^' *-' -*' lf


as
1:l-*1 ,


'F'

I


I:,
F'.











*I--













ir








\:
f- .


!




'_,.


^.IB


ifACENCIAS E COMMISS6ES )
S17 PRACA DO CORPO SANTO017 ]
NiigiRNAMB^O

Sebo 50 barris c 400 kilos.
Xarque 155,000 kilos A ordem.
0
Patacho hespauhol Elv 'ra, entratlo dC Montevi-
deo ua mesma data e consignada a Baltar Oliveiha
& C., manifesto :
Xarque 172,526 kilos ordcm.
Patacho inglez Libbie H., estrado de Terra
Nova na mesmuia data e consignado Johnston Pater
& C., mAnifestou:
Bacalh:',o 3,250 barricas e 500, 2 ditas aos eon-
siguatarios.

DESPACHOS DZ EXPORTAQAO
Em 6 de marqo de 1854
Para o exterior
No vapor inglez Andanrigh, earrogou :
Para Liverpool, J. H. Boswell 100 saccas corn
8,)000 kilos de algodao ; A. Bahia 300 ditas corn
19,996 ditos de dito; D. A. Matheus 30 saccos
corn 1,200 kilos de cera de eardatiba.
Na barca ingleza Bissbane, carregou:
Para New-York, S. Monteire & C. 762 saecoi
corn 57,150 kilos de assucar mascavado.
No brigue portuguzca Tito, carregou:
Pars Lisboa, L. Lima 18 couros salgados corn
216 kilos.
Na barca portugueza Bedimar, carregou :
Pars o Porto, P. Carneiro & C. 820 couros sal-
gados corn 4,280 kilos.
No vapor frances Niger, carregonu :
Para o Rio da Prtas Amorim Imios & C. 200
barricas corn 17,715 kilos de assucar braneo.
No briue hespanhol -Amistack carregou
Parm o Rio da Prata, J. S. Loyo & Filho 150
barricas corn 14,550 kilos de assucar branch.
Para o interior
No I6gar naeionil T're, carregou
Para o Rio Grande do Sal, P. Carneiro & C.
250 barricas eom 25,583 kilos de aslsucar branco.
No ptacho inglez Lord Dffw, carregou :
Pan o Rio Grande do Sl, 0. Travasao &C.
900 barrica eom 20,952 kilos de amear branco ;
Mala & Reoende 20 ditas corn 2,240 ditos de dito
imneavado e 230 ditas con 29,04 ditos de dito
branco; M. F, MaNques & Filho 450 ditas corn
44,028 ditos de dito -
-- No vapor ameicane wwe, carregou :
Para Wo R de Janeiro, A. Cunha 700 saceos
en 42.000 kiloa de assuaer maseavado.
No vapor national Jaeukyp/, earregon:
Paw Bahia, P. Pinto & C. 23 barris com %990
litre de meL
No vapor national BaAia, carrego :
PaLa o Rrde Janeiro, A. Fradiw news
Gem 1,500 klde maw ret 6e 5(WOB e4W
-,50W-.dito. de Wit amad A. Conha 138
barriwa AM. ^? 'dite do dito brncwo ; A. da
".46 a k 7,920 ditos do dito
4 0S) ditoe de dito braaeoo
/
. --.. ,.ti dn 17,176 ditos de
:^g^^m~gdo~d dito miawvaUo


Letras descontadas .......
Emprestimos e contas caucio-
nadas . ..
Letras a receber . .
Garantias e valores depositados
Mobilia, etc. do banco .
Diversas contas . .
Caixa . .


120:7805620
62:352#030
427:1576820
137:9126780
2:426M000
1,002:1206150
650:3886950


Rs. 2,402:4386350


fls

Secretaria da PraNed doe Pn~wmi*, an
6 de marz o de 188o4SL --Pw at mow-
1tan M so pumii, de ---At m1- t ot.
11 do 4de ato. 81", de 30 de 1pm do 18k1, .
edital b& o shwaipeItr ao em mmi, e-
oprazodedo 60 diam, o t llimmo am m d Ta-
quaretiuna, o qual Mr Lo mmemad tid. w e-
torios, cme, civd, orphis, jwyse k4aam in
annexos, inDc1ive o doeM aimbt dM9hy P
Jboel Auguo st. Jbvtm&i@6
Alexandre de Cnasit,juimsle doe wu
do tern; de Taquartiaga.
Fax uaber ao ue o inrete edital vis qe
sedo creado porlei provineiWal a. 1,316, d& 4 de
fevereiro de 1879 um tabelioato .&toe tusi, ao
qaal serlo anneados todos eartci rime,
civel, orphlos, jury e todeWo man- me- -s.
elusive o do registro das hypotheca, fiea aberto ee
coneurso parm provimnento d&m refendo. offwio
corn o praze de 60 dias a coutar da data deste edi-
tal. C's candidates dverorio apreoentar ei t re-
querimentos no referido prazo e devidamente inf-
truido nos terms do decreto ni. 817 de 3) de apw-
to de 1851, combinado cmi o slecreto 4.'6*, de 3
janeiro de 1171 c n. 8,2i7 de 15 de outubro de
IMl.
E para que chegnue ao c n'lcciinnto 'Ie todos
mandou o icsmrno juiz pine se fizeme o present,
para ser publicado pela iinpreusa dAi capital e pre-
-gado nos lugares do cost in
Dado e passado nesta villa de Vertentes, ca-
inarca de Taqmuretinga ais 22 dins do, mez .*j fc-
vereiro de 1t84.
Eu, Guilbermne Duii- 1z..z rra. ceriv.') intcii-
no, o escrevi.-Alcx ii ..- .1 'rasto.
Nada mais se coatiii.!, cia dito edital (,no begin
e fielmente copici do proprij original no qnal nip
report e dou f& Vertentea, 22 do fe ei-iro '&o
1884. 0 escrivio intcrine, Guilhenne Duque Be-
zerra.
0 Dr. rwomiz Garct.z Parniuons Mmten,-
gro, connndr htd,-r iaep i .-.ril (or1,." Rosa e jtiz de Ilrio ,s dci, 1.) 1 com-
mercito desta cidtl: ,l, fIIctK capdild '1i
Jproincia id: J', in'i.mlc,, ffwr ttq .q- M-
gest(Of" Im elrilr ,: C,,,ltfit,'ci',,,,,fl 5r.
D. J vrihb II, it q -'ii-u J)rilf i 1100"10., *.
Fa0o S;LIJCr aos (ite o present eMital ireinn it
d'ellc unoticia tiveri-un. ,-iI .-. :nrla Iisi.t i',l'. i i dia
13 do corrute incz. a', nir:o lii. na .al.i 'lIas an-
diacin.s in mra ter luzar a reuniain d'-s cr'-lirrs L
massa filli(;da (ic .M-' 1 ,II JA,,t-. Mont'iro l''irr. s,
afim te aszistircnm :i irc.ta,i) 'Ie cImt:i 'v.I- ;i.l-.
initiLtr;ialors da rcfr'i--la mins.a. PNI *in; rpomiv)-
e,) ),toil'-, '' i:r-loi r's ] ir: c.Inr rir)n; .--a ii 'it I,1- 'i-.
(lia e Lua'a -iipra dccl.ra'i,.- ;:r:t o im a' i.jia -
pos to.
E para quo Cc :V-tTCIO :t (' a iilcciiu t'it I ,1,' t l'. *.
maindci imssar tr:-' 'l a.ta thi-<.r. ,w ', -.'rfi, ijailii-
ca sl p li immpr u-a' c :utiixaiI, i,-u', l aii; r,- pui ,.-
cos d,) co-tuine, il ' :tltt)5.
lD l.o e in ssl 'lo n'- <-il ,l., 'IIt'' R'--i-f. ni t' .1,
Pil l aru liiliuco' .Ljw i ii l" ran. d -T mr:ii- i'j*l
anuo d.) Nascia iut, i,': N. s:-o S',.-tir Ji'-ais t'lri-
to de 1.6c .
SiUl -c'rt-v c assig -'. -I ) c ,.ri\.,' :iitcrin ,. J .
GoI,,s1 los .Sandos t1 'it -'.
Tho,,ruz G,c.ii' -l,'u.rbj.s- M.'pat n"'
j Li'. jT uiittZ ,i. I ',- J ',,', ,hu .l,, -
V 1 ,' ) 1 C ,t' i lu i i l ,t ( ,. ,'1 1 L ,i L l h .,j ,t 'a
lI:9 sa, jaiz ',, ,/'- ,', ,'.'.j' 'y ,/ v,, ,:.'..,,,u.' ..'
cio d(sta cidadt: /'do 1, cIfC V 8 tLi',n',.
cajit,'d 4: proriu, o il P, u i-i',a ir,,,tC,, )I..'
if3'it' .Miy,..:a^t'f,: o ]liupvit, lvr; at ^'lt.',,
DA.tus l Mjrttitrfl, rf'.
Fa;q saiber aos ui -i r'-. r, ntc c-4it:il \-ir-in ,"i
,.'ellc uoticia tivernim, 1iir 1 -1 aclu.i -i-rt.A I1 tl-
lenciia dos negociaiir.. l'c ta I ra,;a. Frtrnatul)
Leal & C., pela scintnc:<: do thcor cguiut :
i 'It~ateqa
SEm vistas al)pcti,:;wo de Il.lhA. declare ab or't
a fallencia dos negoc'i:uucs Fernando Affonso de
Miranda Leal o Jok l-'rancisco *lo lego C'avai-
canto, mcnimbros da firm Furnaaialo L9'al & C.,
estatbelecidos corn escriptorio do cu'mmisscs .u rua
do Apollo n. 9, a contar do 23 do inez passa.'lo.
Nomrio eurador fiscal o Dr. Af'onso I'into.
Faca-se public a fallencia per eSitai-. c
Para Villa da Penha, J. A. G. Pires Junior 1
barrios corn 100 kilos de assucar br' nco e 1 .lita
corn 80 ditos de dito refiuado.

MOVIMENTO DO P')RTO
Narios entrados no dia 7
NMw-York c escalas-22 dins, vaplr ame'rican
Finance, de 1,919 toucladas, counmandante A.
11. Mandell, equipagsm 5, earga varies genc-
ros ; a Henry Forstor & C.
Terra-Nova-29 dims, barca ingleza Crwslia, dW
181 toneladas, capatio R c yards Harvey, cqui-
pigem 10, carga bacalb-Ao; a Jolnu-ton later
& C.







































oiaamanda, p4eard 5 o0 do32 .. o-
As propostasa daadevero sr em cart dfoehi. Secr Ia Camde erigrdoX i o i wemPOW ,sendo
devidanite seladas, iudicandao o adr, e ZfS, 541 mawp 401884-0 iLisboa, i ia dos1 Oql istas n, 75. No
-seo0oarrematante a. pagar a aultha do el.Rdiuste os. i tra
westo, sobre o valor total dofornecimenta,- s
4o Prap de 3 dias ulo vier assigner compotenite
Secret~azis a1Sant4Casa de Misricordia, do
Recife, mw5 de 'db 1884.
0 escrivAo, PERNAMOWA WB liUCANA
Pedro Rdrigea de Sousa. D
R&Ata Casa de iiserIeordia do 1 Navega^ie Costelra pep Vapor
Recite i. ROIL PORTOS DO SUL
-X Ilma. junta administrative da Santa Casa d d Udos trib uO b WoRsUO d Macei6, Penedo, Aracaju, Estancia e
V:ireordia do Recife, as sala das suas sessoes, r a. Bahia
v ^ ho-raSdatarde dodiaItdo corrente, re- iti HC a I ua 0 vapor TactdVyp, com-
S propostas para forneeimento de pio e bola- mandante Silva, seo-
S a for precis par os estabelecimentos Para main eommodidade dos senhoresassignan- guir no dia 10 do cor-
Lu ro, aCsaber: Hosgpitl Pedrpost A sylo tald dos tea e a instancias de muitos desnes, flea desde vereiro, 4s 5 horas da
I4xaros, Can&adosExpostos, Asylo de eamdieida- et aaeed aemahaue sintr
eo dienados naT rineirsnotri-
estre do abrie auho d o. corren a ,n Asri pars criados, dando direito a viajar urea vez por Recebe carga atW o
mestredeabrilajunhodocorrenteanne. As pro- dia, ids v volta, entire es pontos extremes da li- dia 8.
pset deveralo se em cartas fechadas, deviatneoa- nha e .aos carros de freio, mediate o pagamento Encommendas, passagens e dinheiro a free at
to salladus, indieudo o- fiador e obriganlo-se o ar- de 104 mensaes. As 3 horas d&tarde do dia ,da, sahida.
remats te apagar a multa do 5 por cento sobreo Esiptorio da compania, 5 de maro de 84. ESCRIPTORIO
valor t.tal do fornecimento, se no praso de 3 dia'e A. P. Sim5d es merge de 84aESRIPTOR
n vir assignar o competent termo. Gerente Caes da Compalhia Pernambu-
Seoretaria da Santa Capa Ne Miseriwordia do Canreat. Iaa .
Redk, 5 de marco de 1884. 1 OCin dn m ln'nfido I----
1 es0rivao, Ak 1 llaIu103I0eaos011M1 Companhia Daklana de Navega-
Pedro Rodrigues de, Sonza.Va Vapor
.... Mnta Casa de iserleordia do CoroS jrfi lo Maceid, Penedo, Aracaji, Estancia e
'^XiRecife UW iwmu~w,.Bahia
A 11 j t aadnitrativa na C d A requerimento de 36 senhores associados, soo V A POR
s e-. nicia. juata admo istratiya da S anta Case de convidados todos os outros senhores a se reuni-
iqor4aidoRecife, na sd s suda s sesoes, rem em assembl]a geraI, no dia 1 de maro vin I ar ez de Caias
eb horsdataprd do cia t1 o doorrentebol d ouro, na sede da mesma associago, para trata-
cer ropostas para fornecimento do pao e bela- rer c1a reforms dos ostatutos, e d Caxias
cha'Aue fo, precise para aCollegio das Orphgs em rem da reforms dos estatutos, rCormandante Nova
01ida, no trimestre de abitl a junho do corrente -ala 2da Ass eeia o d eg84.
o. As propostas devero ser cm carts fecoha- pvinci 29 de fevereiro de 84. .a E' esperado dos portos aci-
oan.A rpsa ee~ e mcre fieado- 0 1o seeretarlo, ma at~o dia 14: do corrente o
das, devidamente-selladas, indicando o fiador e P.S. de Araujo Gg-v'o. mregressarA po dia 14 do corrente esmos,
bbrigando-se o fiador a pagar a maulta de 5 por cen- ________ regressarA para os memos,
to sobre o valor total do fornecimento, se no pra- Santa aa da isericordiQ do depois da demora do costu-
so de 3 dias nao vier assignar o competent ter- a a U f ri rd me.
smo. I Para carga, passagens, encommendas e dinheiro
-Secretaria da-Santa Casa de Misericordia do .k 1 it frete tracta-se na
Recifo, 5de maro de 1884. A Illma. 3unta adminisrtrativa da Santa Casa AGENCIA
0 escrivao, da Misericordia do Reeife, na sala de suas ses-- 7--?ua do Vigario-,7
Pedro Rodigieg de ouza. ses, pelas3 horas da tarde do dia 11 do corrn-en- Osing Alres atheus
Thieso rri a de Fazenda de P ter cebe propostas para o foernecimento de carnet O ili A1Ts _t_ _u
Thesourariade Fazena rde M 6 r verde damelhor qual&tde que houver no mer-
cado, que for precise para os estabelecimentos a H BG l Ii I
nlamnbuco sea cargo, a saber : hospital Pedro 2', Hospital C I G S A
INesta estaq. pagam-se hoje as seguintes dosLasaros, Casa dos Expostos, Asylo d Mendi- Conmpanhia Franceza de Navega-
,hasgt t aas e .a e o hj cidade, Hospicio de Alienados na Tamatineira, e 4p0 a Vapor
Companhie le aprendizes marinheiros do Aree- Coegio das rph em O tinda, no .trimestre de Linha quinzenal entire o Havre, Lis-
nal eie Marinhia e meio solcio. abril a junho do correute guno,_Lnaqiznlenr arLs
hal e aro ina e meio so ._ ~As propostas deverao ser em cartas 'fechadas, boa, Pernambuco, Bahia, Rio e Janeiro e
Pagador d Thsoraria de Fazenda de devidamente selladas, indicando o fiador e obri- Santos
nambueo, E,,e margo de 1884. gando-se o arrematante a 'pagar a multa de 5 teamer
O estrivao, [ OO sobre o valor total do forneeimeato, se no
_. Coraq em. prazo de trees dias naowier asignar o eompeten- Vi e ae M acei6
flte termo.
ThesOIrO u rovinla l Secretaria da Santa Casa da Misericordia do V E'esperado da Euro-
Nesta ,staao pagam-se loje as segaintos fRecife, 5 de maro de 1884.-0 escriva'o, pa at6 o dia 9 de
lhas : __ Pedro Rodrigues deo ouza. .- -,- margo, seguindo de-
S Apoe--tna, lojub-ilados e, P adjutres. d -is da indispensavel
-ApOontsdo;iub3i la~dos e csdJilUlres. flnj mrlnjln 1 TITTIljnfi~n fin 1fl f I _-- demora pars a Ba-
Pagadoria do Thesouro Provincial de Pernaa-':, ---1 fth 3 _d otlftArbI1V
buco, 8 de marco de 84. -S. da r- oce _,aoreSa ntetu Rio ne Ja-
0 escrivao da receita, inner e Mamte.
Luiz Epiphanio de Swza. Roga-se aos Srs. importadores de carga pelo
Lzdz Epipliaf de aO vapores desta linha, queiram apresentar dentro de
onulade Provincial" .
i^A c~ilt~^ u^ m^A- ^ AMtwembS&L -gf-al par& eleiefio 6 dias, a contar da descarjadas alvarengas, qual-
OnSulado JrOV i l Mao tendo kav imero pars coustituir-se a querreclama9ao concernente a volumes, que por-
Sf s i assemble goral e v, .'-eada tpra 5 do corrente, venturatenham seguido para os portos do sul, afim
Pela fc o se az sciati aos senores i- so de novo conwidadt -o ses ores socios effec- de se-peder dar a tempo as providencias necessa-
teressades que segundo a ordem do Sr. Dr. ins ,tivos pelo Exm. residea. da aseemb6a par 12 ria.
pect6r do Theeouro, foi proregado ate odia-1-51 deste mez ae meio-dia.em onto, afi& deoproce- Expiado o referido prazo aaompanhia ao se
do corrente mez o prazo concedido parm pagamen-i der-se as aeieis doa tfccionarios e membros respoesabilisa por extravias.
to., livre fie mnutta, das annuidades e mais .rvi-" electivos do ansewlhO prevenindo-se, qtue no case Reebe carga, enconimendas e passagwiros, para
Vos feitos pela companuia Recife Drainage, eom de nao reunir-se pt4o menos a terea parte dos os quakes tern excellentes aeiommodaies. ,
SelAo ao 1' semestre do exercicio corrente de shores soeia.fectivoa, dar-se-ha t hypothese CONSIG iTARIO
883-84. Recife, 7 de margo de 8t. prescripta no at. 54 doSestatntos, e neste caso
____Rcf, Horacio Peregrino. func.ionarA o 30 dos mesnms ostatoa, depoisa de 1 hora da
Irm ndade das Almas, ereca na -rde. Recife 6..demarne-L 8
O n0 sec*io gel, -
matriz do .orpD an0 tleuriquelAugasto Milet. 4- RUA DO CO [EROJI 42
m em a d eral nCeufrarla ale Senhor D n jIes4 da (EntradO pela ma do Torres')
oPr ht6diberacao da mesa regedora, tomada em Via-Mata trila dfta Saa ________ ^____:______________
sesslo de e o c-oxrnte, so eonidados todos os ntRaVAJ. Iill S l PIEIET
imius ^we se intereassm polo bern estar desta De ordem da mesa regeduur. desta co'ifrania, zUl U
irnjgaidae, a comparecerem no .eoasistorio res- couvido a nossos arop f ios pra comparecerem IA .lY
peetve S.. 4 ] 2 horas da tarde do Bia 17 do mez em BOSSO conisteit revestidos sea seas habites, 0]i =ff
pre te, .iiBde tratar-se da iBportante quest o no aia 9 do corrext Ae3s 8 hor9 da tarde, afimn
a eo.uveao .do pattamiorio em apolices da divi- 4de iem acompanba & p..eisSo do p1steneia da --e redmco non prel s dan
da pub.'ea, e observ-se o meio melhor para a igroja do Livrameat, pusm eujoaoto foram con- !S "i -
execuIo. vidados pci.irma*da4p do .5.l da Soledide, |1
Consistorio a iraiandaue das Abm"s do Becife, erect ia me--a igm" M m
7 d inarw, diL.-O escrivao, Conusistorio da G do ~Eui 1. Born J ess
A ----- ^- ,-- wveig Cordeiro.0 a< MeC Mal
SecretaYt --da Camara Municipal do Recife nodia
C 6 de mar~o d:? 38 IlUn. Sr. -- De ordem do' ~ _. ~ i lSeSpera daEuropa no dia
Uham. Sr. corou3t'IDeeb do Aquzi'no Fonsees, ye- I*D~^A B ^ ft~lV' 1 ^ ^^ 13 do corrente, seguindo do-i
S readr commnissaro do MercadIo, emnpra V. S. o JWljtfRli poise da-demora necessaria
' eeguarte : d .-
I. Do]] dlar ,meats ilarte ieumataneiada do -. I._...-- L :. -


(ooomvme, to do-Meramdo e do sea readimea- 9a 1 |l~ll^ 1' flel\I^a eJnio
,to ago mesO Sr. oe missario, publitar I
>nCtos guarsiserveates sam 4h'iAh4. W*U
-too -Wa5w D o quo. etvendo ,e$,,-,AP
as -" o & -Pn *u saw; a- ."v% te f'*j y


ddemrano e aguni
mA pars o sul doe
,is da daitrado
et
t~jos ,enunedas e inheire
Consignatario.
a seon ak C., -9 Nte4
rA DO (XjMER(}I07 N.-k


Q vapor
Patagonia '
Esperao dos portos
Wilsdo sI2 at o dia 13 de
Smar, seguindo de-
pole da demora do cos-
e para a Europa.
Pane carga, passagens e encommendas, traeta
se com os
Consignatarios
Wilson Sons &t C., Limited
N. 14--RUA DO COMMERCIO-N. 14

Para
SSegue para esse porto nestes
Spoucos dias o brigue national D.
FPrancisca, prompto a carregar:
a tratar na rua do Marquez de
Olinda n. 6.

Para
Corn brevidade segue a barca
Jportugueza Gratidtio por'*ter a
jmaior parte de seu carregamento
oengajado ; para o resto se trata
mcorn Silva Guimaraes & C,, I rua
do Commercio n. 5.


Paraisboai a


Porto


Vai segnir brevemente a barca portugueza Mii-
ramar, que jA teai part da carga engajada, re-
cebendo o resto a frete barato : A tratar cornm o
consignatario Francisco I1ibeira Pinto Guima-
les, A rua do Brun n. 96.

LEILOES

Agente Burlamaqui
Lnil 0

De moveis e todos os utencilios de padclaria
e refinaglo, na casa ns. 28 e 30 A rua
de D. MariaCesar
Scibbado 8 do corrente
A's 11 horas em ponto
0 agent acima, a mandado do hIlm. e Exm. Sr.
Dr. juiz de direito privativo de orphaos, a reque-
rimeuto do inventariante do fallecido Domingos
Josd da Cunha Lages, levara a leilao todos os
bens pertencentes ao espolio do finado: ulna mo-
bilia de jacaranda complete e comn tampo de pe-
drs 1 parade jarros, 1 dito de lanternas, 1 espelho
grade, tuna mesa elastic, um guarda-louca, 1
commoda, 1 apparelho de porcellana para jantar, 1
dito para chi incomplete e todos os utencilios exis-
tentes na padaria e na refinacao da rua de Marci-
Slio Dias ns. 28 e 30, onde o mesmo agent espera
os Srs. ici.tantes no dia do leilao.

Leilao

De bons moveis, espelhos, loufas
e vidros
Segunda-felra 10o do eorrente
A's 11 horas em onto.
Na easa terrea sita no oitao da matriz de Santo
Antonio n. 18
CONSTANDO
Urma mobilia de junco complete, 1 tapete avelu-
aado para sofA completamente novo, 2 candieiros
para gaz, 4"jarros grande, 2 ditas pequenos, 4 bol-
las, 1 ,elogio de mesa, 1 espelhe oval dourado, 2
escarradeiras, 1 cama franeeza, 1 tapete aveluda-
do, 1 cupola, 1 lavatorio corn jarro e bacia, I eom-
mode, 1 abide de e6lumna, 1 toilette de junco, 1
eabide- 'oe parede, 6 cadeiras de junco, 1 mesa
para jantar, 1 lote de louga de poreelana para jan-
tar, 1 dito de dito para almogo, 1 mesa deo cozinha,
6 copos, alices franeezes, trem de cozinha, 2 jarros
e mais accessories de uma casa de familiar.
0 agent Gusmlo, comletentemente autorisado
por ura familiar que retira-se para fora da pro-
vineia farA leillo dos moveis acima mencionados,
tornando-se recommendaveis por ter pouco uso, a
entrega serA em acto contindo.

Agente Pestana

Leilao
De 20 eaixas corn bacalhio, 5 caixas com phos-
phoros de seguranea, pequenos, 5 ditas corn ditos
grandes, 7 ditas corn ehi fino e 20 saccos corn fo-
Ihas 4e -Ion p 20 caixas corn excellente vinho do
Porto tudo para fechamento de contas.
Semla-femia, 10 do correite
SAS l HORAS
No armazwmio Sr. Ann, defvnte da Al-

Leilao


Il


1de wort o de

ios, bot8es psra abertuira, di-'
-ra aea para -eow


bono


, jarros, qua-


n. 128, que acharA corn quem tratar. Na mesma
casa se precise de nma mulher de meia idade, de
idonea capacidade, parn companhia de urnma se
nhora, prestando ella alguns serviqos. Tambem
se precise de urma orphi de bons costumes, garan-
te-se o tratamento.
Aluga-se o andar terreo do sobrado n. 36 A
rua do Duque de Caxias, o 20 e sot6a do de n. 41
irua do Rangel, o 10 do de n. 25 A rua de Santa
Rita, o 2o e sotAo do de n. 24 A rua do Arag-,o, o
10 do de '. 26 A rua do Duque de Caxias, a casa
terrea n. 77 A rua de S. Jolo e a edsa corn sitio
e grandes commodos n. 1 D na segunda travessa
do rua do Prinzipe : A tratar na rua do Hospicio
n. 32.

Aiupga-se barato
A easn da Baixa Verde n. 1 B.
A kja do sobrado n. 4A 4 rua do Calabouo.
0 1' andar A rua do Bom Jesus n. 47.
A ease n. 1 C na Baixa Verde.
SA' tratar no largo do Corpo Santo n. 19.


:-- Precisa-s de urma ama que d conhecimento
de sna conduct, parn encarregar-se de tratar de
meninosede todo service domestic ; a tratar na
praA oCorpo Santo 6, V andar.


mia.te dt1


mo14


Aporoeni- a, aeteapi, 4 caixa de n-
-icatyf flauta e I esp~e1ho.
A saber.
Urna mobilia. cornta'mspde pedra eom 1 sofA, 1
jrdineira, 2 cadeiras de bra0os, 12 do guamiglo,
cadeiras de balance, 3 pares dejarros, 6 easti-
Vaes,eommangas, 2 esearradeiras,1 tapete do sofA,
10 ditos de pjrta, 2 figures, 2 eandieiroa, 1 caixa
de musical, differentes quadros ctm molduras, 1
Iauta harmonica, 3 cspelhos dourados, 1 espin-
garda, 1 bidbucl, tapetes do coco, 12 cadeiras de
Urna cama franceza de jacarandA, 1 mesa de
canna, 1 toilet, 1 toucador, 1 bereo, 2balaios paras
roupa, 2 c;naspara menores, 5 cabides, 1 guard
vostido, 1 candicire do molla, 1 '!avatorio comple-
toe 2 commodes. .
Uma meza elastica, 1 guard louca, 1 guard
comida, 2 rcligios de parede, 4 apparadores, 1
qUartinheira. I jarra. 1 sofia, 12 cadeiras de guar-
nico, 1 mesa e taboa de engomar, 1 filtro, 2 ap-
parelhos de po.elsana para jantar, 2 ditos para
ebh, 2 duzias de ehicarae pires, talheres, colhe.
res, ffucteiras, 4 garrafas para vinho, 4 compotei-
ras, copes para agua, vinho e champagne, 1 guar-
dtpetiseos, mezas, cadeiras, camas de lona, flan-
dres trem dc eosinha e muitos outror moveis.
Urma secretariat, 1 mocho para piano, 1 espin-
garda, 1 flauta, 1 album, 1 estante, 1 cabide tor-
neado, trem de jardins
Qiinta-feira, 12 de marco
Agente Pinto
Em continuaCeaio
*fender3d o mesmo aqente
Umalinda mobilia de jacaranda A, Luiz XV
corn sofa, 2 ricos dunktrquecs, 4 cadeiras do bravos
e 12 ditas de guarnielo, (nova.s).
Urn piano novo e forte te um dos melliores fa-
bricantes, 1 faquciro, 1 jarro o bacia de electro-
plate.

Importlanlte leilao

Grande exposifio
De lindissimcs objectos de marmore, ala-
bastro c carbonate
Constando de:
qJarros
Frncteiras
Figuras
Casticaes
Cadixnhas
Vasos divere-os
Porta-retratos
e muitos objeetos do mais apur:.Io gosto, proprios
para enfeite de mesa o eseripturio.
Tcera-feira 11 e qn.rta-fcira 12 do cor-
rentc
As 11 hor'as cm ponWo
Ns armazemna cl .-a doBonn Jes11
is. 51
Ricardo Francescono, do su' ultinia viagem
a esta proviccia, fai-l Ieillo, por intervxecao l,
agent Gusmio, dos ricos objects acirnia meneuio-
nados.
0 mesmo agent convida aos seus amigos e fre-
Uezes para irem vor a grande exposi(a.o dos re-
teridos objects, qu.' est'Xo expostos L concurren.
cia public.


AVISOSDIVERSOS
Precisa se do um eopcirofe.de um feitor ; na
Ponte de Uchoa, confironte a estaeao, sitio das
Palmeiras.
- Furtaramn da estribaria, ao amanhliccer do
dia 28 para 29 do corrente mez, da cidade do
Espirito Santo do P io d'Alho, rua da Estrada
Nova, tires burros pertencentes a Francisco May-
mono, resident e alii estabelecido corn ifitnma
de ealdeirciro, sendo um p-'eto, andador o um
tanto ardigo, muito custoso do pcear estando
solto, nao muito ne-o e corn o ferro n. 8 na perna
direita ; outro, urea barra mellada, andadeira e
corn o pescoco um tanto fine e outro castanho
cor de raposa, novo e descaruado. Consta que
seguiram pela estrada que vai a Santo Antao :
roga-so portanto ais autoridades policies a apre-
hensao dos referidos animaes ; assim como a todo
e qualquer particular que delles tiverem noticia
certa avisarem ao seu verdadeiro donor Franeisco
Maymone, que serA recompensado. Cidado do
Espirito Sante de Pao d'Alho, 29 de fevereiro de
1884.
Quem precisar de unea senhora para ensinar
primriras lettras, portuguez, franccz, musical e
piano, bordados de tapocaria, chroehet, labyrin-
tho, flores de couro e madeira e de papel, dirija-
se A rua do Conde d'Eu, outr'ora Caminho Novo


Inteiro
Meio


4)00
2-50OO


Quarto 1(000
Em quauntidade mateior de -Ol$
SInteiro 34500
Meio 15#750
Qaarto 875-


7


Manod Martins Fia.

KCs" In paies. T
!- w!

0 gNRCO VilaB


aUZgs dw lo.o.
lonaj.nnruze


qu e9 do
OLEOdefPI hEa=





CHEO RIER


Enzovaes e vestlis pa W M 4tl.& k 0 sI.
esti vendendo o MWuze ESant pr --ftA. d
valor; na rua do Parlo da Vietwia. 1 2.
Auida mis
0 *ie* EicaleMte t6 m do -OS
ed da V1etta .1 I
estA yendendo entremeo e aba bw&%&du, a 400
e 500is. a pea corn tires varas, pr M e"m-
&etencia.
AMA Preciss-se deura aa pmr omprarI
e cosinhar para duas peo ; a tmtar m rma do
S. Jorge n 6, segundo andar.


Bernardo de Moea LEe" IUl
A direetoria da Bibliotheea de Pabrmm ma-
guada corn o prematuro o infautie P MB to
do scio effective Bertmrdo de Sousa Le Filto,
convida a todos os socios e amigos do fihado par=
assistirem a tuns missa que manda celebrar ra
matriz desta cidade, as 8 horns da manbZ de se-
gunda-feira 10 do corrente, trigesimo de mea pas.-
samento. Palmares, 5 de m ryo de 84.
~J



.
Dr.1 JoJ o Taomna de A USlva
D. Argentina Araripe e Silva, seus filhos. Pr.
Antonio Aunusto Cairdoso de Castro c o Dr. Jer, -
uyimo [Thome da Silva agradecem do intino d 1,-
ma a todas as pessoas quO se dignaram acomnpat-
nhar ate a ultima morada os rrstos mortacs do
scu sempre chorado esposo, pai, so9p c iri. to.
D)r. Joao Thome da Silva, c inalanda'lo celc'h;atr
misses relo repouso eterno do finado, seg.m:i;
feira 10 do corrente, setimo dia do passamento, as
8 horas da manhi, na mnatriz da Boa Vista. emn-
vidam os seus parents e n:uam ,:lra assistir,'m
aesse acto de religii t c:.i.1:..I. pelo qupe c(i-
fessam mais ninua vcz o s. profando reconhlc i-
mento.
-Jo"opo(Tu;J,,lert9 ,la S:iva. aiwia Iungi-l)dain
acerba ddr, vein do alt, la imprensa agirade,'.
today s as corpo ra(;.',e s r lig ios i e at scc < 'r !
a prova de fr:teruidadeiuc :nim''aO Tj", Ihc ,i'r, rf.
por occasiio do lcitcmrro de si s,. pre pro- i.
esposa,Ac(he2in Suaria bairevia tln %il 8:
agradecendo aiiilda. cr,Iai:n tt. :-',:nv- I,
podercin honrar coin sue pr.c-ie:a.n a ii.-i .. 7
dia, por alira da mcsmina Hiia ,lai. l : v r
lugar na Egrej:ialtCifraria do L'r m ;. --
ta cda 'le, 'is. 7 h1orla. ( ,i! ,I-I dia 1 t -1 (
iea.te, tcr>a- fira ira .





Nos 4:000S000


A. rua Primelro de Marro. oU-
tr'ora rua do Crespo B. 23
e casas do costume
0 abaixo assign l1 tendo vcndi'!o :-)
sous afortunados bilhetes o itt ro,) n. 24",'
corn a sor-te de 4:000,:;00, dous mni.
n. 3296 corn a sort de 400.5() ), o intt r-
n11. 1768 corn a sort dIe 100-$0(00 e out-as
sortes de 32?2000, 16,5000 e 8-0X0, da
Icteria (18.'), quo se acabou de extralir,
convida aos possuidores a virem receb r
na conformidade do cestume sem descoL:)
algum.
Acham-se & venda os seus afortunados
bilhetes garantidos da 20.' parte das loterias
a beneficio das Escolas Primarias do Ii--
truciio Publica (19.'), que se cxtrahira za
segumda-feira, 10 do corrente.
PRGEGOS






















c SO


etc. No viho, s^j.^Ajifr a -sua qualki.4e transforma- eiUA
davelentte ga-&4sa te tortAn-o do urns potabilidal e, ab:olutat
....uni.od. i di .ricas de oagua gas.oa, doeSeltsA N l :-1B S
S facilidade de obter e realisar as condit-es de pressao e baixa me n" ears
para augmentar e salabridade dd gaz completamente puro, co goi.o prineipa 'este
genero, de fabricaoo.
f11 A facilidade no manejo de o engaaai at o e .rio ta alh s coneeu em
uma ba fabric, acham-Bse no nosso estabelecimento auxiliadose aos ap4tos
adoptados nas melhores fabrioas congeneres da Europa.
0 fabrioo das aguas gazosas e de Seltz na Europa tern tornado um d avolvi-
monte tal, que o son consume diaxio attinge A milhues de garrafas;esse aba siteato
attingindo em tamanho algarismo, o governor francez submetteu as fs brieaa A m s-
, pecgo das juntas saniArias do paiz, que Iheo preascreveu regras sob as quakes ago as
aguas gazozas e deo Seltz submettidas. 0 Sr. Hermaun La6haee, em urna impop-
tante brochura sobre as aguas acima eitadas, transcreveu opmines incontesavvei do
notabilidades medicas como Hoffmann, Zimmermann, etc., qae teem feito pprola ados
estudos sobre as aguas gazosas, cujas virtudes proclamam, e corn cujo a&uill opera-
ram innumeraves curas.
Bouillon Lagrange proelamna corn estas palavras os magnificos effeitos da aguas
S gazosas simples :
( Estas aguas teem umna aego particular sobre a mucosa do estorago' e dos
|. intestines ; seus principios volateis tonificam-lhes na sua fraqueza, dando-lhes a flexibi-
lidade e a energia nas suas funegoes; a digestlo lenta e difficil faz-se corn facilidade
per meio de sen use: dissolvem os humores biliosos que fazem o obstacaul da assimila-
9ao: dao ao venture a liberdade perdida: dissipam a languidezo e o estado melancolico
das pessoas nervosas e convaleseentes. As emanaoes das aguas gazosas teem a van-
tagem de titillar agradavelmente as fibras nervosas, de se insinuarem facilnente at6
S nos vases os mais delicados da economic, provocando-lhes as secregoes salutares. D
0 Dr. Casenave exprime-se no mesmo assumpto da seguinte form; (os effeitos
shysiologicos das aguas gazosas sRo mitigar a sede, abrandar o calor e augmentar as
pecregoes. ,
Em seu formulario magistral Bouchardat ajunta da seguinte formula o seu auto-
risado testemunho :
( A agua de Seltz c as bobidas gazosas, geralmente, teem uma ac9o especial
Sobre o estomago fortifieando-o scm irritar, calinando o soeu estado, espasmodico; slo
alo-n do minais excellentes bebidas pars acalmar a sede, c slo de unra grande utilidade
nas interites clihronicas, nias gasAralgias, gastrites, nas diarrh6as biliosas, nos vomitos
espasmodicos, nas affeccOes nervosas, etc. A agua carregada de acido carbonico (agua
gazosa) constitute urea bebida tIo agradavel quanto util em um grande numero de affec-
c oes chronicas do estomago ; douentes ha quo nao supportam bebidas d'outra natureza
f6ra d'agua gazosa.
Per sua vez Payen diz que a gazosa e a agua de Seltz dando ao vinho um
saber acido picantu, firs as propriedades embriagadoras d'esta deliciosa bebida.
A vLta, pois, do que vimos de expor, temos convicAo de que nao poderA haver
pessoa alguma d'esta capital quo queira privar-se do uso das aguas gazosas tanto a
mosa come em bebida ordinaria.
A reducrio dos pregos, a promptidao corn que podemos servir a qualquer pe-
dido, levando A casa do comprrdor o numero de garrafas que quizere sao outras tan-
tas facilidades que offerecemos aos consumidores.


A VENTUROSAX

Nos4:OOOO000
BT
I LmRua l C"bia1
16, Ruul% uO3C l~i 1 16A
Ac., au- ,:, <, vc-, t.rosos bilhe-
tes garantidlos da loteria n. 19 em beneficio
4 das escolas primaries de instruglo public
ca, que se extrahira na scgundajfeira, 19
do corrente.

luitero 4:000
SM3eio 2:000
"Quarto 1:000
Send quantidade superior
a 100:000
Inteiro 3:600
Helo 1:960
Quarto 9I0O
Joaquim Pires da Silva.



JOlAS

MIGUEL WOLFF & G.
Participam ao res-

S peitavel public, que
S continuam ter urn sor-
timento de joias das
mais modernas e dos


mais apurados
Comproiuet]
Sa vender nai-.
Sdo que em outri


p~irte.


CASA DO OUBO
Aos 4:0004000..
BIIHETE0 ARANTIMJOS
tRua do Bartao da Victoria n. 40
e casas do costume
0 abaixo assignado acaba de vender
em seus felizes bilhetes dous quartos de
n. 3197 corn a sorte 20000, e diver-
sos preminos de 326900, 164000 e 86000.
O0 mesmo abaixo assignado convida aos
possuidores A virem receber na conformi-
dade do costume, sern desconto algum.
Aeham-se A venda os felizes bilhetes
garantidos da 20. part das loterias a be-
neficio da? Escolas Primarias de Instruc-


g9o Publica, (19."), que se
segunda-feira, 20 corrente.
PRECOS


Inteiro
Meio
Quarto
Em poripo


de
- _*-


eima
Inteiro
Meio
Quarto


extrahira na


4#000
2#000
16000
00#000o para


3#500
1#750
#875


Joio Joaquim da Costa Leite.


CASA V..1tLI Z
AOS 4:0

Praa da Independen.
cia ns. 37e 39


gostos. 0abaixo asaignado veudeu entire os seuns
Sfelizeabilhetes garantidos a orto de 10(0
tenl-se eni dous- m aB ns. &.38, e outasBorts
de32, 18#i e 8#,- da lo ia 17q s
garaieo.aa t e,-:x-u 'm.
Squal-..be --a
qua 0 Is"MP, li.V^^~aBoi: 4, 14M ol ",to A.-;:
vend& on
19a ioteria.
do i,,. roo a.


notot
Cm
weste


~*3*
loow.tis)m.4.


44 ua W. J d
P4"a J* dRtudo n
L ra Jo&a do Rego


Parm cass de duas peossa,- precisa-se do nmurn
ama para c mpgar oe-ei w : was rua 6o Mar-
quez do terval n. 87. _
Alert&-
FalsiNiAeo nmM de polvoIra
E;Constando-no8 que em breve sera offerecida
pOlvora corn a acreditada marca diamante e J no
centro, marca esta bem conhecida na provineia
por ter sido peor longos annos uma marea especial
do Exm. Sr. Barao de Bemnfica, prevenimos aos
interessados que a verdadeira polvora peor-nts fa-
bricada traz nos barris um elephant estaripado
serm o qual a polvera nio A verdadeira.
John Hall & Son
Londres.
AMA
Precist-se de unma ama para cosinhar em casa
de familiar ; a tratar na rua das Flores n. 9.
Caixa de instrumientos
dentarios
Na pharmacia de Levy & C. tA rua do Barbo da
Victoria, existed para vender urna caixa contended
instruments para cirurgia dentaria, o que ha de
mais modern e delicado no seu genero ; em umn
pequeno volume facilmente portatil acha-se ren-
nido tudo quanto 4 necessario para as mais deli-
c.das operaSes da bocca : os interessados podem
verificar, que nada ha de exagerado no que dize-


mos.
Ama
Precisa-se de ama para cosinhar : na rua Di-
reita n. 57.
Ama
Precisa-se de urma ama que cosinhe, lave e en-
gomme, para duas pessoas; na rua de Feman-
des Vieira n. 24, taverna.

4lm
Na rua do Born Jesus n. 45,-.segundo andar, se
precisa de uma ama.
Precisa-se
de um menino de 8 A 12 annos, para se occupar
em urma casa de familiar em services proprios de
sua idade. Alem do convenient tratamento da-se-
Ihe a necessaria educacgo ; a tratar na rua de
Pedro Affonso n. 29, escela de meninos.
Criado
Precisa-se do um moleqee de 12 A 14 annos,
para criado ; na rua de Livramento n. 32.
Ama
Precisa-se de uma ama para engommnar em
casa de-familia: usna rua do Amorim n. 66,

1tlenCao
Offerece-se urma senhora de boa conduct pars
tomar conta de urma easa de home solteiro, su-
geitandTo-se a todo o trabalho de portas a dentro;
a tratar na rua Direita n, 123.
Ao commnereio
Eu abaixo assignado fago sciente que comprei
nest. data o estabelecimento de molhados sito A
rua do Bomn Jesus das Crioulas n. 21, pertencente
ao Sr. Manoel da Costa Ramos, livre e desemba-
raeado de qualquer onus.
Recite, 5 de marco de 1884.
Manoel Joaqim da Ors.
Ao commercio
Eufrosino Rodrigues do Couto o Eduardo Al-
fredo Rabello de Mattos tendo domprado o esta-
belecimento de molhados sito -4 rua da Palmns n.
71, ao Sr. Antonio Duarte Pereiras, pedm a qem
se jfulgar redor' da dita eas, o favor de eb-
rem oS nPew creditor at60o dir 10 doorreate.
iR..if.6 dew .-1 .
Aeie1,

Antonio
8 ea~tabol
Palms ni.'
Couto eEd
dVtams sof


eam., queira vir a
rente que sera em-


- gredo dfo odef e doae fvAo tempo w3
a '; ^ w iabj* eladea d'ios lum js *
* Oab raan fmdeiwidama
Achakes ..po0 dotoo valk tmedi-
m ~ti nualaa e Droritd'esm
cidwe. V dar em reoiihece"-o
i .e amela imitaCoal, ninl c4 e,
I'sjaoT,-rdadsir9vZNHOO B6)-


1 XAROPES
DE HYTPOPHOSPHITO
. de Sods, de Cal ea de Ferro
Vf KM.rga corn tanto exit* a
^re3-a phtltoioa e a moleotlt
ittub1 rmaa,. vendem..e unicament
Iam frasoos quadrados corn o nome do
,Aoutor CHURCHIL L sre o vidro.
Sob a Influencia dos Hypophosphitos
.1 tosc diminoe, o appetite augments,
&a forcas tornado a vir, os scores noe-
taraoas mio, e o doente goa doe m
bmH estar deusado.
Os hypophosphUts que leo a marca
do fabrics da Phua'macia OWAKN, 16,
mconhecidos a recommenaadoa pe1t
ru e C aatig lion o P aris, S &O.08 u n -c '
9C WOWWIti'. ikuto da 4eaoberta 4.
S propriedades curative.
Prego: 4 por frasoa n Franga.
| Viad noMns principaea Pharmad".,


m4



AL


vidam n um rotulo usteudo a asit.
goam de Ch. D61acre, Fwecir
do 1W. As snmidades iuedin
fizerab os nab lisongeiros elogkom.
CHOCOLATE am PlB
DIPOSITO KM CA8A DO
IFRA- M. a SILVA a& G-
SoW tiMs 5 priacpaD
JWAIES8 DS NOLEADU
*' i~4 i
Psmsi buopW~^S


,PAPEL r OLLOT
B1WARBaiOLBAS

9 uatssam Como
ejarnpto ,iiiceltaw como
do yerd v adldeiro

eAnlo 0 ^e traz
nsApto e dtravez
corn tints encarnada
a afsignatua em frente.
lqIW ogswl: U4, Arnue VIctWo ?PARIS
m VB-S SM TODAS AS ARAUMAC"


jm A asMDIGOSi


0 Sir LMon BLOCH, de
Genebra (Suissa), tern a bonra de
informar aos Sirs Medicos que
acaba de aperfeitoar,pela junco


do MICROSCOPIC

Thermoimetr0 deClinica
de MAXIMA
Prtivllgado em Fra"a e no Estraugelro
Venda em Grosso, em GENEBRA, na .ast do Inventor.
WltaasMPmrnambug:.r- M.daSHUa&,&I.ga


Grande Exito ha mals d e 20 annos



Este ifEDICAMIENTO, de sabor agradavel,
4 adoplado pelos melhores Medicos de Paris
y" O0'T R.A : N
DEFLUXOS,GRIPPE,TOSSE, BORES DE GARGANTA
CATARRO PULMONAR
HUTAC8S do PElTO, das VMS URINARIAS
e da EXIGA
AM- PlU-mh BLAYN, 1, m Im-Sait-luMd 'RIS
posifWs em Pornambuoo: IRAN M. A4* SILVA & NUNN d1=3ae A FbL


A LA R'BTE DES FLETRS

kmalketes loves
plop

L. T. PIVERn em PARIS

I Mascotte
PSKFUME PORTE-BONHEUR
cExtaeto doyloIopsis do Jap&

PEfFUMESI EXOIITOSl-
SBouquet Zamora Anoaa da .enafte
Cydoia do Mtin
Stephania W&strsi~e
Nffaotrop4 blc GardenIa
P dehi eii des fas etc.o


1* */ '^


:1


I
i8-Rum


AI
.-4


C,


MIGUEL WOLFF &G
Offerecem ao respei-
tavel public um gran-
de e variado sortimnen-
to de relogiosdos mais
acreditados fabrican-
tes, e se acham habili-
tados a vender mai
barato do que outro
qualquer, visto rece-
berm directamente.
Todos os reloxios


vendidos n'esta easa
sao garantidos.

Rn io ahuIt 1. 4

Quem quizer alugar a casa n. m rm
da Uniao, procure as chaves em a ljaon.
30, rua d 3 lmperador.
Ama
Precisa-sc de uma amse para lavar, egaomal
e andar corn crian'a ; a tratar aa rua do Barlo
da Victoria n11. 41.

Modista
Rua dla Prala n. 3 JS amdar
Eduviges Maria Coelho, participate as tas Unn-
merosas freguezas que dikpondo de haleis costai-
reiras e tendo por norma os figurinos mais recen-
tes, acha-se habilitada a satisfazer qualq"ertoilte
pars casamentos, baptisatdos, bailey., pseios, etc,
pre~os commodos.
Aluga-se
urma grande casa terrea na Ponte de Uchoa. tra-
vessa de Sant'Anna ; a tratar na rua do Com-
moerci n. 5, corn Silva Guimarles & C.
Casa no Chaeon
Aluga-se uma casa corn sitio, fruetelras, hem
conservada e corn muitos commodos ; a tractor
na rua da Aurora n. 81, armazem.
~, ittepd
Preeisa-se de umaa scnhoratde u eia idae ara
governante de urma casa de tamilia, dado fi ado
de sua couducta s; a tratar na ra d Cra a. 1,
primeiro gndar.

Para engom.r
Precisa-se de uma ama, forra ou cativa,
para engommar e outros misteres de cas
de familiar; no 3. andar do predio n. 42
da rua Duque de Caxias, por eima day-
pographia d'este Diario.


Trastes


A' rua do Impemdora. 16 pommpa-&, veika-ag,
alus-se e troe-a-s, asie uie & .


eeia- m eua does ea-
sa de fa=aili: i trmtar da mUb 47

-Preeisa-nacoinM nado-, OWN=*M
bem; asara doCa=I;a r. .

dOlG-n 0 sadS& strobt sra. 17, do buom


Preius-s e o usm aputiehm d Ite is a W-
tar i rua daMadbe de D& f in.
Vaina dstt


I


^i
. -?*


*Bs
ffs-
,i *-(**
"^s;.,.




s'


Precisa-m
Madre de Dean
-.bdfion. sT z


i


qu













Sdere set i


DA OI.DR


DII,


EOMPOSICAO


S"'d'do ,Figue mdo
F no ga~nd V.'-e,


Ef gado cona a malor efficacia no rheumatismo de qualqtLer natigeza,
: ; : em todas as molestias da pelle, nas leuchorrh6mas.
0 0, 4res braicas, nos soffrimentos occasionados pela impurbza do sangue.
ife .ente nas differences f6rmas da syphilis.
-.* .,:. ...,^ ** **^:.. '.. :., ...g.81 ^ ,, .. ..- .*:, ...

PEOPAGADOR
.l w4='" "^^ .e.. -.
Ant no Pereirae da Ctnha


orueixowze propopagdior?


Prevexnr. que estas interroga.do ha de ser formulads, apresso-me em destruir quaeKuer magnas que p r ventaI
pretendam attribuir-lhe os quoe virem eom estranheza figarar o menu nome na prOpaga9io do .
Dous motives principles determinaram o meu procedimento:p "'"o" "--.- _-2..l .
Sou naturahlmente propenso a auiWar qualquer industrial ova, ma vez que o l do _enu d _ol,' q 4lqe18 beefido
prosperidade pars o men paiz. ....' -,-.-'.- ... -t..
Na minha qualidade de industrial entendo que ha nisto o cumprimento de um dver, pinpalnte quano s trata doe umas inven-
Ifo, que aproveita a today humanidade soffredora e cujo author nao dspe dos recuropo precisos par fael-a fructificar e ser util.
Tornei-me propaiqador para eu iar uma utiiima inverzfdo. --- -i '- -,
Na minha qualidade de commereiante serial loucumra atirar e.comprometter capitawe, que de future ho de constituir o patrimooi de -
meus filhos, para unicamente gozar da ,satisfaeo intima de ser until a todos corn sacrificio de minha familiar. ".a.'te,,.
por isso julguei tambem do men ever, ao mesmo tempo que punha disposlIo dessa nova lnVeonco o me0 nome, o men crelito
e os meus capitaes, contractor corn o illustre inventor, que correriamos socialmente a meoma sort.
D'ahi o contract de sociedade quo nos prende a mim e ao illustre inventor. .- '
Conseguintemente torvnei-.m ad propagadr para eopilorar ommrciak nt ea lemie-dO
Do que se segue ver-se-ha a demonstrate o do que acabo de affirmar. -
Ha alguns aneos, que o illustre Sr. Finm-no Caudido de Figueirelo. homem de intelllgenela 10uo comn.., e de uma actividade
persistente, applicou-se ao estudo e investigate, que deain em resultado o decobrmento de u poderosissimo medicamento contra
algumas enfermidades que tern a sna sded na impureza do sangue. Depois do aturdas exporlenisa, que levaram-no a adquirir inaba-
lavel conviccao da efflicacia do seu maedicamento, o Sr. F, Figneiredo procurou obter os meioe do fuel-O conhecidoe until. -
Bateu a muitas ports e nenhuma se ihe abriu; ate que sendo-me apresentado e especilmate recommended pelo Exm. Sr. Dr.
Jos6 Marianno Carneiro da Cunha, digno deputado Assemblea Geral, informrei-rme mlnucioeamente sobre as distinctas qualidades do
Sr. F. Flgueirgdo, do seu character, da sua siaceridade e boa fe espedalmente acerca da sua capacidade e 4o sen medicamento.
Fiz mais ainlda: quiz eu mesmo fazer as experiencias, que j tnar msido feitas pelo inventor.-.%' .
Appliquei o medicamento a diversas pessoas, e at ais de mfiha lamilia, e eu mesmo experimenti-o. -.
0 resultado nao preciso dizer que, que excedeu a minha espectativa, bast, para pmroval-o, o facto do assoc;r-me ao Sr. F. Figueiredo
e poor immediatamente a sua disposillo os recursos necesarios propagagao da sua d-sobera -,.6: '4A -
Uma difficuldade surgio: o inventor nio tinha um titulo .flcal de sua capacidade, emfim no 6 plVrmaceutio, e muitos invejosos e .
outros tantos despeitados, posto que titukados,poderiam pretender embaracal-o, antepondo-lhe as malba da noss official regulamentaqgo.
Ainda bern que a historic esti cheia de nomes de inventories, que nunca tiveemn titulos official, reconhecendo ou presumindo '0
conhecimentos scientificos relatives a suas inven4es. *'--.L., <--:'- ,' -.
E centre n6s mesmo, quantas muitas vezes a tiana dometc naSo tern sido aubripwta e doptada pola sdencia dos Doutores?
0 medicamento do Sr. F. Figuelredo produziri menos effeitos terapeuticos pelo facto de faltar-lhe ums particular de tintura sidenti-
flea official? Entretanto para evitar conflicts e tirar aso especuladores todo e qualquer protexto, julgei conveniente sujeitar a formula
do Cajiirurba ao illustrado e criterioso exame dalJunt4 df Hygiene Publice do Rio de Janeiro, a qual concedeu a dorida approval,
pelo que igualmente foi conaedida a respective autorisacao per decreto imperial para a manipnhscao e venda do refeoido medicamento.
A approvac9ao da Junta do Hygei. sera bastanto pars impor respeito aos sectarios do oiicialismo. "


Sendo o Cajisrubwba um composto de products vegetaes, tendo por base o ewAj e a JArnvba, pioductos estes que tern de se r apro-.
vditados em umna poca do anno, deliberei construir e montar na chacara do Sr. Major Luiz Cintra em S. Amaro armazens onde se en.
contram os machinismos e apparelhos para fabric do vinho e alcohol do cajfi, empregados no Cajimruba e bemrn assim serlo tambem
montados os apparelhos aperfeicoados e indispensaveis manipulaco do medicamento. :
Em takes condigSes brevemente ficarei habilitado a satisfazer as encommendas ja feitas e as que de future soe fizeremn
Para provar a efficacia e optimos resultados do emprego e uso do Caj4rubft, chamo a attongo dos leitores pars os atteqtados e mo-
lestias que foram combatidas e inteiramente debelladas por este miedicamento. --.--.
Firmam os attestados pessoas conhecidas e de elevada posicAo social, cujo credito nio podera sdoer post em duvida.
Sendo, por6m, costume considerar-se graiomoa takes attestados, precise desde jI assegurar que a o s elles ficticios: se, pois, alguem
duvidar desta aflimiarao e conseguir provar por meios legaes a falsidade ou gracioaidad delles, recebera a quantia de 5:000$000, que me
obrigo a pagar. .-: :",. .-:
Para que o public tenha conhecimento dos resultados que for obtendo o.CKjwrubfa, publicarei um boletim trimensal em que se
passario em revista os nomes das pessoas e das molestias em que o medicamento f~r empregado, sendo tudo comprovado por testemnnhas
irrecusaveis. -- -o.. Sat -"sa.-_ -l,,
Desejando ser util aos que soffrem e dar a devida propagaci ao ao Cajrubba, tenho enviado a alguns illustrados clinicos desta capital
um certo numero de frascos do medicamento, afirm de que possam elles reconhecer os effeitoo salutares deste.
Crelo espondid cavnl ntementeinterogaoagardo, os facto: o; a o P u csobb o '.A "procedimento.
# Creio ter respondido eonvenientemente a interrogaefao formulada e aguardo OB ""to "e a opi "a pulc sor 'uprcdmn


Attesto, que em Agosto de 1881 regressou minha
famiflia da capital do Para para esta cidade, vindo
minha mulher muito incommodada de uma forte
erupao pelo rosto e parte do corpo, a ponto de quasi
nao durmir as noites. No Para, bern como aqui,
sujeitou-se a tratamento medico por muito tempo,
sem jamais o mal desapparacer. Em Abril deste
anno, ja descrente de tantos remedies, e sem resul-
tado algum, resolveu-se a tomar Cajuirubbca, reme-
dio que me foi indicado por meu mano Francisco,
por m' ter applicado corn felz exit em pessoa de
sua familiar. Corn dous frascos ficou restabelecida
e atW hoje a melestia nao voltou. Recife, 6 de
Agosto de 1883. Dr. Gervasio Campello Pires
Ferreira (Desembargador'da RelagAo de Pernam-
buco).


S Attesto que empregando o preparado denominad
ajfirubeba no tratamento de dous casos de arctrite
rheumatismal chronic obtive o maior resultado.
E' a verdade. Recife, 23 de Agosto de 1881. -
- | Dr. Ildefonso Theodoro Martins (Medico pela Fa
*uldade da Bahia).


Recife, 10 de Julho de 1$81.
Illm. Sr. Firmino Candido de Figueiredo. Jose
Caetano de Medeiros, Tenente-Coronel da Guarda
Nacional e Cavalheiro da Ordem de Christo: -
Declaro, ue o seu preparado Cajurubeba e um pro-
digol! eu filho Cleofas soffria de dartros a ponto
de se ir tornando uma molestia seria; depots de se
ter tratado homeepathicamente e corn mais outros
remedios serme qUne melhorasse, usou do seu Cajuru-
b6ba, e antes de acabar um frasco desappareceram
como por milagre. XJm outro meu filho soffria de
nmia ferida na perna, e depois de tomar a Salsa e
Caroba por alguns mezes sem que a molestia obe-
deeesse, corn o uso do seu milagroso Cajutrubba
ficou perfeitamento curado.-Vr Uma minha neta,
soffrendo de flores brancas, recorreu ao seu prepa-
tado, e em poucos dias ficou b8a. A' vista disto no
devo occultar tao prodigioso medicamento, nao s6
para animal-o em seu trabalho, cor. para en sin:ar
aos soffredores a taboa da slva.Vo. R-eeife, 22-
d& Abril de 1883. Joso bfaeft*o d Medeiro.


do(I


Illm. Sr. Firmino Candido de Figueirdo.. Re-
cife, 13 de Maio de 1881. Julgo cumprir corn um
ever declarando ter empregado corn o major suc-
cesso o seu depurativo Cajurubeba, preparado vi-
noso compost. I .
Achando-se bastante doente, corn umn brajo en-
trevado de rhiimatismo, minha mulher e tendo re-
corrido serm exit algum a varies rmenicamentos,
seguindo a sua preparamao do depurativo Cajuru-
bba, duas colheres das de sOpa pela mnanhi e duas
d tarde, corn poucas d6ses produzio uma melhora
sensivel, ficando em oito dias completamente res-
tabelecida. -
Desejo que o meu testemunho Ihe seja util; nao
posso deixar de aconselhar a todos sna preparaao.
Querendo, p6de fazer desta o uso que Ihe convier.
- De V. S. Attento venerador e criado, Joaquim
Herculano Pereira Cdldas Junior. :I


'I


Attesto, porque vi e observe, que a preta Esco-
lastica nao andava a quasi 8 annos, tendo as pernas
completamente chagadas, e corn o emprego de
Cc'atrubeba desappareceram as chagas e comeou a\
andar. Recife, 6 de Agosto de 1883. Gervasio
Camnpello Pires Ferreira (Desembargador). 1.
Recife, 16 de Dezembro de 1882. Illm. Sr. Fir-
mino Candido de Figueirgdo. Cabe-me o prazer
de communicar a V. S. que, tend soffrido durante
4 mezes de rheumatism, acompanhado de inchago
nas pernas, alem das dores que me privavamn de )
andar, a conselho de V. S., comecei a usar do Ca-
j-4-rubeba, seu preparado, cujo effeito nao sefez espe-
rar; pois somente comn um frasco fiquei completa-
mente born. Nao hesitarei, portanto, em aconselhar
aos que soffrem de tal molestia que recprrao aquelle
efficaz remedio. -
Queira V. S. aceitar esta minha declaraao, e
fazer 4ella o uso queeapopver.
'Aproveitaap a- occasion, ii manifesto a ,V. a
-est itna e oc'On a te o wqu esou-D e V. .atte ;-
9ioso amigo e grsatkm criado, Diogo Carles de
Ak*ik& eAlbuqutrqu..u -.- i;-" -
I1lm. S.Fraiadle Figer~do. -Tendo. .Sr.
tEmigdio Heirique tivaqFilho, estava Tot-
foreno havia muitomfrez, doe ,h:tft otleaiare
uwo do medi com U 6imsncftia

Pre.isa-se do uma ama na rua do Visconde de
Goyan n. 87, (antisga do Mondego) para todo
service de uma s6 pessoa.
Sa r sra couinhar; precisa-se
A. X Af4 na mrua da m1peratriz &n 78,
primeiro andarb


- Vende-se o acreditado estabelecimento de
molhados, sito 4rua do Visconde de Inhadma n.
67; a tratar no mesmpo.

Kgrai iwI~iv
iMeure a alva-vldat e prwpriedade
Unico prwviegiado em todo o imperio
do Brasil
YENDE SE em caixas ou em lotes grande
oom cinco gales, e pequenao corn um gallo, ea,
seu unico deposit A rua do Born Jesus n. 38, jun-
to ao correio geral.
Kerosene inexplosivo
Penna & C. declaram ao respeitavel publieo que
deixaram de ser agents do aereditado kerosene
inexplosivo de Carol & Cardoso, o qual s6 se vendt
agora em seu unico deposit 4 rua do Born Jestu
n. 38, junto ao correio geral

Farilnha de miliho


Moida a vapor, de la, 2' e 3a qualidade, a 100
rs. a libra, e de 4a a 80 rs., em arroba a 25500;
vende-se na rua do Cotovello n. 25.


AVISO
Adamson Howie & C. tern para vender:
Vinho do Porto fino, em caixas e barris.
Whiskey DonviUlle verdadeiro.
Tinta de imprcssio, boa qualidade.
Brins de Marshall verdadeiros, de todos os nume
ros.
Remedios de Ayer.
3--RUA DO COMMERCIO-3

Pechiiclia

Cal nova de Lisboa
Para engenhos
Descarregada hontem do vapor Merchant, ven-
de-ge por mienos que em outra qualquer parte.
Em por'ao se faz desconto
BUepositos : no armazem da runa da
Mladre de DeuB ii. 9.

ANTIGA CASA
Carneiro da Cunha


francez
0 atoslh^
ilbahdo (


4 Wguras metro a S0o!1
bordade,ditea&1309.
Sliatraa de sres, 3 largw-


a.8*


8500.
pr m8i0.
Lo pa* monitoo


fioh~s a32*500,


ra, sendo amenessm e toda de I fazenda mUito
1ee, propria pa.alga, palit6ts e colleges, pelo
barato prevo del.400 o eovado, ou mande.rn-se
fazer costumes da mesma,B endo palit4t sacco a
35100 e de efrak 400)O ,6grando pechincha: A
loja da esquina do becco dos Ferreiros.
Espartilhos
a 14 e &SO.@
Na loja da rua da Imnperatriz n. 40 vende-se
muitos lons espartilhos pama senhoras, a 55000;
e ditos para meninas a 4Q000, assim como um bo-
nito sortimento de fichis a 31000, isto na loja da
esquina do becco dos Ferreiros.
Merinos pretos
a0400,AO, OO4,, 000 e o00
Os Barateiros da Boa-Vista, A rua da Imperatriz
n. 40 tern um grande sortimento de merin6s pretos
para vestidos que vendem de 1*200 atW 24200,
send muito boa fazenda, assim como ditos encor-
pados para roupas de homes e meninos que ven-
dem muito barato na loja da esquina do becco dos
Ferreiros.


t sa 160oIf is
Os Barateiros da BWa-Vista vendem muite ho-
nitos linhos de uma- s6 cor e de listrinhas para
vestidos, sendo a 160 reis o covado e de ( rcs fixas
isto na rua da Imperatriz n. 40, esquina do beeocC
dos Ferreiros.

Fazendas brancas

Na loja dos barateiros
da Baa-Vista


4O-Rua da Imperatriz
VENDE-SE
Madapoo, peca&sde niadapolao franecz
Cnfestado corn 12 jardas a
Dito muito largo corn 20 varas a 43500 e
Dito, fazenda muito cncorpada que pa-
rece eretone, corn 20 varas a 5,3500,
6.*000 e
Dito fl-ancez, americano, fazenda muito
final e encorpada de 73 atd
Algodao enfestado corn 9 palmos de lar-
gura pars fazer lencs de do umr s pan-
no, metro a
Dito tran~ado com a mesma largura,
proprio para lencdes e toalhas de
mesa, metro a
Bramante de algodao corn 10 palmnos de
rargura, proprio para fazer len6cs de
um so panno, metro a
Dito de inho, send muito enicorpado,
da( mnesma largura, metro a
Creguellas pr&prias pars lenc6es, toa-
lhas, eeroulas, send fazenda muito
encorpada, cads peqa corn 30 yvaras
por 143800 e a vara a
Dita corn corn 20 yarns a 7T3500 e a
vara a
Atoalhado adamaseado para toalhas de
mesa, tend 8 palmos de largura, me-


-1O


1000
5-3000


12,3000


13200

13250
230Ki


500
400


tro a 1)OV'J
Isto na loja da esquina do becco dos Fenrreiros.

Loja de fazendas e modas
DE
ENEAS AMERICO DE MEDEIROS
Rua do BarAo da Victoria n.I
Grandes novidades em fazendas finas a pros
fixes e sem competencia
Centre os bellissimos artigos que se encontr
neste acreditado estabelncimento, faz-se notar os
pre~os dos seguintes, para causar admiraao :
Las mescladas, fazenda larga, covado, rs. 400
Ditas listradas, tazenda de grand efifeito
covado, rs. 500
Ditas lisas, fazenda vistosa, covado 640
-Ditas de flores, padres muito novos,
1oao a 0-t


covado, rs.
Setinetas estampadas, fazenda larga e
de gosto, covado, rs.
Tecidos de la e seda, lindos desenhos,
ceovado, rs.
Ditos idem, corn desenhos em xadrez,
covado, rs.
Alpaca de cores, lavrada de seda, corn
lindissimos padres, proprios para
NOIVAS, covado, rs.
Ninon de Lenclos, fazenda de finissima
gosto, covado
Toile d'alsase, desenhos deliciosos, em
amnagene, covado
Zephyres em lindos cortes, acompanhados
de bordados, o que pdde haver de mais
deliciosamente poetic, cada c&rte
Velludilho lavrado, covado
Fustoas brancos de differences deseohos
e qualidades, o cavado, rs. a500, 700 e
Ditose estampados, covado


IBIO
400
750
800

8OO
500
500


203000
24000
900
700


Akem destas fazendas, que Be garante muito
agradar ao mundo elegant da nossa capital, ain-
da se.acham no mesmo estabelecimento muitas
outras fazendas finas, como sejam :
Damazes lavrados
Lavantines
Caoaimires
Merinos
Organdyline, etc., etc.
e muitos zutros artigos de moda, como :
Leques (desde 54 a't 604 cada umn).
Fichus -de l e de soda
Cahidas de baile, chapios para senhora, de p&-
lha ingleza.
Espaxtilhow.
Costumes para menims, desde 3 ate 9 annos,
etc., etc.
Finalmente um explendido sortimento de cami-
sas e oufts artigos pars homens que poderA tanm-
bemrn ser encontrado no estabelecimento de

Ea do aBarico dai ietior .
Baa do Darao da Victoria n. 2


GARANTA11DABAELLO


USE- E VERA
Chegou nova re-

messa paraa Livraria

Franceza, rua 1.0 de

Xarqo, n.9.

UNCO DEPOSIT
Pre o 800 is.

Vi... .. d. Port.



E 1O0 ROTULO


g~rkidnos


no


o- no s me-
N, e recem-
dmoNa4
do MRO


A RfINHALAMEA DODL.
.1' FR ER1 I ORBI'S!-
A scieneia e a pratica adopta ma fari.
nha Lactea como podcroso eleimt nu-
trictivo para a infancia e distinctU media
cos do Brasil e da Europa reconheeri
ser A do Dr. FRERICHS a mother u',do
genero.
Deve -s pois evitar confilar o fin
unma pessoa estranha c de comportar -at
nao conhecido muitas vezes o germen 4.
numermsa molestias.
Vendc-io a verdadeira farina Lact64


do Dr. Fvriehs:
55 1JJA DO IMPERADOR 55
Estabeldwi,'vdJo de musical e piano de VIo.
torPrialle
SAHTIR.AX
Grande v, i 7,dade cIm papcl d'arroz, 'ara os de-
licados trahl-,1 s da nodR, o Pedro An! '",cs & C.
foi qucm rccbiu, 63 rua Duque de Ca,
Ainda mais
Novos e fr'-,eos sijpSsMIis, a,': a-
hero Pedro tm i kies & C.; (,; r,)u '
xias.
S ho lindos


Os boinla ,i .'trmha?[.moiit'os c tapa'u
de reccbcr o Pedro A.ituio 3 & (C.
de Caxias.
Especialidtio
Para os (-abt)ell(s o: v,'rd.d deposito-Pellro Antunes & C.


TIn~


E' nova! Senipi o iva!
As inter'--'aui s cri: .s gmade revelu,';o :mi
e'alungas. b,",' Vo g r av de rcceb-!r .Pc-
dro Anin-,nvs & C.
Nova Esperanfa
63 R1 '. 1I'QIk i lE CANIA4

Vende-se terrenos para ediicar
Na rua da (Conrdlia n. 6t2. com funi
para a Casa le Deotcnio, licja frette -:
de Lnrgura KH) l.-in' e 430 de firn,,t
ati 6 rua da Cc.n-idia, na frente 2."-.
ConfrGo t, ;a "-tc t u .- .-.i.it clj) fin,''I
dlcita par:, a rua ( P.l;ni:; e-tvs tci-
nos velnd( i-s c no tto'lo Os r- -'ndentos ,iu-iram dirigir-e 'i
proprictario da ( '.I ,I Baulions no Pua::o
do Carmo.

-Faznildas

Para vestidos


Setinctas \li;:s e lavradlas, sendo oom1 as
cores c lavrores o i1is lonit. que tern
vindo so mercado a 500 r.:. e
Ditas muito borf;t, con i;ibarras largas e
estreitas, covado
Gorgoruos bonitos de 1R, lavrados, para
vestidos, tciido de todam as cores, co-
vado
Merin6s de umn U su car, tend de todas am
cores, fazenda lde rsto, covado
Aipacas liss, t-ndo de todas as cores
Fust5es broncos 'rp-rios para vestidos e
roupas de cri.i.n-4,f de 440 ru., 500 e
Cretonces corn barra, scudo claras e escuraa
covado a 100 c
Ditos scm barra c mauito encorpados, pro-
prins para vestidlo. camisas e muouplas de
cmian(-as, covado a 560, 400 e
Clhitas, grande sort mnonto de chitas elara
e escuras, de cores fixas, de 2-'r), 240 ate
Mariposas, as mais linmins mariposas que
tern vind o mo t(reado, corn desenhos mmi-
dinihes, co'ado
Baptistcs corn d'licridf dcsenhos mDiudi-
nhos e g-raud-, a--:in ,-Amo litias
Canbmraias braicas tsipadas e transparentes


4a


fro]

,I,
- '1


Ronpas p ara homens
POR
Prevos barai,-sISI
N. 10-RUA DA DMPER,.TRIZ--N. 40J
Loja doH barateKi'6
DA
BOAX.-ISTA
VENDEM
(l,:-s de molesquima, padrioda ee-
4.11-s muito bemn feitas e faenda que
i:lo dsbota a 2,l50Oe 3j0X
DNits do cazcmiras de litrinhas e qua-
dirinio-s, fazenda muito boa e que so
lava, a 0
DItas de eazemira preta, auemda muito
boa, de 6A500 atr 10000
Paletots de cazemira muito boa, lisa ede
listrinhas, a
Ditos da mesa fazeda fomds, a
Ditoo do ease44 OM I I ,i b si-
coriada., a 7J00
Ditos da mesa fazeda fmsIbs. 0 s-
tos bern feitos a lomI
Ditos do cueamira Aaletimd. a
Ditos de fl ai aul, sead8 4 ea qu
nao desboeta a
Ditos de casumira preta de 4 4
diagonal, sad& miHO1 baN fUM '
Sewao dde Bead* mo bil*rm
feitas a 1 01 :1 t a m
colletinho .pa. dentra u h -o!w I
,aSOOoa
ILin as


a e-som ad
i comanoftd


quoe a


59- Rua Duque de Caxlas-59
No intuit de bern satisfazer os nossos fregue-
zes achamo-nos aetualnente corn grande deposit
e sortimento de fazendas, tante de phantasia, co-
mo para uso domestico, as quaes vendemos por
precos baratissimos.
Dispomos de pesseal para chamados cm casa
das Exmas. familias.
A SABER:
Lindas baptistas c@m barra a :240 rs. o covado.
Fustaes bordados brancos a 441 rs. o dito.
Setinetas damasss, gostos novos, a 600 e 640
reis.
Rices pa&drues em novas popelinas de, seda a
1;200-o dito.
Sulsrior merino (preto, 2 larguara a 14200
14500.
GrMs de naple d& seda pura a.24000 e 23500 o
dito.
Setins pretos e de todas as cores a 10500 o dito
Popelina branca de seda a 800 rs. o dito.
Casemiras diagonal a 2:400-e 23800 o dito.
Leques de pluma, modernos, a 5U000, aprovei-
ternm!
Espartilhos de eouraga a 5.3000.
Panmos de crochets para cadeirmas a 10200, e so-
fA 29000.
Guardanapos de linho, superiores, a 33500 a
duzia.
Lenses de seda corn lettras a 3A500 a dita.
Idem brancos de linho em caixinhas a 2A500.
Fichus de c6res e pretos a 3J000 urn.
Cortinados bordados a 6,500 o par, e barato
Saias bordadas, linadas, a 3A500e 64000.
Toalbas felpudas para banho a 12J a duzia
Idem de labyrintho as melhores que teem vindo
Magnifieas redes da Bahia a preqo commodo.
Chales de casemira, corn defeito, a 38000 urn.
Flanela preta ingleza para palitots a 3,500 o
covado.
Bramante francez, 4 larguras, para leiloes, a
14000 e 1,400 o metre.
Cobertas de gang, fmradas, a 24500.
Colchas franeezas de -cares a 31000.
Lenq6es de bramanate para cama de easal a
2^000.
Madapole B"a-Vista -corn 24 yards a 6A200 a
.peca.
Algodoes krgos 44000 e 44500 a dita.
Cortes de meia casemira ingleza final a 41500 e
7*000.
E outros miitos artigosque serlo lembrados
cor a presan~a des dignos leitores.
Sempre que forem as vendas em grosso, damos
deseoato.
Carnetro da Cunha &C .
59-RUA DUQUE DE CAXIAS 59



E DE IADIRAR!
1 trcs i sa uribilo


Rua do Duque de Caxias a. 80
Complete sortimento de damaegs corn fires, co-
vado a 600 rs.
Setineta ruxe lavrada, dita a 700 rs.
Idem lisas de todas as cores, dito a 500 rs.
SVariado sortimento ds etins Macio, dito a
Lindos crepes de ll com modemas cores, 2 lar-
guIa, dito a 1A500.
Mlerninima s leesmosesw, dito :820 1
Ries AtOes bordado bramoc e larados, dito
4500i


corn 8 jardas a p(';a 3"1.1
Ditas rnmito finas, tauto tapadas como
transparentcs, t,'ul'. 1 jardas cada peca
a4 43, 43500, 5-3 e tc 7t(
Espartilhos muito mot rnos para senhoras 56(
Ditos muito bernm feitos para meuinas 4 AOI
Chales, grande sortimento de cliales, tUnto
de l1 como de gorgorio c casemira, de
15, 2' 3, at 8904
De today estas fazendas se dao amostras corn
penhor, na loja dos barateiros da Boa-Vista, ce-
quina do bccco dos Fcrreiros.
Casemiras de cores
De'2:OOO att 6:000 rs,

EE nopior lidk
Alhciro & Silva a nia da ImperatriI a. 40, tern
um immenso sortimento de caseumir de corer,
tanto cla'as como escuras, que vendem a 2f0(",
24500, ate 6; o covado, e das mesmas uadain
fazer qualqur peca d'obra ou costumes, por pre-
c"s muito ra oaveis, assim como tern tambemn um
explendido sortinrento de casemiras e pannoe pre-
tos ate ao mais fino scda que vem ao mercado, e
dos mesminos tambemn se eucarregam de mandnr
fazer qualquer pcea de roupa a vontaie do fre-
guez e gom toda a perfeirio e pi esteza : isto a
loja dos barateiros da Boa-Vista, usa esquinia d
becco dos ierreiros.
SOiRTIMENTO
DE


I-, Qrvrk-


L


I


&
I


I-
























tudo, o freso e bal amico da masi bel-
la das minhas notes! <-orri asim sem pa-
xar, s6i experimnutar a meaxor fadiga,
Sat o momento em que appareceram os
pnmeiros claiaes-do4ia.
/ p o r Parei. A fita branca da estrada de-
!senrolava-se diante deaia; a direita, cam-
Spea, varzeas; a-esqueda vi urn bosque.
SLogo todos os instinctos-da minha infancia,
S desportaram, e dei uM.grito de alegria, do
quem & Alivre Em menos de dez niinu-
S tos estava na floresta, e poi ella internei-
me procurando do preferencia os logares
mais espesses. Achei-as lianas e os ospi-
nhos que outr'ora me eram tho cars. En-
contrei um regato ao qual lancei-me pars
dissedentar-me. Um pouco alem, parei n'um
lugar soinbrio, selvagem, role pelas her-
vas, chorando de alegria. Depois ador-
meci.
Quando despertei, o sol ja havia feito
dous tergos da sua carreira, Nao sabia
rezar, nem uma idea tinha da Divindade,
e, entretanto, puz-me dejoelhos, olhei para
o c6u com unl vivo sentiment de reeonhe-
cimento. Senti que estava corn fome. Mas
achar alimento nos bosques neo era gran-
de difficuldade; lembrei-me dos mnus pri-
meiros annos e sabe como achei meio de
viver na floresta de Mareille.
( Fiquei no mate nao sei quantos dias,
sem me afastar da espessura, tremendo ao
minimo rumor, tanto receiava cahir outra
vez nas mros dos saltimbancos. He-
mem selvagem, nada sabendo, nada conhe-
condo, tinha medo do todos homes; para
mim o home era o peior dos inimigos.
Quando via os cabritos, osjavalys e os pro-
prios lobos fugirem corn a minha chegada,
eu lembrava-me d'aquelle animal igual a
mim que s6 me fizera mal.
SEmtfim, fiquei menos timido, e puz-me
a explorer o bosque. Semr duvida nao o
achei bastante grande, pois, deixei-o para
refugiar-me n'outro de que logo tambem
afastei-me, provavelmente pela mesma cau-
sa. Assim passed errante, nao me fixan-
do em parte alguma, durante todo o resto
do inverno e do verbo seguintes. Afinal
dheguei sos bosques de Mareille.
t 0 senhor sabe como um dia fui pega-
do polos aadores e come a boa Catharina
e Jacques Grandin, depois meu amigo, li-
bertaram-me.
STomrnando'ao bosque, meu primeiro pen-
samento foi fugir para sempre do urn lugar
ende tudo tinha a temer. Por6m, havia
em Mareillle tres pessoas que longe do mal-
tratar-me, polo contrario me haviam teste-
munhado affeiglo; recordava-me do ol]ar
amigo, affectuoso do velho, do sua bonds-
de; o mo9o tomara-me a mao, e o som da
sua voz penetrara-me ate o coracao; eu
-ira chorar a mulher quo me recordava a
Igura branca encostada na janella. Todos
os homes nao eram entao mAus? Por
causa da boa Catharina, de Jacques G-ran-
din e de Jacques Vaillant, fiquei na flores-
ta, sentindo que tinha n'ellles amigos, que
sendo precise, haviam de me proteger e
defender. Demais, ninguem procurando
mais inquietar-me, nilo tardei a compre-
hender que nao devia mais ter receios.
(t Saber que os homens nao eram todos
maus, quo haviam alguns bons, fora para
- mim urna descoberta cuja influencia sa-
lutar eu devia ir aos poucos experitnen-
tando. Corn effeito fiquei menos feroz, e
perdi muito de minha selvageria.
s Isto levou-me a fazor successivamente
outras descobertas que me impressionaram
vivamente, e commoveram-mie as vezes a
ponto de eu chorar.
Era assim cada vez que eu via nuna
mai beijar o filho. Eu niio me explicava
bern que laeos'poderosos havia entree aquel-
Ias duas almas; mas comprehendia que o
filho pertencia a maii, era seu being, suna ale-

.FOLHETIB


PECCXD0OS VENUES


POR


IA go GO1arocOlt


SIUNDkA PAITE


(Cotinuao do n.


IX


* Jantar


-C
-c


tlo nor
sea cem
_..
!v~
m e


a -4izer i


me eram co fusuamnteutrevaladwas
Viique no seio ,da mxatea. 14
amava;. coiprehondig a oaffO :utua
Ae seresasemelhantes-; tina a- oo n-
alo vaga do amor, e, antes deo'bo 'eet-
adviahava-lhc as ebriedades. Foi assim
que o men coraglo depressa abriu-se A
Amizade 4i o. amornasceu tao facilmente
emmim, quando na Bossa escura, tive
Mile, Henriqueta no men poito, apertad&
em *eus bragos.
i Mas antes d'isto quantos suspiros soIt
tei e quantas lagnimas verti!
o Quando vira mris beijarem os filhos,
ou aeaso encontrava dous namorados, son-
tia-me todo abalado, e solugos subiam-me
A garganta. Fugia o ia esconder-me em
minhas pedras, no meu lesto de folhas see-
cas. E ahi, s6, no silencio e na obscuri-
dade punha-me a scismar. Era enoutao, se-
nhor, que eu evocava as recordag9es da
minha infancia, fazendo esforpos para lem-
brar-me de tudo. Era entao que cu via
a pallida figure da mulher quo m3 appa-
recera na janella. Oh I aquella lebran9a!
Sempro, sempre, faziasme pulsar o cora-
91o, derramava em mim umn nao sei quo
me fazia esquecer meu rebaixamento, que
me tirava do meu nada. Durante annos,
aquella recordagno me allegro* posso mes-
me dizer que aquella formosura'foie o en-
canto de meu triste e sombrio viver. Guar-
dava tambem a lembranga da boa Catha-
rina, porem nunca a lembranga recent
causon-me as emogoes e os estremecimen-
tos da recordagao antiga. Porque ? Porque
aquella figure, apenas entrevista, estava
constantemente diante dos olhos ? Porque,
tendo esquecido tantas cousas, ficou-me
vivaz na memorial aquella recordacao?
Existiria algum lago mysterioso entire mimr
e a mulher de rosto pallido? Ah! posso
dizer isto ao senhor; quando comprehend
que cads menino tinha mai, fez-so em
mim urnsma revelalo subita e em meu pen-
samento exclamei: Era minha mni.
Oh! disse o Sr. Lgarde.
Jn corn umar emoto, um transport que
nada pareciajustificar, tomou o rapaz nos
bragos e conservou-o um instant apertado
ao coraglo, cujas pulsagoes poder-se-hiarm
contar.
Mas, logo domiiando-se, 'proseguio, cal-
mo:
Deveras, men amigo, suppoz que
aquella mulher era sua ai? .
Sim, senhor, e gaardei esta idea, te-
nho-a sempre aqui, em men pensamento
mats present que nunca. Vim ao mundo,
fui criana... como todas as'criangas, five
ti.... -Pois bemrn, aim, senhor. ha em
mimn algunma cousa que me brada: Joao
Fera, aquella mulher que viste apenas tres
vezes, era a tua mliH ?
E so nao estou enganado, pequenino se-
pararam-me de minha. mai; por alguns
aanos talvez vivi porto d'dlla sem sabel-o;
privaram-me do sua ternura, dos seus
beijos, e fizeram de mirm o que sabe. Oh!
e horrivel, 6 horrivel-
Monstrueso! mormurou o Sr. Lagar-
de esforgando-se por center as lagrimas.
Joao Fera chorava.
Dep is de long siloncio proseguio:
-- 0 senhor ja tern feito muito por mim,
e entretanto quizera pedir-lhe ainda...
-Que? "
0 senhor me restitue minha mai ?
0 Sr. Lagarde sobresaltou-se e ficou
horrivelmente pallido.
Sire, responded corn nima voz singu-
lar, sim; se ella existir aauda, restituir-
lh'a-ht. | .
Era ella, no e .?
Sim, Joaoe era ella!
0 jovem poz-se de p6, juntou as maos,
e corn os olhos levantados para o c6o, ex-
clamou:
-- Oh! minha mii, minha maii!


Conhecia perfeitamente o character da an-
tiga emula de todas as suas loucuras, a,:
pars attrahir a sua cumplice ao crime que
na sombra meditava, queria aturdil-a corn
o luxo e as commodidades que isfruc-
tava.
Sabia que Thereza era de urn genie al-
tivo e ciumento, que devia padecer em ex-
tremo na sua presenga, e, portanto, via-ae
na necessidade de sBtentar tudo que esti-
vesse ao seu alcance' pkra chegar a ser sua
igual.
Thereza possuia todos os vicios A ex-
cepoo da libertinagem, e tinha a energia
propria do home mais exaltado nas suas
opinies.
A banqueira ajido a confidante d'a-
WOee amr que, n'outro tem-
Pe, liganarf Fg ta amor
quo, so cabo de a os de odioss
soffrimentos e terriveb privates, imperava
n'e!a corn a meosma fora que ao prince
pie.
Thereza era, poia, a unica'mulhler que
podia favoacer mos a doeignios e favo-
recel-os eom exit.
No iguorav&a s amante do velho Can-
telou que, .irritaudo. orgulho e a am-
biWo da suas smiga, por Wi do wiow
contrast quo Al aprBeOtavs o luo0 v
mia in4 i~UavaL ufina uiacave


A Sra. baroneza doeSi il' e sua filha
estavam paa p.artir. i0 I-*8i. igarde
Sset protio esperavam no sallo de lei-

.1. p6, diante de ura janela que daya
para pateo, viram os criados descerem
comm as malas, quo dopois loevavam para
umna carrjqa.
Apezar da promessa feita na wospera
to sou protector, Jolo Fera estava, tri&te.
em duvida a separa9lo era forosa, Joao
-omprehondia-o; mas aceitava-a como'um
Bacrificio cruel. Se o Sr. Ligarde nbo es-
tivesse present, elle daria expanslo a sua
dor.
Um criado veio prevenil-os que a Sra.
Sandras e sua fliha iam to6ar o carro.
Bernm, respondeu-o Sr. Lagarde, diga
as senhoras que vamos descer.
Depois, dirigindo-se a Jol .oFera:
Venha, meu amigo, venha. '91e es-
quega as minhas recommendaes;. fiqwe
calmo, nada de fraqueza.
Ao mesmo tempo quo elles estvanw sa-
hindo da outra part da habitagao, a baro-
neza e Henriqueta apparqceram no pateo.
Era ahi que devia dar-se a despedida.
A mai e a filha estavam vestidas, de
preto, muito simplesmente e tinham cada
urea um veo long) o e espesso apanhado no
chap6o. A baroneza tinha na m'to unaa
maleta do viagem.
Os dons homes, descobertos, adianta-
ram-so para as senhoras, que tinham pa-
rado a alguns passes do batente.
A Sra. do Simaise tinha o rosto man-
chado, os olhos inchados, parecia calma,
resignada a soffrer ainda. Henriqueta es-
tava pallida e toda tremula; podia-se ver-
Ihe nas faces vestigios do lagrimas mal en-
xutas.
A baroneza poz a mio enluvada na que
Ihe estendeu o Sr. Lagarde-
At6 outra vista, minha senhora, disse
elle, at outra rista, em lhreve espero-a.
Nao deixarei de pensar no senior,
responded a Sra. de Simaise. t
SDiseram apenas isto; porem ficarai um
diante do outro a olharem-se, corn os olhos
nos olhos do outro, linguagem muds, mais
eloquent que a palavra.
O Sr. Lagarde voltou-se depoU pars
Henriqueta, e disse-lhe apenas estas pala-
vras, que s6 ella podia comprehender:
Tenho cumprido e cump-irei todas
as minhas promessas.
Amoga respondeu-IhQ corn um olhar
cheio do vivo reconhecimento,; depois deu
um pass pars diante, estendeud afroute.
Muito commovido, o Sr. Lagarde bei-
jou-a.
Entlo Joao Fera, que estava arredado,
approzimou-se da baroneza.
Minha senhora, tenho a feoicidade de
saber agora tudo quanto .a seonhora e Mfie.
Henriqueta fizeram por nmim. Ah! M rga-
Iho-me, felicito-me per ter sido objecto de
tal dodicaego. Quando pensar no que era,
quando estabelecer cotejo entire o elva-
gem que fui e o home que sou, dir-me-
hei sempre: ERs o que ella. fizeram. (Com
os inmous vivos agradecimentos, minha se-
nhora, receba a expressao de men profan-
do o ardent reconhecimento.
0 quo fizemos por voce, Joao, era
um dever, responded a baroneza;. voce
salvou a vida a ainnha filha... Joo', ae-
cresccntou como sobreexcitada,'abrace-me.
Elle estremeceu de alegria entretanto,
hesitou um instante, telhido por um senti-
monte de respeito. Mas a baroneza abrio
os bravos, e elle precipitou-se n'elles, so-
lu~ando.
Quando aproxirnou-se do Henriqueta,
plde s6 pronuneiar uma palavra: obriga-
do, e as outras ficaram-lhe na gargajnta.
Entao, corn o peito oppresso, coin o cora-
9o constrangido, mas corn os olhoa ra-
diantes, ajoelhou-se e tomou unea das rolos


em vez d'elles Ihe pagarem a ella. Thare-
Oa era a unica mulher que podia compre-
bender aquella sede de ouro e de liberade,
e pars realisar o que ella chamava magni-
ficos projeetoa, tinha apparecido a. oorteai
come o genie do mal.
Na mesa s6 havia dous tatheres : a ra-
ta brilhava em todo o seu abundant oes-
plendor; o omrado crystal dos copos e das
tapas formava capFichosos prismas a& re-
flexo das multiples velas; os vinhs eram
exquisitos, e do resto do jantar poerA jul-
gar-se pelos fact n'elle succedidos.
Todos os esforWos queoa baiqTieira fazia,
pars excitar a hilaridade da sua amiga,
eram inuteis. -
Thereza estava triste, 8sobria, tacita-
na; osseus sorrisos eram forados; os
seus labios mat provavam os 4 adeos Bam-
jare, qu Asa am tga s mn a l servia
mas, em compenuxalo, enchia, varias e re-
ptiidas vezes,o cpo, oe bebia pure tode o
vinho.
De quo te sustmtas, mina uerid ?
-perguntou a bauqucia, qu 6fazia hnra
ao jantar.
S No tenho vontade... e peaw-me ea-
tar sontada a to excollente mesaSa, em-
quamto qua o meu pobre Atfred# q
Ltem umnu=im sliunuto' p mars w


--Se6


ease tort


sto seipaciait do,
e, o 04eikfia aipea; ani. s
46.twrcsaioum ultimo et1ar
e a afavaaram o pateo,
transpuzeram & oleira da porta e entra-
ram no carro il qartio.
Jo Pera ficara no mesme lugar, im-
movel come auma estatua. 0 Sr. Lagar-
de poz-the affeetuosamnmte a mio no hem-
ro. Jolo sobresalton-se come so o hou-
vessem acordado bruscamente.
Depos de marnhla, disse-lhe o Sr.
Lagarde, partiremos tambem.
0 joven suspirou.
E' precise ser forte, men amigo, slo
osprecalgos da vida.
Yoao Feera sorrio tristemoente; e olhando
Spar o seu protector:
EstA content, amigo ? perguntou.
Estou. Voce souba veneer a sua
emorgo, tanto quanto era precise; mostrou-
se mais calmo,, mais senhor de si do que
eu esperava; muito beni. Nada disse e
dada fez quo possa dar motive a quo Hea-
riqueta suspeite dos meus prb'ojectos, quo
dove igncorar per algum tempo ainla. Vai
comegar nova vida, meu amigo ; terA outras
luctas a sustentar, n'estes combated, da vida
nao 6 mais corn a forga physical, por6m
crm a foray moral qun ha de triumphar.
Sim, Jobo, eston contente corn voc', por-
que hoje foi forte.
Tinha side forte, comrn- effeit), o pobre
Joao Vera, por6ni quando retirou-se o bemrn
feitor, elle correu, escondeu-so no quarto
para chorar come urma crianga.

SNo dia seguinte ao da volta da baroneza
ja Vanconrt, soeu marido, que ella compri-
montara na. vespera, sem dizer-lhe palavra,
mandou pedir-lhe per umni criado o obse-
qpio de algimsi mementos de convorsa.
Aq baroneza esperava per aquella entre-
vista inevitavel; maudou responder ao ba-
rho que estava prompt a rcelx-o em seu
quarto.
0, barlo apparecem logo risonho, pim-
plo, desenvolto, vestido como semprer muito
elegantemente, A rtim a moda. Incinou-
se ceremoniosamente diante da mulher que,
desdenhando retribuir-lhe o comprimieato,
fez-lhbe- apenas signal? para sentar-se.
Ah I ah t disse elle, ficou. nmuito ad-
miradwhontem ao chegar encontrando-me.
aqui I
Cbhr effeito, seolior, responleu effall
friamente.
INo' esperava por- esta sorpreza;
nao tenho, a pretenglo do crer que foil
agradavel; mas emfiiw foi umar sorpreza.
Ternom febi maravilhas per aqui, sentiora
baronezax&;; tude est& magnifioo. Van.
court, graas ao seu hem gosto; tornou,
se um paraizo. Receba minhas since-
ras feliIaoes. Seu famutlos- nbao qui-
zeram owi nao souberam-' dizer-mo quan-
do a seuhora voltaria nao Ihe pergun-
to ondo fbi, porque isto n o e doe nr i-
nha conta.. Tendo neeessidade absolu-
ta de vYl-a, 3e conversar. corn a aenho-
ra, insatlei-me aqui o melhor que pudr,
bern resolvido, a es'etars pela sua volta
o verb. intoiro se precise fosse. A se-
:uhora fcar.me a- fineza. deo vir depressa,
.obrigado Henriqueta foi encantadora
.commige, um pouco timida, um pouco em-
'"ara~ada. talvez, mas affectuosa quanto*eu
poderia. desejar. A senhora n'ao ensinou:
Ihe a dotestar sou pai, fez born. Os se-
gredas. dos pals. e mais nao penteucem
aos filhos;, estava certo.de, a tal respeito,
encontrar Henriqueta absolutamento igno-
rante.
Trm tide notieias de Raul? 2 Vai
bern; foi promovido. a. offl.ial, fara: car-


reira;; isto deve agradar-lhe, a senhora
adora os seus filhos ..... Um hom vai
de rojAo e sabe sempre ahir-se bem.
Corn., as mogas o caso n-ao 6 o mesmo;
causam-nos sempre. inquictages; temrse
qtie-vigial-as, guial-as, occupas-se do seu
future.
Estal me escutaudo complaenmtemente-,
baroneza, embora esteja impaciente pot-


S- JA achei o qe queriamos! excla-
mou Thereza.-Achei!.
E as suas faces coraram-se do um vi-
vo carmim; os seue olhos brilharam ciomn
fixidez, o ergueu corn certo orgulho a ea-
bega.
Achaste !
Sim.
0 que?
0 meio do nea envoelhecer.
Ah! Julgaei que era outra oemsa.
4 campainha soodeorijo una saleta.
: ,. Florinda, vai abrir, -disse a ban-
queira.4
E, dirigindo-so a Thereza, aocrescentou
em voz baixa:
S- Nbo haverA necessiclade de quo adoe-
ca?


" -Toca a beber! toca a beer !-ex-
clamou Thereza. -0 teu vinho 6 excellen-
te e da magnificat id&as..
A criada entrou apressadamente na casa
de jantar.
Senhora, 6 elkl
-Ah! por favor, esomudoe-te no meu
quato1... Cor;, nAo 6 oonveninte quoe
te conhega.

Autes, pIlO confrario; 40o aabe quen
eu sou, e, .;ortsanto, nao iimportomia se
conheoga F- jautar cobaobco; da.-
Ihe que soinu andga da inacikd; aAo me
chameu pelo meu nomdo, e sabetiu, o ?Fo-
tac que eui sa, pelo nonaie do Victoria.
0 paudo ruidodoeM= alg s paso 'ga-
to" sfe. .ouvira nalet, l e a ports quo

veuasi ar spifies Aim "10

0 nu trojo nao era tGo diloulo cOmOe

4al. ll; "-


en oaslo, seiuir, eu- essio. -
"u zSsito shpMpl; pewM q
nossa iha estavta em jdade do aar-se e
achei mxarid jara ella .
A baronza isenti urns puhalada no
cora.l6o e o sanue subir-lhe ao rosto.
Mas queria ser calru, conteve-se.
Na verdade, o senhor admira-meO
responded; todavia apresso-me em dizef-
ihe qte o senhor tomou tim trabsdho
inuti. Nbo estou ainda disposta a casar
minha filha; quando chegar a occauio
Sa mli, ouga bern, e a mai quo enear-
regar-se-ha de achar um marido digio
della.
O Sr. de Simaise franzio as sobrance-
lhas.
Baroneza, replicou, a senhora pa-
rece esquecer completamente quo os di-
reitos de pai sAo polo moenos iguaes aos
do mai. Henriqueta no, pole casar-se
sem o consentimento de seu pal.
Oh psi della o senior 0 tAo pouco!
A culpa sua ; a scuhora alo devia
abandonar seu marido.
Os olhos da baroncza inflnaranarax-se.


-- N'o me avive a- coasas


horriveis


do passado, senior, exclamou cUa coin
forga ; nio, nao as avive !
Bomrn, deixemol-as donmir. Demais,
a senhora tern razo; quanto poderia-
ms. dizer agora, nao mudaria um til na
situagio que armamos. Torno ao ineu
assumpto, Apresenta-ee um pavimdo mag-
nifica parsa Henriqueta.
Ma- para que o seuhor wo fall
n'isto ?
Cora licenga baroneza, quero edifi-
ical-a do todo.
SElla feznumn movimento cib impacmn-


CAa.
Partid', mnagnifico,
rao de Simaaise; era,


continuou o be-
eu quero este


casamento e. a, seuhora parece- oppor-se--
lhe.-
D6 modoi absolute, corn todl-as mi-
nhas forces.
Nito 6 a sm ultima palavra. 0 ma-
ride Oe quero dar. a Henriquet. Lchama-
so Podro Castora.
IA. conhepgw este senhor. Henri-
quota e eau nunca euvimon fallar nelb.
E'possivel. 0-Sr. Pedro C&stora
6 brasileit: sua fmilia, illustre comn a
dos Medina Celi, dabs Cealas, Alco
e Alba, originaria daHlepanha ; Bdro
* um cavdheiro s- maini distinetDoy, e,
o que nentam mat lfz; ao nogocio, & ar-
climillionarb.
Que twho eu'u wons ito ? Caemi
minha filha undo ,emmcoa o e e mca
pow dinhbeiro.
0 dinbhsio, mhnis sor~ra,
'paece tSo deadeuhosa, em. nmda prejda
4a" cousas do' eoralo-.. Ascescento qp
conkee o o Sr.. Pedro Ostomm ha uk
fetpo. e que o -ineun amigo.-
Oh! Pasima recommewdago !
Ainda bema;'disse l$i. d nSimaise.i-
Acliando-se, nuadisfarga osexLensamert..
,Sr;- baroneza.. Aecreseeatuet ainda qua.
Pedro Castora esti apaionadi per Henm-.
riqueta.
A, baroneza deixou escapar- uma exci-
maClb e repliceancom iroman.
Deveras emuito exqinsxo 0 So.-
men- esta apaikonado p er- ainha finin
que ele no co hece, qc, -nmua vie, de-
que provavelmente s6 ,ivio. fallar peD,
senior !
-. EstA enwnada, baromeza, Peato,
Castora conheceaHenriqwtaa. d& quern vi
em. nminha casa, nm rotrae ,nwito parecidi.
Niva exclamaAio da Sms. de Simamse.
Assim, diss no X smo torn irouco,
foiolhando para uwia plotgraphia mais
o.imenos perfeita, que o. s.u Sr. edro
Ciastora senti.o nascer em.i, sB ura paaoa
tGol violently por minlia f 1516
Perfeitamente.
-Isto vai ficando, grotesco, e riris,
sim, riria cean.vontad-,.. so ainda podessc
diy.ertir-me. Mas fiqmaos n'isto, seohor.
LSe 6 tudo quanto tern. a dizer-me, faria
melhor,- se nao tivesse so incommodado.
-- No perca do vista, minha senhora,
quo eu ero este easamento.


,nhas queridas... Quo tal, ha boam appe-
itite ?
Oh! meu adprado Cantelou,! excla-
'mou a banqueira, offarecendo a testa aos
pallidos labios do. v.elho. Esta manha tivr
!a felicidade de xeceber a visits. da minha
Imais intima ariga de infanci, e convi-
doi-a para jauBar, afirm de celebrarmos
juntas tao f&nto encontro..... Floriada,
chega uma oeAeira; poe um. talher parn o
senhor.
ObrigadO, minha ponba, muito obri-
gado... Uiaoho! Quorea que eu tenua
uma inadgeslo esta noit et!
lenge de mirm seoelhante ida !
Bern sabes que a tu a cozinh AO6 se
da boem corn o meu eatlomago.. UajL _al-
guns annos que estot. mal corn os mobios
pioautes, corn as trfas e coia oviba;
provar qualquer d'oatas tries consaa aqii-
valeria a um premeditado s di o.
Como! Na sua idade priva-se iA de
um dos mais eqAimtados pcnmerm d a vi-
da ? dis Theeza corn o mai no=tador
orriso, e motrando ao mesmuo tempo adu-
pla heirA dos sous oburneos deats ..
-Ah I N so ae admre, ieuoji oouto s-l
tenth .uuoa, mhIaM i yn patacs saborah
Aeredita, ~por ~I'O diner, porque n6
mo*%tt c mcoenta e uinoo, o muito.
-. w muito maveL.
Oh! nlo ha tal; disendo ,averdad
nao prove ro de modo algum lisozjeal-o,
mas dar" uma lio a su amiga, quo, srem
fundamento, conta corn aamrgur a sa
&VAnvi d idade.
.Como I MASOatssJIpa g^n POW"
esc~ol~own So aaIroc idftfinoam sp-


per elta eonsabers

-axagos, coiao edm --tem,
mseal--imento- do algum a n ite
gemafH X.:rea lMi ~ ~ ~



nho a ilha.
por OUa e maberei oxlla l^
.Oep r que quer 0*08"ai- a s o 1|
&Mipos? como condi*a -.to&* ON*t^^
seatunento de algutma ncgocdat vl

0 Sr. de Simise, fiu livi& e
os labios.
Porem pode deviuarv- qumu& is i
explosalo..
No tentarei murdar o conceit a .-
co lisongeiro que f6rma de mim, a-m -
den ele, pois begin sti qme alo e nw*
guiris; mas pego-lhe quo creia ope, *aft
comie a senhora, desejo a felicidade do
Henriqueta. Dasejo tambnu qte ella e ca
por ambivo ; quaulo ella anheeer o Sr.
Pedro Castora, ha de amal-o.
Umn sorriso siiigar ropr; polos labM
da baroneza..
Na-o cr*-io, responded; raniaas. lfen-
riqueta nunca verA tal pessoa.
-- Esti enganada, baroacz& hontem, log,> depois ia siu dt-l ga
escrevi ao Sr. Pcdr, Castora! eN 'rede-
borA a minha c wta hoje. c c mmhl,
antes de anoiteccv-. cstarA apli cmn cer-


tezC.
-- Comot !


excx uiLnij a b-r,on3ai ;lil;r-


nada, o senior fez isto sem proven"'-,w,
sem que eu o autorisasec ? ?
(Condt'op, i,


VARIEDARES

UelIj aierlem a-
teleplhme
0 jornaes alaericanos abumdrn em anec-
dotas humuoristica% sobre o emlvego do te-
iephone.
Ultimasmnte es* apparelho ptermittia a
un-m-edico dar un consuka a auita.s mi-
lhai de distncia, e reconhecer aue o do-
ent tinha o croup &sendo-o tos9r junto
da mbocadim do irophoue.
UE'ados noMsS --ciePs de Nrw-York
da-BXe hoj e a uotkia sl & no cuo aiia Ba
extra-wdmario..
T'ab-se pendid6e m do que don p0o
nomerde Jack. Uiaip do doo doA c
encoin* o animasna e julga reemqbe-
eel-o. Lwva-o cmmw a m a 'g). acen-
tral dertelephoz-:. Pl 4 o tea tdo?
diz el-I polo *tebp. AD aSM am&a. -.
Perdi, vespondewo, oiftc. Sa&b d 1?
-, Patece-me poe :o. 1 ei, m-o
pelo tepbone.--c, J.ik! Jack! a"a
aqui!
A eom ppldavrp,.o e3% 4, o oido ti-
nha sidoAiloadA jut*w d receptl"r, re-
conheci- avoz qv-o, c e prneiupia a
a latir a gremeuw-o a lMuaw doidmea-
teo o afpelho d'oade -eojmm vr aair o
dono.
Ao fintde algaa-mina o. dono ehega
todo esbadido i eat .,s.'uGauiEOra
ham Bei!pel1o seuiLa4imiz went*.


Umteasammnto, biradb
Lord Garuoyle. tUflho ais vW4lio dic lr.
Cairns, antigo lotd chareller do gabinete
Beaconsaeld, estava para casar corn muis
Fortese-es, ex-aceriz do iwatrm de Sabopa.
P6de imaginar-se a deiolaq.o e da mristocracia a; saber de t:hi aliaaa.
Cedendo por fim iA iutanci.L dw, paren-
tes, lord Carnoyde rompeiu. o setn coaipro-
misso.. A.noiva abaodocada acal.a I oren
do inteutar uin processo.de breath ef j" ,<
niisecf ntmriap,. riptwp de promc.. a de
casameato, pede 1,250i'Jo fr. de i4em-
uisases, apen m.o, equwalente pocjjiar7o,
diz ella, da psi.Ao tw deveria icr um
dia eomo muler dc 'l. par de laiatM*erra
e qne perdcet para sempe. Miss :4rtece-
nes. mais veia que bord Carraom4e, quc
mal acaba de cheg-rt a maioridado, e fi-
lba de um negociiAnte de ca-rvo awuinado.
este convite; mas, emfim, como ha -de
ser! Dar-lhes-hei gosto, fazenwo vida d
rapaz... Por outro lado, teuho um r
Itite atroa
Ropito o qe disse, A fe 6 V cwit !
exclamou Theroza, fitando os olhos rO da.
sua ariaga.
Ylctoria 6 um nome emasta|--
disse o avarento, que no quena SaW
galawtie cjet a supposta VicrW i .
Pois, como ia dizendo,pquiia r
a rminDbAami corn respeii *, I i
lidado, e agrada-me que ao aaa bo vo
nba demoustrar palpveeute a oean
dao eQo diacorror. Nako pdod isgimr o
oastante clamor corn que dM ten-
po quo ostivemios 'jiu~ita. me F'ten os ge-
rios receios quo he Ike xuan o -to quo
trabalha, e o exposto> q s acha psi.
sua incansavel caividade x .nJr desu...
A. disor a vord,~o, as aasp~kalasa pre-
ciso 6 confeaa.o, t6(a g.,r r ,.
niiho quo proarof.Oce y it ipi

Do ieinlxt CoofoSoke ft teM- ^
a natrmma 6 t&e ho em mI m .

me melbor quo aa.. Vas; *Ul


a 0&Siustilaam"~~
amnfo' fthett --fot et- t


-wrim to
&O^i^B^j"^ WH* V'^^^'^^^^^^?-^^^y
JIflQ' -dBf -B&*'~tBk*If~K'lHl


4*tI,


I


parque o envodve

olaatar na me",~t




Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EE72ZE847_VRGJEN INGEST_TIME 2014-05-03T00:05:20Z PACKAGE AA00011611_13763
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES