Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:13742


This item is only available as the following downloads:


Full Text









, :. ,' .; "* I -. : *- '* '
.r. :. .- *,-<..
^, ....... ....'-, a

40 a
6 .
**


ii- )*$~
* S *f,~.O 0

* S


.... *A :'1. ..
*,-- *" ,"! ,


* K -' we,- *,, 't p.^: '! ^, r, "PARA DENYRO IB
PI .,. :-. : mea adiantadq. ......
-Por-noteditos id .. .
S-"' Por umn amn idem. .
Cada Axumero avulso, de "dias antarioes.


l FORA DA PRO
.......... 13500
S 20,1000
. 27#000
. ,#200


44


4


Propriebahe 'Ie Alanoet Ygutiroa e-- ria & Jfitlos


TLEfRIMIAS


SSSS 7233 B A+ II

(Especial par.1 o Diario)

NEW-YORK, 17 do maio, i tarlc.

.* itnarno nnaatcrirn (le no'fa pra-
cm pare.-P gelr mieIinotiilo.


CAIRO, 17 de maio.


0 nA]tli inMtrchia sobre Kharloum.


LISBOA, 17 .de mli.o, ai tarde.


Encerrnramn-s le hjit- a. coerlts por._
SIugucza, seme mimeiagnem reimal. I


/ j Agencia IIav.ts, fili:dl c:n Pcraainubuco, .
A 19 de maio de 1881.
ic

S,-PARTE OFFICIAL


4 ; Ministerio do imperlo P
.. -'" i eor despachL de It) do correlate bforainm gr;ia-
S',Ao3 : com a co.'innii:li da ord.-en da R s5., o Dr.
'*.-Joaquim Jose de Mdnezes Vivir., co:n o offiiiala-
'" '-'L o negociante tie no ss prati J.).s Her.nid d
SPissos; e corn o habitoos Dris. Abilio Ctesar B rges e
...Jeaquim Abilio Borg,-s e o gr.vad.r LeapolJo i
Sfeek.
*iBA. -Pot deer-t) d(I me ieni dati Ui exoncrado, a I
ido, dj cargo d, prcsidcati dA provincia do
A,0 o Dr. Satyro de Olivcira Dias.
Por despacho da mesma data tbi eimerado t
.'1.,vice-preiidente da meinan provincia, coroael e
Wa io Theodorico da Cost.i, sendo noa'neado pari r
ezmeue igaal cargo o bacharei Anto.io'Pinto No-
gneiraAccioli.
ailsterlo d g Agrlenitn "a
Em 30 do p-issado foi expadido o seguinte aviso I
ao president de provincia do Par : :i t
Ijlm. e Exrnm. Sr.-Tendo V. Exe. de dar sen- '
tenoa em processos de mediio de posses e sea- t
marias, nos quaes se nao prova a cultural eftectiva, &
Io se tractair de terrenos de soringaCe, impro- t
< prios para a cultural, consulta a este ministerie, r
em seu officio do 11 do inez find, sc t-ca medi- t
S bes podem ser approvadas e legalisadas as pgs- t
ses e sesmarias. n
De-laro. a V. Exc. q:;i, uma vez provaio que o 0
p3sseiro oa s82miiro nio se limita ai extrac.o da &
3omna elastica, mAs tambst n a conservaao dos i3
eFringaes, substitaindo os3 velhos por novos, o qne n
coastitue a cultura effectiva dti seringueira, flea b
assim satiMsfeita. a exigencia do art. -1.o da lei n. M
601 de 18 de setemnbro de 1859, no qual so nio
especifica o gencro do cultural ; sonado ali. certo I
S-qie a extrac7?io di go-nmi elastic 6 u-na. d'as
--. ,fontes de riquez puaoliea. Dens guarded a V. b
Exc.-A~monso Aaytjws to Moreirn Penna. t

'' Iinlsterlo de Estrangelros
Por decretos de 10 do corrente foram nomeados t
addidos dc L.a classes As legaV5ss imperiaes : no
Paraguay, o baeharel Jos36 Cordeiro do Rego Bar-
ros, na Repablica do Uruguay o Dr. Graceho de t
'SA Valle e na da Bolivia Laiz Ferreira de Abreu.
Foi n )meado 2.0 official di s~eretaria de es-
tado do estrangeiros o ainanuease Jose Antonio
PIuheiro. p
1

llnisterlo da tGuerra
S Por deerctos de 10 do corrente : ,
Foi classific-ado no 180 batalh:io de infantaria o 0
m.ijor Jolo Gongalves Baiptista de Moura, que f
por decreto de 13 de outubro do anno proximod
pas3ado reverteu 'A primeira classes do exercito. y
Foram trapsfcridos os capiteics Joao Pedro Xa-
-vier da Camara e Tertuliano da Costa, este da 3.1
*companhia do 15. batalhao de infitntara da mes-
ma arma, e aquelle da 4.a do 17., p.tra a 5.a do |
7or o n
Foram promovidos nas arias do inf intaria, ca- *
.. vallaria e artilharia, e nos corpos de estado-maior
S de 2.a clas'se e de satude do exercito. os seguintes
officials :
ARM A DE INFANSTARMiA-7.o batalhao -A coroneld
commandante, o tenente-coronel Antonio Pedro
-da Silva, por merecimento.
12.o batalhao--A tenente-coronel eommandan-
to, o major Joaquim Mendes Ourique Jacques,
idem.
20' batalhalo-A tenente-coronel commandant,
o tenente-ceronel graduado Francisco de Assis
Guimaraes, por antiguidade.
17.0 batalhao A major, o capitao Sebastiao
Raymundo Ewerton, por merecimento.
19.o batalhao-A major, o major graduado In-
nocencio E4staquio Ferreira de Araujo, por anti-
.guidade.
15o batalhao-A capitao, o tenente Geraldo
Jose de Abreu, par antiguidade, para a 3.a com-
panhia. A
* I.0 batalhao c- A apitao, o tenente Manoel
Thome Cordeiro, por antignidade, para a 6.' com-
panbia.
17.0 batalhao-A capital, o tenente Luiz Ma-
.. noel Martins da Silva, por estudos, para a 4.a
companbia.
19.o batalhdo A capit.o, o tenente Affonso
"* Henrique de Miranda, por estudos, para a 6.a
:'. companiia.
A tenentes da arma, os alferes Valeriano Gomes
Meirelles, Antonio Basilio da Fonseca, Manoel
,, Pinto da Silva e Sulverio da Silva Franca, r
i. antiguidade ; Henrique Justino Jose Alves ,ar
...* -Ctinga, Arthur Cavalcante do Livramento e An-
S tonio Candido de Aranjo Macei6, por estudos.
AnNA. DE CAVALLARiA-3.0 regimento A capi-
""*- [ taes, as tenentes Thomaz Augusto de Vasconcel.
los Coimbra, por antiguidade, para a 3.a compa-
?. ,-. nhia; Hygino Beralda da Silva, por estados,


/. para a L,a compania.
A tenentes da arma, os alferes, Rodrigo JoSE
q*tp g de Figueireda Ncvca Junior e Jeronymo Augusto
S Rodrigues de Moraes, por antiguidade ; Jose Car-
.-neiro Macil da Silva, por estudos.
AM A DE A=.HAA-A segundos tenentes, os
feres-alumnos Antonio Fernandes Borges, Jos6
1'rocesso de Assumpeo.
EssETADO-MAIO DE 2.a cLAssss-A teneite-coro-
al o 0 major Luiz de Beaurepaire Rohan, por me-
P_ reeimeuto; a major, o eapito Jo96 Antaonio Pe-
ceira de NOronha e Silva, idem a te-
S neate Antonio JosS de Souza Lobato_- a te ,
os alferes Joaqauim Jorge de Mei;9UO A.Uto-
Sno Jos6 da Csta.
SCoMfo ..Am-A cirgiio-mOr de diviso,
SDr. Antonio de O
; aAMe. g ,
0o2.0--
.. t- Ds ; .


T!


0 Sr. A ndrade Figueira-Nio houve, porque
todos os interessados se atterraranm ; nao houve,
porque todos se amedrontaram e fugiram, como
fazem os conservadores diante da pasmadoria dos
liberals (risadas) ; porque nao sabem re girn v
Continuando diz que todas estas autoridstdea
deviam ter sido demittidas ; mas long d'isto o
governor as tern honrado por todos os modes, tern
autorisado os maiores excesses.
A Escola Polytechnica, que foi creada ha 10
annos, mant6m cursos aparatosos sem umn alum-
no, pois apenas um curso tern tido alumnos ; em
em que se oceupam os lentes ? Em ensinaf a mo-
cidade ? Nio, mas em celebrar dentro do pro-
prio edificio festas abolicionistas con toda a ille-
gelidade, formando associaoees corn os proprios
alumnos, aniquilando assim a diseiplina eas.olar, e
pervertendo a mocidade nos habitos de desordem
e anarchia, porque chegaram mesmo a assentar
places no edificio da Escola, extmguindo a escra-
vidlo n'aquella praga e suas isinhanas, com
usurpacao dos direites legislativos ;-placas qne
foi neeessarie umandar arranear, .porque eram uma
affront.
Um'Sr. Deputado-Foi a Camara Muni.ipal
que as mandou arrancar.
0 orador ni~defende a Camara Municipal
porque tambem estlella eivada do mesmo espiri-
to abolicionista (risadas) ; ella foi creeda pair
varrer as rqas do Rio de Janeiro (riso) e exercer
a policia municipal, mas atira saobre o govem<
todo o lixo da eidade (risadas), tractando so de
crear um livro de ouro, onde Sua Magestade foi
primero a entrar corn part da dotagIo que a lei
lhe d-a. a
Aqui na corte a limpeza e irrigaggo das ruas
a remoio do lixo esto a cargo do ministerio d(
imperio-que dempende comrn es .ervieos grosa
sommas. Por issoa 6 que o Sr. 4.figneira di
que a Camura Municipal atira o tzio sobre o go
verno.
Na primeira part d ese discurso foi o Sr. An
drade Fupeira muito intenrrompido eom apre
do Sr. mtmintro da just e alguna a detadd d
Bahia, a que el e respondia corn muita prompt
dao e vivacidade ; mat na segunda, aen 08i
Prisco Paraizo deu o aparte que acim qan
to posseiata ba ndi a do Awgwdw I!
e o Sr. A. Pinto o,,tro, quundoo onor -
so predimato do president. do CORA.
legisaurnat rp d'aM reeebersm. -o Sw. A
useleous diuid@o qUe &Cqua" e pwhiMnv


0


INTERIOR

Correspondencla do DiarloWde
Pernambueo
RIO DE JANEIRO.-CORTE, 9 DE MAIC
DE 1884
SummAnro :-v, di.Vscurso do Sr. An'rade FKguei
r-a em reaposta ao Sr. ,nilitr(o (hI jsti.;a. -
A" expl cap4cs dudas pur este.-Ti-eorias i ,-
bre a rcspon-sabilidadein ministerial. Apre-
ciua-do do Sr. A ndrqade Fifqleira sobre diver-
so, pon'aos.-A de Aasi-mrnnto no
.Cseo.-Reacq 4-ew=Cos dos abo,
li eioulstas. m .o1nen&& d*
fi, 4do thriw.-O 3 .o ,dr, 4 Amdnf
Rebouea9, lemte dci -
reyura do Sr. "C rieck.-Q -
So. martwiv Fraici-ce..
Qlaido hotemi cu escrevia a carta qte envici
p)elo Trew', c dava noticia (do discurso pronuncia-
do na Camara dos D.putados polo Sr. Andrade
Pigueira, na part em qic elle se referio ao assas-
sinato de Apulchro de Castro e ais festainqas d is
abolicionistas, Mal pensava quie Aquella hbora
pronuciava dle, e cm replica a o Sr. ministbt.da
justina, um outro discurso, ainda mu4. vclienmo.e
do qmue o anterior, embora modificasse certns e4-
pressies contidas n'este, explicasse deamvolvida-
mentec corn muitocalorgiseupeossaaeuatoB(e dis-
se corn rlaVaio) ao impcraddr, eontr# quei de&clarou
-uima vcz por todas peranto Deu astm homens-
que nao ternm a menor animnosidade; aqoem reco-
ahece grande qualid.Ades come ch,.dPEstado e
como home, a quem respeita com seu ombdito.
0 Sr. Prisco Paraizo, emb)ra adoentado, eomo
se confessor, tomontt a pal ivra lig. que entrou em
discassio a sua reformana, para nmlo demorar a a res--
posta eathegorica e decisiva ;ue inmerecia o dis-
curso do Sr. Andrade Fignciri, na vespera.
Tratardo dos dous puntos cpitaes, a visit de
S. M. ao rcginmento de cavaltarim a a resposta da-
da ao convite da soeiedade aboaieionista, S. Exc.
explicou eomrn verdade e benm 1g06 pntOs; mas
fraqueou em outros, e foi dageitado quando
iventirou unma ligeiras theories aobre responsa-
bilidade dos minaistros nos actos pessoaea do sobe-
rano, extranhando, entrctanto, a a animosidade do
nobre deputade contra S. U. o imperar, quande
nao ha nenhum cidadao que posa t S. M.
un patriotismo; pod&ndo-se at4 .-"c o tcste-
munbo dos paizes estrangeiros. 1
Temawdo a pala vx responder, o Sr. Andra-
le f4gueia oms. -i denir u posiiao no
:rtizo constituciont bmnuilmod o &a. do sobre mi-
aistro no a rtido libemal, fifiado a -eieole q tern
porfinsaaenvolver 6 elinentodeumocratico eoons-
itui9o,etemproclumadoaresponmabilidadeds mi-
listro at m aos actos do podor moderador. N'esse
erreno, asando e apreciando o que acabava
he ouvir do [arado ministro, e -levando a ques-
so a umsa tainde alturanm)strouquen'aquellc mo-
aento defl ascausa d monarchia compromet-
ida pelo governor, e affinrmou tudo quanto havia di-
o na vespera eomrn relaio a AdesLealdade corn que,
no sen entender, procedeu o ministerio para comn
Schcfedokatdo,quernloaconselhando-) Aqua nao
izease a visit em queastao, quer nao masdando
momediatamente desmeatir a resposta que oa jar-
miaes attribuiram A A. M., e que o Sr. ministro act-
mava de declarar que foi alerada e desvirtuada
nas publicaes que fizerma .
Depois de natar detidamente do assassinate do
redactor do Coraario, ente alias desgracado qoue
fazia m in dado etandalo, btndo mocda BoJm
tudoq 4i desagrdona sociea&e.nie, o eApei-
tando a honra das familias,nermapudJiciciadasudon-
zellas, mas que, em todo o caso, era um cidadao
ue pedia proteceio a autoridade para nio ser as-
sassinado; passou a tratar corn vehemrnencia do iboli-
cionismo e do modo porque se tern feto a sua pro-
paganda, corn consentimento do governor e applau-
so das suas autoridades. Citando various facts e
notando o que aqui se fez A chegada de Nascimen-
to coin a sua jangada,, acha irregulares os actors
)praticados polo chefe de policia ais barbas do go-
verno, fazendo ate tocar o hymno national na re-
partigao da policia, quando passava essa jangada,
cujo merit final 6 ter conluizido para o sul mi-
hares de victims da escravidlo; e irregular tam-
bern foi o procedimento do director do Museo, quo,
eccebendo a jangada e eollocando-a alli coma urea
raridade, profenro um discurso, em que manifesta-
va sens sentiments individuals, que nio tinham
)ceasiio de ser alhi manifesta-Ios, nem elle o podia
razer coma director do Museo, porque niesta quali-
lade o Estado paga unicamente para guardar ob-
eetos, e nao para fazer discursos bestealogicos
Shilaridade prolonqada).
Os corpos r-ilitares, pergunta o orador, que
orestaram as musicas croadas para fins militares,
s'ao para esse fim, pagos polos cofres publicos, ou
para festejar n'esta capital o motim dos desordei-
ros?
a 0 Collegi6 Pedro II foi creado para edacar a
nocidade nos principios de ordem, de religilo, de
amor ao proximo, e nao para pres ar a sum ban-
Ldira As passeiatas d'esses grupos de desordeiros
lue atterram a sociedade, as faialias e a tran-
1uillidade public !
0 Sr. A'risco Paraizo-Entretanto, nao houve
am so conflieto.


* S


- -
-b-
.. .- .


ii
-1'







--I


.. .<



1. t.
.-.
.', .'


.i,, .',


- 1


-'I


I


-ii *
.-


5


4 *


a'hio f6ra dalei. Este aparte dealugar a quo o.t e imo dii de session disse a voz auto'isala do sustcnta que muitos delles houveraun nccessidade countando mulheres c creanc-as., e 6 ou.
Sr. Andrado eigmcira commentame o modo poi glorioso Viseondo de Pcltas, o dover do military e de matar. -
Squo se cffectua6u a aboliIo no CearA, e ainda car- nato ter amor nem odio, conservar-se inteiramente 0 hoimado e-miniistro d Iguierra delaro quo Uitls.
regasse mais a mao no presideate, que cntendaija- estranho a todas as paixoes que se agitam no seio entire os scus services e,;t';t o ls) t.r tal)uliihc) u Fizeran comid qtto lihes offereceram,
Sdevera star demittido., da s)ciedad3, abater-ae dc toda participjao no.4 dcpo-it.s de isicilde iuci. i-,vi.z nlhal Aos c niito teudo a aiuaabilidade de ir levar a bordlo da
Os discursos do Sr. Andrade Figueira no vwm m)vimentos c dmiscusses suscitadas por ftaesqucr extiu,-uil.o-. .'.illIt s? do.) c urcriv.) corporal; I ,ncl ha ra ,i, petitos, i a fi, aie de
rear .una corrente enm sentido opposto As exa- problems soeiacs e politicos. mn: ii iil ,.!, apilc.alo ;i3 w ,r.iis d" m:arinlua a a? ua tpetitosi aoi n de
geracues c excesses ibolicionistas. A reacgo jA 0 SB. JuNQuIA .-Tambcm pcnso assim. Por-.lo nui ) ip,'lic"al.U, a.-S 6iUcrriglvcis do cex- cluo todos coiueszeiuos.
exisse c vai fazendo sound caminho, animada sorra- 0 O Si. FRANCO DE S1 (minidtro da /nerra) == 0 cr,.-it, ? A mains cordeal amizalo reinot sem-
teiramento pelo proprio goverao, segundo eorre. born cspirito do exercito nao so hla ile i inter corn Sj'miuellhiut., objiiratoria contain a o Sr. Junfquc'a i pre c ple-sc atf-inuar (que estes indioe quo
Qaem deu o priineiro brado e poz-ae a frente d'el- blandicias c lisonjas, rmai pala j itii;i a atolos, ,) pliudiia ,lei\.r'dlc ter fcrido o 8r. Franc o il Si. so clhanaiirun Criliauis -s oguriio o Sr.
Sla fui o Diariod ) Bfrasil, quo cmbora ministeria- polo galai-J:o ao merccimento reAl, e p:la repres- -Et, cmmo n,01 ;mis),-alimnSu a a di..ipii,,a do oxer- dr. b s o ic r -
Slista, n ao d eixava n'csse assanpto de dar suas bi- sio de quaiesquer actos quoc so e coaLlu. i coin cito ; inv,'a o t,-?temmhilho.," todo iirsrarito aii .slm rb s pa a n-lo este s quizrr le-
cadas no governor, corn cujo indifferentismo se O ls deveres inilitare. C cOiSh41t,.1 ,luali'.laml,? c ous ,13 servios na mnanu- v.tr ti:tl ja o asceledute qii UriS obser-
coninmo, lava. E' verlade qu- mainsis adiante acha- Estas so as id&as do governor, que n'o0 p- titao da ordm e da dJefceza d.i patria, e diz ,juc vdifos ter css senior .-obrc os selvaigcns.
motives pi-a clogial-o. dem deixar de ser approxadas p,-_lo iirUIr sitlu r o rovt.l-io tern conlian; ,:i exe rcito brazilciro ; 1 In. I cou ut-i) noZ ,iprc-sianoti ;
r ta disCursos, repito, niu levantarama re- e polo Senado. 1m smiador amigo do nihiktro, s.ill a tribuna en l ro cse r i i i, tl ,
S4ovia, todavia, eneQaat-a into. O Sit. J,;Nt;Eirti-Apoiado. sgiiida c atfirna iuteiruineite o )cotrariot. c- OILs in is td OIL
S i iivra convicta, Bea on mal, lomodunli Ci Coin exccp (ito do que se refire :i3 q(est',.s so Sr. Juinqriuirai respoul.ulo, tdisso n ;i)o t.)- (lUi todos corn cicLafiz,:s de ftdri,.las t'citas
e arroaa d'esl' deputado, character muito biCas e piliticts, que uma justifiea-ao 11.1o pc- mar conta da pastadt iL u.rra, logo ultpois ihe tr- por blas e chiluho.
peitado, e a posigcio tacihrnua e encolhida dos-mi.. ida do pr,)ceeimUatmo ,i1 S. Ext. quaiado se re-m- tminida a camipauhlma da l' araguay, a-lioa uima I rE.'crevcmin de MauAi.os ao D,'ao ', (hI
nistros, devcm dar coragem aOe desanimados ; on ao pedido da cornmissuo abolicionisra, dc que grande papellada do roqmcrimeitos, peti(;,)e.s, ro-
Stanto inais depois qne a fall dothrono disse'que, i filelei em outra occasido ; o que ahi flea 6 pou- clamaees de praqas e vohmlntarios (lime rinham -Gi lm-Jl',r *
a a soluao d'oste grave assumpto so obterA pela c- mais ou minenos o que disse o njbre minuistro no servido alli, e se dirigiram a alley directamente pe- < Plblicou-s&- aqui lha disl qu(e o illustre
execuitqo da lei de 28 do setembo de 1871. v di'Curso que proferio na occasmzio em que rocebeu dindo solu(;o. Dando andamento a takes pj-peis, engeuliciro Sr. Haau-g, (que cii inaio do au-
Nao obstants o modo de dizer (execni9ao do sys- ,i officialidade da guarniqa.o corn o ajudante go- mnandara pcl sen ajudante de ordens respnder o. 0passado sibio para Bolivia corn o f i
Stema ? a o)usa ficenu clara. neral .A frente, e os ehefes das repartiO5es milita- a esses pubres desvalidos ,lue nio tinliam prociu- die p ) rio ,:ni sahir ao encontro, (aes-
Dppoia do discur-o do Sr. Andrade Figneira, res que foramn se lIhe aprcsenitar e comprinmentar, radlores, nom quem por olles sc interessasse. N."o
Spassando-se A discussalo do oramento do ministe- no primeiro dia emin que o nobre ministry compa- se envergonha de t' r assim procedido e admire tra(la quo3 abrio pela Lobrea no Plr',is, jf,
rio da agriculture, orou o Sr. Werneck, qze por receu na secretariat d.i guerra. quie send o facto tOa antigo, nunca o Sr. Sinveira a T'rindwc/oy, rolftot i)(b) .[t orer, (nfrO o
fin tambem tractou do modo por que so tern feito Nunca nenhu.n dos scus prcdecessorcs, nem Martis o tivease censurado, o somente agora se Bei e /ton, o u Mait dre d. DIf s Dl or ond.
a propaganda tbolicionista, mencionando os arti- mesmi nenhurmn ninistro entree n-;3 diseursou ao occupasse delle, quando em outras occasiues at W C /a
gos do Dr. Aadr6 lRebougas, orgAo docentro .4b6- empossar.se uo cirgo. Foi o actual iniaistro da lIie dirigiram elogios, que elle Junqueira aprecia- "
Licionista da Escola Prlytechnica a condemnando guerra o primeiro que o fez. (nito sci se a cousa rai por partirenm (Id pcssoa tao qualifiheadla. Absurdlo, nos acab.a dedizer o Sr. Vis-
corn vehemencia o procedimento d'esse Dr., que ficarui comno pratica) para dir a razao porque acei- Por fim intervio no debate o S.. Correia, que carra, qu e diz conhecer todos estes luga-
coino lente d'aquella .scola eserove e manda para tracAo. Talvez em outras circumstancias, elle pondo em confront, o conceito emittido pelo Sr. res, c por umrna pessoa que ha pouco mais
a imprensa artigos incendiarios em que se diz que se houvesse dispansado de una tal innovatao; ministro daguerra corn o emnittido polo Sr. Silvira '
os senhores de escravos ago perversos, assassinos ma3 conhlecendo,i naturalmente, os fundamen- Martins, acerca do cstado de desciplina do noss de urnm mnez esteve em sua easa, soube quo
e roubadores de fortunes ; o governor nuaca devia ton a pasta, e expor o sou programwna do adminis- exercito, achou que o primeiro estava obrigado a o Sr. Haag fez apena3 o transit que po-
consentir que de um estabelecimento piblico d'a- tos expostos polo Sr. president do consellho explicar-se com mais clareza, nio s6 sobre esse dia fazer e foi :--i Chegout a Tr'nlad, on-
quella ordem partissemn escript s d'eata estofil, na carta corn que fez saber ao Sr. Rodrigues que ponto, como sobre outros, e bemrn asssim acerca das do tendo encontrado difficuldades eu- con-
porque um professor public dove ser o primeiro seria um acto acertado larger a pasta, foi desde providencias dadas polo governor para a puniao ouir pessa cabin c D. Luci Pe-
a dar a seous discipulos o exemplo de resp .ito logo dizendo corno entendia e como havia de dar dos officials que constam se achamn comprometti- segur pessoal, cambio corn D. Luio -
lei. a conta da obra que lhe confiavam. dos no assassinate de Apulcho de Castro. rez Velasco o dinheiro quo levava, seguio
Na verdade, alguns dos artigos do Sr. Rb ao. Assim -que comecou dizendo que a con- A discussio ficon adiada; e sendo o dia seguin- pelo rio Chapari para Coxabarba, e desta
as sao at cilaumniosos dos nossos costumes. Em vidado, por conveniencias political e parlamen- toe sabbado, s6 hoje, que e segunda-feira deve con- cidade a La Paz dronde so passon ao Pe-
umrn d'esses, explicando elle o que era lanlordismo tires, para fazor part do governor, aceitan- tinuar. L e
na Irlanda, comn os seus latifundiosp, que tan'o tem do a pasta da guerri, hesitou e foi sua primeira Corre que hoje o Sr. Rodrigues vai responder rru, etc., >) Isto e muito dif--rente e prati-
perturbado a paz d'aquella part do reino britan- idea excusar-se por conhecer-se inapto para des- na camera, ao Sr. Silveira Martins; c send as- cavel, aquillo 6 impossivel, diz elle.
niqgo, aecrescenta, eom relanoo ao nomsa pai;, ao i- empenhar os deveres a el'a i il erentf s; mas con- sim A provavel que corra o reposteiro das conferen- 0 rio Madre de Dios foi explorado et
lhando a naci liaai dod sol polo iwposto ter- widerando que a nenhum'cidadao 6 licito recusar cias ministeriaes, o quo elle disse que s6 faria se 1883 pelo Sr. Ange in) Farfan, social
ritorial geomet'icamente progreasivo. se ao serving da patria, na medid-a de suas forcas a isso % obrigassem paca defender-se. do Sr. Ji6 Maria Velasco d La Paz
0 Colono0,ncionalpropnietarlo ser-nos-ha for-. quca boa vontade pode supprir miuita; vee a o r. Jos Maria Velasco de a az
necido pela educa*5, pelo exemplo e pelo estimun- usencia de habilita5es previamente adqueridas, corn oitenta homenns, seguindo-o o Sr.
lo, desses infelizes que os land-lords deste impe- e alem disto confiando que a suna missao seria fa- piEI1 nv i TTh1 A Br iC0A Antenor Vasqiqe, quo actualnuente occupa
rio reduziram e aviltaram a capangas de elei ao. cilitada polo espirito de ordem e amor a discipline DH i UIj. rlDEAD U U alli, talvez, cerca de duzentas pcs'oas em
a miseraveis, ociosa e parasitas dos fazen.leiros e de que tern sebmpre dado provas a classes military, sonungaes em quo 6 abundant t rio. 0
dos senhores de engenho, quando os nao fizeram etc., etc.. e foi por ahi diseorrendo por cerca de 10 sengaes em qu abundant o o.
doscer ate sicarios c assassinoas. minatos. Houve urma part do discurso que nao RECIFE, 20 DE MAIO DE 1874 prinmeiro explorador encontrou muitos in-
.............. foi bem clara, segundo me disseram os que o ouvi- NotteSs do norted IA erlI dios mansos que o lovaram A suas malo-
S0 land-lord, neste imperio, 6 monopoHisador ram: S. Exc. disse que eaperava que se nato des- Notielas mprlo is ansos qu he prestaram boA suservinos na-
.foibor clrasegndome iasramas qo aouvlasdo ort doImprlo cas, e quo lhe prestanrnm bans servi~os ua
de terms; usurpador do teritoio national e das serm factos iundignos de uma capital civilisada como 0 paquete americano Finance, entrado f titura de chaos grnandes, de que !ogo ci-
propriedades dos es visinmbhos fraos, de viuvas e esta, e que noa desacreditavam perante o estran- ante-hontem do norte trouxe as seguintes don. Disse mais :- (4Para queo Sr. Hag
de orphios principalmnte ; 6 disaipadorn, infrene geiro. ante otem o norte, troupe as segues Disse mais ara que o SrHaag
jogador e ealoteiro i abuenteita e parasita ; inaa- Mas voltemos a discussaio no Senado. Apenas noticias : realisasse o caminho que refere, conw o seu
eiavel no luxzo, no ijnto a ostentagAo, e sempre o Sr. Franaeo de SM terminou o sea discurEo, pon- Amazonas apparecimento na crte, seria necessarily
sequioas de goa bwrtat.; prompto a reeorrer a do se de accord com o Sr. Junqueira, pela forma Datas ate 3 de maio:
meios violentos, ao ineendio r ao assaminato, que se vA, tomou a palavra o Sr. Silveira Martins, Continuava em seus trabalhos a As- queo sahindoa do rio Madre do Dios fosse
cxactamente como oa laid-lords da Irlanda. jque a nao desejava tomar part n t disaeussao, mas sembla Provincial. A cidado de Cusco, atravessasse todo o Pe-
.. .... amoralmeuteobrig-adq afazel-o, por.terencher- r e parte da Bolivia, para chegar a Co..
a 0 eselavagismo fiz agagar todos estes vioios ado allusioadirecta a suaindividuaidade, nao s6 No palacio da presidencia da provin- rdu e pare da Bolivia, para chegar ao
e acereseemta-hes novos. Assim o landlord so discurao pr'oferido polo ex-ministro da guerra cia teve lugar, em Manaos, uma explendi- xabauba, porcorrendo minais de quatro mil
eacravocra e urn.am erfrectario a qualquer sea- W oantra Camara, com3 no que se disse na im- da exposigAo dos objects colhidos pelo millas.
timento philanthropic, atrista on equitativo. prensa, e at6 em-naum boletim de urma folha do Cea- Dr. arbosa Rodrigues centre os indios -Para
S. ... .. dedicada ao ex-ministro, em que se affinrwou abosa o gues entre os iniatas at 11 de mao:
SAcostumado Aexplracio de seas s"melhan- no S. Exc. sahira do ministerio par nao obede- CrichanAs, conhecidos pela denominago D at 1d a
leta Achi.Q.t afSwIefogM ; ut ; m,4 a "Mr.-a .-, er As imnposi5eade, poteatado do Rio Grande, errada de -- Jauperys. No dia 4 houve nova reuniAo preparato-
. wr WXmis 4teL.gase-a t m are imta eob resceulando, paroamais acentuar a allua, que, --Fi-o eitoe deputado provincial o can- ra pa a crea.o do Banco Popular. Foi
ormigueiros, nao Ihe 6 possivel conceber a menor ste era cunhado do president do conselho. a didato liberal major Henrique Ferreira Pen- norneada urna commission para rover o pro*
id6a just. a Tractando de desfazer os boatos e allusoa esttutos e foi mas nomeado um
Esses artigoas, como bern notou o Sr. Werneck que tern corrido, impntando-se-lhe censtantemente na de Azevedo, para preenchimento ject d estutos, foi mis nomado u r
slo datados da Escola Polytechnica a autoria de actos de que s6 tern tido eonhecimen- uma vaga que existia. dos accionistas paa soe incumbir de receber
Estes e outros excesses 6 quo produziram a re- to depois de pubuicados, espraia-se longamente 0 Sr. Joao Lopes, secretario do go- a n ra presta o dz pr cnt, de-
accao que se esta operando, eom prejuizo da just sobre este ponto, para chegar a conclusao de eo ralisou ma conferencia ubl'Ci positando-a num banco.
eausa da emancipaao. que nao procura influir no governor, e nem o Sr. vn rasou a co A sociedade abolicionista Vint e eoito
Esquecia-me mencionar o discurso do Sr. Mar- Lafayette estA habituado a ser dirigido. em favor da emancipailto dos escravos. socedade abziin f istaos catrei
tim Francisco, a quem coube a palavra antes do Passando a occupar.se eomn o Sr. ERodrigues Ju- 0 movimento abolicionista tomava a d Setembro, fez iua festa aos catrieiros
Sr. Werneck. Fallou corn geito o illustre deputa- nior foi desapiedado, como de costume, maiores-proporoes; fundara-se uma socie- que recusaramn transportar escravos nos-
do paulistanoa; foi conciliador, reconhecendo que Nao interveio em cousa nenhuma, affirmou ndade de senhoras, denoinada -Amazonen- seus barcos, send por essa occasioto entre-
alguma censuras a certos facts eram merecidas, elle, para que o ex-ministro sahisse : mas applau- eoas donida Am e-sns b os en p es cai eie-
mas nao corn tanta severidade ; nbo louva as fes- dio e goston, porque, apoiando c(m sinceridade sos Libertadoras, cuja directornia so coinm- gues polos catraeiros tres cartas de liber-
tas da Escola Polytechnica, mas acha que a cousa o ministerio final de contas, c governor nao 6 s6 pi5e assim : Presidente, D. Elysa do Fria dade.
no tern tamanha gravidade, embora concorde qua de quem governa, mas de quem o sustenta, e c6mo Souto ; vice-presidente, D. Olympia Fon- u -b Amazonas toou estas deli-
o dever dos lentes 6 ensinar aos sous alumnos e que segosta de sustentar aos que merecom a nossa *e
nao fazer festanaas corn elles. confianca. O nobre ex-ministro, desde o primciro see;' secretania, D. Philomena Amo- bomaasoes :
-- dia, tractando-se de discutir a lei de forcas, an- rim; 2' ecretania D. Isabel Bittencourt; Communicar aos reprsentantes da Ama-
COSTE, 12. DE MAIO DE 1884 dava nos corredores, e neam sequer sentava-se nas thesoureira, D. Clotilde Albuquerque; di- zonia nas duas casas do parliament e
S o -D d do aamet d M e cadeiras dosministros, deixava aos outros a tareta rectoras, DD. Tertuliana Moreira, Albina Eundaco do club, pedindo que concor-
btMMAao:--DiGerano do or~adaento do M enxter- de diseutir; mais tardo, no orcamento procedeu Sarmento, Ga ormia Mari de Souza, rata corn sua palavra e vote em favor da
daoG-erra no Senado. A dmnistpna dosexer- d mesma maneira. Agora, a Inta era outra; Mai to, Guilbermina Maria de Souza a-n aboliao;
cto.-D Ex. e se discursoped S. m stro.-aa offalisse d inle era homem de combat e, portanto, con- Maria Bessa Telxei na M ra do Souza La- pbo oe conferencias ublicas, come-
de dac e anis o.- discurso dornt Sa Sfilahd- vihi a sua ratinada. pbes Femreina, Carolina Braga, Adelina P-romovor conforencuas publicas, came-
de da guarns. o.-MO discurso do r. ,Silver Dando -ainda outros motives, coneluio corn umn Fleury, Jovina Cabral, Carlota Baird, Eva- ando no proximo domingo, no theatre da,
ra Martins. -- Motis da retrada do Sr. j tinha dada nas palestrasr+. rua do Ouvi- ita Manes e Carolina Hosannah Paz;
io cagner.--rio o sabrea diiplina do edos- don: a ex-ministra da guerra sathio, porquc nun- ists dee vapors os-
cte contratio ao do ministro.-Lhscurso dos venA her entrado na miniania -Fundou so na tarde de 2 mais uma Pe.ir aas consinataios r
Sr..JanueiraCoreia Sr.odige Dissertandoa gd-ssae qs es d sociedade abolicionista dos moradores do 2" trangeiros que intervenham par-a quo estes
Junior ternssetado a osnganossor e quenstcndzm scaaspaaa dreoud
JuP or ternd de defender.se. direito public, para mostrar que o procedimento district da capital, denominada Primeiro naro conduzam escravos para o ;ard, ou do
Per falta de tempo na dei, na anterior, noticia do Sr. Lafayette foi regular, coma irregular foi o d Janeiro ra ;
dos trabalhos do Senado, onde, depois de approva- do Sr. Rodrigues em ir ao paco pedir directa- d J o Solicitar da presidencia providenias pa-
do o orcamento do Ministerio de Estrangeiros, cu- mente demissulo ao Imporador depols de ter rece- -- Regressara de sun expediao ao Ja- Salicitr rdin ores ou idencias pa
ja discussao nao foi longa, tern contianado a ser bido a corta 1'aquelle, ( nisto estou de accord napary o ilustrado Sr. Dr. Barbosa ,o- ma quo as exportadores ou canductores do
discutido o do Ministerio da Guerra, cuja debate com o lionrado senadar riograndense) passou a drifues, escravos do Maranhhto nao illadamn a vigi-


1 1 I


foi, ha dias passados, iniciado peloigr4Junqueira, occupar-se cpmo discutso do Sr. Junqueira; nos i0oi complete o success obtido polo il- lanca 'das autoridades e agents nfscaes ao
que tractou da material corn animo calmio, no obs- seguintes terms, dados em extract polo Jornal cipio de Vizeu, apresentando-os a
tante aproveitar o ensejo para fazei algumas refle- do Comrmercio, que 6 hoje a folha official do So- lustre director do Muzen e pode-so contar muncipi o d o Vize, apresentando-os
xoes acerca da sahida do Sr. Rodrigues Junier do nado: nessa expedicao uma notabilissima con- despachos com do procedencia paraense ;
ministerio. a 0 nobre senador peak Bahia quO tomou a pa quista. Pedir aos solicitadores do causes que
Referindo-se As providencias tomadas pelo ex- lavra neste debate, nio prontinciou discuro con- Os indios Chrichan-s ate hoje conheci- acompanhem com todo o interesse as cau-
ministro da guerra e por elle indicadas na Camarn* servador. Lisongear as paixues populares 6, As 'sahosas de arbitamento pa libnerdale, em fa-
dos Deputados, das quaes devem resultar eeono- vetes, perigoso, mas S. Exc. fez peior : lisongeou dos polo npme de Waimirys, renderam-se sas d arbitramento para liberdade, em fa-
mias, disse o illustre senador pela Bahia quo dose- os soldados, complutamente a acglo mintelligente e tenaz vr dos esravos, procurem a intervea -
java ouvir a respeito o juizo do actual mistro, a Diise S. Exc. que ha discipline no exercito. do distinct catechista. gao do club quando esta for necessaria.
pois, dadas takes economnias, era claro que se devia Nio ha: p6de-se mesmo dzer que no ha exer- Em diversos encontros os selvavagens -- Fundou-se em Chaves uma socieda-
fazer redacoes de valor correspondent, nas -,er- cito. Os factos o demonstram-e o nobre senador l n d abolicinista pa libertar esse muniC-
bas reapectivas ; entretailto, reconhecia que no pela Bahia tem nisso grande responsabilidade. foram gradualmente accedendo As seduc- a
Ministerie da u-erra 6 onde .mnenos se p6de re- Nas ruas de Porto Alegre batiam se todas as noi- 9es da sociabilidade corn os brancos, che- p 0.
duzir a despeza, por ter sido o que manior numero tes, nilo ha maitos mezes, p liciaes c praqas de gando a entrar na lancha A vapor, de que Espera-se que no din 24 serA libertada ,
de cortes tern recebido de 1878 para cA. Recoa- linha. Em unm destes tumultos compaeceram no o tinham verdadeir terror dan- a villa ; em 1 de agosto a district de Ca-
n3abcendo tambem que ahi ha boa fiscalisacao e ze- quartel o president da provincial e chefe de po- atent tinham verdadeiro terror, e dan- a em de s o o rito
lo das diversas repartiVoes, tractor da organiaas- licia, e passou-se cerca de uma bora antes que os caram em torno dos soldados fardados e ar- vi ana, e em 7 de setembro todeo ftertle-
i *o do nosso exercito, cmittindo conceitos lisaongei- soldados se formassem Cita mais o orador certa mados, o que tambem Ihos causava grande rio do mnunicipio, aonde em 30 do junno
Sros acerca da sua discipline. ordem do dia do comnmandante de um corpo, do- niedo. do anno passado, havea 709 escravos.
Respondendo, na sessio de 10 do corrente, o Sr. cumento em que esse chefe attribue aos seus offi- Verificou o Dr. Barbosa Rodrigues que De ua ma correspondenca do rio Ia
i Franco de SA, depois de dar as explieages pedi- ciaes a culpabilidade da indisciplina do corpo, deira, em 27 d abril, para o io d
Sdas, obsenrvou: r i acoimaudo-os de borrachos e re'aradoF, e deiig- o nomo dos indios 6- Chricans e nIo dram 2d tomamos estes trechos
da Concordo inteiramente corn as considera:oes nando nominalmente um alferes-filho do bene- -Waimirys, seudo quo esta denominaao Ga-Pard, tam nmos eshes trechos:
do nobre senador respeito do merecimento do merto major Fulano, omas filho natural (dizia a no 6 mais do que a corrapo do -Juai- egarn a Sant Antonio, no di 8
I exercito brasileiro. ordem do dia) e tend todos os vicious de sua mi! pors ua vez e. corrupt de do orrente, as duas can6as que ao Beni
a 0 SB. BARIO Di LACio :-Apoiado. ....... ........ mirys,-que por sua vz coupo d (Bolivia) havi enviado o Sr. Weace-.
0 Sa. MMisTo DA& GuzA: -Nenham den6s a 0 honrado senador, quando ministry, levava -Jauaperys,--nome que lhes deram (Bolivia) havia envado a Sr. 1). Wences
Spoderi desconhecer as exeelletes qualidades que a sua bondade at6 ao ponto de corresponder-se habitantcs de Moura, polo facto do viverem lAo Ans, gastando da bocca deste rio
a o exercito national tern smmpmanifestado, quer comn inferiores, soldados e cornetas. P6de sern isto os indios nas margens do rio do mesmo no- Santo Antonio 6 dias de viagem! Apesar
r para o fim da manatenu-o dao e no interior, muito human, mas nao 6 military. 0 exercito 6 de que s6 lhes deveria ter sido nec(ssario
o quer par a defeza da noses patria. Em todos os passive: o governor manda e o subordinadu obe- me. varar en Ribeiro, Salto .Grau e Theoto-
Stempos o exercito brasileiro stem diitingnido por dece... Tudoliso e di-eitocomo a lamina daes- Escreveu um dos membros da commis- aar e Rit go Madeira, foi via- .
o susa discipline, resignaglo no trabalhos mais ar- pada. sao nio, p" ter mita agar0 Madeira, foi via- t
i duos, bravura, dodica e patriotism. (Apoia- Nem se diga que nisto vai quebra de liberalis- g Sahidos de Moura no aabbado de al- gem de extraordinaria rapidez. Noo dia
do). mo. 0 exercito nf" um organismo natural, 6 do manhi d tarde fallavam corn os se-umnte passou e m nossoporto umapeque-
e m 0 govemo ttern contain o ex, erito bras- artifieio social, constitwdo, 6 certo, por fraca ma 6 na can.a rn ties pessoas, vindas d Mat-
o leiro ; est. certo de que e doa- sa humans ma constituido de f6rma e por tal indios quo estavam na barranca em duas Grosso palo Beni!! Estes intrepidos Vda-
rantia da ordem pabhia a itSes, asn artte mperado que possa affrontar todos os perj,- ubas. to Grosso pelo Beni! Estes intrepidos i
Scomao da libe de UmROiadAoDo. e e intemperies sem soffrer a menor queba. No dia seguinte faliram corn outros, jantes deverbo regressar breve pelo mesn
zcomo das libe -lv ovmdeN dasganef "rmco 1 J-_,rersa
I aTodavuk Sia be aile u m Em y por6m, da temp ;ra forte que convom no lugar denaminado Chipau- carnmnho; nao pensam nos per gos de
que estaini ten a respeito d Aar-lhe o que se v6 em nossas escolas militares? quo de terra, no gar denominado Chipau- choeiras e solvagens, con o que parece
exercito exd de omostrar fi. 'A oedade imbuida das doutrinas de Comte e nana,,Chamavami a lancha. choeiras slvagen c qu parce
* mea e a roa mstncia Lfltte e p. ofessando uma religido da Humani- g Nes* lugar embarcaram na lancha 4 to familiarisados. D
5 I e seja pretso repri- 4dad qoe visa o cosmopolitismo. P6de ser que indios, ao rmeio dia, e n'ella navegaram atW 1 Por vezes temos enumerado al
- A Mi r6li" nade" o e e amad toqboastaesadoetrinama8 10 pare 6 hours, quando fundeou-se em Maharia, das muitas difficuldades quo assor
-r. .Ac dade de todo e"r"ito, coW dzad que ta deo taouri npara empunhar quado m 6 voltaram esses ce Bo ou Matto oa
10 @abeo-nobitenw todose6 dipt~ac l as armsa em dessa da pda Aagans directores ond. eles saltaram em terra e s6 voltaram asses centros WtBolivia,o MattGos
Se podos esoa Iaitares ea .philosophica- no dia seguinte. e s6 qud- tiver lido as descripieos dose
OIUUu I.. -. 6/a 06! Smos gra i s. gem ur ses--.93 o* 9 o. 710ov0 o0. a N este dia (seg unda-feira) os indios vie- ditos 6 rs. C outO do M agalhles, L uiz C.
0.dnt -.... uresa ern eoleduolades N dii a orador que ram numerosos a em muitas ubAs, calcu- tinho, Rebougs e outros; tivar converhi
u m- Singlar madeira, alia&s do encarar a questma em
os grendo. geai military. nZiatanai mlwat lando-s e e 40 oU 60 o totalde todos oUes, cam algun dos viajantei' ou coido o-


















































:da de ^
-sito4q

fando e
voL a&


6B'Po


o wfapr fteaac
loutemS do su s
Voustam das rubr


Hi~cw trooe
ias, e aI qa
o lisirior;


Diaswateegrapbicas' Wt I da wsio
Tobda as poteneiss earopeas recoshecer am o go -
verne .d ggeneW. lgbestias prWesiete do Perd.
Este dicidira-se anegociar um tratado de commer-
Cio eom Chile.
esbrio-se corn grade soleouidie a universi-
'dadedeLifnall
0 meatonero Caeere# coatinava a oppAr tenas
resistencia em Ayotfho.
aft t& muPrtft1
Data. deRuenos-Ayres, aW 4 e de Montevid6o
atM 6demaio:
Assumie a a dap OvMeiaargentina
,de Btenos-Ayres o uovo governador d'Amico.
.. Em eonsequencia de aturda chavas torrential a
fiywa capital da mesa priovinia icou, convertida
,seuan lago, soffre ndbusfj9 damnoddin os ipubli-
aee particulares. Os iampos da partetoul da
previncia tambea fiearsm mundados. Alem disao
a ex6sordintaria subid a das agas do iachuelo
Caeon numeroso sinis naritimos, devidos &
cWB gac du emObareeOft "esaco- para tMo-
vereai-se.
Neuhum tfacto importante ocerreu na Repoibliea
Oriental, depois das ultimas noticias que d ali ti-
Tvemos.
*!'^i* :.flham-- glop&"*
S Era eonheido na coLrte a segintd resltado
da eleigro senatorial: -
Pelicio dos Santos 9,480
Igiacio Martins 9,461
Cesario Alvim 9,258
Evariato da Veigs 8,649
Gama Cerqueira 7,545
Brctao 7,53
55. P ea l. -
Datas at 11 de mai6:
Em Piracicoba, nodia 7, deitaram fogo um edificio
que se esta construindo para o collegio dosjesuitas,
e arrombaram as ports da igreja da Boa-Morte
No dia 1, em urma quebra de milfl, no municipie
de SAo Pedre, Vicente Ferreira foi mordilo no p6
direito pot uma cobrajararaca Chamadop tempo
pharmaceutico Sr. Aureliano Mendes, fez umas
injecqes de permanganato de potassa, achando-se
Vicente actualmdnte livre do perigo, depois de ha-
ver-se estorcido oem horriveis dotes.
Da estaglo dc Cruzei-o esereveram ao Cor-
reio Paulistano:
SA' meia noite de 6 do corrente, estando o ins-
pect-r de quarterlo Joaquim Leandro da Silva, corm
urnsm patrulha, rondando, caeonteeen que eneontras-
se grande numero de individuos, ex-trabalhadores
da estrada de ferro do Rio-Verde, em complete al-
.. wazarra e voserias, encommodando asim o socego
I public.
S .. 0 inspector pedio prudentemente a esses indi-
viduos para que se .traquillisassem, a resposts
destes, porem, foi nma immensa quantidad. de
chufas e improperios contra a policia, lim deo a
desmoralisarem.
a Aos apitos de socorro compareeeu o Pubdele-
gdo alferes Eu6hu, eonforme a caseao exigia; mns,
vista da attitade energies e aoM tm po
pradente doa autoridade, os desordeiros dsppa-
S.* ieceriiiJktrandoal s epmiwnasapwoximae feen-
do-so fortes o. tod despeito lei, depois de
necharem as parts da dita asa.
S Noess oocasiao compareeeu tambem o escrivio
F- Procopio de Castro nolagar da desordem, e eostva
: autoridade resolvida a proweder coma era do seu
dver, quando os deso abrindo, a d
; ports entregaram-as a prislC, est um dees
araodo rewm1verqae fnouh ,em poder doa atort-

U* Saonles os iegainte: Jo"e Ffa-
Csao Rosa, Jos6" da n Qw S Jo.o BUY&
Affouso, Maumt Franco, -Manoel Joaquim
I Veiga e Custodio de Almai ; hesipAabo Aindre
States; brasieiro, meWO de Bouz A as4aL
SNa noite do e1, estando a patrula rm dando o
lSgar onde havia epetau pretend Antonio
Bodriguea, vulgo Antonio, Ceawroses por
S baixo do panno e pagar t u o fa-
SzendoW-ie ma oea o just eis que
" Antonio Cearense, vdentk onhftido, puM =A
fat e fae s na 0 6= oM Wasfada. Conpare-
soN209,ursontino toanaiontea. pr romo AfN w-
weare..p


russ, foram
Mi. Ike. foi


40. SESSAO EM 28 DE ABRIL DE 1884
rPIuENCA Ozc oXM. SLa. BBAO DR ITAPeXWUsL
(Continuopbo)


0 Or.. 4e6 MatiA (pala ordeqa)-Na soaso
do annoe passado Sr. president, V. Exe. ha de
leombar-se pomquefazia partoe deasta casa, aeo:
miwse deo muicipal devolveu A Cu.
musra desta do algumaS aU do verifi-
ear aquella sorporaco so eram verdadeiuaa on
falsas. A commisso as"sim u proeodeu poriue
pagametod'aqaflas eetas tinhas aido automuado
polo presidnte da Cmara do entio, e
se naturalente do qepor uma dis pos d i.
nu auseneis dos respeetivos commissarios, sloelles
am tttdo sul~sfituidof4ppolo president da iaari
e esquecendo-s e ainda de que essas a
fomam dad"e pelo peaslftannto wez do-e outwbco
juetameate quawm achava anaente esta ci-
dad., pleitade a sea elei$4 no8 "Tslrictu, 0
nob'e dpad o 6 Sr. Baroa-de Naare, qu en
t accumulava as conmisses d policia e cemi-
teri#,
0 Sn. P SuDzn--O nobre deputado pedio a
pwlavr pela rdelm.
0 SB. Josh MAk--Sim s 9hor, eeu alo oeeu-
parei pot mais de 2 minutes a attencao d casa.
UK SB. D PADO-EUE ach que V. ExcnEm
p6de.
0 SB. Jost MAzB--O que eun no posso e dixar
de completar o meu pensamento; deixar dedizer
a que vim r tribune. .
JA eu teria terminado, se os nobres deputados-
nio estivessem A me interromper. (Apartes.
0 SB. DIuoCarr- Ja fez a mesma cousa que eu
estou fazendq agor, e ae S. Exc. p6de fazel-o as-
siste-mc o memo direito.
Ux SB. DErPUADo-Mas V. Exc. s6 deve tomnar
os bone exemplos.
0 8B. JosE MABA-Como ia diszendo: as contas
foram remettidas polo motive dad., havendo, por-
tanto, reeahido suspeitas sobre o administrator do
cemiterio,
No comer o da sessio deste anno apresentei um
requerimento que foi approvado, pedindo que me
fossem remettidas essas contas e o resultado das
pesquizas feitas pela Camara. Esta corporate
porm, remetteu as coutas, ae mpanhadas de um
officlo, em que diz qne asim procedendo tem sa-
tisfeito o pedido desta Assembl6a.
Mta eun que nao me poss o atisfazsr orn ito,
pos o que eu quero que ue6 s fas today a lus sobre
este negowo, afim de se proceder contra odeli-
quente se porventura den-se a falaidade, ou f zer-
se inteira ju stig a queen de quemn se suspeitou, se
so emtrario, falsa, i&fundada tvo side a a speita,
e por este motivo you spres ntar mesa um r e,
querimento, inistiado pelo reultado das posqui-
zas feitas pela Cams.a
0 HB. PsusiDgT-E mleo posse .onsentfr quo
o nobre d ademitinue.
0 8& ]GvTMAe-Poisen obederil t V.6Er,
reittendo mei mqn te.
0 I. Rosa E SoluMc-JA agera esta justi ioad*
o raeqtr'meuto.
0S S Azm a'ai Coma.L-, o que flea snai o
regum tJd'esta asa?
o sB. Joa MAa--_Ra send o quo semre fiL
0 S&. PBoum deelara que o roeqer e
Jo nobre deputado fiea sobre a mesa par ser
prtnamente do, apoindo e dcastido. -
0 Or. ymiple Eafueo-(Niao devol-.
yeu sein duistwso).
S0 Bin. PaRwiut:B dedars que este. requerinent"
Iamabefia& sobre a mue Ipara ser opportanawette
li&, apolado e disautids.
ORDEM DO DIAI
Coutink a 2 diwu&abo do projeeto n, 84 deste

*0 ar* 26um.erif Cawal.ate-(Nlo
devolven o se. dieurse).
0 or. nose e liUva-(Nie devolved o sea
(lisciut o). 11:. .- -;, llli'
Ven A mesa, 6 lids, spoiado e regoitado o te-
guinte requenimento: -
a Eequeremos prefereaeia parsa; duscueodos
Joe,_ I* a. n ^^.- _..'i : l^*, I Vi:'a .*l.^ *,L;.


.rass.

R 3i


swal
I A


xeira de Moori4 e & i A
do Rego Barrm -$an&e#M Wm.
-... 12.--Iga hiwor a* bL d
Coisulado Pokeyial, Jost Xai
-arm CapS1% peau
veaCimeouis.-....4eZ8= Leo




+:N.+ 13.--ee v tus a
tuadas a-doASr. VianipanPahua
edidas sdmente amorienasa o Ji
de Sousa L ro.
X.-14.--oadosa&LdLX"SMitdoB]




dig-s sosmente em U..dm .: p




tes de.
pad, trat dle a Ba em Ifi
N16. A M& m am* gasf~ie
os v, ii~or~~^~^^


rita osed douabhE-G. &ue e ih i
:ae N. .17.-E di con
veaciehta aa oilxa
'0 ore. RAW":,^l~._l Vk qed r.:o


que Ies- a e"orameltriba
tram, 6a niaeoqf ft 6p

se que ligo & causa pubki.
E' apiresentado &t consfidera*a d
projecto coneedendo licenga a uma p
mediatamento a mesa se sabre 4
Semendas no mesmo sentido
lato eao 6 serio; 6 ua verdade
prigosa aos e interesoe- da prove
tesa. -
N6s, que sabemos o estado lame
eats se acha, n s, que comkeeemos q
quest5es que agoma se levautamn 1P
do ustado em quo ona. aohaai-4 dep
maiorparte, deo nA verb&, tkuraa
d"004ada n5o poeaeawf A-ti
:taisoapum gom70W,~aee~it
O O B O taim fem u 0 t o n p B iL i
nho n'et ocea"i comprat iu


sae; que swv is .orsta


rmd muri, B.o pode s





em a essa,; a rist uis

M at. meptacM UDo r aw
dpfovilwitt-& aMOs p
geo qmflom nos otive,






aon dea a hs regi do ea
daopm pm OTn m
IN" ~ai*110 desan
.mm apprevarenuxms de-
Sr. pweidentl qae eats Ij
wom~ptos smom queo aqu
agora se refocaW n'eatei




qu a. tornotz-se a dm o
No qoem P a m-,dir --
'eoudderern scrio a alluvg
|tearam-se na mesa.' ^^
03BMirittrio, Sr. proi
usesta casa, a risota <|e.
a este espectacttlo, prevar
,eea da alta regiiao de.-mos
te da provincia A conAl
.qu se tornott f6ra do todt
,v. 0 '-Su. PAKFfSBWiatH-Pe
diria por este modo A ou
1 0 &. Lu, PA WNS : Jul


do eo qe ofviesse agnem




S- *^L ^f^t^ ^S^ grtv l^fifte. soj uadfeftueaseto.
S'SS?' Que a uig '?^:Ba r^lds peiq&efu no sean estado
.S Pii^a. ^do au., seus psdeaimmsatoa a impedem do
desmooniam-n nuiabra o
"o pnec nde dsericimariitte










i.,^o 4.^.. qua Wlb.1 fo^tnocoanfi &afelteoo attoatados, come
a ieea que ia obteve sbto digno esidente da
a" veivU, Pstsareaqud-oNgr eftqod





B"a inhihe"^ ile sodrvuttlo e ajiuda a asseveta-
mstdor 1* lg 1- q9o prticnAi ano i do chofe daraparti-
*"Sd< porhw a oaot, odes ogaine











EM^ da ^ E noa~aaa cdPao dovere todoa eonvir ea quoe
do ifliretamatstado, am mquo.viesw- alguem






to onis. a cmsaib&oa A"omotteria ia iniquidade se pori
I Ia wo gaveUjdia o sn ni rmente.










b 8 os ves vttura deaat d a peticionaria em toe justa
do, ictoisn A ed T a q. o ovne-me n'oste. moimentso, conhecem ssa pro-de
vwe ae fosOErdenoo lb. oegam nnhum das virt7dan
a Jirojeeto. qae recoeunendaintanseita osa espR veis me.






d drad o public, aspar do ieoo-c da urs incessant
1a solicitude corn qbe desoAponha o sacerdocie da
o 194lAt d o que ta digoamente s ouas o revestieda, no exertici
Stodos 0 01 do, 6tei sempr offtecido proves, as mais e-
Squoeas d sa voaeo parted o magisterir em que
i' de Sow a.- m mc$lraiwi6. eow tateris urn s in 'quid ade se por





e s ee- e dsa motives qe apeticiontuaria em nto ajustmo da




u quand. ebuborou o sea parecer, vnho
-l, aga pa-e d avio d endas offerV-ctoano
Sida ,no projeto p intuito segundo paruce-mitos dos
Fo. dque ouvem-meneste momentaao, onheuemessa pro-
awro Ti- fessora ele seoja votado, e de crirem-svirt emba-
m Praneins al, reason sdam game, se fhore ta esimlla e appro-
.vie.- 8Lox.ubic, a par do zeloe de uarti; ness hate
I do Ioe s olintud omquo desempenhao saeedo queio ap-de
a t Cr"eosis denque t&dignamente se seha revestida, no exereicio










^^^B^^" 0 Su.* B~&uo n. -NAZABETu-.... a consagurnto-
Stis es mouente votad sempe utorierecido provasr, as mais ianento






^^^^J"-8d? que^3Basi todos asB fuuccioaario. publicos, tie eras-
Dsomeste.a.-B side ,o nurnoaw 'osBss maendas; sendo quo alga.
qumas, o sates, oa d'elas ea concebida em tgisterio. r-
w. E- xpmos toso q tiv, pos qeaeacaram no aissebl, moa






a.quri0 mwovl abstonho do qusilfibar, o quot donota a vordade do
e-si, Jamporvon- eemao, qao eea as pbor o sea pareeer, vtenho







usenia 0P -oupudido mett pouamon~to.
fietiios repro- proaunciattdo~rne pot esas modo, nie prpopnho
iranae inta.re- areieepr-dmetodas aemllaviondas, nem revendaslo oFe pro-
veimen ositodo votro no int itosernddas o, pareeme,nso
Piuk de demorar-se a mu diseussia, de impedir-se







..ofea r;a rn ~ alaamo que d'elle seja votado, e de evriarem-se emba-t
.ssmas s..ta on& psqaellu e anc, se forem t foras eliapra-
dappro-
.0 a.S Luvmt Fgtem Jumoe--De eerto; nf o ha







bb io Soe-esassas observades que occorrequ-me ox-
*eira (Acdesr 'provesemejuslealo do strabaiho da. comisao, s-
'0OSa. Bao DsNnzmwT---..- e conseguinte-







S sas qai texdwes daAeionsmblosa, cuja dblieosalo cres-ei






tekrosmnte sagade; rnTprudome ted~fviapou-
a~rsaeevar-nos pridemal o men dever, senie tambern a duvids
e de.-i, tct do6sonumeeeido a s emendas;do quae ole lga-








im^eieis s rain para aquolia eo~mnisao, o quo podara cobl.
S car-om u na pesiam ponosa, pelo estbida em ter-
t. remsoim aso eemque, poopsosivel v enha permblna, mee
1 "omorel rb abstenho a dequva oa nao deontinuar no deser-
-, porven-peo do qte t du a refa, convencidoras comne tenho








'fi e dar orsi So.-em, do quoe fldleeegin>ne os nacessarios to-
.-n^..t quisitos o a precisa competencis pars tie honroso
nesig- .aro r e0dpto.o
eiIpsd kp ro met t pamento.









ei e- ron J. hciandmt lvepo-Sr. pres ident, signa-ho
ramie jnte atie jeioe det qas emendsigne ur lievenoa prlo
eas utem+po doe i votes corn todos .os venirquaentos emnso
favorUm edasdeVeam ser approveguziad, S. Fr.to









Padre Gon doa
L,>--- Mail.,dieAll o- o odovo do justifi-
duasne 1o '- a e aa m lueles em banfieio de nquem foram apre-
u s entada goemoaifes de mereeer essed favor. a pe
a aaa sn vobservag5es que oeorrem-m o ex-
,.trbah










sta A pot- em jastifi artdedo adatad a fomisseiioe, eome- a
j eito ao extmeda ombl*aenja eio se.
tvel aml toE, monte -aguardo; eumprfindo-me ,to Pon-









InAs g qnsdeter quoa a ioao do project no deixputado pe
edespert-eo iito a suspeita de haver cum-
'm nori oeu -evrer, senou tambem a duvidr









lem' Pesst portutoa eontar as aprciao dos mo-e ele-
qt ti easram.pmao le a ma aprbentsr o que p edmendar X
eimpwis, e arute deo oume atosto medidoa doir-
resol* em'qSue 6 r. Dr.S Permanea. er,









yw ""K Os 8^.i. 1'aAuEniBzuo--Apotados
1.,~ ~ ws:. anjasasignatura:*||^^,t^ posts
res de ado sbendo-soe deva oqu nno ontinuar no desem-
(das quo a,,ms- pgrudti do atad. morbido em m qu o s obs
e e f nar, de qT gilleeem-me os necessarios re-
q iRe ea rema inompotencia pare tohonroso


[00 inue"t #r. &, &0 Al rx-Essa president, signa-
de -.,-de "c ura lieengpolo
= ep de seei mmses m todos, os veneimentos em
[avorda professora blies da fr~uezia de S. Fr.
Pedro Gonoalves & Retre a Sra. D. Maria,
ClebotnaAe e, eorreme o dover de jumtifi-
d"'Rgoeos &-a ~enat.de modo cue ae tenha ell& de
do u j os l-crw. aipiomo um mere, fvor eonsedido, a pes-
wtw dbjonal-.a,, m rt"Mnv'Welt., unn "M aeto AP


sapezar doe se oobr f&ia
&o medicos, al' deixon
oqaerimento no sentido
cena de. que cogit% a
ajotificr, mas e ewre,-
do fa &d hoa do ex.
pieoentado ; a porque a
era. da umfior urgemeia
qual eatd de'pmfe~ito so-
ido no mesmo requeri-
lente, gavement enfer-
at tircta. A eafni A lert


iSe 11UOrem venha dier qua os
R* (t O tie-taoa, porque n nao v-ejo
eeuatf! M^ se "a lhtto d'ioto
.a t 46ie maidaairar de ver a siuviio deaemn-
duo quo.-se man& a ete projeeto, nao 8s atten-
ewdo ao estsa de 4fiaaae a em que se aeha a pro-
S 8%. MixnMXo DsA*=-A provineia a&tem
nada com, isto.
0 SR. Vzncooa. M TAwATaGA-E eom que so
pagam os empregsdos ? E' comn as palavras do
nobre deputado.
Eu nao digo que se nao de licenga aos empre
gadoe, muS corn todos .0 vacim3ntos 6 que me es-
panta, porque a provincia nio tern dinheiro para
.aatisfWer eases empregados e a esses que Ihes vao
substituir.
Eu s6 ouo failar aqui em economic ; so ougo
dizer vamos fazer ooomia, mas em que?
UK SB. DaurTAo--V. Exc. vota pele cre-
dito?
0 SB. VOaooi.ireu TABATITGA-0O eredito nao
eataem disoua ioe eu ja disse o quo entendia so-
re ele
0 MEo SB. DieuTAM--O nobre deputado disse
que votava contra
0 Sn. ViseonD D' TABAnTGA-0 nobre deput-
tado nao pode me lancar isto em rosto.
0 mEmsxo S. DRPUTADC -Eu sou incapaz disto.
0 8R. VISCONDE DE TABATIOGA-SOU incapaz de
fallar a favor de qualquer cousa e votar con-
tra.
Como is dizendo, Sr. president, s6 ouco fallar
aqui em eonomia e entretanto nio se tern atten-
eao no estado da provincia.
0 S.t Asnr Is P Onao-E' o programma de
V. Exe.
0 Sn. VISOOio DE TABATAA-0 quae tern que
seja o men programmer 0 nobre deputado 6 que
vein la de Olinds corn a Sua emenda fazer favores,
a custa da pi ovincia.
Eu nao tenho nem emendas nerm projects.
0 Sw" OLyxPxo MAnQuS-.Mas o nobre deputa-
do votou pela proposta nemeando o empregado
para a Secretaria.
0 Sn. VIScoND DE TABATisNGA-Votei pela pe-
cessidade do service public. 0 nobre deputado
nao pdde me tracer isto em roster, nio sou deputa-
do que apadrinhe afilhados.
Portanto, Sr. president, attdndcndo ao estado
preeario em que se aeha a provincia, acho que 6
inconvenient tantas emendas concedendo ordena-
dos e gratificases a individuos que talvez nao me-
recam.
SPortanto voto contra todas as emendas e nio irei
contra o project porque o relator da commission ja
disse qoe acceita essa emenda sd6mente corn orde-
nado e portanto voto contra todas as eutras.
Eu sod olho para o bem da provineia. (Apar-
tes.)
Eu s6 olho para e bemrn da provincia, nao olho
para o bern do individuo.
0 nobre deputado, por6m, nao pensa assim e
traz a sna emenda protegendo urn professor.
(Cruzam-se muitos apartes.)
Assirn, Sr. president, nao a possivel discu-
tir.
S0 SR. PRnsmENrE-Attenelo Attencao! Pe-
go aos nobres deputados que nilo interrompam o
orador.
0 Sn. OLYrIao MARQUs--Nio 6 possivel effec-
tivamente discutir corn semelhantes doutores.
(Riso.)
0 SR. VIscoDIM Dr TABATINGA-CoM semelhan-
ta gene. (Riso.)
6 Sa. ANTuwEs Pnrnimo di um apart.
0 SB. BAnIO DE TABATiMGA-Quande estao fei-
tos patronao parece-lhes que se Ihes tosca nas
veias e qua ficam feridos.
0 SR. ASruns PRixmmo da umn aparte.
0 8S. BABAo Dr TABATIGA--Aqueole nobre de-
putado 6 o maiAs terido Sr. president.
(Apartes).
Eu posso ser patrono, patrocinar e remunerar
o meu afilhado, mas cornm o que meu e nio corn o
que 6 da provincia.
0 SR. AwaUs PmxmxEo-Olhe a companhia
lyrica.
0 Si. BABAo DR TABATIGA-Nio venha cornm o
passado: nio traga o ridiculo, pare esta casa ; se
o nobre deputado supple que trazendo o ridicule
parn aqui me offended, esta enganado; venha se-
rio para esta casa aparts do Sr. Antmunes Pinhei-
to); seja mais respeitador, nao traga o theatre
lyrico, suppondo que me faz abafa| a voz.
0 Sn. AKTuxs PiXHnHEo z ournosSus.DEPUTADOs


dio aparteos.
0 SB. Puswum--Attenglo Attenglo!
0 S. Bmao Dz TABATOGA-Assir, pois, Sr.
president, o meu everr 6 pugnar pelos minteresso
de quem me paga e me manda para aqui defen-
del-os.
Eu tenho uma constituinte que aeo posso aban-
donar, Sr. president.
0 SB. OLYMPoI MA-qus-E' a agriculture?
0 Sn. BABlo DzNaE uTu-0 nobre deputado
esta. enganado, 6 a provincis, por que a6 a provin-
cia quem me manda para aqui; mas fique certo o
nobre deputado que hei de defender os interesses
dos agrieultores, ainda que n'isso tenho um boca-
dinho de interests tambem como agricultor que
sou ; a minha constituinute, potr6m, repitfo, 6 a pro-
vineia, potque 6 ella quem me paga.
(~Apartes).
o ha-de deiara carer a revelia os sens in-
teres"&.
0 SB. OLYMxno KAqu;--Havia de accordar
mais cedo.
0 S0 BA&Bo DE NzAxAm --Antes tarde do que
nuncs e 6 & raz. o pque hoje vendo esta alluviao
de emendas venho appotr-me a elas coin aomen
voto e ma minha Palavra e pens 6que eu na
possa obteraoria de votos, pot que cro, que a
maria das emendas, eats apadrinhadas pela
masioria dos nobres dputado.
(Apartes).
Mu", Sr. president, eu fago o men dever come
deputado da provinces, defend os intereases dell4,-
faham os nbmes deoptados o que quiseremn, vo-
tern ou nao votam-pelm emenodas, attendam on alo
attendam ao estado lahmetavel em que se wbs a
nmrovincia s d.nh bo L ra u pn ar a -om.d vwe


i eAma saber amid


"a 'wauwui P a ioser a oraeaw. feUMovnt
COiMO eSE rbQ Pamster aigurna e ou -
toeno gW quewroque a ordem me garnta
e pot is voWpor aquelles ereditos de que trata
o reapoetivo project.
Por isto U o poso aceitar o offerecimento do.
nobre deputado. ste 6 uMa bragauha verdadera-
,mente de I no: dw-s. 500 eontos por 500A ,.
0 nobr, delutado sabe o que 6 cigao ? '
O 8. Ditocro--Sei. '
O S. VISCOmDE DR TABATnMOA-Pois dar-se r506 '
coutoapor 5005, s6 cabocolo 6 quern faz dessesjnUe- i
gocios. Mas 6 em benaeficio da provincia que eu
voto; em sustentaao da ordem para "o nobreo de-
putado puder visjar tranquillo por essas estradaa
quande vai cabasllar. 0 nobre deputado nao de-
seja garantia quando anda por ahi viajando?
Pois eu quero para aquillo que possuo ainda
que pouco.
0 S DiS&u oxMD Fumo-E nessas estradas ha
policia ?
0 SB. VIScoDE DE TABATINGA-Ha sim senihol.
Um SB. DEPUTADO-.-0 que ha 6 boa indole no-
nosso povo.
0 S. VIscOSDE D TABATIxS &A Eu moro no.
campo e sei que ha garantia, se bern que louve
tambemn a indole do povo. Nio supponha o nobre
deputado qae en renego o povo- Eu louvo e muito
a indole do povo pernambucano. Portanto, Sr.
president a hora ce adianta e nada mais tenho a
acreseentar, senio pedir aos nobres deputados que
vote contra aquellas liceaas attendendo ao mao
estado das finanqas da previncia. Falla-se aqui
todos os dias em econumia, mas ficticiamente; fal-
lemos seriamente. A eeonomia deve prineipipr
por n6s que nao devemos approval urn projecto-
eachertado corn 20, 30 e 60 emendas para o pre-
sidente nao sanccionar.
Depois volta para esta Assembl6a e temos no-
va questAo. E' necessario por6m, cuidar-se i de-
Vpreferencia de negocios scrios em beneficioda.k
provincia. ; .
0 SR. N.0o-Por exemplo : urma viagemsinia a.
Hollanda... qj
0 SB. VISCONDE DE TABATINGA -Quemquizerque-
a faca.
Eu tenho dito mal, mas tenho dito o que pengo-
a respeito dessas emendas. (Muito bern ;'muito
bem).
EMENDAS APRBsENTADAs EM 3a DISCUSSION DO PROJECT 0
N. 25 DESTE ANNO
N. 8. Accrescente-se ao art. lO-Devendo ser


as mesmas loterias extrahidas por parties nao in-
feriores a 20:00U0000 cada uma uma corn iseng&o
dos impostos provinciaes sobre os premios e sem
prejuiso da extracAo das loterias ordmnarias da.
provineia.-Jos6 Maria.
N. 9. Accrescente-se o seguinte artigo-0 pro-
ducto das loterias serA recolhido ao Thesouro Pro-
vincial e applicado a emancipal a dos escravos,,
pela forma determinada em rcgulamento, que op-
portaunamente pelo president da provincia serA or-
ganisado.-Jo6 Maria.
N. 10. Substitua-se o final da emenda n. 9 pelo
seguinte :-Fara ser applicado ,A emancipayo do.
escravos, na conformidade das leis geraes do palz..
-0. Marqwues.
N. 11. Ao art. 30 depois da palavra predios, ac-
cresceute-se o seguinte : -E nio sera inferior ao
valor das loterias ou parties dellas, que houver de
correr no prazo mareado no respective regulamen-
to para o thesoureiro prestar contas.-Meira de,
Vascnoewlos.
N. 12. SubemendaA emenda apresentadahojepelo
nobre deputado Sr. Jos6 Maria :-Emolugar das
palavras da mesma emenda-corn isengo etc., at
a provincia-diga-se o seguinte:-Sendo applicado.
ao fundo de emancipaco provincial o product dos
impostos a qne ficam sujeitos os premios das lote-
rias autorisadas pela lei n. 1,738.-Meira de Vas-
conellos.
N. 13. Substitua-se o art. 15 pelo seguinte :-0
piano estabelecido de conformidade corn o art. 5o,
poderA, ser alterado quando a experiencia o exigir.'
Meira de Vasconeellos.
N. 14. Supprima-se o art. 40 do projecto.-Mez-
rode Vasconcellos.


REYISTA DIARIA


Asembl6ta Provincial Funccionou
hontem, sob a presidencia do Exm. Sr. Dr. Augus-
to de Souza Leao, tendo comparecido 28 Srs.
deputados.
Lida a acta da session antecedent, foi approva-
da eem debate.
0 Sr. 1 secretario procedenu A leitura do se-
gamunte expediente:
Um officio do secretario do governor enviando
umna copia da portaria de 11 de outubro de 1872,
corn relago as passagens de o.a e 2.a classes nos
carros da estrada de ferro do Recife a Olinda e
Beberibe.-A' quem fez a requisigiao.
Outro do mesmo remettendo uma petigio infor-
mada de Fielden Brothers em que socitam o pa-
gamento de 126:289A805 de illuminagiAo public.
-A' commisslo de orgamento provincial
Uman petigo de Eugenio Chaline, encarregado
da agenda telegraphica Havas, requerendo a isen-
co do imposto de 1:000000 de que tracta o n. 2
da tabella a qne se referee o 11 art. 2 da lei do
orgamento vigente.-A' commissao de legislagio.
Outra de Francisca Seraphico do Assis Carva-
Iho, professor da cadeira de l.a entrancia da es-
trada nova de Beberibe, requerendo que dita ca-
deira seja levada 3.a entrancia.-A' commisslo
de instrucco publiea.
Outra de Pedro de Alcantara Borja e Castro,
socio gerente da fabrics a vapor de Bourgard & C.
reclamrando contra o project n. 123 deste anno e
offerecendo melhores vantagens do eque Jose6 da
Silva Loyo Junior,para assentar lhhas que tran-.
smittamn a electricidade parsa laxz e movimento.
-A'commissao de petig5o. --
Outra de Jose6 Hemeterio da Cruz, onUvinte ao 1'
anno da Escola NIrmal, requerendo que Ihe seja
concedido o direito de matricular-se na referida
esacola.-A' commisso de instruclao publiea.
Um abaixo assignados de paes de famUlia e mo-
radores no povoado S. Jose de Came-vou pedindo
que se marque quota para a cadeira alli creada
em 1882.-A' commissio de orgamento provincial.
Approvaram-se : um pareer da commiussIo de
orcamento municipal declinand. pars a de peti-
)os o requerimento de Jolo Pacheco Alves e ou-
t6a da do, redacego sobre ado project a. 117 d'es-
Adiou-se pela horas, depois de orarmm os SrS.
4aiw b
iiinseeii doTnirn nWwwt e. n riininininodea


4


-.I
'a


1 *a-
V '- '


I




































eSilvae M.ael Lopes de Carvalho

Q WMeemente.-Cartas de Nazareth dio-
-.1o0 a iafmata natikia do fafle ento do' aor
i" AffS de Hodlands .de AbuquxqaX of
P"] .negociante e proprietario n'aqueVa cidade.
O finadomilitava am A1leias do partido con-
aervador, no seiodo qual oxercia legitima influes-
'cia.
IEconomicoeo laborioso, deixa a seus herdeiros
rmna modest& fortune, produeto de seun trabalho.
IA su illustre familiar apresentamos nossas con-
dolencias.
AssawaInato. -De ama carta do Maranho"
consa que o cidadlo Luiz Gonzaga de Souza, foi
victim do punhal homicide de um sicariQ de no-
me Benieio Maria da Silveira, natural da provin-
cia do Ceara, que tendo sido comdemnado por ori-
vae commettido na cornarca de Baturit6, dessa ul-
-tima provincia procurou refugiar-se no lugar Mo-
nitor do Maranhlo, usando de nome distargado
para assim escapar A acco da justice.
Tendo chegado a precatonam, e na certeza da
-ser capturado, entendeu o perverse de fazer de-
isordens, o que determinou o infeliz Gonzag, a ir
ao encontro d'elle para prendel-o, succedendo ter
.side a victim de suna ferocidade. "Recebendo do
-sieario urma punr alada, succumbio Gonzaga dois
i -dias depois.
Vilsita do general commandante
-dalas armnas.-S. Exc. o Sr. general Floniano
;^ Peixoto, visitou hontem as fortalezas do Bram e
Buraco e tendo examinado o paiol da polvora,
; x. existente na ultima d'aquellas fortalezas, reco-
nheceu set de toda a eonveniencia a transferen-
S cia d'aquella polvora para o paiol da Imberibeira,
oque se comega a fazer hoje,
;, Gremlo emancipador.-Funccionahoje
esta sociedade no intuit de tratar-se de negocios
?urgentes, e de eleger-se nova directoria.
Porte bijoux mixte.-Uma pessoa, que
.se occultou sob um C., remetteu-nos hontem acom-
S panhado de uma carta, um porta-joias e costurei-
ra, para o fim de ser reduzido A moeda e o pro-
ducto applicado A mitigar os males do alguma fa-
milia indigente.
0 cofre e Ulindo, de pelucia azul, forrado de se-
S tim, e tern sem duvida o valor que lhe 6 attribui-
-do-15.,000. Mas, como realisarernos n6s o de-
-sejo do cavalleiro que nol-o remetteu ? E' diffi-
cilimo, sena'o impossi.vel.
Assim, pois, de duas uma: ou msmnde o donata-
rio buscal-o para reduzilo a especie monetaria,
caso em que desempenharemos a incumbencia; ou
-entao deixe-nos a liberdade de remetel-o A urma
sociedade pia e de caridade que mais facilmente
,conseguira o desojo do referido cavalleiro.
Se at6 o dia 22 nao tivermos aviso em contra-
rio te.maremos o segundo alvitre.
Deputados geraes.-Ao bordo do paque-
te americano Finance seguiram hontem para a
corte do impermo os Srs. Drs. HeLrique Marques
de Hollanda Cavalcante, e Jos6 Mariano Caraeiro
da Cunha, deputados geraes por esta provincia,
Ss. Exes. vao tomar parte nos trabalhos da cama-
ra temporaria.
Desejamos-lhes feliz viagem.
Mlala do corrcio violada-Em virtue
dc ter o administrator dos correios firmado no
9 do art. 14 do Dec. n. 39) de 21 de dezembro de
1811, requisitado a prislo do alferes Umbelino deo
Barros Accioli Lins, empregado d'aquella repar-
tiC'o, mandou-o b ubdelegada da freguezia do
Recife recolher ao estado maior do corpo dc po-
licia.
Den causa a prislo o ter o mesmo empregado
violado a mala quo em 17 do corrente conduz'a
para a estacao de Frexeiras, langando fora a cor-
respondencia que ella contiuha, e que foi achada
junto a estaao dos Prazeres.
0 subdelegado tonou coahecinento inmeliato
do facto e contra o criminoso vai preeder comno
indiciado nas penas do 9 do art. 12J do codigo
criminal.
Estocada-No sabbado iAs 8 horab da noite
e no beco da Goiabeira, primeiro distriicto da fre-
guezia de S. Jose, o soldado do 2 batalhao de li-
nha da 6' companhia, Juvoncio Francisco de Pau-
la, questionou por motives do ciumes corn o cabo
de sun companhia Sebastiao Telles de Menezes, e
travando lucta, d'ella resultou sahir o cabo ferido
levemente corn uma estocada.
0 eriminoso foi preso.
Obra de misericordia-Nbo foi impro-
ficuo o nosso rcla..'no de domingo em prol das jin-
felizes orphas e recolhidas do recolhimento de
Nossa Senhora da Soledade de Goyanna. 0 la-
mentavel estado d'essas infelizes nato podia deixar
de tocar no coracao caridoso dos nossos leitores, e
g o fructo desse toque comeea a apparecer, e nos
confiamos que jontinuar't a mamifestar-se, tanto
mais que estamos certos de que nao faltar't quern
queira emprestar a Deus, dando aos pobres.
Eis o que hontem reeebernos :
Bargo de. Petrolina 50000
Fai guindaia o--AntO-hontem, as 9 horas
da noite estando em passeio palas runs desta ci-
dade o individuo p/onunciado no art. 205 do co-


digo criminal, EstevAo de Souza MAigalhacs, por
haver ferido no cAes 22 de Novembro, no dia 18
de agosto de 1882, a Bernardo Joaquim da Silva
vulgo Roxinho, foi visto pelo Sr. capitio Madeira
na run da Florentina, e, em acto continue agarra-
do no pateo do Paraizo a mandado d'aquella au-
toridade, pelo sargento da guard civica Jolo
Baptista.
Foi recolhido 'a casa de detenco.
Club lixto Minerva-Amanha, as 7 ho-
ras da noite, reune- se esta soeiedade na respecti-
va sede para traetar dos novos estatutos.
Annlversario-A-manha complete 15 an-
nos de idid3 S. A. o Principe D. Jose Fernando
tereeiro filho da finada princeza D. Leopoldina.
Nomes novos em ruas vellias Nova
fornada de nomes velhos impoz a Camara Muni-
cipal, emnsessao de 14 do corrente, a ruas an-
tigas.
Passaram a chamiar-se:
K De D. Joio-Peordigao, a antiga do Principe, en-
tre o firn da da Princeza Isabel e a estaco do
Pires ;
De D. Vital, a antiga do Campo Verde, da run
de Riachuelo ao Pombal;
I*! Do Dr. Ivo Miquilino, a parte da do Sol, entire
a da Paz e.o Lyceu de Artes e Officios;
De Vinte e oito de Setembro, a antiga do Cala-
.. boulo ;
Do major Agostinho Bezerra, a antigm. do So-
S nhor Born Jesus das Crioulas ;
DePedro Iwe, a antiga travessa, dos Expostos.
CompIanlia lyriea-Por um telegrammna
remettida. d Cadix hontem ao Sr. P. M. Muzela,
e que nos foi apresentado, vimos que a compathia
S lyriaiea ialiana- partio d'aqnella cidade hontem
'". mesmo directametei A esta capital.
Revwista do. ito elrto. Bratileirt. -
.... ebemos ,hontem da srte o numero de abril
find& desta irevista coo oegainte numerario:
i.. L-Wuiapara o' d ea, polo tenente-

Ape4 pa a ifmfantena, pelo
8.L u4f ocamps- de


Ross, MIis, n Ua e a- thomaz ; -Va poel t-vt
w. 4de. NMa. B oen .a do,- 0, padre L**M
de laqrqae Loyola, a sou earpvu Joqai
a a lU"M p9i. Br. 7Faiiateo de Paula i'aTe
Rabello, au saw ewscrwr audia.
A. .X toa eavyaUebw wdiop o c ub -pom
1do so"a beaeemeritas. .1 ,. *^
A, eommuifisiacntfr eaktaude he
de por -iberalidae dos possuidoreo do scra
eatAcorpm sts d"a seguines 20663a : exMBwn
dor Ivo Antonio de Andrate: Lua tente-
nelJaIo auliao de Tavarsa aveia, Dr.K Ma
Polyearpo Moreira de Azevedo, capitAo j6@ Pi
Viergaeki, e ItatA Manoel Camello de Andra
0 club designou o di% 28 de setembro proxi
paras nma fsta, em euja ocscasilo sero entreg
as cartas. :qu e saheam em seu peoder ma is
quo forem aaeAdas.
RIIM Eudi .-Etrrevor n doses n deoseids
em d-ata de 16 do corrente, -dizendo, que, no
14 comou a forms*o da ealps aos impliea(
as lutsa e mortes do engenho Inveja.
a A queixa, diz o nosso informant, eseripta
*ito folha de papel, foi intentada por Joaquim
Albuquerque Gandra, pal do finado Lourengo,
presentado por seu procurador, Antonio de La
advogadb oprovisionado.
S E' umra pea curiosa pelo modo porque
feita. E' redigida emn estylo biblicoo e envo
pessoas inteirarnmente alheias ao crime, come vai
verifieando pelos depoimentos das principaes it
temrnunhas, isto 6, aquellas que a accusaco rej
tava as melhores.
a Nas audieicias tern reinado muita boa
dem ; e o Dr. juiz municipal vai so revelar
isento de today parcialidade, como era precise
am easo tio grave.
a Nota-se, que as testemnauhas parecem ter si
insinuadas para crearem as circumstancias
premeditaga'o o da emboscada; coin tado, jA a v
dade est4 feita em scntido contrario.
( Vai se verificando igualment-, que o infe
Lourenco, e sea prime Herculano, 6 que deramI
gar At triste scena, pelas constantes provocan;
e o impeto corn que na occasion avancaram pm
os seus contendores, atirando sobre elles, antes
trocarem qualquer palavra!
( Havendo dous menores presents, Sebastia
Hermenegildo, este conhecido por Porrhien, o j
deu-lhes curador na pessoa do advogado Jos, C
priano, urn dos co-r6os na meute do queixoso.
a Tern dado o que rir essa supposta crirnina
dade do advogado Joas Cypriano, pelo facto un
de ter se ennarregado gratuitamento por part
JpAo Barbosa, da questIo civel, que anteeed
mas nao teve lig-ao intima corn o lament
success, que foi cousa de mnornento!
S0 capitol Rllogoberto Barbosa, o outro imr
cado, como co-r6o, mas como autor, soe, para
qual a queixa pede o mnaxirno do art. 192 faz
representar pelo sou advogado Dr. D'emocrito C
valcante.
A respeito deste as testemunhas szio cont
tes em dizer : a nada sei, nada ouvi dizer. n
a 0 grande numenro de curiosos, que affluem
audiencia tern uria s6 opiiiiao : quo, iA par do s
timento, que provoca o triste acontecimento, d
perta-se hoje a indignacao contra a pervcrsido
dos que delle se aproveitam para vingannas e d
abafuos.
Miatadouro public. Foram abatid
no matadouro public da Cabanha 92 rezes pa
eonsumo do dia 20 de maio.
Leilte.%-Effectuar-se-hlio :
Hoje:
Pelo agente Barlamaqui, ts 111/2 horns, na ir
do Imperador n. 22, do predios.
Pelo agent Carmo e Silva, as 10 1/2 horas,
20 andar do predio a rua Primeiro de marno,
moveis.
Pelo agent Silveira, Is 11 horns, na rua
Imperatriz n. 28, de moveis, lounas, vidros, etc.
Pelo agente Pestana, as 11 horas, no trapic
Rocha, do pertences de navios,
Amanha' :
Pelo agent Pestan'a, as 11 horns, A run
Vigario n. 12, de uma easa terrea.
Pelo agent Gtvsnmas, As 11 horas, na ran
Born Jesus n. 51, de moves.
Pelo agent Pinto, as 11 horas, na run do H
picio, de mnoveis, louca, vidros etc.
Pela agent Silveira, As 11 horas, ao largo
Paraizo a. 26, de um terreno corn casa.
Quinta-feira :
Pelo agent Pinto, is 11 horns, na rua
Born Jesus n. 43, do engenho Burity e de
predio urban.
JKissas fltwbres-Scrito celebradas :
Amanha: as 7 horas, na igreja da Pen
por alma de D. Anna Joaquina Pessoa de All
querque.
Sexta-feira : as 7 1 horas na matrix de Sa
to Antonio, por alma de Joao Ferreira Ramos.
Passageiros-Chegados daEuropa no'
por amoricano Finance :
Dr. Geo W. Butler e sun senhora, R. Meters
Sahidos para o sul no mesmo vapor :
Dr. Jose Mariauno C. da Cunha, Dr. Hollan
Cavalcante, sun senhora e 2 eriados, Francisco
A. Fernandes Vianna, Antonio Francisco L(
reiro, Pedro da C. M. Pedrozo, A. L. Blackfc
Carlos J. Braelye.
Chegados dos portos do sul no vapor fr.
cez Ville de Pernambuco :
Jose Luiz de Souza, Le Bonn de Santa Candi
Le Bonni de Santa Candida, Francisca Cirne ]


ma, Luiz Cirno Lima, Eduardo Cirne Lima, I
nio Cirne Lima, Maria Cirne Lima, Elias Cii
Lima, Eugenia e Adelaide de Azevedo Doura
Operac6es cirurgican -Foram prati
das no hospital Pedro II no din 19 do corre
as seguintes:
Pelo Dr. Pontual:
Posthotomia pelo process de Ricord, por I
nose.
Pelo Dr. .Moscoso:
Posthomia por paraphirnoses e cancro di
corn ablagao do cancro.
Loteria da provincia Sexta-feira,
do corrente, seri extrahida a loteria 39.', em
neficio da igreja de Nossa Senhora da Boa-N
gem de Pasmnado, no consistorio da igreja de 1
sa Senh)ra da Coneeigio dos Militares, onde
acharlo expostas as urmnas e espheras arruma
em ordem numerica A apreciacao do public.
Loteria-A de n. 148 B, do Rio de Jan
de 25:000000 sern cxtrahida no din 24 do c
rente. '
Bilhetes A venda na Casa da Fortuna, ra
de Margo n. 23.
Loteria do Ceari--Corre no din 7 de
nhocujo premio grande 6 de 5:000,.
0 resto dos bilhetes na Casa da Fortana,
1' deoMar(e n. 23.
LIoterfa de 0 &60t8OOO--A loteria I
series B., corre impreterivelmente no dia 24
maio
0 rest dos bilhetes acha-se a venda na C
Veliz A praga da Indepeadencia ns. 87 e 89.
Loteria do Rio de Jauneiro-A lot
n. 339 A, do Rio, do 20:000000 sera extra
no dia 20 do corrente.
Bilhetes a venda na Casa da Fortuna, A ru
deMargon.23.
Grande loteria de Os00 09
Ests extraordinaria 10teria s e$A Ieirap a
te no din 16 de julho proxms vindomv.
Os L Wletes acham-se a ver iaft|
Fortune, i rua U dedMwri rn.2S&.

B; o -imento dowN t 1*i


o
|| ^ ftyai^ etl faatA do.seam-
e'C ild ardm
'0., Q 'M por qua w tera 07 doa- 1

r :, MieuW apwbiii
1'*Aw.9=e im* -cta," 4,14 ]A ~ e~~e aa'.p~ql.o devia
WT64"- 490"-."bei hAWT4itoff,' on eegue-s 0
da gjSilva por a o ~i~dove wecreftbids,
11-ratar emIk13kilos d,*came 50 1!,() Uam4RrSoeS. riqeimpo~adr n
ea M i pro- So irrepara*l afsetehca prIoerida emurn ae$o,
?o emidmaem e a ,
s' dia 18 d eoquoet a leinea opeirmitte, o de que reulta damno,
&. ExSistiamp a 328,3, tnraam 15, sahiram 4, que nao p6de aer repaaad por o sutra aontensa.
1w exiatem Sa- n oaz : n aes, 30, oro 0 arbiramento, dis 4-aggravante, 6 propriedade
not 21,& Total3 e4. da part, tue nio p6de della aser deapojada corn a
W1f, Budo bobs s91, doe.st 15. perda e a demora...
a le 0OTo$o "K' 6'amanifesto: o arbitramento, quando
p 4vi aefe ria: Permittioi,cn8tatuar uum procoso prapratora o,
irA N1 'om alters*l': quoe prodia o executiveao; nelle, aparte eitada ti-
.nha o direito de defender-see atAorecurso deap-
__do. pulaglo. Pots um process desta nataueza 6" pro-
,d nd p_'edade parte?- 0 aggravante, talvez, con-
da fund o arbitramento pot"ratorio do executive,
go Ab~mo0iir ed prova, do
sla~- _________________ _____que'apatepda lanar nW antes ou depois da
Abu A m~p r diiaopars- o ihifif-o, qu edo' the approuver, e
ra quo penisi$ A d~eimento sen, .6a ,*ropriedadc.
res "fr Qu g ol terna parte, perguataoag-
d. A-O5 Daa w w -ut5 iaiw e m. j.u ea oimre a, outra part
Bnin_- L 1*sed, pugs 0 gQq' tW4 deopor am yirtade
i mo Io ecfed ot ,ma obga vt aenot prartonio, que requereu? Tio in-
Is imprensa, nito par a defender-me de golpes, que, sota eagenL 4 I e.tiU Ale, revela numna preten-
gragas ao men prwoeder, eomo-advegado, nao me ,ata0 te il ""ii 6 amu diParate
do attingem, mas ,,ara ainda ums vektornar patent coasi6ete te urn deqafrot.
di a improcedeneia do aggravo. Nao dissemos por modo algum que a part ti-
dos E lsndo este o nu uico fim, nao me desviarei nha obrigagao de declarar a accao, que pretondia
um s6 moment do principles, qu6 ate hoje tenho proper; apenas notamos, eom a sentenCa, que
em mpre seguido-discutir as questoes sem moles- homologou o arbitramento, que o aggravante.nio
de tar por modo algum a part contraria ou seu ad- o havia declarado na potiio initial, e accrescenta-
re- vogado; embora nao raras yezes, como agorM mos que a folha 13 dos autos o aggravante havia
r aeontece, seja precise grande esforgopara conterme revelado claramente o seu pensamento de promo-
S Prineipiou-sa estranhando a f6rma do memorial, ver a execugao, o que podia fazer se nao estivesse
foi forma de contra-minuta, ao oggravo, como se hou- revogado o artigo 185 do regiment de 1855; o que
lye vessel tido vista dos a4tos para organisaoTa. Se me escrevemos foi conscientemente, e se alguem, qu-
e fosse licito contraminutar nosautos o aggravo, a nio o aggravated, encontrar ahi um desaforo, eso
so tinha necessidade de publiear um memorial, onde taremos promptos a retiral- o; o nosso escripto foi
P- ve-se um resume fiel da question e uma aprecia- dirigido, como e6 este, ao Superior Tribunal da Re-
g.ao suceinta dosargumentosinvocados ex-adverso: laao, e, quando por edncaao nao estivessemos i-
or- procurei ler a minuta do aggravo, e devia faze-o vrs de escrever desaforos, certamente a circums-
lt para tomar em considera9ao os mesmos argumen- tancia de ser ao nesmo Tribunal dirigido o nosso
e tos ; na'o houve abuso de confianea, porque os au- trabalho nos impediria de uma linguagem menos
tos sito publicos, nem prejuizo para a parte, por convenient ou desaforada.
ido que nio os deforei quiuze minutes. Recife, 19 de maio de 1884.
da Jastificada assim a f6rma do memorial, vcjamo'3 Dr. Joaquim ( orr&a d'Araujo.
er- se procedem as observaoes feitas quaanto a dou-
trina, que nelle susteatamos. r. Dr o l ra d
liz A questao relative a legitimidade do mandate, AO Sr. Dr. Jo Vlera de
lu outhorgado ao advogado da The Central Sugar, 6 Araujo
Scompletameate estranha ao aggravo; della, p6de Na resposta que S. S. publicou no Jornal do
ira conhecer o tribunal superior por occasiAo da ap- Recfe dehontem, ao memorial da Companhia The
de pellacao, mas nao agora que arata-se unicamente Central Sugar Factories of Rrasil Limited, encon-
de saber see 6 caso de appellago ae m que effeitos tra-se o seguinte trecho: Que respeito supersticio-
6 deve scr recobida. Nas rasbes de aggravo, so os qu infundem a Companhia, o seu Banco
uiz quasi que exclusivamente tratou-se desta questao e os ackenzies diante dos interesses legitims, da
p. por esse motive nao quiz deixar sem contesta- d;gnidade e altivez do aggravante, que lhes nao
ao o que a respito s5 esc5re.veu ; e como o ag- deve a minima attencio, a algum nem conhece de
i- gravante insisted ainda em considerar illegitimo o vtsta, ndo mendiga clients e nao faz de pirata no
. adyogado e revel a companhia, seja-nos permittido f6ro?
de occuparmo-nos da mesa questao. Eis aqui uma questao, quedeve ser apurada pes-
0 aggravate citou a companhia na pessoa de soalmente. Invocando sun dignidade e altivez, pe-
vel sea director e representante, o Sr. Colin Macken- po-lhe que declare se refere-se a mim, quando fal-
zie ; reeonhece que este nao p6de requerer emjui- Ia em mendigar clienies; ejazer de pirata noforo
)pli- zo, nem substabelecer a procuragao, que tem, e indicandono caso a'irmativo qual a questao, que
Saffirma que nao p6de elle constituir procuradores mendiguei, qual o acto de pirataria por mimr pra-
judiciaes ; so tudo isto 6 verdade, a cita0e 6 corn- ticado.
;a P 'tame-te nulla, pois foi citado quem nao p6de Bern sei que sou bi.sta:ite conhecido nesta ci-
defender a companhia, nem poi nualquer modo, dale, onde, ha vinte annos, exer~o a profissio de
. permittido por direito, constituir detensor. advogado; mas todos temos o dever de evitar que
Dir-se-ha quo a compauhia 6 obrigada pelos paired duvidas sobre o nos-o proceder.
S seas estatutos e contracts a ter no Brasil um re- R pcfe, 19 de manio de 1884.
en- presentante corn quem os particulares possam de- Dr. Joaquim Correa d'Araajo.
es- mandar sobre as obngac5es contrahidas; mas se-
ide gundo a doutrina do aggravante a companhia naio ,
le- tern esse representante : o que pois cumpria fazer Catrtas de lllil |lvrauOl a r. 1M. 0
era ou citar a directoria em Londres, ou pelos Impeirador
Las meios possiveis constranger a companhia a cum- Senhor. Queira V. M. Imperial permittir que o
ara pri r aquechla obrigaao. mats humilde membro da classes mais ameagada
Nao se comprehende qu-3 soja sufficient a cita- pela propaganda revolucionaria, que estA convul-
ao do Sr. Colin Mackenzie,-e que este nao possa cionando este paiz, deponha aos vossos pes, nao
constituir procuradores, aos quaes encarregue direi suas queixas, porque elle nao ousa tanto, mas
VU de defender os dircitos da companhia a quem re-, .as suas apprehensoes sobre o estado da lavoura e
L'na nt .Im o eoco uiie.. Se, 4.k+
preseata anesmo nos negocios judiciaes. Se, traz'das outras industries dependontes della, e sobre o
Stando-se de tacs negocios 6 elle o representante, da future destas e daquella.
de compauhia, tern nesse character o direito de querer Releve Vossa Magestade o estylo, porque a ne-
por ella, de constituir proeurado "es. cessidade nao conhece lei, e o escriptor apenas re-
da 0 art. 61 dos estatutos publicados corn o decre- recebeu a instruceao secundaria, que procurou
to n. 8627 de 28 de julho de 1882 csntem a seguin- completar corn loituras amenas, principalmente das
die to disposiao: Os directore.r adoptardo urn sello obras de Eugenio Sue.
para o uso da sooiedade e poderdo exercer os poele- Esta eircumstancia explicara certos cacetes, do
res da COMPANHIES SEALS ACT, 1864, que pelos pre- que se hao de resentir minhas cartas e de que Vos-
do sentes estatutos ro dados d sociedade. Q'2alquer sa Magestade me nao fara carga; porque todo rei
docirmento sore o qual tiver sidopato o sello da deve ser magnanimr e todo sablo indulgente.
do sociedadeserd assignado por dous directores e re- Apezar, porbm, das doutrinas do meeu aator pro-
ferendado pelo secre.ario ou outrun .fnccionario no- dilecto, cedo verifiquei que isso de conservadores
umeadepela admit dsora SCo. n e e liberals no Brasil eram modos de dizer, ou me-
0 titulo de nomeago do Sr. Colin Mackenzie es-1 thod s de opposicgo ao governo, e como os meus
do ta revestido de todas estas formalidades, corn? soj parontes ja andavam mettidos corn os primeiros,
p6de ver nos proprios autos de penhora executive, reuni-me a elles e fiz-me conservador, mesmo por-
que o aggravante promove contra a companhia. A que tinha alguma cousa quo perder e a gente .1
do falta do referido titulo nos autos de arbitramento l6de sem liberal sern restriccoes quando tern o p3
um n'ao 6 de modo algum sensivel, pois que o aggra- certo, seo trabalho, ou chega-se a condiao de
vante, requerendo a citacao do Sr. Mackenzie, re- prolectario.
coi heceu implicitamonte a sun competencia para Infetizmento meu pai fora lavrador; ja pelo
ha, fallar p'ela companhia, para defendel-a. exempbo, jA pelo habito, abraeei a mesma vida, na
bu- Entende o aggravante que 6 inadmissivel a ap- qual por desgraca e hoje contra a vontade ainda
pellacao por seo a companhia-revel-; a suppos- me conserve.


an- ta revelia porem, e ura consequence dasupposta Mas, naquelle tempo, a alta do cafM, object
illegitimidade do mandate, questao que nao p6de principal da minha cultural, permittio-me comprar
va- ser decidida por aggravo. algumas dezenas de escravos das centenas de mi-
Revel, segundo a Ord., J aquelle que nem por si shares que o norte exportava para o sul A procura
- ner por seu procurador apparecen emjuizo, atd se de bom prego e eu, pobro aldelo, que suppunha o
dar sentence definitive e sendo citadopara appellar negocio tao licito para quem eomprava comno para
dx disseque nao queria. Ora, a companhia compare- quem vendia, empreguei nelles o.melhor das mi-
de ceu em juizo, logo que toi citada, dea as razbes nhas economics reunidas, sabe-o Deus corn que
ou- por que abstinha-se de eoncorrer para a louvagao, trabalho e a-custa de quantanrivagoes.
)rd, oppoz embargos ao arbitramento, appellou da sen- Felizmente o pessoal que escolhi, era born c sa-
tenca, que o homologou; e nao obstante tudo isto dio, e produzia quanto bastava para fazer face aos
an- so pretend quo ella seja revel ? juros do capital que custou-mc, e a urna amortisa-
Nao insistiremos sobre esse ponto, nem 6 nosso 9ao gradual, ora maior ora menor, conforme o
da, proposito convencer o aggravante, mas demons- anno.
Li- trar a improcedeneia do sea aggravo. Veio, por6m, a baixa de caf6 e, corno uma des-
Pli- Contra o recebimento da appell&aco em ambos grama nunca vem s6, seguio-se-lhe a molestia do
rue os effeitos, novamente allega-se que devia ser cafeeiro que obrigou-me a mudar de resi encia,
Ldo. recebida no simple, effeito devolutivo, por tratar- desiquilibrando todos os meus calculos e illudindo
ca- se de acoao -summaria, de appellaco de arbitra- todas as minhas previsSes.
ate mento e de causa de salario; mas nenhuma pala- Entretanto das minhas diffiuldades nada sabiarn
vra se encontra no sentido de provar que a lei meus escravos e o maneio da fazenda continuous
ainda hoje permitted a acco, que se intentou; e isto pacifico e regular, como se nada tivesse havido j A
Phi- nao obstante termnos demonstrado que era inadmis- por f6ra.
sivel, e por isso impossivdel a mesa ac.ao, citando, Ultimarnente, por6m, depois que os sabios 'da
al6m de outros escriptores, as seguintes palavras Europa cornearam de interessar-se por n6s, e do
aro, de Teixeira de Preitas, nota 24 ao art.469 da Con- travar amizade corn uns brasileiros patriots que
solidagio-n4o mais admissive' intentarem os ad IA andam fazendo reDutacao a custa do seu paiz co-
23 vogados accao de arbitramento para determinagoo mecei tambem de sentir difference nos modos e di-
be- dos valores de seos trabalhos. minuiiao no trabalho dos meus famulos e, emquanto
Via- Ninguem, certamente, p6de austentar em vista eu estudana causa para rover o mal do remedio,
.os- do art. 202 do Dee. 5,737, de 2 de setembro de ausentaram-se de uma vcz cinco, serm despedirern-
Sse 1374, quo a ac.o d-3 arbitramento para determi- sede mirm; quatro para um qauilombo proximo e o
Ldas nanao do -valor do trabalho do advogado, ainda quinto para os asylos da corte.
hoje 6 possivel, e o proprio aggravante, apesar de -Esses primneiros emigrantes tiveram logo outros
elro ter inten'tado a mesma %acc4o, nio quiz contestar- imitadores, um dos quaes, sendo apprehendido, foi
nor- nos. pela primeira vcz castigado, corn alguma severi-
S Nio se diga que a appellagaadeve ser recebida dade mas sem excess, o que, nao obstante, ia-me
S10 unicamente no effeiko devolutivo, porque a lei Ji- custando um process crime, se o subdelegado nio
gou at appellacao das causas de arbitramento, 06- fosse lavrador, como eu e,. al6m disso, men com-
ju- mente esso effeito; per quanto semelhante argu- padre.
into s6 prevalecia, quando vigorava o art. E' desnecessario acereseentar que as deser9oes
rua 185 do Regimento de Castas, de 3 de margo de continuaralo e eu, vendo que a cousa podia ir mui-
1855, hoje evpressamente revegado polo citado art. to long, resolve o que antes le mim haviam feito
148a 202 do Dec. 5,737 de 1874. os antigos senhores dos meus escravisados;-ven-
4 de A Ord. do L. 3 tit 69 1 tie cede o reeurse de del-os pelo que podesse e ficar corn o product, para
appellaco da sentenq&, que cont6m damno irre- compraar outros bens.
Nasa parsavel,e, tomo -tl, emfaidemaqusile que result Entretanto, senhor, no ach ci quem os quizesse,
d4a intelocutoria,cuja exeen*o segue-se autes do nao encontrei a mesor offerta, nem por miudo,
eia julgamento d .fo"nitivo, e6qus' pr-oiow deste, o newo por atacado. -
hid& p6e rrepaaa Attribui a diffied da venida a falta de ter-,
Ora, 6 Ineontt queaei no permittea rasboa pas semaproveitadas por quem com-
a 1 a o do-arbitramento om*- incontestavel et prasse os escravo, e aenuie a fazenda, que 6
vista, mi o.6 dau prqpit:Vim vrAo aggrmvnte exceente, fabri oim(o eatava.
.^a fl 13--B"Paraforio e "a400464 9 ^DaesfOf aata ve 6 yiB s r^ednt
it' I~d I~ss~ 1oz~ a tue -' &+atrntudo 400/,a do


I h i
tIer^^O eu^'a


eita e de iawt-sbmRr, W- a. re conssw 8em ci-
fulmdade meu direi. o :0 i... :0:qfuoV0
nAa tinha forca .!** *i-.11 lw'111 11!
Nao dAesnii cor om a reey3ta e level iinla
r s ao j^ eWdneio .*da eomrea. Este
deu-me tambr earr; a s de radio mas.... de-
elarou que na. tinha.ompetencia.
Diage ento, coPmmigo mezmoro que ningnoem de-
via fiar-se ei justiqa de rog c( de villa ; que o
verdadeiro eis vir lieber a fente, e aproveitar a
occasiao para levar. da oorte o meu anaylado, que
estava domiciliado perto do pao de V. M. impe-
rial p
Vim para isso e procure o chefe de policia, que
ouvi-m.e a historic at;6 o meio, e interrompeu-
me, dizendo que en requeresse provando o meu
dominio, a .minha identidade, a do escravo, o lugar
onde elle estava e uAo sei o que mais.
Fiquei atordoado corn aquelle rosario de exi-
gencias, mas, para nIo perdex a viagem, satisfiz a
toas. .
Infelizmente, emquantof eu exihibia nacasa da
policia as minhas provas, sabhio della mesa um
aviso para o men asylado ; de mode que, ao che-
garmos onde elle estaya, no Ihe encontramos rnais
o rasto, nerm notieia do ca rinho que levara.
Eatilo vi que era preciso failar ao ministry da
jnstiga, cousa que nio 4 muito facil-; mas sempre
se consegue corn tempo e paciencia. S. Exc. ou-
vio-me atteneioso, conou a cabea primeiro, depots
a barba-e em seguida mandou-me voltar A outra
audiencia, dizendo o que devia fazer para na'o ser
demorado.
-Noe dia dessa audiencia vim mais cede, para as-
signar o livro eim primeiro lugar, e, come achei
fechada a port da secretaria, fai dar uma volta
pelo passeio public, onde comprei um numnero da
Gaseta de VNoticias, para matar o tempo e infor-
mar-me do que ia pelo muudo.
Neste numero vinham publicados os telegram-
mas, que o miuisterio em seu nome e em nomede V.
MAgestale dirigio aes abolicionistas ceaenses,
congratulando-se corn elles polo modo como acaba
ram corn a escravidao n'aquella provincia.
Li-os, reli em voz baixa, repeti-os em voz alta,
duvidando sempre dos meus olbos e dos meus ou-
vidos, Depois duvidei da Gazeta e esperei o des-
mentido no dia seguinte pelo Diario Official.
Nestas oogitates passou-se a hora da audien-
cia e, quando dei por isso, ja estava resalvido a
deixar de part o ministry, para entencler-ne di-
rectamente corn V. Magestade,
Esta vai j'A bemn longa, narrarei o rest nas se-
guintes...
Urnm subdito fid.

Companhia de Trilhos Urbauos do
Recipe a Olinda e Beberibe
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DR. PRAXEDES
GOMES DE SOUZA PITANGA
A's 11 horas e 15 minutes da minanha do dia 5 de
maio de 1881, prescntes na sala das s(ss6(s da
estacao da rua da Aurora os Srs. Dr. Praxedes
Gomes de Souza Pitanga, possuidor de 25 acq5es;
Francisco de Lemos Duarte, de 5; major Lauren-
tino Jos6 de Miranda, 161; Manoel Augusta Can-
dido Pereira, de 60; Jose Antonio de Almeida
Cunha, de 5; Augusto Fredenrico dos Santos Porto,
de 39; Dr. Antonio Pereira Sim5es, de 30; Sebas-
tiao Lopes Guimaraes, de 100; Albino da Silva
Leal, de 67; e Luiz Manoel Rodrigues Valenoa,
de 73 e mais 10 por procuracao de D. Constanca
Vaienca e 10 por procuracao de D. Carlota Va-
lenca, o Sr. president declara aberta a sessio or-
dinaria da assombl6a geral, que nilao pudera effee-
tuar-se no dia 21 do inez proximo findo por terem
comnparecido apenas 4 Srs. accionistas represen-
tando 63 acres.
Comparcceram dcpois de aberta a sesslo mais
os seguintes Srs. accionistas: Aurelio dos Santos
Coimbra, possuidor de 5 accoes; Dr. Estevao Ca-
valcante de Albuquerque, de 10; Antonio Correia
do Vasconcellos, de 106, e Antonio Jos6 Coimbra
Guimarles, do 20.
Lida a acta da sessiio de 5 de novembro do an-
no proximo findo foi approvada, depots de alga-
mias observa-6es feitas pelo Sr. gerente, Dr. An-
tonio Pereira Sim5ocs, em vista das quacs foram
supprimidas por escusadas as palavras : nao po-
dendo ter outra appli'aiao scm o consenso da as-
semblea geral constantes do parccer da commis-
sgo fiscal, inserto na referida acta.
0 Sr. gerente den pola seguinte forma a infor-
maco do estado da Companhia no semestre de
julho a dezembro do anno proximo findo:
Pelo resume da reeeita edespeza, um dos dc-
cumentos que tendes sobre a mesa, vereis que
houve nesse semestre um saldo de 25:7405902
maior de 5:863;171 que o de igual semnstre no
anno anterior accusando o movimnnto de caixa
21:8004410 e sendo assim de 3:94t0.)62 o saldo
do almoxarifado sommado as despczas de obras
novas. No balancete geral vereis que foi aiten-
dida a vossa resolucib de scro fundo de reserva
explicado segundo o seu emprego. ,
0 referido Sr. gerente fez em seguida "conside-
raeao sobre o modo de contar oprivilegioda Com-
panhia, podindo que a tal respeito se manifestas-
se assemblea geral sobre o modo pelo qual a di-
reotoria interpretava, Depoisde algumas obser-
valses feitas pelos aecionistas presontes, o Sr. pro-
sidente propoz que ficasse a directoria competen-
temente autorisada para resolver o assumpto como
entendesse ser mais acertado perante o Exm. Sr.


president da provincia, o que foi approvado por
unanimidade de votos.
Foi lido em seguida pelo Sr. secretario e appro-
vado sem debate, tambem por unanimidade de
votos, este parecer:
Illms. Srs. accionistas da Companhia de Tri-
Ihos Urbanos do Recife a Olinda e Beberibe.-A
commission fiscal, abaixo assignada, do conformi-
dade corn o artigo 23 dos respectivos estatutos,
tendo examinado a escripturagio, documnentos e'
contas concernentes ao semestre decorrido de ju-
Iho a dezembro do anno findo e achando tudo em
b6a ordem; 6 de parecer que sojam ellas approva-
das pela assembl6a geral. Recife, 19 de abril de
1884.-Sebastido Lopes Gunimarte.-.-Luiz Manosl
Rodrigues Valenca.-Francisco de Lemos Duar-
te. ,
Veio a mesa a segninte proposta jnstificada peio
seu author:
a Proponho quo o rendimento liqnido do trafe-
go no dia 28 de setembro seja applicado pela di-
reetoria na liberta"ao de eseravos.-Almneida Cu-
nha. ,
Depots de discutirem esta proposta os Srs. Al-
bino Leal, Aurelio Coimbra, Santos P'rto, Drs.
Pereira Simoes, Estevao Cavalcante e, o antor, foi
approvada por 43 votos contra 29, ficaudo prejudi-
cada uma proposta verbal, feita pelo Sr. Santos
Porto, para que se applicasse em manumiss5es ape-
nas metade do rendimento liquid do trafego no
referido din 28 de setembro; pois pensando ser
um mal libertar escravos, que iriam fear desam-
parados e sem trabalho, quanto meno# fosse me-
Ihor.
Os votos a favor da proposta eseripta foram dos
Srs.: Dr. Praxedes Pitanga, 5; major Laurenti-
no, 10; Almeida Cunha, 1 ; Dr. Pereira Simoes,
5 Lopes Guimaraes, 8; Dr. Estevao Cavalcan-
te, 2; Correia de Vasconcellos, 8; e Coimbra
Guimariles, 4 ; total 43 ; os votos contraries e a
favor da proposta verbal foram dos SSrs. : Lemos
Duarte, 1 ; Candido Pereira, 6 ; Santos Porto,
5; Albino Leal, 6; Rodrigues Valenca como
accionista e como procurador, 10 ; e Aurelio Coim-
bra, 1; total 29.
Nada mris havendo a tractar o Sr. president
levantou a sessio ao meio dia.
E eu, Jose Antonio de Almeida Cunha, secreta&-
rio da assembl6a geral, fiz a present acta, que
vai ser publicada pela imprensa no dia 20 doeo-
rente mez, seguado o disposto no artigo 76 2o,
n. 2 dodecreon. 8,821..
Seeretailada Asftmblka G6ral da Couianihta
de Trilhos Urbanos do Recife a Oliada e Beberi-
be, 5 de, iaio de 188W.

'J6d A dO ....ddaC- h.


i^f: n ^ ^ ,f^\/ -.*' ';1*-1!:^;1 1 i;:1, 1: .....1. : :^
e,;:.esi.1 a gume-&, rop a sv iotosz w
grod n utda Soo tempos er hugamy, hao &ziuawdo a-nMea-
nidade, nOipediram quae a popua od 10i
seja muito momr presentemente; s.gue-se4 41en
exerceram um na infenciia nociva!
0 fabric e o transport do aasucar exigem en-
tre n6s, relativamente a outros paizes, despeaas
excessivas; mas a producoo tern .augmnentado,
logo o excess das despezas ao causa prejuizol j
Corn estalogica, iriamos loWge. .
a -- *
A industrial assueareira tern tido em diverros
prizes um desenvolvimento extraordinario; o as--1,
sucear aetualmeute fabricado no mundo 6 em ta- -
manha quantidade, que os preqos baixaram enor-
memente. E a producco tende a augmentar! O |
precos, ruinosos para o agricultor brazileiro, aiata.
sAo remuneradores para outros, que se aeham cer-
cados de condioes favoraveis; e alguns governor
estgo empenhados na concess* de favors taes,
que aos olhos de nossos estadTstas parecerlo ex-
travagantes! Na Allemanha o imposto obre a
beterraba, isto 6, pago pela producAo, 6 excedido
polo beneficio on premio, que o governor paga pela
exportaglo; de mode quie em un sace de assucar
exportado ainda ha urma sobra, um luero liquido de
mais de 2 marcos, do premio pago pelo governor !
Pois que nao podemos elevar os pregos nos mer-
cados importadores, a salvagAo da nossa lavou-
.ra serA o emprego das medidas necessarias para
que esses mesmos pre~os fiquem sendo niais suffi-
cientes. E' precise diminuir os gastos da eultura,
do transported, e da exportawo.
Nos gastos da cultural tern influencia a carestia
do capital circulante, a exorbitancia dos juros.
Nos gastos do transpoite,--as tarifas actuaes das
estradas de ferro, o imposto de transit, e a in-
supportavel demora na concluslo de algumas es-
tradas.
Nos gastos da exporta~go,-a duplicidade do
impostos, e o excess das taxas.
0 nosso atrazo tern outros factors, ma s estes
sao os principals.
Pois bern, teaha paciencia o agricultor perr-.mn-
bucano, esquega por um moment uma parte de
suas necessidades, limited a um s6 pedido todas as
suas pretencSes perante os legisladores da pro--
vincia, pe9a-lhes de maos postas: ( nao me aper-
teis de mais a corda que j4 tenho na garganta 1
Parece-nos que nao e pedir muito!

Damos em seguida a traducbo de alguns perio-
dos do excellente journal inglez The European Mail,
de 9 dc abril deste anno, corn relaio ;4 crises as-
sucareira,

w 0 retrahimento que desde algum tempo se ten
dado no mercado de assucar, de Londres, 6 unm'6-
rio prenuncio de extensos desastres financeiros.
Uma semana ap6s outra,havemos assignalado urnm-
baifa constant nos assucares de todas as quali-
dades, em rama ou refinado, e nenhum signal ap-
pareceu de melhora immediate.
,( A causa primordial disso, segundo observa o
Grocer's Journal, 6 incontestavelmente a enorma
produccao do assucar de beterraba na Europa. Na
producqao total do mundo-cerca de 4,500,000 to-
neladas-tern o assucar do aterraba 2,281,000 to-
neladas, coin toda a probabilidade de augmeneo; e
a superabundancia do assucar refinado estrangei-
ro em nossos mercados effectiva'mente impede a
venda das melhores qualidades produzidas pelos
refinadores inglczes.
SE' facil de comprehcnder como os avultados
supprinmentos vindos do estrangeiro abatem os pre-
0os; e nao haverA mudanqa emnquanto os prepos
nao chegarem ao ponto, em que nao possum mats
dcscnvolver a cultural e o fabric do assucar. Este
ponio ainda c.tai distant. 0 grande numero dei
novas fa, ricas, quo vao trabalhar na Allemanha,
na proximo estaeto, e que certamente seriio cons-
truidas pelos miias aperfeioados systeminas, nos fa-
zem antever precos tAo baixos, o?, ainda mats ba-
XO(S dqo f.'e afjora.
SConiita que tambem a Franca pretend favo-
recer considcravelinente aos seus productores de
beterraba, o ao mesino tempo a Franpa e a Hol-
landa esttio se preparanlo para imipor novas taxas
sobre o assucar estrangciro, do que resultarA aug-
mentarem as romacssas de beterraba allema para a
..nglaterra.
A coneurrencia j't e tamanha, que os refina-
dorcs do Inglaterra e Escossia viram-se foreados a
diminuir o trabatho, e at6 algans fiearam inteira-
monte parades. Corn effcito os carregadores das
Indias Occidentacs, os importadores de assucar
das Indias Orientaes, os ospeculadorea em assucar
de beterraba comprado para o consume, todos tern
soifndo; e se nao vier brevemente algum allivio,
meditate melhores precos, parecem-noa muito pro-
vaveis ainda maiores desastres.
SSe a baixa progrodir, as consequencias para
os produetore s do antigo assuear (oldfashioned su-
gar) serao tao graves, que nao poderao ser apre-
eiadas neo por aquelles que durante annos teem
indic'ido, do vez em quando, a aproxima4o da cri-
se, pola qual estA passando o mereado do assucar.
Os Srs. S. Rucle & C., de Rotterdam, depois
de apreciarem a desastrosa situaao actual do mer-
cado de assucar, indicam muito claramente a so-
luao das diilleuldadcs existentes. Dizeoi elles:
0 unico remedio proficuo setra uma geral aboli-
cao de taxas.......


S0 mercado de assucar, de Londres, esta pas-
sando por uma phase inteiramente ser preceden-
tes. Nao sabemos, observa a Produce Markets
Review, em que tempo o Joggery so tenha vendido
por uwn prcco tXo baixo como 10 sh. o quintal
(64000 por 110 libs. ijlczas, ao camblo de 20 d.)
-notando-se que este mesmo prepo 6 nominal-
nem quando o de beterraba desceu ao baixo valor
de 16 sh. 6 d. o quintal, posto a bordo...
... A' vista d'estes precos extraordinariamcnte
baixos, a principal consideraqzo a fazer-se 6 que
os supprimentos garaes de assucar na Europa e na
America apresentam um excess de perto do
200,000 toneladas sobre os do anno passado, e o
estupendo excess de 360,000 sobre os de ha doas
annos, isto 6, mais de cineoenta e quatro por cento.
c Estes factos levam a inquirir at6 que ponto
descerao os precos; e os graves prejuizos quo
tern recahido sobre o commercio em grosso tornain
essencialmcnte neeessario o rctrahimento nas couim-
pras...
c A causa primaria do agigantado augmento nw.
produccao do assucar szio certamente os enormes'
premios pagos aos fabricantes, no continent.
SEffectuou-se em Londres (E. E.) aos 28 de
marpo, uma reuniao de delegados dos traballiado-
res, na qual se fizeram assustadoras exposiqScs emn
relapao a coadi9ao actual da industrial assuca-
reira neste paiz. Seis eentos homes foram despe-
didos, darante a semana passada, so erm Londres;
noticias igualmente tristes nos chegam de Glas-
gou, Bristol, Leith e outros lugares. .
S 0 resultado do system de premios, usado em
outros paizes, tornou-se final tao insupportavel,
quo os proprietaries de refinances e negociantes
de todas as parties do reino, tivexiam uma confe-
rencia particular em Mining Lane, da qual depen-
do cessar ou nao n'este paiz a industrial do assu-
car.
( A coneurrencia da Austria e da Allemanba,
garantida corn os premios pagos polos respectivos
governor tinha lan.ado a Franga fora do mercado, 7
mas a complete ruina que caho sobre as refiiaa-
q9es inglezas nao podeser exagerada.. .
Os redactores da European Mail nao sabfm ao
que oizem; as causes da crise assucareira sao 5:
Ia urm correct officioso, que compra todos oau,
assucares, ;
2a um dito dito, que freta todos os navios;
S3a a quebra no peso;
4a as contas de venda cem precos confencit-6

5* a cris... primcipalmente a crise.. i .
crise monetaria... a insupportavel crise :.,a .
riado Thesouro ProvineiaI!!!.... .H


d,;-






























. -Abosi 4 -seui up-Abertuapolo bisturi,
coih aneahesia local polo ether e appare.
A** do RichardSon.
Fitdula vulvo tal Inciaso e cauterisa-
L910opolo thermo cauterio do Dr. Paquelin,
co rn anesthesia geral polo chloroformio.
Eatreitzanto da urethra na por&o mem-
6eA w --Operdo pela electricidade sem
;:'46r.
Cancaoide. dos grande- labios -ExciBo
S'total plo thermao-canterio de Paquelia, corn
anesthesia geral polo chloroformio.,
BstreitUmnto da uretAra na poroo peri-
weo-bulbar Dilatao pela electrolyse sem
d6r pelo process do Dr. Jardin.
Onychogrypho0 e do dedo 'medio da m to
dira--Abla9o complete da imunha pelo
process de N6ret, corn anesthesia local
pelo ether.
Ftulas recto-vulvar e anal Iucisao pe
lo thermo-cauterio de Paquelin, eom anes-
thesia geral pelo chloroformio.
Cancro phagenico do prepucio -Postho-
tomia corn anesphesia local pelo apparelho
de Richardson.
Estreitamento da porgco prostatica -Di-
lata*go pela electrolyse serm dor.
Eatreitamcnto da uretkra na porqo mem-
branosa Operada pela galvano-caustico
chimico sem dor e serm accident algnm.
0 doente soffria ha 14 anos.
Phimose complicada de condylomas bala-
no-epuciaes- Posthotomia polo process
de Record e excislo dos condylomas Ida
glande. Fez-se a anesthesia local.
&treitamento da porqo esponjosa da
urethra -Electrolyse pelo process de Jar-
din sem d6r.
Cancro hunteriano do preptucio-Postho-
tomia polo procosso de oGarin, corn anes-
thesia geral polo chloroformio.
Balano posthite e phimose = Circumcisio
polo process de Saint-Germain, coman es-
theria local polo ether.
Paraphimose-Posthotomnia a bisturi. corn
anesthesia local.
Paraphimose -Posthotomia polo thermo-
cauterio de Paquelin, corn anesthesia geral
pelo chloroformio.
Epithdelioma papilliforme da region anal
-Alaoo total polo thermo-cauterio de Pa-
quelin, corn anesthesia geralm pelo chlilorofor-
mio.
Fstreitamnto da urethra,-Operado pela
electrolyse, em pessoa de 70 annos de ida-
de, sem d6r nem hemorrhagia.
Estreitamento de methea.-Electrolyse
elo process de Jardiin, serm d6r nem
emorrhagia.
0 Dr. Bettencourt. pratica toda e qual-
quer operaglo cirargiea, para o quo dis-
poe dos apparelhos e instruments mais
modernos, o opera pelo novo system do
professor Lister.


As grandes vantagens que so obtem,
garantem e torniam as operagles de uma
inoquidade surprendente.
Todos os nossos operados sto privados
do elemftnto d6r, pelas applica9oes dos
anesthericos, quer geral quer localmcnte.
As pequenasoperag3essao praticadas no
nosso consultorio, no qual possuimos uma
excellent meza de opercoes, e todas as
commodidades desejaveis.
Dr. Carlos Bettencourt.
Rua da Cadeia n. 34-

F' bomn que se saiba


Tomemos come cousa de nenhum valor
moticias e informages emanadas dojornal
Folha do Norte, mas entendemos que nem
por isso, devemos deixar de declarar que
um communicado ou cousa que o valha
daquellejornal, inserto no seu nnmero 102
de 15 do corrente, em relaglo a mogos
que residem na rua Larga do Rosario nao
p6de do formal alguma, entender-se com-
Snosco; e somis n'isto um pouco retardata-


COIHERCIO


....... l: ,):+


'*"' *N',r:^:1











'* *' *. !il'












- i "; 'i



j



i. t i














l"^'.


A. M. de Amorim Junior,
Pelo president.
M. J. da Motta,
Pelo secretario.


S RENDIMENT
Mez de o
ABwDmuGA=De I a 17

Idem de 19




isw: raovxcuL,--
'- aDBdem de 19 a
SIdern do 19
fe-'
- LbSUILADO PROVIXCUIA-J
I Idom dee19


DoAaanao -DeI a 17
iande 19


*OS PUBLICOS
naio do 1884
610:0055663
32:7221623
642:734A286
7 28:5565307
1:537,800
30:0945107
)e I a 17 b7:9125110
4:3401045
62:2525155


6:416 0142
7:359077294
7:9071729


AOHOS DE 1IN0TAg^O
me-icaAno iymsane, entaiodoe NeW-York
, eorrente e congnado a Heory Feni
iS vdoflum a diverges. Ajs Florida
a wusiguit of a~lf


i^l~iB^^@,Nw.:. ^- "' :'
1 8 7 9 a i ll 'l ; s c Z 0 V 1 8 4 1 7 :
9s 1A 900tesOxrmol
8 fovam excepcionaos, Como
tinhasid o de 1864 1 5 -s...
come tinha sido o de 1872--73.

Dar a Deus o que 6 de DeSm
e a Cesar e que 6 de Cesar
TRAD. DO ALLEXMO
Entre as muitas, e talvez, demasiadas publ ca-
oes, que a imprensa nos tern dado n'este seculo.
a algumas das quaes, porventura, melhor serial
quoe aem sequer fossem concbidas, appareceram
no anno de 1843 as eartas do Sr. Jose Ignaclo de
Andrade, escriptas da India e da China.
FAt is eartas apresentam-nos am novo genero de
Ulitteratura, oem que seachamm eoloeadaa muitaeO
diversas ma.erias habilmente distribuida, etodks
de nra tilidad reooaeia; e eoo desta 0 0 i
no poderiamos Adimer m nx, neo em tao poeato,
como o fef o fall0ido patrisrha 1 Lisha, Pr.
Francisco do S. Lui, emn uau carta dirigida so
aitor, trsladadremos par. aqui um de nsewnoota-
veis periods, no qual soe vera o 6ao juizo% que so-
bre ellas formou:
V. S. levantou um monujnmeuto perenne a
sua propria gloria, e ao credit da litteratura
portugueza, dando-nos a conhecer os eostuime?)
as leis, o genio, e o singular character do grande
SImperio da China, fazendo juntica ao'espirito
e ao valor dot antigos portufnexes, rebatendo
opportunamente al ectada e invejosa ignoran-
cia dos estrangeiros derramando pot sun obra
Sos priceipios deouna philosophia franca e go-
nerosa, e as maxima de uma moral amiga dos
homes e das sociedades.
Corn effeito 6 este o resume do conteddo nas
cartes escriptas da India e-da China; eos devi-
dos elogios, que o venerando prelado dispensou ao
Sr. Anadrade, deve-lh'os prestar today a Nalo polo
iminente serving, que IMe fez na publica*o d'esta
obra, important o utilissims a todos os respeitos.
T.B.M.

Despedida


0 director da Colonia Orphaialogica Isabel Fr.
Fidelis Maria de Fognano ,devevendo embarcar
amanhA para Europa corn o tim de tractar da pro-
pria sauidc, e nio tendo podido, per causa das mui-
tas occupag5es, despedir-se pessoalmente de todos
os amigos que o auxiliaram na pesada tarefa de
que acha-se encarregado ou corn sea obulo ou corn
sun palavra, vem pedir-lhes desculpa e offerecer-
lhes os seus diminutos prestimos na cidade de Bo-
logna onde pretend demorar-so algaus mezes.
Reciie, 19 de maioe de 1884.

Ao public
Pergunta-se ao superintendent da ferrorvia do
Recife ao Limoeiro, qual o motive de ainda nao
estar aberta a estagio no lugar Macacos, estando
prompto ha mais de dons mezes, pede-se ao enge-
nheiro fiscal poe parte do governor suns providen-
cias.
Os moradores do Macacos.

Cajurubeba
Curas obtidas eom este medica-
mento
Recife, 10 de dezembro de 1881.
Illm. Sr. Firmino Candido de Figueirc-
do.-Soffrendo de um terrivel rheumatis-
me portodo o corpo, semr nunca ter obtido
resultado de diversos preparados que tomei
centre elles a salsa parrilha do Dr. Carlos
Bettencourt, fui aconselhado por um ami-
go a que tomasse o seu denominado Cajau-
rubeba, ao principioe nao quiz tomar; po-
rem mais tarde, a instacia d'este mesmo
amigo, tomei corn tanta felicidade, que so
tomei duas garrafas, e acho-me completa-
meute restabelecido.
Seria, pois, uma falta ie consciencia se
nao Ihe agradecesse, e garantisse que
aconselharei a algum amigo ou conhecido
que tenha a infelicidade de padecer do
mesmo mal que jA padeci.
PoderA tambem o Sr. fazer o use d'esta
para o que Ihe convier.
De Vmc. criado e obrigado
Ernesto da Silva Araujo Guimaries.
Largo do Paraizo n. 16.
Reconhego verdadeira a assignatura su-
pra. Recite, 14 de meio de 1884. Em
testemunho de verdade o tabellilto, Jose
Bonifacio dos Santos Mergulha.


Oleo para carros 10 barris a mesa. Urgau I
ao Dr. G. W. Butler.
Toucinho 15 barris aos consignatarios, 10 a
Guimaries Rocha & C.
Barca necional Mimosa, entrada de Pelotas no
din 18 do corrente e consignada a Baltar, Oliveira
& C., manifeston:
Xarquc 184,815 kilosA ordem.
Sumaca hespanhola Bella Maria, entrada do
Rio Grande do Sul, na mesma data e consignada
a Amorim Irmios & C., manifesto:
Bagres seccos 1,000.
Graxa em bexiga 340 kilos.
Sebo 50 harris.
Xarque 93,000 kilos a ordem.
Vapor firaneez Ville de Pernambuco, entrado dos
portos do isuil na mesma data e consignado a Au-
gusto F. de Oliveira & C., manifesto;
Amostnmis 3 volumes i ordem.
Cafe 744; saccos A ordem.
Flo de algodao 24 saccos a Main & Rezende.
Fume em 1latas 106 fardos a Joao Francisco Lei-
to.
Mercadcrias diversas 2 caixas a ordem.
DESPACHOS IE-EXPORTACAO
Em 17 de maio de 1884
Par o exterior
No vapor Inglex' MmiUn, carregou :
Para Liverp8l, S. Brothers & C. 788 amco
con 59,100 kilos de asuar mascavado e 270
saen coe l21,484 ditoes de algedlo.
Wo vapor ingle luMarimer,' earregon :
Praierpo4ol, J. HL Boxwell 1,349 acasecom
95,011 kmcoi de algda.
-K No vpor Vile de Perxambaow, c" -
a o o 1a, A. Labaie 609 courof voade
com 1(6,20 kflose 185 ditos salgadoe am 2t20

J^* f*0. T"Wasio a C. ^*W sum
dftu aa> 12JW8 ditM de dito; A. I^Mtw9e0


b; e -0
"mo quo
1884


mnajo d
de, 8.
los de


le lft
P.-O
8a. C.


Wo.)
3ontii.,r-fo-Ima)


. : -


Vapor franeez Ville de Per-
naimbaco.
Os abaixo assiguados, passageiros do
vapor frances ViUe de Pernambuco, entras
do hlioje no port do Rio do-e Janeiro, agra
decesa ao set distinct cowmaadaite, o
Sr. Taunay, o bomn acolhimento que eu-
contraram sempre a bordo, o estenuem estas
expresses do seu sincere reconheeoimento
ao Sr. Dr. e a todos os Srs. ofliciaes.
SBordo, 29 de obril de 1884.
A. B. Uchoa Cavalcanto
M. F. Peretti.
CharlessBonch6.
Maria da Gloria de Carvalho.
F. B. C. de Menezes.
M. da M. B. Peretti.
Antonio Luiz Caetano da Sivla.
M. B. C. da Jilva.
Capitlo Antonio Jos6 Alves.
Luiza Alves.
Jos6 Gongalves do Nascimento.
Jos6 de Freitas Garcez.
Arthur Cesar Pinto Cerqueira.
Jas,6 Claro de Menezes Ribeiro.
Porfirio Leite Moreira.
Luisa Masder Dubois.
(Do Jornal do Commercio da corte.)

Errata
No art. publicado n'este Diario sob o
titulo Sobre a campa amiga, cumpre fazer
estas correc93es :
Onde se diz no --terreno viril. leia-se -
terreno civil.
Onde se diz -lagas desconhecidas, leia.
se -plagars desconhecidas.

Agradeelmento
Tendo de me retirar d'esta provincia
para a do Rio Grande do Norte, nao posse
deixar do vir A imprensa agradecer ao
Illm. Sr. Dr. Barreto Sampaio por me ter
feito uma operate de cataratas no olho
direito. cuja vista jA se tinha completa-
monte extinguido. Felizmente tenho hoje
uma vista tao boa de perto, come do lon-
ge, e devo isto, abaixo de Deus, ao illus-
tre medico oculista, que tantas curas tern
conseguido n'esta cidade.
Recifo, 19 de mar9o de 1884.
Maria Leonor Soares Raposo da Camara.


0 Club da Lavoura da

Escada

0 president deste

club, convida a todos

OS seus socios, a se reu-


nirem na sala das


ses-


soes do mesmo no dia

29 do corrente ao meio

dia; para tratar-se de

negocios urgentes aos

interesses da lavoura;

e contando corn o com-

parecimento de todos
35 vapor nacionala-ard, carregou:
Pa a Maranhio, A. Cunha 14 barricas corn
1,628 kilos de asaucar bronco e 4 ditas con 484
ditos de di to mascavado.
So hate national Dens te Guie, carregon :
Para Maceo, J. F. de S. Anna 10 barrios corn
900 litres de aguardente.
No hate national Camelia, earregon :
Para Aracaty, M. A. Senna & C. 31 barricas
corn 2,352 kilos de assucar branch e 12 ditas corn
811 ditos de dito refinado ; E. C. BeltrAo & Irmao
3 ditas corn 301 ditos de dito braneo.
Na barcaa Rainha dos Ataos, carregon :
Para o Natal, E. C. BIeltrao & Irmlo 30 volumes
corn 2 102 kilos de assucar mascavado..
la barcaga Feliz Destino, carregou :
Psra S. Miguel, P. Carneiro & C. 40,000 litres
'e sal.
Na barcaca Flor do dia, caregou :
Para P. de Alagoas, P. da Cunha Galvzo Gal-
vIo 10,000 kilos de saL


MOVIMENTO DO PORTO
Navies entrados no dia 18
Pelotas-.24 dias, barsca national Mimosa,
de 287 toneladas, equipagemA 11, capi-
tio Joao Ignacio do Melo Junior, carga
xarque; a BAltar Oliveira & C.
New-York-22 dians, vapor. americano Fi-
nance. de 1,919 tonlas, equipagem
55, conmmndkte'MaaIell, carga various
generous; a Heery Ft& & C.
Ara-ej-.-42 her., vsaaeioual Amn.

*1 *- .. ^ll ^~. .-_ij l A ^


do

do
11


8em 8

1884.0


3 d9 o Bwrt do S. orja (anG-
454.0*b*) us. So0 oas
K4. Adeur dedicada ha dezeseis an-
eos exclusvamente ao ensino, procurou
.stsdar nirnuioxsamente quacs O dado"
ecessarios par a educaco regular dae
"riangas do sexo feminino.
Atuahlente, auxiliada por sua filha
Mile. Alice, que, durante dous annos de
'esdoncia em Paris, entregou-se ao estudo
.a4 materiss, especiaes a edueaso das
emeninas, observando cuidadosamnnte a
organisagto dos- estabelecimentos e sys
temao de ensito, resolve abrir umn institute
oude os Srs. pais de familiar poderlo encon-
trar todos os elements necessaries pmr
druma complete educaLo As suas la.
No institute, que receberA alumnas in.-
ternas, semi-intemrnas e externas, serA falla-
da a lingua franeeza.
0 curso de educacao sera- constituido
pelas seguintes materials:
Instruccao religiosa oortuguez musi-
ca e piano arithmetic. francez inglez
-geographia historia-desenho e tra-
bahos de agulha.
Os trabalhos comegam no dia 4 de fee s
Sreiro proximo future.
Os trabalhos comegaram no din 4 dcfje
vereiro.

0 abaixo assignado, ex provedor da irmandade
,do Senhor Born-Jesus dos Martyrios, erecta na
capella de S. Jobo Baptista em Olinda, faz sciente
go public, que, apresentando as suas contas em
mesa regedora de 18 catacumbas que edificou no
cemiterio public, da mesma eidade, foram ditas
contas approvadas em 20 de abril de 1884 no va-
lor de 1.100, subtraindo 3940470 que recebcu
mesa, exists um sdnio de d 7050600, e nao tendo a
respective quantia necessaria para sobre o res-
pective debito, deliberou a mesa que as ditas ca-
tacumbas ficassem a administrator do mesmo
abaixo assiganado, at o complete pagamanto. -
Adelino Josd do Monte.


Au public en general
141 -Rue Auguste 149
Traduire, parler et 6erire correctemeut laI lan-
gue franeaise.
Trois fois par semaine.
Prix modrer6.

D&. CARNEU-IHO LEAO
MEDICO
Consultorio e residencia a run Duque de Caxias
antiga do Queimado, n. 88, 1P andar.
Consultas de 11 As 2 hornas da tarde.
Chamados per escripto a qualquer hora.

kfV itia a dentio e previne as
convuls es

Cardornus
Unceo deposit na Pharmaela
Do Dr. Sabino
43--ua do Bar&o da Victoria--43
PERNAMBUCO.

Consullorio medico
0 Dr. Joao de S4 Cavalcante de Albuquerque,
d& consultas das 10 As 12 horns da manha, na rua
do Born Jesus n. 20, lo andar.










de 263 toneladas, equipiagm 9, capitao
R. H. Wits, carga carvao; a ordem.
Hamburgo.-52dias, patacho norueguense
Bolder de 163 toneladas capital Akato


Ogaard, equipagem 7 cargavarios gene-
- ros; a Domingos Alves Matheus.
Rip Grande do Sul,-29 dins, escuaa di-
namarqueza Asma, de 101 toneladas,
eapit~o P. M. Brinch, eqaipagem 6 car-
ga Xarque e Graxa a Pereira Caraeiro


Sahidos no memo dia
Rio de Janeiro p.or oscalas-Vapor ameri-
cano Finance commandant Mandell car-
ga varies generos. .
Rio Grange do Sul.-Patacho national
Pdotence capitao Antonio A. de Azeve-
4do, carga varies generous.
tIndies. Barca norueguanse Re-
ur- capitio L. A." Ierkindsem, em

N4w York,--Lugar inglez RJoUand capitio
S. R. Road, carga assucar.
.


Mariser


VAPORES ESPERADOS
da Europa"
Ramps hoje
var s s # s
de Tse aho ie

VaessAae de~urqpa a 2
e -- 4Baltiaxore a 2



a4"
^" '-^I -:
:aS.

I(T- ~ ~ ~ A. &.^|: : m
++ r*1 ., : i ++ l*" t ++ +:H':+L : :' 1_ .. .. .... ^ *^ 11'

t.'ff^^^ lE^ E.1 m1'!:a';


i^.fl... N as .edital viremo e
d'i&fi e quo nodia214.do orsate

'eita, cid~a tra ei pubiReo preg&o de ven! c e
emataaIo aqAm inaiiider e m r lan reeer, o00ens p.e -enantes so espolio do fiuado
bonol Joaqutm, CavaoamAtO do Albuquerijpe, a
I.v jo invenuta9,i e elWt prowdendopor e- cju'-zo,
qo uio0o seguintes: Maranguape,BrsziJ, tCoto-
v6uo, Camacho, SalinasA e AiVa, todos situa os
f estx wesma comarca; os quaes tendo sido sepa.
ridos parm o pamento do Dr. Pedro Affonso de
Mello, eredor : ypothecario pela quantia dI
36:6798308, e levados apraca p6r 40:0005000,
por quanto foram avaligdos nao achandolicitante;
peo que, vao de novo ai praqa corn o abate da 5a
part, isto 6, per 32:0005000, preo que sendo of-
ferecido polo referido eredor para seou pagamento
integral, toi aceito polos respectivos herdeiroi
E para queo egegue ao eouheeimento de toedes
mAndei passar o presented edital, que seri affixado
no lugar do costume c public&ad pela imprensa.
Dado e passado n'esta cidade de Olinda, aos
15 de maio de 1884.
Segnia-se uma estampilha de 200 r6is inutilisa-
da pela form aeguinte:
Eu, bacharel Francisco Lins Caldas, escriveo,
o subscrevi.
Alfredo Barbosa.


Tkesourari go Fonda
.0 coselho para fornecimento do viveres, forra-
gea e ferragens aos corps desta guarnieo e en
fermaria military, recebe propostas no din 9 de ju-
nho do corrente anno atZ as 11 horas da manhn,
no quartCel general do commando das armas, onde
funcciona o mesmo conseiho, para contratar o for-
aecimento de generous alimenticios as pracqas de
pret, forragens, ferragens, pastagens e medica-
mentos para a cavalhada, durante o 2# semestre
do auno eorrente, a saber:
Agua, balde.
Aguardente, litro.
Aletria, kilogramma.
Ameixas passadas, idem.
Araruta, idem.
Assucar branco refinade, de 1l quilidade, idem.
Assucar refiaado de 2' qualidade, idem.
Assucar refinado de 3a qualidade, idem.
Aosuear maseavo refinado de 3a qualidade) idem.
Azeite doee de Lisboa, litro.
Azeite doce de Lisboa, fino, garrafa.
Bacalhbao, kilogramma.
Banana prata ou laranja, duas.
Ditas de S. Thom6, uma.
Banba americana, kilogramma.
Batatas inglezas, idem.
Biscoutos de araruta, idem.
Bolachinhas americanas, idem.
Borrauhos ou pombos, urn.
CafW em grio, idem.
Caf moido, idem.
Came de carneiro, idem.
Carnet de porco, idem.
Came de vacca, idem (sem osso).
Came de vitella, idem.
Came secca do Rio Grande, idem.
Chi da India, idem.
Chi preto, idem.
Cevadinha, idem.
Cerveja national, meia garrafa.
Chocolate commum, kilogramma.
Chocolate musgo, idem.
Farinha final de Mag6, 1I qualidade, litro.
Farinha final de Mag6, 2* qualidade, idem.
FeijAo preto, idem.
Feijao mulatinho, idem.
Feijio branch, idem.
Figos passados, kilogramma.
Frangos, urn.
Gallinha, uma.
Gel&a de maoe de vacca, .kilogramama.
Gelha de marmellos, idem.
GeJOa de musgo, idem.
G(iabadas em latas grande, idem.
Laranjas da China, uma.
Lam anjas selectas, idem.
Laranjas da terra, idem.
Limas, idem.
Limues azedos, urn.
Limbes does, idem.
MacarrAo, kilogrammas.
Maisenas, idem.
Manteiga ingleza do 1" qualidade, ieam.
Marmelada national, idem.
Matte em folhas, idem.
Dito em p6, idem.
Ovos, urn.
Pao, kilogramma.
Pio-de-16 torrado, idUm.
Passes, idem.
Peixe salgado, idem.
Dito fresco, rario.
Queijos de Minas, urn.
Roseas de la qualidade, unma.
Ditas commune, idem.
Sagdi, kilogramma.
SAl, litro.
Tapioca, kilogramma.
Toucinho de Minas, idem.
V inho bronco, litro. -
Dito tinto, idem.
Dito Madeira, garrafa.
Dito Malaga, idem.
Dito dito, litro.
Dieto Porto, (commum).
Dito dito fine, garrafa.
Dito dito generoso, idem.
Vinagre branco de Lisboa, litro.
Dito tinto, idem idem.
Verdures e tomperos, raciao.
Pura forrrgena eferragens
Alfafa, kilogramma.
iAilho miudo national, idem.
FareHo de Lisboa, idem.
Capim, medida caixao.
Ferraduras, numerous.
Craves, cento.
Pastagens para a cavalhada, numero.
Medicamentos, idem.
Parg diersos misteres
Carvio madeira, sacco.
Dito coke, kilo.
Graxa do Rio Grande (bexigas) idem.
Lenha em achas de 1 metro, urea.
Dita em toros, uma.
Lavagem de roupa sem distincao de peas, unea.
Polvilho, kilogramma.
Sa~bao hespanhol, idem.
Dito crmmnm, idem.
Tijolos inglezes pare arcar, urn.
Veins de composiiao, kilogram-na.
Ditas cera, idem.
Datas de sebo. idem.


Vassonras grades do piassava, dazias.
Ditas pequenas idem idem.
Ditas de matte, cento.
Paosphoros aericanos em eaixa, grosa.
Sanguesugae, pela applicacgio de'cada uma.
Objecto advesticio para a eifermaria
Papal pautado fiume, resqa urma.
Dito matta-borri, folha.
Pennas de ago Ferry, caixa.
Gomma arabica, fraseo.
Tinta preta, garrafa.
Canctas, duzia.
Lapis preto de Faber n. 1, duzia.
Hoestias, cento.
Incense, kilo.


Condip
1 Todos os generous sero de primeira qualida-
deo. e oa foreedores deveri' batisfaer os apedi-
doe dearo don prazo iareada'noa- reipetivos
qatntei, eatregralda os mama t *e4 ost nou
qus#Ares, oud "ortem e- eafemar*a e dep'Oditarao
a&. ThesutkB~~ do iiMi^ uBUI qfuastt* mo:


AskiV W-0l o1 s drao dNi do.Wi
h abertas e apuradaa. &o
^ aMi r e4 avenda deo truai 4 4awm
da ompanhma de eavallaria.4 .
ST eraria de Fteoda de Peruambueo, 14 de
maio de 1884.- 0 contader, .-
J. de B. e Accioli de Vaceoncellos.


DECLIAFff
24 secao. Secretaria da presideneia de Per-
nambuco, 17 de maio de 1884. -De ordem do
Exm. Sr. desembargador president da provincia
e em observancia do disposto no art. 1 30 do
decreto n. 4668 de 5 de janeiro de 1871, fago pu-
blico que, por portaria de hoje datada, foi nomea-
do o Sr. Miguel Leopoldo Lima para servir pro-
visoriameute o offieio do 2o tabelliAo, escrivao do
crime e annexrs do term) de Rio Formoso.
0 secretario,
JoAo A. de Albuquerque Maranhao.

Restaurafito Pernam-

bueana
Nao tendo side apresentado o parecer da corn-
missio de fnaneas. sobre o qual devia basear-se
a liquidaeio dedta sociedade, ficou a sessao adia-
da para teroa-feira vindoura, 27 do torrente, a
qual ser& intransferivel, embora s6 compareca nu-
mero legal para funecionar ordinariamente,
Recife, 14 de maio do 84,=0 secretario,
Deomedante Magaihaes.


Club Mixto Minerva
De ordem do Exm. Sr. president sito convida-
do% todos os socios no diu 21 do corrente, As 7
horns da noite, na sode do mesmo Club, afim dc
Sfunecionar a sessAo para leitura dos estatutos. 0
Smesmo Exm. Sr. nio admitted falta alguma.
Secretaria do Club Mixto Minerva. 17 de maio
de 188L-0 1I sccretaria,
Ab,!esio de Castro,
A Camara Municipal do Becife faz publico-
polo present edital, que em sessao de 14 do cor-
rente resolve mudar os nomes dam seguiutes
ruas :
A rua a partir da l'iiaceza Isabel e a terminar
na estacio do Pires, se denominarla a run de D.
Joio Perdigao.
A que se domina Campo Verde, que 6 aquella
que parte da rua de-Riachuello e segue na diree-
no norte a emcontrar o Fombal, se denominara run
de D. Vital.
A run do Sol a partir da esquerda da rua da Paz
e a terminar no Lyceo de Artes e Officios, pas-
sarA a ser denominada Dr. Ivo Miquelino.
A rua do Calabouco se denominara rua de 28-
de Setembro.
A rua de S. Born Jesus das Crioulas se denomi-
nari rua do Major Agostinho Bezerra.
A travessa dos Expostos, ruu de Pedro Ivo.
Paco da Camara Municipal do Recife, 16 de
maio de 1884.
Jose Candido de Moraes,
President.
Pedro Gaudiano de Ratis e Silva,
Secretario.

Obraspublicas
De ordem do Illm. Sr. engenheiro chefe, faCo
public que em virtude de ordem do Exm. Sr. de-
sembrrgador president da provincia, vao em pra-
ca, perante esta repartiA.o, no dia 24 do correate,
ao meio dia, os reparos de que ainda precise e
ponte de S. Jole, na importancia de 2:4585480.
0 oroamcnto e mais condicoes do contrato se
acham nesta reparti9ao para serem examinados
pelos pret ndentes.
Secretaria da regartivao das obras publicas, 15
de maio de 1884. 0 official,
Joao Joaquiin de S-q -ieira Varejao.
A Camara Municipal do Recife, tendo side
obsequiada na sessao de hontem 7 do corrente,
corn a offerta que lIhe fez a illustre commissno
Vinte Cinco de Marco, sahida do seio das socie-
dades Club Aboliciouista c Nova Emancipadora
desta provincia, do livro de oiro, outr'ora perten-
cente ao inclyto Visconde do Rio-Branco, de sau-
dosa memoria, ao qual coube a gloriosAt idea da
extinwcao do eleimento s.-rvil no Brasil, apresen-
tando o project em 1871, quo mais tarde foi con-
vertido em lei sob n. 2040, estabelecendo a liber-
dade do venture escravo, convidajubilosa a todos
os seus municipes, para qne venham nelle, quo
flea exposto na secretaria desta Camara, inscre-
ver-se corn o obulo quo lhes aprouver para o fix
de ser realisada a festividade projectada, e deli-
berada por esta mesm.a Camara polo 130 anniver-
sario da sabia lei de 28 de setembro de 1871, sen-
do nessa occasiao alforriados alguns escravos.
E p.ra que a todos chegue esta noticia, man-
don-so lavrar o preseute edital.
Paqo da Camara Municipal do Recife, 8 de
maioe de 1884.
Jose Candido de Moraes,
Presidente. -
Pedro Gaudiano de Ratis e Silva,
Secretario,
-- De ordemn d4 Illma. Camera Municipal, sio
convidados os donoa dos estabelecimenlos das
freguezias de S. Jrs6 e Recife, para virem .A sec-
gao cempetente rever os pesos, mcdidas e balan-
gas dos mesmos, uo proximo mez de maie, sob
pena da lei.
Paco dx Camara Municipal do Recife, 30 de
abril de 84.
Jose Candido de Moraes,
President.
Pedro G. de Ratis e Silva,
Seci etario.
Pela secretaria da Camara Municipal do
Recife se faz public que em sessao de 14 do cor-
rente foi designado o final do cases 22 de Novem-
bro, extreme sul da freguezia de Santo Antonio,
pare poder ter armazens de recolher materials inw
flamraaveis, visto existir urn s6 ponto destinado
parm ease mister.
Secretaria da Camera Municipal do Recife, 15
de malo de 1884. 0 secretario,
Pedro Gaudiano de RatiW e Silva.

Imperial sociedade
DOS

Artists Meehanicos e

Liberaes


De ordem do Sr. director, participo que nesta
secretaria se acham e podem ser procurados das
6 as 9 horns da noite de todos os dias ut(is, os
diplomas dos senboreL cxpositores abaixo decla-
rados:
Jobo Martins Pontes.
Jolo Baptista Telles.
Josd Joaquim de Azevcdo.
FundivAo Geral.
Joao Facundo de C. Menezes,
Augusto Fernandes & C.
Autonio Pereira da Cunha.
J, J. Rooze.
Piaxedes Pitanga Filho.
D. Rita Martins de Amorim,
D. Maria do Carmo S. Vianna.
D. Maria do Carmo M. MontarroyoS.
Seeretaria. da imperial-soeiedade dos Artistas
Mechanic os e Liberaes em Prambubco, 15 de
Iaeio 1884. *
F-cuiseo bf Costa Ranom,
1 necretarie.


"r+ : .- +' +' '
km.
a' :f*.-


Praea do Recife, 19 de malo
: de 1884
As tres horns da tarde
Cota6eus officiaes
Cmbio sobre Londres, 90 d[v. 20[8 d. por 15000,
4 do baneo.
MNo sobre dito, Avista, 19 7/8 d. par 15000, do
S baneo.


i


^


I





























...e )tem os
*I s us editorss, hoje,

Ssem falta alguma, no

escriptorio de Dan"
Stas & Bastos ao ciei
da Companhia Per-
Snambucana n. 6, afim
de que sejam verifi-

cados os mesmos cre-
Sditos, para qne tenha
I lugar amanha a reu-
Sniao dos credores.
Recife, 19 de malo
Sde1884.
Dantas & Bastos.

Junta commercial
F.Ats. necretaria faz public que foi rcglstra('a a
e: eriptura antenupcial celebrada entire Joio Fer-
rers da e e D. Hermonegilda Leopoldina de
S. usaAguiar o dote feito pelos pais desta: diver-
ass begna a importancia total de 8:0005, estipu-
lando : I* que os mencionados bens aswanim como
outros quaesquer que a dotada vier adquirir de-
pou do casamento serao inalienaveis e considera-
de dotaes,'e por isso isentos de qualqner compro-
misso do esposo, anterior ou posterior ao casa-
maento ; 20 que por falleeimento da esposa sem
diizxar prole, reverterio os beus aos seus herdei-
tm necessaries ou testamentarios, e que por more
do espos nas mesmas coadioes, os herdeiros
deste nae terio direito algum A meia.,-o em ditos
bens,- que continuario a pertencer exclusivamente
A easpea, alem da meiagio dos demais bens io
CesaL
Secretaria da junta commercial do Recife, 15
de maio de .4.--0 secretario,
Julio Guimarles.

Muta commurc\.
Poao public parsa conhecimento dos interessa-
dos ter side submettida A registro no I* do cor-
rente, e flea nests data registrada a escriptura
antcnupecial, que perante o tabelliao public into-
rino desta cidade Josi Carlos de S, celebraram
Antonio Palmeira Maia e D. Julia Rosa da Costa,
suijm'is, para se receberem em matrimenio; fi-
cando estatuida nao haver entire os conjuges corn-
mUanhIo de bens, tante daquelles que constituem
Sas heranqas paterna e materna da conjnge, come
dse qui foorem por ella ha4vidas na constancia do
matrimonio per qualquer titulo que for. Outrosim
I, que no caso de morte de qualquer dos conjuges
corn e swm filhos, o sobrevivente fiea corn direito
a 25 010 dos bens do finado, salvo disposiAo tes-
tamentaria.
Secretaria da junta commercial do Recife, 9 de
maio de 1884.-0 secretario,
Julio Guimaraes.

Camara municipal
Despesas feitas corn a limpesa das ruas, pracas,
eaes, pontes e travessas das freguezias de S.
Fr. Pedro Gonalves eo Recife, Santo Anto-
nio, S. Josh e Boa Viata, na semana de 12 4 17
do corrente mez.
Despendido corn a folha da limpesa da
freguezia de S. Fr. P< dro Goncalves
do Retie 121440
Idem corn a folha da limpesa da t*egue-
ziade Santo Antonio 1215440
Idem corns folha da limpesa da fregnezia
de S. Jose 1 760
Idem corn afolha da limpesa da freguezia .
da Boa Vista 1215440
4785080
Contadoria da Camasra Municipal do Recife, 10
de maio de 1884.-0 contado., --
Jose Maria de Souza Araujo.
i Wlu M rceliB0 Glut

De ordem da direetoria, eonvido a todos osso-
cios pars a asseinbla'geral no dia 21 do corrente,
As 7 boras da tarde.--O 1 secretario,
Sindolpho Baviera. .


V@UI&NXA FNRA3HUNC-A1WA
MaCvaeio etira oMr Vapor
PTO Tog DO NOBTE
P -ardaha, Nafti Made, Moasorr,

rents owvpor IPjuca,
wimai"ili eommandante Santee,
A s5 horaide tarde.
Recebe carga at6 o
Encommendas, psensm e dmheire a frete ate
As 8 home da tarde do dina da sahida.
ESCRIPTORIO
Caw da Companhi JPer.nautbwana n. 12.
COMEPANIU PDEN ME AGE-
DIES EARITIMES
INHA MENSAL
Opaquete
Equateur
Commandant Lewintre
E' esperado dos
a ports do sel no
dia 20 do correate
e g d p no depoieda
fdemor a do eostu-
Dqme pars BOW-
D4EA 1oiad em
Dakar e Lisboa
Lembra-se eaoos r. pasdageios de todas as
classes que ha lugares reservados pars esta agen-
cia, que podemo tomar em qualquer tempo.
Faz-se abatimento de 15 per cento em fvor das
familus eompostas de quatro poesoas s menos e
que pagarem quatro paeagens inteiras.
Per excepWo s eriados das familias que toma-
rem bilhetes de pr6a gozam tambem deste abati-
mento.
Os vales postaes s6 se dao ate o dia 18, pagon
de contado.
Pars carga, passagens, encommendas e dinheiro
a frete: tracta-se corn o
AGENT
Augpste Labille
9 RUA DO COMMERCIO-9
COMPANNIA PERNADiEUCANA
DE
Navegaelo Costeira per Vapor
Fernando de Noronha
Segue no dia 20 do
corrente ao meiu dia,
9 vapor Giquid, corn-
mandante Mafra.
Recebe carga atW o
E~oommendas, passagens e dinheiros a frete atW
As 10 horas da manhi do din da sahida.
ESCRIPTORIO -
Caes da Companhia Perambucana n. 21


DampfschiflTahrls-Geselischiatlf
0 PAQUETE A VAPOR
Rosario
Espera-se da Eu-
ropa e portos do
norte no dia 30
do corrente, Be-
guindo depois da


Conforme as orders do
Sahida BuenosAyres
Montevideo
S ..Santos
a Rio de Janeiro
hCegada Bahia
a Maceid
a Pernambuco
a S. Vicente
9 Lisboa
Vigo
S Southampton


Rio


9
*
13
- 24 1
26
29
'5 i
7
de Janeiro)
17
18
C27i
27 1
29 1

15


S6 tocarA so precisar carvio.
Para passagens, fretes, etc., tracta-se corn os
CONSIGNATARIOS
Adamson Howie & C.
3-Rua do Commercto-3


LEILOES

Importance leilao

Terta-feira20
A's 11 bores
Alvaro Bazlou, lendo de retlrar-se parsa aEurc-
pa, faz leilio por interveneao do agent Silveira,
dos moves existentes em su. casa de residencia a
runa da Imperatrir n. 28,-2- andar, conetando do
seguinte :
1 mobilia de jecaranda, consoles corn pedra, 2
espelhos grande, 1 guards vestidos de mn o,I 1
custureirs, de mogno, 1 cams tranoeeza, 1 toialette.
I commoda de jacarandA, 1 dita de amarello, 6
cadeiras de guarni9Io, 2 ditas de braos. 1 sofA
de mogno comrn toaeito de mollas, 1 jardindm do
mogno Com pedra, 1 mesa par jog, 1 Iobia de
smareUo consoloa tampo'de Mdeira, 1 cams frau-
cesa antiga, 2 marquesta, 1 marqiez, 1 soft,
cadeiras de guarni 2 aparad s de faia, me-
sa elastic, I arda loua.. I cama de fiia pars
criannas, 2 esprequiadeirsn 1 quartinheira, 2 ve.
nesianas, 1 balanga, 1 relogie para cima do maa,
1 revolver com box, 1 rebeamque, finos jarreos, lan-
ternas, quadros, candieoes, loua s, vidros, trem
de cosinha e mai accewriea dos e. m estice o.
Agente Silveira

Carmo e Silva
w a..


8


~' e-s,


shidsda
hegad
if
if
if


I Santa Casa da lisericordia do
Recire


Xa Santa Casa arrenda-se por um A trees annos,
os segumtes predios :
Ras dA Saudade


'~1


CS terrea n. 5
Travessa de S. Pedro
Sobrado de dons andares n. 2
% Rua do Bom Jesus
Segundo andar do sobrado n. 13
Rua do Burgos
(CaA-t'rra n. 27
Becco das Boias
Loja do sobrado n. 16
SSeusala-Velha
Casa teuea n. 18
/ Rua da Moed"
Cass tenas n. 49
Senzala-Veiha


Caam terrea n. 16


405000
305000


18,000
12%500
255000

35O000
25AOOO


B... ua Imperial
&Ma tmrre Un. 127 12J000
as m do Encautamento
Primeiro andar do sobrado n. 9 155000
Ra sfo YuSime de Albuquerque
fm terrea. n. 61 17;750
eenetrria dsa amnts Csaaa de misieordi do
S e.ifa, 13 de omaiode o188A.
O0nuivao,
-. Pedro B116014 de SosOa-


s E F J'aob !


Itinerario
IDA
Southampton 1
Bordeaux 4
Vigo
Lisbs 7
8. Viceate o
Pernambucmo 20
Maoei6 21
Bahia 22
Rio de Janeiro 26
Santos 28
Montevideo
Buenos-Ayres .
VOLTA


demor necessaria ,parsa
Bahia
Para passages, frete, etc., tracta-se
a gentcs.
Borstelmann &


corn On

C.


RUA DO VIGARIO N. 3
1r andar

CiAIIGEURS REUNIS
Comnpanhia Franceza de Navega,
pieo a Vapor
Liha quinzenal entire a Havre, Lis-
boa, Pernambuco, Bahia, Rio de Janeiro e
Santos
Steamer
Ville de Xaranhao
SE' esperado da Euro-
paato dia 22 de
Manio, seguindo de-
is da indispensavel
emoras pars.a aa-
L_ .Rio de go-


metro e Manuo.
Boga-so so Srs. importadores de carga pelos
vapores desta linha, qneiram apresentar dentro de 6
dias, a contar do da descarga das alvarengas, qual-
quer reclamalo concernente a volumes, quo por-
ventm-a tenham segaido para os portos do sul, afiman
dese poderem dar a tempo as providencias necessa-
rias. A
Uxpwado o referido paso a compauhia nao s i
reponsabilisa por extrasvioc.
Recebe carga, encommendas e passageiros, para
o quaes tem exeellentes accommodaacoa.
AGENTS
Augusto F. de Oliveira
&C.


42 RUA DO COMMERCE 42
(Entrada pela rua do Torres)


Companlaa Bralelra de Nave-
ga$. a Vapor
PORTS DO SUL
vapor
Cean*
Cwuawiant~e o .. t eomt Guherm Pa-
S E',. ,odos a.pobteds ir-

BSBB~ihite>'011 ofS
Wm^^^^^^lal-llfkM~aM A -;^W^Ip


Za.timcis e


0 vapor
S. Salvador
Commandante Senna
.. 8~&e ,eprde mportos
ea-ms no dia 22 de
maio As 2 horas da
tarde. Rocebe cargs
as 2 horsa tsmtar-
i ilii dodia 21.
Pars earga, passges, eneommmadaa dinheiro
frete tracta-oe na
AGENCIA
7-Arm do Vigario 7
domingos Ahes Matheus


ROYALIL STEAl PACKET


COMPANY
Grande reduce n mos pre~oe
passagpse
0 PAQUETE A VAPOR
Tagus
Commandant IDickinson


dam


-- .. 'dtftl e -Pa-
fi~4r~a 8. Sbuti, em
I. E* e ii. proprio, onde
faoi a *. padw a render annnal-
Matu. f700#,S.
Tertofd 206 d corrente
.A's 11 horas
_riMazeM da a do Imperador n. 22
SaetuWm4Brisado per D. lemenia de
Va ra a lcilac o predio que
feha l o at do, e feneciona o mesmo
d e Bgio aoerca de 29 annos, tern o eobra-
AB.a.M=Unteo commodes ; 2 gRas, 4 quartos,
OtminA r, terra grande, coberto corn telhas,
i6o pa*iaento terreo: 2 grande sala, 2 quartos
a ma Sl gnade tqlbeiroae onde funceioma o forno
6 uttnnioa da padaria, quintal murado e portaLo
para a levada do pantaao.
Os mahore preiendentes desde ja poderao exa-
minar o referido sobrado aeima mencionado.

Agete Burlamaqui

Leinao
De anaa easa terrea n. 5 ma fre-
g.ezla do .Poo da Paaella, e
lka por traz da Igreja
STerga-feira 20 do corrente
... A's 12 horas'em ponto
No armazem da rua do Impe-
rador na. 9
O agente acima levarA a leillo a casa acima
mencionada, por conta e risco de quem pertencer; ,
os Srs prete deutes poderao desde jA c-xamiuar a
dita casa.

Agenle Burlamaqui

Leilao
De urma part do sobrado de dous andares,
sotAo c pavinmeuto terreo sob D. 20, 4
rua,. Marcilio Dias (antiga Direita), ren-
dendo annualmente 950#.
Tera.-feira, 20 do corrente
A's 1I I/I horns em ponto
No ae'mazem da rua do Imperador n. 22
0 agent acima lovarA a leilIo a part do sobra-
do acima mencionado, por conta e risco do quem
pertencer. Os seunbores prcteudentes desde jA po.
derao examinar o sobrado.

Agenle Burlamaqul

Leilao
De urma casa terrea n. 28 A rua do Loma:
Valentinas (outr'ora rua das Aguas-
Verdes
Terga-feira, 20 do corrente
As 11 112 horas em ponto
NO ARMAZEM DA RUA DO IMPE-
RADOR N. 22
0 agent acima, autorisado pelo llhnm. e Exm.
Sr. Dr. juiz de direito privativo de orphAos, leva-
r& ; leilto a casa acima mencionada, A rcqueri-
me1t2 a D. Anna F. Lages Ferreira. Os senho
eres Sl n (Qtes desdoja, pederao examiner a casa
terrea.

Agente Burlamaqui

Leilao
De duns casas terreas, no Caxangd, lugar
Ambole, freguezia da Varzea.
Tetafeira, 20 do correnle
Ao reelo dia em ponto
No arMnzern 4 rua do loperador n. 22
O agent acima, per mandado e assistencia do
him. Exm. Sr. Dr. juis de direito privativo de
orphaos, A requerimento de D. Maria da Concei-
cao Carneiro de Vasconcellos, viuva de Jose de
Melip Vasconcellos Filho, luvarA a |eillo as duas
casas terreas no lugar Ambole, no Cnxatngi, onde
os senhoros pretendentes desde jA poderao exami
nar as ditas casas acima anencionadas.


Agente Pestana

Leiiao
Dos mastrns, vergas, turcos, correntes,
ancoras mas'lareos, lemes, grades; 'barorietro
e muitos oulros objects portencerites a um
navios.
Trla [irii 20 g ocoff t BRI
A's lI horas
NO TRAPICHE ROCHA (CAES DA COM-
CANHIA PERNAMBUCANA)
0 ageate Pestana competentemente autorisado
fara leilao por conta c risco de quem rerteneer, dra
pertences do navio acima meneionado( os qual
se achalo em perfeito eatado e serlo vendidon as
Correr do martello

Leilao
me n piano, quadros, loula,
vidros e morvels de easa de fa-

U .tf.reira, 21 do rrmite
A(4ENTE PINTO


No sobrado grande da esquin d rua do Hoe-
picio, em frenteda estatL, das O inasa, sa em
quoae moron a famulia do Dr. Nabor.

Leio l


t ge vih s

e .012has
.3a585 1 Sa.-.
"|te.-'t ifi,^t-MEi Ris-'z


& area 1'ii



a.,.-. ,.:,.- .


11 oU.W S W i OwrO
'- MobIae. e nipi-noyo e usado., epelhos, qua-
aros, reogo, lWea'i v'iaf'&W iumde ft& .irageons,
jpiosphonos, retral, liukag, camisas, coutnuies do
c.ammira, Uas, joina de ouro, prata e brilaantes
-e outros muitos objects patent e.
92 panefrs eom gonmuma.
Um- importaute esaVllo novo bom andador, bo-
nito c gordo sem defeito. -

iti io martilo
27 Tmraves doCorpoSanIo 27

Ageate Silveira


Leilao


Quartamfeira, 21-do correnite
A's 11 horas em ponto
No armazein de moves do largo do Paraizo
n. 25
0 agent acima por mandado e asasistencia do
Exm. Sr. Dr. juiz dc direito de auscutes, a reque-
rimento do Dr. curador de ausentes levarA a lieilao
o espolio da finada Mareelina Bruno do PRosario.
Um terreno eom casa em mao estado ; rua de D.
Maria, freguezia da Graca, terreno proprio.

Agente Pinto
Quarta-feira, 21, deve ter lugar o leilAo de
moves, louca, vidros, na casa de esquina da
rum. do Hospicio em que moron a familiar do Dr.
N-.bor.
Sexta-feira, 23, o do engenho Burity, o d;
casa terrea n. 7, da. rua de MAlariz e Barros, e do
,obrado do largo do Mercado n. 19.), editicado em
chaos proprios.

Agente Brillto

Leilao


Do mnoveis, fazendas, o generous
tiva.


do es-


Quarla-feira 21do correnle


A's 11 horas
Em sett escripforio rua da Madre


de D itsI


n. 28
A SABER:
1 mobilia de amarello corn tampos de pedra, ca-
Jeiras de junco avulsas, came, cibides, quadros,
espelhos, 70 tapetes, madapoli-.s, algudiosinlhoo,
chap us, brins, chitas, etc. etc.

Leilao
De I mobilia, de jacarand:'i, guarda vestido,
guard louca, mesas elasticas, meias commodas,
toilets de jacarandiA, lavatorio corn tampo de pe-
dra, camas francezas, marquezies, consollos, ca-
deiras, mesas, cahides. quadros, espolhos, louq.as,
vidros e muit')s outros objects que cet.trA(o paten-
tes noarmazem da rua do Born-Jesus n. 51.
QaMa-foira 21 g o cofri t
A's 11 Jioras
POR INTERVENAO DO AGENT
Gusmao

Agente Peslana

Leilao
De I excellent casa terrea, de pedra e cial. s't.i
a rua dos Guararapes n. 51, aqual :aclai-sc r-,- i;i
cada i 2 mezes c tern os seguintes corneanri' : "
salas, 4 quartos, cosinha fora e quintal nura I ,
acha-se alugado.
Quarta-rfeira, 21 do correnle
ds 11 ioras cm poito
NOARMAZEM A RUA DOVIGARIO N. 12
0 agent Plstana compctentcmn.ute autorisdo
farA leilio por conta e risco de quern p rtecer, do
predio acima.
Ao correr o martollo
N. B.-Para qualquer informaq.o o agent darai
em seu armazem a rua do Vigario n. 12.

Lei.iao
Da casa terra n. 7 da rua de Mariz e Birros,
freguczia de S. Frei Pedro Gonqalves do Recife,
pertencente ao patrimonio da Irmandade de N. S.
da Concciqlo da Congrega* o desta-'cidade.
Sexta-reira, 25 de maio
A's it horas
Agente Pinto
Rua do Bom Jesus n. 43
Por mandado e em presenpa do Exm. Sr. Dr.
juiz da provedoria e residues.

LEILAO
No Rio Grande do Norte

Palacho Allemao Lili
Effectuar-:se-ha no dia 24 do correaite o
leilat do patacho allemao Lili, tal orqual
corn so acha fundeado no porto do Natal.


Leilao
Do engeuho BURITY, site na freguezia
d'Agua-Preta da comarca de Palmares,
corn casma de vivenda e de lavradores, to-
dos os sina pertences, moente e corrento
Sextafeira, 23 do corrente
A's 1 IIhera
Na rua do Bomn Jesus n. 43
0 agent Pinto levara novameute A leilkhn, m-
vindo de base a maior offerta ulimameate obtida,
A requerimento dos admiudatradores da masw fl-
lids Ae Jose Tavares Pinbeiro, e por mandado do
IIm. Sr. Dr. juin especial do commercial, e enge-
uho BUBRTY, pertencente a amma massa; As 11
Irms do dia aeuma dito, em sen eserlptori%, ru ns
do Bum Jesus n. 43.



Au"m segnnd andar da r i do Ba.
aVitm, n. 14; a tratar a& d io nmem
-..Q4ammbi r *alm oosd a


i b. sia
7=4 &mokxtbox


ecr-ase 7de ua

ama de leite, que seja

sadia, para amamentar
uma creanea de pouco

tempo, paga-se bem;
no escriptorio d'este
Diario se dira.
Preciaa-ise saber noticias onde se aeha e am
que lugar o Sr. Joao Marinho da Rocha Faldcila,
qire esteve no engenho d'Agua ; na rua dos Mar-
Lyrioz n. 148, 2' and'ir.
Precisa-se de ura ama para coainhar : na
rua de Gervasio Pires n. 30.
Quemn precisur de urma seuhora para ensi-
nar portuguez, doutrina, francez, music e piano,
a fazcr fires de nadeira, couro e burdado de ta-
pcaria. dirija-ae a rua do onde -'a Boa-Vista,
uutr'ora Caminho-Novo n. 128. Na mesma easa
ic precisa de urma seuhora quo tenha aguma
educaqao e d fiador dc sua conlucta.
Aluga. s a casa n. 8 do largo da Soledade,
tern commodes para grande familiar : a tratar na
runa Direita n.-32.
Arrenda-se o engcnho Paraus:i, sit o na frc-
guezia da Escnda, moente c corrente i vapor,
beni obrado, coin propoiy;es para '2,000 paes an-
uuaes, e distaste uma Icgoa quer da estaVao de
Riber-i"o, qnu-r da estaqAo de AripibA ; a tratar
no engenlio Bom Destino, cm Gamnelleira, corn o
capitLo Domingos Theodoro Regueira, ou no en-
-enhu S. Pedro corn o capit.o Eroesto Gojinalvea
Pereira Lima.
Pre'is,-Sc dk,' um inciiino de 10 A 12 annoe
para anlar vendlemoi : na rua Velha n. 43.
i rvciha-s :allar corn o propritario dos fdros
do sobrado 'la run Duque do Caxias n. 46 a
tratar no mesmo.
Bijouterhas de phantasIa
Alfinetes de gravatas cm 40 mniodelos, correntes
de relogio e botues para liomens, pulseiras, alfi-
netee, volta3 e porta-lequcs para senhoras e meni-
nas, models bonitos, a Imiftaqo de ouro; amos-
tras na vitrina da loja A rua Nova n. 16.
- ATuga-se os andares superiores do predio n.
51, sito A rua do Imperador : a tratar no pavimen-
to terreo do predio n. 10, A praca do Comnmercio.
Precisa-se de uma nt: .Zc cosinhe e cn.oin-
me corn pcrfei.a',, par.a et.a I le k.mem Eolteirj:
ua ru; da Uniiio n. -1.
OlTrece :e uma (ostur(ira pa'-a cortar e co-
svr em caa ide fam.iulia ; na runa de Hortas n. 12,
primeiro andar.
Pcde-se ao Sr. Antmio Lopes Rodrigue.,
que vncha dar cumrimncnto A sua pilavra fixat (
para o fia de abril, na rua Njva n. 26, primeiro
andar.
Vende-se urna armi..ao sit t ao Caminho
Novo n. 139, propria pira principiantc, garante-
se a have ao comprador : a tratar na mesa rua
nnmcro 113.

9.'


*
D. Anna Joaquina Pessoa de
Albuquerque
Laurino tie Muracs Pinlhciro, tenlo de mandur
relcbrar :ilgnimas n-isas pela ana da finada D.
Auna Joaquina Pe'.ma de Albuquerque, presa-
,lissimna espo;a do seu amiigo Seraphim Velho Ca-
rn'?llo Pcssoa de Alb-qucr'i'e, convida aosparen-
tes e amigos deste, e aos .-us, par.n fazer-lbe a
caridoso obeequio dc .isis.til-as, qu.irta-feira 21
do corrente, setlm3 di:i do seu passamento, na
izreja ,ia Pciiha, *is 7 liors ia mauhl ; pelo quo
,i.sdd j"A se e,:i .fusii 'ig'a I ei'lo.


Joao Eera-icn'a Raisas.
1 aunivei sario
Maria de Jesus Lcmon Ramos, Joaquimn Ferrei-
ra Riamoc, Joaquim Ramos Ferreira, Ca.taao
Ferrcira Ramos, Manoel Ramon Fsrreira. Joj6 do
Faria Machado, Canlida Rrinos Machado, Ma-
noel Jose Maia, Aguida R imoS Main,, Joimiii
Ferreira Ramos Sobrin!io, Anna de Jesus Ramos
e Maria de Jesus Rniros, convidam a tods o-i
seus parontes e amigos i assiftirem as missas que
por almna de sen fillc& to mnaridol, irmao, pai e
s)gro, Jolo Ferreira R'un,'s, mandam celebrar na
matriz de Santo Ant onio no dia 23 do corrente, -as
7 112 horas da mauliA, primiuiro anniversario de
seu passamento.
Francisru Martionm -de A.ntorim
Os parents do fiaido Francisco Martins do
Amrnorim inandarnm reta. lh.- n iarcja do Es;)irito
Santo ura missa pilo de c )nso .eternio de s a
alma; a este acto de exp ,ut.nat; caridade couvi-
dam os sens anugos para qwarta-feira 21, Ais 8
ho,)ra d mauha.


Precisa-se de uma casa pars regular familiar,
corn agua, esgoto, etc., situada perto dus linhas
de bonds da Magdalena ou de Fernandes Vicira,
e alem das ruas d'A Soledale e Visconde de Goy-
anna ; na rua d) Bam Jesus u. 61
Boa occasihlo para comprar
Vende-se uma cocheiri nova, um boi de carrov-a,
vaccas crias, exietentes na mesma cocheira, sits
ao Chora-menino. Veude-se por seu dono achar-
se doente e querer ae retirar para Europa ; a tra-
tar iA mesmo.
Piano
Vende-se um bom e novo piano do fabricated
Henri Hers : para o ver em casa do Sr. Victor
Prealle, A rua do Imperador, e tnrtar no Caminho.
Novo n. 91. ________ ____
Vende-se ou permu-
ta-se
a casa terrea da rna d S. Jorge an. 21, tendo os
commodos seguintes : 2 salas, 3 quartos, cosinha
f6ra, quintal murado, portio para o nascente. Pero
muta-se comrn outra, :.ndo no bairro da Boa-Vista
on Santo Antonio, tendo os menmm conmmodoff'
quem tiver e quizer p6de dirigir-se it rua Nova
n. 26, lo1 sandar, que achara comrn quem tratar.
Ama
Precisa-so de urnma ama de leito : a tratar s
irua do Baro da Victoria n. 41.


ILeite de aveloz
Para eura de canecres de etod a
empeo e
-. do ptlm. junsCoa dn..'
,In 9t d J~ ...... :k w


I









"2-.

~ ^


^ E esperado da Europa uo dia
24 do corrente, seguindo de.
pois dademora necessaria para
Bahlia, Rio de Jaaelro, Monte-
video e Duenos-yAres
Kedueie nos preeos para o Rio
de Janmeiro
1. classes 90000 e 3. chase 27#000
0 VAPOR
Guadiana
Commandant Dickinson
^ E' esperado daEuropa no dia
20 do corrente, seguindo de-
pois da demora necessaria
paras
Maeelb', Bahia, Rio de Janeiro
e Santoes


(


m; I o


I


w fwiqucte Pcreir do a
uP T. -AvLS7v&


































I'. *'
V *'*'*
* ....
~ '&7;:tK *


,. '" ;. :?*. '. "



I'jU
"

*' h. "


'.3 "- Is
*.*f J. --


i t! r"i '
-4.-. t P.? '*-** *


JP~raa 8aAA~e Aen



*a m2 qartos n. an, a sort de 100,000
2 quwts" U. -7l, e ietaas ertss do
0%. a virem reoeber

39m bwwteiu -NMI.^^^o

&nhova dar Baf'!? e&ao, qw
a estndhirA"ext<^^ dodo. -

E1steo inteiko 4W
Xeio 2#000
Quarto 11000
mm eri e flflfl para


iBalt inteiro.
Meio
Qa 'rto
Antozie ^Ifif d08


30500
M50
45t875
Santos Porto.


S 0 .s...i e a vdfi
. -" ^t~v~
/ ,. QLAM ,MA. I,,,
Bogs-.e so Sr. Jo "Genu.lves dos Santos Ju-
mr quoe venha restituir.43Io IMhe renio
pme o sehor n. cemimu um ia labke-
Sque o eenhor nbumdo dos
mjap e 0 sea


i ^^
. .,Jsj






.? ,,
1944
cam$


dil0l


. .. ".3


.-F .1


U ., ':,u


*"- C '


n' ..
... ,,


-f.
_ '2


.3.,


Rh-omatisi,

Mov THOWAMB~ftl#*E&wua


iB~U~a w a mcmffo

b.$ Carvatho &m s C.



fc da S. Carvalho &. C


LENA'


Corn rg"da
Os senhores abaixo mencionados sao chamados
& ra "Duque de Cxiaas-n: 85, loja de fzendae, A
roecberem cartas a seem entregues em mle pro-
pria.
Jolo Presclliano dos Santos.
tdolpha Cunha.
Belarmino C. Rabeilo (engenho Palha, Goy-
Alfredo Augusto Vieira.
Arthur Braga.
Sebastiao "Campello (lavrador do engenhe La-
raLssaii).
Joaquim Francisco Bamos da Crus.
Didio Cruz.
Joo Souza Ribeiro.
Joao Carlos Cavalcante.
Dr. Jefferson Mirabeaux Azevedo Soares.
P6de-se
Ao Sr. Francisco da Cuaha Moaeinra o favor de
vir a rua do Socego n. 0p O negocio de seu into-
rem&e


No Chacon. taverna do Hypolito, vende-se am
cylindro inglez tedo oe fwo, em porfito esado,
urnma masseira corn undo novo e tamp, de amas-
rello,. e tendedeira ; todq e qualquer negoeio se
fas, vist que ao precisa.


, .



I:|


-'Si


umm" be -- =i
W H,,Bmet r-a ia," B iES^S" ,,^ ^
PA I t46 "aCT *114 B'eT~ W~~fE 'l^ 'fl' '1.*r:-



.a aa s (Umkqmos1 ; *fl4. a^uarjot~r1^ -;?
ds .s. *a.2 I'* '7 "1""

Si .. "' rA i~t 'l^ S t ._ .y. -i^^ ^ S ^ :.:

0 -*. --,* ,* m, .,.- .* ^ ai. .. .^Tn^,.i
F,,lte bSirpnow,",
'Sim-----oats a..psa t
IL 6


mJIM

rbt, clastico-
i e mcrins




wit ]horas;
C prer-st
r' '- .-'

.NI^ nSC'


3, ;,
, {.-, ,


P L,
' mSfr


NUNaES
N BUS
&BCZ

a^ W' spms.dc


VICTORIA


Bea cosiheira
Precis&-se doeta 'si a de boa'conducta e
re mamorasimda, par-jarvir em casa de unma
a : a trat na rua Noa -n. 13.

reima-se de uma a : na rua de Santa The-
rea m. 27.

Rep-se so &e.ABtt I d& o MdeoMnezes &
SIqu4e00 me Ihe fez foi pwa
u-l ti ju, to s ,. e quasdo o soearm
Milho e0a6th 10 lo amo, teado eascieneia que
-' Ped-r. de-a.d deu
Wrse-- ]hfis~uksBe deoi. am& de leite o do urn
engiaattgdM- ;naxaMpgg wdeL. Pedro n.8&


0 phixon s"ado tend e vendido oan
gow 4w idms6 sdos quartos n.
2,990 corn a swito e 800000, donsguaw-
toe n. 2,692 com' a sorte do 2001(K,
dous quamtos a. 3,063 cion a sorted do
100 0, dmus meios n. '2,891 cmrn a orte
de 100#, e outras'sortes de. 32#, 16 8,
'da Ioaria (38.% qu se acabou do estr4*O,
eonrvid'aos po-tniVored A virem rei ber
na s frWldade do costume sem descent
Acham-s A venud os seas aferiunados
bilhetes garantidos da 2.a pakte das lotoria
a benefieio da igreja de Nossa Senhcra da
Boa-Viagem do Pasmado (39.'), que so ex-
trahirA na sexta-feira, 23 do corrente.:

.'IPECOS
Inteiro 4#"000
Meio 25000
Quarto 15000
Em quaaMMlIe malor de 1100
inteiro 3t500
Meio 16i750
Quarto 6875
Manodel Martins Fiusa.


G]ASA B OQ"URtO
Aos 41)00000
NBT 110 'Mia ARAMTH

Rua do Barle da Victoria 40
e causes do costume
0 abaixo assignado acab a e gender
em sens felizes bilhetes um quarto de n.
199 corn a sorto de 4:000M0, dous
quartos de n. 2,692 corn a sort de 200#,
dous quartos de n. 3,063 corn a sorte de
100#, um quarto den.-976 corn a sort de
1004000, e diversos premios de 32#000,
16000 a 8000W.
0 mesmo abaixo assignado convida aos
possidores a virem receber La conformi-
dade do costume, serm deconto algum.
Acham-se A venda os felizes bilhetes
garantidos da 9.' part das loterias a be-
neficio da igreja do Nossa Senhora da Boa-
Viamgea de PPa nuo (39.'), que se extrahi-
T na sexta-fe 23 do corrente.
plics o


Inteiro 4#0
Meio 24000
'Quarto 15000
Em pfrqle do 100#000 pM
elms
Intoiro e- 35o00
Me 1#750
Qtrto 875
J*o Joaquin da Costa Loe..


irrTIji


.2~
h~aeI '~


I't" ".3 ,

a ,-fl 3I*-do
R^im 11 ka (1e rc-0, **.
"l I .* --.iA1M
lrt& ^^_. *hi&"L^-"''w Z.. .,: ,


*a Vmt.-1
macfaA-


~?


.71*
44' 4fl
4.13


'~"~V1 ~



4*
A1


, .* .-: *; .s .!
ep 'avi. 9."


*.A


:3






*
"!

I


4'


S -'.
1-; :i


I-. ?'"


<


;,_.T..
..-. : ,
n


":T


I


I- -I


*^































Ss O mat a L fga da Be&ia-iat- '
-Vende-se' um b~om cavall~o ruadado gmae o
bom a cUdor : A tractar na rua, Code & Boao
VitstaU.31.
Vende-se a loja de calgados da rs .do ,A-
vramento u. 7: Atractar na mesa.

Vend.ese.
Um hotel corn todos os seus perteces e bemrn
afreguezado, sito A rua de Thom6 de Souza n. 5 :
o motive da venda 6 porque o dono se retire para
fdra da provincial.
Agurdente de canna
Vende-se a melhor aguardeonte de canna que ha
no mereado, em ancoras 'de dez canadas; garan-
te-se a superior qualidade na rua estreita do Ro-
sario n. 8.

Boa acquisiaio
Vende-se a urma*ao e bemfeitorias da easa si-
ta A rua larga do Rosario n. 32, que se presta pa-
ra qualquer negocio por se achar elegantemente
preparada e que se recommend por ser n'uma das
prindipaes ruas de Commercio. Garante-se a cha-
ve ao comprador : A tractar na travessa do Quei-
made n. 3.

ArmarAo envidrafada
Vende-se parte da existente na loja n. 48 A da
rua do Barao da Victoria, por barato prevo.

Vende-se
A metade do engenho Una, moendo correnie,
muito boas terras e grande mattas, perto da
nova estrada de Santo Antao ; garante-se a veu-
da de outra metade : a tratar no largo do Merea-
00oo u. 25.
Vendemse


franeeza e dragaria


hoje


A. Caors
RUA DA CRUZ (RECIFE) N. 22


Febres intermillenles
Chamadas vulgarmente SEZOES
Cura rapid e certa pela
AGUA ANTISEZONATICA
de Rouquayrol Irmlos.
Este poderoso preparado e reconhecido
amo ESPECIFICO contra esta molestia,


ASnS o rfoirsNtOhlls
Vende-se livros de procura9oes; na rua do
Barno da Victoria n. 7, livraria industrial.


i1,1 !1! !, W ,. *.r i' :l



ICOVSUVADO LaQUIDO SEM ALTEA-8
0 ALVELOZ, plants da familiar das euphor-
biaceas, que habitat e nos .s sertos 6 hojenreeo-
uhecido como um verdadeiro especifieo para des-
truir os epitheliomas o caneroides, facilitando a
IrenovagAo dos tecidos atacados, e trazendo afinal
umsa cra complete, sel outro tractamento que a
applieaao topic de sua seiva (vulgarmente lrite)
como eCaustico.
Sio numerosos os cases de curas, alguns dos
quaes jA levamos so eonhecimento do public, em
diversas publicag6es, pelo illustrado clinic desta
capital, o Sr. Dr. Alcibiades Velloso, e optimos re-
sultados tambem foram obtidos nas feridas e nas
ulcer.es chronias de character syphiliticas.
Reeebemos do interior da provincia, (do Brejo
da Madre de Deus) de pessoa de confianqa e en-
tendida, a seiva ou leite de alvelo; portanto, po-
demos garantir que 6' cclhida da verdudeira plan-
ta a que expomos A venda, conservada de mode a
nao sofifrer alterac'o, e corn a necessaria fluidez
pars facilitar a sua applicagso corn seguranga de
born resultado.
DEPOSIT GERAL


Pharmacia


e drogaria de Bar.


tholomen & C.
34, Rua larga do Rosario-Pernambuco
Sibylla Moderna

Nlovo Uvro de sortes para as noi.
tes de Santo Antonio, S, Joto
e S. Pedro
Contendo, alem de doze assumptos poeticos va-
riados, escolhida colIecqcio de espirituosas anecdo-
tu e epigrammas para os amantes do riso e da
galhofa, e juantamente um pequeno diccionario de
Sores, folhas e fructos, dedicado aos fieis subditos
de cupido A' VEDA
A1 VENDA
Na livraria franeeza, rua 10 de Marqo n. 9
Preco- 1OOO

SE-trfi-iaor gas MurMns
de Rouquayrol Irmaos
VENDE-SE
NA BOTICA FRANCEZA E DROGARIA
Rua da Cruz (Recife) n. 22
Enxofre superior
Vende-se barricas corn 4 arrobas liquidas A
8000 : no largo da Companhia Pernambucana
n. 12.


pamsin*


-Pam
us jrooe, co.-
de todis as
as cores
as vYtidos e
i.ra., 50o0a
pwa e osmas


5O
500
MG


: -: _:- K e-C o aW0e a 6M
Ifudo so im elb- Usde cores a 200, 820 e Ditos sea barra e muito encorpados, pro.
400lpriu par vestidos, ca Ma e roupas do
ai s i1 lsrgM),a 119200, e M ns, covadoa 860,400e.500
O0 -n& Chftax, grande sertimento do ehitas claras
ramte ta. de 1ua largura, alvo e mni- 6 eseuras, de cores fixas de 200, 240 at6' 400
to boa, a 50 w r a m I1 Maxipon, As miWs linda. maripoasim que
Ide 4e d u a 900 ro. o dito! temrvioo omercad" corn desenho miu-
Brim rtn* isa 1*II E' nova re- dinhos co o600
mO.Ms Baptistes coin delioado desenhos miudi-
Idem parda loma, o wna lg que tern ndo' i& h 0egwaude, aseam comeo lisas 200
a 0Mi co q eCambrana b ca. stapada.etransparentes
tt do algodaosinho corn pequeno defeito a -. 8 Jardas a pni 3000
SAM 20 arda Dita mitoe fian, tanto tapadas como
ew madapoli superior a 5000 24 jar- trafparente, te, do lOjardas eada peWa
daa4 I a4, 4,400,1*6#e at6 70W
Camins brancas francezas, colarinho deitado. a EsPatilbo muitonmodernos pars senhoras 5*000
36*000 a duzia! A' ellas. Ditof nmuito ben feitos para meninas 4*000
Ceroulas de bramante, stperiore, bordadas, a Chales grade sortimento de chales, tnto
16000 a dita I de l como de gorgorao e casemira, de
LenIoo de linho imbanhados, a 2A500 a dita 1 2, 3 a*"6 8*000
Meias inglezas corn boeal de e 6r a 3500 a De todas- etas fazendaa se dio amostras corn
dit s! penhor, na loja dos barateiros da Boa-Vista, es
Toalhas felpudas fibnas a 5*000 e 6*000 a dita! quina do becco dos Ferreiros.
Riesw coranados bordados para eamas e janel- Casemiras de cores
las, a 6A500 o par! Ciselila de oores
Punhos de linho superiores, a 11000 o dito !
Cobertas de gangs para cama de casal, a 3,000 De 0:OOO ate 0:000 rs,
ma, l a lVor mloth
Lenses de bramante, idem, idem, a 2*000 i 1 o tI
Lindissimas colxas de crochets para noivas, a Alheiro & Silva rua diaImperatriz n. 40, tern
8o O0 iE M a immense sortimento de casemira de cores,
Idem de fustao brancas pars 4*000. ba-' anto claras come eseuras, que vendem a 2*000,
rat istedeo!re fixase finasa 3 rs.o me- 2500, atW 6* o eovado, e das mesmas mandam
artistes d cres fs e finas a 300 rs. me- fazer qualqucr peca d'6bra ou costumes, por pre-
t,t r0e on T o muito ratoaveis, assim come tern tambem um
Cretones superiors a 360 rs. o dito Temos explendido sortimento de casemiras e pannos pro-
claras e escuras. It at ao mais fine sed. que vem ao mercado, e
Setinetas francezas para acabar, a 500 rs. o memos tambem s encarrgam d andnr
dito. dos memos tambem. se encarregam de mandnr
dito. I fazer qualquer peca de roupa A vontale do fre-
Lindas capas brancas de pelucia muito grandes aguer ecorn tedsa peenfiro e preste: isto rs
s71000! Madera er ateseze secorne toda a perfeico e presteza : isto va
a 7*000! Mandem veo antes que se acabe. o1j dos barateiros da Boa-Vista, na esquina de
Chales de casemira grandes corn defeito a becco dos Ferreiros. -
Ricas saias bordada. a 3*000! SSo de 6*000.
Superiors sobre-tudos a 18,000, assim como Nova machine de cos-
temes grande deposit de ditos pars trabalhado- -
res de eampo a 41500 cad, urn, algoddes nacio- t
uaes brancos e listados, o que pedimos a attengo ur
dos Srs, fazendeiros enou nmada Aurora
A'S VENDAS EM PORCAO, DAMOS EstA em exposio w Arus do Bario da Victoria
DESCONTOS n. 30, loja de Antonio Pedro de Souza Soares &
1 C., a nova machila ; cose corn dous carreteis de
Carneiro U da Cunha l, poddo se de 500 jardas cad u, o


& &C.

59.,oa Duque de Caxias.. 9


forma os dous pespontos come se fosse de langa-
deira, 6 de grande vantage. No mesmo estabe-
lecimento tern censtantemente um grande sorti-
mento das melhores machines de costura de todos
os pnincipaes fabnicantes, e vendem em porcao e a
retalho semnre nor urecos muito razoaveis: na


Jardim das plants ruadoBar-aVictorian. 30.-
IN Run do Mondego n. oSO
au. 4Ao o a 3*, seu. oo a Brim pardo
Sapotiseiros e sapoteiros muito prandes e co- B i P
pads, dando fructo, a 40 e a 3,, segundo o ta-
e desccndo at6 1, comrn scis palmos. Corn- Covado a 360 iI
prando-se mais de dez faz-se abatimento. Ha V AS
outras muitas plants tambem para prccos corn- Na loja da rua da Imperatriz n. 40, vende-se
modes. brim pardo liso, proprio para paletots, calcas e
roupas de crianga a 360 rs. o covado, isto per ter
ro ,a a um leve toque de mofo, que larga logo quo se
D ga a molhe ; 6 grande pechincha ; na loja dos bara-
Faria Sobrinho & C., droguistas per atacado, teiros da Boa-Vista, esquina do becco dos Fer-
i rua do Marquez de Olinda n. 41. reiros.


)a knift phantada, e '. 40-1
do, ea nio term
am urn eruzad);I


mUA: DA.I
Lej& ja


-41


Linlos a160?oiis
Os Barateiros da Boa-Vista vendem muito bo-
nitos linhos de uila s6 cor e de listrinhas para
vestidos, sendo a 160 reis o covado e de cores iixas
isto na rua da Imperatriz n. 40, esquina do beceo
dos Ferreiros.


AVISO
Adamson Howie & C. tern para vender:
Vinho do Porto fino, em caixas e barris.
Whiskey Donville verdadeiro.
Tinta de impressio, boa qualidade.
Brins de Marshall verdadviros, de todos es nume-
ros.
Remedios de Ayer.
3-RUA DO COMMERCIO-3


tor Preall e

CRAVOS E FLORESK

Na rua da UniLao

33, ha sempre para s

vender cravos e flores

Trastes
A' rua do Imperador n. 16 compra-se, vazs--s'
aluga-se e troca-se novos e usados.


AL/sTA. GE//AlL
D -DLE E D N A BN. B. 0 premio prescreverI
um anno depois da extracao.


DOS PREMIOS DA 90a PARTE DAS LOTERIAS CONCEDIDAS POR LEI PROVINCIAL N. 402, A BENEFICIO DA IGREJA DE N. SENHORA DO ROSARIO DE SANTO ANTONIO DO RECIFE, FXTR


38E


AHIDA EM 19 DE MAIO DE 18.


NS. PREMS. INS. PREMS.INS. PR


7
11
13
^ 16
~18
19
22
27
28
29
31
34
36
38
-39
50
55
57
60
62
66
71
76
90
: 91
100-
: 14
^- 14
,:(iS 1 11 5
18
23
29
37
1 50
l 54
P 60
i 64
It 66
73
75


wo,$




4k


233
36
37
40
43
45
47
48
50
52
60
61
63
69
72
76
77
81
84
96
97
99
308
13
21
27
33
40
47
48
51
56
57
63
71
78
79
81
82
83
87
.91


8$
4k


435
38
47
48
52
64
75
79
80
82
87
94
97
515
27
29
35
43
47
54
57
61
65
67
69
76
77
81
83
85
-602
9
16
18
21
35
37
89i
42
68
63

68
74
;79-


EMS. NS. I

10 736
4k 39
53
1# 75
4# 77
79
82
91
94
807
9
20
22
27
28
37
38
44
46
51
57
58
-- 60
64
70
407
79
-- 93
94
99
901
4
6
9
10
21
24


-. 31

S32

-.- 85
86
37
3.
.l ll ,(* l;44 ^


?REMS.INS. PRFMS.INS. PREMS.


p





4#




son"


*965
66
72
75
76
85
90
94
96
1005
6
22
31
35
40
46
52
53
58
60
67
71
78
80
83
87
96
98
1101
2
10
12
14
20
21
25
85

40
43
48
55
87T
88

99
9
1200-

*t16
/ ."r8
t : ;:,


4#

32$
146
1000
4#


1223
26
30
34
41
43
44
45
48
50
53
568
62
77
81
84
85
87
1307
9
12
13
14
18
23
29
43
48
50
54
66
73
90
91
96
97
1405

9

18
T U -

21
31
38

340
4 '
4"


4.


















46



33$
4k
m
m
m
8$,--
S.


NS. Pi

1491
1502
13
19
31
37
38
43
47
50
51
53
58
61
65
66
69
71
73
86
90
97
1600
6
11
19
22
27
33
S35
41
44
49
53
S56
S70
72
S74
S76
S77
i- 84
85
-87
948


REMS.


8$
4k


NS.


1754
55
58
62
64
72
74
77
81
82
85
90
93
94
1804
6
23
32
34
45
48
50
53
56
65
66
71
77
78
79
95
1903
4


(
5





22
2f
6




21
8
!


PREMS. NS. PI

4# 1971
.72
74
81
82
92
97
98
2000
1
2
4
6
-- 16
-- 19
-- 22
23
106 27
46 28
30
31
S 43
4# 50
53
57
-- 65
66
69
-- 70
S 73
S 77
78
= 79
-- 82
5 85
-- 86
S -- 89
9 90
S 93
a 97

D -- 2

r o
K 11 1-.1' 9


REMS. INS.


4#
8$
4#






46


2142
52
59
60
63
'66
78
84
87
91
95.
96
2200"
5
8
9
12
14
15
19
25
30
31
34
35
38
.40
50
54
59
62
64
65
75
85
86
92
97
2303
7
15

216
2a
2$G


PEMIRS. INS. R


70
76
81
92
2405
14
18
19
22
23
24
28
30
43
45
48
51
53
54
59
60
64
67
69
70
72
74
75
77
83
86
88
94


2
4
5
9
14"

-25
26
27
29

40
-41


4
s4


2562
65
66
81
89
93
2604
11
17
22
30
38
39
40
43
48
58
65
71
72
74
92
94
95
2701
8
9
10
14
15
17
27
29
31
39
41
S47
51
54
56'
S59
-60
.62
71
79
A.81
f-t!84


REMSS.


8$


sag


32$
46

8$
4k


2oo$
4#


84
44


! .-


PREMS.


NS. p

2829
39
43
54
62
70
72
78
89
91
96
99
2901
2
13
16
17
19
26
35
36
41
52
58
60
61
67
68
69
79
84
87
89
97
99
3001
3
. 4
16
S17
S20
S24
-34
S43
44
:46
48


400$
4k


16$
4k


804~
41~


NS. P

3071
72..
80
88
3101
11
15
23
25
29
33
36
37
44
46
48
51
53
54
58
59
62
67
69
70
.72
S73
S81
84
98
- 99
-3206
" 11
17
20
24
- 26
- 27
-29
- 35
- 40
- 45
- 52
- '3
-64
- 65
1 4.
76,


REMSS.


4k
8$
166
4,
16$
4-3
8$
4


t4o
Q
m"tN
iw:


NS. P
3306
7
8
11
12
13
19
26
27
30
32
41
48
51
52
53
55
60
61
64
67
68
69
74
S83
84
.86
87
88
95
97
98
- 99
-3400
S 2
S 6
_ 16
- 28
- 29
- 30
- 48
- 49
50
- 51
- 56
| 64
S71
75
- 78
-89


REMS.


NS. P

3506
10
13
17
32
35
40
45
49
51
61
67
69
71
72
76
82
83
88
91
95
S3601
S 4
6
S14
S20
S22
"37
- 39
- 45'
- 51
- 53
- 55
- 66
- 74
- 86
- 87
- 95
-3700
- 4
- 11
- 12
- 16
- 18
- 24
- 28
- 31
1 33


R


EMS. iN

4-


32 3



4k










4.k





















nw6



mm




Now,..''~ .


'LS. PREITh1.3


3760
62
65
67
71
77
81
86
92
97
3800
2
3
5
9
13
20
27
28
30
31
t-D
32
36
39
48
53
69
71
73
80
83
84
95
97
3912
31
32
33
34
35
40
45
.58
59
$0

62

70


1I


* Na botica


.4$,



4


es pehincha vende-se na loja doe barateirot da
vis,*A dm a Imperatr n. 40, esquina do
beeo dos Fereiro. B k. STVENDEM
_____________________________ 11 VENDEM
"Clas, de molesquaim, padrlo claros ees-
F u e di b n Jcuros muito bemn feitas e fazend9 que
0 na no desbota a 24500 e S
w Ditas de cazemiras de listrinhas e quL-
a I 'O &-: hr ateIa o drinhos, fazenda mmto boa e queue
da t, asta m~
Uj amU i!)ta Ditas de cazemira preta fazenda
dii i-Nv lav 4 boa, de 6f500 ate is
4@-R]a1 i| JJIn eraitrl .- 4 Paletots de cazemira muito boa, liza ede
VENDiR-SE itrninhas, a
Madapollo, peaa de madapolao frances Ditos da mesma fazenda forrados, a w
en&Utado corn 12 jardas a 30000 Ditos de cazemiras escuras, bastante en-
Ditomaito largo corn 20 varas a 4 4 00 e 5O00M corpadas, a
Dito, fazenda muito eneorpada quo pa- Ditos da mesma fazenda forrados e nui-
ree cretone, corn 20 varas a 5A500, tos bern feitos a S
6000 e 6A500 Ditos do cazemira assetinada a 5*S0M
Dito francez, americano, fazenda muito Ditos de flanella azul, sendo fazenda que
fns e encorpada de 7, at6 12,000 nao desbota a c
Algodlo enfestado corn 9 palmos de lar- Ditos de cazemira preta de eordk c
gura para fazer Aen9es de um s6 pan- diagonal, sendo muite bern feitos a
no, metro a 900 10%000 e 1w
Dito trancado corn a mesma largura, Serouias de greguela, sendo muito bemrn
proprio pars lenq6es e toalhas de feitas a 1;200 e WS
mesa, metro a 11200 Colletinhos para dentro, da mesma fazen-
Bramante de algodlo corn 10 palmnos de da, a 800 e 1.0"
largura, proprio para fazer lenc6es de Assim come um grande sortimento de czaai=
um s6 D metro a 10280 brancas para homens, tanto de linho come dea-
Dito no, sendo muito eceorpado, gum que se vendem por Iprcqo muito razoave-
esma largura, metro a 24000 Tudo isto 6 corn grand reducao em m
treguellas proprias para len6es, toa- ioja da esquina do buccu dos Fcrreirolo
lhas, eeroults, sendo fazenda muito "-
encorpada, cada peca corn 30 varas 5 Ffa t
por 14800 e a varaa 500 M a'inhaLactea
Dita corn corn 20 varas a 7A500 e a Nos primeiros mezes a alimentaoA iaa
vara a 400 ; natural e apropriada para alimentar a ea-
Atoalhado adamascado.para toalhas de n f ia i ena
mesa, tend 8 palmos de largura, me- 9a de peito e o proprio leite matein o
tro a 1,800 em caso de necessidado deve ser bwsti3ftw-
Isto na loja da esquina do becco dos Ferreiros. do pela
FARIINHA LACTEA DO DR.
Espartilhos FREICHS!
a 46 e &5OOO A sciencia e a pratica adoptaram a aa-
Na loja da rua da Imperatriz n. 40 vende-se nha Lactea como poderoso elemenA s a-
muitos bons espartilhos pata senhoras, a 5b000; trictivo para a infancia e distinctos ma-
e ditos para meninas a 4,000, assim como um bo. cos do Brasil e da Europa reeonhee9Ea
nito sortimento de fichfis a 35000, isto na loja da FEIC S a mehor
esquina do beeco dos Ferreiros. ser A do Dr. FRERICHS a mefhor z'eal
& f genero.
Merinos pretos eeo
M eri os pretos Deve-ze pois e'ritar confiar ofhnAoI
a 1200, 9i6400, 2X 000 e 2C 200 urma pessoa estranha e de comportaase
Os Barateiros da Boa-Vista, A rua da Imperatriz nao conhecido muitas vezes o germer
n. 40 tern num grande sortimento de merinds pretos numerosa molestias.
para vestidos que vendem de 11200 atW 24200, Vende-se a verdadeira farina L k,
sendo muito b6a fazenda, assim como ditos encor- do Dr. Frerichs:
pados para roupas de homes e meninos que ven-
dem muito barato na loja da esquina do becco dos i 55 RUA DO IMPERADOR 55
Ferrciros. I Estabelecimento de musicas e piano de -"


1


now
' m


1*M

*h*

























Sr- uas 4d e Noss. ;,&Wva
^^" .- Ii- stl^^*e^^om '20,892 <^itantes, Saito Ai-
'todi e ifr,6 44,en~ortda 2 ibt
opdropt ladwa rdo Ti ue oe 20,355, eo, ant!Anana do Vicon-
.:" ortner. tea e paro aa da Psa.rahya, ao sul e' a lestoi9m eia. Liaita o ao narte corn ma coinarca deTimbaaba,
corara d.oyanna e a oeste cor adoTimba sul comn a do Pod'Alho, a-lee tcomas d9 Iguarasso oe
A ckidie-Itanmb6, sWde da comarca, esta situada Goyanna, e a oeste .cori a do"Born Jairdim.
em terreno*^v'ado, no limits desta provincia corn a da A cidade do Nazareth, s6de da comarca, estA situa-
Parahyba, em frente a povoaqto de Pedras do Fogo, pas- da a margow direita do rio Tracunhiem, quo va langar-
sando ao centre a estrada geral queo limita esta -cown aquel- se no rio Goyanna pouco abaixo da cidado deste mesmo
la provincia. Cidade populosa, commercial e muito fio- nome; terreno elevado, pedregoso, desigual e secco; ruas
rescente; clima magnifico, terreno fertil, imiKDrtante feira mal tra9adas, de leito irregular, edificacgo mA em geral,
d gado; 45 engenhos de assu4ar, e muitas fazendas de ccmn o estabelecimento da via ferrea, por6m, tern melhora-
creagao de gado, principaes elementos de riqueza e corn- do muito, jA se notain inuitos predios elegantes e bemrn cons-
mercio da comarca; estapAo telegraphica. truidos, diversas propriedades se tern construido para at-
A cidado deo Itainmb, flea a 94 kilometros da capital, tender as exigencias do commerceo, que tern atttahido es-
a 27 da cidade do Goyanna, e pouco mais ou menos a trangeiros,. o continue despertando o espirito mercantil das
55 do litoral; b6a estrada de rodagemrn at6 a cidade, cami- outras localidadus; igreja matriz, espagosa e begin eonstrui-
nho de ferro'at6 Olinda, communicaS-o maritima e fluvial da, igrejas do Bom Jesus e de S. Sebastio, .ceniterio. ca-
at Coyanna. sa da camera, escolas publicas nocturnas e diurnas, be-
Rio Formoso bliotheca mantida por urma associaglo, typographia, perio-
Sdice semnan.l ( 0 Thermometro), agencia do correio, linha
Comarca geral do 2a entrancia, creada pelo conselho telegmphica etc.; estabelecimentos commerciaes d todo
geral da provincia em 20 de maio de 1833, -em observan- genero, alguns muito importantes, e outros recreativos,
cia do art. 3o do codigo do process criminal. Consta de soffrivelmente preparados, feira abundant e muito con-
dous terms, Rio Formoso e Serinhaem, e das freguezias corrida; agua soffrivel e difficil.
de Nossa Senhora da Conceiglo de S. Jose do Rio For- Freguezia de Tracunhaemin. Fica a 59 kilometros da
moso, corn 7064 habitantes, Nossa Senhora da Purifica- capital, e 10 de Nazareth; estA situada a margemn direita
91o do S. Gongalo de Una, corn 7,225, e de Nossa Senho- do rio do mesmo nome; igreja matriz, capella de Nossa
ra da Conceiglo de Serinhiem, corn 11620. Limita.-se ao Senhora do Rosario, cemiterio corn urma capella sob a in-
ncrte corn a comarca do Cabo, ao sul corn a de Barreiros, vocaglo de S. Sebastiao, oscolaspublicas nocturnas o diur-
pelo rio Una, a leste corn o Oceano, o o peste corn as co- nas; agencia do correio, estagao da liuha ferrea, linha
marcas da Escada e Palmares. telegraphica etc.
A cidade do Rio Formoso, sede da comarca, estA si- A cominarca de Nazareth e uma das mais ricas e flo,
tuada A margem direita do rio do mesmo nome, a pouca rescentes da provincia, bastante agricola e commercial-
distancia de sua f6z, no Oceanno. Boa edificacto, ruas muito populosa, e de urn future muito promettedor; conta
regulars, igreja matriz, cemiterio, escolas publicas, agen- 188 engenhos de assucar, e cultiva corn vantagem outros
cia do correio etc.; commercio animad.o, bons estabeleci- generous que chegam nao s6 para abistecer o mercado da
mentos, 42 engenhos do assucar, cultural de outros gene- localidade, come ainda para mandar aos mercados circum-
ros, grandes pedreiras. visinhos, e para o da capital.
Municipio e freguezia de Serinhaem. Tern por sedo Al6m da cidade de Nazareth, e das povoagoes das
a villa do mesmo nome, situada sobre urma colina a mar- duas freguezias de Tracunhaem e Vicencia, a comarca
gem direita do rio Serinhlem, a 10 kil)metros do sua f6z conta outros povoados importantes e prospers, centre el-
no Oceano. A villa apresenta ume perspective pitorcsca e les Alagoa Secca, Allian9a, Angelicas, Alagoa do Carro,
agradavel e tern o titulo de muito nobre e sempre leal villa Tenda, Pogo Comprido, e outros menor4mportants.
Formosa de Serinh&em, que Ihe conferiu o seu fundador A cidade de Nazareth, flea a 66 kilometros dft capi-
o 40 donatario do Pernambuco Duarte Coelho de Albu- tal, a 40 do Limoeiro, e a 30 de Timbauba; viagio facil
querque, em 1627. Populosa, commercial, b6a edifica- e commoda polo ramal da via ferrea do Limoef*o; bOa es-
ao, ruas bemrn tranadas, igreja matriz de Nossa Senhora trada de rodagem.
do Livramento, de Nossa Senhora do Rosario, e de S. Roque; Limoehro
igreja e convento de S. Francisco, pago da Camara Mu-
nicipal, casa de audiencia e cadeia, born edificio; cemite- Comarca geral de 2.a entrancia, creada em 1883
rio, escolas publicas nocturnas, e diurnas, agencia do cor- polo conselho do governor desta provincia, em observan-
reio etc. Clima ameno e agradavel, a temperature va- cia do art. 3* do Codigo do Processo Criminal. Consta
ria no verlo entro 24o Rheomur, maximo, e 20' mini- de um municipio, Limoeiro, e de uma s6 freguezia, Nos-
meo; e no inverno entire 21o maximo, e 150 minimo; sente- sa Senhora da Apresentacgo do Limoeiro, cem 15,604 ha-
se alguma humidade, na estaq.Eo calmosa reina o vanto bitantos. Liumita-se ao Norte corn as comarcas do Born
Aordeste, e no inverno o sul. Jardlm e Taquaretinga, ao sul corn as de Pao d'Alho,
A freguezia de Serinhiem, conta 69 engenhos de as- Bezerros e Caruari, a leste corn a d*Pao d'Alho, e o oes-
sucar, principal genero de commercio e industrial local; to corn as do Taquaretinha e Brejo.
mandioca, milho, feijao, arroz, fume, e. caf6, culture se- A cidade do Limoeiro sedo da comarca, estA situada
cundaria; abundancia de peixe, cocos, cajus e outros go- na cesmaria da antiga aldeia de indices fundada naqualla
neros; terreno fertil, cultural facil e abandante, excellen- localidade em fins do seculo XVII, A margem esquerda do
t3s madeiras de construcao e de tinturaria, vegetaes e rio Capibaribe, em urma bella planicie bordada de montes
plants medicines. polo lade do norto. E' mal edificada em geral, ainda que
Pertencenm a freguezia de Serinhaem, as ilhas de so note alguns predios elegantes o de consfruc-Ao moder-
Santo Aleixo e do Lamenha e as povoag5es de Santo Amra- na; agua diffieil e mA, principalrnente polo verlo ; peque-
ro, Barra, Gamella, Passagem do Guadalupe, PAo Bran- no commnercio, estabelecimento de fazendas, miudtzas,
co, BOa Vista, e Guaiamuin, mais ou mcno3 importantes. ferragens, molhados, padaria e pharmacies; officinas de
Freguezia do Una. A povoaqao estA situada A mar- caleado, alfaiate, marcineiro, funileiro,selleiro, esculptor do
gem esquerda do rio Una, nos limits da co;narcr de Bar images, etc.; eoigreja matriz, cemiterio, cadeia, escolas
reiros, a pouca distancia do sua f6z no ocean. Fica a publicas, bibliotheca do Clutb Litterario Linim9eircnse, agen-
89 ki]ometros da capital, e a 12 da eidade do Rio For cia do correio, estaiteo telographica etc.
mosO. (Contba.,)

XSSEM Lt EI GA PPD Axcedam ao terpo dos vereadores das respectivas provincias, +t+ o maxims
______________________do muneipio, nao se expedindo diplomas do numero de vereadores marcado para as
nos menos votads que ae terco excede- suas cidades capitaes.
Camera dos Depuitados Item; I Art. 2.0 Perde o lagar de vereador o
SESSAO DE 7 D MAIO b) tenham mais de tres annos de resi- I eeito quo n~io toemar posse no dia ds'g-
J'ROPOSTA DO GOVERNO SOBRE A REFOMA. dencia, sem interruppao no municipio ; nado; salvo quando, per motives constant
MUNICIPAL jc) ao tomar posse do cargo renunciem, tes da acta, dous terpos dos vereadoros
Art. 1.0 0 governor economic c policial per termed emn livro proprio da camara, a presents permittirem quo a posse tenha
dos municipios do Imperio e incumbido as toda a protecito ou intervenpao em seu 1ugar em outro dia.
Cameras Municipaes e as juntas munici- favor, do governor de seu paiz, em qual- Perdido o lugar, ja n'esta hypothese, ja
pages executives, de quo tracta esta lei. quer questaio que ao mesmo veieador in- na tle mudan.a de doraicioli, jA na deacei-
As camaras serao cleitas polo process tcresse em virtude do seu cargo ou de jtapao de emprego remunerado per qual-
declarado na legislapao geral em vigor ; as auto praticado no exercicio deste. quer mode, ja na de escusa, purae simples,
juntas excutivas pelas camaras municipaes, j 2.o O juramento do vereador, ao to- do cargo de vereador, aceita pela camara,
annualhente. mar posse, 6 facultativo e sera prestado de proceder-se-ha a nova elei~go para a subs-
i.o Podem ser vereadores da camara accorded corn a religiao de cada urn, send tituicao definitiva, cabendq aprovis6ria aos
municipal todos os cue podem ser eleito- substituid), quando recuse prestal-o, per supplentes da oleipito geral.


res, tenido propriedade imminovel no muni- promcssa assignada em livro proprio de j 1.0 Depois da posse, o vereador que
cipio, desembarapada de onus reaes, de bemrn servir o emprego. Para todos os cffei- faltar as sessoes sem motive justificado a
valor locative annual superior a 200,|ava- tos civis, criminaes e administrativos, esta juizo da camera, pagarA de multa, cada
liada no anne anterior, jA em posse do promessa substitute o juramento e 6 devi- vez que faltar, nas capitaes 406, nas cida-
proprietario actual, per empregado ou re- da em todos os cases em que este so exige. des 206, nas villas 104 que serio applica-
partigao fiscal competent para langamen- 3. As cameras municipals, em geral, des As obras do municipio. 0 secretario
to de impostos. terao o numero do vereadores que a lei communicarA logo ao procurador, que car-
Podemin os estrangciros sor vereadores, eleitoral assignar-lhos ; mas as assembl6as regard em receita a importancia de takes
contanto quoe : provinciaes podem eleval-o, nas cidades multas, promovendo sua cobranga na for-
.... i contend a respiravto. e to im-oeli per si ao c6o ; mas... Deus conhece per-


FOLHETIE


como uma estatua, cscutou.
Estava a senhora do Ravenstein sentada
A cabeceira do moribundo, e Perez, de p6,
Sr tambem junto Aquelle, e cada uma das
LE milos do primeiro estava entire as da sua
primeira esposa e do seu fiel amigo.
Diga, Perez,-perguntou Foutac,-i-
ptderia prefer que eu, seu discipulo, Ihe
chegasse a commover o coraglo?
Cada hera que passarecebe o home
liHes de naior experiencia; e, n'este moe-
monto, o meu mestre 6 o settlor.
Ora nks Is! Lembre-se, mou amigo,
da sua proverbial indifferenga, e do sen fa-
S buloso valor. So amanhai #- migir a ml-
nha more, depressa a esqueberA. '
--Nunca I
A minbah historic 6 al a do barb
de Cartenes. N11o me chirem, poia, qaq-
rideos amigos, ehojo que oa inha alma e4
deo regosijo e msta. Me filho io Os
Sses bellos olhos & luz ; o f um milagr
Scoin quo DMs quiz annuneiar-m0e o
tiNdio. Vi o men outro filho, quo de:
agit~a f la gloria+t e orgulho de sua ml, 6
tel,- aio dede queovi formnou o meu; cui
ta palS- tre] os dols' formosos entes que amio d
ido rae a minha mocidade, e generosas t5
j _: -d4r= ftorro orn a. eon&m
S etod a minhafamihia
i sUt quo.,o;q inis


feitamente o fund dos corag5es.
Ah !... a minha pobre filha... a
minha pobre Helena!... Como refrescaria
o meu abrasado sangue uu beijo d'essa an-
gelical c eatura.
Helena estremeceu, e sentiq quo seo Ihe
dobravam os joelhos; copiosaslagrimas Ihe
sulearm-am as faces o desceram at6 aos la-
bios. Mordeq violentamente um 'dos yes-
tides que a occultavam, para abafar um
gito, prestos a escapar-lhe da garganta ;
e, dilatado, o seu coral0o palpitou comrn to
insupportavel violencia, como nos torriveis
sonhos chamados ,peaadellos, duranto os
qaaes, se nao despertassemos, nos suffoca-
riamos.
.. E' essa menina, meu amigo ?.-. per-
futou, em carinhoso torn, a baroneza.
Lembr -me de a t visto ainda muito no-
va, mas tio formosa com o hoje, ao ladodo
1046 e iua av&
6OlrI EstAaqtptioui
nl ao 1n.asaa fye forBsiwa f-lij


PECCAOS VENIA


POR


K dhGorefocolrt


TERCEIRA PART]


(Contimuaco do n. 143)

VxI-


mjhunto com tremula iMo,
P4 : natural eo3 mom o, pIoenravi
tr o quo btwicava, on at
*r vrna poaunciadas no qro


X5 ~ ~ &ecg ^|^^^.s i n'..-eompta~tivel^
ai1 a|| 'io hivromente e po-
jaWt~rqaaaqr outras causas da

Enteaiide-se'qu renunciam o cargo
de vereador os que deixarem deoeomparecer,
sem causa justificada pela camera a qua-
tro reuniios em um mez, ou per mais de
quatro vezos, propositalmonte, para impo-
dir qne a camar funecione; e ajuizo d'ella
incorrerem, al6m da parda do lugar, na
multa do 100# a 300# arbitrada pela ca
mara, e sera cobrada exeuctivamonte, em
qualquer dos casos d'este paragraph.
3- As cameras municipaes admninis-
trarao dnrante 4 anno3, a contar da sua
posse; mas servirito extraordinarihmento
todas as vezes quo nao puder funcoionar
a camera seguinte, e timbom iemquanto
esta nao tomar posse.
S 4.- A camera podo ser suspense para
ser submiettida a process de respohsabili-
dade quando, per votaglo, ou per nuto
comiparecimento para former sessao, impo-
dir ou recusar a execu92o de uina lei oua
de uma ordem legal da administragno go-
ral ou provincial.
a) 0 president da provincia 6 compo-
tente para ordenar aquella suspensgo e de-
terminar que a camara transaeta reassu-
ma o exercicio.
b) A "suspenslo reeahira sobre toda a
camera, sempre queo n'o for evident quo
ha vereadores estranhos ou contraries A
causa da mesma suspension, competindo,
em regra, ao poder que j ulgar o process
de responsabilidade isentar de pronuncia
os que se acharem em takes condigoos.
c) Podem ser suspensos vereadores in-
dividualmente, quando o requerer a maio-
ria dos vereadores, que devem compor a
camera complete de cada nunicipio ; or-
denando o pr idento, assim quo os sus-
pender,.queotclarem so renunciam o car-
gogpara proceder-se a nova eleipgo, a que
poderlo concorrer, ou se preferem ser
julgados pela assembl6a provincial, que po-
de pronunciar sua excluslo da camera e
at6 sua inhabilipade para fazeremn part
d'ella durante tries quatrLennios.
Art. 3. As cameras municpaes, seus
presidents, e as juntas municipals, ternm o
dever de levar a effeito ao municipio e na
parochial todos os actos de administracao
gerl de quo forem encarregados pelas leis
e regulaentos do governor, e sAio obriga-
dos a prestar as informacoes e gsclareci-
mentos qu3 palas autoridades superiors
lhes form pedidlos a bam do service pu-
blico.
a). No exercicio das attribuil5cs de na-
tureza. municipal, salvos os recursas e ex-
cep93es expressas, procedem indep3ndente-
monte da administaa9Ro geral,
b) No exercicio das attribuiV3s delega-
das sio subordinadas ao president da pro-
vincia, e tern de cumprir as ordens legaes
que receberem, s)b pena de responeabili-
dade.
S1.o Os cidados quo so sentiremn ag
gravados em seus direites per qualquer ac-
to administrative da Camara, do sea pre-
sidente ou das juntas no exercicio das at-
tribuicoes municipals on parochiaes, pode-'
rio recorrer para o presidentejda provincia
no prazo de 20 dias contados da publica-
9ao do mesmo actor, ou de suna notifica9aio
quando so referir a individuo doterminado.
0 rocurso sera interposto perante o so-
cretario da Camara, que o tomarA per ter-
me, independentemonte do despacho, do-
vendo as allegacee da part ser apresen-
tadas dentro dos cinco dias immediatos, e
tended igual prazo para dizer o presidents
da Camara e a junta executive; depois
do que fara o mesmo secretario remessa
de tudo ao president da provincia.
A demora da junta e do secretario na
remessa dos papeis sera punida corn as
penas do art. 154 do codigo criminal alem
de outras em que possam ter incorrido.


5 2.o 0 president da Camara, quando
entendpr que alguma -delibera9go desta 6
exorbitant do suas attribuigoes, offensive
da present lei, de suas posturas ou do or-
9amento municipal, consultara o presiden-
te da provincia, o qual, se j ulgar do mes-
mo mode, ordenarA quoe nao so execute,
cabendo A Camara iecurso provisorio para
o Governor e definitiVo para o Asaembl6a Le-
gislativa Providencial em sna prirneira
reunilo.
Art. 4.1 As Camaras Municipaes exer-
cem suas func9oes per iniciativa propria,
jA quando propoem as. Assembl6as Provin-
familia que o santo home, cuja virtude
formou o seu coraglo e cuja piedade Ihe
abrio o caminho do c6e. Talvez n'este me-
mento rogue ferventemnente per si, mas
set saber que vai esgotar-se a corrente ou
o nascimento do seu sangue corn a sua
more, emquanto que eu...
0 senhor...
Sim ; eu...
A baroneza e Fontac levantaramos olhos
para Perez corn tanto aceio. come impa.
ciencia.
Perez continuou dizendo:
Hontem o senhor desejava saber prt
que uni a minha sort tSo inseparavelmon-
te a sua, porque me dediquei a servil-o, a
protege faer corn que o tro Ihe i.
ztse as Ss4 dgraasopassado ?
Perez d=tov-se um, m mento, deixando
ppar.c r no semblante um suave e me-
lancolice sorriso.


* -Nile
i~otiyo 0 1


rehende, prossguio,
si oeaont
igo um rnpacto f
it ieus' subs


cmal.
+c ta R ll .+ 'i'y :i^ .. + + .. ... l~ll ll~ .. l l:l: :11... ', ;?" 11" + ; + 1;-
1.' As cameras manicipaes sao swji-
tas ai legisla4to da reapotiva provincial
segaundo a qualI deiborario sobro os se
guirtes assutnptos:
1. Orgmiento de receitx e despezaL mu-
nicipal, comprehendendo a organisacgo ou
declaraego de process e tribunal nileo s6
para as suas causes do imposts e penali-
dade contra os exactores criminosos; come
tamnbon para verifiea9ilo do contact # erm
prego indevido da receita arracadada.
2. Einprestimos.
_3. Venda, troca, remnissi.to do foro dos
immoveis do patrimonio municipal, e su
broga$!lo per outros corn igoil destine, e
dos b3ns de use commum dos municipaes
os quakes continuum a ser imprescriptiveis
o s6 alienaveis pela f6rmna aqui declarada.
S4. Reminissao, descoanto c canessito de
moratoria da divida ith-tiva miaicip.l e
transactIo sobre pleit)s.
5. Aocordos celebr.L.l3 eitra as ctmi-
ras no interesse corn ni n, se ellas nao ti-
verom por seus orAmentos3 c postnras res
pactivas moios de os faz.r exicutar.
6." Locaelo e arrendaineito de bins
proprios e deo administr.iAto das camar-iras,
pcr pras maioier do quitr) aan)s.
7. Creagno, vencimnentos, extincqgo e
aposontacao de cmpregos das cameras,
nao podendo dispenm;ar o d. seeretario corn
as attribuidoes que Iho dA esta lei, sem
prejuizo do quaesquer outras qua a legis-
la9io provincial lhe queira dar.
8. Desapropriaglo |por neceessidade ou
utilidade municipal.
9. DsclaraqIto e penalidado dos crimes
contra apolicia e oconomia do municipio
nio especificados no codigo criminal. (Art.
303.)
10. Concesslo de quaesquer privilegios
sobre illuaminaglio, viagao, limpeza, salu-
bridade e embellezamento dos municipios
per prazo maior de quatro annos.
2." Come especiaes objects do poli-
cia e economic municipal, centre os que
pertencem As cameras, providenciarao el-
las, per suas posturas, sobra 03o seguin-
tes :
1. Medidas concementes A salubridade,
assoio e aformoseamento das povoagos,
incluindo nas primeiras a obrigatoriedade
da vaccina9b e revaccina9lo contra a
variola o menios prophylaticos contra quacs
quer epid(iOias;
2. Condi'3s de architectural exterior
das casas de habitae.o, e de quaesquer
outros edificios particulars ou publicos,
inclusive igrejas e casas destinadas a exer-
cicios religiosos de qualquer seita;
3. Alinhamento, nivelarmeu'o e calamen-
to das praas, .ruas, caes e estradas, po-
dendo impor obrigagoes possoaes a mora-
radores o transeuntes ;
4. Commodidade, franqueza e seguran-
ga de viag'o public, podendo garantil-as
per si e seus empregados, e mandar de-
inolir o quo contrariar as suas determina-
les; -
5. Abastecimento e distribuigAo de agua
potavel nas cidades, villas e sedes das pa-
rozhias; asseio e salubridade dos aque-
ductos, fontes, pogos, chafarizes, tanques
e depositos d'agua;
6. Illuinina9^o public das cidades ou
villas, onde esto-serviqo n'ao fur feit a
custa do cofre provincial;
7. Boa ordem o counmodidade das fei-
ras, mereados e earpectaculos publicos, que
as Camaras manterito per meio de regula-
mentos adequados, desenvolvendo as re-
gras estabelecidas nas posturas ;
8. Providen'iia para quo quo n'o sejam
defraudados os consureidores, vendendo-
se-lhe nas casas de negogio as mercaiorias
per medfdas e pesos falsos, e para qua nito
sejam expostos A ven(ia generos de alimen-
tac~o corrompidos ou nocivos a sauie.
Nos cases de reuncidencias, ahem do do-
bro das multas e 5onuas do prisao que,
porventura imponham as posturas, podera
a Camnara ordenar o fech:unento da casa


de negocio, e proferir a inhabilita"ao do
infractor para abrir outriL no mrnicipio ;
9. Promover, por meios indirectos, o
supprinmcnto do -mercado dos artigos de
alimentagao public, de mode que seja es-
ta sa e abundaute, mantenha-se a concur-
rencia e se evite o monopolio :
10. Prover sobre os lugares em que
pouse o gado destinado ao c6rte, e sobre
o estabelecimento de matadouros per con-
ta propria ou dd particulares, corn licenga
da Camara, sob sua immediate inspecgao
e fiscalisaglo :
S6 nos mataidouros estabelecimentos pe-
agora, por favor, pois cvIpr--en-do que
me rest pouco tempo para o escutar.
JA sabe quo sou fatalista, disse Pe-
rez, depois de uma breve pausa; aceito os
facts consummiados corn exemplar resig-
naco, oe faaeme escravo, ou, para melhor
dizer, na minha estreita esphera, sou um
doci obreiro do grand mestre, a quem
chamamos o acaso.
Desde a sua origem, as nossas duas faa
milias foram destihadas a approximarem-
se : a sua deviaprosperar, estonder a gran-
de distancia os seus ramos e a sua sorn-
bra; a minha devia vegetar debaixo d'es-
sa sombra e prover o vigoroso tronco da
pouica seiva de que.a natureza a tinha do-
tado.
N'uma palavra, a sua familiar foi desti-
nada pars quoe de pals a filhos fossem se-
nhores da minha, na qual do pais a filhos
taumbemleviam ser criados da sua.
O1Fl. Pere i ..; murmurou ovis-
6ohde. ...
S.-u ev noe aet criados, ee.-.4 -cria-
dioe IrN"g di fo Or-90lho. Roconhe-.
4 ewdasulra'i 'e, obe-.
-, aitW agoraaindamewos comprehendo
o q e berIead palavra ue 'pro.

Or"_ ~ doIT8'a 1748,~


fir v~iserbre a isde puMica.
.'vem as came"'aa, ormeio do
dencias adequadas,, eMbarxaqia. o
samento dos gados os8 articioses .tei
tes a evitar a concurretoia ios me
11. Systma de eagoto d ,, ate
nocivas a saudo, agaas ses'iiaas e da cii- "
12. Conservago das i mattas e" arvoro-
dog, sobretudo nas immed ia;5es das, ix-a-
centos das aguas do uso dd povoa|i|s;
13. Rogularisar a caga e akpesca nas
inattas e agasntarieiores de ddlwinio pu-
blico, ficando autorisadla a orisao emn tC---
grants dos quaforem encoatrados e.n actor
de transgressor da prohibigao de colher
poixo e animnies silvestree em 6,)oea nalo
apropriada;
. 14. R gular o mn'lo do emnbarqueo o
desembarquo das p3s.3oas e das bagigeus
o generous nos e inunicioios situaidos a be'ra
d'agua, s-lvo o disp33t9 no3 rmg'lameatos
los.portos o alfhandogs
15. Estabalecer rcgras e condlioas para
,.t'jn33Sfi Is delicenca, part abrtara do casis
de negocio, boticas, hospedarias, casas de
confoi9ito do bobidas e comestivcis, arma-
zcn3 e depopsitos do lenha. e outros com-
bustiveis, e para quintada e commniercio
ambulanto de mercadorias de qualquer
natureza ;
16. Estabeleccr regras sobro caremo-
nias publicas e domonstraUes religiosas e
civis, nas runs e pracas dos povoados, bemrn
como sobre o use do orchestras e quaes-
quer instramentos pelas runs e toques de
sino nas igrejas; -
17. Estabelecimentos de banhos e la-
vanderias publicas per sua conta, quando
nilao convonha contratar corn emprezas ia-
dividuaes ou collectivas;
18. Estabolecer regras e condigoes para
os enterramentos e cremaato de cadave-
res, podendo ordenar a ultima i3inpre que
nao houver disposicio em contrario do fi-
nado.
19. Designer local para os cemiterios.
20. Designer, dentro dos muros ou re-
cinto dos cemiterios, terrenos ou area
convenientemente separados para sepultu-
ras religiosas, segundo a religion catholica
apostolica roman e as diversas seitas aca-
tholicas, permittindo que cm cada uma das
seecoes ou areas sejAo celebradas as core-
monias funerarias ou solemnidades para a
qual 6 destinadas ;
3.0 As camnaras resolve e fazem exe-
cutar, soem approvago ou dependenciv. de
alguma outra autoridade, inmedidas sobre:
1. Rfivindicagao e mode de administra-
cIo e dos proprios municipaes e bens do
use comniumn dos minunicipes.
2. Acquisi9?Ebldos bens necessaries ao
desempenho do servigo municipal.
3. As regras e mode de administration
dos estabelecimentos publicos% de interesse
local, inantidos pelo cofre municipal.
4. As obras mais necessarias ao muni-
cipio, quer novas, quer de reparable e
conservaeito das existentes.
5. Reparos on demoli9go dos edificios
que amoagarem rnuina, sites no alinhanmen-
to das runas, pi a;as, estradas e cases, man-
dande os fazer per centa dos proprietaries,
quando, depois de victoria, realisacla pelo
mo-o quo a camara determinar em postu-
ras, e intimaito dos mesmos proprietaries,
que sera per edital no case de ausencia,
nao o fizerem estes no prazo que lhes for
marcado.
6. Applica9io de suns rendas ass varies
ramos de service municipal contemplados
no respective ornaments.
7. Construcpito, conservapto e repara-
9ao das estradas municipals, adoptando o
sistema de traccito conveniente e determi-
nands o sen piano, direcieo, extonsio,
largura) leito e modo do sopara-las dos
terrenos latorues; e das fontes, pontes o
aquednctos.
8. Limpeza, asseio e salubridade dos Il-
games e estabeleeiinentos publicos e predios
particulars; desjigaando os lugares de de-


posito de lixo oeiterias semelhantes.
9. Espectacnts publicos e lugares do
recreio par-a populagAo, nito offensives da
religiao, da moral e bonds costumes. (Parte
IV Cap. 1'. do Cod. Criin.)
10. Illuminacito e denominaglao das pra-
9as, ruas, casas, estradas e numeragAo dos
prodios.
11. Indicagao dos lugares em que po-
dem ser sitiados, sem risco da saude e se-
guranga dos municipes, os estabelecimen-
toe e officinas incomrmodas, insalubres o,
perigosas.

(Contiiua).
disso, nada dovevo dizer que nao se possa ott-
vir per todos.
Celebro nao lhe ser desconhecido o no-
me do cavalheiro de BelestA. Sem duvida
lhe fallout d'elle o cavalheiro do Peruza,
tie da senhora viscondessa Maria do Ver-
neuil.
Sim, conhego tudo que se refers a
essa historic.
Lemnbra-so entie de rum indiane corn-
prado em Pondichery a seus miseraveis
pais, e klevado a Marselha para ser trocado
pelo filho da seWrxa do Perusa e do cava-
lheiro de Beles .*ial da marina real?
0 senhloip2e wuza, tio da senhora
Maria de Verneuil, fallou-me effectivamen-
to d'essa creanca, corn a qual substituiram
o terno Armando do BelestA.
Lembro-me perfeitanmento de toda a his-
toria.
Sei tambem que o mooiadiano de que
fallamos, je alistou no exereito tWancez, e
quo desde entAo perderam de vista.
Bem. Assim, p01ois ompr.o ziora
que 3esa creanga compiada em Podichery
-parS bervir os project do cavadheiro do
Bele cta .eda loora de Peruza,' memo-
1h, de malta utilidad. dead.o .o u pobre

S, A si. :
-.. .. *oe +. ... + l,. e .^ '- i' +-
111 llll-ll wo 00(^ ^^;'Q* ||s'
swab^t^^^^ ^^ -^efl


de, disse Perez ;-
solada familiar ha d
ie nao podem manife
pessoas d'aqttela, a
ous desagraadoa -,"
Yom Wika, sf6


^t












-:1**: .^ 1-
. "* *>-* *



il' r* (:* ";1'1'










1 f*^


*


"i!


.f




Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EHT0J2LED_YAAXW3 INGEST_TIME 2014-05-03T04:14:18Z PACKAGE AA00011611_13742
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES