Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:13671


This item is only available as the following downloads:


Full Text






































CAITTY.D I
,0 MAGNETISMO NA ANTIQUIDADE
A parte da physical que trata de todos os phe-
ttomenos que dizem respeito, ou se Arem As ac
V3es dos corpos conhecidos polo nome de iman s ou
magnetes, tern o nome de Magnetismo.
Etambem corn este mesmo aome--Mfaqmtismo-
que se designs a causa de todos os phenomenon
cujo estudo vamos fazer; serve portanto a mesma
palavra para exprimir nao s6 os effeitos mas tam-
bem a causa.
Pelo nome de imans ou magnets slo conhecidas
as substancias que teem a propriedade de attrahir
o ferro, o ago, e alguns outros metaes (como o nic-
kel, o cobalto e o chromio).
D'este nome-magnetes--dado a estas substan-
cias, cuja principal propriedade deixamos meacio-
nada, 6 que derivou o nome de Magnetismo, sign;-
ficoando o conjuncto de todos os phenomenon que
se referee aos imans.
Desde muito que sao conhecidos os phenomenon
magneticos; mas, como acontecia outr'ora em tudo,
estes phenomenon cram narrados polos escriptores
antigos, de permeio corn descripoes maravilhosas,
em que predominava sempre, nao a id6a de escla-
recer e explicar (porque raras vezes o sabiam)
mas sim o proposito de arrebatar e deleitar pelo
arrojado e intricado das suas explicac5es.
E' assim que entire alguns factos apontados por
esses escriptores nao podemos deixar de mencionar
os seguintes que merecem ser relatados:
Ptolomeu assevera que os navios que faziam via-
gens para as ilhas Maaiolas, 3ituadas entire a Ta-
probana e o Chersoneso Aureo entiree Ceyllo e Ma.
lacca), eram attrahidos por urma forga prodigiosa
e mysteriosa, se os constructores nao haviam
tido a precaucao de substituir !os pregos de for-
ro, por cavilhas de madeiras, e suppoe ser este
phenomenon devido A presenga das minas de mayg-
netes d'aquellas paragons !
Iguaes affirmag5es se encontram nos escriptores
arabes e chinezes acerea de outras costas mariti-
mas a que attribuim tambem igual poder!
(Continiia).


PARTE OFFICIAL

Governo da Provincla
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DIA 4 DE
JULHO DE 1884.
Alberto Reis Ferreira de Oliveira.-Prorogo
por 45 dias o prazo marcado ao supplicante para
solicitar sua patente.
Alexandre de Crasto.-Sim.
Antonio Ponciano de Barros. -Informe o Sr.
inspector da Thesouraria de Fazenda.
Commissao dos mercieiros.-Informe o Sr. ins-
pector do Thesouro Provincial.
Fielden Brothers.-Informe o Sr. inspector da
Thesouraria de Fazenda.
Fielden Brothers. Informe o Sr. inspector da
Thesouraria de Fazenda.
Francisco Augusto Paes Barreto.-Sim.
Franeisoo Ceaario Marinho Fail- Iaflarme o
Sr. juiz municipal do termol {n -(ConseT.h
Jose Rodrigues do Passo Netto.-Passe porta-
ria, em vista do telegramma do Ministerio da Fa-
zenda, de hontem datado.
Joao Ignacio Ribeiro Roma.-Informe o Sr. ins-
pector da Thesouraria de Fazenda.
Manoel Jeronymo da Costa Uchoa.-Passe por-
taria concedendo seis mczes de licenga corn ordc.
nado, na f6rma da lei n. 1,807.
Alferes Manoel Querino de Albuquerque.-Imfor-
me o Sr. commaudante superior da guards nacio-
nal da comarca de Goyanna.
Capitao Manoel de Carvalho Paes de Andrade
Gouveia.-Informe o Sr. Dr. juaiz de direito da
comarca de Palmares.
Maria Florencia da Paz e Cunha.-Informe o
Sr. Dr. inspector geral da instruccao public.
Secretaria da presidencia de Pernambuco 5 de
julho de 1884.
0 porteiro,
J. L. Viegas.

RepartiAo da Pollela
Secl o 2. -N. 723. Secretaria de Po-
licia de Pernambuco, 5 de julho de 1884.
-him. e Exin. Sr.---Partioipo a V. Exc.
que form hontem recolhidos a Casa de
Deten~ao os seguintes individuos:
A' ordem do Dr. juiz de direito do 30 district
criminal, Antonio Elias do Carmo, por se achar
pronunciado no art. 205 do codigo criminal.
A' ordem do Dr. delegado do 1 districto da ca-
pital, Juvencio Cosine Manoel do Nascimento, por
disturbios.
A' ordem do subdelegado de Santo Antonio,
Leopoldina Petrolina de Menezes e Maria Agripina
Fialho, por offensas a moral public.
A' ordem do do 10 district da B~a-Vista, Jo-
vita Maria da Conceicao, Maria da Hora Tavares,
Julia Maria de Barros Lima e Antonia Maria da
Conceicao, por disturbios.
Deus gprde a V. Exc. him. e Exm.


Sr. des 'bargador Jose Manoel de Frei-
tas, muito digno president da provincia. -
0 chefe de policia, Raymuno Tiweodorico
de Castro e Silva.

Consulado Provincial
DESPACHOS DO DIA 3 DE JULHO
Pinto & C.-Certifique-se.
Jos6 dos Santos Coclho.-Nada ha que de-
ferir.
.5-5-
Aurelio dos Santos Coimbra, Guilhermino &
C. e Anna Ferreira de Barros.-Informe a la
-eoego.
C irreia & C.-A la secgo para os devidos
fins.
Correia & C.-Cerkifique seo que constar.
Manoel Pereira Barbosa.- Informe a la sec-
Jeo.
Joa6 de Moraes Gomes Ferreira.-Informe a I1
see*o.


V^wr


UGALT4

0l op"! OS


la do Riario de.

2 3 de junho de

Zso' -tu-se dentro da


tu iaeruentas de um pai pequeno devem m.il-aa
assim, reio eu.
0 que por6wm aos olhos da Euroa nko6 indif-
ftreae slo 9a nosmo dombuos' eooaft
A esessim, 4 quo se volvemn cads vex maas as
attenoes cupidas da Bolgiea, por 0eio da vasta
e complicada pieuvhe que me Ie gero i no soo e
se condecora diantedo mundo corn o titulo de As-
soeiaao Internacional.
A questlo do Zaire corn a ida do Sr. conselhei-
ro Andrade Corvo a Paris pareee denunciar que
as negoia5oes vIamindar d e aspecto, como pareee
deduzir-se des 'seguintes telegrammas:
c Paris 16.-0 Temps erg que o miuistro por-
tuguez, que acaba de regressar a Paris traz novas
propostos para obter qne a Franga reconhega o
tractado anglo-portuguez acerca doCongo.
0 Temnps fax notar que esse tractado reeonhe-
condo a Portugal a sua soberania sobre as bocas
do Congo e concedendo ao commercio intemrnacio-
nal o livre transit s6 por agua, permittiria que
Portugal estabelecesse naquelle territorio Alan-
degas suass, e criaria assim grandes obstaculos ao
commercio de todas-a n es.
0 Tempa conclue queo interesse do commercio
de todas as naoes exigo a conservaglo dos portos
frances existentes e a lierdad& e das estradas de
que elles salo tests de linhas. a
E este outro de mais recent data;
a 0 Sr. Andrade Corvo, ministry de Portugal
em Paris, n'uma conversaclo corn um jornalista,
confirmou os boatosque teem corrido em varies
ceutros politicos da Europa, de que o governor por-
tuguez estA disposto a fazer conccssoes impo.tan-
tea na questiao do Zaire, proponde-se dar a projec-
tada commisslo anglo-portugueza no Zaire, um
character international e admittindo representantes
de todas as naces corn interesse na Africa Cen-
tral e meridional, tomando per model a commis-
sao do Danubio.
0 Sr. Corvo significoa que Portugal nio busca
por form alguma a extensilo do sen territorio, mas
sim a conservacio dos seus direitos. a
Varios jornaes portuguezes teem publcado uns
documents curiosos e de grande importancia nes-
ta questiao.
Um dos mais interessantes 6 o tractado feito
pela associaco international africana, (on para
melhor dizer, belga) corn os regulos indigenes de
Boma, c logo em seguida um protest dos mesmos
regulos on chefes, declarando que foram torpemen-
te burlados.
Vem corroborar este protesto, a declara*co dos
commerciantes de Boma, enIre os quaes figure o
representantc da grande casa hollandeza de Ba-
nana !
Voltando as nossas cousas na metropole: A
polemical aacesa nosjornaes politicos esta sondo
fraquissima entire os regeneradores e progressistas
muito renhida eutre estes ultimos e os republica-
nos.
A razio 4 obvia.
Segundo as disposigoes da nova legislacao elci[
toral o governor nio pode recorrer a um sem nume-
ro de tricas e violevcias eleitoraes, embora urma
on outra autoridadejsubalterna se desmande e pre-
varique.
Daqui, a ausencia de pretextos pars as costu-
madas deelamaces, queixumes e lamurias que a
rhetoric mais apimentada adubava para o pala-
dar dis eleitores.
Depois ainda ha outra circumstancia.
O governor, ou per euphemism politico, o parti-
do que esta representado no poder, naeo disputam
a representaio de minorias nem as acumulaqSes.
Slo os republicans que os disputam, "palmo a
palms, aos progressistas!
Os j orsftaw *ublicanos does-
tam-se, map corn que tfuria, santo Deus!
E entretanto, corn palavrinhas brandas e nari-
zes de cera, os org-os regeneradores esfregam as
mlaos de contents, porque entretanto sao elles, os
seeds amigos ministros, e a situagio de que fazem
part os poupados.
Nio p6de chegar o tempo para tudo e elles es-
tAo a ver de palanque essay balburdia dc diatri-
bes, insmnuagoes e verrinas, nio oe esquecendo de
insinuar de quando em quando, alguns delles, qne
nas ultimas elei5es munaicipoes os progressistas
nie achavam tantos defeitos sos republicans e
atW votaran; em Lisboa na list deles!
Distingamos, come diziau os escolasticos e dia-
lecticos d'outros tempos: o partido progressista
nio considerou political a eleicao municipal e abs-
teve-se come partido de apresentar lists sua,ou de
apoiar qualquer das outras listas que enteo circu-
lavam, deixando todavia llberdade plena sos sons
correligionarios de prceeder come entendessem no
assumpto.
E' possivel e mesmo provavel que muitos del-
les, come protesto contra a list de reeleicAo pro-
tegida polo governo votassem corn a lists repu-
blicana.
Se fizeram bern, se fizeram mral, por alma Ihes
presto!
Esta repisada relaliacao pornm de algumas fo-
lhas governamentaes, tern o son tanto ou quanto
de imbecil. Neo reconhecem ellas e todos que,
extincto o accord de que resultou a reform elei-
toral, corn a leal collaborate e coucessses reci-
procas de regeneradores progressistas no paria-
mento, come ia dizendo, que ainda ficou urna come
harmonia tacita para excluir da representacao em
cores nas futuras constituintes, os candidates re-
publicanos.


A que vem pois a affirmacAo de que, feita a elei-
cao, os progressistas, foram causa commum corn
os republicans? E' tolice rematada. Pois se
todo o empenho dos homeinous superiores d'este pair
no memento actual, e mesmo antes do aecordo, 4
que haja apenas dens grandes partidos do governor
para se succederem na votaso constitutional, sig-
nificam que tio picadas de alfinete sengo miopia e
falta de alcance politico?
Os que mais fallam porrm assim, sa o despoita-
dos. Os homes do ex-partido constituinte, per
exemplo, que viram desabar o son castello de car-
tas, quando o Sr. Fontes lhe assoprou dous trum-
plhos, fazendo-os ministros, e corn ossa defecolo
esbandalhando um grupo que so arvorava em par-
tide, e pretendia supplantar o velho, e traditional
partido progressista, cimentado corn a juncco dos
partidos historic e reformista, pactuada ha pou-
cos annos nas praias da Granja.
Um episodic muito curioso : come today a gente
qu nos 1 e nos conhece sabe, o Sr. Latino Coelho
elegantissimo escriptor, estylista inimitavel de
urma erudicio profunda e home de sciencia em
a extensio da palavra esteve na brecha do jorna-
lismos annos e annos.
Entre o muita e optimo que tern escripto, en-
contra-se um artigo soneu, no Archive Pitt0resco,
volume V, pagina 2, salvo ieTo, um brilhante ar-
tigo de sua lavra e firmado corn o seu laureado
nome, a proposito do casamento da senhora infant
D. Antonia irm do rei D. Luiz corn o principle
de Hohenzellem Sigmaringen, cunhado que foi do
chorado monarchs D. Pedro V.
Esse artigo 6 um panegynico I familiar real por-
tugueza, ao character da senhora D. Maria II, i
edueaao aprimorada dos principes da familiar de
Braganga, come que provideoialmente destinados
a coasiliarem a democrat ciern a ma tade cda
realeza etc. ete. .
Uma folhasprognsta dhumou e"es troeebol,
4u4 s&Q o om Miiel d'a gdo as $i'dlontrA


A polemicaprosegue e 6 curiosissima, sobretudo
porque o Sr. Latino, collocando-se na defensive,
tern posto os seus partidarios de hoje, n'uma si-
tua&o menos impossivel.
Escusado 6 dizer que n'esses artigos, sob a for-
ma epistolar, tern esparzido verdadeiras joias do
estylo. A attenco public tern-so occupado mui-
to cornm esta cohtenda.
Outro episodio : o Sr. Ferreira de Castro, pro-
prietario e redactor do Jornal da .Noite, regenera-
dor pur sang, tern-so sacrificado pelo partido, es-
crevendo e sustentando um journal cinrcumspecto,
que, por fugir a certos assumptos de escandalo, o
public tern favorecido menos. A propriedade des-
te journal f6ra comprada polo Sr. Castro por more
do sen fundador Teixeira de Vasconeellos. Agora
lembrou-se e bemrn, e co n justificado motive, de
que o Sr. Fontes, que sempre The tern dado teste-
munhos verbaes de grande considerate e
aprego, annuisse a que o nome d'elle (Ferreira de
Castro), fosse incluido entire as cauffidaturas re-
genedoras ou governamentaes do circulo plurono-
minal de Portalegre. Era just, ao que parece.
Chegado o ensejo, todavia, de Ihe provar por
factos a sua estima, respondeu-lhe A missiva que
o Sr. Castro lhe dirigira, que nao podia annnir aos
seus desejos, cmbora tivesse muita vontade de Ihe
ser agradavel, etc. 0 Sr. Castro explosion e corn ra-
zao, publicando um manifesto eleitoral que dirigo
aos eleitores do circulo de Portalegre, publicando
as duas cartas que dirigio ao Sr. Fontes, e rela-
ta do a desorgnasiglo, a indisciplina que lavra
Sfileiras rareadas do partido rogenerador.
Avanga mesm que tendo o partido progressista
proposto as candidaturas de quasi today a dlitedos
seus correligionarios, governor parece estar apos-
tado a s6mente se empenhar polo triumph eleito-
ral dos homes mais insignificantes da regenera-
Oo, aplanando o advento dos seus adversaries ao
poder.
Em "-&d_ ...-.B 0 Aor.t-do"naQudlNte
de entAo paraCa c. e lftliicado, cada vez
fazem mais asperas revelacoes, de que a opposiao
vai tirando partido como Ilhe cumpre.'
Todas estas peripecias vistas de long, fargo
lembrar talvez a redoma corn os peixes d'agua-
doce de que no introito d'esta Ihes fallava come
simile apenas. Entretanto, as nacoes nao se mo-
dem aos palmoa come os homes. Como agora se
diz da Belgica, e o aspect que o nosso movunento
eleitoral esta offerecendo aos olhos do observador
imparcial, traz eomsigo tambem um grande eai-
namento.
Acha-se no Tejo urma esquadra franceza. Re-
cepgSes, banquetes, a bordo no pago d'Ajuda, vi-
sitas, fraternisa*o dos guardas-marinha da pode-
rosa republics franceza corn os nossos, tudo isso
o que demonstra 4 que as nossas relaloes interna-
cionaes continuam no mesmo p4 corn aquelle paiz
e born quae assim seja. Quando voltarem parao
Meditarraneo, hcompanhal-os-ha urma chuva de
condecorag4es, de que os francezes, apesar de re-
publicanos, silo muito gulosos.
Pelo ministerio das obras publicas vai ser
conferido um valioso premio pecuniario ao melhor
livro que se escrever sobre a actual exposieao
agricola, comprehendendo algumas questoes eeo-
nomicas de immediate interesse.
Os diversos jurys teem funccionado e diversos
premios teem sido conferidos aos expesitores. As
folhas de Lisboa veem cheias corn as relacses no-
minaes dos expositores e dos laureados.
Em outubr0, reunir-se-ha em Lisboa o con-
gresso postal, international, que n'estes ultimos
annos se tern celebrado em diversas capitals da
Europa. E' de crer que sejam mais de 100 os memr
bros do congress, e pela direcoo geral dos cor-
reios e telegraphos do reino j4 oesta tratando de
escolher sala apropriada para tio jumerosa as-
semblea.
Falleceu de urma tysica galopante um moco
de muito talent, o Sr. Eugenio Severino de Aze-
vedo, eogenheiro e bacharel em mathematics. Era
deputado na preterita legislature e em 1882 foi
relator do contract para o caminho de Salaman-
ca. Seu irmlo Adolpho Rodrigues de Azevedo,
juiz de. direito da comarca do Villa Franca do
Campo, na ilha de S. Mignel, suceumbio ha dias
em Ponts Delgada, corn 34 annos de idade. e de
igual molestia. Esta duplicada perda que soffreu
o men velho amigo Dr. Adriano Rodrigues d'Aze-
vedo tern causado profunda impress em todos
que poderam apreciar de port os dotes intellec-
tuaes e honestidade de caracter dos dons maleo-
grades mogos.
Esta outra vez em Lisboa, a princeza Ra-
tazzi, aurora do Portuga a vol d'oiseau. Muitas
pessoas da nossa primeira sociedade teem idoe
cumprimentar a illustre escriptor, que em Madrid
redige Lea Matinees Eupagnoles, sob o pseudonimo
de Bario Stock.
Regresson da sun viagem de recreio pela Euro-
pa, a Sra. D. Esther da Gama Abreu do Cher-
mont e sou marido o Sr. Francisco da Chermont,
genro do men particular amigd e distincto escnap-
tor Barao de Maraj6. Brevemente regressarbo ao
Para os estimaveis consortes.j





, RECIFE, 6 DE JUjiEfO 3DE 1884


Nedelas da Sure"a
0 paquetw francem .hv. hoiem enod
Eurona". tasemfas t iia~do"- <4rnAW


49 -eno amn gande Oargia, d6-
,,A=&u em un improvise .elquente, opapel quo
Swimpenhou Inarovolu*lo espanhoha. Porgan-
Ato aos seus adversaries, quemn era quern podia
q4 Hespanha accusar, de inconsqueneia politica
*ielies que corn elle tern sido sempre liberals.
w Corn a liberdade disse elle, salvam-ote os
thronos e corn a reacgao e a tyrannia vi-se ao
cadafalso. Se nAo houvesse liberaes parn faer
aminhar o mundo na send do progresso, esta-
amens ainda a adorar o eavallo de Caligula.
a lei, mas ninguem pode travar as rodas
ddestine ; os povos veem-se algumas yvezes for-
adeos a resolnueis supremnas. Depois de haver
"ito que se nulo arrcpendia do quehavia dito em
e o marechal Serrano ternunon declarando
a 0 Sr. Canovasedelefstillo pronunciou depois
.* discurso habil, proeurando conciliar a direita
4 a esquerda dynastica, e poz em relevo,- os
rvigos de grande numero de homes de estado e
tneraes, que se ligaranm A causa da restauragio.
S0 Sr. Paz pedio ao governor que apresentasse
urn project de lei sobre as materias explosives.
Oministro das eclonias responded que esse pro-
jeoto jeitava snido estudado.
SNo congress dos depqtad o Sr. Cos-Gayou
ministry da fazenda leunpramento fixando
receits em 880 milhoes Las, e as des
em somma approximada'w- 7um excedente d
24,483 pecetas. .r
#Promette retormar tas as contribuig9es e
supprime o orgamento, etraordinario. Tamb: m
reformara a contabilidadeogeral do estado.
S Estas reforms ser4 feitas durante o proximo
oexercicio. Diz norelatoiio de fazenda, que a di-
vida public entrou em situagao normal.
a Comeou no congress a discussio do pro-
jecto ao discurso da coro6a.
Diz o Standard, n'um despacho de Vienna que
a Hespanha, Allemanha e a Italia, estiao em no-
gociag5es para uma accao commum em Marrocos
no caso de que sch3riff Wassan organise revolt
contra o sultio. -
0 marqueE de-Veja de Armijo, pedio ao go-
verno que made inserir no livro veretlho os des-
paehos diplomaticos relatives A questede Mar-
recs. %
0 O Sr. Eiduayen recasa mandar fazer a inser-
gao pedida, porque eases despachos sao confiden-
ciaes e diz que a laglatbrra e a Italia, conside-
ram a questao de baixo do mesmo ponto de vista
da Hespauha.
S0 Imparcial exhort a Hespanha a oppor-se
energicamente, mas semr arriscar-se a quaesquer
perigos a quo a Franca se apodere das margens
do rio Mulayo em Marrocos. Se o nao puder
evitar, entAo e mister que a Hespanha receba
compensag5es.
Da entrevista celebrada pelos deputadoa de Cu-
ba comrn o president do conselho de ministros seo
deprehende que o governor vai pedir autorisaglo

tago de assucares e tabacos, imtpoeo sobre os vi-
nhos espanhoes, regulando a questao da su a divi-
da, e introduzindo grandes economies.
a A esquadra de instrucco vai partir brevemen-
te pars o golpho de Rosas (Catalunha) afirm de
executar grande manobras.
a 0 Sr. Canovas no conselho presidido por E1-
rei D. Affonso, disse: que se Ruiz Zorrilla est&
em Franca ser mexpulso.
w E' esperado em Madrid o president da repu-
blica de S. Salvador.
a Parece que o Sr. Moret, que deve regressar A
Madrid, fallarA na camera acerea da acta de Al-
bunos.
a 0 Sr. Martos parties para o eastello de /in-
nellas do marquez de Campo, oade passara algum
tempo.
O 0 governador civil de Madrid multou em qui-
nhentas pesetas o director do journal satyrico La
Espuerta, por ter publicado uM artigo contra a
moral public.
0 director do El Alarbadeso, de Sevilha, foi
eondemnado a oito annos de prisao per um artigo
em que fallava desfavoravelmente de El-rei, e o
do Euskaldun Legina, de Bilbau, a um anno por
offenses ao general Pavia. ,
Belgiea
0 aeontecimento politico de que n'este moment
mais se occupa a imprensa europea 6 a cnise go-
vernativa, que acaba do manifestar-se inopinada-
mente na Belgica.
Determiou-a o resultado das eleigoes legislati-
vas, que foi urna verdadeira sorpreza. 0 partido
liberal quo estava, havia uns poucos de annos n.j
poder, e que contava corn o apoio da maioria do
paiz, soifreu na urna ura lamentavel derrota.
Antes da eleigio, os calculos mais presumiveis an-
nunciavam que a maioria liberal da camara per-
dena apenas uns dez lugares; mas o escrutinio
destrui0 essa minoria.
Compunha-se a camara transacta de 79 deputa-
dos liberaes e de 59 clericaes, a que agora foi elei-
ta, Ica constituida per 85 clericaes e per 53 libe-
Este inesperado resultado, que produzio ja a
queda do ministerio liberal, e a sua substituigio
per outro formado polo partido catholico, den ori-
gem a certa agitagio do paiz, e algumas manifes-
itaoes hostis a nova situagib tern ja havido em
Bruxellas e n'outras cidades- do reino. 0 partido


catholic que 6 um ,verdadeiro partido reacciona-
rio, inintigo de todo o pregresso naus ordem politics
e social, celebra corn grande gaudio a sua victo-
rik; mas, se esta victoria 4 um fact minnegavel e
que lhe diA a vantage immediate da eonquista
o poder, certo e tambem que comegsa para ele
urn period de difficuldades, porque a gricnde maio.
riada popula*i belga 6 sinceramente liberal.
Diremos quaes se as causes a que se attribue
o triumpho 4os clericaes que, ha seis annos ti-
nham estado sempre em mmnoria, tanto na ecama-
ra dos deputados, come no senado.
Os senadoree attribuemo-uo a urma transforma-
go que se houvesse feito na opinion publics em
sentido desfavoravel A political liberal do governor,
e sobretudo contra: a lei do ensino, promul~ada
em 1879. Mas a politics do goveno tera ultima-
mente a que sempre f6ra desde o principle, e doe-
pois de 1879 tinha havido duas vezes elieos em
1880. e em 1882 e de ambas as vezes, oseoatoresi
se tihanm prounmeisado deum modo fvoiravel A
canses apontada tile pode, pois, ocr a verdadena.
EV a difeietentor os inote praticada
pelo governoepolo seatl tid os cofev


-AVi~owfs-44t~wsl o. catboiew belgas, queo o
partido HibeI etedam teo loag de ed p sra"I e que
ktalbz (aMOMf aorreeusa 06 -rpro se"ado
6ea divrream-te 0menta ed ooplcads pe
*nsdiiem qua politiea finaceirsa e a polities
religiosa do gabinete presidido pelo Sr Fr6ne
Ornan tornaram os libeaso detodo impopulaveis,
outrois veem na seislo que sedeu entire moderados
e radieaes a causa vordadeirs da sa commum
derrota. Tambenm estes, olhando as consequenias,
pensant que a derrota dos liberaes marcarb um re-
trocesso, ou pelo menos uma paragem nos progres-
sos da Belgiea, e aquelles nao querem ver n'a-
quelle fact mais do que um episodio, que nio
.poder diUrar muito tempo, nem deixar rastos apre-
ciaveis.
Ha alguma verdade em todas aquellas opini6es,
mas nenhuma dellas 6 exata.
Per certo, as desintelligencias intestines do par-
tide liberal belga, bemrn come a creaco de noryos
impostos nas vespers das eleigies. contribianam
para facilitar a victoria dos catholicoaT ma0 o
jogo natural do regime parlamentar, em urnmpaiz
onde existem dous grades partidos de governor, or-
ganisados de maneira, que alternadamente se suc-
cedam no poder. 6 ainda o melhor das explicagoes,
corn respeito as consequencias deste acontecimen-
to, da norms de proceder que seguiram vencedores
e vencidos.
0 funecionamento normal das instituicges par
mentawes, em um pair come a Belgica, deve dar
ogar a estas inesperadas mudangas no estado da
opinion public.. E' raro cornm effeito que um parti-
do, depois de tot dirigido os destines do paiz, du-
ranute aluns annos, e nio tenha dade motives de
queixa contra si. Ou commetteu faltas, ou nio
soube aproveitar-se da sua boa fortune.
Que auccedenu entaoe?
0 paiz dA uma ligio aos seus governantes e
fal-o corn tanto mais segurauga, quanto elle sabe
que existe um partido prompto para receber a he-
ranta dos negocios publicos, e cuja opposigioe sos
que hontemn estavam' f' powder, lisongeou o senti-
mento public. y o
Escolheu-se estes ko tanto paraos alliar, como
para fazer descer aquelles.
As eleigcs, esta isso averiguado, tern um carac-
tcr essencialmente negative; a maioria dos eleito-
res belgas nio approvava os actos do partido li-
beral., E esta maioria approvari em todos pontos
o ograma catholico? Mas tarde constarIL.
FoiU'assim que se vie em Inglaterra o ministerio
Beasconfield, abandotado de um din para o oulro
pel-opim1o, depois de victorias que parecia deve-
riam eonsolidar a situagio dos conservadoros.
Mas a opinion estava in4isposta contra elles e
os liberaes voltarwrahI er, nio tanto por serenr
liberals, mas peor 4'i queriAm la os seus ad-
versaries. E isto prftvavelmente, o mesmo que sac-
cedeu agora usna Bclica. Os catholicos vencem por
que s6 ha dous parties em frente um do outro; se
a opinion se affiasta do que governs, ha de o outro
necessariamente occupar o seun logar.
Isto basta para demonstra r que se noe dove dar
demasiada importancia ao que acaba de se passar
na Belgica. Aquelles acontecimentos nio modifl-
caram profuadamente a situacao daquelle paiz,
'm plloi5 e sJe5Ulb5 e-
seja, muito provavel que vlte denoo aos e-
raes, em virtude da mesma lei de oscillagio que o
impelle agora para os bragos dos clericaes.
Cabe aos homes de estado deste ultimo partido
assentar em vases solids a sua victoria. 0 unico
meio de o conseguir 6 mostrar urma extrema mode-
rago. Qualquer reacgio prevocana em curto pra-
so uma reaccgAo em sentido contrario.
TerSo os catholicos o born senso de se conterem
dentro de certos limited? E' o que nioparece pro-
vavel e isso faz-me crer que a sua demora no po-
der nieo ser de long duragio.
0 novo ministerio belga ficou assim formado
Maleu, presidencia e fazenda: Moreou de An-
doy, estrangeiros; Woeste, justiga; Jacobs, inte-
rior; Beenaert, commereio e obras publicas; Ge-
neraes Ponthus, guerra; e Vauden-.Peereboon ca-
mmbinhos de ferro, correios e telegraphos. Os nago-
cios da instrucio public ficam usna pasta do inte-
rior, primeiro acto da reagio triumphant foi a
suppressio do ministerio da Jnstruego public,
cuja creagclo inaugurara o ultimo period liberal e
Ihe caracterisara as tendencies. Ease servigo ficarn
a cargo do minister do interior. As pontes, es-
tradas, viagao vicinal, agriculture e industria,bem
come a marinha e as bellas arts, passage para
o ministenio do commercial, creado de novo.
Nots a imprensa belga quo nenhum dos 16 de-
putados eleitos per Bruxellas, corn o character do
indepondentes, entrava nacombinagio ministerial.
Foram post de parse, logo que os sens services be-
ram precisos. Os membros do gabinete sio todos
francamente clericaees, e, a excepgbo do Sr. Jacobs
eleito per Anvers, apenas represontam crculos de
importancia secundaria.
Os disturbios que logo nos primeiros dias-depois
da victoria eleitoral dos clericaes houve espceial-
mente em Bruxellhs em Anvers e em Gand, form
divides ao partido triumphant. Em different
gruposde individuos, sahidos pola maior part de
un deposito de mendigos, percorreram a cidade,
gritando: uVivam os c.thelicos!a e aggredindo
pessoas inoffensivas. Os liberaes cram insultados
pelos manifestantes. Em Gand houve differentes
cases de ferimentos. Em todos aquelles pontes foi


necessaria a intervenglo e euergia da pohcia para
que a ordem fosse rastabelecida.
Diz-se que o Sr. Gruar, ex-ministro das finan-
gas, vai renunciar A sua cadeira no senado, come
protest a desoconsiderao de que fei alvo o ga-
binete de que faziaparte. l
A maioria liberal do senado 4 apenas de 4 votos
e o Journal de Bruxzeas, clerical, diz que ella nio
resistirb A torrent da opiniao publieas e di a en-
tender que o novo gabinete nzo hesitar, em dis-
solver o msenaido, no case de ter unma votaco con-
traria.
Um telgramia reeente de Bruxellas dia que 6
provavel set dissolvido o senado. 0 partido
catholieo receia faser novas eleiges, nas quaes
teria de veri fOrOmamente queo veto de Bruxellas
foi contra o Sr. Fr.re Orban e nio contra o par-
tido liberal. Effectivamente # derrota do gover-
no liberal nascApital foi mais peseal do que poli-
tica.
0 corpo eleitoral quiz mostrar o se npoder e
protester contra as enormes despezas da ultima
situaco. Conse gnio dar ma mtremenda li*o ao
gabiuete Frre Orban s& todos em eutros que pre-
tendam u aeguir a norma dos -esbujamentoei A
lei do copaci&W e eleiteral dando apses o diret-
to, do otar AqueiF o.! teurnins.p^sA00ivil ad-
quirida T per-dos anfmoO dte pgament o ue =a, con-
^#ea1 fraiico en s0ogovemuo
= d deW que elle sesoabl


Inglaterra
Chegaram finalmente a um accord os gabine-
tes de Londres e de Pariz corn respeito a question
egypcia, e logo que o parlamento inglez tenha ap-
provado o procedimento do seu governor, serio as
potencias informadas do resultado das negocia-
oes e feitos os c .invites para a conferencia. Ca-
da potencia serb representada pelo seu embaixa-
dor em Londres e per um conselheiro financeiro,
expressamente nomeado para esse fim.
Satisfazendo os desejos do Sr. Gladstone, con-
vencionou-se que os dois governor communica-
riam simultaneamente, no dia 23, as condigfes do-
accordo dos seus respectivos parlamentos e queo-
at6 essa occasigio o son texto se conservaria se-
crete. Todavia as suas principles bases j sao-
conhecidas e uma d'ellas visa a neutralisago do
canal de Suez.
Esta quest nao faz part do programma da
conferencia; mas sera apresentada a urma segun-
da reuniio europea, que seguiri dentro de curto
praso a que, por estes dias, se dove reunir em
Londres so esta chegar a urma soluoao satisfacto-
ria das questoes de que vai occupar-se. Este ac-
cordo bilateral funda-se nas bases que lord Gran-
Ville indicava em um despacho de 3 de janeiro
de 1883.
N'esse document especifica-se que o canal se-
ra, em todas as circumstancias aberto a livrepas-
sagem de todos os navios, que nao poderA em tem-
po do guerra, ser aproveitado come base de ope-
ragbes militares, e que nenhum acto de hostilida-
de se poderai praticar nas seas proximidades,-
ainda mesmo que a Turquia seja um dos bellige-
rantes.
E' sobre estas bases que os plenipotenciarios eu-
ropeus terlo que deibeomr.
Assevera-se que ab potencias nao responderio
A proposta da conferencia 0re.;qa question egyp-
cia antes de saberem a resoluVio do parlamento
ingler a tal respeito.
No obstante os desmentidos officiosos, a In-
glaterra prepare uma expediceo para ir a Khar-
tum, e a construegico de um caminho de ferro d.
Suakim a Berber.
A camera dos deputados approvou em ter-
ceira leitura o project de lei da conversio da di-
vida public.
0 Dailly News desmente a noticia, que fora
dada per outros jornaes, de haver discusses no,
seio do gabinete inglez, bemrn como desmente, tam-
bemrn o boato da exoneracio de lord Granville.
A camera dos communs esta discutindo o bill
da reform eleitoral. 0 deputado Woodall havis,
apresentado uma proposta para que fossem admit-
tidas as mulheres A votar nas eleig5es legislati-
vas, mas a camera regeitou-a por 271 votos con-
tra 135.
Depois do Times haver publicado um tele-
gramma que annunciava a rendigao de Berber,
lord Filtz Maurice, interrogado na camera elec-
tiva, declarou que o governor nilo tinha noticia
alguma a tal respeito.
0 mesmo home de estado deu noticia a ca-
mara de que se havia rccebido um telegramma no
qual o almirante Howelt, regressando da Abys-
sinia dava conta de ter negoeiado corn o soberano
d'aquelle paiz um tratado, em qie se concede a
este urma passage livre por Massouah para o
seuon commercio, e um outro relative ao trafico do
escravos. Come se v0 a Inglaterra aproveita a
rise do Soldio para ir cuidando dos seus interes-
ses commeroiaes.
Somente no dia 21 de junho e que o gabinete
inglez communicou as potencias o texto das suas
propostas financeiras no Egypto.
Allemanha
Per urma recent votagio do reichstag deu umn
pass para diante urma das pretensaos, que entrain
no piano das reformas economics de Bismarck.,
Essa pretensiao a d) restabelecimento das corpo-
ragses de artes e officios, corn o monopolio do exer-
cicio de umas e outras. V
0 reichatag approvou agora urma proposta de un
deputado. paras que nas localidades em quehaja-
corporagao, que tenha organisada a aprendisager,-
nio possam os patrbes a ella extranhos ter apren-
dizes. Este voto e o primeiro resultado da forms-
glo da nova maioria governmental, pela allian--
ga doseclericaes, dos conservadores e dos nacionaes'
e liberals.
0 imperador da Allemanha, mandou um doe
seus ajudantes de campo participar A rainha Vi(h
toria o proximo casamento de sen neto, o prineip-
herdeino de Baden, corn a princess Hilda de Nas-
san. ; : ;
Este enlace foi negociado pelo principe de Bis- ^
mark e considera-B3 como a reconciia~io de&-I-
nitiva entire a familiar de Nassau, e o imperio al- ^
lemilo.
A interpretagio political dada em Londres eo |
Berlim a este casamento 4 a mesma. -
V-g.n'isto a resolugio fire em que estb Bis- /!
mark de, no camo de faolecer o principe de Oran..-;
ge, fszer anbir ao threno de Hoilanda o duque deo !
assau ultimo representante da grande casa do- -
Orange. :
P no 1dunrIa "
Pnoeedou-so no diia 12 do junho As oleicoes Ie"-
gislativaus n Hungrha. -
0 peniedo ebeitoral foi agitado, e eouttado dt*
maUlos, em quo per veses tevo quo intomvim a *Iri


gi-o
enate 0o
s-ecwMI


origem a estado.
,tsa .dlrAmntwA


I
































0 easamento do ph-4uqneSer irub44
asu da Ruia, cox a p biea belrde.Hem
+:: t igr no dia 15 dej o, j m Peoebarge
MD+ o i dalaio de Inver au"

A. kswi seisgiumins-ie
.... IggAw orthodoxs Itzheaaa
D in ador i a a iaaW a
;"6 A& GTO ftrUeu~ Ws da Q IP, a qart wa 'G-48
^,^" fk. f^m" ria rjn -ainuoBm
SA serwia 6 a
'gsto em oonflieto estas doe peqwaz oAs
^ 'dhcwBda dos BaftamB
pe sua a qu smpM dande as-
S O eatre as daea potencias d.a LEuopa, ora &M
daotdens entire os povws quoa habitam.
AgorIa Servia e a Bulgaria tiveram oatre i
*I. n Aosrio e seni fosse a interveaL diploma-
-' tiea estraugeira, viriam as maos e perturbariam a
pa europa.
E o caso : por occaailo do mavimento revolun-
Sdonario que houve o annao pasaado na Servia, al-
guns dos revottosos tuinternaram-se na Bulgaria
para escapar aos rigores corn que os ameagava o
w5 governor.
Este accusa-os, nap .6 de intrigarem contra elle
na Bidulgaria ; mas de terem organisado guerrillas
quo infestam a fronteira da Servia ; e tern por di-
versas vezes reclamado do gabinete deste paiz que
lhes'retire a hospitalidade, on quo, polo menos, os
ffi e da fronteira. A aceusa*o parece nio ter
segturo fundamento; porque o numero dos emigra-
dos nio pass de 40, e as autoridadei bulgaras af-
flrmam que elles vivem mui socegadamente nas 16-
calidades que Ihes foram designadas pare residi-
rem.
0 certo 6 que o governor da Servia, para segu-
ranga da sua frenteira, julgou devein estabelecer
S urn post military em Bregava, na margem do Ti-
mok, em ponto onde a Bulgaria diz gosar de so-
berania territorial.
Houve conflict centre os agents dos dons pai-
-. es um soldado da Servia foi aprisionado poles
bulgaros. Azedaram-se as rela95es dilomaticas
entire os dous estados ; o ministry servio obteve
da respective camera um voto de inteira confian-
(a e, forte corn elle, dirigio ao governor bulgaro
umn ultimatum peremptorio, corn o que se mostrou
grandemente aggravado o principle Bulgaro.
D'ahi resultou uma troea de Lotas bastante irrita-
da e por ultimo, um formal rompimento diplo-
matico.
Conmecou a respirar-se um ar martial, e o minis-
tzrio da Servia pedio ao parlamento, em sessao se-
creta, autorisago, que Ihe foi conecedida, pare mo-
bilisar o exercito.
Estavam as cousas nestes terms e parecia que
aos dons pequenos estados iam effectivamente que-
brar a paz em que a Europa se tern sabido manter
nos ultimos tempos, quando os tutores de ambos
intervieram e os obrigaram a ter .uizo.
A Allemanha interpoz a sua influencia, pedio A
Austria e a Russia que interviessem tambema, e
p6de ter-se por certo que o conflict se pacificarA
sem que tenhamrs que presencear uma guerra,
que poderia ser neste memento origem de gravis-
simas eomplicag5es europdae.
Ahi vai outra versao:
Um despacho de Vienna diz pois que nio julga
que o conflict entire a Servia e a Bulgaria tome
proporcoes que fagam perigar a paz. At6 agora,
o Sr. Zankoff, president do gabinete bulgaro, nao
deu ao gabinete de Belgrade, se nio respostas di-
latorias.
Suppoe-se que o prineipe Alexandre interviri
eUe proprio para p6r term A desiatelligencia.
Outro despacho de Sofia, diz, per outra parte,
qae o agent diplomatico servio entregou no dia
6 uma nota ao governor bulgaro, pedindo a reins-
taloabo do post servio que se achava junto ao
Timok, e o affastamento immfediato de Sofia e de
todos os districts limitrophes do reino, de todos
es emigrados servios, ineluindo o metropolitan
MicheL
A nota deelarava, alum disso, que se nao fOr
dada essa satisfaAo A Servia, no praso de 3 dias,
cortar-se-hao as relapses diplomatieas entire os
dous paizes e que o representante servio sahirA da
Bulgaria.
A opiniao public estava muito excitada.
rUma folha europda das mais autorisadas escre
ve a tal respeito :
0 conflict entree a Servia e a Bulgaria, lan-
ge de ter urna solucao satisfatoria, aggravou-se, e
6 possivel que delle renasga a eterna questbo do
..Oriente.
u Corn effeito, nao devemos s6 ver aquelle3 dons
estados em preseuna um do outro, o que pouea
rimportancia teria na political euro~pa.
a Alguma cousa mais eneerra em si o antago-
nismo das duas nacoes rivaes, que representam,
". uma, a jyolitica da Allemanha e a outra, a dai
Russia. A Alremanha. pwnsa em fazer de Cons-
tantinopla o port de Berlim e de Vienna, e isto
per certo nao ser'a visto corn bonds olhos pela Rus-
sia. Desta pequena questao levantada pela Ser-
via, cujo soberano 6 um instrument do principe
.de Bismarck, p6de surgir um conflict collossal
.ue abale a velha Europa.


S ,0 motive apparent da rclamacao, nao pas-
-ta pois, de um pretexto pueriei c irrisorio.
, Um despacho recent de Belgrade diz que o go-
verno servio deelarou officialmente que aceitava a
.-a bitragem da Russia, da Allemanha e da Austria,
S para terminal o conflict que tinha surgido entree
S aquelle reino e o da Bulgaria.
Antes assim.
Turquia+
A circular enviada pela Sublime Port a s po-
tencias, corn data de 13 de junho, proper em pri-
meiro lugar ir ella occupar militarmente o Egypto,
e no ease de n.io ser adimittido, que essa oceupa-
S ao seja feita s6 por tropas ottomanas proper a
oecupaco mixta por tropas francezas, inglezas,
ottomanas e hespanholas. Em qualqaer das by-
potheses, as potencias fixariam a duraeao da oc-
cupacao.
A Epocia de Madrid publicou a 21 uma
; carta de Constantinopla, dizendo que a Ports s6
mente adhere A confereucia depjis de terpreeebido
S da Alleinanha e da Austria a seguranca formal de
que estas potencias sustentarao a defesa dos di-
S reitos soberanos do suitao no Egypto.
;. 0 sultao sanecionou o project de conversao
S da divide turca e autorisaou o ministry da tazenda
-. a.enviar a Europa um delegad, para tractor esta
qusto. Egypte
S Continia a nao haver noticias do general Gor-
Sdon, mas tambem nao consta que a cidade de
1LKhartum cahisse em poaer dos revoltosos, neo
u....ge fosse evaeuada polos .efypcios. Supp5e-se
m sw que o general continue a sustentar-se
i praga.
I-.Wti1 confirmiada a tomada de Berber pela gene
,4adi. Sustentou esta Praa ua. v o de
w, durante os quaes A sua.gner 0 5e
eo m bastaut denod. emtreAe .6-
equando vie eagotauda am ds .w.MA ....,
frarnador ficon fe"do n'um dos U


" e Pex os C .7 "


vedor para o anno co mnP t'f,ms IW '*
Rev& 8r, o3aM M uM dlgb &f aft
IkffeBMe Banw-o~iaw ;9w ndt**%a^r-
odiaaako utamehm theaWS epft
Verd a i 4r@14(it.
Feeta rell -owa-Na i@ 4P WWedtma-
bern d Paniw sfiebm *4jemL fneft Senbor
Von Jae= daw lm ia quemiataxAta misna re-
NMIda A 4 12 o da muna m; is8 mlnume an
11 horas do din coma *emTo polo e Rm. Lboard
Grngo6 lWeMuioa7ha mdara t moite .e o BRvd.
Fret Asgusto da Immaculada Coaek Ao Alveas.
A' tarde toear& no atri. daigrja maa baada do
muica, e iseta largado um aeroatato.
NoweBn do Carme*-Comesam hoje, pelas.
5 horas da tarde, as novenas da festas de NossawL
Senhoera do Carmo, a& igreja do couvento dessa in-
vocagao.
Concerto-Realisou-se ante-hantam o con-
certo vocal e instrumental promovino pelo dagno
e seioso parocho da freguemma de Nosa Seauhra
da Graca, padre Zferino Ferreira Veloao.
0 salo do Club CoUmseria Euterpe, A ru do
Commercio n. 17, em que se deu o mnencionado
concerto estava primorosamente decorado.
Os distinctos amadores e artistas que tomaram
part na festa executaram corn brithantismo os es-
colhidos trechos e composioes de notaveis maes-
tros, tanto no que dizia respeito ao vocal como ao
niutrumrntal (piano e orgao)..
Foi numeroso o concurso de pessoas distinctas
de nossa sociedade que dignamente contribuiram
par a opiedoso fim que coansiste em se levar4a ef-
teits as obras da matriz da Graos, ja encetadas
polo digno vigario.
Theatro Santo Antonio-A Associagbt
Dramatica di hoje nm espectaculo extraordinario
neste theatre, representando-se o drama As Mdia
terriv2is, a scena comic 0 cara dura, e a comedian
Scenas do Marquez da Rosa Brasncsa.
ARerelo ltterario do WNoramalis-
ta --Esta Sociedade, constituida corn alumnos
da Escola Normal, commenora heje o 20o auni-
versario da creagio da mesma escola eom urma
seesao magna, que teri ligar no edificio da dita
escola, as 6 1/2 horas da tarde.
Par essa occasion serlo entregues os diplomas
dos socios e uma carts de liberdade, gratuita-
mente eonferida ao escravo Domicio pelo sen se-
nhor Joaquim Mendes da Silva.
Cbub Aboliceionista Martins Juaneior
-Eate club prepare urna 2a matinee para o dia 20
do corrento no theatre Santo Antonio, conferen-
eiando o academioo Alfredo Pinto e send repre-
sentadas A Cagadora de Naoivo, comediasem um actor
do academic Ribeiro da Silva, Os Filis daa Ca-
nalha drama em 3 actos e a eomedia emi actor, do
socio S. Texeira : Umn dia de quebradeira.
Sfexta 14 de dsslh --Hoje A 1 bora da
tarde, no Hotel da. Europa, deverto rounir-se os
subditos francezes afim de deliberarem sobre a
eelebrago da festa de 14 dejulho.
Imprensa norte-amaeqieana -Rece-
bemos hontem os ns. 5 e 6 do Joural of the Uni-
ted States & Brasil Mail Steamship Co., dos meme
de maio e junho ultimos.
Imprensa-Publicaram-sees us. 1 de um n o-
vo periodic intitulado A Luz, orgao da soiedlade
Recreio Litterario Infantil 37 do Rebate e 4 da
Ideia.
Soeiedade Usiaou Commiercial Be-
nefieunte dos Merceiros--A directo-
ria d'esta sociedade em sua sessao de 3 do cor-
rente nomeou as commissoes abaixo declaradas,
para colherem dados precisos para a repartigio do
impostor da sua classes:
Recife
Aniceto Augusto da Silva.
Caetano Jos6 Gonalh'es da Fonte.
Joaquim Guedes Valente.
S. Joee
Fernandes Primo.
Antonio Ferreira de Oliveira.
Jos6 Lopes Ferreira Maia.
Domingos Joaquim Fernaudes Brags.
Santo Antonio
Antonio Pacheco Dias Torres.
Bernarda Jose Correma.
Manoel Martins Capitao.
Joaquim Gomes Amorim.
Boa-Vista
Manoel Mor,'ira Ribeiro.
Jose de Souza Braz.
Manoel Joaquim Costa Ramos.
Manoel Luiz Ribeiro.
Jose Virissimo Marqnes.
Autonio Affonso Simoes.
Graia
Joaquim Antonio Costa Forreira.
Antonio Arco-Verde Mello. G
Severino Martins.
Alves Pacheco.
Estas commissues se tern de reunir amanla em
sua s6de social as 4 horas da tarde.
Ugencao de um imageem nma Pemba
-Commnunicam-nos:


a Quanta-feira, 9 do corrente, send o dia on-
sagrado A gloriosa Virgem Santa Veronica Julia-
ni Capuehinha, na igreja de Nessa Senhora da Pe-
nba terA hlgar a benao solemne da mui exprea-
siva imagOem de vulto da mesma santa, recem-che-
gada da Italia e que servira para ornamentar ain-
da mais aquelle explendido e magestoso tempo do
Senhor, e augmentar a piedade e devoqAo dos ver-
dadeiros catholieos.
a Esse actor religioso realisar-se-ha no referido
dia, s 9 horas d a manhi.
ReanlGes mocites -Haverlo hoje as se-
guintes :


eraart seas, utsabts esquoida de uSBaa
a provoiaa s.
v Urea dna meals grandiosas aspiration Into
poro era a nomeaio do padre Joaquim Antonio
de Siquet a Torres, par viganiao detst freguezit a
o quA o d taCto, folaos do dier, foi e ffeet'ada
olowe sso vfrtdso e ilustrado dtoesano bs. D.



Jci quo ainda maid a distinguno corn p elovado
&ad go doarcipeste do alo sPrte, puja sa o webta-
villa; nmieea esta quo na poftf a sew d ais
artda pois que a agractado q meda dse rdoe
-am provincia. :



arosis aimo, eais granter dista aspirffavel, daber-
pavo era a nomealgao do pmidre Joaquim Antonio



namente desinteoressado, paemfir vigauoi das glorezias,
o que do lacto, fol.-upos de dizer' foi effeetauad
pelo w0s30 virtuoso e illastrado dioeesano o Sr. D.


da, itrua oaindease. P maid o distiio crtada om p elevado
caporgo doaha-se rcipete d altoee stisfeito, euja se eeta


.A esta~bo quareirual fai bastante eanconrida
pvilos fleis, nomea no esta que nrio da ia- ser cmais



tambern nan missus conyontuse., unde n~a tnibna:
sacrtada ilustr e argipretadoern pratras boll.te
vasimas, a cias do e divine inspirase, c a eravaobs-
namente dosintes redssado, emfim ini hoda s gorias-
santa treligino do martyr do erGolgotha. oei
povo aemz d a-se perfeitamente sats eito, fs-
it A estapAo qia-rehmalt foi bastante eonenrrida


tejadlos: afeis, orao s do exeristylo, das verses, ra e oiymo
tambem nasinissas eonventuates, onde na trIbana
gaggrada'o illustre arcioreste comn praticas "bclitso
simas, chelas de divinas inspirago-es, clizlaavalv08
seas onvintes ao, rerdadeiro caminhoda'swCo-
santA religilo do martyr do Golgotha.
a0 mez. de Maria foi aqui brilhantemente fes-
tejado: as oracoes do estylo, os versos, 0o hym.
nos, a musical, as flores e tudo isto a par da boa
direccbo do nosso virtuoso pastor, fazia a solem-
hidade de todas as noites em contamemnorao da
Virgem esposa do carpinteiro patriarcha; finali-
sando o festejo corn missa cantada, pregando a
sermlo o Rvdm. vigario, procissao e ladainha.
S: A procissao fei a mais important. qe aqui
temos presenciado: o andor ricamente armada
era levado par quatro dotizellas elegantementetra-
jadas de branch, precedendo-. duis alas de mnoos
e meninas em numero superior a 60, toda& ellas
vestidas de brauno, tendo cada urma pendente ao
seio urnma mnedalha da Virgem da Conceigio, que
fhes offertara b&mo symbol da virgindade o atus-
tre vigario.
a As irmandades rompiamn a march, ao som de
urma banda de music, o povoe decentemente yes-
tide acompanhava o brilhante cortejo em suai mar-
cha triumphal, subindo de quando em vez a* ar
gyrandolas de fogos que annunciavam patente-
mente a graudesa da Redemptora do Universe.
c Recolhida a prodissio, ainda o incansavel pa
rocho occupou a attengao do povo com uma linda
e bella coacepao de s.am bern cultivado espirito.
a Ja esta a eucerrar-se a Assemble6a- Proivi-
cial, onde o circulo a que pertencemos tern trees
deputados, e ainda na o tivemeso o lpraser do leir
um pequeno beneficio, so, menos para esta locali-
dade! A nossa terra que neceosita tambem de
tantos melhoramentos, come sejam: reparos na
matriz, na igreja de Nossa Seihor-a do. Rosario, no
agude e de uma cadeia ; nao ha um 96 deputado
que erga a sua voz em prot do sou melhoramento!
S' inteiramente esquecido o alto sOerto par.a
os sels reprsesmatantes ; a o podemos, entretaata,
corn isto nos conformar, pois que, asasin comon
estamnos bempre promptoas pars aconcorer comr'
nossos esfor9os em favor do paiz, tambem deve-
riamos ser premiados corn aquillo que se daI as Io-
calidades de pert o da capital para se fazor cor-
teaia, apenas.
Os eertanejoas tambem sr o Pernambucanos e nao
estbo mais no abscuratismo em que alguen pensa.
Um dia havemos deo nos emaumcipar, e entAo have-
remos cm a forga do direito, aquillo que asinto-
samente se nos tern negado.
S Tem fuccioanado regularmento a socidade Re-
crcio Litterario Villa Bellense, e em uma das suas
seases passadas se dirigiu a Assembl6a Provin-
cial, por intermedio de beus districtos socios ho-
norarios, pedindo uma loteria em beneficial da sua
bibltotheca. Os soceos incumbidos foram, Drs.
Democrito Cavaleante e Adelino Junior oa quaes
esperamos quo mute farno bern da dita sociedade.
que muito temtrabalhado em prol da instraecao do
povo desta localidade e tern a grandiosa idea da
compra de typographia que pugne polos interests
e independencia deste povo amortecido pela igno
raneia e indtffereoca di governo. -
a No dia 31 de maio proximo passado, primeiro
anniversario da referida sociedade, n'uma sessao
magna, que prineipiaulo as 11 horas do dia, ter-
minou as 6 da tarde, aqualassistiram muitos soeio
eflectivos e honoraribs, entre estes sobre sahiam a
integerrimo Dr. juiz de direito Manoel J. F. Es-
teves e o illustrado e virtuoso padie Joaquim A.
de S. Torres, arcipreste do alto sertae.
a Aehava-se o adificio, em que famciona a allu-
dida sociedade. decorado sumptuosamrnte corn pay
sagens, retratos de litteratos celebres, banderollas
e jarros corn flores natures, e tudo isto de envolta
coan a alegnia que se divisava nos semblantes de
I todes as souas davam a esta ntodesta feita de
r-mocos que luctam com a impossivol um raalce
extraordinario que deslumbrava a espeetacao dos
assistentes.


SFoi urma alegria geral: A villa transfigura-
se de jubilo.
a A musiea, gracas a sua applicac9b invejavel
soube conquistar applausos corn as bonitas peas
do seu variado repertorio. .:"
a Abrindo a sessao o dignae e illustrado presi-
dente Dr. Severiano Peixoto, em seguida occupa-
ram a tribunal os Srs. socios Arouxa Filho. como
orador da case, Ganialves Lima, recitando uma.
bellapoesia de sua lavraaqual pedimosapubtlisea
na 8' pagina doseu odaceituado Diario,Dr. Augus-'
to Abel, Lopes Braga, Isaae Barboa, Dr. S. Pei-
xoto, Azevedo eFranci6sW Velkno.
Leva&ntada a sensao percrreram as ruasos socios
jabilosos n'uma pomposa passive at6 as e asas d4
iDr. juiz de direito vigario,.ende se erguehiro dl-
versos btindes allusivo e enthusiastileaente frI-
netieos. -
SE fi&dpu-se assim heia'd alegria e ontO -
tameato a fata isAis impeortatk0 quO tem tide o

7 -.
g xte degrautoqe seo d Sei Tal.a-
Wt no ;t ibe; ado.
tdoad!
s 0. iOeOv ai s-Veuob& f Ii Mo. 3
'.0 ela aatr i -a -m -a.iB8rglr
-; A" '. i -**?^'* .','*"


Oiveira : -
Voy & m 1 v eCI .-
Pelo S.. CastodA. A: Gimsrs :.
DPecurso pniaounre do eooselheiro Jose
BonifaiIo, 1 voL broa.
Pelo oci homorario o Sr. Dr. Alfredo Moreira
de B. 0. Lima : '
Hitonria UniversaL paor Tieot, 1 voL ene.
Pelo sBoI effeetivo o Sr. Jos6 Cameip P. d'Al-
buquerque ,
0 Bigode, ronwmance por Paulo de KSock, 1 vol.
ene.; 0 casamento de uira actri romance per
Henry Greville, 1 vol. enc.
Pole Sr. Arthur .de S. Carvalho:
Sons que paasam, poeuias d Thomaz Ribeiro, 1
vol. enc.
Pelo socio effective o'Sr. Jose A. Made+
Historia Biblica, par D. Antonio de Maeo
Costa, 1 vol. ene.
Polo socio honoraria o Sr. Luiz M. Fernandes
Sobrinho :
Curso de Philosophia de Barbe, 2 vols. enc3.
Pelo Sr. Guilhertne A. Guimartes:
Sonets da o CamSes, 1 vol. broke.
Polo Sr. Joao Ramos :
A Eaiancipaqao, poesias de Joaquiru Gonoalves,
1 folheto.
Pelo soeio effeetivo, o Sr. Jeronymo M. Albu-
querque Maranhao. *-
Beautes de Chateaubriand, 1 vol, ene.; Notieias
do Institute Surdo-Mudo do Rio de Janeiro, por
Tobias Leite, 1 voL broc.; The life aud aiventu-
res of Robinson Cruss6, 1 vol.
Pelo secio honorario, o Sr. Gaspar V. da
Costa:
ThIese do eoncurso de Carlos Sampaio, 1 vol.
broke. ; Aventuras de Telemaeo, 1 vol. broc.
Polo soeio effective, o Sr. Joaquim Hyppolito F.
Pinrienta :
Grammatica portugueza, por.Salvador de Albu-
querque, 1 vol. ene.
Pelo Sr. Vicente G. d'Araujo Pereira:
Recrelo Infantil 1 vol. enc.
Polo Sr. Fabio C. d'Araujo Lima:
Grammatica latina, por Antonio Lopes, 1 vol.
enc,
Polo Sr. Domingos de A. Vasconcellos:
Geametria popular, por Abilio C. Barges, 1
vol
Pelo soeio effective, o Sr. Alberto F. de Men-
donca :
Petites nouvelles par Colomb, 1 vol. ene.
Polo Sr. Joao R. Dantas:
Liwgars, 1 vol. enc.
Polo soeio effectixo, o Sr. Jos6 C. Lin Bar-
ros:
Examplos de virtues civieas e domesticaa, par
Viltena de Barboza, 1 vol. enc.
Polo Sr. Geraldo Landim
Mosaic Pernambucano, por Augusto Costa, 1
folheto.
SPolo soeio effeetivo, o Sr. Juvencia S. da No-
brega Filho:,
Geographia, por Ca,0eza, 1 vol. broke.
SPelo socio effeetivo, o Sr. Jos6 Bonifacio P. de
Mello r
Autores clasicos, 1 voL enc.
Pelo Sr. Ismael E. da C. Gouv6a:
A maconaria e os Jesuitas, par D. Vital Maria
Gonealves de Oliveira, 1 folhete; Discursoas par-
lamentares do D. Tarquinmo de Souza, 1 vol.
broect
P1lo Sr. Ovidio C. de Albuquerque:
Lyra do Trovador, poesias de diveraos autores,
1 folheto. <
Pelo socio effective, o Sr A. Ifredo Guima-
r i e s : "
0 Thesouro de Meninos, 1 volume enc.
Pelo Sr. Albino M. de Souza :
Os Netos do Acoitado, romance por Thomaz Es-
piuca, i vol. broke.
SPelo Sr. Luiz P. de Mello;
Historia do Brasil, por Abreo e aLima. 1 voL
ene. *
Pelo Sr. Augusto C. M. M. de Andrade:
Grawnatiea ftanceza. per S 6vene, 1 voL ene.;
Discurso parlamentar do cqnselheiro F. Franco
de SA.
SPolo eollegio Onze de Agoto :
0 Gurany, romance por J. 4e Alencar, 3 vols.
ene b.
Compradas pela sociedade Onze de Agosto:
Bibliotheca do Povo, 8 loIs. enes.; Obras de
Alvares de Azevedo, 3 vols. enc.; Poeaias de Gon:
Halves Dias, 2 vols. onc.
leiloes-Effetue r-se-hb4L;
Amanhb :
Pelo agente Gusmto, as 11 horas, A rua do
Imperador n. 16, de livroas.
Peo agents Pinto, as 101/2 horaus na ru a San-
ta-Cruz n. 10, da moves.
S-Tera-feira : *
FPeo -agene" Burlamaqui, is 11 horus, A rma do
Imperador n. 22, do armansem A rua do Visconde
de itaparica u. 27 e da casa A rua do Caramel La.
menha n. 26.
Polo agente Guswio, is 11 horas, na rua do
Marquez de Olmda n. 10, do sobrado n. 44 do pa-
trimonio do Terco.
Pelo agente ,Silveira, as 1,0 1/2 horas, no lar-
go do Carmo n. 9, tIe um bilhar.
Pelo agente Brito, is 11 horas, na rua do Ran-
gel I. 41 C de 1I.O croa, l1boi, moves eaucan.
Pelo agent Alfredo Guimaraes, as 11 horas, na
rna do Born Jesus n. 45, de moveis, lougas, vidros


u ataea. e --eo olbadas
mUUsstfas efrf-ea ctbaa


16, d &e s g.
I60 S8 jitenr *rirBma ds..
Dom w id. OMeqdiactaest- dia a
fteiadtsM --5


impor-


c oMa die m e .-Mieaft dw pro-1
sos no dia 4 de ja: ,
Extiam prom 860, entraram 8, mo h rem 16,
exist t a ms er: amio,- 16, ma.heres
10, teagermos 11, favos m 016 -dotaI 8 42.
Arragoados 319, aendo: born 805, doentes 14.
-Total 319.


PERIAIRUCO

The New London & B MraJam
ank iUnited


Capital do Banco


1.000:000


K do pago 500:000
Funmdo de reserve 200:000
BALANVO DA CAIXA FILIAL EM PERNAMBUCO,
EM 30 DE JUNHO DE 1884


Active
Letras descontadas
Letras a receber
Emprestimos, contas correntes e
outras
Garantias par contas correntes e
diversos valores
Caixa em moeda corrento


Passive
Depositos :
Em contaeorrente 1,535:274M800
Pita o e paor aviso 2,067:600J1990
Garantias por contas correntes e
. divers"oa valores
Diversas contas
Letras a pagar


433:199A630
855:329A440
3,427:5291750

669:150$510
1,120:972A120
6,506:1815450


3,602:875j790
1,077:155W800
1,7lj41:0264210
86:12856a0-
6,506:181A450


S. E. & 0. b
PernambucQ, 5 de julho de 1884.
W. J. Haynes, Manager.
^ea J. Daj acting. accountantL I

13QBOICA JgDlIGIlRlA

Tribunal da lnajh o

SES8O EXTBRA&RDINARIA EM 5 DE JU.
LHO DE 1884
PREIMENCUc DO EXM. SB. CONSELHEIRO
QUINTINO DE MIRANDA
Secretario Dr. Vmrgilio Coelo.
Asx oras do costume presented os Srs. desem-
bargadores em numero legal, foi aberta a sessao,
depois de lida e approvada a actada antecedeate.
Distribuidos e pasados os feitos deram-se os
seguiutiu. +
JULGAMBNTOS I
Appella95ea civeis F
De Palmava-AppeUante Francisco Antonio s
Pontua appUllado JoaIo Pereira de Araujo Car- r
0oso. Relator o Sr. desembargador Oliveira Ma-
cieL. Revisores os Srs. deseibargadores Pires U
Ferro" e Pires Gr"lves.-Julgou-se nullo to-- r
do e presso contra o, voto do Sr. desembargader (
relator. .. I
Do Macei6-AppleUante a companhia da estra- c
da deferro de Alagoas, appellada D. Maria Rosa
da Pareza Coutinho. Relator o Sr. desembarga-
dor Oliveira Maciel. Revisores os Sra. desembar- p
gadores Pires Ferreira e conselheiro Freitas Hen- i
riquea. -Converteu-se ojulgame to em diligencia. 4
De Atalaia-Appellante Jose Lopes Cayalcan- I
te, appellada D. Maria das Montanhas Tenorio m
de Albuquerque. Relator o Sr. desembargador
Olivira MacieL Revisores os Srd. desembarga- T
does Fires Ferreira e Pires Gon9alves.L-Foi eon- .
firmada a soatenga, nuanimemente. r
De Alag5as AppelUante Aristides Arnaldo I
Canzanaao, appellado Domingos dos Santos LimLa.
Relator o Sr. desembargador Oliveira Macie.L Re-
visores os Srs. desembargadores Pires Ferreira e s
conselheiro Freitas Henriques.-Foram recebidos a
os embargos contra o voto do Sr. desembargador r
Pires Ferreir. I
Do Recife-Appellante Joanna Praxedas deoAt- e
buquerque, appellado Manoel Fernandes da Cos- a
ta. Relator o Sr. conselhLro Fraitas Heariques.
Revisores os Srs. conselheiros Monteiro de Aadra- v
de e Queiroz Barros.-Foi coafirmada a seuntena, t
unanimemnente. r
De Jabdatao-Appellante Joaquiimr Maimino r
Pereira Vianna, appellados os libercos Romualdo t
e Josepha. .Relator o Sr. conselheiro Preitas Hlea-
riques. Revisores o3 Srs. conselheiro Monteiro
de Andrade e desembargador Pires Ferreira.-Fo-
ram deaprozados os embargo contra o voto do re- I
lator.. ,
Da Ecada-Appe1 aate a haienda geral, per c
sea eleetor, appelado Dr. Aatalo FraAeisco &
Correia de -Araujo. e2atar o .-r. eonsoelim e
Freitas Henriques. bvisoreas os Srs. conueIbej-
roq Mouteiro de AMdrade -a Quo"o arwa--Deu- t
se proviaiuto a appeU a "inente, pa
so= rao 0Amo p0 easo de A& 7 a djaate,
DoltecifeAppelanteaJ,* Joanna Fauacisea
de vito wonto e 30. io a&Ndo Leal
SIrm~o2 0tor l0 Sr. i oiIn-
;MIUef Revimres oa- Hr. oqnaobuiero M .turo
dWA&*e e'dQwuiro. bZ mrQr NamR dapreza-


Deo sN U tad'-Appehfante GuilherOe .
aea r a ad _nrie.Joe d a&.-f ".' -- .
ca.Befto. Sjr.. dwwfL--pArflfrCtvng
S^'- iia qMR-K^- t= ...
9e eLr '90

,o por easode apeleioL a,.-
Do. D AppeflIte Danel A i b o.e
R4 ppelaiie Aabio fmenaiudes did .
Relatw a t iMbrpdtw Olveirt a .
,im.r of .r d abex*v drevm PhiMs A M e
Pixes GQ t.lve-.foram deBpreadoB oa am tr
MO, MAMBMmente, .. Ii -
Do Maei-Appelaute Mans Co sSatt, t -
de Soza, atPeilado Jose6 Lis d.de O lfa a-
toreft elator o S t. deo veiem I Ma ced P Do-
vis..ot w eeso doembrgadores Phies forfr e
oe. Inialvee --Foram desprei adoS oat ies.o
gos, u.janimemente,
Do RWioe Appelante o juiro, appe*ida An- '
reli e d S einto Coimbra, sdnhi&da .seva ra-
tharinas. Rbelator o Sr. desembargadbr Pires sh -
reia. Reisw ed os Sr. desembargador Pires
GonaLves e conselheiro Freitefa Henriques..- l i
eoatfiimada a sentenda, unanimemente.
Do Recife-Apell ante Rosalina Maria da pli-
xo, appellado Fex Valois da Silva. Relator o
Sr. desembargador Pires Ferreira. Reviaores os
Sis. desembargador Pires Goncalves e conselteira
Freitas Henriques .- Foi reforinada a sentence
unanimemente e mandou-se advirtir a advogado
dappeilad. Embargo infringentos
De Jaboatia.-Embargante Manoel Carneiro
Lebo, eibargado Manuel Xavier Carneiro da CP-
nha.-Relator a Sr. desembargador Pires Gon-
falves. Revisores os Srs. conselheiros Freitas
Henriques e Araujo Jorge.-Nao se toamo conhe-
eimento dos embargo unanimente, por usar-se ao
mesmo tempo de dous recursos. ,
Appella* o commercial
Do Recife-Appellante Manuel Alves Aarbos w
ippellado Leonardo Antonio da Silva. Relatr'o
Sr. desembargador Oliveira Maciel. Revisores os
Srs. desembargadores Pires Ferreira e eonselhei-
ro Freitas Henriques. Foram desprcsados 03 em-
barges contra o voto do Sr. desembargador iaeta-
tor.
Do R-iis.-Appellante Franciawo avier de
Athayde, appellado Laarentino Jos6 do Miranda.
elator o or. dsacrbargador Maciel. Revisores
us Srs. desembargador Pires Ferreira oonsalhei-
ro Araujo Jorge. Presidio o julgamento o S-r.
eonaeloeiero Monteiro de Andrade.--Poi oonfirma-
da a sentenga contra o voto do Sr. desembargador
Pires Ferreira.
Do Reeife-Appellante Jobo Martins de An-
drade, appellado Augusto de Almoida Magalhbes.
Relator o Sr. desembargador Buiaue de' Lima. -
Revisores os Srs. desembargadores Oliveira Ma-
eiel e Pires Ferreira. Foram despresados 03s em-
bargoa unanimemente.
Do Recife-Appellante Antonio Silva, apjPlla-
ios Silveira & C., e Jos6 Joaquim Avires & CG o-
latar o Sr. eonselheiro Araujo Jorge. Bev*Wores
os Sra. conselheiros Monteiro de Andrade e Qaei-
r, z Barros. Foram despresados os embargoes una-
nimemente.
Do Recife-Appellantes e appellados p. Juli-
na Robilliard e o Bareo de Un4. Relator o Sr.
onselheiro Freitas Henriques. B-cevis res o irs.-
eonselheiro Araujo Jorge e Monteiro de Andra-
de.-Foram despresados os embargos unanime-
mente. '
Do Recife-Appellant s rgnacio Barroso.do&fel-
!o, appellada D. Claudina Francisca da Silva Gui-
narles. Relator o Sr. desembargador Oliveira
Maeiel. Revisores os Srs. consetheiro Monteiro
de Andrade e desembargador Pires Ferresra.--
Foram despresados os eminbargos unanimementq,
Da Parahyba-Appellante Paulo Cavalcante
Pessoa de Lacerda, appellado Jeremias Isaias de
kiattos. Relator o Sr. desembargadw Oliveira
faciel. Revisores Os Srs. desembargador PireB.
Ferreira e eonselheiro Freitas Henriques.-NEo
me tomou conhecimento da appeflaeao unaiame- ,
nente, par ter sido interposta fore do praso.
Do Recife-Appellantes Rodngues Carvaiho &
3y appellado Aquiliro Francisco de Souza Gus- -
nba. Relator o Sr. desembargador Oliveira Ma- .
oiel. Reviseres as Srs. desembargadores Pirea
'erreira e eonselheiro Freitas Henriques.--Foi
*onfirmada a sentence unanimemente.
De Porto Calvo-AppeUante Joaqa Bodra-i-
sues Tavares de Mollb, appellado Alexandra Hyp-
iolito Vercosr e outros, Relator o Sr. deaembar-
ador Oliveira Maciel. Revisares as Srs.. deset.-
>argadores Pires Ferreira e Pires Gonemalves.-
)eu-se provimento a appellaeao para se re refore
nar a sentenca unanimemente.
Do Recife-Appellantes e appellados o Barb..o
Iraeunhbem e o tenente-coronel Francisco Goa-.
;alves Tortes. Relator a Sr., desembargador.Pi, "
es Feereira. Revioares os 8ra. deseoibargadore, -
'ires GOncaives e conselheiro Fr'itaa Henriques.
Lnnullou-se todo o pracesso unanimemente. ; :


Do Recife-Appellante o administrator da ma&-
a falida de Jos6 Joaquim Pereira de Mendoa .
appellada a massa fallida de Jos6 Tavsa& Pim 4 *
o. Relator o Sr. desembargador Pires PFerreiRt.
levisores ua Sr. desembargadores Pires Goncantts
Scoaselheiro Freitas Heurique%.-Foi confirmada
Ssentena unanimemeute.
De Nazareth-Appellante Jos6 Cabral de Ol-
veira Mello, appellado Dr. Symphronio Cesar C0u-
inhe. Relator o Sr. desembargader F ua, Ferrei-.
a. Revisores os Srs6 conselheiros Fentas Hen-
iques e Araujo Jorge. -Nao se tomou conhecimen-
o dos embargo unanimemeute, por tetem sido
apresentados t6ra do praso.
Embargo infringentes
Do Recilte-Embargante JoaqnimrFrinciseoRi-'
beiro, embargado commend&dor' Albtno da Silw. --
Leal. Rolatoi.o Sr. eonsolheiro .Freitas Henri-. ".
iues. Revisores os Srs. conselheiros Araujo Jo-. '
ge e Monteir'v) de Andrade. -Foram reeebidsos s ;
miuttgos unanimemente. .. '
..ncerrou-se a sesaao as 2 horas e media ia ..
arde.


.............






























































vana e naciomaes, cachimbos, tabacos e oh-
jectos para fumantes. Livros de medici-
na dosiimetriea e unico deposit da fari-
nha laczea de Nestl6, para os meninos de
peito e leite condensado.
Drogaria
Francisco Manoed da Silva & C., depo-
sitaries de todas as especialidades pharma-
ecuticas, tintas, drogas, products chimico
e medicamentos homceopaticos, rua do Mar..
quez de Olinda n 23.



PUBLICAIOES A PEDIDO


Do Triumpho
Ao publeo
0 facto de ser respoadida aqui no iia 18 a uma
publicacgo, feita no Diario de 17 de maio, de uma
manifestaoo apocripha vinda do Triumpho, era
xaatante para convencer no Sr. Diniz, signatario
unico de ouna pallida replica no Diario de hontem,
de qub nao podia ter vindo do Triumpho aquella
resposta, e muito menos ser ella attribuida ao dis-
tincto e verdadeiro chefe do partido liberal, que
ali se aehava e ainda se acha, devendo ignorar a
existencia e o modo subtil e astucioso pelo qual
foi manipuilada aquella manifestaqdo.
Felizmente ainda me acho nesta cidade para
contestar em continent ao Sr. Diniz; e como jA
estou de regresso e atW de malas arrumadas, seri
csta a ultima resposta que lhe darei ao p6 da let-
tra, salvo so o ineu eo-rrespondente, que aqhi resi-
de, o quizer fazer.
Do contrario, responderei corn a demora neeos-
saria, em razao da distancia em que vou fiem.
Quando se trata de abaixo assignados, ahi pelos
centros, todos sabem de que uodo sao arranjadas
as assignaturas de algumas pessoas, que muitns
vezes sAo feitas por um ou dous officiosos.
E o reconhecimento das firmas nao importa a
,verdade das lettras, nerm o eonhecimento do eon-
teddo e-do objeeto da manifestacao.
0 nosso distincto ehefe nunca se rebaptisos, por-
que aSo tern seguido um partido; e se pelas suas
condieoes de fortuna e outros requisites que pos-
sue, e o Sr. Diniz nio Ihe p6de negar, tern conse-
guido snstentar a -sua benefica influencia e presti-
gio, ni o Ihe pode ser issoc langado como injuria ou
vitaperio.
Nao sei a raz'o porque se jacta o Sr. Diuiz de
ter side o primeiro signatario da manifestaeo.
Seria por ser o mais poqueno 6 humilde de todos,
on porque se acha magoado e despeitado, per nao
ter sido reconduzido no lugar do lo supplente do
juiz municipal ?
Pique certo o Sr. Diniz que o prestigious do die-
tincto chefe, a quem se refere, nao filou abalado
pela manifestacao; que o direetorio estAh bem
sciente e convencido do que vale ella, e jal he deu
o devido peso.
Recife, 5 de julho de 1884.
.A sentinella.

Castro Alves
Castro Alves! Seis de julhe de 1871! Um
nome e uma data!... Um nome fulgurante como
o sol que inunda o espago de luz! E urnma data
negra como tempestado terrivel que desaba sobre
a terra!
Castro Alves! um genio verdadeiramente ma-
gestoso, que tinha voos altivos come o condor, urn
astro seintilante que luzia esperangoso aobre o eo
da patria, sua gloria e porvir, o poeta eujos can-
tos inspirados ella repete e repetirA sempre! Mas
aquella data?!.. Oh! aquella data... significa
urmna gloria morta, uma esperanga estincta, perda
enorme e nluto pesado para as lettras brasileiras em
cujas areas paginas ja devera estar inseripto o
nome d'clle! Uiz o accaso, onde aquelle mete6ro
brilhante atufou-se para sempre, deixando esparsas
no horisonte as adminiraveis scentlhas de sea e
splendor !...
Era uma quinta-feira.
F.i na cidade da Bahia, n'essa terra quo ella
estremecia do fundo d'alma, longe, bern distant
da qual julgou-
Ver as plagas da vida alum perdidas,
mas
Sem ver o branco fume de seus lares
Levantar-se por entree as avenidas,
o quo a rua do Sodr6 n. 5, pelas 3 horas o meia da
tarde d'esse dia nefast~o e tnste, victima de uma
tysiea pulmornar, d'essa molestia qua tilo crua e
impiamente, no alvorecer da existencia, como quo,
quasz so, tern sido o algoz terrivel que n's tern
arrebatado os nossos mais bellos talents, ccifado
em ftor as nossas mals robustas esp.rancas, ell
expirou, e ao exnalar o suspiro final, livre das
prisons terrenas, alando-se pelo espaeo infindo das
regies etchereas, foi repousar no sfio immense do
Creador dos Seres!
A's 9 horas do din seguinte, no eemiterx do
Campo Santo, acompauhando tedos os hemens de
lettras da capital, foi dado a sepultura o cadaver
do poeta, fallando-lhe entro a derradeira despe-


dida, iemdolorosas e eloqueutes exprossOes--seus
amigo s Rosendo Muniz Barreto, Brito e outras.
atibaon.rro-se. 0 poeta na paz do
eeo *ormtapmia o seu longo dormir..., e, emqualito
& se t o C^ypreste tristonho ou do chorlo pen-
Sh e a oorpo abandonado2 o vento que
o. f olhagerm verd negra entoava-Ihe
avea d~ess* & a so-a-r i as d
iC~li83" Pam1 ,1!^oulas^ de:


sava, ree.tava vaite d
vid es oquencia, e sempreo apples I. gen ,
arraneado de ose auditorio q ela 0 Sr.
aniMnva polo eacanto de a sto OpiiO.,3 a- n IM
neiras inainuativ" "e W446 I,, pda- "'**W a iKm *" I
tytepstlbieae e attraMente, pal sua von Emm e riambf.
elara, por seus geatoa, pot seW t9d. ,eaaittiv*a AO Jb
foe. %- 8 *rn 1m*" *:lJ.ja
Por este tempo havia no R ecife tambem uma .&b
phalange valente de'*m0we. dateuaw, sunt igw e do pb-.
Castro. Alves e sons &imli 4doiiM*o Ad4pm, e4- AEi
tre o quaes eontavam-sne-YViiiiu>wliton, vtoes na
Franklin Tavora, Me as Dmdria, O.1w$lest JR- nitu,.
nor, Generino dos Ame 4 A Rfs- uBnr'm.OZau
gush.., Costa e Tobhrn-Roekt'Siau tir5i oo :tfiWs-
quem nutria neoayie.ram s.to iae feam t-- pwe Afg
bradas-por questocs do psirtsdaa eatro dna. iMt.- tiu teni
non rnito-celebnisadae n'esea 6poeha-.Eugepia NWah
Camara e Adelaide AmaraL. Asim qmatewm a- qae ostio
tro Alves no Recfe at61867, qmudo votou a terra tm m at
natal pera ever os la res dond aro ale 44- bli s tk
tou. Buseou um destine divaena, seguindo par- as4itio so
S. Paulo, onde foi eontinua aseus estudos, e ao 0 r. J
passar pelo Rio de Janeiro saudou-o Jos1 de Alen- melodiosa
epr, corn expresses sincere e animadoras, bernm' Pam mini
eomo A. Emilio Zaluar. Dr. Antme
Por esse tempo era ji ber Amdo sou aom.a. erpreza,c
Chegando a S. Pwdo foi ahi eebido com pramer 0 Sr.
pela academia inteira, onde seu nome ja era mui- peas de
tissimo apreciado, encontrando como amigos tat- (dos, awdi
lentos como Joaqvir Nabuec, Lui Gama, T. Mo- Termin
raes Filho e Carlos Pemeira, peMta e sea rival qm tada em q
o abraaram corn enisia. Cohece u VareUlade o ibaa,
quem era sinsero admirador e teve come mestre Jolo Rap
Jos6 Bonifacio, ligando-se ambos per las de ver- to effeito,
dadeira amisade e apreciaado-o mwtauamente. execucato.
Mais tarde pormu, o meatre dearugou-se sobre a Aqui te
camp do diseipulo que se partra, e esfoihando desempem
saudades pranteou-o sentidamente. menos ofi
Matriculando-se no 3o anne, em marcgo de 1868, amos pniva
em novembro depois de seuacto, quando tencio- atttcent.]
nava passar as ferias entire oas sas, em uama caa- exeeucio.
da foi victim de um accident causado pela des- Pedimos
earga de sua armnna, empregando-se o tire no p6 a gene di
esquerdo, do que resultou mais tarde a amputa- nams socie
gao d'este mesmo p6, que resignadamente sofreu. amadores
Entao acabrnuhado de desgostos, curvado sa- eualtivamo,
bre o peso de varias desditas, desalentado de es- avaliar da
perangas, sem ambi'0o alguma, tocado j& da cruel com prebe
enfermidade, a que havia de succumbir, effeito de habilitaoi
tantos infortumnos, no 40 anno de direito abando- aeeitamse
nou essas terras do sal e, silencioso e alqdmebra- impingir,
do volveu a terra de sea nascimento, buscmando lizmente &
n'ella o repouso, que achou n'um tumulo que abrio- qae esses
se para recebel-o... de me nwtrea
Das obras do poeta estio publicadas as-ES- sado.
pwmas flutuantes,-os-Escravos-que pass por Talvers,
sun obra prima, e o drama-Gonsaga ou a Reo- aiumpto.
lugao de Minas,-existindo ainda meditos outros
escnriptos apreciaveis.
Fallando assim sobre Castro Alves nao tentei que trata
fazer-lhe unma biographia, nao tive esta pretcnao; et Liqueur
apenas recordando-o, humilde admirador de seu a recent
genie, quiz e desejo, hoje que 6 o decimo tercciro Blaye pert
anniversario de sua more, render um preito a sua mos tech(
memorial, e transportando o pensamento par o se- en m nosso
pulcbro onde dorme o poeta, ahi esparzir sabre 0 Sr. A
elle una pora o de flores. nhecido se
S. de Vasconcellos Galvao. nos dos be


Concerto em beneflelo das obras
da matrlz da Graea
Tivemos hontem o ineffavel prazer de assistir
ao concerto instrumental e vocal que em beneficio
das obras da matriz de Nosa Senhora da Gra"a
fbi promovido e executado per alguns amadores,
sob a direocao do Sr. Emilio Lamberg, corn quan-
to a iniciativa pertencesse a uma das mais distinc-
tas amadoras que teve a muito louvavel modestia
de querer occultar seu nome.
SHa muito tempo nio assistimos a uma fests
artistic em que fossem apreciadoo alguns dos pri-
maores que temos na nossa sociedade que por falta
de habito ou de incentive co'nservam-se completa-
mente desconhecidos.
Qumato para sentir que o primeiro impulse que
se deu ha trinta annos nesta cidade, urma das ca-
pitaes de primeira ordem, tivessef de amortecer aos
embates da ma vontade, da inercia e da indiffe-
renca corn que ainda hoje muitos encaram a arte
divina.
Quanto tenriamos n6s adiantado no estudo e eo-
nhecimentos da musical se desde entao todos seoax-
rinassem para sustentar uma associagao em que,
pelo menos cada mez, houvesse uma exhibicAo do
progress d'aquelles que se dedieassem ao estudo
da music ? Come redobrariam de interesse os
mestres, se tivessem de entrar eam ueta corn os
discipulos de seus collegas que se estorgariam par
apresentar provas de suan applicaqao e estudos?
Entretanto no meie de tantas meninas, per quem
seus pages tanto se esmeram e desejariam vel-as
primary entire as suas eompanheiras, no s A uai-
tas aquella que se p6de dizer que executam al-
guma pega de music hem, ja nio so fallando no
gosto e eentimento, que os proprios mestres nao o
podem ensinar.
E' preciso portanto que se repitam rennioes co-
mo a de hontem, nIo tanto para se exigir ura pe-
sada impoalgio, que quasi sempre recae sobre uma
certa lista, que parece que pass de mao em mio
par todos os casos, como para se promoter o es-
timulo dos nossos munadores, e obrigal-os a envi-
darem todos os esforgos para primarem, par& so-
bresahirem uns aos outros, para sahirmos dessa
apathia em que vivemos que nio condiz corn o
grio de civilisagio, a que se diz, que temos che-
gado. 0 cultivo das bellas artes, da music, da
pintura, da esculptura, da esthetic., etc., 6 que
p6de concorrer para amenisar o espirito tornal-o
mais apto para receber e apreciar as diversas ii-
pressies que nos vem do mere em que viveMno0,
As difficuldades que deve eneontrar em sena-
nuiaho aquelle que quizer tomar a seus hombros a
empreza de fundar neata cidade uma soeiedade
phylarmonica, sao grandes, porem nao sao insupe-
raveis.
Os nossos melbores artists mesmo tem desap-
parecido, sem serem substituidos. Para isso eon-
coren -poderosamente a quiestio religiosa repri-
windo as festividades religioea por muito tempo,
e as pompas funebres. Um bomrn artist nIao so
faz de um moment para etro ; mas faz-se corn
long tempo.
Quae desprazer nao e ouvinrmos dizer que nio te-
mes musicos, e qu e 6 precise qne nos tragaa do
eslrangesro, come professors, alguns que estio
pouce acima apenas dos nossos aprendizes ?
E' precise recuarmos para no nos enveredarmos
nesse eaminho, que ncs levaria muito longer.
Apenas diremos, par qu e se saba que nesta ei-
dade ha penseas quo sabem algama eousa de muo-
sica para avaliarem quern gritat, quem canta, quem
desaftina e quem temrn voz, on a deixou -ja noa Cala-
bria oua na risonha Napoles.
Disso tractaremos em ontra oeeasiAo. Agora
vamos diner duas palavras e muito |resumilamen-
te do que preseneiamas, oevimon e sentimnos.
A" xr"a. Sra. D. Thereza Diniz pertencenu ulI-.
ta parties das glorias da noite. Na- tarauthela a
dons pianos corn o Sr. Tase Junior, arrebaton in-
flainou todo o auditorio. No s pode exigir maie:
deade o pianissimo ate o fortiaitino tu de de ad-
mirar, do extasiar mesmo. E' difficil ahar tan-
tos dotes reunidos aon um.s t ea s;
Ihtia mvigon de pulso da' esud, jue oqoa-
halba core tanta ou mais agiiida&44Wo a-,diwita 6


rioridade c
cognac, e0
Ihor de tod
eance de t
cipio alcoc
prpriedad
diser da qi
teo procur
do amundo
seu nome
agradavel
gestivo cot
Mistaram
mais hygie
fadigas, gi
paludosos.
tonicas e a
services a
os medicos
asa princij
niao, que
efficacia. I
popes con
feitos tonic
factories.


tuer quanw Pito a4 Wa
sujet~ab8w p,-a kinstoaeatasshai
eantan em 5mmw- ~pusasmys do uwftpft.
NUGnezo0 eaxNWdo0=0io0 Gft hontem
)r. A sib Be CD 6A a prim-a. d uVa
e delieadia, p um efael -1 rigoeosa.
A& gento qM a imaha sn n wride 0 sr.
Giu BetOao at.r foi ama'Venrdadeira
corn quanta muito agradaemL
Joaqtma Virima ema sou boa as su.s
canto, mas nao pertenoendo ao partido
i'en DU ha taut. quo admire.
ou o coaeU t n ama Ave Maria can-
ut*r l pese faa. Sras. D. Franeisca
L- p ~aiL U T -Lb. Aatosia Betue e
0so ; pega 6m ;q nip produzio mui-
comnquato wads the fUtasse para boa
rumanan a Baa tanea, qw bean mal
&ada fa porusren sabemja uem ao
it-fA da moaie, maI mram par isso esta-
Wos de otviHA, de star e di eapreeiar
pomto as beulea, o minaoeo'aeimne da
s a Nossa Senbora da Graa quw inspire
a nossa tema para que se renas e forme
demtde ase passM. e2biht as nos sos
de am e eutro sexo, e se aba que no6s
s as bellas arts e estamos am estado de
Scapacidade dos artists quw aqu veem
ndas falsa ; e qu alguem q a nao tenm
es scientificas so neo perswada quae nos
de beo grado. tde quoat oa qquerem
cone beoeios oa simplorios uando fe-
ia entire ,Se maita quma la ais do
qae aqui da eite para o diall.oram
W taav mnts prqnf fa a s6-

so tivermos mais tempo, VIteml t so as-
G. W.

o principal wgilo teehnico d Franca,
de quest4i vinieuhas a-Roeve des Vins
rs,-um a"tigo eheio de intense obre
descoberta feita ptr um proprietariode
;o de Cognac (Franga). Deie extrahi-
s que nao deixaraio de iterermar tam-
Ds leitores.
rdura (4 o nome do inventor) masito co-
ango do geral dos consumidereB pelo me-
ms entendedores em Frana, pela supe-
ie seus preparados, virhos e sobretudo
msegBio por, 6 o easo de dizer, o me-
tos os lieores, o-v-eao i ognae,-ao al-
odos os estomagos e a juatr a sen prin-
olieo e ineompaxavel aroma todas as
les do touico per excellenela, queremos
uina. Sim, a-Cognacki-a,-qae jA. 6
ada, que vai faser apidamite a volta
e toranr-se o lieou doe licfoee-4emo
o indica, nio s6meate de consummo
e quotidiano, come benefico e tAo di-
no aperitivo.
la eom agua tomra-se amua beda das
nieaa para todas as possess expect is a
rande caller, clime shumidoa e miaasmas
P6de, em razio de suas prepriedades
inti-febris, prestar os mais relevantes
as exercitos lonimaes, vista que todos
reeonbheeem quo a associCo do aleool
)pios da quina e particularmente do qui.
nella se acham contidos, favoreee sua
sto explica as numerosas receitas de
Squina e cognae, poane, etc., cujos ef-
;os e febrifuges slo m wa.tos e satis-


COIIElICIO
PraVa do ftelcre, 6 dejalho
de 194
As tries horas da tarde
Cotafoea oifficiez
AlgodAo do Aracaty, 81440 per 15 kilos post a
bordo no Ceara, a trete de 318 d. ce 10 010,
em 2 do corrente.
Caf. do Rio de Janeiro, 2a superior, 74000 pp 15
kilos, em 4 doeorrent.
Cambio sobre Londres, 90 dlv. 20 d. por 15000,
do banco.
Cambio sobre Paris* Avista, 483 rs. o france, do
banco.
A. M. de Amorim Junior,
President.
P. J. Pinto,
Polo ecretario.

REVISTA C-ONEU CIAL

Da semana de SO de Junbo a
5 de JuJbho de 1884L.

Cambio sobre Londres, 90 d/v 20 di/s 1o00,
do banco, e A vista, 19 3/4 15000 baneo.
Cambio sobre Paris, A vista, 483 reis o france,
baiaco.
Venderam-se 15 Aceoes da Companhia de Se-
guros Phenix Pernambucana, do valor de 2005000
a 4555000 cada urna.
Venderam-sc 20 Aecoes da Companhia de Se-
goros Indemnisadora do valor de200, a 4625000
cada uma.
Venderamn-se 12 Acces da Companhia do Be-
beribe do valor de 505 a 1005000 eada uma.
Geuere uaekiamaae,

Aguardente= Vendas de 681 a 70J000 per uma
pipa.
Algodiao.- Entraram 296 saeeos, ultina veado
do do sertio d6 8A600 per 15 kilos.
Dito do Araeaty, vend& a 8A440 por 15 kilos,
poato a bordo, frete 8/8 e 10 per eento.
Auucar=- Entranam 1,0138 saccos, nominal aom
preqos segmntes :
0 braneo, superior, de 83. orte, a 35701U"
os 15 kilos. 0 dito de 3.- sorte, bQa, de 500 a
84600 og 15 kilos. 0 ditode 3. sote, regular, do
8A200 a ,3300os 8 1k".(;,t4o Srtsede
%SWQO a 3Al00os kik 0 {& toBOdit a
5IM0 os300 15 kilos. 0 msvad, Par-
ido, n o de 2400 a 4O0. .0 ito rea
de 1f950 a 2A100. 0 au mvufdet1 jSg
1 '4l700 E15kilos. 0 ato,reula
a 1AW on 15 kilos. Canal, d o*tA 'por


Agradecimento
Restabelecido da grave molestia, que me ia
eeifanido a existencia, venho hoje, pr mim e pr
minha familiar, agradeeer aos muos res clle-
gas os seus esforgos e dedicate paa debellarem
a molestia e promoverem o men restabelecitnento.
Como medico, eohbecendo o eatado grave a
eheguei, nio, posse deixar pasr desappercebido
os nomes dos meus distinetos eolegas DS. Ar-
gollo Ferritoe, 84 Pereira, Bruno, Maia, Adrian e
Mscozo, que corn suas lazes Co nram trim-
phar do mal e dar assim urma prova irrecusavel
de sua sciencia c tino medico.
Recebam os men s collegas oa meus sineeros vO-
tos de gratidia e pego-lhes que considered as mi.
nhas expresC.es como o reconiecimento do sea
saber.
Faltaria ao eumprunmento do meu dever se nesta
occasilo deixasse dec.,pressarao Exm.Sr. Baro de
Santa Cruz que pela sua amizada e dedicagio n"
commum, comprovada durante o long periodo da
miuha molestia se toriou credor d um eterno re-
conhecimento, por minha parte e da minha fa-
milia.
Aos meus an"os dedicados commendador Jose
Pedro das NeveL, D. E. France de SA e capitles
Manocl Januario de Arru'a e A. Cousseira de
Mattos apresento sta pequena p.ova de gratidia
pelos testemunhos de amizade e interease que
mostraram pelo meu restahelecdmeato.
Igualhnente gratas a todos os que me honraram
corn suas visitas, offerego os meus diminutos pres-
times como amigo grato e maincero.
Recife, 5 de julho de 1884.
Dr. Ignacio Alcibiades Vellzo.

Opera itatiana
No Jom, io )Jeedfe de hontem veio G. W. ou
W. G. que se declarou ser o Sr. Gustavo Wer-
theimer, monetrado-se tdo iamttado, responder
As nossas ligeiras observa es sabre as suas cri-
tic.a anteriormente publieadas ; man, frera 6 con-
feasar, A, infelicidade do sea pparInento 6 pa-
te'ttd de quo nmor de.eve foamabaladas as
woesmaai oboervaces, que, na propria eonseiecia
do Sr. Gustavo Wertheimer, aio -e nem pod4em
deixar de oer cabalamente preedentes.
Os trecahus, quer da opmra II Tristore--omo
.a opera Urn ballo in mc Chera,-objeet. prin-
cipal da nossa dime por oovaeoeralmen-
te aeeita em teodo os tre da Europa e da
America, no sae o eantado desde mauitos anne e
isto mesmo deve estar Ua oonacieaeia do proprio
Sr. Wertheimer, conhecedor olmo quer mostrar-se
do que se ha passado corn relagoa opera italia.
na. Neste ponto, 6 fora de duvida que as nossas
observao5es estAo perfeitamente de p, diga-se a
verdade.
Quantao mais que so coutem em sen atigo de
hontem, alo sendo nosao iatuito prejadiear corn ma
Milho== Retaiho a 80 e 75 r-is per um kilo.
Pelles de cabra= Nominal de 705000 per um
cento.
Sal do Assi== Ultima venda a 15000 por 100
litros.
Sebo = Cotamos de 81800 o 15 kilos..
Sola= Cotamos de 45000 a 65000 um meio.
VeHas stearinas = Retalho de 340 reis por
mass de 6 velas.
Xarque do Rio Grande do Sul. = Deposito
137,000 arrobas, retalho de 45000 a 5A600 os 15
kilos.
Seeron estrangeir..
Alpiste= Ulitiman venda a 45600 por 15 kilos.
Arroz da India=Vcnda a 2500 o s 15 kilos.
Azeite doce = Retaiho de 3200 pot ead.
um galio.
Bacalhao=- Deposito 14,000 barricas, retalho a
16000 e 175000 uma barrica.
Breu = Retalho de 125 a 145 per uma bar-
rics.
Batatas em caixas = Retalho de 3.800 e 45
uma caixa.
Ditas em gigas= Nibo ha.
Carvio de pdra== Nominal de 14 a 18A000
uma tonelada.
Cemneiat.= etal de 9 a 10 urnma bamrnea.
Canella=Retalho a 15350 um kilo.
Cerveja Bass= Retalho de 95000 a 105000 urna
duzia.
Dita preta= Retals. de 95000 a 105000 ura
duzia.
Dita de divers. maneas= Retaiho de 65000 a
85000 uiea dia.
Cebola= Retalho de 135000 uraa caixa.
Cha- Retalbde 3 a 50g)00 um kilo.
Comiahs= RSetal de 12000 oas 15 kilos.
Hervy doee= Retaliw de 145000 os 15 kilos.
Farello de Lisboa = Retalho de 35900 per
nm SAeC0.
Dito do Rio da Pratao= Retalho do 35600
a 35700 um eacco.
Farinha de trigo= Deposito 17,000 barrias,
aosn precs begBte A d
A americana, 215 a 225 uma barriom. A do
Triestre e Hungria, de 265000 a 295000 cad.
urea barnica.
Feio imlatiuho= Retalho de 135000 per um


sacco.
3ite de cores.=.= Nominal de 85 a 95000 um
saeco.
Keroseae= Retalho de 358 3J9500 anma lata.
Louga iagleza= BIetaebA a 350 por cento saobre
a fact'ra. ''*11 111 *
SMasas galin S.= tma venda d 72O0 tumaa

Manteiga fan clr em a bwris. = Vendas de
1;678 a e6 a por rnd kilo. Dita em latas,
da mtuca t =Jtim, veands81 por lata de
IaoL. Ditia# aa laetas rtlbo 20116
a 24726 sau kIlo. Bit .em Istas, da mare.
Gewgpba Lux, yataifrdl e 2,66 a 20725 umn
rkaWO do 4 ijlb'WrLi -M1:111
; PSAWf feiaso fitahoB *0 aSW0 eJO 6 U000 o


Nos Diaris e rJormal de hontem, depois de lIon-
go eavaco osebre ertos bates insigfoastes, din
V. S. que nada deve em titulos veneidos, e termi-
na perguntando:
a 0 commerciante que se acha em takes condi- '
oes pode ter reqco de quebra, pode o seu eredito
aehar-se abalado?
A formula ambigua do quisito, q* envolve duas
questoes distinetas, nao nOs permitted urma respos-
ta immediate e seguar, peloe qe darnel-a nos so-
guimtes terms:
ase ecommerciante nao teve oeeasm o de substi-
tuir titulos antiges, veneidos e nao pagos, por.Ou-
tes novas, em reforma? Ar
Recife, 6 de julho de 1884.
0 publico.

Ao publeco
0 eredito do eommerciante 6 mais & Au qae ola
vida, ea aua hounr too hoe oamem de brio deve
manter illesa sua houra; eis porque venho hoje a
impr-asa.
A pesi. que me orearam os meus, constates
trabalhos e commettimomtos isduBtriaes teor-me
angariado gratuitos inimigos e invejosos de baixa
especie, quo pealm s6 poderem ser grande em
face dos destrogos dos que poderiam aliAs servir--
lhes de incentive e exemplo.
D'ahi diversos -manejos empregados no intuito
de prejudicar-me, e nao podendo attingir-me re-
eorreram ha algum tempo ao indigo meio de pro-
palarn quo oa men eredito estava abalado, apesar
da strict: pontualidade na satistagio des meus
compromises eommrcmies.
Ultimamemte, porAnm, teem insistido e dado
mais exteoslo a tal boat, e um ete quo s6d terna
motives para ser-me agradecido aproveito.u-se
disto e mandou por molequee apregoar a p"ea a
minha quebra I
A tio covardes e vis maehinaes pTodia respon-
dec co a e ileneui q.e o este eamo se traduia des-
preso; e assim procederia se os meus inimigos vi-
sassem s ante pMwiudicar-me ao anino dos meus
credores, que per si memos podiam avaliar da t
improeieacia e infamia de taes boats, esde que I
pootualmente solvesse minha obrigaao. V
Mas 6, takes boats podem prnudicar-me no i
coneeito public e produzir tora destapraca algum
efleito, e oas meus devedkes peasarem que podem r
adiar o pagamento de suas dividas, ou cogitar de
arranjarem novos torneedores.
Toicinho adeoLisboa= Utima veMdj a 13fQs I
15 kilos. Dito americano Retalho a U1000 d
os 15 kilos.
Veok stearmiu Retalhe de 380 a 880 res Uam
mago. C
'inagre--= Retalho de 13D; e 15wi uMa
Vinho tinte de Lisboa== Retalho a 200 e 9Ir ,
uma pipa. Dito da Fi*Weia= RQetaho 210 e
230 ua pimpa. Dito do Cette, hraUeo,= Retal 1
2105 e 215 urma pipa. Dito do Porto, em caixas
etalho de 85000 a 20000 uma eaixa de 12 C
garrafas, conforme a qualidade.
Xarque do Rioda Pa= Dpaito 126000ar-
ba9=--Eetalho de 450M a 548Mf pw 156kawl.
%s.- d-SO wS@ pe

RENDIMEhTOS PUBLICOS
Mes de julh de 1884 9


lrvAxmDGA=--De 1 a 4
Idem de 5



-tu-m--OoiAxaDe 1 a 4
Sdm 4d 5


JovurAwo Povmou--De 1 a 4
Meade5


Boom DBuem-D. 1 a4
Idem de 5


102:6415159
24:637A163
217:2785322

4:2808353
1:75912

6;039:766

36:776A412
;1075O31



837*20
%IWA ,i


ALTERAVAO DAPAUTA
Para a semana de 7 A 12 deo ulho de 84.
Algodo em rama, 800 rs. o kite.
lfd4egaddcPerarmbueo, 6 dejuIho do 1884.
Os conferentes,
J. da Costa Cimne
Tito J. C. Rangel.


DESPACHOS DE IMPORTAQAO
Vapor ingle Pazao, uetrm de Fiuma em 8 do
eonvnte e consiguado a Johnston Pater & C., ma.
nifeoton:
Agma mineral 12 caixba Victor Prealle.
Parinha de tigo 4,370bOarrica a ordem, 3,150
a Maeh4do Lop s C. 1,300a IL Forster & C.
Papel 5caixa a Otto Bohres Successor, 6 e 4
fazdo A ordemain.
i -- 1 1 .- 1
- Vapor fmaneei Semp4 sutrxdon des portrs do
Europa, em 5 do eorrente, e consiganado a Augns-
-tlAbillle, anife ,
Azta 1.eiix W a(h &, oC.-Aaejm 6
Baesatwnbos&C., IR1*14U &CAW -
n~r. 5a rd'I.Ae mf-


Agora o pualieo e spcialmenteo eemmre,
fieam habilitados ajulgar das torpeas machinaea
de meaeuTis detractores.
Fabric Apollo, 4,de julho de 1884
A, P. daCGua.



Sodedade Auxiadera do Agricul-

tura do fm@ttnbco
.0 Congreso do Recife
CONVITE
Em presena do estado appoefasis da
Lavoura e do Commerieo detsa e das vi-
zinhas provincias, ameagadas em suas
cozdiqoes do estabilidade pelos deamandos
do aboieionismo intransigente, a Superin-
tendencia d-a Soidade Auxiliadwa da
Agricdthwa de Pernambuco, do ceordo
com.rn a delibera* o tomada polo causeli
adminsta*vo da mesma sociedade o dia
7 do corrente, a pedido dos Clubs da Ia-
voura da Escada e de Ipojuca, convida a
todo. os mnembros da respective Sociedade,
dosClubs da Lavoura existentes, da As-
saciago Commercial Beneficente, daAsso-
cia~go Commercial Agricola, e em geral a
todoe o agricultores e mais pessoae di-
recta ou indirectamente interesada na de-
feza do direito de propriedade, tal qual se
aha oreconhecido na constituio o legisla-
glo vigente, para no dia 17 de julho pro-
ximo vindouro, as 12 horas do dia, reuni-
doe no Congresso no Sallo da Associaso
Commercial Beneficente denta cidade do
Rcif, reprsentaresm aos pdere do Es-
lado, em ordem de obteremwse a medidas
legislativas e administrative indispensa-
veis ao restabelecimento da ordem e con-
langa na grande officina do trabalho na-
cional, e proOvweres a raalisa*o do rn
centro executive, dotado corn os meis de
asoo indispensaveis, oe compativeis corn
is nossasleis, pars combateras doutrinas
Iho & C. Licores 50 caiasw a Smlzer & iKWoc U-4
ditos e eWgac 36 caixas a Ramas & C.
Mass. ali&Uatieia 6 eaixas aos mesmos. Mer-
eadocias diversa 9 volumes a Parente Vianna &
., laJoe4 Aatonaio da Motta Gwiaaies, 1 a
rol Bernard, 1 a L. de Albuquerque, a F. de Fa-
i & C.
Objeatom para chapko de sol 4 eaia ua F. H.
Penoira.
Papel 2 caixas a Francaco Mauoel da Silva &
U., 2 a Mnmel C. AyaQ 1 Iorde ditos e livmrs
I caixa a J. W. de Maderos.
Queijos 1 osixa A ordem.
eliOs 1 eaixa a A. ReW & C., 1 a J. Krau-
se A -1 a Eugeme Qo*eeL
Weomouth 1 caixa a Jose Joaquim Alves & C.
Viaho 14 Uwri* # Adeo3,4 ccoam *gaeiAos, 5 a
Paulino de OliveirMa 3 a J,. Louret, 4 a Aran-
es& C', 2 a Fouqazi 8 aixas a ordm 20 a
Pauline de Oliveira Maia.


DESPACHOS DE EFXPORTAQAO
Em 4 lejh de1884
Pora 0 e xtwle
No vapor inglez Lalande, earregon
Pas ivepo, A. J. dAerAoi Sbrinho 2,00r
speNWs om 160 kilon do aaesar mae aado;
J. B eaMuMeo 8 --M cam, a7or00- If lan ese-
o0mp dse algodalo.
.1 kaUM^55aal mwq ir agre.o:
Pars aM~l~yhs,? PAvBaibamnleas cois
a^Q0 lilaf dismea0 bramme.
Pt o Naal, P Alvs C. 10 barmea cam



B7uoree a euseacar bian ap. ranez
Pans Magsgy, A. do Oiveaio e os s 2 bar-A
rican coam 60 kilos do aenucan branco.

MOVIMENTO DO PORTO
Navaw entracio no dia 5
Bandeaux o encalan-14 dias, vapor fraacoz Sene-
gal,- (I. 2,368 temeladas, comonaesdaate Daue,
oquipagem 128, earga varies geneono; a Augus-
to LabUie & C.
Sakidw no mawno&a
Coner oea-aes-wW-Vor naioal BPraama, coMa-
mandante Fabio Rine; cargp varios generos.
Baenan-Ayres e esealhs-Vapor frances Semegal,
cornuasudautu Uste; esrga varies generous.


VAPORES ESPERAO8


Cotopawi
Cordillra
Pard
ViY'e d Pe mabuc
Scalptor
H -bw
7rw$


daERroa.
do Paeifio
do sat
daoEuropa
da Kurapa
daBa ia


hole


de Janeiro




















































0 Dr. Adriao
MEDICO
Continiua a dar consultas dts 11 as 2 horas da
tardeo, em sen antigo consultorio, rua Larga do
Rosario n. 36, 1.0 andar. Chamados por escripto
a uqalquer hera, na pharmnacia Bartholomeu & C.



Xarope de Easton
DE I
BIURGOYVW
SNerve tonic }
De venda erm todas as drogarias do
BRASIL U

M m Baro BlrDbWS & 0. {H
S Fabricantes pharmaceuticos
Coudres



Loja das Machinas
Pelo nosso amigo e chefe Jose Correia do Ama-
ral nos foi remettida a seguinte publicagio, que
entregamos a apreciacio do public :
Polo paquete de hontem recebemos communi-
eaglo que urn beneficiado ingrate, no intuito de
prejudicar-nos havia dirigido a urn de nossos cor-
respondentes do Rio de Janeiro urn anonymo con-
tra nosso credit e lealdade commercial, cuja in-
fame aleivosia os nossos auiigos entrcgarain ao
devido despreso.
Nao nos assustam as vilanias dos traidores, mas,
come commerciantes tomemos o dover de protestar
central essas infamrnes mrachinauees de inimigos co-
bardes, que se embucam traicoeiramente no ano-
nymo que 6 a capa dos calumniadores vis; e s6
per esse respeito devido aos nossos amigos das di-
verss pracas do imperio e das da Europa e que
vimos a imprensa.
Ao miseravel intrigante e calumniador o nosso
deepreso e seu eterno remorse !
0 commercio deve acautelar-se contra o baixo
intrigante de nova eEpecie.
CearA, 21 de junho de 18-4.
Joao Antonio do Amaral & .Filho..


Loja das Machinas
Segunda-feira, 16 do corrente, seri reaberto,
este important estabelecimento de fen'agens sob
A nova gerencia do Sr. Antonio Amaral, nosso an-
-tigaw-mpregsdo.
Tendo o Sr. Conrado Cabral, a quem conflamos
a gerencia dessa case. abandonado-a fumos forca-
dos a tel-a fechada para darmos o indispensavel
Balanmo que so hoje terminamos o arrolamento
das mercadorias alli existentes, corn assistencia de
alguns cemmerciantes desta praga.
Logo quoe o referxdo Balan.esteja techado da-
xemos conhecimento do resultado ao respeitavcl
public. %,
Fortaleza, 14 de junho de 1884.
Joao Antonio do Amaral & Filow.


Programma da festa do Senhor
Born Jesus das Chagas, no do.
mingo 6 do corrente
Hoje, ao mei dia, subiri uma salvea acompa-
nhada de fogos, tocando n'esta occasiao uma ban-
da de'musica martial, annunciando o dia do ver-
dadeiro regosijo para todos, que corn fervor dedi-
cam-se ao Culto Divine.
A's 4 e 1/2 horas da manha do dia seguinte seri
celebrada uema missa em tenxio dos devotes do
mesmo Senhor. Ao romper da aurora havera uiea
salvea acompanhada de logos do am.
A's 11 horas teri comedo a solemne festa, sen-
do o orador do Evangelho o Revd. caoellao do
:i exercito Joao Leonardo Grego; a orchestra sera
dirigida pelo maestro Joio Policarpo Rosas. A's
4 e 1/2 horas da tarde a mesma banda de musical
toearni, subindo n'essa occasigo um baleo. A'
i noite tern lugar o Te-Deum sendo o orador o pre-
gador da Capella Imperial frei Augusta da Imma.-
SI- ulada Conceicuo Alves.
A mesa pede aos moradores do pateo da igreja
que illuminem as frentes das suas casas para
maior brilhantismo d'este acto.


Cada vidro corn as istrueces 38000.
Os effeitos obtidos polo LvixT B AL:xvwBoz
do nosso estabelecimento, s a mnelhor ga-
rantia pars quem desejar ter este remedio
puro.
N, 11--ua do Cabugf -N. 11
Pharmacia Pernambucana




S MEDICO E PAR.TEIRO
SDr. Joaquim Loureiro
Coxnsultorio e rcsidencia rua Duque
Scle Caxias n 39, defronte do DIARIO
DE PERNAMBUCO, onde di consul-
tas das 10 As 2 horas da tarde.

*XXXXXXXx--xxxxxxxx
Oculista
4 ODr. Barreto Sampaio, medico ocu-
S lista, ex-chefe de clinic do Dr. de Wee-
Sker, da consultas A rua do Barae oda Vie- .
toria n. 45, segundo andar, de 1 as 4 ho-
S ras dadtarde, except nos domingos e dias
santificados. Chamados em seu consultorio X
Sou em casa de sua residencia A rua de
SRiachuelo n. T7, canto da rua dos Pires,
*XXXXXXXX--XXXXXXXX
Pharmacia e drogaria

25-Ramo ara' Victoria-5
J. C. Levy & C. con-

vidam a seus amigos

e fregueses a visitar

seu estabelecimento.

que se acha present.

mente montado e devi.

damente preparado a

semelhanga dos me-

Ihores estabelecimen-

tos desse genero das

principals capitaes

d'Europa.

Recebe por todos

os vapores products

simples, chimicos e

preparados pharma-
ceuticos, dos melho-

res, mais conhecidos,

e acreditados fabri-

cantes d'Europa; pelo

que se acha habilita-

dos a fazeruma reduc-

co sensivel nos pre-

cos ja conhecidos. Fa-

zem tambem sciente

que sao depositarios

dos medicamentos do-

simetricos do doutor


Bourgraeve, S edlitz

ehanteaud, chA preto

de Horniman e das


Faco saber aos que o present edital virem, ou
d'elle noticia tiverem, que se ha de arrematar em
praca public d'este juizo, depois da respective
audiencia do dia 17 do corrente mez e anne, os
bens moveoi seguintes:
Umna mnobilia de madeira de jacaranda, compos-
ta d- 12 cadeiras de guarnicao, 4 ditas de braeo,
2 sofis, t par de consoles corn tampo de pe Ira e
uma jardineira tambem corn tampo de pedra, ava-
liada per 100J5000; 2 guarda-lougas de madeira de
amarello per 405000, 3 aparadores de madeira de
dito per 12)(00G, uma mesa elastic de madeira de
dito per 205000, 2 guarda-roupas de dite per 50;,
2 toilettes de jacaranda per 30JMO, numa commo-
da grande de dito, bastante usada, per 155000,
urma secretaria de amarello per 205000; cujos
bets moves vAo A praca per executio que move
Jose Joaquim Alves & C. contra D. Josepha Ma-
ria de Albuquerque, e se acham depositadjs em
poder da executada. E nio havend&o lanqador que
cubra o prco da avaliago, a arremataglo aeri
feita pelo prego da adjudica* o corn @ abatimento
Ida lei.
E parea que chegue ao enhecimento de todos
mandei passar o present edital, qpe sera publi-
eade pela impensa e ,affixado nos lugares do cos-
tume.
Dado e passado n'esta cidade do Recite, capital
da provincial de Pernambuco, aos 4 dias do mez de
julho do annode 1884. Subecrevo, e don fA; data
supra.-0 escrivao, Joao Gomes dos Santos Fi-
Iho.
Thomas G'arcez Paranhos Montenegro.
Joao Ignicio Ribeiro Romea, 40ijuiz de paz da
freguezia do Poco da Panella, president da
respective junta parochial, etc.
Faz saber aos qne o presented edital lerem, que
no dia 1 de agosto do- conrrente anno. se deve reunir
a junta da parochial, para proceder ao alistamento
dos cidadios da paroehia para o servivo do exer-
cite c aimada, sas condigbes do art. 9 1 do re
gulamento approvado pelo decreto n. 5881 de '7
de fevereiro de 1875, devendo essay reuniio so ce-
lebrar no corpo da matriz desta pavocbia, cm 10
dias consecutivos, desde as 9 horas da manhi 4s
3 da tarde : convoteo, pois, todos os intereisaios k
comparecerem nesse lugar, dias e horas, para
apresentarem todos os esclarecimentos e reclama-
Oes a bern de seus direitos, afun de que a junta
possa, bern orientada, ficar da verdade, e habili.
tada a fazer as dedclara5es e dar as informacue3
precisas a esclaxeeer o juizoa da junta revisora
que tern de apurar esse alistamento.
E purea conhecimento de todos manda lavrar o
present edital, que sera affixado na porta da ma-
triz e que vai per mirm feito e rubricado pelo juiz
de paz.
E eu, lanoel Francisco Coelho Junior, secre-
tario da junta prroehial, o subscrevo.
Juizo de paz da freguezia do Poeo da Panella.
1 de julho de 84. Manoel Francisco Coelho
Junior.
Joao Roma.


Edital n. 1
0 administrator do Consulado Provincial an
forma das instruccoes do 27 de julbo do anno. pro-
ximo passado convida a Associao Cominmecial
Beneficente, dos Artistas Mechanicos e Lihersaes,
Agricola dos Merceeiros e todas aquellas que ti-
verem existencia legal e conhecida par. que se
incumbam de proceder a distribuigo das tax-as do
repartiAo, estabelecidas na la, 2a, 3, 41 e 5a par.
tes da tabolla do imposto de industries e profisses
a que so refere o art. 1,0 26 da lei n. 1810 de 27
de Junho find, de accord corn os arts. 20, 21,
22 e 23 das mesmnas instruccoes, modifieados polo
art. 13 da refcrida lei e sob as penas, dos arts. 14
e 15; devendo as mesmas associaoee remetter o
trabalho, que fizeram, A esta repartieao no praz-
inimprorogavel de 30 dias a contar da data do pro
senate edital, sujeitando-se em contrario 4 distri-
buiao que for feita per esta mesma repartieao na
forma das alludidas instruccoes e da lei citada.
Consulado Provincial, 1.o de Julho do 1882.
Francisco Am&nthas de Carvalho Moura..

Edital a.9
0 administrator do Consulado Provincial scien-
tifica a quemn interessar posse que de hoje em
diante todos os couros que de outros munieipios
vierem a esta cidade, quer per terra quer per mar,
devereo dar entrada nesta repartieao, e depois de
armazeuados nao paderao ser transferidos scm
permissao daquella repartieao, de accord coin o
disposto no art. 184 da lei n. 1810 e sob as penas
do art 25 da mesma lei.
Consulado Provincial de Pernambuco, 10 de
julho de 1884.
Franciseo A. de aCrvalho Moura.


COIANHIA


Os senkores accionistas desta companhia slo
de novo oonvidados a se reunirem em assemblea
geral eudinaria no dia 9 do corrente mez, ao meio
dia, neste escriptorio A rua do Imperador n. 71,
afim de tomarem oonhecimento do relatorio, pare-
cer fiscal e contas do anne social find.
ComO' disp6e o 4 doart. 15 da ilei n. 3150 de
4 de novembro de 1882, a reuniao ter& lugar corn
quaiquer que seja o numero dos senhores accio-
uistas. que comparecerenm.
Escriptorio da companhia do Beberibe, em 5 de
julho-de 84.
Ceciliano Manoel Alves Ferreira,
Director gerente.
Jose Eustaquio Ferreira Jacebina,
Director secretario.

Locomotora Pernam-

bucana
Coavida-se aos Srs. subseriptores desta com-
panhia para se reuuirem em assembl6a geral no
dia 9 do sorrente, is 11 horas da manha, no edifi
cioda AAsoeiacao Commercial Agricola, parea a
approvaao definitive dos estatutos e do parecer
da commissio nomeada pare verificagio dos valo-
res representados em matcriaes existentes e obra
j realisadas, assim como parea installa&o da
mesma aompanhia.
Josi dca Silva LoyoJwmdor.

0 procurador dos faitos da fazenda
provincial, tendo recebido, nesta data, da
secgo do eontencioso do Thesoupo Provmin-
cial a relago abaixo transcript dos coi-
tribuiateskdo imposto de decima da fregue-
zia do S Jost do ,gercicio de 1882 a 1883
que deixaram de pagkr o mesmo impostor
na terpo competent, declare aos mesmob
contribkintes, quelhes ficamarcado o prazo
de 3)dias, a contarda publicalo do pre-
seante edital, na conformidade do disposto
no art. 53 da lei n. 891, pare recollierem
a hnportancia de seus debitos. ao Consa-
lado. Provincial, certos de quo, findo o re-
fevido prazo, se procedera executivamente
a eobranga.
Recife, 9 dejulho de 1884g
Joao Francisco Teixeira.


Travessa do Lima n. 1 Cons-
tantino J. da Motta
Domingos Thootonio n. 50.
Deodato Pinto dos Sanhes
f3ecco da Travessa do Fkeitas
n. 2 Diego Augusto dos
Rios
0 mosmo n. 4
Travessa do Rapozo n. 31.
0 mesmo
Travedsa das Formosas n. 11.
0 mesmo
Via Ferrea n, 24 A. 0 mes-
1110.
mno.
Tr.,vessa do Poixoto n. 22.
Dionizio Pacheco da Silvai
Marcilio Dias n. 133. Dioai-
zio Hilario Lopes
Santa Rita n. 11. Domingos
Antunes Vilkaa
Travessa do S. Jos6 n. 39.
Domingos Bernardino da Cu-
nha
Dias Cardozo n. 84. Domin-
go Jos6 da Avila
Imperial n. 54. 0 mesmo e
outros
Dita n. 56. 0 miesmo e On-
tros
Travessa do Peixoto n. 21.
Eduardo de Moraes Carva-
lho
Travessa do Cypriano n. 1.
Eduardo Jos6 de Mollo
Travessa "e Domingos Villaca
n. 4. Domingos Antunes Vil-
la
Travessa do Cypriana n. 3.
Eduardo Jos6 Mello
Marquez do ,Herval n.. 142.
Em8i Carolina Castro Ma-


10,#760

12#512

75622
1#274

144274

74549

9$5274

126699

85.125

194785


266096

27#371

24#584

16.974


16t674

71274


8.3984 x.n 27. For tUata J.a-
duviha da Uonceiiao
A p, 8. 0 nmismo
Ljn., Frati
Candida Silva
-Dita -u. 8.'A' Umi"
Dit n. 21. A mesma
Dita 55. Aa& eaA
Domingos Theototo n. 10.
Francisca Carollna do Fi-
gueiredo
Travessa do Freitaw n. 28.
Francisca Emilia da Silva
Tiavessa da rua Nova de San-
ta Ritea n. 25. Francisco
Nery da F-pnseca Banks
Dita n. 27. 0 mesmo
Vidal de Negreiros n. 206.
Francisca Thomazia. da Con-
ceiglo C.
Dita n. 208. A mesma,
Ditas n. 186. A mesmn.
Ditas 188. A mesma
Ditas 190. A mesma
Cormonel Suassna 201. Omesmo
Travessa do Fran.a n. 2 Fran-
cisca Thomazia da Costa
Travessa do France n. 4 Fran-
cisca Thomazia da Ctnha
Vital do Negreirosn. 78.. Fran-
cisco Antonio Alves Tnixeira
Frei Henrique n. 17. 0 ines-
mno
Velha de Santa Rita 52. Fran-
cisco Antonio Martina de
Miranda
Travessado Freitas n. 1. Fran-
cisco Antonio de Mello
Fr, Henriques n. 34. Fran-
cisco Antonio de Souza
Velha de Santa Rita 17l Des-
einbargador Francisco de
Assis de Oliveira Maciet
Trwessa de i. Jose n. 9
Dita n. 21. 0 mesmo
Dita n. 40. 0 mesmo
Vetha de Santa Rita i. 72.
0 mesmo
Dita n. 66. 0 mesmo
Saata Rita n. 85. 0 mesmo
Dita n. 81. 0 mesmo
Forte n. 54. 0 mesmo.
Dita n. 18. 0 mesmo
Vidal de Negreiros n- 89. 0
mesmo
Padre Nobrega n. 76, 0 mes-
me
Travessa do Pocinho. n. 11.
0 mesmo
Marcilio Dias 114. O mesmo
Lomas Vaklntina m. 57. 0
ineamo
1 /pn".64ii


606

13#72;

12#12#


21#821

12412C

7$274


266371
166671
15545C
211522

14624(
27#08
,326737
^8#549^
N44g93
13#337
21#522

274584

19096

226935
145549

190096


(Continua.)
-- 0 procurador dos feitos da Fazenda
Provincial, tendo recebido nesta data, da
sece/o do Contendioa do Tkesourpo Provin-
cial as rel4gees abaicao transcript dos contri-
buintes do impost& de 5:000 per estabdeci
mento commercial do exercicio de 1882 -
1883, de decima dasfreguezias de S. Lou-
rengo e Varzea do. mesmo exerciio que dei-
xaram depagaw a memo imposto no tempo
competent dedara aos mesmos contribui-
ntes que Ikes fjica marcado o prazo de 30'
dias, a contar d-t publicaco do present
edital, na cwe tfamldade do disposto no a.-t.
53 da lei n. 891, par reecolherem a inpar-
tancia de seems debitos ao ncsmno Thesoaro
certos de oue, findo o referido praso, se
procederd e eceutiamente a cobranca.
Recife 2.3 de maio de 1884.
0 procurador dos feitos,
Joro Francisco Teixeira.
Relacgo dos contriuaintes de decima da freguezia
de S. Lourengo da Matta que deixaram de sa-
tisfazer os seus debitos no exercicio de 1882 a
1883.
Ruea do Rosario n. 3. Alexandrina Bes- -
sone dos Santos e outros 53400
Dita.n. 8. Anna da ConceigAo 4Q320
Estrada Nova n. 27. Bento Jos6 da
Costa 45320
Dita n. 27 A. 0 mesmo 4;320
Rosario n. 28. Bernardino Miranda
Albuquerque 65480
Largo da Matriz n. 21. 0 mesmo 104800
Estrada Nova n. 7. Candida Maria
dos Prazeres 10A800
Dita n. 11. Carlos MartinaCorreia de
Az-vedo 24700
Dita n. 10. Cosine Jose Guedes 5A400
Largo da Matriz n. 1. 0 mesnmo 105800
Dito n. 3. 0 mesmo' 105800
Ru& do Timbi n. 2. Estrada de ferro
do Reeife a Limoeiro 54100')
Estrada Nova n. 2 F. A mesma 365000
Caeha9a n. 30. Felippe Santiago 105800
Ditai. 4. Firmino Celestino de Sou-
za 55400
Dita n 22.Francisco Luiz Quaresma 105I800
Laro a Matrizn. 20. Omesmoo 10800
Rua 4C ae4a n. 20. Gabriel Cam-
ellod ot 7A560
Rosrio 2.GMTemano Ferreira de
Azevedo 65480
Estrada Nova n. 2,hrmAndade do S.
reaBmmnto de S. Lourengo 5400
s Jeronyinad s Santors 6M480
nit 3eo da tuCunlia 21700
in. 11. Jo d ae *1 6;804W
S da Matriz11. 22. J9o Pedro, do,

Jq^.Thel oris4.;*i 104m

_A J a4 m -' 3i


)



)


' g,.tsaueess nd1." Ae .
!1i~t^.S.mesamo
XEta9no ni. Audr46 Vital Alves
Estrada Nova 'n. 125. Antonio Alves,
Mouteiro .
S. Francisco do Paulo n. 19. Antonio
Besnr&e Quinteiro .
Estrada:Nova n. 176. Antonio Fran-
- cisco dm Prazeres
CaxangA, n. 1. Antonio Joaquim da
Gama Junior
Dita n, 3. Antonio Jeaquim da Game
Junior
Travessa do Sol n. 6. Antonio Macha-
do Gomes da Silva.
Rua de S. Francisco de Paula n. 37.
Antonio Maria Carneiro Leao
Barreiros n. 5. Antonio Pedro Bar-
bosa
Barbalho n. 2. Antonio Pedro Carva-
Iho d'Alb aquerque
EstradaNova n. 190. Antonio Pinto
Leao
Barreiros n. 19, Azevedo Braga & C.
Dita n. 1.Bernabe Lins Caldas
Estrada iova n. 107. Bernardino 'Ca-
valcante Silveira Lins
Laraugeiras n. 4. Bernar 'o Francisco
BRamos
S. Francisco de Paula n. 4. Candido
da Costa Miranda
S. Joto n. 13. Domingos Pereira da
Silva
Detraz da igreja n.2. Ermino Francis-
co Coelho
Rua de Barreiros n. 17. Estevao Jose
Ferreira
Dita n. 39. 0 mesmo
Dita n. 41. 0 mesmo
S. Jolo n. 7. Estevao Jos6 Simoos
Estrada Nova n. 109 A. Felippe Nory
Rodrigues
Dita n. 111. 0 mesmo
Dita n. 119 A. 0 mesmo
Dita n. 119 B. 0 mesmo
Largo da Matriz n. 7. Figueira de
Mello senatorr)
Estrada Nova n. 178. Firmino do Rego
Barros
Barreiros n. 7. Fraucisca Maria da
Conceicao
Estrada Nova n. 127. Francisca The-
reza dos Passes
Dita n. 123 A. Francisco Antonio e
Couto
Dita n. 123. 0 mesmo
Dita n. 123 B. 0 mesmo
Ambole n. 24. Francisco Emygdio de
Lins Freire
Ilha n. 3 A. Francisco Gonqalves Tor-
res


Dita n. 9. 0 mesmo
L Este'xo n. 5. 0 mesmo
3Malhado n. 3. 0 mesmo
SEstrada Nova n. 115. Francisca Hol-
) lanla Cavaleante
SLiha n. 3 B. Francisco Paula Correiai
de Araujo
Ditoe n. 7. 0 mesmo
Dita n. 11. 0 mesmo
SS. Joao n. 11. Francisco Rodrigues-
Paula
SS. Francisco de Paula n. 34. Francisco.
Xavier Carneiro da Cunha Miranda
Sol n. 11. Galdino Ferreira da Silva
D a n. 13. 0 mesmo
Dita n. 9. 0 mesmo
S. Francisco de -aula n. 38. Dr. Gra-
ciliano de Paula Baptista"
S. Joilo n. 4. HIerdeiros e viuva de Jo-
sede Lima
Barreivo n. I- Herdeires de Thereza
Carneiro ,Luiz Miranda
Amboi6 r. 32. Herdeiros de Manoel de.
Cairvalio P. de Andrade
Estrada Nova n. 133. Ignacio Genoal-
ves- da Paiso
Largo da Matriz n. 3. Irmandade. do
Rosario da Varzea
Rua da Estaglo n. I. Jacintho Cardo-
so, Pires
Dita n. 3a 0 mesmo
Soln. 3a Jaeintho Rodrignes Campello
Dita n. 5, Omesmo
Travessa do Sol n. 8. Jesuino Pereira
de Lima Barbalho
Rua de Bemreiros n. 23. Joanna Emi-
liana S. Rocha
Dita n. 5. Jolo Alfredo Thomaz
Dita n. 4. 0 mesmo
Largo da matriz n. 2. 'Joa. Correla
de Loureiro
Estrada Nova n. 103. JobF, Fiancisco
Sda Silva e outros
S. Joao n. 15. Joao Gomes Caldeira
Sol n.- 27. Joao Luiz Vianna
Dita ax. 21. Joao Simoes Ferreira
Largo da iAMatriz n. 4. O mesmo
Barreiros n. 2. Joaquim Francisco
Ribeiro
Dita n. 10. 0 mesmo
Caxangi n. 11. Joaquinm Manoel Car-
neiro Loio
3arreiros n. 8. Joaqnina MarquNs cda
Cunha
Dita n. 14. A mesa
Ditan. 13. A mesma
Dita n. 15. A mesma
Dita n. 43. Jos Bento Gonealves
Estrada Nova n. .180. Jos6 Fernandes
Santos Bastes e outros
Dita n. 182. Os mesmos \
S. Jolo n. 18, Jos6 Gocnalres d'.Al-
buquerque
Largo da Matriz n. 6. Sose6 Jacques
da Costa Guimarmes
Dita n. 8. 0 mesmo
Dita n. 10. 0 inesmo
S. Joeo n. 5. Jos6 Joaquim Ferreira
Restauracao n. 11. Jos6 Maria Ugiet
Barreiros n. 6. Jos6 Pedro Fernan-
des
Dita n. 9. Jose Pedro de Souza
Caxangi n. 6. Jos6 Pereira dos San-
tos Farofa
S. Joio n. 19. Joe Ribeiro da Silva
Estrada Nova n. 121-A. Leoncio Pe-
reira de Souza
Malhada n. 1. Libania Cavaleante
Barreiros n. 13. Line Pereira da Fon-
seea
Ditan. 15. 0 mesmo
Larangeira n. 25. Manoel Ansexno
SCoreia de Figueiredo
Dita n. 6. 0 mesmo
Di'tan.,8.6wm
litanB. 8. 0 imesmao
Sol n. 1. Oiae464o
Banreirosn. 45.- Manoel Bezerra Ca-
valcanto de Albuquerque
Ilhan. 3. ManDoe retia de Araujo
Barmeiros n. 35. Manoel Francisco
Caxan n. 5. Manoel do Naoimen-
*tosYeran'C z-
Dit n. 0 n*i u no
'atri-ciros x. 3.* Maido~inO ^Iese
.S Fracieodo? ^ ^^^
^*^aa-oilei 1 1-.


10,80l
01480
104800




10$800
6I480

10800
105800

51400


6480
654803
65480
105800

13;320
13500
25700

85640
105800
610800
10;800
105800
5;400
195440
170280
26;000
65480
8160
74560
129960


21460o0
55400
185000
55400
275000
54400
107800
54000
61480
65480
125960
125960
60480
6S480
210600-
5A400
85640
518000
1355000
215600
85640
130580
65480
85640
85640
85640
55400
65480
65480
185,000
106800
85640
10580(0
58400
183500
65480
105800


65480
105800
255920
85640
50400
10I80I
65480
15500
18500& :
















y -:.'*: *'~i 1111: 1. qsi9w Sl oa*1 BaaW ,1 '*.'\ *
7. 10 official.
.amara MUnIeIpad
&s feitas corn a lifpesa du r- pragas
--pontes e travesas das fegueiasS de S.
Pedro Gongalves do Reeife S-ant Anto-
S. Jos6e Boa Vist%, n n. semiana de 33 d
)o 5,do corrente mez.
ido corn a folha da limpesa da
sia de S. Fr. Pedro G-ongalves
..fe 161A440


IdemcoMn a folha da limpesa .da fregue-
zia de Santo Antonio 181;440
Idem com a folha da limpesa daregnuezia
de S. Jos6 151J200
Idem corn afolha da limpesa dafreguezia121440
da Boa Vista 12440
615b520
SContadoria da Camaara Municipal do Recife, 5
de julho de 1881-0 contador,
JosU Maria de Souza Araujo.
De ordem da Ilimna. Carnara Municipal, sao
convidados os donos dos cstabelecimeutos das fce-
guezias da Gra.a, PoNo da Panella e S. Lourenco
da Matta, para virem a sec o competent ever
os pesos, medidas e balangas dos mesmos, no cor-
rente mez de julho, sob pcna da lei.
Paco da Camara Municipal do Recife, 2 de
julho de 1884.
Jose Candido de Moraes,
President.
Pedro Gaudiano de Ratis e Silva.
Secretario.
IRWMIANDADE
DO
SS. Sacramento da matriz de S.
Jose do Reirfe
De ordem do uosso irmio juiz, silo convidados
todos os nossos irm:ios A comparece'crn pelas 10
horas da rnmauhi do dia 6 do corrente, no consisto-
rio cia nossa vencravel irmiandade, afim dc proce-
(der-se a eleicao d e alguusi mesarios, cujos cargos
uiao foram aceitos, para o anno compromissal de
S' A 85. Conisistorio, em 3 de julhio do 1881
0 escrivile,
Joio Goston.

Sociedade Ave Liber-
tas
De ordemn dt Exma. Sra. president, couvido a
todas as scuhoras socias A comparecerem t sessa'o
de dominingo, 6 dD corrente, as 11 horas da manhl.
Sccretaria da sociedade Avc Libertas. 6 deju-
S hli3 de 841.--A 1' secretariat,
_._ Maria Alburtina P. do Rego.
Santa Casa da Misericordia do
IRecife
Na Santa Casa arrenda-se por um A tres annos,
os seguintes predios :
Rua Marquez deo Olinda.
2.- andar do sobrado n. 53 423250
Rua da Saudade


Casa terra n. 1
Travessa de S. Pedro
Sobrado de dous andares n. 2
Rua do Born Jesus
Segiundo andar do sobrado n. 13
Bcco das Boias
.oja do sobrado n. 16
Sensala-Velha
Casa terrea n. 18
Ru a da Moeda
Casa terra n. 49
Senzala-Veliha
Casa terrea n. 16
Ruu Imperial
Casa terrea n. 127


405000
30,000
305000
125500
20A000
305000
205000
124000


Rua do Visconde de Albuquerque
Casa terra n. 61 17,750
t lRua da Lngoeta
Segundo andar n. 14 151160
Ru a da Restauracao
Casa terrea n. 25 15,000
Secretaria da Santa Casa do Misericordia do
Recife, 13 de maio de 1884.
0 escrivao,
Pedro Rodrigucs de Souza.
Sociedade Musical 28 de Setembro
Recreio em 5 do corrente
Os Srs. socios podemn procurar seus ingressos
cm minao do Sr. tbesoureiro.
Recife, 2 dejulho de 1884.
F. Vieira,
10 secretario interino.
Consulado Provincial
Avisa-se aos Srs. contribuintes dos impostos da
decima urbuna e 25 0/0 sobre bens de raiz de cor-
poraeao de mao morta, que na terca-feira, 8 do
corrente, finda-se o prazo que lhes fora coneedido
para o pagainento dos mesmos impostos, livre de
inulta, corn relacao ao 20 semnestre do exercicio
findo de 1883 a 1884.
1l seccao, 4 de julho de 1884.
H. Peregrino.
Institute Litterarlo Olindense
De ordem do Sr. president, convido a todos os
SI socios, para domingo 6 do corrente, As 10 horas da
inanha, reun'dos em assembl6a geral, eleger o
novo conselho direetorio. Olinda, 3 de julho de
1884.-0 10 secretario, Jose Gongalves de Andrade.
The New London and Brasillaii
Bank Limited
Rua do Commercb n. 32
Sacca por todos os vapores sobre as cai-
xas do mesmo banco em Portugal, sendo
em Lisboa, rua dos Capellistas n. 75. oN
Po, rtorua dos Inglezee.


Par, co

quente de
maa,. nonh-
substancia s


ser


comparada coamj


o coke em eeOnomia,
efficieneia e limpeza.
Tambem alcatrao


(Tar)


em latas ou


barris, que 6 de mui-
to valor, especialmen-
te nos climas quentes
para preservagao do
ferro, da pedra, tijo-
los, ladrilhos, asphal-
toS, ou para effeitos
antisepticos.
Para destrni(ao das


sauias,


formigas,


nao


ha preparaeio igual
a agna de ammonio,
a qual e perfeita-
mente benefica e gran-
demente estimulante


vegeta(io,


o am-


monio suppre um dos
elements mais fertim
lisantes.
Sera supprido em
latas ou barris por
precos reduzidos.
Qualquer informa-


cio de precos
ticularidades


e par-
serao


obtidas na fabric do
gaz ou no escripto-
rio a rua do Impera-
dor n. 41, ou pode-
rao tambemser da-
das pelos numerous

telephonicos 39 e 40.
Alcatrio (Tar) se

encontrara a venda
taminbem na casa do
Sr. Jeronymo, no eaes
Vinte Dous der No-
vembro.


Colonies fran-


caise

Les membres de la colonies
franaise de Pernamibuco sont
invites a se reunir dimanche pro.
chain 6 courant, i une heure de


Associaio Benefleente parahy, lI'aprismidi, a I'Hotel de I'Euro-


bana
De ordem do Sr. president convido a todos os
socios a comparecerem no dia 6 do corrente, as 11
horas da manhA, aI travessa dos Expostos n. 18, 2o
andar, afim de proceder-se as eleicues da directo-
ria que tern de ser ir durante o exercicio vin-
douro.
Recife, 1 dejulho de 1884.
0 1.0 secretario.
Olintho Victor.


rope.
La reunion aura a deliberer
sur la ceIbralionde la Fete du 14
juillet.


111


fieto,


BAIT


EmprezaP.


U~ Musefla


Domingo, 6 de julho

Recita extraordinary
SubirA a scena a preciosa opera de Verdi:
LA FOIZA

DEL DESTJNlO


Bailados nos 2.0 e 5. aslos
Preos do costume.


Principiara as 7 e 1/2 horas,


Breve tera lugar a estr6a do lo tenor Michel-
angelo Benfratelli.

HARITIBOS
Compankia Braslleira de Nave-
gapao a Vapor
PORTOS DO NORTE
0 vapor
Par&
Commandante. o 1 tenente Carlos An-
tonio Gomnes
f E' esperade dos portos do
suleateo dia 7 de julho
e seguira depois da demo-
ra indispensavel, para os
.. portos do norte ate Ma-
nuos.
Parae carga, passagens, encommendas e valore
cracta-se na agencia
44 RUA DO COMMERCIO 144
COMPANRIA PERHNAIMBUCANA
DE
Navegawpo Costelra por Vapor
PORTOS DO SUL
Macei6, Penedo, AracajAi, Estancia e
Bahia
0 vapor S. Francisco,
seguirA no dia 10 do
corrente, is 5 horas da
~tarde.
Recebe earga at; o
ia 9
Eneommendas, passagens e dinheiro a frete at6
as 3 horas da tarde do dia da sahida.
E$ORI3TORIO~
Caes da Companhia ]Permambu-
eana n. 12
CHiARGEUiRS MUNIS
Companahia Franeeza de*Tavega.-
pao a Vapor
Linha quinzenal entire o Havre, Lis-
boa, Pernambuco, Bahia, Rio de Janeiro e
Santos
Steamer
Ville de Pernambuco
E' esperad6 cda Euro-
pa at o dia 8 de
julho, seguindo. de-
pois da indispensavel
.. .. demora para a Ba-
bian Rio de Ja-
neiro e Santos.
Roga-se aog Srs. importadores de carga pelos
vapors desta linha,queiram apresentar dentro de 6
dias, a contar do da descarga das alvarengas, qual-
quer reclamagao concernente a volumes, que per-
ventura tenham seguido para os portos de sul, afim
dese poderem dar a tempo as providencias necessa-
rias.
Expirado o referido praso a companhia nio sa
responsabilisa por extravios.
Reocebe carga, encommendas e passageiros, para
os quaes tern excellentes accommodates.
AGENTS
Augusto F. de Oliveira
&C.
42 RUA DO COMMERCIO -42

pacific Steam Navigation Comipanj
STRAITS OF MAGELLAN LINE
0 vapor
Ootopa- i
Espera-se da Eu-
rpe. a~t o die. 6
~do juiho e segui-
~~r~pare. o sal do-
pis cia demora do
costume.-
Para carga, passagens, encommendas e dinheire
a frete: tracta-se comos
Consignatarios
Wilson Sons at C., Lnimted
N. 14-RUA DO COMMERCIO-N. 14
Companhia Bahiana de Niavega-
pio a Vapor
Macei6, Penedo, AracajAi, Estancia e
Bhia


m o


FO N.-3


10 .a.ar
Iluiled Slot e &IraIiI. S.sC.
0 vapor
Advance

E' espeorado dos pertos do
sa l no dia 21 de julho, e
depeis da demora necessaria
neguiri pars o

Mapanhao, Para. S. Thoma ze
New-York.
Para cargp, passagens, e eicommendas, tracta-
se corm os
AGENTS
Henry Forster & C.
N 8 RUADOCOMMERCIO N. 8


Este vapor


1. andar
sahlira ao memo dia de
ua .heaegada


0 VAPOR
Finance
BEspera-se dos portos do norte
at6 o dia 25 de julho, seguin-
do depois da demora neces-
sariapara
Balhia e Rio de Janeiro
Pelos vapores desta companhia dio-se passa-
gens para Liverpool ao preo de 200 dollars ; o
passageiro desembarcando em New-York tern ga-
rantia a passagens para Liverpool quando lhe ap-
prouver por vapores de la ordem.


Para carga, passagens, encommendas e
tracta-se corn os


v


AGENTS
Henry Forster & C.
. 8 RUADOCOUMMREIO --


alores,


N. 8


1.-andar
ROYAL BAIL STEAM PACKET
COMPANY
Itinerario
IDA
Bahida Southampton 1 9 24
Chegada Bordeaux 4
S Vigo 27
S LisbOna 7 13 29
S S. Vicente 5
Pernambuco 20 24 10
S Maeei6 21
S Bahia 22 26 12
S Rio de Janeiro 26 29 15
S gano ....... 28 -
Montevid6o .. 5 22
S Buenos-Ayres .. 7 24
VOLTA
Sabidas BuenosAyres n 17 1
S Montevideo 18 2
O Santos .. 7
S Rio de Janeiro 24 9
hCegada Bahia 27 12
f Macei6 .. 13
Peruambuco 29 14
S. Vicente .. 20
Lisboa 11 26
S Vigo 28
Southampton 15 30
86 tocar&a se precisar carvAo.
Para passages, fretes, etc., tracta-se corn os
CONSIGNATARIOS
Adamson Howie & C.
3-Rua do Commerce-3

LEILOES

Agente Pinto
Segunda-feira 7 do corrente deve ter lugar o
leilao de moves, quadros, espelhos, pianos e mais
objects da casa em que residio o Sr. Albuquerque
Mello, rua da Santa Cruz n. 10, devendo a entre-
ga dos mesmos moveis effectuar-se naquello mes-
mo dia.

Leilao
De uma mobilia a Luiz XV, 1 piano, 4 qa-
dros, 2 espelhos ovaes dourados, 1 jardineira corn
pedra, 6 jarros para flores, 1 carro de molas para
doentes.
Urn marquezeo, 1 guard vestidos, 1 toilette de
jacaranda, 1 commoda, 1 lavatorio, 2 cadeiras de
balango.
Uma mesa elastic, 12 cadeiras de junco, 1 so-
fa, 2 consoles, 2 cadeiras de bracos e 12 de guar-
niao, 2 cadeiras altas pars meninos, 1 guard
louca.
Vm divan de palha, 12 cadeiras, 1 espingarda,
1 revolver, 1 toilette de junco e 2 espelhos gran-
des.
No sobrado
Uma mnobilia de mogno, 1 piano, 2 serpentinas,
2 quadros, 2 espelhos, 1 guard vestidos, 1 mobi-
lia de faia.e muitos outros moveis existentes no
sobrado da rua de
Santa Cruz n. 10
Segunda feira, I do corrente
0 agent Pinto levarA a leilao, segunda-feira
7 do corrente, os moveis e mais objects na casa
em que residio o Sr. Albuquerque Mello, na rua
da Santa Cruz n. 10. -
Prineipiara as 10112 horas
A entrega effectuar-se-ha no mesmo di.a,


0


I le ^a- lfe ra 8,do


cor-


,' rente
AiA' It horas em ponto
No armazem da ma do Imperador n. 22
0 agent abaixo, legalmente autorisado levari
a leiw urn armazem a rua do Visconde de Ita.
parican. 27 (antiga rura do Apollo).
Os 8rs. pretemdentes desde jA poderio exami-
nam amuanonae.
Agent Burlaiabui

Leilao


Agente Burlamaqui
Terafeira, 8 do corrente
No armazem da rua do Imperador n. 22
0 agent acima autorisado e corn assistencia
do him. e Exm. Sr. Dr.juiz de direito deresiduo
e capellas a requenmento de Misael da Silva Guis
mares inventariante do espolio de sua sogra D
Rosa Fernandes Abrantes, levarA a leilao a im-
portante casa terrea a runa do Coronel Lamenha
n. 26 na freguezia da Boa-Vista. Os Srs. pre-
tendentes desdejA podem examinar dita casa ter-
rea.
Agente Silveira

Leilao
Do bilhar denominado Braganga no lar-
go do Carmo n. 9
Torp4-olir, 8do iluio
A's 10 1i horas
0 agent acima, devidamente autorisado levara
a leilao 1 biihar, 18 cadeiras de junco, 2 aparado-
res, 1 sofa, 1 fiteiro, 1 vitrina, 4 mesas comrn ps de
ferro, 1 espelho, 1 balclo, 1 repartimcnto de ma-
deira, 5 quadros, encanamento de gaz e candieiro,
1 meza de pinho, abides, 1 relogio americano e
mais accessories.
Tora-oira 8 do l ilho
a A's 10 112 hors

Leilao


Agente
Terca-feira
A's 111


|i "- A' Venturosa, a rua do CabugA n. 16, se
8 d ul c aham a venda os bilhetes das grande loterias de
8 dejU lho 500:00'A e 400:000, e de 25:000 a 152 B, qne
I se extrahirA hoje.


M eors 'Uomes remaza Foute de uC 'mOa, '
frents a eitaqSo. ,
Ensina se allea4B, glez e francei; na rua.
da Gloria n. 43, aa#Ar teweo.
Aluga-se um sitio *soChacon, co,4 ciasree-
dificada, corn acornrodaoes paraVfauml a; a-tra-
tar narua do Cabuga .7A, ou A ma da Aurorm.
n. 81, armazem de molhados.
Aluga-se a casa n. 8 do largo da Soledade,
con comnodos pra numeroea familiar, agua a-
nalisada e gallinheiro, e se acha novamente me-
parada e asseiada ; a tratar na rua Direita nu-
mero 32.
Aluga-se o 10 e 2o andares de. n.24 A rua
do Arag ; as casas terreas de n. 36 ru&da
Ventura, na Capunga, a de n. 1 da travesma da
Hera, e 26 A rua de Nunes Machado, nO Espi-
nheiro ; tratar na rua do Hospicio n. 32.


.-- Aluga-se o segundo andar da casa da rua
do Born Jesus n. 16, freguezia do Recife :: a cha-
ve se acha na loja do sobrado, e trata-se corn o
Pinheiro, A rua larga do Rosario n. 38.
Precisa-se de urn porteiro; a tratar na rua
da Imperatriz n. 15.
Corta- se vestidos de senhora pot figurines.
e por commodo prego, faz-se enxovaes para bap-
tisados e concerta-se chapeos de senhora ; na rua
da Madre de Deus a. 7, lo andar.
Aluga-se o lo e 2* andares da casa daruv
de Domingos Jos6 Martins n. 128 : a tratar ua
rua do Marquez de Olinda n. 3.
Roga-se ao senhor do engenho Desterro, em
Iguarassi, de vir A rua da Santa Cruz n. 8, afina
de ver se quer ficar corn unra pequena parte no
mesmo engenho.
Fraacisco Botelho de Andrade faz scieute a
seus freguezee, que nesta data tern dado autorisa-
cOo a seu filho Angusto Botelho de Andrade, parsr
receber as contas de services de suas alvarengas.
Recife, 3 de julho de 1884..
0 Sr. Antonio Ferreira Pinto, resident na
cidade do Porto, por seu bastante procurador nes-
ta praca, vende os seguintes predios : um sobra-
do de dous andares e sotio n. 1 a rua do Visconde
de Inhaima ; uma casa terrea na mesma rua n.
4 ; trees casas terreas ns 11, 13 e 5lb no largo da
cadeia nova ; a casa terrea n. 20 A rue do Forte:
tudo a tratar na ru. do Nogueira n. 29.
Quern precisar de uma senhora para ensinar
portuguez, franeez, music, piano, doutrina, flores
de madeira e de couro, dirija-se & rua do Caminho
Novo n. 128. Na mesa casa vende-se por sen
dono se retirar para f6ra uma part em tuna casa
na rua da Imperatris, onde 6 pharmacia, rug
commercial, que nnesa esta fechada nemr um dia,
e urma casa na rua Imperial n, $01 e unia dita
em Olinda A rua do Carmo. Na mesma casa se
toma uma orphan que aeja de born genio, e tarnm-
bem!Ee precisa de umna mulher de idade que baiba
cosinhar e lavar para fazer companhia e prestar
services, mediante a uma paga razoavel; a tratar
a qualquer bora do dia na mesma casa.


noras


De 1 carroga de 2 rodas e 1 boi manso e
gordo, moveis, loupas, etc.,
0 agent acima fara leilao do seguinte :
Ura mobilia de jacaranda, 1 dita de amarello,
1 seeretaria de jacaranda, 1 toilet de dito, 1 la-
vftw doad0it, .1 uana de dito, 1 bergo de dito, 1
espelho grande, quadros, 1 balanga grande o u o-
mao e multos outros objects tudo ao correr do
martello.
NA RUA DO RANGEL N. 41

Leilao

De inmoveis, louia, vi-
dros e crystaes
Constando de umea mobilia de junco, uma dita
de jacaranda, um espelho oval. um n guarda-roupa
de amarello, duas bane s de dito corn gavetas,
uma mesa de jego, um par de apparadores, 12 ca-
deiras corn muto pouco uso, uma mesa elastic
corn 5 taboas, duas mesas de pinho, uma marque-
za, uma cama de amarello para casal, um appare-
Iho para almono, um dito para jantar, done can-
dieiros de suspensao para kerosene, copes, ealices,
garrafas, trem de cozinha e muitos outros accesso-;
rios de casa de familiar.
Terra-feira S de Julho
A's 11 horas em onto
0 agent Aliredo Guimaries autorisado por uma
familha que retirou-se para o Rio de Janeiro, vean-
der& em leilao os moveis acima mencionados, os
quakes foram transportados para sua agencia a rua
do Born Jesus n. 45.


I Roubaram de 28 para 29 de junho do corren-
te anno (A noite), do engenho Brejo-Novo d'Agua
Preta, pertencente a Sebastilo JoAf M. de Hol-
lands, um cavallo castanho andrino, quatro p6s
caloados, frente aberta, descendo a listra pela
venta esquerda atA beer em branco, andador ce
baixo a meio, na redes, tendo algumas pintas
brancas pelo corpo, as quaes poueo visiveis tendo
tambem alguns denotes quebraaos, o canto do o1io
esquerdo A preto e o do direito 6 vermelho, tern
uma rachadurinha no casco da miao, tendo um L
no c'hAo, um pouco assomado, nAo deixando pe-
gar-se nas orelhas senlo para botar-se o freio, estA
gordo, tamanho regular, ardiguesa em excess.
S- Aluga-se a easa n. 8 do largo da Soledade,
corn commodos para numerosa familiar, bandeiro e
galinheiro, e aeha-se reparada de uovo e asseia-
da : a tratar na rua Direita n. 32.


Ao commininerelo
Para os fins necessaries, declaramos, que a con-
tar de 16 do mez proximo pasuado, nos associa-
mos A firma commercial de Mendenqa, Primo &
C., estebelecimento A rua Duque de Caxias nu-
mero 62. Recife, 6 de janeiro de 84.
Joao Pereira de Mendonca.
Francisco Joaquim Alves.

Aluganse
o sobrado de um andar, caiado e pintado de novo,
corn bastantes commodos para familiar; a tratar
na rua do Leoo Ceroado n. 3, outr'ora Mangueira,
freguezia da Boa-Vista.


LYIICO

CHAPELINAS E CHAPEOS
NA


[HAPEURIAI


ItIll01lA


Prapa da Independencia ns. 56 40
DE
J. da Silva Carvalho d& C.e


I


-uriffi


























fl. iiiiJieiin vtfMfwtt r. 1

E'multo mat Flna oDellada. _
de P~athiai jcaNgpk5, D a














ihmm Pc a ak n
ito Paigr ]b eoffdmdo uloecu ,m S. cena
e resatite ao coZpo _en 5 do e .00 La
fRWJeo Ulna P 35TMS~





Made o I e DC -- 4
dan Cob., New iaoenys
fatt~def~fo.-",> MT~t~pete,A. d

arope de Tidal
A"e eutpwNo.so


DcpuffTivo E POmuWn
Sets novo e duii vefl W del
sole AOV a. aouv aw
sanupe aetft sabre ow itattth
vowsk l qvweomw ra a IDtbfttdde*
Wop~dMI atfetlt.d Ci-Bxqav D1s-,J
pepsia as Sezoes, e contra adeoen;-
cas deortegm Miamatitea ov oeea-,
eftsfdad po cM de, de Wloj
:.u pobftxz 6 0 tftS& Depositos. .t.M New-Y orkrnliou-
des Srs. Barclay & C. eta Pamsmacor
so e em cass dos dos Srs. Fsae ccab
MIaoel daSilva &C.


A,


ei conhecido do mudo intel)o
A cVOomeW&oImrperimt.
Sdted..f o ..~sabas4toilette.
& atatoa e meueais. triples y
de sle A ues Nifee

rmedet-biA P6. csr;
inuadin. AZi6toa-
dasreleode I-1 eib m rea .
Su]m&pesfi~arus isds
f~~~~~~I I *m^-J^ *
SDepuibos sm principst Per-
Medaifa do mru Vi c 7
k"___ 4
31dMS hdo Pmggruo Vtim= 1873.I


N. B. Faz-se


alatimmento a quem comprar


'-4g
ca.d 9D
og & -* *0

^ '3 a-
^o4 o ^.TS


FU NDICO GERA]


ALLAN PATERSON U
NI. 4-Rua do Brnm-N. 44
JUNTO 4A ESTAVAO DOS BONDS


[
I


C


Tern pwa vendor, por preges medicos, as segiutes ferragens:
Tacha fundidas e batidas.
Crivages de diverssos tamauhos.
Rodas de espora, idem, idem.
Ditas anglares, idem, idem.
Varandas de ferro batido.
Ditas de dito fundido, de lindos models.
Portas de fornalha.
Bancos de ferro corn mem circuvar.
Gradeamento para jarcdim.
Vapores de forga de 3, 4, 5, 6 e 8 cavallos.
Medas de 10 a 40 pollegadas de panadura.
Rodas d'asua, system I~eandro.
Encarregam-se de qualqer conertos, asentameo machinimos execut am qual-
u ertrabalho corn perfeiglo ou presteza.


8a


Ut


pub~k!cad pr ordem de BSExe o
Sr. conselheire tVk lAimem de
SMello ivohilme maImeba
COLLECCAO dm lo d ie do iepB
1827. 1 ,daBwbm*.ed6
SDitade ditas de dito i2, 1 rvot broctIado
Dita de ditas de dito Ie87W lvowmes bro-
Dita das leis provkd a4ke Perambueo
1875, 1 volume eneadernado
Dita de ditas das AlgaIS 1835 A 1872,
6 vols. eneadernados
IREVISTA do InguitO AdAteogico de
1863 A 1872, 2 vols. encadernados
PALLAS DO THRONO de 1823 A 1872
1 vol. eneademrado

o segundo andar do predio n. 18, rnu
Marpo, proprio para fialimq-; a tratar m
mesmo predio.


Jardim, das plants
3ua do Mtendego m. 90
Sapotiseiros e sapoteiros muito ran uds e4o-
pados, dando fructo, a 4U e a 31, seguIdo o ta-
manho, e descondo ate IS, corn seis palm. Comn-
prando-se mais de dez faz-se abatinmato. Ha
outras muitas plants tambem para pregos com-
modos.

Cosiheira
.. IV 0 -I -


No langodoCrpo rp*Saa.ti6 t LoanBar
de urma casinheira.

EPrecisa-se de uma engo aeira e outra para
cosinheira. Rua da Aurora a. 109 H, on Barao do
Triumpho n. 68.

Depurativo sem inmercurio

8y'Ils, c waa, fi 3s
etNas is
Molestias da pelle
GAO
Curadas radicalmente
e empouco tempo cornm
o uso do

ROB LEUHAUX
Depuratlv veetA8 s er-
e~ri*
Deposit geral
GLAPORTEBC.

Crit.4
Precisa-oe & d* ado ; na ra& do Baso da
Victoria n. 61, segundo andar.
Ama
Precie-se do amsxa qua sMiba e hiBar pMs
ca ss de fmailia a trr 'a sna do Ipea:o .
56t 2o andar, on La rua do Barao da Victoria mu-
mero 41.
Asi~io
Os credores da massa falida de Jolo Luiz Pi-
mentel & C. sao eonvidados a apresentarem ate
dia 7 do eorrente, ema e de H e Burle & C.,a
suas tontas e titnlos para a verificaco de credi-
toa.
Recife, 4 de julho de 1884.
Af. BurlB.
M. Ferreira.
Lui Antonio Siqueira.
Carlom t. Gtomes Ferreira.
Olinto Jardim & C.

A. pubico

Receben-se ajfascotte
Deste estabelecimento de miudesas e perfuma-
rias finan, sao hoje proprietarios Ferreira Lima &
Brags, quo adoptaram como divisa agrado e
sinceridade-constituindo-se Portanto A Mascotte
urna casa oe tonfllia a see geu"ui Pars pe-
encher as exigencias do publieo formaram um ex-
plendidort ato co o quo be a de alhor e
main esquisito.em todos os artigu. de sou espesia.
lided., uairam o otil ao ag adavel; em resew
fisorami da MwAotte o que 6 urnma samalliteir
Estando, pois, o estabelecimento Ba(i444&
tas eondig5es, oeo# iatarios a |
sa coadjuva*, o museo agazde -M
,.ti_ TX p.Jt fine"ii
urns visit. Park ;'t alg id
'idresse


2 v. i pois quo aigumas g~ttas
pordia bastam pamrestabae)er a
.u6do 86eM pOuoo tenio.
111090 ,a '^ ^fi ^~
n~O9 pro Lb Qftg'!d
1,90g00 nnO zdo

fialo tern msab erm aetro no
$0 d& mAu gost aeo vhAO agoa ou
qmlquermfieswtomsda
0 FE/IDO BIRAVAJ$
,a lode 6 6 omais baato dq ferruglsfe
i ba do ovisto o frime Inteiro dura db um
mez i selts semanmx nimportando o
tratamento em algWm riff por dia.


0 FERRO A VAIS
itawa~a w*egm. e wdenies
o Sfir Ba~vAxVAs ajp9EeKwsorn a A-
einOkde jferro deem dfumtor, m asg
gdatewa fomwlst se tVats emu
tfdt 0 moo. Ok
vEim" Sm GROMSS
40, pRua #t-Lazam, Push
DIPOSIT03wteb-. PBIfCISPBABAaIIA


ofmMcpo
^*ntfwi
,it,


M de a2o
m'iodasas


S O-S XAROPES
1W WP OPlOSPHIT.$
dg ldo4 Aa a pp egw corn tomb exit*a
A .6 at .uinL
OUN vdeS" vdome.^p
tan fiammo quadradw om o ncme
OMO ITre c O NIaft. i
a ftsiotncia doo iypophosphioum
/mt. eoM^ m duA** 6 a etl aif 1o
-ftie~u t~of j Th, -os1 suorM n o80j
1tuoS OmseUo, e o doembte go. de c6
4W tw dpusad, I
ph, orPhitj ,qua lw ai
jdJ ab4aca Pxa.rcsia SWANS, 12
r~'7tg"Wmnrn naados td_
SIUJICUJLO. d4o'a doedobewrta do}
4m.proCp~ied4at *yatua. .
Pr -o: 4 fr. por uam* o n rana.W
5 Vftoan~ a principaea mhunaadmk



!vL IS tLSA.
cfo Cftmi~
'9 fS2oa--K*' cIos Gm1 QarM>m j
mfc, Xooo A-RI doe


ilmITO&TO.TA-t




LE. EL


coas de A. Glicpel, Pht de a Cas On


EPILEPSIA

HYSTERIA
.... ..-- .------ T^~-- -


mULSjA
CONVUOESI

MOLESTIAS

NERVOSAS


Owe pakiempwl
Allimif sempre



,m idA, a am -
K '11 '



?3ARUAfIA DflR
vc:P^Z t. Boal BDiaB .MU
1 PXAXM W1A DVA


Precisa-se de urna qu compre e 0oaoi-
ahe be para C a pquena fa f :
ft racar a rea Diiqa de Ckxias n-. ,
I1 andar. -.
Sitio n0.lgdih
A1up^s MR Iwo jou l TttB a Lc.
peom, gtd "as d vivenda; a trb 4r "
do Impe. ador u. 16, aaekm deo trstes.

Alugp-ase
a msma no Monteiro n. 5, que fiea na nra que vai
Ipa o rio, corn muitos eommodos, tern mgs enea-
nada, tanqe para banho e jardim ao ladIo : a
tratar nas ma s Uigo 4.


Thereza FebrouIa Esteves
Alvres
I.o ANNIVERSARMI
Silvano Thomaz de Soua, Manoel Felippe de
Souza, Franeiseo Taeiano de Souxa, Jobo Baptista
Esteves de Souza, Luiza Presciliana Maalhites
Pereira, Maria Leonifha de Soum., i tlh Mam-
Emilia de Sous Anea Umbefnai Pereira de
Souza, Theodori Cherubina de Oliveira e Souza,
noras, Antonio Leocadie do K. Barros, Amano M.
da Costa Pereira, Julia B. da Costa Pereis, Ma-
noel Benedicto Esteves de Souza, Manoel, Fran-
cisco, Maria, netoo, convidam a seus parents e
amigos para assistirem as misses quo madam
rezar nas igrejas matriz de Afogados e Nossa Se-
nhora da Penha, As 7 e 8 horas do dia 7 de julbo,
pelo descango eterno de sua sempre ehorada mAi,
sogra e av6, primeiro anniversary de sea passa-
mento, e desde jA se confessam summamente gra-
tos.


Julio da Silva IBastos
Mauoel do Nascimento Silva Bastos, Ignez Gui-
Ihermina Feareira Bastos, Manoel Silmestre Fer-
reira Bastes, Hercalano Angusto Ferrei a Bastos,
Horacio Ferreira Bastos, Vulpiano Ulisses Ferrei-
ra Bastos, Balbina Amalia Ferreira Bastos, Olin-
dina Olalia Ferreira Bastos, Elvira Candida Ffr-
reira Bastos, agradecem do intimo de sea ecocao
A todos os parents e amigos que se digmsarm de
acompanhar os rests mortaea' de sea uito pre-
ado filho e lrmno ; e de novo os convidam para
assistirem a missa do setimo dia, quo serA cele-
brada ma igxja de N. S. do Cano, is 8 hor da




Ma..l JE4*aqo de Miranda e
Oumminis do AeBquoerqu Miranda e SOB,
seos fithos Manoel Joaquima de Miranda S. Jmnior,
Gemianmuo Augieto de Minm eda J.Ie o Sylvio
de t, e sa wus Bea deQueim Miram
da e Soua e Julia de Oliveira Miranda aped..
oem d& e4r.w o a tow as e seom pfteafte e iigos
qum wedignaram'do aeompahar a imO r en-
tenm wut do e a estrumeeid espos i6 pat meow
Manoel Joaquim de Miranda e iSm ; o dO no
ropm-lhes o piedoso obsequio deo a Btim am
mosas que, psieterno repouso de sua alma, man-
dam eelebrr sogda-feira 7 do NW b
'it "om da mo naisdeh 4 & I.c -


Dertolls ConrvI 4 de .AiMwif
Isabel do Conceico Amorilm e seus flhw, Anas
do Cbneao Doorad&, Bmas a OewAioilo Du -
'baclrois Jose&dwCoata Dmsd.o e Ja&-
quim da Costa Dourado (ausoute), teente-roo-
anel Manoel Correia de Barros, Manoel de Barne
Peosa e Jorquim Innocencio Gomes, asradecem
McoAri df i atode a s p 9ue so paam
asompanhar os restos mortaes de son preado es-
poao, psi, cuuhado e prirm; e de novo convidar:
a dlgnarem-se assistir as miml do setimo dia da.
seu falicomento, (que twi laer Bo dia 0ai
rentsm i, is l6 112.k d&smax B.ma igtma*
do Ocavento de & gnPis" fkAsl& j W, 006a -


Am


Precisa-se pars cobp
Basno da Victoria n. 48A
to Amano.


sl e


Corda, i
rsos
0


wa do Ei


U.


I


a'


N


Aeabam de augmentar o sen ja bem eonhecft
importaue esOta d *a i m to
de maro n. 6 corn mais
um sallo no I atdar N mmom e pepar-
rmd e pruNyi e de =aexpi
ch de obras depnta d ort e ldnci
deisimsdo


'OLEST!AS DA PELLE
Sp9tA i Sno um pap o or -nisn* .

POMADA L. T.,PIVER
d~a Pbmamaoeutic* Ilo 4.t Ca
1 *o nx o eiiIQ OMlAn
.ZNPl4 ,r 1_
^^ ^^ e I~g^ter proa~o eilo wttct 9 irM^ q


rl::; 111^- A:


L4"


rIM44


<: rajf-. a i


JOSEIP KkU














































Bua Primieiro e &I" n, 23
0 abaixo assignado tern exposto -a vemn-
da os seus alortunados tilhetes garantidos
da 190.- parte das loterias a beneficio da
Santa Casa de Misericordia 1o Recife,
(51.'), que se extrahiri sa segunda-teira,
7 do corrente.
PRECOS


Inteiro
Meio
Quarto


46000
26000
14000


Em quatldade malor dke 100P
Inteiro 3 500
Meio 16750
Quarto 5875
Manod Mvrtins Fiusa.




Aos 4:OO$0410

BIUMTE am
.16-Rua do Cabuga-16
0 abaixo assignado vendeu os seus
venturosos bilhetes garantidos os premios
seguintes: 2 meios corn a sort de 1006
nos ns. 3549 e quartos 1916 1957, al6m de
outras mais de 326. 16# e 8#, da loteria
n. [50.
Convida aos possuidores a virem rece-
ber sem desconto algum.
Acham-se a venda os venturoas bilhe-
tea garantidos da loteria n. 51 em beneficio
da irmandade da Santa Casa de Misericordia
do Recife, que se extrahira segundo feira,
7 do corrente.
PREOS
latelro 4:O00
Mfeio 9.-O0
quarto 1:.0
Nendo qua.tidadle superior
a 100:000.
Inteiro 3:600
Melo 1:-015
narte S I
Joaquim PFires da Silva.



SA A F ELIZ
AOS 4:000000
BIIlEETEO GARANTIDOt
Pra.a da Independen-
1 cians. 37 e 39
0 abaixo assignado vendeu entire os soeus
felizes bilbetes garantidos a sorte do 4:0006
Sem iuteiro n. 2704, a sorte de 2006000
em 2 neios n. 18 14 a sorte de 100s000
em 2 quartos u. 1916, outra tambem de
1(X), em dois quartos n. 1957, e outras
sorts de 32. 165 e 86.
Convida os possuidores a virem receber
sem desconto algum.
0 abaixo assignado tern exposto A
venda os seus felizes bilhetes garantidos da
loteria 51a a beneficio da Santa Casa de
Misericordia do Recife, que oae extrahirA
segunda-feira, 7 do corrente.
Precos


Bilhete inteiro
Meio
Quarto
Em popie de


" 46000
26000
I #ooo
1oo,ooo5000a
100,5000 para


elma
Bilhete inteiro 3#500
Meio 16750
Quarto #875
Antoxio Augusto d&s Santos Porto.

Machine a vapor:
Vemde-se
umia nrnchin a vapor, typo horeiuwntal, em fa
de 6 cavalles, propria para engenho, pois queaha-
DeprovidaAstod&*ers etes eO
daido ser adaptada imediatamente 4 6q e.,
moend. WVende-ue per ereo do, tao t
t-io dlgu-m no, o qne diz. at& a a-
i r4tinWremwd A wl deu d


H


B ^^M
'*
J
jtf^B
'^^L^^H
^1^ I


Para este estabelocimento acaba d Oegar de2aris.:
Turquoise,-Tecido novissimo e d de bo d dgot B Wdo.
Setim turquez -Desenho esoocez, grand moda.
Setinetas Daminass6e, escossezas e petit pois.
Sodas e setins. Padres de lnovidade.
Sempre novidades em tecmidos de seda linhE e algodao por pme


Ssem competencia.
Rua do Cabuga n.


=1W


2Ae2B


GRANDE OFFICINA DE AAIATE I
EUSTOAE


ARRUD&LUASTOT A, &C
elht Ibrio da Vdo *,N t
N'este acreditado estabelecimento se enpontra.a.eiT umn asqrtimento .;
pleto de pannos finos, casenira de todas as cores, ppoprias para eostumes e calgascm.'r
cebemos directamente -&o tri-jia fazendas por todos os vapores da Europa. Brim
branco e de cores, e todas as fazendas tendentes A urna casa Aepso genero de negocio.
Aprompta-se costumes para luto em 12 horas.
Dispoe de umn possoal habilitado e corn os melhores elementos para aervir,
a seus amigos, e a qualquer pessoa quo quizer hoxamr seu eetabdecietto corw suas
encommendas. -
41M--Rua do Barao da Vietoria--41


D). Idalina Leal
Be"Ofte i r a M& a"P ei"J iw *.
4S, prhmero auudar
Encarregp-se de gosurt e rfqrmar vestidos,
prepare tuleWt puioawr x entoz, aiiles, especta-
culos, passeies e outros mais que Ib. borem Ucom-
mendados, inclusive vestuarios para baptisados.
Prerueia babados a 20 rs. o metro, e promette ser
modica 0 pSW Aoe son. ifab oGs.

eite de aveAoz
IPAWS AN As a de toda a
espeeie
Perfeitamente eouservado liado grao e oe-H-
domnado, approvada pela Exma. junta de hygiene
,PZmft40 UG 60 aneio.
PFiGpia*do pdlo aovemo imperial, pela effiea-
cia da sua ap pFiao.
Os frascos trazem o retrato do bacharel JoSo
Baptista Gitirana Costa corn asua assignatura do
p nio pun OA e s5 rubricados corn tinta encar-
nada pole cirn io odentiata uma Pewmpie.
11~op depogto ein ParnarmbwOO, ru. do aRAo
da Victoria n. 54, andA
PreTo de cada frasco para cancros 619000
Para ulcera 5es e grannula96es do coro do
ero 4 caneroS sy *ilticos, formula es-
'CiFe M


Luz brilhanle sMi fum

Stleo.a wmatieo
ar HYGIENE ENOOIC


Martins & Bastes
Pernambuco
Numero telepheonio n. 83


[: .. P I ..

Compra-se um casa terrea de construclo
modernn, con aceommoda s59 spara urmsa pequena
. familiar, nas localidades seguintes : Soledade,
Manui~nho, Fernandes Vieira, Caminho Novo e
V'-eonde de Goyanna : a tratir na L apunga, rua
da Ventura n. 2
Compra-se uma casa terrea no oitio dae ma-
triz.de Santo Antonio ou travesaa dos Expostos :
a tratar na rua da s Larangeiras m. 2, taverna.



Vende-se urn terreno proprio corn 110 pal-
mos de trente e 250 de fundo, na rua do Conse-
Iheiro Barros Barreto, no lugar do Porto da Ma-
deira, em Beberibe de baixo, termo da cidade de
Onmda, comrn easa se taipa : a tratar na rua da
Santa Cruz n. 8.
Drogaria

.Fari Sobriho & C., droguistW por atsc.a
4fdo Marquez de Olinda n. 41.



ternmparasve-nd:
; ..
do to".' m aOsn


-e '. 4 'd o
....... .,. ...,..

.-. -B.^ -B .- *' .. ,


vedo-w


MadVWapd~,jeg dle -m & nfcb *&M&JB
Ditom ctoi 12 j ,i 4A e-
Dtmttlargocom20Jvyas~a4gIOOe OJOOO
W &efndai mdstwo encacpada que pa-
EM aelobe, coa ve ,
Dito fiamou4 wericaauo, aeenda muito
fima eemcorpad d 7 127:
AlivgoSo nfestado corn 9 palmos de lar-
MprapMaaUrleaengde um6 pan-
n% str a .. O
ito tranado acom a me=*ma larra,
proprio pars len9g6s e toalia do
mesa, metro a low0
&*mavte doAe lgodleo m 10 paibnos do
larguravxpoprnipr fafzr lepngwen9Ow*
unm s6 pauo, metro low
Dito francez, sendo de linho, j etwo a
"t1800 e 2^086
Dito inglez de quatro largora, sedo
de linho, metro a 2,500 e 2'00
Vureguellas jopria para M156I, toa-
Thas, eerouias, sendo fazenda muito
euewpda, cads pea om 29 varam
por IOMWO eenm am a 100
D ers coma mesiM a m dia a 800 aZ, OU
Svara a
Atoalhado adamaseado para toalUas de
mesa, teado-8 paimos de iargura, me-
Asai corao e Iro am pleto otim&to de
peIas de agedsozinbo .americaue e
ingtez, qcue se veqde per pea de 3S atW 60(W0
lato a& lIoa 4 eAsquia beceodos Frreiro?
aseoniras de cores
De: 990 at6 :000 rs, ,

Atheiro & Silva a irua da Imperatr n. 0, te
um immenso sortimento de de cores,
tUato 4jOW Comp M~ura,5, qW wide a 2a000,
255O0, at4 6 ;o covadj, e dag a1O8s ,Deda
fJseuiravkucrpe~a ,brA vuucustiiw, er pir-
9os muit ra0m eaveis, assimcomno tern tambem u
expindido sortiamento de oasornias e pannos
tos ate ao mais ,fu eod que voi ao orcado, e
dos voesmoo t;Lmben e emcerregrpm de m-ndnr
fazr qulqpeer peo a de 'oupa vo-ta le .o ire-
guez e corn mtoda a perfei.o e prestezas : tona
Ioja dos barlteiros da Bo-Vista, na eequina de
bewco des Fereirop.
Merinmos pretos
a1#00oo, 1640oo0 94 e #o
Qa Bazateiros daBo- i~st 4 JU dilmrtrim
n. 40 tern um grande sortimento 4e
para vestidos que veudem deo 120 amt 2200,
send muito 'boa iozenda, assim eofo ditos encor-
pados para roupas de omens e meninos que vea-
dem muito bazaro, na loja da-esquia dobecco doe
Ferreiros.

Os Barateiros da Boa-Vista vendem muite bo-
nitos linhos de uma s6 c6r e de listrinhas a
vestidos, sendo a 160 reis o covado e de cores fi ,
isto na rua da Imperatriz n. 40, esquina do beceo
dos Ferreiros.
Brim pardo
Cowado a 30 am
Na loja da rua da Imperatriz n. 40, vende-se,
brim pardo liso, proprio para paletots, callas e
roupas de criancas a 360 rma. o covado, isto poi
tor um love toque de mofo, que la p logo que sti.
molhe, 6 grande pechincha : na loja dos baratei-
ros da Boa-Vista, esquina do becco dos Ferreiros
Fustesa 360 440, 500
e640rs.
Os barateiros da Boa-Vista A rua'da Impera
triz n. 40, vendem um grande sortimento de fus
toes brancos, proprios pars vestidos e roupaw de
criancas, pelo. preces acima indicados : isto na
esquina do becco dos Ferreiros.
Setinetas A O00 e 640
Na loja da rua da Imperatriz n. 40, & esqttma
do becco dos Ferreiros, vende -oe um nlgante tor-
timeato de setinetas, tanto lisas coro lavradas,
sendo as cores mais bonita. que tern vindo a*
mercado a 50' e 640 rs. o covado;-"esshm como
um bonito sortimento de Ilginhua lisuae lavradas,
proprias pars veetidos, d. 6. O at6 f!Df 6 pe-
chincha : na Ioja dos barateiros da ba-Vista.
EsipartiU8

a 46e aM~*
Na Ioja ra is do Imperatris a. wu vsnoo-B
moitol eajins sartllhofl pan usnhora. a 5 >0(f,
tos pasra nonaa a 4 s ,
dito sertrneuto de fiehs ,..00- igom.tq ica-

RNova Bdlt4 w


Tfeiwr NenttriemHs
QBuarm iidft A &art^ mrif
iA&E4 A-WZQONATICA
"de Bouquiyrol Irp"iQ..,
,- .oeroso'rerado e rwqodecI4o hoje
-Mae ESPECPI~v o .uta uuoa lelat&t

s hica Vmmam~sa a dsa1ar6a
A. Coo"
AL llles
XVT4 PA CIUZ 28)


wMa casa junto..eit&S do 4Jo
taverna e common Paiz um peu.pq eao ot 4ma
elaris pa rjaolo. e as e obtas finas, de
e~pD, *algumnas Laii~las a iatar Ca cmoaa


Pa gran4e JAimuatOo
d magnificas fazn-

das e outrbs rtiOges

do jno*a Pama seio-
ras, 110no es-
tabelechdinto de o -


2, rua do Baro da
VitoSia, S

T'ndo rec obi d wop0 o rato do
,e4pedido ;orti~ieako do fAp eldaa fias
qt^ie jp8a.aet6 fi~c~sd, Jievia -wcowrnin-
da4o, En6as ,Amerio d MedeLr e. i-
nwa a, vender a seus freguees (.esipo p ra
acabar !) pelos preqos mais resu*idos.
Setinetas beolJimas, para quem quizer
ve~tir bomr e b.kato! E outros tecidos de
gosto irrepAoc .

#Ua d Baro da Viloria v.2
En4as A. de Medeiros

Fariulha Lactea
nos primeiros mezes a alimentaIo maa
natural e apropriada para atimentar a cmias-
9a de peito 6 o proprio leite materno o qWi
em caso de necessidade deve ser Babstiti-
do pela
FARINHA LACTEA DO DR.
FREfICHS!
A sciencia e a pratica adoptaram a fan-
nha Lactea como poderoso element AU-
trictivo para a infancia e distinctos medi-
cos do Brasil e da Europa reconheceram
ser A do Dr. FRERICHS a melhor n'eate
genero.


Dove-se pois evitar confiar o fihinho 6


uma pessoa estranha e de comportamento
nlo conhecido muitas vezes o germen
numerosa molestias.
Vende-se a verdadeira farinha Lactea
do Dr. Frerichs:
55 RUADOIMPERADOR 55
Estabelecidmeto de mudcas e piano de Vic-
tor Pratl e

Liquid '&o para
acaar
Popelines lisas, de listras o lavradas.
Lis de' quadros, tscossezas e lavradas.
Alpacas lisas e de listras.
Granadines de cores e pretas.
Cambraias bdrdadas e abertas.
Vestuarios para meninos.
LequeB.
Chapeos pars senhora.
Chitas lisas e de -cores.
Fichus de seda e de 15.
Capas de malha de 1M.
Para'nftinwar
Collarinhls e pnnmhos pars senhoras e homes)
diverSa fuiti*. -
Camias sem collarinhos e sem punhos, corn p%
Sat nImaho0) e -punhos pars se.bra,
Sa'menios, odesde n. 28 a 88.
iJ- .a n 4te n 32 a S&
~ ~ ~ ~ DN Pmrf~ela^

1. & ~..


I.
. -_


















i',. ,




I:-

,%
,


**"""*' -ta m '
. ..: .;-


A


Cp


I


























SoKoired e oU- .M :P .....
-,A- 18,A Do Thieol Jo rge Man
^voudiser s ao lmirat de br
>44r Js6 da Cmus FwEyafti ose ek
Buisem s. conlicoes uAs dia
TVgvero r"pubicao i araar
af e matar os portuguees. ,.
SA 19, desembarcaram as tropas realis-
Stas e occuparam o Recife.
A 20, suicidou-se o padre Joao Ribeiro
o.wsoa de Mello Montenegro, no engenho
-Nuhsta.
A 29 de iunho deol17, chegou ao Re
cife o governador Luiz'do Rego Barreto
commandando a divislo dos voluntarios
lsaes d'el-rei.
No dia 1 de julho, ele tomou posse da
administragce da provincial.
A 2, elle creouon urma commission military
pars julgar os implicados no governor repu-
blicano.
A 15 de julho do memo anno foi exe-
cutado por seuten9a da dita commissao o
tenente Antonio Jos6 Henriques.
A 10, foram enforcados no Recife os
capitles Domingos Theotonio Jorge e Jos6
de Barros Lima como chefes da revolugbo
de 6 de margo do mesmo anno e o padre
Pedro de Souza Tenorio.
A 12, foi executado na Bahia o pernam-
bucano Jose Luiz de Mendonga um dos
autores da dita revolts.
A 6 de setembro de 1817, foi enforca-
do por sentenga da mesma commissao, a
qual se compunha dos 4 membros seguin-
tes: president, Bernardo Teixeira Cou-
tinho Alvares de Carvarlho; escrivbo Joao
Osorio Castro de Souza Falclo; relator,
Jos6 Gongalves Marques; assessor, Jos6
Caetano de Paiva Ferreira; o padre para-
hybano Antonio Pereira de Albuquerque,
no Campo das Princezas, cujos restos mor-
taes sepultaram-se na matriz do Sacramen-
to da freguezia de Santo Antonio.
A 2 de janeiro de 1818, chegou ao Re-
cife um batalhlo do Alga:ve para pacifi-
car a ordem public alterada ainda pelos
sucessos de 1817.
A 5 de abril do mesmo anno, Luiz do
Rego Barreto mandou suspender a Com-
missao Militar em razlo da amnistia con-
cedida pelo decreto de 6 de fevereiro do
dito anno por D. Joao VI.
A 19 de julho de 1819, falleceu no Rio
de Janeiro o bispo de Pernambuco D. Fr.
SAntonio de S. Jose Bastos.
A 4 de abril do 1820, foi nomeado 160
bispo de Pernambuco, D. Fr. Gregorio
Jos6 Viegas.
Neste anno teve lugar o cerco e ataque
da Serra do Rodeador, term da comarca
de Bonito, 36 leguas distant do Recife,
pelas tropas de Luiz do Rego, pars pren-
derem ou dispersarem muitas pessoas que
iam alli attrahidas por fallazes promessas
de riquezas feitas por alguns embusteiros
que estavam se locupletanto A custa da
predulidade public.
A 6 de fevereiro de 1821, foi creado
o Tribunal da RelaqAo de Pernambuco.
A 3 de margo do mesmo anno, Luiz do
Rego publicou urna proclamagbo declaran-
do que corn o fin de satisfazer os desejos
dos pernambucanos, o poder competent
ia pedir a D. Joao VI a Constituigbo;
mas que entretanto seriam punidos corn o
rigor da "lei aquelles quo perturbassem a
ordem public.
A 9, de inar90, o dito governador con-
vocou^ ii~n conselho camposto de officiaes
superiores em que se resolve reunir a ca-
mara para obter de el-rei a Constituicao
portugueza, que ja so tinha jurado na Ba-
hia.


attacada pelas forgas goywani ta, centre as
quaes Bse achava. o tennte paaIybno.
Jose Maria Ildefonso Jacome da Veiga Pe-
soa, que Jefendia o posto de Maria Sim-
hicia, e o capital portuguez oAleixo Jos6
e Oliveira na part alta do Olinda.
A 30 de soetetembro de 1821, os goyan-
nistas ausaltaram os Afogado nomee que
lhe prov6m do profundo pautano ahi exis-
tonte no equal estando a marw6 cheia aquel-
leas que o vadeavam pereciam afogados)
sob as ordens dos majors pernambucanos
Manoel de Azevedo do Nascimento e Ma-
noel do Nascimento da Costa Monteiro, e
foram repellidos pelas tropas de Luiz do
Rego, em numero do 350. homes. Nas
fiileiras dos sublevados estavam os sar-
gentos, pernambucano Antonio Correia
Seara, e portuguez Jos6 Joaquim Coelho,
constando o exercito goyannista de 2,000
soldados, por terem-se A elle aggregado o
1.0 e part do 2.0 batalhio de cagadores
de linha, o 3. e 4.0 de militias do Recife,
A 7 de outubro, a Junta Constituciona
Governativa, organisada per Luiz do Rego
a 30 do agosto do dito anno, o da qual elle
era president, publicou urma proclamaglo
aconselhando aos pernambucanos a con-
cordia, e lamentando os combats de Afo-
gados e de Olinda, assim como recommen-
davays aos portuguezes e brasileiros que se
congragassem.
A 26 dr outubro, tend Luiz do Rego
capitulado, foi eleita nova junta proviso-
ria, da qual era president Gervasio Pires
Ferreira; neste measmo dia Luiz do Rego
embarcou para Lisboa.
A 27, a Junta Provisoria do governor
de Pernambuco tomou posse na Camara de
Olinda. 0 marochalde campo Luiz Antonio
Salazar Moscoso ficou substituindo no go-
verno military a Luiz do Rego Barreto, e foi
o 10 commandant das armas de Pernam-
buco, o qual tomou posse neste mesmo
dia.
A 27 de dezembro de 1821, tomou pos-
se da administra9Uo military o 20 corn-
mandante das armas, brigadeiro Jos96 Ma-
ria de Moura.
A 31 de janeiro de 1822, embarcou do
Recife pars Portugal a tropa lusitana.
A 19 de fevereiro do dito anno tomou
posse o 3' commandant das armas, briga-
deiro Jos6 Correia de Mello.
A 2 de junho, a Junta Provisoria do
Governor de Pernambuco reconheceu como
chefe do poder executive o principle re-
gente D" Pedro 10, que a 9 de janeiro do
mesmo anno tinha declarado que fic&va
no Brasil, pars tornal-o independent do
govorno de Portugal.
A 13 de agosto foi aberto o Tribunal
da Rela9bo de Pernambuco, do qual era
chancellor Lucas Antonio Monteiro de Bar-
ros.
A 16 de setembro de 1822, foi dissol-
vida a Junta Provisoria do Governo de
Pernambuco, por urma sedigAo military, fu-
gindo seu president Gervasio Pires Fer-
reira para o Rio de Janeiro.


LITTERATRh

A estrella da tawde
Thou gem upon an azure heaven !

(MuIA LUCREZIA DAVIDSON).

JA pouco a pouco vlo subindo as sombras,
Pela encosta dos montes, quaes fantasmas,
Que vemos sem saber d'onde surgiram,
Buscando al6m o espao!I

E o sol vermelho, em sua tend d'ouro,
Offegante se esconde no occidente,
Como o guerreiro que dos campos volta
Ferido da batalha.
No c6o, nenhuma luz se mostra ainda
No quadrant de 16ste, sul ou zorte;
S6mente o candelabra acende Venus
De luzidia prata.

Mais proxima quo n6s do sol no occaso,
Duas vezes maior o vA brilhando;
E a luz em jorros, que desprende o astro,
Irradia lhe a front. ,
No manto do crepusculo, ttl ....
De unslongesde vermelfo, manso e mnso,
Como um cysne nos mares megulhando,
Vai descend o planet.

Que pensamentor me atravessam n'ahna,
Quando, suspense w Ei, contemplo amiga
Aquella branca estrela to formosa
Na concha azid da tarde!

Ao passado me volto,y-e entao revejo
Da infancia alegre o verde ramo em flores,
Agora emmurcheeidaas pelo outono
Dos cuidados queposalo!

Revejo o sitio dos paternos lares!
A casinha do outeirol a cruz do ermo!
0 rio! a velha ponte! e as frescas vargens
De cowqueraes sombrios -
~a oced eatem-se A espad& on
A pistol, quando ha alguma offense, ou
quando a honra estA ultrajada. Mas n6a os
homes do povo s6 temos duas armas as
maos quando nos insultam; e a faca quan-
do o duello 6 de morteo.
Nlo me lembrei de fugir. Alli fiquei,
pregado no meu lugar, e repetindo b#u-.m
do os dentes. i
Matei um home! xnatei ur m ho-
mem .!. ** ft ,
Passaram algumakpessoas, e viram.
to estendido por terra.
E ento uzeraae a guitar : Soocor-
ro! Mataram unm home --Acudir-m a
multidlo, os agents apoderaram-se dei Ri,
corn a maior fac'idade, porque nlobjia
esforgo nenhum para resietir.
0 commaissario interrogou-me, e, q.qu o
Ihe contei .a mijha historia,- soltou-mc&wa
gaigalhadana cara. .
Qaanto a elle, eu haYiSa tido :uma dipu-
tatom Dalto.Ie a.eva&O-a Q i
para assassial-o. N duello nao
lva; 'e por .t& ?a.iuito.Bsiu
ocfcasa:,io a qoii.. ;|,^


O)io-te a melodia em sons ethereos
Que s6Bltas n'um chuveiro de brilhantes;
E, como um c6go Ia to encarar, rmis nada
Em torn de mirm vejo!

E, assim, teu rosto contemplando eun fico
Horas inteiras ao cahir da noite,
Qual venturoso amante a doce amada
No balclo da janella;

At6 que a luz do camarim so apaga,
E o escuro em cheio a formosura esconde;
Restando apenas essa image n'alqa,
Que saudade illumina!

Ah! pessaem breve, desprendido o espirito,
N'um v6o alar-me ao desejado porto!
E vagando de astro em astro, amiga,
Pernoitar no teu seio!

BIrrTENCOURT SAMPAIO.


VARIEDADES

TEUS PFE

Que p68s! horresco Oh! que p6s enormes!
Que p6s desados, que possues, 6 flor!
Ta, que 6s tiobella, tao dvina e -meiga
P'ra que naacesfe corn takes pes, horror !

Muitos poetas inspirades, grades,
Por ti soffreram que' affliges crueis!
Mas Conricerteza mudariam orumo
So consegisfem "to bispar os p6s.

Confesso, eu mesmo, quantas yezes, quan-
-- (tas,
Entre solugos t'implorei perdlo '.- .'
Mas 6 qu'eu sempre te fitando o rosto
Nio me lembrava de fitar-o chlo.

Diras -Sou beha, tenho os labios quentes,
De neve o seio, tao gentil cintura;
Olhoiso ue matam, que desprendem fogo,
Son anlo, fada, divinal feitura.

Eu te di4ria :-Do que serve isto,
Se agoa eu busce' te evitar -' perigo I
nalmente fizeramie mim um ftorado, tum
animal nojento Lutei, quiz resignar-me.
Nao houve meio. Entio pedi que me man-
dassem para Cayenna, porque dizia commi-
go : Fujo ou morro. Se recuperar a liber-
dade, hei de procurar tanto, tanto, que afi-
nal hei de encontrar a Farpiande. Se me
agarrarem, ou me matam ou matQ-me eu,
porque, para viver como forcado, nAo que-
ro, MUo posso!
'izendo estas ultimas palavras levan-
touse. Nio se lhe podia ler no isto nem
raiva nem colera, mas uma resoluto fria,
implacavel, de acabar corn a vida.
0 repouso deu Ie for9as ; o sangue pa-
rou.
SE agora, disse elle a Reberto, diga o
senior se me "bati lealmente, porque me
roubaram a minha mulher, e lembre-se
bem disto: 6 que prestos a morrer, juror
perante Dens que digo a verdade.
Oi O8r. de oaitres sabia ber quo o forca.
|,n^ ^ffiK a mjlilentxido. Urn violBoto coBB-
Sf-- 1x0 ^^Na l^a


E' jA crepusculo! A hora do silencio
Estende o nogro manto ao ample espago:
S6 o sino, quo annuncia:-Ave Maria,
Quebra esta mudez plangentemente.
0 c6o 6 fine espelho, e nem de olve!
Ligeira nuvem de procella o told;
Mas jk comega a estrellejar-se a cupula,
Depois que perfulgente e grande estrella
Primeiro porsistio, inda encontrando,
A recolher seu purpuraceo v6o,
A tarde, a doce hora, em que o sol poe-se
Por centre as franjas de douradas nuvens!
E este p6lago de luz mais 6 luzente.
0 ocean 6 de prata, enorme esteira
Corn vagas de esmeralda !... A casta lua
A fada area, que o espago .abrange
Por entire nuvens de marfim se ostenta
Depondo a argentea luz por sobre tudo!....

E assim, oh natureza, eu to cOntcmplo
Ataviada de milh5es de encantos!
-A noite solitaria e harmoniosa
Olvida minhas magoas e tristezas!
,S6 ella linitivo As minhas doros,
Que vao-me arrefecendo a mocidade !
- Oh norte!I noite amiga, que me embalas
Em teu seio de sombras perfumado!
Eu sinto derramar-se-me no peito
Tao grandes sensua5es... que depois scismo,
E o espirito elevo a belles quadros;
Entro d& triste Jyra, oh uninha musa,
Arranco vibratea, que se esvaecem
Derramando em meu peito santo baLamo ;
Porque, anjo, vislo, tu me inspiraste !
Oh santa inspiraUo Fulgente estrella,
,Que a fronte-,, 'bafoas ecw~ y
Meu Viitaafte um sublimado caito
Por ti, o meu future, a minha gloria!..,

14 maio-de 83.
DEocLEccIAMo A. LOBO.


A MINHA TLENRA SOBRIHA PETRONILLA PE-
DROSA.

Criancinha ingenua e meiga,
Como so 6 bonita assim!
Nio ha outra rosa na veiga,
Nbo ha outro mongorim.
Tu 6s, gracinha, uma huri
De perfil o mais airoso:
Quem dera ser curioso .
Pars desenhal-o aqui t
os assassins e os e bandidos Ah! como
agradecer-lhe como hei de dizer o que
sinto no coraso.
Entio, disse o Sr. de Laitres, viva-
mente commovido corn aquella exploslo de
alegria em que transparecia d6r! Levan-
te-se, Martim, e socegue. Seja home.
Seja forte. EstA livre, repito, mas quero
al6m disso ajudal-o a escapar-se. E deve-
mos tomar preoaun3es, porque naturalmen-
te ji andam em sua procure. Em primei-
ro lugar soffre corn essa ferida?
Jalras sorria, menoando a caboo.
-- No sinto n4a,, sinto apenas o bemrn
que o senhor me fez. D'aqui a dous dias
jA no ha nada. Logo mais ponho aqui
umas folhas e estA prompt. E depois 0
senhor bemn sabe, a alegria cura tanta
cousa t
Dove tvo sods e fame, porque 08808
tormentos, estas fadigas.. ,-
-- Nad sci, apenas penso na ventura do
estar livre. ^ '," 1:1 : 1 ,11^ '*1
".- -- ss' o viveis... ?eci..


Ave implume em cast ni.t..
Como eu te quero-niguexim i
Senao 6s do c6o, angiin-a .
Da terra nao 6s tambem. '

Pucellinha! a cOr puniceo
Que as tuas faces colora,.-.| .
Realga-as tanto, canicia, -
Que julgo-as rises da a*B

Tua bocca, so e que o 6,i
Pois nao m'o parece a Iwl I-
Do rosicler toma a cor
E thuribula um odor, "
Que so nao 6 um jasim :W-
E' de jasmim um bouquet.

Ataviado compost
De tSo perfeita estatura,
De vespa 6 tua cintura
E alabastrine teuon rosto.

Emfim, gentil, 6s tao beils,
Como tao bell nao ha:
Nem a sereia do mar
Quo sempre soe enlevar
A quern por accaso v6l-a
N'um canto de philomela,
N'um then de sabiA.

Mas olha: Nao fazes bemrn
Em viver aqui comnosco:
0 mundo 6 um albergue t nOt ii
Que nem luz ao menos toweml
E sem luz em que que a b "
Tu, pyrausta, tuas azas? :

Vai p'ra o c6o, insonte fads!.
Tua mai nao queres ver? ;- ,'-" -
Vai p'ra o c6o I -Ella te agoW*A.
E' IA que podes viver.


Afogados, 28 de junho de 1*$4.




redar de Toulon, achavai=W *,s,
Aos forgados que se e0 B ittv5
maior parte das vezes o necsai
de roupas e dinheiro. pucos s
achavamnos casos de Pal
operar sobre bases financeIisune t
E uma vez livres, procurav=aw p todo
os meios possiveis, arranjar a' l ei
dinheiro que ihe eram indispRBSvais
quaudo encontravam algum rn sa o,
esse obstaculo era a vida de um lteioot
matavainm.
Por isso, logo que os. I(
cionases se fizeram nouvr....
evasbo do umr gal6,as0
armavarn-se o f -
como pars um lobo ouM
jaula.




Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EGDACIMVI_8SVPW7 INGEST_TIME 2014-05-03T16:25:54Z PACKAGE AA00011611_13671
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES