Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:13523


This item is only available as the following downloads:


Full Text










* -S
ft S S


rPrieateelibe Aanoteaf tuidueira t e Jriam & JlU40
^^g i.^ .i. i 11 -^ -- -^-.^ ^ -^^ _.: ', __ ,_____


" ThLEGAIAS





(Espi' para o Diario)

(IVia Galveston -Buznos-Ayres)

PARIS, 12 de nfarpo, a tarde.

N'uma reuniio privada.provocada
por diversos partidariofs seus,o prin-
cipe Napoleaio declarou que um ple-
biscitoe o unico maeio que tern a Na-
ceio para escollher o leverno que
prefer.

ROMA, 12 de marco, A tarde.

0 Sr. Farina pedlo demissfio das
funecOes que exerela.

Agencia Havas, filial em Pernambuco,
14 de margo do 1884.



INSTICCIO'rOPuLAR

MECHANICAL
(Transcripyo)

CAPITULO VII
MACHINES SIMPLES
Machinas-se denominam-os appareltos corn
gue se consegue oppor as forau a outras ; e ainda os
apparelhos corn quee se consegue utilisar as foryus,
de maneira que produzam urn determinado resultado.
Ha tambem quern defina do seguinte mode o que
bejam as machinas:-apparelhoa destinados a equi.
ibrar etrtas forga chamadu at rosistencias a, poer
intermedio de outras chamadas w potencias i, e que
wo so igu a ner directamentte oppostas ds pri-
neiaas.
Para se conseguir isto, 6 necesario hayer um
obitaculo fixo e inabaavel que possa servir de
apoio.
As machinas podem ser-s-imple on compostas.
As machine simple. (eomo o seu nome indica)
silo as mais elementares: sio constituidas per um
Scorpo solido e um obstaculo fixo rue ihe serve de
apoio ; e, segundo este obstaculo e um ponto, urma
recta, ou um piano, assim elas se chamnam:
Alavancas ;
Roldanas e Sarilhos;
Piano inclinado.
Machinas compstas-sgo : os apparelhos mais
complicados que se compyem de machines simples,
entire si combinada-s para transmittirem a aceao de
uma fo6ra no intuito de conseguir-se urm determinado
firn.
Tractaremos aqui s6 das primeiras comecando
pela:
Alawanca
Alavanca- urn corpo solido de uma formna qal-
q'ter, mrvel em todo os sentidos em torno de umpon-
to fixg chamado ponto de apoio.
E' geralneute uma haste rigida, que pode ser
recta, em cotoveib, e curva, e assim detenninar o
nome da-alavanca recta, alavanca em cotovello,
alavanca curva.
No caso mais simples ha, pelo menos, duasforcas
que aetuam sobre a alava a:-a resistencia que
se ha de veneer, e a potencia que para este fim se
emprega.
Estas daasforcas podem ser applicadas u ala-
vanca iem differentes pontos, de modo que o onto
de apoio pode ter tires diversas collocacoes corn re-
ferencia as forcas, e assim originar tres differentes
generous de alavancas, que sao couhecidas pelos
homes de:
Alavanca do 1O genero ou inter-fixa;
Altvanca do 20 genero ou inter-resistente;
Alavanca do 30 genero ou inter-poteatc.
(Uontinua).



PARTE OFFICIAL

Ministerlo do Imperlo
Por despacho do 10 do corrente, foi elevado a
visconde corn honras de grandeza o Bargo de Mo-
reira Lima.
Foi nomeado o lente substitute da Faculdade
de Direito d) Recife, Dr. Joao Vieira de Araujo,
pars o lugar de lent da 2a cadeira do 3o anno da
mesma Faculdade.


SForam nomeados cavalleiros da ordem tde S.
Bento de Aviz : o major Luiz Celestino de Castro,
o03 capities Trajano de Menezes Cardoso, Raphael
Tobias, Marcos Antonio Rodrigues, Antonio Gar-
cia de Miranda, Francisco Jos6 da Silva e Regi-
naldo Nemesio de SA.
Foram agraciados corn os seguintes griaos da
ordem da Rosa, em attenglo aos relevantes servi-
ces prestados i instruceiao public por oceasiAo da
Exposigilo Pedagogica:
Commendador, general John Estan.
Officiaes, Antonio Nunes Galvlo a Henrique
Germack Possollo.
CavallUeiros, Victor Guillard, Edmundo Klein
-Gaston de M&z e Paul Rosseau.
Foram tambem agraciados: corn o grio de offi-
cial da dita orden, pelos relevantes servi os pres-
tados ao Estado, o eugenhetro Jolo Nery Ferreira,
v corn o de cavalleiros, pelos, que tern prestado A
instruco primaria na, crte, os professors pu-
blicos Manoel Josh Pereira Fraso e Januario dos
fiantos Sabino.
Foi nomeado eavalleiro da ordem de S. Bento
-de Aviz o 1 cirurgilo do corpo de safide da arma-
da, Dr. Odonco Carlos Baeellar Antunes.

.l....erio. da JutfITa
Por deoreto do 28 do mez find foinomeado juiz
de direito da eoarca de S. Borj, de 1a entuxahei
ma provincia do Rio Grand& do Sul, o bacharel
JoAo Fracisco de Arruds Falco Filho.
S -- Per decretos da mesma data foram nomeadoes
v.para a guarda nacienalda provincia do Ceari :
Comares do Sobral: coronel commandante su-
perior, Jos GoSaes Rodrigues de Albuquerque.
tomarca de BaturitW: colonel comu-anate sm-
S erior. Andre Epiphanio Ferreira Lima. Cgnarca


Per deereto de Id docorrente
Foi dispensado o bacharel Jovino Antero de
Cerqueira Maia do $,&rgo de ehefe de policia da.
provmcia do Piauhy, per assirm o haver pedido.
Foi concedida ao bacharel Tibureio Valeriano
de Carvalho a demissio quo pedio do lugar de juiz
municipal e de orphilos do term da Tapera, na
provincia da Bahia.
Foi removido, a pedido, o juiz de direito Anto-
nio Euclides da Silveira da comarca de Parana-
guAi, do -1 entrancia, na provmneia do Piaulhy pars
a de TraipA, de igual entrancia, na das Alagoas.
Foram nomeados :
Chefe de policia do Piauhy ojuiz de direito Joa-
quim Fcrreira Velloso.
Juiz de direito da comarca de Paranagua de 1I
entrancia, na provincial do Piauhy, o bacharel Jo-
vino Antero de Cerqueira Maia.
Juiz municipal e de orphlos do termo de Santo
Antonio de Patos, na pro-nueia deo Miuas-Geraes,
o bacharel Luiz de Andrade Figueira.
Foi reconduzido o bacharel Antonio Joaquim de
Couto Cartaxo no lugar'de juiz mmiicipal e de or-
plhos, do termo do Milagres,i na provincial do
Ceara.
Fez-se merc6 da serventia vitalia dos officios de
tabelliao do public, judicial e notas e escrivio do
commercio, de orphbos e da provedoria do capellas
o residues do term de Ponta de Pedras, da pro-
vincia do Para, a Joao Damasceno Tavares, no-
meado pelo respective president para servir pro-
visoriamente na f6rma da lei.
Per portarias de 6 do corrente foi exonerado,
a pedido, do cargo de almrnoxarife do Presidio de
Fermandode Noronha o capitao reformado d- exer-
cito Manoel Alexandrino de Albuquerque Pitta,
sendo nomeado para esse cargo o alferos honorario
do exercito Antonio Francisco Pereira Gitirana.,
Por decretos do 8 do corrente :
Foi declarado avulso o juiz de direito da comar-
ca de Uruguayana, na provincia do Rio Grande do
Sul, bacharel Francisco Alves Guimarmes, por as-
sim o haver pedido.
Foi removido, a pedido, o juiz de direito Fran-
cisco de Paula Fernandes Rabello, da comarca do
Rio Pardo para a de Gro-Mogol, ambas dIe 3a en-
trancia, na provincia de Minis-Geraes.
Foram nepeadoes
Juiz ddireito da comarca do Rio Pardo, de la
ontrancia, na provincial de Minas-Geraes, o ba-
charel Candido Valeriano da Silva Freire.
Juiz de direito da comarca do Lagarto, de igual
entrancia na provincia de Sergipe, o Dr CatiAo
Guerreoro de Castro.
Juiz de direito da comarea' de Uruguayana, de
igual entrancia, naus provincia de S. Podro do Rio
Grande do Sal, o bacharel Menandro Rodrigues
Fontes.
Juiz municipal e de orphWoa do termo do Arroio
Grande, nus mesa provincia, o bacharel Jos6 Pin-
to Fereima de Oliveira.
Foi expedido o seguinte aviso, em 6 do eor-
rente, a. president da provineia do Par& :
Illm. e Exm. Sr.-Declare V. Exc. A junta com-
inmercial de Belhm, em solu* lo 4 consult dirigida
a este ministerio .eorn data de 14 de janeiro ul-
timo :
1.* Que o deposit da relacao nominal dos ac-
cionistas e do inventario das sociedades anony-
inmas, come exige o art. 76, us. 1 e 2 do deereto ni.
8,821 de 30 de desembro de 1882, deve ser feito
na secretaria, independentemente do despacho da
junta que, abstende-se de apreciar takes documen-
t1o0, facultaril o exame delles aos interessados.
2.. Que quanto a relao das aceges transferi-
das nao se ofaz preciap 1Mito A vista do citq-
do artigo, 1 que sontAXI inda publicarpelft
imprensa as transferenclas realisadas dentro do
anne.
3.o Finalmente que, se acuto for negociada an-
tes de realisado o quesito do seu valor em dinhei-
ro, contra o disposto no art 13 do mencionado
decreto, nao p6de a junta conhecer da nullidade
,da transferencia.
Deus guard a V. Exc. Francisco Prisco de
Souza Paraiso.
Foi expedido este outro aviso em 6 do cor-
rente, an president da provincia do Goyaz :
Il1m. e Exm. Sr.-Com o officio n. 51 de 13 de
desembro ultimo, o antecessor de V. Exc. sujeitou
i consideragao do governor imperial o incident
provocado pelo juiz de direito da comarca da ca-
pital, quo, divergindo da intelligence dada a no de-
,reto n. 562 de 16 de abril de 1847, pretended le-
vantar conflicto de jurisdiccao.
Em resposta declare a V. Exc. que o deereto ci-
tado deve ser entendido de confortmidade corn a
loutrina do 9 do alvara de 23 de outubro de
1761 e avisoe ns. 191 de 17 de julho de* 1855 e
562 do 27 de desembro de 1877, pelos quaes as au-
toridades judieiarias sao obrigadas a di-igir-se
directamente ao legitimo superior do funeeionario
civil ou military que tiver de compareeer em juizo
para qualquer diligencia a bem da justica.
A questao a este respeito suscitada por aquelle
magistrado nao e case de conflict, que s6 se p6de
levant-ar nos termos do art. 24 e seguintes do re-
gulamnento n. 124 de 5 de fevereiro de 1842.
Deus guarme a V. Exe. Francisco Pris)c de
Souza Paraiso.

l1lalsterlo da Fazenda


-- Por despacho de 27 do mez passado foi de-
mittido Luiz de Carvalho Pitombo do lugar de 20
eseripturario da aliandega de Penedo provincial
das Alagoas.
Por aviso de 3 do corrente foi mandado addir
ao Thesouro Nacional corn exercicio na directorial
geral das rendas publicas, o contador da Thesou-
raria de Fazenda de Matto-Grossn, Jobo Baptis-
ta da Silva Gouveia.
Por decretos de 1 do corrente foram no-
meados:
1.a eseripturario da thesouraria da provincial do
Espirito-Santo o 2.0 Alfredo Camille Ferreira Re-
belloe.


Thesoureiro da das Alagoas, Claudino Affonso
de Carvalho.
Per titulo de 5 do corrente foi nomeado o
praticante da Thesouraria de Pernambuco Joao
Christiano de Oliveira para o lugar de official de
desearga da Alfandega d a Bahia.

Milaisterle da Agrleultuwra
Por decreto n. 9,158 deo 23 do pas-
sado foi substitaid) o art. 20 do regula-
mento da repartiglo geraldos telegaphos,
approvado pl.a deereto n. 8,354 de 24 de
dezminbro de 1881.
Bis o substitutive:
Art. 20. As linhas teleographieas serlo
divididas em districts de I e 2* ordem,
oonforme a sna extenslo na o podenio a-
quelles center menos de 1,000 kilomet
tres de liaha, e, seguno_ a sua categoia,
ficarto corn as nespectivas estate a car-
go de.ngonhoiros c.efes do ou.de 2
chasse, auxiluados por engenheiros ajudan-
tea, inspectores, feitjres, gardas-fios etra-
eaeeedoreo.
1Os eagenheiros chefes e os enge-
n4ei ajudsates serao nomeados por o*n-


9


0 president da provincia, de eonformidade
Scorn a proposta do Dr. chefe de policia em officio
n. 244 de hontem datado, resolve exonerar do car-
go de 20 supplente do subdelegado do district do
Peres a Francisco Martins Correia Barros e no-
mear para substituil-o ao cidadio Lucio de Al-
buquerque Mello.-Communicou-se ao Dr. chefe
de policia.
0 president da provincial, atendendo ao que
requereu o subdito portuguez Augusto de Figuei-
redo, resident na cidade do Recife, resolve de
conformnidade corn o decreto n. 1,958 de 12 de ju-
lh- de 1871 e usando da attribuigio conferida pe-
lo art. 14 da lei n. 3,140 de 30 de outubro de 1882
nituralisar o referido subdito portuguez Augusto
de Figueiredo, para que possa gosar de todos os
direitos, hornas e prerogativaa que pela Constitnui-
cLo compotem aos cidados naturalisados.
S- Ao inspector da Thesouraria de Fazenda.-
Communico a V. S. paraos devidos effeitos que o
bispe dioesano a 19 de janeiro ultimo nomeon o
Ud. Jos Leitio da Costa Machado vigaio en-
commendadoda parochia de S. Lourengo de Te-
jucupapo eem 13 de fevereire findo instit0o ea-
nonieamente a paroehia de Serubim, ereada nce-
mare de Bom-Jardim pela i n. 1,565 de6 de
junho de 1881, nomeando a $D do memo mes o
Rvd. Antonio Alves da Silva vigsrio encommen-
dado da reforida parochial
Ao mnesmo.-Fago co-star a V. S. que a20
de fevereiro find, falleceu o Rvd. Firmino do
Mello Azedo, conego thesoeeiro-m6r da cathedral
de Olinda.
.- A.o mesmo. -Commumico a V. 8. quo, em 12
de janeiro ultimo, o bacharel Zozimo Zanaide. di
Camara Lima, assumlo o exercici do cargo de
promoter publieo da eomarea do BIque.
Ao mem.mo--Citun ai V. S. quee e11
de fevereiro findo o baehdres Ggiatao 6oreWU-
mm reoasumio o exeuidcio 46 ct& de iOE 78do.&-


do Exm. Sr. president da provineia communico
a Vv. S.s, que tiveram hoje o convenient destino
os documents que acompanharam o seu officio de
28 de fevereiro ultimo, hontem recebido.
Ao commandant do Corpo de Policia. S.
Exe. o Sr. president da provincia manda decla-
rar A V. S. que ficam approvadas as providencias
tomadas por esse commando e pelo do destaca-
mento da parochia de S. Lourcnco da Matta, de
que tracta o cfficio n. 214, de 28 de fevereiro
findo.
EXPEDIExTE DO DIA 3 DE MARqO De 1S84
Actos:
0 president da provfncia, tindo em vista o
que expoz o inspector da Thesouraria de Fazenda
em officio de 1 do corrente, n. 144, resolve abrir
sob suan responsabilidade nos tenrmo do deereto n
2,884 do F' de fevereiro de 1862, o credit de
6:-5571 iAs verbas dos 11, 17 e 23, do Minis-
toio da Gunrra exereieio de 1888-4884, para oe-
correr ao pagamento de veneimentes de pessoal
send:
S11.- Pfata de pret 5:%:8 975
17P Cominissoes militares 44100
28.* Eventunaes 157089
6:554A871
-Communicon-se so inspetor dia Thesouruaa de
Faeuda.
0 president dapovincia, ,solve nomear o
ba1s3mefl eodoro Ulpfaet-Coelho Cataubho pnoeu-
rador dos feitu. da famenda provincial i0 Am pVS
fliar mos autos de iwentanio da iuasd D. Maria,
Joaquina Machado C. valate, vito -sehar-se
Sdoente o Dr. Joe i J au Belfort A mente
nomeado parsew uim @til nfartn tiptpofi D.I


de urn s6 ponto ou so tiver de proceder a
prolongamento de linhas.
3." Exeeptuam-se as linhas tolegraphi-
cas da corte e da provincia do Rio de Ja-
neiro, as quakes nao terso chefs de distrie-
to e fiearlo sob a immediate fiscalisaq.b da
directorial.
4." Osengonheiros-ajudantes terlo ven-
cimentos iguaes aos dos inspectors de 1,
classes e serlo demettidos quando nao se
mostrarem zelosos no cumprimento de sous
deveres.
5.0 Incumbo aos engenheiros ajudan-
tes prestar o auxilio que Ihes for exigido,
quer na conserva9io e rectificag.o das li-
nhas dos districts de primeira ordem, quer
nos servigos mencionados nos 2,, 3" e
4o do art. 21, e nos do art. 42 do regula-
mento, ficando os trabalhos que executa-
rem sujoitos i verifica.o do eugenheiro
chefe respective, qne se responsabilisarA
pela sua exactidfto.
6" Semestralmento o director geral
remetterA ao Ministerio da Agricultura,
Commercio e Obras Publicas uma demmns-
tragXo do progress dos trabalhos referidos
no paragrapho precedent, dos quaes to-
marA conhecimento, de accord coin as
attribuig5es conferidas pelos 40 e 22 do
art. 11 do regulamento.
Per portariade 5 do corrente, foi no-
meado o engenheiro Antoinio Augasto For-
nandos Pinheiro para encarregar-se na Eu-
ropa enos Estados Unidos da America do
Norte, da acquisiglo e inspeoilo do mate-
rial que so fizer necessario As, ferro-vias do
Estado, e de outros servings a que se reo-
ferem as instruce3es dadas ao mesmo en-
genheiro pelo Ministerio dos Negocios da
Agriculture, Commercio e Obras Publcas.
Tambem por portavia de hontem foi no-
meado ajudante desta commission o enge-
nheiro Manoel Augusto Teixeira.

Ulalsterlo da Guerra
Per portaria de 28 de fevereiro proximo
findo foi nomeado encarregado do deposit
de artigos bellicos da proviucia de Sergi-
pe o tenente honorario do exercio Manoel
Pedro d e Mello.

Ulalaterlo de BstrangelpI
Foi nomeado ow Dr. Alfredo WXoreira
de Barros, addido de 2" classes A legaglo do
Brasil, na Belgica.

Goverone da provliela
EXPEDIENTEM. DO DIA 1 D MAIt0 DE 1884
Actos:
0 president da provincia, resolve exoncrar
o bacharel Severiano do Rego Chayea Peaxoto do
cargo de promoter public da 'cm'rca' deoTYl&-
Bela, per ter sido nomeado juiz municipal do ter-
me da mesma denominaebo.
0 president da provincia, de conformidade
corn a proposta do Dr. chefe de policia em officio
n. 257 de 27 do mez findo, resolve exonerar Lou-
reno Cavalcante de Albuquerque Sobrinho do
cargo de lo supplente de delegado do termo do
Buique e nomear para substituil-o o actual 20 sup-
plente Manoel Cursino Villa-Nova; para o lugar
deste, o actual 3o supplente Thomh Gomes da Sil-
va e para preencher a vaga deixada per este ulti-
mo o cidaddo Irineu Cavalcante de Siqueira Bello.
-Communicou-se ao Dr. chefe de policia. I
0 president da provincia, de conformidade
corn a proposta do Dr. chefe de policia em officio
n. 237 de 27 do corrente mez, resolve exonerar a
pedido Manoel Raymundo Bezerra do cargo de 2o
supplente do subdelegado do 10 district do termo
de Buique e nomear para substituil-o o cidadao
Joao Felippe Cavalcante.--Communicou-se ao Dr.
chefe de policma.
0 president da provincia, attendendo ao que
requereu o guarda da Casa de Detencao Antonio
Matheus de Souza e tendo em vista a informacao
do Dr. chefe de policia resolve conceder-lhe 3 me-
zes de licenma corn todos os vencimentos para tra-
tar de sua saude, devendo entrar no goso da refe-
rida licenca no praso de 15 dias.
0 president da provincia, resolve exonerar
o bacharel Francisco Leopoldo Marinho de Souza
do cargo de promoter public da comarca do Rio
Formoso, per ter side nomeado juiz municipal do
termo da Assemblea na provinoma das Alagoas.
0 president da provincia, resolve nomear o
bacharel Francisco Santiago Ramos, para exeroer
o cargo de promoter publico da comarca do Rio-
Formoso.-Fizeram-se as devidas comrunicaces.


antorisados por decreto n. 8933 de 7 de abril dc
1883, declare em aviso de 19 de Fevereiro seguin-
te, sob n. 10, que, nao estando ainda resolvido o
reeurso, interposto contra a coucessio do mencio-
nado prolongamento, as obras deste s5 poderno
ser iniciadas por conta e risco da companhia
Great Western of Brasil Railiay, semr compro-
mimsso para o governo imperial per qualquer pre-
juizo, que, a ella possa rsultar da soluao que teve
o aludido recurso.
A junta classificadora de Vertentes.-A
vista do qune se I na s observaoes ,A classificacao
de que Vmne. enviaram eopia eom o officio de 18
de fevereiro ultimo, determine que procedam a
novos trabalhos, pan teem preiferenoia os esera-
ves menores Antonio e Maxunimmno, filhos conjuge
ja libertados per conta do fundo. de emancipaqlo,
A vista do aviso do Ministeria da Agricultura,
Commercieo e Obras, Pulcas de 31 de margo do
anno passado, a que allude a circular desta pre-
sid- -a de. 18-IS de abrHil seguinte, segndo-se-lWh
a e ava Josepha, par pertencer A 1lassoe de
fam ,s, ow ouba d a mesa cl tena
peculio ou 9ualquer motive vpara 50.a elt.
,--Commnnnicoumse ao-jui.de orpho da Viertentes.
S-- A' junta elasifieada estave de oG-
rmeelleim.-NIoa i regol a classifieagAo do que
Ymes. eOiaa eopia co ooffieio doe 28 de oeve-
Ire nit aSm pasa x*ljcao ids 51 quota do fun-
Sdo dte, ~ inst quotendo sdo ptenfirids
I em primaeir r Cga C a & IiAava Biana easdia com
-....n.e. segundo Placido, casado cn
Saegoraan-se a este as escravas An-
tom& nseosa, ambem cawadas combo-
i tia o que esmi remolvido arepsi-
tam; pirju ]to) profemido aquolla primeOra classo
de familusa a quamsquer outras, ainda quo nao te-
nUam pesuieo, A Heito passar A lass. inne-
diata, em que e onste estar ella esgotada, e as-
?sW diante.. por
-i.R00 o portanto, queoso fUga qu ant -
lm a nnie5nAla modo Arnmto. Com-


do cargo de promoter publieo interino di comar-
ea de Cartmaru, nomsado pelo respective juiz de
direito.
Ao Dr. inspector da saude publica.-Res-
po.ado ao officio do 28 de fevereiro find, louvando
Sos services que V. S.,.prestou durante os dins em
que peor trdem minRl esteve em Agua-Preta,
Palmares e Catende, prestando soccorros aos des-
validos a4li aceommettidos de variola e hoje ex-
pedi ordem A Thesouraria de Fazenda para en-
tregar-lhe a quantia de 75.800, importaicia dais
despezas feitas por V. S., sendo 65- comrn soccor-
ros para oi i mesmos doavallidos e 10o80) do pas-
sagens suas na estrada de ferro.
Ao cagenheiro militar-Convindo que o ser-
vico dA- illuininan;Io A gaz dos qrjuarteis e estabe-
lecimnentos militaries, seia fiscalisada pelos enge-
nbeiros. encarregados de obris quo proc iderao men-
salmente ao exame dos miappas d coaisuino antes
do pagamento das respectivas contas, informando
a esta Presidencia, que tambern prcetarA infor-
maeoes a Seeretaria d'Estado do Ministerio da
Guerra, conformne detcrmina o mesmo Ministenro,
em aviso circular de 20 de fevereiro find, se func-
cionamrn rcgularmen.e os apparelhos c se as ditas
contas correspondiam ao consume verificado, as-
sime o declaro a Vine. para seu conheciminnto c
devida execu9io. = Officiou-se neste sentido ao
commandante das arminas, ao Arsenal de Gierra
e e Thesouararia de Fazenda.
A' junta classificadora do escravos da Esea-
da.-Reccmmendo A Vmcines. que reunamn-se quan-
to antes para proceder-se A nova classificacao,
visto nao star regular a que per copia veio anne-
xa ao sen officio de 15 de fevereiro ultimo, pela
circumstancia de haver sid) preferida em tereeiro
lugar a eserava menor Adriana, filha de Anto-
nio, libertado per conta da primeira quota do fun-
do de emancipagio no municipio de Palmares,
porquanto, segundo o aviso circular do Ministerio
da Agricultura, Commercio e Obras Publicas, do
19 de jtneiro do anne passado, A que se refere a
circular d'esta Presidencia, de 10 de fevereiro
seguinte, os escravos em takes condioes s4 podem
ser libertados per ease meio quando residem corn
Iospais -u memo municipio.
Dec la.-hes, outrosim, comma ja fiz em officios
anterioli, que a quinta quota, pertencente a esse
municip o acha-ee reduzida a 5:472"790 e ao
restauti d quarta na importance de 2:911'290,
destina4 a" pagamento de taea eseravoe, eujos
valores emdem de arbitramento, vi.to haver eata
Preaidecia doteminado por eonts da primeira a
indeonmno do valor dos escravos Florentine,
Luiz e faoel, libertados por occasilo da applica-
91o da Mgmada quota ; pelo que eumpro que a
claxsifisAo se lunite a um numero de escravos
ponce rperior ao dos libertandos presumiveis,
nas forua. do credit dispoaivoL.-omunieou-se
ao juiz ide orphios da Eseada.
A4 ommandante do Corpo de Policia.-Au-
toriao Vnc., a exeluir do Corpo sob seu comman-
do, eonerme solicitor em officio de hontem, n.
222, o toldado Evaristo Pereira da Costa, per ea-
tar preflutado, cm crime de ferimentoo graves,
no term de Barreiros.
Portaria :
0 Sr. gerente da Companhia Pernambueana
made dar pa1agem A rn, no vapor qoe seguir
a 5 do eorrente, das gratuitas a que o governor
temrn direito, a Jolo Estevilo Barbosa.
EXPEDIENTE DO SECRETAiRIO
Officioa:
Ao Dr. Adelino de Luna Freire Junior, I.,
secretapio interino da Assembl6a Provineial.-0
*X: x lflib&provincia mauda ccusar
o a iaim- *lln iBni s. 4-7, de hontem e
de hoje datados, nos quakes V. S. declara qua's os
Srs. deputados A essa Assembl6a cujos poderes
foram reconhecidos.
Ao secretario da provincia de S. Paulo.--
Pelo officio, a que respond, de 21 do fevereiro
findo, fico inteirado de haver V- S. prestadojura-
mento c assumido o exercicio do cargo de secreta-
rio d'essa provincial.
Ao Dr. juiz das execun5es criminaes.-0
Exm. Sr. president da provincia manda commu-
nicar A V. S. que providenciou para que regresse
do Presidio de Fernando de Noronha o prso An-
tonio Vicira da Rocha, conhecido per Antonio
Apolinario, alludido em seu officio, a que respon-
do, n. 51, de hontem datado.
Ao juiz municipal do Buique.-De ordem do
Exm. Sr. president da provincia declare a V. S.
que, em seu officio de 19 do mez find, hoje rece-
bido, exarou-se o despacho seguinte :--. Ao Sr.
Dr. chefe de polieia para providenciar quanto A
prisao dos crimunosos.
Ao engenheiro das obras publicas.-Do or-
dem do Exm. Sro president da provincis accuse
o recebimento do officio de 25 de fevereiro ultimo,
soh n. 38, em que V. S. communicou ter mandado
passar certificado de pagaamento da quarta prcs-
tanao, a que tern direito o arrematante da casa
de barragem da ilha do Jardim, em Barreiros.
Ao mesmo.-0 Exm. Sr. president da pro-
vincia ficou inteirado, pelo officio de V. S., do 27
de fevereiro ultimo, sob n. 59, de estar concluida
a obra da bomb de Boeiros, na estrada de Gravu-
ta, e haver-se lavrado o termo de recebimento
provisorio, passando-se a favor do arrematante o
certificado do pagamento a que tern direito.
A' commissibo encarregada do exame de con-
tas da estrada de ferro do Lmmoeiro.-De ordem


provinciaes.
Ao gerante da CompauWbia Pernambucuma.-
De ordem do Exm. Sr. desembargador p det
da provincia, accuso o recebimento do officio de
29 de fevereiro ultimo, no equal V. & couumica
que essa Companhia expedira o vapor G.iA psar
os portos. do norte,a at Camosim, no dis do eca-
rente, As 5 horas da tarde, e o vapor Jhmikc,
para o. prtos do sul at a Bahia, no dia 10, a
mesa hora.

DEPACHiOS DA PRESIDENCu DO DuA 13 Dc
MARVO
Antonio Guilhermino doe Santom. Pae-se
portariam negando provimeto so pme.t. ne-
curso.
Annunciada de Mdlo Mmteegro. N29 ten
uMpanhi& Permbucant. Af a coro-
ceuio do credib pedido i a gulatira
Provincial.
A mesma.-Agude o emdi molicitado da As-
sembla i egislativa ProwinsiaL
A mema. Agmer&o a comeem.io do ctot&
solicitado da AuMeubUs LagWialrs P""d
A mesm.---Agusrde a aamomm 4aMM yft
dido L Auembia Lis L atis PM.il
Francisca Euhsm" a ll .eb.--H^s
cado.
Floriaso Baptifts do Oliveira.---O)m mm.
rrandmBo Gwdie de Barws.-aBn, pars.a c
d&n)s de Iachoeirhba de doawira.
Psanciseo Marque da Tru~dads.---0 a,-
quer.
Gerete da OompA&aA" Recif Dru -
ferido aon o offido d'esta date a* ____
vinciaL
oeWnrinu de la IarsGLu.matrbs g a O
.JoaqunadaC~sQutaQ iw'.- <
deim leo Mast. (Cm as
daO
W-n0-a&
H WB .T^H ^S.^ e -^'h^*-~


n. 249 de 1 do corrente resolve exonerar Frniheisco
Josdeo Souza Tota, do cargo de subdelegado do
21 district de S. Lourengo de Toejucupapo, term
de Goyanna; c nomeir para substittil-o o cidadito
Antonio Caimnrino Cielho CataniO-Commnunicou-
ge ao Dr. chlefe d pulicia.
0 presilente dt provincial, attcn end,) ao que
requcreu o capitaodo corpo di policia Antonio
Francisco Cord.iro de Mello resolve conceder-lbe
2 IIn'Zo.s t t[ lieenaa coin o respective sold) para
tractar tin negocios de sen interesse fmra da pro-
vincia, devciclo entrar no goso diL referida licei,ii
no praso dic 2:) dias.
0 president da provincii, tiado em vis-
ta proposta do Dr. cliefe dc plicia c e of-
fieio n. 247; de I do corrente, resolve exonerar For
namlo Joss Viamnna c Thomiz Jos6 d e Mello dos
cargo de 1 c 3o sutpplentcs do subdclegado do
districtodo Pi) i i f Panella, por so tereinm mudado
do district, e n.)inar para substituil-os Luiz Au-
gusto Ribeiro M1ivignier e Manoel Jaquimi Car-
neiro Monteiro, na ordem cmi quc eso acihan collo-
c idos, ficando semr cffeito a portario, de 3 de se-
teinbro ultimo que nomeou o referido Mavignier
para 20 supplente do subdelegado do district de
Apipucos.-Comninnicou-se ao Dr. cihrefe de po-
licia.
0 president &di provincia, teulo ein vista a
proposta do D)r. cliefe de policia cmin officio n. 217
Sdo 10 do corrente, resolve nomear para o lug.r
vago do 2' supplente do subdelegado do district
do P6oo da Pauella o cidalbo Tito Livio S)arcs.
-Communieou-se ao Dr. chefe de policia.
0 president da provincia, resolve nomear
Francisco Victor de Gouveia Moura para o lugar
de 1o supplente do juiz municipal do termo do Rio
Formoso visto ter fallecido Manoel Cactano de Al-
meida Andrade, nomeado cm 19 do mez fiudo.
Officios:
Ao coronel commandant das armas interino.
-Declaro a V. S. para seu conhecimento e direc-
9Xo, que segundo costa de telegramma do Minis-
terio do Imperio de 1 do corrente, foi concedida
ao conselheiro Antonio Joaquim Rodrigues Junior,
a exoneranio que pedio do cargo dc ministry e se-
cretario d'Estado dos negocios da guerra, e no-
meado interinamento para o referido cargo, o mi-
nistro da agriculture, conselheiro Affonso Augusto
Moreira Penna.-Fizeram-se as devidas communi-
ca95es.
Ao mesmo.-Haja V. S. de designer, nao ha-
vendo inconvenient, um dos capellies da guarni-
gao desta provincia, afiim de seguir, na primeira
opportuaidade, prra o presidio de Fernando de
Noronha, onde deverA substituir o que alli se acha
e que obteve licenca desta presidencia.
Ao inspector da Thesouraria de Fazenda.-
Communice a V. S. que em 23 de fevereiro find
o bacharel Joaquim Francisco de Arruda assumio
o exercicio do cargo de promoter public interino
da comarea de Pau d'Alho ;
Em 25 entrou no goso da licenca de 3 mezes,
ooncedida por esta presidencia em 19 ao pronq -
publico da comarca de Born Jardim, bacharel B
tevao Cordeiro Cavalcanti de Albuquerque La-
cerda ; assumindo na mesma data o exericieio do
cargo de promoter public interino da referida
comarca o-capitao Manoel Correia de Crato;
Em 28 ojuiz de direito da comarca de Taquare-
tinga bacharel Jose Tavares da Cunha Mello
entrou no goso de 30 dias de licenca, concedida
peor esta presidencia em 13, passando o exereicio
ao respective juiz municipal bacharel Alexandre
Correia de Crateo:
Na mesma data assumio o exercicio do cargo
ite motor public da comarca deoLimociro o
b Ui l Antonio Thowaz de Luna Freire.
Ao mesmo.-Transmitto a V. S. para os de-
vidos fins o modolo a que allude a ordem circular
do ministry da guerra de 15 de fevereiro ultimo e
bemrn assim a ordem do Thesouro Nacional n. 34 de
18 d'aquelle mez.
Ao mesmo.-Remetto a V. S. para servir
n'essa repartiqgo, um exemplar da Carta geral do
Imperio, organisada ultimainmente per deternnina-
bao do Ministerio da Agricultura, Commercio e
Obras Publicas.-Fez-se igual remessa a diversas
reparti95es.
Ao mesmo. Constando do officio da junta de
classifica.aio de escravos do municipio de Verten-
tes, de 18 de fevereiro ultimo, que o collector ge-
ral do Limoeiro ainda nilo lhe remnetten a copia da
relaa.io dos escravos ahi matriculados e pertencen-
tes Aquella sirva-se V. S. do exigir corn urgencia
do mesmo collector minuciosas informac'oes a res-
peito, applicando-lhe as penas em qne haja in-
corrido.-Communicou-se a respective junta de
classificacao.
Ao Dr. Antonio Joaquinn de Barros Sobri-
nho.-Tendo o Dr. Athayde do Loho Moscoso, re-
gressado do interior da provincia onde foi a ordem
minha prestar soccorros a desvahidos aceometti-
dos do variolas em varias localidades louvo os ser-
vices que V. S. gratuitamente prcstou no exercio
dos cargos de inspector da Saude Publica e do
Porto durante os dias de ausencia desta cidade,
do referido Dr. Lobe Moscoso.
Ao engenheiro fiscal da estrada de ferro do Li-
moeiro.-Communieo a Vine., pars os fins convc-
nientes, quc o Exm. Sr. ministrolda Agricultura,
Commercio e Obras Publicas, inteirado dc hayer
o superintendent desta estrada de ferro dado
principio a 28 de janeiro ultimo aos trabalhos do
prolongamento do ramal de Nazareth a Timbauiba,


come a eserava Jesuina, por aer soltcira e ter ihoa
lives compete a 12 classes ua orJcnm ds i): ividtmp
segundo o art. 27 do regulamento de 13 de ao m-
bro de 187-, e assim, uno pidem deixar de exidir
iesse municipio families, quoe em todo ease pke-
rein a scasa eserava, ainda mresmo snc pculio.
A' junta classifieadora de eerawis de Ja-
boatao. Approvo, para Nos eff-itos dos arts. 37 e
42 do regulamento de 13 de novenbr.m de, 172. a
nova classifieaao u quo Vinecs. proceleram emC
virtue do que esta Prusio|encia leterminou em
officio do 18 de fevreiro uhlti,. e ,qtn por copin
acoinpanhot o of0i'i) de 21 do mnemtno inrz.
Outrosin. declaro-l1heiies pir cmb.'cideut4 d,
collector geral, mfmbro &e.sa junta, e d'%vil
cuimpriinmento), qi, pari o ar)itraiiau0to ,is valor
dos cscravo- lilt'rtaiflos sidlerainio o disposto na ortlein do'lThmor Nto io-
nial de 16 ticd julhlo do aimino .Iss-d,. so) as enAs
da lei ; isto ,, n fo lcvcr-se-l i tmuir em>o le-
ileuto excluiivo o titul, d. ;I- 1isi,-Ao d, o 41r-v- .
inas sim ter em vista a; ia Ite., d-f'itos pi-stios
outras cirvmiinste;iiiis pie eonw,,rr.rainn ira ;a
just avalia,;1o, iuito Cmnl'ra :ojim enmworhles o04
arbitrados.--Cumninuiiicu-se ao juiz de direito ,f
J:b)oat3io.
A' junta classificadora ,le .ceravos dc e|ozer-
roi. -Resprndo iA consult qw, Vines. fizerairtn en
oflicio de 23 de fevereiro ultima, deedaranti,,: I I
que ai vista do disposto na 6;- regra d1o arviso l)
Ministerio ia Agricuiltura, Cominereio Oebras l'u-
)licas de 19i dd jeueiro do anno paasado. alludid,)
na circular desta Presidencia de 1" 4d' fevereirp
seguinte, nio plde ser elasificado) o escravo An-
tonio, filho de coejuge lihertado p-)r conta do fun-
(1do de emancipaao ,em 1 IWf, ))r ter. coo Vmes-.
informain 22 annos de idale : 2 qu; a rasera
casada corn Ihoinem livre prefere sernpre a qual-
quer outra classes de faruilias; pelo que v affirmna-
tiva a resposta ao ultimno ponto da consult. isto s,
se urma escrava em takes condic4es tendo filh,)os
menores ingenues, prefer ao escravo pertenceate
a different senhores, casado comn mulber liivr,
tendo enteados livres, mis ni o ingenuo.--Com-
municon-se ao respective juix de orphios.
A' junta classificadora de earavos de Igua-
rass6. -Determino a Vinmcs. quo procedam a nova
classifica(ao, por nio c.tar regular a que acom-
panhou o offieio dessa Junta, de 19 de fcvereiro
ultimo.
Na organisa~ao do novo trabalh) terio Vimes.
em vista que depois do escravo Joe Ferrmira e
sua filha Maria, deverio sr prefenrdo o escrv
Jolo Isidoro e oa quatro fillos, que ten, rMnrnm
de 21 anmoos, segundo informal o juis do direito da
comarca, uma vez que, como decidio o Goverwo
Imperial, oa escravoa eamdoa, corm fios aeta-
vos, preferein aos da mesana clame em flhos
livres, ou sein elles, ainda que nae temham pecu-
lio; e que o escravo Luis deveri o r ecudo, 4
vista do disposto no art. 47 do regulameto de 13
de novembro de 1862, por conastar da e as ica
,9 foi averbado na respective eoUAleetoria a 16 de
iro ultimo.
Outrosim, eumpre que Vme. inforvmem deade ji
si os eseravoa menores iAberata e Guilberme. eio
filhos de escravos libertados por costa do funw l
de emancipatqo ou si o for* com os ewas o
recurtom ou por liberalidades de waeus orI.--
Communicou-se ao juiz de direito de Igusras.
Ao gerente da Companhia Pemambucana. -
Remetto a Vine. co6pia do aviso de 15 de ftevereiro
ultimo, sob n. 6, em quc o Exm. Sr. ministry da
Agriculture, Commercio e Obruas Publics, allu&d i
escala dos vapares dessa Companuhia peo. baixw
das Roccas, nas viagens so pmvidio de Fcmraud
de Noronha, e as cargaa do Ministerio da Mainh,
para o pharol que ali existe, afim de que se sirvi
de informer a rospeito coin o que se Ihe offtecer.
Portarias:
0 Sr. gerente da Comp:nhia Perunbucana
de Navegaqao a Vapor, made dar passagmen a r6
at6 Mossor6, per conta ('a;i gratuitas a qne o -go-
verno tern direito no vapor que segue par o Wnrte
a 5 do corrente, ao bacharel Jose Presciliano l
Rego Barros.
EXIPEDIENTE DO IRCRETAIlI
Officios:
Ao Dr. 1P secrctario dl A.semhl,;a Prwovil-
cial.-O Exmn. r. leseminbargador president ,i4
provincial. inanda cornmnnice:r a V. S.. emin res)-sit
ao seu officio dc Ie do correaite nw'z qu, flea in-
teirado do Cmod porque ficou conntitui l:, a moe:a
quo tern de dirigir os trabalh)s dla actual s,-ssa
dessa Assemblea.
-- Ao mesmo.--DIm ordem do Exm. Sr. ds.m-
hargador president da lprovincia, remetto a V. S.
para os fins convenientes 40 cxemplarcs impresseO
do balancete da receita c dep 'za da provincia
rclativas ao I* semestre do cxericio de 1'" a
1884.
Ao mesmo.-De ordem do Exm. Sr. ,ie,',-a
bargador president da provincia. remett,' a V. S.
para os fius convenieutes 34) exemplares iutpres-a>
do relatorio apresentado pelo inspector do The-
souro Provincial em ,31 de laneiro ultimo c igual
numero de exomplarcs do orcamento organiuaido
para a receita e despeza da provincia no exermicico
de 1884 a 189)5.
Ao mesmo.-De ordem do Exmn. 't do-mem.
bargador president da provincia. ,invio a V. S.
40 exemplares impresses do relatojro apresentado
ao mesmo Exm. Sr. pelo enienhciro chefe da re-
partmwico das Obras Publicas, corn relacao aso tra-
balhos da dita ropa.rticao ,durante o ann, fillu ,
afirn de serem distribuidos entire os Sra. dputado


S



























*WB-.


btei+odo
eoqmnan-


H l' ildante das azmas ..
SRafino Jos6 de Souiza.---Informeo Sr. inspector
do Thesouro Provineial.
S* Seretaria da presidencia, em 14 de margo
**I 1 de 1884. orer_
0 porteiro,
ZJoapim Leocadie Vis/as.

Bnceparttrao da poed a
M 1 Seeilo 2--. 295.-Secretaria de Policia de
i Pernambuco, 14 de marco de 1884.-Him. e Fxm.
Sr.-Participo a V. Exc. que foram hontem reco
Ihidos a Casa de Detenglo, os seguintes indi-
i 1-viduos:
B ill A' minha ordem, Galdino Jos6 de Car-
+ valho, Antonio Thomaz do Aquino, Jose
Francisco R1ibeiro, Bellarmino dos Santos
SRibeiro, Manoel Rodriguos de Froitas,
Sifenriqne Pereira do Nascimento, Jos6 Joa-
quim Ferreira Junior,: Antonio Jos6 de
Fari--s, Joaquim Ignacio do Miranda, Lau-
: raatiao Dada dos Santos, Antonio Joa-
Sqdiin do Oliveira e Jolo Jos6 da Silva,
vindos do termo do Breio como criminosos.
A' ordem do subdelegado do Recife,
LuLz de Franca do Nascimento, par offen-
saa I moral public; William Seen, a re-
| querimento do consul da Suecia; Jayme
C Belle e Andr6 Gabriel Ramos Marques,
^ por disturbios.
SA' ordem do de Santo Antonio, Maca-
Ip 7lo Ferreira de Souza e Beneberio Ameri-
cano, por disturbios.
A' ordem do do 1- district de S. Jose,
I Justina, que diz ser escrava, par andur
| fugida.
A' ordem do do 1" district da Boa
Vista, Joao Baptista de Siqueira, par cri-
? me de resistencia.
I Polo subdelegado da freguazia de Santo
Antonio, foram remettidos ao juizo com-
? peteate os inqueritos policies a que pro-
jcedeu contra Jeronymo Norberto Tavares,
iI conhecido par Gila, e o subdito portuguez
1 Mauoiel Antonio de Magalhles, o primeiro
|| como incurso nas penas do art. 237 do
Cod Criminal, e o ultimo come incurso na
1 part do art. 116 do mesmo Codigo.
SDe'ns guarded a V. Exc.-Illm. e Exm. Sr. desem-
barg'alor Jos Manoel de Freitas, muito digno pre-
i atidaite da provincia.-0 chefe de polieia, Ray-
21'ai') Theodorico de Castro e Silva.

j Thescuro Provlncial
1 DESPACHOS DO DIA 13 DE MARO
.1 Autonio da Costa Teixeira.-Volte ao Sr. conta-
P dor.
Elvira Olympia Velloso da Silveira.-Registre-
| se e faqam-se os devidos assentamentos.
4 Padre Joao Rodrigues da Costa.-Deferido, to-
Sjn mando-se par term a fiauna offerecida.
Jos6 de Azevedo Braga & C., Antonio Jos6 Go-
-msn, Camillo Augusta Ferreira da Silva, Ludgero
ide Mattes Pereira Dutra e Pogas Mtndes & C.-
+ [Indeferido a vista das informapoes.
AdJininistradores da massa fallida de Fernandes
I Carvalho & C.-Deferido, visto reconhecer-se ter
Ihavil.m enugano na importancia exigida, cuja recti-
i hficacao reduz o debito a quantia de 118,800, par
ker a taxa fixa de 54,000 e a proporcional de
1; 3800 sobre o valor locativo de 544000, proce-
i| dendo-so a cobranea nestes terms de accord com
ias m rin%(aqes do Consulado.
j Contos -las 182a e 183a parties da loteria da San-
+ ta Casa e da 7a part da matriz de Serinhiem.-
: Approva i-is.
+,| Ltiz Antonio de Siqueira.-Deferido, dando-se
t baia ntmo termo de responsabilidade e climinando-
F 2 o debito exigido para provar terem as mercado-
| i'ts dia e;anbarcado no porto do destino.
SAnitoni) Jose Gomes, Antonio Alves da Costa e
t Cram:'r Frey & C.-Haja vista o Sr. Dr. procura-
4 tlor fiscal.
:.- Jo5 Il Krigues Pcixoto.-Indefenido, a vista das
4nitf- cm- o'-c cQS.
I Joss Elias de Oliveira.-Deferido, podendo hi-
: :itar.
Padre Joss Vieira Sampaiic. -Deferido, toman-
do-so por term a fianra offerecida.
Marina Ayres de Lima. -Deferido.
+ Congas da Ia part da loteria da igreja de S.
: ... pApt l-o do Monteiro.-Haja vista o Sr. Dr. pro-
4:: curador fiscal.
Contcus do thesoureiro da repartiiao das Obras
iPuiblicas. -Approvadas.
Lima Junior & C. e Lima Rego & C. -Defenido
i -ficando irr-sponsaveis os supplicantes pelos debitos
aclas casas n. 15 a run do Vigario Tenorio e n. 44 a
rua do Mariz e Barros, anteriores da presented exer-
icio de 1883 -84.
t Joss Luiz Alves Villela.- Deferido, fazendo-se
ns devidas notas de chlmina9ao do name do suppli-
Scanto e substituindo pelo de Jose Luiz de Souza
?| PFerreira, que segundo as informamoes do Consulado
1. .c- proprie tario da padaria collectada no exereicio de
I 1878-79 no Corredor de S. Joa.o a freguezia da


Varzca.
Luiz Antonio de Siqueira. -Deferido, dando-se
-'- ba.ixa nos terms de responsabilidade referentes as
Mmereadorias cujo desembarque no port do destiny
g se prova, e eliminando-se o respective debito, me-
S- nos na parte a que referem-se as informacoes.
Vigario Francisco Jos6 da Costa Barbosa.-
1 _]:Haja vista o Sr. Dr. procurador fiscal
itI ~ Constantino Lins de Albuquerque. Certifique-
SI. se.
- 1 Machnado Lopes & C.-Certifique-se.
Joaquim do Silva Ferreira, Parente Vianna &
SC., Femandes & Primo, Gomes de Mattos Irmia,
^ ILuiz Gonialves da Silva & Pinto e Lindolphc
I: :. Olympia dos Reis Campello.-Haja vista o Sr. Dr.
I! ]procurador fiscal.
i|^ Aristides Honorio Bezerra de Menezes.-Pa,-
gue-se.
|fe Vigario Manoel Antonio Martins de Jesus. -In-
forme o Sr. eontador.
Justino Jos6 de Souza Campos e Dr. Aatoaio
-^ Bruno da Silva Maia. -Informe o Sr. Dr. adminis-
trador do Consulado.
SHenrique Bernardes de Oliveira. Satisfaa s
|P. exigencia da Contadoria.
Thomaz Teixeira Bastes.-Informe o Conten-
closo.

Camava mualdopal
s DESPACOi DOW DId 13 DE MW& 0O
Pdo Revm. 8r. paydiv Mal., oreado
ScommWr ario do ecNf:ca oS
CarolinA M aia de Aleida i gemira,
Sedindo licenga para an4ar tosmar uuas
di rac&tura no oio, repwarW a
-i^ da.: s aguas pluviaes, e tomar goteiram x
Auac u 10 IB, aertiMa
BAlmas, freguemia do Poo .
|^ [|." 1 ^Sa~iosqa W torita14 e vlte.
'.. Dmnimgo Jos6 Av1i., a ms rree
hiar e concertar a e s
54 e56, mta


^.^^&^~~ quda d.^M aoy wao.^>


Correspodenela do Dlarlo_ de
1Peraa eeo '1
RIO DE JANEIRO.--OORTE, 7DEMAB-
'ODE 1884
suxo :'-A Oretrada FI Rodriues do gaM-
^nete.-N~o se 9a^ a erdsde.-O ex-mstro
preparava-se para rea&isar reformaw.-Os
seas aun.xiiares de gabiwete.-Os offices que
foram praticar no Miniaterio da Agrieutu-
ra.--Resoluo do 8r. Penn ma, andando-o
para Mamori.-Os seus minguados veni-
meatos militares.-Pronuseiamento da im-
Sprensa.-O Sr. Prisco tambem quiz sahir.-
As machinagea do Sr. Silveira Martins
contra o ex-minietro da guerra.-Este nao
foi instrument de paixoeu alheia.-Falta
de apoio do president do conselho. Pescoco
de gallinha e menino travesso.-Desacato ao
fitiz da 2a vara de Nitheroy.-Inercia das
autoridades.-Pronunciamento da imprensa
liberal daqutella capital.-O modo par que o
Sr. Prisco encarou o negocio.-Supposicao.
-A Caonara Municipal serd brevemente
ri7ntegrada.
Comprehendo -que, eonhecida eomo jA 6 ahi a
retirada do Sr. Rodrigues Junior do gabinete La-
fayette,: eonte o leitor achar nesta carta a explica-
gao dos motives que determinaram urn tal aconte-
cimento, que nao era de esperar depois que as cou-
sas tomaram o geito de que ji tenho fallado. As-
sim devera ser; mas por muito que me custe, sou
forgado a dizer coma o dramaturge hespanhol:
,, Pues par esta vez, amigo,
a la verdad no te lo digo
,, porque no lo s4 tampoco. ,
De facto, em b6a consciencia, ao posso aceitar
e dar come certo que fosse ainda a questak da pra-
tica dos officiaes de engenheiros em services do
Ministerio da Agricultura e Obras Publicas, que
motivasse a sahida do Sr. Rodrigues, cuja affeiao
e gosto pela pasta da guerra, de mezes a esta par-
te, eram conhecidos, e elle timbrava em tornal -os
patented por uma torrente de avisos, ordens, por-
tarias e decisoes, que estavam formando um certo
ruido em torn de sen name e o recommendando
como ministry aetivo e applicado aos negocios da
sua pasta, embgra em tudo aquillo, aos olhos doe
que se julgam entendidos, houvesse muita espurna,
que encobria a realidade que flea no fund. Alem
disto, S. Exc. mostrava-se content de si mrnsmo;
tinha plans formulados, projects de reforms a
realisar, parecendo trabalhar assiduamente com o
numerous pessoal qne o auxiliava no sen gabinete
cm que contava, aldm do official, propriamente
dito, que era umrn empregado da secretaria, dous
officials superiores do corpo de engenheiros, e mais
um outro, coronel de artilharia, 4 later, come offi-
cioso, que era ouvido e tinha voto preponderante,
mesmo nos casos em que nao era este pedido, mas
que era dado por dever de consciencia, para glo-
ria do amigo, e assim A modo de frade que traba-
lha para o explendor da ordem, sem vistas de pro-
veito possoal.
Trabalhir para o explendor da ordem 6 um modo
de dizer, que s6 tern referencia A tempos idos;
porque, como ainda ha pouco o disse o Sr. bispo
desta diocese, os grades trabalharam, mas hoje j A
nao trabalham.
Mas a verdade e que a administration do Sr. Ro-
drigues, no geral' ia agradando, e os seus actos
miravam sempre uma conveniencia do servimo, ou
cousa que tal pareeesse. S. Exc. nao ostentava
ares marcianes, como o seu antecessor; nao discutia
nas palestras corn mos officials que admittia A sua
intimidade, questocs de estrategia, nem formulava
problems do tactic, como dizem quo fazia o Sr.
Carlos Affonso nas horas de bom humor; nao tra-
9ava plans de campanha, mas dava corrente o
seu recado, regundo as ultimas impresses recebi-
das no gabinete, sobre o que era propriamente ad-
ministranto la guerra, e enunciava ideas que ti-
nha de consignar no seu relatorio ao corpo legis-
lative.
lain aniim as cousas, e ji' ninguem mais, cA por
f6ra, se occipava corn o que se havia dad o entire
elle e o Sr. Penna, A proposito dos officials man-
dados praticar nos services do ministerio do se-
gundo, parecenado que tudo tinhla ficado arranjado,
tend ido os mesmof officials, em numero de trees
(umrn do corpo de engenheiro, outro de artilhlaria e
outro de intantarix (!) servirem na fabrioa de ferro
de Ypanema, apesar do pedido ser para as estra-
das de ferro e telehraphos; Jam assimi as cousas,
quando foi publicado um aviso do ministerom da
agriculture mandando que os officiaes fossem pra-
ticar nos estudos que se estibo fazendo para a es-
trada do Madeira a Mamorm. Parecia que essa
resolunqmo nao teria sido tornado Qsem accord ou
sem conhecimento do ministry da guerra. Nao o
foiao que consta.
Os officials, apresentando-se ao Sr. Penna, pon-
deraram-lhe que send os vencimentos militares
(que para um capital nio excediam de 258$ men-
sacs), muito diminutos para una commission o cm
que os engenheiros civis pereebiam 1:000$, atten-
tas as ditliculdades e falta de recursos da locali-
dade, esperavam que pelo Ministerio da Agricultu-
ra se lhes arbitrasse unea gratifica9ao additional,
par ser reconhecmdamente impossivel viver-se alii
corn os citados vencimentos militares.


0 Sr. Penna, ouvindo-os coarn toda a attenaeo,
deelarou-lhes que pelo seu ministerio elles nao te-
riam nenhum vencimento.
A imprensa noticiou o facto, e disse que era
uma iniquidade obrigar-se Aquelles pobres offi-
ciaes a irem para o Madeira reduzidos aos venci-
mentos militares. 0 Brasil, tractando tambem da
quest e ponderando que era na estrada de Porto
Alegre a Uruguayana, de natureza estrategica,
que os officials deviam praticar, e nio na de
Madeira, onde apenas tracta-se de explorag9o,
nao havendo ainda nada em construccao; ac-
cusou severamente ao Sr. Rodrigues, no meu
entender sem razao, qualificando-o de inimigo da
Sclasse military, que mandava pobres militaries para
past das febres, das ferns e dos bugres do Ma-
deira.
No dia seguinte, era na sexta-feira 29 do pas-
sado, o Sr. Rodrigues nao foi a seeretaria, man-
dando dizer que estava incommodado. E como
houvesse alli papeis urgentes a expedir, e outros
que tinham de subir a despaeho no dia immedia-
to, sabbado, o director geral metteu-oa em uma
paste, que sobracou e foi corn ella a casa de S.
Exe. ; mas, com pasmo seu, foi-lhe dito ahi que
0 8r. ministro tinha sahido para ir a secreta-
ria Nao se soube paia onde elle tinha ido. Mas,
a pata ficou, e eie comtapareceu aso despacho em
8. Chriutovo, voltando is 3 horas para a secreta-
ri, on& demnoo at& depois das 4, e ftzons-
tar que oaha pedido om allo.
A notteis dada peiam Yaaa &d Twd;, rreu
corn raid l pela idade.
* No domingo as folhas da anf af i
acereveataido o Jamd do uComneo qua o ml-
nmhdrio trmatm de lk^ w e brev, ,ea
e. ... -y.tu....epte el e. -sensaI



i dmwii hx-ae ......qe l
> a qu a-qago&r4
Aegoios da provica do Sio A* qa
AmlotT~-e fa nefini otw sn eio IWO4600 -el

A UEli-^a Id, 0' rmhtls ia ^vidaentra 0 Ok.
'' -^ astuorra e, 110,16i eo B^ IC lie *ft w1t ~ ao retsda"
| ^oda e^ es" emms t=mi~wf Ak% ft WWW


,jampre i.entAe. de tie pkrtidario. M as
uto ae prestou a etertw &ajt, a repeuio, gem-
pre as imposiqoes qu Ihe faziam corn relao a
eomminusses militaries no Rio Grande do Sul;
procedimento este que era bern visto e apoiado no
fl'a, maa que, nto obstante, nao infundio-lhe
o animo para reagir contra a mi vontade de qual-
quer college. .I
SBe tanto o magoaram, mandando os seus officiaes
correrem o risco das febres e firas do Madeira e
Mamore, em suas mlos estava subtrahil-os a se-
melhante perigo, fazendo-os recolher aoa respecti-
vos corpos.
Porque o nao fez? Certamente, porque nIo
eontando corn o apoio do pusidente do conselho,
tinha como certo que, removido esse pdqueno con-
flicto, outro surgria mais adiante, eotro outroe ut,
em quo elle se veria sempre obrigado a ceder. E
se assim 6, razo tein os que pensam que o Sr.
Silveira Martins, l dIa provincia, 6 quern mesta go-
vernando o governor, menos por intermedio do pre-
posto que tern no gabinete (que polo facto de ser
representante de quem 6 commetto arrojos e ousa-
dias a que outros se nao atirain) do que pelo que
directanmente diz ao Sr. Lafayette, o qua parece
de animo feito e inabalavel a niao dar motivo de
briga ao seu ex-collega do 5 de janeiro, de quem
jA teve provas do quanto 6 elle capaz quando rom-
pe corn os ministerios do seu proprio partido, que
n.o satisfazem todos os seus desejos.
E aqui occorre-me um dito espiritu)so do me3-
mo Sr. Lafayette, quando, ap6s a organisa9io do
gabinete Paranagua, o Sr. Silveira Martins pres-
tava-lhe ainda "o seu voto e mostrava-se satisfeito
corn a sua organisaoo, content por ter cahido o
Sr. Martinho Campos.
( E' gallinha corn o pescooo na., maos de meni-
no travesso v, dizia elle a um amigo, refcrindo-sc
ao president do conselho, a quem, realmente pou-
co depois procurava o Sr. Silveira Martins csga-
nar.
S3 S. Exc. ainda se record desge dito que
exprime bemrn a conta em que tern o apoio d'aquel-
le seu amigo, 6 facil de ver o cuidado corn que
deve star guardando o pescogo.
De tudo isto, o que infiro e que se ndo fol o
pampeiro do sul, o minuano do Rio Grande que
matou o ex-ministro da guerra, tambem nao foram
as febres nem as f6ras do rio Madeira no norte.
0 motive porque se supple que o Sr. |Prisce
Paraizo Jleshouve-se corn os colleges, ou antes corn
o Sr. president do conselho, a ponto de pretender
aproveitar a occasiao e acompanhar o Sr, Rodri-
gucs prov6m de um desacato que soffreu o Sr.
Guilherme Cintra,juiz da 2a vara civel de Nythe-
roy, c que c assim narrado por uma folha desta
capital:
a Acarca da mcia n)it- de 25 do mez passado
um mrupo assaltou-lhe a casa onde habita, a raa
da Praia, poucos passes distantes da secretaria de
policia da provincia do Rio de Janeiro, e, entran-
do de escalada no jardim, depois de apa-gar os
combustores da illumina-9o pablica, apedrejou as
vidragas, disparou tiros e sujou corn immudicias as
portas ejanellas do predio, deixando uma carta
anonyma em que ameacaram de morte o juiz se
nIo abandonasse a comirca.
a As trevas, dc que se circumdaram os assal-
tantes, passaram desappercebidas As sentinellam
da rua e da repartilo da policia visinha ,
Deu-se o facto quando a senhora do Sr. Cintra
estavu a dar A luz uma crianca, c foi isto motive
para que, assustando-se, fosse accommettida de
um access convulsive de delirio, que ia-lhe sen-
do fatal.
No dia seguinte ao desacato, accrescenta a
mesma folha, o Sr. Dr. Guilhermr Cintra, vendo
que a policia nao se movia at6 a sua casa para to-
mnar conhecimento do delicto, resolveu-se a ir ao
president da provincial acordal-o do torpor, le-
vando-lhe a noticia da escandalosa facanha que jA
a esse tempo se divulgara por toda a cidade,
Fez ante-camara mais de duas horas, at'6 que
o Sr. president da provincia se dignasse a rece-
bel-o e a chamar o chefe de polieia, que reside na
c6rte c ahi perininecera, nao obstante se? mais
que nunca neccssaria a sua presenga, por andar
a cidade alvorotada corn as fiestas do carnava,l em
que ha sempre repetidos disturbios, demandando
a cada instant a presence da autoridade p.,li-
cial.
,, $S tarde do dia 26 compareceu o chefe de
policia para proceder a corpo de delicto e, con-
cluindo este, chamando o Dr. Guilhermo Cintra,
disse-lhe que a sua vida nao estava garantida em
Nitherohy. Va porque ? jretorquio-lhe o magis-
trado. Tenho minhas rawes para dizer-lhe isto,
responded o chef de policia. Pois nao sahlrei
d'aqui senao parao cemiterio, replicou-lhe o dig-
no juiz de direito, corn inabalavel coragem e inte-
mnrato civisno. ,
A Provincia do -Rio, folhia quo so public alii
e que se diz orgao do partido liberal, referindo-
se ao facto, applaude-o, recordando o que acaba
de dar-se em Santa Victoria do Rio Grande, cujo
juiz foi intimado pelo povo para retirar-se da co-
marca, e assim o fez, e conchle :
,, Indicamos o meio usado pelos de Santa Victo-
ria de Palmar aos nossos amigos do Rio de Janei-
ro, victims dos Cintras, Gracas e Honorios. E
infallivel. ,


Em outro artigo, precedendo a publicagao de
unia carta anonyma, igual a que-recebeu o Dr.
Cintra, diz ainda a Provincia:
( Aceitamos o facto como prova de que esse
juiz nao deve continuar na comarca; se e bor
minagistrado va felicitar os sertoes de Pernambuco
Repitamos uma verdade: ou apparcea quem
possa desvanecer os adios existentes contra o juiz
oa saiam elle de Nithoroy. v
Dizem uns que, em conferencia ministerial o Sr.
Prisco Paraizo censurara muito a passividade dc
president e ainda mais a indolencia do chefe de
policia, entendendo que ambos deviam ser demit
tidos, ao que se oppoz o Sr Lafayette. Outro:
affirmam que o Sr. Prisco apenas tratou da de-
missao do chefe de policia, e que nao houve ne
ahuma divergencia; e o facto 6 que os jornaes j'
Snoticiaram que o chefe de polieia pedio demissio
De positive nada se sabe; ou autes, nada sei
Segundo corre deve brevEmente voltar ao exer
cicio das suas func9oes a Camara Municipal, par
o que o 20 promoter, o Sr. Leao Velloso Filho,
quem foram remettidos os papeis, dara o seu pa
recer dizendo que nao ha, material para denuncia


DR I0 BE PERNAIBUG

ietrespeeto peU w do annao d
i8w
BESPAI-MA
A situa*e political desse piz mllhorar ae s
Svelinente em 1882. 0 throne eosolidou-n% rTes
bendo adhesoes tdo valiosas quante inesperadas
Pareea ter sido henevolamente ouvido o diseur
so.aoUador em que o Sr. Sagasta, no fim d
am*aterimr, me dielarma dispoWto a coqgregw
-em prol da permnaencia do regimen mowa iep
sio ,MpoO poli a m que A


a i8tf-'9 Ahdemw-e a~oe.-* -d~fwukte& de R d
n^teo do 6% alkt i "$a i wa laorde 1865w186, sondo-deitado por ba-
^brusca, nAod#uvid ir que e14a- et& t quando-murreu.. -
t 4pa reali$er oppttuaa takes refor- *Apesr doa nrito prejuizos que scored ha an-8
05 RiuxJio. do & !hhlvan, c a ea- nos, era considerado ainda. -uma dos homes mnais
,revis~tisre< y, rias domundo. 0 palacio da Vista Alegre, a
aver ua am qaarto de legua de Madrid, pouoe mia ou me-
e a wiora 9"ta ft m nos, eneerrava praeiaissimunas antiWiades e mmi-
effeito, Prque do de wr*87 sgns
S ffietemporanea. Alli vmos emI 1879 aiguns origi-
n Votos foram ho atte,4 ue *toe- naes e exoellentes edpias dos grande mestres da ti
e 216 a se fvor. pintura, bean come um bellissimo marmore de Ca-
S o ministerio,, ge Iuattmeit. saJ u nova. A qiinta do palacio e uma epecie de oasis c
abalao reoistio vigo mmq ao8oses atago no reio da planioie secca, arida, nia, absolata- b
nisqta,fehando o anno 4.e l- por uam brilbtee mente sem arvores, desagradavel e triste, que for. k
vitoi a prlamentar. UreagiatS, da rhsabo do. ma os suburbios da capital da Hespania. d
mocratica, tendo I frente o Sr. Martos, abaio- Em canselho de ministros presidido pelo rei, em
nou franeamente o marechal Serrano pura se li- 3 de fevereiro, o .ninmstro da fazenda declarou qae to
gar A monarelua affonsina, emiquauto Castelar e a receita public de janeiro de 1883 apresentara c
uma duzia -de amigos permaneciam fis sepyi- uam excedente dc 10 milhoes do pesetas sobre a do
blica. mesmo mez do anterior. Este e outros factos de- r
A morte de Gambetta prodazio na Plespanha, monstram o auspicioso estado a que o Sr. Camua- ri
como em toia a peninsula iberiea, uima dolorissi- cho, A for a de trabalho e talent, conseguio levar
ma impresmlo. A impreasa dN Mairid, eomo a as ainda ha pouco arruinadas finances da nacio-b
das provincias, presto a mais justa homenagem nalidade hespanhola. Quando o Sr. Camacho en-
aos nobres predicados do grande politico tio pre- trout para o ministerio o passive era de 310 milh5es C
maturamente perdido para a Franca e para o man- de p setas e o aetivo de 245; a divida fluctuante s(
do. Espeeialmente o democrats hespanhoes, subia a 194: ao larger a pasta da fazenda ddixou
porque vem na permanencia da republican franeeza um excedente de 6 milh5es de pesetas.
o ento da propaganda em que se em4enham, nao A questao do juramento politico occupou a at- e(
occultaram qae a causa eujo triumph anhelam tenglo da Camara dos Deputados de Hespanha, r
perdeu umn dos soneus mais valentea defense( r-. 0 nos primeiros dias do fevereiro do anno passado t,
exemplo de Gambetta ternm inflaencia decisive na 0 Sr. Sagasta, respondendo aos adversaries d'esse t
transforma*o que se operou no proceder politico juramento, invocou o exemplo da GrA-Bretanha, C
da maioria dos republicans da Hespanha, os que, na opiniUo do president do consellio, dove a r
quaes parece terem de ver renunciado ao antigo sun prosperidadoe e grandeza ao respeito pelas for- d
system das revolu9ges para esperar pacientemen- malidades em todos os actos da vida public. Nao
te a victoria de suns ideas do emprego dos meios sabemos que idea faz o Sr. Sagasta da grandeza
legaes. britannica e de uma prosperidade compativel corn g
Nao obstante o esplendido triumph obtido pelo o mais horroroso pauperismo. Dado, por6m, que a
gabinete]Sagasta nas duas casas do pArlamento sua these fosse verdadeira, restava ponderar (que
em fins de dezembro-de 1882, antes de vencida a o respeito, o amor, ou mesmo o fanatismo das for-
primeira deeada de janeiro do anna passado jA o malidades quasi sempre vils, nao so nan Inglaterra u
mesmo gabinete estava demittido Dir-se-hia -e nao o seriam em part alguma-simples crea- r
que um ministerio na Hespanha estA tanto mais 9'1o da lei, mas uma resultante do temperament r
proximo da queda, quanto maior 6 a confianea que de ra~as, dos costumes, do estado de civilisacao. t
parece inspirar as c6rtes. Os actos legislativos nao criam sentiments; re- r
Uma desmtelli-encia havida entire o S:. Cama- gulam, quando muito, as mamfestagcs dos que jAi
cho, ministro da fazenda, e o Sr. Albaneda, minis- existed.
tro das obras pnblicas, foi a causa, polo menos So a legislacao nao represcnta o estado de id6as ,
aparente, da demissao. 0 primeiro, que, desde qu) e tendencies de umna nacionalidade, se nio 6 con- t
subio ao poder, se esforgava corn rara tenacidade foime A opiniio corrente, As condices de morali-
para melhorar o estado financeiro do paiz, propoz dade c mentalidade de urnm dado inmeio social, torna- c
em conselho de ministros umn retnedio hlroico para se fatalmonte lettra morta; succumb, dcsappare- c
alliviar o thesouro: queria quo fosscm venudjias cc em breve ante a propria violaao inconscinute.
todas as ma.ttas e mais terrenos incultos do Elta- Nenhumn povo affrontaria hoje a enormo somn'a
do, no valor de quarenta milhi5es de psetas. E'- do ridicule, cm qu o incident Bradlaugh traz ha
tava no seu papel propondo seonelhante midida. annos mnerguilhadaapoliticainternados inglezes. A V
Era de esperar que a venda fosse vantajosissima propria Hespanha,onde a suppressno do juramento
dcbaixo do ponto de vista purameute financeiro. politico foi na primeira camera repellida por 162 J
Se attenerinos, coin effeito, aos recursos que o votos contra 13,-a propria Hespanhia nao serial
impostor) sobre bens de raize os direttos de trans- talvez capaz de negar assent u'tum deputado trins c
missAo da propriedade immovel off :recem annuial- vczes eleito pelo mesmo district, s6 porque esse
mente aos cofres publicos, 6 forcoso reconhecer deputado se tivesse lembrado umn dia de fazer pr)o-
que, em these, pouquissimo temn a gauhara o stado fissao dc f6 da mais pucril e inoffonsiv das con-
coin o seu grande proprietario territorial, princi- 1: cep9 dmJs metaphysicas -o athicismo. '
palinente n'um paiz ondo a administracbo dos bens 0 mais digno actor da political hliespanhila em
de dominion public, long de ser perfeita, deixa 1883 foi certamente o decreto em quo o ininistro
muittssimo a desejar. Mas se o ministry da fa- do ultramar-o Sr. Nunes de Arcc-leclarou li-
zenda cumpria o sen ever, procurando obter por vres 30,000 cscravos da ilha de Cuba. Toda a in-
todos os meios ao seu alcance o equilibrio orqa- prensa indistinctaimente tecc a os mais altos clo-
mentario, tambemin no cram para ddesdcnhar as gios a o hourado ministry, que, alam do actor nobi-
objecqcs que o ministry dti agriculture c obras lissimo a que nos referimos, tambem dccrctou a '
publicas oppunha a9 project do sen college. aboliao dos castigos corporacs dos escravos en- '
Quemn viajar na Hespanha flea por certo impres- banos.
sionad cornm a immensa aridcz de certos pontos do (Contita).
solo d'esse paiz, cujo major flagello natural e a ----
secca. Por diversas vezes, no seculo passado, a REI
governor expedio ordens terminates no intuito de RECIFE, 15 DE MARCO DE 1 84
impedir a desarborisagio do territorio national. Xotelas do Pacifica., Rio da
Essasprescripgoes legaes teem sido constantemente Prata e sul do Imnperioh
violadas. Ora, se forem alienadas as mattas do 0 paquete ingiez Patagonia que houtein chegoug
estado ficara a Hespanha-- pelo menos licito pre- do sul, trouxe as seguintes noticias, c m'nis as que
v!-.o-- em breve inteiramente desprovida de ar- constam das rubricas Parte Official e interior.
voredos, e, portanto, coma um clima de todo o Pacifico
ponto semelhante ao do norte d'Africa. Datas de jornaes ate 18 e telegraphicas ate 28
A' pri~ei'a vi4ta, pareci tanto mais facil por :do fevereiro :
term ao conflict suscitado centre os Srs. Camacho As ultimas noticias do Peril dizem que Pi6mhol-a e
e Albareda, quanto os demais membros do minis- Tenaud chliegaram ao PanamA, procedentes da En-
terio se tinham pronunciado em favor do segundo ropa; Pierola permaneceria no isthmino observanlo
dresses scnhores. Por isso que o ministry da fa- o caminiho das cousas political do Perd, para to-
zenda estava em desaccordo. corn todos os sens col- mar umna resolucto qualquer no eomeato oipor-
1egas, dovia rctirar-ae do gabinete, deixando aos tuno.
euidados do Sr-. Sangsta o proeurar-lhe substitute, Regressou tambem de iondres ao Panami o go-
que acharia, m-ii ou menos idoneo, e corn facili- neral Prado, cuja presen-a no isthmo tinha, ao
dade, entree os numerosas membros do parlamncto. menos cm part, objective distinct do dc Picrola.
0 president do conselio nao quiz limitar-se a u continual a explorac-ao das minas de Teumace,
esta simplicissima solugio. Preferio aproveitar-se lugar da republican da Columbia, A.beira mar, no
do incidente para provocar crises mais lata e que extreme sudoeste do Estado de Popayan.
ihe permittisse urea complete recomposiq.o minis- A assemblea national peruana ultimaminete elci-
terial. Par consequencia, a pretexto de que nao ta continuava a verificar os podeores dc scus mcm-
podia rmconciliar os dous minislros desavindos, bros. Do cxame'dos diplomas rmsultou quc tiuham
apresentou ao rei a demissao de tado o gabinete. sido sinmultaieamentc eleitos em duplicata, pela
A reunito das cortes foi susponsa ate a forma- provincia de Huarachiri, Pierola e HLelguero.
9Xo de nova ministerio, cujo organisador foi o Sr. I ouve por esse motive animadissimo debate, sei
Sagasta, e que ficou par este moda compost : noe chegar entretanto a rcsultado defiuitivo, par ter
Sagastc-, president do conselho; i a mesa adiado a discussao do assumpto. Geral-
Vega de Armijo, estrangeiros m oente esperava-seque triumpharia H11lgucro, fi-
Martinez Campos, gucrra ; ca ido Picrola som assento na assemble..
Rodrigues Ariaz, marinha; Muitos dos cfficiaes que acompanhavam o ge-
Guiln, governa;io ; neral Cacercs, depois da sun ultima derrota aprc-
Romero Giron, gracia e justi~a; sent-mam-se ao governor de Iglesias.
Gamozo, fomento ; Ao diario La Nacion, de Buenos-Ayres, dirigia,


Nunez de Arce, ultramar ; a 23 de fevereiro, o seu correspondent em San-
Pelayo Cuesta, fazenda. tiag, o scguinte telegramma : ( Os ministros da
0 ministerio apresentou-se ao parlamcnto no din Inglaterra, Franca Italia, Allemanhd, Austria,
10. Prometteu seguir a political do reforms pro- Belgica, Hollanda e Hespanha, em Lima, em nota
Smettidus, matter a fusiao dos centralistas e cons- collective, notificarami ao governor do general Igle-
titucionaes e mostrar que as aspiramnes dos parti- sian que no aceitam o tractado centre o Chile e o
Sdos adiantados nao sao incompativeis corn a exis- Permi, sem que antes fique garantida a divida cx-
tencia da monarchia actual. Mas se a nova dis- terna deste ultimo paiz. Igual notificaao ser-A
- tribuicao de pastas, a que o Sr. Sagasta presidira, feita ao Chile, mas o sen governor nio reeebeu
naio operara mudanca nenhuma politica,na o sera ainda nenhuma nota.
licito perguntar qual a razao de ser da recounpo- 0 n0inistro chileno communicou de Londres a
sigao ministerial que acabava de effectuar-se? determinaeao da Europa colligada.
S Ha uma providencia particular para a Hespa- Os plenipotenciarios bolivianos, obedecendo a
Snha dizia umn estadista que fez figure eminente instruccses do seu governor, mostraram-se muito
na primeira part do reinado de Zabel. Poder exigentes, ficando rotas as relapses corn a Bolivia.
a se-hia dizer igualmente que ha para a direcaoo dos Acredita-se que o exercito chileno marchara con-
a negocios publicos d'essa nacionalidade uma poll- tra La Paz. ,
Stica especial e solta de todas as normas admitti- Da mesma procedencia recebeu La Nacion este
i das pelos ouhtos paizes. outro telegramma, datado de 29 : A reclama-
z A coalico chamada em feverciro do 1881 A di- qao collective dos ministros europeus acreditados
reccao do paiz, graas A unica vontade do rei, nao perante o goverao preoccupa a attenqAo public
Spodia manter-se indefinidamente. 0 primeiro mi- em todo o paiz.
0 nistro tinha mais tarde ou mais cedo de abrir o ca- a Nao se publicou ainda nenhuma declaraqIo
B minho do poder aos centralistas ou aos libe- official ,,
raes. Era geral a previsio de que no comeo0 da Rio da Prata
8 sessao parlamentar de 1883, o gabinete seria mo- Datas de Buenos-Ayres ate 1 e de Montivideo
dificado, nio mais em favor dos partidarios do atW 2 de maro :
Smarechal Serrano, em vista da ultima derrota 0 poder executive da provincial argentina Le
deste estadista, mas em beneficio das fracqoes Buenos-Ayreq mareou o dia 30 de margo para as
Smais adiantadas da maioria ministerial. elei5es de senadores e deputados A legislature.
S Para explicar o motive porque essa previsao fa- Nas cleioes effectuadas em Catamarca houve
SIhou, fez o Sr. Sagasta intervir a vontade real. graves desordens, das quaes resultaram mortes e
a Segundo president do conselho, o monarcha ferimentos.
a oppoz-se a toda a recomposilAo ministerial que ti- Constava que a junta de hygiene, allegando
Svesse como consequencia quialquer mudanca poll- x augment de epidemia no Brasil, v restabele-
Stica. E' provavel que Affons- X1I nao dcsejasse ceria as quarentenas para os navies procedentes
entIao separar-se do general Martinez Campos. de portos da Republica Oriental, caso as autori-
t Cono na Hespanha todas as revolucoes comeqam dades d'esta nao augmentassem as quarentenas
Snos quarters, o rei achou prudent deixar por mais para os navios procedentes de Brasil.
alF um tempo cenfiada a patma da guarra ao military Por causa do clamor da imprensa, a policia de
que o levou ao tbhrono. Buenos-Ayres proeurava combater a epidemia das
Analysando a recomnosiqo ministerial deque loterias clandestinas.
tractamos, disse umjornmlhespanhol: Na capital argentina carnaval foi mni pouco
Aperrmanencia do Sr. Martinez Campos 0o anim--.ar, n wa xe% onm bailey que foram con-
miniterio, obrigou o presidente do conselho a a- aorrido&
[ti car o pst de a aa que tinha oontrahido A mysterious eaida do general Santos, reali-
icorn opartido eotitucio l. se partido conti- sada a 28, den thema para muitos coo ntario;
1.u nuarm a ser rmld 'it aM tros: per- entretauto, parece qu" o proidente da Rebalica
man4o eo s dtas mais impcr- Orieatal fez m PiIGImple ow i u atsm a.
o. tastes. Asaoutras-mudwF s 0duifraI-se a iAm- Em Montevideo a anima$k do caroaval eon-
rw pes eubstituiMW de PoN teem maior 0- centrou-selnos theatres e na" reaoes particulara.
. canoe. E' xa q o novo b daj oatl R Swmitr e OI
1: -6 woiarchiatad4efreso iadatauas, eerto, asuaiwo- 91 tas ai*9A2 AM* .40 BO r rVpat&dcmeaa sswfcieate Ak* -&W 40tweta lmwnteobita oh da
;a- o pal*& que 0mare" Wn o d Jge. EmW& ap doo. Ranod Alres Me-
L-1 resumo: a rimomposi9Ro seal quo acba f8 noses.
Waiu-en oa a sernraecaa" ; -u Pacera: m o Dr. D d Pa
QOWO a I =0wrd o On *u- 4msuIs es: wem tdII*w, othwo Am*-
VW 0e 1 Ua
) M

SxSiaon im S n skat a Btu


Hqssm, .'icsr -. -

*Orav o sr. MoHm wa rMlih I
r. ito de o .Mel., masrem da- apPama
i, qumudo h w a ur titia de apited aM d-
"ns Bra. depus"Os.
a 0 orador,. ealmoo e MI th agasanva a
=eaeo de eMthu V, 9 o -im' i se .oianfi s- I-
irvindo as palins. ewg Muiliagles qm usI
uham de raidade.
- O presideute da ema, pardeud a calms para
Mnter a discusais que havia ideaapparecid da tri-
ana do oradu puam corner todis as baacadas,
evantku a sota.
* 0 actd do honmao president, corn oistuit
e no deixar- se prolongar o desvio do debate, m
raduzio em offense ao regiment. Nio era aimda
iso de se suspender a sessio.
- Estabelecida a ordem perturbada peks *lo-
)o0s aparies, a discusso continuara calmn ju-
idica, ainda quo fose energmica.
- No dia 6 a referida Ga=ta de NoNeime pua-
licoa este outro telegramma :
, S. Paulo, 5 de marp*o-A Asmwemlka Provin-
ial votu u nanimemente a seguinte movo, apre-
cntada pelo deputado Muniz de Souza :
. A Assemblha Provincial de S. l'aub), proafun-
lamentc impresionada pelas graves ace!-.q'es,
ontra o deputado pelo quinto distrieto. Tito Gor-
eia B. de Mello, as quaes resultam de- documn-
os apresentados 4 Assemblea e demenstram a fal-
ade seguranca individual na comnrca dc Bt- .
aitud, pela impuaidade dos criniinoso ,-p jwlo- re
petidos attentados contra os mna "istrato,-.c p -p
o govern o provideneias q c' fn! mn fi,'eal r-.
stad0 dc cousias, e passa ai orImn SAo votar-se *sta minoIo. n ov-.. t 1 k cint I a-
;alerias, e o recinto, rom-i cm CialcI,,ro a;p;la's-
as a A Assembla. ,
- Diz o Carre-io Pail'vuo d' 7 :
v 0 ribeirto dc Santa Anna. ,luc atr:v,--,- o
nunicipio dc Arets, tern engrossa 1,lo -xtra-irdii4-
iainente a corrente corn as ultima- (hllv. i tor
enciaes q(ite teem innudado amlu,,I inmi-.ic-ii, I4
ransito fbi iuterroinpido, xwr n<,c dar pa- a :in cc
ibeirao.
As aguas dos rios Tatnhy S:er;>.iLy i:m-
[aram as terrenos marginaes at, ccrca de 2', i-r.i
,as c obriram as pontes, imt-rromini,,l, ;a--`in ',
rausito Imblieo.
SAs cstradas( qe ligam a ci til< ,I..- 1 -*
oam Boituva e Bacay-tani muito off--r;,, m
cichcnte e neeessitamn de c nmerto- :tr,,:r -.
Rio de Janeiro
Datas atI' 9l de marlo :
As prinicipaes noticias c( cm.t-m di c 'i i
cosso corrcpomn ,imit, na rmmric-a I,,', r'',r.
S.l o titulo C'o,".,',o d- E,, c-f l.-.. c.- :--*.. -
oriinal do Coit,ai.r,'o de I :
Reuuiio-se ii,:m l'm .1 s-, ;iec, d,. fi'iz'c- .1 i .
onscllio dc Estaw :). conp ri,'c1-i le n- Sr-- ,-, -
lihciros Ma o.;l Pinto d- S Iz:t I.imt. -, J..h o ,
no Josu Tcixeira Jnii,)r, fait'uil ],,;. l,. -
Sr. conseelmliro h'anlint Jo-' S ;r, i .z.
,lie d+- o sellu par<--c-r p r (-irtai.
Consta-mi s ,11'' a 'r,-2-c ,i.' fi *- iii. : -
Nocada para eon.iiltar s-,,re a so' -c-c o "
i poc le co:)n-i lerar s,'! 1m vi,- r o tr:. 2." '
1 db soteinw'o ,!1,' I"1;. q '( ,ii-s _ip ii'
,,0 ., vcm-mi, ) t ,utoris.c-' lo I a r.u tii r t
ciula(;;,o a .j.:mla-n i p:pi'l -l,,, i i "n tn- 11 -
Ssaria paria .-leva'-, ;to v ilr ,i i actim ,i a. -
o d,-:it,' 4 -S0) > p m oi;;tv'i d ',u c r .l i n 'i n-
sc-rval-o : e par.t Cst- fii p:,,lr.i fiz-r ;a- ,"-
raococs do 0-'edito que forean in lis-pmc.iv'is. -,
U- L-se na mesmia f1llia dc 8 :
No dia 24 do corr:n.tt'. w, Ar-n:til d,- M- i- -
iha e na t'i_-i-'ta pr,,en('a d'. Suia, M-;i---t i
Altezas linipcriacs serc', ininuirurva -i ; : +. w -
-fficinas para coustrucoilo do, u-nimi- ini\t'-. c-L
tcndo- se a cavilhla do ffrainil <.rnz:il,-r .i :-
Madeira quo se ,clhti i c11 (-r t '(* ic. ..,>i-ic l.;i i-
do ao mar dos et(ileirm c li Iliha la, c-,r;I- "ji
tachio Apr",_1iz Mycrihi;ro.a
c Serl tuminb,_e ii n ur.ti .) lii --., ik i ini-'c')
dic mnarinha.
0 imirca',l) d.d can io coatiitiia jOinc- : :a
scm altcraclo.
Os banu-s C'ummi 'rcil. ,l) (inmc r,-c ... I -,
trial tiveramin a:hi;;a Ias -t-l s Laint, i, ',- -
Lou'rsc. 27 7 d.. a O .1 v.
Paris. 435 r.-. jicir f'rin -. : i c. i l
Ilamnburgo, 'i cc ri-. pjir m- a '.'- 1 v.
lPrtugal, 2ii +, a 3 d v.
As traunsac,; pequenis a 21 7 ,'4 d., biamm-;naic. e 21 I., c" c 22
I.. particular- ; c s--'m I-ra.i;; a 4"; : r-. plcr
franc., dito.
Na Bolsa o i osiu.,a d i ; .it- f 'i t. ,i' > 'ci!i P .'
A \ wcuLi. l>,' ,','Ac cnih 'i li- in ,- i t .-
tarde crnim ,i- a.) 5 s:ic--,i,.
Bahilai
Data- ati' 12 cii. s~i;n\-o :
A s nticici s .c i lc i r, l .'rt'c 1- i, l.
Lc'-c n c i /.c 'c c ', .... -,. --. ..
Estrwl, ft def',ri',i',,i ,un,' l,'i., ,i+ *. F,, ..... ;*+. -**
1c Dt rac tc o mlrino ,,:i; cc r.cl.c' -,c,-cc~ c..-v -
re' ;i s mguit- rc) :.- t c i ,iie < -p cz c :
Receita c'"*
Desip.za I7, ,:' ,: ....-_
:27 :'. : 7-


send asii m 1-t 25 0 o ;i i\-I,:.l ,i -- '
para a roceita.
No anna anterior ( l2 ,i a +i.cspt, za ftira ci. or
de ?5:07'.13620 do quo a receita.
c l)dsle o anio ta c lN1) eqiu coji Coilaci ;it r '-
fego da linha, s-,inait!eu 1 T:.' ,m i 7 :p;ir i -:it i >
suporiuor ac arrmc-a l:ut) c:li 1- -, c-i cva:I-iiL- .
mesmo saldo a 101:1,lc:A!7;.
c Os seguint,-, al:.aris'si.n-. i- i ,- -im t in cm-.Ii
mento finanecnr) da ff-rr,,-c- ;,1 i 1L Aici *i, c .-
Francisco desdc a sua imau ran,- .c ;c r ,
fin dc 1 3:
Rccoita .2 :,;27 ,'
Despeza dc custemo i,:J,'..>4:;i:


1.;:;'); : 7;2 1 ,;
SEm virtudo d(I garantia d -jiro d4, 7 ,-
auno, inclusive a de 2 e icedida pel" izrc-ri
provincial, tern pago o estado Cuiio),tiinr c.. i-
cessionaria a qua'tia dn 2.ti; :647'Th':. *i
contar a differenii't die cambim.
0 capital da cinemprcsa de d.l..)>: Y libr:it-.


PERIAMBUiCO

Assemblea Prouvial
5.a SESSAO EM 6 DE MARQ) DE 1 .4
PRESIDENCIA DO.) EXM. SA6. BARAO D.r ITAPISfK-l%
(Conelsas0
0 Sr, Olympio Marque% (Ni, d', lLvcu
sen discurso).
E' lido, apoiado e approvado o segaintc "req*,-
rimento :
m Requeiro 15 minutes de prorogauo para ')f-
inuar a discussao do requeriwmeto.--Joae A'vri.
t 0 SR. Jost MARiA-Peo a palavra !
0 Sa. PisatxnT--Tem a pslav.
OW. Dnos e SUvMa (peia ordem) Ea
creio quo em face do regiment qualqkumer deputa*lo
nAo pode faiflar duas ves w sobree *mmo wreq-
rimmento, salvo se mandar emenda.
0 Sn. PmNsrmEXr-Tem raslao enotre dp-
tado-
Nio havedo mioa q p.ep a Pla.Psrr A em-
cerrada a&diaowuao e i 0o mI 1 O hto.
0 Sr. @Oymp@ Me l (p ordeam)
-Um6av M *in& temrna1%M *ill, em
requciro a V w as apt Wwerfto da

I *]eMBO .l^pmes -"F Oak .ll>.IR ea*
ia NOR, iske 46 bo ir iOw



40 #Jir.e,.j* W"'<^















e ompraofetW-mre deade j a aprd-
deaiima Mtiw Ao dirigida ao go-
mn de que este towu qaulquer pro-
o focto qe 0Lsbei de denanciar e
a covmpanLia ni4o trn dimeito*? ga-
d4s54 qas fez mio uso de seu pri-


lKs aPrompt as


&ftftld Sc* e 6 Otsenho Bom Clow -a ftL
,tqa fed bo u ab4! a"bem- q0o ambos sao
U1k-SB DkwUn -EaM.o a q feaofisgal do go-
*0 SaB. DEio InAm '-EUt clepW u estu
yote*to, & p*ot Sod&hrem respoAsto aparte
do W6b04 deputft pela constfemra9io que S. Xtc.
1 %. yesidonte esta c.mpaWnfsl praea
abusar da confianwr do govern IMtando a % di
sen contrato; ea- enupawia procura por todo
tnaos ~tadifiri $d o metufto rovdeo como aone
tos qutem Itrsatu, dbixasdo de euui
pri o que com elles firmou.
'M Otwofo aS* n m aparte.
&L 8k% B i* MS AZAs-E toa &efoi-
*Oiid-a niluha al~fuenta~i^&; Oowo~re deputed.
me ouga.
Or; pesIdeie, w Sr. Pialho meandoa sloom-
panhiaso Iprtvlgio que Mhe ibi dads, tee a' wbI-:
lidade de collocar-se ns direeoa do trabailhs
aqui na proviucia de Pernambuco, nAD tendo em
Vista o eumprihenteo do contrato. 8. S. u1 teve
em consideraco A fA do mesmo contrate, de sorte
quo s pode dizer-em consciencia que aquelle ue
1 e fez foi s6 e* proveito da oompanihia, iu'-
dfndo deste modo a lavowa. Doevo supper que
elle ainda tratara de construir engenhos. E' eto
que elble figurou semnpre em nome da companhia
*ompromettendo-se a fazer tudo quo estava de-
terminado no contrato, facto que nSo se realisou
por falta da moagem dos cannas, e por cujo mo-
tivo vem a soffror prejuiso nao s6 a agrietura,
como os cofres publicos da provinia, considerado
ease prejuiso pelo lado das rendas: Alem disaso
Sr. prosidente, ficaram tamberm prejudicadosos di-
reitos dos lavradores por causa da mi A o00n que
se procurou canmprir o contrato. Astm, Senhores,
flea de nenhurm effeito o favor que o governor eon-
ceden, porque elle teve poer fim a introduco dos
mechanisms aperldi0oades pana melhora ir o -
brico da assucar, auxiliando a lavoura do paiz.
A companhia porem, Sr. president, tratou de in-
troduzir entire n6s apparelhos da infancia do sys-
tema, aquelle mesmo que j A havia sido regeitado
pelo Egypto, systems ja condemnado, quando n6o
na provincia ja temos apparelhos muito superiors
aos que a companhia troupe. Isto 6 um fact que
ninguem pode desconhecer, que A ninguem pode
eecapar. I
0 SB. DEMOCRITO-So escapou ao governor.
0 SR. BARAO DE NAZAREiH -V. Exc. nio se
affiija. Acredite que eu hei de justificar o governor.
V. Exc. nio ter portauto rasio querendo intro-
duzir estas pimentinhas no debate. Tenla pa-
cieacia que eu Ihe darei a resposta em tempo.
Sr. president, comeeou por isto o contrato feito
corn o governor. Obrigou-se a companhia a cons-
truir engenhos que podessemin moer 40 milhoes de
kilos de cannas, o que imports aproximadamente
em 24 rail pAes de assucar. Entretanto veja a
Asseminbl6a como o Sr. Fialho fez os seus contratos;
para o engenho de Cuyambuca apenas contratou
cinco engenhloas e para Born Gosto 4. Por ahi
pode-se vur a m4 f6 corn que se procurou proeder.
Por urma nota que aqui tenho vA-se que os cinco
engenhos apenas produsiriam 9:274 pages, segundo
os dados fornecidos pelas ultimas avaliasoes, en-
tretanto que elle tinha obrigacAo de moer nos en-
genhos 40 milhoes de kilos de cannas.
VYA portanto a Assemblea lUie o nuinero de mi-
lhues de cannas que elle estava obrigado a moer,
deveria dar cerca de 21 mil pies. Dando apenas
9000 e tantos pies, importa dizer menos metade,
cerca de umn terco d'aquillo a que estava obrigado
a fazer. 0 mesmo aconteeeu coin os 4 engenhos
que deviam fornecer cannas para Born Gosto.
Houve ima differenqa de mais da metade, isto 6,
o numero de paes nao attingiu aquclla cifra, a
que a companhia era obrigada polo contrato que,
firmou corn e governor, a quem precurou desde
logo illudir disendo que takes propriedades tinham
capacidadep ara produsir bastante.
Um SR. DEPUTADO-Quantos engenhos?
0 SR. BARIO DE NAZ.VRETH-Qaatro para Born
Gosto c cinco para Cuyambuca.
0 SR. VISCONDE DE TABATXGA-S6 os incautos
cahirarnm n'esse laoo.
0 SR. BA.IO, DE NAZAREra-VA portanto a As-
semblea que, para que a companhia podesse levar
a effeito o seu contract ser*ia necessario que fi-
zesse a acquisi9io do certo numero de engeahos
que produzissem a cifra de 490 milhues de kilos de
cannas a que ella estava obrigada a moor. Veja a
Assemblea a ma, fe em todo ease negocio.
Na construccaio doas eagenhos centraes a com-
panhia tambem nao tern procuradc cumprir corn o
sou dover, porque entree aquelles que se acham de-
terminados do contraeto e o que esta feito, vai um
abysmo. A companhia concessionaria encarregou
da constrnaeA dos engenhos aentraes a outra em-
preitrira que encerra os seus maiores aeeionistas
e estes nao tern tido mios a medir no esbanja-
mento do capital, pois que nao se tern feito econo-
mia alguma, porque o aim n attingir a nuna certa
cifra, que lhes de mais tarde direito aos juros do
capital emprega lo; e no meio do tudo isto, scnho-
res, nio se respeitou no contract nem ao meono- o
praso em que se devia calcular a possibilidade da
moagem. Assim procedeu esta companhia polo
seguinte modo...
0 SR. VIScONDE DE TABATINGA-E o govera0 nao
tiuha fiscal, que visse isso?
0 SR. BARla DE NAZBrETH-Pe0o a V. Exe.


licena par a continuar.
Sr. president, a companhia enearregada da
construicclo obrigou-se a entregar a obra dos en-
genhos em junho do anno corrente, e o Sr. Fialho
cntractou corn os agricultores deitar a mooer os
engenhos em dias de outubro do ann o passado.
Os agricultores, ignoravam essa condigio do con-
tracto corn o Sr. Fialho, emb6ra tivessem sempre
algum receio de que as obras nao estivessem eon-
cluidas em tempo da colheita; mas o Sr. Fialho
comprometteu-se, segundo a lettra do contract
feito corn o governor, a moer as cannas em outu-
bro e a conelcir a moagem dentro de 109 dias.
Hoje nao pSde a companhia concessionaria recla-
mar da companhia empreiteira indemnisa*o al-
guma pelo facto de uno ter podido moer as cannas,
porque esta nio tern obrigacao de dar as obras
seriao em junho deste anno; e portanto, segundo
me parece, ainda foi um acto de mA fiA d'aquelle
que obrigou os agricultores a firmarem em ba f A
um contralto, que cumpriram em todas as suas
clausulas, quando elle sabia perfeitameute que no
tempo marcado nio ficariam promptos os enge-
nhos, nemo seriam respeitados os diraitos dos agri-
cultores.
Eniretanto a construei9o correu rapidamente,
sem as regras da arte, e a consequencia foram os
desastres que se derain: fizeram paredes cujas
bases nao comportavam o peso do teeto, e eolo-
carom ums eobertA, que teve dedesabar por seem
esa"a pardes fracas, e ate. insufiientes as linhas
dao -ebotta, para sqpotaro peso do memo tecto..
0 pesonal teehnico era &inomploto e incapaz em
todos s mamoas do sbrvio; at memo aquelles
empregods que tiaballaam uns tnurbias n sa-
bim dir il-as, ao pouto de darom maimr fanga do
vapor do quo elb"s .omportavar4, do qu resultoa
aexploso de que temo"i ma l fa
0 8& VxsOoKDB in TI ASA v-.Quae bogIs"
UK S. DSPWAW-a4'OiPOr ji a%? VdaS& 0
0.aS&BBoAiOin NASAKTU -EU te4l, Sr. prei-
spontasift1n -iwlx ate4.1 '40
:~ ~ ~ i ^n^ SoatL h flM ftif1-*&IS sQ
*,1 ~ ~ ~ 4 AVAWi^iSB~K''-^lr' '^1 -* "" '~


oismas o mtafU.g I O0U
Svradores, dpromettesndo-l. qe, ii. m t
em noveaubro 06 "ara ipber$=,t e% em oP m
iee aicultore m uma A084 Ca ie-
"Pree6* da izf a waacrnu ngflouitt dlot 10 /oe
par iBunxaou *papd*ttwut PteftoC
oW Rze ede outerm eta f*s nom o*b e it 'd"
rerao a io jo iclarao 4#e P(_ am boo
das tm i safra& E quf4tems vrmuaeuhore, o qu
(aoadon mi lavoa d) AtPnlenad, soweahotsr do
eugMnhe que do t Muto eiat dnnn WO o uO-
tracto's f
SA comapanhia so apresento, dqe lania ns r note
ecant-aell*s, rewrrendb rdo iHaftVtwo&sO 00 09"t
juatiokwd^ hmpregaude tod" a casts de deaeas,
jA pedindo vistas, ja aggramaido, ja aipav dora
reusandop efm pea todos aiea pedir amioi
0 dajkstig, para qellas n&o tiyessem du-
fvit a faiti esiw ava~eo R fmd que ofti ultoi
Sviesse mais tarde a&o*eebigada a pagaariado-
nisa Io!
Quen, pipcede por estaefsra unoo,tern direitoue

cer o apoio dos lavradores de Pennambuco;.
(apoiados muitl beon); -e prtsutb lange de sero
um bem introduzido oem e sas. ploa as foi umr
grande mal, parsa oqueUos .q .cahiram nas m e os
dresses piatraa quo vierarm peaudao lavoura e
toanuua de noae d viTes.



redoiar 1o go rno aquel euastqUWo.M9,8OF. loedW
saber que o govrIdjiom opoidnasaee
CT SB. >Bmt~u* diU a opiapte.
0 Sn. BABAO DZ NA"A38.9-1- Men collega, pego
a V. ExR. quo nbAme h-aropa hi. amuddo-a
mente, com esta tangents do governor, porque
chegaUei a; presto-aw V.. Ee. a ama attengio.
0u uo S Prum 44 um
0 Sun. AaZo oD NA& n mBT- S e ito nituito as
escrupulos e as opinives de V. xc., mas peco per.
mission pars divergk tan pouco, meomo porque
vem de umao fonte consorvadoy, que alao pode
sipoiar o gowrno que en austento. V. Exc. deve
saber que o governor ja tomou providencias a este
respeito.
0 St. RoAs. x SSzAr-Igoro, V. Etc. dira quacs


sao.
0 SR. BABOa DE NAsaUWTu- Mas, Sr. presi-
deat, e bern de ver quae oeom tantas interrupp"os
no posso fazer o meu discurso pole piano qae
tinha tragado, o'que sempre me succede n'esta
casa e o que muito lomoento, p-orque de duas uma:
ou os meus discuraos nunca agradam aos meus
colegas...
VOZEs- Ao contrario e de mais V. Exe. oetl
discutindo bemrn.
0 SR. VIscoNDE DE TABATrNOA Este esta
agradando a todos.
0 SR. B-aBo D NAmAETH--... ou por certo
modo eu sou disso causador per nio exprimir-me
de forma a fazer calar no espirito de S3. Exes-
aquillo que digo e que 6 firnmadO na raziao e na
justiga.
Mas, Sr. president, como V. Exe. sabe, os nos-
sos agricultores tem n'esta pra"o pessoas a quem
se dirigem e a quem recorrem quando Ihes faltam
meios parsa manter as- suas fabrioas : chamam-se
essas pessoas ---correspeadentes. Os lavradores
que fizeram esaes cotractos tinhamorn aqui na praga
os seus correspondents, aos quaes recorriam nas
oecasioes, em que precisavam de meios para man-
ter-se. Apparecenu o eontracto da celebre compa-
nhia e elles tiveram de despedir cases correspon-
dentes, ajustando contas eom elles e julgando-se
j A em condigces de nao preeisarem de taes favo-
res. Foram para suas casas e a auelles que nao
tinham muitos recursos dispuzeramr dos moendas e
do vapor que tinham, arrumaram a sua vida como
entenderam e ficaram tranquillos entregaudo-se
inteiramente ao plantio.
Ora, acontece o que acabo de dizer : os enge
nhos nao moem, niao slo aproveitadas as cannas,
a companhia, como jA disse e repito, companhia
de pirataas, nit o satisfaz A avalia.o que se fez das
safras, nio paga promptamente aquillo a quo se
obrigou polo seu contract, e apenas diz aes lavra-
dores : @ Ide moer as vossas canas, perque, se
houver muito prejuizo, eu remunerar-vos-hei de
uina parte d'esse prejuizo. Mas os lavradores
ja na'o temrn machines, nio tern aoudes, porque os
desmanteharam para n'elles plantar, ja nao teem
assentamentos ; e o resultado 6 ficarem serm re-
curse, nem toererm oande ir buscal-os para a satis-
facAto de suas necessidades, por isso que abando-
naram os seus correspondeates e hoje nao l hes
fail obtel-os.
0 SB. VISCONDE DB TABATIGA- E o que iiz o
fiscal.
0 SB. BARioOnD NAZARETH- Emtuanto V. Exc.
insistir pela fiscalisacso, eu ni o Ihe darei resposta
uma vez que faz V. Exc. causa ecommum corn os
nossos adversaries.
0 SR. VISCONDE DE TABATINGA Devi cere que
o governor devia ter umr fiscal e este do ia tomato'
contas.
0 SR. BABO D NAZARIETH- Ja prometti a V.
Exe. que no fim o satisfaria, como prometti ao men
illustre amigo, deputado pelo 10' district.
Mas, Sr. president, veja V. Exe. atW que ponto
chegou o desaso dresses homes que dirgiram o
engenho Cayambuca ; par outra : quer V. Exc.
oavir o desperdicio, a falta de zelo, de euidado,
de economic alli manifestada ? Eu vou dizer.
0 engenh o temn uma roda que recebe os baga-
9as das moendas e vail lancal-os sobre um ponto
de onde sla rctirados.
0 Sn. AiNmo Comut-A- Uma rede continue.
0 Su. BARAo DE NAZARETH Uma redo conti-
nua.
Eram 5 os engenlhos que fomrneciam cannas parsa
o central. Quando elles moiam nas sunas proprias
machines, oecupavam apenas dons bragos na con-
duao d'esses baganos ; e eu follo diante de de-
putados, que sio agricultores e quo sabem per-
feitamente que se adoptsa este systems : urma pea-
soa lanca as cainas na moenda, outra do lado op-
posto tira os bagnos, e daas mats reeebem esses
bagacos para os lan9arem na bagaceira, e enge-
nhos ha onde somente uma pessoes faz este er-
5490.
0 SR. OLYMPIO MARQUES- E antes disso?
0 Sn. BARBO D NAZIARETH- Como ?
0 Si. OLYMPIO MAARQuES- V. Exe. diz que toma
a canna (riso), mas d'onde ?
0 Sa. BBAuIo D E NAZAmmn- Eu no disse tal,
e ja me estavam tardando os apartes de V. gxe.
(Riso) Eu disse qune no n ytmo adoptado urma
pessoa lanca a aana, outra do lado opposto rece-
be os bagn.os, e urna ou duas oslevam a bagaceira.
V. Exc. e filho de senior de engenho, mas nio me
da slices a esle respeito. Tenbh muito mode dos
apartes de V. Exc., nio perque nao possa dr-.
Ihes resposta, mao porque sao daos mmi stbtil-
mente, em voz muito baixa, neat sempre os outa,
e por isso pe0o-Ihe que sumnpre ou de em voz out.
V. Exe. A muito mahgno n'esto tabtias, e en de-
sejava que me onvisse corn o respeito e a aOtteici,
cam quo costmo a -ovir aV. Exe., o nile pretend
fazer eapinit. a minha custa devendo saber quo a
issono no presto e falta coapoteuria.
o SB. 0LTMma MAnqBSs- 0 men opiate messo
ladicto a fttenuae erorespeito, catfi quo estaa 'undo a. V. Lao. *
0 SB. B&BI< h* siAO*S''- tas, S. pra-tl-
icuto, quopteii a Sut l do n.. ervito pWltt

fba. be t Off~n oemekpava ob~es *vavo. g
.vol-tat T -it Z qu*irac^iis Ste1a?^ e*


5i nd e sta posioao nam os meios judiciaea,
jI ae rm & i dAuasafcaa, e *Vwap
Whha procurou a a ca-,t4 sto ar 0 teo cone.-
pido demorar o pgamenfto u qute est& obrigada.
ulesta aai"0oo 40at-hrin mi ngobo soffietlan
P;cWuto~o tmWer4 0 ops 4e a mooa r diwnmi!ui poa
demaoraa,epl0heita, e, efretanto a cotapanhis con-
t a a ca e e reit dos proprietarios se
ha ............. ,itare deputdo po 12
dle cante, i oa prfotretao qW oa pequeo a Is-
Wsadoee l r4o ja, etaOslire a sd e rn rouea
E d arazvoprAq, ao ow*s quo tractam d bando
n 8 ehos cnhon a eotrao, taedoa cam tan o p osmp
0 S. osArOM 'OScA--,Po aet pdogert etat-
0e0 o Y"a o tem a09 idt.o am grauado capital,
,Bia s uind. ao ae daat6b qje inmear upar f-
cal' 1 1 1 '
0 Sau'BanDeo Ms NAzuroii-Prs m ano aqpt el-
tairaos paa d6r.laar dogeveao gtaa erat qoaquea
idam a'sase, atidot efa e o Was cnnas e artaO-
to moais tfaie ji o ,
kn. "OA g Su.vA. 0 gaver getal aem m
r nada importance t nnenuidid perde e4 o
paiz.
It. -& B pof.t StBaI>5w r.pei
dente, quo -os propietarieos ja eomen e a pa der
as sea lavoradores, e asin drevia sueeeder dOsde
U Oelle svivem do B. baio e este -sendo per-
4 "9l 6roeeonuo qse ihAf fiea? So ao fteoo
ptietario ctauafa ? tp rL do uma safra gran-
de difference, quauto ="&i a urn poqueno layrador.
Eis a razao porque eUes estro abandonando aos
engenhoa contrctados, e d'ahi novos prejulzos.
aUs =ohor-de usrea dgenhos, vietimas dA compa-
Ahia.
0 Se Rosa a Sietdv-Por parte do governor tam-
bem.
0 SR. BABIO DE NAZARETH-A inepcia de soes
eagenheires echegou a tal potoquetoendoacom-
panhia se obrigado a dares. inhos de fero para
conduco.o daos cann, of-se a estrada de tohal
former que, quando os carrots passam slo todos elles
atirados frsa dos trilhos e a locomotiva por sua vez
vim tambea, vindb final as caunas arrasta-
das por bois!
Nao se pode dizer ma uoda d'essa companhia,
da sua inepela, da falta de idoneidade de sons em-
pregados, que-se revelam ignorantes e pouco ze-
losos, porqai e no ha palawa que possa exprimir
as cosuiras que mereosm.
UMA VOZ DA BANCADA coMNSNVAJDORA-COMO era
esta Iocomotiva?
0 Sa. BARIO DE NRAZAAXTR-Eram as cannas ar-
rastadas por bois.
E' um facto eote que estA provado, e eu nio te-
nho receio de ser contestado.
Eu festive em Palmares e converse corn asi mus
amigos inclusive o Sr. Dr. Mendo Sampaio e corn
este langamente tractei d'esse negocio.
UMA voz-E' uma das victhimas.
OUTRA voz-E que niho tem esneranga alguma de
ser indemnisada, e tudo por culps do governor.
0 SR. BABXO DE NAZARETH-Que interesse tern
V. Exe. em fazer censures ao govemno?
(Trocam-se apartes).
Eu nio, posso, Sr. president, deixar de reconhe-


cer esta veradce isto vd.se em tudos os pala-
mentos do rmundo, quanto mais nas Assembleas
Provinciaes, que, apezar de nio toerem muito di-
reito de fazer political, sio ellas que a fazem comrn
mais vigor, d'ahi a forta corn que os adversaries
atacam o governor.
0 SR. RosA E SILVA-A justica deva comeear
por casa.
0 Sit. BARBO DE NAZARETH -N6s mais de uma vez
temos visto as invectivas que veem d'essa banca-
da, e os apartes do nobre deputado pelo 5o dis-
tricto que sao especiaes, e permitta-me dizel-o, sao
atW mordazes.
Mag, Sr. president, nao admira isto: os nobres
deputados estiao ne seu verdadeiro papel; o que
admira, porerm, 6 que o nobre deputado pelo 4,
district, Sr. Visconde de Tabatinga, esteja de
vez emquando fallando do fiscal do governor.
Quando o governor firmou esse contract e a
eompanhia tomou urnm prazo para a apresentagio
dAs suas obras e tinha o maximo interesse em,
n'esse prazo, executor as obras, pois esperava au-
ferir vantagens, por isso que tem ella o seu capi-
tal empatado, muito embora sejam os juros garan-
tidos polo governor; quando o governor firmou esse
contract, digo, niao tomou o encargo de fiscalisar
a construcio dessas obras.
0 governor da provincia, porem, zeloso come se
temrn manifestado na sua administracio, mandou
um fiscal para examiner eases trabalhos, e desse
exasnme a que procedeu o Sr. Dr. Lacerda, resultou,
segundo me consta, que a informaglo que deu foi
a peior possivel; e disse elle a verdade.
0 SB. RosA z SILvA-Afinal V. Exc. confessou
que, A despeito da garantia, o governor deixou cor-
rer a obra sem fiscalisaoao : isto esta no discurso
de V. Exc.
0 SR. BARIO DE NAZA;mmTH-Pois bem; V. Exc.
podeguardar a sua opidliio, porque eu nao a acei-
to. Eu peso que o governo nio tiaha o direit.
de iatervir, senlo deppis das obras completes,
para conhecer se ellas estavam ou nio em condi-
90es de prestar o service para que haviam sido
etmnstruidas.
0 governor, portanto, nio tinha obrigagio de ter
um fiscal para assistir a construccao dessas obras,
penso eu, desde que comepava a garantia depots
do fabric do assucar.
0 SB. ANTONIO Coanu-V. Exc. vai mal por
ahi.
0 SR. BARBO DE NAZARETH Eu tenho sempre
esta presumpgAo, von mal em tudo; portm, em
eompensago rests-me urma cousa que se chama
conscience, e ahi esta o public para nos julgar,
e 6 para quemn eu appello.
0 SR. ROSA E SILVA-Eu corn franqueza lament
que um discurso destes come0asse tao bem e vA
acabar ti.o mal.
0 Sn. JACOBINA-Vai muito bem ; continAe.
0 SB. MuerA-E' uma tarefa impossivel esta.
0 SB. BAlAO DE NAZARETH Sr. president, eu
lastimo ter-me desviado completamente do meu
discurso, digo mal: discurso nio, porque aqui nun-
ca fiz discurses (nio apoiados) ; faao apenas aren-
gas, nio arengas das que fazia Demosthenes, mas
ao menos digo a verdade, ao menas nessa part
alludindo ao grande Socrates.
Sr. president, o desaso d'essa eompanhia, d'es-
sos trabalhos, chegarm aso ponto de nio saberem
os seus directors sequer assenter a moenda, como
aconteceu em Cuyabuca. Assentaram elles a
moenda do engenho Meando a virola da mes-
ma monday em posiAo deoao powder dar movimen-
toasahida do bagapo..
OSi. Dueoearo-E o caldo? subia ou descia?
0 SR. BABo DR NAZAzx --Nao Iqueira o no-
bre deputado atirar o rificulo sabre mim; nao
Mbe Mlerrompa comL seme&atW apartes.
0 Si. DmocRiTo-En creio que o apart nb A
offensive.
O Sn. BABao DB NAt4ism- 0 n0ebre deputado
nio esta na altura de ridicularisar-me.
0 S DmasmuPo--Obe ber para mmim; fale-
me melhor; oapa: em respoata a isto, dou-blhe 6.
c*)utaa.
S0 S&. BAIBO NAZAETH-E1 mais um kto
(Contbnuhun gsab-delnasgs estro as 8rs. fia-
rAo de Nuaeth e o Sr. Domocrito Oavaleante
Snao nosb foipossivel ouvir em vista do grande
IUalho -que fa m as amp s=
.I0 Sak bMI&N -Attt I
:0 S. B& ft~ftaerB^su ^ nobre



*xlrbei aw."4 ma ~ so. Pr.niio i


Foi approvado um parecer da commissa'o de
instrucVao public indeferindo a peticao do Jose
Ignacio de Albuquerque Trindade.
Foram a imprimir os seguiutes projects :
N. 14. Dispondo que os professors contracta-
dos nao poderao ser removidos do lugar de seu
contract, nem entrarao jAmais para o quadro dos
effectivos.
N. 15. Providenciando sobre a vitaliciedade dos
empregados provinciacs e municipals.
N. 16. Autorisando a constrnccao de uma pon-
te sobre o rio Una, no lugar denominado Choro,
em Palmares, despendendo-se atW 1:000,.
N. 17. Autorisando a construeco do ramal da
estrada de rodagem de Agua Preta, na altura do
engenho Gravata, findando na estaao de Palma-
res, despeadendo-se atW 6:000.
N. 18. Marcando o subsidio e]ajuda de custom
doo deputados provinciaes na vindoura legislature.
0 Sr. Antonio Correia justificou um requeri-
mento, que ficou adiado pela hora, pedindo infor-
maoes a presidencia da provincia sobre se ainda
contina no exercicio de odelegado de Santo
Antonio o cidadio Alcides lgencio Barata d6
Almeida, tendo orado o Sr. Joas Maria.
Passou-se A ordem do dia :
fContinuando a discussalo do pareeer n. 16 deste
anno (eleico do 90 district) oraram os Srs. Ba-
rao de Nazareth, duas vezes, mandando a mesa,
nao send por esta aceito, um requerimento para
que fosse a discuasao eneerrada e votado o referi-
do parecer e Goes Cavalcante; ficon de. novo adia-
da pehl hora, nao se votando por falta de numero,
dous requerimnentos de prorogagio da sessio e
orando, pela ordem, o Sr. Democrito Cavalcante.
A ordem do dia 6 : continuaco da antecedente.
Faeuld de de DIeito-Eis o resultado
dos exames de hontem:
IP arnno
Antonio de Araujo Aragao Buleao,plenamente.
Manoel Caetano de Albuquerque Mello, simples-
monte.
Joqub Agripino de Mendong Sfin5es, idem.
Tree reprovados.
Manoel Cicero Peregrino da Silvi lenamente.
h1fredo de Moraes Gomes Ferreira, idem.
Ja a BxO LIMna, simplesmente.
JoBermwdode oA6.18 rito meuw
Pedro e Cr Btd
Urcisino do Lima Godluha, iAem.

Ainio de Aua lek ea -
J4o da COt Av a de Albuquerque, idem.
I'enesl.o de O*O lG&SMSra -,iaeM
S* ciw Peixot de lacer& Wemeek, idem.

L| Diacso M~ratoBB *s d
| taode LAMO&tCemot ialemne


us-


Jtnilor l I


J. V .AmU
Diersoos


casamento)


UI i Daiup a-V& esperando por isso.
o0 8. BABlo s N-Aam --gm todo o aso ns
LtenaMr oe m o oamo devor deopeitarWo a at-
teneao do govorno, afim de que os diaheiros publi-
0OW 1a4 sejaa .iaibraa Tenho eoncluido.
NiA havendo mais quem pega a palavra, 6 en-
cerrada a discusalo e approvado o requerimento.
E' lido, apoiado e approvado o seguinte reque-
rimento: *
S Requeiro a prorogago da hora pars aprosen-
tar urn requerimeuto e dous projectos.--Oympio
Marques.,
Sri Olymupo. Marques- (Nao devol-
veu seu discaurso).
E' lido, apoiado, posto em discussao e sem de.
bate approvado o segainte requerimento:
S Requeremos que seja publicado no journal da
casa, coin os documents que.a instruem, a recla-
magtAo do Dr. Maximiniano Franoisco Duarte,-6on-
tra a eleigo a que se pte9Sneme V escratinio
no 11o district, 6 de maio de 1884o-oJ V. Meira
de Va4#nceos.-a-Olympie MJarqu.
S. o lidos, julgados objeet de deliberacAo e re-,
mettidos o A commimamo do fatenda e orgamen-
t e o 2o a de legfisoaL os uintes projeetos :
188--PiOJECTO N. 5
A AaneebHo Legislativa Provinciale de Per-
nambuco, resolve: -
SArtiyo unie. Fica redutido a 50 ris- o im-
posto de 2 Mr6e deeretadoa u lei 1,786 de 1888,
pwr litmro do vinho on vinagre que se retalhar na
provineia,.
Revogam-se as disposieoes em contrario.
SPago da Assenabla, & de -marco de 188,.-
Olympi<} Marque.
18 IS4-PROJECTO N. 6
A Auemblea Legilativa Provincial de Per-
nambuco, resolve:
O Artigo unico. A ivenglo decretada na lei n.
590de 9 de maio de 1861 nao ficou revogada polo
art. 2o 1 11 da lei an. 1,786 de 1883.
a Revogana-se as dmsposi9oes em contrario.
Paso da Assembl6a, 5 de mar9o de 1881.-
OYipo Marques.
Indopassar-se A ordem do dia, verifica-se nao
haver numero.
0 Mr, PresidMente levant a sessao, desig-
nando a seguinte ordem do dia: la discussao dos
ptojeetos us. 1, 2 e 3 deste anno; diqcussao dos
pareceres da commissao de constituigao e poderes
e dos antecedeates.


REVISTA DIAR1A
ALsemblia Provincial.- Funccionou
hontem sob a presidencia do Exm. Sr. Barao de
Itapissuma, tendo comparecido 32 Srs. deputados.
Foi lida e approvada sem debate acta da sea-
sao antecedente.
0 Sr. lo secretario procedenu Aeitura do se-
guinte expediente :
Um officio do secretario do governor, transmit-
tindo e balanco da receita e despeza do exercicio
de 1882 a 1883, e orgamento para o de 1884 a
1885 da Camara Municipal do Cabo.-A' commis-
sao de orcamento municipal.
Outro do mesmo, communicando que o Exm. Sr.
desembargador president da provincia fica intei-
rado de haver sido reconhecido deputado o bacha-
rel Amaro Joaquim Fonceca de Albuquerque.-
[nteirada.
Outro do mesmo, remettendo informac5es do
Thesouro Provincial concernentes falta de crc-
dito para pagamento de 4:449J900, provenientes
de passagens coneedidas per conta da provincial
nos vaporesda Companhia Pernambucana, a press
e escoltas que seguiram para o presidio de Fer-
nando de Noronha. A commissao de orgamento
provincial.
Uma peticAo de Manoel Antonio Leite, profes-
sor de Salgueiro, requerendo que seja reconsidera-
do urn parecer que indeferio uma reclamacao que
fez sobre o seu exercicio.-A' fommnissao de ins-
trucao public.
Outra de Florimena Joaquina de Mello Monte-
negro, professor public da la cadeira de Itapis-
suma, requerendo ser removida para uma cadeira
desta capital que primeiro vagar. A' commissao
de instrucclo public.
Outrh de Sigismundo Romualdo Teixeira, re-
querendo ser nom'eado para o lugar vago na se-
eretaria desta Assembla. A' commissa.o de po-
licia.
Outra de Annunciada de Mello Montenegro, pro-
fessora public da 2a cadeira de Itapissuma, re-
querendo que sejam elevadas a 2a entrancia as
cadeiras d'alli. A' commissao de instrucao pu-
blica.
Outra de Antonio Correia do Espirito Santo,
administrator e thesoureiro da irmandade de Nos-
sa Senhora do Rosario de Iguarassui, requerendo
a concessao de umna loteria em beneficio das obras
da mesma igreja, e Ereferencia na extraccao.--A'
commission de peticoes.
, Outra de Jose Antonio'da Silva Accioli, admi-
nistrador da capella de Nossa Senhora da Guia da
povoac~o de Paratibe, requerendo preferencla na
extracco de duas parts das loterias coneedidas
em beneficio da mesma capella.--A' commission de
oreamento provincial.


Loteria dai C6irte.-Eis a lista geral dos
numerous mais premirdos na 2.a parte da 71.a lo-
teria, ( 142 B ) concedida em beneficio do Fundo
de Emancipagio, extrahida em 6 de marco :
Numere Prcmiois
5.106 ....... 25:0004"
4:042 10:0004000
4.698 5:000.1000
4.951 2:000-000
1.079 1:0005000
1.946 1:000o0(
4.426 1:000W(00
4.955 1.00j00O
6.708 1:000%000
7.346 .. 1:000000
5.105 Approxima o 1:00000
5.107 1:000-000


Numerous dos premios de 5O OOO Farinha, milhu c foijio r51 car1As
..... Carneiros 5
700 3917 4678 | 7653 Suinos 4
999 4084 6940 4041- Approx. I Precos do dia:
162i0 4322 117157 4043- A Suino a 640 ris o kilo.
16 1422 I[ 7150 4 Carneiro a 1, idem.
Nunueroo dos premio% de 0O^O Farinha 4(00) ris ate 21) .hia.
--- Milho de 4)* a 400 r'-is a cuii.
13351 25021 334011 4757 j16279 Feijiho de 150 a 45)a1 i3,24 .
1642 2605 I3715 | 57561 6336 Foram arrccadados:
2205 2789 I14184 5922 1 6758 71 ;compartimentos le leguires.
8 ~43 idem do fariuhia e couiilas.
2345 3284 4500 6012 7144 taios ecom
4697 Approximacaio 15000 11 dle fresnsuras.
.18ditos de snino.
4699 150l$O Dove ter sido arrecadada neste di a iimpwlu-
_____________ __ cia de 1571200.
Numerous dos premios de 100 e0 Pwa wde ro5.-(C1egio dos portoe do u1
2 1373 318 473 9 76- 1 0no vapor Marf,,:- dc dCr,i,:
1373 3218 479 I 670 Dr. Jeronynmo Be.sa. Joo dC Oliveira. msew-
54 1874 [3268 5400 1 7044 riano Rabello Leite, Guilhernne N. MaciL. Joie
358 12028 4159 5531 7221 Maria ll9ambxrg. Joaquim do Prado .aunio,
4951 2539 i 4295 6402 7355 ;Manol It. Tcllies de M'ncz,' eI criado, Caer
973l A6uusto,, Cathalmnn. .Jos.o Joai4sin da S. Mat e
9731 26351 4455 640311 76511 "0.J "R -n, t
243 5 senhora. Joaq l z de All mquorw.
1179 3983 4626 16701 7 87 (),tavio 1Rxdriru 1.? (-alh. Franciso la-
Numeros dos premios de 4O" n oel Joaqnim de Xo v inra. Mn,, Pl tury. iS
A. Fcitoza e sua enil:,ra. EEuclid' *s Multa. Jasi V.
6 1290 2538 3863 5205 6332 Monte, Jos-Mari.i Fil.. Ma:h.us Machado, <-
30 1438/ 2693 3903 5235 j6400 nhorinha da Silva F..ita nint criala.
30~~~~- 13 63i 0 1i-Cheg,dos dos p~rtosdo gl no vaplr ingh,
88 1504 2718 3944 5303 6519 P Cegata os dos rt:s do sl n ine
95 1556 2774 3970 5312 6654 iJ.l. Coelho de Almila. Jolo de Moraes e
111 1563 2797 4006 5419 6799 Mattos, EuriodcCaliasBrito. Gu-tavoO. de Fi-
263 1588 2822 46 5597 6713 guciredo, Theodoro Soares, Frei epapehinlo LAen-
26 588 282 renco Ciana, Silvino Jose da Costa e um filho.
291 1645 2845 4080 5671 6733 Sahidos para a Europc no memno vapor :
469 1699 2988 4130 5831 6771 Ilenrique Z. de Albuqucrque, Lniz de M. Vas-
483 1825 3100 4320 5838 6965 i concellos, A. Landly, Balthazar de Albuqumwq-r
67 13 31 4379 905 6979 Cavalcante, Flora Cavalcante de AlhuqueIq e, r.
617 1993 3113 4379 5905 6979138 J. Pringle, Jose de Souza Sares.
660 2079 3128 4386 5916 7138 iLee-Effectuar-se-hio:
762 2087 13211 4451 5948 7166 Hoje:
785 2123 3296 4467 5967 7308 Pelo ageate Pesfao, .s I1 horas,naporta 40
804 2124 I 3347 4471 6084 738 armazem do Annes, de toucinho e care de qw .
804 2124 3347 4471 6084 73,88!p eefmantric dAli"
Pelo agente Gusmio, no trapiche do Alfaat--
814 2129 3354 4501 6113 7390 ga, ao meio dia, de cebolas avariadas.
838 2272 3390 4600 6127 7507 Segunda-feira:
881 2344 3405 14677 6188 7524 Polo genfe Silteirm. as 11 horas, no largo diA
1019 23654 347448806202 7637 earaize n. 24, de easas terreas.
1041912365 3474 48801 6202 76379 Terca-feira:
1047 2370 3574 4886 6217 7794 edo iagente Getsmao, ao meio dia, no sallo (I
1138 2468 3637 4896 6231 7867 entrada da Associacao Commercial Beneficente,
1213 2496 3690 5034 1 6251 dos navios Josephina e Damido.
1232 1i2514 I 3713 5135 6300 Pelo agent B&rtamaqui, Ms 11 horas, na rua
1232 24 3713 513 6300 do Imperador n. 22, de predios.
Loteria da provincia do Rio de Ja- Missan ftinebres-Serlo celebmads :
neiro := Eis a list dos maiores premios da 1.' Hyje : as 8 horas, no Convento da (i,-
parte da 24 loteria ( 334 A, ) concedida em fa- ria, por alma de Tito Augusto de Alblquerque
vor do Hospital de SiRo Joao Baptista, extrahida a Porto Carreiro ; is 8 hoias, nn coveito de m.
3 de marco: Francisco, por alma de Luiz Pereira da iotta.
NUEROS PREMIO8 Segumia-feira: as 7 horas, nas A Af-
NUMEROS flictos e Soleiade, por alma de D. Ana Joalui-
5.439...... .. .20:000000 na de Oliveira Quintella.
.... f ~Matadour pubMlc. Far. m abti
2.568 10:000 o0 no Matadouro Publice da Cabaga pamt o Xcomm-
4.834 4:0004000 mo publieo do dia 15 do eormeteS w58a .
527 2:0004000 Loterita da pV lMe f 8e da-feira,
250 ..1:000000 17 do corrente, seri extrahida a luta 21.", em
250 ... 1 beneficio dsescolas primaries de lutrucao Pa-
466 1:0006 000 blisca, no consistorio do igmo d< NOs Beah a
605 8006000 da Conceigo dos Militates, onde se a eUrad ex-
3.213 .8006000 postas as urnas e esphera mmdas am ordvi
4.180. **.... 800000 numerical A apreciao do piublieo.
4.180 90L & ca -lt e--A-~od~r-
...... (06000 Casa de Ietok 1,".- -evinwt do. pre-
5.273- ...--.. -. -80000 sos no dia 13 do ens:
-DE Existiam preom277, tra, 21, sahiram 27,
UMOS DOS PMIOS DE 5 existem 271, a saber: naciome M 239, UMdheq
401 451280 5438--Aprox. 6, estrangeiro 9, eravu 17.-Total 271.
401 2451 2801 5438-Approx. Arraodo 252, sesmdo: bons 238, doestes 11.
1683- 2791 583415440- t -Total 25-2.
_____ ___' 'r ______' Cemiterlo Publlce-Obtwuro do dia 1i
NUMEROUS DOS PUENIOS DX 20 0 de mar4o:
______________________ Jos4, Pernaanbueo4 meos, S.Jos4 febosepa-
59 580 2870 4576- lustre.
168 1457 3044 1 2567-Approx. Americo Alexandr Pe Somacs, 2 Ad, -
181 2600 3970 2569- .... teiro, Boo-Vit pul .
____________________06_; *ened*.ro 9moes
NUjMEB0 DOS PREAi0S DIE 100t000 pneumonia.
a_ I _- I Joao Francisco Covalesute de MA B% WN-
145 1906 1 273 3494 4493 buco, 29 amfos olteiro, Ba-rt-Wa; -
I 1 2,631k
163 2125 2826 3560 14689 eiosa.
499 2465 i 2937 3844' 5063 plomena & Db B 2 m
1278 1 2668 j 3413 141371 5698 ie;t S i0^
1514 27461 3471 !4145 .o e pijoidf daeio.. _
:1(Maria, Pcemmabaoe ... d .YS; a


116 t0%F& 23051 353N 1 d m;
-1261 1258, 25711 3&~72' 4406 M~1|^ **'-' ,
'142' 1 129 1: 2669 1. 3818 ^ 4457 ^i~^|lHg^^^^^^^i^


Paicfc de conflrarlas.--eunem-sa
amanhAi'As 10 horas do di, em' assembl6a gera,
no respective consistorio, s meoimbros d inarnda-
de das Almas da matrix de S. Jose, para o fim de
elegerem sua nova admiistracb no corrente
anno.
Para igual fibt remem-se os inrmlos das Al-
mas da matrix do Corpo-Ssnto, As 4 1/2 horas da
tatrde de seguada-feira, 17 do corrente.
Proag.undla do 4 sia Panella.
-Em assemnbla geral devem riunir-se amanhii os
membros d'esta associa6o pars elegerem seun
nQvo conselho administrative.
Loteria do Yp tranga. Dove ser hoje
extrahida em S. Paulo a grande loteria do Ypi-
ranga, 34.serie, cujo maior premio 4 de 200:000.
Conrerencias.-.Consta-nos que o Sr. aca-
demico Ribeiro da Silva tenciona fazer algumnas
conferencias sore a vantagem de awocia5es lit.
ter-ias, c-cadas e mantiddae pda iniciaiva parti-
cular, e serm interferewncia do govern.
leuifio aeadsoeula. Amanh, as 10
horas do dia, devem reunir-se os Srs. academicos
na s4de da sociedade Nova Emancipadora, i ru
do Imperador n. 31, pars o fim de tratarem de as-
sumptos referentes as festas pela libertaoao com-
plets. do Ceara.
Preelpitoa-se na rua -Hoetew, por vol-
ta das 10 horas da manhi, a reta Henriqueta,
de propriedade de D. Olympiaog:stsuga de Mo-
raes Sliva, resident A rua da Imperatriz n.30,
atirou-se do 2o andar abaixo, ficando bastante
maltractada.
0 subdelegado logo quAe toeve sciencia do facto,
dirigio-se ao lugar indicado e procedeu sna forms
da leI; e tract& de verificar o que den lugar a
Henriqueta assim proceder. A infeliz foi recolhi-
da ao hospital pars ser convenientemento tiacta-
do.
R Besistencia e ferimento Ante-hon-
tcm, as 8 horas da noite, foi apresentado ao sub-
deleg.4do da freguezia da Boa-Vista, o individno
Joao Baptista de Cerqueira, ex-praca do eorpo de
policia, preso em flagrante delicto por ter, no
becco Amarello, desarmado o soldado de policia
Antonio Umnbelino Leite, e ter resistido A prisao,
sendo necessario as pranas que o prenderam em-
pregar a forga, sahindo Jolo Baptista levemente
ferido na cabeca, em oonsequencia da luta que se
deu.
Contra o mesmo, o respective subdelegado vai
proceder na form da lci.


_ps, B-mrn m*g-lepmq ois


-" O.g n ae deme ^ f wb6-MMMM Po-

noambuc din or-ouratos do Liwrwin Uu-we~ as
6u doVttOBa* dIcim-a-a .
: oa 1 2L. A




Iev~ist UmIIImaI iimI5ili-/3 o .-
bounos lmoutm doc o a. 8, do hi i.,,
desta revistio. is o -vie :
Desx dea4m~o doe proqna fglag do ce- q-



veoa comardo pelq Su empieo I ai Ie l Ie-


Cao do a ,Eipuraad a, S. ia e sh ao r-
to dontMauca;*on psi. capaito 4. I m P e



Edu aro Wadmenkonk.
nAmbues as gwemtte d& Liri -ftnLa



Rodoro do d a todo a ri w9.r-



uombuo o lmaaumhis, psi eoist e do
bemos hoatem da code o a. 8, de i.m-..
Ndest. r evista. Eis polo d fr La
Deoedp* da =ad da a vi
vetoa so as do Bloort q slio em dmipage0
Cabo do Bo-Efperawca &. Beim& ear r per-y
Jotos da Manchs Ssod, cmadpitlo de or q gum
Eduaordo Wande a.sL



de
Exbracos do reiaterim, que sto ebAl do divib~o
do evehigies, arwo so Smmih > t
balhos d'esta diviao, e m nveabro de 16L, e -
pitAo de fragata Luiz Philippel do &Whab da
eama entIo commmanAndo a orveta Ovem6mv.
Noticias varis. Simar: 0 meom a
ohines T2 Ya.m Labmw-torpedo .kinik-
Hospitaipmnawa.-A graa-de '-fln vreMimd.
estreito da Sonda.-Us& explios -e Wahik.
-Metraloadora Nordenfilt. Un Iw fIl. A
eanhoneira sSaa, pelo P te1t" e Qmf e Piha.
Pa-rmi -A grande utilidods dta p-
parelhos, para garantir os e-difcios, e as "ids dds
que n'ele residem, incomtestaveL
As ultimas trovoadas que temrn desabado sdAe
esta cidade e seus suburbios; as faiscas elecftien
que, de algum modo, causaram estrago e glrn 1-4
panicos; corroboram a neoesedatbe de tilsa--
dos pdra-ramios, que o umna mgurs e lifiv p-
rantia para os edificios; alma de que a & ao* I .
nefica se estendc a umna Area mais on mems ex
tensa.
Havendo, n'eta cidade, quem e propomha a for
never aquelles utilissinmos appareihos, podm eo
pretondentes procurar infvrmanes 'esat typ
graphia.
Operaao eirargiea--Fi pratieakda 'i
hospital Pedlro H no dia 13 do corrcnte a seguinte:
Pelo Dr. Malaquias :
Amputa*o da perna direita polo method eir-
eular no lugar de eleigio, reclamada per fak 'am
dupla corn terida da arteria e tecidos mlono dx
perna, em unm raso que cahio do maotro do Ivio
de que era tripolante, sobre a borda do memo :
no mesmo individuo reducelo de luxaclo do astra -
gal esquerdo,
Loterias do piraMwa-A 3 sari dmta
loteria corre iunpreterivelmente hoje, 15 do eor-
rente; existe um resto de bilhetes na Cam da
Fortuna, rua 1 de Marco n. 23.
Mercado Muiciepal de do-6-Para
este estabelecimento entraram no dia 13 do eor-
rente 30 bois pesando 5,876 kilos, permtami
a diversos.
Foran. vendidos a preco de 8)0 ate 400 r6is o
kdo.
No mesmo dia entraraim para o mesam e-
tabelecimento:
Pcixe 215 kilos
Fructas 6 caraa





















Lope. uie


AV1


146 hom 44 diaeaau. Pw e-
e. L*Iewd do'1. Cmkssti,
itidico da Faculdade e Pas, ode ser
.2 -8urado em u e onsoultouio a raa do IIn-
perador n. 44, 1.' andar, das 11 ,s 8 ho-
rA& da tarde. Reaidencia a ruita do Hapi-
.cio36, onde d& oonsultas das 8As10lda
manhal e recebe- chamados por escripto a
,qualquer hora do dia ou da uoite.
0 Dr. Carlo. Bettecort, medico eope
dor, corn pratica nos hospitaes de Parie-
e Londres, p6de ser procuwado no sen con-
valtorio A rua do Marque de Olinda (riua
da Cadeia) n. 34, oftded conmults pra-
ticaoperao 12 aIA 3 da tarde. ha-
imados por eoscripto. Numerous telephonicol
79 e 99.
4 dradetAma
DA consultms em sen consultorio A rua
Larga do Rosrio n. 50, 1* andar, de meio
dia as 2 horas da tarde. Chamados por
escripto dirigidos a sen consultorio, ou na
pharmacia Pernambucana, A rua do Cabu-
gi n. 11. Residencia- Capunga-rua das
Pernambucanas.
Cmeul rio med#eA eirwrteo
dentarie
0 Dr. Jeaquim Camara, dA consultas
todos os dias, de 10 horas da manU li 4
,da tarde, rua do Barlo da Victoria n.
52, 2. andar Chamados a qualquer horsa
Occulista
Dr. Barreto Sampaio, consultas de 1 As
4 horas da tarde, na rua do Barao da
Uictoria n. 45, 2." andar, residencia, rua
de Riachuelo n. 17, canto da rua dos Pires.
Bougar4d Ca.
Recife: rua do Marquez de Olinda n.
16 Santo Antonio, rua :Primeiro de Mar-
go n. 3; Baa-Vista, rua da Imperatriz n.
54. Grande fabric de cigarros a vapor.
Especialidades: Cigarros, charutos do Ha-
vana e nacionaes, cachimbos, tabacos e ob-
jectos para fumantes. Livros de medici
na dosimetrica e unico deposit da fari-
nha lacdea de Nestle, para os meninos de
peito e leite condensado.
Dregarla
Francisco Manoed da Silva & C., depo-
sitarios de todas as especialidades pharma-
ceuticas, tintas, drogas, products chnimicos
e medicamentos homceopaticos, rtua do Mar-
quez de Olinda n. 23.
Pharmacia Pernambucana
Rua do CabugA n. 11 de Antonio Mar-
tiniano Veras, pharmaceutico. Avia-se corn
promptidlo e esmero todas as receitas e
encommendas que Ihe forem confiadas.


PUIBLICAkOIS A PEI1BO

Lagrlmas


SOBEE 0
PRIMA
DEIRA,
MENTO.
FAMILY


TUMULO DE MINHA INNOCENT
DEOCLECIA M. DE TORRES BAN-
NO 60" DIA DE SEU FALLECI-
SAoS MEUS HONRADOS TIOS E SUA


Yet one kiss on you pale clay,
And those lips once so warm,
My heart! my heart!
Zillah Cain-Byrma.


Rosa de am6r, rosa purpurea e bella,
Quern centre os goivos te esfolhou dacampa ?
Garrett.
Para que nascer tao tarde, para morrer tbo cedo,
Meu Deus, senhor meu Deus?! p'ra que, p'ra urn
somno tredo
Mirrar n'um peito virgem de dezenove annos
A flfir das illusoes ? nos seios tao insanos,
Atrophiar-se a seiva, que a vida propagava
N'um coraco de virgem, n'tm peito que amava?!
Em vez a urma capella de noiva para a front e,
0 crepe e o veo da more ?! em vez d'um horisonte
De sonhos cor de rosa, um tuxnulo e uma cruz ? !
E' triste, 6 muito triste a asina, que conduz
Uma creanca A morte, que faz d'um bergo um
tumulo!
Porem, talvez, quem sabe; se a morte -nao 6 cumulo
_De flicidade, ou bergo d'outra vida nova?
Embora. E' doorente lancar-se n'uma cova
Um corpo de donzella tao bmoa e bella ainda!
Depois esta certeza de uma ausencia infinda,
De nao se ver jamais um gesto,um movimento I
Siquer a tenue sombra do corpo um s6 moment!
Oh quem pode callar a dor e a saudade
WNo coraao dos pais ? e quern pois na verdade
Ao ver morrer-lhe aos bragos a filha qu'estremece,
Sentir que aquelle peito ingenuo so arrfece,
A f onto tomba inerte, o coraao estanca,
A luz dos olhos find, e a c6r livida e branch
Debuchar-lhe na face a pallidez da morte,
Nip vio qne o coracao ao latego da sorte
No peito s'estallAra ? e a dor que o ferira,
Fizera-o crer, que a more e sonho ou mentira ?!
Porem, a pouco e pouco a reflexio invade
0 cerebro em delirio, e entao a persuade -
'Qae em vez de ter nos brsos a filha estremecida



Praca do Reelfe, 14 de mar"o
de 1884
As trees horas da tarde
Cota5Se officiaes
Counos salgados secemos do Rio Grande do Norte,
,590 ro. o kilo.
MDtosditosdoAraj, 590r n. okilo.
C.bio sobre Baha, avist, 112 010 de premio, do
hbanco.
S Cambio sobre Para, 90 d/v. comn 2 12 /0 de es-
conto.
Q Cmbio sobre Londres. 90 div. 21 78 Ad. edo
baacoo 21 5i8 d. por 1US.
Dito sobre dito, Aviita, 21 88 d. pr 1I000, do
baneo.





AwAsvax*DA=D II A13 488:U4A975
-idP J" P ,14


Xlb lyrie entire ey 'e I A' I -A ,

. .- ..< e. ^,< '.- [ .: "e"
NO e11"io 9nd e golvo c'w"sd.'bro*4ra!

E' trde E' ruito tUr4! A Iu somnolenta
-A .pa",a umie WS 's*let
Assom*n no norint a curAa' deMArfm *,

Do agitar da as voli"s !rerdo
Qude a pouco poe mo ra0lo.bwo s beoP1-
DVmit studio, dop humiem um maeio weept,
0 a cuia*s, 0 ves erehto, o septico!
E' despota o ile ol, & ativo a *bradceaero
Quo baixsaa oma tsevna e sobe a um wteirot
abeu-? neesta ena d4emmaf.c d e m yatrio
Qu'eu nquer tranupotr 36 mai aviaso uemitetrio.
Eeste o orgro tomp dagestaS a : Morte!
Acude tudo abstaom o our*, o sceptre, a sorts!
Aoude os reis a ervo, o reat e osfatheus
Vem suppliabe huea iv a que a W gi o a m DenDu
Oh! e fertile d morte!I rdm de sepulturas!
Aqui se perde a mente do homem em conjctueero
Maim long quoe o remorse, mai avidaa quo a
camps!
QUem pode prmescrutar e que a lo.U tapa!
Querm sabe s e a seiva que ao govo a vida de
Nao foi a leiva infectsa d's raneo que morreu?!
E queos ao v erdo o de na o se aombno aspect.
Na1 Ihe rallou lilente a dor dentro do peito
NAG lamento uam pai, um filh%, ou u irmao,
UPaa pessoa ou mle? Do quen o coraMe
Se conservou quiet%, tranquillo indifferente?
Perim nem meomo aqui domma a igualdade
P'ra o rico ha maumdJeo, la cbraoas d audade,
Ha lousa, ha crue de marmOr aepitaphio nobre.
Porem, pars o prwscript. o infodi, o pobre;
Nao vede s sobre a relva ineulta, asi um canto
Mesquinho, abandonado, trite eomo o pranto,
Erguer-se uma cru preta, arrmuinada at 4
Alit repousa o pobre, e isto, crede, 6
0 que gnhou est'homem na sua vida inteira,
A unica heranga ao mundo e derradeira.
Pois bemn, se esta crus, que a- crenga o permittlo,
Foi 96 e quem a elle os seus brasoe abrio,
Deixal-o pois qn'ao menos se abrace co'a cruz.
Corn eu id'lo querido, de fA, do crenca e luz!
E' tarde 'E' muito tarde! A ba9a luz da lua,
Banhando corn seu flacido relent a lage n4a,
Faz branquear os tumulos de entire o arvoredo.
0 ar que se agita subtil, come em segredo,
Parece mclancolico nasa felhas do cypreste
Gemer uma canglo de morte, doce-agreste.
0 baloinar dos goivos n'uam murmurio branco;
0 torvo esvoavr do mocho ehilreando ;
A cruz que abre os bragos ; o fusilar incerto
Da luz dos fogos fatuos no pautano desert;
E o langue perpassar da brisa gemebunda
N'nma abundancia esteril, n'uma aridez fecunda
De ossos e de craneos emn um silencio austero,
Acorda no ambiente tristonho em torn severe
Urma harmonia lugubre de morte e de saudade !
Em fim urma apparencia de sonho e realidade,
De morte e de vida, 6, pois, o que parece
0 cemiterio aos olhos de quem soffre e padece.
A' virgem que repousa alli, na soledade
De urn mturnulo humilde, est'hymno de saudade.
Dorme oh! dorme anjo de amor na paz do just !
Lyrio entr'aberto, que a aridcz de um solo adnusto
Em goivo transformou! Dorme! oh! dorme em paz!
Nao iam alem do tumnlo a confusao fallaz.
E as vicissitudes da vida e sonhos scus :
A quem o tun'lo tudo ; alem o turn'lo Deus!
Pois que o just, como o heroe nao more, muda-se,
Nao vae de onde estaes a dor, que aguda-se
No seio maternal ? a lagrima, que cai
E molha as cans honradas da face de teu pai ?!
Nem ouves teus irmaos, que tua ausencia infinda
Lamentas constemnados em supplieas ainda ?!
Pois jA que'entr'es felizes 6s tu agora
Este cpitaphio em nome de tua mai que chora:
,, Repousa Ia no ceo eternamente
E viva cu ca na terra sempre triste.
Recife, 10 de marqo de 1884.
Esmeraldino 0. de Torres Bandeira.

Eeli o dos Julzes, escrlvies e
reals devotes que hio de fes-
tejar o Glorioso iartir S. Se-
bastijo, que se venera na ea-
pella de Goyanninha, da co-
marea de Goyanna, no anno
de 18SS.
Juizes por eloicao
0 hIm. Sr. major Ursulino Cavalcante do Rego
Vasconcellos.
A Exma. Sri. D. Josepha, esposa do Illm. Sr. ca-
pitilo Ludgero Cavalcante da Cunha Vascon-
cellos.
Juizes por dovocao
0 him. Sr. tenente Francisco Tavares de Mello.
A Exma. Sra. D. Francisca, esposa do Illm. Sr.
Claudino Cavalcante de Oliveira.
Escrivaes per elei.o
0 Illm. Sr. JosO Cavalcante do Rego Vasconcellos.
A Exma. Sra. D. Maria, esposa do Him. Sr. te-


nente Joveniano Jos6 d'Albuquerque.
Escrivaes por devoeo
0 Illm. Sr. capitao Jose Amancio Pereira Malta.
A Exma. Sra. D. Maria, esposa do Sr. Joaquimn
Correia de Araujo.
Juizes protecteres
0 Illm. Sr. Jose6 Gomes Correia d'Oliveira.
A Exma. Sra. D. Maria, esposa do Ihn. Sr. ca-
pitao Jose Bezerra Pereira de Lyra.
Mordomos
Os Illm. Srs.: --
Professor Manoel Ildefonso Pens Forte.
Virginio Martyr Brandao.
Jese Maria Freire.
Tiburtino Jos6 Pedro d'Oliveira.
Francisco Martins d'Oliveira.
Arminio Barbosa Cordeiro de Mendonga.
Joo Ferreira da Veiga.


R Iira D Ke--D 1 a41
Idem de 14


i26066
2:176A876
36:437I639


DESPACHOS DE3IMPORTA(VAO
Vapor naciounal M de COadas, entrado da
Bahia eescalas no dia A&oeonet, e couMig-
nubo a Domige" Alves Xitlheus m&Ksion :
Algodio 66snaccas a Albetov k .t- 250 a
Mende Linma C., 50 a Baltar IrO & C. 50
a Antopio do Oliveira Mai. Asmca 160 eace
ao consigmitario, 398 a Pereira Carneiro & C.,100
a7 Lda Si!va & Pint o.
Baigda 27 sauces a Alberto Vaz C.
Coures 263 aJo6v da Silo lvyo & FilAo.
Zsteiras 260 a Ja6 A. da avaBSanto..
Mike- 500 wsasco a 141. G la dS ava
&Pint* 10 a Soe"' do A Iulm 100 a
PetimraCarneiro &C.,3867a A VbiozVa
Oleo do ricino 80 lawta a Liu ronesl.es da

1Reaboios 25 a F .etmEl ro & C. .
Sola& Mt2 4 ,L"a nls & C.


"a do Illi. Sr. Mauoel Pa-
Dum. Br. Manoel scillo da
lpla. Br. JmA6 Felippe do
-. Paixbo, filsa do ;li.. M.


AL- ,;p*f ff we:






Irsaelosoe .U.
Confmdo lA r )"*o- d '




Foole, 4.i4 nasql yl da ,hamks h mam
yisfm soBd e i. .emetrom 0edes el4ode -
Feranoco4ww M~ -, eb :tt ooto



eomar9 fluaivwidRAW Prs~
meato elng uid imolimg pa t pa eeno
0 sliaei todio aquew re ro e Meldol
Gk~anmh,20ei~caoel684 el


e aritmpe uos iv e ba e o s uenesdaoe e lli-
Fesando q verie.aapelass bovey oda opreiao
Aosgesado Bapr oats meaim re o m de aid4oe
enrogo- he oquoenmalPrie se 4 u4i ra et0Iou-
mo eAmunais do a a1m4o-h1,a ineka, enaeyoffe-
onecid & tbod on que l omreened o o meno
Pfoco ernamxliaram1 d 'se emdeafo e1pe8a
Hofesad po eftero dei Albuque rque.a

rog-lhc, ue na iminaaeenit er ni e--|
dia coo eloent o Wdispeasavel para desenvolver
a itealligenci, diftundir a iastruqo e eduear o
espirito para o convivioe do. livros uteis e das lei-
turas verdadeiramenteo pveyvtosas.
A's pessos a quoem aqu vim recommendado, e
quoe tanto me obseqeiaratm,o coei(oso por este mo
o testernunho do moneu reonheeimento, e ies offle-
reotem Liba o aehum limitado preastimo.
Pem embnco, 14 dei marngo de 1884.
Hem-ruie Zeferino do Albuquerque.

ant so jondiri s e aral nterno
i&-Rua da imiperatrhz-.I6
Este college o acha-se fimcionado doesde e o dia
7 de janeiro.
Continia aberta a matricula para as aulas do
curemo primario o e igualmente do preparatornio.
Comn um corpo docente recofi mondavl, o direc-
tor promette envidar todos os eeforgos para cor-
responder A confian:a d'aquelles senhores pais
aque o quizerem ihonrar, ponfiando-lhe a educao
de sems filihos.
0 curse primario acha-se limanitado a um nume-
ro que nAo admittirna mais de 40 alumnos externos.
A reform porque passou o estabelecimento ga-
rante as boua condioes exigidas para o internato
e isto podera ser observado por aquelles que qai-
zerem honrar o estabelecirnento nas horas nor-
maes inclusive as de refeiAo.
As prestagoes seo :
Para o alamno interno, por trimestre 1204000
Idem, idem sem-i-interno, ddem 75a00g
Idem, idem externo, pimao, idem 20000
Idem, idem, externo, seehndario, idem 20o000
Corpo docente
Portugucz-1a cadeoira, 2 horas-Vicente Angusto
de Magalhaes.
Idem-2a idem-0 director.
Francez-1a idem-Vicente Augusto de Maga-
Ihaes.
Idemn-2a idemn-Dr. Joao de O liveira.
Latim-la idemor, 2 horas -Dr. Reynaldo da Silva
Porto.
Idem 2a idem-Dr. Joao Fgliciano da I.1otta Al-
buquerque.
Inglez-Dr. Fortunate Raphael Bittenopurt.
Geographia-ei cadeira-0 director.
Idem-2a idem-Ignaeio do Rego Barros Pessoa.
Mathematicas-1a idemn-Vicente Augusto do Ma-
galhes.
Idem-2i idem-Dr. Antonio Fernandes de Sa
Antunes Filho.
Curso primario-0 director e 2 auxiliards.
Director, ifanoet Chrysog io da Silva Braga.
A director da music popular
de Born elardim e os sens vAs
calumniadores
Fomos desagradavoelmnte sorprehendi-
dos corn a leitura de um npasquim, em for-
ma de missiva, na Gazetilha do conceitna-
do Journal d e 27 do mez deo fevereiro ulti-
mo, em que o useu autor procura langar
o ridicule contra a festa de Santa Cecilia,
que teve lugar ha dias nesta cidade sob
a exclusiva direcca'o da musical popular,
dizendo inexactaniento quo so foi ella con-
corrida pelos escravos alforriados ultima-
monte polo fund do emancipa oalo!
Qore ifamia!
Isto s6 6 propsio deljagodes.
Nao e assimo que so abusa da redaco
do umjdrnal cniterioso.
Provocarnos ao baixo delactor pars quo
corn a sna assignatura venha confir-
mar o acervo do inverdades a quo alludi-
incs.
Ee so assirn nao o fizer, certo sera
considenado polo illustrada Redac~ao do
Jornal do 'Recife, como urn famoso saltes-
don do aihejas reputa90es.
Aceitara o corajoso cavalleiro o repto
quo ihe offerecemos ?!
Davidarnos senismonte.


Born Jardim, 5 de margo de 1884.
Jos6 Francisco Cordeiro de Arruda,
Prisidente.
Joaquim Gongalves da Costa Lima Filho,
Director.
Jobo Gelasio de Andrade Lima.
Vice-director.
Antonio Joaquim Freire,
Na baresa portngeza Afrca, carregou:
Para o Porto, Baltar mios & C. 600 saccos
corn 45,000 kilos de assucar branch.
JPara e 1erfiew
No vapor singles Commander, carregou :
Paa Maci6, Cardo & IrmAo L2 barricas corn
farinha de maadiea. -
No bn*gue nucional D. 'pwmc;ca, carregou:
Para o Pant, F. Mafia 6 pipes e 50 brni cem
7,680- litros de aguar4ente.
No hit aco Di Jrancia, arreg :
P ara o Nalal, P. Alves & C.2 barricas corn 12
Wios'de assmcar refinftdo.- *
SPara Mm~aacaJA P.'Alves & C. 1 karriea


1,029kilosdeMU1 Q O e? tdo
&4DW 2 saeees comn lf0dtt deidito brauco9

1OVDMBSO D PRT


Buenos .
single


Navios entrmao .no dia 14,
Ayres oe uloa 32,


I creseite d


$ebastitolippop tuw Ft, iF. Bor-
g=a, Dr. Antonio Pereira Simoe., major
o.Lauren Jo deo Miranda, Jos6 Noguei.
ra do Sousa e Innocenci daaCunhaGoyau-
ua Junior, represeutando, 1,509 aoes on i
h46Q0j ), mais de urn quarto "capi-
tal real.isado, e 35 voto, como preceitu a
li 3,15,deo4 de inovembro, de 1882,
e nao tuodo ooparecio o Sr. presidents,
foi aeclamado. pa prsidir a sessbo o Sr.
ebptiio Lope umaes;r que convidou
pars, seoretaro mowr. F. F. Borges.
Assim A "W& a. mea, declare oI
.r. aberta a esso, GOuI a Srs.
tacciouita ,eente, de accord corn o
art. 64 do r. n. 8821 de 30 de de-
rmblo de 1882.
Foi lida e approvada a acta da sesslo
antecedent.
SExpoz o Sr. preaidente que o fim da
present seesbo era a leitura do relatorio,
tomada de contas, a eleicae de um direc-
tor e dos respectivos finaces.
Depois de lido o relatorio que havia sido
distribuido aos Srs. accionistas presents,
e parecer da commissno fiscal, foi este ap-
provado unanimemente, nao o sendo o ul-
timo period do relatorio, em que o Sr.
gerente, em cousequencia de se terem ag-
gravado os incommodes, que o tern affligi-
do, pede exoneragbo do cargo: contristan-
do isto sobre maneira os Srs. accionistas
presents, puderam obter do mesmo se-
nhor a promessa da continuago de seus
servigos, que nto forem incompativeis corn
o melindroso estado de sua saide.
Procedendo-se ao sorteio do director,
que tinha de sahir, a sort designou o Sr.
Francisco Gongalves Netto.
Tractou-se em seguida da eleigio de 1
director e 3 fiscaes, recolhendo-se A. urna
6 sedulas, que deram o seguinte resul-
tado:
Para director


F. F. Borges
Jos6 Nogueira de Souza
Para fiscaes
Manoel Jos6 da Cunha Porto
Theodoro Christansen
Dr. Antonio Pereira Simres
Antonio Jos4 C. Guimaraes
Foram, pois, eleitos, os Srs.
para director, Jos6 Nogueira


25 votes.
10 D

35 votos.
35
34
1 voto.
F. Borges,
de Souza,


supplente, e para fiscaes os tres mais vota-
dos.
Pelo Sr. F. F. Borges foi apresentado
o seguinte requerimento, que, lido, foi una-
nimemente approvado.
Requoiro que na acta se lavre mu
voto de sincere agradecirnento ao illustre
Sr. gerente, que, corn sacrificio da propria
saude, nao s6 toern concorrido para a con-
servago do uso e gozo dos melhoramentos,
em cuja posse se acha a historic cidade de
Olinda, de agua, luz e conduccao accele-
rada, mas tambem os augmentou conside-
ravelmente salvando ao mesmo tempo da
imminent ruina, que ameagava ambas as
emprezas, e livrando seus accionistas da
perda total dos capitaes n'ellas investidos,
o que, a realisar-se traria o descredito ab-
soluto das sociedades anonymas, e empre-
zas semelhantes, unicas capazes de grandes
commettimentos.
A cidade de Olinda, a Brighton do Bra-
sil, ao mesmo senhor deve a sua restaura-
91o, eos seus habitantes e frequentadores
do tempo calmoso, as commodidades, de
que elle foi active e energico autor e ze-
lador.
SerA, pois, sempre4lembrado corn vivo
prazer o nome do Sr. Laurentino Jose de
Miranda, a quern offerecemos nossa admi-
raeao e agradecimentos. 6 de mar9o. -
F. F. Borges. )
E nada mais havendo a tractar o Sr.
president levantou a sessao, sendo 2 112
horas da tarde.

Ti~iortoflftn f n Ifo
LUb aoradll go1 Cu Idia
Aos senhores aeademleos
A commission encarregada da solemnisa-
gao do memoravel dia 25 do corrente, em
que se realisa a complete libertaao do
CearA, convida os Srs. academics a se
reunirem domingo, 16 do corrente, As 10
da manht, na sede da sociedade Nova
Emancipadora, a rua do Imperador n. 31
corn o fimn de tractar-se de assumptos que
interessam A mesma solemnisaglo.

The Central Sugar Factories of
Brasll, Limindted
Pelo present ceclaro a quem possa in-
teressar que, desde o dia 1." deste mez, a-
cha-se encarregado dosnegocios judiciaes
capitto olanes, carga various
goneros; a Johnston Paiter & C.
Rio Grande do Sal por Macei6-35 dias
patacho dinamarquez Expraess, de 150
toueladas, equipagern 6, capitao N. R.
Hansen, carga graxa; a Domingos Tor-
pes & Carneiro,
SaAhido no memo dia


kLiverpool e escala--Vapor inglez
gonia, comuaadante James Bars,
varies generos.
Porto-Bnigue ertzue Tito, c
Jos" Lope., carga vanios generous.


Paft,
carOga

apitbo


VAPORE8 E AOS,
Pwtasede Blt'im'ore t hoje
_Aootcwgm *11111111- a uropa iiam nh
.Pard do'sil a 17
r da Europa a 18-
&^Z de Ma do sl & -18.


EH~rieeri a dafbr-
i a dever prevenir as
[ores do feu acredita-
a-epQeelma2o Sempre
que procuram tdo


.0 1e3310 poswivel e i0itposaVas pars 0
abolo de ou.casa(!)
Actualmente correw por ahi uns cigar-
ros cujo papel tem o desenho de um bidsco,
maS um bi cavilosamento preparado, e
que facilmente se conftnde corn o 2Tgre.
Asm 6 S[ue muitissimos apreciadores
dos noseos cigarros sido illudidos por
meia dusia de tavereirs que ainda
preferem aquelles doe nossos, pelo facto
de serem mais baratos, e conseguintemen-
te inferiores, nao eM Ihes importando o es-
tomago e a bolsa do freguez, nem o cre-
dito denoses marca.
Cautela, Srs. consumidores I Estudai
bern os tra"os do Jigre para no series
enganados corn o tal bicho 1


inslilulto Dezenove d'Abril
Curso intemo e externo
comprehendendo ensino primario
e secundario
meB A DURBCQLO LITTERARiA DR
LizPorto Gamin eoarios Porto

.Cailu~
B DIMECIO ECONOMICA DE SUA lI
D. Josepha A. Porto Carreiro


que tambem se encarrega da
AULA PRIMARIA
Rua do Barlo de S. Borja


n. 49


Gabotet iomlco-Cir co


DL> I. ALC33Z4DS 7ZLLO Q
Pode ser procurado a qualquer heora do dia ou da
noite, prestando-se aos chamados fora da cidade
corn today a promptidao. Pratica operates.
Da consultas das 6 As 9 horas da manna e das
3 As 5 da tarde.
Rua Nova n. 45, 10 andar.

Fadclita a denti o e previne as
convuls6es

Cardornus
Unico deposit na Pharmacia
Do Dr. Sabino
43-Runa do Barao da Victoria-43
PERNAMBUCO.

MANCHESTER
(INGCLATERRA)
PEREIRA & C.

Negociantes
Fazendas e generous de exporta.ao, ma-
chinarias, atensilios diversos para fabrics,
engenhos, etc., etc.
Mawson Buildings, 28 deansgate---Man-
chester

0 Dr. Carneiro Leao,
tern seu consultorio medico na rua Duque de Ca-
xias (antiga do Queimado) n. 57. Consultas dai
11 as 2 horas da tarde.
Residencia A rua de Vidal de Nogreiros n. 130
Chamados por escripto a qualquer hora do dia.


EDITAES


0 desembargador Henrique Pereira de Lu-
cena, commendador dcia Inperial Ordem
da Rosa, cavalleiro da deo Nosso Senhior
Jesus Christo, official da Leg.Iio de Ion-
ra, juiz de direito da comarca d. Jaboa-
tao, etc.
Fago saber aos que o presented edital do pra~a
virem, que por este juizo tern de ser arrematado a
quem mais der e maior lance offerecer, no dia 5 do
mez de abril proximo vindouro, na casa das an-
diencias, As 11 horas da manha, um grande sitio
de coqueiros, denominado---Candeias, sito na po-
voaoo da Venda Grande, desta comarca de Ja-
boatao, avaliado em 10:0005000, como consta dos
respectivos autos, existentes no poder c cartorio
do escrivao que este subscreve, e 3 qual fkra pe-
nhorado a D. Anna Marques Pcssoa, por si e como
ftutora de sua filha menor Anna, em virtude de
execugao que Ihes move Rodrigues Carvalho &
Companhia.
E assim sera o dito bem arrematado a quem
mais der e maior lance offerecer no lugar, dia e
hora acima indicados.
E para que chegue A noticia A todos, mando ao
porteiro do juizo que affixe o present no lugar do
costume, que se passe a respective ccrtidao e seja
publicaedo pela imprensa.
Dado e passado nesta villa de Jaboatai, aos 8
dias do mez de margo do anno de Nosso Senhor
Jesus Christo de 1881.
E eu, Joaquim Ramos da Silva Morira, escri-
vao privativo das xecunoes, o subscrevi.
Henrique Pereira de Lucena.
0 cidadlo JMo Gomes de Oliveira juiz de
paz, em exercicio, da freguezia do S. Fr.
Pedro Gongalves do Recife, etc.
Fago saber que por part de Antonio
Jos6 Pereira e seu filho menor de igual
nome, me foi dirigida urns petico pedin-
do, que os tmnittisse a justificar a -ausen-
cia de Joaquim Feruandes da Costa, da
firma commercial Fernandes da Costa & C.
o quefeito lh mandasse passar editaes
para ser o supplicado citado, para em au-
diencia deste juizo, conciliar-se corn os
supplicantes, Antonio Jos6 Pereira e seu
tlho menor de igual nome, e amigavelmen-
te revogar a escripttura de hypotheca do
sobrado sito a rua do Amorim n. 43, desta
fregueais, as -sentengcas proferidas em
virt. d da ,i na R o e Oxecuo da
M&_i &-,o padre Mandel- Morei0-
ra da Qama, ?ob. pena de revelia e custas.
justificou o deduzido emu dita
P6 maundii -passar o presented, corn o
7A I | &t8 d ole quidbcitaise e clh.-
a aoaquim YFemandes da Costa, da
ynfcoaunihie Ferandes da Costa s 0C.,
.&v 46 t oQ ea g a primeira audien-
ctfia d'e jns o, d ia -do indicado prazio,
0 a -a o que be de seu di-
eto e jUt0i, sBob pwa de revelia e oe*


afi 0 abma e0 4. e

Edital 1.41

D.o. 6. & Mm SA A-r a
is Ue bordmdIB & CAi-Uia ftu ms%~
wmq d- -. &pl~ d. v- w





fg't~iii tnitf eel-d t -
8em e a ms ..a.......
Ipeatto om to cd 8 do l dowb & o~d de 8
Sm ap. 11viai&umd i E mVaporm, -
7Pam mon tflwuu i 6d "w fe-ft ft-d&







poSasa aoulo SOD g& --I &ad'
Pam &tmnvinmd do
eomprid deas deos d d.; t mf
de mw o de 0ln o edpem, imdt d a
n ioenpecifiada am 6oe m e
chal cede ago&i d m-
Agmnaum a. 2
Semareac F 47cic Puh. mme --Ta I bs
Liverpool no vapor iiles Cwo, wa, bnie i5
de doxembro do 1878.
Sem mm-U. asnet AdmM s.ai apow h-
gle a Comsmnder, idemm a 8 de fvt I d 1 -
eowtea dodoradia de ferro *4i|1md.,
Ifrea 8PJi8d eapM de fogtl q MkAi., iiNo
idea, no vapor *glex WorriM Aatad. .m 10 de
fevereiro de 1881.
Marea FPG=Um eaixa conte hiaw de wi-
dro parslustre, quebrad, idem A edm 0 de
maAo idem.
Marc Soua Bato Amorinm a& C-Uwm A iss
vinda de Liverpool no vapor inglek Lmaii, w ide,
em 29 deo adto idem, oated, amtm d a hA.
Mares CV-Um encapado mo21-r27 aaa
de cabo de libnho em peas, vid doe d verpUm m
vspr inglez Orator, entrado em 15 de aio 4e
Mares Francisco de Paula & Pea-T garpm-
fea qebrado, vindos de Liverposol vapm r a-
gle Orator, era etrado em 3 de janeir de 1m 3.
MarcAS-Um aniarrmAlo, vinda des Liaver-
pool no vapor ingleg Laaw0e, entradoem 25 deja
neiro idem.
Marca JPM-Uma ba rricas a. 535, viadu de Li-
verpool no vapor ingles Wari r, estradso es 12
de junho ide, contendo 363 kilogramma liquai-
do de panellas de ferro (undid. estamaadas.
Armazem a .3
Marca HN&C-Uma caixa u. 14,vinda de Ham-
burgo no navio aU lenao J. H. Josem, eItrado em
9 idem i idem, contend 6 quadro samuneios comn
molduras de made ira ordinaria e 3 1/2 kilogram-
was de cartaxes a.nuncios de das core.
Armasem n. 5
Marca 0 TEMPO Um pacote sem nnmwr,
vindo de Liverpool no vapor inglex e Iaaid, eu-
trado em 7 dc marlo de 182, obmteado 2) gram-
mase de chaps de cobre c suas ligas, as.entada em
madeira.
Marca MC&C-45 grades, sem i nmero. vindas
de Hamburgo no lugar dinamarquex ACx/, iWern
em 5 dejulho idem, contend frucoa de vidro es-
verdiado sem rolha e scm bocca eamerilhada. pe-
sando liquido legal 2,900 kilogrammas.
Marea MC&C em ciui e duos eruaes ein baivr
-84 ditas, idem idem idem, corn o p-o liqui'i,
legal do 5,460 kilogrammasi.
Armazem n. 7
Marea EMC-Urna pipa vazia. vn inglez Minko, entrado em junho de lIW.
Marca diamante WB en cimas e TC ein hnii<)
-Uma lata idem, no vapor inglez Tamar. i-lemn
em 14 dHem idem, eontendo 12 kilogramt nad p'ai-
liquido legal, de tinta preparada a oleo para pin-
tura de casas.
Marea MJP-Douns bars n. 143 c 144. ideam I
vapor inglez Maritner, idem em 30 idem idem,
contend 330 kilogmrainmanas, peso liquid.) leal d-
oleo de linhaoa impuro.
Marea GRC-Uma caixa vinda no vapor ingih
Alice, entrado em 28 idem idem, conteaido 1 ki-
logrammas dc carteos annuncios de duas (*res.
tcndo 10 kilogrammas de cartazes annuncios do 2
cores.
Armazan dc hagagd1n
Marca Wan. Tomphso.n-Urn pacote scm maime-
ro, vindo dc Liverpool no vapar inglez G( Ar'!
entrado em 1$ do main do 1883. contde 4 1 -2 k-
logrammas doroupa feita, nao clas6ifi.ada. d a-
semira de ld singela.
Mrcar diaerante 11 dentaro paa 'aia a1.
157/162, idern idem idem, contend 3 12 kilogra:u-
mas de 1cn5os do monm estampedo.
Marca Joaqaxim Luiz Teixeira-Uma pacttf a.
524, vinda doe Southampton no Bap r dominia r-
ieot, ideon cm 21 iderr idera, coato anmd .'xtrAs
do fustao do algodao cm retalbos.
S3 soccao da Alfandega do lkrnamrbaic. 12 I.^
marco do 1884,
0 chef,
Ci'cero B. de MU!".
L'dltal m. 633. --
Do ordoan do inspector geral da instrnci.. pri-
blica, so declarai quo fica anarcado o DraZQ iliapr)
rogavel do 15 dias, coutados dc 10 do c'rreiite
mnez, afirn do professor public Bardlonii~nian
Nillo doe Santos Ferreira Burros assnniir i*xr


cicio da cadiira de Pindoba do Cruanry. Ipara :;
qual foi removido da de P;io Ferro u prp itrt iria
daquella data.
Sccretaria da Instruetqo Publica de l crnamIbu-
co, 11 de marco de 1884.
0) se Pergendina S. If, Ara",j Gd, o.
0 Dr. Tkomiz Gircez Pjranhujs i,,nin-
gro, comnwwadmtor (', Imperiild O,,1, ,1 <
Rosa, e juiz de di,'rifo sp,'!iil f ', c,,di-
mercio desta ci d cifdle ctjc pitid 1/t
provinc'k de Pernamluco, por S. -L. Im-
perial o Sr. D. P< .)11.' I, a J /mi D Dl(


guarde, etc.
Faco saber aos quo o present edital viremi. on
deste noticia tiverem que por part de Flavio
Goncalves Lima, mc foi dirigida :a peti:lo d theor
seuminte :
Peticao. Illms. e Exmn. Sr. Dr. juz do coaniner-
eio. -Flavio Gonqalves Lima, no arrest uw pro-
moveu contra JosA Mattes Rangel, escrivao Js>
Gomes, nao tend sido encontrado o arrestado, para
aprehenderem-se as lettras existentes em Aeu pxlnr,
eaceitas pelacompanhiaCentral Sugar Factonries, r-
quer aV. Exe. que sedigue mandarpssar edital afirm
descientifie-r-se a quem interesar possa, qmu n,.'1
faqa trausaccao alguma co:l as ditas lttra- <,I,
pen de nullidade) visto acharem-se arretadsm
desde o dia 13 do corrente, conform as diligen-
cias ji ordonadas e realisadas por deapho deste
juizo E receber inerec. Estava eoipeteuternen-
te sellada corn ums estampilha de 200 reis e i,-ral -
mente inutilisada do modo seguinte: Rcifc, 11
de margo de 188f Dr. FPrrer.
E mais se no econtinha em dita petislo aqui
cepiada, sna qual dei o despacho do theor w-
guninte :
Despacho.-Sia. -Recife, 14 de mrco de 1881.
-Mossten~yro.
E mais se no acotinha em dite despat pi
copiado, em virtude do qual o escnv ft m p fu -
o present edital pelo qual e sb taes ei
a quam enteresau poas qe do Yas t&7i&
algums, com as letters quo (eras aswsftms f
Joe de Mattos aAd e aotaee as k-
Central Sugar Factories, pelo Gmft
alves Lima, taU doe cosfeROmiad em a poli
o despaseo aqui tnuacripiss.
qu cheque ao ossMM it 4e t w
m-,!P asrei esr o present editalq s -I 4 A-
do pela imprens e aaffiad o am l M o 40
tame.
Dadoe o ipsado nest ad*l& dMei, U
de mN reo e t- 6
JoU Games dos8W .I-iJ! 1 i
p*aunmb Osuiiaea&-Dm & -96
cf da"e ~* l-il M M


I I
V B

II.'1

r 1,;

| I 1; -1



Ig 11


A..


t


I
























ia-
ml-
ude.


LIM


It


90f'A ui.a&


YT -".B


Sarrafis cow c coguaci modiad. de aleool pOre
Maxca CliC-Dua ditw .VWs vims.. 19
indUsde oUverpooi no var uahseLater,
ea14 WIR i lip.
MatesaJG aC-Qaatr barriesa *ouatsudo
ra&e *siaa, viuudasdo LUVoTiopq d
S gi ii da Mfandoga de Perasmbuo
Ino 4- do 1884.


14 de.


CiBro8.4de Xello.





DAS
Almau. ereeta ma namri.da fre-
suxada de S. tffl do Red&f W
L- 4rdewdo osso irmao juzi, anid atodde
ose nomo inmaos a so renuirm em nosoooUeaW -
terio no 4omin. 16 do eorrente, pela 18 hoe
-da manhba afim de se prooeder a leicao da meea
*'eqedora que ten de adminstrar a irnandade
4eate ano.
Consistorio, 12 de mar de 1884.
MT eserivio,
Manoel Venaneio A. da F)nseca.

Companhia

F crrl l o' P No
ilbletes de pamagem.
Par ultimar-se o resste doe bilhtes de pa-
sagiro d'esta companhia, ainda em cireulac9o,
roga-e. aos posuidorse dos memos se sirvam de
trazel-os 0ao troco pot dinheiro no escriptorio d'es-
ta companhia a rua do Barto do Triumpho, das
1O horas da manhi as 8 horas da tarde.
Continuam, outrosin, a serem os mesmos bilbe-
tes recebidos nos carros em pagamento de pauia-
genL.
Mar90, 13 de 1884.
G. A. Schmidt,
Gerente.


RBecetoria do Pernaniaco
Imposto de Industrias e prells-
sees
0 administrator da Reeebedoria faz public
que se estA proeedendo por esta reparti*ao a co-
branga livre de multa, do segundo semestre do
imposto do industries e profissoes, relative ao se-
gundo semestre do cortente exericieo de 1883-84.
Recebedoria, 14 de marco de 1884.
Ateandre de Sousa "ereira do Carmo.

Irmnandade das Almas, erecta na
matriz do Corpo Santo
Mesa geral
Por delibera*o da mesa regedora, tomada em
0essAo de 3 do corrente, sio convidados todos os
irmlos que se interessam polo bern estar desta
irmandade, a comparecerem no consistorio res-
pectivo as 4 1f2 horas da tarde do dia 17 do mez
presented, afirm de tratar-se da important questao
da convenslo do patrnimonio em apolices da divi-
da public, e observar-se o meio melhor para a
execueio.
Consistorio da irmandade das Almas do Recife,
7 de marqo de 84.-0 esvrivlo,
Affonso Rodrigues.

Sa1ta asa uida Mlsoricrla o Rec[fi
Arrenda-se por urn & trees annos os armazens
ns. 16 e 18 A run da Senzalla-velha, A razio de
3601 annuaes cada um ; a tratar na secretaria da
mesma Santa Casa.
2' secIo. Seeretanria da presidencia de
Pernambuco, 10 de marco de 1884. De ordem
do Exm. Sr. dcsembargador president da provin-
eia, fano constar aos interessados que estAo nesta
seeretaria as patents dos seuhares officiaes da
guard national abaixo mencionados:
De nomeaco do tenente Marcolino Lopes Cat.o
para e posto de capitilo quartel-mestre do com-
mando superior das comarcas de Olinda e Igua-
rassA.
De nomeacao de Joao Tenorio de Lima para
Igual posto na comarca do Born Conseiho.
Do Dr. Francisco Gomes Leopoldo de A-aujo
Pereira para o posto de capitao cirurgilo-m6r do
da de Nazereth-
De reform no pato de major do .capitao Joa-
quirm Antunes de Oliv'eira.
0 secretario,
Joao Augusto de Albuquerque Maranhdo.

Santa Casa de Misericordia do
Recife
A Illma. junta administrative desta Santa Casa
y elas 3 horas da tarde do dia 18 de mnaro corren-
te, na sala de suas essles, do novo recebe propos-
tas em cartas fechadas, devidamente selladas, para
o fornecimento de earne verde da melhor qualida-
de-oue houver no mercado para o eonsumo dos ae-
guintes estabeleeimentos a se cargo, no trimestre
proxi-wo de abril a junho do eorrente anno'
Cas dos Expostos, Hospital dos Lazms. Hos-
0piio de Alienados na Tamarineira, Coellegi. dos
Orphi em Olinda, Hospital Pedro H e Asylo de
Mendieidade; suieitando-se a multa de 5 o/. so, no
Frazo de 3 dis, ulo compareeer neata secretaria
pars aseignav 0 respectivo eontracto.
BecretariajAa SataCasaedeMiserieordia do Re-
ife, 12 deo w de 1884.|


Pedro


DO ordem do
attbli que, a
desembargador
/o i e:- ne
%L .,ra da, eM.d


u escnvao,
odriguy.sI Susa.


do ExMi.
eeia. va


Pedib Rodrgws deo "xa.
Relav dos eNORM" q"e ~ao -er admittdes
noc -o4l0io dsorplas.
1 Maria, filasdo Eilia Maim da ilva yVen-
tura.
2 Avelina, filha de Maria Candida do Nasci-
mento.
4 Joanma, anilhada-de Maria Beoedicts dia Coma-
1.eeicao- '
5 Saturnina, Sfils de Fraucisca Paula do Empi-
rhto Santo.
6 Fraaucis, dita do dsita d.
.3 Carodina, filha deMaria JoVfepn da Silva.
7 a d Virginia Caddad Mane-
sLIy!. .
8 Ambraina, dita de dit dita.
9 Felieaa, ih d Josquina Maria.
10 Adlside, SiaU de The da Pompilia de Me-
deiro.
11 Maria, afilhada de Feliidade Maria Emnia.
12 Joanna, fila de Roa Juostiaian de Arkujo.
13 Ralina, ftlha de Ignz Teixeira Cavaleante
Pestana.
14 Maria, ditas de dita dita.
15 Flora, irma de Jose Odrioe Facundo Lima.
16 Francies, filha do Anao Maria de Jess.
17 Capitulina, filha de Felimina Moura da Silva.
18 Maria, i e d Leonimla Anna 'da Silva Ta-
vares.
19 Anua, filha de Anna Maria da Conceiao. 5
20 Virginia, filha de Maria Semiana de Moura
Barros.
21 Maria, filha de Roea de Lima Roeha Duma-
nak.
22 Amelia filha de Maria Antonia da Silva.
23 Maria, fiha de Luiza Maria da Conceicao.
24 Isabel, filha de Marianna Pires de oScuza.
25 Maria, filha de Francisca Xavier Goncalves
Costa.
26 Josepha, filha de Esmeria Maria da Coneeiclo.
27 Mirandolina, filha de Anna Rosa Maria da
Coneeicao.
28 Amelia, filha de Luiza Maria do Sacramento.
29 Eliza, filha de Maria Jos da Costa.
30 Elvia, filha de Amelia Pessoa da Cruz

PRore l 9enlcfailo re-
Gn iio cote a Yor


Tendo grande maioria dos Srs. accionistas re-
clamado contra o dia para o equal estA annunciada
a reunilo da assemblia geral d'esta compaphia,
pela chegada do paquete para a Europa, a direc-
lri& resolveiu que t AMW [a i utelda ....a .
ferida para sexta-feira, 21 do corrente, ao meio
no escriptorio da companhia.
Reeife, 12 de margo de 1884.
Saunders Birothers & ,
P. p. Wuson Sos & C. Limited.
R. A. Mather.
F. F. Bmrges.


IRiANDADE
DA


Senhora Sant'Ana da igreja da
Madre de Dens
MESA GERAL
De ordem da mesa regedora, eonvido a todos os
irmlos desta irmandade, para se reunirem em
nessa igreja ter.a-feira 18 do correate, pelas 6
horas da tarde, para em mesa geral eleger-se
provedor, visto nio ter ateeitado o que fira eleito.
Recife, 14 de marco de 84.
0 escrivio interim),
Jos6 Vicente de Lima.
Camara Municipal do Recife, 12 de margo
de 1884.-I-llm. Sr. Informe corn urgeneia se o
serventa Joao das Neves recebeu integralmente o
vencimeoto mencionado na folha do 1 A 10 do
corrente, se faltou em algum dos dias, ese foi
substituido por outro.
Cumpre que Vmc. se abstenha de nessa subs-
tituicao deixar de declarar o nome do substituido
e o vencimento que Ihe compete.
Dens guard a Vine. llm. Sr. administrador
do mercado de S. Jose.
Decio de Aqumio Fonseca.
Secretaria da Camara Municipal do Recife,
13 de margo de 1884. Illm. Sr. De ordem do -
Illm. Sr. vereador tencnte Manoel Antonio Vie-
gas, informed V. S. authenticamente quanto reo-
beu a empreza da limpesa pumblica-Penna Motta
& C. pela arborisayo que fez durante o tempo
que a merma empreza funecionou.
Deas' guarde a V. S. ilm. Sr. contador da
Canmaa Municipal.-O secretario, .
y, Pedro G. de Ratis e Silva. i
S Obra- Publica
De ordem do llna. Sr. engenheiro ehefe, fago
pubheco que, em virtude da ordem do Exm. Sr.
desembargador presidents da provincial, veo em
praa no dia 22 do coreonte, ao meio dia, os re-
paros urgentes da ponte sobre o rio Jaboatlo, no
engenho Novo de Muribeca, e dos trees areos em
seguimento a p.pte de Motocolomb6, oradose os
primeiros em 3:4,00 e osiwgundow em 2:550.
L Os orcametos e L M*u eoadigoen d&s coubvtetm
se acham nesta s.eretaria parm worem examinadse
Soeretaria da ReparticQ das Obras Publisae,
1se do do 1884. m
JTo J oaquim de Sueira YVarea


V' eusprado doe
potsdo sal no
i do corrente
._eguindodepo'ada ,
depra do oct-,
me pars BQR. I


umulias<
qup egs


wp e Vuba" -
)do f5 por eentu em ffvor das
seigatro peoseo.s somenoee
aoft m quo touis-


roa blhete7 depuo geuamtsmbsm dede abdti-
memto ; ,11
8"tm
Osvsloreepotses .se6de4oat odia 1, pages
de oetado.D
Paracargiepassag.se oedinieiro
a fite: tracts-s com o
AWi/ie yHi~e

9-RUA DO COMMERCIO-9

ClAtilhIlS BIUIMS
Cempasla Fraineeza de Navegia-
e a Vapor
Linha quinmal entire o Havre, Lis-
boa, Pernambuco, Bahia, Rio de Janeiro e
Santos
Steamer
Vile de Maranhlo


Espera-se dos portes
do sul at o dia 18 do
corrente, seuindo de-
pois da indispensavel
demora para o Havre,
comescala por Lis-
boa.


Os vapores desta companhia entrain no port
ancorando emin frente ao ca-es da pracae do Commer-
cio e sendo muito incommodo o ombarque dos pas-
sageiros no fundeadouro das paquetes transatlan-
ticos, no Lamarlo e demais, devendo todos aportar
ao Have, que A o porto mais visinho de Paris, A
f6ra de duvida que ha grande vantage para quem
quizer ir Ai Europa ,em aproveitar-se dos ditos va-
mrP. .tanto mai i quan ar J- Ic
as passagens mals mitcoW, as despezas do emV-
que aqui e as do transporte do Havre a Paris, sao
nuito menores do que as que demandam as viagens
ntos paquetes das outras inihas.
Conduzem medico a bordo, so de marcha rapid
e offerecem excellentes commodes e optimo passa-
dio.
-As passagens poderlo ser tomadas de antemlo.
Recebe carga, encommendas e passageiros, para
os quaes ternm excellentes accommodates.


Steamer
Ville de Victoria

E' esperadc da Euro-
pa ata o dia 21 de
maro seguind0 de-
pois da indispensavel
demot.a para a Ba-
hla, lii ade Ja-
meiro e eana"s.
Roga-se aos Sre. importadores de carga pelo
vapores desta linha, queiram apresentar dentro de
6 dias, a contar da desearga das alvarengas, qual-
quer reclama*Io coneernente a volumes, que por-
ventura tenham seguido para os portos do sul, afim
de poderm-sedar a tempo as providencias necessa-
rias.
Expirado o referido prazo a companhia Rdo se
responsabilisa pot extravios.
Recebe carga, encommendas e passageiros, pare
os quaes tern exeellentes accommodates.
CONSIGNATARIOS
Augusto F. de Oliveira

&C.
42 RUA DO COMMERCIO 42
(Entrada pela rua do Torres)


DahizmschiffrahrI-GeseIschafm

0 PAQUETE A VAPOR

Cear&
Espera-se da Eu-
ropao e portodo
nore no die.25
4 ....,8gindo depob da


Pms panfs s ipuzu,het, i, tracts-so crne s


Borste1bnairn &C.
RUA D0 VJQ#E11N. 3


0 VAPOR
Reliance


o adinbheiw

oited
.., _8. .L
0. N.- 14


Espera-se de New-Port News
aSt o dia 24 do corrente, se-
guaindo depois da demora ne-
eesaris pars


I ala el Rio de Janeiro
SP earga, enco dae valores,
AGENTS
lenry Forster & C.
N. 8- RUA OCOMMERCIO N.
l.'andar

0 VAPOR

Finance


l E' esperado dos portos do
sul no dia 25 de fevereiro,. e
A depois da demora neceessaria
i egairi para o

araiaio. ParA. S. Thomaz e
New-York
Para carg, passagens, e encommendas, tracta-
se com os


AOENTES
Henry Forster & C.
N. 8- RUADOCOMMERCIO -


N. 8


1. andar
CompauMhia Brasileira de Nave-
gaiao a Vapor
PORTOS DO NORTE
0 vapor
ParA
Commandante o P1 tenente Carlos An-
tonio Gomes
-E' esperado dos portos do
sul at6 o dia 16 do corrente
e seguira depois da demo-
ra indispensavel, para os
.- portos do norte at6 Ma-
ngos.
Para carga, passagens, encommendas e valores,
44 UXflj 6o C0OMMitMi'i -


PORTOS DO SUL
O vapor

Espirito-Santo
Commandante Joao Maria Pessoa
E' esperado dos portos do nor-
,e te atW o dia 19 do corrente'
\W\ / e seguirA depois da demora
rdo costume para os portosdo
aeSul.


Becebe tambem carga para Santos e Rio Gran-
de, frete modico.
Parae carga, passagens, encommendas e valores
tracta-sena agencia
44 RUA DO COMMERCIO 44


LEILOES

Agente Peslana

Leilao
de 5 112 barricas corn superior touciniho
de Lisboa e 5 barricas corn excellent
came de porco.
Sabbado 15 do corrente
AS 11 HORAS EM PONTO
Na port do armazem do Sr. Annes em
frente d'Alfandega
0 agent Pestana venderA por conta e risco de
quern pertencer os generous acimri meneionados, eZ
urn ou mais lots &A vontade dos Srs. comprado-
res.

LeilAO
De cereal de 40 eaixas corn cebolas avariadas a
bordo do valor inglez Sculptor vindo de Lisboa

Sabbado 15 do erreate ao melo
dla
No -trapi-ke afandepado Bart.o do Livra-
mr-nte,junto -a guarda mmria
0O agdhte Gummio, levarA a leillo por cownta e
risco deoquem pertencer cerea de 40 eaixas de
cebolas avariadas a bordo do vapor inglez Sculptor.
Em urn ou mais lotes a vontade dos Srs. compra-
dores. -
Ap*at Silvera,


eornet*e


Scandiemiros a gaz,
rro, ponteirm e mais
w denominada Nepta-


Terfra, t8 do cerreate
A4 11 112 horas em pnto
NA REWERIDA CASA.DA RUA DO
IMPERADOR N. 79

Agenle Iurlamaqui
Terceiro e mttlmo leilao
DE PRE DIOS
Terga-feira 18do corrente, ds 11 horas em
ponto.
No armazem A rua do Imperador n. 22.
0 agent acima por mandado e assistencia do
lflm. br. Dr. juiz de direito de residues e cap l-
las a requerimento do promrtor de capcllas da
confraria de S. Benedicto, levara a terceiro lei-
lao definitivamente os seguintes predios.
1 sobrado de 2 andares n. 44 a rua do Bom Jesus.
1 casa meia agua n. 1 no beeco do Pindoba.
1 dita terrea e grande n. 45 na rua de S. Jorge.
2 ditas meias aguas us. 1 e 2 A rua do Pharol.
1 terreno corn alicerce e urn quarto na rua de S.
Jorge.
O Sr. pretendentes desde jA poderlo examiner
ditas casas terreas e sobrados.

Monte de Soccorro de

Pernambuco


Leilao de joias
Este estabelecimento fara leilao no dia 3 de
abril proximo vindouro, por intermedio do agent
Martins, A rua do Commercio n. 48, ais 11 horas da
manhi, dos objects que nio forem resgatados ate
a vespera d'aquelle dia, constantes das seguintes
cautellas.
Os objects estarlo expostos nos tries dias ante-
riores A. apreciacao dos pretcndentes.
7,017-1 relogio de ouro.
7,133-1 volta de ouro, 1 medalha, 1 trancelim, 1
erz ouro de lei.
7,143-1 trancelim, 1 medalha, 1 par de brincos e
1 cruz, ouro de lei, 1 cordlo de ouro baixo.
7,146-1 corrente e medalha, para relogio, ouro
de lei.
7,161-1 pulseima, 1i medalho e 1 par de brincos,
ouro de lei ; 2 salvas de prata de lei.
7,162-1 pulseira, 1 alfinete, 1 par dc rozetas de
ouro corn brilhantes e 1 cruz corn ditos.
7,176-1 medalha, 1 par de brincos c 2 anneis,
S ouro de lei.
7,192-1 par de rozetas de ouro, cravejadas de
brilhantes pequenos.
7,209-1 alfinete de otro corn brilhliantes.
7,215-1 par de rozetas de ouro, coin brilhlantes.
7,219-1 trancelim e 1 moedinha corn laco, ouro
de lei.
7,233-1 annel de ouro, corn urn brilliante, 1 dito
corn rubim e brilhantes.
7,257-1 trancelim e 1 par de argolas, ouro de
7,264-1 pulseira e 2 anncis, ouro de lci.
7,269-1 cruz de ouro, corn brilhantes e 2 pulsci-
ras, ouro de lei.
7,275-26 colheres, 3 ditas para peixe, sopa e ar-
roz, 12 garfos, 12 cabos de prata, 1 pinqa
para assucar e 1 par de trinchante,tudo de
prata.
7,277-1 moeda de ouro corn laqo e 1 annel corn
esmeralda.
7,315-11 colheres para sopa e 12 para chia, prata
baixa.
7,319-1 annel de ouro corn 1 brilhante.
7,327-3 pares de broncos, 1 dito de rozetas e 2
anneis, ouro de lei; 1 alfifete, 1 par de ro-
zetas e 1 cruz, ouro baixo ; 1 salva de
prata.
7,345-2 anneis de ouro corn dous brilhantes.
7,370-1 volta de trancelim, 1 par de brincos, 2
peas de brincos, 1 annel c 1 castao de figa,
ouro de lei.
7,372-1 salva, 1 paliteiro, 2 colheres para sopa e
assucar, e 17 colheres para cha, dc prata.
7,381-1 relogio, ouro de lei.
7,383-1 botio de ouro, corn brilhantes.
7,385-1 corrente e medalha para relogio, ouro de
lei.
7,398-1 caixa de ouro, para relogio.
7,406-1 pulseira de ouro corn brilhantes peque-
nos e 1 corrente para relogio, ouro de lei.
412-1 par de botoes para punhos, ouro de let.
7,417-1 par de brincos, 1 dito para punhos c
cordao, ouro de lei.
7,428-1 annel corn 1 brilhante pequeno. 1 rosa-
rio, 1 coroa, 1 corda'o, 1 par de broncos e 1
cruz, ouro baixo.
7,431-1 corrente e medalha para relogio, 1 alfi-
nete e 1 par de broncos, oaro de lei.
7,436-1 relogio, ouro de lei.
7,441-1 alfinete cravejado de diamantes.
7,447-1 par de rosetas corn brilhantes, 1 annel
corn I dito, 1 pulseira de ouro de lei, 2 de-
daes, 2 peas de pulsciras e 1 annel de
ouro baixo.
7,452-1 relogio de oiuo de lei.
7,476-1 par de, brincos, 1 botao e 3 anneis de
ouro de lei, 1 alfinete, 1 cordiio c 1 cruz,
ouro baixo.
7,477-1 paliteiro e 3 colheres para cha, de prata,
7,487-1 par de rosetas de ouro corn brilhantes,
2 pulseiras, 1 alfinete de ouro de lei, 1 co6 co
prata baixa. '
7,492-1 relogio, ouro de lei.
7,496-1 corrente e medalha para relogio e 1 re-
logio, ouro de lei.
7,507-2 trancelins, 1 pulseira e 2 medalhas, ouro
de lei.
7,510-1 alfinete, 1 volta de ouro.
7,512-1 cruz de ouro corn perolas, 1 fio de ditas
e 1 traneelim, ouro de lei.
7,515-1 annel de onro corn brilhantes.
7,517-2 botoes de ouro com brilhantes pequenos.
7,518-1 corrento e medalha para relogio, ouro
de lei.
'7,528-1 alfinete e I sordlo, onro baixo.
7,580-1 par do roaetat dwour, coom brilmantes,
7,684-l cerdao el crz do our..
7,688-^1 pardorqet iiiildo- oano oem brilbantos,
8 azual esaomdltos, 1 corrente e medalba
pftralriogio doeuoro do iei,; 1 relegio piaa
7,41-1 sanael doeuoro corn brilhante.
^IpB ift ido1 uttI -,.uaatBgueuaaE,i
i --:- le.ero,1sava 1 coacia, p ehrata para.


7,8K -1 sal #^etEfis par s^ps aries e psi-


dehle Irtkq* as 01
!43.4asmuwI d WOOUR'Ass ~ 2

D o7G r d odnoem I gm. 1
cope me1 p e:2 s ugma
t~w~ I a Nn in o asn oMw* A*ji^j I* StAS
toa 8p^^:m^ uImae*l^fi 1


ne*rites-i par de bsi-h1 g B f-i ^
Sure baio, ua s Mi em.
paliteiroa, Solve, 9 Iemi.m asa i. 1
copeodeprat de Ili, 3St
sapa, peixz e 6n01, 44 12 At, UM d
f7c- 2& colberes c 1 p detmrb -41I
bprate baia.
S7,103- voeta. deoour.,I trom. im, I eOV, pst
seiral, 7 afinaust, 4 psi'Am be h444e.
tos de roseta., 1 meiaiml, S eracil4w, es-
reo de Ic.
7,005-1 par do rojett do own.em b.lltma.
7,606-1 -puscir de ourO doe ki.
7,614-1 caixa pra re p m, em de hiK
7,619-1 iorcdo, uns olbos emos"t, 1 rosets e I
botdo de ouro de Ioe
7,62 7-1 relogio de ouro.
7,628-2 correntdes e 1 mredaiba pta rmelogi., u-
ro d lei.
7,631-2 casticac de prata de edi.
7,637-1 relogio de ouro pars m ora.
7,643-1 medilba o I par 'e bnacos, Ouro die 7,654-1 relogi de owoa de lei.
7,664-2 Pulseiras, 2 voltas deouroparea seIb-
ra, 1 medalha, I corrente, 3 awaetds, I c h-
pa de oaro e 1 dedal de oauro de lei.
7,665--1 Pulseira de euaro de ili.
7,696-1 botio de ouro corn brilhante.
7,709-1 trancelim de oaro de lei.
7,715-1 par de rosetas de outro oemn brilhant".
8,717-1 annel de ouro corn brilbante.
7720-1 volta de ouro, 1 par de briaeos, 1 dit, .is
rozetas e 1 teteia ouro de lei 2 moeuli-
nhas em bottes e 6 colheres para cha, de
prata.
7723-I pulseira c'l aifinete, ouro de lei.
7725-1 cruz de ouro comn brilhantecs.
7729-1 par de brincoa de ouro cravejados do bri-
lhautes e diamante, 1 pulseira, 1 alfiset'
1 par de rozeta., ouro de lei.
7730-1 annel ouro de lei, 1 cordio ouro luizo.
7734-1 volta de ecordo, 1 par de brimucos, 2 ditoo
de rozetas e 1 fivela, ouro de lei.
7752-1 corrente e mcdalha pars relogio, 1 co-
dao e 1 relogio, ouro de le.
7754-1 corrente para relogio corn 2 teteas, iour
de lei.
7755--1 tranclim e 1 medalha pequena, ouro ,le
lei.
7764-1 annel coin brilhlinto.
776(-1 par de cast;:(. c I palditciro, pr. ta de
lei.
7785-1 relogio de ouro.
7787-1 corrente para relogio, ouro de lei.
7790-2 anncis ouro de 1-i, 1 par de brinco I
annel cravejado tde diamantes.
7797-1 relogio, ouro de lei.
7802-1 trancelim e 1 mcdalha, ouro de lei.
7803 1 alfincte do ouro comrn brilhantc. c eseme-
ralda.
7812-1 corrente e in-:.lalha para relogio, ouro Ile
lei.
7815-2 pulselras, I volta de trancelim. 1 eruz. 2
pares de brincos e 1 cord&o, ouro de< lei.
7827-1 pulscira. 1 par dc rozetas e I anuel. "i-r
de lei.1
7837-1 trancelimn. 1 volta do dito, 1 plar ie b-
zetas, 1 medalha e 1 lavo, ouro dc l-i.
7842-1 correntee in mcdalha para relogio, oaur, -
lci.
7853-1 pulscira. 2 trancclins. 2 voltas d' .,
2 aifinetes. 2 pIarts dc brineos, .5 1ares uij
rozetas, 1 ir.ocdiha, I laeo e 5 ain,.s1. oa-
ro de lei, 1 fio de contos de ouro. 2 alfine-
tes, 4 pares de rozetas, 1 medalhf-. 2 f-
tZes. 1 mIncl c 1 dcdal, ouro lbaix'.,.
7855--1 rclegio de ouro.
7860-1 correntet du'.la coin medalha j,:'r. r* ,,-
tgio. 1 cruz. 2 alfinetes. ouro dc lei.
7870-1 corn te lara rel)gi'> e I medi:uL,.. "r.r
.. .. 1%l .e i ........ .. .. .... .
7.i'J-1 corrente e inedalia para relogio c 1 roln-
gio. ouro de lei.
7$81-1 annel de ouro corn brilhante, 1 par dc
Frincos, 1 annel, 3 botves. 1 armni-;o ,do
oculos, ouro de lei ; 5 noedlinhas de ,....4,
cm l)otQes.
6887-1 volta de trancelim, ouro de hvi.
7897-1 salva. prata do h'i.
7898-1 pulscira de ouro corn briihantes. 1 v' I a
do ouro corn laco e mldalha, our, dei 1,i.
78)9-1 alfinete de omu', corn brilhautes. ouur d
lei.
7900-1 pulsleira. 1 alfincte e 1 par dIc lihri t .
ouro de lhi.
7901-1 par de brineos de ouro corn .1,riliIauti.
7910--2 pares ,ie briucus. ouro de lei.
79113--1 par de ri-ic,,.-. 1 medalix, '; ;ii'i .... ,-
ro de lei.
7919=:1 corrente e medalha para rel, rio ,, 1 ,lo-
gio, ouro de Ici.
Recife, 12 dc marco de 1M84.
0 gorcnto.
F,,i.fC):, Jaj muir I re'i f,'.f9.


AVISOS DIVEISOS
Precisa-se de unma cugommadeira para duas
pessoas : na rua Dqtuuc tie Caxias n. 48, segundo
andar.
Precisa-se de um einmpregado par:i .,r-:' o
bracal ; no deposit do eaff, At rua do Vi-.cauth
de Pelotas n. 37.
Aluga-se o 1" aintilar do preio ruia do
Padre Floriano n. Q : a tratar ia rua 4,. Ialpw-
rador n. 61.
Quem precisar de uma senhora para ensinir
primeiras lettras, porttguez, franeez. nu. P..,
piano. bordados de tapvaria, chrochet, labyrina-
the, flores de couro e madeira e de pa& drija-
se a ria do Conde d'Eu, outr'ora Caminho Noa
n. 128, que acharat corn quem tratar. Na mesma
casa se precise de nma mulber de rneia istlde, do
idonea capacidade, parn compaiahia de nrea &.
nhora, prestaudo ella alguns sevi&. Tambew
se precisa de umra orphU de bos costames, garms.
te-se o tratamento.
Alnga-se o andar terreo do nobrado n. 36 i
rua do Duque de Caxias, o 2* e ot&a do de a. 41
'A rua do Rangel, o 10 do de n. 25 i rua de Santa
Rita, o 2, e sotlo do de 24 A rua do Ar'.g. .),,
10 do de n. 26 A raa do Duque de Caxias, a c.:aa
terrea n. 77 i rua de S. JoLo e a euass com iti
e grande commodoes n. 1 D na s eg-d tmravm
da rua do Principe : i tratar ra do Mopici
n.32.
Preeia-se de um feitor; a traetr Ai rud L
Madre de Deins n. 3 8.
Precisa-re do ms P n lAm so pa emM
do meinss, prd o-e strahra, so eage-
nho Banrra de SaAna, cidad a Vosia; a
tr-tar corn Auguats doe Rgs A rea do Ca*Wo
number 9.
Precisa-se de n A Mdo s 49 Is 6 16 NmM
de iade e eomprati d tow im aft;tatro
rua da fata ,Ckx a. &_
Offeroee-ee BV&A ouIrn- Mi pra 4a
fmilia; a tratar amA Ida Opi w ALk 16, p--
moeiro ander.
o s reaa- do u Io do 1 L 14 m
sew eUx; na naada FterwtM m w"..^ __^
S A e o 20 anr &A to"
a.8O ersboss
':k WSe 0


I


/ -. -X


-a


1
(



1
























scm id
Smesa


Compromctterns
a vender mais barato
do que em outra quail-
Aiii Tj.yl 1
quer part.
Rua ti g ibG i 4

1 Aluga se urm moleque do 18 annos, para
mcinheiro ou criado; a tratar nas rua da Man-
gueira n. 7.


A VETUROSA
4 Ao84:OO$@
B 0s4.00,0$000
BIL1IllTll g ARANTLBO

16-Rua do CabugA-16
Achamin-se a venda os venturosos bilhe-
tes garantidos da loteria n. 21 em beneficio
S das escolas primarias de instmruo publi-
ca, qne se extrahira na segunda feira, 17
S do corrente.
PRECOS
lnteiro -: 0,
Iflelo 2:000
Quarto 1:000
eniiido quamiM aibe ssperlor
a 100:00Q
Intelro 3:500
Melo 1:1S 0o
Quarto I SO
Joaquim Pires da Silva.
Costureira
Precisa-se de urna pars cosinhiar em urn estabc-
eiemento, s! nos dias utei., podcuro dormli v.,
Ma mua Nova n. 13.
Preeisa-se de unm caixeire para taverna, de
12 A 16 annos ; a tratar na refina~lo do Vara-
d&iro cm Olinda.

CRAVOS E FLORES
N T I
Na rua da Lniao n.

i, ha sempre para se

vendor cravms e fio

flrp-a r linnaiit fitt
0coflRRccta Dara acomfaiar

Sliual orii llt Ria o l p oll0l

NOR go, r trh-s para .uO a

grovijlcia: fl Brc iar Miriia-
<0 d 0 TO Jr Q T nno III 1.
so a filtgo lJor-to 111.

Ao commercio
Offercce se umn noco com pr.Ltica de faztndas
par-a ei:xeiro n',ta pra~a, ou no .matto, ou r.:czrmo
lpam (olrau~a de quaesqucr outros negocios; pres-
ta fiant.a de sua conductii, ou outra qualquer que
wdja-sc. a dcix:ir c-arta n'csta typographia corn as
iicaiaes J. P XI, 04 annuncie.
AlIuga1se barato
A easa da Baixa Verde n, 1 B.
01. andar 4 rua do P:_ JcPt- n. 17.
A' tratar no largo do Corpo Santo n. 19.
Casa para alugar
O 03" ali'a: da rua larga do Rosario n. 37, deo
froute da igreja ; a tratar na tabaearia popular.


tes, e se acnami haili-i
tados a vender m ais
Iiarato, do pie, outro]


LI 0


(to insnvlex7~o OIV
segunda-feira 174 W, 4 ;


Quaito *4 "
Om p .o., de l4 Pa"a
Bilhete mteiro 31 O
l*io .4: -O 1 11.
Quaarto
Antonio Augwda &si&wsC Porto.

CA'A

AOs 4@4"O


Una do Darao da Tlt e easas do etotume
0 abaixo assignado acaba de vender
em seus felizes bilhetes dows quartos de
n. 1696 corn a sorto de o10OOO, edfr,-
sos premios de 325900, 16O000 e 85Q000.
o0 mesmo abaixo assiado oovid 'aos
nncmriadrres A virem receber na conformi-
d.do do c0stttwme, sem desc6titqr algumnu
Aeham-se A venda os fellzes bilhetes
garantidos da-22., parte das lotefias a be-
neficio das Escolas Primiarias de Instruc-
9to Publica, (21.'), quoe se extrahirA na
segunda-feira, 17 corrente.
rPR(os


Im


Inteiro
Meio
Quarto
poreio


4#000
2,000
de 10000o1 pa0 a
elMan


Inteiro 3450
Meio 16750
Quarto #875
Jobo Joaquim da Costa Leite.




DAUBAITUNA

I os4:O #$


,i rua Prini et jld& 111
e casas do costubke
0 abaixo assignado tend vendido nos
seus afuitanados bilhetes dous meios n.
288 con A a3orte do 4:000#5000, dous meios
n. 1269 co:n a sorte de 100#, dous quar-
tos u. 1'.; corn a sorte do 100# e outras
nrn-tgs c, 32#000, 16,000 e 8#000, da.
loteria (20.), que se acabou de extrahir,
convida aos possuidores A virem receber
a conformidade do costume sem desconto
algum.
Acham-se A venda os seus afertunados
bilhetes garantidos da 22.2 parte das loterias
a beneficio das Escolas Primarias de Ins-
trac.io Publica (21.'), que se extrahira na
segunda-feira, 17 do corrente.
PFIECOS


Inteiro
Meio
Quartc
Em qI-adti
Inteiro
Meio
Quartc


4#000
2,5#000
16000
idade malor de itoo
3#500
1#750
,875
Manoel Martins FWusa.


,IMPQRTAO-A PoR f
ArAfD & C% Parti a-


eta


"!md 6 ,-elegant


oFv


6*ede os cosmetic pai
sidoadb kdapop od
8.:11" 1 1 :: .


,Usiu~& a fiffivt, de u*w pefltme 4ei.el
eonooid'a as cames e e ,, de -W -r il
espinhas,, comiches e efftbresee4wqciada pole.


Deposito emd Piraambuco:


'ji;tyv 1 ^ *"F"-se *'*l-

um easa terrea corn m oto, grades commodos,
eeiia e agta eneaada, na mrA de Pay-
it n I it, .31:
sindd ; a rActuif ut rag do Vigario ri 81.

Pfedsi-se deo t m dAUC 1i A oa'Rnhea, f i4,
.a qne stiba muitd 666i c6sinhar, pars umA cans
1e 1,pa a-ge bt A firiatar narua do
t.Arou viCLtfia n. 59, rsua.

11 1



fit Augusto de AlIbuquerque
Porto Carreiro
SFrancise Maria do Sacramento Porto Carrefrh
Dr. Tito Augusto Porto Carr'ciro (ausente), Jose
Augusto Porto Canreiro, viuva e filhos do finado
Tito Auguato de. Albuquerque Porto Carreiro,
agradeeem do iritimo d'albia a todos os seus pa-
rentes e amigos que se dignaram acompanhar ao
cemiterio public o corpo d' fallen do, e de novo
os convidam para assistirem as missas que por
sa alms sergo celebradags no convento da Gloria,
As 8 horas da manha do dia 15 do corrente.

Raymund6 da Silva e Cunha tendo de mandar
suffragar corn uma missa de requiem no sabbado
15 do corrente mez, a alma do seu comprovincia-
no e amigo, Luiz Pereira da Motta, 4 annista de
direito, convida& a0 peaseoas' de sna amizade e aos
amigos e collegaf do finado, para assistirem aquel-
le.acto, quo terkluar as 8 horas da manha, na
igreia do convento de S. Francisco desta ci-


D. Anna Joaquilna de Oliveira
Qultella
Trigesimo dia de seu passamento
0 bacharel Celso Tertuliano, Theopompo Mag-
no de Oliveira Quintella e OCeticina Liberatas
Quintella de Oliveira, convidam aos seus parents
e amigos para ouvirem as misses que por alma
de sua-mai, nandam rear pelas 7 horas da ma-
"nhM do dia 17 do correote, ,na capella de N. S. dos
Afflictos e na igreja da Soledade.

Costureira
Na rua Nova de Santa Rita n. 13, 20 andar'
tern una que faz todas as qualidades de vestidosff
e camisas, por niodico prego.)
Criado
Precisa-se de um criado, preferindo-se escravo:
a rua do Duque de Caxias n. 95.

jos Ato io do o1 i ira Barbosa
Na rua do Commercio n. 34, deseja sa-
ber-se noticias do Jos6 Antonio d'Oliveira
Barbosa, nascido e baptisado na freguesia
de S. Salvador de Valarar, do lugar da
Granja, conselho de Guimarles, em Por-
tugal.
Igarassit
0 Sr. Jodo Vicrs-a de Fraga 6e rogado a vir A
rua Direita n. 16, viado branco.

Aluga-se
o segundo andar da casa n. 7, A Passagem da
Magdalena.
/t~
Ama
A rua da Santa Rita n. 1, precisa-se de urns
ama que cosinhe e engomme.

Casa eSitio
Aluga-se por preo modieo uws exelleute casa
corn sitio, na estrada nova de Beberibe, pertoda
estaoo da Encruzsilhada : a tratar na rua do Im-
perador n. 42, cartorio, ou na rna do Barfo de S.
Borja n. 47.


Pieca.ae isuma ama tpars todo servio de ca-
as de family: i tratar as ru a d Uniao n. 47.


Trastes
A' rua do Imperadorn. 16 compra-se, vende-ae,
alga-se e troca-se, novos e Umsados.


Rua da UPraa a., 3& 8 amdar
;Eduvige Maria Coelo atcp as 'OU" nn"
mero ac gums quo disp ondo habeis coftu-
rBia8 ft tenipr Norma Oi figurinos mak reeen-
te., acha-se babilitada a m equsiquer toilte
parm casamentop, baptisados, bales, paassioa, etc.,


Precig.-se doam omraz* .do hotel: a tra-
tOT08~niod a. Xan a. ^WMW I


&C.


.E.OSE 0:E A j'E DAI'V0 T IVO
as Cascas do Larnja' amargas
c" ^flO"WtITO- de POT-A o
-?h'JDVAA)(O PJiSA JUNTA-DES CVOXaU6Nf &O' BA ZZL.


-3 o, Buonurto de Pof sslo ie
,lw'be.-coEclo lodos os lV(P4tctOs
Uitos asite esiabcl-crncnto, e do
tun 1.atisotuta: iouidi(-oo iAndLs-
peasavel pa-a quti se olbteiui'ii erei'gs
.edatirve.-evaI- s sore o sys-
tema neor o0:. .
Dissoivi 16id n% i1ope Laroze de
Cascoas de laranjias amiargas. ,s 'e bro-
mueto e universatnenme ipi'em-gado


* e exclusivamente receitadopelos mais
4d6S" mniedf's 'd4 todas aS fkul-
diA p prai c6mbater corn certeza :
Atf aft"c l5 zrv o~as do corag&t'
dt-'dlSaft~ as o.e respn'atortas,
anr-adlaSi a' eIlfepsla, o hyste-
'tib,- a An*a cd1;j. Ouy, a insomnia
das criangas durart* adent591o, era
uma palavra. todas as- ftec8es
nervoBas.


No mm.ens oeposito acha-se a venda os se4iwtes Productos de- J.-P. LAROZE :
'KD^1&1?" I1 A QftTC ae ca3?1 da Tfttl* XM rOPE LA ROn larEanjas aTrOgas I A TEnOS
Coatra"i ae nritcs, Gastralgias. Dyspepsia, Doreas Calmbras de estomago.
y~ ~~~~~d A to ssi ?AT1y^cascas de laritaljr~'i't Tf f i'Ai fiit
AROPo V.u nPrATIVO sImara;,pe 4=nia PQTultSUSIO,
Gcr2wra as Af9f .scr.roo's ca es Tporibrhoc Acidea dend era
AstntS ]^hiUitcQ3. sefMUniariow e terria
o, uaeiaa LIOf-.kMirJl OD 'M
tWa'i~fflTOSimo P to a
Coatras AnAmia, Oiik'hr Anemia, COres p4Uidai, FJocar branoas,, Raohitbno.
opsito em tuodu as ear @W -d# SParis, J. -P. LAMt)ZE e G3- ?Miaeiai s I
*2,VtS LIONS-SkINT-PAUL, 2.


Min EaemAa

^ ^aPERlUW/IIH E*4tr~hs


,l, ....... .iWWSW4SfiP l a...UUW Ji&
sl o .....YaJA~io m .. m


mjiB......
u^e 4 t

a n At Aumm


I OS XAROPES
DE HYPOPHOSPHITO
, de Sofa, do Cal edeo Fem


.gast


Ir& Koec-


DZPQ8IGO OiRAL

Jnice sog I ,e m I b WA
Im~mmam,dmmm

N.--3 Ru do 1 *.-
A vend em todos a bofiwe dim.
A' Ventmures i ntTm do Cagi I4,.
Abm yn "o venda w mi is dwb M Bme dag
stmisa do Yran, qo s extra"i 1 ll.
vehneane no dia 15 deateX;.ad
loteria 835 A, quoe ethir t Nedi a I UW
Alga-se urn gade a
(Cho Meonmo) once eteve o oeall
de Jesus, frnido agna gas, itroe e find-pT
o memo: a tractarna rua nda Made de Dem .,
Is andar.
Trap -aua-se o atredadwte do e bw-
Collegio, nafreueia da Lax, distmteft m
da estao de Timns, e tamben verea-e 6 i a
creada pra mats de % &% pO 0 a 0 v 0O vti e
forga orendeiro a fazer tal e "ci. 6 tar p-
guido ruito mno de &sade. 0 en te m I pro-
pornes par mafr r BmUi de 3,00 picm sauma
mente, o iiaelhor 4 sM- i 4 posivel:
qwm pretender tal negoei, dirija-se so memo
engeno, que achara coem qum tratar.
Offerece-se una mo a de boa conducta para
acomnpanhar qualquer familiar, ouneue qu te-
iA d reirar-e pars oats provrmeia ; qtm
preeidsar se dMija raa de S. Jorge a. 111._
Preeisa-e de ur amea mpara eiiskar ;
Caldeireiro, segundo sitio depos da estao.
As acoes entire anige de ma iU pta
caixa de music, que devia correr ms sexta lote-
ria do corrcnte, fica tramsferid pars a ultima d4
abril.
rPalares
Lecciona-se em casas particularee piano, por-
tuguez, franeez e priaeipios elementares de ma-
thematicas ; a tratar as raa da (oneei o an-.
mero 23.

Vende-se
um terreno corn 100 pabmos de frete e M0 de
fundo, na rua de Santo Antonio de Agas Fria de
Beberibe, no correr do sitio do Sr. Agra, tead o
terreno alguns arvoredo e eacimba corn boa agm :
a tratar no becco do FaleAo n. 16.
Venda de sitio
Jolo Machado S areas vende o seu sito, pert
da estasgo da Mangabeira de Cimsa, no Arraial ;
tern casa de vivenda, sem contestsio a mais
fresca de todo o arrabalde desta cidade, pela sea
elevada situasao. No sitio ha grande quamtidade
de arvores de frucmeto, e nos fundos do memB m$-
tio corre um grande riacho, quae a ea smeea de
-toto, e ondese pide faer eeeltente bsimre ; a
tratar na rua D)u lue de Caxias n. 44.

GLYCERATO VEETAXL
Contra emplgems e etrus af.
fec 6es da pefle
Preparado por Joao AtQnoto Martim No-
vaes, pharwncetico diplomado pea F9
culdUa e de Medicina da kkBai.
Este preparado, composto espeeianimente de
Idantas deste paiz. e o resultado de muito tempo
de trabalho e estudo.
Elle e applicado corn exito almiravel nas afce-
ves herpeticas, nas sarnas, frieiras, feridas elrr-
menicas e em todas as molestias de pelle.
0 seu emprego nessas molestiss tern sido me*-
re d'um grande resultado, oleraundo o Giveerat
Vegetal uma curs rapid (ia molestia, evita*Kdo a
repetieio della.
A grande procura (qne tern tido o sen autre,
b urna preova da excellencia deste prepanrst4jA
6astante conhecido pelas suas virtues.
Em testemunho do que avanesmoe offerecemos
a considered public os attestado. infra de di-
versos facultativos que teem usado "era sua clinics
eomeLrande proveito do OLYCERATO VEGE-
TA ge bern assim de plsrmaceutle e pesmas
quo elle Tein feito uso.
Appliea-se sobre a parte affectada em fries
tuna vez ao dia, ou pela manha on A noite, teudo
cuidado de nio fazer segundo curativo, em tomar
urn banho n'agva morna on fria, e lavar a parte
afectada corn sabao de qualquer qualidade.
No fim de poucos dias o mat vai desappareceudo.
Outrosim, quante mais o mal torna-se rebede umais
depressasoGLYCERATO VEGETAL obra com
promptidio.
Quando o doente applicar tres oa quatro reaem,
e tornar-se a part affectada dorida e vmenea,
neste easo deve-se graduar as fricues pars me-
Des.
Nos caeoa de feridas, deve applicar-se de trot
em trees dims, on de quatro er qustro dias, a la-
var a ferida dmus eses so dia em coameato de
malvas.


UI Ieo depasit.
MA
PHARMACIA E DROGARIA
DE
Bartholomnet & C.
34 RUA LARGA DO ROSARIO 34


Attenco


Nesta tbypo"raW vem.
dera se as okras se
suites e reae


PARA AmrSO-
rTAU I "boom
do1S2S
MCAIdROS


p, a mm
S-7 arm


-SAM

AWPUk
Uow


..


uaixelIro "
Precisa-se de rnm caixeir,-? fnp-i --- <
e que d fiador a sua conducts, de 14 A 16 annos n
de idade ; no deposit & rua de S. Jos6 n. 56. IA
_____________________ Sob a f6rmasaVINHOde*PEPM',
,-Ido Por Do de Parfdp6,e u
!lmH iT --- "" ^.toque muito contribttejm ae,
j i! gi y.- iT'-" "--odeslstomagoe,e,'r.aWinm a
Si esiao, aimco n eiode ofa.v.eqar'#BnUtio
j V3oemnumero do epme xpe fditas peols
S^BH-- -sr ^~ a, L.... ,Ma.umdos mdicos da Parih. entres
IX paizes demontarami a meMfasadoVINHO
,DE ,I A. PEPTONA DaFMBI9i)SA
1U1E pPi>idade em qua estmos do reproduirx
DE 'todas snas carhs, i ndtam a are-
'smiar aqui a cartadmgidIs S8ir fes
MIGUEL WOLFF & C ;r oieP s-.,om
/-\fy 9 '*DoJuiuot ao-SAr efvmae:
Offerecemao respei- Sa sa,aW,3at
a Teram o gosto do Me a a-
fV~ rm~mmT~lm-Q-k sfafla que five comn a asa 4"inoM Pei"
travel public gran" m I resultados ue c et m
4 N Q P a S e r npra e s r m te d e h w k T Z ,
de e variad sortimen- -,ua
to de relog;iosdos mais
,e r *1 O ,. anericas <1
acreditados fabrican-. ,m
W:. AL- O.-'I I uIde. 0 o.:t oi 'I 5


'.*t


9


i





























my

ro eeanut
sad es e s


Afgatjwwunto &0(to U 5em U~w -m -
I e terrearo pwts 'viveiro or 2:0)@F; yen-
_ks a* uumw preta de 9amroes, quo en-
'gftBus coshka e lava bem ; na ruada Paz nu-



0 Mumw Elegante vende meiaos eruas e bran-
e. oasua erian ais.de um a trees anuos, a 255004
H duram, fazenda do 4A500, 4 baratissimo; na rua
. o Barlo da Victorian. 12.


t-I


2 te.
u, 40, li1


F-,in6 C


0 o o ln a mdor efficacia no rhotmatismo de qualquer nature
e aod s molesiasda pefte, as lehort
ou A" brocaIWB nos ffrimeutos occasionados pela hupureza do sanigu%
'efinalmente nas differenteB f6rmas da sypbil
".. ..,-..-. .W -''y" : 7.,,.. '


Antoni0o jereraa wbC


t tr oei-mae propagIK14?
Prevent.#) que esta Interrogasio ha de ser formulada, apreuo-reo em destruir qusesquer msgn terpi?(aces, qi.pOT ventura
pretendam attribuir-lhe os que virem oom estrauheza figurar o meu oo a& propagalLo do .
Dous motivosprincipae determnaoram omen proedhbtento: -i" 0 <- -, -
Sou naturalinente propenao a aui19 qualquer industry a ov, urnms Ye que result do ou desonvolvilmehto qualquer boeefio e
prosperidade parm o mIen pa. '. -* .
Na minha qualidade de industrial ontendo que ha nisto o cumprimento de um dover, prindiptlmente quando so trata de umna inaven-
fio, que aproveita a today humaidade soffredora e cujo autor nao dispoe does recursos precis par fal-a fructificar e ser utiL
To'ornei-me propagador par& auwiliar ama utiliema invsenfd. -o -
Na minha qualidade de commerciante seroia loucura atirar e.comprometter capitals, que de future hio de constituir o patrimonlode
meus filhos, para unicamente gozar da satisfaio intdma de ser util a todos corn sacrificio de mionb familiar. ... ;!,:I... -Af. -.
S- Pot isso julguei tambem do men ever, ao memo tempo que punha dIspooiio dess. nova inven^go o men nome, o men credito
e os meus capitals, contractor corn o illustR inventor, que correriamos socialmente a moma sorte.
D'ahi o contract de sociedade que nes prende a min e ao illustre inventor.
Conseguintemente tornei-me ainda propagador para eporar CMmmerCiahnnte eo ina t .nf.
Do que se segue ver-se-ha a demonstraio do que acabo deo affirmar.
Ha alguns annos, quoe o illustre Sr. Firmino Candido de Figueirdo, homem de intelligenoia pouco commum, e do ums asetividade
persistent, applicou-se ao estudo e investigasOes, que deram em resultado o descobrimento de um poderosissinmo dicamnto contra
algumas enfermidades que tem a suna sede us impureza do sangu. Depols de aturadas experiencias, que levaram-no a adquirlr Inaba-
lavel convicao da efracacia do sea medicamento, o Sr. F. F= eo procurou obter os meioe de fazel-o conhecido e until.
' Bateu a muitas portas e nenhuma se lhe abris ; ate que sendo-me apresentado e especiabmente recommendado polo Exm. Sr. Dr.
Jose Marianno Carneiro da Cunha, digno deputado A Assembla Geral, informnei-me minuciosamente sobre as distinctas qualidades do
Sr. F. Flgueiredo, do seu character, da sua sinceridade e b8a fe e especialmente acerca da sua capacidade e do seu medicamento.
Fis mais ainda: quiz eu mesmo fazer as experiencias, que j& tinhan sido feitas polo inventor.
Appliquei o medicamento a diversas pessoas, e at as de minha familia, e eu mesmo experimente.i-o.
0O resultado nao preciso dizer que, que excedeu a minsha espectativa; basta, para proval-o, o facto de associar-me ao Sr. F. Figuetredo
e p6r immediatamente & sua disposicao os recursos necessaries A propagasio da sua descoberta.
Urma difficuldade surgio: o inventor nao tinha um titulo official de sua eapacidade, emfim na 6 pw=rmacetico, e muitos invejoso e
outros tantos despeitados, posto que tiuado,poderiam pretender embaracal-o, antepondo-lhe as mahas da nossa official regulamentacao.
Ainda bemrn que a historic est. cheia de nomes de inventories, que nunca tiveram titulos offices, reconhecendo ou presuminigo e
conhecimentos scientifloos relatives a suas invences. -
E entire n6s mesmo, quantas muitas vezes a I.tisana domestic nio tern sido subsripta e adoptadea pela sciencia dos Doutores?
O medicamento do Sr. F. Figuebrdo produzira menos effeitos terapeuticos pelo facto de faltar-lhe urna particular de tintura sdenti-
fwa offial? Entretanto para evitar conflicts e titar acn especuladores todo e .qualquer pretexto, julguei convenient sujeitar a formula
do Cajirub~ba ao illustrado e criterioso exame da.unta de Hygiene Publica do Rio de Janeiro, a qual concede a devida approva~o,
polo que igualmente foi concedids a respective autorisacio per decreto imperial para a manipulaldo e venda do referido medicamento.
A approvavo da Junta de Hygiene sera bastante para imp6r respeito aos sectarios do officialismo.
Sendo o Cajirubgba um composto de products vegetaes, tendo por base o cojn e a Jurub#ba, products estes que tern de ser apro.
veitados em ursa poca do anno, deliberei construir e montar na chacara do Sr. Major Luiza Cintra em S. Amaro armazens onde so en-
contramrn os machinismos e apparelhos para fabric do vinho e alcohol do cajfi, empregados no Cajf&ruba e bemrn assim serio tambem
montados os apparelhos aperfeicoados e indispensaveis ., manipulao do medicamento.
Em taes condiSes brevemente ficarei habilitado a satisfazer as encommendas jA feitas e as que de future se fizerem.


Para provar a efficacia e optimos resultados do emprego e use do Cajwrublba, chamo a attenq&o dos !eitores para os attestados ejno.-
lestias que foram combatidas e inteiramente debelladas por este medicamento.
Firmam os attestados pessoas conhecidas e de elevada posico social, cujo credit nao poderg ser post em dnvida.
Sendo, porem, costume considerar-se graciso. takes attestados, preciso desde jA aIssegurar que nao s io ellezfiticios: so, poi, alguema
duvidar desta affirmaaio e conseguir provar por meios legaes a falsidade ou gracwosidade delles, recebera a quantia de 5:000$000, que me
obrigo a pagar.
Para que o public tenha conhecimento dos resultados que fOr obtendo o Cujrubaba, publicarel um boletim trimensal em que se
passarao em revista os nomes das pessoas e das molestias em que o medicamento for empregado, sendo tudo comprovado por testemnnhas
irrecusaveis.
Desejando ser util aos que soffrem e dar a devida propaga'fo ao CajfUrUb4ba, tenho enviado a alguns illustrados clinicos desta capital
um certo numero de frascos do medicamento, afim de que possam elles reconhecer os effeitoo salutares deste.
Creio ter respondido convenientemente a interrogagao formulada e aguardo os factos e a opinion public sobre o meu procedimento.


Altf
M'
0/k.


pi


tecite, iu ue i umo cte iSa.
Illm. Sr. Firmino Candido de Fi cir)2-o. -- Jo._
Caetano de Medeiros, Tenente-Coro'. -:el 1fl i .--.a
Nacional e Cavailheiro da Ordem de Christo -
Declaro que o seupreparado Clajr{L 2:a % urm pro-
digio! -Mou filho Cleofas soffria de dartros a ponto
de se ir tornando'uma molestia seria ; depois de se
ter tratado homeopathicamente e corn mats outros
remedios sem que melhorasse, utsou do seu C!ujwi,-
b6ba, e antes de acabar urn frasco desappar'c-cramn
como pormilagre. Um outro meu filho soffria de
uma ferida na perna, e depois do tcmar a ,5'ulsa e
Caroba por alguns mezes sem que a molestia -obe-
decesse, com o usdo 0seumiiagroso Caj4'rubeba
flcou perfeitamente cuirado. Uma minha neta,
soffrendo de flores brancasa e reuao prepa-
rado, e em poucos dm &ou' Ws&A Avitadistofiewt
devo occultar tAo prodigioeo medicsmentm, u o '!
.para anknal-o em seu "rbaifho cmoma para emaw ia
aos soffredoreB a tabo4 da.ms a Reeaf, 23
d. A~bnl de1883. J9$.CoataooX*Vo r<98roo


fecife, V; de Dezembro de 1882. -H im. Sr. Fir-
mino C daida, de Figueiredo. Cabe-me o prazer
d- communicar a V. S. que, tendo soffrido durante
-. re-... de rhe.rnatismo, acompanhado de inchaao
nas pernas, aleim das does que me privavam de
a:-ar. ; coi:selho de V. S., comecei a usar do Ca-
j6cub.ba, sea.preparado, cujo effeito no sefez espe-
rar-; pois so,,ente corn um frasco fiquei conmplta-
mente born. ",o hesitarei, portanto, em acouselhar
aos quesoffren:ide tal molestia que recorrao aquelle
efftcaz reyn cIo.
Queira V. S. aceitar esta minha declaraao, e
fazer della o uso que Ihe aprover. ,
Aproveitando a occasiao, manifesto a V. S. a
eiasta econasikera cor e sou-me aeV. S. attein-
ciawo -auuio e $.Talsuno cniado, Diogo C:ar2w4e


-1


Agua Preta
Tendo-eannunciado por um edital a arremna-
-ta*o do eage Povgio dete termo, vebo
'Sw esWtermo, veitho
declarai que dit6 engenho nao se acha no estado
earipto no qitA nias de to4o deteriorado,
a dambarsr em o necessarides uaten ilos
asraaoge;, am maaadeSviveada, senzals e
ztts. ss quo w eio mao protest,
olme~ene Wtr. ~mehaute arrematacao,
re. tam por ASm a viel*oao we sagradoo direilos
gods aed onfasiubxrem slo : en abaixo Banip9-


USE E VERA
Chegou nova re-

messa para a Livraria

Franceza rua 1. de

Maro, n.9.

UICO IDEPOSITO
Prefo 800 r6is.

FarinhaLaetea


Scores atuito ba fctae fanme& qw
Snao desbota a 2A0 e
DiWe de. triSfts~i de liatrinbas @ qm.
drimhos, faaeadH anite "x e Tw te
lava, a
Ditasde eazemira pret*, f(sumda ho
boa, de 645M atA
Paletots de azmira minuito IxM, im *e
listrinmhs, a
Ditos da mev vr faz- an feiu ldos, a
Ditos de eazmwiraa eicuras, bLastxnte tm-
corpadas, a
Dios da mwie f fn-arrndo! e mei-
toa hem fcitos a
Ditos do ep,;rq aRetinada a
Ditos de fla;ioll amz. aen' m fazenda qm
nio desbota a
DitoB de <" 'T'i Ttl.dtec-f'~
diagonal, e ) m.,it, b,"m fMitos
10000 c
Seroulas g.- t'. l ,-" ,' .1. ,,"..
feitas a li20c e
Collctmhi ii ...... t .... ci:. ,n- -ina fauca-
da, a 8)0 e
A u ccr, v',; r .,r', *, ,
|'um!~l l)q w v 1^..,1, ,, ,r r *, 1:' : I ,, .
T O i.,;-> .... .* .. .... ,, l. '1 P.
g.'a
K,'.:-r- I?,. ||
i ^. ;..* dUl


A' ruia db T
V T..


;
'~.
* I
-


Nos primeiros mezes a alimentarYTh)i ,a. o ,. ..
natural e apropriada para alimentar a er'an, : lo ,i ..
ga de peito 6 o proprio leite matenno o q aa prl'- -. .. ,
em caso de nccessidade deve ser substititi- -' .,'
do pela h ,a 1. i.,.
FARINHALACTEADO DR. '" P ',
FRERICHS! *I; ,
Asciencia e a pratica adoptaranm a fari- c i ^iO
nha Lactea como poderoso ciem:,' N l 4 ...
trictivo para a infancia e distinctos 1- Uiu u 'l '' ""
cgs do Brasil e da Europa rccnnhc,'.'-rarni ...,;. '.
ser A do Dr. FRERICHS a mnelhor v' t- .... d' c Ir es.
genero. 1 ? !'
Deve-se pois evitar confiar o filihaho A '
uma pessoa estranha e de comporta.meiito I :, ZSS. .. ..


^


Pio , a n. .7 .

i::: :E ft Mitho
SPrecisa-.se arwndarum engenho que estejaem
boas condign es: a tratar na rua da Companhia
Penambueana n. 4, armazem.
Papagai.

Do sobrado sito a rua Vidal de Negreiros n. 23,
fagio um papagaio no dia.10 do corrente, levando
no pedacinho de cerrente de metal ama-
rello, tomou a direcego da rua do Padre Floriano;
quem o agarrar e quizer leval-o ao dito solbrado,
era generosament e recompensado.

Ama
Precisa-se de uma arma de boa eonducta, para
vosinhar e lavar ; a tratar na travessa do Costa
numero 17.

(Compra-se
Uma balanga decimal, que nio seja grande e
que esteja em p.Rfeito estado ; quern tiver e qui-
zer vender dirija-se ao pateo do Paraizo n. 16, es-
quina da rua deS. Franeisco.

l~iio~s excIsior
movidos A bravo on uA forCa meehanica.
H. GRUSDN, BUCKAU-MAGDEBURG
Fabricante.
SEspecialmente adoptados para moer eeraes,
victualhas, 'drgas, especiarias, preparados chi-
micos e quaesquer outros objectos que se tern de
pulverisar. -
Premiado 36 vezes. Inunieros attestados.
Para informagies e pedidos, dirijam-se a Theo.
Just, Corpo Santo n. 17.
Ageute geral de H. Gruson, Buckau-Magdeburg

Caixeiro
Precisa-se de um de 10 A 14 annos de idade,
idetenha pratica de molbados: A rua do Duque
nequs .xCaa22, (antiga das Cruzce.

Alerta

Falsiica ao de marca de polvora
a Constando-nos que em breve sera offerecida
polvora corn a aereditada marca diamante e J no
centro, marca esta bern conhecida na provineia
por ter sido por longos annos urma marca especial
doExm. Sr. Barao de Bemfica, prevenimos aos
interessados que a verdadeira polvora por nos fa-
bricada traz nos barris um elephant estampado
sem o qual a polvera na'o verdadeira.
John Hall & Son
Londres.

Ama
Precisa-se, de uma ama; na rua do Visconde
de Goyanna n. 87, antiga do Mondego, para todo
servio de uma so pessoa.

Lingua allemia-
Cmo no anno proximo passado, tambem ha
neste anne cursos dessa lingua dirigidos pelo pro-
fessor Augusto Riemann de Dresden. Os senho-
res amantes dessa lingua aeham tudo nesse res-
peito necessario ; na rua Joao do Rego (anritiga
Florentina) n. 6.



Offerece-se uma senhora de boa 'z ducta para
tomar eonta de urma easa de home solteiro, su-
geitando-se a todo o trabalho de portas a dentro H
a tratar na rua Direita n, 123.

Boa acquisi ao
' Vende-se um terreno corn algumas arvores,
situado a ru,. do Machado, em Beberibe de Baixo,
corn 150 palnos dp frente e 387 de fundo ; a tra-
tar na travessa do Guararapes u. 5.

' Sr. Andre Rampcke
Qneira fazer o favor de vir a rua da Impera-
triz n. 55, tratar de negocio corn relacao a sun
arte.


Pfotesto


4-



.4r

'-ftil

"4.C


(A &


"I ,.


(O -Iiq ra-, t -5
n. 40 f in :
1 rma vei0-l1 '1- V k i a



A IW
'P..
i',rrc'.ros.

., U
ji I jii rUIi
n .* ,"
,.:t ~ ~ ~ "- li-^ ;** .^.'. .
] t, H 'r1 I- :1! i i ': ; I. *


1,4
V1, -.


I


-- ~ ~>~* -I
0-.
1 i-i


udboWON a wV VOP
Adamson Howie & C. tern pars vender : ,,;
Vinho do Porto fino, em caixas e barris.
Whiskey Donville verdadeiro. ft J .,
Tinta de impressao, boa qualidade. ',
Brins de Marshall verdadeiros, do todoz os lumc
ros. ,
Remedies de Ayer.
3-RUA DO COMMERCIO-3 L )-- "

Aladuras de cowr- y.


.5
-U
~ anca~


V1 Vista


' 1,>r


Para livros, papeis e embrulhos, cor(( '. r
800 e 1,000 ; no Museu Elegante, ;i ru:. do ;- ,.. ,.:. .
rilo da Victoria n. 12. ;;, c

Flores :-


I -, if : .
I'o :r;!1", .- r ,,
p']roprio i,-" -:


Vende-se um engenho muito boin df.;mU .. ,t
copeiro, corn roda nova de ferro, mnoe,il .... i '"''t' "
boa, rodetas de ferro, parol e taic ,,_ c 'r;. .
f6rmas de ferro, distilacao mort>"d oa ,- .... .-:;', ,-,a
corrente, estufa, casa de engeleinb lci ni k *,.
gar-e encaixamento de pedra e ca], a_-, y ,1-. I
uma casa de sobrado corn muites conli, ,, .. ;' c i
pella, senzalla, estribaria, casa para fa-Ii.i, ha- 10' rr,.' 'p '
gago, etc., temrn varzeas, carregos largos, f ..-.- nrtp. ,, .
de, corn muitat mattas e algumas f uaici1rt lu' 4r i1 ')c a vt a
vendo-se tambem a safra moves e outrus o.JXcc- : ',: .. '' 1 '*' : ,
tos, 'dista da estacabido S. Lunr o v11 p i vra a
tres ao Recife : os pretendentes dirij,.,-tt I ckk !-'':I.^, I' .. *
Exm. Sr. Dr. Joao Capistrano Bandeir2' .,,,. T' "., t7'4, 1 ::r.
rua .do Crespo n. 12. ro a
"I I 1-:, I


taraIlIO oimi p~~ a r; ^
No IuseuEleganteos encontrarnoaprcci-adorit. E': y !,c,, -i F, u I
do born c bell umn magnifico sortimento do olijec- r Ant '
tos de electroplate, proprios para mincocar. e I t r '
tambem colheres para chA e sopa, garfos o kos, Io pricto 4-i f' ,
tasa tudo do melhor fabricated ameriino Rled i;!I, e litndas pia .. i ir. ..a'tslI, 0t 1'
Baston : na rua do Barao da Victoria n. 12. ierno dcaparad nt '
,--ro este merado: te :. a Uo it,, :
Farinha de milho
*ra~~~~l~~llilX' tf^ 1-llli eo.mfivt~l! acima indsj cados Ih.utri-il, tfI l.; ,- .,
Moida a vapor, de 18, 2a e 3a qualidade, a 100. conio semprc vcncm p.' pr,-;, i rm': ,
rs. a libra, e de 4a a 80 rs., em arroba a X 2 !3? 1 ; -soa sIe Cpril. ---- Es---r-n--- .A.l
vende-se na rua do Cotovello n. 25. do Daque de Caria -IMova .gF'rni(sn.
i ,,ia1 ,.1 ,A C6ii1o sAo bonitas


Enxovaes e vestidos para'baptisado e peweio.,
esta vendendo o Mseun Eleant per metade do
valor ; na rua do Parlo da Victoria n. 12.


A Calanvalde Li*boa
e e patr a eme 6vant,
I-
gul I DIeahgada honteni ipti:*t, ye
d do-so per' mest.q em00hpailrte.


*SP 40 ^.ftami1^ hi^


e 0A a
ONla e&ai
III,^^::^^^,1 ,.


KPLreAGWIT-L
e *Ndxloaw dswat


n-


a terra
LIPUTG ,
O 20 sanos de
casa do vgen-

mo ia tra;


Attesto, que em Ar-osto d I' 1Lc rl-:resso h.in;, i ili-a. St. i:m-n:'o Candido de Figueiredo. Re-
failia da capital ,o Para ,ara e-ta cidac, vi, .e. 33 de >21k le 181. Julgo cumprir corn um
minha rmulher nuio, hin.tmhi (die -ma o f rt- i ..er z ;v.... ter empr.egado corn o maior suc-
Serupaol"elo'o.,t- ......- o.d-- .-, *, o rw! <*- 1 C,,ji6rzb.ba, preparado vi-
nzao durnir 6s npiitc-'? P .U ) ", .' :0 q I -o ,or-.:". '
sujeitou-se a tratametto ,dico p,,- u ^ t-. t I.; .-,i,- t artTne doente, corn umn brao en-
sem jamais o real d,-a... .. >-_. i'L -' -.;| t-'--aado.dc i u:t'ismo, iilnha mulher, e tendo re-
anno, j deosccn-t do taute i c IS, c d er,.j.- cc-" ,o L0 ,:, algum a various, medicamentos,
tado algum, resolveu-se va toiar Ci.erub. riome- se-ui. e n': ,earacao do deptrativo Cajwru-
dio que me foi indicado po-r mnnu nnMo 1ncisc.,. o d, (, '- .-.,j(-r-s dlas de sC3pa pela manha e duas
por jA ter applicado corn feliz ex;to em ii:-.a a tie :.r ?" jcas doses produzio uma melhora
sua familiar. Corn dous frascoa fico- reaT'obelec;,.a "I -. -ive]. 1 ca ) fr rn otto dias completamente res-
e ate hoje a melestie n.o volto-u. -eI0',c. de ,L-U';da.
Agosto de 1883. -- Dr. Gervo'sio C'';.1a"p-, Th' )se o que o cuea testemunho Ihe seja until ; nao
Ferreira (Desembargador da Rela e dU rc -. pc.- ... ,- conaelhar a todos sua preparaao.
buco). Q cnlo, .-. f-zer desta o uso que lie convier.
-- -...-A teno venerador o criado, Joa'quim
Attestoque empregando o prpado derni -i Hj. 1\. L Caldas Junior.
CajCirubba no trata.mneonto cOe .oui-, caso.t de arc- / j
rheurnatisna.l chronic civc o. :ur cu& vi e observe, qu a preta Esco-
W' a verdade.- Recife, 2 d,"o Agsto 1 1- -- .- quasi 8 annos,tendo aspernas
Dr. _ldefonso Theodoro arti (Mdico pa ai.- ,et -e cha.adas, e corn o emprego de
ouldade da Bahia). ',-:.- .. -a?-ceramas chagas e comeoua
Sr;ar. .co. 6 de Agosto (de1 1883. Gervasio
I .-_ _j- -in _- T.,'.I A!- ( i. oo.:.r"..l. P: 1'el'., r fl-rnllrc (Das Rm .rGadflnrV


As:meias de .',da de c6res para as 1"''.. -- .t
criancas de 6 a 10 aiios, e hriu.cas par a ri ,
quern vende?
O Pedro Antunc.--63 rmad Douxw~e Ak -,
Em continuaao
0 Pedro Antunes & C taeia aaba d< ft e-
her bonito bicos prefos de seda camn virlwos), -
timeato, largo e estreito. --Rus DN -ie I O'-
XIaS.
E' preciso andar a par
Doe ciatos aoderno. que recebeu j PeA*o-,
tunes & C. 63-Rua doDuque de CX.-


0O tervw e roeance, ka Tewlt?
de quaimwpM. Du-q.eJ <e^C idA.m


0 MAuseu Elegante recebeu o quc ha i (do i;n.'
lindo em flores de cores e preta, e est;'i v',on,:u,,
muito barato ; na rua do Baraio da Victoria iir -
mere 12.


-s


< *-. f.


; L..


t2: -
' !


.r i i > J i *-* i )1 *


nao conhecido muitas vezes o germen de
numerosa molestias.
Vende-se a verdadeira farina Lacteas
do Dr. Frerichs:
55 RUA DO IMPERADOR 5.5
Estabelecimento de muslcas e piano de ViC-
tor Preql e

luiaresima
0 Mluzeo Elegante A rt a do a.... (
da Victoria n. 12
esta vendendo por preco modico divcrsos arti-os
pretos, oemo sejam : franjas corn e eo n viiniihos.
bicos corn vidrilhos, luvas de soda, rctroz e itvili-
ca, e uma infimnidade de bicos novos para cufei-
tar vestidos.


AVTSO


I



















AM U 9.. .- "- .- 4.-;-v


no& segars quo antosE
matou completamn aIn^ns (r-
eds arQA 0 jautar tiQ'o p~ raoa-
homes de novo A mesa as oze srtas.
Y" At6 l A eu posso esperar faicUmente.
S-- DA o brago a Joanna, vamos dar um
S passaiolfblo jarlirm.
: Sahiram todos tres.
* Julgando que nao devia mostrar-se ain-
da, o Dr. Logondre ficara no quarto do
Jacques Vaillant. E'condido por traz das
cortinas da jauella, que tinha vista so-
bre todo o jardim, continuous a observer
Joanna.
Jacques levou-a para o qaramanchio, ao
fundo do jardim.
Cars Joonna, disso-lhe elle, foi aqui
que eu tive a coragem, na vespera (Ta mi-
nha partida, do d(zer-lhe: Auio-a!
Sire, Jacques, eu mo rocordo! ros-
P)oudleu ella.


E calou-se. CUahio de novo n:s atlas
suismas. A inqUieta;Lio dos dous homons
augmentava. Jacques Vaillant tornara-se
minuito pallido c n io ousava mn:is fallar. 0
teuuente achava-se igualmente cm um peno
so embara(o. Ao c:ba de umn instant,
naD podlnado mais couter-se, o anciAo dei-
xoui-os bruscamentc, e correu a ter corn o
doutor. Voltou logo, sorrindo; o soen ros-
to nlo tinha inais sombra alguma do in-
quietagao.
Dcram divcrsas voltas polo jardim, seu-
tando-se em cads banco. Joanna reco-
nhccia tudo. Parou dianto de um pilri-
teiro.
Alli, disse ella, sobre aquella arvore
havia um ninho.
Mas elle ainda esta alli! cxclamou
Jacques. Olhe, Joanna, eil-o!
Sirm, disse ella lentamente, como
fallando sosinha, os pintasilgos, voltaram ;
o ninho do anno passado nao estava n'esse
lugar, foi n'este galho d'aqui que os pin-
tasilgos o construiram.
Tern tudo present na memorial, pen-
sara o velho capitao.
Venham, venham ambos.
Conduzio-os outra vez pars o caraman-
chao, senton-se no meio do banco, depois
fez-lhes signal que se assentassem, o velho
A sua direita, o mancebo A esquerda.
Apressaram-se em obedecer.
Houve alguns minutes do silencio. Joan
na parecia reffectir profundamente: o seu
semblante tomara urma grande expression
de gravidade e lampejos fugitives, mas
que succediam-se rapidamente, illumina-
,vam-lhe o olhar. De repented, olhando pri-
moire pare seun pai, c depois pars o noivo:
Eu estive douda, n'o foi? disse
ella.
A pergunta f6ra prevista polo medico;
todavia, os dons homens sentiramn um cho-
que doloroso.
Oh! Joanna! fallou Jacques Gran-
din.
Nao ousam responder me, continuous
"-ella esbogando um sorriso; entretanto, neu
tenho diversas perguantas a, fazer-lhes.
Pois begin, sim, Joanna, 6 verdade,
tu havias perdido a razito.
Quanto tempo estive eu louca?...
) velho capitao hesitou em respouder.
Quanto tempo? repctio ella.
Cerca do tres annos.
Ah! disse ella sacudindo a caboea.
Apoz urn mominto du sileneio, ploL-
gI tio :
Eu atirei-mc ao rio: quemn foi quo ti-
rou-me d'agua ?
Aquelle lque, a prinLCipio, n'3 todos
accusamos injustamente, o amnigo de ten
noivo, o bravo Joaio Fera.
Joania teve uma especic de arripio.
Escuta, minha filha, escuta, apres-
son-se em continuar Jacques Vaillaut; urn
i i |


FOLHETI IM



PECCADOS VENUES

POR


oJ
.aci~ o -, o pq' .*Vj*'
-- Sim, 3oauna, foi 4 into, a
ellia vivamonte.t Ta fonu' te vi'tima de
um crime, onu to jar*o -Joio Fern sal-
von-to no teu quarto, como ni s tarle sal-
vou-to no. rio.
Ella volton-se bruacanmente para o ma.n-
cebo.
- Jacques, tudo it' 6 verdade ? disae
ella.
. Quorlda Joanna, re3poadeu elle,
olhando-a corn ternura indizivel, tudo o
que seu pai acaba do dizar-lhe, 6 a para
verdade.
Ella soltou um 4ongo suspiro e deixou
cahir a cabaga no hoanbro do vAlho. Do-
pots asrfou-lhe o peito -convulsivamente o
ella chorou abundantas lagriw.^s.
Jacques Vaillantapertava.anos bragos, e
a cada instant beijava-lhe a front.
Esquo9amos as does do passado,
innha querida, nilo nos lembrames mais
que cstiveste doente tanto temp, pois quo
agora jA estis boa; oh! sim, minha Joan-
na, complotamonte boa D3pis do ter-to
cliorado tantQ, n6s to achamos de novo,
eu, e tou amigo 3o iafancia, teu noivo,
marido brevemoente. Ah! Joanna, minha
Joanna, come n6s havemos de amar-te !
Como os belles dias que vem nos vio fa-
zer esqueeer depressa os mios dias passa-
dos !
Joanna, minha beorn ammda Joanna,
disse o joven offi ial, n.o delixni um s6
iustante do pensar emin voci, e. sou pai
dir-lhe-ha, desesperado de tel-a perdido,
queria morrer... E ioi clleo, quo ficava
s6 no mundo, esmagado sob sna immien-
sa dor, toi elle quo achou ainda bastante
forga para impor-me a resiguaslo. Ah !
Joanna, minha Joanna adorada, voce sa-
berA um dia quo thesouros de ternura ha
para voce dentro do men coraglo! Nlo,
no posse amal-a mais do. que amo-a, mi-
nha Joanna, pois que amo-a mais que tudo
no mundo.
Meu pai, Jacques, disse a moga
pondo a mio na do sen noivore, no soei que
b'a estar experiment neste instan-
to, junto sos dous: 6 come uma dila-
tagbo quo se dA em mim, volta-me a al-
ma, dosanuvia-so-mo o ponsamento, re-
nasce-me o espirito, abro-so o cora-
9go.


E' a tua rosurreiglo, minha que-
rida, responded o velho; estAs curada,
salva... Eatas-nos restituida para serm-
pro.
E Joao Fera ondu estA ? perguntou
ella.
Joito Fera ji nao estA na floresta de
Mareille, responded Jacques Vaillant; en-
tre as muitas pessoas que se interessa-
vam por ell, achou-se um homem de
grande corageo que se fez seu protector;
deu-lhe mestres que instruiram-n'o e fizo-
rain sua educacao, e hoje, Joao Fera, que
conheceste selvagem, umn hoinei coino
03 outros.
E' sempre e mais que nunca meu
amigo, accreseentou Jacques Gaandin;
1m dia, brovemenote espero, ha de tornar
a vol-o Joanna, cntao voc0 e eu podere-
inos agradecer-the por tel-a protegido, de-
fendido c salvado a vida.
-- Slai, responded ella.
Houve um moment de sileucio. Ella
proseguio :
EntAo h-.o de ter minuita cousa a di-
zer-me.
Sin, miinha querida, muitas cousas;
mias nu;o dil-as-heirns hoje, pars nao te
fatig.ar; deutro do alguns dias Jacques e
eu contar-te-hemos tudo.
Sim, tudo.
nis corridas, e cemr velas allumiavam a
mesa. Quiuze homes, mogos na maior
parte, cheios de vida e de saude e corn a
fome propria dos cagador.s, admiravam
corn prazer aquelle espectaculo.
Ninguem diria que estamos n'uma al-
deia, exclamou um dos convidados:
e qualquer so julgaria transportado a Paris
ou A casa de Chevot.
Magnifico Famosa idea, baro -
disse outro.-Isto 6 que se charma ver es-
trellas ao meiodia.
0 astro do dia nio teve per bemrn
mostrar-se hoje aoa nossos olhos,-replicobu
o barao,-e quiz indicar-lhe por este meio
que'n6s sabemos vi~er sem a sua presen-


a ba imulhert' -

Miaha -boa Gertr4s! 0dijeaz
comumovida.
Ora, disse a camponeza corn l
braoes erguidos para e 6eo, ha se
um Deua ls em cima! Ahl! sinia, i
ta vez snlate-me completamente feliz. 'W
A ua"a estendeu-lhe affectuosamentOea
Nio 6 tudo, proseguim Gertrudes
rigindo s3 ao sou amo, ha mais de tnariA
passes diante da casa; antes de meio d,
a coutinuar isto assim, terem6s today a
gene da povoaieo. Quae hei- de diz*I'
Ihes ?
Daspega-as, Gertrades, dizenl-loes
que Joanna esti curada; previn.a-as '
bemrn de quo domiago .fisumos, tanto Jo'
na como eu, muitas visits.
B-Im, senior; eor. isto dizor-41is
quo verlo sinha domingo, e reotirar-sq.
tolos satisfeitos. Cmo sintomno e iz,
Deus meu! Ah! sim, sou muito feliz'!
E afastou-se a corner, ligoira e leve o:
me se tivesse recobrado seus vinte annos.
Olha, mini hafilha, olha, disse Jacques
Vaillant, quanta alegria e quanta felicidade
a roda dc ti I
Bastou qua Gertrudes dissesse alguma
l)alavras aos campouezes que estacionav4t
na rua, pars que elle3s so afastassem s 4M
feitos e contents.
Ella logo tornou A casa e gritou :
Sr. Dr., Joanna esta curada, curada
dc voras ; lembra-se, conversa... Chamou-
me sua boa Gertrudes como outr'ora. Ah!
Sr. Dr., que felicidade!
0 Dr. Legendre deu-so prcssa em des-
cer.


Joanna viu-o avangando lentamente pa-
ra o caramanchlo.
0 Sr. Dr. L3gendre, disse Jacques
Vaillant, o sabio medico quo te tractou e
restituiu-te a razlo.
Eston reconhecendo-o, die ella.
Ergueu-se entio, e deu algunr p sos ao
encontro do doutor.
Ah I senior! disse-lhe corn gtpaa de
encantar, e corn o torn do mais vi'v reco-
nhocimento, eston emfim sabendo hboe rudo
quanto Ihe dovo.
Da n6s quon mais devo urn a tatro'
menina, sou eu:, devo-lho a felicidadc que
into do tel-a rfstituido aos quo amanu-nta.
Sr. doutor, disse Jacques Vailia1t
espero que ha de paaear duas semanas com-
nosco.
Isto ser-me-hia ifiniitamento agrad-
vel, senhor; mas nao o posso. Minha pro"
senga aqui n'o 6 mais necesamria; poderei
partir hoje & noite, entmreanto dar-lhe-hfe
anida o dia de amauhl todcy inteiro.
Como., qucer deirar-nos tXo depre 2'
-E' preciso : mines tiwabalos estao wae
reclamando, e estou care.peosea do voltau- I
para Chataui, onde esperodlemomar-ne ahida-
alguns mezes.
Entretanto, Sr. doutor, paroce-me
que alguns dias'do dcscanco. --
Ainda niao tenho direito d-nscam.ar,
respoflcuLLo Dr. L'gendr'e, sorrindo.
(COadieWcl)



V ARiALDES

Um catastrophe- flaumieira
Urna catastrophe: fihanceira acaba de
langar a. maior conaternagio na.k Alta-Al-
sacia. 0, Comptoir dEscompte,. de Colmar,
suspended pahame&os no sabbado ult_.o.
Urn. annuacio dos Affiches. t;awaci ,
corn a. assignatura de Mr. Picad, dir.r r
do estabelecimento, convocava os accioi"s-
com. esta barafunda tenho a. cabega #mn
tanto transtornada..
Qauor ter a bondade demna dizer .b .or
me do chefe d'osta quadixila de camss,
resa -.pcrgunto0 o viscoadu .
Allude aa que paga o almogo? .
Justamete.
Ao que convida todos, ao quo.
No acaba corn ceatrza, disse Aiz
riado..
Esse sajeito tom, o am a preta, wm
frak tambem preto, uraa faca de ,fBte
corn caho d e ebano, una.. -
Ea nao quero q itn'o dosecrMI
quo me diga o sea nome. 0"
-- oia bem, o tal sieito o
de... poi...
Ficamos inteirado6f-d&as Nres]^
Tenho o sen nomai. onta da.
SfitS, e. .. -.- f* '. A


o nayda do director, por um* grna
do cas O uebwilera, e que 03 tielu.. en-
viado Owfo pe*ho para nima outra C:m'
bancariat aftn de coptrahir, um enipek-
timo.
Esie golpe" inospetmp o era a sentenga
do more do director. N'ossa mesma tarde
escreveu tres cartas: a primeira ao indus-
trial cujo deposit elle noo soubera guar-
dar; a segunda A polioia, e a terceira a
um membro do conselho fiscal.. Em todas
elias so lastinava .4o ter side enganado por
um dos seus empregados. Dopois, fechou-
se n'um quarto, e o resto 6 facil de adivi-
nhar.


-Paseual e -ro1nna


tradD.)

Ao men' amigo Manoel Adeodato de S ouza
Junior


Valh:u-me Dous que mania
l)o ilesi)erdiq(ar discurso !
O0 hliomen i as muihores
Sao a gene peior (10do inndo.

Trueda.


Joanua, linda morena
Do dezesete janeiros,
Os olhos bomo luzeiros
E as face de assucena,
Em cuja front serena
Reflected su'alma pura,
Tern perdido a formosura
Do seu rosto angelical,
Dosde quo vie Pascual,
A sympathica figure.

Pascual, jovem arrogante
De vinte annos apenas,
De feigces bellas, serenas,
E barha negra, brilhante,
Alegre, gentil, galante,
Divertido, encantador,
Tern perdido o born humor
Des que viu tbe expressive
De Joanna o porte altivo,
Prototype do candor.


Fle 6 pobro e ella rica,
E Se amam corn paixao
Tiae distinct posicgo
S6 i outras mortifies,
Ella, de amor nao explica
Que este mundo do baixeza
Condemna sempre a pobreza.
Como um crime inaudito,
E eleva t6 o infinite
0 esplendor da riqueza.

S Inda que a vejam soffrer
S Os pals de Joanna bella,
Nao queromn que se nuna ella.
0 born Pascual, minas sem ttr,
Preferem iel-a morrer
Victima de atroz tormento,
Quo dar seu couscntimnento
A' urna uni'ao tao desigual
Pois so ella toen metal
Elle s6 possue talent.

Vendo Pascuni quo a deidade
Jura amuald-o at6 a inorte,
E descjando outra sort
Vac partir para a cidade.
Inda que de mA vontado
E cheio. o peito de fel,
Jurando-Ihe ser-Ihe field
Se despede contristado,
Corn o coragao traspassado
Por essa auseneit cruel.
i Cale-se Voltamos novamonte As re-
flexoes sombrias ?... Como o seu tempe-
"ramento summamente nervoso, sem dua-
vida 6 causado pela chuva miuda que cahe
am cessar, disso estou. eu livre, e portaa-
to rioema tempo secco e canto em tempo
chuvoso.. Os areas dAs montanhas hbao de
fazer-ihe muito bearn.
0 viscondo nta responded.
Era acaso o barlo de Certenes aL-
gum dos seus maitos amigos ?
Era, responded Fo-itfac.
Entio viskie-o.
(Guardar-me-hei do e fazer.
-- Pois almoeemos, j&A que nos trazea o
serving.
-- Vao para o demonio as -reocd-
es ..... Eu jA naoi petengO a ests mnm-
d~o :vin
qu I he d&um conselhU*

I -_ :t2 ao demo o sem passa-
do; a memoori6 umna triaste faeuke para
os howsas Q as recordaeoea de cou-
s r s*6 eowf aos ve-
laof'^^S^^ ^t oa aaqueoerem-


iiH~f~empoque so peg&. p=uAi*& no
iB^^ ~~i^T dsi -andiwar o t
M r
'I iio5 JiU ~ |M
it^*^ ^^


- .:'. ,i i .. ._.-.....- .
-? ^f~5 Iou. qxrad.!

II
--Quanmo xmsita eat& partids!


Dais annos ha decorrido
Deade que a bells Joanna
Viu partir pars Havana
0 seu Pascual tao querido.
Pouco A pouco o doce olvido
Foi banido. seu pezar
Do que lhe serviu jurar
Se a Pascual jurou em vaio!
Pois a outro a sua mito
Entregou ao p6 do altar.

Pascual 1 que ha conseguido
Corn a travessia dos mares
E dcixar os patrios lares,
Se tudo, emfim, hlia perdido!
Ah? tambem o doce olvido
Chegou por lit, por Havana;
E no dia em quo Joanna
Se unia em lago sant.)o,
Fez o Pascual outro tanto
Coin urma rica cubitua.

Diz a bells quo Pascual
Lhe foi perjury em Havana,
E elle diz que J:oanna
E' quem se ha portado rual.
Como nenhui foi leal,
Em ouvi!-3s me confnndo;
E corn pezar mui profundo
Digo ao ver saus pareceres:
s ()s homes e as mulheres
Sao a gente peor do muudo.,,


10-3-84.


Eduardo Gonalrdves.


A umea morena gentil
Em quanto tiver vida hei de adorar-te

Consente-me, mulher, que embriagado
Em teus labios tSo cheios de docura,
Em phrases loucas delirante venha
Cantar-te, inda que mal, a formosura I
Quern, vendo teu semblante tio mimoso,
Tuas faces, ten olhar, teu penteado
Nao ficarA surpreso e sinmi-louco
De amar-te c possuir-te, anjo adorado ?!

Oh! perdia portanto esta afoiteza
Este arrojo tio grande, esta loucura! !
O que a tal me levou, nao sei de certo,
Mas diga-o tua propria formosura!

Diga-o sirm, o nobre sentiment
Que nutro por ti eu, s6mente minha,
Meu ideal, mou ser, einfim meu todo,
Mulher, d'ontre as mulheres, a rainha!
So to anmo, se to adore e so te quero
A culpa tens tu mesa em teu semblante,
em teu sorrir gontil, em tens olhares,
Quo preso me fizeram n'um instant !
Quer me tenhas amor, quer me despreses
JAmais, eu juro, deixarei de amar-te:
E' este o men destiny, pois bern seja!
Emniquanto tiver vida hei de adorar-te.

Fevereiro de 1884.

Gf(fltwa.
0Os banhos no Japao
0 Lyn w elc'ild oiublica uns pormenores
nmuito interessan'tes acere-t do uso do ba-
uho no Jpio. Toina-se bonho todos os
dias, e por un preqo exti-nmamncnto inodi-
co. Corn roupa, custa apenas 2' sens, um
poIuco menos de dez ccntiinos.
Os japonezes tomam o banhosauinatein-
peratura insuapportavel part o europeu,
variando de- 42. a 500 c. Demorain-se a-
penas alguns minutes, saem vermelhos e
cobertos de suor, c completam a sua toi-
lette corn o auxiTio de pequenos baqiets de
agua quentu e fria.
pro sera intinitamente poderoso. em tem-
pos tOio infinitos 'como clle! Esta citagio
seria minais propria nos labios de um sa-
christilo, do que ein. inim m; comnitudo, esta
nao tern replica, e as dos sachristaes cos-
tumam ser nma collecqto de sandices ou
asneiras. Quem hoje proceae bem, assen-
ta a base para melhor proceder no dia de
:amanh(, e deter-se agora em recordanoes
inuteis seria o mesmo que parar no meio
da corrida, e-oppor~e a ir tdo longer, como
o dover nor manda.


Er MMor esifitf a*Gftk1 A|N "11 Mk~

va anS grawed a ini Ow kIM-- -J4Pm
WE dotmr d'aea-w ea abblooftdl at
na ala doe banhos.
0 moment eacoflhido par m o hm
em geral o que segue iu--i-_M"- s
refeiqlo da tarde, o c e 6 ab-s --l
contrario As no"a idda., msu s m
d'ahi result o me "r minvemnieams.
0 eemItero dvlM
Em Fregenal,- villa uito important da
Extremadura hespanhola, o adm radr
e o conselho municipal tiaham resolvido fa-
zor um cemiterio, que foi aberto pars tod9
e isento de toda ajurisdiccgo eclesiatica.
Originou-se d'ahi umn conflict.
Em primeiro iugar, o cura rclamou a
posse pars a igreja, c tendo o administra-
dor recusado, o born do padre apossou-se
da chave-p)r mcios clandestinos.
Appellou-se pars o governor. Esto or.lc-
nou que sc fizesc unma nova chave, qne
devia ficar em powder do administrador.
Entito, o cura, oscudado polo bispo, recun-
sou abengoar o uovo cemiterio.
Um pobre padre, jA is portas da jImrte,
foi transportado para urnia iovotaceo i*roxi-
ma, para quo nuao fosse enterrado cm Fre-
genal.
P'or tim, estando a popula&o calla ves
mais exeitada contra o clero, 4)o iso. vi-
se obrigado a ceder e a consagrar elic pro-
prio o cainpo do repouso, de maneira que
os catholicos podem ser entcrrados 1n, cc-
mitcrio civil.


Uin elcaadalo
Sob cste titulo public o Fiviir, a P.-
guinte noticia do urm escandalo que acablm
de dar-se no circulo da nrusa RoyaJe :
a Ninguem podera imagimar a senwa;o
produzida no sabbado i unoite no circulo da
rua Royale polos factor quo vamos contar.
Eram cerca de nove horas da noite ; ha-
via, como sempre, muitas peiaae. em tor-
no da banca do qsinze.
0 quinze 6 um jogo muito em moda, e
onde ganha o jogador quA coa quince
pelos pontos dasu sns cares, mo qu ae
se approxima d'ese numero.
Havia poneo tempo que a ptida ti-
nha comeeado, quando urns da= peeoas
presented julgou perceber quo no muso
composto de cinco ou eisbaraflhm avimu
carts marcadas. 0 facto f1i ifeiete
contirmado. Todo. os cinwco e todss as fi-
gurs estavanm marcadas, aees ceno: w
quatro agulos havim ums eu rugw -
ade obtida por uma picaaa d'mgul -
bebida em, gomina arabica. A memma mar-
ca estava feita no meio do. cia e Mo taia
se perfeitamente ao toque.
Chamou-se o membro do circlo que ex-
ercia as funccoes de commisnr~o do je-
gos, quo ho heuitou em proceder a -
inquerito immediato. Ordeno ure ban a
todos os quartos dos criados e eta I a
lerou a uia descoberta, dcbaixo da
de um criado foi encoutrada uas cixza
que continha cerca do 100:'!X) fr. de titu-
los e numerosos baralboa de carts,

I'M e-ee de t lle
N'uutim cat6:
Rapaz! tens algima coisa fria ?
Sin, seohor, os p.s.

Dois estuda.utes entrain na c.-a -14 -iait
tar da hospedaria ean que CetA-O. .StIva
servido o alinoo.
0 gato da patrol ap'ssa-s*. vi c-.' ins-
tante de tuna das unicas duas c,,stcU-tas
que estavam no prato, e foge c-in ella
para o corredor.
(Olha, olha! diz um 1dos etz.l.Irtei
para o seu companhciro, o g.at sat'ou-e
coin a tua costelleta.
Enganas-te, res?)ndo o outro, peDlo
em lugar seguro a costelleta que ficara. A
que elle levou foi a tua.
Pois 6 ecutar tudo... Jai v(- -m-
go a escola dcf senior de L- Palis,-.
Corn, que entio costuma applic-.? o
ouvido "s ports?
Niao; mas na guerra alguns vicie
sao virtues, c nio ha do tardar iunuito pa
saber que os contrabandistas se acham em
guerra pernma.nente... Sc quer, guardemns
silencio por um bocado e contimuae
almogando.


;*






pif


r /


Ki

':'




Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ENL5RCDUK_L0SEV4 INGEST_TIME 2014-05-03T02:17:44Z PACKAGE AA00011611_13523
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES