Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:13430


This item is only available as the following downloads:


Full Text


























4roprietba- e Alanoet e Jaria & t


NFyTh



ly
46

P6-


certo escorregamat/o nos earnris, o espaco percor-
rido 6 sempre interior ao que se obt6mn multipli-
cando a circumferencia das rodas motrizes pelo
numero d,, voltas que cllas dao em um certo


tempo.


(C6ntinia).


PARTE OFFICIAL

Governo da Provinela
EXPEDIDNTE DO DIA' 1S DE OUTUSRO DE 1881
Actos :
0 president da provincia, attendendo ao
que requerei o promoter public da comarca de
Pao d'Alho, bacharel Manoel Cabral de Mello,
resolve conceder I-he dous mezes do licenqa, corn o
vencimento a que tern direito, para tractar de
sua saude, devendo entrar no goso da referida li-
cenva no prazo do 15 dias.
0 pretidente da provincia, attenlendo ao
que rcquereU o partidor dojuizo de orphiios, Luiz
Manoel Ro tries mezes le licenca pira tractor do negocios de
sen interesse oade Ihe convicr, devendo entrar n(c
goso da referida licenqa no prazo de 15 dian.
0 president da provincial, attendendo a(
que requereu a irmandade de Nossa Senhora dai
ores da cidide do Caruari e tendo em vista (
novo compromisso da mesma irmandado annex
A proisAlo do governor eccleA*stico de 30 de se-
tembro sobre o qual versa o parecer n. 43 do 1(
do corrente mez do Exm. conselhciro proc-iradoi
da corSa, fazenda e soberania national, resolve
de accordo corn o docreto n. 2711 de 19 dezem
bro de 1860, approval na part civel o rcferidt
eompromisso eseripto em 11 folhas de papel ro
seo, as quaes serao sellada e rubricadas pelo bi
eharel Joao Augusto de Albuquerque Maranhac
secretario da provincia.
Officios :
A' Thesouraria de Fazenda.-Commuuieo
- V. S. quae ojuiz municipal do term de la
bacharel Vicente Pereira do Remo, em offidio d
19 de setembro find, hojo reeeobido nesta seom
tarias, partieipou-me haver naquella data entrad
no goum da licenga de 3 mezes quae Ihe foi cone
d s por ea presdueneia.
A'- oma.-Comi-unieo a V. S. que o
S p 'tedo. juml munieipsl do termr do Bma Oom


TELEGRAMMIAS





(Especial para o Diario)

PARIS, 21 de outubro.

Os vanos franeezes estao diante
dta lhba ormosa, cujo bloquelo toi
declarado*

LISBOA, 22 de outubro.

0 noevo enconraeado brasileiro RIA.
CHUELO partlo hoje d'aqul para o
Brasil.

BERLIN, 22 de outubro.

Trodas as potenclas adhere ao
prejecto.da conferencla, que deve
ter lugar aqui, brevemente, acerea
do Congo.

Agetaia Havas, filial em Pernambuco.
22 de owtanbro de 1884.



INMSTMUCCIO POPULAR

MACHINES DE VAPOR
(Extrahida)


PAFTE III
LOCOMOTIVAS
(Continuag&o)
Variados sAo Os systems empreoados para este
fim; e, nio os podendo descrever, %aste-nov dizer
que elles se fundam todos em dar A haste da ga-
veta de distribui9co o movimento precise para que
o vapor actue em uma ou outra das faces do em-
bole, e ito consegue-se por meio de urn excentrico
(analogo ao que se descreveu quando se tratou das
machinas fixas) e de alavancas convenientcmentc
dispostas.
A quantidade de vapor produzida por hora a
pIr metro quadrado de superficie de aqueeimento
mgeral de 60o a 65k durante a marcha da ma-
china. A superficie de aquecimento tern side nas
machinas inodernas augmentada, e eleva-se hoje
a mais de 100 metro quadrados. A tensio do
vapor, no principio, era de 3 atmospheras; hoje
varia entire 5 e 9 atmospheras. 0 vapor A rece-
bideo na parte superior da cupula para diminuir a
quantidade de agna arMfaals ,-mwi*niMeaimn tew
Em algumas machinas o recebimento do vapor
prisee Ihe chamanm os. francezes) A feito junto da
aixa dofaum ondo a fervura da agna 6 menos in-
tensa. A quantidade de a-ua arrastada s6 geral -
monte 30 o/o d.* vaporisaVao total; po)de chegar a
50 /o e ainda mais.
Segundo as experien-ias de Pambour, a resis-
tencia sufficient para que as rodas de umra loco-
amotiva possam girar sobre si 6 1/e d: peso que
ellas suatentam, estando seccos os carries ; pode
chegar a 1/2 no tempo humid,. 0 peso da loco-
motiva tern portanto urma grand, influoncia (inmd-
pendentemente da poteneia mechanic) sobre a
carga que ella pode arrastar. Hoje as loeomoti-
vas pesam geralmente entire 15 e 30 toneladas de
1.-0".
Das experiencias de Pambour results que o es-
forgo de tracio, que a locomnotiva tern que exer-
cer para fazar marchar um wagon sobre carris ni-
velados, e independent da velocidade e igual a
1/3s3 do su peso, isto 6, po 10o mais ou minos 4k
per toneladia. So as rodas motrizes sustentarem
um peso de 10 toneladas, a machine poderA exer-
10000
ecr um esforco de -.-- = 1666 kilogramnias em
6

earris seccos. Ora urn combojo, para resistir, corn
urea forca igaal sobre carrin horizontacs, dcverA
L666
pesar um numero de toneladas x igu.d a -----
4

416,5. Este valor correspande ao estado de equi-
librio; a carga que a machine arrasta, devcrA ser
inferior a este lirnite, e tainto mats quanto major
tor a velocidide desejada. Como ha sempre um


DESPACHOS DO DIA 22 DE OUTUBRO

Dr. Joo Joaquim de Souza, Oscar Des-
tibeaux, Manoel Fernandes Velloso e offi
cio do Dr. promoter public do Limnoei-
ro, Informe o Sr. contador.
Joao Rodriges de Araujo. -Haja Vist4
o Sr. Dr. procurador fiscal.
Irmandade da Conceigio do Caruard. -
Entregue-se a quantia do 6(00#, product
do beneficio da 3' parte da loteria da mes-
Sma irmandade.
Joaquim da Silva Duarte.-Informe o
Sr. Dr. administrator do Consulado.
Commendaor Jos 6 Joao de Amorim,
Jose Antonio do Couto, Josepha Maria do
) Espirito Santo, Jose Antonio da Motta
SGuimar.es e Francisco Pedro de Alcanta-
ra. -Haja vista o Sr. Dr. procurador fis-
Scal.
Jos6 Manoel C'orreia de Barros. Entre-
gue-se ao interessado, visto uno tor arre-
matado.
[ Comisslo encarregada das obras da
igrcja de Chi-Grande e Ordem 3' de Olin-
Sda. A' seeglo do contencioso para decla
rar sobre apresentagno da flansa.
S Miguel Jos6 Alves. Informne o contend
Scloso.
Contas da 2A part da loteria da Ordem
- 31 do Carmno, Manoel Francisco Marques
SMiguel Jos6 Barbosa e outro.-Haja vista
o dr. Dr. procurador fiaAl.
" Manoel Salvador dos Santos. -IWformn
a asecalo eo muobo.
1. Lindolpho*3t lano Bserra CabraL-
o10 Registre se e faam-se as daeidos asmeta
" mentor.
S Luiz Fer.ppef"itote Porta... Haj
,vista o Sr. Dr.. *urt f.. L


-f .^ ...T B '. -* ..- -



$r/" ,, -' .. -. ',. .- ,. .,


Prets dos officiaas e de agua e luz d|
corpo de policia.-Pague-se.
Folhas dos officeiaes e d'agua e luz da
guards civica.--Pague. so.
Henrique Bernardes de OlUveira. Cer
tifique-se.
Jos6 Elias de Oliveira.--Junte-se copia
das informagoes.
Vulpiano do Rego Baptista.-Haja vista
o Sr. Dr. proeurador fiscal.

Coisulado Provincial
DESPACHOS DO DIA 21 DE OUTUBRO


Pereira Carneiro

Joao Guilherme


& C. -Cumpra-oe.
22 -.-
de Barros.--ti-


selho, Francisco Teixeira de Macedo, participou-
me quo em data de 3 do corrente assumirao
exereicioo do cargo de juiz municipal do mesmo
termo.
A' mesa. Communico a V. S. quo o 50
juiz substitute e, a comarca desta capital, bacharel
Jeronymo Materno Pereira de Carvalho, partici-
pou-me haver hontem entrado em exerecio do
cargo de chefe de policia interino desta provincial.
Ao Dr. chefe de policia. ,-Fico enteirado de
haver V. S. assumido hontem o exercicio do car-
go de ehefe de policia interino- desta proviaeia,
conform communicou-me em suon officio n. 1,109
de hoje datado.
-- Ao juiz de direito do 5o district criminal.-
Tendo o rno Julilo, que foi eseravo de D. Maria
de Albuquerque Xaranhio, de interior um recur.
so de graa da pena que lhe foi imposta pelo jury
desta capital em 19 de marco de 1853, em virtue
de um crime de homicidio praticado na lugar de-
nominado Piranga, freguezia de Afogados, sirva-
se S. Exc. prestar a informagao de que tracta o
aviso circular do Ministerio da Justiga, n. 287 de
28 de junho de 1865.
Aojuiz de direito da comarca do Recife.-
Convindo, nos terms do aviso circular do Minis-
terio da Guerra de 26 de setembro findo, que corn
a maior urgencia seja remettido A secretania desta
presidencia, corn destiny A de Estado d'aquelle
Ministerio, o resultado dos trabalhos do alista-
mento mllitar, concernente ao anno proximo pas-
sado, das parochias dessa comarca, que deikaramn
do envial-o na occasiAo opportuna, assim q de-
claro a Vmc. pars seu conhecimento e devido ef-
feito.
Matis mutandis, a es juizen de direito das
na, Itamb, Timbauba, Nazareth, Bom Jardim,
Escada, Cabo, Cimbres, Caruaru, Victoria, Jaboa-
tao, Buique, Brejo, Rio Formoso, Palmares, Ga-
melleira, Born Conselho, Aguas Bellas, Villa-Bel-
la, Ouricury e Boa-Vista.
Ao Thesouro Provincial. Communico a
Vmc. que nao tendo comparecido licitantes As ar-
rematag5es dos reparos das pontes sobre o rio Pi-
rapama nos engenhos Pirapama, Junqueira, e Tra-
piche sobre o rio Guayhu, no engenho deste nome,
das do Aterro, BRua Bells e Agougue, no Rio For-
moso, e do edificio em que funcciona a escola pu-
blics desta cidade, autorisei hoje nova praca corn
o augment de 10 0/0 sobre as peas dos orga-
mentos dos quaes os quatro ultimnos j tiveram
igual augmento em 25 de setembro.

DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DIA 21
DE OUTUBRO
Antonio Jose6 do Nascimento. Informe o Sr.
Dr. chefe de policia.
Francisca Virgilia de Carvalho.-Informe o Sr.
inspector geral da InstructSo Publica.
Bacharel Francisco de Carvalho Gongalves da
Rocha.-Informe o Sr. inspector da Thesouraria
de Fazenda.
Joaquim Martins de Moura. Informe o Sr.
Dr. juiz de direito das executoes criminals da co-
marca do Recife.
Capitio Miguel Ferreira Velloso. Inaforme o
Sr. Dr. chefe de policia.
Mesa regedora da irmandade de Nossa Senhora
do Terge.-Sim, romettendose- este requerimento
ao Dr. chefe de policia pars os fins convenientes.
Bacharel Marcolino Dornellas Camara Junior.
-Fica prejudiced& a falta aemm quo entretanto
* ptieia p t We ditto -p*epeep@-de qa-
quer vencimento. Depois dehotado na secreta-
rna do overno, remetta-se este requerimento ao
wo Sr. inspector da Thesouraria de Fazenda par&
os fins convenientes.
SebastiUo Austerio Peixoto Gadelha. Remet-
tide ao Sr. Dr. chefe de policia.
Secretaria da Presidencia de Pernam-
buco, 22 de outubro do 1884.
0 porteiro,
J L. Vigas.

Repartio da Policia
Sacgbo 2.'- N. 1,141. Secretaria da
iolicia do Pernambuco, 22 de outubro de
1884.-IUm. e Exm. Sr. Participo a V.
Exc., que foram hontem recolhidos A Casa
do Detenato os seguintes individuos.
A' minha ordam, Jos6 Jeronymo Rabello on Jos6
Victorino da Silva Rabello, comr pronunciado em
crime de morto na ceimarca de Nazareth.
A' ordem do subdelegado do 1.0 district da Boa-
Vista, Francelina Maria do Espirito-Santo, per
disturbios.
Hontem, As 8 horns da manha, e no lugar deno-
minado Pontal do 2.0 district de S. Jose, o indi-
viduo de nome Manoel Petronillo, conhecido por
Manoel Matuto, ferio'gravemente corn urna facade,
a F'elippe Nery de Axndrade.
Contra o dehinquente, quo evadio-se, procedc-
se nos termes do iuquerite phlicial.
Deus guarded a V. Exc.--him. e Exm.
Sr. Dr. Sancho de Barros Pimentd, muito
digno president da provincia. -O chefe de
policia interino, Jeronymo Materuc- Pereira
de Carvalho.

Thesouro Provleclal


lidade, o documento mais irrefragavel da nossa a.-
tonomia e da nossa granddza !
0 Riachudelo 6 um navio de dons helices, dt
6,009 toneladas de desloca.nento c dispotido de
uma forca de 6,000 cavallos. Em velocidade coal-
endurance, isto 6, em capacidade de na regar por
vapor s6m tornar a matter carva, em disposigAo
e alcance dos canhoes, o Riachmtelo reune condi
95es perfeitamente superiores is que se conhecem
I em navios- da sua classes c forca. Mode 305 p6s
- de eomprimento, 52 de maior arqueagio na linba
de fluetuawAo, 30 de pontal maximo, deslocando
5,700 toneladas quando carregado. N'esta con-
digao e corn 400 toneladas de carvao non deposi-
tos, o sou calado 6 de 19 p6s e 6 pollegadas. A
sua marcha, corn 872 toneladas do peso inerte a
bordo, estA ealculada em 15 n6s por horn, mas
nas experiencias offliciaes attingio 16 1/2 n6s con
e urma tragem natural, e 16 3/4 corn ella forgada.
a Protege-o urmsa courteaa do 10 e11 pollegadas
de espeanra, e o sea armamento conaiste em qa-
e tro pea de angr pela colatra, de 9 polqa
das do PaShn, ;Wdneiadm de peso, em Ai
torms fvnAte e st f de 6 pollegadsa, de om-
- gar de A biea a6( ou 15 0ora *4.
LI-Idenmiedt a dJtOI-pedo!m Whi ehad iOe 6CO
todo de a io i '-oim Martin, a courapa 6,'.s
oaUd& d9 a"o, c"% st nida n'umx faichm 6 J
a an nao p ge 64 OfietM 04


paidea. Reduz-se depois a 10 pollegadas, em,- Ha cinco mezes, diz o Sr. director das obras
a1 oqua n'uma profundidade de 4 p6s abaixo publicas, foi desobstruida a galeria do largo do
Ilnftde fluctua*o a couraca ternm em parte 10
parte 7 pollegadas de espessura. Al6m de Mercado de S. Jos6 e ficou em boas condivaes, de
Dpa de couraca de costado, disp6e interna- pois do servigo feito. Logo, antes d'essa desob-
te d'uma courava de 3 pollegadas, inclinada de s r i E
Ambos os lados n'wnm anglo de '-,, subindo de otuco, as suas condiges eram mas. E por-
pr6a A popa atW ag q4 a eouraga do costado. que ? Evidentemente porque tinha deposits ac-
Esta courafa de dtlegadas esta disposta pot cumulados, dos quaes se desprendiam os gazes
tal f9rma, quo mede e iguala 10 pollegadas de ar-
madura vertical quando batJda en. p64 1 bg mephitieos.
risontal. A armadura inefad, et, uso 1mtt D'ahi logicamente se conclue que, nas outras
-tr e fortificar mai o arle d i emqanto p- d d cidad p bcc ou
a r6 protege a gabega e can= df. -e nods de donsgotos da cidade, por cujas boccas ou
movime -to p vapor. Vast u&awra Iuswohtal algapies reconhece o Sr. director das obras publi-
A dnas poflegadas de armadura d'ao, corre por cas que se desprenden taes gazes, ha obstruccoes
todo o navieo e liga-se A "n ura inclinada em
cadsa extremidade. Sobre ,se dous pa, ausadas pelos depositos de matenias organicas
r 'peitos ovaes formados por agulos e em decomposigao ; e, portanto, 6 evidence que es-
ptegido rdas forrada do t a. rrperitosd sas parts dos esgotos, iA long period de tempo,
l^ s iT forradas'" de* Ow peitos> 'e0p"0'0
estao duas torres girantes osiife protegi- ---anno eannos, como dissemos-, nao sao visi-
das da mesa maneira e emu delays duas tadas, e menos desobstruidas e saneadas.
peas de 26 tonekdas. Estee parapeitos--e isto cnfirao
6 importante-- i6 o ohaiUon e arranjados de Em con o d'essa conclusao estA ainda o
Muodo que as pe$^. podem .a zer fogo nao inter- conceito do Sr. director das obras publicas, quan-
emipido4e80 -ao a 1' do do navio em que es- 0do affirm as boas condigSes da galeria do Merca-
o. e de 60o paras o utro.
-Desta minuira todas as quatro peas podem do de S. Jos5 desobstruida ha cinco ,ezes; pois
atirar pela proa epela r6, emquanto se sustenta que, se cinco mezes nao foram sufficientcs para
ecnstantomente o eogo pars todos on lads cornostuls oaeteeprsuoata-hen
uas pegas e podem servir tambem todas as qua-terar-lheas
ftro peas pars bandas de cada lade do navio. As boa. condices, 6 claro que muitos maiores prasos,
peVas carregam-se per meio de urma machine hy- --.annos e annos-foram precisos pars damnificar
draulica e as torres move se tambem polo mes-
*e process. As seis peas de 70 libras estao as ourras parties dos esgotos, as suas diversas ga-
_eentadas no conv6z, ,emquanto que das 15 me- Jerias.
ttalhadoras Nordmnsfeldt, cinco serve nos mas- Demais, citando esse unico fact da galeria do
tar6eos e as restantes estao collooadas sobre pe- d
destaes pars affastar os barcos-torpedeiros. As Mercado de S. Jos6, o Sr. director das obras pu-
peas-torpedos estlo dispostas para faoerem fogo blicas, talvez sem o pensar, deu a maior forca de
*, einco ontos, cqhatro de bands e uma de r6o
4 macnas do Riacuelo teem ura fora d verdade o nss acerto, sto com, se outros
000 eavallos, indicada per MM. Hamphyrs & factors identicos podesse apoutar, nao deixaria de
'Inuant, c do type vertical de dons helices. Cada fazel-o.
o de machmas tem um cylindro de alt pres- Assimo oS. director as obras p-
de 52 pollegadas de diametro e dAo de 80 a 90A b A um,o o Sre deco ss ca a-
voltas per minute. blicns quentfesa : que pels o ans ou n f
0 vapor 6 fornecido per dcz ealdeiras, que tra- p es dos estee demprendem-se Wmtiephitieos
balham corn urma press de 90 libras, apresen-
tando urnma superficie total de calefa&o de 19,400 quo isto prov6m do obstruc*4-aes esgltos,
p4 quadrados. Nlo osbtante poierlo dar A toda tanor assin quae o do Mereado* '06, sao*
a fora do 6,000 cavallos, urma velocidade de 15 do ha mo mazes, n_ o aprese -a .- fet; e
nos per hora e corn ella tero carvao para einc do ha cco es n preet
dias de trabalho ; desenvolverlo usna experiencla que portanto os demais ha muito tepo nao sao
aquella velocidade corn 4,500 cavallos apenas. desobstruidos nem saneados. Como, pois, asseve-
Assim corn esta machine pode o Riackuelo fazer
4,500miljms sem tornar a matter carvao. Peor ra qu e injusta a accusacIo que fizemos ?
outras palavras, 800 toneladas de carvao bastam Nao tern razio, conseguintemente, o Sr. director
para o coaraado andar 12 dias, fazendo 15 n6s das obras publicas quando procura fugir A ros-
de march por hera. 0 Riachueto tern o leme
pr se or governado a vapor e a mAo. 0 navio a ponsabilidade que Ihe assignalimos no nosso 3.o
todo tllumainado corn lampadas incandencentes de item. Houve realmente falta de exacqao no cum-
Sw1an, de fora doe 20 velas cads urna, sustidasd rti-
pela corrente de trees machines dynamicas Sie- pnmento do dever per parto d'aquella neparti-
ane, casa que forneeeu tambem todo o mechanis- 9ao, pois que nem lhe faltou tempo nem recursos
ai6 electric e acceseorios. Todos os alojameutos Quae no houve falta de tempo, nao contestou-o
sao onf(Mrtaveis, bent mobiuiados e cexellentemen. .^ i i ,
tebliados e exdelpostentemen o Sr. director das obras publicas, nem poderia de
.. boa fA negar ; e queteve ao seu dispor os preci-
0 RiacUedo 6 eommandado polo distinct offi. ecur provam-o as leis ormentaria
ecial da miarinha imperial o Sr. Eduardo Wanden- recuros, prova-no as li or ntaias
kolk, capitol de mar e guerra, official muito illus- dos exericiios anteriores ao actual, nas quaes fi-
'adoeoe ta-lmuto sas aicduo verbas pm. eonswvz *ao e as.
o e apreciadonem Portugal. beio dos esgotos, e o proprio Sr. director o confes-
0 Riaciuelo, entrando no Tejo, tern de Oruzar sou quando disse no seu officio que tinha urma
as suas vergas e hastear a meio pao a bandelra turma de operarios exclusivamente empregada n'es-
nacional pelo falleciment6 do esclarecido e honrs- se servigo e:na conservaao do calgamento, e estes
do minister do Brasil nests corte, o Sr. conselhei- .perarios no trabalhavaoom sm extaprendio
ro Lopes Gama. E' a homenagem devida ao alto p0 o trabalava m extipendio
funneionario diplomatic, que tanto honrou e sorvio Se teve tempo e reeursos, porque nio mandou
o seu paiz. tazer 2 servico? por que restringio todo o seu es-


que-se.
Manoel Fernandes Velloso, Bacharel
Manoel do Nascimento Pontes, idew, idem,
Josh Ignacio Pereira do Lago, Beltrao &
Estrella, Manoel Ramos da Cunha, Joao
Joaquim. da Costa Leite, Faria Sobri-
nho & C., Aguiar & Irmlo, Charles
Blenojan & C., Victorino Domingues Al-
ves Maia e Joao da Silva Moreira. -Infer-
me a 1 sec$2o.
Martins & C.- Pirijam-se a junta do
Thesouro na form e prazo das instruc-
9es de 27 de julho do 1883.
Walfrido Camello Pessoa. Reqoeira op-
portunamento no finm do exercicio.
N. J. Lidstone.-Sim, ficando certidio
do mesmo dobumento a quae allude.



EXTERIOR

Marlaha imperial
0 COURAVADO RBIACHUELO
( Commercio de Portugal)
Deve chegar hoje ao Tejo o couracado Riachuelo
da marinha imperial brasileira, acabado d e on-
struir em Inglaterra, nos famosos estaleiros da
oonsiderada e respeitavel caaa de MM. &mda
and Brother. de Londres. Segundo opinioes auc-
torisadas, untre as quaes se cents as dos mrais
distinctoe offlciaes da marinha real ingleza, o a ia-
chueto le um dos mais formidaveis couramsdos mo-
demos. NaIo pode passar indifierente a Portugal
S0aos portuguezes esta primeira visits do novo
navio de guerra do Brazil A occidental praia lu-
sitana, come pars saudar, corn as suas salvas
triumphaes, as historical fortalezas do Tejo, avi-
vando as hourosas memorial da naco navegadora
e guerreira, que centa entire os seus main justifi-
cados desvanecimento do passadosa gloria de ha-
ver sagrado no Brazil um novo altar A grande
patria portugueza.
Alem disso, o Riacdueco vem lembrar aos potd-
guezes um dos feitos mais brilhanteo das modeo
nas faanhas da marinha brasileira, na glorioua
campanha do Paraguay, em qua tanto se illustru
um.w. .i maisaheiro pertuguez, quo moube wuhaq
trar, mais extraordisarts energia e cof *
m in simperterita coragem,quee nao havia extincte-
ainda a raga varonil dos valentes e glorious ms-
rinheiros do seeulo XVI. Riachelo foi o theatre
dessa assombrosa audacia, quae sagrou ao respeito
e A admirano do mundo, o vulto oeminente dZ al-
mirante Barroso, o heroes famoso deas gloriosa
acco, que tao alto levantou a bandeiras brasileira,
decidindo da sorte da guerra, em que andava em-
penhada. 0 velho e venerando portuguez, o leal e
brava offie'al brasileiro, o Barlo do Amazonas,
assignalava ao mesmo tempo em Riachuelo as glo-
rias de Portugal e as glorias do Brazil.
Titulos sao estes, que fallam tanto ao nosso co-
racio de patrniotas, quo fazem vibrar tao intensa-
mente os nossos enthusiasmos, que nos desvanecemin
e que nos exal9am, que nos aviram saudadds e qne
nos ineitam brios, que nos fazem lembrar o passa-
do, em que fomos grandes e que nos fazem crer
no future, em que podemos restaurar o antigo
prestigio e grandeza, como nagao colonisadora, em
Africa, nessa Africa, quo nos seduz e que nos
attrabe, corn as suas promessas da riqueza e corn
as suas confidcncias affectuosas, chamando-nos a
raga privilegiada dos fortes, comprehendendo a
bossa lingua, conhecendo as cores da nossa ban-
deira, ouvindo serena a voz dos nossos missiona-'
rios, confiando sem receio a sua defense A lealda-
de dos nossos marinheiros e dos nossos soldados,
essa Africa, onde cada dia se esboca mais risonho
e mais promettedor o accordar daquella esperan.
Va, que alli se adormeceu captive, n'uma hora de
desventura, quando um mogo rei, altivo e genero-
so, perfeita alma portugueza, vie quebrada a es-
pada gloriosa do seus av6s e pela primeira vez
derrotadas as briosas legiSes da patria.
Bemvindo seja as aguas portuguezas o forte
couracado brasileiro. Saudem-n'o as torres e for-
talezas, quc ha trees soculos saudaram alegremente
os ousados navega4ores, quo partiam em demand
de novons rhinos, de novos mundos, quo dilatassem
o imperio da patria e que engrandecossem os do-
minios da civilisacao.
Saudrm-a'o os navios da iarmnha real portu-
gueza, erguendo no tope dos mastros, ao lado da
bandeira au'ri-verde, a bandeira azui e branca, af-
firmando assim a confraternisacao das duas nacues
onde dominam os mesmos sentimentos de liberda-
de, de justica e de direito, onde se alimentam as
mesmus crencas, onde afervora o culto do mesno
passado, onde palpitam coracoes quo se coinpre-
hendem, na identificacAo jubilosa dos triumphos
ou na concentratao dolorosa das desditas, oqde se
aliments, vive e opulenta, emfim, eheia do espe-
rancas e chela de glorias,a grande almaportugue-
za. Saude-se no Riachuelo o Brazil, onde vive,
corn nova vida, o velho brio portuguez, onde re-
brilha o nosso passado e onde se perpetual o mais
legitimi caractor da nossa raca, a nossa lingua
tao formosa, a lingua em quo Luiz de Camres en-
merilhou as collossaes estrophes dos Lusiadas, a
obra mais sublime do esnirito da nossa na;iona-


forgo A desobstrucl 9bda galeria do mercado de S.
Jose? A' menos quo nao haja oitra, que a ulo p -
demos attingir, a razAo 6 clara: 6 que cuidou ape-
nas da conservagao do calgamento, e despendeu


Os eaigotos da cidade 0 Sr. Dr. en- nesse service a verbal votala para ambos.
genheiro director das obras publicas provinciaes, Mas, diz a Sr. director das obras publicas quo


A proposito do que, sob a epigraphe-Os esgoto
da cidad--, escrevemos A 12 do corrente, dirigio
A 14, A Presidencia da Provincia, o officio que
hontem demos A estampa na rubrica Parte Offi-
cial, officio que nMo pode ter passado deoaperce-
bid6 aos leitores d'este Diario.
Em substancia n6s haviamos d to A 12 :
1.0 que, nas grandes cidades dos paizes cultos,
eram os esgotos object de constantes preoccupa-
cOes e samnificaito vigilante ;
2.o que, mn Pernambuco, nao acontecia assim,
Spois que passavam-se annos e annos sem screm
saneados os esgotos ;
3.o que, niEo seondo isto devi lo A falta de tempo
nem de recursos, s6 podia ser levado A conta de


a partir de julho ultimo teve de suspender o servi-
90, porque o 28 do artigo 2o da lei n. 1,810 (or-
gamento provincial) excluio a conservatao do cal-
:amento e dos esgotos. E' um facto que o orga-
mento actual tomrn essa, como tern muitas outras
lacunas; masa isso nao derime a falta da reparti-
co, nemo pode exhimil-a da responsabilidade em
quo incorren, porque nio se tracts do present,
nem do future, masa sim do passado; c, comoji dis-
scmos, os anteriores orcamentos cogitaram do ser-
vico dos esgotos, marcando verbs para elle.
Desses orcamentos mais recent, o de 1883-
84, englobou at' esse servico corn outros codifica-
dos no 21 do seu art. 10, marcando para todos a
avultada verbal de 187:000A000.
Se a Reparticao das Obras Publicas se preocu-
nasse coin os assumDtos hlyienicos, so tivesse


falta de exacgio no cumprimento de deveres por dad devido valor o dsprendimento de gazes
parte o derepo vlor ao danrObrasenPubelicas


parte da repartisao das Obras Publicas.
4.0 e que d'essa falta decorria estarem os es-


prephiticos pelas bocas dos esgotos; contamente
teaia utilizado urna pareelta d'aquella verbal va


gotos a vomitar a peste e a morte corn os gazes desobstrnucio das gblerias e canos de esgoto; e,
mephiticos quo desprendem pelas respectivas boc- feito o service entrejulho de 1883 ejunho de 1881,


cas.
Vejamos do que modo contestou a repartigio
ea&obras pubics os itenm que ahi ficam.
Quanto ao 1. item, nada disse o director da-
quella repartigio, nemr podia dizer, porque nMo se


nao 6 crivel que o3 mesmos esgotos estivessem a
vomitar a p6ste e a morte, que per suas boca3l
sahem sob a forms de gazes mephiticos. A pro-
va ahi estl na galeria do mereado de S. Jos6, cujas
boas condicoes affirm o Sr. director das Obras
Publicas, nao obstante ter sido desobstruida e ssa


contestam, sem cahir no ridicule, verdades con- \aleria ha 5 inezes.


fessadas per todo mundo. E' um facto positive Anm, subsiste inteiramente a accusaio que
qqesim nan graudoncidedesmdonpaiaonccuuss, os en


qtoe, nas grades cidades dos paizes cultos, os es-
gotos sao saneados com particular attenuao, por-


formulamos no 3.o item, tanto mais quanto na'o foi,
nem podia ser contestada a conelusio A que che-


que todos os hygienistas sio accorded em reconhe- gamos no 4. *
cel-os como uma das mais poderosas causes de in- 0 estado em qu e se acham os esgotos, a sua


A 2eeio.tem disse o r. director das obras publi-
Ao 2.-t item diane o Sn. director dan obras pubhi-


obstruc9ao por grades camadas de materials or-
ganicas putrefactas, os gazes pcstilenciacs e mor-


,S FE' uma acnusacao iniusta dizer-se queI tiferos que por elles slo lanqados na atlimosphora,


nasamn-se annos eannos sm queo sejam visital so factos incontroversos c roconhecidos pela pro-


especialmente, os esgotos da cidade, pois abula
nao ha .:inco mezes uma das principles galerias, a
do largo do Mercado de S. Joa6, foi desobstruida,
e ficou em boas condigbes, depois do servio fei-


to. a
A' nenhum espirito reflectido pode de certo es-
capar que esta contestagio no tern tal character,
e ao countrari.) 6 plenamente eonfirmatora da nos-
sa c. itica.
Se, como affirms o Sr. director das obras publi-
cas, em comego de sou officeio ... eff'ctivamente,
nas ruas da cidade onde baboecas de eagoto ou al-
gapoea pars o servio das galerism, ha derramna-
mento de gazem mephiticos qua, oem ertesa, pre-
judia-n A samuda do. qu o a aborvem v-, o quo
aliA assegauramom pod sear verificado pot qual-
qaer loesm; como explisar iso menLo palo esta-
0 daedBaaeio dowk;gats, petao pel. depoaitoa
ahi ioamumladom esm to go periodo do tempo ?
-7.'f


pria Repartieao das Obras 'ublicas no citado


officio; sao elles que accusam, por tanto, A essa
repartigao, c n'o n6s, que, em cumprimento de um
ever, nao fizemos mais do que servir-Ihes de o6cho
na imprensa, pedindo provideneias que Ihes po-
nham term.
0 mat estA officialmente reconhecido; A quem
cumpre dar o remedio? Iuquestionavelmcnto A
RepartigAo das Obras Publicas.
Ella, pois, quo procure os meios e modos de
sanear os esgotos, visto como, na previssao de urma
epidemia cruel, como 6 o cholera- morbus, nio 6
licito deixar corner A revelia assumpto tio strio.
e diner depis come o celebre capitlo-n-o cM&tei,
FAMtOtAde de dIreito Em congrega-
Cio, de hontem, dos lentes desta Faculdade ficou
resolvido quoae comeassom aummh, o s actos aca-
demieos pels proves eriptas, rendo estas foitas
por turma do 15 pana o o anno e ade 12 ara os
outron anno i academieos.
Terminadas eess provas, eomegar.n. logo de-
peois o oras *oado as bancas respectivasasmim
eompotas :


.1


iW~4


!


inspira aos palmeirenses. -
Olinda-Ha dias, guiado- por infonrmaea
remnettidas de Olinda, dissemos, sob reserts, qo
havia recrudescido alli a variola. Parece, porem
que isso naio 6 real, A vista da seguinte carts do
Sr. gei ento da ferro via de Olinda a que aosm-
panha o document abaixo :
S Companhia dos Trilhos Urbano. d) Recde
Olinda.=-Recife 22 de outubro e 1884.--lln .
Redactor. Peco-lhe o obsequio de mandar a-
car na sua Revista Diaria o document qu juana-
mente remetto. Tern ease peor fim countestar o
exeesso officioso de uma informaio queo Ihe deran
sobre os varioloss cm Olinda. Certo de que V.
S. me attenderA desde jA mc confesno ummafefu-
te grato a V. S. etc. etc. Antonio Pereira Simees.
a Illms. Srs. president e mais vereadores da C.-
rmara Municipal desta cidade.-Antonio Pereira
Simoes, gerente da Companhia dc Trilhos Urba-
nos de Oinda, requar a Vv. Ss. pe dignem mandar
que o administrator do Cewiteno Publico detta
cidade, Ihe certifique o numeroi de obitos hividos
nests mesinma cida ie desde o dia 19 de julho do
correntc anno at6 a paesente data coin a deecri-
minag.o mensal d'aquelles qua talleceramn de va-
riola e d'aqitelles que succubiraim de enferuidades
diff4crentes.-P. a Vv. S3. deferimento.-E. R. M.
Ohnda, 21 do outubro deI l31.-Antonio Pereira
Simoes.-
Despacho--Passe a certidio reqnerida. Pao
da Camara Municipal dc Olinda 21 de outubro de
1884.-0 commissario de pslica, Silva Braga.
Em cumprimento do despacho supra certtfio
que revendo o livro quinto de obitoa deste Cei-
terio, dolle as fulhas cento qnarenta e num a cento
quarenta c oito consta quo no mez de julka falle-
ceram 27 pessoas send, de variols 5, e de moku
tias differences 22, no me. de agosto 30, semi: do
variolas 6, de molestias differences 24, no mamie do
setembro, 20, sendo : de variolas 3, de m uktim
different e 17 e firalmente de uam ate 19 do ul-
bro cormente 20 pessoas, senodo de vani L a de
molestias differentes 18. O refrido 6 v % da 0
ao dito livre me eporto.
Sacretari do Cemiti.o Publie do doNOm
hor da Coneei* o da Cldade d Otled. 214e 8-
tbe do 1884. 0 admlarnr, Ji MwEri
da Am Moua Meairinho.
Whteaft e dota-d-A OaukdU*..
mene Olindense, realism wdi 2 do ewm0.-

-forge as Apar, a a W 411 t ON 0 ^ ^0*


tin -4n-~.'- .A~ qi


'4 ~


REVISTA DIARIA


A-


*J

y .
.v ,
*I!


IA.


.. A.


-, %.
-'. 'y--,


t *
>f4'& '-


Primeiro anno: Drs. Pinto Junior, Tobia Bar-
reto e Barros Guimaries, as 9 hboras da nmahL.
Segundo anno: Drs. Belfort, Graciliano B*
tista, e Seabra, a s 9 horas da moanl.
Terceiro anno: Dra. Tobias, Pinto Junior, Jeo
Vieira, ao mneio din.
Quarto anno : Drs. Pinto Pessoa, Correia de
Araujo e Seabra, ao meio dia.
Quinto anno : Drs. Bandeira de Mello, Beltort,
Correia de Araujo e Barros OGuimarles, so meio
din.
Na secao respectiva inserimos a deelaraio da
Secretaria da Faculdade de Direito.
FPacada-A's 8 horas da manhi, de ante bon-
tern, no lugar denominado Pontal do 20 dintricto
da freguezia de S. Jose, Mmnoel Petronillo, comhe-
tido por Manoel Matuto, travando-se de rase
com Felippe Nery de Andrade ferio-o gravemeute
corn urma facada.
Contra o delinquent, que se evadio, esta a pro-
ceder a autoridade policial non terms do respec-
tivo inquerito.
Cartorlo-0 cartorio do Sr. Juvino Cunba,
escrivito da Relacao, mudou-se para o lo andar da
rua do Imperador n. 37.
Prounaciado.-O Sr. capitio Alcides Ba-
rata, subdelegado da parochia de Santo Antonio,
capturoH, hontema, usna rua do Imperador, pela. 2
horas da tarde, o individue de nome Virgiaio Ho-
racio de Freitas, per se achar pronuneiado no art.
167 do Cod. crimn. e em virtude de mandsdo de
prison, que em senu poder tinha, do Sr. Dr. Adeli-
no A. de Luna Freire, juiz de direito do 2.0 dis-
ricto criminal, e o fez recolher A Casa de Detea-
9ao.
A prisio foi effectuada corn o auxilio dos Sr.
Dionsio e Numa, officises de juatia.
Theatro Santa Isabel- Neste Theatro
ha hoje um espectaculo pela companhia lyrico.
oomica, em beneficio da contralto Sra. Adela Na-
ghel. Consta o espectaculo de 4 patrtes : ua I1,
:anta-so o 20 acto da opera buffs As admacmdaa de
Sorrento; na 2a canta-se a balata do GuaramV,
dous romanzas, e a canconeta francesa Buvow ec ;
aa 3a parte canta-se o 20 actor da operetta A Fila
de madame Angot ; e a 4a part serat preechida
;om A mascarada de palhaeos.
Failecdments-- Victims de antigo p:ede-
imentos, ultimamento aggravadon, fallecer im 7
%s da noito de ante-hontem, em suan cacara do
Goireiro, o antigo negociamnte eabastado capita-
itoa Antonio Luiz dos 8eantos.
Era o finado home maior de 70 anne, e san e
levar-se polo seu trabalho A poeigio que occopa-
va. Era um born amigo e um excellent psi de
familia.
0 sen cadaver foi hontem sepultado no Cemite-
io de Santo Amaro, assistindo aos sufiragios cres-
cido nautmero de amigos.
Apresentamos pesames A suan illustre famidia.
Atheneun Maulcal Permaabi se
-Amanhi, as 8 horas da noite, realism esta soie-
lade em sua sede, A rua do Coronet Suassuna n.
41, o 1" sarAo musical que, polos seus estatutos,
Leve dar mensalmente.
Anuiverarole- Amanhal fazem 239 anws
tue D. Jobo VI elevou o Brasil A principado.
Capella de Miguel- 0 Revm. Sr.
vigario de Afogados communicou-nos ter recebido
pars as obras da capella de S. Miguel as seguin-
tes esmolas :
Paranympho Dr. Manoel da Trindade
Peretti 101000
Viauondesaa do Livramento 110
11-so

Laraplo-Os Srs. Brags & Sa, estabeleci-
ros A rua do Livramento n. 24 corn fabric dM
caladog, ha dias admittirn urn official tauma-
queiro, de nome de Leodegario de tal.
Sabendo na semanas passida que o tal official
mais entendia da arte de carregar corn o albeio
do que do officio de fazer tamancos, trataram de
lespedil-o usna segunda-feira.
Parece, por6m, qae Leodegario descoufiou o
sabbado de que isam p6l-o brevemente no andar
Ia rua, pois ao sahir da officina sna segunda-feirs,
is 5 horas da tarde, nio consentio que Ihe revis-
tassem uma inseparavel bolsa, que coetamava
sempre levar para casa, bem recheiada de broxas,
touros, sola, cadaroos e forces. Correrma oIe
aerseguio delle, mas no o puderam agarrar.
Dizem-nos quo nste Leodegario e uaeir. e
riseiro nestas gentilezas eja foi empregado vouuo
eorrieiro na Companhia Ferro-Carril, onde nio
leou boa cdpia de si. E' pardo, secco do corpo e
tem cerca de 25 annos de idade.
Cidadc de Palhmares-Em 21 do corren-
te escreveram-nos deata cidade communicando o
seguinte :
No dia 20 do mez passado foi sepultada Do
cemiterio public) d'aqui urns preta, coin 130 anuos
Io idade. Nao pude saber ainda se era livre on
escrava, crioula ou africans. Este case do longs
rida 6 um dos mais notaveis quo canhecems aqui.
0 Mez do Rosario vai correndo aniunadi-imo
e bern concorrido e da mesa forms a mesa da
sagrada communh'lo. No mez proximo fiado fo-
ram consumidas 276 particular, cous.m q nunca
ie vio aqui. Tudo isto 6 devido ao nonso incan-
isavel parocho, sacerdote que. do dia p.ra dia,
maiores, mais profundas e legitianas sympathian


I .


I %


























I AmahA Isa as seguintes: .
: a Uia o Abolieonjeta cmmnerei, As 6 1/2 4
Stardom1 no 2* andur do predio a. 22 da rua di" Com
mercmo.
Neoticlas diveraa-Apezar dos doun ca
aos do eho6Iera oeori&4 n no palacie real tde Na-
pclea, o rei RwabiilcQoatinaUabitad*o.
0 40i8a0-dB oaoweehia oehaidQde chalsioois
Faltai 0 irowuiabroe.a e os atauia, e o tras-
porte dos ead vos noe & coa maitw-leatid4, A
earsdo alkguas insepuattcs 4urtuite baetaate tempo
pois tao numerosos salo os cases.
No meneionado hospital doeCoaooohia&eatrou n
dia 9 de setembro umr orto individuo ehasnadc
Ghaeppe Lucea, possuidor' de uma gcsa-de firtumai
e que perdeu a toda sua farnilia. A coanternacao
6 immensa. Ninguem so records de um desastr2
igual. Por todas as runs passa o viatioo, circulasn
macas condazindo cholericos, e se veem cahir iadi-
viduos atacados da epideoria, peis os ua6os fulini-
nantes sio numerosissiwoe.
Em Napoles, o terror toni dade lugar a |in-
ldescriptiveis scenas-do fanatismo. N'uma born did
oorreu a noticia-entre o populacho do que a vir-
gem do hospital Conoechia tinha deseijo do altar
e benzido aos eholericos. Urea turba supersticiosa
correu a igrjna, dorribou a porta tornando ne-
cessaria corn sua barb-ria a interveaelo das tro-
pas da guamni~io.
A vista dos reis determinon manifesta-ues im-
ponentes. 0 rei Humnberto, acorapanhado do prin-
eipe Amadeu, visitor as haspitaes det Conoechia,
Cristaliui e Magdaleua, repellindo today classe de
preservatives e desinfectantes.
Se conscitmo uria nova associaiao, denaminada
Cruz Verde parm soccorrer aos cholericos.
0 Dr. Baccelli, de Roma, sustenta que a ef-
eficaia das quarentenas depended mais do rgtimen
que nellas se segue do quo de sun dura.ao, e ac-
crescenta quo as que actualmente se usam salo pe-
rigasissimas.
A esquadra clhineza- As pardas cau
sadas na mariuha de guerra chiaeza em resaltado
dos coinbates dos ultirnos dias de agosto no rio
Mlia sio caleuladas per pessoa de inteira compe-
tencia, e que no present anne visitou os hospitals
do celeste imperio, em quantia approximada de 18
milhues do francs (oito mil duzentos e tastes con-
tos de reis).
A esquadra chineza reunida no rio Min compu-
nha-se de onze navies, todos de construaco mo-
derna.
Os nove navies destruidos e dos quakes se conhe-
ceoo nrme seo :
A Nan-Thin, corveta courapada construida os
Allemanha, e langada ao mar em 1883 ; de ao e
armada corn 2 canhbes de 21 cents, e 8 canhoes
Amistrong de 12 cents, o sen valor e calculad,
em 4,774,080 trances.
Os oito restates navios foraur construidos no
arsenal de Fon-Tcheou sob a direeco de um pes-
soal francez, quo tanto na escolha dos niateriaes
come no acabamonto das construcu5es tomou pre-
cau3o's identicas As que se adoptam nos arsenaes
classifieados coino os prioxerros ; a mAdeira em-
prcgada foi a tecka do Siao.
Os-nomos de sete destes vases de guerra sao :
,Sang-Ou lan9ado ao mar em 1872, de 1,608 tone-
ladas, corn 1 canhao de 19 cents, e 12 de 16 cats.
avaliado um 3,172,000 francs.
Ouan Nieu-Tsing, lancado ao mar em 1869, de
1,450 toneladas, corn 7 eanhles de 14 cents., ava-
liado emr2,320,000 francs ; Tsing-Yaan (em 1872),
Tcheu-Hat (1871) e Schen-Oaei (em 1872) canho-
neiras-avisos do mesmo type, do 578 toreladas ar-
m-edas cada uria de 2 canhues do 16 cents. a do
5 [x 14 cents, e de 5 do 14 cents, de vavasseurj;
o sea valor 6 calculado cm 3,762,780 frances.
Mei Sane (em 18C9) e Fon-Sing (em 1870) ca
nhoneiras do mesmo typo, de 558 toneladas e ar-
madas cada uma corn 1 canhato do 16 cents. e 2
do 12 cents. Foe- Cheng e Kieu. Chele, canhoneiras
de.ferro, construccaio ingleza, cempradas pelo go-
verno chinez em 1876 per 1,625,000 frannos ; de
250 toneladas cada uria, e armadas corn um ca-
ahao de ago de 25 cents.
Alem destes navies ha ainda urn, cujo nome se
0i


S h i o CLrp to, por alma de D.
ThoraiaI Aaugusta de Adelaide Pereira.
Aianhl :
A's 8 horas, na matriz da Boa-Vista, por oUna
de Abadie Xavier.
Sabbado : -
A: -os no -1t!p A W^'-- pa '41*44ftia"
mw.m E oomm ; is ,9 horam' nsatxiz dd eAgu&i
iPret per alma o Dr. Anto Paeifico ae LLia.
-rSegundafdara:
A`6 6 (or-a-na mat:z de, Santo A toiao, por
Ama de Joilo J4win& de Alzida. '
Loterla Cda t Witmlea Hoj, 23 do
(torcorrente serA extrahida a loteria 81, em be-
n nfiek da Sauta Casa de itserioordia-do Eecife,
no cnaistario daigreja do Nesa Seabora da Cown
eeiao dos Militares, onde se acharilo expostas as
ar'nas e espheras arrumadas em ordem numer"iV
a apreciagio do 9nblieo.
Loteria de 2o5si O0400 -A loteria 160A
serie B, do Rio de Janeiro, corre|no dia 25 de
eocrente.
S Bilhetes A venda na Casa Feliz a praa da In-
Sdependencia ns. 37 e 39.
Loteria-A de n. 161 B, do Rio de Janeiro
r dj- 25:00-A000 sera extrahidano dia 22 do cor-
t rente.
Bilhetes A venda na Casa da Fortuna, rua 1
de Margo n. 23.
Loteria do.Cear-.-Corre no dig 8 de no-
vembro impreterivehnente cujo premio grande 6
de5:0004.
0 rest dos bilhetes na Casa da Fortuna, rua
I* do Mar(io n. 23.
Mlereado Iuinicipal de S. Jose 0
movimento destef estabelecimento no dia 21 de
outubro foio:seguinte:
Entraram para serem vondidos : 49 bois, pesan-
do 5,672 kilos.
No mesmo idia entraram para o mesmo es-
abeleeimento:
Peixe, 187 kilos.
Farinha, flho c feijgo, 81 cargas.
Fructas diversas, 35 ditas.
Suinos, 5.
Carneiros, 5.
Preeos dos dins:
Carrie verde a 480, 320 e 200 reis o kilo.
Suino a 600 r6is o kilo.
Carneiro a 1 4 idem.
'Farinha de 500, 400 at6 280 r6is a cuia.
Milho de 480, a 320 reis a cuia.
FeijAo de 800, e 500 rs. idem.
Foram oceupados:
57 talhos de came verde.
19 ditos de suino.
13 ditos de fressuras.
70 comparthnmetos de legumes.
38 idem de fannhaa eomidas.
Dove ter sido arrecadada nestes 2 dias a impor-
tancia de 2084940.
Matadeuro-Foram abatidas no Matadouro
fPublico da Cabanga para consuaw do dia 23 do
corrente, 91 rezes.
Ca#4a de Detencao.-Movimnnto dos pre-
sos no dia 21 do outubro :
Existiam presos 304, entraram 3, sahiram 2,
existed 305.
A saber:
Nacionaes 273, mnulheres 4, estrangeii'i 13,
escravos 15-Total 305.
Arraeoados 273, sendo : bonds 261, doentes 12.
-Total 273.



INDICAOES UTEIS

Medicom
onsulterio medico-cirurgico do Dr
Pedro de Attahbyde Lobe Mloscozo a
rua da Gloria Ai 39.
0 doutor Moscozo di consultas todos os
dias uteis, das 7 As 10 horas da manha.
Este consultorio offerece a commodida-


ignore ainda, que foi destruido bern co)ma alguns do de poder cada doente ser ouvido e exa-
juncos, torpedeiros, etc. minado, sem ser presericiado por outro
Cqronica estrangeira-0O Gaulois eonta De meio di As 3 horas da tarde seri o
qu6 no clamoroso congress de Versalhes, entre-de-
putados e senadores se bebiam nunca menos de Dr. Moscozo encontrado no torreao A pra-
200 garrafas do cerveja no din e 40 botijas de $' do Cormmercio, onde funeciona a mins-
aguardente. pecao de saude0 do porto. Par qualquer
Estes algarismos podcro talvez em parte- ex- d'estes dous pontos poderAo ser dirigidor
plicar as violentissimnas discusses que houve- c n orn
post que o journal ptrisiense acrescente que se o s chamados por carta nas indicadas horas.
conlsrnia cadl dia tambcm um quintal de gelo. Dr, Leonardo de Albuquerquie Caval-
Segundo um journal indio, o rei de SiAo, que cante, medico e laureado da Faceldade de
6 affortunadoe esposo do seiscentas mulheres, tern Paris, p6de ser procurado em seu consulto-
actualmhnente duzentos e scssenta filhos entire ho-
mnu-s e mulheres, sem contar os bastardos. rio a run do Imperador n. 44, das 11 As
A ultimra encyclica do Papa convida a san- 3 horns. Residencia provisoria Alto da
tificar no mez corrcnte a Madona do Rosario, sym- Misericordia-
bolisa;da na Judith que reprimne a louca impacien- Advogado
cia dos juizes, tornando a dar a liberdade ao op- Dr, Milet. 1" promoter public da ca-
primido povo.
Agora, diz a encyclica, trata-so de combattr o pital temrn sen escriptorio de advocacia, Arua
an:go e astutissimo inimigo, de reivindicar a liber- do Crespo n. 18, onde pode ser procuarado
dtide da igreja e do sen chcfe, de tutelar os presi- para os misteres de sua profissio.
dies da seguranea e da Saudec da sociedade hu conselheiro Soares Brando, abrie son
manin.
Convidado o rei Humnberto para assistir Ais scriptorio na corte do Imperio, A rua da
coniidas d( Pardemone responded corn o seguinte Quitanda n. 37.
telvgramma: Dr. Seabra, mudou seu escriptorio de
Em Pardemone ha fcsta, cm Napoles estao advocacia para a rua do Imperador n. 30.
morrendo; you a Napoles. 1 i, A 3 hoa
0 governor italiano s6riamenta preoccapado Das 10 horas da manha as 3 horas da
corn o que csta acontecendo nos lazaretos, fez cans- tarde.
truir um forno crematorio em Varigrano. OceCulista
Pela commisaso extraordinaria de Saude foi Dr. Barreto Sampaio, consultas de 1 As
deeoetadla a abolicto das fumigacSes, inuteis e 4 horns da tarde, na rua do Barlo da
incommodissimas, quando nmio slo p-migosas. ic-oa 4, o -n.f n ca a
Escrevem deo aris que se trabalha accelera- Victoria n. 4o, 2. andar, residencea, a
damente para constituir uma ligai anteelerical en- do Riachuelo n. 17, canto da rua dos Pires.
tre Roma, Paris e Bruxellas, para couenter os cleri- Bourgard a C.
aes da Belgica e Madrid. Recife: rua do Marquez de Olinda n.
.- Os engenheiros internacionaes, a proposito 16 Santo Antonio, rua Primeiro de Mar-
nomeados para o assumpto Galvestop, estabele- o. aVisa a da Imeraiz a
ceram a nova linha divisoria entire o Mexico eo 0 ao 3; B.)a-Vista, ru da Imperariz
Estados-Unidos cerea de 600 jardas ao norte da 54. Grande fabnica do cigarros a vapor.
antiga fronteira. Especialidades: Cigarros, charutos de Ha-


Aze-ite.- Menos o oleo de figado de bacalhio,
que e mais medicina do que alimento e outras oleos
de peixe ainda menos usados do que aquelle, to-
dos os mais que entrain cm cozinha sio de origem
S vegetal. Na Italia, pois, onde desde o Appenino
ate as ecllinas se colbre do pardo melancolico da
S arvore da paz, todo o azeite deveria ser de azei-
tona; mas ai! os muito pobres nmo podem com-
pr dl-o, porque 6 muito carol e os outros slo logra-
dos pelos iendedores, que fazem passar por gazette
i de azeitona os oleos de sesano, de algodio e de ou-
tras origens.
Na Lombardia e no Piemonte, pois, os estalja-
deiros de primeira eathegoria teen chegado cornm
S tanta perfeigo a perverter o gosto do public em
negocio de azeite, que nenhum paladar p6de mais
distinguir o azeite de aseitona dos outros, e deve-
S mos renunciar A salada quando o appetite nos con-
S vidar.
0 azeite de azeitona 6 o mais delicado e 0 mais
salubre dos oles ursados ; mas quande osn 6oo do
sesano,'4e algodlo oe de oatSras *emoptoes nosSass
'&Auia e masuro doa Europas selo bern 0ios e
hbem purificadoes a hygiene wU tern uada a dizet.
E' opaladar quie 6trahido,4 a:o4s08l9ais qafu4
ocra&a. ura a aaide em usda 6 comkor~i&


vana o nacionaes, cachimbos, tabacos e ob-
jectos parm fumantes. Livros do medici
na dosimetrica o unico deposit da fari-
nha lachea do NestlA, para os meminos de
peito e leite condensado.
Drogaria
Francisco Manoeo da Silva & C., dope-
eitarios de todas as especialidades pharma-
scuticas, fintas, drogas, products chinico
e medieament6os homceonatidos, rua do Mar-;
quez de OiaU n4 23.

R *ugrrayrol tirB ea f ceser 1Os 1s 4 A.
Caors. Neste estabelecimento enotra-se.
todos 08 mediegmentosi hommpatbico8 da
grand *a osffaimada easa de u telan.0
granulos dorsimetrioda de o Burraw -As


aquelle em que so annunciar a todos os
vents da publicidade a extinccao da es-
cravidio entire n6s. Isto, porem, nao quer
dizer que pretira interesses que, si nao sfo
sagrados, nao deixmio todavia de ser res-
peitaveis diante da sociedade em que vive-
mos, e dos embaragos quo assoberblo a
fortune public e particular.
A lei de 28 de setembro do 1871, confir-
mando a aspiragAo national preexistente
da extinegio da escravidlo foi o marco mi-
liario do uma 6pocha de regeneraelo mo-
ral no Paiz; e, porquo na evolucao das
cousas humans as ideas generosas, por
urna lei providential, tendem a engrande-
cer-se e a substituir-se As velhas ideas, 6
claro que, depois de um period do 13
annos, que tanto decorreu da data d'aquel-
la lei at6 hoje, a sociedade nao p6de hoar
estacionaria em material de tanta magni-
tude.


SAugmentar portanto, e augmentar oo*-
sideravelmente o afundo do emancipacao"
por meio de novas taxs que recaiam so-
bse toda a popula9go, visto queo todao el,
directs ou iirerectamnte, aufere as vanta-
gens resultautes do trabalho .se avo; r-
nar effeetiva, pow meitdo d disposiles we-
pressivas, a garantis -da propriedado ea-
erava, jA tlo .depreeiada, nao esquenoce
o estado do dcinhaeto doUOe n osA il-


A V, SnuwA patr Haou n g anhQ m ewUo3StO6hf

jd dbora o m P ir a oiie e i in p l


menos 1, 1 "e re w sehob ------ire
|pp deo di v ues v e t ver aig a or6. 0dir
.... 2,doest mdo '6 0 oqR8f t o en d9"" L4 p
da trageempl: rkp' M.,, 0*at

Outra Crta e e
iodroa mepreeparot, e t to ts.e not. eo t* t,=Y~eo&vd j
Ai ...d patriots. Ha realicia ou n~o ha? Ha corn ocr- Se voecerei, n~o son eu nero v~s nero ele o u.
upoisocotrioraaoatermuita.ePese ar particulari- dis sd
pn career bern acto opubi. a e reserve no Sr. Dr Abuuerque, qacarab dsto ; olto
eass. opAra 1 Co'essas verrinas e descomposturas, e dedie a dates julgarA.
-asso os eo se reparo, pois qu mais pesa sua aparada penna aio servio da nossa pamria, P Pedir qu no.ataque re candidatura to
d as V oirua s nao me aed balam.i I e tiodeut a eop .est c aAportas.da te ti extr, uo, atrioti mo que nem so defense* me
l,ulmw ,- e precisando de aedicos como V.S. Nisto ha daas explica, 6 jA confessal-o derrotado.
1. Sr.y .Sr. Aff Recife 20 doe otabro de1884.- in^ha, comn sabe,i nisar o cadaverico imperio. Faca, fac isto, se caLma quoe me assiste dante de todos os ate
proteBt o na winha ultiita carta n .o e-rever naoquer qne alguem Ihe diga-e levanta-sum do quea sou alvo.
mais a V.. S.; Bas, no haeendo calado ainda no padero fpa de horas para.... Adeus; soe sea A minha inconstancia, desafiovos q a indi-
meu espinrito as razes que alloga para mover Uma amigo admirador.-O esmo patriot. queis en urn s6 fact ;i mas s6 voe s respondere de
gduerra .am troguas ao Sr. Dr. Jos4 Marianno, Men carol patriota.-No vedes comr 6 facid 1'r hoje em diante, se vier-des pela impreda, ser
resolvi escrever-Ihe mais esta, que, sob minha pa- em manuseripto eterno em vez de estrenw.o Para hedhuma responsabilidade venha embora anoyma,
l^avra dobhonm e o patriota, lhe afirmo ser a ul i que supper mcdicia, e nao engano. Chamarei p ou assignada.
time. J certo, 6 sabido de to dos o servico enor- ao voso estrenuo, e nao mais eterno patriot. t Aulimae leinha de vossa a aria nqo enateoido.
me que V. S. tern prestado A nossa car patria, j A satyra e o rediculo s6 cahem sobre quem dA o se e a a amea ou que alcace ta'a.
procuralo dirigil-a pole caminho do bai, da'materia a elles; do contrario reverte-s sobre Aoso d'
honra e da justice, ja elucidando-a corn seua es- quem os joga. !ca AebqCterque M1uo.
criptos aobre economic e political e jA, finalmente, Se meu genio iroso, minha inconstancia, mn" a ;'


de%lftog4 (pdta WIPT`1 y sin-
ceridadeo do vistas patrioticas, venho an-
nunciar a o ditaeto corpo eleiord do 3,
districto.d'esta provincial quo asphibna!ebi-
cao proxima do 1.- de dezembro a honra

-Nflo, sourunwhAomem, novo- nemdeo
ahecido iza pollft: brt4at, lifebta me *
deoxarar qu a oau pi o ers de ^ orii_
ma ao uwu utinco. !,*': 1
A consciencis io quo tenshoido-ate hoje,
e a eonfianva inabilal i a iijepi enencia
e no patriotismo do oxpo electoral do 3.,
diastriotp, eis o 'fomento a Amira aspiraglo

Tondo-se feito ctutantemente da politi-
ca na eophera eleviada do nosaw4umdo of
fial, ura camp* de exploraaU$ em provei-
to de individnos-que ngo da causa pubiica,
o espirito nacibnal acha-se abatido'e a an-
tonomia das provincias, em sua generali-
dade, aniquilada.
Pernamnbuco, esse eatrowd'onde sempre
emanAram todas as coieepc'es grandes e
todos os commnettimentw generosos, tern
servido de presa a anibiies acanhadas de
homes do propor6eslilipatianas, e arras-
tado o sen desprestigio at6 o ponto avil-
tante do constituir-se o prolongamento das
provincias menos importantes do imperio,
conforme as influonciaa predominantes has
organisa9oes ministeriaes, e os presidents
que so lhe tena dado.
Politicos que afagamn e apoiamn todos os
miaisterios em troca, do miseraveis vanta-
gens pessoaes tern vendido por esse vilpre-
ao o direito do primogenitura de honra o
dignidade d'esta provincia.
Prejudicada em sens mais vitaes interes-
sos, ultrajada em seus f6ros e escarnecida
em seas brios, ella tern necessidade inde-
clinavel de levantar-se gigante, altiva, for-
midavel diante da turba -multa que na
present quadra eleitoral pretend corve-
jar em suas entranhas, e de enxotal -a das
urnas, se nao como fez o Christo aos que
mercadejavao no temple, ao menos corn a
attitude serena e austera do ju'z que nao
transige corn o seao ever.
E'a occasiao de so soparar os homens
sinceros, desinteressados o dedicados A cau-
sa public dos que vivenM de expedientes
interesseiros, atropellando e pisando todos
os sentiments c principios elevados, e
mentindo e atraigoando a consciencia publi-
ca revoltada que os condemna.
Si a situaaao political e ma, nago e me-
nos a financeira.
Si o impcsto de consume era um direi
to das provincias oa foi uma conquista em
favor das franquezas provinciaes, o retra-
himento d'elle, importando uma media de
centralisacao, foi na ordem political um
desastre, e debaixo de qualqueroutro pen-
to de vista urna ealamidade public. A
cessa-io da vend*, resultahte d'csse refra-
himento, e a dissipagAo filha do nwpotismo
politico, desfalcando extraordinarnmnente a
receita or9amentaria, estancaram todas as
fontes vivas de progress material e moral
d'esta provincia, deixando-a a bragos corn
uma divida que todos os dias cresce, o na
impossibilidade de prover A seguranga pu-
blica e ao servigo ordinario das repartioes.
0 soldado e o funccioaario provincial,
jA de si, per via de regtsa, 'mel reotribuidos,
acham se na contingencia on de abando-
nar os seas lugares ou de morrer A fome.
Emfim, uma perturbacao e um desoqui-
librio em todas as rela~ies da vida econo-
mica-social enfermam os espiritos e estao
reclamando do zelo politico medidas promp-
tas o bern combinadas. que a cautellem o
futuro medonho que se nos antolha.
Corn relaneo A questao que presente men-
te traz a 'itado o espirito publico, a do ele-
menta servil, devo dizer que amando a
liberdade no sentido mais ample da pala-
era, e tendo n'esta conformidade passado
carta de liberdade cm 1860, a titulo gra-
tuito, aos escravos que entao me couberam
em partilha dos bens de meus finados paos,
ser-me-a um dia de extreme contentamento


ser obrigado a exhibir documents que attestom o pa- sumpao jaris ou commumn, como que-ira o Embargante;
gamento dos anteriores. ao passe que, para este apenas resta a procuracao de
Estabeleee, pois, urea presumpo de pagamento, 1. 0 de abril na qual foi eonstituido advogAdo por Theo-
que per ser juris ou legal conditional dispensa aquelle doro Christiansen para tiratar do SUAS questAes civeis,
em beneficio do qual milita da obrigagao de provar que commerciaes e crininaes.
elfectivamente pagou. Content se, pois, o Embargante corn a sua pr.-
Tratando dessa presump1to diz Corrcia Telles em curagao e esqueca na present discuss'ao suns presnap-
o n. 807, citado polo Embargante: A Lei 3 Cod. de 9goes...
apochis publicio cont6m tambcmin umna presumpa.o de di- Releve-nos o illustrado julgador o desenvoevimi-n-
reito. Segundo esta lei as quitaoes dos tributes de to que tivemos necessidade de dar a este trabal.o par.a
tres annos consecutivos formam uma presumpcao de pa- tornar bemrn patented a imnprocedencia dos documeinutos
gamento dos annos precedents. Ainda que esta lei nao exhibidos e dos que ad .fatram ainda possam vir a
foi feita senio para os tributos, a sua decisIto tern side luz, no intuito de pretender-so que a Embargada pague
estendida aos forces e pensoes das terras, aos alugueis, hlionorarios, quo nao cdove.
rendas e OUTRAS DIVIDAS ANNUAES: nam ubi eadem ra- Sondo incontestavel que os embargos de fl, ver-
tio, idemjus statuendum est. Esta decisaIc, e fundada so- sa sobre matoia jd discutida e juridicamnsente despre-
bre que sendo ordinario exigir as dividas antigas pri- sada pela sentena embargada, esperamos que serao
meiro que as novas, os pagamentos das rendas novas, elles rejeitados dsde logo, come de


repetidos muitas vezes, devem fazer primeiro o pagamento
das antigas. Ella 6 tambem fundada sobre quoe se deve
favorecer aos devedores e nao os obrigar a guardar por
muito. tempo quitagoes em grande numero, por que seo
podem extraviar algumas.


Odie mihi eras libi
Aiada 6 doloroso A Irmandade do Santissino
Sacramento da freguezia de Santo Antao, achar-
se suspense na parte spiritual, depois de contar
mais de cento e tantos irmios de existenci-, e serm
que se Lhe possa accusar per ter faltado corn o
respeito ao nosso virtuoso bispo diocesano.
Em 1772 foi approvado o sea compromisso em
Lisboa, e at6 a pouaco tempo nio houve sacerdate,
que regesse esta freguezia, que nao ajudasse a ir-
mandade nos seas intuitos e fins.
Aquelle que soffreu per n6s na cruz, perdoou
aos seus algozes ; e come quer-se ou parece que-
rer--se que A religion santa, sirva para fins pro-
fanos ?
JA 6 tempo, Exm. Sr-. bispo, de que as vossas
ovelhas, nao estejam ferna da graa que come Ir-
maos do Santissimo pelo Santo Padre, Ihes foi
concedida corn as indulgencias para o bemrn de suans
abnas.
Cidade da Victoria, 19 de outubro de 1884.
Um irrnt; corn 66 annos de idade.


Ao dipo eleitorado do 9.'

district
Convencido de ter, quanto me foi pos-
sivel, cumprido o mandate comn qua fui
distinguido em 1881 polo digno eleitorado-
do 9.o district, venho solicitar a renovagoe
desse mandate, come approvagao do meu
procedimento.
0 pleito eleitoral, que se approxima, vai
tor lagar em condig3es muito graves e ex-
Cepcionaes, uma vez que trata-se do apu
rar qual a opinion do paiz em relaglo A
questio do element servil, que, collocada
pelo governono terrerib da eonfian9a, deu
em resultado a dissolugIo da Camaro.
Negando, Como fiz, meu voto ao gover-
no, refehndo as ideas contidas no projeoto
que e adoptou, pobr offenderem o direito
de propriedade 'garantido pela ConstituiAo
do peri o 'm today a sua pleonitle, julgo
tor dofendido os maia importantos interes-
ses do paiz, o correspoadido assim a con-
4Sanga em mim de. positada.
*1 quer, eft ot ,g O smpom quon nouguem
(wererAh rmae vnali^ a Y40& no


23 de setembro de 1884.


JUSTIi'A.


0 alvogado
Dr. Joaruim Corra d'Aratjo.


plementares, e deveriam sobretudo visar A
locagAo de serviwos e a repressao da vaga-
bundagem, porque infelizraente as lois, que
possuimos, na satisfazem completamente:
Na question do element servil e minha
opinion que a referida lei de 28 de setem-
bro, convenient e amplamente desenvol-
vida e lealmente executada, p6de e dove
dar excellentes resultados, ao menos em-
quanto nao melhorarem as condigoes eco-
nomicas do paiz e nio form votadas
aquellas medidas. Uma reform que vai
affectar interesses de ordeon elevada da so-
ciedade, nio p6de ser feita de um moe-
mento para o outro, sem produzir grades
e profundos abalos.
Si pela segunda vez tiver a honra de
occupar uma cadeira na Camara dos De-
putados, p6de V. S. ficear certo de que se-
rei coherent com o voto que dei, procu-
rando, quanto parmittirem minhas forgas,
defender os legitimos interesses publicos.
Si V. S. julgar que essas id6as, que
aliAs mantive na legislatara fine a, mere-
cem sua approvaglo, espero que nio me
negara seu voto e valioso auxilio; certo
de que sera eterno o meu reeonhecimento.
* Corn a mais distinct estima e elevada
consideragao sou
DeV. S.
Patrieio, amigo e obrigado criado
Jos& Bernardo Galvao Alcofoarado Junior.

Propriedade Apipecos
Convida-se os eonsenhores desta pro-
priedade e reunirem-se no ultimo domingo
26 do corrente- mez, ao meio dia, no con-
isstorio da igreja, para tratarem de seus
interesses gravemente compromettidos.
Apipucos, 15 de outubro de 1884.
Diversos consenhores.

Carta de um lavrador a Sua
Vagestade o imperador
Sobre o elsenento srv toom umn prologo
n ieitao er e6 1 P.'S. ao paiz .
E a e e aos agniculto-
|^ll| -sa taBu t, deve serlidapor
todos os hoe poio's porque, Apar das
Ma ic ado seundo -einado,
oumt -plano geral do reform da

Aot46- iMift~tufAH 4000A O eAxm-


em que eu ha mais de vinte annos milito, deve
conhecer o pessoal do partido liberal e os serviqos
de seuns- correligionarios, para fazer-lhes devida
justiga.
Carcqo, por6m, em face dxa melindrosissima si-
tuaiao que atravessa o paiz, dizcr corn today a
franqueza, a cada um dos Srs. cli tores, o men
modo de ver acerca das questoes mais momento-
sas a que, por certo, sera ehamada a resolver a fu-
tura Camara dos Deputados.
Em primeiro lugar figure a magna questio do
element servil, cuo problema entendo deve ser
resolvido de maneira a nao trazer o aniquilamen-
to das forqas vivas do paiz, a bracos corn embar-
cos de tal ordem, que aos espiritos menos perspi-
cazes nao escapam, por certo, as consequencias
desastrosas de qua estamos ameaqados.
P.rtilhando a opinion dos que desejam a cx-
tinc to do cancro qnc corroe as entranhas deste
paiz, opinia o da maioria da nailo, tenho concerni-
do e continuarei a concorrer, envidando esforqos
para a sua abolito e conseguintemente para a
regeneratao dest', joven imperio, sem apartar-me,
entretanto, de um dos principioes reguladores das
sociedades bern organisadas; o respeito ao direito
de propriedade de todo cidadao. sob qualquer for-
ma que ease direito se manifesto.
Apoiarei neste terreno todo governor que, seria-
mente empenhado na soluao deste important
problema, apresentar medidas que na pratica dICm
os resultados desojados, sem abalo para o paiz.
Propugnarei pelos interesses da lavoura e do
commercio, prineipaes alavaneas e sustentaculos
do edificio social; concorrendo corn a minha pals-
vra e corn o meu vote pars audo que possa trazer-
Ihe o mais pequeno influxo de prospenridade.
Nilo serei indifferent ao triste estadlo a que
acham-se reduzidas eatre n6s as artes, que iorga
6 confessar, nao teem sido attendidas em suas
justas aspirac5es, send esse abandon a causa
efficient do abatimento cm que permanence entre
n6s uma classes quo nos paizes cultos coneorre
poderosamente para o cngrandecimnento naciamal.
Nao darei o men apoio a nenhum goverro dels-
pidador dos cofres publicos, certo, como esto de
que a restaurac*o das fimangas do paid ewt- de-
pendente da mais several economic des dinhmeiw
publicos.
Espero tambem nio ser lanuado a roel daeles
que silo acoimados de esquecer uas nmecesidad
da sua proviucia, deixando-a jaxer em oudama-
navel abandon.
So estas, Sr. eleitor, as idAs a pret do par
empratic, se merecer o voso valioe ap&P que
muit me fortalecerA nesse deiderusms, tamft 6ma
quanto, de nenhmn modo vinculado o qarro do
poder, posso dar-voes como penhor o meu npsaso
politico.
6 de outabro d 1884.S-De V. S. coreligioai
a criado obrigdssimo-Paulo Jod ide irj.

Ako paHt~o MfceVM
Apresentamuw, tendn oavido as s-am. aig,
a combinacdo deo nmem paya a hAm* garal do
10 de ezembro do coore mo o.
IGVA4&- naMM."Ar-.*aft U".1 *MAMMI ft^ -mooed&*


'I


p


4i


"u i I Em vista desta citacao, onde transcrevemos ficlmen-
(tucsthoijndkciaria
tY0l J larta o as palavras-de Corr6a Telles, a que se refcrio o Em-
bargante, parcee-nos que corn o mesmo escriptor, pode-
Aceo exeeutlva mos asseverar que aquella lei, embora e.;tabe!e-ida para
regular o pagamento de impostos, tern sid o ampliada ao
AUTOR-O DR. JOAO VIEIRA DE ARAUJO dos foros, pensoes, alugueis, randas e outras dividas
RE --A COMPANHIA THE CENTRAL SUGAR FACTORIES annuaes, pelo principio do direito lbhieadem ratio, id m
OF RRASIL, LIMITED jus statuendum est.
Mas, diz o Embargante quo die passou recibo dos
Liamun-se, sem preveng.o, as palavras da lei e at- honorarios de anno e mncio e niio de tries annos, e que,
tenda-se o seu verdadeiro sentido, que diverse nunca se- portanto, nito tern applicaciio o argument que se deduz
rAa conclusi.o. da citada Lei 3.a E' verdade o quo allega o Emubargain-
Agora, seja-nos licito perguntar ao Eminbargante on- t ; 'mas, ainda nosse caso, prevalece a doutrina quo en-
do vai. descobrir a presumpgco quo allega? Rosponda- sina Pothier Contrat de lonage n. 184 pag. 67, ondo
nos; mans, sem evasivas, serm recorrer ao art. 434 do observa que 6 da multiplicidade de pagainentos que re-
Cadigo Corrmoercial, quo fall de pagamento e nao de sulta a forca da presumpA.o c'est do la multiplieite deis
credit, ideias muito distinctas. paiements que resulted la force de la presomptien ; e o
Presvumpgao legal de credit :!!! Basta.-- takes prin- !Embargante passou nao tries, mas quatro recib)s de ft.
cipios qunpes conlusees. a f., os quakes attestamn que rccebou elle da Emnbarga-
cipios quaes con-flus~es.0
^:Apreciemos, agora, a lei 3 Cod. de apoc4is publicio da, per diversas veres, os honorarios quo Ihe cram devi-
e examninemos emin vista de suas palavras, e consultando dos, o que, sem davida, satisfaz a condicao exigida piolo
o seu espirito, si tivemnos ou nao toda razAo, quando mesmo escriptor.
afirinamaos quo ella ostabelocia em beneficio da Embar-- ('oncedeudo, por6wm, que nao exista uiua pro-
gada, urna presump9lo de pagamento. I sumpgcao juris, nern per isso desapparecerA a prcsump-
NAo e verdade que a citavla lei cogite do pagamen-' 0 commune, deduzida polo julgafdor, em vista dos facts
to deforos e iendas d3 terras atrazadas, coino positiva- que diarianente se succodoi, c demonstram nrio sor
mente assevera o Embargante, por nAo ter consultado a natural o pagamento das presta' s modernas sondo de-
mesma lei eo mal haver entendido'o que sobre elle es- vidas outras mais antigas, principalment- nao tendo o
crevou-Pothier-das obrigaoes tra(ld. de Correia Tel- Embarganto allegado ate hoje nmia s6 raziao, nem pro-
les 2. vol. n. 807. I ferido palavra alguma que justificasse a pceccpito do ho-
A lei trata do pagimento de tributes ou impostos, e noraries que se venceram posteriormente, relatives ao 2.1
nto de foros e rendas de terras atrazadas; e dispoe que semestre deo 1882, sendo-lne ainda devidss os do seestre
o contribuinte que provar corn quitaoes ou recibos ter anterior.
sati.feitn imnna. stos ,-....annnq ,,lt;rn ... ... Subsiste, portanto, em prol da Emnbargaha unia pre-


- i



























4dwaaixo


Crus U. 22, Seeimm4. .|, twtp


Nawth*o ON publioo'H&a. eVagRMAS

em vda i

-- + aon do I
ap m5 -40 dt : -. ; + ......_ i1 ^ _oT


Encarrega-se de tode wpIurtrtaballmetM-
donte a cirurgiapro&dos dmtieme boccal, achan-
do-s -paiti, nmunid don odtOral s e aperfeigoa-
des inctauttMirteJqa b.
Extrale dertes sei 6 dr polo apparello d- Ri-
chardson.
Fas obturaqeBat6tuo,. patta e naoumf, colloca
dente&s a pivots, dentaduras em chapas de oaro e
vulcanite.
Tiata todasas molestias da bocea e da prime.
ra denticbo.
Consultaa e operagbes das 9 horas da manha e
as 4 da tarde.
CHAMADOS PORf ESCRIPTO
52-Rna Auquae de Caxlas-62

Cirurgiao dentist
Jos6 Basilisco da Silva Santos, cirurgiao
dentist e pharmaceutico pela Faculdade
de Medicida do Rio de Janeiro, colloca
denies pelos systems mais aperfeigoados,
obtura (chumba) a ouro, a platiiia e a osso
artificial; faz reconstrucgoes de dente de
ouro, trata das molestias dA bocca e corri-
ge as irregularidades dentariaa. Acha-se
das 10 As 4 horas no seu gabinute A rua
da Imperatriz n. 1.



Curso de preparalrits {

Francez, geoiaplbia e arith-
nr) metica
InformagSes corn o Dr. Tobias Barretto,




} CLMILCA HOMCEOPATHICA {}
DO

1 Dr. Tristao
Consults das 7 as 9 horas, e chama-
Sdos A rna da Unido n. 15. '
{ > Numero telephonic. 154 {}


BI DO HU

MUDICO OPERBALOR
ESPECIALISTA EM PABTOS E MOLESTIAS DA
MULTIERES
Ternom o seu consul .orio em casa de sua
residencia A rua da lmporatriz n. 30, 1."
andar.
CONSULTAS de 8 As 10 da manha e
de 12 As 2 da tarde. Chamados por es-
-cripto A qualquer hora.


r.Seve
Medico parteiro e operator fixou a sna-residen-
cia ua cidade de'Palmares, pracs de Maurity n.
4, onde p6de ser proparado para os misterea de
sua profissao.


COIIERUIt

Praqado Reetie,23 deoutu-
bro de 1904
AS tres horas da tarde
Cotaoes )offiiae9
Desconto de lettras, 7 0[0 ao anno, hontem.
Dito de ditas, 8 0/0 ao anno, hoje.
iv. J. de Oliveira Rodrigues,
President.
A. M. de Amorim Junior,
Secrctario.


RENDIMENTOS
Moun deoutabro
,Ai.aqzG.A==De 1 a 21
Idem de 22


WlEcBB otBAu=De 1 a 21
1demo de 22


PUBLICOS
dp 1864*
585:7210512
41:729A689
627:4515201


45:3325327
9:9985870


DIL I


Fixsu a sua reaidencia. na cidade, de Carua*,
oade podeser encontrado para os misters de sua,
profissio.

Liquid aproveftrai,
Synopsis ou deduVa. ebromlogno, d6w
factors mais notaveiedahistoria do Btvil,
polo general Jose- Igmaio do Abreu e.
Lima, 1 vol. comn 408 paginas IAOO0
Da- soberania do povo e dos principles
do governor republieano minodomu, ligoes
prenunciadas na Faculdade de Direito de.
Pariz, por M. Ortolan, traduco de4 A. P.
de Figneiredo, 1 vol. corn 160 paginas 500
Reforma eleitoral, collecao do divtr-
sos artigos sobre a eleigao direct por di-
versos lentes da Academia do Recite, 1
vol. corn 360 paginas 2%000
Doze proposioes sobre a legitimidade
religiosa, da verdadeira tolerancia dos
cultos por Ephraim, 1 vol. corn 200 pages. 1;000
Estudo elementary de direito do uso-
fructo adaptado a legislagao patria em
gorvi pelo Dr. Jeaquim C. da Cunha Mi-
randa, 1 vol. corn 174 paginab 1o000
Segredo da geracao ou arte de pro-
crear raparigas e rapazes e]ipirituosos,
etc. etc., (leitura s6mente part rapazes),
1 vol. corn 200 paginas 500
Mosaico Pernambucano, B41ecgao de
exerptos historicos, poesias populares,
aneedotas, euriBsidades, lends, antiqua-
lhas etc, tudo relative a piovincia de
Pernambuco. 1 vol. corn 260 paginas 1 000
Jesus Christo a critiea modern pelo
Rovd. padre Felix (da eonpanhia de
Je us) vertido do francez pelo Dr. Pedro
Autran da Matta Albuquerque, 1 vol.
corn 150 paginas 1A( 00
Historia sagrada do valho e novo tes-
tamento, corn explicaoes e doutrina dos
Santos Padres, para reform dos costu-
mes em todos os estados e pessoas corn-
posta por N. de Rayaumont, 2 vols. corn
564 paginas 16001
Ensaio sobrc a supermacia do papa,
especialmedte a respeito da instituigilo
dos Lispos, pwr D. Jos6 Ignacio Moreno
1 volume corn 280 paginas
Mosaico Poetico, colleccgao de escolhi-
das poesias dos melhores poetas Brasilei-
ros e portuguezes, 1 volume corn 70 poe-
sias 1000
Os Dramas do Recife, romance por Cor-
te Real, 1' parte o cunego, 2a o barlo de
Albuquerque, 2a o commendador Ferreira
1 volume corn 384 paginas 240U0
A Reforms Eleitoral, emenda 1 000
A' venda na. Livraria Universal, rua do Im
perador n. 52.

Dr. CerqneiraLeite

Medico e operator
Do volta de sua viagem A Europa onde
frequentou os hospitals do Pariz, tend
feito nm curs(; especial de parts e moles-
tias de seuhoras, dA consultas no seu anti-
go consultorio A rua Duque de Caxias n.
48, do meio dia as 2 horas.
Espeeialidade molestias de criangas e de
senhoras.
Rkcebe chamados por escripto ou no seu
consultorio, ou em sua residencia A rua do,
Barlo de 8. Borja n. 30.
Labille, 3 a W--tern rasiBTelegraph-ompany,
4 a Nunes Fonseea &C., 1 a via ferrea do Reci-
fe a S. Francisco. Materiaes para engenho cen-
tral 163 volumes e peas a Sugar Factres of Bra-
sil Company.
Oleo de linhica 25 bairr;s a Francisio Manoel
da Silva & C., 10 a Boaqtayrol Freres, '10 a J.
u. Levy & C.
Proviswes 71' caixas A ordem, 3 a Joao Chris-
ti;.ai & C., 1 a W Hood. Papel de embralho 50
fardos a Paiva, Valente & C.
Queijos 71 caixas a ordem, 22 a Rosa & Quei-
roz, 13 a Carvalho & C., 10 a Fernandes da Cos-
ta & C., 13 a Paulo Jose Alves & C., 10 a Saun-
dern Brothers & C., 23 a Joaquim F. de Carya.-
Iho & C., 1 tisa A ordem.
SaJitre 50 barrieasa orlem. Soda cauitica 20
barrio a J. C. Levy & C.
Reoupa 1 eaixa a W Hood, 6 a Cramer Frey &
C. Ralhas lfsrdo A ordem.
Tecides diverse 65 volumes a Cramer Frey &
C., 24 a Agostinhe Santos & C., 30 a Andrade
Lopes& C., 98 REodrigaes Liua & C., .4 a or-
dem, 116 a Bernet. &.C., 1 a Maneel VieiraNe-
yes, 30 a Luiz Antoaao Siqueirs, 5 a Severino
& Irmgo, 2 a Silveira & C., 3 a Alvea de Brito &
C.. 2 a J. A. Fernandes, 31 a Maehade & Perel-
ra, 16a Gencalvia Irma, & C., 13a Olinto Jar-
dim & C., 9a Albino Amorim &.C., 8 a Moah.ard,
Hubet & C., 2 a Generosa &Fernandes, 4 a Ber-
nardino Maia & C., 8a Leoreiwo Maia C.
Vinho2 barris aJeanLauret, 4 a J. Krause


&C., 4 Bemet & C, 4 aor-dlm, 4 a irmni Sal-
vignal, 2 a Monhard, Hubert & C., 12 caixas a
Augute Labis 1 a Justo Teixeira & C.


VaPUUm


e acreiao labri-

cautes dup


qne se- acha baffiitaw

dis a fazeruma reduc-

a& sensivel nos pre-

9ojA conhecidos. Fa-

zem tambem siente

que slo depositarios

dos medicamentos do-

simetricos do doctor

Bourgraeve, Sedlitz

chanteaud, cha preto

de Horniman e das

perfumarias de Gos.

nell.

MOINHOS EXCELSIOR, pari moer qualquer
material prima. cafr torrado, milho etc.
ARTIG0S DE FERRO -URDIDO ENDU-
RECIDO, come rodas para carrokdq eaminho de
ferro de toda especie, cylindros, peas de minnchi-
nismo, trilhos e cruzamentos, simple e de patent.
REGUL1DOR E S COSINUS para machines a
vapor.
MACHINES PARA QUEBRAR PEDRAS.
CRIVAQOES DE PATENTE e muitos outros
artigos de ferro batido, fundido e endurecido.
H. Gruson

Biuikau-Magdeburg

Tn9c~G. JTXST
17--- CORPO SANTO- -17
Unleo agente

Ao Exm. Sr. Dr. chefe de policia
Os moradores do districto do Arraial, sobresal-
tados polo estado de anarchia desse lgar, sio for-
gados a con.municar a V. Exc. a suaa verdadeira
cauza.
Cersca d'um anno foi nomeiado subdelegado o
Sr. Deodato Torres, quo como cidud o, louge do
cumprir a inissio que lhe 6 imposta plos deverea
sociaes, tern abandonado o service publ-co atf mee
me o mentor policiamento deste lugar, onde pre
zentemente, e invadido pelos pertubad*ores da or-
'dei, vagabundos e salteadores; i- awirmeat a
pew da mA noticia a respeito do Avmial, -a oK
adores do djstriete viviam maisrmmeuos traw.
meema data e couaiguado a Johnstoa. Pater. &
C., manfestou :
Bacalhao2,790-barrlcase 420/2 ditas aos con-
signatarios.

DESPACHOS DE EXPORTAVAO
Em 21 .le outubro de 1854
Para o exleriour
No vapor inglez Hagarth, carregon:
Para Liverpool, J. H. Boxwell 333 saceas corn
29,344 kilos de'algodeo.
No patacho portuguez Mario, carregon :
Paros nPorto, Mais & Rezeand 146 eonros es-
pichados corn 1,022 kilos.
Para o interior
No vapor inglez Dervent, carregon :
Para Santos, F. de Souza Martins 150 saceos
corn 9%000 kilos de assuear blanco e 250 ditos corn
150,000 ditos do dito maseavado ; Boric & (C. 146
ditoe corn 8,760 ditos de dite.
Para a Bahia, Burley C. 146 saceos corn 8,760
kilos de assucar maseawado.
-- vO vapor nacional P. do GrTO Pord, car-
regou :
Para Bahia, J. S. Loyo & Eilho 50 barns corn
4,500 litros de mel; Rocha Irmaos & 0. 15 caixas
oleo de ricino.
Na bareaca J. Aseencia, carogou :
Para P. de Alagoas, Main Roezade 20,090
litroe de eal.


Aamia~m jL 17



k"1 !*l~ n. .. A"B~t
ca'HF&4O, quaro atado. cor Sem alka. mam.
sLo U7 vin4wdta ew-SX bir pn a ide-
D ordem o Ehic &. Di-. inepm1 tor, do cor-



rIt qu 0 n no di 80 d 3 r drnta eu dt neraol





lo ndaSli t dureizo, sobre aimp dor tanca quo
inaartos debe do "BM "hptndawdcic
8a Igodw4bdahfibs"A ga~db- Paninn, a.de
,osr eugr d ea188- A Floese e Inaeia cm
6|ahft, o 200/0 Gfeefto orJriinmo lfe o



|rv dbaeA prmweira arremataAo, a qua flea
ieduzidaL 1:779)OO0.
Sztaroia do Thesouro Provincial do Pernam-
buo, ema 15 de outubro de 1884. Na auencia
do secretario, e official,
Lindolpho Campollro.

Edfta Lt ,
De ordem do Sr. Dr.. admmistrador scientific
aos Srs. contribuintes dos impostor de indastria e
pro fisso comprehendidos na d'iasse u.. 7,121', 27a,
36a, 384, 46a,% 7, 48a, e 58a, databella annex Alei
do orqamento vigente quese acham colleetados pela
formal constant das relagses, e que, nos terms do
art. 33 das instrucoes de 27 dejulho do anne pas.
sado, Ihes flea marcado o prazo de 15 dias impro-
rogaveis, a contar da data da publicagio do pre-
sente para apresentarem nests rcpartigao quaes-
quer reelamagoes ou recurso para o Thesouro Pro-
vincial, sob pena de nao serem mais attendidos
fora do referido prazo.
la Secto do Consulado Provincial, 21 da outu-
bro de 1881.
0 chefe,
J. X. C.de Barros Campello.
CLASSE N. 36 -Fabrica de sabdo inclusive a
que se acha na freguezia de Affogados 5:000J000
S. Jose
Run Imperial n. .. Antonio Miranda
C. Branco, la, divisao 416,666
Dita n. .. Bernardo Joaquim Gomines,
3& dita 833$340
Rua Nova de Santa Rita n. .. Seixas
& C., 4-, dita 1:2495998


Afogados
Rua do S. Miguel n. .. Manoel dos
Santos Araujo
Recife
Rua do Bruin n. .. Francisco Irmilo


1:2495998


&C., 1:2495998
CLASSE N. 7.-A rmaczem de vender em grosso fa-
mo em folha, corda e desfiado 3:000#000
S. Frei Pedro Gongalvcs
Rua de Mariz de Barros n. 14. Sodre
da Motta & Filhe, idem idem 600500)
Bua do Vigario Tenorio n. 10. Morel-
ra Lopes Irmao, idem iaem 6000000
Rua de Barreto Menezees n. 16. Jobo
Francisco Leite 2755000


Santo Antonio
Rua- de Marcilio Dias n. 31. Esnaty
& Banks, idemidem
S. Frei Pedro Gongalves
Rua de Mariz e Barros n.- -11. Rodri-
gues de Faria & C., idealemniei
Runada Madreu Des D .3 .n af A1.m-Aa


2755000

1755000


Machado & C. 17500)0
Bua do Amorim n. 58. Gomes & Gou-
veia, idem idem 1505000
Largo da Alfandega n. 28. A. Joaquim
Jos6 da Fonseca, idem idem 1505000
Rua do Vigario Tenorio n. 16. Xavier
de Simas & Irmao, idem idem 6005000
CLASSE N. 28-Lojas de livros, objects de e serip.
torio, papel de impressdao e officials de encader-
nacgdo 1:500000.
Santo Antonio
Rua das Larangeiras- n. 28. Antonio
Beraldo Lima Mendes, la dita 435478
Ditas n. 28. Santos Costa & C., idem
idem 485478
Rua Larga 'do Rosario n. .. Manoel
Affonso Rigueira, idem idem 435478
Rua Duque de Caxias n. 30. Manoel
Jose de Miranda, idem idem 435478
Rua do Imperador n. 52. Salustiano
Lopes Bego Barroq, idem 435478
Rua das Trincheiras n 16. Miguel Xa-
vier de Souza & Fonseca, idem 435478
Pateo Pedro II. Gervasio Pontario Si.
mbesy idem 435478


Bea-Vista
Bua da Imperatriz. Jos6 Nicolao de
Souza, idem
Santo Antonio
Rua do Imperador n. 52. Jose Joaquim
Alves de Albuquerque, 2a dita
Bua do Barao da Victoria n. 43. Joao
Sabino Lima Pinto, idemrn
Dita n. 30. Antonio Pedro de Souza
Soares. idem
Rua do Duque de Caxias. Jos6 de Aze-
vedo Main e Silva, idem
Recife
Rua do Born Jesus n. 56. Anna Maria
do Nascimento, idem
Rua de Marquez de Olinda n. 38. Ma-
noel Cardoso Ayres, idem
Santo Antonio
Praca Pedro II. Jeronymo Ferreira
Pinto, idem
Bua Primeiro de Margo n. 9. Joao Wal-
fredo. de Medeiros, 3' dita
Dita n. 7. Medeiros & C., idem
Dita n. 2. Jos Noganeira de Souzs,
idem
Rua de Imperador n. 75. G. Laport &
C., idem
Bua do Barao da Victoria n. 7. Manoel
Jos6 Gongalves Brags, idem
Dita n. 9. AndrA Doani1gos dos San-
toe, idem


43,178

665217
655217
655217
65-217

65A217
655217

655217
865957
865957
86,5957
865957
865957
86f957


mo JWeA Ferre.-a dita
Abun do ImpuuAiDor A. 9. VS J -w Gdrt-
FL,. amooIn to deMagalshest iem
Ditsa n. 199. Kaijo Antodio Benar
Qlinteiro, 4a -di, _


S. Jos6
Piftab- Tergo n. 50. Bartholomeu;
idem
Santo Antonio
Ruia de Hortas n, 4 Joao Domingues
daSiaV. de Almeida, 5a dita
Dita U. 100. LoueMOe JAstiniano V.
do Maseimento, idem
Boa-Vista
Prap4do.Conde d'Eu n. 32. Jos6 Mar.
tiSu dAlmeida, idea
mAnt. AAtOmio
RuAdo Iperador n. 23. Tenente Fran-
cisco de Paula Mara, 7a dita
Dita u. 9. Manoel Gongalves Agra; 16a
dita
'LASE N. 21.-Lojas de louva, vidros
lana 8:Q000jOO
Boa-Vista
Bun da Imperatriz n. 13. Jose Maria
Gonpalves Vieira Guimarles, Ia divi-
sao
Recife
Bua do Marquez de Olinda n. 53. Dee-
dato Torres & C., 34 dita
Santo Antonio
Bua Larga do Rosario n. 26. Jas6 de
Araujo Veiga & C., 5a dita
Rua Primeiro de Margo n. 15. Manoel
Joaquim Pereira, idem
Dita n. 16. Bernardino Duarte & C.
6a dita


16A"
24#742,

245742

325990
326990,

32k990

490488
1235713
e porce'



1875500

3755000

7505000
750O000
9375500


(Continua).
-. 0 procurador dos feitos da Fazenda
Provincial, tendo recebido nesta data, da
seccao do Contencioso do Tiesouro Provin-
cial a relacao abaixo transcript dos contri-
buintes do imposto de decimnas, do exercicio
de 1882 -1883, dafreguezia da Boa- Vista,
que deixaram depagar o mesmo imposto no
tempo competente, declara aos mesmos con-
tribuintes que Ihes flea marcado o prazo de
30 dias, a contar da publicacao do pre-
sente edital, na conformidade do disposto
no art. 53 da lei n. 891, para recolherem
a importancia de seus debitos ao Consiulado
Provincial, certos de que, findo o referido
praso, se procederd executivamente a co-
branca.
Recife_, 20 de outitbro de 1884.
Joao Francisco Teixeira.
Coelhos n. 22. Antonio Carneiro da
Cunha 30A312
General Seara n. 33. Antonio da Costa
Ribeiro e Mello 135791
Becco do Jasmim n. 1. 0 mesmo 6,4062
Dita n. 3. 0 mesmo 65062
Dita n. 5. 0 mesmo 6S062
Dita n. 15. 0 mesmo 75275
Dita n. 21. 0 mesmo 74275
Dita n. 23. 0 mesmo 10,911
Dita n. 25. 0 mesmo 10,911
Joao de Barros n. 7. Antonio Feliciano
Rodrigies Sstte 21 88 2-
Ponte Veliha n. 75. Antonio Fe-reira
da Rocha Leal 454030
Visconde de Albuquerque n. 85. Anto -
nio Francisco das Chagas 605625
Coronel Lamenha n. 21. 0 mesmo 215821
S. Gongalo n. 5. 6 mesmo 21;3522
iLargo da Santa Cruz n. 7. Antonio
Cap tao Antonio de Lima n. 2. Anto-
nio Gomes Pereira 125125
Aurora n. 113. 0 mnsmo 255249
Dita n. 115. 0 memo 405417
Dita n. 121. Antonia Joaquim Caval-
canto de Albuquerque 60525
Saudade n. 20. 0 mesmo 605525
Aurora n. 123. 0 mesmo 69525
Santa Cruz n. 56. Antonio Joaquim de
Moraes e Silva 495106
Visconde de Pelotas n. 9. 0 mesmo 404417
Conceigio n. 10 0 mesmo 3GS375
Largo de Santo Amaro n. 6. Antonio
Joaquim da Silva Brito 415224
Poute Vlha n. 119. 0 mesmo 31222
Gervasio Pires n. 17. 0 mesmo 315222
Dita n. 137. 0 mesmo 301312
Dita n. 139. 0 mesmo 125125
Ponte Velha u. 1. Antonio Jose Biten-
court 675294
Capibaribe n. 48. 0 mesmo 155156
Condo da Boa Vista n. 67. AntonioJosS
Duarte Coimbra 245219
Pombal n. 18 B. Antonio Martins do
Rio 50521
Visconde de Albuquerquer n. 136. An-
tonio do Menezes Vieira da Cunha 65962
Ponte Velha n. 56. Antonio Moreira
Reis 14a549
Dita n. 58. 0 mesmo 145519
Barao de S. Borja n. 9. Antonio Perei ,
ra Nunes 8.486
Visconde de Albuquerque n. 136. Anto-
nio Vasco de Argores Cabral 185187
Gervasio Pires n. 83. Augusto Hygi-
no de Miranda 16,169
Beceo de Santo Amaro n. 13. Ayres de
Albuquerque Gama (Dr.) 125! 25
Visconde de Goyanna [n. 103. Anna
Marques de Amorim 6506-2
Riachuelo n. 2 B. Antonio Herculano
de Souza Bandeira 95699
Dita 2C. Antonio Joaquim de Si 75275
Hospicio n. 65. BarA6 de Benmia 112;763
Progress n. 1. Bardeo e Frecheiras 1215250
Princess Isabel n. Bar o de Goyanna 1105742
Riachlmello n. 1. Barb de Vila Bells 1014048
Poute 1 elha n. 98-. Blroneza de Cim-
bres 305312
Estrada Velha da Magdalena B. 3 A,
Bemvinda da Costa bouto Maior- 30581
Imperatriz n. 80. Bento Jose da Costa 1655710
Conde da Boa-Vista n. 17. 0 mesmo 20528
Dita n. 19. 0 mesmo 275586
Dita n. 19 A. 0 memo 485498
Hospicio n. 13. 0 mesmo 305312
S. Goualo n. 21. 0 mesmo 211522
Paysandu n. 5. Bento Manoel da Costa
Amaral 605625
S, ta Cruz n. 72. Bernardine Franee-
- Io de Carvalho 605625
'T',ve'uad Jobo de Barros n. 18. Ber-
nardibo Satyro dos Santos 6063
Plta n. 20. o meao 502
Dibi. n; 2+0 memo 65062
Ioao de. Brros n. 21. BerttaCorreia
dle Amnorim e entre 705839
Cbuas dirfloa-Vlstt n. 2&-X.Barlb g
Rotaelins 125123
Cou a,&I4 Choketatma da- Silvm
Oam~s ^ort^15939


pBUo n. 31. memos
^MO~tto it 14Candum~abJetadaw.


Kdvhiarop S. Os moin
T de Joao gnnod Vilf
_*^7. C0ementima d&J.uua 5M~am,a
He Brja n. M,18. Q- ae-o0
-Difa.'x^. Os nmesmo
Aiafltn 15. Clementino do FariaTa.
vares
Condoda, Boa-Vista n. 112. 0 memo
e tr.>
IDUesloa n. 29. Os mesmos
Uaii n. 69. Clotilde Ignez da Silva
Brito
Atm u-a n, 69. Conde da Boa-Vista
Estnriada de Luiz do Rego n. 6. Cons-
tanqa-Zeferina de Oliveira
Larg da Igreja n. 7. A mesma partt)
Ponte VYelha n. 99. Convento do Car-
me do Recife
Viarooadc de Albuquerque n. 126. 0
mesmo
Algria n. 30. 0 mesmo
Sete de Setembro n. 34. Custodio Josk
Alvres Guimaraes
J0o0o de Buarros n. 1 D. Companhia da
Estrada.de Ferro do Limoeiro
Largo de Santo Amaro n. 6 A. Damiao
Lopes Pereira Guimaraes
iHospicio n. 14. Decio de Aquino Fon-
moos
Riachuelo n. 2. Dionisio Dias Moreira
Imperatriz.n. 82. Domingos Bernardi-
no da Cunha
Poate Velha n. 25. 0 mesmo
Alegria n. 48. 0 mesmo
Largo da Igreja n. 1. Domingos da Sil-
va Campos
Dita n. 3. 0 mesmo
Dita n. 5. 0 mesmo
Condo da Boa-Vista n. 163. Domingos
Teixcira Bastes
Aurora n. 33. Eduardo Coraino da As-
sump9io (parte)
Travessa de Joao de Barros n 8. Epi-
phanio da Silva MagalhiLes
Progress a. 23. Ercilia da Silva Cam-
pos, parte
Conquista n. 14. A mesa, idem
Barao de S. Borja n 37. Ernestina dos
Santos Almeida, idem
Aurora n. 33. Eugenio Antonio da Sil-
va, idem
Estrada de Luiz do Rego n. 4. Eulalia
GuilheAnina de Oliveira
Largo da Igreja n. 7. A mesma, part
S. Goncalo 1. Euphome Modoni Eglarin
Largo dos Coclhos 15. A mesma
Fernandes Vieira n. 40. Faustina Thi-
reza Leite
Travessa do Principe n. 1. Felicia Ma-
ria da Concei(Ao
FundiaIo n. 4. Felippe Nery Goa(:,l-
yes, parte
Travessa do Ferreira u. 6. Felippe Ne-
ry Goanalves Ferreira da Costa
Dita n. 14. 0 mesiano
Travessa do Costa n. 1. 0 mnesnmo
Dita n. 3. 0 mesmo
Dita n. 5. 0 mesmo
Dita n. 7. 0 mesmo
Dita n. 9. 0 mesmo
Dita n. 11. 0 mesmo
Dita 11. 30. 0 mesmo
Dita n. 31. 0 m'-sm)
Dita n. 36. 0 toesine
Dita n. 38. 0 ines.no
Travessa do Limna n. 6. 0 mnesino
Travessa do Gonailves n. 8. 0 anesmo
Dita n. 16. 0 riesmo
Dita n. 18. 0 nimesmo
Fundigao n. 1. 0 mesmo
Antonio de Limna n. 9. 0 insimfO
Dita n. 11. 0 mes no
Conde da Boa-Vista n. 76. Felippe
Santiago Per.-ira
Pombal n. 1. Dr. Fiminino Antonio de
Ditan7.->(.Laiso
Dita n. 5. 0 mcsmio~ -._.,
i Data n. 7. 0 mesmo .-"-
IHospicio a. 85. 0 mesmo \ "-
Visconde de Albuquerque u. 120. Flo-
ra Umbelina do Almeida
Sooego a. 40. Francolina Sabina do
Monte
Dita n. 42 A mesma
Luiz do Rego n. 40 E. Francelina Ma-
ria dos Santos
Ponte Velha a. 31. Fraucisca Guilher-
mina de Souza Anunes e outros
Dita n. 102. Francisca Guilhermina de
Souza Aunes
Soaogo n. 15. Fraucisca Joaquina de
Jesus
Dita n. 17. A meeina
Largo da Santa Cruz n. 10. Francisca
Marcelina de Oliveira Souza, part
Tr .vessa do Veras n. 2. Francisca Re-


saliuna Vieira Lavra
Barao de S. Borja n. 16. A mesma
HoepiciD n. 81. Francisca Thomazia da
Conceicao Cunha
Ponte Velha n. 9. Francisco Antonio
Martins de Miranda
S Gmncalo n. 27. 0 mesmo
Cajueiro u. 1. Francisco Antonio da
Silva Rios e outros
Dito n. 3. Os mesmos -
Lurgo da Igreja n. 7. Francisco Anto.)
nio de Oliveira partt)
Estrada de Santo Amaro n. 6 Fr&n-
cisco Antunes Ferreira
Dlta n. 8. 0 mesmo
Viscoude de Albuquerque n. 34. Fran-
cisco de Assis Oliveira Maciel
Po nbal n. 2 A. Francisco Avila de
Mendonga
Estrada Velha de Santo Amaro n. 12 B.
O mesmo
Dita.n. 12 C. 0 nmesmo
Dita n 12 D. 0 mesmo
Diita n. 12 E. 0 memo
Dita n. 12 F. 0 measmo
Dita n. 12G. 0 mesmo
Dita n. 12 H. 0 aneamo
Dita a. 12 I. 0 mesmo
Dita n. 12 J. 0 memo
Ditan. 14. 0 mesmo
Dita n. 16. 0 memo
Ditan. 18. 0 memo
Dita n. 20. 0 mesmo
Dita u. 22. 0 mesmo
Dita n. 24, 0 mesmo
Norte n.4. Franciscaeo Botelliho de Andra-
de
Viascndp dat Alo2amueaue n. 111. F.


um
-*m


19






1211
Isom


560
195111

f652

613573

121AM

956
12410



905
16027(
215=
145w1
1354H
14A5M
805831

954i
956W
51037
15933
55)81S


30637
5632
74275

8.S499
151t5&




12 112
125125
9;0%



124125
12;125
124125
12A125
12125
12A125
85J46
78292
1465114
160974
159762
134-3
91993
9!093
244249
21 024'
20$20g
G5062
124125
95 0W
55861
63059
1215251

21562f
14549
1459
305312
335641
2412415
8486
8196

105291
195395
805834
495i1
73Jl963
625114
605625
301 '12


'a



4


-a"


-4++ ^


29.57
to69
4017
430;3@
14550.-

70M,


7j2
7"2-
7,92%
73275
75271


7076
75175
7N2M

7$M22B
75275
752'5



7523
7j527
75271

W0AS21



12412
30531
WOW
Si--
2400,




24533*>


Lnwsprs.'as, yaas & U"


F




















81. $ig~slnu


ln.LSimtodeA
a. 14. Semimano,


u.~t. ~


10.0 mesmo
S 0 memo
'.W"c2 0vI~ef
V'elha n. 93. Fruetuoto Martins

i BUa das Banreinas n. 13. Felix
peg6%adoisquasa
I o a. 6. Francisco de Carvalho
' lAadnade Brandlo, meia part
aurgo di Campina a. 9. lenenosa Joa-
qaina da Cunha
-Xita u. 11. Generosa Joaquina de Je-
'*TMepde d4 Albuquerquem n. 94. Gene-
*X*"'JJo""Isnf do Cinha
da oa&-Vista n. 36. Geraldo
Mowra da Silva
,eom da cambda do. Praeres n. 9.
Gertrudes Idalina Carneiro
Baro de S. Borja n. 37. Gertrudes dos
Sautos Almeida, part
atrada Velha de Santo Amaro n. 13.
; ilfherme Francisco Correia
~de de Albuquerque n. 115. Gui.
iherme Francisco de Souza Carva-


ibo 285796
R-Baxo de S. Borja n. 29. Heleodoro de
Aquino Fonseca 471793
lr-0pXio n. 12. 0 mesmo 405417
l oguda travessa de Job de Burros
,Dta iu. 20. 0 mesmo 1635972
SDitam n. 37. 0 mesmo 701022
S- 1. Heleodoro Tiburcio de Souza
L^ -Varji 65062
ita 3. 0 memo 65062
ltA 11. 5. 0 mesmo 66062
1 Dita n. 7. 0 mesmo 61062
^ Uido Rego n.40J. Hemeterio Vi-
-rdal de Negreiros 361375
uIaMo da Igreja n. 7. Henrique Avires
4.dOliveira, part 25957
goeeeg n. 24. Henrique Jose Vieira da
^ ^Silva 211522
,saMio n. 3. 0 mesmo 19398
LArgo da Campina n. 3. Henriqueta
: ^^Francisca Barros, part 40310
(*ervasio Pires n. 1. Herculano Alves
da Silva, part 375506
SDita n. 9. 0 mesmo 2442- 9
tas n. 1. 0 mesmo 215522
ts an. 21. 0 mesmo 33A647
ende do Pelotas n. 20. Herdeiros,
:Maria Izabel e Amalia, netas de An-
tonio Pereira da Costa Gama 395709
Rosario n. 12. Herdeiros de Antonio
S da Silva Ferreira Junior 21;522
Visconde de Albuquerque n. 11. Her.
deiros de Antonio da Silia Perreira
Junior 10104.3
SPonte Velha n. 10. 0 mesmo 245249
STravessa de Joio Francisco n. 13.
S Herdeiros, Antonio e Argemira fi-
lhos dos mesmos 191036
Travessa do Principe n. 2. Herdeiros
de Antonio Pereira da Costa Gama 125125
Dita n. 4. Os mesmos 125125
Imperatriz n. 51 A. Os mesmos 361375
Dita n. 54. Os mesmos 405417
S. Gonalo n. 36. Herdeiros de Bernar-
do Duarte Brmandao 124125
SDita n. 38. Os mesmos 241249
Barao de S. Boija n. 62. Herdeiros e
filhos de Candido Jose da Silva.xjj.--- '
marines 12,924
Vimsconde de Goyaaa.n77. Herdeireos
oe filh omingos Fernandes Vi.
151I56
Imperatriz n. 81. Herdeiros e viuva
Emilia Villela partt) 61549
Dita n. 69. Os mesmos 6S549
Leeo Coreado n. 16. Herdeiros e Fran-
cisco Jose Barbosa 135791
Riachuelo n. 54. Herdeiros e viuva de
Francisco Jos96 Fernandes Pires 25,s462
General Seara n. 29. Herdeiros de F.
Jos6 Gomes de Santa Rosa 205611
Rosario n. 4. Herdeiros Anna e Zulmi-
ra, filhos de Galdino L. de Oliveira 271584
Estrada velha da Passagem n. 3. Her-
deiros e viuva do Dr. Ivo Miquilino
Sda Cunha Souto-Maior 355365
Dita n. 5. Os mesminos 125125
Dita n. 5 A. Os mesmos 125125
Unibo n. 19 A. Henrique Pereira de
Lueena 6A393
Imperatriz n. 69. Herdeiros de Joo
Dias Villela partt) 65393
Hospicio n. 10. Herdeiros e Jobo Fer-
nandes Parente Vianna 1315355
Camarlo n. 13. Herdeiros de Jobo Pa.
checo de Queirogae ontros 109A126
Dita n. 15. Os mesmos
Dita n. 17. Os mesmos 305312
Viseonde d'Albuquerque n. 158. Her-
deiros e viuva dt Joao Pereira da
Roeha 305312
Gervasio Pires n. 1. Herdeiros de Joao
Piretti (parte) 16135
Travessa de Joao de Barros n. 2. Her-
deiros de Joaquim Bernardo de Fi-
gueiredo 33A815
Norte n. 2. Herdeiros de Joaqnim Jose
Pinto 185187
Aurora n. 19. IIrdeiros de Joaqaim
Jose da Silveira 1211251
Dita n. 47. 0s mesmos (3/4) 113A672
Ponte Velha n. 40. Herdeiros e Alfre-
do. filho. die Jos de Aquino Foneca


e outros
Santa Cruz n. 8. Herdeiros e filhos de
Jos96 da Cruz Santos
Ponte Velha n. 13. Herdeiros da Jos6
Francisco Ferreira CatEo
:Riaehuelo n. 60. Herdeiros e Jos6, fi-
lho do Dr. Jos6 Gonslves da Silva
Capibaribe n. n6. Herdeiros de Jo06
SMamede Alves Ferreira
Ata n. 18. Os mesmos
Imperatriz n. 40. Herdeiros de Leopol-
do Ferreira Martins Ribeiro partt)
30 Becco do Pombal n. 6. Herdeiro de
Leonidas Tito de Loureiro
Joao de Barros n. 5. Herdeiros de Ma-
noel Camneiro da Silva (1/2)
Luiz do Rego n. 25 B. Herdeiros e Vtu-
va de Maool Custodio
Jo bFermandes Viesira n. 44. Herdei-
Sroe e viuva de Manoel Ferriim de
SAraiujo Castro
)Dita n. 46. Os mesmoe
.avesa de Gervasio Piresn. 2. Her-
deiros e filhos do Maria Bernardini
da, ILe 1*4 .' !
A an. 6. Os memos
^Ii~ 6. 05, raesnos
X. 8. Os memmos
n. i0. 0 mem

,a. 32. Hedeios e viva deMir-
4-t- |i 1.mms -,1;-' ^1 1


. 72. Mancel Jo-

Jaaoek fru i*


A0*abd s ttt UI6
.^6.T*hl )klibe!^1o


Caauto n. 17 A. Jaeintko Boteho deo

Larg I do Lreds nU.9. JU4d1V L, -'
PoVnt edbha n. 11I. Jaintho Paeco
Poueat 2HWt
I _.perati n. & 0 amsWo 67MO
Pont Veba n 15.0 moue 2-
Imj!ratnis n. t7. 07 moun3 725750
Santa Cru n. 64. Jesuipo Lopes deo
Miranda 900938
nowon le de Albuqaerqu na. 83.0
mesmo (pirte) 1609
Santa OCrux n. 66. 0 mesmo 40w417
Visconde do Goyanna n. 2. Josnino
Lope. de Miranda 145549
Visoonde do Albuquerque La. 106. Jean.
na de Jesus Nunes Quaresma 30312
Largo da Campina n. 15. Joanna de
Jesus Nunes Quare"ma Duarte 12A125
Visconde de Gayanna n. 74. Jolo Bap-
tista de Medoiros 4850
Baro de S. Borja n. 37. Joio Baptista
dos Santos Ahlmelda partt) 5-5815
Visconde de Albuquerque n. 62. Joo
Baptista Vieira Ribeiro 245249
Dita n. 64. 0. mesmo 215522
Sahluda para Joao de Barros n. 3 A.
Joon Cardoso Barreto 14%549
Travessa do Principe n. 10 B. Omes-
mino 165974
Aurora n. 1. Joao Carneiro Leitio de
Mello 971607
Estrada Velha de Santo Amaro n. 12
A. Joao Carneiro Rodrigues Cam-
pello 7A275
Visconde de Albuquerque u. 37. Joao
da Cunha Soares Guimarmes 275586
Largo da Igreja n. 7. Joao Francisco
de Oliveia partt) 165166
Viseonde de Goyanna n. 111. Joio
Joaquima da Costa Leito 605625
Said & para Joio de Barros n. 3. Joao
Jos6 da Costa 14549
Conde da Boa-Vista n. 90. Joio Jose
Rodrigues Mendes 58j603
Uaiio n. 47. Dr. Jo.o Maria Seve 605625
Imperatriz n. 36. 0 mesmo e outros 121.251
Conde da Boa-Vista a. 113. Joio Pi-
mentel Pereira 21J824
UniAo n. 17. Join Severiano Carneiro
da Cunha 1115147
Dita n. 19. 0 mesmo 1116147
Antonio de Lima n. 25. Joio da Silva
Ramos 80J824
Largo da Igreja n. 7. Joto da Silva
Santos partt) 632
Socego n. 3. Jobo da Silva Villa Ne-
va 205208
Estrada Nova de Santo Amaro n. 7.
0 mesmo 85486
Dita n. 9. 0 mesmo 27;887
Imperatriz n. 47. Joaquim de Aquino
Fonseca 565387
Visconde de Pelotas n. 1. 0 mesmo 53,4041
Hospicio n. 16. Joaquim ae Aquiuo
Fonseca 32838
2a travessa para Joio de Barros n. 2.
.Jeujiflesi- J & id~ ta *-- ^ "63062
ita n. 4. 0 mesmo 65062
Dita m. 6. 0 mesmno 69062
Dita n. 8. 0 mesmo 64062
Dita n. 10. 0 mesmo 14.549
Socego n. 12. Joaquim L3pes de Al-
meida 183187
Dita n. 14. 0 mesmo 185187
Conde da Boa-Vista n. 125. Joaquim
Luiz Perreira e outro 145549


Ponte Velha n' 121 Joaquim -de Oli-
veira e Souza
Soledade n. 42. Joaquim Pinto Lapa
Dita n. 44. 0 mesmo
Dita n. 46. 0 mesmo
Soeego n. 25. 0 mesmo
Sahida para Job o de Barros n. 15.
Joaquim Ribeiro da Gama
Joto de Barros n. 33. 0 mesmo
Riachuleo n. 50. 0 mesmo
Dita n. 52. 0 mesmo
Conquista n. 23. Joaquim dos Santos/
Coelho
Dira n. 25. 0 mesmo
Dita 27. 0 mesmo
Baro dc S. Borja n. 6. 0 mesmo
General Seara n. 25. Jose Alves Bar-
busa
Coronel Lamenha 30. 0 mesmo
JoAo de Barros n. 37. Jos6 Alves da
Silva Guimarmes
Travessa das Barreiras n. 16. 0 mes-
mo
Dita n. 18. 0 mesmo
Conde dx Boa-Vista n. 16. 0 mesmo
Dita n. 18. 0 mesmo
Dita n. 20. 0 mesmo
Dita n. 22. 0 mesmo
Dita n. 24. 0 mesmo
Lorgo dos Coelhos n. 3. Jose de Amo-
rim Cima
Beceo da Attraceao o. 4. Jos6 Antonio
Guedes da Trindade
Femnandes Vieira n. 68. Jos6 Antunes
Guimaries e out-os
Visconde de Pelotas n. 12. Jos de
Barros Correia
Aurora n. 25. Josa Bemardo Pimen-
tel
Beceo dos Leoes n. 2. Jos6 Caetano
de Medeiros Junior e outros
Conde da Boa-Vista n. 12. Jos6 da
Costa Ferreira
Luiz do Rego n. 40 C. 0 measnmo
Corowl Lamonha 7. 0 memo.
Beeo do Progreaso n. 2. 0 mcamo
Dita. 4. 0 nmuno
Dita n. 6. 0 mesmo
Dita n. 8.& 0 mesmo
Dita n. 10. 0 meamo
Progresao n 20. Joe6 d a Costa FT-
reira
Dita n. 20 A..O mesmo
Viscoaede Albuqmeque n. 114. Joe6
Dooungan Codecoira -
Dita n 3. Joma6 Pownand dos S.
astos
Caren Lsmenla n. & 8. Ojnorno eon-
Jo deo Barrms n. 11 A. Jose6 errne-
T.. uea do Votes n. F 11- Dr.Jo-

Dita a. 6. 0 meaO
Auro a a. n. 87.0. 5 s-
Travemat do Joao lranew n. 8., Joae

^B ^Siecatie^^^. *e"


303312
165974
185187.
244219
214522
445637
484500
196398
195398
291099
18187
36A375
131337
211824
331647
36A375
190398
195398
841876
72A756
911038
915030
915038
95699

7A275

9A699
60O625
70O780

201298
185187
265675
245249
194898
191898
195898
1915398

440862
36875

24A249
K1:|n-.;as^1


vf W.,h-esV1 nra. L$4 J096 Ma-"

I A. meo G un.t d e 0
iRoriejo 42. Joe6 ti0 an$A0 di





B-.~arge de B -j' n. I*;. 0 *- i! i
Nt A. 49.. Ie ia reirda
4 ervasitt '" 1 i M s n. 16w M *:: v.: .*' -





IMA i. _&.
Peote Veha a. 1 a. u0 m O2m
Vaconeoa d.o30e' haAdo. Jo. oOaR- -





Rosrion 8 o d served satj o pRte)
Bearvio dPinres n. 1. Joe1 Ma.0 ia ev"
Dsta n. 3.0 i.sueso




Diada ahsn. 13. 0 me
Rosando a. 4 n3. Jos Martins do li
Barilo do S. Bonja a. 10. 0 macmao







co Cesar de Araujo
Dita n. 30. 0 mesamo
TambVisconde d9. Joe6 Pereirna T. 13.0 meixeira
Gervasiosa ires n. 25Coeioa. S.o6 Peretti eMa-
7 de Setembro n 17. Josdos Santos)




Oliveira
RiLaghuello n.2. 7. Jos Migo l
SoDita n. 44. 0Magaliesmo
3- BHospicico on. 46.bal a. 4. Jos Morl-
na da Silva .,;
Condo da Boa-Vista a. 33. Jose l4abu-
cii Conan do Anaujo



Dita n. 435. 0 memo
TambiAan. 9. Jose Pereira Teixcina



JoGevaslo PiFernandes .25. Jos 28. JPoretti So-
res do Amaral
7 do Setembro n 17. Jose dos Santos
Oliveina
Iliachuello ni. 42.0 mesmo -
Ditsa n.44. 0 mesmo
Nospici. n. 46. 0 mesmto
Dita n. 44.0 mesmo
Join Fennandes Vieimnan. 28. Jos6 Sos-
men do Anmarl


Travessa do Veras n. 6. Jose da Silva
Moraes
Soceego n. 17 A. Jos6 Soares de Oli-
veira
Nymphas n. 22. Jos6 de Sousa Pereira
Britto
Soledade n. 50. Jos6 Tavares da Silva
(1/2)
Hoapicio n 50 A. Jos6 de Vasconeellos
Aurora n. 13. Jos6 Vicente Duarte
lBrandAo
Luiz do Rego n. 25. Jose Vidal de
Negreiros
Barao de S. Borja n. 6 A. Josepha Ma-
ria da ExaltaV1n Peretti
Largo da Igreja n. 7. Jose6 Eutalio de
Oliveira partt)
Condoe da Boa.Vista n. 43. Jovino
Ba ieira de Mello
Santa Cruz n. 20. 0 mesmo
Dita n. 50. 0 mesmo
Travessa do Veras n. 10. 0 mesmo
Travessa do Qiiabo n. 2. 0 mesmo
Visconde de Albuquerque n.. 18. 0
mnesmno .
Hospicio. 32. Justiwo-'Jos6 de Souza
---ampos ,. ...
Ditai. 0 mnesm)
Pombal a. 14 A. Jo*6 rodigues Pei-
xoto
General Seara n. 4. Jose Zacharias
Ribeiro (padre)
Travessa de Jolo de Barros n. 4 D.
Jos96 Pinto de Soura Bocha
Largo de Santo Amaro n. 2 A. Joa-
quim Pereira de Almeida
Estrada Velha de Santo Amario n. 1
A. Joio
Dita n. 1 C. Jo.o Barbosa de Mello
Imperatriz n.,67. Joao Mana Seve (Dr)
Riachuello n. 40. Jos6 de & e Souza
Couquista n. 11. Luciana Felizarda
Rodrigues de Almeida
Dita n. 13. A mesma
Visconde de Pelotas n. 43. Lauriana
de Albuquerque Line de Barros
Capitbo Antonio de Lima n. 10. A
mesma
Capibaribe n. 40. Leopoldo Ferreira
Martins Ribeiro
Hospicio n. 35. Leopoldina Carolina da
S. Santiago
Coelhos n. 15. Luiz Antonio Pereira
Luiz do Rego n. 14. Luiz Antonio
Coelho Ciutra
Beeso do Boi n. 1 A. Luiz Cabral de
Medeiros
Joao de Barrow n. 28 A 0 mesma
Soeego m. 61.7Luiz Ferreira Raposo
Dita n. 63. 0 mesmo
Dits, n. 65. 0 umiesmo
Largo da Santa Cruz 10. Luiz de
Paula Lopes partt)
Dito n. 8. 0 mesmo
Dito n. 2. 0 mesmo e outros
Bzeco do Ceelhos n. 2. Luiz Percira de
Farias
Dito n. 4. 0 mesmo
Dito n. 6. 0 mesmo
Dito n. 8. 0 mesmo
Dito n. 10. 0 mesmo
Dito n. 12. 0 mesmo
Dito n. 14. 0 memo
Dito n. 16. 0 mesmo
Dito n. 1. 0 mesmo
Dito n. 3. 0 mesmo
Dito n. 5. 0 mO smo
Dito n. 7. 0 memo
Dito a. 9. 0 mesmo
Dito a. 11. 0 Qmesmo
Dito n. 13. 0 memo
Viscondoe de Goyanna n. 33. Luiz Po-
reira Baposo
Bosario na. 8. 0 meamo
Ponte Velha n. 66.0 mwmo
Progresso a. 5. LiAS lod.ign.s Vi-
Ca -iao L u&tflaSifra Ferreira
Wargoda Santa Cruz a. 10. La Mar-
og"n. de Oliveims, pants
Santa Cruz i 44. Luisa Maria do Nans-


ICp2
noel~i


1251~5j


15A156,
165166
15^156

165974

165667
27#584
805812
30A312
164923
155156
565987
13,791
49849
632
605625
575897
570897
15A156

30o312
,365375
195398
,194398
50,521
50552
125125
13J791

7545


141975
605625
335918
1511561
60A625
305312
1625
6-5062
335647
2424.)
21.522
14A549
1785441
605625
605625
650G2
:92,125
65062
8.486

185187
75275
405417
165974
291705
91699
621646
245249
805831

205208
48A500
509521
165974
61A838
103911
190398
195393

A773
365375
67$9u0

95699
91699
95699
91699
9,699
91699
91699
95699
95699
91699
95199
91699
91699
9A%699


95699
91699

24250
24.3ao
365875
801884
215824

55101


LimiUn. A4, A&
41 on.o3i.u"- aMa-..

.Baiel strmo T. do
s im ^ ^- .1.:.11.1: ,, :;
-Mau* OWUH46-^.':..-
kp^ ti^if.:


Kf' IL anool Mesqulta

iraelliwado ae-


p. 27, NauseA Paneina


& A. Kennel Roberto de


Tiavss do Privcipe n. 3. Manod da
Silveira Pinto
owryasio Plrhsna. 1. Dr. manoel da
TarndadePsrpttl
Impenatris n.. 99. M celino Joe Gon-
.9calves a Foaie
Capibaribe n 0. emo s
Arbgria n.44. auiomiiu Eutaha da
Cui
Travessa do PalaWeio do Bispo n. 8.
Margarida d& C. Rodrigues
Coelbo na 18. Margarida Correia
Impertriza n. 40. Margarida Martins
Ribeiro partt) .
Uaiio n. 5& Maria Alexandrinma da
Conoeigio Leal (1/2)
Conde da Boa-Vista n. 82. Maria Al-
ves Monteiro (2/3)
Capjtao Antonio de Lima n. 32. Maria
Alves Rodrigues da Costa (1/2)
Dita n. 72. A mesma
Luiz do Rego n. 9 B. Maria da As-
sumplo Ferreira Saraiva
Barbo de S. Borja n. 26. Maria Ber-
nardipa Monteiro
Dita n.j28. A mesma
Hosp-cio n. 61. Maria Candida Cabral
Cantanil e outras
Pombal n. 18. Maria Carlota .da En-
carnaqo
Bario de S. Borja n. 37. Maria do
Carmo dos Santos Almeida partt)
Conde da Boa-VistOa n. 99. Maria Cer-
queira de 0asto Monteiro
Becco da Esperanca n. 7. A mesma
Dito a. 9. A moesma
Dito n. 11. A mesm&
Viaeondede Goyanna n. 8. Maria da
Coneei* o Dourado
Pombal n. 80. Maria da Conceicao
Scares Brandio
Joo de Barros n. 47. Maria Engracia
Fernandes Pires
Conceicao n, 41. Maria Isabel Viegas
Moraes
Terceiro beceo do Lima n. 7. Maria
Joaqnina de Oliveira Costa
Imperatriz n. 77. hiria de Jesus
'reixeira Franco
D)ita n. 79. A mesma
Visconde de Goyanna n. 90. A mcsma
Dita n. 76. Maria Justiniana de Al-
buquerque Monte-Negro
Travessa da Estrada dd-Ntrte n.A,
Maria .Luimado Rego Barros
Visconde de Goyanna n. 38. Maria
Luiza do Rego Barros
Gervasio Pires n. 61. Maria das Neves
Miranda
UJUinO n. 22. Maria da Piedade e ou-


tra
Luiz do Rego n. 33. Maria Victoria
Palmeira partt)
Cimarno n. 7. Marianna de Fara Bo-
telho 2 A
Lelo Coroado n. 2. A mesma
Dita n. 4. A mesma
Alegria n. 19. A mesma
Dita n. 21. A mesama
Dita n. 55. A msma
Santa Cruz n. 55. A mesma
Travessa de Jobo de Barros n. 4 B.
Martinho Francisco de Jesus
Primeira travessa de Luiz do Rego n.
13. Martinho Jos6 de Santa Anna
Dita n. 15. 0 mesmo
Dita n. 17. 0 mesmo
Dita n. 19. 0 memo
Dita n. 21. 0 memo
Dita n. 23. 0 mesmo
Dita n. 25. 0 mesmo
Dita n. 27. 0 mesmo
Dita n. 29. 0 mesmo
Dita n. 31. 0 mesamo
Dita 33. 0 memo
Dita a. 35. 0 meonmo
Aurora n. 71. Mathilae Alves Guerra
(1/2)
Geirvaso Pires n. 1. Mathilde Montei-
ro Paretti
Travessa do PIlaeio do Bispo n. 20.
Migael Arehanjo de Figueiredo
Dita n. 22. 0 mesmo
Dita n. 24. 0 mesmo
Dita it. 26. Miguel Archanjo de Fi-
guciredo
Riaclhuelo n. 41. 0 musmo
Diti n. 43. O mesmo
l)ita n. 45. 0 memo
Dita n. 47. 0 mesmo
Capitao Antonio de Lima n. 19. Mi-
guel da Costa Ramos
3, becco do Lima n. 15. Miguel da Ca-
nha
Prada da Santa Cruz n. 24. Manoel
Barbosa da Silva
Imperatriz n. 38. Maria Josephina da
S8lva Dubourq
I Jobo de Barros n. 29. Manod de Car-
valho Soares Brandeo (1/62)
Capibaribe n. 36 A. Nabor Carneiro de
B. Cavalcante
Hospicio n. 26. 0 mesmo
Dita n. 51. 0 mesnmo
Lui do Rego n. 46. Nieolo Jobo Li-
dston
Aurora n. 175. 0 mesmo
Dita n. 177. 0 meamo
Dita n. 167. Olympia Gomes Teiteira
Bastos
Dita n. 169. A mesa
Viseon deo Albquaerqtes. 110. Patri-
trimonio da mitta
Ponte Velha n. 110. 0 mesmo
Joao FoMundqs-Vleia mn. 50. Pistori -

Vioode U, a 89. Pe-.
S.dro dooAtbayt ~bo(o- ow w"
spklSi a.& ao, doV!arvalho Son-
4*dsa~r n. 25..Omesnao


u.S. Pedro Ma-
ma a* 12. Pcr-
igao~d~ ots


12/125
635O62



UAW


95699

48265008







659677
101lA043
361;375
234896
2416250
142549
137260









696247
20120819








15AI156
4569
261482
655677
1015043
365375


















5;815
358365









GA062
6A072
64;062
30312
245250













3879
312312
135472
695247
214219
155156
265675
1315?355
1315355
455269
215824
55.815
355365
65062
65072
65062
305312
245,250
35879
305312


7;880
4417
30-312
1015043
405417

240250
245250
401417
20J208
7.5458

133A647
12,125
70A730
185187
241250
365375
381799

9,699

141549
61062
61062
6#062
64062
61062
6A062
61062
6,5062
61062
65062
61062
251260


9j5666
24A250
245250
245250

245250
24,250
305312
305312
475793
19,398
75275
605625
885140
355365
24;250
841876
1015013
245250
125125
305312
301312
25#260


241250
24A260
145649.

9098
4"417
301812
300812
201208


Pbute Veplha a. 0 meUmo
B ia n. 5 -2. 0 m ou o
rneimlpo a. 20. Silvlno Fernawles do
Sousat ,
m1ifirtni n. 7. Symphrlnonio Olympio
4de QueiroV"
Lea bC*odo n. 12. Theresa Alves ds
Cota Forrera partt)
Dit& a. 20. A mnema
Jo de aros n. 47. Theresa de Jesus
SFernands Pimes partt)
TravueaM do Vera. mn.3. Thereza Mar-
Soledade n. 9. Thereza Roa de Jesus
Sousa
Dtta n. 11. A mesma
Dita n. 18. A mesma
Progress n. 3. Thereza Vieira da Sil-
va Pontual
Bar.o de S. Bonja n. 31. Thereza Tho-
mazia de Jesus
Conde da Boa-Vista n. 46. Tito Fran-
cisco de Mello
Visconde de Albuquerque n. 132. Tro-
maz de Aquino Chaves
Riachuelo n. 13. Thomaz BarbosaCoim-
bra
Imperatriz n. 24. Umbelina Candida da
Costa Azevedo
Ponte Velha n. 20. Umbelina Leoncia
Borges Diniz
Visconde de Albuquerque n. 65. Wen-
ceslio Henriques da Paixao (eoutros)
Santa Cruz n. 58. Vicente Antonio do
Espirito-Santo
Travessa do Quiabo n. 11. 0 mesmo
Visconde de Albuquerque n. 148. 0
mesmo
Ponte Velha n. 89. 0 mesmo
Santa Cruz n. 28. 0 mesmo
Soledade n. 82 A. Vicente Jose de Bri-


86,.11 ?8


21AM2
215522
m e- llll 111:'"
305812
do
308312


20t08
21U522
405417

820080

27,1
3A879
10#760
240250
425438
26A775
60$625
9A699
24A250
24J250
72A750
1819877
24S250
185187
390619,
140519
7958ii
27k58s;
33A647


to i!053625
Riachuelo 2 A. Vicente Pereia do
Rego 23L037
Dita u. 4. 0 mesmo -11082
Travessa das Barreira n. 7. Victoriano
Jos6 de Souza I
Caes da Boa Vista n. 4. Virgilio de
I GusmAo Coelho (Dr.) 603615
Dita n. 6. 0 memo 6;U425
Aurora n. 43. 0 mesmno 101(O43
Unigo n. 8. 0 mesmo 35375
Imperatriz n. 37. Visconde dc Camia-
ragibe 1814877
Capibaribe n, 32. 0 mesmo 334617
Pombal n. 11 A Visconde de Suas-
suna 12 A125
Dita n. 17. 0 mesmo 1511564
Dita n. 32 0 mesmo 18A187
Barao de S. Borja n. 37. Visconde do
Livramento 235115
Seclo do Contencioso do Thezouro Provincial
de Pernambuco, 18 de outubro do 1884.
Man3el do Nascimento Silva Bastos. I.- official.


Faculdade de Direito
De ordem do Exm. Sr. conselheiro director fago
public que, segundo foi resolvido pela congrega-
qo, em sessao de hoje, os actos deverao comecar,
pela prova escripta no dia 24 do corrente, em tur-
mas de 15 para o quinto anno, e 12 para cs demais
annos, sendo as bancas examinadoras assim orga-
nisadas:
1.0 anno
Drs. Pinto Junior, Barros Guimaraes e Tobias,
As 9 horas da manhL.
2.0 anno
Drs. Graciliano, Belfort e Seabra, as 9 horas da
manha.
3.0 anno
Drs. Joao Vieire, Pinto Junior e Tobias, ao meio
dia.

dia.
5. anno
Drs. Bandeira de Mello, Belfort, Araujo e Bar-
ros Guimar.es, ao meio dia.
0 estudante que faltar a exame (escripto ou oral)
no dia que Ile competir, ficarA preterido, e em sen
lugar serA chamado o que se seuir ao ultimo dos
do dia se estiver present, ou somente os que im-
mediatamente se seguirem, se faltarem tautos quan-
tos sejam precisos para complotar a turma do
dia.
Outro sin se faz public : 1.0 que na prova es.
cripta continuar. a haver a alternative das mate-
rias por meio de sorteio ; 2.0 que foram considera-
dos habilitados para o aeto os alumnos da Facul-
dade que estio mnatriculados, com tanto que pa.
guem a taxa correspondent A matnicula de encer-
ramento ate o dia 24 do corrente.
Seeretaria da Facilidade de Direito do Recite,
22 de outubro de 188-L
0 secretario,
Jose Honorio Bezerra de Menws.


0 Dr. Jos M.Linotl da Freit.ai, i-dsembargAdor h.-
norario, o.-:iail dai imperial orlemin da Rosa e
juiz privative dos foitos da fazuna desta pro-
vincia, et!.
Fao salber aop proprietarios dos predios em
que funcionain a Faculdade de Direito e o curao
annexo A mcsmt faculda-de, que a requerimento
do Dr. procurador fiscal dos feitos da fazenda na-
cional e por mandado deste juiz) se achain depo-
sitadas em mao e p ,der do depositario geral as
chaves dos m-smos predios para serem entregues
logo que forem exigidas pelos ditos praprietarios ;
ficando desta f6rma a fazenda nacionod desres-
ponsavel pelo pagamento dos alugueis.
E porque niao fostem encontrados ,todos es co-
proprietarios parm seem intimados pessoalmente
do mesmo deposit, mamdei passar o presented
edital e publical-o pela imprensa, afim de que te-
nham os referidos co-prepriatarios sciencia do
mencionado deposit.
Dado e passado nests cidade do Recife, no car-
torio dos feitos da fazenda national, aos 17 dias
do mez de outnbro de 1884.
Eue Jos6 Francisco do Rego Barros, escrivio, o
subscrevL-Jose Manoel de Freitas.
Visto.-Francise Magarinos.


Juizo dos feitos da fa-



Per o j s0o batitedto rooijproeo do.
f1it d fazeda, Francisco AIlves da Silva, no
dj 24 d& rrente mz, pelia 11 ort- s a manhi,
dptis da andioneis, se vender em pkao public
tqme 0 sa tronra corn SotW. e pWrtk no ladI,
Squintal plitado e eo bos eommodidade,
ioft do r de de badae m. 183, polo
oWib eanantii do &;OOA nor ten t*l o abra-N


rea r adtoa M, bM 4f.
Aot. em nsa i6de, ad. 4ormm A a 3.
4110, ladir.
Os sra. ocias O dirogfr-mv ao
da Sociedado para rwoeberam abilbebmi, du 7
as 9 ho. da noite.
RAWf, 20 de oatubro do I8BL
A W.aobIo
Paredue O&~
SwiimK L&.p re.
Juizo de direito da

provedoria
Por despackoj do ItoL. Sr. Dr. juts d diruit
da provedoria, 6 arrematada par voad a q
mais der ao dia 23 do eoneate, dep. da aei diea.
ciadestejuizo, umn ea caa terre, A am do wm-
conde de Albuquerque a. 144, fregeda da Boa-
Vista, corn port ejeala de fremte=, 2 ml, 3
quartos, cosinha xternk, quintal omdao so.
cacmu1ba, i ;ediado d viao 4 met= eo ffit.-
tros, e de fmndo 14 metro e 14 .cemteto ava-
liada por 2:000o cja cus perteemacso sCpe-
Hio de Anna Theresa do Sucrumeate qo par ote
jaizo e acha inventariando, vai iL pras a reqae-
ramento do testamenteiro e inveatariamte pia
satisfhao doe onus tetamentrio. Recite, 21
de outubro de 1884.--O escrivio,
Luis da Veiga Peemo.

Unla( abolicioista
commercial

De ordem do Sr. president, eonvido am uenho-
res socios a se reunirem em assembly geral, parsa
procedcr-se a eleiqlo do cargo de I9 &ecretario
(o qua se acha vago) no dia 24 do corrote, iM 6
1/2 horns da tarde, na s6de social i ra do Com-
mercio n. 22, scgundo andar.
0 secretario mterino,
Livino Barboes.
Santa Casa de Risericordia do

IReife
Por csta secretariat s'o convidadas as ams a
qucin se acham confiados oe expotos, para que
compaream corn os mesmos no salIo do respec-
tivo cstabelecitnento no dia 29 do corrente, pelah
9 horas da mauiia, afirm de reeeberem do lmil
Sr. thesoureiro a importaneia das neawmalidade.
relatives ao trimestre dejulho i setembro findo.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife, 22 de outubro de 1384.
0 escrivio,
Pedro RodriquMe de Sora.
Conellho director da 5.ecedade **-
pagadorat da lnc e MPbifiC.a
ma pamoeblla da ioa-Vista.
De ordem do Exm. Sr. president commuaica.se
eos interessados que a mede d'este comelMbo assim
como as aulas diurmaa e necturnas acham-se func-
cionando a rua do Leo Coroado n. 4.
Recife, 20 de outubro de 1884.
0 2- seretarie
Luiz da Costa Ferreiru Porto Carreiro,
Thesourarla de Fazeada die
Peranmkeo
Emissio de eatampilhas de 500 rs.
De ordem do ilm. Sr. inspector da Thesouraria
de Fazenda se fa apublico que em virtudo da cir-
cular do Thesouro Naciowl n. 3& de 20 de stem
bro proximo passado, vai ser remettido uam noro
typo de estampilhas de tara de 500 rs., tendo os
segulntes caracteristieos :
36 milimetros e meio de comprimneato e 19 mi-
limetros e um quarto de largura ; na part supe-
rior da estampilha estao as palavraa Imperio do
Brasil em lettras romans brancas em dnaa cur-
vas, logo abaixo n'uma almofada o valor de 500
em algarismos arabes braneo e entire dos fSleter
verticaes, no centro esta a effigie de Sna Mage.-
tade o hnperador em tres quart.o e dentro de una
circulo de perolas, sendo o fondo tracad. per U-
nhas roctas parallelas equidistantee ; n'a part
inferior e n'uma almofada eat- a palavra-neis-
em lettras romanas brancas centre doas fiete.
verticacs, e logo de baixo a palavra-edilo cm
lettras romana8 brancas entre duas eatrelias em
uma curvn, o fundo das almotadas 6 composto da
repetico da palavra aBrasil. cm iettras micros-
copicas, e o fundo nao oceupado pelo valor pela
palavra-reia--e feito de linhas ondeantu emua-
das a traco branco. 0 quadre 6 formado de dras
linhas rcetas paratelas equidistantes, seado o
quatro cantos interiores fechados por urn enato
a cor da ebtampilha 6 cinzenta asulada.
Thesouraria de Fazenda de Pemazmhoo, '1
de outubro de 1884.-0 seeretario da junta,
F. A. de Otiveira e IlvT.
Thesouro Provincial


Nestsa rcpartigao paga-se so di a 22 do cr-
-ente mez a classes da profesorams de 1 entran-
eia e no dia 23 as de 2a e 3* cown relaioao aoe2
dejulho do exereioo corrente.
Pagadoria do Thesouro Provinciait de Penian-
buco, 20 de outubro de 81.
O judantc do escrivo da rectita,
A. M. Saraiva Galva&o.


Thasonraria tdeo 1' a
Pagamento de costuias no Arsenal ae Guema
De ordem do him. Sr. iunpector se faa poblieo
qu: no dia 23 do corrente nen, is 10 horns da
manha. se far. pagiwtento no Arsenal do Gcrra,
As costureiras de peas de fardamento do mesamo
arsenal, relativamente a primeira quinnoo dect
mez.
Thesouraria de Fazenda de Pernambuco, 20 de
outubro de 1884.- 0 seeretario da junta,
Francisco A. de Oliveira e Silva.

Faculdade de direih
De ordem do Erxm. Sr. conselheiro director,
tago public que por conveniencia e regulandade
do trabalho da inserip*o, ji annuneiada,M pra oo
exames de lingua, serai eata feita do modo me-
guinte : segundas e teroas-feiras portuges;
quartas latim ; sextas francex e abbados ingle.
Secretaria da Faculdade de Direito do Recife,
20 de outubro de 1884.-0 secretario,
Jos6 Honorie B. de Me.ws.
Couselho superior da sededwade
Propagadora da Imfrt ei
Publbea.
De ordem do Exm. Sr. president. eoumm ta-e
aos interessados que a s"de debate ceo ao labs-
se mudada para a rsa Leio ConeMdo, oatr'a
Mangueira n. 4.
Recife,20 de outubro de 1884.
Aiyiuto -rod MAhricw fie frf
ACamaa Municipal d eda doi

camw das freguexia do BSomb Aubli. e Beo-Via
ta, para virnc a aee40o compottMisshee )-
sos, medida ebalua6a de m a* soMl ai
me do outabro sob pes da I.
Paco da Camara Munic4ldo & of, 142d4
saembro de 1884.
J"6 Cam &ide e


LOeclwQ
AnMzo


m.&~utmLd..


44


865376
s6/;sT5
105911
865375
185187
9j699
28A796
185187
71275
55815
9X699


6USSW20
275586
195398
1215251

489500
601625
485028
361375
211219
120125


185187
181187


8548
fa4RfiM


do: .j


-I




















ueimdesnoe donWOe O i s orhimos irmaaos qu,
ae4d cm', a tabellad69 pre", ePPriwada
gent do 10 do orrenteo, parm quaqueT
acto oeocials en pmrticuar cad* iraine


pela arreeadaco e recolhiumento do prodacto di
referida tax.
Secretariat da irmandade de Santa Cecilia, .O7
de eututbro de 1884.-0 secretario intcrino,
Manoel J. de Jesus Americo.

Camara municipal
Despesas feitas corn a lfipeosa das ruas, praas,
ciaes, pontes e travesss das freguezias de S.
Fr. Pedro Gon*alves do ocife, Santo Anto-
nio, S. Jose, Boa-Visti, Graa, Afogadoes, Var-
zea, na, semana de 13 A tS do corrente mcz.
Despendido corn as folhas da limpesa da
freguezia de S. Fr. Pedro GoncalvesR eA5
do Rceife 203A520
Idem idem da freguezia de Santo An-
tonio 3278EO
Idem idem da freguezia de S. Jos6 2064580
Idem idem da-freguezia da Boa-Vista 1775440
Idem idem da tregnezia da Graca 281161
Idem ides da fregaezia de Afogados 36000)
Idem id3m da freguezia da Varzea 23010)
Rs. 1:002J620
Contadoria da Cainara Municipal do Recifa emr
18 de outubro de 1884.
0 contador,
JosA Maria de Souza Araujo.


: *
^ 11.1 *









-. ,






.' '' .t



*i' *j


BUVONS SEC!!bn
canconeta franceza cantada a character pela bene-
liciada. Prte
S." ParteI
20 acto da festejada epeta
AFILHA

DE MME ANGOT
4.a Parte
TerminarA o espectaculo corn


Mascarada de palhatos
Tomando part toda a companhia.
Bonds para todas as linhas.
Trem ate Apipueos.
Principiari as 8 horas.



SEGURUOS
MIARITIMOS CONTRA.FOGO


SEGUROS CONTRA FOGO
EST: 1803 -
Edfi0cios e mercadorias
Taxa baixas
Prompto pagamento de projuizos
CAPITAL
Its. 16,000:0001000
Agents
BROWNS & C.
N. 5-JRua do Commercio-N. 5
INDEMNISADORA
Tomaseguros marltimom e contra
RUA DO COMMERCIO N. 44
COMPANHIA AMPIHTRITE
de
o ur0o am mr 0 WIs a teNstr

N. 9--Praga po Corpo Santo-N. 9


1ARITIIOS
Para o Maranhao
sca p ortugueza Alliaw;a recebe carga a
frej odico para o port acima, e segueo nestes
pou0s dias : a tratar no escriptorio de Jose da
Silva Loyo & Flho.
United tales & Brasi lail S. S. C.
0 vapor
Finance
-E' esperado dos portos do
Ssul no dia 27 de outubre, e
depois da demora necessana
seguir' paa o
Earanhuo, Pari, e S. Thomaz
Para cargu, passagens, e encommendas, tracta-
se corn os


AGENTS
Henry Forster & C.
N. 8 RUA DOCOMMERCIO -


N.b


1.' andar
pacific Steam Navigation Compan
STRAITS OF MAGELLAN LINE
0 vapor
Britannia
-a Eapera-se dos portos
dosul at odia25 do
ouutbro, seguindo pa.
ra Europa depois da
j/jkoenora do costume..

Pars carga, passagens, encommendas e dinheiro
a frete; tracta-se comos
Consig*atarios
Wilson Sons k& C., Limited
N 14- DO COMMERCIO N. 14.
0 vapor
Araucania
Espera-se daEu-
ropa at6 o dian26
deo outubro e se-
guirioparso eul
depeis ddemora
do costum.
Para carga, passages, encommendas e dinheiro
a frete: tracts-se eomos
i Consignatarios
SV liloa Sons dC ., IAmuted
N. 14-RUA DO COMiERCIO-N. 14
COEPAWEIA P1IRNAMBUCANA
DE
Navegaplo costeira por vapor
PORTOS DO SUL
Iacei6, Penedo, Aracaj e Bahia
~0 vapor Sq..FWas-iwo,
Oie Pereira,
ngo dia 27 do
cerne s5 boris cli
Reeeh enarga atA c
1/2dia.
Encommendas, pasageno e dinheiro a fhet ate
As 3 horas da tarde dodiada sahida.
ESCRITORIO
Caes d Companhia Pernambucana
n. 12


SConmpahia irall~ira de
gaefi-ai Vaapor
POBT^()OWTE
S0 vapor
Perambuco


Wave-I


!(


Carmo e Silva
Mobilias de jacaranda, po carga, guarda-ves&
tidoe, guarda-loua, aparadores, mesa elasticas,
ommodlas, marquezoe, eamas francezas, sofas,
machines para coetura, quadros, espelho, relo-
giosjarros, eandieiro para gas, miudezas, ferra.-
ge.ns, faendas, phosphaes, joins de ouro e prata,
relogios e outros muitos objects que se aeham
presented e que oerso veudidos sen. reserva de
prego. #
21l-Travosa do Gofpo fSfflamm-M


Leilao


de urn bahu contend roupa usada, 1 re-
logio, 1 cadeia de ouro bot~es e 1 car-
teira de prata
sxta-fira 24tdgoco te
AO MIO DIA
POR 3INTV AO -DO AGENTE


Do UM nw eorn roupa deuw perteuente sq.
espotlo d sU tq ruo Albert



No crea di Companhia Pernambucana
TRAPICUE DANTAS
Em eontfinaaio
3 bahus corn roupas pertencentes aos espolios
de differeuntes subditos portuguezes.
No armazem por baixo do consulado de Portu-
gal por oecasilo do leilIo de moves, ferragens e
objects de escriptorio.
Grande e variado
Leilao


Ao correr do martello
De fazendas e ferragens avariadas
De uma linda serafina, 4 guard vestidos (lin-
dos e novos), 2 mesa corn estantes, 2 bancos de
jardim, 1 mobilia de mogno, 1 dita de jacaranda,
1 santuario, mobilias de junco e outros moveis.
No trapiche Dintas, caes da Companhia
Pernambucana
Por occasiao do leilao de 1 barril corn camearn de
porco, latas corn docc, rodas para lemes e outros
objects.

Undlo 0 vwlago

Leilao
6 caixas marca L A & C. ns. 7,182 a 7,188
corn moves estranjeiros novos, differences moves
avulsos jA armados, descarregados da-barcaga de-
nominada Pautila, bern como outros volumes corn
ferragens, miudezas, que se acham no trapiche
Dantas.
No caex da Companhia Pernambu-
canam. 6
acorrr go0 e1l0I
CONSTANDODE
Mobilias de junco corn tampo de pedra, novas,
cadeiras avulsas, poltronas, cadeiras de balangos,
ditas para meninos, mochos, toilets, quadros, de-
vans.
Uma carteira, 1 burra, prova de togo, 1 armacao
ingleza, 1 repartimento de escriptorio, 1 prensa de
copiar cartas, 1 feichadura e ferramentas.
Machines de costuras, agulhas, lamparinas fa-
rinha lactea, oleo de ricino.
Caixas corn ferrolhos, dobradicas, trilhos de
ferro para arma95es pregos, carriteis para mesas
elasticas e outras ferragens limpas e avariadas.
Quint2-fui 23 do, o0tubro
No trapiche Dantas
CAES DA COMPANHIA PERNAMBU-
CANA
0 agent Pinto levarA a leilao different volu-
mes corn moves novos, outros corn ferragens, ob-
jeetos de escriptorio descarregados da barca9a D.
Pautila e existentes no armazem ou trapiche Dan-
tas por baixo do consulado de Portugal,
Companhia Pernambucana.
Em continuaiao
MuitoB e differences moves decasa de famnilia
corn pouco use e em born estado.
Principiara as 10 boras em ponto.

Leilao

D balicR nominee D. PNPiIN
Sextafeira 24 do eorrenle
Ao ielo die
Agente Pinto
Cues da Companhia Pernambucana n. 6
Em frente ao trapiche Dantas, e por occasion
do leila de diffrerntes volumes descaregados da
mesma bareaca corn moveis estrangeiras novos,
ferragens, miudezas e outros artigas existentes no
mesmo armazem por baixo do consulado de Por-
tugaL
Leilao da Semana
Sexba-feira, M do corrente
AS 11 HORAS


doao lovino de Almelda
Fra neisea Maria Chaves de Almeida convida a
seus ii-mlos, parents e amigos, o aoas de seu fi-
nado esposo JoSo Jovino de Almeida, A assisti-
rem as missas que manda celebrar na matriz de
Santo Antonio, na segunda-feira 27 do corrente,
As 6 hboras da manh', setimo dii de sea falleei-
iento :; pelo que desde ja se confessa summa-
mente i-grata.__________
h %-.M^p a g** Hs ^^iJ^^! 'K =-_ _- tl_
Iotet Rocre mla I0aen
-Vende-se uam piano em born estado, trees cordas
e urn cavallo de sell, born adador, gordo, cas-
tanho, podendo servir tambem para cabriolet: a
tratar no mesmo.
._Criado
Prcisa-se de am criado : a tratar na rua Nova
n. 61, segundo andar.


Sa,.imr,' o (' a0 ?r' ,r0 Brau.
Cong.'. Ma4..
De ordcm do Sap.'. Gr.-. Mbest.'. Ger.'.
Comm. -. Prov "., convido aos mmaq. deste
Or.-. a se reunires quinta-feira, 23 do corrente,
as 5 boras da tarde, no 3.0 andar do predio n. 14
ao val. '. do Imperador.
Gr.' Seer.- Ger.'. do Sap.-. Gr.' On. '.
S o Nor. do Bras.'. aos 20 de outubro de 1884
(E.-. V.-.)
U. Ribeiro 33. .
Gr.'. Seer.' Ger.'.

Club Concordia
Ordentliche generalversammlung Samstag 25 de
Mts abends punkt achit Uhr.
Tractanden :
Aufnahme neuer Mitglieder Rechnungsblage &
Bericht Neuwahl des Directoriums.
Das Directoriumn.


THEATRE
SANTA IS4DE1



COMPANHIA
Lyrico-comica Ilaliana
DIRIGIDA
Pelo actor Luiz Milone
Eim 11 Mn & t&ON

Quinlafeira 2) de 0tubrode 1884
19." REPRESENTA(yiO
Espectaculo extraordinario em beneficio da 1.a
dama contralto comic
ADELE NAGHEL
PROGRAMMA
I.a Parte
20 acto da belissima opera buffa.
As Educandas de Sorrento
I.a Parte
0lo Ballata d& opera
IL GUARANY
cantada pela Sr.a Springer.
S 2' Romanza pelo Sr. Domenici.
30 Oh I minha Lisboa-romanza pelo Sr. Ba-
raechi. --
k 4.0


Precisa.se de uma ama para cosinhar e lavar :
a tratar na rua do Imperador n. 55, 2. andar.
Casa na Soledade
Aluga-se a easa n. 5, sita A rua do Bomfim,
corn 4 quartos, 2 salas, cosinha f6ra, quintal mu-
rado, eacimba corn boa agua ; as chaves para ver
estAo na casa n. 3 da mesma rua, c A tratai. na
rua do Marquez de Olinda n. 3 A.


examinando o nome inteiro, que devia ser
yem floleB. A1FAISTDCL


RECLAME

Os baraleiros da rua Primeiro de Naruo n. 20, sempre uis fainl
de vender barato as suas mercadorias exp6em A apreciai.
public alguns artigos, cojos prepos nao receiam coupe.
tencia, coImo sejam:
FUST(OES de c5res de variados e mimosos padres, a 240 rs. o covado !
CASIMIRAS de algodilo a 400 e 500 rs. o covado, que pechincha!
LENCo6ES de bramante a 26200 urn, convem !
COBERTAS de gang forradas, a 2#800 uma, slo bern boas!
BRIM pardo liso, 320 rs. o covado!
BORDADOS tapados, a 1#, 1#500 e 2#000 a pega !
COSTUMES de banho do nar, bem costurados, send para senhora 10(000,
para home 85000 e para creanga A 000, urnm
CRETONETTES claros, : 240 rs. o covado, que pechincha!
CAMISAS de linho super ores, a 45#000 a duzia!
CORTES de casimira, at ,- 500 um!
SAIAS bordndas, a 3,000 ama!
POUPELINAS e 1.s, para s quidar, a 240, 280 e 320 rs. o covado !
MERINO' preto, fino, a 14000 o covado, aproveitem !
CORTES de fustao para collete, especialidade n'esse genero, a 24 e 46000 o
crte !
MEIAS cruas, para home, a 425600 a duzia I
CASIMIRA preta alcochoada, a 26200 o covado !
CEROULAS de bramantes a 16 5000 a duzia !
SETINETAS de cAores, a 500 rs. o covado !
CORTES de brim d'Angola para cal1a, a .u800 um !
DITOS de algodao a 1,000 ur!
ENTERTELA para camisas, a 800 rs. o metro !
E muilos onulros artigos aproveitaveis.
N. B.....Firmado nos principios economics, contains com-
pleta anuencia ao nosso RECLARE.


AOS BARATEIROS
Na rua Primeiro de Marro n. 20.


GRANDE OFFICINA DE ALFAIATE


AIRUIDA


DE


LUSTOSA


&\


C.


41..-Boa do Bari. da Victoria.--41
N'este acreditado estabelecimento so encontrarA sempre um sortimneato ; re-
pleto de pannos finos, casemira de todas as cores, proprias para costumes e calIasOm-
cebemos directamente &. c.)I&a fazendas por todos os vapores da Europa. Brim
branco e de cores, e todas as fazendas tendentes A uma casa nesse genero de negocio.
Aprompta-se costumes para luto em 12 horas.
Dispe de um pessoal habilitado e corn os melhores elements pars servir
a seus amigos, e a qualquer pessoa que quizer honrar seu estabelecimento corn sas
ancommendas.
41--Rua do Barao da Victoria-41


N0IA


GIRAlL


ALLAN PATERSON 8
4A. 4RTAVdoBrum-N. 4A
JUill KTAf O BONDS


For 2200W0
Aluga-se o segundo andar e sotio A rua de
Lomnias Valentinas n. 50 : a tratar na livraria
parisiense, 'A rua Primeiro de Marco n, 7 A.
S- Aluga-se urn sobrado o loja, de urn
andar e sotia, corn muitos bonds commo-
dos, mnuito fresco, pintado, corn agua en-
canada, banheiro e gaz, na rua do Coronel
Smassuna n. 278: a tractar no Chora-me-
nino, sitio da capella, corn Jose Antonio
Marques.
Aluga-se uma easa corn todos os commodos,
tendo jardim, cocheira e estribaria, situada em
optimo iugar : a tratar na mrua Sete de Setembro
numero 5lb.
Aluga-se uma salad e alcova A rua estreita
do Rosario n. 384 : a tratar na rua Duque de Ca-
xias n. 63.

Casa de camipo
Na estrada do Luca, cineo minutes distant da
estacSo dos bonds da Magdalena, aluga-se uma
elegaate casa de campo corn excellentes commo-
dos para umsna pequena famnilia de tratamento ; tern
casa de banho, lavadouro, coeheira, jardim, al-
gumes arvores de frueto e baixa de capim : a
tratar corn Luiz Dnprat, rua do Commereio n. 28,
e as chaves estio em poder do Sr. Manoel Bran.
dio, taverna ao chegar ao sobrado grande.


CASABA FORTUNA
Aos 4:OO$ OOO


Ana Pfimeiro de larfo 235
0 abaixo assignado tendo vendido nos
seus afortunados bilhetes garantidos a sor-
to de 4:000000 em o inteiro n. 763, a
sort do 800# em quatro quartos n. 1,991,
a sort de 200#) em dons meios n. 3,211,
a sort de 100u em dous quartos n. 2,357,
al6m do ouras aortes de o2, 4ae 86, da
lteria (80.*), qu e so acabon do extrabir,
NoOyid&. aos M r a irem receb*
na confbrnidade do costume sem dsconto


a.


1wul --4kCIL U Alk dlL AM


AVISOS DIVERSOS
Aluga-se a casa assobradada a. 19 da rua
da Ventura (na Capunga), propriedade do Dr.
Joao ce Sa e Albuquerue, a qual temrn excellentes
comnm)odos e grande sitio : a tratar na rua Pri-
meiro de Marco n. 13.
Precisa-se alugar uma ama que seja boa
cosinheira, para caea de pequena famflia e que
nio tern meninos ; a tratar na praga de Pedro II,
antigo largo do Collegio n. 77, primeiro andar,
daes9 e 10 boras damanha, e das 3 as 4da
tarde.
Aluga -se o 20 andar do predio n. 51 a rua
do Imperador corn grande e excellentes commo-
dos para familiar, tern agua e gaz; tracta-se no pa-
vimento terreo do predio o. 10 A rua do Commer-
Aluga se a easa do Dr. Castello Branco,
sita n& povoa*ao do Beberibe, a qual flea alli en-
tre-aa duas ultimas estates, 6 bastante arejada,
acha-se limpa, tern muitos commodos, born jar-
dinm, banho proximo de casa, murada, c corn gozo
e uso dos fruetos do sitio : trata-se corn o pro.
prietario a rua da Cruz n. 23.
Precisa-se de urn home corn pratica de
fabrics, de calgado : a tratar na rua do Jardim
numero 19.
Vende-se o estabeleeimento de eharutus e
cigarros, A rua da Imperatriz n. 36 : a tratar no
mesmo..
-- Aluga-se o primeiro andar do sobrado n. 12,
a rua de Mareilio Dias, antiga rua Direita ; a
tratar no segundo andar.
Precisa se de urn trabalhador: no beceo do
Pocinho n. 31.
Precisa-se de uma ama de leite : na tra-
vessa de S. Pedro n. 8. Na mesma indica-se unma
de cosioha e engommado.
^*^.^a-^^-^.-.-^s 'Ey&s^


I

























Urn ndo sortimento em oape, pt q6 pe, /e
ahoras em -todas as cores, ultimos 1 .&I. /
Nesta casa tem sempre umr complete inttimento em artios de
hapellari, tanto pamra homes, senhoras e criangas, s recebe-
mensmalaimete daas principals modistas de Paris o qoha de moais
alta novidde em ohap6wos e chapellinas. .
Garante-se sinceridade e pregos modlcos.


POLYCLINICA
DO


Dr iOS BETTENGOURT
MEDICO OP8RADOR


Consultorio-Rla to larquoez 1 OliIa 34
-4-


O Dr. Bettencourt,dispondo d(e uma long pratica das principles
clinicas da Europa (Pariz Londres), bern como de um arsenal cirurgico
bastante complete, pratica qualquer operacao pelos processes mais mo-
demnos.
Trata da elephantiase dos arabes pela electricidade e pela electrolyse
(novo tratamento).
Estreitamentos do recto e da uretra sem dor,pela electricidade.
Opera os polypos do utero pelo process da sua invenco, sem dor
nem hemorrhagia.
Tratamento-curativo das gonorrheas chronicas polo method das in-
tillaiies. Hydroceles serm injecqio.
Opera as fistulas vesico-vaginaes pelo process americano e prolapsos
completes do utero pela elytrorrhaphia median.
Molestias da garganta e dos pulmnes pelo spray a vapor, medicaqAo
topica.
Syphilis, molestias venereas e da pelle. Embalsamamentos
Consultas das 12 as 3 horas da tarde.


S* r .'+ PREPARADO YI MSO DEPURATIO

^ APPROVADO PELA ILkUSTRADA JUNTA DE
-i HYGIENE PUBLICA BA CORTE

AUTORISADO POR DECRETO IMPERIAL DR
1 ^ .20DE JUnO D 1883


S? ; I COMPOSIl .SO

4-1 F 11 i irmino itanbibo be igueirebo
^, DE 1

5' EMPsrECADO CO'3 A MAIOR EFFICACIA.
S e NO IHEUMATISMO DE QUALQUER NATUREZA,
S- 1, EM TODAS AS MOLESTIAS DA PELLE,
S7-. I- i I-AS LEUCORBHMAS OU LORES BEANCAS,
; $ ,|i OS SOFFRIMENTOS OCCASIONADOS
o }i1 PELA 3IMI'UREZA DO 6ANOGVE, B FINALMENTE
'- ^ Ii NAS DIFFERJNTES F6RMAs DA SYPHILIS

c" -- i! DOSE--Nos primeiros seis dis usma colher
e 4 i das de cha pela manh! e outra & noite, pura-
S 5 in mente ou diluida em agua.e .6m seguida mu-
Q- i dar-se-ha para colheres das de sopa para os
'" I adults e metade para ascrianga.
SB i I MREGI iN Os donate devem abster-se
"t i apenas do limento acido e gqr4oso; devem
S" l! usar dos banhos frios ou mmanos, segundo o
,- p 1, etado d a molestia.

l 1 DEPOSITO CENTRAL
C+ FAR"ACAARPOL LO
I o .ji kdojpospicio 79
S I ,]]PE ffAX BU O
CD


,.-.1
'~' 'I
V
C








it;


S-co
aSs




Q (D



Coeo


(0,0





0
Iia








04Q



co







1042
'44


-U ~ -. --


J9SEflI KRAUSE ft C.


AcabamBi de aagAar o j ched
ihportanltes l rga 1

de war n. 6 Ao Nais
w af oa* B -B q-


baizas ed
viuva -Pi
SA qeea
U, 9-aI
Beufi"i g


aoeoutma codtigna -sb f 8r.Dr. J&
nor plautar ; asu n como o uo0
n o 30 obsm a trata
a out. propriuisama


ode
rado
em


S Aluga-Be uma causa n a do Conde d
Boa-Vista n. 117 (Caniabo-Novo, caiada e pin-
tada de novo : a tftar nIo a o Commercio h.
15, primeiro a doa


0 10 andar da ea ra a do Rangel u.
73: de 5bOWO Oeusaes, a tractor na rna
do B]ieo da Victouia n. 14,k1oja.

Ao eommereio
Uma peoa m bob, a eam .own'kwagao mer-
cantil, d queq'tai gBt prate,-6fferee os sens
servings ao commereio, inclusive baIanoos, por
uma retribuilo muito commoda, e pdde ser pro-
curada A rua de Mateilio Dias n. 74.
Piano
Carece-se alugar um piano por algum tempo, A
rua da Aurora n. 5, primeiro andar.


Thomasia Augusta de Adelaide
Pereira
Primeiro annivcrsario
Manoel Antonio do Nascimento Pereira, Catha-
rina Maria dos Praeres Pereira e vigario Joao
Augusto do Nascimento Pereira, convidam aos
seus parents e amigos para ouvirem as missas
que por alma de sua sempre lembrada filha e ir-
ma, Thomasia Augusta de Adelaide Pereira,
mandam celebrar na matriz do Corpo Santo no
dia 23 do corrente, pelas 7 horas da manhil, pri-
mneiro anniversario de seu passamento. Por ease
acto anteeipam A todos immensa gratidao.. .


Abadie Xavier
Os francezes e amigos de Abadie Xavier, sAo
convidados a assistirem a missa, que pelo reponso
de sua alma serA celebrada na sexta-feira 24 do
corrente, As 8 horas da nmanhg, na matriz da Boa-
Vista.


Precisa-sc de uma ama para cosinhar para easa
de ponca famnilia : a tratar na rua Duque de Ca-
xias n. 59, loja.

Casa mobilhada
Aluga-se uma na Capunga, completamente
prompta, e propria para quem qucira passar a
festa f6ra da cidade, garante-se a casa atW margo
proximo future : a tratar ccmrn o Sr. Manoel Car-
pinteiro Peres, A rua das Crioulas n. 1, na Ca-.
punga.



{ Para evilar duvidas
i Unicos agents para toda
SAmerica do Sul da afamada fabric
de chapios


REHFUSaPC. C

iHlerm. Petersen & C.,
J Ilafmburgo

CASAS FILIAES EM
Bahia, Buenos-Ayres, Montevideo,
S Pelotas, Pernambuco,
Porto Alegre, Rosario, Rio
I Grande do Sul,
SRio de JaDeiro, Santiago de
Chile, Valparaizo

PERNAMBUCO
1--l~li Bis0 B o erdiiilli-1 {I



0n&#ease eiweore ta diquwssimo sor-
timento de amostras




Preciwa-e de umn. cr8axo'para todo serving z a
rua de: S. ancieo n. U12.


Ospro4detsesppemiaes do Dr. Carlos Bitten-
mourt enconxa-se mdaaapHar~aei, do Hee-
4eade Sia Parei & C., rua da Cseia n. 27,
nenadrogaria r e: Fancisco Manoel da Sisva &
Companha.

EscOla de a Sete de leibro

c r.,sta e
pifesq, r a Aao *8bl, _ecino u- U m
PON eWBfir.^ W


DO DQUTQROR'
PARES, 8. Place ne


ONINA


c.an;rffotn"Umm 'rotf
feroa. e doe Btmnciioa
tdsras$DOO $&s as
dF 6 rnfflo.' Xacrcsfikks
Mg 4i- _4- .m*i W-4cj M-uft-f-
K TAS dot BRONHIOS e da GARGANTA
(Defluxos, Catarros, Coqueluche, Laryngite)
XANRPE e PASTA de VAU9tLUN
PABIS, Ph, 381, rusa de C1dry, e em todas Phi" rogeria
** ** ACADARAM-SE 0a
fa UIM, OAIELLOS BKAICS
Corn esta Agua maravilhoa," progressive ou Instantanea, pole
Wa propria pEsa, restituir para sempre, sem alteratio, aos
8abelou e Brna a Cor prinitiva com uma ou duas appli;c-
gces et [agem nem preparo algum.- Re6ultado gy'iontico
X1 cor T9tad So annes de successo scmpre cresceitte.
CASA BALLtS FUNnD.DA EM 1850
Moreghettl Suc" deEmile BaUBtfls,73, r. Turbigo, PARLS
Dwito eow Pernambti co: Ir M.da Slva &C.e naspr.Pe-4.
EXPOSIQIO DE PARIS 1876
FeuA DE CONVMO
Cura SMoA
o ae SMA
pelo P 0 do

so em todaa a0 Pharnnd-

U. Oadeiro" Pfflgafti?


R.- o remedic lais &stigo o o 1
mS18 s ulversalmento empre-
gado eontira todas &s molestias
1 eaidemicas on outras, causadas
v .Jaltez er&ifo dos hmmores.
2-.' prepare exclIusivam*' "i nma PhArmacit
| TTI uag-, wei7o do LE ROY
rua 66 Seine, 51, em Paris


-.t', ,; y :,. i f,; *Jf.jm v,,-,irW --- .. ) -*-- *""J "" "" "" iii.ii. i~K^ -.gCr-- n- .a-;^ -*-s.. .. -- T .... -. a ^
t~' *eir Las/^rfS/fB W?'? AALyco ime-ii Ga CiL,' c HE OPPRRESSHODAS -P0A4 fR0S .
cc^ L-- 01" &I V, .1- 4AAA ^C OT C rC ^


0^s^ Pfyg~w P R ^sfc^ Ey^ Sg rSfA 0U CURA^^
CATAMIR1O-DEFLU idelosCIIUSRA C
iAira-se a fumaca que penetra no peito acalma o symptom nervous, facility
a w .mcio 5ab e fivorisa as funcoes dos organs respir;.5orio?.%
'Vend" em ataeado em eama de J. ESEPlT, 2t, rua SM at-laree em I Pris
ozearios em 'Pernambe r A- XFANC6t M. da SXZiLFW.Af f ______ _


VINHO GILBERT SEGUIN
FSBRIFUWO FORTIFICANTE approvado pe/a Academia de oMedimnade Puas

| 5feonta azmoa do Expeneoncla
e de bom edto L demoustrado a eflcaeea incontestavel deste V uz O0, quer cobas fN-
peodEUm para cortar as Pebres evitar o seu reapparecimento, qu6r como fortiftcate nas
OBartle~cenqas, Debilidado do Sangue, Palta de Menstruaquo, Znappetenola, Dges-.
SGs. 6Mooloe, Unermidas nervosas, Doebilldade causada pela edade'ou p:r excessos.
SEste Vinho, qu, contdm male prinoipios aotivos do Qua os preparados imilares, endeo-t por pftO um
pouoo Maleu es eao.--do ae dae ejectar contra o prepo om vista da reconheclda efficacia dfo medioamento.
j irmaoia c4G.ISEC9-Xj-Iw*T, 378, rua Sainti-Honor6, PARIS
ucsgtarios eA C'erzi.amboo: s M. da. SIX/V.A. .





p 1A.
.; 12,a, E ;C' Bra-c" .
.' "' /., A .- ;- *i ., ) p '.,> !'"u O ."ir .',*- ".i ,:-;. "; ;,.'1 ..t ,,1l1l... te T^,,>., | :^ ,- asT 'i
%:'' .4^ ': C:is,!....." :' (: :.......^. "J(^,fr,'h .., jt;:',chiles., l~o,i,.irid^ -. E..tzrc.,ffWo o 1". o, }
C .-i : -W -. )o X1, d i ,---
y, r.St i k ''.' vyi ., t y 4 )t, 1 ; ;. fii'. ce tasd t .:Ic .!itc (l''u t ir,'oL i 'nptc allivij, e C Con;-g
c..|; o tai ,"u curea co1pL;etia corn uso do. principios balstimicos de pinhe .
warz '1210o, OIcucuitiaitdo-, no Maro'pe e na Massa do seiva do-pyihciro .14
iaitm y.l'"8" -310a'e I-aasse. i^ l
Sp" Tad& frajop iev$ a marca detfabric, a flima '
I j ,d iNU0o de GRIMAULT & ? '
m ^.. PARIS,, 8, AtUA VIVIENNMS E NAS PBI.NCJPABSSPAU4I8.^,fJM



FW~iO -'GIRARD
SApp do pela Abademia do Mediolna de Paris.
app do pela Junta Central dde Hygiene pubUcoa do BralU.
*I **W Tu f Wd T la rregro do Relatorio i Academia 4emmonsrou
j*w 6wfnrienfeweito pelos doentes, bem tolerao pelo estomago,
restaura ts ffau e cura a chtoroanemia ; que o que dtistinue parti-
cularp)Wif "sate novo al de ferro, 6 que nto causa prisao dt venture
a cowm $*,eetando-se a d6se, ob6m-ae dejec5ea nUWme" 'n' 0
o 0RRO GIRARD ourm anemia, ores pallidas, qm lu d to-
m. Ie i n-o doaapgu4;i fortifica os terpap .Ue ..
#2x a oart -^ffuM3ri0 a as egras e coM ate a este.mdado.
De]ouBto em- ^ ^^roi.ViJ|s*ne nprinpopiB* tDopi a Panaacias


(DE.)
(A)VIS(


P.Am AZACtMP E AWqn am.
ToSSE,AS'rIMA,BmRONCHTHr.
COQUELUCHE ouTosSCoWLSM
Tisica ePuh ar.
.' *- ; C M.&,M d J w L tM t I a


I


DEPOSITO GERAL
i 8--fua Prlmeiro de Maro-fI8
Rio de Janeiro
Unico agent em Pernambuco
ADAMNSON 1OWIE d C,
N.---3 Rua do Commereio---N.--b
A venda em todos as boticas e drogariats
O Aluga-se baralto
Os armazens n. 13 do largo do Corpo Santo, o
equal tern communic i 8o corn o do n. 4 no cites da
Comnpanhia Pernambi.cana, corn guindaste.
Lomas Valentinas n. 4, casa terra.
Rua de Santa Therc-za n. 19.
Travessa do Carmo n. 10, loj't.
Armazem da travessa do Cainpello n. 1. Recife
A casa tcrrea n. 1 C n a Baixa Verde (Ca
punga).
Idem da Paima n. 11.
A tratar no largo do Corpo Santn. 19, primeii
audar-

Aima
Preci.a-s de unia p.-ira casa dc: fumilia, a tra
trar rua do Bore Jesus, a 5S -rinazem.
Costureira
Prccisa se de vcnia costureira : a tratar na r v.
da Saudade n. 1G.


Precisa-se de uIra ama para o srrvivo domecs -
tieo: na ruia di Aurora n. 109.


ssaws'ss4


D. B'35sa Tigsge Comies
D elfi n o d :I S)!v- : .'. i. ti "!, ;, I
I veira e D. Ro:; Ti;rc i- Morcira I *p--. u- at-
fcridos do mn;is d. l '.r- ,. c pj,,.ItI nte ig,- I pN:'.,
pelo infausto p.4) ;;ma t :1' i i -lt';rl, i ;
E lisa, r'u, m ; i p-',-- a- 0 i ;-. :e '' l'i- i'
sua -unisad-e u s( ,iig'm ;..:1- i ".t;' a in a Tit.
por al ta d; finvih. m,.ni' em c-l-!)rar n.i arW1 .
do Corpo ,San .- s h,;"- .4SI ) d. 1 5 t i-'-1z.
Per Cesse actko do piedae 'lh i-'t.i. .-2e C lii '- a;i
eternamei'te' grat -.t

7117



EBacIare<2 ,:oEio P;-cilico de
D. Maria Cleophas Macil Liira, lend,,'k i man-
dar celebrar uma nim-a ln; i'ro : inatrii dlA.\ua
Preta, no dia 25 lo orrrents.-. ;, 9 ioras da ma-
nha, pelo 10 emnv(cri-ari, d m,,t> do;Z it -C'inpr
pranteado espo.o. beclir,-cl Ait.,):i-, l'aeitic., ,1,
Lima, couvida a tol l.s os sc-u' 1 ar iit,'" :ii,.-
para assistirem a nui:-a ; cinfc:;:)J,.-se cb'+l' i
o eu eterno agradecimento a todos aqudeJlcs jl,
so dignarem comrnsrecer.

quitandeira
Precisa so (dc umea inulher idosa para ven I-t
quitanda : na rua do Apollo n. 2., 1' anIar.
Alnga-se uma grande eas, cm Santo Ama-
ro, rua Lembranqa do Goines n. 4. muito fresca,
corn grande sotao, corn dom s ,u rard'-s quitaee
muraados e corn boa penna d'apXa : a tratar nm
rua da Imperatriz n. 32, segundo manl!r
Aluga-se ou vende-so a caca na esr ;ida ',
Luiz do Rego n. 37 : a tratar na rua do dI) :r
Jesus n. 51, armazem.

0 SYSTEM APERFErqOATbr-o E Ki:tn STrArT & C.
Brovwnm & C. receberam deenmbo e
especiflcac6e% dertem trilbo.
como (aunbem de wag6e%-
e Iocomotiva%
Os trilhos e donenfces Ato todos de apo p,,r fi,,f'
tern mnuita durafao-o a.ssenoameizto main fa,'i d'
que corn dormentes de ,eadeira.
N. 5-Rua do Commcrcio-N. 5

Trastes
A' rua do Imperador n. 16 compra-se, vende-.e
aluga-se e troca-se nov's e usados.

Agente deleilioes
0 agent Gusmao mudou seu escriptorio pama a
rua do Born Jesus n. 51.
PHARMACIA IIOMEOPATHICA
DO
Dr. Sabino
Verdadeira homeopath'a
Medicamentos vegetaes brasileiros
Preparagoes A macMbas
Vendas em grosso e a retalho
Descontos -antajosos
Bua do Baro da Vlictoria n. 43
Maehinas eklectricas
Meias elastieas
Mamadeiras
Tira-leite
Chocolate homeepathico
Fundas umbelicas e bemiaa
Fundas pmara criangs
Tubos vasios para vaccine
Themoiketros pars febme "
Anneis electricos, etc., etc.
Vende-se na phammacia boaepathiea do Dr.
Sabino, i rna do Bago da Victruas. 4L
Cosinleira
Precisa-se de ure boa cosnaldw: Mqa A
Aurora 31. _


A' rui da aam m m
e cosinham parfcslIufa. __________


AaiifrB. 4iM JA--*


I
aobrad da w
Sateatr natI
, I '.--ii^
** 1-1.11 ^ .t


4
Ii


N


--a


wom"


Lww


stuastzLts-aEasie^a


























a veuder mais8barnto
o que em outra qual.i
querparte.



Luz brillmbalte sem fmc

Oleo aromatktico
UYGIENlCO B ECC NORIEC
PUBmW nMS


Martins & Bastos
Pernambuco
Numero telephonico n. 33


Gratuliano


avisam ao respeitavel
public que sob es-
sa firma organisaram
uma companhia de car
nes verdes, e que a
partir de hoje darao
principio a venda de
cares.
Os talhos perten-
centes a companhia
estao assignalados por
um bandeira branca.
Recife,, 7 de outu-
bro de 1884.


0 PaIlKillor vootal d Perry Dayis
Matador da dor
Um amigo dos pobres, economic e de
facil applicaaio, 40 annos de success es-
pantoso.
Nenhuma familiar deve estardesprovida
deste remedio.
Externamente cura: furunculos pana-
ricios e outros tumores torcedura dos ten-
does intumecenueias das articulagoes do-
res de denotes nevralgias- rheumatismo


Inteiro
Meio
Quarto

Inteiro
Meio
Quarto


450000
2#000
e 1010000
t@lm Op


Joa Joaquimda


36500
14750
Co87s
Costa Leite,


fidfi iiz
CASA FELIZ
AOS 4:000900"0'
Bal TES GARA"TIOS
Prafa da Independen-
cia ns. 37 e 39
0 abaixo assignado tern exposto a
venda os seus felizes bilhietes garantidos da
loteria 80a a beneficio da Santa Cassa de
de Misericordia do Recife, que se extrahirA
quinta-feira, 23 do corrente.
Precos


Bilhete int<
Meio
Quarto
Em pornao


eiro 45000
26000
16OOO
de iO,6000 para
elma


Bilhete inteiro 36500
Meio 1#750
Quarto 6875
Antorio Augusto dos Santos Porto.


A VENTIROSA

Aos 4:000$000

BILHETE8 GAfIMDOs
16-Rua do Cabugi-16
0 abaixo assignado vendeu nos seus
venturosos bilhetes garantidos os premio se-
guintes: 2 meios corn a sort de 100#
no n. 2884, al6m de outras mais de 32#,
166 e 8#, da loteria n. 80.
Convida aos possuidores a virem rece-
ber semr desconto algum.
Acham-se A vends os venturosos bilhe-
tcs garantidos da loteria n. 81 em beneficio
da Santa Casa de Misericordia do Recife
que se extrahirA na quinta feira 26do cor-
rente.RE OS

Inteiro 44000
Meio 26000
Quarto 16000
Send quantidade superior
a 100:000
Inteiro 36500
Meio 16750
Quarto 875
Joaquim Pir-s da Silva.


AMA
Precisa-so de uma perfeita cosinheira
para casa de pequena familiar, quo compare
e nao durma f6ra; a tratar n'esta typo-
graphia.

Ao 51blic
Antonio Luiz Baptista, como bastante procura-
dor de Francisca Beruardina da Conceieao Carva-
lho moradora ,A rua do Rosario n. 26 (Boa Vista)
sendo senhora e possuidora dos solos das canas
da rna do Calabougo ns. 11, 13, 15, 17,19, 21, 25,
27, 29 e 31 decade 22 de margo de 1E66 por isso de-
clara pelo present aununclo para se no chama-
rem a ignorancia que nao podem fazer qualquer
negocio de venda das ditas casas sem seu procu-
rador ser ouvido na rua da Santa Cruz n. 1, sob
pena de se tornar nula a venda.
Recipe. 21 de outubro de 1884.
Costureiras
Precisa-se de b6as coetareirus corn urgencia na
rua da Aurora n. 43, n1 andar.


aered~tatdos fabiran-
tesq: esfw, e e M Iit bili-.
tados a tender mais
barato do q e, oitro
qualquer, i to rece-
berm dire-tamente.
Todos os relogios

vendidos n'esta casa
sao garantidos.

Bihll'0hW ,Iu 4,
asa
]I ista
Rua da Praia n. 3 8 esegundo andar
Eduvirges Maria Coelho participa As suas nu-
merosas freguezas que tendo feito grande escolha
de habeis costureiras, e tendo per gerente de sua
casa umar das mais insigne maestra cortadeira, se
acha prompt a satisfazer qualquer toilet para
casamento, bailes, passeios, theatres, etc., e en-
xovaes pars baptisados.

Chinello Turco
10 Aga do Baiio da Victoria 10


0 ultimo vapor da Eurapa acaba de
couduzir para este bemrn conhecido estabe-
lecimento, tudo o quo de elegant se pode
desejar em cal9ado, nAos6 para senhoras,
como tambem para homes e meninos.
A's Exmas. families, as distinctas clas-
ses academic e commercial, e ao public
sem distincgqo de cathegoria, convidamos
a visitarem nossa casa, convictos estamos,
qae ninguem se recusarA honrar-nos corn
suas encommendas, caprichos de moda, ou
modestas compras, ante o explendido sor-
timento, amabilidade e pregos rezumidos
que sustentamos.
Estas garantias s6 offerecem
Thomaz de Carvalho b C.



AO COIIHHECIO

Viagens ao centre
De Olinda AItabayanna por Igua
rassn, Goyanna e Itamb6
Todos os sabbados, ais 4 horas da tarde : passa-
gens tomam-so eA rua Primeiro de Margo n. 1,
loja.
De Itabayanna A Oinda por Itam-
b>, Goyanna e IguaaramnM
Todas as tergas-feiras, As 4 horas da tarde :
oassagens A tratar corn Lourengo Pereira d'Amo-
tim, em Itamb6.
Viagens avulsas para qualquer part e em qual-
quer dia, partindo do ponto que se convencionar e
a pregos commodos. Essas contratam-se A rua da
Companhia Pernambucona n. 4. Encarrega-se das
bagagens que nao podeiem ir nas diligencias.
Jardim das plants
Run doMondego n. 80
Sapotiseiros e sapoteiros muito grades e co-
pados, dando fructo, a 4$ e a 34, segundo o ta-
manho, e desccndo atA 11, corn seis palms. Com-
prando-se mais de dez faz-se abatimento. Ha
outras muitas plants tambem para precos com-
modos.

Sitio
Precisa-se alugar umn .rande sitio corn propor-
S'9pa0 A "plaiiWoges de capim, e porto do capi-
tal : quem tiver, dirija-se ao largo do mercado de
S. Jose n. 25.


Aluga-se
sobrado n. 9 na Passagem da Magdalena.

Aluga-se
aloja de sobrado A rua do Baftholomeu n. 33,
corn frente para a rua do Marquez do Herval,
corn umna armaoo propria para qualquer estabe-
lecimento, especialmente de molihados, pela boa
localidade : a tratar na ruas larga do Rosario nu-
mero 34.
Aluga-se umrs casa muito tresca, em Olinda,
rua do Caimo n. 2, muito perto dos banhos do
mar : a tratar no- Caminho-novo n. 128. Na
mesma casa se vende uma parte de casa na rua
da Imperatriz, onde 6 pharmacia
Ama


Polelines l a, de oltistse lamrdas.
Us dea qua ,esosseszas e.lavradas.
Alpa"a Yesas e dd listras.
Grenadines de cores e pretax.
Cambraias bordadas e aberta.
Vestuarios para meninos.
Leques.
Chapeos para senhora.
Chitas lisas e de cores.
Fichus de soda .e de l
Capas de malhA de ILa.
Para eontinuar
Collarinhos e punhos para senhora e home, di-
versos feitios.
Camisas serm collarinhos e sem punbho, corn pu-
nhos e corn collarinhos e punhos para home,
desde n. 35 A 45.
Camis*s pars meninos desde n. 28 A 35; sem col-
larinhos, de n. 32 A 35.
Camisas, saias, penteadores, calgas, gollas e pu-
nhos para senhora.
Gravatas, grande variedade.
Meias cruas, brancas, de cores e pretas.
Capachos,tapetes, malas, esteiras, bolsa;, velludi-
Ihos, brings brancos e de cores, luvas, perfuma-
rias etc.. etc.
Papoula & C.
18 -Rua do Cabug&-19
Em frente a matriz de Santo Antonio
NOVO S*RTIMENTO
DE

Roupas para homens
POB


Pre os baratissimn
Rua da Imperatriz n. 40
LOJA DOS BARA1EIROS
Paletots de casemiras de quadrinhos, fa-
zenda que so lava 66
Dites de panno preto fino, fazenda muito


boa
Ditos de casemira de quadrinhos e listri-
nhas, forrados
Ditos de casemira escura, de cordao, for-
rados
Ditos de flanella azul, forrados, sendo fa-
zen ia que nao desbota
Ditos de casemiras de cores claras e es-
curas


71900
8100*
81000
10,00(i
10AOOI


---g---
Ditos dc panno preto fino, forrados 10,000
Ditos d. casemira preta de cordao 101 e 12100(0
Calgas de casemira corn differences pa-
droes, de 51500, 61500, 81 e 10100L
Ditas de casemira preta sed. a 81 ; 10100(l
Ditas de casemira dc cordao 6150O
Ditas de casemira preta .600(
Seronlas de creguella, obra muito bern
feita a 1;200 e 11600
Ditas dc Hamburgo de linho a 11800 e 200('
Colletinhos pars dentro, sendo de ere-
guella e muito bern feitos a 800 e 1;00t
Qamisas. grande sortimento de camisas
braneas, tanto francezas como inglezas,
tanto de linho como de algodlo, sendo
de 21, 21500, 31, at6 6100(
Ditas de cretone de cor de 2;, 2;500 e 3100(
Meias, grande sortimento de meias cruas
para homes, de 320 rs. o par, atA 50(
Collarinhos, grande sortimento de colls-
rinhos, tendo de 519 a duzia atl 8100(1
Toalhas, grande sortimento de toalhas,
tanto para rosto como para banho, que
se vendem per pregos muito razoaveis.
Tudo isto A eor grande reduglo de pregos : n
loja da esquina do becco .s Ferreiros.

Grande liquida.o
Para acabar
Folar de cores, fazenda linda para vestidos por
360 reis o covado.
Setinetas ombre, cores lindas e modernas a 360
o covado.
Ditas corn flores a 400 reis o covado.
Crepe e setineta para oeeberta a 800 reis o co-
vado.
Damasco de cores, d'algodao, proprio para col-
xas a 600 reis o covado.
Cretone franceza para coberta a 500 reis
Dita ingleza para coberta e chambre a 280 reis
o covado.
Chitas modernas lindos e magnificos padres a
200 e 240 reis o covado.
Cretone a pompadour a 280 o covado.
LA escocesa a 280 o covado.
Dita de cores a 320 e 400 reis o covado.
Merin6 preto corn duas larguras a 1#000, 14500
e 28000.
Fustoes broncos pars 400, 510 e 700 r6is o co-
vado.
Brim pardo liso, fino a 320 e 400 r.is o covado.
Camisas de eretonss de cores a 11200 uma.
Dita branca 11800 uma.
Dita branca peito de linho 04000, 31500 e 4A
uma.
Corte de casimira. ingleza por 5000 urn.
Casimira ingleza por 31000 o covado.
Assim como outros artigos que corn a vista se
pode avaliar. Pars o respective annuncio cha-
mamos a attenae do respeitavel public e das
Exmas. families na
Rua Duque de Caxlas n. S8, loja dae
quatro partasu n. SS
Pharmacia
Vende-se urma boa pharmacia bem localisada:
a tratar na rua do Baro da Victoria n. 51.


8 a barrica


emsfka*s do cores a 240 ms. o
a eisasse lsarada a 360 roco-
s fina a 20 r. o covado 1


brim pardo liso, proprio para paletots, calgas e
roupas de criancas a 360 rs. o covado, isto poi
toer um leve toque de mofo, que larga logo que et
molhe, A grande pechincha : na loja dos baratei-
ros da Boa-Vista, esquina do beeco dos Ferreiros
Fustoesa360 440, 500
e 640rs.


Os barateiros da Boa-Vista A ria da Impera
triz n. 40, vendem um grande sortimento de fus
toes broncos, proprios pars vestidos e roupas de
criangas, pelos preoes acis a indicados : isto na
esquina do becco dos Ferreiros.
Setinetas A 500 e 640
Na loja da rua da Imperatriz n. 40A L esquina
do becco dos Ferreiros, vende-se um elegantesor-
timento de setinetas, tanto lisas como lavradas,
sendo as cores mais bonita que tern vindo a.
mercado a 500 e 640 rs. o covado; assim como
um bouito sortimento de isinhas lisa eb lavradas,
proprias para vestidos, deo 50O at 800 rs, .6 pe-
chincha : na loja dos baralaios da Boa-Vista.
EsparthosI
a 4L# e &^e0
Na loja da rua da Imperatris w venoe-se
muitos bons espartilhos para senhora a 5000,
sntos pars menmas a 41009, asbm come um be-
dito sortimento de fichus a 3*000; iso nas ja da
qeiuina do becco dos Ferreiros.

Vendelse


Sm avwu
do pels


FARINHLALTA DO DL
A scienmis e a pratica adopmr-amam
nba Laten comoa podrso ..
trictivo par. a min<&ia diuahkSe m&
cos do Br.a l e da Euisopa smlwb m
ser & do Dr. FRERICH3 a aehar va


ow


Alpao d 48 qwR finob, moderuas, a 400 rs.
ocovadoI
Merinds do cores a 700 r. o covado!
=ito preto de duas larguras a 1;200 o covado I
Caseiras proprias pars roupas deoerianas a
1508 o cvado I
Ditas pretas diagonal a 21400 rs. o covado
$asa bordadas, novidade, a 3S uma.
Cambraias transparentes a 3f500 a peca de 10
jarda!
Ditas victoria a M00 a pea!I
Madapelao boa-vista a 6A a pega de 24 jardas!
Colehas brancas a 21500 e 3 I1
Cobertas de gaaga, forradas a 21500!
Lencoes de bramante a 2 !
Camisas corn collarinlw deitado a 381 a duzia!
Seroulas bordadas a 16; a duzia !
Toalhas felpudas a 54 a duzia !
Fichus modernos a 24, 3$ e 4;.
Pannos de crochet pars cadeiras a 1;200 !
Ditos pars sofa a 38.
Rieas toalhas de labyrintho a preco resumido.
Complete sortimento de capeIas e veos pars noi-
vas a 10; e 14S.
Popelinas brancas e setinetas para as mesmas.
Esparilihos a 41500 e 5A, leques, gravatas, len-
cos, etc. etc.
Grande deposit de fazandas e roupas. Vendas
em grosso, damos desconto.
59=Bua Duque de Caxias=59
LOJA DE
Crloiro hI CiliM D & 0.
Udll0ir0l Ud unllll a


fiLolloma lDida as f asl fe mU0ld
Fazendas brancas
Na loja dos barateiros
da B 6a-Vista
4O-Runa da Imperatrlz 40
VENDE-SE
Madapolao, peas de madapolao francez
enfestado corn 12 jardas a 31000
Dito muito largo corn 20 varas a 4 00O e 51000
Dito, fazenda muito encorpada que pa-
rece cretone, corn 20 varas a 51500,
61000 e 61500
Dito fiancez, americano, fazenda muito
final e encorpada de 71 atl 121000
Algodao enfestado corn 9 palmos de lar-
gura para tazer ken9es de um s6 pan-
no, metro a C
Dito trangado corn a mesma largura,
preprio para len6es e toalhas do
mesa, metro a 11200
Bramante de algoda'o corn 10 palmos de
largura, proprio para fazer lencoes de
uum so panno, metro 1;2&
Dito francez, sendo de linho, metro a
1800 e 21M00:
Dito inglez de quatro larguras, seudo
de linho, metro a 2A500 e 29800
ureguellas proprias para lencoes, toa-
lhas, eeroulas, sendo fazenda muito
encorpada, cada peea corn 20 varas
por 104800 e em vara a 500
Ditas com a mesina media a 800 re., ou
vara a 40C
Atoalhado adamascado para tealhas de
mesa, tendo 8 palmos de largura, me-
tro a 11800
Assim como um complete sortimento de
peas de algedaozinho amerieano e
inglez, que se vende por pes de 3o3 atA 61000
Isto ua loja da esquina do becco dos Ferreiros
Casemiras de cores
De 2:000 at 0:00: rs,
EBrow or iid
Alheiro & Silva A rua da. Imperatriz n. 40, tern
um immense sortimento do casenura de cores,
tanto claras como eseuras, quo vendem a 21000,
2A500, at 615 o covado, e das mesmas mandam
fazer qualqucr peca d'obra ou costumes, pr pro-
0os muite ra: oaveis, assim como tern tambem um
explendido sortimento de casemiras e panes pre-
tos ate ao mats fino sedan que vein ao mercado, e
dos mesmos tambem so encarregam de mandar
fazer qualquer peca de roupa vontaie do fre-
guez e corn toda a perfeigao e presteza : isto na
loja dos barateiros da Boa-Vista, ua esquina de
becco dos Ferreiros.
Li osa1Wo rts
Os Barateiros da BOa-Vista vendem muito bo-
nitos linhos de urea s6 cor e de listrinhas pa
vestidos, send a 160 reis o covado e de cores fia,
isto na rua da Imperatriz n. 40, esquina do boos
doe Ferreiros.
Brim pardo
Covado a 860 ro.
Na loja da rua da Imperatriz n. 40, vendo-se


Rua das Crloulas n. 6I
(Cuuni,,)
Deposito
Caes 22 d. Noveubro i. 42

GCoflina oin


Gingerale
Limonada
Tonic Water
Soda Water
Agua de Selts


duzia 3000

) 25400
16500


& cC.,


000


's-''^
.i
i
s
"i*.
la"
sT
111'
<
-': ^1
-'^
-,1}
'*^^ ,^
'*'' .*^ *1 1 1 "" 'a. .

. 1
||=,
.111 "1111 8
rt!.:'
-S1.
*^fe
If
If;.'


I





genero.
Deve-se pois evitar ca---r -je
una pesso ha a e do c.i.p.I A
n1o conhecido muitas veu o wan-
numerosa molestias.
Vende-se a verdadeira farinha LMl
do Dr. Frericha:
55- RUA DO IMPERADOR 56
Eatabelcimento de &umic= 6 pmoad 4k Hl
torPrdile

CRAVOS E flIRE

Na run dh llibo

,, ha semnpre para se

vender craves e foiBres

ni' Umiftj

LEITE lE iVEi
Concentrado, perfeitamente incoagulavlu
e conservado para exportaeo
PELO B, CHAREL
Joao Baptist& Gitirna Costa
Manipulado pelo cirurgiAo deatista
Numa Pompilio
Privilcgiado pelo Governo Imperial e approvw-
do pela Junta Central de Hygiene do Rio de Jo.
neiro.
Para a eura de caucros, ferdin
chronlcas e syphkllitleas
Unico deposit geral em Pernambuco
Rua do Barao da Victoria (ui'rm
ra Rua Nova) n. S4 -aniar

o r 1 d rof r n.B2,io diluato
Prego de cada frasco para cancros 6009
Formula especial para ulcerauea e gra-
nulaq5es no collo do utero e cancros
syphiliticos 5
Para feridas Eu
Para cals 2c011
Cada frasco leva o retrato do bachare Gitina
Costa e assignatura de proprio pauho e rubis do
Numa Pompilo corn tinta encarnada.



fill 11 DUHll
Souza Moutinho &
C., tem constantemen-
te a venda fio d'algo-
dao da marca L, mui-
to conhecido n'este
mercado, em novello
de 200 a 400 grammas
e em saccos de 25 ki-
los, da muito acredi-
tado fabric Bom-Fim,
de Catilina & D'utra.
Rua do Marquez de
Olinda n. 22,


Grande fabrica d'aguas

gazosas
DE
William Chance & C.


>f






















do fazeir -asera VC-m T M do iae Vo
-ta: istoa bastaoipuJQ9ir tO e, trner
celebres, pans terprje,-0 oinet-4o84S
0onstructors..,
. Seria, no entato Miusojato s -e
este aereostato recolheu a herara datuv-
bathos longos, pascieite eo cuteoos, oet
quo e pubhico nao ropawou, por nuB the
comprohendon o aleance.
0 engenheiro Oiffard foi o primeiro quo
so langou aos ares corn aum sereatato a
vapor; foi elle quern abni o caminhe sos
aereonautas de future.
Dumpuy doe ime foi -o primeiro que de-
terminou muathematicamente o trabalho do
propulsor aereo ; foi elle o inventor do ba-
llosinho de ar, que permette ao aereostato
conservar a sua f6rma exterior, uao obs-
tanto& a perda do gaz; foi elle quern de-
terminou as condioes da estabilidade da
barquikha.
Em fim, Tissandier foi o primeiro que
construio um aereostato electric,
Todos estes homes teem direito ao re-
conhecimento da Franga, porquo slo to-
dos, per titulo. differences, os creadores
da navega4ibo aeres.
Tambem se nao deve esquecer o sabeio
official a quem devemos a restauraglo da
escola do Meudon; so a arte de construir
bales jA nao tern segredos pars o exer-
cito, e porque sob a direcglo do coronel
Laussedat, todos os ramos deste servi;o
foram estudados a fundo.
Hoja, gragas ao coronel Laussedat, a
Franga 6 a naglo que melhor p6de con.s-
truir aereostatos militares ; esperamos que
conservarA sempre a sua supremacy ase-
rca.

Em que conslste a grawne descoberta

Pergunta-se, actualmente, em que con-
siste a grande descoberta que tanto baru.
Iho faz no mundo ha urn mez.


Nao consisted nem na f6rma alongada,
nem no helice, nerm no emprego da elec-
tricidade, nem no balAo interior. Todas
estas invengoes existiam jiA.
A grande descoberta 6 a seguinte :
Antes de 9 de agosto ultimo, quasi nin-
guem em Franca acroditava na direccao
dos bal5es.
A 9 de agosto descobrio-so que toda a
gente se havia enganado e que os bem ac-
cisados eram esses lunatics que se obsti-
navam em acreditar na direcgo dos ba-
Woes!
. Assim, n6s todos, durante a nossa ju-
ventude tivemos graves professors devi-
damente diplomados e pagos para nos is-
truirem, e quando chegavam nos sens cur-
sos a fallar de bales, diziam invariavel-
monte : e Nao ha meio algum do dirigir
os bales, porque nao ha ponto de apoio
no ar. V
E passavam ao capitdulo seguinte.
No dia 9 de agosto descobrio-se, po-
r6m, que os nossos professors, que liam
todos pela mesma cartilha, haviam cons-
tantemente cincado 1
Hoje a a falta do apoio no ar ) foi jun-
tar-se A o natureza tendo horror ao va-
cuo ), no museu Dupuytren da scien-
cia.
As pessoas que fazem compendios -pre-
paratorios pars o bicharelato, andar'o
borne, nao querendo passar por necios, se
the irtroduzirem a seguinte rectificaglo:
4 Os aereostatos sio dirigiveis; o seu
seu emprego e possivel todas as vezes que
a velocidade do vento for inferior a velo-
cidade do propria do aereostato. A
Mas, perguntareis v6s agora so hoja 6
verdade, era-o tambem ha vinte e cinco
annos; come 6 pois que os nossos sabios
nao proclamarain ha mais tempo essa ver-
dade?
............ .. ...... .........

FOLHETIN



0 FILIIO DE ANTONY


POR


ALEXIS BOUVIER


PBrIEIRA PARTE


UONSiElENCII8DERIIM FALTA


(Continuasao do n. 243)

CAPITULO IV


As smrprezas do coronel i'Heevey

Talvez tenha razao... Mas n1o fal-
lemos mais nisso, disse o coronel, pausan-
do duas vezes a mao pels tests, como se
quizesse expulsar a perturbaglao que a dui-
vida Ihe causava.
Vieram participar que o jantar e;tava
promiptor. -
O coronel, tomandeo bpia dodooutor,
levou-o para a sala dejaitar. Vernet no
deoiava o senu coroner. equanto o criado
feai pvevnireo bar, lto ti oeparava iA&
sals de jantar, cuidaismAonrtp ofado,


1. As gorui alMas v o m ais1 t -e
w pequea'as; a baleiau da coal
mais rapidex qua os peixzthoas.
Do mosmo modoQ S grlndes oarotatos
excederlo seupre emr voeidade ao ba-
laes poquus.o
A solugie pMpa Nsavegagk ero's 6
apenas u' u stolai#to ca cs..
Da-se a 'palavraPaaSra. capitalistas.
S B. alI



A CAfPTVA


POESIA CONSAGRADA AO ILLM. SB. DR. I
L do sul n'uma fazenda,
.Esfalfada e sern vigor,
Trabalhando o dia inteiro
Sob urn sol abrazador,

Urma escrava expatriada,
Peor amar, meu Deus, que horror!
Sua sorte lastimando,
Fez ouvir este clamor:

S Brazileira eu IA no norto
Fui criada corn primer;
Minha yAyA me charnava
Creoulinha Leonor.

Sinhosinho me tratava
Corn carinho, corn favor.
Dizia que me forrava;
Foi assim meu corruptor.

0 amor da liberdade
Fez nascer urnm tal ponder,
Que de tudo rn'esquecendo,
Eu vi n'elle um salvador.

Tive um filho quasi branch
Que eu asmava corn Ardor;
Engoitaram meu filhinho,
Me metteram n'urn vapor !t

E pars aqui fui; vendida,
E tratada corn vigor;
Foi meu crime dar ouvidos
Ao filho do meu senhor !...

Mas assim 6 feito- o mundo...,
Elle 6 branco, eu sou dec6r;
Apedreja a seduzida,
Condecora ao seductor!...

Devo soffrer em segredo,
Curtir s6 a minha dOr
Trabalhar morrer de fome,
Apanhar do meu feitor.

Sento wamor meiga rolinhla,
Dura fera o tenours flor;
Mas a captiva nem p6de...
E' crime sontir amcr I

Recife, 19 de outubro de 1884

Professor JOAO JOSi RODRIGUES.
SA MLULIHIER


Tudo enleva, tudo encanta
N'esse ser predestinado!
Que powder mais sublimado
Sobre a terra predomina ?
Cheia de graga, de encantos,
De sorrisos, doces prantos,
Nossos dias illumina.


Anjo de paz e bondade,
Nossas dores compartilha;
devia trocar o vinho, e, silencioso, ele
obedecia sem nunca se enganar. 0 c.-poiro
contentava-se em trazer os pratos; era Ver-
net quem se occupava corn o service.
Logo quo so sentaram A mesa o doutor
procuroun fazer fallar o coronel: queria
sobretudo saber so Antony nio tinha algum
inimigo que procurava perdel-os a ambos:
acabava de saber que o coronel tinha side
prevenido, por urma carta, das relacoes do
mancebo; a dilaglo nio affirmava, mas
despertava a preven;Ao, deixava adivinhar
quem podia ser o auctor d'aquella infamia.
Lembrando-se da scena que so tinha pas-
sado na vespera, em casa de Mine. de Lancy,
tinha repugnancia em accusar a tagarella
Mine. de Camps. Aquella mulher podia
ser maldizente, mas nao infame Aquelle
ponto; nao tinha motive pars odiar Adelia
ou Antony: podia, na sociedade, fazer algum
mal fallando de um e outro, mas era incon-
seientemente; podia, no seu desejo de tudo
saber, ir al6m da verdade; mas centre os
mexericos das mulhares e a denuncia ao
marido havia urna grande distancia. Era
urma aegao mA e indignA, da qual o Dr.
Olivier Delaunayju algava Mme. do Camps
incapaz.
Urma vingangi de moulher? Mas Mine.
de Camp ng6o tinhi motivo algum p aryin-
gar-se de "Adelia ou do Antony. Era a
prnimeira vez, dpois de inuiuotomfpa -quo
os eneontrava. Era a pnrimeiravex, poleo
menos, com a baroneza d!Hervey, comzm
as suas relacoes tinham sido sempre as
mais -amistosas. A ialdade da vespera
era unica, e mesmo o douter procurava-lhe
a; raid.ai. t. iLtprovocado uwaU-san


hSea lJudit* a *,
Sawdiviua iSio-s .
Quein, ousado, h'a contest,
Se today se manifesta
0 primora croabo9n I

Embloma da Santa Virgem,
De Boue mIstoriw pe h.r;
elp geuldae e do 4r.,
Tam 6s a Sda esperanga,
France port de bomanga,
Fulgida estrolla polar!

PAo d'Alho, setembro de 1884.


JOAQUIM EAS DE A. RGOo BmUos.


SALVEI LIDERDADE!

Nito 6 tarde! Nunae tarde
A hora da redempgo !
Hora de luz que se expand
Dos inundos no coracao I
Bateu... sublime epopeia!
Cable per terra a cadeia, -
Ensanguentada, cruel;
Que os pulses arroxeava,
Do infeliz, que esgotava
A taga negra do fel 1...

Amarrado pela forga
Ao post da maldicao,
Dia e noite -urn pranto amargo
Lbe escaldava o corago.
Qual Prometheu no rochedo,
Sujeito a long degredo
Cumpria urn destine atroz;
Assim o triste captive
Semi-morto, semi-vive
Ia passando entire nu6s.

E nao nos parega estranho:
Do eacravo o acerbo viver "
E' duro..., causa vergonha,
Taes scenes se descrWer.
Que horror? quo somr nos abala ?
Ougamos.. vemnda soensala...
E' o chicote fatal -
Do algoz cruento malvado
Castigando o desgragado
Corn tyrannia brutal.


Se desta forms se vive
E' esta a vids que tern,
0 bastardo do destine
Sem pai* sem patria tambern.
Prostrado pela fadiga,
Nao senate urna mao amiga
Quo e o venha acariciar,
E neste infindo abandon,
Dix A noite: di-me somrne -
Diz-lhe o senhor:-trabalhar.
Doente, exhaueto de forae
Sem ter direito a chorar,
Caminha pars o trabalbo
0 espurio filho de Agar!'
Se acaso a dor o atormenta,
Comsigo mesmo laments,
Ninguem o quer attender;
Se teima.., o tronco, ests f6ra
Abre as garrasde panthers
E vai-lhe nos p6as murder.


Nesta amalgams de horrores
Do angustia, fel, privagoo;
Vive o misero encarando
0 estigma da maldigco. -
Nao 1e? Quem dera &... 0 motive?
E' que nao deve d captive
Ter na front alguma hluz.
Porque ?mabo da tyrannia
JaLmais o conduziria,
Ao troneo, ao supplicio, cruz I
compromettesse era a murfher-F-honesta, e
isto nlo pir falta do virtude.... mas de
habito. Depois, em face da sociodade, pe-
diria justiga pars ellas, esperando queDeus
lh'a fizesse li em vima.i
Estas palavras sibilaramin polo sallo co-
mo vergastadas, e Mine. de Camps reti-
rou-se, corn o olhar chei'o de odio, a ex-
presaoe ameacadora. Estava alli urma ini-
miga irreconciliavel, mas essa inimiga da-
tavra da vespera, e nao podia, n'essa mes-
ma noite, enviar urma carts ao coronel, em
Strasburgo.
0 coronel havia side informado, havia
tres dias. Havia, portanto, muitos dias
quo uma carta tinha partido de Paris.
Quemn a escreveu? Eis o que doctor que-
ria saber, porque era ahi que estava o pe-
rigo para todos.
Emrnprehendpndo salval-os, Antony do
crime, Adelia da falta, o coronel do ridi-
culo e sobretudo da d&r, o doctor precisa-
va, que na long comedia que ia tentar re-
presentar, ninguem viesse desarranjar os
soeus pianos. S6 podia conseguir o ssu fim,
so, visto que ninguem o ajudava, ao me-
nos o nao combatessem.
Estava muito reservado corn o coroner,
tinha visto o effeito produzido pela reor-
dagao da carta.
0 bare d'Hervey tinha menos confian-
0a; acroditava em sua mulhor, mas traba-
lhava-lhe am pouco- no cerobro este prover-
bie tolo, desimettido por todas as ctiat*uo-
phes: ullo hafuamo sem fogo.
O eoronel ea visivel, havia viato mim-
tos qte do si para si perguntava o qoe no
prooedirtouito do st niinudher tinha Dd4idoo


:6 qu is e w firo urgio -'poca
P: i-s eidaMP91nacioAg I
o esorwao 6 hoj0eUu 84o0*iva.
No baunquete festival.
Nile foi precise mais tempo -
JA esti construid3 o tempo
Da liberdade e do amor;
E Deus entoando um canto,
Envolve dentro em seu manto
0 captiyo e o Senhor !


Sim... que ambos neste amplexo
Para qu en tern Oorago,
SElo iguaes, posam o mosmo
Na balanga, da razo!
D s s ao escravo -sapiencia
Preparemr-he a intelligencia
Dando luz, dando saber;
Verab come oelle 6 grande
Come oem su'alrna se expanded
A palavra do dever !

Entretanto a inconsciencia
Vingativa, sanguinaria;
Cuspia o santo preceito
De urna lei humanitarian.
Tolhido no seu direito,
N1o ha quem digs: em meu peito,
, Tenho crenga, tenho f.
S Alguem o pass me impede,
a Sou Tantalo, morro A sede,
s Venha a morte.... estou do p !

Comeo o anjo arrebatando
A espada de Abrahlo;
0 seculo rompe a golilha
Que a forga tinha na mao!
Foi um theatre de gloria!
Um planets de victoria
Que a patria enchen de splendor !
Todos livres, gloriados,
Estreitamente abragados
Cantam hymnos de louvor!

Na communhao fraternal
Que celebra a humasidade;
0 eascravo c6lla nos labios
A hostia da liberdade !
Z maldizendo o preterite,
Do present eleva o merito
N'um voto de gratidalo;
Maldito quem inda agora
Nao vai romper urnam'aurora
Nas trevas da escuridlo !

Maldito!.., aquelle, quo despots
Ferrolhando o coraglo,
Nao diz ao pobre captive:
Sou teu igual, teu irmao!
Que imports? lovanta a fronte,
Do teu crane no horisonte
Ha muito sol a brilhar.
0 present palinuro
Guia o barco do future
Da liberdade no mar!

E n6s, que nro nos pouparnos
De combater pelo bem ;
N6s, que o temple da igualdade
Ergueomos aqui e al6m...
Agora apoitando a estrellh
Cambiante, loira, bells
Do c6o azul da nagio;
Podemos dizer:-Hosana!
Venceu a razlo humans
Aos carrascos -maldicio!
21 setemnbro-1884.
AMARO PESSOx.


As seenas de saugue
POR MELCHISEDECH DE J. A. LIMA


(Continuao)
Daria minetado da cua exiatencia para
qu;3 Vital dissesse immediatamente o pon
to, quo havia occuttado da vida.
Momentos de angustia.
qua o coroner ; dizia-lhe, resumindo a
entrevista, depois do alguns brindes.
Coronel, posso affirmar-lhe que an-
tes de dez dias a doente estari de po sem
indicios apparentes da catastrophe. Nao
p6de levar Mine. d'Hervey para Stras-
burgo ?
Nao ; posso leval-a a passar 1A al-
guns dias,'maisa no'p6d fiecar. Sa e-e nIo
tivesse os meus amigos, o cafe e o servigo,
morris de aborrecimento. A pobra menina
nao resistia Aquelle regimen.
Sou da sua opinilo. Eis o que Ihe
aconselho: o senior leva-a a passar al-
guns dias comnsigo, depois ella volta para
Paris, no rigor do inverno, o que nAo 6
mito agradavel, quando n~o se frequent
a sociedade. Mine. d'Hervey precisa de
disItraco5es pars se esquecer de tudo isto,
principalmente se cste process se offec-
tuar. .
E n1i0 me lembrava disso.
Pt ha de ser-lhe insupportavel:
constanuento ella ha de ouvir do nuovo
fall[a sto desgragado caso.
E' precise evital-o .corn todos os dia-
bo.3 ; nAo quoro processes; deixem-nos em
paz.
E' justamente parsa iss; era proi-
so quo Mino._ d'Hervey, e por minha or-
deom, e per motivo de saude, fosse p rssr
o flu da osta9bo fria na Italdia, em Nice,
corn ss 6Iha e suna irmae,..
B-A Wo da.
PoderA partir d'aquiia umn -ea e vol-
tar d'aqia quatr Queinco. No corre o
menor porigo, ymas ha do levar muito tonem
po a r, sta)y431e oo leriotrnote. P.eci-
sa itat&-so 4d tSS I*,a~ o
0 .otO|mq J1 SUM
rf I t-rt II *M lta~~htawIfi


udiises, -qo ume s painS eOiOa t~i-
veram a inmuira, engeni, -monti, ten/h
ima iram e... 6... uma prostitata;a 0
mancebo apertou a cabeca entire as 1|0
come se temesse que ella arrebentae4
E o que teoiissa? perguntoVIw -
tinn, mais descangada; os crros deosu' ir-
ma, nbo sao seus. "
0 mancebo apertou entire as suaa",ima
das mios de Vicentina e levando-a |oe la-
bios imprimio-lhe um apaixonado beijoe.
Entaie julgava que ea sabendo disso
impedia o sea casamentl corn Vicentina?
Quando toda a sua fdmnilia estivesse no-
doada, os sous actos remiiiam as faltas
dos sous.
Agora cumpre-nus termiaar o que
dei principle; sabem quem 6 minha ir-
m ?... As senhoras conhecem-na.
N6s?
Sim, nao toern visto uma mulher que
todas as tardes passeia nas ruas da villa ?
E' ella?
E'. Tenho procurado a sua casa...
Para que ? interrompeu Vicentina.
0 mancebo ficou confuse, e pela primnei-
ra vez envergonhou-se da acglo, quo ha
rrmuito premeditava praticar.
Vicentina pegou nas mros de Vital e
disse:
Sou eu quoem Ihe vai pedir pars nun-
ca armar o braco contra sua irma, pars
nunca commetter um fratecidio.
Vicentina! exclamou o mancebo le-
vantando a moga quo havia ajoelhado aos
p6s.
Promette-mo ?
Obedecerei.
So as pessoas, quo estavam na sala ti-
vessem voltado o rosto veriam a port que
dava para o interior da casa mover-se co-
mo so a quizessem fechar, depois um vulto
de mulher esgueirar-se e desapparecer.
VIII


A inmulher quo so escondera atraz da
port, para ouvir o que se conversava na
sala, era a creoula, que os bandidos cha-
mavam tia Joaquina.
Escapando da vista dos quo conversa-
yam disse comsigo:
Vou jAA casa do Sr. Adolpho; 6


n'um pulo. Nilo pensava encontrar hoje
na sala da minha ama uma conversa tbo
doleitavel.
Dizendo assim, abrio urma ports quo dava
pars a rua, fechou-a ap6s si e corn passes
rapidos dirigio-bse para a casa dos bandi-
dos.
Nao era muito porto da de D. Branca,
a casa onde moravam os bandidos e pars
encurtar o tempo ia polec caminho resmun-
gando comsigo:
Pornm meu Deus; eu tenho visto
fallar em vingangas peor causa da honra de
uma irma, d'uma filha, d'uma esposa, etc.;
inas vinganga d'uns bandidos cohtra urn
mogo, quo despachou-os d'uma casa onde,
sabe Dens o que nao fariam os tratantos
so neo Ihes apparecesse aqudle mogo e...
oe... depois,---os labios da creoula nao po-
deram deixar de exprimir urn sorriso---, o
rapaz vai pars a cadeia, 6 exact que jA foi
sobto; por6m nao devia ter ido, e assim que
eu, Joaquina, entendo; mas como quemn
formulou a lei nbo tinha o mesmo pensar
que tenho eu!...
Ora, pensemos n'outra cousa; que me im-
ports, quo aquelles tratantes pagam o que
Ihes veem as ventas?... pagam-me bem,
eu nada tenho corn isso.
Assim fallando comsigo, a velha creoula
entrou na casa dos trcs bandidos no fim
de um quarto de hera.
Estavamu na sala conversando corn Clau.
dina, que todas as noites ia pars IA.
0 quo ha tia Joaquina? pergunta-
ram ao vel-a entrar tio cangada.
SVou me sentsndo, e deixou-se cahir en
urma cadeira.
E' alguma novidado?
Urma grande descoberta... desco
berta... descoberta, e batendo na cabe-
ga a velha perguntou como se fora a si
mesmo: e serA isto urna doscoberta ontt quo
nome teri? EstA bern, pouco me imports c
nome do que sei, nbo ha de ser depois de


0 Dr. Olivier via bem que a confiana
se restabielocia no velho soldado : a carta
anonyma que tinha recebido em Strasbur-
go, quo o tinha feito vir rapidamento a
Paris, denunciando-lhe a conduct de sua
mulher, ficava como um ponto negro no
sea ccrebro. 0 quo ia ser de Antony,
quando elle voltasse a reunir-se ao seu re-
gimento? Se conseguisse sahir da prison,
nao iris, sabendo qae a suia victim estava
salva, tentar novas violencias contra ella;
e nao era do seu dever estar de preven-
91o ? Era por causa disto.) que o piano do
doutor agradava ao coronel.

Mine. d'Hervey, por motive de saiide
sahia de Paris acompanhada por sua inn :
iria para os arredores de Nice, onde pas-
saria a mA estaglo, ficando assim protegi-
da contra aquelle a quoen o coronel cha-
maya urn abomninavel maroto, e por esse
meio o velho soldado ficava tranquillo
quanto A saide o quanto A existencia d'a.
quella que trazia o seu nome.
0 doutor podia assim executar urna par-
te do sea piano: a irma de Mine. d'Hervey,
Clara, era sua amiga dedicada, sua coafi-
dente; tinha today conflanga n'ella, nada
lhe occultava. Ora, isto era pars o mys-
terioso nascimento unm ooderosa auxilio.
Adelia d'Hervey, dentro de cinco mezes,
danria A lIts uam filo, sereM que ninguoem sou-
besse, e, cruel coincidencia, como seu pali,
o infeliz naceria sem nome, sem familia,
condemnado desde o dis do sen nascimen-
to a ser abandonado o ronegado per sua
Mai.


Liso


ae prendeu -corn isso
Sconseguido, o mais
a sew a m anor da-
otiA em afastar-se do
-Ifert|y- estavpefr


001"ar: as Sanhborn 4"d 1 Me# <
pious... tudo, as cs au son e owe
(9 pars participar soe SOWMMbw vo; l wOS
d-cendo se me iiportmr o so q 0.
ahoros teem em vista.
Entlo o qua observou?
MUita cou. 0 Sr. Vital,
-ehores, jA sabem, deded quo fi g
copoiou a frequentar as esas d '".
auI. Eptendi queaqeeli. fireqUt
Sitas tilham algum fim, e baoje, graS t
mim moso, descobri...
-* Dosiobri, o que perguntou EFts-

S- Ora essa! descobri o inm das via-


I-
I.


tas ...
Pois 6 isso, que en pergunto.
Nao deixaras tia Joaquina continwar,
-perguntou Adolpho quo ji eatva, e=ao-
lerisando-se outra vez corn as interrupt
de Estevbo.
Descobri, como ji disp, o fim das
visits. Ha muitos dias que o Sr. Vital con-
tractou casamento corn uma das minsha
amas: a Sra. D. Vicentina.
Porque nao disseste-nos isto i Bsi
tempo ? Isso 6 realmente urnsa grande des-
cobeorta pars n6s.
Acabo de saber agora imesmno. Hoje
pelas 7 horas da noite entrou IA o tad Sr.
Vital, eu nao tive duvida em abandonar o
meu servigo e vir collocar-me atraz d'umna
port, d'onde podia ouvir tudo que couver-
savam na sala. Depois de estar muito IA,
dispunha-me a retirar, porque nao ouvia
nenhuma converse de imp,-rtancia, quando
ougo urmnas palavrinhas do mogo, que a a-
ciam alguma declaragilo; porem, qua] lie
jA fazia-lhe a decaragao; da ultima part
da sua vida, porque, come ell disera,
tevo vergonha de contar-lhe.
Pois bemrn, ficam os senhores sabendo,
que o Sr. Vital vai casar corn a minha
ama.
A creoula ji levantava-se pars retirar-
se, quando Alberto disse-lhe :
Espera, conta-nos o que elle revel".
Tenho ainda de apromptar o chA;
talvez minha ma jA ama esteja procurando,
nao quero cahir em faltas, come o me re-
commendou o senhor.
Mas conta-nos o que ouviste, a demon
de mais um minute rao quer dizer nada.
Elle fallava d'uma nodeoa queo havia
em sua farnmilia, e julgava que D. Braocs,
sabendo disso, obstava-lhe o ecasameoto;
era tlice do rapaz, porque eu cA sup-
ponho que urma mi nio dove desgotar-
se de descartar-se das filhas, que jA estao
mogas.
Mas que falta, quo nodes era ema?
A dodos era de urnma irmn prostitute;
e nio teve pejo de declarar que era a Sr.
D. Claudina...
Esta deu uma gargalhada porque naleo
podia center a raiva, que Ihe ia no inte-
rior.


Bern, bem; disse ella.
Adeus, disse tia Joaquina.
Espera ainda.
Mas, Sr. Adolpho, eu sahi de i As
oito horas ejA slo quasi nove...
Ora, um dia em que se cahe em fal-
ta, desculpa-se. Daqui at li, vas invw,-
tando urma boa mentira para to dcsculpa-
res come o6 teu costume.
Hoje 6 sexta-feira, continuou o bandido
como se fallasse comsigo, e voltando-e
pars tia Joaquina, depois de reflectir um
pouco, disse-lhe :
Domingo A noite faz comquir ua
port qualquer fique aberta, e espera por
mimia meia-noite, pouco mais ou aenmos;
em todo case te previno, porque pode ser
que daqui atA la nao te veja mais, que
doves esperar at quatro horas da madru-
gada.
Agora, podes te ir embers.
A creoula sahio e Adolpho disse:
Cads vez se nos apresenta mais on-
sejos para atormentar os dias desse real-
dito Vital. 0 ensejo quo agora se ms
apresenta, 6 o minelhor que se nos podia
deparar!
____________(Cortiaa)
Adelia d'Herey estava sava, nida an
havia a temer do coroner, cumplice cego
da sua desgraga.
Um anico ponto atormentava o doctor,
urma ameaga diante da qual precisava ar.-
sar-se, um inimigo que devia estsr alerts
-o author da carts anonyma.

Era precise quanto antes afastar o oo-
ronel de Paris, era precise que sua mu-
Iher o acompanhasse durante alguns dias
pars que podesse velar em torno d'.Ue,
afim de evitar urna nova carta que era de
temer.
0 doutor continuous a entrevista, di-


zendo :
Urma vez que estamos
meu caro coronel, 6 precise
que ha urgencia: a viagem
de bern a nossa doente.


n'este ponto,
regulal-o, por-
faria um gran-


Eu o creio; mas corn os diabod dou-
tor, ella estA de cams; encontrou-sa ha
quatro horas em um estado desesperado, a
agora o senhor falls-me c3mo se bastmue
ordenar : Sentido! Ordinario, march!
E' que, Sr. d'Hervey, ereio qo a
noticia da sua rapids sahida de PIM, a
certeza de que escaparA is indcripgfs
da gentle dajustiga farlo tanto c omo o us-
Ihor curative, e calculo que dentro de qua-
tro ou cineo dias, escolhendo umar boa car-
ruagem do posts poderoo por-se a cami-
nho.


isso ?


Corno I Cornnmmigo -! ComO armais
Fallouen-me de Italia, de Nice.
Sim, depois; mas partem jamtes.
Quemr, todos?


Mme. de H ervrey,su fia, a iriL
-; Clara... sim, 6 urns&* r -
gte- Mao vao mower do ab yss"Mmt 1M
Strasbnrgo; n; 6 1A que polo a ha 40 O
rat'; pelo contrario. *,11 1 1 1 1 11' ^ -


* *.


!


1


' '
1^
,."
*' ^


PBOOG




Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E33JPYWT3_TUHWDR INGEST_TIME 2014-05-03T11:12:07Z PACKAGE AA00011611_13430
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES