Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:13424


This item is only available as the following downloads:


Full Text





































RI -oODE I
.oras e 20 m
- 5 ho. ao o


Moje. a Canm d ., ep.R -
tado.. fol approva -eB iwqSaro no.
mtinal. por 56volvevOMr4 46voto
em sparad, 4i|^t4
bona, reconkheee.6, dptado pelo
**0 dittricIo dei% l eraee, o Sr-

0 seliad ApProwow Roje emm 3.a
dbcuss&o oreaumeto do a initerlo
da Guerra par& I t04-1605.
- A taxa do cambi o sobre Lonires
rot hoje de 30 d. por 1$000.


- ings, UT LUNA WASJ


(Especial para o Diario)


. BERLIM, 19 de omaio.

0 01h@o do primenpe herdelre 4o
imperador da Alenaanba v"e vieli
law o Imperador dan Busia I


PARIS, 19 de maio.


a r t. 8 0 ta l e i n 1 2 3 7 d o 2 4* & o u tna u r o 4 1
6 o cuqireute o vaico oormpett para jutgar d
sua oouavewencia, e pwrtanto USo poJi i sr obriga-
Stono para e l. -:
Quando iresmo consteesce inmiApto da guia ex.
pedida at quem tern dlavrar a escrieptura, nA
dcvein oe s eates fiacaes recetict-o, nil s6 polo
quo ficadit, eun p.or e dots em ro sera o s i-
1,ial 'que limllI a o ffi
euompetente par&
expedir a guia opogamento do imposto relati-
~vo Atranseria o oque, nsa fr-
ma do o. do art 7. da citAa lei, tiver de f,-
zer a transcrip~lo.-Iwfaiette Rtdrigues Pereira.

Min terie4 da H~lqa
Por decretos de 10 do corrente:
Foi deelitrado avuloj a pcdido, o juiz de direito
da comarca do Prata, na provincial de Mia.s Ge-
raes, Severino Eulogo Ribeiro de Rezeade.
Foram aneoados .:
Juiz de direito da comarca deo Prata, de l.a en-
tranuia, na provincia de Minas Geqrsea, o bacharel
Jos6 Theotonio Pacheco.
Jaiaes municipaesc e ,orphios :
Db.ermo da Pnrificaolp, na provincia da Ba-
hia, o bAcharel Adolp he Eaygdio LUaL .
r.Do o., Uraguayana, de 8. Pedroi do Rio
Grade do)Sul o bacharel Pelino Jowpirm da Cos-
ita ChiedliB.,:: ^ 1 ,.. ..-,. ;
Do daL a o Term ade Pediro do Rio
Grade doW4l, o bA Macot um sia Marquis
Ma-se grog 4. smnl vtia do : IIe 1
t-se Mierck das $RONli NONS ieAQ daw Owesio


I Tade C i M Paisse portaa na f6r-
,mar JeqB*.
Baehareo Vicente kreira do Reigo.-Elcami-
nbhc-e, deVondo se* pago na repastiggo dos Coreioies
-o port do officio hoje expedid sa Ministerio da
Justia.
SSecretari, da. Presidencisa de Pemnambuco, em
20 de maio de 1881. .


R0 pareq ,4a ieIa
SeOC93 24' N.-53 7..-- $Soeetaiada Poli-
cia de Pern&mbuco, 20) d ia de 1884.
i11m. o Exm. Sr. Partiipo a VExe. que
foram hontem recolhidos A Casa de Deten-
gao, os segnintes individuos:
A' minhak ordem, Francisco de Salles e
Silva, remettido come alienado polo sub-
delegado de Beberibe, ate quo possa ter o
conveniente destiny, Jos6 Manoel Bezerra,
vindo do district de Catende come sen-
tenoiado e Anselmo, escravo de Francisec
Aitonio Cabral de Mefo, por andar fiT-


0 dmque dAumale aebha-.s sereia-
,-e*te indlsposto, tuiMptra1O ailgm
fmfldad sea estado.

Ageneia Havas, filial em Peraambuco,
204 maio de 1884.


(EFritrahi&a)

PARTEg ii
ANATOMIA E PHYSIOLOGIA
(Continuag&q)
0 arcnque 6 um peixe pequeno um pbuco pare-
cido corm a sardinha.
Nao chega A nossa latitude, vive nos mares mais
aonorte, e 6 ahi de uma grandissima importan-
cia.
Seccos ao fumeiro 6 que os arenques ao mais
consumidos, e que os apreciadores os acham mais
saberosos.
E' nas costas dos paizes do norte (da Hollanda,
Suecia, Inglaterra e mesmo da Fran9a) que os
arenques desovam, e e por uma razao ben natural
que os arenques depressa se retiram para maiores
profundidades e se dirigem para os mares do norte
onde encontram maior abundancia dos crustaceos
e animalcules que Ihes sei'vem de alimento.
Na primavera os arenques procuram os ri5s, bus-
eam aguas menos profundas e. mnais temperadas.
Encamrninham-se entio em grande grupos para o
aUl, chegam ao Baltico, As costas da Hollanda,
para depois de novo tomarem is regimes polares e
passarem o inverno sob os gelos d'aqaellas inhospi-
tas paragons.
Nos mezes de abril e maio at6 junho e julho-os
arenques cobrem os mares das Ilhos Shetland, for-
mando densos bancos de algamas leguas de exten-
slo e de alguns metros de espessura.
Estes peixes passam, depois d'esta epocha, para
os mares da Escocia e da Inglaterra; e 6 durante
o0 mezes de outubro e novembro que se effectuam
n'estas paragens as grades pescas do arenque.
No estreito de Caslais e na Mancha (ehegando
atW i foz do Sena) encontram-se bastantes aren-
ques desde o meiado lie outubro att6 ao tim do
anno.
A desovaqgo dos arenqces comeea em julho e
agosto. Os arenques maws velhos desovam pri-
meiro; depois seguem-se os de menor idade.
Pareee qne as condiges de temperature, de tran-
quilidade relative, e de pofundidade, influem na
epocha da desovagio. Ha certas localidades em
que, durante o annue todo, o arenque desova.
0 arenque depois de desovar, torna-se magro e 6
pouco estimado. Chamam-lhe entAo os peseado-
A m tidade de vs o aaa a.
A quantidade deoeves 4 no. arenanas wardadei-


Mialsterio da Marlha
Per decrete de 10 do corrente mez e de confer-
midade corn a lei n. 2,296 de 18 dejunho de 1873,
foi promovido, per merecimento, a 1." tenente
da armada, o 2." tenente Benjamim Ribeiro de
Mello.
Por decreto da mesa data foi nomeado
inspector do arsenal de marinha do Para, o capi-
tAo de fragata Carlos Frederico de Noronha, sen-
do exonerado do mesmo lugar o capitdo de mar e
guerra Jolo Gomes de Faria.


tas.
0 delinquent, quae se chamina Severino
Ramos 4e Barros, conseguio evadir-se e
contra o mesmo precede-se nos terms da
lei.
No dia 16 do mez find foi capturado
pelo subdelegado dodistricto de Palmneiru,
do termdo de Garanhuns, o criminoso de
nome Jolo Vieira Paz, alli pronunciado om
crime de furto de cavaUos e nowdo morte
e roubo nas comarcas do Aguas Bellas o
Cimbres.
Dens guard a V. Exe. -Illm. o Exm.
Sr. dosembargador Jos64 Manoel do Freitas,
muito dignopresidente desta provincia. 0
choefe de policia, Raymnundo Theodorico de
Castro e Silva.


555~ fktcO9 M-Abe- v P ie-presidente urn.
nm 4 40&g d.guerra a sun
Met- M o18, pteindoU queo. vtassem

0 P liussk da reform judieiaria,
0 ,^riiunciou nin soberbo
^disro, 4?iniget nactado n1 somentc
antu ^ Uostrando osdeeitos do projscto,
Be4a de sA|3 aaaurniptosomni o ineidt do 25
a# *^ *p 545 da em6a Provincial
;do rAyJsle tal comet'omo tern camiubado
cam 4bltf o.gooergno a pento de s nains pro-
vUieiakor tilpaeside assistzr at urna festa
abolic-'ojaai~ asig~r- i a act& cm quo se declared
nCM ip^^ v46 nevzide. que vai sor agor.i
m qui official trtou amibem do regula-
wento governapai-sa desamortisapao
dos bei orders, e cnuro o asto do governo
relatives s doipitoas fitos per ordem d:) juiz e
quo s6 pe* swtepotdian ser mandados levantar.
Na segnd parte da ordem do dia, discnssao
0 oraineintt d o.iisterio d'Agrieultura, oraram
es Sr-. BRao de Gaahy e PRirtti, aquelle trae-
tando cor desenvolvimento do questoes graves,
nua quaes envolvou algatmis que interessamni a saa
pro0vineia ; hestcpr ifalta de tempo, visto tosar-
the a palava manmto -tardb, dos engimhos entrke-
e dos ntetoses Ia lavoura que a ellea se ligam, e
do melhoraiento do pocto de Pernambaueo, per
euja cota sorem as despezas da nova p!te do
eife, ebrA para a qpal ehamia a .ttenglo do Sr.
mnstro. ..... .
NO enl _doeppis de um discurso do Sr. Nunes
Go.galveisobr eo.prjecto que alter a legislaglo
reativa as aces hypothecarias, cantinuou a di-s.
eusio do orgaptnto do Ministerio di Gurra, to-
mandoainda a, palavra o Sr. Silveira Martins,
que, & titut.o de repliear ao Sr, Jauqueiea, disser-
tbu sobre os veitdadeiros principios que regem o
teia representative e passou a exhibir os
conlie netos qee possue sobre negocios
itares e qsuto audsa apar daguerra moderns.
berva e qae nio havia smatentado a restan-
do wc g orporal ns prasa do exercito,
ntqueotie disse &uinjo tur iraeertada a abo-
S do$ d to34 de ici na, deviam aim,
st rebt ueI u pado ubis' uS havia mat
em quoA4 a e u fwailchios e inoorrigives, e
ugesto a 4 0 os pr que um nexercitoe
dWiti 4.am
ep.4 d: se 0i"sdo co


9 M
anut*! .... opWmmos du. -
Sji w O rs u qr ou -

Ron. w---- 1usiM ers, 0 pasloa 14.-
pond(i. MrT~gcoeque The haviam- fei- *
tas, di I ao que s referia ao, -Mn-

.ato d .o l cin Cae t, i qwigiowonj uiori-
4Wde. eo 0-gmz ^ndikida6 *be Ji^ codai 6-I

.a e "6 qustro ofilciaes,
sc dores 4 ~xpediio-se oream 'pars que ve-
lajustij!:mwo de p rwtawt, JLaa-
ia~uUca^ ^eomrmeddadereoiaueio, qtan- i
do alqun" officiaes eram indigitados como implica- s


Quando o govwrno teve certesa, pelo result hb
do uiquerito, que alguns officiaes estavam impli-:
cados no incident, fez domorar a remessa dos pA-
peis ao juizo, e, guardando todo o segredo, tratol
de ir removendo isoladamente, da gunrnico d.t
corte para as das 'rovincias, takes offiesaes, afim
de quo quando depois de prbnuneiados, tivessem
de ser recolhidos a prido, neo Ihes fosse a or
dem intimada alai na eorte, no respective quar-
tel, onde o espirito de classe e o sentimonto. cam-
mum que a todos ligava nessa questlo, poderiam
causar algum aeto de insubordinaglo qu' so pro-
pagasseaos outros corpos de guarn- 9io, dando-se
entilo urma sediglo, que o governor n-lo teria meios
de reprimir. Foi tambom igual receio, quando era
sabido que today a offleialidade da guarnicol esta-
va indignada e rsvoltada contra os excesses do
linguagem do Corsario,'que fez corn que o Sr. Ro-
drigues Junior, reanido em confereacia corn os
coltegasna Secretaria do Imperio na occasiao em
que se deu o incident, recommendasse ao ex chefe
de policia que evitasse oonflicto corn o exercito ; e
reporreram ao expadieate de mandar chamar o aj a-
dante general, o que, no mou entender come o dis-
se, foi a peior das lemban-nas que podiam ter.
A remuogo, pois, neo s6 desses offisiaes, come de
quasi todos do regimentos, um aum e corn pretex-
tos simaulados, desde o commandant at6 a aj-
dante, foi medida de precauoil, come bern diss o
Sr. Franco deSBA.
. Excr. respondneu aiuda a outras questueo, dan-
do explicqaes, como quem ji esti emfronhldo nos
negocios da sua pasta, mais depress do que os
seUs antecessores e fallando corn acerto nas opi-
nioes que emittio.
So algum motivo poderoso e de alta political Uhe
nio pesar no anim), descoaflo que os- negeeio dol
io-Grande nao se arranjario corn mais facilida
de do que com o Sr. Rodrigues. Pelo menos umas
pronlo9e9 qu acabam de ter lugar, espeeialmente
no estado-maior de 2a lasse, nio parecem in-
flaeuciadas pelo inuano, eomoehamam i1 no sul
a ur eerto vento, que mais aabrunha a gentle do


S roemos do, Nbo &j as no Pago o de Apul-
irode Otstroe.
Estando terminaoi os tre, quartor de hora para
t aerqentos, obiervyou o prmosi&-no ato Sr. Ma-
cl, qq)huvit podid) a patavra, qtr.' soria preciso
1u aaCamira votasie proro,;.it9I) di hora para
quo cei respondesse ao Sr. Andrade Figueira.
NAo 6 prceiso fallarei am:iiili, disse o Sr.
Mieiel.
NAo obstante, requercndo o Sr. Andrade Fi-
aeira prorogagilo da. hera foi esta apprtovada por
41 contrA 43 votes, votando contra os ministros.
E' d ida a p.itavra ao Sr. mininistro do imnprio
quo co:n c;l dizendo que nao votou pela urgencia
parquo parocceua, lhe que nenh'tima urgencia havia
na resposta aos quesitos forinaibIco3 pelo honr;ido
deputado, corn pr juizo do regnilar andan'nto dos
tr.Lbalho3 quo estilo na ordem -lo dia.
SA isto observou o Sr. L-'mrenqo de Alftquerque
qne 6 ninua cansura a maioria que voton a urgen-
eia. %
0 3r. Maciel rospaule quo nb-o faz consuras a
ninguem apenas expende o souea vote corn a costu-
mada franquesa; e quo quanto a eleigio para
preenehimento d+ vaga existente na deputaVAo de
Pernambuco, serA feita no praso divido, e se assim
nao aeontecer o rasponsavel ter.a dovida paninao.
0 Sr. Prisco Paraiso disse, por sua part qtre,
quanto ao relatorio nue tinha de ler n'aquelle d a
satisfaria a primeirap3rganta do yr. Andrade Fi-
gaeira, e que a segunda, o delicto, depois de ap4-
rado, foi reconheeido come particular. I
Depois passou-so a discussgo da reform judi-
ciaria, orando os Srs. Mafra e Anisio, a quena
aquelle deixou muito pouco tempo, de mode que
nao foi possivel dizer tado quanto pretendia, ainda
miii por causa das observagoas do president, o
Sr. Moretra dc Barros, eorm o qual travou o seguin-
te dialogo, que nio deixa de ser curioso:
S0 SB. PBEtsmENr previne que o nobre depu-
tado excedeu da hora.
0 oa&Doa-O Sr. Candid- de Oliveira fallou mais
de uma hora fora do tempo.
0 Sn. PRzswmznrr-Eu mando o regiment a V.
Exe.; leia o art. 100, e proceda conio blhe ordenar a
suS conaeiencia de representante da nagao.
0 OoADoB-Perdoe; eu ano posse attender a V.
Exe.
O SB, PBSIDENTZ--V. Exe. tern obrigaglo de
mi attender.
O omAooo-Eu quero eondaluir o men discurso.
0 SB. PstIDBXr-Atten io.
0 otADs-En quero conclair o men discurso.
O SR. PUsBu TrZ-Attengo!
0 oAmoao-E- i quero coneltuir o men discurso.
0 SB. Paunsum--Ahi- vai regimento; V.
Exe. proceda comoentender.
0 Osino--Eu entendo que devo continuar o 0
seo diAice o.
Pax= mai divoas erm .ideraoes e acalyando o
projeeto fazendo ata4 o perigieoqaoh lver* em dei- I
tar-. ao arbitrie do ministry a nomea0o dos ma-
gitrado". Prefer o coneurs'o a ease arbitrio, e
ternm a opinilo de urn senador liberal corn mrela*o
lanole meio de provimento., (
Tracta tambem da constituieao do 'supremo tri-
biunal dejusti"a...
O SL PMDWNXTE -En nao posso acreditar que o
o nohre deputade tenha per fim me desautorar.
O oa9a&o-V. E i estA me interrompendo.
O S&. PauBswurT-9 nobre deputado est& fora
da ordem.
.0 OADoS-V. Exc. 4 queo est t.
O $a. Pazsmnmm--O nobre deputad o tern a de-
reor de attender-me ; traeta-seo do cumprimneuto do
sea dever e do matu.
O OBADOu-Mas en pego um poueo da condes- c
endeneia que houve para coa o Sr. Candido do
)liveira, que fallout muito tempo fora da hora. e
0 Sa. PaEsIDENTEr-V. EX. nibo tern razio. r
0 oBADRo -Nuaca so vie mandar um deputado j
entar-se. r
0 SBa. PRESIDENrm-Eu you mandar ler o ragi-
aento polo Sr. 1 secretario. c
0 SR. 10 sECETARIo-ArtL 100 do regimeato... I
0 ORAD3B-EU continue a fallar. r
0 SB. I* sECRETATio-Para brm da Camira, V. x
Exc. acha-se isolado.
0 ORADOR, coneluindo, declara qae o-minisierio N
liberal, A semelhanga das antigas divindigd-
agis, renegam hoje o idolo quo adorara n hon-
em; o partido liberal, no powder, es:lueeua-se de
lias aquella promessas corn que enganou a na9Slo 1
or tantos annos, illudindo.a corn essas ideas que
oje esto abandonadas. v
No Senado, depiAs de ter tomrdo assento o Sr. s5
aimsaDaarte, votou-se o orcarnento da guerra, c
pds um pequeno discurso'do Sr. Pelotas. n
15-- n
Aproveito alguns mementos, antes do'feohar-se g
mala do Equatsur, para dizer alguma coasa so-
re o que oecorreu hontem na Camara. a
Depois de encerrada a discussio do orcamento f<
a agriculture, que foi votado, entrou em discus- ^
0o o oreamonto do ministerio da fazenda, corn- P
arecendo o Sr. Lafaytte. Immrdiatamente pedio ft
Sr. R )drignes a palavra e exigio que o Sr. pre-
idente do coaselho explicasso a causa di modifi- V
ucAo ministerial. g
0 Sr. Lafayette fqi proinpto em responder, nao p
om a attitude calma e frin que costume manter, e
ias corn calor.


terio da agriculture.. Foi eneerrada, a requerimen-
to do Sr. A. PimnenteL
S Id1o votar-se, o governor soffreu urn dutro
golpe. ,
a A requerimento do Sr. A. Figaeira, a Cama-
r.i resolve qae fosse nominal a votaaio acerca
da garantia de juros & estrada de ferro de Para-
guassui, ni B.abhia.
SFoi approvada a garantia por 48 votes Von-
tra 41.
n 0 Sr. ministry da justice votou a favor e o
Sr. ministry da agriculture contra, isto 6, S. Exc.
win nos3 negocios da sua pasta mostrou ter fqrca
para fizr valer a sua opinion. n
Eis o que foi a sessalo de hontem Nzlo me res-
ta tempo para ajuntar nenhuina consideragao acer-
ca do oceorrido.
No Senado comegon a discusslo do orqamento
do ministerio da inarinha.
0 Sr. Affonso Celso, que havia formulado na
sesslo do anno passado umn programma da econo-
miias, lounge do apresentar, eomo membro da com-
missao de orgamento as emendas que prometteu,
poz-se de accord corn a opiniao do actual mi-
nistro.


DIARIO DE-PERNAIBUCO
RECIFE, 21 DE MAIO DE 1880,
Notielas do Pacifico, Rio da Pi
ta e sil do lImperlo
0 paquete francez Equateur, que passou hontn
para a Europa, trouxe do sul as seguintes noticirs
e mais as que ons'am das rubrieas Parte Offic!%'
e Interior :
Pacifico
Datas telegraphicas at6 7 de maio:
Notieia urn telegramma dc Valparaizo, datatko
de 7, que Antunez serA nomeado ministry da gier-
ra do Chile, e que as forgAs do montonero Caceres
ebtao distribuidas em Ayacucho, Arequipa e Cusco,
organisando-se em batalhoes.
Ele da Prata
Datas de Buenos-Ayres atW 8 e de Montevideo.
atW 9 de maio:
Realisou-se, no dia 6, a abertura do congreaso
national da republican Argentina, conform em tem-
po noticiou o telegraph.
Na mensagem do poder executive, o general
Roca fecha o artigo relative ai relaOes corn as
aa3es estrangeiras corn o aseguinte trecho concer-
aente ao Brasil: a A queatio de limited corn o
imperio do Brail continue no mes n estado, 5gej
qiae isto faea reeiar a mais leve deaintelligencia,
e ooufio, pelo eontario, que ella ha de ser resolvida
hionrosa e satisfactoriamente para amba as na-
goes. .
O conselho deliberate municipal de Buenos-
Ayrea suspended do exercicieo deuaa funcOes,
luraute dous mezes, o intendente icipal Tor-
quato Alvear, por negligeneia no cumprimento do
seus deveres. W
Nada do important da Republica Oriental no-,
ticiam as foihas reeebid
31. QwSde d4aI
Datas at6 11de maiw:
Os trabalhos da Assembl6a Provincial foram
adiados para o dia 9 dejunho proximo future.
0 Sr. Antonio Pereira da Silva entrara no exer-
icio do cargo da thesoureiro da alfandega da ci-
.ade do Rio Grande.
Foi nomeado promoter public de Uruguayans
i Se. Augusto Uflacker.
Assumio as funcoes de consul de Portugal na
.idade do Rio Grande o Sr. Luiz Augusto de Mou-
a Pinto de Azevedo Taveira, tendo igualmente
urisdiao nas provinciaes de Santa Catharina, Pa-
ana e Matto-Grosso.
SRefere a Discussao que alguns ladroes, abrindo-
or have falsa a port da loja de joias do Sr.
30op;ldo Masson, estabelecido na capital, rouba-
am objects de ouro no valor de 16:O00A, dei-
ando ficar as caixas.
Tentaram forgar o cofre, mas nab o conseguiram.
,a loja nao dormia ninguem.
- Da villa de Piratiny escreveram ao Correic, o
tercantil, de Pelotas:
, Mariano Nunaes, 6 casado e pali de quatro fi-


0 que so aseguio nio tenho tempo para aqui nar- 5e
Ir. Reeommendo o extract que da sessio dai o m
rornal do Comnnrcio da hoje, que alias nao m-n- so
ions o sussurro e a agitag'o que so deram duran- m
a o debate. Nunca se vie tanta falta deo cortezia A
atre homens que acabavam de ser colleges no ci
overno. I
Scoomeo dasessio ja tinha sido'agitado, tendo
governor soifrido un pequeno xaqu una votagao a(
te uma urgencia. .
Tendo o Sr. Cruz apresentado um reqaerimento
obre negocios do Para, e tendo o Sr. Mac-Dowell ti
edido urgencia, foi esta approvada per 45 votes, fr
ntra 44, votando contra os ministers. S
S Acode ento ia tribune, enraivcido e ep u
iute. o Sr. Candid e dM O uira. di, a Gos ded a


is
v


4t






























_5j A~-- AmcaWe Flu*um~u1 amu a~i. W dotbI Ceari, i.eAbW*.%s Uald6S pIX;,'(
aspo a du d mcio do ani o nae m alt o sbos u b A to o isnnoss os
-li~a ~o A utde Mn a& i da eoacessao feita poz 4deeeto a. 8M de I&da
ii.oAra,09t~ falleelmantos do aga,,ste do anne proximxra passado. A conicassgilo t-
..... io l Brnardea da Sil t 7na cidade r Pr A 20 Bs ao podenalo o governo, ,drane
dCiat,.. Francis, Silva ,S. este pLazo, permittiranamcdecabos tr
SJose do El-Rei. Iupee a s3 Estades-Uaidos da Amrrica do Norte.
os d I-noi. te9A-mesanA f!iha do 14 aotieia aue na Vaz r
M-nL- no Arautode M~aiade9: L. Q -,n,.
SEscrevem-nos da eidade do Rio-Novo, emi 27 o w 9r. -unnio Hacula de 0o* a BaCIe.a,
dc abril: .. io tse aro, e etem
P A O ]dii Q t U li g a ke t-a ,g do d ea te~ e, a o
Na manhi do dia 19 d- corrente foi preso pelo m3sMo, Miw 0exercies ao 9r&. n.
sangento commandanto do destsewntowi -%t-
Stent0, Jolo dos SantosIU 8. .0 orros Pimntel, substitute legal. .
..,-,, 3 ... do Paula. o imporrtantrssimo Lemos na m3sma folha da I& "
r- ao3,,Q Jde Paula Pereira, pronunciado A noite s>b a preaideacia d Sir. Ar te-tntem
41r ter-no de Ubl, pelo assassinate barbaro prati- dy, rennio-so csta conumisO- od edeo tepon-
ealo na pesso.% doinfeliz Antopio S. de C:.stro, nas Senadoac!ianda-- e- ooaj ip-
p.aas do art. 192 do eodigo criminal. 0 assassi- coomis.49, "ept ,t I em unba das salas do
no eMtava refugiado n'este termo ha 3 para 4 an- Barros e w o 'ue atos 0s m'abroa da msma
nos, na fazenda de iim parents, da onde podia s6- Beliwi -' ..ados conselheiros Moreira de
mnate arrancal-o- a actividade e zelo do d4igno sar- aoer- Doria, Drs. Candido de Oliveira,
geuto Lima, credor por isso de tod os laouvoG- Ia Souza e Soaza Carvalho, deliberor-so
ris. .;a do urnm project tendente a altjra;o do al-


apart-f. ,,_
.TIGA Desejo nmaito
0 Or^auaesto; mat is"


,o a Av~%Wor o te b colntia a-
,ttellde'ndo OQ zupr? t$ tn1 1s
0 Siri.e'OyDRUo MABDRQo d .i,3j


t
rI


S. Pauil gumas adisposioes aa lei emeiorai us u j aneiuro v
Ditas atW 14 de maio: do respectivo regalamento.
Dera-se comeeo, em Aras,, s o a lia
ua liniha telephomcac, qe a 0 Datas at6 18 de maio :
Lumrindo Jos do Carv-' assentameuto de Proseguia em seus trabalhos a Assemblea Pro-
Sadide de Queluz. .a fazenda do major vincial.
P. approve' .,hio P.nna, val ter A ci- Foi designado o din 3 de agosto para proce-
' Pedro August- der-se no 90 district a eleicao de um deputado pro-
De .to em defeza de these o bacharel vineial.
L guinte ,. arneiro Lessa. No dia 15 reruniram-se para mais 500 caixei-
Joo da Boa-Vista communicam o se- ros, no salio do Club Caixeiral, para ofim de re-
ao Diario de Campinas: presentarem a Assdmblea Provincial contra a me-
S Foi descoberta em teiTas pertencentes ao fa- dida lembrada pela Camara Municipal de ser re-
S zandeiro Gabriel Garcia da Costa, d'este munici- vogada a postura que veda a abertura de casas
pie, uma nascente de aguas ferreas e sulphorosas, de negocios a1s domeagos.
quie, segundo a opinion de intelligentes clinics, Muitos negociantes, presented, adherirarn a idea.
seo uteis no tratamento de varias enfcrmidades.
a Ha poucos dias o Sr. Dr. Public Constancio e".........*......
de Mello, aqui resident, e o saeu college Dr. Mat- P D I O
ta, Machado que estava a passoio n'esta cidade, fi- PERI AID Co
zeramn urma excursio ata o lugar da nascente, le-_______________
vando alguns instruments de analyse, e verifica-
ram nas aguas a existencia do ferro e sulphur em ASsemia Pua ninial
regulares proporgoes.
a 0 Dr. Matta Machado levou comsigo para a 40a SESSAO VM 28 DE ABRIL DE 1884:
corte 6 garrafas d'aquella agua para ser analysa- Rts CA DO EX. S BA DE ITAPISSUMA
da pelajunta central de hygiene public. Muitas t ci DO Ex. i. AR D ZTAPSSUA
possoas tem ja usado da refenrda agua com bons (Conelusao)
rcsultados. 0 Sr. Visconde de Tabatiuga--Sr.
L-se na Gazeta de Campiimas: president, nao serei eu quem venha dizer quo os
a Em Areas, noesta provincia, no dia 4 do cor- nobres deputados a o heticios, porque eu nao vejo
rente, alguns mopos tiveram a idea e puzeram-n'a aqui senao legitimos. Mas sem embargo d'isto
em execugio, de saber por meio de eleicio, qual a en tenho de me admirar de ver a allaviao de emen-
n-xma mais bonita d'aquella cidade. das que se manda a este project, nao se atten-
A eleigio correu corn toda a calma e regulari- dendo ao estado de finances em que se acha a pro-
dilde, obtendo maior numero de votes a Exma. vincia.
Sra. D. Maria Engracia Ferreira Penna, fiha do 0 SB. MAjxcmIo DRARTE-A provincia nao ternm
br. Jose6 Joaquim Ferreira Penna. nada com isto.
a A' formosa arnense foi entregue urma custosa 0 Sn. VISCONDE DR TA.ATIGSA-E corn que se
caixa, coberta dc velludo e guarnecida de metal, pagainam as empregados? E' corn as palavras do
contendo urn rico estojo para costura. nobre deputado.
a Aqui consta que se vai proceder a urma elei- Eu nao digo que se nao do licenga aos empre
to para ser premiada a moca mais feia. Quern gados, mas com todos os vencimentos 4 que md es-
ter-A a felicidade de levantar o premrnio? panta, porquo a provincia nao tern dinheiro para
Bio de Janeiro satisfazer esses empregados e a esses que Ihes vao
Datas ate 15 de maleo: substituir.
Constam as principles noticias da carta do nos- Ea s6 ouqo fallar aqui em economic; s6 opuo
so eorrespondemte, na rubrica Interior. .dizer vamos fazer economic, mas em que ?
No Senado, A 12, depois de ter orado o Sr. UM SR. DEPUTADO V. Exe. vota pelo cre-
Nunes Goneal es, foi approvado em primeira dis- dito ?
cusslo o project sobre a reforma hypothecaria. 0 SR. VISCONDE DE TABAT1TGA- 0 credito nao
Na segunda part da ordem do din proseguio a ,sta em discusado e eu ja disse o que entendia so-
segu-ula discussao do oraemento da despeza do bre elle.
Mi'listerio da Gaerra para o exercicio de 1884 a ) n -smo SR. DEPUTADO-0O nobre deputado disse
1S5, e oraram os Srs. Silveira Martins, France quo votava contra
do &I ministryo da gaerra) e Correia. Ficou a 0 Sit. VISCOXNDE D TABATINGA-0 Onobre depu-
di;sensao adiada pela hora. taale iido podu me lancar isto em rosto.
N Camera dos deputados, no mosmo dia, en- O MS.:sr, SR. I)EPUTADL'C -Eu sou incapaz disto.
Ir .i l) em discussed a acta da sessdo d) din 9 do 0 Sn1. VISCONDr DE T.ABATINGA-SOU incapaz de
co--te, osSrs. A.drade Figueira, president, Car- fallar a favor de qualqucr cousa e votar con-
neIro 1'a Cunha e 1 secretario, fizermAin varias oh- tra.
sr'rv:-ooes s~bre o pirecer da commisslo de poll- j Como ia dizeudo, Sr. president, s6 ouco fallar
cla ri maio zA enUteaaln nas galomias destirndnis no
c7. r0l:aqi'vo a ent aa nas galerias destiiadas ao aucm economia c entrctanto na-o se tem atten-
pu)i& i, c nas triban'is reservadas e ganlcrias ii- luo ao estado da proviucia.
t rnait, approvad.io n'aquella sessao. D pois di 0 SR. ANTUXuS PNriniEmo-E' o programna de
leitr,--L do expedicite, o Sr. Rodrigucs Junior fez V. Exc.
alg:-i'a. obscrva A ntas. 0 SR. VIscoSDE DE TABATIXGA-O que tern quo
Na riinaira p :irt:" da ordemn do dia, continuou a gsej o men programma. 0 nobre deputado 6 que
tceirooi- discussdo da reform judiciaria, que ficou vein i de Oinda corn a iua emenda fozer favors,
adi:id: depois de orar o Sr. Mac Dowcll. Na se- custa da pmovincia.
gundad part, continuous a segunda discussao do K u uao tenho nem emendas nem projects.
m:nnaeuto da agriculture, que fieou adiada, tend 0 SR- OLYMP'i MA RQUES-M s o nobre deputa-
orado os Srs. B:arao do Gaahy e Peretti. No in- do voton peaI proplsta nomeando o empregado
tervllo de um A outro discurso, o Sr. ministry da para a Secretaria.
gucrra apresentou o seu relatorio. 0 SB. VIscoNDE P TABATiNGA-Votei pela ne-
A' 13, no Senado, foi approvado o parecer cessidade do servi.o public. 0 nobre deputado
d c cnmmissao de constituicao e poderes sobre a n i p6de me trazer isto em rosto, nao sou deputa-
elimdlo de um senador pela provincia de Minas- do que apadrinhe afilhados.
-Cmdes, e declarado senador do Imperio o Sr. con-
sollheiro Jose Rodrigues de Lima Duarte. Portanto, Sr. president, attdndendo ao estado
Depois de breves observan5es dos Srs. Correia e preeario em que se acha a provincia, ache que o
Cruz Machado (1o secretaryr, passou em primeira inconveniente tantas emendas concedcndo ordena-
discusslo, corn dispeasa de intersticies para a se- dos e gratificacSes a individuos que talvez ato me-
gunda, o parecer da mesa para que seja approva- ream.
do o eontracto celebrado corn o Jornal do Corn- Portanto voto contra todas as emendas e nao irci
mzc-do relativamente a publicagao dos debates do contra o project porque o relator da commirnrnssao jA
Senado. disse que acceita essa emenda s6ment e corn orde-
Proscguio a segunda discussao do pro-jecto nado e portanto vote contra todas as outras.
de orqamento da despeza do ministerio da Eu so olho para o bem da provineia. (Apar-
guerra para o anno financeiro de 1884 a 1885. tes.)
Orou o Sr. Visconde de Pelotas e f i approvado o En s6 olho para e bemrn da provincia,-nao olho
projocro corn as emendas, sendo dispensado do in- para o bem do mindividuo.
tersticio para a terceira discussion. 0 nobre deputado, pornm, nao pensa assim e
Sem debate foram em soguida rejeitadas em se- traz a suna emrenda protegendo um professor.
gun-la discussao seis proposicoes da Cam-ara dos (Cruzam-se muitos apartes.j
Deputados concedendo dispensas pedidas per es- Assim, Sn. presidepte, nao 4 possivel discu-
tudantes; e a proposieao maudando oerot a des- tir.
peza necessaria para a reconstruccao da igreja 0 Sa. PnEsIDENTn-Attenao Atteneado! Pe-
paroch.al do Campo-Grande. c aos nobres deputados que nao interrompam o


Na Camarnaa dos Deputados, no mesmo dia, de-
pois de algumas observances dos Srs. Ratisbona,
10 sccrntario, e andido de Oliveira, foi approvada
a acta da sessIo antecedent. 0 Sr. president
participou & Camara que tendo side escolhido e
reconahecido senator pela provincia de Minas, ia
tomar assecto no Senado, e despedindo-se dos
sBus colleges, pronunciou corn esse proposito al-
gumas palavras convidando o Sr. vice-presidente
p :ra tonjar a direecgo dos trabalhos.
0 Sr. Ignrcio Martins propoz e a Camara una-
ninm-mnte approvou, que se inserisse na acta um
voto de louvor ao Sr. Lima Duarte. Depois fize-
ram algumas observances os Srs. Sevcrino Ribei-
ro, Andrade Figueira e ministros do imperio e da
justice. Na la parte da ordem do dia, reform
judieiaiaia,, oraram os Srs. Mafra e Carneiro da
Cunhas ficando a diseussao adiada pela hora. 0
Sr. ministry da justia apresentbu o relatorio da
repawtialo a seu cargo.
Na 2a parte, orgamento da agricuItuar, oraram
o3 Srs. minintro da-agieultura e Jardim, ficando
tambem i discussao adiada pela hora.
-.A' 14, no Senadao pretou jumarnamimtoe to-
mon assent o Sr. conselheiro Joas Rodrignes de
Lima Duarte.
o -Sri Cornea jstifioow~nxi requerimerto pedindo
intormaes a respeito dos motives qauo determina-
raim v demieso do inspectreral at. IaentrUelo
d6 eonselho, foi este -raquerfinto approvado,

: blaa're.os4amr r rosidento
SEntron em 2'ae utiaaius icusoo a paoewr as
faapropolci vildoeontra qne eele-
Utepomo Jorntalo CAperc ] ,ipablica-
A debates e Amuntod Seadoo orram oSrs.
.~ "* dsl'i.Kta-presidenBte" 'd cneh, v. 1 *
4# 10


9
l<
a



1
i


ux wktvs.
0 SR. OLYMPIO MARQUES-NIo possivel effec-
tivamente discutir corn semelhantes doutores.
(Riso.)
0 SR. VMscoMDE DE TABATINGA-Corn semelhan-
te gene. (Riso.)
O S. AiNiruNEs PiHEmRo dam um aparte.
0 SR. VIscoSDE DE TABATINGA Quando estao
feitos patrons parece-lhes que se Ihes toca nas
veins e que ficam feridos.-
0 SB. ANTURS PinmsuIo daum apart.
0 SR. Vgso.DB DE TABATINOA Aquelle nobre
de putado 6 o mais ferido Sr. president.
(Apartes).
SEu posso ser patrono, patrocinar e remunerar
o meu afilhado, mas corn o que 6 meu e nao corn o
que 4da provincial.
0 SR. ANTums PmIummo-Olhe a companhia
lyrica.
0 SR. VIcoxDn DE TAmATXMGA -No venha comn
o passado: nalo traga o ridicule, para esta casa ;
so o. nobre deputado supple que trazendo o ridicule
para aqui me ofimde, estA enganado; venha se-
rio para esta casa (apartes do Sr. Atus Pinhei-
ro) ; seja maisrespeitador, nao traga, o theatre
lyrieo, suppondo que me faz abafar a voa.
0 SB. AiTus PnmBmB E OJTOaSBS.D IpUTADos
dao apartes.
0 SR. PRmsIE -Atten*1 Atteno
0 SR. VIsoeoun DE T"AnxaA-Amsim, poise, Sr.
president, o meu clever 6 pugnar pdo intereasa
de quemr me paga e me manda paras- aqi' defe
del-os. ...
Eu tenho umas constituinte que Rio poso a ban-
donar, 8r. president.
0 SB. OL n B m s-- a _agtioultura .
0 SN.ViscoDB ruE TAiAmTitA-duobw T dop k -
esti engauado, 6 a proviiviasapar qpe -a prwvi*-
eia queo in mnsaada p qti; mas-qfique Otar o
nobre deputado ue tei dea defender vs ist.e -


analb Ao e
da 1royii-


!


:inico que aqui precede com moralidade e honra,
quando eu posso garantir que, se S. Exc. assim
procede, tern muitos companheiros que nao Ihe ce-
dem a palma neste tcrreno, S. Exc. portanto,
nao tern razdo em suas palavras.


Sr. president, quando verdade fosse tudo quan-
to disse o nobre deputado; quando mesmo essa
allnviao de emendas a que se referio fosse o resul-
tado doe um pocedimento menos digno por part
dajAssemblea; quando mesmo nenhum de no6s fosse
capaz de proeeder aqui corn a mesa dignidade e
taonradez que S. Exe. attribute a si, nao 1i iha ain
-a assim o nobre deput4do o direito de launar uam
cartel dc ffronta a todbs os seus colleges, e so
jnlgava do seu dever fallar de si, nao podia tam-
oem suppor-se corn o direito de injuriar esta As-
semblea, porque de certo por este modo S. Exe.
pelo menoe nunea ehegaria ao fimrn qne tiaha em
vista.
0 Sn. LUNA F imB JUSIoB Nao quero que
V. Exe. seja mett ju
0 Sn. M mu- eun pretend semelhante
couga; masV E.u ha d'elmittir quoe pro-
firs algu-mas pau uIbre o sen diseurso, porque
deve sabe e 6 nobsi d p




6 Disiaben 1t (11Wklo d os ;,1t 6a
Diziuaeu, Patm :r. i ten^.ao, Onale


go^ Niiii K'm O^ coil,^^0 ^! wai^1"1 vex j1111:
t aoa. Orumtpre quo oum D o
tuQdeve ooner assim, po~m, 1 o)~dQe~a-e
q eaten .NVein "uim11'amtar contra uprojeetosq a t aaas ea a
vb u fb uurdo. emendais o orix u e seneguemu todilts as licen-s hibidio de f z eu otttion^a inrtd al1 ie aor la-
6, I eassembh ,r mectifia9o em r, 1alo ao resu-
le D8di igiaod ~emlaed u r aos ofornecido Pela 8S9cretaria d'eas aAssembi 3a 'a
pam awes comeosq ueaccuadiram ao nobre depu- rnt d a'sa t ais a'elle attriu .
s 5 te& i tado pelo t010 district? da A, t a to n'e attri -
e men -ijts o Foi tio longer o nobre doputado, impugnador das e-..mae nproeodimento quo e nae s tive. E ain-
Sisoct o daJifcea) B quese ernendas que atO nos langou o lab6o da fieticios d4 mais procede firmado era procedentes que te-
emendas que nee laneou o lab d..tieios nho observado aqui e quetem tide lumar me me
Ju r,. i:. 'Tv- de represents da proviaeia, como seS. Exe.tivesse ob e q tido lugar me o
Tma a JUN JuRo -I) sentante, delia e o anico defensor da stta honra e 0 SR. PaasUDENTE-V. Exc. s, pode fallar a res-
0-iS-Eu uzidgpalavas do nobre dignidade e peito da acta. E eu previno-o em tempo, deixan-
depu porq X.u esse i aestas poucas palavras, eu no quero alo-- do todavia qiie o nobre deputado proceda como
seb&no fax mv ^s'do-Ditconceder uma, at g tr-mc reals. .I a quizer, para evitar ineidentes desagradaveis da
sembl6. las que conceder urnsa xut*-j gar-me mais. ~~~z 'qe~~qos ea otm
A811 si e o nobre" d epu tado soubesse qU e a A s -'- F ui 6 ,t r z q el s u o d r m h n m
l. s6 faz a- -b ar opt d ues quo a As Fu um daquelles que aosignaram emindas ao u Sreza dERaqu rellejo que se deroam n'ste moment
u Jieenbas one flhe az..o p rese a conceder projccto ou por outra assignei uma emenda unica uad. ME i A reo que exer o ndcste memento
I0Joutentsmquo .... -/so ,eui s s V. Exe. autwriando a concessao d'uma hlicen9a de confer- um direito a que ano se oppoo de maneira alguma
so ,,om t jubo rie,-.4bua aepois do' feita= es O cp n o m aaf
ut, set b q, e d ita essa rnjdade *"'p,..[tv toe s e reI o "'": Pque 6 inexacta, n,o posse tam)em n
Tor ao ^Pod'q, .it O e. .. t o- ter dscido da dignidade de reprosen- quo exacta, nao posso tatarm -.d
-A- -----l Ue,-,O .a- s e* 6 4 par-e do resum- .
; 0_ -W Poe^ sa. pe Ao.-a, t ..... ta auarde tdo andar auregoau- ,rde dar apregoar d- 6-u-
P....U. '" "'a i nalavr1 a Q laor que tenho a causa publi- d t -
@I~~~ ~ ~'~~ t4uo db -inca p~~i~ o do nclr areo~i pa-m d- rum' pub~lheid do J97eb 'rio do'

"..Axe., que rpoia o president da prmociu; .o c.n. ., ,izes do men que t.ambiii dSaod tld e vwrdatdeiro. E;
V. Exe. tue sem duvida ha de furmar d'esso admi- ca; por que 8 uro a ti e.rei qu nid ha iini molde, uarw f'rnia qualquer,
niatrador o juizo de urn home capaz de r boa u, touvor ein boc .3r. .a vitup i bsjuizes Pi ra, p quo unl deputado terni de dizer n) intuit
exeenglo a uma ant.risa9ao d'esta Assemblea, era do meu procodimente devU Iedr opublico, e espe-. do lin'ar-sc d'aquill) quo se lhe a.tribue indevi-
o menos competent, a nao ser a ignorancia a que cialwente o eleitorado que nos mandou para damnhtA.
alludo, para vir dizer que do projccto em discus- deVe emfimn ser a provincia. 0 S. PaRIDENTE-Esto molde 6 o regiment
slo, result urn grande mal para esta provinucia; Tonho concluido. Exc, bem o sabe.
um gravamo irremediavel contra os cofres publi- Vozms-Muito bemrn Muito b- O Six. MpinA-E peso licen.a para di.er que
cos. 0 Sr. Nilo de Mira"imento. Apeas tra-
OSn. LUA FREIRE JuNoO dt ur apart. tea ,o conscioncia de o .. ..da--Sd. paesd.nte, naoestou nfringindo o reginento. Aponas tra-
SB. LN FEIRE Juxo di apart. ton !o conscinc e tndo de fazer aina correcqo a uma iaexactidic
O S. MEIRA-V. Exc., para tcr uma prova do dever, tendo a cert stout cumprindo o Ie cuontrona acta, tnho necesida tabem
quo ostou dizondo, ndo procisa mais do quo consi- odnhocchnento d' .a do quo esta casa tomando quo cucontro na acta, tenho atecessidate tamnbom
~que eston dizdo, D1 prei~SA mis dode fazer referencia tinbticia publieada pelo Diario
derar que podia sahir d'aqui um project conce- fa Inais d, project que ora se dispute noa
dndarn con ts oi quo usar de urnoa attribuiilo quo lh q ue precise ractificar, por nao ser verdadeira, co-
deride autorisaao ao presileuteeda provincial paa__,qeua d uaatiu~ h
liendo autorisar 2O )ao pregados etc quov pa coni red a lei, na'o me atterro, ano me matimido, nito 'no ji disse.
liceniar 200 empregados e aoter que depo me commode corn os juizos apaixonados que pos- Sr. president, no final da acta disse-so que em-
de sanecionado ease project, n amun so d'esses sam fazer dos incus actos. quanto occupara eu a ttibuna, porturbou-se a ses-
empregados viesse a gosar das lioaeqas, prql' 0ou Diras estas palavras, Sr. president, eu quasi s'o em virtude de reclanaaces levantadas a pro-
elles nato estivessem no e i do merocar tesas li que me julgaria dispensado de justificar a emenda posito do que eu dizia.1 Eu lerci para que fique
cengas, ou estivessem no caso de mer.rel-as, quan- que assigned corn o meu distineto college e amigobern cro: (L4)
do a Assemblea conceded a respeetiva autorisaao, deputado pelo 5. district; mas como vi na tri- Sr. presideute, a acta, segundoo oregmlato, de-
mas o presidents da provincia verifieasse p6r meio una o me illutre colle d district Sr ve coter ahistoria fiel:de tudo quanto se pass
me1O ve center a hlstorra filleda de oistantooso Sr.sa
da junta modica na occasiao do Ihe ser requerida Visconde de Tabatinga, e a sun presenca sempre nassessoes desta casa"
a concessio d'ellas, que ditos empregados nao es- me record cumprimucnto de deveres muito series 0 SR. Joo AuoUSTO--Em resume.
tavam mais no caso de gosar das licencas autoni- quacs os de zelar pelo bern da provincia e pelas 0 S. MrEA-Emin resume, j i se vd. Do modlo
sadas por jA se haverem restabelecido durante o economic dos seuns dinheiros, parecesse-me que que toda vez que a act4 affasta-se dessa normt,
tempo consumido na discussao e sanego do pro- estava na obrigacio de justificar a emenda a que dessa regra, e vai mesmo at o ponto de attribuir-
Jecto. me refer, e de convencer mais uma vez a V. Exe. a um deputado procedi~nento que ille nao teve,
Sr. president, o nobre deputy lo nrm ao menos de quoe eu n'esta caza nao costumoj pugnar por provocando assim juiz*s falsos a seu rIspoito, ella
altendeu a que, se algun abuso se dr, n'este caso medidas que nao tinham por si o apadrinharnento nao estta talhada pela ildole regimental ; precisa
o responsavel 4 o president. da justiga, do interesse public e da moralidade. de uma rectificaglo. Da leitura da acta, como
Um SR. DEPUTADO--'O nobre dcpu'tado qner tirar 0 SR. VISCONDE DE TABATING. -Nao duvido de est redigida, conclue-e que eu e s6 eu fui o cul-
a responsabilidade da Assem!l5,L e desc:mrrogal-a tuio isso, mas o nosso primciro dever 6 attender pado, o causador do Incidente de hontem, que
0 ao c se amotivou as reclama~Qes e em soguida a suspension
today sobre president da provincia. ao estado em qu( se acha a provincia. motivou as reclama.osde qeis e em seguida a suspensaote
0 SR. MEIRA-E 6; o presideuto e o vrdadeiro (Ha outros apartes). da sessao 'esde que s diz que fi drante
responsavel e V. Exc. ha de convir commigo neste o Si. NiLo-Sr. president, assignei uma emen- meu discurso e em virtue de reclama6os, levan-
ponto, porque elle quemn execruta as leis e para ,ia authorisando a concessao de licena a Sra. D. tadas a proposito do que eu dizia, que foi suspen-
isto ternm a sua disposiao os meios adrinistrati- Anna Ignez da Silva Ramos, professor public sa a scsso e no se dis porqre motive teve lugar
0l essa suspensao, deixa-.Ge margfem a quo aquelles,
voyes. E' por esta razio masma que a Assemblea do Campo Grande por que se acha realmente en- 0s suspensdo, dtixam e marge n a que aqiiellts,
nao deve conceder licenas e sim s6onento antori- f&rma, come e attestado pelo distinct e illustrado qu nao tiveom perfeito conhecinento de tudo
sagao para que o president da provincial as con- medico desta capital o Sr. Dr. Miranda Curio, quanto aqui se passou, sejam levados a former um
ceda, porque uma corporacao deliberate, como cuja opinilo deve ser acceita por esta assemble. Juizo menos exacto, attribuindo ao deputado Mei-
esta, niao estai no caso de dcscr A aprecian.o de A Sra. D. Silva Ramos alem do estado de gravi- Ira de Vasconcellos a responsabilidade do inciden-
factos partieulares, nem pode examiner se os em- dez, cstA soffrendo de tuberculos pulmonares te It bavido na sessl de hontem.
pregados estao ou n0 o no caso de gosar de liccna1 precisa de retirar-se jA eja, come diz o facultati- E Sm president, da mesma maneira que en ti-
para poder individualidmeutu core lel-a a este ou vo a que me rceferi, para o sertdo, afire de resta- ye, tenho e terei semre a coragem precisa para
aquelle. Isto nab compete ao poder legislativo,isto bhleer-se. assumnir a inteira respousabilidade de mcus acts,
6 da competencia do administiador, d':tquell3 quo Nestas condio5es nao podendo o Sr. president an o quero tamben para mir a resuonsabilidada
tern a attri ,uiao d, exocutar as leis. da provincia conceder-Ihe licenca per long tern-I daquillo que niaou praiiquci, qu6r de bom, qunr de
Sr. president, o nobre deput:do rovelou na tr-i- po, ella veio a assemble pedir essa concessio de rmo0e.
buna uma certa indignaglo contra as emenondas, per que trata a emeuda e o fez corn a petieao, que te-1 Os nobres deputados, se na) tolos aquclles que
que S. Exc., sare duvida deseonhccia o qae acabo nho documented. se acham presented, ao mnos mnuitos d'elles que
deexpor. Essa peticao os documents foram A cormmissao estavamn neste recinto per occasido do ineidente
0 SR. LINA FaREIRE JuxNtoR-E' defcito de orga- do instruccIo public, que ainda nao deu o s de o de hontemon, podem dar testemunho de que procedi
nismo; sou dotado de um tempra:naento nervoso e parecer, mas um de seus distinctos membros, o Sr. na tribune corn a maior calmna e delicadeza em
muito exaltado. Dr. Ermirio, fez-me o obsequio de fornecer-m'os relalo ao nobie deputado pelo 1(P district do
0 SR. MEIRA Entao se o nobre deputado me d para delles usa na tribune. Eil-a, pois, confir- mesmo modo porque o fa~o sempre em relaA o a
licenca (o Sr. Luna Freire Junior faz signal de mando o que allege em relapso ao estado morbido todos os incus collegas.
assentimento) eu Ihe reconmmcudarei, corn venia dessa professora. 0 SR. ALFREDO COREIA-Com sepro e proe docle.
dos meus nobres colleges, que sao medicos, que o SR. M.AXIMUNO DUATE-O estado desta pro- 0 SR.e 0ERA-Moismto em relaqio ao no bra de-
use de algumas doses de bromurewo de potassio, fessora bastante melindroso. putado plo 10 district, qu den lgar o ci
que 6 um calmante poderoso. o0 SR. NILO Eis aqui o testemuuho insuspeito dente, V. Exe., Sr. president, p6de dar o seu tes-
0 SB. LUNA FREIRE JUNIOR E V. Exc. precise do nobre deputado, o Sr. Maxiiniano Duarte queo temunho pe.,soal de que eu n.o proferi aqui abso-
de ferro em brasa. conhece o estado desta professora. Acha que ella lutamente phrases que ptidesseom-Ihe sr offmnsi-
O SR. MEIRA (corn forga)-D3 ferro em brasa estd nas condicoes de mercer o favor quo pede a vas. (Apartes).
precise o nobre deputado que ado tern siquer o esta Assem)bl-i. Disse apenas, aeonsellhei apenas ao no ore de-
o senso commnum necessarib p ira poder occupair M parece, Sr. president, qune scm grave injus- putado, e pediat4 pra isso permissho a S. Exc..
uma cadeira n'esta casa; que no; sabe o quo d:z, tiga est;a Assembla nato deixarA de conceder a li- que fizesse usoe de alguMa d6ses de biomureto dc
que ha de acabar marcado corn elle... cruca reiurida. Isso de so p-dir todos os dias potassio, porque S. Exe. mesmo havia dito qic
(Vivas contesta95os da bancada liberal; maui- eonomia, come a todas ashoras estloouvindo, pa- possuia um temperamrnnto nervoso, exaltado e iras-
testaqes da baucada conservadora e as galoerias ra mim de nada valle, porque eu quero obras e cilu. Lembro-m meinsmo de haver pedido ta;n-
em favor do orador. Sussurro). no palavras. Sc esta Assembla abrir mio de ben prmisso os m s nbes colleges nsta -
0 SR. PRKSDENTE (tangendo a camrna)-)-Attcn- toes os projctos de interosso pessoal e s6 tratas- sa, quo sq o medicos, paa ao inoorrer no crmro
vio! Attencdo! Ordem, m'us seuhorcs. (ConitinuA- se d'aquollos quo visassem somente o bern estar da do mcompetencia.
o sussurro.) Suspendo a scssao. provincia, entio c me callaria. Mas, qual, assim Creio quo isto foi ouvido per muitos dos Srs.
Passados cinco minutes o Sr. president re abrc nao acontece, entendo que devemos ser cohereates deputados.
a sesado. e justos. 0 Sn. Pr.xNoA-I nfolizmente nao foi o:x.iVo pyst
o SRi. PRE5IDETE (pira a Sm. Moira do Vasoon- As finaneis-ia piovincia palaconcessdo delicen- mar.n
cellos)-'. nobre deputado p6.Ie eontiaiiar o sou a neam pper isso ficar-mo m:us arruinadas, porque
discurso. crno sabemos as pessoas q(e substituem os li- 0 SR. MrniiA--No entrotanto, Sr. presm lerite, as
0 SR. MEnRA-Sr. presidcuto, a ca- a e V. Exe. c-nei-mdoe, percebem apenas a gratifienaco. minhas palavras, que nao poekmn scm considmradas
mesmo podem dar tostemunho da d. lid tdiza corn Nao ha portanto, augmento de despeza As- come umai o ffnsa ao character do nobro deprtaido,
que eu estava discutindo e corn quoc me refri ao sum a Assemblea pnocedc corn toda a competencia deram lugar a que S. Exc. se voltasse contra, :inn
nobre deputado pelo 100 di tricto. e dentro da orbitade suns attribuicces, se aceitar e m reosporde.:ise de umanmaneira iuitltlio~a. que
UM Sn. DrPurmAD)-Apoiado, delieadesa corn que a emotn.a que acabo dcjustificar, praticara um eu nao pude doixir de repellir, come repeilirei
costuma selnpre diseutir. adto de toda justica. (Apoi.ados). sempre todas as offonsas c>m qne se procura at-
o Sn. MEIRA-Na occasido em que o nobro de- 0 ,r. BDarfio dii Nazaret' i. faz ainda al- tingir a minha pessoa; porque para isso tenhio
putado para justificar a sun iadignacAo disse que gumas considera4ocs sobre a mniteria. tracado a minha norma dc conduct, que consiste
era dotado te um temperamento nervoso e irasci- 0 Sr. Jo. Il[iia-(-Nbo dovolveu o seu em nao aggrodir a nerhum dos meus collogas e
vel, que expiicava a sua attitude na trib ana em discurso). em repollir corn energia o que me aggride.
relac.o ao project em di~cussdo, eu, pedindo per- A discussdo flea adia la pcl h hora. Eu sou sempre o primeiro a dar exemplo de mo-
misso a S. Exc., aaonselhei-lhe que tomasse al- 0 SR. PnsrEIOnrr levant i a sesaso designando derac'Xo e delicadeza para corn aquclles cgm quom
gumas d6ses de bromureto de potassio, porque era a segaintc ordem do din : discnsslo do project n. discuto c tenho procedido sempre aqui de modo a
um calmante muito poderoso, que bemn Ihe podermia 96, 2a do do n. 18, 3' do n. 81, tolos deste anna e nao offender a nenhum dos meus colleges, porque


f- M PAL 7 &Slu 1* B*Irlw I I 1 1
%vi a respeito .d0.
e-do.-" ..,,.tNio sei como vo-
-. aear, hei de refletir, e o nobre
-.aeouvir se bem que mal, eu extend inr-
A esta tribune ; nao hei-de votar smmbolieamente
(Cruzain-se imunitos apartes).
Ea eatou p odindo aos nobres deputados que vo-
tem contra essas emnda que coeede m licenas
com tdas os vencimetoa a ornprem ados iblos,
alguas dos qaaes andam at6 passeiando na Eu-
rop i.
O SU. OLYMPIO MARQUErs-Quern so esses, em-
pregados? ?
0 Sn. VIscoDs DB.. TABATIxGA-No se imas dis-
seram-me que ha um para quem se pedt licenga
que anda passeiando na Europa ; e deelaro ao nobre
deputado que estou arrependido de ser agrieultor
antes queria ser empregado public, por que ellcs
slo os mais felizes, acham sempre aqui padrinhos.
(Apartes).
Portanto, Sr. president, nao tendo mais que di-
zer, senlo pedir aos nobres deputados que atten-
dam ao estado, nao digo miseravdporque nioaou
d'aquelles que o disen, porque miseravel 4 aquil-
lo que esti de todo perdido, o quoe 6 despresivel e
eu que amo esta provincia, que a amo como filho,
nunea poderei dizexr isso, mas attendendo a falta
de recursos em que ella actualmente se aeha vo-
tem contra as emendas.
0 Sn. DExoczwTo-Eu maadei uma unica emen-
da que p6de trazer um accrescimo a despeza de
500 on 6004 ; se V. Exc. se comprometto a votar
contra o projeeto de eredites a& importancia de500
e tantos contos, retire a emenda que apresentei.
(Ha outros apartes).
0 Sa. Viscowasi DE TAaAxNGA-Nio posso Satis-
faze:- o nobre deputado, porque en son amante da
minha provineia e son awan'e da ordem. Enten-
do que parte do dinheiro de que trata o project
de credits foi para manter a ordem. Felizmente,
como tenho trabalhado para ter alguma cousa e o
tenho conseguido, quero que a ordem me garanta
e por isso vote por aquelles credits de que trata
o respective project.
Por isto n io posse aeeitar o offorecimento do
nobre deputa.o. Isto 6 uma braganha verdadeira-
mrente de ciglno: dar-se 500 contos por 500J !
0 nobre deputado sabe o que cigano ?
0 SR. DEMOCRITO--Sei.
0 Sm. VIscoME DE TABArNGA-Pois dar-se 501
eoutos por 500S, s6 eabocolo 4 que4n faz desses- ne-
gocios. Mas 4 em beneficio da provincia qae eu
voto; em sustenta*o da ordem para o nobre de-
putado ,uder visjar tranquillo por essas estradas
quando vai caballar. 0 nobre deputado nao de-
seja garantia quando anda por ahi viajando ?
Pois eu quero para aquillo que possuo, ainda
que pouco.
0 Su. DtuMwOND FrLno-E nessas tstradas ha
policia ?
0 Sn. VzSCONDn DE TABATINGA -Ha sim senhor.
UM SR. DEPUTADo-0 que ha 6 boa indIe no
noasso povo.
0 SE. VIscoNDr DE TAATnMGA Eu moro no
campo e sei que ha garantia, se bemrn que love
tambem a indole do povo. Nio supponhia o nobre
deputado que eu renege o povo- Eu louvo e muito
a indole do povo pernambucano. Portanto, Sr.
president a hora se adianta e nada mais tenho a
acrescentar, senao pedir aos nobres deputados que
votem contra aquellas licen9as attendendo ao mAo
estado das financas da provincial Fam;se aqui
todos os dias em econumia, mas ficicia 'nte; faIl-
[cemos scriamente. A economic deverincipiar
peor n6s que nao devemos approval umn project
encherta'lo coin 20, 30 e 60 emendas para o pre-
sidente nao sanccionar.
SDepois volta para esta Assemblha e temos no
va quostzlo. E' necessario porem, cuidar-se de
preferencia de negocios series em beneficio da
provineia.
0 SR. NILO-Por exemplo : uma viagemsinha a
Hillanda- ..
0 Sa. ViscoND. DE TABATIOA Quernmquizer que
a faOa.
Eu tenho dito mal, mas tenho dito o que penco
a respeito dessas emendas. (Muito bem ; muito
bern).
0 Sr. Meira de Vasconcellos-Sr.
president, eu nao preteadia occupar a tribune na
sessao de hoje, porque me ache bastante encom-
modado ha cerca de 12"-dias e a minha voz rouca 4
um attestado desse encommodo, que par ter-se
aggravado ultimamente me tern privado de com-
parecer a esta Assemblea neatos ultimas sessoes.
Direi, 'portante, muito poueo.
Eu pedi a palavra na occasido em que ouvi o
nobre deputado pelo 10o district em sua indigna-
cao contra o project em discussio e emendas que
a cue form maudados...
UM SB. D^roUADo-Contra o project, nao.
O Sn. ME.nA--... ou contra as emendas semcn-
to, sustentar as suas ideas par um modo, que cern
pezar eu o digo a esta Assemblea, corn permissilo do
nobre deputado a quem me refiro, me causou certa
tristeza.
0 SB. LUNA FREIRE Junom--Fui inconvenient,
torque disse a verdade.
O SB. MEIRA-Causou me tristeza, Sr.. presi-
dente, o modo po-que se exprimio o nobre depu-
tado, mas nao porque fosse verdade tudo quanto
S. Exc. disse. A prova de que nero tudo quanto
S. Exc. disse, arvorando-se em cessor desta As-
sesiblea, 4 verdade, 4 que S. Exc. inculcou-se c


RELATORIO

DA DIRECTORIA DA ASSOCIA9AO COMMERCIAL AGRICOLA DE
PERNAMBUCO, LIDO EM SESSXO DA ASSEMBLIA GERAL DE
DE 14 ABmIL DE 1884.


Ago anterior empossaram esta em 4 de maio de 1883. Da-
rante o annb decorrido nenhuma alteracgo houve no pas-
seal da actual diroctoria.
Effectuaram-se no decurso da nossa gerencia 14 ses-
sues ordinarias, 4 extraordinarias, e 3 da assemblea garal.


Serko interno


Smwrg:--Vioiaas preseutar-vos a res-nha den-s-
a &Whom, eom oexigemI os estatutos desta AssociapIo. Continuam .a ser empregados d'esta Associate os
-- itBm prazer, posto que de sobra conhe amos Srs. Manmoel Franciaco Gontes e seuirPrmo Jos6 Francisco
qt loo eostiomos do corresponder i vossa espectatlva Gomes, 7deimpenhando rogilarmente os seus deveres.
;. eec do maadato, qitoe vo digastes conferiVe ce aquelle o ordehado de 800#000 e osto de o 360#
em eidlo d eo-6 daer4W do anno proxi .finde. BaIta- annuaes.
rinisoselemenMoiadisene..mw. bo tiwei m ... 0 ultimo a ese.mprogados eroqoirea ta diractorai
^tos o intio dneejo, a vwiva p o donitermo-ngs auginuto de vadientoa no que Viu& 4r no is 5
Saltado roso, a aedifiiearocom qu a vossa Por e conveniente elevar as depeas "Asocia-
beavs! nfang ns ieingii 90 io as porque p aia Q eri*o 4 4 .sezMfriente
anfltd mlswa &estaoiteza- de o priuewfro dos i. 4iM
forV-u ao, masfqzel i- a justiga dacdeditar na 5esdo e gtoue xvr6 iat -
b v on~a que pq v, -c~uapfr 0ir ousao do- me I&ea
tisiopelos mareci4qs ere--qfm taon.ewoo
A4, A -- -' "rnuqwm ~ w-
-m!'liksr'^y,/^ ^^jtrlta^ lama AwiAM |Nil^ ^s ?;*1


K


coenvir. A este simples cons(lho, porem, que Ilhe dci continua.bo da antecedente. penso quo se os soeus actos, se os seus discursos
pedindo-lhe permissao, que, nao encerrando nea --- podem ser analysados, as suas pessoas devem ser
uma injuria, nem offense de ordenm algumna, era 41 .a SESSAO EM 29 DE ABRIL DE 1884 sagradas.
motivado pelo que acabava de dizer o nobre de-
putado em relacio ao seu temperamente nervoso, PRESIDENCIA DO EXM. SR. BARAO DE ITAPISSUMA Ora, Sr. president, em vista do que tenho ex-
S. Exc. entendeu que devia respondler que ea pre- Ao meio dia, feita a chamada e verificando-se post, penso que a acta nao podia ser escripta
cisava de ferro em brasa! 0 public, porem, jul- estarcmn preseutes os Srs. Aristareho Lopes, Jose como foi, porqnc eu nao perturbei a sesso de hon-
gari quem precisa de ferro em brasa se eu, se o Maria, Bara'o de Itapissuma, Silvino Cavalcante, tern. Eu apenas disse que o nobre deputado pelo
nobre deputado que procedeu d'essa maneira. Visconde de Ttbatinga, Cunha Beltra'o, Ermirio 100 district, visto ser dotado de um temperamen-
0 SR. PnESiDENITE-Peno ao nobre deputado que Coutinho, Arruda Fclelo, Amaral e Mello, Joao to nervoso, come confessou, devia fazer use de al-
se restrinja A matcria do project em discussao. Augusto, Lourenao de SA, BarIo de Nazareth, gumas doses de bromureto de potassio, que e um
0 SB. MEnIA-Voa concluir, dizendo duas pala- Sauitos Pinheiro, Juvencio Mariz, Luna Freire Ju- calmante poderoso.
vras. As emendas ao project em discussgo por nior, Amaro Fonseca, Maximinno Duarte, .Praxe- Justifica porventura isto a phrase aspera corn
mais numerosas que sojam nao poem traser o des Pitanga, Augusto Lod e Alfredo Correia, o que S. Exc. respondeu-me?
damno que se afigurou ao nobre deputado A quern Sr. president declara aberta a sessao. Nao de certo. E se dahi resultou um-a certa
me estou referindo; coma ja tive occasio de fazcr- Compareeem depois os Srs. Olympio Marques, perturbacao na ordem dos trabalhos da casa e por
ver, a Assemblea s6 d autorisaqio ao Sr. presi- Estevao de Oliveira, Meira de Vasconcellos, An- isto suspendeu-se a sessao, eu nao fui o responsa-
dente da provincial para conceder essas licengas. tunes Pinheiro, Nilo de Miranda, Dcmocrito Ca- vel, e para nao carregr corn ma responsabilida-
Uma vez votado o project n'este sentido, aquelles valeante, Goes Cavalcante, Drummond Filho, Fiel de que nao me cabe, e qud mando uma emenda
a quem a Assemblea autorisar econcessao de licen- Grangeiro, Constantino de Albuquerque, Antonio para esclarecer o ponto da acta de que me tenho
9as teem de requerer ao Sr. president da provin- Correia e Joao Alves. occup.do.
cia pedindo-lhe que lh'as conceda, e ella em vista Fallaram os Srs. Paulo de Oliveira, Pereira do Eu creio que od haveral um s6 colldga que seoja
do exarne medico a que manda proceder nos res- Lyra, Ferreira Jacobina, Francisco Tiburcio e d hontem eu perturbei a sesso3
pectivos peticionarios, p6de negar as licenaas a Rosa e Silva. d pre o direoz e repelir a offensa e uea of-
uns e dal-as a outros, conform for ou nao grave o E' lida a acta da sessi antecedente e submet- po e a direitod r neo pellim s er coatestado pof-
estado de sadde dresses mesmos poticionarios. tida A discussio.e tsa mavissima, uao vez pqe ods contestadpe-
(Apoiados e apartes). 0 Sr. Meira de Vaaconeello--Sr. pre- los mes colleges, uma vez que todos come enu tern
O facto de serem estas emendas, que o nobre sidente, venho fazer mui ligeiras consideragoes a o sentimeito da digidadee que ua vez offendida.
deputado pelo-10." district impugnou desacompa- respeito da acta, no ponto em que se refere ao in- tem o direito de represalia.
nbhadas de attestades medicos e outros documrentos cidente que se deu hontem n'esta casa, quando Di ada ros em rectifica o e da actm, eu
comprbatoios d essento- me mandando it mesa a emenda, affire de que
enmprabatorios do estado de molestias dos indivi- occupira eu a tribunal, e aproveitando o ensej o f-al. e e pno A eselareeidna acfi, cdbedo
duos a quem elles se referem, nao tern valor al- larei tambe n na noticia publicada hoje peb Din fiqea restponsabilidade da suspensao ida ctsessao em con-do
gurn, par quo quem conhece o meehanismo da con- rio de Pernamatco, per oecasi-lo de da-r o resume a responsabiidade da perturba o havida em ssoeos tra-
cesso de licengas n'esta casa, sabe, como ja fiz da sesslo de h-ontemrn. balhos a queen reaent deve caber, ao nobra de- -
ver, que pode peifeitamente dar-se o segainte : 0 Si. PRESIDENTE-Ea preo a V. Exe. que se bals a quem eaente deve c.ber, no nbro de-
qu o empregado na occasion, em que a assemble occupe s6rmente da prim-ira parte, isto e, da acta, P tado pe 10 disti, Sr. Adelin Filh.
lie manda conceder a licen9a, esteja precisando que eo que esta em discuss. (C ontinuar se-ha).
dlla e comprovo-,o eomrn documentos; entretanto 0 Sn. MERA--Sr. president, a nota fornecida' (


*?'





























0 S
t~a
O giS<


^ ^. b~ a p ^ ^ ; C r id e n ie ^-o s e t m m -. m -, ,* ^ ,: ; l .
Se(Ae sob n.l. 3) b rdgn a
111eiir em o 0* --ki lil
do ese b~ProvineW. que- auxiliaa'am en en vts,
ppi & a ti OvOlai e&W 10 Ban ,o,
josi niowes pas a indicear, inda come prova d alta
consideraV&o que Ihes vota.
Riniw. 18 Exms. sr8.
Dr. Olypio Maoques 4 Siva.
Dr. Nfl Rodrigues'de'randa.
Viscodde d Tabatinga.
-.1 o do Nasaseth.
Antonio da Ssantoa Pteiro.
Candido Ladialau dI Rego.
Dr. Antonio Estovo d'Oliveira.
Dr. Jss6 Francisco Goes Cavaleante.
Dr. Franco Diaz d'Arruda Falclo.
Coronel Luiz Paulino de Hollanda Valenga.
Dr. Jos6,Eustaquio Ferreira Jacobina.
Dr. Jose Moreira Alves da Silva.
IDr. Luiz Antonio d'Andrade.
Dr. Alfred*Qorir de Oliveira.
Vigario Domigos Lopoldino da Costa Espinosa
Dr. Praxedes Gomesdo Souza Pitanga.
Dr. Paulo Jos6 de Oliveira.
Dr. Manoetl Clementino d'Oliveira Escorel.
Dr. Francisco daC. Beltrao.
Dr. Lourengo Augusto de Sa& e Albuquerque.
Dr. Maximiano Francisco Duarte.
Capitlo Francisco Seraphim da Silva Ferraz.
Juvencencio Taciano Mariz.


Edvicio


v*+Q w0 ni+iti' r0 m 4++ + i'

"lic**d-a'. i iii rornm 4

)ivew.e do supportar a grndo 4ora -to o.Brasil 6
.to por easelaido,-,de&e 'a a, a
Ifica ^f.0CS X lii^ -a^ CO *rywy-iddi ow'
)iv~sedesuppC~w ~au8 apivem~aa d e sup volvaria &uerroamnte I I.^p
.Q0 por es886 lado, do vode a- ,habka-ver-i tai|.~
a todas as neoessidadea do consume nacional wt r-'
saltado n ao dixarim os estidistas arge itioS* coFAidG-
ral-o to I *&it -ltntratempo eoooaM inmiA., nto a8p
emom 6 geraueu* sabide, a su m*rpiOIagl eoa-
aiste em aches mw 4arks, jA nao s6 ana America, mas na
propiia Euopa, para esse principal produoto 'do sen
paiz.
N'estaa condioes, se a Republics Argeutina nu con-
tasse corn a pouquissima atten9ao que ca homes publicOs
brasieiros prestam, sos assumptos do mais vital interesse
da nossa comnmni4ade national, certo que nao tributaria
dao exageradamdnte a importaoao do noeso assuoar, com
receio de que o Brasdl Ihe no adbptasse, em relaglo ao
xarque, o systema exageradaments protector da industrial
Local. ,
Haveudo, poise, coma ha interesses reciprocos entire os
deuspaizes, debaixo d, ponto-de vista industrial enmer-
cantil, nao nos paree. de mode alguman difficil que os po-
deret publicoa d'oste imperio consigam do governor ar-
gentin o acto de justica e eqnidade lembrado na repro-
sentavlo d'esta directoria.


)Consults .


Neocios da Agricultura, Commercio ie Obras Publicas, prescindivel.
solhcitando parm que se mandasse dar prompt ex"cu0o


IST1D1
*a Pfo~ime*
teiliio O P"e'A^^&idie~'


houtem, so
Itapissuma,
Li"u a
da no del


'RnAH m is eom quo-ora Evm. Sr. deombiwrgador presdente
[llnljl da pMViWAe nuprof st6 p dis 9 de joi soe a so.
tjkd- __ tnap Afso& 4 i -4Ateiri& -
al Funccionou f Outro do direet8is d&imsoiLee^s-
ixjm. Sr. Bark do d o *B8ti59, ____uPi lan
S-1m omttBu4 *ma_ 4a doI1 dtaebafi
ate,t 1oiapprova-_ -A '- 4.
A *i tma *do so- e .IVMS,4# "go& 147%


(Cm4*weur-ae-ha)


Ostra da sociedaeft acpaoaSlgern
Oa 4 ddo mc
to -rnw_ A d &


I


o-4t10 dodli1t.
mpis Marqies enviou o mes" aM r.a
ie urgencia, queo foirejeitado, pedindo
par& setr digenif o paireer adiadoda
b do '&endase ofeaaentoA o AemA daw
o dos moreietros.
d a 3s disaousslo 4 projecton. 25
(qU, autOisa o pretidete da provi-
ar o piano ds loterias conodidis pela
Mma enmV&l do urn firtldo deoinsuei
a4 emra;eonsr&. Atmtes Pinheiro,
e*tdaefieou a mesxt&-adiada pela


T .am. eotlnnfndo a diiaussj o do project
a.2'deete annen(am9o-de S)ra- poleial) ficnu
4fnkteadiadft pok hora depais de orar o Sr.
aaO o de Nazareth.
A. *AQem do dla 6 s elnuao da antecedente.
b" 4 4Oldai eral-
0&4B 9- o* eP w 49 PeM'd dAlPerb*Ouco
M .der nwo_"e & 884^ B.teommende A Camara
lfuqiipal deOaranhuns, que expea asdevidas
tMiflhiiecka aa4 s, da t Mn,.a dtmnai


llnoe d d-Fep-Igual As Can-
Oente Ba ielbo, Aguas-Bellas e

ji ts Pcs~re n~eiat,-Por Acto de 20
do "innte, resolve .a-residencia da provincial
crehi t'e rlt no munkisi de Correutesa, comar-
cade~arnhunLB -'"11 1
* td. e Ave llbef. A directo-
s ri4 taf Sbeiedadx pede-nos_ pfrt dectarar quo a
coo pmieo queoa mosma sotiedade nOmela para
ageissar doAntvos em fatffw composta de senhoras; .e queo j'fA. 1edcl raa-_
ao tern per fim evitar a esperte6 de certow caya;
Ihiros, q e se inculeam inti os de t1 incum-
bena, armandoa credutiadWpubtUcd
*a -*nUnam-neas que naro tendo
a dQ Brs. *oandadores Manea Jose da
SilTi Gnmarbia .o f.W, Capistrano Bandeira
de Melo, es a tecl d o de mordomo e aqnel-
le a nomeaqb d4 mi o dajunta, que tern de
fueeioinar ,no be aio dea 1884aa 1886, foramn no-
ides polo Exm. Sr. desembargador president
dprovincia -os Srs. Drs. Ayres de Albuquerque
eo Pedro Affaonso de Mello, ficando assim
Sa anova Junta.
Ila l nto-Hontem pela manka falle-
ea, Isabel, do nnj~o


fialleeido era natural, desta provinia e eqn-
t&V*corca de 60 annos de idade.
Tendo sempre militado nas fileiras do partido
li al, fei per ello cleite membro da assembl6a
#fvincial na 15a, 22a c 23a legislaturas, 1864 e
185 e 1878 a 1881, e hinvendo, come supplente,
toado assento na 10a legislature, 1854 e 1855.
1 conego Rochael exereeu o cargo de mordomo
dwSantaCasa de Miserieordia do Recife, bern
cKoa diversas commissi"t de que sempre so sahia
Era um born e dedicadissimo amigo.
A teus parents apresentamos os nossos peza-
me.
. axaa de repartflco.-A cobranga des-
tre outros impostos provinciaes effectuada pelo
0onsilado terminarA no ultimo do corrente mez.
u em, per tanto, de sobreaviso os interessados,
N-fizendo os seas debitos, afim de evitarem a
*+de 5p % find ^ o alludido praso, in-
correlo o eontribuinites ossos.-
Emnbarque-Em viagem para a Europa se-
guio hontem A bordo do paquete francez Equateur,
o Sr. Eugenio Chaline digno gerente da agencia
telegraphica Havas nesta provincia.
Desejamos-lhe feliz viagem.
Nauaretf-0 Thermometro de Nazareth, de
17 do corrente, da estate local:
a Ante-hontem, quando o trem da manhi par-
tie do Carpina pars esta cidade, em caminho o
machinists Alfredo Lopes recebeu um tire, que
por felicidade nao o attingio.
a Cumpre a autoridade do district syndicar do
facto tendo em vista o grave resultado que acar-
retaria a more do mesmo.
Nenu6-Sob este nome, que em bilhetes de vi-
sits tern corrido esta cidade, chegando-nos As maos
num delles, occulta-se umn mysterio, que provavel-
monte nestes pouences dias seri desvendado.
Correm verses varias sobre esse nome por era
mysterioso; mas... 6 melhor nao procurar desven-
dal-o, e esperar que a montanha venha A n6s; e
ella ha de vir, ao env6s do que aconteceu a Maho-
met.
Ate entio preparemo-nos todos para boamente
acolher o prodigio que sortirA dessa boceta de
Pandora.
Lanterna Magiea.-Publicou-se o n. 81
d'este periodico illustrado e humoristieo.
Assassinato. No din 16 do corrente, em
terras do engenho Timb6, district de Marangua-
pe, do termo d'Olinda, foi assassinado comn um tiro
de bacamarte desfechado de emboscada o indivi-
duo de nome Francisco Jose Dantas.
I 0 delinquent de nome Severino Ramos de Bar-
ros, conseguio evadir-se c contra ellde precede-so
nos terms da lei.
Bonlto-Communicam-nos:
& Acaba de ser criada na villa do Bonito uma
sociedade beneficentq denominada-Protectora da
Escola de Musica Philarmonica Nova Unido Boni-
tense, cuja directoria ficou composta corn os se-
guintes cavalleiros :
Presidente-Commendador Francisco Benicio
ds Chagas.
Vice-presidente-CapitAo Manoel Rodrigues de
Souza Neve..
10 Secretanio-Alferes Jodo Francisco Soares.
2o Dito-Jolo Cancio de Mello.
Tbosoureiro-Alferes Jose Francisco Soares.
cc A sociedade tern por fim sustentar a sna cus-
ta um mestre de music para ensinar aos nossos
pobres da localidade que a isso se querem de-
dioar .
Beuxa e oclaes -Haverdo ho.e':
Doeoreio Litteraro Isfantil, as horms do cos-
tume, no lugar designado.
Do C1ub 27 de ianeiro, as 4 horas da tarde, no
1" andar do predlo n. 31 da rua do Imporador.
Ds Eaucpadora Penabuomsa, a. 5ores do
tarde, o lO-a1 dardo predo n. 58 a do Ba-
mao da Victoria.


Sendo extremamente acanhado o compartimento, quo, 0 governor imperial enviou-nos, per intermedio do
no edificio que serve de sede a esta Assoiacgo, era ao Exm-S r. ministry da agricutura, um officio datado de
mesmo tempo dostinado a sala do leitura, secretariat e ar- 8 de Janeire,(annexo n. 9) acompanhado do um exemplar
loitrasecrtara e ar- dl ei do locagao do service asquo csatsassociaggo
chivo, resolvemos transferir estes dous ultimos pars o an- d locaco d services para qu esta assoiaco
dar superior, deixando mais largo espago a mesa dos jor- omittisse parecer sobro a adop9do de medidas praticas,
naes. Ainda assim, parece-nos que 'seria convenient afim d ser expodido o regulamento para exocui.o da re-
mudar tambem a sala do leitura para o pavimento supe- ferida lei.
nrior, passando o espago per esta n.psentemente occupado i. Querendo esta directoria ouvir por sua vez a opihio de
e o compartimento que Ihe feia junt a serem utilisados interessados competontes, nomeou urna commission, a
pars outro mister. quem encarregou do estudo de tao importaute assump-
Foi collocado na sala da Asisoao um apparelho to, e a qual foi composta dos Illms. e Exms. Srs:
-telephonico sob n. 41, no intuite de faeilitar aos senhores Barlo de Nazareth.
socios a communica9le corn as suns casas 46 commercio Dr. Feliciano Pontual.
duranto as horas da praga. Sebastilo Alves da Silva.
Jovino Bandeira.
Finanas Dr. Laurino de Moraes Pinheiro.
CEste, porem, officiou-nos, participando nao poder,
Continue a ser prosper o estado financeiro da nossa por incommodos de saude, aceitar a missno do que fora
Associaglo. encarregado.
A directoria recebeu de sun antecessora. Os demais membros da commissao ainda nao apresen-
Em 10 police p n10: 000 taram o respective parecer, que deverh ser remettido ao
Em diuh10 apoes pro v iaes 1:177173 governor imperial, fazendo erdentes votes pars que a indi-
Em diuheiro11 7cada lei comece a ser em breve executada, per isso que
,Duanto su.n goencia arrecadou: 16 dado esperar d'ella superiores beneficios, sobretudo no
t memento em que o trabalho escravo tend a ser substitui-
Juros d'apoapes 7 Q (0oa do pelo trabalo livre, granas as boas disp9si0es do
Joia&sda f# dO- I -p~b^o( pa 4eitir 6sa VIform nwU iaebSLf
Mensalidades 2:100#000 na ao progress do paiz, caso seja prudente e criteriosa-
Emprestimo feitoL por Jose 4a ilva mente feita.'
Loyo Jui1or, conform o doc'amen- Realmente a iniciativa particular tern feito n' ease sen-
too que se lhe passou 3:082#180 tide verdladeiros prodigies; mas nem per isso 6 menos
-melindrosa a atual situaglo da agriculture, nem menos
18:059#353 incerto o sou future ante a grande evoluglo economic o
Despendeu: social, que tao caracteristicamente se annuncia.
I E' de tode o ponto urgente que uma sabia resoluclo
Gastos da Associa~go 3:770 550 do poder legislative, secundando eregulando o esforgo par-
Idem corn o Banco Commmercial ticular, bemrn como garantindo o direito de propriedade,
Agricola o Hypothecario do Per- 1.venha trazer ao commercio e A agriculture a cortexa do
nambuco, a receber do mesmo, lo- [quo os poderes publicos se nao descuidam dos mais vitaes
go, quo estiver incorporado 3:082#180 interesses d'essas duas classes, nerm concorrem para o
Saldo a entregar 11:206#623 antquilamento d'ellas, come se dove supper da abstenco
-- -----em que at6 agora se tern mantido, quanto A resoluqao
18:059#353 dc um problem a que traz preoccupadissima esta naciona-
Saldo lidade.
.Estamos convicts do que s6 per meio de indemnisa-
Em 10 apolices provnmiaes 10:000j000 1o aos senhores de escravos se podcra legitimamente e
Em dinheiro 1:206#623 sem desordens, nem graves doslocagses da fortune publi-
----"' -ea, decretar a complete liberdade d'estes. Para obter os
11:206#623 meios do tal indemnisagio, cuja importancia sera em todo
Redamawes o case consideravel, nao imports que o govemo lance um
impostor especial sobre todo o paiz, que o supportara fa-
Em virtule do representagio do alguns Srs. associa- cilmente, so houver exactidlo e moralidade na applicaglo
dos dirigimo-nos ao digno superintendent da companhia do respective product.
The Great Western of Brasil Railvay Limited annexo n. A par disto 6 igualmente indispensavel o estabeleci-
4) pedindo providencias acerca da demora que tinha o as- monte de lois que reprimam corn severidade a preguiga, e
sucar transportado peor essa via-ferrea nas estagaes inter- vagabundagem, que se alimentam da actividade o proprie-
mediarias centre esta cidado e as do Nazareth e Limoeirn, dade alheias, per meio do furto e da violencia. Princi-
do que resultava grande prejuizo aos interessados, quer palmente nas capitaes, o latrocinio assume proporgoes as-
pela quebra do peso, quer por outros inconvenientes de sustadoras, o que aliAs nao admire, em vista do grande
nio meaor gravidade. Aquellc honrado superintendent numero de individuos, que, embora sadios e robustos, se
dignou'se responder-nos annexo n. 5), promettendo to- encontram em complete ociosidade, a dormir polos caes o
mar em consideraglo o nosso pedido. i pracas, recusando entregarem-se a services relativamente
Nenhuma mais chegou no assumpto directameuto a bem remunerados.
esta directoria; todavia algumas quoixas se levantam pela *A propriedade rural soffre do mesmo mode os effeitos
imprensa relativamente a demora ja accusada dos generous da calagaria parasite, que se traduz em constantes extor-
nas estagoes, carencia de trens rodantes, etc. Aes e roubos.
Esperamos que na future safra terlo desapparecido Desejamos ardentemente ver extinct o. regimen da
completamente essas irregulariiades do service, corn as escravidlo, e cremos que nio haveraja hoje coraglo bra-
quaes soffrem grande prejuizo, nao s6 a agricultural e o sileiro que ntaoseagite dos mesmos sentiments. Mas seme-
commercio, mas as proprias companies de estradas de lhante regimen eaa potr tal mode identificado corn o facto
ferro. da nose production agricola, que 6 essential maior pru-
dencia e criterio na resolu o de um. piebonWi-erquu o
Rrewstaes porvir national esta depndente. 6 exactaente por
Sisso que a interveng do govemno, represenmtantl natural
Em 22 de maio de 1883 (ennexo n. 6) dirigimos de trdos os interossos, ideas e aspiraeege dacollectividade
uma ropresentagbo ao Exm. Sr. miniatro e secretario dos se tors, urgentemente reclamada e alsolutamente im-


l^) fuf e~i tdoj oc sea pnae oae legitimos
A tamftwdo0t_. e dkw o minister*: alga-
sea cousa mais inteiligivel do qeuo frfm os seua.
entreliuhados sbe cosse phenomenal eserutianio
que engedrom" duas linaa, dois- parlamentosi-
nhos f flanqnueair o president Maraeaju...
SA narrativasdo Sr. Mac-Dowell foi pitoresca,
e pareei;a m nin capitulo de Julio Verne; jimais ti-
vemos noticiar de tao inaudita aventuras eleito-
rae.
0 Sr. ministro do imperio como que niotemrn
grande enthusiasmo pelo que fizeram as urnas pa-
raenses ou peloque ihe contour oa president da pro-
vincia; per isao a resposta qne devia dar foi uma
votha.
a Debalde proteaton o Sr.Panlino de Souza
contra o extempouaneo encerramento; o governor
queliua us prova de vigor depois da derrota na
urgenci a. k prova de vigor foi veneer por .2 vo-
too. .
R*ew#i. daj wruienca Bra-
10lelra-Com esto titulo o Sr. Dr. Jos6 Roberto
da Cunha Salles, a1 asgss coahecido no paiz pelas
suas obras dejuriasprudencia, acabade incetar na
Aftoa publieacao de uma revista' mensal, que
promett oecapar-se da scieneia do direito em to-
dos os seut ramos, da jurisprudenciat da legisla-
oao e analyse em geii.
Snoeot A fosse ama solida


roe 0o~i~ uhla Sallee.
uawrfDa$ itoee'ser aqy
llirc af p odo quantos se interessa-
pefseiedeat de direlto i onvivem do fro.
"Agr4 eemos so antbr o mimo qua nos fez do 1'
uniunb da revista.
Uere4ee attuncao Informa-nos pe ,oa
quae diz saber de sciencia certa, que, na r da
Conqordia n. 156 B, existed uma iafeliz multfer; de
cor preta, que, a titulo de ser escrava, 6 constan-
temente maltractada per qualquer pequena fal-
ta.
0 nosse informant assevera, por6m, que, nao
tendo sido essa infeli matrieulada, e nem tendo
sido pago o respective imnpbsto, deve ella ser de-
4 "lda livre, como de facto o 6.
0 case merece attenglo e exame; e se 6 veridi-
co em todos dA pontoa, o que nerm affirmamos nern
neogftos, cabs a ad$o da autoridade.
Viwte b ux-nr-xe- O illustre cavallei-
ro a que Iontem nos referimos sob a. epigraphe
desta notieia, em carta dd hontem, fei pressuroso
ema aceitar o segundo alvitre que propozemos re-
lvamente A eta offerta de um porta-joias e cos-
tareira; e, pois, agradecendo-lhe a nimia bon-
dade corn que se dignou attender A difficuldade em
q nos achamos para dar cabal desempenho a
sua iuenmbencia, temos A declarar qae fizemos
rewessi hontem mesmo de suas cartas e da offer-
,ta que a acompanhou a SantaCasa de Misericor-
dia, que estA perfeitamente no caso de desempe-
osha s fins'que, teve em vista o honrado Sr. C.
_A 1as--Eserevem-aos em 12 do
0 infverno continue regularmente. As lavou-
ras porem tern soffrido muifo corn b peste da la-
garta, sendo que at6 is mandioeas e proprio past
teem sido assolado horrivelmente.
SNo dia 12 do mez preterito, durante toda noite
houve grande concurrencia de povos n'esta villa,
emii homenagem ao festejo da RBessurreigioQ, Se-
nhor, ouvindo a missa em ac9ao de gracas._
a Houve grande animagao e inufluencia entire os
povos ; pois esse dia nesta villa, 6 como o de noi-
te de fiesta e a populago attrahida, foi caleulada
em 5,000 almas poaco mr-is on menos ; e nao obs-
-tante tudo isto, houve a major ordem e tranquil-
lidad6 public.
No dia 7 do fluent, foi celebrada uma missa,
polo trigessimo dia do passamehto do illustre de-
putado geral per este district (11) o Dr. Innocen-
cio Seraphico de A:ssis Carvalhao soguindo-se de-
oisdaiu a pa is',eftq de -ova oeudo cantado o,
Memeno 6Mco Ubera-ine drnt'iMsistind& a tet#*e
o Dr. juiz de dircito, commendador Manoel Ven-
tura de Barros Leite Sampaio, o juiz municipal 1o
supplente emexercicio cidadlo Jos6 Ramos de Vas-
concellos, collector provincial Claudino Marqnes
de Vasconcellos Ramos, tenente-coronel Victorino
Jos6 da Rocha e Souza e mais amigos do illustre
fiaado, de quern jamais esquecerao,
c 0 estado sanitario, nao tern estado muito born
poiw remain febres, sarrampos, tosses catarrhaes e
molestias de olhos, affectando quasi geralmente a
todos os habitantes, de modo que, ja tern havido
victimas produzidas pelas febres e o sarampo.
A Camara Municipal desta vilia, nao se reu-
ne, nemr sequer para as sessoes ordinarias. Ha
questoes series a tractar e pessoas interessadas
para requererem e allegarem os seus direitos, mas
nao o podem Cazer, porque as sessoes s6 se fazem
no bico da penna, sem reuniao dos membros, as-
sim come o balancctes, orcamentos e etc.
Na6 se trata de melhoramento algum.
No ercamento municipal veros marcada a
quantia de 1805000 para obras e melhoramentos
municipaes, alem de mais a quantia de 50*000
pars limpezas das ruas e feira Quern tera
tide o prazer de ver um melhoramento municipal,
nem tao poueco limpeza nas ruas ? Ninguem abso-
lutamente !


a Consta&hos que o Exm. president da provin-
cia, attended ais nossas reclaman5es sobre a clas-
sificacao do escravo Cesario mandando o juiz mu-
nicipal averiguar o allegado, c io caso'affirmativo
proceder nos terms do 4e art. 60 da lei n. 2,040
de 28 de setembro de 1871.
c Um dos mouopolistas daCamara, como 10 pro-
curador desta, 6 o agent do correio desta villa,
assim como o fiscal da mesma, ^e acaba de ser
nomeado escrivao da Collectoria -Aincial deste
municipio.
4( Sera pssivel accumnlar-se jdous empregos re-
munerados ? J& pedimos provifcteias sobre esta,
e nao fomos attendidos, mas consta-nos qae foi
mandado ouvir ao mesmo agentepara optar per
um dos lugares o quo fez pels-a.agencia, embora
ficasse nas seeretas come procurador, que ainda o 6
tend mais dons auxiliares, pars assim illudir o
public e ao governor.
a 0 rio Ipanema que passa A uima legua desta
villa, tern-se conservado sempre cheio, privan-
do assim o transit commercial, pars as parties
do sertioe.
Nos trabalhos da Assemblha Provincial, vi-
meos um project de lei, autorisando a" construccao
de uma ponte, para ligar A rua do Commercio corn
a Nov aobre o ribeiro que vem do boqueirAo e a
f6z deAho Gravatazinho, marcando-se a quan-
tia de 1:0001. Achamos insufficient essa quan-.
tin para a construe*ao da mesma ponte, no casw
de serfeita, come pede e exige o aperfeigoamento
das dnas ruas ligadas. E' de grande necessidade
a contact i d'essa ponte, visto como, durante a
estate invernosa flea ineommunicavel o transit
de umna rua para outra, privando at, os moradc-
res d a runs Nova, irem a miussa coaventual nos do-
mingos e dias saectificados.
Rogamao 0os Srs. deputados que se diguem de
marcar um beneficio em favor da matriz de Aguas
iBells, ulo limitando-so somente a urma peqena
part da loteria concedida pola provincia, pois se
oas atrizes de Garanhunse Bo Consho mere-
cem grades beneios, a dest villa mais meree
torque provincia ja tern despendido grades
sommuas corn aquellUas matrixes e corn este.
I Nalegislatura psiada, foi trado um be-
neficio de trinta a tantos contes pars a comarea
de Buique a parseota tida, abflolItamoato auda,
nem equer so men os um part da l 6teria fi-
,andono tod oedq ie. ;
7 7 welew ue.-Qae seguiram parsa nsts
uw nvu~o zacio'aiuhiXMtsoa: ,1" ^^. '


.ce os do "ptosdw og vapr fi|e(*.-o


X Smiawnto e Jolo Alves.
SRAMd. para au opwno i esmo vapor
Joas^da Silva Carvalho, Bellot G. Eugene, Zrei
Fides oaria e dhorFsdanB, Frei Joao deo S. 8Mre-
rino, Eoaquimn da Silva Pereir, Domingo. Jos&
Antonio ?P. de Aagalhaesi Joao da
.seoncellos, Antono Jos6 Gon~aves, ManeEt
I. B. Praga, Maria do.!Couei*ao,'Jpoo JogA Go-
mes Lonreire, Thomai da Luz Lourniro, Maria M.
Manel, Eugene Charline, Antonio da 0. Pereirna
D. :Stefano A. Maria e 1 filho, Buenaina Gacetano,
Francisco A. Loureiro Jo6o Luiz de Bettencourt
Jos JacinthoTavares, Albaneze P. Nicola, Agrel-
lo Pasquale, Cozzi Biase, Vincenzo Limmone, D.-
&henico Romano, Gabriele Guizeppe e Nicola
Dommarco.
Chegado da EurOpa no vapor francez V aec
de Maranh&o6:
S. F. Cardoso.
Dianaeiro-0O vapor Ipojuca levou :
DaThesouraria de Fatenda de Per-
namluco para a do Rio Grande do
Norte 50:OA0000
-0 vapor GiqUidievou:
Da Thesouraria de Fazenda para o
almoxarifado de Feinando 8:343437
Mata&doeuro pibileco. -Foram abatidas
no matadouro public 1da Caban1a 83 rezes pars
consume do dia 21 de nmaio.
Loterla da crte : = Eis a lists
dos maiores premibs da 2." part da 73.-
oAeria (147 B,) do cedida em beaeficio do
Fundo de Eimcip ao, extrahida em 14


iWMi ROS pREa
'2.394 2.5000O0"
1.112 .. 10:0004000
34.4 ...... ... 5:0004000
4.577 ...... 2:0006000
460 ...... 1:000#000
2.080 ... ...... 1:000#000
5.475 ... 1;000000.
5.948 ...... 1:000#000
7.56? ...... 1:000#000
7.768 ....... 1:000#000
2.393 Approxiiaa.o 1:0004000
2.395 1:000#000,
Nuaeros dos premlos de 50040
186 | 3223 4,96 || 7893 I
1()86 3832 5131 1llll=Approx.
3187 4696 5586 11113=
Numerous dos pjremios de 20O0
201 1 1520 3006 1 44521 6132
587 2222 171 | 5222 16653
907 2757 3912 |i 5428 17257
13161_ 2823 43601 60621 7316
35 Approximaqto. 150#000
35 ,. i ... "1QOQ
9-

Nuaeros 4o3 p 'ermios de 100fi000
636 1661 34041 4730 6865
687 1703 3697 5280 6978
1202 2471 --752 15342 7060
1211 2546 3812 5439 7382
1 r54 U 3237j 4254 e 6103 7569
1336 3403 4623 6805 7727
ttmose osremio 1e 40o*0000


35 1627 3438 4871 .5614 7015
165 1652 3574 4879 5631 7036
2331803 3587 4905 5801 7135
252 1908 359' 5003 5896 7151
388 2127 3608 5004 5989 7153
^ 'tg ^P SS~l500s cop, m
,~~38 N1'38 .
746 i217 388 aI 5 738.
748 2323 389 5176 6125 7391
783 2605 403 5179 6188 7479
804 2736 409 5224 6218 7496
935 2744 415 5233 6281 7520
966 27731417 5235 6340 7623
1082 2842 435 5247 6415 7656
1150 28961436 5304 6444 7670
1177 2979 1438 5309 6454 7786
1190 2992 450 5344 6684 7790
1340 3181 45451 5365 6752 7806
1472 3285 462: 5422 6823 7814
150613291 4633 5501 6855 7846
1536 3311 '4640 5517 6868 7958
1553 i 3361 | 477| 5546 6877
1607 3436 4839 55511 6906
Lel6les-Effectua -se-hio:
Hoje:
Pdlo agent Pestana ais 11 horas, A rua do
Vigario n. 12, de urma sasa terrea.
Pdo agent Gasmdew as 11 horas, na rta do
Born Jesus n. 51, de mo(veis.
Pelo agent Pinto, a 11 horas, na run do Hos-
picio, de moveis, louca, Ividros etc.
Pelo agent Silveira, as 11 horas, ao largo dop
Paraizo a. 26, de um tOrreno corn casa.
Pelo agent Britto, Ai 11 horas, na rua da Ma-
dre de Deus n. 28, de moveis, fazendas e generous
de estiva.
Sexta-feira:
Pdo agent Carmo e Silva, as 11 horas, na tra-
vessa do Corpo Santo ni 27, de moves, miudezas,
louca vidros, joias, etc. etc.
Polo agent Pinto, 'is 11 horas, na rua do
Bomrn Jesus n. 43, do engenho Burity e de ua
predio urban.
Pelo agent Alfredo guimar&es s 11 horas, na
ria do Born Jesus n. 45, de cordas para violas a
fazendas avariadas.
Pelo agent Martins, As 11 horas, A rua Direita
n. 1, da fabric de eigarros ahi sita.
Mtissae ebee-re--Serao celebradas:
Tie: As 7 horses, na igreja da Penha,
per al, *de D. Anna J taquina Pessoa de Albu-
querqu ; As 8 horas m igreja do Espirito Santow
per alma de Francisco ] artins de Amorim.
Sexrta-feira: A47 1/2 horas na matriz de San-
to Antonio, por alma de Joo Ferreira Ramos.
Loteria da pro ilta Sexta-feuis, 2*
do corrente, sera ext da a loteria 39.', aem be-
neficio da igreja de N asa Senhora da Boa-Viar
gem de Pasmado, no co istorio da igreja de Nos-
sa Senhora da Conceido dos Militares, onde so
acharAo expostas as u nas e espherms anmadas
em ordem numeric .a preciasAo do public.
Loterla-A de n. 148 B, do Rio de Janeiro
de 25:000;000 sera c trahidano dia 24 do cor-
rente.
Bilhetes A vendasna Casa da Fortuna, rua l
de Margo n. 23.
iLoteria do Cear-Corre no dia 7 deju-
nho, cujo premio grand 6 de 5:0005.
0 resto dos bilhetes na Casa da Fortuna, rua
1 de Marco n. 23.
ILoteria de *s2 1600-A loteria 1484
aerie B., corre impreorivelmente no dia 24 do
maio
0 resto dos bilhetes cha-se a vends na Casa
Felis A praiga dao Indpdencia na. 87 e 89.
t ravnwdi 16 dtera d Oe as Is*
Es eztraorda lot via & isa xt$o & id& us e8-
te no dia L6 de juilho EMM b>ou
Os bWihetes seham-aw veods usw Cws- dx
Fortunn, A sl*d a 'a::ai-2.5
I~rad *~t al t.Jf.^^<


.^

-, l




4 ?* '
cc,
av'


? 1.-.-,
:.y..-

2"^







1:.


+-'
.*
-*. ,eN> (ji



,+^ :' S. '1^ :!-

i- '


S


EM tranot.e- 0 paqueto Eguateur, levou
hontem!par& a Europa 544 passageros, seado 29
tomado em Pemambuco.
Peet& do Santa Rita dae Cassila A
confrarisa de Sant Bita de Cssia, siteja a-
n a sua pdoiram corn m missa solemne As 10 ho.
rsdasianhbi e ladaiuh As 7 hor da noite.
,' i 3.yr dta. -Apreciando
a.sessaodeuk144du cre, domaraqyatrisia-
io.ewryveu a Polka Nov da 15:
' 4 0 negoeio esteve MO honftem 0 govepo
estendet-se n'. niusaa Vet deu wrgmecia, e quasi se
toraa a estunder us deF 3enetramento. 11.11 '
,:fr FoivaYenidjiseusia5po 5votoas, e vncen
n0mo w f nni'[M I. nriLfl 9.. '''11 '';*1'"'*




















































r d o t g @ O


0 de 1883,
dea'e'aes


SaS8ItY


OBNCIA DO E

Sr*t

1 ewsuas u9 sows
JULGAMENT08,
'Hbes. owpu


&dessm-
teeedente.


Felix doe Sute?.-Xauaoti-seoovir
Le posioa eOM a torJaidD4 criminaoe
.6' do Albsu rqura.-4tandou-se ou-
a& deopoli e to. Ju.i minuiiapA de
Gbino Peas.. de Meb*-Coeede-Be
a ejr ipee d '# 'Ttibna .i,*


provineatoww
DoRecife-Ro
ma Juaior, reeor
Ira daearvslno.


-a.--


Jf ][Am&,aggravi
tor o Sr. dem
mtosos x&s.daei
scano Barreto.-
mente.
EUiv *In RFReifeR


W I N3 emtot'de'27 daL 1888, J ,N .5
Lowreono de Seias ; &i deyo de cravo.pa I x
ferradomnas. 1 01 Ou
N. 4. Deereto de 27 do de 18rVo 1ee883, -'I N -
rno Publicsl Alysm4S Cne
fraudesddas.-Por eacript cll d
r publis do 10 do hvaeiro do 188%0 o couces-
sionarto fez ioeiedado oba o Dr. Joac Raymza-"""8
do Pereir a daSil4W.u9.,-
N. 8. Pecreto do 27 deJanoir de 1883 o WWo .Marott
Cheveliand Dtlena.s i y Hiermsm hscheck; emw<
macbinas pars a f* et da can.. d seasucafir :
milboseountras patcn c'
N. 6. Dearvto do 10 de fevereiro do 1883, Frani nads
Gotto; fabric& do ceqt. come o empreg = deA, i
teries fecasf e9zrahiud& oe tas e6 d, prcaip& 6.
N. 7. Deereto do*- 4s fevreiro d .1883,MZl
Ulique Dolforge; app;relho dstiadoa marca t
eatrada de pasagi. ce bond9, den~miad#a. : J"i
&. 8 Deoreto do 10 d fevereiro deo1883,AJo~o J
Roo. Mwtius; fabric e prepare de chap6oe cm N. 8 62
pee8de ="Moa. rti'1 _G" .;*;1:1*:1: ~
I im I %' 1 .6t~r" a it tA r. 'I


troveniag
inda N. IL.
mont Ade
Limas. N. 12.1
1*- ./am Ads
wrens, I"


tagador riues rerieea. l hLO. 0o0o0-
Ibeiroi Quefrosz Baris roMteio deo Andrade.-
uemo-w provimeat o cotra o voto, do Sr. cm-
vsoiroQueiro .... ar.
S Aggravo de instrmento.
&. :Parahyba Aggravante Dr. Slvi o Evindil
VSuneio dia Canha, aggravados OMmts, Jautim &
C. Relator o Sr. desembargador Fire Goaal-
wou. Adjuntos 0o Bra. desembargadors O.veira
Maciel e consedheiro Mout*po de Andrade.
&pngoae provimeutoj iftiemae

De Itabaisaa- o jul.., appellado
JoAo Pereima la siva. Sr. deimbarr
Pires Ferreira. -Iandom-se r66 a neo-
||,uanaimement4 e ua ti U f. md.'asa
iBM-11 como por enganoefoi publcao. .
Asaiguao-se dia para julgameoto 4.. seguinteo
'Appelaes liveis
BoRecife-Appeilaate o BAruo de Goyaaa,
D. Autonia Florencia deAranjo.
RKecife-AppelLaute Emeto Cunma, appol-
a0 herdeiros de D. Fraacbwa Thomazia da
piiee oCo ha& '' '.''.: -'' ,'' ^


4de 1d O fevereiro de 1iA, Al-
oeacaode glerias, sbefase cor-
s e podrta sm emprego de seA-
o 4de 10 de fevereiro de 1883, Gus-
i; fbrieo de product. uduta
I ptoe & animal vaoeim'.
am 94 .I fava-Viro difm Ia Go-


malar fOrmigas saua.a, Gciea~nznOfa.-Fnlmmnaai&.-
N. 15. Dcreto de 24 de fevre de 1883, An-
tonio Gonga.es Teixeip; praparagoA d pedrm.
pkstica. f-1
N. 16. Dooreto de o24do fovereiro de 1883, Car-
lo3, Basto; syatemo.deotmawys electrizes de eon-
ductor subterrmneo, applicavel as r ssda eidade.
N. 17. Deereto de 24 de fevereiro de 1883, A-
tonio Francisco doe Santo Maru; m inha des-
ti'ada descsaear e brniir caf6 e outros graos
-Cruseiro do SuL-Privilegiada em Inglaterra- o
confiruada a patented no inpenio.
N. 18. Decreto de 24 de fevereiro Ae 1883, Lix
Cadido lAwombe; conerao 4.de legumes, frac-
tas emcaldaas,masae a secco.
N. 19.Peereto eo 24 de fevereiro do 1883
Chrstian Eiaerling; prepare A* de pelles.
N. 20 Derotde 24 de fevereiro de 1883, MIs-
uoe1 Correia do Alueida; extraglo do pdlvllahp d
difeee plantsI tvberculosas, fabnicaa .ds ni6 -
Ihmo e outros cereams por meio da machina-de.en-
minIada-Utidad Brasileira. :... :1::
N. 21. Decreto de 24 de fevereiro do 1883, H.
Ulique Delfbrge; mehipa pars atarr caf denomit&

X 9ft.-Deuwato d en- 1 de* 'tSB Ans.'


creto de


IcAL Del Bey z$*wMiing y Coiwi. LHn-
a, Decreto d l6 dej 'AsIM, -Rea-,
mar ; mebhorame"to *rodaridos n4, a-
boraca, utta percha e gonmaa am,-
. Deereto de 21 de juiho de 1833, Henri.
to Alves.Brandle4; hri aI"csfmrwi-
um novo system, enomm-ado- Ferrada-
aDert ^$ is


~.663, Decaeto de 3
vo Hugo '9lste; priel
tin de .os.k
I 67. Daereto,-d&.
Antonie Pereird a -s
Uted4 a vehiculos deno
Never&
L 6& D 2etoi dto7
dri Vopedl do Gadino
l 69L Deoreto 4t.7


410 di o de 1383,,
Am^ do'~w~ PamX a uWiTml 0- filtrH*









.n4 d dosembro de 1883,
iteose..deOdael au owagusonad


a fwrueorieroar
IJ.t.Alte-18de do smeqbro do 1883


Diftpr.iesdoaq do-
^ lelto e moo se 60so1ceritmi im
g meroa: aavi em de .

ee, do 15 de deembro dp 1883,
'Lobs, wooew panral rgenem
6 we eCoAM de ro&4P= e wagosm de-
1fem"por meto, do- frigrifero. 1:
Oedmto de 15 do deiepbro de 1883,
MUen4iaiv XtkjW %,a que de-
Sgar rreg a --r. semb
anei0k 31 dedezenkbro do 1883.



npseqvench d ter: x assemblea


rovitl prorogdo -o 0 sen contracto. corn
.ia dt rom'coo, o-opn etwio do-
"or^(fo <^y^qoetambern pretendow a.
irab-i dos tmbAlhos da assemblea,
ilgou-se desconsiderAdo e rompeu o accor-
o qe e-- osc. "iaha para a publicaeUo
,no@" arlBt^^igos- *. .,,- .
Do motive exposto result a asem razzlo
o Jomal, quoQ, np nos pia responsabi-
ar peo cto da aemb fosse elle jus-



5 o n, ''e.'o
Mm o eo iq do liberal, Sericoufti--


A Rednc^So.

A. edo -24 districlo


Julio Coioeq, no .rieio do manda.
ei- to de repsentante. desta provincia corn
prO- I 1"e nfa i y Prod"traoCorese .
me. pander A confian9a do digno e independen-
a pi- te eleitorado do 2.0 disfricto, e nem ut's6


tvaur


.o0 i eano


i do 1883,


Porto Carvo
Pavarea de
lito. de Very


ci on minteresses de minha
vincia, ouso esperar que
adomesunmo mandate, no


fodriguer,

4)iopr, :


I awm wa 1 804 945107 :
a as Lam 7418
i *. ; .

^*;:|984j:"
" !, !*-;_.1l, : '-' IL i. 3 ". :U ..'*


reo do- 180
into do.se18
code 1883,


eoati


^IMIMuwws quo qatR'o J-fr4aorex no
Mneiro do Munis, a ins1Usgbes dos her-
4 ..w do masiuo, requereram iA m11.' a-
mara MuIicipal, pat sor r.emovido d'alli o
grAe lixe o que a pedido dos mesmos her-
deiros. ioi A depositado, declarando elles
na peotiao, para que sejadito lixo lanuado
na qiar6.
0 melhoramento do porto so sujeitarA a
isto? Por certo- que no.'
Ao honrado Sr. fiscal da freguezia de
S. Jos6 compete todo sen zelo e justia
qando tivor de informar dita petigio, pois
S. 6 testemunha ocular do estado deste
lugar,. certo de que os moradores da rua
do Peixoto e Deien*_o 1ho de protester
contra semelhante resoluglo dos herdeiros
on memo da Camaa.
Recife, 20 de maio do 1884,
Muitos moradores.

0 1 're"O P11 rmaeeutleo e I
Carubeba do Smr. A. P. da.
*Cueha*. *11_
via
Im. Sr. da commieio.-Satisfazendo o que me
pee ease Cogresso, tenho a responder q. sof-
freudo de fortes dores rseumeitcas syphiliticas,
Bendo a opinilo de divros medicoi, em vfstL dos
attesatd .quoe afSmvvam a effieacia do medica-
mento do Sr. Antonio Pereira da Cunha, denomi-
nado-Cajurabcba-reaolvi-me a fazer uso delle
conhecendo queem lugar de melhorar dos me='
soiffrimnetos ao contrario peiorei horrivelmente,
pelo que me vi forwa4 a deixalo e lanar mao de
outros medimeeintmos par obter a cura de mes
* offrimontou. P~deoosae Congasso fazer deminha
rsposta o use qae Ihe conver. De VYr. Ss. at-
tento, etc., ete.-Anto-io Martiniano da Silva.-
(Assignado.)--Recife, 16 de maio de 18$4.
SReconheco a firm infra. Recife, 20 de maio
de 1884. Em testemiunho de verdade o tabellilo
interino Jo.i Carlowde S. (Assignado.)
(Continda).


olm .Jardlm
De volta d'csta comarca, depareil uo Diario de
domiugo, .18 do corrente, corn uma publicago do
Sr. Dr-. Jos Gomes Coimbra, em resposata a m
contra a imptaos ao meu amigo, capitao Jos6 F.
Cordeir de Arruds, de ter dspertado odios con-
tra quernqur quebssos~J ^" ^ ""
Grate ao Sr. Dr. Coimbra pelas expresses de
b)ndade eomque so dignbu detractar-me, comeWo
retribuindo-lhe a fineza corn a declara9lo de que
consider. 8. S.S. urn juiz intelligence, illuatrado e
integro ; ambora teaha justos motives para apon-
tal-o oomrin partidano exagerado e urn espirito
prevenido.
E d'isto tenho provas irrecusaveis ; por6m ps-
so adiante, porque o men intuito agora 6 eomgir
o engano em que laborou S. S., qando rediglo a
alludida publieaVo.
No. e exacto que en tenha contestado a infor-
ma*o reservada de que se tract ; e, se algama
duvida podesse resultar das minhas palavras, bas-
tava attender que sou amigo, muito reeonhecido e
dedicado do capitio Rogobert o, actualmente seu
advogado, para que se roconheeesse minha inten-


TisEuna dinamarqueza ima, entrado du Rio
Grande do Sal na mesma data e consiguadi a Pe-
reira tarneiro & C., ianifestou :
Graza 121 pipas, dita nem bexighs 700 kilos.
Xarque 25,860 kilos A ordenm.
Hiate national Jodo VaUe. entrado de Macio
na mesma data e consignado a viuva Lages, ma-
nifestom ;
Algodao 29 saccas. Sal 35,840 litros a ordem.

Hate national D. Judia entrado de Macao, na
mesma data, e consignado a Bartholomreu Louren-
S.a1,200 litros a ordem.
Hiate naci r(if74eu4, entrado de Macao, no
die 2 do e a Manoel Joa-
qm Pessoa, mneatu:
Sal 23,040 tit t a ordenA.

Vapor franees Eausr, entrado de Montevi
deo e eeealazna t ad e consiguado a Au-
F^wl1.e 80sacmosa Fraga Rocha & C.


WeWM


a.,


U24doe,24deoideol

^ *1 ,1 A ". 6 1 .oI

Tendoo jonal empo
pas pubhies98 A ;pedid
iico, pormm aemasignabt
--aim a responsabilidade, i
farei -publicar docament4
cava ao sol d'este anonyn
pmpa-mamao quo proeura
sBenme aodrnta, o qued


ra meats eq sto a
nsdar~axaI.,
Jlv. ea. bateu,
d s tri*Bws1 a t qpauto

Itcanto.


ubiieado por dwa vezes
e sore o titturo Ao pu-,
Ara, deiapparceendo as-
espondo que brevemente
b corn os quates porei a
0o, que .preee ser algum
por este meio torpe ver
-sde j Ihe diego que nio


o ta. -
tom relacIo A minha viIa domestic, serial mu-
Ihor que visse o que pir 1 se passa.
Souvictima de desaffectos que procuram plan-
tar a discordia entire mim, minha mulhoer e intia-


do, repioduzindo-se o que ja soffri nopateo do
Ter9o, porem eapero e:n Daus nio se realisara.
Quanto ao dizer q,' nem sustento fornego a
meu ilatiado, deeoclino do juizo apaixonado de mea
gratuito aggressor, para os das pessoas que me
conheceme frequentam meu estabeleeimento (ho-
tel), onde sempre devem ter visto A mesa men in--
tiado.
Recife, 20de maio de 1884.
ManodlA. Pitolo.

Cowo esla livre o Cear
Os abaixo assignados, residents no Ceara e de-
paagem n'esta cidad., protestamn contra a pa-
b..csao feita no D4ario de domingo, corn aquemle
titulo.
0 Ceara nio possue mais escravos. Eata ver-
dade foi proclamada pelo president da provincia
no dias 25 de mar9o.
A Libertadora Cearenste possue certidlo de to-
daass colleetorias da proviucia, certificaudo nao.
haver mais captives eam a:ums muMcipios. Seal-
gsCO portanto, ainda posse escravos no Ceara
(o que nao cremos), possue-os illegalmente, por-
qe-sao livres os escraVos que nAo tiverem sido-
matrieulidos-em face da leii de 28 de setembro-
de 1871.
Recife, 20 de mirgo de 1884.
Manoel de Souza Franco.
Arthur de Mattos.
Sofon da Silva Porto.
Possidonio da Silva Porto.


Theatre Santa Isabel
0 actor Francisco de Castro, participa ao res-
peitavel public, qae, em virtude de nio se achar
frnccionando a Sociedade Gremio Emancipador,
a quem o mesmo havia offerecido a 5a parte do
producto da passage do sea beneficio ; resolve
transferir o mesmu product A Sociedade Ave Li-
beriay.

Cajurubeba
Curas obtidas coud este medicamento
Recife, 14 de maio de 188L
Him. Sr, Antonio Pereira da Cunha.-Satisfa-
zendo o que me pede em sua carta firmada em 8
do corrente, tenho a respmnder-lhe o seguinte : ha
muito que soffro de rhcumnatismo para o que hay a
tornado diyersos remedies,. sem ter obtido resul.-
tado algam, ultimamente lance mAo do Cajuru-
beba e com este medicamento acho-me corn gran-
de melhora, tendo apenas tornado frasco e meio.
P6de V. S. fazer desta minha carta o uso que
ber Ihe aprouver.
De V. S. attento e venerador.-Hermenegildo
Codho da Silva, c ehefe da estagao das Cinco Pon-
tas da via-ferrea de S. Francisco.
m 1,M4 liters de-mel -e6 barricas corn 360 kia-
de aslcuar refinado.
Na barcaga Rainka dos Anjos, carroegon :
Para Macao, J. J. da Silva Campos 7 barris
corn 570 litros de agardente. .


MOVIMENTO DO PORTO
Navios entrados Wno dia 20
auenos-Ayres e esealas-8 10 dias, vapor fran-
eez Equateur, de 2,497 toncladas, commandante
Lecointre, equipugen 128, carga various gene-
ros ; aAugustoLabille o C. /
Maoao-36 dis, brigue holiandez AibAtros, de 172
toneladas, capitUA J. J. Lpks, equipqgem 7,
carga sal; a Hermann Lundegren & C.
Liverpool per escalas-25 dias, yapor inglez Ma-
rner, de 917. toneladas, cominandante J. P.
Newill, equipagem 27, carga various goneros ; a
Saunders Brothers & C.
favr e esealas-18 dias, vapor francea Vile de
Mfcranhsmo, de 1,775 tonoelads, commandante
Ba eap o 441 cargavmios generos ; a
Augr s "top e1.ia
B o, A e* : 'ei'i f^a.i e c 1 ^ *' 1
Liveyp~o1-Vapor jiaglos *@*IiRVyF comnmandante

eoauandmat YLeeoietre, carga variouss g eros.:
Balutrem, eapitlo John-


r


r




:


K


-f
--




I










'4













- Ii -


I


-1,


on~to ag
lAWA
- .W-
que Ping1

























































Ilinerario
IDA
Waida Southampton 1
Mhegada Bordeaux 4
Vo 7
S Vicenta
4 Pernambues 20
a Macei6 21
S Bahia 22
S Rio de Janeiro 26
S Santos 28
Montevideo .
S Buenos-Ayre .
VOLTA
(Conforme as ordens do Rio
Sahida- BuenosAyres
S Montevid6o
S Santos
S Rio de Janeiro
hCegada Bahia
S Macei6
o Pernambuco
S S. Vieente
Lisboa
S Vigo
S Southampton
$6 tocara se precisar ecarvio.


tdihero


A fintadol4 datoo ea fezs f on h ae$sta
| daderevelaW6da aptidoeo t e o amqusOR-
tre nas seouldtiva a muaica. E pfi
W 0 e a? adore% profeor". prove"1 eM u W
: .^ ,prnciianw.todos merecernut oe appam;w qae
o public dipensou a todos, mosW f enten-
dedorejusto. Mas a b6a voatade, corn quo &-
varceeram umas istitUio iutil, sinds merece
maicr louveor. *
Publieand, por ordem alphabetie, o omaes
das issoas, a qua soe refre, dove a eommi*Ao
espeifiear os tres eximios professorei, a quem
coube mia lpea tarefa: o Sr. Jorge Victor
SFerreiar Lopes, director do concerto, e 01 Sr
Marcelino-Cieto e Candido Pilho que dirigiram a
orehestra e as bandas militares, Alm, da pecs quo
elles tres exzcutaram-em piano, violino e flauta.
Reeife, 17 de maio de 1884.
SdQeiatiuo Jwe de Mirandm.
Antonio Gomes Miranda Leal.
Cicero Odon Peregrino d& Sil.
Francisco Maganneo do Sosa o,
Jodo Baptista SRegnwira Costa.
Joi H inygno Duarte Peira.m
Relao das Exmas. Sras. e cavalleiros que se dig-
naram tomar part no concerto
As Exmas Sras. DD.:
Adelina da Silva.
Amalia de Paula Ramos.
;i, Alice Adour.
l, Amelia Fiok de Miranda.
^ Amelia Rabello da Silva Santos.
Dina de Miranda.
Eliza Fernaunds da Camara.
Euthalia Froes deOliveira.
-Francisca Baptista da Silva.
Hermina Frees de Oliveira.
Isabel Clementina de Brito.
Julieta dos Santos.
Leopoldina Viegas.
Maria Amelia Teixeira Guimaries.
Maria Annnnciada Magalhlaies L:al.
Maria Cabral.
Maria da Camara Sampaio.
Maria Leobina Braga Loyo.
Maia de Paula Ramos.
Philomena Candida de Oliveira Fonseca.
Os Illms. Srs.:
Alfredo Sergio Teixeira Lopes.
Dr. Antonio Carlos Beltrao.
SAntonio Martins.
Augusto Hygino de Miranda Junior.
Candido Filho.
Candido Lyra.
Conde de Loredam.
Elias Pompilio.
Emilio Lamberg.
George Nind.
Jaoe Alves.
Jorge Ferreira Lopes Junior.
Commendador Jos6 Howe.
Manoel Ignacio de Torres Bandeira Filhoe.
Marcefino Cleto.
Santa Rosa,
Tito dc Mirand a.
O Dr. Juis mnUa emeial da GlorHia do
Goita e o "afxo assignado
Venho perante o public manifestar a accusa-
Dlo injusta e capciosa, que contra 'mim fez o Sr.
Dr. Felippe Pereira Nabuco dc Araujo, juiz mu.
nicipal deste termoI a Exma. president da pro-
vincia.
lujasta por carccer de base e funla-mento, cap-
eiosa por ter sido suggerida as occultas e malicio -
samente.
Injusta ainda por ter sido dada por despeito e
talvez por espirito politico ; capciosa ain la, [or-
que s6 o espirito de vingana e ogenrisa ao lugar
que exero, it pederia dictar.
De feito, na qualidade de 1o sapplente do dole-
gado em exercieio deste termo, fiz prender a Ma-'
noel Pedro das Neves, por embriaguez e queixa
que eeontra elle havia dado Antonio Joaquim de
Lemos Vasconcellos, de ter tentado o dito Neves
contra sae pessao, cuja ordem passei por escripta
ao respeetivo carcerciro, a que o Sr. Dr. Pereira
Nabueo 4evado sem dtvida porseus amigos e cor-
religionaries politicos conceded incontinenti fianga
I provisoria cenforme fui -isformado, e tendo dias
depois pradlido por disturbios a Manoel Severino
Ferreira, cntcndeu o Sr. Dr. Pereira Nabuco quo
est. prisao era illegal, e foi isto unicamente o que
dou casa a que contra mira o Sr. Dc. juiz m-mi-
cipal Pereira Nabuco desse queixa:
De molo que ens vez de sen o Sr. Dr. juiz mu-
nicipal Pereira Nabueo o prim-iro a dar o exemn-
plo de moralidade, e aocontrario quemn desmoralisa
as proprias tatoridades plautando assim a discor-
din e deharma~nia entree elias, procedimento tanto
mais eondemnavel, qaando sem causa plausivel c
someste como ji dissamos .por ogeriza, vinganca
ou virus politico.
No entretanto, eonfosso que jamais me passou
: pala idea que o Sr. Dr. Preira Nabaeo se pres-
... tasse ao fim do urna aecusaaeo banal contra mi-
- nht p3sson, que nuacA. lhe dei causa de tao formal
intisposigbo 0antipittlhia, tanto mais quanto no
desempenho de mna cargo sempre prcurei seg'-ir
\ le, e s6 a lei tenho por divisa.
SVivendo f6ra dos earedos e cavilagoe political,
nlo me occupo senoo do que 6 strictamente dos
nmeus deveoes, pois comiB m-mito bern sabe S. S., vi-
v de minha agricultdra e aao audo ralylando


quelxas.
Nao sou potentado nem tenho dados para sel-o,
para sujeitar povos a meu dominion eom o arguio S.
S.; ncm tao poueo persigc sos pobres, pots tam-
bom nio son rico; ao contrario soe assim fosse es-
ton certo que oantro seria o proeedimento de V. S.,
e appello pars todos que me conhecbm. -
Nao me desdoura a queixa que V. S. den de
mim, into ap-nas que V. S. esqueoendo-se dos
deveres deuatlea 'e ecortezia mae obrigasse a siahir
de minhi humildo individualidade pma dar uma
atisfe, o do men procedimento.
Recife, 20.demuaio deo188L
Francisco Correia de Albiquerque.


eoberb

Intam
Aeaerd
tetr a
pondee
ektan
Aead<
deQu
10 el


eIA.-Muitas pesoss quoe
% do wuqaucm on newa-
is fiaudes escandalosas dea.
ls maaitAneisi nablic. noaI


a mranhao.


brucana
Nao tendo sido pWesenutado o par-ecr da eom.
taisAo de fiianps. Dobre o qua! devia baearse
u liquidao'deot seciedade, ficou a esilo adia-
da para tera-feira vindoura, 27 do worrente, a
qal erA intrasferivel, embora s6 comparega nu-
tuero legal para funecionar ordinariamente,
Recif, 14 de maino de 84,=0 secretario,
Deomedante MagahIes.

Club Mixto Minerva
De ordem do Exm. Sr. president lO convida-
tdos todos os socios no dia 21 do corrente, As 7
lioras da noite, na s6de do memo Club, afim dc
eunccionar a esslo para leitura dos estatutoe. 0
inmesmo Exm. Sr. ni. admitted falta alguma.
Secretaria do Club Mixto Minerva. 17 de maio
de 1884.-0 secretaris,
|Aboesio de Castro,
I A Camara Municipal do Becife faz public
]elo present editas], quo em sessao de 14 do cor-
rente resolve mudar os nomes dar seguintes
:ras :
A rua a partir da Princeza Isabel c a terminal
na estaco do Pires, se denominari a rua de D.
Jolo Perdigio.
A quo se domina Campo Verde, que 6 aquella
que parte da rum de Riachuello e segue na dirce-
,o norte a eLoontrar o Fombal, se denomrinara rua
de D. Vital.
A rua do Sol a partir da esquerda da rua da Paz
e a terminar no Lyceo de Artes e Officios, pas-
isara a ser denominada Dr. Ivo Miquelino.
A rua do Calabougo se denominarA rua de 28
de Setembro.
A rua de S. Bomrn Jesus das Crieulas se denomi-
narA rua do Major Agostinho Bezerra.
A travessa dos Expostos, rul de Pedro Ivo.
Paco da Camara Municipal do Recife, 16 de
maino de 1884.
Jose Candido de Moracs,
President.
Pedro Gaudiaow de Ratis e Silva,
Secretario.

Obras publicas
De ordem do eim. Sr. engenheiro chefe, faCo
public que em virtude de ordem do Exm. Sr. de-
sembrrgador president da provincia, v~o em pra-
na, perante esta repartigio, no dia 24 do corrcate,
ao meio dia, os reparos de que ainda precise .
ponte de S. Jolo, na importancia de 2:4584480.
0 oramento e mais condiV5es do contract se
acham nesta repartigao para seret exaninados
pelos pret pdentes.
Secretaria da regarticAo das obraa publicas, 15
de maio de 1884. 0 official,
Joao Joaquim de Siq[ teira Vare'o.
A Camara Municipal do iecife, tendo sido
obsequiada na sesslo de hontcm 7 do corrente,
corn a offerta que lhe fez a illustre comminisslo
Vinte Cinco de Marco, sahida do seio das socie-
dades Club Aboliciouista e Nova Eminancipadora
desta provincia, do livro de oiro, outr'ora perten-
cente ao inclyto Visconde do Rio-Branto, de san-
dosa memorial, ao qual coube a gl(rios" idea d&
extinco do elemento sprvil no Brasil, apresen-
tando o project em 1871, que mais tarde foi con-
vertidoem lei sob n. 2040, estabeleceado a liber-
dade do venture escravo, convida jubilosa a todosi
os seus municipes, para qne venham nelle, que
flea exposto na secretariat desta Camara, inscre-
ver-se cem o obulo que Ihes aprouver para o fin
de ser realisada a festividadei projectada, e deli-
berada por esta mesa Camara polo 139 anniver-
sarioda sabia lei de 28 de setembro de 1871, sen
do nessa occasiao alforriados alguns cscravos.
E pqra que a todos chegue esta noticia, man-
deu-so lavrar o present edital.
Pago da Camara Municipal do Reeife, 8 de
maio de 1884.
Jose Candido de Moraes,
Presidente.
Pedro Gaudiano de Ratis e Silvra,
Sceretario,


-- De ordem da Illma. Camera Municipal, sao
convidados os donoa dos estabelecimenlos das
freguaeias de S. Jas6 e Recife, para virem A see-
qAo cempetente rever os pe.sos, medidas e balan-
gas dor mesmos, no proximo mez de maio, sob
pena da lei.
Pago ds Camara Municipal do Recife, 30 de
abril de M4.
Jos6 Candido de Moraes,
Presidente-..
Pedro G. de Ratis e Silva,
Secietario.
Pela secretaria da Camara Municipal do
Recife se faz public que em sessao de 14 do car-
rente foi desiguado a final do ceaes 22 de Novem-
brQ, extreme saul da freguezia de Santo Antonio,
para poder ter armazens de recolher matcrias in-
flammaveis, visto cxistir urn s6 ponto destinado
para ease mister.
Secretaria da Camara Municipal do Recife, 15
4e maio de 1884. 0 secretaryo'
Pedro Gvtdiano de Ratis e Siva.
A Camars Muuieipal dn cidade do Beefe
faz public a quem iatecessar possit;, que eqjes-
do de 14 do erreute, se resolve designer Inoal
do eaen 22 de Novembro ettremo sul da freguezia
de Santo Antonio, na tavoesa da rua da Prais,
para deposit de material inflammaveis, visto
uxitir mun s6 ponto para esse mister.
p"M d, Camara Munieipal, do Pecife,. 15 do
maio de 1884.
Joase Caudido de Moras,
Pmesieute.
Pedro Gaudiano do Ratis e Silv,i,


01


.. -,


P^IbIU 15B WWWR UY
D131GEDA POR
two


Ura unlea represeutao reials
A' PEDIDO GERAL


Beneficio do actor

FANCISCO CASTRO


Ho0., 21 do cMte
A festejadissima e delirantemnente applaudida
comedian em 3 a"o do notavel oomodlographo
Franca Junior, o maior suceesso dos theatres da
Corte, toda ornada de musical do maestro C. Ca-
vdllier. *-

Entra, como na Corte, em scena, a magnifica
manifestaeo ao deputado, A frente da S. P. de M.
Recrto do Pdo Grande..
Vai, como pede o sen author, o 20 aeto, coinm to-
dos os caracteristicos de urma verdadeira eleiqlo,
onde o cacete eleitoral rqpresenta a soberania po-
pular.
Termina a comedia corn o esplendido
TANGO DE PRETOS E PRETAS
S (Mais de 50 pessoas em scena)
que na Bahia foi bisado para mais de dez vezes
DarA com-?o ao espectaeulo o applaudidissimo
episodio poetico dranmatico, original do conhecedis-
simo poeta Rio Grandense Lobe da Costa e expres-
samente escripto pars a phenomenal actrizinha
Julieta dos Santos.
ESPINIOS E LOUROS
desempenhado por Julieta dos Santos, Moreira de
Vasconcellos e Jolo Roeha.
PrlnclpitraA 6 1/* hIoraa.
Bonds para todas as linhas depois do especta-
culo.
0 benefieiadoeonta merecer todoo apeio do res-
peitavel publieo, exhibindo para isso esta peoa,
que tAo applaudids foi e 6 sempre de todas as pla-
teas.
Muito esp9cialmwnte agradeee A distincta iacog-
nita-NENE, que se acha hospedada nesta capi-
tal e que muito o esadjuvou, aceitande-lhe quasi
todas as cadeiras de 1I clause.

Sabbado 24 de maio

Grande festa artistic

Especltulo completamente
novo


EUITIEOS




Danipfschiffahrts-Gesellsdihalf
0 PAQUETE A VAPOR

Rosario
Espera-se da Eu-
ropa e portosdo
norte no dia 30
do corrente, se-
0depois da
demora. necessary para
Dahia
Para passagens, frete, etc., tracta-se cornm os
agents.
Borstelmann & C.
RUA DO VIGARIO N. 3
I andar

rompanbha Draslleira de Nave-
sgaco a Vapor -"
POR'OS DO NORTE
0 vapor

Xaaos


.Pareargpaenencommeidas evalore,
aa-e na age44. -4
44 *- RUA DO C~OMMiaciiO 44


P


8UL


OWmusai


90 no* pwre" darn
T "AyAPOR.


ZineDcki neon

esperadoda Europa no dia
do oorrente, seguindo de-
Sdademora necessaria para


*


24
2i I
29 1
5
7 i
de Janeiro)
17
18
274
27


Para passagens, fretes, etc., tracta-se com os
CONSIGNATARIOS
Adamson lowie & C.
S-Rua do Commerelo--


LEILOES

Agente Pinto
Quarta-feira, 21, deve ter lagar o leilao de
moves, louga, vidros, na casa de esquina da
rua do Hospicio em que moron a famiha do Dr.
Nabor.
Sexta-feira, 23, o do engenbo Bnrity, o Ca
casa terrea n. 7, da rua de Mariz e Barros, e do
sobrado do largo do Mercado n. 19, edificado enR
chbos proprios.


Leilao
De urn piano, quadros, Iouna,
vidros e moves de easa de fa-
mnilla.
Quarta-feira, 21 do corrente
AGENT PINTO
No sobrado grande da esquina da rua do Hos-
picio, em frente da estateo das Officinas, casa em
que morou a familiar do Dr. Nabor.

Leilao
DE
Moveis, lonas e vidros
A saber:
Um piano de jacaranda, 1 mobilia cornm 1 sofa,
Sconsolos corn pedras, cadoiras de bravos e 12 de
2gu4iriie, 2 candieirO a gaz, 2 castigaes e man-
gas, jarros, tapetes, 1 banca de jogo, 1 mesa re-
donda, 2 cadeiras de balance e 1 revolver.
Uma cama franceza, 1 lavatorio, 2 quadros, 1
commoda,4 1 marquezio, I estate, 1 clssj, 1 redo-
ma, 2 cabides e 2 globes.
Urma mesa elastic grande, 1 guard louga, 1
apwrador, I sofi, 2 consoles, 12 cadeiras, 1 quarti-
nheira, lou para ehiAt e jantar, garnafas, 1 relogio
de parede, 1 mesa grade coam gavotas e muitos
outo moves de casa de familiar.
Agent Pinto

Oiartafeira, 1 de mai0
-Na cas da runa do Hospicio em que morou
familiar do -Dr, Nabor. -
0 Ieaao prbipia'rd 4 10 112 horas


do corrente


.11 boras
: rua da Madre


d Dens


n.28
A SABER:
1 mobilia de amre 6cM tampos de pedra, ca
deiaadjiifftayftt*, ftajr,:abmdos, qnadros,
espelbo, 70 tapets, madapoles, algudlosinhos,
chap us, brins, ohitas, e etc.

Leilao
De 1 mobilia de jaearandAl, guard vestido,
guard lou, memsas elasticas, meias commodas,
toilettA de jaarandA, lavatorio corn tampo do pe-
dra, camas francczas, marqaezes, consollos, ca-
deiras, mesas, abides. qnadros, espelhos, louVci,
ridros e muitos outros objects que estarao paten-
tee no armazem da rua do Born-Jesus n. 51.

Qrta-feira 21 do conelto
A's 11 J1oras
POR 1NTWYEVNVAO DO AGENT
,GusmIto


Agent Pestana

Leilao
De 1 exeellente casa terrea, de pedra e cal. sita
a rua dos Guararapes n. 51, aqual acha-se reodifi-
cada A 2 mezes e tern os seguintes commodos : 2
salas, 4 quartos, cosinha fora e quintal murado e
acha-se alugado.
Quarta-feira, 21 do corrente
ds 11 horas em ponto
NO ARMAZEM A RUA DO VIGARIO N. 12
0 agent Pestana competentemente autorisdo
fara leilio por conta e risco de quem p"rtececr, do
predio aeima.

Ab corror go %irtilo
N. B.-Para qualquer informalo o agent darA
em seu armazem A rua do Vigario n. 12.

Leilao
Do sobrado do largo do Merca-
do n. 19 ediflcado em chios
proprlos corn sotio e dous
quintaes.

8ola-i lra, 23 go CO ouait0
A's 11 horns
Na rua do Born Jesus n. 43
0 agent Pinto levarA novain-ntc c pela ultima
vez a leilao servindo de base a offerta obtida no
10 leilao a casa de urn andar e soto pertencente
ao espolio do finado Francisco das Chagas Galvao
servindo de base a tufferta obtida scndo que
n'aquclle dia sera effectuada dita venda cooinquem
melhor vantgem offerecer de conformidadc coin o
despacho do Him. Sr. Dr. juiz de orphaos em vista
da inforinacao do inventariante da mesma easa.

Leilao


De fazendas avariadas
CONSTANDO DE
Algodoes, ehitas, brlns. smr.ai
e miltas outras fazenda-
8oxAa-frlim, 23 do co0rron1t
A's 11 horas
POR INTERVEN9AO DO AGENT
Alfredo Guimaries
Em sen armazem a rua do Born Jesus n. 45.


Leilko
De urma caixa corn 1,000 duzias de earri-
teis corn corda para viola
Sexta-feira, 20 do corrente
A's 11 horas
POR INTERVEN(AO DO AGENT

Al f lo mmnor us
Em sou armazem A rua do Bom Jesus n. 45.


Leilao
Da armag5o, pertences e minercadorias da
fabric do cigarros da rua Direita n. 1
Ent umn ou mais Icts
Sexta-feira, 23 do corrente
A's ItI horas
Pelo agent Martins.



Leilao
Da casa terrealn. 7 da rua de Mariz e Barros,
freguezia de S. Frei Pedro Gonealves do Recife,
pertencente ao patrimonio da Irmandade de N. S.
da Conceico da CongregaVAo desta-'cidade.
Sextafeira, 23 de aMio


A's It horas
Agente Pinto
Rua do Born Jesus n. 43
Por mandado e em preenn. do Exm.
jui .a provedoria e residues.


Sr. Dr.


LEILAO

No Ii, Graindke do Norle

hUik Aka. li
Effectuar-se-ha no dia 24- do corrente o
11 d, epatua em o LiV, tal ou qual
cono se ach fmdeado no po do Natal.


Jar terraeo da case s.4i1A
Jair o spbrado n. 84 Ar
as eas5st n 1 A travexsa d


H*rlo no Fainheiro,a, e a de a.
---Aluga -seo orimueiro an
a praa do Commemrio : a.t
o00 errmiesma p red;o.
Aluga.,se uma boa easa
flictos: a.tratar DO escriptor
Loyo & FAilho, caes da CorpS


... 0.1A.pipucos.


do predioun..10'
stra no pavimeito

na estrada dos At-
o de Jose da Silva
hia PernambucaDa.


Quem precisar de urni ama de leite, indic.-
senatravessa de S. Pedro n. $.
Offercee-se uma seixhors dc born eompor'a-
mncto, para ensainar em casas particulkrcs as pri-
meiras lettras e todos os trabalhos de agulba
quern de sea prestimo so quizer utilisar, dirija-se a
rua da Viraqao n. 31, sobrado.
Vende-se uma arma~io sita ao Caihinbo
Novo n. 139, propria para principiante, garante-
se a chave ao comprador : a tratar na mesa rua
nnmero 113.
Precisa-se de uma ama para comprar c co-
sinhar; na rua do Barao da Victoria n. 14.
Precisa-se de uma ama de leite e de umaa
engommadera ; na travessa de S. Pedro n. 8.


-Compra-se uia police provincial de :000A O
e cinco de 1004 : a tratar na rua Primeiro doe,
Marco n. 12, 10 andar.
Precisa-se de uma ama para lavar e eugomi-
mar -\nrua do Livramnento n. 31.
At-uga-N', a(s audares superiors do prcdio n.
51, sito A rua do P ador : a tratar no pavimen-
to terrco do predio n. A pra4.a do Commercio.
Precisa-se de uma ama -gosinhe e engomn-
me corn perfeidlo, para casa ide h( olteiro:
na rua da Uniao n. 54.
Olfrecc- e uma vostanrira pa-a cortar eo-
ser em casa de familiar ; na rua de Hortas n. 12, --
primeiro audar.


Pcde-se ao Sr. Antonio Lopes Rodrigueo,
que venha dar eumprimento A suan palavra fixa'a
para o fim do abril, na rua Nova n. 26, primeiro
andar.
Preciea-s fallar coin o propritario dos f6ro03
do sobrado da run Duique de Caxias n. 46 : s,
tratar no mesmo.
BDjonterlas de phantasla
Alfinetes de gravatas cm 401 modelos, correntes
de relogio e botues piar; homcns, pulseiras, alfi-
netes, volta3 e porta-leques pa-a senhoras e meni-
nas, models bonitos, a hmitacEo de ouro ; amos-
tras na vitrina da loja A ruan ova n. 16.
Arrenda-se o engcnho ParanA, sito na fre-
guezia da Escada, ioeente corrente A vapor,
bern obrado, corn propor~oes ara 2,000 pies an-
nuaes, e distant uma lcgoa quer da esta~ao '1,
ag .a, tarlo -,,
Ribeir'o,quer da cstaco dc Aripibu ; a tratar-
no engenho Born Destino, emin Gamelleira, coin o
capitao Domingos Theodoro Iegueira, ou no en-
genho S. Pedro corn o capitao Ernesto Gonalves
Pereira Lima.
Quein precisar de uma senhora para ensi-
nar portuguez, doutrina, francez, music e piano,
e fazer flores de madeirr, couro e bordado d ta-
pecaria, dirija-se A rua do f oude t'a Boa-Vista,
outr'ora Caminho-Novw n. 128. Na mesa casa
se precisa de urna senbora que tenha aiguma
educa.o e de fiador de sua conducta.
Precisa-se saber noticias onde se aeba e cm
que lugar o Sr. Joao Mariuho da Rocha Falcao,
q::e esteve no engenho d'Agua ; na rua dos Mar-
tyrios n. 148. 20 andar.
9 i


ID. Anna Joaquiina Pessoa de
Albuzquerque
Laurino do Moracs Pinheir6, tendo de mandar
(elebrar algumas missas pelm alma da finada D.
Anna Joaquina I'essoa de Albuquerque, presa-
dissima esposa do seu amnigo Seraphim Velho Ca-
mello Pessoa de Alb aquerque, convida aos paren-
tes c amigos deste, e ans ses, pra fazer-lhe o
- caridoso obcequio do ssistilas, quarta-teira 21
do corrente, setimo dia do seu passamento, nx.
igreja da Penha, As 7 hor.s da manhAi ; pelo qta
diesd iJAi e confess, am-a'lecido.
a MW.-


Joao Eerre-ira Ramnos
1 ainmivcrsario
Maria de Jesus Lemas Ramos, Joaquiinm Ferrei-
ra Ramos, Juaquirn Ramos Ferreira, Caetan>
Ferreira Ramos, Manoel Ramos Fsrreira. Jos( di
Faria Machado, Candida Ramos Machado, Ma
nel Jos6 Main, AguidaI Rimos Maia,, Joaqquii
Fcrreira Ramos Sobrinho, Anna de Jesus Ramo,'
e Maria de Jesus Ramos. eonvidamn a todos o,
seus parontes e amigos a assistirem as missas que
por anlma de sen fallecido inarido, irmao, pai e
sgro, Joao Ferreira Ramos, knandam celebrar na, .
matriz de Santo Antonio no dia 23 do corrente, A.1
7 l[2 horns da manha, primeiro anniversario Ad
seu passamento.
Franciscu MHartin dle Amorim
Os parents do finado Francisco Martins de
Amorim mandamn rec-ar-lhe na igreja do Espiritro'
Santo uma missa pelo de eonso eterno de sun.
alma; A cste acto de cxp mntanea caridade couvi4'*
dam os sens amigos para quarta-feira 21, As .
horas d* mauhM.,

Caixeiro
Precisa-se de u m aixciro corn pratica de ta
verns, de 12 A 18 anros : no Corsario Negro doq
Vamadouro, cm Olinda.
Criad0
Na run do Bm Jesus n. 57, segundo andar, so
preciEa de um criado.


Aluga-so ama easa no-
Dexembargador Nunes Mac
des commodes e um grande
muitas arvores fructiferas,
corn agua eneanada um boin
na rua de Pedro Affonso r. 1

Preeisa-se de uma ama c
saiba hem couinhar e lsvar :
Santa Cruz n. 18.


-AMA,


Epinheiro rua do
bado n. 1, corn gran-
I quintal murado ro a-
1 muito boa cacimba,
S itojardim : a trata,


e boa conduct, que
a tratar no pateo da.


Precisa-se de uma ama pna lavar e eugoumlar
para easa de familiar : na loja de livros aop6 do
arc de Sato Antoi.

m exellent~en 'a osero.
trn excellent engeabo-2tho OWPeiro. mpk"t-


tlo de 4 aaeiro, Monte-
o e 3meeo.-yAres


neduevno nOs preo"s para o Rio
de Uaneiro
1. classes 9000W e 3. cluse 27#M00


::.M
^;';&_


'11:'1'1^' l.-;a::,;;*:
'H
m
'^y

*^
.1 .'* :.:;";*
,. -:,|:
*^;,fet
':*111ll?. .
'*'...r'S*'-

-11^''
**-1*11^*.
***"Bi;1 :-


**^.

,'^l;!i^
"'i^


V


7




















Sals ava ,cainana e caroba
Os resultadog admiraveis d'essea medicamonto e a grande aceita~go que tornam sue-
e"ido, fkzo.m-no recoimwiendado pa a masraia Itoiesypbliticas e impurezas dn megn'r.


n boriaa benef-io da igrej. do Nossa
lbaboraoda Boa Viagem de Pasmado, quf
w ew1ur i sexta-fmira, 23 do corrente.
Pre.s.
DMW inteiro 4O
B^:1w, 11. : 30001 -l^O
JI Mper, "* %e 1ooooo pawa
elma
Bilhet inteiro 3#500
Meio 1#750
Quato $875
Antoioi Auqnato do* Smra4s Porto.

GADOO U.R
A0s 4:0100

atua Iario da Victoria a. 40
e easas do eosturie
.-^0 abaixo assignado acaba de vender
an sem s felizes bilhetes urn quarto de n.
Sc eom a sorto de 4:0004000, dous
wartos de n. 2,692 corn a sorte de 200#,
dsow quartos de n. 3,063 corn a sore de
100#) urn quarto de n. 976 corn a sorte do
iSWO0, e diversos premios de 326000,
SAW0 8#000.
O mesmo ab:iixo assignado -onvida aos
pmussidores A virem receber i ,. conformi-
dade do costume, sem desconto algum.
Aehainm-qe A venda os felizes bilhetes
garantidos da 9.1 parte das loterias a be-
.Sckio da igreja de Nossa Senhora da Boa-
Tlagem de P,.sanado (39.a), que se extrahi-
m na sexta-feira, 23 do corrente.
PRECOS


Inteiro
Meio
Quarto
mm poreo


4;000
26000
l000
de 100 000 para
elma


Inteiro 36500
Meio 16750
Quarto 6875
Joao Joaquim da Costa Leite.


AlVEN-TFROSA
Aos4:000$000

BIL1ETE5 ARTIMOS
16-Rua do Cabuga-16
0 abaixo assignado vendeu nos seus
enturosos bihetes garantidos os premios
aguintes: 2 quartos corn a sorte de 8004
no n. 2999, ale'm de outras mais de 32#,
164 e 84, da loteria n. 38.
Convida aos possuidores a virem rece-
ber serm desconto algum. .
Acham-se a venda os venturosos bilhe-
ht garantidos da loteria n. 39 em beneficio
& igreja de Nossa Senhora da Boa Viagem
6 Pasmado que se extrahiri na scxta-fei-
23 do corrente.
PRECOS
Intelro 4:000
Belo V:000
Quarto 1:000
Sendo quantidade superior
a 100:000
luteiro 3:500
Bielo 1:750
Quarto S5
Joaquim Pires da Siliua.


CASA DA FORTUNA
kos 4:000000


Ia Primeiro de Iarop n, 23
0 abaixo assignado tendon vendido nos
es afortunados bilhetes dous quartos n.
2,990 corn a sorte de 8004000, dous quar-
ho n. 2,692 corn a sort de 200#000,
"ous quartos n. 3,063 corn a sort tie
1IO0000, dous meios n. 2,891 corn a sort
S 1006, e outras sortes de 326, 16# e 8#,
i loteria (38.'), que se acabou de eutrahir,
mvida aos possuidores A virem receber
m eeonformidade do costume sem desconto
Jpmlgx.
Acham-se i venda os seus aferlanados
Ishetes garantidos da 2.' parte das loterias
benefieio da igreja de Nosm% Senhora da
ABa-Viagem de Pasmado (39.'), que so eex-
balIirA na sexta-feira, 23 do corrente.
;F II(os


443000
243(000
malot' de 100NA


Na.


A0 A Iivia ntdo-0
S^is"Mra~s do? AnZos rRUA 6ant..MSMn

7 LM~eit*r i JPoni U ?N'%; a,~U~* U. s d&VAL &Q0.,
IL- f ^ ^ ^ ^ -^ ^ ^ ^ ^. ^ ^ ^ ^ ^ ^ ^ ^ ^ ^


R


BRF'ONOIHITES, TOSSES, Catarros Pulmnas,
DEFLUXOS, Molestias do Peito, TISICA# Asmas
CURA RAPIDk E C G TAPILAS

Got tas Livonleinmlnes?
TEROUETTE -PERRET 4
fm C4BOSOT3 de FAIA, ALCATRAO de NORtUBGA e BAZSAMO g TOL V
Este preparado, infallivel para curar radicalmente todas as Moleada das Vlas
reapiratorias, 6 recommendado pelas Ndtabilidades medicas cornmo o unico effica.
S o unico medicamento quv aiem de nio fatigar o estomago, o fortifea, rwoonstltus o desperta-
o appatits d* uas gottas pe!a manhA e A tarde bastam para triumfhar dos oaso maise rebeldes.
DEV_-SF EXIMXR 0 SELLO DE GARANTIA DO GOVr0 FRAKMES
Depasito principal: TIROUETTE-PERRET, 165, ru Saint-Antoine, PARIS
..... "Fa cf r'..:,_* F.ancic G-IL.VA & C., c !c.'.S princiuacS Pharmaclas. 4


ADMMNSTRA"O
PARIZ, 22, Bowdlevard Montuartr, PhWUZ
PASTILHAS DIGESTIVA[faS adaa etn
vichy coinos Saesext raktoa 4a5 entes-A. o
de gosto agradavel e a sua acvdo vWftoob-
ira a A zf e as D.gestean fLc
SAES DE VICHY PAUlA BAtHHOS. Urn rolo para umin banho, para an peasoas qu6 Me plim.i aVAiy.
Fete ev etr as KMUA C wip i, e rua i Vr m e dp
S A&AECL. GXAL COWIVmza 3 3D VZCxIrW
a Pwm wi P Pnddmu cims 8 **liao-ft *m casas de PARTSMENDv & LADILLB 5, 9,a' *wBei;
SULZER & KOECi-HLiN, 35, rua d2 Ciaz.M


ObI21PA
sT~ak-T l ll~t f T _-_ --sr>A -r A.AO JO:"
" Clg | f3em casa de A. Gicquel, PhlC de is Cass
:-, a. ?W8 --4, sam shlok 4-- PAM
fialo'! PruaJB6's- -MA.T i-ia RZL -M Bag inaiCM PuWa


I



! I


II


OLEO DE FICADO
de Daoslbau|
fot- larreo a. Qubn
e M K iAIINJA AIU8A ^ 3
SippaEEM d'M mum
Jla 6 6vido o eftudo e is.V
nuwuam experiecias fei-
tas polo IV DUCOMI, du-
ran logo annos afire de '
reuot nmn 86 producto, o
04 A sdFade 4.& lauhm,
,f Rrrw a tdsMt oueda io
ila~ojs1ar16.%
k0apsobgtl-Pro
aqyme gam ,- ParkS
24% f~n TMI LJ -


0 OLEO DCOUXM
S an -10 off f tg I
POWa a mowwwms9
,Does ft II "o. amzhm




vTuls U. Mft SmA Vm
o Eae~3su


. XAE T 'P."- -Ar V2 I.


-- ~U--~ qg- -- -.
UBs00 mAt NP-00 RDILDurR~cl
t]0LLIR]I8 ROYEIR
I "W Gt~ilm BS= ,MM".mftu
I PM IFrMS& WTO ,sC MA
fCOLLARES r ooavi s
do 25 auMwqhil Os anis k que prewsr^o
rameaWOOD tem-poa, dugs
~avamit.. ahmmm~m W~t.a~midrz..agm wm


P Dent.s


1O V
**


PAt hA m EPCENCIA- -NS. 36 A 40
I $M&R N E C1MFICLTAS PARA SENHORAS


OiUt~Pi s U cores' vrilis.
Pitaosiiataillsg0I6go-,cores.
ClM* 111 palti (a Italiao il lloza N soiora, m t as


4FIIots (asdima c tloames,
Chiaios d mli inulo11t1 MosmaNW b &iitts.
0m comll ortimento em 8pnmas d tloosos tamahos cores.
Grnde a a voaissio smo so nto m satms, Pions, ms,
Ielas o Iudl 1 lU ItfontllltoffoioS para ornamunto doa chainos 0


OlIoalos Para mosasD, Natoros liSllssimos.
Esta casa racsba dffRctamlntQ a laroag (as rinci lDos mo-
distas do Paris, o ao ha smeir do mais oimoo em rtimos da
ichiaelrte.


Joaquim da S. Carvalho &. C.


CfIAPELERIA VICTORIA


FINDICAC GERA]

ALLAN PATERSON ae
N. 4--Rua do Brum--N. 44
JUNTO 4A ESTACAO0 DOS BONDS


Tern para vender, por preges modicos, as seguintes ferragens:
Tachas fundidas e batidas.
Criva9ges de diverssos tamanhos.
Rodas de espora, idem, idem.
Ditas angulares, idem, idem.
Varandas de ferro batido.
Ditas de dito fundido, de lindos models.
Portas de fornalha.
Bancos de ferro corn serra circular.
Gradeamento para jardim.
Vapores de forca de 3, 4, 5, 6 e 8 cavallos.
Medas de 10 a 40 pollegadas de panadura.
Rodas d'agua, system Leandro.
Encarregam-se de qualqer cor-ertos, asentainma machinimos e
quer trabalho corn perfeigo ou presteza.
II A


L


S.! *lV


L


C.


xecutam qual-


'N' lI


CAJIRUtBEBA


0 MAIS PRECONISADO DEPURATIVO DO
SANGUE DA ACTUALIDADE.

COMPOSICAO
DE
Firmmo Candido de Figueiredo.


PROPAGADOR
Antonio Pereira da Ounha.


VENDE-SE


NA DROGARIA


23 RUA DO MARQuEZ DE OLINDA 23
23 RUA DO MARQUEZ DE OLINDA 23


PERNAMB9UO


Em grosso e a retalho pelos pregos do Deposito Central.


#r-j1'


MRAOCABO..
MACIOFLEX -1 TORNANOO *
MACIFEXlVEL E LUSTROSO.
arado peto kJ.CAYmtRIQA.towdlMassiU


4) A


DEPOSTO GERAL
1-Rnua Primelr deo aree-1S
Rio de Janeiro
Unico agent em Pernambuco
ADAMSON HOW=IE a C,
N.--3 Rga do Commercio---N.---3
A venda em todos as boticas e drogarias.
Alngause barato
A easa terrea da Baina Verde n. 1 C.
A casa terrea sita ,A rua do Visconde de Goyan-
na n. 107.
SA tratar no largo do Corpo Santn. 19.
Pede-se
Ao Sr. Francisco da Cunha Moreira o favor de
vir i raw do Socego n. 70, a negocio de seu inte-
resse.
Boa cosinheira
Precisa-se de umna cosinheira de boa conduct e
que seja moralisada, para servir em casa de urna
familiar : a tratar na run Nova n. 13.
SCorn urgencia
Os senhores abaixo mencionados sao chamados
A rua Duque de Caxias n. 85, loja de fazendas, &
reccberem cartas a serem entregues em mao pro-
pria.
Joa'o Presclliano dos Santos.
Adolphe Cunha.
Bellarmino C. Rabello (engenho Palha, Goy-
anna.)
Alfredo Augusto Vieira.
Arthur Braga.
Sebastiao Campello (lavrador do engenho La-
massari).
Joaquim Francisco Ramos da Cruz.
Didio Cruz.
Joo Souza Ribeiro.
Joao Carlos Cavalcante.
Dr. Jefferson Mirabeaux Azevedo Soares.


ATTENCAO
Mathues Austin & C., na rua do Commercio
a. 18, teem para vender_ madeira de pinho do
rezina:
3X9
3 X 12
4X9
i 112 X 9
Em lotes a' vontade dos compradore5, preqos
medicos.

Ama
Precisa-se de uma ama que saiba cosinhar ; a
tratar na rua do Aragio n. 2.


Vende.se
os terrenos foreiros dos predios da rua da Impe-
ratriz ns. 27, 29, 31) 33,35, 37, 39 e 41 : a tratar
na mesa rua n. 78, 10 andar.
Aula
Precisa-se de uma ama de leite : a
rua do Barao da Victoria n. 41.


Leite de areloz
Para cura de cancros de toda a
especie
Perfeitameute couservado liquid graxo e con-
denmado, approvada pela Exma. junta de hygiene
public do Rio de Janeiro.
Privilegiado pelo governor imperial, pela effica-
cia da sua applicaAo.
Os frascos trazcm o retrato do bacharel Jolo
Baptista Gitirana Costa corn a sua assignatura do
proprio punho e slo rubricados corn tinta encar-
nada pelo cirurgiao dentist Numa Pompilio.
Unico deposit em Pernambneo, rua do Barao
da Victoria n. 54, 1, andar.
Preto de cada frasco para cancros 6;000
Para ulcerates e grannulaes do collo do
ero e cancros syphiliticos, formula es-
ciro 5A000

CrAA&~/. f 2-
Precisa-se de uma casa para regular familiar,
corn agua, esgoto, etc., situada perto das linhas
de bonds da Magdalena ou de Fernandes Vieira,
e alem das ruas da Soledade e Visconde de Goy-
anna; na rua d3 Born Jesus n. 61,


SLeite de Alvelloz
Conservado e garantide pelo pharma-
ceutico
Antonio I. Veras
SCada vidro corn as instrucoes 3*0003
SOs effeitos obtidos pelo leite de alvel-
lez do nosso estabelecimento, slo a me-
Ihor garantia para quem desejar ter es
te remedio puro.
Pharmaeft Pernambaeaaa c
SRua do Cabugd n. 11 ff

AMA
Preeisa-se de urns par engommir para isa de
familiar : na rua da Uniaon. 47.


Este rexndie precdoaohet gindomda me ouf a..
,or do eanto, 5O ^ijipu a ,du iate coenta e'stoew co
cMde~pi e~do-se a sua nalufsctara e veu em4 182?
-,PmoPularidadie evenda nunca foao gi exten-
sw s'oa presente; c 1t, o pI
@iftee UMMIet prova da &ftk Agmvg.


- I


I


4.


Inteiro
Meio
Quarto


ii


jrl.


[4pw^Ami w 0-


- i -------- -- m&i6--AlqF


,!!ift'c-1;-i~


t


w-'


-V l


I
















a tratar na ritdo


ave


r mais barat


do que em outra qual-
quer parte.



hafiro -m w is11
A professor Lisbella de Albuquerque Mello
mudou sua residencia da rua do Hospicio para a
da Conqmsta n. 6, onde se aeha no exercicio de
sen magisterio desde que findeu o prazo da lin-
cenga que gosava.
Casa e grande sitio
Na Tamnarinelra mjunto a estaeTao
Aluga-se corn 2 Wsaas, 4 quartos, sendo 2 gran-
des, 2 saletas e 1 dita para engommar, cosinha
f6ra, gaz em todos os compartimentos, sitio gran-
do corn arvores fructiferas, 2 cacimbas, 1 de ex-
cellente agna de beber: a tratar na rua do Co-
ronel Suassuna n. 220, e no Recife, A rua do Ao-
rim n. 66.

IIhIO~lJEI1 & C.


Corn .Cina de alaiate

Bia o Baraio la victoria t48 A
Temn bom sortimen-
to de pannos, easeni-
ras, cheviot, elastico-
tina, brim e merinos


para factos.
Preparam ternospa-
raluto em 12 horas.
Modicidade, preste-
zae perfei~ao.
Esquina da rua de
Santo Amaro.


o




(5 0

'02
Saop


0 desfalque e a victim

N. 2:000,000.
Roga-se ao Sr. Joio Gonealves dos Santos Ju-
nior que venha restituir aquillo que Ihe servio
para o senhor nao commetter um crime ; lembre-
se que o senhor estA empregado, usufruindo dous
empregos, e o seu credor 6 pobre.
A GRAMlATICA NATIONAL
DE
J. A. DE CASTRO NUNES
Annotada pelo professor
dOt MABTNI1ANO DE OUZA
Acha-se a venda
Na Livraria Industrial, A rua do
Barao da Victoria n. 7 e nas demais li-
vrarias da cidade, a 16000 o exemplar
Ama
Precisa-se de uma arma : na rua de Santa The-
reza n. 27.

RE LOGIOS


0 1H8E1 DR JIA8
DE

S MIGUEL WOLFF &C1
Offerecem ao respei-
tavel public umn gran-
S de e variado soartime-
Sto de rlogi&osdmais
^I i;-111 0, .. .. > <- ;1 1
A -creditads fi ia-
S tes, e.se achaim iabili-
4ados a vendter mais
lbaratO do 'qu& otro
'."aquer.' visto .r-ece-:


exfto~~~~~ tH~ n>ae~ 00 t a ugW10 nos
eaUN ,~ KrsaSS & Siahadw, Mftdape -e
o n- cm uram dispa -o latoi menor
que nem se eoflpara corn algus dos que por
akIse te fetoternse obtidoresultadosiguaes
senao superiores, em vulto de prod: o, qua-

lidade, e proe de vendla.
Chama a attenvao aos melhoranwentos para
economia de combustivel que tm introduzido
nos engenhos Pereirinha, Arara e Ora desta
provincia, e Boa Vista de Maranguape, aonde

corn o fogo do assentamento se produz o va-
por necessario para a moagem.
Em moendas, rodas d'agua, vapores e todo o
machinismo e ferragens precisos para enge-
nhos tem a venda grande sortimento da me-
Ihor qualidade.
TRILHOS PARA CANNAS. Tern de systemapor-
tatil simples, sem os inconvenientes que al-
guns apresentam; corn carros proprios, loco-
iotivas etc. a prefos razoaveis, podendo fa-
zer contrato para o assentamento.
Nesta fundiCao, a mais antiga desta pro-
vincia, vende-se a prazo, ou a dinheiro com


desconto.
FrIDI|iA DO BOWMAN


AII


DE 11110
DE


CARDOSO & IRMAO

RUA DO BBIL No 100 A 104
BEG ITO BiA DJ AIPiLUIES. 2 I 2 B
Os proprietarios deste bemr conhecido es-
tabelecimento pelas suas replaces directs


corn os melhores fabricantes, e corn um dis-
--o--e I


tincto engenheiro de Inglaterra, olf
grandes vantagens para encommendas
provamcom os apparelhos completes
tes nos engenhos Massauassu' e Bow
meio apparelho no engenho Conceiai
MACHINAS a vapor trabalhando


erecem
3, como
assen-
sque, e
0.
so corn


o fogo do assentamento, podem ser examina-
das as que foram assentes nos engenhos Be-
e16m, em Timboassu', Cucau, em Gamelleira,
Diamante em Goyanna, Paio Amarello, Ca-
mara e Lages em Itambe, Vidra'o em Piao
d'Alho, e outros no Rio Grande do Norte e


Parahyba.
Chamam a atteniao dos


Srs. agricultores


para os novos vapores que tern recebido
acreditado fabricante Robey, que se rec
mendam pela facilidade de eonduceao, ass


do
em-
;en-


tamento e economic de combustivel, deixando
de mencionar os engenhos em que os temcol-
locado, porjaterei vendido 85 para diversos
lugares, epor iissoiA devem ser bem conhe-

cidos.
Sio osuo-sVeobedresdettalhospor
teis de FwSr ,w setoram "recommeUa-
veis pe1a Ji~wt*~e4~ ,co~oca --e per sus,
durav.iao,.

we --V-,-P


! ~,II~e

embra-se ao Sr. Dr. Francisco Xavier Pa a
Barreto que faz tempo, quando V. S. era prc-
motor.


VENDAS
Vende-s e uma taverna propria para princi-
piante, por ter poucos fuudes, A rua do Motocolom-
b6 in. 6, freguezia de Afogados; a tratar na rua
da Santa Cruz n. 3, freguezia da Boa-Vista.
Agwrdente de canna
Vende-se a melhor aguardente de canna que ha
no mereado, em ancoras de dez canadas; garan-
te-se a superior qualidade na rua estreita do Ro-
sario n. 8.
Boa acquisiAo
Vende-se a urmacao e bemfeitorias da easa si-
ta a rua larga do Rosario n. 32, que se prestapa-
ra qualquer negocio por se achar elegantemente
preparada e que se recommend por ser n'uma das
principles ruas de Commercio. Garante-se a cha-
ve ao comprador : A tractar na travessa do Quei-
mado n. 3.
Armao envidrafada
-Vende-se parte da existente na loja n. 48 A da
ruma do Barao da Victoria, por barato prego.
VYende-se
Na botlea franeeza e dragarla
A. Caors
RUA DA CRUZ (RECIFE) N. 22

G ID'lA 110 CABELLO

USE E VEtA
Chegou nova re-
messapara a Livraria
Franceza, a rua 1.0 de
Margo, n.

CONIU DE POSITO
Preco 800 r0is.

LEITE NATURAL
(SEIVA)
DE

ALVELOZ
CONSERVADO LIQUID SE)I ALTERAR-SE
0 ALVELOZ, plant da familiar das euphor-
biaceas, que habitat os nossos sertdes, 6 hoje reco-
nhecido como um verdadeiro especifico para des-
truir os epitheliomas ou cancroides, facilitando a
renovacao dos tecidos atacados, e trazendo final
uma cura complete, scm outro tractamento que a
applicacao topica de sua sciva (vulgarmente leite)
como caustico.
Sao numerosos os casos de cura, alguns dos
quaes j A levamos ao eonheci mento do public, em
diversas publicaq5es, polo illustrado clinic desta
capital, o Sr. Dr. Alcibiades Velloso, e optimos re-
sultados tambem foram obtidos nas feridas e nas
ulceras chronicas de character syphiliticas.
Recebemos do interior da provincia, (do Brejo
da Madre de Deus) de pessoa de confianca e en-
tenditid- a'seiva ou Zeite de ~alve~sz7 portanto, po-
demos garantir que 0 cclhida da verdudeira plan-
ta a que expomos 6. venda, conservada de modo a
nao soffrer alteracgo, e corn a necessaria fluidez
para facilitar a sua applicaco corn seguranca de
born resultado.
DEPOSIT GERAL
Pharmacia e drogaria de Bar.
tholomeu & C.
34, Run larga do Rosario--Pernambuco
Sibylla Moderna
Novo iivro de sortes para as noi"
tes de Santo Antonio, S. Joio


e S. Pedro.
Contendo, alem de doze assumptos poeticos va-
riados, escolhida collecqiio de espirituosas anecdo-
tas e epigrammas para os amantes do riso c da
galhofa, e juntamente um pequeno diccionario de
flores, folhas e fructos, dedicado aos fleis subditos
de cupfdo A' VENDA
Na livraria franceza, run 1o de Marco n. 9
Preeo--I 0 t1 Q
in 0nhnrOstoholi DQ

Vende-se livros de procuraoes ; na run do
Bargo da Victoria n. 7, livraria industrial.
Trastes
A' rua do Imperadorn. 16 compra-se, vende-se
aluga-se e troca-e novos e usados.
Drogaria
Faria Sobrinho & C., droguistas per atacado,
Srua do Marquez de Olinda n. 41.

Mtoamentr das furIWas
de Rouquayrol Irrmos
VENDE-SE
NA BOTICA FRANCEZA E DROGARIA
Rua da Crz (Reoife) n. 22


T p


rnxoire superior
Vende-se barricas corn 4 arrobas liquidas A
85000: nolargo da Companhia Pernambucana
n. 12.
Boa occasiaopara comprar
Vende-se uma eeheira nova, um boi de- caroca,
vacas cta, exitteut(s na mcsmaw coheira, eiita
ao Chora-meaio. Y ede-se.por seU dono .acar-
sedoente e qterer se retirar para Europa ; a tra-
tar 1 mesaM.

Vqn"e-se" um borm e novo piano do fabrieante
HeaitI Hers: p: t ovainoterem a s do Sr. VictoW
-Pre al rwua do Imperador, e tratar no Caminho


CAW .W


,n. 21


s tie ae Haas e 11, sendo eom an
cor" e lavore o m a s lomito que tern
vino so mercado a 50 rs. e 640
Ditastnito bonitas, corn barras largas e
esteta, covado 640
Gorg ros bonitos de li, lavrados, para
veslidos, tendo de todai as cores, co-
vad 640
Merin4s de urn s6 c6r, tendo de todas as
corc, fazcnda do gosto, covado 500
Alpacas lisas, tendo de todas as cores 360
Fust6e6 brancos, proprios para vestidos e
roupas de crinvas, de 440 rs.. 500 e 640
Oretones corn barra, seudo claras e escuras
covado a 400 e 500
Ditoz sem barra e muito encorpados, pro-
pries para vestidos, camisas e roupas de
crianoas, covado a 360, 400 e 500
Chitas, grande dort mento de chitas claras
e eseuras, de cores fixas, de 200, 240 atW 400
Mariposas, as mais lindas mariposas que
tern vindo ,zo mercado, corn desenhos miu-
dinhos, co 7ado 600
Baptistes comn delicados desenhos miudi-
nhos e graudos, assim como lisas 200
Cambraias brancas tapadas c transparentes
corn 8 jardas a peas 34000
Ditas mmito finas, tanto tapadas como
transparentes, tend 10jardas cada pcqa
a 4, 4S500, 54 e tt6 74000
Espartilhos muito modernos para senhoras 54000
D.tos muito bem feitos para mcuinas 44000
Chales, grande sortimento de whales, t:- nto
de ll como de gorgorao e cascnira, de
1A, 2, 3,4 at6 81000
De toda, estas fazendas so d(1'o amostras corn
penhor, na loja dos barateiros da Boa-Vista, es
quina do bccco dos Fcrreiros.
Casemiras de cores
De 2:000 ate 6:000 rs,
EB ro0 Dr lllmg aa
Alheiro & Silva A rua da. Imiporatriz n. 40, tern
umn immense sortimento de casemira de cores,
tanto. claras como escuras, que vendem a 2S000,
25600, atW 6S o covado, e das mesmas mandarn
fazer qualqu r peca d'obra ou costumes, por pre-
"oS muitc ra oaveis, assim como tcmi taimbem um
explendido sortiir onto de casemiras e pannos pro-
tos ate ao mais fino sedA que veitn n mercad), e
dos mesmos tambemn se enearreOgarn dc mandnr
fazer quaiquer peqa de roupa vont4. ie do if're-
guez e corn toda a perfeieAo e presteza : isto va
loja dos barateiros da Boa-Vista, na esquina de
becco dos Ferreiros.
Nova machiia de eqs-

tura
Benomninada Aeurora
EstA em exposiAo 4I run do Barao da Victoria
n. 30, loja do Antonio Pedro do Souza Soares &
C., a nova mrnachina ; cose eoi dous carreteis de
linha, pod-ndo ser de 500 jardas cada urn, e
f6rma os dous pospoutos como so fi.ssc de lanqa-
deira, e de grand,: vantage. No miesmo estabe-
leeimento tern constantemente umn grand sorti
mento das melhores machines de costura de todos
os principals fabricantes, e vonld nem nporAo e a
retaiho sempre por pre'os muito razoaveis ; naa
run do Baro da Victoria n. 30,

Brifm pardo

Covado a 360 rs.
Na loja da rua da Inpcratriz n. 40, vende-se
brim pordo liso, proprio para paletots, calbas e
roupas de crianna a 360 rs. o cov:;do, isto por ter
um Icve toque de mufo, que larga logo que se
molhe ; e grande pecehineha ; na loja dos bara-
teiros da Boa-Vista. esquina do becco dos Fer-
reiros.


Eparaacabar!
59Bi ,M l axia -- 9
Temos resolvido liquidar corn uman grande parte
do fazendas, os quacs foram comprad',s em leiliao,
por preos menos 40 e/o do seu valor, comco se-
jam :
Superiorcs caseoirais doe crcs ,i-' d~is l:' .'uras,
a 1.5o0 o covado! Sdo proprias parn roupas de me-
ninos.
Idem preta diagonal (2 l'rguras) a 21100 o
dito !
" Cortes de mcia-casemirn do cores a 1-800 E'
de 25500.
Idem de casemiras do cores e pretas para in,
verno a 2.5u0 !
Lindo sortimento em lIs do cores a 200, 320 e
400 rs.


Merind preto para luto, ( larguras). a 15200 e
1500 o covado!
Bramante trancado de uma largura, alvo e mui-
-to born, a 500 rs. o metro !
Idem de duas larguras, a 900 rs. o dito!
Brim branco n. 6 fino, a 1,3500 E' nova re-
messa.
Idem pardo lona, o mais largo qu- tern vindo'
a 500 rs. o covado!
Peas de algodaosinho corn pequeno defeito a
34400 20 jardas!
Idem de madapolao superior a 5,3000 24 jar-
das !
Camisas brancas francezas, colarinho dcitado, a
363000 a duzia! A' ellas.
Ceroulas de bramante, superiares, bordadas, a
163000 a dita !
* Lensos de linho imbanhados, a 20500 a dita !
Meias inglezas corn bocal de cor a 3.3500 a
dita!
Toalhas felpudas finns a 5.3000 c 63000 a dita!
Rieos cortinados bordados para camnas e jancl-
las, a 6,500 o par -.
Punhos de linho superiores, a 14000 o dito !
Cobertas de ganga para cama de easal, a 3,3000
uma !
Lenyles de bramante, idem, idem, a 2000!
Lindissimas colxas de crochets para noivas, a
8p00!
Idem de fustao brancas para 4000. E' ba-
rato !
Baptistes de cores fixas e fins a 300 rs. o me-
tro'.!
Cretones superiores a 360 rs. o dito Temos
claras e escuras.
Setinetas francezas para acabar, a 500 rs. o
dito.
Lindas capas brancas de pelucia muito grandes
a 7,000! Mandem ver antes que se acabe.
Chales de casemira grandes corn defeito a
3^000.
Ricas saias bordadas a 3,000 Sao de 6,000.
Superiores sobre-tudos a 184000, assim como
temos grande depesito de ditos para trabalhado-
res'de campo a 4A500 cada urn, algod6es nacio-
uses brancos e listados, o que podimos a attengao
dos Srs, fazendeiros M
A'S VENDAS EM POR9AO, DAMOS
DESCONTOS
Carneiro da Cunha
& C


^*.4na iluqDe de Caxias-e"9

Jardi da plants
ufa do Mondego a. e
Sapotiseros e sapoteiros nnmuito .sSades -e Co-
pados, dando frueto, a 4 e a 34, segAndo. ota-.
manho, e descndo at l5,, eom Beis plSues. Oi"
preado-se mais de dez faz-Be abatinntim Ha
outras muitas plants tambem para pre~os em-
modode d d s -.


Roupas para honmma:
POR
Preqos fraratsfsnam
N. 40-IUA DA IMPERATR1Z-)
Loja 400 baratefiro
DA
VENDEM
Callas de molesquim, padrao claros e e6-
curos muto bern feitas e fazenda que
nao desbota a 2U500 e
Ditas de cazemiras de listrinhas e qua-
drinhos, fazenda muito boa e que .so
lava, a
Ditas de cazemira preta, fazenda muiAo
boa, de 6A500 atW
Paletots de cazemira muito boa, liza e de
listrinhas, a tm
Ditos da mesma fazenda forrados, a S
Ditos de cazemiras escuras, bastante en-
corpadas, a 9
Ditos da minesma fazenda forrados e mui-
tos bern feitos a 14,,
Ditos do cazemira assetinada a &AM
Ditos de fianella azul, sendo fazenda que
nao desbota a Qw
Ditos de eazemira preta de cordao e
diagonal, sendo muito bcm feitos a
10o000 e
Serouias de greguela, sendo muito bern
feitas a 1,6200 e o-
Colletinhos para dcntro, da mesma fazea-
da, a 800 e
Assim como um grande sortimento de caaal
brancas para homes, tanto de linho como ds2-
guin que so vendem por p1)re(;Q muito razoaveL
Tudo isto corn grande reduccito em ura-- w
i;ja da esquina do bcc dios F(rreiros.
FarinhaLacetea
Nos primcneiros mezes a alimuenta,.o msn
natural e apropriada para alimcntar a ci
9a de peito e o proprio leito mate-no 3ei_'
em caso de n ccessi lade dove scr m t.l ,
do pela
FAPJNIIA LACTEA DO DE.
FRERICIIS !
A scienkcia e praticn adoptaram z :a
i1ha l.actea conto podleroso elemerd aaz
trictivo pia'a a infimancia e distinctos n-:-
cos do Bra.i! e da Lu-irfi.,a reconlierap-;
scr A do Dr. FRERICIIS a meihor n'-
gencro.
Deve-soe pois e'jitar confiar o ar.
umrna pessoa estranha e de comportam.mt3e
nao conhecido muitas vezes o germim
numerosa molestias.
Vende-se a verdadeira farinha Lawik
do Dr. Frerichs:
55 RUA DO IMPERADOR 55
Estci bdici7ntodo de mui;cas e piano d6 i7-.
toIr l"P&(7 e

CIAY0S E FLORFh

Na rua da UnL uia

,ha eqepara s

venider cravos e flores

1 Veidemse
A metaiie do e3genm o Una, moendo eo'rsunh..
minuito boas terras e grades mattas, pert a
nova estrada de Santo Ant.o ; garante-se a73.t-
da de outra metade : a tratar nu largo do Measz-
oo u. 25.
Riscados escocczes
a 280 rs.
Por terern u3E 1eve toquie tr
fOAOfo
Vende-se finisslmos riseados cscocezg -.-rs =
vestidos, sendo ftaz,mn'oh de muita phantai:c ,
curcb scguras a 230 rs. o covado, e a nao ".sza,
umn level to,{Ue dc m1ofo custaiam um erur.m.::;
esta pcehineha vendc-se na loja dos barate'ru_--.i:
Bioa-Vista, a run da Imperatriz n. 40, esquinn -A
becco (1os Ferreiros.
Fazendas brancas


Na loja dos barateir",
da Boa-Vista
40-Rtia da Imperatrlz -ti
VENDE-SE
Madapolao, peas de madapoliio francez
enfestado corn 12 jardas a ?
Dito muito lar.o corn 20 varas a 4 .500 e .4-
Dito, fazenda muito encorpada que pa-
rcce cretone, corn 20 varas a 5i500,
6$000 e
Dito francez, americano, fazenda muito
final e encorpada de 7.; ate itt
Algodao enfestado corn 9 palmos de lar-
gura para faizer leindes de um s6 pan-
no, metro a '
Dito trancado ioren a mesma largura,
proprio para lcnycs c toalhas de
mesa, metio a 7?
Bramante de algo.> chon 10 palmos de
largura, proprio prara faizer lenq6es de
un s6 Getro a '
Dito no, sen do muito encorpado,
esma largunra, metro a '.
Lregnellas propriafaara lenqoes, toa-
lhas, eeroulas, sendo fazenda muito
encorpada, cada peca corn 30 varas
por 143800 e a varn a *
Dita corn corn 20 varas a 74500 e a
vara a "
Atoalhado adaminascado para toalhas de
mesa, tendo 8 ialmos de largura, me-
tro a _f
Isto na loja da esquina do becco dos Fe-zia&.
Espartilhos
a & e 5o000
Na loja da rua da Imperatriz n. 40 venda-:
miuitos bonds espartilhos paza senhoras, a .a!
e ditos para meninas a 4.000, assim como UMBRt-
nito sortimento de fichfms a 34000, isto na .abc
esquina do becco dos Ferreiros.
Merinos pretos
a AiA9O0, itoo, o8o000 e 90
Os Barateiros da Boa-Vista, A rua da ImpwAK
n. 40 tern um grande sortimento de merino A p s
para vestidos que vendem de d1200 at6 20
sendo muito b6a fazenda, assinm eomo ditos-im-
pados para roupas de homes e meninos que ai-
dem muito barato na leja da esquina do boeeaw
Ferreiros.
LinOSa 16 igs
Os Barateiros da Ba-Vista vendem m toih* -
nitos linhos de uma s6 c6r e de listrinhas
vestidos, sendo a 160 reis o covado e de coergw
isto na rua da Imperatriz n. 40, esquina do Ic
dos Ferreiros.


, A *VIS-O


ra v~ndw~
. bard..


de tod..0ua 6s-


9=6
z^o
Tim
r I 04
mo


AdamsonPotwis,


Li


I


m dvm


























Cipio on de estabaleoimehMos do sua creatlo
e eneuargo. -
15. Premios destinados a favoreeer a ex-
tineco deo animals damninhos, fomentar
a industrial e ainiliar a"`lavoura do muni-
cipio.
16. Useo gozo polos municipes dos bens
communes e logradoaros publieos.
17. Locao, arrendamento e suas con-
digoes, dos proprios muuicipaes, nao exce.
deride o prazo do qiiatro annos.
18. Exposigao do products agricolas e
industrial do municipio.
19. As AcqZes a intentar e a defender
por part- do municipio.
20. Favores ltendeants a facilitar a in-
troduegAo o aceitaglo do machines desco-
nhecidas e applicavais as industries do nlu
gar; de process para melhoramento da
cultara e prepare dos products; acquisi-
91o do novas sementeiras e de animaes que
- aprefeigoem as ragas de cria9ao, mandan-
do-os vir por sua conta e distribuindo-os
gratuitamonte ou mediante o embolso do
custo; estabelecimunto e manutencao de
um horto medicinal.
21. Execeuaio de obras, servi9os ou for-
necimentos de interesse municipal, poden-
do contratar corn emprezas individuals ou
collectivas.
22. Orgamentopara construcqao de obras
municipaes.
23. Concessao de privilegio por menos
de quatro annos, dentro do municipio, para
a contrucg9o e exploraga'o do estradas de
ferro; a. invengos e introduce. do me-
Ihoramcntos que interessem ao municip:o
nos casos e pelo tempo da legislagilo em
vigor, sem prejuizo dos conselho polo go-
verno geral ou provincial.
24. OrganisagI.o do serving para a pre-
venqao e cxtincgo dos incendios e atte-
nuagao dos males resultantes de quaesquer
calamidades publicas.
25. Organisa9bo do servi9o colonial, me
4di9o de prazos e introducglo de immigran-
tes no municipio.
26. Creagao o manuten9gto de escolas
de instruegao primaria, secundaria e pro-
fissional, mantendo-as sob sua autoridade
e inspeeglo, dando-lhos regimento intern
e programma do ensino, corn privilegios
para os titulados nellas. dentro do muni-
cipio.
27. Creat93 e mmauten93o do salas de
assistencia para as crianna3 pabros mono-
res de 8 annos, de recolhiamentos, cLe ex-
postos o orphio abandonados; de casas de
trabalho para os inmligentes, e asylos para
pessoas affectuadas de molestias contagio-
sas e incuraveis, dando-lhes regimento e
promovendo para sun fundagloe manuten-
9Io donativos, dentro do municipio, ou o
cancurso de outros muaicipios, por accord
que' corn eloles celebrem.
28. Estabelecimento e manutengao do
necroterios em que se depositem os cada-
veres dcscoahl-cidos ou abaudonados.
29. Abastecimento de viveres-feiras c
mniercados, Aando-lhes regimento, cm que
se mantenha a livre concurrencia, e esta-
bolecendo &fxas modicas a beneficio do co-
fre municipal polo chIo occupado.
30. Policia e limpeza dos matadouros
pnblicos ou particulares estabelecidos corn
lir9a fiscalisr~ao da salubridade e das
cares c de todos os mantimontos expos-
tos A venda public, abstendo-se absoluta-
monte do taxar os pregos ou de por quaes-
quer restricgos A, amupla liberdade do com-
mercio oa das industries, excepto ao resul-
tantes d3 previlegio, ou necessarias A sc-
gtiran9a e salubridade public, declaradas
expressameute em postura, incluindo a fi-
xa9!io dos pesos e da qudlidade do pao.
31. Creagio e manutenuao de laborato-
rio de hygiene, em que se examinem os
products destinados ao consume e se ve-
rifiquem as sunas qualidades.
32. As contas do exercicio encerrado e


gestao da commissao executive.
33. Eleigiao da commissIrto executive e
sua demissao. (Art. 8.0 o 2.' e 13, 5 7.')
34. Responsabilidade de seus emprega-
dos e da junta executive no caso do art.
13, 7.0, sem prejuizo da acnao public.
35. ImposiAo das multas. (Art. 13, 6.')
36. Em geral sobre os meios de promo-

FOLTETI


PECCADOS VENIAES


POR

11 go Goterocowl


TERCEIRA PARTE


{Continuagoe do n. 144)

XXI
Wisteria antlia


oe maurias nocivas a saude ou ineow-
odas. -
'4. Latrinas e mietorios, lugarew me quo
se coltloquem, sa onservago,-swo.e
polkcia.
5. 0 transit pelas runa, pragas e eatra-
das, prevenindo perigos, removendo ineom-
inodos e prohibindo o de earros, tnimaes
e cavalleiros per algumas ruas on pragas
em dias ou horas fixados, ou permanonte-
monte.
6. Uso de banhos em lugares publicos.
7. Deposito, guard e venda do armas
o materials inflammaveis.
8. Abertura do lagOas, ou sou aterro,
deseccamento de pantanos e mangues do
inunicipio, e concessio de dominion util nos
terrenos form-ados.
9. Plantio de arvoros nas runs, praias c
estradas, sua conservagio e substituiabo,
preferindo os examplares mais raros e pre-
c.Oos.
10. Dimenslo, peso.c system i dos car-
ros do conduceqao de passageiros e cargas,
a bemrn da seguranua dos transeuntes, dos
animals do trafego e da conserva9go dos
calgamentos e estradas.
11. Modo e lugar do embarque e desem-
barque das pessoas, mercadorias e baga-
geoam, nos seus municipios, quer de emba-
cagoes e transportes fluviaes e maritimos,
nos caes e trapiches, quer nas rnas dos
povoados, tratando-se de quaesquer vohi-
culos sobre trilhos ou nro, quer uab estra-
das municipaes e estaqoes do via-ferrea,
salvo apenas o disposto nos regulamentos
de fazenda em bem do fisco.
12. Organisa9*o do corpo do guards
policies, rnunicipaes e do de bombeiros.
13. Policia dos hotels, estalagens, casas
do past, do bobidas, bilhares, theatres,
espectaculos, jogos e folguedos publicos.
14. Eam geral sobretodos os objects se-
melhantes nio prevenidos por lei ou re-
gulamento.
S 5." Estabelecem regras ou normal para:
1. A formaglo de commissaes que to-
mem a seu cargo:
a) Pro mover donativos para creaglo de
estabeloecimentos de instrucglo e caridade;
6) Inspeccionar escolas, asylos e casas
de trabalho:
c) Fundar institutes de instrucao pro-
hssional, escolas de artes liberaes, museos
e galerias do obras artisticas e models,
hortos medicinaes, laboratories do hygiene
publics e caixas de soccorro e ;conomia
popular.
2. A construagAo, restauragbo, demoli-
9gao, altura, nivelamento e docoraglo dos
edificios em correlaglo A largura das ruas
o amplidio das pra9as, e sem prejuizo dos
edificios existoates, salvo previa indemni-
sagao.
3. A occupaglo provisoria do chbo de
uso comnmum por materials necessarios a
construcgoao e repara9go de muros e edificios
no alinhamento das ruas e pra9as; obras
no sub-solo public, e forina de aberturas
nos lugares de transit ou use cornmuin.
4. A pesca e a caga nos rios e salgados
e nas matas e campos de propriedade mu-
nicipal ou de logradouro commum.
6.0 As cameras de municipios limitro-
phes poderao estabelecer, por accord en-
tre si, correios, telegraphos, estradas de
ferro, pontes, a9udes, pastagens e logra-
douros publicos, semr prejuizo do servi9o
geral e provincial.
7.' A via.o municipal comprehende ;
1. As ruas dentro do recinto das cida-
los, villas e povoagoes.
2.- As estradas oxistentes mantidas polo
municipio;
3.- As que, partindo do qualquer ponto
do territorio municipal, terminem dentro
de seus limits;
4.' As que ligarem municipios limitro-1
phes.
8.- As cameras municipaes scram ou-
vidas sobre o tragado das estradas geraes e


proviiiiaes, salvo caso urgent e extraor-
dinario, no porrto em que atravessarem as
cidades, villas e povoados, e especialmen-
te sobre as estagoes das vias-ferroas em
seu municipio.
N3o ouvidas ou desattendidas, cabe-lhes
recurso para o conselho de estado.
9.- Podem impor:
Direitos quo nao tenham character coacti-
vo-como em licengas provisorias ou per-
Logo terA que confessar que essa pobre
creanga, comprada em Pondichery fez in-
voluntoriamente a sua fortune, porquo sem
ella nao so realisaria o casamento da se-
nhora do Verneuil, visto que aquella nao
existiria.


Mas que relaglo tern esse indiano
comsigo ?
Eu sou seu netto.
0 senhor!... Perez !
Eu em pessoa. a Men avO, depots de
ter servido algum tempo no exercito fran-
cez, comprehended quo aquella carreira se-
nia pars elle muito esteril. Sem familiar,
sem fortune e sem nome devia vegetar de-
baixo do commando dos seus mogos senho-
ros, os seus chefes por direito de nasci-
mento.
Mas no meio do seu abandon urma mys-
tftriona, mn n ancforrp.ne ftnmon a ne.r-


SAuxiliado pela fabula do casamento in- gic resongo deo onhocor o occulto bci
diano, Armando de Belesta nlo p6de re-io feiter quo tera compaixlo da sun pobri
ceiar que lie chamassem bastardo, oepithe- No poderei reforir quanto fez o pra
to injusto que, corn menoscabo do senso cou o pobre sold*do, corn o fim do realie
comm-um, faz pagar aos filhos .a cnlpa dos a ua empreza; mas direi quo obteve pi
pais, e que servio de opprobrio ao pnrnimei- exito.
ro, e muitas vezes de gloria Sos segun- Conheceu a senhora de Perusa, ouvio
dos. an& proprinahbes apart-, abjecta em vt
Polo citado meio Armando de Belesta dade, que lbe tinha correospoadid. nos-
pode, em 1763, casar corn a herdeira deo gocios daquella nobre famiia e,curva
um graidenome e de urna imnrna for- acabegaorigordoseu destino, ceitou
tuna. Deste casamento it. oU ua t fbia fverg oha do soeus pais e volantariainte
que em 1780 em o00 eMarquezdo Vei- e -triq. -
o, pe d smua-egundaepAa. P.:1 Men avo, a trass ou-so para HespaiI
pars o;en l quizolo,


VOL-

ti
nol
no

da


1.- 0 estadoUdaspriAes vison milita-
res,-oe dos estabel!e t n t popri g-
raes oe proviaciao sitosno kudici as
cwndeig5s e asaeio,- salubridade, Beguran-
9a e commodidade.
2. A discipline reginten eeonomtio dasr
escoLs provinciaes ou geraes do intrucgo
primaria e seeundaria no inunicipio,.indi.-
cando as providencias que Ihes parecorem
convenientes ao seu adia.tamento.
3. As necessidades da lavoura, industrial
e colonisagio do municipio e melhoramnen-
tos que em seu coneeito form adoptaveis.
4. Os abuseo3 e illegalidades praticados
por qualquer autoridade no muaicipio.
12. Requerem:
1. As medidas necessarias para manu-
ten.Io da tranquilidade public e seguran-
9a individual, quando nlo as tomem as
autoridade policies.
2. Terrenos de marinhas de que preci-
sarem para logradouros publicos, preferin-
do a outros pretendentes.
3.o Conoesslo do terras devolutas para
misteres de utilidado do municipio.
4.0 Soceorros e providencias em casos
extraordinarios e do calamidade public,
quando superiores A sua competencia e re-
cursos. -
12. DarAto parecer sobrb os assump-
tos de iuteresse public a respeito dos
quaes forem ouvidas polo Governo Geral
ou Provincial e presidents de provincia.
Art. 5.o Compete aos presidents das
cameras :
1. Dirigir os trabalhos das seosses,
mantendo a ordem, prorogar as reunites
ordinarias e convocar extraordinarias, oc-
correndo case urgent e que nao admitta
demora ou quando Ihes for requerido por
dous vereadores, ou pela junta munici-
pal.
2.o Reconhecer os titulos dos emprega-
dos publicos que nao tiverem superior no
lugar, fazel-os registrar, deferir juramento
e dar posse, mandando-a publicar per edi-
taes.
3.o Juramentar e empossar os vereado
res, juizes de paz e mais autoridadee mu-
nicipaes e parochiaes.
4.o Convocar, juramentar e empossar os
supplentes do vereadores nos casos le-
gaas.
5.' Tomar juramento aos estrangeiros
naturalisados.
6." Prop&r as cameras a nomeaglo, de-
missoo e rosponsabilidade dos empregados
municipals que sorvirem peraute elles.
7." Corresponder-se corn quaesquer auto-
ridados ou particulares sobre assumptol"A de
sua competencia e por part da Camara.
8.0 Fazer publicar por editaes e pela
imprensa, onde a houver, as posturas, de-
liberag5es, resolugbes, regulamentos e ins-
trucgoes, regras e normas mandadas p9b-
servar polas camrnaras.
9.* Representar as cameras em juizo
nas causes em que form autoras, r6.i, as-
sistentes ou oppoentes, e na celebrag'ao dos
contratos, fazendo escrever as condioes
ajustadas, constantes da respective rcso-
lugito e observer as solemnidades legaes.
10. Dar as autoridades e representan-
tes da naAAo e provincial todas as informa-
c-oes que exigirem sobre negocios qu- in-
teressem A administra92o public geral e
provincial ou municipal.
As func~oes delegadas As camaras mu-
nicipaes passarno a ser exercidas polos
presidents das mesmas camnaras, preotan-
do contas directamente As autoridades de-
legantes ou a quern esta designarem, su
jeitos a responsabilidade nos termos do
codigo criminal.
Art. 6.o A.s juntas municipaes executi-
vas, que sao eleitas A pluralidade de votos
pelas cameras e serve por um anno,
corn pete :
1.' Executar e fazer executor as postu-
ras, delib eratoes, regulamentos e instruc-
9oes, re gras e normal mandadas observar
pelas camaras.


2.' Fazer aferir os padres legaes, que
as cameras deverao ter, os pesos e medi-
das em uso nas casas de negocios e em
Squaesquer estabelecimentos publicos.
3.o Dirigir e fiscalisar por si7pelos fis-
caes e agents particulares de su a con-
fianga, neste caso sob a sun responsabili-
Ao pensar que tinha sido vencido por
seus pais, encheu-se do uma melancolia fe-
roz, e julgou qua tinha sido destinalo a vi-
vetr na vadiagem.
Filiou-so, pois, n'uma quadrilha de ciga-
nos; diligenciou esquecer o mundo inteiro;
casou-se, teve urn filho, ao qual contour a
sun historic e morreu ao ar livre, como
tinha nascido, corn os olhos fitos no c6u,
p itria natural e infallivel de todos os ho-
mens *'.,.
Meo pai herdou de meu av8 a caracter
sombrio e taciturn, -e foi urn dos homes
mais austeros da tribu. Mas isso a que
chamam acaso, que se compraz em confun-
dir muito a miud-o a vaidade humana, fax
corn que meu psi se casasse corn umsa ciga-
na chamada Dolores, uma dessas brithates
m.riposas que batem as pintadas azas de-
blixo do osplendido sol da magnifica An Ia-
iuzia. -
Dove ter ouvido fallar das cimanawd' Se-
vilha, esams mu ersspeciaesque povoam
ide sereias e bailadeiras o 0 obre bairro de


era


e deliborag3"'daa mesmas.,ca-
7.1 FiFsor-Abrvar os regulameutos, de-
lib-rasOes e rooluaoes d cameras no que
pertftpA^er a:
a), Tso o goso dos beas, cormuans e lo-
gradouros municipaes;
) Distribuij-o das aguas municipaes;
c) Applicaglo dos, proprios municipaes
aos servings para que form destinados ;
-d) Licengas concedidas para pastagem
de anitnaes, c6rtos do madIairas, lenha ou
aproveitamento particular de quaesquer
outros objects existentes em terrengs de
uso cornmum ou pertencentes A Camara;
e) Distribuiglo do soccorros prestados
pela Camara;
f) Boa ordc.n e cammodidade das feiras
e mercados.
8. 0 Inuspeccionar o)s estabelecimentos
mantidos A custa do cofre municipal, ou
qne estiverem sob a protec9go e autorida-
de das cameras.
8. Conceder as licencas que forem re-
queridas, na conformidade das p-)stur.as,
deliberagoes, resolugoes e instrucoges mu-
nicipae.s, podendo nos easos; previstos nas
posturas negal-as ou cassal-as.
Da nega9go ou casia.9o da licen9a ha-
verA recursos para as cameras.
9.* Velar na conervagqo das servidoes
e caminhos municipals, fazendo-os rep-or
incontinent no estado anterior a de qual-
quer usurpago, tapada ou mudan9a que
nelles tenham feito os proprietaries dos
predios ou terrenos adjacentes por meio
do collowagao de novos muros, cerca, divi-
sas ou obras de qualquer natureza, que
prejudiquem ou difficultem sea uso e gozo
acs municipes.
Nestes casos, independentemente de
process, mandarA remover os obstaculos,
ficando aos interessados o direito de usar
dos meaios que a lei Ihes facultar.
10. Providenciar, como estiver ao seu
alcance, noas casos imprevistos de epide-
mia, secca, inundaglo, ineendio, desmoro-
namento e outros analogos.
11. Dar aos fiscaes e guards munici-
paes as ordens e instrucqoes convonientes
para execueno das posturas e de todo o
serving municipal.
12. Impedir que os moradores de pro-
dies sites no alinhamento das pra9as, ruas,
estradas e cAes colloquem nos jardins, te-
lhados, varandas, paredes e portas dos
mesmos pradios objctcs que enxovalhem
e incommodem os transeuntes, ou ponham
eom risco a sua seguranga.
13. Mandar pOr signaes e divisas, que
advirtam os transeuntes, de principieios e
lugares perigosos sites dentro ou nas vi-
zinhan9as das povoales.
14. Obrigar os proprietarios na confor-
midade das postures, regulamentos e ins-
trucg6es, a esgotar ou aterrar os pantanos
qno possuirem nas povoaoes.
15. Fazer remover do centre dos po-
voados para os lugares designados pela
Camnara as officinas e estabelecimentos in-
commodos, insalubres ou perigosos.
16. Impedir a divaraao por lugares
publicos de loucos e embriagados, impondo
as multas aos chefes das families a que
aquelles pertencerem, e fazendo por estes
em custodia.
17. Obstar a divaga9bo de animaeo sol-
tos pelos povoados, e dar destine aos que
forem encontrados sem dono.
18. Nomear e diinittir livrememte os fis-
caes e guards municipaes e policies.
19. Conceder licenua aos fiscaes e guna-
das municipals, provendo a substitui9'o,
conforme as instrueces e regimentos da-
dos pelas cameras.
20. Impor adixinistrativamento as mul-
tas em que ineorrerem os infractores das
posturas, expedindo na mesma data aviso
ao procurador da Camara para effeetuar a
cobbran9a. Este avis) servirA de auto em
juizo.


21. Distribuir os soccorros publicos
prcstaalibs pela Camara cm caos de cala-
midade public, na conformidado das or-
dens e instrucges, no que Ihes prestarA
circumnstanciada conta.
22. Velar na conservagle dos monu-
mentos artisticos, historicos e archeologi-
cos, e impedir pelos moeios autorisalos
nas posturas que sejam damnificadas as
fontes de aguas mineraes e destruidas ou-
tras riquezas e bellezas naturaes, situadas
em lugares pertencentes ao dominion pu-
blico.
mas min1iia -m-itinha perdido para sempre
toda a sua alegria; nio tornou a apparecer
nos jardins, nas pragas, nem nas rus;
desfez a sna formosura a for9a de lagrimas;
cobrio-se de uma mantilha preta, e n auo
tornou a bailar.
Uma cigana que leva similhante vidade-
pressa cae n'uma espantosa miseria, e eatsta
fel-a seguir various ciganos errantes ate
Marcia, depois A Catalunha, e por ultimo
ao Rossillon.
Escuso dizer quo a nossa morada tbo de-
prassa era o buraco de uma rocha como o
arco de ura ponte.
Contava ou dez anuos quando fallecou
minha mle de misoria, de trome; e eu quo
tinha bemn feli moiaoria, nieo esqueci nada
di historia da minhma familiar, que miniha
mai meeonteu.
Per minha m1i -ube a historic do cava-
iheiro do, Beleosta e da seuhora de Perusa, e
do marquez do Vemorauil, e icou perfeita
mente gravada ua minha Oemoria, asaim
como no meu corago e na miha cabes.'
Porque .?.. A fallar verdade no si;
m depois comprehendi quo seri por start
scripto qe o neto do indiano tinha do ser
as dia'a Providencia do neto do cavalhei-

-*Singular oncontro! -murnurou o via-
-condo.-
E' u~m v1erdadoiro-milare I


paes, o dando-lhe as instruoos que Jul-
gar precisas para o boI andaiento e re-
gularidadedo servigo..
25. roncoder licen9a .aos mesmos em-
pregados at6 trees mezes, e snspendel-os
administrativamente atW 15 dias por falta
de cxacgibo no cumprimnento de sous doe
veres.
2G. Formular o project do orgamento
da receita e despeza do municipio, atten-
dendo As necessidades urgentes do servi9o
municipal.
27. Apresentar As cameras o balango e
as contas da receita e despeza do ann)
hindo, coin os documentos justificativos.
2S. Activar o proeurador da Camara
na cobranca das multas e dos rendirnentos
provenientes dos bens do municipio.
29. Promover o tombameuto dos bens
immoveis da Camara e dos de logradouro
coinmmum dos municipes.
30. Levantar o pianos (las obras muni-
cipaIcs e sou or9amento, observados os ro
gulamnontos e instruce3os.
31. Propor a nomea9(ao o demissao dos
empregados minunicipacs, salvo o secreta-
rio, thesoureiro, procurador, advogado e
contador, que serao de livre nomea.ao e
demissao das caminaras. '".
Art. 7.0 As deliberac;3s e resolugoes
seraio tomadas por votacAto nominal, salvo
se envolverem apreciaoao do merito ou
demerlto de qualquer pessoa, caso em que
so votarA por escrutinio secret.
j 1.0 Quando haja ernpate na votagIo por
escrutinio secret, ficarA adiado o negocio
para a sessAto on sessocs immediatas ate
ss obter vencimento.
2.- Os vereadores nao podem assis-
tir as sessoes ou nA part d'ellas em que se
tractar de negocios que envolvamn interes-
se seon ou de pessoa a quern repr'esentem,
ou corn quern tenham parentesco, por con-
sanguinidade on afinidade, dentro do ter-
ceiro grao por diroito civil.
S 3.- Nao podem igualmentee escusar-
se de votar ou deliberar em qualquer ne-
gocio que se tracta em sessno, e em que
nao estejam inhibidos de intervir pela dis-
posigio do artigo antecedents. ..
Art. 8.- A junta executive serA compos-
ta do trees membros, nacionaes on estran-
geiros, vereadores ou nIo,-dividindo-se
o serving em socdes, conforme f6r mais
convenient, nas cameras das cidades e
da corte.
1.- As cameras por moio do regimen-
to, distribuirao as competeutes obrigaoes,
deveres e services do cada urna' d.is see-
95es.
2.- Ajunta executive serA cleitt pala
camera na sessito segainte a de sun posse,
por urn anno, podendo ser reeleita.
1 3.- Os presidents e vice presidents
slo elegiveis e aceumularAo as func9ues
proprias corn as da junta executive.
S1. Na falta de algumn dos memnbros
dajunta executive, nomearao as cameras,
em sessto, urn que o substitua.
Art. 9.- Sao nullas as delibera953s e re-
soluges das cam'sras :
1." Quando o object for extranho A sua
competencia e attribui5es:
2.- Quando tomadas ein sessoas ordina-
rias celebradas fora dos dias para ellas
designados;
3." Quando totuadas em sessOes extraor-
dinarias sobre assumptos nuio declarados
na convocavubo;
4." Quando tbmadas antes da abertura
ou depois do encerramento da sessio, ou
fora do local para ella destinado;
5." E em geral quando oppostas As lois e
regulamentos dados para a boa execugio
das leisgeraes e da provincia, a que per
tender a camara;
I." 0 promoter pablico, o vereador,
o municipe contribuinte e o cidladito preja-
dicado, sao competentes para proaiover pa-
rante as justi9as ordinarias a ac97o, afiir
de deelararem nullas as resolu9Ses das ca-
maras, incursas em alguma ou algumas das
hypotheses dos numeros antecedentes;


S 2.' 0 exercicio d'esta acto niao pro-
vine nem prejudice a intervenaito e decisAo
da autordade competent, quando a nul-
lidade offender interesse do Estado ou da
provincia,
Art. 10. Os vereadoros e a junta exe-
cutiva serao responsaveis solidarios:
1.1 Para corn o municipio pela diracRao
e gerencia do dinheiro e fazenda munici-
paes.
2.- Para corn o cidadAo dos actos nullos
de abuso e excess do poler de qua Ihe
result prej uizo, damino ou usurpagao de
sous direitos.
funda avorsao, tendo herdalo de minha
mii essa indifferenga zombeteira, que for-
moun a base do seu character e forma a do
men.
Demasiado orgulhoso para viver de rou-
bos, A maneira dos ciganos, fiz-me contra-
bandista primeiro nas margeas do Rheno,
depois no paiz vasco.

0 acaso trouxe aos meus dominios o sou
antigo criado grave, senhor visconde, e to-
mei o born Antonio ao meu servigo. Con-
tou-me os seus triumphos, as suas loucuras
o as suas desgragas, e no providencial aca-
so quo o punha ao alcance da minha mao
renheei a ordem do csu quoe destinou a
minha rapa para servi9o dos BelestA. A sua
segunda esposa estava abysmada em incon-
solavel affliclo, e devia accudi em seu
auxilio; mas, afim de fazer corn exito, do-
via accudir primeiro em seu auxilio, e...
accudi sem hexitar.
Callou s3 Perez e passou a mao pela tes-
ta, humedecida pole suor.
Os olhos do visconde, fulgentes por caas
da febre, corn o seot ultimo brilho, enche-
ram-se do lagzimas ; levantou as tremula
mios aprosentou-as a Pores, que as aper-

SMen amigo, p'guntou Fotac, nieo o
impollio para mim mais do quo esse senti-
mento de piedade e beneficencia ?
N-- Ao prmcipio, sim; mas quan-


parm reger 0 respecivoi x-ro ~1t, oWF.'
nukrA ein V^gr0Tanterior., icaaco paWua,
Screditos limnitados as das despezasa.
obrpgatorinas. .
5 2." 0 oramento de receita o despo-
za, antes de ser relnettid" 3 assembleas
provinciaes, sera expost, ao putblico ua.'
casa da camera durante oito dias segu-i oi
e -uteis, o quo fara o pWdtnte da camaii,
constar por editaes e auncios nos jor-
naes do mruicipio corn sufficiente anteci-
pacglo, para quo os municipes e interessa-
dos possamn requeror As asseminbl6as provin-
ciaes o que hIlies parecer convenient ao
municipio on a seus direitos.
$ 3o Do mesmo modo se procederA a
respeito do o:amento da receita e despeza
da Illmna. CGanara Municipal da corte, de-
vendo andar aunexo ao do Ministerio do
Imperio e conjunctamente discutido e vo-
tado na Assemiblea Geral L'gislativa.
Art. 12. So a receita do minunicipio for
sufficient para acudir a todas as despezas
ji fixadas indopendentemente do novos im-
postos, taxas ou contribuices, ou de ag-
g1v"IiAo das cxistentes, as Camraras ap-
provarto o or'amento e o mandarao logo
executor.
Art. 13. As contas do oxercicio find e
sca balango scrato org.misados dentro do
prazo do 60 dias, depois do encerrado o
rnesmo exercicio, descrevendo-se em co-
lumnas separadas a reccita cobrada e a
despeza effectuada, pela mesma ordein e
titulos corn quo as respectivas verbases-
tiverem langadas nos or.amentos.
lo No que pertence ao process a se-
guir na apresentagiio das contas e docu-
mentos, se guardara o que estiver provi-
denciado nos regulamentos gorazs de con-
tabilidade publicly e for applicavel.
S2'0 As contas corn o balango do exer-
cicio encerrado, apresentadas is Camaras
pela junta executive, serao expostas ao
public na casa da camera durante oito
dias soguidos o uteis, o que farA o presi-
dente da Camara constar por editaes e an-
nuncios nos jornaes do municipio corn saf-
ficiente antecipaglo.
I 3o Dentro de tries mezes do encerra-
mento do exercicio as Camaras dcvem resol-
ver definitivamente sobre as respectivas
contas approvando-as ou emendando-as.
4' Se as Camaras acharem erros nas
contas, determinarlo a sun emenda ; so des-
vios da receita ou applicab3o nio autorisa-
da, ordenarao que o rosponsavcl entire pa-
ra o cotr3 comn a devida importan'ia, e no
praso curto que lhie marcarain.
S 5" Se find o praso nuo estivor o co-
fra restituilo, as Camaras mindarao por
sous procuradores proceder contra 03 res-
ponsaveis (art. 15 1')
6' So a junta executive nao apresen-
tar contas e b:dan9go no prazo legal, de
cada dia de demora lho serA cobrada a
inulta de cem mril r6is para o cofra mu-
nicipal.
7" Persistindo na falta as Camaras,
passado o oitavo dia, poderato demittir a
junta executive e mnandal-a responsabilisar
conformine a gravidadc da contuinacia, pro-
cedendo logo A eleigao da nova junta.
8' Os memnbros da junta executive,
pagas as multas, voltarbo aos lugares de
vereadores, nao poden lo, porcm, deliberar
e votar sobre as contas que deixara n de
apresentar.
| 9. So a falta de apresent.mao das con-
tas proceder de um ou dous :hombros da
junta executive, as camnaras mandarao co-
brat so destes as multas, demittindo-os
qu'ndo for teonpo.
10. Se o president ou vice president
da camara for o omisso ou ostiver entire os
omissos, corn a demissao perderd o lugar
de president ou vice prosidcnte, e seram logo
eleito quem o substitua. .
| 11. As cameras chimnrio e juntaex-
cutiva demittida ajuizo (art. 14 1.') para
prestar as contas, e effectuada a intimagao
ficao pos esse factor susponsos os intimados
das funncges do vereador.


(Continua)

YARIEDADES
Um ponceo de tuinJo
Ultimos eccos do carnaval.
Urn sujeito muito conhocido pela sua
sordida avareza, lembrou-se de se masca-
rar, e sahio vestido de domino !
No Loreto approxima-se d'elle urn men-
digo, e pede-lho esmola. 0 avarento quer
continuar o sou caminho; um amigo que
vaia corn elle, porem, adverte-o:
0' F... dA-1he alguma cousa; olha
que quando naio, elle conheee-te.
av-O, tal como tinha sido meu pai, e corn
eu mesmo fOra n'outro tempo.
Reconheci-o como valente e generoso, e
disse comigo que a misericordia divina me
tinha sem duvida escolhido para Ihe annun-'
ciarn'esta vida que o arrependiinento en-
contra sempro no c6u o inteiro perdao do
mal que faz neste vale de dor e de lagri-
mas.
Oh!... Perez, o senhor 6 uma das
melhores creatures de Deus, sim.., a me
Ihor do todas!
0 visconde, depois de dizer commovido
as anteriores palavras, desafogou o coracSo
corn alguns profundos suspiros.
A senhora de Revenstein diligenciava em
balde dominar a commocao, e corn di -
dade lograva reter as lagrimas.
Quero dar-lhe uta .prova ostensiva
do meu ctrinho, meuo. amigo, dissew o 0I-
condo corn a voz quasi extincta.
Escute-me corn attenco. JA Uo me
rest uma hora de vida, bern o conhego, e
teho que lIhe pedir ua favor. Emquant=
Svirtso conego de Brionne viver, a aMA
nha plre Helena sera feliz, sei isto mut
bem; e, 7s1ja qmal for o sitio que DIeuas
n6dastinado S minha altma, estari abeno
g1h inlcessnt ente o bo mfeitor da m4-
iha amada fiha.* asI0
idade muito av9&ima O'149
06u par o recoer Mnt toi A ,
rninha &mada Helena ? As fiw "O


ir.


r 1i,-1


AT


i


i


4
I




Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E5SZNDLCH_M0JBXI INGEST_TIME 2014-05-03T12:48:42Z PACKAGE AA00011611_13424
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES