Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:13349


This item is only available as the following downloads:


Full Text















































Os T & mitme m r Tdfscfr
atim de reforgar o sen xercilto derro-
tado.
COMMERCIAES

: LONDES, 2 de novembli.
"T'nndos braslleiros de 5 o/o, empres-
U ode 1875, a 92 1 2.
"7 ercado de assucar desanimado, e
os pregos susteutados sere varlagiio
apreciavel, eomn tendencia por6m a
=axar; d de Pernambuco GOOD BROWN
a 22 schs. e 4 d. por quintal.

LJVERPO&L, 2 de novembro.
Venderam-se hoje cerca de 8,000
balas corn algodao de diversas pro-
eedenclas; sendo o de Pernambuco
a 6 9/16 d. por libra.
Assucar inascavado purgado a 23
sohs. por quintal.

HAVRE, 2 de novembro.
Couros verdes salgados de Pernam-
buco de 63 a 65 francs pelos 50 ki-
logrs.
LISBOA, g de novembro.
Camnbio sobre Londres, prazo de 90
dias de vista (DIUHEIno) a 531 8 pences
)por 1000, moeda forte. -
Agenciai de Pernambuco, 4 de no-
vembro de 1877.

PELO DIRECTOR, J. BROCHIER.



INSTRUCCAO POPULAR

Elementos de Chimica
METAES
Polassio
S0 potassio tern tal affinidade para o oxyge-
neo que combina-se imrediatamncote c n
cste gaz logo qu e 6 exposLo ao ar, pelo quao
nao pode existir no estado livre na natureza ;
inas 6 muito almndante cm estado de sal, e a
S ,roava dist6 que faz part das cinzas de to-
dos os vegetaes. E' o typo dos metaes alca-
linos.
Fo Ilumplhry Davy que descobrio, ha cerca
tje cincoenta annos, este corpo cm uma dessas
substancias, que se chamavamrn entao alcalis,
submettendo estes e as terras, considerados
nesse tempo como corps simples, Ai acgi"o da
pilha. Esta exerce, corn effeito, sobre essas
srLstancias, una acQio decomponente: em
fai dos p6los lica urn corpo molle, de aspect
metallico e brilhante, sob a f6rma do glo-
bulo.
Para as necessidades dos lahbratorios o po-
tassio se extrahe actualmente da substancia
coahecida sob o nome de tartiro. Calcina-se
esta substancia emrn vaso fechado, depois mis-
t 'ira-se seu residuo corn carv.o em p6; e
-iquecendo a mistura a urma alta temperatura,
aum uma especie de garrafa de ferro forjado
ronmmunicando, por meio de umn tubo, coin
!:n recipient clheio de oleode naphia, o po-
Si. veio se condeiisan.r no lilqiido. ao abrigo
I. tr. Este process : c,)nhc':i'Jo sol) o nome
:- .rucesso de Brunner.
(, potassio arde coin brilno rluandu aque-
to i urna certa LemperaLura ; inflanima-se
S.L[imeiilte quando se lunea urn fragment na
AA ,.a; estes. dous phcnomenos resultami de
.. ia grande ffrinidade para o oxygeneo. No
.,.audo caso eblle decompe a agua para se
;,pC.der'ar de seu oxygeneo, e o calorico, des-
prondido pela energir desta ;cv.io chrimica 6
'L.l liflete para inflammar o hydrogzeneo, que
;.rna-se livre pela decomtrosi.;o.
Nps .4ous cases forma--c irm u.,jdo de polas-
..".. KO, vulgarmente conhc-.i,) sob o nome
.le potassa, quand9 se t.cha no eslado de hy-
,3 'ito, sob o muai e\iStc t10 commercio de
d'ogas. 0 quo os efpo:ieiros vendem sob
eate nome nao e mrn-s d) 111, e o residuo da
'evoporaiuo de unea lixivia das cinzas dos ve-
getaes nicos em sues de potas.a, e, por con-
se-uinte, urea mistura impura desses saes.
u' desse residuo precisamente que se ex-
' tr.ithe a potassa verdadeira, derramando- em
sun solucao fervendo hydrato de cal em massa
liqiidu ; esta apossa-sc dos a,'dos, principal-
reonte do acido carbonrio, e se precipita no
ftndo do vaso; o liquido, decantado depois d)


resfdmraentu, 6 evaporado, e o hydrato de
potassa, que fica em fusio. t' 'aneado em cha-
pas ou moldes, para former o upie se china
)..?;.a dc cailteio, ou Ipotassu ia ,': '. Para pu-
r.-icar este product, trnr '^ alcohol, qire
s'. dissolve o hydrato dc e rque dcixa
',eionr por evaporaetrij a I re ulcool.
Nesses dous estadj1.: potassa 'branca,
..i,-tuosa ao tacto-, de iumsajor e cheiro de
'na ; 6 muito canslr.i,-e di solve instanta-
e:,mpte as materias t.,;.;uo, attrahe a hu'i a ii i runtmosphera: 6
Sque .se chama Lfni^ stitancia deliques-
A potassa 6 a im' podei. s.a das bass;
.^^ desloca, faiInenie Lodas ;as outras de -suas
c'-ml)inag5es satirras ;sto qmicr dizer que ella
pode frmai9r s&es corin-'Ils 0s acidos, e, corn
en d^clantra unid4"no solo e nos vcge-
t jes, todos os quetx istem.
DEi*so5 eaies t5 nihumor.-os, alguns so-
mmnt,o mnais usuaes, sero- inlicados. To-
". do? eltes slo deUquscentes, isLo 6, absorvendo
a hiumidatda atdiospherica, dissolvem-s' na
saperftie do seus crystaes.
Gou'erIEoS jogr car6oin!(o depo.tasa K ,
CO, qw.dooaqquaMrio nao exist formado na
intumraz, serve enfretato para a preparaCilo
industral.da m6rI pqte, dp.S oiatros, visto que
ere tf a cato* ta Sods os que se
cot,mnS.V ., desde entlo,
ilpalrtw .kas V"' eg o e -sal
sas para a prepa-
ra rzi-e.co-
V~esri


Officios :
Ao commandant das armas.- Expea
V. Exc. suns ordens no senlido de oompare-
cerem neste palacio. no dia 27 do corrtote, As
12 horas da nianha, 3 officials superiores de 1
linha, afim de constituirem a junta de,justica,
que tern de julgar em ultima instanela o sol-
dado do corp. e policia, Antonio Baptista da
Silva.
-Ao juiz de direitb doE9 S.egi-
hal.- TMiaumi& a V. 3.
radio contra o soldado d6 corpo de An-
tonio Baptists da Silva, aflm de que V.
senate o relatorio do estylo perante a junta de
justiga, quo o tern de'julgar neste- palacio no
dia 27 do corrente, As 12 horas da manhiA.
Ao mesmo.- Transmitta-me V. S., con-
forme Ihe recommended em 5 do corrente,
uma copia do inquerito policial cue procedeu
o delegado do Recife, Acerca da lorte do es-
cravo Silvestre, pertencente a Thom6-Jacintho
de Gouveia, rendeiro .do engenho Saltinho, na
freguezia de Una, cidade do Rio Formosa, afim
de ser enviada ao respective promoter pu-
blico.
-- Ao inspector da 'thesouraria de fazenda.
Em deferimento A petiCAo do conselheiro
Felippe Lopes Netto, e, de accord corn a in-
formago prestada por V. S., e pelo engenhei-
ro director das obras de conservacio dos por-
tos, em officios sob rl. 1,093; do lo e 663 de 15
do corrente, recommendo-lhe que made sus-
pender a intimaQibo feita poa edital ao mesmo
conselheiro para construcgAo do caes em fren-
te aos terrenos alagados, de maripha, ns. 250,
260, 262 e 276, de que 6 concessionario, ate
que o governor imperial, d ctja consideraeao
submetto nesta data a assumpto pot interes-
sar as obras do melhoramento do porto, resol-
va o que entender acertado.-Comrnunicou-se
ao referido engenheiro.
Ao mesmo.- Declaro a V. S., em res-
posta ao seu officio n. 674, de 19 do corrente,
e para o fazer constar ao inspector da alfan-
dega, que o pharol o suas pertehCnas, destina-
dos aos Baixos das Roccas, devem depois de
despachados livres de direitos, ser ontregues
ao inspector do arsenal de marinha, que estd
autorisado a recebel-os Cowmmunicou-se ao
dito inspector do arsenal.
Ao mesmo.- Dando provimento ao re-
curso a quo allude a informaoao dessa inspec-
toria, de 22 de setembro, n. 595, relevo Ma-
noel Ignacio de Albuquerque MaranhAo, 3a
multa de 50$000, que Ihe impoz o collector do
Cabo,.por ter deixado de dar- Ai matricula no
prazo legal a ingenua Rosalina. 0 que decla-
ro a V. S., para os devidos fins.
Ao mesmo.- Transmitto a V. S., para os
devidos fins, as contas dos medicamentos for-
necidos por Forreira Maia & C., A pharmnacia
do hospital military, no mez de setembro, e
bern assim o parecer por duplica, da junta de
inspecoio, que examinou ditas contas e con-
siderou-as no caso de serem aceitas.- GCom-
mntmnicou se no commandante das armas.
Ao mesmo.- Transmitto a V. S.,para os
fins convenientes, o mappa demonstrativo dos
medicawentos, drogas e utensilios existentes.
entrados e consumidos no hospital military,
nas enfermarias do arsenal de guerra e presi-
dio de Fernando, corn os ofQciaes e suas fa-
milias, tudo no me? de abril ultimo, e bem
assim o parecer, por duplicata da junta de
inspecCio que examinou o referido minappa e
o considerou no caso de ser recebido.- Com-
municou-se ao commandant das armas.
A) mesmo. Transmitto a V. S., para os
devidos fins, as contas da receita e despeza
do hospital military, relatives ao mez de setern-
bro, acompanhadas do parecer, por duplicate,
da junta de inspecgi-o que as examinou e jul-
gou-as no caso de serem aceitas.-- Gommuni-
cou-se ao commandant das armas.
-- Ao mesmo.- Transmitto a V. S., para os
devidos fins, as notas do gaz consumido no
mez de sotembro, corn a illuminacao. dos
quarteis e do hospital military, na quantidade de
44,500 pes cubicos.--Gommunicou-se ao com-
mandante das armas.
Ao dt thesouro provincial. Tendo em
vista as infonrna,-es juntas, ministradas pelos
engenheiros chefe interino da repartigao das
obras publicas e do 3o district, sobre a re-
chlmario a quo allude o officio dessa inspec-
loria, de 15 de setembro, n. 133, autor.iso Vmc.
a mandar pagar a D. Luiza Marqoes Porto,
viuva do contratante da obra da ponte do Ta-
lihba. Andr6 de Abreu Poito, 1:632S918, cor-
respondentes a 319,97 metros quadrados do
reboco de cimiento e areia, executados nas
sapaLas dos muros de encosto e aoexcesso
do trabilho a quo dcu lugar a excavecao da
terra necessaria para o aterro das rampas na
mesma ponte.- Cornmunicou-se ao engenhei-
ro ajudante da reparticao das obras publi-
cas.
Ao inesmo. De accordo coI !a infor-
rnagao dessa inspectoria, de 18 do corrente,
n. 203, autoriso-o a maudar pagar ao commis-
SjA -^ Ii .. .. i 1"iA.U;. I C .....IUU u XE,. III.- [ | .=1- U *1


s til'IU (Ite pJU ia. I -IIIUviU Uo e t "iml oo pui a
Cimbres, atferes Joaquim Servulo Vieira da
Paz. o ordenado relaLivo ao tempo decorrido
de 21 de jullho a 5 de setembro, gasto em sna
reunocAo,
Ao engenheiro ajudante da reparti:Ao
das obras publicas. Recommendo a Vine.
qua, tcndo em vista os cintratos juintos, ce-
lebrados corn a companhia Santa Thu'eza, e,
ouvindo o respective gerente, informe sobre o
que representa a camera municipal de Olinda,
no officio junto, que me sera opportunamente
devolvido.
Ao engenheiro encartegado das obras
militares.-Inforne Vinec. se jA rrandou con-
cluir no paiol construido no sitio da fazenda
o trabalho a que allude a sun informaClo de
18 de setembro. n. 102, declarando no caso
negetivo qual o motive porque demora a
-vT UA11h A r mAnll] -L A I Zrhllhl


xcwA;'.uu uaut. Lro bauamu. -
* Ao gerente da company perriambucana.
-A' vista das razoes por Vma expostas no seu
oflioio de hontemn. nu.oriso- a transferir para
o dia 23 d corrente, as )5 jras da tarde, a
viagem que um dos -vapores essa companhia
deve fazer hoje para os port, do sul ate Ara-
caj&.-Communicou-se ao a ninistrador dos
correios.
Portaria :
0 Sr. gerente da comlpnhia pernambu-
cana, faca I ransportar A larahyba, por conta
do ministerlo' da guerra, no primeiro vapor
que seguir para o norte, 30 caix6is, contend
fardamento destinado as pragas da companhia
de infantaria ligeira daquella provincia.-Com-
municou-se ao director do arsenal de guerra.
EXPEDISNTE DO SiCRETARIO
Oflicios :
Ao commandant das armeas. S. Exc. o
St. presIldete; -tend por deBpctbo desta data
auteorisado ao arsenal doe g, m mandar sa-
difazer os dom peddos '- 4omnmandante do
2o batallftlo deinfntaj||tdivers objecLos
'para o complete do$,'qi albella mamljmra
.rwpo, 4ue v abIRinimeSos5ao eui.lfm t
di hoemeS ;;'. nl. o usauda oOmro,..
-NlrYt.4'c ,fuata OcR enptieailoto,'- -i
--5 m fiHW Im&4 o u) tH>(t|(
uA Mm 40.
H tol^~ crp~t~ l*tg
tt^Z^&S^&^~hrftT


Neves.-Remetteu-se o titulo ao Dr. cheftflee
policia interino.
0 prc~idente da provincia, A vista da pro-
posta do Dr. chefe de policia interino, em of-
ficio n. 809, do 19 do corrente, resolve exone-
rar do 40 supplente do subdelegado do district
do Camucim, do termo de Bezerros, a Joaquim
Marcelino da Silva Vieira, por se ter mudado.
-Communicou-se ao Dr. chefe de polidia in-
terino.
0 president 'da provincia, de conformi-
dade corn a proposta-do Dr. chefe de policia
interino, em officio n. 809. de 19 do corrente,
resolve nomear jo supplente do subdelegado
da district de Camucim, do term de Bezer-
ros, ao ciiadto Joaquimn Jos6 Bezerra de Vas-
concellos.-Remetteu-se o titulo ao Dr. chefe
de policia interino.
0 president da provincia. resolve, nos
terms do art. 1o 2o do decreto n. 4,668, de
5 de janeiro de 1871, nomear o capilao Jos6
Matheus de Oliveira GuimarAes, para servir
provisoriamente os officios de 2o tabellilio de
notas, escrivAo do crime e civel, e privativo
das execugSos civeis do termo de Panellas, e
o alferes Francisco Antonio dos Santos, para
servir na mesa conformidade os officios de
partidor e distribuidor do mesmo term. Os
nomeados deverlo entrar logo em exercicio.
0 president da provincie, tendo em vis-
ta o qu e informou o inspector do thesouro,
em officio de 19 do corrente, 1 1081, resolve
conceder ao collector das rendas provinciaes
de Bezerros, Valdevino de Barros e Silva a
exone'raco que pedio.
Officios :
Ao presented da Bahia.-Passo As mrnAos
de V. Exc. a portaria expedida pelo supremo
tribunal de justica, concernente a reclamaCgo
de antiguidade do juiz de direto Segismundo
Antonio Gonoalves, afim de qut V. Exo. se
digne de fazel-a chegar ao f*4er do juiz de
direito Antonio Joaquim C&rre de Araujo,
sendo devolvida no caso de n'o achapr eie
nessa provincia. Communicou-st ao presi-
dente do supremo tribunal.
Ao commandant das armas.-Declarant
do oministerio da guerra, no avisode im.
corrente, que o capItao honorario do exereit6'
Felippe Jose da Exaltaoqo Maniva. que se acha-
va encostado ao extincto deposit de recrutas,
nao tern direito A percepcAo de soldo pela an-
tiga tabella qu e Ilhe tem sido abonado, visto
star comprehendido na lettra do aviso de 21
de junho deste anno, que mandeu dispesrar
os honorarios addidos aos corpos ou comrpa-
nhias, restando-lhe o recurso se effectivamnen-
te estA inutilisado em consequencia de servi-
go de companha, de requerer inspecIlo de
safide e A vista do resultado solicitor do goyer-
no imperial o favor da lei, assim o communi-
co a V. Exc., para seu conhocimento,e afirm de
o fazer constar ao referido capitlo.-Cornmmu-
nicou-se A, thesouraria de fazenda.
Ao mesmo. Deferindo o requerimento
do 2o cadete 2o sargento da companhia de ca-
vallaria. Jos6 Mariano Augusto de Moraes, au-
toriso V. Exc., nos terms dtie sua informacao,
n. 785, de 19 do corrente a conceder-lhe dous
mezes de licenga para tratar de sua safide na
cidade de Caruari.
Aos membros da commissao encarrega-
da de distribuir soccorros aos indigentes do
interior da provincia. Sirvam-se Vv. Ss. de
mandar entregar A Santa Casa de Misericor-
dia, por conta dos dinheiros recebidos para soc-
corros As victims da secca,- 4:000#000, para
auxilio das despezas dos estabelecimenios a
cargo da mesma Santa Casa.-Gommunicou-se
ao provedor da Santa Casa.
Ao Dr. Jollo Pedro Maduro da Fonseca.-
Tendo designado V. S. para inspeccionar o a1
escripturario do thosouro provincial, Landeli-
no de L.una Freire, que pretend obLer quatro
mezes de licenca ; assimm lh'o commuico, es-
perando que aceitard essa incuimbencia.
Ao inspector do arsenal de marinha.-
Communico a V. S., para seu conhecirnmanto,
que, segundo consta de participagRo da secre-
taria da marina, foi naquella data nomeado
o Io tonente honorario Antonio Luiz Bastos
dos Reis, director Las construcgoes navaes
desse arsenal.--Mta tis mutandis A thesoura-
ria do fazenda.


Ao mesmo. Nao existindo, na maior
parte'das companhias de aprendizes marinhoi-
ros, empregados coin a denomininacgo especial
de serventes, nem achando-se elles conside-
rados nos respectivos quadros, recommenio
a V. S. que, em execu.-lo do aviso circular do
ministerio da marinha, de 6 do corrente, dis-
peCa os que hotiverem na companhia desta
provincia.-Communicou-s c A thesouraria de
tazenda.
Ao mesmo. Deferiindo o requerimento
do agent da compamhia bahiana, autLoriso V.
S., de conformidade corn a sua informacao n.
845, de 1 do corrente, a fornecer ao dito agen-
te, mediante indemnisagao da respective ihn-
portancia por part do mesmo, tres pranchres
de pinho de cincoenta a e c'rcocnta e dous
p6s de comprimento.-Commmunicou-se A the-
souraria de fazenda.
Ao da thesouraria de fazenda. Para os
fins convenientes, transmittc a V. S. o decce-
to de 6 Jo corrente, pelo qual o Dr. Joiao Tho-
md da Silva, lente .nbstitnito,da Faculdade-de
Direito, foi nomcado lente da,tqrceira cadeimr
do quinto anno, vaga pelo ti_4Jchnento dt fi
Vicente Pereira do Rego.-- .


Ao mesmno.-Mande V, S.'entiegar"d me,
sa rogedora da conrraria de Nossa Sentorafdo
Amparo, de Goyanna,.med4pte fl nR a idunea
de ac 'ordo corn a iafdrmacqo dessa inspecto-
ria, de 18 do coirente., n. 207, 600000, corres-
pondenLes ao produce daloterla n. 237, ex-
trahida em fvor das- obras da igreja da rmes-
ma invocacAn&o. ,
Ao do ILhcsouro provincial. -Mande Vibc.
escrfiirar no quadro da divida passiva, no$
termos do sua. inform n o' de do correnie,
ri. 162, a despeza de 195000. feilta pelo teowtef
coronel commandated dqorpo de policia, JoaO
Francisca da Cunoba,j,com o enterramnento do
cadaver da praga Manoel Gomes do Sacrarnia,.
to, em Ouricury, conforme o documeaUo jaI u,
Ao mesmo.-Mediante flanea idonea, n9%
termnos damua inftrmago de 18.do.oorreot
n. 205, mande Vnic. eutregar & m sa rinm
da Irmandade de N. Sra. da Paz dna AQbbo ji
60000, reaUvos ao producto da lo0ri
235, extrahida ein favor d obrt d, matrMw!
freguezia., ..
Ao mesmo.-Aautoriso Vmc. a manudar:ai
Lrpgar ao visanro Genulto GomesG PoreiSh, o
s obras :i' ,.
flea, ndt8oa dRnof. '
iora,; ido Uti doi


6 S^K e af bdesta- prefidencia e A dIs tureaS, transmltlidas do acampamento tas, se apresentaria ainda mais r oaieOuMt
44^lircas, dawe o.% me- r asso. do que o proprio governor. -de Mac,u i'- "
StNo dia 9 o general Lazaroff corn27 batalhoes A imprensa ingleza 4lAo se desif dSb"tv
d iR de d dileAo.o dAllIho.-Trans- de infanter!A e 40 peas de artilberia, amrnea- destas iddas. EnLendem alguns dos" -Ms
1 L ., p!fMt ooubhaimentLo, copia gou urn movimento torneando Aladjd-Dagh ate orgAos quo estando oa republicans inclinadis
a fnntdK "u de 8 do cor- ds collinas d'Awlias e Vezintoff. Passados al- d inoderavao e .s transdeoes o marechal com
r Wovan4^tmA ilaa .s duvidas guns dias mandou pelo telegrapho military corn o 'seu triumph relatirv prde fazer conoessio,
SU m$0 ApaK. d 17 de a Og, re- ds pacho datado da povoaCio de Bazarrijik, no sern desire, a favor dos seas adversairios, qhe
lati A apuratoe dos alistLamentos aa .al annmnclou que Moaktar-Pachd se achava Ltodavia nio foram vencidos.
o hillr, feitos naparocia de N.rar ,s eua frente comn forcas superiores, e ea (W, As fulhas allemas procuram demormtrar qwea.
di OC1"rnerelos aos annos de 1875:e ia reforms. pelas ultirnas efiso se fica sabeutlo quo a
"a agcernert~os aos annos de 187i: t in reforPeos. t!.....
Na manha de 14.as tips irussas romperam maioria do* mramezed republican, mae qW:
i a"=.Sacorpo de policia. o0 ataquo coatra as poi as turcas e depois-de. a vj iL a b w.sf ti ngo '6astaaf Mu
S" v" L& IAL fbrV.o d1 a pesquerda d1ribar o i hal.a, .
WNW.i lt &Pir na d'Aw- Antes ironIm de eutabro sero
SrenCo Tawraem d Nascimrnento. lias e o redlucto. Emn Keiand, no centro das dos os deputados republicans eleitos uttimia-
!Porta 0s : posig5es turcas houvo a dois verstesde distan- mente para n'umrna reuniao concordarem ra
0 8r. ageinte 4a companhia brasileira de cia urnm vivo cumbate de artilheria, no qual os piano de campana que devem seguir contm'
navegaoa vapor faQa transportar aLd o Pard, shrapnels produziram excellent effeito. o governor. v
por coi a ,41nlutrio da marinja, no vapor Ao meio dia, os granadeiros do Caucaso, HESPANHA
Bahia; p') ada oorveta Paraftse, asu4uaes commiandalos pelo general Hayman, tomaram Sobre esse reino escreve nosso corres-
serI o BndQlasapresentar a bor4o.do d emo a collina d'Awliats e o reducto, e os occuparam, pondente de Lisboa:
vapor puio commandant da ranhoneira mAra- apprebendeqdo quatro peas Krupp. ( AGacete de 23 publicou unia ordem real-
qluaya.-Communicou-se ao commanftnte da Os turcosa abandonando as suas posicoes conservando o procedimentLo do alcaide da al-
dita canboneira. emOdesorde ao, foram vigorosamente perse- deia do Ignatorafe. provincia de Jaen, por ha-
A' vista 1do que inform o inspect' do guidos em tlodas as direce5es. ver exercido pressAo sobre o espirito do pal
thesouro provincial em officio de 19 deste mez, 0 quinto retimento Ezinkoi occupou Aladji- o m.ri de duas crianvas afirn de obter delles
sob ,n. 211. junto, Q&o pode ter lugar a collo- Dagh, e atacowem seguida o campo turco, do que as fizessem baptisar. Ogoverno quer im-
cacao de lampeSes a gaz na rua e travessa da qual se apoderou. 'pedir toda a transgressAu das leis em material
GraCa, como solicita a camera municipal do 0 inimigoretirou-se d'alli'tambem em de.or- deliberdade de consciencia, a qual far4 res-
Recife. no officio de 3 do mesmo mez, sob n. dem sobre tres pontos diversos, estando poitar.
84. que flea deste modo respondido. pordm cortados nas suas communicagOes co[rn Dizem os periodicos desse dia que a corn-
EXPEDIENTE DO SECGRETARI3 Kars. missaio parlainentar para a amortisacio da di-
Officios: Ainda se nio podia dar noticia exacta dos vida public resolvou convidar os agents de
Ao juiz do direilto de Buique, bacharnl mortos e feridos. Os despachos russos decla- citmbio, os membros da Union Mercantil, a*
Raymundo Trieodorico de Castro c Silva.-De ram que no dia seguinte deviam continuar a sociedades economics, corporag5es e delega-
ordem de.S. ExC. o Sr. president, transmitto ser perseguidos os turcos; mas accrescentam dos da imprensa hespanhola Dara as suas sps-
a V. S. a portaria expedida pelo supremo tri- quo naquella data nada se dizia do general soes no fim de novembro elode dezembroafin
bunal de.justica, iopocernente a reclarnmaAo de Laziroff. de ouvir o sou parecer acerca da amurtisacio.
antiguidade 04tr V. S. e ojuiz de direito Se- Segundo noticias de Constantinopla o govr-e Estd projectado nato fazer convites a estran-
gismundo Antonio Go.nCalves. uo ottomano mostrava a major reserve sobre geiros.
Ao agenrte da cornpanhin brasileira de na- o que se passava na Asia, mas jA constava a a Em urn dos ultimos conselhos de minis-
vegagAo a vapor.-De ordem de S. Exc. o Sr. derrota de Moaktar-Pachd, o que produzio tros em Hespanha tratou-se entire outros as-
president, accusoo recebimento do officio de grande sensaeao, pelo receio que geralmente su nptos, da organisaiio das reserves do exer-
V.S., em-quecommunica que o vapor Bahia, se manifesto a respeito da sorte futura d'a- cito. El-rei D. Affonso, que presidio d reu-
chegado hje dos portos do sul, seguird para quella provincial. niAo dos ministros, apresentou; segundo al-
os do norte hoje mesmo A noite.-Communi- 0 general em chefe ottomano telegraphou gumas folhas de Madrid affirmam, considera-
cou-se ao administrator dos correios. que os reforcos chegados ao campo inimigo COes que foram attendidas pelo governor e que
-- tinham dado nos rubsosimnmensa superiorida- revelam os seus conhecimentos militarvs. Afi-
DESPAC1CH08 DA PRItSDENCIA DO DIA 2, DE de numerica. nal foram adoptadas as disposiCges necessa-
NOVEMBRO DE 1877. Accrescenta que no dia 15 se sustentou con- rias para a organisagao de que so tratava.
tra elies desesperadamente, conseguindo de ( No mesmo conselho tratou-se igualmente
Capitic Antonio Gracindo de Gusmlo Lobo. *pincipio algumas vantagens, e que se nio da organisacao de urna forCa de policia em
--Fornya-se epnservou depois nas suas posi Oes, foi por toda a Ilespanha e do sen respective regula-
0 me no.--F'orne~a-se.
Dr. Antonio de Vasconcellos Wenezos do falta de chefes e officials, os quaes na mnaxi- mento.
Dr.mAntonide-I ra o Sr inspetor adema parts ficaram f6ra do combat. 0 numero a Annunciam-se important economist
Drummnd.-Ifrme o S. inspector dath-dos moros do ambos os lados foi muito con- nao sd no ministerio da marinha, com no da
sourarit de fazenda..0Cn os6n iitrod atfem oda
AntoninoJos deMiranda Fal --Remti srideravl. justiCa e go pessoal da magistratuira, a exem-
Antonino Jos6 do Miranda Fald --Remotti- Em todas as cidades da Russia foi grande o plo do quo pralicou o niarque dt Orovio nas
do nao Sr. inspector da thesouraria do fazenda rogosijo peis victoria alcangada pelds russos dependncias a rparlia a fazenda.
paraos inswnvnienes. %, 1 .dependencias &a repartiQZlo da fazenda.
Bacharel Candido Alves Machado-Pss. contra Moaktar-Pach-A. Os russos acousam uni- 9 Continua a luta na imprebsa da opposigaio
Bacharel andido Alves Mahado. -Passe camente a morta l.Aim coronel, tendo ficado corn o Sr. Canovas del Castillo, mas os orgaos
portaria, concedendo, corn ordenado, a licna feridos dous offiWo,sauperiores e urn major. *mais importantes das facQOes dissident. de-
reield. d Nos ultimos joros inglezes encontram-se clararam que 6 necessario formarem-se pat-
IT rei Feilippe do S. Luiz Paim.-Junte 0 ti- duas noticias impoahttes. Urma d'ellas refere- tidos fortes e robustos para que possam subs-
rto deinstituioer-h da capeb o e a prova do sea um despachod e-rliHn em que se diz que tituir o governor sem abalo nem perturbagOes
mpenreoer-laao a" bencomaaconheci- a governor rqao so dftigr do e novo As poten- da ordemn public.
me nlot da decm I do uitm .emestre a clas, proest0 o costraa violacho .do direito a Esta deoglartracao signiflca que em Hespa-
Jos6 Pinto daCurha'.- Ps.xe portaria na dasgenlei p6rimartedo6itrcos,ecltando como nha nao ha partidos organisados e em condi-
'f6rma do elo. a proVa as crueldades que os musulmanos teem gces de tormrem a direNlo dos negocios se-
Aleres J aI'W da_ 8Silva, iuiar-es.- ommettido na Bulgaria, resultando d'elas gundo as ptefwias constitucionaes
Passe a -cemdbndo, comrn sdhado, a viotimas, nao s6 entire os christ'ios do paiz, PORTUGAL
Iicenga e~nda.,ti mas entire os foridos russos e roumaicos in- Em 24 escreve nosso correspondent de
MajorJutino Rodrigues da Silveira.-For- defezos. A segunda noticia dada por urn des- Lisboa :
n0 mesmo.-onre-se pacho de Vienna annuncia quoa oagitidiW Hontenf bscrevi a costumada correspon-
0 mesmo.-Conerte-se. Akrakoff, chefe do partido panslavista foi p- dencia pel. mala do Senegal. Agora aproveito
0 rnesmo.-Fornega-se. so em Moscow por se ter expressado de Uma a do Valparaiso. Qual chegarAd ahi primeiro? .
Coronelpaqui Cavalcante d Albuquerque maneira violent nao s6 contra os ministros Parece que deve ser o paquete francez. Em
lo.romise. -russos, mas tamben contra a actual dynastia todo o caso a meu dever 6 nio dixar ir urn
Joaquim Domicio Leopoldino Ferreira.-In- e forma de governor do imperio. nem outro sem noticias.
orine o Sr. inspector geral da instrucio pu Dizen de S. Petersburgo queo tempo se Apezar de todas as doclaragies officiosas
Bacharel Joo Alvares Pereira de Lyra.- ia tornado muito f(rio, e 6provavel que o das folhas governamentaes para tranquilisar os
Certifique-se o que constare quartel-generaldo imperador seja, dentro em animos, que andavam em sobresalto corn a
Joaquim Jos6 de Aguiar.-Dferido c pouco, transferido para outro ponto, o qual pendencia suscitada corn a Hespanha a propo-
Joaquim Josa d Agutuar.-Doferido corn a nio estd ainda designado. Na data dos ulti- sito do conflict entire os pescadores hespa-'
officio dsta data thosouraia dSazenda. w as despachos, a comitiva do imperador no nh6es e portuguezes na cos.a do Algarve, so
Luiz Antonio Pereira da Silva.- Informe o tinha outro abrigo mais do que as barracas. antes de hontemrn (22) 6 que a questro interna-
Sr. cormmandante do presidio de Fernando de -' Do Belgrado negam que o governor Servio cional se p6de considerar resolvida, o que sei
Noronha.
Manoel Alves Barbosa.-Informe o Sn. ins- teaha rocebido nota algu ma da Porta Ottoma- de boa fonte. Antes assim, e bern hajam os
pctorda thesouraia do fazenda. elativamente mobilisag0o do exercito do dous governos na diligencia que *em wanifes-
Manet l dash do Arauiad-enfarm nd Sr 'n Principado. tado para que esta deAintelligencia fosse con-
Mnelo s de Arau.norm o.ins- Parece que o gr'o-vizir se queixou verbal- duzida a bons thermos no caminho da diploma-
pector da thesournaia d e fazenda, mente ao agents servio, o Sn. Christitch, dos cia, pois nem a Hespanba lucrava em quo a
Secretaria ti presidoncia do Pernambuco, 3 armamentos daServia. 0 Sr. Christitch foi questao fosse debatida n'outro terreno. e a n6s
do no~ernb d 1877; no'. encarregado pelo .seu governor de motivar a muito menos nos convinha, apezar do todas
Jopto 0p aeirat mobilisao da tropas, corn a concentraglo de as bravatas patrioticas dos que julgam quo een
ooGo~fahs dos S'antos jior, tropas turcas na fronteira. sahinlo as philarmoni-as a rua a tocar o hym-
---- Accrescenta-se quo aquelle agent no dci- no da indepcndenwia o paiz se ievantaria comp
Repartig o da policia xara o sea posto em Constantinopla. ernquan- urm s5 home A verdade 6 que as condiqoes
M ._o Q o,, -

X%.J UUJ-- --'* ,./ i sJ.^ I-- ., t,, c ., w I t I .iu
de Pernambuco. 3 de novembro de 1877.--ilm.
e Exm. Sr. Participn a V. Exc. que foram
hontem recolhidos A casa de detenCbo os se-
guintes individuos :
A'.minha ordem, Domingos Deodarto Soria-
no, vindo do Ri) Formoso, como criminoso
na provincial das Alaggas; Juvencio Alves da
Silva e Anton-o Fructuoso Lins de Almeida,
vindos de SerinhAem, @ 1o como criminoso
evadido da cadeia de Gamelleira, e o 32 como
criminoso no termo de Iguarassf.
A' ordem do subdelegado do 1 district de
S, Jos6, Manoel Bonifacio dos Santos e Pedro
Francisco Comes dos Santos, p0r disturbios.
A' ordemido dti Boa-Vista, Sophia, escrava
doDr. Manoel do Siqueira Cavalcante, a re-
querimento do senhor.
A' ordem dodo Po.o, Pedro Antonio Fran-
cisco, por crime de furimento.
A's 4 horas &i tarde do dia 20 de outubro
ultimo, em terms do engenho Goqueiro, do
termo do Rio Formoso, os escravos da fabri-
c". do mesmo engenho, assassinaram ao res-
pectiv.: feitor, 1oo Barroso de Carvalho.
Sobre esle 'ailo fez-se o inqaerito policial,
que foi logo .Iemettido ao juizo competence.
No rnesmo 'dia e mez, no lugar EsconCo, do
djstricto de Goyanninla, do term ce Goyjn-
na, Manoel Antonio Ribeiro Seabra, Manoel
JosA Antonio do Monte, conhecido por Doia,
e Vicento Ferreira dos Santos,. travando se do
razies, resultou disto sahircm todos feridos,
e chegando o occorrido ao conhecimento do
subdelegado respective, o que os delinquentLes
se achavamn em tratamento, dirigio-se aos lu-
gares onde elles estavam, fez as vistorias e
in ais diligencias, das quaes veriflcou-se ser
DIerimento doe Viccite Jose Antonio do
.f processado alli pelo mesmo crime, em
WoIequencia do que o fez recotherd prisiao.
N dia 30,.- na cidade. da Escada, apresen-
tou-seA autoridade competent o foi recoihi-
do A respective cadeia, o escravo Caataij:,
pertence a Americo de S; e Alb iquerque,
pronundiado como incurso nas pends do art.
' 05 do codigo criminal, por haver toainado par-
ts no ilicte que. e deu no engonho Jundid,
1o distij dawqell&'cidade.
I ")'us guard a V. Exc. Illm. .e Exm. Sr.
'Dr. Manoql Clementin'o Carneiro da Cunha,
qimuit digno" president da proviecia 0
obefe de policra Inlerino, Hormoge""a SOCra-
h a Tqfres de Vasconcellos.


8I
I
a.


Atfdeou no
at.. Gal da
|ttsM
!B. -.n


tes.
Foram os jornaes do Vienna que referi-
ranim o boato da retirada para o seu paiz do
exercito roumaico. para se co.nservar ali na"
defensive, logo qu e terminasse a campanha
deste anno.
Diziam que neste caso o exercito roumaio
iria to aar posigces na Talaquia. sendo talvez
encarregado de apoiar, ainda que indirecta-
mernte, a acgAo da Ser:.ia, se este principado
chegasse a tomar part na guerra.
Notava a Presse de Vienna quo para a reti-
rada do exercilo roumaico existiam rnob s6
nmotivos politicos, mas tambem os desejos da
populagiAo, alem da pouca cordialidade que
reinava entire oschefes roumaicos e moscovi-
taW. E' esta noticia que se desmente de S.
Petersburgo.
Mas de SistoWa dizem terminanlemente que
o exercito roumaica regressarA a Roumania,
aiada antes do inverno, no pelos fundamen-
tos apresentados pela Prepe, mas para de-
fender a fronteira daquelle paiz, ludo de ac-
cordo corn o estado-maior general russo
FRANCA
F PU ,N Q.A

Pelo resultado definitivo das eleiC5es, v0-se
que o governor augmentou o numero dos seus
parLtidarios no parlamento, nao obstante o go-
verno continuar em minoria.
Nao so deve apezar. disso, support que uma
opposilAo que p6de ter pelo menos 100 votus
de nuaioria, desanime corn a perda td'alguns
votos, visto achar-se t1bo forte e prepon le-
rante como opti'ora.
Julga-se que o arechal de Mac-Mahon ha-
vendo uhbtido um tal ou qual triumph sobre
os seus adversarios, tLord paciencia para es-
perar e perseveranCa" para chegar a reinar.
Mas nao se acredita que haja fundamento para
grandes esperangas.
Ultiomamenie puzeram-se em acClo toJas as
influencias, o resultado foi o que se rio ;
nao 6 portanto provavel quo, ainda mismo re-
peLindoigual p:ocedimento, se consiga alean-
gar para ogoverno, no espago de dous ou
tres mezes, umaDiotoria em que elle alcanCa
40 ou 50 voLtos sobre os que tern agora.
Sato neste sentido as consideragoes que se
fazem em alguns circulos ; -mas 6 facto que a
imprensa conservadora nAo occulla a sua des-
animaClo,'o que revela elaramenLe ,que ella
conhece a situaCo Ltal como seApmpsenta.
SMas quer a victoria real perehga aos ad-
versarios do presibdt.e quer so pretenda at-
trinbuir a parte mo* a qo govero, Goeiita
o acto eloitoralQllp *,jlii do
^(.rlinio, qa~ ,q wW ^ -m
Franca6 oa d
rins a 68 "
&*n -FTL~lldi. ,


graCas aosseis annos de governor em que o Sr.
Fontes foi ministry dos negocio.- da guerra,
silo incomparavelmente melhores do que eram
d'antes, mas as obras das linhas de fortifica- -
Cvo e defesa da capital e a da defesa do port
de Lisboa marcham vagarosamente, os forne-
cimentos de armas e municoes de guerra de
que o paiz p6de dispOr sem auxilio estranho
s~o ainda insufficientes, e nesses lances su-
premos ni) 6 dos alliados que urn povo dave
esperar tudo.
0 rei de Congo, D. Pedro V, oscreveu urma
interessante carta ao rei de Portugal pelo mi-
nisterio de ultLramar, acerca da conveniencia
de ser muito cuidadoso na escolha dos mis-
sionarios que se enviam aquellas regimes, de
modo que estes sejam homes sizudos, expe-
riontes e de bom conselho, e nao jovens inex-
perientes, nos quaes tern invenciv'el imperio
o influxo das paixbes.
0 Sr. Antonio da Silva Tallio esta fazen-
do publicar um folheto acerca da mortno e sa-
himento do grande historiador AlexanJre Her-
culano. Parece que tambom esL4 colleccio-
'nando as cartas do mesMao insigne escriptor,
o quo deitarA dous fiies volumes. E' um
born servicgo prestado A NItstoria litteraria do
paiz, por quem tanto s temo dedicado em prol
das nossas letras.
Todos os d'as vem os jornaes de Lisboa
cheios de queixas contra a policia civil, e ao
que parecr, a policia da cidade do Porto tam-
bern n;uo 6 melhor. Nao ha extreme vigor de
discipline ; os individuos q ie as oempiDo sAo
tirados das casernais e da tarimba, abusam da
forga sob o monor pretexto, espancam a tod*
bora 0o cidadlaos inermes, prendem os qufr.
apitam por aoccorro, como ainda ha poucas- !
semanas fizeram a um juiz de uma das var^
critninaes de Lisboai, e deixam evadir-se8'a
delinquentes e crnminosos! Para o que a
licia e muito attanta, C paia os delictg ou, --
mnfracg5os de quo resultam muiltas, e andanl .^
sempre a meter o nariz pelas escadas A I, 4
preiLta dos harris do lixo, ou corn os olhV'
pregados nas janellas para ver se saco0dt.-j
tapetes e alcatifas depois das horas re"q|
mentares, quando nao 6 para namoraref .t
cozinheiras. .
a Todas as folmas periodical bradam pot'-,
alma reorganisagdo d'este corpo, mas o gover" ..1
no tein outras cousas em que pensar e vai.f- .
zendo ouvidos de mercador ass clamre do_.- '
periodicos e As lastimas dos communiri |
a Sobe brevemente A sceoa n'um dost !
trosde Lisb6a um drama em tres aot"-..
Sr. Braz.'Pinheiro :- O padres .d,....'.
dude? f
a Aobrtle ainnda eai om Gacmaoa.
.9 A situ~copo "Ia. aTOM=Rj^
ataefurseltoca, eiH H H|


I


















Boos 10 me-

Brazilian. 0
I.''' I r ia


r *tsq, e qnte me l t44 te Op odfwkla vm-
sulgeraldoBasi n'aque colonia, por obito
de seu pai, queexercia o mesmo cargo.
SA tompanhia de timssportes portuenses i
resoe no dia 20 liquidar. A assembl6a no-
weoua amjom 1si mmros para syn-
4ir. A discussao foi long e acalorada.
tttwwsso iqA4&taria da companhia
awi{* 4 ((vf4o Br* a g natiwoiow que mocebt
pr m i m p m -r a com pr e d e todo ctivo da
B~l oosot~ashua. qt.*
et1 eleieto Airector a frso superior de
lettv o Sr. ,~TopbhiA.o a, lente do mes-
mo eu rp. Som po 4w posseao Sr. G.
de Vascouceieo Abreu.pioessor ultimamente
noneado para roger a aeiira de sioscripto e
'flffRb ^1 V64kavft, ft* T:', I^ I '..1
Ut@ aniw pela primeira vez effoitou-se a
aftthk'r- ine mm alumna ordinaria do lyceum
I= d Lisat na aulas dematlbematica,
uobo A historic natural e pqncipios de
P a e chimica, trma senhora. Temn 24 an-
posa cbama-se D. Maria Clara Guimnarles, des-
viyewa md-pbarmatcia. Pateceque a
....d C o ,Ia mais duas ou tries vbo fre-
*uuntw Como ouvintes as aulas do lyceu, des-
tinando-se duas a pharmacia, e uma a medi-
S cina! .I
o' Isto 6 jA urn grande progress. Aos exa-
mes de instruccio secundaria no fnim de cada
anno, cads vez coneorre rmaior numere do
meninas sobretudo para o francez, inglez, al-
leinbo, dosenho e algumas para o curso c m-
t pleto de portuguez. Mas estudam nos colle-
gios ou em suas casas. A frequentar as aulas
do lyceu 6 quo at6 agora se nAo atreviam.
SEsta de que trato e que inerece mencno es-
pecialissima por ser a primeira, foi discipula
da senhora D. Maria Jos6 da Silva Canute, pro-
fessora notabilissima da capital e muito van-
tajosanmente onhccida no mundo das lettras.
A Gaoeta dW Salas trouxe ha dias o retra-
to e a biographia da iltustre professor.
.0 JaymeJatalha Reis, comnmissario
de :Porrugal na exposicaio international de
Philadelphia, xequereu A associacio d'agnr-
cultnra.portugueza a convocagAo de uma as-
semblea extraordinaria para a qual sejam es-
pecialmente convocados os expositores por-
tuguezes quo alli enviaram products seus,
afir de lheos dar conta dos trabalhos e resul-
tados da sun a commissao.
a. -tgoverno project comprar as terras do
campo de Ourique, arrabalde de Lisboa, para
alli se fazeremn exereicios milltares.
SA sociedade protectora idos animals ja
abriu urn hospicio para animaes doentes ou
estropiados que sejam enoontrados ao aban-
donoee tambem para nelle serem tratados por
conta de seos donas, os que tiverem adoecido
em casa on na rua. -
Urn telegramma de Ratisbonne, dirigido aos
jornaes franoezes, di, noticia do casamonto
do iifante D. Miguel corn a princeza de la
Touat Taxis.
(( Assistiran ceremonia a duqueza de Bra-.
ganga, as irmAs do.i principle, o ,*archiduque
Carlos Luiz,-irmAo do i-nperador d'Austria, a
archiduqueza Maria Thereza, o principle e a
princeza de Issembourg, o principle e a prin-
ceza de Loewenstein, o conde Barde e mui-
tos membros da famrnilia real da Baviera, de
Lisboa foram nove fidalgos do antigo regimen
assistir a ceremonia. Naoccasito em que so
celebrava o casamento, fti resada urma missa
na capella do sagrado coraeLo de Montemas-
tro er'u Paris. -
(Falleceao general debrigada refrtmado Ge
raldo A. da Cunha Saldanhia, governador da
Torre de Bel6m. Foi norneado governador d'a
quella Torre o coronel reformado Joaquim Ro-
drigues Batalha. "" ,"
S0 mnonte-pio geral recebeu ha ceusa de 7
dias 324:0005 do governor, importaitcia de let-
tras da divida fluctuante que so venriceram e
que o monte-pio distractou por lhe nao convir
o juro de 4 O/o para a reform. -
a Vai experirnentando progressivas melho-
ras em Cascaes o mavioso poeta Luiz de Cam-
pos, de quem se chegou a espalhar que es-
tava agonisante.
a Algumas senhoras portuguezas pertencen-
tes ao partido miguelista, tencionam offerecer,
ou jA offerecerarn a noiva do Sr. D. Miguel
de Braganca um rico album
( A bencaio da nova ponte sobre o Douro
serA lanc.ada pelo bispo do Porto.

Noticias do norte do imperio
Hontem amanheceu em nosso port
o vapor brasileiro Jaguaribe, trazendo
jornaes do Cear' atd 27 de outubro, e
da Parahyba atd 2 do corrente. Eis o
que delles colhemos:
CEARA'
Tendo sido julgada sem effeito
a nomeagao do bacharel Manoel Rodri-


gues Nogueira Pinheiro para promoter
do Crato, foi nomeado para esse cargo
o bacharel Josd Leando Dantas Seroa.
Falleceranm : na capital, o Sr. Ri-
cardo P. Hugles, que foi por muitos
annos socio gerente da casa commer-
bial de Jcsd Smith de Vasconcellos,
Hugles & C ; no Aracaty-Assfi, corn 99
-annos de idade, o capito Miguel Lopes
Carvalcanteo; na Tel ha, o eapitAo Victor
de Barros Lima, chefe do partido libe-
ral ; e, no Canind6, o abastado fazen-
deiro teneate-coronel Jose Barbosa Cor-
deiro.
-- A presidencia da provincia abrira
um novo credit de 1o00:0008000, que,
reunido aos anteriorps, eleva as despe-
zos corn a secca a 761:1798040.
No seu testananto, o capitao Mi-
guel Lopes Carvalcife libertou gratui-
tamnente a sete escravos, uniba fortune
que possuia.
0 vapor inglez Maraohense, levou
para a Europa: 1,364 saccos, cor6m al-
godao, 1,000DO saccos assucar, 4.930, di-
tos-caf6, 31 fardoo borracha, 4,553 cou-
ros, 4 caixas pennas d'ema, 1,387 ditas
taranjas, 66 ditas abacaxis, -
0O vapor inglez Amozon levou:
,625 sacscos corn cafe, 118 fardos bor-
rwha, 3,000 couros.
o Sobral continuavam a fazer
-I^6 mas a febre anamarella, e o beri-
De Lavras escraevm ao Cearene:
t*Eis af~ta do6 infelizes que" tern
P \: t ribtito cruel c laaiidade,


quo_'maito honrafi cot haisWWo da P -
eatuba; oxali que todas as outras a
imitassem -
c Eis o resumo que fizemos desse

S Familias indigentes da Pacauba
qae recebem soccorros-16t corn 1,000
pessoas.
K Immiarantes:
c Fatniias 466 com 1,930 pesso, ,
das seguintes procedencias: 0
a Pereiro 67 f. coin 425 p., Ic6 47 f.L
corn 304 p., Maria Per.eira 44 f. corn
273 p., Cachoeira 32 f. corn 199 p., t
Telba 29 f. corn 175 p., Rio-Grande i
do Norte -29 f. corn 174 p., Lavras 24
f. corn 125 p.; Rnssas*21 f. corn 104 p.,
Quixeramobim 20 f. corn 126 p., Para-,
hyba 13 f. corn 86 p., Cra to 11 f. corn
71 p., Jatobi 10 f. corn 67 p., Cascavel
10 f. corn 72 p., B6a-Vista 10 f. CoMn 48
p., Pedra Branca 8 f. corn 47 p., S.
Matheus 8 f. coin 65 p., Saboeiro 8 f.
comn 57 p., Jaguaribe-mirim 6 f. cornm
52 p., Aquiraz 6 f. corn 38 p., Itabitin-
ga 6 f. corn 32 p., Pacot,6 f: corn 48
p., BaNdrite 5 f. corn 42 p., inlhamum
4 f. corn 26p., Trahiry 3 f. ctrm 17p.,
Aracaty-assd 3 f, corn 23 p., Ghor6 3f.
comn 18 p, Atacaty 3 f. corn 28 p.,
B6a-Viagem 2 f. corn 8 p., Milagres 2 f.
cdrn 16 p., Riacho do Sanguq, f. comn
10p.,, Carapio 2 f. coin 12 p.,4ernam-
buco coin 10 p., Aarape 1 f. corn
5. p., Guayuba 1 f. corn 7 p.,'Casca-
vel I f. corn 6 p., Sacco I f. corn 3 p.,
Quandi I f. cornm 12 p., ParA-curi 1. f.
coin 7 p., Tucunduba 1 f. corn 5 p.,
Munguba 1L f. eom 8 p., Dous Rios 1 f.
corn 5. p., M&e]ana 1 f. corn 5 p., Can-
gatyl f. corn 10 p., S. Joao 1 f. coin
6 p., Lag6a de Dentro 1. f. corn 10 p.,
Sobral 1 f. corn 4 p., Quixad I'f corn
6 p., Yen Ila 1 f. corn 8 p., Virzea Ale-
gre 1 f. corn 6 p., Crnindd 1 f. corn
8 p., SatiA 1 f. corn 3 p., S. Francisco
1 f. corn 3 p., Granja 1 f. corn 15 p.
Total 627 families corn 3,930 pes-
soa 4.
-De Lavras communizam o se-
guinte facto:
SUma pobre mulher e 3 filhinhos 'qau
vinham do.aCariry emigrando para essa
capital, ja quasi inanidos, ao passaremrn
por um roado no district da Venda,
entraram, cavaramumas mraizes de man-
dioca, cozinharam i today press corn
medo dos dories, e comeram ;.urma hora
depois morriam todos'e os 4cadaveres
eram conduAidos p r esta povoago !
SQae quadros dolorosos, mreu Dbeus!
S ., PARAHYBA
-Falleceram : no Cabedello, o lo te-
nente Felix Josd da $ilva, command.n-
te da ,peanhia de aprendizes marn-
nheimr ;, e a capital, Manoel Rorni-
gues Romero, subdito hespanhol, s@z
cio da casa commercial de Pires & C.
Lemos na Opinido :
SAo mreio dia de 29 de outubro cabio
um tufdo sobre a povoacao de Santa
Rita, d 2 leguas d'esta cidade ; e, in-
cendiando-se uma pequena casa de
palha, pela proximidade do fogao as
suas paredes, o material inflammado
da mesma casa foi sacodido sobre cu-
tras casas polo tufao, e resultou o in.
cendio de 9 casas de palha em diversos
lugares n'aquella povoacao, cuja po-
pulacaoalarmou-se em presenca de tao
arneacador e terrivel espectaculo. 0
vento arremecava a onges distancias
as palhas inflammadas.
a Em nma d'estas casas, quo foram
incendiadas, havia urea espingarda car-,
regada corn polvora e chumbo. No
meio do incendio houve a explosao e a
carga foi incravar-se na infeliz Umbe-
lina Par6la, que esta mortalmente fe-
rida. i


c 0 bacamartt do .icario Leodegario
da Silva rcaba de aoubar a vida de um
prestimnoso cidadao, o Sr. alferes JoAo
Fagundes Varella, delegado de policia
do term do Teixeira, e que tio valio-
sos servios tern alli prestado.
c 0 alferes Varella pretended captu-
rar Leodegario, criminoso audaz e per-
versO, e cercou-lhe a casa pot diversas
zes. Assim perseguido, el1j urou ve-
gar-se de Varella, e a 20 ,! outubro,
proximo a villa do Teixeira, desfechou
de emboscada contra a sua victimasa
arma homicide, e, corn tauta certeza e
pjrversidade, que poucos dias depois
falleceu entire o pranto dos homes de
bm e de urma populagao intteira o va-
lente Joao Fagundes V, ella h
Foi tambem assassiado o subdele-
gado da cidade de Pombal, o Sr. An-
tonio Bento d'Oliveira Correia.


c Consta-nos que slo butores d'este
crime, dous sobrinhos do mesmo Sr.
Antonio Banto, contra qtemn deram 27
facadas, por motives particulars.
, Temolspresente umracarta da cidade
de Cajazirams ina qual 6 descripto do
tmodo seguinte o estado A'aqueoa par-
te de nossos sertoes,*que podemos as-
sevarar', infelizmente, ser de tda tqutel-
la zona da projincia:
S0 estado d'este lugar 6 triste 0os


RoparthoeS prowvilet-Por part.a i
ia pIi4axiaprovi doco
roi, ob proposta do insp~ do thesro, i
removido para o lg18 Wvago de chefe da 1 j
iseogo do csutdo protwiial, o chefe 41d I
secca do me8a wthaso, bacharml Sydro-'
nio Lydiodo Oliveira M 4 -
Para pmenchimento dosl vagas abertas no 1
tbesa'o, na s6 per essa remogbo, mas tarn-
heOlii la aceitaao, que fez o 19 escripturario
bacbarel Marciano Gongalves da Rocha, do In- r
gar de juiz municipal. foram promovidos A che-
fe da it secco, ao o escripturario bacharel
Antonio Josede Almeida Pernaaibucomm ItA)
escripturario da secretariat, Luiz EpjphatioT
Souza; A 1l dito, o 20 official dt coontencioso
loaquim Lucillo de Siqueira yarejao;; 20 es-
cripturario o 3. dito Pedro.FtNhciscO de Paula 1
Baptista ; A 20 official do contencloso, p 3o dito f
Manoel do Nascitmento da Silva Bastos; ; 3 0
official do contencioso, o praticanteoAugusto A
Adriio Paulino da Silva ; A ajudante do escri-
vao da receita, o praticante Joao Gesario de
Mello ; ficando supprimidos os dous lugares de ]
3raticantes nos terms dos arts. 54, da lei t
1,245 de 17 dejunho dei1876 e34 da lei n.,1,261 i
de 28 de junhd ultimo. -
Por portaria do igual data, foram renmo-
vidos : o ajudante do escrivao da receita, Joao
Pinto Bandelra e Accioly de Vasconcellos para
3o escripturario da 4' sececo da contadoria ; eE
o 20 escripturario, Antonio Sorano do Rego
Barros, para official da secretaria do the- I
souro.
Collectorias-Por actoz do 29 do passado,
a presidencia da provincia nameou: Antonio
Alves Barbosa Junior para exerder o cargo
de escrivAo da collectoria do munioipio de
Born Conselhoe Joao Salvador dos Santos para
exercar o de collector do nfunitiplo de Be-
zerros. -
Homicldio-E- terras do engenho Coquei-
ro, do termo do Rio Formoso, os escravosdo
mesnao assassinaram ao respective feitor, Joao
Barroso de Carvalho, na tarde do dia 20 do
tnez-findo. 0 inquerito policial, queo effec-
tubu aiespeito, teve logo o convenience des-
tino.
' Conflict e ferimentos-Em 28 do mez
ultimr-, e no lugar Escongo, do distficto de
Goyanninha, Manoel Antonio Ribeiro Seabra,
Manoel Jos% Antonio do Monte, conhecido por.
hioia o Vicento Ferreira dos Santos, ttavaram
'1"n conflict, do qual resultou sahiremotodos
feridos, sendo-o gravemente M. Jose Anqionio
do Monte, que por ser alli mesmo pronunwia-
do, foi, nao obstante o sean estado, recolhido A.
"prisbo. oc '
A autoridade policial daquella localidade pro'
cedeu nos ternmo da lei.,
Acto voluntario-Um escravo, chamado
CaeLtano, pertencente a Americo de SA,,Cval-
cante de Albuquerque. e pronunciado no art.
205 do codigo crimilI, como co-paric'paat.
no conflict JundiZi~rimn, o qual achava-se,
occulto, ientregou-sl'Oisdoiano dia 3Q0do sez
find, present 40-s yqluntariamentue aa-
toridade policial 4aiscada.
Manobras mllltares-Realisaram-se no
sabbado e diungo [3 e 4 dprrn^,gg na po-
voacao de, fdlb e. co rn grU, aftui cia de
povo, div6rsas manobras, exercicios niilitares
pelo 20 batallAo de infantaria de linta, rei-
nando sempre boa ordem.
Assistio A todo o movirnento o Exm. Sr. ge-
neral Osorio, que para esse flim patio do Recife
em trem expresso As 8 horas do dia de sab-
bado. .
Vapores transatlauticos-De Lisb6a sa-
hiram, a 22 de outubro, os vapores inglezes :
Lisbonense, para o Ceara4 e Para, e Cearense
para o ParA e Maranheo.
ReuniAo da classes caixeiral Effec-
tuou-se, na tarde do dia 1o do corrente, a reu-
niAo 0onvocada para a s6de da"'sociedade re-
creativa Eutdrpe, para tratar-se no welhor
meio da classes caixeiral soccorrer aos flagella-
dos pela secca, e deliberou-se o seguinte:
Que se elegesse ,ina commission central. e
que esta nomeasse quatro parciaes nos quatro
bairros da cidade, devendo estas prestar con-
tas a aquella.
Que estas conmisstes se dirigissem a clas-
se caixeiral, ao comnmercio em ,geral. e 4s,jt-
milias, aquella pedindo um obolo em dfilhein9
eoa estes ouiros, qualquer cousa .ut-4 s ne-
cessitados.
Que as conmmiss5es se dirigissern pessoal-
nmente as families;, *
Que as dadivas imprestavess a soccorro, se
trncassqm pjbr dinheiro, prendas ou generos,
ou seo ftrmasse um bazar de fazendas, confor-
me melhorentendessem as commissoes;
Que o que se arrecadasse em dioheirp fosse
empregado eiaeeros e fazendaa, e qoe fos-
sem estes distribuidos pelas proviacias de
Pernambuco, Parahyba, Rio-Grande do Norte
e Ceara, proporcioaalmente as suas necessi-
dades. -


Elegeu-se a commission central, quo ficou as-
sim organisada: '
President. Joaquim JosA de Almeida Ol-,
Sveira.
Secretarios.- Francisco Pinto Teixeira Ghaves
e Fenelon Pipheiro de Mendonga.
Thesoureiro.-Olympio deSouza Cunha.
Esta commission nomeofi as seggintes par-
ciaes ".
Recife
President. -Jos6 FeU6 de Albuqterque.
Secretario.-Jolo Baptista Pereira de Souza.
Thesoureiro.-Francisco Jose de Souza.
Saffto Antonio.
Presidente.-Luiz Antonio Gomes.Braga.
Secretarlo.-Maloel Jos6 Ferrdira.
Thesoureiro-Jloaquim Coelho Gqimarbes.
8. Jos6.
Pmsidente.-Jos Firancisco Dias.
Secretario.-Joaqum Jos6 Pereira.
Thesoureiro.-Antonlio Ferreira Pinto de Ma-
galhaes. -
Boa-Vista.
President. -Francisco Ramos.
'Seoretario.-Henrique Leal Reis.
Thaesoureiro.-Alfredb de Lemos Leal Reis.
Estas commissoes, nomeardlo outras pelas
ruas, se assi entenderem conveniepte.
Graciosamente so prestaram a ser deposita-
rios das dadiva osSrs. Joao Periram t i
rua do Marquede OllndA n.45; Felix Pw
ra da Silvaw ruaDuque de Caxias n. -5 ;
noel Loureno da S ilva Sobrinho, rua de V
-de Negreiros n. 63; e Jos Lopes 'Alheiro, A
rua, da Imperstri*tn.2. A
nfle tk*oi- 0 trem da via-ferrea do Ca-


l auouL ILn A em
a de Sai caro,"no a
OatAo, p mado Sr. d A a orMO
.0 Ata 7 horas ; ft-mavtri
e S. J103, peta idma do D. Querobina Joaqui-
tI:l i 9 1kas? d dia, Oleat-:
na do xm. conselhbeiro Anselmno Francinco
Vzore*-So esperados Os seguintes:
s.wda Europa hoje
U Santo diat a t6 8
Bai do Norte atW 9
OfIongo da iuropeI6 10
lime da europaat6 '0
Guadiana do Sul at6 i4
'ear. do Sul at 17
iguria do Sul at W17
"iquateur do Sul at6 20
SPassageiros-Chegados dos portos da Eu-
opa no vapor inglez Valparaizo:
E. C. Joseph, Francisco de Paula Bareolla, e
lanoel Marques da Silva.
- Chegaios dos portos do norte no vapor
naelonal Jaguarib&:
Dr. Adriao Luiz Pereira da Silva e 3 escra-
ros, D. Maria Firmina Caminha, sua filha e
1 criada, Camillo Baptista do Menezes, JoAo
,ilveira Carneiro da Cunha, sua senhora e 1
criada, AbrahloJJnool da' Silva, A. Pereira
Magalhies, Jose Nunes' Leite, Manoel Pinto
Bandeira, Jose "de Souza M. Pereira, 7 escra-
yos e 1 criado, Delmiro da Silva Saldanha,
Francisco Maria Pires Ibiapina. Luiz da Coq-
ta, Luiz Baptista de Oliveira, Felippe Maxi-
mo da R. Bezerra e 3 escravos, Carlos An-
tonio de Araujo, Jos6 de Almeida, Antonio
Pinto Vianna Peres, Joao"r Gomes de Albu-
querque, Jose' Tavares da Cunlha Mollo So-
brinho, D. Joaquiu& Mamede d, Oliveira e
sa filha, Jos6 Catnelio Loitlao Rangel, Jos6
Libanio de Souza, Jos6 igabriel Gomes da
Silva, Maria Archanja de Paiva, Joao Estanis-
Iao de Oliveira, Daniel Jos6 da Cunha Sam-
paio e-1 escravo, Vicente Ferreica de Mello,
Antonio Correia de Souza, Francisco de S. e
Silva, Pedro Baracho. Laurentino Alves Pe-
reira, Maria Pastorh do Espirito Santo, Jos6
Joaquim Alves Sofirinho, 3 pragas de poli-
cia e 2 escravos a entregar.
Proclamas de casamentos.- Leram-se
no dia 4 do corrente, na matriz. de S. Jose,
os seguintes prolamas:
Primeira denunciaVio
Ltiz de Franca MUarques de Lima corn Ge-
noveva Maia 41 Copweigao.
Capitulino Candido UchOa de ,rusmUo corn
Amalia Vieirada Cunha.
Francelino Francisco lionoralto corn Felis-
bella Ferreira Tavares, viuva.
Antonio Pereira Simres corn Rosa Amelia
Santos Goelho. ,
Jos6 Portella comn Catharina Maria dos Pra-
zeres. -:
Jucundir .ui.ujoente de Albuquerque
Mello co a na iMaria da ConeeiAo.
Auxencio BaF, I Paes Barretto corn Fran.
celina ,anulpba, Ferreira Marques.
Jos,,Pereira,de Miranda corn Maria Augus-
ta de Carvalho.
Augusto Ribeiro da Costa e Silva corn Ma
riao_, % do Bomfim Ferreirae
Myl daSilva Pires Ferreira corn Petro
nili4igusta Xavier da Fonceca.
YoUoda Silva GuinmarAes corn Idalina Maria
Monteiro.
MM h'ipdes 4oaquim de Souza Santa Rosa
coin Clara Alexaadrina Pinto.
Manoel Vicente Ferreira de Mello corn Ur.
sulina Jb/a de S. Jose.
Segunda denuncdago
Alexandre Xavier das Chagas corn Thornma-
zia Maria de Souza.
Juliio Thenorio de Albuquerque corn Fe-
lippa Emilia Wanderley.
Terceira denuaidafio
Jos6 Joaquim Ferreira Maia. corn Josephi
Francisca Teixeira de Aguiar.
Jose Geminiano de Menezes corn Mari;
Francisca Alves de Moura.
Claudino Scares das Chagas corn Eli
Maria Francisca do Espirit.Saoto.
Francisco Nonato Quintino de Souza con
Adelaide Maria da ConceiQao, viuva.
Juvencio da Silva Rarrios corn Amalia Eu
genia Chrispina de Souza.
Aggeo Vellozo Freire corn Bernardina d(
Torres Temporal.
Manoel Lopes de Carvalho corn Celerin;
Maria do Amparo. i,
Jouao' da Motta Pinto oom Leonidas Candi'i
Padilha.
Manoel Clemente Ribeiro corn Bemvind4
Margarida dos Passes.
Jose Joaquim Pimentel Pereira, viuvo, con
Maria Silvina de Torres Temporal.
Bacharel Victalino Cordeiro Lins corn Marii
Amelia de Borges.Giraldes.
Francisco Jose Gomes Xavier corn Marii


Candida do Aparal ,Lemos.
Jos.Francisco de Araujo Bastos corn Sine
zia Amada de Jesus.
J1ao Jos StLeple cam Mariana Sahit.
Manoel Carvalho Oa Albuqu3rque Gadelhac
cona Leopol.na Azms a Ferreira.
- Protest do lettr.. 0 escrivo intoe-
rino de protestos, Albuuerqu, .esta de se
Mana : cartorio no pateo do Paraizo, sobra
do n. 24.
Leiloes .- Hoje dove realisar-se o se
guinte r
. Pelo agent Durlamaqui, rua de Marsilit
Dias n. 50, de miudezas.
-Amanh& devoim realisar-se os seguintes
Pelo agtB Pint!, A rua do Livrameuto n
49, da araOQ nidroveis, calgados nacionaes
estrangeiros, solas, couros, etc.
Pelo agent Pestana, no caes da companhil
Pernambucana, eam frente ao trapiche Compa
nbia, de 49 t6ftosde jacarand-6; e no trapich'
Barbosa, de 70 barris corn toucinho, e 10
garrafoes con cominhos.
--.%Na quarta-feira (7) deve realisar-se o se
guinte:
Pelo qgente Pestana, A ma de Thomn6 d
Souza n. 3, da armaglo, generous e utcnsilio
do taverna.
- Quinta-feira (8) dove realisar-se o so.

SP agent Pestana, -rga do Vigario Teno
rio a. 12. do 50 SO es dae Companhia Sant
Theie-pa, de mPl espelhos, vidros, louca
ret o8,e obr 1 uro, prata e brilbantes
Ce'mterlo p&i co.-Obktuario do dia 31
do outtbro de 1877.
Jo06 pardo, Pernambuco, 5 mezes; con
Jo&n&a Maria da- arda, PernamB
buco,-70-aqO;,:'Graca 6ra recotUida


.^ 10 4oq, solteiroBo-ita -
'Ni's..,ll eeldlento eeref** o


0 DA C
EM 31


E)MI
0 DI


Letras descontadas -
g t ota corren-
tes e outras 2,
e diversqs volores I
Caixa em II 4 tr .. t0


Panesie
Depositos:
Em coalta cor-


402:48031
717:005;50
220:529#710

7 WO59 0
0401:0855720


rente-,; 1 ,345-2070870
Fixo e pow aviso 853:8834130
--- 2,199:0914000
Garantias per contas correntes
e diversos valores 994:i90$4
Diversas contas 4,W04:744$21
Letras a pagar 3S0
4,40t:02567


50
170
0
20


S. E. & 0.
Pernambuca, 3 de novembro de -1877.
W. J. Haynes, manager.
H. R. Himing, pro accountant.

English Bank of Rio de Janeiro
(Limited)
Capital do Banco em 50,000
accoes de 20 cada uma 1.000,000
Capital realisado ....... 500,000
Fundo de reserve. 72,500)
Dito dito contra depre- Il 1,388
ciag.o do capital. 38,888)
BALAN(O DA GAIXA FILIAL EM PERNAM-
SBUCO, EM 31 DE OUTUBRO DE 1877


Acttvo
Letras descontadas .
Emprestimos e contas cattcio-
nadas. . .
Letras a receber .........
Garantias e valores depositados
Mobilia, etc. do banco .
Diversas contas . .
CGaixa . .


Contas correntes
simples ....
Deposito a prazo
fixo corn .visgo
e por letrAs..


Passivo


Rs.


309:998$750
94:5726560
18:4925670
1 38:870,t630
4:245$000
369:104 320
1,2640:067530
2,195:351,460


526:313.290

1,065:259$700


Letras a pagar . .
Titulos em eaugao e deposito.
Diversas. contas . .


1,591:572$990
3:416 440
138:8704630
461:4914400
2,195:351$4460


S. E. & 0.
Pernambuco, 3 de novembro de -1877.
F. B. Bloxham, manager.
H. Pritchard, pro-accountant.


INDICACOES UTEIS
O
Medicos
Dr. Lobo Moscozo, rua do Visconde
de Albuquerque n. 39...
Jose Ozorjo de Cerqueira, rua do Irn-
perador n. 79.
Dr. Guennes., ruia do Imperador n.
48.
Dr. Antonio Drumwmond, rua do Im-
perador n. 20. "
Dr. J. Corrda de Araujo, rua do
Imperador n. 67.
Fazendas e modas
Antonio Correia de Vasconcellos, rua
Primeiro de Margo n. 13.
Chapellarla e modas
Costa Maia &L C., rua Primeiro de
Margo n. 6.
Fabrica de cigarros a vapor
Bourgard & C..; Recife 45, rua do
Marquez de Olinda','7anto Antonio 3,
rua Primeiro de Mard, Boa-Vista 54,
rua da imperatriz.
Pharmacia e drogarla
Ferreira Maia & C., rua Duque de
Caxias n. 57.
EncadernaVio, pautaio e papelarla
Miranda Junior, rua Duque de Ca-
xias n. 37.
S Li96es dei rancez
Li~Ces theoricas e praticas de fran-
cez, pelo method mais facil para se
aprender esta linu4pi poucos mezes.
Curso to4os os dias na rua da Aurora
n. 41, 2.0 andar.
Gastronomfa
Archiarmazem do GCmpos 28-rua do
Imperador-28
-Leite cadensa4o superior, presun-
tos para fiambres, linguas afiambradas
)em latps), fimbres em latas, chi fino,
doces, licores, acipipes e grande vYarie-
dade de vinhoa finos e de-pAtos.
S Rkeamatismo 1i,
Cura certa e rapida pelo emprego
do Elixir e Linimento do Dr. Gons-
tantin. Vende-se na botica franceza de
A. Caors, rua da Cruz n. 22.
Corn o disPonto de 13 o/
W. Inglis & C4 Deposito de fazen-
das inglezas, frane-ras, allemaes e ame-
ricanas, 8 rualf Iperador a. 57.


I


Ao general Osorio mazquew
S do Herval -
As 6pocas pagawm, a iWa vive, e o fogo do
patrio6tfmiso nat se apaga.
0 dia mai stiiem na vida do povo amante
la instreoo 4 0-a lbpdade 6, quaiado elle
em a telidaIM 4to. saudar o l aendario, o


quala
io, 0a


I


-m Nfst i wes Mqur-M i Ur
Nao pdde meu peito mover-se em silencio;
Eu quero fugir-te, tW dizes queenao.
A patria ultrajada por feros guerreiros,
0-- filMfl *mw"-AAwS vrni m Mawaft ^
Sao bravos distinctos, soldados vatentes
E mais do uema vez seu n9ni 0 Iostr*aga.

Seus feitos nqs armas brilbhantes ja sao,
Seu nome garboso o mundo anbece ;
Nao sou owm poita q"it lva-l h ti,
Sou povo que senate que nunca te esquece.
A patria bemrn triste, corn lagrimas nos olhos,
Afflicta chorando, soccorro bradou;
Osorio o valente, corn a espaia de oaom,
Ao som dos canh5es, a patria salvou t
Ou morra o homemna 1id.
Feliz corberto de gloria,
Ou surja o bomern co01Vifa
Mostrando em cada ferida
0 hpM6 do uma victmia.
S'/ ,," nwz'Ribuirt.


Surge Osorio o astro
De santas recordacies,
Eisque estremecem os tumulos
Dd N9greiros e -Camaroes .
E"'&nfustLo de giganites
Todos corn iguaes direitos ;
A patria os mira sorrindo,
Comtempla seus altos feitos.
II
Cinge na froute de Osorio
0 diadema immortal;
E manda como memorial,
Que se escreva na historic:
E' mais sublime a victoria
Do celebre Marquez de Herval!!
Recife, 27 de outubro de 4877.
Jodo de Sena Barbosa.
Ja nao existe a respeitavel matrona
D. Margarida Bezerra Cavalcante d&
Albuquerque, viuva do commendador
Antonio Cordeiro Falceo, caja vida foi
urnia series nao interrompida de acgces
nobres, e s6 dignasde coraces bern
formados. Essa virtuoseseiSora, con-
tando ja nao menos de 84 annos, fal-
leceu no infausto dia 24'do- corrente,
em casa de seu presado filho Luiz
Cordeiro Cavalcante Falcao, no enge-
nho B6a-Vista, de Itamaraca, em cuja
companhia morava desde o tempo de
sua viuvez, que durou 13 annos, 7 me-
zesel 2 dias.
Estava no perfeito gozo de suasifa-
culdades, e morreu corn a verdadeira
morte do just, deixando inconsola-
vel uma prole de mais de cem pes-
soas, a quem legou uma memorial a-
bengoada, porque o sen supremno pra-
zer, era benenficiar a quem quer que
fqsse, e cada umn dia de sua preciosa
existencia, era assignalado corn mais
uma benae que da pobreza sobre si
attrahia. Chegue essa dolorosa'siiMcia
a seus numerosissinmos parents, corn
especialidade ao Exm. Sr. barao de
Buique.
Itamaracau, 26 de outubro de 1877.
Umn sentido de sua morte.

Rio-Grande do Norte
Srs. redactores.-Na qualidade de negocian-
te e proprietario, estabelecido na cidade de
Macao, nao posso deixar de vir ao alto da
imprensa, render um preito de homenagem
A distinct commissato de soccorros desta ci-
dade, especialmente ao padre Jose Joaquim
FernanJes, juiz municipal, Dr. Silva Antu-
nes e promoter pubticou,'Dr. Vicente de Le-
mos, pelo zelo e oivismr,, com que vAo pou-
pando da fome a mais de nove mil retirantes,
accumulados aqul, serm levar em conta mi-
lhares de indigentes, domiciliarios dos pre-
juizos circumvisinhos, quo dscem A cata do
soccorro, visto como o mAo estado dos cami-
nhos nao permitted o transport de generous.
Ao trabalho diario. e quasi insuperavel da
distribuicao dos generous a tantas families,
por esses distinctos commissaries, deve a po-
pulaoo de Macdo a garantia de sua proprie-
dade e vida, e esses infelizes a propria exis-
tencia.
Por sua vet, e digna de admiraCblo a soli-
citude do Exm. president da provincia, que,
incansavel na regularidade dos soccorros, vai
acudindo cornm acrisolada philantropia a todos
os pontos, donde quer que parta o grito de
angustia, exhalado por esses irnbos, victi-"
mas do infortunio.
Parabens, pois, A benemerita commnilseo de
Macao, e ril louvores ao Exm. Sr. Dr. Jos6
Nicolao Tolentino de Carvalho.
Macao, 30 de outubro de 1877.
osoe6hiias Snares.


SSTITU O-SANITAA!O


EM
Nova Friburgo
A 6 horas de viagem do Rio de Janeiro pela via
ferrea de Cantagallo
DIRECTORS
Dr. Fortunate Correla de A;evedo
Dr. ""os Eboli
Estatistica jA a de 25 de junho de
187< a 30 de jun, 75.
Em 403 &oentes c, sim-se rdiiqIviente 149
de molestias chronica. da duracao f Dmezes a
20 ajanos. Entre estas figuram, 10 casos tie cu-
ra de tuberculos pulmnonares, em 40 doentes,
e 19 curas de bronchitp&,chtonlcas, em 48
doentes. 0 resultado nm notave l obUdO 6
nas mOlestias broncho-pilaonares.
Duchas geladas e temp 4a ri ieador
em qrnde escala, movido k babos
russos,banhos turcos, banho(rnto-
6s, bahos hydro-electros, sosse-
.zes e agua quente e fia, altnAUv*en-
applicada cornm o appatho dde lor s
banhosr mineraes (applicadofcbi6,bl
deo Mathieu de La Drae).
0 saluberrimo cbrnAa4as montanhas UNova
Friburgo, a grande VredAe ta to,
o grande numero d d ratad rv MO
*Wdas, a tornam"
osue vo acs medicosea4e


*


w 6


4.)


I


I


Aeri-
Ate-





















e 4.mor4e


i i : ,'i i' ro ta fairs
ouri a "m ea male -fatnWia., invor-',




Aind oanp s : justi4va! ustid a !
Villa 4 di1, 9 do outubro de 1877.
J d ti Carvaiho Alsrcar.
M -em su 4 0. 1,:; 01 a. f



A'aso Lepeific de Miaa. d
i ont a e pel. ioiM d esta fait
lei aD 4i| 21 u ga Jftados ?
Aind a lfcimbs*: justice justigal
Vila d6 Fux, 9 de outubro de 1877.
Leon4 do Carvalho Aloroar.
Antonio Leonel de Alerwr.
tfood Leonel de Al~wwy.


Colleode N. S. daGrac
N. 1i0-ONTE D'UCHOA-N. 10
w" Directora
m-olsolle Anna Caroll
0 *gro de instruccao neste estabele.
cimento costa de portuguez, francez,
iaglez, ca phia, arithimetica, geo-
graphia, hiitoria, mythologia, music,
piano, canto, danas, bordados de todas
as qualidades, crochet, flores e dese
nho.
S Recebem-se pensionistas, meio-pen-
sionistas e externas, sendo as primei-
ras a 40#i, & segundas a 205 e as ulti-
mas po'p 500 por mez, nao havendo
extras. i-.
A fiW.Fallada no collegio e6 a fran-
ceza. "

Collegio de Santa
Cecilia
As abaixo assignadas, tendo de abrir
na freguezia da Boa-Vista, em janeiro
do proximo anno, urn collegio para
insttruccao do sexo femenino, [,o fazem
sciente a quem interessar possa.
Quaesquer informag.es a respeito
serao prestadas pelos Drs. Antonio
Gongalves Ferreira e Augusto Carlos
Vaz de Oliveira.
Recife, 15 de outubro de 1877.
Josepha Leopoldina Marinho Sarmento.
Maria Amelia Marinho.
Institute de Nossa Senhora
do Carmo
RUA DE S. FRANCISCO PALACETE N. 72,
Director Hermino Rodrigues de Siqueira
Medico Dr. Gyrillino Castro
Prolessores:
Primeiras letrame portuguez-o director.
Latim-o Dr. Altino de Araujo.
Francez o Sr. E. U. Mazeron.
nglez e rhetoric -no Sr. Francisco do Brasil
Pinto Bandeira Accioli de Vasconcellos.
Geographia, historic e philosophia- o Sr. Ig-
nacio do Rego Barros Pessoa.
Arithmetic, geometria e algebra--o Sr. Jos6
Ferreira da Cruz Vieira.
S- Desenho de paysagens e figuras-o Sr. Alfredo
DucasbJe.
Musica vocal e instrumental o Sr. Candido
Gomes da Sdlva.
SRecebe alumnos interns, semi-inos terne
externos

Educacao de meninas
Uina familiar convenientemenate ha-
bilitada, encarrega-se da edheatao de
meninas, eonsinando as materials que se dao
em nossos collegios. 0 magisterio e exercise
pela propria familiar, que esti nas condicges
do aperfeicoarsuas alumnas nos principios que
constituem a oducacAo convenient A uma se-
nhora. |A casa tern commodos para externas e
pensionistas, que se recebem por medico pre-
co. Para informaoes: o Sr. Gustavo da SilA
Antunes, na rua do BarAo da Victoria n. 46 ;
o Sr. Joao Carlos Cavalcante de Albuquerque,
na cidade da Escada; o Sr. professor Joaquim
Elias de Albuquerque Barros. em Pio d'Alho,
em Goyanna o Sr. Frederico Augusto Velloso
da Silveira e nesta typographia. A tratar na
SImperial n. 43.
N. 508.-Chagas indolentes ou
chronicas.-A vitalidade 6 tao fraca
em alguns systems, qualquer uria
molestia d'um character ulceroso de que
- se vejaam afflictos, recahe quasi que
ittmediatamente d'uma phase aguda ou
inflammatoria% n'umn estado chronic,
tornando-se inerte e indolente. Per esse
meesmo respeito, ellas nao deixam de
ser |menos perigosas ; emquanto que
o sou tratamento se torna mais difficil
e trabalhoso. Em nenhuma classe de
casos tern a salsaparrilha de Bristol,
sido administrada corn mais assignala-
do succeo, do que justamente nestes
casos. Ella fornece e da ao svstema e


a constituif&o o alento necessario para
melhor poder batalhar corn a molestia,
ao par que as suas propriedades alta-
mente antysepticas exercem urn effeito
immediate e summamente benefico so-
bre as chagas. E' da maior importan-
cia o usar-se ao mesmo tempo das pi-
lulas sssucaradas de Bristol, conjuncta-
mente coam a salsaparrilha, visto ellas
expulsarem para f6ra do system os
humores ceorruptos e viciados posts em
movimento pela acqdo da salsaparrilha,
e por esta formal, ainda mais so facili-
ta o cura.
COIIEMI#


Junta dos corrt s
PRAgA DOi RICFE 3 DE NOVENBRO DE 1877
As tres horas da tarde
cotmSQ6s oulciaes
Apolices provineaes 4e 7T 0/0. e valor de 1o00,
por 945500 ,ada uma.
Farinha de mandiooa, 6 chegar do Sal, 76300
por 0litros, hontem.
Cambio sobre e Rio deo aneiro, 45 d/v. corn 1/2
0/de d esconto.
Cambio sobte a Babia, a vista, 1/20/0 de pre-
i*4o, bancario.
Bernardino de Vasconmllos,
S '"T Presidente -
.... L Sea .


TO Os1


w cuqaa par a
T4ciQ$ geiios j


IBarcai


16 nmdoa 4


:1: do LivrmeiWto e break dspajebado
parto ol ponto, .
Rrigw aemoato .i'eiw, Pcutco de'paotiado
pa o 30 Escuna ingleza Fleug (atraoado), baoalhao deo-
Sem trmtmsito pelo trapicbe
[ Conctco.


IMiPI OSPO PQRTAC&0 NO DU 2 DE
O f ?tDt1877
Portos do exterior
Na barca igleza Dche.s of Lancaster, car-
regaram para Liverpool, Blrstehnann & C.
38 scas corn 33,558 kilos de algodao.
Na barca ingleza Artemras carregaram: pa-
ra o Canal, F. Cascao & Filho 8,892 saccos
corn 291,90 Lilos do assucar macavado.
Na barca ingleza Meteor, carregaras.: para
0 Canal, J. S. Ljyo & Filhio t,400 saocoa corn
150,500 kilos de assucar mascavado ; &.Pes-
soa 400 ditos corn 30,000 ditos de dito,
Na sumaca hespanhola Teresina, carrega-
ram : para Barcellona, Amdrim Irtalos & G.
440 sagoas coin 34,076 kilos de algcdto.
Portos do interior
No vapor national S. Salvador, carrogou :
para a Bahia, D. A. Matheus 30 barricas coin
3,111 kilos de assucar bronco.
No vapor national Ipojaca, carregaram : pa-
ra o CearA, M. G. Beltrao 2 barricds corn i58
kilos de assucar branco.
Para MacAo, E. da Silva Caldas 5 barricas
corn 450 kilos de assucar branco e 1 dita corn
90 ditos de dito mascavado ; J. F. dos Santos
Lima 55 saccos corn farinha de mandioca.
Para Mossor6, E. da Gunba BelitrAo 460 sac-
cos corn farinha de mandioca.
No hiate national Adelino, carregaram : pa-
ra Macaio, J. Gongalves da Costa 115 saccos
corn farinha de mandioca e 8 ditos cornm milho ;
A. F. das ChagAs 125 saccos corn farinha de
mandioca.
Na barcaga Ramha dos Anjos, carregaram
para Mossor6, J. A. C. Vianna 60 saocos corn
farinha de mandioca; Sergio MagalhAes 2 pi-
pas corn 960 litros de aguardente ; J. G. da
Costa 30 saccos corn farinha de mandioca e 12
ditos cornm milho.
Na barcaca S. Joao, carregon : para Maca-
hiba, F. B. Borges Leal 686 saccos corn fari-
nha de mandioca.
Na barcaca Flor de Maria, carregou : para
MNfianguape, J. B. de CGarvalho i barricas
corn 130 kilos de assucar bronco.
Na barcaca Triumphante, carregaram : para
Miria, Fernandes da Costa & C. 50 saccos corn
farinha de mandioca.
No brigue portuguez Azarara, carregou ;
para o Rio Grande do Sul, J1. J. de Araujo Ma-
chado 40 barricas corn 4,387 kilos do assucar
bronco e 82 ditos corn 7,313 ditos do dito mas-
cavado.


RECEBEDORIA DE RENDAS INTER
NAS GERAES DE PERNAMBUCO
Rendimento do dia 2 1:039S737
Idem do dia 3 1:010$610
2:050347
CONSULADO PROVINCIAL
Rendimento do dia 2 6:3505665
Idem do dia 31 5:ia8458
11-486S123



IEMISANIIRA

A companhia de se-

guros Indemmnsadora,es-

tabelecida nesta praca,

toma seguros maritimos

e contra o fogo, arua do

Vigario n. 2, casa corn

frente para a Praca do

Corpo Santo.



SEGUROS
Maritimos e contra fogo
Companhia Phenix Per-
nambucana-
Rua do Commercio n. 34

Saques
Augusto F. de Oliveita & C. sacam
por todos os vapores sobre o Banco
de Portugal e Banco Uniao em- Lieb6a
e Porto, e sobre as caixas filiaes e
agencies dos mwp-ros bancos em tdas
as cidades e possesses 4o reino di
Portugal.
Seguro contra logo
The Liverpool & London &
IGlobe
Insurance Company
AGENTS
Sautftlers Brothers ftC.
11-Corpo Santo-11


I MPEBIAL
Companhia de seguros
C riNTRA OGO
EST: 1803
Segura contra o risca do fogo, casa e
outros edificios, fazendad, generous e
wercadorias-d to t... "
Capital 16,1 -

R.49WN M"'
31 Ria do Marquez 4.oOliAt 31

Coni paw e isguxog
I A -A -- ; -.. i


twie 8ez., de 348 tneladas, lapi-
goa 1. Pa4ar*4, equ-pftipr 1, em
lastro; A ordem.
Pert Natal (no Cabo da BaFsperana)
--3T s, bria ue alterieo Gu#tar,
de 181i: toneladas, capitAo C. Nedlsen,
lqu'pagem 9, em lastro; i orden.
Macaio-5 dias, tales national Deus te
Guie, do 150 toneladas, capitol Ma-
noel Francisco Jaltes, equipaem 7,
carar satl e outros, gpneros ; a&rtho-
lomea Lourepco.
Nauios sahidos no memo dia
Terr.i Nova-Patacho inglez Isaber, ca-
pitio William Sopp, ema. lastro d'a-
reia.
Callao Bef.ala pelos portos do sul
-=vapor Valparaiso, corn man-
dante O.'0 Ilfler, corn a mesma
carga quo troaxe da Europa.
Navios entradoe no dia 4
AmarragAo e escala-10 dias, vapor
brasi"eiro "aguaribe, de 459 toneladas,
commandant Julio Gomes da Silva
Neves, eqauipagem 30, carga various
Sgeneros; a comopanhia pernambu-
cana.
Figueira-41 dias, pataeho portuguez
Rio Lima, de 182 toneladas, capitdo
Manoel GongalvesdeAraujo, equipa-
gem 9, carga vinho ; a Pereira Car-
neiro Maia & C.
Observagdo


Atd meio dia ndo houve sahidas.

EDITAES
Secgdo 2.a em 2 de novembro de
1877.-Pelo present edital se convida
ao Sr. eapitao Joafo de Albuquerque
Mello a comparecer nesta secretaria,
afim de prestar esclaFecimentos em ne-
gocio que Ihe diz respeito. 0 secreta-
rio, Henrique Marques de Hollanda
Cavalcanti.
EDITAL
Fago saber a quem interessar possa,
que a congregaao da Escola Normal re-
solveu em sessao de hoje, que os exa-
mes do curso comegarao no dia 5 de no-
vembro vindouro, precedendo a prove
escripta A oral; sendo aquella feita si-
multaneamente por todas as alumnas e
alumnos do ,ada unm dos annos, e esta
por turta'W6nb terceiro, 8 no se-
gundo e 10t.0, primreiroanno, comeqan-
do pelo tArceiro ; e que" as commiss6es
examinadoras serao coepostas em cada
um dos annos dos respectivoa profes-
sores sob a presidencia do director no
3o anno, do professor Meflo no 20 e do
professor Mindello no lo; sendo admit-
tidos a exame os alumnos constantes da
relaoa. junta. Eu, Ayres de Albuquer-
que 6ama, secretario, o escrevi.


MiitAaif

CONSELHO DE JCOMPRAS DO AR-
SENAL DE GUERRA
De ordem do Exm. Sr. general president,
favo public quo este eonseiho precisa com-
prar para o presidio de Fernaado de Noronha
o segninte:
1 foles grandeparaferreiro.
100 travsseiros de panno de linho, cheios
de palba.
200 camisolas de brim.
200 lenc6es de brim.
5 peas de madapolAo para mortalhas
15 kilos de chi hysson.
15 kilos de manteiga ingleza, em latas pe-
quenas.
1 caixa de sabao amarello.
3 bacias de ferro, esmaltadas por dentro.
6 duzias de facas ingleas ou americanas,
de eabo de pao, para sa~atairo.
400 taixas de aco n. 12, para encostar.
4 barrica de retraqos de vidro.
1,152 carriteis de linha ns. 24 a 30, para ma-
china.
4 sierras de voltas, duas de 45 centimetros e
duas de 25 centimetros.
2 duzias de taboas de louro, para soalbo.
I dfta de ditas de cedro, idem.
I barril te azeite doce.
200 hostias.
5 kilos de gomma lacca.
24 litiros de alcol de 36 a 40 grios.
10 calxas de pennas d'aQo de Perry.
24 paos de jangada corn 10 metros, para mais
de comprimento, e 2. oentimetros de diemetro
para mais na parte maise fia.
3 grandes espanadores. depanas.
1 caixa do vidros para vidra
Os prOeteondetes doverso iaipfterit, enter
no dia 8 do corrante. is 10 boras da manhi,
apresentar as suas propostas e amostras.
Continuam a vigorar os artigos do regula-
mento ji publicados.
Sala das sessesedo conselho de compras do
arsenal de giUerra de Pernambuco, 3 de no-
vembro do 1877.
0 official servindo de secretary o,
.. Candido Lobo.


Matriz do Corpo Santo
Irmandade das almas
Tendo de celebrar-me o officio solem-
ne, das almas no dia 5 do corren-
to, sao convidados os nossos irmaos
para a.elle assistirem, conforme deter-
mina o nosso compromisso.
Consistorio, 2 de novembro de 1877.
SOescrivao,
Padre Leoniwrd Wo Grego.


II


a.


Of
00* 0O





000 c
II 0AA
.* i A

S I
c500 o en- -
0D 0000 00____
t0*.& o ARRA1AL




.O 0-00 0"
L' _O ARRAIAL
* *

CD* 00 0
Ni Jo M
_T Q P J _______


I ARRAIAL


CA ,.o



O tv 3"


IS '^. '. ARRA1AL


-.1 *-, ^a Po.0o

O COOOi. -4 I
y'g' i ARRAIAL


Insp0e0ao do arsenal de
marinha
Fajz4 public que nesta data foi visto-
riado o vapor Goadddc4E, da companhia per-
nambucana de nav ao costeira, e achou
a commission que podia o vapor cdntinuar a
navegar.
Inspeccto do arsenal de marinha de Per-
nambuco, 3 de novembro de 1877.
0 inspector,
Francisco Josi Coelho Netto.
ADMINISTRAgAO DOS GORREIOS DE PER-
NAMBUCO, 5 DE OUTUBRO DE1877
Ualas a expedir-se hoje
Pelo vapor national Conde d'Et, esta admi-
nistragao expede malas para Jaragud, Macei6,
Penedo, Sergipe e Bahia.
Pelo vapor national lpojwra, esta adminis-
traCao expede malas para Parahyba, Natal,
MacAo, Mossordp, Aracaty, e Ceara,
iRecebe-se jornaes, impresses de qualquer
natureza e cartas. a registrar, atW 2 horas da
tarde, cartas ordinarias ate 3 horas, e ate 3
1,/2 comn porte dutlo.
0 administrador,
A.fonso So ReglBarros.

Monte Pio Portuguez
-De ordam do Sr. president da assembled
geral, convido aos senhores assoclados a reu-
nirem-se quarta-feira 8 do corrente, na sala
das respectiOW reunifes, para negocio urgen-
t6 da assomia1e. Swrtaria do Monte Pio
Portugtoz ea.Perammbuo, 3 de novembro de
1877.-O 1 sestetadl,
Antowio de4 AlbuQuwmque oMello.


'.4 -^^--


"onsehimetro Aslro Francisco

A Iltm.a junta ad-
ministrativa da Santa
Casa, devendo man-
Sdar celebrar na igre-
-jatde N.,S.do Parai-
anH& 1 do z peas 8 horas da
manhl do corrite. trigesimo
do falleciheto do consethelro Ansolmo
FranciscoPeretti, u-ma missa derequiem
corn memento, por sua alma, cantada e
acompanhada a harmonium pelas edu-
candas di. oasa dos expostos, ,pede a
todos os irzn&o- da Sd a Santa Casa
e aos parents 6 amigos do illustre fi-
nado o "h com)pirpecimento a esse pie-
doso acto.
Secretaria da Santa Casa de Miseri-
cordia do Recife, 5 de novembro de
1877.
0 escrivio,
Pedro RodrigUts de. Souza.


wR- Matriz do Corpo Sanito
ada Irmandade das almas
i- Convidase aos Srs. Rvdms. sacerdo-
.o tes para virem celebrar ina igreja do
Corpo Santota dia 54 torrente.
u- Consi t-o2 de nq bro de 1877.
h Padr ardo Joao Grego.
B No dia 5 tro6 nte, por occasion
a do offiio solemnne que tern de se cele-
WB brar, distribuir-se-hio sniolas aos po-
Sbres.
it- Consistotio, 2 de novhro de 1877.
Is jo-' escrivao,


^

e

p
*

^


O I


I


0 00


2 Pa


.. ARRAIAL


* 00 J
&, d (3 ft i ARRAIAL f

* 00 <0 I
,a.TrerndeS
ocargagj


* C O 6 -I
: : N ARRAIAL
0. C^ C^ t




; o t I
W o00
oy* I

ARRAIAL




ARRAIAL
00 00 00 .4
b.C" D C
01 R 01 2AIA
0 b 0 I%
o *a D Is
0 .g ARR1A


me
ar


SARRAIAL


: : IARRAIAL
.CO .ti o Ic




0 ." cARRAIAL
I~* 010T


2 2 I ARRAIAL

os Os 05 0n
*^ 01^ OSg

:0 2O ARRA1AL
0 00
CD COCO 001
0OS 01011 __________

*-00 0


present edital, na conformidade do dis-
posto no art. 53 de lei n. 891, para re-
colherem a importancia de seus debitos
ao mesmon thesouro, certos de que finr-
do o referido prazo, se procederd exe-
cutivamente na cobran~a.
Recife, 2 de novembro de 1877.-
Miguel Jos4 de Almeida Pernambuco.
RelaQaio dos devedores do imposto de 18 0/0
sobre estabelecimento, do exercicio de 1875
a 1876,


D
Estreita do Rosario n. 0&O.-Dionisio
Dias Moreira Leite
Visconde de Inhafima n. 5.-Duarte
Borges & G.
Marcilio Dias n.133.-Dionisio Hila-
rio Lopes
Vigario de Negreiros n. 151.-Do-
mingos & C.
E
Born Jesus n. 48.-Eduardo Burle
& C.
Travessa do Campello n. 2.-Eduar-
do Daniel de Souza
Domingos Jos6 Martins n. 64.-E.
A. Burle & C.
Dita n. 66.-0 wesmo
Restaurago n. 62.-0 mesmo
Independencia ns. 8 e 40.-Elesbao
Joaquim Dias
Segundo Becco da rua Nova de San-
ta Rita n. 5.-Elias & Pires
Cabanga n. 28.-Evaristo Meudes
da Cunha Azevedo
Imperatriz n. 5.-Mfe Eugenia Le-
comte
Barreto d Menezes n. 4.,-Estevlo
Jos6 da MXrts
Travessa dA t leila v. 8.-Esta-
nislao Augusto Xachado da Paz
F
Largo do Corpo Santo n. 13.-F.
Lindem
Madre de Deus n. 12.-Franoisco
Gonoalves Bastos
Domingos Jose Martins n. 92.-Fran.
cisco Manoel da Silva
D. Maria Cesar n. 6.- Francii-o
Machado Coelho
Imperador n. 39.-Fraaol ifAW.
=Costa
Dua-e de Caxias n. 44.-Francisco
Ignacio Ferreira & C.
Dita n. 185.-Francisco Domingues
Moreira &..
Praoa da Independencia ns. 7 e 9.-
Francisco Jos6 Gongalves de Si-
queira
Barao da Victoria n. 40.-Farias
& C.
Dita n 48 A.-Fernandes da Silva
&C.
Larga do Rnsario 'h. 21.-Felippe
Santiago d'Aquino
Estreita d$o 1o- ao n, .-,Ferreira
& Martins
Dita n. 15.-Fernandes & Rego
Becco do Calabougo n. 40-Felix
Cyprianode Souza Teitinl -
Paulino Camara n. 44.--Frlanalo
Jose6 Soares Forreira,
Viscond de Ithabaima n. 48.-Fran-
cisco Jose Coelho
Dita a 3.'--Fraaeisoo Pires & C.
Psifo Affonso n. 52.-Ferreira Se-
ve & .
Dita n. 70.-Francisco Jose Rodri-
guos PraQa.
CadeiafWVa n. ll.-Fraacisco Jos
Marcilio Diasr|,aIN, F'" Francisco
das Chagps Jsuas Monteiro
Marquez do Hervi n. 166-.-Fran-
cisco Torres Vi Costa-
Victoria n. 2.-Francisco Pereira de
i'Meirohes *-- -^-f,^.


76$000
658000
54000
545000

198500
156002
545000
905000
545o000
82#00)
315000
725000
72OOO
27PW00
265000

2345000
1445000
545000
36000
545000
2165000
905000

100S?000
1085000
1085000
725000
905000
525000
P8#000
655000
545000
72W000
655000
435200
43#200
18$000
435200
345S560


* 1
I 11t1,


99
30


0

ml




9

9


b-4T

S.g



m
"do<


Imperatriz n. 14.-Francisco de As-
sis Castro e Silva
Dita n. 20.-Figueiredo & Irmno
Praca do Condo d'Eu n. 31.-Fran-
cisco de Siqueira Paula & C.
Diia n. 3. Francisco de Souza
Freitas
Ponte Velha n. 9. -Felix Jos6 Fer-
reira
Rosario n. 41.-Florinda Maria da
Conceieao
Gervasio Pires n. 51.-Figueiredo
& Almeida
Hospital Pedro II n. 1.- Florinda
Germana de Almeida Amaral
Direita ns. 7e 9.-Francisco SimSes
da Silva Mafra
Marquez do Olinda n. 36.-F. II.
Carries
Moeda n. 11.-Francisco Gonoqalves
Torres
G
Duque de Caxias n. 77. Guima-
raes & Luz
Dita n. 70.-Godofredo
Pedro Affonso n. l.-Guilherme Jo-
s6 de Souza
Dit, n. 5.-0 mesmo
S. Joao n. 5.-Gaspar da Costa
Socego n. 31.-Gervasio P. Simoes
Filho
Largo de Santo Amnaro n. 6.-Gui-
Iherme Francisco de Carvalho
Estreita do Rosario n. 12.-Hlerdei-
ros'de Geraldo Henriques de Mira
Bemnfica n. 27.-Gonme & Irinmo
Dita n. 27 A.-O mesmo
H
Amorim ns 3 e 5.-Henrique Fer-
reira Pontes
Itaparica n. 7.-Henrique Geraldo
Bargo da Victoria n. 16.-Herminio
Fernandes Alves Lima
Padre Nobrega n. 70.-Henrique Ro-
drigues da Fonceca
Vidal do Negreiros n. 32.-Henri-
que da Silva Moreira
I
Ribeira ns. 1, 7, 11 e 4.-Ignacio
Ferreira Guimaraes
Commercio n. 46.-lal Doyle
RestauragAo n. 24.-Ignacio Ferrei-
ra Guimarles
Santa Cruz n. 4.-Idalina Maria da
Franga
Duque de Gaxias n. 66.-Innocen-
cio Garcia Chaves
Visconde de Inhafima n. 31.-Igna-
cio das Chagas
Vidal de Negreiros n. 44.-Innocen-
cio Barbosa de Siqueira
J
Marquez de Olinda n. 8.-Joao da
Rocha SilvUA
Dita n. 40.-julio de Mello Sal-
gado
Dita n. 33.-Jose Guilherme & C.
Born Jesus n. 44.-Joao dos Santos
Coelho
Dita n. 43.-Josa Ferreira Fontes
Comr ercio n. 46.-J. Garvalho & C.
Dita n. 26.-Joao Gomes Jardim
Dita n. 30.-J-st Cardoso de SA
Dita ns. 9 e 11.-Jose Burle
Dita n. 1 .-Joaquim Theodoicodas
Merces
bita n. 17.-Jos6 Antonio de Mat-
tes
Thom6 de Souza n. 2.-Jos6 Cardo-
so de Sa
Dita nm 12.--Joao de ltneida B-
beilo -
Torre n. 16.-Josd Buarque
Vigatlio Tenoioi n. 14.-4Julio Feir
a& C,.
Dita n. 46.-Jos.6Cofreia Braga
Dita n. 9.-JoaquimI Jos6 ong-


Ives


rim.)


I" > I



01 0 I

00 j3 -3
S ARRAIALC
00 w 1
CDO000t V I _____
Sc 00
co CDf 8___ I.
* I9 ? I m g
* *01 01I a


mob
(OD

W


z

0


1085000
108#oo000
905000
545000
435200
54#5000
43S200
105800
625000
72j000
54$000

1265000
435200
725000
90oo000oo
18000
265000
265000
545000
368000
215600

1085000
545000
1085000
35M000
43100


14458000
435(200
485000
545000
65$000
435200

1444000



90ow0



2'89000



US000


A r.


~1


-TWih.


<^2

11^^^
;y-^l^
tfnW
h^
,^i^^^^
^^^^^^^Ty*.
I '*' f.
\^^^^^
^!^' *
v^^
^
'n

f

P3

^

H

^





y.

0

W

W
<-s

&

fc?^


1


t ;


.


.33:"4all
















14.-Joao Jose Ro-
ms* Dtte Simoos& C.
So 7.-oo Francisco
n n. 25.-4osd FelippePereira dos
Santos
Dita a. 43.-Jose Francisco deo Sou-
Zi Lima *
Guararapes a. 59.-Jose Dias J. da
-1(Ista
ito do Triumpho n. 65. -Joao Be-
gno & G.
-imperador n. 13.-Joaquim Jose dos
Santos Junior
Dita n. 17.-Jose Z. Martins- de Al-
rmeida
Dite n. 23.-Justino Francisco de
Assis
Dita n. 25.-Jose Pinto de Maga-
lhaes.
Gaes 22 de Novembro n. 4.--Jos6
Joaquim da Silva Alves
Dita n. C.-JosA de Souza Barreiro
Dita n. G. -Jose Vicente Gondimrn
& GC.
lo di Margo n. 19.-JosA Ferreira da
Silva
Duque de Gaxias n. 40.-Jos Ito-
drigues Canh6to
-Dita n. 92.-Joaquimin Moreira da Sil-
va & C.
Dita n. 59.-Jayme Enas Gomes da
Silva
ita n. 61.-Jos6 Fernandes Gomes
Dita n. 107.-Joaio Antonio do Al-
meida
Dita n. 111.-Joaquim Joss da Cos-
ta Fajozes Junior
CabugA n. 7 D.-Jos6 de Oliveira
Mello
Bardo da Victoria n. 14.-Jos6 For-
tunato dos Santos Porto
Dita n. 26.-JosA Antonio de Araujo
Dita n. 37.-Josd Ricardo Coelho
Larangeiras n. 4.-Julio Puech
Dita n. 23.,-Jose Sineil
Trincheiras n. 41.-Jos6 Francisco
de Souza Lima
Dita n. 43.-Jose Maria Schaller
Laiga do Rosario n. 5.-Joss Fran-
cisco de Souza Lima
Estreita do Rosario n. 10 A.-Jos6
Maria de Moraes & C.
Dita n. -19.-Jos6 Alves Diniz


MW)
31*)00





725000
906000
108000


1085000
445000
455000
540(00
108000
72#000
1085000
908000
162$000
7#000
72#000
365000
1445000
1265000
54#000
90000
765000
26$000
51$000
54$000
216$000
7.o000


(Continu'ta).
Santa Casa da Misericordia do
Recife
A lllma., junta administrative da Santa Casa
-da Misericordia do Recife manda fazer public
que na sala das suas sessoes, nt dia 7 de
novembro pelas 3 horas da tarde,teem de ser
arrematadas, a quern mais vantagens offerecer,
pelo tempo de um a tries annos, as rendas dos
predios em seguida deplarados :
ESTABELECIMENTO DE ARIDADE
Ra. de S. Bento cmOlinda.
Casa terrea n. 16 3005000
Rua do Padre Flortano.
Casa terra, n.47 204$000
Idem n. 49 (fechada) 1515500
Idem n. 45 (fechada) 1514500
Rua da Viralifie
Iclem n. 7 aa dr 20700
Rua larga do Rosario
3.0 andar opsobrado n. 24 A 267#000
Loja e 1o andar do sobrado n. 21 A 963-117
Loja do sobrado n. 24 t:0364450


uaa dia lmperatrtz
Casa terrea n. 68
Rua da Mocda
Sobrado de 2 andares e sotao n. 37 [fe-
chada]
Becco do Abrem
4.o andar do sobrado n. 2 (fochado)
Loja idem idem
Rua dos Pescadores
Idem n. 11


Idem n. 92


Raa de S. Jorge
Ruaa do Pharol


Idem n. 80
Rua do Encantamento
Loja do sobrado n. 3 (fechada)
Rua de Santa Rita-
Casa terrea n. 34
Rua a das Caladas


Idem n. 32
Idem ni. 3A
Idem n. 70


Cinco Pontas
Ria do Caj4


Idem ni. 2
Ruta da Moeda
oblado de um andar n. 41
Rua da Lapa
Sobrado de jim wander n. 8
Rua do Visconde de Albuquerqu
'Casa terrea n. 91
PATRIMONIO DE ORPIXOS
Largo do Paraiz,.
2.o andardo sobrado n. 29 (fechado)
Riaa da Laps
.Casa terrea n. 2
Rata da Madre de Dens
Casa terrea n. 20
-Idem idem n. 16
Idem n. 2 (fechada)
Be-co das Botas
Sobrado de 2 andares n. 16
Idem idem n. 14
Idem n. 18 (fechada)
Rua da Senzalla Velha.
Casa terrea n. 18 [fechada]
Rua da Moeda
Casa terrea n. 45
dem n. 47
Rua do Bom Jesus
4.o andar do sobrado n. 29 (fechada)
Rna do Armorim.
Casa terrea n. 24
Idem n. 26
Ral de. S. Jorae


362$500

3755000
908000
-1205000
2445000
30,1000
183S000
180#000
2305000
1365000
2315000
2885$000
1908000
347g007
3785000
e
2085000

3055000
2015000
7225000
8275000
233S400
6235000
6445000
360000
183#5000
2175000
217$000
.."8,000
895000
123,000


casa terrean. i04 242$000
Idem 94 2515000
Idem n. 100 [fechadal] 2625992
Os nretendente deveoria apresentar no acto
4a arremataCto as suns fiangas, ou comparece-
rem acompanhados dos respectivos fiadores,
devendo pagar aldm da renda o premio da
quantia em que f6r seguro o predio que con-
tiver estabelecimento commercial, assim coom
oservico da limpeza e prco dos apparelhos a
Annuidades.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Recife, 30 de maio de 1877. 0 escrivio,
Pedro Rodriaues de Sauzu.

THEATRE
SANTA ISABEL

Comnpanhia hespanhola


das Uh.a-g e com 0 oboquios0 con;l
cursor dos distint.S pofessores Can-
dido Lyra e Antonio Martins.
PRIMEIRA PART
La. Air de ballet, phantasi para violi-
no, executada por A. Gambaro6- Be-
riot.
2.a Duo a quatro maos sobreErnani,
execultdo pelas Exmas. Sras. Amelia
Carolina das Chagas e Candido Lyra-
Billema.
3.a Variagdes sobre Saffo, para cla-
rineto, executadas por A. Martins J.
Salieri.
4.a Le Romanlique phantasia de con-
certo para violino, executada por A.
Gambaro e accompanhada pela Exma.
Sra. A. C. das Chagas -Ghys.
5.a Pensdes podtiques, pour le piano,
executado pela Exmina. Sra. Lydia Gar-
rett -Gottschalk.
SEGUNDA PARTE
6.a Nova phantasia de concerto, exe-
cutada por A. Gambaro e accompa-
nhada pela Exma. Sra. Amelia-Ghys.
7.a Hymno national brasileiro gran-
des variagdes de concerto, executadas
pela Exma. Sra. Lydia Garrett Got-
tschalk.
8.a Le Carnaval de Venise, grandes
variag6ei, executadas no violino pela
Exma. Sra. Amelia Carolina das Cha-
gas.
9.a Variacoes sobre Ernani, phantasia
para clarineto, executada por A. Mar-
tins.
0l.a Air Montagnard, variances de
concerto para violino, executadas por
A. Gambaro Beriot e Gainmbaro.
Principiar5 'As 8 horas em ponto.

THEATRE
SANTO ANTONIO
Quarta-feira 7 de novembro
[Dia marcado por S. Exc.]
Alegre e festive espectaculo em re-
gosijo d chegada do INVICTO GENE-
RAL OSOR10.

Antonio Jos6 Duarte Coimbra apro-
veita a opportunidade para tambmn de
sua parte render o preito da homena-
gem que 6 devida ao liberal guerrei-
ro, cujo nome. laureado por mats de
urn feito glorioso, pertence a historic
ei admiragdo de todos.
PROGRAMMA
Duas girandolas de foguetes annun-
ciarAo a chegado do LEGENDARIO
GUERREIRO, que penetrarA o thea-
tro por uma entrada especialmente
preparada ao som do
HYMNO NATIONAL
Tocado pela briosa banda de music
do 2.0 batalhao de infanteria.

Abrira o espectaculo o actor-Bahia
recitando algumas palavras apropria-
das.

Subirai a scena pela companhia-Vi-
cente, a popularissima comedia em 3
actos, original-brasileiro:
0 NOVI(0
TerminaiA o espectaculo corn a co-
media em I adto de costumes brasilei-
ros, original de Arthur de Azevedo,
music do maestro -Cohls:
UMA NOTE DE REIS

NA BAHIA

0 theatro achar-se-ha modesto, ma-
elegantemente preparado, occupando
S. Exc. umna tribune especial.


Os bilhetes para este espectaculo po-
dem ser encommendados desdejAi.
Comecar ais 8 112 horas.

Ao Him. Sr. commandant coronel
Antonio Maria Coelho, bern como aos
demais cavailheiros que se prestarao a
abrilhantar este modesto festejo, o a-
baixo assignado agradece de coracao.
Antonio Jose Duarte Coimbra.


____IiITIIOS
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegagao costeira por vapor
Poritos do norte
Fernando de Noronlha
0 vapor Giqueia.
commandant Costa,
seguird para o porto
acima, no dia. 7 de
novembro ao meio dia.
Recebe carga at( o dia 6 ; encommendas,
passagens e dinheiro a frete, at, as 10 horas da
manliA do dia da sabida : escriptorio na
Rua da Comnpanhia Pernambu-
ca|a-n. too
Conmpanhia des Messa-
geries Maritimes
LINHA MENSAL
0O paquete '
EQUATEUR
Commandante Rousseau
Espera-se dos por.
tos do sul no dia 20
do corrente, seguindo
d spois da demora do
....... ctme para BOR-


+ =+: -:+ ': "'/ ^ '^ ..... +?.1 .+=-*. +.*
,Y 9 ... .R +=L6, a Yap 0or
0 1D a .0NORT g
EspiRet ,Santo

Conimaidante Aureliano Isaac
^Espera-se dos por-
S tos do sul at6 o dia
S8 do corrente e de-
pois da demora decos-
tum6e seguira para .s
portos do note.
PORTOS DO SUL
0 paquete a vapor
Bahia
Commandaite -o primeiro-tenente. G.
Waddington.
SE' esperado dos por-
Stoos d note at6 o dia
S9 do corrente e depois
da demora do costume
Sseguira para os do sul,
inclusive o de Santos.
Para carga, encommendas, valores e passa-
gens, trata-se na agencia, escriptorio de conm-
missoes de
Bernardino pontual
-12 -Rua do Born Jesus-il


COMPANHIA PEPNAMBUGANA


DE
NavegaCAo costeira por vapor
Portos do norte
Parahyba, Natal, Macdo, Mossor6 Axa-
caty e CeartA
0 vapor Ip.ojuea
rcommandante Telles,
seguirA paA .os portos
acima no dia 5 de no-
vembro, fAs 5 h6ras da
tarde.
Recebe carga atW o dia 3 ; encommendas,
passagens edinheiro a frete, at6 as 3 horas
da tarde do dia da sahida.
Escriptorlo na rua da Companhia Per-
___ nambucana n. 12.,
GOMPANHIrA PERNAMBUCANA
DE
Navegagao costeira por vapor
.Portos do sul
Macei6, Penedo, Aracajfi e Bahia
S0 vapor ConddIdEu,.
Qcommandante Pil ao,.
seguira para os po0rto
acima no dia 5 de no-'
vemrnbro, As 5 horas da
Starde. e
Recebe care a ate 3 ; encommenea as, pas-
sagens e dinheiro a fre at6 as 3 horas da
tarde do dia da sahida: escriptorimb na
Rua dh Companhia Pernambe.ana
_____n. 12.
Para Lisboat
deve seguir com muita brevidade o lugre por-
tuguez Julio : quern no mesmo quizer arre-
gar, dirija-se'aos consignatarios T. de Aquino
Foneeca & C. Successores, d rui do Vigario n.
19, '10 andar, ou ao capiflo.

ILtLES

0 agent Bu41maqui
L~IlLA0u

Hoje
0 agent acima, legalmente autorisado, ven-
derA as mercadorias e armavao da. loja de
miudezas da rua de o arcilio Dias 50, ao
correr do martello, para complete .liqpidsAao.
LEILAO
DA
loja Lie calcados da rua do Lioea44Sito
n. 19
Constando de:
Urma armaqlo envidraoada, balcao, pandiei.
ros a ga7i, carteiras, mOchos e urma prensa de
copiar cartas.
Calados nacionaes e estrangeiros, solas,
bezerros, marroquins e mais aviamentos para
calqados.
Em um oau mais lotes, d vontade dos
comnpradores
TERfA-FEIRA 6 DE NOVEMBRO
A's 10 112 hours
POR INTERVENQAO DO AGENT
PINTO
Na referida loja da rua do Livramento n. 19.
Agente Pestana

LEILAO
DE
19 toros de jacaran a
TERgA-FEIRA 6 D0O CO is;NTE
ao io dia o *,
No largo do Trapiche-Co.G plhal&
0 agent Pestana faria leilo, p:r conta e
risco de querm pertenoer, do 49 tow$o .de ja-
caranda, em um ou mais lotes, a vontade dos
Sr-s._compradozes.. __ ', *^
Agenie Peslana
LEJL4O
PE
70 barrs corn toucinho novo e cerca de
TERCA-FEIRA 6 T} RENT
A's 11 horas eui ponto
No trapiche Barbosa -
0 agent Pestana fara leil0o, por conta e
risco de.quem pertencer, de 10 barris corn
toucinho novo, e cerca: de -100 garrafoes corn
cominhos, em um ou mais lotei, A vontade dos
Srs. compradores. .


Agents *~ian~
LI{!LAO
TA A


M rg gS^az cl blSeos 1 i stfria forto
A 40 9a14ihios de mol para: uMniUs,12
ro[r4 obaptoS, eean.cos
.. Sal' dejanr
tima esa elastica, I guarda-7e'uca. envidra-
gado, 1 aaradaarauds com tampo do pedro;
4 Oa 0rnow tomeado8,64 cadetrus doe uar-
nicao, 1- guarda-cooida de arame, louga para
ea e jantar, copos. calM,, garrafas, compo-
teiras, galheteiros, g e o taas. cabos de
marflm, I excellent reto io de pafede,4opti-
mo regulador), i candlelro de 2 bicos, I es-
teira de coco forro da sala, 1 cadeira a1a para
menino, I mesa e 3 cadeiras baixas para ditos
i filtro, I pedra pars flltrar, I pendente a gaz,
6 quadros dourados corn passaros e differen-
trs objects de electro-plate.
Salade dormir
Duas camas francezas, 2 mesas de cama
com pedras, 2 excellenites commodas, 2 lava-
tories comrn pedras e espelhos,'.2 guarniCoes
para os mesmos, 2 cabides, 2 guardas-roupa,
em uma s6pega, 2 quadros a oleo, i1 lampari-
na e relogio.
Sala de vestir
Um guarda-vestidos corn espelho, 1 guarda-
roupa de amarello, 1 toilette de mogno eom
pedra e espelho, 1 cama de ferro grande corn
colchAo de mola, 1 commoda, I lavatorio, I
mesa corn duas gavetas, 2 cabides, 1 mesa
de abrir.
Urma mobilia ,e amarello corn 1 sofa, 2 con-
solos, i mesa redonda,, 2 cadeiras de brapos,
r cadeiras de guarnieao, 4 candieiros para ke-
6osene e 4 jarros. .op *
Quartos
Uma cama franceza de jacaranda, 1 toilette,
-1 guarda-roupa, 2 camas de ferro para meni-
no, cabides, mesas, cadeiras e muitos outros
accessories de casa de. familiar existentes
Na casa da rua do Conde da Boa Vista,
outr'ora Caminho Novo, em frente a
estagio do mesmo nome.
QUARTA-FEmRA 7 DO CORRENTE
0 Dr. Guilbherme Naegeli tend deliberado
mudar sua residencia para o Rio de Janeiro,
faz leilao, per intervenoo do agente Pinto,
dos moves e mais objects existentes em ca-
sa de sua residencia no Caminho Novo, cha-
cara em frente a estacao do mesino nome.
A's 10 1/2 horns partird da estaao do arco
de Santo Antonio um trem que darA passage
gratis sos concorrentes ao leilao.
PrineipiarA ais 11 horas.
Agente Pestana

LEILAO
'DE
Meovis, videos, jarros, espelhos, relo-
gios de parede e de ouro, e diuersas
obras de ouro, prata e brilhantes.
QUINTA FEIRA 8 DO CORRENTE
fts 11 horias em ponto
No armazem de agencia de leildes, d
rua do Vigario Thenorio n. 12
ao correr do martello
POR INTERVENgAO DO AGENT
____ PESTANA
Agente Pestana
LEILAO
DE
50 acres da companhia Santa
Thereza
QU1NTA-FEIRA 8 DO CORRENTE
As t11 horns em onto
No armazem de agencia de leildes d rua
do Vigario Thenorio n. %12
0 agent 'Pestana, competentemente auto-
risado, fard leiluro de 50 accies da companhia
Santa Thereza. 0 mnesm6 agent convida aos
Srs. accionistas para aproveitarem esta oppar-
tunidade de comprar ditaS accoes a preco ra-
zoavel, e assim reduzirao o preco de suas ac-
cSes primitivas. Corn as ultimas concessues
feitas ,pela assemblea provincial q corn o novo
contrato, acompanhia tern demelhorar, e por-
tanto converm aproveitarem esta occasiao.



FLORA BRAZILEIRA
Per 6$ se pode obter um exemplar
dessa excellent ob, a, em grande folio,
corn gravuras linas em "fumo e colo-
ridas, representando as plants oriun-
das do Brasil, em 40 volumes, obra-


utile necessaria ndo s6 para os Srs.
medics e pharmaceuticos, como para
qualquer amador ou estabelecimento
public.
Para informaedes nas seguinte ca-
sas
Costa Maia & C., rua Primeiro de
Marco n. 6. ..
Marques, & C., rua do Imperador
n.'24, confeitaria do Ca "pos.
Camdos & C., rua do Jperador iin.
28, archj-armazeam.
Antonio Samnpaio do Nascimento,
rua do 4oCommercio.
Fr&ncisco Xavier Ferreira, rua Pri-
meiro de aro n. 4.

Enyopedia modern
Vende-se uma Encyclopedia modern,
dliccioiario de sciencias, artes, letras, in-
dustria, agriculture e commem*r1io ; pu-
blicaofib feita em Patris, pela casa Fir-
midi Didot, sob a director de Leon Re-
nier.
A bbra comp6e se de 30 volumes,
encadernados, em born estado, sendo
27 de texto e 3 de atlas.
A tratar nesta typographia.
-- PRELISA-SE de um copeiro e de
um cozinheiro habilitados, na praga
do Corpo Santo n. 15, 1.o andar.


I **-- il-i-. -- ____________________
SarmaV-do, generos empis uttensilio axis- Precisa-se de urma ama para cozi-
tentes na taverna sita d rua de 'Tho- nhar e comprar: na rua da Concordia
mn de Souz, ant i Lingueta n. 3. n. 43.
QUARTA-FEIBA 7 DO CORRENTE d lht.n dos
0 em ,t R pqnto E Uflico Ute sllU dos
pap6a.' m.6r., conta e v mea .1 m,
ri tq te rdaarao e gene- .reme do. l r. Ayer
res exislentes 9Laverna siti A rua de Thom6 AWm- A a U,
de Souza n. 3, grantindb-se as caves, livre e =so de Adamson
desembarida de qualquer onus, e propria .' & Cn d
para"ualqw pir umo o maisd ua ^de* a n.
10tes, e "WSi iNradores. Ce do,.^
*Gttr e ^riador~ Mde Olinda n.
Gr ~ ~riad


Iho (Arrombados., nofrndo dacape
ila do meio I r.
Concede-.e. Uo~ p tkq itl4p oqans
a quem uiz fth ei 4a
estrada para o. scl te. COW do
plantair fazer sa'east di t ipa4 c6be de
palha: a tratar corn o promPrietatio 0os Antu-
nes Gulmarles, sna BoaVlsta, rua Velha n.
71, poprisugro a4ar..,
Precisa-se de uarn ama adeleite sem fi-
Iho : a tratar pa rua do Cabwga n 8, loja da
Agia Negra. A 8_
&luga-se o primoiro andar do sobrado a
rua do Rangel n. 44: a tratar na rua Direita
n. 3, terceiro andar.
Aluga-se ba6att 0 segundo andar n. 38
da rua estreita do Rosario: a tratar na rua do
Marquez de Olinda n. 58,
Precisa-se de urma escrava para todo o
+00 1-ti-^A% Jn -f mo In- "n"i


servigou u m u, a iiu sa Ie poucau luimiiu: ; ll rua
da Palma n. 68.
Precisa-se alugar urma prdta para service
de rua, e um preto para sitio : no pateo de
?edro II n. 73, segundo andar.
Precisa-se de umar ama: atraz da matriz
de Santo Antonio, casa n. 28, l andar.
-- Quem precisar de uma boa ama de leite,
dirija se 6 rua Imperial n. 2, que achara corn
quein tratar,
Na rua do Encantamento, hojo Bispo
Sardinha, precisa-se de urn criado, escravo,
para hotel.
Precisa-se de urn home, forro ou es-
cravo, para setvivo de horta e de rua, e tudo
o que se made fazer : na rua do Cotovello
n. 25.
0 Sr. Gandido Alves da Fonceca n0o
mais caixeiro da casa commercial dos abaixo
assignados. Pernambuco, 3 de novembro de
1877.-Jose Marcelino da Rosa & Filhos.
Partem para a Europa no vapor de -0 do
corrente b pad -' Josd Paulino Duarte da Silva,
Estevao Jose Dantas, Manoel Lobato Carneiro
daCunha, Miguel Antonio Ribeiro Dantas, Joao
Damasceno Xavier Dantas e Luiz de Albuquer-
que Maranhao.
Precisa-se de urna ama panri cozinhar : na
rua de Luiz do Rego n. 39, em Santo Xmaro.
Precisa-se de um home livre ou escravo
que se preste ao servio ide carregar assucar
para as freguezias de tavernas.
Lava-se e ongomma-se ao agrado de seus
donos, tanto roupade home, como de senho-
ra: a tratar na ruada Roda n. 47, 2o andar.
ALUGA-SE umn bom sitio corn
grande casa no principio da estrada da
Torre, e uma pequena casa em frente
da mesma : a fallar no hotel do Beait
Ai Magdalena.


.partiular,, ae 4A6. 60 "09006a,!^
por debitl lrcotrahidopopr qual-
I qtr 1; sw w ,ern S M s a prdyii attorisa-
cao verbal oul por meio de titalos fir-
mados pelo eu proprio punho.
Ieoife, 3 5de-a veibirb doe 187.
lAwi Victor do Silva Pimenkl.,
wAtonio 40s6 Pires
0 bacharel Luiz Autonio Pires e sess-ir-
mlos convidam a seus parents e amigofi, e
aos de sen finado irmro Antonio Jos6 Pires,
para assistirem a uma missa que madam re-
sar na segunda-feira, 5 do corrente, is 7 1/2
horp,,aq matriz. da Po#-VisWa ,,.^

.ueira Costa
S Rotilio Tolenti-
~ ~no de Figueiredo
Lima, convida aos
< parents e amigos
do finado desem-
bargador Jos' Ni-
coldo Rigueira Costa, residents na
comarca do Cabo, para assistir ai uma
missa que em repouso eterno do fina-
do, manda celebrar no dia 5 do corren-
te, as 8 horas da mnanhb, na capella de
Santo Aaro daquella cidade.
Desembargador Jos Nicolao
Rigueira Costa
i Os abaixo assignados,
pu1gidos pelo doloroso
2 l yj0 goIpe que acaba de sotl-
-=- 'frer o illustrado Dr. Joo
Al- Biaptista Rg ueira Costa,
uid :l e d"rito. interitio
a desta'comarca, ua perda
de sen respeitavel pai o honrado des-
emhargador Jose Nicolao Rigueira Cos-
ta, vein por este meio pedir a todos
os amigos o caridoso obsequio de as-
sistirem as missas de requiem e me-
mento que no dia 5 do corrente mcz
mandam celebrar na igreja matriz des-
ta villa, as 8 horas da manha, nono
dia do passamento daquelle distinct
magistrado.
Jaboatao, 2 de ncvembro de 1877.
Ainaro Joaquim Fonceca de Albuquer-


I &


Aluga-ae a casa n. 54 da rua do Fogo : a que.
tretar na rua de Pedro Affonriso n. 47, segundo Jose Novaes de Souza Carvalho.
andar. -____ Bernardino de Senna Muniz.
Aluga-se o segundo andar do sobrado n" Miguel Germnano dos Santos Pereira lde
7 da riua do Rangel : a tratar na rua Imperial Brito
n. 53, defronte do Viveiro do Muniz. A chave B .
estA no primeiro andar do mesmo sobrado. Jose Ferreira da Silva Lima.
Aluga-se diversas casas de diffTerentes Manoel Malaquias Franco.
rreCos, em Santo Amaro, na rua do Lima : Theodomiro Christovaio do Nascimento
-ata-se na rua da FundigAo n. 6. Valois.
Aluga-se o sobrado de um andar e sotlto Augusto Xavier Carneiro da Cunha.
Srua de Lumas Valentinas n. 27; o segundo Jose Francisco do Rogo Barreto.
andar cern selto no pateo do Tergo n. 27 ; o Vicente Nunes de Maalhafies.
primeiro andar e pavtmento terreo ai rua do
Rangel n. 41 ; a casa te-rea a rua de S. Joao Felix Manoel do Nascimnento Vatois.
n. 79,. e finalmente a casa corn pequeno sitio Luiz do Ilollanda Cavalcante.
no Espinheiro, onde morou oMangiricao : a lgnacio Francisco Pereira da Silva.
,tratar no segundo andar da casa n 41, rua do
Rangel. D. Blandina Anialia Fragoso
Aluga-se a casa terrea da rua Imperial n. de Albuquerque
44, caiada e pintada, corn grandes commodos 1 Lydio Mariano do A1l-
para grande familiar, tendo 2 salas grande, buquerque e sua ilna
sendo unia forrada, 6 quartos, sendo um for- convidam aos seus pa-
rado, despensa corn prateleiras, boa cozinha e rentes e amigos para on-
corn terrago, cacimba, tanque para banho corn vi-rem as missas que por
bomb, bom quintal c um grande telheiro pa- alnma de sua sempre lem-
ra despejo de certos objects : quern preten- brada esposa e mai, I).
der, difija-se a rua io Queimado n. 49. Blandina Amalia Fragoso
Ali::a-se uma boa casa na rua de Lomnas de Albuquerque, mandam celebiar na matriz
Valentinas n, 5, corn 2 salas, 3 quartos, e corn de Santo Antonio, as 7 horas do dia 5 do cor-
porlao para a rua da Viragao : a tratar na tra- Irente, trigesimo de seu fallecimento.
vesa do S. Pedro n. 6, casa de marcineiro. Querobina Joaquina de Castro
ALUGA-SE por preqo comnimodo Ribeiro
o predio n. 8, i rua de Mariz e Barros, Jos6 Pinto Ribeiro *
outr'ora rua da Codorniz (onde foi o es-- seus filhibs agradeceii
tabelecinmiento do Calangro) muito pro- i ln. tdo
prior para qualquer estabelecimniento de s coudialmnen.a todos os
I ~ seus amF'os 0o parente-s.
seccos ou molhados, para o que tern i qu se dignara acorn-
boa armarao e pertencas : trata-se it p u rt
travessa da Madre de Deus n. 18. !p anha os restos mor-
--.- ---- ---------- ,^St~iBS3U^taes de sua presada mu-
= Aluga-se o sobrado da rua de S. Bento Iher e mi Querobina Joaquina de
n. 9, em Olinda, corn 4 salas, 5 quartos e co- so-R eeroiaeiterio pul
zinha f6ra: a tratar na thesouraria das lote- (astro Rl ro ao public
rias, ouna mesma rua, em Olinda, corn o Sr. e novo convidam para assistirem as
Jos( Nunes. il missas do 76 dia que terao lugar na
Aluga-se uma casa na ilha de Bemfica, terga-feira,o do corrente, as 7 horas
junto a ponte da Magdalena, tern commodos da manhn a matriz de S. Jose; para o
para familiar e banho do Capibaribe ua frente, que antpni seus agradeimentos.
onde passa o rio ; aluguelde 150$ por anno e: an ,. ....teci a. a a ec m nt


a iratar a rua estreita do Rosario n. 17, pri-
meiro andar, cornm L. M. R. Valenea Junior.


A A Emn Santo Amaro, a rua
i E da Aurora n. 123, precisa-
.. .T.M sedeuima ama que saiba
cozinhar e engommar.
M A Precisa -se de uma ama
Spara cozinhar e comprar :
A ziarr
M A na rua larga do Rosario n.
14, fabrics de oigarros.
HM A Precisa-se de uma ama
LMIIA qle seja boa cozinheira e
engomme, para casa de
pequena familiar: na praCa do Conde d'Eu n.
30, segundo andar.
AMA Prci-se de urnapara co-
Azinhar para casa de familiar : a
tratar a rua do 9 oispicio n.,6.


Existe na Parahyba um armazem
para alugar, i- rua Conde d'Eu n. 34,
ha pouco acabado e considerado o -me-
lhor d'alli, presta-se para qualquer.es-
tabelecimentp, corn preferencia fazen-
das e flea entire os estabelecimentos
dos Srs. Mello & C. e Souza-& Castro,
que neste genero tefn dado sahidas
mportantes: a ti-ratar lio mesmino com
o Marques da Fonceca.


Tres casas para alugar-se na
Capunga
Um sitio na rua das Crioulas n. 59, todo mu-
rado, corn casa bastante grande para faMilia,
pintado e caiado, casa para banho, corn mui-
tas fructeiras, grande parrniral, jardim, baixa
para capim, corn bonita vista para o Capiba-
ribe. Urma casa na mesa rua 'n. 61, corn
bom quintal e todo murado, cacimba corn bom-
ba, casa de banho e bastantes commodes pars
familla. Outra nos Quatro" Cantos n. 29 B,
tambern cornm bons commodos pars familiar ;
todos se alugam por preCo commodo, agtadan-
do o inquelino: a tratar na :ua do Vigario n.
33, 1o andar.


Materials e madeiras
14 Largo da Ponte-vdlha -14
Neste novo armr em se encontraograonde
e mais complete sortirnento de materiaes, e
madeiras de todas as qualidades e dimensies;
carros de milo ber construidos, etc., etc.
Para este novo e bern montado "ostabeleci-
mento, pedimos a attenRo dos senbores pro-
prietarios que pretendam edificar, ,corn espe-
cialidade os da Boa-Vista 0 arrabaldes,'pel,
complete sortimento e grande reducCio de
pregos, facil conduciao, por ser muito central
e por haver sempre carrocas As orders dos
senhores compradores.
Os abaixo assignados esperam nrerece, a
attencao e preferencia de todos os senhores
que se dignaremn honra-los corn sua fregue-
zia, jA pclas condifOes acima, e porque todo
seu pioposito (: sob a mais escrupulosa sir-
ceridade e exactidAo, fazer todo possivole pai ai
bem-sert.-ir e agradar. -











"f |


Jr


4 *4AtI~,


.. ,


diversos utensitios para engenhos, e motors pam
descarocar algodio.
Vende a prazo, ou a dinheiro corn desconto'
Incumbe-se do todo o concerto, quer de pe-
oas trazidas A ella, quer de machines em seuslu-
gares. Faz contrato annual para todos os concer-


tos de engenho.


Cautella


NAo emprega inculcadores pelo campo.
Rogaa todos, que mandam encommendas i
ella, exijam a vista da conta impressa respective.
Tendo sido enganadas diversas pessoas em
procura desta fundicao, observa-se que a

FUNDICAO DO BOWMAN
esta emtre olchafariz e a fortaleza, que os edificios
estao de-ambos os lados da rua, perto da cochei-
ra dos bonds e pintados de verde nos andares
inferiores.


Caldeiraria Central


fuidicao de sinos ebronze
DE

Eduardo Cardoso & C.

Rua do Baruo do Triumpho, outr'ora do
Bruint n. 66.
Os proprietarios deste estabelecimento pre-
vinem aos senhores de engenho, agricultotes
e ao public em geral que continuam a fabri-
ear os objects abaixo mencionados, como se-
jam:
Machines de Derosne para fazer espiritos,
ditas de Collars, os melhores systems, alam-
biques de leitios diversos, simples e corn es-
quenta garapas, incluindo os de NOVO SYS-
TEMA, ultimamente adoptado na provincia, ca-
rapucas, serpentinas,tachos, passadeiras, repar-
tideiras, escumadeiras, cobre picado para moer
mandioca e todas as obras, necessarias para o
fabric do assucar. Bombas aspirants e de
repuxo, de ferro, de cobre e de bronze. Si-
nos de 16 libras at6 110 arrobas, fabricados


pelo system franc. ez, torkeiras de bronze e
parafusos de dito, de todos os tamanhos.
Emfim fabrica-se toda e qualquer obra de
cobre ou de bronze, corn toda perfeido e gos-
to, para o que teem leito acquisi~&o dos melho-
res operarios, podendo desta form servirem
bem aos peus freguezes e a todos quantos lhes


Lr


honrarem cornm a sua eouliaqa
Na Caldeiraria Cemtral
66-Rua do Baro do Triumpho outr'ora &6


Brum--66


-! PIIARMACIA IHOMEOPATHICA I



.....


W .*coblalos p)ros

ltn a L


DA- CASA

.,: o. ^ > ..
-.I IUN^fuS-
D.


Vari"do sotioMato
-d siuli.'ua
yffI* jtebuttwi paMf

144>. w '1
/+ a %-,^ it,^ ;' ^'J


4 ou MM *
Campou, 1.reaL't- t

.Na cMtvirW. do aiup0s cotbpras ftv.c-
tan ," t r : 1 1 1 1
UTth, figus, Sapotap e laranjas de dmbigo e
24-RUA DO IIPERADOR-21
o_- ,. O ,
Preasa-se
alugar'n'uma da melbhores ruas de Santo An-
tonio urma cam.qqa rva para levanter uma
:aleria para photographia : a tratar no largo
adalrfc ct santo Antonio "n. .'2, pttmociro
cAdar.


a
~J'-~ :~


MDO-IERRUOINEUSE
AU OQUINQUIN&
ati LCORCEJ'ORANGE
AME& F
du Dm DUCOUX
tO5.RuS "De-i.Ot
PARIS '-


llasy
PU fet y


8 ve s em t0
a5 eoxaquecas nevralgiaa saG acalmdi
em Algiuns minUos c6 aO S asU meSf
d'memelm do terAIWbntlm. do
D' CLKRTAX.
3 ou 4 d'e"s Perolas produsem um ali-
vio quasi #stantaDo; d.p tal forma que o
a primeira doso na proJu; effeito 6 inati!
coL-tinuar.
Cada fresco conlem 83 pmila, o quoe di
lo-gar a etr feita a cura d'uma anxaqueca ou
d'uma nevralgia por preo insignificance.
A essencia de terebentina devendo tr
rectificada com cuidados especiaes, convem
dtescoufiar das imitaces e exigir, comao
garanlia d'origem, -obre cada frasco, a-as-
signatura CLEBTTAN.
Em Pari, ca, a L. Frer, 9, ruaJamcob.
Vendem os Sf, Barboza, Bar
Lholomneu C, aerreira Main eC.,
. '" ; *. '. s


" '


ul*ial IZ4444U
e asis de q em
boticas pi c fte A I1 3erfAm-
Camr, Bartolpmeu &, C. Mau-
e rua da ( ea.a n. 5A,.4. m

d. Casas vaasp
Aluga.-se as casas da rua do BarLholomeu
ns. 59 e 65, cornm bons commbdos e paor modi-
cos alugueis : a tratar na run la1rga do Rosario
numero 34.


Admnirl


Aluga-se muito barato a cata n. 33 da rua
'Jo Goneral Seara, antiga dolasmim: a tratar
jUnlo.


*;. -.' fl,,fW-. .. S


~N CAAttiiik ^ m0 iap.WWfm
vea^ ^^ ft ||iii~o prociso. p~r a ina
e par o fabrico do assucar e prepara-
doaldTea i Tern deposit de tuwo, em ta-
nanhldai coavenientes aos compradores.
Tambem vonde sempre fbrmas de ferro e


reiao
FeijAo mulatinho, portuguez, nova e
muilo claro, vendem Franco da Cunha
& C.,33 iua do An orim.
Vendas cornm deseonto, emil. grosso e a
resalho
William Inglis d C., tua do rmpera-
dor n. 57, armazem, -grande deposits
de fazendas frpwezas,'. ipglezas, bopas
e allemAes.


^,uf5ft.DELPAPA E It
DE l*A~tt. ^^fI
a Sl0ditea doe Hfftpntesi do Paris ~uama^^
Tou p wtiprrldaridlte fbreWasl M ns
pedtoees d. enj> podereta efficacia, M-J-^ ^
M ayBB eACms, rip?,%, ccq.,'Ucj ((timN
0W3ISl). Inllawmacae idber rlblrmleI,
Met g .ir ta domiLe. do go# "if




A' CETS A FLORInD A t

I OLLEO |

T ir .... i:d5. ",-.


. t.. ." j i


* '!A '-' .... '" f'iK


,


A tane, A


OLEO 1 0 0' DUCOUX'
OLEO DE FIGADO DE BAGALHAU
XOnVO-rERRE'O OOM QUI.NMA
CABC& DR LARANJA ANAM A

0 oappaIrecimento d'este oleo 6 deride ao uestado e is iN-
rosas expirieacias feitas pelo Y' DUCOUI dmunte long"os ano
raflm de reunir num so product, o 001- de Eae de
baealkam, o Ferom a a a e o X a ePe ae seiaf de
lannas marga.
0 o agmento progressivo do consumo d'este product denota
a sua grande voga.
0 Oleo DUCOUX 6 um poderoso medicamento contra a
Anumie Cherone, DOawf do pitao, BroneMlI, Deflwns,
Cstwrhmo, Tios, Dlteai mnuuno a Z nrfloWm.
B a res. do emprego facile eoonomic0 par nli
Tar mbt no dheiro temgrada ; -s Medics
,recommandlo eapcldalmt e.ta o01o.
DEPOSIT .PGSAL EM PARIS
|Dt DtUCOUX
2900 rue Salnt,-nexnl, 909


AntttUoidU
Escravo fugido do engenho Ara-
gagy da comarca do Cabo
Continua fugido o esciavo Manoel, corn os
signaes seguintes: boa estlitura, groc.o, nadc-
gas grandes, p6s tortos, o maior signal 6 ter
o umbigo estuf-do e grande, corfula, idade
50 a 55 annos, costa ter estado, e estar aqui
ganhando na run.
Desde o princiio de setembro esta fugida a
escrava Francisca, de 50 annos, cabocla, es-
tatura regular, cabellos cacheados e pretos,
bons denotes, muito ladina. Consta estar aqui,
pois que foi encontrada no Cabo de viagem
para aqui.
Pede-se aos capitaies de campo o as auto-
ndades policies, que os apprehenderem le
vc-m os ao engenho acima ou a casa dos Srs.
Thomaz de Aquino Fonceca & C, successores,
rua do Vigario n. 91o andar, que serd genero-
samente gratificado.

50U000
ATTENQAO
No dia 6 de outul)ro do corrente an-
no fugio da fazenda Breginho, d,.
freguezia do Brejo da Madre Deus.
o escravo Sabino, pertencente a Jose
Valentim Cesar de Barros, inorador
no mesmo lugar, cujo escravo houve
por heranga de sua linada mii,o qua]
tern os seguintes signaes
Cor acaboclada, cabello corredio, al-
Lura regular, cheio do corpo. rosto re-
dondo, olhes pretos, ou castanhos, na-
riz curto e grosso, bocca regular, per-
nas compridas e grossas, p)tS tam-
boem grossos, sern unhlias nos pds.
fNlta de um ou dous denotes na fren-
te do queixo superior, sem barba.
corn cicatrizes de feridas nas pern.s.
pronuncia compassada e humrailde e foi
vaccinado, tern a idade pouco mais de
29 annos, e 6 sulteiro; leva comsigc
um surriTo de couro de ovelha corn di.
versas roupas. Roga-se, portanto, zis au
toridades policies, capitaes do camnpc.
ou a outra quialquer pessoa que dellE
liver coihecimento o fagam prender,
parlicipando ou entregandoao sau res-
peclivo senhor na teferida fazenda
Breginho, que serao recompenwados
corn a gratilicagAo acimna.

AGORA SIM


NXA PODERA' HAVER MAIS CABELLOS BPO- 0iS [,l,^A 11
COS, COMA TJNTLTRA CHINEZA 4L Jart d Ill ldasP ll-
Preparada por A. R. Ramalho.
21-hUA DO MARQUEZ DE OLIN- las
^ DA--21 No Mondego n. 80
Esta tintura faz tornar os cabellos. Aii acha-se a venda .apoteiros e sa-
rapidamente pretos sem offender a ciu. potizeiros de mais de I1 a 12 palmos,
tis, e muito facil de se applicar. Cac em vasos, corna grande copa e de tron-
frasco acompanharai as insLruccoes ne- 'co do mais de pollegada e meia de dia-
cessarines. metro, alguns floridos e atd corn fruc-
0 author da tintura chineza nio preci-, to : por prego do 500 rm. a 88 : laran-
sa de encher as columns d'este journal geiras encherttdas, selectas e de urn-
conio muitosoutros autores fazem, en- birgo, a 38000, e as plantas de ornato
grandecendo seus preparados a ponto de e dos fructos seguites :
tornal-os umra aravilha, sem se lemnbra- Abacate. Ingi caixao.
rein que, a maneira que seu autor Os Abiu. Jambo.
eleva, o public os p6de rebaixar, pol Acacia. Jaloticaba.
que as mais das vezes d enganado. Agafrdo. Jaca.
Portanto, o autor da tintura chineza. Aal'roa. Jasmim laranja.
certo do born resultado, jai pelas mui- Adlenia. Dito do Cabo.
tas experiencias que se tern feito, ja Ameixas. Laranja da Chinu.
pelas b6as provas que sempre tern tido, Dita do Canada. Dita do cdo.-
recommenda esta tintura. Ariticum a pd. Dita cravo.
Pede tao s6mente que oeperimenteMn Bacupary. Dita de docc [ do
ella, para depois fazerwmi-ee-jizo; Cambuca. ParA j.
Unico deposit, rom casa de seu au CQnella. Dita branca.
ro acn Carambola doce. Dita tangerina.
D p Cassuarina. Lima da Persia.
AS1A 10 0URO Carolina do principeDita de umbigu.
Aos 9:.O00000 .Cidra, Lit,;1o azedo.
Aos OOO00 Condeqa. Dito trancez.
Bilhetes garantidos Coraao da india. Oiti-core.
ntua do Baro da Viotoria n. 40 Coral. Palrneira impelia'.
*e cans do costume Courana. Dita rubra e outra
0 abaixo assignado acaba de vender Dend6. Pereiras.
nos .eus ruit o felizes bWihetes a sor- Figueira. Pinheiras.


te de t00Q00 pm 3 quartos de n. 306,
aldm de outrau sortes de 40O000 e
de 20O000 M a loteria que se acabou
de. extrabir.
0 mesmo a.ijxo assigntdo, convida
aos possyidores a virem. receber na
conformidade do costume sem descon-
to a0lg494
to hamse i venda ogEmuito felizes
bilhetes carantidos da 10.a parte das lo-
torins a benefleo da matrizda Victoria
(247), quo so etrahir na quinta-feira
14 do coriT n pe vO piano.
lnw* o tOwOO

I tAtkl o. % La


ilamnoyani
Flor de algc
Fructa-pao.
Grumexawe
Imbu.


t. omeiras.
)dao. Roseiras.
Sabao vegetal.
S Uba!a.
E outras.


200$oNoo
A1erta
Fugio em outubro de 4814, o escravo
Js, preto, crioulo, deida$e t.wuos,
altura regular, .co6fotm strIdade,
secco, peraa Treguate, 4aw rom-
prida, SCOO ite .
esW craiuIo C IpS 0
o40- lmaIqin. "
LAU*9


'I
J1


Quinto 25000
Em por;ito de iO100000 para cima.
Bilhete inteiro .S000
Meio bilhete 45.00
Ouinto :5800
Munoel Miar'ins Fuza.


Uia a h -m au do I L -FAJo O io laY .- -


o r


r


Swsvo dugidi
W diLA4 do va ndo fulo no porto da
b.- de.- obdrfe < vapor nadonal BfAa, o
oscravo Roimualflo, que sepuia viagem dote
porto para o Rio de Janeiro, d e propriedde
de Luiz JoSe da Silva Guimares, negociante
no Recipe, q'te o houve por compra em 25 de
maio de 1869, a Jcronymo Theotonio da Silva
Looreiro, morador na Baixa Verde, cujo es-
cravo tern os seguintes signaes caracterisLi-
cos: cOr acabralhada, estatura 5 p6s. I polle-
gada e 3 pontos, cabeUllo preto e carapinho,
rosto comprido, olhos pretos, corn olhar amor-
tecldq, nariz afilado, boccd grande, *odos os
denies, barbapouca, e corpo gross.e, em uma
das m&os, par traz do pulse, tern urn carogo
d especle de um lombinho, pronuneia compas-
sada; conservando-be, quando fall, em attitu-
de humilde e vista baixa, tern de idade 30 6
32 annos, pouco mais ou menos, ; fliho de Joso
e Antonia. escravos de Manoel Salvador, de
lugar Fazenda Grande .ou Pajef de Flores,
d'onde o releridoescravo e natural, e onde ex
ericiia o officio de ferreiro. Sahio desta cidade
vestido corn caea e camisa branca, paletot de
alpaca preta, chap6o do Chile, levou um ba-
huzinho de couro, corn bastante roupa branca;
assim como consta que no acto do embarqua
aqui, um preto fo i bordo e entregou-lhe a
quantia de 600UOOO a mandado de urma amasia
de nome Romana. 1 provavel que tenha mu-
dado de nome e de vestumiano, e qu e ande
calqado, para assim intitular-se livre e illudir
a vigilancia das autoridades. Ha de cornm cer-
teza seguir camiuho da Bahia para esta cida-
de, em algum dos vapores da companhia bahi-
anna, desembarcando em Macei6, ou pelo in-
terior das duas provincias ; roga-se, portanto,
As autoridades policies e aos Srs. capitAes de
campo, ou a qualquer cutra pessua que delle
tiver conhecimento, o apprehenderem, parti-
cipando ou entregando-o ao seu respeetivo
senior no Recife, nta do Commsreio n. 5,
que serao recnmpensados omw a rrtifica'n
acima.


:1ft:'


q

1


I"


| ..',,3. ':


INt

A medicine antibiliosa, mais elef
e poderosa que se conlhece, garatindt-
se serem puramente vegetaes sub.-
tancias ue entrant na sut comp/ -
(ito. A Leptandriuia e a Podolphilira
coustituem os seus principios actives :
nai umn antidote iinf4llivel contra a en-
taqueca, gastrite, cardiaria, iridigesti..
edopepsia, congestao Lo Iigadq, dy
ss acostas, conslipavio do centre e-er-
NyxL.oda a alfect.o do figado, estomes-
lasrinsa
Venderi ,
Barlholomneu e Comp. ...nors, Jo
Elias de Moura e (ComlP. 'Paure;
e (Corn. -- -
Caixeiro
Prec.isa-sedo dern caixeiro que seja liomem
corn blastante pratica de molhados: a tratar na
rua do Rangel n. 4.







I: AfiAVILHAS





Boin predio para
aluglar-se
Aluga-se o predio do- i'. Castello Bran.c,
sito A1 run a(as Pernamm] c i, nm capnim...
coam jardim, sitio auo,.do e t'do miu
casa 3om banho; aclha-sc rudo rceparad, e -
tado de novo, e muito mre'ado e tern gr
commodes para familia ; esse predio lie,
ximo a nova ponte ique? e vai fazer a
Torre. o preeo 6 comm,rnr .d" e Irota-se. I-
gundo andar da rua dc.. '.yeimado, .,
meru 7'.
it W%
li: Cognac
g Bisquit Dubouc i 6 C. e

I H. Ledebour, rita do Commer. ,X
, cie '17, 1 andar a

Melies
Frescas boLinas e sar ,'.Tes' (Io lelits, rc '-



A' rua Primeiro do Marao (ou-
tr'ora ra do Crepy) un. 23 e
casas do costume.
0 abaixo assignado, tLeno endido nos se'*
dous aeNoa n. 30625 corn 0,, j(o0, urm nrqurt,




Il. 90,0 cornl 1008000 e outras sortes de 405(WN,
e 2000a da noteria que se acabou de extrahr




J[240.'J, coavida aos poss,.. '--es a virern re-
ceber na conforraidade do cosLume, sere ds-
onoalgum.
Ach am-sc ii venda os felizes bilhetes garm -
idoes da I(. part das h:.ierias a i eneficlo d.,
matH. da victoriaa [r247.. qua se extrahirA na
quarta-leia I I do core,:te rez, pelo faOV',
plamia.PRECOS
Bilhete inteiro M r000
SMeto bilete .' '000



















is7


TBAVESSA DA RUA DO
DUQUE DE CAXIAS N. 2
Julio Isaac, pede
, todos os Srs. mu-
ituarios que ten cau-
telas vencidas, ve-
nham resgatal-as,
porque se esta liqui-
1dando todos os va-
Slores em eofre; n;I
se recebendo, desde
shoje, mais empres-:
timo sob penhores.
Recife, 16 de ju-
nho de 1877.


GRANDE DEPOSIT
DE
Machines de costura
DE
SHARES LEITE IRMAOS
30 Rua do Barao da Victoria 3
Pernambuco
As melhores machines conhecidas d
trabalhar corn os pds e A mio
dos autores mais acreditados
Premiadas em todas as exposigOe
Vendas garantidas.
Pagamento adiantado ou a prazo,
A vontade do comprador
Ensino gratuito
Quern tencionar comprar uma ms
china de costura, nao o faga sem Y
sitar o grande deposit de machines d
Soares Leite Irmaos, principles agei
tes das melhores machines americana
e hamburguezas.
Convem comparar para bern escolhe
30 Rua do Barao da Victoria -

Advogados
Os Drs. A. Clodoaldo de Sou-
za e Jose Eustaquio Ferreira
Jacobina mudaram seus escrip-
torios para a rua do Imperador
n. 57, primeiro andar do pre-
dio, em cujo pavimento terreo
teem armazem de fazendas os
Srs. W. Inglis & C., entrada
pelo caes 22 de Novembro.

Casas vasias
Aluga-se as casaI terea8 da rua do Barth
lImeu ns. 37, 39, 47S e 0 pt, 3' e 4 aqdares
sobrado rua do B, 6 Triiumpho n.8
todos corn bons cAmmodos e por modi
alugueis : a tratar na rua larga do Rosario n
inero 34.
Aluga-se o predio d
rua de Hortas n. 4, constando de a
mazem e sotto, corn 2 quartos e sal
proprias para moradia de quem n'el
se estabelecer corn taverna, para o t
tern armagao e utensilios e o lugar e
inelhor possivel, a tratar na thesourar
das loterias.
Casas para alugar-se
Aluga-se o 2.0 andar e a loja da r
da Imperatriz n. 471; o 1.o andar dari
do Visconde de Pelotas n. 1; o 2.0 a
dar e a loja da rua do Barao da Vict
ria n. 39: a trata corn o coronel Deci
a rua do Hospicio n. 14 ou na capital
nia do porto.
Arrenda-se
uma bonita baixa de capim, na estrada
Luiz do Rego, pouco adiante do hospital i
glez, em Santo Amaro das Salina: a treat
corn Antonio do Rego Medeiros, i rua da Ii
peratriz n. 23, estabelecimento de moihadc
-Cozinheiro e triado
Ainda se precise de um born cozinheiro, e
umcriado para sitio tais algum servico :
casdo Apollo u. 71. :. __


Os' ibLOWde Paris


Bazr do Reoife acal
voluie deste tomaIln
q aos senbores ass4
!t1 dO Qndau.1l..


se ea


__ __ __ _____ "'_____________ -isto A rua d; Queimado n. 55. RT. ANGOLA
SENDAS CORTINADOS PARA CAMAS E JA- cortea 2
____________________ NELLAS HmNa loja doPavyos, ai rua Duque de Ca-
Vendt-so7 0a 7S00, 88000, 98000 e 10(000 o par. xias n. "', vende-secortes de brisk de
-V Na nova loja do Pavao i, rua Duque A lverdadeiros, corn muito bos
-.IL LLI ~ ff~l B V o engenho Concesioeem Serinhaem, nests de Caxias, veide-se um grande serti- pde p ca a 25 ; assi
i/: Ti ffif ^^ B lt[~~ rovinoia'muitobomd'agua, podendo safr mento de bonitos cortinados bordados, P alama 3 -
Foranmuaimente 2,500 pies: quem 0preten- memo de bonios corunados oraaos,
.deroda-j A, praCa do CGorpo Santo n 15, proprios para cama e janellds, que se e grande sortimento de ditas, tanto de
p Imeiro andar, onde achari corn quern tratar vendem de 70) aw 100 00 o par sen- rm couo do eias casemiras, e de
do cortinados de minuto gosto, 6' asem pre~os muito baratos;
*ola" i**~ o^- dq"1p : -24 com o calchas tde siperid daiasdde asi o p aetts e coete de
Victor Grandin scientific ao pub efeo quze fdaqtiod qbia 7 iH de-se o la, i imitaao de soda, propriasp brins e casemiirabpor precos muits em
*dmento de relogios de algibeira, deo r,', o I os do IFeo Boi- cawm do oivoquo seVemdentAi25 cents, na rua do ueimado n. 55.
do, tdo-nes inge z pr lez, suisso e amerc.cano, dos rmel.gnsuoor.ores .atnte ea Europ n "nu Eaa e me~s engar- cada a ua emenga- cadauanarua do Quei in 55. P or l n
i tdos ara hornens e senhoras ; assil 0cmo grande sortimento de 'lidRt -iflaig barato do q emi qual- *CRETONESPRk SA1A. PreAones para 1en0o8.
aos crrentes para os mesrnos. 11 w v, prserreoehd Joconta '^100 COM 11 PALMOS DE LARURA.
Iu- Grande sottimanto de relogios de parede e de oina do mesa, de todas via4 o .mesno eatabelecimento Na nova toja do Pato a ru Duque a 15600avara
as qualidades e differences models e d metihorsbIi t t:la :aia tonham de Caxias n. 55. vede retone tf, Ceouaa nova loado Pvo,
a Quanto a lunetas e oculos acha-se nesse genero so ldo do que ha de P "trm 0a- -PBvif lodo lBodearx ou cez, proprio para saits, con 11 palmosesta nqv fazenda franceza, corn 11
[a melhor em vidros de crystal, que sAo os mais apropriados para a conservacao ognac. iro do largu ra q t ias ai a r largura, propria pa len-
r- da vista. uma ia com 22 palms droda; ruae superior
as Tern excellentes officials para executor 0 concerto deItodas as qualid Vende-se na rua do Rangel n. 59, ura eemmendse esa k nla id4 sou ebranante uepelasua mensalar-
lie des drelogios.e ptimr armreao do amarello, toda envidaga- corpo e durao- vnde-ge peCbanto a b an pesi tensa var-
e s e rel s, p i $ se c a mra qualquer meocio, traspassa-se 'peO de ^ya lka 10 0i usat qarpa parase faer u ra naen
ie Na mesma casa se compra prata e ouro velhos, pedras preciosas e ralme; qier teg omiodrspasra- p d o a a do u a pra de ia va e
S moedas de ouro on prata de qualquer qualidade. moradia al hor. parso iado5n.5 u a5 ao e n eol
tmeor. c do ur panno, e vonde-se polo ba'.
Psda ries Jo a topre~odeo 1600 a vara, e e grande
"'e u P adaria u s P 11 1 peohiticha, na rua do Queimadogn. 55.
t" II rll I *llfl~iVende-se duas padarias, udfl na Passegem NOVAS POPEL1NES DE SEDA
Eusteud e Jojas. daMagdalenan.31A,eoutranoCaminho | I N A W nEl
........ .. ...^^*^. : .. -*-. tovo n. 91, bastantes afreguezads, ranto para |||ll |ll 720 r^is oTcovad
entoN. 4-Ra do !ai| '4L 4 4sp*^ 4 mato ,omr, 'p ara; ga;inesmas soe tam a novaloja do Pavs,
u Este impartahte estabelecimento.itk a o s eiod o achari corn qn ta nono vene-as aia Duque e Caxias, as rnaisbotas
n-^io vel ui tern Eur oau d de so bilitado para or molestia, e terdd retirar-se para Eu-diQadoplo povpernabucao, ao popelinesde linho corn listras e qua-
t. escoha das joias, quo constitue seu espndido ,sortimenftto, tend poer esta pa. distinct general Ozonio, Marquez do d sda, sendo dos padres mais
Sf6rma novidades constantemente no artigojoias. Asseveram seus propiietarios -rs a oadHerval:contendoretratonitiodnos qu tern vindo aonercado
cavallos, proprios para machines d, Igodlo; illustre general, e compost a musical, e vondor-se polo barato preo do 726
a- que, a modificago nos pr-eos e agrado e a sinceridade de que usam, faricorm nachinas para algodao, grandesue pequenas: ic d o
que qualquer ppssoa compare uma joia qualquer eainda mesmo sem. precisao. end-S no arazem n. 14, i rua doMarquez Pestov Soxas. cj yrinotesie ho or isass o q dinas ade
SPedeit' pois as Exmas. families paa visitarem o sou estabeleciftento, de Olinda. maestro Seixas, cujo hymno te sid nho corn listras e quadrinhos, padre
q se8 -- Balan5Qspesos a medidas: vende-se no tocada por todas as ban dq d usic&
qu e ca brt as1 01h~i' d aW s a ote 4iado arquaw e Olinda.
do e se a amto drI~as I 'So 6 ... .... Olnd mnilitares, edpar ,ewhr|bts ,ot zcci i ova&b; &isto na rua do Queirnd
Jo o!I j Do., With ts m 6 0 e dosu chegada a esta cidade.55.
in- ,fbr Achpase end, anmpino sE S C
_t elegantes caixas apparelhadas de prata, e para todos os preos, tendon ntre elles end. iaigo a antiga fbrica de o s' en& ,a piano e cae T
" dereoos de subifd- valor, por serem dos melhores fabricantes queotem vindoA gdi,t do C se nce4 be n d 3
; esta cidade; assim como, anneis brincos, cruzos, c o 1otas, Tbtoches, r nrscaT
e uma infintiidade de brilhantes' sltes, para cravar i tvontade do comp*iador. |1 r ...lf o n P::.sro |ia ^aa 6ova. r .Pavio& *
d Jo s de phantasia. De ouro, corn pedrasf ,, tem um V da m e t maiestado, srv s nande soA-
o riadi sortimento de .rin., ca-letas, voltas, bracelete hoA- p atraa ha o- dottrte roto s omooms cretones, muito encorpados, propi
-meis e s'enhoras, ato lapis, canietas, apitos, ec et. -' 7 tent liguo, 'on qudb-sodo, 1 4; 1A vedVa
cicha grande: na Fragata Amazonas, rues covado;assim co as mi:
.,as des prata. De prata tem coiheres, caa iaes, esporas, sal Wa dCaxsas pnge7a lso r a e.ntdli
v bandoijas, fa ...iro s e paliteiros, etc., etc. ~.1 I I _'ntesa a mais ov. ,
ItJJU.-Teem urn complete sortimento4.drrIOlos do prata e a:r'ataIe nln d~ooe~ n.a FrajugaV U4~ t


*3 o ultim g a 1 om"uet i tu s lortes dodalcace, prn e oxford,
pa.Wn ot, o4%r pa n ,2.e 1$ tnesrinnod oeia otdsa
4J9 a) a bt danqudoDaia Dn
unteiramente noiaiepraa,
" a vista paTeuzd em prpoa ooa q lm gost arnte-A a qualidade aat d,,p G ranadine preoa, para 600-s. o o
d o 1ta e pudras cr vos, drat*a RO, _p o. .C. ontre.at vst1?,c s gaU* l NO doVa a aJ
ir.'* l die% i nesta edadetoo s M.ane lvs Ferrra A. Entremelos U tiras bordadas, par d x vndem-se eas d ca-
Aer4rridr, a d rm S M3a. br,. ab c, V* vetd de
r!I SRIiOF, ItO iguitio Umiagibe, Bramante francez e inglez, fazenda final a 35500, 4(000, 41500 e 5$OCO,'di-
I a Linhos de quadros, para vestido, a 4000 at 6000, ditaasuisss, transpa-
m eSntef da fil sissia, o trn8spal-os
Sa 'e ri A o bs n 10 XAROPE PEITORAL Alpacas de uma s6c6r e con listras, de larura a 1600 avara, ditas aber-
IMENDES & C., LIQ IDAM AS SEeGUIWtS F DAS POR PRE(ate ttot-Ptaeinep tao coa t bones I vevis, tends 8il va-
C1 BARAi Itos Beo P e dd elinho e liho e soda, ras, a 5q e 65, assim como un bonito
SPharmacoutico pla acdemia de medici- para 360, 500 e 600 rs. sortimenti ie o tmwbraias batist corn
Sn -a daBahia "Ditas de seda, para 1540)0. bonitos desenhos de cores, a 280 ris o
--" Fustes alcoohoados, para 700, $00 do iw n ra do Qeimado in. 55.
Popelinas de sMd, fazenda de 25 a 1200 para acabar. fraude e novo descobrlmento e 900 res. o covado. BABAdINHOS E ENTREMEIOS
Ditas d'uma s6 c6r imitacodee orgurlo a 15600. EPC-IICA P eA nou re0 col i f E NIarn
Grosdenaples e gorgurao preto de ssda, precos sea competencia. EsPULMDNARE POENCAS a 15500S 25. os pars sen Na noi a oja do Paves, a rua Duque
Setim mac/, todas as c6res. o J'arma postoouo aaNepeito- Gravatas ara senhoras at, 1A50, de Caxi, d s pr peo s
V dos e mantilhas de fiS6 preto de s$la, pros rezumridos. rl 6 urn medicenio precioso e o me- P baatos, peas de entreeios e babadi-
Fil6 de soda preto, branch e de linho corn satlpicos e lio. ibor peitotal a6 hoje conhecido nos an- 28e nhos, tanto tapados como transparentes,
o a ma canto, prceta e I lisa paps vostidos, t naesdamedi'ina. E' considerado especifi- Ma4riposas brancas e do cores, lindos por precos muito baratos, pom havr
Co as molestias seguintes: deluxotos- esenhos, para 400 e 500 ris. grande porpo, n loja do Pavo, f ru
|etc. se siAples ou rebelde, catarrho pu batiste temo n ortimnto e ao n
Alpacas de c6res para vestidos, magfico sortimento. nar, affeces da garganta e phtysica pul-ies, eos o sor eno, o Queimado n. 55
Baptistas miudinhas, flnas, lindos padres e cOreS fixas a 240 rs. monar. S$o innumeras as curi effqc- lindos padres, cores fixas, para 260 e ESPARTILHOS E BOTINHAS
Mariposas brancas e de c~res, cretones e chitas, born sortimento para todso tuas desde o s descobrimento. E' 280 ins. Na nova loja do Pavao, a rua Duque
osmeeos. pregado em alta escala pelos medicos Nansuk, que bell sortimento, quo de Caxias, vendem-se modernissimos
S Saas brancas a 2000, pechincha, aproveite. ndas cores, para 360 e 40 re. espartilhos a 4000 e 46500, assim co-
Saias ranca a 2500, d echinha, aroveitm. --tabmarrflh e caoba C m braiVctoriparV350.






Penteadores de casas lisa bordados a 00, barato. alsaarr a e caroba Cambraa Victoria, pa 3 0. mo botinhas modernas para senhoras,
Punhos collabos pa snhoras, eeitados d enda, noidade. rls tencour Toalhas elpudas, ira 6000. send lisas a 4 e enfeitadas a 5$, para
os de 6panhpa s soras eiados e reaCo a raBittencourt e Guardanapos par 3600 a duzia, vender muit, isto na rua do Quei-
S Gravatas par senhoras e para homes, esplendido tim -Atoaao aaascao par mesa, a ado n. 55.
SMeias de cores e brancas pars senhoas, homens e meninos. Empregadanasbydropesias, rheunatis- 18500 a vara. ROUPAS PARA HOMENS
| Lensos 4s !iehe gm oaixahas di pshantazia, duzia 4d000. mu Colchas pmra cama a 38000, 65000 e Na nova loja do Pav0o, ai rua Duque
eCaminas de meia faierentes dealidades a .lares, esrofulas, syphilis, papeira, m 7 000. d Caxias, encontrar o respeitavel
asd a it ade r olestias chronicas d pl,, cachexia e- Chitas miudinhas, cores fixas, para pubaico, un ogtrard sortentoadeu-
Cambraia adamascada para cortinados, e. cortinados bordados. curial, lupus, sycose, eczema, care es- 2 3 rs p Paica, um graetnde sortimento de rou-
Se tin nk tamas rofulosa, dysura, darthros, boubas, bu- 20,300ae30rs. pas para homes, tends de todas as
Taptes de todos os tamranhos. ps i o6 u mea ia aolestis que teem a Ditas de cores escuras, para 280, qualidades tanto de brings, como de
Secilias, bretanhas, esguiio de linho e bramante de 4 guras. or ita pureza do sange. 300 320 rs. mi d eiasasemi
or dawei~mina Eonure a do esane. 300 e 320 a raas. esemre, edemeis aseirs, en





Casemiras pretas e de cores em peas e cortes. Dse: uma a quatro coheres de spa Oxford para camisa e vesti do, pars do: casas, coletes, e paletots etc.; as-
Panno preto e azul especlalidade para 7 e 85000. pr dia e agu e mae progressiva- o
Colchasbrancas edecorese cobertores de ls. center di m agna exsa maWa poogressi 280 rs. o covado.p
"raca00 DEPOSITO GERAL Brim branco, exposi o, pars 28000. bi oerancodes pora pderouas
C ales rai a Vicor Plia popular Complete sortimento de camisas de muito em conta; na rua do Queimado
Ricoschales, nia s superioridae em tecido e cm nunca viaos a i re s, para todos os preos n. 55, loja de Pereira da Silva C.
pa ch a Pries,d ea enasteri soor idad osaecor n c ta Runa Nova n. 51 Meis para homes e senhoras, para
Espartilhos Princez Regente, solido. P u C baratissimos precos. 0 0
Granadinapreta de sOda deh listras e quadrnhos. Cales d casmira pa 5000 isas para hmens
Chapdos de sol, seda tranada e castes de phantazia. dos---- os. :t Chales ddeas a 2(ra000 at5 500000e
Grollarihs Parasenhora a hmens, esprio q alidad 550" 4,-- M 0,el-"700.d 200at S0





Collarinhos pa homens, superior qualidade a 7500. uga-se um eaellene ti em Be- Ceroulas de linho, fazenda superior, Na nova loja do Pavo, t rua Duque
Leques pretos bordados, lisos e de cores sortimento complete. beribe, no Porto da Madeira, junto aos para 357 a duzia de Caxias n. 55, vende-se um grande
Chales pretos, bordados, lisos e de cores, sortimento copleto. io,contendo mui boa casa de vivenda, r LenCos de algodaio abainhados, para sortimento das mais finas e modernas
Camisas brancas e de cores o melhor sortimento possivel corn todos os com odes ,mimSOS, caisa brancas para homes, d i-
Cobertores escuros do la. a 4t800, e etshdPa.ro-ema n
CDitos berancos ea 1000 urn. ba e aeecgum as arvores de fructo, Lenoos de linho corn bars de c6r, nho e de algodao, por preose muite
nos drtoesg a 2000 audma r eOi. a p am un tradde terreno corn para 32, 4s 58 e 7. baratos por have grande poro, e
coai dcapi tratar no largo do Ditos chinzes para 1600 a duzia tambem ditas e creton de cores,
CrAlSaia nTeAov.idadelB ri 0 a. Madapoldes p abar baratissimos pre- fazend de muito gosto, assim como um
"Ale A ril VT i ctoria : .Pbax OS. grand uortimento dCdcoroulas, tanto de
FichCis do l e sda, recebidos hontem, o qe de ais goo so pode dgrandesoP
sjar, e vende manos pe sr commod e em ree de ao to s Cortes de casemira para calas, a linho, como de bramante de algodo,
sNA LOJA D'AMERIeCA A DO rU;i0 4 550, 5At e 88. por preos muito baratos, e grande sot-
__ ________NA d D d ^ y eAlem destes artigos que menciona- timentn de collarinhos e punhos de li-
lil a clAOOil B I palmos do mos, outros muitos que vendemos por nho, proprios para homens, e meias
SdOmprea s ca eom 3 palms de baratos pros; no temos em vista cruas, francezas e iglezas, que se ven-
lelrno aabmnsueirqaiaea750 Alarga, eo 6M lndo scores o em Bee qit- 'ruadelnofznaspri,




Lee KELO i OARI il arg oines o rospoMderantoe o grande lucro e sis facilitar a prompt dem muito baratas, isto na rua do
eDE reViscondoe aiba, S. Gonealo, Barao venda: as pessoas que negociarem pa- Queimado n. 55.
de S o. 84: cwem tiver a a quiser, vender, ra o matt encontraiao em nossa casa LEN(OES DE BRAMANTE
sV Tr G ANeIN deixe caroi corn indicates do nueos da casa bo sortimento, seriedade e vantage a 2(400
sortimentoW, sereiedadeca- e#800ne2a000




A VIO R Z ADOIND eN ohia ,sipotre qued a vende,lnesta typB-. j a escolha, jit no desconto que da- Na nova loja do Paviao, a ruaDuque
A' RUA DO MABQUfiZ Dfi CML DA N. 26 m ha ibepii o 8 aite .B0 n .^w de. Caxias, vendem-se lencoes de bra-
n- Compra-se usna carroca do quartto rodas, mos. d aisvnons e~e oba
Susada: a tre ,o ar to rdeem de uateriaes O BARATEIRO mante e de cretonne, send de um s6
7-( jff lSxiiLd 11, caes da rletensao. Rua Primeiro de Marco n. 1 panno, fazenda muito encorpadaa25400;
S b Agostinho, Santos & C. assim coio cobertas de ganga adamas-
i n i,^ : Compa-se ara a, a i cada, tanto forradas, corn sem forro,
i- d i um cabriolet americano corn dous assentos e eravatindas e matas orPreo mliito barato, isto na rua d
Le coberta de arriar : a tratar na rua da Cruz n .. gAA wSENHORAS QVeiSado n. 55.
a -5 i6 Io, Na nova loja do Pavao vende-se um V eSUR 2(000 PtA 5CANO A
A Su as grande sortimento das mais modpernase do at
AmS lipasgaaihsemnpr ehms s Chegou para a nova loja do Pavito, i
Sde I e gravatinbas e antspara senhoras, as- rnDuoueaW Cax um elegant sor-
r companhia da estrada de ferro de Olinda c noran rilntds a D d xasu elegance so
Scompra sulipas de oiticica corn as dimenses sm com um grande sortimento imento dos mais modernos vestuarios
0Isemlintos: o mais modernos punhos corn gotinhas para criancas, send de fustmo e de li-
Sopiment 9iip s, bordadas e camizinhas corn punhos, e no ricamente enfeitados, que se ven-
Larguma9 pollegadas, grande sortimento de leques quose des do 2000 atd 5(000, na rua do
E do Q. Espessura 4 ditas. vendo tudo por preaos muito baratos, o o -or e


'A


!"

I

]
























seda brl-74 a
*e.i~ '^ 1, QW o di
ancez d duas largvm,
pL
!wpareate Pam fvxo&td


a 365M e 4 Wu a peS.
Fustio branch paa vestidoa e ve.
tuarios para ie.inos.
Bramiante comrn 41larguras, a 404 a
vara; 6 muito barato I1
Camisas bordadas para senhora, &
3$000 e 4000; que pechincha I .
Gorgorao de ha,,de cores lindas pan
vestidos, baratissimo.
Leques de madreperola finos, dses
nhos riquissimos a 10#000.
Chitas : grande s 9rtimento e para todt
prepo.
Temos uni complete sortimento dt
fazendas, das quaes a maior parte nac
annuDciamos, para nao enfadarmo,
es d gnos leitores, e de todas se dao
amostras e mandam-se em casa das
Exmas. families para melhor escolhe-
rem: na Fragata Amazonas
47- Rua Duque de Caxias-4-7
Vende-se no escriptorio de Tho-
maz de Aquino Fonceca & C., a rua
do Vigario n. 19
Cera em grume.
Cera em velas.
Cera de. abelhas.
Cal de Lisboa.
Cimento Portland.
Potassa da Russia.
Fio de algoddo da Bahia.
Algodao branco eode c6r, da Bahia.
Genebra ingleza, Old" Tom.
Vinho do Porto em caixas de uma
duzia e em ancoretas e harris de
quinto.


-- Luvas de pellica
RAPE' francez.
CHA' preto e verde.
MALAS e bolsas para viagem.
VESTUARIO para crianca.
Vendemr Amaral, Nabuco &
do Bardo da Victoaria n.


C.,
2.


rua


Cal de Lisboa
rVende-se cal de Lisboa, chegada no
ultimo vapor, em muito boas barri-V
cas : no largo do Corpo Sacnto n. 15, ,
f^primeiro and~ar. i

AI0
E' para acabAr
Cortes de vestidos de I1 e seda, padrSes
modernos ; vendem Amaral, Nabuco & I., rua
do Barao da Victoria n. 2.

Campo na cidade
Vende-se uma casa reformada de novo, corn
6 quartos, 2 salas, sotao corn janellas, cozinha
f6ra, estribaria, cocheira, deposit d'agua,
banheiro, quartos, tanque de lavagem, jardim,
e grande quintal, em uma das melhores ruas
da Boa-Vista : para ir ver e tratar, a rua Nova
numero 13.
Lagedo de Lisboa'
Em pequenas e grandes porQ5es : vende-se
na saboaria do Recife.


TbbW icenda pan ros to a 4f
a duA&e. J9" Wn~iIAWhWi 1# *- 1;:
Mias deO crssupior par ho.
dte. Id*. 81, 10 e 12000. So in-
(a- 1 ^
Mai suporei para senhoras, du.
Aa 10S e 126M. iral..
Brim braco aloochoaio superior a
36 e 35500 a vam. E' baratissimo,
Coques frisados do ultimo gosto a
5S W. %
Cortes de linho bordado, a 126000.
Linho bordado, covado 500 rs,
Dito iso corn 4 palnmos,covado 360 rs
Alpacas corn listras de seda, covado
500 rs.
Chitas chinezas para colchas, covado
500 re.
Camisas brancas para menino, urma
26000.
Cambraia slisas de cores,metro SOOrs
Algodio corn 5 palmos de largura,
vara 400 rs.
Toalhas felpudas, monstruosas, para
banho, a 26500.
Lindas mariposas, brancas e de co-
res, a 360 e 400 rs. o covado.
Fil6 preto corn salpicos, vara 500 rs.
Brilhantina preta e de cOres, cova-
do 500 rs.
Esguiao amarello, corn duas larguras,
vara 16200.
Lindissimas mantas de setim pars
home, a 10000 e 1S200.
Casemiras de cores, finissimas pars
costumes, covado 36500.
Especial flanella azul para paletot,
covado 3#000.
Damasco de 1i e seda, pelo diminu-
to preco de 32000 o covado.
Capas de borracha, prova d'agua e no-
vidade a 24(000.
Cortes de casemira de cores, lindos
desenhos, a 5(000 e 10#000.
Camisas de linho para home, o
que ha de superior, a 40(000, 50(000
e 605000 a duzia.
Ditas bordadas, uma 68000.
Ditas de bonitas cretores. a 308000 e


140000 a duzia.
Cambraia preta fina, vara 640 rs.
Mantilhas A brasileira, a 5(500.
ROUPA FEITA
E' tao bonito o sortimento deste ar-
tigo e por tdo barato preco, que s6
corn a presenga do elegant cavalhei-
ro, se poderi mostrar a realidade.


Vinho de Bordeaux
a 46000 por duzia de meias
garrafas corn capas de palha.
caixas sortidas de vinhos fi-
nos "205000.
'f. Ledebour, rua do Com-
mercio n. 1#, L.o andar.


Grande pechicha
Caixas de envelopes a 300 rs.
Ditas de papel amizade a 480 rs.
Leques para senhora a 2S.
PeQas de franja de seda a 2$.
Grande sortimento de galoes para vestidos
a 40 rs. a peca, e muitas outras pechinchas:
na casa de Scares Leite IrmAos, a rua do Ba-
rao da Victoria n. 30.


i atestodas sortidas miiu-
diibas-, M t. o 6uo
Etbayls doe Ores, ottimis gostos, a
440 rs. o tovado: aproVeitem.
Lazinhas escocezas, padro6es ecuros,
par 10rs. o covado.
Ricos c6rtes de linho pardo, lis6 e
botdado, aberto, ) urn.
Chitas escuras e elaras, para 200 e
240 rs. o covado.
Lindissimas mariposas, brancas e de
c6res, lisas, de flores, achamalotadas e
arrendadas, para 320, 360, 400, 500 e
600 rs. o covado.
Bramanto de algodAo, 4 larguras,
para 16400 e 1$600.
Dito de linho, corn 10 e 11 palnos,
par 25 e 26500 a vara.
Fazeondas do ultimo gosto, novas
Jaines lisos, urta s c6r, proprios
para vestidos, a 800 rs. 6-covado.
Gorgor6es de lai, as mais hlindas c6res,
para 900 rs. o covado.
As mais lindas popelines de seda pu-
ra or 1$800 o covado.
6s mais moderns gostos em RU es-
curas, fingindo quadros, 800 rs. o co-
vado.
Elegant sortimento de gravatas e
maiftas para senhoras, e muitos artigos
de phantasia, que vendemos muito ba-
rato.
Loja das 3 portas, antiga do
Gtuilherme

Fumo hollandez
e cachimbos de barro vende
H. Ledebour, rua do Commert 7
[cio n. 17, 1o andar


Fazendas e modas
Conquista
6- Rua do Cabugi 6
Grandes espelhos
Ama ral, Nabuco & C. receberam elegantes
grandes espelhos francezes, ovaes, a Luiz XV
molddra dourada, vidro biseautO, e vendem
ua rna do Barao da Victoria n. 2.


Potassa da Russia
A mais nova do mercado, e em barrios pe-
quenos : vendem Domingos Cruz & C., na tra-
messa da Madre de Deus n. 1.
Veos e capellasparanoivas
Chegaram lindas capellas e v6os ded blond
de seda para noivas a 6, 8 e 105, 6 baratissi-
mo: na fragath amazonas, rua Dnque do Ga-
xias n. 47.
Nanzukesa 280 rs.o co-
vado
Receberam Almeida & Campos oe
mais lindos ntanzukes para vestido, ele-
gantes padres e as mais modernaw
cores, para 280 rdis; 6 pechincha.
Rua do Crespo n. 20.
SAlmeida & Campos.

0 melhor qne. ha em
Londres
ChA preto e verde : vendem W. Inglis & G.
rua do Imperador n. 57.


do


.ima5e
It. O5t


'rua Duque
to: cortes de
, tendo cada
Arato preco
jicha: narua


Vestidos bordados
a LOJOQO, 12000 e 14000
Loja d'America A rua do CabugA n.
10, 6 s6 quem vende per este pre~o.
Vende-se
Nesta typographia no iL. andar ven-
de-se as seguintes obras:
Collec3es de leis geraeq e decisoes
do governor, do anne de 1870, encader-
nado por 6$.
Dita, dita, dita do anno de 1873, en-
cadernado por 8*4
0 ESPREIrADOR DO MUNDO NO-
VO, obra critical, moral e divertida
per Josd Daniel R. da Costa, encader-
nado por 26500.
OS ENGEITADOS DAFORTUNA,pe-
lomesmoauctor, encadernado por 1 $500.
TRIBUNAL DA RAZAO, onde 6 ar-
guido o dinheiro pelos queixosos da sua
falta, pelo mesmo autor, encaderrdo"
por18500.
OS DRAMAS DE CAIZENA, folhe-
tim por Elie Berthet, eucadernado
por I 500.
VENDE-SE tambem uma banda de
seda, quasi nova, para official, por O0.
MACHINE DE GELO
Vende-se barato urna machine de fa-
bricar gelo, propria para casa de fa-
milia, especialmente Ipara algum enge-
nho. E' do system TOSELLI, e trabalha
simplesmente corn chlorureto de amo-
niaco. E' de simples manejo, pois qual-
quer crianga p6de tocar a manivella,
serm esforpo.
Para ver e tratar na rua do Barao da
Victoria n. 2, no BAZAR VICTORIA
de Amnaral, Nabuco & C.

PANNOS DE DAMAS-
CO
Lindos pannos de Otnmasco lavrado
corn franja a 38500 acpproveitem pois e
rialmente grande iechincha, na loja
dos barateiros.
A RUA DO &hESPO N. 20 -


LJAA BI NQUiTA

6-Rua do Cabugd-6
Para este estabelecimento acaba de chegar
urn variadissiqo sortimento de fazendas para
grande toilette, assim come
Granadine de c6res:
,.Rosa
Azul
SPerola
Branco
Amarello
Sortimento complete de chap6os de palha de
Italia e palha ingleza, primorosamente entei-
tados.
6-Rua do Cabug--6
Vende-se uma escravinha de 14 annos,
recolhida, boa flgura, co.n principio de habi-
lidades : na rua da Imperatriz n. 47, primeiro
andar.


0 NuBs. tem reao *d venAer baraii, barm (Antfra
Ussaimo ; grantir a super e doem anh ro paLinpf a vest dos,
meroadorias ; S ustentar uma r igiosa vA o ao
dat de t ro raros s osos, a cavado.
aaeo Movr a afa& de qu- l(uer pe Organdis corn listras de lM, h3t
puntr bft otom poueo dieim pea; d roderno.
GUita paoW Bretanha de Iinho puro corn m30 M
Venham tiar a prova depois digam se hi fros, a 8S a pega.
quem tenha ortiUmento mai variado eu n Vas da nsma a 320 ris; P
rifOt ; quevenda mias barato e d6 meior Varas da esma, a 320 ris;
proves de saeridade e franqueza doque o chincha.
"M TVJ Mariposa branca, bordada, a 40rs.
Fazendas aariada--s
1Fazendas avariadaS 0Batistes finas, a 240 e 320 rs. o co.
O Gigante- a rua da Imperatriz vado.
n. 54 A, tern para vender por pros Mariposas A duqueza, a 400 rs. o co-
baratissimos, as seguiutes fazendas, al- vado.
gumas das quaes t6menuma pequena Chita indiana, a 320 rs. o covado.
avaria d'agua doce: Brim pardo liso, fino, a 440 rs. o co-
Chitas escuras e claras, muito finas, vado.
covado 200 e 240 rdis. Peas de camnbraia Victoria, final, A
Al odaosinho, peoa, a 36000, 36500 e 3 a peca.
46O o. eI Madapoldo francez infestado, a 5f a


np (a.


IjULLA;JO U13 ruat cuiii IuDarra a u .r, -IVb".
duzia, a 640 rdis. Brim pardo trancado, a 400 rs. o CO.
Chapdos do Chile, emformados e corn vado.
fitas, a 26500, 3(000 e 4#000. Chitas escuras, a 240, 280 e320 re.
Toalhas muito emcorpadas, finas, a o covado.a
56500 a duzia. Chales de casemira grega, padres
Ditas muito emcorpadas, finas e gran- especiaes, a 25 urn.
des, a 6P500 a duzia. Casemira preta, fina, a 1(400 o eo-
Merin6 preto, de duas larguras, su- vado.
perior, a 15600 o covado. Camisas bordadas, finas, a 3 umra.
Camisas brancas, muito finas,a 3#000. Organdis bordado corn flores, a 5
Ditas de cor, muito finas, a 1(600 e rs. o covado.
2(000. Peca de algodao a 35 e 36500.
Camisinhas para senhoras, brancas e Pega de cambraia transparent, fini,
de cor, a 1#000. a 36500 e 46.
Mantinhas para senhoras, a 640 rdis. Folores de cores, de la e seda, pa-
Casemira mesclada, final, covado, a droes ultimamente chegados, a 500 rs.
34000. o covado.
Punhos de linho, finos, para home, Chita escarlate, propria para vesti
duzia, a 65000., dos e polonezas, a 320 rs. o covado.
E outros muitos artigos, que tudo se Alpaca preta, fina, a 440 rs. o co-
vende por precos baratissimos. vado.
Venbam ver para crer que d a pura Merino trangado, corn 6palmos
verdade que diz .largura, proprio para roupa de homeno
O-GIGANTE-A RUA DA IMPERA- e de senoras, a 26500 o covado.
TRIZ N. 54A. Setim Macdo de todas as cores, a
1$500o covado.
Alf ivi-de ~ Toalhas acolchoadas a 4( a duzia.
~Alt Made Meias para rmeninos e meninas, de
SWdas escocezas, lindissimos padres 36 a 48 a duzia.
e 800 rs. e 18; aproveitem que e gran- Ditas de cores para homes, a4( a
pechincha, na FRAGATA AMAZO- duzia, e outros muitos artigos por ba-
NAS. rua Duaue de Caxias n. 47. rato prego, vende-se em grosso e a re-


Attencao


talmo a
- RUA DO QUEIMADO N.43


Vende-se uma important machine Armazem e io]a ae .wuerra a
para cortarbolacha, em perfeito estado, Fernandes-
corn todos os jogos de cortadeiras: a tra-
tar na rua Imperial n. 208 ou no pateo Binloculos
da Santa Cruz n. 1. de madreperola, marfim, tajrtaruga e
et -metal : vendem Amaral, Nabuco & C.,
Por 2:000 rua do Bardo Victoria n. 2.
Vende-se seis Oftas de pedra e cal, a mo -VENDE-SE u orn estabeleei-
derna, de port e janella cada uma, em chao VND- um om estaeeei-
proprio, caiadis e pintadas de novo, e rendem mento de molhados, corn poucos tfu-
7$000 cada urma, 5245 por anno, situadas em dos, sito no pateo de Santa Cruz iin. 2,
boa rua, e pechincha: no to andar n. 52, A rua em bOa localidade, tanto para o mate
Duoue de Caxlap,_se informarA quem vende. como para terra: a tratar no mesmo pa-
VESTUIRIOS PARA. too, t_11_16
V A OS DETt SAR Vende-se nma canoa nova, ben' coas-
BANJOSDE MARIl truida muito segura, toda de amnarello, ..i-
lhada e pregada a zinco e cobre, para s,5W e
Vendem Amaral, Nabuco & C., a ru& 1,600 tijolos : auem pretender, dirija-se,4o
do Bardo da Victoria n. 2 armazem da iua nova de Santa Rita n. 43, que
nao s6 verA ella, comno achard no mesmo corn
Travessa da Concordia_____ quem tratar.
Vende-se o sobrado n. 13, tern agua eneana- Ca fisf inllezs
da e bons commodos : trata-se na rua do am a le a
Brum n. 56. refinaclno de Euz7hin da Cnha a 92 8 t 30 -l a dnzia. na fragat a'aizona


Beltro. -- . ...


a rua Duque de Caxias n. 47.


LIST


GER


L


246.a


DOS PREMIOS DA Boa


PARTE DAS LOTERIAS CONCEDIDAS POR LEI PROVINCIAL N. 281, A BENEFICIO DA IGREFJA DOS MARTYRIOs DO RECIFE, EXTRAHIDA EM 3 DE NOVEMBRO DE 1877


NS. PREMS.INS. PREMS-


7
9
11
18
36
47
49
50
54
55
57
76
77
80
89
96
100
6
7
14
15
21
43
52

67
73
86
'92
.95


mom



A#
44


275
85
86
30Q
6
8
11
17
19
30
45
48
49
51
55
56
64
66
75
76
78
84
87
-88
91
406
12
16
26
27
32


o100o#
4#
8#
4#


40
4t


NS. P
.500
20
30
33
37
46
53
55
64
72
81
87
89
601
2
3
19
20
23
24
32
3a0
49
S50
60
I6
72;.:
74
80

82-


REMS.
46



206
4#


4:0009



81


NS. PREMS.
744 46
53 -
64 -
69, -
76 -
80Q -
81 -
95 -
800
4 -
12 -
14 -
20 -
28 8s
30 49
47 -
63
74 -
75 -
82 -
903
6 -
8
19
22
32 -
39
45 -
66 -
-690
.72
*84 -
86


NS. I
1026
27
S39
"y48
S54
S58
59
- 69
- 73
- 76
S77
S83
- 85
S86
S90
96
S99
- 1101
- 23
- 27
* 42
-46
- 47
S50

74
S76
'$83

94
-95
g.
m.


PREMS.1


NS. P
1243
45
49
50
54
60
77
78
90
95
1300
8
23
30
42
%t7
M
51
80
83
86
88-

99

16
22
24
29
31
64
75
95

.5
l '1!


REMS.

-6


20#
44


/ -I








204
,46


NS.


PR


1516
18
20
22
25
26
40
42
45
76
85
86
88
90
95
1628
31
60w
71
74
80
92
95
1700
I :1
8
Ail
45

5"
15

24i
SBi. *l


EMS.
.206



408
.6


46O
-1


NS. PREMS. NS. ]
1811 4#2081
30 83
35 86
36 -2100
41 .15
51 20
61 27
66 -- 46
75 47
77 50
85 206 52
90 4S 59
95 63
97 "66
1901 67
4 73
9 80
"411 90
83 91
33 9
41" 95
52 99
54 2203
"':*1: -11 '-t '6


, ..-- ** t


PREMS.


84
44


- I


NS. PREMS.NS. P EMS. NS. PREMS.|NS.. PREMS. NS. I
2308 4#2514 -4#12722 4Q2900 463159
14 8 21 23 5 62
16 4S 95 25 6 65
18- 27 28 30 406 68
33 39 29 32 4# 73
36 43 20# 41 39 83
44 44 41 47 51 89
52 47 48 54 .- 90
56 86 -8 59 58 98
61 4S 50 63 67 863200
63 56 65 77 4$ 4
69 58 71 93 5
71 59 8 73 95 6
88 60 4# 74 -3001 8
90 61 80 4 14
92 78 83 14 17
93 93 86 25 200o 18
96 -2601 8d 91 27 4# 23
2402 9 41 94 28 25
17 800 14 8"801 37 27
22 06 1.5 4 3 50 32
25 is 6 52 39
26 -,49 7 54 41
29 t- '2, -- 8 71 58
30 31 17 84 65
'32 42 19 85 69
37 -- .5,. 23 91 72
51 54 25 -3103 86
"53 -- .55 39 10 -- 91
56. --940 -23 0

07 7, 483 2 I 1 43

74 88 4% W 38 21
7.* -SI:?''74:: 30


PREMS. NS. PREMS. NS. P
4(3337 463531
43 86 41
46 46 45
55 86 48
57 46 51
58 58
60 66
63 71
64 74
65 80
67 88
71 91
75 96
86 -3604
96 86 26
-3404 46 35
12 37
13 41
18 56
27 66
30 70
34 72
35 .a 75
-- 40 44 85
52 40# 93
53 463708
86 54 13
4# 59 14
60 15
67 M
-- 74' 8-44
S 71- 1 So 44
86 93
44198 2 ,%


3RFMS. NS. 1
46 3800
9
21

__ 29
S31
34
36
38
43
__ 50
68
79
85
_- 95

97
-3902.
6
o 9
10
_. 42
31
44
48
52
555
58
60
69
*1.75 1
7,',


K^


PREMS.


-
4 -ws


I I.P.n,,nc hvinnona Pnm Lris,"gi flis ^Aim !I


I


I


t


.own




^N


92*- :1'

















or Me h~zer -drn*9'P' idda d
differenra Re4*-it m.,ax~as lin-1
gau. u0ostUmes dos W nmbi, as
0 ge'tls,'etc.; INotebeNmI is'de-
os doa que os dos balihaneca. 0
Seu character mesmnio 6 mais leal e mais
firancO. Quando un branch chega a
aw povoagao deo bankumbi, embora
ahli seja desconhecido, ninguemrn foge
delle, e pelo ,ontrario hqnmens, mulhe-
res e criangas vein ao seu encontro
gritando gala! gala! diepeni! branwo !
.ranco sejas bern vindo! ao pass que
entire os banhaneca deixam-n'o passar
indifferentes, e as mnulheres e as crian-
.asAs vezes fogem.
A. principal riqueza de uns e de on-
tros consisted nos gados. Antes da
epizootia-que alli grassou em 1861, e
que ainda de toLodo se nao extinguio, nao
havia home que nao possuisse alguns
hois, e os mais rices chegavam a pos-
ouir quatro e cinco mil.
Sendo essenoralmente pastores nao
descuram a agricultural. Cultivam o
Mnilho, o sorgho, a nhenga, especie de
paingo, a abobora, urn feijAo miudo a
que chamam macunde, e o amendoirm.
No Lupollo, na Umpata, no-Jau eno
Xihita, corne,(am a cultivar a batata, a
miandioca, e at o trigo. Os banhaneca
cultivam o tabaco, que e excellent, e
urea especie de canhamo, pangue, que
fumam come o tabaco, e que produz
urna embriaguez prolongada e embru-
tecedora.
Felizmente este useo nao geral, e 6
mesmo considerado urn vicio vergo-
ehoso.
Os bankumbi, corn excepcuo dos ba-
mullondo, e suppomos que d(os bandipa-
xinbungo, nao cultivam o tabaco nemr
o pangue, nemrn os fumam. (heiram,
potat, o tabaco geralmente.
Todos estes povos sao susceptiveis de
se civilisarem, principalmente os ban-
tiulbi, e de entire os banhaneca em
meiroIn gar os balupollo, os banpata
:i tjau, cujos territories sao os rnais
&MMeis, produzindo on podendo produ-
tara maior parte dos frtuctos da Europa,
e6S Sjo clima 6 o mais salubre. A raga
ev'opda da-se alli perfeitamente.
Estes tres paizes formal o conselho
deo uilla, sendo a residencia do chefe
,mo Lupollo, onde temos urn forte corn
umaa pequena guarniVio.
Nos Gambos e no Humbe (Gambue
e Kuml)i) tambem jA tiv.mos guarni-
cGes, e chamamol-os conselhos, mas
pouco depois foram abandonados por
se julgar que nuo compensavam as
despezas da occupaato. E, todavia, o
que nos cumpria era nao so conservar
aquelles pontos, corno occupar outros,
ate o rio Cubango, para assegurar as
nossas replaces corn o Mucusso, ou
Cucusso, e governal-os hem. Governar
bern 6 a primeira necessidade da admi-
ntstraqio das nossas colonias, mas para
governor bern, quantos clementos,
quantas condic.es nao sao necessarias!
Nada sabemos da indole, dos cos'u-
mes, nemr das tendencias dos povos
que governamos ; nfao os conhe iemos,
rtem os comprehendemos. Sao negros,
dizemos, e designando-ihes a car, jul.
games ter-lhes reconhecido o carac-
ter.
D'este desprcso per uma raca que
dizeinos vil, o despreso tambem. ou o
esquc :imento, dos nossos deveres no
S:odo porque a governamos.
Se hoje quizessemos voltar a occu-
par os Gambos e o Humbe, tinhamos
de navo de os conquistar, taes sao as
reeordacSes que alli deixamos.
Nao insistiremos nested ponto, mas o


que6 certo 6 que emiquanto as povos que
governamos nao entire as vantagens
do nosso dominion pelos beneficios que
d'elle Ihes resultem, todoo nosso po-


FOLHETIM


OS FILHOS DO MONFI


POR
FERNANDEZ Y GON1ZALEZ
VOLUME II


PRIMEIRA PARTE
OS AMORES DE YAYE
(Continuagfo do n. 253)
CAPITULO XXIV
0 (U.):.0 VAYE COMMETTEU A SUA PPtMEIRA
iNFA.MIA POR CAUSA DO LEVANTAM.:NTO DO
A Lj.UICIN
Entretanto, o capital general reco-
tfiera-se em silencio A Alhalmbra, en-
trando n'ella secretamente pela porta
de Ferro.
Deu se ordemn para nao deixar sahir
nirguem da fortaleza, aiim de nio se
;al'er emin Granada oJnAo resultado da
eqpedicao, e o nmarquez de Mondejar,
post a uwna frosta da torre de Comares,
corn os olhos no Albaicin. esoerava an-
cioso ve3 saltar a privneira faisca da
instirrei(:ao. *
Vejamos agora o que succedia no
Albaicin.
Conhieee-se e i Granada por Albai-
cir. um bairro extenso, alto e popu-
loso ; que se dilata, d'um lado, ao Ion-
go e pela banda de cima da. rua d(I'E!-
vira, paraaldn do Zenete, o qual corre
so comprido da dita rua, e do outro
tado, pela ban(a (de cima da rua de
gan Juan de los Reyes, esteudendo-se
ate" a cerca do bispo D. Goncalo, a equal
oria a crista d'un cerro, onde agora
eiti situado S. Miguel el Alto.
Este bairro tern dentro uma fortaleza
|vcsejhama a Alcacova Cadima, e. um
lWo ertsideravei de pairochias, ca-
4 oA e:lVonfventos de frades e freiras.
Wa56etempo AlAaicin tinha


rib r aNtU W e tga come em
Moambi]Aque, na maior part 0do sea
territorio, o molhor colono, porque 6 o
unico possivel, 6aroprio indigena;-
que em Angola, pr exemplo, ajaa'
branca apenas se p6de aclinrar no lite-
rat de Mogamedos, nas'-margens do
Cunene, desde afoz at a irma eerta
distanciat para o interior, e no piano
alto que se esteide em urma direqo
quasi paralela & costa, desdOe Huilla,
per Caconda atd Pungo-Andongo ;-
que em todosossmais pontos que corn-
prehendem os territories mais'vastos e
importantes da provincial o europe u p6-
de dirigir o rmovimrnento commercial, in-
dustrial e agricola, mas nao p6de con-
stituir a massa da populacao;-que,
portanto, logo qte a escravid(lao acabe
de facto, come jA acabou de direito, 6
necessario substituir o escravo pelo ho-
merm livre, pelo cidadao laborioso, e
este nao se faz do escravo; e, finalmen-
te, que, semi renunciarmos a colonisa-
gdo branca onde ella for possivel, 6 dif-
fundindo a instruceio por aquelles po-
evos, protegendo-os, e fazendo-ihes sen-
tir as vantagens da nossa civilisagao,
que n6s conseguiremos crear em An-
gola, e em geral nas nossas possesses,
a populacAo util que Ihes falta, acabar
n'ellas corn a escravidio, e estabekecer
um dominion seguro e duradouro, sem
o character odioso que tern actual-
mente.
F6ra disto e par mais que urma vez
ou outra se acerte de mandar para as
colonies governadores intelligentes'e il-
lustrados, dispostos a tomarem a serio
os deveres do seu cargo, mas sem os
meios necessaries para poderem gover-
nar n'esse sentido, sobretudo pela fal-
ta de pessoal habilitado, estando-se na
metropole n. costume de despachar pa-
ra as colonies o primeiro que se apre-
senta, ou 6 mbis protegido, sera tudo
tempo perdido, e s6 causa dissabores
e desgostos para essas autoridades.
Mas long nos iam levando estas con-
sideraQges, e agora que o leitor jA tern
o indispensavel conhecimento dos po-
vos a quern teremos de nos referir, va-
mos entrar no assumpto que 6 o nosso
object o principal.
Divide sir Mubbock o sen livro em
dez capitulos, oprimeir9 cornm o titulo
de introducgao, o segundo tratando de
artes e ornaments, o terceiro e o quar-
to do casamento e parentesco, o quinto,
sexto, e setirmo da religiao, o oitavo dos
costumes, o onon da linguagem, e o
decimo das leis. Seguil-o-hemos pela
mesma ordem.
No primeiro capitulo expOem-nos sir
Lubbock em umrn quadro desenhado a
largos tragos vatios costumes de alguns
povos selvagens, e nesmo de outros
mais adiantados, ou jA civilisados, -em
differences parties do mundo, e mostra-
nos, pelas semelhangas d'esses costu-
mes e importantes considerac6es eth-
nologicas que adduz, quo a humanidade
obedece em toda a parte a urea lei de
aperfeicoamento geral e continue. Con-
trariamente A opiniio do alguns escrip-
tores que pretendem que 6 bomem ci-
vilisado nunca passou por um estado
social tao inferior como o de alguns po-
vos selvagens, e que estes sao os repre-
sentantes de unea raca degenerada e
condemnada e extinguir-se, sir Lubbo-
ck, sem pretender que todas as racas
I elvagens actuaes sejam susceptiveis de
se civilisarem sem auxilio estranho,
mostra comtudo que em algumas se
teem realisado progresses notaveis, e
que n6s nao podemos Ler deixado de
passar per estados sociaes ao menos
muito semelhantes.


... A condigao social, os costumes
dos povos ainda selvagens, diz sir Lub-
bock, logo no principio do capitulo a
que nos estamos referindo, reco.dam a
muitos respeitos, ainda que nao abso-
lutamente, os dos nossos antepassados


accesa, dianted'uma image, d'uma
cruz ou d'um ecce homo, collocados
dentro d'um nicho, ou simplesminte
pregados na parade sob umn pequeno
alpendre de taboa.
Depois, havia as lanternas nas cruzes
de pedra levantadas diante das portas
das igrejas, convents, confrarias, ermi-
das, capellas e cemiterios, e o que tam-
bem era uma illuminacao embora am-
bulante, as lanternas dos alguazis das
rondas.
P6de portanto affirmar-se que o At-
baicin era muito mais seguro, allumia-
do e concorrido de noite, no seculo
XVI. que em nossos dias.
E' verdade que, agora s6, de tempos
a tempos so dA algauma cobarde punha-
lada nas ruas escuras ou se rouba al-
guma capa velha, e entao era aconte-
cimnento quasi diario, encontrar dentro
da jurisdicqa murada do Albaicin al-
gum homers morto As estocadas.
Tambem verdade que aquillo era
mais nobre e romanesco; que se agora
ao encontrar-se n'aquelle bairro umr
home morto violentamente, se pensa
n'alguma rixa de taverna, n'aquelle
tempo ao deparar-se cornm algum tidal-
go morto, attribuia-se a causa do desas-
tre a alguma formosa dama, e a
justice e os que nao eram justica di-
ziarn comsigo :-Quemn sera ella ?
A verdade do caso e6 que o Albaicin,
por qualquer face que se consider,
valia miito mais em 1546 em que era
habitado por ge;#e nobre e rica, que
no memento actual. Ao Albaicin de
hoje s6 restam fragments de toyres e
de muralhas ennegrecidas ; restos dos
seus antigos esplendores, solares cheios
de ruinas que em outros tempos for-
maram grupos de casas, e casebres ve-
ilhos e comidos-de caruncho quo amea-
Qam cahir dentro em pouco per terra.
D'aqui a alguns amnos o Albaicin serial
apenas um mn9nte coberto de formosas
quintasde recreio, cujos .nuros se te-
rad construido com osrvelhos materiaes
da extinct' povoq~lo, e no meioo da


sets nas rochas e permittem-nos I
ar, pela compare umi pouco ,
que sepra o pg do rtur. a
obstante a bisofia I No t'ngrevelf |
asW de urnra ndiQo o:c':Ij |
seira, t~io rchaiia, eono, i eolie
entire alguns'povos selvagens ac
6 certu quo as na"oe mais chvifli
conservam, sgnaes de ba'rbaria. aii
c 0 estudo.das linguas 6muiti id-
tructivo a ete repeito-; e as leis, ten-
do frequentenente origem muito anti-
ga, contemn symbolo.. que nao sao
mais do que realidades passadas. As-
sirm, acerescenta sir Lubbock, o useoir
facas de p dra em cerlas ceremobs
egypcias faze m-nos remontar a urnm t-
po em que este povo se servia habilti I
mente de instruments tde pedra. P,,
S 0 casamento por coemrno entripos
romanos indica certamente urma 4ppca
da sua historic, em que se coi a
habitualmente as mulheres, comt-I
tas tribes selvagens ainda hoje fazemrn.
c 0 simulacro do roubo da n mulhe a
ceremonia do casameito, entire to4os
os povos, nAo se p6de explicar se!o
pela hypothese de que o roubo das rmh
lheres era antigamente a triste realida-
de ,. c Brn casos takes a continuidade
6 evidence v.
Sir Lubbock nota que, comquanto os
coghecimentos que n6s hoje temos dos
costumes e dos sentiments dos povos
selvagens sejam mais consideraveis do
queo foram em outro tempo, nao sdo
ainrida tio completes e tAwexactos corn
seria para desejar. 'Os viajantes
acham naturalmente que 6 muito mais
facil descrever as habitacOes, as embar-
cagses, os alimentos, os vestuarios, as
armas e os instruments dos selvagens,
do que estudarem e chegarem a corn-
prehender os sens pensamentos e os
seus sentiments 'o. Por outro lado ( a
condigo mental do selvagem e tao
different da nossa, que e frequente-
mente muito dilficil seguir o que se
passa no sen espirito, e comprehender
os motives que o fazem obrarn. D'aqui
os erros em que cahem muitos escrip-
tores e viajantes. c Todavia, compa-
rando as narrag6es dos dillerentes via-
jantes, p6de-se, n'uma, certa niedida,
evitar bastantes errors ; e o que mais a
isso nos auxilia e a semelhanga notavel
de costumes que se dA entire as diffe-
rentes ragas P. t Essa semtnelharica 6
tao surprendente, tue differences ragas,
chegadas ao mesmon grio de desenvol-
vimento, olferecem mais analogias entire
si, do que cada raga comsigo mesma,
em differences 6pocas da sna histoQria.
Corn respeito as vantagens para o seu
paiz do estudo da vida e do character dos
povos selvagens, diz sir Lubbock:
c 0 estudo da vida selvagem tern
aldm disso tima importancia muito par-
ticular para n6s inglezes cidadAos de
um grande imperio, que possue em
todas as parties do mundo colonias,
cujos habitantes indigenas se achamn
em todos os graos da civilisaco .
( As nossas possesses da India, uccres-
centa elle, sao disso um exemlb no-
tavel. >3
E cita M. Hunter, que diz que os in-
glezes teem estudado e comprehendido
as populacoes das terras baixas da In-
dia, como conquistador nunca estudou
nem comprehendeu urea raca conquis-
tada; que dies conhecem perfeitamen-
te a historic desses povos, os seus ha-
bitos; as suas necessidadeq, as suas
fraquezas, os seus prejuizos mesmo; e
que desse conhecimento corn resultado
as medidas politics e administrativas


que teem satisfeito a espectativa publi-
ca. A companhia das Indias orientals
nao regateava honras nem recompensas
pecuniarias a quem quer que se esfor-
gava por comprehender e descrever os

restem alguns bairros deserts, alguns
restos da Alhambra, corn um 6H ou-
tro arabesco, e o que ninguem ihe po-
de tirar : o seu manto de flores e ver-
dura, que cobrira por si mesmtno e sern
que ninguem cure d'isso as sias
ruinas.
Pobre Granada !
Dissemos que em 1516. Albaicin era
concorrido e mais allumiado de noite
que nos nossos dias ; mas limitando-nos
a noite em que succediam os factors que
estamnos referindo, no ihavia nemr uma
s6 luz acoesa, nao sabemos so porque
as tinhamrn apagado os mouriscos, ou se
receiosos do estado de alarma o de
common noo em qne desde o escureeer
se apresentava o Albaicin, nao as ha-
viam accendido os moradores.
Fasia um luar muito clara ; mas co-
mo as ruas do Albaicin, povoacao ori-
gioriamente: moura, eram estreitissi-
mas, e os alpendres das casas se cru-
zavam sobrepondo-se na maior part
d'ellas, o fundo d'essas ruas estata te-
nebroso.
Para que os leitores podessern devi-
damente apraciar o quanto eram es-
treitas e tortuosas, seria precise que
as tivessein visto apreciando por si
mesmos o que dizemnos, porque por
muitas d'ellas apenas p6de- passer uta
home de frente, e a mais larga ape-
nas tern sufficient espa"o para dar
passage a dous homes a ca allow ao
lado umn d.rdutro. <
Como desafogo e alargamento havia
algumas 'praas inediocremente espa-
gosas. onde a lua se refleotia vonta-
de. N'aquellas pracas nao se via po-
r6inm viv'alIa.
Pelo cotittario, no fund das.tene-
brosas ruas obseryava-se urma anima-
cao de mao agowro; aadivai d'um
lade pa ou ar ou avavam, fallavai
vatios homen.s arritdoss' :':biabWi e
feehavarn se par-s sile'iosamte ,
sewib que1 a n' stAa.ppareci m. se & ni8a
Iuz. Todais as ras, ue 4seiam pra
a cidade etalvana iuuli it6rn dfei4-
1:das 9por _10 '-it-~ -k*


ttW'lM. .
e motive
Smash se


UlJ8
siol


4q Ira.pordm-M. Huntetr8se vise
A* soqaize; sse ,dar ao trabaflyo de
iavestigar -0 que se pass entre nMS !
Mas'nao sabemos nada, 0 i qdfsi nada,
dos povos quo governamos nas nossas
coiaiias,e e specialmente na Africa.
-At ha bn em pouco .tempo As nossas
colonies nao eram mesmo conhecidas
da maier parte do public aa rinetropole
senao oelas cita6oes pomrnposas que
dellas se faziarm nos nossos discursos
patrioticos; e esses mesmos que as ci-
lavarn nao as consideravam realmente
senao come simples vasadouros das
nossas escorias sociaes.
Ultimamente a attenmao public no
nosso paiz, despertada por facts exte-
riores que todos conheceme que cada
diane manifestamrn coarn mais intensida-
de, temn-se voltado para os assumptos
colpniaes, e as medidas iniwiadas pelo
governor com relagio a obras pubflcas
em Moambique e em Angola, assimn
como a fupdagao da sociedade de geo-
graphia de Lisboa, a creagao da com-
missao central de geographia, e a ex-
ploracao em via de realisagao ao interior
d'Af ca, sao jA disso os primeiros e
auspiciosos resultados. Oxala prosiga-
mnes coin crescente ardor na senda tri-
Ihada, e que possamos apresentar em
breve titulos verdadeiros, dignos don6s
e dos nossos emulos, dos nossos esfor-
gos pela civilisacao africans.
No capitulo II artes e ornaments,
oomega sir Lubbock por notI' que as
artes mais antigcras pertencem a idade
de pedra, em uima epoca em que a
renna abundava no sul da Franca, e o
mammoth nao tinha ainda desappa-
recido.
Estas obras d'arte, consistindo em
esculpturas e em desenhos feitos cam
um silex sobre um osso ou sobre algu-
mas pontas de animaes, offerecem umrn
grande interests, nao s6 pela sua gran-
de antiguidade, pois pertencem algumas
a epocas anteriores As mais antigas es-
tatuas do Egypto, como por represen-
tarem scenes da vida daquelle tempo, e
pela habilidade quedenotam.
Um facto notavel 6 que nas epocas
successivas da pedra polida e do bron-
ze, aquelles desenhos desapparecem
quasi inteiramente c e que durante
estas duas primeiras epocas, a orna
mentagao consiste unicamente em diffe-
rentes combinacoes de linhas direitas e
curvas )). Este facto fornece-nos a
prova de urna alteragao na populaac
da Europa occidental nestas differences
dpocas.
E' possivel que um dia se encontrem
desenhos das nossas cavernas da Euro.
pa occidental que nos revelem atd cert(
ponto oa habits dos paves que alli ha
bitaramn.
Mas se a arte nas suas tentativas ou
esbopos mais rudimentares remonuta as
primeiras apocas da vida do hoerem,
se acha hoje mesmo representada en-
tre urnm grande numero de povoes selva
gens, 6 certo comtudo que algunss doste,
a desconhecem inteiramente, e que err
geral 6 grande a dilficuldade que expe
rimentam para comprehender seque,
um desenho.
A arte de escrever mesmo sob a f6r
ma grosseira dos hyerogliphos, foi cer
tamente ignorada poles poves da idad(
da podra. Os peruviapos, tio adiant.
dos ja na epoca da conquista hespanho
la, tinham apenas chegado ao qcUippU
systema mnemonico, que consistia er
u ma especie de franja pendente de umn
corda de cerca de dous pds de compi
mentor, e em cujos fibs, de differentes


o que prova o admiravelr instincto da
gene da justiga que se esconde a tem-
po, e assim que assomam os primeiros
symptomas da insurreiCao popular.
As casas dos mouriscos estavam fe-
chadas per pruMdencia e a dos hristiaos
por medo.
N'uma praca que existia entio entire
as ultimas casas da parochiiade S. Gre-
gorio el Alto e as ruas ingremes que
cobriam um terreno aspero, nafalda
do cerro onde se levarta a ermida de
S. Miguel, terreno que hoje esta co-
berto de nopaes, na dita praca, dize-
mos n6s, eaonde, apezar da claridade
havia gene, per nao powder ser vista da
Alhambra em consequencia do acci-
dentado do terreno, passeiava medita-
buQdo Yaye-ebn-AI-Hhamar, dando o
bravo ao faqui Abd-1.-Gewar, quc a
despeito dos annos, estava completa-
mente armado come o mancebo, e co-
me elle, vestido a castelbana.
Divididos em grupospela praga, viaim-
se uns cern homens armados do piques
e d'arcabuzes,. e no centre d'um dos
grupos, erguia-se urn estandarte ver-
mnelho de tres pontas.
Notava-se na multidio grande im-
paciencia e anciedade profujda.
Jia tinham dada as Ave-Mtrias, e naio
havia noticia da approximaCAo dos
monfies. A Alhambra estava silenciosa
e escura como era costume, sem que
apezar da Iua, se visse brilhar utnas6
arrma sobre os adarves, a n5o ser a dos
costumados atalaias, Nem se via a
lanterna dos atilheiros Aa bacteria da
orre de la Vela, niem, em summa,
indiclo algarn m de que a Alhambra es-
tva preparada para -o combat, ape-
%Ar de qu o- capitl -general nao podia
ignoar' que havii b-rricadas nas ruas
iriorleui do A:ba ciqoBdo qude as mouen-
riseos estavaft. a rm
casitell das Torres Vernielb+s es-
tAva do mesino modo silenwso- e as


drogso A e e tm s mlvagens vivami, &u tehffam vivid e"
41cooo~w *aqO~rp Eu- Uili 'tkd(Y t 4a sope "a eharua
'seIP, e se Vod arill^1^1^^ mo.
rop odeftal itd a!'|^jvi%, casamento emcojnoM'am ea quo Bacho-
ft ovez- a8- M fen dio,-a norne dc'etaiwismo Corn
dier pelo e6a'dos e da, T9 e ft-i-t1 a 'plyandriaainda hoje existen-
errpturas dos ^seKvHiefi. mr'''^,-Oe1^ ^!^ ^,^
to ent a4&guns povos, parcel attestar
Emfim,sirL-tbookescrve algns gemeralidaae d um tal cttine em
uses entire algurisfpovmuselva ens ios- urma poca anterior. Ni China, diz
tiraado a rela04 qtue entre eltlei bite, Lubbock, as mulheres form cotmmuns
segundo o desenolvimento de cadaum at6 at reieado de FoiIide na Greoia
desses povos. atd A dpoca de Cecrops -
Muitos desses usos saio corimmtuns adoW Outros povos antigos nio conheciam
povos 4o interior do sertio de Mossa-a o casamento.
rmodes. Os bankumbi usaram em ou- Entrando na analyse dos differences
tro tempo uma pequena vara atravessa- estados que succederam ao estado pri-
da na divisdo do nariz, e 6 notavel a tra- mitivo do hetairismo, ou communidade
dJcAo que existed entire elles e entire os das mulhlieres, sir Lubbock mostra-se
banhaneca, de term passado per uses contrario, tanto A opinilo do Montes-
e costumes muito mais barbaros. Res- quieu, que pretend que a obrigaao
peitando muito tudo o que d antigo, e natural que tern o pai de sustentar
todavia com um certo espirito maliciso soeus filhos, fez estabelecer o casamen-
e epigram matico que elles referem :va- to, ? e que (em todos os paizes e em
rias anecdotes de outro tempo, corn todos os tempos a religiao se ingerio
que pretendem dar a conhecer a rudeza n'esses acts, come a de Bachofen,
e ingenuidade dos seus antepassados. que pretend que as mulheres no fim
Dizem, por exemplo, quedeuma vez, da 6poca do hetairismo cescandalisa-
tendo um home mettido a mao dentro das per umrn tal estado de cousas se re-
de um vaso de barro, cujo gargalo era voltarain e estabeleceram um system
muito estreito, para tirar jA nos rao de casamento em que ellas tinham a
lembra que object que la estava, e.que- snpremacia sobre o home, fazendo
rendo depois retirar a mao fechada, passar a descendencia para o s" se-
esta nao podia sahir, nemo elle se liem- xo etc.
brava de a abrir para a. poder retirar. Sir Lubbock observe que nao se v&
Nesta conjunctura reuniram-se os ve- facto algum na historic per onde se
Ihos, o que quer dizer os sabios, e de- rnostre que as mulheres tenham em
pois de muito meditarem e diseutirem, tempo algum reivindicado os seus di-
resolveram que o nnico meio de livrar reites, e pensa, corn razao, que as mu-
o home daquella situagao era cortar- lheres selvagens seriam as que menos
Ihe a mAo. lam ja a applicar-lhe este o poderiam fazer.
reminedio, quando urna crianga que esta. ( Nas ragas menos civilisadas, come
va de lade pegou em um pao e partio por exemplo, na Australia, a posigao
o vaso. 0 homern salvou assim a sua das mulheres 6 a da sujeicao absolute,
miao, e todo, ficaram muito admirados e parece-lhe perfeitamente clare que a
do juizo da crianua. id6a do casament o 6 fundada, nmo sobre
No capitulo III e IV sobre o casa- os direitos da mulher, mas sobre os do
mentor e o parentesco entire os selva- home. )
gens, diz sir Lubbock o seguinte : Portanto, a origem do casamento 6
As idWas dos selvagens sobre o pa- independent de todas as considera5es
rentesco fornece-nos talvez o mnelhor sagradas ou sociaes; a affeicao mutual
imelo para comprehendermos a sua vei,- ou a sympathia nao tinham em princi-
dadeira condicao social; estudando esteo pie aii part alguma; umn consenti-
Sassumpto reconheceremos tambern as mento mutuo era inutil, e o casamento
immensas vantagens da civilisacao, no consistia nMeo em demontragdes amoro-
ponto de visUta das relapses dos dons sas de um lade e terna dedicagdo do
sexos. outro, mas em violencia brutal e em
(( 0 casamento, as replaces de pa- submissao forgada.
rentesco de um filhocom seu pai e sua Mesmo centre os selvagens clihegdos
mai, parecendo-nos tao nmturaes, tLao a urn estado social mais adiantado a
evidentes, que estamos dispostos a con- idda do casamento ditlere esseneialmen-
- sideral-as come fazendo parte da essen- te da nossa; ella 6 t bda material e nmo
i cia mesmo da raca humana. espiritual; o casamento repousa sobre
( EstW, por6m, muito long de ser a forca e nao sobre o amor; a mulher
- assim. nao e a companheira e sirm a serva ou
c Os selvagens nao conhecem a ins- a escrava do home.
Stituigao do casamento ; o amor 6-lhes Na lei inglpza] ainda se encontram
i quasi inleiranimente desconhecido; e o vestigios, e mais do que vestigios, de
D casamento, ou antes, o ajuntamento en- umn system analog; p6de-se mesmo
s tre home e mulher, nao 6 de nenhu- dizer que os costumes alli tern feito
ma f6rma um acto 4e affeigao. r mais rapids progresses do que as leis
I Em abono desta opiniAo, sir Lubbock per que as mulheres occupam iuma po.
- cita Kolbein, Lichstenstein, Lewin, Dal- sigio que a lei Ihes nao confere.
a tAn, Bruce e outros. D Das lbrtas para a posse da mulher
Sr Lubbock adverse, porem, que ainda hoje se encontram as symbolos
pelo"(acto de faltarem quaesquec cere- em certas ceremonies usadas no actor
monias a estes actoes no se deve d'ahi do casamento per alguns poves chega-
s inferir que elles sejam necessaraimente dos a um estado de civilisacao ja adian-
e frageis. E cita Cook, que diz que no tado.
- Tahiti as mulheres casadas, apezar das Em Sparta o neive arrebatava ordina-
- poucas ceremonias corn que alli se ce- riamente sua mulher A forca, o que
s lebra o casamento, sao tao fieis a sens evidentemente nao era senmo um sitnu-
n maridos come as outras nas mais par- lacre.
- tes do mundo. Os romanos tinham um costume se-
r m Em alguns paizes, diz sir Lubbock, melhante. Na Polonia, na Lithuania,
os laces conjugaes podem-se romper na Russia, e em algumas parties da
- corn a maior facilidade, e no entanto Prussia, segundo Gaya, as mancebos
- emquanto elles duram os dous esposos arrebatavam ordinariamente as aman-
e respeitam-os strictamente ; em outros tes, depois pediam o consentirnento dos


- acontece o contrano. parents.
- Nas sociedades selvagens actuaes, 0 casamento dentro on f6ra da tribu,
, partindo das mais atrazadas, os filhos a que M. M. Lenman deu o nome de
i sao considerados primeiro come paren- endogamia e exogamia, corresponde a
a tes somente da tribu ; depois da mi e circumstancias e-peciae,, de cads 6poca
- nao do pai; depois do pai e nao da ou de cada tribu.
s mai; e per firmn do pai e da mai. ) (Coniinuar-se-ha.)


mora dos monies que deviam entrar
no Albaicin por tres portas : pela Faja-
lauza, pelo portilho del Aceytuno e
pela porta de Guadix.
Ch(garam As onze da noite, e o sine
do la Vela deu, segundo o costume,
trinta e tires badaladas graves e solemn-
nes para aquelles momentous. Era a
unica voz do castello, e parecia dizer
estou Alerta !
JA so ia fazendo tarde, e a imnpacien-
cia comeava a apoderar-se das massas
que confluaiam na praca, e vinham cor-
rendo da part inferior da cidade em
busca de noticias. A impacienciaprin-
cipiava a transformar-se em medo, e o
medo a maniiestar-se em queixas.
Afinlal guns dos principals enten-
deramin que deviam interrogar Yaye,
que fora nomeado capilAo da revolt ;
mas Yaye encolheu os hombros como
quem nAo p6de responder arespeito do
que nao esti em sua mAo.
Por tim foi necessario para acalmar
a anciedade geral, mandar emissaries
que partiram na direccao por onde de-
viam f os monies. Mas ao abrir-se
a poide Fajalauza, de que os'mop-
riscos ostavam senhore, apparieceuti a
cavallo e cam todos os signaes de ter
vindo A redea solta um wali dos mon-
ties.
Ao reoonhecerem-n'o pelo trajo e
pi armas, os qae estavamn a porta,
julgandojA proxiimo oexercito auxiliar,
romperam n'uma acclamagdo de ale-
gria, mas o wali na.o corresponded
aquella acclamaao.- e limitou-se a per-
guatar corn semnbl*nte 'smibrio ends
estava o poderoso emnir Yaye-ebn-AI-
fhamar. .
0 aspecto do monfi, as suas palavras
rudes e olhares sombrios apagaram o
enthusiasm dos acelamadores, que m
silencio e nao sabendo -o quo pensar
conduziram o wali-A pra a ondeYaye,
prsii.Aizer, stAbelecera o quartet
General.
Qiaando -o wall x ichotu ha sia pro-l


pai o emir Yuzuf, regressa coin a sua
gene para as Alpujarras.
Meu pai regressa parm -is Alpu-
jarras ? exclamnou Yaye corn assom-
bro.
Os chri;tAdos esperavani-nos em-
boscados nos desliladeiros de Dar-al-
Huet, e nao podemos forcr o cami-
nho.
Os christdos estavam emboscados
e venceram-vos ?... Entio 6 .ue algum
dos nossos nos atraioou avisando as
christaos !
Simn, sim, disse-o monfi, fizeram.
nos traicio-e occorreram horriveis des-
grapas.
E meu pai '
A mano de Deus protege os reis,
disse o wall corn voz profunda.
Tinham-lhe ordenado, para evitar a
Yaye, quanto fosse possivel, a ma-
goa ta noticia acerca do ferimento
de seu pai, que guardasse silencio a
respeito d'ella, e o wali desempenhava
rigorosa a sua mission.

Vosso poderoso pai emir Yuzuf,
continuous o wali, enearregoa-me de
aos dizer que se dispondes no Albai-
cin de bastante genite para vyes apode-
rardes da cida e da Alhambra, nMAo
vyes detenhaum mnemrento s6 ; mas
que, seo isto zos f6r impo.ssivel, mar-
cheis immnediatamente, seperda d'u
mometo, par.a a montanha.
Bemn oui, disse Yaye para Os
xeques que o redeiavai ; os aetp
monies cahiram n' ali a, o
podemos contar coMui :'
. Oh I exclamotut o atom eaudte
o Homaidi que estava estre os xeques,
o infetaf i D. Diop de: Vio-I1
Estas palwvras do Hovaid
as massis excitadas, passaM do
ca em bocca, -e d'atli- ;
cae
ntxmero d homes uav
a corre-r cgos 4.
da casa dlP DeoA,0
r # ,


4,




Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EUXK8BY9S_8KEL4V INGEST_TIME 2014-05-03T01:33:40Z PACKAGE AA00011611_13349
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES