Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:13345


This item is only available as the following downloads:


Full Text































v |MT E G. jy I MAS cida a 1200o, prae aformaclio do ammoniac
Squando se dirige l obre ella ura mistura ga-
ii- : T1 .zosa formnada de hydrogeneo e de bioxydo de
...e azoto. Corn ammoniaco e ar forma-se acido
ltlf t ll.'t 'l ^ azotico. Estes factos sao sobretudo muito in-
1 teressantes quando se tern em vista as recen-
I- I tes investigagaes sore o estado em que as
POLITICOS materials azotadias existem no s6lo. Elles da-
BUCHR EST t de A"e r rio tambemn a explicaiao dos isqoeiros de hy-
BUCHAREST, 1 de dzem'bro. drogeneo on hydroplatiaices, nos quaes numa
yos ao4o a- n- .corrente de hydrogeneo, dlrrgida sobre um
eaOs 4te maos da fraguaWtode esponja de platinw. immediata-
is 4 e Lomp Saaka, ao norte da mente se inflamma; do mesmo modo para as
tlftais nas marens do Danublo, lampadas ser chamnima.
aparp.o eaer9i0 reslstencia (a A platina 6 de um brartco cinzento; 6 o mais
pat'te dos Tureos. -' denso de todos os metaes ; solda-sc e forja-se
r o -f'rit.Tf ikjj r1muito facilmente; new o ar, nem a ana, nem

.jm o ste. l nce.or 'A6 a Ai.S a w re7gia a dissolve. Sua inaerabili-
II, Con sua prima a Sra. prnceza dade a faz empregar para a confecco de cal-
0. Mayia lde is Mercedes, ilha do deiras, capsulase cadmnhos; infelizmente seu
duquAe de Montpensier. preco e elevadissimo.
As combinacSes chimicas da platina, assim
LISBOA, 1 de dezembro. coma o resto dos metaes conliecidos, teem
um interesse puramente scientifico.
Aqll, no Porto e em Braga houve (Contina,'.
as cdada _4wtonstra6es de re-
osl p ant ario da restaura- ,,,_...
,A fiatUa real assistio, no theatre, PAR TE OFFICIAL
o esp tulo de la, ecebendo ahi
verdadeiras demomstnraoes de sym- Governo da provincia
nOtE ~ EXPEDIENTE DO DIA 20 DE NOVEMBRO DE 1877
COMMERCIAES Actos:
0 president da provincin, attendendo ao
PARIS,.1 de dezembro. que requereu o bacharel Joio Francisco da
Silva Braga, juiz de direito da comarca de
TIVulos de 5 o/,, da renda franceza, a Itamb6, resolve conceder-lhe 40 dias de licen-
106 tifncose 75 centimos. a, corn ordenado, para tratar de sua satde
Ditos de 10 a 71 francs e 50 cen- onde lhe convier.
timos. 0 presidentelda provincial, attentendo ao
LONDRES, 1 de dezernro. que requereu Candido Eustorgio Ferreira Cha-
LO Ses,, 1 de ezemro coadjuvante da bibliotheca provincial, re-
Cooldedos ninglezes de 3 0,o de 97 solve conceder-ihe 3 mezes de licenca, corn
1,/S a 7 o/4. ,vencimentos na f6rma da lei, devendo dita li-
IS' tO t lt", de 5 o\o, empros- cenga contar-se de 26 de setembro ultimo.
timo*do^ 1075, a2.- president- da provincia tendo em vista
Pti dod|AftentaMos-de 6 o o, empes as inbformaOes do inspector da thesouraria de
tude 171i 651/ 2. empress fazenda, deo 15 do corrente, ns. 734, 736 e 737,
lMeroado te assucar serie altero. resolve abrir sob sua responsabilidade, nos
termos do decreto n. 2,881, de It de fevereiro
LIVERPOOL, 4 de dezembro. de 1862, um credit supplementar a verba -,
Pensionistas e Aposentados, do ministerio da
Vinderam-se hole cerca de 8,000 fazenda, correspondent ao exercicio de 4876-
Was corn algodio de diversas pro- 1877, na importancia de 2521230, afrn dear-t
oetewaeas; send o de Pernam'buco correi ao pagamento das pens5es devidas d P.
Aift a 634A d. por libra. Maria Jacintha Pereira, e aos soldados refor-
roados Antonio Tenorio Cavalcaike e Manoel
Acencia de Pernambuco, 3 de de- Claudino de Sant'Ama. Fizeramn-se as corn-
ze rode 4877. mnnicas es.
zemuoueOfficios :
PID DiRECTOR, 1E. VWEGELIN. Ao president da provincial de Minas-Ge-
Sraes.-Rogo a V. Exc. que se digne providen-
ciar- no sentido do mne serem transrnittides, do
AD conformidade corn o disposto no art. 41*2 do
'"AlUL' regulamento -n. 120, do 31 de janeiro de 18V2.
iA c A -aslguias dos senSiadosseguintes: Joao Jos6
-i atos-de Chimica Barbosa, condemnhido por decisito do jury de
PoBte Nova, em 18W,; Jopd Games da Silva Ri-
METAES bas, polo de Pirangas, eim 18 de iiaio de 1860; e
SPedro, escravo-de Zacarias Jos6-da Silva, pelo
Ouro de Uberaba, em 20 de marco de 1861. A guia
deste ultimno dove comprehender a copia do
0 aura era conhecido desde a mais remotra decreto que eommutou em gal6s perpetuas a
ntiguidade, o que bastaria para estabelecer pena de more a que foi condemnado. -Cornm-
e' priori, como ja fizemos notar, que elle dove municou-se ao juiz do direito do 2.o district
existir no estado native. E' nesse estado que criminal.
elle se-encontra, corn effeito, na America so- Ao commandante das arenas. --Determi-
bretudo, na California, na Australia, e na Rus- nando a Exm, Sr. ministry da guierra, no aviso
sia no Ural e no Altai. Encontra-so nas allu- circular do 10 do corrente, nue se achem na-
vioes do areas quartzosas, e nos veifs da queila secretaria de estado, ate o ultimo de fe-
maesma natureza, que atravessam os terrenos vereiro do annea proximo vinduro, as infor-
primitivos, o mais das vezes sob forma de mavOes que segundo o estivlo er ordens em
gr'os irregulares, mais out menos volumosos, vigor, devem ser transmittidas pelasreparti-
que se chainam pepites. vOes subordinadas ao mesmo ministerio, afim
As areas atiriferas, segundo seou estado, de s poder organisar o relatorio que tern mde
sio trrp'adas por lixivaiio, refinar'o oa aral- ser present ao corpo legislative, em o mnez de
/am .. .maio de dito anno; assim o communico a V.
O cure do commercio nunca 6 pureo; con- Exc., pare seu conhecimento e execueao na
(,em sempre unia proporcao-de cobre, que es- parte quoe Ihe toca.-igual ao director do arse-
tabelece seu t tulo. S6 a aqjua rcgia, que e, nal do guerra, commandant dJ Fernando e ao
come ja dissemos, urea mistura:e oacido azo- engenheiro encarregado dlas obrhs militares.
tico e aecido chlorhydrico, 6 capaz de dissolver -- A niesmo. Em cumprimento do aviso
este metal, o que pormitto destinguil-o iume- do ministerio da guerra, de 12'do corrente,
,iiatamente do cobre nos ensaios rapidos, que sirva-se V. Exc. de mandar inspeccionar pela
-o fthzem por meio da pedra de toque: dos tra- junta minitar de saude, o soldado do 9.o bata-
,:os que estes dons metaes deixam sobre a lhao do iufantaria Luiz Ferreira tromes, remet-
pedra, sao dissolvidos pela agua forte os que tendo-me o respective termo e a certidao de
foram feitos pclo r'obre. mas perimstem os que assentamentos'da mesma praca, para serem
frovem do ouro. transrittidas aquella secretaria do estado.
Neor-',m dos numerosos coropostos, que o a Ao Dr. chefe de policia interino.--Decla-
,,uro pfun former corn os metalboides, apre- rando o juiz de poz prosidente dajunta de alis-
enta interesse real, aftra o cyanureto, qne tamento da parochial de N. S. da Penha de Vil-
serve ni douradura galvacica. 0 oure 6 in- la-Bella, em officio de 5 do corrente, nuo se
eiramnente inoxydavel na temperature ordina- encontrar naquella localirdade poesoas que
ria, o que o torna tao precioso em nossas queiram exercer os lugares de inspectors de
iransacies"; deo ma malleabilidade a de urna quarteir'bo quo se acham ragos, nicando deste
,luctilidade que o cotlocam, reintivamente a modo aquella junta privada de poder proceder
stas dues propriedades, a 1'rente de lodos os aos respectivos trabalhos, par falta de queom
outreo metaes, mas 'que o teriam tornado me- fornec-a os escbarecimentos precisos. providen-


nos comimodo para qes usos hablituaes, se o cie V. S. no seutido de serem quanto antes di-
cobre nSo tivesse ;o6 poIer de dar-lihe du- tus lugaros preenchidos.
Ieza. Ao juiz de direito tias execucSes crimi-
Emprega-se para coloir os videos, os crys- osaes.-Ponderando o brigadeiro comrnmandan-
waes e a porcelana, doec6r de roso e de purPIu- te das arminas, no officio d hontern datado, soly
,a. uma substancia conhecida sob o nome de n. 844, a necessidade que tern o forte do Bura-
prpwra de Gassius, sobre u composi4;5o inti- co, de um sentenciado para o service da fa-
iha da qual os c -ip iQainda no se fixaram china, em substituicalo de outro do 9. bata-
iem, mas. aue se 6bt6**la addicao do pro- lhAo de infantaria quefinalisou a sentence, sir-
i,)chlorureto de estanh&c*" uma solucao de va-se V. S. de providenciar no sentido de ser
.tsquqdilorui'eto de ouro. Alem d'isso, Mrs. apresentado 4o mesmo brigadeiro, um dos
i61is e Fordos descobriram urn hyposalfitodu- sentenciados civis existentes na casa de de-
pNo de protoxydo de ouro e de odio, que serve tenaoo que esteja qas condiQoes do prestar di-
;para fixar as images dagierreotypicas. to serviQo, e a sentence seja de poucos annos.
Os compostos auricos, que mais nos interes- Coinmunicou-se ao commandant las ar-
am, silo as ligas, e particularmente as de mas.
"obre e de mercurio. As primneiras consti- Ao commandante do presjiio de Fernan-
itihem todas as formas sobl) as quakes o ouro ser- do de Noronhlia.-Cumpre que V. S. me trans-
ve na fabrfcacao das moedas e das joias. 0 mitta umea copia da guia do sentenciado Jos6
imalqamaina de ouro servia escluivamente, an- Antonio da Silva, assassinado nesse presidio,
tes do emprego dos processes galvanicos, em 12 de marco do anno passado, afim de ser
para a douradm'a chamnada pelt mercurio, tio enviada ao juiz de direito do 2. district cri-
luanesta aos operararios que a praticam, em minal desta cidade.-Communicou-se ao refe-
razao dos vapors mercurines que deixa des- rido juiz.
prender. Ao director do arsenal de guerra. De-
A dom'radura ao /foo, empregada para as clarando o Exm. Sr. ministry da guerra, em
joias, exeauta-se por meio de uma operaeco aviso de 9 do corrente, quo naquella data foi
technica, na qual interv"mrm rincipainente o transferido para o I.- batalihSo de artilhari a
-esquichlfuro de o uro. E' o "cyanureto, p6, o soldado da companhia-de operarios mili-
-'mo acimW mes, que entra na compo- tares desse arsenal. Theophilo Rezende da Sil-
.i~oA dos -,e tinados douradum'a gal- va Brito, conforme requerea este; assim o
r.anica. '*^^ communico a V. S., para seu cophecimrliato e
'- Platina fins convenieutes.--Commintunico u-se ao com-
Este' fi* !ha-se no estado native em mandante das Armas.
areas dS aio e em veios, come o ouro, Ao mesrmo. -Declarando o Exm. Sr. mi-
sob forma d pites. Os mineiros americanos nistro da guerra, em aviso de 13 do corrente,
O conh 'ia muito tempo sob o nome de que flca defitianmente fixado em 15, onu-
p,,rinha (t ), quando em 1752 Scheffer o mero dos servelttes desse arsenal, sendo 6
esiudou eJbe o u de ourO branch. 0 mine- pa"a a companhia de aprendizes artiflcesV 6
rial de que se eotrae mais ordinariamente a para as tires secOes desse estabelecimento, 2
Platina cont6em ao mesmo tempo quinze vezes para a secretaria e I pars o conselho de com-
plo menos a roesma quantidade de autros pras; assim 6 communico a V. S. em solucio
mtetaes. Seus processes de extrac.ibo devem, ao seu officio n. 156, de 18 de outubro proximnR
conseguitilemente, ser iruito comrplicados. flndo. Communicou-se A thesouraria de fa-
A Pltina i muito dividida, quJr no estado de zenda.
elp,a de patii, tat como result da cal- Ao inspector da thesouraria d tzenda.
do-ilorarOto, qu6r no estado de So- Para es flnS convenientes commIffiico a V.
po atis4 gosa noi mais alto griao dessa S. que o bacharel lHermg SoratesTa-
Sarece pertenor a todos os vares d! Vasco.cellos, tae=o o m 15 do
" k i f ss cif muito divididos, corrente, o e ecicioisieino do argo de chefe
Sd desua verdadeira natu- de policia aesta provincia, reassumnio o de juiz
.ao nome de- faa- dedireito 4 *comarca deOlida,em 17 dhe
113sa propr ie a quo E mez.-R Nl~de-se o officio do dito juiz.
oroy- -A.-Pam 0asflns convene'
l m Oa6 o w Fwo que 0 SUppe i


r slwav t AMIXWO "MWi a -4 -,
Ao mesmo.-Communico a V. S., para os
fins convenientes, que em aviso deo 12 do cor-
rente, n. 8,366, declarou o Exm. Sr. ministry
do imperio flear concedido pela verbal P'esi-
dencia de provincia, do exercicio de 1877-78,
o credit de 1:874#. para oecorrer ao pagamen-
to do rest da despeza feita corn a decoracto
e reparos do palacio desta presidencia.
Ao mesmo Declarando o Exm. Sr. mi-
nistro da guerra, no aviso d.o 13 do corrente,
ter sido approvada a deliberate que tomou
meu antecessor de mandar pagar a quantia de
295200, proveniente de objects domprados
polo arsenal de guerra phra as escolws elemen-
tares do presidio de Fernando de Noronha;
assim o communico a V. S., para soeu oonheci-
mento e em soluogo ao sen officio n. 45, de 20
de outubro ultimo, dirigido quell minis-
terio.
Ao mesmo. -Transmitto a V. S,, para os
fins convenientes, as inclusas ordenfl do the-
sopro national de ns. 218 a 222.. e bern assimn
urna segunda via da de n. 405 A.
Ao do thesouro provincial. Nos terms
da sua informalo de 16 do corrente, n, 259,
made Vinemc. entregar, medianle fianca, A mesa
regedora da irmandade de Nossa Senhora do
Rosario da Boa-Vista desta cidade, a quantia
de 1:800$000, relative ao product da loteria n.
242. extrahida em favor das obras da igreja da
mesma invocaCilo.
Ao mesmo. Ao secretario do gymnasio
pernambucano made Vmc. entregar depois
de feito o recolhimente da quantia a que al-
lude a sua informaoio deo19 do corrente, n.
206, as pens5es dos alumnos pobres alli sus-
tentados pela provincia. correspondents ao
trimestre de outubro a dezembro deste anoe,
na importankia de 1:800000, constants da
inclusa relac&o nominal.- Communicou-se ao
regedor do gymnasio.
Ao dirbebor da escola normal. Declare
a Vmc., em respostaao seu officio dc hontem
datado, que deSigno o dia 24 do corrente mez,
As 12 horas da fthanh, afirn de ter lugar a so-
lemnidade da entrega dos diplomas e distri-
buiCio dos premios aos alumnos mestres des-
sa escola.
Ao Sr. Jolo Luiz de Magalhie.r j tu de
paz da paroGhia de riossa Senhor3 #'PllMa
de Villa-Belia.-Inteirado polo seu nof 'de 5
do corrente, de nao ter a junta do alistamento
dessa parochia podido proceder aos respeoUti-
vos trabalhos, em consequencia da secca que
assook eas" -d Aaa a dier a Vaq.
quq, apenal mwn ffitos daroestm
secca-, empregue todos os meios a seuo alan-
ce, afim de que o preceito da lei tenha ahi
execuCio. Quanto aos lugares vagos de ins-
pectores de quarteir.o, de que trata o citado
officio, nesta data recommend ao Dr. chefe
de policia, a expediCao de ordens no sentido
de serem ditos lugares preenchidos.
Ao vigario da freguezia de Santa Maria da
Boa-Vista.-Declaro a V. Rvdma., em resposta
a seu officio, datado do 29 de outubro ultimo,
que aos parochos compete pagar o sello a que
estao sujeitos os livros que servem para as.
sentamento de baptisados e obitos dos W'ge-
nuos nascidos depois da lei n. 2,040 de 28 de
setembro de 1871, segundo a doutrina do avi-
so do ministerio da fazenda de 15 de novem-
bro de 1873 e 1.o de abril de 1874.
Ao commandant do corpo de policia. -
Autoriso Vmc. a conceder, nos terms da in-
formafoa constant de seu officio.n. 92, de 16
do corrente, 15 dias de licenca, corn o respec-
tive soldo, a praca do corpo sob o seu corn-
a.ando, Justino Cypriano de Andrade.
Ao co-nmissario de policia da villa de Ca-
brob6.--P6de Vmc., conforme solicita em seu
officio de 31 de outubro ultimo, eliminar o46
quadro dessa guard, as prawas Julio Jos6- de
Moraes, pot ser incorrigiiel, e Pedro Jooe de
Oliveira, impossibilitado de servir par motive
de molestia, indemnisando ditas pracas e que
estiverem a devr ad fazenda provincial, salvo
se por falta de recursos pecuniarios for impos-
sivel.
i'ortarias :
0 Sr. gerente da companhia pernambu-
cana de navega'bao costeira a vapor, mand.
dar uria pa.sagem de re, das gratuitas a que
o governo emm direito, ate o porto de Araca-
ju, no vapor Cur'uripe, que sahe haoe para
aquellQ porto, a Antonio Paz da Costa Ma-
chado.
Deolara a camara municipal de Born Jar-
dim, em oluncao A4 consult contida em seu of-
ficio de 15Io corrente mez, que o tituto 4o e
respectivos artigos da lei n. 224' do 21 de ju-
nho de 1875, determine o roodo de liquidar-se
e effectuar-so o pagamento das divides passi-
vas das cameras umnicipaes.
EXPEDIeNTE DO SECRETARIO
Officios:
Ao commandante superior dei guarda- na-
cional dos municipios de Cabrob6 e Exfr.-O
Exm. Sr. presidonce da proviucia- manda ac-
cusar o recebimento do officio de V. S., de 28


de outubro irltimo, coinmunicando haver na
mesma data assumido o exercicio interino do
cargo de commandant superior da guard na-
cioral desses mftLnioipios.
Ao juiz de direito da comarca de Flores.
-O Exm. Sr. presCiedrte. da provinqia manda.
accusar o recebimento do officio de V. S., de
7 do corrente, communioando havyer, na mes-
ma data, exonerado o promoter pablico iLte-
rino dessa comarca. capiti'o Lucio de Siqueira
Campos, send em seu lugar nomeado o ci-.
dadAio Jos,6 Francisco de Medeiros Juinior.
Ao engenheiro ajudante da reparticao
das obras publicas.--De ordem 4aS. Exc, o Sr.
president da provincia, accuse i'7bido o of-
cio de V. S.q datado de 16 do corrente, n. 308,
emin que communica ter mandado passer o cornm-
petente cerlificadO, de pagatiento relative a
uma prestacao no valor de5-,"00, no arrema-
tante do 1 lanco da estiada da Luz, de con-
formidade corn o art. 64 do respective ora-
mento. Co/municou-se ao thesourm'o pro-
vincial.


Augusto Genuineo e FMueiredo0-
0 s|pplicante ja foi altendido por des-
pacriS de hontem datado.
B6.ges Brigg.-Informe o Sr. ins-
peetor geral da instrucgo public.
Cat'lOs Eduardo Muhlert.-Informe
o Sr. inspector do thesouro provin-
cial.
Frincisco Jose Silveira.-Informe o
Sr.jipector do arsenal de mnarinha.
Tetiente Franklin Benjamin Fernan-
des d4 Moraes.-Deferido corn offi-
cio d4sta data d thesouraria de fazen-
da.
Gace r de Drummond.-De-se por
certiclj.
Joaquim Duarte Simoes--Passe por-
taria,mp firma do estylo.
1 "ii Antonio dos Passos.-Provada a
identidade de pessoa do supplicante,
volte,,querendo.
MaW r Justino Rodrigues da Silveira.
-Fofe~a-se.
0 ifmesmo.-Forneca-se
JoA6 Vieira Dornellas Camara e Ma-
ria di Albuquerque SHveira Telles.-
Informe o Sr. inspector da thesouraria
defznda.
)fido Odilon Fiock Romano.-De-
ferido corn officio desta data A thesou-
raria de fazenda.
Victpriano Jose Marinhg. Palhares.-
Informe o Sr. inspector do thesouro
provincial.
Seertaria da presidencia de Pernambuco, 3
de dezembro de 1877.
O porteiro,
Joao Go Ilms dos Santos Junior.

eparU1o da polioia
2.& ao.!-N. 937. Secretaria de policia
de Peramibuco, 3 de dezembro de 1877.
jIllm., Exm. Sr.-Particiipo a V. Exc. qt-e
foram mcptlhidos A casa 9 de tengo 0sse-so-
'gui "ed^Bividuos : "
dw corrente, A miiha ordem, Ja-
'c(JAtiiode Oiveira e Mria enerosa de
RM-eeze, co0o aliinados, ale qoe possrn ter
-o convenient destiny.
A' ordem do Dr. juiz de direito dca l vara
civel, M[anoel, escravo de Jo~o Pacs Barreto de
Lacerda. per estar em litigio por sua liber-
dade.
SA' ordem do subdelegado da Magdalena, Joa-
quina, escrava, do Visconde do LI.'ramento, a
requerimento de sou senhor.
SNo dia 2, A minha ordem, Manoel Ribeiro da
Silva, vindo de Gamellpira, como sentenciado
appellado.
A' ordem do subdelegado de Santo Antonio,
Raymnundo Francisco dos Santos e Joaquim,
escravo de Henrique Saraiva de Araujo, por
disturbios, Joaquim Alves de Souza Sant'Anna,
Zeferino Joaquim Josd de Sant'Anna, Virginio
Joss Pestana e Raymundo Alves de Souza Lima,
por disturbios e offenses A moral public.
A ordem do do 10 district de S. Jos6, Lau-
rentino Jose dos Santos, por disturbibs.
A' ordem do dos Afogados, Jolo Luiz Nepo-
muceno, por crime de ferimentos loves.
P 's 6 horas mais ou menos da tarde, do dia
1o deste mez, na praca da Independercia, da
freguezia do Santo Antohio, Manoel Arcanjo
de Mello, tiravando-so de razres corn Bento Al-
yes Machado Guimarles. ferio' levemente a
este corn um compasso. 0 stibdelegado res-
pective procedeu a victoria e deixonu dlelfazert
effective a prisao do offehsor, feita pelo guar-
da civico n. 96, por se nao ter verificado a fla-
grancia.
-A' .1 hora da madrugada de hontem, um es-
trangeiro, de quem se ignore o nome, ao pas-
sar pela poote, que liga o bairro de Santo An-
tonio ao da Boa-Vista, pertencente a companhia
dos trilhos urbanos d> Recife aCaxanga, cahio
no rio. Aos gritos de soccotar da victim, o
guard civico n. 93. que estava de servico na
rua da Aurora, coadjuvado por dous caeroei-
ros que estavam em urea pequena cariba,
consegunram sahval-o. ..
!'elo subdelegado 'de Beberibe, foi remettido
ao juiz competent o inquerito policral a que
procedeu contra o -oldado do 20 lbatalhllo de
infantaria de linha Manoel josO do Nascimen-
to, autor dos ferimentob praticados na pessoa
de F rancisco Augusto do Amaral.
Deus guard a V. Exc. Illm. e Exm. Sr.
desembargador Francisco de Assis Oliveira
.Maciel, muito digno president da provincia.
-0 chofe de policia inter-mo, Manoel da Si!-
va Rego. ,


S2.-Gaminho de ferro da Beira Alta por
Coimbra, Mortagua, Santa Gombadao, Carre-
gal. Cannas, Nellas, Mangualde, Fornos, Ce-
lorico, Guarda e Almeida.
3.o-Caminho de ferro da Beira Baixa por
Abrantes, Villa-Velha e Monfortinho.
4.--LigacAo destes tres caminhos de ferro
por Castello Branco, CovilhA, Guarda, Pinhel,
Castello Melbor e Valle de COa.
5.o-Caminhb de ferro de Lisb6a a Pombal
pelo Valle de Alcantara, Loures, Torres Ve-
dras, Obidos, Galdas e LIeiria, entroncando
corn o do norte naquella estaCio.
6.-Ligacao de Lisb6a corn o Pinhal Novo
polo Grillo, Montijo e Aldeia Galloga.
7.o-Ligacao de Extremoz corn Elvas p3r
Borba, Villa Vicosa e Villa Boim.
8.," -Ligacao de Vendas Novas corn Peniche
Dor Santa Anna do Matto, Coruche, Raposa,
limim, 8antafeiBAzai rfIUo Maior
e Obidos.
9.o-Ligaco de Santa Anma do Matto (en-
troncamento) corn a Ponte do" Sor por Santa
Justa e Montargil.
t0.-Caminho de ferro de circumrnvalaCo ou
de cintura de qualquer ponto entire o Valle de
Cliellas e a estaQo do Poc6 do Bispo a entron-
tar no de Lisb6a a Torres Vedra;.
Reunio-se ha poucos dias a primeira classes
da Academia Real das Sciencias. Foram pre-
sentes algumas obras do Sr. Dr. Evaristo de
Ornellas, que foram enviadas i secio das
sciencias medical, corn titulo da candidatura
do autor a socio correspondent.
Recebeu-se igualmente um exemplar da
memoria do Sr. M. Pereira Reis, astronomy
do imperial observatorio do Rio do Janeiro,
intitulada :
( Determinafo das differences de latitude e
de lontyjitudc entire o imperial observatorio do
RIio de Janeiro e a barra do Pirahy. )
Foi eleito sQcio correspondent o professor
Van Benereu, umrn dos mais celebres natura-
listas da Belgica.
Fixou-se 9 dia29 do corrente mez, para ser
celebrada a sessao public em qne tern de ser
lida a conferencia do Sr. Jose Horta, intitula-
da: Thcorin. na metropole, pratica nsa Africa.
-- Vai ser publicado outru volume do rela-
torio dos consules de Portugal. 0 original ji
foi remettido para a imprensa national.
Comeeou em Lisb6a a publicar-e uam no-
vo periodic, Diario de Portngal, politico, in-
dustrial e agricola. Na part political, esta fo-
lha declara quo pertence a imprensa livre,
mas cordata, porque diz que as tempestades
sociaes destroem e nada edificam.
Realisaram-se ha dias as experlencias dos
apparelhos de lavoura e de differentes typos
de charruas movidas a bois, construidas na
fabric deJ. iHavard, em Bedford, e importa-
das pela .asa commercial dos Srs. Figari e
Sarmento, para serem expostas i venda em
Portugvl.
JA comegam os ruidos prenuncios do in-
verno que se aproxima corn o seu certejo de
temporaes e ventanias. Entretanto ha mais
de oito dias que o tempo 6 explendido.
As solemnes exequias quae se oelebraram
no dia 13 na igreja da Lapa, no Porto, por al-
ma de Alexandre Herculano, foram extraordi-
narianent concorridas. Fecharam-se todos
QS estabeleelulent0s. A commission que pro-
movet as exequlas vai offerecer um riquissi-
mo annel ao distincto orador sagrado, Anto-
nio Gandido, visto nWio aceitar dinheito. Ser-
Ihe-ha offei'ecido no dia em que tomar capello.
Fez a sua estr6a e tern tido muitas en-
chentes no tneatro dos Recreios Whititone a
famosa artist norto-americana missed Lureine
natural de Boston (Massachusset) e que des-
de a infancia revellou natural tendencia para
os exercicios de natago. Traja para os seus
exercicios um fato ajustado ao corpo de umrn
tecido metallico, imitando as escamas dos
peixes, hraCos nas e o cabello solto nas
costas. Ao submergir-se .noaquario, comeca
a nadar corn gractosa desenvoltura, depois
descasca e come dentro d'agua urma maQR,
heb de umna garrafa taim liquido qualquer, es-
creve em uma lousa e mesmo 4a agua ios-
tra as'linhas quo. tramu em bralitos caracte-
res. Dorme oU resa e conserva-se deste mo-
do cerca de tres minutes. Depois de varies
outros exercicios, introduzem-lhe no aquario,
que 6 de crystal, urma cadeira, e por entree as
travessas, corneca a nadar e a saltar como
se fosse urea enguia. Semelhante espectacu-
Il, completamente novo pare nts, e que em
Nova-York, Philadelphia, S. Francisco da Cali-
fornia, Barcellona, Paris, Leon, Marselha, Al-
lemanha e Belgica, tanto assombro causou,
naopode deixar de merecer muita attentilo
do public. Urea luz electrica que reflected so-
bre o crystal do aquaric da mais transparen-
daa agua, e permitte a qualquer espectador
observer os mais insignilcantes movimentos
desta sereia.
Chegou de Southampton ha dias o Sr.
Morau, ministry dos Estados-Unidos em I.is-
b6a.


Tambemrn chegou do estrangeiro o mar-
quez jde Oldoini) que- brevemente vai casar
coma senoora D. Carlota Satimento (Moncorvo).
Alguns academics vao requerer a el-rei
a aboliCAo da batina, que 6 um trajo anachro-
nico. pouco hygienico e ja improprio da actua-
lidade.
Devem partir este mez dos Estados Uni-
dos corn destiny a Lisb6a dous engeinheiros
americanos encarregados polo seu governor de
determinarem telegraphjcamente a longitude
das costas oriental e occidental da America,
contada do meridiano de Paris. Tern para es-
sc lim de fazer estacRo em Lisb6a, antes de
passarem a Franca.
Chegou de Inglaterra corn sun esposa no
vapor Elbe, que entrou a 14 do corrente, o Sr.
commendador Jos6 Joilo de Amorim, chefe da


da tirma Amnorim & Filrhos da praca de Pernam-
buco.
NOWTKll No dia 15 pelas 9 horas da manh-t resou-
a__ OR v* se na igreja da EncarnaCAo euma missa em
Correspondencia do Dliario de accao de gragas pelo seu regresso a porte e
Pernambuco salvamento.
PORTUGAL 0 Elbe soffreu violentissirmo temporal na Ba-
PORTUGAL d bhia de Biscaia.
Lisban, 21 de novemwo Assistiram A missa es plumnos da escola
S- NAo h4 novidades politics desde a sahi- Caridade,de que o Sr. Amorim e um dos maio-
da do Elbe. res bemfeitores.
Tern-se azedado cada vez mais a polemica A' miss liberal me que se celebrou na S8
-Jornalistica sobre a question das obras da pe- patriarchal em suffragio pela alma de el-rei D.
nitenciaria central. As folhas govntrtamen- Pedro V, assistio a famihia real, o ministerlo,
takes vao publicando os depoimentos do auto po- os ministros do gabinete transaolq, o corpo di-
licial. Esta infeliz questao cabhio nos dominios plomatico,. offloiaes superiors do exercito 0
tenebrosos da political apaixonada. Eminquan- estado-maior e um contingent de cada corpo
to de um lado se sustenta que' houvese i alli da guarniCao, camera municipal, dos asylos,
depredatOes em grandeescala e-que ener- os Veteranos da liberdade, empregados oae to-
gia do actual ministry das obras publicas se das as reparticses -do estado elmuito povoe.
deve ellas nao proseguirem bem detrimerto. A missa foi cantada de pontifical pelo dellao. o
da fazenda public, por outro sustenta-se queio' revereido coriego Gabral. No libera me offi-
o proprio ministry temrn subsidiado agents po- ciou o cardeal patriarcha.
lidaes para espienarem Ltodos os actos que d1- El-rei e a cbrte estlo de preto per tempo
gam, respeito Aquellas obras, respeativos for- de vinte dias, pela more de sua magestade a
dores e empregados, em ordem a corn- rainha, viuva de Saxonia Amelia Augu.ta,
ieHtel-os. Ao Sr. Antonio IzidoroGoncalves foi con
ao nod dia 25 do cotr*e as elei 5es codida patent deinvenCao poc cinco annov,
as canaras municipias etodos Q s con- para um novo system de encaixilamnento, ap-
s. Kalgumas municipalidades a 1#41 6 plicando o bagaco da uva a caixas e caixotes
t *rzlL "ji '1 1i'W ,H an *"niw uii -r witdmiall Ae kha entAnham "vi-.


0 Sr. conselheiro Jolio de Andrade Corvo
foi nomeado vogal da commisslo encarregada
de proper ao governor o piano geral da wtor-
ma de instrucoo secundaria, em consquonclia
de eslar ausente do reino o Sr. cooOde e
Valborn.
Dizem de Roma, que Suas Magestade4ft
Imperadores do Brasil foram citados para irI-
recadar cincoenta contos de r6is. que oftl Sl'-
rautia de uma pensio que a imperatriz res,!
bia.
0 Commercio do Minho declare offloial-
monte que esti organisada At peregtinaco a
Londres, sob a presidencia do patriarcha.
Foram nomeados os engenheiros Luiz
Victor Le Gecy e 'os6 Bandeira Coelho de Wlel-
lo. para de accrrdo corn os nomeadtos polo go-
verno hespanhol estudarem e proporem a seus
governor a solucao que julgarem mais acerta-
dapara deslgnar o ponto da raia oude deve
oassar o cahinfb de tbtrv (m e T s
minas da villa de Caceres, 'deve fligar dm o
ranmal do caminho dle ferro de l 6ste, nas proxi-
midades do Creto ou Changa A fronteira.
Entre os portuguezes que mais estao il-
lustrando Portugal nos paizes estrangeiros,
deve contar-se o Sr; Azevedo, filho da Sra. D.
Emnilia Rrug, e ao present encarregado de oe-
gociar na Belgica.
A sua traducgio de Camoes 6 apreciada por
lodos os conhecedores, e tern tido tao lison-
geiro acolhimento que se vai fazer della se-
gunda edigao.
0 imperador do Brasii fez a respeito desse
trabalho muitos elogios ao Sr. Azevedo. e pe-
dio-lhe umrn exemplar para a sua sua biblio-
theca.
OSr. Azevedo foi condecorado ha poucos
mezs corn a Legiao de lionra, recebeu agora
tambem de el rei de Hespanha a commenda 4e
Isabel a catholfca.
Diz-se que serA a Martini lHoenry a carabi-
na destinada ao armament de toda a infanta-
ria de nosso exercito.
0 ministerto da gueroa tern continuado a fa-
zer acquisigiio de alguns torpedos Witechead,
e de machines correlativas para o deposit es-
tab lecido no porto de Lisb6ia.
0 active du banco hypothecario, em 31 de
outubro era de 419.654:9215915. Lucros e per-
das 47:6585$39. Dinhejro em caixa e nas
agencies 19:044$611.
Foram arrematados os haveres da comn-
panhia transportes do Porto: produziram...
4:A73#395, que sao para pagar aos credores.
Os accionistas perdem as suas entradas.
0 banco commercial do Porto vai liquidar
po. proposta da direcoiao; parece que os ac-
cionitas terWo perda total.
. E' muito valiosa e variada a collecgo
do archideas corn que sua magestade a impe-
ralriz do Brasil brindoi el-rei D. Luiz, que
tern apaixonada dledicaCao por aquellas pla*tas
que oncontram no director dos jardins reaes
o Sr. Mello Breyner, o mais esmerado tra-
mento.
Falleceu o Sr. Fernando Pinto de Almei-
da Carvelhosa, irm'o do Sr. Barao da Ribeira
de Sabrosa.
Falleceu tambem a Sra. Viscondessa do,
GraQa mnai do Visconde do mesmo titnulo e da
Sra. Condessa de Porto-Covo.
Diz o Diarto da Manhd, do dia 15, que
vierara do Porto, duas raparigas contratadas
par uma engajadoura para irem para o Brasil.
Foram residir no hotel Vizevense. Ura dtellas
tinlia uma irma casada corn um sapateirode
Almada, que apenas soube da estada da irma
em Lisb6a, veio saber o motive da sua vinda.
Apenas ella ihe disse, aconselhou-a a nao par-
tir, mostrando-lhe que era enganada para al-
gum lupanar brasileiro. A rapariga entAo nao
quiz seguir viagem, mas como a engajadoura
insistisse, a irm5i rasada foi prevenir a policia
que logo'so dirigio ao hotel. As raparigas fo-
ram encontradas, mnas a engajadoura desappa-
receu. A policia ainda a procurou na estacao
do eaminho de ferro mas parece que a nao ea-
conitrou. As raparigas foram conduzidas ao'
coromissariado donde naturalmente seguiram
para o Porto.
Tern agradado immense no theatre de D.
Maria II o drama em cinco acts do Sr. Souza
Vasconcellos, a Duqueza de Carvinha. A sua
primeira representac~io foi em beriefiio da in-
signe actriz Emilia das Neves.
-- Dizem da Figucira que a camera munici-
pal deliberou q.-e as tries rues dp nova bairrc
do caes recebam as seguintes denominaQSes
Rua Vinte e Quatro de Agosto.
Ria de Fernandes Thomaz.
Rua do Principe Real.
Largo Oilo de Maeo.
A camera municipal de Lisboa votou no dia
17, depois de alguma discussao, a proposta dc
Sr. Dr. Jardim, para a creaeao de mais um
cemiterio onde sejam sepultados os cadavers
dos individuos nao catholicos, buscando assim
evitar conflicts. Antes da votacabo o Sr. Ve-


quito usou da palavra para sustentar que a ca-
mara tinha apenas, segundo a lei, attribui5ets
administrativas coin relauio aos cemiterios e
nuio podia entrar em questoes de direito cons-
tituido, sondo necessario ura lei geral corn
respeito a enterramentos, e por isso propunha,
outra mocao.
0 Sr. Dr. Jardim sustentou qone a lei man-
dando o ordinario que benzosse.os cemiterios.
estabelecia por esse facto a necessidade dos-
cemiterios nao catholicos. e corn outros argu-
menoos manteve a utilidade do seu alvitre. 0
Sr. Serzedello doclarou associar-se A moQco
do Sr. Vequito, mas votara proposta do Sr. Dr.
Jardim, caso aquella moiao fosse vencida. A
mocao foi approvada por trez, e rejeitada por
oito. A proposta do Sr. Dr. Jardim foi appro-
va por 9 contra 2. Urma multidiao inquieta
aguardava a resolucao da camera, e quando
foi conhecido o voto da maidria, ao ser levan-
tada a session houve ruidosos signaes de des-
agrado da parte dos espectadores que nac,
eram affects a essa solucao. Por alguns dos
votantes foram na rua dirigidas apostrophes a
um vereador, o Sr. Camara ManOel vendo-se
affrontado por commentaries fdizantes, impa-
cierito'-se, e chegou a ameagar os que o apes-
trophavam.
A liberdade da opiniao, e do voto n~o foi
nesta parte mantioa e respeitada como devia
ser. .Os sectaries da fiberdade de conxic*ia
e de pensamento, devem ser os prim. eiros.
a acatal-a'nos outros, para serem eoftoentes
corn os sous principios. Como se v do texto
da 3roposta do Sr. Dr. Jardim, ella acabe
nesses cemiterios co-n o abuseo j vala.com-
mum, dando o municipio cova gratuila 8s po-
bres. E' uma resoluglo sympait'hica, just e
muito ohristA. NAoe possivel deixar de ap-
plaudir esta resolucao.
No dia 16 foi a distribuiclo solemn dos
premios na Universidade. Assistio a corpo
docent corn as suas insignias. A sala ds ca-
pellas estava cheia ; nas trlbunas via-s gran-
de numero de senhoras. Recebeu dous diplo-
mas o Sr.- J&o Bernardo Heitor de Almeida;
distinct filho da India.
Partio do Porto para Paris o Sr. HfAel, oN
casa constructora da pont6 Maria Pia.
Acaba de, appareooer verda em ari a
trodrvto be" sta da narrst1* Aq.elw
ineno o~r Alexa
e0A bacom o


b-i



















P



















'4





























governor (t -t'tnt estara, Q ilenoa
coil'aren f ina uma nova dpo-
ado eliberd a-, frp qanbiw os
ruercados da Africa oriental A aeividade mer-
catil de todos os paizos, embhora ao thesouro
da miAtrop.e viasse a resultar temporaria-
mente algasm sacriflcio pelo eventual desequi-
li h ossehver datre as receitas dae
provianoia de Moamibique e as suas daspezas
inifisertsrvels, por se reduzirem -os direitos
daas itilaqogs a ode a uecessid'Ue aconsellias-
se. 'AxIm, pois, a commissao deossombra-,
dado reeeio deque o a machiaistno adminis-
trativo soffresse peta acoiJental e' temporaria
diminuigao dos rendirnentos publicos,, poz do
panre a idea de crear receitas, mirando a re-
duzir os direitos dtas alfandegas, de maneira
quo' animasse o commnercio, dilatasse os mer-
cadbjs, despertasso a concurrencia de capitals
deo todos os paizes,.o lhe; desse garantias do
nao flcarem ostacionarios, imnproductivos e
suffooados por vexames lscaes.
Uin dos primeiros objects do estudo, foi
harnonisar as propostas de maneira quo a
adopgiao do um regimen dilteforente do qu, 6
segoido nos estados limitrophes da provincia
de Mogambique, nao desso ero resultado per-
-turbacoes ao commercio.
GConvergiratn pois as attonoes do governor
p6rtuguez para dorrocar o systemna restrictive
de avegagiCo fbi'ta entire os d.ifferentes portos
do Mozambique por navios csLrangoeiros, eo pa-
ra que bfosse permittido o coamnercio de cabo-
tagem aos navios de quahluer nacionalidade.
Q commercio entire os ports de Portugal,
ilhas'* e domrninios portuguezes, segun'doa t le-
gisfaqiov e'n vigor, art. '1,.305 do codigo corn-
mercial s5 podia soer feito emn navies portu-
guezes, qucr par exporta'to, quer por inm-
portaIao ou transit
E' sabido quo atW 1650 as leis do iavegaC),
em Ingla.orra. tinharn por aivo regular o com-
mercio entire os diversos ports e depcnden-
cias da Gra-Bretanha, mais do que regular as
rela.Oes corn os cstrangeiros. Em 1651 pro-
mulgava-se o famoso acto do navegagito ou
carta maritimrna na qual se estahelecia queoe-
nhum product se imorl'tasse, na GrA-Breta-
nha, procedentede qualqiser paiz. da Europa,
que nao fosse tLansportad) enm navio britan-
nica. Depois o system de reciprocidade foi
successivamente estabelecondo novas liberda-
S des para navios de varias nacoes, liberdades
que se tornaram mais amplas polo acto tie na-
veganlso de setembro deo 1833, mas ainda ficou
reservada ex-dtutivamnente acs navios inglezes
e navegagio de cabotagem e o transporte de
rmercadorias entire o lleino-Unido e as suas
possesses da Asia, at que em 1854 foram
admittidas todas as embarcag(las a fazer tam-
bemn Livreanieute o co'nnercio de cabotagem.
Thmbem se ntio ignuora que autos de 1;602 os
transports enitre os divoi'sos-portos de Fran-
ca faziam-s corn tLod a liberdede sob quial-
quer bandeira.
Foi Ifenrique IV que irmpoz os primeiros
direitos as emborcaCOes de cabotagam estran-
geira, apezar da opposigao do parlamen'to, e
contra a opinion dos ministras. Depois Foau-
quet e em seguidza Colbert, elevaram esses di-
reitos,,a cS que por nmna lei de agosto doe'1791.
JIMeou 0 tfito do cabotage n reservado abso-
lutamnnte aos navies franbezes. A Franca,
porfm, jb pot convenio de 1768, admittia nos
seus ports a cabotagemn, feita por navios hies-
panh6es,o em virtue de tratados recentes
teem os vapors da GrA-Bretanha, Italia e Bel-
gica, a faculdade de oazor transporltes entire os
ports francezes, assimu coma as navios fran-
cezes gozara igual faculdadie nos ports da-
quelles paizes.
A Allemanha, a Suecia e a Hollanda toeem
modiftcado tambem as suas leis prohibitivas
sobre a bandeira estrangeira, admittindo hoje
os navios de qaqualquer nacionalidade a trans-
portes de cabotagem, urma vez que o paiz a
que elles perteneamn conceda reciproca facul-
dad.
0 ,rasilestA concedendu a todos os navios
.estrangeiros, a faculdade de tazer a cabota-
gem entree os seus ports. Portugal, paiz de
larges InstituigOes liboraes, comprehende bern
e sempre,.que a liberdade'6 um benefilio ge-
ral que a todos aproveita no campo da legalti-
dante e da ardemn, e deu, portanto, agora ua'
passe1 notavel nesta send.
Ainda corn respeitQ a embarrcases estran-
geiras foi tambem adoptada uma medida ex-
tremamente sympsthica qual 6 a isena,o de
quaesquer direitos de porte na provincial de
Mozambique, a titulo de tonelagem, ancoragem
ou pharOes, sdbsistindo apenas o encargo de
cabotagem.
0 transito e a exportaiae ficaram tambem
desoneradas de encargos impeditlvos e sujei-
tos somente a taxas estatisticas e a outrats, Co-
ma siros de tr-nisito para os sertOe^ africa-
nos, perfeitamonte compativeis corn toda a es-
pecie de especulagOes mercantis, que pbdem
alargar indefinidamente o campo' das transac-
coes colonies.


Antda coin relagAo as Laxas de importacAio,
a nova pauta.da provincial de IMogambiquo dbe-
dece aos mniesmos principio liberaes, e 6 con -
vidativa ao commercial de todos os paizes es-
trangeiros ; 6 nortanto utilissimo, sob todos
os poatos de vista, a reform aduaneira que o
governoportuguez docretou ultimamente para
urma Lo inmportante colonia, que cornm razao 6
cbamada a perola da Africa oriental.
VPoleria traasccever aqui alguns artigos d4x)s
p'ebAminares da nova pauta ; nen'endo, por&in,
que seria cancer os nossos leitores, e deixo
portanto apontados os pontos principles a quo
se refere este trabalho, qu. mais urna vez af-
frima que Portugal 6 umn paiz sensato, traba-
lhador e liberal.
0 Sr. Severiano Rabeltoi Junior offereceu
na sua casa do largo dae Quintella um jantar e
umea soiree aos seus amigos Srs. Youte, e ao
commeadador Joao Jose6 de Amnorim e sua
esposa D. Anna .de Amoriim. Os coavidados
foran os .,iscondes dos Olivaes, e da Silva
Carvalho, e suas filhas, engenheiro Pinheiro
Bqrges, D. Clotilde de AXraujo, irtn da Sra. vik-
ondessa dos Olivaes, corn suas filhas; Schin-
tler e suasfilhas, Adolpho Mayer ersua esposa;
Silva Ribeiro, Dr. Carlos Mayer, Share, D. Je-
ronyma e D. Leopoldina B.odrigues, fitha do
Sr. condo de Linhaires, Ulrich filho, Mr. Cliff
Buzayla e outros.
A direco d6 alacio de crystal de Porto,
por proposta d um director, resolve que a
medalha de premio para a proximna exposiolo
de ayes, que tern de realisar-se naquella cama,
fosse fetta por um artist portuguez, que,
coenquauto obscaro. tern apresentado provas
.excellentes do grande competencia em tra-
.balhos desta ordeim. .
0 reverso da medalha -representa a fachada
principal do patacio de crystal.
0 Sr. 'rancisco Eduardo.Gomnes Cardim,
residenteita cidaae de Valenga, imperio do
Brasil, offereee pa ra abibliotheca popular
setubalense, nove v0lumie udis obras do poeta
;e philosophy de Domingos s4 Gonealves de
lagalhSes, viscondo do Araguaya.
0. Diar da Manhs, do hbntemrn, trazia
um artigoiermea da noticia dada ha dias por
.urn joinal dos Agores, em referencia A exisj-
ream na ilha do Fayal, grnens latentes de
insurreio e tendencies ppara annezxago aos
Estados-dfdos tda America. stas disposigtos
S ta nIatiAams n tataanmtd .no ara-nr. *


compraft pew Sr. fKpp4t U(#arramo.
Os trabalhosdo Sr.Valla foa m louvadQs
pelo ergenheiro inglez.
I istad est,%Wto-.deitnte Q Wi#46 de
SantdAngelo, digno consul geral do Brasil
em Portugal. '* .
Dizem de Caminha (Mioho) u8e seo pro
cede alli cam grande actividade aos trabalhos
da ponte de ferro. Trabalham actualmente,
no 3o p6kgo que tern quasi '20 metros de pro-
fundidade abaixo do leIto do rio.
AmanlhA, na igreja do S. Vicente da Fdra.
(LisbOa) celebra-se o 1o anniversario do6 falle-
-3imento do marechal duque de Saldanha. Os
convites siIo felos pelo Sr. Luiz Pires Monteiro
IBa'ideira, ajudanto do camnpo que foi do -ma-
rechal.
No Diai-io do Goevrno veio hontem o do-
creto transferindo para o hospital Estephania
as quatro eifermarias do hospital de S. Jose.
para doentes do sexo femninino, denominadas
do Nossa Senhora do Lartao e de Sant'Anqa ;
as de medicine, de Santa Margarida e de
Santa Quiteria, as de cirurgia, e cmeando urna
enermnaria no mesmo hospital para o trata-
mento de crianqas pobros dos dous sexos, e
bern assim o lugar de director da nova enfer-
maria corn o respective ordenado.
Falleceu um neto do conde de Paraty,
gro-rmestre do grande oriented lusitano-unido.
comecam a chegar os resultados das elei-
goes munqicipaes nas provincias. Por engano
disse que eram ein todo o reined a 25. S6 as
de Lisb6a 6 que sar&ao nesse dia. No dis-
tricto de Vianna a lista ministerial venceu
todas as cleigOes municipaes, except as de
Ponte de. Lima e do Ponte da Barca. Nos
arcos o ex-administrador do conselho causou
tumulto o disparou tiros. Daht resultou ades-
ordem por forma que nhiq, p6de fazer-se a
cleiQlo.
Da. Porto. um vencimento em Myragaia e Born-
fim. Continaa o apuramento emin Victoria, Ce-
dofeita e 56. A maioria da list progressista
atW hontem i noUe era de 1,6)0 votds.
Tem estaiko doente S. A. o infante D. Au-
gusto.
Os nossos tfundos ficaram no dia 17 em
Londres a 50 3/8 e 50 5/8; as hespanhoes a 13
o os inglezes a 96 5/,8 c 96 3/4.


INTERIOR

As escolas de adults
Commentando o trecho do relatorio da ins-
truccao publicia da Bahia, relatiwo as escolas
de aduftos, o Monitor, excellent journal dessa
provincia, exprime-se nos seguintes terms:
.x Resulta do exposto um facto que nao p6-
de doixar de ser deplorado por quantos se in-
teresaam pela diffusao do ensino entire nOs;
as escolas para adults nao c.)mpensam os
sacrificios que custam,
(( Em qpiatro annos a matricula desceu abai-
xo de metade, a 40 por cento. 0 quo serd,
pois, no tim do ann Co rente ? 0 que sera
no principio do anno vindouro ? H essa ma-
tricula niao corresponded ainda a frequencia, diz
o director dos estudos;. Este o facto, o facto
triste, & fact contristador.
I Mas de que se nrigina ? Qual 6 o meio de
remedir o matl? Segundo .Sr. Dr. director
dos esbudos, se a bella instituicgo das escolas
nocturnas nao produz os beneficios que della
se tinhamrn esperado, culpa 6unicamente dos
artistes de ossa provincial, qute nao so com-
penetrara do sua reconhecida vantage.
( No 6 a primeira vez, e Inlelizmente nio
sera a ultima, que nos 4e o iaesgestq de
deptera, mn ados -maies iq Is oos tem
feito ao desenvolvimento desta terra, a seu
verdadeiro progresso-queremnos fallar da fal-
ta de criterio corn que aqui so emprehendem
as cousas, oe da falta do seriedade .om que as
executam.
(( Nesta pobre provincia, tao rica de talen-
Wos, tao abundante de rctrsos, mas tilo deca-
dente e tao atrazada sob lodos os aspects, o
que e que explica a desproporcao que se nota
entire as meios e os resultados ?
Gausas diversas parq isso concorrem, e
entre ellas nao actta .comn menos influencia a
que acabamos de assigna!ar. Entre n6s nao
se cuida muito ,no born resultado das cousas.
mas nas apparencias. Vivernos de illusorias
vaidades. 0 que se bsscQ napo 6 o bern real,
mas mnodesto; 6 a'oostentag&o, embora es-
lerd.
Fazer ruido 6 p avo dos es~orcos geraes ;
quereis exempts ? Nao os buscaremnos a es-
mo : nao nos f.l.tariam, mas fora tarefa ingra-
ta, alum de" longuissima ; limitemo-nos, por-
tanto,.ao assurapto que nos occupa, as cousas
da instrucc.o public.
a Temos um institute agricola, nap e veida-
de qule temus ? Edm0cio mmrto vasto, que cus-
tou ruito.tempo e mnilo dhnheiro : devemos
estar satisfeitos. A situasAo 6 ma, o estabe-
lecimento nao conta recursos para subsistir.


nao existed ali urn nucleo de bqns pvaessores,
as terras soIo estereis, falta a agua ; mas te-
mos o que teem as principals cidades ia Eu-
ropa-urn irstituto de agricultura,
SNio ha seriedade no factor ; mas a vaidade
fica satisfeiLa-6 quanto basta.
(( Temos um Lyceu de ArteC e fficios. Alli
nao se onsina officio nenaum : do artes ensi-
na-so desenho e ni o sabernos se ainda se en-
sina a music. Que imnporta isto ? 0 titulp 6
pomposo, retumibante j sonoro--lyceu de artes
e officios Podenes pmparelhar corn as na-
coes oultas-perca-se tudo, mas salvem-se as
apparencias !
( No tal lyceu de artes ensina-so o latim ;
no tal lyceu de officios aprende-se a conversar
em fraacez. Isto nao quer dizer nada, o quo
quer di;er nmuito 6 terms um lyceou de arts
e officios.
(( Vieram depois a.; confemrncias. Este po-
v6, estes artists que fogerm. das escolas noc-
turnas, apre3iamni as mais altas questOes da
philosophia transcendental, cornprehendemn as
idWas mais abstractas da metaphisica ; acomr-
panham o movimento das espher s celestes
nas suas evolueoes polo espaco infinite ; se-
guem os numerous das estrellas, contain as le-
guns que nos separanm do sol, u nao se atur-
dem corn esses alganrismos que nao saberiam
Pscrever
(( O"a tudo isto, born se v6, 6 bonito, ruido-
so, mas no fundo das cousas nao 6 serio, nao
6 fccundo, nao' 6 verdadeiro, nao provei-
toso.
( -A instrucgao public, fagamos esta justi-
ga A provincia, do eerto tq(mpo para cA tern
merecido mais atgubi cuiado ; mas a ten-
dencia A vaidade temrneStragado muitos esfor-
Oos ; tem-se teito muito barulho, mas tem-se
colhido quasi nada, pOrque quasi nada so tern
feito corn criteria.
a As escolas nocturn s foraa moda em cer.
to tempo. Grearam-nas, e nao so tratou de
mais niada. Hoje decahom. Devem.sdr sup-
pressas. Serlo. E'justo.
a 0 que n'ao 6 just, por6m, .4 que a auto-
ridade public dign :--Estou Cam a conscien-
cia tranquilla-a culpa 6 do povo. )
t Os prtistas nao comnprefiendem, diz o Sr.
Dr. director d'og estudos, a utitidadeo de to
bella instituico,0
C aas. o que 9a t L ito pa- -qe elles
compreheadam essa, uftildade 9" da. A es-
cola de aduitos nao p& ',fTereoet, entre a
frequencia ea'a matriuala 'a metna prtoorCAo
quo as escolas de parvaits; 6 intuitivo. '
t 0 arUi, omem, pai d famailia, ternm urn
I da _u ira ho tirgenl qeuo. p6enade, outro
d'i iw *faterfu na at'jtraf. ,iftnk DWAO quo


PERINABUCO
REVISTA DIARIA*
Inquerito policial-Pelo subdelegado do
district de Bebeberibe foi remettido, aojuizo
competent, oinquerito policial a que proce-
deu contra o soldado do 2c batalhao de infan-
taria de linha Manoel Jose do Nascimento, au-
tor dos ferimnentos praticados em Francisco
Augusto do Atmaral.
Cahlo ao rlo-Cerca de uma hora da ma-
1Lrugada de 2 do corrente, urn estrangeiro que
naio declarou o nome, ao passar pela ponte da
via-ferrea do Caxangd, que liga os bairros de
Santo Antonio e da Boa-Vista, cahio ao rio
Capibaribe, send d'ahi retirado pelo guard
civic n. 93, auxiliado por dous canoeiros.
Conflicto e ierimentos Na prawa da
Independencia, da freguezia de Santo Antonio,
ds 6 horas fda tard, do dia 'to do corrente, Ma-
noel Archanjo de Mello travou luta corn Banto
Alves Machado Guimardes, da qual resultou
ficeareste levemente forido. Deixou de reali-
sar-se a prisdo do offensor, por nao tersido
a ordem intimada em fldgrante.
Coadjuctor-Por proviso, do Rvm. Sr.
governador do bispado, do 1o do correite, foi
nomeado coadjuctor da freguezia do N. Sra.
das NeVes, da capital da provincia da Parahy-
ba, o Rvi. Sr. Odilon Bemvindo de Almeida
Albuquerque, tendo sido exonorado de igual
commissao na freguozia de N. Sra. da Gloria
no Goita.
Fallecimento Emn data de .14 de novernm-
bro ultimno, falleceu,'na cidade do Pombil, da
Parahyba de que era-vigariocollado, o padre
Alvaro Ferreira de Souza.
Ceinpauihia pernambucaua de nave.
gaqi o--Teve lugar hontem a reuniao d'as-
sembl.a geral dos accionistas desta compa-
nhia, representando 2,846 aceoes.
Nao tendo podido comnpareoer, por incom-
modo de safide, o Exm. Sr. coronel I)omingos
Affonso Nery Feorreira, occupou a cadeira da
presidencia o Sr. Justino Jos6 de Souza Cam-
pos, que convidou para servir de secretart'o
Sr. Dr. Praxedes Goines de Souza Pitanga.
Foi lida e approvada a acta da sessao ante-
cedente.
Tendo sido lido igualmente, o parecer da
commnissao nomneada, na sessio ordinaria do
present anno, foi mandado Wprimar o referi-
do parecer para ser distribuido pelo Srs. ac-
cionistas, marcande-se o dia 17 do correlte
para reunir-ir novamnente a assemblea geral.
SLevantou-se a sessla.s t horas da tardc.
Raigha de. lfespaiha-A princeza Mapa
das Mercez Isabel Francisci de Assis Aa pia
Luiza Fernanda, que se acha contratada aa
casar corn S. M. Affonso XII, actual rei de Hes-
panha, c a terceira filha'de S. A. o principle D.
Antonio Maria Felippe Luiz de Orleaes, duque
do Montpensier, e de sua esposa S. A. a prin-
ceza Maria Luiza Fernanda, infant de Hiespa-
nha, e irni da ex-rainha Isabel 11.
A princeza Maria das.Mefcez nasceu, em Ma-
drid, a 24 de junho de 1860, coritando, portan-
to, 17 annos de idade.
. Exaimes-No dia 4o do corrente, sob a pre-
sidehcia do delegado litterario, Dr. Henrique
Marques Lins, e, sendo examinadores os pro-
fessores Liberato Maciel e D Leobina de Bar-
ros, fizerai exames da 4& cadeira da fregue-
zia de.Sahto Antonio os alutonos: Joao Anto-
nio Toroes, approvado corn distincglo ; Aggeo
Antunes de Farias Torres, Francisco Fabricia-
no F.erreira Goanes e Ezequiel Firmino de
Sant'Anna, 'plenamente.-
No mesmo dia, sob a presidencia do de-
legado litterario, commendador Jose Pedro das
Neves, fizeram exames na 3& cadeira da fre-
guezia de S. Fiei Pedro GbnCalves do Recife,
servindo de exai-inadores os. professors ito-
drigues e Silva Miranda, os alumnuos:
Jose Domingues Pimnerta, Manbelt Baptista de
Araujo.4AIfredo Jose Vianna e Pedro de Fonte8
Ferraz,.approvados corn distinceao; Jos6'Al-
yes Pinto. plenament6.,
Theatre Santa Isabel,-Deve realisar-se
neste theatre, hoje al noUIt, o espectaculo em
heneflcio de dous artists H. Gerner, primeiro
tenor, e Theodore Bonaplata, baixo, tao esti-
mados do nossO putbico, e que tantos applau-
sos tern obtido. -
Levam euls a scena a excellent zarzuela,
em tres notes, do maestro Gaztambide- Voile
de Andorra ou Triunmho da Iuwevencia, quo
tanto agradou na jpnmeira vez que subio ai
scena.
Entradas de assucar e de algodio-
Vieram ao nosso mercado, por mar e pdr ter-
ra, no mez de novemri'o:
Assucar ,
Em '876 202.542 saccos
Em 1877 138.259 .* .
AlyodMo
Em 1876 15.49.4 saccas
Em '1877 3.217 a


Vapor Camo6es Esse vapor, da coinpa-
nhia brasileira, deve chegar ao nosso porto,
procedente do Rio de Janeiro em direitura, no
dia 6 do corrente, seguihdo poucas horas Ae-
pois para o Ceard.
Assoeia -Acuba de sahir aluz hr e ..i .in o. cor-
poraCao, no annors(cildeIS lff l.V
Faculdade de IIto d lJM&cife-Telo-
graumpIarticatar, do Rio de Janeiro diz que,
por decteto dltu dow-orrente, foi nomeado
lente substitute deesa faculdade, o Sr. Dr. Jo~o
Vieira de Araujo.
Bibliothea proviacial- Frequentaram
essa repartigao, durante a semana flinda, 204
pess ,as, que consultaram 231 obras, send dae
dia 113 pessoas e 148 obrase a6 noite 71 pes-
suas e 83 obras, sobre : Revista e jornaes
16-j, litteratura 31, direito 12, philosophia ,It
politica 5. religiao 4, encyclopedia 4, mathe-
matica 3..historia 3, historic natural 2, geo-
graphia1; nas linguas portugueza 194, fran-
ceza 36, ingieza4.
Recebeu as spguintes offertas:
Pelo Sr. engenbeir. Henrique Augusto Mi-
let: Le-Besil pendant nla guerre du Paraguay,
(1865 a 1870), Memoire lu an Congrts do la"
vre, per Henrique Augusto Milet, 1877, 1 fo-
Iheto.
Pelo Exm. Sr. Dr. Joao Capistrano Bandeira
de Meio Filho : Grammatica da lingua brai-
leira gerat, fallada pelos aborigenes das pro
vinciasdoPard eAmazonas, por Pedro z
Synipson. 1877, f fo|ttao,.
Pelo Sr. Dr. Atonio Herculano 4 SoxiSU
Bandeiq Pilho: Relatorlo sobre a iMmigr-
0Io. apresentado ao Exm. Sr. minbstroift
(ictuRtar4 pelo Dr. Moolo) Joaquim noreirt.


PresideO--Joaquim LumdidIlga..
Secret 'a Julio Cesar lo yresA...
Thesou"B"W. -Rodolpho leimn do Souza
Fonceca.
,Procurade geral. D. Ayres de Albuquer-
Procuraderes.-Thormaz Antonio Maciel Moa-
eiro-e 60fredo de Abren e ima.
Defluidores.-Guilhierme Joaquim da Silva
Braga, Francisco de Lemos Duarte Junior,
termino Emnygdio do Figueir6Uo, Herculano
da Silveira Bes gone, Juvino r Cavalcante Simoos
e Affonso de Albuquerque Martins Pereira.
Imprensa--Acaba de pubilear-se. nesta ci-
dade, um pequeno folheto sob a denominacio
de Memento de cosmographia segundo as Uigces
tq Pr, Abrev, annotalas pelas opintes dbosSrs.
{Iet wt, Hoefer, padre Sechi, Bambosson, e
outros astronomns, para uso dos examinan-
doi de geographia;
Agradecemos o exemplar que nos foi offere-
cido.
Constrnelio de pontes--Tendo finUdado,
no dia 26 de novembro, o prazo de 30 dias
mnarcado para a recepglo do propostas para a
construcgAo de tires pontes, urna no porto do
'cobina, outra entire a rua Imperial e os Goe-
ihos, e outra na Jaqueira, de cecordo corn a
lei provincial n. 1280 de 9 de julho ultim), so
concorreu o Sr. Jos6 Soares Pinto Corr6a a
construcgao da pritneira, apresentando todos
os estudos nicessarios, 'os qtraes foram remet-
tidos A repartiio de obras publicas para omit-
tir parecer.
Pagadoriade fazenda-- Nesta estan:io
pagamin-se, hoje as seguintes folhas:
Junta commercial, consignaqOes dos otfi-
ciaes do exorcito, justice do 1' instancia, al-
fandega e correio goral.
A hydrophobia. Sendo verdade o que
diz o Sr. Laporte ao Times, a terrivel molestia
nao 6 incuravel.
Escrevendo de Plymouth Aquelle journal,
conta o Sr. Laporta que urn cooli f6ra meordido
por um cio damnado, declarando-se immedia-
mente a hydrophobia.
Tinha ji a molestia chegado ao- sonu apogaiu
quando ministraram ao doente uma infusao
de datura str-amonium, a mesma plant que
fumam os asthmaticos.
A infusio foi proparada do modo seguinte :
Ferveu-se um punhado de folinas do datura
n'uma camada d'gua, ate redusir tudo a me-
tade do volume. Depois foi passada a agua
poptumrn peneiro e introduzio-se na guela do
paciente.
No firnm deu' ma crise violent, declarou-se
uma transpiraeiio abundant : o cooli cahio
emrn profutdo senino que durou oito horses, e,
quando accordou, todo o vestigio do mal tinha
desapparecido.
Mr. Guyot-Moutpayroux.-E' da corres-
pondencia geral portugueza a seguinte noti-
cia :
a 0 Si. Guyot-Montpayroux, director'pcliti-
co do Co'ri- r de FIraiwe, acaba do recolher-
se Acasa do saude do Dr. Jules'Luys, victi-
ma de um ataque de alienaQAo mental.
< Esta perfeitamente alojado eonserva umaa
certa apparencia de b6a saide, dizendo conti-
nuamente quo sabe que esta n'um hospicio
de doudoa, mas que nao esta doudo.
( Ha dias, depois de -conversar muito atila-
damenteooma o Dr Luys, enviou-lhe o seguin-
te manifesto.
a Eu sou o padre eterno No principal
creel o cb6o. o a terra e eaviei o9 meus fluhos
para cada umn dos planets ; s, tendo olhado
para a miuha obra, distiogui unm plaaeta entire
todos os0 ouaros ; este planet eam a terra, e
sobre a terra disfiagai u a peqoeno cantod 4
I paiz -o-Ativorgne, quo dotei com todas as ri-
quezas e todos os esplendores ; e neste paiz
creei uma familiar, a mais nobre;a mais rica e
a mais intelligonte, afirn de que ella me repre-
sente so )re a terra, e que ella reine um dia
sobre o muodo. Esta familiar 6 a familiar Guyot
Montpayroux. )
(( A doenga do Sr. Montpayroux 6 attribuida
polo Gasslois, a tern aquelle cavalheiro corridor
pox muito tempo atraz das riquezas, sere nun-
ca as poder alcangar.
a Ultimatassne, per uma combinaele finaa-
ceira par ebie realitada, tinha conseguido as-
segurar ao seu jornal o Courtier de France um
rendimento relativamente impprtante.
a IIa tires semanas recebera eloo 20.000 fran-
cos poai conta e perdeu a cabega. Dos bilbe-
tes de 1,00) frances o cerebro exaltado fez
milbhes e dos milhoes milhares.
0 pobre rapaz sonha hoje que possue as
dues causes atraz das quaes correra today a
sua vida, riqueza e poder. .
a Mostra-se satisfeito por possuir quanto
ambicionara.
a Os medicos que o tratamn teem confianga
em o salver.
a 0 Cotrrier de France suspended a sua pu-
blicagio. ))
Viageni raplda.-Os jornaes inglezEs re-
terem urea das viagens mais rapidas que toen
side foita entree a Europa e os Estados-Unidos
da America.


.O paquete City of Berlim, da linha Juman,
partio de Liverpool no dia 4 do outubro de
tarde, o de Queenstown no dia seguinte as 7
hoeras da tarde e chegou a Sandy-Hook no dia
13 As 4 horas e 50 miinutos da manha, isto 6,
em 7 dias e meio de Inglaterra a America.
Na volta gastou 8 dias e 1 hora.
ChristovAo Colombo.- Alguns jornaeq
estrangeiros disseram que os restos de Chris'
tovSo Colombo tinhamrn sido descobertos na
ilha de S. Do uingos.
De Madrid dizem que a nova 6 uma parleita
mystific;a.ao. Quo jai ha annos as ci zas do
grande navegador genovez, foram. so06mne-
mnente condutzidas de S. Domingos pr,' Hava-
na, acompanhadas de uma esquadr hespa-
nhula.
Hoje os restos de Christovao Colombo repou-
sam na cathedral de Havana. '
Umn par de -anieedotAs.- Nos jornaes
vindos no correio de hoje encontramnos as aneo-
dotas que se seguem : i
Do Aaisador Malatgueno
Um pobre diabo, que nunca tinha vindo a
Malaga, entrou em umrn cafe. pedio uma garra-
fai decerveja e umcharuo havano. Tomou
meio copo da primeira e fumou meio pure.
Em seguida chamou o servente e pagando a
despeza disse:
c Voltarei amanhaS para beber e fumaro
resto. ) -
0 servente desmaiou.
-Dof Ha'te :
N'um escriitorio de omnibus entrou um su-
jeito de charutk na bocca e pedio um bilhete
de correspondencia.
O empregado satisfz; e depois, erguendo
a cabeca :
a Senhor, ob.erva corn serenidade, se quAr
funmar aqui, ou apague o charuto, ou vfi fuiumar
lA fora. :
Exposliq das sciencias anthropo-
logleas.- E'da.Crregpondetia Geral Por-
tugueza a seguintp,,wucla.:
a A exposigco dw(sinoiias antropologicas,
secglo di exposiAo inWtrtnacioniil de Paris,
deve'fazer-se na galeria de dos aedares que
rodeia o pavilhho central do. edifioio construi-
do no Trocadero. HeverA tasibem tna gale-
ria de sepulturas desdo-s tempos .iais re-
ts e os nossos disas. n erypta collo-
eadas por -baixo da ala esquerda do eflcio
vistas dosjardins. .
1" 0 president da comMinisSo e o elbre
naturalista o r., do Quatrefias. A oemu*
sao resolve -oe tr todas ma prld
nece.sarias pama a boa guardI4 s, esamVA
-An a amffara des valintlfimtOoe e cn


ae uma-nota contended o inventario, a proe-B
nienciae o valo. doe objects que as corn-
poem.
i As caixas serio abertas pela commission
em presenga do proprietario- ou do sea repro-
rin~te.
se0 nome e a nacionalidade do expositor
s&Uo sempre collocados em freitl dos ob-
jwtos expostos o e reproduzidos no. cataogo.
a S6 poderao s"r tirados desenhos e rpro-
ducoes dos objecWs xpostos, corn autorisa-t
cto formal do pqprietario.
S'Altm das irnioftge summaries do cata-
logo geral da exposiCo ahaveri umn catalogo
especial das sciencias antropologicas, por or-
dem mothodica, terminado pela taboa dos ex-
poaitoies e das nacionalidades. P
SMemorias de n ans Hendrik. 0 Dr.
Rink, de Copenhague, que tern autoridade em
tudo que so refere a Groelandia, acaba de ro-
ceber um manuscript de grande interesse
para a geographia. Sao as memories, em lin-
gua groolandeza, de Hans Hendrik, que tern
leito part de todas as expedieOes scientifcas
nas regioes polares atravez db estreito do
Smith.
c Em 1853, juntando-se a expedieAo de Kane
a Fiskernwess, logo qae Kane teve de abando-
nar o sea navio nos gelos, Hendrik estabfleceu
residencia entire os Esquimaos do estreito de
Smith, e ahi se casou.
(( Em 1860 acompanhou lHayes e emn 1871.
Hill o pdlo Norte. E elle, sua mulher e trees
flhib f.dziam pare das dzonoov pessoas que
foram levadas pelasvagas sobre babanaco de
gelo at a Terra Nova, donde foram condu-
zidos sMos e salvos aos Estados-Unidos.
( Voltando em seguida para a Groelandia,
HIlendrik servio enm 1875 na expedigdo do Alert
e do Dyscovery ao p6lo Norte, conmman-
dada por Nares.
As menmorias de Hans Hendrik, que se
dizem chelas de curiosos detalhes sobre os
costumes, lingua e tida dos Esquimdos, vio
ser traduzidas em dinamarquez pelo Dr. Rink,
e breve, 6 do supp6r, appareceram em fran-
cez. ))
A festa do lord Mayor de Londres-
Em 9 de novembro teve lugar em Londres a
festa do novo Lord Mayor. .
E' esta uma festa cheia de tradicQOes anti-
quissimas,, e de importancia political.
Chliega quasi a tocar o ridicule a procissa,5
que se forma desde a Mansio) tIlouse at6
Westminister.
A's 11 horas da manht coneear am a che-
gar grande nmmero de asssociarDes 'indus-
triaes e commerciaes, coan as suns respecti-
vas divisas e musicas.
Majs tarde ouviam-se aproximando as ban-
das de tires regimentos reaes.
0 ex-Lord Mayor, e o novo, acom[panhados
dos camaristas e administradores, metteram-
se nas suas carfuagens, puxadas a 4 caval-
los.
Tomavam parte no cortejo alguns praLican-
tes da marinha real.
Em primeiro lugar iam dous enormes dro-
medarius, montados por egypcios, e apds el-
les urn carro ornamental, levando uma imita-
cao da agulha de-Cleopatra, puxado por 6
cavallos.
A ideia original era de levar a agulha em
posicuo vertical, mas nao .foi isto possivel
por ter de se passar por baixo do arco de
Temple bar.
Ao redor da agulha viam-se representanOes
do esphinge e das Pyramides.
Em seguida iam os elephautes, er.mais atraz
um carro que chamnavamin tableau ornament i,
representando a p&i, e a abundancia, as Pa-
sas e as quatro esta&Ses e outras allegonas.,
Foi a primoira vez que senhoras tomaram
parte neste prestito.
Corno guard de honra, a estas senhoras,
seguiam seis homes do lanCa na mdo, armna-
dura complete e capacete.
Tainben de vez em quando uma charanga
das associacOos de forasteiros se fazia ou-
vir.
Desde o sahir do cortejoa at6 ao seu regrps-
so, ffunca cessou de chover ; ," maneor.a que
da decantada agulha de Cleopatra restava ape-
nas algum taboada1.sobre que se tinha pregu-
do o papello corn que a iomitaram.
Das esphinges e dag pyramides tudo. o quo
tinha sahido de mantis cflo inutilisado corn a
chuva.
As musas e as estaeOes apresentavam uma
dolorosa apparencia, e as cahelleiras dos jui-
zes, advogados mais funccionarios, davam
signees evidentes do estarem alagadas.
Mas a procissi.o nao deixou de se effectuar,
e o novo Lord-Maior, molhado como estava,
teve de prestar attencio ao discurso do Lord
Chief Barao em Westminster.
Nao daremos par extenso esto discurso,
pasto que fosse de bastante importancia; li-
mitar-nos-hemos a fazer alguns extractos.
Depois doe o elicitor, par ter attingido a po-
sicao mais elevada na primeira cidade com-
mercial do mundo, o Lord Chief Baron disse,


que, havia 6 annos que. dirigindo a palavra a
umn outro Mayor, the fizera ver que o equili-
brio do poder na Europa estava quasi trans-
tornado.
A Prussia tinha-se apoderado da Dinamar-
ca, do Hanover, e de mais alguns estados in-
dependentes da Allemanhlia. Estas enchiamn
algumas das mais bells e ricas provincias e
cidades fortifieadas da Europa.
Demonstrei entio, continuou o Lord Chief
Baron, que, se a Prussia formasseuuma allian-
ca corn outra grande naQAo continental, as
duas, unidas, igualavam a forQa de Napolelo
I, o, qual, depois de subjugar umna e outra na-
ca;o, dera as lois ao m udo haverd 60 ou 70
annos. -
E, portanto, sea Pcttssia, unindo em si mes-
mo toda a forca da Allemanaha, formasse agora
urma allianca corn um imperio, com o 6 a Rus-
sia, e se depois de esta uni'o, o imperio otto-
mano fosse desmembrado, seria impossivel
que a Russia tomasse conta de Constantino-
pla, do Bosphoro e de algumas parties da Asia
menor?
Sero impossivel que o que e fez coan a Po-
Ionia no. ultimo seculo nao se repita neste corn
a Turquia?
Lembrande-nos tambem que a Prussia, ele-
vada, como agora estd. a umea Allemanha Im-
perial, e a Russia, jS desde o tempo de Pedro
Grande at6 hoje, sato potencias inimitaveis,
serd impossivel queestas duas nagoes tenham
na id6 expoliar a Turquia?
E so isto acontecesse, o que seria o estado
da Europa?
A Austria poderia ser compensaca ou sacri-
ficada, mas o que seria dos interesses mais
itportantes da Inglaterra, do seu commercio,
,d4 sua. liberdade, dos seus interesses com mer-
cites no Oriente, deixando de fallar da In-
diet I A,
Eu nho sou dos quo julgam que a Inglater-
ra deve receiar um encontro corn qnalquer
ntmrnero de inimigos, que se I he possam apre-
sentar, continuous o rador, e eu digo como
di se o noseo dramaturge:
Venhamwlas tires parties do mnundo om ar-
ras.
1E n6s as repulsaremos!
Nao precisamos de continual mais corn o
d curso deste personagem, o qual produzio
nmo effeito no estrangeiro.
iOs que se proferiram de noite A sobremesa'
nao foram mnenos bellicosos.
Loteria da provineta Quinta-feira (6
do corrente), -e extrahira polo piano cujo
tnaior promio 6 do 9 000000, a 249. loteria
em beneficio das obras da matriz de S. Jos6.
Os bilhetes, meios e quintos, acham-se at
venda na thesouraria das lotmias e iola de
calCado do Sr. Porto, na praga daIndependen-
cia ev, 37 e 39.
As listas sahir-o no minesmo dia da extrac-
go, s6 tendo porem ikaar o pagameto dos
respeaivos premioas do fdi seguinte por
diante.
Vapores--So esporados os seguintes.:
Ceara do korte amanhb
Giroade da uropa amaahbli
aia do Sul at 9
364A da Isuropa 1 at 1
Houdego .do SWl a6 14
.IberiadoSu l. 5


Na tktalidade dos doentes ex sen- -
do 277 homes e 192 mdlP-e.
Foram visitadas as enfermarias nestes dims
as 7 1/2, 7 1/2,7 1/471 i12, 7 12,7 1/4, 1/2,
pelo Dr. Mososo; 4 s8 ix Vi 97, 9.l/2, 1
8 -1/, 8 42epelo Dr. JR uI_881/2
8 1", 8[49,8 1/2'plo Dr,.G rto deAl-
buquernpr; as8 2,*1 9 ol
Polo O N ,, 9, polo


,ra aptista, co',
reio j,nr|ri.
Xntaia pJoaquim ra =-in`
Alexandre CanutiP aulo do iazes, rbeu-
matismo.
Jos6 Lourengo Guilherune, tuberculos pul-
monares.
Maneel Peroira Lima, tuberculos puhno-
nares.
Carolina Umbelina, tuberculos pulmonares.
Leildes-Amanhk devers realisar-se os se-
guintcs :
Pelo agent Pinto. na ladeira do Varadouro
ni. 3, em Olinda. de um sobrado de asrulejo,
de moves, arrnmago, generous e utenstlios de
taverna.
Pelo aiente Gsmniao, i ruaNova n. 65, de umrn
terreno corin 460 palmos de frente e 700 de fun-
do, na estrada de Belem..
Pelo agetcte Stepple, Ai rua de D. Maria Ce-
sar n. I, de mnoveis, utensilios do marcene-
ria e do urn terreno no lugar Agua-Fria, de
Beberibe.
Quinta-feira devem realisar-se os se-
guintes
Pelo agent Pinto, A rua da Imperatriz n. ),
de moveis o utunsilios do cafe Irmperatriz,.
Pelo agent Gusmuo, a rua da Graga, na
Capunga, dos generous, utensilios e armag-ao
de taverna.
Missas iunebres-aer.-o celebirada :
Iojc : s 6 horas da wianha, = igreja da
Penha, pela elmnia de D. Anna Henriqueta Fon-
ceca de Albuquerque; e as 8 horns, na ma-
triz dos Afogados, pela alma de Francisco Lo-
pes Fraz'o. --
Nla quintd-feira : 1'jwas do dia, na
igreja do Corpo Santo, Pfta'*Wka de Joaquimrn
I Antonio Rodrigues.
Na se-'ta-feira: as 8 horas to dia,; na
mrnatriz de Santo AntoHft. pela"'alma do Dr.
Virginio Henriques Costa.
Cemiterio publico.-Obituario do dia 1.0
do dezembro de 187,7.
lrmni de caridade Emilia Agostinha Mennier.
branch, Franca, 47 annos, soltcira, Boa-Vista :
inmerito chi'onica.
Francisco Silvefio Tejes, branch, Pprnat-
hiuco, 17 annos, so!teiro, Boa-Vista ; febre pa-
ludosa.
Francisca Maria das Cihagas, branch, Per-
nambuco, 84l anncs, solteira, Boa-Vista; bron-
chite.
Dr. Virginio IHenriques da Costa, branco, Ba-
hia, 52 annos, solteiro, Boa-Viea; amoleci-
mento cerebral, .
Isabel Maria,.da Silva, pieta. PefnaokucAl
15 annos, solteira, GraCa ; pneumonia.. :
Manoel Pereira Lima,. Parahy4, 18 annos,
solteiro, Boa-Vista, hospital Pedi",'i pktysi-
ca oulmonar.
Jos6 Lourengo Guilheriie, parado, Alag6as,
22 annos, solteiro, Boa-Vista, hcapit Pedro
II ;. tuberculos pulmonares.
JoRo, pardo, Pe-namtbmCo,'5 mezes, Boa-Vis-
ta; e6spasto. -
Luiz Gma.g,, preto, Pernam'bueo, ,3 amnok,
Santo Antonio ; tetano. "
2 -
Maria Virtuosa da Graca, branea, Pernaw-
buco, 22 annos, solteira, Santo Antonio ; ane-
mina.
I Car-Iota, branca, Pernaminbuco, 1 mez, S.
Jos6 ; convulsoS. .. ..
Leocadi0, pardo,Pieirnhbuc, t
Antonio; convulsoes.
Antonio, bronco, Pernanbuco, ba-
Vista; tetano. ..
Mariana dos Santos Cal4as, :M Per-
nambuco, 30 annos, casada, San a 0io ;
phtysica pulmonar.
Marcolina Umbelina, preta, Pernambuco, 28
annos, solteira, Boa-Vista, hospital Pedro ; ;
tuberculos pulmonares.
Lourenga Maria Joaquina, preta, Pernambu-
co, 49 annos, casada, Santo Antonio ; tuber-
cules pulmonares.

Junta commercial da cidade do
Recite
ACTA DA SESSAO DE 29 DENOVEM-
BRO DE 1877
PRESIDENCY DO ILLM. SR. COMMENDADO0
A. G. DE MIRANDA LEAL
As 10 horas e 20 minutes da manha, abrio-se
a sessao, estando reunidos os Srs. deputados
Into Bastos, commendador Lopes Machado
e Pinto e secretario Dr. Julio Guimaraes, fat-


tando corn participagibo escripta o Sr. Cascao.
Lida, foi aporovada a a cta da sessiao an-
terior.
Procedeu-se A leitura do seguiute :
Expediente
Officio de 15 do andante, da juvn4 commer-
cial da capital do imnperio, aecusaudo o rece-
bimento do officio desta junta, de 2 do mesmo
mez.-Archive-se.
Outro ,ia niesma junta, corn adata do 17,
remettendo a relaCao dos-comnmerciantes alli
matriculados no mez de outubro ultimo.-Ac-
cuse-se e archive-so.
Outro de 16, da junta commercial da Forta-
leza, respondendo o desta junta, de 2 do indi-
cado nmez.-Para o archive.
Outro do 20, da de S. Luiz, em resposta ao
que Ihe foi dirigido em .2 do supradito mez
corrente.-Seja archivado.
Outro de 49. da de Belfm, tambem respon-
deudo o que lhe foi remet4.ido a 2. Para o
archive.
Outro de 26, da Associato'Comnmercial Bene-
ficente desta praea, dando-a informago pedi-
da poa esta juita em officio de 23.--fflcie-se
a S. Exc. o Sr. desembargador president da
provincia, transmittindo-se-lhe cdpialdo officio
supra.
Outro de 24 do corrp te,da junta dos corre-
tores desta praCa, re ettendo o b ltim das
cotaCoes afficiaes de 19 a 24.-.Archive-se.
Dous officios dos corretores Bernardinode
Vasconcellos e Francisco Josd de Oliveira Ro-
drigues, pedindo dispensa dos cargosde pre-
sidonte e secretario da junta dos corretores
desta praca, que tern de funccionar no anno
de -1878, para quo foram nomeados.-Adiada
a solua-o.
Officio de 27 do corrente, do corretor geral
desta praca Augusto Pinto de Lemos, em res-
posta ao desta junta, de 26.-Para o archive.
Diarios officials de ns. 264 a 267.-Sejam ar-
chivados.
Distribuiram-se os tivros seg,.ntes :
Copiador de Dominges Alves Matheus, dito
de Jovino Bandeira e de Alfredo Ferreira BaD-
tar.
Despachos .
Petieoes :
De Gomes Loureiro & G., adiad4na prece-
dente sessao, estabelecidos A travel s da Gaw-
pello n. 4, solicitando o registro .pnrca q*w -
adoptaram para os cigarros de o abrica,
corn a denominaco-Fl6r da o era.-
Adiada.
Do Englis Bank of Rio do Jaaelt f Lsnted,
repoeseataao pelo sea gerente,,1 IIpri-
deo despacho do 22, do corets ui"
registry da nomeaeao e doe1O 1ii 4i*
Francisco de Mello TavaIes Sobrnw
tre-se.
De Lion Abrahbo, para qutiie:= e<4fI
trar-a pc=0ao qua lh R1557 &
Lion, olwIqiqi woaglQ. bi
[o Framaisco de Pine
curador, para qaeseo
ga qaq e"eslhra a do,
toes deita p"047 AMi4ioS
iCAMG 81#*hAfii& 0l.4


4.


4





























a seslo


of Rio de Janeiro


elxocoetaY..
e per letras. "


1,048:074P50


Letr a pagar" .... ....
Tituloso esu e deposi.
Diversas contas .......,.


a, :633582700
12:633230

s~a~W.


em 50000 ) S. E. & 0.
,& 1um -f,, 1.001000 Pernambuco, 3 de dezembro de 4877.
0 ....B ,00U F. B, Bloxham, manager.
0, 0 1, H. Pritdaard, pro-accuntat.
mdMntto da alanidega de Pernaimbuco do mez denovembro
m .eate aaotliaanpelro comparado coi o de iognaes mezes
dOus anuos ulUmos.


Direitos de. consume _
90 aougmentode 40 /o
.* 4 45 o/o.
^- ** i.,. .1 *v-i 9 additional de 5 O/o.
Expediente de 5 o/* dos generous livres
corwslmo
Armaenagem -.


de direitos


DMSPACHOMARITIMO


ABnorager :1.,1
Impostoe- deo phares .
EXPORTAQAO
Direite de 9 /o .
Direitos de 7 %/o do eportaQao
Sde 5 % de .
Sde 1 1/2 oi do ouro em barra.
Sdo 1 Oo dos diamantes
Expediente das capatazias
INTERIOR
Renda da Typographia Nacional
proporcional por verbal
Selo do p#pel flxo
I adhsivo


4aplainxentus "
- ,S .odetransmissao de propriedade a saber:
d 5 t o/5 da *venda de embarcagAo
de /o I da.arremnataQao do bens moves
S EXTRAORDINARIA
Receita eventual .


SDEPOSITOS
Depositosde diversas origins .
Dizimos da provinmia das Alag6as
I ) da Parahyba
A do Rio Grande do
ContribuiQlo para a casa de caridade


Norte,


SAlfandega de6Pernanmbuoo, lo de dezembr





INDIC4&OESUTEIS
Medicos
Dr. Lobo Moscozo, rua do Visconde
de Albiuquerque n. 39.
Adv6gados
Jose Ozorio de Cerqueira, rua do Imn-
perador n. 79.
Dr. Guennes, rua do Imperador n.
48.
Dr. Antonio Drummond, rua do Im-
perador n. 20.
Dr. J. GorrJa de Araujo, rua do
imnperador n. 67.
Fazeudas e modas
Antonio Correia de Vasconcellos, rua
Primeiro de MarCo n. 13.
Algodlo bronco da Bahia, supe-
rior, rua Duque de Caxias. n. 44.
G Clapellaria e modas
Gost. Mai & G., rua Primeiro de
Margo n. 6.
Fabric de cigarros a vapor
-Bourgard & C., Recife 15, rua do
MargUeZ de,QOi4da, Sinjo Antonio 3,
rua lreirom e Margo, Ba-Vista 54,
rua da impaatriz.
Pharmacia e drogarla -
Ferreira Maia & C., rua Duque de
Caxias n. 57.
Eneadernaq&o, pautagio e papelarla
Mirand Junior, rua Duque de Ca-
xias n. 37.


UIbes de francez
Ligdes theonicas e praticas de fran-
cez, pelo methodo mais facil pars se
ayrender esta lingua em poucos mezes.
Curso todos os dias na rua da Aurora
n. M41, 2.o andar.
Gastronomia
Archiarmazem do Campos 28-rua do
mperadlor.-28.
Leite condensado superior, presun-
tos para fiambres, linguas afiambradas
)em Itas), fiambres em latas, cha fino,
does, licores. acipipes e grande varie-
daded edotlhofinos e de pastos.
Rb eumatismo
Gura certa e rapida pelo emprgo
do Elixir e Linimento do Dr. tlons-
tantin. Vende-se na botica franceza de
A. Caors rua da Cruz n, 22.
.ComI o disconto de 13 %/
W. Inglis & C. Deposito de fazen-
das.inglezas, francevas, allemaes e ame-
ricanas, A rum do Imperador B. 57.
a: sa Fortuna
A rua Primeiro de Maro n,.23 a-
chBim-* Aveida os bilbetes da 5a e lu-
i uk'jmde loteria da Bahia que cor-
r e reti velmente no dia ode ja-


frimi-


rua do


O


1877 a 1878
561.769J717
252;867j5235~

2:418546
11:444$958
828:4975371


1:9009000


- 12 2065173
80:5415056


4:510240


46000
5984000
56^5890
32,5S500


1876 a 1877
525:6591746
236:5< 0


3:3315144
13#310
765-513#605



1:900w000


8:71-69
165:7 M62


406000
4505000
430g600
6w000


6626725 84t453
929:532#657 943:0205962
729#084 1;967375


2:134926 1 :8958474
932 395S661 946:8.83811


4875 a 1876 .
5430885644
217:171W485


5:01557C8
588732,
765:864$569


3:5995264



29:2460971
107:184 975
326#053


465400
7496000
573S730
4$000


4:2356240
908:8045202
1:643#359


2;162S163
912:6095724


0 chefe de seeclao,
Jos Gonalves de. Medeiros.
Q -escripttirrio,
Fracisco Canute Emerenciano.


constituem a educacao convenient A uma se-
nhora. A casa tern conamodos para externas '
pensionistas, que se recebemn por modico pre-
go. Para informacoes: o Sr. Gustavo da SiA
Antunes, na rua do Bario da Victoria n. 46 ;
o Sr. Joaio Carlos Cavalcante de Albuquerque.
na cidade da Escada; o Sr. professor Joaquim
Elias de Albuqueqrque Barros, em PAo d'Alho,
em Goyanna o Sr. Frederico Augusto VYelloso
da Silveira e nesta typographia. A tratar na
Imperial n. 43. -

Soneto
AO PRECOCE PASSAMENTO DO ILLUSTRE
FERNAMBUCANO, 0 INTEGERRIMO .DESEM-
BARCADOR SEBASTIXO DO. REGO BARROS
DE LACERDA.

Honraste a toga, magistrado inclyto!
Legaste aes'E'vos vividoura fama!
Foi sempre a verdade-teu nobre fito!
D'augusta Themis-t'abrazou a chamma!

Se t'odiava algum vil precito-
A' refocillar-se em fetida lama...
Queria-a seus feitos-ver-t'adstricto:
Contra a virtude semprpe o vicio trauma!

De pezado lucto vestio-s'Astrga-
Ao ver findar.se-tAo dilecto filho!
Td de Minerva offuscou-s'a idea!


Nao p6de a irejijoaamhar te o brilho 1
E, hoje co'bertoac4etArriaepopea,
Vera teuti nome'-dds seclos o trilho

PNo d'Albo, 0 doe agosto de 1877.
SJoaquim Elias de Albuqsterque R. B.

OutrW-"
AO PBOBO E DISTINCTO D'ESEMBARGADOR-
CONSELHEIRO ANGELMO P. PERETTI, PE-
LO SEU PRANTEADO PASSAMENTO.

Foste o prototype de Up 'ser preclaro-
No .saber e honra e verdade em tudo I..
Da Justica e Lei poderoso escudo,- -
Genio viril, da virtude amparo1

Pranteia Themis a seu filho charo!
E do norte o bravo, Leao sanhudo,
De pesado crepe, esta quedo e mudo,
Ao ver exanime varao tao Iro |

E Pernambupe que horrva ainda-
0 togado illu-tre, Lacerda honrado,
De verier o pranto jAuais prescinda!

Qu'o imponente vuto,' hoje decantado,
Legando aos P69teos.-lembrqnea infianda.
Do rol dos vivQs foitaminbejn ceifado !...


SPao d'Alho-outubro-'187.
J. 'EiiasAwuquerqu R.

N. 184.d-Agvar Florida d
r;y e Lanman.-Todos os
Imes oLMa -efic.dos sau,-obt


Barros.

le Mur-
.nerfuz.


Gambio
Gamblo


0.t^ d/.V.1. -
%ado.
2t f /4 d. pot.


,.~ ~ ~~~P1 p:residonter. .*.
U. da gotta.
Pelo eoertaxto.
ALFANDEGA
,Rmat do di' t -
Idem do dia 3 52:


Descarregam hoje 4de dezembro deo t77
Barca italiana Caaliern Saverio Polimn. kk
rosene pan depbsito no t rpicbe Bal
ro do Livraento. *
BaIa ingleza Sarah KIm, ferragens despa
1cadas para o,0 5opooto" drsj
Barca ingleza Minatto. polvora para dspsit{
no forte do Buraco. '
Brigue inglez Rachel Lewis (atracado) varies
generous par a alfandega.
Lfgar inglez Louiza Wait, maceinismo despa-
chado papa o 5o ponto.
Patacho americano Johanna, kerosene para
deposit no trapiche Barlo do Livra-
menlo, 2e madeira despachada para o
5 ponto.
Patachbo allemko Mathilde, madeira paia o tra-
piche da alfandega, para despacha r.
Barca ingleza Marcelus, farinha despachada
para o 6o ponto.
Barca national Mariana, pipas .vasias para o
trapiche Loyo.
Brigue inglez Loander (4traeado) bacalhdo des-
pachado em transito pelo trapiche
Conoeico.
Altera&o iapauatados pregos dos ge-
neros sujeltos A direltos de exporta-
eAo, na semana de 3 a 8 de dezembro
'de 1877.. "
Algodao em rama ou descaroQado, 393 rs. o
kilo.
Alfanctega d6 Pernambuco, 3 de dezembro
de 1877. Os conferentes. -
j. Aurelio Wanderley.
Jose B. de Castro e Silva.
Approvo. Alfandega de PernambUco, 3
de dezembro de 1877.
U inspector,
F. A. de Carvalho Reis.


Importacao
Barca ingleza Minalto, entrada de
Londres em 2 do corrente e consig-
nada a _)oiningos Alves Mathets, ma-
nifestou:
Amostra patcote a ordem. Alcatrao
25 barris a Lidstone Robilliard & C,
10 a Jorge Tasso. Agua,.raz 10 caixas
a Antonio E da Silva Camdes.
Canella 10 caixas a orge Tasso. Ci-
mento 750 barricas a Thomaz de Aqui-
no Fonseca & Successores, 400 a or
dem, 500 a Antonio E. da Silva Ca-
mres. Chumbo 150 barris ao barao
de Bemnfica Candieiros e pertensas 9
volumes a ,etarddino Dtkite Campos
&C., Ether 1 caixa a Ferreira Mfia
a& C.
Lougse 43 gigas a Bernardino Duarte
Campos & C., 10 a ordem, 14 a Fran-
cisco Gongalves Torres.
Mercadorias diversas 70 caixas a Pa-
rente Vianna & C. *
Objectos paraesgoto 185 volumes e
peas a Recife Drainage Company, di-
tos para estradade ferra 146 volumes
a via-ferrea do Recife a S.. Francisco,
Oleo de linhaga 10 brri a Jorge
Tasso
Polvora 200 barris a ordemn, 100 a
Thomaz de Aquino Fonseca & Suc.
'cessores, 300 e 600 volumes a Saun-
ders Brothers & C. k
.Sahltre 10 barricas a VV- teal.
Tintas 9 barris a, a
Alipio Vieira a C., i( aX6 ugusto Caors,
4 a Parente Vianna & C.
Vinho 2 volumes a Augusto Frederi-
co de',01iveira &'C,-1 a P. Borstelmam.

Patacho allomao -Mathilde, entrado
de Westervik na mesma data. e consi-
gnado a Fonseca Irmao, manifesto :
Madeira de pinho 638 Auzias aos con-
signatarios.

Vapor national S. SeSstvoi,entrado
dos portos do sul na mesma data e
consignado a Dominges Alves Matheus,
manifestou:
Assucar 32 saccos a Pedro Ozorio de
Cerqueira. Algodao 3 sacos ao mes-
moe Arroz de cisca 150 saccos a or-
dem. "
Charutos 1 caixa a- Rodrigues de Fa,
ria'& C, a Joaqim Bernardo dos.
Reis, I a C. da va Maia Gafd 150
saccos a J. Silveii Carneiro da Cunha.
Cotros *gado',sepcos 1 ,37, a, or-
dem. '
Fazendas 6 volumes -a Andrade Lo-.
pes & C. Ferro 5 aturf:td*s a Fraar
cisco Justiniano de CastrolRabelo;. Fa.
rinha de mandioca -1,567 sacco kA or-
dem, 532-a Joao Silveira Carneito da
Cunha, 200 ao consignatario, 52 a Joaio
Vieira de Mello, 325 a Amorimr Irmaos
ft C., 256 a Pedro Osorio de Cerqueira,
200a Fraoieeo Gonanves Tcrres, 200
a.H. Burle& G-.
Milho 121 sacoos a Pedro Osori b ae
Cerqteir*,I.Zlo4u. -,
-Piassagi 8( iolho, a Luiz Jose da
Silva Guina 0,' ..... i a


ui~r u~zez ioswa. warmpram
CW61.8J-. Loyo & Filbo, 4M e aw vom
kiloside assuear mascavado.
bio'brlgue norueguen'se Peggi, ewngarsim
a N1 ew-York, B. OnrIa &Ie'.B40- s
Cn 3 0,000 kilos de assucar masvado.
Na barca portugutza Nto Sieftci, car'e-
geu: ara o Porto, M. a Costa unim or135
couros salgados com 1. kilos.
Na bar-ca portugue-$erlt| a RBorges, carre-
gram: para Lisb oa, Ai f.l.iIro & C. wo
saccos corn 15,00 kilos dea9af"ar mascavado;
S. Guimnartes & C. 600 ditos mcorn 45000 ditos
de dito branco o 100 ditos cmni 7,500 ditos de
dito mascavado. I-
Portos do interior
No hiate national Senhora da Grafa, carre-
Ou ; F. B. B. Leal 530 saccos corn farinha de
mandioca e 3 barricas cornm 287 kilos de assu-
car branco.
SNo' patacho hespanhol Gewter, carregou ;
para Parahyba, a comps ahia de soceonos 2,400
'saccos coin fariiha, 450 corn feijio, 200 citoU
corn arroz, 100 barricas corn bacalhA.o, e 3,000
kilos de carnet,
jo lgags portuguez Laia, carregoi : para
o RIo Graride do StAl, M. L. Paes Barreto 5GO
bauricas con 48,733 kilos de assucar bronco.
No brigue national Santelmo, carregaram:
pa' o Rio Grande do Sul, Amorim rinrAos.&
C., 110 barricas coami 83,%W kilos de assucar
bra co e 440 ditas corn 33,006 Jitos de dito
masavado.
-N lugar portuguez Christina, carregaram :
parao Rib Grande do SuI,.. Aorimn Irmaos &
C. 5 cascos corn 7,200 litros de aguardente.
Na arcaca Qjeluz, carregarain : para Mos-
sor6.. A. C. Vianna 26 barris coro 3,250 kilos
de mal; A. Oliveira & C. 100 saccos corn fari-
nha mandioca.

aEC BEDORIA DE RENDAS INTER
N S GERAES DE PERNAMBUCO
Rendinonto do dia 1 8576010
Im do dia 3 2:4096880
\ 3:2665890

11)NSULADO PROVINCIAL
Rendinento do dia 1 9 3165016
Idena do dia 3 31:162328
.20:4785344


I ,


iievista e.mnmereidI.


Da semana de 24 de novembro a
1 de dezembro de 1877.
Apolices provinciaes de 7 por cento e valor'
del 1:000S por 9456000 cads urma.
)itas ditas de 7 por cento e valor de 500$,
pc 472#500 cada uma.
yitas ditas de 7 por cento e valor de 1005
por 9,$500 cada urma.
*cgbes da Companhia dos Trilbos Urbanos
do Recife a Olinda eBeberibe, corn 35 par cen-
to 33 2/5 por cento -de abate.
4ambio sobre o Rio de Janeiro, 90 d/v 2
pot cento de descouto.
Iito sobre o dito, 30 d/v 3/4 e I pcr cento
de _esconto.
Iito sobre o dito, 8,10 e 15 d/v ao par.
Dito sobre o dito, A vista, 1/2 por .cento de
preoio, banco.
DVto sobre Londres, -90 d/v 25 25 1/8, d/s
por ?000, particular.
Dito sabre o dito, 90(d/v 24 374 e 24 7/8
por tM100, banco.
Ddt Ato sobre Paris, 90 d/v 381 r6is o franco,
Vartieur.
Dito sobre o dito, a var.We389 reiS o
franco, banco. ." S 0
Dito sobre Lisboa, 90 d/V jpgavel em Lon-
dres, 25 d/s particular.
Dito sobre o dito, 90 d/v 108 por cento de
premio, particular.
Dito pobre o dito, a vista 1i7 por* ceuto de
premio, banco.
Dito sobre o Porto, 90 d/v 415 por cento de
premio, banco.
Dito sobre o dito, a vista, 117 par cento de
premio, banco -
Desconto de letrasde8, 10 e12 por cento ao
anno do desconto.
Generos naoionaes.
Algodao.- Entradas 574 saccas. '
Assucar.--Entradas 39,877 saccos, t0os pre-
gos seguintes :
Do branoo, de40W0 a '45500 os i1 kilos.
Do somenos, de '3(600 t 3$700 os 15 kilos.
Do -mascavado, de 2400 a 25900 os 15 kilos.
Dito mascavado baizo, de 41590 a 2000 os
15 kilos. Todos'em saceos de algodlo.-
Dito purgado, a 290 os 15 kilos.
-Dito brute, a 15900 os '15 kilos. rm saccos
de estopa. .. "-
Aguardento.- Gotamos a 709000 1 pipa.
Caf do' Jde aneiro. Ultima venda a
85600 os A os.
Couroelbeos salgados.- Ultimas vendas
a 380 a lftb 0.kif.o -
Ditos seccos espiohes.-Ultima venda a
470 rQoki oi ".
Dit0s verdea i squa-s. Ultioa veada a
120 neis a oibra?.,,y." ,;-1 : .
Faninha, d ma Vendas deo 8000 a
8W50_o, spcodeo latros. -
Femji wulatinho. Cotalos a 20a cada
sacco.
Fumo em latas.-i Cotaqos dq 205 a 2iS00
as 15 kilqs.
Dito em rolos.- Cotamos de 18$ a 2050 os
15 kilos.
Dito do Rio Novo e Goyaz.- Gotamos a 405,
e 424 os 15 kilos.
Gomma.- Cotamos de 45000 a 4#500 os 15
kilos.
Gorduras do Rio Grande do Sul.-Cotamos
de 7#200 a 8#200 os 15 kilos.
Mel.- Cotamos de 355 a 45# a pipa.
Miho.- Gotamos de 100 a 420 rD6is o kilo.
Sal do Assfi.- Cotamos 800 rdis os 100
litros.
Aa-4Sotamos -e12530aa,3a3500 o meio.
Velas do Rio de Janeiro.-Cdtamos de 460 a
470'r6is o mago de 6 velas.'
Xarque do Rio Grande do Sul.-Deposito de
85,000 arrobas, e retalhase de 35000 a 7200
os 15 kilos. Genero baixo desattendido:
Generos estragero.
AlcAtrio.- Cotamosa 25 o barriL
Alpiste.- Gotamos a .5$7(0 os 15 kilos.
Altflzerma.- Cotamos a 85 os 15 kilos.
Arrz da India. Gotimns a 35200 os 15
kilos.
,-o eite doce em burris.-Cotaaiosde o3530
a 34 0 o galao. ;
Dito em caixas.- Nonminal.
Bacafao.- ,lepoo *9,(0(0 barrlcas, rota-
Iha-se o uovo a'1-7 bo vnlho a t8500 a
barrier ,. 1 *' .....

B^latsias .em ceaixa^. .- Cotaios.1a 15O^!0
t ^ aER i tx ;. : 1 ':'. ; .l l:;. : ": l;ll ,:,*l:l* ,


too Ms~, eyeeq4 se a 6S o sas=oqo 66
Mrlo lpdo Ubog,- 4otamos a 20Q000 cada
sacco.e
.. IiDaarca .Jonkopings,: .ota-
;O90 (jp0 a 2W00 agroza..
Ditos. Da NmIarca Nitthedals, cot amos de
2.400 a AS a groza. ,
GE Ctlras do Rio di Prata- Ultima .venda,
a 8# os 15 kilos.
Genebra de laranjinha.- Cotamos de 5W
a duzia,
Dita communa.-Cotamos de 3M800 a 41000
a duzia.
Dita via eterna.- C_.tamos a 5S500 a du-
zia.
Dita em meias botijas,-- NAo ha.
Dita em botijaB inteiras.- Cotamos a 135 e
'14 a duzia.
Kerosene.- Retalho a 4$200 cada lata de 5
galSes.
LouQa ingleza.- Cotamos de 350 por -ento
de premio sdbre a factura
Manteigafranceza em barris.-Ultima venda
a 660 reis a libra.
Dita ingleza.- Nao ha.
Dita em latas.- Gotaumos- de 15050 a 1$100
a libra.
Massas italianas.-Cotamos a 6000 e 7&500
a 3aixa.
Oleo de linhaga.- Cotarmos de 15800 a 2 o
galao. ,,
Papel de embrulho.-- Cotamos de 700 rris
& 1#800 a resma.
Passas. Cotamos as novas, a 7200 cada
caixa.
Painqo.- Cotamos a 3S000 os 15 kilos.
Pimenta da India.- Cotamos a 400 r6is a
libra.
Queijos flamengos.- Gotamos a 2#800 cada
queijo.
Dito prato.- Cotaraos a 900 rs. a libra.
Sardinhas de Naites.- Cotamos a 290 rdis
a lata de quaclo.
Ditas portuguezas.- UlJtina venda, a 55000
o milheiro
Toucinho de Lisboa.- Cotamos de 10<000 a
1 $500 os 45 kilos.
Velas stearinas. Colamos a 500 reis o
maco-de 6 velas.
Vinagre.- Cotamos a 127$000 a pipa.
Vinho branco.- Cotamos a 2455000_ a pipa.
Dito da Figueira. Cotamos a 2505O00 a
pipa.
Dito into de Lisboa.- Cotamos a 230000
a pipa.
Dito do Porto.- Cotamos a 9$000 a caixa de
duzia.
Xarque do Rio da Prata..- Deposito 34,000
arrobas e retalha-se de 35000 a 75300. os 15
kilos, conforme a qualidade. Genero baixo
desattendido.


A companhia de se-

guros Indemmsadora, es-

tabelecida nesta praca,

toma seguros maritimos

e contra o fogo, a rua do

Vigari i 2, casa comn

Srente para a Praca do

Corpo Santo.



"SEGUhiOS-
Maritihnos e contra logo
Companhia-Phenix Per-
nambucana
Rua do Commercio n. 34

Saques
Augusto F. de Oliveira &"C. sacanm
por todos os vapores. sobre o Banco
de Portugal e Banco Unio em Lisb6a
e Porto, e sobre as caixas filiaes e
agencies dos p'ryqs bancosem tdas
as cidades e- possesses 4o reino d4
Portugal.

Companhia de segurQs
terrestres e maritnios
Fideliade
Estabelecida emLisb6a em
i835
SToma seguros A premios medicos:
MERRESTRES de toda a especie, contra os ris-
cos de fogo ou suas-consequencias
KARITIMOS sobre mercadorias importadasa
exportadas em vapores e navios A v.ela.
Nos seguros terrestres faz a concessio gri
mnita do premio do setimo anno aos segura
dos qude durante seis annos oonsecautivos fize
rem soeus seguros nesta companhia.
Agente nesta cidadeMIiguel Jose Alves, A
rua do Bom Jesus, outr'ora da Cruz, n. 7, -1
andAr. -


Pi A-t

Companhia de seguros
CONTRA 0 FOO
EST: 1803
Segura centra o risco do fogo, casa e
utros edificios, 4fazenlas, genero, e
wercadorias de tod4a aespecie... "
Capital f6,000:000300
AGENTSS.,
B tOW\ Tdo MN. &C
31 Rta doM arquikd.AO1da 31


partigaespr co art; 4pau 7 ...e-,guin-
tes impost "-os
lo de d#ca, &Wque Ago suijeit a s broa-
oes q"e a'raearemh 'part 'carfeir on decas-
regar nas d6eas, points e caes dus alkusgas,
e mesa de rendas doe I e or4 a ou dos
armazeas extemros por ella cosleads.
SA cobranga sera t'eita de do ftnriida4 comr
as disposigOes do decreto n. 6 M d eo
outubro de 1867, que flea em vigor -aparte
relative a este imposto, corn as segaiItes mo-
diflcaebes: -
1i" SerAo calculadas na razao de metdo as
taxas flxadas no artigo.1o do mesmo secret.
2 Sao isentas do impostor quaesqer er kar-
cagoes miudas que se empregarem 'a desr-
ga, ermbarque e desemnbarque de erc ,ias.
20 do sello fixo de 200 rs. da t1 via ths-no-
tas. pelas quaes se fizerem despachb6 d^t ai-
quer natureza nas alfandegas e mesas*,eean-
das, exceptuadas tao somente as que disserem
respeito a despachos livres de ommderias
importadas directamente pelas repartighls ge-
raes.
30 do sello flxo de 0O rs. quo a rmneualei
tornou extensive aos recibos de valor de 25# a
506 ; sendo obrigatoria a adbesro das respec-
tivas estampilbas, tanto nos recibos comoo nas
notas de despacho, no acdo da assignatura
desses papeis pelas pessoas que os fisrmrem.
Na applicacao deste imposto, em aweos os
casos acima mencianados observar-se- as
dispos'CQes do regulamento n. 4,5S'-de 9 de
abiil de 1870, e mais orders em vigor ficeando
entcndido que na iseng5o de quo tratam as
ordens n. 310 de 6 de julho de 1869 e n. 108 de
27 do marco de 1871 s6 qsto .coimprebnadidos
os recibos de salaries passados em avulso, erm
folhas ou ferias pelos operarios empregados
em obras e servios publicos geraes, provin-
ciaes ou" municipae, e nAo os recbos dos
fornecedores do generous e materiaes, parf as
reparti3es publicas, conforme esta eipratica
no thesouro nacional.-Barao d- Cotegipe.
Alfandega de Pernambuco. 20 de no-
emubro de 1877. 0 inspector,
Ftobio A. de Carvalho Reis.


0 Dr. Quintino Jos6l de Miranda, juiz de direito
da 1" vara civel, nesta cidade do Recife, por
S.'M, 1., etc.
Fago saber aos que o presenite edital virem;
em como por este juizo se hNo de arrematar
a quom mais der, finds os dias da lei, o se-
guinte 88 apolices da divida provincial, do
valor de 1 0005 cada uma, de juros del 0/0 ao
anno, avaliada cada police na quantia de 945S,
ficando os juros decorridos pertencendo ao ar-
ramatante. Penhoradas a companhia Recife
Drainage, por exacuCto do corimendador An-
tonio Gomes Netto.
Toda a pessoa que em ditas apolices quizef
langar, o podera fazer nos dias de praga.
E para que chegue ao conhecimento de to-
dos, mandei passar o present, que sera pu-
blicado e affixado no lugar public do costume.
Dado e passado nesta cidade do Recife, aos
30 de novedi oro de 1877.-Pedro Tertuliano da
Cunha, escrivio. escrevi.
Quintino Josg de- Mirnda.
0 Dr Jose Jacintho Borges Diniz,jMwiz suButitu-
to do especial do commercio desta. dcidade do
Recife, e seu termo, capital da prwmcia de
Pernambuco, por Sua Magestade Imperial e
Constitucional o Senhor D. Pedro 11, a qerm
Deus guard, etc.
Fago saber sos que o present edital
virem ou delle noticia tiverew, que ten-
do sido convocada a reunidaO-ds credo-
res da massa fallida de Soares, Castro
& C., marcando-se para isso o dia vinto
e tres de margo do anno proxim0 futu-
ro, resolve, a requerimento dos fallidos
e por verificar que os credorfs ausen-
tes se .schamn aqui cornpetentemente re-
pret-entados, adiantei essa reuniian, de-
signanio o dia 7 de dezembro do cor-
rente anno, pars a mesma ter lugar na
sala das audiencias as 11 boras da mna-
nha, certos os credores de que nao se-
rao admitidos pot prourador semr que
este exhiba -procura9ao'especia4, "a qual
nao poderd ser conferida-a devedor dos
fallidos, nao podendo, outro-'sia, urn sm
individuo representar pot dous diversos
credores, e que serkhavido o credor que
eoe comnparecer ceino adherente As re-
soIugoes que tqmar a mnaioria de votos
dos que conmparecerevn, cowtanto que
papa ser -alida a concordata4 necessa-
'10 que seja concedida por' t. nume-
ro tal de credores que represent pelo
menos a maioria destes em numero d-
.dods tergos no valor de todos os ere-
ditos sujeitos aos effeites da concor-
data.
-E pars que-chegue ao conheolmnento
de todos, mandei passaro prseftite que
seri publicado pela imprenksa e affixa-
do nos lugares do costume.
Cidade do Recife doe Pernuambuco, .o'
de dezembro de1877.
Eu, Jose Franklin d'Alenrcar Lima,
escrivAn -
Jos1 Jddcintho Borges Diniz


Thesoitraria de fazesd
pj-so
A venda no caitrtorio desta thesouturia o volume
8o das consultas da secoo de fazenda do con-
selbo de estado. e o tomo 2. do manual do
empregadp de fazenda, este pelo prego de 35
cada urn..
Secretaria da thesouraria de fazpnda deoPer-
nambuco, 1o de dewembro deo 1877.
kJO IOMdaes'pi'wira.
0o Dr. Jose Jacintho Borges DiniZ, jui7
substitute do espeeial do -c c rcOi0
desta cidade do Recife eei :rrtno,
capital da;jprvrn e Pi e a


Spor.S.. M. 0
guarde, etc C
FaV3 saber a0
'virem oun-dell
vera ter lugar t
do correne thm
t iasa s ,anhos
dos credor-e'sl'di
reira Vianna -,
os reditok, delf


- -_ ___


!


% I





















$ll -. ; ;


S. d Jsorge
afti 4(3. Jorge -


I, :- '*1 1


A 0O DOS rO(RIEIOS DE PER-
(^10, 1 1E DEZEMaRO DE 4877
1W .da orepondenia registrada
(sera vaoi) ^qw existe nesta reparti-
Vio Re io riam 3 sido encontirados
se usestinatarios.
MAra lOdes Frederico da Costa Robim (en-
ooibmiendal, antinio Francisco Carneiro dos
Santos, Aitotio Ferreira de Araujo, Antonia
MAitla da ConcniCao (2), Antero Bezerra, Cre-
billon Cesar Castro Menozes, Epiphanlo, Ed-
mun Young, padre Francisco Joa. de Azewedo
(livro), Francisco Dionizio Guedes, Francisco
Luiz Aygue de Meira. Geracina Ferreira de
Vergosa, profbsor H Caneca, 41omwero de Oli-
veira, Jbo Vicente Silva .Costa (livro), Jose
Diniz W-rreto (livro), Jose Mendes Vieira, Jos6
Ribeiro do Amaral. Jose di Mello Carvalho
Muniz Freire (2, Jos6 Joaquimn Ribeiro, Joao
Anto-io Aives, JosA Leandro de Souto, Joa-
quimu da Costa Gadelha, Jos(. Rodopiano dos
Sanps (.), Jobo Francisco Maia, Justo Pinto
da Silva Vale, Lourengo Pezerra Carneiro da
Cunht, Luiz de Tavora (21, Mar i tltenriqueta
RebellO Btttencourt. Manoel Nasoimento lima,
Manoel Carpinteliro e Sobrinho, Manoel d4 .il-
va Amorim, Maria Clauudina da Trindede Giti-
aiaa (2, Pedro Jorgeda Silva Ilarnamos, Raymnun-
do Paulo da Frota, Raymuido Newtoi Leo-
poldo da Silva, SebastiAo Jose Peixoto, Tudes
Augqsto de Araujo, Vicente Bacellar.
Casimiro Lucio dsw Santos,
Encarregado do tegistro.
Conselho de compras do arse-
S nal de guerra
Sordema do "Exm. Sr. general presidcnLe,
faCo. public quo este conselho precise com-
,prar para o presidio de Fernando de Noronlia,
o seuinte :
Miltio para semente 100 saccos.
S'eijrio 50 ditos.
Farinha de mandioca 67,568 litros.
Vinho do Porto 24 dito.
Vinho branco 16 litros.
Vinagre de Lisboa 24 litros.
IMariellada 15' kilos.
Assucar refinado 180 ditos.
Farinhla de trigo SSSF P10 barricas.
lHera-matte em folhas, do Patand, 10 kilos.
SoM 600 meios.
Vaquetas, preparadas potr dous lados, 305.
Lirbas, brbncas, cruas, 6 kilps.
Prekos ftancezes de i pollegada de compri-
mento e 1.--5 de diameter) 150 ditos.
Fio de sapateiro 10 kilos.
Formas francezas. chapiadas, n. 37. 10 pares.
'Ditas n. 38, 15 ditos.
SDitas n. 39, 20 ditos.
Ditas n. 40, 20 ditos.
Ditas n. 4f, 20 ditos.
Vitas n. 42, 10 ditos.
Ditas n. 43, 5 ditos.
Enxameis de qualidade 20.
'Lapis pretos, para carapiiiua, I duzia.
Tinta preta, para escrever, 18 litros.
Sabilo amnarello 1 caixa.
Os pretendentes deverho impreteriveltmente
no dia 6 do corrente. As 10 boras da manhlia,
aprecntar as suas propostas e amostras, ten-
do em attengAo as dijposiOes do zegulamen-
to vigente, cujos ;artigos relatives a forneci-
mentos ji foram publicados.
Sala das sessOes de compras do arsenal de
uerra de Pernambiuco, 1." de dezembro dc
1877.
0o otficitl, oervindo de secretario,
Candida Einwtdio Pereira Lobo.
-- 0 administrator da recebedoria de ren-
dasinternas geraes declara que 6 neste cor-
rente mez, que os contribuintes do imposto
da decima additional das corporaCOes de mao
morta devem pagar, livre de multa, o primei-
ro semestre do exercicio de 1877--78, de-
pois do que serai [ago corn a mult'if.de seis
por cento.
Recebedoria de Pernambucto, I.o de dezenim-
'oro de 1it77.
alanoel Cucrei'o do Souza Lucerda.
Pelo juizo-do direito da 2' vara e cattorio
do Sr. escriv'ao Baptista, vai pela 3" e ultivua
vez a praca per venda, tinda a audiencia de
5 do corrente mez, a paito do sobrado de um
andar n. 8 a rua de Doming's Jos6 Martins.
da freguezia de S.o Fr. Pedro Gongalves desta
cidade, medindo 8 metros e 30 certimetros de
iargura na frente e 15 metros e 40 centianotros
Je fundo; corn duas salas, urm gahiomte, tries
luartos e pequena cosinha f6ra ; no andar ter-
reo tem na frente daas lojas oe urea s6 port
,cada uma, e no oitao do lado do beceo duas
tojas corn poth 0 janeila cada. uma; avalild6!
todo o sobrado oot 10:CO0jj^)00 e a parte que
vat i praca ea 3:87951920, penhorada a Fret.e.
rico SodiA da Cunha Momla e sua mnulher, por
execuao de Jose Antonio Pereira.
E porque nas anteriores pratas fibo houve
licitante, ira novamnente a praca no dia 5 do
corrente, aendo na falta de concorreate adju-
dicada corn o abatimento da.lei.


Recife, 1 de novembro de 1877.
-- De ordem do m111. Sr. engeoheiro direc-
tor da repaltiolio das obras publicas, fago pu-
blieo quepo dial0 do corrontol viao ser arre-
natadas, perante eata reparticio. as madeiras
v'elbas qua se.obaMm ao p lda poute de Taca-.
runa, o beta assim a-grade de ferro da antiga
ponte, tu(,! avaliado em in 100000.- ,
Secrertari da roparticArn das obras publicas,
lo dedezewbro de 1877.
0 official,
SJoeo Joaqtim dc Siqueira Varejo.

Cassiio Pernambuicano
Nio son'ilu po-. sivel dar-so a portida do cos-
1aime, porihncomnmodos do respective director,
km lugar da mesina terA lugar unia reuniiu
familiar n0dia 7 de dezembro proximo future.
Recife, 3d) de uovembro de 1877. --O mpre-
/ario, P. i Nmg e_ __ ..J

pbras doporto
Vg olrdemDdo I llq. Srt. eongnhelro airocto.,
44i4 ris Jde onservaC(o dos portos;. de can-
k;m e ooni a autorisaoCAo de- 8. Exe. a Sr.
p teni da provincia, dria7 dteo diaveibro-
c toe na forma do dre 7ulao o d 'mr-
1 60 da agricavlira cormnerem e obras pu-
b art. l io do decreto n. ,9f6' d 14 de
1872 e 18 do derewto n. ,9? de 10 da
dHoe lata, fao ciepte'a quem ,intoyessar
qu no dia 7 de dezembro proximo vi-
ao eio dia, pa repartiao das roes
.lia bras, recebe a competent junaa propus-
laa foreceimto dos matemriaes necesa-'
S4 obras de alvenarim por administraaoI,
Svpa de 6 miezes,. a coitar do -de ja-
10 oa pro imo 'vindouro. sob as cop.
10 proponentes dever-o fzq2i' ,isu
--A ta3 a)04" osda) $0, s4.1as a;re
(-= a 1w l 14*p qm ue


Cimffa p sifitigiez da Marca Pirawy-
de ou Weast Kent nvIc3ta, send que o de ou-
tra proveniencia sera taibem aceit no caso
de prover igual qualidade em experienoias
comparativas e resisencia A fracWo, kilo'
peso liquid.
Dito romano, idem idem.
-Repartiolo das obras de conserva.oo dos
ports de Pernambuco. em ".3 de novembro de
1877., -
"I0iotes1bp(u ratio, Perc*
-tahoene Dut artPereira.


0 admiinistrador da relebedoria de r-
pas iternaas geraes declara que, 6ilm irid4ttd
da cilcutar n. 28 do minister dos ngocios
da faenda, de 1 do corronte, dez dids depois
da publicnuao deste annuncio, comecarit a ar-
recatdaeo do sello fixo do 200 rs. quo a lei dp
orcamento-n,2,792, deo 20 de outubro proxi-
mno 0 ndo, para os exercicios d6 1877, a 1878- e
de -1778 a 1879, tornou exteuiiva aos relbos
de valor de5"X000 a .50S0, sendo obrigatorio
a adhesio das respectivas estuampilhas ho actto
da assigmitus't dos refeiidos rucibos.
Na applicacato e cobranga deste imposto s6
estaQ comprehendidos na iengao do que tra-
tam rt ord'nsns. 310 de 6 de julho de'1869 e
n. 108 (de 7 do marmo de 1871, os recibos de
salaries passadus em avulso, qIm folaIS oufe-
rias peltos operarios empregados em obras e
services publicos. geraes e provinciaes ou
munic;paes e nto os recibos de foriecudorcs
de generos e materiaes para as rcparticues
piblicuas.
Recebedoria de Pernambuco, 300 udo iocm-
tido 1877.
Munoct Cu'imeiro de..%:a- .t Lcrdlat.

Obras do Porto
De ordem do ilma. Sm. engenheiro director
das obras do conservaio dos portos, de con-
tofrmnidade curn a autorisaqao de S. Exc. o Sr.
president tt provinricia, do 17 do novembrc
carrente, e na forma do art. 1o do dtcrcto n,
2,926 de 14 de rmaio de 1862 e 18 do decretc
n. 2,922 de 10 da mesa data, do regulameuto
do miniisterio da agricultural, commnrecio
obras publics, l'.i science a quom initeressam
possa que nito din 6 de dlezembroo )roximo vin.
douro, ao meio dia, Ina repartiato (las refdridas
obras, recebe a competent junta propostas
cm cartlas rechadas e compcteotlemeinte sella-
this, para rorncctmnento de objectos neccs'sarios
4 secretaria, sala de descwho, dragas, vapores,
officials do mtiachinasede reparos por espa.'
de scis mezes, a contar do lode jaaeiro dc
anno proximo vhidouro, sob as cojudijes so-
gnintes :
Art. l.' Os proponents devcrt.o apriscntui
as suas propostas ale a hora acima rmeficio-
nada, sendo que depois nao serauo mais accitas.
Art. 2.o 0Os proponents serao obrigados a
atpresentar as amostras dos objcctos pro-
postos
Art. 3.o As propostas deverAo ser fcitas se-
gntdoo system de ;pesos, modidas, quiiti
dades c qualidades, d e cotformindade coma im-
lacio abaix,4 especificada.
Art. 4.o Os tognecedores se obrigarSo a fa-
zer oiornccimetAo a tempo e A hora em quo
tor-1hes pedi lo,;sob pew)a de pagareu I o 0'0 de
.ulta sobre o valor do fornecimcuto e do 20
se effectivameunto na o q fizerein.
Art. 5.o Os formnecedores pagarao o sello
proporcional sobre a importancia do forueci-
mento fQtQ. .
hrt. 6. Os fornecedorf* serlo obrin-ados a
entt'egar os objects pedidss para as dragas,
vapores, officihas de machines e de roparos,
nt Gaes do Ramos, no armazemdo e'eoposiL,
mediante rombo que serA passado pelo empro-
gado competent Ia propria via do pcdidu, a
qual icompanihar a conta que seru tiraila men-
salmhete e entregue na repartirllo ammwj
do mez seguinte ao do formnecimento.
Art.7.o 0 carvAo para as dragas e vapores
serti fornecido a bordo na qua tiduado da 10 ou
90, toneuladas em embarcacues dessa arqueaVao
comnpetentemente veriticadas.
llelafffo dos objects para (is d-agus e vapoies,
ofIiws de machinu-s, Officinas de repuros,
secrtactria e salht de denho.
Acido touriatico, litro.
ACo batido, kilo.
Dita fundido, idein.
Dito em verguiuhas, idem.
Agua-raz, litro.
Alcatrao., idem.
Alhnotolias de fulha, 1.
Aram fidb cobre, kilo.
ArrebejPan lcatroado, idein.
Azeite doce, litro. -
Ditt de pexe," idem,,
Dilo de cfarrapato, jdean.
Baldes ferradost :
Bandeira national de 3 panaos, 1.
Dita dita de 2 ditos.4 .
Boiracba vulknisbda, kilo.
Brim, metro.
Brochpxs n. 8; 1. .
Ditas pequenas, f.
Cab,) de linho, kilo.
Dito de manilha, kilo.
Cadernaes bronztados, pollegaJa.
Ditos ferrados, kilo.
Cacarollas de ferro.-etanhadas, 3inm.
Cadeiados surtidos, 1.
Gadinhos, numero.
iCatetasordinarias, duzia.


CaldeirOes dle ferro estanhados, kilo.: .
GCialeiras, de ditodito, idem.
Camp pequena, 1.
Calquesem panno, peCa.
CGelheres de trade de meia pollegada de gros-
suta a 10/8, duzia.
Ditas de rosca, de media pollegada die grossura
a 8,1'8, idem.
Chumbo emi barra, kilo.
Dito em lencol, idem.
Caldteiras sortidas para dierretler bieu, iJcm.
Carrivao Cardil'. idem.
b)ito para ferreiro, idem.
SDito Newcastle, idem.
Cobre eia barra, idem.
-P)itA em eael, ipem. "
DBito velhf, iflem'. '
Coke, idon .
Correntes do ferro, idem.
Couro .; I. "
Cr6, kilo.
Cantoneiras do ferr sorti4as, Ld Catruca,l. 1.
|Curvas de sicupir-a de oilferentcs laianhi)s, e;
confdrme a forma apresebtadai..
Dobnadia do ferro, p rq r .
Ditas de metal, idem.
Escova imngleza,I -1
Dita para tubos,l."
Fstanho em verguiihhag, kilo.
Escopeitos, "id em
Estopa de.algodau idep.
Est9pa 4do- inhol ij
Dita 4" e**u Mbei -


rirfniii' ida


eura, 'i.
In-)gez so
gM, 'ten l,
Weco em


k4idemu.
-


ii ,- ~


wlbprol.conlo.
Itna.
rdilarios, duzia.
Patent,; 1.


Pa pretos, kilo.
PrancA o de amarelle, 1. "- .
Dito de pAo-carga. idem.
Dito de pioho da Suecia, idem.
Ditos de dita resinoso, idem.
Pregof de cobre, kilo.
DilMo dbzinee, idem.,
Ditos de ferro de 6 pollegadias, idem.
DUilos di dito do 4 a 4 1/2 pollegadas, idem.
Ditos de dito do 5 pollegadas, idem.
Ditos de fbrro, idem.
Ditos cuaibraes, idein.
Ditos ripaes, idem. t
Ditos de batel. grades, idem.
Ditos de dito pequetios, idenm.
SDito6s francezes, idem.
Prinmos de chtmnbo, idem.
Piassava, molho.
Pennas Gouthier, caixa.
Ditas Perry, idemn."
Ditas Mallas, idenm.
Pennas finas para desenho, caixa.
Presilhas de diversos tamanhes, caixa.
Pasta de oleado, urea.
Paple caique, peca.
Dito-ser fim, pega.
Dito matla borrAo, folha.
Dito almnao pautado, resma.
Dito rosado pequeno, caixa. .,
Dito rosado-pautado grand, resrna. '
Dito cuarr6, cento.
Dito Jesus, cenito. i
Quartolla ferrada, uma '
Query para cabo, urn.
Raspa de ferro, ura.
Remos de fata, metro.
Roxo terra, kilo.
Haspadeiras de cabo de ou)o, uLIIU.
Regoa do faia, umna.
Secante de fezes de on'o, kilo.
Dito de zinco, kilo.
Sola ingteza, metro.
Dita national, meio.
Taboas de amarello de urna )ollegada cp bros-
sura, duzia.
Ditas de pao-carga de una polega. Ia id gros-
sirM, duZia.
Ditas de amarello do icia p.,l1c,'.la do gros-
su ra, duzia. :
Ditas de pinho da Suecia. duiiiti.
Ditas tid pinho resinoso, Jdtzia.
Ditas dte codro, dluzia.
Ditas dc ouro, duzia.
Traves de qualidade, palwo.
Tapete paraescater, metro.
Tachas le bomba, kilo.
Ditas de eobre- kilo.
Ditas de zinco, kilo.
Tijolo inglez, urn.
Dito de logo, u in.
Piussiato dto potassa kilo.
lTinta branca de zinco em msasa, iUlo.
Dita verde emta massa, kilo.
Dita preta em massa. kilo.
Trave de sicupira verdcadeira, uIna.
Dita de embiriba preta, umra.
Trincal, kilto.
Tubo de vidro para nivel de agua, dia. I
Tarracha de 1/+a 3S,, urma.
Tubos de laLAo para caldeira, kilo.
Tinta prea Sblhpens, bulao.
Tinteiro de vidro, urn.
Tinta carmim, fresco
Verdefriancez, kilo.
Vermelhao, kilo.
Vergontea de pinho, urna.
Verniz de alcatrAo, litro.
Zareao inglez, kilo.
Zino en. foUlia, kilo.
Rqparticao ds obras do conscjrvat w "os
por 4dc-PdcrnambTuvo, erm .23 JO mwbro
deo1776 t, -
i* i> (I to tovh-A.xrhi nft -.


.* ai otfclt DIhicJ' Pc,'cli'a.

CoAiadoprovincial
Por esta repaaircAo se faz publiuo aos reo-
pectLivos eontribuintes, que do dia i de dc-
zembro eim 4!ot abrir-se-lia"o praZ) deO30
dias ute- mrarca& no art. 41 do regilamen-
to de 30 de outubro de 1875, para a cobranea
do Io semestre do irposto da decima O'b2mnae
o de 12 0/0 sobre. a ren Ja dos benris de corpo-
Srao de rmon'morte, re'ativamente ;o exerci-
cio de 1877 Ai 1878, incorrendo na manlta de 6
0 todos aqueltes que deixaremin de pagar den-
i tro deste pazo.
Gonsuale jriliaaial, 28 de nuvcembro de
'1877.-0 administta&nr,
.. Eduardo A. deOliveira.
!jO9 soarsenal de
m12aginh
Faz-se public quo nest* dala ii visto-
Sriado o-vapor Piraaptxa, da .ompanhia pec-
Snambucana de.navegaAo cAtOjita, e achou a
commissito'que podia o Vapor.,tcontitmar a
Aavegar. .
Inspeeoao (1o arsenal de marina d Pe-
.~ ~ ~ r do madcPr
nambuo, 3 de dezemfbr 1 d 18T7.
0 in$ k,r
F.rancisco Jost rn ko.
Santta sa da lk77ado

I A lllma. juata adminltv da S4 aW, Casa
[da Misericaia du ftzerublice
que na sala das B d" 4d
dezeiniro pelas 3 i tee S dt
arrcnImadas, a quom mrn vai'agts o& )*,
Ipelo thpo de' urn a tros ariasat rendasdios
Spredios eim seguida declarados :
S ESTABJELW IMENT( DE CARIDAIE
Rata do Corounet SiaSestuia
Sobradio u. 43" t400000
Loja do mesmo 1 *51t000
Ruau de 8. Vento ernOlinda.
Casa terrea in. 16. 30000
RMa (do PPi'.c.FLortMno.
CGasa terrea n. 47 204000
Idem n. 45 (fechada) 100
IRu lm da Virafto
Std0eia u..R7 20-7w'
"* : la'ja: do.'R saerig '. ,,
3.l audar opsobrado n.. 2i A 2 27 O
Loja e 1 aadar'do sobrado n. 24 A;"'i
SLoj do sobradoQ.(S ." ." n' a- 4:j
Casa torrea n. 68 :+WAfX,
.. ..Ra da M,% da. ;,,
Sobrado de 2 andare e sota n;. 37 [fe-i : .
thadA 3. TIoA,


,. *- UeWcO do Abme .
4. unartl ob'o l',d d.2 (fralmadc '
tua dos Pesc'tdores
[dem ti. 99
-" : Ruan do S.3ore J "
fIdeti mf. 9 d .. .. "
oa.ado. Pharol .
fdeM n. 80 '
Jioa do. nicantmnelito -
Lo4a do sobrado n3 i feciItida)
SHlita dc Si, Rita "
Casma terrea n. 34 '
Ruia das C atadas
" I ..... L Cin& Pcnt'ts .- ',
tdrm 70" ,*o, 'ca -


dao uaniar 1.do-41
*MAIk d;.t


SoNado de uin


905000


30I~4X~t~


18)


eidwdtelpte veoro apresentar no acto
,de gaiteaatao as suas fiangas, ou pomparece-
rem acompanados d os respectitos fladores,
devendo pagar alm da renda opremio da
quantia em que f6r segatuo pioreli que on-.
tier estabelecimento commercial, assimn cooI
oserviQo da limpeza o proeo dos apparelhos a
annuidades. N
Secretaria da Santa Casa da Misoricordia do
Recife, 30 do maio de 1877. 0 escrivAo,
Pedro Roodriaues de Sauzv.


TIJEATRO


SANTA ISABEL

Companhia hespanhola
DE '

-' ZARZUELAS

Hoje 4 de dez ebro
Magnifico espectaculo em bene-
ficio dos artistas- H. Gerner,
tenor, e Theodoro Banapla-
ta, fiaixo da companhia.
Os beneflciados, humildes artists, que pela
-vez peimeira visitati mesta, pvlincia, sem ou-
Lia recommendacao e conhecimentos a nao
1ser os benevolos favors que hapo colhido em
seu trabalho, do generoso public pernam-
bucano, aqueom sao extremosaiente recoiihe-
cidos teemin a honra de se apresentar a este
puablico illustrado, protector do artist, pe-
dindo-lhe todo o valioso concutrso para seu
beneficuio, para o que hao escolhido um sump-
tioso espectaculo que etm todas as parties ha
mnerecido aceitaglo geral e especialmente nes-
ta cidade, onde ha side exhibido umra s6 vez
com extraordinario applauso.
' Pregrunuma.
Pela segun0a vez a eelebre zarzuela cm 3
actos de OLONA e GASTAMBIDE:
0 Vale de Andorra -
OU O
Triumpho da Innocencia


IL
Denominacao dos actos -
1o --#0 recrutaluento.
2." 0 rouu,o.
3. --Justiga patriarcliwl.
A aeeAo passa-so em um :dos vales
ot umPyrineus.
Costumes de Luiz XV.


situddos


PERSONAGENS
ariaa Sra. Gar:ia.
Thereza Sra. Hespanha.
Luiza- Sra. Aminalia Peres.
Victor, cac'idor Sr. II. Corner.
Capitao Alegria Sr. Villa Real.
Colds St. Galvan.
Mareello. velho pastor Sr. Bonaplata.
Sargento Lyron Sr. A. Ortiz.
Syndico ou juiz do Vale Sr. Vasquei.
Antonio, guard do Vale Sr. Oliva.
Outro dito Sr. Garcia.
Coros de soldados e camponezes.
Principiar as 8 'horas.
E' esta a ope'a que temos escolhido para
nosso, beneficio ; se conseguirmos mnerecer
a proutee;ao do public, estAo-cumipridos os
desej s de seus hiumildes artists
H. Gentw.
T. Bonaplata.


i -.- Co hxpfinl -ia rasileira


~Na


veg afio a vapor
PORTOS DO SUL
0 PAQUETE A VAPOR

Ceari


Cominmandante Alcoforado


E' esperado dos por-
tos do norte at6 o dia
4 de do dczembro e depois
de demora do costume
seguird para os do sul,
inclusive o de Santos.


Portoido CearA


ra o Ceara, .


E' esperado d o Rio
de Janeiro,- at6 odia
6 do correntei, o vapor
Cauinm6es,p qual depois
da demora precise ie-
guiri em direitura pa-


SPortos do toiete
0 PA FlJIETE A VAPO11 .
-- Bahia
Commnpatante o primbiro-tedente G
S Waddington
,t ,Espera-se dos por-
tos do sul ato dia
9 do cooTrrente e de-
-] pois da demora do cos-
"l rL. ll tume. seguira para os


d6 norte....
Para carga, enceimendas, valores e passa-
g6ns, trata-se na agencia, esoriptorio de com-
missOes de
Bernardino Pontual
12 -Rua do Bon Jesus-1-_
Companhia 4e navegagao a va-
por Balana, u mitada
3laceio, Penedo, Araaj Estanciae
Beta
0 vapor

S. Salvador
Commandante .pltrapo
~eu par os
,QWq : orostIMa,, ILO

:iai.5 do corrente,
as 4 h tos da t rde.
|lteeebs Larga, passagcns, encoinmmeudas,
e dinbeir0 a frete: trata-se na
.... A;-i gecia '
.7I.uadoVjirRio-*7' ;
SDmngh1hjos Alvs Mtsihe is
GCO3WHIIA PERNAMBUCANA
Navegaavo otxtirf qprr vapor
re S ue para, o porto
*- *.^. ^ tcrcia ia0 i'apor Giquia
*: -rcourmaudante Costa, as
|te12 horas da wanhabk no
^1 ..... o i l'15 de dezembroktda
OIe"be cirua tie e mmendas, pas-
Eiirfi ,ediu ete elta 6S hqras da


rvapor


arde. -,
nariza taW- o dia 4 -.- uimmma


Wdra, 9 mesas,2Acand
leira grande, I mesaa


pasagens edinheiro a frete, a as 3 heras Qoarto e bebidas
diltardedodia. da, saida. Umalarm ao. *garfas e ilie* t' woe-
Esc.iptorlo naruada Companhia Per- ja, vinhos,ha *nebra, verm Ath i -
S numbuc n.2. res champagne e outras qua dW ir nhds

GOmISPauia des ss Do~iwa i s
di 1 finns.
C M 4 mtxm ssa-

iTma excellent machine para fazer caf, I
gees~ 1mBaIri lie sorveleiras, 9 bdinejas, chicares expires, CO-
LINHA MENSAL pos, calices, garrali's, pratOps, bules, louca e
LINiKA MEN AL vidr
Opaquete ": ozljn,
Gtronde Uma rnesa, 2 jarras, .I4uleira, I depesito


Comma.wiante Delabarre
Espera-se da Euro-
pa no dim5 do cor-
rente, seguindo depois
da demora do costume
para lBuenos--Ayres,
tocando na
Ballia, Rioo de Janeiro c
Mowoxirldco.


0 paquete
Niger
Commandant Jacques
Espera-se dos por-
tos do sul no dia20
do corrente, seguindo
depois da demora do
S costume para BOR-
HEAJX tocaudo em
Dakar, Lisb6a e Vigo.
Faz-se abatiwenLos de 15 por cento em fa-
vor das hlanilias compostas de quatro pessoas
ao rnenos e quo pagarem quatro passagens
inteiras.
Por excepgao os eriados das families, que
tomarem bithetes de prOa, gozam tambemn
deste abatimento.
Para passa-eiros, encommendas, etc., a tra-
tar corn o
AGENTE
Auguste Labille
9- Rua do CopimArcio-- 9

Lisboa e Porto
A bair',a porttugueza Novo Silencio sahira corn
a maxima brevidadc para os portos acima in-
dicados, para os quaes recebe carga a frete.e
passageiros : trata-se coni os consignatarios
Jose da Silva Loyo & Filho.

LEILOES

LEILAU
DE
grande porato de moveis, novos, usa-
dos e por acabar
QUARTA-FEIRA 5 DO CORRENTE
A's 11horas
No armazemn da rua de D. Maria Cesar
(antiga rua da Senzplta Nova ni.-t2)
0 agente Stepple, por mandado do Ilin. Sr.
Dr. juiz de direito da provedoria, a requcri-
mento do inveuitariante DomningosJos6 da Cu-
nha Lages, levar5 a leilao urma grande porZto
de trastes novos, usados e por acabar, 1 mo-
bilia dejacarandd, ainda ngoa e.bada, mar-
quezOes, consolus. camas ilara. casal, urea cai-
xa de fetrarneutoa, cadeiras dainarello, tam-
bemrn por acabar, pedavos de madeira de lei,
messs e outros muitos objectos- que soria en-
(fadonho amunticiar.
Em seg6lda lcvarA a leilao, por mandado do
wesmo juiz, um terreno eow Beberibe, no lu-
gar Agua-Fria, corn 235 palmos de frente.
Tudo p'rtencente ao espolio de Joao Jose
Mcndes.

SLEILDO
DO


sob.'ado de azulejo, de urn andar, edi-
ficado em ch0 os proprios, na ladeira
Edo Varadouro. emin Olinda n. 3, corn
grande quintal, cacimba p`opria, en-
canamento d'agua (tambemrn proprio),
corn deposit para aguac banheiro
de azlejo .
AS 10 112 HORAS
No referido sobrado
Em continua~io
A'S 11 HORAS
De urea armmC.o, balanQas, pesos, medidas.
balceo, candleiros a gaz, gam'afoes, garrafas
corn vinihos, louga, panelas, chu-, 1 escada, I
banco, 1 deposit e outrts pertenCas do esta-
belecitnemto no paviment tb terneo do mesmo


sobrado.
Urn sofad, 6 cadei'as de guarniCAo, 1 dita es-
pregui.adeira, I mesa com duas cabeceiras,
I armario para iougQa, 2 mesas, I jarra, I mar-
quezao, 1 commoda, 2 bacias, 2 camas. de lo-
na, 2 cabides. e outros moveis existentes no
referido sobrado do Varadouro n.. 3.
TUARTA-FEIRA 5 D DBteZEMBRO
Em .da.

Romo Carpi teimr,-fat Jmmiao, por intorven-
qao do agent Plinao e para pdmgameato de
seus credores, nao so 'do :o do Varadoiu-
ro n. 3, ema Olinta4, como ilamotin ds mdveis,
generos e mais objects ameta descriptos,
existentes no referido ifobrado. "
O icilo teri Jugar as,0l. 1/2 e 11i horas do
dia acinima dito, no referido sobrado.
A's 9 1,'2 horas parttrt! um trem que darai
passage aos ,coneurreotc..

LJELAO

.um terren6 nia estrn'ia de ielkm
QUARTA-FEIRA 5 DO CORRENTE
A'S 11 HORAS
0 ageitte Gusuiao. competentemente butori-
sado, farA. lOitAo de um termreno no lugar aei-
ma' meiiihnado, junto dositiO do DI" Feitosn,
conteido 160 palnmos de frente.9 700 de fund. I
A' RUA DO BARIAO DA VICTORIA
N. 65
LEILAO


SDA
arma.:ao, generos e mais utensilios
existeatls nan taverna sita ad rua da
GrFga* n 4,u, 4 i, apunga
QUINTA FE1A -DO CORRENTE
A'sl-V t o 1h O agente Gustnao, comnpetemente autori-
sado, fari leit.o da tare, r aima descriptal
em lotes, A .voutao' d W d(y aie traspas-,
saod6-se a casa, sa coniprador qauzcr.
*------ Air-


bithates,


candieiros .it
ialroas relo.


parn gel, moimfmino ucoe caw wutros arntigos.
Ohjectos.. "%tsos
Tres cdlumnas e3 lampebes, 6 empannadas
e 36 fohas dc ziuco, I machina de frizdr e
outros objects. -
QUINTA-FEIRA 6 DO GORRENTE
POR INTERVENCAO DO
AGENTE PINTO
No pavimento terreo do sobrado daitta
da Imperatriz n. 1
Os referidds objects slo de gosto e estrio
em optimo estado de conservaeao.
0 leilao principiau As. -10 1/ 'ioeras em p,-m-
to na 2' salo., pelos bilhares, os quaes sao os
melhores que se podem encontrar.
LEILAO


IDE
Uma prensa de litographia de 54,70 centime.
tres, serm mesa, cort pertenoas.
Dous r6los.para tinta preta e de c,6r.
Seis libras de ouro inglez, encarnado e cereja.
Duas ditas de tinta encarnada.
Dezoito pedras de differences tamnanihos.
Seis latas corn verniz.
Oito ditas com tinta preta
(Nova e ultimamneute dcspachada. constan-
te de 5 caixbes de i a 5)
SEXTA-FEIRA 7 DO CORRENTE


PORL


A's 11 112 horas
INTERVENCAO DO AGENT;
PINTO


Em seu escrlptorlo
Na rua do Born Jesus n. .<

tLeildao0
DE
Moveis novos
POR LIQUIDACAO
constando de:
Mobi as deaamarello corn ltainpos de pedta.
Aisnpmvla, camas rrancezas, marqutezas ca-
mas para enifios, carteiras de diff.rentes ta-
danihos, cabides, quartifiheiras, gmuardas-comi-
das de arame e mrnadeira, mesas, guaidas-lou-
Qa, aparadores, cadeiras, consoles, skfas, e
muitas outras ohras :tvulsUs, setido tudo novo
e dO amareilo.
TERCA-FEIRA 11 DOe COBRENTE
Na rua )uque de Caxias n. 2
0 agente Pinto faz leilao, por lkiquidaCaio,o
pot conta e risco de quem tpertencer, e ao cotr-
rer do pnartLtlo, de todos os moveis e mait
objects existentes no armazei da rua Duqut
de Caxias n. '2, outiora rua das Crumes, junt-.
d typographia do Dit'io fi Pernambtco.
Principiar hos 10 1/2 horas.
LEIIAO
DE

Ultimo defimitivamente dlaii|li
dacio
Jutt Isaac faz leilipo aodia 17 de dezembrt,
pro4amo, por interveoago do agebte Martins, ,5
travessa da rua Duque de Caxia.s n. 2, as I!
hioras em ponto, dos ,bjuctos constantes Ly
seguintes cautelas :
Ns. 2890, 30W22, :"306, 342(6, 4435,
492)., 49117, 1(685, 310. 4894, 4890,
5205, 538, 5-22414, 50,5405, 5480A,
5533, 5597, 5543, 5554, 5557
5591. 56-,,5672,"'A60 MO.,
56&3, 36 50, 5 566, 550,
5651, 550Cr2. 5t.aW12 9, 5670, 5657.
5619., 55o,; 5 i6, 5630, 562.,
5611, 565(5, 5 1,-, 7:315, 5570, 5522.
2360, 3007, 476,. I 4, 4,U3, 387, 505,
466, 54,7, 2689, S.', 2908, 2794, 2670,
2902, 2954, 2916, ->()60- 2970, 2941,
2935, 2085,. 29)1'1, 84. 2927, 29i7,
2963, 2.955, 2971, 0)6, 2779, 249 :,
740, 1116, 11i29.. 2483, 2462. 2461,
..16, 2405, 2tsk- -47, 2569, 2615,
2512, 2557, 2550 W 2-10, 2630, 2170,
2265, 209 2, 2066t. i8tIS 41978 1817,
1525, 1964 1599W, ,157, It4W6. 1370,
1388,' 1216, 145, J4 51t, 1482, 892,08J.
I _^ ; .. .. .


-AVISOS BMlL_
Ausentou-se di c asa d(e sua senio-
ra a escrava de nome Gertrudes, baixi,


cheia do corpo, pstspali1etaos, beieos
grossos ecahido:, olho- gradese, creou-
la, represetita terW i) ,0 aunun, levou
vestido de iiLa ptia,. chale preto,


corn, taboleiro corn iiwtfruvas, e costume
embriagar-se. .Ioga-sie a quern apprc-
heidel-a o favor de a levar ak rua Inmpe-
ria n. 231, que seri t recotnpensad0.
Precisa-se alugar urnia preta para s0ij,-I
te nrita, e um preto jarua sitio : nt pateo *.1i
Pedro II n. 73. segirtno talar.
0 Sr. Fabio Fa'tzsutin, lern:andes da Silkt
Srogado a vir a o se.-:Lic. atndar da ansa it
41 A rua dd Rangel, a neg"ccU.
No dia 8 de noetit% o do omt-rcUlth,
annio furtaram do egenlhio California,
emrn Serinhaeim, Ires cavallos, sem',,
dous de se4 n ,uislAo de cat),:.It-
Ilia. Os de .1::io: U*Tu russoaodWor
baixo e casiat,, corn cetso ma 1)4 JF.
e outro mrclhlido- coi cinus t a,
mida baixo, pequeno e catpdO,'/;1oit
a mesma rmavce. 0 (juarlAtj d rozlliho
foveiro, dtie born laiaIL.'o, fiente.'abe r-
ta, inteiro c coin, esai mtrama R;. Q tm
os enwoutrar, os pdcert Vinar e e "
a este en 6ermh6, (e sert. hem rptlnm
;pensado peo -.
Jodo FNronib C.' de. Al uqt l tu .
0 srVie.::,le Andrade ter
pate I heb4re set e ..
cionam io'ua huqt. 4tjiu as art'inI eals-i
palhesel'e : ______^.1


kepde-seA -'in cycipeliu W4fr'




A c b na cr pi e se$


f r"


I I


ti


i


L I


wt.-


i

















W 0 ia,
terAo de


se S'. ieairo
ta finada i r-


I ED.
tMello,


- -. Augel-isdesde o dia 17 do corrente 6
scrao Lui, dei SO annos de -idade, pouco
,,iais ou ma cr prota, estatura regular,
: rosso, ci faZ a Odeintes na frente, e usan-
4-d tola u barba ; levou vesido calga e camisa
de6Igod~pi.9 lislra e chap6odoouro; sup-
poe-se ter falta do dedo minim6 em urn dos
p6s. EsLe escravo esteve ultir.amente em o-
der duSr. Joaquimp NicolAo Ferreira, reflnador,
rua Direita, e era empregado no service de
,entregar assucar nesta cidade, oude presumnie-
se achar-se occulto, "coastando ter sido visto.
nos Afogados. Gratiica-se a quern o conduzir
ao lrrgo do Corpo Santo6 n. 19, escriptorio de
Oliveira Filhos & C._______
Joaquitn Luiz da Silva e Jos6 Luiz da Ail-
va participam ao corpo do commercio, que
cesta data dissolveramrn a sociedade que tinham
na taverna sita a rua do Coroiel Suassuna n.
15, sob d tazao de Joaquim Luiz da Silva & C.,
ficando tod o aoactivo e passive a cargo do so-
aio Jos6 Luiz da Silva, e exonetsdo o socio
Joaquim Luiz da Silva. Recife, 7 de novem-
bro de 1877. ______
Precisa-se alugar unia escrava para co-
zinhar e compt'ar : a tratar na rua Primeiro
de Margo n. 23, loja.
Precisa-se de um foguista para ir para
tun engenho, para tomar conta do trabalho (l
am vapor : quem pretender, dirija-se d rua do
Apollo nt. 51.
COSINHEJIRA.-Preeisa-se de urma: "ua de
S. Franolseo n. 72.)
nPrecia.se de uirna ama: a trutar,
na rua daPonte velha n. 77.
Precisa-se de irma ama para co-
sinhar: a rua do Rangel n. 73.
PRECISA-SE de uma ama que lave
engomme e cosinhe, para uma pcssoa
que vai passau a festa emr Olinda : a
tratar, i rua Duque de Caxias n. 260 i."
andar.
Na rua do GaimarLo n. 11 eugomma-se cow
perfeicao, seido os preqos: cami3a 10 )rs.,
colete 120 rs., calca 140 rs., paletot 320 rs.
Aluga-se a casa do rua da Pahlna n. 59.
concertada, caiada e pictada de novo a tra-
tar na rua Duque detaxias( n. 37, 10 aindar.
Aluga-se a loja defronte do solbrado daI
rua da Roda n. -16;. a trat3ar na thesour.tria
das loterias.
Aluga-se arnas de leite,.eozihleiras c en-
gommadeiras: na rua dtie S. Francisco n. 18.
-Alugfa-se o pavimento terreo da tra-
vessa da Botuba ni. 4: a tratar na pra
(a da Independencia n. 22.
Aluga-se o 2" andar da rua, estreita do
hosario n. 22: a fallar na loja do rnesmo.
Aluga-seaou faz-se quailquer negocio corn
ima taverna sita nas barreiras de Gaxai,.'a ;)a-
rA eima, corn a casa de vivenda unida d 1es-!
ma, e mais outra casa l ra commodo de es-
cravo ou outra qualquer cousa ; vende-se os
effeitos da mosma por ba|aneo .e pelo custo,
aom todas as suas pertengas. 0 dono da rues
ma intxeassata mais associaA'-se corn unia
pessoa, quo dando fiador A sua conduct, en-
trasse corn metade do capital nella existeute
en* generos; tern cacimta dtie nuito boa ag"iA,
o Oaito da rneswa, perto do engenbo Gamara-
g.'ibe, e tanmbem perto da via-ferrca : a tratar
na pra;a (do Conde d'Eu n, .1.
-- Atuga-se um sobrado de um nundar con
bastdntes comnmAdos para'familia : na traves-
sa do Veras n 13, freguezia da Boa.-Visa :
quem pretender, dirija-se a, rua do Apollo nu-.
.nero 51. _______
Aluga-se a casa.n. 36 ,la rua do Ctlaboj-.!
..o : a tratar na rua Imperial n. 321.
A'LJiA-SE um optimal sobrado na
rua de S. Bento em Olinda, apropria-
do para ([.uem (luizer fazer use dos ha-


de.


Severino Lop s F'razo, 'Renovata Henfiqfle
Pireq de Garvalho e Maoel de Sotiza e Silva,
feridos do mais doloroso seontimento pelo fal-
lecimenLo de seu seinpre chorado pai e sogro,
Francisco Lopes Frazio, agradecem cordial-
mente a todas as pessoas que acompanharam
o seu feretro ao cemiterio public, e de novo
as convidamrn pa a assistir a aigunvo missas
que mandain celebraripor sua alma na igreja
de Nossa Senhora da Paz, mnatriz dos Afoga-
dts,terga-feira 4 de dezemrbro, jelas 8 horas
da manbhl, pelo quie de novo se confessam
agradecidos.
Dr. Virginio Henriques Costa
0 Dr. Tristao Herirques Costa. D.
.Anna Generosa Rodrues Costa cor-
dialmentelagradecei .as pessoas, que se
dignaram acompanhar os restos mor-
:taes de seu presado irnaio e cunhado
-o Dr. Vieginio Henriques Costa, e de
novo contivida a seus amigos e aos do, fi-
nado para as misses na matriz de Sarin-
to Antonio no dia 7 as 8 horns da ma-
nhAi. Anteciparndo seus agrade,:iien-
tos'.____
-Ain h. '.oaquih Antonio i;Rdii-
igues Sobrinho, Flora Jesui-
rna Rodrigues, Jo.o Antonio
'Rodrigues, Joaquim Anton'o
gRodrigues Netto, Maria J;e-
1zuina Rodrigues, Eliza Aine-
t 7=_.s lia Gornes Pereira, Basilio
Gomes Pereira Rodrigues,
geh pio, filio5 notos e entia-
dos do finado Joaquim Antonio Rodrigues.
mandam re.-ar a1gumas misses por alma da-
quelle finado, no dia 6 do corrente, na nmatriz
do Corpo Santo, pelas 7 horas da rnanlia, 1,
anniversario de scu passamento. Convidamn a
seus parents e amigos, e daquelle finado a
comparecererem a es.te acto religioso, pelo que
se consideramn dEdede ja agradecidos.


vesde4e 'todo 0 a S~ iopr a 'So.
. do assucare prp-



-o dao. Tern dposito de tudo, em ta

manhos diversos, conveeintes aos coiupradores.

Tambemn vende sempre f de, ferro e
diversos ute ra engenhos, e motors para

descarooar algodAo.

Vende a prazo, ou a dinheiro corn desconto.

INCumbe-se de tedo 0 concerto, qu6r de pe-
Oas trazidas a ella, quer de machines em seus lu-

0ares. Faz 0otrato annualpara todos Os concer-


tos de enigenho,


CGautetla


Na-o emprega inculcadores pelo campo.

Roga a todos, que mandan encommendas a

ella, exijam a- vista da conta imnpressa respective.

Tendo sido enganadas diversas pessoas em

procura destai. fundicao, observa-se que a

FINDIG&O DO 39WEAN
esta entire o chafarz e a fortaleza, que,@s edificios

estio de-ambos os ladosda ri, perto da cochei-
ra dos bonds P pintados de Verde tios andares


Aluga-se inferiores.
a sota da casa terrea i ruia do Bruin, corn
sahidia independent, janellts para o oitao, Ri ii I i X l
In om iommdos para familia, por Ser todo MIU'
corridor no comprimentL. do predio. Um or-
mazem bastante espaCoso, corn ladrilho de Lt L
pedra, e cacimba, d rua de D. Pedro to n. 11. a
Urma casa terrea Ai rua Nova tde Sa,,ta Rita, Suceui rsal de PERN MBI CO
junto ao portao da fabrica de sabAo. Um pe -iCC sal rI MB
queno armazem ai rua do Apollo, na esquina
do travessa do Corpo Santo. confronte ao ar- -
mazem do Exm. Viscondeo ,d) Livramiento: a ,.;;. ,
tratar cetrn Jorgo Tasso, a rfa do .Amorimi nu- T I, '*'I"GA
mero 37. VISvIsO IMPORTANTE. As pessoas que se inscreverem de anteminc
os r- tir-ne |nos registros das AGENCIAS, corn os notnes e eode:ecos de cada utin de seus
,r Iira e8- correspondents, s6 pagamr rx.Y. Pmr.AvA pelo tnderego e assignatura de seus
OU telegrarnnas. [ESTrA .NSCRIPAO E GnATUITrAI.


Os amigos de l
Contedia drama emrn alguns actos a vontade
dos retirantes.
Libreto
As sotenas sio passadas emn Pernambuco c
algtunas cidades do ijupcrio ota estrangeiras
entire blguns amnig',i pe so querem presc-
tear e vao a eonfifidoi o Ca.anJpos, compram I
-Ilgtias latas coi c os se6udintes doces. os
mais apreciados nZiao s o aqui como a t f6ra.
A saber:
Dpco do cajfc scta,.rystaiisado,picadli 0
em calda.
Dace do mnangiba, secco a crystllisado.
Dace de gaiaba ralado, muito itio.
Doce de c6co, em caldtia.
Doce do liuatmo secco o christalisado.
Doce de abacaxi verdadeiro.

Para inarcar roupa
Tinta Preta 4idelevel. a mnielhor ,:iue atW hoje
Letan apparecido no mercado. Garante-se stia!
dtirabilidadc. O fab'icante tern muitos attes-
'.ados em a'antia da minesuina. Deposit a rua
do iara'olaVictoria 21, loja. i.ahbriao, rua
li miw"idJ n. *.1i5-1i


.1tdo, ;Ia Afaidega,d 9 t is 3 ho9as. A i I 1e.. ..v .
-Aluga-se a metad de( urea boa AtI
casa, a ut.mii fitmilia capaz : a tra tar, ita Existe na Paraliy ba ura a'nazeml
daa da Santa Cruz n. 28. .
Aliuga-se o P" andar dacasa n. 4 1a rua aur, rua Coe d'Eu 34,
:1o Range.l o 1" e3- andar coxi soto- a& casa, ha pouco acabado e considcrado o ie-;l
1. 3 da rua da Penha. a casa n. 79 daa Ii .o. hor i, rsta-se pa qunier
loo co .q tos.-ala frrda pinta- 1 all sta-s par qualqei, es-:.
Ja de novo pr' 30:o000 ; o i" andar da ena u* 4 tabeleoimentc,,oi prelorencia fazen,-
27 no pateo do Tero por .30000 X: o pavinentlo as e ica tre s e heleimit
'erreo da casa n. 6da rua Dtreita por 2.),0()0, rte s est elecime'nt i
j sobrado ide. 1 audar coum sotao ai rua de Lo- do. Srs. Mello & C. e SoUz& ca-skc P,{
nas Valentinas n. t.7,_ por 3;0000: a tratar qo uo ieste genero Lerta ddo sahihs
2o anlar do easa n. 41 arua do Rangel. d
Aluga-se u artnazemn da run da d-Senzala mportantes : a tratar no mesio coh i
VIelha n. 88: quem o pretender, dirija-se a rua o Marques da Fonce. _
da Imperatriz n. 5, qu a'ch:,a' con quem 50 .. iar. .
trAtar.
-_ .Ilga-se-umna boa'esj-ravir para todo--er- <,
4Io. na rua da Praia tii3, 'lb aidar. '
Aluga-s i o.'ln1idar. do sobra'Jo a 'ira-
wesa ide S. Pea4r'i', petlo aluguel mensal de
18$000: a t.ratar p''argoljo Me'rcaido in.7. I A
-A LUG-A-SE o ![o aillfar, do sabra- .
lo da rua do yisconde de Albuquer- r'
.iue. 4, ,,uito- fresco, cornm corimn,
los para grande "faniilia : a tratar np *
2orredordoBispon.73. ___F___. EkjfCA M
-ALUGA-S. por pre;o corimnodo
o predio ni. 8. a rua de Ma;u-iz e Barrt.s, A U h
our'ora run daCodorniiz (onde toi o es- P E il J
tabelecirnento do (tClangro) rtiuito pro-! A O u
prior para q(ualqucr estabelecineto de | I T I -
,Seccos ou molhados, para o quo tern I iua ldiaba1 It 1
boa arnlta`;1io e -upertencas : trata-se a 4 p l d
i-a\veCs;i ,a Madr (e eDeisi n. 1. ".. .. 1 -- 's
A A Precisa-se dhe mur dc( 1. -0MYDICO E CIBUR!rA.O :
SA V hb'un comportaimnento, que 0 Dr. Cyrillito P.I de Almeida e Cas-
AL Tsaiba cozinhar e hi.a todo 1 tro, corn urma pratica de clinica civil
serviqo de casadeoifiia'iin- a-rua das Cru- te dous auros,e 4e cerca de tres annos
;es iI., -), .1-.9 tdaW. : ; uos principaes hospital dee NVienna .-
iPrecsa-e do uma rna p ra i sa d'Atstria, Paris, Londres.'e ,lemanrra,
iA ird t S p6de ser procurado para o exercicio
it de, ouca familiar : a tdatar na de sua pruflssio., A ruada Aurora n. 9,
rdt de ie4ro Affonso in 34 ou 27. seuttindo andar: i
----- Consultas do 1 .a 3 horas da tarde
i~pAAC onlviA oyimirAC n^^^S^t


-4i




Aden. .
Allernatilia .
Argel .
Australia .
Austria-1Iungria .
IUahia .. .. .
Belgica ......
Canada ....
(Chile. .
Clhina .
t."Coihmichina .
(Coifedera(;ao Argenti
a11.1. -Bueonos-Ayres
Coa'. Arger)tina. -
Corr'ientes e as de


mats cidades. .
+,o rfu .
Corsega. .
Dinamarlca .. ....
J-Egypto .. ..
iF1'an~a ...
i i altar 1 .
Grrecia .
I espaiha .
via BarcelloQna
]lo1 landa .. .
fr, bias.,. .

Italia .
a 1r a- .
.I'\lK\O ..
| Luxerrrburgo .
Madeira .
Multa ....
I Nangasaki ...
Ncw-FoundhImd 4 .
t! .. .


'4



II
4 '"4.;

2* 2 -J I 5



4110 U50 oueA 1830
1' -r-' I -i 5 iS I




2) 3 0$ 250 1enan 16N
1 17700 i IPers ..1. .'126 )58050


5.0( t 1600Ier -Li' ... -,75600 t210l'
'T1WOliV '$80 New-'Th~T k'TO'7 &i~
11^0O' i $5() Noruegi^ 1tl$3O0J W$iX
!118100 i $.5)0 Pn.111..... .. .$O(Xj S6XN);
23^200; }$'250 Penang **.lbiOuutx'65
114700 465( Persia .. '12470X0 58051)
; 5800, is000 Peiru Linia .378601) i253(^
115$200! 41450 Philadelphia !14$900' 51950
1$700 5(850 Portugal 85800" 4150;
S18C00! 6(00 Rio dtie Janeiro 7$000 2_206,
205200I 8 050 Nytberoy e as de-i
,,800i 75 mais cidades. 78 7500 2$40(0
: Rio-Grande do Sul .106000 35200
S WO01 350 Porto alegree as
demais cidades. 10500 35400
SRoumania .. tl700 i 0
(k1a71.3 700 Russia Europda .. :1800 4(7
.I -11700 4#050 Caucasica. .2 480
i130".1 45M, Asiatica .a region 19$09 10 ]55N
.11300 485 2.a regoip 4j000 5(000
.12r300 41900 Santa Catbarina .. a0 3
108500i 4500 (:urityba '"e ds
1OS00 4, denmais cidades i500 351
.117T00 4(650 S. Francisco i l(0 7
.0800" 45300 S. Paulo Santos; 100006
i 1I$8001 4$700 Campinas e asi
118300i 48500 demais ridades. ,10(85WI (4
,16$000 6(400 S. Vicento... .(
.8880 A 4M350 Servia I11i700
11400' W.i Singapura 71700
,25WO6S004_e0 Suecia lHO$W0 5
185200t 71250 Suissa *. .11(400 451
,11(3001 45001 Turquia .. i 18200 48
09200: 3;1650 Urugupy.--Montevideol10(000 3(200
11 S00" 4400 Mercede. el
241200 9$6506 as demais cidades .. J 10500 3540
13800 5350 Washington. .. 15070I 6270
-11.. I


Escriptorio rua do Commercio n. 17.


Casa. ff.outeiro
Aluga-se binato a casaC nova de 5 janellas
defrentes. portlo de ferro ao lado, pomar de
larangotias. na rua do Lamarlo, pert, do ba-
Rho ; o preo 6 tao res amidO que-ainda corn a
aslinatura :Io camiuho de ferro, mesrihb as-
Sima flca mais em. conta do quh fo aluguel so-
mnente de outra igurl na cidadea a tratar na
ruado.'BarSlda Victorio u. $6 oi,..

r ^tiAlaE1A a 5-;' 1^
ESTE CLEO L 0 MAAl*APPREcyA>O0 PELOSf
? Midek F ranceses


Ii


4


a


I
I

I
1
I


I,".'/ 'I.-44v. if'-llid ew, Pauris, ,
DUCHAMP, Phb',-26, mua des Misiong.
Lit Pernaluoc : .o
FERREIRtA MAIA eG';-BARTHOLOMiEO (C ,
e ni ts ritcipa

* .... .65W~6.-S- 'I ..~ ~ f9~ .
N


"LA1' i; yr:l~


PERC,4S I.,_ SULFATO DE QUININA
ra K !" CLEIT\N.


Ks'.; ':. a:c tan ,nhlo .b'a;:':; ;ju!!!!... i ',in~-
teem diu'i ,'a'Iia.r. ur ,: s ( lhu:s ._,ia; ..l',.-sh.
Qt'.crn o .i .:a,'. i "'a .O |;a.e, ,:'!!.:'' *'. .- a' ,


0OS h(A,,'
alg'u.aa


i


*~.:en to;aaJt' Sota x;~aa a a; a


Em P,-.s. :ctts de L. 7RERE. 19, ic.a J; :,b
Nas casas [:os Srs. Barboza, Batilholo-
mineo & C.'e Ferreira Maia'& C.


A' CESTA FLORIDA

0 La Er 0
Superflno de -
IXORA it0n


( ifjmyrsdo fabrieodo

ED. PINAUD
PERFUMISTA
37, Soulevard de Strasbourg, 37


H-ite Oleo I ossue o mais delicioso
ardma das fires e ne compasto di in-
gredterites untu6sas os mais preciosas.
El!e dia oo cabellos urn brilhant6lnco.m-
raravel impregnando-as de um perfume
I entrenia.'nente 1nb et "I'licado.


KUMSbA PiTOs AL JU3 I I
JUkrLDELOiGIEIliB
iaas PAtns.
U Meficor a.s) H pitaesa d Par's constata-
raw ma mperiorl4flde eobre todWs o ms
pelltorses 9. s'ia })dferoai e'icaca, m A-
jjtios, PlE!miat. ur|npe, coqhebac (-ow
conviuls). Imnlamaua@ do hrsm,
itaisa$ do peitu t parfgufda, etc. (Cats-
tela courf pfaj.,."caieS.)-- DlI.t. oaanw
pos.Mai a~ aCr~si:*>.a *o &Ar$... ,,


mente'O Perfun~e Iw
-ilfuivel e universalmeInrte: uga #il-
perfumar-o len cador das senhoras de distincgao, e *
banho. Considera-se--conio uMr
fume 'serm rival no mundo,-no quarto
do6 doente .purifica o arr, e e de uma ra
ra efficacia. :em todos,0 & asos. d eds
fallecimentos, fadiga, ex ga tion ervos
iertigens,.etc. Experime:!tai o aifis d4*
coso de odos os perfum.-. $
Vendew.
SB'artholomeu e Comp. A. uaois, Jo'
Elias de Moura e Corvn, P. Pauro
e Comn.
.... -. ...


] /'IA V. SO
Ei;2enio Marques de HollanJa du.antc os
poucos dias de sua estada neota capii-:], pode
seV procurado para dar quaesquer escfarei-
inpntos a respeito do seu preoagado, salsa ca-
roba e manac6, das 7 6s 10 ioray, na rua .da
Imperatriz n. 80, e das 11H i 2, na eiua da GruA
riumnero 50.
n Aluga-se
urea boa casa para familiar, n. Uapuiga, rua
Sdas Grioulas n. P1, tern 2 sala3, 4 quartos, co-
zinha, despensd e quartos para escravos, ca-
Scimba corn bomba e muito boa agua, quintal
U todo murado e cornm nave p:; de larangeiras
de. muito boa qualidade ; aluga-ie por preio
Icommodo : a tratar na rua do Vigario n. 3,
Ou defronte. da mesma casa, portilo de wa-
Sdeiri.
IIIIII I I Il k


!



i
i

i
i

i
I


XAROPEODE

JARAMACABO COMPOST
IDE
Carlos Bitte;cuv't
Pharunae'tHizo. diplornado pelt al. i;i, I
de medicina da B3atJi'
Maravilhtsa descoher::a 4(i f
culO :
0 primeiro peitoral yon.
do na medicine de Or-
gem americana
4 NI.CAMENTE PEPARAD) "'.O -
TOR E DE COMPOSIClt. DiW.S(.)-
NHECIDA
Ternos experiencia de caras rapidas ,
fectuadas corn o-xarepc dejaramacar .
composto-em molestias ;'e'eleldei ? o 1!
quer outra medicaao !
Cura radicalmente as se*uiales '. -
Cas : asthma, defluxo, tosse m-icuj-e:
iConv'ulsa, _bronchite, affle .e- do ;:da-
i' ranta, affteceues dos pulm.Cs, i ')'- o
gado coIn grande succes;o >a t,'1:. ,
laryngia e pulmonar !
PI,'"Io para.a capital : ,'I.
:?c000, e uea du=-^ .^*^OC"
--Salsaparrilha e carob-
DE
Carlos Bittciicoiii't
Grande depurativo do anaict
SEM MERCU) t .
(:on)posipiro vegetal feita corn o extracwo
de diversas platas americ3aa.; em 'oi--
seajuencias nocivas CoOio( a- de'-ics Lof-
parados que se annunciauu puapio- -
uaente.. |
Unico especifico nas doe,-.
gas seguintee :
Rheumatismo, syphilis, ulcers, enii*. ,
Sens, cancros dio penis, goaorrhr a ; tii
.irich, boubas, buboes, gomas, papeir.Q,
escrofulas, mokstias da p.elle' todas L -
d'eene.as que teem a sua lrigei n, il:-
pureza do sangue.
Pre'o pur, a capital : -fre.-o :
..600O, e umrna di:ia 0 1O9"
Reduzindo os pregos, o aitor ecn i. -r
fimn p ao aoalcaince detodos eite .preciu3
medicamnento e acabar cn,' ai e peci-
.6cs, exigindo-se 4X)0V po .:n prepai,-,
do national !-
DEPOSITO GERAL
Pharmacia Galer)o
Carios Bittencove t
N. 51.--Rua do Barmo ,&: /vu.-
S(ia-N. 51
Pernambuco


PERFUNABe A
Perfume. A.auBllo
Z r-4ac-04T= =-t


Du'SCOLHA tRIMUEL8
fg, Jeckq.Cbai e outras.
hlta wNIce.e:lae e das celeb,'dadea,
aAfJzemaagu da Florida, Agna
lUo, Glycerta para 4 cabelio.
SAOta otros. P6 d'rroa do
II as u 4U d doo enter, et.
n tli i tl.tnkhil. m l.aones.


Pieiakua, curam
aSim cao


L, LGL LEGRAND _
F CRNLCEDOR DC VARIAS CORTES ESTRANGEIRA O
]PARIS, 207, ma Saiut-Honor6, 207, PARIS

*SABAOF-ORIZA
Prl.edu i, una espuma fina e abndante corn todas as agua.
0 melher e imai s aai e todoW oas saba6 de toucater (di o 0' 0. RtU .) diad)pewas Para
conservar 4 cutis a sme Flexibilidade BaDraaJra.
CRIME-ORIZA ORIZA-LACTEO-
pra ranque .r, ,airanih,-ir e refrescar 4 cutis. contra u, suardas.- e r"uf.
AGUA TONICA QUlJNINA LEGRAND 6 POMMADA corn BALSAMO de CORTIM
Pr.eprac5es cnfornoite formlas deixadas paledo D' ComL mra aear cabea,
'egenerar os cabi!ot f Jetera sua queda, fazendo ise toruem a crescer em roMito poiMo lmpo.
aRm csa (*o: priacipaes Cabsehrcirma e Pomfiws-is de Fraua, e do BLtd


i


<._


I


'' ** ;-1-' .';
', -'' "'.'
"1 '. 'M ';,


". I -0 1 I


r.r>'-u;I.1- r<'pun.rancif ":,e'o an ."i b,&


)

i


f-
I
r


1




















i' do Ubrdo'Cardoso & fLE

low '6d Rua do .rdo rd do Tritm ho, voufr'ora do'
Ftl4hdita do tnao (de 1873,e-n- /j~
4a at J Dr'um noz. 1
. ;DO MUNDO NO-' Os proprietaries deste estabelecimento pre
0, &Mmorl e.divertida .'.-
S l '. d ta, encader- vinem aos senhores de e nho, itore
sG EITADOSDAFORTUNAp e ao publico em geral qu eoatiaam a fabri-
tmoRuctor, encadernadopor 15500.
MIBUNAL DA RAZO, ode. ar- ear os objectos abaixo mencionados, como se-
e^^ isw obetsa oaoc
gUM0 9hdinbeiro pelos queixosos da sua
oita pemeamo author, encadernado laIm :
DRMAs DE GAEA, foihe- Machina de Derosne para fazer espiritos,
OS DRAMAS DE CUYENA, folhe- -.p ,S

4M ri Elie Berthet, encadernado ditas de Collars, os melhores systems, alami-
N9NDI,-SE tambem uma banda de biques de feitios diversos, simples e com r s-
quasi nova, para official, por 10S. enta garapas, m lundo os de NOVO S.
MKHRfINA DE -GELO
e-se barato uma rNachina e f TEMA, ulfimamente adoptado na provincia," a-
biwe elo, propria para casa de fa- raputas, serpentinas,tachos, passadeiras, repa-
Itlis, ,especialmente para algum enge- /
ho. E' do system TOSELLI, e trabalhia tideiras, eseumadeiras, cobre picado para .ioer
,sMplesmento corn chlorureto de amo-
ico. E'de samples manejopois qual- mandioca e todas as obras necessarias pwra o
Just compa p6de tocar a manivella,
m sfor P6de to.ar a avella abrico do assucar. Bonibas aspirantes Ie de
Para ver e tratar na rua do Barao da repuxo, de ferro, de cobre e de bronze' Si
Victoria n. 2, no BAZAR VICTORIA,3 s, l tabr
d Amaral, Nabuco C. nos de 16 libras at6 110 arrobas, fabrados
Padaria pelo system francez, torneiras de breeze e
Aluga-se em Una, hoje villa de Palmares, -
.ua Nova, corn todos os utensilios : a tratar parafusos de dito, de todos os tam1anios
:o pateo do Teri-Qo n. 82
Aluga-se o 0pdo da Emfim fabrica-se toda e qualquer ora de
Mugade r "" d
rua de Hortas n. 4, constando d ar- cobre ou de bronze, corn toda perfeiao e gos-
mazem e sotio, corn 2 quartos e salas t p a o que' teem faitai dos clho-
proprias para moradia de quem n'elle p ara U a que t m IC qUSlO o h1
se estabelecer corn taverna, para oque res operarios, podendo desta forma serirem
tern armafio e utensilios e o lugar e o o2,
melhor possivel, a tratar na thesouraria bem baos seus freguezes e a 4oo s quat0 Ihes
sloterias.
3ss---- honrarem eom a suA confift w. ,
Lava-se e engomma-se Na Caldeiraria Central
,oupa de home, corn promptiddo e 66-Rua do Bardo do Triumpho outr'ora do Brum*-W6
asseo, no becco do Padre n. '20, 20 anda r. *':*
Casa e sitio n. 30, Ma90
dalena largo do eha- COLU4iABI DE I.URI
fariz N. 3 A---RUA DO CABUGA'--N. 3 A
Aluga-se este sitio corn boa casa de o A stiho Irt os
orada corn agua do Prata, gaz e corn Offerecem ab respeitavel public desta cidade ef6ra della uma infinidade
fundo para o rio Capibaribe, tern bas- de joias, sendo aderepos corn brilhantes, rubins, esmeraldas e -perolas, meios
tntes commodos e esti limpa; aluga-se ditos do ditos, brincos de alta phantasia e argolas do ultimo gosto, alfinetes para
Ior prn commodlo : af tratar na rua' retratos serm elles, caQoletas corn letras e sem ellas, cadeias para homes e so- ,,
reo Aurr n 6 *0 anur, o a do nhoras, de apurado gosto, relogios para ditos e ditas, de ouro e prata, anneis
A urora.1 1 d-ar, ou rua o corn brilhantes, Tubins, esmeraldas e perolas e corn letras, voltas corn laco e eme
Marquez de Olinda n. 3d. la~o, pulceiras para senhoras e meninas, objects de prata do Porto de toda qua- .'.
u^~ 7idade, e emfim Urma infinidade de joias que seria enfadonho mencionar ; s6 orom
tCasa airua dI'Auirora em a vista pode-se ajuizar tanto em npreeos como "om gosto, garante-se a qualidade ,-
Santo Anaro n 5de oirode leie_ a modificaeo nosprecos. Compra-se ouro, prata e pdr ped -
l ciosas. Conorta-se obras deouroe prata, coru presteza.
Aluga-se esta casa pintada ultima- / 9K
nente de novo, corn bastantes corn-
*odos, agua e gaz" qtratar rua da I
Aurora n. 67, ou rua do Marquez de I ,
Olinda. 3"4-" P.UA MACIA HOMEOPATHICA


Aluga-se
luas casas assobradadas, limpas, pintadas
oaiadas de novo, corn quintaes murados e ca-
cimbas, sendo uma na rua do Capitao Lima
1p. 16, e a outra na rua da Fundicio n. 10, San-
to Amaro das Salinas: a ttatfr conm o proprie-
oia na mesma n. 30.

AGORA SIM


NSO PODERA' HAVER MAIS CABILO BSRAN- A CA
COS, COM, A TNT{JRA CDA C ASIE A
cos, COM A TI?,T% CMW,. O.[ Globulosi puros
Preparada por AF.I. Raalho. oo u ro D A
21-RUA Do,MAr_ 0 -+l : ST[LAH IBMAOS
n i1f ...+ A
2 1DA U21 .. ..

Esta tintura faz oaar os ,cabellos oG 4os -"misados DE
rapidanlente pretos sMo 6ofender am' io +:': + .[''. iA*
tis, e muit0 faQ,.qe seapplica.-Caa 081 I^tHs "*Si -
rasco acompanharA ansIsr. oea W '+'EUS
cessaries. ra. S vaos -R A. BOJESS-
0 autor da tintura Cbnaza n a preci, d oe t-do-o's tamahs"os Pn M
sa de enoher as columnas d'este joral E- BUCO
como mnuits out ro atrs fa3en, en-, .
grandecendboseae*pepei4osaponto de -
tornal-os uaimaravilha, sem se embma- i
rem que, imaneira que seu author os -.ILA;I i
eleva, popuflicos p6de rebaixar, p01 "lOHIlft E
que as mdi-das vezes 6 enganado.
Portanto, o autor da tintuma chineza. E
certo do born resultado, jA pelas nui- VICTOR GRAND
tas exttriencias que se tern feito, jP A'R D AQU
pelas Was provas que sempre tern tido, A RUA DO MARQUEZ DE OL
recom-ienda esta tintura. A--_
Pede tao s6ormehte que experinmentem n
ella, p'a depois fi'zer-em seu juizo.
Unic dcposito, c( mc s de seu au


CASA DE PENFO RES
T1BAVESIA DA RUA DO a ,1
|#4Q\f 11hi^9
DUQUE DE CAXXAB N. 2Jtq

SJulio Isaac, pede M
atodos os Srs. mu- -
iarios que, tm e au-' *
las vencidas, ve-
orqueseste liqui- '
indotm redsgatsval
anotoo og'- s va-^^M ^


S-cofren; ao


S Victor
umento de n
tos inglez. su


de carteiras
para globulos e pars
tinturas,
cha e chocolate
homeopathieo







INDA N. 2S


iin scientific ao pt
s de algibeira, -,d4
arericano, dos n
x meina eu 'senhon


de17 ugi ram do Achani-se A ye
ido term'o do Seinhaem, tides da 1.4 part
d ~u *5 eOWWOBa4 t @ Jos6i -sendo um alto, matrix de S. Jm
SriqS" P baiia, Ncabello carapinha- quinta-feira 6 de
o tem tImbrapo uebrado. e per isqo um
*O t !tern algmawas cicatrizems de relho Bilheti
US tsa este escravo foi comprado em 16 Maeio
do mio de.te anno nesta cid4e ao Sr. Pa-W QuiotC
trice Jos 6 Ta*ares, que o conaOua idide Em poPrto o
a Parabyba. 0 outro de altura regular, Oor- -Bilheti
Po tambem regular, muita barba, falls fina, Meio t
idade 31 annos ; fbi comprado na mesma data JmNte
era que o outro, ao Sr. Manoel Travassos Sa-
ranho, morador em Bonm Jardim, Parahyba;
este escravo 6 viuvo e deixou filbos na Para- Grail(
byba: roga-se is autoridades policies e aos
capitaes d. campo a appteheislo destes es- Alimento papa
emvos, gratifcando-se a quem os entregar pde corn vantage
nesta cidade a*B rg, Maneel Alves Ferreira & e dispenser a pi
C., A rua do Apollo n. 4, primeiro andar, ou ao trazem sempro i
respective senior, no engwmho Gamanragibe, gas : proparado 1
em Serinilem. A rua Duque de (
~---n-ur--ap n -Fras-
mturamJaponeza -- o


A umnica approvada epremiada pelas
academias de Paris e Londites, por nio
ser prejudicial A safide, encontra-se nas
priHcipes casas de cabelleireiros e em
todai asboticas principaes da Pernam-
buco, Caors, Baitholomeu & C. Ma"-
rer & C. e rua da Cadeia a M. 4 ,o
dar


50U000
Gratifica- se corn esta quantia a quem
aprehender o escravo de nome Canuto,
baixo, cheio do corpo, born fallante,
suissas fechadas, pes urn pouco apalhe-
tados, gosta de andar de alpargatas,
levou vestido cala e camisa de algo-
dao azul de listra e cbapdo de feltro
branco; quern o agarrar, leve-o i rua do
Cotovello n. 89, quo receberd a grati-
icaio. Consta que elle costurna acoi-
tar-se em urma casa no corredor do Bis-
po, onde era freguez do conduzira-
gua..
Magnifica acquisiCio
Esta para alugar a casa nx. 58 A da
rua Imperial, corn armago de ain'arel-
lo e mais utensilios, propria para um
principiante, por ja se achar bern afre-
guezada e em magnifica pgsiao ; para
mats averiguaes podemo dirigir-sei rua
do Imperador n. 40..
Aluga-se
0 2.o andar da casa n. 8 rua da
Imperatriz a tratar corn J. ,M. Rego.


Mofina
E' pedra que nao joga.
Agua mole em pedra dura,
Tanto dA ati que fura.
(Mas esta d de bronze, qu se nao
tern furado por ser estanhada).
foga-se ao HIllm. Sr. Ignacio Vieira
de Mello, escrivao da cidade de Naza-
reth, desta provincia, o favor de vir A
rua Duque de Caxias n. 36, a concluir
aquelle negocio que S. S. se compro-
metteu a realisar, pela terceira chama-
da deste jornal, em fins de dezembro
de 1871, e depois para Janeiro, que pas-
sou a feveireiro e abril de 1872, e nada
cumprio; e por este motive, pois, d de
novo chamado para o dito fim, pois de
ve S. S. lembrar-se que este negocio 6
de mais de oito annos, e quando o se
nhor seu filho se achava nesta cidade
Alerta
Pequenas novidades
Mangas de ItamaracA.
Meloes de 14 mesmo.
Laranjas de umbigo.
Abacachis serm casca
Avelans e amendoas.
Ameixas e figos.
Castanhas do Maranhao.
Encontra-se tudo isso e mais algumas cou-
sas, na confeitaria do Campos.
24 -- Imperador 24
Attencao
Na rua Imperial n. 55, vende-se mui-
to boa cantaria, e por muito menos pre-
go do que em outra qualquer parte.
Victorino de 01iveira
Precisa-se saber se existed nesta provincial
Victorino de Oliveira, vindo de Portugal para
esta cidade ho cerca de 30 annos, e 6 natural
do lugar da Passagem, da freguezia de S. Cos-
me, Conselbo do Gondumar: quem souber dar
noticia, queirM dirigir-se A rua Duque de Ca-
xias n. 94, loja das seis portas em frentie do
Livramento.
Attencao
Na rua Nova n. 40, 1.0 andar, prepara-se ri-
cos bouquets de cravos naturaes., corn fita
bordada a ouro, ricamente enfeitados, a 20$ e
16#. Ha grande soitimento'de bouquets de
cere, panno e ricas grinaldas, coroas para
presepes, de diversas qualidades e modicos
preeos. Prepara-spe ricas bandejas de bolinhos
finos para casamentos e bailes, por menos do
que em outra qkualquet parte.
Attenfio
Previne-se ao vublico que nao faCa negocio
de especie alguma cornm os Srs. Rocha Lima &
Guimaraes, sobre a casa terrea sita a rua Im-
perial n. 1a7, que ainda ess'es senhores nao
entraram naWposse legitima ou judicial da mes-
ma casa, pois os seus verdadeirbos ppqssuido-
res protestam de, em to lo tempo, sustentarem
seaus direitos sobre o mencionado predio.. Re-
cife, 30 de novembro de 1877.-A. J.
Attencao
Aehando-,se fallida a firm de Ramos & C.,
composta de Joaquim, Fernandes Ramos e'
Bento Jos6 (t$Silva, qua f $uran estabelecidos
corn armazens de arquo, & rua de Pedro
Affunso, sAo ehamnados to4os 'os seus 'evedo-
ris a viremn solver os seus debitos. entenden-
do-se coin-os cUradores flscaes Balta' Oliveira
& C,, e deposltarios Pereira Care, ro Maia &
C., aspo corn a maxima brevidade, afir de evi
tarem se despezas judiciaes Eos mesm.os de-
veores. : + *,

6t; ,;AilBgi~se ; -
l||w p~o' rnai|qraoi^ -~s aa sias ruai
isp.sa dii otRia^, ouit'or,. tlfvosa do Moo-
tOeiro, 4:1 ca Sl:BuEifftes i oanrtiod.Qrf8s :l'|2 saIlas, 3
Illliosctiyiiiha, born c'qaxitat coum Ca-
eu~~a;~oeitR~ '~ernas +e Wi frescas:
ulder, ldlrtja-soA tua [bxqsie deoa -a
Santdar* qu1 aosi&h mc quota


IA


ran-
Sda
Sna


e inteiro 0000
ilshete 55000
25000
de 1OOOO ara cima.
s inteiro. 0jl00&
bilbete do
Manoel Martis Fvsa.
de vantagem
criangas depeito, unico que
am substituir o leite materno
is de leite, que de ordinario
ncaloulaveis males As crian-
)or G. Mellin. Unico deposifo
Caxias n. 63.
co- grandes-1_200
Smenores-- 800 .
0oo00ooo


Alerta
Fugio em outubro de 1874, o escravo
Josd, preto, crioulo, de idade 12 annos,
,altlura regular, conforme sua idade,-
secco, pernas regulars, cabega corn-
prida, pescogo comprido, pds chatos '
este escravinho foi comprado no Paco
de Camaragibe ao Sr. Joao Vieira de
Lima, e so esteve em poder do abaixo
assignado 45 dias, findos os quakes des-
appareceu e consta estar em terras d&.i
engenhos Paraizo, Riachdo, Santo An-
tonio- Grahde, Sacramento, Ccronha ou
Quebra, eonforme cartas que o abaixo
assignado tern: quern o apresentar na
rua de Hortas n. 86, sobrado, tera a
gratificagao acimra.
Maximino da Silva Gusmdo.
Bellas arts
Acaba de chegar da Europa o Sr. Fernando
Guerrieri, corn um grande sortimento de obras
de marmore e alabastro, proprias para enfei-
te de sala, a saber: lindos vasos para flores,
priinorosas tagas de marmore, para uso de
fructeiras, jarros, animals, estatuas e muitos
outros objects quoe se toinariam enfadonho
enumeral-os, e que so corn a vista pode-se
apreciar. Todas estas obras sAo esculpidas
pelos melhores artists' de Florenga, e lodas
por precos commodissimos.
Abrio seu estabelecimento A rua do Bario
da Victoria, antiga rua Nova n. 28.
300U000
Attencao


Escravo fugido
Z3No dia 4 do mrez find fugio, no port da
lIahia, de bordo do vapor national Bahia, o
escravo Romualdo, que seguia viagem deste
porto para o Rio de Janeiro, de propriedade
de Luiz Jos6 da Silva Guimnarles, negociante
no Recife, que o houve por compra em 25 de
maio de 1869, a Jeronymo Theotonio da Silva
Loureiro, morador na Baixa Verde, cujo es-
cravo tern os seguintes signaes caracteristi-
cos: c6r acabralhada, estatura 5 ps., 1 polle-
gada e 3 pontos, cabello preto e carapinho-
rosto comprido, olhos pretos, corn olhar amor,
tecido, nariz afilado, bocca grande, 'odos os
denotes, barbapouca, e corpo gross., em uma
das mAios, por traz do pulso, tern urn caroCo
A especie de um lombinho, pronuncia compas-
sada, conservando-se, quando falla, em attitu-
de humilde e vista baixa, tern de idade 30 e
32 annos, pouco mais ou menos, e fliho de Joso
e Antonia; eoravos de Manoel Salvador, de
lugar Fazenda Grande ou Pajefi de Flores,
d'onde o referidoescravo natural, e onde ex
ercicia o ofticio de ferreiro. Sahio desta cidade
vestido corn calga e camisa branca, paletot de
alpaca preta, chapeo do Chile, levou urnm ba-
huzinho de couro, corn bastante roupa braca;
essim como consta que no acto do embarqua
aqui, um preto foi 4 bordo e entregou-lhe a
quantia de 600UOOO a mandado de uma amasia
de nome Romana. 1i provavel que tenha mu-
dado de nome e de vestuamo, e que ande
calkado, para assim intitular-se livre e illudir
a vigilancia das autoridades. Ha de corn cer-
teza seguir caminhe da Bahia para esta cida-
de, em algum dos vapores da comranhia bahi-
anna, desembarcando em Macej6, ou polo in-
terior das duad provincias ; roga-se, portanto,
As autoridades policies e aos Srs. capitAes de
nampo, ou ai qualquer cutra pess6a que delle
tiver conhecimento, o apprehenderem, parti-
pipando ou entregando-o ao seu respective
senior. nA Recife, iva do Cominmurcikt n. 5,
que serao: reenmpensados wo a rntificaQo
acima.
- Precisa-se de um home para trabalhar
em Am sitio perto da cidade,- prefere-se das
Ilhas na rua Direita n. 45, loja de chapr s
de sol.

VENDtS
Vende-so um excellent sitio no Arraial,
al6m da estaCg d& Maagabeira, A esquerda,
uma casa das bolas brancas, corn 400 palmos
de frente e mill e tato de fundo, corn 20 pes
de jaqueira, per-W.o gueiras, corn .1. pes de oiti-cor6, quantidade
de larangeiras, pes de sapoti e abacate, um
parreiral muito bora 6 a cdas," sendo numa
de pedra e al,, fejta a4 ftodera comrn 4 quartos
e 2salas; a buta d attada, aito beorn
construida, cr e 3 quartos e satas;: corm um
rio que atravessa-o mesmo sitio, conm quanti-
dade de bananeiras, terra de barrio e baixas
puito boas: quein pretender, di-ija-se ao
mesmo sitio, que I a&eara oomr quern tratar.
Vende-se uma preta de 22 annos, perfeita
engonmmadeiraoe cqnlheira;de bopita figure,
sem defeito, um mnm &ode 18 aMnos, uma
negrota de 17 annos, urna mulatitiha repolhi-
da, de 15 annos, perfeita mucamba, e uma
escrava cozinheira, de 20 annos. corn muito
born leiLe para criar, pot. ter uma filha de 6
mezes, serm vicio algum : no pateo de S. Pe-
dio n. 26. ______ ___
Bttinas para senhoras
A 3500 e 4o000o
Na lo a do Pavio, a rua Duque de
Caxias n. 55, vetide-se botinas para se-
nhoras que sempre se vegderam a
55(000 e 65000, liquida-se a 3$500 e
45000, para acabar, isto s6 na loja do
Pavao, a rua do Queiriado n. 55. de PI-
reira da Silva & C. -
o Para d(ar d festas
VESTUARIOS PAaA CRIANfIAS.
A 39O .e45000
Na loja do Pav|n?, ,4 ua Duque de
Capias ni. 55 ,ende-se elegantes ves-
tuarios para crianqas, sendo ricamente
enufeitados'e de goslos inteiramente mo-
demos, pelo ]barato pre~o de 35500 e
44000, nuda inais boni6t emmmais Ja-
rato para quem quizer dar bonitas fes-
te&ct.m pouco dhnheiro, i sto s6 na,|o-
ja do Pavao, a ruen do- Queimaoo xi.^55
Irade Pereira daSiva; '(. ____


IA k.U DUiQUEDJIAS 85


Vende-e um ande sortimoento d boritas
faiendiaf propr*a para o tqoo de festa, a
que se liquidam por pregos nuito baratos, s6
para apurar dinhbeiro. *
A saber:
Merin6s para vestidos, send de uma ,
s6 c6r, e tendo de todas as cores,
sendo fazenda muito leave para yes-
tidos, o que ha de mais modern
e que se prestam para fazer vesti-
dos deduas cores, covado a 36
Popelines de seda, fazenda de muita
phantasia, covado a i#000
Ditas tambent de muito gosto, cova-
do a $720
Ditas de linho, sendo de listras e qua-
drinhos, covado a 320, 360 e $400
Anadinas escocezas, o que ha de mais
gosto no mercado, para vestidos,
covado a $500
Mariposas- abertas, de uma s6 cO6r,
fazenda de muito gosto, covad6 a $640
Ditas bancas, abertas, fazenda muito
bonita, covado a 600
Ditas matisadas, fazenda de muito
gosto, covado a $ 440
Fuisto branco, muito boa fazenda pa-
ra vestidos e roupas de meninas,
covado, a $640
Grande sortimento docambraias bran-
cas, tanto tapadas como transpa-
rentes, que se vendem de 3$500 a
peca atW 65 e 7000
Grande porCao de chitas claras e es-
curas, de 240 rs. o covado atW $320
Assim como um bonito sortimento
das mais lindas percales e creto-
nes, tanto claras como escuras, co-
vado a $360
Espartilhos dos mais modernos, a
45500 e 55000
Punhos e collarinhos bordados, a
1oo00, 15600 e WOOo
Grande sortimento de gravatinhas de
todas as cores de 1$ at( 25000
Grande sortimento de babadinhos e
tiras bordadas, per precos muito
em conta
Cbapeos de palha para senhoras, sen-
do modernos e muito bemrn enfeita-
dos, a 6$ e 85000
Grande sortimento dos mois moder-
nos chales de casemiraj sendo mui-
to finos e gostos inteiramente no-*
vos, a 6S e 75000
Ditos de merino estampados, de 3M500
at 55000
Ditos de gorgorao, corn quadros e
listras, de 1500 atA 2$500
Tudo isto na rua do Queimado n. 55, loja
de Pereira da Silva & C.

Vestidos bordados
a 10000, 126000 e 146000
Loja d'America a rua do CabugA n.
10, s6 quem rnvende por ester preno.

Granadinas
Grande scrtimento de granadinas de
seda, pretas corn ramagemrn e listras de
cOres, padrOes novos e lindos; ven-
dem-se por prego baratissimo e dao-se
as amostras na Fragata Amazonas, rua
Duque de Caxias n. 47.
Alpacas lisas a 400 e 500 r6is
Alpacas lisas de todas as c6res para
vestidos a 400 e 500 rdis, na Fragata
Amazonas, rua Duque de Caxias n. 47.
Lindos chapeos para senhora
Chegaram no ultimo vapor, lindos e
ricamente enfeitados chapdos de palha
de Italia, e de seda, para senhora, os
quaes se vendemr por muito menos do
que em outro qualquer estabelecimen-
to, na Fragata Amazonas, rua Duque
de Caxias n. 47.
Popelines de linho a 320 r6is
Vendem-se lindas popelines de linho
a 321' reis, valem 640 reis o covado;
aproveitem, na Fragata Amazonas, rua
do Queimado n. 47.
Camisas inglezas
Grande pechincha em camisas in-
glezas a 305 a duzia, na Fragata Ama-
zonas, rua Duque de Caxias n. 47.

Coques a 2j500
Coques a 2500


Coques a 2$500
86 o Pavlo
A rua Duque de Caxias a. 55. veade os mais
modernos ceques que tern vindo ao mercade,
polo baratissimo prego de 2500 cada urn, por
terem chegado corn um leve toque de mofo,
sendo artigo que nin se vende em part al-
guma Dor menos de 6&, isto para liquidar
depressa : na rua do Queimado n. 55, loja de
Pereira da Silva & C.

Setiii da Chinaa 500 rs
o covado
Reteberam Almeida Campos 4 rr'a do
Crespo n. 20, os mais liodos setins da- China,
Wroprios para vestidon, gostos A imitagao de
gorgeroto por 500 rs. o covado,.
Jaines
SReceberam tambem um lindo sortimento de
jaines lisas, cOres escuras paravestido, lpura,
a 640 rs. o covado.
Bern comno um novo e lindo sortimento de
fexfis de seda, gostos modernos, a 45 ; e um
complete sortimento de popelines de seda pura
a 1$, 900 e 800 vs. o covado.
NA LOJA A' RUA DO CRESPO N. 20
De Almeida A- Campos.

Popelines de sed isas
A U.000 0 COVIkDac
Lindissimn- popelines, seda lisa, lin-
das cores, pad rOes mnodernos, por 14000
6 covado; e pechindha, quem veade d
Almeida & Campos-na rua do Crespo
n.'20.
Ditae, todas comR listras de seda, ul-
timo gosto,opara 6W) ris.
Jaines lisos, escuros, a 640 rs. -o co-
vado. ,
Imperatriz, a mais l na fazends pa-
ra vestidos, que sortieiie queocores,
a 500 rs. o covado. ;
ParagassuanAs doe I, cores eisie-
das e gostos -Findos, .parae MQ t-'s. o c6
vado.
EK muiteatfazenda 4d I (106 +-
demos rtuit*+a
Campuiezas-
lindo sotiraent


I


























le Margo e 21..
SEGUINTES NOVMIADES:
tho comn letra e barras


do *eosa98-,ad4u ua.
ias de co6res superiores para h(
mem, duzia 8, 10 e 12000. Sao lir
dia.
Meias superiores para senhoras, dU
;PR10 e14iS000.' Admira!...
Brimk'branco alochoado 'superior
31 e 3$500 a yam. E' baratissimo.
Cortes de linhbo bordado, a 12(00C
Linho bordado, covado 500 rs.
Dito liso corn 4 palmos,covado 360 r
Alpacas corn listras de seda, covad(
500 ra.
Chitas chinezas para colchas, covadc
500 rs.
AlgodAo corn 5 palmos de largurma
vara 400 rs.
Toalhas felpudas, monstruosas, -panr
banho, a 25500.
Lindas mariposas, brancas e de co
res, a 360 e 400 rs. o covado...
Fil6 preto corn salpicos, vara 500 rs
Brilhantina ,preta e de cores, cova-
do 500. rs.
Esguiao amarello, corn duas larguras,
vara l$20l.
Lindissima& wantas de setim para
home, a 1$000 e 15200.
Casemiras de cores, fmissimas para
costumes, covado 35500.
Damasco de la e soda, pelo diminu-
to preco de 35000 o covado.
Chales de casemira, superior a 58 e
105000.
Camisas para meninos, brancas e de
"res, duzia a 2850 0 e 30000.
Atoolhado de algodaio, idem de linho
-a 2000 e 35000 a vara.
Cortes de cretone, corn figuino, bor-
dados e estampados, ultimo gosto a
15$009 e 20000.
Cortes de casemira de cores, lindos
desenhos, a 59000 e 106000.
Camisas de linho para hrmem, o
que ha de superiOr, a 405000, 505000
e 608000 a duzia.
Ditas bordadas, uma'6$000.
Ditas de bonitas cretores, a 305000 e
401 a duzia.
Cambraia preta final, vara 640 rs.
Mantilhas a brasileira, a 55500.
Batistes, padres elegantes, polo ha-
rato preco de 280 e 320 reis o co-
vado
ROUPA FEITA
E' taio bonito o sortimeauto dte ar-
tigo e por tao barato preVo, que s6
cornm a presera do elegant cavalhei-
re, se poderA, mostrr a realidade.
Cortes de soda
A' imperatriz das Indias
Sao de 9gsto
Tem 33 covados cada nm cqrte, e vende-se
Uor 80000: na loja da America, A rua do Ca-
Novidades -
Saidas de baile. de seda e I, ultimo gesto.
Granadines de seda preta, o quo ha de me-
thor.
GorgorSes de l5, de c6res novas.
Popelines lisas, de todas as c6res:.
Alpacas isas, 25 acres differences.
Prop sm.r competeBaia.
-Vesti|ois em. ortes
Os inais modernos e lindos cortes de vesti-
dos de cretone para senhora, enfeitados e bor
dados i ultima moda, receberam polo ultimo
vapor vindo da BiyEopa, Amarai. Nabuco &. C.,
eveadem no Bazar Victoria n. 2.
Espartilhoscouratas
(Os mats commiodes espartilhos couraeas e
de outros models, lisos e bordaoos ; vendem
An.aral, Nabuco & C.. rua do Barb da Victo-
urta 1;- _______ .
"i-RUA DO COMMERCiO-24~
Neste estabelecimento vende-se c
,edadeiro e superior vinho cie BO)'


deaux, tanto emiarris cemo em engar-
rafado, e mais barato do j em qual-
quer parte, por ser recebido de conta
proprna. No mesmo estabelecimentv
compra-se garrafas vasias que tenham
servido para vinho de Bordeaux ou
' cognac.
WIUOT 0 .,


aos dous mil paletots
52 Ru da Imperatriz 52
Loja da porta larga, corn bandeira ver-
de e amarella.
Esto estabelecimento 6 bem anigo e conhe-
cido em roupas feitas, e os pros sAo os mais
commodos que se p6d imiaginar. Venham
ver, a festa est&na porta.
Os dous mil
Os dous mrail
Os dous mil
Os doas mil


Ruada Impe


'aletots.
Paletots.
Paletts.
Paletots.
loja da porma larga de
ts PIOftto, _____


sen-
re6s-
sma-
adeo


-o 11 ats un s -*.1 11 w- r, -1^ I. ---- a-- ,-
.AjrUgos, psara eampczentros 1
'Verdadel ina intglza pretax d optima de'
copier, pennas, lapis, canetas, pap Cvelo-
pes, lapis de borracha, etc.,' etc., vend-se
rua Duque de Caxias n. 63, Nova Esperanoa.
SDous rrezedios -
Milagrosos collaresejlectricos b anoeis, a-
quelles contra convulskes naseriancas,-e estes
verdadeiro antidoto para os nervosos, rece-
beu a Nova Esperanca A rua Duque dfle Caxias
n. 63.


Nova remessa
Agua para pratear os metaes, lixa de borra-
cha (tita a ferrugem pulinao o ferro ao mesmo
teiipo) e baleias pare polonezas e vestidos,
recebeu a Nova Esperanca/rua Duque de Ca-
xias n. 63.
Luvas freseas de pellica
A Nova Esperanga, A rua Duque de Gaxias n.
63; acaba de receber frescas luvas de pellica,
brancas, pretas e de cores, para homes, se-
nhoras e meninis, tambemn recebeu de camur-
Ca brancas e amarellas.
Anneis com. lettras
Silo de ouro os que recebeu a Nova Esperan-
ga A rua Duque de Gaxias n. 63, e sbo para
criangas.


Mata oaspa
Pomada do Dr. Alain, remedio infallivel con
tra as caspas, recebeu a Nova Esperanqa, ru
Duque de Caxias n. 63.
SPara baptisados
A Nova Esperanya, A rua Duque do Caxias
n. 63, recebeu bonitos e ricos vestuarios panr
baptisados, e estA vendendo por cominmodc
preco;
Linhas para serzir meias recebeu a Nova
Esperanqa, rua Duque de Caxias n. 63.
Artigos baratos
Papel amisade a 400 rs. a caixa.
SEnvelopes a 500 rs. a caixa.
Fita de linho a 60 rs. a pena.
Linha de carritel a IS a duzia.
Oleo Orisa a 800 rs. o-trasco.
Dito Opopanax a 1$ o frasco.
Agua Florida a 1l a garrafe.
Voltarete
Boas caixas corn fixas de osso e marfim, pa-
ra voltarete, rmcebeu a Nova Esperanca, rua
Duque de Caxias n. 63:
Jardim artificial
0 jardim da Nova Esperanca, A rua Duque de
Caxia, n. 63. estiA replete de ftfibres para re-
gaco de vestidos, ditas para enfeitar chap(os,
ditas proprias para bailes, theatres e casa-.
mentos, etc., etc., e o que de melhor se p6de
desejar de artigos de flores, a ellas !! a
ellas!!!
Gravatinhas e mantas
PARA SENHORAS
Na nova loja do Pavao vende-se urm
grande sortimento das mais modema,
gravatinhas e mantas para senhoras, as-
sim como um grande sortimento do,
mais modernos punhos corn golinha.
bordadas e camizinhas corn punhos, t
grande sortimento de leques que st
vendo tudo por preos. moito baratos
isto a rua do Queimado n. 55. -
CORTINADOS PARA CAMAS E JA-
NELLAS
a 75000, 85000, 95000 e 105000 o pat
Na nova loja do Pavao a rua Duque
de Caxias, vende-se am grande sorti-
mento de bonitos- cortinados bordades.
proprios para cama e ianellas, que se
vendem de 70000 at 105000 o par, sen-
do cortinados de muito gosto, assim
como calchas de superior dzmasco de
la, A imitaCao de soda, propria's parm
cama de noivos, que se vendetta a 12500(0
cada uma, qa rua do Queimado n. 5
CRETONES PARA SAIAS
vara a 15600
Na nova loja do PavAo a rua Duque
de Caxias n. 55. vende-se cretone fran.
cez, proprio para saias, corn 11 palmos
de largura, *que corn duas vans: faz-se
uma saia corn 22 palmos de roda; rua
commenda-se esta fazenda pelo sen
carpo e duraio : veade-se polo arato
preco de 5600 a vara na ua do. Quei-
mado n. 55.


Tomem nota:
14-Rua do Imperador-14
0 ARMAZEM DO NUNES
(Nutrigo instantanea)
Grmnde variedade
de generous alimenticios
de superior qualidade.
Modicidade espantosa!
Facilidade gastrica!
Vantagem proveitosa I
Veijam:
0 Nunes tern resolvido :vender barato, bara
tissimo ; garantir A superioridade de suai
meruadorias; sustentar tUna prodigiosa varie.
lade de generous rapos e-saborosos, e final.
monte mastrar a facilidade de qualqupr pesso
passar bem corn puco dinheiro.
SCusta pouco
Venham tirar a prova e depois digam se it
quem tenha sortimento mais variado e supe
rior; que venda mais barato e de melhorem
provas de sinceridade e franqueza do que o
% -j ft *
5000 covados a 200 rs.
Popelines de Itiho, listras e quadri-
nhos, padres completamente novos,
muito barato, sem compeencia de pre-
vo ; corramn a ellas, pois se acabam por
este prego, todos querem ; venham ou
mandem ver as amostras, pois cast
cada um covado-200 rdis-Sao os ba-
rateiros.


Aimeida & Campos.
Mudou-se m tempo
As 200 duzias di toailha
*.E pn Toalhas acolchoadas de diverse ta-
mashos,. pelo diOmiwto preo d 33000
e 3SSW a duzia.
,Ditas felpudas, pechincha sem igual,
a 5S a0 du*ai..'
Leaeom de soda param algibeira, cor
do canna, corn diversas figures, cousa
chique -a noxidadf a 2.W00 cada urn.


4d epopelines
olvado.


iMUmidem ider linho e seda a 320
r6is o-covado.,
Bonitas pnpolines de seda furta co-
res, Iindosdesenhos, 800 reis o covadd,
aproveitem.
Popelines de linho e soda friissimas,
a600 rdiso covado.
Lindas alpacas de seda lisas, padres
de novidade, a 700 ris o covado..
Batistes lisas de todas as chores, a 320
retis o covado.
Lindos cortes de vestido, cambraia
branca, a 6#; e pechincha.
Lanzinhas de todas as qualidades.
100 a 240 rdis o covado.
Grosdenaples pretos, fazenda final, a
2S500 o covado.
Gorgoroes idem idem idem a 35500
o covado.
Sodas de diversas qualidades a 10.o
covado; aproveitem.
Cambraias de cores polo barato pre-
go de 240 rdis o covado-; admirem.
Ghitas de diversas qualidades, a 240
reis o covado; admire.
Lindos chiapdos, paella de Italia, para
menino, a 25; aproveitem.
Idem idem pello de lebre, fita de se
da, a 28600; aproveitem.
Cretones de bonitos padres, a 360
rdis o covado.
Colchas de fustao de cores e de chita,
a 3$ cada urna.
Lengoes debramante, 28 acada urn.
Brim pardo liso, fino,a500 r6is o co-
vado.
Brim branco de liuho fino, a 1(200
a vara. A


S6o 59
Bua do Queimado [ddo-se amostras
corn penhor]
LOJA DE CARNEIRO DA CUNHA & C.


Campo na cidade
Vende-se uwa casa rqformada-de novo, comn
6 quartos, 2 salas, sotlo corn janelas, -cozinha
f6ra, estribaria, cocheira, deposit d'agua,
banheiro, quartos, tanque de lavagem, jardim,
e grande quintal, em ama daes melbores ruas
da Boa-Vista : para jr vr e tratar, a rua Nova
numero 14.
'L -


0
Covado de
POPELINE
RUA DO DUQUE DE CAXIAS N.



Admiral Admira! !
Popelines finas de linho!oa JiatrasM
minodernas, gostos inteiramente differen-
tes de todas as outras que ha' no mer-
cado, pelo insignificant prevo de
240 reis
Vende-se per este -Prepo, em razao
de ser por conta.de um fabricante da
Europa; dao-se amostras me(diante qual-
3uer penhor, e manda-se levar em casa
os pretendentes.
So ha no 43
RUA DO QUHUMADO
Armazem o ia Bdo Cuerra
& Fernandes


0
t 00, it i


CFVADO DE
Lauzinhas


Prussuana
RUA DO QUEIMADO N.

43-
Aproveitem, idia ha quem nao corm-
pre; dao-se amostras.
Armaizem 6 loja de G 'erra & Fernan.
des,

Para a testa
Pec has, ; e s&o novidades
Almeida ft Campos
A' RUA DO CRESPO N. 20.
Receberamn urna grande porCfo*de
popelines de linho, miudinhas para
200 rs, o covado; lpechincha.
A mais lindas popelines, seda pwura,
tambem receberam para B e (000 o0
covado, que barateza!
Mais popelines ainda, bons gostos,
para 600 rs. o covado.
VWos prateados, douradcos e de salpi-
cos, urn vo 625000.
Russianas de cores, Ia pura, lindos
gostos, a 800 rs. o covado.
Cambraias brancas para 3500 oW4000
a peca.
NA RUA DO CRESPO N. 20.
Loja do Almeida & Campo.
Vende-se a taverna estabetedda no qua'r.
to n. I da ribeira da Boa-Vista a qual 6 boa
acquistro, pardepender de pequeno earital,
ser muito mkeguezada e em aigar dd mta
coucurrencia: a tratar no largo fda alfanip
numerua.


11l6tj.p o dcajretel Ale-
21 ear &e linha p a n
m~achina a i fX1
E muitasoutrx pechitchas '
SHARES LEiTE IRMAO
30-Rua do Barao Victoria-30

Aeiio


Vende-se uma impocrtante macNns
praz cortarbolacha, em pevfeito estado.
oton todoso jogos de coradeiras: a tra-
tar na IImperial n'. 208 ou no pateo
da Santa Cruz n. 1. -
Calkia
Veude-se uma linda e nova calfa
americana, corn assento para quatro
meninos e arreios completos para dous
carn(A"s: a tratrar na fabrica de car-
ros de Gustavo A. NauMin, a rua da
Fojentia s. 14 e 16.
Binoculos
de ma4reperola, marfim, tartaruga e
metal vendem Amnaral, Nabuco & C..
rua do BarAo Victoria n. 2.

Chaps para criancas
Ac.ba de reeber Amaral, Nabueo & C. ele.
gantes chap6os de seda enfeitados para.bap-
tisados, e vendem na rua do Bqr-o da Victoria
numeroa .
Vende-se por prego comodo, uma
capa de taipa corn terreno proprio, sita
no Arraial, estrada do Brejinho: quiem
pretende-la, dirija-se arua Bella n. 17.

GRiANDE

JUlI7A


043
da rua Duque de Caxias
(Antiga do Quelmado)
MENOS 20o DE QUALQUER OUTRA PART
Linho psrdo para vestidos, a 200 rs.
o cavado.
Batistes lisas de todas as c6res, a
32Q0 rs. .0 covado; 6 pechinCba.
BUetanha de linho corn 30 metrOs.
por Z5000
Batistes finas miudinhas, cores fixas,
por 240 rs. o covado.
Chita A rainha Victoria, modernas, a
320 rs. o covado.
La chineza para vestidos, a 100 rs. o
covado.
Cretories* fines, gostos frAncezes, a
400 e 440 rs. o covado.
PeCas de cimbraia Victoria, a 35000
tes, finas, a 35fe

Cfhitas escuras e claras, para 200 rs.
o covado.
Popelines finas, corn listras de seda,
a 320 e 500 rs. o covado; que bonitos
padres, vale ai pena.
Alpacas lisas, a 600 rs. o covad 6
Ditas corn listras e flores, comprn adroes
muito chiques, a 400 rs. o covado; nao
ha quem nao corn pre.
Setim Macau iverdadeirb de 'todas as
cores, por 1200 o covado; que pre-
UD!
Alpaca preta, a 440 rs. o covado.
Bramante corn 10 palmos de largura
a 300'a vara. --
Camisas inglezas, finals, a 66000 a
duzia.
MadapolAo francez e inglez, de 45000
a 78000 a pea.I
Algodaozinho de 35000 a .000 a pe-
ca.
Maripoza branca corn listras assetina-
das, a 400 re. o covado.
Brim pardo, liso para costumes, a 440
rs. o cpovado.
Chitas emcarnadas para vestidos, *
320 rs. o covav .,
Chales de casemira imigleza, a 2000
urn, e muitos outros artigos por prego
barato
SO 0 43 DA RUA DO QUEIMADO
I N. 43
Armazem e lopa do Guerra &
Fernandes


AKIW PIfti LA-


'MIRA,


Arados pars varzea.
Balanvas de diversos tamanhos.
Camas de ferro, de diversos


nhos.
Carrinhos para aterro.
Chapas de ferro para e cobrir ca-
sas, etc.
GCofres de ferro de diversos fabric
cantos., "
Convias paremachinismo.
Fogdes economicSii, americanos.
Fogoes para gar.' '.
Machines de descarocar algodlo. i
Motofreta vapor de 2 11% etc., 4 ca-
vallos..
Pri'ertaa m Ea3ittrS Irfnam.' .


tniaxeoM
in o M


Amaral
grande e
moldura
uia rum do
- Ven~d


de C.


que se ach


aias para
manha"s8


JoinS d Dim S. De brilhantes teem os ader o
elegantes caixas relha d d prat, e par todos os preCos, tendo entitqo
sdere9os de subido valor, por serem dos melhores fabricantes que te m viVt,
esta cidade; assim come anneis, brincos, cruzes, cagoletas, bxocBes oeWa
e uma infinidade de brilhantes soltos, para cravar tA vontade do compiador.
JOBias de phantasia. De ouro, com pedras finas, tem urn i'
riadissimo sortimento de brincos, capoletas, voltas, braceletes, cadeias para ly-
mens e senhoras, atd lapi, canetas, apitos, etc., etc.
Joias de prata. De prata tern colheres, castipaes, esporas, maS
vas, bandeijas, faqueiros e paliteiros, etc., etc.
Relogios. Teem urn complete sortimento de relogios depratae
oaio, para homes, senhoras e meninos, todos dos melhores. fabricantes.
Joias para baptisados. E' para este acto que chamamos
a atteni.o das Exmags. madrinhas e padrinhos, porque temos unm complete sor-
imento de pequeninas joias, e em caixas propnrias para dadiva no actor do hap
Ismo.
Aldm destes poucos artigos que mencionamos, teiios outros. que nao
podendo mencionar per ser enfadonho, sorprenderao a todos que visi*arem nos-
so estabelecimento.
Joseph Krause ft C.


Fazendas de gosto por precos baratissimo
Lindas batistes e cretones, lisos, corn grande variedade de cores, a 30
reis o covado.
Superiores alpacas de cores, corn listras, pad r6es modernos, a 400 rdis.
Ditas ditas, muito finas, corn grande profusao de pad r6es, a 500 reis.
Ditas ditas, lisas, corn muita variedade de cores, a 600 o covado.
Superiores popelines de seda, lisas, de differences cores e bonito tecido,
a 800 rs. o covado.
Modernos cortes de linho e seda, enfeitados corn muito gosto, a 105000.
c6rte : assim como outras muitas fazendas de gosto por pregos sem corn mpe-
tencia.
Na.loja das Columnas, de Antonio Correia de Vasconcellos. rua Primeiro de
Margo n. 13


A-PROVEITEE AS PE- .III- I


Na loja d'America A rua do CabugA n. 10
MENDES & C., LIQUIDAM AS SEGUINTES FAZENDAS POR PRE"O
BARATISSIMOS


A tten io
Popelinas de sedad, fazendade 25 a 15200 para acabar.
Ditas d'uma so cOr imitavao de gorgurao a 1(600.
Grosdenaples e gorgurao preto de seda, pregos sem competencia.
Setim macao, todas as cores.
Vdos e mantilhas de fil6 preto de soda, precos rezumidOs.
Fil6 de seda preto, branco e de linho corn salpicos e liso.
Bombazinas, merinos, alpacas; "cantAo, princeta e la lisa para vostidos, etc.,


Alpacas de cores para vestidos, magnifico sortimento.
Baptistas miudinhas, tinas, lindos padrOes e cores fixas a 240 -rs.
Mariposas brancas e de c6res, cretones e chitas, bom sortimento para toia
os prepos.
Saias brancas a 2000, e pechincha, aproveitem.
Penteadores de casas lisa oerdados a 4M500, *6barato.
Punhos e collarinhos para senhoras, enfeitados de renda, 6 novidade.
Vos de fil pare chaptos corn salpicos dourados e prateados.
.F. Graual!ma-senhoraa ejira homes, esplendido sortimento.
Meias de c4res ebrancas para senhoias, homes e meninos.
Lencos de linho em cainhas de phantazia, duzia 4000.
Camnisas de meis differentes qualidades e preoos.
Cambraia adamascada para cortinados, e cortinades bordados.
Tapetes de todos os tamanros.
Secilia bretanhas, esguiao de linho e bramante de 4 larguras.
Casemiras pretas e de cores em peas e cortes.
Panno preto e azul especlalidade para 75 e 85000.
Colchaa brancas e de c6res e cobertores de ai.
Chales rainha Victoria
Ricos chales, ukantas superiridacje em tecido e vAres, nuncavistos a liU
Espartilhcs a Princeza Regente, sao lindos.
Granadina preta de sda'de listras e quadrinhos.
Chapeos de sol, seda tranoada e castOes de phantazia.
Collarinhos parea b.omens, superior qualidade a 75500.
Leques pretos bordados, lisos e de cO6res sortimrnto complete.
Chales pretos, bordados, lisos e de cores, sortipeato coappleto.
Camisas brancas e de cOres o i6nelhor sortimento possivel.
S Cobertores escuros de lI a 100,. 6 pechincha.
Ditos brancos a 150 urn.
Lencos de esguiao, fines, a.25000 a duzia, 6 pechincha sem igual.
Alia novidade
Fichu's de la e seda, recebidos.hontem, e o We de mais gosto se poe do.
sejar, e vendemos plor commodo prepo
NA LOJA D'AMERICA A' RUA DO ... 'N. 10.


1


G .IIIZIKUWC O3R1PUOS
SFraneiseo Gurgel do Amaral

S rua 1. de marco n. 20 A.
S Tern Tesolvido fazer uma grande reducCAo tios prepos de 1o
Ssuas fazendas, polo que previne a qualquer pessoa que tenha de
fazer alguomia compra em.artigo fazenda, que nAo a feaa serm que
Sprimeiro venha ao sea estabelecimento certificar-se dos prelos Ii-
m itados polos quaes esta resolvido a vender e apreciar o sen bom
sortimento. iS'"
As Exmas.Sras.encontrarao uma grande variedade de artigos da
ultima moda para os seus toilettes o que e facial de verificar, dando
Surn passeio ao sou estabelecimento, o qual estara aberto atd as QU0
horas da noite.
( Os Srs. agricultores encontrario tambem superiores fazendas -
, para suprirem as suas fabricas. Tomes constanteente u*n al
D pleto sortimento de sedds pretas, brancas e de o area. ppepis4 #
bn brgacas e d acres, de lindos gotos e novos .tecid pe
Wos par. noivas-, bwrtanhas, esguioes e selecias, superior bli
mantis largos para Imtgs, urm variadissiipo sorUmento' de #
Snes, nanzu Ges e ~aWutis, i6&simnas tarliatatnas brwias e de- oe",
)ipe^sIm pare nluto, cortinados para. Ca=, 'co I& e ditade iO~aj lhwd. ortew de vrestilwdo' d. retape 1 t4
lin: e Id do ultimo gosto. Supeorires camias pa iwnq, (
Sia ios, c. pl .rUm t de 4 eias tanto de c*
pataho ren8er8 eno, tapetes grandes e .,opl
P11 m.tvOu giaose dgostoedeboa mualiade.o.9 o ,k


f


.nhoa


I


0-
1-M


4c
I -:~'




1~-!


I'


etc.


tuma-
















ouco casra con aI i
ham para a na- r


i *a i ate atrr: ... asinoura o ta" 7e verdadeiramente ad-
4164 640itovii .sob die o irave-o-Brasil. c
uerno dai p aro it^teamtha e eai n !aW qul suscitada a
reilo pela',soctedade BMsileira de I}- crin tnficencia temrnprospenddo desde a pri- e aoWit d IAve' tn4eiein 4-teo 0ee
iira noitet sto ees ialmBenteem ecupan e pro.
Ne 6 cowparavel interesse ep issatao lucravas para pessa come
C rao !' arpssa.c
So. goro, efacto irresponsavol proveitosas iapa o paSiz e para o o
.nti ,n6s, ao daquelles que respon- mundor.
mIdrnimeditanente, e paira assim di- Na escola primaria c iis JyCeus 'e
reI, torios os dias, polo born 'desempe- colleges devecontinuar o en iwo da re-
'ho de tio honrosa incumbencia aos iligiao comoeado no seio da famnilia.
seos. co nparcchianos, conhecidos e Ja dinsemos come entendemos a re-
,amnigos, de cuja consideraao e estima ligiao: no precisams, po, sen ac-
iigi0o::naopre eisam os, pois, sen fia -
4lnpodem proscindir crescentar que nro p6de haver privile-
Al6m disso, e per isso mesmo que gio da religiAo, mas live adopcao des-
tern o dieito de escolha, velarAo estes la on daquella. Os pals seraio os unicos
sempre sore a marela do ensino para juizes desta preferencia.
conirtimarem-a confian.a nos escolhidos Assim come o estudo particular de
pSr melo da reeleioio ou para retiral-a cada sciencia faz-se nas escolas supe-
dplles elogendo outras pessoas. riores per meio de cursos especiaes, o
Actualmente qnuem quer que seja que da religiao tera seu complement ne-
vai mal a educabao de seu iltho ou pro- cessario nas igrejas e nos seminaries,
tegido eii umr collegio ou em uma es- onde as voca-es acharao todas as con-.
cola public ',To temn-outro meio de dar- digoes e elernentos que as desenvolvam
Ihe me!hor direc(l :O senaoe retirando-o e complete.
para outro estabelecimento, o que nem Vamos concluir este esboco do plane
scinmpre podera fazer ou nemo sempre para a educacao national indagando-
f;-ra secm muitos inconrvenientes, como come podera elle ter comeco de realisa-
despezas mnaicres e atrazo por mudanga jg.o.
de metliodo cu syateir.a de ensino e de Corn a adhesio sincera de todas as
yrafessores. pessoas amantes do Brasil ou sejam el-
QcOncurso das senhioras nessa esco las nacionaes ou estrangeiras e corn o
Ihlia da comrnissdo de sua freguezia 6 apoio, principalmente, das mils le fa-
lima r.ant'i de bom exito para a idea milia, As quaes nos dirigimos neste
,quc piopomos, e tanto nellas confia- momento.
rnos quc para tal fim aqui fazemos. Outros procurarian nas alturas, aon-
'jM I'PLLC A'S MAIS DE FAMIIIA de a imaginaio do povo supple que vi-
ePnque sIaberaos que o amor de mai veinos grandes homes, quem animas-
.%0 lem un fraqueza, o proprio filho, so esta idea corn o seu valimento. N6s,
e cto porle ser supplantado por consi- pordm, ne tomemos access nessas altas
dera: es estranas ou prejudiciaes ao regi6oes para trazermos de la o verbo
u dellses7 a qu creador, a palavra corn que se faz do
Aquellas esc!dlas que existed ihoje imaginario uema realidade centre n6s.
tmantidas pe!o govorno e outras que Mas, arida nio deserenes das forvas
de future se crearetn nas cndigoes del- vivas do paiz, tenlo-nos enr.unciado corn
las continue a ser sustentadas pelos a mais complete isengio do espirito,
cofres publicos provinciaes ou geraes. abrimos or coragao a esperanga de ver
Melkor fo6ra sem duvida, para porfei- em breve realisada a id6a que esboga-
ta harmonia deste plano e seguranCa de mog para a educacao national.
vxecurio, rear uma contribuieao espe
cial cobrada pela freguez a representada
|bela respective coa.rnissao, abaixando.- Acablimos de expended corn toda a
se a t;xa de algurna outra para nao ag- pureza, o resultado da nossa observa-
-"ravar a zorte do poVo, cornm urn impos- io das cousas patrias, e nossa opiniao
o de nfa is. sobre a sua reform ou rnelhoramento.
NWo obsta, entretanto, umn ou ouetro 0 assumpto de. que nos occupamos
destes modes de occorrer As despezas poderia sert tratado corn tolo o desen-
do ensino a qu.- a contribuiCiio volun- voelvimento de que j susceptivel em
i',ia coticorra para auxiliar a sustenta- trabalho mais ample, porern os estrei-
ilo delle. tos limits em que deve conter-se a
0 quadrodJo ensmi, requeranampliaao, erunccac:io na imprensa diaria obri-
&nro p6de ser e mesmno que na actiali- gram-nos' concisAo.
dide, porque a material delle. hlje in-[ n .' .m o-no-,sA P oa / ,.i z


aIfMcIeM -e pra1ein quo so proteuudoacilul z~rZ tukir, sur i'o I
oAr iciete pdara im que se p retedeompensa.Ao,.exprimimos, nossas, con-"
o.ter coas euaconea na-ater o homecm vic 0es corn tod a sinceridad e inde-
,.ma p -srcin-no aeer a eno roa do i endencia, come cestumamos proceder
Ao, proporcionarno major numepro de em rodes os aetos deonossa vida.
pessoas urea fmina conhecimentos em epr is ct o d no-


'da ~~ Esptuitos cois- auts poroema na ec-opo6
iahfo is iversas necessidadois da vida.mais desdieradoe do qa d on6s ao paiza
Eato, e o entsino n ao p6de -deixar de ais esea d o u d ns s oi or paom
'idir-:e perdious gr os:--ni mo pri- disse- a t orvmt nosa o
0iid easim secundaon io. dee pEmboma conseoguiremos landa assim
maijo e fshino secundarie. i0,
A eoisio prirnaids qeta noesse io emto provocando a apresonta-
Ao eas ino primaroiods lettraos ouprP-j ,1o de un moe r plane pars a refor-
ciso associar-se o conhecimento praticoi made que precisa a e dnos e o de nos-
"dI natureza com a expesigao nas esco- ao qo p a e d r
tas de ,ipecirens de mineralogia, bota- s o, re t o es oig a os
bs- As id6as gesei que fomnos obrigados
mica, etc., tendo cala um so lade o Sou aexpar sobre urn assumpto era tao
l3tile vugigar e sc ientifico., incandescente, obrigam-nos a. urnma de-
0 ensinosecundario deve comprehen-1 claran0o para tornar bern clara a nossa
&,r todas a.- disciplinas quo sdo neces-! intenVio em bodes os sentidos.
sarias conmo preparatorios para os cur- Esteve sempre apartada do nossa
AoSAiuperiorest ias sciencias, e tambem mente a idea de despertar as suscepti-
frincipios ou conhecimentos geraese bdoilidades exictentes,entr.s)-sternas phi.
,hlysi-.A, nineralogia, chimica, botani- losophicos e doutrinas religiosas. Tra-
ca, zoo1ogia, higiene, physiologia, aina- tardo--de uma questio social, fallamos
t 0inia, philsophia Ipsitiva, desenho come simple observador, coin today


FOLHETIM

OS FILIIOS DO0 MONFI
POR
FERNATDEZY GONZALEZ
VOLUME II
SEGUNDA PARTE
0 MARQUEZINHO E A DUQUEZINHA
CAPITULO VIII
C :.IMES ITALIANOS
(Gontinuagao do n. 278)
Podia uuitb bern ser. E princi-
palmente quando a justiga, depois de
repetidas e porcerio minuciosas inda-
ganqes e interrogatories o disse, nio
devia enganar-se.
A justiqa cega, D. Joio, e sobre
tuldo quando se Ihe p6e nos olhos umna
eviia de ouro. Sibes quem foi a pri-
lira testemunha a favor da certeza do
dito duque ?... uin velho escudeiro tro
achacado e tbio imbecil como o amo
ique affirmava que a defunta era sua
ama, D. Ignez de Cardenas.
Nio conhego o process.
Pois vou dar-t'o, porqud ja me
cansa esta hisoria, e n'elle verAs o
que deixo de te dizer.
A. princeza levantou-se, sahio dei-
xando profundamnente pensativo o mar-
quez, que muito a custo conservara a
sua serenidade, a voltou trazendo urn
enorme ma.o de papeis.
Aqui tens o process que obtive,
desejanlo saber se a mulher que amas
e digna do teu amor... n'elle eneontra-
ras que a duqueza de ila Jarilla e mu-
lLher de origem dtvidosa, e que dado
v caso do proceder do duque de la Ja-
-Ila sempre 6 neta d'um' indio, e fi-
.iJ.tit ifitale obscure, d 4'um so-
i ,f 4e eSalamanca. *ae
: -iS ul*? e 'na id6a que eu arne'


Ah nao disse o marquez indo-
lentemente. Ha cousas no mundo que
a principio nao nos interessam, e que
depois decide da nossa vida.
E sera para ti uma cousa d'essas
a historic que se encerra n'este pro-
cesso ? volveu a desconfiada veneziana
cravaudo em D. Joao urn olhar ar-
dente.
Os teus ciumes, rneu querido
amor, disse D. Joao lanCando repentina-
mente os bravos a cintura da princeza
e abragando-a comn phrenesi, os teus
ciumes acabaram de me enlouqnecer ;
por elles eu vejo quanto me amnas.
Ah, D. Joao Itu foste o meu pri-
mefro amor, o men primeiro amor dos
vida; per ti esqueci o que devia
a mim mesma, deshonrei-me pe-
rante o mundo, odiei ,um'a mulher
a queni, talvez, se nao fosse eu, tu
terias amado; para te fazer conhe-
cer o que era -essa mulherj fiz tirar
copia d'esse process pelo escrivdo da
camera da chancellaria de Granada,
Alfon de Villasante : ahi ,estao os de-
poimentos das testemunhas, que valemrn
urma boa somma de maravedis.
Permitti que vos diga, Angiolina, que
tudo isto nao pass de uma extrava-
gancia do teu amor.
Uma extravagancia!
De novo te pego deseulpa da pa-
lavra, pordm neu n io me record de ou-
Ira que melhor exprima o meu pensa-
mento ; alem d'isso, se eu amassed D.
Esperanga, o que nao e possivel aman.
do-te como te amo, nio acreditas que
todas essas singularidades, a sua mys-
teriosa origem, a sua real ascendencia,
porque. atinal de contas, seu av6 e ou
foi rei... pelo monos do idolatras, as
desgragas da sua familiar, tudo augmeu-
taria o menu amor, em vez de o extin-
guir?
D. Joilo adivinhara que a princeza
tinha mais alguma cousa a conUtar-Ihe
sem ser o que constava do pro.
Cesso a respeito de D Esperana ; nao
lh'o queria e paa saber t
doo que AU ,iibia corn mrehao
i duquez 4e la $aola, provoaa4lheI


,ontlibuirem comt -o0.quefct,se
velt ari a- dua l gada- *oo'd
Dos. asp:u:tode,-,
rie "I 't
tes: re6|iazo a po n.
O Os anq1 quepass -sobre nosi
caberas euncanecendo-k e amadurece6
do a razao, deix~tinn o fund do cora
no e nos aoios dana Ao lugar das esf
peran.as queose 0 in co6 vas il-
W6es da mioc~iade o|Bis ardeitias 11
imaginagAo, o- rnento das cowe
sasla d6da is' claroe .senrti
mento das da humanidAe
Esse co'do e esse senti.nien
to tornanai zrazao do nosso compo--
tamento, dando as nhossas aceoes mai
unidade e mais forCa.
Precisamos delles para vivermos fi.
velhice e diflicilmente consentiriamot
que no-los arrebatassem, porqu*-aS&or
um arrimo e um thesouro de exiifent.
cia para o espirito desenganado. ,
Queremos dizer que em nossa idade,
quando ja se tern montado o cabo da]
vida, nao se senate o desejo vao de disctt
tir crengas ou convicy5es que ualaranif
bem funds no animo.
0 tempo que resta A velhice -6o es-
casso e incerto que nao chega para os
gastos da vaidade.
Isto nao importa ficar "trrcionario
come um marco na estrada da vida;
porquanto desejamos sempre aprender
corn a lio dos sabios e dos hlibomens
bons
Mas ha ainda outra razao que nos ar-
reda da polemica ou discussao sobre as
crenvas de fM e political: 6 que seria
precise e nro seria praticavel investigar
se as acc6es se ajustam as crencas dos
adversaries.
N6s per um habit da nossa profits.
sao praticamos o que entendemos, e
sempre tem is necessidade ddetermi-
nar as relaoses centre os effeitos e as
causes.
Acreditem.nos, poi;', na boa intencao
deste trabalho.
Inrivestigamos umrn facto, apresenta-
mo-lo, indicamosalhe o remedlo c mi a
mesma pureza e sinceridade cor que
procedemnos todos os to dos doentes.
Mas come quem.' e porque?, pergun-
tareo.
Coma medico, e pelo costume em
que esia todo o mundo de ensinar um
remedio para w males quo v :
Ou porque assim nos |edio, o com-
cao:
No que temos a convileao, de que A-
zemos o no;so dover. V
SDn. F. POITELLA.
A foerida invisivel
Umrn dos medicos mais celebres de
Pesth, oDr. K .., vio-se pima certa
ma obrigado eeie ua visit
que o'gmrcur Ohbomem, 4di fiea raAs'ehran Sa..
leta, manaou dizer peeo erl Ip dpou-
tor qtw a |minima demora, constituia
umperigo. F(ft precise recebel-o im-
mediatatente. ,
o medico envo veu-se a press na
sua robe de chambre e mandon entrar
o doente.
VYo diante de si um home, quo the
era completamente desonhecido, mas
que, segundo o que apresentavam as
maneiras e o vestuario, devia pertencer
A mais select sociedade.
- No seo rosto pallido via-se o reflexo
de grandes padocimontos physicos e
moraes.
Trazia a malo direita ao peito, e]
*' '!- 1, --- ,


eu te amo, nao se enganam ; pois bemrn:
contarei per toda a part essa historic
que eu havia comprado s6 pam ti, e
vreremos se te atreves a amnar urna mu-
lher que seja apontada per tedos ; nem
todos teem os mesmos motiveos que os
juizes da chancellaria de Granida, para
acreditarem, as cedgas, cousas taio ex-
traordinarias.
,- Aconselho-te, para teu bem, disse
70. Joao que ja ija perdendo a paciencia,
que nro divulgues essay historia, minha
querida Angiolina :. odeias sem motive
a D. Esperanca, e espero que nao
quereras tornar.-te a causa d'ella ser
adorada, o que succederi logo que a
sua historic se divdtgue. Mas nao
see que motives tens para desconftar
do meu ?.mor.
D.Joao, disse a princeza corn a
malor gravidade, jA quoe, ao 6 sufficien-
te o que sabes para te afTastares d'essa
mulher, vou revelar-te um segredo
terrivel- teu pal morreu assassinado.
Que queries dizer, Angiolina ?
Teu pai, o marquez de la 'Guar-
dia, appareceu morto as estocadas,
certa manha, n'uma escura travessa
do Albaicin.
-' E'verdade.
Sabes quern o rnatu?
Nao se p6do averiguar Ouern fosse
o assassino.
Pois vou eu dizer-to : o assassi-
no de: teu pai 6 D: Jo o de Andrade,
pai da formosa duqrezita dellaJarilla.
- -Issb 6 impossivel !. exclamnou'D.
Joao sentindo veriarem-lhe as pernas ;
mentes, aentes, de uma maneira in-
fame !
Ah disse Angiolina, levando a
mao ao coracAo, comb se houvesse
sido ferida corn urn punhal : o teu
amor por essa mulher, revela-se finale
monte n'uma phase descort, anIada
Ap rosto de uma dam.; pordm tu dis.
seste quo eu meatira, e tornV"_e. neces-
saneo que te apresente asprwas- de que
to d-se a vo!1 de.d, por 4s h l-erivet
n~aal


cnoampo, pMo tenho a
P|eeeloi. st Mo de nome.
1 P tporem, dizer que tenho ago-
utIt gosto em eI-o, porque me
o esdad agradavel a vista quo [he

^Vendo ue as pernas do doente fra-
uejavai, o tinedico pedio.Ih- qne se
fetasse. "
E- Estou cangadissimno, volveu este.
a urna sermana que nao durmo. A-
|areceu-me aqut urma cousa na mao di-
eita. MoNo se o que 6. Seri um an-
thrax ? Ser-A um cancro?. Ao principle
era uma d6r ligeira, m-s agora d unIna
goueirnadura C. tntinua, horrivel, e que
agmenta de intensidade de dia para
ia. Ja niaoe posse o mais. Metti-me na
carruagem e aqui estou. Venho pedir-
he quo me cauterise ou quo me corte
corn a" lanceta o sitio que tenho assim
doente, porque, se esteo supplicio me du-
rar mais uma hera, creio que. endou-
decog
Sldoutor quiz tranquillisal-o, dizendo-
the que sem recorrer ao bisturi podia
remediar-se o mal cum dissolventes on
emolientes.
V Nao, nao, senhor, exclamou o
,doente, nio ha ernplastro.'nao ha erno.
liente qu e possa alliviar-me. Quero o
bi.turi. Vim ter comsigo para que me
cortasse este bocado do care que me
d6e tanto.
0 doutor pedio para ver a miao, que
o doente Ihe estendeu, rangendo os
denies, tao insupportavel parecia aquella
d6r, e poz-se a desmanchar, coin todas
as cautellas imaginaveis, as ligaduras
que a envolviam.
Antes de tudo, doutor, pego-lhe
que nAq faCa case do que vir. 0 meu
mal'd tao estranho, que ha de ficear ad-
miradissimo, mas peco-lhe pelo amor
de Deus, que nioe faca caso.
K... tranquillisou o desconhecido.
Come medico estava habituado a ver
tudo. Nao havia cousa capaz de es-
pantar.
0 que vie, porem, quanto a mAo fi-
con livre de todas as ligaduras, espan-
tou-o deydras. Nao se via alli nada de
normal nem chaga, nemo lesao. Era
'uma mao como qualquer outra. Estu-
pefacto o doctor, deiixou-a cahir.
0 grito de agonia do desconhecido,
que levantou corn a mao esquerda o
membro doente, provouen ao doutor que
elle nao viera alli comn tenao de o es-
carnecer, rosmas que realmente padecia
muito.
Onde 6 o ponto sensivel ?
Aqui, doutor, disse o doente de-
signando .as costas da nio um ponto
em que duas grossas "veias se cruzam,
e todo o corpo lihe estremeceu quando
o medico ali tocou ligeiramente coin a
ponta do dedo.
E' aqtui que senate umrn grande ar-
dor?
rma cousa horrivel!
-A press sensivel quando eu
Ihe ponho o dedo?
.0 homeni Mo rje"pondeu.; mas en-
Iieram-se~lhe 6us olhos de lagrimas corn
a violencia da d6r.
E' espantosol Nao vejo aquicon-
sa algumo.
Nem eu tao pouco; e no entanto,
o que sinta e fao horrivel, que tenho
desejos de raler corn a cabeoa n'uma
parede.
O doctor pegou no" microscopic, exa-
miiou e abanou a cabeca.
Esta pelle esta cheia de vida. 0
sangue circula regularmonte; nae lha
debaixo della nem imflamma(cao, nem
gangrena.: Esta tao sa como o resto da
mao.


No entanto, parece-me que
aqui um peotco mais vermoetha.


estA


Ihe a vista, vacillou, deixou cahlir o
papol das maos e vio-so obrigado a
sentar-se no estrado.
Oh exclamou a imnplacavel prin-
ceza, apanhando o papel e guardan-
do-o; horriveis crimes e homicidios
comrnmettidos per esse hoiem ; a certe-
za de que elle e rei dos monies, .pela
propria declaracao de urn moni ; infa-
mes ciumes d'esse home para corn
sua esposa, estA aqui tudo escripto,
authentic, vivo, aedusador, ebasta-me
eu querer para que todo o mundo sai-
baque a mulher que amas 'filha de
uma prostitute edo um-bandido Oh!
nos. as venezianas, D. Jobo, quando
amamos sabemos amar quaado ferem
o nosso amor sabemos vingar-nos. Oh 0
eu estou inteiramente convencida de
que te servi de joguete, porque me
j.lgaste mnuito formosa, ou per vaida-
de bu... nio sei porque !... ou, talvez,
e st isto fosse certo, seria horioroso,.
valoste-te de mim, d'uma mulher digna
para causar ciumes a uma mulher que
esteve perdida uma nbite em Madrid,
sem que ninguem saiba onde ficu m. Fui
tratada indignamente por ti; julgaste-
me, sera duvida, uma d'essas infames
mulheres, entire as quaes perdeste o
coracao e o pudor... Pois bem hei de
vingar-me, D. Joio, hei de vingar-me ;
mas de' ama maneira horrivel : juro-te
pela salvacAo da alma de minha mni
que hei de vingar-me!
E a princeza irritada, altiva, mnais
formosa do que nunca, pprdm corn
uma formosura que causava medJp,
sahio, batendo comrn a port e deixando
D. Jodabo sozinhlio.
Os papeis em que estava escripta a
historia da fftmilia rmaterna de Atnina,
icsram ,abandonados sobre as almnofa-
das, onde pouco antes so reclinava a
enamorada prenceza.
D. Joao ficou por algum terinpo im-
tnovel: depois pegoi sileictosamete
nos papers e sahia do palacio.
CAPITULO IX


DA EXTRAVAGA!
AO MAtAQUPi1
.-. PAL ACIO-1


LAQPUEA(


Ja jIII. -IIW
-Aqi. .*. *rftga Maflld~olp A'a mnodiao. I Arm- W7, k 7
O miedico poz-se a olhar, Comnegaava as 3 ^, # r *
a iimaginar qu e o doente ti'nha o core- physionmia ltortura 1 ?'
bro dcsarranjado. / V-oltara-lhelw o gosto da vyida,.seof.-
-Fiq ue aqmi, disse-Ihe elle; cu- sg-it. a frote;e as faces tomraw c'a.,
ral-o-hei dentre do alguns dias. Todo o homemin apresenitava uma visivel
Nio posso'esperar. Nio julgue transformao. -
squ soudouddu maniaco. Mio 6desse Quando pC novamente a'mao ao
maodo que p6,Oe curar.me., Este pe peito, apertou -aloros6mate m a
queno circulo que ea ttracei a lapis fez- qne Iho licava livre a' mi4 mdico,
me sentir tormentos infernaes; e vit e disse-lhe corn cordiei,,de:
ter comsigo para que m'o lancetasse. .. Aceite os, meus agrai
Isso IA 6 que en nao fago! disse sinceros. Psso positivamente.
ome qcoe. Ihe que me curou. A peqMu-
Porque ? neracao que Ihe offerego eU-en a mi-
Porque a sua mno n .o apresenta nima proporgao corn o serqo que me
nephuma desordem pathologica. Essa presto.
mao esta tlio s.1 come a minha Procurarei em ltode o resto da vida o
Parece imaginar que perdi o juizo, meio de Ihe pagar as obrigaQ6es de que
ou que estou escarneeeido de si, pro- Ihe fico devedor.,
seguio o doente, que tirou da carteira 0 medico n&o entendia as cousas
unia nota de iml forms e a collocou d'esse mode, e nao quiz aceitar os mil
sobre a mesa. V6 agora, doctor, quo florin posts .obre a mesa; o estran-
se nao trata d ura brineadeira, e que geiro recusou. per sua vcz, tornar a to-
o servigo que reclamo do si e tiAo iugen. mar posse d'elles, e vendo que o dou-
te quanto important. Pepo-lhe que tor ia zangar-se, pedio-lhe que os dds-
me corte esta part da mao. se de esmola a qualquer hospital, e foi-
-Senhor, repito.-lhc que nem todos se embora.
os thesouros do mundo mefariam ofhar K... visitou-o d'alli a dias no seu
como doente urn membro perfeitaumeii- palacio, onde elle se conservou atd que
te s'o, e ainda menos me levariam a a cliaga fosse comlpletamento cicatri-
lancetal-o corn os meus instrumnentos. zada, o que se fez sem o minimo inci-
E porque ? dente.
--Porque um acto soemelhante faria Durante este tempo o doutor p.5e
duvidar dos meus conhecimentos me- conivencer-se de que tratava com um
dices e arrisearia a mninha reputacao. hoiem de sal)er extenso, sensato, e de
Toda a gente diria que o setrihor esta opipioes muito )positivas e razoaveis.
doudo, e que eu fui bastante deshones- Aidm do ser rico, occupava um alto
to para explorer a stUa louicura. ou cargo official.
bastante ignorante para nao a percebr. I lesde o desapparecimanrito do seu
KIsta sbom; entdo nao reclamo lde mal invisivel, nio se cpnhecia n'elle
si senile um pequeno favor. Sou nmui- o imenor vestigio de doenna physical ou.
to capaz de lancetar eu proprio o mem- moral.
bro doente. Talvez que a mao-csquer- Concluida-a cura, o home voltou
da tenha ponce geito para isso; nao tranquillamente para a stla residencia
importa. Encarregue-se s6mente- de no campo *
me ligar a mao depois da operagiio. Tinharnm passado cerca de tres sema-
0 medico vio corn espanto que aquel- nas quando uima manhi, A hera tAo im-
le estranho home fallava seriamente. propria come da primeira vez, o criado
Tirou 6 casaco, arregagou as mangas e annuncioi de novo ao medico o excen--
pegon n'um bisturi corn a .mo es- trice doente.
querda. 0 estrangeiro que K... recebeu irm-
Uim instant depois o ago havia foeito mediatameate eatrou na sala de brago
na care uma incisao profunda. ao peito, corn as feiges decompostas,
Espere! clamou o medico, que e tzistornadas pelo soffrimento. Sem
temeu queo doente per ignorancia le- eq-spw que lhe offerecessem cadeira,
sasse algum orgao importante. caio sobre urna poltrona. Nao poden-
Visto que julga indispensavel a ope- do dominar o soffrimento, poz-se a ge-
ragao eu h'a faQo. mer,,e sem dizer palavra, estendeu a
Arrancou-lhe o bisturi, e. collocando mdo ao medico.
sobre a mao esquerda a mao direita do Que foi que succedeu? perguntou
enfermo, pedio-lhe pamra virar a cabega, este assombrado.
visto ser a vista, do proprio sangue in- Nao cortamos tao profundamente
supportavel a quasi todas as pessoas. quanto era necessario, responded elle
E minutil! Pelo contrario sou en Inem voz sombria e offegante. A d6r
que quero indicar-lhe atd onde d pre- voltou. Arde-me d'um modo ainda
ciso cortar. mais cruel que antigamente. Estou
Coin effeito esteve vendo a operaeao abatido,-tenho o braco paralysado pelo
atd ao fim corn muito animo, indicando solrimnento. Nao queria imnportunal-o
os limits das secvoes. segunda vez. Esperei corn paciencia,
A mao aberta, nemr sequer tremeu a ver se a inflammaob n mysteriosa-
na mAo do medico, e, quandu o peque- subia atd a cabeca, oilu descia ai ao co-
no pedaco redoudo de care foi detini- racao, pond. urm fim A minha misera
damente, cortado, suspirou profunda- vel eoxMtoma mas nao acoutecen as-
mente, come um homem que acabae Lie A#F ae sahe do pontd cir-
sentir grandissirno alli. cumscripto, mas urma ddr Ial que a
Nao the arde ja nada ? perguntou nao posse exprimnir. Olhd para a mi-
o doctor., n. ha cara e talvez enteo a conceba.
AilMou tudo, disse o desconheci- A tez dwaqItle homirm era livida co-
do, sorrindo-se. A dor desappareceu me a cera, *o.uor frio conglobava.se-
completamente, come sa levasse coin- Ihe na testa. ,
sigo a part quo foi eortada. 0 medico e nchou as ligadaras
A pequena impressao, que sate corn o ponto oper^|'mostrava uma boa ci-
o correr do sangue, comparada a dor catriz, formara-- ele nova, e nada se
que eu sentia, e comeum ur enta' fresco, via alli de extraordinario. 0 pulso do
depois deum caler do inferno. Faz- doente batia tranquillamente, sem fe-
me realmente immense bem ver o meu bre, emquanto o desgracado tremia a
sangue correr assim. Deixe-o cerrer, bom tremor.


cleixe, iaz-me tanto bem Mas isto 4 maravilhoso, exclamou
0 estravgeirv. olhava com delicia o o medico espantadissimno. Nunca vi o
sangue que corria da chaga aberta. exemplo d'um case semelhante.
Foi ppecisa a insistencia do doutor, (Contifa.)


Tinha porem a imainaginao alterada
pelas noticias que lIhe havia dado a ter'-
rivel princeza; ainda Ihe soavam aos
ouvid )s aquellas funestas palavras :
0 emnir doS ronfies das Alpujar-
ras 6 o assassino 4e teu pai.
D. Jo o nao p6de ier urna s6 linha;
uma nevoa de cOr implora ftlctuava en-
tre os seus olhos e aquelles papeis ;
uma perturbacao estranha envolvia to-
do o sea espirito. Per mais exageradas
que Ihe parecessemn as pal ras de An-
giolina, e mosmo qe fai &ras,
desculpaveis pelo soeus cilues, havia
n'aquellas palavras verdades provadas,
das quaes nao se podia duvidar. Per
exempieo : se Esperanca nao era deci-
didamente uma rnmulher do raCa mexi-
cana, tinha muito pronunciada aquella
cir d'um moreno avermelhado incitante
que o mar[uez tinha tid oeccasiao de
admirer nalgumas mullheres vindas
d'aldm mar, come escravas ou esposas
dos hespanhoes conquistadors do No-
vo Mundo; havia no character do duque
'mnuito de excentrico, de energico de
extraordinario D. Joo lemrnbrou-se do
extravagant capricho do duque, que
desejava sua filha fosse rainha, e todos
estes mysteries, e a revelatad de que
,o duque era o assassino de sen pai,
fermentando na sua louea imaginacao,
augmeaaram de uma maneira prodi-
giosae cqntra sua vontade o sen amor
per Amina ; istole pode parecer estra-
uho a quem julgar que D. Joao devia
olhar corn aversda pare a .i ha do as-
sassino de sen pai; devemos pordmn
leinbrar que D. Joao ignorava inteira-
mente o texto d'aqqelle versiculo das
sagradas escripturas, que diz :
c Eu sou o teu Deus e senhor pode-
roso que puno a iniquidade* dos pals
sobre os filosfs ate a tWea'ira e quarta
gerataO d'aquelles que me detestam.
D. Joio no comprehendia a profun-
da philosophia qde se eacoutra nos li-
vros sagrados, e desprezava aquelle
preceito qe na sua opiniao, tornava os
filhos responsayeis pelas faltas dos

D. Joao neo sequer comprehendia a
paltvra fatWIdade, unica corn qua se
p64expucar aquella terrivel ei


epoca de D. Joao, era necessario ser
um homemn de elevada intelligencia,
porque takes ideas nao eratr d'aquelles
tempos, e quasi que nio sao ainda dos
nossos.
Come quer que fosse, em D. Joao
nao se podia procurar outra cousa se-
nao coracio, e este mesmo todo viciado
pela educacdo qu e recebera do tie ;
nao conhecert o pal, nao o amava ; se
se tin ha irritado ao saber o nome do
matador de sea pai, foi porque aquelle
home era o pal da sta amada. Se
tiveso sido outro, 0. JoAo teria ido
proura-Io e dir-lhe-hii :
V6s matastes meun' pai, e eeu YOU
matar-vos aqui mesmo, ou onde quer
que voyes encontre ; oembora seja isso
am peccado mortal.
E te-lo-hia feito, como dissera.
Mas contra vontade de D, Joao, uma
voz interior Ihe dizia que delti fazer
justita ao assassino de seu pai; pordmr
come para fazer justiqa em causa pro-
pria 6 necessario estar justificado aos
olhos d'aquelles a quem devemos cas-
tigar. D. Joao, sempre que pensava
n'isto, tropegava na sua consciencia.
Lembrava-se d'aquelle pai deshonrado;
quo corn tanto soeego, con tanto valor,
corn tanta grandeza havia recehido o
seductor de sua tilhba; julgava entfio
comprehender porque razaoo duqueou
o emir dos monties, aqteHel personagem
extraordinario, n'uma palavra, umao ha-
via lavado corn o seun sangue a des-
honra do Amina : D. Joao julgava ou-
vir o duque pronunciar ostas palavras:
Matei p pai por calumuiato ou
soductor de minha esposa, : too, iero
matar o filho per corruptor d':inha
ilha.
Quando.pensava n'isto, 3 o iutt
comprehendia a terrivelt
Dens, e sentia um peso' Wrmeq
o obrigava quasi a curvar
cabe!a na presen do
lhomem tivra as
-do DI, Jodo, eno aM o vi
part a suaa vtsi"
tnoItoo
menteI o* -ligo


~JI/
#1













A.




































A


i


I,,




Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EU7R8FW2E_UKIYC6 INGEST_TIME 2014-05-02T21:15:53Z PACKAGE AA00011611_13345
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES