Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:13149


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ASNO XLVII. NUMERO 274
mi %h otu y -
*:.')
W
t


i
\
*
'



?ABA A CAPITAL E LUGARES OIDE IAO SS PASA PORTS.
*or iras mezo* adiantarjoi .,..............
Por seis toa idem.............. v .
k)f um anuo idem...................
Cada numero avoiao *......, ,

4000
34#000
ISO


QUriTA FEIRA 30 DE NOVEMBRO DE, 1871.
?..
_
PA1A DIITBO I P01A DA PHOVUCIA.


'.
.'
DIARIO DE PE
.i
Por trea meiea adiantodoc
Por aeia dito dem. .
Por nove ditos dem
Por nm auno idem
,.......
.
. .
*
....
....
IftTTM
1JJB00
tomo
J7#000
i


Fropriedade de Manoel Fignera de Faria & Filhos.
AO AiSBMTB:
Oi Sn. Gerardo Antonio Alvoa Filhos, no Para ; Goncalvea d Pinto, no Maranhlo ; Joaqoim Jos de Oliveira d- Filho, no Ceari ; Antonio de Lemoa Braga, no Aracaty ; Joio Mara Julio Chaves, no Ass ; Antonio Alarqaea da Silva, no Natal Jos JaftU
Pereira d 'Almeida, em Mamangnape ;Felippe Estrella & C, na Parahyba ; Antonio Jos Gomes, na Villa da Penha; Belarmino dos Santos Baldo, em Santo Antio; Domingos Jos da Costa Braga,
em Nazareth ; Antonio Ferreira de Agaiar, em Goyanna; Francino Tavares da Costa, em Alagoas; Dr. Jos Martins Alves, na Baha; e Leite, Serqninho & C. no Rio de Janeiro.
PARTE OFFICIAL.
Ministerio da fazenda.
RKPEDIENTS 00 DA 26 DE l'TCHHO DE 1871.
i li i a alfaddega do Rio de Janeiro sa coraran-
nica qus taodo sid) presaite ao tnbunil do the-
souro o r^iir* j qua interpuzerara Charlas Spence
Sons 4 C. di decisii da dita alfandega, que raan-
dou clasdicar no art. 661 da tarifa como creguel-
la de linno a mercadona constante da amostra
que sa Ihe reraatte, e o refarido tribuaal :
Considerando qua sotre o canharaag alvejado
ou nai e a cregaalla de nbo h notavel difieren-
ga,servind> aquella principalmente para envolto-
rios d.- fardos on de vulumes, eeste para vestua-
rios ;
Considerando qne no aso e ortica do comraer-
cio, como o afUrraara os negociantes que Qrraaratn
as declaragoes enviadas cora o referido recurso, a
mercadura posta a despacho tera um prego rauilo
inferior ao da eiegue-lla do linho ;
Consignad", ftialraente, que pelo prego que
;mu a din mercadoria nao pode ella supportar a
taxa de 400 rs. por kilogrammo, rapista pela ta-
rifa creguella que alias rauilo mais leve pelo
sen te:idj:
Besolveu dar provimento ao mencionado recur-
so, e mandar qua a mercadoria era qnestio seja
classiflcada como aniagera on canhamago no art.
660 da tarifa, para pagar a taxa do 180 rs. por ki-
logrammo.
A' thesourarla da Baha, se eomraunica que
tribnnal tende
o mesmo tribunal tende presente o recurso que
para elle direciamsnte interpuzefam Cunha & Fei-
tal, do despacln da alfandeg da dita provincia.,' Costa,"contratado para servirpor
negando-lbas a resiituigio dajjainla de 1O800,
proveniente da differeng entre a de 3524800 qne
reclamaran) e a de 3525000 qne Ibes coube do
producto da arrematagio da iW chapeos por elles
submettidos a despacho como de la e classifioa-
dos pelo confarenta como de pello de coelho, e que,
por dir se o caso de insistencia especificado no
art. 21, I.' parte das disposigSes preliminares, da
urifa, forana impugnados e vendidos em hasta pu-
blica, na forma do art. 24 daqaellas disposigSes :
rewlveu iodeferir o di.o recurso, visto nao proea-
iarem as allegagSes do3 recorrentes; porquanto
nao elevando o augmento da taxa o valor offlcial
das mercadoiis, e sendo de 2 o de cada nm dos
chapeos de que se trata, importam estes na men-
cionada quantia de 252/;, a que teera direilo os
recorrentes, como bem decidir a referida alfan-
deg.
DU 31.
Circnlar n. 27 s thesonrarias, declarando para
os fins convenientes, qne as importancias das sub-
vengoes estabelecidas pelas respectivas provincias
para manutengan dos surdos-raudos, devem figu-
rar em recelta dos batneos das raes mas thesou-
rarias como renda do dito estabelecimento, e em
despaza como remessa feita ao thesouro, quando
efectivamente as enviarem esta ultima reparti-
gio, visto terem taes sobvengdes a natureza de
pendes, segundo o art. 26 do regulamenlj de 19
de dezembro de 1867, e formarem a renda do ios-
a mo.
jo, qnalqner objecto qne corrompa as aguas do
rio Bebehbe era iodo o seu enrso : os Infractores
serio punidos com a multa de 10 on 8 das da
prisio e o dobro na reincidencia.
Art. 3* Fica prohibido em todo o curso do rio
Beberiba derrubar-sa e inutilisar-se por qnalqner
modo as arvores, que era suas margens Iha som-
briam as aguas ; os infractores serio punidos com
a multa de 20 ou 8 das de prisio eo dobro na
reincidencia. Ficam revogadas as disposigoas em
contrario.Expediram-be as necessarias comrau-
DioaeSea.
Offleios :
Ao brigadeiro Luiz Jos Pereira de Carvalho
declarando era respo.-ta ao seu oQhio, que entre-
gue o comraando das armas desta provincia ao bri
gadeirolCarlos Betzeb de Oliveira Nery, visto ter
sido exonralo do mesmo ominando por decreto
de 27 de ontubro nltino, afira de sa empregar em
importante coraraisso na provincia do Rio Gran-
de do Sal, e agradecendo a coadjuvago, qne tera
prestado a esta presidencia.Communlcou-se ao
bngadeiro Bslzeb e a thesonraria de fazenda.
Ao vigario capitular solicitando que informe
sobre o que allega o Rvd. Manoel Francisco Perei-
ra no. incluso requerimeato acerca do pagamento
da sua congrua na qualidade de coadjutor da f;e-
guezia do Altinho.
Ao inspector da thesouraria de fazenda com-
mnnicando haver o administrador do correio no-
raeado Manoel de Almeida Travassos, Luiz Wal-
frido de Carvalho, Sebastio Manoel Lina e Fran-
cisco de Araujo Caldas Lins para os lagares de
carteiros daquella adraioistragao.
Ao mesmo transmtanlo para os deviJos fins
a Bliagao do tambor Jos Belchior Ferreira da
qnatro annos
Cioveruo da provincia.
EXPEDIENTE DO DI.V 23 DE NOVEMBRO DE 1871.
Actos:
O presidente da provincia, attendendo a pro-
posta do tenente-coronel coramandante do 4* bata-
Ihao de infantaria da guarda nacional deste mu-
nicipio, informada pelo respectivo commandante
superior em offlcio n. 258, da hontem, resolve no-
mear, de conformidade cora o art. 48 da lei n. 602,
de 19 de setembro de 1850, para o dito batalbao
os offlciaes segainles :
Estadomaior.Alferes porta bandeira o guar-
da do 1* esquadrio de cavallaria Jos Antonio de
Sa Leito.
1 companhia.Capillo o tenante da mesma
Antonio da Rocha Accioli Lins ; tenenle o alferes
da 3a Francisco Carneiro Monleiro.
2> companhia.Alferes os guardas do 1* bata-
Iho Mane el Januario de Arruda e Antonio Gomes
de Oliveira e Silva.
3- companhia.Capito o tenante da 5' Melqua-
des Manoel dos Santos Lina; alferes o guarda
Bernardino de Seuoa Muniz.
V companhia.-Capito o tenente quartel mes-
tre Joaqnin Custodio de Oliveira; alferes o guar-
da do 6o Jos Servulo da orges Buarqua.
"i companhia.Tenente o alferes porla-bandei-
ra Joaqnim Antnnes da Oliveira ; alferes o guar-
da do 3* Coriolano de Abreu e Silva.
6' companhia.Alfares os guardas Joio Pach?-
co de Medeiros e do Io batalbio Francisco Flix de
Mello.
O presidente la provincia designa o alferes
do corpo de polica Numeriano Jos de Barros J-
nior para substituir, corao vogal, o alferes Anto-
nio Joaqoim da Barros Lima, nos conselhos de jul-
gamento dos soldados daquelle corpo Joio Ferreira
Bastos, Jos Xavier de Mello e Jos Francisco do
Sanios Leite.
O presidenta da provincia, a vista do oll:io
do Dr. chefe de polica n. 1576 de 20 do corrente,
resolve exonerar a -eu pedido, o cidadao Alexan-
Ire Jos Nunes do cargo de 1* snpplente do sub-
delegado do districto de Rucho do termo de Villa
Bella.
O presidente da provincia, a vista do offlcio
do Dr. chefe de polica n. 1530 de 9 do corrente,
resolve exonerar dos cargo de 3*, 4o, 5 e 6' sap-
penles do subdelegado do 1 dislricto do termo
de Ouricnry oscidadi)s Luiz Rodrigues de Carva-
lho, Antonio Leonel de Alencar, Constantino Anto-
nio Gongalves Vianna e Jos Lopas da Silva,
O presidente da provincia, de conformidade
com a proposta do Dr. chefe de polica em oflkio
n, 1530, de 9 do corrente, resolve nomear para os
lugares de 2, 3', 4', 5* e 6* supplentes do subde-
legado do 1* districu do termo de Ouricury os ci-
dadaos segainles na ordem em fque vio enlloca-
dos Alexandre Jos^Barbosa BabianoNetto.Leon-
tino Pimentel Angelim. Reinaldo Gongalves Tor-
res, Jas Pereira do Valle, Manoel Francisco Ale-
xaadrino.
O presidente da provincia, a vista do offlcio
do Dr. chefe de polica n. 1575 de 20 do corrente,
resolve exonerar dn cargos de subdelegado do
disiricto de Jnrera e de Ia supplente do dito sub-
delegado os cidadaos Alvaro Tolentino de Almeida
Catanno e Joaqnim Manoel da Silva.
O presidente da provincia, attendendo a pro-
posta do Dr. chefe de polica em offlch n. 1575,
de 20 do corrente, resolva nomear para os Inga
res de subdelegado do dislricto de Jnrema do ter-
mo do Brejo e do respectivo 1* supplente, os cida-
daos segnintes na ordem em qne vio eolloeados :
Jos Leopoldino de Pontea, Manoel Ferreira da Cu-
nta.
O presidente da provincia, tendo em vista a
proposta da cmara municipal da cidade de Olio-
da, feita m offlcio de 16 do corrente, e na confor-
midade do art V da lei da 25 de outubro de
1831, regolve approvir provisoriamente e mandar
que se execatem as postaras abaixo transcrip-
tas :
t Art 1* Durante a estagao invernosa, do 1* de
maio a 31 de agosto, Oca prohibida a venda das
carnes verdes, alm das 5 h iras da tarde e du-
rante o vario do 1* de setembro a 30 de abril a
mesma prohibigao, alm das qnatro horas da tar-
de : os infractores serio ponidos com a malta de
10*000, on 5 das de prisio e soflVerao o dobro
oa reincidencia.
< Art. S* Fica prohibido langar-se como despe-
no 1 batalhio de anilhena m sbstilnigao a
Jos Euzebio da Palxio. Communicou-se ao
commandante superior respectivo.
Ao mesmo inteiranlo-o de haver o proraitor
publico da comarca do Pao d'Alho, bacharel An
ionio Doraingues Pinto Jnior ntralo ni da 21
do corrente no gozo da licenga qua Iha foi con-
cedida.
Ao mesmo recomraendanlo qua providen-
cie de modo a ser pago opportunamente, a contar
do 1* de dezembro deste anno a agosto vindouro
codo solicita no incluso requerimiento o alferes
Jos Hyppolito Maris e Franga, a consignagao
mensal, que de seu sold devia nesta provincia
ser entregue a Manoel Martins Gomes.
Ao inspector da thesouraria provincial para
que estando em (erraos, imnde dar execugio a
inclusa carta precatoria, expedida pelo juiz muni-
cipal da 2* vara a favor de Elisiario Gimes de
Mello, para o levantamento da quantia de 120*
em deposito nessa thesouraria.
Ao mesmo mandando pagar a Antonio Do-
mingues de Almeida Pogas a quantia de 1054800
ris, despendida com o sustento dos presos pobres
da eadeia do termo de Santo Antao, dorante o
Diez de outubro ultimo. Communicou-se ao Dr.
chefe de polica.
Ao mesmo para fazer abonar a quantia de
70, como ajnda de custo de ida e volta, ao of-
flcial subalterno do corpo de polica, que segu)
para o termo do Bom Conselho, afira de substi-
tuir ao quealli se achava dastacado, se por ven-
tura j nao tivar sido cumprila a ordem da pre-
sidencia de 24 de outubro ultimo, expedida neste
sentido. Communicou-se ao commandante da-
quelle corpo.
Ao Dr. chefe de polica, em resposta ao seu
offlcio com data de hontem, a que acompanha-
ram copias dos qne Ibe foram dirigidos pelo de-
legado de polica do termo do Buque, e pelo pro-
motor dessa comarca, cab^-me dizer-lhe, que eu
j sabia dos fados narrados por essas autorida-
des, era razo de commuuicacSas ignaes, que
hontem tambera recebi,eom as datas de 10,14 e
15 do corrente, nao s das sobreditas autoridades
como tambem do juiz municipal supplente, e do
majar commandante interino da guarda nacional
daquelle municipio, Fraoeisco Vaz Cavalc<-.nte.
Hontem mesmo offlciei ao Dr. juiz de direito do
Buique, qne era conveniente an servigo publico,
que elle fosse para essa comarca peis que era
all rauito necessana a presenga de um magis-
trado, em vista das oceurrencias que se davam
e qua podiam perturbar a seguranga publica, j
um pouco abalada naquella localidade por gru-
pos de salteadores e de crimao?os, que infestara
o referido termo e o de Cimbres. Para este ul-
timo lugar sabe V. S. quaes as providencias lti-
mamente adoptadas. Quanto Buique existem
all hoje 66 pragas e 3 offlciaes de polica, forga
certamente importante. Agora a fago augmentar
com mais um capitio o 11 soldados, o que eleva
o numero do destacamento a oitenta pragas. O
major commandante interino do batalbio da guar-
da nacional offlciou-me que j tmha-se apresen-
tado na villa cora 200 pragas, o que deve ter col-
locado as autoridades ao abrigo de qualquer in-
sulto. Nesta uceasio fago remetter vinte espin-
gardas e quinhentos cariuxos para auxiliar o ar-
mamento e municiamento da guarda nacional, e
ordeno ao mencionado major Francisco Vaz Ca
valeante, e ao commandante superior que dispen-
sen) essa forga reunida de 200 homens, logo que
a de polica esteja toda na localidade ; o que sue-
ca lera por estes das. Commanico-lhes estas
providencias para sua sciencia, aguardando ul-
teriores noticias daquellas localidades para em-
pregar os meios adequado*.
Offlciou-se ao director do arsenal de guerra
para fernecer ao commandante do corpo de po-
lica o armamento e cartuxame, de que se trata ;
;io major commandante do batalhio n. 30 de in-
lantana da gnarda nacional do municipio do Bui-
que approvando o procedimento que teve, apre-
sentando-se com duzentas pragas s autoridades
locaes, afim de garantir a segnranga publica, e
recommendando que dissolva essa forga logo que
se complete a do corpo de polica ; igual recom-
mendagao fez-se ao commandante superior res-
pectivo : ao jniz municipal e ao promotor publi-
co da comarca declarou-se baver-se solicitado do
juiz de direito que assoma quanto antes o exer-
cicio do seu cargo, que fora elevado a 80 o nu-
mero de pragas de polica all existente, as quaes
deverao ficar sob o eommando do capitio Sa-
muel de S Monte-Negro, que segu agora coh-
dnzindo armamento e cartuxame para armar-se
alguraa forga da guarda nacional e que com essas
providencias espera seja mantida a seguranga
pnblica alterada por criminosos e salteadores que
infestam esses lugares ; e finalmente recommen-
dou-se a thesouraria provincial que aliante doas
mezes de venclmentos ao capitio Monte-Negro e
a 10 pragas, que o acotnpanham abonando-se mais
a esse offlcial a ajada de cusi de ida e volta, que
Ibe competir.
Ao inspector do arsenal de marinha para
mandar admitlir naquelie arsenal os operarios
mechanicos Marlet e Bostard, que em sabstitai-
eao aos doas qae falleceram, acabam de ser en-
viados pela societ noavelle de Foegas F. Chaa-
tiers de la Mediterrneo, afim de auxiliaren) a
montar-se as doas dragas destinadas ao melho-
ramento do porto desta cidade. Communicou-se
aos Srs. Augusto Frederico de Oliveira & C. agr-
decendo-se-ibes a boa vontade qae teem demons-
trada neste assumpto.
Ao juiz de direte da comarca de Cabrob
recommendando em deferimento ao requerimea-
to do capitio do 9* batalhio de infantaria Pedro
conselho de investigago qne tem o mesmo ca-
pitio da responder pela morte do criminoso Ma-
noel Joaquim Ferreira Peodio, praticado em 1864
em urna deligencia do servgi, da qaal era com-
mandante aquello offlcial, na qnalidada de alfe-
res do 7* batalhio de infantaria. Reeomraendon-
se ao promotor publico daquella comarca, qne
por sua parte empregue as necessarias deligen-
cas, para qua com brevidade sejara eaviados os
documentos de qae se trata, e mais esclarec-
raentos, que possam servir ao desenvolvimanto
da verdade.
Ao administrador do consulado provincial
para que remalta urna relaglo exacta das casas,
que pagara dcima urbana al a quantia de....
13500 ris, no dislricto do Recifa; adra de ser
satisfela a requisigo dos garantes da Recife
Draynage.
Ao commandante do corpo de polica anto-
risando o engajaraento do paisano Miguel Archaojo
de Araojo, se ,for idneo.
Ao superintendente da estrada de ferro do
Recife a Olioda declarando, qae os mdicos de po
licia e autoridades poiiciaes, que tiverem passes
para transitaren) nos trens dssa estrada devora ter
preferencia aos partienlares, eendo que a respailo
destes serio dadas as passagens nos mesmos trens
nio apparecendo alguna daquelles, segundo a prio-
ridad:; das datas dos qae Ihes boaverem sido con-
cedidos.
A' Manoel Jos Pereira Borges, vareador da
cmara municipal da cidade da Victoria clara e
terminante, como a disposigao do art. 42 da le
de 14 de ontubro de 1828, neonuma duvida ha da
qne as cmaras municipaes nio podem sera previa
antorisagio da presidencia vender, aforar oa tro-
car bans e movis do conselho, sob pena de re-
poosabilidade e qne ao vareador cumpre revindl-
carps qne se acharem alterados contra a determi-
nagao de lei;, responsabilisando os que tiverem
concorrido para urna tal alienagao, os quaes serio
por isso obrigados a repo-los em sen antigo estado
qnando demolidos, devendo correr cnsta deiles
todas as despezas, qae para tal lira se fizerem, sal-
vo se provarera qae essa deliberago foi conse-
3uencia forrada de alguma obra ou melhoraremto
ecretado regularmente, ou ordenado por motivo
imperioso de necessidade urgentissima em bem de
seus municipes, o que tenbo a dizer a Vuac. em
solugao sua consulta coat Ja em offlcio de 8 do
corrente, que fica assim respondida.
Portaras :
Aos agentes da companhia de navegagao bra-
sileira para mandar transportar at a corte no va-
por presidente, por conta do ministerio da guerra,
os offlciaes e pragas constantes da relagio junta :
tenentes do 5* batalhio de infantaria, Jos Placido
Lacas Bion e do 19* batalhio de infantaria, Pedro
Ignacio de Almeida Gnedes ; alferes do 20* bata-
lbio de infantaria, Jos Hypolito Maris e Franga e
dnas fiibas; 1 cadete Augusto Ramos Zaoy ; se-
gundos ditos Vieente Antonio do Espirito Santo
Jnior, Manoel Thom do Amaral Meti, Joio
Jos de Araujo Lima ; soldados Joaqoim dos An-
jos, Frncisoo llyppolilo de Maris e Franga, e Mar-
celino de Souza Cardoso. Offlciou-se a thesonra
ra da fazenda para ajustar coalas e passar guias
de soccorrimento, aos offlciaes e coraraunicou-se ao
brigadeiro commandante das armas.
Despachos :
Capitio Antonio Augusto Maciel.E' necesa-
rio que o supplicaote faga entrega do despacho e
papis, que levou para a cmara municipal de
Barreiros em 9 de setembro do anno prximo pas
sado, para que sobre elles, e sobre as novas ponde-
ragoes do supplicante em requerimento de 10 de
maio deste anno se prolira a decisio,
Companhia Pernarabucana.Nao tem lugar o
que requer a companhia.
Elysiario Gomes de Mello.Defirido com offlcio
desta dala dirigido a thesouraria provincial.
Francisco de Abreu Macedo.Informe o Sr. Dr.
director geral uterino da instracgio publica.
Francisco de Pau'a Albujuerque Maranhao.
Nao tem lugar, visto nio haver vaga no 2a ba-
talhio.
Tenente Heliodoro Avelino de Souza Monteiro.
Informe o Sr. brigadeiro commandante das armas.
Irraandade de Nossa Senhora do Amparo da ci-
dade de Olioda.Remetlido ao Sr. coronel com-
mandante superior da guarda nacional de Olinda
para mandar prestar a guarda de honra.
Igaacio de Barros Lins Wanerley.Informe o
Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
Joaquim Nunes do Valle.Informe o Sr. briga-
deiro commandante das armas.
Jos Xavier Faustino Ramos.Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria de fazenda.
Manoel Gomes Veigas Jnior.Informe o Sr.
inspector da thesouraria de fazenda.
Joio Donelly.Iuforme o Sr. engenheiro chefe
da repartigio das obras publicas.
Marta Marcelina do Espirito Santo.Concedo.
Mara Viera da Conceigo.Informe o Sr. Dr.
chefe de polica.
Redro do Reg Chaves. Sira, passanlo re-
cibo.
Vicente Alves da Carvalho.Passe portara con
cedeudo quarenta das de licenga.
8* companhia.
4/feres o guarda Joio Pacheco de Madairos.
Dito o .guarda Francisco Flix de Mello.
Qae por outra portara de 24 do crreme mez o
mesmo Exm. concedeu ao 2 tenente do 1' bata-
lbio de artilharia Joio Mara de Albuqnerque Oli-
veira Fino a demissao qne pe lio desse posto.
E finalmente qne anda por acto de 27, tamb6m
do corrente aaez, fora transferido para o 4* bata-
lhio da infantaria deste municipio, o Sr. alfares
do 9* batalbio de Olinda aggregado ao 3 Mareo-
lino de Souza Travassos.
Bodolpho loao Barata de Almeida,
Coronel chefe interino do estado-maior.
esperanga deve nascer de dedicagdes nvas e for-
Conmando das armas.
QUARTEL GENERAL DO COMMANDO DAS ARMAS
NA PROVINCIA DE PERNAMBCO, EM 29 DE
NOVEMBRO DE 1871.
Ordem do dia n. 591.
O brigadeiro inspector e commandante das ar-
mas interino, determina que na manhia do da 1*
de dezembro vindouro se passe revista de mostra
aos |corpos em guarnigio nesta provincia, e
companhia de operarios militares do arsenal de
guerra pela ordem seguate :
A's 6 e meia companhia de operarios, as 7,
ao deposito especial de instruegio, s 7 e meia ao
2* batalhio, as 8 ao 9*, e as 8 e meia ao deposito
de recrulas.
O mesmo brigadeiro commandante das armas,
convida aos sennores offlciaes do exorcito, hono-
rarios e reformados para assistirem ao cortejo
que no dia 2 de dezembro se tem de fazer a efflgie
de Sua Magestade o Imperador, pelas 5 horas da
tarde no palacio da presidencia.
(Assignadoj -Carlos Betbi de Oliveira Nery,
brigadeiro inspector e commandante merino.
Conforma Clemente FranctUo Tavares, te-
nente ajadante de ordens encarregado do de-
talbe.
tes; de estmulos novel e independentes. Ou mu- ,
dar de nm sysiema reconbecidameate ineomqleio, da niZ,
le nio incapaz, ou nao fallemos tanlo, nem lio se- '..nndfl ,r
mente em immigrago. O silencio em tal casa '
pode ser um modo poltico, embora singular e in-
comprehensivo!, de encarar o futuro do Brasil;
seria maneira de ver: mas recoohecendo-se neces-
sidade da immigrago, apregoa-la, encarece la em
todos os escriplos offlciaes, onvi-la com amor no
parlamento e na imprensa, e dasajuda-lados meios
que a experiencia est desde muito apontando di-
recta e indirectamente ; reincidir com conscienca
e sciencia na< fallas ja prvidas, e j condemna-
das, fazer dimiaur em pura perdao prestigio de
q
foi exonerado a seu pedido, de delegado do Cabo,
c teneotecoronel Jos de Moraes Gomes F%rreira ;
e noraeados subdelegado do enrato da S e>01in-
bonorario Horacio Pires Galvio, e
INTERIOR.
Par-
EDITAL.
21 secgio.Secretara da presidencia de
nambuco, 29 de novembro de 1871.
Por esta secretaria se faz publico, que n*o tea-
do sido incluido na lista dos pretendentes aos of-
fleios de justga que se acham vagos, o Sr. capitio
Domingos de Souza L90 Reg Barros, por ter sido
informada posteriormente a publicagio feita a sua
petigio e em virtud* do despacho proferido em 24
do corrente no requerimento do mesmo capito,
manda S. Exc. o Sr. coaselheiro presidenta da
provincia, que fique da nenhum effaito aquella pu
blicagao aguardando-se o da lista completa dos
peticionarios.
No impedimento do secretario.Francisco Lucio
ie Catiro
de Alcntara Tiberio Capistrano, que expega suas
ordens no sentido de serera remanidos do termo
io Bx, com a maior brevidade os documentos
e pegas offlciaes, qae dovem servir do base ao
Comnaando superior.
QUARTEL DO COMMANDO SUPERIOR DA GUARDA
NACIONAL DO MUNICIPIO DO RECIFE, 29 DE
NOVEMBRO DE 1871.
Ordem do da n. 46.
Para sciencia dos corpos sob sea eommando,
manda o Illm. Sr. coronel commandante superior,
publicar que S. Exc. o Sr. coaselheiro presidente'
da provincia nomeara por porua de 23 do an-
dante mez, para o 4" batalhio de infamara os Srs.
offlciaes:
Estalo-maior.
Alferes porta-bandeira o guarda Jos Antonio de
S Leitio.
1' companhia.
Capitio o tenente Antonio da Rocha Aecioli Lins.
Tenente o alfares Francisco Carneiro Monleiro.
2* companhia.
Alferes o guarda Manoel Januario de Arruda.
Dito o guarda Aotonio Gomes de Oliveira e Silva.
3* companhia.
Capitio o tenente Melquades Manoel dos Santos
Lima.
Alferes o guarda Barnardino de Sena Maniz.
4a companhia.
Capito o tenente quartel-nustre Joaquim Custo-
dio de Oliveira.
Alferes o guarda Jos Srvalo de Borges Enar-
que.
5a companhia.
Tenle o alferes porta-banjleira J,oaquim Antones
de Oliveira. /.*
Alferes o guarda Coriolano de Abreu e Silva.,
RIO DE JANEIRO
IMMIGRAGO.
Soppoaos qae nio ser de mais, nem ser u-
t repetir por todas as formas qne a questo da
immigracio para nos a qnestio de nossa gran-
deza e de nosso futuro. De momento para mo-
mento se torna mais palpitante e mais imperiosa
a necessidade de attender-lhe sena e enrgica-
mente.
Se nio somos maiores, se nio somos grandes,
tem sido nossa, nossa \ falta, digamo-lo assim
francamente, para que no-lo nio lancera era face
eslranhos desafe goados.
As syrapathias esteris de urna parte dos gover-
oadoa, as medidas incompletas e mal segara*
dos goverois, devem ba rauito ter desengaado
nos e outros, qne nio este o camioho qne con-
duz ao rim que se deseja.
Condados quas exclusivamente na tertilidade
das trras, na amenidade do 'clima, na brandura
dos co3tumes e na liberdade das leis brasileiras,
temos deixado ventura e ao lempo a solngio do
problema qae tio de perto nos interessa a lodos.
Digamos j, qne nem a ventura era o lempo
nos tem favorecido, e que a nossa llusio parece
obstiaar-se singularmente ainda, a despeito do que
vemos passar-se em volta de nos.
As paiavras dos ltimos reltenos do ministerio
de agricultura nio quas ilenticas s do prmeiro.
Em todas essas pegas offlciaes se manifesta since-
ramente a necessidade de povoar com bragos II-
vres e laboriosos a; nossas trras, ou antes os nos-
sos dsenos; em todas essas pegas offlciaes se falla
em favor da lavoura, como a pnmeira e mais lar-
ga fonle de riqueza publica, e se Ihe prometiera
novas forras qne nao chegam nunea, nevos auxi-
lios que ningnem v.
Serapre o mesmo tbema remodelado em novas
variagoes.
E em quaalo que lodos os paizes que necessitam
de immigrago para se eagrandecereni, e pateo-
tearem as suas maiores ou menores riquezas, os
seus mais ou menos estimados producios naturaes,
envidara forgas e redobram de aciivdade, vamo-
nos nos deixando ficar para traz cora os nossos
programraas, com os nossos projectos, com os nos-
sos relatnos, e com as nossas esperangas I
Urna parle do povo brasileiro, que nao l nem
conbece as lacubragoes dos nossos horneas de es-
tado, mas a quera mais depressa conveoceriam
poucas obras do que muRas paiavras, anda hoje
ignora se de prestrnosos cidadios o desejar e
auxiliar a viuda de bons estrangeiros, cujos filhos
serio em breve futurofilhos do Brasil.
Antes assim nio fosse, que desappareceria esse
pequeo obslaculo ou preconcailo, que alias sub-
siste e se manifesta sob diversas formas, o qua na-
turalmente desagrada quelles que, mudando de
patria, e prefenndo-nos entre outros que igual-
mente os qoenam, vieram para nos fiados ao seu
Irabalho, e sobre tudo fiados na sincera reclproc-
dada de affeigo e amisade.
Se essa parle do nosso povo, felizmente a mais
pequea e menos Ilustrada, soubesse ou pudesse
conjeetnrar quanto ganham immediatamsnte todos
03 paizes que recebera immigrantes, certamente
que a respeito de tio moraentosa questao nio ha-
veria opooas diversas.
E' assombroso o que se l nos relatorios da gran
de repblica do norte, ou melhor na historia nun-
ca interrumpida da imraigragio para tio formida-
vel paiz. _
A somraa addiciooada a riqueza publica dos hs-
tados-Un'io3 por 258,989 imaigranies que no an-
no de 1869 puzeram p as praias de New-York,
eleva-se em dinheiro e diversos valores prodi-
giosa quantia de setenta e sete mil e seis ceios
contos de res de nossa moeda.
Onde nos levariam as natoraes consideragoes
qne to notavel phenomeno nos suggere, se pre-
tondessemos indicar se quer, neste artigo, o valor
econmico de cada um desses immigraoles, desses
bragos creados cosa de paz eslraoho e postos
ao servigo de ama patria adoptiva; o augmento de
commercio e da navegagio ; o desenvolvimanto das
artes e industrias ; o conbecimenlo e uso do boa)
e do bello; o valor crescente da trra e do pro*
docto ; o adiantamento das ideas, o amor, emflm,
da humanidade pela convivencia de ragas e nacio-
nalidades diversas, colaboradoras no mesmo pen-
samento, empeobadas nn mesmo trabalbo, cami-
nbando na mesma estrada, filando o mesmo alvo
a grandeza woral e material do paiz, qne devia ser
o nosso, qne devia ser o Brasil, o mais rico, o maia
querido da Providencia r
Nio porra, nosso intento fazer confrontos com
0 povo qne anda ba 80 annos contata pouco mais
de 3,000,000 de habitantes, e que hoje se chama a
Repblica dis Estados-Unidos ; nem tio pouco
compararmo-nos cora outros paizes, embora menos
importantes. Mesquinho e estrello seria o nosso
lugar ahi; pobre e escassa luz nos locara em tio
mraenso quadro.
Ootro o nosso m, ootra a nossa missio. Curo-
pre-nos pedir, instar, reclamar de quem pJe, pro-
videncias sinceras, medidas enrgicas, sacrificios
at, para ebegarmos a obter o que nos falta, o que
nos e ndispensavel, aqaillo sem o qae nio pode-
mos ser grandes, nem poderosos, nem respeitados,
por mais qne nos iludamos, por mais. qae em nos
confiemos dos.
O lempo das illusoes deve ter passado, e largo
1 foi elle pira apreodixagem. A t oas medidas at
|ub se devera cercar todas as deas otis e gene
rdaVB; ganhar o trille direito de sermos ti) se-
veramente julgados pelas geragSes vindouras, co-
mo severamente julgaraos as geragoes que passa-
rara,nos que tivemos modelos qne nao quizemos
seguir, ellas que nio liveram escolas de econo-
ma nem de sciencias sociaes onde aprendessem,
nem rivalidades de^te genero que desejassem so-
brepujar.
Quem se propuzer ao fastidioso trabalbo e estu
do de comprar as disposigoes e leis esenptas, que
regem a materia de immigrago, com o modo pra-
lico por que urnas e outras sao interpretadas, ou
antes embaragadas, as provincias e na corte, po-
de em boa f de crer da sincendade dos desejos
do legislador. Ah se complica o que fcil ; ah
se retarda o qne expedito ; ahi se tu dependen-
te de pequeas ou quasi ridiculas formas tudo que
por sna propria natnreza deveria ser franco, ou
pelo menos de simples e prompto expediente.
Os directores das poucas colonias qua arada
existem era diversos pontos do imperio, sio mal
remunerados, nio tm reaponsabilidade seria,
visto que aulla a sua aegio, quasi aullo o seu
poder.
po conselho e voto do presidente da provincia, de-
pende inmediatamente toda a solugao de penden-
cia on negocio da colonia ; e taes presidentes, por
va de regra, se a demissio os nio sorprende em
raeio caminbo, mal podem contar com o tempo
ndispensavel para eslndarem a topographa da
provincia que vio administrar, quanto mais co-
nhecer das suas necesidades, por mais imperio-
sas e palpitantes qne ellas sejam. Deste modo,
nem a sciencia nem a conscienca os deixa delibe-
rar, como natural e como justo.
Nio chega a boa vontade, nem a inteligencia,
onde o tempo para pensar e julgar com acert.
Se da presidencia da provincia se recorre para
a secretaria da agricultura, encontram-se talvez
maiores obstculos ahi. Essa ouve devagar, e in-
forma mais devagar ainda. Nio resolve, porque
nio pode resolver ; assim como o respectivo mi-
nistro nio resolve, embora o possa fazer, porque
a sua attengao est dividida para muiros ?ssurop-
tos diversos, variados e importantes, por ul forma
rraal ehegar o tempo, o esludo e a dedicacio
ira s boraem para acudir onde o cbamam
tantas obrigagoes, algumas das quaes sio certa-
mente inferiores a calhegoria de ministros da
cora, mas obrigagoes de que aioda nio abriram
raio quelles que deltas se apropriam e deviam li-
bertar.
Se, porm, nos lembrarmos que no curto pe-
riodo de cinco annos, seis cidadios lera exercido
o alto e importante cargo de ministro da agricul-
tura, pensando cada um d modo diverso daquelle
a quem succedeu, fazendo e desfazendo a seu bel
prazer, encarando um aps outro por difireme
prisma esta importante questao, sobre a qual de-
viam estar desde muito nabalavelmente combina-
das e assentes as bases definidas e estatuidos os
meios seguros para ser resolvida, devemos con-
fessar.embora cora profundo desgosto, que esta-
mos tio longe de entrar no largo caminho de
nossa verdadeira grandeza, que nao dado a niu-
guem prever que seres de aonos dobrar o tempo
antes de chegarmos onde j deviamos estar.
Sem anuo de vistas nao p le haver unio de
forgas. Nada se far neste trabalhar isoladamen-
fe, embora cada um pense que pode fizer muito.
Nestas, como era todas as questoes sociaes, n-
dispensavel a solidariedade das ventados e dedi-
cages, a harmona no pensamento e na execuco
a cooperagio sincera no irabalho de obra com-
mum.
Quem jamis vera concluido o palacio ou o
templo, cujo architecto fosse semestralraente subs-
tituido por outro architecto que professasse gosto
diverso, que preferisse tal a tal oriem, tal a tal
traga, e lodos cora poderes e faculdades da alte-
rar, substituir, desfazer e recomegir ?
Neste systeraa al agora seguido dentro do pajz,
vemos nos um grande obslaculo immigrago.
Ruflictam se ou nio.
Emquanio que ao servigo desta nobre idea se
nio puzer urna direcgo fortemente organisada,
definida e independente; emquanto nao for esta-
belecida essa direcgo, que, agitndose em es-
phera propria, (enha nica a responsabilidade de
seus actos, e do aso de suas largas altribuigoes;
em quanto essa direcgo forte era sua indepen-
dencia e nos meios de acgo, respeitavel na sua
inteligencia, e mais que ludo inspirada de verda-
deiro patriotismo e de dscidida e enrgica vonta-
de nao existir entre nos, nao pediremos outras
medidas, era lembraremos a conveniencia de
grande reformas, que alias seriam ja indispensa-
veis, se outro tivesse "sido o caminho que temos
andado.
Essas grandes refirmas, que sao inqnestiona-
velmenta a ultima palavra nesta questo da gran-
de momento, bao de vir a seu tempo suave e na-
turalmente. Ha de ser a propria naturaza das
circunstancias, que se aconselhara seo abalo nem
sobresalto.
E' de esparar que n'um futnro que nio pds
nem deve estar louge, nio seja o eslado que de-
vendo prestar os meios de desenvolvimanto em to-
das as espheras da aciivdade hnmana, venha iu
terpor-se entre Deus e a conscienca.
A libordade de cultos ser um direito. A idea
de Deus eu no fundo da conscieacia de lodosos
homens e a Divindade est cima do culto.
Qaando ao throno do Eterno chegaram as ado-
rages da humanidade ioieira, puras, expontaneas,
sem hypocrisia, sera conslrangmenlo, por todos
os symbolos, sob todas as formas e era todas as
linguas, ser o Brasil urna das maiores naguas do
mundo.
(Jornal do Commercio do Rio;.
eguado supplente do delegado do termo do Ouri-
cury, Francisco Ferreira do Lago.
DELEGACIA LITTERARIA. Por portara di
presidencia da provincia, de 27 do corrente, foi
creada urna delegacia litteraria na povoagao de S.
Jos da Boa-Esperanga d> termo do Cabo, com-
prebendendo o mesmo territorio do juisado de
paz.
DELEGADO LITTERARIO. Por portara da
presidencia da provincia de 27 do corrente, foi no-
meado delegado litterario de S. Jos da Boa Es-
peranga, o capito Jos Pereira de Araojo.
GUARDA NACION'AL.-Por portara da presi-
dencia da provincia, de 27 di rorrele, foi trans-
ferido, a seu pedido, para o 4* baialho de infanti-
na do municipio do Recife, o alferes do 9* batalhi
do municipio de Olinda Mareoliuo de Souza Tra-
vassos.
ELE1C0 PROVINCIAL-Teraos mais os se-
gainles resultados da vuiago nos collegios do in-
terior :
4.' dislricto.
Collegio do Bonito.
Dr. Adolpho Laraenha 69 votos.
Vigario Tito 63 t
Dr. Ernesto Viera 47
Dr. Daro Cavalcante 47
Dr. Lacerda 46
Dr. Silva Reg 45
Vigario Cuuba 31
Mello Reg 29
Dr. E. de Oliveira 24
Dr. Ribeiro Vianna. 17 t
Dr. Gitirana 1 <
Dr. Alves 1
Collegio de S. Bento.
Dr. Lamenha 31 votos.
Dr. Dario 30
Dr. Erne.-to Viera 30
Dr. Lacerda 20
Dr. Silva Reg 30 t
Vigario Tito 22
Dr. Alves 9
Mello Reg 1
E. de Oliveira 1
Dr. Ribeiro Vianna 1
Vigario Cunha 1
Resumo dos collegios de Caruar, Bonito e S
Beolo:
Dr. Lamenha 145 votos.
Vigario Tito 129
Dr. Ernesto Vieira 128
Dr. Lacerda 124
Dr. Silva Reg 123
Dr. Daro 114
Dr. Alves 94
Mello Reg 58 <
Vigario Cunha 51
Dr. E. de Oliveira 45
Dr. Ribeiro Vianna 38
Dr. Gitirana 1
FACLDADE DE DIREITO. Hontem fizetam
acto os seguintes alumnos :
Terceiro anno.
Jos de Queiroz MMtoso Ribeiro. appnvado
simplesmente.
Vicente Smoes Pereira de Lemos plenamente.
Jos Rodrigues Elvas. simplesmente.
Luiz Demetrio Das Smoes, plenameaie.
Caio Lusiosa da Cunha, dem.
Silvio Vasconcellos da Silvera Ramos, approvado
com distinego.
Quinto anno.
Plinio Augusto Xavier de Liraa, plenamente.
Ignacio Vieira da Silva Coqueiro, idem.
Felippe de Azevedo Faro Jnior, idem.
Bazilisso da Silva Caldas, idem.
Joio Alexwdre da Silva Galvio, idem.
Joaqnim Cavalcanie Ferreira de Mello, dem
THESOURARIA PROVINCIAL.Perante a jun-
ta administrativa desla repartigio, no dia 1 d ft-
rero de 1872, vai novameute praga para ser ar-
rematada, quera por menos lizer, a obra da ponte
sobre o rio Un), cora o augmento de 20 0/0 no*
valor do respectivo orgamento, que sirado de.....
77:OO0SOOO, licou elevado a 9:4O0*00O.
BEBERIBE.Pedemnos para chamar a atten-
gao de quera competir para os abusos corara.i-
lidos na povoafo de Bebeibe, [or nm grupo
de camelias, que frequenta o hotel da localidade.
ahi procedendo de maneira que privara as fami-
lias de passeiarem. Nio ter torgas para cohibir
esses desmandos a auiondade policial do kca'
PERSEGUICO DE CRIMINOSOS.Por carta
de Villa-Bella,' datada de 19 do corrente, consta
3ue o d-legado de polica daquelle termo o Sr.
o; Sebastio Pereira da Silva, abendo que o
criminoso Correa de Alhayde se achava Coin ou-
tros criminosos do seu sequilo, na povoagao do lie! -
monte, dislricto de sua urisdiego, para all expe-
dir urna forga de cavallaria com o fim de os cap-
turar. A forga seguio na occasii da partida do
estafeta para esta capital.
HORRIVEL.onta um jornal de S. Francisco
o seguinte :
t Em jnlbo da 1870 foi deitado fogo por maos
desconhecidas casa de um velho e rico habitan-
te de East-ew-Brunswich, chamado Samo-1
Whilechead, e todas a3 pe-quizas que se fizeram
para descobrir o incendiario foram infructfe-
ras.
< No mez de maio ultimo um tal James Baxter,
antigo criado era casa de mr. Woitchead, foi ata-
cado por urna doenga grave, e julgando-se prestes
a fallecer, sentio reraorsos de conscienca que <>
levaram a fjzer expontaneamenle revelagies ex-
traordinarias.
O moribundo confessou que tnha sido elle
proprio quem tinha laogado o fogo a residencia
do seu patrio, mr. Whitchead, tendo sido para is-
so instigado pelas duas ulnas deste e por seus ma-
ridos, os quae3 Ihe tioham promettido 1:000 do-
lars, recommendando-Iba que o flzesse demodi
que o velho perecesse as cnammas.
t Em vista disto, tinha saturado com pelroleu
os movis do qoario da cama de mr. Whitchead.
estaodo este deitado, tioha-lhe em seguida lan-
gado fogo, e fugira borrorisado do sea proprio
crime.
t O fumo despertou mmediatameote mr. NVni-
tchead, qu bradoa por soccorro, e os demai*
criado3 conseguirn), quasi milagrosamente tra-
lo do quarlo incendiado sie e salvo.
este o summario das deelaragoes hilas
debaixo de juramento por James Baxter, e o Ib-
querito a qae a jostiga em seguida procedeu mos-
trou que a sua dedaracao era muilo provavelmen-
te exacta.
Averiguon-se que mr. Whitchead era bastan-
te atormentado pela sua familia, com respeito a
distriboigio da sua fortuna. Seas filhos por nm
lado, suas filhas por outro, faziam todos os esfer-
gos possiveis para obterem individualmente
maior qoiobio possivel. Nesta contenda, vencern.
as filhas pela astucia. Decidirn) o pai a fazer era
favor dellas um testamento que Ibes **? |r*nde>
vantagens, com grande prejuizo para os filhos.
i Logo que o lestamento fra asslgnado, segn
io e dentenlo de Baxter, qae' ellas planesran
0 '".Vive atlentado de fazer perecer sea pai nf
PERNAMBCO.
REVISTA DIARIA.
CONSULADO PROVINCIAL. Pelo Exm. Sr.
coaselheiro presidente da provincia foi deliberada
a mudanga temporaria- do consulado provincial
para um sobrado silo roa do Forte do Mattos.
pertencente i companhia Pernambucana, afim de
conceriar-se o edificio em que funceiona a repar-
tigio fiscal.
A localidade em que est o referido sobrado,
no centro do commercio, e por Isso muito adopta-
da para o mister qua se tem em vista.
Ha muilo tempo que esta providencia era re-
clamada em presenga do estado de ruina do lor-
reio da alfindega. ., m
A Otodanga se far at o da 3 de deaembrr- ch8mm. hAftrftan Ar om it-
prximo vindouro. O movel deslenme borroroso e ?#
AUTORIDADES BQLICIAES.-Por ^^ ^ ^eirq lnjar Q rec^o jqe 9 Y>9 W reS?**n
*
.-Cx.


nn.w nmmwii m nf. tsm iftfffTfl*'
frnambixca Quinta feira 30 da Novenibro da 1871
-i*.
r
rasse obra a saadcho, e GeSe ira novo tes-
tamento menos vantajora para e'las; e en segun-
do lugar a impaciencia da gozarein a fdrrana ^ne
Ibes ra legr&t .
0< nomp Sjh WillrfrHjfcftpa de Tbeodora Willetts e Ao-
va Mara wHWkTposa da ca^iio Wlliara Ya-
tes. *"r .
c Estas dais fmilias habitara em Brooklin, e
piscara a vida c palala do highlie.
Depots do inerroiajfruJ* do d*jrfa*|ta da
testemaohas, o jury Vramela Midiese
lavrou auto do ic:w contra air. matomi
Willets, mr. e raadlas* Vites e lames Hartar,
revelador e execatoj 4trama infernal. .
O' eioc aecusade*. orepareceram parante o
tribanal-Oyer aod TWrtner, de Njw njaww. k,
(New Ifrwy) onde a Ja* Scudder Hes f lettura
das aecosaedes a una* elle* teenf a reapoa e Ihes disse qoe ojnl^eo eslava lixtdo para
o dia 6 de dereaiaro pita**"-
Madames WiHeits e Yaras, ciraparecerim no
tribunal trajand toilette appsratosos, prestatam
ama aitencio desdeohosa a leitura das acetaselas
qne recahera Are ella*, e respondjrara qua so
imtiio i"m' na? randada*, bara coma seus
marido. Depois do iue todos quatro se retira
rara sob flanra de dous mil aars sana um.
c Q desgranado Baxter, a quera o receto da
morte amnaea as. rnwlatiV, qao Xs, boje t\w
j est carado.preferina >em duvida algnma, nun-
ca ter feKo, forcado a esperar dehlixo de prisSo
pelo dia do julgameit'), visto que un criado nio
tole fcilmente en:ra'.rar doai mil dollars de
nansa.
O^aeha de ritis carioso" ne;te monstruoso
assurapto, a condinu d-1 M. Wtiit'iiead.
c Bita velao apresenton-se peran'.e o jury de
pronuncia, e aula o ir.buiai, e anda qno conven
adornis do une pe.'i algutna da culpabiliJade
de suas lilhas, tingio acreditar n ion reacia del-
1 as, e fe todos os esfor9os possives parajazer
eoai que o jury parliltiasse ajuella convrc) si
muala. .
lio sea desjj de evitar a-1 as inJigna II-
Ihis da acgo da jastiei, prHgaHav ihe* dian-
te o puhileo todos os Tgoaes Ja mala v v. tcYna-
ra, e para melhor f.iter crer n:> sineerl lile leste
sentimento, fsz na p-jpria s ama deltas um prseme de I0:0'J0 dolan, alera
du vaotagens que ellas j gozara p do sen Hala-
menta.
PRONUNCIA Pe delej.via do t rma de Sal-
gueiro, foi pr.raanrlaJo, o:no incarso uo irt 23*5
combinado com o an. 2I8 do codig crimlairl, Jo-
Ayres Pedreira.
SOCIEDADE LIBEIHL UXIAO BENEFICENTS
Hoja s 7 horas di n iuW rtune-?e Wta as Cia-
cao cm assembla geral, an julgar a /aljale da
eleico e autorisar a subida da l'sla dos novis
eleitos ao peder competeule, all.a de ser o*:olhi
o sea chele.
IMPOVT) PE5SO\L. Termina hoje o praso
para c pagiraenlo, iivre de multa, do Imposto pe -
soal.
PBBGEZU O )S A FOG \DOS.-Morad ores de?-
tearrabalda pelnro-nos pira chamar aattenc<
do i-cal respectivo para o :'bmo commetlilo nlti-
mameote por ara proprietaiio, o quai fe hott cora
cercaa etra'a do B'Tgi, opl.nou lodo O leito,
caas-in 1o gravas preja ios.
' DINII -lit) O v.-> r Presid**t\ n:
Para 6 70:000*000
. oflio iia Jjrieiro lO:ol2OJ)
MALVADE?.-Hjlera sllhnns da manhaa
fdibarbararaertta e Apollo, pordms cirriceiro-', pardos, u a p-bre
bo, maro e ixtremameote fanfjdo, por sentir
ffleu'dade em cuchar a rarri^i ora 13 sacos
com assucar. Narran io o fafto, qoe f i pren-
ciado por diver.' spe-soas, incamos ao Sr. 5-cil
da freU"zia do Rec f; > numero J) whical, q<
C87, para qae appliqae esses malvados a di-
vida pena.
LOTERA.A i'Je se -cha a vida a 216 a
beneficio da raain de Jaboa'ie a io.i! orre h i .
CAS ^ DS DETENGA:). -Movimeoto Jo dia 23 i:
Dovanbro de 1871:
Bzistiara (preso.-) 3i3, enirarara 2, sahinni 10,
ezistena 335.
A saber :
Naeionaes 23S, mulheres 6, estringcin il.
escravos 46, escrava i.
A'iraentaJos :nsta dos cofres pblicos 272. .7^
Movimento da enfermara, lo mesrao lia :
Tr.'ram biixa :
ht Nones da Silva ^f,bre.)
Mo i-I, eseravo da GJilhsnae de tal (gola.)
tlverara alia:
Ant mi i 'i mea d'Aodr le.
Lait J II illanda Caval:anti.
Praa*i-co eseravo de AiexanJriao Martins Cor-
rea ia Barros.
PASSAGEIROS-Segoiram para os pnrtos d^
sul no vapor brasilelro Presidente
D. Joaquina de Carvaltn, um II h) menor e uma
canhadi, Jos de Souzo Rti, Valerio lo- Ja Gra>
51, Antonio de P. Minina, sui seolura e tr s i-
Iba?, Dr. Henrique de AlmeidJ Costa, brigideifo
I.u:7. Jos Pereira le Camino, ana senhora, tres
Qlh s, tres eicravos e um criado, c ronel D. B. Je
M< I i Cas-tro, Francis-co de P. H. Cavaleante, Aa-
t- ni 1 E. de Aguiar e um eseravo, _r. Hanoel A
Gde. sua senhua e una eseravo, J.ao Pinto de Ve-
ra. 2 cadete Vke!e A. do E'pirito an'i Jnior,
Dr. Manoel Duarte Perreira Ferro, Joaquim G. Al-
c- f,rado, Justino Torres e fu se^h ira, a|f ros
J t Pulycarpo Ciroeiro L n=. r. Ca'los Til traaa
j.s Alroeida, Rod tpba S yfried, Francia: 1 i- M.
Saja rato, tadre Auguslo Aardio Bor.?c- 0. P. de
Sifueira, Joaqun F Je Birms Lima, I" ir. H ze
. lo Ago-iioho M.xirao NogOfira Pno, II. Wils n,
ommandanle La z A. Perreira Campos, Fruv
F.v.ierco da Rucha Vieira, Gabriel Gomea Pern i-
ra e un sobrinh >, Dr. Fra.icisco de Moni' r 'o s
Silva e J us criado, Thom. z re \ |uino Silva Loa*
reiro o un filho, Dr. J)- Ferreira i; A. Pioho e
uni criado, b3Charel J > Antonio F. Pseo, D\
J djUjo Pebroio E-mer. U 2'ca-l '.' Min.el '.
rio Amaral Mello, 2 cadete J130 Jos A. Lraa. Dr.
Mmoel 1. Cari si Baha, en eltHro Manoel Acio
l c Silva, Dr. Francisco Antonio de.^C. Ribeiro,
Francisco Pontn, Jcs Clem?n'.e d Souto, Manoel
Hartas Porte, Prancisco r<> PjuI Le-te Oi i-ic,
Guilherme i. Wea.-hre, J. P. Sltm, M. II B u ber,
i' eaieie Angosto Ramos S ra, Dionulo lo M-
rera, Luiz Ribeiro da Cunh, Jos V. de Sanza,
2" cadete Candido C da M. Povaes, Maarieio Jo
de Freitas, D. Rutina M;ria Mema d s Anjas e
duas primas, Felppe Ferrein Matraco de Ar-jo e
um eseravo, Dr. PnneHee do Carvalho Jo Passo e
um efcravc, tenente Pedro Ignacio Je Almeida
Guedes, Antonio Joaquim da Costa, Joao da Car-
valho M-'d'-iros Alouquerqne, Joaqnin Pinto de
Squiira. Je ?. de Carvalno. RraneiscQ Jos Fer
reir, O'ympio Lauriano dos tamos, Francisco de
Paula Vel'-, E. Graciano, sollado Francisco II.
de Marz Fruir; e 19 is:ravo eniregar.
Sahiram para o Araca'y no biata Qlm3 :
Mathii- Leupoldino de Oliveir. a i BIb '
CEMITERIO PUBLICO.-Obitaari) do dia 21 do
crreme:
Maria da Paixn Oliveir?, tnoca, P roau-bn:-j
SS annos, viuv, Recife ; lesa o orgnica do cu
rai,>.
kanopl Franci.-co Barbosa, parlo, P-rnanabocq,
48 anuos, casado, S. Jo.- : varilas Cunilaen-
tes.
Faustina, escrava.preta, Perninibuco.^i-sano,
solteira, B a Vista ; cancro ui riao.
Camilla, escrava, Pernaroboco, 3 anus, Boa-
Vista ; varila.
Mooel Feippe da Silva, preto, Prrnambuco, 30
annos, casadj, Boa Vista, hospital Pedro il;be-
xigas.
Hila, preta, frica, 60 anno', so'leira, Bn-Vil-
la, hospital PeJro I!; raterile chronioa.
Hrmlna, branca, Pernanibuco, iC- dia?, Sanio
Antonio ; ttano.
robados e legarae3, no i dTeltrnfir-sa que ea
per n|rpo^*rrre|poiBrdf;jn s|foJlote al-
ta>^,^prJftWnMoTari'^fi\nw5eirffntNro co-
nhecimento do publico, alera das razzia, qaea prOdiflirafts tfessl celebr cab a todbs 03 actos crl
raiiioses ede rematada toncara* que forear stAffif '
par elle praticados... tnw
U meus hbitos de mo^eracio e praJen^ia* a
minha" j avanzada iade, e mais que tudo o res-
peito que devo lei o ao publico, ohngam-me a
assim prceed-r, etibora (fHjanr teui MVtcios SS dos"H\os
e-te, que por ser hije dos autores, nrocucara^elles
sol falsas pretextos e ooulr sen proprto titule,
extender al a barra do Tboca um, oi^ra lado,
i estrena esquerda do riacriSi;6,.
64" m^a o que acerca de*te topicp disse-
s trwteirteniutihas dos ameres, que mals se
5w
M\ vn^iii, .mjR QiSrm
rio o prirneire que f.\z barra nelle- traiendo ?uas
afilas du limites de Salgado, como porque, poi
auindo o '(oalor no preo de !:OJ009 a Data do
Sipo airjia Rearara (Jedazdas as iree doar5es
constantes do documento citado sob n. 2) a qaantia
de OOOfOOO na me-ma Data; quantla estajua foi
atfrta#ltri em *u favor per serem alera de s*ur 'Mvidida com sua mulher, a o henl vro JeWDantas
maradoresf fjrotegidos, e compadroa, os ftlhos, e a
mulher re sea pr*prio vaqaeiro Jos Leandro ; e
sao ellas a 5.*, 7.* e 8. Dii a 5.' a fk l us jue
at masillo algnmas autoridades do rtjar que, a
vistamos prejuizos o lns*lto3 ijae tenbo necebiiloj
inuito diverso e ruiior devena ser onieu dialf
f-r;1
.'rosiga, pois, o Sfniajor Va'srlauo em s*
obra-de destrniro e aniquilamctlto, invetite.je
i 1 :-r nec'-sari >, n.ro fAstama i!o pers f u cao e
ins-illoa ounlra miuha pea\i a e bens, uoT-eu wa
pridarjeia tarabe.m aova o> ipai soiTrtmJ tojpb^'nbuoae" a pessluo ja4"aieu*
novras duas causas.
Dacn, Srs. redactores, publicidade a
ohas, bem orno s raw8s llnaes juntas
erei eteroaraeute grato.
UM ri*
lites
PUBLiCACOES A PEPIBO.
Est 'azendo tres annos qre mo acUo empe
nhado com minha srgra e canhados na di!cas;&>
denm pleito eiptieboso e injusto guanos meve
oeste juizo o major Mancel Valeriana do .Xa?ci-
mento, morador no termo do Santo Antonio d1
Pians s-jbre a posse e dominio de grande parte
das terrenos da Data do Si{A
ConliaJo aisai q forja lo rtfti direito ana
imparciahda'a e Hlaetragao do magistrado cajo
jaizo e decwao ae acBa afTecta eta caa?a ha
perto de piaoo mezas, e pfoUiaJi, sa b.-m jue
arra?uJt> per meu adversario, aca.Dpanaa-la de
tribunal, em tribunal, sera i.T.m nolir ao pabla,
e sempfe no terreno era qae fal z ir ella eolio
cado.
Udja porm, que elle dosfrtanJo do justia da
qual sua con-ciencta Ihe diz ^uo mi teffl e.'p
rir, invoca em s-u aratlllo o hamjartn, e ame
ando minha propria pe>o,a a familia, tem por
eses destraido e aniquilado i frert^ l?am gran-
?e eqnito de criminosos de Pianc hdo? os rn-U
Meretissimo Sr. julgador. Nao era minha in-
tencao dizer oestes autos cousa alfana estrauha
ao que nelles se alltgou e provou, nao mj porque
as armas, da ventada tfevem ser as nncasmpre-
galas nos combates da juitip. Ventas est mato-
rit eirtns praprit, oirw lariibera fKirqar; minha
qualiJade de advogado'eosina-me a nio confundir
o-eon)bMas da srtenca-eofo os qae se dao-rw are-
na entre os glaJudorei 1
lafezmeme o advog'Sdo ex-aver30 lo falto de
inoii: ia para as suas razies, quaato os secs con-
utuintes caracedores de direito na presume acca>,
obnga-me a sahir u'esie propoiito, laxando de dl-
soa os depoiraentos apresentados pelos reos, e em-
tirolnanlJ a variade dos autos 00 laiianntho de
(alta, e maldosa argumenta ci.
Se, pois, no correr d'esiai razos alguma vez
afistar-me do terreno a que me deveria cioglr,
para oecapar-mn Bot autores, ou seu adoogado,
lii 60 de.-cnlpa a V. S., pois o fare naquellas ocoa-
s oes e lugares era que me for preciso repelllr o
insulto, e combater a imquldade dos alver.-anoi ;
i-lo posto, entreo' g em materia.
A tres polen sor reiuzdos os argumentos prin-
C'paes apresentados pelos autores noa diversos ar-
tigo de sea lib lio, arim de ju-lill.rarem sua in-
t ncio, qumi 1 reiviadicco dos torrnos, qu-<
ll am, nao ja, la 1".lo ci lado es:|uerdo e nadu
/este no na atiaixo at a barra do mesrao corsjajp
3;|ii m:is t;i:nbera dos que Qjam e tre os riachos
S p a i'aboc, ilesue a barra at as oascencas de
a-ubos no b-l nv, ou limites cora o rio Salgado ;
pn.nonao tere.m encontrado quanlo vieran 11-
iuar-e na Taboca (terna que houveram da Ano.a
Bit), ebjecto abjura na Data do S \. com o nome
J' Tib'ca, a nio ser o riacho 'este nome de-de a
Barra ai suas nascongas ; secundo nao recebar
e.-te riach", c mi diz o respectivo titulo a fls 3. e
sim o du Si| aguas vinda.s dos lugares, que con
lloara cora o rio Salgado ; e lerdo nnalmeaia
pi arairein lia mais de triota anoos mansa e pac
icainante toJos esses terrenos, b^m como os qu-
iic.nn Ja Taboca Biacho cima une oulrolado.
Aatej d, mosirarmos como nos propomos at .1
'.liona evidencia, feto cora o pro^rm Ululo dos au-
tores, eom a t-ipograpnia, que jantamis do terre-
oo, o oqi os proplioa autos em pnuho, o contra-
rio do i|ti3 avaneafam o- mesm-as, qur cora reta
cao as duas iuo-ios do facti, qas avjntar-ara em
pritneiro lugar, qsr eosa-referenoia questo de
direito, a que se eoecorreraro pnr ult rao, -ej.:-nos
f-prraittido a franqueza de d:zer, que d muilo ma
iia da si, e do direito que protege o aaogado%
.ua como o ex adverso, em logar da esclarecer o
Jlreito, e prov.-ir hem inteuijao de seus consti-
'ointi's, t rcendo e illudiado a quesea, esjierdiQ.a
( lempo ;m lysaado leste,nunhas, qne com as a>
eui oon-tituiii:es forca de depoVem sessenla e
tintas paginas fora n mais, on menos sarpran-Hlos
un sui ifnoEaocia, ou da:x?ram escapar iivolun-
tiriascontraJi>i5;s. V- Iteraos rjaesi*.
Quanlo ao pnm ira acert- dos aut-rea, i'to ,
1,11 terem encon'rada mu-lo vieran) itoar-se na
Dala Jo Sipo 1 i j oto a'gum con o nime de Ta-
boca, a nao ser o riicho 'e-te nome, de:de-a
larra at suas naseeneea, vejamos o que dizem,
Unto as uossas, ceino as juas proprias lestt-
rauchas.
A primeira, Joaquim lo Lsan-Jro, qas sej.i
tito de psg-io, espicha de garganta dos au-
tores e 3->u a ivogado, pelo grava peccado da se
iaaver deseado de seu grande rabanho de mora-
lores, e tesiemunhas para vir (sopposto que de-
baixo i^e vara) dejor o qne ssbia coatra elles I
I) tjue Goocalo Chrlstovao, a mandado do ca-
lilao Vir ato, e a pelido de seu pai Jos L aulr-a,
ira mosiar ao uvsnto aa qaatdado da va n?iro
do aut r V leriam onda que se cuamava .1 Ta
boca na Da'a doS p;
Que chegando o dito Gonzalo Christovao com o
pai d'eiie lesteinunh, e outfos sm frente Laga
ii Manzeira (veja so a planta junta, e o art. 4 o
Ja ciuitrariedadr) s 1 eneonlraram dous pea J-;
ramoeiro, junto aos qaaes levantou sen pai a si-
lat^in, as'im como ercontraram perto uma ca-
cimba, u o grande balsamo, e dous rocaJos com
palbas de miiho, e mui;o< ps do mandioca ;
Que muito sabido ehunar-se T boca arpeiie
lugar, era :on3equen:ia de um grande laboral que
i'Xisna perto, e qua-i em redor da lagda refe-
rida ;
J.ie alera 'aquello cenhum ontro lagar eraco-
nliocido no Sitio, 011 Data de Sq cr>m o noir.e de
Taboca, excepcao de Tib .ca-de baixo, sitaacao
mais nava f-ita por moradores de Viciorina, um
pon) abaixo da que f-.z -en psi, e que tomnu este
nom? Ja ISi.'i para c. (Veja-sa a planta jtnta)
A segunda, Martins Gon^alves de O ivc-ira, diz a
. I9J :
Que p.-ssando na Taboca em 1847, era cempa-
nhu do Unido Manoel Dantas, ao chegarem a lafiia
la Marizeira, mostrara Ihe fue um pouco abaixo
da lagda, e ero dirercSo Taboca de ba xo o lug'-r
ma disse Ihe ter derribado outr'ora tira grande
t.bo'3l, duendo ne?ta oceasiio, que o n >rr.n de Ta-
boca dra-seaaquslle lujar pr causa d'aquelle e
ntitns laboetea rae alli existiram ;
Que cora ella Manoel Dantas, Th-om Paz tambera
trabdlbra all era 1813.
Diz ainda a II'. 194, qua estand) em Monte-A'e-
:r' em ca-a do ca patio Vicente Viriato era 1817
vira aili cli ;ar Jis Lean Ira om a famil;a, e reti-
ran 11 se r-g.i eondnzir Goacal 1 hri-tov> para ea-
:ioar-ihe calo ora a Taboci, losar elo que disse
vnht situtr por parto do autor Valeriano ;
Disse anda de Os. 194 era diaate, qae fsaaado
parte de uma forQi, quo em detenbro da 1833
;ercau uma casa da Vicionna no Sipo am busca
lo Uado Jo- Dantas Boih, criminoso na re-
volta de Joaqnim Pinto Madeira, e que sa izia os-
:ond!l) ah, tomaran dous sa-os do farinha, que
je dlcia ter -ido feita na Taboca por seus compar-
sa, a moradores.
Finamente, que vira na Taboca em frente
jasa de loso Leandro dous ps de nmnoeir por
oecasio da l ir, que u mesrao Jis Leandro lh
dissra ler encontrado alli duas rocas cora paihas
Je milho e algnns ps de flwa-lioe.
A terceira, Joio Jo- Caineiro, dia :
Qie a Tib'a c lugar q;u demora era freo te
alag da Manzeira, a qa-al aleone .0 circulada de
taboeas, qneolo *bi viaha trahalh'ar em eoraaa
nhia de sena tosAlexan-tre Ja S Iva, Th-om Paz,
toman da Monte Manoel Dantas ;
Qoo aisii!e logar era o nnico j emao eonha
cido por Tabica na Data do Sip, a que j na po-
ca a que se rafere assim se coohecia usando-se da
exsres'iovamos trabalhar na Tahoca qoanio es-
tavam ao Sipo, ou vamos para o Sipo qaando e-
tavam na Taboea.
Finalmente que aquelle Irgir fie qoasi uma le-
;aa cima da Barra, subindo-se o Taboca, e que
Cira proxl no ao balsamo, e qaasj defronte d la
gi)a da Marizeira, que faz o vasjueiro do autor sua
primeira situacao.
A quarts, Pedro Dantas Bol! eo, diz la. 210 e
211, que no anno de 1832 esteva escondido na
Taboca crea de quatro mezes, cora seu pai > fi-
nado .ot QwUi Uaibii, brisando a, em. quaolu
hi estiveram era ama casinha de fannha qne
exiiia perto rfa caeiraba e da fi-gua da Marizeira
onde abrirn afii nraa rc$a ;
Qie aquelte lugar | en (n .lo canh?cido por
Taboca, e Ikava cerca de ama legua distan!-? da
Barra ;
Disse 'loaimente a fk 312, que era 1835 fra de
nuvo Taboea em ermipanbia de seu pal, o qnal
estando j Iivre, e seSd? o tertarnenteiro do Usado
Aradlo, convidara o~ autor Va;ieriano, nu ji en ao
rnodira sata aznda pr o ontro la'fo do riacho
(veja se a plas i* sltua$ao do amor Vaferlav).
iUm do moHra.*-lb,9 cora o proprio te tameato-que
a T b"ca, logar'(Ji* 'he perteneia, na\o t-ra a4i
Krra sim do outrj /ido h riacho aonde <
decida por los LfihJn S'1* primeira staselo
B?, meretissimo julgador, com-.' dppSora ei-|a,- e
ssfgaintes te:teratiDiras dis reo, v'aJa9 ^'^
(lefinn-oa do n-proJuzir por ooradonho >^*'
Que 4 -iianwv.i Tahoal a primeira situaQlo,
fizara} so4 pai Jfis Liandro per o riera do ao-
Valeriano, o que era frente da mesraa situacio
ecccntraraia um pe de raamoeiro, (na qul Jiier
loiu) um tz/aaie balsamo, e tima Oicimba.
Que i'haatoaaiudlla soa{ao fltera Js Ant
urna ultra, qae i.>st tomn
BaixV
Firn'mejto, ce |o se lerahrava sssan pai, e
eu^MAanqnimaaW lo* Leandro diziam haver
Goacallo Christovao eosinado-lhes no aono de 1837
onde aTaboca*.
Ter a>ii ae v i4araaaenM, qae a testamanha
apezar dos pezares, oa vai eonfassando os fados
iMlaraJa* par J-m te.-temunha-i dos r -, ou illudindo sua coiyc en
eia, e para ni olTaoder aos autores, tfr|jV *
posivel ter,-sa dado ti#9A e tae facios, maaflue
na-i se record.
D.z ; 7* alk 133:
Que se* pai i"hl*i tfm-eBa t^temanh, a mai
irmos^m I837 situar gados na Tabaca, por parte
do aotorValerian, rara1* a Monte Alegr* a
casa do cap la o V-iata di.tan'.e da Tauca uia.
le"ga!T(e]a-*e" BOaTT expreTslo distante rTlW
:a uma bgua, que toda ie rMfere a Taboca em
frente a Ma Izeira, pois d'ahi, qasarlegaa a Mra-
te A. -r ) e que voltauJo d'alli >enl ,u a-fazenda
do autur em frente a Ligo referida.
Dz aflsilSfej quena) se lembra -e o a pit'
Vinato man ion cora elles (Joocailo hrntovao para
mostrar a Taboca.
Disse tambara a Os 134, una en frente aquella
mu.ai;-a havia um inamoe ro, e uraa cap "ira de
roga. (Nio Juplicoa ambas as o rasas talvez para
discordar d-: sea irmao Joaioim Loan-lro testerau-
nhas dos reos, com quera apssar vo eon^rdau-
do.
Que depois de son pai, e nm pouco mais abaixo
da sitnaeao por ells f ta na Taboca, J -s Antinio
e Luiz 'i-'-i!rvra sitnaram T-booa de-Balxijt igno-
ran Jo p.r 1 r'eoj de inr-m. (Sa disseise por i-rJeai
da Viei-irm cracerAva en tudo eom Joaquim
Leandro, e as inaw teste-nu.'ih.is dos ris tli.
13:1).
Finalmente, a fia. 102 st noticia do.bal3amo,e
da cacunbi, a:sitn como de tabocas, tanto era fren
le a Marizeira, como era oniros pontos do sitio, nao
sabVolo (as tambera nao dizeado o contrarii) s-
foi es 1 antigo tahoeal, que hnqve 00 Marizeira,
ao respectivo inventario.
Talvez se admiren os autora', e clamara -innova-
ci o que acabamos de demonstrar fun lados em
seu proprio Malo, na p'arjta do larrea, no exiguo
prepa por qae fcouverara atierra em que>ilo, e fl
nalnaaota nos,rXK)000, aba, dedoailis aa tres
deae^ies j raeaciooaJas, anda llrarara na Data:
Como ijuer qne seja, entendalo* assim apr-xi-
marvabe-aos otis da verJa lo o da inte: qo do doa-
dor do queaa-autores que prateoiam contra seu
o nome do Taboca de^ proprio ti tala, e sob fundarneios-qae ticario mul-
to longe le pravar, apossaFse* com cento e tantos
rail r.is, de anj ierren) qae r'pfeaenta mais de
metade de meHde de u o 1 data .-unerior em valor
a uto cont de res! Coa;lulda assira esta con-i-
deraQar, vallemos ao'larcciro asserto dos au-
tores.
T5egnndo o iirelto romano lv. 43, I", bastaba
a boa-i-jta posiuiJcr no principio da-prescripca-i;
linJa que pelo decurso viese ella 00 couheciwin-
te-*lla.dlie nao ponencia, sempre o espaco
la prescripia continuays. Esta mesma doutrina
foi adptala pele eedigo civH franc-ez no art. 2269.
Nossa ordenacao, potm. segaio a essa respeito
o direito cannico, segundo o qual para so dar boa.
aa posse para a prescripcao ;i1 luiziva, oa ex
piera dea qa"ih lagar o nome de Taboca.
Dir 8* a ">. 170 que seu raariJ-o eacontrara
nm p de raamoiro na Taboca (lago era alli a
raioc-) assira c m> d ub roodos ura cora palhas
ue mi no, e oatro cora ps de algodSo ; ("ntretanlo
era o lazar inculto e defcouhecido coran dizem o>
autoras em seu iib>d|o I) .
D3?o ainda a fh. 172, quseo marido antai do
vir para a T.b ca (hote-se par a Tab-ca) j era
vamieiro, e raorador do autor Valeriano era S.
Doraingos.
Ftaalmenip, a fl. 172 confessa a casto o compa-
dreso, qae l-im cora oaotor Valeriano, e a vhgem
da sea marida a Moato Alesrs, que diz" ter sido
com lira d^rso.
Ora a vista do exposto, qae" tirado como se v
do vratro dos a.tos, e -toa proprios moradores,
Ciimpidres e testemimhas dos autores podero
ellailiaerai-da nome at a hirnt, e ni am ponto-eerto, e por
'.idos coniiecMo era fre* a aatrlelra onle p r
admiravel CjineHeflHrwflwariKif *tf primeira si-
lfa(SrjT"
D'C'inl Pidutni i*t JHilas.......
Deraoosira-Jj cono flea, que a Taboca ponto
partitivo das terrr.s, -pie o finado Francisco Jos
de Ara gao I-gira a Ma sobrhbo Anua Rila, eesta
pas.- o por >voda a.s autores longe de ser todo o
riacho Ja Tabico, u a barra Jaste com o do Sipo
pelo contrario o lugar era conliacid) Cos aa-
gis e m-oJ irnos, que demora em trente a Laga da
Mirizeira quasi urna leua cima da birra rehn-
la, a o raa-m 1 am j-ie o vaqueiro do autor Vare
liano sltuia -ua p- meira fizendi no anno de 1837,
ppsaamos a de jtfOSK n que o riacho da Taboca da
mesraa frm 1, quo o la Sipo lira jua-i todas as
snas aguas d s t.-rr-nos i;ue se limitara cora o rio
Salgad^ o cm?-!ga.a'.eraeota qua .i|u3uneae
fgraeoso, Jasutuido da criterio o aegondjo motivo,
pa all^garam os aut-ires para torcerein a ieifti-
ao do do-1 -r clara n '. rminaoteraenia manifesta-
da no di'eum-ralo i" fl*. 42.
Smio a ruva, (na phrase dos Praxisla-) parta
ramio importante, ou antas deci.-iva das demandas,
constitue-se p ir assira dizer nica alma do pro-
cesso, quan-1) o phito versa como este subre ma
teiia puramente Je facto. Nao basta, diz o conse-
ih.'.rn Pi'iieal Bueno em seus aponlamentos s'-bre
as formalj !aj8' do proe. eiv. pag. 84, que as par
tesalleguera era juizo os faetoa a'oada deiazem
seas pretendidos dreitos, de naeessidada que
provena, que damoaslrem, e qae conlirmero, oqut-
allegara, mxime qaando o tas partes -ao aulore*
acoreceatara is t% pois alara das pecas, que lhis
- 1 fulminis a p^la or J. li. 3* til. 31 e liv. 4*
til. 82 5 2' oa aojo nao provarem in'eiramenta sua
iateaeao. e.-t> anda snjaitoa as que sao estabele-
ci ios pelo av. de 10 de dezembro de 1838, e art. 10
Ja disp. prov. sobre a a-Jraini:tracao da jusii(a
civil.
Vejamos eatratanto se pruvaram os autores o
pie allegaram ao art. JJe seu libello, isto que
o riacho Taboca uo recebia aguas no balanco, nu
limites cora o rio Silgado, visto que foi e>ts o seu
segando assett).
Oito orara as testpmunhis apresenladas pelas
;r.itores, e Jasta> ( mrabile Jicla) sratnie tres ti-
rara perguntada por seu advogado a esse res-
psi lo:
A Ia di se na i i saber.
A 2' que responden, que o rtath] Taboca para
tr-/. r guas do halau^.i, a limites do Slgalo
seria preciso abiixir os'iNflttlsa......
B a 5*, que respondeu a lia. t-35, que o riach
Taboca recebia gua no balanco, oa limites c.m
o no Salgado, nao t pelo riacho Caideiro com
tambera malta era cima pelo riacho Algo'ao, e
irnus corregos, que dc'jejavam no raesmo Tibjca
to Jas suas aguas.
Jsi declarat-o da o' teatomanha dos antore1,
erado collrraa Ja pelas teste ai unbas l", 2*. 4a e 8-
dos reos, como *.a pode ver a fls. 181, 182, 197,
212 e 268 do 1 autos deu lugar, a que os raesmos.
autores (tal era a conviccao que Huhain de ser a
a vi-rdade o contrario do qua a esse respeito alie
guara era bu libido) nao sement deixassm_de
aut mais paranlas a ese respeito 4", 6', 7*6
8J ta^teraunh.s que anda produzirara, como tam-
bam que nio raai inslstissera pela vi.-loria, que
jara e>ie, a ouiros fins tinbara requerido nu
ir!. II do seu liBcilo II
Agora qae nos podemos lisonjear de hav^r pro-
vadu ato a oldaa evidencia com a topographu
do terreno, cora as u-o testemuuhis dos auture*, e com o silencio, ou
confiar) tacita Jos meamos qne o riacho Taboca
traz qnasi toda as snas aguas do b;-la jc, >, ou li
miles eom o rio Slgalo, assim como queaTab
ca a que se refere o (toador no documento do
Oa. 42 era o lagar em trete a Manzeira, a es
querda do riacho Taboca, e o mesrao em qae ama
legua cima da barra pouco atis on menos le
vantou o autor Valeriano aa anno de 1837 sua
primeira situaran, saja-nos permittido pergun
lar-ibes qual a tribunal, a lei, oa o Praxisu de
jii--.ii anda esperara Ss. Ss. apoio ne-la acc.au ? Se.
S-. qae pnr certo nio melborariam de posicau
anda qnaado futse o riacho Stp o qae se nega
o nico, cojas aguas vie-seni doa limites do Sal
gado, por nianto dizendo o doador; principiara'
ia Taboca riacho cima lado esqturdo at as aguas
tiueuva indispensavel'qne o possuldor uatta jus-
jd njotjvo para persuadir-se de que propntario;
nao sendo paraisso snfftciente o jasto- tttnlr, pnis
peeir delle peda o- posmiidor sal r, verbi c gra'.ia.
que a cousa nao era Ja juoile qua lii'a veodau ; da
raosina forma que se pode dar boa f no injusto
possuidor, isto na juella quo ignora ter compra
iboquem nao era senhur, Caelho da Rocha vil.
i" I '59, 10 lioe, Ion. seas. 41 sobre a boa e roa '
das preicrip^oea.
Fazon-lj poia, applosgao r.os autores desses e ou-
Iros principios de direito oom relago ao scii tor-
c iro asteria, isto a presisripcao que invocara fun-
dados na pretensa p se da mais de 30 aun 1-, v
se que ella no Ihes pole aproveitar : 1, por >er
ab urdo, e contra seu proprio^itulo d > 42, per-
suaiirem se que erara seuh T's do lado Jire.to do
Riacho Taboca, de--d-> que prescreveu-ihes o mes-
rao titulo em que se fu Jara comente o lado es-
juardo diqu-ll; riach 1 : 3, porque a vista doa
principios cima esp-nlidos nai se deve julgaaa
posse em favor daquelle que evidentemente se co-
nhace nao ser sauhor da proprieltde. Coa-olidago.
lis leis civis, art. 818 : 3o, porque em 1 rrenos
era coramnra, oa naquelles cujoa limites sao duvi
Josas, ou esto confundido*, nao lera lugar a pres-
cripgo, doulr. das aoc. 2S2 : i", liualm :mte, por
uu essas mesmas posses que allegara os autores
na 1 forara era todo o terreno de que se querera
chamar aenboies, e eram sempre acompanhadas de
ouiras tantas posses d las por moradores Ja Vic-
torina, de lo Dantas Rotha, e ltimamente dos
reos qae Ihes representara como se acha exube-
rantemente provado dos autos pelas te-uii.uLh..:-
proJuzidas pt e contra.
E de niiia como crmpnhender-o que os
autores estivessem a mais de 30 annos na posse
mansa e exclusiva dos terrenos, qua se eslendem
por todo o lado esqu-ido do Sipo, e direita o es-
quarda do Riacho Tuhoca, desde a barra at as
nasseacas de ambo<, qoando ignoravam, e com
pesar iran provar-se, quo o Riacho Taboca d;>
qual se dizem de nossej recebe aguas no Salgado
j pe-es Riachos Caldeiri) e Algj>d) que sao o
mesrao Taboca, ji por outros muitos orregos?
Uu os autores trabara a possa exclusiva do Ria
cho Taboca, oa nao a tioliam : Se liaaatn daviam
saber queoHe da mesma forma qae c do Sq re-
cabe aguas nos limitas do Salgado, e consetui-le-
oc 11 le argumentaran de iu f, e cal<:ul.idameiile
qaando no ait. 3' de seu libello allegaram o con-
trario attm de jasiifiparara sua preletcio a direila
do rnesmo e esquerda do Sipo.
E se nao a tinham como invo.'am era seu favor
a prescripro ? I
O a Ivogado,
Antonio Altico de Souza Leite.
lovou ao r-xiesso,talvez, as reftriccoes, setido neces-
satas, mwllaenament adoptar nm'sjstijwvjuaali*
berai, chegando a lai ultima da 14 de jullu de ISG7
a dispensar a aatorisajo do governo para forma-
r 1 de'sociedades anonym'as.
Entretanto, ah mesrao os espiritos mais liberaos
se mostrara temerosos -dos-effeitos-qao este dispen-
sa poder prodazif. .......
P i$ bem, aessa lot existe am artigo assira cu-
cebiJa. ^ .
Les aitions ou eouporf! a*ijsWon soaaf'B'^IHp
ahl-s aprs le vorsement da qiart.
Mr. 1!-deride ao commentatio que pablicou ana
litan lo a lei, diz:
i S ib o imperi 1 da lei Je 1336 aa acerjes oa
camellas de ad^oas f eram aagocianeia depoH
da r -.1 jjc5o il dous qniqlos do eeu valor.
Assim, era quanlo bastava para a const'.iu ;ao da
sociedaJe a realisagao do qaarto das acedes, so
vinbam eslaavjt ser negociaren depots de uma
nova entrada que chegaasa aos dondmete*.
Esta ex'gencia nenftn na cnnlagen o/ferea a
t sociedadeimrpodia occanonar-lhe um perigo. E'
v ividenti, g>m etleito, que se o quarto era bas-
t tarrle para criar um fundo de movimeoto (roa-
< lumpnj .<> qiiiirp.ya ^ pr"-r ftnigflnpia Ju
f opera^oes ludo que entraste na caixa alm disto
ficata condemnndo a ser improiuclivo e em pura
t per da.
c O que"-hua das v?ies resulta dejta exabefn-
t cia da caixa qae para fazo-la valer atira-sa a
apetencia a empresss temerarias e arriscailai", por
moda qao, visando ao iuteresse se ex toe. a per-
der o capital e acomprorae'.tfr o futuro da so-
ciedade,.
6"m-effeita, bnsti hnje a entrada do quarto
para qin as (Wfitt pussam ser nigodaotis e en ti
1 negoct < nio da socteduie.
t N's'a poca sa nao poder iraagiaar acr8a?
c qn-s tivessem reali-aJo o quarto e miras u ,
< pala excelieale razio que pira a mesma consli-
1 luica O'-cssari) que todas as act;5cs, sem ex-
f capea", tenbara operado essa entrada,
t Desda que, por lanto uma diolas for aprespn-
1 Uda r saiarm-ule a negooaijio iod:.s as oatras
t temo sido forcos.imente libti l das do quarto. .lo
caso contrario nio :-eria a negociacao, mas a
f mesma soeledade qne, irreg ilarmente coustluida
saris tanda da aullido le radical.
1 A ieali*acan do |Uirto ptescripta pelo art.
t 1" tem, pois, e.v-^ dupi 1 tflbito, chegar por elle a
constituidlo ia socieJade; tomar as acc/5ea ue-
f gociaveis no da mesrao de-ta conslituicae.
liis aqui temo Mr. Rrderide enlerpretou o arti-
go Ja lei fraucaza, qua idantino ao nosso, usando
quasi das mesmas expressoes.
Ei- ah ex.ilicj Jo o lira a qae se propooz o le-
gislador francez e o uosso, dispoudo por igual
modo.
E' assira qae tambem iotendem os jurisct.su!-
tos ingltzes, como se pola ver era Wesloby Leg
logl.
irmus hover demnstralo O03sa ihese e jastifl-
calo a iaterpiL-iaoao qua damos a lei de 22 de
agosto de 1860adecretos, que paraiua execucao
lera sido promulgados.
O mesma tr b mal do coraraercio, po-to que fir-
nias.se a intelligeacia que saneramos, declarando
que ejt'geacia Jj lei vtrsava sobro o quarto de
cala aec.o, julgoo. ser a materia controvertida li-
milandd-s-e a firmar essa intellgencia sera julgar
que n corrector fosse passivel da pena do decreto
0. 2,733.
O que cumpre agora a provocar uraa deci-ao
delira! va para resguardar legtimos intepesses do
commercio, qua era vio clama por intorpreaca-..
Je leis que lixera as regras por jue se Javera re-
ger.
Estimarais ver as d-raos ducatirera a materia
com a proflciencia e illustragio quo Ihe3 stbi-ji, e
de que, eonleasamo-lo sin |j>, somos pebres.
Rec:fe, 29 da novarabro da 1871.
Um advigado.
O capMSo Ilearique c Slaatla
Ileuriquot.
J nio existe o capillo ll.mri no de Miranda
Henri;ues I Foi carta a sua perigrioaijo terrena
e qnaado pareca ter locado o Z-nih da existen-
cia j eslava bera perto do seu occaso I
Filho da uraa familia distincta, teve por 8:us
pr^geoitores o Dr. Beato Joaqu ra de Miranda la
riqu^s e sua eonsorte D. H ireulana Du-.rte de
Miranda Henriqnei.
Embalado em um berco deceots o i lastre fina-
do recebeu orna educscao desvelada e condigna
cora o seu nasciraeoto, e cora a posico de seus
paea.
Attingiodo sua maioridade enirou na vida pu-
blica e nella eonaerveu-se cora aquella probidade
e regidez de principi-.s nelle bem cnuhtcilos, at
o dia era que timlou a sua misso sebre este vai le
delagrirnaa.
Fi ho obedieote, pareeo-rae que ren leu saa alma
ao Creador Iivre de remreos de ter tallado o de-
ver de bom filho.
Pai cafrahoso, peso .isseverar quo foi o proto-
typo deste nome. Esposa estreraoso, sonbe sa-la
parado a saa dignidale impunha-ihe este livor sa-
grada, Iraao exemplar. nanea sonbe qu brar os
doces lacas frat rnaes. Amino verdf leiro. era ura
los poucas que ainda sabara se-lo. CiJado prest-
rnoso. nucca fnrtou-se ao servido de seu paiz. Per-
tencia ao partido conservador, o a nrmeaa da seu
carcter como hornera poltico, qua altestera os
seus aliados !...
Morreu na ida lo de 38 annos, ai o la na Ihr.da
vida ; de'xou ura filho menor, e uraa exposa on-
iregues dor e mais pungente saudaJe. A f >r-
uaa que Ihes deixou foi to parca, que mais vale
lo n :m- honroso que Ihes legou como urna heran-
5a immorredoura
A dr causada pelo sea pasamento abri ama
chaga aos caracol dos sea3 paremos e amigos.
A lembranca de suas virtudes sei sampre um
conforto para aquellos qua tv rara occasio de
exp-rmentar as suas boas qnalidades.
Para tolos os que pnnieiam a saa morte s
resta um lenitivo.O balsamo da religiiioan\ea
iracjo consoladora para os que vivera raergulha-
dos na mais vehemente saudade.
A' sna icconsolavel esposa os meus sinceros pe-
zames ; sua extremosa mili e minha ta uma pa-
lavra de consolaco ; ao 3eu innocente Q.hinho um
sculo nascido de ura sentimento intimo ; a todos
os seus irmaos, meus primos e amigos um perto
do mso, jamis pura e singela rar.nifa3laeao da
minha profunda dr.
.Noveraoro 29 de 1874.
Joao Duarte C. da Gama.
Itiesfo jnrlilica.
ARTIAO vi.
r'Conc/iiSo).
As diversas commnac5es a que tem sido preciso
recorrer para aaaegurar de om lado os beneficios
3ae as sociedades aoonymas ectmmaadiir.rias sao
estioadas a realisar, a de outru evitar catastro-
phes, asegurando ua ju.-ta medida garantas aos
que de boa t arriscara seas ca pitaes como accio
listas, cu tratara eom taes asseciacoes, para era
arrastar os incautos nem afogentar os temero-os,
io arada objecto de constantes estados nos palies
mais adiantados em eivilisaean. Ah nio smente
se chana cada da novas combinaco 's como aa das
-ociedades cooperativas e de respoasebilidade limi-
tada, como se retoca frequeoteraento a legisla^ao
do Salgado, fieou sendo Taioa! poni de partido I com rclaeao as dita sociedades, conforme as li-
designado, e. riacho da Tabica cima lado esquer- toes de experiencia,exigindo se cu dispensanlo-se
do torno de seguida obngado. i autorisa?o e inttrveacao do governo, e ampliando-
D'onJe se v que nao eaoontrando a donatana, i se u restringraJo-se a aculdade de emettir ac-
o'j antes Ss. Ss. no ara deste ponto, oa liaba aguas (des ao portadar.
do Salgado, tiobana mais motivo, apesar do erro
do doador, para supporemser aqaeHe a seu ter
reno, do qae para coatra sea proprio titulo e n
ve riendo a iotenfo da doador descereza diqaelie
ponto at a barra ipotiaado-se assira de ara, e
cutro lado do liacho Taboea a da extrema esquer-
da do Sipo, Slc'riacho' airas bem eoBtMeido oa
qu lie lempo, e que pesar dedarseaaMoe a
Data eao fui rxencionatfii pelo doador.
Aioda uraa considerara) sobre este tpico.
Do d cimento qua jomamos sob a. i combinado
em a planta do Mrewi.ttmnru) junta, \5-se ola-
raraema qne o pedaoo da trra deado pele finado
sVragao asna briap* Aa na Rita,, a apenas as. tres
qnartof dalegaw do lerrao,,qiieie encobtram en-
tre a Ttbooa m freata a Marizeira, 0 a emboca-
dora do Riacho CalJeirao na rneiroo Taboca, lodo
bdo esquerdo aie as extremas da Dita com Raiza
3 do r^p^ojuzr por OTaaonno s-^
agar Taboca desigosdo pelo doador como jVnjr?;' ,
He partida do pedaco de trra, que logara poT es- Jt.'ade ; e isto nio por qae a partir.daqueJIe
mwa ?ga aobrioha Aona Rita, pedazo d9 torra I ponto Taboea >*!> riach a ariraa, o RBChe'Csrdei-
rJngne ipglezWtfd of Glanoteneferro.
kuAo TJurle-alleaaa-Afrfi-vanos gerwroa.
Despachos e tatfOFta^io no dia 28 Ja
. noveinbro.
. Part 09 porto* da ciiarrbr.
. Na,batca tnajoa*Bi aVaIJ ipaana- Liverpool
cartegaram : Saanders Broihers i C. 80 saeeas
coui 7J53 kilos da alaoda. _
Wb.aroa \i0mTj))mrSam, N" Liverpool,
carreaaaran : Si. beltao .Irmao 500 siccas i ni
40,016 kilos Ja algodSo : Saundera Brcihers & C,
l-iOsaccojcjai 10,850 kilos de minear masca-
vade.
Wo nav^o raglez Ciurir, para-iivarpojl, car-
reparara : Tinnaz J. llenes >x ftjn saccas com
2.0I2 kilos1 de algotfn.
Na barco fraooeza Granvilt. para o Hivre,
carregarara : Tisael Ireres & C. W7 sacca3 eom
36.3f(iuls-dc efijuvjro.
No patacho hespanhol Jain, para Barccllo-
na, .carregott : P. M. Maury 129 saccas ccuj
9,180 kilos do algodao.
No brigae porlagaez Relmpago, para a P.or-
te, eafHg'i: Maneei Moreira ifc seceas eoa
1011 kilos de algodao.
Na patacho nacional AfarmAo, para o ^0 da
i'ra: i, c,arregararn ; Atnonu Iruios i C. 30 bar-
ricas com 36,473 kilos de assucar braoco.
No navio austraco Genolano, para Liver-
pool, carregarara : Antonio de Oliveira 800 sactot
cora 6J.0C0 kilos de assucar maacavado ; Viava
la-t'.s 500 des com 30.000 ditos de dito.
No briguH portuguM CoUU, para LifaVa,
carroearam : E. R. Rabello 4 C 1,9.0 sacaos
cora 40,r;t ffl daiwaaartiaijoajvaJb. '
Na ?Mera pertignoaa Lisboa, para iV r \
carrejjaram : S ares Prunos 100 saceos cc:n T.jaj)
kilos de assucar raascavado.
No vapor MjwMaP, pare Liverpool, car-
rrgirara : Henry Willmer 4 II i barrica IH aba-
caxis com 70 kilos.
Para os portoB do interior.
No patacho brasileiro Guilheimina,
Rio Gran-le do Sul, earregaram : Oliveira
50 pipas com 24,000 litros de agurdenle.
Na barcaca Henriquela, para Mu so carre-
garara : Slva Irmios 0 pipas com l.60 litro de
agurdente.
ABELLA Dios prkcos nos ormo3 sraerros a r>
RFITO DE EXPOBTACAO. SEMANA DS 47 DE SO-
VBHBR0 A 2 DE DEZEMBRO DE 1871.
A escola liberal qur, como de saa ndole, o
desenvolvimeolo do crdito com todos os seus pe-
rigos, desastres e quedas, inspirada no celebra prin-
cipio da Ituur ster et (aire ; a conservadora, ao
contrario, qur a iuterveaotu.do governo, a res
trieco por eaattias pratoudofatiWtBlfirasse pa
biieo na medida nacesaaria para j'.^t o ea hu
siaimc e regular o aflitan, amparando calaclis
roa*.
Na Inglaterra nao cortamente onde predomi
na a e-coU. liberar, oa Fraooa na* mais na Alle-
raanhi o regalaraenio patees sociedade severo.
Na priratwe dsses paitas a forma*/* da com-
panhas anonyraas depeada de muius formalida-
des a do acto* do governo ou do par.iaawoto, ua
aa execulaib a rissa : ltimamente se flreou urna
nova coubina^So, a da oeiedades de respowabi-
ltda.de eoilaa*. t a
Na Franca a' lai de ISof sob a impreaeo de uma
liqai'J;acS-i desastrosa decretnu medidas severas e
para o
F.Iboe
Mercadorias: Unidades.
.Vbanos......... dnzia
AlgodSo em caroeo..... kilcg.
dem em rama ou em la. *
Cirneiros vivos....... um
Porcos dem.......
Arroz com casca. .
dem descascado ou pilado
Assucar branco ......
dem mascavado......
dem refinado.......
(Jallinhas........ ama
3"
kilog.
>
Valore*.
.100
3H
475
42000
2J00O
68
177
o
lii
436
mm
5t]00
oa men-
litro
.... kilog.
.
earmentadas:
. litr.
kilog.
N.428. OA MA.NEhU COMO SE DEVE VI-
VER. E' por certa uraa cousa mui fcil par
uma pessoa eaibutir-sa quasi raortalroente cora
remedios purgativos compostes de mizteraee acta-
do e veaenosos, p rom igualmente se a< ha ao si-u
alcance o polar resiabekcar a saide e (oreas laa-
csado mo do nico abanico capaz de re.-laurai
as ioterroapidas ttsfcteea do apparelho digestivo
3ercrecao e axpolso, a um estado peifeito de sa,
ia, sem qaa dtrao:e sua oparagao curativa de
bilite o systema.
as pimas assucaradas de Brislcl. encontrar-
se-ha este grande rastillado, oquai tem sido, por
lempo i m memoria ve! debalda procurado e deseja
do. Ellas sao d'uma Inestimavel a^eilacao para o
Jjspeticos, os qaa seifrem de pris-ao ie venare, o?
biliesrs, os rbenmaiicos, es hy-lmpicos, os exu-
nnados de tercas,n'uraa palavra, sao de sarama
t (Reacia para iodos os que si-ffrem m lestias prc-
c -Jantes do estomago, do iija io ou dos intestinos,
sendo am meio pr^mpto e seguro para o alcance
le immedlato all vio.
Era te ios os casos le molestias ehrenicas (como
seja i : rheumathmx .-.if^o.'s do lgalo, byarope
sia e Neuralgia) ou qaando a eaferraidada ?apre-
sents ura aspecto ulcerosa, nesse caso a sal-apar-
r.lha de Bri-tol, como uno poderoso meio de enri-
quecer e puniiear o sangue, poda sor lomada cora
summa vaatagera &JDjuociameote, cora as pilulas.
Ellas vo metti-las dentro de vilrinhos e por isso
a ;ua conservado intacta era tolos os ciira s.
COSVlMERCtCL
PERlL
Compaiihia <
fo^o.
cento
kilog.
um

kiioc
duzia.
cento
kilog.
centro

kilog,
seguros
contra
AGENTES
s. p. joimsroy & c-,
(aua ;la ttcszala-nova ti.
49.
THE AMJANGE BRITISH A FOREGN.
Life and Fire Asararanee Corapany ealabelecidi
ira 1814. Capital 5,000,000
Os gentes -Jesta -.orapaahia tomara segaros
entra togo "sobra predios, gneros o fa.:endas
pagara aqai prejaizos devidaraente prcva-Jos.
Rabo Schmett.au A G
Corpo Santo n. 15.
Seguros cantra-fogo
COMPAjNJUA
ORTHE
Capital.
Fundo de
,......20,000:000*000
reserva .... 8,000:000*000
Agentes,
.lls Lithan & C.
SEGURO CONTRA FG
Tho Liverpool Lon1oo & Glob
Insurance Comp.aoy.
Ag3Qtes :
Saonders Brothers 4 G.
IICorpo Saratoli.
PRACA DO RBCira M E NOVEMBRO.
DE 1871.
AS 3 i/3 BOCAS DA TABDI.
Cotttoes officiae.
Algodaoda Parahybt t*'aorta 392 rs. por kilo
posto a bordo a frete de N. e Od
Jambio sobre Londres a 90 d/v. 25 d., e do
bao io 2 i 3|i i. por !000.
;i. (i. Stepple,
Presidente.
P. J Pinto
Secretario.
_
ALFANDEGA
Rendimento do dia 1 a 28. .
'.(Um do dia 29 ....
l,i?il.0.l'.).S'l7
39:al298:J
1,190:552^00
aiovitaeal^ da alfadega.
Volumes eoiradaa
.
Votamos

saludos
>
sem
com
com
eom
faxaadaa
geaeros
wjeadta
generes
5k
m
m
22
73
m
Descarreaaa b,aja 30 de novanbea
Barca fraoceta ytriianavarios geaafoa.
Patacbo iftilerCarjfjn",.j>ra.
rtfigua ingiezfincat.via. rtsiP
P^tacba nglea/farinha da tragp.
Pataebo amricaDOCnpier i/arinia de trigo.
Platino portugnea^wvarios geaeros.
pagaras .
Azeite do amendoira
obim.....
dem de coco .
dem de mamona. .
Batatas alimenticias.
Baunilha ....
Bebidas espirituosas
Aguardante cachaca.
dem de canna......
dem genebra......
dem restilada......
dem alcool........
dem cerveja......
dem vinagre.......
dem vinho de caj......
Bolaeha (loa. comprehendtdos os
biscoitos........
dem ordinaria, propria para
embaniue........
(iif bom.......
dem escolha ou rcstolho .
dem torrado on moide. .
Cal branca........
dem preta........
Carne secca ( xarque ). .
Caxvia vegetal.......
C^ra amarella. .......
dem de carnauba em "bruto. .
dem idem era velas, ....
Cha..........
Cocos saceos.......
Chita.........
Coutos de boi, seceos salgados.
dem idem espichados....
dem idem verdes.....
dem '!a cabras cortidos .
(dora de onca.......
Docr-s om calda.....
dem em gel*a mi massa. .
Idem soceos.......
Espanadores de peonas grndes .
Idam pequeos......
(era de palha.......
Ssteiras de carnauba ....
dem propria para forroou estiva
de navio........
Estopa nacional......
'.irulia de aramia.....
Llera de mandioca.....
Feijo da qualquer qualidade. .
s-umo charutos......
dem garro3.......
Idem idem folha bom. .
Idee era folha, ordinario ou res-
lomllio ........
dem em rolo e em latas bom .
Idem, ordinario ourestoiho. .
Rap
Somata de mandioca, (polvho).
pecacuanha ( raiz ).....
vnsieo (toros)......
'.aibros'........
Ensarnes........
Frechaes........
lacarand (conroeiras) .
Lenha em achas......
Idem em toros......
Linhas e estelos......
Luur s nranches).....
Pao Brasil........
dem de jangada......
(juiris ......
Vinhatico costadinho de 23 a 30
mili i metros de grossura. .
(dem pranehoes de dous costa-
dos at 50 millimetros de gros-
sura .........
idem tabeado -de menos de 25
millimetros de grossura .
Taboado dirsrso......
Tatajuba........
Prave*.........
Varas para ; escar.....
Idem para.i.'.iihadas .
dem nara canoas.....
Cavernas do sucnpira(em obra)
Eixos d eieupira para carro. .
Melaeo........
Scl de abeJha,......
Milho...........
Ossos
Palha do carnauba.....molhos
Pechury........kilog.
Pedras de amolar '-
dem de filtrar......
dem de rebollo j i
Pelmas de em.a. ...*.. a
Piassava.........molbca
Ponta3 ou chifres de novtlho oa
vacca.........cento
Sabao.........kog.
Sal. ...,....,.
Salsaparrilha.......
Saptos de ooaro beanco... par
Sebo ou graxa enrama kilog.
dem cm velas. ,.
sola e vaqueta.....,
Tapioca. ........
lobas de boi.......eealo
Yassouras de carnauba daaia
dem de piaasava.....
[dora de imb. i k >
Alfandega, ae Pernambuno, 25 de ovembo da
10*1
O i.* conferenle Francitco di P. 6efge V
smm
O aVraasjfereBJe H. Vm-tnu ** Cm*-
Approvo. Alfandega, 23 d aoaeaabro e i'l-
--Paes d Atndrud*.
Conforme.Joaqu** Ttrtuliam di Jettu*.
REGliBtORIA UE RENDAS INTERNAS
GIRHS DE PBBNAMBeW.
lnolmento da tffal a!8. 33:$i'0j2!
-fruio V**'...... tg|W

duzia
ura


duzia
cento

um

kilog.
ura
duzia
937
73
52.1
lOi
156
300
330
TOO
337
400
100
m
478
20*
*
US
9t9
3
27
28
168
441
.36
763
4j:t6>
i.XW
1*438
56
640
370
'
lOiOOO
I,l3:i
784
2i*J
-48*OO
24000
12iOO
10/000
i-.: 00
i 36
681
92
i 72
390
1*090
6il
r>sl
;->
2iKI
i*703
60/tWO
360
I|.o00
5 000
93)500*
3OW)
I? W
60G0
lO^O
103
530HI
ti^LK-O
ura 16 drzia
kilog.
uma
duria
t
orna
>
par
kilog.
MOOO
1-449060
Niooe
33
6i(X0
2i408
OOO
34900
16*000
35
320
611
16
1J00U
817
31
18

4796
160
280
348
10
204:i
800
340
476
1*200
20*
360
768
1*200
m
"-
f
i\


v
i
'
t
*
*
^
4
i*
s
s

33:3'ii:i
CON'SCT.ADO PrtOVW(aAL.
eadiaorato do Jia 1 a 23. 8187I.I0OO
*







ir81iJM"d t^mbur* 'Quii* 'ei 30 "de'mindtt Mi M71.
**
i
faena 4o i-t S
*......r*-------------"--------7-----r-if l !
3.7361091 ABMINITiACA} DOS CGRRB3 DE *ER-
NAMBU0 30 DE NOVEMBRO DE 1871.

...... i
MOtfiMtHTO m TORIO,
'varioi intrads no Sin ,35.
Terra-N,* dus, escuna Zngteza 'Diana:, de
138 t *t**a, eapuaai'BsIl. eeoipag'irl 8, carga-
IjWo fcarmas ou baealho ; a S>oers Bro-
taers & C.
Navios stkides- evsm> d*a.
LisbiBrigue poriaguez BHl* Fignfiii*iue,iet\-
prtio *m-tlre. fe- Sobrmrto, carga assaear e
onerot f nares. %) \.
Ltverpool'-Bartra inglezt lyndafc, eapiio William
Sule, carga aigodo.
!i-----
8:63T*092 Malas pt|o yapar, pojuca ds Companhia Per-
li = naaibuCana. \
A correspondencia que ua-dastr expatliJa
hnj> (I0>fi >MPr-.a4qHr.nK4>1EVdu para os
piros doerte-ai a SrMiJs, fef-HPacebiJa pila
raaneira-. seguale:
lla reza, e carta a registrar, al 2 horas da Urde,
arta ordinaria? -at &*fa, e estas al 3 1,2
pajw^foaw deato. ^ ^^^
|ffj| dltqp Barros.
" .-.- ____.....- '

EClTAtS

Pertnte a cmara maoieipal desta cidado,
esnarao era praca nos diaa 29 e 30 do torrente e
i* d d r. sube i vmlouru, paFa aer arrematado par
qcf.ii meoor p'e;> ofhrecer a obra da c.slru:-
5o t um tetheiro pra serr* de maudouro
a flfga-aada Puc 4* Baaeila, avallado em rs.
h'ATifOV),
As pesaoas.fciK' eraualera arrematar ompi-
recun fto pvn mumelpNl romeas de tueca.
**$. d.i cmara mankipal do Recite, 88 de no-
vembro d 1871.
Igaatio entum de S>uaa L;ao,
Pro-presidente.
Lourenco Bizerra Carueiro da Cunha.
________________&eersiarw>.___________
O l>r. Francisco de Carvalbu Soares Branda, jan
de onh'os e ausentes da eidide do Rente e
sea trra), p>r S. M. o Irrperador, que Deas
a urde, etc.
l'd'.e presente'f ico saber que no dia 30 i> cor-
reate, dip-xs da audi'-ccia tcste n'za i:;', a p-r- .
}*?r v n i., o b-n s;gume, serridu de base a
aviliica.) ab^t) deilarada :
l'.n- a* terrea a, JO, flu ta Tin do C.jii ou
ut<.-*& C\lbr>iQ\"tr*iaHt de Smt.Anto-
u'vj caaa ua poTU e onrt jme*i de fren;-, 22
p*;^-.. di vfw e BO da tf&>, 2 iHa, 3 cj na i tos,
corana tr, qoinial murad) e cacimt>a inle.ieo
det. eas *^ JWira rra*i8te .p r I li^K'JOO,
caja ea;a-vi a pr.;* par a.ft?a qtt^ mo-vc a
j m:a ali-inistraiiva da Santa Ca. dia ia Ret,:.; contra a Iteran^ jacenti; da D. Trae
res Pe? C riet
li, pata qoe chage ao-cochecimento de todos
inau !-i *aar o pre-en'e, qae sera aflS.talo no
iuc^r 2c costume e publicado pela imprensa.
Dad.) < i assado nesta cilade de R^clfe de
PeraambUf >, ao? 18 de novjrhbio tte 1871.
Bttafa s lia lo oim nmi esiampilhi de 400 rs.
devtdatseata inulilisada.
Fii eacruyer, subicrever e aligan.
C esfrivSi interino Ttiropho Alves da Silva^
Francisco deCirvaliio Snares Bl-attSo.
Ao sello 300 x. V. S. S. excausa. Soarts
Branda:.



GYHRASl) D81MTIC0
Sexta-feira l,de dezemb o
EpeelMalo em grattde (.'! em fplaow i
IMMEMU DS PORTUGAL
Depoia dos profesores da orchestra executarem
O hymtio nacional
a cumpanhia cantar
0 hymao de D. Luiz I
Segundo-se a primaira repreenlac,S) do ex-
eeUeule draa em 3 actos, orig-ual ponuguez in-
tala I j :
i
Terca-feV-WHyyfto^
it m'f A#UHW*rDDI*,
Agencia da ruido 13oni Jjsas d. z3 (o-
tr'ora da Croz.)
Aa eorwitomiriaMj ,
Movis, espejos, aup^relhj d* IjiJci para ian-
mr, e outros'inoitos aYi^TntHspwiiavels auso
domestico, j na -I? n(K) r prata, e n(* rieo fa fBftl-
ro, 1' QMBorSco fjgao, de ferro (iajghit)om todoJ
os prieji'a. \ ,
um gane tortrfo Jde crlSpltinhasde palha
e de velludo o que ha de mais modarnc para se-
tibora. si'*
Garlos fi^ll* Ar>oj41fa)ro liilao aeitna,
Trmioar o #'pectaBulo edoa a primeira repre-
sentado da graciosa comedia em 1 acta denomi-
na la :
. car
Principiara s 8 |2.
O bilhetes acha-se no escriptori do'lbeatro.
SABBDO
tECLAMCOES.
COMPANIIi
Espectculo em grande gala para solemnisar o
:i'inv-r?ari> natalicio de
S. HL o S. D. Padro II
Hnralo cora a respjilavel presenta do Exm. Sr.
Presidente da p oviaci i
Depois da companhia cantar
O hymno nacional
Representar-se-ba pela t>reer* vez a applauii-
da parodia, original biasiiiiro, iatiltiUda :
MIPEJUAL F
I.J04
Om dofT>roblen
k
lfe
19
DE
Miudezas e calcados.
Tercn-feira 5 de dezcmbro
As 11 horas eau pon.
O agente Pinto faT'leitSo,'por conta e risco de
quem perteocer, diUerentoa iwudeas, a cerca de
2JO duzias de sapalis de tranca e tapete 330 du-
ias de meias ptra bv>eo#, ifctl haraj do dia ci-
ma dito, uo aodar do sobrado da ra do Viga-
rio n. 5 __
O espectculo priocipiar cliegada de S. Exc.
Os bilhetes acham-se veoda no escriptorio do
theatro.
Principiar ? 8 1/i.
Eosaia-se, para subir brevemente scena o
magnirlco drama pnantajtlco
A ortii do eiiforcado
O ciixa da companhia o Sr. Corbiaiano
d'A^uiao F nseca, acba-se autorisado apa-
gar ao s;u escriptorio ra do Vifnr-io n. 11)
das I0.ii ras as 3 da tarde o 47 dividen-
do c*est; companbia naproporcSo do 35000
par cada accu, prevsnido-se aos Sr?. ac-
cionistas qoe o pagamento ser fei'o em
mo3 de cjbre, qoe na especie qie o
nesiD) Sr. caixa recebe dos areai;.tan.es
dos cbf rizas.
Escriptorio da companbia do Beberibe,
H de novembro de 1871.
O secretario.
.; > lunario Dijerra de Mwzts.
CoBselho k compras de na-
r'uilia.
0 coa?elbo em 4 de dezmibro prximo vindonro
caaita vista de propostas recebiias al as II
bora* da maLha, e sob as cnnaic-.-s flo estyio,
para os navios da armada e eit^beicciHieatos da
narintaa, n:- tuturo trimestre de Janeiro a marco,
o f jreciii.jnj dus obj -c na s-puintes :
Arroz do Maranha, azeile doce de Lstua, zei-
t; doce inferior, agurdente do 20 grjs, as-i>car
brtocj re3 lado, aleirii, araruta, assucar braneo
g-osso. bic.lbi, bolacha, bolachiaha americao,
caaglea ou milio puado, caf em g'S, cal raoi-
do, c!u by-'on, earne verde, cevadiuha, erne sec-
cada Rio Grande do Sal, carnauba eai velas fei-
js, iriaha de mandioca da ierra, galmbas, eoha,
autte, manteiga inglez, manleiga Iranctz, pao
siIjj maesa, sal, siearioas em velas, stearioas em
velas de 8 em libra, toucioho de Lsboa, tijolos de
acenaria grossa. lelha, viuho de Li'b)a, e vina-
gra tamb o de Li?bua.
Sala das ossoes do conselho de compran de ma
r aba de Peroambaco 27 de novembro de 1871.
O secretario,
Alexandre Rodrigues oob Anjos
AVISOS
A S-ABEfl :
O obrado da 2 andares da ra da Compa-
nbi Pernambbcaria n. 20, (ootr'ora ra
do Co ta n. 0) t do ou metade.
Urna casa com porfio a-j ldo na ra das
Crioulas (Capung Nova.)
Um terreno cofn p^qaefla casa dentro com
G J palmos de renie e 300 de fundo,
com alicorees para 3 caaai na frente, e
oii5) para a roa das Pernambucanas,
jnnto casa da venda, i casas terreas
na ra das Pernanubucanas junto ao ter-
reno cima.
Tcr(M-feira 5 da-dezembro
AO *10 A.
O ageute Piatjfi.rR'lBll*, rJa-^sedida a eompia-
leoie autorisagaj Oas casas e terreno* cima il
ffflptos, sendo que o leilo ter lugar ao raeio da
no Io aadar do sjbrado da ra do Yigario u."o,
por occasio do leilfr) de miudeaag e aahydo6.
LE1L10
DK
o caixfs com linhasem noveilos (sorlidas)
Tsfca-feira 5 de dezembre
s 10 1*2 horas
Por inlervencao do agente Pinto
No Io andar do sobrado da roa o V gario b. 5,
oQde haver em eontinaacao o leilo de miudezas
e calcados.
VISOS DIVERSOS
Sociedad e
Pi3 Santa
ra de paquetes a vapor.
At o dia 1 de dezeaibro esperado dos portos de
jul o vapor americano Memmuck, o qual de-
pois da demora do costme, seguir para New-
York, tocando no Pa e S. Thoraaz.
Para passagen?, et., trata-se cora os agentes
Hjnrv Forsier &C., ra do Comiuercio n. 8.
Fa-a Liverpool
A barca porlugueza Co.-fn (elasse 5|6 A 1, 1,
recebe algadi a fret-1 para completar sen carra-
eamento. Trata se na na di Vicario n. 19.
SANTA C.\Si DA MISEKIOHIA IX)
RECIFE.
A junta administrativa da ssnta casa precisa
contratar om qnabjuer slicilador a pre.staco dos
teas <''; s n foro da cidade de Olioda.
Secretaria da santa casa de misericordia do Re
c 17 de novembro de 1871.
O escrivo,
Pedro Rodrignea de Souza
santa casa da miserh;odu';d() recipe.
A Ulm, junta administrativa d Santa Casa de
Misericordia do Recif?, manda fater publico que
ata sala de suas sessS.'S, no dia 29 do m z de no-
vembro pelas 3 horas da tarde, tem de ser arre-
matad'H a qneru mais vanlagens olTerecer, pelo
t-'aapj de um a tre; anuos, as rendas dos predios
em sesa'ida declarados.
ESTABELECIMENTOS de caridade.
Ra de lloros.
S^rio n. 43 (andar e sotu.). 30i000
Rua larga do Rosario.
Segunio andar do sobrado n. t A. 308000
Uua du Prdre Forianno.
H*nn.47.........180*000
Ikia da Gloria.
r.a*a terrean/61.....240/000
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Rua da Guia.
Caea terrea n. 27......lirtOOO
Itou n 29........W/000
Largo do Pazaizo.
IAt da frente do sobra**. 2!. 192*000
Rua de S. lorge (Pilar).
,L*n n. 10........803*000
I .lea n. 108........205*000
lie.an. 98.........2055000
Os pretenSentes feverao apresentar no acto ds
orrenaatacao as suas ancas, ou compareoeren
ciis|wnha(los d*s respectivos Sadores.
Sacretaria da Saeta Casa ie Misericordia do la-
tk>., W de oufnhro te 1871.
O asortrao,
retro Rodrigues de Soaia.
Rio da Janeiro
Esnera-se a lodo o monrnto o brigue nacional
Unbd, o qual seguir com brevidade para o porto
cima, t"m parte da carg^ j engajada : para o
resto que Ihe falla trata-se com os consignatarios
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C, rua do
Bom J;sns n. 57, andar_________________
RIO DE JANEIRO
O pi.aeho nacional Esfrega e^t prompto, e o
cocignatario fa-lo-ha sahir em 4 das : se han-
veram carregad^res para 1,600 saceos de asquear:
a tratar com Jos Mara Palmetra, largo do Corpo
"$mto n. 4,1* andar._____________
Para o Porto
Vai saln* al domingo .'( de Jezembro mprete-
livelmente o brigue Rehmpgo: para a pouca
arga que ainda Ihe talla, i.ata-se ua rua do
Ap"H/> n. 20.
Monte
Cruz.
De ordena do socio presidente, c nvido a todos
os sucios de>ta socledade, para quese digiem com-
parecer na sala das sessoesno da sexta-feira H de
dezeinbro, pelas cinco horas da tarde, am de ira-
lar-se de negocios urgentes* bem da toesma so-
ciedade.
O 1. secretario,
Franoisco AntoDio de S Brrelo.
5-i Mademuisebe Mari Lavargoe, sacoee
2^ sora do Sr. Godotredo, tem esubetecido a
seguinle i I. 'lia para os peatados pre- .
g c<) '** V>r caak uin- "ea feit0 Da fl
J residencia das Exraas. seaboras, e 2* e*m g
%t seu eslabelecimeulu : raensalidade de 59t
10U* para pentealo diarko na residencia >g
de suas Exraas. clieats, e de 50* era seu X
J8 eslabelecimento. Os penteados de noiva f%,
serao pelo preco que se convencionar. fL
Por cada coque que. Ihe Iflr entregue para K
9 9eT perneado, rec-iber 1*500 de seo tra- 9.
balho, que ser exeeutado com toda a per- jf&
f ;iCo e presteza, rua Primtiro de Usr
& eo n. 14, anti(-a do Crespo. ^
&mm& ** ^^^
O Sr. Melcbizedech Guedes Alcoforado tem
urna carta vinda da Aracaty, na rua do Amorim,
armazem n. 60.
ICA DE CIGARROS!
DE
DE NlTHEROHT.
que mais tem preocenpade
lencao d^ieA leToos, pai^caJaVbienl'fia Inglaterra e na Fro-.
a, e acera du qoaJ, "aoda-e 1868, L. Wolowkr
!ez d BtUuudo e coiavef diseurs, a&Wnu
le denir e regularisar, maniendo o equilibrio
sotre o interesse e a humaoidade, o trabalbo las
iriaegas fias Hjanufacluai.
Esta-qoe.siao frav 'me'ldr<>sa, comeca a ser
otre oi da alftiaaa iraptrtancia, e merece qua a
iaraioeaios com criterio, tanto mais qne foreo-
aente na substituicSo do clem'nio servir ter ella
le considerar-se erBcacsslma par o futuro dds-
mvolvicenlo de masas iadUr-lrias.
Recordando com o celebre economista de que
.'aliamos o profundo peasamento du poeta ingle
p diz ;=f.l eriaji o pal doHomem parli-
Ihanes farb-ro es eus geoeroos* sentimfffltos re-
ladyaoieaae t casas fragow e delicadas crsatoras,
ilH-tLW n/imelwiniciaco da vida presUn
(la-lo jnftrlaeB-'sauicos a sociedade.
Quarqtier mC seja o ensino ou o labor era qte
ie exerciiem as'Wrcas alada debis 'dwsas fracas
istenclas, deva presidir o maior escrpulo soa
lirecea i, a maior viatlaoeia e cuidado r.o emprefo
s distribuicao do t^njijo, porque do seu resultado
laudte a activade B a energa das novas gera-
'de, e d'esias as grandes conquistas do futuro e o
progressivo aperfeiecameoio social.
Nos seeutos anteriores as industrias occopavam-
e mais com os productores. Ao secuto XIX com-
lete a gloria nao de melhorar o fabrica- do
_ ftidlclos. tVnanlo-os mais pereilos e mais ac-
^essieia a*ledos pelo quaatidade e modicidade do
irteco fono a sorte a condicao, a existencia do
raMh|e Wolowki cita a este respetto as palavras d
Sladstoav-, <|ute, aavuma-retmio d operarios ia-
lates, I.i Jinfbj*lris tanto to .-eos direiins, eOmc
ara seos ievi-rea, diese : 9 no-- < seeulo o se-
o do opera J% aixr Jrenta que esta pbrase
oo saino de bocea usp ita, pois Glalstone nao
perteo;e ao numero daquolfi que lisoogeam em
fez de servir ao povo.
O bomem d'este triodo encarado como beni
primordial da produeco do b-m ; e o octave! au4 i
tor qne oes referimos onleude .mnosco que a
liberdade que elle conquiilou lira toda a sua forija
la energa da alma assciada saude do corpo,
la elevadlo do espirito que proporciona o desea-
olviraen'to asogreesivo da habilidada asssoal.
Foi babeados n'esta allian^a que as legisladores
.ngiezes comprebeodsram que o instrumento acti-
vo, o operario, obedeca ontras e diversas neces-
'idadefc qua as qua sao paihtha do iostrumento
material.
Foi por este molivo Ique se marcaram e regula-
entararx as horas do irabaiho nas manufacturas,
3 se alten l'.u suareiudo a que as crianzas rece-
oessera a um lempo o ausino da fabrica e o ensinc
ia escola.
Em.1862, diz a.nda Ufolowki; sanecionou-se
aa Inglaterra a prole, a vigilancia pemiron no
ieio das vastas communas industriaes, formadas
aojb ea roda da roadiina de vapor, dassas vastas
.ommnnas pnyftatlas por miihares de operarios.
A lei de 1802 6xou a idade em qoe as crianca-
aodiam -entrar para as marjnfacturas e mitou a
la ra; fu do traba Iho.
Pois bem. Este grave e humanitario problema
jue levou qua-i meio secuto a resolver, e preoc-
;upoo a allen-o de tauos homens de estados
jminentes, como foram Roberto Peel Lord Aslhey,
aoje Conde de Chatl-buago, genro de PalrnerstoO,
i muilos outros, assignalando urna pagina honrosa
na historia da civilisacSo moderna, acha-se reali-
zado, e dando salutares resultadas entre nos na
fabrica de cigarros de. S. Joo Nitberohy, da qual
ao proprietarios os Srs. Souza e Novaes.
J tivemos occasir.o o anno passado, de escre-
ver algumas hnhas acarea desie importante esta-
aerecimento, e boje, depois de urna visita quo fi
temos ao uovo edilicio ampliaremos aquelle nosse
irabalno.
A casa onde actu-ilmente est estabelecida a"fa-
brica sem duvida nm dus melbores predios da ca-
NOVOS
O armazem do vapor
Fraucez. rna do
llaro da victoria
(otr"oi a rna Wo-
va) -a .
tTIHENTOS
pital.
A. cala a de recebe- oras facturas.
Calcado
armazem do vapor
Francc rna do
Raro da Vielotrla
( outr'ora rua la-
va) n. 1.
A irmandade de N. S do Bom Conseiba man-
da dizer urna missa por alma do acalemico do 3
anno Guilhermioo Paes Barreto, na sexta foira 7*
dia de seu fallec ment, ai 7 boras da inanhaa, no
convento de S. Franci>cc, convidam-se a todos
os irii. .-, familia e amigos da mesmo acadeati-
co assistirem a este aclo de cndale. ,
O secretario,
Franciscfl Fernandes Vieira.
Lisboa e Porto
Para oa porto cima fkve seguir muito breve
a galera portugeeti Lisboa, reflebe carga e passa-
geiros: a tratar com Soares Primos, rua do Vi-
gario n. 17.
LEILOES
DE
Cabos, panos, correutes, bomba de Ierro,
cabre.tantes, ?d aa, paos de mastreacao,
tacados de p nbo de rezina e portas de
pinh o
HOJE
O agente Pestaa far ieil. por cania e risco-
da quem perleocer, dos obieeLs cima menciona-
do?. emlctUJ no dia quinta feiri 30 do correte,
s II horas da^nanhaa, no afmazem do Sr. bario
o Livramento no Cms do Apillo. ^_^^_^^
Sociedade Emanci-
padora
De novo convido todos os socios para reoolio
geral e e'.eigo no dia 1 de dezembro prximo, as
b horas da tarde, no Cub Pernambucaoo, cjja
sessao ter lugar com qoalquer numero de socios.
Recife 29 de novembro de 1871.
Ferreira Jacobina,
! secretario.
a ;
Julio Cesar Dudoso Ayres convida aos psrtntes
e arajijos de seu JjnAd,Q_mjgQ Guilhermino Paes
Birrete F.llio, iJtflp>lrani a dma aaissa qiae
par soa alma) mana cWebVar io sdbbadl fe fe
ilezebrTj,-pels f titfU rimaoilia, ba mairn da
^fl T I Mi '
Alero das e>paco.-3s iccommedacSes interiores
ivremente arejada como convm a to numerosa
tRlomoraco de pe.-soas, o predio exteriormen-
;e de Urna architecturi simples e elegaule, e lie
i pe nas bracas do mar, onde ceui anxiho de urna
ponte os productos sao com taclida-Je embarcados
3 conduzidos para os mercad s.
Cerca de duzents meniuos ahi recebem o ensi-
qo manual, intelleclaal religioso e moral.
A mais perfeia ordem, sem a severidade de um&
rnde disciplina, mas ?nles aconselaada pelos pre-
:eites praticos, da autoridade, d um aspecto agr-
lavel a esta afanosa commuua de pequeos ope-
rarios e esperane/Mo ncleo de futuros e moralisa-
loa cidados.
Em um vasto salao das 7 s 9 horas da tardt
iepiis do trabalho e do descanso aprendem os me-
ainos os primeiros elementos da leiiura da escrip-
ia e da contabiltdade. Disseraos primeiros ele-
aentos porque acreditamos qao as noQoes rudi-
aaentaes da escola mo sao outra cou-a mais que c
nstrumento com que mais tarde se deve conclu
) aperf'icoar a educac'. Nao custa saber 1er c
issencial e fazer uso discreto e aproveitave.
lesse poderoso motor do nosso aperfeicoamedtc
norel.
Dep)is do trabalho manual e do ensmo da es
ola depois me^mo de algumas horas consagrada;
io reereio er.i preciso amenisar cora o estudo dt
iHrnns dos ramos das belias-artes as tarefas in-
bnlis. ...
Neste intuito foi creada urna au!. de muzca ai-
rigida par hbil professor.
Com pnuco lempo de exereicio e o ardor pro-
ario da mocidade j alguu5 dos alumnos tocara
:om verdadeiro adiantam-nto 03 iaslrumentos que
jscoteram, e pode dizer-se que a fabrica tem
aoje urna tiaoda de msica sua disposicao, o que
Um de accrescantar urna agradavel prenda a
sducaci) das aprendiiea, dispensa das festivos d>-
estabelecimenlo, o concurso dos msicos estra-
abos. .
Ora, o grande resultada colhido par este onpio
y-.tema do ensino manual e simultneamente n-
elleciual, que os productos d fabrica de S. Joo
le Ntberohy, redobrand) de valor pela quahdade
jperfeico augmeniam tambera a 'ua procura ao
mercado 3 naturalmente os avultados intoresses
I ,i productos.
Estabelecida assim com osoutro* eslabelecimen-
toe do mesmo genero a luta da concurrencia, que,
-jo dizer de uia notav I eeonomis.a, nao outra
onsa mais que a manifestarla pratica, a fae
material da liberdade. claro est que as condieos
lo trabalho livre oome?am j a ser assentada?, en-
.re n3 em bases sensatas e de consequeucias pro-
dcuas.
Ligamos um alto apreco s tentativas e aos re-
lultados deita orflem.
O Brasil precisa emprespr twdos os seus esfor-
.os 'm pr aunca que a quaulidide dos produ:tos nata re-
presenta, si ella sp nao torouT ao reamo lemp"
rl4ofc-orlB;.vel p-la su tm^WaW,, e re esta so
eSbaz te< pTddoOt
Botinas de Suzjr e de Polak, para honiem, com-
pleto aorlimeuio para lodos os gostas vontade
dos compradure?.
Botas e perneiras para montara.
Botinas p. i a senhoras e meninas.
Aaotinados para inenin;s e meninas.
SapatSes de bi'.erro, verniz, eordavo, e de brirn
braneo para horaeni.
Sapatos de pete avelludados de chirlot, case-
mira i rrta e tranca porlupuezes.
Sapalos de vaqueta de veruiz com sola de raa-
deira proprios, para banhos.
Perfumaras
Fines extractos, banbas, cosmeticof, leos, opia-
tas, poses, agua de c logne, agua divina, agua
florida, dentilrice, I tvande, agua de toilet, tintura
para barba e cabello, pos de arroz, sabonetes
etc.; tudo islo de priraeira qualidade dos bem co
obocidos fabricantes, Pivir e Coudray.
Quinquilharias
le plnnlasia e laxo, coma sajara : e pelaos, luvas,
joiis de ouro, eerrente do plaqn-1, ras cateiri-
uhas para dinlfiro,. cauxiobas te costura com
uusicas, esterioseopo da 50 vistas coa msica,
polcas de-seda e csllnha (versas para braijo da
'i-til ras e de meninas, calos, penceooz com vi-
1 Iros de cores, cbicolrahos e b-'ngalia?, Indi- isto
e dilTerentes modeiios e qnalidades em grande
uumeio uestes arligos de quinjoilhanas Qnas de
gosto que ao se pode beii mencionar.
Brinque dos
O maior sortimento que se pJ desejar Ji loda
serle da briaqoedos fabricados em diversos paizes
: la Europa para enlrelenirr.ento das crianps
Carrinhos
,e bercwde vimes para arianr^as, de novos ditfe-
rentes modelos preces commodos,
Prepos.
Em
baratissimos
mero 7.
virlude das novas facturas e ordens dos fabricantes, veode-se agora ludo precos
no armazem do vapor franciz, rua do Baro di. Victuria, outr'ora rua No;anu-
wm
DOS UNTOS US
19 llua riimeiro de Margo 19
Ten io renovado completamente a loja do predio, em qu? teem o seu es-
tabelecimento,
19==A rua Primeiro
de
Jateo de Orphaos
i'-.-raute o juito de orpbaos do termo desta ca-
p;li!, escrivo Gnimarae-, vai a praca o arrena-
meeto, pelo tempo d^ tceranaos e sobre a bata
atlfO'Xr, do srtio Tacaruna, o que deve ter la
nr mediante tres pracw cnsecutvas, sendo -a
priaeira na andieaeia do da 23 iba crreme.
JMII.VIgTRAGAO DJ91 COWKEIOS DE PEH-
NAB,1CO 30 BS WVrSrBRO DE 1871,
Hala* pe'o vapor Jaguorlbe da Companhia Per-
mtmaraaa.
A carraspoadeneia qoe le* de aer expedida
iiva (*<)) neto vapor aeima mencionado para os
ZSrlo de I t* o Araeajii. sera reeebida pela
e:ra seguyte '"--~
> da joraaes. laagMasaa da qiiaeuar aaiu
eeartaa a registrar at inora tarde.
a ordinarias at 3 hora*, e, saM at S 1|1
agandapotte duplo.
wm ^ O adminiatradar,
Affanso do Rpgo Barros.
LEILO
DE
Espelhos, 1 grjarda-looca, i relogio de pa-
rede, 18 cadeiras americana!, i appara-
dor, mezas grandes e pequeas, lavato-
rios, Iraca para jaotar e lmoco, treta
decosinba e ontros rnoos obj'ectos do
Hoetl Aorera, da rua da Trincbeiras n.
SextH-feira
1. de dezembro.
O agente Martin* fara leilo dos movis cima e
mata pertenen do Hatel Aurora, da roa das Trin-
cheras n. 48,'em lotes para liquidar. A's 11 ho-
ras do dia cima.no mesmo hotel.
<
f t ''
ancos,
derija
A luga se um mulato de idade da 16
preano para criado : qnerp o pretender .
se i rua do Iuperadar n 23, coxeira- de HiBtef
B3ptista qne achara c- ra quem tratar. .
-------------------,-------,
ar/Qo19
com aquelle asseio e elegancia desejaven, acham-id a^ra prvidos do mais
esplendido sortimento de lazendas unas e modernas du
SEDA, LA, LINHO E ALGODAO
todas do ultimo gosto, e continuara a ter como sempre, diversos
ART1G0S ESPEGIAES DE SDAiGASA
Garantem, com toda
a ainceridade, vender
por menos qne quai-
quer ontro, porque
recebem tm direitura
a maior parta de suas
faaendas.
19 rua i: d:
(4nliga na do
MARCO 19
Crespo).
t oltein drfm aux
aei* e inlelligeolos.
AcVaflitamos, pois,
sfesefm um importan
em rae!
nao s
as qoe
fundem doquiera diante
Mueias.
OJBtea deporto ae.-ta
re3 ha-
Novaes
temo?'
mentos
a fabri-
on Se
circums-
ciiade no fescriatoric
Hilll LIO


DO
Sobrado de 2 sudares da rna de S. Jorge
a. 13, (oalr'cra roa do Pillar) com qaii-
tat, e portSo para a rea db Phrrol, om
aobradiaho por cima do dito poriSo.
Em respoata ao Liberal de 25 do correte dize
mos que nao verdico o fado contado pelo modo
como o fez quem quer que o qmz obliterar, a nin *
guem ignora que a folha- referida- protege sempr
quem em desabafo tanca contra as aalondades de
polica imputares Inaereditateis. O preib, cer-
do, foi preso e recolnido ao quarto da rfteira pdr
ter iajnriado com palavrai obcenas e memo ias-
pector, e este faria o- mesm \ ceaao de seu de-
ver, se aa injurias fosero contra qoalquer psssoa:
O qna monvon o prbta portar-ie per tal trma; v
ter-se o mesmo inspector negado a dar pelo bala*
d'agua 80 rs., por qaenl eeatheae all pagu-ae
60 rs.. a o metoo preto ji o uee* lote por ama-
tas vezes. JnlganiM ter dado a com pteme res-
posta.
v--------'----~-tr----------
Forneiro
Precisarse Je um biaeiro : na rua da Gnia ca-
mero 56.
je Domingos
rio n. 21.
Alves Matheoj, rua "do Viga-
A.Zaluar.
friaN. 8. do O'
preeisa-.e de um menlaa pan caixeiro, o qnei te-
obaatguaia pria da rtteUdas ou molhadus, pre-
fere-ae portogoez; Wataem se precisa dd nma
ama qae salea engoauoar e coiinbar, para casa
de prroea familia : a tnttar na roa do Livramento
0. 28. ^^__^___^~
EOPAFEITA
NA
Rua do Crespo n. 20.
Tendo resokklo n5o continuar a ter grande deposito de ronpa feitw offerece ao
wspettavel palxko, e ao negociantes de (ora, um granda sortimento, po precos bira-
l'ssimos para acabar.
Palitts sobfecasaw de panno fino de Ditas d.Us preU de 55D0 a 90000.
12,9 a 304000-.
(jopeiro
rtdcUa-s'de nmeoperrp e um moique-i aa
roa larga do. lloaario n JA.
Ana de ite.
Precisa-sa dt uaif amai ojpa.. tenlia bom lehe
para criar minegjla sew mezes : a tratar na
rua da Gadaia p. t, i*j*.___________ -
D4.se |-.*eO# por uro casa dentro desta ci-
dade, em eole- pfoprio qne renda pelo memas
1 l|l por cento ao aan, e que esteja em boa
eondioftea, livra e aaNmbara;aiia ; quem auizar
dirija se ao larga ao. PUa n, 17 que achala wm
quem tratar.
Ditos saceos erefraoqueadosde casimira
ihcdrde 55300 a DfJWQO.
Ditos, ditos e dis de panno preto de 5&
a 12*000.
Ditos, dUoa e ditos d alpaca prela de-
Ditos dito* a ditos de alpaca braaca. a-
4* c 2*500. j ^u
Ditos, d.tos e ditos de bramante da mino
Ditos, ditas e ditos d bftaahta raid a
^haf/art
Oatcaade casemira de corda 8W00 aH
Ditas de brirn braneo de linbo de 2J0G0
WOOG.
Ditas do brirn braneo de aigodo a.....
t200.
Ditas de brirn de cor de itfGOOa 30000.
Ditos de castor da i000 a 2(5500.
Ditos da brin pardo de i $000 a 20500
Camisas dd flaaella, grandes a 3^000.
Wias de alodio, BPOilo B6aaa2*)00.
1 tas de lina uto MM a 30560.
[ Ceroulaa da bramante a 10600.
Cobertas de cbitt a 10900.
Lencos de Imbo abatohatto a 4
f^rTiLSi artji-33 few baratissimo para acabar, na loja de GvNnrat
Carneiro da Ganba.
L


4
PisfM
EXTRACTUM CABM
producto que se obtem da carne do gado vaccum, da qail se tira todas as
j tendoe, ossos ele. Elle tem todos os principies tritivos di carne sem conter
jyiihlffia, ou fibrina, gordura. N'um pequeo volutne e peso dado contera 32 vezei
mais substancia alimenticia que outre igual de carne despida de ossos, pelles etc., por
ino por pouco que se tome delle se obtem urna forte alimentadlo, que immediatamente
produx effeito como tem sido observado em pessoas debis, por qualquer causa oo
rTiMooa como succedeo a um homem ferido que dous ou tros trouxeram pharmacia do
Sr. ftrmiano Antonio de Araujo (Porto Alegre ) onde recebeo o primeiro curativo, es*
lando tio fraco que nio poda soltar para casa; mas logo que tomou duasoitavas de
ettractam pode caminbar sem adjuiorio,
Tal a forca alimenticia que anda mais se revella com o que succedeo no escravo
do Sr. capitn JoSo Gezar de Olrveira acommettido de tbetaous, com thrsmus tio forte
nuie foi possivel empregar-se medicacao interna, podendo o doente tomar, intro-
ido-se com muita difficnldade pela abertura que havia pela taita de um dente 6/8
de eitractum carnis por dia, cessando os symptornas nervosos uo fim de 22 dias, acba-
va-ae o doente em bom estado de vigor, restabelecendo-se logo. Qoe e um alimento
qMni> cansa os orgSos proprios da digestao, se conbece pelo que aeontecee ao Sr.
conmendador Antonio Falcao, qoe soffrendo de urna gastro intente nio tolerava nem
a agua de fraogo ou d'arroz. Homem de mais de 70 annos com perdas tao abundantes
como nba e sem alimentar-se estava condemnado; sendo improficuo todos os remedios
intentados; o Exm. Dr. Flores empregou o extratum qoe* o doente tomou com repug-
nancia, porm que desde logo sentio um bem estar que nio tinba, e pouco a ponto mais
liger, ficande restabelecido em pouco dias. obrigando-o a sua gratiaio a dirigir ao Dr.
Ubatuba um attestado desse beneficio (diz elle) para que outros podessem gozal-o, e a
falta de coubecimento nao obstaste a vulgarisago que era conveniente que tivesse um
producto tao necessario. Nos casos que preciso diminuir a produccSo excrementicia
anos artificial, fstula sanaes, attaqaes bemorrbodarios etc. um valente recurso. O Sr.
I. O. Castro n'um intenssimo atta:que bemorrboidal que o levon cama durante me-
zei so obteve cora alimentando-se com o extractum. Urna familia ( do Sr. Joaquim
Mara) dbil e nervosa, soffria borrivelmente, comecou a uzar do extractum e logo
reatabeleceo-se, e o Sr. Joaqoim Mara agradeceodoao Dr. Ubatuba disse-lbe :Dr. V.
correo-mecom as doencas de casa. Taes tem sido os resultados de sen emprego que os
principaes mdicos o aconselbio, e o consummo tem quadruplicado em toda a parte. Nao
gmente applicado comodeta aos enfermos, mas como meio alimenticio e mesmo como
5io pra vigorar os alimentos, e dar-Ibes sabor mais agradavel. Ja muitas familias
rem uzal-o noote, snbstituindo o cb, e tem encontrado nelle o recurso de po-
l rpidamente augmentarem nos casos de necessidade as referes para maior nu-
men de pessoas do que contava, ou darem alimentado prompta quando seja preciso
nie haver demora. As pessoas debis, velbas qoe necessitao tomar alguma alimentacie
ao intervallo das horas destinadas para a refeico, tem no extractum um meio prompto
de atisfazerem essa necessidade, melbor e com mais proveito do que nenhum outro.
As mocas que nos dias de baile se abstem de alimentado para conservaren! a belleza
do talbe prejudicando muito a saude, uz5o j do extractum que satisfaz sem prejuizo
este fim. E' esse producto indispensavel a todos, especialmente s pessoas que viajam
e as que moram fra da cidade. A sua incorroplibilidade, peso, volume, a sna gran-
de forca aiimeuti ia, e sua barateza, e o seo agradavel sabor, quando bem preparado,
dao-lne tal superioridade que s se faz myster ser coohecido para poder ser aproveita-
da a ulilidade que elle presta. Gomo alimento para as criancas tem produzidos os
melhores resultados e at boje n3o se conbece cutro para substituir o aleitamento. Nao
o extractum por si um alimento que canse o est mago, que o tenba cheio, porm
um alimento que d forcas e preenebe o fim de levar a economa os elementos ani-
maos qpe ella necessita, apara substituir o que I he falta esse peso o que certa-
mante necessario ao estomago do bomem de trabalbo pelo habito que tem, eocontra-se
fcilmente por baixo preco as substancias veget aes que existem em qualquer parte
como sejam as raizes, batatas, legumes, grao*, farinhas, que com o extractum se faz
ptima e bella alimentacjo.
Um homem que tome 6/8 de extractum por dia, que custa 188 rs.. ter uzado de
toda a substancia del J/ lib. de carne fresca sem ossos, pelles etc., o qae por sem
davida alm do que se faz necessario principalmente se ajuntar-se-lhe quaesquer
massas, legumes, farinhas, gr5os, batatas etc., e um pouco de gordura, com o que,
quando gaste mais 100 rs. ter urna alimentacJo saborosa, commoda, fcil, muito hygi-
enica e muito reparadora por 290 rs.
UZA-SE GOMO CHA Meia colherinha n'uma chicara d'agua, com sal sufficiente, e
?m aromtico (salsa).
COMO SOPADe urna colherinha a duasem suiliciente agua, gordura, tempeiros
e quaesquer massas, farinhas, batatas, grSosetc.
ARROZ Prepara-se como deuzo, dissolven-Jo -a porfo do extractum aa agua
que se deita nelle para cosel-o.
OS LEGUMES As camas salgadas recopero com eiie a for^a alimenticia indis-
pensavel.
Deposito Pharmaeie Americane, de Ferreira Maia & C.
57 lua Duque de Caxias 57.
A TURA M 011
E 0 PROGRESSO
SALDES DE CA8ELLEIREIR0
RITA DO DUQUE DE CAXIAS Y, O
AMA
Na roa do Corredor do Bspo n. 9,
precisa-se de ama ama para aodar com
nm menino. _________
Atnga-se urna preta para lavar e engommar:
a fallar no armazem n. ti, raa do Commereio.
Hypotheca-se
ama malatioha, bonita i
eonveneionar em vista de
graphia.
peca, pelo preeo qae se
lia a tratar nesta tjrpo-


Primeiro de Marco n. 7 A primeiro andar.
DELSUC, cabelleireiro de Pars, participa aos seos innmeros fregueies e ao pu-
blico em geral, que acaba de contratar peritos officiaes francezes para todas as especia-
lidades ; sendo nestes dous estabelecimentos cima onde o respeitavel publico poder
encontrar a delicadeza e ligeireza que neste genero de trabalbo tanto se exige em Pa-
rs.
DELSUC nada tem poopado pan que o publico desta cidade, qoe tanto lhe tem pro-
digalisado a sua benevolencia, continu a freqaentar os seos SALES MODELO, fleando
corto o mesmo publico que nelles encontrar agrado e perfeico.
Empregados dos saldes
" 12 officiaes para barbear.
6 ditos para cortar cabellos.
3 ditos para o postico.
Dehue para o pnteado do bello seo.
Caxanga'.
'. iuga-se urna das melhores casas no lugar Ser-
lcziQDo, com baslantes comniodos e hanbo airaz
de casa : a tratar no mesme lugar, com Francisco
e Paula C ,
Cozinheiro
'. prteo da Ribeira de 3. Jos d. 0, Hotel a
I rea, precisa-se de um perito cozioiieirc.
60000
160
4,SOOO
400
11500
i 000
500
160
30500
Kival sem .--efundo
Raa Duque de Caias n. 9!
.'os de Azevedo Maia e Silva, em sua lo-
j ada miode/as continua a vender tudo
pt.-r taratos preces qoe a todos admira :
Libra que ba.
Caixas com superiores grampos fran-
cezes a
Duzias de facas e garfos de um e
dous botes a
Taiheres pare meninos a 40 e
Libras delinba de noveo, a eaelhor
possivel.
Duzia de lencos de cassa com barra.
Csixas de lionas com 30 oovellos a
Vara de franja >rnca para toalbas
Duzias de ai.as cr&s muito boas a
Dazias de meias finas para senho-
ras a
?vs aihas incito fh?s, para azer a
barba a
Caixas com pennas de ac com to-
qcea
Caixas com peonas de Perry fazen-
da fina a
Di;as de dita dito verdadeiras a
Caixas com 20 cadernos papel ami-
zade a
Pecas de fitas para coz com 10
varas a
Pecas de tranca lisa de todas aa
cores a
Duzias de liuha frouxa para bordar
a 400 e
Pares de s..patos de trauco a
Duvias de baralbo* muito finos a
25400 e
D.tas de agolhas para machina a
Resmas de papel almaco superior a
Ditas de dito p?otado o melhor a
Csrr teis de nba A exaodre a
Gravatas de corea muito foas a
Ditas pretas pontaa bordadas a
Grosas de botes de madrvperola
para camisa a
Novellos delinba branca, 400 jardas
Duzia de car:oes de linba branca e
preta e de cores a
Thesouras muito finas para onbas
e costura a
Caixas redondas para botar rap a
Caixas com pos para limpar dentes
f.zenda fina a
Livro das missea abreviadas a
Copos grandes com superior banba
Magos de palltoa para dentes o
melbor que ba a
Joaquim Jos Gon$al-
ves Beltrao
Raa do Trapiche n, 5, Io andar.
Sacca por todos os paquetee sobre o banco de
-cbo, eu Braga, e sobre os segairtes 'ufares w
Portugal :
Lisbea.
Porto.
Valeuca.
SuimarSes.
Ccimbra.
i Iba ves.
,r!seo.
Villa do Ccnde.
4rcos de Val de Vei.
Vianna do Casteilc.
Ponte do Lima.
Villa ReaL
Villa-Nova de Fme."c.
Lamego.
Laaos.
Ck>vilhaa.
Vascal Valpaaso).
Mirandella.
3eja.
Barcellos.
LIQUIDACAO
DS
FAZE1AS BARATAS
Lindas bareges lisas, de quadrinbos e de listas para vestidos a 360
rs. o covado.
Superiores alpacas de cores, de flores e de listras a 500 ris o co-
vado.
Poil de chevre com lindas cores e de superiores qualidades a 640
res o covado.
Na loja das collunanas, de Antonio Correia de Vasconcellos, roa Pri-
lt& meiro de Marco, outr'ora do Crespo n. 13,
5&
ERNESTO & LEOPOLDO
N.2 D Ra do Gabug N.2D
Acha-se montado de forma tal este estabelecimento de joias que pode
vender aos seos numerosos freguezes em grosso e a retalho e por preces
mui resumidos visto que recebe de conta propria por todos os vapores de
Europa. O gosto de desenbo de suas joias o mais lindo do paiz das
modas, ouro de lei, brilhantes verdadeiros, esmeraldas, rubins, perolas,
turquezas, saphiras, coral rosa etc. etc. Obras de prata do porto tanto
para igreja como para servigo domestico. Convidamos as Exmas. familias
a visitarem o dito estabelecimento todos os dias at 9 horas da noite.
Compra.se ouro, prata e pedras preciosas em obras velbas.
A pessoa qne no sabbado 25 do correte per-
den nm pequeo embrulbo com dinheiro, no bair-
ro do Recife, pode dirigir-se roa do Amorim n.
43, qae dando o* sigoaea canos lhe ser entregue.
Casa em Olinda
Alnga-se urna boa casa defroate do otio da
igreja de S. Pedro Apostlo, roa do Passo Gaste-
ibio o. 6 : a tratar na aesma raa n. 10, on na
loja de livros ao p do arco de Santo Antonio.
Precisa se de ama ama para todo o ser vico
de ama casa de pequea familia, prefere-se qae
seja escrava : na ra estreiu do Rosario n. 10,
loja.
NOTAS
Troca-se notas do banco do Brasil e de anas
flllaes na roa do Bario da Victoria n. 63, antiga
roa Nova, loja da.Joio Joaqoim da Costa Lei te.
Alaga-se o aadar temo da caa o. 41, roa
do RangelTpropria para algnm estabelecimento,
assim como ama escrava : tratar na loja n. 2,
ra do Qaeimado.
Precisa-se alugar urna escura para coxi
nbar e azer o maia servigo de casa : a tratar na
roa do Crespo o. 7.
Precisa-se alagar ama ama forra
do Cabagi n. I B.
na raa
Retrato* em grupos
Tiram-se grupos de 5 a 100 pessoas, a precos
mui reduzidos e fornece-se o numero de exempla-
res qae se pedir; na roa de Catrag o. 18, Vkotogra-
phia Imperial. No mesmo estabelecimento se en-
contram especimens de gropo? de 5 a 140 pessoas.
Os trabilbos desta photographla sao bem conheci-
dos e apreciados do publico desta cidade.
A IR Preelsasede ama ama para lavan
c\m.a. engommar : na ra Duque de Caxias
n. 50, 1* andar.
Urna parda que. sabe lavar, coser, engom-
mar, caziohar, sujeita qaaotia de 'Mi, deseja
achar quera Ih'os emprente, mediante o pagamento
de sen servico : quem lhe quizer presur esse fa-
vor anouncie.
Precisa-se de um cozmneiro e de um criado,
escravos ou forros, e de um menino para caixeiro,
paga-se bem : no hotel Babiano da ra da Roda
n. 87. ____________________________
Quem precisar de urna ama para andar com
meninos desmamados, dirija se ra de D. Isabel
n. 4, casa do Sr. Carlos Lins de Sonta.
Precisase de um Humera que saiba plantar
capim : no sitio grande do brigadeiro Joaqnira
Bernardo de Pigaeiredo, na traveasa da estrada
de Joo de Barros, confronte a capellinha.
AM1
numero 90.
Precisa-se de ama ama para casa
de pouca familia : na ra Augusta
Aluga-.-e urna escrava cozioheira p;
i poaca Tamil
casa o. 1, 2 andar.
de poaca familia : aa roa da Cadeia do Recite,
V
Alagase ama escrava para casa : na raa
Direita n. 137, das 6 as 9 horas da manhaa para
tratar. _______________
Pede-?e ao Sr. Josioo Gavalcante Simoes nue
tenba a bondade de vir prestar suas contas 'da
cobram;? feita da taberna da Gamboa do Carrao
numero 44
Precisa-se de dous meninos de 10 a 14 annos
para taberna, com alguma pratica ou sem ella :
a tratar na ra do Cabug n. 1 A, loja de ma-
dezas.
Boa casa

3


A FLOR DE OURO
N* 24 A-Rua larga do Rosario-N. 24 Al
i/fr

80o
12O0
700 I!
40
500
10800
2!80
2,5000
3 4^000
100
500
600
50C
60
420
500
10200
20G
10500
10500
Consultorio homeopa-
thico
DO DR. SANTOS MELLO.
Ra do Barao da Victoria n. 43.
VACCINA.
Todcs os domingos e quintas eiras, pa-
las 9 horas s 10 da manhaa vaccina-se
por prego mdico, para o que ha muito
bom puz vaccinieo.
Recebem-se chamad. 3 para vaceinar em
qualquer casa.
Consultas medicas todos os dias pela
mantiaa.
Chamados a qualquer hora do dia e da i
noote.
Gratis a parte medica aos pobres.
mm mmmmm mmmmmm
SEGUROS
MARTIMOS
E
CONTRI FOGOe
A companhia Indemnisadora, estabtilecidt
aesta praga, toma segaros martimos sobre
navios e seas carregamentos e contra rogo
em edificios, m rea dorias e mobilias: na
rna do Vigario n. 4, pavimento terreo.
BE\JA1II.\ & IRMAO
E' sem contesucao, nm dos bem montado eatabelecimento de joias da cidade
do Recife, e. sendo seas preprietarios sss caprichosos na escolha dos objectos que
expoem a venda, lembram ao respeitavel publico que aproximando-se a festa, nao fo- s
ram indiferentes, mandando vir de conta propria, da Europa um variadissirao sortimen- 4*-
iggS ,0 1De Pe!o botn 8st0 e primoroso trabalho importara elegantes presentes para a filha ,K^
gaga idolatatrada, a atilhada querida, a consorte fiel, a mai extremosa, a amiga dedicada, e S7?
fcS& Bnalmente a te do aquelle oa aquaila que se qneira mimosear pela festa do natal. f^:"
Se "" -endo eDfadonho, respeaveis leitores, prestai attenco at o fiaal deste ^^f
.i^'aonnnsio qne encontrareis, cora certeza. Ph
m Para o bello sexo fg
^| Pares de brincos de pbantasia a 8*, 9. 10 e 12, ditos de coral a 3i e i, ; ^
dl'-os Para 'au a t- e 8, meios adoremos raodernes com brincos e alSnetes a 16, r>
<*8 ruzetinhas de diversos gostos a 6i e 81 o par, pulceirinhas de coral a 70000, vo!- &3S
Jt4 tiihas de dito cem cruzes de ouro a 5, cac.'eta3 com inscripcoes (obra chiqup) a o 0ftt
5 e 8a, gas d- coral a 2*, cruzes de ouro e coral a 3#, 4a. 6 e 8, ditas de esmera!- IgS
la, perolas e rubras J, 14J. 16* e 18, anneis com bonitas pedras a 4 para crian- *gfe
ca a^JoOO, ditos de peJras fiaaa a 6a e broxes para retratos a 16a e 20J.
Aos senhores cavalheiros
E' foxente na Flor da Ouro que se vende joias de gosto e por pouco dinheiro gpa
sejam : guirnioes c:m tres botes para abertura M, pares de ditos e de di- %
Para passar a fest, na muitos pretendentes, o
aluguel barato por ler grandes accomraoda$5es,
muito bom sitio, junto do rio e perto da estrada de
ferro de Apipucos : quem a desejar dirija-se
ra nova de Santa Rita n. i3, a tratar com Jos
da Costa Bispo.
Portugueza
Para casa de um hornero solteiro, que se trata
com asseio, precisa-se de ama senhora portugue-
za de meia idade, e cora bastante capacidade, pa
ra tomar a sea cargo todo o arranjo domestico;
cozinhando e engommando com perfeico. Faze,m-
se todas as vantagens, que mere:r sea bom
comportamento: no Bazar da Moda, ra Nova
n. 30, se dir com quem se trata.
Precisa-se de urna ama : na raa de S.
Francisco n. 54, casa de poaca familia.
Hospital Portagnez de Beneficen-
cia em Pemambnco.
De conformtdade com o qoe dispoe a primeira
parte do artigo 48 dos astatntos, sao convidados os
socios eflectivos a reaoirera-se em aasembla geral
no domingo 3 de dezembro prximo, ao meio dia,
na secretara deste hospital, com o fitn de ser
eleita a jaota administrativa e a commisso de
contas que tem de funecionar do prximo aono de
1872.
Hospital Pdrtuguez de Beneficencia em Peroam-
buco 16 de Dovembro de 1871.
I.aiz Duprat.
Secretario.
AMA
Precisa-se lugar um escravo para o fnico
interno e externo de padaria : tratar na ra de
Marcilio Dias, outr'ora Direita n. 129.
AMA
Precisa se de urna ama para
cosmhar : tratar na ra larga
do Bosaaio n. 22, 2 andar.
TRILHOS URBANOS
do Recife a Olinda e Be-
beribe
Os Srs. possaidores de bilbetes desta
companhia, s5o convidados a vir trocar es-
ses bilbetes por dinheiro, no respectivo es-
criptorio, todos os dias otis das 10 horan
ao meio dia.
Escriptorio da companhia 21 de novembro
de 1871.
J. F. S. Porto.
Io secretario interino,
:;fiv
D. Mariana Angelina de Barros
Franca.
Jlo Goncalves Rodrigues Franca, penetrado da
maior dr, agradeee aos seas amigos e parantes
que acompanharam o cadver de sua muito amada
e presadsima coosorte D. Mariana Angelina de
Barros Franca ao cemiterio publico d'esta cidade
no dia 26 do corrente mez, e os convida para as-
sis ti rem as roissas qae manda celebrar n igreja
de Santa Rita no dia 1.* de dezembro prximo vin-
douro, s 6 horas da manba, stimo dia do sea
fallec ment, agradecendo desie j a todos quantos
se prestarera a tao caridoso servico._____"
Precisa-se alugar um moleque
ra do Livramealo n. 36, 3* andar.
a tratar na
Pree^a-?e de cos'.ureiras na loja do Bom
Pastor ra di Imperatriz n. 3.
tu
J

a20,

brilhantes, brincos, bra.elc.e
medaiboes para 'esa
obras de l^*'.'Sy
teles, aderecos completos, meios ditos de pedras fi- &i
edalLOes, vcltas e trascellins,anneis com letras e de diversos modeles, &sp
^@ oculo, pencmez de ouro, relogios de ouro e prata dourado e de afamados fabricantes,
^g astn ndo grande sortimento d* fbras da pratsdo Porto, tanto para o seni
cta mestico, mm para igrejas, e garamimos ser ludo lei.
i/'h
88
A flor de Orno contina a estar aberh at as W
8 horas da noute riB
eoSe.p ojuaraer
-eoaa Bjed sopBs;aBAie8 ojj3j ap soobo
soqaBraej SOffJ0Ap 8p spijoj
oepo8|B jb3ojbos9p uta sBn;qoefl
SBpoezBj Jtznpnoa BJBd ogra 8p sojjbq
BUBped ejed BOJpoijio
BSBJ8 JBp BJBd 88*0363
nrgjetn ep eJaqBD ep s&2aJd
*so8je| e soiie.ii
89 'OJjp 3p 0JJ0J 0 BJBd Bp8S 8p S9QTBQ
"b5ub| ep sbjuoj
'01 ip Bjed sejoolqa
OJip ep OJJOJ BJBd 88J03 9p Ojia
ojj? ep BAnqo-BpjenS BJBd oiejd opBe'io
ohhvd vuvd soioarao
D-se um cont de ris a premio com hv
potheca em bem de raiz de dobrado valor, nesta
cidade : a tratar na ra do Baro da Victoria,
loja n. 31.
Precisa-se de urna aira que cozl-
nhe e engomme muito bem par
pequea familia : tratar no largo
do Corpo Santo, n. 4, i andar, das
l'l horas da manba as 4 da tarde.
Empreza do gaz
PernaniLuco.
Esta empreza tem um lindo sortimento de can-
dieiros, arandelas, pendentes, ele, tanto era vidro
(crystalj orno em metal, e ama variedade de glo-
bos dos padioas mais modernes e por preces mo
Jicos. As acnostras podem ser vistas no escripto-
rio o. 31 roa do Imperador. Bico pra gaz do
melhjr feio a 60 rs. cada nm. As encommen-
das podem ser fe'.as por eseripto, na rna do Im-
perador jamo a secretaria da polica, ou dirigidas
ao biixo assign .di na fabrica S. Jos, que serlo
promptamente a'.iendidas.
Thos. Niwbigging,
Gerente.
Orlado.
Preclsa-se de ura para servico interno e ex'erso
de uraa casa de familia : a tratar na ra do Mar-
quez de Olinia (oatr'ora ra da CadeiM o. 33.
Jos Rhigas, de volta de sua vivgen a Eut.>
pa, participa a seus freguezes que assamio a d-
recijo de sua offleina, tanto na parte relitiv ,.
concertos, como na das alloaco-s d n tao.'.
Igualmente faz publico que cassou toda- as procu-
ra^oes dadas.
Na raa Nova n. 6, precisa-se Jh
urna ama para casa do homem soltt
ro ; prefere-se escrava e p?ga--e
/ir
bem.
AMA
Precisa-se de urna para tratar de
meninos, em casa de familia : a tratar
na ra do Mirquez de Olinda n. 3o.
Padaria
Casa no Poqo da fanella.
Alnga-se por 600 urna excellente casa na ra
Jo Rio n. 3o aquelle povuado, com 2 salas, 4
loarlos, cozinha, cocheira, quartos para criados.
estribara, e mais duas meias aguas separadas : a
:ratar com o commendador Tasso.
SONVDIH3KV SODIIHV
gZ *n ojuBg-odjoo op BSS9ABJX
160
Cunha # Manta, vendem a
ra do Mrquez de Olin-
da n, 40, o segninte :
VINHO XBREZ superior, em caixas.
G06NAC UARTELL idem.
V1MHO BOREFAUX, i Jen.
AZWTE DOCE REFINADO, dem.
VINAGRE BBANX), idem.
CAF D9 CEARA4 ?cco?.
Companhia Allianca
i
leguros martimos estabelecide
na Baha em 15 de Janeiro
de 1870.
CAPITAL..Rs. 2,000:000*000.
Toma segara de mercadoiiaa e dinheiro a rsc<
narrtimo em navios de Telia e vapores para den-
ro e fra do Imperio. Agencia i roa do Com-
mereio n B, escriptorio de Joaqoim Jos Gon-
^lv Beltrao. _______
AOS 5:0004000
lati i venda os felina bilbetes da lotera da
Jahia. oa casa feliz do arco da Conceico, ioja di
mrives no Recite.
Na raa de Pedro Alfonso n. 56 precisa se de
um menino para caixeiro, prefer ido se dos lti-
mos ehsga^os.
3oavrovM
S3J01
MllOVOf
Na n^ute de 21 para 22 do corrente ropz, fur-
Mita do engeoho Jagaaribe do termo da Esca la,
3 Tavaos, pertencente ao abaiio assignado, e ca-
jos signaes sao os segrales : o 1." Mellado bran-
:o, ca.-irado, tamaobo regular, bem feito e gordo,
'dade 7 annos, com a marca II K no quarto direi
:o, e o 2. da mesma cor, inteiro, bastante gran-
Je, nao est magro, idade 8 annos bem feito, pes-
:o;o bastante gordo, tera a'.m de ouiros ferros
ara 3 no quirto esqaerdo e o beico branco, e o
}.* rasso pombo, de tamanho regular, bem feito,
nteiro, idade 8 annos, ferrado no quarto e no
aaeixo : cajos cavallos sao de roda e esto te-
ios nos peito?. Gratifica-se cora a quantia cima,
a qoem delles dr noticia certa, ou aprehende los:
tratar no Recife com o Sr. Francisco Antonio
de Brito, ra do Cbug n. 11, ou no mesmo en-
geoho.
Fabio Vellozo Freir.
Precisa se de um caixeiro com pratica de pada-
ria, de aliinjada conducta : na ra Imperial cu
mero 183. _____________
Preeisa-se de urna ama para cozmhar em
casa de pouca familia : a tratar na ra das Cru-
zes n. 29, armazem de movis.
Precisa-te alugar urna ama que ss:-
ba cozinhar, engommar e comprar, pa-
ra casa de pqnena familia : na rna do Corpo
Santo n. 2, loj.
Na ra do lospicio n. V.\
predsa-se _ saiba engorrmar para c*3
de pouca familia.
AMA
Victoria n. 22.
Precisa-se de duas ama', senj.;
urna para cozinhar, outra par;
engommar; na ra do Baro t!
Alnga-se a casa terrea n. 6 a travessa
Falclo : tratase na ra dos Pescadores n. 17
Jr
IV10FINA
S
*m
1 Bells p. 2, ]oj>.
Preeisa-se de ama ama qoo
eozinbe e engomme para ama
aobori i traia-se na raa
ENSINO DE PREPARATORIOS SEGl
DO O NOVO PROGRAMMA PARA
EXAMES.
O prolessor Torres Bandeira tem resol-
vido abrir, para os mocos qae se prepa-
rara para' a Facaldads de Direito, alm
dos corsos de philosoaaia, de reiborica e
potica, e de geographia e historia, nm
corso espeiial de liocaa portugueza ; e
era relafo s senhoras, a cojo ens'in
5 tambem se dedica, igaalmente se prope
I dar licSes de lingaa portugoeza, de lin-
gaa franseza e de geoiraphia.
_ MORA A' RA DOS MARTIRIOS N. S
AXDAR. ^
awHaimiaiu
ATTENCiO
As lber .as pela socieoada Emancipadora podem
procurar soas cartas registradas e prompta no
escrlnterio ra Dqqpe de Casias n. 79.
No colleglo de Santa Genoveva, roa do
Hospicio o. 29 jauto ao quartel, precisa-se de orna
ama para lavar e engommar, sojeiando-se a mo-
rar no mesmo estabelecimento, prefere-se pessoa
escrava.
Precisa-se de ama asna qne engomme
e cozinhe, para pequea familia : a tra
i' ;ar na raa do Cabnga n. t, lija de joias.
AMA
Alnga-se o I* andar do sobrado da ra da
Senzala-velha n. 42 : a tratar na mesma rna nu-
mero 48.
Retratos Timbre-post
Excellentes par3 circulares, convites, ou sim-
plesmente para cartas a amigos, committentes,
;orreepondent etc. etc.
109 folbas da papel de peso pautado on nao
com retrato em cada ama 20#0 50 ditas dito etc. ioJOOO
25 ditas dito etc. 10/000
Specimens na livraria francea roa do Crespo.
Recebem-se encomiendas e fatem-se es re-
batos na Photographia Imperial roa do Cabug
D. 18, nico estabelecimento pbotographico desta
cidade qoe tem todos os appareibos necessanos
para este trabalbo.
Roga-se ao Illra. Sr. Ignacio V.eira de Mello,
envo na cidade de Nazareth desta proviacitj
favor de vir a rna do Imperador n. 18 a coactan
aquelle negocio qae V. S. se corapromettea rea>-
sar, pela terceira chamada deste jornal, em fin
de dezembro prximo passado, e depois para Ja-
neiro, passou a (evereiro e abril, e nada cumprio,
i por este motivo de novo chamado para dita
dm ; pois- V. S. se deve lembrar que este negocio
de mais de oito annos, e quando o sechor sat
Bho se achava no es nesta cidade
Aluga se
o segundo andar do sobrado da rna Nova n. 38 :
a tratar na loja.____________
Revista Jurdica
Jornal de Doatrina LegislacaoJurisprudencia.
Rfdigido pele bacharel
Jos da Silva Costa (Rio de JaneiriO.
Assigna-se na livraria Universal, roa do Impe-
rador n. 54.
Por seis mezes 7*000.Pjr um aono 11*000
Obra de muita utilidade para os Srs. advogad^s.
( J existe o primeiro vol. 3 meze.')
Mudanza.
Precisi-se de urna ama para lavar e engom-
mar para ama pessoa : na praga da Independen-
cia o. SO.
Costureira e en^ommadeira
Preeisa-se de costureira e engommadeira : na
tintnraria francesa, roa da Imperatrit a. SK.
Ama cozinheira
Na raa do Piras, sobrado n. 28, preeisa-se de
ama ama boa cozinheira, paga-se bem.
Precisa.se de ara caixeiro
lf i Na traTe*sa do Arsenal de Guerra
. no botej do Un I \ ll \ precisa-se de ama ma para co-
verso, prsferindoee nm qne falle Ingle? po tile- jV1"J.1. zinftr e engommar para urna familia
wat na ra do Cemmercio n. 1 I da tres pessoas.
ECHO AMERICANO
12 ac bou a sssignatura
Com o numero
do 1 semestre.
Con o n. 13, principia a assignatura do
2o semestre.
Rs. 6000. r
___________Livraria Fraqcaza
m M A Precis-s alugar urna ama para
tm.LlM.im. lavar e comprar, pagase bem : i
tratar ni rna da Senzalla Velha o. 90.
Quem precisar de nm bobeara de iOade de
15 anuo?, de bons oostames e fiel, procure na raa
das Trinchelraa jj. 37, qae aeftari com quem
traas.
Do dia 10 do cerrente em diante estar moda-
do para a roa do Imperador n. 48, 1 andar, o
gabinete de cirorgia dentaria de F. Maia, o qual
dessa data em diante ser ah encontrado todo c*
dias a qualquer hora. O mesmo, como at aqu
contina a prestar-se a chamados.
* os.pretendentes.
Faz-se negocio com a loja da roa Nova n. 16,
garantindo se artendameoto : a tratar oa mesma
Monteiro
Est para alagar oa povoicao do Monteiro a
bem eonhecida casa da Canaa-fistula, situada
beira do rio e com magnficos commodos para fa-
milia : a tratar com Antonio de Sooza Reg a ra
i* de Marco n. 8, esquina da roa do Imperador.
a a* s
Dr. Manoel Baedioo Reg Valenca.
I Gamboa doCarmo n ilMrandar.
AMAS
recita-te de dnas amas_Jlra
sem'co interno de pequea iSmi-
lia ; rua Imperial n. lcr
rima dareBoacio. -
1
/'



l1



f



I
V
i
Diario de Pernambuco. Quinta (eir 30 de Novembro de 1871.
Precisa-se de urna ama par oa-
__u de pouca lamilla : na roa JM-
reiu n. 68, andar. _^____~___.
AMA
O abaixo assignado, tendo do acabar eom o seu
negocio, roca aos sao* hbMb e nomeroso* fre-
guezes qne Ibe estao denudo em saa loja da cal-
cado a raa lalroperatrii d. 10, de vir on mandar-
ino pagar sea debito at o fim de dezembro do
correte aaao, pois do contrare ver-so ha obriga-
do, o fcaa contra saa toniade, i entregar aa coo-
tas a sao procnradot, pera elle reeeber amigavel
on jadiowmente, o qae o abano assignado espera
dos seas bons freguetes isso nao ser necessarlo.
Recife 31 de ontnbro de 1871.
Antonio Rodrigues Pinto.____
raspj
msso
Traapdnn-M orna pequea hjpotheea de 4004
a joro l i 0|0, na casa da rna de S. Miguel, (re-
gueria 4o Afogado n. 75 : o pretendente dirija-se
a casa de banhos do Roetfe.________________
Precisa se de urna ama livre on escrava pa-
ra casa de pouca familia: no pateo de S. Pedro
n. 18._____________________
J-Mi*e nt moleca de 10 a 11 annos seco
vicios pan o seivico domestico de urna casa de
familia: _a rna do ltangel n. 26.
_ -Mr jm Na ra da Cadeia do Hecife d.
_1L_!____l 59, precisa-se de urna ama para
cotinhar e comprar para casa de horneen solteiro.
Offerece-se urna ama,
idosa de boa conducta,
para cosinbar em casa de
pouca familia : a tratar
na rna do Vigario n. 5,
segundo andar.
AMA
Alug
la-se
A casa n. 7, Passagem da Magdalena
tar eom 1.1. deM. Reg.
ira-
Precisase de orna criada engommadeira :
na rna do Imperador n. 57, 2* andar, entrada
pelo lado da ponte.
Precisa-se de ntna ama que coiinhe
bem, para casa de hornera solteiro :
tratar a rna 1* de marco n. 8 A.
AMA
AMA
Precisa-se de ama ama para con-
nbar em easa de pouca familia :
ra Velba n. 28. sobrado.________
Quem tem padnnho nao morre
pago.
No encanamento, freguezia do Poco, ha tres ta-
bernas, e s daas qne esto colletadas, porm a
que faz mais negocio que urna que, por ser de
m pretinho, nada paga ; precisa qne o digno col-
letor olhe para isto, pois se o negocio de lei deve
ser a jnstica igual, que nns nao sao Altos e outros
?n liados._______________________________
Servente.
Precisa-se de um servente: no hotel francez, ra
das Larangeiras n. 10.________________
Cenpanhia de seguros martimos
publica,
A direccao de accordo eom os estatutos artigo
41, oonvida io> senhores acehnistas para reuaio
de aseembla gerai qoiota-feira 30 do correte ao
meio dia em s eu escriptorio ra do Mrquez de
Olinda n. 34, Io andar.
Recife 27 de novembro de 1871.
Os directores,
Feliciano Jos Gomes.
Thomaz Fernandos da Cunta.
Precisase alugar urna ama
X escrava para comprar e cozi-
nhar : a tratar na ra do
imperador n. 79.
Feitor
Precisa-se de dous horneas portogoezes, um
para feitor -em um engenho e cairo para tomar
conta de ora sitio perto do mesmo engeu.io, d se
bom ordenado : na ra do Bom Jess, aaliga ra
da Cruz n. 30, 1 andar, se dar informacijes.
Catxeiro
Precisa-se de um caixeiro para a villa de Oara-
nhuns que enba pratica de fazendas e letra soffri-
vel : a tratar na ra do Livramento n. 6, loja.
Moleque
Precisa-se alugar ara rooleqoe : na ra larga
J:. Hosam n. i i._________________________
Aluga-se a casa o. 11 da ra do Jasmim na
Boa-Vista : trata-se ei ra do Apollo n. 20.
i ii 11 u un i.
Ka travessa da rsa
das Cruzes n, % pri-
_eire andar, da-se di-
ahelro sobre penheres
de o_(r, prata e _filhaa
les, seja qual for a qaan-
tia. Xa &es_a casa eom-
pram-se os mesaos le-
taes e pedras.
Mudanza
Anlcnio Secundino do Monte participa aos seus
numerosos amigos e fregnezes qne mudon o sen
estabelecimento de ctpelleireiro e barbeiro, sito
rnr estreita do Rosario o. 10, para o primetro an-
dar n 4 da metma rna. Espe/a merecer dos
meamos seos amigos e frejruezes a sua valiosa
coad]uvac.o.
m Precisa e de orna
pequea familia: a
Bram n. 65.
ama para casa de
tratar na ra do
Precisa-se de orna ama para eogommar o
fazer mais algum servicc m_rno : na ra Direita
n. 28, 1* andar. __________
Precisa-se alugar urna cosinheira escrava,
para casa de familia ; a tratar na roa Nova n. 50
l* andar. W
Aos 5:000OO.
JJiliefe garantido da pro-
rfnela.
H&a do Sarao da
Victoria,
Outr'ora ra Nova n. 63 e casat
do cnstume.
O ab_xo.a:{?_do acaba de vender entre o
Mns maito* fetires bilbetes a sorte de 800/OO
em um quarto de n. 14S4, a sorte de :W0* era um
qnarto de d. 1320, e outro quarto de n. 1647 eom
sorte de I00J. alen: de outras sorte; menores de
404000 e 20*000 da jetarla qae se acabon de
xtraUr (215), podendo seua possuidore viren
reeeber, que promptameotc serio pagos.
O mesma abaixo assignado eonvida ao respei-
Uvel publico para vrete a: :-ea eatabe'.ecimentt
eomprar os fehzes bilhetes garantidos, qae n
deixar de n'rar qna!q_er premio como provs pelo
mesmos acnenci ?.
Acham-se venda os moito JWiies bbetes ga
rantidoa da 7' parte das loteras em beneficio da
matriz de Jaboatao, qne ser exfranda no dia
gninta-feira 30 do cjrrente mez.
PREgos.
Inteiro 6*000
, meios 3*000
Quartos 1*500
Di IWOOOpara cau.
i (arito 5*500
li*M 2*750
QOar:o 1*375
Joio Joaqnlm da Costa. LeiM. -
Medico operador e par- 0
leiro. S
Dr. Francisco Jaciniho Pereira da Sfot-, S
u, a qualqaer irorn 4j dia on da noite, .1
I,A 1* andar, praca do Conde d'Ea,
onlr'ora da Boa-Viwa.
CONSULTAS GrtATIS AOi POBRES.
i
***********
Monteiro
Por 300,000 ris.
Alnga-se urna casa na povoacao do Monteiro: a
tratar na tiberna do Sr. Nicolao Machado Freir,
no mesmo logar
RDA 1* DE MARCO OTBORA DO
CRESPO N. 23.
^Aos 20:000|>000.
O abaixo assignado tem sempre exposto i ven-
la osfelizes bilhetes do Rio de Janeiro, PB>W
promptamente, como oostnma, qaalquer premio.
PRECOS.
Inteiro 24*000
Meio 12*009.
Qaarto 6*000-
Manoel Martins Fioza.
Faz-se negocio
Com a antiga e bem afreguezoda loja de calca-
do francez ra da Imperairii n. 10, livre e des-
sembaracada de qaalquer cous ; faz-se negocio
a dinhetro oti a praso conforme se eonvencionar;
sendo um bom negocio para quem quizer conti-
nuar, e s se vende por ter o dono de se retirar
para a Enropa tratar de ana sande.__________
ATTENCA
_>
Precisa-se de ama ama para comprar e
cozinhar para casa de ama familia composta
de daas pessoas : nesta tvpographia se
djr.__________________
LUK DO MONTEIRO
No segninte mez de dezembro principia func-
cionar o dito Club, as pessoas que quizerem to-
mar assignataras por 3 mezes de dezembro a fe-
vereiro, pagaro 30*000 adiantados para o que se
entenderio com o abaixo assignado.
Recife, 18 de novembro de 1871.
P. I. Layme.
Grande hotel central.
Manoel Garrido cientfica a seas amigos e bons
fref bozos, qne tendo se associado a seu irmo
Francisco, actualmente em viagem para o Rio da
Prata, e sendo o nico gerente do eslabelecimen-
lo, Ihes ofierecem eommoda hospedagem, boa
mesa, frescos banhos, e tudo quanto ha de con-
fertavel : na ra larga do Rosario ns. 35 e 37,
defronte da igreja.
Os Sr?. absixo declarados sao rogad >s a
mandarem ou virem ao escriptorio deste Diario
i negocio:
Jos Francisco Ribeiro de Sonsa, (dono do col-
legio de Santo Amaro
Francisco los Rabello
ALGA-SE.
Daas casas terreas na Ladeira da Misericordia
e na rna deMathiasFerreira em Olinda, perto dos
banhos, e primeira cora o quartos, 3 sallas, cosi-
nfi-i fora e bom qointal, com terraco adiante e
atraz, muito fresca, e urna vista inteiramente agra-
davel tanto pela frente como pela oarte de detraz,
e a segunda com dnas salas, 4 qnartos. e quintal
cercado : tratar Jna roa do Cahug n. 16, 2o
andar.
ADVOGADO
Dr. Joaquim Correa de Aradjo
67Roa do Imperador67
r_ r:
l'!_
m
jh'roiectora
das familias.
Os seshores contribuiates a essa associaclo que
preferem mandar pagar snas annuidades nesta pro-
vincia, podero dirigir-sa ra do Livramento n.
19, Io andar, antes do dia 44 do prximo mez Je
dezembro, afim de que os fu'-.- possara ch?gar
na sede da associacao, 110 Bio de lineiro antes di
seu vencimeoto 31 de dezen.bro de 1871.
Recife 20 de novembro Je 1871.
Narciso Francisco de Vidal
Alfonso Jos de Uuveira mudou rta residen-
cia para a ra do Conde da Boa-visia, outr'ora
ra Formosa n. 23.

Mlle. Marie Lavergne, modista-em
cabellos, recentemente cnegada de Pa-
ria, tendo comprado ao Sr. Joio Godo- ,
fredo Pinto, o seo estabelecimento de
cabellereiro a ra Primeiro de Mareo ,
n. 14 (aaliga do Crespo) offerece os
seus servidos s Exmas. Sras. des
bella cidae para os misteres de sua
arte ; o sen estabelecimento est prvi-
do de habis artistas para a boa exe-
cucao de qaalqaer obra e corte do
cabellos. Faz os ponteados em sen
eabelecimento por melado do prego
do que esta estipulado para quando
for chamada a residencia das Exmas.
senboras.
O respeitavel publico encontrara em
sea referido estabelecimento um bello
sortimeoto de perfumaras francezas
e inglesas dos mais acreditados fabri-
cantes, asiim como flores artificiaos,
objectos de phanlasia, modas, etc. ele
e vende tudo por precos commodos,
pois recebe directamente da Enropa.
O sea estabelecimento acba-se aborto
das 6 horas da manha as 9 da noute.
-^^ ">CV ^ ^^- -^B^ -_^ >C ^s^ -^
Va' a qnem toca
Os propietarios da eoofeitaria do Campos, sila
i rna do Imperador n. 21, tem a honra de levar
ao conhecimento d) respeitavel publico, qae re-
oeberam directamente pelo ultimo vapor da Eu-
ropa um variadissimo tortimeoto de MIMOS.
Por se tornar enfadooho o descrever a varieda-
de e belleza dos objectos que recebemos, limita
mo-nos somente a pedir a attenco das Exmas.
femilias e dos mancebos do kighlife; por isso
que s a presenca dos entendedores poder bem
aquilatar do merec>mento da aossa grande exposi-
cao de objectos proprios para os mimos de festas,
e para isso pedimos somente urna visita ao nosso
estabelecimento na ra do Imperador n. 24
OOEFEITARIA DO CAMPOS.
N. B. Para que se torne bem_ distiacta a nossa
casa, se conservar um lampeao acoso a noite.
*id 1
Machinas de costara.
Chegaram ao Bazar Universal da roa
Nova n, 2, um sortimento del machinas
para costura, das melhores qualidades que
existe na america, das qoaes maitas j s2o
bem conhecid?s pelos seui autores, (como
sejam: Weller & Wilaon, Grover & Boka,
Silenciosas, Weed e Imperiaes e outras
muitas qae com a vista devero agradar aos
compradores.
Estas machinas tem a vantagem de fazer
o trabalho que trinta costureiras podem
fazer diariamente e cozem com tanta per-
feicSo como as mais pereitas costureiras.
4 Ra do Apollo 4
Joao do Reg Lima Filho tem para vender, 20
0|0 meaos qae em outra qaalquer parte, o se-
guinte:
Linguicas as libas em latas.
Alcatrao em Larris.
Vinho do Porto fino em eaixai.
Dito Bordeaex dito dito.
Reloglos de pareae e cima d rnesa.
*mmm%mwmmm*
A ra do Comroer:io n. 10, escripto-
rio de Jos Joaqnim da Costa Maia, en- S
contra-so para vender or commodos |fi
precos: aa
Azulejos bespanhes.
Polhas de ferro galvanizado para telha- |
i do de diversos lamanhos.
Ditas de dito dito lizas.
Bicas de ferro galvanizado.
8Cumieiras dito.
Portadas completas para cantara.
Ladrilhos.
FOLHINHAS
raRA
0 A10 DE 1872
As fcstividales sao Indicadas pfra o bissadods
Pi-rnaj.buco. As horas das mares, o oaaeer dk>
sol, eclipces, etc. (60 pag.), ;o exartamente eal-
cnladas para Pernambuco : Indicacoea esas, qm
n8o se encontrsm as folhinhas impretsaa o*' *
de laoelro.
O PRECO E" DE 400 RS. CABA
Contara das seguintes variedades :
ANEDOTICA
Consta de cincoenta ancdotas inflitas, illnstra-
das com numerosas estampas.
COMMERCIAL
GUERRA FR4.NCOPRUSSIANA
GUERRA DO PARAGUAY
RELIGIOSA
FOLHIRHADE PORTA
Rs. 160
Um folha contendo a folbinhai o kalepiana-
DO MRQUEZ DE OLINDA N*9
E. A. Deloucbe acaba de reeeber um
grande sortimento de oculos e pincenez de
todas as qua'.idades, e vidros de todas as
numeracoes.
Na mesma casa tem grande sortimento
de relogios de todas as qoalidades que ven
dem-se muito baratos.
AOS PADRES
A Nova Esperanza, ra Duque de Caxias
63, quem vende as melhores meias de laia : a
Garante-se a sua boa qualidade e ensina-se quanlidade pequea, por tanto ellas antes que
a irabalhar com perfeicSo em menos de ama I --
hora, e os precos sao to commodos que
devein agradar aos pretendenles,
AMA
Precisa-se de urna ama para casa
de pouca familia, sem filho : a tratar
na ra do Cabug n. i. loja de ogro.
Feitor
Precisa-se de um feitor para trabalhar era plan-
ta do capim em um sitio em Beberibe : a tratar na
praca da Independencia ns. 14 e 16.
CASA A FORTUNA
Aos 5:000*
Bilhetes garantidos.
i roa Primeiro de Marco (outr'ora ra do
Crespo) ti. 23 e casas do costme.
O abaixo assignado, tendo vendido nos sens fa
ixes bilhetes nm meio n. ."Oi com 5:000^000,
am quarto n. 1664 com SOOOOO, um qnarto n.
1320 com 3003000, um meio n. 2033 com 100*,
um quarto n. 1647 com (004 e outras sortes de
10| o V)t da lotera qne se acabon de etrahir
(218*), convida aos posenores a virem reeeber
na conformidade de cocame sem descont algum.
Acham-se a venda os bilhetes garantidos da
7." parta das ;ot6rias, a beneficio da aatnz de Ja-
b-.atao (21!'), que se extrahir quinta-feira 80 do
:orree'e mez.
PRECOS.
Bilnete inteiro 6*000
Meio bilnete 3*000
Quarto U50C
Ero porcao de 100*000 para cima.
Bhf.tein'iiro B|500
Meio bilht-le 2*7i
Qoarlo 1*373
Manoel Mariins Pin.
CEMENTO
O verdadeiro Portland : s se vende na
rna da Madre Dos n. 22, armacem de Joo
Martms de Barros.
i Com o publico ein geral.
Objectos para lato I I
Ou memento diario para 1872.
Um bonito volume encadernado -pela mcdke
preco de
Rs. 2.000
Cera meia folha em franco pira esda d&a m
anno.
______Uvrarla franrccT______
Libras sterlinas
Vende Joaquim Jus Ramos rus <3o Bom lesos
o. 8. andar. ^_____
Especi^lidude
Chegou urna pequea romeso fie vnhj
Pono em caixas de duzia preprio para
as ou pessoas doenles. ^^^______
3
Vende-se o verdadeiro alcatrao da Snecia pro-
prio para encerados : no armazem bolla amarella
non ftio da secretaria da polica.
PARA NOIVADOS.
Bonitos ports traqaets.
Lindissimos leqnes de mtdreperola moldes ir>
teiraaente novo.
Gertinados bordados.
Camisas bordedas para hemsm,
Fmas meias de seda para senhora,
A Nova Esperar.ca auem tem f I I
DESAPPARECAM AS SARDAS
A Nova Esperanca a ra do Duque de Caxias
n. 63, acaba de reeeber o bem conhecido leite
de rosa branca, e tambem]leite virginal, os qaaes
faxem desapparecer as sardas ou pannos.
Brinqnedos
E' chegado a ra do Queimado n. 4, loja de
ferragens, importantes brinquedos de metal ( fq-
fha) maito proprios para dar-se de festas as
|criancas. tem sortimenlo completo, como sejam :
I nacbamborabas, carros, carreras, boneeas com
'carro de mollas, e sem ellas, bonds com seis bur-
ros, malapostas com 6 e 8 cavalles, trimbolis e
utros muilos objectos do gosio, a ellos antes que
.se acabem.
Moleque.
Arrenda-se ou aliiywe. por resta, <. -lio de-
nominado Peixinbo, qae fi;a eolre 0.ti :a Iteie-
ribe a margem do rio, com casa de rom.> t bv.ns
commodjs para grande fami'ia. mmtts arviredos
de fructos, um grande maugab"iral, b.iixa com ca-
pim, terreno para plaota;5es e etc., qassi c:m a
vista se poder avaliar : a tratar no mesm t jaai-
quer hora do dia.
Com urgencia deseja-se fallar coa os senhores
capitaes de campo : na ra do Qaeimado n. 29.
loja dos Srs. M-infiro t Corris.
Club no Monteiro
ABERTURA.
Na noite do dia 2 de dezembro tira logar pri-
meira partida, havar um trem espeiial s2 horas
da noite, tocando em lodos os ponto da :nha.
O emprezari >,
P. J. Layme.
Precisa-se de nm moleque de ilade de 18 a 20
anno', paga se bem, para o servico externo do
estaminct, ra do Imperador n. 32.
GRIIOE
UIHUCAl
Brincos, "pulceiras, broches, rocos aderecoj,
ernees, cnssoletas e moldes n'-eirAorente novos,
acaba de reeeber a Nova Esperanc. a rna Duque
de Caxias n. 63... a ellos
E* sempre assim
A Nova Esperanca... jamis aaba de reeeber
novidades I agora mesmo, rtcebe lanas que nao
sabe dellas qual aonuncie I porm sempre deca
ra as seguintes para sciencia de alguem.
Medaiboes de madreperola para voltas, cruzes
para o mesmo flm, bonitas caixinhas vazias de
papelo, modernos aderemos de madreperola, de-
licadas correantes de plaqu, lindes enchovaes para
baptisados e chapeasinbos para o mesmo fim, bem
como deste Itimo artigo recebeu couja muito es-
pecial de seda copa alta, uu velludo para seohora9,
Jescrever mais massante.______________
A revalesciere (iu Barry de
Londres
Toda a doen^a, cede a Revalesciere du Earry,
que dfc sado, eaergia, appetite, dlgesto o des
canso. Ella cora as dispepsias, gastrites, humo-
res, arodez pilaUa, flato, enjps. vmitos depois
da coaiida e gravidez, con-tipa;oe,o. ati:nia,
affcc-ooes pulmonares, bexiga, ftga'- -erebro e
sangao ; 60.00G curas, inciuiado mu.s deas nc
Brasil.
A revaleciere chocolatada du Barry
em p,
Elicicso aumento para almoco e ceia, mnitc
nutritivo, fortificando os ervos do estomago sen
causar o menor peso nem der de cabera, nem ir-
ritacao.
nico depoftio para o Brasil em Pernaml-uci
na pbannacia americana e Ferreira Hala & C.
ra do Duque de Canias n. 57. (Todo cuidadi
com as taisiflcaco?.;.) __________________
Formas para pOdins e can-
Rica.
A loja de tonca da ra Primeiro de Marco n.
46, do Bemardino Duarte Campos C, chega-
ram as mtzto desejadas hrraa c, loaca para pa-
ltas e caogica, as qaaes se veniem por nodi:o
profo.
V1KDAS.
A 340. 260 e 280
Chitas claras e escuras a 2iO, 26O e 280 o cg-
vado, cambraias de cores a 2*0 o ovado : na
l Crespo 0. 20.
Rna d_ huperatriz -- *.
DE
Lourenro Pereira .lleudes Gui-
mares.
PECHINCHA A 200 rs.
Vendevse urna grande perco de ehilas france-
zas anas, cores escuras, com to^ue de avaria, 8
200 rs., e 210 o covaio, grande sortimento de cha-
peos de palha de todas as quadades tiara himens
e meninos a 2>, 2o00, i, e 3J>, o outras
oicitas fazendas em liquidado .ara fechar factu-
ras : na ra3 da Imperatriz, Ba:sr Nacional, nu-
raero72.
Pelo custo para li-
quidar
Vende se pelo costo, para fetJiar cobUs, papes
pintado e dourado cos primorosos desechos de
differentes qua>idjdes. o gostos, proprios para for-
rar salas, gabinetes e capella>, etc. Agora pode
qualquer pessoa ornar as paredes de su* casa,
certoj de que a importancia ;; te.spender sera iga'
a quo se gastara mandando-a simplesmnte caiar:
na travessa da Madre de Dos n li, arteazem do
Candido Alberto Soflr da Mona 4 C.
Bazar Universal
RA DO BABAO DA VICTORIA
(Outr'ora Nova) n. 2
Acaba de ser despachado para este estab!
ment um grande o variad) sortimento ds bra-
quedos para mancas, muitus do3 qnaes aiad
nao vistes nesta cidade, e reconim*nav;is por
suas elegancias e exqursiees :
Bem como encontrare no nesrao esiatiiieci-
mento tin completo sortimeoto a mchicas para
costura, di todus os autores coebecidos. e por
mdicos prec-s. Cadeiras de viras para hoaiens,
senh<>ras e meninos : Esleirs para forrar salas,
sendo brancas e encimadas, eaias de ferro de
todas as qualiekes e fi'^?. Cadeiras america-
nas para repjU'0, espetaos de tod'.s os umanhos
para ornat >s de salas ; e mnitis ontros artigos:
Ptalas assicaradas de lislol.
Constando ao abaixo asignado que am seu
mul.-.titilij de nome AiUcoio, ausente de sua casa
ha 22 dias. procura empregar se como criado,
roga s pessoas a quera elle oflereoer-se o obse-
quio de o mandar recolher a DetencSo, re=ponsa-
bilisando-se por qaalqaer despeza que possam
fazer. Recife 16 de novtiiibro de 1871.
Lniz de _oraos Gomes Ferreira.
Na retiaagai da ra 14.ma n. 22 precisa-se
de trabdhadores que eutendam do servig da
mesma.
Para loux:fr banhos algados em
OUoda.
Praia de S. Francisco jonto a rnar.
Aluga-se d.is casas pequeas, de pedra e cal,
pintadas de novo, n. 1 e 2 por prec.) commodo :
a tratar ca ruj das Cnuot o. :W. prim-in ani'ar
D_i
Contrata se um bom arnassador que saba cor-
tar bolachas, p?ra ama padaria em Natal, capi-
tal do Rio-Grande do Norte : na ra do Mrquez
de Olinda n. 40, i* andar.
Ara* de ieite.
Precisa-sede urna ama e Ieite : na raa da Pal-
ma n. 76.
ADVOCACIA.
O Dr. Manoel do Nasckuento Machado
Porlella contina a advocar e pode ser
procurado no sen escriplorn rna ao Im-
perador n. 83, 1* andar.
nica ca&a neste genero
M'-Rna Eslreita do Rosario-M
Compra e \qpAe roupa eita
nova e Yelha,u)bjeclo8 de
cosinha e mesa, e
tudo aue pertejj-
Flor do Fumo
Araba de chegar nova re;sa de fu- |
mo picado para cigarros e caximbo o ci-
garros especiaes do Para, fabricado por
Jos Julio Sampaio Piro, o melhor pos-
si vel : nico deposito ?m Pernambuco,
Praca da Independencia n. 39, loja de
calcado.
-as
A 3.000 rs, a peca.
Caranraa transparente com 10 jardas a 34000
a pee.i, pechlncha : na ra do Crespo o. 20, loja
de Guilherme Carneiro da Conha._______
Farinha de mi ho.
Vende-se fariha de milho molda a vapor,ia-
riamente, peina prados seguintes : grossa para
raoganz a 90 rs., dita para ang, pintos o passa-
rinh'i- a 100 rs., para cangca e pao de Provcnca
a 120 rs., e para cosciit a O rs., em arrobas
mais barato : na ra do Cotovellon. 23.
A 30000.
Retalha-se, para acabar, a tres mil ris per til-
mo, os lotes de terreno qae restara 4o sitio Agua-
zttha do porto da Madeira, era Beberibe, coro 800
palmos de fundo. Aos domingos e dias santifica-
dos estar pela manha em dito sitio pessoa habi-
litada para quaesquer informales, e para negocio
nos das atis, a ra do Crespo o. 12. primeiro
andar.
Popelinas de seda
A I600 rs.
Na loja do 'Pava> vende-se um elegante sorti-
mento das rnilhores e mais modernas popelinas
de m'.,i, que se liquida pelo baralissinio prefo ds
ltiOO rs. o covado, grande pechincha : rn
da Imperatriz n. 60, loja de Pereira da Silva i
C.
Vende se excelleates terreno inargem d
rio Beberibe e perla da estacao do caminho d
ferro : a tratar com o 3r. 7o5> Feilosa : oa ro
estreita do Rosario n. 23.
Fanno'fio fJ
para frzios de miehia* de impreisio, e p>r*
prelos, o qne ha de melhor : v.raJe>9 na roa es-
treita do Ro Veii urna casa con terreno todo piantado, eom i*>0
palmos da largura o 900 do fu., ero Bebdrioe de
Uix.i, rua-da Gsera#; ; }.tti'i no mes-
ar com loa] AHemao. tac n
Sustento restaurativo da
sande
?LA VERDADEIRA FARINHA
Du Barry .'Arabia
. Os abaixo ass!ignado9 fazem sciente a seus fre-
gueses, qua pelo vapor inglez La-Plata receberam
Jegunda remessa d'essa excelleule farinha, coje
aso maito se recommeeda para as eriaocas, pes-
soas debis e eonvalesceotes, applioada eom reco-
nbecida vantagem as constipacijes, diarrheas.
nausea do estomago, tosse, escrro de sangue.
pf;thysc, etc. etc. Preferida anda pelo agradavei
ibor.Unirieoa oalra qualqaer.
Vende-se ama balacea do labricante Romao.
:om todos os seus pertences : na roa dos Copia-
res B. 14
a ........ .. .,,._ .__, .
A03 senhores funeiros
Vende-se era porcao e a retaiho caixas de folha
de Flandres e estanbo, tado d6 maito boa qualida-
de e a prego eomrnofo : na ra Marcilio Dias o.
31, antiga roa Direita, armazem.
I
JOIAS
Jos de Sonta Soares & C, veadem em seu Ba-
:ar a ra do Bario da Victoria a. 50, um especial
iortimento de Joias de ooro pir resumido* pregos.
ftgeommendamo-las ao bollo sexo pornanibncano.
AVARI400.
Chitas nas escaras: com loque de avaria a G
e 74 rs. a peca ou 200 le Marco b. 20, loja de Guilherme Carneiro da
Cunha.
Nadad
J l
salvas
PwpTios para barmos de mar : VMM-fe a >l,
84, 104 e ii. Cbapman : Roa do Imperador
n. 48.
Vende-se por 1:1004 a casa terrea aa Ca-
.jimga (rua.da Amizade)n. 38, cmcjilos proprios:
a tratar na raa da Marcilio Dias n. 15.
Vende-se
aa| terreno na ra das Creoalas com 13 palmos
dateme : a tratar no p rtii Lasserre n. i.
Coques coques coques !
5l*jRUA DO-AUQEZ DE OLINDA 51
(Out'wa ru da Cadeia do Recife)
EDQUAR MILLO kC. m
Cabcllelrelro ce Pars
Tero sempre am sortimento d soques de trasca
v triado e de di (Trenles gosl>s, bom, nrtcoi de
)4W., 64 e 8400a
NAO COXTEM NEM CALOMELANOS NEM NENHU*
Ol'TRO MINERAL.
A grande necessidado e falta do urna
Ihartico ou de ama medicina purgativa, na
muilo que tem sido sentida, tanto Dlo po-
vo, como mesmo por meio da f; cuidado
medica; e por isso, infinito o gosto e
prazer que sentimos, em pdennos com
toda a ciififiancaesegurklade. recommendsr
as pilulas vegetaes assucaradas de Brisal,
jomo urna excellentc medicina purgativa, a
//antas, ha para vender carvao'qual encerra em si todus espartes emais
Calcado barato
Borzeguins de bezerro para bornem a 64 e 7000
Ditos de phar.tasir. para Senhora a 25000 e 34000
Ditos de dita para menina?a 2/.000
Vfnde-se ns praga da Independencia n. J9, loja
de Porto A Bastos.
No Forte do Matos, es-
criptorio por cima do trapiche i
das qualidades seguintes :
SUPERIOR NEVVEAOSTTE,
COK.
FERREIRO.
Vende-se em porfSo e a retaibo por pre-
co moiio commodo.
Freveuco necessaia
Quando muitas Irjas procuram adquirir grandes
lucros nao compadecendo-se das boiras alheias,
a Nova Esperanza busca consegui-ios'sem que de
forma alguma va entesua-las; porque segne sem-
pre o seu amigo e santo systema de vender bora-
to para vender muito e chegar assim ao fim deso-
jado.
A Nova Esperanca nao almeja rnente o lucro
pecuniario, snas asplraooes o mais benvolas,
em quanto ao interesse material, contenta-se eom
a mediocredade, era quanto porm ao moral, ou
entio ao (ssencial que eliajulga nomeadasen-
te urna vasta arabic", que detesta e faz toda 3
guerra ao costume macarrnico d?. caresta.
A sua prevenco necessaria, consiste em avilar
ao respeitsvel publico o especialmtnte ao bello
sexo, que ella ey sempre provida do que ha de
melhire mais elegante no mundo das modas,
entao necessano nao doixarem a Nova Espe-
ranca para prefenrem outro qoalquer estabelec-
men'o, porque aqui, o typo da caresta, e al!*,
(oa Nova Esperanca) o epylogo de tudo quanto
bom e barato.
Cunlia Irmaos 4 C. em seu tmiieva na rna
da Madre de Deus n. 3't, leem para ves ler de
marcas accreditadas c por presos commodcs :
Vinho do Porto de Pasto em barris de quinto
e dscimos.
Dito do dito fino em barris de dito dito.
Dito do dito tino em aocoreUs encapadas.
Di'.o do dito de todas as qu?.ijJes em oixas
de duzas.
A 16#01K> c ida um
Borneas para senhora, os mais modernos que
era vindo a esta pra^a, alm de outras 'nenias
proprias par 1 festa, como sejam as seguintes :
Madapolao francez fino, cambrafas Vi'toria e com
barra, "percales, crotones, chifas Boas, Bareges,
las, fusloes, casemiras, brns brancos e ds cores
de lioho e de algod", e outas mrji'.a? Trenlas
qne se ven Je barato, s com a vista : na roa Di-
reito n. 55.
Atteiwjao
Vende-se una taberna tila a ra da _ceda n
29, coro poucos lundes : a tratar ta mese-a.
V, PALHARES
O adeus da escravido
POEMETO
Assigna-se na Lvraria Francs
exomplar.
a 1/000
Cavullof?.
Vende-se dous exceilentei guaraos para ca-
briolet, allinga-se a m3nsdio : -yiero-' pretender
dirija se esoaaha da shndeg, armawo na-
ro i.
ingredientes essenciaes, tornando-se em om
peifeito, seguro c agradavei cathartico familia. Este remedio nao composto
iessas drogas ordinariamente usadas n:
composico dessas pululas, que por ahi se
vendem, mas sim, sao preparadas com a?
mais linas e superiores qualidades Je raizes
medioinaes, liervas e plaas, depois de se
haver chimicamento extrahido e separado,
os principios activos, ou aquellas partes
que contera o verdadeiro valor medicinal,
daquellas porces fibrosas inertes e agres-
tes inteiramente destituidas da menor virtu-
de. Enlre esses agentes activos ou ingre-
dientes especficos, podemos nomear a po-
iopkgn, a qual segundo a experiencia
mm demonstrado, pbssue am poder o mais
jaravilhoso possivel sobre as regioes o
figado, assim como sobre todas as secre-
ves biliosas. Isto de combinado com o
leptandrin, e mais alguns extraaos vege-
taes e drogas altamente valiosas, consti-
tuem e formam urna pilula purgativa, tor-
nando-se por isso muitissimo superior,
qualquer ama outra medicina da mesma
natureza, que jamis fora apresentado ao
publico. Ai pilulas vegetaes assucaradas
le Bristol, achar-se-ho sempre um reme-
ti prompto, seguro e eminentemente effi-
az, para a cura de molestias, taes como
sejam as seguintes.
Hydropesia dosmem-
bros ou do corpo,
Dspepsia, ou indi-
gestao,
dAstriugencia, on..
prisao do ventre
habitual,
Vzia do estomago e
Qatulencia,
Perda do apetite,
Edtomago sujo,
Affeccoes do figao,
Ictericia,
Hemorrodias,
M-ui hlito, e irrcgtV
laridades do sexo
femenino.
Dores de cabeca.
Em todas as molestias .que derivan
sua origem da massa do sangue: a salsa
parrilha de Bristol esse meihor de todoa
os pmificadores deve ser tomado conjon
lamente com as pilulas, pois que estis
suas medicinas, tendo sido expresamente
preparadas para obrarem de harmona tona
com a outra, quando fielmente assim se faz,
n3o nos resta a menor duvida. em dizer,
que no raaior numero dos casos, podemos
afilancar n3o s um grande alivio, como '
tambem urna cura protpt-x e radical, isto
est bem visto, qnaodo o doente nao so
ache n'ura estado muit alm dos recursos
humanos.
Gas econmico para os can-
ihciros de porcelana.
Acaba de ebegar este j bem coobecto coa-
astivel, como o mais barato, prompto e nsseiata
itolos ate hDJe coohecido, o se endontra v*a-
.a no oTjico de.-uslto, raa larga do Rotarlo n-
I nerc 31.
.
1



'





I
i:
iaiio de Fjernamcuc
H et
Qila eira 3 Je Notenibro. le 187L


==
BH
RA BOQUE DE CAXIAS N.
(Outr'ora Queimado n. 8.)
[T*1 ii. _
e cora lislras ptra
A Aguia Branca leodo j reaebido paite dd ms
antigs eneommcnas, em segnimento auab afo-
ra meamoata-.re.-eber outras, alguma das quae
ee toroavao. wor.ial neou precisas, e oulraa ge
laiem apreciadas p >r wj. g >-t- e quahdadea,
eoaosejam :
Meias de fl d'escocia, iberias para scuh-..ras
nvuin s
Ditas dem eom lista? tambero para senhoras
mi .taa.
Ditas dem multo bonitas ao goito es:ocer.
Ditas dem ideen brancas e com listas p ira me
ninas.
811*3 id-m ideiq para bandados.
tas de ilg'idJo comprifas i
Matates-
Lavas pretil de saa, para senhora.
Ditas de lonja! e de sed"! para m^Dina*.
Bonitas eamtsiohas bordadas para senhorj.
ril de seda, bcaneo e- preto e:>m (lores uda*.
Dito ds lgida^, liao e com flire..
Tooqtiin&as b n ialas par crianzas.
baldea e moderao chap-*jni>os de fas'.i prtn
dit-vs.
Pentes de tartaruga para desetnbara3r ou peo-
ear.
Ditos dn AtaJravetfQg para meninas.
Ditos de borracha para ditas]
Dito* de tartaruga, peqaenos, para segurar o
amarradilho aos cabefr? de senh iras.
Grande suriceuto J-i eufeites ie eda para ves-
tidos.
Fivellas de madrep^rola e da tartaruga para
pulceira e laco para o cabello.
Bonitas b Icinhas pm meninas.
HOYO SORTIMENTO DE ENCHOVAE5 PARA
BAPTISADOS
A aguia branca acaba de receber mvo sorti-
mento de linios e con.pletos encliovaos paraban-
Usados, e Lo.n ai si en separa tornete caiuuiahas
para dito luidos eiapeosiubos de selim urauco
bordados, ootros ditos com fundo de velludo, obra
de muio g*to, e que servem tambem para pas-
seo, sapatinhos de sei'm para o mesmo fin.
MODERNOS ENHEiTES DE FLORES,
ornados com Lie js de se Ja, titas de selim'e Qvella
de madreperola ao ultimo gosto, e proprios para
bailes, casamento?, etc., etc.
FLORES E PREPAROS PARA ELLAS
A Aguia Branca receben lindos ramos de flor*
Tinas, taato para cabeca como para chapeos,
bem Matan : ;
Papel verde H-o e com listas para ruin*;.
' Dito de cores para flores.
Polbas de diversas quali Jades para rosas.
Ditas verde? e lusirusas, obra ntva e pela-.ari
meira ver vinda9 como amostra.
FraDjaj pretas e de diversas largaras paraec
feitar ve>tid, s,
CUQUES i>E TANCAS. B, I* OUI&OS
A Aguia Bfanca a
na porca* dyi^T'
les de uaaoa a <
r ama peque
Icoques gran
A aguia branca, a ra do Duque de Casias n.
52, outr'ora do Queimado n. 8, acaba de receber
um novo e bello sortimento de nonecas de diver-
sas qualidades e tamanbos, sendo :
Com rosto de seda, das que chorara, e ontrai
que fallam.
Com rosto, mos, e ps de porcelana, e pro-
prias para vest r-se.
Obras de porcelana
A aguia branca tero outro sortiaento de diver-
sas obra- de porcelana, sendo :
Bonitos e ricos vasos para pos de arroz.
Outros para joias.
Outros para jabonetes.
Outros para enfeite.- de mesa.
Pequeas e bonitas pias para agua beata.
Pequeos jarros para santuarios.
Outros maiores para mesas.
Boni'.os port relogios.
Lindas eestinbaa tambem de poreeana.
Escrivanias de dita.
E muitos outros objectos para enfeites de mesa.
Y&o ha mato abellos braneo.
|8tora jipoDe a.
So e arica jpurovada pelas as academias dt
cisucia, recaataatida superior a toda que tem apt
al boje. Deposito principal ra di
.o Recito n. 51, I* andar, em todas as boj
eau de eabelletreiro.
m um i
tm venda em acru araacens, alem de oitro
.4kos de tea agodo refalar, oe aagitatea qae
renten por praeoa mala Mateos que aru ou-
raaaalqner p?rte:
PORTAS de pinho ilnanfirildli
PORTEIR AS do f-rro para corsas.
SALITRE iialez.
ESTEIRAS da India pan eaata t iarnt sala?.
CANOS de barro frasees para eafatn
98880 superior em porc&s a a eaiiapto.
CEMEatO de todas as gnaldad
ACHlAS de descarogar algedao.
i/ONAS brinides da Bussla.
OLEADOS americanos (tara forro U carros,
FOGOES americanos moilo boas e acoaiaicas.
VINHO de Bordeaax.
COGNAC superior de Gaatier Freres.
fABELLO em saceos grandes a Jim
AGA/orida legitima. ^ J_ _*a\jr
BAU^C^^cirgl.. 10 ^M
CADETlfAS americanas.
RIHJM da Jamaica.
AZULEJOS de Lisboa. ,;; '
o
Contra a tosse
r,

Naff d'Arabia.
Seve de pinho martimo de Lagasse.
E cairas muita* las'saas ex cbenles cualidades.
PASTiLHAS PE1TORAES.
Gomma simples crystalisaa.
DRa" de angico
OTS
IS^iw
10Ra do Cespo10
Pe
5p
de algodSo com 20 jardas a 4*, 4ioOO
Ditas de madapolao a f, 5/, 5300, 6l, t
500.
Ditas de dito Infestado, franeez superior a
hitaa trncelas daoq>siaa qnaJidades ar-MO,
JO, 300, 310 e 380 o coala.
Caoibraias de eflres a J40 a !M rs. o covado.
Dita lifa de cor a 3t<>rs. o covdo.
Ditas pretas para luto a 640 rs. a vara.
Pefas de cambraia li;a tiaasparente a 3j 'SfWi
i.WOOO.
T)iBS de dita tapada Victoria, a 4/, 4*500, 5*
Ditas de dita transparente, snissa moilo -flna
Leop 17 varas, 14*.
Drtas de dita bordada cora 10 jardas a ?f t
rgaclr branco Que a 700 rs. a vara.
Bnlhantina branca infestada a 640 e 600 rs. o
amado.
reta sha de linho eom 23 varas a 20^000 e
I II A Glp 11
RA DUQUE DE CAXIAS N. 29
Os propnctarios deste; gi an !e e Leru niont.'u estabelecimento scientifleam ac
respe iiavel publico desta provincia, que se achom c ai um variado e completo sortimentc
de movois, tanto nicionaes como estrangeiros, seiido estes escolhidos capriebo por
am dos socio quese acha actuaimeole no Europa, e por iss> os pudem vender mai
baratas 20% m'nos de qoe err. o'.itra qaalquer parte, raesm tem contratado con
os melboFes fabricantes daqnelle continente as remessas das mais ricas mobias foitas
ali- N' Officia tena os mais habis artistas (leste genero, e por is30 aptos a forneceraa:
mobilas as mai.- apcrfdcoadas para as casas da provincia consideradas de prime-ira
ordem. Pedeui, portmto, que venham visitar dito estabelecimento, onde encontrarJo
g realidad > do qua acabara de expor, passandoa exarninarem : ri;as e completas mobilia?
de Jacaranda, mogno, fjia, carvalbo, amarello, etc. etc., ricas e elegantes camas de
Jacaranda, po-setim, amarello, ele. etc., guarda-veslidos de amarello, guarda-looca de
noguera, amarello, com ta-rjpo de p"dra, aparadores de dita, dito, com dita, petit?
toiietl s, especialmente para fazer buba, toeues da Jacaranda e amarello, com pedra,
e mullos outros artigas de gosto, que para se nao tomar enfadonho preacind.mos de
az?r aiencao dalles.o queso com a vista po!er5o apreciar.
Vende na
PHARMACIA E DROGARA
DE
Bartbolomea & C. -t,
34-RUAJ,AUGA DO fiQ3ARlArgA
DE
Gasea de hraip antargafc
N
IiAUOZE
Este novo preparado aprovado pela academia
mperial de medicina, muito se recomtnentla pela
ua aego tedativa t calmante, sobra o systema
aervoso, o bromureto de potasaina, Bao d xa de
tar os mah certos resultados nasr diversas arT;>c-
;des do aranismo e princip:aeate as molestias
to coracSo, das vfas digestivas da respirado, das
Has genito-urinarias, na epilepsia, oas moleatias
lervosas da -prenhez, na nsorana das enancas
turante o periodo da flentipo etc. ete.
Vende-se na 'pharmacia e- dregaria
de
Bartlnlcmeu fe C
34RA LAR3A DOROSARIO34
A loja do i Arcos do Aharo Augusto d'Almeida d C. ra do Crespo o. 2o A aoabf
de receber pelo o Hio vapor franeez Amazonas, a'guns artigos proprios [ara ehxovaes
de n;vas, e de a-oias par. g;a;,de toiene como sejam :
quissimo cortes d vestidos de blonde para casamento.
Ditos de tarldtana bordador seda para casamentos.
Cortes de seda de boni'.os gostos e superior qoalidade.
Colxas de seda, la, e la e seda.
Capeilas com mantas de fronde para noivas.
Cam'sas de e.-gio bordadas para ooivas.
Fronhas do esgoiSo bordadas.
Ln$os c cambraia de linho e labyrintho.
Superiores l-ques de madreperola.
Cortinados brdalos de difJsrentes presos e quadades.
Sedas de cores de bonitos rades.
DUas escocias para vestios, ronpas de menino, enfeites, etc.
Bisquioas de gorguia-, superior qnulidade.
Horoi de la e seda p3ra senfrjra.
H mlilbas brasieira de fil de seda bordado.
ChxbeQcz d {',: e seda.
C<\ !Mltin> de tia branca, e de crpe preto para lato.
1 Sbapta aVttadjM para leonutas e meninas modelo inteiramente3(BOvo.
es d : cambraia de c6r, ft brancos bordados. s
Ji'Qi] 3 cortes bapliste 4 Fr^u-Frou.
ToI d'1 voy age fazenda de'got) para vestidos. -
A m de tuj arigos que se vmem por presos razoaveis tem ootros qoe saope-
cbinha3 extraordi-irias, orno sejam :
Damasco de lia com 9 ptimos de largura a i1 1300 o covado.
CrtS de \*i Victoria com 20 covados por i#000.
LSas om tistras de seda a 40J rs o covado.
Ditas mercadas muito b6a qaa'.idale a 3i0 rs. o covado.
Cassas de cor a 240 e 2HO rs. o covado.
Alpacas largas bonitos padrees a 500 rs. o covado.
Lencos dj esguiSo maite finos a 3$ e 4J000 a duzia.
E4eira da ludta, millas para viagem, transparentes, etc, etc,
eriores cigarros do Rio
de J.'ei'O.
Domingos Alvos Matheus, nico agente oestt
proviocu da fa'irica imserial de cigarros de S |
Joao de Nitharoby, e'label'cida no Rio do Janeiro,
tem sempri um completo sorlimonto d.. todos o
cigarros, fuuo pieado e on lata*. Tem igualmenU
os afamados cigarros Conde d'Eu, feitos tm mag
ifico pap -I de paMu de milho e fumo superior
Para guverao de seu; fregueies, que tom estabele-
eido deposits lllaes, as casas dos Sn. Thomar
Praeiic-j de SaHe R .sa e Manoel de Sonta Cr-
etro SmoSfti Juaior. no barro do Reeife, e todc
Jpanto Lr veadido em ootras casas eom a firma
e bVjou Novata A C sac falsificados.
OLEO PURO DE FIGADO DE BACALHAO
DAJ
TEftRA NOVA
DE
H. LAQOMBE
Este oleo que tio boa acceitacSo tem merecido,
moilo rfcomraenda por fer o mais parificado
qae at boje tem vmlo, e anda pelo boa paladar,
.iqterior a cairo qttalqnf : Vende-se no deposito
especial Barlaoloaieu k C.: ra L.fga do Ro-
aria 34.
Manteiga ingleza.
?ende se i 800 rs. a libra e l7f>0 o kilo : na
na de Pedro Afljnw n. 1, aatiga roa da Praia.
8up
TilllUTI
E de tanta ntiiidade
O alcalrao de verniz do gat, serve para matar
formigas, applicado as maduras preserva-as do
cupim, da ac(o do lempo e da bumidade Jj cbo
e duplica tambem a duraco das mesmas madei-
ras dentro d'agaa, e no f-rro conserva-o anoos
como novo, vende se a 700 rs. a caada, preco
justamente da fabri;a : no armazem da bolla ama-
relia, no oiio da secretaria de polica.
PflCDINCHi
a moo
l'aletuts de alpac l Usa.
Est em liqaidaeSo ama pequea por;io de pa-
letots de alpaca de todas as ores e de diversos
foitios, e vende se a escolher a 'i cada am para
liquidar : na loja do Papagaio ra da Impera-
ira n. 40.
Garro.
VenJe-se orna bonita e bem construida victoria
com arreios de metal do principe; a ver n* co-
cueira do Thoraar roa de Santo Amaro, e* tra-
tar na roa do Imperador n. 83, f andar.
RIVAL SEM SEGNDj
RA DUQUE DE CAXMS N. i.
Jos bigodinlio, com loja de mdezas,
tvisa a todos os os 6ens fregaezjs qae est
tarando todo pelo pre{o, a vista da fazen-
da, para todo admirar, a saber :
Thesouras grandes e pequeas o
mais fino que ha a 4000e 4J500
Pe(as de tranca de lia e algodSo as
niai> modernas a 160
Fraseos com agua de colonia moita
fina a 400 e 500
Fraseos com agua de colonia ver-
dadeira a 800 rs. e 10500
Chapeos brancoe para baptisadee o
melhor qae na a SgOOO e 55000
Dozias de botocs cobertos de sSi
-pera vestidos-per todo o preco ,
para acabar.
Libra de areia prela a 160
iros.-s de bot&es de lortja branca a 120
Caixas com 100 envelopes faiena
fina a 500, 6^0 e 800
spelbos de meldnra donrada t
800 e 40000
Pentes pretos wlteadus para mi-
ninas a 240
Tmleiros com tinta preta a 80 & 100
Pecas de Gia elstica muito fiaa a ZO,
Latas com superior banba 60,100a 200
Latas grandes com superior banha a 320
Frascos com oleo de Pbilocome a
500e 800
Frascas com raacass | Peroia a 24o
Frascas eom agua de Colonia verd-
deira a 41000
Ditos com oleo de baiosa suderiora 320
Carriteis de retroz preto com 2
oilavas a 600
Caisas com agolhasfrancezas a 130
160 240
Pecas dettras bordadas a 500, 600
800 e 10000
Garrafas com a verdadeire agua
florida a 10300
Cartilbas da Doctrina Christa as
mais modernas a 406
scovas muito finas para limpar os
denles a 240
ita de dhVinfestada cum 30 varas a 274.
ra/nante de linbo cor- 10 palmos- de largWa a
,600 a vari.
Dito de algodao a IC^OO a vara.
Jktoaibado de dito e de linbo com 10 ramos de
Matgrjraa' U500e 3*.
Toalhas alcochoadar para rosto a 7* a duzia.
Ditas de linbo do itrio fcipul.s a 10s000 a
Ofiia.
Guardanapes de linho a 3 e 4 a dozia.
,Cobertas de chite a t* e HBbJO.
'Ditas de hita adamascada forradas, 4#, 4^500
e*aO00.
Coichas de daraasc i de eris a 4a if
Ditas de fustn alcocboadas a u.
Ccjberusde la esenra- a 2.
Diasae'algodao braceas a 1/400.
Golttirmhos de Rnhn a 500 rs.
Chalej-de merioo lisos pretos e de cores
e 3*000.
Ditos estampados de meia casemira a
Damasco? de cores a -WO rs.
Lencos braneos de casa > tinos, S#, t^SOO e 3*
a dazia.
Ditos ditos e de cor abanhado largo a 3
3n00 a duzia.
Ditos tfrtoa de cambrai (fe linbo finos a t
dazia.
Ditos de esgno de linl-. a 4}, 4/300, 5* e 6/
a dazia.
Bnm Angola a 6i0, 800 e IfOOO o covado.
Brins de linho de crt*s .< 30 i rs. o eovado.
Cortes de meia easemira para caifa a 1/200 e
1*460.
Ditos de casemira para cale/* a 3/.J0O, 4/o00
wm
Caemiras de cores de ciuas larguras, 2/, 1*80
e 3* o covado.
Ditas pretas, uas larguras a 2/300 o tovadn.
Pao fino preto e azul a tf, 2/500, 3/000
3/500.
Dito dito muito fino superior a 5/, t e 7/
covado.
Lsns e alpacas de ceres para vestidos a 400
500, 600, 7o0, 800 e 1* o eovado.
Toalbas Mmlaliyrintos para bandejas e p-ra
rosto a 8*, 10/ e 15/.
Camisas de fhoella branca, e de cores 2/,
2*600, 3*, /.10 e 4*5X0.
fruedeuapoles preto e de cores 2*, 3* e i/ o
covado.
Do-se amostras com ponhur.
Vende-se tambem grande quantidade de roupa
(eita e por medida por preens muito reduzidos.
Cura rpida e radical dos
callos
pela pomada Galopeau
Essa pomada qne tao bons resultados tem colhi-
du a pessoas que della tem felto u.-u acaba de
ebegar para o seu deposito especial..
NA
Pharmacia e drogara
DE
Bartholomeu A C. roa larga do Rosario nu-
J. 0. 0. D^yle tem em seu
armazem para veader
O SEGUINTE :
COGNAK HENNESS.
. VIMHO XSREZ.
DITO DE LISBOA,
F1LTRADIRAS.
BITTtH
A' ra do Commercio n. 38.
Cabelleireiro

Receben am grande e variado sorlimefto de
coques de moras e caehpaioes qoe vende pelo
tiaratissimo prega de 20*, 2o/, 30j e 3o*, ehega-
dos pelo ultimo vapor: na roa da Imperatriz nu-
mero 82.
Gal de Lisboa
Cal nova cheoada koje pelo Lata 1, vende Joa-
luira Rodrigues Tavarea de Sello, praea do Cor-
po Santo n. 17, andar
i m ,
VENDE-SE
Chumbo de municao a relaJho, qualquer 14*
com descont.
Cera eop vellas, a 1*400 por libra.
Linha de roriz e retrez.
Na ra do Vigario n 19.
C abrile t
-
Vende s am excellente cabriolet de quatro ro-
das por pre^o commodo: na roa da Florentina n.
14, catado Gurjio. r_ _>'
ASSA e tm'
DECODEINADEBERTHl
Prfconindos por tode es Bidico eooir
DEH.CXOS, CATHARROS, E TOi>AS
ihritaooes do perro.
Ir.B. O Xarojit 4$ CodAna tm mtrtcto al
honre, allai kem rdr entre i Meicomtnloe]
nopoe, d tir regitlrado orno u t MNc-l
mtntoi oflciaet do Imperio Frvua dpemia]
q un Iquer tlofi.
. AVISO. 'Por eaua da Rpreaensite) ful.
ficiio que ten lachado e feliiruiuludod]
Xarope e masa de Berthe tomo rorcado !
lemlrar queesici edicaaicotoj t i*> jail|>mlt|
vfiiflcpi em caila-
ha* fr-Kiw levando
a auicnatara. na
am.le. '- 1
ti, flut dei eotei, e na Pitarmaci Genual I
v franca, 7, hu dt Jou, m ri. e J
prlacipaa do Bf uil
| FABRICA
CHAPOSl
Todas as qualidades
Jj S, l\ ra larga do Rosa-1
m b. 24,1/ andar
Se o desejo dos propietarios desta fa- ^F
brica fosse nicamente iliulir a f pu- ^
Liica, ha minio que teram annunciado ffS
Q os seus productos, mas para curre^pon-
Mderem mais dignamente confianc nel- !
les depositada, esperaran) recebar os 1
I objectos e psssoal. qne acabam de ene- B
M '** H
M H.ij, pois, qae a sna fabrica se acha fjj
I montada coai as mais yerfei^adae na- }j;5j
S chiiias. com os melbares petrcdbos e ser- ~
SR da tus mais peritos ofislaes europeos, fl|
S[fpodem os seus Buaerosos Iregaczes e :$t
| o publico era geral encontrar desde j. 25
Chap i? de seda da ultima moda, sen- a
MI do altos e baixos. f'f
"" Ditos de castor de todas as c6res, em !
formatos ioglezes e atnburgoeses.
Ditos de feltro de todas as qualidades $9
8e fetios, tanto para horneo* cumo paya f
crianzas. %
Ditos-de velludo para seabora.
Ditos para ecolesiasticos, redondos, tjtir B
angulares e a romana.
D.tos armados para miUlares.
Ditos de pasta.
Concerta-se leda a especie de ehapios jfi|
quer de homem quer de senbora, com a JjgS
maior pericia a mais Ikarato qne em qnal- 5
8 quer outra parte, assim como sa rece- @
bem encommendas tasto para a provin- ta
m cia como para fra.
^mmmmmm mmmmmmm
Sement port^and
o mais nevo qae ha oeste mercada, em barricas
grande de 12 arrobas, artutadas de ferro e bea
aceBdteionadas : no trapiche finerra no Reeife.
Libras sbrliaas.
. Vende-se no armazem de fazendas de Ancnsto
g. de Oliveira A C. a na lo Commercio n. .
Vende se am elegante, leve e novo carro de
qaatro rolas, americano : a tratar na roa do Im-
perador n. 10.
Vende-se um earro americano"de qnalro
rodas, novo, raaito leve e elegante : a tratar na
roa do Imperador n. 10.
Xarope peitoral de James
nico deposito na pharroacia amer cana de Fer-
aeira Maia C, 67 ra do Daque de Cauaa na-
mero 87.
Vende se a meapo de am sobrado (oa toda)
de doos andares, com qaarenta e tantos palmos
da Irante, na roa da Companbta Pernambucana n.
SO : trata-se na roa Nova n. 3.
RA DO DUQUE DE CAMAS
(Oatr'ora do Qaeimado)
Tendo-se resolv io d'ura avante vender-se Diste estabelecimento todas as fazen-
das existentes no mesmo, por presos qio todjs admiraro, acbo de meo dever parti
pa-lo a tolas as Exfldas. f.imilias em geral, afim de viram visitar este estabelecaaaeoto
ou mmdarem bascar amostras, girantindo-se-lhes um bnm sortimento de fazenda.1 d*
i'go 13o, la, linho, e seda, emSm ama idSnidade de arligos de moda mandando-sa 4i
casas d;s Exmas, faraiHas, p>r embregado dd casa, tola e qualquor atendapara teren
o a escolherenj.
As pess&ts que vendem em mea ir escala podero bem sortirem-se nete estake
lecimento qne vanerpelos mesaos presos que em qaalqaer casa importadora, tendr
a faciiidade de cemprar qialquer'porcSo.
O 65 tem um completo sortimento de roupas bem acabadas o qae vende po?
prefos maitissimo c.mmodos, mandando tambem fazer por me iida toda eqnalqaer eb/a
que os concurrentes desejarem para o que tem um dos mais habilitadsimo nrsatrr
alfaiate, cortando por um syslema inteiramente novo.
Os annuacios nesta prafa esl2o e por certo devem estar desacreditadissimos, pott
que ha casas que aanunciam aqiillo que uo teem, o qne o 65garante nanea dar-se en
sen estabelecimento, pois que s deseja bem servir ao publico em geral, para ganhai
g ande nomeada em todo o mundo.
O 65 acha desaecessario mencionar os preces & snas faaendas pois que isso tor
naria-se demasiado macante para os leitores, por ter de ser demasiado extenso sen an
uuocio, e mesmo para se tornar menos de pendioso, pois que vendendo mnito e raoit
barato mister encurtar suas dsspezas. A smceridade dos tratos do 65 julgo qne jc
publico conhece demasiad o, pois que sempre tem cuniprido com aquillo que anntmc
n5o verdade ?
E' INTIL, NAO SE CANCEM, COM O 65 NINGUEM PODE COMPETIR
RA DO, DUQUE DE CAXIAS
(Outrora do Queimado)
Vende-se ama parelba de barraa mansos,
ensinados e ptimos para carro: a tratar *ni
do .Cht n de Novembro n. 8. .
56 ARa do Mrquez de Olinda66A
outr'ora ra da Cadeia.
LOJA DAS MACHINAS
Sendo este antigo estabelecimento assaz conhecidfr como principal e recoiLawn-
dado pelos grandes depsitos e bms sortimeotos com qne sempre prima em ter dar
melhoras, mais acreditadas e verdaderas Machina americanas para alg-
da, desde 10 60 serras, e ha vendo em todos os tamaDhos diversidades de syslev
mas e melhoramentos para perfeito e rpido descaros amento; tornam se dignas d*
serem vistas e apreciadas pelos Srs. agricultores; os qnaes, alem disto, encontrar
tambem mais:
Crrenles para arrastar madeira.
Cylindros americanos para padaria*.
Perteaces avolsos para machina*.
Salitre refinado.
Breu snperior.
Moinhos de diversos fabricantes para
milho e ca'.
Debulbadores para milbo.
Azeite de spermacete para machinas.
Camas de ferro.
Bombas de Japj. '
Ditas americanas.
Cofres de ferro patente.
Canos de ferro esmaltados.
Ditos de dito estanbado.
Ditos de chombo.- _,
Ditos de borracha.
Folies para ferreiros.
Emaa muitos ostros arligos, qae s avista e oeste eslabeiecimenio poder m
examinados.
Apurados vapores aoeo.MovE5, de forf
de 3 4 cavallos, e pertences.
Machinas para lavar roupa.
Arados americanos para vari a e la-
deira.
Carros de mao para atierros.
Tinas de madeira.
Baldes de dita.
Ditos de ferro estanbado.
Ditos com vlvula para lavatorios.
Dites de madeira para compras.
Apparelhos para jardins.
Guardas-comidas.
Tampas para cobrir pratos.
Tarracbas para fazer parafosoa de ferro.
Ditas dita ditos de madeira.
Treos para coxinha.
Temos de bandeijas 6a3S.
MACHINAS
tm mam aiuma
De 10 a 40 sarras.
VAPOR
para mover as machinas.
Em casa dos MPORTADontsJftaa do Bom-Jesos o. 4
Shaw Hawkes A C. I ootr'ora Groa.
1
..




II
Mi
1 -'
II,


I
I


\'

y*

\?
ti^\^l[m&W ,ir.#rtl.ifP ^0o*ldHlW*4hd%i4l1"
S^tf LIMITAS
im tmtom
.1 '! 7( '1 *F
ibo 1
i


FLIX PEREIBA DA SILVA ft C.
NA RTJA DA IMPERATRIZ' 60-


" a din'-eiro A v:sta
Os proprttrtarios (teste estabelelimento tendo gra; da necesidada e diminuir o im
menso chjposUo-qae km de fazendas e grande urgeuria de apurarem diohtiro. tera re-
solvido fazer urna verdadeira liquidado com grandes abatiinenlos nos presos de todo;
os seas artigas: para o qr.-.j envidara jo re?petavel publico desla capital a vir sortir-st
pois tbe garantem que >m parto a!gn.m podmo encontrar t5o grande senimei-toe me;
mo n3o oMpfr pelos preces que se Ibes pode vender na leja de Puvao ; porca ad
virtinflo-sa^qaa s se vende a drnheiro i vista. Os mesmos proprietarios dc-ste estsbe
lecimento rogara a todos os seus deved res desta pric/i o favor de vireoa saldar seos d-
bitos, e todos aquelies qoe esiiverera devendo contas antigs e o noflzereat terSo de
ser encommodados judicialmente.
LSaalafcft baratao do PavSo.o T.na ft Vn\r%
Alsacianaa, com lia-as IL-tras de teda a XiWJtt UU IttVdU
i#000 o Wftdo. SAIAS BRANCAS BARATAS
Ditas lisas com milito brho a I $ o evado ; a 24800 e 3000.
Atlanta^, f|fenda te rauo gosto tecida! O Pavo venda cortes de boa fazend;
com leda a 720 rs. o covado. 'branca cora boi ss b^rrss de pregas, pele
Ditas coas quadros de seda e cores muito barht's iir.o pn r,o de 25303 e 3*000 cads
delicadas a 640. nma, grande pe hincha na ra da Impera
Poil ckchvre, d'uma s cor com muito'.tiiz n. 00, luja do Pavao.
brilbo a SOQ rs. o covado. i MODERNAS BARGGES COM LISTRAS DE
Merinos escossezes fazenda de muite go.-to j SEDA E FRANJA AO LAO.
para vestidos j.-nus e roupas de menino a 800 rs. o covado.
a 6W rs. o covado. Gh-gon para a loja do PavaV, roa d
Gargorao muito bosito, tendo de todas'Imperatrit n. 00, um elegante sortimenu
as cores a WO rs. o ovado. <* mais lindas bareges modernas e tend
Lastnhas nodemas com differeotes gos-.ao lado bouitas listras assdinadas e franjas
tos a 400 e 800 rs. o covado.
l-f'FILQOI

..
N'ESTA ANHA B'CaEDIflA
FABRICA
?
MCtlTli II CORIUIIIIUTI I MIUIM ItlltlIlTI M
CHAPEOS M la
De todaa w qualidades I
De todoa MI feitios I
De todas os procos I


RA DO CRESPO N' 4


i
l
[
|
i



Cofres de farro de MiDCrs e omros
irrfillQSS pan copiar carias.
Balanpas de pesar, DMtal>ii, R(jmM, elc.
Tachas ce ferro, lMMlMo.
Arados Americanos
(JraCie?, j,ara sgricr.liura.
Carrinhos de ma5.
Machinas a Vapor
JxL&CilinaS de descarogar algodao, de 10 al 40 seiras.
OliapaS e I6rr0 galvai.isadas para cobrir catas etc.
vh t
LIQU1DACA0
8
a
Estes artigos vcn'em-se em
casa dos importadores.
Shaw, Hawkks dr C,
x. 4 ra do boh ikom.
(otr'ora ua da Cruz )
"
Ditas dtas a '280 e 320 rs. o covado.
Barege* traospartntrs com diferentes co-
res a 100 rs. o covado.
Alpacas de cores lias e lavradas fazenda
Casas do Pa.\o.
Cassas inglezas com bonitos gostos a 200
e 240 rs. o covado.
Ditas finissimas a 300 rs. o covado.
Ditas fraocezas de moita phant; sia a 400
rs. o covado.
Cortes de cassas com 7 varas fazenda
moito fina e bonita, a 2530 e 3^000.
Ditas d'organdy braceo e de cores a
20500.
CORTES D'ORGANDY A 10000.
O PavSo lera cortes de orgaody branco
com 8 1/ varas qoe vewle pelo barato pre-
co de 40000, assim como finissirao '.-rgandy
branco com listrinhas e qoadrinhos o me-
lhor "qoe tem vindo ao mercado e vende
pelo barato precio de 730 rs. a vara.
Poapeltaas de seda a 9000
O Pavio tem am elegante sortimento de
poopelinas de s da lamo lisas como lavra-
das as mais modernas que tem vindo ao
mercado e y,ende a 20000 o covado.
CAMBRAIAS LARGAS A 800 RS. A VARA.
O Pava) tem camhrai3 branca transpa-
rente de boa qaalidade, com 8 palmos de
largura, que apenas precisa 4 varas rara
om vestido e vende a 800 rs. a vara, dita
finissima da Escosria tendo a mesma largu-
ra, que vende a 10300.
CAMBRA!\S BRANCAS A 40000 E 40300
O Pavao tera pecas de cambraia rranc
transparentes com 8 I/- V3r38 Que veQde
pelo barato pr?co de 45000 e 40500, ipq-
do tambera muito fln:s de 50000 ot
100000.
Ditas tapadas ou Victorias tendo de 30300
a peca ate a mus tina que vem ao mer-
cado.
Cros ?ca;i!cs >rcl:> e tic cores.
O PavSo tera uin grande sorticceJo de
grosdenaples e gorgurSo preto para vestidos
tendo de 106OJ o covado at ao mais su
perior qoe costoma vir ao mercado, assim
como um grande sortimento do ditos de
todas as cores e branco e um bonito sorti-
mento de setins branco e de cores que ven-
de por procos muito era cuota.
ESPARTILHOSA 10000
CACHEIN'EZ a 40 50 e 60000
O Pavao vende espai tilbo3 de todos os l-
mannos a 40 50000, cachenez parisiense
com delicado pooto e de cores, a 40, 50,
e 60000.
CORTINADOS PARA GAMAS E JANELLAS.
a 80, 100, 120 e 110000.
O Pava tem. om grande sortimento de
cortinados ricameiite bordados, propios
para camas e janellas que vende de 80 at
160000 o par.
Pecas de cambraia adamascada com 20
varas a 100000. crochet ricamente bordado
para cortinadosa 10300 o metn. Assim como
ricos damascos com 6e 8 palmas de la gu-
ra proprios para colchas de camas e tam-
ben ricas cjlchasde damasco a imi arSo de
seda e ditas de crochet as mais lindas que
tem vindo ao mercado.
MUSSELINAS DE CORES A 400 ES. O
COVADO.
O Pavo tem nm bonito sortimento de
musselinas de cores, padrees nteiraraente
novos e cores fizas, que vende a 400 rs. o
covado. Ditas brancas muito finas a 400
500 rs. Metim branco da India muito fino
para vestidos e roopas de meninos a 7z0 rs.
o covado. Cretones de cores muito encor-
pados para vestidos a 600 rs. o covado.
ROUPA POR MEDIDA NA LOJA DO
PAVAO.
OPavo tem omabem montada officina dr
alfaiate, adminielrada por nm hbil me tre
nacional, aonde se manda fazer qualqcer
obra de encommenda, tanto para homen;
como para meninos, garanlin 1 -so a premp-
tido e aceio em todo o trabalbo, e no rn- s-
mo estabelecimentojncontrar?o os respeita-
veis firegoezes todas as fazendas proprias
orno sejam pannos de todas as cores qoa-
diades a precos, novas casemiras de gosto
r Bt braneos e de cores, asna como todas
asfatendas proprias para fat^s, de loto.
CASAQUINHOS A 150,180 E 2O0OO.
O favo lem am grande sortimento de
ricos easaqoiaboi de seda preta moho bera
enfeitados e modetpos que vende a 150,
180 a 2^0000, sendo fazenda ds muito
mais valor, assim -soma lieos chales pretos
bordados con fmojai largas de rerroz a
-gara os enftites, as qnaes se veoilen pele
biratis io.0 piego te 800 rs. o covado, poi
haver em grande sortimento desta nova fa-
lencia; as&im como delicadsimas baregei.
com lindas listras e!e seda, seado fazenda de
muita pbaatasia a 040 r?. grande pecis
cha, no armazera do Pavao.
Fazeu la paz a lato.
O Pavo tem um grande sortimento di
ft-zefldas pretas para luto, como sejam:
Merino preto com 6 palmos de largor:
para vestidos a 20OuO e 20500 o covado
Merinos pretos e de cordo para tedoi
os procos e differentes qualidades.
Bombosinbas para todos os precos.
Canioes e alpacas pretas. Lasinhas pre
tas ou cassas de lili de 360 at 500 rs. (
covado.
Cassas pretas francesas e. ioglezas de to
jas as qualidades.
Chitas pretas francezas e nglezas de 20(
rs. para c ma.
Crope preto para veos.
CASEMIRAS PARA CALCAS A 40, 50, 60
70 E 80COO.
O Pavo tem ura grande sortimento d<
crtc-s de casemiras de cores para calcas
sendo os mais modreos que tem vindo a(
mercado e vende-se de 40 at 1O0GOO r
corte, ditas em pecas francezas e inglezai
para ca^as, palitots e collctes que vendedt
10800 n 00000 o covado, ditas escuras ;
prova d'agoa que vende a 50 o corte ou ;
30 o covado, sendo estas casemiras muit
proprias para merinos de escola por seren
es i;ra: e de muita duraco.
NOVOS VESTIDOS A 50000.
O Pavo ten lindos cortes de vestido dt
finissimas camb-aias cora bonitos bordadoi
de cores e lamben lo ios i iroVdus lirancc
que vende pelo bar3 ti.vs: n :;-..;> t 30OO(
cada (Ote, grandn pi h ha
PANNOS DE CaO.Ili- PARA CAEiUSI
S0P1S.
O Pavo tem om grande -:;,: !;to di
pannos de > roch proprios p ra encost di
cadeiras e de sphs, assim como um rice
sortimento de tapetes de todos os tamanbo:
proprios para salas.
MADAl'OLlO BARATO A 40, 40500 E 50
O Pavao tem pecas de madapolo com 2
jardas ou 20 varas que vende a 40 e 105O(
a peca, dito muito fino e largo de 60 par;
cira?, dito trances do melhur que lera vinde
ao mercado, assim como dito lini.-sr.o en
pecas de 40 jardas.
Cortes de cHtas.
a 106(0, 20000 6 20800.
0Pa>5) tera cortes de chitas francezai
cotu 10 covado, que vende pelo barato p e
CO de 1-0600 e 20000, ditas que vende ;
160, 200 e 280rs o covado, tambera t*n
um grai de sortimento de ditas finas clara:
e efcnns que vende a 280 e 320 rs. o co
vdo e finissimas percales miudiobas propri
as para camisas, vestidos 6 roopas para me
nios que se vende a 360 e 400 rs.
LENCOS BRANCOS.
O Pav5o tem lencos brincos abnbadoi
quo se vende a 20400 e 30. a duzia, ditot
grandos de murira sera ser abadiados i
30200 rs. a duzia; assim como bonitos len-
cos bord dos para mos.
ROUPA PARA HOMENS.
Sobrecasacos de paDno preto fino send
muito b. m feitos de 120 al 400000.
Palitos de panno preto fraques e sacc
de 80 at 120000.
Ditos de casemira de cor de 60 at 120
Ditos de alpaca preta fina de 40 a 60000
Ditos de dita branca e de cores 60000
Ditos de brira de linho trancado a 60000
Calcas de casemira preta de 60000 at
120000.
Ditas de brim branco de linho de 40OOC
al 80000.
Ditas de brim de linho de cor para todoi
os precos e qualidades.
Camisas francezas e inglezas com peitot
d'algudo de 10600 at 50, em duzia ven
de-se mais barato.
Ditas de meia de 800 rs. para cima.
Ceroulas de linho e a'godao, francezas <
feitas na trra.
Collarinhos de papel, algodSo e linbt
qoe se vende muita barato para liquidar.
Para noivas.
O Pavo tem rico gnrgorio do seda, bran
co. Grosdenaple branco muito eocorpado
Agrariannas brancas com listras de sede.
Poopelinas brancas de seda lisas e lavra-
das. Sodas brancas, lavradas e lisas, em-
pellas com palma de flor de laranga com
ricos veos bordados, qoe todo se vende ma>
barato do que era outra qoaiqqer parte.
Ba da Icnperatriz n. 40
Os proprietarios da leja do Papagaio fazem sciente ao respeitavel public\ e espe
cialmente s Exmas. familias, (amigas da ecooimia domestica) que al ao fim do anuo
ra*.am de liqaidsr pelo maior preoe que derem as faxendas segoinles:
Um grande deposito de roupas feitas de todas as qualidades e tamanhos, tanto para
meninos como para bemens.
Urna grande porco de lazinhas, bareges, alpacas Ksas e lavradas de todas as
cores, e vendem-se muito biratas para acabar.
Urna grande psrca da cassas le cftres e organdys, tanto miudinbas como gn-
das, muito Sxas em cores e muito finas, e veadem-se por preco barato para acabar.
Bonito sortimento de sedinhas lavradas de cores, e poopelinas, setim branco, pou
eca branca lavrada, girgaro de seda de cor para vestidos, azul claro e cor de
r.73.
Urna grande quantidade de leemos de esguio j abainhados, maiores e pequeos
pelo raesmo preco dos de algodo.
Urna porco de costumes para meninos de 4, 5 e 6 annos, de alpaca moito fina,
todos forrados, e delicadamente enditados por preco muito barato.
Grosdenaples pre'.o em qoaotidade de 10600 para cima.
Urna grande quaniidade de camisas de linho p^ra Lmeos epara meninos. Unto in-
glezas como francezas, com collarinho e sem elle, aberturas bordadas, collariohos. pa-
nnos, e urna grar.de porgao de grvalas e mantas de todos os aneos, collariohos de pa-
el para meninos e horneas,- todo por preco baralissimo.
Pedemos asseverar que temos um completo sortimento detodas as qualidades de
faiends, e nao especificamos todas, para nSo tornar o annucio enfadonho.
Ra da Imperatriz n 40.
DE
MENDES k CiliVALHO
100 S 20OOO.
A loja do PavJo acha-se con: tantemeote berta dai 6 borae d* aab^a at ai 9
horas da tnUi k ra di fmpwatrii, k W.
1\.oca e vio ara proeesso'mais perfeilo e que at-
a tal forma a -atisfaier as exigencias mais
vrai Ja fcripturago.
1 iaa cor lindissima e nao precisa de cnida-
o 'rnm para se conservar no tinteiro sempre
oa a mesm cor, sem borra, crdsta, bolr ou sem
mIu estas tnatellas inherentes todas as tintas
t sjora 'couhecidas, anda mesmo dosmelhores
Moros estrangelros.
'obretado, este estimavel prodneto nao ataca as
boas de ac, antes pelo contrario, a penna
iqaira am esmalte doarado qae, sendo inters-
it, a*?s p'roveitoso.
'ita tinta, oao sendo especialmente pan copiar,
cctFtudo duas, tres, ou mais copias am a cois de escripta ; preciso, porm, dbisar-lhe
:nuelbem moibado rem o ctxugar com o mata-
:c:rapt porque nao ha o risco de horrar. Para se
irar mais de ama copia, nao se agglomeram tao
as fainas quintas copias se querem tirar, mas
t t cera o original tirar urna tantas qnaataa
iMissajam, sem que o original flqaa prejudicado
r.,ai extraes.
Oeeorreaqni direr mw,-para copiar importa
Riltgenela e habidaie, sem e que a ma>
st,r tinta nao satisfaz, e o defeito recae sempre
rtr a tinta, qae muitas vezes i qnem menos
f ira tem.
i dupla qaalidade desta tinta extrema mente
fMO'wl, pols qce evita qce em qualquer s*
npterio aja mais do qae ama finta para oa 4-
rto mi.'ter^
- *TOnanto 4 st& dorabidade, no ha- a oppr
lwatr lofitta pou ^w uta tinta dcpoia di

-
Singcr Manufactoring
90*000
rofiooo
90*000
90*000
M china.-
MrChin:m
Mat-hicas
Machina?
H..r Tara
Para
Pura
FV'inlia
Familias
Familias
Familias
100*0: O
100*000
100*000
100*000
Ditas
Ditas
Di-as
Dita?
Cun
Cura
Cora
Com
Tainp
T-.wptt
Tamna
Tami
Kir*000
10'*000
103*000
105*000
lirasileiras
llratiit-ira-
il iMleira
BrasileiraF
T.xia
T-ita
T..da
Toda
Castora
Cot>lnra
Costura
Costora
I (;i i*(0
J(-C*Oi O
100*001'
100*000
achinas
Machinas
Machina?
Machinas
tic
de
de
de
Manivela
Man'. U!a
Mantvella
Manivella
I15*C00
113*000
115*000
Il5*0u0
Machinas
Machinas
Maib:na.-
Mscliinv
Para
Para
Para
P..ra
Aifaiates
A fatales
Alf-iates
Affaiales
U3*U0
115*000
113*000
lloiOOO
Jlachiu.s
Macbin- s
\! ichinas
Mchio.s
Pata
Para
Para
Para
Spatenos
Sapatciros
Sapaielrcs
S pateiros
1'.3*000
145*000
115*000
143*000
Mact.ioa
V achinas
Ma h oai
Machina?
tne a do
meja de
rr:csa de
me.a de
Fxtbocau
Extenso
Extencao
Extenfao
130*000
130*' C>0
yacoo
i:]0*0C0
Machn -
Machiuat
M china?
Machina
Para
Pra
Para
Para
Chape- iros
Oupellrn s
CWipelleircs
Ch!'fller.s
(
Note se berc\
ao numero )
nico i gente
H. Chapman.
1MP
/Note so l em
\ ao numero
)
Ra Duque de Caxias n. 82
(ANTtOA DO QUEMADO)

cripta soBre o choque de cidos foriissimost sem
se deeempor ; ora, se os cidos nao tem actao so-
bre ella, mu i te menos a ac$o do tompo a pode
destruir; isto plaasivel.
Nao s a conmercio qae este mea prodoetc
velo ser atil ; os professores dos collegios, Investi-
gando todos os meios para o adianlameato dos
seos discpulos, tem approveitado esta tinta, que
com raxao a acharam apta para desenvolver o
esto nos educandos, em cooseqaencia da beleza
a cor e facilidade de correr na pequea pela sos
liquidez. Ha exemplos de enancas que havia
moito tempo tinbam orna repugnancia extrema
para a escripta, logo qoe foi admiitida esta tinta
no coliegio, apoderou-se dellas a falaaidiidn e o
gosto, e poneo lempo depoia o sea, adianumento
era manttesto.
Esta tinta, i par de tantas vantagens, tem am
nico inconveniente, deteriora-se ao contacto de
outra qnalqner; ceovm pois ta-la em tinteiro
isentos do menor vislamlre de outra uata, 6 evi-
tar escrever com a peana soja de ama preparacl
difireme e inc-ompativel verificando Isto, nao ha
raiio para sa asar de tinta qae nlo seja a VIO-
LETA EXTRA-FINA DE MNTEIRO.
:au.ObaerraoSa
Diveraas fajsfflec>8 e semelhancas tem appa-
reeido, cuja doiattlidade 6 duvidosa. Oa Srs.
eonpidofes podem vitar o qjaao diri|indo-se
i oaaas cirainiapecttaH. P*diBdo a tinta qoa en
fabrico __. .
A. C Dfikiro,
Faria & Gomes, estabeleci'Jos ra fJuquede Caxiag u.
82, pretentlendo real3ar a muvlanqa de seu ettabelecimento
para a ra do Livramento n. 20, at 31 de dezembro do corren-
te auno, resolvem fazer una liquidaqao geral das f.zeadas exi>
tentes em seu citado efctabelecimento, expondo-as desde hoje a
concorrencia publica, mediante preqos os mais resumidos pos-
siTeis.
Fazer a descripqao minuciosa dos valores e qualidades de
todas &s fazendas que existem no estabelecimento, solye ser fas-
tidioso seria enfadonho, por isso, pedem os annunciantes a todos
quantos estiyerem na carencia de fazendas boas, bonitas e ba-
ratas, o fu ver de apparecerem em sua loja ruaDuque de Ca-
xias n. 82, na intenqao de comprarem qual^oer raaeada por
metade de seus primitivos valores, e na religiosa certeza'de que
serio bem servidos, apezai de naoserem aq&i annociadas em
esty'o seductor efaceto ss vantagene qae desta lit|uidac< dewtfo
resultar, no interesse de todos quantos quiwrem comfwar, por
pouco dinheiro, boas e excellentes aaendas.
lyiiiUA DUQUE DE CAXIAS N. 82

1 unan
<

-

*- *
***


Diario d Pentfttnbuco -Quinta ler* 30 .le Noveiiibro de 1871

-*. YARIEDADE

rr iheologlco :
Contar tete sacramentos
reposo* ao tenso commam
Matrimonio e Penitencia
nao fazem mais do que um


Joiz coosciencicso:
Ofikiaes de justga !
< fagaua calar esta geote t
grilava em certa andiencia,
irritado, o presidente.
Se cont'c i o barulho,
fica a sesso encerrada ;
j a dcima cansa
que julgo, sem ouvir nada.
Ruim de contentar :
Despeja a baca ra,
de nm solo, moco barbeiro,
por cima de um mariola
que ia em traje domiogueiro.
Zangase este ; iocha as bochecbas;
e mosrra o punho ao rapaz :
t Bii banle dou-te um sopapo
Cnega-te c, se s capaz I >
f Eu I :r l ? Est se ninando...
Olbem quo oferta tamanba I
Fromelt i mi!, eaabora, o Jobro,
ii-' anda assim nao meapaoha.
Expediente acertado :
De apaziguar um tumulto
foi, corto da, incumbido
um militar, Cunbecido
por grande sagaeidado.
Chega a praea da cidade
onde eslava o povo Jalgado ;
sobe a lugar elevado ;
tira, sortez, o cbapo,
e o ltenlo povilo
diz com llibidade :
Meas senbores, live ordem
de vir, com esta brigada,
t varrer a pivca occupada,
de tuto o que for geutaltia.
E, p(is, antes que a raetralba
< chova sobre os delinquentes,
peco as pessoas decentes
qoe bnsquein lugar seguro ;
fiquem s os que eu procuro,
Oque s quein for canalba
Palavras nao eram ditas,
eis j tudo em debaodada ;
nao parque dessa brigada
vesse medo nnguem...
E' qoe nesse a,untamenio,
nio bavia gente toa,
todo aquillogente boa ;
pessoas muito de bem l
Boa evasiva:
W: parta galanteios
sentado entre duas bellas,
um laful mas \referalo
visivelmente, ama deltas.
Pica se a ontra, e pergunla
ao mogo namorador:
t Sa nos visse, a morrer, n'agua,
a quem salva va o senbor ?
fEu sei...conforme... Em taes lances
nunca se veja oinguem !...
mas... aposto qce a senhora
sabe nadar muito bem ?...
DESPOSTA DE OCCASIO. A trans-
-nigrrciodas alnus tem a'gura fundamento?
Lraabra-se de ter sido alguna outra cousa
antes de ser hornera ?
Tenho idea de ter sido burrico.
= Quando ?
Quando Ihe emprestei os 2000 que
me de re.
PHENOMENO.-Sob este titulo noticia o
Diario de S. Paulo o seguinle :
c O Sr. Dr. Joo Henrique Adams, h-
bil medico, residente na cidade de Soroca-
ba, d-cos noticia de um phenomeno im-
portante, remetindonos urna photographia
da pessoa victima do mesmo, e que se acha
nesta lypographia, descreyendo o facto pela
maneira seguinte:
O interesse que ligamos sciencia me-
dica, que, ha longos annos professaraos no
Imperio do Brasil, no3 irapelle a narrar o
facto infra, qae se dea era nossa clnica, na
cidade de Sorocaba, desta" provincia de S.
Patio.
Blandina de Barros, casada com 30
annos de idade, bem constituida, tendo con-
cebido, comecou a so'rer. desde o set mo
at o Dono mez de sua gravidez, maitas do-
res e affhcce!, torando-se excessivamen-
18 edematosa.
Chegada a poca em que devia ter lu-
gar o puerperio, leve de supportar dores
neis e incessantes, sem que pudesse dar
i iuzo teto qae encerrava as entranhas;
^ecorreu a dou3 facultativos-do logar, aa
I de ver se encostra va lenitivo a seos acer-
b is soil'riuiejitos. As pessoas consultadas'
diagnosticaran! v quo a enferma achava se
a dedada de ovan.e e mdrite, duv.dando
ou antes nlo conhecendo do estado de gra
videz,
< Em conseqoencia do sea errado diag-
nostico, comegaram a medicar a infeliz en
ferina por espago de mais de tres mezes
com preparagoes de iod>, mereuriaes, etc.,
internam nta, e com appcagas externas
de sanguesngas, custicos, frieges de iodo,
mercurio e lcali voltil.
Nestas circomstancias conliauou a in-
feliz doaate poi quasi quatro mezes em
so.Trimentos borriveis, ai que a natareza
se incumbi de mostrar o erro do diagnos-
tico das pessoas que a (ratavam, treze me-
zes depois da poca da concepgo As-
sim, achando se a doente convertida em um
perfeito esqueleto, formoa-se uaregio um-
belcal um vasto tumor qae depois de
aberto dava sabida a abundantissimo pus,
com ftido insopportavel, evacuando estas
fees pelo reto por mais de um mez.
Nesta estado de ulcerago, e pelo ab-
cesao do umbigo, provocado polo visicato-
rio, a natureza fez sabir dous ossos de urna
criangao Radius e Ulnaque nos forana
apresentados; removida a doente para a
casa de caridade, examin?m s a mesma na
presenga de diversas pessoas consideradas
desta localidade, e verificamos a existencia
de um feto em decomposiga, e, auxilia-
dos pelo pharraaceutico Joaquim Rodrigues
da Fon-cci Rosa, na tarde desse mesmo
dia (!".$ da outubro) praticamos a operaco
cesariana, tendo previamente claroformisa
do a picienie, e fazendo urna inciso de
seis pollega las na prele do abdomen, e
atravessando o peritoneo, encontrarnos para
logo uma completa adherencia na parede
pelos tecidos o pelas membranas e*tranha?,
formando um dtaphragma artificial que en-
vulvia os intestinos, e urna unssa do vis-
ceras e tecidos to enlajados qoe occulta-
vam tanto o feto .mo o; intestinos, com
apppreucia d.' roptnra e ulceracjh destes
orgos, denunciada pelas materias ecaes,
que f ram encontrada?.
Achando-se a paciente muit) fraca, e
tendo se em ailengo a sua ixcessiva ma-
greza, temen 1o-se mesmo que eli nao ra-
sistisse descCgSo de todos osses lecilos
e membrana-, rosolveu o operador extra-
liir o fttj, que pareceu ter vivido nove ou
dez mezes, o que den-jociava a solidez dos
ossos ; porm a carne eslava em completa
decompo;icao o com mo cheiro.
Em seguida o operador lavou a cav-
dado com urna esponja embebida em agua
de Labarraque, depo3 com oleo caraphora-
do e tin'.ura de beijoin, o que feito, explo-
rou o tero e reto encontrando aquella em
seu estado normal; parecendo, porm,
achar-se o eolio atropb.'ado.
t Pas-ou em seguida uma bugia elstica
pelo reto, reconbecendo-so que o intestino
reto acbava-se roto e paitid), junto ao es-
pbcinelr, e quo o ulero nolinha communi-
cago alguma com o ventre, excepto pelas
extremidades dus trompas fallopianas, tudo
dos ovarios e o foliiculo de Graaf. Os ova-
rios estavam coatrabidos e qaasi atrophia-
dos.
De tudo isto convencea-se o operador
que o ovlo tendo escapado pelas trom-
pas depositouse no peritoneo,produzindo
uma gravidez abdomioal pela adherencia do
peritoneo cora a membrana qae envolve os
intestinos, e uma formaro da dec.dua, ten-
do operado alii com um processo de teci-
dos acompanbaJos de uma exsudag) pls-
tica, que aoal formou o envoltorio do vu-
lo, com vaso3 e membranas (encontrados
depois da iuciso), de onde parti a natri-
g5o do feto, que, em completo estado de
putrefaego, ulcerou as paredes d) ventro,
perto do umbigo, dando sabida aos dous
ossos de que cima fallamos.
O operador, depois de ter feito o que
levamos relatado, costurou a cisura o appti-
cou o competente apparelho, e tendo orde
nado que so ministrasse doente um cal-
mante, deciarou ella no da seguinle que
mnitos mezes n3o tinba passado to bem
como na noile precedente, era que bavia,
sem dores, dormido profundamente.
No dia segrate, considerando o me-
dico assistente quo era extremo o batimen-
to o fraqueza da doente, mandoa que se
dsse vrabo do i'orio, quina, valeriana e
outros restaurantes.
Tendo a magreza rica Jo estacionaria,
com soccacio do pello, ordeuou duas fric-
coes de banha fresca pelo corpo diariamen-
te, a qual sendo absenida pelos poros,
tira ; roduzido admiravcl effeto, pois que
a doente progride era saas melboras, apro-
sentando a ferida muito bom carcter e
granulages quecicatrisara, fazsn.lo as eva-
cu3g;3 alvinas pelo reto (o q.ie nao aconte
ca), embora o intestino toas rolo pela ul-
cerago.
t Os medicas inglezes, nos ultimas oito
annos, tm demonstrado, por centenares de
ooerages qae a cesariana, as enfermida-
des de ovario e peritoneo, nao to arris
cada como peas arara os amigos o os cirur-
g5es do Continente, o que tambara prova
o exemplo do quo no3 occupaos na pre-
sente occasio, e tanto mais qnanto opera-
mos na presente occasio, s.;bre um verda-
dero cada ver coja existencia temos con-IS. Petersburgo fez, de accordo com a In
servado a coftv de muito tradujo, b mtitajr giaterra, ruaeMn ama communicago
persistejaca.
< S* esta a exposigao imperfeita de um
facto Importmtissimo nos anotes da medici-
na, qae sinto n!5o apresentar com todas as
galas de um eetyla brifcante, e toda a Ion
gania da lingoi em qae escrevo, qae nao
a de meu p.iiz natal; porm dos sabios es-
pero banevolatta desculpa.
INTERNACIONAL. Os Srs. Bebel e
Liebknecht, cheles da Internacional na Al-
lemanba, nao esto, s gando parece, mnilo
satisfeitos do congresso da liga da paz e da
liberdade, celebrado ha muito pouca tempo
era Lausana ; o peridico intitulado O Yol-
hestadt diz qae responderam OTgtiramenW
a um convite que Ihes dirigi o citado con-
gresso coa o lina de -que assistissem s
suas sess5es. r Eis a caria qne reconraen-
damos aos individualistas:
c Sentimos infinito nao poder aceitar o
convite com que noshonraes, mas julgamo3
necessario manifestar qne estamos' conven-
cidissmos de que os fios que se propia a
liga da par e da liberdade sSo irrealisaveis
emqaanto existir a actual domtnago das
classes.
< Os acontecimentos desta ultima poca
teem provado evidentemente qua todos os
elementes da velba sociedade se renniram
para oppr uma forle resistencia a toda a
reforma do estado o da sociedade, e que o
partido democrtico social nao se engaa,
jnlgando que s poda alcancar a cara com-
pleta d:-'S seus males po.iticos cora uoaa re-
generago social.
No proprio seio da |liga da paz e da
liberdade, se viram algaras contrastes p liii-
cos-sociaes; espenmos que 03 memrros
dessa liga que acreditem no verdadelro s. n-
tido das palavras paz e liberdade, sa nliaro
decididamente no nosso partido para traba-
Ih'rem comnosco, no intuito de" fazerdes-
apparecer essa dominago das classes como
foote da nao liberdade e da guerra.
Prineipa'm>mto nos regoztjamos deque
o velba o bravo Garibildi se declarass?, nos
seos ltimos maifoslos, a favor dos princi-
pios s iciaiistas da Internacional.
c Para que a democracia possa vencer,
preciso que seja social e internacional;
quem nao o (r, sea adversario.A. Be-
bel.W. Liebknecht.
INGIATERRA.O Courier Dipbmahque
publica uma carta do lord Granville, datada
ile 10 da agosto da 1870, na qoal se prova
que a Inglaterra, de accordo cora a Russia,
paralysou desde o principio da guerra todas
as tentativas da Franga, para sabir do iso-
lamento funesto em que se tinha collocado.
Este documento, sabido do Fortign Office,
e dirigido a lord Lyons, embaixador de In
glaterra, bastante importante para deixar
de ser reprodazido aqu:
t Foreign office, 10 de agosto de 1870.
Mylord.O embaixador da Prussia fez-
me varias pergantas relativamente a certos
boatos, qu9 quiz qae ea Ibe esclarecesse.
O primeiro que a Franca e a Kalia
tinbam assigoado um tratado, ea virtude
do qual esta ultima nagaodevia facilitar 100
mil borneas Franga, adquirindo assim o
direito de oecopar Roma depois de assigna-
da a paz.
* Disse ao conde de Bernstorff que nlo
acredita va queexistissosemelbante tratado;
que o goverao italiano tinha cotamuntcado
rainha qua bavia recebido aquello pedido
de Franga, e que desejava obter o auxilio
do governo de sua magestade britaonica
para resistir aquella presso, e qae se res-
ponden ao governo italiano qoe apezar de
nao entrar na poltica actual da Inglaterra a
acquisigo de compromisos polticos para
uma neutralidade combinada; conatudo, se
acbava disposto, se deste modo-p:dia auxi-
liar a Italia a resistir aquella presso exter-
na, a entender-se com a Italia para que nem
uma nem outra abandonassem a neutrali-
dade sem uma modanga de ideas, e sem se,
arraunciar reciprcsamenle qualquer mudanga
de polaca que oscorresse.
t Ootro dos boatos era a negociado de
uma allianga entre a franca e a Austria,
com'oinando-a uma organisaco armada, de
Galitzia. Respond a Mr. de Bernstoff que
tinba julgado necessario advertir o governo
austraco que certas circumstancias tiabam
creado ilguiais suspeita3 no espirito dos
governos russo o prussiano acerca da sua
neutralidade, mas recebi do governo austra-
co a conGrmago, de que se a'bava Itvre
da todo o compromisso e de que eslava
disposto a pr-se da accordo com o governo
de sua magestade britannica para ama neu
tralidade combinada.
a Qaanto ao terceiro boato, relativo a
um tratado secreto assignado em Vienna
pela Franga, Austria, Italia, Turqua, para
defender mutuamente o seu territorio e para
se unir Franga no caso desta soffrer al-
guna revez, s pude dizer que nao tinba co-
nhecimanto delle, e quo nao julgava que se
livesse assigoado H-melbanle tratado.
O conde de Bernstorff fez tambera, com
que so Sxasse a araba attengo na Dinamar-
ca, porque a Prussia temeu que aquella na-
ga) tomasse parte na guerra, por influencia
da Franga; das rainhas indagagoes resultou
que o rei da Dinamarca dasejava ser defen-
dido contra essa presso ; e o gabinete de

- FOLHETIM
KILHA JO FOGO
ROMANCE
pon
ALBXA1DRE DUNAS
(Continuago do n. 273)
aeclama^e* de ana eredor.
Tenho medo, disse Ester.
N5o estoo ea aqai para a proteger ?
responden Harrach. E o qae teme f Aquel-
la qoe se chamou Baziiio e boje se chama
Nongal, o anio a temer, mas esse nao
wi.
Vois veio, responden ama voz so-
nora.
Harrach correa precipitadamente na di-
necio da costa.
Vendo-o fogir, Nangal solloa o grite de
laerra dos piratas, e aquellas solidos po-
oaram-se sobitameote.
De toda a parte, das arvores, dai pedrts,
ibiam os bomeos armados at aos denles,
Harrach acboa-se rodeado por todos os
lados.
Apoderem se d'esse homem, gritou
Nungal.
Ao ver seo dono em periga, Mana, qae
at all se tinha conservado oceulta, com a
arvore onde Ester se tinha refugiado, en-
colhea se sobre os quaitos trazeiros, bateu
no solo com a cauda ; e no momento em
que um do3 piratas deitava as mos a Har-
rocbj deu um terrivel salto, e cahindo so-
bre as espaduas do pirata, langou-o por
trra mal ferido.
A panlbera olbou depois para os iaimigos
de seu dono, os quaes, aterrados, nem se
moviam.
Que o propheta vos amaldicoe, co-
vardes I gritou Nungal. Um misero ani-
mal os intimida !
E assira dizendo puchou por ama pistola,
e fez pontaria fra.
Porm, no momento de partir o tiro,
Harrach cobrio-a com o corpo, ficando le-
vemente ferido ; o guebra, sem fazer caso
do ferimento gritou :
Mahi, Maba, a hora ainJa nao soou,
foge depressa 1
E apontou-Ibe para o bosqae ; e como
se a panth;ra o comprehendesse, desappa-
receu entro o mato, deaando estupefactos
os piratas, qoe dirigiam ^carabinas contra
o pobre actinal.'
arca
Franga para a iseviar daqoelle asjompto.
t EnlSo recordei a 8. Exc qoe por (re
*ezes Ihe tinha soggerido qaanto seria con-
veniente qae a Prussia, por meio de nm
ajaste amigavel, evitasse qae a Dinamarca
cedesse aos desejos da Franga, e accrescen-
lei que bavia poucas dias que tinba obtido
uma au'.ofisago do gabinete para fazer di-
wr ao baro de Bronow que me achava
disposto a ebegar a um accordo acerca do
tempo, e do modo de passar uma comrauni-
cago i Franga, para qoe nao obrigasse a
Dinamarca a entrar n'uma poltica completa-
mente contraria aos Interseos daquelle paiz.
Son etc. (assignado) Granville.
AUSTRIA.Temos agora occasio de dar
o texto da circular que o conde de Baost
dirigi aos agentes diplomticos do imperio
austro-hngaro, relativamente s entrevistas
de Gastein e de Salzbourg entre os dous
imperadores de Aastria e de Allemanha.
Este documento, em que se defame a impor-
tancia das ideas polticas que naquella occa-
sio se trocaram entre os doos soberanos,
de tal maneira interessanta, qne tem sido
reprodazido em toda a imprensa :
t Vienna, 12 de setemaro de 1871.
Camotendes sabido pelos jornaes, o impe-
rador, nosso augusto amo, foi passar dous
dias a Salzbourg, afim de cumprimeniar all
na sua passagem o imperador Guilherme e
pagar des'.e modo aquello soberano a visita
qoe delle recebeu em Iscbl. Esta troca de
cortezia demonstra o restabelecimenio com-
pleto das antigs relagoes da amizade enlre
os dous monarchas, e saneciona as seguran-
gas que os gabinetes se deram mutuamente
quando se decidi a nova orgnnisago da
AHeaaanba.
* Ddbaixo deste poni- de vista, muito
natural que se atiribua 3 estes fados uma
importanc a que sou o primeiro a reconhc
cer-lho*. Ma3 devo ao mesma tempo pro-
curar que se nao desnaturalice o verdadeirn
carcter dessas entrevistas, e se nao rea
cimera com ellas combiuagos que Ibe sao
estranbas.
t Nao foi uma poltica de sorpreza que
se preparou, nem bou ve qua discutir, e
muito menos anda que concordar em pro-
jecto aigura espeaial.
As coramunicages trocadas entre os
gabinetes de Barlim e de Vienna em dezem-
bro altano, juntamente com o programma
que expuz s delegages do imperio austro-
hngaro, coniinuam a ser a base da nossa
attitude, para com o imperio da Allema-
nha, assim como para com os domis es-
tados.
O encontr dos soberanos, e dos sens
ministros nao mais do qae ama simples
conseqoencia da linha de conducta adoptada
entlo, com approvago de todos. Nao ha
p ais o menor motivo para que se suscitem
recelos boje qae a siluago contina a ser
exactamente a mesma.
Nem por aso me menos grato con-
signar, qon as iadicagSes a que deu lugar
esta entrevista, conduziram a resultados que
devemos considerar como satisfactorios para
nos mesmos, e comprazo-me de acreditar,
quo o sao igualmente para todos os gabine-
tes dosejosos como nos de ver assenlada
sobre uma base solida a paz da Europa.
Nao so as minhas conversagoas com o prin-
cipe de Bismark. pozeraia em relevo o nos-
so desejo, bem sincero, de contribuir para
a seguranga da paz geni, e de prevenir a
repwdocgo de qoestoe irritantes que po-
deriam perturba la, mas lambem permiui-
ram reconhecer uma iientilade parfeita de
ideas a respeito da natareza das nossas re-
lagSas futuras, sobre a ausencia de toda a
colliso de interesses, e finalmente acerca
da facilidade de uma inteligencia previa em
'todas as questes polticas. E foi assim
que servirara para estabelecer relagoes pas-
soaes de verdadeira e reciproca confianga.
* Apresentados deste modo, debaixo do
seu verdadeiro aspecto, os encontros dos
soberanos, e dos seus minist:-os, longo de
despertar descontianga, s oflereceira Eu
ropa inteira uma nova garanta da paz.
Encarrego-os de empregardes todos
os meios para impedir, que em volta de
vos, se propaguem apreciagoas errneas
que possam tender ao desenvoivimento d8
duvidas a respeito das nosaas intengoes, ou
a representar o que se passa de um modo
que possa inspirar recelos aos demais ga-
binetes. Receuei etc., (assignado) De
Beust. b
NAPOLEAO.O Tiuus, de Londres, diz
ter recebido de origem fidedigna a seguate
relago de uma palestra havida no dia 21
em Cbislehurst, entre o imperador Napoleao
e a pessoa que informa o Times, a qual
est autorisada para tornar publicas as pa-
vras do imperador, que falloa nestes ter-
mos :
Pretende-sa que os bonapartistas cons-
piren!. Nao creio. S ba que os partidos,
sentindo-se em minora no paz, appellaram
para esses meios tenebrosos. S conspi-
rara aquellos que querem impr a sua opi-
nio ao maior numero.
Quando se esteve, como eu, vate e
tres annos frente de uma grande naglo,
sem ter mais do que um pusamnto, o bem
do paiz, conserva-se o sentimento da pro-
Alguns tiros parliram, mas nenburn al-
cangou a fra
Harruch respirou ento Iivremente.
Ura sorriso de triumpho Ihe appareceu
nos labios, e conservou-se tranquillo e al-
tivo, apezar dos olbares qae Ihe diriga
Nangal.
Guebra, Ibe perguntou este, que B-
zeste de Thsermai ?
Um pouco de lodo, Nungal.
Confessas ento o tea crime ?
Orgalhome da miaba vioganca. Os-
mud foi comigo.
Guebra, replicou o malaio, tu cor-
laste pela raz a esperanza qne os nossos
irmos tiabam de ver reinar em Java inde-
pendente o saccessor dos seas amigos so-
beranos.
Qae importa ao escravo o nome d'a-
qaelle qae o castiga ? Se o latego qae o
agouta nao se chama Thsermai, chamar-se
ha Nangal, e sempre ser um latego t
O malaio fez se lvido, mordeu os labios,
e replicn :
Tu serviste a causa dos homens, que
sao nossos ioimigos, matando o qae poda
reunir os javaneses e conduzi-los victoria.
Tu pozaste mos sacrilegas no descendente
dos soltoas, reto qoe conbeces o castigo
qae as lea da ilha appticam o tea crime-
Sei anal respooden o guebra.
Esse castigo i Npeira. Atem este
pria dignidade, a conscencia do direito e
repellem-se para longe as buxas intrigas
que desconsiderara os que appellam para
ellas. Sem illuso e sem desalent, tujlo
espero da jastiga do-povo francez e resign-
me minha sorte, qoaesquer que sejam os
decretos da Providencia.
c Por ontro lado, quando se cabio de to
alto, o primeiro sentimento que se experi-
menta nao o de tornar a sabir ao carne,
mas o de investigar as causas da queda,
afim de explicar a sua conduela e repellir
as calumnias, sem deixar de reconhecer as
proprias faltas.
t Euto estendem-so as vistas para o
passado, mais do que para o futuro, e en-
caminbam-se os esforgos mais para uma
rehabibtago do qne para uma restaurago.
D'ahi o desejo bem legtimo de recorrer
publicidade para repellir os ataques injus-
tos, para rectificar as apreciages errneas.
Illostrar a opini) com escriptos verdicos
um dever para os que foram victimas da
sortc, ao passo quo agitar-se para tentar
restabelecer o rgimen imperial nao faria
mais do que domorar a reaego moral que
j principiou.
Com todas as pessoas que teem viodo
visitar-ma de Franga tenho lid) a uaesrna
linguagera. Nao quero, Ihes hei dito, nem
intrigas era conspirages: a Franga ecas
sita de descanso para se refazer dos seus
desastres: muito criminoso sena quera qoi-
zesse perturba la n'um interesse pessoal.
t O galerno actual s provisorio e nao
exclue para o futuro nenhuma forma de go-
verno : tratar de o derrub3r seria n ac-
cao ; todava, o meu d reHo conservase in-
tacto, e emquanto o povo na i for consulta-
do em regra, nenhuma decis5o da cmara
poder impedir me da ser o legitimo soba-
rano da Franca.
Muitosofficiaes me esereveram pergun-
lando-me se deviam pr-se disposiga do
governo actual o se en os desg va do seu
juramento. Respond Ihes que acbando-se
claramente posta a qoesto entre a ordem
e a mais espantosa anarchia, nao deviam
Musitar em servir o seu paiz; mas que eu
nao poda desligados do seu juramento sem
que a nago inteira houve^se eleito por um
voto directo um governo definitivo.
Assim bem v que, como o bomem de
Horacio, me envoivo no meu direito e na
minha resgnago. Forle na minha cons-
:ien;ia, retanbo as iospirages de uns, des-
preso 33 fraquezas dos outros. Vejo cora
certa satisfago a repblica obrigada a ser
severa contra os aiesmos que durante vinte
o tres annos atacaram o meu governo e
vende-se na nacassdada de ap,aellar para
a maior parte das medidis que eu julgava
indispensaveis para conservar a ordem;
mas cmao nao sou homem de partido, e3se
sentimento deixa passo na mnba alma a
outro mais forte, e a dor de ver os des-
tinos da Franga nntregues ao acaso dos
acontecimentos, ao furor das faegoes. fra-
ojaeza dos bomens no poder, s exigencias
implacaveis do estrangeiro.
Referindo-se o ex-imperador recente
publicago das cartas que Iba linha dirigido
o Lessines, que os nossos leitores conho-
cem, disse, respondendo a uma pergunla
do communicante do Time:
Essas cartas, pelo qoe me lembra, sao
aothenticas; mas nao posso seguramente
constitoir-me responsavel pelos absurdos
que o povo tem por bem dirigir-me, e as
communicages do Sr. Lessines nuoca me
mereceram uma seria attengo. Juiguei
qae esse homem fosse ama especie de lu-
aatico- innocente, como pode julgar. A pri-
meira vez que o vi, ha tres ou quatro annos.
andawa passewndo precipitadamente pelo
interior do pateo das Toillerias. Mandando
ea pergantar que era o que quera, respon-
den com a maior agitago :
A minha sorte est as mos do
imperador.
Porque ?
i Porque o nico homem que pudo
fazer-me o favor que desejo.
a Diga qual 6.
Um camarote na Opera esta noute.
E porque nao vai comp'a-lo?
Nao possivel, todos os bilheles
esto vendidos. A dama com quem desejo
casar-rae estar all, e preciso de a ver.
Oavindo esta sabida, que suppuz fosse
urna especie do innocente brincadVira, con-
tinuou o imperador rindo muito s com a
lembranga da caso, dau ordem para que sa
facilitasse ao meu estranho visitante a co
bigada ealrada na Opera, e eila retrou-3e
contentsimo. A ultima vez quo ouvi fallar
delle foi em forma da uma proposta para
annexar a Blgica Franga, projecto a que
nao dei- seguramente a considerago que os
raeu3 detractores fingera acreditar.
Por consegrante fique isto bem assente:
Napoleao esteve trbalamda vinte e tres
annos para bem da Franga. E resolva o
que quzer a assemba nacional, nem por
isso deixa de ser o legitimo soberano da-
quella nago. Sim senhor, o mesmo dzia
Luiz Felippe, e diz o cunda da Caambord.
Fcaraos inteirados.
Quanto ultima parte do extracto que
fazemos, veja como Napcleo mente quem
lsse o resumo que fizamos da correspon-
dencia Lessines, e das annotagOas que
margena Ihe punha o hornera de Sedan.
homem, accrescentoa Nungal, dirgindo-se
aos piratas, e esta mesma noute preparem
a fogueira.
Harrach estendea as mos s cordas que
Ibe apresentavam.
Agora, disse Nungal, voltando-se para
Ester, promettes-me conservar-le immovel
um momento, e coberta com o teu veo, se
te pozer em presenga de tea marido ?
Juro que sim, responden Ester.
Est bem. Tragam Euzebio.
Os piratas executaram a ordem.
Euzebio Van-den-Beck, disse Nungal,
creio que o digno doutor Baziiio. teu tio e
amigo, fica ra salisfeito com as faltas qae
tens commettido depois de querer prender
a tua existencia eternidade dos teas sen-
timentos. Ea nao serei mais escrupuloso
do qae elle. A que hora queres que tome
posse do qne me pertence em virtude da
transferencia qae o doutor Ba?ilio quiz fa-
zer em mea favor ?
A hora que mais Ibe agradar, respon-
den Euzebio, com a voz quaei apagada.
Nao, nao ; um capito de piratas pa-
rece-se s vezas em mu tos casos com um
negociante ; ea herdei os principios do
excellente Baziiio, e cooservo-me fiel as tra-
digSes commerciaes que servem de base ao
contrato. Dou-te doze horas para o pa-
ganjento qae de ti exijo, e para te desean
ACCIDENTE. Um grava accidente de
caminbo de ferro, diz a Independencia Delga
tere lagar ltimamente noute, na liaba de
Lavain, em Aeracbot. Apenas sabido da
nossa estago o trem de passageiros qae
parte de Louvain ii 10 boraa e dez minu-
tos da noute, e a meia legos da cidade,
te ve nm terrivel choque com o trem de
mercadorias qae ebegava .de Aerschot pela
mesma linha. Todos os passageiros ficaram
feridos ou contusos. O conductor do trem
de mercaduras morrea SODIO fulminado,
bem como dous machinistaa, e um fogueiro.
O choque devia ter sido extremamente
violento a julgar pelo espectculo afflictivo
que o lugar do sinistro apreaentava, no dia
seguinte pela manha. As duas machinas
achavam-se to estretamente enlagaias,
unidas, e agarradas uma outra, que s
depois de pertimz e successivo trabalbo,
qna durou todo o dia, foi possivel despren-
de-las aos pedagos. Os cinco primeiros
wagons do trem de mercadorisa baviam-se
littaralmeate achatado contra o tender do
trem de passageiros, e achavam-ae redazl-
dos a cavacos.
s Nos doos primeiros dessea vagons vi-
nbam trin'.a bois, dos quaes s dona esca-
param a mottandade geral; os outros
apenas apresentavam uma massa informe de
ossos e cama esmagada, entre a qual fieoa
sepultado o pastor, que acomQaobava ama-
nada.
Este triste a;ontecimanto caasen gran-
de sensago na cidade ; as perdas materiaes
foram avaliadas em trezentos mil francos.
QUE BICHO Aos cariosos damos as
duas seguintes palavras, para estodarem
gyranastica da liogua. Uma ingleza,' a
outra allema, a primera b Horseroa-
drailwayearnage, e a segunda t Pferds-
irasseneisenbahowagen as qoaea traduci-
das querem dizer: Carru igem de caminho
de ferro rfc estrada, puchada a cavallos, oa
vu garraente : Caminho de ferra americano,
PASSAPOftTES.a jornal ioglez Bir-
mingham P'out cunta o seguinte :
i Temos vista a copia de um passapor
te, que ltimamente foi passado a favor de
uma senhora que foi viajar Franca, feito
debaixo do novo regulamento, e qoe servir
como exemplo da especie de prova prepa-
rada modestia e reserva britnica pela
indulgencia do governo de Tbiers.
O nome, morada, occapago e idede
do viajante tendo sido dada, segne-se ama
solemne e sincera declarado de, qaal o fim
com que ou a viajante transita, qual o
caminho e destino; a isto junta-se aun mi-
nuciosa descripgo pessoai feita pelo modo
altamente imparcial e minucioso que segu.
Descripgo pessoai Hade : Altura:
5 pos, 3 polegadas, nao asando cagalo de
taro alto. Cabello : cor da-moda. Testa :
inieiramenta alta, e symtricamente larga.
Sobranceihas: maguilicamente arqueadas.
Olbos : brilhautemente pretos, zoes, oa
castanhos: Nariz: pouco nalgar, e maravi-
lhoso poder de olfato. Bocea : bonita, gra-
ciosa e seductora. Cabelle' no rosto :. s-
mente as sobranceihas, e um pequeo sig-
na! com cabello. C6r do rosto : magnfica-
mente suave, e comtudo ebeia de c6r vital.
NLNGUEM AS ENGAA. Uma moca
bem formosa, sahindo a passeio, foi seguida
por um dandi/ que Ihe offereceu o brago.
Cavalheiro, com qqe direito me quer
prestar esse servigo ?
Senhora, com o do amor; muito for-
mosa e eu amo-a cegrnoste.
Isso verdade ?
Nao ba causa mais certa.
Pois olbe, minha irmia, que muito
mais amavel do qoe en, vem abi atraz a
poucos passos de distancia, e nao duvidaria
acooselbar-lhe qua Iba offerega o coraglo o
nao a mim.
O dandij volta atraz e v orna mulher
horrorosa.
Segu para a primera a quem fallara,
e diz-lba :
V. Exc Iludi a minha boa f.
Mea amigo, tambem o senhor me H-
ludio nlo me dizendo a verdade, pois sa
me amasse sinceramente nao tratara de
namorar outra mulher. V com Deu3 e
procura outra que Ihe satisfaga os capri-
chos.
E' intil dizer que 13o discreta e acertada,
resposta o deixou desapontado.
PBOPOSTA IMPORTANTE. O Sr. H.
Monis, consol da repblica Argentina em
Dieppe, e o negociante Chateauneut propo-
zero ao governo de Santa F o estabeleci-
menlo de uma colonia agrcola industrial na-
quella provincia, que ser fundada cora
1,000 mogos orphos das guerras franco-
prussiana e civil, sendo 500 homens e 500
raulberes.
Os proponentes pedem 50 leguas qaa-
dradas da terreno, instrumentos agrioolas,
animaos para o trabalbo, pastos e sementes.
As despezas de transporte de Europa
pira Buenos-Ayres sarao por conta da em-
preza, e de Bueaos-Ayres para Santa F
pela do governo desta ultima provincia.
Tasibem all sero admiltidos orphos pro-
vincianos de ambas os sexos designados
pelo governador.
baratares da ultima parte da tua fortuna
em favor de Arroa.
03 piratas preparavam se para marchar
com Harruch ; mas Ester, approxiraando-se
d'elle, disse-lhe em voz baixa:
Guebra, eis a occasio de cumprir a
ultima promessa que me fizeste.
E ser como desojas, responden ;
prometli salvar ten marido, e para cum-
prir o meu promettimento arrisquei mais
do que a vida. Disse-te tambem, que se
Nangal fosse mais forle do qae eu, te dara
com qae te livrasse dos padecimentos que
te esperam. Toma agora, e que a mo de
Deus se estenda sobre ti.
E assim fallando, puchou Harruch com
os denles um cordo que tinha ao peito, e
ao fim do qaal bavia ama bolsa pequea.
Harrach cortoa o crdSo com os dentes.
e a bolsa cabio aos ps de Ester.
A pobre senhora apanhoa-a, abrio-a, le-
vou aos labios alguns dos graos vermelhos
qae continha, e ficoa como qae des-
matada.
O sea rosto tomou ama pallidez cadav-
rica.
Um circulo azulado e sombro se Ibe de
senhou roda dos olhos; desampararam-
ua aa forcas e cabio no chao com os bracos
estndios, exclamando:
Eazebjo I Eozebio t Qaebro o meo
juramento. Euzebio! Sou eu, a tua
Ester !
Eozabio sahio do entorpecmento em que
eslava mal vio sua mulher ;- dobraram-se-
lhe osjcelbos edirigio-se para soa esposa
trmulo e desesperado.
Euzebio, confinaran Ester, voa mor-
rer ; recebe o ultimo adeos da mnlher qae
que tanto te amou.
Euzebio conservava-se immovel, mas as
lagrimas rebentavam-lhe dos olbos em
torrentes.
Ester vio aquellas lagrimal, e sorrindo-
se bradou :
Deas te perdoe como ea te perdoo.
A pobre senhora nao pode continuar; os
seas olbos ficaram espantados, fitoi, e toda
ella ficoa sem movimento.
Repeinado ento Eozebio com violencia
os qae tentavam desvia-lo d'aqaella scena,
precipitoo se sobre o corpo inanimado de
sua mulher e cobrio-o de beijos e lagrimas.
De repente levantoo-se, tomou a eaposa
nos bragos, atravessoa ts flleiras de piratas
e dirigio-se para o bosque.
Os bandidos quizeram dete-lo, mas -Nun-
gal conteve-os diaendo-lhi* :
o qoer qae esteja,
pertence-me. .... .. .
v (CoUnuar-te-ka
TYT. fllirUO-HU. DO l'UQDB DK CAX'A
^
_

/
"w .
//
- /
\

i
\'
;
.. .
s.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E4KTHH28Y_KZ90FV INGEST_TIME 2013-09-19T23:09:06Z PACKAGE AA00011611_13149
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES