Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:13145


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO XLVII. NUMERO 270
*

*



I
j

fABA A CAPITAL E LUGARES OIDE IAO SE PASA POSTE.
Por iree aiaaos atontadas................. 8,5000
Por Mis diios iiiem................... VMO0Q
Por amaflDO dem..............,....... imoo
Uda BUUMo-o valso................., j*,
DIARIO DE
Propriedade de Manoel Figneira de Faria & Filhos.
AO AfilITM:
Qs Srs. Gerardo Antonio Alves Filhos, no Para ; Goncalve Pinto, no Maranhao ; Joaqnim Jos de Otwira Filho, no Ceari ; Antwio do Lemoi Braga, no Aracaty ; Joao Mara Jolio Chave*, no Atan ; Antonio Marqnei da Sita, no Natal
Pereira d'Almeida, em Nazareth; Antonio Ferreira de Agoiar, em Goyanna; Francino Tarares da Costa, em Alagoas a Dr. Jos Martina Alves, na Baha ; e Leite, Serqninho C. no Bio de Janeiro.
; Jos Joftf*
PARTE 0FHCIAL.
CJcrerao la provlucla.
KMIM1IMKNTE 00 DA 21 DK HOVBMBBO DK I87i.
Aclos :
O prasldenle da provincia resol ve conceder
a Augusto Cavalcanle de Aibuquerqae a exone-
radlo que pedio do cargo de primeiro supplente
do subdelegado do d.slricto do Olho d'Agua do
Carmada Cimbres.
6 presidente da provincia, attendendoao que
raquerau o bicha-rel Ioj Vieiia da Araojo, chefe
da luaU Scglo da secretara da pre-idencia, re-
solva conceder llu oilo lias de lice.nga com os res-
pectivo i veociojeuto pira tratar Jo soa sadle.
Expediram-se as necessarias^comiriunicagdea.
Oflijloa :
Ao Exm. presidente da Bhia, aecusando a
rec. pgo do offki j em que participou haver a 8
do correte, prestado juramento e tmalo pocse da
-administragao daiuelli provincia, pnraaqual lo-
ra Borneado por cara imperial J "i de outubro
ultimo'.'- Igual mutatii, mutundis, o_presdeme da
provincia de Minas Garaes.
Ao brigadeiro eommandanie das armas, re-
commendando a ixpediglo de suas orden-, para
que os corpo) de lio ha reunidos aos da guarda
nacional^ desta municipio, que serlo postor a sua
disposigao pelos respectivo commanJaue superior,
formem em parada sub o camnfaodo de quem com-
petir no Caaipo.das Prineezag s 5 horas da tarde
d) (lia 2 de dezembro vind.utro, alira d6 solemni-
sr-s.> o aosffsr Imperador; cario de que a guarnigao uesse dia
ser feila pela guarda niciomt que nao marchar,
conforme determina se aesu d^ta a > mencionado
commandante superior, eom quem se entender
respailo-do delalhe do servige.Neste sentido oH-
ciou-se ao eommandanie sjaperior.
Ao Desmo, dizenlo que, era vista do dispos-
to era su olfleio, com referencia, a i recruta Hj-
norio Olfmpio Symph.*ooie, pdrf lazer elTectiva a
ordeo da presidencia de 15 do crreme, manan
do o por em liberdade.
Ao mesmo, para que, em curaprimento do
aviso do ministerio da guerra de 10 Jo corrente,
man i iuspec:ionar pela junii militar de sade o
soldado do 9 batilhao de- infantaria, Manoel Ama-
ro dos. Res, remetiendo eom o competente termo
da iospeccio, a certidlo de assentarantos do re-
rendo soldado
Ao mesmo, declinado que, seguodo aviso
Jo ministerio da guerra (fe 7 Jo correte, deve 11-
car adiada para occasilo mais oppormna a exe
cugio das obras do Forte de Itaraarac. visto
adiarse esgotado o ore Jilo para obras militares
no correte exercicio.
Ao aspector da ibeaooraria de fazeoda, re-
meneado para os devidoe; los, os inclusos, ttulos
comeando cavalneiro da, ordem da Rosa o capito
honoraria do exereito, Francisco Jos da Costa, e
concelendo ura anno de licmri ao padre Flix
Jjss Marques Baealho.
Ao mesmo, coinn-unicano que a 23 de ou-
tubro nltimo, prestou juramento e assamio o exer-
cicio do cargo de juu municipal do term do Bom
Jardim o respectivo segundo snppieote Joo Felip-
pe de Mello.
Ao mesmo, inteirando-o de que a 7 do cor-
rente, assumio Caetano de 0!iv.-ir i M-llo, o exer-
cicio do cargo de juiz municipal do termo do Bre-
j j por ter entrado no gozo de licenga o respectivo
proprietario.
Ao mesmo, declarando que, segundo aviso
do ministerio do imperio de 13 do corrente, todas
as despezas provenientes de medicamentos e die
tas, foroecidas para os presos pobres da casa de
detenglo, ataeadoi de beriberi, e da graiifieagio
abonada ao medico, que os aorapanhou pira o
presidio .da Fernando de Nornnba, devem ser le-
vadas a* crdito de viole contos daris, autorsa-
o pela presidencia com deslino a soccorros p-
blicos no exercicio de 1870 a 1871, visto serem re'
Iativas asada publica.
\ Ao mesmo, de accordo com a sua informaglo
de 15 do crreme, sob u. 712, vou submelter a de-
liberadlo do governo imperial a propona (.ila pe-
lo barao do Liyramento para o fjrneciraeu'.o ao
arsenal de marinha dasta provincia, de carvo de
pedra Grcenock e Cardill. Entretanto autorhoo
inspector daquella arsenal, a co i prar e conser-
var all em deposito por coma do raez de Janeiro
vindouro, a para os gastn do arsenal nesse inez
luzentas toneladas de carro de ca la urna das so-
bredilas qualidades, visto fiodar se em dezembro
prximo (muro, o contrato celebrado com Hett
Wi'.scn 5c C, e nao constar que tenha o dito con-
trato sido prorogade e Ser mnitc vantajoso o pre-
go da proposla do bario do Livrament em com-
paracao com o prego do contrato a lindar-se, visto
como o earvao de GardifT olTere^ido por lJOOO
a tonelada, quaodo por esse contrato pago a
22O0O e o de Greenock, que preenebe os mes nos
tas do de Newcasthe offerecido a 13J0OO, sendo
que este tem no dito contrato o prego de 203000,
notando-se que a qualidade do que pretende ven
d?r o barao do Livrameoto boa, segundo infor-
ma o inspector do arsenil do marinha, que julga
multo favoravel a referida proposla. O qm cora-
munico a V. S. para seuconbecirnento e direegao.
Ao mesmo, enviando para os devidos fln;, as
aove inclusas ordens, senda, seis do thesouro na-
cional, sob n?. 220, 236, 239, 210, 213 e 24i, e
tres em duplicata, exuedidas pela repartlgao do
ajudante general, na. 2C2 a 204, e bem assim um
officio da directora geral das rendas publicas da-
tado de 4 do corrente.
Ao mesmo, para indicar o empregado dessa
repartilo,que deve fazer parte da corarais!),
qae segando o aviso do ministerio da guerra de
7 do crtente, deve dar parecer acerca dos terre-
nos qne eonslituem a servidlo da fortaleza de Pao
Amareilo.
i Ao mesmo, communicando que, segando
aviso do ministerio da agricul ura da 4 do corren-
te, fora approvada a deliberagij qae lomou a pre
sidencia de mandar despender al a quantia de
1:100*000, com a acquisigio dos livros precisos
Sara o registro dos nascimentos e bitos dos filhos
e escravas, nascidas da data Ja lei n. 2,040 de
28 de setembro ultimo em diante, e solicifbu-se do
da lateada a expediglo das convenientes erdens,
afim de que seja posta a disposiglo da mesma
presidencia nessa thesourariaa quantia de 1.4524
para ser applieada a tal servigo.
Ao inspector da thesouraria provincial, re-
commeadaido qae, em eumprimeoto do aviso do
ministerio da agricultura de 7 deste mea, manda
recolber com brevidade ao cofre da thesouraria
de (azenda a somraa votada pel assembla legis-
lativa provincial para auxilio ni) actual exercicio
eonsirnecao da linha telegraphiea do norte.
Communisoa-se ao inspector da thesouraria de fa-
zenda.
Ao mesmo, aulorisando a contratar eom o
bacnsrei Hanriqae Mamede Litis de Almeida, a
confecglo e. impressii do almanack administrati-
vo da provincia para o anno de 1872, addicionan-
do as condig5es estipnradas no incluso reqaeri-
meoto as qae forana estabelecida* para igual con-
trato eom Francisco Pacifico do Amaral qae desis-
ti da empresa.
Ao mesmo, para entregar a o thesoareiro da
repartilo das obras publicas a quantia de......
3:0004000 rs., afim de ser applieada aos trabalbos
do ajirdinaraento do Cunpo dan Princesas.
CommtiDieoa-se ao ebefa d'aqdella repartidlo.
Por essa thesoarana maniou se pa-
gar
A Jo.- Augusto de Araajo a qaantia de....
3:8204344 rs., a qae se julga com direito na qua-
lidada de contratante das obras da reconstraegio
do tbeatro de Santa Isabel, proveniente de acere--
cimo de irabalbo que de mais execoiou em virio-
de da antorisagao da presidencia.
A Beato Jos de Almeida Pogas a importan-
cia dos venaimentos relativos ao mez de ontubro
oltjmo, iln guardas nacionaes destcalos na villa
d'Agua Preta.^ominunicju-se ao cornmandantc
superior respectivo.
A Cassaniro Rais G imes da Silva, por coota
do actoal exerc ci a qaantia de 1:8364773 rs.,
qne sa I lie est a Jover, resto do sea contrato pa-
ra f-iri-ci.uato de seiscenios fardamentos de
briin branco ao corpo de polica.
= Ao aspeclor do arsenal da marinba, com-
municando haver o excelleatissimo senbor minis-
'to da ni.nina declarado am aviso de 7 do cor-
rente, ficar inteirido de quanto ponderou e;sa ins-
pectora acerca da compra de am navio para ser-
vir de quartel e esoia da cotnpanhiade aprendi-
ces marinheiros desta provincia, e qae opporiuas
maule resolver sobre tal assurapio.
A) mosmo inteirando-o de que segundo a vi
so do muisterio da maiiuna, por decreto da 2i de
ontubro ultimo coniiderou se sem eiTeilo o de 12
de abril deate anno, que uoraeou Jos Alves para
patrio mor desie arsenal, visto nlo ter elle acel
tado o referido empreo, e qua por ouiro decreto
daquella dala foi conferida assa uomeaglo a Aa-
toaio Joaquim dos Santos. Cammaoicoa se ao
inspector la thesouraria de (azenda.
Ao director do arsenal de guerra, para que
manle braecer a enfermara militar do pre-iJm
de Fernando de Noronha, os instrumentos airar-
gicos coBstanteb do incluso p Jilo, em sabslitai
gao de outros que foram dados em consummo.
Fizeram-se as necessarias comraunicagbas.
Ao jaiz de direito da priraeira v*ra desta ca
pital, afim da qne, em cumprimeuto do aviso do
ministerio da jastiga de 8 do corrate, d com a
pjssivel brevidade parecer sobre as ionovagoes e
alieragrjss que se dovem fazer no regulamento de
3 de marga de 1855.Igaaes aos juizes de direito
da 2* vara, especial do coramercio a jaiz dos fei-
toi da tazenda.
Ao engenheiro eacarregado das obras geraes
recommendaodo que, em cumprimento do aviso
do ministerio da marinba de 10 do corrente, veri-
fique o estado em qae se acha o edificio, qae no
arsenal da marinba serve de residencia do respec-
tivo inspector, e organise afim de ser remedido
aquella secretaria de estado, am orgamento minu
euso das obras necessarias a conservagao do mes
mo edificio.
Ao mesmo, para que informe na parle qae
Ihe diz nspeilo sobra o contedlo do aviso junto
por copia do ministerio do imperio de 10 do cor-
reme, acerca do acrescimo de obra, solicitado para
o Lazareto da liba do l',na.
Ao presidente da cmara municipal do Boni-
to. E:n solugao as duvidas sobre qae consalta V.
S. em offleio de 17 do corrente, tenha a dizer-lhe
que, quanto a Ia, relativa a presidencia do eollegio
eleitorai por jnizes de paz, que acceitaram post s
na guarda nacional, est resol vida pela decalo
desta presidencia de 13 do corrente, jante por co
pa. Qaanto 1 2* duvida. V. S. eonsulla se esto
impelidos de exereer faneges de jaizes manici-
paes soppleotes in viduos que ace.taram postos
na guarda nacional ^posteriormente a aomeaglo
paraaquulles cargos; muito termioantements dis-
poao aviso n. 268, de 23 de jonha de 1868 e ou-
tros, qae o fa:to da aceita;!> dos referidos postos
importa a renuncia tacita dos mesmos cargos. Si,
porra esta duvida soscilad i refere se ao impe-
dimento do exercicio das faacgrjas de juiz muni-
cipal sapplente com as de jaiz de paz, ejercidas
anteriormente, nesta bypolliese o impedimento da-
se smente no exerticio siuultaneo das fuocgoes
de un e outro cargo, visto que entre estes nlo ba
incompatibilade, em face do aviso de 14 de mar-
go de 186S e outras dicisSas do governo impe-
rial.
Portaras:
'Coocedsndo permissao a Bernardina da Sil-
va Costa Campos, para embarcar com destino ao
presidio de Fernanlj de Noronha, no primeiro
vapur que para all segair os gneros constantes
da relaglo junta assignada pelo secretario interi
no da provincia.Igual concessao se fez a Anto
uio Gomes de Sjuza.
Despachos:
Aoaixo assignados proprielario3 e administrado
res de trapiche- alfandegados.Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria provincial.
Caserairo Res Gomes da Silva.Deferido com
ofBcio desta data dirigido a thssoararia provin-
cial.
Emilio Pereira de Abren.Informe o Sr. coro-
nel eommandanie superior da guarda nacional do
municipio da capital.
Fuldeo Brothers. Informe o 9r. eogenheiro
chefe da repartiglo das obras publicas.
Bacharel Hanriqae Mamede Lias da Almeida.
Deferido com offleio desta -data dirigido a the-
soarana provincial.
Joqnim' Nunes do valle.Por ora nao ple o
sapplicanta ser deferido, em vista da informagao
do Sr.- brigadero eommandante das armas.
Jesaioa Alexandrina de Larvalho Pedrosa.In-
forme o Sr. inspector da thesouraria provincial.
Manoel Joaquim li ipti-t e Ttburcio Valeriano
Baptista.Ioforme o Sr. inspector da thesouraria.
de fanepda. '
Maooel Antonio dos Santos.Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria de fazeoda.
Paolo Jos de Oliveira.Informe o Sr. inspector
da thesouraria de fazeoda.
Thomaz Jefferies & C Iotorrae com urgencia o
Sr. inspector da alandega.
Tilomas Jefferies & CNao tem lugar o que
requerem, em vista da formal disposiigao do
art. 384 do regulamento de 19 de setembro de
1,860.
Jos Augusto de Araujo.Pague-se em vista
das ordens de 16 e 17 de agosto deste auno, e do
certificado do chefe da repartigli das obras pu-
blicas.
EXPROIBNTK DO SECRETARIO.
Ao presidente da directora da eompanhia
dis trilhos urbanos do Reclfe a Oliada e Babenbe
aecusando, de ordem da presidencia, a recepglo
do offlcia,- em que commaoi;ou a nomeagio do
Dr. Gervasio Rodrigues Campello para o cargo de
superintendente daquella estrada.
A directora da eompanhia d. s trilhos urba-
nos do Recife a Olinda e Beberibe dizeodo ficar a
presidencia ioteirada da resaltado da eleicao dos
oovos membres dessa directora, e de achar-se
ella funecionando desde o dia 10 do corrente.
Aos agentes da eompanhia de osvegaglo
brasileira declarando, de ordem da presidencia,
qae podem fazer seguir para os portos do norte o
vapor Cruzeiro do Sul, boje as 6 horas da tarde
como solieilaram.Comrannicou-se a administra-
cao do correio.
meado para aquella comraando determinen a presi-
dencia em offleio de 23 do crreme que fosse dessa
comraissao iqterinamente encarregado o Exm. Sr.
Brigaleiro Carlos Bebez de Oliveira Nery aspee-
tor dos corpos desta guarnigao.
Dando coobecimento desta sapetior determina
(ao aos corpos em servigo nesta provincia, felici-
to-os por 1er a sa frente to distincto offlcia! qae
por sea elevado carcter, reconhecido mrito, e
intelligencia, muito deva concorrer para qae seja
em toda sna plentude mantida a fiel observancia
2.* Em sua chegada, o capito deve tambero
apresenlar ama lista nominal dos passageiros qae
devera desembarcar no porto e ama lista des vo-
lumes de cala am d'eiles, mencionando as qoanti-
dades da tabaco ime Ihes pertencer. se nlo se
conformar teom esta Bfeseripco soffrer ama mul-
la de 100 pesetas.
3.* O ojpjiao ( obrigalo a admittir a seu bor-
do urna goarda da alfaodega, b perm itir a admi-
osiraco das alfandegas, oa a seas delegados, vi-
niar sen navio urna ou maias vezes, fechar e
des principios qae nos regera com verdadeira van: Jltar as escoibju,-tabiques e outros eomparti-
tagara do servigo publico, e especialmente mili- meatos, ettre?ir, priraeira reqoisigao, sen diario
de bordo, afim da qua o enimioain, assim como o
tar.
Ao separar-me pela segunda vez desta bem fa-
dada e heroica provincia aoude fui to benvola-
mente acolhido, recebendo as maiores provas de
considera gao e a prega, resignado como esto a as
mais pungentes saudades que me accmpaoham,
fago os mais sinceros, votos pela felicidade e en-
grandecimeoto de que digna e alguram sea bri-
Ihante porvir.
Nesta solemne o:caiai, oao posso prescindir do
daver de me dirigir aos oieas digaos companheiro3
a'arma, do qaaes saudoso^ne separo, prevaleceo-
do-mo do ensejo qae tenho para agradecer a todos
soladas, chefes de estagoes militares, e em geral
jos Srs. offlciaes inclusive os do corpo de sade,
n zelo e solicitude qae empregaram no eoinpri
monto de seas deveres; e aos Srs. tenente-coroael
secretario, e ajudantes de ordens a inlelligeoca,
assidaidade, e lealdade que manifestaran) no des-
euuenho de suas respectivas funcgdes.
Despndinlo'-me de todos, a todos dirijo ao mes-
mo lempa os encomios de que sao credores, sendo
qae por seas servigos disliactos e conducta, conse-
guio-se que sem vexame fosse o servigo feito e
mantida a disciplina, predicados estes que os re-
commendam a consideraglo do general amigo.
(Assignado).Luiz Jote Perrira de Caroalho, br-
gadeiro.
Conforme. Clemente tranctlio Temares, tente
ajudante de ordens encarregado do detalbe.
Assumindo o commando das armas interino
desta provincia, comulativamente com o exercicio
de inspector, segundo as determinagdes do gover-
no em aviso do ministerio da guerra de 24 de no-
vembro de 1885 e ordem da presidencia em offi-
cie de hontem, t>or ter de seguir para o sul o
Illm. a Exm. Sr."Drig'adairo Luiz Jos Pereira de
Carvalho; don disto sciencia guarnigao, qae
nlo pode por ceno deixar de sensibilizar se pela
retirada de tao distinelo qalo valente general,
cujas qualidades sao geralraenle'reconbecidase o
tmara recommendavel e digno de um tribu:o de
gralidlo.
Espero qua os Srs. ommandantes de corpos,
companhias avulsas, fortalezas e mais estabeleci-
mentos militares, e assim os mais Srs. ollliaes de
quaesquer classes oontlnuera a prestaren) s; rae
como ao mea digno antecessor, para satisfazer a
ardua comraissao que ora me incnmbem, e assaz
me acantis, por ser em sub. tiluiglo d'ajuelle que
ta bem a cumprio.
Todas as ordans do mea antecessor ficam em
inteiro vigor at que nao exijam o contrario as
conveniencias do servigo.
(Assigndoj -Carlos Bebz de Oliveira Nery,
br'igadeiro inspector e commanlante merino.
ConformeClemente Francilio Tavares, teen-
te ajuqante de ordens encarregado do detalbe .
Hespanha.
10 vezes os direitos correspondentes inscriptos na ft r, ..---- "-- ....
t>rjfa K v o vr. delegado pri ceden a corpp de delicio,*
15.' Pela mesma rofraegio. se as mercaderas, t'EJrf' "'^ d,M? f"rim?1Pi' ?
estraogeiras ou nacionaes forera trancas de todos ? ggS^-^fyg nforrae llw .
os direito a malta variar de rt a BBS) nriu > br 9Bleleado de Sanio Antonio, qae corapa-
2!,lnT. dSo d a?nioU?Af..^S 2S2L? 'gar PUC deP9 de M ter di* '"
degas.
CosMBMaado das armas.
QABTKL GENERAL DO COMMA.NDO DAS ARMAS
NA PROVINO A DE PERNAMBUCO, EM 24 DE
NOVEMBRO DE 1871.
Ordem do dia n. 589.
Hivendo por bem o governo imperial por decre-
to de 27 de outubro prximo passado exonerar- me
do commando das armas desta provincia, e no -
mear-me eommandanie das frooteiras de Baj, nlo
estando presente o Exm. Sr. brigadeiro Emilio
Lctiz Malet qae por decreto da igail data foi ao-
D1RECQA0 GERAL DAS ALFANDEGAS.
Obriga^oes principis impastas aos capiteles e mes-
tres dos navios procedentes do estrangeiro emsua
entrada nos portos hesp^anhes, e penas em que
incorrerao guando nao se submelterem confor-
memente s disposicoes prescriplas pelas orde-
nanzas geraes das alfandegas, approvadas em
data de 16 dejulho de 1870.
Todo o capillo da navio, em sua entrada
as aguas jundicionaes da Hespanha (11 kyloxe-
iros e 111 metros, ou seis milhas inglezas), deve
ter redigido a exhibir aos propostos das alfande-
gas, quaodo for reqaisitado, urna copia de sea ma-
nifest em hespaobol, fraocez, inglez, ou na liogua
da naglo a que o navio pertencer.
O manifest deve conler :
1. A qualdade e o norae do navio, sua tnoela-
gera, seu pavilhao, sua equipagem, o nome do ca-
pillo e a indicagao do porto ou dos portos de pro-
cedencia.
2." O nome do oa dos portos do destino das mer-
caduras.
3." A quantidale dos volames que tiver bor-
de, sua natureza, sua marca, seu numero de or-
dem e seu peso bruto em kilogrammos, compre-
hendidas as pacolilhas dos offlciaes e marinheiros.
A qualidade e natureza das mercadorias, os nomes
dos carregadores e consignatarios, ou as palavras
a ordem tudo separada nente para cada porto
de destiuo. Os ujmtes nao podem ser consigna-
tarios seoo de mercadorias que tragam comsigo
e cujos direitos nao excedam de 250 pesetas.
A equipagem igualmente nlo pode ser consigoa-
taria senao das mercadorias comprehendidas em
sua pacolilha, e cujos direitos nao excedam de 100
pesetas.
A qaaatidade e peso dos velumes deva ser con
signada em letras e algarismos.
. O termo geral denwrcadona, oa oatra ex-
prsalo lio vaga nlo ser admitlido no manifest.
Os carregaraentos granel serlo declarados com seu
peso, quantidade ou medida.
4.* u numero dos passageiros e dos volames
qae Ihes pertencem, assim como a designagao dos
portos de seu destino.
5." A qualidade e quantidade de ferro que coa-
duzirem como lastro.
6." s yiveres e prosSes de bordo, assim como
as muoigSes destinadas defeza do navio. Quando
os capules nlo quizerem pagar os direilos, o ex-
cedente dos vveres e provisSes ser desembarca-
do cfflcialmente com as formalidades prescriplas.
Em relaglo ao tabaco, permitte-se a titulo da
provisSo d bardo am kilograramo para cada ho-
rnera da iripolago, a tres kilogrammos para o.ca-
pillo. O excedente daver ficar em deposito bor
do do navio.
Um supprimento de provisoes at tres k logrra-
mos por pessoa da equipagem igualmente per-
mitlido ao capillo, e ser posto em deposito na al-
faodega at a sahida do navio.
Se as quanlidades de tabaco excederem o limite-
prescripto, todo o excedente ser sujeito aos direi-
tos indicados ua tarifa.
Em, caso de avarias as mercadorias o capillo
declarar em seguida de sea manifest, que fez oa
se propoe a fazer nm protesto perante o tribunal
competente era materias commerciaes no primeiro
porto em qu entrar.
Nos tres das que se seguirem admiseao do
navio livra pratica, derar apresenlar a admL-J
nistrag) das alfandegas ama copia atnenca
d'este protesto, e nlo Ihe ser permittilo abrir as
escotilhas senao dapois que o negocie tiver sido
j aliado.
Se o capillo esliver desprevenido de manifest
era sua entrada as aguas de jurisdiccao bespa-
oh ila, oa se recasar a exhibir depois da visita de
entrada, seffrera ama multa de 1,000 pesetas.
Se o manifest contiver deelaracs (abas, a
malta variar de 100 a 1,000 pesetas.
rol da eqoipagem, os conheeimenlos e outros pa
peis de bordo.
4. Vinie e qaatro horas depois qae o navio
tiver sido admitlido livre pratica, o capillo de-
ver apresenlar daas copias de sea manifest re-
digidasero liogua hespanhoh, em papel prescripto
para esse flm.
Se descuidarle d'esta formalidade, ou se a copia
olof&r exactamente conforme o original, ser seb-
raettidu a ama mnlta de 250 pesetas, e alm disso,
segundo as cireurasianciis, dever proceder
apreseolaglo ou rectilicago d'estas copias. Quan-
do tratar-se de am navio com dertiBo de muilos
portos, as autoridades hespanlwlas exigirlo tres
copias, afim de que ura dos ejemplares, approvado
pelo administrador, seja presente alfandega de
transito ; falla pela qual o capillo ser coodem-
nado a urna mnlta de 500 pesstas e considerado
respousavel palas inexactid5>. as ditas alfande-
gas so as mercadorias destinadas a caJa nma
d'ellas devem figurar as copias dos maoifestos ;
e se, confrontando a coplas com o manifest ge
ral, encontrar-se differenga, o capito ter de pa-
gar 50 pesetas e concertar ai ditas pegas.
5.a Os tecidos e vestimentas confeccionados
na poderlo ser conduzidos em transito senlo por
barcos, mediodo, pelo menos, 120 toneladas mtri-
cas, e que arribara a portos hespaohss para nelles
completar tan carregameoto eam destino Ameri-
ca u Asia.
E' igualmente vedado transportar mercadorias
prohibidas. Faz se ama excepglo em favor dos
tabacos de todas as especies procedentes do estran-
geiro, cujo transporte autorsado as condigoes
seguimos :
1.* E"preciso qne sejam de bordo Se um barco
vapor medrado pelo menos 300 toneladas m-
tricas,
2." Qae a remessa seja acompanbada de am cer-
tificado passado pelo cnsul bespannol do lugar da
procedencia, indican lo a quantidade, a classe, as
marcas, o numero a o peso bruto dos vo'umes, a
qualidade e a quantidade dos tabacos, o nome do
expedidor e o destino.
Este certificado dever ser visado em todas as
alfandegas hespaoholas de transito.
Ji'ggSa*') manifest cootetha as iodicagoes pre-
ci"f ue ama eaucao seja depositarla na pri-
rrrBlTY Jtndega oade lK*r "iV'u C0IDl> garan'1
do desembarque dos tabacos : o pono do desuno.
Este desembarque se effectiur segundo o certifi-
cado do cousui hespaohol. A sobredita descarga
em canelo ser na razio de 14 pesetas por kilo -
grama<8 tabaco ijualquer que seja sda qualida-
de e valar.
4.* Qae o porto do destino uIj seja netn o da
procedencia do navio, nem algam dos portos onle
o navio tiver tocado durante sus viagem.
5." Que o peso broto e o nome do porto do
destino sejam declarados em cada volurae. O pe-
so broto de cada um nlo pode ser inferior a 46
kilogrammas.
6. Qae todos os volumas sejam arromados e
separados no porao de navio de maneira qae pos-
san ser fcilmente reconhecidos as alfandegas de
transito.
O transito das outras mercadorias concedido
aos navios vela oa vapor, comtanto qae rasgao
120 toneladas mtricas e qua o destino nao seja
nem o porto da procedencia nem algam daqaelles
em que o navio tocar durante a viagem.
6. O capillo, nao podar entrar em nenhum
do3 portos hespaohes qua slo fechados s merca-
dorias qua tiver a seu bordo, salvo no caso de ar
ribala f jrgada, o jue dever ser declarado e jus-
tificado segando a forma reqairida. Ter alm
disso, cuidado de apresentar sao manifest pri-
raeira Feqaisiglo, e de recebar a sea bordo os pre-
postos da alfaodega que (icario de viga para qae
objecto algam seja carregadaou descarregado.
7." O capillo soffrer maltas nos seguales
casos : "
1. Quaodo malar de aocoradouro sem perrais
slo da alfaodega acorrer em ama malla qua va-
riar de 50 a 250 p9?eta.
2." A recasa da exhibilo de sea diario de bor-
do e dos outros papis eoamerados uo art. 3a im-
portar ama multa de 250 pesetas e a prohibilo
de deixar o porto at qae estas formalidades sejam
cumpridas.
3.a Se os liBfuados de ferro que existem a bor-
do como lastro nao figuraram uo raaaifesto, ou se
a declaran) qae fr feila de su peso oa qualida-
des fr reeonliecida falsa, o eapitlo pagar, saja
pelo excedente seja pela falta, de 5 a 10 vezes o va-
lor dos direitos fixados na tarifa.
4.a Quando os viveros e provisSes nlo forem
consignados no manifest dever pagar de 5 a 10
vezes os direitos da alfaodega applicaveis a estes
artgos.
5.a Por cada volame encontrado a bordo e qae
nlo figurar no manisfesio, pagar de 5 a 10 vezes
os direilos da tarifa applicaveis s mercadorias que
nelle forera comidas.
6.a Por volume qae, coraprehendido no mani-
fest, nlo existir a bordo, a malta ser da 750 pe-
setas.
7.a Pela alteragao dos fechos ou sellos postos as
escotilhas ou anteparos do navio o capillo sollre
r urna mnlta de 2,500 pe-etas, sem prejaizo de
outras penas em qae acorrer.
16. Pelas differeogas nos volames ou nos mer-
cadorias granel que nlo f>ram levada ao ma
nileslo tas operagoes de baldeacao, se appiicar
as penas enumeradas oos casos a. e 6.a deste re-
gulamento
17. Se, depois de ter feito verificar a eoHocagio
a bordo dos volumes baldeados se encontraren)
elles no navio que os devera receber, o capillo
ser coodemoado a urna multa de 750 pesetas por
volame ou de 5 a 10 vezes os direitos, se tratar-se
de mercadorias granel.
18. O capillo pagara de 2 a 4 vezas os direitos.
(a) Pelos tabacos mano factura Jos que nao figu-
raren) no manifest.
(6) Pelo excesso de provisOaj existentes a bordo
ou reembarcadas e que alo te acharem a brrdo
na occasilo da visita de sabida.
(c) Pelos tabacos em .rausito que olo se acha-
rem a bordo ao torapj da visita de sahida.
19. E' prohibido carregar tabacos em folias. Se
encontrar-se a bordo seo elles apprehendidos,
exeapto no caso previsto pelo art. 5." do regula-
raeuto, e serlo en tao ouerados de urna laxa do do
oro ou quadruplo dos direkcs fixados ua tarifa.
20. Os tabacos de tolas as especies, apresenta-
dos em transt> oos porios aborto* a sua importa-
gao pelos navios menores de 300 toneladas mtri-
cas, serlo apprehendiilos 0 o capillo soffrer orna
malta que variar do dobro ou quadruplo dos di-
reilos.
PERNAMBUCO.
8.a Pela alteragao dos sellos postos oos volames
exlsientes a seo bordo ser sobmettido a ama
malta de 750 pesetas por sellos sem prejaizo .das
oatras peoas em qae ioeorrer.
9. Quando, sem autonsagao da adminlstraglo,
desembarcar volume3 incluidos no manifest, de-
ver pagar o dobro dos direitos; e se esses volu-
mes olo figararem no manifest, ter de pagar 5
a 10 vezes os direitos.
iO. Quando nos carregamentos granel, a ve-
rfleacao fr conforme i declaraeio do eoosigoa-
cario, mas encontrar-se nma diflerenga para menos
oo manifest, a multa ser do dobro dos direitos.
No case am qua a diflerenga fr para mais no ma-
nifest, ter de pagar os direitos do excedente.
11.. Quando o excdeme no peso bruto fr su-
perior a 10 por 0|0 o capillo pagar 10 vezes os
direitos da descarga. A mesma multa Ihe ser
imposta quando, nos carregamentos granel, o ae
crescimo exceder o limite de 10 por 0t0, sem pre-
jaizo, cumiado, das oatras mullas em que acor-
rer segando o caso precedente.
12. De cada volame declarado em transito, que
-flto se encontrar na occasilo da visita, a multa se-
ra de 750 pesetas; e no caso de se tratar de car-
r*f amentos granel, o capillo pagara 5 a 10 vezes
Lee direitos da tarifa pela par-e qae faltar.
I. Por volame qae se achar a bordo e que nao
igurar no manifest de transito lera de pagar 5 a
40 vezes os direitos da tarifa applicaveis s mer-
cadorias em questo.
14. Qaando, sem aatorisago da administragao,
se baldearen) mereadort* estraogeiras sujeitas aos
eireitos de entrad*, oa aereadorias na^auoaee su-
jeitas aos direito* d sabida, o canillo pagar 5 a
REVTSTA TASIA.
GUARDA NACINAL.-Por portara dapresi-
deocia da provincia de 23 do corrente foram no-
meados os MBJ ai mes offlciaes para o 4a batalhlo
de infamarla :
E tonio de S Leitlo.
1.a eompanhia.-Cipitao Antonio da Rocha Ac-
cloli Los e lenle Franjheo araeiro Monteiro.
2.' eompanhia. Alfares Maocel Jannario de
Arruda, dita Antonio. Gomes de Oliveira e Silva.
3.a eompanhia.Capillo Melquades Manoel dos
Santos Lima, alferea Bernardioo de Sena Muniz.
4.a eompanhia.Capillo Joaquim Custodio de
Oliveira, alteres Jos Srvalo Borges Baarqae,
5.'' eompanhia. Teaonte Joaquim Aniones de
Oliveira, alfares Ciriolano da Abren e Silva.
6.a eompanhia. Alfares Franeisoo Flix de
Mello, dito Jlo Pacheco de Medeiros.
AUTORIDADES POLICIAES.- Por portara da
presidencia da provincia de 23 do corrente, foram
nomeados 2a a 5a suppleoies do subdelegado do
1 districto de Ouricury : Alexaodre Jos Barbosa
Bahiaoo Ntto, Leootino Pimeotel Anglico, Rei-
naldo Gongalves Torre.*, Jos Pereira do Valle, e
MaLoel Francisco Alexandrina.
COMMANDO DAS ARMAS.Assamio boatem o
exercicio interino de eommandante das armas o
Exm. general Carlos Betzeb de Oliveira Nery ; o
qual Ihe foi traosmittido pelo Exm. Sr. general
Luiz Jos Pereira de Carvalho, official distincto
pela ioteHIgencia e coobeeimelos praticos, a ca-
valneiro at.ivel e lii.ni i unto oo exercicio da
honrosa comraissao qae preeachia como no trato
particular. S. Exc. o Sr. general Carvalho deixi
entre os verdadeitas syrapatoias. Desejaraos-
Ibe prospera viagem at o ponto de sua nova com-
misslo.
FACULDADE DE DIREIIU Nos dias 22 e 24
do correte fizeram actos os seguiotes alomos :
Segundo anno.
Nyloda Silveirs Ramos, approvado cora distinc-
glo. .
Aareliaao da Nobrega Vascoocellos, plenameete.
Candido Borges da Foncca, siraplesmente.
Jos Novaes de Soaza Cirvalho, aoprovado com
iistiocgl),
Clemenlino Jos L'sboi, dem.
B rtrao Jos de Miranda dem.
Jos Virsulino Corre i de Q.ieir!, dem.
Jos Fructuoso da Silva, plenamente.
Aciadino Cavaleante Simoes, siraplesraente.
Jos Patricio de Castro Natalense, plenamente.
Joao dos Res de Souza Dantas, dem.
Adolpho Carlos Sanchas, siraplesraente.
Terceiro anno.
EpaminonJas Baudeira de Mello, plenamente.
Anesio Augusto de Carvalho Serrano, dem.
Aot dio Pereira de Castro, dem.
Jlo Americo da Car.valho, idero.
Jlo Jos Godioho Janiar, idera.
Antonio Gomes Tavares Janior, idera.
J >aqaim Guede? Alcoforado, siraplesmente.
Damocrito Cavaleante de Albaquerque, approva-
do com distiucgto.
Braz Bernardino Loureiro Tavares, imples-
mente.
Honorio Hermetto Correa de Brito, pleoa-
mate.
Ignacio Lucas de Souza Raogel, siraplesmente.
Eduardo Jaymes Gomes de Araujo, plenameote.
Qaarto aooo.
Ernesto da Carvalho Pires Lima, plenameote.
Boavenlara Jos de Castro, em.
Joao Viaona de Mello, approvado com distinc-
glo.
Pedro BaptiiU de Moraes Reg, plenamente.
Thaotonio Raymundo de Brito, idera.
Antonio Rodrgaos da Silva e Soaza, idera.
Eugeoio Talles da SilvairaFootes, idem.
Feliciano Eazebio Dias Prazeres, idem.
Pedro Regalado Epifanlo Baptista, simplesmente.
Fraociseo de Paala Lscerda ds Almeida, ple-
nameote.
Daniel Alves de Queiroz Lima, idem.
uemigio Silveira de Faria Oliveira, simples-
mente.
Quinto anno.
Fraoeisep de Moocorvo e Silva, pleoameote.
Antooio Ferreira de Soaza Pitaoga, dem.
Hanriqae de Almeida Costa, idem.
Joas Policarp) de FigoeTedo, i lem.
Manoel Joaquim Cardoso Baha, idem.
Fraociseo Cvvalh) do Passo Filho, idera.
Goilherme de Souca Campos idem.
Silvestre da RochaJWanderley, idem;
Migael Arehaojo de Figveiredo, idem.
Aristides de Souza Spioola, approvado com dis-
tinecio.
- Joaquim Antonio de Soaza Spioola, plenamente.
Manoel Brrelo Dantas, idem.;
ADNINiSTRACO DO CORREIO. Por porta-
ra do Sr. Dr. ad.iiioistradcr, de 24 do correte,
torara nomeados praticantes desla repartiglo :
Amaro Gomes da Silva Ramos, Salostiaoo Seve-
riano Ramos, Antoaio Augusto de Oliveira Qaio-
tal e Jos Felicio da Caoba.
FACADAS. Ante hontem porvolU de 8 e meia
horas da ooate e por occasilo de passar pela roa
do Imperador a msica do corpo de polica, qae to
cara o recolhar oo palacio da presidencia, fchou-
m o lempo, na gyria dos incancaveis aeompanha-
dores de mazieas, e hoove pao a bom valer, resal-
tando da lueta varias eontusOes e o ferimeoto fei-
to por faeca de poma no baixo ventre de Manoel
Fraociseo ftibeiro, conheoido por papai, do qual
succambJo esta pouca momentos depois.
portes
portes
rmenlo.
FERIVtENTO GRAVE.No da 23 do correte
s 10 horas da noute, na roa Imperial, reguezi
de S. Jos, Jos Salvador ferio gravemente cora
urna poobalada a loooceocio Jos de Saot'.vm -,.
pondo se em Inga; sendo presa hontem na fre-
guezia da B.avista pelo respectivo subdelegaJ>.
FESTIV1D\DE RELIGIOSA.-Tarmioando brj^
as novenas de Nossa Seohora do Amparo ero su
greja em Oliada, celebrar-se-ba aroanbla com lo-
as pompa a sna festividad., eamaodo se a misas
denominada Formigada qual ser regente o
Sr. professor Trajano.
Ocupar a cadeira sagrada ao Evaogelho o la-
dro Jos Esleves Vianoa.
A tarde sahir a imagen) da exeelsa virgem em
procisoao, qoe percorrer someme o pateo da.
greja. I
A ooite pelas 7 horas entrar o TeDeum, sendo
orador o Rvm. eonego Manoel Joao Gomes. Urna
banda de mnsica tocar durante toda a festivi-
dad?.
ELEICAO PROVINCIALAmaobla devem lune-
conar os diversos collegios eleitoraes da provincia,
reuoindo-se as respectivas seles para o flm de
eleger os deputades provnciaes qoe tem de
constituir a assembla de Peroambuco no biennio
de 1872 a 1873.
NAO DE GUERRA.Passou hontem tarde para
o sul urna nao franceza.
ESTATISTICA POSTAL.- A administragao do .
correio expedio para a Europa malas, pelo vapnc
fraocez Amazone, cooteodo 4872 eartas com 7190
portes. 722 joroaes com 1321 portes, 6 segn -
com 8 portes e 3 amostras com 3 portes seod :
Para Franca.
1173 cartas cora 1722 portes
94 jornaes 192
3 amostra > 3 >
Inglaterra.
1082 carias com 2471 portes
223 jornaes 245 >
Porlogal.
.'.'iS carias cora 2914
395 jornaes > 874
Italia.
69 cartas cora 81
10 jornaes 10
6 segaros 8 ""
SAUDADES DO SERTO.Sob este titulo pu-
blicamos hoje em nossa 8a pagina ama bella poesa
do Sr. Pelino Gaedes, repetidor do gymoasio pro-
vm:ial, qual se recomraeoda por pertencer ella
um genero potico qae, sendo entre nos muito
pooco cultvalo, merece toda a atieogo dos eco-
templadores da natureza. Chamamos para ella a
attenglo dos leitores.
DIARIO DE PERNAMBUCO.-Se chegir hoje o
vapor inglez da Europa destribaireaos amanhla'
nosso numero de segunda feira.
VILLA DA ESCADA. Amaobla festeja-sena
matriz da villa da Escada a respectivaraasdroera
Nossa Seohora da Apreseotagao, celebraodo o
Rvm. Jos do Couto Amaral, sua primeira
missa.
SOCIEDADE TERPSICHORE.-Hoje d essa so-
ciedade um soire em regozlo a seu nono ani-
versario.
SOLEDADE E JOAO FERNANDES VIEIRA.-
Moradores d'essas ras nes pedem para lembrar-
raos ao lllra. Sr. eDgeoheiro fiscal da compaobia
Peroambuco Slreet Riilway, que de conLrraida-
de com o que foi determinado pala pre-i tenctn,
mande dar principio ao assentaraento dos trilh -s
para aquellas logare?, adra da qae possara gesar
da commodidade do transporte que offereca os
carros da mesma eompanhia.
Eperam ser altendidos.
COLLEGIO DAS ORPHAAS.-Foram admiliidis
este estabelecimenlo as segnintes meninas :
Msria, fllha do Vestuniana M to ; Aooa, lilha do Luiza Mtria do Nascimento ;
Amelia, subnnha de Luiza Francisca de Sani'Ao-
na.
LOTERA.A que se acha a venda a 216 a"
beneficio da raatr.z de Jabjatl), a qual corre n>
d.a 30.
CASA DE DETENCAO.Movimento do dia 23 do
covembro de 1871:
Existiam (presos) 328, entraran) 8, sahirsm a.
existem 331.
A saber :
Nacionaes 233, mu]heres 9, estrangeiros 40.
ascravos 44, escravas o.
Alimeotados costa dos corres pblicos 271.
Movimento da enfermara, do mesmo dia :
Tiverarn baixa :
Martinho Carlos Francisco da Ota, gaslralg?.
Joaqoina escrava de Fraociseo Vaz Pereira d*
Magalbles, febres.
CtSMITERlO PUBLICO.Obituario do da 23 da
Qjvembro.
Bernarda Mara da Cooceigao preta, 68 annos,
viova, B)a-vista; tubrculos pulmonares.
Thereza de tal, parda, Pernambuco, 40 anuos,
casada, Boa-vista; bexigas.
Antonio, escravo, preto, Pernambuco, 23 ancos
soltiro, Bia-vista; bonhri.
Francisco Gailherme de Barros, branco, Per-
nambuco, 46 anuos, solleiro, Boa-vista, hospiul
Pedro II; tubrculos palmooares.
Manoel Jos da Foncaca, branco, Portugal, 4*<
anno9, casado, Boa-vista ; beriberi.
Valeria, preta, Pernambuco, 7 mezes, Boa-vista ;%
varila.
PBCACOES A PEDIDO
A questo do convento d
Ajada.
Devem estar lembrados da qae prometti ocen-
par-me de outros pintos da accussgio, qoe. ale.
da do convento da Ajnda, formolon o Sr. Franc i
contri S. Exc. Rvm. o Sr. D. Pedro Manada La
cerda.
Roduzem-se procipalmente a daas as censor.-
qae S. S. achoa conveniente e opportuno dirigir
ao Sr. bispo do Rio de Janeiro em seu segn J i
&rti?o
A primeira consiste era ter S. Exc Rvm. levj -
do Sna Saolidade Pi IX um par de sapa o-
cravados de brilbanles, alm de algara dioli n .
qae recebera dos fiis para ajodar a oceorrer s
despezas extraordinarias da Santa S.
lato realmente um crime lio estopead > o ne -
taodo, qae nenhum cdigo do mundo compn-hen-
deo em suas disposigdes peoaes I ~ .' '
Quem pode tolerar qoe am bispo, sabalo d-
sua diocese para assistir a ara concilio, lev
presente ao chefe da igreja como simple' ir.
de affecto, de amor e de amisade flliaes i
Com razio acha o Sr. Franco que isto inwc-
cebivel, inquatiflcavel, digno da maior ceosu
das mais rigorosas penas I
Coofasso aue nlo seiso o faci se deo
Admiti, porra, qoe so houvesse dado, e de.
qoe acbo o mais raxoavei, mais natural, ntats
oito e mais louvaval mesmo.
Najaella assembla, onde se deviam achar qu-
j ?**
1
r
-


? iarw dt rrnambuc Sabbailo 25 it Novembro d 187)


-
lodo* 09 prelados do orbe rathol o, era natural
Sue cada uro pnrii i pnweotr-s* eircum-
ado daqaelln prestigio qae Ih-M la liupurlancia
e grandezi de en cargo.
Era natural qnn cada nm procuraos mostrar
aocbefe supremo do cathoiiciira > o tito apreso e
profundo respeitoem q ie (ida sua pessoa nos
lugares at onda se estende seu poder, sua juris
dicio, sua infliencia.
nao ser por meij de efcrtas, dedonalivos de
presentes, que maltas ve es se externara e se ex
primera os alselos, e semimenlos que se nutrem
no coracao ?
lato lio simples jt tao natura I I
TaSos os prelados, IJierara mire era levar do-
nativos ao Saoiissimo Padre, com prova sing-aila
e iusigmieaoie, as sincera e expressiva. do
qcanto sen norae querido, venerado palo* B legitimos de Jess .Clirisio, a quem apenas pode
chegar de longe a virtude de sua benca paternal.
Eatretanto, pira aedificaeao de certas espiritos
era<)reciso que se dsse urna singnlarissima ex-
cepeo. Convinha que o Sr. bispo do Rio de Ja-
neiro para tornar se agradavel ao Sr. Franco e
seni do rigor de censaras, recusas-e ao papa essa
pequenioa e innocente horaenagera do seu amor e
de sua amisade I
Parece ioipoisivel que se artlcnlem certas acen
sac5e?.
Pois aquillo qae licito, perraillido, tolerado,
booo, asado mesmo entra os livres pensadores e
sentimentalistas, tirna-se urna filia grave, un
criara imperdoavel quaodo pralicado, por ura
bispo 1
Nao ser entre nos um uso muito commuha,
urna quasi ebrip-^S i, pre-cntoarem se os amigos
nos seus aoniversaios natalicias para rovelarem
de nm modo mais claro, mais positivo, mais aff.c-
tuoso os semimenlos benvolos, a Mima cord;ali
da de que se votam, se consagrara ?
Nio era licito brindar.o Ribo ao pai, o irmo _
irma, o pai ao filoo, e assim em todas as relaces
domesticas e-sociaes ?
E ja nouve alguem que se lembrasse de condem
car essa pratica, e:se> costiiroes aconselhados pelo-
principios de na educado e aectiios pelos de
ba edueacao ?
S o Sr. Franco, no seu santo fervor e nobre
entnusiismo pelo b?m estar dos QeU deta docese,
estigmatisa urna aeco natural e louvavet, achan
do que S. Exc. Rvm. lesou-os da um modo cruel
e clamoroso, lirando-ihes o necessario vida p ir.<
brindar a Sua Sanidade, com um par de sapatos
cravejados de brilbanies f
Mas se S. S. fleasse oe-se poato, considerando
ina e condemnavel umi accSo que ouiios loavam
e applaudem, ainda se Ihe poderla atinbuir urna
lOtenfSo benvola c:mmettend> um ciacu fundado ein sua boa f t no santo ardor
com que defende a cusa de seus irmos.
O Sr. Franco, porm, cora o nico lira e propo-
sito iotencional de tirar o raaior pululo de sua
itnputac.) infundada, sena-i pueril, exeedeu->e
com urna iojustica, para nao dar Ihe raais sevefa
qualifk-aco.
S. S. disse que o Sr. bi dinheiro para Pi IX, oeg esmdas aos pobres,
mandando al molhar o.s degraos das e> cadas
palacio para afugema los daquelle ;ugar I
E' incrivel qae hajt espirito, por tnaisdesarra
zoado e intolerante, ero que se possa aaninliar se
melhante juizo I
Por nica defeta da S. Exc. Rvm. eu de vi dei
xaresse ponto ao criterio, ao ban MasdJ a razao
calma e desapaixooata dos homens serios, graves
e circunspectos, fcsou certo d qie ninguem
acreditarla em urna aecusago to cu-ada, loin
considerada, tao injusta, to teineraiia e, diga-so
todo de urna ver, to filsa e tao insengata I
O hornera, o mais impo, o mais pervertido, mais
dsabusade, o mai* inliffareot-i pelas cousas desia
vida e da outra, nao seria capaz de praliear urna
tal aeco, porque acabara euvergoniiando-se de
si mesmo I
E entretanto ch?ga a tal excesso a ma vnntade, a
irrellexo, o rancor, que cora a max na facid .de
se ousa aitribuila a um hispo para feri-to e en-
zovalha lo I
fiastava urna simples contrariedad?, urna s as-
evarafio, para deitar por terr4 saau castalio de
extrema' maledicencia, j por si Jerocaio no con
ceiio dos homens de bera e de crteria I
Mas eu ac:rescenlo com a mair franqueza e
" ''urania : o Sr. Franco oa lludio-se, ou quiz
illulir porque aven'.uroa ama dessas propos55es
<\a nao poderlo nunca ser jasliftcadas, porque
uazemem si mesms sua propria condemnaco.
Ei rtesejava qne lodw, era cujo espirito polo
aiaia pairar alguma duvila a esse respeito, fossero
ao palacio da Coiu (gao para leseMiitilnr con
Mas pniDrios olhos o contrario di qa nidera lamente avancdo pelo SrtFranco.
Ij\ actiaro muitos pihres assentados espera
de que Ihes seja dada a esraola que h ibitualmenie
va pedir.
Faz poucomais de nm mez que pela primeira
e nica voz fui ao palacio de S. Ex; ; e ama das
*;nnis que rae fenram a vista, f'.i eaconlrar as
cadas cheias daqaellas iafelizs creatura, que
;am implorar o pj da candado.
E em tuda o mais assim, como veremos no
c- rer da discussao.
Padre lolo Manori,. .
(Do Diario do Rio). ,
O seu a seu doim -
Leudo a nolicia dada pelo Jornal do Recife, em
seu namero de 22 do correte, acerca d'unvpro-
cesso importante instaurado na frepaezia da Boa-
Vista dasta cilade, nao podemos deitar de vir
imprensa rectifica-la, como segae :
O ronbo da loja de ourlves de Aotonio Joaquim
de Sint'Anna deu-se no da 7 de tnarjo ultimo, e
n >s flns de abril Coi qae o Sr. ttnenle-coronel
Decio passoa o exercicio da subdelegada; ao Sr.
Horacio Coelho.
A' fi de agosto, chegando ao couhe:imento do
Sr Horacio que se havia dado aqnelle roubo, den
elle principio s necessarias pesquzas,. as quaes
pir bastante difHceis s agora permiiiiram a con
clu-o do pr'ceso.
A nica cousa que enconlrou o Sr. II Tacio, tra-
ba ho feito pelo sea antecessor, foi o auio de corp
d delieto, que dorma em poder do escrivo da
subdelegada, sera mais nonhum cutro esclareci-
meoto.
Em vista dUso, como assevera o Jornal do Re-
tifi, que o Sr. Horacio continuou as pesquizas en
celadas pelo Sr. Decio ?
O ain'g> da cerdada.
Monte-Pi i/ortuguez.
Por portara do Exm. Sr. conselheiro presidente
da provin-.ia, fol escolhid) o Illm. Sr. Antonio Bap
lista Nogaeira commercunte de.-ia praga, para
presidente da directora. Felicitara js a S. Ex:,
por to acertada escolha. A' posse da directora
e conse'.ho fiscal nlliraamente eleilos, segundo
no* consta ter lugar no da 30 do correte
Alguns socios.
E asesim ciedade.
.Ninn2ffl e dir certaraeolj.
Disaoonuda e.vendda completametHe a Vicli
ma, e nao sati-feita'de me atassalhar as pracas
publicas; parece-roe que j me ame<.r com ai
gum alo eito de valenta; porgue j falla em
choro, mas observo-Ihj que tenbo quairo caleas
vigorosos cora o sangue na gu-irra, que sao os
que h5o de chorar. NO com injnria1, amegas
e com a capa do anonyrao que se di-cit ; assim
procedem aquelles qae nao teem razau.
A victima ainda nao se esqoeceu de 'fallar na
heranca de minha esposa ; lendo al a tlT'ndd
porque escreveu o seguinlc :
< Na") desejo recordar aos prente* de sua so
nhow os desgostos qaetiveram em tal unio (jom
raigo).
Ora, no dizer da Victima (oram motivados por
Uiinha muiher se ter auido a mim ; nao se pode
rar oulra conclusao; e por t830 a Vtctia
daquellas, que nem ao meaos guarda o respeito
devido a urna me de filhos, a veio ferir no ioti-
mo do coradlo, revolenlo as cinzas de seu-
paos.
O que tem a dijeusjao da empreza com Tacto'
de fanilia que sempre lera trazido a discussao *
k vida privada I
A Vicii.v.a se inculcando de christa Ilude me
injuriosos lacios inventados por ella mesma.
Ne houve odiosidade dos carentes de minha
esposa, como asseverou a Victima, depois de
alguns annos, quando j se tratava de pariilhas,
appareceram que'sles nao com minha sogra que
sotnpre apparecaro; a esta por eu del nler ejru
energa o direito de minha esposa, hitando sem-
ure cum difl'ruldaie', como ainda luto a parto de
16 annos, para haver o resto da herarci.
Minha fallecida sogra sempre conservou intimas
relago-s comigo e com a til ha, pnsso provar
com teslemuiihas e cora muitos documentos im-
porta ole-, e alguns junios aos autos de partilhas
oo cartorio do Sr. escrivo M ta ; era at a ma-
drinha de haptismo de meu primeiN filho.
Menciona a Victima 06 servigos que prestara
aos atacados do cjlera a os elogios que por han
Uvera.
No terapo do ch llera, quasi todos prestaram aos
jeus concidado3 valiosos servigos, era mesmo
para almirar como uqs soccorriam a oulrnsi e
hem poneos choramingaram so goveroo o paga-
mento dos servigos com algum habitosinho.
O ch Jera fji ama raina para os paioteiros.
I) uis me livre de oulra igual; antes soflrer da
Victima malo/el injurias.
A Victima regocija se oVu estar gastando di
nhiero com o pagamento de quem etereva os meu-
artigos.
Se urna hbil penna'Jos'e que escrevesse, ento
a victima como nao estara abatida ? Mas sao
escriptos por mim e por isso ainda respiran).
Sbre n ficto acoalecido comigo e cora o talleci-
do Pe iro AIT >nso na raecidad*,
Lembra-me que tivemos alguraas trocas do pa-
lavra;, e empjrrSas por causa de guardas naca-
naes, e qne acabo de dias eslavaraoj cantara-
das.
Exi.aia presente pessoa de C3pacijadc, a qaal foi
intermediaria.
E ti p'ssia nuerendo que infurme se o fac)
foi acoaieciJo como realo; a Victima; mas a
viciim,-. vira log dizen lo que ped para afirmar
o contrario do que ella publicou.
Nunca fui uiuiario e egosia como me alcnnha"
a Victima, publico o tialameuto que don a mi
nha familia, e o quanto gas|n com a eJucacao de
meus li.hos e til ha conforme as minba? rendas.
Em poltica cbama-me a Victima zero, e qnal a
poltica da Victima ? Preclsava nao saber que oa
pequeos naoca tiveram poltica e que s servem
pira iostru.oento.
E-ta II! i, que a Victima Ion cha na Ca;b mbei
ra, f>i urna aeohora rica e de qualidades, e fal-
lecida h i mais de 30 annos; e se ande assim a
Vicii na revolveu as suas cinzas, por iaJrmacS^a
de alguem ia nano vuino. cora quem ella, e ontras
pessoas j fallecid i.', ga-tiu na>. pouco dinheiro,
aproveitando-se de sua boadade, a fizram venler
um dos melbores siis da ponte d l'-uoa. um
bello sobrado no paleo da Santa Cruz, esquina da'
Kua.Velha, quairo propriedades- em diferentes
ras e 16 es ravosr'e mas oaro pratas; tulo
isla meiago que Ihe coube em parltlha : estas pes-
soas, tndo e-la mioa, a faziam afgentar da c;sa
dos netos, com o fundamento de quererem sa
apossar Jos ben=, al que amfi.a amia asple
obs'.ar o eabanjamenn de algum dinheiro, corto
consta dos auios no cartorio .do escrivio Caoba.
Sea marido era qaem cacnimbava; hoja aa-se de
cachimbo as ras, uas salas: passa por laxo.
.N .-ia trra, quando algum cidado pugna pelo,
seu seu direito, logo os patjteiros o aJcanhain da
tolo, que quer reformar o mundo, de c abre,.de
zro, de f.f -i.-ia ; v:n a vida privada e a familia a
balba, e ouiras muilas injurias, como praucou a
Victima, porgue entendem que > elles devem ser
tudo, nao sendo nada, porque o paz nao recob -
dalles nenhura neneflcio.
Possa levar a victima ao3 iribuaaes, comparece
e declara qup, as injurias qae publicou, ouvio. di-
zar, mas que na> afflrmavt; assim procede o ano
nyjio, quando quer injuriar qualquer cidadao
quem ueste cas i julga o aoonymo, e o oTeodido, a
sociedade, pelos seus precedentej praticados desde,
inecidade.
Agora um pedido ao publico, para que teora a
bondede ler o que passo escrever, visto que lo-
dos n?.o me conhecera ; ea Victima tem desejos de
deseonceiiuarme, porque escreveconra mim com
capa do annymo, e eu escrevo fraaeamen-te,
assignando-me : el a approveila a ore sio, corre
s pragas publicas, veste a vil capa do anonymo,
forja infames factos allusivos minha pessoa, em-
pregando as palavrasde qua por ahi dizm, para
hvrarse das penas da lei, fdZ publicar ero ura
d'estes diai avltantes factos contra um cidado,
chefe de numerosa familia, fallando na vida pri
vada da familia e da esposa, revolvendo as cinzas
dos morios das duas familias, e at j enpregando
ameagas, e feriado minha e-posa, porque a Vi di
ma publicou o seguinta Nao de-pjo recordar a< s
< pareles de sua senhora os desgostos qae live-
ram em tal unio comigo. Ainda nesla eidade
uo appareceu facto igual; ajuize o publico do ca-
rcter desta victima, e com que cara se aprsenla
ao publico quanlo for conhecida.
Como a Victima publicou os seas srveos rele-
vantes e o eogi que leve, e Dem assim publican
que eu era um vadio, e que ella minio tra laluava,
.por isso me da tambera o diraito da fallar era
meus traballns.'e at na minha vida desde a mi-
nna infancia al o presento, e provar que nao
nasci na miseria.
ho-as nt tbesoararia provincial, 7 200^000, metade
do roubo.
Eli.lqnei no sitio do arraial urna solTYivel ca-
sinba de lijollo e cal, para nella rezidir una po-
bre familia e rezidm muitos aasos, era quanto
jniz, edepois razili) urna pobre para em quan-
to quiz, com) publico e notorio no Arriiil : bas-
ta fallar na fallecida parda Arela. Tenho a'
baixadaalugue a quem tem meios para pagar.
Alforriel urna pardioha de 8 annos de idade
de nome Justina, qaando a baptitei.
R ijrriada.nepmp ineu na,m :nto, qua achaoA)-
>e agora velni uii dMUe ssa poder andar
em casa ixtcaohs no R*eife ; preparei nm quarto,
arainlei buscar est no sitio aob as minnas
vistas.
Dei no itmpj de solieiro um lerreao no* Goe-
Ihos.a rneaompaira Luiz Aolouio Apoliuario, e
ajudado por mim eiiiicou ama tasa, onde rezide
co;n sui familia. Dei lieenga a umseu B ho para
editioar urna casiutu em terreno nos Coelho* sera
pagamento.
Trato *era aos raeus eaeravps, andar vestidos
e bem.nnjadQl, receiiades por mdicos, e receitas
aviadas oa botica do iilustre pharmaceutico Ri-
beiro Jnior. A' comida, responda o enoulo
campia Juvencio Francisco Gimes, morador oa
Casa Forte, quanto de mim tsm recebio 'V'eee-
ba, qae tem coocorrido para ter construido ama
casa e compra de nm terreo*.
Nunca curapri pena criminal e nunca fui cha-
mado ao juiz de paz para pagamento de alguna
divida.
Se f.lio oetas c >uz .s, repito parqae a Victi-
ma dra o txemp.lQ, a.l!egaad,q. como boro chrisiio
os servicos que prjsfra no tpmpo da epidemia,
enculcau lo se de irabalhador, e alcuohanlo-ine
por um vadlo I
Em vista do quanto tenhi expendido o publico
;ij izar se possivel exutirem oslados vergo-
shosos que sempre me tem allulido a Victima.
Dou ma por depediJo, e p le a. Victima oonti
nuar a assacr me quailas allusois injuriosas
qua ainda q jizer, que nao Ihe raspondsre, seno
sobre a empreza, porque nao ple maiores inju-
rias allodir-me do qne as que j publicou, pelo
que ae conhece o genio rancoroso a a presurop-
cao de querer ser mais do qu%.os seus semelhan
les; mas se me offender positivamente recorre*
re aos trihunaes : nao quero mesmo que o pu-
blico me chame recalcitraste.
Sitio na estrada do Arraial, 20 de noveabro de
1871.
Marcelino Jos Lopes.
DOCUMENTOS.
Provo que nao nasci na miseria, e qae desecado
de liaba recta.
Senteoca.Julgo por sentenga emancipados a
Marcelino Jo-e Lopes na forma requerida na petl-
gao >lhas duas, pelo que provou com certido de
sua. idade, a. termo de eoncitiago cora sua tuira
ma U. Jor.qnia Mara d'Assumrgo; e haveado
audiencia do curador como ae v ua sua rasposta
fuilus 10, e por esiar julgada a sua emanoipaglo,
i le administrar seus beus, e haver sua lf gluma
, -ro i, e quaesquex bena que por heratga Ibe
perieogam, sem ler mais adrami-tragao de tniella,
- pague as custas. Recife. tb'-de julho de 1831.
Jos Antonio Estevea, (i) l
Documentos que prooan que nao houve odiosida-
de d is prenles de minhd esposa por causa de
seu casamento coih>%
Declaro minha tilha Aloa Poppe da Silva,
que quando faileceu meu presado a.:indo. Jos
Anisara Al ves da Silva, achou-se ao cofre a quaa-
ta de oito cont de ris, em sedlas, coja quantia
era pertncenle ao casal, que deve ser declarado
no meu inventario. E p>r assim ser verdade, pas-
sei a peseote declarago de minha letra a signa .
I'eraaotbuco, 21 de uni de lf>i9. Mara Magda-
lena Po, pe da Sil.'a.Extrahida dos autos de in-
ventario.
Mraha querida Qltia Allina Recsbi a tua carta,
qua mulo me alegroa por saber que gozas sailu,
e leu id ando., lio tenho pa*sado bera por orafsem
oovdade -jue me alflija. T me mandaste saber
e bra a negra Josepha. Declaro.qnea escrava Jose-
pha, ijiie (ui vendida pelo maudinado marido, pela,
quauia da seiscento? mil r.s, peneaceble mi-
nha filha Altiaa, em razao de seo. av Ibe lar dado
e mam ir.De.-Uro mais que as despezas do cu-
rativo e eaterro do mesmo fallecido marid-\ foram
pagas ci.n dinheiro em sedulas, e nao em entro
ni- ui ; cujas, sedulas foram tiradas do cofre, e
isio vardada oque te digo. No mais aceita a
minha beogio e lembrangis ao leu marido. tv' >
tua saudjsa mi qne: mulo le alora, Mai i,
daleqa da Silva. + r
Sellada e reconhacida aos lo de agosto de 1819.
Exislein inaumeios documentos para provar
qqa ne bouveram odwsilades etc. etc.
Empreza Draynage
RESPOSTA A VCTIMA DS PROPIETARIOS
Escrevo contra uro anonymo uua nao conhego
e por I-so na i r.ffeodo a oingaem; mas este escre-
vo para me offendor positivaroeme porque me as-
signo.
Fiz publicar em um de-tee Diarios re-posta
qae end-recei a empreza ao aviso aua recebi aflm
de ser collocado o appareiho na casa a. 8i a ra
da Concordia, e aproveitoi a occasio para expen-
der algumas considerages sobre os appareiis e
mais ontras erreumstandas da amontza; eis que
as aprsenla a Vietima respondn lo-mr, c I gr,
aggredindo-me desapiedadameni'e, pravalecendo-se
para isso da capa d i .anooym i. Dasle proceJi-
mento se v, que volndome a Victima ura eotra-
nhavel odio sem que bouvesse recebido de mim
alguma '.(Tensa, e nao obstante juJgou a occas'*i
propna e toca a aggredir me sempre com allusas
injuriosas, proprias daquelles que nao presan) a
o iedade, qae nao liverara educago e que. aas
pragas eraporcalbara aos seus semelbaotes com o
lamagal em qae j -slao chafurdados.
Continuei a rainbi tarefa, que ara sbenle da-
mon-trar, como demonstra Jo. tenx; que a empre-
za inexeqnivel, que'vai dtencontro oaslituieao
e as leis geraes do paii; a Vielima. nao (em podi-
do responder aos meas argaraeolos, aotes coofes
son que a eropreta linba deellos II Mas sempre
eom aliusas injuriosas somente com o t n de
desacreditar-rae, al qne vencida coropletamaole
por qua o que tenho escripto eon'.ra a ercprea
irrespondivel; oaaorovu qne ea j havia angmen
lado o aHIuguel das casas pretex.o dos Jmpasios
da empreza, como asseverou dizenlo agora qne
nao pida provar,port|e ha.oroprietaoquenas..
sam recibos por menea do jua e-tao alugadas as
casas, sempre a Victima juljando es rcais de m
fe o ella a verdadeira, e Um diguilai
E se nao podia provar, como aD-mar 1
B as-im aecntece com ai junas qae me tem
ailaido.
De meoor idade segui para Lisboa na companhia
de um primo, o fallecido negociante desla praca,
Manoel Francisco das Santos M^ndonfa, para a
de meu primo Marcelino Jo?Tavare<, es'abeie.ilo
naquella eidade, e exerendo ento o lugar de
vicecnsul brasileiro. Depois de algum temp.,
voltei e fui por elle recororoeodado para a casa dos
negociantes Martins Ribeiros, da capital do Ciaia,
voitei a esta eidade : vend um siiio coro casa na
Soledade, herdado do meu av, e cora este diohei
ro e outros atire-me ao trabalho, e que trabalbo
Arrendei oliwias, e nellas fabrieaiain-se obras,
para nego:io e para as raiohas edilhages; acoro
paukava as minnas canoas e os meus escravoj oo
carregaraento de areia para os meus atierros;
airada existem muitas pessoas na Baa-Vuta que
safcem deste trabalho e de outros. Eliliquei ires
casas na ra da Alegra, urna permuiei com o
srs. Joao Autunes Ouimares e Jos Aniunestui-
mares, pelo sitio era qne boje resido a estrada
do Arraial, e ainda rae vdtaram diuiViro. Vend
oulra ao fallecido bispo do Rio da Janeiro D. Ma-
noel; e a tarceira aiada a onservo.
Compre terrenos nos Colhos e urna easa o um
caixo de oara, que nelle levanlei uro labrado,
mas que aioda nao pude acabar: todo isto no
lempo de solteiro; ea nao descaogava no tra-
balbo.
Quando casei-me em 1817, j linba pisigo oa
sociedad?, por queja era um proprietario e pos-
sma outros bens, era estimado em vista de meu
tribj-lho e procedimeoto. J era um capilo da
guarda nacional, posio que se obtinha com muitos
servias e conduda. Nao preci-ava da heraoga
de m.oha mu'tier para a sutentar, como lera a "
Vicli na alludido.
Nao ha outro remedio senlo continuar, visto as
aeeusagas m-nlirosas da Victima.
ie nm solteiro era trabathad.r, depois de casado
nao u-oho descaogado; basta vir ao mea sitio dn
Arraial, para ajaizar-seena Vista dos grandes pn
taos qae esio era parle alterrados pelos meus
escravos, ib a mlnbaadmioilrago, arromando a
minha saude, aflra le'fazer terrenos productivos e
salubre?, al era oenetieio publico.
Tenho.sido preslalivo a alguna da meoeone-
dados, ja assigaaodo liangis aoiigos almoxari-
fes de Rentando, e pagando alcances e outras Hai-
gas, o j sendo ain dos fiadoras do ex tqesourer
do coastlado provincial, que, depois da ter fgido
para os E-tados-Uni jos, eucontrou-se nos cofres
um grande ronbo, j tendo vendid i dnas easas, da
roa do Jobo t ra dos Martyrios e pagaei em i4
O Liberal u 3 A e o delegad*
de polica de faboat e iiu-
ribeca.
Nao adulterando os fados e calumniando ia-
farnemeate os actos de urna autoridade, que se
ple pedir jusliga, e invocar a aitengio das apto
ridales superiores; sim apresenundo as vcti-
mas da injustiga, indicando as arbitrariedades
por ella coiuroeiiulie, e cora lal dad*, que j,mais possa b'.o ser conteswdovagsira,
ntrela oto, nao procede o Liberal.
As suas'accusai.'oes sao vagas, os' factos que
apresenlara sao mentirosos e o seu coraraeotario
aindamis se resente da _atrablis de qne est
possuido.
Somos tambem de opiniao que s pola ama na-
gao progredir, curando as enfermidades que Ihe
assaltam a exe iu;o de suas leis, e que sejam ellas
verdadeiras garantas da liberdade do cidado ;
mas para isto preciso que nao.nos deixenacs Jo-
minar por tacauha poliuca, que oo deturperaos
os a eos de domos adversario, para d'ahi tirara
partido, que cuidmos.dos iateresses malenaes e
m i raes do p.iz, sem levar em couta essa poltica
mesquinha, que arnfece e malla os sentiraentos
mais puros de nossa alma, e, assim, julgamos que
se podara chegar a esjielim, un a todos.
Em qualquer das parcialidades polticas do paz,
somos Porgados a recoohecer caracteres distioc-
los, e a, freguezia de Jaboa'.o_ bem feliz nessa
pane; quer no partido liberal, quer no conserva-
dor existen) alli pessoas qae, por mais de um ti-
tulo merecen) a eslima publica, e o delegado ac-
tual, foi amos em dize-lo, acba-se nesie numero.
O Liberal procurando fazer carga ao delegado,
repele o facto de haverem furlado ura cavallo do
coadjuctor da freguezia, como se algunV autori-
dade podesse ser responsavel por isiu. Todos sa-
bem que o furto de cavallos esl lo arraigado
ue-ta provincia qua nenhuma autoridade tam po-
dido extiogui-lo ; e nesia eidade, onde abundara
os meios pilicaes, reproduzem-se elle* consiaute-
meiite; oo por tanto, de estraobar-se que
n'urna grande freguezia, que apaas tero ura re-
duziio desiacamenio nao tenha a autoridade feito
de.-apparecer semelhaate enrae, apezar das dili-
gentes providencias que tem tomado.
*Diz anda o Liberal que no engenho Gurja de
Cima ltimamente agarraran nm pobre hornera li-
vre, quo procurava servigo deram-lbe muitos bol
los, e esbofetearara e remeilaram-o depois ao de-
legado ; este facto podemos assegurar qua oo
chegou ainda ao seu conhecimaoto e nem Ihe foi
apresentado tal hornera, e estamos convictos de
que se fosse verdadeiro, elle j teri tomadas ne-
cessarias medidas contra os autores, de lamanbo
attentado. At.n disto o proprietario do engenho
referido pessia de toda estima csnsldefagio e
incapaz de dar taes exeroplcs a seus empregadoe,
e esies,iB^o se animanara, em sua:au3ei)cia,-a com
metier aquelle delicio, estando-certos de que oo
eneoptrariam o seu apoio.
Diz mais e Liberal que o subdelegado do segn
dodislrictp, logo qieiomou posseda subdelega-
oia, nomeou.ao cidado Joo da llora, inspe :lor de
luarteiro, quando esle uro reo de polica e al
ladro de cavallos, qae foi despedido do engeno
Gurja de Baixo, por lar -o propriatano recoohe-
cido nelle apudo jara a perversidad* e ladroeira
de,tacto.jaroeolavel qua assim se procure ma-
cular a reputaeap de uro lionero pobre, sobre
quera oo paira al boje,a mala leve tuspeita, s
mente por oceupar um lusgoilieante lagar na po-
hcia.
Diz finalmente o Liberal que o delegado suspira
por cercar a? certo engenbo do segundo distrute ;
A esta-aecusacao earacterisca da ma tontada que
ella Ibe vota,')ae para Ihe rtescebrir fallas tai vaswr-lne a Cvsciencia *De inttmis selus Deur.*
V-se, pois,'qae dos factos. apresenlados po
Liberal oeobura merece a mena/ ce nsider'agip,
>l> gritos de arta so iisant o'pposigao e uada
mais.
Recife Vt de aorembro de 1871.
la materia colorativa y nutritiva de.pasar de las
raices las hebras.
Para remediar esta dificultad es oecassano ap
carel Tnico Orienial por la maana y por la o-
cha haciendo dio vigoroso de nna essbilh pena-
penetrante. El efecto producido es de reno-
var l vitalidad del craoeo y abandar los tegu-
mentos.
La cutcula pronto se convierte stave y flexi-
ble y la comunicacin interrumpida ntre'los bul-
bos y la fibras se renueva, dandi por resultado
uoa b/ilhaBie,, sedosa, abundante y oscura ca-
i:lel<*a dos dputAdos pro-
vinclae.
Ao illu'tre cerpo eleitoral do 1* districlo offere-
oemos a lista aiaixo de candidatos, para o pre-
henchlmenlo dos nove lugares a qae, na assem-
bla provincial, cabe ao mesmo corpo eleitoral
mandar os seos re presen Untes.
O nomes que offerecemos sao todos eonhecidos,
e revelara outros tantos ornamentos Dar s assam-
bla provincial, onde a mor parte j teve assento.
Sao tiles :
D'. Man el Artbur de H. Cavalcante de Aiba-
qaerqae.
Dr. Joaquif) Correia de Araujo.
Dr. Francisco Lerpoldino de G. Lobo.
Dr. Francisco Teixeira de Si.
Dr. Felippe de Figueroa Faria
fjV. Jos Beroardo G. Alco irado Juoior.
Dr. Jos Nicol > Taleoiioo de Carvalho.
Dr. Miguel Jos de Alraeida Peroambuco.
Dr. Antonio Domingues Pinto. Mnitos eleitores
do Recife, Samo Antonio, Boa-Vista e S. Jos.
Tributo de gratid.o -
Tendo sido a 2f de dezembro do anno atrasado
accomroeltid por agudas dores no estomago, ven-
tre e olbo direito, Uve, a coaselho de urna pessoa
de minha amirade, e depois de cinco das de ia-
calculaveis e indejereptiveis soffrimentos, de cha-
mar o Illm. Sr. Dr. Maooel Francisco Teixeira,
pois os remidios at aquello momento applicados
neahum resaltado ou vaotagem haviam obtido so
bre a molestia, ento manifesiameote mais grave e
dengosa pelo crescraento do ventre e estomago.
O Sr. Dr. Teixeira examinando e indagando a
natureza da molestia cora a camella, escrpulo e
mesina qne Ihe sao peculiares, reconheceu fcil e
evidenieraenle a sua causa e sede, por quanto
logo as primeiras dzes dos medicamentos recei-
tados coraecei a sentirme meibor e mais aliviada,
e o mal a declinar lenta e progressivaraente al
sea complelo desappsrec melo.
Hoje, pois, qne me acho completamente resta-
belecida e livre da enfermidade qae tanto amea-
gou e pdz em perigo minha existencia, oo podeo-
do conler e sufocar os impul-os que o seotimeoW
ilo dever e gratidj provocara era meu corago,
eoho por raeio deste j >mal tributar o siocero e
profundo reconhecimento de qae estoa possuida
Pelo modo digno e ca val bei roso com que o Sr. Dr.
Teixeira procedea durante o longo periodo do meu
iraiameolo, nao poupando cuidados nem desvellos,
e proJigalisando sempre seos servigos desde qae
estes se toroavam precisos.
Aceite, pois, o Sr. Dr. Teixeira os protestos de
mioha verdadeira e eterna gratido, descepndo-
me se Com esta publicago o oliendo, pois nada
mais fago com isio do que dar expanso a um
senilmente nobre e justo a que nao me foi dado
resistir.
Santo Amaro das Salinas 2'J de novembro de
1871.
Maria Magdalena de Carvalho Guimaraos.
COMMfWIO,
THE ALLIANCE BRITISH 4 FOREIGN.
Life and Fire Assnraoce Company eslabelecida
ira 18i. Capital 5,000,000
Os agentes desta corapaahia tomara seguros
eontra logo sobre predios, gneros e razandas e
oagam aqu prejuizos. devidaraente provados,
jilabe Scbmettan & C
Corpo Santo n. 15.
IMPERIAL
Companhia de seguros contra
fogo.
AGENTES
S. P. JOHNSTOS & C;
Ra da Senzala-aova ih 41.
Seguros contra-fogo
COMPANHIA
NORTHERN,
N S07.-LAS RAZONES PORQUE EL PELO
CAE.Cuanto el cutis de la cabeza encpje por
causa ae enfermedad, edad, dir motivo, estre-
cha los tubos del pelo l supern'cre c impide
(I) J e-tara na< posse dos bens ; oo foi senao
para desonssicjya tutOra miaba mil
Capital.......~\ O.OOOcOOOOOC:
?uudo de reserva .... 8,(XWr.0O0*OO0
Agentes.
Mi//s Lathan & C.
SEGURO CONTRA FOGO
Th Liverpool de LonrfoD A' Glob
Insnrance Company.
Agentes :
Sanoders Brotber A C.
11Corpo Santo11.
PRACA D3 RECIFB li DE NOVEMBRO.
DE 1871.
48 3 i/2 HORAS DA TABDI.
Cotagoes fficiaes.
Algododosertio 1* sorte 565 rs. por kilo.
Ditode dito mediano 501 rs. por kilo.
Dit)de dito 2* sorle 436 rs. por kilo.
Algodode Maraaoguape sera inspecgo 517 rs.
por kilo.
Cambiosobre Paris a 90 dv. 37o rs. por franco.
Ditosobre dito a 3 dv. 380 rs. por franco.
Cambiosobre Portugal 90d|v 113 0,0 de premio.
Ditosobre dito 60 d|v. 116 0(0 de premio.
Ditosobre dito 3 d|v. 120 0(0 d* premio.
Descontde letras 10 0|0 ao aono.
<1. G. Stepple,
Presidente.
P. J. Pinto,
_ Secretario.
- ALFANDEGA
Rendiraento do da 1 a 21. .
Mam do da 21. ,
981:537*155
51:874/991
1,033:412*140
HovlMMHtto da alfndega.
Volamos entrados
Voluraes sahidos
com
com
eora
com
fazendas
genpros
fazendas
gneros
161
23
138
357
239
- 596
Descarregam hoje 25 de novembro.
Barca InglezaBriTAan/e varios gneros.
Escuna dinanarqneza--An^acarvo.
Ilrigue inglezRovezcarvo.
trigue inglez Maid of 'J.ansvirn idera.
ilrigue mglezloz/i'ff-idera.
Patacho norle-allemio-Marw vano3 gneros.
Patacho inglezCard>inidem.
Patacho americanoCaperafarinba de trigo.
Despachos ie exportago no dia 23 de
novembro.
Para os portos do exterior.
Na galera fraoceza Petropetes, para o Canal,
carregaram : Rabe Schameileao 4 G. 140 saccas
com 6,216 kilos de aigudao.
No patacho norte allemao Delmar, para o
Canal, earregaram : Mills Laihas & C. 333 saccas
com 14,654 kilos de algodo.
No brigue porluguez La/a /, para Lisboa,
earregaram.: Thova de A^uaao Fonseea A C. 400
sacco c.om a,000 kilos de assocar, raascavado.
Nbrigae portngpez Sella Figueirense, para
Lisboa; rfgram: Bailar & OliVira 4 meias
barrio com 306 kilos de assncar branco.
- Ia esoona norte^tHwnj Adelin, para o
Rio d*Prata, oarrfram : Pereira Carneiro & C
408 barricas com 55,09? kilos de assucar branco.
Na barca ingle.za iksaUe, para Liverpool,
arcegaram ; Psion 4 C. 820 saceos com 61,309
JaPts de assncar masca vado.
N* baa ioglea layul Sam, para Liverpool,
earregaram : Siouders Brolbers 4 C. 2,100 sac
tas com 150/024 kilos de sssosar raascavado.
No patacho nacional Jaboall, para Nrw-
YTk/ earregaram : Hsnry Pon ter 4 G. 392
saceos com 34,125 kilos de assncar ma.-cavudo ;
Jos da Silva Layo A F.lbos 1000 saceos, cem
75,000 kilos dt assucar raascavado.
Na barca portugueza Diana, para o Ro da
Prala, carregoa : Antonio Loyo 2,000 cocos.
Para os. portos do interior.
No vapor oaciooal Ipojuca, para o Acirac,
carregou : Manoel Ferreira Pontea 5 pipas com
2,400 litros de agurdente. *
' No navio porluguez Molla, para e Rio de
Janeiro, earregaram : E. JA. -Rabello A C. 400
saceos com 30,000 k-los de asquear branco ; Ma-
ooel Francisco Marques 230 ditos com 18,750
ditos de dito branco.
No hite Senhora ios Sawganlet, para Ma-
cao, carregoa : Joaquim Jos de Figueirtdo 6 pi-
pas eom 2,880 litros de agurdente.
Na barcaca Constancia, para llaco, earre-
garam : Manoel Marques Pinto 4 pipas com 1,920
litns de agurdente ; Braga Gomes A C 6 bar-
ricas com 400 kilos de assucar branco ; S iva In-
aiais A C, para Mossor, 6 pipas com 2,880 litros
de agurdente.
Na barcada mislica Cidade, para Pirangi,
earregaram r*Joo Martins de Barros 4 barricas
com 251 kilos de assucar branco.
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS
GERAES DE PERNAMHUCO.
Reodimento do dia I a 28. 39:859*491
(dem do dia 24. ..... 2.38**042
42:241*513
CONSULADO. PROVINCIAL. ~
RentMmento dodia i a 23. .. 59.826*614
dem do dia 24 5.497*192
65:323*806
MOVIMENTO DO PORTO.
Navios entrados no dia 24.
Rio de Janeiro23 das, barc* fraoceza Cluvreuii
de 333-toneladas, capilo Cruclv t, equipagem
14, era lastro ; a Brostelman A C Seguio para
Micei.
Lisboa32 dias, patach) Dortuguez Jos, do 173
toneladas, capit) Feroandes Pereira, equipa-
gem 9, carga varios gneros ; a Joaquim Jos
Gooc,alves Belli.
Nados sahidos no mesmo dia.
PortoBrigie poriogufz Triumpho, capito Ma-
noel Francisco Villar, tcarga assucar e outros
geoeros.
LiverpoolPatacho norte allemo /duna, capito
H. Schuiet, carga algodo, e outros gneros.
Observacao.
Fundeou no lamaro urna barca franceza mas
na i teve communiesci) cora a trra.
Apparece ao norie urna erobareacao e ao sul
ostra.
EDITAtS
De ordena do Illm. Sr. cooselheiro inspector
da thesouraria de lazenda desla provincia se faz
publico que no da 25 do corrente mez, perante a
jama da mesma thesouiaria, pelas 2 horas da tar-
de, ir a praga para sei vendido a.quem mais of-
ferecer o terreno que ssrve de quiulal o quartel
do Hospicio, com 60 metros de frente e 30 do fun
do, que faz parte do terreno ced Jo para continua
cao da abertura da ra nova do bairro da Boa-
Vista desta capital, que parliado do proloogamento
de ra do Principe vai ter a da Conceijo, atra-
vessaodo o sebredito quintal.
Secretaria da thesouraria de fazeoda de Pernam
buco 14 de novembro de .1871.
Serviod i de offlcial-maior,
Manoel Jos Pinto,
O capdo Manoel Antonio Itibeko, ijuiz de paz da
freguezia de S. Jos do Recife, em viriude da
lei, etc.
Faca saber que pela cmara municipal do Re-
cife, me foi co nmuoicado que pelo Exm. Sr. pre-
sidente da provincia foi designado o da 21 de Ja-
neiro prximo futuro para se proceder eleicao
de um depuladu assembla peral l-gisiativa, para
ser preeoebida a vaga que no primeiro districlo
d'esla provincia se deu, com a escolha do Exm.
Sr. Dr. Francisco do llego Barros Baueto para
senador do imperio.
Assim, em cumplimento do que me foi recora-
mendado pela mesma cmara municipal, conyido
aos eleitores geraes desta fregu; ia. para qne todos
comparecam na igreja matriz de Santo Antonio, no
referido dia 21 de Janeiro de 1872, pelas 9 horas
da manba, para o fim de proceder-se aorganisa-
cao da mssa e roais actos relativos eleicao da
assembla. ecntorme dispoem|as leis em vigor.
E para coustar raaodei passar o presente, qae
ser atxado nos lugares do cosidme e publicado
pela impreosa.
Dado e pa.sado oesla freguezia de S. Jos de
Recife, ao3 24 de novembro de 1871.
Eu, Jos Goncalves de S, escriv.'.o de paz, o es-
crevi.
Maool Antonio Ribeiro.
Jaizo de Orphaos
Perante o joizo de crphios do lermo desla et-
pitaL. scrivao Guimares, vai a praca o arrecia-
mente, pelo lempo de trez aooos e sobre a loase
de 201*000, do sitio Tacarnna, o que deve te- la-
gar mediante tres pravas consecutivas, sendo a
priaeira na audiencia 40 <1t43 *b frrente.
SANTA CASA DA MISERICORDIA DO
RECJJ7C.
janla administrativa, ta salta casa precisa
contratar com qoalqacr. isUcita lor a prestaciio dos
seas servidos no foro da eidade de Olioda.
Secretaria da santa casa de misericordia do Re-'
cife 17 de novembro.de 1871.
0 escrivio,
______________Pedro Rodrigues de Souz
O Illm. Sr. eonselheiro inspector da Ihesoa*
rana de fazeala de.-u provincia manda fazer pu
blico que tem marcado o dia 27 de novembro
prximo vindouro para o concurso que tero de
abrir, nm virtude da ordera do ibesooro o. 148 da
10 de agosto prximo lindo, para preeodiimento
das vagas nella ejifleates de 6 pralkaolss e 43*-
escripturario!. Versaro os exames para pratican-
tes sobre as mal ras de que trata o art 9 do
decreto o. 4153 de 6 de abiil de 1868, a saber :
conhecimento perleito da gramaalica e lingita na-
cional, e da arilhrae'ica al a theoria das proper-
ftOT inclusivamente, rennrodo o candidato a estas
habililacSes boa letra, e paraderceiros escriplura-
rioa as mssmas materias exigidas para praticaotes
e mais as seguintes: theoria da escripiiracu>
mercanlil por partidas siropto e dsbradas e asas
applicai;i8.-ou corajuereie ao> ibeeputo j tridne-
cao correcta das linguas in^leza e ficet;i, on
pelo menos da nltima ; principios geraes de geo-
graphia e historia do Brasil; algebra al eioa-
g5ss do 2 gr); as applicacoet da arubmetica ao
commercio, cora especialidade a reduc?ao de moe-
das, pesos e medidas, calculo de descont, juros
simples e compostes, theoria de cambios e soaa
applicaces ; e floalmeute para aquelles qus ja
forem etnpregados, pralica do servco da reparti-
eao ero que esiiverern servndj Os que nao fo-
rem empregaloa pblicos dtvprao jnniar aos res-
pectivos requeriment03 para a admisso ao eet-
jurso documentos que provem ter a idade com- '
pleta de 18 annos, pelo menos, e bom procedmen-
to. Previne se a quera interessar possa, qne na
falta de sais praticanles ao concurso se admittiro
pessoas eslranhas aoservico da fazeoda como cao-
didatos aos lugares de 3* escripioaario, ama vez
que se sujeitem ao exime dss devidas materias.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Pernam-
bao em 17 de oulabro de 1871.
Servindo de otllcial-maior,
Manoel Jote Piolo.
Oe orden do Exm. Sr. director faco poblico
que no dia 25 do correte s 9 horas da manha
comecar pela prova escripia os exames de lin-
guas, deveodo servir 83 raesmos pontos do aooo
passado, que vao abaixo publicados.
Se:retaria da Facnldade de Direito do Recife,
20 ia novembro de 1871.
O secretarle,
Jos Hioorio Bezerra de Menezes.
Latina.
Prova e3cripta.Verso para latim dos Trejbos
Classicos. Edico de Niolo A. Alv?s, 1870.
Prova oral.Leitnra, tradneco e analys lgi-
ca e grammatical, e meli^o de vertxs latinos
Livrss: Horacio, Odes Virgilio, Eneida. Cicero,
Orajoes. Tito Liivo, Res memorabilos.
Portogutz.
Prova escripia. Ccmpesio sobre themas for-
mulados pela mesa de exame.
Prova oral.Leitnra," analyse lgica, etymnlo-
gica e grammatical dos Trechos Classicosi, Eli-
cao de Nicolao A. Alves, 1870.
Fraocez,-
Prova escripta.Verso para francez dos Tre-
chos Classicos Edico de Ni:o!o A. Alves,
J870.
Prova oral.Leitnra, iraduoio e analyse lgica
e grammacal. Livros : Chateaubriand, Manyres
e Genio do Christianismo RegnierThoatro Clas-
sico.
Inglez.
Prove escripia.Verso para ioglez dos Tre-
chos Classicos. Edico de Ni Mis o A, Alves,
Prova oral.Leitnra, tradoeo e analyse lgica
e gramraaiical. Livros : Resumo da His oria da
Inglyerr? por Joo Lingard. MacauUy Eosaius
crneos e histricos.
THEATRO
GYMMSIO DRAMTICO
Grande novidade
Sabbado 25 de novembro
Primira representago da muilo graciosa co-
media em 4 actos, ornada de msica e danca, a
qual foi exbibiJa oo Rio de Janeiro, mais de da-
zenlas vezes, intitulada :
BECLARACOES
COMPANHIA
DO
BEBERIBE
O caixa da companhia o Sr. '.orbioiano
d'Aqoino Fonseea, acba-se autorisado a pa-
gar no seo e3criptorio ra do Vinario n. 19
das 10 horas as 3 da (arde o 47 dividen-
do desta' companbia na proportao de 35000
por cada acc5o, prevenindo-se aos Sr?. ac-
cionistas qus o pagamento, ser feito em
moeda de cobre, que ca especie qae o
mesmo Sr. caixa recebe dos arrematantes
dos chafarrees.
Escriptorio da companbja do Beberibe,
ldeaovembM d 1871.
O secretario.
Jos Honorio Bizerra de Menezes/
ConsHfadoprovfnclal.
Por asta particio comedia, a resebef^e no is
! de dezembra viadouro o imposta.da, dcima ur-
bana e o de 5 O/o sobre a renip,dos btos-de cor-
pora mestre d presente anno finan *iro de 1871
1871, correndo dalli o. prazo da triot'a das para
esse pagamento sem dependencia de multa.
Consulado provincial, 91 de novembro de 1871.
admhlstrador,
A. Carneiro jachad') Rio.
Parodia da opera bulla
orpheo mmm
O resto dos bilhetes acba-se no escriptorio do
tbeatro.
Principiar s 8 1/4.
Aviso espacial.
Para satisfacer a pedidos, depois do espedaen-
lo havero irens para Olda e Apipneos, os qnaes
tocarn em todos os pontos das linhas; adunda-
se, o de Apipacos, postado junto ao theairo.
AVISOS MAlHflMOS,-
COMPANHIA PERNA.MBCANA
, DE
Navegando costeira por vapor,
Mamanguape.
O vapcr'Coriirip, com-
mandanle Silva, segnira
para o porto cima no
dia 28 do corrente as 6
horas da tarde.
P.ecebe carga, encora-
raendas, passageiros e dinheiro a frete at as i
horas da tarde do dia de sua sabida : 3scrip'.orio
no Porte ds Mattos n. 14.
COMPANHIA PEIiNAMBUCANA '
DI
Navegando costeira por vapor
Macei, escalas, Penedo e Aracaj.
O vapor jaguaribe, commandfcDle
Guilherme, seguir para o por-
tos cima no dia 30 do corroa;*
as 5 horas da tarde. Recebe car*
Ea at o dia 29, encommen. *.*,
eiro a frete at as 2 horas da
arde"do dia da sahida : escriptorio no Fortp do
Mattos n. 12.____________________________
COMPANHIA PEHNAMBUCANA
DK
avesa?o costeira por vapor.
Parahyba, Nata'./Maco, Mossor, Ara-
caty, Cear, Mandah, Acarac e
Granja.
O vapor Ipojuca, comman-
dante Meura. seguir, para
os portos cima do da 30 do
corrente as horas da urde.
Recebe carga at o dia 29,
encoicmeadas, passagens o di-
nheiro a frete al as 2 horas da tarde do dia da
sahida : no escriotorio do Forte do Mattos n. i2.
O hiate Gracioso sahe sem falta para Mosso-
r a 23 do corren'e, quem nelle quizer carregar
ou ir de passagem; dirija-se a ra da Madre
Deus, escriptorio n. 2 : a tratar com Bartholooeo
Conrenga, oo com Joo Alves de (jiintal
Para Lisboa
A barca portugueza Saphira segu em5" poneos
dias, por Ihe faltar apenas carga para aborrolar.
Taata-se na ra do Vigaro-n. 19, com os consig-
natarios T. de Aqn'n > Fonceca 4 C, successores,
on cora o capilo Cnnha. _____ -
Rio de Janeiro
Espera-so a todo o momento o brigue nacional
Isabel, o qual seguir com brevidade para o po'io
cima, tem parte da carga j engajada : para o ,
resto que Ihe falla trata-se com os consignatarios
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo A C, ra ilo
Boro J; sus o. 57, 1* andar.
Muani&o
Sagne em poneos dias para o porto cima o pa-
Ihabote Joven A'lhur, para o resto da carga qne
Ihe falla traa se com Antpoie Luil de Olivera
Azevedo A C, roa do Bom Jess n. 57, primei-
ro andar
Ilha deS. Miguel ~
E' esperado at o dia 25 do correte o hiato
portoguez Ricoli, tem quasi completo o seu csr-
regamento, e eom pouca demora, seguir para,,
porio achu : para o resto da carga e passagei-
ros trata-se oa ma do Apollo n. 4._______1___m
Lisboa e Pvrto
Para o parios cima deve seguir muito bie^e
a jalera portugei Lisboa, recebe. cargar e iias-
sageiros : a traUr com Soares- Primos a eai-OO
Vlgaro n. 17._________________

i
I
.'


Rio de Janeiro
A barca portugueza Moa Ribeiro, capillo Jop
Baptista.de Lima, vai sahir nc da 25 do conepte,
por ter j qpasi todo o sea carregamewo encaja,
do ; recebe anda alguma carga miuda : traavso
cora E. R. Rabello & C, roa do Commercto name-
ro 48.


diario de Pernambaco Sabbatlo
No?eibra
1871.
-*
i


i
4
Para o Para
Vai aguir com bretidade a asuana portuguraa
Aguia, capillo Pedro Angosto da Faneeca, aiada
tem uma peqaen.i praea para earga : trtale
cora E. R. Rabello 4 C, ra do Commercio Da-
mero 48.
ARACATY
Pretende segair com poucps dias d demora
para o radicado porto o noo e linio hiate naci
oal Minia, de pritrteira vlagem e de x'eetlente
coosirucoao, por ier grande parte da carga enga-
jada, e para o re consignatario. Joaquim Jos Gonealves Beltro
roa do Cimiiiercio n. 5.
A eomtEissao encarrgada da fe*ta de N. S. da
noncfcicac- da estrada de Panno Cmara, identi-
fica as pessoas que acseilarara biihetes para es-
raola appUcada a mesma fetta, que em conseqaen-
ca de restarem ainda prr pascar nao pequeo
numero dos mesmos, que fleam transferidos pera
carrerera com-a ultima lotera de deiembro pr*x
ximo futuro.
Para o Porto
das o brigoe Relmpago
Irata-se na ra do Apollo
Vai sahir em pouc <%
par o reste da arga
n. ao._______
Va o lito de Jaueiro
Segu sem maior drmora o palhabote brasileiro
Rpido. Heeebr nm resto da carga- afrete ;
a tratar com os consignatarios Araorim ramios &
G, ru* do Bim-lesa* n. 3.__________________
Para Lisboa
Alexanirt Herculano, capilo Avetlar.
fi'lla fiaueirense, capitj Carvalho Sobri-
no. "Brigne Cuete, cipit5> Costa. Brigue Sobe
rano capitn Bugiginga. Todos estes navios* v5"
sabir d'eatru era puucos da, por ter mais de 2|3
tfe earga receuem aiada alguma e pas-agfiros :
tratase com E. Ft Rabello & C, raa do Gomtner
ci n. 48._____________________________
Lisboa Porto
Para os portos cima deve seguir muito breve
a galera portuguen Lisboa, recebe carga e passa-
geiros: a tratar com Soares Primos, ra do Vi-
gario o. 17.
Antonio Ferrol ra de Suuza
Barbosa.
Antonio Mendes de Soura Sfaehadj, convida aoi
amigos de seu finado primo Manoil Ferreira de
Soma Barbosa, p*ra asiistirem a algunas mis-
sas qae Ibe manda dizer na Veneravel Ordem
Terceira do Carmo, no dia 27 do corrente as 7
hars da nunhaa.
raeoiao Je 12 a 14 annos
na paiaria da ra do
Precisa-se da ora
de idede para caixeiro
Raogel n.-9,
A M DE HITE
Precisa-se de orna ama de leite, preferindQ-se
crioula : quem quizer apparesa a ra das'Tria-
xeiras n. SO, 2* anfor.
Para tomar banhos salgados em
Ollnda.
Praia de S. Francisco junto a mar.
Aluga-se duns casas pequeas, de pedra e cal,
pintadas de ivo, n. 1 e 2 por preco commodo :
a tratar na rui das Gnes n. 38, primero andar
iicni i
IEIL0ES.
LEILAO
DE
Uma casa de taipa em Beberibe de Baixo,
no logar denominado Faado, terreno
proprio.
O agente M.rths tora Hlo, por autorisacao, de
uma casa de tama c >:n 2o palmos de fren e e 50
de fundo, com 2 sala?, 3 quartos, cosinf fra,
sendo edificaJa em terreno proprio, o qual tem
30 palmos dii frente e 250 de fuolo, tornando s
recomreodavel a dita pur'ser muito fresca o per-
todo banho.
MOJE
A's It horas do dia no arraazem da ra dj Im-
perador o. 48.
Na ra Direila n. 8i (tioje Marcilio Da) ba
para vender os acreditados hlalos co Porto, pro-
prios para padaria.
Confiando ao abaixo aa-aigu-ido que nm seu
mulatinho de nooe Antonio, ausente de sua casa
ha .22 das, procura erapregar se como criado,
roga s pesmas a quera elle offjrecer-se o obse-
quio de o mandar recolher Detenco, responsa-
bili--anio-se por gnalquer despeza que postam
fazer. Recife 16 de noverabro de 1871.
Luiz de Miras* Gomes Ferreira.
-v
Leiiao
DE
35 barns e 25 meios ditos cora manteiga
franetza.
Ter?a-feira 28 Jo corrent?.
O agente Pe'tana. far leilo por contar risco
de quera pertencf r de 25 barr* e 25 meios com
manteiga marca J M i', P L C, por baixo n 1879
a 1927 viudos d Bordaaux no vap>r francez ti-
runde, entrado em 10 do dezerabro de 1870 es
quaes seao vendilos em 1 ou mais lotes vonta-
de ; terca-feira 28 do corrente s lllioras da
roanhi, no arraazem d> Anaes defronte da al-
faodega.
Leilo
..DE
400caixas com missas sortidas e 10 ca-
xas com cb.
Terca-feira 28 do crreme.
O agente Pestaa far leiiao, por conta e risco
de quem pertencer, do 100 caixas com massas
sott'da* elOcaixis ;om cha, o que tudo ser
vendido sem reserva, no dia acima~ terga-feira 28
do correle, s il horas da raanha, no largo da
alfandega a porta do Annes.
DE
.Miudrzas e calcados.
TERgA-FEIlU 28 DO CORRENTE.
As f 1 horas em ponto.
agente Pinto far leillo, por cunta e risco de
qaem pertencer, diff-rentes miudeas, e cerca de
200 duzias de sapat>s dj tran?a e tapete 336 du:
aiis de meias p;.ra himeos, s 11 horas do dia ci-
ma dito, no 1 auJar do.sobrado da ra do Viga-
rio 0. 5...
LElliO
DE
5 caii<8 cora linhas em novellos (sorlidas)
Terca-feira 28 do corrente
s 10 1(2 horas
Por inlerveneao do agente Pinto
No i" andar do sobrado da ra do V gario n. 5,
onde haver em.con'inuacao o leilo de miodezas
e Calcados.

No dia o d9 dec^mbrn, stf fa:4 leiiao por conta
e risco de qem pertncer de tolos os penhores
vencidos, cojos premios nao ten sido pagos, no
escriptorio de peohons trave3sa da roa das
Gnizes n. 2.
I'revine-se portanto i todos os Srs. mutuarios,
qae desejarem conservar seas penhores, que ve
nham reformar suas camellas at referid? data,
sob pena de serem seus penhores vendidos em
leilo pub i >.
VISOS DIVERSOS
SOCIEDARE
Beneficsnts Luso-Bra-
sileira
Em n^me di directora provisoria convido a
tolos os socios da Luso Brasileira, assim como os
propostos que liveram coxmuncaco de suas ap-
provag5e, coraparecerein amanha dominjo 26
do correte, as 11 'horas do dia, na sala das ses-
joes, raa nova le Snta Rita n. I, haveodo neste
dfa sessao ordinaria, ca qul deve-se dar soluco
a diversos trabailn* aalos. A directora conta
que seas asociados fari>. aais ara e.-forco com
parecerem todos.
Secretaria da so;ieddii Laso-Brasileira 25 de
m-embro de 1871.
O 1 secretario nterin
-______,__________Beoto de Soaza Mira.
Ni ra doGorredur do Bispo o. 9,
precisa-se da uma ama para andar com
ura menino.
C pit&o Henrijue de Miran-
dj He-Tiques.
Ilercnlaoa Duarte de Miranda Heuriques, Bento
Joaquim de Miranda enriqaes, Augusto Garlos
de Miranda Henrque3, Jovno Cycero de Miranda
Henrique?, Guilliermina Augusta de Miranda Pei-
xoto, Francolna Ferreira Lopes Res, Jos Fer-
reira Lopes flels e Genuino Anguno Peixoto, mai
e irmios do eapto Heurique de Miranda Ilenri-
ques falKcido no da 20 do correle convidara aos
feas amigos e prenles para assislirem s missas
do stimo dia pelas 7 horas da manlii do dia 27
as igrejas to Carmo e matriz do Poco da Panella
por enjo acto digno das almas candosas se con-
fessam eternamente gratos.
SUCIEDAD!
Liberal Unino Beneficent?.
De coraformidade com a nossa in-tiluico social,
sao convidados os aossos irmos, socios installado'
res e effectivo?, para comparecerera no domingo
26 do correte, as 10 horas do dia, na sala de
nossa sessao, aflra de proceder se a eleicao do
conselh i administrativo que tero de reger a nossa
associacSo no anno futuro de 1872 ; importa que
todos os nossosjrmos que desejam a prosperjlade
social, comparecam a este procesfo, pois que da
aeertada escolba est a base solida para seu
engrandecimento.
Secretaria da sociedade Liberal Uoio Benefi-
cente, 20 de noveoibro de 1871.
Tneophilo Podro do Rosario,
___________________Secretario.
Precisa-se de uma ama
fi'rra ou escrava que sai-
ba bem cozinbar para ca-
sa de familia : tratar
na ra do Vigarlo u. 33,
1 andar, das 9 as 4 da
AMA
tarde.
fcv
.\
Precisa-se de uma ama pa-
ra engoramar e farer o mais
^WW ^B-servico de casa, menos cori-
ntia, para casa de familia : tratar na ra do Vj-
gano o. 33, 1 andar, das 9 as 4.
Na retlaacaj da ra Direila n. 22 precisa-se
de trabalhitdores que entendam do servido da
mesma.
N.da custu
Almanak para o anoo de 1872, se distrtbue gra-
tis : a ra larga do Rosario n? 3i, botica de Bar
tholemeu i G.
A&l
Hypotheca-sc
ama mnlatinha, boaita p?ca, pelo preco que se
con,Tencionar em isu Lilla : a tratar nesta tvoo-
graphia.
de STJ6
Hi roa de -as Greoulas n. 39
precsa-ie e uma ama para todo o ser vico de
ama can de familia campista de tres pessoas
paga-se bwa. '
preci-
ma
AM4
Na
de am m
ara, em Afogados,
bador de
alagar
qae seja moleq
uraa ama : na roa
Hreaa d, 61, loja de chapeos. -
Alfonso n. gfr precisa-se
Miau* chegado 4a Europa.
Kival sem segundo
Rna Duque de Caifas n. 91
Jos de Azevedo Maia e Silva, em sna lo-
j ade miude?as continua a vender tndt
por baratos preces que z todos admira,:
Libra de i5a para bordar a me'bor
que ba.
Caixas cora superiofes grampos fran^
cezes a
Duzias de facas e garfos de um e
dous boffies a
Talberes pare meninos a 240 e
Libras de!irha de novello, a melbor
posaivel.
Duzia de longos de cassa com barra.
Caixas" de lionas com 30 novellos a
Vara.de franja branca para toalbas
Duzias de me:as crtfcis muito boas a
Duzias de meias finas para senbo-
ras a
Na albas muito Qds, para fazer a
barba a
Caixas com pennas de ac com to-
que a
Caixas com pendas de Perry fazen-
da fina a
Ditas de dita dito verdadeiras a
Caixas com 20 cadernos papel ami-
zade a
Pecas de fitas para coz com iO
varas a -
Pecas de traeca lisa de todas ai
cores a
Duzias de liuha fronxa para bordar
a 400 e
Pares de sapatos de traoca a
DuTias de .oaralbos muito finos a
25400 e
Ditas de aguihas para machina a
Reamas de papelalmaco superior a
Ditas de dito pautado o melbor a
Carr.teis ae nba A"exandre a
Gravatas de cores muito fiaas a
Ditas pretns pontas bordadas a
Afosas de botes de madrvperola
para camisa a
Novellos. de linha branca, 400 jardas
Duzia de cart5es de linha branca e
preta e de cores a
Tbesnras muito finas para unhas
e costura a
Gaixas redondas para botar rap a
Caixas com pos para Iimpar dentes
fjzenda fina a
Livro das misses abreviadas a
Copos gratadas com superior b;nha
Macos de piillitoi para dentes o
melbor que ba a
60000
160
40000
400
1*500
10000
soo
160
30500
40000
10OOC
320
8"0
10200
70*
500
40
500
10800
208O
20000
-30600
40000
100
500
60C
50C
60
120
500
10200
200
40500
lt500
E um producto qae semtn-dr rne <*>gado vaccoml da qoal se tira todas as
pe les, tend5es, ossos etc/Blh-f'tem tcfdos os principios natrhftos da carne sem conter
gelatina, ou fibrina, gordora. M'tim pequeo volertie e-peso dtd> contem 32 vezes
mais substancia araenticia qo^outro igual de care despida d" besos, pelles etc., por
isso por pouco que se tome del se obtem uma forte alimentaO, que mmedialamiote
produz effeito como tem sido observado em pessoas debis, por qualqaer causa" on
exanges como succedeo a um bomem ferido que doas outros trouxeram pbarmacia do
Sr Firmiano Aatoaio de Araujo ( Porto Alegre ) onde recebeo o primeiro curativo, es-
tando t5o fraco que nSo.podia voliar para_casa; mas logo que tomou duasoilavas de
estraetnm pdecaminhar sem adjulorio.
Tal & a fprpa alimenticia que anda mais se revella cam o que socdeo no escravo
do Sr. capitao J.Jo Cezar de OUveira acommeltido de tbetaous, com' tbrtsmus' t5o forte
que n3e fo possivel empregr-s medicacSo intdroa, podendo o doebte tomar, intro-
duzindo-se com muita dtfficuldade pela abertura que, bavia pela falta de um dente. 6/8
de extract'um carris por dia, ce'ssabdo os sympiomas nervosos no fim de 22 das, acba-
va se d dpente em bom estado de vigor, restabelecndo-se logo. Que um alimento
que n cansa os orgos proprios da digest3o, se cnhece pelo ,que aconteceo ao Sr.
commendador Antonio Falio, qae.soffrendo de um gastro interite n5otolerava nem
a agua de fraogo ou d'arroz. Homem de mais de 76"-annos com perdas t3o abundantes
como tinba e sem alimentar-se eslava condemnado; sendo mproficuo todos o remedios
intentados; o Exm. Dr. Flores empregou oextratum que odoenta tomou cora repug-
nancia, porm que desde logo seotioum bem estar que otinha, e pouco a pouco mais
vigor, ficands reBtabelecido em pouco dias, obrigando-o a sua gratidSo' a dirigir ao Dr.
batuba ura a.ttestado desse beneficio ( diz elle) para que outros podessem gozal-o, e a
falta de conbecimenlo n3o obstaste a vulgarisafo que era conveniente que tivesse om
producto 13o necessario. Nos casos que preciso diminuir a producglo excrementicia
anus artificial, fstula sanaes, att?^oei benlorrholarios etc? um valente recurso. O Sr.
I.O. Castro n'um inten?is>im)sttaqne fcelnoTrhoidH qae*o levou cama dorante m?-
zess obteve cara alimentano-se4 coti xtrattm. Uma familia (do Sr. Joaquim
Maria) dbil e nervosa, solivia borrivelmente, comecou a uzar do extractum e logo
restabeleceo-ee, e o Sr. Joaquim Maria agradecendoao Dr. Ubatuba disse-lhe :Dr. V.
correo-mecom as doencas de casa. Taes tem sido os restallados de seo empregoque os
principaes mdicos o ac0nselb3o, e o cnsummo tem quadroplicado em toda a pare.-No
somente applicado c modieta aos enfermos, mas-ootoo meio alimeniicio e mesmo como
propno para vigorar o? alimentos, e dar-Ibes sabor imis agradavel. J muitas familias
preerem uzal-o noute, sobstuindo o cha, e tem encontrado nelle o recurso de po-
derem rpidamente augtxentarem oos casos de necessidade as refeices para maior nu-
mero de pessoas do que contava, ou darem alimentario p.-ompta quando seja preciso
nao baver demora. As pessoas debis, velbas qoe necessitSo tomar lguma alimentaco
Qointcrvallodas horas destinadas para a refec5o, tem no extractum um meio prompto
de satisfazerem essa necessidade,.melbor e com mais proveito do que nenhura oniro.
As mocas que nos dias de baile se abstem de alimettaco paraconservarem a belleza
do talbe prejadicando muito a laude, uz3o j do ex-tractum que satisfaz sem prejuizo
es*e fim. E' esse producto indispensavel a todos, especialmente s pessoas qae viajam
e s qu^ moram fra da cidade. A soa.iucorruptibilidad*, peso, volume, a sua gran-
de forca alimenti ia. e sua barateza, "e o sea agradavel sabor, quando bem preparado,
d5o-lhe tal superiorid^dequeso se faz myster ser coohecido para poder ser aproveita-
'r a utilidade que elle prest. Como alimento para as enancas tem proluzidos os
melbores resultados'e at hoje o3o se conbece outro para substituir o aleitamento. Nao
o extractum por si um alimento que canse o est mago, que o tenha cheio, poim
um alimento que d forcas e preenebe o fim de levar a economa os elementos an-
maes qre ella necesita,'epara substituir o qae ihe falta esse peso a qae corta-
mente necessario ao estomago do homem de trabalho pelo habito que tem, encontra-se
fcilmente por baixo preco as substancias vegavaes qaeexstem em qualqoer parte
como sejam as raizes, batatas, legumas, gr5o?, friQhas, que com o extractum se faz
ptima e bella alimentaco.
Um bomem qae tome 6/8 de extractum por dia, que cusa 188 rs.. ter uzado de
tola a substancia de 1 1/2 lib. de carne fresca sem ossos, pelles etc., o que por sem
(iuvids -a'm do que se faz.necessario principalmente se ajuntar-se-lhe qmesquer
massas, legumes, farinhas, graos, batatas etc., e um pouco de gordura, com o qae,
quando gaste mais 100 rs. ter uma alimentaco saborosa, commoda, fcil, muito byg-
euiea e muito reparadora por 290 rs.
UZA-SE COMO CHA Meia colberinha n'uma chicara d'agua, com sal sufllciente, e
um aromtico (salsa).
COMO SOPA De uma clherinha a duas em sufficieate agua, gordura, temperos
e quaesquer massas, fariohas, batatas, graos etc.
ARROZPrepararse como deuzo, diesolveado a por-cao do extractum na agua
que se deita nelle para cosel-o.
OS LEGUMES As carnes salgadas recupero com elle a forca alimenticia indis-
pensavel.
Deposito Pharmace Americane, de Ferreira Mata 4C.
57 Ra Duque de Cxias 57.
1 A FLOR
i N. 24 A-Rua larga do Rosario-N. 24 Ap
BB1 JAmtf & IRJTlilO
AUATAO DE 6DT0T
LICfiR CONCENTRADO C TITULDO
0 Siir Guvot ehegou a tirar no alcatri a
aun ,-ci imoniae osen amargor insupportaveig,
o que o torna mais soluvel. Aproveiiando e.ssa
feliz Joscoliprta, elle prepara um licor cr.n-
centratfo dealcatrSo.o qual, sob umpequeiio
Mame, conten uma grande proporcSo de
principios activos.
O *Irair* dr GnrM (Goudron de
Cuyot) possne por consequeiicia todas asvan-
lagons da agua de alcatiao ordinaria, sem ter
os inconvenientes. Basta doitar d'elle lima
O Alc.lro dm
collier de cat n'um copo d'&gu para oblar .
logo um copo de excedente agua de alcatrtMw]
sem gosto di'sngradavd. Cade qna* pede
d'essa maneira preparar a sua agua de al-
eatrSo qu::i>'lo d'ella jirccisa, o queofferece
'economa de lempo, facili-iade de Irajjsporte
e evita o manejo lo dosagr.id.sv-l doalcalrlo.
O Alcatrao de Umput sutH/ilue i.inn
vanlagem muitas Ibanas m.u oii dkim
inertes, nos ci.>o.. d.- .lellu.-.,. broncliiu-s,
tosses, calarrlius.
Syot empregado com o maior xito as moteslia* .v<^i;h.is i
Elfl BEBIDA. Urna colher de caf para um copo d'ayuu ou vi.t colheru dt
' topa para uma gara fu :
BRONCHITES /
CATARRHO DE BEXIGA
DEFLUXCC (
TOSSE PERNITAZ
KtRITAQAO DE PEITO
TOSSE CONVULSA
TB FQKEKT[.OES. Licor puro ou com um pouco d'agv:
AFFECCES DA PELLE
COMICHdES
MOLESTIAS 00 COURO CABEW^ ES ITJECCOES. V<> parte de licor equalro d'agua {rnccttiiai*iTm*ifUl.)
FLUXOS ANTIGOS OU RECENTES
CATARRHO DA BEXIGA '
O Alcatrao de Cuyot fot experimentado com um verdadeir xito not
frituipaet hospitacs de frauca, da Blgica da spanha. Foi reconhcido
qwe, para os tempos de calor, elle censlitue a bebida a mais hygienica, e so-
oretudu durante os tempos de epidemia. Uma intruccao aeeompanha cada vtdro.

"Si
3S&
E sem coiitesUao, um dos bem montado sestabelecimeoto de joias da cidade &'&
do Recife, e. seodo seus proprietarios asss caprichosos na escolha dos objectos que
expoem a, venda, lembram,ao respeitavel publico qae aproximando-sea festt, nao fo- SsS
ram indiferentes, mandando vir de conta prupria, da Europa ura vsr.iadissim3 sorlimen
i
Veude-se na rharmacia e drogara de P, Mau.
rer & comp., rua Birlo da Victoria n, [7
Woi coitamimot procarar altestado para acredilar
!Mos prepsrado, e deixamot qae sua applica{o e 01
rmiudos oblidos pelas petsoasqoe ae dignaramacceiu.
..' 22 ea c1redl! t08*: Pr1" !i0 "mpre o
uatados considerados (raluitos, deiles qm lanca
ao o cflarlalanismo; cita na qoerendo offeniler as pea-
louqceespoiiUneamenl nos offereeeram, os que abano
lo transcripto, os fazemos publicar manifestando-Ibes
Misa gralidae pela atleoco, aspirando que Tenbam
Ule corroborar o-eonceito, e accelaco qut tem mere-
le* noaao xarope.- SarlAolotiio ft C.
TTESTACO.
illms. Srs. Bartholomeo ft C. coa a mais subida
lenlasia que declare ser o xarope Americano de orna
itacacia eitraordins-na, pois que soflrecio ba d'ss de
atansa tosse, i nonio de nao poder dormir a ooite a
1fc0 uesln0 "* medicamentos que loma, a elle
com na lercc-:ra colher fui alliviaOo. e de lodo me
tto boje restabelecido com o uo somente de quasi
eeio frasco; grato pois i esse resultado manifest a
'. i*, meu reconhecimento. De V. Ss. amigo, re-
i.radY e obrigado. Clanoel Antonio Viegas Jnior.
- ->na tan S de abril d< 1C8.
Sra. BartboWmee* C. Penboradissimo cc.-n
w p 10. roe H/erjm -lP oomnibar n (a H0 tarnni
to qoe pelo bom gosto e primoroso trabalhu importam elegantes presentes para a ilha |^S
e
-SS idolatatrada, a aniada querida, consorte Bel, a mai extremosa, a amiga dedicada,
grt Analmente a te do aqueile ou aqualla que se qneira mimosear pela festa do natal.
Nao sendo eofadonho, respeitaveis laitures, prestai aiienc,ai at o flaal deste
anonncio que encontrarei!, com certeza.
Para o bello sexo

Oi
160
AOS 5:0004000
Kstao i iremla os felices biihetes da lotera da
lahta; na casi ftfix do arco da Coaceico, tola da
orives no Reuife.
Pares de brincos de phantasia a 8, 9. 10 e 12, ditos de coral a3,je 4*,
ditos para luto a 6i e 8, meios derecos modernas com brincos e alfinete* a 16*,
rozetinhas de diverso? gostos a 5, 6| e 8 o par, pulceirinhas de coral a 7^000, vol-
liilias de dito-com cruzes de ouro a Si, cachetas com inscripf<5^ libra chique) a S<
e 8, flgai d; coral a 2, crazes de.onro e coral a 3f, 4|, t e 8*. d'tas de esmeral-
4a, perolas e rubins I2j>, 14i, I6# e iSi, anneis com bonitas pedras a 44 psra crian-
?a a 3303, ditos de pedras finas a C e broxes para retratos a 1G4 e 20.
Aos senhores cavalheiros
^ey E' fnente na Flor de Ouro qne se veade joias de gosto e por ponco dinbeiro
5K como sejam : guirnigoes cem tres botois para abjrtora 4/, pares de ditos e de d:f-
ferenles gostos a Si, ditas a 3, ditas para punbos a 8# cadeias muito chiques a 20, ?J
^? ditas a 6*500 a oitava, pencinei de prata dourada a 4J, 44500 a 54, medalboes para <3g|
ztz) cadeias a 124, medalhas com leras a 8; altn de nm grande sortimento de obras de ^^
? brilhantes, brincos, bracelete?, alnetes, derecos completos, meios ditos de pedras fi- i&M
*g& as e coral, medalboes, voltas e trancellins,anneis com letras de^liversos modelos, aja
^sg) oculs, peneinez de ouro, relogios de ouro e prata dourado e de afamados fabricantes, fi
Wt a98ira como Br,nde ortimento de obras de pratado Porto, tanto para o setvico do- I^S
->?% mest'Co, como para igrejas, e garantimos ser tudo lei. V"
A Flor de Ouro contina a estar aberta at as
8 horas d* neute
Vegetal Americano, de sua composico, aiapd >
cheTi b&stante doenie de urna constipaclo,
tornon completamenta roneo e qut trouw ima lene
tosse. e me impossibililou de cumprir os meia damep
de cantor da emprcta lyrica, ou agradecer-Ibes atar
completo restab(ecimeiiio, que obtiie com m M Tic
do mesms xarope, depois de hafer recorrida a auitaw
tratamentos. Desejarei que outros como raetrraai
o seu xarope para st tarem aliviado* da to tarrire)
mcommodo, tas fatal neste paii. Com maior rutile
raco continuo a ter da V?. St. atiento, veaeracor
'.'S.1;0, ~ L,iz cni!"'- "Beeifa S5 da tataaUt*
de 1868.
Illmt Sra BarthoomeaftC O xarope Vegetal I
ncano que V. St. ,Vs eiposto i wnda i de totltu..
ctcia para o carstiK d'asthma, canforma obserre ta-
phcando-o a meo .Iho Joaquim, menor da aaattV
annos; iclima d'e je flegello, que at cutioaer ana
eiceuente a dous annos tafia resistido a outros xare*
da grande nomeaJa. Queirm pois V. St. aecettar
eipresso altamente aincera meritorio temeo que Ibe prestaram com o ludate
aarope, acre.litani'.ome p^ra impre de Vt. Sa crittk
atiento eobngado. A: i a ^todt cadeaia. -
itewfa 9 daaulubro da i
problema resolvido
i papel foi conservar mostanla todas as suas propriclatle.s, obtendo --m poucos instantet.
por Mr Ricollot com o mais feliz resaltado na composicao desta
a com facilidade um efi'eito decisivo com a menor qantidade possivel
de medicamentos. (A Bouchardat lAnnuaire de thnapeutiqaet de 1868
Eivgir a assignatura ao lado, por qu ha ralcifiradorea.
PARS. P*u Vmlle-d-levle, 26.
Uk
7
CASACAVIMAJAmiER
Phnrmaceutlco prlTlleainte
i sucoesoor 0
Houli'viu-d Sebastopol, 5G. PARS,
NOVAS ESPECIALIDADES A. MARIIMIER
Apreseutadas a Academia dt- Scicncias c ao Instituto de Franca.
ItlILTPP/ift Sobi forml de Psslla, deve Hila e doseada para faser S
INULUUnU momento uma sotuccao PREVENTIVA E CURATIVA dat
MOLESTIAS CONTAGIOSAS
IaJECTOR-PHILTBO
do_ volume de um relo.?io, servindtv
de I'iiiltro e Seringa sem os
Graves inconvenientes da rraeriliuade.
Com
a forma, e do volume de um Porte-Moeda eoDteaea
'i'Oll KAIA5IKXTO.
COLL^TilO
DROGARA especial
HOMEOPATHICA
DE
JOS'AL VES THENORIO Me C.
RUA ESTREITA DO ROSARIO N. 3.
Jos Alves Thenorio, professor em homeopatbia, teado-je retirado do
laboratorio homeopathico e consoltorio de seu illdsire e finado amig!) o Dr.
Sabino 0. L. Pinho, qde por muitos annos estiveram sob sua direefao, teta-
se estabelecido sob a firma de Jos Alves Thenorio & C, roa eVtreila do
Rosario n. 3, ende, animado pelaconfianca com qne honrarm-no os amigos
da homeopatliia, Ibes.ofleiece e ao respeitavel publico ura completo sorti-
mento' de todas as priptricSes homeopatbicas conhecidas, recebidas das mais
acreditabas uisas de^nUres e Paris, e indigenas, bem como todo qanto
diz respeito a homeopraii-e sua pratica, esperando que continuem a hnra-
lo cbB a mismi eonftatcv para o que nSo se poupar esforcos.
PRESOS DAS BOTICAS
GI.OBITLOS.
botica de 12 medicamentos io


36
48
60
120
ao*
30t5
350
400
700
botica
<
nMTURAS
de 12 medicamentos M&
< 24 < 250
36 c 400
48 500
* 60 > 600
< 120 < 100
Sao utei essas boticas aos Srs. mdicos, seohores d deiros, chefea de familia, capit5es de navios, e em geral a todos quantos qai-
zerem dedicar-se a pratica da homeopathia.
Madicamentos avalaos pelos precos das oatras drogaras, bem como
chocolate de LONDRES e do maramiAo para oso dos doeates em tratamento
l>elo systema bomeopathico.
, ESTOJOS
Contra as affeccois t'uis palpebras. preparado sob a mesma forma.
Depositarios geral para o KH.tKBl., e POUTUGAI.
83i, rua lavga-do Rosario." PERNAA1BTJOO. *
BATCOLGIEO G
CASACVSMA;JSliI
Pliarmaceutico privilegiado
successor- %
topol, 55 L*A.ltl.
NOVAS ESPECIALIOAOES A. MARINIE.R
A?r(se;i!.i.las a Academia do Sclsaciat e ao Instituto da Franca,
Ir^JECCAO
Sol a forma de Pastilla, deredida e doseada para
fUar dr uionunto una j&lm-cao
Provativt a curativa "dat MOLESTIAS C0KTAC10SAS. ,
'
IXJEGMMTBO;
ESTOJOS ""
volume rtc un relogio, servindo ds
IIIII.TItO e SEAINGA sera ot
aves inc3iieoieotea dt fragllidada.
a forma, e de volume de m Porte-Moeda
COTBXDO TODO TRXTAMENTO.
COLLYBIO Contra as affeccois das palpebraft
preparado sob a. mesnia lorwa.
BARTHOLOMEO k C
Depositarios geral para e BRASIL e PORTUGAL
34, rua larga do Rosario. PERNAMBTJCXX
AMA
Offerecc-se uma ama,
ilesa de boa conducta,
para cosinhar em casa de
peuca familia : a tratar
oa rua do Vigario d. 8,
sppunilo andar.
Escravo para a lugar
Pre:is-se alugar um preto ou um moleqie pa-
ra servico de hotel : rua larga do Rosario n. 31,
1." andar. _________________^^__
(Jaixeiro
Preclja-se de um ca xeiro para a villa da Esca-
da : tratar na raa estreita d'i Rrsario o. 5.
Aluga-se uma escrava que sabe connhar :
para ver e tratar a rua da Cadeia n. 1, seguuJ j
andar.
Manoel Rodrigan Teixeira e Rosaling de Mi-
randa Henciquei Toixeira, convidam aos prenles
e amigos de seu sempre chorado irmio Henrique
de Miranda Henriquo? para ouvirem missas qu
mandara rerar nu c nvento de S. Francisco no
da 27 do corrente das f as 7 norn da manhaa :
agradecendo aquellas pessoas qae eorresponderem
a este convite.
Declarado.
O abaixo assignado declara ao piblico, que nao
lem garantido oa endogado letras ou documentos
de qualqaer valor, que seja ; nem t?o pouco pre-
tende prestar sua Arma para setnelhante tlm :
pon est no firme proposito de so nvoler-se e
responsabilijar-se por seus proprios nfgocios.
Massangana, 18 de novembro de 1871.
Paulino Pires Falco.______
Aluga-se
r Passagem da MagJilena : i ira-
e M, Reg.
Precisa-s arrendar um engealiu em boas con-
diedes e ptrto de uma etaco e de am rio nave-
gavel : ijuem o tiver pie annunciar psr carta
fechada no escriptorio de.ie Diario com as iniciaes
M. A. M. para ser procurado.
A casa
lar con

Mooteiru
Est para aiyg&r na povoaco do Monteiro a
bem eonhecida c.sa da Canoa-Sstula, situada a
beira do rh e c ni magcificjs commodos para fa-
milia : a tratar com Antonio de Sonta Reg a roa
i' de Mar?o n. 8, esquina da rna do Imperador.
Atten Um moco solteiro precisa de ama ama : na pa-
teo do Carmo n. iG, 1 andar, oa na roa. do Em-
perador a 31, 1' alar.
aaws


T-r-w*;
Oiarw , A.
*'

CASA DA IHTBItt
Aoi 5:0005
Bilhetes garantidos.
m Primeiro de Marco (oalr'on ra do
aupo) n. 23 e casas do costme.
O atateo assignado, tendo vendido MiMUh
biibstai um me o a. 504 eom 5:000*000.
nm qaario o. 166* com 800*000 um uarto n.
13 com 300*000, om mel n. 2053 cora 100*,
oa qnfto b. 1647 com 100* % tras sortea d
40* e SO | da lotera que se aeaboo de extra tur
(115*) eaavkU aos possuidores a virem reeeber
na coformidade de costume sem descont algara
Achan-ae a venda os bilhetes garantidos da
7. parta das loteras, a beneficio da matriz de Ja-
bLaiio (516'), que se extrahir quinta-feira 30 do
torrente iner.
PREQOS.
Bilhete inteiro 6*000
Meiobilhete 3*000
Qoarto 1*500
tm poni de 100*000 para cima.
Bilheje inteiro 5*500
Meio bilhete 2*750
Qnarto 1*375
________Mano! Martins Fiaxa-
Associac&o dos guarda-.ivros
De orrlera do Ilustrado collega qoe pre-
side provisoriamente esta associacio, scien-
lifico sos interessados qoe no dia 22 do n-
dame as 6 boras e um qoarto da tarde, era
ponto, sera aberta a sessao no 2o andar do
sobrado n. 21 ra da Gamboa doGarmo,
para contiooafSo da approvac3o des esta
tolos.
Recife, 19'de novembro de 1871.
S. Duarte,
2o secretario.
Mudanza
Antonio Secnndino do Monto participa aos seos
nurcerosos amigos e fregoetea* qne mudou o sen
estabelecimento de cabelleireiro e barb. iro, sito
rur estreiU do Rosario n. 10,. para o primelro aa-
dar n 4 da mesma raa. Espera merecer dos
musmos seas amigos e frfgflezes a su a valiosa
coadjnvacio.____________________________
Ra do Rosario n. 27
Jos Mara Palmeira lendo comprado ao
Sr. Domingos Gomes Brasileiro de Amorim
o armazem da ra do Rosario n. "27, e com
elle as dividas existentes, convida pelo pre
sent a todas as pessoas que sao devedoras
de qoalqaer quaniia, a irem satisfacer seos
dbitos at o dia 30 do corrente, sob pena
de verem seus nomes neste jornal, visto
qne se ignora a residencia de quasi todos.
Para esse recebiraento est por mim auto-
risado o Sr. Manoel Jjs dos Santos, no
mesmo estabelecimento.
Dr. Manoel Eaedino Reg Valenca. S
|| Camba do Carmo n 21.1" andar.
AMAS
Precisase de duas amas para
servido interno de pequea fami-
lia : raa Imperial n. 199, por
eima da rennacao. _________, ______
f*

fanella.
Casa no Foqo da
Alagase por 600* urna exeellenle casa na roa
do Rk) n. 35 daquelle povoado, com 2 salas, 4
quarto, eozoha, cocheira, quartos para criados,
estribara, e mais duas meia? aguas separadas: a
tratar corn o cjmmendador Tasso.____________
Precisa se de um criado para residir em um
Dgenbo di?tants da cidade, prefere se portuguez
menor do 20 annos : trata se na raa da Cruz n.
89, 1 andar.____________________
Prec.sa-fe de nraa ama para comprar e co-
zinhar ; na ra de Hortas n. 1. __
30,5000
D-se esta quaolia pel aluguel mensal de um
escravo para servico domestico : no cullegio da
Concelcao._____________________
Precisase de ama ama para eozinhar
na ra do Cunaran o. 13.
a mam be od
E 0 PBOGRESSO
SALDES DE CABELLEIREIRO '
BIJA O DUQUE DE CASIAS S. SO
E
Primeiro de, JlarQO n. 7 A primeiro andar.
DELSUC, cabelleireiro de Pars, partis'pa aos seos innmeros freguezes e ao pu-
blico em geral, que acaba de contratar peritos offidaes francezes para todas as especia-
lidades ; sendo nestes dons estabelecimeotos cima onde o respeitavel publico poder
encontrar a delicadeza e ligeireza que neste genero de tratalbo tanto se exige em Pa-
DELSUC nada tem poupado para que o poblico desta cidade. que tantolhe tem pro-
df?alisado a sua benevolencia, continu a freqaentar os seos SALOES MODELO, fleando
certo o mesmo pobco que nelles encontrar agrado e perfeic3o.
Empreados dos saloes
12otBciaes para barbear.
6 ditos para cortar cabellos.
3 ditos para o poslicn.
Debuc para opeateado do bello seo.
MOFINA
Roga-se ao Illm. Sr. Ignacio V.etra da Mello,
irivio na eidade de Nazareth desta provincia.
oVror de vir a roa do Imperador n. 18 a r-onclnS
aqaelle negocio qoe Y. S. se compromettea reali-
sar, pela terceira chamada deste jornal, em fin
de dezembro prozimo passado, e depon para ja
oeiro, passou a (evereiro e abril, e nada cumprio
e por este motivo de novo chamado para ditt
Sm ; pois V. S. se deve lembrar que este negock
de mais de oito annos, e quando o senhor mi
flho se achava no es nesta cidade___________
A luga se
o segando andar do sobrado da roa Nova o. 38:
a tratar na loja.________________ ______
Precisase alagar ama cosinheira escrava.
para casa de familia ; a tratar na roa Nova n. 50
1* andar.
AMA
A 3*000.
Retalha-se, para acabar, a tres rail ris por pal-
mo, os lotes de terreno que restam do sitio Agua-
zinha do porto da Madeira, em Beberibe, eom 800
palmos de fondo. Aos .domingos e das santifica-
dos estar pela manhaa em dito sitio pessoa habi-
litada para quaesquer informales, e para negocio
nos das nteis, raa do Crespo n. 12, primeiro
andar.
m
Precisa-se de urna ama para o
servico de urna pessoa ; tratar na
praQa da lotependecia n. 18.
All
Precisase alagar uma ama escra-
va para comprar e eczinhar : a tratar
na raa do Imperlor n 79, loja.
AMA
Precisa se Oe ama ama para o ser-
vico de ama pessoa ; tratar na pra-
ca da Indep endtncia n. .20.
Monteiro
Por 300,000 ris.
Alnga-se ama casa na povoacio do Monteiro : a
tratar na taberna do Sr. Nicolao Hachado Freir,
no mesmo logar
r
ADVOCACIA.
O Dr. Manoel do Nascirtento Maebado
Portella contina a advogar e pode ser
fg proeorado no s,eo escriptorio raa do Irn-
flR perador o. 83, 1* andar.
IIIBINIMMII
NOTAS
Troca-se Dota do banco do Brasil a de snas
flliaes na roa do Bario da Victoria o. 63, muga
raa Nova, loja de Joio Joaquina da Costa Leit.
/Muga-se o andar terreo da casa o. 41, roa
do Rangel, propria para algum estabelecimento,
assim como orna escrava : i tratar na loja n. 2,
raa do Queimado.
Precisa-se de nm criado
tratar na roa Nova, loja n. 7.
para um si'.io : a
&,
. Precisa-se de ama ama qoe
fc^. cozinbe e engomme, para ca-
^t sa de familia : a tratar na
roa do Qaeimado n. 28, loja de ferrageni._____
MACHINAS
MU
De 10 a 40 sorras.
VAPOR
para mover as machinas.
Deseja--e alugar ama casa com bons com-
modos e com bom quintal na freguezia da Ba-
Visia, preerind-se Soledade, Caminho Novo, Mon
dego en nestas proximidades : a tratar na raa da
Cadeia do Racif* armazem n. I.______________
Aiuga se uma preta para lavar e engommar:
a fallar no armazem n. 22. roa do Commercio.
Joo Francisco Ponte
Mari Lourenca da Conceicac Pontes; Francisca
liana da Coaceicao, Carolina Pontes, Francisca
Cirolioa Pontes Tasso, Jorge Tasso e Manoel
Franci-co Pontes agradecen) do intimo de sens
conches as pessoas que assi-tiram ao funeral de
eu presado esposo, g3um, pii e ti? JI) Francis-
co Pontes ; e de novo Ihes rogara para que se
diguera assisiir a mi alma do mesmo se ha do celebrar no sabbadD 2o
do corrente nez-pelas 8 horas da manhaa, na
matriz do Corpa Santo.
AVISO
Um hometn com habilitacoe3 bastantes para ira
balhar em mach'r.as de vapor, offerece-se a qual"
quer senhor que das mesmas uarom era engenhoi
serrara, fiz do-sepdr ualjuer concert que seja necessarlo:
quera dele precisar dirjase ra da Senzalla
Nova n. 16, qne achara erm quera tralar.______
Am;i de leite.
Aloga-sa ama escrava crioula, -sadia e moca
para criar, do que tem bastante habilitacSo, po-
deodo lavar e engomraar. o que faz com perfei^o:
za ra do Progre-so n. 5.
los 5:000^000.
Bilhetes garantidos da pro
?Inda.
Raa do Ba?*ao da
Victoria,
Outr'warua Voua n. 63 eayat
do costume.
O asaiio aaateqtdo acaba de vender entre o
a omito felizes bilhetes a serte de SOQJOOO
em um qnarto de n. 1664, a sorle de :1004 em um
(aarto de n. 1320, e outro qaarto de n. 1647 com
a serte de 1004, alm de outras sortea menores de
40*000 e 20*000 da lotera que se acaboa t
itrahir (215), podendo seos possuidore virem
reesber. pu promptamente herao pagos.
O msate abaiso assignado convida ao respei-
tavel pnUieo para virem ao seu estabelecimenu
t -vitrai os felaes bilhetts garantidos, que nai
deizarde tirar qoalqaer premio como prova peloi
bb*8uios a un uncios.
Acbam-ie venda os omito felisea bilhetes ga
ractidos da 7a-parte das loteras em beneficio da
matriz de Jaboatan, qne sera extrahida no dia
qninta-feira 30 do correle mez.
PRECOS.
Inteiro 6*000
raeios 3*000
Quartos 1*500
De i (WOOO para cima.
; Inteiro 5*500
Meios 2*750
Quartos 1*375
Joo Joaquim da Costa Leite.
O abaixo assigaado, tendo de acabar com o seo
nego:io, roga aos seus moites e numerosos fre-
guezes que Ihe e>lo devendo em sua loja de cal-
cado a ra dalmperatriz n. 10, de vir oa mandar-
Ihe pagar sea debito at o flm de dezembro do
corrente anno, pois do couirario ver-se ha obriga-
do,e bem contra sua vonlade, entregaras con
tas a sea prrearador, para elle re;eber amigavel
ou judicialmente, o que o abaixo assignado espera
dos seas bons freguezns isso nao ser ueceesarlo.
Recife 31 de outubro de 1871.
Antonio Rodrigues Pinto.
Precisa-se de uma para casa depou-
ca familia, qua saiba engommar e tra-
tar de enancas. Prefere-se estrangeira. Raa do
Vigario n. 26 1' andar____________^_
Em casa dos importadores!Raa
Siiaw Hawkes 4 C. )
Na roa do Hospicio n. 39 precisa-se de ama
ama perfeita engommadeira. para casa de pooca
familia.______________________________
~ Precisa-se de ama ama para pequea fami-
lia e que eempre e coiiohe : na roa do Padre
Floriano o. 7, sobrado.____________________
Precisase alagar ama escrava para coa
nhar e fazer o mais servico de casa : a tratar na
raa do respo n. 7.
do Bom-Jesos n
outr'ora Cruz.
AMA
No coilegio
creado epeiro.
Oopeiro #
da Concei(;ao precisa-se de um
Maiautitlla Marie Lavvrgne, successora do
Sr. Gadofredo; tem estabaieciJo a s^gainte tabella
para es perneado* : preg de 1000 por cada um,
sendo feit) na residencia das Exmas. eenhoras e
2* em seu estabeleci.tiento ; meosalidade de JOOi
para penleado diar.o na residencia de suas Exmas.
clientes ,e de 50* em sea estabelecimento. Os
ptnteado's de noiva ser pelo prego que se con-
ven:ionar. Por cada coque que Ihe for entregue
para ser perneado receber 1*300 de seu (raba-
Iho, qm ser executado com tola a perfeigao e
presteza : na ra Io de Marco n. 14, antiga do
Crespo.
CHAPELLERIE DES DAMES
nico estabelecimento neste genero
31Ra do Barao da Victoria31
Wrii HIJA MOVA
A este estabelecimenio acal)a de chegar nm lindo sortimento de chapeos de palba
de Haa para Sras. o qne ba de mais moderno em forma e gosto ; recebemos tambem
chapeos pzra meninos e meninas. Chapelioas de palba, e de gaze, chapeos cor de caf
e cor de cinza, chapeos de pa'ha d'ltalia, preta para luto, ricamente enfeitado?. Flores
para cabello o qce ha de melhor neste genero, plumas, gaze, fivellas, veos e muitas ou-
tras fazendas de gosto que se vendem muito em conta. Concertam-se tambem chapeos
de palba e de velludo, pondo-os completamente moda para o qoe recebemos formas
modernas.
Pottanto convidamos as Exmas. Sras. a visitar nosso eslabe'ecimento que se acha
completamente bem sertido d'artigos inteiramente novos e de muito gosto proprios para
a festa.
Faz-se negocio
Com a amiga e bem afregnezoda loja de calca
do francez raa da Imnerairiz n. 10, livre e des
sembaracada de qoalqaer cnus ; faz-se negocio
a dinhelro cu a praso conforme se conveocionar
sendo um bom negocio para quem quizer cooti
noar, e so se vende por ter o dono de se retira
para a Europa tratar de sua gaode.
ATTENCMI
9
Precisa-se de nma ama para comprar e
eozinhar para casa de nma familia composta
de duas pessoas : nesta typographia se
dir._________________________
ESTRADA DO POHBAl
Aloga-se uma ptima casa eom duas salas, tres
qoartos, cozinba fra. caiada e pintada de novo,
com estribara para qaatro cavallos, com bom ter
reno cercado e excellente para plaotacde-, diver-
sas froteras, cacimha, banheiro etc. etc.; torna-
se recommendavel por ser perto da cidade : tra-
ta-se no Bazar da moda roa do Barao da Vic
toria n. 50 com Jos de Souza Soares._______
Na raa Nova n. 10, 2 andar, ha para alugar-
se uma escrava com bastante pratica de ama de
casa de familia.__________________________
club do mim
No segainte mez de dezembro principia fanc-
cionar o dito Club, as pessoas que quizerem to-
mar assignataras por 3 mezes de dezembro a (e-
vereiro, pagarlo 30*000 adiantados pra o qu^ se
entenderlo cora o abaixo assign do.
Recife, 18 de novembro de 1871.
________P. I. Layme.__________
; % PALHARES
O adeus da escravidao
POEMETO
Assigna-se na Livraria Franceta : a 1000 o
exemplar.______________
Precisa-se aligar uma ama forra : na roa
do Cabag n. 2 B.
A Medico operador e par- A
5 elro.
JJ Dr. Francisco Jacintho Pereira da Mot-
^ ta, a qaaiqoer hora do da oa da noite,
; ai o. o. 1* andar, praca do Conde d'Eo,
I" 'B outr'ora da Boa-Visia.
r CONSULTAS GAAT1S AOS POBRES.
t
iiTTENC\0
ENGEINHO
Empreza do gaz
Perntruibuco.
Transfere-se dous annos, restante do arrenda-
ment de um engecho d'agna, listante i leguas
da estacao de Uoa, com safra moer no corrente
anuo, para mais de 1,3C0 pies, e outra igual fun-
dada para a safra vindoura, com mais 80 mil co-
vas de maniio;a : faz se negosio niailp conmodo
e os pretendentes acharo explica^oes na raa No- r0 n ^ raa 0 imperador.
Aflija ___________
Trasi-asso
Traspas-.ise ama pequea hypotbeca di OO*
a juro de 2 0,0, na casa da ra de S. Miguel, Ir-
gaezn do Afogado n. 75 : o preieadente dirlja-se
% casa de tumbos do Recife.
-Retratos Timbre-post
Exc-lente? para circalares, convites, ou sim:
plesroenle para cartas a amigos, committente?,
correspondentes ele. etc.
103 fo'lia de papel de peso pautado on nao
com retrato em cada uma 20*000
50 dit.s dito etc. 15*000
io (litas dito etc. 10*000
Specimeos na livraria francea ra do Crespo.
Recebem-fe encomroendas e fazem se es re-
tratos oa Photographia Imperial roa do Cabug
ja. 18, un estabelecimento photographico desta
cidade qoe tem lodos os apparelhos necessanos
jura este traba ho.
AMA
ar a rot da
Precisa-se alugar uma
ama, idosa, qne taiba
eozinhar e engommar,
para casa de pequea
familia, prefere-se escra-
va e paga-se bem: tra-
Cadeia o. 8.
Antonio Jos dos Kei, com loja de fazeodis
av prneio Pablin n. 60, declara ao respeitavel
arpo do commercio que nada deve ao Sr. Gui-
Iberme Jc i* Souza e menos a extincta Arma de
Santa Ir Aodrade, e que com precitados senhorss
nansa tev.) negocios e era a honra de os conhe
tt, e p->r tanto nao se entende com elle o edital
do lilra. Br. jaiz do eommercio publicado no Jor-
nal d fktife de iioje.
Recifti ij de novembro de 1871.
Afuga-M o aegando andar do sobrado da raa
4o padre lnriim : a tratar eom Maximino da Sil
va Gosmo
, i----------------,______ ________.
Pede-'e ai Sr. Manoel < MesqoJta Cardoso,
o obsedie de vir a ra da Concordia n. 95, on
andar a i-jo'ii (Jeneu jnleresw,
NSIXO DE PREPARATORIOS SEGUN-
DO O NOVO PROGRAMMA PARA
EXAMES.
O proessor Torrei Banieira tem re-ol-
vido abrir, para os mocos que se prepa-
ran) para a FaculdaJs de Direiio, alm
dot. cursos d3 pbilosopbia, de reihorica- e
potica, e de geographia e historia, um
curso especial de liosaa portugueza ; e,
em relaeao i* senhoras, a cujo ensino
tambera se dedica, igualmente se propoe
dar Iic5es de liogua portugueza, de in-
g'ji. franceza e de geographu.
MORA A' RA DOS MARTIRIOS N. 2,
2." ANDAR.
Yarope de fedegoso
E' de uma efflacia verdadera mente maravi-
fhosa como calmante do systema nervoso e ap
plicado contra a parlisis, astbma, tosse convulsa
ou coqueluche, io*se recente ou aitiga. suffoca-
rOe?, catarrhts, bronchittf?, etc., e em geral con
tra todos os solTr mentos das vias respiratorias, e
na phtislca pulmonar, sua virtude contra o ttano
ou espasmos, e convalides inconlestavel, a oin-
guem ha que a desconheca.
DEPOSITO
Pharmacia de Ferreira 4 C.
SUCCES60RES DE J. A. PINTO.
10-RA LARGA DO ROSARIO-10
(Junto aoquartel le polica.)
Aluga-se por commndo preco o Io undar do
sobrado da raa do Commercio n. I?, o qual tor-
na-se recommendavel para escriptorio on oatro
qualquer estabelecimento pela -na localidade e
boas geeommodacoes: a tratar na ra da Madre
de Dos n. 28.
O abaixo assignado leodo embarcado na
esiacao do arco de Santo Antonio no irem das 6
1(2 horas da tarde do da 21 do correte, e tendo
desembarcado no Monteiro, deixoa por esqueci-
meoto ama mili contendo uro coleto novo de
gorgurao de seda, dous voluntes da obra de Pau-
lo d K"k, Zizioa e alguns nmeros do jornal Pro-
gressista : pessoa qoe por engao levou dita
mala, a poder entregar no Monteiro casa nova
na esquina da travesa do Qaeimado, defronte do
chafirz, ou no Recife. na raa da Coneeieo n. 5,
ar.mzem de assncar de Luiz Jos da Silva Gui-
maraes.
_____________Antonio de Albnquerjne Mello.
Dase sociedade em uma loja de miudezas
em uma das melbores ras desta eidade, a quem
quizer entrar com o capital d8 000* ; quero este
negocio quizer fazer deixe carta fechada nesta ty-
pographia dizendo o lugar para ser procurado com
as iniciaos F. P. B.
Hospital portuguez de be-
neficench em Pernam-
bueo
A junta administrativa manda celebrar no ora-
torio do hospital oa prxima segunda-feira 27 do
correte a 8 horas da manbaa, uma missa pelo
repouso eterno da alma do soio benemrito Ma-
noel Ferreira de Souza barbosa. Sao convidados
os amigos do finado a aeompanhar a jonta neste
acto.de religiao e caridade.
Ilispilal portuguez de Beneficencia em Pernim-
boeo 21 de novembro de 1871.
O secretario,
Luiz Duprat.,
Faz-se negocio
Com a loja de charutos da raa da Imporatriz
n. 63 Charutos de Ouro a qual est muito
afregnetada : ao pretndante sa dir o motivo.
Per guata-te ao Sr'. gereple da coropanbia
dos bonds, ijual a razo porque q| SQ 8m da linba d>s Afogados.
Algn passageiro.
TRILHOS URBANOS
do Recife a Olinda e Be-
beribe
Os Srs. possuidorea de bilhetes desta
companhia, sao convidados a vir trocar es-
ses bilhetes por dinheiro, no respectivo es-
criptorio, lodos os das otis das 10 horas
ao meio dia.
Escriptorio da comp?nbia i I 'le novembro
de 1871.
J. F. S. Porto.
" Io secretario interino,
Companhia do, caminho de ferro do Rj.cife
a Olinda e Bebetibe;
Avista da resoluco tomada por S'. Exc. o Sr.
conselheiro presdeme da provincia em iO do
eorrente mez, em cada trem da companhia do ca-
minho do f=rro do Rejif<) a Olila b Bichar i I
podem viajar das pessoas com pa;se do pover-
oo, e pela ordem da pnondade da cucessio.
Em cada ama das quatro eatacSfl priocipaes
da companhia se acha a lista das pesioap que tem
passe e pela ord-m rielerminsda.
A execoc.50 dessa delibera;ao tr luar par-
tir do dia 23, para que possa chegar '?m tempo
ao conheciraento de todos os ioieres-aJ .
Recife, 22 de novembro de 187*1.
U gerente-,
G. R- Campello.
Companhia do caminho de ferro do Recife
a Olinda e Beberibe.
A partir do dia 25 do corrente mez nao serao
mais receidos em pagamento de passagera nos
trens da companhia do caminho de ferro do Re-
cife Olinda e Beberibe, os bilhetes da C3mpa-
nhia de caminho de ferro de Caxang nem os da
da companhia dos trilitos de ferro na cidade do
Recife. Qualquer pessoa que apre-emar bilhetes
da companhia de caminho de ferro do Eecife
Olioda na estacao do Recife reesber sna impor-
tancia em dinheiro, com tanto que prefaca o valor
de um, dous, tres, quairo,'cinco mil re?.
Recife, 22/de novembro de 1871.
O gereole,
G. R. Campello.
A companhia Recite rainage precisa de um
bom ferreiro : a tratar em suas obras, as Cinco
Pontas, com o Sr. Carey.
Esta empreza tem nm lindo sortimento de can-
dieiros, arandelas, pendentes, etc., tanto era vidro
(crystal) como em metal, e ama variedade de glo-
bos dos padrdes mais moderaos e por presos m-
dicos. As amostras podem ser vistas no escripto-
Bicos pira gaz do
melhor feitio a 60 rs.'cada ara. As encomraen-
das podem ser fetas por escripto, na rna do Im-
perador junto a secretaria da polica, oa dirigidas
ao baixo assignado na fabrica S. Jos, que sero
promptamente" attenddas.
Thos. Newbigging,
_______ Gerente.__________
Attenco.
Perdeu-se uma argola com algamas chaves, e
gratiflea-se a quem, tendo achado, leva-la ra
do Crespo ti. ii, andar._________
Por deliberaco da comniisfo encarregaoa
da festa da Senhura da Conceic,o da estrada de
Paulino Cmara ca transferida a lotera da mes-
ma festa para correr com a ulma lotera publica
do mez de dezembro.
Na ra estreita de Rosario n. 35, primeiro as-
dar, faz-se bollos para casamentos,, bailes e pre-
sentes, bandejas rmalas CDm todo gosto com
booqueles e fitas bordadas eom letreiros e com
ligaras; faz-se bouquets para enfeites de bollos
e para ofTertas de cravos nalnraes eom laeo de fi-
ta bordada x vidro e bouqnets de flores artitteiaes
seodo de cera, de papel e de panno com lodo
gosto. flores para senhoras e para meninas,
capellas e enfeites para cabeca, flores para igre-
jas, sendo fesides, palmas roxas, arcos, capellas
e palmas para imagens, capellas para pastaras,
com todo gosto, todo por barato preco, bouquets
para pastoras e coras, iq-lo cora gosto.________
Ketrato* em grupos
Tiram-se grupos de 5 a 100 pessoa, a prerps
mu reduzidos e fornece-se o numero de exempia-
res qne se pedir; na raa do Cabag n. 18, Photogra-
phia Imperial. No mesmo estabelecimento se en-
contram especimens de grnpos de 5 a 140 pessoas.
Os tr 3b: Ibes desta photographia sao bem conheci-
dos e apreciados do publico desta cidade.
Sociedade Emanci-
padora
De ord- ra da administrado da Sociedade Eraan
cipadora convido todos os socios para reuniao fe
ral, que ter Inpar no dia 25 do corrente as 11
oras no Club Pernambucano, na qual ter lu-
gar a leilura do relatorio, e eleiqao da nova ad-
ministracao, pelo que instamos e rogamos a todos
os socios se dignem comparecer. *
Re:ife, 16 de novembro de 1871.
Ferreira Jocobina,
Io secretario.
Contrata-se um bom amassador qoe saiba cor-
lar bolachas, pura uma padana em Natal, capi-
tal do Rio-Grande do Norte : na ra do Mrquez
de Olinda n. 40, i' andar. ____________
Precisa-se de urna ama para ca-
sa de pouca familia : na ra Di-
reita n. 68, l* andar. ,_______ ____
.t!H
Casa para- alu^a-*.
O segando andar da ra da Cadeia n. 4.
Aluga-se a casa terrea n. 6 travessa do
F al cao : trata-se na roa dos Pescadores n. 17
Para passar-se a festa e tomar hanhos- sal'
gdo, aloga-se uma casa cora cororaodus para
familia, Ilha do Retiro, e a margem do rio Ca-
pibaribe : a iratar n> Io andar do sobrad., o. 17,
ra estreita do Rosario, das 10 as 2 horas da
tarde.
i'
OITerece-se nm caixeiro com pratica de padaria
tanto para cidade como para lo-a ddlla, e que d
conhecimeato a sua condn-u: quem di seu-
presumoj precisar dirija-se a e.*u typographia que
se dir quem .
Precisa-xa oo urna ama
para eozinhar : na ra da
Imperatriz n. 7, leja de fa-
%%%
zendas.
Da
PROGRAMMA
na
festa de Nossa Senhora do Rosario
matriz do Corpo Sinto.
As 11 horas da manhaa de domingo de 26 do
corrente, entrar a festa, sendo o celebrante o
Rvra. vigario Antonio Manoel de Aseumpco, e
orador o Rvra. padre Manoel Moreira da Gama, a
missa ser a grande orchestra executado pe.o
maestro Colas Filbo, sendo os priocipaes solos e
com cenantes exhibidos por seohoras e alguns ca-
valheiros que de bom grado dignaram pear-se.
As 4 horas da tarde sabfr em procisso, a ima-
Peruambuc) Street Railway
CompaDy,
A linba de Afogados abre-se boje ao
publico.
Os carros sahem da estacao, ra do Bru.
Desde as 5 at as 7 horas da manhaa, de meia
em meia hora.
a< 7 al as 9, Je 15 em 15 minutos.
a as 9 at as 3 hora da laHe, de meia em
meia hora,
i as 3 al as 6 horas, de 15 em 15 minutos.
as 6 at as 11-15 da noite, de meia em
meia hora.
Na volta, parte o primeiro carro a 5-24 horas
da manhaa, cootiouando como cima at as
12 horas da noite. ,
Os carros desta liaba levar3o as extremidades
o letreiroAfogadossobrefundoVERDEe de
noite terao luzes da mesma cor.
Recife 26 de novembro de 1871.
O gerente,
. Bernardo Whitmon.______
Ao publico
Jos Antonio da Conha. morador na villa do
Cabo vai a Europa a tralar de sna saude, e deixa
por seus procuradores Joaquina Antonio da Cunha
e Antonio Jos Martins Lima e desde j despede-
e cordealmcnte de lodos seas amigos.
Na Boule de 21 para Si do corrente mez, fur-
, taram do engenho Jaguaribe do termo* da Escads,
gem de Nosee Senhora do Rosario, percorrenao 3 javiMoSi perleneenie ao abaixo assignado, e cu-
elegantes ras, Commercio, largo do Arsenal oe jos sfgnaes s5o os segaintes : o 1. Mellado bran-
Arsenal
Mirinha, S. Jorge, Guararapes, Brum, Bou ^e'ul
da Cruz, Mrquez de Olluda, largo da Alfandega,
Madre de Deas, Amehm, vigario Tenorio e ao re-
tolher. Koza-se aos moradoress daquella mas o
fvor de limpar as testadas das suas portas. As
7 horas da tarde entrar o Te-Deum, occdpara a
tribona sagrada o Rvm. paire Jos Esteves Van-
na. Pede-*e aos nsssos irmios a edraparecerem
no consistorio da iroandade para as-r a todos
estes aelos.
Recife 94 de novembro de 1871.
O eierivao
Jos Fernandes da Silva Teixeira Mello.
Di-se 600*000 joros
p. 90.
pa raa de Korta*
co, castrado, tamaito regular, bem feito e gordo,
idade 7 annos, com a marca H K no quarto direi
(o, e o 2.* da mesma cor, inteiro, bastante gran-
de, nao est magro, idade 8 annos bem feilo, pes-
coco bastante gordo, tem alm de omroa ferros
um B no qaarto esquerdo e o beico braoeo, e o
3* rasso pombo, de tamanho regalar, bem feito,
inteiro, idade 8 annos, ferrado oo quarto e no
queixo : cojos cavallos sao de roda e estao fen-
. dos no pellos. Gratiflea-se oom a qaantia cima,
, a quem dilles der noticia certa, ou aprehende los:
iratar no Rseife com o Sr. Frartciteo Antonio
de BriO, ra do Cabug n. II, ou no ultimo en-
geob",
. Fabio Velloxo Freir.
AMA
Precisase de uma ama para casa de fa-
milia : na roa do Arago o. 10, fabn-
:a de charutos.__________________________
Grande hotel central.
Manoel Garrido seientifica a seus'amigos o bons
freguezes, qie tendo se asociado a seu irmio
Francisco, asnalmente em viagem para o Rio da
Praia, e seolo o uuico gerente do eslabelecimen
lo, he* ctTerecera eommoda hospedagem, boa
mesa, frescos banhos, e todo quanto ha de coo-
foriavel : na roa larga do Rosario os. 35 e 37,
d-ronte da oreja._____________-
AMA
u. 80, 1* andar.
Precisa se de uma ama para lavan
engommar : na roa Duuue do Caxias
Diuheiro a juros.
D-se a juros de 2 0|0 a nuaolia de ;;:0OOJO0O
sobre hypDiheca om predio de maior valor : quom
pretender dirija se a esla typographia qoe se dir
qnerp e.__________________,___________.
Precisa-se de uma ama
roa da Imperatriz n. 16, loja.
de leit": n tralar u
declarados sao rogad >s a
ao escriptorio desie Diario
Os Sr.-./ sbJixo
nacdaren\ou ''Irem
i Mfoei i
1 so Riboiro de Sonsa, (dono do col-
egio de Sao rq
FraOCisen Jos itatiello _______
Pira festa.
Aioga-s urcj fv.-ellente casa na Boa-viagem.
aoito fresca e ebni ..rnmodos para grande fami-
lia : tratar ra larga do Rosario n. 34 ____
Daas easas tarreas na Ladeira da Misericordia
a oa roa de MalhiaFerreira em Olinda, perto dos
banhos, 4 ;>rimeira com o quartos, 3 sallas, cos-
nba 'ora e bom quiotal, com terrado adianle e
air3z, muito fresca, e uma vista inteiramente agr-
davel tanto pela frente como pela parte de detraz,
e a segunda com duas 35las, 4 quartos, e quintal
cercado : iratar [na roa do Cabag n. 16, 2
andar.
ADVOGADO
DR. JOAQl'IM CORBA DE ARAUJO
67Ra do ImperadorC7
Protectora das familias.
Os seDhores contribuintes a essa associacio que
preferera mandar pagar suas animidades desia pro-
vincia, poderlo dirigir se ra do Livramento n.
19, Io andar, antes do dia 14 do prximo mez Je
dezembro, alim de que os fundos possim ebegar
na sede da assoeacao, no Rio de J*nero aoies do
seu vencimento 31 de dezembro de 1871.
Recife 20 de novembro de 1871.
Narciso Francisco de Vidal
Aluga-se
Em Beberibe uma grande casa cera excelentes
commodos para familia, e baobo no fundo do si-
tio, quem pretender dirija-se a ra de Pedro
Affongo n. 55, primeiro, andar, que acbar com
quem tratar, ou na do Mrquez de Caxias n. 56,
escriptorio dos Srs. Leal A Irmos.
Precisa-se
Comprar uma casinha pequea nos segaintes
bairros de S. Jos, Santo Antonio ou Bo?-vista :
tratar na travessa das Foros n 7
Ardas
Aloga-se, para passar a fesia, ou or anno,
uma cas, com sitio e fracteiras, coqueiros, jam-
beiros, etc. no lugar das Aris, fregaezla des Af-
fogados pintada e eaiad : tratar na raa dos
Quartes d. 16, 2 andar.___________________
Alfonso Jos de Oliveira mulou sua residen-
cia para a raa do Conde da Boa-vista, outr'ora
roa Formosa n. 23.___________________~
Arrenda-se ou aluga-se por festa, o sitio de
nominado Peixinho, qoe fi;i entre Olinla e Bebe-
ribe a margem do rio^com casa de miio e b.ns
comm ,d >s para grande famt ia, manos arvoredos
de (rucios, um grand; mangabeiral, baixa con ca
pim, terrerto para plaaac3es e etc., que f cora a
vista se poder avallar : a iraur no meirao a qaal-
quer hora do dia
Aluga sa u
carroceiro e feitor o>
imperador c. 41.
de meia idade, bom
trata-se na rna do
AU
RO
YVETOT

nica cara neste genero
HRna Estrella do Rosarioi4
Compra e vende roupa feita
nova e velha, objectos de
cosinha e de mesa, e
tudo que perten-
jo na^s da Europa
ASS1GNATRASPARA 1872.
PolilisaLitieraturaIllustrac,5e9
r*L Direilo-Religio-MedicinaPharmacia O*
S*' M das para 9enhcras, alfaiates cabel- ^S
rS, leiros.
W Catalogo
,>*\ e cond'cSes dts assignatu'as
\S LIVRARIA FRANCEZA.
Joaquim Jos Gonpal-
ves Beltro
Roa do Trapiche d, 5, i* andar.
Sacca por lodos os paquetes sobre o banco de
Hinho, em Braga, e sobre os seguintes lugares
Portugal :
Lisboa.
Porto.
Valeuca.
Guimares.
'Coimbra.
Chaves.
Viseo.
V'ilia io Conde.
Arcos de Val de Vei.
Vianna do Gaste lio.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famelicao.
Lamego.
Lanos.
Covilha.
Vascal (Valpasso). .
Mirandella.
Beja.
Barcelk.
Hospital Portuguez de Beneficen-
cia em Periianitaco.
De cooformidade com o que dispoe a primeira
parle do artigo 48 dos asstalos, sao convidados os
socios effectivos a reuairem-se em aisembla geral
no domingo 3 de dezembro prximo, ao meio da,
na secretaria desto hospital, eom o flm de ser
eleila a junta administrativa e a coramissao oe
conta* que tem de fonecionar no praxfmo anua oc
1872
Hospial Pdrtoguez de Beoeflcenola em Pemam-
buco 16 de novembro de 1871.
Loiz Duprit.
Secreurio.
AULA
Mara Candida Baodeira Ma(;alhaes, participa
aos pas de snas aloronas e aos ltefes de familia,
em geral, que traosferio sna residencia e sua aula
de iasiruccao primaria da roa ito Cabug para a
do Imperador n. 49, onde dispSt de tasua e hy-
giennicas accommodaQos para na grande nume-
ro de alamnas, como pode ser examinado e apre-
ciado pelos interessados, de qoem espera conti-
nuar a merecer maim conflaoca, de que sem-
pre tem gotado.
I
1


D ario de Pehiambuco Sbbado 25 Je Novcmbro de 1871.
*
|
) -
*
i
& *
** D. W. BOWMAN
Engenheiro com
FUNDIDO
59 RA DO Baln 69'
PASSARDO 0 CHAFARIZ
Pede aos senhores de engenho e outros agricaltores, e empregadores de ma-
rinismo o fj.vor de orna visita a sea estabelecimento, para verera o novo sortinienk
completo que ah tem ; pois sendo tado muito mais barato em preco do que jamis te*
ana vendido, est anda superior em qualidade e fortidSo ; o que com a inspecco pe-
toal pode se verificar.
PEDE ESPECIAL ATTENCO Ao NUMERO E LUGAR DE SUA FUNDICAO
Vftnnriac A rnrtia ri'atril a dos mais modernos systemas e em
VapurVB U rUUctS Utt^Ud tamanoos convenientes para as di-
versas circumstancias dos senhores proprietarios e para descarocar algodo.
Moendas de canna .2?os tamanhosas melbor v*^
KOdaS dentadas para animaes, agua e vapor.
Tazas de ferro fundido batido e de cobre.
Alambiques e fundos de alambiques.
Machinismos
UOmbaS de patente, garantidas.
1 OCIES aS maCIllUaS e peca8 rje que se costnma precisar.,
FaZ qUalquer COnCertO de machinsmo, a preco mui resumido.
Forma** i*Tfl ffirTO tem as raelhores e mais baratas existentes no mer-
T^TIPnTTI tTIPTllflQlncumt)e"se de manJar v'r qualquer machinismo i vonta
JZull/UUllIICllUaB e (jos clientes, lembrando-lbes a vanta-gem de fszerem
mas compras por intermedio de pessoa entendida, e que em qualquer necessidade pode
ibes preatar auxilio.
Arados americanos e instrumentos a***.
para mandioca e algodSo,
e para serrar madeira
Podendo todos
ser movidos a rao
por agua, vapor,
ou animaes.
GASA. DA FORTUNA
RA I DE MAIGO TIVORA DO
CRESPO N 93.
Aos ^20:000*000.
O abaixo as-gmdo tem senara exposto i ven-
ia os feliies bilhetaS do Rio Je Janeiro, pagando
oromptameote, como eostnma, qaalquer premio.
PRECOS.
loteiro ifOOG
Meio lz<009.
Qaarto 6*000..
noel Martina Piuia.
(S
\jf;

Hile. Marie Lavergne, modista em
caballos, recentemenle cbegada de Pa-
r.", tendo comprado ao Sr. Jlo Godo-
fredo Pinto, o sea estabeleciraeato de
cabellereiro a roa Primeiro de Marco
n. II ( seus servidos s Exmas. Sras. desta
bella cidade para os misterea de saa
arte ; o seo estabelecimento est prvi-
do de habis artistas para a boa exe-
cacao da qnalqner obra e cjrte de
caballos. Faz os ponteados em sea
estabelecimento por matada do preco
do qne est estipulado para quando
fcr chamada a residencia das Exmas.
seoboraa.
O respeitavel publico encontrar em
sea referido esubelecio ento am bello
soriimento de perfumaras fraoceus
e ingleas dos mais acreditados fabri-
cantes, assim como flores* articiaes,
objectos de pbaotasia, moda*, etc. etc.
e vtnde todo por precos commodos,
pois rectbe directamente da Europa.
O sea eslabeleeimento acha-se aberto
das 6 hora? da maohia as 9 da noute.
II
Va' a quem toca
Os proprietarios da eonfeitiria do Campos, tita
roa do Imperador n. 2i, tem a honra de levar
10 conhecimento d) respeitavel publico, que re-
ceberam directamente pelo oliimo vapor da Eu-
ropa uro variadissimo sortimento de MIMOS.
Por se tornar enfadonho o descrever a vaneda-
de e belleza dos objectos que recebemos, limita
mo-nos someote a pedir a atteneao das Exmas.
familias e dos mancebos do highlife ; por isso
qae s a pres nca dos entendedores poder bem
aquilatar do merecmento da nossa grande exposi-
cio de objectos proprios para os mimos de festas.
e para isso pedimos somente ama visita ao nosso
estabelecimento Da ra do Imperador n. 24
COEFEITARIA DO CAMPOS.
N. B. Para qae se torne bem distincta a nossa
casa, se conservar am lampelo aeeso a nolte.
4 Ruado A pollo4
Jlo do Reg Lima & Filho tem para vender, SO
0|0 meaos qae em ootra lualqoer parte, o se
gainte :
Lingnicas as libas em lats.
Alcatrao en barris.
Vinho do Porto flno em caixas.
Dito Bordeanx dito dito.
Relogios de pareae e cima de mesa.
4MA
Precisa-se de ama ama para casa
de poaca familia, sem filho : a tratar
na roa do Cabog n. 4. loja de onro.
O abaixo assignado declara pessoa que dea
um sof para concertar na ra das Cruzes d. 21
pelo preco de 204, se nao vier bascar no praso
de tres das ser vendido em leilo para pagamen-
u do dito concert, Ticando o dono sem dreito a
elle, e eu sem responsabilidade alguma. Recife
24 de noven bro de 1871.
Protestato Francisco da Rocha.
Irmandade dj Senhor Bom Jess dos Pas-
sos etecta na matriz do Corpo Santo.
A mesa regedora annuiodo ao honroso convite
que llie fz a irmandade de N. S. do Rosario, erec-
ta na mesrna matriz, convida aos seus irraos a
comparecerem em seu consistorio as 3 horas da
larde do da 26 do correte, a8m de encorporados
acompanharem a procisso da mesma Senhora.
Coi:istorio 23 de novembro de 1871.
O e;criva\
Thomaz Fernandes da Cunha.
Aloga se o 2 andar da roa d) Padre Fio-
ran? : a iratar com Maximino ih Suva Gusmo.
Precisa-se de urna ama para coziuhar para
duas pessoa* : na ra larga do Rosario n. 31.
Fdtor
Precsa-se de um feitor para trabalhar em plan-
ta de capim em um sitio era Beberibe : a tratar na
praca da Independencia os. li e t(L__________
Precisa-se de nin tornero : ni roa da Guia
numero 5.4.
Qaem precisar slugar urna esrava que sabe
bem engomraar e czinhar, dirja-se a ra Duque
do Caxias, outr'oro do Queimado, leja da Boa-Fa-
ma, onde encontrar .;om que.n tratar.'
.Na ra do Bara da Victoria, outr'ora ra
Nova n. 33, labrrea, fe dir qutn tn psra alu-
gar urna excellente ama escrava perita engomma-
eirae cuinheira.
ROUPA FEIT A
NA
Ra do Crespo n. 20.
Tendo resolvido nao continuar a ter grande deposito de roopa leita, ofierece ao
respeitavel pob;ico, e aos negociantes de fra, um grande soriimento, por preces bara-
l'tssimos para acabar.
Palitts sobrecasaiios de panno no de
ii a 30^000.
Ditos saceos e refranqueaos de casimira
de cor de 50500 a 96000.
Ditos, ditos e ditos de panno preto de 55>
a 120000.
Ditos, ditos e ditos de alpaca preta de
2*500 a 50000.
Ditos, ditos e dito? de alpaca branca e
de cor a 20500.
Ditos, d tos e ditos de bramante de lioho
a 20500.
Ditos, ditos e ditos de bramante pardo a
20500.
Calcas de casemira de cor de 50500 a 90.
Ditas d.tas prela.de BfOO a 00000.
Ditas de brim branco de linbo de 20000
a 40000.
Ditas de brim braceo de algodo a.....
\0200.
Ditas de brim de cor de 10600 a 30000.
Ditas de castor de-10000 a 20500.
Ditas de brim pardo de 10000 a 20500
Camisas de flanella, grandes a 3)000.
Ditas de algodo, muito boas a 20000.
D.tas de lioho muito boas a 30500.
Geroulas de bramante a 10600.
Cobertas de chita a 10500.
Lencos de linho abainhados aJ 40000.
Na travessa da roa
las Ciros n, l pri-
Bjeire andar,, da-se di-
ahelro sobre penhores
de ouro, praia e briihan-
tes, seja pal for a qnan-
tia. Na mesma casa com-
pram-se os mesraos me-
taes e pedras.
. E outros rauitos arligos por prefos baratissimo para acabar, na loja de Guilberme
Carneiro da Oonha.
m
UQUIDACAO .
* DE
MMDAS B4R4TAS
Liadas bareges lisas, de quadrinhos e de listas para vestido* a 360
rs. o covado.
Superiores alpacas de cores, de flores e de listras a 500 ris o co-
vado. t *
Poil de cbevre com lindas cores e de superiores qoalidades a 640
ris o covado.
i loja das collomnas, de Antonio Correia de Vasco ncellos, roa Pn- ,
do Cresoo n.M3, ___
\m
PHARMAaA
Especial homcopathlca
DA
VIUVA DO DR.
Sabino 0. L. Pinho.
43Ra d i Bario da Victoria43
al Para e>te litigo *-slabflecimcnto acaba
[K de rhegar n) u'irao paquete, da casa de
3S James Epps 4 C, de Londre-, um excel-
I lente soriipneoto de carteiras e caixa* de
I todos o tamanho?, i|uer pafa glbulos, I
K^ aur pra tintura-; assim como medica- *
menloa em triturao e em tintura, globu- 90
3H los, ele.; o que todo se vender por pre- |
2S eos :- ui razoaveK
Thesouro h imeopathico do Dr. Sabino 9|
M 0. L. Pinho.
3- edicao.
8 Muito melhoradae augrnenlaoa com um 1
appendice.
Acba-se venda na pbarmacia horneo- |
paihica da aoliga raa Nova n. 43.
As prepar coes desta pbarmacia conti- SI
nnam a ser feilas sob as vistas immedia-
las do medico do consultorio, o Sr. Dr. M
I l'iataa A. do Santos Mello.
m mm m Na rna Direita n. 38, 1* andar,
Jm.^mJM. precisa-se de umt araa para casa
de poaca (arxilia.
Machinas de coatura.
Cbegaram ao Bazar Universal da ra
Nova n. 2i, um sortimento del machinas
pira costura, das melbores quaLdades que
existe na america, das quaes maltas j sao
bem conhecid?s pelos seus autores, jcomo
sejam : Weller & Wllson, Grover & Boka",
Silenciosas, Weed e Impenaes e outras
muitas que cem a vista devero agradar aos
compradores.
Estas machinas tem a vantagem de fazer
o trabalho que triota costoreiras podem
fazer diariamente e cozem com tanta per-
frico como as mais pereitas coitoreiras.
Garante-se a sua boa qualidade e ensina-se
a trabalhar com perfeicao em menos de urna
hora, e es presos s: devem agradar aos pretendentes,
CEMENTO
0 verdadeiro Portland : s se vende na
rna da Madre Dos n. 22, armazem de Joo
Martins de Barros.
A 16#0(J0 cada um
Boroous para senhora, os mais modernos que
em vindn a eata praca, alm de outras fatendas
proprias para a festa, como sejam as seguimos :
Madapolo francez tino, cambraias Victoria e com
barra, percales, cretones, chitas Dnas, Bareges,
las, fustoes, casemiras, brins brancos e de cores
de linho e de algodo, e ontras muitas fazendas
qae se ven le barato, s com a vista : na raa Di-
reito n. 5o.
Folha de Flandres,
chambo e estanto
^uvadas d
A rna da Cadeia, armszem de Silva Barroca. '
Kreven#io necessa ia
Qaando mnitas lojas procurara adquirir grandes
lucros nao compadecendo-se das bolgas alhcias,
a Nova Esperanza busca consegai-los sem que de
forma alguma va enlesisa-las ; porque segu sem-
pre o sen.amiga e santo systema de vender bara-
to para tender muito e diegar assim ao fm dse-
la do.
A Nova Esperanca nao almeja gmente o lucro
pecuniario, suas aspirares sao mais benvolas,
em quanto ao ioteresse material, contenta-se com
a mediocredade, em quanto porra ao moral, ou
ento ao (ssencial que ellajulga nomeadasen-
te urna vasta ambicio, qae detesta e faz toda a
guerra ao costume macarrnico da caresta.
A sua prevencao necessaria, consiste em avisar
> respeilvel publico e especialmente ao bello
io, que ella esi sempre provida do que ha de
elh-r e mais elegante no mundo das modas, e
entao necessario no deixarem a Nova Espe-
ranga pira prefenrern oatro qualquer estabeleci-
merr>->, perqu aqu, o typo da caresta", e all,
(na Nova Esperaogij o epylogo de tudo qaanto
bom e barato. ,
Cunha [ralea & G. era seu armazem na roa
da Madre de Den* n. 31, teem para, vender de
mareas accrediadas e por presos commodos :
Vinho do Porto de Pasio en barris de quinto
e decimos.
Dito do dito Sao em barris de dito^dito. .
Dito do dito lino em ancorelas encapadas.
Di:o do dito de todas as qualidades em caixas
de duzias.
Vende-se o verdadeiro alcatrao da Suecia pro-
prio para encerados : no armazem bolla amarella
no itao da secretaria da polica.
Para baptisados.
No Bazar Victoria a ra do Barao da Victoria
n. 2, anga ra Nova, vende se ricos vestuarios
completos de cambraia infestada para baptisado,
ditos de fasto e de alpaca guarnecido de seda
para meninos ie 2 a 6 annos, e vestidinhos de
fusto enfei'.adcs para meninas, chapeos de seda
e de outras qoalidades para o menor.
No Bazar Victuria ra do Baro da Victoria
o. 2, antiga ra Nova, vende-se camisas e cerou-
Ia3 de llinella proprias para, banhos.
Pedras para vender
63. Marinares de diferentes dimenedes.
Sendo :
Cora pi i memo do.mainr 11 palmo?.
Dito menor 16 pollegadas.
f Altura do mais grosso, 2 palmas e 1|4.
Dita do mais delgado, 9 pollegadas.
Superfkie de mais largo, 4 l|2 palmos.
Dita do menos largo, 12 pollegadas.
A-' tratar com Domingos Henrique de Oliveira
ra do Crespo n. 13.
PAR4 N6IVAD0S.
Bonitos ports bu juets.
Lindissimos leques de madreperola moldes in-
feirament novos.
Cortinados bardados.
Camisas bordadas para bomem,
Finas meias de seda para senhora,.
A Nova Esperanca auem tem I I I
DESAPPAREC.VM AS SARDAS
A Nova Esperanca a ra do Duque de Caxias
n. 63, acaba de reeeber o bem conhecido leite
de rosa branca, e tambem'leite virginal, os qaaes
fazfem desapparecer as -ardas ou pannos-
ATTENC4
Vndese em Oiinda a taberna da Esperanca n,
li, no Varadouro, boa para principiar ; tambem
se vende a reflaaco cora todos os ufeneilios per-
tencents mesma : a tratar na mesma._______
Botica
Vende-se a botica da ra de S. Beato, na cida-
de de Onda : tratar na mesma. _____-
A ra do tomraer ;io escripto-
rio de Jos Joaquim da Costa Maia, en- j
conlra-se para vender pur commodos I
precos :
Azulejos bespanbes.
Folbas de ferro galvanizado para telha- I
do de diversos tamanhos.
Ditas de-dno diio lizas.
Bieas de ferro galvanizado.
Curaieiras dito.
Portadas completas para cantara.
Ladrilhos.
RM DO MRQUEZ DE OLINDAN49
E. A. De'oache acaba de reeeber um
grande soriimento de oco!o3 e ptncenez de
todas as qualidades, e vidros de todas as
numerarles.
Na mesma casa tem grande sortimento
de relogios de todas as qoalidades que ven
dem-se muito baratos.
Soares Primos
no seu escriptoro i ra do Vigarin n. 17, vende
se o seguinte por preco commodo :
Chapeos de velludo para senhora.
Ditos de massa para horneen.
Ditos amazonas para senhora.
Camas (rancezas de amarello.
Cadeira pequeas para menino.
Galdes e obras de palheta. ,
Linba de Roriz em macos.
Uetroz preto e de cores.
Urna mobiia de Mogno.
Vinho flno do Porto em ancoretas.
Dito dito era caixas_______________________
AOS PADRES
A Nova Esperance, ra Duque de Caxias n.
63, quem veo le as melhores meias de i-.ia : a
quantidade peqoena, por tanto a ellas antei que
se asabem.
Com o publico em geral.
Objectos para luto I t
Brincos, pulceira?, broches, raeics aderemos,
ernzes, cassoletas e moldes inleiramente nevos,
acaba de reeeber Nova Esperanza ra Daque
de Caxias n. 63... a ellas----
E' sempre assim
A Nova Esperanza... jamis acaba de reeeber
novidades I agora rnesmo. recebe tantas que nao
sabe dellas qual annuncie porra sempre deca
ra as seguintes para sciencia de alguen?.
Medalboes de madreperola para v-.Ii.is, cruzes
pira o mesmo fim, bonitas caixiLhas vazias de
papelo, modernos adre:;os de madrepero'a, de-
licadas correntes de plaqu, liodos enchovaes para
baptisados e cbapeusinoos para o mesmo lim, bem
como desle ultimo artigo recaben coasa muito es-
pecial de seda copa alia, uu velludo para sc-nboras,
lescrever mais mas-ante___
bazar mm\
N. 2 Ra do Biro da Victoria N. i
Antiga ra ISova
Amaral Na buco & C. convidara a seus amigo*
e freguezes para virem ver um completo sorlimen
o qne acabam de reeeber :
Vestido de blonda com veo e grinalda para
no i vas.
Dos de fil da seda borlado d* cure.
Ditos de cht;\ de casia e Je gangTr, eom I I i
os enfeites neces-ar .
Ditos de 15a citn listras de seda.
Meias linas de algodo, abarlas pira senbras.
Sahidas de bailes e bournonx do casemira.
Basquina de seda preta.
Cclxas de seda,. Je la e seda e de fastio para
cama.
Fronhas de labyrintbo e bordada.?.
Lavas de peika, brancas, pretas e de crer,
para homem e seobora.
Leques de madreperola, au;}.p, sndalo, osso.
e madeira, os maw modernos'que se pede desejar,
lbum de madreperola, marfil e chagrim para
retratos.
Stereoscopos com vistas de paageo, etc,
E um completo sortimen:o de sarteiras e Isto*
de lembianc de marGm, madreperola o tartaruga,
e outros muitos cbjeclos de gosto, proprios para
presentes, que se vende por preco eamtnodo ues-
te estabelecimento.
A revalesciere duBarry de
Lomlres
Toda a doenga cede a Revalpseiere da Barry,
que d sade, energa, appetite, digestao e Jes
canso. Ella cura a* dispepsias, gastrites, humo-
res, acidi pituita, flato, enjps, vomilo depoi
da comida e gravidez... ?.?t!ima,
affeccSes nulmonacee, bexiga, fija' .arebro e
sangue ; 60,000 curas, iocluiado munas deilas no
Brasil.
- A revalesciere obocolatada do Barry
em p.
Delicioso alimento para almogo e ceia, muile
nutritivo, fortiflcaEdo os nerros do estomago seu
causar o mcuor peso cem.dr de cabeca, nem ir-
ritaco.
Uaico deposito pari o Brasil em Peroambuc
na pharraacia americana de Ferreira M.ia &
ra do Duque de Caxias r. S7. (Todo cuidadi
eom as falsincacSes.) __________________
Formas para plins e c m-
gica.
A loja de Ioucj da ra Primeiro de Mar$o. n.
16, de Bernardino aarte'Campos & C, cbega-
ram as muito desejadas firmas de lou?i para po-
dios e cangica, as qaaes se vendan por mdico
preci.
VENDAS.
Sabia da m ta.
Vnde- se um rouito boa: na ru* Direita n. !,
t* andar.
Vende se a meaco oV no Morado (oo todo)
de doos andaTes, com qaarema' e untos palmo*
de frecte, na roa d-i CmpinhiA Pfrnstnhieana n.
ita-se na ra Nova o. 35.
VNDESE
arreios para carros guarnecHos de metal do prin-
cipe eom retranca pata dous cavaUo* : no arma-
zem da travessa do Corpo Saalo n. lo. ___
Vende se um elegante, leve e novo carro de
qoatro roas, arreriran^ : a tratar &a rn do I n-
perador^. %).
FOLHIINHAS
OMODE1872
As reslividles io indicaas para o bispado de
Pero .buco. As h, ras las nm*, o naseer do
sol eclipce?, etc. (60 pag.). >o nanamente cal-
cnladas para Pernambuco : lodicitoes estas, que
nao se encontram ns foltinliai imp-etsas no Rio
de laneiro.
O PRECO E' DE 400 RS. CADv UA.
ConUam das seguintes variedades :
ANEDOTiCA
Consta de cincoenia anecdous inditas, Ilustra-
das cem numerosas estampas
GOMMERCiAL
GUERRA FRANCO FRUSSIANA
GUERRA DO FARAGUAV
RELIGIOSA
FOLHIRHA DE PORTA
Rs. eo
Urna folha corando a folhinha e o kalendario.
Ou memento diario para 1872.
Um bonito volnme encadernado peU mdico
preco de
Rs. 2S00
C*ns meia folha em branco pira cada da do
anno. ,
______Llrrarla francea
Libra^ sterlinas
Vende Joaquim l.'i Rimos ra do Bom Jtsus
n. P, 1* andar.
AlWETEM
em caixas de urna
!0-
Azeite doce f.ancez
duzia.
Vinbo Bordeaux-S. Julienmoito
perior.
Cb petla superior, ira caixas de 80
libras.
Brins e b uxes da Hussia.
AlgodSo mgiez iiroprio para saceos.
Garra'ors cm .upetior sjj.y
Caix s cotn t-bo do l'.,ru. ''
Enn l'jr moito bom, cu caixas.
Colla supeiior da Bhi.
Fapel decoras rni (rd-j '* 10 resmas.
Copiadores de cartas, grandes.
Caixas de couserv s em meios frascos.
Boc'as de pi.ho proprias para doces,
completo sortimento.
Chapeos do Chile.
Ditos de Manilha.
Fio de **H superior.
Para ultimar facturas, Jos Mar'a Pai-
ra'ira, no largo do Corpo-Santo n. 4, ,iaor
dar, lem resolvido vender com coosideravel
abatimento as mercad o i i.: s cima descrip-
las. Se queretn pechinchar aproveitem.
Vende-se
lili!
Calcado barato
Botinas de cores pare senhora a E.
' Dias de d.tas para rr.eooa a ".
Ditas pretas para senhora a .
Ditas_para meDina a 3.
Ditas para hornera a "l.
Ditas' para dito a 10.
Calpado barato
Borieguios de beierro [ara boraexi 6* e "uoO
Ditos de phantasia para Senhora a *O00 e 3000
Ditos de dita para raenina?a 2*000
Vende se na praca da -Independencia n. J9, loja
de Peno & Bastos.
No Forte do Matos, s-
cr.ptorio por cima do trapiche
Dantas, ha pira vender carvo
das qualidades seguinte:
SUPERIOR .NEVVE\nsTTE,
COK.
, FERRE1R0
Vende-se em porcao e a retaiho ptf pre-
go mnito commodo._______________
OBuar Vict-ria roa do baro da 'dciora
n. 9, antiga rui Nova recelwu cruxifh tt rna:-
tim proprios para oratofi
capa de madreperola.
urna casa de tiipa era per Mo estado com om
sitio couteodo 200 palmo" de frente e l<00 de fun-
do, om arvoredos de Inicio, na antiga estrada de
Agua-Fra, i'r.suJo pe lo da esU(io do mesmo
nome : a tratar na ra largt do Rosario n. (i,
fabrica de cigarros.
Especilidt'
Chegou tuna pequcua ri.rr.--:rH lia vlnlio d->'
Porto era caixas de dna uf(tiij para meni-
nas ou pessoas doeoles.
Pelo (justo para li-
quidar
Vndese peto cus-, para IV r contar, papel
pintados donradocom :: i i dse bes de
ditferentes qaa'id I e ( si i h i.c- pina for-
rar salas, gatmeiea i l\|-,i i i'te. Agor.1
ijualquer pessoa orn.ir a- puiede* Be at casa.
certos de que a Importte i pender ser igual
a qne se gastarte mandando- .iar:_
na travessa da Madre ''e Bo? u iir armaum flj
Candido Alberto Sor.t d.i M ::; A C
Vende-se urna casan o i boa so i w lis, 5
qoartoa, copiar, eoilnha'fira, rae'irb 'le bea
agua, grande quintal Un em chana pto-
orios, ua Caponga-nova, roa las Cre^ulart, o,m
pomo aolsdo; um teueno una poquena
casa dentro, ento terreno tem (O palm is t fipn'.s
e 300 e t.ntus de fundo, assim como o terreno
lem j aiieerces feilos ua frn ora tres casas t
un oito, na roa das Prnambauuas jonti a
sata da senda ; e-ieteni. c t>i#fj i ira:
na ra Ko*a n. ->j.
Bazar Universal
RA DO B\i!AO DA VICTORIA
(Onir'ora N.v,, d. 91
Acaba de ser despachada fiara o es.iibci'
ment um gran le e variad i s iriimento da brin-
quedos para erianca dni qnae.i anda
nao vistos nesia cidade, e ricoiumendaveis por
suas elegancias c uqnif'itfMS :
Bnm eonJO eoconlra-si- no iresmo est.baleci-
raento um completo sorii/tento oe ruachinas pira
costura, de ledos os autores conhecido?. e por
mdicos pncof. Cadeiras de viri)e para homan-,
senhoras e menims : E-leiras para forrar salas,
sendo brancas e encarnadas, camas de ferro da
todas as qualidades e prego. Caderas america-
nas para repouso, espelhos de todos os tamanhos
para-ornatos de sala? ; o muttos outros aru'os.
;hitas "
A 240. 260 e 280
Chitas claras e escuras a 40, 260 a 280 o co-
vado, cambraias de eflrea a 240 o covado : na
hila de Gnilhtrroe Carneiro da Cnnf. ra lo
Crespo n. 91___________________________
Aos senhores funilelros
Vende-se era porc.o e a retalho caixas de folha
de Flanlres e estanlio, lulo de muilo bna qualida-
de e a preco '.-orntorilo -. na ra Marcilio Das n.
.11, antiga ra Direita, armatem.
Flor do Fumo
Acaba de chegr nova rerneisa de fu-
mo picado para ci6a.'r.,s e eaitnbo e ci-
garros uspec ais ao Para, f.ibreado por
J,.- Jaio Sarnpaio Pire, o melhor pou-
vel : nico deposito mi Peraanbucj,
Praca da Independencia n. 39, loja (le
calcado.
!
CAMBRAIA
A 3.000 rs, ap(tf.
Camuraia tr-n-parente com 10 jardas a J000
a peca, pechincba : n.i ra do Crespo n. JO, loja
d? Guilherme Carneiro da Cuota.
Fiiuha de miho.
Vende-se farinha de railho moida a vapor, dia-
riamente, ptos projos seguintes : grossa para
mogunz a 9C/s., dita pira aogii, pintos e pssa-
rinhos a 100 rs., para sangra e pi de Proronca
a 150 rs., e para cust a 110 r.J., em arroto? e,
mais barato : ua ru do C nvelton^98 __
fabriolet
V.nle se um excellente. cabrolel de qualro ro-
das >or pr. Florentina n.
i V,,casa do Gu'.'.vj.
"t^



*
I
Oiaiio de Feroampuo Sabbado 25. de Novembr-o le 1871.


A' AGUIA BRANCA
RA DUQUE DE CAXIAS N. 52
(Uutr'ora Quemado n. 8.)
A Aguia Branca teodo j receido parte de mas FLORES E PREPAROS PARA ELLAS
f fTmend>,!V T seuinen, Sab a- A Aguia Branca receben lindas ramo de florar
ra mesmo de recebe* outras, algomas das quaes fioa3 tanl0 para c b chaceas
se toroavam esencialmente precias?, e outras seUem?,sj,n caapeos,
.tf,r*ciilla pof seai g03W* e aaLd!de8> P^erverde Ufe e com lisUs para fblfaat.
u>ao sejara Dl0 de cr63 pa fl
Me.as de flo descoca, aberlas para senhoras Flnas do div qom;ies pm Tog
e meninas.
Dius ido eom listas tarabem para horas
menina-.
Ditas dem mnito b mitas ao Rosto escoce::.
Ditas dem dem brancas e com listas para me
Binas.
Ditas dem idem para haptisados.
Ditas de algodo compridas e com lisuras para
sainas.
Lufas pretas de seda, para seuhora.
Ditas de torga! e do seda para meninas.
Bonitas camisinhas bordadas para senhoras.
Fil de seda, branco e preto com flores miadas.
Dito de algodn, li.*o e com flores.
Touquiahas bordadas para criancas.
Lindos e moderaos cbaposiobws de fusto oara
itis.
Pentes de tartaruga para desembarazar on pen-
ear.
Ditos de dita traveseos para meninas.
Ditos da borracha para ditas.
Ditos de tartaruga,- pequeos, para segurar o
amarradiliio aos cabellos de senhoras.
Grande sortimento de eofeites de seda oara ves-
tido*.
Fivellas de madreperola e de tartaruga para
pulceira e lago para o cabello.
Bonita* ,b Icinhas para menina?.
NOVO SOKTIMK.NTl) Dl EKCHOVAES PARA
DAPTISADOS
A aguia branca acaba de receber novo sorti-
meuto de linios e completos enchovaes para, bap-
Meados, e bem fttsim separadamente camisinhas
para dito;, lindos cbapeosinhos de seiim tranco
bordados, ootros ditos com fundo de velludo, obra
de mnito go*to, e que servera tambem para pas-
seio, sapatinho? de seim para o mesmo fim.
MOUEKXOS E.XFEITES DE FLOHES,
ornados com bicos de seda, fitas de selimie Qvella
de madreperola ao ultimo goslo, e proprios para
bailes, casamentos, etc., etc.
# ----_-.-__ ^HH..WHWW panas
Ditas verdes e lustrosas, obra eeva e peta pri
meira vez viudas como amostra.
Franja? pretas e de diversas largaras para ec
eitar vestidos,
COQUES DE TRANCAS E DE OUTROS
MOLDES.
A Aguia Branca acaba de receber urna peque-
a porgao dos Jwaitos e. moderaos coques gran-
des de tranca e outros moldes.
Y&o ka mal* eattelloa forneos.
Tintura japonesa.
S e nica approvada pelas as academias di
tem ap-
roa da
--------------todas as bo-
1 rasib casa de eaMlRtreiro
DK
"BOLECAS
A aguia branca, a ra do Duque de Caxias n.
52, outr'ora do Queimado o. 8, acaba d receber
um novo e bello sortimento de bonecas de diver-
sas qualidades e tamanhos, sendo :
Gano rosto de seda, das que choram, e ontras
que fallam.
Com rosto, mos, e pos. de porcelana, e pro-
prias para vesti r-se.
Obras de porcelana
A aguia branca tem outro sortimento de diver-
sas obras de porcelana, sendo :
Bonitos e ricos vasos para pos de arroz.
Outros para joias.
Ou'ros para iabonet.es.
Outros para enfeites de mesa.
Pequeas e bonitas pias para agua benta.
Pequeos jarros para santuarios.
Outros maiores para mosas.
Bonitos port relogios.
Liadas ce-tiuhas urobem de porcellana.
Escriyanias de dita. "
E minios ontros objectos para enfeites de mes.
S LEOE
RUA DUQUE DE CAXIAS N. 29
Os propietarios deste; grande e bem moulnio estabelecimento scientificam ao
respeitavel publico tala provincia, que se acham c>m um variado e completo sortimentr
de moveia, tanto uacionaes como etraDgeiros, se:,do estes escolhidos capricho por
um doa socios aua e ba actualmente aa Europa, e por issj os podem vender maif
b;ritos 20% meaos de que emostra qualquer p^rte. O mesmo tem contratado com
os molhores fabricantes daquelle-coriiinente as rmessas das mais ricas mobilias feitas
alli. Na oflkina teo os mais habis artistas deste gaera, e por isso aptos a fornecerem
mobilias as maw aperfeicoadas para as casas da provincia consideradas de prkneira
.ordem. Pedera,portwlo, quo \enbam visitar dito estabelecimento, onde encontrarse
a realicUde do que acaban* d&expr, passandoa esamioarem : ricas e completas mobilias
de Jacaranda, mogno, faia, cartalhp, amarello, etc. etc., ricas e elegantes camas de
Jacaranda, po-etim, amarello, etc. etc., guarda-vestidos de amarello, guarda louca de.
noguein, amarello, com lampo Je pedra, aparadores de dita, dito, com dita, petitf
toilettes, especialmente para lazar barba, toilettes e Jacaranda e amarello, com pedra.
e mnilos outros a:;igos de gosto, que para se nno tornar enfadonho prescindimos de
azer tticnc.lo i '.,,.. o queso com a vista podero apreciar.
^RFQQI 11711
A laja dos Arcos de Alvaro Augusto p'Almeida 4 C. ra do Crespo n. 20 A acabs
"-.a recebar pelo ultimo vapor francs Amazonas, aiguns>artigo3 proprios para t-nxovaes
Je Doivas, e deitolas para giande toietie como sejam :
Riquissimo cortes de vestidos do bionde para casamento.
EWoa de tarlatana bardados seda para casamentos.
Cotes de seda de bonitos gostos e superior qaalidade.
Coisas de seda, 13a, e laa e se.da.
Capillas com mantis de blondo para ncivas.
* Camisas de esgoiio bordadas para noivas.
Fronhas do esguiio bordadas.
Lencos de cambraia de linbo e labyrintho.
Siipnriores Itques de madreperola.
Cortinados brdalos de diferentes pregos e qualidades.
Sedas de cores de bonitos padi5es.
Ditas escocezas para vestidos, ronpas de menino, enfeites, etc. "
Bisquioas de gorgur", superior qualidade.
liorns de 15a e seda para senhora. .
Mantibas lir.isiltira de Ql de bda bordado.
Cli cbeuez iU laa o seda.
Ovipenas de's la branca, e de crpe preto para loto.
enditados para senboias e meninas modelo inteiramente^novo.
Cor sd- cambraia de cor, e brancos bordados.
L ti I s coi t>i3 (le bSpUste Frou-Frou.
Toil !) v.yage fazenda de'gost.) para vestidos.
arffgoe que se v.ndem por pregos razoaveis tem ootros que sao pe-
chinLa3 extrpo.iii \.rias, como sejam :
Daataco de laa com. 9 pilmos de largura a I 5500 o covado.
Cortas do !a Victoria com 20 covados por 10(5(000. '
LSas cjiii listraa de seda a 40j rs. o covado.
Unas meo adas muto boa qaada-ie a 30 rs. o covado.
Cas^a3-de cor a 240 e 280 rs. o covado.
Alpacas largas bonitos padr5es a 500 rs. o covado.
Lencos de esguiao muito finos a 3$ e 4)J0OO a duzia.
Esleir da India, mullas para viagem, transparentes, ele, etc,
Supriores cigarr-s do Rio
de J neiro.
Domingos Al- bus, nni;o agente aesta
provincia i imperial ue cigarros de S
JoSo de Nitherohy, et inelscida no Rio de Janeiro.,
tem serapre om completo sortimento de todos ot
cigarro?, fumo picado e en latas. Tem igualraentt
os afamadas cigarros Conde d'Eu, fetos com mag
niQeo papel de patha de milbo e fumo superior
Para governo de ceui fregaexes, c,ne tem estabele-
cido depsitos (lilaos, as casas jos Srs. Tnoma:
Francisco de Salles R isa e Manoot de Sooza Cor-
deiro inior, no balrro do Recife, e todc
3m entras casas com a firma
es & C. sao falsificados.
Tem i venda em seus armarens, lem de'ottros
irtifos de seu negocio regalar, os aOfiiates-, qae
reaaem por precos mais modicoB^oa fc ou-
ra qualquer parte :
PORTAS de pinho almofadadas.
PORW.TOAS de ferro pura cdfcas.
SALITRE Mies.
BSTEIRAS da-India para cama e forrar slaa.
CANOS de barro (ranees para eef oto.
SESSO superior em porcoes e a contento.
CEMENTO de todas as qualidades.
MACHINAS de descarogar algodo.
LONAS e briatdes da Russia.
OLEADOS americanos para forro de carros.
POGES americanos muito bons e economiMM
7INE0 de Bordeaux. ^'
COGNAC superior de Gautier Freres.
FARBLLO em saceos grandes a 30OC.
AGUA florida legitima. ^_ '
BALA.N'CAS dcima.
CADEIRAS americanas.
RHM da Jamaica. 1
AZULEJOS de Lisboa.
Contra a tosse~^
PASTUtAS VjfiiTORAES.
de
Qomma simples crystalisada.
Ditas de angico t
Naff d'Arabia.
Seve d pinbo martimo de Lagasse.
E outras mnitas que mnito se recomendam oe-
las^uas exceHentes qualidades.
Vende na
PHARMACIA E DROGAWA
DB
Bartholomeu & C
ai~RUA LARGA DO ROSARIA-3*
Xarope edativo
DE
Casca de laranjas amargas
COM
BROMURETO DE P07ASSIUM
DE
LAROZE
Este novo preparado aprovado pela academia
mperialde medicina, muito se recwnmenda pela
na aecao sedativa t colmanle, sobre o systema
aervoso, o bromnreto de pota'ssium, nao deixa de
Jar os mais eertos resultados as dlrersas affec-
<5es do organismo e principalmente ts molestia?
io coracao, das vias digestivas da respiragao, das
vas genito-urinarias, na epilepsia, as molestias
aervosas da prenbea, na insomnia das criancas
lurante o periodo da denticao etc. etc.
Vende-se na cbarmacia e droearia
. de -
Bartholomeu 4 C.
34RUA LAR.-A DOROSARIO-3
PARA NOIVAS
Lindas grinaldas com flores e boSes de
larangeiras enm vivos e sem elles, vendem-
se na Nova Esperanza roa Duque de Caxias
n. 63.
Oleo para machinas
Vende-se na Nova Esperanca ra Duque
de Casias n. 63.
Vio baver cooTol^ea.
As criancas que asarem dos collares ano-
dinos, que se vendem na Nova Esperanca,
est-ro isentos de convulsoes; pois sao os
verdadeiros recebldos dirt-ctameate.
RIVAL.SEM SEGUNDO
RUA DUQUE BE CAXIAS N, 91. i
Jo; bijodinho, com ioja de miutezas,
avisa a todos oa o seus fregQezes qno est
t-irrando todo pelo preco, a vista da fazen-
da, para todos admirar, a saber:
Tbesouras grandes e pequeas o
mais fino que lia a IfJOOe 1^500
Pecas de tranca da laa e algodo as
mais modernas a 160
Frascos com agua de colonia moita
fina a 400 e 500
Frascos com agua de colonia ver-
dadeira a 800 ra. e i #500
Chapeos brancos para baptisados o
melhor que ba a 3,51000 e 50000
Duzias de botoes cobertos de seda
para vestidos por todo o preea
para acabar.
Libra de areia preta a J60
Grosas de botoes de louca branca a 120
Caixas com iOO envelopes fazenda
fina a 500, 6C0 e 800
spelhos de moldura dourada a
800 e 1^000
Pentes prelos volteados para me-
ninas a 240
Tinteiros com tinta preta a 80 e 100
Pecas de fita elstica muito fina a 20C
Latas com superior banha 60,100 e 200
Latas grandes com superior banha I 320
Frascos com oleo de Pnilocome a
500 e 800
Frascos com macass' | Peruta a 240
Frascos eom agua de Colonia verda-
.deira a i,jooo
Ditos com oleo de ba)osa suderior a 320
Carritels de retroz preto com 2
oitavas a 600
Gaixas com agulbasfraDcezas a 160
160 240
Pecas de tiras bordadas a 500, 600
800 e
garrafas com a Terdadeirr agua
florida a
Cartilhas da D^utrina Cbristia as
mais modernas a
Cscovas muito finas para limpar os
denles a -
- DE
10Ra do Crespo10
Pecas de algodto com 20 Jardas a 44, 41500
54000.
Ditas de mSrtfcpolao a 44, 54, 5450, 64, e
.Ditas de dito infestado, francs superior a
WJWO.
^ J*>, 30D, 3i0 e 360 o cotado. '
Cambrabs'de cares a 540 e WO rs. covado.
' Dita- lisa de cer a 310 rs. o eovido.
Ditas pretas para luto a 6i0 rs. a vara.
Pecas de cambraia li:a transparente a 34,3430
e54000.
Dius de dita Upada Vietcria, a 44, 44500, 54
74.
Ditas de dita transparente, suissa mnito fina
com 17 varas, 144.
Ditas de dita bordada com 10 jardas a 74 e
j*500.
Organdy branco fino a 700 re. a vara.
finlhantina branca infestada a 440 e 500 rs. o
coaadii.
Bretacha de linbo eom 25 varas a 20OOO e
54000.
Diu de dito'infestada com 30 varas a 274.
Bramante de linbo com 10 palmos de largura a
2>500 a vara.
Dito de algodo a 14500 a vara.
> Atoalhado de dito e de Imito com 18 palmos de
Untura a 14500 e 34.
Tosibas alcochoadas para rosto a 74 a duzia.
Ditas de linbo do Porto felpadas a 104000 a
duzia.
\- Suardanapoe de linbo a 34 e 44 a duzia.
Cobertas de cbita a 24 e 24500.
Ditas de chita adamascada forradas, 44,445O0
64000.
Colchas de damasco de- cores a 44 64-
Ditas de fusto alcoehoadas a 5f.
Cobertas de la escuras a -2.
Djiisde algodo branca* a 1JI00.
. Colleirionos de linho a 500 rs.
Chales de merino hsos pretos e de cores 2*900
e 34000..
Ditos estampados de meia easemira a 24 e
24500.
Damascos de cores a 40 rs.
Lencos brancos de sama tinos, 24y 24500 e 34
a duzia.
Ditos ditos e de cor abainhado largo a 34 e
34*00 a duzia.
Dttoe ditos de cambra^ se Unbo fines a 64 a
duzia.
Ditos de esguiao de rmbt a M, 44590, 54 e 64
a duzia. .
Brim Angola a 840, 80 14000 o corado.
Brins de linho de cores a 30j rs. o rutado.
Cortes de frea ca-emira para cal a 14200 e
14400.
Ditos de casemirpara ca^a a 3i0i>r 44500
5458D.
Casemiras de cores- de duas largura?, 2^, 2450
e 341 o covado.
Ditas pretas; duas- larguras a 24500 o covado.
Pao Uno preto e azul a 2?, 2*500, 34000
3460O.
Dito dito muito fino superior a 54, 64> e 74
covado.
Lans e alpacas de cores para vestides-a 40O
500, W, 71)0, 800 e 14 o covado.
Toaiaas cora labyrintos para bandejas e psra
rosto a 84,104 e 154. ,
Camisas de flsnella branca^ e de cSres 25,
25ea> 35, 34500 e 4500.
Grosdnapoles preto e de ceres 24, 35 e 45 o
covado. '
D5o-se amostras cor penhor.
Vende-se tambem grande qoantidade de roupa
feita e por medida por precos mnito reduzidos.
Cura rpida e- radical dos
eallos
pela pomada Galopeau
Esea pomada qne lo bons resultados tem colhi-
du a pessoas que dalla tem feiio uso aoaba de
ebegar para o seu deposito especial..
. NA
Pharmcu e drogara
DE
Bartbolomen C. ra larga do Rosario nu-
mero 34-
1,0000
1)0300
400
240
OLEO PURO DS FIGADO DE BACALHAO
DA|
TERRA NOVA
H. LACOMHI5
Este oleo que to boa ceeitacao tem merecido
mu: < o mais purificado
que '. ainda pelo bom paladar,
p - awecial de Bartholomea & C.: ra Larga do Ro-
tara 34. or
Manteiga ini^leza.
>; 1 800 rs. a libra < 15760 o kilo : na
ra de P.dro AiLa-u n i, amiga roa da Praia.
Til lliil
E de tanta uliiidade
O alcatrao de verniz do gaz, serve para matar
formigas, rpplicado as madeiras pre-erva-as do
cupim, da aeco do lempo e 4* bumidade do cbo
e dnplica tambem a dnraco das mermas madei-
ras dentro d'agaa, e no ferro conserva-o annos
como novo,- vende-se a 700 rs. a caada, preco
justamente da fabri:a : no armazem da bolla ama-
relia, no oito da- secretaria de polica.
Cabellsireiro
Reeebeu um grande e variado sortimento de
coques de trancas e caebpaines que vende oslo
baratsimo preco de 205,'254, 304 e 354, chega-
dos polo ultimo vapor : Ha rna da imperatrlz nu-
mero 82.
pfitiin
A 31000
Paletott de alpacx lisa,
Est em liqnidaco urna pequea porcSo de pa-
lebits de alpaca de todas as cores e de diversos
feuios, e vende se a escolber a 34 cada um para
liquidar: na Ioja do Papagaio ra da Impera-
trz n. 40.
Cal de Lisboa
Cal nova chegada hoje pelo Laia I, vende Joa-
quito Rodrigues Tavares de Mello, praca do Cor-
po Santo n. 17, Ia andar.
J. 0. 0. Doyle tem em seu
armazem para veuder
O.SEGUrNTE :
COGNAK IIENNESS.
VIMIIO XEP.EZ.
DITO DE LISBOA,
FILTRADEIRAS.
BITTER
A* roa do Commercio n. 38.
-FABRICA *
i DE *
SCHAPEOSg
K DE
I Todas as qualidades ^g
8, Vi ra larga do Rosa- g
rio b. 24,1,0 andar
Se o desejo dos proprietarios desta fa-
brica fosse nicamente Iludir-a f pu-
blica, ha muito que feriara annunciado
M os seus productos, mas para corre-pon-
derem mais dignamente confiacca uel-
les depositada, esperaran) receber os
1 objectos e passoal,* que acabara da che-
2 garlbes.
Ri Hoje, pois, que a sua fabrica se acha
I montada com as mais aperfeicoadas ma-
K"" chinas, com os melhores petrechos e ser-
vida dos mais peritos offlciaes europeos,
j podem os seus numerosos freglwzes e
o pbUco em geral encontrar desde j.
Chapeos de seda da ultima moda, sen-
do.altse baix'js.
Ditos de <*a-ir de'todas as cores, em
formatos inglezes e amburguezes.
Ditos de feltro de todas as qualidades
e feitos, tanto para hpmem cumo para
crianzas.
Ditos de velludo para senbora.
Ditos para ecclesiasticos, redoudos, tri-
angulares e a romana.
Ditos-armados para militares.
Ditos de pasta.
Concerta-se toda a especio do chapeos
qoer de homem quer de. senhora, com a
maior pericia e mais barato que era qual-
quer outra parte, assim como se rece-
bem encommendas tanto para a provin-
cia como para fra. g
manan bmuh"
Aona Francisca da Fonceca Piraenta pre-
tende vender a olaria denominada Taqoarv, no
todo ou reulhaado o terreno ; assim pois q'uem
pretender dirija-se a annunciante na estrada no
va do CaxanR para contratar, aflm de que com
dados certoi possa cbler lieenca do juis de or-
pbos para dita venda, visto ter sua fiiha menor,
parte em dita olaria.
RUA DO DUQUE DE CAXIAS
(Outr'ora do Queimado)
Tendo-seresolvitio dVra avante venderse neste estabelecimento todas as fazen-
da existentes no raesmo. por precos que todos admirado, acho de mea dever partici-
pa-lo a todas as Exmas. familias em geral, aflm de virem visitar este estabelecimento
ou rasndarem boscar amostras, garantindo-se-lbes um bom sortimento de fazendas d
algodo, laa, Mnho, e seda, emfim urna iefinidade de artigos de mda maedando-se i
casas das Exroas, familias, por empregado da casa, toda e qualquer fazenda para ver
ou escolherem.
As pessoas qne vendem em menor escala podero bem sortirem-se oeste estabe-
lecimento qne vender pelos mesmos precos que em qualquer casa importadora, tend
a facirtdade de comprar qualquer por?3o.
O 65 tem um completo sortimento de roupas bem acabadas o que vende por
precos moiiisstmo commodos. mandando tarabem fazerpor medida toda e qualquer obr
que os concurrentes desejarem para o que tem om dos mais habilitadissimo mestr
alfaraie, cortando por um systema inteiramente novo.-
Os annuicios nesta praca esio e por efirto devem estar desacreditadissimos, poii
que ha casas que annunciam aepiillo que nao teem, o que q 65 garante nunca dar-se em
seo estabelecimento, pois que s deseja bem servir ao publico em geral, para ganbar
grande nomeada em todo o mundo.
O 65 acha desnecessario mencionar os precos de seas fazendas pois que isso tor-
naria-se demasiado macante para os leitores, por ter de ser demasiado extenso sea an-
nuncio, e mesmo para se tornar menos riespendioso, pois qus vendendo muito emuito
barato mister encurtr suas despezas. A sinreridade dos tratos do 65jolgo qne ji o
pobtco conhece demasiado, pois que sempre tem cumprido com aquillo qoe annuncia,
nao verdade ?
E' INTIL, NAO SE CANGEM, COM O 65 NINGUEMPODE COMPETIR
ROA DO DUQUE DE CAXIAS
(Outr'ora do Queimado)
m
I
56 ARa do Mrquez de Olinda56A
outr'ora ra da Cadeia.
LOJA DAS MACHINAS
Sendo este antigo estabelec.mento assaz conhecido como principal e recommea-
dado pelos grandes depsitos e bons sortimentos com qoe sempre prima em ter das
nielhoras, mais acreditadas e verdadeiras machinas americanas para alas-
laa, desde 40 60 erras, e havendo em todo os tamanhos diversidades de siste-
mas e melboramentos para perfeito e rpido descarecainento; tornara se dignas d
seren vistas e apreciadas pelos Srs. agricultores; os qnaes, alm disto, encontrarle
lambcm mais:
I
Vende-se um eavallo bo-tulador
fabrica de sabio em fura le Porta.
a tratar na
VEflDE-SE
iho, qualquer iit
.Onrro.
Vende-se nma bonita e bem construida victoria
com arreios de metal do principe: a ver na co-
cheira do Thomaz ra de Santo Amaro, e tra-
tar na ra do Imperador n. 83, f andar.
Chumbo de jounicj
com descont.
Cera em vellas, I460 por tora.
Linha de roriz retrer.
Na ra do Vigario n. 19.
A 71000 "
Chapeos do castor brancos a 7f, os qnaes sem-
pre se venderam a 144 : na rna do Baracoa Vic-
toria n. 44, em casa (le J, Christiani,
^CHAPES DO CHILE
Vende-se, pira acabar, por menos preco do
que em oatra qualquer parte-: ra do.Vibrio
n. ie, primeiro andar, sdriptorio de loaquim
fierardo de Bastos.
Apurados vapores l&omovbs, de forca
de 3 4 cavallos, e pertences.
Machinas para lavar roupa.
Arados americanos para varzea e la-
deira.
Carros 3e mo para atterros.
Tinas de madeira.
Baldes de dita.
Ditos de ferro estanhado.
Ditos com vlvula para lavatorios.
Ditos de madeira para compras.
Apparelhos para jardins.
Guardas-comidas.
lampas para cobrir pratos.
Tarrachas para fazer parafusos de ferro.
Ditas dita ditos de madeira.
Trens para cozinha.
Ternos de bandeijas finas.
Correntes para arrastar madeira.
Cylindros americanos para padariai.
Pertences avnlsos para machinas.
Salitre refinado.
Breo superior.
Moinhos de diversos fabricantes pir
milbo e caf.
Debulhadores para milbo.
Azeite de spermacete para machina.
Camas de ferro. .
Bombas de Japy.
Ditas americanas.
Cofres de ferro patente.
Canos de ferro esmaltados.
Ditos de dito estanhado.
Ditos Je chumbo.
Ditos de borracha.
Folies para ferreiros.
Emfim muitos ootros artigos, que s avista e oeste estabelecimento noderlo ser
examinados.
8"'
o mais novo que ha oeste -mofeado, era barricas
grandes de 12 arrotas, arqmadad de ferro e bem
acondicionadas : no trapiche Guerra no Recite. -
Libras stfcrliaas.
Vende-se no armaiem de fazendas de Augusto
P. da Oliveira A C. a rna lo Commercio n. 4*.
A 15500e21000
Chapeos de palha inglezes a U300 U: na
roa do Barao da Victoria n. 44, em casa de J.
ChriBtiaoi.
ERNESTO & LEOPMUM
N. 2 D Ra do Cabng /k. 2 D
Acha-se montado de forma tal este estabelecimento de joias qoe pode
vender aos seus numero.-os fregnezes em grosso e a relaluo epor precos
mui resumidos visto que recebe de conta propria. por todos os vapores de
Boropa, O gosto de desenho de suas joias o mais lindo do paiz das
modas, onro de lei, brilbantes' verdadeiros, esmeraldas, robras, perolas,
tarquezas saphiras, coral rosa etc. etc. Obras de prata do porto tanto
para igreja como para servico domestico. Convidamos asi!xmas. familias
a visitarem o dito estabelecimento todos os dias at 9 horas da noite.
Compra.se ooro, prata e pedras preciosas em obras velhas. -



v

Diaria d f*rnamimc Sabbado 25 d Noveuibro DO
DE
FIGUEIREDO ft LOPES.
64 RIIA DA HHftMUZ \ U
Os propridtario. deste importante e sympatbico estabelecimento de fazen'das finas,
em avisar ao respeitavel publico e particularmente a sua numerosa freguezia, que o
CYSNE acaba de sortir-se de tudo quanto ha de gosto e moderno em fazendas tanto
pin homeos como para senboras.
E* ocioso ci'ar que os propietarios da toja do CYSNE naturalmente providentes e
'nm espirito altamente conciliador dos interesses alheios com os seus, teern sempre
leguido o magnifico systcma de offerecer venda fazendas de todas as qnalidades e pre-
foa relativos de forma que fcilmente podem fornecer artigos de sua casa accommodados
a todas as fortunas e meios.
E sobre todas as conveniencias e meios preferivel comprar no CYSNE em con-
equencia da sincoridade e barataza cora que negociam rs seus proprieiarios.
No loivaval empealio de justcac a suas operaces convidan as Exmas. familias
i visitar a sympathica loja do CY$N chamando as attenc5es do publico em gerat para
u aegaintes especialidades e precos, -
PARA NOIVAS.
Vos.capellas, sedas e popelinas Drancas
de cores, g illas, pcnhos e camisas bor
dadas, tudo caprichosamente escoihido e
oara varios precos.
CRETONE BAPTISTE.
Fazenda lisa de urna s cor, de cores di-
versas, para vestidos e tarabem propria para
ombras.
CAMBRA1AS
Transparentes de 8 \i varas desde
SiJoOO at 85 a peca. Victorias multo finas
e 4 at 8000.
CORTES BORDADOS
Fazenda branca de delicado bordado
baixos precos acompanhada do competente
gurino.
LAS
Variadissimo e neo sortimeno desde a
lia lisa barata de 4 at a de listras de seda
mis cara que pelo preco que vendemos
por assim dizer de graca vista do gosto
qaalidade.
BAREJES
Lindos padr5es aos precos de 360 e...
400 rs. o covado.
SAIAS BORDADAS
As qne o CYSJs'E vende s5o bellas e su-
periores.
LUVAS
As meihores e mais procuradas lavas de
onvin, brancas e de cFes s3o as que o
CYSNE expe a venda.
BALOES
De cretonas com babado e bordado, di-
tos de arcos a I ,$500, pecbincha sem rival
ao genero.
CHITAS.
Completo e grande sortimento de todos
? precos de padroes modernos e cores fi-
tas.
GROSDENAPLES
Finos de todos os precos e largaras s
CYSNE pode vender barato-
FLANELLAS
De cores e brancas de 500 rs. at 1(5300
covado.
ALPVCAS
Lavradas de 500 rs. a I^IOCO o covado,
especialidade do CYSNE que nSo conta com-
petidor.
.MADVPOLOES
Franr.fz de 2i jardas de 8,5 at 10^000,
inglez de 5,J at 8)5000, e muito fino.
DAMASCO
Com 8 palmos de largura, dito estreito.
CORTINADOS
Para camas e janellas de todos os tama-
nhos, cambraia para o mesmo fim de 20
varas a 100 a peca.
ATOALHADO
Da linbo adamascado, dito de algodo
muito finos, bramante entrancado e liso, e
barato s o CYSNE vende.
GUARDANAPOS
Grandes e peqoenos>
- SETINS
Para todos os precos e diversos pa-
droes.
PARA NOIVAS
Camisas bordadas, peitos colarinbo e
panhos lisos.
PARA LUTO.
Merinos, princezas, alpacas, cantSo, bora-"
basinas, chitas, cambraias etc., etc., por
precos qne s o CYSNE vende.
PARA HOMENS E MEEINOS.
Brim pardo a 640, 840 rs., 10 6 10500
o metro, Rasgas de 400 e 440 rs. o cova-
do, e tambem temos o afamado brim de
angolla.
CHAPEOS DE SOL
Para bomens e senboras dos memores
fabricantes da Europa.
FILOS
De seda, ditos de linbo, pretos e brao-
cos e mais baratos que em ontras loja.
MEIAS *
Para todos os tamanhos e qualidades.
CHALES
De merino lisos e estampados, pretos com
franja de seda, ditos com franja de la es-
pecialidade do CYSNE.
H'T FALQQE
N'ESTA ANTI(?A E CREDITATA
FABRICA
>
"
IICHTli II CHII1ITIIIITI 111 C01PLIU OIIIIIITO fil
(HArss db aiii
Be todas as qualidades I
Be todos oe feitioa I
Be todas os precos!
RA DO CRESPO N* 4
De8culpem os nossos fregnezes termos siao um poaco extenso na narrado de al
cumas novidades pois com quanto seja nosso interesse tambem o dos nossos fregu
cea qne querem e gostam andar na moda.
Ra 'Ja Imperatriz n. 64.
FfEIREDO & LOPES.
JOAQUIM
LOPES
MACHADO a C.
Travessa do Carpo-Santo n. 25
ARTIGOS AMERICANOS
Cylindros para padaria.
Carros de ma"o para conduzir fazendas.
Machinas para descarriar algodo.
Polias de diversos tamanhos.
Canos de ferro galvanisados para enca-
aamento d'agna.
OBJECTOS PARA CARRO
Oleado preto para guarda-chuva de carro.
Dito de cores para forro de dito.
Chicotes para dito.
Pontas de lanca.
Gales de seda para o forro de dito, es-
treitos e largos.
Pregos e cabeca de marfim.
Escovas para dar graxa.
mmmgmm&
i
a
MIS 41
19 Ra Primeiro de Marco 19
Tendo renovado completamente a loja do predio, em que. teem o sen es-
tabelecimento,
19=-A ra Primeiro de 'ar<;o19 -
com aquello asseio e elegancia desejavef?, acham-se agora prvidos do mais
esplendido sortimento de fazendas finas e moderna; de
SEDA, LA, LINHO E ALGODO
todas do ultimo gosto, e continnam a ter como sempre, diversos
ARTIGOS ESPECULES DE SUAgCASA
Garantem, com toda
a sin -.eridade, vender
por menos qne qual-
quer ootro, porque
recebem em direitura
a maior parte de saas
fazendas.
19 RA I.' DE MARCO 19
(Antiga na do Crespo).
Jos de Sooza Stares A C, vendam em sen Ba-
lar roa do Bario 4i Victoria n. SO, am especial
sortinxnto de jciat oHro por jesumido' precos.
Recomuiendmo-las ao bello seiOvpernambucano.
T.!-------rr-.-------rr-----------'------....p, .--------------
Capsulas raqaim
PAs capsulas do r?i|iiim toroam se cora a maior
facilidad, *Boans;wi menor (Ddwposieio do
estomago, E'o mdr.a*Nito do mais sarn-tar ti-
teo as goao/rhea caronicaj ou recent.
Ph le Ferreira A C,
SUC DE J. A. PINTO
iO-l >0 ROSARIO -10
(Jauto ao qcartel de polica.)
AVARIA1I0.
Chitas finas escoras com toque de avaria a 6*
e 11 rs. a peca ou iOO rs. o covado : na ra i*
de Marco n. 20, Ibja de Gotlberme Carneiro da
Ctmta.
LIQUIDACAO
Ga econmico para os can-
cheros de porcelana.
Acaba de chegar este j bm conhecido coro-
justivel, eomo o mais barato, prompto e asselado
de todos at koje eoabtcidos, e se encentra ven-
da no nnico deposito, a ra larga do Rosario nu
mpro 34.
Tarop peitoral de Jam
Unk deposito-na ptnrmaH* americana de Per-
jeira Mala A G., 57 roa do Doqne de Calfts an-
moro 7.
DO PAPAGAIO
Ba da Imperatriz n. 40
Os propietarios da loja do Papagaio fazem sciente ao respeitavel publico, e espe
cialmenle s Exmas. familias, (amigas da economa domestica) que al ao fim do anno
ratam de liquidar pelo maior preco qne derem as fazendas seguintes:
Um grande deposito de roupas feilas de todas as qualidades e tamanhos, tanto pera
meninos como para hmens.
Urna grande pbrcSo de laazinhas, bareges-, alpacas lisas e lavrada3 de todas as
cores, e vendem-se muito baratas para acabar.
Urna grande porco de cassas de cores, e organdys, tanlo miadinbas como gra-
das, moito fizas em cores e muito finas, e vendem-se por preco barato para acabar.
Bonito sortimento de sedinbas lavradas de cores, e poupelinas, selim branco, pon
elina branca lavrada, gorgorSo de seda de cor para vestidos, azul claro e cor de
nza.
Urna grande quanlidade de lencos de esguiio j abainhados, maiores e pequeos.
pelo mesmo prco dos de algodo.
Urna porco de costumes para meninos de 4, 5 e 6 annos, de alpaca muito fina,
todos forrados, e delicadamente enfeitados por preco muito barato.
Grosdenaples preto em quanlidade de 13000 para cima.
Urna grande quantidade de camisas de linho para bomens e para meninos, tanto in-
glezas como francezas, com collarioho e sem elle, aberturas bordadas, collarinbos. p-
naos, e urna grande porco de grvalas e mantas de todo* os precos, collarinbos de pa-
el para meninos e bomens, tudo por preco baralisaitno.
Pedemos asseverar que temos um completo sortimento detodas as qualidades de
fazendas, e n3o especificamos todas, para nSo tornar o anuncio enfadonho.
VISTA
Ra da
Imperan
DE i
AZ FE
S
n, 40.
HIENDES & GARVALHO
i
Cofres de ferro d6 Miloers e omrM
* rciiyoS para copar cariaSi
Balanzas de pesar, Decimei RomanS) elc
Tachas de ferro, islannad.
Arados Americanos
lJrad.eS, para agricultura.
Carrinhos demao.
Machinas a Vapor
JILaCuinaS |e descarogar algodo, de 10 al 40 serrar
UnapaS te lerrO galvanisadas para cobrir casas etc.,
Este artigos vendem-se em
casa dos importadores.
Shaw, Hawkes A C.,
H. 4 BOA DO BOM JKSU8.
(outr'ora ra da Cncz)


*
IliClllNAS !)E COSTU
DE
Singer Xanufacluring C.
90*000
IO000
90*000
90*000
II .clima*
Machina?
Mae trinas
M M'llill -
Para
Para
Para
Par
familias
Familias
Familias
Kainili i00*OfO
too*ooo
100*000
100*000
Uilas
Dita*
Ditas
Ditas
Com
Com
Com
Com
Tampa
T^mpa
Tampa
Tnica
105*000 I1..I.-I.. iras
103*000 Itrasiluras
100*000 0 a i', las
103*000 - lir.'.-i'.-ir/i-
IOtt*tK)0 i .: limas
|(Ki*iHO Machina
', 00*000 - Machinas
100*000 Machinas
ll:i*IMM) MaclliJS
115*000 Macliinas
t15*000 Machina?
<15*000 Machina?. \
115*000 Machinas
115*000 Machinas
115*000 Machinas
115*000 Machinas
Tuda
Toda
Toda
Toda
Costura
Costura
Costura
Costara
do Manivena
de Manivella
de Manivella
de MantTelia
Para Alfaiates
Para Alfaiates
Para Alfaiates
Para AlfaiAtcj
Para
Para
Para
Para
Sapattiros
Sapa te i ros
Sapateirc9
S.:patfiros
1)5*000
145*000
145*000
145*000
Machinas
Machinas
Machinas
Machinas
rae?a de
mesa de
mesa de
mesa de
Rxtencau
Extendi
Extengao
Exleneao
130*000
130*000
130*000
130*000
Macoinas
Machinas
Mechinas
Machina*
Para
Para
Para
Para
Chapelleiros
Chapelleiros
Chapelleiros
Chaiiclleiros
(Note se bem\
ao numero /
nico e gente
W, H. Chapman.
(
Note se bem
ao numero
)
29 RA DO IMPERADOR 29
flanea se vio om proeessojmais perfelto e qne at-
;a da tal forma a sasfazer as exigencias mais
ivarai da escriptnracSo.
A soa cor lindissitna e Dio precisa de cuida-
o aljnm para se conservar no tiateiro sempre
ota a mesma c&r, sem borra, ersta, bolOr ou sem
odas astas mazellas inherentes todas as tintas
t agora couocidas, anda mesmo dos melhores
ttores estrangeiros.
contrario,' a penna
que, sendo inters
anas de ac, antes pelo
dqure um esmalta duurado
tala, asss provaitoso.
Sita tinta, nao sendo especialmente para copiar
constado daas, tres, oa mais copias um x^e
poia de escripia ; preciso, porr, deixar-IUa
tpapel bem moihado sem o enxuear com o mata-'
jrrao, porque nao ha o risco de barrar. Para se
irar mais de urna copia, nao se augtomeram tan-
aijothaa qamtas copias sequera, ttrax,-va*
ae-se com o original tirar urna tanus qaantas
ledesejam, t n que o original flqtw preiadica*)
iiu extracof*.
cripta sotTre o choque de cidos fortissimosL sem
te decompor; ora, se os cidos nao tem accao so.
bre ella, milito menos a aeco do tompo a pode
destrnir; isto plausivel.
Nao s ao commercio qne este mea producto
veio ser ntil; os professores dos collegios, investi-
gando todos os meios para o adiantamento dos
seos discpulos, tem approveitade eeta tinta, qne
com razio a acbaram apta para desenvolver o
Sobretndo, este estimavel producto nao ataca as- 8^ nos e()ncandos, em conseqnencia da beleza
Occorre aqu dizer qne, para copiar tapoft*
uta nteiligencja e habilidade,'gem e qne a mo-
ler tlnu oio satisfai, eo deleito'recae sempre
rrrt a tinta, qne omitas veres qnem meeos
itpa ten.
A doitlaqualldaia des.ta tima extremamente
prasiavel. pois qne evita que em qoaiqur
nptorio naja mais do qne urna tinta para os
rKnHterw.
. iMooanto i ana durabilidsde, Dio ka aoppr
UMNWvMa pou da ter e facilidade de correr na peqnena pela sna
liquidaz. Ha templos de cr.^ncas qne havia
muito tempo tinham orna repugnancia extrema
para a escripta, logo qoe oi admittida esta tinta
no coliegio, apoderou-ee deltas a enriosidade e o
gesto, e poneo tempo depois osea adiantamento
ra manitesto.
Esta ti*a, par de tanta* vsnMgam, tem nm
poico iconvemenle, deteriorare ao comaeto de
orjtcf i qnatqaer; coovaa pe te-k em Uetwr*
isenlos do menor vistambre de oatra tinta, evi-
tar escrerer com a penna saja de urna ppeparacao
diflereote e incompativel j verificando jato, nao ha
iPjra^jiMr dejinta^ que^ao seja a VIO-
A DE MU
Observado,
Diversas falsiflcacSes e semelhancas tm app*-
Jo. caja dnrabilidade dovMosa. Os Srs.
compradores podem evitar o engao dirigra4o-se
casae eircamspectaa,^ padjaalo a tima ana en
WNti
1. C. Uonteiro.
Ra Duque deCaxiasn. 82
(ANTIGA DO QUEIMADO)
Faria & Gomes, stabelecidos ra Duque de Caxias n.
82, pretendendo realisar a mudanqa de seu estabelecimento
para a ra do Livramento n. 20, at 31 de dezembrodo correu-
te anno, resohem fazer urna liquidaqao geral das fizendas exis-
tentes em seu citado estabelecimento, expondo-as desde hoje a
concorrencia publica, mediante preqos os mais resumidos pos-
siveis.
Fazer a descrip todas i| fazendas que existem no estabelecimento, sobre ser fas-
tidioso seria enfadonho, por isso,pedemosannunciantesatodos
quantos estiverem na carencia de fazendas boas, bonitas e ba-
ratas, o favor de apparecerem em sua loja ra Duque de Ca-
las n. 82, na intenqo de comprarem quaJquer fazenda por
metade de seus primitivos valorea, e na religiosa certeza de qpe
serao bem servidos, apezai de naoserem aqu annuciadas m
esty'o seductor e faceto es vantagens que desta liquidaqao deverfio
resultar, no interesse de todos quantos quraerem comprar, por
pouco dluheiro, boas e excellentes fazendas.
RA DUQUE DE CAXIAS N. 82


Diario da Pernambuoo Sabbado 25 de Novembro de 1871

LITTEMTURA.
vuidrile* do scrt.lo.
Oh f meo Daos, qoanta tristeza,
Quanta di. qn-nia saudade,
Quanto amor, qoaat? amisado
Rene meu concito !...
S trago no peiti>~as sombras
Das minlns perdidas flores...
Saudades dos nieus amores,
Recordacfies do serto !
Oh lindos campo?, de ontr'ora
Sardios de minha existencia
' Onde a minha ad li's'cencia
Passe em das risoohos I...
Vmde tilde visitar-me !
Minb'alma por vos suspira,
Geme por vos minha lyra,
Clamam por vos os raeus sonhos
01)! quantas rosas dispers.s
Na fralda d>s iossos moutes I
Qnantos suspiros uas fonles,
Qjanius perfumes na trra!
A rola inierneca o bosque,
O vento Ti tumba mata,
O touro abala a cascata
A onca estremece a serra I
Qaem me i'ra em vosso' seio ,.
(Jomo outr'ora inda creanga,
Cbeio de wda e e^peraoga
Inebriar-me de odores !
Baloog do pela brisa
Go.-ar de vosss delicias,
* Betendo vossas caricias
No calix das vossas flores f
Quera me dra se pu podesse
Ver vossas serras formosas,
Altanaira1, perfumosas,
Paraizo de verdores
A' bordi das cachoeiras >
Das aves oodr o canto,
Sorber p*ra scropre meu prano.
Tornar a >r meus amores !
iovir o uno da tigre,
E do touro ;iesgrimir,
^j-^Oi varea o d ce mugir,
Do hezjmnho o berrar
Da temp-staie o rugido,
Do jumento o feio ornjo
E o grito do seitanjo
No* campo* i vaquejar !
'Ver gritar ?.s snenlas
Nis catingos a correr,
E i'iivir a rd'a gemer
Dos bosques na solidSo
A' mirgem daquelles rios,
A' sombra dos arvoredos
.Ir revelar os segredos
Que guardo no cor.ic.io !
E aquellas grandes lagas
Pela la prateadas,
Ferventes pelas rajadas
Das estarces invernosas;
E ver aquelles roebdos,
Sobrapceiros, escarpados,
Sublimes acantilados
A par dis matas frondosas!
E aquelles, alvos rebaobos
Da.cordeirinbos ramosos,
Pelas varzeas incoidosos
A' remorem deitados; .
ver tarde as seis horas
Polas campias herrando
Bandos de bodes saltando
Pelos serrotes trepados!
E tambera qoando gemendo
Volia o norilho aoafado.
Das vaccas acompanhado
.l regressando do val
Faz mdo mesrao encarado,
Sanhudo, voraz, urrando,
Qual monstro lonco cavando
as porteiras do carral!
E quando em noites trevosas
De chuva e trovss medonhos,
Ouvem-se os berros tnstonbos
Dos bezerrinhos, tra .cados
Como penoso escutar-se
Das vaccas os mormorinbos,
Gom saudade dos lbinhos
Que dormem enchijueirados I
E quando succede as vezes
At no proprio chi jueiro,
Qoando j dorme o vaqueiro
Entrar oncas esfaimadas.
Sdenlas de carne e sangue
FOLHETIH
4ILH1 DO FOGO
ROSIAK
POR'
iLERWRE DHMAS
(Continuaco do n.-268)
XXVIII
O rapto.
O alarma produzido pelo incendio nlo
dutou mnito tempo.
O ogo ficou suffocado e Maes veio ter
ontra vez com a Sr. Van-den-Beck, para
Ibe dizer qoe tudo acabra felizmente.
O pobre tab'elli5o leva va a cara e todo o
falo cbeio e otao e de lodo. Conhecia-se
que tinha tomado urna parte activa na sal-
varlo do palacio e estiva to suffocado, que
se deixou cabir a'una poltrona.
Ester, desejosa de saber quaes erara os
negocios qoe o tabellio Ibe tinba annuncia-
do, fez-loe algumas perguntas.
Perdo. tainha senhora, responden o
tabelliJo ; deixe;me tomar algam descanco
e permita me que me desembarace d'estas
malditas armas, que me suffocam. Palavra
de honra, desejava que todos os indgenas
ossem para o diabo. <
E Mw-atirdo ao ch3o as pistolas. Es-
ter recnoa, mas o tabelUSo tranquillisou-a
dizendo-lhe :
N3o tenha medo, minha senhora, es-
to descarregadas; isto s3o objectos de
!uzo e nada mais. Mas enlSo que quer ?
Esses demonios encarnados obrigam nos a
estar de seniioella toda a santa noote por
cansa das anas tontati idaa de patriotismo
e independencia, q tundo podamos vi ver
na melhor harmona. En pela minha parte
nunca neguei estes o sos a nenhom d'esses
O- bezerros devoran Jo
O' como'fj triste borrando
Versa s vacc|s assombradas.l
Enl3o o pastor disperta,
Afila os c3es, e gritando
L corre afilxto e chorando
A pr do fro animal,
Ma* j o monMro n3o acha,
S encr-nira estrangul.", dos
Osmembros despedrados
Dos bezerros no carral f
Porm na noite segoin'o
El'e jurando vingar-se.
Por aili vein ocultarse
Para poder espreita-la v
E quando menos se espera
No mesmo lugar do sangoe
Contempla-se a onca exange
Traspassada pela bala i
E' e>ta a vida obscura
Dos camponeos criadores,
Dos povoa trabalbadore3
L polos aitos sertftes!
Assioi passam os seus das
Sempre alegres e risonfios
Frumdo os mais bellos sonbos
Que alimnta aos coracoas !
Alm dssas aceas lindas
Que na vida dos pasares,
Se aistam ebeias de fl res
De perfumes e belleza
II i as bellas vaquericias
Ou assemblas do- gados,
Onde os vaqueiros ousados
Mostram a sua destreza!
Como bello o sertanjo
Correndo pelas dllinas
Airaz das vaccas turinas
No seo corsl furioso 1
Parece rubro coriseo -
Das ventanas as azas,
Do cbSo arrancando b:asas
N) seu correr assombroso !
E quando em selvas medonhas
Se embreaba o boro bravio,
Saltando as margeos do rio
Em basca do bo ueirao
Como sublimo a vicior a.
Das serras no despenbado
Vr-se o vaqueiro arranhado
Rojar o tooro no chao ? !...
E qoando do pateo inmenso
Da casa dos fazendeiros,
Vao-se avistando os vaqueiros
Da volla dos maligaea
Inda bello cooteropla-los
As vezes cegos. feri los,
C'os gities todos r. mpidos
Guiando o gado aos curraos!
Ah quem me dora assistir
Essas bellas vaqaejndas.
No tempo das invernadas
L nesses serloes queridos
E tambera dar meas passeios
Naquelles campes viiinhos
Visitando aos passorinhos -
Naquelles prados floridos!
Eol3o eu ouvira alegre
Ao som dos ventos sanhudos
Os gritos trdos, agudos,
Dos gavias pelas malas,
Trepados naquelles cedro;
D'on Je as araras velozes
Escutam tristes as tnias
Djs medonhas cataratas!
Ainda urna vez risonho
Do alto das penedias
Contemplara as harmonas
De 13o bellos borisontes;
Ouvindo casar-se o canto
Das araquas maviosas
As qneixas meloliosas
Das zabolz pelos montes f
Qoanta inooceocia, meu Deus,
A vida do campo encera I
Allnao fulmina a guerra,
Nao re.na a vil trac3o l
As fras s3o menos bravas,
Nos homeos ha mais pureza,
Ni vida mais singelleza,
Miis vigor na creacao !
AllS mais fresca a Ierra,
E' mais lindo o firmamento,
E' ma3 livre o pensameoto,
As crencas tm mais fervor;
Os proprios astros r.nis luzes,
Os ares mais birmonias,
=
-A

03 canlos mais melodas.
Os corajes mais amor I
Ha mais aronus nos prados
as montanhas mais. frese
Nos bosques ma s formosi
as campiws mais ver
Ha mais rnaigui e nos v
lia mais ternura as fonles
Ha mais belleza nos monte!
Ha mais enrfntos no amor!
Quem me dra^se eu po/dosse^
Vr-m > par desjes e;icantos ..
Ouvindo or^onceftos sanios,
Daqnellas ricas deidades ..
Vor quem eu morro s viv\
Por quam eu padeco dores, j ^ -<|
A qutyg ippellid') amores
De quem e tenbo saudades !
Mas,' dessas scenas risoobas,
Desses meus lempos queridos
O que m resu ? gemidos,
Saudades, t'isteza, e ddr !
Teoho saudades dos prados
Das anas aves miosas,
Que l trinavam saodosas,
Mil cant lems de amor I...
Tenho saudades dos valles,
Daqielhs lindas colimas,
Di alfombra das crrnpinaj,
Di brise-das soledades-^
Do rnurmuij das gratas,
Do ar, do co, e das flores,
Das varzeas, dos seiu verdores,
De ludo tenho saulides I ..
Do canto das arapongas,
, Das malh3das, dos currae?,
Djs ramas dos bamiurraes,
Do ronco das cachoeiras;
Das p es, d j p, dis sombras,
Das colm i11, dr>s espinhos.
Das folbas secvos, fvt ninlios,
Das pedras das ctrdilhiiris!...
Surto Deus! ah I quem Vne dra,
Iteviver lo hpdos sonbos...
.Pira miro, os miis risonioos
Di minha existeacia escura !
Ah entlo naquelles bosques
Tristonos do met scismar...
Ira alegre c Do meu peito a sepultura!...
Gyranasi Pernambucano, 22 da novem-
bro de 1871.
Pf.li.no Guedes.
variedde
A polica ene Londres.
de,
A scelo designada pelo nome de detec-
tive, e que tem o seu qaartel-generd em
Greal-Sctla/id-yard, data de 1842. EulSo
tinha somanto 2 iuspeciores"e 6 Sirgeiitos,
escolbidos pela sua persjiacia e aptido
especial para desc ibrir os criminosos. Aug-
mentas successivos tem elevado estapessoal,
em abril de 1869, a I superintendente, 3
inspectores em ebefe, 3 inspectores ordina-
rios, 6 sargentos de i. classe e 13 do,2.*
A affluencia de criminosos estrangeipsl
qoe, tetido acorrido as penas das Itistics
seos paizes vSo procrar refugio na Ingla-
terra, augmenta consideravelmenie o traba-
Ibo da polica detective. Maitos destes no-
ineis s3o altamente perigosos, e devem
ser coostaotamenie vigiados. Algu'is sao
devolvidos ao paiz donde fugiram, mas
como a Iaglaterra nao tem tratados da ex
tradieco sen3o ama Franca, Dinamirca e
Estados-Unidos, e is o para crim?s gravts
e especificados, moilos ratoneiros ficam ejn
liberdade, com grave prejuizo pjdJco.
Esla emigracao de criminosos es'.rangei
ros obriga a polica detective a ter agentes
que saibara as inguas estrangeiras, e al flotar
guns entre elles ha que sabem perfeitamen-
te o francez, o allemo, o rasso, o italiano
e o g.-ego. Dolados -do babilidada prodi-
giosa, secundados por grandes <*xpenenca,
estes horneas tem attribOtcSes esp?ciaes.
Os simples soldados do corpo da polica
exercem funecas mus humildes, mas nao
menos" importantes. Tem que vigiar meio
miiho de" cisas particulares, armazeos e
lojas, qoe ha na imniosa cid ida de Lon-
dres e visitar de dia edenoute, com mais
ou minos frequeacia, as mas, travessas,
pateos, toda a r.a, tinalmaote, dos saus
respectivos bairros.
Puado em linba, urnas aps outras. as
roas, avenid s, etc., que a polica visita re
guiarotAte, lorraariara ellas urna longilude
JW, milhas proxianmsntf, 10,800
tro', ou sej unad.stancii igual
epara em lian t recto a cidada de Lon-
dres da de S. Francisco atravs do atlan-
Esta distancia est dividida em 921 roo
rr | kajrtf'^ de dia e 3,126 roo4as aoctar-
[rra*r a longitud*) media das roodas da dia
| jgo dstricto metropolitano prximamente
de :et9 milhas e meia, e a das roaias no
turnas n|o ayaco^riMis qoe duas milhas,opois
o'luralnieola p espaco que ha a visitar
mus corlo, qd ato mais cjmpacia a po
pulC5o
As rondas eslo oasigoaJas a'um regis-
tre, que pie t'onsult ir-se a cada momento,
cam inlicigao das ruis, travessas, pracas,
8!c., qua depidem da cada ronda e o lam-
po eeeijiari para percor.!as na razio de
duas milhjs e mjia por bora (jaatro kil-
metro ). A' Irenlj de cada seceo ha um
sargen'.O, que Nspoasavel pelo proced
aieot'j dos seas hotoens, e pira os vjgi.r
xplbra ella proprio a seccSo cootiauamen
te ; aciaa daquelles horneas e do renlo
est o inspector enca regado dis visitis
diurnas e nocturnas na subi.viso.
O superiniendaote inspecciona a divislo
oteira Qi commissarios e superiuteoden-
es de dist'icio fazain oservicj pessoalmen
tepu por fuuccioaarios espociaes, que estio
enaarregados' de mspecgio das divisos reu-
nida?.
As patruibas da poc'a fazem-se especial-
mela da noite, porque a noile a hora do
perig), e portanto a di aecessidada da ve-
lar.
Ene fras exactas 03 dous tercos do pes-
soal fuaccionam de noile, e o outro trro
da da.
O i humaos subs ituem se successivamea-
W ; o sen ico da iHOttd e lis 10 s 6 horas
d.i iflaeha.
As patralbas sao tambero iojs numero-
sas em urnas qoe *s outras Huras, cu.no en-
tre as 7 e as 10 di noile, por ter a eapa-
rienci i mdstraJo que nesie iatervallo se com
meta o maior numero d; rouoos, e o nu-
mero de em riaga ios, causa da desordens,
emao maior pelas roas.
O ngis'.ro dos regulamenlos, instrtieces
e ordens gres explica minuciosamente os
deveres do constable, que esta deve ter da
memoria e executar continuamente, sendo
o primeiro tornar dilceis oscrimes no parte
da cid ida submetuda sua vigilancia.
Para maior facilidade na execucSo destes
reglamentos, os agentes lm ordeno de
pr-.-e ao ficto da topograpbia das seccoes
respectivas/ leo ,mmen la-se-lbe qoe dm
pari'c paces circumstauciadas dos habitan-
tes das casas para se poderem recoobecer
as pessoas, evitar os equvocos, e poJer
presta se-ihes auxilio em caso preciso. O
constable da polica deve cuidar em que se
fec .em as portas e janellas das casas do seu
trao-ito, e verificar se os postigos e adufas
das tasas b ixas est o de modo que offere-
cam toda a seguranca ao publico.
Djve observar todo o individua que ron-
da muilo urna casa e oecupar se lia todos
os que conduzem' objectos a horas impro-
prias e em circumstancias suspailas. Dsve
vigiar partLcalarmante as tabernas, mas
sera que entre aellas seao para o exercico
mmediato de suas foccoes Deve tomar
nota da tolos os depositis de immundicias
oas ras, travessas e en>uzilhaias, para
qua se removam. Dove tambem de noite e
dia vigiar coastaniameuie os vadlos e men-
digos, as ciixas do Correio e os la upees,
uotando se estao ou n3o acesos, impedir o
excesso do fumo as chamias, e o ru do
das ras, oppor-se s solictcoe3 das mu-
IhOfes de prucediinento davidoso, apanhar
os ce^ sem don >, guiar as crianzas perd
das, aj>rebender as estampas e livros obs-
demo
a sua
a si-
imbacis cor d- acafrao. Mas que
perdem elles ? Que que querem
Eslerjulgou prudente desafogar
colera, e p9rguatou-lha qual era
tuacao polilica di popolac3o.
Mais communiciitivo do que o goveroador
de Gavoet, disse-Iae Maes que haviaj al-
gum tempo que as autoridades tinham fon-
dadas su3psitas de prxima rebeilio, e que
a esse respailo baviam recebido as memo-
res aforra igo os.
Os principaros ebefes, accrescentou,
sao o malaio Naag.il, oradjah Tbsermai e o
chino Tikai, e o sed iotu;o o exterminio
das europeus.
M is ha provas cartas ?
Sobradas. s autoridades consegui-
rn! apoderar-se do cbioo, e este com a co-
Dardia de todoj os do sua raca, confessou
o crime, fazendo as revelac5as mais impor-
tantes. O malaio o o principa javaoez fo-
ram precavidos Um est no mar, e o ou-
tro na montanha, o emqaanto Ibe nao dai-
tarem mi de temer que continuem nos
seus projectos de iosurreico. ,
Por muito rateressanles que fossam se-
melbantes noticias, Ester oavio-as com
pronunciada indffrenca. Aflnal pergun-
tou:
E sabe alguma cousa acerca da meu
marido ?
O labellio odicou-lhe que flzesse retirar
as criadas, e quando estas sahiram escla-
mou :
Senhora, nyj.ito.me custa ultrajara
memoria de um bomem que me tem dado
ganhar muito dinhe.ro ; mas parmitta qoe
Ihe falle com Traaqoeza. O sea lio Bizilio
?ra um valente maroto.
Perdi, o que eu desejo sao noticia*
de Eozebio.
Poism, iiim; sea to era um ver-
dadeiro palife, n3o retiro a palavra.- Dai-
xoQ-Ibe os seus loens, para ih'os r tirando
depois.
Maes soalio-se a'gama cousa embaracado
quando chsgou a este ponto, mas aceres
centn:
Com ann palavra est sea marido
justificado, porque eu-mesmo nao ter pro-
cedido de outro modo.
Na verdade, senhor, n3o entendo o
que quer dizer.
Mo I replicou o labellio muito mais
confuso ainda. E* qoe receio... hesito...
Emm, precisa toda a delicadeza do mun-
do para tratar da certos particulares com
urna seohora. Ola*, hoja nao posso t v
amanh3a ao meu cartorio e-da certo'que a
presanca dios processbs e a grvala branca
me inspiraran.
' Mas senhor, por Deus exclamou a
joven ergnando as m3os : hi quiozo das
qua padeco ; ha quinz das qua esparo em
balda urna palavra de esparanga e n3o
creio que tambem o senhor me coademne a
um tormento interminavel.
O tabaliao tornou a senlar-se, tosso es-
trepitosamente, fachou 03 olhos, como se
nao qnizjssa ver o effeito que evia produ-
zir a sua revelacao, e disse com voz grave :
Tnta-sedo codiclo.
Do codicillo ?
Sim, minha senhora, do codicillo ;
repeli o labellio com vos lgubre A
primeira vez consent em ajudar beu marido
para que cedesse orna p irle da soa fortu-
oa ; mas boje, apezar de toda a minha aati
zade, -me impossivel. Tratase de outros
seiscentos mil florns _^_
-- Pois bam, sanhor, responJeu Ester,
cuja commocSo se lhe revelava na physio-
oomia. Sejam oa o3o seiscentos mil florins,
preciso pagar.
Pagar 1 exclamou d tabellio, dando
um polo na cadeira. Ah minha senhora f
Consulta que admire a soa indulgencia e
resignaejo. Prouvera a Deus que same-
Ihaote exemplo aproveitasse a Sra. de
Maes I Mas entendo qoe se precipita.
Qaando atreguei os seiscentos mil loiins
que me reclamaram, tinba aatorisac3o de
seu marido ; mas a estes horas nao se do
Sr. Van-dea Beck, e s vi certo marinhei-
ro, que mais parece capitSo de piratas, do
que outra cousa. Appareceu-me o tal ma-
rinheiro, aoounciando q&e se deu a segunda
eventualidade prevista no codicillo, e em
ceos.e prender os vendedores, conduzir ao
hospital s victimas de qualquer desastra,
as asas e construejoas qne offerecem
perig-, acudir aos incandio3 e providenciar
p3ra cjie se> apag.iem anles da ebegaia dos
bonbjeiros, tomar sob na protacco a mo-
bili|i e objectos trazidos para a ra, e dis-
persar os grapos. E sobro cada um desles
pontos a poli;ia tem iiistrucrfias diver-
sas. '
O commissario nao cessa de empregar
esforC'S para convencer os seus subordi-
nados di nacessidade do execuiar estas difS-
ceis missas a sangue-fio. Racommenda-
la3 que nao usem de pdavra alguma ofen-
siva, Lem ainda paraos proprios infractores
da le.
Nao devem iotervir sem necessidaie; licia entregou a seus donos o valor de s#
prova do seu le--temunho, me deu este annpl
de praia, que contem o noma de seu ma-
rido e o da senhora ; mis isto nao consti-
'tue-preva.
E o Sr. Maes aprasentou o anne! a
Ester.
Ella examiooo-o.
Era o auoel dje casameoto. modesta prea-
da que recordava joven hollndola a sua
pobreza e o seu amor.
Tinha na mo outro igual. Ester nao
pode conlar-se ; as lagrimas acodiram-lbe
aos olhos.
O labellio, apezar da soa digaidada de
hornera publico, enierneceu-se tambem.
Senhora, disse, com modos da mora-
lista convencido, voltando ao assompto de
que fallamos, entendo que nao deve julgar
pelas apparencias. SE' fcil que'tentem en-
gana-la, e qoe seu marido seja lao innocen-
te como quem Ibe falia.
E' preciso pagar, volveu Ester com
dolorosa resignado. Meoliria, se dissesse
jue nao ma aoalam profundamente as suas
revelacoes; mas pode acred tar-me, senhop:
a parda d'essa segunda parte da heranca
nao me causa pesar algum, e al me dara
prazer, se d'essa modo conseguisse qu
man marido recuperesse a sua felicidade e
rpouso. D poiessa quana a quem a
reclamar, mas deixe-me este annel.
Eu no sea lagar, minha senhora,
ao tomara naobuma resoluco sam fallar l
cora Euzebio.
Fallar lhe I E ser isso possivei ?
exclamou a joven, passando da ddr silen-
ciosa a urnaagttac3o extrema.. EnlSo vive ?
NSo me enganaram ?
Por vida miaba Cuida que os i-
ganos do mar tragam assiao sem mais nem
mais um bomem, que pode pagar resgale
coosideravel ? Acredite, minha seahora,
sea marido esta vivo.
Mas o resgale j estar flxado, e de-
viamos tratar de juntar urna quaniia pelo
meaos approximada.
Socegae. Esteja ou o3o fixado, n3o
T
mis sen lo preciso,! derem n'o fazer com
daciso e coragem. Qoanto mais respei-
tosos forem os agentes de polica, d z o
regalamcnto, mais respeitados e obedeci-
dos ser3o peo pub'icono cumprimeoto.dos
seas deveres.
Ainda que o objecto primitivo da poli-
ca metropolitana seja b estabelecimento de
um serv ,o eflicaz de patru'.has diversase
nocturnas, a o;ganis3Co deste corpo, mo-
delo de homens activos" eintelligentes, foi
apreciada de m ido que as autoridades o ten
eocarrcgid) snccessiwjieata de novas at-
trbuitas para augmento da traquliliiade
e seguranca dos habanles, misso que des
empenbam perfeitamente.
Eotra estas atiribuigos figura a da or
dein na cira!ac3o da capital. O augmento
do numero de coches, mnibus carros e
vehculos da todas as qualidades foi lio
gran Je duraotios ltimos anuos, que sem
as pracaacSas de ordim as mais minucio-
sas as ras priocipaes S9riim, durante a
maior parle do dia um ihejlro permanente
de desastres e de confusSo.
Gomo da suppr, o msior raoviraoii-
to naa ras que cinJuzem City e na
sua proximidada. Ellactivamente para essa
pa'ta de Londres vao diariamente, em ga-
ral para negocios, as tres qaartas partes
da populac3o. A maior a(H aeneia para o
centro, onda as raas sio naais eitreitas ;
por Maurion-House, ttw Iloully, Templo-
II ir, AUgate e espacialmanie na ponte de
Londres passam diariamente 6,000 tra-
seooles e 25,000 carros. O caminhoni
se toroa praticavel sea3o pelo cuidado dos
constables postados u'uma e n'outra exlra-
midaie da pmle para sepirar a circula-
(iO rpida da morosa em quairo correles
distinctas e em d >us sent los. Nio bas-
tam, todjvii, todas essas p:acauc5es para
evitar os encoatrus e obstruegoas frequan-
tes.
Os lugares mais frequentidos do West-
Erd (bairro do oiila) sao o HyJe-Park i-i
uianha, 3roud straet ao meia da. e noiti
o fundo do Paik-Jaaue o o Oirand. era qua
se cruzara as linhas das carruagens na di
rec^o de cem differeatcs iheatros, e sobre
ludo a desembicadura da pmle deWest-
rain ter para o palacio do parlamento As-
sim como a ponte de Loaores o sitio mai;
(requemado de leste, a ponte de Westmns
ter u principal poato de circolicSo no
oeste. Ferio da 4,500 caminhan'.es e.. .
13.0M) carruagens alravessam e-la ultima
poaie lid isos dias as pocas mais activas
do anuo, e mais de 1,000 carroigans cru
zam-se all das 10 horas ao maio.-dia^e da-
l s 4 da tarde".
Desda quasa supp:io a repartigo conhe
cida pelo nome de Registrar of Hac-Tney
carriages, a vigilancia dss carruagens pu
bliC'S da capital fo; igualmente confiada
ao chefa commissario da Scotiand-yard',
que tem s suas ordens seis inspectores
para este servico. Estes revistam todas as
carruagens,de alugocl, os mnibus e mais
vehculos que passam de 7,000 e verifican
se tm ou nao as condices precisas.
O commissario d as autorisscas necos-
sarias aos conductores e cocheiros, designa
o lugar para as estages, etc. Todos os
objectos e valores deixados aas carruanens
pub'icas devem ser levados immediatitiieo
ie pelos cocheiros e conductores repart
Cao das reclamages, situada em Scotlaad-
yard. Em 1868 houve 4,785 queixas e
4,160 condeanacoes de cocheiros.
E' tambem a:tribigo da polica, segan-
do o acto de 1851, a aspeceo das hospe-
daras, bem como velar pela conslrucjo e
limpeza das cbamins, afia de evitar os in-
conveoieBtes do fumo. Desde a promol-
gac3o destas leis (1853) instauraram-se-----
15,335 processos verbaes, providenciando
se em 11 ,'05 caso?, em que se ordenou aos
propietarios os convenientes trabalnos,
bavendo (,827 demandas.
A vigilancia sobre os c3es pertence tam-
bera polica; e, nos quinze mezas que
terminaram a 28 defevc.reir ultimo, a po
licia apprebenleu 20,871 destes animaes,
dos quaes foram mortos 15,257 ; 4,6i4res-
tituidos aos proprietarios, e 3,646 vendi-
dos aos Dogls house, a "23 cntimas por Ci
beca; 2 % forara adjudiiado em eiloes,
e 51 fugiram.
Qutra misso da po'icia recolhar as
pessoas perdidas e devolv-Ia*a suas fami-
lias ou amigos. Em 1868,- sobra 5,195
pessoa; perdidas ou desapparecidas no dis-
trido metropolitano, forara restituidas a
seus lares 2,805. Alen dosxobjectos rou-
bados ou equecidos oas carruagens, a po
deu-rae pirta dos boatos relativos a que o
senhor Van-den:Beck estava em poder dos
oigan s do mar. Com seaoelbante n iticia,
voltei a minha casa muito commovido, e
um d s meus ofGciaes ma entregou um pa-
pel que achara por baixo da porta do meu
cartoro. Este' papel, que lhe mandei para
Gavoet, duia letra :
c Sa a senhora Van-don B;ck quer saber
de seu marido, que esteja devela na se-
gunda noute da soa cnegada a li.tavia, e
que siga o bomem qoe der tres pancadas
na porta de soa casa. A vida de Euzebio
depende d'asse passo. >
Na aeguada noute depois da minha
ebega la a Bata va.
Exacto, n'esta noute em que estamos,
e nao po iem accosar-nos de nio ter seguido
as prescripc5ss d'esae escriplo mysterioso ;
mas os piratas foram menos pootuaes d j
que nos, porque ainda nao bateram as tres
pancadas.
N'este cmenos, e como sa esperassem
as palavras do labellio para responder,
urna pedra quebrou os vidros- da janella,
passoo muilo rente da cara da Mies, e
sabio sobre a esteira.
Este apanhou o projectil, ao qual eslava
atado um papai com a seguate palavra :
Antgol.
Antgol t Que quer dizer esta pala
vra ? p9rguotoa a senhora Van-den Beck.
E' o nome de ama aldeia situada por
traz dos armazans de Batavia. A casa de
sau tio eslava nos arreJoras d'essa aldeia.
E que tem que ver os*piratas com
ess i povoacSo ?
Este papal quer seguramente dizer
qua em Antgol achara o que espera.
Ester, mal que ouvio isto levantou-se e
paz a mantilha.
Que faz ?
a Nao fago nada, van a Aatgol, respon-
des simplesmente a joven.
Vai a Antgol I Mas nlo comprebende
que Aatgol fila exactamente napraa, e ao
alcance d'esses demonios dos piratas ? Nao
21,924 de objectos perdidos. Em o aono
passado condnzio aos hospitaes 1,747 p s-
soas, victimas de desastres as roa?, e 732
pessoas feridas por outros motives. No
aono de 1868 evitou 324 suicidios.
Depois dos ladroes sio os ebrics qoe
mais transtornos causara i polica. Os ebrios
s3o condozidos para as estacos, e ah con-
servados at recuperarem o oso da razio;
ha alguas muito turbulentos e que se con*
vertem em dolidos furiosos, mas devem ser
all conservados al que passe o delirio.
Em 1868 a polica metropolitana preodeu
2,430 desordeiros ou pelos meos ebrios,
raeret.z.'s em desordem 1,665. Ebrios
propiamente ditos 10,463, entre elles...
5,079 mulberes, e 9,160 pessoas semi-mor-
tas pela embriaguez, sendo 4,336 mulht-
res.
GRANDE COUSA E' UM PONTO.-Na
ortlwgrapla dizem os mestre-escolas que
o ponto est sobre o i ; e os rapazas di-
zam que est em nao errar um ponto na
i.-.'.'io. Na grammatica dizem os estndan-
ts que est o ponto em ter boa memoria.
Na arithmelica est o ponto nos nmeros.
Na phdosophia est as conclusSas. Ni
theologia esl oyonto nos artigos de f. Na
astiologia est o ponto no zenitb. Na p-
tica est o ponto onde fere o.raio visual.
Na simetra esl o pmto no ambig huma-
no. Na cirurgia est o ponto na ferida.
Na medicina est o ponto em ter o doeme
em que gastar. Na jurisprudencia est o
ponfo em dar boa prova, em oocumento
ou em dinheiro. Na nutica tod> o mar
se chama ponto. Na msica o contra-
ponto. Na poesia a cadencia. a pr-
dica o assumpto Os confeiteiros poera o
asstscar em ponto. Os alfaiates teem o
ponto na costura. Os sapateiros na nre-
dida. Os cavadores na pontana. Os eo-
negos na falla do coro. Os nobres na hsn-
ra. Os pobres teem o ponto as meias.
Os msicos no compasso. Os mudos na
bocea. Os mercadores no gnho. Os, es-
crioes teem o ponto na f verdadeira or
falsa. Os esgrimidores teem sentido na
ponta da espada. Os fdalgos de meia ti-
gela trazara a honra na ponta do nariz.
As casas velhas seguram-se cora pmtalhe-
tas. Os estudanles de Olhtda trazem o.
cuidado na lieo do ponto, e o mais do
tempo no passeio das pontes. Os que
devem .rapontadas. Ossoffridos tora pon-
tas. Os namorados pontinhos. As Des-
amas fdz-'in ponto aborto. Os repentes
ho de ser a ponto; finalmente os dito
espirituosos s3o escriptoa e contados coa
puntos de admiracSo.
LA VO AS MISSAS NO MEIO INa
resiaurac5o da cidade da Baha, Felippo de
Hespanha entregou a D. Frederico de To-
led odoos milhes para despezas da guer-
ra. Houve mais tarde entre este o o conde
Doqoe dos Olivares, o primeiro depois do
rei intrigas e immizade, querenda o
conde Doque vingar-se do ex-amg>, or-
denou que se Ibe tomassem coalas miudas
dos dous milhes.
Foi urna terrivel idea, porque se descu-
bri una alcance de meio milbo. Ou.t/o'
qualquer que n3ofo3se o Hespanhol ler-Je-
hia suicidado. D. Frederico noera deses
cobardes: tirn a coata, e, quando chegou
ao meio milbo, esereveu :
Missas pelas almas do purgatorio
para que impetrassem do Deus dos exerci-
los a grande victoria que. alcancen om-
quanto o Sr. Conde Duque estava pavo-
nando em Madrid,meio milho.. -
UM DOUDO COM JUIZOE ORAijt -Fo-
ram algumas senioras visitar no" hospital
de doudos, e pararam ao p de om, com
quem todas as visitas ttilhavam para o oa-
virem. Umi das senhoras muito tentada
cora o jogo da lotera, quiz averiguar se o
do .id i teria bora palpite, e dis*e-!he :
Escreve me nesta carteiTa o numero
em qu; ha de sabir a sorte grande.
O doudo esereveu imraediatamaote o nu-
mero pedido, mas rasgn a folua, e em
eoguo-a.
E agora I Exclamou a senhora :
Nna se aflija. Venha a horas, que
a manbaa anda iufallivelmente roda.
A senhora ira ?
tardaremos em saber qual o proco do v que pode ser um taco que lhe armam ?
resgate. O chino# Tikai, antes de preso,! Mas tambem pode ser asalvafiJode
Euzebio e o3o devo hesitar. Se fr algum
laca, os piratas me levarSo aonda esliver
meu marido,
O tabilliio. admirado e assombrado ao
mesmo terupo, exclamorr:
Coaceda ao menos que v ao corpo da
truarda e traga um pelot3o de milicianos.
O melhor ser apoderarmo-nos dos emis-
saos, e teudo-os em n sso poder, o aver-
no saberi salvar a vida, de seu marido
sem que arrisquemos a nossa.
Livre^e de proceder por semelbante
forma, porque era vez de salvar Eozebio, o
compromette.
Mas coosinta ao meaos qua a acooi-
panhe.
Acompanbar-me-ha at que cheguemos
a cem passos de Antgol. Disse-me que oh
que me chamara querem que eu appirecu
sozinba, e entendo que nao devo faltar as
coridigOes que me impoem.
Vamos, senhora, isto* urna bucara,
exclamou Maes, apandando as armas jjjita,
tinba alirado ao cb3o. *
Nio, nao loucura, prudencia. Hi-
nbo oovido fallar dos costomes e hbitos
dos que cbama ciganos do mar, e suppoo-
do que o governo julgue que deve armar
as soas frotas para salvar a vida de um par-
ticular, sempre seria impotente para impor
a sua vontade a esses bandidos, que tem
asylo seguro no extenso littoral do ocano
indico. A miaba docildade desarmar
talvez esses homens. Qoe pedirio que en
nao lhes d pelo resgate de meu marido ?
Os meus bens I Dar-lhos-hei quanto pos-
sao, e quanto a minha vida, com ir s, se
prova queeatou prpmpta a sacrifica-la.
Maravilhado pe> generoso desprendimeo-
10 de Ester, e dominado pala sua eaergla,
guardn Maes o mais completo silencio.
E agora, eontinoon Ester, se qoe?
acoinpanhar-me at Antgol, prepare-se,
{Continuar-H-k.
W; DO DIAlUO-ttU U l'QB' Di GiU4
\


ILLUI LL


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EKXCPO49X_RX9I0V INGEST_TIME 2013-09-19T20:19:01Z PACKAGE AA00011611_13145
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES