Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:13129


This item is only available as the following downloads:


Full Text

i




*


ANNO XLVil. NUMFRO 254
..... *>----------------------------------------------------------------------- -----
-
fllft' .CANTAL L 17GAIES OIDE RAO SI PACA POHTI.
Por irse meta? sd-aMados................
Por seis ditos i-Jan*...................
Por oto anno iiiaui......................
ada oaaoro volo. ....... *....., .
000.
2,0000
14*000
120
TERCA FEIRA 7 0 NOVEMBRO OE 1811
DIARIO DE PERMMBIM
PAHA DI5TS0 i F01A 04 fsWsKlJL
Por tres mozos adiantsdoa ............ W7
Por teis ditos idom....................
Tor novo ditos idem...................
Por om inno idem ................... 7#W0
Propriedade de Manoel Figueira de Faria & Filhos.
_ A Atjataxsisj :
Os Srs. Gerardo Antonio Alves & Filhos, no Pari ; Goncalves & Pinto, no Maranhlo ; Joaqoim Jos de Oliveira 4 Filho, no Csar ; Antonio de Lemoi Braga, no Aracaty ; Jlo Mara Julio Chavea, no Ass ; Antonio Marqnes da Sifra, no Natti; Jo$ .M1
Pereira il'Almeida, em Mamangnape ,-Felippe Estrella & C, na Parahyba; Antonio Jos Gomes, n Villa da Penhi; Belarmino dos Santos Buido, em Santo Antio; Domingos Jos da Costa Braga,
em Narareth; Antonio Ferreira de Aguiar, em Goyanna; Francia Tavares da Costa, ea Alagoas ; Dr. Jos Martms AItos, na Babia ; e Leite, Serquinho i C no Bio de Janeiro.
PARTE OFTICIAL.
Cioverao da provincia.
1871.
BXPSOIKNTB DO tIA 31 DR OUTUBRO D3
ACIO .
irasi lente da provincia nomeia os otli -i.-xes
da co*at ** !>* >** om
leneols Felieissimo de Azevedo
SMarcoliao da Casta Raposo, faze-
retaa p o vogaes da con seibo que tem de
das lite :Vogaas, lene ote cirurgio Dr.
ul laa Costa Molla, e teneole Cimillo Ma-
rt id lffirp.
6 ftoe-presidaiite di provin;ia, alien lando
ao posto pelo conselheiro prejidente dt tribunal
da relaya > em sen ofcio de 30 do crreme e ao
que requereu o eserivi do mesmi tribunal, Au-
gusto Cesar da Cuoln, resolv, dt coofanallade
com o rt. do decreto, n. I29i, de 18 d d-zen-
bro de 1853, designar pira kdbilUOir a este, du-
rmi o seu impedimento, aa eidado Adelina Iide-
oqo de Siiueiri e Albuiuerqne, por achir-se
imposs bililado de o fazar o cidadia desigaalo par
portara de 29 de marg> do crranle ana >, Luiz
Ignacio de Oliveira J rdim.Expedirara-se as ne-
cesarias cora nuuicagdes.
Offlcios :
Ao Exra. desembargad >r Joa i A ilomo de
Araajo Freitis Henrique<, prndente nomead) para
a provioeia da Babia. Teado-rae nesta data cam-
muaieado o chafe de divisao co amantante iodis-
trien nava: que o vpor corveta Recife regressa
para a Baha no da i do mei prximo vindouro,
ea declarei aquella chele que V. Exc. deliberou
segair para essa provincia ua meicunalo vapor,
levando sua Exma. familia e comitiva. K-i por-
tanlo a dispo>icio de V. Exc. o referido vap ar e ea
aguardo quaesquer ordens e preceilos de V. Exc.
pira cuaipri-los nao s n i que Jissr respailo a
Tiagem de V. Exc, como em lal i.qne for leudeu-
te ao seu aervi<;o. Aproveit a opportuaidade
para renovar a V. Ex;, os raeus proleslos de ole
v 111 a A> brgadeiro commandame dn armas, de-
c'irinJo em soluco ao sea ofB -.i-\ que ponha em
liberdade, daado mebaixa di 9 batalbo de infan-
tina o rrcruta Joi) Isidoro Lavradjr, qut provju
ifsofo legal.
ao mesmo commuoicand haver o Exm. Sr.
ministro da guerra declara lo em aviso de 17 do
orreote, que para poder resolver acerca do for
neetmento de urna caixa de ferros para autopsia, e
outros instrumentos cirurgicos eorsrmaria mili-
tar desta proTinei*, convem saber se laes instru-
maotos sao pedidos em subsfilaicao de oatros, e
no caso afirmativo que deslino tiveram elles.
Ao mesmo inleirando^) de que segundo a'iso
d) ministerio di guerra de 19 do orrente, fui
posto a disposico la presidencia, para ser empre-
galo, no caso e convir ao servic. >, o leante ho
n irario do tercitoFrancisj > de Paula Carneiro
Ocfifi. r
Ao miMino iransmittindo o requerimenio, em
ua o l* cadew i* sargento, Aotoni i [gnado de
JU*Bui|erqu8 Xavier, pede permUsSo para estudtr
o curso preparatorio annexo a escola nvililar, alim
de qu8 seja instruido, seguado as disposicSes re-
omajendadas na ordera do da n. 370, de 6 de otv
tubro de 1863. conforme exige o avisj do ministe-
ri da goerra de 20 do correle.
Ao desembargador procurador da cora, so-
berana e fazenda nacional solicitando o na pare-
cer acarea do exposto pelo juii municipal do ter-
mo de Caruar no ofOno junio por copia.
Ao inspector da ihesouraria da faienia en-
viando, para os Qus convenientes, treie orJ0;!'
aendo dose do thesouro nacional, sob ns. J08 a 219
e 225, e ama do ministerio da guerra dalada do'16
do correte.
Ao mesmo approvando a deliberaca>, que
tomou a juna dessa iheooraria de acceitar, por
ser mais vaolajosa a fazenda nacional a proposta
ofrecida por Manoel Al ves Guerra para execuc^ao
dos concerios de que necass-la a ponle Sata de Se
temoro, pintura desta e da de Santa Isabel, visto
dar elle 25 por eento de abate sobre o valor do res-
pectivo ornamento.
Ao mesmo declarando, que, segund) aviso
do ministerio do imperio de 17 do corrale, foi
concedida pela verba obras do actual exercicio a
qaiolia da 6:000j para auxdio s do nospicu da
Peaba, que os missionarios capucliiohas construem
nesta capital, devendo a mencionada quania ser
entregue ao vice prefeilo da raisso.Commani-
cou-se a este.
Ao mesmo communicando que de aviso do
ministerio da agricultura da 16 do correte consta
que os ven rimeutos dos membros da commisso en-
carrejada dos estados relativos ao prolongamen'.o
da estrada de ferro do Recita a S. Fraosso, dj-
vem ser contados do da de sua partiJa da wr e,
e que solieitou-se do da fazeada a expedi?o das
convenientes ordena, para que nossa tbosouraria
seja posta a disposico da presidencia qaaolia de
4:00l) mensaes para ser applicada as des pez s
com a referida commisso no actual exercicio.
Ao mesmo preveniodo-o ds qae, por baver
completado o sea qualr eaaio o juiz mnoisipal do
termo do Rio Formoso, bacharel Jos Julin^ Riguei-
ra Pioto de Souza, assuraio o de Serinhem, ba-
cbarel Augusto Egydio de Castro Jasas, na quali
dada da subsiitato, as fuoccSes de jait de direi-
te da enmarca que eram ex-roidas pelo primeiro
d'aquellas juizes.
Ao mesmo inteirando o de qun o juiz muni-
cipal ede orphios Jo lerma de lpojnca, bactiarel
lista de Siqaeira Cavalcante, assumto o
i do sea cargo no dia 16 do correte.
A-mesmo scienliticando-o de que o desem-
barga |f Joao Pareira da (Josta Motta, lendo renun-
ciado If-la llcenya, qae obteve do goverao
impe fassamio a 26 do corrate o exercicio
do |nasmo declaraodo que seguado consta
de i io do ministerio da guerra de i do corrale
i indeflrido o reqaenmeato, em qae Hyopolito
i Silva reclamava como sea escravo o soldado do
4* baialhao de artilharia a p, Francisco Aatonio,
devendo eorrer por coala daqaelle mioisterio as
despena qae fez o mesmo soldado no deposito de
raer uta s onde est detiio.
Por essa Ihesouraria mandou se pagar :
Ao brigadeiro reformado Hygino Josa Colbo a
quanlia de 62|000 que dispeadea na qualidade
de presidente da commisso encarregada do exame
do material do exercito a cargo da forliflcar3o do
lilloral da provincia, com o transporte por mar da
referida commisso do forte de Galb para a forta-
leza de Tamandar, e desta para a espita1.
A' Basilio Jos de Araajo a gratiflcaeio de 3004
que reclama ua qualidade de guarda nacional do
3* Dilalnio de infamara, designado para a guerra
de Paraguay.
Ao eapitao addide ao 9.* batalbo de linha, Pe-
dro Velbo de Si Brrelo, a differeaca, qae se dea
eatre o sold de tnsate para o de eapitao, a con-
tar de 13 de malo ultimo, dala de sua antiguidade
neste poeto.
Aes offleiaes e> praca da corveta Recife, os seas
veacimentos at o dia 2 de novembro vindouro,
visto ter esse navh de seguir para a Babia a 4 do
raesno mez, segando declarou o commandame da
diviilo naval.Communicoa-se a este.
Pela ihesouraria provincial tamben man-
de*M pagar :
Ao procurador do delegado do termo de Flores-
ta, a qaaatia de 60*000, proveniente do alugael,
vencido nos saetea de abril a leterabro deste anno,
da casa qae serve de clela naquelhtsrmo. .In-
teirou-se ao doulor ebefs de polica.
A" Jos Vicente God.nho, a de 1:276*800, em
qae inpirurau 266 parej de borzeguins, (orne
e dos, em vinude de aeu contrato, para o eorpo de
polica. lommuniou-se a Ihesouraria da fa-
zenda.
A' Bernardina de Seooa Maniz, a de lOOiCOO,
a que se julga cora direito por haver feito 600 bor-
naas de brim para o arsenal de guerra, com des
lino ao c.irpo Je polica.
Ao inspector do arsenal de marinba, traas-
nitiioio por copia o aviso do ministerio da mari-
nba de 18 do crreme, a i n da que J sciencia da
primeira pirte ao engeoheiro Jos Mara da Con-
ceica Jnior, era solu$io ao seu ofllco, e proce
da nos termos do lia.. 1 do citado aviso, s oecessa-
rias averigua;r>es, relitivameme a alguns caixoes
com pertencas das dragas, os quaes foram ao mar
ao acto de serem desembarcados.
Ao mesmo, enviando copia do aviso 4o mi-
nisterio da marinba da 18 do corrant, n> quil
louvado pelo zelo com que lera desemieohado o
sea empreg i, auxiliando efBsimante a prepara-
cao das dragas, destinadas aos trabalbos da esca-
vano do porto desta capital
Ao mesmo, recommeodin lo a expedicio de
suas orJens pira ojo* por ana arsenal sejam for-
necidos ao capillo do porto interino, os appare-
Ibos necessarios para a collocagao de um maslro
no forte de Pao Vmarello.Cnumanicou-se a ca-
pitana do porto
Ao masmo, prevniad^-o de qae, n>s termos
do aviso do ministerio da raarinha de 12 da cor
rente, pola despender men*al nenie pela verba
eveotuaes a quanlia da o03 >) ? cora a retribu
cas de u ii mesire da msica, que dever contra-
tar para a ;-ai>a:ilia de aprenlizes artiees desse
arsenal. Communicau-se a thesooraria ds fa-
zeoda.
Ao cnsul de Portugal nesta provincia, de-
claran 1 > qae, em vista da informacao, junta por
copii, do juiz o municipal da primeira vara desta.
cidjde, com a qual se cooforma a presidencia,
nada bt a alterar-se no procedimento, que'est
teodo aquelfe juiz ao inventar o dos beas deixado
pelo subdito portuguez, Jos Pereira.
ai commaodaote do presidio de Feroaodo
de Norooha, para que informo circurastanciada-
mente acerca do que relata o trecho, junto por co
pu, d i Liberal da boje, n. 235, com referencia a
um preso, que apparecera raorto dentro da ta-
berna do vivandeiro Manoel Rodrigues da Nac
manto.
Ao eapitao do porto, recommenlanla qae,
de conforraiJade com o aviso do ministerio da raa-
ruih i de 21 do corrente, conira;e e fac apresen-
tar bardo do traosporte Marcllio Das, logo qae
toque aesle porto, um pratico da costa, aflm de
auxiliar a oavegacao desse navio at o Para.
Ao director do arsenal de guerra, autaris an-
Jo-o a mandar alistar na campanbia de apren-
dizes de-se arsenal, o meuor orpho Lauriano
Francisca ds Albuquerque, vsti acnar-senas con-
dicaas lega es, e ter sdojuijaso apto em inspeccao
da saade. >
Aa mesmo, permitliodo em vsia da sui in-
formacao, que seja desligado da corapaahia de
aprendizes dessa arsenal, a entregue a sua tia Aa-
ai Joaqun do Espirito Santo, o menor Epipbanlo
da AlmeiJa Guedes Alcoforado. -
- Ao engenbeiro fiscal da es.rada de ferro da
Recife a S. Francisco, para que, em observancia
do aviso do Ministerio da agricultura de 13 d>
correte, informe acerca da proposta do engenhei-
ro Gseal interino da raesraa estrada para a altera-
embarcarles precisas para o embarq*ae de que se
trata.
Ao mesmo para que, era comprimento do dis-
posto no aviso do ministerio da guerra de 21 de
outubro ultimo, informe qual o uso a qae se dss
tioa ama espada de ac, pedida pelo 2* batalbo
de infamara.
Ao mesmo declarando (pae, segando^ aviso
circular do ministerio da guerra de 24 de iJjlubrr pagir
co do artigo 92 do regulamenio do 1 de Janeiro
de 1868.
Ao commandame d i corpo de polica, aa'.o-
risaado o eogajaraenlo dos paisanos Januirio Bar-
roso da Silva e Manoel Pereira Fedegoio, se forem
aptos para o servieo.
Ao eogenhoiro encarregado das obra mili-
tares, para mandar executar os eoncertos, de que
necessitam as difiranles accomraodaQSes para o
pessoal administrativo da (ote da Buraco, visto
estar autorisada essa despsz* por aviso do miois-
terio da guerra de 19 do corrente.
Ao inspector da sanie da porto, recommsn
danlo que, em cumprimento do aviso do ministe-
rio do imperio de 18 do correte, remella at o d;a
15 de Janeiro viodoaro, todas as ioformacSe?, qae
poder colher acerca los negocios e servaos da re-
parlico seu cargo.
Ao juiz de paz mais vetado da fregu.'zia de
Agua-Preta, declarando e;n resposta ao eu offljio
5ue, visto nao poder, altemos os seus encommoloa
e saade, fuoeciooar aa eleleao de deputa los
assembla legislativa provincial, qua dever ter lu
gar no dia 26 le novembro viadonro, deve of-
ciar, se j o nao fez, ao sea im neliato em votos,
a qaem compete substitulo.
Portara:
vA' cmara municipal da cidade da Victoria,
remetiendo, em soiueio as duvidas; constantes de
seu ofBcio, o relativas a arrecadaca de impostos
geraes, copias das informagoe- ministradas a esse
respeito pela ihesouraria de fazenda.
Despachos:
Anna Joaquina do Espirito Santo.Deferido de
conformidade com as inforraaedas.
Basilio Jos de Araujo. Deferido eom offlcio
desta data dirigido ao inspeclor da thesooraria de
fazeada.
Bero ir Jiuo de Seooa Muaiz. Deferido com offl-
cio desta data dirigido ao inspector da thesooraria
provincial.
Brigadeiro Hygino Jos Coelho. Deferido com
offlcio desta data dirigido ao inspector da thesoo-
raria de fazenda.
Capito Jo 4 Francisco do Reg Barros.Infor-
me o Sr. Dr. juiz dos feitos da fazenda.
Jola Ferreira Vilella.Informa o Sr. Dr. Juiz de
direito da primeira vara da capital.
Major' Manoel Pereira de Abren.Ioforme o Sr.
Dr. juiz de direito da primeira vara da capital.
Pedro Velho de Sa Brrelo.Deferido can offl-
cio dirigido nesta data ao inspector da thesoora-
ria de fazenda.
Venancio Rezende de Lyra. O supplicaote pola
engajar-se no corpo de polica, porm como prara
a vista da informacao.
EXPEDIENTE DO SECRETARIO.
Offlcos :
Ao juiz municipal do termo de Serinbem,
acensando, de ordem da presidencia, a reeepcao
do offlcio, em qae eommaaicoa baver nomeado
Jos Polycarpo de Freitas Jnior, para escrivo in-
terino do jury e mais annexos desse termo.
Ao presidente e membros do cooselho de
qaalirlcaco da guarda naciooal do municipio de
Garantaos, dizendo flear a presidencia inteirada
de baver esse conselho cooclnido os sens irabalhos
no dia 26 de setembro ultimo, sem se ter dado o
caso de imposi;io de malta.
EXPEDIENTE DO DIA 2 DE NOVEMBRO DE 1871.
Offlcios :
Ao brigadeiro eommaadaute das arma3 re
eommendando a expedicao de suas ordens, para
que as 8 I/i hars da manhaa do dia 4 do cor-
rente esteja pstala so eaes da roa da Aurora,
em frente ao gymaas o, ama gaarda cora msica
e bandelra. aflm de fazer as honras devidas ao
Exm. presidente nomeado para a Baha, desem-
bargador Joao Antonio de Araajo, Freitas Henri-
3ues, por oeeasio do sea embarque para borlo
a eorveta Recife, aa qual segu a sea destino, e
bem assira para qae a fortalexa do Brom salve
Slando a mesma eorveta demandar a barra.
mcloa se ao inspector do arsenal de marraba
para mandar apiasentar do mencionado ^aes as
ultimo, a ilsposfcSo comida no- aviso circaVCr de
8 de agosto deste ando, relativa ao abonar para
alogaeis da casa, por ora extensiva nicamen-
te aos offleiaes da corte e desta provincia.Cora-
muoicoa-se a thesooraria de fazenda.
Ao mesmo remeneado por copia o aviso de 20
de outubro ultimo, em qae o Exm. Sr. ministro da
guerra solicita informae a aceres de 17 praca*.
qae se acham servalo como recruladas nos I* a
9 batalhdss de infamara, e constam dos incluso i
papis.
Ao mesma recommendando que, era cumpri-
mento do aviso do ministerio da guerra de 24 de
outubro ultimo, remeta a guia do soldado do 9*
batalbo de infamara, Jos Luiz de Franja, afi-o
de ser enviada a> commandame da divisao bra-
sileira no Paraguay.
Ao conselheiro presidente do tribunal da re-
laQo c iramunicando que por decreto n. 4802 de
19 ue outubro ultimo, foi creado no termo do
Bom Jardim, comarca do Limoeiro, ara lagar de
juiz maaicipal, qae accumular as Tunccdes de
juiz de orphos.Fizeram se as oatras commu-
nicaroes.
Ao inspeclor da thesooraria de fazeada traos-
mitlindo por copia, e para os llns convenientes, o
aviso de 23 de outubro ultimo, em qae o Exm.
Sr. ministro do imperio antorisa a venda do ter-
reno, que serve de quintal do quariel do Hospi-
cio, devendo o seu producto ser convertido em
apoltces inaenave s para o patrimonio do semi-
nario episcopal de Olinda.
Ao mesmo inteirando-o de havjr no dia 20
de outubro lindo reassumido o bacbarel Jos Ri-
cardo Gomes de Carvalbo, o exercicio do cargo de
juiz municipal e de orphos do termo de Santo
Anto.
Ao mesmo enviando para os dsvidos ns, se-
ta ordens, sendo sais do thesouro nacional sob
ns. '221 a 224, 226 e 227, e nma do ministerio
da guerra, datada de 20 de outubro ultimo, e bem
assira ora offlcio da directora geral das rendas
publicas de 23 do citado mez.
Ao mesmo mandando entregar ao quartel
mestre do 1* batalhi de iufantaria da guarda
nacional deste municipio a qoaotia marcada em
lei para a compra de ama baodeira, porte a has-
te para o referido batalbo. Commuoicou-se ao
commandame superior respectivo.
Ao mesaio para qae, em vista de requisicao
do director da faculdade de direito do Recife, na
mande pagar ao contratante de obras da mesma
faculdade, Amonio Jaeimbo, era, Ihe faculta o
levantamento da flanea que liver prestada, em
quanto nao provar coa atestado da menciona-
do drector, que concluo o forro da sala grande
a o da directora, que esta abrigado. om-
tuunicau se o director.
Ao mesmo, declarando que, segundo aviso
do mioisterio la jaj&igSkde 18 de outubro ultimo,
3j|icitou-se do darzenaa a expedicao de orJeas,
ao seoiiio ds ser essa thasooraria habilitada c
a quaotia da 30*000, para occorrer ao pigame
de coraadorias, foroeciJas a borto-dv v*f>or /
juca da compaoha Peroambucaua a om sargenf
e cinco guardas oa:ioaaes, que vieram da provin-
cia do Cear, escoltando presos de juslica.
Ao masmo, traosmltiade para os dovidos
lias, os ttulos de aomeacoas dos hachareis' Luiz
Antonia Pires e Joa quina Ferreira Chaves, bem
como do ciJalao Francisco Raposo Falco para os
lugares de tbesoureiro, primeiro e terceiro cffl
ciaes da admiuistracao do crrelo desta provincia.
A a mesmo, raandaadi pagar os vencimentos
dos offleiaes, piacas e catelas, empregados no de-
posito da recrutas.
Ao desembargador proeuralor da eoroa, so
berania e fazenda nacional, solicitando o seu pa
recer acera do que pede no incluso requerimao-
to o Dr. Joao Tbom da Silva, ex-promotor publi-
co dasla capital.
Ao inspeclor da ihesouraria provincial, au-
torisando-o a maular inlemnisar a thesaurria de
fazenda, por eonta do saldo existen e em d-posito,
proveniente do empreslimo comrahido com o ban-
co do Brasil, das qaaotias devilas ao arsenal de
guerra e relativas a objectos fornecidos ao corpo
de poiicia.Coramuaicou-e ao inspector da se
guada dessa tbesouraria.
Ao director geral interino da nstrucejao pu-
blica, para informar com 0 qne se Ihe offerecer,
acerca do objeeto da inclusa caris, relativamente
aa rae.th do de leitura repentina de Antonio Pi-
nheiro de Aguiar.
Ao commandame superior da guarda nacio-
nal do municipio de Tac ara t, raspondendo com o
aviso, jamo por copia, do miuisterie da jastica de
16 do correte, ao sea offlcio de 19 de setembro
ultimo, acerca do chefe de estado-maior desse
coramando superior.
Ao juiz de direito da comarca de Nazaretb,
remellando para os devidos fias, copia do aviso do
ministerio da juslica da 21 do mez dado, com re-
lacio as representsedes dos escrivas dessa comar-
ca, Orlando Mi juilino de Almeida e Ignacio Vieira
de Mello.
Corapanbia Pernambaeana.Informe o Sr. ins-
pector da thesaurria de fazenla.
Domingos Eleatero do Espirito Santo.Informe
o Sr. inspector do arsenal de marinha.
Bacbarel Fraatoseo Teixeira de S.Conceda a
prorogack peda.
Felippe de Pigaeirda Paria. Remetldo ao Sr.
inspector da tbesouraria provincial para man lar
Ao director do arsenal de gaerra, para pro-
videnciar oo sentido de ser fornecdo por esse ar-
senal ao quartel-.nestre do 1. hatalho de infan-
taria da guarda nacional deste municipio os objec-
tos constantes do incluso pedido Commonicoa
se ao rejpectivo coamandante superior.
Ao mesmo, inteirando-o ao que, segundo
coasta de aviso do ministerio da goerra de 20 de
outub-o ultimo, expedio-se ordem ao director do
arsenal de gaerra da corte para fornecer a esse o
armamento, coostaote do pedido qae remenea.
Ao juiz maaicipal da primara vara desta ca-
pital, iransmittindo, em obserrancu ao aviso do
ministerio da juslica de 28 do mes lindo, e para
a devida execucio, copia do decreto de 14 de abril
de 1865, que commutou em 20 anuos de priso
cem trabain a a de priso perpetua, imposta a Ro-
salina do Espirito Santo, pelo jury de termo do
Ipil, declarando o dito aviso acnar-se a r na casa
de delengo, para a qual foi iraoshaja do presidia
de Fernando, aonde enmpria a p^J
Ao eogeaheiro fiscal da estrada de Ierro do
Recife a Caxang, dizendo.Qcar inteirado do desas-
tre que se den na liaba de Apipucos, do qual re-
sultou a morte de um inlividuo, esruagado pelo
trem, que as 7 1/2 horas da nonte de ante-hon-
tem descia para esta cidade, e recommendando
que nao obstante a declaracao, de que esse indi-
vidnojachava-se embriagado, compre qae se coat
nue a s-yndicar do facto e exerca a maior vigi-
lancia sobre o modo porque os trena dessa linha
frrea percorrera as roas e arrabaldes da mesma
cidade, em ordem a evitarle a repetico de laes
sinistres, certo de qne para teso mnito confia a
presidencia no sea zelo e eonheeimentos proles-
sionaes qae o distinguem.-
Porttria :
A cmara municipal do Recife, approvando
para que prodazam 03 devidos effeitos, as arrema-
tacSes feitas peraote essa cmara, das easiahas da
ribeira da Boa-Vista, e dos talhos dos acougnes
n. 16 e canto da ribeira de S. Jos desta cidade.
Despachos:
Aatonio Francisco de Moara. Informe o Sr.
director geral interino dt ii
Henrique Soare de Azevedo.Par qae- o mp-
plicanie possa ser deferido raister qoa a compa-
nhia da Nomisacao a gaz, declare quaes os cal-
xeiros sen* que deveni ser preferidas na dispensa
solicitada.
Bacbarel Jeronymo Salgado de Castro Aceyoli.
Informe o Sr. r. juiz de direito da primeira
vara da capital.
Joaqum Alves da Silva Santo'.- Como reqner,
sendo este remanido ao Sr. director d> arsenal de
guerra para os fias convenientes.
Jlo da Cunha Moreira Alves. Iodeferido
vista das inferaacoes.
Mana Isabel de Mello Monra.Restilna-se uie-J
diante recibo.
Bacbarel Maooel Iziilro de Miranda.Passe.
Manoel Floriao Vieira Passa.. Informa o Sr.
inspector da tbesouraria de fazenda.
Padre Daro Nanea da Silva. Informo o Sr.
inspector da the.-ouraria de fazenda.
Rita Mara Bapozo.Como requer, pagas os di-
reitas devidos e remetia-se tste ao Sr, inspeclor
da theseoMll de Lzeada para os fias coave-
aientes.
Thorau Jos da Silva 'Gnsmao.Informe o Sr.
inspector da the urana provincial.
EXPEDIENTE DO SECRETARIO.
0fflci6s : *
Ajjniz de orphos deste term>, aecuaando
a recepao do offlcio de 27 de outub.-o ultimo, em
que paifiepou a presidencia ter nomeado Joo
Tiburcio da Silva Guiraares, para^ continuar a
servir interinamente o offl&o de escrivaa desse
jntzo, por baver fallecido o serventuario Joao Fa-
cundo da Silva Gumares, e posto em eoocurso a
serventa dese olflc' >.
AoDr. Alrie Luiz Pereira da Silva, deca
rando Picar a presidencia inteirada de qae fizera
entrega do objectos a sea cargo ao commaodaote
do presidio de Fernando de Noronha, deixando de
regressar para e,ta capital por achar se doente.
Commando das armas.
QAltTEL GKNEOAL DO COMMANDO DAS AKMAS
NA PROVINCIA DE PERNAMBL'CO, EM 6 DE
NOVEMBRO DE 1871.
Ordem do dia n. 686.
O brigadeiro commantante das armas d pabli-
cidade para que tenha o devido effeito, ao aviso do
ministaro da gaerra de 20 de ootubro ultimo, qne
por rupia Ibe foi remetlido pela presidencia em
offlcio de 2 do correte.
Copia.Rio d Janeiro. Minster d > negocios
da guerra fm 20 de outubro de 1871.Ulna. Exm.
Sr,Declaro a V. Exc. pira osen conheciraento
"jins convenientes, que vista da imperial resolu-
cCj de 8 de abril uttim, tomada sobre consulta
da seceo da. gaerra e mariaha do cooselho de es-
tado e do dicreio n 4.716 de 14 do mesmo mez e
anno, que roanii%^oosidaMr graduados os offl-
do exe*cto camprehUididos no ari. 3" da re
de 6 da outubro de 1870, nao esto esses
saibordioado3 aos mais amigo* nos pnstos
SBBj^ijiTeTf''Wivi, por qoe,segundo a referida
re*iiac"a, osofTuiaes e pragas de prel comprehen
liles na cilada le, sao para todas os effeitos MS
siderado?, graduadas e como taes pertencem Ins
as m^sraa? orerogativas, vantagens e nnus de que
gosam os officias graduados pelas ieis anteriores;
licando assim res'olvido o reqaerimeoto do major
graduado do b'talh a de infamara Bento Luiz
da Gama, por V. Exc. reraettido era 5 de julho
prximo passadJ. ....
De'us guarde a V. E Jaguaribe.Sr. presidente da provincia de Per-
uambaco. .
Cumpra se.Palacio da presidencia de Pernam-
buco, 2 de novembro de 1871.Junqueira.
Conforme. Adolpho Lnmnha lint.
(Assignado).Luiz lote Pereira de Carvalho, bri
gadeiro.
Coaforme.CbmtmU hranctlto Tivnres, tenente.
ajudante de ordena encarregado do detalhe.
Repartiese da polica
2." seceoSecretaria da polica de Pernambu-
o 6 de novembro de 1871.
N. 1505Ilion, e Exm. Sr.Levo ao conheci-
raento de V. Exc. que, segando consta das parti
cipacSes recebidas hoje n'esta repartico, foram
recoihidos casa de daten?ao 03 segaintes indivi-
No dia 4 do corrente, minha ordera H anorio
Francisco Bernardo, por disturbios.
A' ordem do subdelegado de Santo Antonio,
L rameo escravo de Henrique da Silva, por dis-
turbio?. ..
V ordera do da Boavista, Manoel, escravo de
Caetano'de Farias Costa, reqaerimeoto desea
respectivo seohor. ,
A' ordem do dps \fegado3, Chrstavao de Aqoi
no Alves e Viceate Muaiz Tavares, por offeojas a
moral publica. ...
No dia 5, a ordem do de S. Jos, Coostancio Al-
ves'da Silva, Luiz Henriqaes de Paula, Francisco
da Silva Ramos, Tito escravo de Emilia de Ma-
raes Carvalho, Alexandrna Mara da Concedan,
Manoel da Par, los do Boraftm, Sabino eseravo
de Siqaeira Cavalcaote, Jaouario Peix alo da Costa.
prr disturbios. ...-.
A' ordem do da Boa vista, Francisco Sabasliao de
Barros por disturbios e Silvestre, escravo de D.
Emilia Coastansa de Moraes Ferreira, por uso de
armas prohibidas.
Por offlcio de 23 de ootubro prximo ando, com-
manlcou-rae o delegado de Tacarat, (pe no da
21 flzera capturar e recolher respectiva calma
a Joao Ladeira.ali pronnnciado em 18o! como In-
corso na? peoas do art. 192 db crtdlgo criminal.
Segundo coramuoicou-me o deleguo do termo
de Floresta por offlcio datado de 18 de outubro
Ando, fora ai capturado e recclhido respectiva
cadeia o sentenciado Joaqum Praeiro.
Deas gaarde V. ExcIllm. e Exm. Sr. con-
selheiro Joo Jos de Oliveira Janqaeira. presideo-
te da provioeia.O chefa de polica, Hermogones
Socratet Tavares de Vatconcellos. ^^_^__
DSTERIOR.
RIO DB .1 ASIKIIIO
O BISPO ELE1T0 DE PERNAMBCCO.
* Palmam, quem meruit, feral.
Em ama misstva enderezada da cidade do Re-
cife Reforma, joroal poltico qae ss publica aa
curte, o qual a estampou em sea numero 150 de
16 de jnlho do corrente anna, deparamos cora al-
Suns tpicos, que dizem respeito oomeaco do
istlncto capnebinho brasileiro, o Exm. e Rvra.
Sr. D. Fr. Vital Mara do Pernambuco, para bispo
da diocese pernambaeana.
O missivista aventura a opiniSo suspeita de que
nao tem sido devidamente apreciada essa ooraea-
ijo, e consegalotemeare alo bem recebida pelas
segalntes razSes :
c Porqae essa nomeaco sorprebendeu a to-
dos em Peraambueo, e a proaria familia do bispo
eleito.
Porque sabalo, nao na muitos anaos d sos
patria natal para Roma, sem iostruccio algoma,
de l voltou eapuchinho, sem que jamis se allas-
se em sua instrueco.
< Porque nao p Je tar a soraraa de eonheei-
mentos preciso para o alto cargo a qoe foi no-
meado, contando apenas 26 sanos de idade.
'. Porque nao sao cocheeidas as suas viriule
e todo quanto delle se sabe que exerca a virlu-
dad> celmalario, como deve exereer o a so sa-
cerdote, em vista do voto qae professa
< Porque, flaalmenle. seu pai amigo de toda
confiaoca do Exm. Sr. baro de Goyanna, e este,
sogro do Exm. Sr. mimstro do imperio.
Nao seremos o que discutiremos a contrari-
laJe dt qu-, pelis razoes adduzidas pelo missi-
vista, nao merece, em coscienca, as honras de
ama def-za, e por sua propria exposlca est pie
oa e lgicamente )ostificada.
E, someote para que oo passe sem algum re-
paro esse acervo ootavel de estulticias, faremos
apenas algumas ligairas-ohservaf.oos despidas de
iusncerilade e lisonja, Sobra essa parta da alludi-
Ja missiva ; ao passo que do nosso obscaro reti-
ro iremos lamentando a cainhesa ignobil de que
susceptivcl utn despeito mal comprimido, em es
pirilo menos generoso, injusto e derramadamente
(.revenido.
Para lamo nao nos ser raister calcar o cothur-
no e tomar a roopagem dominijiteira da eloqaeo-
cia, que ordinariamente Ilude, por suas firmas e
elegancia, quando ha m fe no pensamemo que a
des.-nv,,lve.
Hi fjlizm?nle, para o bom tenso, accusacSes
qua p :lo'desasa, ohIi,; ii la le e inconveniencia com
qae m i produzcas, smente mu o flm manifest
de oppasigao >ystematica e caprichos, podem ser
considralas como os elogios mais pomposos, que
se ha tecidaa quem malvolamente se pretende
ferir.
Nestas c ndcSes esta as taes ioformaejaes do
missivi-ta da Rtfoim, quando entendeu de si pa-
ra s desconcetuar o illustra religioso pernambu-
i-auo, acoimando a sua feliz e festejada eseelha
para bispo da dioeese pernambaeana de par-
cial oa fl ha de priacipios meaos confessaveis.
E' que o appetite desordenado da eraulacao, ou
de coaseguir-se, a todo o traose, honras e digoi-
dades, nio poda ser considerado seoo como urna
peste abominare!, que no sentir de Cicero, gera,
inda mesmo entre irmaos, o mais torpe seotimento
de inveja, o mais refioado odio, e deploravel con-
turbarco do senso coramum.
A ambicio a mais grava pobreta da inteMi-
5enca ; vicio subtil, veneno recndito no coraco
o malvolo, progenitor;, da bypocresia, cruz dos
pretenciosos ; essa delestavel paixo chaforda as
fontes crystalinas da jostca, ega iolerameotea
razo, para nao meditar s a que se as honras sio
agralaveis e appetecidas pelos menos dignos ;
aquellas porm, que acatara os bons dielames da
so* conciencia, as honras sao demasiado penosas
mormenle quando ellas tendera ao fiel comprimen
to le deveres que Iha sao inherentes.
Se ha esplendor as dignidades, ha perigo im-
mnente as suas obrigacfos.
Os que por ellas se allucina.a, estes sira : se
expdam, audazas, a todas as difflculdades, e como
taes, i nao alcancam o que nio aspiram, sem es-
colha, certo, de meios, inda os mais reprovados,
e imaoraes, arroatando com affonta raaotfejla, o
repudio o iodigw?io da opi*jio publica. .
E' menos exacto que o digno aduar bispo eleito
de Peroambuco se retirasse de sua provioeia com
destino a Europa sem tnstruecio alguraa. Seria
loucora pensa-lo. ,
Sua intelligenca ja iS*-tch*va sefllciunlemente
cultivada a preparada para erapreheoder estndos
de iostraegao superior, qdando deixou a patria na-
Desde a sea juventude que a mao benfica da
providencia pareca condazir o virtuoso jovea
um estado de possivel perfuco moral.
a sua appMcacao s letras, o sea retiro, a saa
molestia e aic5es nobres j sorprendam a quero
tnha a tartana de com elle praticar.
Ahi esto os seas conterrneos e grande nume
ro de seus collejas para attestarem, que nunca ti-
veram motivos senao para admirarera as qoalida-
des pessoae deque era dtalo o joveo penara-
bueano, e o fervor com qne, sem o.-tenlarcia, sa
dedica va ao estudo, regulava a sua conducta, e
compria fielmente os deveres do filho estreme
cido. ,. ,
ma invencivel vocagao para o e3tado religioso
domlnava-o poderasamente, desde que sua razio
prncipou a esclarecer se : desda que a iljio dos
baas lvros, a commuoicacio com os harneas vir-
tuosos Ihe ensinaram o caminho mais certa e mais
seguro, comquanto mais dlflkil e espinhoso,
que se dispunba irilhar.
Seus honradas e virtuosos pas, que effectiva-
mente se esmeravam em proporcionarem-lhe lo-
dos os recursos de que modestameote dispanh'am
para a soa aprimorada educacao, quer em relagao
moral e relgio, quer em relagao as letras, pro-
curavampor meios tarandos e persuasivos dissua-
di-lo do intento em qae permaneca de fazer se
religioso e religioso eapuchinho.
Era om excesao de amor paiernal, e nunca um
proposito de traosviar a vocarao do fllho que-
rido.
A' todas as razoes que Ihe eram adduzidas o
joveo predestinado ao clanstro, sacrificando os
sentimenlos da propria natureza, e molla vez d*i-
xando denunciar pelas lagrimas a lata qae se tra-
vava em seu coracae, entre este e a profunda vo-
cacio qne o doroiaava, oppunha sempre, e com
tanta docura. cou.-ideracoes.taes que seus respeita-
veis progenitores resignaram-se, afinal, a vootade
do Senhor, entregando Jsua-divina proteceo
aqnelle, que lio rdeme e tenazmente desejava
ama-lo, longe do butico, engao e seducas deste
muodo de miserias I
Foi assim, e sob tao felizes auspicios, que n'om
dia de profundas emogiais, deixoo esse extremoso
Ulho o lar paterno, a patria querida, para em lon-
ge clima, dar del execucio ao que Ibe haviam
dctalo seas sentmeatos de religiio e piedado.
Nio eremos qae o missivista da Reforma seja
um ente t'o estoico jne desconheca a grande som-
ma da pledade e abnegagio, de que devera estar
possuido o coragao desse joveo, qoe, guiado por
sua estrella propicia, despreodeu-se de todos os
lagos e coniderag5es de familia, occnllando as
mais profundas sensages no imo d'alma o os ira-
pulsos natnraes do sea generoso e temo coragao.
para somente ouvir a vozja sua consciencla que
Ihe diziaparle I
Para tanto sacriicio raister que se seja auxi-
liado por um podar sobrenatural; porque nao
com facilidade oeste seculo, quando a moeidade
tudo proraelte; oio quaodo o mundo nos oliere-
ce tantos attraclivos, no presente, e um porvir li-
songeiro, que indiferentemenle se abandona tudo
para seguirse a Christo, ama-lo, eomprir os sens
preceitos, e aspirar ama vida futura de etreas fa-
ricidade Tonse a beta longe de tudo quanto ple dessas glorias e jaioaaa*. que so
pe uEr'os sfntidos quanfo ple, em am raoraen- iimtiho o .coragao. sj qaem nao
iPo fatal, desviar-nos do flm a que com perseveran to&,^ton****m
eebeu elle as provas da aaaior distiaegio e estima
dos seus ir raaos e sjperiores, por sua conduc
exeroplar, pela dedcagao ao esludo, fiel compri-
raeoio de seus deve/es claasrraes, e sobretado, pe.
profunda piedade, de queja era enriquecido sea
nobre e bem formado coragao.,
B, com effeito, chegar-se a Pars, moco, ietelli-
ganta, eheio de vida, qaanlo omro mundo oio se-
tinba at all visto, sanio a patria, a casa paterna
os collegios e, passar-se por esta ineajsva-
Babylonia de sedncgSes e encantos, sem pretetmr-
se tela e aprecia-la, pzra demandar-se o retiro
a reelusao___, sem dnvida algama, dispor da
grande forga de vnntade, farca qne s pode sosten-
lar a vootade do Seohor I
Mas o missivista qne v em tndo isto o iopossi
vel metapbysico e maraviihos', pode crer qoe ni-
do se desse, mas desci que para tanlo f isse mis-
ler o exercicio de virlude qaalqjuar, para rasisnr-
se s sedaegoes deslumbrantes do primeira capi-
tal do muodo, com iodo esse cortejo delirante d
desvarios a perdigues, em qae se niergullia a mo-
eidade ioexperieote.
O missiviMa decididamente nao da escola do.a
injetiuos, que emendara nao poder um individno
sacrificar, nessas condigoes, as inclinagiaes da ma
teria, sem o emprego da muia persevtranga e >t>
negagio, ou que oiu se pade ser forte s< m auxilio
de alguma viriude-
Sine virtote intellgi non potest fortilndo.
E' outro o cathecismo do x*ajo propofod?r
das prerogativas e nobreza da igreja pernambu-
cana.
Ah I que se o missivista soubesse, oo por un
momento eomprehandesse, que sement na .-olida >
da vida contemplativa, qua, como por encam >
seecam as tres fonles principies da roncupi-ceri-
nahonras, nqnezas e prazeres;quando a>
quizesse por dever conceder ao piadoso jovea a*
virtudes da fortaleza e abnegagio ; an menos, e
por equilale, deveria presumir, que naquelle co-
ragao todas as esperangas do mundo sa havira-
para senxpre esvaecida I
Em 16 de julho do seguate anno (1862) fz >
digno seminarista o seu ingresso oo convento dos
capochiohos em Versailles.
Recebeu o habito da ordem sarapbica de S.
Francisco aos 15 de agosto de 1863, fatendo a sua
proflsslo de votos simples, no dia 19 de outubro
de 1864.
Professou votos solemnes aos 15 de agosto da
1866.
Recebeu ordens menores em 8 de julho de 1867,
o aobiiaconato em 8 do detembru1 -eguinte, dis-
alo era 6 de julho de 1868, e o sacerdocio em 3
de ago-to do mesmo anno, era urna capella consa-
grada Conceigio de Nossa Senhora. Ai soa pri -
meiramissa M celebrada em Tolouse n'ama ca-
pella cuja invocago a de Nossa Senhora Rainha
dos Aojo.
D'aqui v se que drame o estadio da saa pere-
grioago sacerdotal, aonsagrou seroave os actos
os das mais importantes da sua vida Aquella a
qaem, por protectora, havia enireijado soa alma,
saa vida e seu coragao, desde os seus mais tsnrcs
aooos; Aquella, por amor de quem havia pro-
curado esquecer as mais saotas a caras affeigfcs
da-vida I Reltnquit omma...
Mas tqdo isto para o zeloso missivista cou>a
muilo natural, mesmo ninito commum, a que nao
sorprende a quem j vive aleslrado nos h dtr
tea incruentos dos sentidos....
Deas o ajude.
O missivista da Reforma dexaoo se dt
arrastar pelos seas sentiraentos, nao de emu .gao.
ou despeito, mas de zelo afervoradusimo pelotera
leuiporal e espiritual da igreja pernambu: aa, es
qnaeeu oonsiderar qaa, se eiaco ar~
constituir (com excepgocs honrossy
preparado cn/oma, que, sabn lo de tudo,
meaos satt de n'da, um iletrada b>cit', ~
doalor em scieociis jurdicas e sociass; se ti
podem tir;r da forma um advogadode oota ; f,
improvisar um magistrado modelo, e dahi em dian-
te, proocrgao de sua illuslracao estrpitos' t
serviecs ao piir, uro parlamentar de p dpa, urn di-
plmala consumraado, hablissimo administrador
de provincia,, conselheiro de estado, etc., etc. ele.:
se seis aones, com a mesmissima prupciencia d
preparatorios, podem autorisar qualjuer escula-
pio (anda salvamos as honrosaa^xet pgd. a a tra-
tar da pobre humanidade eufsrmi, correndu por
saa cont e risco, sem previo r-jame le algum tri-
bunal, os fataes passaporie?, em ferina de recipes
inconscientemente destribuidos por ahi assim, para
raaior gloria da sciencia, e infortunio da vijjvez a
orphanlade :Que difficoldade haver, tjigaaoo?,
que to bem noi>< anno possam fazer de Bm in-
telligenle e bem preparado religioso um IHosirado
len:e de theobgia dogmtica, em mtorlante semi-
nario ; era onze, um bispo anda no vigor dos an-
uos, dtalo de bailante capacidade ntelleclual, e
j d'ispondo de eonheeimentos, para em sua oobre
e divina missio applicar-se praticamonte aos esta-
dos atiinentes ao seu alto ministerio I
Nem sempre as IllustracSes preconisadas pelos
desinteressados correspondentes dos jnrnaes ean -
peus sao as que mais acreditara e infaodem can-
danga, dos espirtos ja precavidos cootraaecep-
goes amargas e deploravel expereoia do, pas-
eado.
Que raido, que estrepito quena o zeloso sjskst-
visia que causasse a llustracio de um humilde
religioso, por ndole circumspeclo, segregad. do
mundo em seu retiro claustral, entregue aos Hvffi s
e ao comprimeato de seos deveres ? -
Ignoris, porvontura, que a mais sublime virlu-
de de um verdadeiro filho de Francisco de Assis
a ncomparavel bumildade que taoto distingui
esse bravo combateole da milicia evanglica, a
esse hroe da cbristandadeT
Ignoris 'ainda que a pobreza e a homildade
nao sao estimulos para'cantar se e eipaftar-sc
por toda parfe, assim gaiza de sermao encom-
nendado, a lllustrago de um religioso, e religioso
cuja ordem tem sido ruidosa, mas ruidosa ptUs
bens incalculaveis que ba feto bumanidade, a
reliaio e ao estado, atravs dos maiores -.acn
(Icio?, comprando o bem espiritual a pregas
das privagoes, dai perseguigSes o do mar-
0 missivista tem tio poaca noticia do Ilustrado
e virtuoso bispo de Peroamboco, e por isto mes-
mo mostra taoto afn em ferir a sombra do d>s-
conheeido, que nem ao menos aonbs dizer, c am
verdade, para oude partir elle de saa provincia
Entendeu qne effeetivaraeote so poda ser biap i
quem fosse a Roma, ou tivesse grande dse de il-
lusiragao estrepitosa, a qual, sulcando os mares,
tocasse a todas Jas "nagoes do globo, e chegas-
re sem alteraco, al interior do sea gabi-
nete I
FelizmenO desconheceis qae a modestia urna
virtude, que nem por todos pode ser exorciia ;
virtode qae viiup ra eom vehemencia os exce^..*
dessas glorias e vaidades, que s podem ochar d-
tem consciemeia
seciedade e a Deus !
Disse anda, e ahi naufragou desasadamen'.ef


*
ga pretendemos attingir .
___Qui ergo propter fldem Chrisli, ol predica-
tioo Evaogellii, omnes affectus contempsermt,
atque diviiias el secali volupiates; isli ceoiu-
plum recip'eo, et vitara eternam possidebnnt
No da 1 de ootobro de 1862 parti de sua pro professa.
viocia o joven aspirante ao saeerdoeio, com desti- Com utn spro fez desabar
ao nao a Roma mas a Paris, onde chegando aos infantilmente ergaeo, para tu
M da mes^nTmei, fez a soa eolrada no seminario rir ao desmoronamento de seu proprl idlico, d
d%SaeP/attciro^
que as virtudes do Ilustre bispo oio rame
nhecidas, e que ludo qaaoto delle se sabia er^*
exercia a vinude do celibataro, como deve exeY-
cer o nosso sacerdote, em virtade do voto q i
WrUUtlo, Wlll uoon- v#vm* ua, .-U|.u >u. wwaw- tO iii.nil1i.rfn
oo ndo a Roma, mas a Pars, onde chegando aos infanlmente ergaea para ter fnMgfjnf

WHTI1.MW I


ri d Vernambnoo Terrea (eir 7 de Novembm dt 1871
=s=

^*< ado rrnm eonAeeid/ virtudes 4i dtuttrt
hispo, encarregvse immediatamenic, de destruir
as teas proprias p!>vrs, confessando i mais alta
virtode qae pote eooMgrar ao seu estado ara sa-
cerdote que wer, core o auxilio divino, atlingir
poestvel plMcis da estado que abraeno, era
eonsirangi menta para melhor servir a Deas.
Ex abundantia eordis O loqmur.
E' que elle frege Ignorar qaanlo a nalurea
honuna propensa aos estimlos dos sentidos, a
auqnes inslitos da concupiscencia, s seducidos
a aitraetivos que eoleiam, cenam e pardea) a
rada.
Nio sabis. elTsetivameote, que para ser se non-
tido, qoe para peder se repellir corajosamente os-
insultos das tentaodes roister luur-see hitarse
seo iregoas com os tres poderosos elementos de
coaomuacio espiritual mando, diabo e carne ?
Dosevmheeis, coro ioceridade, que essas leus
sao tanto roais gloriosas, e abencoadae por Deus,
quanto quem as tae.va, com os incentivos perago-
ms do mundo, moco e tem paixdes, roas que iba
compre, a todo o transe, pelo certarae do espirito
cortea a materia, reduzr moralmente essa juven-
tada em vemiee, comprimir os impulsos do cora-
ci, sopitar as paixo-s e desterrar os pensamentos
ijwettem eoedozir o espirito roevilavel per-
dicao?
Nao sabis sinceramente que as armas de que
e preoranem os combatentes, nestas condicoes,
to as vinales da poete ich, da cariiade, da mor
tificacao, da abstinencia, do retiro, oracio e de
tantas outras que eonstituera o anglico cortejo da
pnreaa e da eastidade ? Pois pena I
Ah I vos nio sabis, e nisto vos fazemos inteira
jnstica que para opportuoameote poder-se entrar
nessas pelejas, preciso se fiz que o espirito eslija
cultivada pelo estu io e hv-io dos boas livros mui
principalmente daquellts q-ie fazem a instruccio
especial do hornero da igreja, e qae isso se da
o nome classico de itlustrar.no religiosa, de de erros, de impos sophisroa?, de preconeeitos e
pbaaalismo.
Acreditamos sineerameoie, que ?e um anjo bai-
xasse da mansio eeln-tial ero carcter de ch-e da
igreja pernanjbucana, o missivista, tomado de
loueavel seto pela dloeese, anda assim se iocom
modam, iesde qoe nao I he tivesse soado estrepi-
tosamente aos ouvidos (ao menos em fonhos) a
noticia das viados e illnstra;ao do enviado du
Seohor : seria capaz at... de chama lo um
idiota 1
Nio nos licit), e ne.n mesmo decente, qae en-
tremos na apreciscao das outras razes adduzidas
pelo missivisia para.de ana sapientsima reereia-
(io, censurar a feliz e festejada escolba do dis-
octo religioso capo hinho.
Sao io peqieninas e es Risitas, qoe revelam
antes uiu deploravel amolle.-imenti cerebral, do
que gravidads, zelo e clrcumspeecio : combate-la*,
alero de ser ama desead dade para qaero soffre de
tio hamilhante enfermidade, seria amesquinhar
um assuropto eminentemente serio e melindroio.
Ni entretanto forca dizer ao missivis a da
Reforma, que tranqmllise se ; a poltica nenhuma
influencia exerceu e nem exercer em ti) acera-
da quio digna escolha ; o lempo e os (actos e en-
carregarao de dissuad-lo.
O joven prelado que ir occapar o solio episco-
pal da ama das man importantes igrejas bra-i-
leiras, in:ontestavelmente digno, per suas virtu-
des e talentos, da escoiha do monareba, da pre
eanisacao e contirmacio cannica da Sania S ;
elle na i pretende honras e glorias, seoi > aquel
las, que forem conquistadas por suas luzes e mo-
ral Idade, no desempeobo da missao providencial
qae Ihe conflu o Divino Parclito
Para que desde j principaps a misturar o ca-
lix do sangue sacrosanto do Senhor com as fezes
repagnapies deste mundo, que tuio quer ver pelj
prisma de paixdes rnins, pelo molde grosseiro da<
prevenco s, ds odios, das veileidades e ambi-
res ?
Nao se conturbo a tstiemniii eonscienia do
missi vista ; teaha confian;) na Providencia Di vi
na, qoe o governo episcopal do virluosp e Ilus-
trado prelado, por mnito cercado que seja de *yr-
tes eescolhos perigosos, a sua b5a estrella o guia-
r atray; dos maiores perigos e difllcullades. sem
1 be ser mister o omprego de medidas pe ftdis t
violentas, altamente condemnadas p -lo boro senso,
pruleocia e eiridade. Bista-lhe o exemplo.
Exemph cirlutis benrdicUur, atque dxetur.
J um pouco conhecedor dos humeas e das cou
sas da saa provimia, temos f que a intriga, a
d tfimacio e o mexerico ni) ter) accesso nos sa-
13 do paco episcopal.
Crea eom flrraeta o escrupuloso rossivsla que
Fystima vil das delaroes, das insidias e especu
iatfies ; que as decuujias cavilosas depadr.s con-
tra padres, que a- arliraanhis do< pretensos zela-
doivs do eaiwieadj pernambacano, que todo eue
tecido de mi^er.rls de que dispoira os pbarisaico*
amigos e coos.lxiros de certas e determinada*
igrejas biasilo'ras, praseos flus oceultos, bao-de
cahir em presenca da sab doria, pradencia, pene-
ira?o e energa de um bispo de chile e seisannos
sim 1 nlndcs e Ilustrando conher.ida, mas dotado
de grande dse e vontad* propria, psra lber
ur-se Ijs demon iilti't, mais de tima existencia tem envenenad).
Qticamque re tu recta raclione mcepent, bonum
iltins cerlo sperabit exitum.
do porte, as apresees marioheros dos masuret.
onde fazem sua* naaobras, proromperam a a-
tuToeos vivas ao fBternido* cearanse.
t No quartel ri otT'.reciln offl;ialidaie m
bem servido (cA.taado baviio dtasanoi aat-
mados brindes.
O corpo eoapie-se actualmente de l ofloiaM
e 565 pracas.
< Ante-bontem a arde o batalaai 14 forrooaaa
praca de palaota da presidencia, onde se aoaavam
reunidas algamas familias. Uu choro deeenbo
ras itoou o byroaa aaciaoal, fiado o qaal oare-
lacaram na btadeira urna corda, eoae taM
airadecimento Cear i casa briosa cofcorta *
bravos, que nos ampos do Paraguay levartao
tio alto o nome cearense.
No dia 15 dopaesalo Mari a Candida, caeada
con) Delrtao Jos Pereira, morador no lagar deao-
minaJacar-Grande dando laz nomfr-
a sua casa, no termo de Caseavel, deiioa a-li'
ximo
em completo abaod.no o rescemnascido. Propa-
lando o maride^ae sua mulher abortara, algons
vuioh.s que snepeitararo eonsa dilfereote, proco-'
raram o raalto e encontraran) dentro de urna ci-
ta a craanca de bracos, e anda viva.
- 10 GRANDK.
Nada oecorreu digno de menco.
iPARAHTHA.
Prosegua em seus trabalbos a assembla
provincial.
Palmeen, en Cabaceiras, o capitio Aniceto
Pereira de Castro.
Durante o mez de outubro vieram ao merca-1
do da capital 3307 sac-cas com algodio.
No mez de outabro t raro despachados para
Liverpool : a barca fraoceza I/wnce com 1168
isccassom Ifli.flSi k'los de a'golio, ea'gai-ra
(ranceza Canille tom 2159 saccas com 189,8l
kilos da algodio.
Pieavam carga as barcas ioglezas lsabei,
Aanie e Lady GerUuie.
A alfandega renieu no me.', de nutnbro. .
3*:37J950 rs., e o consulado (1:8022648 rs.
PERMMBCO.
IS7I
(Do Jornal do Commercio.J

DIARIO DEPERNflWBUCn
RKCIFE, 7 DE NOVEMBRO DE 1871
VAPOR PIBAPAMA.
Amanheceu hontem ero noeso porto o vapor Pi
rapnmii,i3, companhia Pernambacana, traiendo
joruaas: do Cear at 29 do passaJo. do Rio Gran-
de at 3 e da Parahyba at 3 do corrate.
CEAR.
Foram sancionados os projectos de le da
:--< mbla provincial creando urna 'fregaezia em
Metejana, serviodo de matriz a eapella da Concei-
,-i ; approvado o contrato de assentamento de
airis de ferro as roas da capital; e autorisaadu
a Mibstituico do lyceo por um ioternato denomi-
nalo Cearense, dividido ero 4 aonos nos qoaes se
n sinario :
I.* ono.
Latim. .
Liogoa nacional.
Arilbroelica elememar e o sysleroa-metrico com-
parado.
Gaographia astronmica, physica e poltica uni-
versal e particular do imperio e da provincia.
Historia sagrada.
2.* anno.
Cootinoaco do ltiro.
Francez.
laglez.
His.tor a anliga e meda (resumo.)
(eometri plana e algebra ate as equares do
2 grao.
3.' onno.
Contloaacio do latim, francez e ioglez.
Historia moderna (retamo.)
Historia do Brasil e da provincia.
4 anno.
Cooiinuacao do latim ioglez.
Historia e potica.
l'nilosophia racional e moral.
Alin destas haver as aagaintes aalas :
Da artes liberaes, de freqoeacia ebrigatoria,,
salvas as disposiedes individuaes.
Masica vocal.
, Deaenho linear, de figuras, de piisagens, da or-
natos etc.
Gjrmnastica e naiacao.
Para o ensino haver os segnintes lentes :
Uro de lingua nacional, um de fraoeez, m de
ioglez, aro defeographia e historia, 1 de'arithme-
4iea e historia, i de arithmetiea e geometra,um de
retnorica e potica, um de pbilosepliia racional o
moral, um de seiencias oataraes e dous de latim.
Htver para cada daas cadejras um subuituto.
O 3r. Augusto Gargel ero regosijo pelo bap-
tismo de seo primeiro filbo, dea liberdade om
aea escravinho.
A Sr. D. Snzana Mara ifacieira, esposa do
consol oriental o Sr. Jos*Das Macieira, era seo
testamento libertoa umescravo de 11 aonos.
Lemoa, no Ceai:$use :
No vapor S Jacintho tugpfi hoatero <6) o ba-
talhao I i de liaba, que ,Wm fuer a guarnkio'
dUprovu:a. ^^
Ao divolgu-se. a noacia ,d qoe o vapor vi
oha embaadtiradQvvarias giraoda|as troram os
ares, e orna immsasa onda de povo agglomeroa-
no trapiche. A m, a ep3ia. a fllha; o amigo,
todos emflm, aoeioaoa eapeuvam ver a abracar os
charos objecios de soas ateigSes. "'-
. 'A'?,.ura a*u/de JictUva ero trra easa
ieflio de bravos. Formados em ordem de mar-
eha, ao tora de duas bandas demosicot e aas-
tepito da liraodolaa, desfliarara para o quattal
m cuja mp acbavt-te poaiada em dot alai
goarda nac mal, ana Ihe fez as devidas continen-
cia?. AouaaMreJufaJbio delronle da pitania
REVISTA DIARIA.
VISITAS PRBSIDENCIAES S. Exc. o Sr. frin-
slheir Jaoqo>-ira, presidente da provincia, fui
hontem visitar as obras da eojnpanhia Recife Drai-
nage no largo das Cmci Ponas e ao norte do ar-
senal de marinba, na ra de S. Jorge, e hem as-
sim as obras da igreja que, ero substitircio da
anliga, esto ergoendo os religiosos capochinhos
no largo da Panha
N is obras das Cinco Ponas fanecionarara todos
os apparelhos e roachinismos asseotados, e S. Exe.
leve occasio de al mirar a forc e potencia do
jacto d'agua prejeetdo pelo esgjicho de urna
maogueira de incendios facilroeote aduptavel as
boceas d'aguas, que ha lempos dissemos se inium-
hera aquella companhia de collocar oas roas da
cidade para a exiinccio dos incendios.
S. Ex^. mostroa-se sati-feito pelos ixcellmtes
irabilhos da empreza e regular trabalho executa-
do em saa presenta, unto oas Cinco Ponas como
oa< obras do bairro de S. Frei Pedro G'.ncalves.
Das obras da Pecha, que percorrea eom raioa-
ciosidade, moslrou-se S. Ex:. Igualmente sa'.isei-
lo, admira-!.i) o primoroso trab.ilho archi?ctoaico
do monumento que es'.io levantan lo os capachi-
nhos.
Aeompanbaram S. Exc. o S.\ Dr. director das
(ras publicis p o Srs. gereote e engoheiros da
companhia Recife rainage.
PROMOTOR PUBLICO.-Por portara da presi-
dencia da provincia, de 4 di corrente, fei removi-
do o Dr. Manuel Autooio da S:lva e Mello, de pro-
motor publico da comarca de Flores para igual
cargo na da Boa-vista.
JUIZO DE ORPHAOS.Como prazo de 60 das
a ciliar de t do cumule, acha-se em concurso o
piovmiful i vnalicio do olli:io de segundo escrivo
de orphios da comarca do Recife
CMARA MUNICIPAL O RECIFE.-Esla cor-
por.cao coroeca a sua qoaria sessio ordinaria, no
crrenle anno, amanha (K)
INCENDIO. Hontem por volli das 7 horas e
I [2 da ooute, as igrejas derara sigoai de uro in
cendio, qoe se manifestara na loja o 4 ra 1*
de Marco (amiga do Crespo) onde se achava es
tabelecido eom casa de relojoeiro o Sr. Dutoya.
O incendio coroeeou no baleo e pela armaco,
e, estando fechada a loja, foi pressentido pelo Sr.
subdelegado de Santo Antonio, que mandn dar
os signaes estabelecidos e fez arrombar a porta
da loja para extioguir o fogo, o qaa conseguio
com o auxilio de aiguos vsiohos do predio, antes
que ebegassero as bombas, e antes das 8 horas
da noote.
O preju tf cau-ado pelo fogo f i peqneoo, gra-
fas a presteza do soccorro que levoa i loja o
referido subdelegado, Sr. Abren.
Comparecern! ao lugar do iocendio o Dr. dele-
gado da capital e alguns inspectores de qaartei-
ro.
Se tivesse silo outri hora mais adintada da
ooute podpria ter tido mu serias onsequencias
esse incendio, que comj?(ou com grande activi-
dade.
CIDADE DE OLlNDA.-RealisDU-se no domingo
(3), narua do Bira-Fim, a renniao promovida pelo
Sr. Dr. Joio Fran:isco Paes Ba.reio para a ins-
tallacao da sociedado Beneficate de Soccoiros
Desvalidos, coro assistemia de cerca de 70 pss-
soas, entre as quaes o Exro. e Rvm. Sr. vigario
capitular, grande parle do cabido, Dr juiz de di-
reito da comarca, 'e outras pessoas gradas.
Sendo acclamado presidenta da reuniio o Exm.
Sr. conego vigario capitular, S. Exc. propoz e fo-
ram approvados os Srs.: Dr. Qu.Uiao Jos de Mi
randa para vice-presidente; paare Jos Raymuodo
Baptiata e advogado Chrisiovao da Roeha Cuuha
Soalo-roaior para secretarios ; majir Laureatino
Joro de Miran li para thesoureiro ; Thimiz Bar-
reto Lios de Barros, J,s Carlos do llego Valeoga,
e Manoel J laquim Bollho, procuradores; e mais
doze mordoroos, cada o a dos qaaes servir ero
cada mez do aooo.
Logo a(i isso, pwcadeu-se el-ico de urna
eommissio para confeccionar os estatutos, de ac-
cordo coro as lm-es apresontadas.
O Exm. e Rvm. Sr. conego vigario capitular, ao
declarar encelados 03 trabalho', pronunoiou o se-
guinte discurso :
Senhores.Nesta calami:osa poca, em qoe as
paixdes rebeladas e o espirito desvairado dos li-,
vre-peosadores fazem desabrida guerra spoU;,
religio que professamos, despresando assira a pre
cosissima virtade da caridade, mimo-a 11:ha do
coracio de Jesas; nesia poca tio nfflctivu para
nos e de tio tristes recordares para os nossos
vmdooros, sobremodo coosolador vermos por
entre este gara! torvelinho das almas piedosas
conservarem-se unidas a Deis pelo vinculo da ca-
ridade, exercida a prol d aquellas de nossos ir
maos, qae esli tas ciicumsiancia de neceesitar
da nossa beneficencia, de nosso zelo e dos nossos
cuidados.
t Expressando-me d'este nodo, senhores,. me
grato declarar-vos, que o motivo da nossa reuniio
a insiallagao de urna sociedade exclusivamente
formada para de um modo todo particular e nao.
meaos firme e permanente extender nossas maos
Demfazejas a bem d'aquetles que, dominados pelo
pudor e acinhamento natural vivero no centro de
suas humildes habitaedes soflYendo a fome e a nu-
dez, confundindo os seus gemidos com os de seas
llhos, sulTjCido uns e outros pelo roovimento dos
que passaro, e principalmate pelo iadiffereosmo
dos christios libios.
Este Beasam,ento lio nobre e lio sublime a
reproduccao do que pracaram os. piedosos filos
da Cruz na Igreja oasceat0, nrova bem clara e evi-
dente qae em tolos os lempos, aia Ja os mais cala-'
mitosos, anda os mais oppostos sia dootrina, tero
existido quem faca parte a'essa ewmplar porcio
da haraaoidade, tao digna.das benfSos, do co e
da admjracao dos hoaens, como foram aqoelles,
3ue," oo viram o Verbo da vida, ou apreoderam
os que llveram a feliCidade de cem elle coo-
versar.
* Atoist% senhores, vemos aro nota da ver-
dadera Igreja, cojo espirito sendo todo caridade,
toda saodade, por isso mesmo superior i essa
decaotaJa,nblantropa, qde oio seate a ioQueocia
do.Qrvalhu celeste, visto estarjojeita a ucunaedes
IWuraes,. amas de nm coracao Incapaz d'assea
voos, d'easea seniimeoto* elevados, qae s o vw-
dadeiro caibolico pode t lo, gloruoo-senajuene
]ue comaosco reparte os thesouros celestes.
Jiem triste,por,m genborea, que o nome de
Jesas, sendo lio reverenciado por lodos os pavos
da larra, mesmo por a juelles qae vivero apegado?
aos seas systemas ruaeiros, taja lio oooaw ad 1-
rado por aquellas que se diz 'm povo, doju joasto
e otejhas do, seo rebaoho.
t Para matos pais seria Uto om verdadero
poeoomaoo. porque n'aqaelle lempo o b/stio era
BntartaM nw nossos das esta oberaaa virtode
tem sldetwni.la do cm^ao de oims, tvmtra r
quaes em lampo o Juiz Supremo ex crotorar soa
falta de candado, quando aos aeos pobres foi m-
gado om fd.. um vestido, uro consol, urna bos-
ttadagem, fimo cono na pe*o. dos iodigaatei -
teram ao pmpri ues. E* isto o que mno< ao
evaogelho ce S. Matheus c. 44 vi37 e segointes :
woh-w. miando qoe n* le irnos faminto 00
seqoo.-o. na hospede, ou iw, db enfermo oo no
c*rcere e t.i deixa-Tios de assistir f Bati Uta res-
pondera elle, dlzendo : Na erdade te digo ue
quantas vetea dmasteajle ater'a om d'estat*mais
pequenioo, a mira, e dentaste de fater.
f, 30H, a enrulado o signa! cara-ttristieo do
verdadeiro christio, a virtode que imprime na
nossa fronte o aoie do Cordeiro I nmacatado e
esereve o etso aome ao livr da vida.
N parfeito cooneeimento d'esta verdade ve
mos 6 meJroo EvaOgelista S. .,i 1 dizer nos na
soa fc* Epstola, c 4% M e II.-, Je ,"
disser que aroa i Deas e aborrece a seo Tr^nio
uro ineuuroso. Porque aquella que aio ama' a
seu irmao, a qaem v. como tdewnr a Deas
quem nis v i E nos temot de eos este n'o.
damento : que o que ama a Deus, ame tambero a
seo irmio.
t E o apostlo S. Thiago, cap. 1 v., 37,.,*, lt.
ramente : c \ religio pura e sem macla aos
olhos de Deas e nosso P.i eoasiste msto : Ero vi-
sitar os orphios e as vmvas as soas a(neco-s e
em se conservar cada om a ti iseoto da corrupcio
d'esle seclo. ^^
-Verdadeiramele admira-ei em sabed ira o Sal-
vador do mondo nio restringa ne n coirctou esia
eeleste virtode ; elle a fez extensiva a todas as
pescas, elle a fet obrigator a todos os esudjs e
coodlcoes : como viude do seo coracio elle quer
que os nossos sejam oceupad h por ella, e qae ao
teu cumprimenio uao se faca excepi^ao de pessoas
porquanto na mesir.a Epstola de S. Thiago as.-ioa
lemos: So tizerdes di'linsro dentro de vos mea-
mos, seris juizes de pensa-ueatos ioiquos cap. I
T. 4.
Se, pois, o infiel, o jndeu, o mahometano, o
protestante e o <-hysmaucj pJem ser objecto'da
nossa caridade, quanto nio devemos euidar no
bsm estar dos indigentes, que, como nos, pertea-
cera ao rebanho do Senhor 1
De soa parte os pobres bem artos do espirito
qae anima a sania religiio que prufessamos, oella
acharo consolo, porquanit ateniendo pranos
soas maos supplicantes, pedem um sobsidie, pe-
dem aquolle ooolo que a aessa commise'acio
ditar. o suecorro que estiver na nossa possibili-
dade.
Quaolo a o<, basta umi s r;Oexio para re-
conhecermos qoe ni 1 ba viitoie qae nos torne
mus seraelhanies Daos como a da caridade, ex-
tinguindo, corno faz o Creador, a f ime a quem a
tun, vrstiudo a quero e-ta mi. animando os fra-
cos, cms liando os tristes, tornando d'este modo a
sua vida mais suave, sua pobreza menos penosa,
suat uecessidades menos oppressora1.
E sobre lio bellos principios qne o illastre
cavaileiro o Sr. Dr. Joio Prancisco Paes Brrelo
tero eropregedo seus esforcos no iniuito de se rea-
lisar esta piedosa sociedade, para a qaal nos acha-
raos aqoi congregados.
Senhores, para que tio importante tarefa le-
nha o devido efieito, para que se torne permanente,
e necessario uro esforc da noa parte, preciso
sobre ludo rogarnos a Deus que abence o nosso
proposii 1 amme a nossa fraquaza, oxope os nos
sos coraeSes, para queassim mil tm nados aossa
mos com prazer e perfeiu dedieucAo proseguir
neu poderosa tarefa, varili:aadose ero nos o qae
o Salvador disse no sermo do monte. S. Matheus
c 5, v 7 : Remavtsntarados os iniericordiosos, per
que tiles alcaocirao misericordia.*
S>ara. i -ao Piulo, i de Antaain Porte, Joio P. Jal
M a Oliveira. Maonei A. > Mella, Sis J. N hre]<
Cmara, Jos Lma Cava.'caaw da O. L. E, C de' -
Oliveira, Josnina de O. Manos, Antonio Jote No
bre C, Jacintbo de O. C, Samael B., Francisco f.
Comes Leoncio P. Ribeiro e soa senbora, Antonio
P. da Silva, Antonio Motta, Bro de Caetan, D
Francisca C. O. Abren, saa 91 ha e 1 criado. Dr.
Francisca Jacintho Pereira da Motta, sna senhora,
T5 filhos e 9 escravos, loao Holmez, Thomaz de
Aqaino Miadello, sua.aminora, 1 fliba e i criado,
ama praeadoa.-'escravaa.
HOSPITAL PEDRO li.-O raovimento desse es-
tabelectmeoto de 30 do oatitbro a !i de aovembro
L1MPEZA PUBLICA.-Piante a cmara man
cipal do Recife vae praca, no da 8 do correte,
o servco da limpeza da freguezia de Santo Aoto
nio, avaliada ero ziOtOOO teoaoaes.
CAPTURAS Pelos delgalos de polica de Ta-
carai e de Floresta f dos s respeciivas eadoias: J^io Lideira, proaun
ciado ero 1851 como iacarso as penas do ari.
192 do cdigo exiol^al-; e Joaqaim Praeiro, sen-
tenciado.
DINHEIRO.'O vapor Pirapama 'rouxe para os
Srs. :
Antonio Albirto de Sonta Aguiar. 4:854*000
Parete Vianna & C. 4:600|U0p
Luit GooQaWes da Silva & Pinto. 7334000
Joaqaim Jos Gonc/ilves IMirio. 148*830
SUFFR AGIO.Amanhia mandam os emprega-
dos da secretaria da f residencia da provincia ce-
lebrar, na matriz da Boa-vista, das 6 is 9 horas
do dia, missas por alma do sea finado compaobei
re Joa > Baptista Perreira da Aonunciacao.
CORVETA IHHIANA.-Este navio de guerfa
brasileiro bnr'dejando ao largo do nosso porto, fez
h ntem pela raanhia exercicio do fogo no hori-
zonte.
' RA DO CAMARO ^Moradores desta roa e
do Hospicio, nos pedem para chamar a alten
fiscal da fregoezia da Ra-visla, para o aba*
costme de alguns visinhos, habitantes d'am car
lico ah existente, de lancarem na ra qmnto lijo
e imroundicia tem em casa, com grave incororoodo
publico.
MOSsORO'. Hqes i hiras da lar Je segu
para este porto ero direitura o vapor Parahyba
da comoanha Pernambacana, conforme se acba
annuociado.
ESCOLA NORMAL. Coraecaram hontem o.-
exames dos alumnos do I* anoo, sendo examina
dores os Srs. prafessores Mindoll 1, Drs. Franco de
S e Dor aellas. O resultado da turma foi ose-
guite :
Franehc Correia de Maltas plenamente.
Jos Carneiro Alves Bazerra, dem.
Alfredo Canuto de Lima, simplesmeoie.
Philoroeno Raymundo Nunes Lima, dem.
Jos Flix Alves Plmentel, idem.
Examinaran) no 2* auno os- professores. Drs.
Maximiao Lopes Macha lo e Ayres de Albuqner-
]ue Garoa ; presidio o acto o Dr. Jos Auslregesi-
lo Rodrigues Lima.
O resaltado foi o seguate :
Antonio de Medeiros Mafra, plenamente,.
Manoel Ildefonso Penaforie, iiem.
Casimiro Lucio dos Saatos, idem.
Heleodoro Sezino de Oliveira Coragaro, simples-
mete.
Dous reprovados.
Amanhia priaciptario os exames do 3 anao,
seado examinadores os professores: Drs. Ezequiel
Franco (le S e Aoslregesilj Jase Rodrigues de
Lima, presidiado o professor da escola pratica.
E no dia 20 do crrente ter Inga: o exama dos
alumnos da escola pratica aaaexa escola normal
sendo examinadores dous alumnos-mestres e pre-
sidente do acto o p'ofessor da raesma escola pra-
tica.
LOTERA.-A qaa se a;ha venda tl4"
beneficio da matriz da Capunga. a qoai corre no
dia- .14.
foi de W7 existentes, entrarara 47, sahiram 34.
fallecer ti, existera S99;amtdo 184 tamans 115
mulheres.
Advertencia.
Foram visitadas as enfermaras estes das as
II, 9 1/, 8, 7 1/2,8, 8, 7 1/2, palo Dr. Ramos, as
7 !/*, 7 1/2. 7, 7, 7 iVi, 7. pelo Dr. Malaqsias.
Fallecidos.
Maooel Hidro do Sacramento ; alcoosmo.
Aatooia Mara da Coneeicao ; baxigaj.
Beroardln'o Jos' Cabral; fistolas.
Manoel Antonio da Silva ; congesto cerebral.
Candida Mara da Coo;eigio ; tubrculos pulmo-
nares.
Antonio Joaqairo de Seaaa ; dearrhea.
Roque Nones Michido ; perttauite.
Ant na Marta ; ttano espontaneo.
Clara ; apoplexia.
Mara Jas Virgens ; febre perniciosa.
Pedro Antonio dos Santos. tubrculos pulmo-
nares.
UKMTERIO PUBLICO.Obituario do dia $ de
aovembro.
Mana. recem-nas:ida, parda, Pernambao, S
Jos; ttano.
Jos Hilario, pardo, Peraambuco, 47 annos, ca-
sado, S. Jos; varila coull ieue.
Graciana, branca, Pernembuco, 3 aonos, S. Jos-;
varila.
Antonio, eseravo, prelo, Paraambueo, SS aonos,
solieiio, Saalo Aatooio; tubrculos pulmonares.
Va] cadver encontrado, ignora se o mais.
1 Si I *ina, bra na, Peruano buco, 4 mezes, S. Jos ;
dyariai.
- 3
Roque Nuoas Machado, pard >, Pdraamboco, 40
annos,casad-). Boa-vista; feriraeoto.
Euiphania Mara de Oliveira, parda, Peraambu-
co, M aonos, aoReira, S Jos; marasmo.
Mara Magdalena da >osia Peras, branca, Per-
Bambuco, 38 aanos, viova, Graca; meelile.
Matbias Goncalves de Salles, prelo. Pernamboco,
80 annos, casado, S Jos ; epate interne.
Candida Mara, Pernamboco, 4 nn zas, Boa-vis-
ta ; eonvol-o-is.
Antonia Mara, prela, frica, 70 annos, soltaira,
Boa-vista, hospital Pedro II; ttano espontaneo.
Francisca, preta, Pernamboco, 82 aanos, sollei-
ra. Puco; dyarrha.
Reoem-nascido Aalonio, branco, Peroambu'-o,
Boa-vista; ao nascer.
Manoel Leandro Bexerra, pardo, Peraambuco,
30 aonos, solteiro, Boa-vista ; varila.
Manoel, eseravo, pardo, Peraambuco, 8 das,
Boa-1 isla ; ttano.
Manoel, pardo, Pernambao, 10 mezes, S. Jos ;
varila.
Gertrodes do Nas:imesto Gaedes Alcoferado,
parda, Peraambuco, 3o anuos, casada, Varzea;
no iles lia do pe lo.
Simio, branco, Pernamboco, 4 aaoos S. Jos ;
bexigas.
4 -
Mara das Virgens, parda, Babia, 57 aonos, sol-
taira, Boa-vista, hospital Pedro II; febre perni-
ciosa.
Pedro Antonio dos Santos, pardo, Alagas, 30
anms, soileiro, Boa-vista, ho-piial Pedro II; tubr-
culos polmoaares
Felismina Mina da Silva, branca. Peraambuco,
31 aonos, solteira, S. Jos; febre ivpiuHdo.
Manoel da Costa Chacn, branco, Pernamboco,
30 anno. casado, Poc<; esmagado
Clara Kranci-;a das Neves, branca, Peraambu-
co. 63 annos, vinva, Boa-vista; apoplexia.
Mara, preta, Pernambaco, 10 dias, Recife ; t-
tano.
Miaoela Pessoa de Carvalho, branca, Pernam-
baco, 73 annos, viova, Recite ; apoplexia cere-
bral.
Graciano, preto, Pernambaco, 19 aanos, solteiro,
S. Jos; tubrculos pulmonares.
Benvinda, branca, Peraambuco, 7 dias, S. Jos:
espasmo.
Maooel Antonio Villaca, branca, Pernambaco,
73 annos, casado, Santo Antonio; tubrculos pul-
monares.
* Por estas coat lera 54 alende a abaixo m-
signado que o nomero da* botica* nio ett en
reucao a popalacio da eidade,por uso de
pareeer se informe favoraveimenie. Recita 13
de oaiabro de 1871. -Angelo Henriqaes da Sil-
t va.Approvado.
Despacharan-se as peticiss de Antonio Fer-
nanles de Lima, Fraactsco Baptista da Silva,
Francisco de Castro Carvalho, Joaqaim Gregorio
dos Res, Joio Cbrstiani, Joio Tnoin da Silva,
Joaqairo Barbosa de Olivairaj -Jos Franaim do
Reg Barros, Lait Lopes Camello Branco, Macha
do ;& Silva, Maooel Soares PirdMiro, Norberto
Maniz Teixeira Gaimariat, Pereira da Caoha &
C, RomioMaximianodaCanha e Tiburno Piu-
lo de Almmda ; e levaatou-se a sessio. En Loa-
renco Bexerra Carneiro da Cffnha, secretario su-
bscrevi.
Ignacio Joaquim t Sonsa Uao, pro presidente.
lose Marta Freir Gameiro.JiT. Prxedes domes
de Soma Pdmngn. Angelo Hmriquu da Silva.
Dr. Silvio Tarquinio Villas-Roas. Dr. Pedro de
Athayde Lobo Moscoso.Bento Jos da Costa.
PUBUCACOES A PEDIDO.
CASA DE DETNCAO.-Movimenio do dia 3 de
aovembro de 1871:
Existan) (presos) 332,. eotraram II, sahlrami,
existero 3'i9.
A saber : .
Nacionaes 231, mulheres 12, estrangeros 43,
escravos 49, eseravas 2.
Alimentados a asta dos cofres pblicos 273.
Te ve baixa :
Jos dos Aojos Paciente (pleursdynia.)
LEILES.O de otaveis e mais objecto da casa
de residencia do Sr. Win, Raalinson. no Puco da
Ranella, davnter logar quiuia-faira i ti do crren-
le e nio qunta-feira 9, conforme tae annuociado.
Sexta-feira 10 do correle, efectaa o agenta Pin
to o leilo do movis, louca, crystaes e outros ob-
jectos conforme esta annuociado, para o 1* andar
do sobrado da ra-do Vigario 0. S.
PAS3AGEJROS -Viodos da Granja ecallas no
vapoi nacional Piranama;
D. Joanaa Butaoa a sua illha, Joaqaim F. Coyal-
caote, Isabel Marta do Sanios, Francisco L.d,Au-
^JmdjtO^MujMtiimjjiaJggiMOiiM i^hta,Ma-
ooel loajaim ^K^PvVWP*'l\ 6 fllbo' Jjio
Barbosa dos ^aMvfp^*encourl. padre
Florentino ftoVSt &*> -mmlw Jo: da Costa
Aroaral, Henriqoe Cesar S. e toa senbora, vigario
Miguel Franouoo da T 4oia M. AJJvaso Barroso,
Jos Gomt,darJo3il*i lMnvfcfe^*ft,,J,t# fl 5 8-
'"' ... CAARA MUNICIPAL.
5E5SAO EXTRAORDINARIA AOS20 DE OUTU-
BRO DB-M71.
1^ PRESIDENCIA DO SR. OR. SODZA LBO.
l-Pre-entes os Srs. Gameiro, Dr. Pitanga, Angelo
flennjues, Dr. Villas-Boa, e Dr.Moscoso, abri-
se a sessio, e foi lida e approvadaa acta da aote-
edente.
Leo-sao segainte
EXPEDIENTE.
Urna peticio de Joio Soares Veigas qae pre-
tende edificar orna casa de taipa ero terreno qne
arrendno no povoado do Campo-grande.Ao en-
genheiro.
Outra de Francisco da Suva Reg, pedio Jo pro-
videncias pelo enoinmodo qae Ihe causa urna re-
linaria perieneeole a Antonio Igoacio Brandio.
A' eommissio de saade.
Outra do advogado Joao Joaquim de Albaqoer-
qae, pediudo o paga vento de costas em qoe de-
cabio a cmara.Ao contador.
Um pareeer da eommissio de edifteaejio acer-
ca da peticao de Joio Christian.Conceden se.
Un reoerimento do Sr. vareador Pitanga, nos
segrales termos :
Rsqueiro qae se peca ao presidente da pro-
vincia, copia do tsooiralo e mais regul amentos
que regem a coraoaolua da illuroinacio a gaz >
Paco na cmara municipal do Rejife 20 de on-
tnbro de 1871.Dr. P.taog.Approvado.
Ootro do Sr. vereadur Gameiro, tambero nos
seguiotes termos :
Requeiro que sajara comprehendidos os ar-
mazeas do largo do Cbafariz, fregoezia de S.
Frei Pedro Gjnoaives, para miles se estabele-
cerero os depsitos de gat kerosene.
Paco da cmara municipal do Recife 18 de on-
labro de 1871.- Jos Mara Freir Gameiro.
Prejudicado, volaodo a favor e Sr. vareador Pi-
tanga.
Ootro do mesmo, pedindo qoe se iaserisse na
nsente.*cw os pareceres dados acerca da pe-
ticao de Jos Targioo Goocalves Fialbo.Appro-
A eommissio de peiicoes a qnem foi preseo
ta a pelic) de Jos Targino Ojncalves Pialho,
pedindo ao governo imperial que Ihe seja de-
1 lermicadamente concedida para esta cidade a
icenca qae em 1865 Ihe foi oatborgada para
< ter botica abena na cidade de Peoedo, pro vi n
cia das Alagoa, e em caropriroento ordem do
< govereo que Iba foi transraittlda pelo Exm. pre-
sideate da provincia por p triara de '28 de se-
9 lerabro do eorreote anno, entende qne a esta
cmara curapre informar a referida policio de-
clarando ao governo Imperial qae taes licencas
- ero auencao a falta de boticas em
Foi ha dias publicada no Liberal ama corres-
pondencia assignada pelo bacharel Manoel Heori-
ques Cvrdim, e a entregaramos ao despreio, que
merece, se esse homam qoe nanea presou a ver-
dad*, tentando apreeiar o contracto felo pelo di-
rector das obras publicas eom o erooel Joio Vieira
de Mello e Silva, para os coneertoa de qa-* neces-
irava a cade 1 de Caroar. se nio se arremessasse,
modo de ci hydrophobico, sobre o Exm. D .
Manoel Portilla, "e se em liogoagem propria de
qaero nanea recebeu educaco Ihe oao dirigisse
os mais grosseiros insultos, qaerendo convencer
ao publico de que fJra, na reaiisacio dess con-
tracto, o protector do coronel Vieira, e o causador
nico de nio ler o digno director das obras pu-
blicas approvado melle que o" Sr. engenheiro
Leal ftzera eom o raesmo Cardim.
Procaraudo dar ao contrasto propones gfgaa
testas, Cardim fe lo maior dez vezas, daodo-Ine a
importancia de 7:976't800, quando o sea verdadei-
ro valor de 797*300.
Qae o contracto celebrado com o Sr. Ordin de-
penda deapprovaeai crasa que nio |>le sof-
frer a menor contasiaca >, e alm disso, nao tendo
precedido a necessaria liia;a, nenhum valor deve-
ra elle ter em fice do ari. 100 do regularaento
dessa repartieio. Ji se v, pois, que ne-tas condi-
c5 s o director das obras publicas nio poda crasi-
derar legal, visto nao merecer o contramate ,1
menor garanUi.
Gonheeendo de perlo o Sr. Dr. J;s Tiburco,
estamn profundamente convencidos de qae o roo
vel que o obngou aio sustentar o contracto, qae
ainda dependa de approvaeio, foi a falta de con-
llanca qoe Ibe inspirou o nome d Sr. Ctrdtm.
Qaant) ao que diz o correspondente de Carua-
r ("que ojmesmo Carlim) ao Li&cral de 2 do cor-
rente, notaremos apaas qae ainia faltoa verda-
de era affi'mar que faria parte do orcaraento pri-
mitivo o accreseimos qoe hoave aos reparo* Ja
cadea, e que p>r coosequeoca o eootratante era
ebrigado a fazer aquillo que se achava espee.fi :a-
do no contrato. E-se accrescimo foi posterior-
menle avahado pelo juiz de lreito da comarca, e
nesse sentido officiou elle presidencia, qae ap-
provou o sea orcameoto ns valor de 143*000.
Se o Sr. Carlim soabesse que tal accrescimo
fora autorsad 1 por intervengan do dootor juiz de
direito da comarca, tal vez o nao ceosura-se om
tanta asperesa, visto er este sea quiato padrabo
de chrisma, segando se diz ero Caruar.
- Guardaremos o mais completo silencio qaanto
is torpes injurias, que dirige o Sr. Cardim em suas
corre-poodencias ao Exm. vice presidente da pro-
vincia, o Sr. D Portella, qae, assim come ao di-
rector das obras publicas e ao coronel Joio Vieira
por nos pareeer sempre designa! e iacooveaieate
discutir nesse lerreao com ciraeteres da tempera
do Sr. Cardim.
Todo o mondo sab que igual ao seu Cordita
s pie existir a sua ndividuaiidade.
Juslus.
O abaixo assignado, morador en a fragaeza de
S. Jos de Piranhas,do termo da villa de Cajasera*,
da comarca de Souza, desta provincia ; provoca ao
Sr. Ao oo > Alves de Pigiiirel>, mirador em o
mesmo lagar, e actualmente subdelgalo de poli
cii do districto daquella fregnezia; a declarar
franja e lealmente, a qual dos partidos polticos
pertence e serve, para qae desapareja no futuro,
qualqner duvida a esse respeilo; certo de qae
senio fizer esta declaracio com a mxima brevi-
dade, fiear eonbecido por um pelotiqueiro impu-
dente, que serve de iustruraeuto para vioganga?
partidarias.
Parahyba, 28 de outubo de 1871.
Joo Pires Ferreira.
Fernando
sio dadas
aceramente cari loso. All se cofnp/eheadia o
gue o Espirito Saoto declara ao apostlo S
Deus i caridade, e que permanece na caridade
permanece em Deus, e hu nellt i S, oo i.
nza,,
cbiaju BM Jos P. d Oliveira, Francisco X, dot S,.
sua senhora e 2 filhas, J. J Seve, T. 0 Sout"
Maior, Antonia A. de S)0ta, ManoaJilL V. PrH.
Jos da S Medeiros^Falippa de A.Brreto, Sera-
fina Amonio A. C, AntaAio J de Souza, Manoel A.,
Manoel Gomes de 0. e S.. Joao m. Soares de Amo-
m, Jos* Waj Soares, Nicolao P., Aatooio C> do
armo, los T, "'
te Ferisira
8
Xaxier, Justino
1 T. Alves, Joao B.-Ftlra, arbart,
&SMMS8tt.
carias e determinadas localidades, (azendo-ae
.para essa forma excepci por amor do inte-
resse publico, ueste easo se nio aeha a liceo
ca pedida pelo requeren'.e, urna vei que nesta
cidade nao ha falta, e antes grande numero de
taes estabelecimentoi existe.Racife 11 de ou-
lobto de 1871. Dr. Silvio Tarqainio Villas-
Boas.-PrejadJeado. /
Jos Targino Goagalves Fialho, solicita do go-
1 veroo imperial a graga delie administrar a bo-
"c qoe tem na fregoezia da Bol-Vista desta
C5*< Dm? njr,llle '8111 8raca Ihe fora con-
eeowa QD^B teve boca em Penedo, como por
qoe igual gnea fora concedida a outrem des-
ta cidaae,. grcaiiue o governo s concede
quando a falta de bolieat oo iugax em qoe
lias se qnerem estapelecer.
0 peiictonaroo j tem botica aberta na ra
' ^W^'1' 80b a fiPDa G13 C% U)da
idade..sane ooe abi sao as receilas haviadas
.pelo peueMaro, pois o reprase tanta ananas
'f2JEa!2%2SV m rojnitoaeacio a
t,. leqaptnmai. wrJkaca mam nao taro eai-
, u aharnweottco. VerlfJca.se da. almaoik.
* SA*",d#,*^ wdfrj taile popaJpsa
Arilda^aa froguatas du S.^Fr Pedro Gao-
^ves J^to_ AoiQBio, S. Jos,,Bu,Yisia^ e
Graca, tem H boticas, eapalhadaa nat 4. priaiei-
ras freguezias, leudo freguezia da ,Bw,V*ta
' SUS!? S***^"awra Ma dvM nio.!uf-
. IdmtftmjtAwatfM, da Boa-Vis a Gra-
' Fi'PP^ J*?** i Bia iea aeaoam et-
< uneleaioieataie pna/aaci^ aaada.eeta a raaao
Para S. Exc. o Sr. presidenta ver.
Em urna poca em que todos esforcara-se para
que o presidio de Fernando fique esporgado do
que ruira, e atiinja ao eograudeciine.no a que
tero direito, como praca de guerra de 1*ordem,
anda ninguem se atreven a presentar
ao governo ama medida no sentido de fez-r,
para sempre, desaparecer um abaso all invetera
do. a causa primordial de lodos os males que
allligem aquella ilba.
Qoero, pois, ser eu o primeiro a aprejeota-la,
urna vez qae t-mho por longo lempo eslulado e
retletido sobre a utilidade de tal medida.
Rairo-me retirada do presidio de lodos aquel-
los vivandeiros que all estiveram cumpriodo sen-
tenca, e que acabada esta, voltaram para estabele
cerem casas de negocio.
Ninguem, que conbeca-Fernando, ignora o gra-
ve inconveniente le entrada e permanencia na ilba
de semelhante classe de negociantes, verdaleiras
sangne-sngis. A disciplina muilo soffre, porque
o sentenciado que dez dias antes dvia obediencia
e respeilo aos seus superiores, aprsenla-se au-
daz e atrev J', com previlegios da negociante
exigindo regalas e garantas.
Nao ha furto que pi compren); nio fazem ama
riagero capital que nao voltem carregados de
agua-ardenle.
Sao ellas os correspondentes da quanto prevari-
cador al i aporta. Suas casas tio os pontos de
reuniio para as tensaras e calumnias aos actos
das autoridades.
Os arttgos insultuosos que de vez em quando
publicara os jornaes a respeilo de Fernando, sio
preparado- en saas casas, pagos por elles, e por
elles enviados para os prlos. Nio ba repuiagio
qoe nao ataquam, o ponto qoe sejam contraria-
dos em seos rotaremos Ilcitos.
Sa forem retirados de Fernando os negociantes,
qoe outr'ora all comprimo) sentenca, a iiha Aca-
ra em paz.
Agora mesmo Matheus Fernandas Pereira, que
alf j oamprio sentenca e qae nio ba 15 dias sa-
bio da cadeia desta cidade, se prepara coro grande
earregamento de gneros para voltar a Fernan-
do I E porque oao negocian nesta capital sab as
vistas da polica, Antonio Gomes Senna, Manoel
Rodrigues doaseimenln, Manoel Joaqaim de Pai
va, Joaqaim Rodrigues Mata de Oliveira e Matheus
Fernandos Pereira f I
A resposta fcil. Pjrque, em vez de gosa-
rem de inanidades que so podem gnear aquelles
qoe tem nm precedente hnrese, estaara na ca-
deia pelas giatiietas qaa pcaticam.
Nesta capital esli preparando earregamento,
Matheus Fernandos Pereira e Antonio Gomes Sen-
na ; na cadeia por sospeito de moedeiro falso,
Joaqaim Rodrigues Maia, que sonta livrar-se come
Matheus, e em Fernando, Manoel Rodrigues do
Mascmento a Maooel Joaquina de Paiva.
Se estes vampiros forem retirados da ilba, como
reclama, a raoraliiade, soesgo e trauoninidade,
desaparecerio eom elles as intriga, as columnus,
as la-iroeiras dos sentenciados e todo qaant) tem
sido alti boje asss prejudicial.
Matheus Fernandes Pereira, Antonio Gomes Sen-
na e Joaqaim Rodrigues Maia, nao devera voltar
rais a Femando, Manoel Joaqaim de Parva e Ma
noel Rodrigues de Nascimento; deven) qaanlo an-
tea ser de laretiradas.
E' esta a medida qoe tomento.
J.-P. B.
coro que aj e horror nwmo nio defer ser
execra !n a.jneUc, qaa se -ini.uca aoaa oevias do
pseadoeymo para dar de emboscada sobre, oa
eradnos do bornea) konaato, anrtamado-lhe aiei-
ves e tornete aleivei ? I Sao oo p-gmeos do sen-
troento nobre ; os gigantas da iromoralidade I
A inesiuiohana de sna alma, qae os envergo-
oha e remorde. aa eaaaerta oafereminencia
dos horneas honrad!, nem Ibes di f -reas para
asaoberbarem francamente a cardara deltas
Tirara da gloria alheia o mo desdoin.
porque aoMotira a> remota a loada verda-
ao,oaina da wfcaixar oos ana eondicio ha-
ntaan,e, eseantem-se na pomambra, atacara da
travs, ealoroaiam cobertos pola veo do desconhe-
eioo I
Eis o que asaba de acontecer 00 lstineto eapi-
tto Trajaoo ; eis o qae eala dia acontece aos ei-
dadaos honrados.
Acostumado a trilbar sempre a' senla do dever
oas diversas commisjo)!, alias bam h mrotas, de
qua tem sido incumbido, ni) crivel (aemo ra-
pante malas) que o capiio Trjano aooccaso qna-
si da vie? teaha esqueci lo iodo seu h)nroso pas-
sado para praiicar os aatns, qna o genio do mal
approuve a**ao*r-lhe. amo repente malos, atada-
repetimos. Ausente desla caJade mal peosa elle
que a saa raputigio fura lio atrot e c.lomoosa-
mente astaltadt por um mal sim jactancioso I
E pois, n) que folgamos de reconbecer e apre-
ciar as bellas qualidades cvicas e rocraes do ca-
pilao Trajaoo, apressamo-ons em protestar por
nossa vez contra o accervo le ufaras e calumnias
vomtala conlra elle por esse falso denunciador
que so pur anibilese se in.itui.oos -ntiaella de
goveruo; peJindi ao respeitavel publieo, eis
autoridades superiores, que suspeoiam o seo ju to
e Ihe mantala a confian;a e estima, que e la por
seus precedentes sempre merecer, visto como
estamos convencidos, qne elle ouvido ba de juiti-
ticar-se pleoament 1 de lio lrpe aecusacio.
Do mesmo modo, porque falso e falssimo,
como alias so diz no comrounicado que Iludi-
mos, que elle tenha comprado predios, visto come
apenas po-sue duas pequeoas casas, haronea do
sua mulber, e ledos que o eonhecem, aaltera que
elle nao aouoda de meies ; assim tambero .-orno
desdfrja levados a crer que toda aquella verroa
nao passa da buxa calumnia, fllha cerlaioenle do
despeo, e de contrariedades por parte d'aquelie
eapnio a reprovados interasses. Eis o que i3r
ora se limita a dizer
Um amigo da victima atacada.
Preciso dar aro cavaquiabo ao Sr. Marcelino
Jos Lopes pela demora em respooder-lae promp-
tamente, mas esta falla fui devida a nio ler casa-
do eom rnuiliT rica, ou p ir outra, nao vivar por
mu de um to rico, preciso trabalhar para viver,
nao ser vadio, e-ta foi a razio, andei atropellado,
vejo que o Sr. Marcelino d'esta ver veio mais
amavel, e al julgaodise vencedor por ter eu
dito que, o systema Cainbronne buha defeilos,
ufan u se ; mas toear na corda sensvel, isto ni},'
negar que es proprietarios tero augmeottdo o alu-
goel a titulo de qua vio pagar os apparelhos de
Cambronne, isto nio tato sido capaz, porque o pro-
prio Sr. Marcelino o tem feito.
Mostre que o proprietario da casa da secretaria
da polica tinhi augmentado mais 600* do aluguel
que eslava pagan o, sob tal pretexto ; mat como
roe responden o Sr. Marcelino T Se o proprietario
assim pro:edeu, eslava no seu direito.
Agora por mioha vez respondo-lhe eom o mes-
roo argumento. Se a companhia tem botado appa-
relhos de praho, esta no seu direito; contratan
fate-los de madeira ; agora e probo nio madei-
ra, o Sr. Marcelino tem razio.
A cmpaohia Cambronne fez nm contrato com o
governo, que eslava auteri-ado a faze-lo ; se nio
o tem cumprido, reclaroera ao governo a falta
d'ella; roas estarero inculcando, que o contrato
foi oneroso para os proprietarios, quando elles ti-
rara dos inquilinos e at ganhara, isio o qQe nio
se atura.
O Sr. Marcelino falla em libras sterlioaa, como
se eu fosse algum ageote vendido companhia
para defend la ; mas engaase : quera Ihe es-
creve tam dignidade, e digbidade qae talvez o Sr.
Marcelino nunca tivesse ; nio d'aquelles que
querem que o seu inquilino lh> pague anda que
seja era costura?, embora fiqae a familia sem ter
o que comer, porque o tempo qae levara a cozer
para elles, faltara para se applicar a costaras de
outros, para cora este dinheiro comprar pao para
os (litios. Honiens d'esta natureza nio pJem fal-
lar em diobeiro.
O ineu lira est conseguido, oj fui contrariado
no que sempre disse e direi. Os proprietarios
d'esta provincia nala perdem cou u iropo.-tos, e
sim ganham ; se ba excepcio peqpen', so sio
capazes de me provar o contraro app irego.ro.
Qaanlo ao Sr. Marcelino, o hornero mujor, o ho-
rnero do palacete, KCeile s ro nas despejida?.
A Victima dos proprietarios.
Ao mui diguo corpo lei*
toral.
Cidade da Fortaleza no Ceari, 20 de ootnbro
de 1871.
Estando designado o dia da eleicio para depn-
tados prornciaes apresso ma em dirigir-me a V.
para rogar-lhe qoe se digne incluir meo obscuro
nome na sua lista pelo districto.
Embora me fallecam ttulos para merecer tio
sabida honra confio na extrema bondade de V.
de cbter benvolo acclhiroento, roais apreelavel
anda em razio de minna ausencia nesta provin-
cia do Cear, onde eston exercendo o lugar-de
secretario do governo, e como prtva de nio ser
esquecid* por amigos e correligionarios.
De V.
Patricio e amigo muto obrgalo temi,
Jos Bernardo Galvio Alcoforado Jnior.
COMMEBCIO.
PRA<;A DO RECfPB 8 DE NOVEMBROJ
DE 1671.
AS 3 1/2 BOBAS DA TARDI.
Nio bou ve colares.
F. J. Pinto,
Pelo presidente.
Goncalo Jos Affonso,
Pelo secretario.
ALFANDEGA
endi ment do dia 1 a 4 ,
dem de dia 6......
17l:iHJBU>-
03:9801141
68:431/1946
Voluroes sabidos
1
fiot-Iincuto da airadega.
Volames airados com fazendas
1 eom gneros 341
com
com
lazendas
gneros
30
563
.341
Descarregam boje 7 de novembro.
Barca ioglezaJmegenemereadorias.
Brigue roglezGlaucos -bacalha).
Escuna americanaEva Mayvario* ganaros.
Patacho nacional -Jabcalao varios gneros.
Patacho norie-allemioDttmaridem.
Patacho iuglezRertha dem.
Patacho inglesPoWiabaoalbo.
4 de
000
1 abraca que ajifa^ode
Feraano de Noresha
Despecho* de txportac&o no dia
novetnbro.
Para os portos do exterior.
Na vapor inglez Olinda, para Liverpool^car-
regaram : Saunders Brolbors A C. 100. sacias
coro 9,113 kilos de algodio ; Heary Forater & C
202 aaccas coro 14,656 kilos de algodio,
Na barca iogleza Woodevitle, para Liverpool,
carregaram: Itidoro Bastos 4 C 160 saccas com
13,777 kilos de algodio.
Na barca poriagoeza Mana Luiz*. para
Lisboa, carregaram : E. R. Rabella 4 C. 600
saceos com 43,000 kilos de assucar branco.
Para os porto do intennr.
No navio nacional Emilia, para a Para, car-
retn : Joaqaim Jos Oeooaivee elisio 34*sacaos
e 130 bosticas com 33,304 kilos de assaaanbraaco.
Sob a epigraahe cima ibi lraa;eriata no Diario
de Peraambuco de 2 dooorrtate^mode-eoaipoau
e ferina dtatribe contra o camiio Trajane Apio de
GarvaJhiMeodoaca, digno majorda praca do proei-
dio de Fermndo ; Ntlla -se exaspera e CKoadoasa
a furia da detector iaeogaiio-, qae om guarda oooo
o invplneravel da aersonalidade leticia, tira-se e
desboea-se vitoperioso eonlra im aaj*go e honrado
servidor do estado.
Se. IJj#^asoavloot se^lia ^oe^oMoj.doai
s meaos Itonesioomitiiimw do goanatiar
aado os fastos daMgaaj|o eaprmam
pela oaojota de ImHJmjl-..^at ia mw,
ftBCBEOOWA DE RENDAS INTERNAS
GERAES DE PERNAMBOCO.^
Rendimento do dia I a 4 3:W80!7
idem do dia 6...... MOf$*5
6:89B|07*
CONSULADO PROVINCIAL.
aendimenlo de dia 1 a 4 7.-7t7*271
dem do dia 6...... 4ifltitR1
'"i 'i f '
. 4fcW#8<
>_
-1
i
,r
e

-
I
I
y

lUIVEL 1


Jinrio do Peruano neo Terca (eir 7 4 .Noteiufcre de 1871.
3

MOVIMENTO DO PORTO.
, i
Navios Miados no dia 4.
Babia II dias, ture* iagleu Zengra, de 314 to-
neladas, capilao Charles Lucas, eqoinagem 8,
raiaaire-, aBwr.lalewan C. Rucaban ordena
o -ific mi Motero
Triaste por Gibrakar70 dias*odo do ultimo por-
to 30, palafito iQfta Se****, da (84 tonela-
das, capitid David Y. HiWell, eiiaipagem 8, car-
ta 2 1 10 barricas con (anana de trigo a Sandare
Bretowt & G.
GaatcfMf. 30 ba, patacho bepwsbol Victoria,
de 153 tonelada,-capitn J >s Mira, equipagem
10, carga 4.141 1/1 qatuues bispanhoes de
carne a Eloy A Pilbo.
amo sakido no nusmo da.
Babia, hiato brasiieiru (inbaldt, capilao Custodio
Jos Vunna, cra varos genero*.
Navios entrados no da 6.
Babia, 15 dias brigoe-iagiez .Un de 361 tonela-
das, capilao Browe, equipagem 9 em _lastro,
a Carrere & C Receten ordens seguio para Pa-
Wfcptb
Granja e porloa intermedios 7 dias, vapor nacio-
nal Pbapama de 312 toneladas cimmandaole
Asevedo, equipagem 30, carga algodo, a cora-
panbia pernambaeana.
Graattjtk, 45 dias, barca ingleza Htlen Fmtay-
ton,, de 396 toneladas, c tpilo George J. Seator.
equipagem 14, carga carvo, a Adamson llo-
va 4 C.
do Reg Raogel 14 faltas era
Nao bouve sabidas
Oburvaco.
EDITAES.
: O Illm. r. inspector da Ihesouraria provin
cial era enroprimento da ordem do Extn. Sr. vi-
co-presidente da provincia de 17 de agosto pr-
ximo Ando manda fazer publico que a mesma the-
ourana vende 500 apolices da divida provincial
no valor de 100 4 cada urna, vencen Jo o juro de
8 0|0 ao anno pagos por semestre na segunda
quinzena dos mexes de julho e Janeiro, e devendo
ser reselladas aa quinzena desie ultimo im-z, ob-
servando-se a nuraeracao seguida e tanUs qoan-
tas permiltirem os crditos volidos anoualmente
precedendo annuncios. Os preteodentes compa-
recara na mesma ihesouraria no praso de 30 dias,
a contir da dala deste E para constar se man-
dou publicar o preiente pelo jornal.
Secretaria da tbesourara provincial de Peruam-
buco 5 de oulubro de 1871:
Conforme.Servindo de offlcial-maior,
I.andelino de Luna Freir.
Perante a cmara municipal desia cidade es
taran novamente em hasta publica no dia 9 do cor
rente para ser arrematado por lempo de um ann
per que o mais olTerecer, o aluguel do sobrado
sito uo largo do C rpo Santo do Hecife, pela quan-
tia Je 700*, visto ter ficado de nenhura elTeil i a
arrercaiacao que teve lugar no dia 11 de setembro
ultimo, e com o abate da quinta parte os impostos
da afercSo de pe-os e medidas pela quanlia de
1:104*800, sendo o arrematante obrigado a aferir
o? da me.-ma cunara sem indemohacao alguma ;
e 60 rs. por cada p de ctjueiro de prodcelo,
exceptuad. dez ps para o uso do proprieUrio
pela quantia de 1:160*.
Os preteodentes dsvero c aparecer no referi-
do dia competentemente habilitados na forma
dalei.
Paco da cmara municipal de Onla 2 de no-
vembro de 1871.
Manoel Antonio dos Passos e Silva,
Pro-presidente.
Marcolino Dias de Araujo,
Secretario.
0 lilm. Sr. conselbeiro inspector da tbesou-
rara de fazenla derla provincia manda fazer pu
blico que lem marcado o dia 27 de oovetnbro
prximo vinlouro para o concurro que tem de
abrir, em virtude da ordena do Lhesouro n. 148 de
40 de agosto prximo lindo, para preen:himento
das vagas nella exuteates de 6 praticanus e 4 3"
escriturarios. Versaro os exames para pratican-
tessobre as raal.rus deque traa o ail. 9 do
decreto n. 4153 de 6 de abiil de 1868, a saber :
conhecimento perfeiio da grammalica e lingua na-
cional, e da arithme'ica at a theoria das proper-
habilitares boa letra, e para terceiros escriptura-
rios as mssmas materias exigidas para praiicaoles
e mais as seguales : theoria da escripturacao
mereau'u pv partidas simples e dobradas e suas
applicacoas ae comraercio e ao lhesouro ; tradc-
elo correcta das' lingua* maleza e raocea, oh
pelo menos da ultima ; principios geraes de geo
graphia e historia do Brasil; algebra al eqna-
coes do 2* grao ; as applicace* da arilhmetica ao
commercio, cora especialidado a reduecSo de raoe-
das, pesos e medidas, calculo de descont, juros
simples e corapostos, theoria de cambios e suas
applieacoes; e nalmeule para aquellos que ja
forem eaipregados, pratica do servico da reparti-
cjio em que esliverera servindo Os que nao fo-
rem empregalos pblicos devero juntar aos res-
pectivos requerimeulos para a admisso ao con-
curso documentos que provem ter a idade cora
pleta de 18 anuos, pelo menos, e bom procedimen
to. Previne se a quera ioteressar possa, que na
falta de seis praticantes ao concurso se adintiiiiil i
pessoas estraohas ao servico da fazenla com can-
didatos aos lugares de 3* escriptuaario, urna vez
qu' se sujeitem ao exime das.devidas materias."
Secretaria da ibesoararia de fazenda de Pernam-
bao em 17 de oulubro de 1871.
Servindo de offlcial-maior,
Manoel los Pinto.
Jjiqttim Francisco "do Albaquerqoe Santiago 3
falta em latim.
Jos Francisco
francs.
Dinamerico da Mego Rangel 14 faltas em fran
COfv
,. Prjmekas leiraa.
Broa Mantas Dias 4 tallas.
Joe Anselmo de Figueiredo Santiago 10 faltas.
Samuel Pinto fallou toda o mez.
Jovino Frederico Santiago 7 fallas.
Gymaasio 6 de novembro de 1871.
O bedel,
_________Hermenegildo.Marcelino de Miranda.
Pela secretaria da cmara municipal dista
cidade, se faz publico para conliechnenlo dos in-
lertMados, que arrematadlo do servico da limpe
za da. fregoetia de Sanio Amonio, fol marcada
para e dia 8 do corrate, e avahada de novo em
240*000 rs. semanalmente.
Qoem quizer arrematar corapareca em o refe-
rido dia manido de Qanc.a.
Secrelaria da casara municipal do Reeife, 6 de
novembro de 1871.
Louredco Bezerra Carneiro da Cucha,
___________________awTBiario. ________-
DECLARACOES,
Consulados di Frauga e da
Siiissa.
Algumas pessoas dentre aquellas que se apre-
sentarampara cooaprar a pharmacia Muui er, lendo
pedido nraa prorogapio do praso, para eslabelejer
os seus clculos e realis'ar as propostas, previne-3e
o publico, qne as propostas de compra di dita
pharmacia, sero anda adraiuidas al o dia 23 d >
crranle mez. P rente poder ser mais admittido.
As Informaces fleam depositadas no consulado
le Franca, onde ellas podem ser examinadas todos
os Oias das 9 hi.ras da manhaa as 3 da l SANTA CASA DA MlElUGOUUlADO HECIFE.
A III7j. junta adminislraiiva da Sania Casa do
Miserieordis do Reeife manda fazer publico que na
sala de suas sessoes, no dia 9 do mez de novembro
pelas 3 horas da larde, tem de ser. arrematados
a quem mais vantagns olTerecer, pelo lempo de
um a (res auno-, as rendas dos predios em segui-
da declarados:
ESTABELECIMENTOS DE CARIDADE.
Ra de lionas.
Sobrado n. 45 (andar e solio.). 304*000
Ra do Pidre Fiuriauuo.
dem a. 47.........180*000
Ra da Gloria.
Casa terrea n. 61......240*000
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Ra da Guia.
Cas terrea n. 27 146*000
dem n. 29 .' .......193*000
Largo do Pazaizo.
Loja da frente do sonradnn. 29. 192*000
Ra de S. Jjrge (Pilar).
dem n. 102........203*000
dem n. 108........203*000
dem n. 98.........205*000
Os preteodentes devero apresentar no acto da
jrreiuatacau as suas flaneas, ou comparecerea
icompaohados dos respectivos fiadores.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re
;ife, 28 de outubro de 1871.
O escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
EIRO
moIS _
A barca porlugueza Mtta Ribeiro, espita > Joio
Baplista de Lima, vai sabir breve por ter parlada
carga engajada; para carga iraU-se cosa A H-
Rabwllo i C. i roa- do Cosaiaaraw a. 48._______
Para Lisboa
A barca porlugueza Altxandre Hercuianp. ca-
pMio Avallar; vai sabir eom brsvdade ; para car-
ga e paasageiros trau-se com E. K. Rabillo k C
ra do Commercio n. 48.
Ptwvipe-se aos 9rt. paesageiros qne sota pasa
recebe aa agencia, nulo Coa"-
mercie n. 8.
LEIIOEt.
Leilao
COMR4NHU PERNAMBCANA
*avegaCSo eestelra per vapor.
Mossor em direitura.
O vapor Parahyba seguir pa-
ra o porto cima no da 7 do
corrento as 4 hora; da tarde.
Recebe carga, encommenda?
____. assageicos a dinheiro a frete al
as 2 horas da larde : n j escriplorio de Forte do
Mattosn..
M
M caixas cm cebollas marca B
HWE
O atenta Pasta* hr lellio, por cont i e rneo
*qlm PaeBtw, de 50eaxaa com ceboHal,
desembarcadas do aHiaao vapor chegado da Enso-
pa, e serao vendidas |e 7 do correte s 11 Ho-
ras da manbaa em um d mais Iotas, no arras.-
zem do Anns defroate da alfaadegv
Barca Clementina.
Segu com a maior brevidade para o Porto este
navio por ter j ana maior parte da carga promp
la : para o resto e passageiros irais->e eom o?
consignatarios Thomaz de Aguino Fuaseca & C.
Snccessores, na ra do Vigario n. 19.
COMPANHIA PEBNAMBUCATNA
DE
Navegando costea por vap-.
Ma manja pe.
O vaper Cnruripe, com
niaoJaote Silva, seguir
para o porto cima ni-
dia U do.correle .as-i
horas da tarde.
Recebe carga, eneom-
mendas, passagearos. e dinjieirg. a frete_ at6._as J
horas da tarde do dia de sua sabida : escriploric
ao Forte de Mallos n. 11
O Dr. Francisco ae Carvalbo Suares Brando, juiz
de orphaos e ausentes da ciJade do Reeife e
seu termo, por S. M. o Inrperador, que Deus
guarde, etc..
fago saber aos que o presente edital vtrem, e
de.le noticia, nverem, que se acha em concurso
com o praso de 60 dias, a contar desta data, para
provimento definitivo oofficio de segundo escrivao
de orphaos, creado pelo art. Io da le provincial n.
335 de 26 de abril de 1884, o qual Acara vago por
fallecinuento do respectivo serventuario vitalicio
Joo Ficundes da Silva Guimares.
<-* pretndenos ao mesmo ofllcio deverao ns
referido praso apresentar seu reqaerimentos com
petentemente insiru dos de couformidade com o
art. 14 do decreto n. 817 de 30 de agosto de 1857,
aviso n. 252 de 30 de dezemoro de 1834, e decreto
0. 4668 de 5 de Janeiro do correte anno.
E para qne chegoe ao conheeiraento d todos
mindei passar o prsenle edital que ser afiliado
nos logares do costurae e publicado pelos jornaes.
Eu, Floriano Correa de Brito, escrivao o fiz es-
crever e subscrevo.
Reeife, 6 de novembro d87l.
________Francisco de Carvalbo Snares Brando,
Faeuidade deDiieito
De ordera do Exm. Sr. director vai abaixo trans-
cripto o aviso imperial de 25 de outubro de 1870,
pelo jnal se deve regular o preparo e expedidlo
4as cartas de bacharel e dontor.
Secretaria da Faculdade de Direito do Reeife 6
de novembro de 1871.
O secretario,
ot Honorio B. de Mtntzn.
3* seccao. Ministerio dos negocios do impe-
rio.Rio de Jeoeiro, era 23 de outubro de 1870.
ilm. eExra. Sr.Respondendo ao olflcio de V.
Exe. de 14 do correte mez relativo ai preparo e
expedicio das cartas de bacharel e de Dr., declaro
que a V. Exc. cabe providenciar para que ce9se
a pratica actual, era vista dos inconvenientes ex-
poslos no citado olflcio, passando o trabalho de
qae se trata a ser feito pelo secretario, a quem
particularmente incumbe, ou pelos eaipregados de
saa designacio, qne o facam do modo mais coave-
niente. Nao ple, porm, o governo arbitrar oem
autorisar qualquer gratifteacao por esse trabalbo,
como foi resolvldo em 16 de dezembro de 1865,-
era vista das razoas expostas na consulla da sec-
cao des negocios do imperio do cooselho de estado
de 27 de novembro do mesmo auno Osos guarde
a V. ExcJoao Alfredo Corris de Oliveira.Sr.
director da Faculdade de Direito do Reeife.
Conforme.O secretario,
____________Jos Honorio B. de Menezes.
Lista dos alnanos externos do Gymnasio,
que faluram as suas respectivas aulas no
ueez de oulubro prximo /iodo.
Joio Eduardo Layme, 10 faltas em lingua na-
cional.
Kenriqne de Hollanda Chacn, 18 faltas, 6 em
nacional, 5 em latios o 7 em francez.
luarda Lijfme, .7 faltas, em nacicoal 2, 5 era
inaeez.
THEiTBO
Wm ANTONIO
Ter^i-feira 7 do corrate
Grande e variado espectculo
EM BENEFICIO DE
JOA^O DAS N'E.VES
A compachia dramaHca sob a direccao do ar-
tista Guerreiro far subir a scena o segrale es-
pectculo :
1.* A comedia drama em um acto original bra-
silero pelo Sr. Dr. Borges A>siz
0 veterano e o estudante
Personagens.
Major Placido Sr. Guerreiro.
Alfredo, esludacle Sr. Corroa.
Aurora filha do major D. Eufrazia Guerreiro.
2.' A scena e utango do Rei Morto, pelas me-
ninas Riozas.
3." A comedia drama era 1 aclo, original portu-
guez pelo Sr. Borges Mtnezes
Abenpoada diabrura
4.* A comedia era 1 acto tradnecao do franeze
0 pagem do regente
5.* e ultimo. A multo applaudida comedia em
um aclo pelas meninas Riozas :
Paulo e Virginia
Principiara s 8 1|4.
O beneficiado agradece desde j ao Sr. Anto-
uio Jos Duarte Coirabra, a franqueza com qne
se dignou servir-lhB, cedendo seu theatro de
que proprtetario, independente de qualquer
banca.
GOMPANIHA PEKiN.\MBUNA
DI
Vavegapu covteira por vapor
Parahyba, Natal, Macio, Mossor, Ara-
caty, Ceari, Madah, Acarac e
Graija.
O vapor Pirapama conunao-
daule Azevedu, seguir para
os portos cima no dia lo correle as 5 horas da tarde.
Recebe carga at o dia 14,
encommendas, passageos e di
oheiro a frete al as 8 horas da tarde oo dia da
sahida : no eseriptorio doFor do Maltos n 13.
COMPANHIA PERNAMBCANA
DI
Navegando costetrapor vapor
Macei, escalas, Penedo e Aracaj.
O vapor Giqui, commandactt
Guilberme, seguir para os por-
tos cima no dia 13 do correnti
as 5 horas da tarde. Recebe car
ga at o dia 14, encommendas.
inheiro a frete at as 2 horas di
escriptorio no Forte d<
passageiros e _
.arde do dia da sabida :
nattos n. 12
THEATRO
GIMNASIO DRAMTICO
(ZARZUELA BESPANHOLO
COVPANHIA DRAMTICA
Quarta-feira 8 de novembro
Primefra representacae do excedente e mnito
applandido drama em 4 actos, original poriuguoz,
ioiitulado :
lourwmt
DE
Navegapo Brasileira
At o dia 11 do correte es-
perado dos portos do norle o
vapor S. Jactntlio, comman-
danle Atkins, o qual depoi da
demora do costume seguir pa
ra os do sal.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de sua chegada. Encommen
das e dinheiro a (rete at as 12 horas do dia
da su; sabida.
Nao se recebem como encommendas senao ob-
jectos de pequeo valor e que nao eicedam a duas
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de- medigai
Tudo que passar destes limites dever ser embar-
cado como carga. *
Previne-se aos senhorea passageiros que suas
passageos s se recebem na agencia,'ttufdo Com-
mercio n. 8.
BAHA
Segu oestes prximos dias para o indicado
porto o patacho nacional Cassilhas: qnem no mes-
mo qnizer carregar poder. tratar con o sen con
signatario ra do Vigario -d. 14, escriplorio de
Jos Lopes Davin.
COJ1PA3THIA
DAS
Messegeries maritmes.
f im hovein
Louci. ^idros. eryaue, vnoos, um carro
anuerjpaDQ. arreios e 3 tavallos,
Qoipta,-feira 16 n*e novembro, no Poco'da
Panilla, evo-lando de
Dujs mqbili.ii* i. iC;.rauJ com tampos de pe-
dra, um piano firte e uovo de Erard, castices e
mangas, candieiros a gaz, jarros para flores, tape
les e urna estapie para msica.
Urna mobilia de faia branca, 2 secretarias, 1 es
tante para livro. l marh'na para coetnra (perfei-
u), cadeira de bilsni;.
t;*a*sfncez< de'jacanod, gnarda vestidos.
guarda-rQupa, tomawd s, louc.dores, to lets, 1
valoriu e luuc-a para toilels.
Cica mobilia de pao d'oleo, 1 mesa elstica, 1
exeauVoleguarda-looca, 2 apparadores, 2 ditos ps
lomeado, louca para cb e jaotar, finos castices
garios, facas e colberes, machias de limpar feas,
vinhos de diffarehtes qualidades e muitos outros
oOjectos.
m carro, americano de 4 rodas, assentos para
quatro pessoas, arreios, e 3 cavallos
Qijnta-fera 9 do corren't.
Wm. Raiwlinsdn, tendo de retlrar-se para a Eu-
ropa, levar leilao por inierveocao do agente
Pinto os movis e mais objectos cima descriptos.
em casa de sua residencia, no Poco da Panella.
A's 10 horas em ponto partir da e3tacio do Re-
cle do arco de Santo Antonio um trem especial
para conduzir gratis os concurrentes ao referido
leilao.
Era terapo. O mesmo agente e.-t desde i auto-
risado a alugar a casa de sobrado em que s
achira os referidos movis, sendo que dita casa
tem 'cnmrandacoes para grande famiUe,
fffliwnfT?ni'ii i
PARA DBS
De 10 a 40 sorras.
VAPOR
para mover as machinas.
Fm casa us impobtadores I Ra
Siiaw Hawkes- A C. \
do Bom-Jesus n.
ontr'ora Cruz.
/v
ILCATRAO DE 6DI0T
Licoa caaccNTiuoo a riTULao
Arrriaco. gze gneros da taberna da roa
Imperial n. 49, em um. oa mais Mes
O agente Martin1, (ara leilao, competentemente
autorisado, da taberna da ra Imperial n. 49, em
uraou mais lotes cenforme a vontade dos com-
pradores, senlo a dita taberna muito afreguezada
e bem loealisada
Quinta-feira 9 do correte.
A's II horas do dia na mesma taberna, ra
Imperial n. 49.
DE
Vinho Bordeaos, crystaes. porcellapa, mui-
tos e differentes movis, um coupage
um carro americano. .
A SABER:
1 piaono francez, 2 mooilias de Jacaranda com
tampos de pedra, seDdo'uraa moderna e onlra aa-
tiga, castices e mangas, jarros para flores, qua-
dres estampas e candieiros gaz.
1 cama (ranceza. 2 guarda-vestidos, 2 eommo-
das, 2 lavatorios e 2 marqueza;.
1 machina fie costura, 1 mesa elstica, 1 appa-
rador com armario, 2 guarda-lougas envidraba-
dos (iguaesi i apparadores de ps torneados, 12
caileiras para sala de jantar, louca para cb e
janlar, iopos, callees, compoteiras, garrafas, gar-
ios e (** e muitos outros objectos de caa de fa-
milia, rconpel e um carro americano. '
Sexta-feira 10 de novembro
No l.aodar do sobrado da jua do Vijjario
n. 5.
O agente pinto, autorisado por urna familia que
mndou de residencia, far leilao dos movis e
mais ohjeclos cima descript s, existentes ao 1.*
andar do sobrado da ra do Vigario n. 5.
O leilao principiar s 10 horas, por serem mui-
tos os lotes.
VISOS DIVERSOS
0 Sftr Cujot chegou a tirar ao akalrao a
wa ap-iuwiiia e o seu amargor insupportaveis,
o que o loma mais solurel. Aproveitando essa
felis descoberfa, eTIe prepara um licor con-
centrado de alcalro, o qual, sob um pequeo
uiluiuc, conten urna grande proporco de
principios activos. .
0 A!e*ir*o de C.jot (Coudron de
Cujrot) possue por consequencia todas as van-
lagens da agua de alcalrAo ordinaria, sem ler
os inconvenientes. Basta deitar d'elle urna
0 Ale

I
58
colher de caf n'um copo d'agua para obter
logo um copo de excellenle agua de alcatrio
sera goslo desagradavel. Cada qual pode
d'essa maneira preparar a su. agua de al-
catrio quamlo d'ella precisa, q qu offerece
economa' de lempo, facilidade de iraiupurle
e evita o manejo lao ileaJjr.iil.iTl Inilcaii ao.
O Alcatrio tic I.lti i -..-Otuv COIQ
yanlagem umitas isan:i> m.i.- un menos'
inertes, nos caso, de ilediios.jiKKKtiiles,'
tosses, calarrlios.
C9 BEBIDA. L'ma colher de cafe' para um copo U'ayuu uu ituus colhcres 4*
topapara urna garafa :
RONCHITES
CATARRHO DE BEXIGA
OEFLUXOS
TOSSE PERN1TAZ
IRRITAgO DE PEITO
TOSSE CONVULSA
EB FOMENTACOES. mt purbou com um muco api:
affecces da pelle
comichOes
molestias do couro cabew^odo
EM t&|C(!S. "ta parte de licor e quatro d'agua (.Micaela uuiruu iifiJ.Tj
FLUXOS ANTIGOS OU RECENTES
CATARRHO OA BEXICA
0 Alcario de Guyot foi experimentado com um verdadeiro exit no
yriiif-ipacs hospitaes de Franca, da Blgica e da Espanha. Foi reconhecido
gtf.iara os lempos de calor, elle constitue a bebida a mais hygienica, e so-
'' oretudv durante ot tempos de epidemia. Urna intruccao accompanha cada vidro.
Yeade-se na pharmacia e drogaria de P. Mau-
rer & comp., ra Barao da Victoria n, 17
MOSWffi
ADOPTA
nos KasRjTAa oe; rariz,$ amsu langas
HOSPrTAEo MILITAi
MARINHA IMPERIAL
FWOEZA.ENA MMNHABflL... JNGLEZA
problema resolvido por Mr Ricollot com o mais (cliz rebultado na composivo tiesto
. papel foi conservar mostaida todas as suas pjopriedades, obtendo em poneos instaates.
e coui (acilidade un efieito decisivo com a menor quantidade possivel
de medicamentos. (A Bouchardat >Annuaire de th'rapeutiquet de 86H
Eligir a asignatura ao lado, por que ba blcifiradorea,
PARS, Rut Yitle-dB-Ter.tple, 26\
Alnga-se urna ea^a na Chunga, muito fres-
ca, com 2 quino e 2 salas,.cozinna rra, quintal
murado, poco d'agua ; bem eorao una onm na
Iravessa da l'omba, fn guezi de Santo Antonio :
a tratar no largo do Hospital n. 14.
At o dia 10 do crreme mez espera-se da En-
rpa o vapor francez Sindh, o qual depois da
demora do costume seguir para Buenos-Ayres.
locando na Baha, Rio de Janeiro e Montevideo.
No dia 11 do crreme mez espera-se dos por-
tos do sul o vapor francez Amazone, eommandanle
Joret, o qual depois da demora .do costura* se-
guir para Bordos, tocando em Dakar (Gore)
Lisboa.
Para con di coas, (retes e passagens, (rata-se na
agencia, ra do Commercio n. 9.
r
Babia.
Toma parte toda companhia.
Segue-se, pelo Sr. Penante, a scena cmica de
sna compasigao, denominada :
los Frederico Rodrigues de Andado, 10 faltas.
7 em nacional e 3 ea7ra#eM. ^^
i&D;,mleio ^opoWhro Perreira, 7 faltas,
1 falto, 14
Cl S*
KmtSSl**1"*
Terminar o espectculo com a exbibi?o da
linda cerne-Ka era um aclo
i dm mis ra mm
O resto de bilbetes de carnarotes, cadeiras nume
radas, cadeiras avulsas e.platea, acba-se no es-
criplorio d i theatro.
O beneflcialo eonta com a coadjnvacao dos
seus dignos comprovincianos e a do Ilustrado
povo desta capital.
N. B Depois do espectculo, estar postado,
junto ao theatro, um fran, o qnal, segnira para
Apipacos, tocando em todos os pomos da liaba.
Em um dos intervailos, o beneficiado, ir aos
camarotes, agradecer aos seus Ilustres convi-
dados.
Principiar s 8 1/4.
Acba-se em ensaios para, sabir brevemente
scena a muito graciosa comedia em 4 actos, a
qual foi representada no Rio de Janeiro mais de
200 vetes, intitulada :
Orpheu na ropa
Parodia da opera bulla .
Orpheu nos infernos.
w\m martimos,
Puru Lisboa
Vai sahir eom brevidade o brigae ooriuguez
BeUa. Fiqneirente., capillo Jo de Carvalbo Sobri-
oho, recebe somonte passageiros: trau-se com E.
R. Rabello & a ti roa do Qojamercio g. 48.
Para o porto cima segu com a maior brevi
dade po-sivel, o pal haberle nacional Garibaldi, ca-
pilao Costo lio Jos Vianna, por estar com parle
da carga engajada, para o resto trata-se eom
Tasso Irmos de C, ra do Amorim n. 37.
A' frete.
Com destino a Babia segne brevemente o vel-
leiro Zwei Gebruier, toma carga para aquella por-
to : tratar roa. da Cruz, com Keller & C, n. 55,
consignatarios, armazem.
PAM LISBOA
A barea portugueza Mara Luiza, capillo Jos
da Silva, vai sahir com brevidade : para carga e
psssageiros trala-se eom E. R Rabello & C, rna
do Commercio n. 48.
PAM 0 Ntl.
Com muito pouca demora neste porto, seguir
viagem com destino aqaelle, o brgue portuguez
1,200 bragas de terrena ao lugar de Jotob
ao termo de Agoa-Pret.
Previne-se a qnera interessar possa que as refe-
ridas trras que firam compradas em 19 de se-
tembro de 1864 pilo Sr. Joo Cowie anda estao
.especialmente hypotliecadas para pagamento das
letras provenientes dessa compra, pelo que o pos-
suidor das rae?mas letras, quera foi transferida
a bypotbeca, protesta contra qualquer alienacao,
que porventura se pretenda fazer das mesmas
ierras sem-a ?ua intervenga i.________________
ir fflDiR.
Aluga-se o 2* andar do sobrado di roa do Pa-
dre Fioriano, e nma casa terrea na Vanea para
paisar a testa, junio ao rio : a tratar na rna large
do Rosario n. 21
SITIO.
O abaixo asignado, ex-socio da razio commer-
cial Cont Si Silva, da qual era merabro o Sr. (Ter-
mino Ferreira da Silva, declara para conhecimento
d lodos que em 7 de onlubro prxima passado
dssolvea a referida sociedade, Picando s oa posse
e exercicio de seo estabelecimento sil) ra Du-
que de Caxias n. 70, 'ontr'ora do Queimado nu-
mero 26. Recite 4 de novembro de 1871.
Joaqim de Souza Miranda Como.
Alnga-se duas casas em Apipacos, lendo ca-
da urna o commodos seguiBtes : i salas. 4 quar
los cozinna fra e quarto para criado: a tratar
na roa Sete de Setembro n. 1 (amiga iravessa dos
Ferreiros). ____________ -_______
TWumpao. Recebe carga e passageiros
eom Soares Primo, ra do Vigario n. 17.
a tratar
RIO DE JANEIRO
Seguir em poneos dias o brigne S. Pauto, so-
bre o frete do resto da carga trata-se na rna do
Vigario n. 11, 1* anear.
COMPAII'UU
DE
Navegapao Brasileira
At o dia 8 de novembro, espe-
rado dos portos do* sol o va-
por Presiden!, malandante
Garca, o qual depois dademo
___ra do costme seguir para o
portos do norte.
Desde j recebem-se passageiros e ""gito_i* a
carga qae o vapor poder coadiazu-, a qualttyer.
ser embarcada no da de su chegada, eMoa>
sendas e dinheiro a frete at ao uuio dale na
sabida.
Nao se recebem con encommendas senao ob-
jsetes de peqaerxo valor, e qne nao irnjam a i
arrobas de pesy on oito palmos cbicos de
cao. Tudo qm passar destes limites "'
ambareado chorno carga.
Precisa-se de urna ama para eozi-
nhar, livre ou escava, agraoanlo pa-
ga-se bem : na fabrica a vapor de ci-
garros, na ra larga do Rajarjon 21.
- ur a Precisa-.-e ar. una ama pira o
i&iTl^ servido de urna casa de pouca fa-
milia, dando-se preferencia a escrava : na ra dos
Coelbss n. 24.
O abaixo assigoado previne qoe niogoem nego-
cie a casa sita roa Imperial defronle ao sobrado
do Sr". JCs Francisco de Souza Lima, que o Sr.
Virginio Horacio de rreitas, morador no engenbo
Lages da freguezia de Pedias de Fogo, se diz.do
no; por quanto a casa est suieita impostos e
preciso sapr-se s com effeito ella pertenee ao Sr.
Virginio un *c abano assignado, segundo es por-
menores que se deram em soa edtflcaco.
Porunto o abaixo ajsgndo protesta contra lodo
e qualquer negocio que se otar oo a ovacionada
casa sem averiguir-s primeiro amigaval ou jodi-
cialmente a qain ella pertenee. v
Recif* 4 de novembro de 1871.
tfaooet de Souza Mose.
Quera preJijar de ama muoer para o ser-
urna osee- de familia, difija-se ao becco
b. 4, dejfooie do bosfHal de sande, em
adiar e'qoem tratar. li*-
ilia estraogelra.
Aloga-se o sitio da Iravessa do Caldeireiro n. 4
prximo a estacao : a tratar na pharmaela de Fer-
reira A C, ra larga do Rosario n. 10-
Urgencia
Precisa-se alugar urna casa terrea ou um sobra
do de um andar eom alguns commodos para fa-
milia ba freguezia de Santo Antonio ; a pessoa
agradando-e da casa nao dnvida dar algnns me-
tes adiantados: a tratar na rna da Conceicao da
Boa-Vistan. 5.___________________________
CASA A fOftlUIU
Aos 5:000
Bilhetes garantidos.
4 roa Primeiro da Marco (ontr'ora roa di
Crespo) n. 23 e casas do costme.
O abaixo assignado, tendo vendido nos seos le
izes bilhetes um quarto n. 952 eom 8001000.
quatro quartos o. 1919 com 100*000, outus
sones de 40* e 204 da lotera qae se acaboa de
extrahir (213*), convida aos possui dores a vi rom
reeeber na conformidade do costme sem des
cont algom.
Acnam-se venda os bilhetes garantidos da
3 parte da lotera, a beneficio matriz da Ca-
punga (214a), qoe se extrahir ter;a-feira, 14 do
correte mez.
PREGOS.
Bilhete intero 6*000
Meio bilhete 3*000
Quarto U500
Em porcao de 100/900 para cima.
Bilhete inteiro 5*500
Meio bilhete 2*750
Quarto 1*375
Manoel Martin? Finia.
*
' "'(V)
Antonio Ferreira 1 launa
claco.
D. Anna Luiia Freir de Andrade, Francisco de
Paula Ferreira d'Aonnnciacao, D. Mara da As:
snmpcio Ferreira d'.4Bnunciac3o, Jop Baptsla
Ferreira tfAnnonciapo, Francisco Ferreira d'An-
nancaeae e Autonio Candido Ferreira d'Aunan-
ciacao, mli, irmos e sobrinbos convdam a seas
parantes e emigos do fallecido a acompanbarem os
seos restos mortaes ao ceraiterio publico, pelas 4
horas da tarde, no convento do Car rao do Recite :
pelo qoe desde j se conbsfam gratos a esse ateto
de piedade.
De ordem do Sr. Pedro Pedreira Sampaio (lie-
mos publico qae o mesmo Sr. tem resolvido sabir
da Babia no principio do correte mes com nma
-tropa de barros em namera ds 400, mansos e
brabas, e qae pretende aqu esur no Bm de de-
zembro oo oomeoo de janoiro prximo futuro,
sead boas os ammaes e o prefi) commod;.
Leal A Irmim.______
Preetea-sfi de orna ama para todo o
servico : na roa de Hortos o. 30, so-
brado.
m m oo
Aos 5:000^000.
Bilhetes garantidos da pro-
vincia.
Rna do Baro da
Victoria,
Outr'orarua Nova n. 63 e casaa
do costume.
O abaixo assignado acaba de vender entre oe
seos mnito felizes bilhetes a sorte de 5:G00*000
em um meio bilhete de o. 2,875, a sorte de 100*
em meio bilbete de o. I..'83, alm de outras sortes
menores i 40*000 e 201000 ds lotera qoe se
acaboa de extrahir (213), podendo sena possui-
dores vireta reeeber, qne promptamente serio
pagos.
O mesmo aba>xo assignado convida ao respei-
tavel publico para virem ao sen estabelecimentc
comprar os felizes bilhetes garantidos, qne nc
leixar de tirar qualqaer premip como prova pelos
aiesmos annoneios.
Acnam-se venda os muito felizes bilbetes ga-
rantidos da 3' parte das loteras em beneficio da
matriz da Capanga, qae ser extrebida oo dia
trca-feira 14 do correte mes.
PRECOS.
Intejro 6*000
meios 3*000
Qnartos 1*500
De {000000 para cimi.
Ioteiro 5*500
Meios 24750
Quartos 1*375
Joao Joaqnim da Costa Let.
I
TRILHOS URBANOS
DO
Eecife Olinda
e Beberibe.
Por ordem do Sr. presidente da assembla ge-
ral e em virtude de pedidos de diversos senheres
accionistas e em consequencia da chegada do va-
por da Europa, participo que a rennio marcada
para sexta-feira 10 do corrente effeeinar-se-lia as
4 beras da urde, na sala da estacaa da rna da
Aurora.
Reeife 6 de novembro de 1871.
O 1* secretario,
J. A. de Almeida Caoba.
Bom emprego de capital
Por motivos que se deram, vendem-se 150 ac-
edes (todas ou parte vontade dos pretndeme-)
da companhia Fluvial de Navegaco a Vaper no
Uaranbao. Esta companhia acna se em prospero
estado, e tem j um fundo de reserva de S00:OC0
Dao-se outros esclareeimentos e fornecem-se os
ltimos reiaiorlos a quem os qoiier examinar ;
trala-se oa roa do Vigario n. 16, 1* andar, esertp-
torio de Joaqolm Gerardo de Bastos.
Ra da Madre ueus l t
Precisase alugar um escravo para iraba'.uar
com carro, pagase bm, sentado ene.


Pian d t*ni0*e Ter(;a Usira 7 de Novembro
A VERDADE1RA E GENUM
SALSA-PARRILHA DE AYER
EM ACqAO
i
A molestia oo infeccSo propramente co-
uhecida pelo oome de-ESCROPHULA-
om dos males mais prevalecenies e unver-
aes que ha em toda a extensa lista das en-
ermidades de que soflfre o genero huma-
no : disse om celebre escriptor da medi-
cina que mais de ama terca paite de to-
dos aqnelles que morrem,antes da velhice
to victimas, ou directa oa indirectamente
da escrophola : por si d5o ello distrui-
tva, porm a principal cansa de muitas
outra* enermidades que nSo Ibe s3o geral-
ente attribuidas.
ama cansa directa da pbtysioa pulmo-
nar, das molestias do (gado, do estomago
e affeccSes do cerebro:entre os seus
numerosos symptomas acharase os seguin-
tes: falta de apetite, o semblante paludo
as vezea incbado, s vezes de ama alvura
transparente e outras corado e amarelleBto
eo redor da bocea : fraqueza e moleza nos
msculos, dgestSo fraca e apetite irregular,
falla de energa, ventre incbado e evacua-
do irregular;quando o mal tem sea as-
sent sobre os pulmoes, urna lr azulada
mostra-se em roda dos olhos; quando ata-
ca os orgSos digestivos, os oltus t'..rnam-se
avermelbados, o balito ftido, a 1 ngua car-
regada, dores de cibera, tonteiras, etc.
as pessoas de disposirSo escropbulosa
apparecem frequentemente erupges na
pelle da cabera e outras partes do corpo,
s5o predUpostas s affeccBes "dos polmoe?,
do Cgado, dos ros e dos orgaos digestivos
e uterinos.Portanto, no somente, aquel-
les que padecem das frmas, ulcerosas e
tuberculosas da escropbula que necessi-
tam de proteccSo contra mas sim todos aquelles em cojo sangue
existe o virus latente deate terrivel flagello
(e s vezes hereditario) esto expostos
soffrer das enermidades que
MOFINA
elle causa, que to:A pbiysica, ulcera
c5es do figado, de estomago e do rins
eropc5es e eDfermidades eroptivas 'di co-
tis ; rosa ou erysipela ; borbulhas,, postu-
las, nascidas, tumores, ulceras e cbtgas,
rheumatismos, dores nos ossos, as costas
e na cabera, debilidades femininas, flores
brancas cansadas pela ulceracSo interior, e
eDfermidades uterinas, bydropesia, indiges-
tJo, enfraqoeciment e debilidade geral.
Aos pulm5es a escrophnla prodoz tuber
colos e finalmenteeonsompcao pulmonar:
as glndulas ella produz ncbac5es e
tornam-se ulceras: nos ergios digestivos
causa desarraojos que prodozemindigestSo,
dispeptia molestias de figado e dos rins :
na pelle prodoz erupc,5es effecQ&es cut-
neas.
Todos estes males, tt ndo a mesma or
gem, careccm do roesmo remedio, a saber:
pmifleare fortalecer o sangue.
Rfa-se ao Illm. Sr. Ignacio V.eira da Vello,.
trivio na cidade deNizareth desu provincia.
favor de vir a ra do Imperador n, 18 a conclu
aquello negocio que V. S.-se compromettea reau-
r, pela terceira chamada deste jornal, em u
abro prximo passado, e depoia para ja
ro, paasou a (everefro abriL nada eumprio
b por este motvo de novo chamado para difc
flm ; poja V. S. se deve lembrar aue asta negoc
i de mais de oito annos, e quando O senhor set
ano se achava no es nesta cidade
TO\t
E' composta dos antdotos mais efQcazes
que a ciencia medica tem podido deseo-
brir para esta molestia assoladora e para a
cura de todos os males provenientes delta,
contm virtudes verdaderamente extraordi-
narias e est provadp incontestavelmente
pelas curas notaveis e" bem conhecidas que
tem feito detumores, erupces cutneas,
erysipelas, borbu-has, nascidas, chagas an-
tigs, ulceras, sarna, bydropesia, tosse
quando causada por depsitos tuberculosos
nos pulmoes. Debilidade geni, iodigestSo,
riaes, molestias das mulberes, ulceracesdo
ulero, a nevralga e c< nvul>5es epilpticas,
e em summa, toda a serie de enfermidades
que nascem da impureza do sargue
Vede
tambero a
A SALSA-PARRILHA BE ATO es ss, _
sa'sa rarrbarfio seu poder alterante.
Aviso.As preparaos do Dr. Ayer
s5o preparadas com especial-atunero ao
clima dos tropiecs e tem modi/kaces im
portantes i obre as que sao feitas para ou
trospaizes. Portanto, o publico dever
notar, e com cuidado, para que n5o seja
Este remedio o fructo de longas e la- Ludido, que os remedios de Ayer, prepa
boriosas experiencia?, e ba abundantes pro-
vas das suas virtades, posto, que o Acre-
cido ao publico sob o nome deSalsa-par-
rilba, composto de diversas plantas, al-
Vende-se em todas as boticas e drogaras do imperio
W. R. Cassels &
Agentes geraes
as certidoes no almanalce manual de sade
do Dr. Ayer que se distribue gratuita-
mente.
rados exclusivamente para o Brasil trazem
rtulos e envoltorios com a descripcjfo
minuciosa para a sua applicacao na lhogua
poilugoeza, e n5o na ingiera.
C.
aos banhos no Monteiro
Anga-se por Testa a casa n. 3 qne tem nma
Citombeira na porta, na travessa da Levada no
lonleiro, tem jonto nio f os bachos do rio
como os da levada : tratar na esquina do Lama-
rio easa nova antes de chegar ao Honteiro, on
no Reate, i rna Nova n. 7.
Companhia do gaz.
PERNAMBUCO
Chamamos respeitoEamente a attenco dos con
sumidores de gaz para o seguinte :
As ms lazes sao geralmente occasionadas por
i igom defeito nos bicos, on obstrnecio nos ap-
parelhos. Aoode es islir semelhanies defeitos a
companhia ter prazer em remedia-los sem des-
pea ao consumidor.
Para assegorar ama lu boa, os bicos devem ser
mudados pelo menos, de seis em seis mezes Uro
bico bom dar 90 al SO por cenlo mais luz (gas-
tando a mesma quantidade) de qne um bico de-
teituose e do mesuro tamanho.
A companhia tem sempre nm grande ortiraen-
lo de bicos, das melhores fabricantes, os qnaes
vende aos consumidores pelo ensto.
Qnalqner qneixa dirigida ao abaixo assignado
na fabricado gaz emS. Jos, on no escriptorio da
companhia roa do Imperador, ser prompta-
mente altendida'
Fabrica do gaz 23 de Ontubro de 1871.
T%os. Naotigging.
Engenheiro.
A Inga se
o segando andar do sobrado da rna Nova n. 38 :
a tratar na loja.______________________
Precisa se alagar ama cosinheira escrava
para easa de familia ; a tratar Ba roa Nova n. 50
! and'"-
Precisa-se de nma ama
para eomprar e co*inbar: a
'.tratar na rna da Alegra .n. o.
Precisarse de ama ama para o servico de
ama casa de familia ; no Caes 32 de novembro. n.,
30 1 andar._____________________________ _
Padaria e venda
Para quem com economa dtsejar montar dous
estabeleclmentos junto?, visto ter a casa da pa-
daria seas ate ncllios, o ama armacio de venda,
tudo em muito bom esUdo, pertncendo-lhe nm
grande sitio junto, com moilas arvores de froelo,
excellente cacixba e baixa de capim al nesmo
em tempo de secca, na Encruiilhada da Tamari-
neira n. 3, onlle vai flear a esticao dos trilhos
urbanos, qne j Ihe pacam junto, lazendo-se ne-
gocio em eondictoes avoraveis a quem preten
der alagar e tambem se vende o sitio :
na rna da Madre 1; Deas n. 30.
CASAS .,
Aluga-se o segando andar obrtsouojdaa
n. 6, cita a ruado Llvrameato : pouw ed.flca-
da, com
tratar na
a
O abaixo assigaado roga a todos es seus Trege-
les que se acham devendo importancias de fazen-
das ao sea estabelecimento sito roa da Impera-
triz n. 2, terem a bondade de vir on mandar sa-
tisfaier seus dbitos at 30 de dezembro prximo
faturo, atim de nao se ver obrigado, contra a sua
bondade, tancar mo dos meios que a le Ihe con-
cede. Recife i* de novembro de 1871.
Joio Lniz Ferreira Ribeiro.
Precisa-se,
Alagar orna escrava de boa condneta que sai
ba cozinbar e engoramar para nma pequea fa-
milia de 3 pessoas ; tambem se preci-a uro mole-
qae de 12 annos, para alguns seivi^os leves e pa-
ra vender fructaz. Para tallar em Olinda, oiao
do Amparo, no sitio da vinva do comraendador
Faria.___________________________
_ Precisa-se de ama ama
escrava que aaiba cozi-
nbar e engoramar: tra-
tar a ra do Mrquez de
Olinda, 2* andar do so
brsdi o. 34.
Precisa-se de nina ama boa
eogommadeira, f.rra ou es-
crava : na rna do Pire?, so-
brado n. 28.
m iSa la do Pire?, sobrado n. 28,
imJn./m. precisa-se de urna boa cozioheira,
forra ou escrava.
Arreoda-se para passar a festa a c*sa do
Mtioda esia^ao do mnibus da Vanea, com com-
andos para familia, ptimo baoho no Capibaribe,
/jae passa no mesmo-sitio, da-se caiada e pintada:
ijHem pretender v ra do Imperador n. 73, loja,
a f*IUr-ao Sr. Uedeiro?.
Aluga-se
a casa terrea, grande, para familia, na estrada de
Joo de Barros, a'raz do sitio do Sr. Dr. Deodorio:
a tratar na estrada de JoSo Fernandes Vieira n.
lo. ta>rna. ______________
O abaixo asignado rega encarecidamente a
tedas as pessoas qae se dignaram aceitar o sea
convite para a organisacao de nma sociedade be-
oeii :ente de soccorros aos desvalidos, de se acha-
ren) no domingo o de novembro prximo em sua
casa na ruado DomFim jinto a igreja. aflm de
ter ueste dia installada a itnesma sociedade.
Olinda 31 de outabro de 1871.
Dr. J. F. Xavier Paes Barre to. .
imperial Instituto Pernambaca
no de Agricultura.
A direciuia do Imperial Instuto Pernambucano
4e Asricultura, nao tendo ainda reaiisado a acqui-
*iri da propriedade agripla destinada i fazouda
mdelo, por nao satislazerom as propostas apre-
veta*as s ccudicSes requeridas, e scretn exces-
ivos os precos pedidos, recebe n&vas propostas
para a venda de um engeihoon de qualquer pro
pnedade rural, que se acae nas seguintes con-
diques :
1* Estar na visinhanca de algama estrada de
ferro on de rodagem.
2* Prximo a terrenos garlados, e ter agna ao
rajaos snfOeiente para os Irabalhos de irrigscao
Sala da directora do Instituto 23 de outabro de
1871.
O secretaric,
Buarque de Macedo._____.
Precisa-se de ama ama
. que saiba cozinhar bem : na
5w ^\J \Wu raa di Duque de Caxia?, ou-
l^or a ra das Crazes n. 22. segundo andar.______
^
Monteiro
Aluga-se nma casa na povoacao do Monteiro : a
tratar na taberna do Sr. Nicolao Machado Freir,
no mesmo logar_________
kx
Cruz n. 1873" andar.
Precisa-se de urna ama pa
ra o servico de ama casa de
pequea familia : ra das
Precisa se de orna ama para cozinbar
comprar: na rna Nova n. 21, e tambem ama ou-
tra para lavar e engommar:____________
Pernambuco Street ftailway
Company.
De ordem da directora d'esta companhia, con-
vida-je aos senbores. accionistas a-realisarem a ai-
tima prestacao de 30 por cento do valor das sns
acees al o dia 14 de novembro prximo fatiro,
no escripto, travessa do Brum n. 22. N'esta oc-
casio sero os recibos trocados por certidoes das
aecSes.
Recife 25 de outubro de 1871.
H. H. Swirt.
Asst Ireasurer.
AMA
Precisa-se de ama ama
fara cosinhar para ama
tmilia de duas pessoas:
a tratar na ra Nova de
Santa Rita, serrara a va-
por, n. 49.
- -jm- Precisa-se para a servico de orna
ALaM.Jm. casa de duas pessoas : na raa da
Gamboa do Carmo n. It.
AMA
rauitos eoiwwwoi, hth, gax
mlm'mmmm
ADV0GADO
Da. Joaqm CowuU o Arajo
67RA 00 UlPEBADOR07
iiiiiiiHim
Companhia Allian^a
traur leguros niaritmoa estabelecida
na Baha em 15 de Janeiro
de 1870.
, CAPITAL..Rs. 2i)00:000#000.
Toma seguro de mercaonas e dinbero a risco
narkimo em navios de valla e vapores para deo-
to fra do Imperio. Agencia 4 roa do Com-
nercio n 5, escriptorio de Joaqnim AM Got>
Alvea Beltrio.
ostori Hornera
thico
DO DR. SANTOS MELLO.
Roa do Bario da Victoria n. 43.
VACCINA.
Todos os domingos e quintas reir?, pe-
las 9 horas s 10 da roaobia vaecina-se
por prego mdico, para o qae ha muito
bom paz vaccinieo.
Recebem-se chamad, s para vaccinar em
qualquer easa.
Consultas medieas todos os dias pela
rnanuaa.
Chamados a qualquer hora do dia e da
nonte.
Gratis a parle medica aos pobres.
ttM6*fl
Caixeiro
MACHINAS DE COSTURA l
DE
Siger Manufacliiring C.____________
90*000
0O4OOO
90*000
90*000
Machina?
Machinas
Machinas
Machina*
Pra
Para
Para
Para
Familias
Familias
Familios
Familias
100*0(0
100*000
100*000
100*000
Dita
Ditas
Ditas
Ditas
tom
Com
Com
Com
fainpa
['..inpa
lampa
lampa
Faz-se negocio
C.m a antiga e bem :.f reguera da loja de caiga-
do francez a ra da Imperatriz n. 10, livre e des-
embarazada de qualquer onnus; faz-se negocie a
dinheiro on a praso, conforme se convencionar ;
eende tira b^m negocio para quem quizer conti-
anar, e ? se vende por ter o dono de se retirar
para a Europa traiar de ?oa saude.
Precisa-se alagar ama
ama para cozinbar, prefere-
se escrava, paga se bem :
traur a ra da Sentada Velha n. 90.
103*000
103*000
105*000
103*000
Brasileiras
Brasileiras
Brasileiras
Brasileiras
Toda.
Toda
Toda
Toda
Co;tura
Costura
Costura
Costura
UlOlXO
100*0(0
00*000
100*000
Machinas
Machinas
Machinas
Machinas
de
de
de
de
Manivelia
Msnivella
Manivelia
Manivelia
**m
113*000
llo*000
113*000
115*000
Machina?
Machinas
Machina?
Machinas
Para
Para
Para
Para
Aitaiaies
A fatales
Allalates
Araiatfs
Aluga-se
Urna ca?a terrea com soiao e boas accommo-
da^oes, concertada e pintada recentemente, na
Jiba do Retiro, Passagem da Maglalena : trita-se
na ra do Vigario n. 4.____________________
. Precisa-se de urna ama livre ou escrava
para o stvco de urna casa de pernea familia :
na raa do Baro da Victoria, antiga ra Nova
n. 46,1* andar.
145*000
145*000
143*000
145*000
113*000
115*000
113*000
115*000
Machinas
Machinas
Machinas
Machinas
Para
Para
Para
Para
Sapaleiros
Sapateiros
Sapaleiros
Sa pule iros
Machinas
Machinas
Machinas
Machinas
me>a de
mesa de
mesa de
mesa de
ALUGA-SE
nma casa para pouca familia, tendo sala, dous
ijuartos e cacimba, oa rna do Dique o. 2, perto da
sucio das Cinco Ponas: na ra da Imperatriz
B. 8, armazem.
Banhos
Alnga-se urna excellente casa em Olinda, ao p
da capella dos M.lagres, propria para quem pre-
cisar tomar banhos : traur na ra do Apollo
a. 22. ____________________
Os Sr?. abaixo declarados sao rogad >s a
maudarem oa virera ao escriptorio deste Diario
a negocio :
Jos Francisco Ribero de Sonsa, (dono do col-
legio de Santo Amaro
Francisco Jos Rabello _______
Precisa-se de urna ama para casa
de pouca familia, prefere-se escrava :
na ra da Aurora n. 5, 2 andar.
130*000
130*000
13< *000
130*000
Macbmas
Machinas
Mechinas
Machina?
Extensa..
Extenjo
Extencio
Extenso
Para
Pira
Para
Para
Chapelleiros
Chapelleiros
Chapelleiros
Chapelleiros
(Note se beor \
ao nomero /
nico Agente
W. IL Chapman.
(
Ntese bem\
a o oarflero /
29 RA DO IMPERADOR 29
AMA
__ Antonio Jos Vieira de Sonza, faz sciente
ao* eos amigos e aquelles eom quem temjae-
goeios qae se mudoa para a
reza, asa terrea n- 2>\_____
rna de Sanu The-
Alagase urna casa para passar a fe-ta ou
por anno, no P050 da Panella atraz la matriz per-
to do banfco : iraur no Huspiclo d. 26, primeiro
podar._______,________
Para a festa.
Aluga-se um sitio no logar da Torre com b a
casa e banbo no rio frente da raesraa ; tratar
raa de Gervasio Pires n. 26.
CAVALLOSFDBTADOS
Na noite do dia 31 do mez findo, funaram da
coxeira do abaixo assignado, no largo do arsenal,
dous cavados castanhos andrinos, gordos, coro
urna pequea estrella na testa. Ambos elles tem
ama inehago na barriga, qne pode desapparecer
em poneos dias. Um d'elles tem urna sicatriz no
pescoco proveniente de urna mordedura de outre
e urna malba em ama das maos, de cabellos tiran-
eos e loaros. Eites cavallos passaram pela ra do
Brum, e ponte Se'.e de Setembro, onde se conhe-
cea nm de seas conductores, ser o prto Jacob,
bilieiro, baixo e sem barba. Roga-se, por tanto,
as autoridades e aqaero d'elles noticia tiver, que
osfacaro apprehendere leva los ao abaixo assigna-
Precisa-se de urna ama que cozinhe com per-
feicao, que seja de meia idade e de boa conducta :
na rna do Livrarocnto o. 14.
Aluaa-*t o 2o andar da casa n. 43 rna do osugaiu wroueuuc ic-.- -u.------=-
araoda VictorU : a tratar na pbarmacia horneo- (do a-raa ^ CtooMMto era recompensado.
jtaibiea da viova Dr. Sabino.
Aluga-se ama das boas lojas do Passeio>
"on Cae* de 22 de Novembro n. 67 : tratar no
aegnado andar por cima da mesma loja.
Traipassase uxa hypoiheca no valor de
t>:tt>0*000 sita nos Remedios, fregnezia de Afoga-
4os eom daas casas de pedra e cal, olaria de pedra
eal, viveirn, arvoredo de fructis de diversas
ualidades, e barro para Ojotos e lenca : traUr
tu raa de HorUs o, 94 andar. ____________
Bati por alagar o 2a e 3 andar do sobrado
4a raa da Imperatriz n. 47 : traUr na roa For-
oM o. fl-_________;______________
" Urn pessoa habilitada para criado oflferece-
Reeife 1 de novembro de 1871.
Jeaquim Paes Pereira da Silva.
AMAS
Precisa se de daas amas para
cozinbar: na rna do Apollo n. 12,
armazem.
Alaga-se nma boa casa defronte da estacao
dos Arrombados, caiada e pintada de novo, com 2
salas, 3 quartjs, cozinha fra e qnintaj murado,
propria para pasar a
mero 26.
festa : ni raa Direitt na-
_j a quem precisar : na raa da Roda n. 62 ae
vottar pata o largo dj capim 3' porta.
Humanitaria readade
Pede-se por favor quem foi entregue por en-
ano 400 manifeates da sociedade Humanilaria
ealidadede mndalo* regar na typograpWa
\ C, no Re-
Aluga-se a casa n. 3o becco da matriz
Aeaourirla da? lotera?.
_ 1 Mercantil de Carlos Eduardo afollifiri 4
na elfe ron do Torres d. 10, par C qne ear bas-
ta ct agradecido.
AMAS
familia : tratar
Afflietos sitio n.' 33.
- -'-' -------------------------
Precisa-se de duas amas,
sendo urna para tratar de
ama crianca e outra para
cozinbar em ama easa de
no principio da estrada dos
CABRA
FURTADAS
Desappareceram duas cabras (bicho) com duas
crias, sendo nma toda preta e pequea, e outra
grande, preta, com urnas malhas brancas pela
barriga e ps, leodo os chifres aparados, as crias
da mesma cor : quem delles der noticia na Boa-
Vijta, rna do Des ti 00 n. 7, ser recompensado.
ATTENCAO
Precisa-se de ama ama para comprar e
cozinbar para casa de ama familia composta
de duas pessoas : nesta typographia se
dir.
%m
Precisa-se de urna ama pa-
ra comprar e cozinbar para
p;uca familia : a traiar na
raa de Pedro Afljuso o. 53, 1* andar.
Alaga-te o sitio na ladeira dos Mudos, no
Arraial : a tratar no mesmo sitio, ou na roa do
Crespo b. 16, 1* andar._______
Precisa-se alagar um preto ou moleque para
sr*fc? de b/ju|; roa larga do Roaario d 3J.
Precisa-se de nm caixeiro com pratica de fa-
zendas para a villa de Garanbuns : tratar na
ra do Livramento n. 6, toja.

No dia 7 do correte, as 8 horas da mashaa.
haver, na igreja do eonvento do Carmo, urna
muta rezada, pelo repouso eterno do Dr. Ignacio
Firmo'Xavier, primeiro anniversario do seu pas-
saraento : pede-se aos parentes e amigos i com-
parecerem a esse acto religioso.
Na cidade de Olinda aluga-se ou vtnde-se
urna casa de pedra e cal, por preco rasoavel,
muito perto do banbo, lugar saudavel, vista apra
sivel, tendo nm terreno junto, pertencente a mes-
ma casa com a mesma frente, capaz de fazer urna
casa ba de sobrado, muito vizinba a estacao dos
trilhos urbanos : quem pretender entenda-se con
o dono no pa'acio episcopal de Olinda, ^aleado
mais isto as saas proprias visUs, que informa
coes levianas.___________________________________
Bom cozinheiro.
Precisa-se de um, no Hospital Portuguez de Be-
neficencia : tratar na ra da Madre de Deas
n. 28.
Aos Senhores de engenho
Aluga-se o grande sitie da estrada do Rosan-
nho n. 10, com ama ca-a boa para numeosa
familia, tem boa agsa, bem como coxeira para
seis cavallos e lugar para carro, grande quanti
dade de arvores, fructferas, recomroendanJo-se
muito a excellente laranja de nmbigo e da China,
urna grande baixa de capim capaz de sustentar
porcaojle vaccas e cavallos todo,anno, sem que
sinta falta de pasto ainda meMno na maior for$a
da secca, tem alea das sercas em volu ontr^s
cercados pelo centro e muita lenba, plantarlo de
mandioca, manjueirae e jaqueiras em quantida-
de, e portanto quem pretender aprovelte, porque
nem sempre encontrarlo um sitio nestas condic-
c5es, gasundo-se apenas de cinco a seis minutos
para qualquer das est&goes, da Encruzilhada de
Belm, ou Tamarineira ; qualquer senhor de en-
genho que dseje mudar-se para junto da pra?a
se torna esU propriodide muito recommendarel,
por ter all em aue em pregue junto de si, as
suas pessoas de trabalho, e grande largoez; para
seus animaes, sendo para allfo cnsto da viagem
no trem, 200 res, garante-se conservar o ioquilmo
alguns annos por meio de um arrendamento, e
tambem se vende oa permaU-se por casa ou ca
sas na praca : tratar na ra da Madre de Deus
n 30".
Precisa-se de un
nhar, lavar e engoramar
sario da Boa-Vista n. 18.
mulher ture para cozi
: a fallar na ra do Ro-
AMA
Precisa-se oe nma ama para eozmhar
e comprar : oa ra Nova n. 21.
Alaga-se urna escrava para todo servico de
casa : traur na ra Direita n. 137. das 6 as 9.
Aluga-se a casa terrea n. 82 da ra de' Lom
bas Valentinas, outr'ora ra de Aguas Verdes:
tratar na roa do Imperador n. 83, 2 andar.
Fica sem effeito a aociedada dos tres R.
P ecisa-se fall- com
o S.-. Joaqun) Pires Ferrei-
ra n! Hotel do Monteiro a
negocio de seo icteresse.
Aluga-se o 2* andar do sobrado sito na ra
de Lombas Valentinas n. 86, com os commodos
seguintes: tres quartos grandes, duas salas bas-
Unte frescas, eosinha fra, quintal com porto
para a ra de Hortas, e cacimba : tratar na
roa Nova n. 17, toja. ___________
Os empregados da secretaria da presidencia
convidara aos parentes e amigos do finado Joao
Baptisu Ferreira da Annuaciacao, ex porleiro da-
quella repartilo para ouvirem algnmas missas
que mandara celebrar por alma do mesmo finado,
as quaes terao lugar oa matriz da freguezia da
Boa-visU das 6 at 9 do dia 8 do corrente (ama-
nbaa)
Precisa-se de urna ama para easa de hornera
solteiro : na ra de Pedro Alfonso n. 40.
< A pe&
rija-se i r
andar.
que precisar de um eozinhe'ro, di-
de Santa Rita Velha n. 27, primeiro
Casa de uampo
Aluga-se por 3 annos urna grande casa da cam-
po do poco da Panella em que resida o Sr. \V.
Rawlinson, na qual dever ter lugar quinta- feira
16 do correte um grande leilao de movis, louca,
chrjsUes, carros e cavallos. Os pretendentes po-
dero desde j se entenderem com o agente de
leikes F. J. pnto, roa da Cruz n. 38.
Caixeiro
OfTerece-se u oa pessoa com habilitcoes de
trapiche de algodo ou prensa, e tambem tem
pratica de -eaixeiro despachante : pode ser pro-
curado na roa da Palma 0. 39, da fiador sobre
sua eondncu. _____________
Aluga-se ama preta para lavar e engommar:
a fallar ao armazem n. 22, rna do Commercio.
Precisa-se de urna ama para casa de
pouca familia para o servico de casa, e
um menino para fazer algumas com-
pras e recados : na raa do Vigario na-
1
mero
33.
Precia-se de urna negrioaa ou
_ mulatiana, para andar com dous
meninos; d roa Nova n. 48, loja.
AMA
Precsa-se alugar urna esclava para coz-
char e fazer o mais servido de easa : a tratar na
ra do Crespo n. T.____________________________
Em casa de pequ"na familia precisa-
se de urna ama para cozinhar, ra No-
MARTIMOS
B
CONTRI FOCO*
A companhia Indemnisadora, estabelecida
asta praca, toma seguros martimos sobre
lavios e seus carregamentos e contra togo
)m edificios, m^rcadorias e mobiltas: na
raa do Vigario n. 4, pavimento terreo.
Jornal las fa-
milias.
Asignatura por ao 12*000 : na II-
vraria econmica, rna Primeiro de Maivo
n. 2.
i
AMA
,va, n. 31.
Precisa-se de urna mulher livre pr cozi-
nnar, lavar e ejngommar : fallar na ra do Ro
ario da Boa vista n. 18._______________________
__Alaga se/o 1 aodar, sollo e loja da ra da
Guia n. 56 :/a traur na padaria junto-
Aluga-se ,
um sobrado por 25# mensaes era frente ao hospi-
tal Pedro II, a margem do rio flapibaribe, havendo
os recommendaveis banhos salgados ; tendo dito
sobrado 3 salas, 5 quartos. estribara, qnintal mu-
rado, e sitio, 4 coqoeiros, 3 ps de sapotas e mais
ti uctetras: a tratar com Antonio Carneiro da
Caoba.
O Sr. Joo Manoel da Costa Figueirda queira
apparecer nesia typographia a negocio seu.
\m DELEITE
Precisa-se de urna ama de leite, preferindo-se
escrava e sera tilho : na ra larga do Rosario n
12, 2" andar, junto a botica. _______
Precisa se alugar urna casa bem mobilada
para uns estraogeiros, que seja nos bairros da
Boa-Vista ou S-mto Ant nio, paga-se bem : a tra-
tar na ra do Vigario n. 10.
Wilsons & Hett
teem para vender no seu escriptorio o segninte,
ludo de priraeira qualidade e prego maito razoa-
vel :
Vioho Bordeaux, marca Fabrezan, em caixa de
nma duzia de garrafas.
Fio de vela em fardos pequeaos.
Cognac, marca Jales Robn & G.
Carvao de coke.
Praca do Commercio o. 14.___________________
CEMENTO
O verdadeiro Portlaud : s se vende oa
roa da Madre Deusn. 22, armazem de Joao
Martns de Barros
AVISO.
. O Sr. Josc do Reg Mello
da Croz n. 52,1* andar.
rogado a vr a ra
Mudanpa.
Ii j dia 10 do correte em diante estar mudado
para a ra do Imperador n. 48, 1* andar, o gabi-
nete de cirurgia denuna de F. Mala, o qual nesst
data era dtante ser abi encontrado todos os dias
a qualquer hora. O mesmo, como at aqu, con-
tina a presUr-se a chamados.__________________
Casa em Caxang*'
Aluga-se urna casa com boas acommodacoes,
pintada de novo, por commodo preco : trata se
na roa de Sanio Amaro n. 6, 2 andar._________
j. Precisa se de urna ama pa-
^ 1#M\ ^n ra cozinhar, romprar e en-
Wii \KI ^V gommar : na ra das Trin-
cheiras n. 44, 1 andar. _________
^i. ., Precisa-se de nma ama for"
Wv ^\ Wv ra ou captiva, qae saiba cozi-
TkJ vi|} ^K) nhar e comprar : na ra da
Roda n. 46, 1' andar.
HII1IUMMHMI
s
s
S
Livraria econ-
mica.
Grande sortimento de papis pintados
e dourados para forro e guarnico de
sallas, gabinetes, etc. etc.
Livraria econmica, ra Primeiro de
Marco n. 2.
8
fara passar a festa.
Aluga-se para passar a fasta-urna boa casa na
Boa-viagem com tres quartos, um gabinete, co-
zinha fra, copiar e quintal com cacimba : tra-
tar na praca da Independencia n. 17.
iftMM
ADVOCACIA.
O Dr. Manoel do Nascimento Machado
Portella contina a advogar e pode ser
_ procurado no seu escriptorio rna do Ira-
parador n. 83, 1* andar
miii
, Precisa se de urna ama que
%^, 'VAN,%k\ engorome e costure com per-
^y W k feigao para casa de duas pes-
soas, piga-se bem : a tratar ua ra Nova n. 21
Precisa-se de urna ama forra ou escrav pa-
ra todo o servico de urna familia composta de tres
pewa*; D' roa das Flores n. 37.
O abaixo assignado, tendo de acabar com o sen
negocio, roga aos seus muites e numerosos fre-
gaezes que Ihe eso devendo em sua loja de cal-
cado a ra da Imperatriz n. 10, de vir ou mandar-
Ole pagar seu debito at o lim de dezembro do
corrente anuo, pon do contrario vor-e ha obriga-
do, e bom conlra sua von'ade, entregar as cou-
usa seu procurador, para uere:eher amigavel
on judicialmente, o que o abaixo assignado espera
dos sena bons fregnezes isso nao ser neceasarlo.
Recite 31 de outubro de 1871.
Antonio HJflrigutfs" Pinto. /
VENDAS.
Vende se a taberna cita
29 : traUr na.mesma.
a ra da Moeda n.
Farinha de mandioca
Acaba de chegar de Santa Calbarina, a bordo
do patacho inglez Mu y Block, superior farinha
de mandioca que se vende a granel a bordo do
mesmo navio. Para tratar com Jos Victorino de
Rezenda & C, a ra do Mrquez de Olinda, ou-
tr'ora Cadeia n. 52,
Labyrintho.
Na loja de raudzas a ma estreitt do Rosario
n. 18, acba-se um grande sortimento de lencos,
toalhas e fronbas de labyriuiho, obta de aparado
gost?.
Machinas para descarocar
algodo.
Vende-se no escriptorio de Joaqnim Gerardo de
Bastos iua do Vigario n. 16, andar, por me-
nas do que era ontra qnalqner parte._____________
Salsa-parrilha
A melhor,
A mais nova,
B a mais barata
que ha m mrcalo, em relacao a sua excelente
qualidade : vndese no escriptorio de Joaquina
Gerardo de Bstos ra do Vigario n. 16, pri-
meiro andar.
No escriptorio
de Joaauim Gerardo de Bastos ra do Vigario
n. 16, andar, ha para vender o seguiote :
Arroz da India de boa qualidade.
Caf do Rio de Jantiro.
Chapeos finos do chile.
Charutos da Bahi. '
Cognac Marlell.
Eoxadas ingiezas da 2 1|2, 3, 3 l|2e libras.
Genebra Od Tora.
Guaran.
Machinas para descarocar algodo.
Manteiga francaza.
Manteiga ingleza.
Obras de palheta, do Porto. .
Salsa-parrilha de Santarem.
Sardinbas de Nantes em quartos de lala.
Tapioca do Para.
Tudo por precos mais mdicos do qae em outra
qualquer parte. Na me-ma casa se vendo una ex-
cellente chrenometro : na roa do Vigario n. lo.
Botina- pretis para senho-
Veode-se por diminuto preco : s n(. Collar ta
Rainba a ra da Imperatriz o. 3.______________
Cabrioiet
Veode-se um excellente cabriulet de 4 rodas po"
prec commodo "4 d* Florentina n. t3.
A
' '
A
>
i
'
V.
'I
I
I



dej
ruaiiibuc
srip ler*
1
T"*
?
:
fe
DO
CYSNE
DE
4
FIGtlEIREDO ft LOPES.
RIA 011MPER4TR1Z \ 64
Os proprietarios deste importante e sympathico estabelecimento de fazendas finas,
rom avisar ao respeitavel poblico e particularmente a sua numerosa fregaezia, que o
CYSNE acaba de sortir-SQ de todo qo.anto*tja de gosto e moderno em foizenjas tanto
para borneas como pera senboras.
E' ocioso citar que os proprietarios da loja do CYSNE naturalmente presidentes e
d'am espirito altamente conciliador dos interesses alheios com os seos, teero sempre
legaido o magnifico systoma de offerecer i venda fazendas de todas as qoalidades e pre-
503 relativos de forma que fcilmente podem fornecer artigos de sua casa accommodados
i toda* as fortunas e meios.
sobre todas as conveniencias e meios preferivel comprar no CYSNE em con-
Mqnencia da sinceridade e barateza com que negociam c s seus proprieiarios.
No loivavel empenbo de justificar as suas operacSes convidam as Exmas. familias
i viiitar a sympathica loja do CYSNE chamando as attencoes do publico em geral para
u segu'Qtes especialidades e presos,
" VFALQII
N'ESTA ANTIGE CREDITATA
HCMTIi II CIIII11ITIIIITI III CtlrLITI IIITIIIRTI II
[irEtN B
PARA NOIVAS,
Veos, capellas, sedas e popelinas Drancas
de efires, gollas, pochos e camisas bor-
dadas, todo caprichosamente escolhido e
oara varios precos.
CRETONE BAPTISTE.
Fazenda lisa de orna s cor, de cores di-
versas, para vestidos e tambem propria para
sombras.
CAMBRA1AS
Transparentes de 8 1/2 varas desde
**0O at 81) a pega. Victorias muito Unas
le 4* at 84000.
CORTES BORDADOS
Fazenda branca de delicado bordado
Batios precos acompnhada do competente
formo.
LAAS
Variadissimo e rico sortimelo desde a
lia lisa barata de 4* ai* a de listras de seda
mais cara que pelo proco que- vendemos
oor assim dizer de graca vista do gosto
qualidade.
BAREJES
Lindos padrSes aos procos de 360 e...
^00 re. o covado.
SAIASBORDADAS
As qne o#jpYSNE vende s5o bellas e su-
ri, ores.
\s melbores e mats procoradas lovas de
.f;u\in. brancas 4 de cores sao as que o
CYSNE expoe a venda.
BALES
De creicnes com babado e bordado, di-
-o de arcos a 1(5500, pechincha sem rival
fo enero.
CHITAS.
Completo e grande sortimento de todos
* grecos de padres modernos e cores fi-
GROSDENAPLES
F nos de todos os procos e larguras s
"YSNE pode vender barato-
FLANELLAS
>. cores e brancas de 500 rs. at 1)5300
-x-vado.
Desculpem -os nossos fregoezes t
-unas novtdades pois co;n faaetfM
^oe Ra 'la Imperatriz 11. 64.
ALPACAS
Lavradas do 500 rs. !*O0O o covado,
especialidade do CYSNE que no conta com-
petidor.
MADVPOLES
Francez de 24 jardas de 8* at 10*000,
inglez de 5* at ,8*000, e muito fino.
DAMASCO
Com 8 palmos,de largura, dito estreito:
CORTINADOS
Para camas e janellas de todos os taa-
nnos, cambraia para o mesmo fim de 20
varas a 10* a peca. .#
ATOALHADO
Da linho adamascado, dito de algodo
muito finos, bramante entrabado e '>so> e
barato s o CYSNE vende.
GUARDANAPOS
Grandes e pequeos.
SETINS
Para todos os precos e diversos pa-
dres. '
PARA NOIVAS
Camisas bordadas, peilos
puubos lisos.
PARA LUTO.
Merinos, princezas, alpacas,
basinas, chitas, cambraias etc.,
grecos que s o CYSNE vende.
PARAHOMENSEMEEINOS.
Brim pardo a 640, 840 rs., 1* e 1*500
o metro, gangas de 400 e 440 .; o cova-
do, e tambem temos o afamado brim de
angolla. '
CHAPEOS DE SOL
Pura borneas e senhoras dos meluores
fabricantes da Europa.
FILOS
De seda, ditos de lineo, preos t brac-
eos e mais baratos que em outras loja.
MEIAS
Para todos os tamanhos e qoalidades.
CHALES
De merino lisos e estampados, pretos com
franja de seda, ditos cum franja de 12a es-
pecialidadedo CYSNE.
s Ha* um pouco extenso na narrac^o de a
ioteresse tambe o ~6*s; onssos fregu
FHIIREDO &
JOAQUIM
LOPES
MACHADO ft C.
Travessa do Corpo-Santo n. 25
ARTIGOS AMERICANOS
Cylindros para padaria.
Carros de mo para conduzir fazendas.
Machinas para descansar algodSo.
Polias de diversos tamanhos.
<>anos aamento d'agoa.
OBJECTOS PARA CARRO
Oleado preto para guarda-cbnva de carro.
Dito de cores para forro de dito.
Chicotes p?ra dito.
Puntas de lanca.
Gales de seda para o forro de dito, es-
treitos e largos.
Pregos de cabeca de marfjm.
Escovas para dar graxa.
19 Ra Primeiro de Marco 19
Tendo renovado completamente a loja do predio, em que teem o scu es-
tabelecimento,
19=A ra Primeiro de an;o19
com aquello asseio e elegancia deaejave*. acham-' 'ora prvidos do mais
esplendido sortimento de fazendas finas e moderna; >)-
SEDA, LA, LINHO E ALG-ODAO
todas do ultimo gosto, .e continuam a ter como sempre, diversos
ARTIGOS ESPECIAES DE SUA GASA
Garantem, com toda
a sin.eridade, vender
por menos que qual-
quer outro, porque
recebem em direitura
a maior parte de t*
fazendas.
19 RA I.' DE MARCO 19
(Aniga na do Crespo).
Faz-se negocio
O dono do graDde e acreditado estabelecimenti-
de fazendas sito rna da Imperatriz n. 2, com a
denominacloPavilbo da Auroraresoiveo ven-
der o dito estabelecimento por motivo que dir ac
comprador, o anal se vende vre e desembarazado
de jualquer oous, a pra?o ou a dinheiro, conforme
se cunvencionar: a tratar no mesmo estabeleci-
mento.
100 milheiros
De telhas e lijollos de todas as qoalidade?, ve
de-** por minos SfOOO etn mitbeiro do que em
outra qualquer parte: na elaria da roa dos Pra-
er#a n. 30, de Jos fiarnem da Cnnha.
Vende se por commodo preco am pequeo sitio
na Boaviagem, eoo boa ca>a de lijlo, lendo boa
baixa para eapim. e tica prximo ao povoado : a
traiar na roa da Madre de Dos n. 36, primeiro
andar._____________________________________
VNDESE
Pe* de crvtro e eravo< br-ipcot ; aa irv>:a
d Ponte de Ucha, segaods casa a beira do Rio.. Croz o. JO, e oa pr;gi do Conde d Bu b. 8.
Vende-se
O siiio n. II d rna da Amiade (Capuqga) Coro
boa easa de vi venda, murado na frente e com
porto de ferro : quem pretender dirija-*e a rn
da Bom Jezo* n. J3, outr'ora. da Crus, armazem
qne encontrar con quera tratar.
Vende se uro tn terrea rui da Santa
BAZAR
13 ROA DA 1MPERATR1Z 13
DE
ULYSSES i IRMKO
Neste bem conhecido e acreditado es'abelecimento, encontrarte nf*soa amibos e fre-
goezes cigarros de palha e de papel de diversos ttulos e des adhorte quaidades d
fumo. Charutos dos mais acreditados fabricaras da Babiae do Pierde Janeiro ; e bes
assim, ponteiras para charutos e cigarros, cachimbos de.espi:ma, de porcelfcna, de ma-
deira de diversas qoalidades, de lonca e p de gallinbas muito finos a 2600 a dozia,
moitos ootros rticos que deixamos de mencionar.
Fabrica do cierros.
Bem attesta a sarericridade dos cigarros de nussa fobrea o prande consumo q
delles tem havido no inUrior e as provincias do norte. Com presteza sproapta
qoilqoer encommenda, remetiendo-a ao seu destino.
ACADMICO
43RA DA lMfERATRIZ-13
Ulysses & Irmao
BAZAR
LUCA E V-IDROS
* NO
EMPORIO (MMERIM
15 Ra da Iniperatriz 15
DE
LYSSES & IRMAO
Tendo de chegar um novo sortimento, e teodo de siffrer urna refjrma
de negocio deste estabelecimento, seus proprietar.os resolvere por em
grande quantidade de pratos de loura, tijellas, appareibos de looca para j'
almoco, etc.
o P'ssem*
liqpidacao,
iOlar or
Grande qoantidade de copos de vidro fi-
nos para agua a i*200, 4^500 e 4*800 a
duzia, clices de vidro finos para licor a
3(5000 a duzia, ditos de cor para vinho a
2*500 a dozia, garrafas finas de vidro ba-
carat para vinho a 56500, 6)5,6,5500, ~&
e 7)5500 o par, bonitas compoteiras de vi-
dro a 6*500, 75500 e 8*500 o par, gran-
de e variado sortimento de jame finos para
flores a 3*, 4*. 5*, 6, 7*, 8*. O*, 100,
H*, 12*. 13*. 14*, 15*, 16* e 18*000 o
par, cbamins americanos'para candieiro a
2*200 e 2*400 a duzia, escarradeiras de
vidro a 3*500 o par, globos para candiei-
ros de 1*500 a 2*00 cada um, lampari-
sia com vidro pare cima de mez?, parede \ Camisinha
aependurar a l*50o. 1*700, 2* e 2*200 3$* a 3*'
eddauma, bfiias quartinhas hambur^uezas
a 4*500 e 5*000 o par, lindos paliteiros
ce porcelana branca de 1*200 a 3* cada
dm, bonitas canecas de porcelana com friso
Desmalladas para cal a 6*000 rdotia,
escarradeiras e copo de cryslal de ti para
eavatorio por 3*000, pratiohos de vidr<:
lpara copo a 320, 400 e 300 Ti. cada urna,
sextinbas de vidro para passa?, figos, etc.
etc. a 800 rs. cada urna, compoteiras de
vidro para doce secco a 2* e 2*500 cada
Lpma, casii?aes de vidro s para vela a...
1*200, canecas de pircelm osen leeape a
320 rs. cada orna, g^lheitaa de vidro para
mise a 800 rs. o par, candieiros de vidro
com globos a :j, 14* e K500O cada um.
* outros artigos que deixamos de men-
cionar ; e prevenimos a quem precisar com-
prar algum destes objectos que approvei-
tem a occasio de oinprar-los por' menos
20% em raz5 de termos de liquidal-os o
mais breve possivel. Roa da Imperatriz
n. 15.
OLEADOS E CASEMiRAS PARA FORRO
DE CARROS.
Vende se oleado preio grosso a 2*200
o covado. D to cor de cioza a l*00 e
c6r de caf, verde e preto a 1*400 o cova-
do, para .acabar.
Panno fino azul escuro a 3*700 o covado.
Flanella branca iugleza a 1*400 o cova-
do. Dita" muito una azul com duas largu
ras a 2*300 o covado,
Casemiras escoras e claras de duas lar-
guras a 2*400, 2*000, 2*800 e 3*000 o
covado, as qoaes servem tambera para pa
itot. No Emporio Commercial ra da Im-
peratriz n. 15.
CHAPEOS D PELLO PRETO A 9*000.
O Emporio Commercial est vendeodo
chapeos de pello preto para homens a 9*.
Ditos de castor branco a 10*. Ditos de
.e ch3l* S-5J00O
dss*zes.
a*uci<. e do cores de
..W .e vio um processo.'roai! perfeito e que et-1 cri5U 8offrAe ch0,*ae de acldo8 Jor,19Sim^
mai
sem
se decompr ; ora, se os cidos nao tem accao so-
bre ella, muito meos a aeco do tompo a poda
destruir; isto plaostvel.
Nao s ao commercio que este mea producto
veio ser til ; os professores dos collegios, investi-
gando todos os meios para o adiantamento dos
seas di?eipulos, tem approveitado esta tinta, qne
com razao a acbaram apta para desenvolver o
posto nos edocados, em conseqoencia da belea
da cor e facidade de correr na pequea pela sua
liquidez. Ha exemplos de enzocas qne havis
muito tempo tieham ama repugnancia extrema
. para a escripia, loen qae Un admiiiida esta tinta
i :,n.a, nao sendo especialmente para copiar, g0 w|i(Jgi0j apo'der^u.^ de,,; curiosdilde e o
gosto, e fonce t8mpo flepojs o }W adiantamento
era manilesto.
Esta tinta, par de tantas vantagons, tem om
ateo iBconveniecte, deteriora-se ao coniacto de
outra qnalquor; e-,nvera pois te-la em tinteiro
isentos do menor vislumbre de outra tinta, e evi-
tar oserever com a peona soja de ama preparaco
differciete- e incosmativel; verificando isto, nao ha
j-- -le ;al foroia a sasfazer as exigeccias
" a cor Iradissima e nao precisa de cida-
.ifum para se conservar no tinteiro sempre
*t a mesma c6r, sem borra* crflsta, bolr ou sem
'".s utas amellas inherentes todas as tintas
* igor* conheeidas, anda mesin" dos melhores
.:ores e=irangeircs.
iobretudo, este estlmavel producto nao ataca as
u_2*s de 150, antes pelo contraro, a peona
. Tc're um esmalte dourado que, sendo interes-
i::t, asss proveitoso.
.omtudc daas, tres, ou mais copias um JOfi
4^n de escripia ; e preciso, porm, deixar-lhe
.rf*ul bem molhado .em o enxugar com o mata-
. rrao, porque nao b o risco de borrar. Parase
.rr mais de urna copia, nao se agglomeram tan-
i- foinas qoantas copias se qnerem tirar, mas
-* coui o.originai tarar a urna tantas quantas
, >jam, aem qoe o original fiques prejadicado
...a trajee.
.-lecrre aaai dizer one nara cAni.f' .mnort '"5 Bra M a84r i(> "BU 1ne D S6J* V10"
ucccrreaqui uuer que, para copiar impor CTi k-ttoa-HIH no u, .vtpibi,
i,s i&teigencia e nabiudae, sem o qn% a me-
tor tinta nao satisfaz, e o deleito recae snprf
car a tinta, que muias vezes quem menos
t;pa :em.
X dupla qualidade desta tinta e&uen*atf ate
prtcavel, pois que evita qae en> qaaiqn*r es-
. :.'ro baja mais ,do -jeta para oe *-
x::l atiteres, yS
-. 1 quDto i mi (Juratidadr. qc u t oppOr
,'**[ dpv.'d* t'OqU*erti (U depodl-
LETA EXTRA-FINA DE MuNTEIRO.
Observa^o.____
Diversas laUifioacoes e semelbanoas tem appa-
recido, cuja daraiilidade compradoras podem evitar o engao dirigindo-se
i cu-cr..xspecta, pedindo a tinte qne en
tS"c
k, C. Uotueiro.
Cortes com 17 ovados
a 4*500.
Coberto es de la esr
Coisas de a'godSo I
3*u00a 4*900.
Sedinha preta a m fg ^
Dtta branca a ^ 0 cevado
' ,C"rles 25* oewdM de sedinba de
listra por 2o*00
Fronhas de 1 fa 600 ...
Alpaca pret^ %3TJa(la a 500 rg 0 ^^
dem hrar^.aUjKi rs 0 C(jvado
Guardar ^M .^e .abo para cha a 2*000
e 3*600 a dtz+a.
Ditos para janr a 7*500 a dozia.
CamWmhas bordadas pa'a s^nhora a...
O.
Lindas cambraias Imperatriz cortes de
10 jardas por 9* 00.
Corles de cambraia do ?a'pico com 8
varas por 5*500.
np6t#{ gr.ifics e pequeo.
L*Gus de qassas psra criancas a t*'.OG
a duzia.
A'godSo branco e de lista.
Peilos de esgoiSo de laho para esmi-
za a i*
Punhos o par a 800
Cjllap;.hos finos a 500 e G00
spartilhos bordados finos para senho-
ras .a o*
Meias finas para h' ni*1!, senhira, e
criancas.
L'a fina para bordar libra a 6*
Carreteis de finha AJexacdro a 80
Dila em dozia a 9U
Abotuadura para collete a 120, 200 300
500
Ditas para punhos a 300 e I*
Ppel de pezo, aiiii;; e prqoMO d
cores em cai\inlia.
Latinbas de banha a 80 rs. e em do-
zia a 900
Brincos pro ".os de borracha e alfinete a
800
B loes de draque prrto
groza a 1800
Grande variedade de bo htt
e collete q-je s?, vende barat.,
C'ixas com dez DOtetlos gi.
nha a 440
Dilas com 50 dit is a 050
50 peras ci.rdo de vestida 60O
Pega de tila para coz 440
Sahonetes tr?nsparantps finos dozia flflC
Colleres de njtlal uno para cha, duzia
2*C00
Dilas para ftjta **IJ
Tal ^rc3 d f to- d lia 33, 6* 7* SI
ara palito
ra pauto;
Af& de
palha e feltro tanto parahomem como pan e 9*000
crianca. Bonets de couro da Russia para'
meninos a 1*500 cada um. Cliapelinisdc
seda para baptizados de crianca a 2*500,
3* e 3*500. Bonitas tooquinhas franelas
de la para criauca a S00 rs. caa urna.
Chapelinas enfeitadas para senbora a 5*,
6* e 7*000 cada urna. Chapeos de sold
seda tanto para homem como para se-
nbora. Na roa da Imperatriz n. 15.
GRANDE ARMAZEM DS VARIEDADES
EMPORIO COMMERCIAL RA DA IM-
PERATRIZ N. 15. DE ULYSSES & IR-
MO.
Este novo e grande estabelecimento con
lina sempre Srme em vender barato para
vender muito. e em consequenria de n5o
baver ainda chegado algumas encommenda?
que temos feito, e escasso como se acha o
nosso mercado de artigos de g'Stq: vende-
mos por mdicos precos os que se segu.
Superior panno preto PII a 6* o covado.
Dito dito Brasil a 5*500.
Superiores casemiras escuras e claras
para palitots, calcas e cllete.
Brins btancos de 'linho de 1*3 0 42*600
a vara.
Brim pardo a 300 e 560 rs. o covado.
Madapolao francez e inglez de 5*100 a
15* a pca.
Grande sortimento de chitas.
"de;jas nvaee a
fOfl
Ti'Dis d h
Jlt H/. o
Sabouc es finos e igu.iS dozia a I*00,
!*500 o 2*
C.\ oe b..ioi's de osh para -calfin
200
Sutaes b'anco, duzia a 80
Tranca de lia e branca de caracol dozia
a 560
Retroz preto e de cores, oitava 240
Carnizas de meia crua muito coas a 1#
Sitinea dealgodSo de coi es para roopa
de montara, e de cn?nca r ovado a 500
Merino preto trancado a covado a 3*300
Leucos de finito em btnit caixinhas dn
zia 5*800 .. _____,
Lindas cambraia? brdalas de a var"
1*000 Jf
Cilxa* d" pello de loritra-com do'as vis-
tasa 14100;
Cretone malisado pf cubera covado a
700 y
Grande sort mritos d p-j-fumarias ; um
bonito toya'et \(vinliaii;o 'coi pedr?. m?.'-
more e vidro ju/val, um gua;da_ roopa da
amarello ; sei'i cadeiras d ^-uarbicSo. 2 de
ditis de bracos e duas de balanco tudo
de iecaraada m?ssc-o, proprio para cm
gabinete e ^mlem se por mdico proco
por ser'resto. Nao ser roao vender no
EMPORIO XOWIMRCM
/ 15 Ra da Imperatriz 15
Ulysses & Innd.
Chega pyra todos
Presuntos de Lamego de superior qualidade a
400 rs. a libra e 880 r. o killo : era cana de Po-
cas & C., ra Eslrcita do Uosjrio n. 9, poto a
igreja.
Vende-se Vinho da Figueira e de Lisboa( 3jCr0 3v.
400 rs. a garrafa, e em canaas a 3*. superior
Gas economic para os can-
l diei os de porcelana.
I Acaba de cbgar esta j bem ct nhecido m-
I justivel, c>imo o mai- barato, prometo e aueiada
de todos al h ije coiiiiecidos. e se encontra i ven
da no cnico depusiiu, ra larga do Rosario l-
carne do srlo rauo garda a 360 rs. a libra, a |
800 rs. o kile e em arro!>a a \0t : na, taberna da
roa dx Satali-velha t. f02, gualaa du E-cco Vende -e i fia i?, a titira
Largo. 'ra de Pedro .ULdo o. i, anliga roa da Praia,
e 14761) o k.l
'
.


.
ItGli

J


Btait
raamuo Ter
A' AGUIA BRANCA
RA MJQUE DE CAXIAS N. 52
(Outr'pra Queimado n. 80
A Agma Branca leodo j recebM parte de soas
antigs eocomroendas, em seguimento acaba ago-
ra mesmo de receber outras, alguoias das quaes
ae toraavam essencilmente precisas, e ouiras se
Uiem apreciadas par seas gostos e quaiidades,
coito sejatn:
Heias de ilo d'esoocia, aberUs para seoboras
meninas.
DiUs idem coa listas umbem para seoboras
* meninas.
Ditas idem omito bonitas ao gosto escocer
Ditas idem idem branca* e cora listas pira me
ninas.
Ditas idem dem para ba plisa dos.
Ditas de algodo comprid-s e com Iistras para
meninas.
Luvas pretas de seda, para senbora.
Ditas de turbal e de seda pan meoiuas.
Bonilas eamisiobas bordadas para seoboras.
?Fil de seda, branco e preto com flores miadas.
Dito de algiidu, Imo e com flores.
Toaquinhas bordadas paia crianzas.
Lindos e modernos chapisiobs de fuslo para
/.iditaa.
w Penies de tartaruga para deseniDaracar ou peu-
Ditos de dita travessos para meninas.
.Oitoa de borracha para ditas.
Ditos do tartaruga, pequeos, para segurar o
amarradiiho aos cabelles de seoboras.
Grande soriimenlo de eofeites de seda para ves-
. tidos.
Pivellas de madreperola e de tartarnga para
i pnlceira e laco para o cabello.
Bonitas 1. Icinhas para meninas.
NOVO SORTIMENTO DE ENCHOVAES PARA
BAPTISADOS
A agnia branca acaba de receber noto sorti-
ment de lindos e completos enehovaes para bap-
-tisados, e bem atsim separadamente camisiobas
para dito-', lindos chapeosiobos de setim branco
bordado.", ootros ditos com fundo de velludo, obra
de muito gesto, e que servem tambem para pas-
seio, sapatinhos de fe im para o mesmo Sm.
MODERNOS EfFRITES DE PLORES,
ornados com bicos de seda, Olas de setim\t fvella
de madreperola ao ultimo gosto, e proprios para
bailes, casamentes, etc., etc.
n.
FLORES E PREPAROS PARA ELLAS
A Aguia Branca receben lindas ramos da florar
linas, tanto para cabeca como para chapeo,
bem assim :
Papel verde liso e eom listas para folhas.
Dito de corea para flores.
Folhas de diversas quaiidades para rosas.
Ditas verdes e lustrosas, obra nc va e pela pri
metra vez viudas como amostra.
Franjas pretas e de diversas largaras pan en
feiiar vestidos,
COQUES DE TRANCAS E DE OUTROS
MOLDES.
A Aguja Branca acaba de receber urna peque-
a porcao dos bonitos e modernos coques gran-
des de tranca e outros moldes.
NOVO SORTIMENTO
DE
BOLECAS
A agnia braaea, a roa de Buque de Cazias n.
, 52, outr'ora do Queimado n. 8, acaba de receber
i um novo e bello sortimento de nonecas de diver-
sas quaiidades e taraanhos, sendo :
J Com rosto de seda, das que choram, e outras
I que fallan).
Com rosto, mos, e ps de porcelana, e pro-
prias para vestir-se.
Obras de porcelana
A agnia branca tem outro sortimento de diver-
sas obras de porcelana, sendo :
Bonitos e ricos vasos para pos de arroz.
Outros para joias.
Outros para jabonetes.
Outros para enfeites de mesa.
Pequeas e bonitas pias para agna benta.
Pequeos jarros para saotuarios.
Outros maiores para mesas.
Bonitos pon relogios.
Lindas cestinhas tambem de poreeilm.
Escrivanias de dita.
E muitos outros objecto para enfeilea de mesa.
Tintura ja
86 a antea approvada |
toeneia, reamhecidasaper
!&_-
iras e casada cabelleireiro.
braaeoc
^i*ilo pripcipii ,a J. JJjl
Sli- 'm to4M **~^ Til
pittK
fea i venaren) seas armazens, alm de mt m de
- 1t sea negocio regular, os seguintea, por oreos, mau mdico qo em V
ker parte1: ir"
S de pinno aimoradMs. I
JIM le mn para JfcRas. -. V
SALITRE inglez.
BSTEIRAS da India paseana e ferrar galaxt
CANOS ie barro frasees para eegot7 ^^
GBSSO sopehor em poredes raannluj ,
(XMWTO de todas as qnalfdidear
MACHINAS de descarocar algodao,
LONA* e briaadesaa ossia.
OLEADOS americanos para forro de cae*
FOGOES americanos muito bous e econmico.
VTNHO defcrdeaax. woonue..
COGNAC superior de Gautier Freres.
f ARELLO en saceos grandes a 31800.'"
AGUA flori* legiUan. < ,
BALANgAWecimift. 1 \
CADEIRAS americanas.
RHUM da Jamaica.
AZULEJOS de Lisboa.
i Jfc t^r4t *l*odio eom K i"m 4*. 4'so
madapolio a 4*. 9f, 8*800, '6* e
de dito infestado, francs superior a
qtiafldades a 540,
Contra a tosse
PASmBA8^BITORAES.
de
Gomma simples crystalisada.
Ditas de angico c
Na d'Arabia.
Ser de pinito marhime ie Lagasse.
E outras muitas que muito se racomendam pe
las-suas exceilentes quaiidades.
Vende na "* "
PHARMACIA E DROGARA
DI
Barfaaiomea & C '
34H8PA LARGA DO ROSAHta-34
-*
ARMASEN DOS LEOES
, BA DUQUE DE CAXIAS Ni 29
M.n.i *. PrP,rilelarl8 drte grande e be moDtariu estabelecimento scientificam ao
h! i'i P fcSl1 Prov'ncia P se cbam c^m UHj variado ecornoleto sortimeDto
ae movtis, tanto naciona como estrangeiros, seudo estes escolhidos capricho-por
hS,!.8JXo'/08 qu,,;e fba acU,almente Qi EurPa. P isso os podem vender ais
pantos 2U / menos de que em outra qual^uer parte. ?> mesmo tem coatratado corn-
os melhores fabricantes taqnelle continente as remessas das mais ricas mobilias k*
Na olicina tem os m.is baoeis artistas aeste genero, e por isso aptos a fornecwe
Ti aDsmai33PerftJKoadas para as casas da provisto consideradas de priacir*
orutm. Pedem, porlinl), que venbam.visitar dito estabelecimento, onde encontrar*
a raiiflane do que acaftara de Hxpr, passandoa examiaarea : ricas e eompletas moWia;
ae Jcaod, mogno, fau, carvaibo, amareHo, etc. etc., ricas e elegantes camas de
Jacaranda, pao-aettio. amjirelio. etc. etc., guarda-vestidos de amarello, goardalouea de
nogneirj, amarfillo, coa llampo de pedra, aparadores de t>, dito, com dita, petate
totletlrs, especialmente pata tazer barba, toilettes le Jacaranda e amare-I lo, com pedra,
e tnoito oairos anigos d|a gosto, que para se two tomar oofadonbo presetndimo de
azer oaencao delles. o oob s com a vista poderao apreciar.
Mi
Xarope sedativo
DE
Casca de laranjas amargas
COM
BROMURETO DE POTASSIM
DE
sLAROZi:
Este novo preparado aprovado pela aeadeaia
imperial de medicina, muito se recoramenda pela
na accao sedativa e calmante, sobre o sysieaa
aeroao, o bromureto de poUssmm, nlo deixa de
Jar os mais eertos resoltados as diversas affcr-
coes do organismo e principalroeaa as molestia
do coracao, das vas digestivas da respiragao, das
as genito-unoarias, a epttepsiet nas molestias
aervosas da preubez, m insonnt das crianeas
durante o periodo da dendcao etc. ele.
Vende-se na Pharmacia e drogara
de
Bartbolomea & Q.
34ra Larga dohosario-%
piba mnyAS
Lindas grinaidas corja. florej e botode
laraogerras com vivo* Jsem lles, vendem-
se na Nova Esperanca roa Duae e Caxias
n. m.
Meo para mehiRa
Vende-se na Neva Esperanca roa Doqoe
de Caxias n. 63.
Mto> hver convn!cr%,
A enancas que usajeto dos collares ano-
dinos, que se venden na Nova Esperanca,
estarlo isentos de convulsoes; pois sao os
verdadeiros recebidos directamente.
--fdajoM
Cambraias de cores a 240 e 28Q rs. o eovado.
DiB>4rsa d* M rlSOM. .oe\iado.
Ditas pretas para luto a 6t rs. a vara.
Psfaajidp oatntraia lisa transpareMe a 3<, 3*SM
DUpa de dtu tapada Virtoria, a kl, 41500, U
Diio-de -dta transparente*, suisa muito fina
eom 17 vara. 144.
DHrde-dfta bordada com 10 Jardas a 74 e
WOL
Organdy branco fino a 700 rs. aovara.
Brilhaaioa-tranc afolada a 4*0 e 500 rs. o
eWhdo.
Breunba de linbo com 25 varas a 20*000 e
23/000.
Dita de diio'infejtada eom 30 varas a 274.
Braoaate de linbo coa 10 palmos de largara a
2*500 a vara.
Dito de algodao a i 500 a rara.
Atoamado de dito e de linbo com 10 palmos de
largor a 1*500 e 31.
Toalhas ateocboadas para rosto a 7* a duna.
Ditas de linbo do Porto felpudas -a 10*000 a
dozia.
Guardanapos de linho a 3* e 4* a duna.
EUs de chita a 2* e 2*500.
de eiita adamascada forradas, 4*, 4*500
.
oicnas de damasco de cores- a 4* d*.
Ditas de fustao alcochoadas a 5*. .
Cobertas de la escuras a 2*.
Ditas de algodo brancas a 1/OO.
Collejwnhoe de Imho a 500 rs.
Chales de merino hsos pretos e de cores 2*000
e 3*000.
Ditos estampados de meia casemira a 2* e
2#500. t
Damascos de cores sfiOrs.
Lencos brancos de cas Unos, 2*, 2*S0f> e 3*
a dazia.
Ditos ditos e de cor a&ainhado largo a 3* e
3*500 a dozia.
Ditos ditos de cambr;.a de linbo finos a H i
dazia.
Ditos de-esgniio de lM 4*, 4*500, Sf e
a duza.
Bnm Angora a 610. 800 r 000 o corado.
Brins de- linbo de corr a 3B0 rs. o eovado.
Cortes-de mera casemira para caifa a 1*2006
A FLOR DE OURO
E' este o distintivo de nma no^a e kem montada
loja de joias, sita a ra larga do
Bosario n. 24 A,
Os propietarios deste elegante esubeieeimenlo tendo ero vista os esforeo ane
flzeram para o eoHawem nas condiccoes de tuna grande eUnteNa, faltariam ao mais
rigoroso principio se nao viessSm a eollnmna da jorns seientifiear ao respeitavel pu-
blico, que no mesmo esubeieeimenlo enconirare sempte o mais completo sortimento .
de Jolas, como sajan : brincos os mah modernos, para adornaren as ettcadas<*rsari
Ibasdo bel ew, e-qn**e vendem a 8, 9 e 10* o par, ditas para meninas a 4, 5 e Si, \
ditas de coral, obra de apurado goMo a 3 e 4*. Vohinhas de ora con cruies de*.
fnMAbi7h.eSor'rPnT..df 3 m d^S eom pedras e em-andeXetii*nsn
^i%'} te w*. 'osotas lisa porm bem trabalhadas, de 2*500 a *, ditas eom
pedra de 4 a 15* cacoletas a 4* ditas eom lnscriP56es a 5*500, aneis de diver i
gostos, e cora bonitas pedras a 2, 3 e 4*, ditas de perolas, esmeraldas e robnTSZL
St?i Tva'?1""1.? l% *\ e 6*' diUs de ouro coral om *tsspb5l
togranhicas a 3, 4, 5, 6 e 7*. ligas de coral a 2*. cadeias para relogios- a 204, dittsT
6*500 a oitava, guarnios com tres botoes para aberturas a 4*, ditosde nedrtihWaaaoOi i
o pafj ditos para punhos os mais modernos a 7 e 8*; alm o ata variadisairoo T-im '
to de Joias de apurado gosto que recebem por todos os vapores da Eurooa cmo
sejsm: brincos, bracelete?, alflnetes, aderecos completos, crtues, roKtas, anneis ds
bnlhantes, esmeraldas, peroles e rubins. MedalbSes, vohas, tranellas, anneis com le-
tras e de diversos modelos, oculos e pencinez de ouro e prata doarada, relotloa de ou-
ro e prata de afamados fabricantes, salvas de prata de diversos Umanhos, neo paulei-
ros e raquetros, colheres para cha e sopa, maracas para crianeas. e urna indnidade da
objectos que seria enfadonho mencionar-se. """""^ "*-
Os propietarios da Flor de Ouro garanten vender mais barato que en oatnt-
qualquer parle, para qne esura aoerto o eaUbeJecinenio das 6 oras da manea as 8 d*
X
;

RA DO DUQUE DE CAXIAS
(Outr'ora do Qneimado)
1*400.
Ditos de eaeemira para caiga a> 3*500, 4*500
5*500.
Casemiras1 de cores de duas largura?, 2*, 2*50
3* o covade.
Ditas pretardn larguras a SgSOO o eovado.
Pao'lino pretb e azul a 2*, 2*500, 3*000
3*>00.
' tilo dito mnieo ftoo superior 5"& 6* e 7*
eovado. .
* Baos e alpaca de cores para vestidos a 400
500, 600, 700, KW'e t* o eovado.
Tialhas com lahwintos para bandejas e para
rosto a 8*, 10* e 16#v
Caaisas de flaaeila branca, e de cores 2*
Urm, 3*. 3*500 e 'tm0.
Greedeoapoles prete e de cores 2f, 3* e 4* o
eovad.
Dao-se amostras com penhor-.
Vende-se tambem grande quantidade de roupa
fetta e por medida per* precos muito redolidos
Chapas de ferro galvanisadas para cob#f! CMa8 etc>
Formas paraassucar
Arados Americanos
Machinas a Vapor
Machinas de descaro5ar algodla>
Fogoes pe ferro
Trilhos de ferro para eQgeQli0S
Camas de ferro
Macacos de estirar
Ferragens em geral
Cofres de ferro
FV.S artigos vendem-se era
casa dos importadores.
Siiaw, Hawkis ct C,
S. 4 BA DO BOU JK.SU.
COUTH'ORA RDA^DA CRUZ )
A loja dos Arcos de Alvaro Augusto d'Almeida dC. ra do Crespo n. 20 A acab:
-d^cBSfJwlo Dllimo vapor francez Amazonas, alguna artigos proprios para enxovaes
de noiva/S)0 modas paca grande toi elle como sejatn :
KiquSimo cortes de vestidos de blonde para casamento.
Ditos dVtarlaiana bardados seda para casamento.
Cortes de^eda de bonitos gostos e superior qualidade.
Colxas de seda lia, e 13a e seda.
apellas com maot-'s de blonde para coivas.
Cambas de esguifio bordadas para noivas.
Fronhas de esguio bordadas.
Lencos de cambraia"- de linho e labyrintho.
Superiores leques dP madreperola.
Cortinados bordados.de difiranles presos e quaiidades.
Sedas de cores de bonitos padi5es.
Ditas escocezas para vestidos, roupas de menino, enfeites, etc.
Basquinas de gorgir5o, superior qualidade.
fiorns de laa e se?a para senbora.
MaTnirn^rnrtrsrteira 441de Sjpda bordado.__________________
Chacbeoez de lia e seda. ^
Cbapelinas.de sia branca, e de crpe preto para luto. \
Chapeos enfeitados para senhoras e meninas modelo iateiramerite Tjovtn---------
Cortes de cambraia de cor, e brancos bordados.
L'ndos cortes de baptiste Frou-Frou.
Totl de voyage fazenda de gosto para vestidos.
Alm destes artigos qo se vendem por precos razoaveis tem outros que sio pe-
ebinbas extraordinarias, como sejam :
Damasco de ila com 9 p timos de largara a 1(5500 o eovado.
Cortes de 13a 1 Victoria com 20 covados por 10 Lias com Iistras de seda a 400 rs. o eovado.
Ditas mescladas muito boa qaalidade a 3*0 rs. o eovado.
Cassas de cor a 240 e 280 rs. o eovado.
Esteira da India, mallas para viagem, transparentes, etc., etc,
RIVAL SEM SECUNDO
MA DUQUE DE CAXIAS-N. 9*.
Joe- Bigodiabo, com loja de miodozas,
ivisa a todo os os seos fregnezes qaa sti
torrando todo pelo prego, a vista da. ftaeo-
da, para todos admirar, a saber; j* _
Pecas do fitas bordadas muito finas >*M90
Thesonras grandes e pequeas o ^
mais fino que ba a i000e *#500
Caixas eom 20 qoadernos de papel
liso, amisade a rs. 800
Pecas de tranca de 13a e algodao as
mais modernas a 160
Frasco com agua de colonia muita
fina a 400 e 500
Frascos com agoa de colonia ver-
dadera a 800 rs. e *#500
Chapeo brancos para baptsados o-
melhor que ha a 3^000 e 8,5000
Duzias de botoes cobertos de seda
para vestidos por todo o prego -
para acabar.
Libra de areia prata a 460
Grojas de botoes de lorj$a branca a 120
Caixas com 100 envelopes fazenda.
fina a 500, 600 e 800
spelhos de moldura dourada a
800 e 4(5000
Pentes pretos volteados para me-
ninas a 240
Tinieiros com tinta preta a 80 o 1O0
Pegas de fila elstica muito fina a 20C
Latas com superior banba 60, 400 o 200
Latas grandes com superior banna 320
Frascos com oleo de Pbilocome a
500e 800
Frascos com macassa | Perua a 240
Fraseos eom agua de Colonia" verda-'
deira a 000
Ditos com oleo de baiosa suderior a 320
Carritels do retroz preto com 2
oitavas a 600
Caixas com agnlhasfrancezas a 60
160 240
Pecas de ttras bordadas a 500, 600
800 e 1,5000
Carrafas com a verdadeirn agua
florida a 4^300
Cartilbas da Pootrina Cbristia as
mais modernas a 400
Pacotes con 3 saboaetes inglezes
fazenda fina a 600
Escovas muito finas para limparos
denles a
Terrio-se resolvido d'ora avante venderse oeste estabelecimento toda i as fazen-
das existentes no mesmo, por pregos que todos admiraro, acbo de "meo deter pariici-
pa-lo a toda as Exmas. familias em geral, afim de virem visitar este estatwfeciawnto
00 mandaren bosear amostras, garantindo-se-lbes om bom sortimento de faadas d
algod3o, I3a, nabo, e seda, emfim urna infinidade de artigos de moda mandando- a
casas das Exmos, famrlia, por empregado da casa, toda e quakmer fazenda para verern
ou escolherem.
As pessfta qne vendem m menor escala podero bem sortirera-se nest estabe-
lecimento qoe vender pelo mesmos pregos que em qoataoer casa importadora, tendo
a raerfidade de comprar qoaquer porg3o.
O 65 tem non completo sortimento de ronpas ben acabada* o que vendo por
pregos moitissimo comraodos\ mandando tambem fazer por medida toda e qnalqner obra
que os concurrentes desejarem para o qoe tem nm do mais habitadissimo nestr
alfqiato, cortando por um systema inteiramente novo.
Os annuocio nesta praea es3o e por "corto devera estar desacredifcdissimos, pota
qne ha casas que annunciam aqpillo que nio teem, o que o 65 garante nonca dar-se em
seo estabelecimento, pois que s-desoja bem servir ao pubeo em geral r para ganhar
grande Borneada em todo o mondo.
O 66 acha desneoessario menCTonar os preeos de suasfar-endas pois que issfltor-
naria-se demasiado magante para os leitores, por ler de ser demasiado extenso sen ao-
nnnoio.jO mesmo para se tornar menos despendise pois qne vendendo muito emnit
barato mister encunar suas despezas. A sinceridade dos tratos do 65 jolgo qne j o
pablico conhece demasiado, pois que sempre tem cumprido com aqullo que annunci,
no verdade ?
wa rpida e radical dos
callos
pela pomada Galopeau
Essa pomada qoe taoaons resaltados tem colhi-
lu as pessoas que delta tem feiio aso acaba de
chegar para o sea deposito especial..
P*A
Pharmacia e drogara
BG
, Bartholomeu & C. roa larga do Rosario nu-
mero 34-
B* INTIL, NAO SE CANCEM, COM 0 65 NINGUEM PODE COMPETIR
J. 0. 0. Doyle tem em s-eu
armazem para vender
OiSEGUINTE r
COGNAK HENNESS.
VIMHO XEREZ.
DIVO DE LISBOA,
FILTRADERAS.
BITTER
A' roa do Commercio n. 38.
'laOJA
00
#640
Aicatro de gayat
LICOR CONCENTRADO E TITULADO
Er um poderoso remedio contra as segaintes
molestias: aronchitea, caUrrhos pulmooares, tus-
se, rebeldes dtfluxo.-, irritado ds peito, msle da
garganta, phtisica pulmonar, deyts pesia, catar
rho de bexiga, molestia de pelle, perda de cabel-
los, purgacOes antigs e recentes, etc., etc.
DEPOSITO
Pharmacia de Ferreira di C.
SUCCESSORES DE J. A. PINTO
10-RUA LARGA DO ROSARIO-iO
GALLO VIGILANTE
Roa do Crespo n. 9
Acaba- de enegjr pelo nltimo vapor diversos ar-
l'gos de- novidade, coma sejam :
Lindas tooqumnas eofeitadas para baptisado ;
assim como chaposinnos.
Sapatinhos de seda e de merino.
Meias de seda e flo de Escocia de 1 a 12 annos
de idade.
Ricos leques de madreperola lodos abertos, o
melbop que ba neste poero ; assim como ou-
tros de madreperola coui seda, fazenda requissi-
ma ; tambem recebetu grande sortimento de le-
ques de aso fiDgindo marflm sndalo e madeira,
tanto para senbora como para meninas.
Superiores ligas de- seda para se parar meias.
Heias de borracha para quem soffr* de inxa;5es
ou erisipela.
Seda fronxa para bordar todas as ores.
FVoeo de seda para o mesmo fim.
Retroz preto e de odres em carriti?.
Ptts para caru de bachirei.s.
Oadros para retratos.
Lavas de pellica, e de seda, branca pretas e de
lindas cores.
. Superiores capellas para noivas.
Lindos alfiuetes de madreperola para peitos de
seoboras.
Liadas abotoaduras para eolletes.
Laa de todas as corea para bordar.
Superiores peaeenez de ac.
Muito finas thesoaras para oslara, nnbaa e
para cortar cabellos.
Superiores peales de tartanga para arregacar
cabellos.
Tintara ingiera para tingif cabellos, a verda-
deira.
Grande sortimento de franjas pretas, largas e
estrellas e lindos padroes.
Lindos babadinhos e entremeios bordados, tapa-
dos e transparentes.
RA DO. DUQUE DE CAXIAS
(Out ora do Queimado)


K
56 ARa da Mrquez de Olinda56A
outr'ora ra da Cadeia.
LOJA DAS MACHINAS
Sendo este antigo estabelecimento assaz eoahecido como principal e recommea-
aao pelos grandes depsitos e bons aortimentos com que aempre prima em ler da
melheras, mais acreditada e verdadeiras machinas americanas para ala*
dao, desde 10 60 se-rras, e havendo em todos oa taraanhos diversidades de syite-
mas e melhoramentos para perfeito e rpido descarocamentoj tornam-se dianas d
serem visUs e apreciadas pelos Srs. agricultores; os quaes, alm disto, encontrarlo
tanbem mais:

-
Xarope de fedegoso
5' de urna effijacia verdadeiramenta maravi-
__olmante do systema nervoso e an
plicado contrTVJ)ar*lsia, atlhma, tosse convalsa
ou coqueluche, tosse .recente ou aotiga, sofToca-
"5ej, caurroo, brue hites, etc., e em geral con
tra todos os sonr-meolos das vas respiratorias, e
na phtisica pulmonar, sua virtude contra o ttano
oa espasmos, convalides iaconiesiavel, a nin-
guem ba que a desconheca.
DEPOSITO
Pharmacia da Ferreira & C.
SUCCESSORES DE J. A, PINTO.
10-RUA LARGA DO ROOlUO-lO
(Junto ao qurtel 4e polica.)
Vende-ie urna armacSo e algang pertenjes
na ra de S, oo n. 19. ^
E D. Anna Francisca da Fonceca Piraenta pre-
nde vender a otaria denominada Taquary, no
lona ou reulhaado o terreno ; assim pois quem
pretender dirija-se a aonuociante na estrada no
va do Caranga paracontralar, >flm de que com
dados cerioj possa obter licenja do jaix de or-
pbaos para dita venda, visto ter sua (i ha menor,
parle em dita olaria.
Caf moka.
Fonceca & Santos vendem em sea armazem es-
te snperior caf, por preco muito razoavel, visto
a excellente qaalidade : roa do Amorim n. dS.
Vende-se um piano de mesa quasi novo e
muito proprio para qualqaer principiante, garan-
te-se o bom estado do piano : a tratar na roa Do-
qne de Caxia n. 6. antiga das Grnzes
a taberna da roa
com poneos fundos
da 9ensalla-Nova
tratar na mes-
Apurados vamres LonoMOVEts, de torca
dn 3 4 cavallos, e pertences.
Machinas para lavar roupa.
Arados americanos para vanea e la-
deira.
Carros de m5o para atierros,.
Tinas de madeira.
Raides de dita.
Ditos de ferro estanhado.
Ditos com vlvula para lavatorios.
Ditos de madeira para compras.
Apparelhos para jardins.
Guardas-comidas.
Tampas para cobrir pratos.
Tarrachas para fazer parafnsos de ferro.
Ditas dita ditos de madeira.
Trens para cozinha.
Temos de bandeijas finas.
Emfim muitos outros artigos, que
examinados.
Correntes para arrastar madeira.
Cylindros americanos para padarias.
Pertences avolsos para machinas.
Salitre refinado.
Brea superior.
Moinhos de diversos fabricantes para
milbo e caf.
Dehulhadores para milbo.
Azeite de spermacete para maehinai.
Camas de ferro.
Bombas de Japy.
Ditas americanas.
Cofres de ferro patente.
Canos de ferro esmaltados.
Ditos de dito estanhado.
Ditos de.chumbo.
Ditos de borracha.
Folies para ferreiros.
s avista e neste estabelecimento poderlo ser
TT VELAS DE CERA
pelo menor preco posslvel : na ra do Yigario
amare <-
Vende se o sebrado de um andar da roa de
Lomas Valentinas f Agua*-verde) n. 35, am chaos
proprios; tratar na roa Nova n. 50, tdtr.
DI
ERNESTO & LEOPOLDO
N.2 D Ra do Cabula N.2D
Acha-se montado d forma tal este estabelecimento de joias qoe pode
vender aos seas numerosos freguezes em grosso e a retaliio por precos
moi resumidos visto que recebe de conta propria por todos os vapores de
Eoropa. O gosto de desenho de snas joias o mais lindo do paiz das
modas, ouro de lei, brilbntes verdadeiros, esmeraldas, rubins, perolaas
turquezas, saphiras, coral rosa etc. etc. Obras de prata do porto unto
para groja cerno para ser vico domestico. Convidamos as Exmas. familias
a vtaittrem o dito estabelecimento todos os dias ata 9 aras da neite.
Compra.se ouro, prata e pedras preciosas em obras vemas.
MUTILADO
( HfSfVEi





JaiM <* VmmatiHU Tuttffk f*ir* 7 Os lSovenilw Xt 4871.

-
-
.'-
-

1

D. W. BOWMAN
Engenheiro com
FUNDIDO
5* 111 V no mu &9
PSSANDO 0 CHAFARIZ
Pede aos senhores de engeaho e outros agricaltores, e empregadores de ma-
chinismo o avor de orna visiu a sea estabelecimento, para verera o novo sortimento
coapleto qn* abi ten; pois sendo todo rnuito raais barato em pre$o do que jamis te-
cha vendido, est anda superior em qualidade e fortidao; o qoe com a inspec$io pe-
aoil pode se verificar.
PEDE ESPECIAL ATTENCO ko NUMERO E LUGAR DE SUA FUNDICO
VunnrftR a rnriaa 'atrrta dos m*'8 moderDOS systemas eem
vapulas O rUUctS Utt^Ud tamanbos convenientes para as di-
versas circomstancias dos senhores propietarios e para descaroear algodo.
f Ofind&S dfi P9,Tina de ,ol1os os tamanbos as rneluores qoe aqu
ttOudS dentadas para animaos, agua e vapor.
Tazas de ferro fundido batido e de cobre.
Alambiques e fundos de alambiques.
HTftPTlTliflmnS r>ara maDdioca e alffodSo.l Podendj lodos
91UUO e para 8errar madeira (ser movtfo? a mo
Barato que admira
Na loj dat seis porta* contina baver ubi eom-
IfMto sorrlmento de faitMa* banana, a aaber :
JebitasdettO rs. o corado .fe dfitreatei evw,
Illas de 400 rs. o covado, earebraiaa de 140 r.,
corea seguras, assim cpmo nadapoldea baratos,
sendo francex oo a 6*500 a pica, haba de Ij4r)0
alibra, 4 mw barato do qne era eulra qnalquer
Bombas
Todas as machinas
por agua, vapor,
de patente, garantidas............Joq animaes.
!
qualqi
de machinismo, a prico mui resomido. .
lem as melbores e mais baratas existentes no mer-
cado.
e pecas de que se costuma precisar.
[uer concert
Formas de ferro
EnPOTOTTlftTIfa'lR'nCnmbe"se de mandar vir qnalquer machinismo vonta
xjui/Uiiiuciiuas e os c|eQtes, lembrando-ihes a vaotagem de fazerem
toas compras por intermedio de pessoa entendida, e que em qoalquer necessidade pode
mes prestar auxilio.
Arados americanos e iDgtrumentO .y**..
ROUPA FEITA
Uachinas de costura.
Chegaram ao Bazar Universal da ra
Nova n. 2i, um sortimento de! machina*
para costura, das melhores qual dades que
existe na america, das quaes moitas j sio
bem conhecid:s pelos seus autores, como
sejam : Weller & Wilaon, Grover & Uoka,
S.lenciosas, WeeJ e Impenaes e ontraj
militas que com a vista deverao agradar aos
compradores.
Estas machinas tem a vantagem de fazer
o trabalho que trila costureias podem
fazer diariamente e ct zem com Unta per-
f.-iio como 34 mais pereHas costuraras.
Garante-se a sua boa quaii lade e ensina-se
a trabalhar com pe feic5oem merrs de urna
hora, e rs presos slo lao com modos que
devem agradar aos preteodentes,
NA
Rua do Crespo n. 20.
Tendo resolvido n3o continuar a ter grande deposito de roopa feita, ofiferece ao
respeitavel pob ico, e aos negociantes de fra, um grande sortimento, por precos bara-
tsimos para acabar. r
Palitts sobrecasacos de panno fino de
1-25 a 30*000.
Ditos saceos e retranqueados de casimira
de cor de 5500 a 95000.
Ditos, ditos e dit )s de panno prelo de 5
al2dO00.
Ditos, ditos e ditos de alpaca preta de
2t?oOO a 5,0000.
Ditos, ditos e dito i de alpaca branca e
de cr a 25500.
Ditos, ditos e ditos de bramante de linho
a 24500.
Ditos, ditos e ditos de bramante pardo a
2*500.
Calcas de casemitf de cor de 55500 a 95.
E ootros mwtos artigos por precos
Carneiro da Cuaba.
Ditas ditas preta de 5$300 a 95000.
Ditas de brim branco de liobo de 25000
a 45000.
Ditas de brim branco de algodo a.....
15200.
Ditas de brim de cor de 15600 a 35000.
Ditas de castor de 15000 a 25500.
bitas de brim pardo de 15000 a 25500
Camisas de flanella, grandes a 35000.
Di las de algodo, rouito boas a 25000.
D tas de liobo muito boas a 35500.
Ceroulas de bramaste a 14000.
Cobertas de chita a 15500.
Lencos de linho abatanados a 45000.
b'ratissimo para acabar, na loja de Guilherme
Quanta agua florida falsa e aborrecida! III!
quania agaa divina que mais parece infernal 11!
mas a nova Esperance, qae nao comente que os
amantes ai xique gasten] sea dinheiro nessas
agnls, que 3o paseara de ser do ehafarizs es-
tranteiros, ou mesmo nacionaes, mindou vir do
afamado fabricante Rigaud, a saa exeelleute ka-
nanga doiJapaj, a qual est superior a todas as
oulras ; j pelo agradavet eheiro que deixa esca-
par, ja por soas benficas quilmades, *isto que
mteirameote vegelal (assim o diz o sincero fabri-
cante) para a conservacio da pelte e do rosto,
agua de kananga deitada na quaniidade d'agoa
necessaruv para o'toueador, branqueia a pelle, tor-
nando-a suave e avelludad, evita e dlnlpa as es-
pinbas comrauuicind* pelle ama eor de rosa
transparente, o qne muito bonito...... alero disto
um agradavel eheiro para o lenco.
LIQUIMCAO
DE
P.4ZWAS BARATAS
Lindas batees lisas, de quadrinhos e de listas para veakdos a 3t>
rs. o covado.
Superiores alpacas de cores, de flores e dfl stras a 500 ris o co- /
vado.
Potl de chevre com lindas cores e de superiores qoahdades a 040
ris o covado.
Na loja das collomnas, de Antonio Correia de Vasconcelos, roa Pri-
metro de Mario, ootr'ora do Crespo n. 13, .
Joaquina Jos Gonoalves BeKro cera para
vender no seo escriptorio i rua do Comroerelo n.
5, os gneros abairo notados, que vende mais b i-
rato do que em ouira quatquer' parte:
Azeitonas em ancorotas.
Amendoas em barricas.
Caf muido ero massos de 1 libra.
Chapeos do Chile de boa qualidade.
Cognac marea martel frtres.
Euxadas.
Farinha de mandioca de Santa Catbarica, sac-
eos de 3 e 2 alqueires.
Dita da Babia ero saceos brancos.
Dita de dita em barrica?, proprias para casas
particulares.
Fio de algodo da Babia em oovellos.
Foaces.
Mixados.
ores. ...______- :j,
Obras de paihetas. .J
Papel proprk) para cigarros. ,
Dito azul para botica.
Palitos para denles.
Prcgos sonidos.
Panno de algodo da fabrica de Todos os Santos
Pedroso nde a Babia.
Rolhas.
Rap popular da Baha.
Botim em fardo*.
Retroc dos melhores fabricantes do Porto-
Tapioca do Maranhao.
Tabaco simonte da Bahia.
Vernir copal.
Vinho do Porto engarrafado, caixa de 12 gar-
rafa.
Dito de dito em barr?, proprio para engarrafar,
Dilo muscatel, verdadeiro de Setubal.
Dito Bordean* em caixas de urna dnzia.
Dito de cajii em eaixas de urna dnzia.
Para noivados.
A revalesciere d'Bry de
Londres
M deeaea cede a Reraleeefere do Barry,
que d saide. energa, appatite, d^eslio dea
cmbo. BJI. cora as diptia?, gaatriMa, humo-
res, acidez pituita, fhto eujops, vmitos depoii 9
da comida e gravidez, con ^tiptfoea,t >.'" aeOwa,
anVecesa pulmonare?, bexifa, Sg/ ^erebro e
sangue ; 60,000 curas, inctuiado nuuus deltas no
A revalesciere chocolatada do Barry
em po,
Delicioao alimento para almoco e ceia, muitc
nutritiva, ferttfteiBdo os ervos do estomago en
cansar o menor peto nem dr de eabeca, nem ir-
nUfio.
nico deposito para o Brasil em Peroambue<
na pbarmacia xmerkana de Ferreira Maia k C.
rua 4o D.iuue de Caxias n. 87. (Todo cuidad.
eomat'raStlieaejat.)_____________________
Pomada alpaka
I? alto coobecida esta pomada e muito
apreciada por sua finissimaqualidade, a Nova
Esperanza qoem tem.
JiiToa de porcellana.
Um completo sortimeotode liados.Jarrot
de porcellana (do afamado Bacar) existe na
Nova Esperta, rua Duque de Caxias
o. 63.
4 Rua do Apollo4
Juio do Reg Lima & Filho tem para vender, M
O|0 menos qne era ontra -jualquer parte, o se-
f fflmte :
L-nguieas as libas em latas.
Alcatrao en barris.
Vinho do Porto floo em eaixas. '
DltoBodeaux dito dito.
Retagios de pareoe e ckna de mesa.
Oleo (te Ilhaca.
Vnde-se em btfrts: no armazem de Edu: rdo
F*nu>a,ti ro dp Cnmreeretn n .
Na'HUa DO V16HI0 N. I
vende-fe viohos do P^rio eogrr< fados, ditos em-
wrria, retrus da todas as cores, lonas e brinsde*.-
velas e bogias de vra.
roa do t^rmner;io n. 10",' escrito-
rio de Jos Joaqoim da Cosa Maia, en
cootfa-se para vender por commodjs
preco* :
Azulejos tepanlies.
Polkas de ferro galvanizado para tedia-
do da diversos lmannos.
Ditas de dito dito bus.
Bicas de ferro galvanizado.
Cumieiras dilo.
Portadas completas para cantara.
Ladrilaos.
Papel para mpressAo,
Vende-se por preco muito barato, bavendo tres
mannos: na rua da Cruz n. 5i, annazem de
Cap&L8 raquim
As capsulas do raquim lomara se cara a raaior
facilidade, e nao causara a menor indispo?ic.5o d)
estomago. E' o medicamento do mais salniar ef-
feito as genorrheas rhn-oieat tn recente.
deposito
Pharmacia de Ferreira r C,
SUCCESSORES DE J A, PINTO
10- RUA LARGA DO ROSARIO10
_______(Junto ao quiriel 1 polica.)
OLEO PKO M FIGADO Dfi BACALHAO
DA
TEBfiA NOVA
DE
H. LACOMBE
Kste oleo qne tao boa acceitacao tem merecido,
muito ae reeommenda por ser o mais purificado
que ai boje tem viado, e anda pelo boa paladar,
superior a outro qualquer : vende-se no aposito
especial de Bartholomeu & C.: rua Larga do Ro-
sarla 34.
Tinta v.olet:t extra-fina de
Mouteiio
'Mefas botijas 1/5C0
Quattos liiioo
UltJ\OS (i(()
To" estis primos s era casa de ouigard & C
rna do M irqu. z de Ollnda n. i.-i.
Popelina da seda e
laa.
Fazenda inteiramente nova no mercado
com padioes muito delicados, fazenda de
um effeito surprehendente em vestidos, e
vende se por 15280 rs. o covado, na loja
do Papagaio, rua da Imptralriz o. 40, de
Mendes & Carvalbo,
RW 00 MAROEZ DEOLINOA N49
de receber um
ocuioi e pinceDi-z de
Bazar Universal
Rua do Bario da Victoria n,
22, otr'ora rar Nova
cana de ettegar para este grande estabeleci-
mento nm completo sortimento le machinas de
costura de todos oe ambo res condecido?, os quaes
garanten) por annos as ditas machinas, se ven-
den) por prego- tao rasoaveis qne a todos agrada-
r, cujos precos sao os seguintes : 40, 601,
mt, looi, mt, co*, lioi, i6o#, imt, ko<,
20, 230Z e 300* rs. Garanle-se aoa compra-
dores a boa qnalidade do trabalho e obriga-s
a ensinar tantas vezes quaotas sejam precisas
para "bem coropreheoder?e. Vndese tambem
pei;as e mais pertences de sobreoalentes para
as mesmas machinas. Prevme-se desde j que
so ae vai ao cb >.mado para conseno e ensino de
machinas das que forem compradas nesle esta-
belecimento.
Com o de vid o respe ito
Sku, t com o devido resaeito que os proprieu-
rios da Confeitaria do Campos, sita ruadolm-
peradar n, a caja frente se a cha eolio cado
nm (raBdftaapeio ^Mt* eoBtejrva jewo poa-
, 5*e *e*raiiniifleac> ao*rur&9tro.po6licoa*es-'
u cidade e seus suburbios, que all se encontrar
constantemente o seguinte:
Fiambres promptos ioteiros e as libras.
Puddings de diversos tamanho.
Bolos inglezes e franceses.
Pies-de lo.
Pastis minados de fructa, de nata e de crme.
Empadas de diversos tamanbos e qualiddes.
Doea cryatalisado, secco, em calda e talado.
Pastilhas de hortelan pimenta.
Amendoas confeitada-, com casca e descascadas.
Confeitos, pertioas e bonbons.
Bohohos seceos para cha.
Lanches diversos.
Cerveja, champagne, vinho, licores e cognac.
ASSIM C3MO:
Apromptam qnalqoer encommenda de bolos e
afeados, pois para i-so tetra urna bem montada
fabrica.
E convidamos as Exmas. familias virem visi-
tar o nosso estabelecimento, pois ne le encontra-
rlo sempre agrado e sinceridade.
i
Vendase urna ptima fazt-nda de criar gado e
Fitas especiaes e preparadas para lacos de cor- IP,anU.5o de lodo, nos limites da freguezia do
ticados de cama : reeebeu a Nova Esperanea, i | Limoeiro com a do Brejo da idre de Dos: a
roa Duque de Caxias 3 : a ellas antes que se
aeabem, pois vieran) someole seif. e mo Uoaissi-
mos.
tratar no engenbo Novo da freguezia de Muribeca.
Vende-se dnas machinas novas para furar
ferro : na rua do Bario do Triumpbo n. 79.
*
E. A. De ooche acaba
grande sortimento de
todas as quadades, e viros .de todas as
Dumeracoes.
Na mesma casa tem grande s< rtimento
de relogios de toda as qualiddes que veo
dem-se muito baratos.
Libra- sterlinas
Vende Joaquim Jo; Ramos rua do B >m Jess
n. *, andar.
Todo este annuncio aonnncio especialmente
dirigido aos amantes do b)m, elles devem diri
glr-se a confeitaria doCampos a rna do Imperador
n. 24, onde encontrarlo sempre acepipes de inn-
meras qualiddes
Assim como :
i.h da India o mais superior.
Chocolate em p e em pao.
Amendoas confeiladas e confeites.
nicas eaixiobas com ditas proprias para presen-
tes. .
Pastelarla todas as horas, etc.
Fiambres inteiros e s libras.
EmOm para se poder saber o ao abamos eV
sO tfirt pesst>aVnte-r -
_______Confeitaria do Campos.
8uperiorPS cigarros do Rio-
de Janeiro.
Domingos Alves Matbeus, nico agente nena
provincia da fabrica imperial ae cigarro de S.
Joao de Niiberohy, e;tabel;eida no Rio de Janeiro,
tem sempre um completo sortimento d< todas os
c'rarros, fpaio picado e en latas. Tem igttalmonta
w afamados cigarros Conde d'Bu, ferios com mag-
oifico papel de palha de milho e fumo superior
Para governo de senj f/eguezes, que tem estabele-
eido depsitos flllaes, as casas aos Srs. Thomax
Francisco de Salles R^sa e Mauoel de Sonra Cor-
Jeiro SiraSes Junur. no bairro do Recite, e todo
quinio for vendido em ootras casas com a Arma
de Suza Nnvaes A- C s|o falsifleados.
Machinas de costura.
GAHANTE-SE PICAR PERFEITAS.
Concerta-se qnalqner qualidade de machinas
de costura por mais estragada qne esteja : tra-
tar na rna larga do Ro*ario loja de calcados do
Sr. Vianna, por ser de easa a peesoa que a: con-
eerta.
Vende-se p^r metade de seu valor, talo pehs
rendimentos dedez annos nm terrem foreiro, on-
de se acha editieada parte da cifode do R i For-
moso : a lralr com o ba*hirel Mirolin > -'errti-
ra Lima, na ^obredita enlode
bras stwlias.
Vende-seno armazem .le fazendas de Augusto
*. de Olivar V f... a rna n OmmercMi n. W.
Vende-se nm bom sillo na esirada dos Af-
flietos qnari em frente a igreja ns. 20 e 22, con-
tendo duas casas e grande terreno morado em
sua maior parle, com muito; ps de co^ueiros. sa-
potizeiros e nutras frucleiras. baixa psra eapim
etc.. tornandn-se mnito recommendado nao ? por
ser bastante perto desta cidade como por pasear
em sua frente a estrada de ferro : a tratar na rna
Nova n. 50, 1* andar. Has 6 as 9 1,2 horas da
maohaa e das 3 tr as 6 da urde.
Cemento verdadeiro Porftand.
Vende Jlo Ignacio da Costa, em tarrifa?, por
barato preco: no armaum da escadinliatda alian-
dega n. S. _______________
Venda de prelios
Vt-nde--e a terQa parte da casa n. 92, da rua
Augusta, rom duas grandes salas, orredor ao
lado, seis qaartos grandes, viraba fora, quintal
murado, cacimba com boa agua, e sabida para a
roa do Onro: qnem qulzer comprar, dirija se a
rua do Apollo n. 34, segundo andar.
I
I
Vende-se urna grande quanlidade de castanhas
de caj bem novas e seccas. proprias para expor-
tacao, pelo diminuto preco >l il i rs. a cuia da an-
liga medida:-na rua-de Vid.l de Negreiro?, oa-
tr'ora Cinco Ponas, n. lii.
Veude-se raz de vt-nlailtiio vinlialiw, pn-
prio para as melhores tbras de marcineria, e bem
asslm snp,,rior mel de furo em barris de.3: na
rna nova de Santa Rita, ubeira do peix, n. 19.
Vende se a easa terrea n. 23 rua dos Pes
cadores, com tres qnartos grandes, duas salas,
cosinba fura, quintal murado, cacimba e portao
que deita para a rua da Praia de S. Jos : tra-'
lar rua do Mrquez de Olinda n. 40.__________
O compendio elementar do sysieina mtrico
decimal organisado per J. G. dos Santos asta ven-
da as hvrarias dos Srs. De Lelhaicar de C, No-
gueira & Medeiros rua 1* de Margo (antiga do
Crespo) n. 2 e 9, J. W. de Medeiros rua do Im-
perador n.79, ManoelCardoao Ayres a rua da Cruz
na freguezia de S. Frai Pedro Goncalves.
Relogios de onro 6
prata
dos melbores fabricantes inglezes. francezes e
suissos, vendem-se por pre;os muito rasoaveis, na
loja de jolas Esmeralda
RUA DO CABUG N. 5.
Luxo e ecouomia
Marmores e mosaicos artiflciaes para ladrilhos
de casas, vende se na rua do Duque de Caxias n.
55.
O sitio n. 20 da estrada dos AfflUtos com gr?u-
d- e boa casa de vivenda, muitos arvoredos Iru:-
liferos, tem 200 palmos de frente, murado e com
porio, 1300 de fuodos mais- on menos. Vende-se
tambem sortes de ierras contiguas ao mesmo sitio
com 100, 90 e 113 palmos de fren'e. cada uira e
V'UU de rnndos, tendo vantagem defj estar rau-
ftda as frentes : quero pretender dirija-so a
rua do Bom Jess n. 23, ouir"ca,da Cruz, anna-
zem, qne encontrar com qnem
ra da Un
miar.
HASSA e XAROPE
DE CODEINA DE BERTHI
Preconlsados por todos os mdicos contra o I
DErTUXOS, CATHARBOS, E TODAS A8|
1RR1TACOES DO PE T.
X. B. O Xarope i Codeina ve mureco a I
honra, altas bem rara entre os Medicamento!]
novel, de ter registrado eomo um do* medita
mentot o/Jiciaes do Imperio Franeei dispensa]
qualquer elogio.
AVISO. Por cuna da eprchensivel fal'i-I
Cr-ieio qoe tem sr.-tilado o Srlii resultada i'.o J
Xarope e nassa de Berlb somos forados al
Icmhrar que e^usmedicamcnlos laOjostaaKDte]
conreitaados so se
vendem em raixin-
lisirusci'5 ItvunJo '"~^~~^kQL/&4f'^t-Z
a a-bignalurj r vm
nrnie.
6. Hue des Eeoles, e na Phnrmacia Central!
de Krauea, 7, /( de Juay, ./.. I'ari.i, e
toua. as Phaiuiucias piM ium do U.*..
V
LISTA GERAL
215.
a


DOS PREMIOS DA W i PARTE DAS LOTERAS CONCEDIDA POR LE PROVINCIAL N. 946, A BENEFICIO DA SANTA CASA DA MISERICORDIA DO RE UFE, EXTRAHIDA EM 6 DE NOVEMBRO DE 1871.
NS. PREMS.
6

ti
7
13
14
16
29
35
41
49
53
56 n
1 ,
73 -,
76
79 6*
9 -
3 -
* -
J9
114
17
*0
M
13
JB -
4
*m
7
W
71
n
m -
u -
3 -
NS. P3EMS
185
88
93
96
201
19
23
28
32
33
37
39
54
53
6
58
71
73
83
88
eo
306
9
21
I 23

48
44
47
48
86
3
'70
76
76
85
86
61
*
6*
NS. PREMS.
393
95
96
98
409
10
21
25
27
31
32
35
42
46
48
52
53
54
57
I 58
60
64
61
66
73
77
-9S
504
5
7
I
15
18
21
n
37
40
65
6*
10*
6*
m
NS. PREMS.
566
67
74
72
'74
83
99
602
3
6
44
43
16
24
25
29
35
57
58
60
67
74
77
80
83
89
93
712
14
15
17
20
21
17
31
32
33
34
6JJ
NS. PREMS.
**
Z


40f
0*
742
44
46
50
53
60
75
81
82
83
86
97
804
40
42
43
48
15
31
37
39
44
43
47
48
m
\xm
*)
71
72
73
74 -i-
78 -
78 -
7!
"W
t -
92 -
6/

NS. PREMS.
900 6J
I 2
3 ----;
7 -
8
14
15
t7
23
33
41 _
42 -
52 SOOi
-53 6*
56 -
57 -

64
71
78
83
84
87
92
4002
7
9
14
16
27
34
*3t
V
41
45
^*
92
6
6<
6*
S. PREMS. I NS. PREMS.
6/
~
1060
-62
72
85
89
99
1104
6
11
46
20
26
36
85
57
58
69
82
88
89
90
97
1210
17
18
.
i
3 ~
42
46 -
56
02 -
63 -
-69
70
76 *#
88 (J
4860 -

4301
' 42
45
46
47
21
28
35
47
52
44
0
61
62
69
72
79
82
85
87
88
94
1404
46
20
*n
27
34
46
59

67
73
84
88
"87
90
94
*
^
,61
i
NS. PREMS.
4497
'4%
1507
45
47
14
24
26
28
32
33
38
60
64
'70
74
73
'77
80
.84
85
89
M
94
85
7
"'6
oo
NS. PREMS.
! 2
UO
.13
18
28
34
36
43
6* 4647
48
-i 49
51
72
83
84
88
, 90
92
. 96
4740
15
23
24
_ 6
_ -88
_^ 35
_ 41
_ 45
* 49
6# 50
-" -:52
57
58
m
, s%k
4 98
98
1807
18
H
*4
33
44
1 16
NS. PREMS.
2256 M
63
65
67
73
77
88
90
91
2307
40
44
47
24 B
44
54
52 I
54 G*
59
65 .
67
68
69
70
74
75
7 ip-
88
85
93 _
NS. PREMS.

8401
43
17
48
41
. 35
38
2444
46
49
55
64
74
77
95
97
99 -
2801
4
9
10 -
44 -
46 -
48
20
*m
13 -
28 -
27
34 -
33 -
34 -
45 -^
47
50
81
6
88
89
61
68
74
75
NS. PREMS.
6#
2579
82
96
2600
2
6
18
19
23
25
35
37
47
53
58
65
68
69
70
71
73
85
.88
4>6
2703
4
5
90
38
88
37
'"38
0
45
- 47
51
82
64
NS. PREMS.
>'-*
8751
-71
86
91
96
99
2801
3
5
17
48
20
39
41
70
78
79
83
5
87
80
96
97
wWm
7
ti
16
94
37
43
*
68
70
75
80
6<
-

6*
1 IIHUB


Oan de rrum*o.c Terqa feir 7 ie Norembro de 1871
UTTERATHRA.
O. Alesamlrlos lurlnh
(Coa :luslo).
Jj qne tanto enien le a minba
Tu'alma, qne 5e deonha
as lillas do coracio,
Ligou-nos o sodrimento ;
Basquemos jumas o alomo
Contra a fen iagt'iiMio. _
Eusiot) o pTazer desfeo !
Em amar matei o peilo,
Onde a creuc smeate-,
Que sendo nos cos erguida
Tombou-.. eeu batida
Entre ama-guras fiquei.
Ob como a faial descrenca
Nos traz fera doenga,
(^ue o rita nos vera roobar
. Oh est i infelcdade
Nos faz era mu la saudade.
Acerbo pranto chorar I
11
Oh f sin. arag rainua, sira fijanos
Diste en!e*o. jue o man chuna amar
Eucoah*co tambera que a inda ros*
M.)":ha aos beijns rru9is do bMja-flor.
K qoe f has genis da rosa tremera
focada pelo ar, que a empal'dece ;
E_o ingrato sorriuo ao ar se el a
S?f:i ola ir pira a p i re, que fenece.
E cm K'geioa suaves, ri e voa
Sera que lumbre se an menos de a olbar
E se alen aulra linda fl>r avist.
Pressuroso, correado a vai Deijar.
Ob f que a vida de amor i cbimera!
Mal surge, parao tmulo se esva il
1* iodo diadema, cujas peiiras
6' o orva'ho, que foge, penas cai.
dia d fe i'. ?chJdo am-^nis r os ridos de
v-res di faosa proflslo, a que pertence.
cm j deleites da historia de sua provincia.
M tt ii bonhrna a taris, qu? era ar-
lm e apinba, mis que nio o fez es-
moreci.
i E-l'idon, tomoa m iv.s apontamento,
revolveu outros archivos, meditou profao
Sabino, que fallecen oceupando ira* cadei-
ra no tribunal da Relagio.
E' mnito dilllcil o ercrever-e a vida
administrati .-a desse governadar, porque
quando d"aqii ratro-se levan toda a cor-
respondencia olBcial.
O major Jlo .da Malta Moraes Reg,
escrvio privativo dos feitos da fazenda, en
(lamente, cbamoo do tmulo pira mais decontroa na sea cartono ons valumosos au-
cera testerannhis. que d'pozeram nessa e tos de syndican:ia, a que proceden o (les-
era ou'.ras svicaacias, a^ilios-ie de orna' embargador chance, er da relacao Antonio
ferie de documentos, qu) o acaso Iba fizera Rddrigues Velloso 11 Oliveiri, em viral da
-ir s mos', pesou a aecusacio, delineou carta regia de lo de jnnnode 1813.
< Daes apnveiton-se o referido major
para elaborar r.ma memoria, qne int'lnou
f Synopsis ll'Storica da administrado deste
capito-general a qud principiou a es-
tampar no jornal PubHcador a depois na Ac
tualiade
A principio aalis'eito com tal achado
fomos nos o primeiro que no PubHcador
n.-229 de 1867anmanos osen attor a
, proseguir na sua idea como luz brbaote
de'quebavia de esc'arcor essa ob3Curird<\
qne se deraa nessa que se notava em nossa historia, e qofnio
acompanhando-os de'permittio a Goncalves Dias, aocommeVa-
dor ?bi e a nos descrever essa fpo-
ca.
Vindo, porm a calma e reflexiacon-
fessamos mo sermeio seguro de avallar
essa administraco o depoimenlo de indivi-
, far desaparecer. deW.Anw. embora mito nolaveis, pois tomaram
abvrinth do anal Lisb a,1 elles parir pre mira nessas renhtdas la-
outros n3o pode- tas, de que foi ella tao ferttl.
Reformando o nosso joizo, coagido pela
o plano, e o ex^ca'on afiml. apresentando
r.-mo reaultado de soas locubragSi a Sy-
nopsis histrica da administraco de D.
Francisco de Mello Manoel da Cmara,
gtvernador e capitao general que foi da ca-
pitana do Maranho nos anuos de 1806 d
1809.
t lara melhor orden da narraejo e me-
lindo o ecripto, dividi elle o seu mo-
desto, pirm precioso trabilbo em i partes
alpm do epilog', tratarlo cada urna
certa serie de falo3,
poca lo calamitosa,
r-?il "cojs cabivais e mni jnd'ciosas
t O fio de Ariido\ qie o major Joao
da M'tli encontrou Ihi servio de guia jara
e*minti t O e'cripto, que em breve vai surgir
3o Que, por coasequen ia. coagido pela
verdade e pela consciencia, de que sempre
tem dado sob jas provas em seos ecripto,
entende, c mtndo, em ho nenajjem jn-ti-
fa, que temos prestad i om bom servipo
confiando imprensa esses depoimentos em
resumo, bem como a integra de alguns do-
cumentos oflkiaes. ,
4o Qua, n3o como nos, com criterio e
crescido numero de notas que encontrara nos
teguinles governos, esbozara a historia des-
sa administr^ao, embora tivesse presente
o nosso trabalbo.
VI
Compre, portanto, averiguar, imparcia'
e co'scinciosamente :
1 A oossa Synopsis biseou se ni-
camente nos allodidos autos de syndican-
cia, a qoeprrcelea o chaocellr da relacao
Vello'O d'Oliveira em virtude da c^rta re-
gia de 15 dejonho de 1813? (5)
es. e piscad i
Goocalvfs Dias e mu tos
rain achar sabida. i9
i C'incurre, pois, o m.ijor J 5o da Malta
com om precioso contingente para a hist '
ria de ana patria, e si a esiri esta, por
cet tu lio vinosa e loncS, como ?e mostra,
ha de por forc mais t.rle, cora estudo,
cim calma e com refl'xo, prodczir bons
e sasonad s (rudos, por serem sempre ver-
daderas as lettras santas, e entre estis se
e-'Conlrd o i'i'iys aquirit cundo.

1
taffeti :iinga mir
Ni) uir-iLio o n
riOisOs iyros mod
No rtliar sacrosaa
ioba, sobrafl'eiras.,
rumor da falsidade
modulem temos cantos
aliar sacrosanto da am>zade.
27 de mar^o de 1871.

Iiiesto Iliteraria.
) (>!(. CUAB AUGUSTO MARQUES E O SEU D|l>
UONAKIO H0TOMBO E (EOGHAPHICO A
PHOVtVIUA. DO MAlUMlAO I O MAJOR JOAO
DA M\rr\ MOKAES REG E A SVA SYNOPSIS
HISTOIII JA DA ADMI.VISTRAnO DE D. MAM-
CMC UE MKI.LO MA.NOKI. DA CMARA, 01
VKHNAllOII K CAITO (iK.NKIlAI. QUE KOI DKS-
TA CVPITA.MA NOS hHSOS DE 1806 A 1809.
r.
O ilustrado Dr. Cesar Augu&to Marques,
em hu artigo que tez estampar no n. t'l'.)
lo PubHcador Maranhense de 7 de ouln-
i>ro de 18i7, sob a epignphe Urna boa
vea, divulgando a existencia de um obscu
ro irabalho histrico que o abaixo assigna
do linha entre mos, expontanea e genero-
samente exprimi se nos seguintes termos:
De novo empregueime em maiores li-
4**, o quanlo escrevi a vida docapites-
geaerm. que governaram esia capitana.
tire ^o parar diaue di admiiiijlijiJo^ de-O. f
fra cisco de Mel JfafloeTda Cmara por
i,:; l.;vado co:nsiflB|iara a m treple t>da
a sua eorrespjMWen a ofliciai.
" f"X.i{o"aJ-r'miiitia curiosiJade, mor-
mente sabendo pelas administracoes posti-
riorea quan:o (a agitada a e,)Ooba do s ;u
goveroo apenas paie sabor quo sendo elle
Horneado por carta regia de (2 de setem-
liro de 1805, aqu cumprida em 6 de jj-
:ieiro do anno seguinte, tomou posse do
^overno no da 7.
Lamentando esta falta, quando procu-
ra va ver porque meios pjdia prender a nar-
ia;ao adminisirativa, ahi quebrada, eis que
o major Jola da Matta Moraes Reg, rev.il-
\enlo veibis archivos, depara com um vu-
lumoso proceso de syndicincia aborto nes-
ia capitaia, bem duvida em virtude da
carta regia de que fia mjn;3 o vico-almi-
rante Paulo Jos da S Iva Gama, por ant>-
oomazia o curaba, que como capiSo-geue-
ral tambem governou o II >ran'ao.
? Laucando rapid s e penetrantes vistas
sobre esse monumento histrico judiciariu,
a reconhecida intelligdncia do major Joao da
Matti, fez-Ibes ver, que tinha entre suas
m3os um precioso achado, de que devia
aprveitar se.
c Recordando-so de que muitas vezes,
reconhecendo o seu ment, o chamei para
alistar se na ptaalaoge daquelles que por
suas lidis sena recompensas, por seus tra-
balii-s sem agradecimentos e por suas fe-
digas sempre escarnecidas procuraram re-
suscitaras memorias da pitria da indigna
obsenridade, em que jaziam, como disse
Aiexandre de Gusmio Academia Real da
Historia Portogueza, resolveu nesse raesmo
FOLHETIH
AILH4 DO FOGO
* K' sempre cheio de enlhasiasmo e com
o c rafio a trasbordar de alegra, que eu
sando um trbalo novo e as vezes at de
inimi^os ou de desaffectos: sou o proprio
que, esqnecendo-me de offensas passadas,
vou lev i-Ios aeseio da primeira sociedade
do Brasil, a que pertenco sem duvida por
nimia bondade della.
Quando, porm, vejo um amigo trazan-
do urna prova irrecusavel do sen louvavel
erapenbo em arrancar do olvido fados, que
con-tituiro no porvir pudri eterno da Dossa
poca, nio p s) sufocar dentro do peilo
o prater que ma domina, e venbo logo em
publico, como agora, recoramendar a obra,
por -er digni de ornar a biblioteca dos es-
tudiosos.
Nio a iisoija qaeiraada no thnribulo
de alulaco, lioguagim que at h"je desco-
nhec>, que espero baixar ao tmulo sem
conhew-lhe se quer o alphabeto.
t E' a verdade escripia com toda a seve-
ridade dos p'eceilos da historia, a juslica
com toda a reclvo, e nao ablandada pela
estima, a imparci didade fallando e es-
crevendo sem rebuco e sem temir, final-
mente a convieco intima em qne estoo e
contigo um escripior nolavel, de que pres-
ta tao grande e relevante servico quem lega
patria um bom livro, e muito principal
mente no Brasil, onde as inteligencias mais
prestigiosas e afamadas pela sua vastido,
'Stram se avaras de seut thesouros. (1.)
----- 11
A' essa saudacjio decavalheirotespondeu
o ab'ixo assignado no n. 39 do mesmo jor-
na: Publicndor de 17 de fevereiro da...
18158. '(!).
III
Em conseqnencia da proraessa contida na
carta de 14 de fevereiro de 1868 (a qne se
refere a nota -2) foi estampado em principio
no PubHcador Maranhense, e depois na Ac-
titalidade, nao lodo o trabalbo ou a#Synop-
sis histrica da administraco de Di Fran-
ciso '1o M'llo Manoelda Cmara, mas a 1*
i* e 3a partes e a 4a al o 13 ; e por cir-
cumstancias in lependentes de n issa vonta-
de leve de paralysar a poblicacio era o n.
31 do ultimo dsses |ornaes, aguardando
nos a concluil-a melhor ensejo. (3)
IV
Acaba 6 talentoso De. Cear Augu.to Mar-
ques do publicar a ultima parte do seu im-
portante Diccionario Histrico e Geogra-
phico da provincia do Maranbio, e a pagina
83, tratando do governador e capitao-ge-
neral D. Francisco de Mello MiDOcl da Ca-
m2ra, disse :
t-18061809Noraealo por carta re-
gia de ii de set;mbro de 1805, chegou a
esta, cidade a 5 e tomn posse a 7 de Ja-
neiro do anno seguinte.
t Foi seu secretario o Dr. Joaquina Jos
mst
verdade e pela Conmenaa, deque feropre
temos dado sobejis provas em nossos obs-
curos escriptos, diremoscomtudoem foo-
menagem a juslica q-.e oSr Moraes Rogo
prestou um b ro servio confiando im
prensa esses depiimentos em resum, bem
como a integra de alguns documentos offi-
ciaes.
Sirvindo-nos de todo isso como necessa-
rio criterio, e de crescido numero de notas,
que encontramos nos seguintes gocemos, ire-
mos esb icar a historia dessi almmislracio,
ouidurod 3 annos, 9 mezes e 10 oas.
IV.
Dfeito otllutre Dr. Cesar Augusto Mar-
ques em cerca de-100 paragrapho3 ou pe
riodos. que oceupam perto de 11 columnas
de sua obra, sub.-tancia a historia da sobre-
dita adiciniatracio de D. Fraocho de Mello
Minoel da Gamar.', firmmdo-se solida e io-
teiramente ern todo quanto vem escripto na
nossa Synopsis, sem a mais leve altera^ao
ou contrariedade, excepto: urna censura
(improcedente) que dus (ez e vem no firl
do qie distinguimos com o o 79, e dous
factos secundarios (a9o comprebendidoa, em
toda a sua extensao, no nosso trabalho.)
qne consumero, os peridos 81, 82 e 83 tam-
bera por nos numerados ; ao todo, no final
de pagina 287 e nopinclpio de pagina
288, dezenove ou 21 hohas.
V.
Do qne disse o Dr. Cesar Augusto Mar-
ques, no seu diccionario, acerca da nossa
Synopsis, cenclna-se;
1." Que elle, quando escreveo o artigo
estampado no n. 229 do PubHcador de 7
de ontubro de 1867, sob a epigraphe
Urna boa nova nio oftzera com calma
e reflexio.
f Qoa agora, quando redigio o mesmo
diccionario, achando-se o seo espirito nesse
indispensavel estado para bem raciberaar se,
reconheceraque nao ASjjh^jo faguro de
aealiar-se a administramJtAJ*-ancuco
de Mello Madltt GmBitO ttfflr 4e sjpe-
dicancia a que procedeu o- destmbamador
chanciller da relacao Velloso d'Oiivetfa, em
virtude da carta regia de S de junh$ de..
1813, ou o depoimenlo de individuos, embo
ra nolaveis."porque tomaram elles parte pro
e contra nessas renhidas lutas etc. (4).
ayndicancia, tomado parte pro e contra na
renbiJaa iutas havilas durant) a admioistra
Co de D. Francisco deM.lio Manoel da Ci-
mara, nio se segu qie os seus depoim ti-
los, segando as regras da aciencia, devem
ser desprezadoj ou nio se prestam para
avaliar-se com stguranca a adm:n;slracio
dasse Koveroador, porque sobre elles tem
o historiador de app'icar os preceitos da cri-
tica.
Se os individuos pertencesjom a um s
lado, hatera a presumpcio remota de par
ciahd.tdi tin seos depoimentos: mas ba-
veadoel.es lomado parte precontr nessas
renhidas iotas, a parciadade de uns equili-
brada pela parcialidade de outro.', facilitar
ao escripior o trabalbo de dicei nir.
Achado o facto, pr ciso critica-lo
Criticar examinar seriamente todas ascir
c-.mstancias, em ordem a peiceber se ou
nao ver ladeiro ; se o em todas as partes ;
com que addicei ou detrimentos o ; que
causas tem, que coi:ejueuoia (Lobo, Bispo
de Vueu)
Ede mus, os Ululo e os a-lis pblicos
(como n nguem ous.r cuitestar que o da
secunda especie esse prucesav de syudi^n-
cia) merecem conli mea n'um alto grao (Ge
2a O nosso- escruto consiste porae sim-
plesmente no resurao dos dpuimenios e
dos individuos que juraran na supra me>-
cio:i d i synJicincia e na pobcacij de al-
guns docum* otos officiaes ? (6)
3." Nio estar elle, mais no menos, dac-
cordo com o qoe disaera o Dr. Cesar Angos-
to Marques, no seo artigo de 7 de outobro
de 1867 sob a ep'grapbe Urna boa nota
eslampada no PubHcador n. 229, nos perio-
dos que comecam: -Estudou muUo etc.
Para melhor ordem da norraedo efp. f
4 Como quer que seja. nao se encontra
ni* Synopsis *, lera do qoe oastit e
materia narrativ, em q-M s; re.^peitaa or-
dem chronalogica dos factos, refiexo^s, mais
ou meno3 cabiv^i?, solidas, justas oa nge-
nhosas (conforme as nossas forcas intellec-
tuaes ou o gosto e a ciencia de quem a9
ler), que di), imparcialmente Miando, a
esse trab3!ho un valor mjior qse aquello
que deve ter o de simples public*r,5o de de-
poimentos em resumo ? (7).
5 Com a parte da Synopsis at o 3 '3,
qoe comprehende a u tima pub'icacio na
Actualidade, constante do mprosso jonto,
estar concluido o nos o trabalho ; isio .
sati-feito o que prome temos na 3Vdivis3o
dosPreliminares com qoe envetamos o
escripto ?
O O esbeco, fe to pelo erudito Dr. Cesar
Augusto Marques, da administra ci de D
Francisco de M. M. di Cmara, no sea dic
cionario hist-rico e geographeo, coate.
algum facto, principal ou secunda Jo estr.-
nho nossa Sinopsis t
7." Qual e-te facto ?
8. Ter a razio o dil > D.-. Cesar Augus-
to Marques para dizer em censura como d s-
se, no B-ial d) perio lo 79 o juiz de fra
Luiz de Oliteira era nm magistrado intelli
gente, honestoe enrgico, porim nao era tao
justo e nem too prudente comoquasi sempre
apresentado na Synopsis quando nos j
issora'smo haviamosajuizad) h> | 1* capi-
tulo Io. parte 3a, e sobre ludo, de um modo
ma>> ampio, jnstiSeado e polilco. no 2o.
cap. 3 da mesna parte 3a, nes termos da
nota abaixo? (8) ^^_^_____
YH.
SobnstUmos, poH, o exposto ao crilcio
e exame da comraiaaSo d *asio do' istoria
e geographiado Atheaea Miranhense, boje
por dos nomeada, composia dos S-s. Or.
Francisco Antonio Brandao, Dr. Jos Gau-
ne, Antonio Eones de Sooxa. Edoardo Ame-
rico de Moraes Reg e Jas Mriaoo Costa
Nunes, para interpor -o seu conscenensr
parecer a respeit \ pois qie dep asi amos
nosses cavalheiros a mais Ilimitada conflan-
ca de inteireza, dignidade e indeptmdncia
de carcter, a par da moita ilh*t---cto.
Mranhia. 17 desetembro de 1871. .
Jodo da Matta Moraes Reg.
VARIEDAD
ROMANCE
POR
OLMAS
(1) Veja-39 o artigo que precede a pu--]
bl cacao da Synopsis, impresso que acom-
panha a presente exposicio.
(2) Voja-se a carta que foi estampada em
seguida do artigo suprameocionado e cons
taate do dito impresso.
(3) Veja-se o impresso qoe acompanha
'esta exposicio, refer lo as precedentes no
tas.
(4) m processo de syndicancia da or-
dem desse, proce lido com calma e inteire-
za, por um jniz superior, em quadra nor-
mal, inteiramente alheio a essas lulas e aos
mteresses dos partidos coropromettidos nel-
las, foi sempre considerado documento mni-
to authentico para nvestga$oes,hstorcas,
mxime quando o resollado dos depoimen-
tos coincide perfeilamente, cono no caso
de que se trata, nio s com outros docu-
mentos contemporneos de incontestavel
crdito, opio-a serie delles, assim tambem
com atradici)dos factoi, adquirida pelos
diversos e lagitimos meios que tem ao seu
alcance o historiador consciencioso e rrflao-
tido ; tanto mais quauto os indiv.duos que
depozeram, lomar m parte prd e contra nos
acontec meatos narrados.
A historia tem por foates: Io a expe-
riencia propra : 2o a narraco das pessoas
presentes aos factos, oifque podero ter ca-
nhecimento delles; 3o os monamentos que
os atiestan.
t Para que a historia se torne umascien
cia, as tradicSes vagas e sea nexo, ni) Ihe
bastara ; precisa de factos verificados, ob-
servados, classiflcabs e bem desoriptoe.
A critica consista em discernir as fon
tes o que ha aellas de mais ou de menos
digno; em comparal-as entre si, e eai ligar
os antecedentes om os conseqaeoles, a fim
de se chegar verdade (Cezar Canto).
Por teren os iolividuos, que juraran na
ALEXANDRE
zarCantu), seod>igualmente1, certo quede
procegsoa idntico?, e at 'aquete que &e
rizeram no lempo das famigeradaa oleadas
mais de um escritor de nota se te servido
como meio seguro de avahar oa aconteci-
meoDs e mesmo de resiabelecer amemeia
dos que foram anteriormente coro injuelifa
apreciados.
(5) Vid uo impresao que se remette ^ Os
preliminares pagina I* parte i> e notas.
Appeidke n. 1. Csosideraces sobre o
visconde d'Anadia, pagina 52. Appendice
l, pagin-a 55. dem III, pagina 58. 2*
oarte, pagina 83 at pagina 111. 4* parte
% l*at o 8 13. pagma 105 at pagina ti2
e sobreludo o % 42 do cap. 4o da parte 3*.
pagina 110, assim consistente:
m Temos enegado ao ftm da 3a parte do
neaso obscuro trabalho e vamos passar a r
sem divida a mais importante.
c At aqu havemos constante e escrupu-
losamente nos auxiliado dos livros existen
te no archivo- da cmara municipal desla
cidade, gragas a bondade do respectivo se-
cretorio o Sr. Jbio Jos de (Dliveira Itritto,
que danto tem de cavalheiro, quanto de ho-
tjsto e intelligcnte.
Consultamos al o lira do livro das actas
das sess5es. cuja escrpluracao principiou
em 3 de abril do 180 e termi.nou em de-
zembro de 1808: quando pedimos o livro
jubssqMente, com bstanle magoa, recebe-
mos do mi'siTO'SfTtJritto a seguinte respos-
ta. O livro que precisa exaaiinar da-
quelles que o nosso D ti mcltas Di.s levou
para o Rio de Janeiro afim de escrever^ma
obra de qoe fra encarregado pelo governo
imperial, sapponbn que a respecto justamen-
te da administraco de D. Francisc de Mel-
lo Manoel da Cmara, que bojp oceupa a
atlencio di V. Esses livros acham-si no
archivo publico da corte, nao obstante as
reiteradas reclamares da cmara : ltima-
mente oble ve-se urna respeta doExm.mi-
nistro do imperio declarando qjoe Usa li-
vros nao podiam voitar para o archivo da
mesma cmara.
f Enlretaolo deu-nos o livro que imme-
di^tamenti se segaia, que priucipiou era 31
de Janeiro de 4316, completamente estra-
nboao nosso assumpt).
< De resto diremos, sem o mais leve
peusamento reservado ou id de vanglo-
ria, com os mais elementos adquiridos aqui
scom o auxilio desses livros que levou
para o Ria de Janeiro o Sr. Dr. Goncaives
Dias, anda assim uniomente corresponden-
do a ama parle do governo de D. Francisco
de M. M. da Cmara, a do ultimo periodo,
sem o ttoccorro da serie de documentos
que possuimos, nio podia, como nun;a. p
de, o grande e chorado poeta, apeaar do
seu eminente tlenlo, escrever a historia
dessa desastrada administraco.
Eis porque o Ilustrado Sr. Dr. Cesar
Augusto Marques no juizo critico, que dig
nou-se azer do nosso humilde irabalho,
em7 de ouiubro de 18G7 disse o seguio
te : O escripto que em breve vai surgir
a luz da imprenta, far desapparecer de
todo em todo, esse passado labyrintho do
(Continuacao do n. 252)
XVII
O codlclIU do Dr.
J o sol se 'ttaha escondido, quando Ea-
bio Vanden-Beck entrava em Vellebra-
de, de voia de Meesief'Corneba.
Tinba caminbado p alguns kilmetros
para ebegar cidade.
O criado que foi porta receber aeu
amo. recoou espantado.
Tal era a expresso do semblante de
Cuzebio.
Fez-lhe algumas pergantas relativas
sua saude ; mas Eozebio nio reapondeo
orna s palavra, revelando nicamente o
esejo de nio aahir do aeu gabinete.
Mas Sr. disselhe brandamenta o cria-
do entreabrilo a porta ; nio quer ver a
Sra?
Qoe te importa ? gntou Euzebio zan-
gado ; e quem te den a ti direilo para me
ioterromper 1
E' qoe a Sra. tem pergootado algu-
mas vexes pelo patrio.
Bem, bem, ao depois irei ve-la.
Mas o criado ficra-se ainda porta, en-
carando em sea amo com assombro.
Porque esperas ? disse-lhe Euzebio
enraivecido.
Espero qae o Sr. me diga onde po
derei encontrar um medico ; ningnem me
sabe en-inar, e como o sennor e sobrinho
do Dr. Bazilio..
Euzebio, que tinba escutado as primeiras
palavras do aeu criado, ergueu-se de re-
pente ao ouvir as ultimas, e disse agarran
do-o rijanente pelo braco :
Nio pronuncies diante de mira esse
nome maldito, se nio qasres qoe te es-
raague. A
Fezae urna pansa terrivel entre os dens.
O criado eslava atemorisado.
Euzebio atteotiva n'elle.
Que quere8 tu dizer com s o do me-
dico 1 V, desempacha. Tua ama est
doeote ?...
Sr... balbuciou o criado. .
Mas estas palavras corren Euzebio pela
aseada aima para o quarte de sua esposa,
que o reobeu oa cama, son-indo por
entre as maiores dores.
ObrigaJo, obriga o, exclamou Ester
abrindo lhe os bragos; por muito desgra-
cada me daria aa o primeiro olbar de leu
filbo nio fosse para ti.
Euzebio encheo-a de beijos enternecido,
Tudo esquecij
qual Lisboa, Goncalce ias e muUooutros
nao poderam achar sahida. (Synopsis, ira.
presso paginas 110 a III).
(6) Veja a nota precedente.
(7) V.d. no impresso da Synopsis as pi-
giuas onde a margem exietem signaes a la
ps, c>amaodo a atencio do leitor.
(8) Nealium hornera a^-da ser ioleira-
menie isenio de paixes, nem tao pouco
superior ao seu secnlo.
t As idase op nies, nesle dominaotes,
o bio de subjogar mais oa menos; ou por
qoe nio ha en*endiraeulo lio elevado, que
vai alm do poolo a qoe attinga a totalida-
de dos ^eus cenamporaneos, oporque nao
lia espirito lo perfeilo, que se possa lder
tar dos prejuiso* e preocupaces do vulgo ;
ou porque, enjfrm. nio ha carcter to
enrgicamente conformado, qoe se atreva
em affrontar o couirauui sentir da geranio
a: que pfrtence.
Lui deliveira Figueiredo e Almeida
estova sujeilo a iei imposta Iragil'humani-
dade.
t AggrediJo coosianlemente pela verea-
Co da cmara, o melhor pelo circulo que
se movia ao menor aceoo do capitio-gene-
ral, elle, de sua partrno pomas vezes, pro-
carava, mesmo em pt>ejuizo do serv$o pu-
blico, collocar os adversarios em posiefies
criticase di/fi-idiosas, deixandosearraslar
peto imperio das paixes; linha, porm, a
summa habilidade de saoer conter-se e de
um modo to estudado, que os seus escrip-
to i revelam njLapparencia moderando e
calma*-
i No mez de setembro passado disse elle
achando-me no Itapicur em diligencia,
partecipou me o procurador do conselho que
se pretendi mandar fazer algumas obras,
para o que me pedio autorisacao ; sem exa-
me, sem orcamento, sera estudo, deu-lh'a.
sem bmitaco alguma: eulreanto, d'ahi a 6
DMMt, s depois de abena coolra elle essa
hita extrema, e que. compreben leu e reco-
nbeceuque a azo e aifidelidade exigiam
urna rigorosa economa as rendas do conse-
lho para amontoar se do seu cofre a mojar
sommapossioel, j para o subsidio da des
pezas do Augusto Monarcha, j para a for-
tificaco da cidade, e j para qualquer ou-
tro deslino, que S. M. Ihequizesse dar ; cas-
sando e revogaudo por consequencia, sob
taes fundamentos, o cousentimenlo outrga-
do anteriormente sem o menor escr-
pulo.
t Se as obras excediam da verba asar-
cada por Iei para a cmara as poder mandar
fazer iodependente de provisao regia, nao
era, por certo, a autonsacio dada pelojuiz
de fora, que legalisaria o aclo, e Luiz de
Oliveira, .lanJo-a, demonstrou que nao era
esse carcter rgidom severo como, a cada
passo, quera fazer-se- persuadir a todos.
Deixar de dar audiencia, mandando-as
lazer por om advogado de sua confiauca,
nio comparecer a cmara a assislir as ses-
ses e coocorrer com ella nos actos pbli-
cos, foram abusos de ordem to elevada, que
os pretextos dequelancou mo em nadaos
justifica ni; sendointoleravelo mandor o seu
QUE MALVADEZIOa allemies, di
ara peridico, contam gemianas Melz an-
tea de vnte e cinco aonos, por tanta da
esteridade das roulheres francens. Por
causa deste dito e do descobrimento d'uma
composifio cbimica qoe sa in'iiula fecondi-
t prevenue, publicou o Sr. Veuiilftt, <
Univers, am artigo furibundo daeaoei;
aste novo elixir ao procuro! >r d repblica
franceza.
Eis como se exorim-a no proapecto o
inventor d i elixir para apoiar a ao* utili-
dade :
t Os abortos aia errmea aos olb^s da
natareza, praticas de precaucio que
moderara a acc> conjugal offerecem peri-
gospara a saude dos esposo. Creaaos
qoe sob o ponto da vista di moraA* da
saode, o novo preservativo da fecunflldade
om servio que fazemos cumanida-
de.
Depois dri o prospecto orna instrnecio
deste preservativo e os frascos que c )ntem
o tal elixir d z que sao da mesioa capa;ida-
de- Oprep dillere pelo aroma: qu* coa-
tm o elixir, que n'uns frascos mais de-
licados do qoe n'ootrua.
O Sr. Veoill >t escandalsa-se'e eom ra-
zio, do atrerimento dos inventores, e que
simi.liante coaMoercio se tolere n'uw P*^f.
qae pretende achar-se frente da eivrti-
safio.
Rial oa Bwgida, diz o Sr. Veoilf,
ignorancia e a segurarla com que se an-
noncia nm testemuubo terrivel contra a
sociedade, que chegou a este grao de des-
morabsacio, quindo se offerecd caodida-
mente o assassino a razio de seis francos
frasco e dez com aroma escolbido.
SEDAR.-O Nouvemste de fou:n, pu-
blica a copia de um documento moilo cu-
rioso, que ea atta authentica do conselho
de guerra, no qoal se dec'.dio a capitolacio
de Sedan:
* Quarel general em Seda, aos 2 de
setembro de 1870H eje, 2 de setembro,
s seis da man ia, piocedendb conrocacio
do general emchefj, reunise um conse-
lho de guerra r ao qual foram chamados os
generaos c mmandantes das divises e os
geoerae c mmandantes em chefe de arti-
Iheria e de eag.nbeiros.
t & general couimandante expoz o ae-
guine :'
En virtnde das ordens do imperador,
e como consequencia do armisticio combi-
nado entre os doie exercilos, fui ter com o
geoeralj conde de Mollke, prvida de ple-
nos poderes do rei da Prussia, no intuito
de oblen a melbores iModi^t* possiveia
para o exercito encurra^do na praga de-
pois de urna baialba desgracada.
t Desde as primeiras palavra* da nossa
conve sacio reconbeci que o conde de Molt-,
ke, tinha por desgraca,. pleno temaechneu-
io da nossa situado. d*que sabia muito
bem que o exercito careca absolutamente
de "vveres e de moniges.
t OSr. de MoUka deu-me a oonhecer
que no da de honlem tiubamos combatido
cora um exercito de 220:000 borneas que
nos rodesva por toios os lados.
t General, disse-me, estamos lifpostos
a propor para o vosso exercito, tyae pele-
jou valorosamenle, as condiges mais hon-
rosa i. Todava, preciso que essas con-
'ebes sejam compativeis com as exigencias
da nossa poltica. Pedimos qae o exercito
francez capitule ; ser- prisioneiro de guer-
ra ; 'os oiiaes conservaro as seas espa-
das e a sua propnedade pessoa>, As ar-
mas da tropa serio depositadas n'um ar-
mazem da cidade, para que nos seja en-
tregues, '
(Conlinuar-se-ha).
Porque viesle lio tarde ? E' a pri-
meira vez, Euz-bio, que passas a noute
longe da mira.
A pallidez da cara de Euzebio tornou-se
lvida.
Euzebio abaxou os olhos e nio respon
dea..
A esposa continen:
Sera aquello infame Maes... E eu e
que lb'o foi pedir. Levou te consigo ?
To, Ester Pois to qne lh o pe-
diste ? .
Fui eo, sim : esperave que a alegra
d'esse homem fosse commonicativa e te
Uzease comprehender qae, depas de um
da de trabalho. te devas dadicar aos pra-
zerea. Assim fogir de ti esse mo humor
que te apoquenla.
Eaier, exclamon Eaiebio, fixeste mal
e queira Deas que ni) toabas de te arre-
pender ? .,.!_
Ai, meu Deas! Porque me dizea
isso ? Mas 6 verdade: na minba alegra
por te ver, nio reparei aa pallidez do tao
semblante. Que teas ? Diza, dize, mea
Euzebio ? Que te saccdeu ? Ea soa
muito ciamttUda tua feKc dade.
Euzebio recaava
Receiava ser fra t
E aspalavraa de ral eposa i'aiaelia oc-
casiio aogmentaram o aefmc hamor.
Euzebio nio se atrev? a romper o silen-
cio em qoe estavam, maa diaae por flm :
1' Oh l abi est o que aib aa molberea ;
Ida enanca que a oascer, cUe-lhe Ester : se encerratndo no mundo.
Eozebio, tn nunca nn fallaste d'esse
modo, exclamou Ester.
Porque pronuncias essa palavra se e
ridicula para mim ?
Ni), meu amigo, nio aou ciumenta.
Pretextos.
Nio creaa. E devras, se a minba
oonfiaoca em ti nio fosse Ilimitada, teria
poderosos motivos para fazer infinitas con-
jeturas.
Quaes conj jetaras ? Ora vejamos;
exijo de ti ama explicacio. grtou Euzebio
fra de si; por ter pasaa^o ama noute coi
dando dos mens negocios, recebes-roe d'esse
modo. Que conjecturas sio essas?
Mas qae teas ta 1 Porpue motivo te
exaltas ? Que te fiz ea ? xplica-te, ex
elamava E8ter tentando sorrlr por entre as
abundantes lagrimas qoe I be ornara pelas
faces. Eu nio desconfio de ti, nio descon-
fi ; acredito cegamente no qae dize* ; aio
soa ciomenta, jnro-t'o pela vida do nosso
filbo que vai nascer. Perdoa-me, se te of-
fendi. Oh t Eu nio sabia o que dizia. Nio,
ea nio aou ciamenti, nio soo, amo-te muito,
muito.
E i formoaa Ester inclinava para seu
e8poso a fronte coroada de aedosoa cabel-
los, qoe lhe cabiam em desordem por aobre
oa hombros.
Euzebio tornou-se triste e pensativo.
Olha, accreacentoo Eater. preciso
qae te ea d amia ama prova da confiaoca
que tenho em ti.
Falla, disse Euzebio, pegando suave-
mente n'uma das mos da eaposa.
voto por escripto, e que s' partee laucado
estratgicamente para collocar os vereadores
emdifkuldades mas nao pelo sentimento do
bem publico ou do ettmprimento de dever
(Synopsis parte 3a, cap. 3o 25).
Entretanto, o Ilustrado Dr. Cesar Augusto
Marque, diz que quasi sempre aposenta-
mos o juiz de f .ra L.iz d'Oliveira |osto,
prudente AII ... .
E quem se limita a fazer simples puWica-
Cia de depoimentos em resumo, oceupa-se
com reflexes da ordem destas e de multas
ootras, que vem no nosso humilde, poxm
consciencioso, trabalho ?
(Matta).
Pois bem : apezar das instancias do
Sr. Maes, oppuz me que te mostrem o
imperioso codtcillo que o nosso tio accres-
centou ao sea testamento.
O codicrllo I O codicillo existe I bra-
dou Euzebi) desesperado. Sanio Dos I
Quero duvidar, mas nio posso. E se existe
o que esta noate se passou nio um sonbo,
como eu julgava. Oassobio das serpeles...
A singular allucinacio qoe me fazia ver
moribunda a miaha pobre Ester... 0:
soahos kh Tudo certo 1 O infame
Or. consegaio tobre mim o primeiro tr-
umpho.
E Eazebio, assim fallando, dava-se aos
mais furiosoa transportes.
Meu Dos Est doudo; pardea a
Ester querendo saltar da
q'ue corra ana es-
Euzebio colbeu-a
razio, gntou
cama.
Mas vsla do perigo
posa grvida, o proprio _
Sos bracos, conchegoa-lbe a roupa da cama
bejou-:he as mos geladas, qoiz rean.ma la,
a, como nada mais poda fazer. tocou todas
as campainhas muito de rijo, para que ac-
dissem os criados.
O medico j fra chamado, e chegoa.
Euzebio em poucaa paLvras o poz ao
correte de tudo.
O medico declarou que a sitaacio de Ester
era gravssima ; qoe o violento abalo que
recebera, ao querer saltar da cama, prodo-
ziria urna crise nfall vel, em consequencia
da qaal am dos doas deixaria de exiatir;
ou a mii ou o filbo que tinba as entra-
nbas.
Exigi que azebio se retirasse, e, para
evitar a commocao qne adoente sentir
quando voltasse era si. ordeom que nio
visse o esposo sem eslar mais Wioquilla.
Euzebio, desesperado, maa reaobiaodo a
energa no meio da sua dor, sabio rpida-
mente do qoarto de sua esposa.
Na casa pegada encontrou o seu criado
grave, qae lhe fez algumas pergantas, mas
Sio respondeu ellas e s enuic.oa o on.co
desejo de nio ver nem f".^10^1-.
Iasi.Ua nio obstante o criado, dizeodo
qae am sogaito lhe desejava fallar, e intei-
?ado Euzebio de quemara, mandoa-oentrar
para o seo cabinete.
Era o Sr. Maea.
DebaWe se teria procorado na cara do
veiho tabello os sigo es da orgia da nou-
te anterior, qoe ti) profundamente havam
alterado a physiooomia de Enaebio.
O Sr. Maes estava corado, tranquillo, e
de sorriso nos labios.
A grvala qoe tinha era d ama alvora
incomparavel, e em todo o sea tra;o nio
se destinguia orna s raga qaa revelasae a
orgia do to Coroelio.
Qaando vio Eazebio, estendaa lhe a mi
compnmantaodo-o respelosamente.
Qae quer aqoi 1 bradou Eozebio com
ademaos ameacador. Nio acha sofficente
a qoandade de torpexaa que ma fez com-
metter a noate pasada ?
(C TYP. DOWAtUO-ttU DOLUUIjI DI Cb,
WS1
MUTIIADO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EVQ63UV8V_W72SOD INGEST_TIME 2013-09-19T20:10:15Z PACKAGE AA00011611_13129
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES