Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:13126


This item is only available as the following downloads:


Full Text
**
se;
i

X
i)
:
l
V
I
f I
2
"1
<
;
'"%
for tres me&t adiaaW'lo* ., .
Jf> ^T MM dtfuj ki rw .
Pvr una auno ijeia......
&>u* itiautwi avuido.
ANNO XLVil. NUMERA 2SI
?ABA A CAPITAl E LU6ABES QWE lAo SE PASA F08.
6,1900
424000
4100
-20
SEXTH FEIBA 3 PE NOVEMBRO DE 1871.
----------------------------------,-------,.
PAJA DSTEO 50SA U PSOVaCIA,
Por ire aazo adianudoi ............' %m$
Por ieia ditoi dem.................... iSffOO
Por twB ditos dem................... tOUtn
Por nm anno idea..................[ %1QQ0
Fropriedade de Manoel Figr&eira de Farfa & Fillios.

sao Acnmi:

< Srt. Gerardo Antonio Alves 4 Filhos, no Para ; Goncalve. & Pinto, no Maranhlo ; Joaqmm Jote de OJtaira A Filbo, no Ceat*; Antonio de Leaoi Braga, no Aricad ; Joio Maria Joo Chave., no Amo ; Antonio Marque, da Suva, no Natal; Mi httii
Pereira d'Almeida, em Mamangnape ;Felippe Estrella d C, na Parahyba; Antonio Joe Gome, na Ra da Penha; Belarmino doi Santoi Bnlclo, em Santo Antio; Domingos Jcs da Costa Braga,
em Nuareth ; Antonio Ferreira de Agoiar, em Goyanna; Francino Tarant da Costa, em AUgoas; Dr. Jos Martins Alvea, na Baha; a Leite, Serqainbo & C no Rio de Janeiro.
* i' ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------____________________________________________
PARTE OFFICIAL.
Ministerio do Imperio.
DttCRRTO N. 4806 DK H DR OUTBRO DE 1871.
Mooirica c altera algumai disposicdej do decreto
a. 467S de li de jcaro do correte aono, que
stabeleceu o procesan a sega r nos exanaes
dos fs;uJanti'.- da* facilidades de direito e de
-n edicina.
A Princeza Imperial Regente, em nome do Im-
perad ir n Sr. O. Pedro II, ha por bem que o de-
relo n. 4675 de 14 de jan-iro do crreme auno,
que o^abeleceu o processo a >e/uir nos exames
doj estuinte< das faculdades de direito e de me
dioica, saja executado com as modificacSes e al-
i-racoes seguimos :
Art. I. as faculdades de medicina, alm das
dms provas, de que traa o art. 1 do citado de-
creto, e depo's deltas, continuar a haver a pro-
ra pralic, feta, como d'antes, as materias em
que ara exigida pelos regulamento; anteriore'.
Art. 2.* A prova oral, de que trata o art. 15 lo
otesmo Jecrdtu, ser tambem eita por tu rmas de
nunca mais de seis, nem de menos de tres estu-
dantes, salvo se lr menor o numero dos habilita-
dos para o ex a me.
Art. 3." Os pontos para as provas escripia e
oral serlo dados, no rirn do .inno lectivo, pelo)
leales e substitutos que regeram as cadeiras, e di-
vididas em duas series, comprehesdendo cada urna
as materias explicadas durante o anno : urna das
sartas para a prova escriba e a outra para a pro-
va oral. as (acuidades de medicina haver urna
revira serie de pontoa para a prova pratira as
disciplinas para as quaes est estabelccida.
Arl. 4.* Cada urna das seres de que trata a
primeira parte do artigo antecedente ser divi-
dida com ignaldade pelas cadeiras do anno, e em
cada cadeira pelas materias que foram explica-
das, do SCTte qoc naja, tanto quanto for possivel,
igual numero de pontos de todas as cadeiras e de
todas as materias explicadas. Os pontos para a
prova pratica as faculdades de medicina serlo
tambam distribuido) com igualdade, tn s somente
netas cadeiras e materias em que tal prova
exigida.
Arl. > Na prova escripia o puuto que for ti-
rado a sorte, de urna so das malarias do aDno, al-
ternada mante, pelo primeiro estudante da turma,
servir para iodos es da mesma turma. Na oral e
na pratica, quando exigida, cada esindaole tira-
r i son um ponto sobre cada orna das materias
do aono. Os pontos-tirados sorte nao voltario
urna respectiva seno depois dt esgotada loda a
seria.
Art fl. Na prohibiera da primeira parle do
art. %.* do decreto u. 4675 nao f nao se compre-
i soda, mas ao contrario concedido aos estudan-
les da aealdade de direito a consulta da legisla-
rio CiviU* cannica e da F.soripiura Sagrada, cem
excluan Jmenle ros livros desta especie, que
eoBtiverera notas e observages polmicas. O esa-
mirado conversar coro oulrem sobre o pento,
iu a consultar ou copiar livros ou ppela (excep-
to, para os esiudantes de direito, a consulta d s
ferros cima designado-) perder o exame na-
quela oocasiio.
Art. 7.* Perder o anno o que por duas vezes
lar parte de molestia na occasiio de ser exami-
nado, se Dio provar a aile;aco a Jnizo da con-
gregacio ; e na mesma pena incorrer o qae nao
esorsver sobre o ponto ou deixar de responder <
pergantai que Ihe foram feitas sobre as materias
do exame.
Art. No processo da prova escripia, de que
tratara os aris. 5", 7, 8-, 9, 10, 1S, 13 e 14 do de-
:-ii a. 475, observarse lia, sem prejuizo das
disposierjes aqui nao alteradas, o segniole:
| 1." Chamada pelo presidente da mesa de ex a- "
me, cada'examinando receber duas folhas de pa-
pal da mesma qualidade, cor e formato para toda
a turma, rubricadas ambas pelo director da facul
dade. 'oma del las escrever logo o ponto sobre
que lera de disseriar e assigoar o sea Jiorae por
rnteiro ; na outra redigira a prova sera assignar
o nome.
2.' Concluida a prova, para. cuo preparo le-
ra cada turma duas horas; ou no estado em que
m achar, no fhn desse prazo, o examinando a en
tregac, com a folha de papel que contm o pan
lo e a sua assigoatnra. ao director da faeuldade,
qual dar s duas fo'has de papel un mesmo
Limero da ordem, mas diverso daqnelle que ti-
nlia o examinando na lisia da chamada.
3. Recolhidas as proras de toda a turma, o
director da faeuldade, conservando am seu poder
as (olbas de papel assigaada?, entregar mesa
de exame as que contiverem as provas..
i 4. Em acto successivo passario os membros
da mesa a examina-las e a dar sobra ellas, cada
um de par si, o sea parecer motivado, mas em
termos claros a scennos, escrtpto e assignado.
Nestes termos serio entregues ao director da fa-
euldade, qae as mandar juntar, na devida cor-
reipondencia dos numero*, com as folhas asigna-
das, de qae trata o $ i* de:-te artigo.
Art. 9.* Para refleclir sobre os pontos da pro-
va eral ter cada examinando meia hora antes da
argaico, podendonesse lempo, o estudante de di-
reito consultar a legislaco civil e cannica e a
Escriptora Sagrada, a quer o de direilo, quero
de medicina, o compendio ou tratado, que tfver
servido de texto s explicacoes da cadeira. as
.culdades da medicina e as materias em que a
prova oral era feila ateo presente m exame va-
go, nao ter o examinando o tempo para refleclir
sobre o ponto, nem o auxilio dos livros de que
rita a prtmeira parte deste artigo.
Art. 40. Na prova oral, cada um des examina-
dores podar argir o examinando pelo te rapo que
Ihe parecer, nao excedendo de vinte minutos.
Art. ti. A prova pratica continuar a ser feta
do modo estabeiecido.
Art. ti as faculdades de direilo e as de me-
dicina, nos annos era que nao houver prova pra-
tica, suda a prova oral, os membros da mesa de
exaaoa aro vir as provas escripias dos esiuJao-
acabaram de fazer a prova oral, para pro-
cadmB ao julgaroeuto, devendo ter presentes as
(adarMtas dos lentes respectivos para seren to-
nudas em eonsideracaoas notas relativas assi-
duida a aproveitamento dos estudanies.
Art. 13. Feila a necessana conferencia e con-
fronta dio das provas e das notas das cadernetas,
corra a votacao, laucando o presidente do acto,
na prk ira das folhas de papel, de que trata o
art. S>j r*. a nota do julgamento para ser reduzi-
1a a tara no livro competente.
Art. II. as faculdades da medicina, nos annos
ver prov pratica, ebservar-se-hao as
disposicSes dos arta. 12 a 13 depois de feila essa
pro?.
lio Alfredo Correa de Olivaira, do con-
salta* de fot Hagastade o Imperador, ministro e
dentario 4e astado dos negocios do imperio, as-
Palacio do Rio de Janeiro, em 22 de outubro de
1871, i da independencia e do Imperio. PIUN-
CMk n ERIAL ReGENTE.-/ooo Alfredo Cor-
ra te Olivara.
Sua AlsM .Imperial a Regente,em nome do Im-
perador, ha por bem que no Instituto dos Sardos-
mudas i rom as segointes ins'raccOes rela-
tiva aos premios que devem ser conferidos aos
alomaos do ases rao Instinto.
alas qae o art. KI do regala-
msata n. 4046 da 19 da dezembra de 1867 eopca-
de aos alnmoos do Instituto dos Surdos-mudos,
cousistiro em medalbas de ouro, de prata e de
bronze, cunhadas de conformidade com o desenlio
e descripcao annexa. Haver urna serie de pre-
mios para cada anno.
Art. 2." A msdalba de ouro o primeiro pre-
mio, que ser conferido aos alumnos que mais dis-
lioguirem no Instituto pelo seu aproveitamento a
procedimento.
A de praia e a de bronze, 2* e 3 premios, sero
conferidos a alumnos naquellas circumstancias,
que forera classifkados no.2 e 3 lagares.
Art. 3.* A aesignaco dos alumnos que mere-
cerera premios ser feita em reunio dos profes-
sores, sob a presidencia do director, que tambem
ter voto.
Art. 4." Nessa reuniao cada professor poder
prupor, e eotn justificar com as no'as do livro
da sua aula, al tres dos sens discpulos que jul-
gar merecedores de premios.
Discalida a proposla, e verificado o raerecimen-
to do alumno, que, se fr netessario, o director po-
der mandar interroaar s, ou em corporaco
com outro, proceder-se-ba votacao por escruti-
nio secreto.
Para a concesso do 1 premio ser preciso que
o aluTDOobtenha a unanimidade de votos; para
a do 2 e 3 bastar a maioria.
Arl. 5.' Concluida a votacao se lavrar urna
acia circumslanciada que ser assignada pelo di-
rector e pelos professores, devendo extrahir-se
tantas copias, quanlos forem os premios conced
d*3, para serera entregues como ttulos aos pre-
miados.
ArL 6. No da designado pelo ministro do im-
perio, ser feita a distribnico d)s premies em
sesso solemne, annunciada peloi jornaes.
Palacio do Rio da Janeiro em 2? de oulubro de
1871.Joao Alfredo Corra de Oliveira.
Por decreto de 15 do cerrante fez-se raerc
do foro de moco fidalgo com eiercicio na casa
imperial a Jos Augusto ae Saldanha da Gama,
filho legitimo do moco fidalgo com exercicb Dr.
Jos de Saldanha da Gama.
Era 23 do correte ordenou se ao presidente da
provincia de Pernambuco a expedicao das neces-
sarias ordeos para proceder-se venda, na forma
da lei n. 628 de 17 de seterabro de 1851, art. li
9 de um terreno que serve de quintar do quar-
le denominado do Hospicio, e que faz parte do
terreno cedido para Cjnliouacao da abertura da
nova ra do Bairro da Boa-Vista da eidade do
Recife sendo o sea producto convenido em apoli-
ces ioalienaveis para o patrimonio d) seminarlo de
Olinda, a caja adminisiracao devem ser entregaos.
Dea-Se conhecmeuto deste aviso ao vigario ca-
pitular da diocese de Olinda.
Mlalsterlo da fazeada.
Por despacho de 18 do crrente fol concedi-
da a Nabor Delphim Pereira a demissSo que pe-
dio do lugar de praticanh da alfandaga da eida-
de do Rio-Grande, provincia de S. Pedro do Sul
Ministerio da instlca.
hm 23 de ontubro corrente communicou-se
ao ministerio da fazeoda que a 4 do corrente loi
designada ao juiz de direito Bellarmino Peregrino
da/Jama e Mello a comarca da Itapetinioga, na
provincia de S. Paulo ; o que a 15 de Janeiro do
anno prximo futuro termina o praso para o mes-
mo juiz entrar em o exercicio de seo cargo.
Fez-se idntica communicco ao presdeme do
supremo tribunal de jaslica.
Por decreto n. 4,80i de 19 do corrente foi
creado no termo do Bira-Jardira, na proviu;ia de
Pernambuco, um lugar de juiz municipal, que
accumular as funecoas de juiz de orpbaos; e pe-
lo io n. 4,801 de 18 foi reunido o termo de S.
Joao Baptista so.de Minas-Novas, na de Minas-Ge-
raes, e creado no de Arassnahy, da mesma pro-
vincia, um lugar de juiz municipal que accumu-
lar as funecoes de juiz e orpbaos.
Recommen lou-se ao presidente das Alagoa3,
acerca do partidor e cantador do juizo municipal
e de orpbaos do termo do Passo de Camaragibe,
Manoal Lonreoco Alves dos Santos, prvido per
decreto de 3 de agosto de IS67.
Ao do Maranhao, sobre o offlcial do registro ge-
ral das hypothecas da capital, bacliarel Fernando
Pereira de Castro, prvido por decreto de 18 de
Janeiro de 1865.
Ao de Sergipe, relativamente ao 1 labelliao do
publico, judicial e notas e escrivio da provedo-
ria, de capellas e residuos do termo da villa de
Nossa Senbora dos Campos do Rio-Real, Pedro
Brrelo de Meneze?, prvido por permuta, por
decreto de 26 de junho de 1867.
Ao da Parahyba, a respelto do escrivSo do Jury
e execogSes criminaos do termo do Teixeira, Ni-
eoderaos Nones da Costa, prvido por decreto de
7 de novembro de 1866.
Remetteram-se : Ao ministerio da fazenda,
de conformidade com o dlsposto no art. 13 da lei
n. 1,764 de 28 de junho de 1870, para sea conhe-
ciraenlo o devidos effeitos, a tabella ftxando em
800 a gralificajj que compete a cada um dos
juizes municipaes da capital da provincia de Ama-
zonas e Manos, e de 1:000a ao de TelT.
Ao presidente do Amazonas, igual tabella, aflra
de fazer descontar aos referidos juizes qualquer
quanlia que, a titulo de ordenado, tiverem recebi
do alm da de 600a flxada na citada lei n 1,764
de 28 de junho de 1870.
Ao de S. Paulo, a relagao dos serventuarios de
offlcios de Justina, que anda nao solicilaram seu3
ttulos, a.n de informar quaes os que j entra-
ram em exercicio, e os que o nao tem feito.
Fez-se ignai remessa ao de Pernambnco.
Ao de Pernambuco, ama copia do decreto n.
4j802 de 19 desto mez, creando no termo de Bom
Jardn am lugar de juiz municipal, que accu-
mular as fanecoes de juiz de orpbaos.
Por portaras desta data : Prorogou se por
tres mezes, cora o respectivo ordenado, a licenca
concedida ao juiz de direito da comarca da Im-
peratriz, na provincia das Alagoas, bacharel E-
duardo da Silva Rabello.
Concederamse seis mezes de licenca ao escri-
vo de orphos, ausentes, canellas e residuos, do
civel o crme do termo de Pao d'Alho, na pro-
vincia de Pernambuco, Hippolylo da Silva.
Por despacho da mesma data foi pror .gado por
45 das, 3em venciraento, o praso marcado ao
juiz de. direito Manael Jos Espinla Jnior para
assumir o exercicio de suas fonecoes na comar-
ca de Micap, provincia do Para.
Ministerio dos negocios estran-
gelros.
CONSULADO GGRAI. DO BRASlb EM LIVKRP00I..
Por osle consalado foi ha penco retnettido ao
ministerio dos negocios estrangeiros nos relalorio
organisado pelo Illm. Sr. Melehior Carneuro de
Mendonca Franco, actual cousnl da Brasil naquel
la localidade, relativamente savagafio a cun-
mercio havidos entre'a Grta-Bretaaha a o dosso
paiz durante os annos civis de 1869 e 1870.
Gfliaodo-se ora pelos regisiroa coosalares, ora
pelas publicaede offlciaes e partieolares (iaes eo-
mo The annml ttatemenl of Ihe trade ani mam-
galion, Brtlish Trade Journal, The Economist),
coosegnio o nosso cnsul organlsar esta traba-
Iho, em que vem dados estatiseos da maior im-
portancia para o objecto de qua trata.
Rosumindo as numerosas odieaedes que ahi se
acham, v-se qae no decorso do anno de 1869
entraran nos porlos viee-eonsolares da Grita-
Bretanha a suas possesfdes, sajados eolio ju-
nsdiCQao daquaUe consulado gsral, 655 navios lo-
lando 294,81 toneladas, com 13963' tripolantes.
Desses navios apenas um arvqrava a bandeira
nacional, e euja lolacSo era ds 852 toneladas, le
vaodo orna equipagem de 16 homens.
Durante o citado periodo sarparam dos portos
da Graa-Brelanha e possessdn eom dastino a di
versos portos do-Impario 960 na.vos de differea-
tes bandeiras, lotandf 441,150 toneladas, a tripu-
lados por 18,341 homens, figurando entre elles
dous vapores nacionaes, lotando ambos 267 tone-
ladas com 17 tripolantes ; seguiram em lastro e
os demai? navios com carga.
Da junegio das cifras dos navios entrados a sa-
bidos v se que a navegaclo redonda no alln-
d do anno foi de- 1,615 navios, lotando 735,968
toneladas e tripolados por 32,304 borneas, sendo
o l- rraos exiremos de sua lotagja de 60 a 3,000
toneladas.
Quanto a importa ci na- Gria-Bretaoba, consta
do registro consular que os navios entrados dos
portos do Imperio introdoziram nos mercados
bntannicos gneros brasileros no valor de.....
9,405,770 iguaes a pesos 42,335,965.
Doslribuida esta sorama pelo numero de tone-
ladas dos navios entrados (294,818), resalta : que
a importacao se fez rizao de 36 31,18 s 3 i/2
d. por tonelada.
Quaolo exportaco para o Brasil, v-se que
os 960 navios que no raestno periodo sarparam
dos porlos britannicos com destino aos do Impe-
rio, idtroduziram ere nossas diversas pracas, mer-
caduras nao s britannicas como de diferentes
partes do mundo, no valor de 8,129,976, ienaes
a pesos 36,554,892.
Procurada igualmente a relacao entre esta im-
portancia e o numero de toneladas (441,150) dos
navios sahidos, chega-se ao conhecimento de que
a exportaco regulou razao de 18,4 s. 6 d. por
tonelada.
Pdla inspeccao das cifras da importacao e ex-
portaco parece primera vista que exprtanos
mais do que importamos. Infelizmente assim nao
, porgue os valores dados s mercaduras de ex-
portaco para o imperio sio os seas prkiMius
en.-1.- ou precas em praca, aos quaes aporta ad-
dicionar cerca de 15 por ceoto papa eobrir as
despezas miadas, taes como fretes, seguros, com-
missoas, etc. Dos valores cadr-s mercadaria bra-
sileira, valores aiuda nao liquidados, deve-se por
igual razio dedozir para o mesmo fim tambem
cerca de 15 por ceoto.
Redozidos aasim aqueiles algarismos s suas
verdadeiras proporcoes, isto ,
a exportarlo a cerca de 9,349,472
e a importacao cerca de < 8,3il,571
Ministerio da agricultura
Por decreto n. 4,804 de 18 de outubro cor-
rete foi approvada a nova cao do contrato cele-
brado eom a corapanuia de navegacao bahiana.
As viagens dos vapores desta companhia serlo
feitas assim :
Na linba do norte haver ama viagem semana
do porto da Babia aos portos do Mangua-Seceo,
Espirito-Santo, Estancia, Aracaj e Peoedo. to-
cando urna vez por mez em S. Chrislovo e duas
vezes por mez em Maceio.
.#Na do sul baver ama viagem mental tocando
nos porlos de lbeos, Canavieiras, Porto-Seguro,
Camellas, Vicosa e S. Jos.
Estas escalas poderao ser alteradas pelo gover-
no ds acoordo esm a empreza, segando aconselhar
a experiencia.
o saldo que resalta 1,007,901
denota, que ao contrario do qae cima nos pareca
primeira vista, qae o Brasil importou mais da In-
glaterra em artigos de sua produccSo e prodcelo
estrangeira do que exportou para ella.
Passando ao auno de 1870, v-se qae ao decur-
so d'elle entraran) nos portos da Gr3a Bretanba,
procedentes dos portos do imperio, 577 navios de
diversas bandeiras, inclusive um nae onal, blindo
286,580 toneladas e tripolados por 12,8*2 ho-
mens, sendo o termo, medio da lotaco e equi-
pagem de cada navio 496,6 toneladas e 22,3 tri-
polantes.
Durante o mesmo anuo despacharam-se nos por-
tos daGraa Bretanba, com destino a diversos do
imperio 846 navios, lotando 459,459 toneladas e
tripolados por 18,823 "homens. >
A importacao em 1870 fol a segunte :
Os 577 navios procedentes do imperio introdozi-
ram nos mercados britannicos productos brasileiros,
cojo valor montam em 6,863,694, equivalentes
a pesos 30,886,623.
Considerando anda em relacao s toneladas
(286,580) d'aiuelles navios, resulta o conhecimento
de que a importacao se fez razio de 23.18 s. 0
por tonelada.
X exportaco de 1870 foi a segunte :
Os 846 navios que sarparam dos portos bri-
tannicos conduziram para os mercados do im-
perio productos nio s do solo e manufactura bri-
britanntca como de qoasi todas as partes do
mundo.
O valor total d'esses productos calculado em
# 5,136,718, equivalentes a pesos 23,115,230.
Procurada a relacao entre esta importancia
e o numero de toneladas (459,459) dos navios
cima referidos, recoohece-se igualmente que
a importacao se fez razio de 11,18 s. Od por
tonelada.
DMqui se dedm que as relacoes commeretaes
entre os dous paizes cao tiveram em 1870 a mes-
ma extenso e importancia que as dos aanos ante-
riooes, principalmente a de 1869.
Como causas d'esta restricclo de transacc.oes
meneiona o autor do relatorio as aeguintes :
1." Elevacao dos direitos sobre a tmportaclo
as alfandegas do imperio do !. de janeire de
1870 em diante, o que, senda de antemio an-
nunciado, fez eom-que grandes remessas vies-
sem para os nossos*mercados no ultimo semestre
de 1869.
1* A apparieao e duracio da guerra franco-
prussiana que notavelmente influio perturbando e
laucando a dasconfianca as proprias e albeias
pracas commereraes.
3/ O augmento da cultura e abundantsima
safra do algodlo nos Estados-Unidos esle ultimo
anno.
Eis o resumo do movimento da navegacao a do
commercio havidos no ultimo biennio entre a Graa-
Brelanha a o Brasil.
Como sppamas ao relatorio, da qae acabamos
de extractar as precedentes noticias, vem ainda :
uns dados estatisticos relativos 4 navegacao io-
gleza com todos" os paizes e valor total de sua ex-
portadlo nestes ltimos dous anuos; a transcrip-
cao de duas leis sobre a instraecio publica a na-
turalisaclo, promulgadas no anno da 1870, para
as quaes o autor do relatorio cqama respeitosa-
mJBUte a acucie do nosso governo; a finalmente
A indieaedes rwivas populaclo, seu movimento e
1 salubridade pobtiea da eidade de Liverpool, qae
figura em elevada proporcio obituaria entre as 13
cidades mais populosas da Gra-Bretaohs
as d elfa teve noticia, autorison-me para entregar
o servico da legaglo ao Sr. Du Courlbial, coasul
Je Franca no Rio de Janeiro, sem esperar a che-
gafli do encarregado de negocios, Sr. de Vorges,
que acha-3e nomead para me substituir, e que
de va chegar no prximo paquete traocez, pouco
i mais ou menos, no da 15 de n .-vernuro. Confio
que V. Rxl-, se dignar admiliir que o Sr. du
ourthial reclame eus boas offleos em favor dos
nossos nacionaes, se para jso ofTerecer-se occa-
siio.
Pretendo partir no da 26 do correte a bordo
do vapor americano. Se o estado do mea espirito
nao me deixar ir pessoalxeote desped r rae de V.
Exc, rogo-lhe se sirva aceitar nesla occasiao, cora
os meus adeuses, a expressao de lodo o uieu reco
nhecmento pelo modo benvolo cora que sempre
tratou-me, e as facilidades que me proporcionen
jias nossas relacors offlciaes.
Aproveilo a opportunidade, Sr. ministro, para
renovar V. Exc. a seguranca de mlnha mu alta
conslderaclo.
A* S^Exe. o Sr. Manoel Francisco Carrea, mi-
nistro dos negocios estrangeiros. -/'. Hocmelle.
Itepartleo da polica
1' secgo.Secretaria da polica de Pernambn-
co, 2 de novembro de 1871.
N.....^-Illm. e Exm. Sr.Levo ao conheci-
mento de V. Exc. que, segundo consta das p.wii
cipaedes recebidas hoje n'esta repartidlo, lorara
recolhidos casa de detencao os seguales indivi-
duos :
No dia 31 de outubro prximo liado, ordem
do subdelegado de Santo Antonio Mara Eufrasia
da Rosa e Josepha Francisca de Salles, por dis-
turbios.
A ordem d < de S. Jos, Antonio Jos Torres,
por disturbio.
No da 1* do correle, a minha ordem, Joao Vi-
ce* te Ferreira, Antonio Loareoco da Silva, Ber-
nardino Jos da Rocba, Vicente Pereira Santiago,
Joe Joaquina de Oliveira, Joao Francisco dos San-
tos e Joao Antonio da Silva, sem parle.
A' ordem do Dr. delega lo d'esta capital Nober-
to Fe*nandasVianna, para averiguaclo em crme
de morte.
A' ordem do subdelegado de S. Jos, Ladislao,
eseravo da Manoel Rodrigues da Silva, para ser
recolhido enfermara, requerimento de sease-
nhor, Jos Paes Akxandre Ramoi, Jos Francisco
Ramos, Joao Manoel de Oliveira Emydio Cesar de
Mello, Antonio Alidio Heurqoes Plinio e Estrs-
quiliano, liberto, per disturbios.
Por offlelo de 23 de outnbro ultimo, communi-
eoa-me o delegado de Santo Antao, que oo dir 15,
do dito mez, no 1 districto de Taboecas, daqnelle
termo Manoel Ribeiro ferira com urna tacada
Joio Amaro, que o respectivo subdelegado acerca
da semelhaote faeto prosegua nos termos da lei.
Qae pelo subdelegado do re trido districto fra
pronunciado Joaquim Moreira como incurso Das
penas do art. 193 do cdigo criminal a despro-
nuneiados Manoel Ricardo dos Santos e Jos de
Barre* incluidos no mesmo processo de Joaquim
H-uB*ra por nao haver materia para a pronuncia
dos raesmos.
Segundo communicnu o Dr. delegado desta ca-
pital por offleics da 30 e 31 do met prximo Ando,
no da 9, no lugar denominado Brejo, do districto'
do Po?p da Panella, d'esta termo, Galdino Jos
Francisca ferira a Jos Pires de Souza, que acerca
de semelhante faeto o respectivo subdelegado est
prncedenda no termos da lei.
No dia 29, no mencionado districto do Poco,
Joio Patricio da Silva, ferio mortalmente a Roj,ue
Jos Machado, praca do corpo de polica o a Clau-
diao Pedro de Argemiro, que com Jos Joaquim
Romao da Silva, e Joio Henriqnes de Parias, tam-
bem pracas do eorpo de polica, feriram grave-
mente ao' referido Joao Patricio da Silva, o que lu-
do leve lugar pela ioqualficavel imprudencia das
mencionadas pracas ; o Dr. delegado apenas sou-
tie de seroelhaote faci dirigio-se ao lugar do con-
flicto, proceden as vistorias e trata de instaurar
o competente proeesso contra os culpados, os
quaes se achara presos.
Deas guarden V. ExcIllm. e Exra- Sr. con-
selbeiro Joii Jos da Oliveira Jooqueira, presi-
dente da provincia.O chele de polica, Hermo-
enes Scrates Tanates de Vasconcellos.
conheceu que um rival Ihe disputava o coraco de
urna moca a quera e aleles amava. Andavam os
dous em constantes altercacoes. A's 10 horas da
manbaide 22 de oulubro o alleres Periquito on-
cooiraod-se com o seu rival, depois de urna aova
altercaco, atirou-lhe urna punhala-la, que feliz-
raenie t rasgou a mauga do paletot do adversario,
por tur intorvindo o Sr. Amaral. rnestre de msica
do lugar. Procurou este dissuadir Periquito do
son proposito, mas vendo que seus eoosetbei nao
eram aceos, dingo-se
quartelrao para preveni
Parnmeirim e lenta ram rouba-lo, par b que.
fijando um de guarda um preto no andar terreo.
os outros peneiraram no ijuarto de cama do ve-
neraodi anciio, e. pondo-lhe os puubaes aos pai-
tos, accordaram-n'o exigmdo-lbe as chaves da se-
cretaria.
N'esse entre quanto, e quando j de posseda al-
raejada chave, o individuo qu* goardava a preto.
desconfiando de seus cogipanh^iros, abaodooao-o.
i do nspcior do f f,i'er c^elK dando assim lagsr qae o pre'-
o iS, otou T-orm, o ^ZP-'"^' S-"0rr0' q" 8eDd 0nVd"
afames larapios determinoa-lhes a faga pre-
la, conduzindo a chave,
grado o ronbo da secreUria.
idalfadaio que era acompanbado por Periquito, na,
que ouv,ndoMa postcao ^i^petJ!^ em Ama-'; JrBo'Sfa^Sri?' ""' tn* """*'
ral urna puohalada no venire, oulra nn costase,
urna ultima no cotacio. PROCLAMAS.Foram lidos no lia !'., na a-
t Perpetrado o crime, o assassiuo resisti com o'r'z ,da ffeguozia de Santo Amonte as proclama
punaal na rala s pessoas que acculiram aoa gri *eguintes :
ios da victima, sendo preciso um acto de louvavel 1-* denunciaQao.'
energa da parte de um negociante do lugar para Thomaz d Aqooo dos Prazeras, viuvo de Auna
prende-lo e desarma-lo. Luiza da "ha, com Maria Francisca do Bom-
A victima expirou nos bracos de sua desolada Pa^';
esposa e vista de seu lihinuo.
A alfandega da corte arieeadou de 1 a io de
oulubro 2,564:785a209 r-.
Eis as noticias eommerciaes da ultima d.: i :
Nao houve coiu/i < offlciaes.
Elfeetuaram-st ir.nsic-s importantes em
cambie sobre Londres a 24 d. papel bancario, 24
1/8 a 24 1/4 d. papel particular. Tambem repas-
sou-se algum papel baucario a 24 1/8 d.
Houve procura de sobaranos : havia compra-
dores a lOi.TjO a dinheiro e vendedores a 104100
para o lim do mez. Megaciou-se urna partida de
ouro li..--: nal a 12 % de premio. ,
As apolices geraes de 6 % venderara-se hoje
a 99 .i, i */ a dioheiro e as do empreitirao nacio-
nal de 1868 a 1:13o* a dinheiro.
As accoes do Braco do Brasil farara negocia-
das a 206* a dinheiro. e 20U ex-dividendo ; as
da Coiupanhia^Ferro Carril Nitheroyense a lz de
premio a dinheiro ; em caulellas da Doca de D.
Pedro II vendeu-se um lote regulara 31 de descon-
t, e ootre pejueno a 5* dito.
O vapor argentino Diamante ficava a sabir
a 28 de outubro, para o Para, cara escalla pe!? Ba-
ha e Pernambuco.
baha.
No dia 31 de outubro, no pago archiepisco-
pal, deva sustentar a these perante S. Exc. Rvma.
o areebispo conde de S. Salvador, afim de obler o
grao de dou;or em direito cannico, Jos Basilio
Pereira ; oo dia 1* de novembro s 11 horas da
raanhaa lendo lugar a collaco do grao, para o
que eslava S. Exc. autorisado pelo Sutnmo Pon-
tfice.
O cambio regulava, sobre Londres 24 1/4 a
24 1/2 d. por 1*000.
A alfandega rendeu de 1 a 28 de outubro...
915:603*250 rs.
Ministerio dos negocios estran-
geiros.
(Trsduccao.)Legaclo de Franca no Brasil.
Rio de Janeiro, em 21 de ontubro da 1871.
Sr. ministro.Urna dasgraca domestica lio ter-
rivel como imprevista ic?ba ds ferr-me. -O Sr. de
ministro (jos negocios slrangiros, ape-
DIARIO DEPEBNAWBUCO
RECIFE, 3 DE NOVEMBRO DE 1871
Notleias do snl do Imperio.
Amanbeceu bonlem no lamario o vapor ameri-
cano Nortk America, trazando jarnaes do Rio de
Janeiro do'25 e 26 e da Baha de 29 do passado.-
Sob a rubrica Parte Qflictal damos todos os actos
do ministerio.
RIO DE JANGRO.
O conseibo da sociedade beueficente -Bous ami-
gos Uoiao do Bomfimresolveo, sob proposta do
presidente da mesma, enviar urna felicitagao ao
governo imperial, pela le de 28 de setembro.
Os membros da eommissao para tal fin sao 03
socios Srs. : Padre Herculano Jos da Costa Brilo,
Dr. Bartholomeu Jos Pereira, Miguel Nunes de
Moraes Osorio, Jos Maria Ferreira, Lucidlo Jos
Candido Pereira do Lago, Antonio Bruno de Oli-
veira e Marcelino Ferreira da Silva Castro.
Tendo apparecido nos ltimos das da sema-
na de 16 a 22 de outubro, alguma difficuldade em
realisar descomas, no dia 23 o thesouro nacional
pagou aotecipadamente, cora descont muito ftvo-
ravel, 880:000* de seus-bilhetes era poder de ura
eslablecimento bancario. >
parece-nos que, se a falla de numerario se ma-
nifestar abertamente, convira ao tbesouro auxiliar
a pra^a por aquello modo nos limites dos seus fun
dos disponiveis.
_ Suicidou-se no da 24 com strlchtnina o por-
taguez Antonio Cavalleiro da Terra ^vila, guarda
livros e morador i ra de S. Beoto d. 41. A au-
tondade respeciiva, que comparecen no logar onde
se achava o cadver, encontrn a seguate carta
do infeliz suicida :
Nao criminara pessoaalguma. Matei-mepar
minbas proprias raaos; e venena foi stricbinioa.
Deas mo qaeira perdoar.Antonio C. T. Avila
A leiira o a firma foram reeonbecilas pelo tio;e
irmao do finado.
Fallecen repentinamente na roa da Alfandega
n. 69, no dia 24 as 10 horas da nonte, vieltma de
ama congestao oulmonar, Thomaz Pereira de Cas-
tro, ha muito* anuos empregado dos Srs. Francisco
de Figueiredo 4 C.
Escrevem de Valenca em data de 23 do pas
sado : *
i Commuaico-lhes que o commendador Dr. Ma-
noel Antonio Fernanles conceden libegdade a Adi
crioulo, filho de sua fallacida escrava Adelaria.
f A respectiva caria foi hoje registrada no es-
critorio do Sr. Jos Francisco de Araujo Silva. >
Do Mar de Haspanha dizem-nos na mesma data:
Hontam (22) o Sr. Isidoro Jos Soares e sul
senbora D. Francisca Thereza da Costa, por occa-
siio de baptisarem nma sua lilha, de qoera fol pa
drloho o Dr. Francisco infante Vieira, malrinha
D. MiaMvIna da Cucha Infante Yieira, deram li-
berdade a ama sua escrava, de nome Antanina,
di 14 mezes de Idade, sem candilo alguma.
Commualeam de S. Jos do Rio Preto :
t Acaba da dar-se aqui um crime horrivel;
pessoa fidedigna conloa m'o aos seguinks termos:
t Juvencio Periquito de Sonsa Rodrigues, alteres
de voluntarios it patria, regresando do Paraguay,
PERNAMBUCO.
3EVISTA D1ABJJL
GYMNASIO PROVINCIAL. Eocerrartm-se
sabba lo as aulas deste esiabeleeimeolo, coui toda
a solemnidade, recitando disenrsos analagos os
Srs. professores D.s. Soares de Astivedo e Sam-
paio, e o Sr. Sarment, e os alumnos Muniz, Al-
fredo Correa, Manoel Correa, Seorel, Capiluluo,
Cordeiro Ndllo,e una bella paeiia o alumno iu-_
temo Emilio Ambrosio.
Dorante todo o acto tocou a banda de msica
dos menores do arsenal de guerra, obsequiosa-
mente prestada pelo digac director desse eitabe-
leciraenlo.
Seguio se a coogre^acao dos leutes, na qual (o
ram approvados os pontos que devem servir pa-
ra os exames dos alumaos, loi designado o da 7
do corrate para comecarera ditos exames, fiean-
do as tarmas de examinadores assim compos-
tas :
Catira Ia cadeira Dr. Sampaio, e paire Cos-
ta Ribeiro; 2* cadeira padre Ignacia dos Saotos
e Dr. Sampaio.
Francez O Sr. Moraes Sarment e Dr. Torres
Bandeira.
Inglez. Dr. Collaco e o Sr. Ferreira da Silva.
Mailieraatica*. Dr. Carneiro Monteiro e o Sr.
Pedro Peixolo.
Lingua Nacional. Drs. Soares da Aseveio e
Torre- Bandeira.
Historia e geographia. Drs. Torres Banleira
e Manoel de Figueiroa.
Desenlio. Os Srs. Siqueira Varejao e Pedro
Peixolo.
Para pronunciar a oracio de sapiencia no an-
no de 1872 foi desigoado o Sr. Dr. Torres Ban-
deira.
LIBERDADE.O Illm. Sr. lenente-coronel Se-
bastiio Antonio do Reg Barros den liberdade
ama sua escravinha, parda, de nome Mara, no
sabbado 28 do crreme. E' mais um acto louva-
vel que recomeada o Sr. tenenle-coronel Reg
Barros estima publica.
DINHEIRO.O vapor americano NorfA Ameri-
ca irouxe para os senhores :
Augusto F. de Oliveira k C. 40:000*000
Jos Rodrigues de Souza 800*000
Esse vapor levou de nossa praQa para a do Pa-
ra 6:900*000.
ADMINISTRACAO DO CORREIO.Por aviso do
ministerio da agricultura, d 14 do passado, foi
nomeado contador do correio da provincia do Ama-
zonas, o Sr. Vicente Thomaz Pires de Figueiredo
Camargo, devendo servir como addido na adni-
nislracao desta provincia.
BONDS.Verara honiem no vapor americano
JVorfA America, 19 burros para a companhia dos
can is de ferro.
FERIMENTO GRAVE.A's o horas da tarde
de 7 de oulubro, na eidade de Nazareth, Jos, es-
eravo de Lourenco de Barros e Vasconcellos, fa-
rio gravemente cora diversos golpes de fouce a
Joaquina de tal, rnulher de Felippd de Santiago
do Nasciraeoto, sendo preso em flagrante. Das
indagac5es que procedeu, verilicou a poltcia
local ter sido o mandante de semelbants alten-
tado am fulano Maciel, cunta lo de L rareuco.
FERIMENTOS.No dia 15 da outubro, no se-
gundo districto do termo de Santo Antio, Manoel
Ribeiro ferio com urna facada a Joio Amaro, pon-
do-se em fuga.
No lugar Brejo, da freguezia do Poco da Pa-
nella, no dia 29 de oulubro, Galdino Jos Fran-
cisco ferio i Jos Pires de Siuza.
PRONUNCIA.Pe subdelegacia de Tabocas,
oo termo de Santo Antao, foi pronunciado Joa-
quim Moreira como incurso as penas do artigo
193 do cdigo criminal.
DESPRONUNCIA -Por essa mesma auioridadc
foram de pronunciados Manoel Ricardo dos San-
tos a Jos da Barros, por nio haver materia nos
autos qae os crimioasse.
GOMPRIMBNTOS.-O Exm. Sr. Dr. Manoel do
Nascimento Machado Portella foi comprimentado,
no dia 30 do passado pelo Exm. Sr. commandante
superior e offlealidade, da guarda nacional do mu-
nicipio do Recite, e na da 31 pelo ExrorSr. com-
mandante das armas, a offlealidade de .linha ds
provincia. ,
TEtffATJ,YA DE ROUBO.-Ante-honiem, 1 de
novembro, De|ag 3 nQras da manbia, tres iucivi-
pelas 3 horas--------_
E5SE 'SS\SfSJS' P.n famosa i
Antonio Joaquina de Barros Sonriobo, mo-
rador na provincia da Bahia, quer e mostrar livre
e desempedido.
Bernardioo de Serna Alves Ferreirs, con Joa-
quina Molina de Paula
Martiohn Rodrigues de Almeida, com Felismiaa
Mana daCraceicio.
2." denuneiaci.
Bernardino Rodrigues da Costa, cora Marta da
Paz Ueha.
Apolinario Luiz de Carvalho, cora Francisca,
Augusta de Oliveira Lobo. .
Manoel do Nascimenio Costa Lima, com Joanna
Francisca de Scuza.
Antonia Leopoldo dos Santos.om Antonia Ma-
ria Tavares.
Guilherme Kelley Hallydiy, eom Amalla Alves
Machado.
Jos Lopes da Silva Cardse, viuvo da-Joanna
Luiza de Franca Miraada, com Mara Amelia Mar-
ques.
Fortunato Jos Thomaz, com Benigna Mara da
Purificacao.
Luiz Francisco Simdes, com Joanna da Mbtti
Andrade.
Aareliano Ehulerio Alvares da Silva, eom Mar 1
Magdalena de Jess.
Jos Xavier Carneiro de Barros Carapeilo, :oni
Olyrapia Carneiro Monteiro.
Agostinho Joao Matheus, eom Maria Tbersza da
Jess, africanos.
Dr. Eduardo Augusto de Oliveira, com Amalia
Colho de Leraos.
Paulino Jos de Oliveira e Silva, conrJosepbia.
Eulalia Paulina dos Santos.
Jos Felippe de Gusralo Uiha, cam Joanna Mi-
rynck gires Nabuco.
3.* denunciacao.
Daniel Sarmeato de Gusmio Guabiraba, ecm
Idalina Je juina de Jess.
.\hn-,il Pereira da Silva, com Emilia Francisca
do Alcntara Muniz.
O Dr. Joaquim Gomes do Oliveira, com Serano
Eulalia db Olnreira.
Marcalino Jos dos Santos, com Laura Carolina
das Oiagas.
O bacbarel Alfredo M miesuma de Oliveira, com
Perciliana Virgulma de Oliveira.
Manoel Joio da Silva, com Silveria Mara da
Assnmpcio.
Pedro Luiz do Espirito-Saolo, com Isabel Man 1
do Espirito-Santo.
Joao Antonio dos Santos Silva, com Bernardina
Emilia Valladares de Pontes.
Hermillo da Silva Ferreira Rabeo, eom Mina
Amelia Monteiro da Franca.
ESTABELECIMENTO DE CARIDADE.Movi-
mento do hospital de Nossa Senhora da Conceiclo
dos Lazaros, do 1 ao u:timo de ontubro de
1871.
Existiam 13 homens e 11 mulheres, entrara m
1 horaem e 1 rnulher, existem actualmente li
homens e 12 mulheres.Total 26.
Advertencia.
Foi visitado o estabelecimento pelo respectivo
medico deste o Illm. Sr. Dr. Tarqnino Silvio V-
las-Boas nos das: 3, 6, 10, I i, 18, 22, 28 e ;:i
do roez iludo.
Existem empregados neste cstabelocimento 8.
a saber: capcllao 1, medico I, regente 1, dita 1, bar-
seiro 1, coziuheiro 1, serventes 2.
Hospicio de Nossa Senhora da Conceicao dos La-
zaros, 31 de ootobro de 1871.
O regente,
Jos Paulino da Silva.
O mordomo do mez,
Thomaz Carneiio da Cunha.
___Movimento do hospicio de alienados na Mi
saricordia de Olinda, do 1 ao ultimo de onjubio
do corrente anno.
Existiam 30 homens a 49 mulheres, entraran)
2 homense 2 mulheres, sabia 1 homem, morrerain
1 homem e 1 rnulher, existem 30 homens e 50
mulheresTotal 80.
Existem 9 empregados neste estabelecimeato, 7
homens e 2 mulheres, sendo: 1 regente, i medico
i capellao, porteiro e sachristaa interino 1; 2 en-
fermeiros, 1 barbeiro, 1 enfermeira e 1 cos-
nheira.
Foi visitado o mesmo estabelecimento pelo res-
pectivo medico o Sr. Dr. Ermiro Cesar Coutnho
nos das : 3, 7, 10, 14,18, 21, 24, 27 e 31, as 7 1/1
horas da manhaa o as 4 da tarde.
Advertencia.
Existem neste esiabeleeimeolo, 80 alienados, 30
horneas e 50 mulheres, 7 que pagam o tratamentc
e 7tt i cusa da caridade.
Hospicio de alienados na Misericordia de Olinda.
31 de outubro de 1871.
O regente,
Luiz do Reg Barros.
O mordomo de mez,
Miguel A. Minello.
CASA DE DETENCAO. Movimento do da !
de novembro.
Existiam presos 344, entraran 21, sahiram 3.
fallecen 1, existem 362 : sendo, nacionaes 257.
mulheres 13, estrangeiros 45, escravos 45, escra-
vas 2.
Alimentados cusa dos cofres pblicos 274.
Baixa a enfermara : Antonio, eseravo de MO
Francisco de Oliveira e Silva.
LOTERIA.-A que se a :ha i venda a 13*
beneficio da Santa Casa da Misericordia do Recife.
a qual corrre no dia 6.
RECTIFICApO.No obtnario do da 29 de
outubro deu-se um engae aura dos bitos; e
em vez de Edelgices Euhoa Augusta da Novaos e
nao como foi publicado Edelgina Calina AngusU
Neves.
LEILAO.Hoje efleetua o agente Martina s il
horas do dia, ura leilio de diversas mobillas de Ja-
caranda, de faia, amarello e mogno, bem como de
am cofre ioglez prova de fogo : ao armazem da
ra do Imperador n. 48.
PASSAGEIROS. Do vapor americano North
America, entrado dos portos do sai :
Alfredo Gomes Netto, Joaquim Finta da Campo?
Manoel Tbeophilo Alves Ribeiro, Manoal Bastos d >
Abren e Lima, Jos da Silva Manta Jnior.
D vapor ascional Parahusa, entrado do Rk
Formbso : _
Manoel Baptita Atilio, Franoisco Gomes Faleio.
Jos Antonio Atves Moreira, Antooio os Sanio
Vital, 3 pracas a 1 reeru.ta. t ...
- Do vapor smerioano North America, sanad.
m
A
.
'i
1 MimiflDO
ir*
"Tf-
\


Diario de Pernambuco Sexta fera 3 d* NoTembro da 18Tl

.
___



n
4
Henry Stroori Moyss af.tebnel, L.. A. Dafenrg,
Vctor Bexerra da Hoeh Mor.
flgeNicTjDIIWH*.
SESSAoWKaBIA, KM 30 DB OUTOBR0
DB 4871.
mi$n.NC!A no roa. sa. cortSBuremo a. r. n-
B1TTI.
Secreter Mo Guitmes.
/to raeio di* danlaroose abarta & seasao,
estando reunidos os Srs. deeembacgadores Silva
Gnimarae, Reis a 8lva a Aaeioh, e 01 Sra. djpu-
ttdoa Mrrwda Ul. Candido Alcofenado, Otiuto
Bastos e Alvaro. 1
Lida. foi approvaua a acta da sessao passadn.
O escr-vio Aiboqo#r^ refistrou o ultimo pro-
testo 71, e o eserlvio Aives d Briu a 27 do do mez,
sob o.138i;
1CC0*B!M ASSIGSADOS.
Embargantes Jos Pereira de Castro Pinto e ou-
troa, embargado Aotonio Ji.iqoim de Vascencel
ellaoles ona & C e outros, appellados
SeoriQM Martios Saldanha & C. ; appellante An-
DiomnciseotVreira de Lfm, appellados. Ma
ran* Francisca de Abren e outro; appellante Leo-
nardo Aotooio do Espirito Saula Porto, appellado
Manoel Joaqnim de Alem.
Joizo eipeti! do commercio : embarcante ap-
pellante rea Aodr de Abre* Porto, embargados
appellados autores os administradores da massa
fallida de Amorira, Fragoio, Santos C. ; juixes
os Srs. Reis e Silva, Accioli, Miranda Leal e Alvaro.
__Poram 4epr<>iadng os embargos, sendo vot j
tencidoo^r. Miranda Leat.
Juico especial do commercio : appellante o ad-
ministrador da massa ftKida de Sebastiio Jos da
Silva, appellado Joaquim Lopes de Almeida, hoje os
seasherdeiroe ; joizes eert'is osSr3. Reis e Silva,
Accwli, Miranda Leal e Candido Aleoforado,Fj-
ram desprezados os embargos.
Os Srs. Mrenla Leal e Olite Bastos nio apre-
se itaram os feitos adiados as sessSes anteriores,
entre panes, appeilantet jos admioistradoaes da
mana fallida de Alexaadreles. Hibeiro, appellado
Aatonio Joaquim Duarte, emhargaote Gispar Ca-
valeanti de /tlbaouerjue UclkYi, embargado a viu-
va e hirdeiros de Joao de S AJbuquerqae.
Appellante J )Io de Aaevedo Pereira, sppeltad
D. Isnb I Baptista da Foaeeea, appeUanti Manoel
Jos Dnarte tiaiajawes, appeliad:s o- curadores
liseaes da f i II enca, de Antonio Jos Martins T.m-
rioho.A liados a padii > dos Srs. deputados.
PASSACM.
Do Sr. desembargadjr ttis e Silva ao Sr. des-
eubirgador Aceioli : embargados appellados os
administradores da massa fallida de Antonio Jos
de Figneiredo, embargado appellante Aotonio Pe
reir de Camino.
Encerrou-se a sessio ama bora menos um
qnari da tarde.
CMARA MUNICIPAL.
SESSAO EXTRAORDINARIA AOS 18 DE OUTU
BR DE 1871.
PRESIDENCIA DO SU. lili. SOUZA LEA.
Pre'enits os Srs. Gameiro, Dr. Pilanga, Angelo
Heariques, Beuto Gusta, Dr. Villas-Boas Costa
Moreira e Dr. Moscoso, hbro -se a sessao, efoi lida
0 approvada a acia da antecedente.
Leu-se o segrate #
t'X.I'EOIKMTB. ,' "
Um oflkio do Ew. vice-presidento da provin
ca, autorizando a cmara mmicipal a despender
mais al a quantia "de 3:0004 pela veifoaE-en
luaescoro a eonclusio das obras da deeoracio de
seu pac/>.-Iuieirada ao procurad ir.
Outro do secretario d;i presidencia, commuoi-
eande ler o Exm. vice-presidente approvaJo pro-
visorianantfi a po-tura addicicnal a que foi aore
tentada a 11 do correte. 1-neirada e que se pu
bliiiuem ambis.
Urna pelicao da companhia da estrada de ferro
do Recite a O.inda e l>beribe, com de*pai-Jn do
Exm. vice-presidente, mandaodu informar, oovida
a comraisso de pet'oes mandou-so infrmar,<|up
nao f.avia inconveniente em se construir o ramal
requerido, urna vez que mi impedisse o livre tran-
sito por onde se prolongar.
Um offlcio do 4* ,-n jplente da sublelegacia de
Saato Autooio, participando ter entrado em exer
cie:u.Inteirada.
Outro i) procurador, remetiendo o balancete da
reeeila edespeza da cmara municipal no mez de
sei^inbro prximo flodo.A' commisso de poli-
ca
Outro do (i-cal da fregqezia de S. Fre Pairo
G malves, cemmuoican8o baver recoihido ao co
fre municipal a iniporianel de urna multa ixpo--
U a J i j 1111 li.iptisla N'ogiii'ira.Ini-irada v
Outro do inesiuo, remetiendo um lermo Ae in-
fraego lavrado contra a cempaobia Recife Drai-
uajre.Ao procurador.
Outro do liseal da freguezia de Nosfa Snhora
As Or.v;i, commuoicandj urna infraccao as postu
as.oninettida pela companhia dos tnlbos urbanos
du !,-.:if: ao ixang Que se tllbie ao presidente
pedindo providencias.
Outro do fiscal da frenuezia dos Afogado?, com-
municndo ter examinado a dara edificada por
Juao Caroeiro Rodrigues Campello, defrooto da
capeili da Torre, a bando que e.- en distancia
te cen palmos da igreja.Ao eogenbeiro.
D.ms pareceres da-conirubsai de petic3ts op-
(Kistos entre si, em vista d< cmara que se informarse ao Exm. vice presiden
le, que nao obstante a bot;ca a que '* refeie o
pecionario Jos Targine Gonoalves F-a'ho e^lar
fn Was eondiijoes e prestar servicos na lo:alilade
tm que se acba estabelecida, todava oio indis
penavel.
Outro da coramissSo de polica, acera da m-
pea da cidade. Approvado e qne se anoun
e. f
Outro da comraisso de peticdjs nos seguintes
termos:
A commis.-5i de. pelii;oes attendendo, que a
p'e.'cripcao de tres-mezes para a cobranza de
rustas nao se re'ere smente aos p-crivaes, mais
rambem ao* advogados e procuradores em geral,
ord I. Io irt. B2 s 18, lrgislaoo que sub-idi i
ra ao cod. do pruc, avi?o da 22 oejulbo de 1835
e aviso de 21 de dezombro de 1863, e que o
promotor pub ico o advogao ia justiQa, e que
< nio i ole estar em melbor cohdicao do que os
iiemais advogados na c> trapos de cusas de
parecer por isso, que seja indilarida a replica du
)r. i ao Tnoib de Silva.
a Recife. 16 de outubro de 1871.Angelo II n
riqaes da Silva e Dr. Silvio Tarqumio Villas-
boas.A^pruvado.
Dous da rJunimissao dj sJilkagio Uibcn uo>
seguintes termos:
Peimeiro :
A commisso de edirl^ago enlendeu-se com
Andr de Abivu Porto, acerca da desapropria
Qao do lerreoo da ra da Restauracao de que
Franclrfto Marois da Sira, Pranolsco Perreira,
Felip^Je Saoiao, loaqnim ftarboea e Oli'eira,
Artes da Silva OutrarSes, Joafta Francisco
da Albojuerque Santiago, Julio Pires Fen
^btonio da Cruz Pires, Jos a
Joi/j Joaqaim da Costa Lette. los Correa doBrito,
Joi Rodrigues de Sania Gru, lusliniano Ante nio
Alves Soaree, Joo Nepomuceno Aseioli, Looreiro
& SimSes, Manoel Tavares da Costa Ribeiro, Ma
noel Jos Santos, D. Mara Emilia da Cnnha Htly
diy, Manoel fiama, Manoel {cidro de Miranda, Ma
nael Igcncia A villa, Manoel los de Oliveira Lima,
Mauoel Miomaz de Lima, Nazareih & Pires, or-
bsrto Paulino Francisco das Chafas, Osear Desli-
beanx, Raymundo Maximiano de Santiago, e Silva
& Loger, e levanlou-se a sessao.
Eu L turenco Bezerra Carneiro da Cunha, se-
creurio, mbscrevi.
Inacte Joaquim ie Soma Lean, pro presidente.
ose Maa Freir Gameiro.Dr. Prxedes Gomes
ie Seuza Pifando. Angelo Henrfques du Stic*.
Dr. St'to/o Tarnnio VUlas-Bas. Dr. Pedro V
Atkagde Lobo Shscoto.
nio toftfngisse o devid) castigo; o cato ueu se
assim :
flavendo anortado aquella ilba um dos vapores,
da compaobja Permambucana eo^^^Hpccas
com farinba de mandioca, e nio havet j^aa ec-
cmJo lagar era que fosse ella di
nei com o Irte Sr. Trajano para
Pan os portoa do interior.
5 >ouj Amigos, para Maeio, cer-
^rreira Pinto de Mjraes \ pipa cora
tros de agnardente, 6 barricas , iqneiras com H litros de te-
coaabi- ^ra.
Na bareaca Duas Intuas, para "Tilia da Pe
I Flor d. Jariim,
Martin de Barros
di
PUBLICACOES A PEDIDO.
elle foreiro a cmara de Oiin.la, e que deve f^z-r
tl de Oliveira, e depois de
con.-eguio limitar o valur
liarte da praea de Vi
alguma cuasideraroe
do terreno a 2:O0. __
Eotende a commisso que sendo o terretto.en
i umpamo coraintirci.il mi u importante e e-lan-
do o possuiiar a muitos aant>s sam usi-fru;
e valor rasoavel, e que se qa.ve desapropiar,
entanio a cmara resolver o que eutender?
Paco da cmara muiik'ip*! do Recife, 2*i de
setembro de 1871.Dr. l'rxedes Gomes de Sun
za Piuoga.PrejudiCdo.
Segundo:
Nio poss deixar % divergir do parece?-d<
Dr. Pitaoga que opina para se dar SiSOOj pela
t desapropriac.ua de 23 palmos de terreuo a ra
da He-tauracao que em fevereiro do correte
< anoo, Andr de Atinm Porto, comprou a posse a
diversos que>ran( foreiros a cmara de Olindi,
pela quantia de 300; porquanto q logar em que
* esl situado o mesmo lerreoo, nao nrf.eve em to
curto lapo de lempo, novas coodicJs que fl-
* zessem adquirir lio subido preco, que importa
< em mais de oito vezes do valor porque foi cora-
prado, e bem amm ana send i ames da compra
esse Ierren > marcad o na planta da cidade para
* facer parte de urna praca, considerado coko
i logradouro publico-, razio ssaque lalvez pesan
do no animo dos vendedore-,o r(*olveu a vencer
< a posta qu1 Uato pela supra dita quantia, no
fntroiaati mej)arece quettBOOj, mais qoe
suBciente para >alemoiiacan do referiJo in-lr
* de Abato Porlc, quando Or desapropria do o
falla o terreno.
Paco4 arpara mom.-ipal Jo-Racife, i de u
tubr.de 4871 -rJosMiruFrare Gtraeirp.-Ap
provado, a ao procarador para entrir am aius-
* te. o
Urna propnsta do Sr.jdhi.'nte da cmara para
qne se pourn < da Uwra da
Boa-Vi-la oara -ervTOnTT'rilfc-. ,Pn(}0 0.arre-
mataute obriaad a coliocar grataaie ferro.Ap-
provados que te anoQucie.
Despafbarm-ST as p-tig de .' \)Ti>q
Porto, AjIoo Outus Mulius, AntinioBunr
lenllm, Boavenlura J "andido J-; de
lTeir, Francisca Daaria, Rirelra 4 Loureiro,
Qnesto jurdica.
IV
Agora ,ae, as disposiefis de leis e decretos
do goveroo, temos visto assignalados os motivos
que determinaram o legislador a tomar urna serie
de medidas preventivas, imbuido na mxima que
legislar previuir, no conceito de um noiavel es-
tadista francez, Mr. Eraest Picard ; agora qne esta
mis de posse do espirite que levou o legislador a
impedir que as accei autos de eerlas cautelas
se loroassem commercialmente negociaveis, isla ,
por via do endosso, que 6 a fon- des-a expressio,
impondo penas aos que intsrviessem em laes tran-
sosles, antes qus as sociedades estivessem cons-
tituidas na forma das leis, e mesmo depii? de
constituidas, antes de realisado p quarto das res
pectivas acedes, caarctando a plena e Inteira li-
Berdade (los centrados e da traosmissao da pro-
priedade, alen de outras providencias que ji del-.
xamos esbocadas, no intuito de salvaguardar
o iaterese dos accionistas e dos tereeiros, e com o
tim de impedir a agiotagem que mata o espirito
de assoeacao, estragando o crdito geral em pre
jaizo da fortuna publica, vamos com esta luz es
treitar a iuterpreacio a que se presta a disposi-
gao da le e dos decretos citados.
O legislador estabeleeeu como essencial para tor
nar negociaveis as acedes a constituido da socie-
dale e declarou o modo porque ellas se eoo'ti
tuiam.
As sociedades fleam const'tnidas com a sali-fa-
cao das prescripcS referidas, depois do exame
do conseho de estado, sem que novo acto dogo-
verno seja necessario alm do de autori jaca o e ap-
provaoao de seus estatutos, que tem lugar indo-
pendente de prova da realisacao do quarto do ea-
iUl, smenle obtidd pelas respectivas chamadas
das snbscnpooes
Resulta Jes-e mod) e grao de conslituicie, que
as sociedades assim constituidas podem princi-
piar a fuoccionar, sem que esteja realisado o api-
lal aofflcienle para off^reaer as garantas de segu
ranea ao publico e accionistas.
Para que, pois, a providencia fosss effltaz era in
dispensavel a prohiioo da negociacio di acc8*s
nao s antes da consiituica da sociedade, eorao
mesmo depois de constituida, antes que tivesse
realisado o quarto das suas acedes ou do capital
que por ella devera ser realisado.
Se as vistas do legislador garantir que a em-
preza seria, tem um m mliovel para que
o publico tenha nella suBlciente cooGanca, nio
preciso mais do que a realisaco de deter-
minado capital depois da coautura, para per-
mittir que d'ahi em diante sejam suas a coss oe-
g ciaveis, podendo qoalquercoupra-lag 9em o ris-
co de ser victima de e.peculago torpe.
Reaiisado o capital determinado pela lei de qoe
liseal o goveroo e seus agentes, qne vigam pe >
publico sem mcios para isso, dida a garanta do-
sejavel, toraando-se negociaseis as acedes, a que
vern, o que provine, a que medida-de uniera publi-
ca corresponde a ex'geicia de se mostrar tamhom
reahsalo o quarto do cantal de cada accao que se
tratar depois de negoajir, o que necessariaments'
ti -n a crgo da li-calisagao individual em ceda
irao-aecaj e j nao do governo ou de seus agen-
tes T
Uae razio de ser escuda a medida ? Mi a ve-
mos. Antes, alm de intil, subierfugiosa
porque eolio j nio o quarto do valor das
acues ou do capital que se exige, poim mais
do que islo, visto- como o quaru de cada ama ac-
cao, alm do quarto do capital reaiisado, j ni)
simplesmeate o quarto da totalidade. E como lu-
d medida restrictiva com sanreio penal responde
urna exigencia de ordem publica, cabe tos nos-
sos contradictores demonstra-la.
Queremos ir adiants dessa deroon^tracio.
Poder se ba dizor que a exigencia tem por Um
impedir a substituto no momento da erise, no
instante em que se presentir o desaure, dos subs-
criptores reaes por borneas de pal haque liber-
tarem aquelles da responsabilidade pelo restante
da subscripto.
Poder-se-ha dizer que o gerente encontra na fa
cudale de negociac) de cada aeco sem re^'tri-
gao, um recurso para seus plano?, introduzindo
elemento de fraude na classe dos accionistas pata
prtjuiica-los por rao de melidas. s a elle ge-
rente convenientes, e dependentes dis dehfceraoes
da jserub'a geral.
Eis a que ^e rednzem oj argumentos adlu-
zidos em favor da interpretarlo que corabate-
mos.
A espera que a discussao nos opponba outras
razdes demonstraremos no seguate artigo a ira-
procedencia desias.
Nao estou dispostn a nerder raen tempo com os
calumniadores do Liberal, e coro o seu infor-
mante. Qerem palha, outros que Iba. deera; nio
tiro proveilo em c ntestar dbticias escriptas depois
do jantar, nem com gente qne tem mintiio a
tudo.
Cnmpre entretanto dizer que o amanuense de
instituto agrcola, tendo abandonado o lugar nada
mais tinbaque ver com negocios d) mesma insti
tuto, e nao fenio elle responsavel por eousa algu-
ma, ni) era obngado a fazer o inventara dos
movis; a directora quando deixou de reutiir se,
que o mandasse fazer ou o exigisso de eropregadoj
i cuja guarda estavarx.
Nio tendo o porteiro.por falta de pagamento de
vencimentos, se oceupado mais de negocios do
instituti, fiearam os movis a cargo do lal guarda,
ju empregado das obras publicas, al que a sala
era que estavam recolhidos foi oceupada pela di-
rec'oria das mesmas obras publicas.
Eolio f Tam tirados os movis, que coasta
existirem, e nio estarem estraviados como quer
fazer crer O Liberal.
E a prova de .ana existaia o dizer o Ubiral
queha mezi- enj*.esj:riptorios de alvorjsdos, bao
devendo ellas irem all parar senao para serem
guardada*." A direetorh que as arreradJ. .
Quanto >o fancetonario provincial qoo, por en-
gao, troou trastes da repartirlo fleando em si-
lepcio ; avanza o Liberal maisoma torpe calum-
nia. Apenas o funecionrio den pela troca dos
movis, fx o seo dever mandando-es recolher,
a isto de acto proprio e sem advertencia de pes-
soa. alguma, e ao publico explicon o fado, eonve
nieniemerite, pondo a roostra a insidia e cvnismo
com que procedern) em reltcao i elle;(foccio-
nario).
Se, porm, gosto do Liberal, por mi vontade
tMmoiar ao adver-ario, que o faca ; diga de.le
tudo qaanlo quizer.
30 do outubro de 1871.
/aius.
bareaase aarwcolhida oo ataolarreu; a no m Rha, carratoarprancisc)
guinte da as (5 horas da manM qvaodo ma ach? 73 fc,|0s da usucar.
va em acto de arrumacao no referido almoxari- __n
fado am de alKlr espaco para acoeanodacia de oairefoi
ti) grinde numero de saetas, apresaatoa-se o Sr. < 5 |jf0!
capillo Trajano ecm algwas aatteneiados eoaaaV; HW|
zindo laeaa* ; a como teda alo rtonvassa aaaar ^^
tiara tal reeebiraeoto, obste! asa ntrala, ao toe
nsistiadoo referido eapftao Trajino, tranaM-aos
de razdes succedendo aaverem imparrdes de par-
ta a parto, que ensarna por Intervlreax pessoas
qae asi acbavaa, vindo poneo depbis ses-
mo Sr. Trajino dar-me orna uusfj^io vlto ter
sida ella o iggnaaaor a mais nada boom.
Finalizo pedmdo ao Sr. seniioella do goveroo,
que ajuaado narrar fae'.os da que se quizer oceu-
par, seja mais cordata, na sa deicaaso lavar por
falsos inTormaotes para laucar a esmo proposi-
edas swnelhaBte* a Recife, S de oovembro da 1871.
O capillo Manoel Claudino de Oliveirtt eCruz.
Guares f saeeo com
para Piraagi,
1 barril eoin
vinagre.
RA dk rendas internas
ES DE PaRNAMBJCO.
do dia 2 t:04560
MO
SHB5H
VhVENTO
DO PORTO.
A#> allsao eorpo eleltoral 4o t.
dlirirleio.
O da 26 de novembro o designado para ter
logrr a eleicio de deputados pravaeiaes.
Aspirando um lugar na representado provia-
cial, apresenlo-me ao digno a dlalnctoe.irpq.elei-
toral do segundo diatricto, pedmdo o. seu valioso
apeio.
Se nio tenho ttulos que justtiquem orna ta
pretencio e possam ao mesmo tempo autorjsir
urna declsao q.ue Ihe seja favonvt, sobram-rat-
desejos de bem servir a ranha provincia.
Bem entendida economa dos dmbeiros pblicos,
todo incremento po3svel aos melboramentos rao-
raes e materiaes da provincia, eis os objectos dos
meus mais especiaos cuidados.
E' assim que pretendo proceder, se merecer a
subida honra de ser eleito, sem jamis es mecer
os principios polticos do grande partido conserva-
dor, i que roe-ofano de pertencer.
Se julgardes qoe isto suficiente, que estou de
accordo com as vossas ideas ; se enteuderdes em
vossa sabedoria que nio desarrasoada a minba
pretenjio, sendo, como son, humilde e nbscuro
advogado de aldeia, amparai e protegei a minha
candidatura, elegenlo-me deputado provincial
pelo segundo districto.
E desde ji me onfesso eternamente agradecido,
pondo i vossa dsposicla meu iasigaicapte a te-
nue presumo. '
Cidade de Nazareih, 30 de outubro de 1871.
Vosso patricio e correligionario,
Manoel de Mactdo.
Nados entrados no dia 2.
Rio Fortoaoo horas, vapor uacioaal Parakyba,
de 10% toneladas, commandaote Oliveira, equi-
pagem 14, em lastro ; a companhia Pernambu-
cana.
Rio da Janeiro 6 das, vapor americano North
America, de 2,500 toneladas, commanJante Slo-
cum, e^uipafem 77, carga drfbreBte gneros;
a Henry Foister & G. Seguio para New-York
e portoa inlertaedMa.
Observacao.
Mo houve sabidas.
do enripio em mi do poileiro do julio, cojos
movis vio a nxac porexecueio que move Ma-
noel Goelho Pjjaheiro contra Leonel da Laeerda
Machado ; os licitantes eomparafam no dia, hora
a logar cima dito. Os movis sao de ajusto de
boa qnalidade. _________
AVISOS MARTIMOS.
EOITAES.
Declaracao
O abaixo asignado, com loja de calcado a ra
da Imperatriz n. 10, declara que o aanunci) inse
rid no Diario de boje, en .';o se pede ao Sr.
administrador do correio obre negocio da corros
ponrrepcia. para seguir pela estrada da Ierro nos
das santificados, que dito aonuncio nao foi por
elle botaao esira por ootra pessoa de igual norae,
islo faz para tirar duvidas.
Becife, 2 denovemhro de 1871.
Aatonio Rodrigues Pinto.
Srs. redactores.Leudo boje o sen jornal nella
d^parei eom urna correspondencia dosetioella
11 goveroo-(im negocios de Fernand.) o qual
dizr-odo em uui ii.n saos arlgos que o ex-sargento
le.condemnados Q lirioo J laquim Maleira, deixa-
ra dito fugir de sargento desgostoso pelo mau
trato e grosseria^queilDo prTjdigalisaa o capito
Trajino, e receiosode que Ih- quizesse elle mellar
os ps canao fez ao capiiio Oliveira e Cruz. 00 al-
nvixanfado ; se vendo protestar coniraaaawibin-
ie falfidade, na parte que ma- diz reajIeiiVv
aera o Sr. 'eajjito Trajano sena' lio ao'^z que
X. 420.- A GRANDE FALTA MEDICA SPPRI
Da. Pergnnta-se a qualquer um medico, qnal
tem sido o grande Desidertum durante seeulos
na pratica physiea ? Elle vos responder, purga-
rlo sem dores nem nauseas, sem constipaeio aub-
sequente; sem detrimento das forras do doenta.
Informai vos de qualquer um wdivida>que jimas
fez uso das Pilulas Assucaradis de Brisiol, se el-
las nio preenchera exactamento Jilos as De lo
das as multidoes que as teem tomado, nio baveri
um s que diga nao. O sea effelto soore o Ogado
tio salutar quanto o de admiravel. Nos eams
de febres e sezds, febres biliosas e ialermilteates,
ellas prodozem em breve temp> urna muaoca lio
benfica, que s aquellos que o experimentaran)
o podem verdaderamente aealisar. Nmham que
seja, teem nec-ssi-iaie-de palecer por multa lem-
po de molestias do estomago, flgado 00 dos intes-
tinos, urna vez que teoham a mi) este soberano
remedio.
As plalas vio metlidas dentro de vidriohos, e
por isso xooservam-sa perfeitas em todos os cli
mas. En todos os caso9 aggravados ou proveoien-
les de impureza da roas-a do saogue, a Salsapar-
rilha de Bristol deve de ser mala juntamente com
as pillas.
Fdculdade de Direito
De ordam do Exm. Stv Visconde, dirsetor, faco
putilico que a ueripqao para os exames de lio-
guas no prximo mea de novembro se abrir no
dia 3 do maamo mez e continuara at o dia 15,
O que se pretender taacaavefiMleveri faze-looa
secretaria desta facaldada por meio de requer-
ment ao Exm. Sr. director eom deelaracarr- da
malariam que se lem de inserever, e attestado de
director do eollegio ou proessor que o houver
ensiuado, certificando a ana habilitadlo ; a letra e
assigo'tura do roqaeraaeoto devem ser do po-
prio puaho do examinaado, lado de conformidade
com os artigos 1* e t das insiraccdes que baixa-
ram eom o decreto 0.4,430 de 30 de outubro de
1869
Secretaria da FacaWale de Direito do Recife,
24 de outubro do 1871.
O secretario,
Jas Honorio B.-ae Menez/s.
COMMERCIO.
I
IMPERIAL
Companhia de seguros contra
fogo.
AOE.VTBS
S. P. JOHHSTON & C; *
Ba da Henzala-nova a. 41,
ISegnros conlra-fogo
C^PANHIA
NORTHERN.
Capital........aO.fXXhOfJOOO
"undo da reserva .... 8,000:000*000
Agentes,
JJi'ii Lathan & C.
THE ALLIANCE BRITISH. & FOREIGN.
Life and Fire Assurance Company estabeiecidi
im 1824. Capital 5,000,000
Os agentas desta companhia tomara seguros
contra fogo sobre predios, gneros e faxendas t
lagam aqui prejnizos devidameute provados.
litabe Scbmetiau & C
Corpo Santo o, 15.
SEGURO CONTRA FOGO
TtiB Liverpool & Loadon & Glob
Iosnrance Company.
Agentes :
Saonders Brotbers 4 C.
IICorpo Sap-to II
"PRACA DO RECIPE i DE SOVEMBRO
DE 1871.
AS 3 Ui BOBAS DA. 7ABD.
Colares officiaes.
Cambio sobre Londres 90 div 4 3i d. e do
Inri jo 24 1|2 por U000.
i. G. Stepple,
Prasideuta.
P. J. Pinto,
Secretario.
ALFANDEGA
ftenditnento do da 2 .
00:3391325
Hovlmeato da alfadega.
7olumes entrados cera (azendas
com .gneros 185
18o
Volurnes
>
sabidos com
> com
razendas
gneros
110
86
19o
Descarregam hoje 3 de novembro.
Qiale 'americaao-^arraf Breusier farinha de
trigo.
Escuna araefli^na^Bfa May vario) gneros.
Lugar ingiezSeiwell Jame crvo.
Patacho norte-aueraaoDeimardem.
Barca inglezaConfancbacalhao.
Barca norte-allemio-Afiiiviiu Demgel raadeifa
Patacho nacional -JabiaiRn varios gneros.
PatacooamericanoS,T. Barker vanos gneros.
Patachojnglez-Bertha mercadorias.

Despachos de exportando no dia 31 de
outubro.
Para os portos do exterior.
No vapor ingJez OUndi, para Liverpool, car-
regara m *SirBpson Broad*rs AC. 132 sancas com
10,033 Ifc.kdus de algodio; P. M. Maury 500
sac;as dora 33.182 dito? de dito ; E. A. Borle*
C. 3il sacefc com .993 ditos rje dito; Saunders
Brothers A C. 218 saccas com ?l,996 ditos de dito
Na barca ingl-za JyneMde, para Liverpool,
earregaram : Milis Lvhau A C. 1,448 saccas cpm
WJ,20o kilos de algudio.
5o bngue ioglez Wogdeville, para o Canal,
earregaram: Juhuslon pater A C. 1200.saccos com
90X1 kilos do av-ucar roas-avado.
No patacho ingles Bary, ptraLiv rpool, car
regaram : Saunders Broth-rs A :. 2,800 saceos
com 193,000 kilo* le assacar maseayado ; Carva
Libo Nogneira 234 ditos com 19,030 kilos de dito
mascavado. f
Na birca pdrtngueza Mana Luia, P*
(Lisboa, carraoram : B. R, Rabello & 6. 1
, B. R. Rabello
atrevesse a roe metter ps ps, o nem eu Dorara I saceos com 112,300 kilos de assueiT raaseavad e
lio desmedida affroQU em que. de promptioell? ditos eom 1,563 kilos de farmh de nundioea
F.ou'dde4e direito
De ordem do Bxm. Sr. director fae,o publico que
em sasso de hoja rsolveu a (Urna, congregaba
qae os actos eomecem ?egunda-.f-ira 6 do corren-
le as 9 horas da maahia pelo novo decreto n. 4806
de 22 de outubro do correte anno, abaixo trans-
cripto, ser vi nio para a prova escripia os pontos
dados e sendo as turmas de 15 no o 2 anuo, 16
no 4* e 20 no 3* 13
Para examinar oo 3 anno foi designado o Dr.
Joio Thom da Silva, qne examinar lambem n >
1* auno, sendo o Dr. Antonio Coelho. Rodrigues
desigoado para o 5?.anno, o Dr. 'Jos Antonio de
Figueiredo para q. j* anno. em vez do Dr. Joo
Thom anterioravpe desigoado.
Saeretaria da faculdade de direilo do Recife 2
de novembro do 1871. '"
O secretario.
Jos Honorio R. de Mepezes.
Iilin. Sr. inspector da ibesourarw provin
cial em curaprimento da ordem do Exm. Sr. vi-
ce-presidente da provincia da 17 de agosto pro
ximo linio manda tazer publico que mesma tbe-
sourana vende 500 apolices da divida provincial
uo valor de 100* cada urna, veocendo o juro, de
8 0|0 ao auno pagos por semestre na segunda
quiozena dos mezas de julhi e Janeiro, e daven lo
ser resgattdas na quiozena deste ultimo mee, ob-
servaodo-se a numeraco seguida e iant;s quaa-
ias permitt'rem os crditos votados annUalmente
precedendo annuncios. Os pretndanles compa-
recam na mesma thesouraria no pra:o da 30 diss,
a contar da data deste E para constar se man
dou publicar o presente pelo jornal.
Secretaria da thesouraria proviucial de Pernam
buco 5 de outubro de 1871.
Conforme.Servio io de official- maior,
LanoVIino de Luna Freir.
Cjcll.0 de compras de ma-
ruOu.
O conseibo no dia 6 de novembro prximo vio-
doaro avista de prcpostas reeebidas at as 11 ho-
ras da manhia, promove a compra sob as eondi-
edas do ostylo, dos objectos do material da armada
seguintes :
1,000 sgulbas de lona, 500 agnlhas da brim
230 aldrabas de metal, 2 ancoras de 12 a 16 qura-
tae?, 8 varees de ac quadrado de 1|2 polegtda,
10 baldeadeiras de folha, 120 camisolas de brim,
0 cantoneiras de ferro de 3 1|1 a 3 S|4 potefadas
eom 16 ps de comprmanlo, 60 bracas de correte
de ferro de 3|4 de polegada, 100 dedaes de repu-
cbo, 13 arrobas de estopa da trra, 40 fronhas de
brim, 50 vardes de ferro ingiez de 3|8 de grossn-
ra, 3 leacea de ferro ingle de 1|2 polegada de
grossura e 2 1(2 ps de largo, 1 len^al de ferro de
4|8 de grossura eom 12 palmos de eomprimento e
8 da largo, i lenr-ol de ferro de 3)8 de grossura
eom 12 palmos da eomprimento e 8 de largo, 20
pegas de lona estreita, 10 pecas de lona larga, 120
lencoes de brim, 30 arrobas de oleo de itnbaca,
1 resma de papel bllanos, 10 pranchdes de ama -
relio, sicopira, peroba ou sapueaia de 30 a 35 ps
de eomprimento, 10 a 12 de largo e 3 a 5 da gros
sura, 2 pios para guindaste de 80 palmos de eora-
primenio e 8 a 10 polegadas em face, 40 arrobas
de pregjs de farro, de costado, de 4, 5,6 a 7 po-
legadas, 50 grosas de peona de ac, 10 arrobas de
pregos de zineo para forro, 2 arrobas de prego
francezes de 1, 2 e 3 polegadas, 5 qointaes da re-
hiles de 5|8 de dimetro e 1 1|2 polegada de eom-
primento, 30 raaios de sola da trra, 6 dozias de
taboas de costadinbo de po-earga de 2 polegadas,
4 duzias de taboas de pao-carga de 3 polegadas
para assoalbo, 6 duzias de taboas de pao-carga de
1 polegada, 6 duzias da taboas de po-earga de
3,4 de polegada, 40 toalas da brim, 40 arrobas de
nota verde era lalas, 1 torno pequeo de 6 polega-
das para bancada, 20 travs de 45 a 50 palmos
de eomprimento e 8 a 10 polegadas de face, e 4
barris de verniz de coltar.
Tambera o conselho no mencionado dia 5 de no-
vembro prximo viudouro, de igu il forma, contra-
ta por lempo de ires tnezes o fernecimento de ce
ment para as obras do porto.
Sala das sessdes do conselho de compras de ma
nnha de Pernambuco 28 de outubro de 1871.
O secretario,
__________Alexandre Rodrigues dos Anjo.
Adaiinislrafo dos correios de Pernambuco
3 de oovembro de 1871.
Hala' para a Baha sement.
A correspondencia que lera de ser expedida hoje
(3) pelo vapor de guerra Recife, para o porto
cima mencionado, ser recebida pela maneira
segu inte :
Macos de joroaes, impressos de qualquer natu I
reza e cartas a registrar at 3 horas da tarder
cartas ordinarias at 4 horas.
O administrador,
Alfonso do Reg Barros._____
Barca Clementina.
Segu eom a mior brevidade para o Porto eete
navio por ter j ana maior parta da carga prorop-
ta : para o resto a passageiroa traia-se com oa
coaaifnatario Thomaz da-Attlno Fonseca k C
SuOaasores, na-fta dofigario B.J9.
A escuna portngueza Aguia, eapiio Pedro An-
gosto da Fonseca, acha-se proposia para o porto
cima ; para earga trata-se aaa E. R. Rabello 4
d, ra do Commereio n. 18.
BAHA
Sagua oestes prximos das para o Judiando
porto o patacho nacional Cauilhas: quera do mes-
mo qnizer carregar poder tratar con o sea con-
signatario ra do Vigario n. 14, escripiorio de
los Lopea Darlo.____________^^^^
COHIPAKHIA
DE
Navegapao Brasileira
At o da 8 de novembro, espe-
rado dos portos do su I o va-
E)r Presidente, oramandante
arcia, o qual depois da dae-
ra do costume seguir para os
portos do norte.
Desde ji reeebam-se passageiros e engaja-se a
earga que o vapor poder conduzir, a qual devora
ser embarcada no ola de sua cbagada, etcoro-
nendas e dinheiro a frete at ao mi io dia de ana
sahida.
Nio se receeem como encomraendas' sanio ob-
jectos de pequeo valor, e que nao excedan) a S
arrobas do peso ou oito palmos cbicos de med
cao. Tudo qne passar oestes limites dever aat
embarcado como carga.
Previoe-se aos Srs. passageiros que suas passa-
gens s se reeebem na agencia, ruado Coa-
mercio n. 8.
---------
O inspector da alfandega taz puDuco, que
xta leia 3 de novembro prximo viudouro, ide-
as uojraeio dia, porta da mesma repartirio,
serio vendidas em hasta publica, t*re de nirrHe
ao arremtete. 120 cestas de vime em ooras, no
'valor total de 2O0, a sabsr : 80 kilogranrnas ds
castas para compra no valor de 40|, a 500 rs. o
kllogrammo, e 40 ditas pequeas para costura, no
valor de 160*, a4 o kilograromo, as quaes vie-
ram do. Pon oa barca poriugueza Social, entrada
em 18 de julho ultimo.
Alfandega de Pernambuco. 30 de outubro de
1871.
Emilio Xavier Sonreir de Mello.
S.*xc. o Sr. presidente da provincia manda
fazer publico que achando se autorisado pela r-
soluQio|n. 1757, de 31 de agosto ultimo a contra-
lar curo Jos Mara Bornes, Francisco Gano Gu kc
e loaqnim Coelbo Fragoso, ou eom outras qoe
mais vaota'gens cfferecara, ou mesmo com qual-
quer companhia organisada; dentro ou fora do
imperio, o esiabelecimento da ama via farrea pa-
ra transpone de passageiros e cargas entre a ci-
dade da Parnahyba e a margem do lguaras< em
frente Anuiracao, convida a todas as pes-oas
que se quizerera propor a referida empreza a
presentar suas pro postas den t re do praso da 4
mezas, sobre as seguales bases :
1.' A' estrada de ferro ser c instruida pelo sys
tema lairlie ou outro qualquer de pequea lar-
gura (oarrovrr guagel.
2- Partir da cilaae da Parnahyba, e segralo
ao nordeste, passar pelo lagar denominado Tes-
ta Branca, indo terminar na margem dojio Igua
rass em frente povoagio da Amarracao.
3.* Os trabalhos desta estrada deverao eomecar
dentro do praso de dous auoos, a Contar da dau
em que for assignado o contraeto, entre os ero-
prez^rios e o governo da proviucis, e terratnarao
ura anno depois sob pena de pagarcm as mul-
tas que estabeleserem no contrato. #
4. A empreza se obrigar. a transportar gra-
tuitamente as malas do governo. O prego das
passagens a freies ser previamente regulado en
tre a empreza e o governo da provincia.
5.a O governo garantir a empreza, oa compa-
nhia um privilegio exclusivo, pelo espac,.) de 30
annos para que outrera nio,possa construir ca-
rainhos de farro na direccio deste, e outro sim,
ser a mesma empreza preferida a outra qual-
quer, em igualdde de circumsiancias e vaoia-
gens para txtencio desta linha, cu consirucgio
de outra, qne se julgar canvenienTe estahelecer
da cidade da Parnahyba para o.ul ou lutenot da
provincia.
6.a Tambera garantir o geverno os juros de
tre* por cento ao aupo al o capital da irsenlos
contos de ris pelo espaeo do 30 annos.
7.a Esta-garaulia de juros cessar mesmo an
tes de 30 annos, desde que a ajnpreza auferir ou
dar un dividendo de oito porglo, pelo menos.
Fiado o araso de 30 anno?. a primeira bypo-
these oo cessada a garanta d%*ju>as na segunda,
poder o governo fazer novo/onlrato com a im
prasa sob as mesmas condigoea.
"awO giverno tambera garantir o direito de
desapropriacio, na forma das leis dos terrenos
da dominio particular, que forerajweessarios pa
ra o leito^a estrada, ellandas, aijaaazeas e obras
adjactntes. #
9." 0 governo se obrigar a impetrar do gover-
no geral a iseocao los diretos da imp rtagao,
tanto dus trilhos, machinas, carros, instrumentos
a mais obiectos destinados estrada, como por 10
annos, do earvao que se consumir as locombti-
{overno da provincia do Piaul v,
871.
O s'cretaHP,
Atbahyde Lobo* Hoscoso Jnior.
Baha.
Para e porto cima segu com a maior brevi
dade po-sivel, o palhabole nacional Ganbaidi, ea-
piio Coso lio Jos Viaonflppor estar com parle
da carga eogajada, para o resto trata-se com
Tasso Irmios A C, ra do Amorim o. 37.
Do Ro de Janeiro espnrado at o dia 3 de
novembro o vapor naciooal Diamante o qual de-
pois de alguns das de demora seguir para o Pa-
ra. Recebe-se earga e passageiros, a tratar eom
os agentes Henry, Forsier A C. ra do Coraraer-
cio n. 8.
Correio geral
RelaQo des objectos registrados exis'.entes
na admiaislracjio do correio desta pro-
vincia, para as pessoas abaixo mencio-
Dfdas.
Anselmo A. Rodrigues de Azevedo (2), Antonio
Augusto da Costa Laeerda, Antonio Joaqaim Fer-
reira Monteiro, Aotonio Jos de Souza e Silva,
Antonio Jo- de Araujo Braga, Bemjarain A. Per-
reir Braodio, Cathirina dos Santos Coelbo, Car-
los Tlurnaz de Almeida, Feliciano Eleutarb do
Horizonte Brasileiro, Feliciano Rodrigues Pereira,
Higioa Mara do Espirito Santo, Joaquim Ferreira
da Silva, Juaquim Jos dos Santos Araujo, Joa-
quim Lopes Bastos, Jos Leandro do Souto, Jos
Lopes Pessoa da Costa Jnior, Jos Bartbolomeo,
Jos Tavares de Med iros Luiza Candida de Amo-
rim, Mana Anglica Correia de Mello,' Mauricio
Francisco Ferreira d i Silva (3), Marciano Goncai-
ves da Rocha, Manoel Antonio Ferreira Gomes,
Manoel Francisco, Manoel Julio da Silva, Prescilia-
no Olimpio Nogneira Neves (3), Placido ie Prono
Pessoa, Pasquale Guglismiao, Vicente Antonio do
Espirito Santo. -
Administra;io do correio de Pernambuco 2 da
novembro de 1871.
O encarregado do registro,
A. oma da Silva Ramo?.
THEATRO *
GIMNASIO DRAMTICO
(ZARZUELA BESPAKHOLO
COMPANHIA DRAHATIeA .
Sahbaco 4 de novembro
Beneficio de ura maranhense.
Segunda ropresentjao neste tbeatro, do excel-
lente e seoipre applaudido drama em 5 actos, in
ululado
A' frete.

Com deslino a Babia segu brevemente o vel-
leiro Zwei Gebruier, toma carga para aquella por-
to : i tratar ra da Cruz, com Keiler & C, n. 55,
consignatarios, arroazem. ._______
vas e ofllcinas.
Sec/etarn do
6 de ouiubro de
Pedro de
SC
DECLARACOES.
O admioistraBor a re-elflBBrde reodas
infernas,geraes avi-a aos con:riBiotes do imoosio
al que este crreme mu o intimo em que
deve sarpag), sem irJuUa, o referido imposb, e
que, fiado, o mencionado mez, sa-la-hi cora a. mu
ia de 8-0/0
Rreeajedoria de Pernirmbaoo :!.de,novembro de
1871.
Menoel C-irneiro de-Sipiia Laeerda.
.veratro, tepois da auaieucia
do Illra. .Sr. Dr. jtiiz mooieipai da I* vara **W,
tem de if a prca por venda 08 tioveis consumes
Toma parte toda eompaobia.
Terminar o espectculo com a espirituosa e
muito applaudida comedia em 1 acto
Odi^botr z di porta.
O pequensT-esto da bilbeles de cadeiras nume
radas, cadeiras avalis e platea, acba-se no es-
cripiorio d> tbeatro.
ObenaQciaio pai da numerosa familia, confia
na valiosa proteccao dos seus dignos comprovin-
cianos e na do illuslre povo peroambucano.
Principiar s 8 i/i. ,
ftas,
Oming1 h de novemb.o
Grande noviade
Espectacalo pela companhia dramtica e vista,
ao natural, da parte dos principis
EDIFICIOS DE
depois da guerra, exhibidas pela importante
Machina poljeramica
O programma ser annuaciado detalhadsmenie
nos joroaes d'amanhaa.
Acha se era enaaios para sahir brevemenia
cena, a muito graciosa comedia em 4 artos**
qn^l foi represntala no Rio de Janeiro mais de*
200 vezes, intitulada :
Orpheu na ropa
'Parodia da opera bata
Orpheu nos infernos.
I BAILE DE 1ASCARAS
S hM ELIAS
nos das
4 E 5
Sabbado e domingo
Principiar 9 horas.
COJIPAXIUA
DAS
Messegeries maritimes.
At o dia 10 do correte mez espera-se da Eu-
ropa o vapor francez Sindh, o qual depois da
demora do costume seguir para Buenos-A?re,
locando na Baha, Rio da Janeiro a Montevideo.
No dia 11 do correte mez es[era-sa doanor-
Joret, o qual depois da demora do costuma se-
guir para Bordos, locando em Dakar J,Gore)
, LUbda.
Para condi(j5es, freles e passagins, tratarse oa
agencia, ra do Commercio n. 9. ______.
i*ARA O
.-
A barca portngueza Motta Ribeiv, capilio JvSo
Baptista de Lima, vai sabir c m hre'idade ; para
carga e passageiros trata-se com K. R. Rabello A
C-i'rua do Commercio n. '18.
II UI
A barca portugueza.lana Lutza, capito Jas
da Silva, vai sabir curo brevidade : para carga e
psssageiros-lrala-se eom E. R Rabello *C, roa
do Commercio n. 48.
LEILOES.

FAZENDAS
Hoje
Rabe Schmetu & C, f^ro leili, por klterven-
jao da agente Piulo, de nm completo rHitfo
sortimento de fazendan inglezis francezas, e-Blle-
rxes, existentes em sen armazem do largo,dflfcCer-
'po Santo d. 15, onde se effectuar o leil, o nal
principiar s 10 horas d > dia cima dito.
Precisa-se a premio de I
quantia de 3:000*000 aflm de
ara predio ero um dos memore
cidaae e iuoto i va farrea da
bypotheaandb se o predio qne se val
garanta, qaem quizer anauneie.
i-

.
s\
Com mnito pnaca demora nesla porto, .aeguir
visgem cora destino aquello, o brgue poFtuaajez
Tnumpho. Recebe carga e passageiros : tratar
com Soares Primo, ra do Vigario o. 17.
movis e um cofre tU ferro
Sendo urna mobilia de Jacaranda a La*XV
urna dila do mo^no, cma di a
relio, raarquezas, raarqoezoes. sof;
cas de Jacaranda, cadeiras avulsas.Jiwsa
elstica de amare;lo. um gnarifc lonea o>
rnogno, guara vestidos, cadeiraa jl^ba-.
laaco, camas franr.ezas de jacacand c
amareJIo, jairas, ca lelabro Je .cffal,
apparelho de louca par almo; om liba de
jantar, lanlernas e mn.los Onj^H bj|ees
que serSo veodidos aj coi re r do flQ^r-
tello ; betu epato aai cofre de ferio a
prova de f-jgo.
JBLOJB
O agente M*rtln< tari Ifilio por rota e ^sanjaV
quem perianeer, de lod < o novis cima,> ftaa
serio vendidos prlo maior pre? .
No aoo arroaxam da roa do Ir^li(0fa,*8,
as II h-ras do da.
VISOS DIVERSOS
ijaiaup
fazer, eoroo


\

u
Sfc
. -
diario de Peroamlmtt ^ Heia Ieu". 3 de Novembro d 1871.
?!. i -
7RILH0S DIBANOS
A OIJVDA
E
Beberibe
PW orden do 8r. presidente da assembla ga-
rai convido os Sra. accMmIm para se reualrem
se*ta-toara 10 do correla, 10 horas d, aja-
Ibis, na sala 4a estacao da roa da Aurora, aflm
4e se continuar a seisao do dia 31 do pa>saso, e
pnuttttt i eleicio da direeloria que lem de
ifflr a aclaal, eumprindo advertir qae, se-
idiaaosto so Itoarul* da iet n. 1083
de WO? para esta eterno, ni)
sao admiltidas procurare?.
\ 'de novembro sa 1871.
T. secretario, /. A. de Aimeida Cunha.

fltspilal Porlagoez de Mam-
ci* m Pernamboco.
A junta administrativa manda resw. no oratorio
do mesmohoaniulp) d'a 3 de noveoJBrq WS
m. horas da mantaa. nina mi.sa pas atao re
pooso da alma do socio benemrito Pedaff apt;i
- ^Bo8* para as*islif Ml* ctop reD|io"
do fl d MIvida4o a familia e os amigos
Secretaria do Hospital Portugaez da Beneficen-
cia m Pernambuco 26 de outubra de 1871.
Lniz Duprai,
Secretario.
ALUGA-Sfi
ama casa para ponea familia, tena) sala, doqs
qaartos e cacimba, na roa do Dique n. S, peno da
estaco das Cinco Ponas: na ra da Imperatnz
n. 8, armazem.
O abaixo assignado, leudo de acabar com o seu
egffcio, rga aos seas maiios e numerosos fre-
IPMM qae Ihe esli devendo em soa loja de cal-
vm Jfttadalrapwariin. 10, da vir ou mandar-
3rlar sea debito at o flra de dezembro do
oorrenu asno, pon do contrario ver-se ha obrga-
4, e bem contra saa vootade, entregar as coa-
las a 3eu prrcurador, para elle receber amigavel
Q judicialmente, o que o abano assignado e.pera
dos sena bons fregnezs isso nao ser oece9sario.
Antonio Rodrigues Pinto.
Precjia-se de urna ama para eo
zinhar : na ra da Florentina n, 3
O abaixo asignado roga encarecidamente a
ledaa-as pejsoas que (e dignaran aceitar o seu J
envite para a orgaofsacas de ama sociedade be-
oeficeaie de soccorros aos desvalida, de se acha-
ren no domingo 5 de novembro protmo em sua
casa na ruado Bom-Fim Molo a igreja. afim de
ser neste dia insultada a mesma sociedade.
Oiiada 31 de outnbro de 1871.
^_______Dr. J. F. Xavier Paes Barrete
-- Ka livraria fraceu 4 roa do Crespo, na
loja.de msicas doSr. Aievedo roa Nova, e na
pbotograpoia imperial m do Cabog d. 18,
acbam-se expostas pholographias da vera efflgie
do veneravel vulto de N. S. da Pea ha, padroeira
do hospicio dos RR PP. Misionarios Capuchinbos,
e qae se venera naguelie hospicio. Ha phitogra-
pij para o preco de 500 rs., de 33 e de Si con-
iocate.0 umanlij.___________________________
Imperial Instituto Pernambuca-
do de Agricultura.
A directora do Imperial Instiiuto Pernmboeano
de Agricultura, nao tendo anda reaiisado a acqni-
sico da propriedade agrcola destinada fazeuda
modelo, por nao satisfaterem as propostas apo-
sentadas s coodicd'.'s requeridas, e serem exces-
sivoa os precos pedidos, recebe novas propostas
para a venda de ura engenhoou de qualquer pro
pnedade rural, que se acbe as segaintes con
dicoes :
i* E-tar na visinhanca de alguma estrada de
ferro ou de rodagem.
2* Prximo a terrenos variados, e ter agua ao
menos sofflcienle para os trabalbos de irrigacao.
Sala da directora do Instituto 23 deontubro de
1871.
O secretaric,
Buarque de Macedo.
.Ja.i.djjn do Coudtj A'Eu
Hoja, ba tobos da melhor vaccina para qunm
quizar mandar para o malo : em casa do Dr. Mo-
cozo.
Precisa-se de u u ama que saiba cozinhar.
comprar e fazer lodo, o envig de urna casa e9-
trangeira e de.poucas ptspas : na ra da Impe-
ratrii n. 9, loja.
Preeisa-se de ana mulher Itvre para'crol
nhar, lavar e eogoramar: a tallar na ra do Ro-
sano da Boa-Vista n 18. ^
A pessoa que aooanciou a venda de bilhatos
da companbia do Recita a Olinda, j retirou o an-
nuncio porque j os acabm.
CAVALLOSFOHTADOS
Xa noite do dia 31 do mez Ando, foxuram di
coxeira do abaixo assignado, no largo do arsenal,
doas cavallos castanhos andrinos, gordos, com
ama pequea estrella na testa. Ambos elles tem
urna inenacao na barriga, que pode desapparecor
em poneos dia?. Um d'elles lem urna sicatriz no
pe9coco proveniente de nma mordedura de outre
e nma malba em nma das mos, de cabellos bran
eos e loaros. Estes cavaas pas.-aram pela ra do
Brum, e ponte Se e de Setembro, onde se conbe
cea um de seas conductores, ser o preto Jacob,
bilieiro, baixo e sem barba. Roga-se, por tanto,
as autoridades e aquera d'elles noticia tiver, que
os facam appretieadere leva los ao abaixo assigna-
do a roa da Cruz n. 15, gue ser recompensado.
Recite 1 de novembro de 1871.
Joaquina Paes Pereira da Silva.
Aluga-se urna das boas lnj*s do Passeio-
on Caes de 22 de Novembro n. 67 : tratar no
seguado andar por cima da mesma loja
ADUIftAVi:!, M
SEUiUMtT
Nk
loja e mmf
MU PEREIBA DA SILVA &&
A BfTA DA DUPEBATRIZ IT. ?
2S0 a dinkeiro vista
im-
MACHINAS DE COSTUM
Sagar MaMfacUiring C. '
90UO0
90/000
90/000
90/000
KXUfJtO
1O0O00
1
Mctiuas
Machinas
Machinas
Mpainas
Para
Pira
Par
Par
Familias
Familias
Familias
Preisa se de um copeiio, para casa eslran-
geira, de pooca familia : tratar na praca do
Corpo Santo n. II, escriptorio, primeiro andar.
Precsa-se de nm criado ra da Camba
do Carmo n. 21, 1 andar.
HBHaMHi'

A.lnga->e orna boa casa detronle da eslagao
dos Arrombados, catada e pintada de novo, com 2
salas, 3 quartos, cozioba fra e quintal murado,
. propria para pasiar a festa : n ra Direita nu
mero 28.
ALUGA-SE.
Para passar a festa a casa onde mora
Antonio Arves de Miranda Guimar3es na
Agnazinha de Beberibe pela qoanlia de
1:200(5000 : tratar com os abaixo assig-
UTOOS1 a-rpeirf-TOT-adjatfrtaita cm-pr^o pti-
blica anferida caaa ; declarando os mes-
mos qae o Sr. Guimaraes n3o tem antori-
sacio alguma para alugar, ou dispor de
qualquer furnia da mo.-ma casa.
Recife, 25 de outubro de^871.
Tasso Irm33s & C.
D. Filomena Candida de Novaes Annunciacao,
Joao Baptista Ferreira Annuociacao, Francisco
Ferreira Annunciacao, e Antonio Candido Ferrei-
ra Annunciaca agradecem todas as pessoas
que acompanharam aos restos mortaes de seu
presadojnaridp e pai Joao Baptisla Ferreira An-
nunciacao, e de no'vo as coovidam assislir as
missas que por sua alma mandam resar no dia 3
de novembro s 6 1|2 horas da manbaa, na
matriz de Santo AoDmo.

loao A f ion so Torres
convida aos seus amigos para assislirem a urna mis-
sa qae por alma de saa presada roi, manda ce-
lebrar na matriz de S. Fre Pedro Goncalves, no
da 4 do jrrente as 7 horas dn manha.
QSBBBXmnBBHKSnBHIKV
smente para cbsi-
nhar, sendo cas^de pouca fai'ja: tratar nc
n. 2i da ra do Cldeireiro.
Aluga-se um* escrava
ado i
Precisa-se alagar urna cosinheira escrava.
para caa defanlilia ; a tratar na roa Nova d. 5C
1' andar.
Caixeiio
Offerece-.se um rapaz de boa conducta, t
iiade de 13 a 11 anuos para caixeiro de qualquer
estabelecimento, excepto de taberna ou padaria :
quem pretender dirjase ao escriptorio desta ty-
pographa que se dir as r.f inuaeowi neccs-aria>
CASA DA WUWr
Aos 5:000
Bilhetes garantidos.
k roa Primeiro de Margo (ontr'ora roa di
Crespo) n. 23 e casas do costme.
O abaixo assignado, lean vendido nos sens le
Uzea bilhetes nm raeio n: Iz30 com 5:000/000
am inteiro n. 716 com 800/000, um meio n. 811
Com 300/ outras sortes je 40/ e 20/ da loteris
qae se acabon de exirnhir (212'), convida aos pos-
siidores a virem receber na contormidade. de
costme sem descanto algam.
Acbam-se a venda os bilhetes garantidos ti;
7.* parte da lotera, a beneficio da Santa Casj
de Misericordia (213a), qne se extrabir segn-
da-feira, 6 do mez vindouro.
PREUOS.
Bilhete inteiro 6/000
Meio-tilhele 3/000
Quarto 1/500
la porfi de 100/900 para cima.
Bilhete iuteiro 5/500
Meio bilhete 2/750
Quarto 1/375
Manoel Martins Finia.
Mudanpa.
Do dia 10 do corrento em itiaate estar mndade
parta ra do Imparador n. i8, 1* audar, ogabi
cele de cirurgia deniana de F. Miia.o qual dessa
data em dame ser ahi encontrado todos os das
a qaalqaer hora. 0 mesmo, esmo at aqai, con-
tina a prestar-se a chamados.
AindaTo Sr. Theel Justo.
O promeliimento f-ilo a um terceiro das letras
qae dase trazar assigoadas pelo Illm. Sr. seu so
gro (a qumalo conhec)) e como o tratante do
sr'. Theod Justo ha muitj que me illue, fac este
pedido para que o pubco qae inteirado de que
o dito Justo anda nao laocou o meu 1:000/OOC
seguramente porque es purgantes teem sido fra-
areee pinhio.
Caetano Jos Uendei.
D. Anua tanli de Ciasmo
I>yra.
Antonio Francisco de Albuquer^ue Santos, agr-
decendo do fundo d'alma todos os amigos e p-
renles qae se digaaram acompanhar at o cemite-
o cadver de sua esposa B. Anna Candida de Gus
mo Lyra, convida aos mesmos para assistirem a
algumas missas que pelo soffragio de sua alma,
manda celebrar, sabbado 4 do correte, as 7 horas
da manbaa no convento de-S. Francisco, pelo que
desde j se cor.fessa snmmaniente grato.
Hjje 31 de ontubro perd;u-se no caminbo
da roa do Coairaercio ao boceo do Capim e na Ira-
vessa da ra da Cadeia nm saque no valor de
500/ de Borstelmann & C. em Macei sobre os
Srs. Borstelmann & C desta praga a favor do Sr.
Joao Quirno de Aguiar o qual acha-se junto com
urna sedula de 500/000 importancia da mesma
letra. Quem achar ambos, queira dirigir-se a ra
do Comraercio n. 10 Io andar que ser bem recom-
pensado.
Precisa-se de nm caixeiro de 12 a 16 anoos
para taberna : na roa Augusta n. 116.
Precisa-se de urna ama para cosinhar
ra Augusta n. 116.
na
Perdeu-se no caes 22 de Novembro urna car-
ta com a subscripta de Etelvioa Flores Bella da
Silva, vinda da Europa pelo ultimo vapor ; roga-
se a pessoa que acbon queira ter a bondade de
traz-la na ra da Cruz n. 9 3o andar.
* mM" m Precisa-se de um ama para co-
<*-lTM'm. sinha, de raeiaiiade : na ra do
Brum n. 86, 1 andar.
Alaga-se o sbralo n. 25 da ra do ConJe
der dirija-se a rna da Aurora n. 86 3 andar que
achara cora qoem tratar.
oel Rodrigues de
Aimeida.
Joo Antonio da Aimeida e seiw irmos cordial-
mente agradecem a todas aa pessoas qae se digna
raa assislir ao acto fnebre e acornpanbar ao ce-.
oaUano publico' os restos mortaes da seu mni
pfllado fraia Manoel Kodrgne de Aimeida ; e
gumas missas qne mandam celebrar pelo repou-o
tarao do mesmo tinado, aa 7 hars da manbia de
d Mvetbro, na matriz da Boa-VIsu.
He c
ifl ao largo da araenal de marinba nu-
Suciedad Oereficente Seis
da Ma C) J87,
Convida-se os gocio? para comparecerem na ca-
sa de suas sessSes no dra 5 do crreme pelas 10
horas da manha, aflm de proceder-se eleieao
dos funecionarios para o anne futuro.
Recife 2 de novembro de 1871.
I. M. Santos Jnior,
_______ Secretario interino.________
Faz-se negocio
Coma amiga e bem afreguezada loja de calca-
do francez a ra da Iraperatriz n. 10, livre e des
embaragada de qualquer ennus ; faz se negocio e
dinbeiro ou a praso, conforme se convenjionar ;
senda um bora negocio para quem quizer couli
nuar, e s se vende por er o dono de se retirar
para a Europa tratar de soa .ande.
Precisa-se alogar ama
ama para cozinhar, prefere
se escrava, paga se bem :
tratar a ra da Senzaila Velha n. 90.
^^^
Aluga-se na eidade de Oitnda, 2 casas ter-
reas n. 13 e 14, ra de S. Pedro Apostlo : fal-
lar no Recife, ra da Cideia Velhi, armazem de
fazondas n. 02.
Aluga-se
Urna casa terrea com soto e boas accommo
dac5es, concertada e pia'.aJa recentemente, na
liba do Retiro, Pa.-sagem da Magdalena : trata-se
na ra do Vigarie n. i
10 II. ^
Baho
s
Aluga-se ama exilente casa em Olinda, ao p
da capella dos Milagrea, propria para quem pre-
cisar tomar baahos : tratar na ra do Apollo
0. 21.
declarados sao rogad >s a
ao escriptorio desta Diario
O* Srs. abixo
mandarem ou virem
a negocio :
Jos Francisco Ribei'o de Sonsa, (dono do col-
legio de Santo Amaro "
Francisco Jos Rabello
Precisante de urna ama para casa
de pouca familia, pre/rre-se eserava :
na ra da Aurora n. 5,2u andar.
AMA
105/000
105/000
105/000
105/000
Brasileas
Brasileiras
teiffi
Diu
Ditas
Ditas
_Dia_
tt.?f,pi6'ir0S.()e81? esbeleciajeuto teodo grande necesaidade de diainniro
so deposito qae leuda /aseada, e grande argeocii de apuraren, dinbeiro m r
of let Srirar>V8rd3de,ra ,q?a0 COm grMda >tenloi nos prend pS
Ii!S "**?' Para qBe coavidaraao reape.Uvd publico desta capital a Vb- torSSSi
pota toe garantetn que em parte algoma podero encintrw lio grande -sortimentoTmet
mo nao compraro pelos preces qae se Ihes pode vender na loja de PitfTporta ri?
virtiotkMe qa* s se vende a dinbeiro vista. Os mesmos propietario deeto eSai
tejawntojogam a todos os seos devedores desta pcaca o SoVZSmLlTTJuTt-
l^iaaiaihas baratao do Pari.
AUecianas com liadas listras de seda a
I4o09 o covado,
DilMt.lisM-.com moito brilho a i& o cevado
Atlantas, fazenda de muito gosto tecida
com seda a 720 rs. o covado.
100/
100
100/000
100 4000
Machinas
Machinas
Machinas
Machinas
de
de
de
de
115/000
115/000
115/000
115/000
Machinas
Machinas
Machinas
Machinas
Manivella
Manivella
Manivella
Manivella
Para
Pasa
Para
Para
113/
115/
115/000
115/(100
Atraales
A i finases
Alfitetes
Alfiates
145/000
145/000
145/000
145/000
Machinas
Machina*
Madjias
MaenTnas
Macliiuai
-Machinfs
Machinas
Machinas
Para
Para
Par
Sapateiros
Sapateiros
Sapaleiros
Sapateiros
i Loja do Pavfto
SAIAS BRANC4? BARATAS
a 24500 e 3,5000.
. O Pav3o vende cortes de boa fazenda
p,,a, cuadros de d. e cores muito SESS ^fiL?, cada
^f aal*" !Dm8' 8raDe PechlochaTruiirSiS:
Poil de cbvre, d'uma s cor com muito '"z n. l~- *- -
meaa
mesa
mesa
meaa
130/000
130/000
131/000
.130/000
Mactunas
Machinas
Machinas
Machinas
Exist cu
Exlncao
Extenco
Extfioeao
Para
Para
Para
Para'
Chapelleiros
Chapelteiros
Cbapelleiros
Chapelleiros
(Note-se bem\
ao numero /
Uaico agente
W. H, Ghappman.
29 RA DA 1MPERATRIZ 29
(Ntese bem\
ao namero./
UhapaS de ferrO gaivanMdas para cobrir casas etc.^ .
Formas para assucar
Arados Americanos
Machinas a Vapor
la cumas de descarocar aig0rj3o.
Fogoes pe ferro
Trilhos de ferro para Dgeh0S
Camas de ferro
Macacos de estivr
Ferragens em geral
Cofres de ferro
Estes artigos vendem-se em
casa dos importadores.
Stuw, Hawkes de C-,
1. 4 ra do bom jess.
(otr'oba rua.da Cruz )
t'ElHSM^fiB
MIESSA LER
A loja dos Arcos de Alvaro Augusto d'Almeida d C. ra do Crespo n. 20 A acabs
le receber pelo ultimo vapor francez Amazonas, alguns artigos proprios para enxovaos
lenoivaa, e de modas pan grande toilette como sejam :
Riqatssimo cortes de vesti4ps de blonde para casamento.
Ditos de tarlatana bordados seda para casamentes.
Cortes de seda de bonitos gostos e superior qualidade.
Colxas de seda, la, e la e seda.
Capellaf com mantas de blonde para noivas.
Camisas deesgaiao bordadas para noivas.
Fronba de esguiao bordadas.
Lencos de cambraia de linho e labyrintbo.
Superiores leques de madreperola..
Cortinados bordados da differerites presos e qualidades.
I M Sdasele cores de bonitos padioes.
Ditas escocezas para vestidos, roupas de menino, enlutes, etc.
Basquinas de porgar'), superior qualidade.
Borns de lia e seda para senhora.
Mantilbas brasileira de Al de seda bordado.
Ctncbetiez de 13a e seda.
Cbapeljoaj de sja'buj)fii e de crpe preto para loto.
Chapeos enfeitados para stahoias e meninas modeio inteiramente novo.
Cortes d* cambraia de cor, e brancos bardados.
Landos cbftes de baptista i frou-Frou. -." Q#tAt tt
Ta voyage fawnd* dd oslo .para veetidos. VY^ltia.
Alm. destes amgoe que se vender jpor pracoa razoavais tem outros que sao pe-
ibionas extraordinirias, como sejam :
Damaseo de 15a com a^Tmee de largura a 4500 o covado:
Cortes delaa a Victoria cor 20 covados por lOdOOO
Las.c^m listo-as Je seda a 403 rs. o cavada
Ditatrraesciadas riuito boa quadade a ^40 rs. o covado
Cassas de-cor a 210 e 280 rs. o covado.
Alpacas largas bonitos pa^dres a 500. ra. o covado.
Lenco,de esguio muito finos a 30 e 4,5000 a diia. Epeira da Iiidia, mallas p^a viagem, transparentes, *tc, etc,
CASACAVIN4!*
DoulTard
Pbarnoaeoutlc priTUeglad
H euccessor *
Sebastopol, US. PARS.
IMJFPCfl SlL'?""* deP"li, evdia detad. Nra fuer &
iMCbbflU >Mato uma wtacWMiymnvA s oVJunTdS
M0USTIA8 CONTAGIOSAS
do voIubiu d iuri relogio,'ervDdo
de Phii.tIo e Skbinga sera os
inconvenientes Ue tragiliaade.
HiJECTi-PILTO
Urares
E8TOJOS ^ **"-e W,rRAdAa5?TS.HUt* "**
COLLYKIO Conlra as aftec^ois das palpepra*, preparado sob a mesma forma.
DADTsJAI AWUA T* Depositai* geral para o BniMl. e lOKTLax
Dail 1 nUkUJlllU U "3i, na torga do BflsarioT- VERNAMBTJQ.
brilbo a 500 r. o covado.
MeriDgescossexes fazenda do muito gosto
para vestidos borous e roupas de menino
a 640 rs. o covado.
Gurgurao muito bonito, tendo de todas
as cors a 400 rs. o covado.
Lia aba modernas com differentes gos-
tos a 400 e 500 rs.' o covado.
Ditas ditas a 280 e 320 rs. o covado.
Bareges transparentes com differentes co-
res, a 100. rs. o covado.
Alpacas de cores lisas e lavradas azenda
de muito gosto a 500 ev 800 rs. o covado.
Cassas do Favao.
Cassas inglezas com bonitos gostos a 200
e 240 rs. o covado.
Ditas finissimas a 300 rs. o covado.
Ditas francezas de muita phanUsia a 400
rs. o covado.
Cortes de cassas com 7 varas fazenda
moito 6oa e bonita a 2)5500 e 30000.
Ditas d'organdy branco e de cores a
20500.
CORTES D'ORGANDY A 40000.
O Pav5o tem cortes de organdy branco
com 8 1/2 varas que vende pelo barata pre-
co de 40000, assim como Snissimo organdy
branco com iistrinbas e qoadrinhos o me-
lhor que tem viudo ao mercado e vende
pelo baratrpreco de 720 rs. a vara.
Poupellnas de seda a l^OOO
^0 Pavao tem um elegante sortimento de
poopelinas de ssda tanto lisas como lavra-
das as mais modernas que tem vindo ao
mercado e vende a 20000 o covado.
CAMBHA1AS LARGAS A 800 RS. A VARA.
O PavSj tem cambraia branca transpa-
rente de boa qualidade, com 8 palmos de
largura, que apenas precisa 4 varas para
um vestido e vende a 800 rs. a vara, dita
Qnissima da Escossia tendo a mesma largu-v
ra, que vende a 10600.
CAMBRAUS BRANCAS A 40000 E 40500
O Pav5o tem pegas de cambraia branca
transparentes com '8 1/2 varas qne vende
pelo barato preco de 40000 e 40500, ten-
do tambem muito finas de 50000 at
100000.
Ditas tapadas ou Victorias tendo de 30500
a pega at a mais fina que vem ao mer-
cado.
Crosdenaples preto e de cores.
O Pavo tem um grande sortimetito de
grosdenaples e gurgurao preto para vestidos
tendo de I06OU o covado at ao mais su
perior que costuma vir ao mercado, assim
como unr>grande sortimento do ditos de
todas as cores e branco e um bonito sorti-
mento de setins branco e de cores que ven-
de por precos muito em conta.
ESPARTILHOSA40OOO
CACHENEZ a,40, 50 e 60000.
G Pav5o venda espartilhos de todos os ta-
manbos a 40 e 50000, cachenez parisiense
com delicado ponto e de cores, a 40, 50,
e 60000.
CORTINADOS PARA CAMAS E JANELLAS.
a 80, 100, 120 6 160000.
O Pavo tem um grande sortimento de
cortinados ricamente bordados, proprios
para camas e janellas que vende de 80 at
160000 o par.
Pegas de cambraia adamascada com 20
varas a 100000. crochet ricamente bordado
para cortinadosa 10500 o metro. Assim como
ricos damascos com 6 e 8 palmos de largu-
ra proprios para colchas de camas e tam-
bem ricas colchas de c'amisco'a imi^ago de
seda e ditas de crocLit as mais lindas que
tem .vindo ao mercado.
MUSSELINAS DE CORES A 400 RS. O
COVADO.
O Pav5o tem um bonito sortimento de
mussenas de cores, padroes inteiramente
novos e cores fixas, que vende a 40) rs. o
covado. Ditas brancas muito finas a 400
e 500 rs. Metim branco da India muito fino
para vestidos e roupas de meninos a 720 rs.
o covado. Cretones de cores moi'.o encor-
pados para vestidos a 600 rs. o covado.
ROUPA POR MEDIDA NA LOJA DO
PAVO.
O Pavo tem uma bem montada officina de.
aliaiate, administrada por um hbil meare
uacional, aoode se manda fazer qualquer
obra de encommeuda, tanto para homens
como para meninos,.garaotiudo-se a promp-
Udao e aceio em todo o trabalbo, e no mes-
mo estabelecimento|eacontrar3o os respeita-
veis freguezes^todas as fazendas proprias
orno sejam pannos da todas as cores qua-
diades e pregos, novas casemiras de gosto
re as brancos e de cores, assim como todas
asfazendas proprias para falos de luto.
CASAQWNHOS A 150.180 E 200000.
O Pavao tem um grande sortimento de
ricos casaquinbos de seda preta amito bem
enfeitados e modernos, que vende a 150,
184 e 200000, sendo fazenda de muito
mais valor, assim como ricos chales pretos
bordados com franjas largas de relroi a
100 e 120000.
60, loja do Pavao.
MODERNAS BAREGES COM LIST1AS DE
SEDAE FRANJA A0 LA DO?^
a 800 rs* o cavado.
Cbagoo para a loja do FavSo, roa da
Imperatnz n. 60, um elegante sorlimeoto
das mais lindas bareges modelas e leudo
ao lado bonitas listras assettnadas e ffaoias
para os enfeites. as qnaes se vende pelo
bdratisumo prego de 800 rs. o covado, por
baver om grande sorlmento desta noTij-fa-
zenda ; assim como delicadsimas bareges
com lindas listras de seda, sendo fazenda de
muita phaotasia a 640 rs. grande pechio-
cha, no armazem do Pavao.
Fazeaila para luto.
O Pavao tem um.g?aode sortimento de
fazeHdas pretas para loWcomo sejam :
Mrin preto com 6 palmos de largara
para vestidos a 20000 e 20500 o covado.
Merinos pretos e de cord3o para todos
os pregos e differentes qualidades.
Bombasinbas para tjdos os pregos.
Can5es e alpacas pretas. Laasinhas pre-
tas ou cassas de 13a de 360 at 500 rs. o
covado.
Cassas pretas francezas e inglezas de to-
das as qualidades.
Cbitas pretas francezas e inglezas de 200
rs. para cima.
Crep preto para veo9.
CASEMIRAS PARA CALCAS A 40, 50, 60,
70 E 80.iOO.
O Pavo tem um grande sortimento de
cortes de casemiras de cores para caigas,
sendo os mais modernos que tem viudo ao
mercado e vndese de 40 at 100000 o
corte, ditas em pegas francezas o inglezas
para caigas, palitots e colletes qne vende de
10800 at 60000 o covade, ditas escoras a
prova d'agoa que vende a 50 o corte ou a
30 o covado, sendo estas casemiras nwtr
proprias para meninos de escola por serem
es;uras e de muita dnfngo.
NOVOS VESTIDOS A 50000.
O Pavao tem lindos corles de vestido de
finissimas cambias com bonitos bordados
de cores e tambem iodos bordados branco
que vende pelo baratissimo prego de 50000
cada corte, grande' pecbincha.
pannos de cro h para cadeiras b
sophAs.
O Pavao tem nm graode sortimento de
pannos de croch pruprios para encost da
cadeiras e de spbs, assim como um rico
sortimento de tapetes re todos os tamanho
proprios para salas.
MAAPOLAO BARATO A 40. 40500 E 50.
O Pavo tem p-gas de madapolo con: 24
jardas ou 20 varas que vende a 40 e 40500
a pega, dito mujto fleo e largo de 60 para
cima, dito francez do melhor que tem vindo
ao mercado, assim como dito finissimo em
pegas de 40 jardas.
Cortes de c* las.
a 106(iO. 20000 e 20800.
0 Pavo tem coates de cbitas francezas
com 10 covados, que vende palo barato pre-
co de 10600 e 20OOO, ditas que vende a
160, 200 e 280 rs. o covado, tambem tem
um graode sortimento de ditas finas claras
e escuras que vende a 280 -e 30 T. o co-
vado e fiaissimas percales miodiobas propri-
as para camisas, vestidos e roupas para me-
ninos que se vende a 360 e 400 rs.
LENCOS BRANCOS.
0 Pavo lem longos brancos abanbadoa
que se vende a 20400 e H- a duza, ditos
grandos de murim sem ser abanidos s
30200 rs. a duzia; assim como bonnofTien-
tos bord .dos para mos.
ROUPA'PARA HOMENS.
j^iobrecasacos de panno preto fino sead
Bito bem feitos de 120 at 400000.
Palitos de panno preto fraques e sccoi
de 80 at 120000.
Ditos de casemiraade cor de 60 al 120.
Ditos de alpaca preta fina de 40 a 60ODO.
Ditos de dita branca e de cores 60000,
Ditos de brim de linho trancado a 60000.
Caigas de ca-.emira preta d 60000 at
120000.
Ditas de brim branco de linho de 40000
at 80000.
Ditas de brim de liobo de cor para lodos
os pregos e qualidades.
Camisas francezas e inglezas com peitos
d'algodo da 10600 at 50, em duzia ven-
de-se mais barato.
Ditas dVmeia de 800 rs. para cima.
Ceroulas liabj ealgodo, francezas e
feitas na Ierra.
Coarinhos de papel, algodo e linho
que se vende muito barato pira liquidar.
Para noivas.
O Pasgp tem rico gurgurio de seda, bran-
co. Grosdenapla branco muito encorpado.
Agraciannas brancas com listras de seda.
Poopelinas brancas de s i lisas e lavra-
das. SddS bi'a:-:C2t^WHBB as. Cs-
pellas com palma de u. <> laranga coa
ricos veos bordados, que tudo se vende mais
barato do que em outra qualquer parte.
A loja do Pavo acha-se constantemente aborta das
oras da noite, ra da Imperaiz n. 90,
6 horas da manha at u g

%-

':

*- .


fHr i# Pufivfewlmosj :- Sexta ar* 3 .de Novemjiro i< 871
Joaqtdm Jos Gonpal
ves Bel
tjfto
Standar.
f
- Na DO BABAO DA VICTORIA 41
.-T...-. 4TT- de Asstm como I
faite novo, araazem tem um
nriado sottiMoto de fazeodas
tmcexu, inglesas, allemlae o to-
das toda se vendem -por precoi
odeos, afim de acreditar a este
aovo armaxem.
Caiemiras inglesas,
Irtscexae, de \oda as
^osfade*, brina de
Ores e braceos, colei-
-inboa modernos, cha-
cees *e sol de seda,
ARRIM JUMAOS.
Assim como tem ama grade
oficina de slfaiam, montada coa
todosospreparosqnehademelhor,
dirigida por habis artistas, que
pela soa promptidlo e pereifiio
nada deixam a J
i Victoria
arfes ra
NOVA
H. 41.
Roupa de todos o
amanos para homent
meninos.
Per todos os paqat
tes recebem-ee as me-
lhores e mais saeder-
Is casemtras qne 1
na Enropa.
Roa do Trapican n,
Saces por tofo o* piquete*' sobre o buco Sja, e Aire os saguintas ngarai es
Lisies.
Porto.
?atasca.
MBMriaa.
CoIr. g$
Ckives.
Vheo.
Vfltaio Conde.
Arcos de Val de Vea.
Vlasna do CasteUo.
W do Lima.
RaeL
Villa-Nova de Famelicio.
iMSSgo.
Lama.
Covlaia.
Vaaeal (Valiwaao).
Mrudalla.
Baja.
BanaMos.
ATTE
priedade a
fa
Vende-se por barato
margara da camb dosTWtiedfci, fazendo-ae
toda -vantagem ao comprador, recebendo-se parte
em Itobairo e parte em letras on objectos de
prompti venda ; coja propriedade contm urna
grande otaria de peora e eal que lastra 10,000
jotos de alveoarta grossa e torno que comporta
15,000, eom mais am tomo e lastro para fuer-se
telhas, ladrilhos, canos e tonca, com excedente
barro para qoatqner obra, eom dons exeellentes
meiros de peixe e com casa de vvenla para
grande familia, torna-se recommendavel por paa-
sar perto a linba dos bonds : aa peesoas qne pre-
tenderem diriiaffl.se dita propriedade a entender-
lo Dellm Los Cavalcante Peisoa.
are MSToUo djessa
Ir: 1 poueo dlmar
da, "eom moitos commodos, agua, gaz etc.:
tratar na toja domesroo predio.
Aluga-se o segundo
o. cita a roa do Llvramenlo
"ROA
i *
Bario da Yjetorla
utfa roa
N. 41.
Sato eatabelecimento acaba de soffrer orna reforma radical em acceio. artista, ^^^ff^^^^
sodaet tnilmente em tndo afim de melhor servir os seus numerosos fregnexes deixa-se de annunoar toda aa faxendas, para
sjo se ,ornar mnefeie
0 PEITRAL DE CEBE JA
DR.AYER
Para a cura radical e certa de todas 83 molestias da garganta e do pe|to, constipa-
GASA. DA FORTUNA
RA 1 DE MARGO OTR'ORA DO
CRESPN X3.
Aos 20:000^000.
O abaixo asigeado tem sempre exposto i ven-
la os felizes bilhetes do Rio de Janeiro, paganck
oromptamente, como costuma, qualqaer premio.
PRBCOS.
Inteiro 24*000
f; i Meio *009.
Qaarto 64000-
Manoel Martins Finta.
se com
o.oapii
mimummmmmmm
ADYOGADO
De. Joaquim Correa iw Araojo
67Ra no Imperador67 g
iiiiiiiuunii
Companhia Allian9a
DK
Este xarope peitoral o resultado de
tongos annos de e-tndo porom dos pri-
meiros mdicos da America do Norte e de
experiencias minuciosas nos principaes hos-
pitaes do mundo ; 4 receitado pelos medi-
dos, mais distinctos.do scalo actual, e
Ocgno de ioda a confiarla: Io por ser efi-
caz, alcancando com urna certeza infallivel
o|assento da molestia; V, por ser inno-
cente e appUcavl a qualqaer pessoa de
qualqaer idade ou sexo, ao hornero robusto
on crianza da mais tenra idade, e nao ser
perigoso se fr lomado, por acaso, em
Comtudo dever de todos combater esta
terrivel molestia no seu principio, bem
como todos os males que podem conduzir
a ella, como tosses, resfrialdades, defluxos,
dr de grgara e bronebites; qualquer
rouqnidSo deve ser tratada immediatamen-
te. A experiencia mostra-nos qne o Peito-
ral de cereja de Ayer cura todos estes pa-
decimentos, quasi sem excepcjfo, e raro
o logar nos paizes onde conhecido, que
tuto tenha numerosoa exemplos de curas
feitas por elle. Se se pode presiar f ao
qoe bomens de todas as classes aflirmam
do que elle tem feito ; se podemos acredi-
tar em nossos proprios sentido?, quando
vemos as perigosas aTecgoes do polmo
cderem a elle ; se po lemos crer no teste-
munho de intelligentes facultativos, coja
obrigasao conservar os fados: e flnal-
coes,tosses, bronchites, defluxos, rouquidao, coqueluche, angina, etc.
grande quantidade ; o 3o por nao ser se- ser eficaz, pois oto ha tempode fazere-m
creto, pois qualquer medico pode obter a se experiencias. As pessoas
Jormula de sua composico, dirigindo-se
pessoalmente, ou por carta, aos agentes
geraes, ra do Visconde de Inbauma n.
81, Rio de Janeiro.
A grande fama qne tem grangeado este
remedio, devido s admiraveis caras da
phtysica pulmonar, molestia esta to penosa
e fa.tal em suas consequencias que aqoelles
que s5o atacados dos primeiros symptomas
devem ser tratados o mais cedo possivel, e
o primeiro remedio que applique, dever
Peitoral de cereja do Dr. Ayer
mente, se permittido acreditar em cousa vidro deste xarope m3o; pois nos ataques
al.ama. est incontestavelmenie provado, repentinos de angina,_de croup e nos pa
cura todas as classes de
phtysica geralmente fazem poDco caso d*
seo mal, at qne seja tarde para cura-la ;
nesta, mais do qae em qualqaer outrf
censa, tem soa origem o predominio exten-
so e fatal de ama molestia qae mostr os
seus estragos com innmeros e assombro-
sos casos na estalistica da mortandade.
Milbares de casos de molestias palmonares
que tinbam zumbado de todos os recursos
da sciencia, tem sido curados radicalmente
com o uso do
que este remedio
molestias cima designadas meUior do que
tolos aquelles at boje conhecidos. Bas-
tam nDicamente as suas virtudes intrnsecas,
e o inc;ntestavel bem qne tem feito mi-
niares de doentes, para que surgisse e se
sustentasse a reputarlo de que goza. Em-
quanto que muitos outros remedios inferie-
res a este,#e que foram acolhidos pelo
vulgo, falharm e foram depois abandona-
dos ; este, tem ganho amigos p.ela expe-
riencia, e pelos beneficios que tem prodi-
raviihosas curas obtidas, porque s3o nume-
rosos de mais, para serem olvidadas. Ne-
nhuma casi de familia deve estar sem um
lravessa da roa
das Crazes n, lt pri-
meiro andar, da-se di-
nhelro sobre penhores
de onro, prata ebrilhan-
tes, seja qnal for a qaan-
lia. Ha raesma casa com-
pram-se os mesraos me-
taes e pedral
Sustento restaurativo da
saude
PELA VERDADEIRA FAR1NHA
A, Da Barry d'Arabia
O abaixo asstignados faiem sciente a seos fre-
gueies, qne pelo vapor ingle La-Plata receberam
JeguDda remessa d'essa excelleote farieba, eaje
aso muito se recommenda para as enancas, pes-
soas debis e convalescentes, applicada com reco-
nhecida vantagem as constipa^Ses, diarrhea*.
nausea do estomago, tosse, e?carro de sangae,
phtbysie, etc. etc. Preferida ainda pelo agradavel
sabor.Uniricoa ouu-a qualquer.
leguros martimos eatabelecida
na Bahiaem \ 5, de Janeiro
de
CAPITAL..Re. t,000:000<000.
Toma seguro de mercadortas e dinbeiro a rites
xtaritimo em avios de vella e vapores para des-
3-0 e ra do Imperio. Agencia a ra do Com-
mercio a 5, escriptorio de Joaquim Joa Goo-
',alves Reltrao.
Ama de leite. .
Precisa-se de urna ama de leite, exige-se bom
leite e boas informacSes : na ra da Concordia,
sobrado n. 10. t* andar._________________^
Precisa-se de urna am
para comprar e cosiabar:
'tratar na roa da Alegra n. 5.
V^*
FABRICA
DE
CHAPEOS
DE
ib casa de pequea familia precisa-
se de orna ama para cosinbor : na ra
Nova n. 31.
AMA
MOFINA
roxismos da coqueluche a que esfSo sajeitas
as mangas, nao ba tempo de chamar uai
medico, nem de fazer remedios, e este xa-
rope allivia immediatamente, sentando a
crianca do perigo.
AVISO.As preparaces do Dr. Ayef
sao preparadas com especial atteecio ae
clima dos trpicos, e tem modificacSes iny
portantes sobre as qne sao feitas para ott-
tros paizes. \ _
PorUnto, o publico dever notar, er'CoBT
cuidado, para que n3o seja srdidamente
galisad aos afflictos que a elle tem recor. I ganado, qoe os remedios de.Ayer. prepa.
Fidn e que nunca pode rao esquecer as ma- rados exclusivamente para o Brasil, trazem
rtulos e envoltorios com a descripejo mi
nuciosa para a sua applicafo na lingos
portogueza.
CUIICIVdl US Idtiua o uu Vende-se em todas as boticas e drogaran do mundo
W. R. Cassels $ C
Agentes geraes.
Cozinheiro.
No Caf Chines, ra larga
preeisa-se de um coiinheiro.
do Rosario n. 31<
Luvadeira
Na raa Augusta n 100 precisa-se de urna mu-
Iber para lavar roupa em ca AVISO
O Sr. los do Reg Mello
da Cruz n. 32. andar.
rogado a vir raa
Aluga-se
os doui andares do sobrado da raa do Padre Fio-
riano n. 69 : a tratar na praca da (ndependencit
os. 18 e 20.
ua
l
Caixeiro.
Preeisa-se de um menino de ii a U annos
palaria da largo da Santa Cruz a. 67.
rm mmmmmmmmmmm
Folhinhas para m
1872. 5
Para lodos os bispados do Brasil, or- M
nadas de lindas vlnhelas, e dos retratos S
dos principaes hroes da guerra franco- |
allenaa, e o sucjeaso da morte do gene
ral Lopes.
Preco 500 r?.
Livraria econmica, ma Primeiro de-J
Marco o. 2. m
iiiMimiiiii
Cniiha 'v1 Manta, vendem a
ra do Mrquez de Olin-
. da n. 40, o seguinte :
VINHO XEREZ (-uperior, em eaixas.
iXXJNAC MARTELL-ldem.
VINHO BOREFAUX, Uem.
AZtslTE DOCE REFINADO, idem.
VINAGRE BRAN'O, idem.
Ciarnx^s de Schnorbusch
Retalia britanica-Regalia IraperiaL
Operas. Conchas. Trabucos, deTim milheirc
niara fl3 v
CIGARROS DAS FABRICAS J)0 RIO DE NO-
TAJES E LIZAUR, de diversas qnalidades, vende
S em barrica*.
Para a festa.
Aluga-se um sitio no logar d Torre com b a
casa e banho no rio frente da mesma; a tratar
ma de Gervasio Pires n. 26._______________
Sociedade cearcjnse Dezesete,
de Janeiio.
Hoie, pelas 7 horas da mannaa, manda esta sj-
ciedade resar urna missa pelo reponso eterno,
da tinada esposa de sea digno consoiio Joaquim ,
Alvaro Garcia.___________ ______'_, ,!
Cozinhelra.
Precisa-se de urna |u coiinhe hem e sejaJimpa
no seu trbalo, forra ou eserava, e paga-se fcera :
roa Nova n. 11, loja. _________________ *
Ama de leite.
Na ra do Bmm (praca do ebafariz) n. 2
achara com qnem tratar.____________
A. se
Precisa-so
dade n. 2 A.
Forneiro.
de um forneiro na padaria da Sol-
Parapssar afest$.
Aluga-se para passar a festa ama boa casa na
Boa-Viagem com tres quartos, um gabinete, co-
zinba fra, copiar e quintal com cacimba : tra-
tar na Praca da Independencia n. 17.
Roga-se ao Illm. Sr. Ignacio V.eira de Mello,
srivo aa cidade de Nazareth desta provincia.
Favor de vir a roa do Imperador n. 18 a conehu
aquelle negocio que V. S. se comprometteu rea-
sar, pela terceira chamada deste jornal, em fin
de dezembro prximo passado, e depois para ja
aeiro, passou a fevereiro e abril, e naia cumpro,
a por este motivo de novo chamado para dte
8m ; pois V. S. se deve lembrar que este negocie
e de mais de oito annos, e quando o seuhor tei
flho se aehava no es nesta cidade
/*os banhos no Monteiro
Aluga-se por festa a casa n. 3 qne tem ama
pitombeira na porta, na travessa da Levada no
Monteiro, tem junto nao t os banhos do rio
orno os da levada : tratar na esquina do Lama-
rio casa aova antes de chegar ao Uonleiro, ou
no Reeije, 4 ma Nova n. 7.
brado n. 28.
Precisa-se de ama ama boa
engororaadeir, forra oa es-
erava : na ma do Pires, so-
Livraria econ-
mica.
papis pintados
ra Tarro e gaarniyio de
m Primeiro de
s
ja-ifflB
i
1
m >| Na ma do Pires, sobrado n. 28,
mlTA m. precisa-se de urna boa cozinheira,
forra oa eserava.
Arrenda-se para passar a festa a csa do
sitio da eslacao do mnibus da Vanea, com com-
modos para familia, ptimo banho do Capibaribe,
qae passa no mesmo sino, da-se caiada e pintada:
quera pretender va ma do Imperador n. 73, loja,
a filiar ao1 Sr. Uedeiros. _____
Aluga-?e
a casa terrea, grande, para familia, na estrada de
Joo de Barros, atraz do sitio do Sr. Dr. Deodorio:
a tratar na estrada de Joo Fomandes Vieira n.
16, taberna. __________________,______
Ignacio de S Lopes Fernandos vai a Porta-
gal e deixa per seas procuradores aos Srs. Anto-
nio Jos da Silva Pereira e Manoel Gomes Loa-
reiro.
Joaquim Goncalves Ca>cio Jnior faz scieoU
ao respeitavel publico e com especialidade ao cor
po do commercio, que tendo de retirar-se te npo-
ranamente par Europa, deixa encarregados de
todos os seos negocios a seas irraios Jos Joa
qoim Goncalves Casco e Antonio Joaquim CascAo.
Setenio
de %'oss Weahora da Holedade,
a Igreja do Ltvrasaesita.
Domingo S do corrate a mesa regadora, di
principio ao setenario no altar de ana Padroeira,
proceoVndo na noute do dia 4 o levaatamento da
bandeira.
O secretario,
Jos Joaquim de aant'Anna. .
Eslo por alagar oe 3* andar do sobrado
da rui da jmpera'.riz B. i7 ; tr>Uf oa ra For-
bjbj ';
los 5:00000.
I*ilhe(c garaatldos da pro
?Inda.
Ra do Barao da
Victoria,
hitr'orarua Novan. 63 ccasas
do costume.
O abaixo assignado acaba de vender entre w
sene maito telk> bilhetes a sorte de 5:0O0|00(j
em um meio bilhete de n. 1,230 e um meio de n.
2,322 com a sorte de 100*. alm de outraa sortes
menores de 40*000 e 904000 da lotera qne se
acabou de extrahir (211), podendo seos possai-
dore virem receber, que prompumente serao
pagos.
O mesms aba.xo assignado convida ao respei-
i&vel publico para virem ao seu esubeleciment>
comprar os felizes bilhetes garantidos, que ni
deixar de tirar qualqaer premio como prora pelo>
meamos annuncios.
Acham-se venda os maito felizes bilbetss g
rantidos da 7' parte das loteras em beneficio da
santa casa da misericordia do Recife, que ser.
extrahlda no dia 9eganda-feira 6 de novembro
vindouro.
PRECOS.
Inteiro 6*000
meios 3*000
Quartos 1*500
De (004000 para cima.
Inteiro BJoOO
Meios 2*750
Quartos 1*373
____________Joao Joaquim da CoaU LeiU.
Escravo allugado.
Precisa-se alagar am preta oa moleque para
servico de hotel: raa larga do Rosario n. 31.
Traspa 4:000*000 sita nos Remedios, fregnezia de Afoga-
dos com duas casas de pedra e cal, alaria de peora
e cal, viveiro, arvoredo de fmetas de diversas
qualidades, e barro para lijlos e lenca : i tratar
na ma de Hortas n. 94 1' andar.
Desejaae fallar ae Sr. Pedro Ferreira Coelho,
na ma do Commercio n. 48 1 andar, ou pede-se-
Ibe de mandar dizer onde reside para ser procu-
rado.
Gempanhia do gaz.
PEBNAMBVCO
Chamamos respeitosainenle a ai'encao dos con-
sumidores de gaz para o seguinte :
As ms linea sao geralmente occasionadas por
: ' parelbos. Aonde eiistir semelhantes defeitos a
companhia ter prazer em remedia-los sem des-
peza ao consumidor.
Para assegurar ama luz boa, os bicos devem ser
modados pelo menos, de seis em seis mezes Um
bico bom dar 20 at 30 por cento mais luz (gas-
tando a mesma quantidade) de que am bico de-
(eitaoso e do mesmo tamanbo.
A compsiihia tem sempre um grande sorliroen-
to de bicos, d"S rrtflhores fabricantes, os quaes
vende aos ceesumidores pelo casto.
' Qaalqaer qneixa dirigida ao abaixo assignado
na fabrica do gaz em S. Jos, ou no escripKrio da
companhia roa do Imperador, ser prora >ta-
mente attendida^
Fabrica do gaz 23 do Ontubro de 1871.
Tkos. Newbigging.
Eogenheiro.
i
estado, bavendo muita diversidade de fructas, bem
como pode sustentar urna porcao de vaccas, todo
anoo, ainda mesma na maior ferQi da secca, por
ter ama grande baixa de capim, qae nanea seca,
e na distancia para qualquer dos inlhos urbanos,
Encmzilhada de Belm, oa Taraariaeira, se pode
gastar de cinco a seis minutos : tratar na roa
da Madre Deus n. 30.
* AM A Precisa-se de ama para casa de fa-
i* Hlxl milia: ua ra do Vigario n. 26, pri-
meiro and-ir.
ALGA-SE
um moleque de 14 a 18 onos i', dade, para todo
o servido de hotel; no Caf Chine?, ra Larga
do Rosario n. 31,1* apilar._______________
A luga se
o segando andar do sobrado da ma Nova n. 38:
a tratar na loja*________________
Precisa-se de urna ama
qae saiba cozlnhar bem : na
roa do Doque de Casias, ou
tr'ora ma das Cruzes n. 22, segundo andar.
*V
m
Todas as qualidades
X l\ na larga do Rosa-
rio n. 2 i 1, andar
Se o desejo dos propietarios desta fa-
brica fosse anicamenie illadir a f pu-
blica, ha muito qae teriara annunciado
os seas productos, mas para correspon-
derem mais dignamente conQanca nel-
les depositada, esperaran! receber os
objectos e pessoal, qae acabara de che-
gar-Ihes.
Hoje, pois, qae a soa fabrica se acha
mootada com as mais aperfeicoadas ma-
chinas, eom os melbores petrecnos e ser-
vida dos mais peritos offlciaes europeos,
podem os seos numerosos fregaezes e
o pnblico era geral encentrar desde j.
Chapeos de seda da altiraa moda, sen-
do altos e baixos.
Ditos de castor de todas as cores, em
formatos inglezes e amburgnezes.
Sitos de feltro de todas as qualidades
e feitios, tanto para homem como para
criancas.
Ditos de velludo para senhora.
Ditos para eclesisticos, redoudos, tri-
angulares e a romana.
Ditos armados para milares.
Ditos de pasta.
Concerta-se toda a especie de ebapos
qner de hortera quer de senhora, com a
maior pericia e mais barato que em qaal-
qaer oolra parte, assim como se rece-
ben! eDCommendas tanto para a provin-
cia como para fra.
HU
Consultorio homeopa-
tbico
DO DR. SANTOS MELLO.
Raa do Bario da Victoria n. 43.
VACCINA.
Todos os domingos e quintas-feirat, pe- 1
las 9 horas s 10 da manhaa vacclna-sa
I por preco mdico, para o que ba multo
BB bom puz vaccinieo.
; Recebem-se ebamade s para vaecinar em
B qualquer casa.
Consultas medicas todos os dias pala
5 manbaa.
[ Chamados a qaalqaer hora do dia e da |
|H nonte.
Gratis a parte medica aos pobres.
m mmmm va ?
Precisa-se de um caixeiro qae lenba pratlra
de taberna
i qne
na raa do Amorim o. 17.
Ama de leite.
Precisa-se alagar ama ama, que tenha bom lo-
te e seja sadia : tratar na ma do Duqae de Ca-
las, outr'ora Crazes n. 2.
Aluga-se o primeiro andar, sotao e loja da
raa da Gata n. 56.
MHS3&
\
m
m
m
s
Precisa-se de urna ama para o servico de
urna casa de familia : no Caes 22 de novembro. n.
30 1.a andar.
Lerande sitio da estrada do Rosrinlio
"com casa pan numerosa tarmiia e ero.ntm
Monteiro
Precisa-se fallar com o Sr. Jos Martins Sia-j
res Paraohos no pateo da Ribelra o. 83________
Offerece se ama ronlher para cozibar a
comprar em casa da homem solleiro : quem pre-
tender dlrija-se traveua da S. Jos o. 4, que
achara cora qnem tratar. _______(
Alagase urna casa no-languioho junto da
eslaclo, d. 187, com dnatsalas, tres quartos e dis
pensa, com gaz e agua do encanaroento na ea'inba
e tanques para tomar banhos e lavar roupa; qnem
pretender dirija-se casa junto n. 187, onde exis-
te a ehave. _
AMAS
familia
AfflWo;
Preeisa-se de duas anas,
sendo urna para atar de
urna crin^a e awra para
cozinbar em anta casa de
tratar no principio Ja "t'arja das
?i;io o. 33. i
Alagase ama casa na povoaco do Monteiro : a
tratar na taberna do Sr. Nicolao Machado Freir,
no memo logar.____________________,
Aluga-se o 2 andar da casa ra da Guia
n. 46: a tratar ma do Maraoez de Olioda n. 49.
Do engenho Aguiar, fortaram dous cavados,
sendo am radado cor do chambo com algamas
pintas de pedrez na cabeca, am tanto selladn, i
inteiro muito novo, sem andares, o outro tam-
bera radado, mas, claro, e mais pequeo, am
lauto circundo, anda baixo at meio, castrado,
tambem maito novo : quem os aprehender od del-
tas der notiria derija-se ao dito engenho, ou nesta
prjc,a, no largo da Santa Cruz n. 14, qoe ser
recompensado ; o ferro com qae os mesraos :a-
vallos esto marcados o seguinte : X X.
MI MI!
Americana, ra do Gervasio Pires n. 43, con-
tioa a fazer a j maito acreditada nova b la-
chinhi americana, nao inferior a inglesa e na
mesma fabrica s pao e bolacha das melhores fa-
rinhas do mercado para melhor agradar aos seus
fregueze?.
Pernambuco Street Katlway
Company
De ordem da directora d'esta companhia, con-
vida-se aos senhores accionistas a realisarem a ai-
tima prestacio do 30 por cento do valor das saas
ac;oes at o dia 14 de noverrbro prximo fu* iro,
no escripto, travessa do Brura o. 22. N'esta oc-
casio serio os recibos trocados por eertidSes das
accoes.
P.eoife 2o de oulubro de 1871.
H. H. Swift.
Asst Ireasurer.
.; Perdeu-se
no sabbado a tarde ama pulseira de cabellos com
retrato, sendo o eabello am tanto castanho e j
com principio de mofo, e o retrata colorido : a
pessoa que tiver acbado, quereodo restituir, ple
levar ra do Ouro o. 72, que ser gratificada.
Precisa-se de urna ama forra ou cap-
tiva, que seja boa cozinheira, para casa
de pouca familia, promette-se bom tra-
lamento : trata-se aa roa do Hospicio
o. 39 oa 46.
Cruz o. 18,3* andar.
Precisa-se de ama ama pa-
ra o servico de ama casa de
pequea familia : ra das
AVISO.
Perdeu-se urna letra da quantia de 5bo*700,
sacada em 30 de seterxbro prximo pasad j oito
mesas de praso, sendo sacador Joo Cbristiam e
acertantes Aguiar & Irmo, de Macaj. Previne-
a quem dita letra for apresentada a nao (azer tran-
saccio algnma, pois qae fica a mesma de nenhum
effeito. .
a
Irmandade
de Nosara Seahora HsH eos Mo-
ssieas, erecta aa Igreja da
Madre de Deas.
De ordem do Sr. jaiz desta mesma irmandade,
convido a todos os irrolos da mesma para no dia
5 do crrante s 10 horas da machas, reun-
rem-se no conaistono da mesma -igreja,.a3m de
se >>leger a nova mesa regadora, bem como de
coroparecerera s novenas da testa da mesan Se-
nhora, qne tero principio ara 3 do correte.
Re:;!?, 1 te novembro da 1871.
Francisco Gomjalves BdSi:: e S.
Eicrivio.
Ai
RO
DTVETOT
nica casa neste genero
14-Rna Estreita do Rosario--14
Compra e vende roupa feita
nova e velha, objectos de
cosinha e de mesa, e
tudo que perten-
AOS 6KKMMOOO
galio venda os felizea bilhetes da lotera da
lacia, na casa feliz do arco da Conceico, ioja di
mrivts no Recite.________________________
Lrmaftdade
de Xossa senhora da Soledade,
creca oa Igreja de HJ. 8.
do JLlvraaeeato.
Em vista do qae determina o art. 16 capitulo
8.a do compromisso qae rege a merma irmandade,
sao convidados os irmos que esli no caso do
citado art. alkn de qoe c. mparecam em o nosfo
consistorio, no dia 5 do correte at nove
horas da manhaa, para a mesa de consulta, como
determina 17, 18,19, SO e 21.
Cocsiftorio da irmandde, 3 da novembro de
1871.
O secretario,
Jos Joaquim de Sant'Anna.
Em tempos modernos nenhum descrjftn-
ment operou maior revoluto no modo de
curar anteriormente em voga do que o
PEITOBVL DE AYUIAHITA
TANTO NO TRATAMENTO DA
ToasE, estero,
ASTHMA, THIStCA,
RODQUU)O, BESFRI AMENTOS.
BRONCHITES,
TOSSE CONVULSA,
DORES DE PEITO,
EXPECTURACAO DE SANGl'E.
Como em toda a grande serie de eniermv
dades da GAriGANTA, do peito e dos orgao.
da RESPntAcAo, que tanto ajjirmantairj e a-
zem soffrer a humanfdade. 1A mapeira an-
tiga de curar consista geralmente na apptt-
cacSo de vesicatorios, sangrias.sarjar ou ap-
plicar extriormente ungentos fortissimos
compostos, d substancias vesicantes, alm
de produzir empolhas; cujos differentes mo-
dos de curar, nao faziam senao enflaque-
cer e diminuir as forcas da. pobre doente.
contribuindo#por esta forma d'uma maneir?
mais fcil e certa para a enfermidade aia*
truico inevitavel de saa victima I Quem dil-
jerente poisto o elei admiravel do
PEITORAL DE ANACAHUITA !
VM E EZ DE IRRITAP,* MORTIFICAR E CA/.A
INAUDITOS SOFFRIMENTOS AO DOENTE,
CALMA, MODIFICA E SUAVIZA A DOR.
ALLIVIA AIRRITACAO
DESEMVOLVE ENTE NDIMENTO,
FORTIF ICA OCORPO
e faz com que o systema
Desaloje d'uma maneira prompta e rpida
at o ultimo vestigio da enfermidade. Oa
melhores votos em medicina da Europa (os
Lentes dos Collegios de Medicina de Beru)
testificam serem exactase verdadeiras estas
leacOes analgicas, oual m dissoja experi-
encia de milhares d pessoas da America
HespanhOla, as quaes foram curadas coa
este maravilhoso remedio, s5o mais qus
suflBcientes para sustentaren! a opiniao do
PEITORAL DE"ANACAHUITA!
Deve-se notar que este remedio se cha
inteiramente izento de venenos, tanto mine-
raes, como vegetaes, em quanto que por,
alguns d'estes ltimos, e particularmente
aquelles que s2o dados sob a forma de Opio
e Acido Hydrocianico, formara a base da
maior parte dos Xaropes, com os .quaes ito
fcilmente se engaa a credulidad* do pu-
blico. A Composico de Anacahuite Peito
a acha-se linda e curiosamente engarrafadas
m irascos da medida de cerca de meios
quartilho cada um, e como a dose que se to-
ma so d'uma colher pequea: basta ge-
Taimente a applicacjo d'um ou dous frascos
effectuacSopara a de qualquer cura.
Acha-se venda nos estabelecimentos jie
P. Maurer 4 C.,' J. C Bravo 4 C, A
Caors, B. M. Barbosa, Bartnoloaieo 4 C
ESCRFULAS OU RHEMATISMO
e todas aquellas cujadigesto se acha coa>
pletamente desarranjada.devem tomar
SEGUROS
MARTIMOS
e
OVTR,l FOCiO*
A companhia Indemnisadora, establecida
esta pri\a, toma seguros maritimoi sbbr"
lavios e seus carregameutos e coutra togo
ita edificios, mjrcadorias e mobilias : as
roa do Vieario n. 4, pavimento tarreo.
Jornal das fa- m
milias. j:
Assignatura per anno 124000 : na I- ]
vraria econmica, roa Primeiro de Mar.?> &
s
m
m

i
J
\\


1
A.
\
Y
> 1


>
o--
Diario di"ftmmbwK SciU eira 3 Je AWnj>ro de 1871.
I). W. BOfMA^
Engenheiro ^Kr
FUNDIQf.0
59 RITAIO BaUa 59
PASSAITOO 0 CHAFARIZ
Pede sos senhores de eogenho e ontros agricultores, e empregadores de ma-
fihinismo o favor de orna visita a seu estabelecimento, para verem o nov sortimentc
completo aoe abi tem ; pois sendo todo rauito mais barato em preco do que jamis te-
sha vendido, tata anda superior em qualidade e forlidao; o que com a ioapeclo pes-
eoal pode-se verificar.
PEDE ESPECIAL ATTENCO AU NUMERO E IUGAR DE SUAFUNDICO
Vflnnrflft A rnHqq d'fl.frilfl dos mais modernos systemas eere
VOpurD U rUUd.9 UOgUd. tamanhos convenientes para as di-
versas circamatancias dos senhores proprietarios e para descansar algodo.
I06H(f&& fifi fiHIS. de.t0(1os 0SlamanQGS> a3 melhores qoe aqui
itoaas dentadas para aDmaes> agna e ,apor.
Tazas de ferro fundido batido e de cobre.
Alambiques e fundos de alambiques.
MfiPhinifllTina para mandioca e algodo,] Podendo todos
&fH/uiiuoiuuo e pJra Mrrar madeira (ser movidos a raao
Rom has ., Pr a8aa vaPor^
*rv****r**M de patente, garantidas.. .........Joo aoimaes.
LOQaS aS maCninaS e pecas ^ ^ se costoma precisar.
Faz qualquer concert de macbinsai0> a preco moL resamid0.
Formas dfi ffil*FO lem as me"10res e mais baratas existentes no mer-
CSuO*
UnOOTIlTllPTlflaS'ncom')e*se ^e man,,ar v'r qualquer machinismo vonta
ui/uuuuouuao {\e ot cientes, ierabrando-lb.es a vanUgem de fazerem
loas compras por intermedio de pessoa entendida, e que em qnalquer oecessidade pode
lea prestar auxilio.
Arados americanos e ratrnmen,os .gri^s.
Preeisa-se de ami una
mero #|.
ammmmmaamm
na roa
ireita
DO-
Gftixeiro
eeisa im am meotao para eaixiro de la
berna, na ra Aogoau a. 31: a tratar m ra do
Caldetrairo a. 68
>. Ufarla Carolina Foneeca de
arela.
Joaquira Alvaro Garca profundamente reao-
nbecido pessoas qae te dignaram acompanhar
araemiterio publico 01 restos mortaee de iba
mai presada esposa D. Maria Carolina Foneeca
de Garca, vera solicilar-lbe o piedoso obsequio
de saslir as raissas qw manda celebrar Da ma-
triz da Boa-vista, as 8 horas da manha do '
3 de novembro.
dia
Aluga-se obm boa asa, na
Caxaog : i tratar na roa do Vigario n. lt.
ANA DELEITE
Precisa-se de urna ama de leite, preferiodo-se
escrava e sen filho : na roa larga do Rosario o.
12, t andar, junto a botica.____
Precisa-se de orn Jadaata de coiinha coro
pntlea de Iwtel : tra roa de S. Jorge, antiga do
Pilar o. lil -
Preeisa-se 4e ana ama que
compre e cotiiibe, para caea
, de ripat soltare: na roa'
Daque de Caxias n. ti, leja.
COMPRAS.
Comprare ama mesa redonda de jacaran
flom lampe de marmore branco, nao perde
por granea,Moocie.
Uab a
Compra-se orna cabra bich quo d bastante
no pateo djllerco a. 8.

! Garantidas!
! 90|<
leite
"Caixeiro
Precisa- e de ara caixeiro de 12 a lo annos-eom
pratica de taberna eque d fiadtr de taa condue-
la, prefere-se portaguei: a tratar oa roa de Hor-
tas n. 43, taberna.
DE
ROUPA FEITA
NA
Ra do Crespo n. 20.
Tendo resolvido nao continuar a ter grande deposito de roupa feita, offerece ao
respeitavel pob ico. e aos negociantes de fra, um grande sortimento, por precos ara-
lissimos para acabar.
?recisa-.e de am caixeiro portngaei de 18
a 20 annos de idade, qae tenha pratica bastante
de taberna e qae d fiador da soa conducta : a
tratar no roa dos Co'lhos n. 26._________
Flix CorffcU de Vegoso tem urna caita na
ru\ do Crrs.-iofl. 16, 4* andar, vinda doMaranhao
Precisa so alugar unta caaa beo mcbiloida
para uns estrangeiros, que seja nos bairros da
Boa-Vista ou Sanio AnDnio, paga-se bem : a tra-
tar aa/ruado Vigario n. 10._____________
Precisa-se de ama ama : na rna de Pedro
Affonso n. 12.
------------------------------------------.------------------------------------------------------1^.
VIADAS.
Superiores cigrr>s do Rio
de Jmimo.
DEiESQjjjSJves Matheaa, nico agente oei
provincia di fabrica imperial e ctguivo* d >
Joao de Nitawroby, tabelacida no Hu de Janeiro.
tem sempre um completo sorUmepto de todos o
cljarros, fumo picado e en latas. Tem igualraenu
?* dos cia''r('s Conde d'Eo, failos com mag
Qinco papel da pama de, railho e fumo superior
Para governp de seas fregueres, qoe tem esubele
eido depositas flUaes, as casas dos Srs. Thoriia
Ptaneisco de Salles Rosa e Manoel de. Soazn Cor
deir SimSes Jnior, no balrro do Recite, a lodi
Jnanlo for vendido em ooiras easas com a Arma
e Sonza Novaes & C. <&o falsificados.
CASA
Precia-fe alagar ama casa, on mesmo am pe-
queo sitio nos segaintes lagares. Torre oa Ar
raial: tratar na roa do Cabog d. 6, loja da
Conquista. ____^
Oiinda
Aluga-se ara sobrado e ama casa terrea na
roa de Uathias Ferreira, com bastantes commo-
dos para familia, prxima aos banhos, por tempo
deteroiuado : contratar na ladeira da Ribeira,
casa term n. 9.
Gem mil tijollos
Comratamse na obra do thfitro.
'
Attenpo
Palitts sobrecasacos de panno fino de i
121 a 30-J00O.
Ditos saceos e retranqueados de casimira'
de cor de 5300 a 9000.
Ditos, ditos e ditos de panno preto de 3#j i^qq]
Ditas ditas prea de o'iOO a 9)$000.
Ditas de brim branco de linho de 2(5(000
a 40000.
Ditas de brim branco de algodo a.....
a 12^000.
Ditos, ditos e ditos de alpaca preta de i
23500 a 50000.
Ditos, ditos e dito) de alpaca branca el
de cr a 20500.
Ditos, d tos e ditos de bramante de linho |
a 20500.
Ditos, ditos e ditos de bramante pardo a'
20500.
Calcas de casemira de cor de 50500 a 90.
Ditas de brim deedrde 10600 a 30000.
Ditas de castor de 10000 a 2:>500.
Ditas de brim pardo de 10000 a 20500
Camisas de lanella, grandes a 30000.
Ditas de algodo, muito boas a 20000.
D tas de liobo muito boas a 30500.
Ceroulas de bramante a 10600.
Oobertas de chita a 40500.
Lencos de linho abainhados a 10000.
E..0otaos muitos artigos por precos bara,lissimo para acabar, na loja de Guilberme
Precija-e lie um caixeiro com pratica
taberna : na ra Imperial n. 218.
Prectsa- >e de um eaixeiru com pratica de
padaria, o qual d Singa desaa conducta : na ra
Imperial n. 218.
tf
Alugase o iitM da Casa-Forte, qoe faz esquina
{tata o (Chacen ePoco, cora casa e sotao, jardim,
Roanos fra feanheiro, proprio principjtmente
par i-traogeiro : a traur na raa Jas Croes nu-
mero :ii. ,
LIQUMCAO
LOJA DO PAFAGAI
Ena da Imperatriz n. 40
Os proprietarios da loja do Papagaio fazem sciente ao respeitavel publica, e espe
CKftaente s-fixmas. familias, (amigas da economa domestica) que at ao fim do anno
catam de iqaidar pelo maior pre^o s seguintes :
'Um.grande deposito de roupas feitaa de .todas as qualidades e tanjanho*, tanto para
asninos orno para liomens.
Urna grande porcao do liaakihas, bareges. ^Ipacaa lisas e iav-riniaj de todas ae
apee, e veodem-se muilo barata para acabar.
Jma gran poroso de cassa* de cores, e organdys, tinto miudinbas como gra-
das, moito toas em cores e muito fin*s, e vendem-se por prec b.rato pa a acabar.
Bonito sortimento de sedinhas lavradas de crt, e poupeltnas, selito branco, pon-
pelkta branca Javrada, gorgurSo de seda de cor fara vestidos, azul claro e cor de
cinza.
: ew grande ^uantidade de lencs de esgoto j abaiubado?, maiores e pequeos.
pelo raeflmo pr.9go dos de algodo
U0Mporc3o> de costumes para meninos de i, 5>e t annos, de alpaca muito lioa,
Jodns fortidos, e delicadameete enfettidos por preco muito barato.
. .. ____ O abaixo designado roga a todos es seus frfgue
tes que su adiara devendo-mportaneias de'fazen-
da ao sea eftabeleciroeoto sito i roa da Impera-
iima graoae 4juaadade de camisas de linho para rhomens e p3ra aaenino, Uaio iu* trie n. 2, terem a bandade de vir on mandar sa-
glezas-/omo rancezas, com collarinho e sem elle, aberturas oordadas, ^ollarinbos. pn-
aboi^ff urna grande porco de grvalas e mantas de todos os pte<;>s, otlarinhos t pa-
pel para mentos e horneas, tndo por preco baraseiao.
Si ra Daque de Caitas o. 15, fornece-se comi-
das em casas parculares, por precos commodog.
Precisa-se de orna ama para eogommar e
enzinhar : na ra da Roda n. i.
Precisa-se de ama ama
L-, para eoziahir, comprar e en-
K goramar : na ra das Tria-
andar.
PHARMACIA
Especial h'iucopathlca
DA
YIVA DO DR.
Sabino 0. L. Pinho.
i
i 43Roa doBar5o da Victoriai-3 j
Para este asligo estabalfsimento acaba |
i de chegar no uliimo paquete, da casa de |
| James Epps A C. de Londres, am excel- i
; !ente sorlifneoto de carteiras e caixas de |
todos os tamanli?, qar para glbulos, g
; qnr psra tintura.'; assirp comp medica- !
; meatos em trituraeao e-em tintura, loba- |
tos, etc.; o qu l4o se Veato*lp pro- -JS
| *->e mai razoavei-1.
------------'
I Thesoaro hmecpathico do Dr. Sabino 9
0. L. Pinbo.
3 edio.
Muito relaarada e agioenaca com nm |
appendice.
| Acha-se venda na pharmacia horneo-
( p :thiea da an'jga ra No .-a d. i^i.
As prepaT'toes dcsta pharmacia conti-
cuam a %er eitas sob as vistas immedia-
tas do ruedico do consultorio, o Sr. Dr.
J-zjici-* A. do* Santos Mello.
Uriauo
Precisa-se de uji criado para servico de casa
na ra Dagas de Caxiss n. SO, Io andar.
Perdearse oa quinta foca ti do passado mez
diTerso* papis, os rjaaes foram ama patele e am
offloij, e ama guia de nas^agem da sucio do Re-
cite a Oiinda : roga-se pessoa qoe os auob se
digu entrega-Ios aa casa jaato a padaria do Va-
radoars. que ,-er gener(*meme recompeosada.
Podemos a6everar que temos nm comptelosortimeoto detodas as qualida es de
azeodas, e ni o especificamos todas, para nSo tornar o aneado enfadonho.
A VISTA FAZ F
Ra da Imperatriz n 40.
DE -
MENDES & CARVALHO
LIQIDACO
DB
F4ZEWAS BARATAS
HUA 00 MAROUEZ DE OLINDA N49
E. A. Deloache acaba de receber nm
grande sortimento de ocolos e pincenez de
todas as qualidades, e vidros de todas as
nnmeraedes.
Na mesma casa tem grande sortimento
de relogios de todas as qnalidades qne ven
dem-se mnito baratos.
Quanla agua florida falsa e aborrecida 1111 I
qoanta agua divina qne mais jarees infernal I f!
mas a noa Esperan?, 'rroe nao cemente que os
amantes di ziqae astem seu dinheiro aessss
aguas, qae nao passam de ser dos rbafariz>ts es.-
trangeiros, oa mesmo nacionies, mand< a vir do
afamado fabricante Rigaud, a sna excedente ka
nanga do Jai ao, a qual est snpf rii.r a todas as
outras ; j peto agradare! ebeiro que deixa esca-
par, ja por suas benficas qualidades, visto que
inteirameote vegetal (assim o diz o sincero fabri-
cante) para a conservadlo da pello e do rosto
agna de kanaoga citada na quantidade d'agaa
necessana para o toncador, branqaeia a pello, tor-
nipdo-a suave e aveiludada, evita e disipa as es-
piabas, communicindo pelle ama cor de rosa
transparente, o qoe maito bonito...... alem disto
nm aeradavel cheiro para o lenco.
TafDfcera conertj rpactooa* tte qna!qii
por pri>cos muito eq rti
veadtr I
CHAPWAN'S
_________J0-Roa doIropfrador19
Aproxima-se o tempo em qne a nova Esperanca
ra Daque de Caxias n. 63 (antiga ra do Quei-
mado) mais precisa scientiQcar aos seos fregnezes
e com especialidade ao bello sexo, o que vai re-
cebendo visto que ella alera do bora sortimento
qne tem constante (como igualmente conhecidoi
cometa a receber soas encommendas le objectes,
os qaaes a nova Esperanca ufana-se recebo-Ios de
tal gostoe perfeicao sao (lies I 11 e justamente
qaaodolhe falta o lempo, pela grande concurren-
cia qae tem de seus apreciadores aos qaaes ella
se coofessa grata : qual a noiva qoe poder pre-
parar sea eoxoval a capricho? quem poder pre-
parar ura bonito venido? am chapeo? ter am
bonito coque ? amaciar os cabellos com finissimo
cstracto de oleo ? usar de ura agradavel aroma em
sea !en{o ? ter um moderno e elegante cinto f
possuir um lindo cortinado bordado em sna cama?
baptisar ama crianza com um rico vestuario, a-
paohos e toca ? asar de urna camisa bordada ?
sem qne'd ura paseio nova Esperanga? por
certo nraguem o conseguir..................e ella qae
deseja o bem estar de lodos, apressa-se em adver-
tir que (como sempre) e:t inteinniente provida
de que na de rnelhor no mercado relativamente ao
genero de negocio a que tem-se'dedicado.
VNDESE
Um sitio na apuoga, oa ra da Amizade com
boa ci?a de viveuda, mralo na frente e com
portao de ferro; quera pretender dinji-so a ra
do Bom Jess n. 23 (outr'ora da Cruz) armazem
qae encontrar com quem Iratar.
Libran sterlinas
Vende Joaqaira Jos Ramos roa do Bora Jess
o. 8, t andar.
Cemento verddeiro Portlatul.
Vende Joao Ignacio da Costa, em barrica, por
barato preco: no armazem da escatiicha da altan-
dega n. o.
Barato que admira
Na loja dat eis portas contina haver am com-
pleto sortimento.de fazeudas baratas, a sab-.r :
chitas de 240 rs. o corado de difieren o* core,
ISas de 400 rs. o covado, cambraias de 20 r,
core? seguras, assim como maiapi.l>s baratos.
sendo francs lino a o300 peca, linha da 14400
a libra, mais barato que em outra qualquar
parte..
A revalesciere du Barry de
Londres
Toda a daenga cede a Revalesciere da Barrr,
que d sade, energa, appetite, digcstlo e des
canso. Ella cara as dispepsias, gastrites, hamo-
res, acidez pituita, Sato, eojps, vmitos depcis
da comida e gravidez, coa tipaco3,(>.' asthroa,
affeccSes pu!raonare?v bexiga, rigi' -erebro t
sangae ; 60,000 caras, inslaindo muuas deltas no
Brasil.
A revalesciere chocolatada du Barry
em p.
Delicioso alimento para atmoco e ceia, muitc
nutritivo, fortificando os ervos do estomago sen
cansar o menor peso nem ddr de cabeca, aem ir-
rita cap.
Uoico deposito para o Brasil em Pernambuet
na pharmacia americana de Ferreira Maia & C.
roa do Duque de Caxias n. 57. (Todo cuidad.
com as falsincac.5eg.) ____________
Pomada alpaka
E' maito conhecida esta pomada e muito
apreciada por sua finissima qualidade, a Nova
Esperanca quem tem.
Jarros de porcellana.
Um completo sortimento de lindos Jarrot
de porcellana (do afamado Bacar) existo na
Nova Esperanca, rna Dnqoe de Caxias
n. 63.______________________________
OLEO PURO DE FIGADO DE BACALHAO
DA|
TERRA NOVA
DE *
H. LACOMBE
Este oleo qae o boa acceitacao tem merecido,
maito se recommenda por ser mais parificado
qae at hoje tesa viudo, e ainda pelo boa paladar,
superior a cairo qualquer : vende-se no deposito
especial de Bartbolomea & C. : ra Larga do Ro-
tara 34.
^e-
4 -Ruado Apfltli' -
Jilo do llego Lima A Pi'h r. K
0|0 menos qae em cuna inaiqueijlpaTi*, o '
gainie:
Linguicas as libas em i!s.
Alcatrao em barril.
Vmho do Porto floo em c*ixz.
Dito Bordeaux dito d.l\
Relogios de pareae e .m dt me.

' ra do (.' rio de Jof Joaquinl da Costa Ms
contra-so para vender puf lj^E^|
presos :
Azaltjos be*pac
l'olha* Je ferro gan"aa'jO para felha-
do de diversos tarnairi M
Dilas de dito dit> litas.
Ricas de ferro galvanizado.
Cnmelras dito.
Portadas completas para cDla|fc
Ladrilbos.
mmmmmmwm
M
Relogios de oaro e
prat
;a
dos melhores fahncai.tis Kglete, fraMeses -e
susso, vendem-se por)it;(; iv.uiio rasoarti, aa
loja de joias EroeraMa
RA DO CABUG N. 3.
proprioa para suspender barca-
das e hiates, vende-se na ruada
Cadeia n. 39.
Popelina da seda e
laa.
Fazenda inteirameote nova no mercado
com padrees muito delicados, fazenda de
om effeito surprehendinte em vestidos, e
vendo se por 16280 rs. o covado, na loja
do Papagai.i, ra da Imperatriz n. 40, de
Mendes & Carvalho,
Tem 6
diios
am bonito ^avallo rodado apaiacado, andador de
baixo a raeio, o ]ual vendo-se por baratsimo
pre;o, no caes d,> Piamos n. 30.
Tuiio este annancio annancib especialmente
dirigido aos amantes do b )m, elles devem diri
gir se a confeitaria doCaoipos a ra do Imperador
n. 24, oude encontrarlo sarapre acepipes de inn-
meras qualidades
Assim como :
t,b da India o mais superior;
Chocolate era p e em pao.
Amendoaa confeitadas e confeitos.
rticas caixinhas cora ditas proprias para presea-
tes.
Pastelarii a todas s horas, etc.
Fiambres inteiros e s libras.
Emfim para se poder saber o qae acabamos de
dizer t inio pessoalmente
Confeitaria do Campos.
Veide-se um boro sitio na-estrada dos; Af.
flistos quasi em frente a igreja ns. 20 e 22, con-
(eado duM casas e grande terreno morado em
sea maior parle, com ramio; ps de coqaeiros. sa-
potzeiros e outras fructeiras, baixa para capim
ot., toraaodo-se maito recommendado nao s por
ser bastante tjerto desta ;idade como por passar
em sua freate a estrada de ferro : a tratar na rna
Nova o. 30, i* andar, das 6 as 9 1)2 horas da
machia e das 3 tisfawr seus debrtos at 30 de deiembro prximo
futuro, alim da nao e ver ebrigajd. contra a sna
boodvle, lanzar mo doe meios qup a le Ihe con-
cede. .Becife 1 .te novembro de 1871.
______^_______Jjo Luiz Ferreira Riheiro.
Restauranc do \hd.,Uo 8anK)
Antonio.
O eacaregado da merao ejubelcimento pre-
via aos seus nuawosos fr?gaee.* e amigos me
se aena prvido dos meios ne?eiarics para bem
servir de bons lunch, refrescoe, pastelera* nos
das dos bailes populare, qae tero lugar no me'
mo theatro.
Vende-se a casa terrea n. 25 ra dos Pes-
cadores, soin tres qaartos grandes, duas salas,
ctsinha fra, quintal murado, cacimba e portao
qoe deita para a roa da Praia de S. Jo. : tra-
tar roa do Marque*, de Oiinda n. 40.
Vende-te duas machinas novas para Jurar
ferro : na ra do Bario do Triampbo o. 79.
Vende-se a taberna sita roa do Aljabu da
cidade de Olioda*: a iratar na mesma
Joaqaim Jos Goncalves eltrao lem pura
vender na seu escrptorio ra do C5mmer3io n.
o, 03 gneros abaixo notados, qae vende mais bi-
rato do qae em outra qualquer parte :
Azetonas em aocoretas.
Araendoas era barricas.
Caf muido em massos de 1 libra.
Chapeos do Chile de boa qualidade.
Cognac marca raartel frres.
Enxadas.
Fartnha de mandioca de Santa" Catharina, 'sac-
eos de 3 e 2 alqaeires.
_Dta da Babia em saceos brancos.
. Dita de dita era barricas, prorias para casas
particulares.
Fio de algodo da Baha em novellos.
Foaces.
Maxados.
Notes.
Obras de palbeas.
Papel proprio para cigarro*.
Dito azul para botica.
Palitos para denles.
Pregos sortidos.
Panno de algodo da fabrica de Tcdos os Santos
Pedroso nde a Baha.
RMMP.
Rap popular da Baha.
Botim em fardo-.
Retroz dos melhores fabriinles do Porto-
Tapioca do Maranhao.
Tabaco monte da Baha.
Verniz copal.
Violo do Porto engarrafado, eaix de? 12 jrar
rafas.
Bazar Universal -
Ra do Barao da Victoria il
22, otrlqj ru \ Nova
Acaba de chegar p'jf este crjnJe estableci-
mento ara c-mpleto soitm.tr.lo te machiais
costura de todos es authore? cosbeido?. os^noaes '
giratftem por aonos as ditas mchicas,"o e ven-'
dem por preco< (ao rssoav^s que a lodos agrada-
r, cujos precos sao o -uinies : 0 60,
80i, 100/, I20, I30, nOS, ICO/, !B01, 1C*,
220, 2S0 e 300| r^. Gdraute-e sos crDfrra-
dores a ba qoalidade do trahalho e obriga-'-.'
a ensinar lautas vezes quantai srjam precisas
para bem coraprehender->e. Vende se lambem
peQas e mais pertences de sobrecalent para
as raesmas machinas. Previne-se desde j que
se vai ao ch-nisdo para conserto 3 enino de
machinas das que forera compradas neste asta-
belecimento.______________
Livraria industrial
Walfredo & Souza, *ceniificam ao respeili-el
publico que abrtm h.-je 13 de onlntrro sen nova
estabelecimento fon o titulo ib: L1VBAHIA IN-
DUSTRIAL, rna do Har- da Victoria o. l (ou-
tr'ora roa Nova) com nm escoibilo snrtimeuto de
livros de direito, liiieratrrra, Fclenciai earte.*, edu-
caco, class:o.", devocao, roio.in:-1?, etc, et:;
objectos para escrptorio, pap.Lna, albuns'para
retratos, bonitos arligos para dejeuno, livros em
branro e orjtros object'.',s ccocernenies a livraria.
EnCarregam so de ew mn odas de qualquer
I genero para o imperio e paizea e:-raogelro's, com
Ipromptjdo o por pref-os razoavei*.
Catalogo de aigiu Livros novos
que se aehaiu venla ucsa
easa.
CollectSes de 'a B^bliotheque ?'ktlonale, cooslao-
do de um grande numero de airas imooi t?nte?, as
quaes se vendem separadamente por 280 rs. o vo-
Ivme.
Dilas de L'Fcdh mului lie, I vol. 280 rs.
fkcambole, e'ifci popular cera estamp, t v.
3C0 rs. (j hi 21 v,,unics pubHcadt )
Gaireit, discursos lariamenures > memoriai
biographicas (obra novs) 1 sol.
demHelenarcnaiiie (otra O'-v) 1 vuL
Carvalho, Bosa da Mortanha, 1 vol.
Beot, mamorics 4" u,:' laietri -.-u um drarai.
da vida commerciai, l-v.l. i$. ,
Favores do Co a P.irtcga', I. v.!, l300.
A. Calle, o fierDO I vo!., 20OO.
Novo almaoi le do tetnbrtnaas la'o br.isi!eir;
para 1872, I vol. brrih. 1 5100."
Grande collecrao do (Wbiajtas de Laeramert i <-
ra 1872, oOO rs.
Grande m nimeuto Jelivr.s ntv.js comrtlJo
a guerra de Frnrca.
Msmoires inedits de bamarlrae, I v.!. grande.
A. Eaqur. s, hi-toii a Obert,
1 vol. graude 6HD estampas.
Mem dem, hjstoire des M. ntngnards.
Archives odiiaires, recueil ccmplet des d;-
eos-ic-ns lgislaves eldesdeb.ts resultinls des
grands prois :>. iti-rae* joto- en France do 1732
a 1810, 1 v.J. gr?.i^e, otra maito til a res juizes o alvegados.
Dr. Jos S.ru.M) de Sr-n/a, liroaiVi/hikisopilla
racional e mor: I, (.branovji I v'Sf. o 8* ntida -
lente impresroVm Paiis 7,000
CABRAS
das bareges lisas, de qoadiinhos e
rs. o covado.
Snperiors alpacas de cores, de fbres
vado
il de cbevre com lindas tres e
rfs o covado.
Na l naeir} la Marco, outr'ora do
m

de listas para vestirlos a 360
e de liaras a 300 ris o co-
da sopriore qoadades a JiO 5^
U Vasco n:ellos, roa
Desapparecerara duaicabras (bich.) c
crias, sea4a ama toda jireu e pequeuaJfcintra
graode, jirela, cm urnas malhas hrancj b
barrea a p**, tendo os ch.fres aparadr* 39 en1
da mesma cor ; quem deiles der nolieia na Boa
Vista, roa doP-stni". 1:. 7,-erarecompensado
Formas para pudius,
A:aba de chegar e aeha-se venda am grande
sortimento de formas para pudis. cangica, cre-
mes, etc. de variados gestos e ditTerentes nodel
los, o mclhor qae tem vindo a este mercado, ass'm
como o mais barato possivd : ra larga d) Ro-
sario, I 'ja do Icurja da porta larga n. 26, de Joa-
qqira Antcttio Pereira.
Machinas de costara.
GAHANTS-SE FICAR PERFEITAS.
Coneeru-se qaalquer qualidade de machinas
Je costara por mais estragada a0e eskji : Ira
lar na ra rea do Rosarlo lojrde calcadcs do
Sr. Vianna, ^or ser de aa a p*SOa que as con
Di'o du caj em caixas de uma dazia.
Bren.
Vende-se doze Larris com "eu
Mar(o n. 23 (antiga dg-CrWfoj.
na roa de
Papel pim impressao,
Vende-se por prejo moito barato, b^vt-ndo tres
tamanhos: na ra da Cro 1. oi, armazem de
A Ivs & I}.
Com o drvidoroipeito
Sim, com o detido respeit' qoe os proprieU-
rios da Confeitaria do Cam^oi, sit* ra do Im-
perador o. i, a cuja lenle se auba colloeatio
um grande lampea.) que se conserva aceso a nou-
te, que vem scieatitlcar so illnsrrr.do publico der-
la cidade e si?as >uburbios, que al se encontrara
consiaoterronte o segrate :
Fiambres promptu ioteiros e a libras.
Puddings de diversos tamanhos.
Bolos ioglezes e francezes.
Pies-de l.
Pastis folhados de fructa, de nti.i e de crme.
Empadas de diversos tamanhos o qualidades.
Doce ciysta.isado. secco, em calda e talado.
Pastilhas de horudan pimeoia.
A nenioss eoofeiiadn*, com ca*ca e descascada*.
Cocfetos, penioas e bon^as.
BoliDbos fceos par rh..
Lanches divei.-ij.".
Cerveja, champagrie, vio lio, McVui e cognac.
ASSIM GOMO:
Apiompum qualquer ercominooda de bolos 9
issado*, pois para i?*o (Ara uaa bem montada
fab ca.
E convidamos as Exma-, uojilii.s virem'vi- -
lar onosso fstiibi-le:iment-i, pos,oe!e encoatra-
ro sempre grado e sioceridade.
Para noivadosv
preparadas para lagos de c
receben a Nova Ssueranca.
nados de cana; receben a Nova Esperanca, a
ra Duque do (ix.as G : a ellas antes que se
acabem, pois vieram somonte -ei', e'sao hndissi-
0 verddeiro Portlaod : s se vende oa
roa da Madre Densn. 22, armazem de Joao
Marlins de Barro9.
certa.
to Correia
Faz-se negocio
' O dtiDO do grande e w-mo estibelecinienlo
de ftientfas sito a m da npera-.ii 0. j .Am ,
denomini^oPavilh da Auroraresolveo ve
der o dito estsbelsciuen:.' por motivo que "dir ao
comprador, *qoa! ?e venda !!re desfmbsraeido
de qoalqner o, a praso u!J a dinhe.ro, conformel
se conveneiooar : i-trjtj; n' mesmo eslab.'eci-
Mar,;
Luxo
e
economa
A^-T,Tt\J ic0* arii,l^ P lidrbos
de vasa?, .li u Qa raa do Du )ue ^ ^.^ ^
fVendese
la-Nov.1 n. 22,
raesma.
a laoerna -iia ra da Sen tal-
^^Bncos fondos: tratar na
ment.
/oaijaim do S Fopes Fe:
lepa i p\v
* vai
a For-
'" ?' % "'
V,1^^K ."6 a e da s?u Viior- i!, Pelo
rendroBte de dez naos ura terreno foreiroron
ia se tdP edmeada irte da ei-jae do R o
ir mo l ,,,, p
a f
na s-.bredlta e;la4t>r
Fjr-
Libras stHiaas.
Vende-se no armazem d* fazendas de
?. de Oliveira & C., rna lo Coramerolo n. 4
Augusto
O compendio elementar do syMema mtrico
decimal organizado por J. Q. dos Santos ei ven-
da as hvrarias dos Srs. De Leihaicar & C. Nc-
gusjra & Medeiros a rna i" de Marco (antiga do
Crespo) n. 2 e!), J. W. deMeJeiros raa diT Im-
perador n.79, ManoelCardoO Ayres a roa da Cruz
na fregoezia de S. Frai Pedro G-racalves.
Capst s raquim
^capsulas do rrqnim lorram-s.i um amalir
facilida,-e4'''eaDM n:nor.idispocao d)
estomago' t. oiedicam.oto do mais salatar e.'-
feito as gonorrbe*? 't!!**' 00 "*
Dt. 5,T0<
. Ph.irrnacia de Fe.7eJ C,
SUOCESSORES DE J ^ W
10-RA LARGA DO ROSAKk0*'"
(Janlo ao qu.-rtel de polica./ ,.
Vende se o atorado de ora andar da raa de
liornas Varemtau/vgai Virdcs. n. 35, cm chaos
proprio; : a tratar tu raa Sai* n. '60, 1* Aar.
Oleo de Hhaca.

Vende-?e era b%rri9 : no'armizera de Edn rio
Fenton. [a roa io Coromerclo n. .
flAfl S. 19
vende-.-e vinhot do iMro <:nc,;rrrdo, dil-m em
barr*, reiroz di
?flS e tojii' de -e-a
fil
enfeitadas para spuisora a 3*
o p-,r.
Na ra da Imper-irz n. Sii. l.-j^ do mercurio.
Tinta rMera ex^-fiua -de
J mt
Vti.i-h.yjas
Quaitos
Ol 3 vos XO
Por rste* prec ?ard A :,
rna da Jlanw

(


l~-
'%.
Oiaiio de PeinamDuo* Sexta eira 3 de Novembro le 1871.

->
LABOR TOMO HOMEOPATHICO
DE
FRANCISCO DE PAULA CARDUZO JHOR 4 C.
41.Ra do Imperador41. .
Francisco de Paula Cardoso Janior A C*
ttBB|^pi^)S malm .cabellos branca*.
1 Tintar* jiponea.
86 ante s$prma pelas u icadtaiu de
tciucia, reeonhecida superior toda w <<* tp-
Darectdo *t. bola. Deposito principal i ra da
jadaia do Recite a 51, i* andar, a todas aa bo-
iras casa de'eabelltreiro.
rHTrn I



(
i
i)
i
animados pela condescender!- f
ca, que para com eiies teve o Sr. Dr. Jicintho Soares Rebello, que ha 46 annos 1}
exerce o systema bomoopathico, gozando sempre de subido conceito, a estabe-
lecer nesta cidade uaLABORATORU HOMEOPATHICOde primeira orden,
digno da confianza e proleccao do illastrado e respeiuvel publico desta prorin*
ca e do norte do Brasil, para oque, ni se ponpando a despezas nem fadigas
|y capazes de operar lottas as dilBculdades, com-que tiveram de luctar, trabalha-
ram incessantemente desde marco ultimo, julgando ter conseguido o sea desi-
dertum, tem hoje a satisfac5o de, annunciando a abertura de sua casa, afir-
mar aos amigos da bomeopatbia, que se ju'gam completamente habilitados para
) o perfeito desempeo de todos os misteres do seo encargo. a
Os elementos do seo establecimento foram todos importados da afamada l
casa de James Epps & C, de Londres, ura dos primeiros e tal vez o mais co-
nhecido e acredita lo establecimento deste genero; as prepararles secundarias
(dynamisacoes 6 diluicSos) foram preparadas com o mais escrupuloso esmero
segn lo as regras da sciencia e sob a immediata direcao e inspecSo do mesmo
Sr. Dr. Rebello, cujo nome ligaodo-se desta sorte ao establecimento, a mais
segura garantia que podem offerecer os seos proprietarios s pessas, que os
honrarem com a sua confianza, de que no preparo dos medicamentos nao se
pouparo esforco3 para que sejam bem servidas, pois que a austeridade.com que
cumpre aqnelles todos os seus deveres e sobretudo o respeito, que consagra
sua prrpria reputado, lhe nao permittiam sacrificar a vida de seas clientes
ao interesse de terceiros.
Sem pretenderem os proprietarios depreciar os productos dos outros
estabelecimeotos deste genero, creera todava poder afirmar que nenhum outro
excede o seo em soperioridade, e para que oenhuma duvidahaja a este respeito, m
podero todas as pessdas que quizerem fornecer-se dos seus medicamentos vi- v
I
sitar e examinar o establecimento, onde, alm de boticas em globalos e4intn-
) ras de varias capacidades desde 12 at .120 medicamentos por precos razoaveis,
encontrarlo todos os artigos que tornam completo o sortimento de casas desta
ordem, taes como: excellentes chocolates, pos dentifricios, encerado de rnica,
tintura de guaco* etc um lindo vo'ume encadernado domedico do povoori-
) g>nal do Dr. Mure, traducido pelo Dr. Silva, Pinto e revisto o augmentado em
3.* edicco pelo Dr. Antonio de Castro Lopes.
Esta obra que contm mais de 500 paginas de impressao e urna estampa
explicativa dos diversos orgos do corpo humano om dos mais claros livros
destinados ao ensino pratico do tratamento de todas as enfermidades, pois indica,
n3o so os medicamentos apropriados para cada molestia, como a maneira de
. applicar e repetir as dses.
) .0 preco d'ella de I0/J000 para as pessas, que comprarem boticas
neste establecimento, e de 120000 para as que comprarem smente o livro.
Contando pois, com a valiosa protecco d s amigos da homeopathia, coo-
clacm os proprietarios o seu anonncio, declarando que se acba adjacente ao sea
I LABORATORIO o consultorio do Sr. Dr. Jaciotho Soares Rebello, e que se
encarregam de receber e enviar ao meimo Sr. Dr. a toda e qual raer hora os
chimado., de seus clientes.
I
fftm i venda em seui armazens, alm de outros
Magos tte tea negodo regatar, 01 sugirtas, que
rtndem por pr*;oi snifc-liadicos que m on-
POSTAS de piDbo alraofadadas.
PORTEIRAS de (erro para cercas.
SALITRE inglei.
CSXBIRAS da India para caro* e ferrar Mita.
CANOS de barro (ranees par estala.
SB8SO saperior em porches e a omento.
CEMENTO de todas as qaalidades.
MACHINAS de descarocar algodao.
LONAS e brioxSes da Russii
OLEADOS americanos para orro de carros. .
fOGOES americano moito bons e econmicos.
yrjVBO de Bordeanx.
COGNAC snpwkJr de Gante Frerea.
rARELLO em saceos grandes a 1*600.
AGUA florida legitima,
BALANCAS decimae*.
CADEIRAS americanas.
RHUM da Jamaica.
AZULEJOS de Lisboa.___________
Contra a toase
PAOTLHAS PEIT0RAB8. <
de
Gomma simples crysta.liaa.da.
Dita* de anfico
Naff d* Arabia.
Ser de piobo martimo de Lagasse.
E ouiras maltas que moito se recomeodam pe
ls*snas zeeetes qaalidades.
Vende na
PHARMACIA E DROGARA

mm wmm
DE *
rancei superior
qaalidades a 540,
RA DUQUE DE CAXIAS N. 52
(Outr'ora Queimado n. 8.)
A Aftnia Branca tendoj recebido parto de mas
antigs eocommendis, em seguimento acaba ago-
ra me?mo de reecber outras, aigunm das quaes
se tor:i"v^m es-c-neia!mente precisa*, e outras se
fazem apreciadas por seas gostos e qaalidades,
corro sejam :
Meias de fio d'escoch, abertas para senhoras
e u>-um. ?.
Ditas iem eom listas tambera para senboras
e menina-.
Di'a idem mnito bonitas ao gosto escoces.
Ditas iem dem brancas e com listas pira me
Binas.
Dita? iJ m id-m para baptizados.
Ditas do algodao cimjjriJ.s e cm Iistras para
menina'.
Luvas pretjs de seda, para senhora.
Ditas de turcal e do sera para meninas.
Bonita] caraisih.i3 bordadas para senhora?.
Fil "fas, branco e preto com flores miadas.
Dito de algodao, liso e com flore?.
Touquinhas bordadas para crianzas.
Lidos e modreos chaposinbos de fu3lao para
utas.
PeatM de tartaruga para desembararar ou pen-
teir.
Ditos da dita travr-?os para meninas.
Dito.' de borracha para ditas.
Dito' de tartarnea, pequeos, para segurar o
amarradiio aos cabellos de 9ebora3.
Grande sorlimento de enfeites de seda para ves-
tidos.
Fiv 'lias de madrcprola o de tartaruga para
pulceira e laco para o cabello.
Bonitas b leinha para meninas.
NOVO S9RTMENT0 DE ENCIIOVAES PARA
BAl-TISADUS
A agnia branca acaba, de reecber novo sorli-
>de lindse completos enchovae3 para bap-
ksados, o bem ssim separadamente cainiinhae
para dito=, liados chapeo3inhos de setim branco
boruados, outros ditos com fundo de vellado, obra
de rno.it') gos,* que serveru "tambera para pas-
seio, sapatinhos de se im para o mesmo flm.
MODERNOS EXFEITES DE FLORES,
ornados enm bicos de seda,- Atas de setim!e fivella
de madrepsrola ao ultimo go?to, e proprios para
tiil83, ci^.'.merito?, etc., etc.
FLORES E PREPAROS PARA ELLAS
A Aguia Branca receben lindos ramos de flort
finas, tanto para cabeca como* para chapos,
bem assiro : s
Papel verde liso e com listas para fulha;.
Dito de cores para flore?.
Folhas de diversas qualidades para rosas.
Ditas verdes e lustrosa?, opra nc va e pela pri
meira vez viadas como amostra.
Franjas pretas e de diversas largaras para en
feitar vertidos,
COQUES DE TRANCAS E DE OUTROS
MOLDES.
A Agnla Branca aaba de receber ama peque-
a porcao dos bonitos e modernos coqaes gran-
des de tranca e outros molde?.
ROVO SORTIMENTO
DE
BOLECAS
A aguia branca, a roa do Duque de Caxias n.
82, outr'ora do Queimado n. 8, acaba de receber
um novo e bello sortimento de bonecas de diver-
sas qnalidades e tamanbos, sendo :
Com rosto de seda, das que chorara, e outras
que M'am.
Com rost, mos, e ps da porcelana, e pro-
prias para vest r-se.
Obras de porcelana
A agnia branca tera outro sortimento de diver-
sas obras de porcelana, sendo :
Bonitos e ricos vasos para pos de arroz.
Outros "para jota.
Outros para abnete?.
Outro3 para enfeites de mesa.
Pequeas e bonitas pias para agua benta.
Pequeos jarros para santuarios.
Outros maiores para mesas.
Bonitos port relogios.
Liadas ce^inhas trobera de poreellana.
Escrivanias de dita.
E muitos outros objectos para eneites de mesa.
COMt
BaowRWawiWttsflMf*
DE
iMitozi:
Este noro preparado aprovado pela academia
imperial de medicina, mnito se recommenda pela
ma accao sedativa t calmante, sofcre o systema
aervoso, o bromureto de potassiam, nao deas de
lar os mais oertos resaltados as diversas aflec-
o5es do organismo e principalmente as molestias
Jo coracao, das vias digestivas da respirarlo, das
ras genito-urin*rias, na epilepsia, as molestias
aemsas da preohez, na insomnia das crianc&s
uraote o periodo da denti^o etc eta
Vende-se na pbarma e drogara
de
Bartiotomen % C.
34-RA LARjA D0R0SAR10-.V
i
ARMASEM DOS LEOES
RA DUQUE DE C4XIAS N. 29
Os propietarios deste^ grande e bem moudo establecimento scientieam ao
respeitavel publico desta prov.ncia, que se acham comuna variado e completo sortimento
de movis, tanto nscion^es como estrangeiros, se'jdo estes escolfaidos capricho por
om di* socios quese acba actualmente na Europa, e ppr isso os podem vender ma
baratos 20% menos de que em outra qualquer parte. O mesmo tem contratado com
os melhores fabricantes daquelle continente as remessas das mais ricas mobias feita>
all. Na ofSciaa tem os mais habis artistas deste genero, e por isso aptos a fornecerem
mobias as mais aperfeicoadas para as casas da provincia consideradas de primeir
ordem. Pedem, portinto, que- venham visitar dito establecimento, onde encontraro
a realidade do que acabam do expr, passandoa examiaarem : rica* e completas mobias
de j&i-d.dud, mogno, faia, carvalho, amarello, etc. etc., ricas e elegantes camas de
Jacaranda, po-setim, amarello, etc. etc., guarda-vestidos de amarello, guarda looca de
aogneira, amarello, com tampo de pedra, aparadores de dita, dito, com dita, petits
loiiett'S, especialmente para fazer barba, toilettes de Jacaranda e amarellp, com pedra,
e muitos outros artigos do gosto, que para se n5o tornar enfadonho prescindimos de
arer mencap delles, o que s com a vista poderao apreciar.
Gas economlc > para os can-
dieiros de porcelana.
Acaba de chfgar ett* di bem cinheciJo cora
Jonivel, como o mais barato, proxpto e asseiado
de lodos aos, e se encontra ven-
da no mee dp silo, a ra larga do Rosario nu-
mo Si.
ATTENCAO
Vende-se a taberna da ra da Semalla-Nova
n. 6 e %l, con poneos fundo: tratar na mes-
PVH V ^OIV %S
Lindas grinaldas com flores e botoes de
larangeiras com vivos e sem elles, vendem-
se na Nova Esperanca roa Duque de Caxias
n. 63.
Oleo para machinas
Vende-se na Nova Esperanza roa Duque
de Caxias n. 63.
Nao baver eonvulces.
As crianzas que usarem dos collares ano-
dinos, que se veBdem na Nova Esperanca,
estaro isentos de convulsoes; pois sao os
verdadeiros recebidos directamente.
RIVAL SEM SEGUNDO
RA DUQUE DE CAXIAS N. 91.
Jos Bigodinbo, com loja de miudezas,
avisa a todos os os seus fregoezes quo est
torrando todo pelo prer^o, a vista da agzea-
da, para todos admirar, a saber :
Pecas de fitas bordadas mnito finaa 1#500
Thesouras grandes e pequeas o
mais fino que ha a lOOOe
Caixas com 20 quadernos de papel
liso, amisade a rs.
Pecas de tranca de ISa e algodao as
mais modernas a
Frascos com acaa de colonia muita
fina a 400^
Frascos com a|ua de colonia ver-
dadera a 800 rs. e
Chapeos braceos para baptisados o
melhor que ha a 35000 a
Duzias de botoes cobertos de seda
para vestidos por todo o precd
para acabar.
Libra de arda preta a
Grosas c'e botoes de lnca branca a
Caixas com 100 envelopes fazenda
fina a 500,.600 e
spelbos de moldura dourada a
800 e-
Pentes pretos volteados para me-
ninas a
Tinteiros com tinta preta a 80 e
Pecas de fita elstica muito fina a
Latas com superior banha 60, i00 e
Latas grandes com superior banha a
Frascos com oleo de Philocome a
500 e
Frascos com macass | Peruia a
Frascos eom agua de Colonia verda-
deira a
Ditos com oleo de babosa suderior a
Carriteis de retroz preto com, 2
oitavas a
Caixas core agalbas fraocezas a 160
160
Pecas de Uras borJadas a 500, 600
800 e
Garrafas cota a verdadein
florida a
Cartiltm da Dontrina ChristSa es
mais modernas a
Pacotes com 3 sabonees inglezes
fazenda fina a
Escovas moito finas para limparos
denles a ___________240
Alcatrao de guyat
LICOR CONCENTRADO E TITULADO
E' um poderoso remedio contra, as seguinte?
molestias: bronchites, catarrhos pulmonares, tos-
3P, rebeldes dttluxos, irritacao de peito, males da
garganta, phsica pulmonar, deys pesia, catar
rlio de bexiga, molestia de pelle, perda de cabel-
los, purgajiias antigs e rcenles, etc, etc.
DEPOSITO
Pharmacia de Ferreira oVC.
successofes de j. a. pinto
10-rua Larga do rosaRio-io
Xarope de fedftgoso
E' de urna effl;aea verdadeiramente maravi-
fbosa como calmante do systema nervoso e ap
plicalo contra a paralisia, asthma, tosse convulsa
ou coqueluche, to?se recente ou aatiga, saBoca-
> oe.', catarrhos, bronchites, etc., e em geral con-
tra todos 03 soltr mentos das vias respiratorias, *
na phtistea palmonar, esa virtude contra o ttano
ou espasmos, e convuh5es incontestavel, a nin-
gnem ba que a desconheca.
DEPOSITO
Pharmacia de Ferreira & C
SUCCESSORES DE J. A. PINTO.
10-RA LARGA DO ROSARIO-10
_________(JoJpoquartel 4e polieia.) "
10Sna do Crespo10
Pecss de algodao com 20 Jardas a 4J, 4*500
5*000. ^.
Ditas de madaporio a 4|, 54, 5*800, 6*, e
6*000-
Ditas de dito infestado, iraneei
10*000.
Chitas francesas de todas as
180, 309, 310 e 360 o covado.
Caajrbrakn de coree a 140 e 280 rs. o eovado.
Dita lisa de cor a 320 rs. o covsd*.
KiflMMssWHMlfMaa 40 nua Tara.
Mm Jrwua. Usa transparente a 3*, 3*501
e5*0.
Ditas de drt* tapad Victoria, a 4*. 4*500, 5*
eftEf
DHas dOidtta transparente, suissa muito fina
com47ivas9, lit.
Ditas de dita bordada eom 10 jardas a 7* e
Organdy branco fino a 700 rs. a vara.
Bnlnantina branca infestada a 440 e 500 rs. o
co\ado.
Bretanba de linho eom 25 varas a 20*000 e
25*000.
Dita de dito'infestada eom 30 varas a 27*.
Bramante de linho eom 10 palmos de largara a
2/500 a vara.
Dito de algodao a 1*500 a vara.
Atoalnado de dito e de linho com 10 palmos de
largara a 1*500 e 3*.
Toalhas alcochoadas para rosto a 7* a duzia.
Ditas de linho do Purto felposas a 10*000 a
dntia. '
Goardanpos de Unbo a 3* e 4* a duna.
Cobertas de cuita 2* e 2*500.
Dis de chita adamascada forradas, 4*, 4*500
e 3*000.
Colchas de damasco de cores a 4* 6*.
Ditas de fuslao alcochoadas a 5*.
Cobertas de la escoras a 2*.
Ditas de algodao brancas a 1*400.
Colleirinhos de-linho a 500 rs.
Chales de merino lisos pretos e de cores 2*000
e 3*000.
Ditos estampados de meta casemira a 2* e
2*500.
Damascos de ores a CIO rs.
Lencos brancas de cassa finos, 2*, 2*500 e 3*
la dtttia.
Ditos ditos e de cr abainhado largo a 3* e
3*300 a duzia.
Ditos dito de cambra>a dajinbo finos a 6* a
duiia. .
Ditos deesguiao de Ic.iho a 4*, 4*500, 5* e 6*
a dutia.
Bnm Angola a 60, 80 e 1*000 o eovado.
Brins dt linho de cores a 500 rs. o eovado..
Cortes de meia ca-emira para cal?a a 1*200 e
1*W0.
Ditos de casemira para calca a 3*500, 4*500
5*500.
Caemiras de cores dedaas larguras, 2*, 2*50
e 3* o eovado.
Ditas pretas, duas largaras a 2*500 o eovado.
Pao Tino preto e azul a 2*, 2*500, 3*000
3*500.
Dito dito muito fino saperior a 5*, 6* e 7*
covido.
Lans e alpacas de core* para vestidos a 400
500, 600, 700, 800 e 1* o eovado.
Toalhas com lahyrintos para bandejas e har
rosto a 8*, 10* e 15*.
Camisas de tl.nella branca, e de cores 2*,
2IS0O,' 3*. 3*500 e 4*500.
Grosdenapoles preto e de cores 2*, 3* e 4* o
eovado.
D5o-se amostras com penhor.
Vende-se tambem grande quantidade de ronpa
feita e por medida por precos jnuilo reduzidpSj
@3
A FLOR M URO
E' este o distintivo de urna nova e lem montada
loja dejoias,sita a ra larga do
Rosario n. 2 L+ e
Os proprietarios deste elegante establecimento lendo em vista os esforjos que
fizeram para o collocarem as eondicedes de ama grande elienulla, filtariam ao mais
rigoroso principio se nao viessem as collnmnas 4o Jornal seieatificnr ao respeiuvel pu-
blico, que no me.-mo establecimento encontraras sempre o mais completo sortimento
de jolas, como sejan: brincos os mais modera**, pa adornaran as Oecnta ore-
lhas do bello sexo, e que se vendem a 8, 9 e 10* o par, dius paxa meninas a 4, 5 e 6*,
ditas de coral, obra de aparado gouo a 3 e 4*, Voltints de coral com cruzes de ooro
a 5*. breches modernos de 3 a 13*, ditos com pedras e em soas devtdas caix nhas a
10, 14, 16 e 20*, rosetas lisas, porm bem trabalhadas, de 2*100 a 9*. ditas com
pedras de 4 a 15*, escoletas a 4*. ditas com Inscripctes a 5*5CO, ann*i de diversos
gostos, e com bonitas pedras a 2, 3 e 4*, dius da peroiap, esmeralda* e roblas a 6*,
ricas rrnzes de esmeralda e rubim a 12,14 e 16*, ditas de ouro e coral com vistas pho-,
togruphicas a 3, 4, 5, 6 e 7*, flgas de coral a 2*. cadnias pan. relogios a 20*, Mlit a
6*500 a oitavi^gaarnicSes com tres botoes para aberturas a 4*, ditos de pedrlnhas a3*00
o par, ditos pafa ponhos os mais modernos a 7 e 8*; alen de um variadtukne sortimen-
to de joias de aparado gosto que recebem por todos os vapores da Europa : como,,,
sejam : brincos, braceletes, alfinetes, aderecos completos, cruies, rozMaa, araei* da i
brilhantes, esmeraldas, perolas e rublos. MedalbSes, voltas, trancelins, anneis com let-"
tras e de diversos modelos, ocnlos e pencioez de ouro e prau dourada, relogios de ou-
ro e prau de afamados fabricantes, salvas de praU de diversos umanhos, riew palUei-1
ros e faqueiros, colheres para cha e sopa, maracas para criaujas, e ama infinidade de
objectos que seria enfadonho mencionar-se.
Os proprietarios da Flor de Ouro garantem vender mais barato que em outra
qualquer parle, para que esur aserto o establecimento das 6 horas da jna^Mji aav8 da
noate.
AO 65
aga
14500
500
160
. 800
15500
50000
160
120
800
i 000
240
iocr
20C
200
320
800
240
IjJOO
320
600
240
15000
idtfDo
400
600
Cura rpida e radical dos
callos
pela pomada Galopau
Essa pomada que tao bons resultados tem colht-
du as pessoas que della tem feito aso acaba de
chegar para o sea deposito especial..
NA
Pharmacia e drogara
DE
Bertholotnea 4 C. roa larga do Rosario na-
_______________mero 34-_______________
J. 0. 0. Doyle tem em seu
armazem para vender
O SEGINTE :
COGNAK HENNESS.
VIMHO XEREZ.
DITO DE LISUO.V,
FILTRADEIRAS. ,
BITTER
A' roa do Commercio n. 38.
Vende-'e urna armaclo e alguns pertenjes
na ra de S. Joto n. 19.
AOJA
DO
GALLO VIGILANTE
Rna do Crespo n. 9
Acaba de chegar pelo ultimo vapor diversos ar
t'gos de novidade, como sc-jam :
Lindas touquinhas enteitadas para baptisado ;
assim como chaposinbos.
Sapatiobos de seda e de merino.
Heias de seda e fio de Escocia de 1 a 12 annos
de idade.
Ricos leqaes de madreperola todos abortos, o
melhor que ha neste genero ; assim como ou-
tros de madreperola com seda, fazenda requissi-
ma; tambera receben grande sortimento de le-
qaes de jso fingindo marfim sndalo e madeira,
tanto para senhora como para meninas.
Superiores ligas de seda para sejurar meias.
Meias de borracha para quem sottre de inxacSes
oa erysipela.
Seda frouxa para bordar todas as cres.
Froco de seda para o mesmo fim.
Retroi preto e de cores em carrilis.
Fitar para cartas de bacbmis.
Q'iadros para retratos.
Lavas de pellica, e de seda, branoa pretas e de
lindas cores.
Superiores capellas para noivas.
Lia Jos alfiueies de madreperola para peitos de
senhoras.
Liadas abotuaduras para collets.
La de todas as cores para bardar.
Superiores pencenez de ac.
Muito finas thesouras para costara, unhas e
para cortar cabellos.
Superiores peu-.cs de tartaruga para arregagar
cabellos.
' Tiuturi ingleza para Ungir cabellos, a verda-
dera.
Grande sortimento de franjas pretas, largas e
estrellas e lindos padroes.
Lindos babadinbos e entremeios bordados, tapa-
dos e transparentes.
RA DO DUQUE DE CAXIAS
' (Outr'ora do Queimado)
Tendo-se resolvilo d'ora avante venderse neste establecimento todas as (afea-
das existentes no mesmo, por precos que todos admirarlo, acbo de met dever partir-
pa-lo a todas as Exmas. familias em geral, afim de virem visitar esta establecimento
ou mandarem buscar amostras, garaotindo-se-lbes um boni sortimento de fazendas de
algodao, lia, linho, e seda, emfim urna infioidade de artigo de moda inandando-se a<
casas das Exmas, familias, por empregado da casa, toda e qualquer (axe^df para verem
ou escolberem.
As pessas que vendem em menor escala poderSo bem sortirem-se neste estaba
lecimento qoe vender pelos mesmos precos que em qualquer casa importadora, tendo
a facilidade de comprar qualquer porreo.
O 65 tem om completo sortimento de roupas bem acabadas o que vende por
precos muitissimo commodos, mandando tambem fazer por medida toda e qualquer obra
qoe os concurrentes desejarem para o que tem um dos mais habilitadissimo mostr
alfaiate, cortando por um systema inteiramente novo.
Os annuacios nesta praca esto e por certo devem estar desacreditadsimos, poia
que ba casas que annunciam aqoillo que nao teem, o que o 65 garante nunca dar-se em
seu establecimento, pois que so deseja bem servir ao publico em gerai, para ganbar
grande nomeada em todo o mundo.
O 65 acba desnecessario mencionar os precos de suas fazendas pois que isso tor-
naria-se demasiado macante para os leitores, por ter de ser demasiado extenso sea aa-
nuncio, e mesmo para se tornar menos despendioso, pois que vendendo muito e muito
barato mister encartar suas despezas. A sinceridade dos tratos do 65 julgo que ji o
publico conbece demasiado, pois. que sempre tem cumprido com aquilio que annuncia,
n5o verdade ?

E' INTIL, NAO SE CANQEM, COM O 65 NINGEM PODE COMPETIR
RA DO, DUQUE D CAXIAS
(Outr'ora do Queimado)


'
r
D. Aona Francisca da Fonceca Pimenta pre-
tende vender a olaria denominada Taquary, no
todo ou reulbando o terreoo ; assim pois quero
pretender dirija-se a annonciante na estrada no
va do Caxang para contratar, afim de que com
dados cerloj pos* obler licenga do juiz de or-
phaos para dita venda, visto ter sna fi ha menor,
parte em dita olaria.
Cafe moka.
Fonceca & Santos vendem em sen armazem es-
te supefSor caf, por preco muito m;avel, visto
a excelente qualidade : ra do Arnortm n. 33.
Vende-se ura piano de mesa quasi novo e
moito proprio para qualquer principiante, garan-
te se o bom estado do piano : a tratar na ra Du-.
qne d Caxias n. 6, antiga das Cruzes.
Manteigd ingleza.
Vende-re i 800 rs. a libra e IJ760 o kilo : na
ro* de Pedro AtTonto n. t, antiga rna da Praia.
Vende se um pequeo sitio na Boaviagem, lendo
boa casa de viven Ja, nava, eom ptimo terreno
para planta cao de caplm, e na melhor localidde:
a tratar na roa da Madre de Dos n. 36, prtmeiro
aodar.
56 ARa do Mrquez de Olinda56A
outr'ora ra da Cadeia.
LOJA DAS MACHINAS
Sendo este antigo establecimento assaz conhecido como principal e recommen-
dado pelos grandes depsitos e bons aortimeotos com que sempre prima em ter dai
melhoras, mais acreditadas e verdadeiras machinas americanas para alg-
dfia, desde 10 60 sorras, e ba vendo em todos os tamanbos diversidades de syste-
mas e melboramentos para perfeito e rpido desear camento ; tornam se dignas dt
serem vistas e apreciadas pelos Srs. agricultores; os quaes, alm disto, encontrarlo
tambem mais:

Apurados vapobes logomoveis, de or?a
de 3 4 cavallos, e pertences.
Machinas para lavar ronpa.
Arados americanos para varzea e la-
deira.
Carros de mo para atierros.
Tinas de madeira.
Baldes de dita.
Ditos de ferro estanbado.
Ditos com vlvula para lavatorios.
Dites de madeira para compras.
Apparelbos para jardins.
Guardas comidas.
Tampa3 para cobrir pratos.
Tarracbas para lagar parafusas de ferro.
Ditas dita ditos de madeira.
Trens para cozinha.
Ternos de bandeijas finas.
Correntes para arrasUir madeira.
Cylindros americanos para padarias.
Pertences avolsos para machinas.
Salitre refinado.
Breo superior.
Moinhos de diversos fabricantes par
milbo e ca'.
Debul hado res para m'lbo.
Azeite de spermacete para machinas.
Camas de ferro.
Bombas de Japy.
Ditas americanas.
Cofres de ferro patente. _
Canos de ferro esmaltados.'
Ditos de dito estanbado.
Ditoa de chombo.
Ditos de borracha.
Folies para ferreiros.
Emfim muitos outros artigos, qoe s avista e neste establecimento poderlo aar
examinados.
ERNESTO & LEOPOLDO
N. 2 D Ra do Cabug N. 2 D
i
Acha-se montado de forma tal este establecimento de jotas qoe pode
vender aos seus numero;os fregoezes em grosso e a retalho e por precos
mui resumido visto que recebe de conta popria por todos o vapores de
Eoropa. O gosto de desenho de suas joias o mais lindo do paz das
modas, ouro de lei, brilhantes verdadeiros, esmeraldas, robini, perolas,
turquezas, saphiras, coral rosa etc. etc. Obras de prata do porto tasto
para igreja como para servico domestico. Convidamos as Exmas. raninas
a visitaren o dito establecimento todos os diaa at 9 horas da noitft.
Compra.se ouro, prata e pedras preciosas em obras veiasti
r>-*j
m
Sb
L J
i.


1
>l
Diario do Pernambuc Sexta eira 3 do Novembio d 1871.
7
-c

h
&,



DO
FIGUEIREDO a LOPES.
84 MA DA IPERATRIZ N, 64
Os proprietartos deste importante e sympatbico estabeleciraento de fazendas finas,
em visar ao respeitavel publico e particularmente a sua numerosa fregoezia, qoe o
CYSNE acaba de sortirse de tudo qaanto ha de gost e moderno em fazendas tanto
para hornos como para senhoras.
K* ocioso citar qae os proprietarios da loja do CYSNE naturalmente providentes e
'ona espirite altamente conciliador dos interesses alheios com os seas, teem sempre
seguido e magnifico systoma de offerecer venda fazendas de todas as qnalidades e pre-
(os relativos de forma qae fcilmente podem fornecer artigos de sua casa accommodados
a todas as fortunas e meios.
E obre todas as conveniencias e meios preferivel comprar no CYSNE em con-
eqneocia da sinceridade e barateza com qae negociam os seos proprietarios.
No loavavel empenbo de ostiflcar as soas operares convidam as Exmas. familias
i visitar a sympathica loja do CYSNE chamando as aitenc-es do publico em geral para
u Mgnintes especialidades e precos,
PARA NOIVAS.
Veos, capailas, sedas e popelinas orancas
de cores, gollas, pmhos 'e camisas bor-
dadas, todo caprichosamente escolhido e
para varios precos.
CRETONE BAPTISTE.
Fazenda lisa de ama s cor, de cores di-
versas, para vestidos e tambem propria para
sombras.
CAMBRAIAS
Transparentes de 8 1/2 varas desde
10500 at 80 a peca. Victorias maito finas
de 40 at 85000.
CORTES BORDADOS
Fazenda branca de delicado bordado
baiio? precos acompanhada do competente
gorino.
LAS
Variadsimo e neo sortimento desde a
lia Usa barata de 40 at a de listras de seda
m.is cara qoe pelo prego qoe vendemos
porassim dizer de graca vista do gesto
t qualidade.
BAREJES
Lindos padrees aos precos de 360 e...
400 rs. o covado. ,
SAI ASBORDADAS
As qoe o CYSNE vende sao bellas e su-
periores.
LUVAS
Aa melbores e mais procoradas lavas de
fonvin, braceas e de cores s3o as qoe o
CYSNE expde a venda.
BALdES
De crotones com babado e bordado, di-
tos de arcos a 10500, pecbincha sem rival
oo genero.
CHITAS.
Completo e grande sortimento de todos
m precos de padrfies modernos e cores fi-
cas.
GROSDENAPLES
Finos de todos os precos e largaras s
a CYSNE pode vender barato-
FLANELLAS
De Ares e brancas de 500 rs. al 1<9300
covado.
ALPVCAS
Lavradas de 500 rs. a 10OCO o covado,
especialidade dotlYSNE qae n3o conta com-
petidor.
MADAPOLOES
Francez de 24 jardas de 84 at 104000,
inglez. de 54 at 84000, e maito fino.
DAMASCO
Com 8 palmos de largara, dito estreito.
CORTINADOS
Para camas e jaoellas de todos os tama-
nbos, cambraia para o mesmo fim de 20
varas a 104 a peca.
ATOALHADO
Da linbo adamascado, dito de algodo
maito finos, bramante entraado e liso, e
barato s o CYSNE vende.
GARDANAPOS
Grandes e peqoenos.
SETINS
Para todos os precos diversos pa-
drees.
PARA NOIVAS
Camisas bordadas, peitos colarinho e
pannos lisos.
PARA LUTO.
Merinos, princezas, alpacas, canto, bom-
basinas, chitas, cambraias etc., etc., por
precos qoe s o CYSNE vende.
PARA IIOMENS E MEEINOS.
Brim pardo a 640, 840 rs., 14 14500
o metro, gangas de 400 e 440
do, e tambem temos o afamado
angola.
CHAPEOS DE SOL
Para bomens e senhoras dos
fabricantes da Europa.
FILOS
De seda, ditos de linho, pretos e bran-
cos e mais baratos qae em oatras loja.
MEIAS
Para todos os tamanhos e qnalidades
CHALES
De merino lisos e eslampados, pretos com
franja de seda, ditos com franja de 12a es-
pecialidadedo CYSNE.
Descnlnem os neseos-fregnezes termos smo om pouco extenso na narracio de al-
mmasfcuovioarlfis cois com quanto seja nosso inleresse tambem o dos nossos fregne-
sea qoe qnerem e gostam andar Da moda.
Ra la Imperatriz n. 64.
FIGURO & LOPES.

WJ.V.ii-.w...
JOAQUIM
LOPES
MACHADO ft- C.
Travessa do Corpo-Santo n. 25
ARTIGOS AMERICANOS
Cylindros para padaria.
Carros de mo para conduzir fazendas.
Machina; para descarocar algodo.
Poliaa de diversos tamanbos.
Canos de ferro galvanisados para cnca-
namento d'igna.
OBJECTOS PARA CARRO
Oleado preto para gmrda-cbova de carro.
Dito de cores para forro de dito.
Chicotes para dito.
Pontas de lan?.
Gales de seda para o forro de dito, es-
treitos e largos.
Pregos de cabeca de marGm.
Escovas para dar graxa.
U
19
Marco
Tendo renovado completamente a loja do predio, em que teem o sea es-
tabelecimento,
19=-A ra Primeiro de arijo19
com aqoelle asseio e elegancia deaejave, acham-33 agora prvidos do mais
explendido sortimento de fazendas firJ s e modernas de
SEDA, LAA, LINHO E ALGODAO
todas do ultimo gosto, e continuara a ter como sempre, diversos
ARTIGOS ESPEGUES DE SUA CASA
Garanten), com toda
a sin eridade, vender
por menos que qual-
quer outro, porque
rectbem fra direitura
a raaior parte de soas
fazendas. 1
19 RA I' DE MARCO 19
(iniiga raa do Crespa), i
B. A. Burle & C, em seo armazem a roa
da Cruz d. 48, vendem a presos maito em coota
para acabar :
Laclrilhos de marmore.
Taboas e degros de dito.
Manca commum.
Hanoi te
Fio de vela.
Cngoac Aro em caixa e barr de vidro."'
Viobos de Brdeos fines e ordinarios em canas
e barrit.
Lid res em caixa.
Fractas em conserva.
Afila <1na> em caixas.
BAZAR ACADMICO
13 RA DA IMPERATRIZ 13
DE
ULYSSES A IRMftO
Neste bem conhecidoe acreditado estabelecimento, encontrarao nossos amigos e fra-
geles cigarros de palba e de papel de diversos ltalos e das melbores qnalidades da
fumo. Charutos dos mais acreditados fabricantes da Babia e do Rio de Jineiro ; e beaa
assim, ponteiras para charutos e cigarros, cachimbos de espnma.de porcellsna, de ma-
deira de diversas qaalidades, de locca e p de gallinbas muito Gnos a 20600 a duzia,
muitos oulros rticos que dtixamos de mencionar.
Fabrica de cigarros.
Bem atiesta a sorerioridada dos cigarros de nossa fabrica grande consumo qoe
delles tem havido no interior e as provincias do norte. Com presteza apromptamoa
qoalqner enccmmenda, remetiendo^ ao sen deslino.
BAZAR ACADMICO
13RA DA IMPERATRIZ13
Ulysses & Irm&o
doas eanHos-iceHa, sea*) nm eirata*he, i
frente abena, bailante gordo, andador de baixo a
meio, e ootro mellado, de crinas brancas, milito
baos- taixMro : os pi>tendentes podem ve-loa na
> 4e Hia^pelo, asa de y ente Ferreira da
, das 6 as8 .horas da manbaa e 'das 3 a da
hedios a venda
Vende se dos sobredes noves com jardim ao
lado, asfim como don4 terrenos, um ao fiado de
>nrn dos predios, e outro defronle, situadas na tra-
vesa-de JoS( Fernandes Vleira, vulgarmente cba-
i malo do Padre Ingles : a tratar no-eseriplerio de
fcP. JoBuslon 4 C, iaa de B..alaria Cesbru.42.

flittca se vio nm processe^mais perfeito e qoe at-
*ia da tal forma a satisfazer as exigencias mais
tvtrca da cschptora(ao.
k eoa cr ndissima e nao precisa de cada-
o algum para se conservar no tintero sempre
ota a mesma cor, sem borra, eTOsta, bolr on sem
>daa astas maullas inherentes i todas as tinta
t agora conbecidas, anda mesmo dos loores
iteres esirangeiros.
Sobretado, este estimavei producto nao ataca as
-cuas de ac, antes pelo contrario, a paana
-qnire um esmalte doorado qoe, sendo inttns-
sete, assjs proveitoso.
itu tinta, nao sendo especialmente para copiar,
eomtudo dnas, tres, ou mais copias ora n-ej
tpoia de escripta ; preciso, porm, deixaMhe
?Dapel bem raolhado sem o enxugar com o mia-
>orrao, perore nio ba o risco de borrar. Para se
trar mais de ama .copia, nao se agglomeram tan-
as famas quantas copias se querem tirar, mas
u-se com o originaVtlrar urna tantas quantas
tattaejam, sem qoe o original fique prejndieado
Oecorre aqu dizer qae, para copiar importa
asna iatelligeneia e haoildade, tem s qae a me-
sor tinta nio satisfaz, e o deleita recae sempre
obr a tinta, qae umitas vezes quem menos
ipa> tem.
A 'l'ipia qnalieade sta tinta trernaaenta
fCatiavel, poi aae evita que em qoalqaer, es-
tiptoro baja i do que urna unta para o*,dj.
irioi misteres.
iniiinliiljfcpi"f'T-Nlli 1 co ha a oppftr
vhaeK-r tevid poisqueasu Unta depon de es-
LOUCA E YIDROS
* NO
EMPORIO COHME&CIAL
15 Ra da Imperatriz 15
LYSSES & IRMAO
Tendo de chegar nm novo sortimento, e tendo de soffrer ama reforma o systera
de negocio deste estabelccimenio, seas proprietarios resolveram expor em liquidacSo,
grande qoantidade de pratos de tonca, tijellas, apparelbos de louf a para jar tir o
almofo, etc.
cripta soffre o choque de acidee fonlseimos^ sem
se decompr ; ora,-se os acides cao tem accao so-
bre ella, muita meaos a accao do tompo a pode
destruir; isto plausivel.
Nao s ao commercio qae este mea producto
-telo ser til ; os professores *os collegios, investi-
gando-todos os meios para o ae"ianlamento dos
seos discpulos, tem approveitado esta tinta, que
com razao a acharam apta para desenvolver o
gosto nos educandos, em consequencia da beleza
da cor e facilidade de correr na pequea pela sua
liquidez. Ha exemplos de er;ccas qae havia
muito lempo tinham ama repupnancia extrema
para a "escripta, logo que foi aduilda esu tinta
no eollegio, apoderoa-se deHas s curioStdade e o
gosto, e pouco lempo depois o sea adianUmento
era manitesto. -
Esta tinta, par de tantas vawagen, tem nm
nico inconveniente, deteriara-so ao contacto de
outra qualquer; cf.nvm pois te-la em tinteiro
isentos do menor vislumbre de outra tinta, e evi-
tar escrever com peana sola de au preparacio
differente e incompativel; verifi-jando isto, nio ba
raaao para se usar de tinta awi nio seja a VIO-
LETA EXTRA-FUfA DE MuNTBJRa
Observaqo.
, Dirersaa falsacoes e sematoancaa tem appa-
recido, caja doxablRdade davidosa. 03 Sre.
compralloiaa podeffl arttar o engao dlrifindo-f
i casas eireawspectas,ie pedilo t tinta qoe en
fabrico
A. C. Motteiro,
Grande qnantidade de copos de vidro fi-
nos para agua a 40200, 4^500 e 40800 a
dosia, clices de vidro finos para licor a
30000 a duzia, ditos de cor para vinho a
20300 a duzia, garrafas finas de vidro ba-
carat para vinbo a 50500, 60, 60500, 70
e 70500 o par, bonitas compoteiras de vi-
dro a 60500, 70500 e 80500 o par, gran-
de e variado sortimento de jarros Gnos para
flores a 30, 40, 50, 60, 70. 80, 90, 100,
110, 120, 130, 140, 150, 160 e 180000 o
par, chamins americanos para candieiro a
20200 e 20400 a duzia, escarradeiras de
vidro a 30500 o par, globos para candiei-
ros de 10500 a 20000 cada um, lampari-
sna com vidro para cima de meza, parede
aependurar a 10500. 10700, 20 e 20200
eddanma, bonitas quarlinhas hamburguezas
a 40500 e 50000 o par, lindos paliteiros
ce porcelana branca de 10OO a 30 cada
dm, bonitas canecas de porcelana com frizo
n esmaltadas para caf a 60000 a duzia,
escarradeiras e copo de crystal de cor para
eavatorio por 30000, pratinhos de vidro
(para copo a 320, 400 e 500 rs. cada unu,
sextinbas dd vidro para passas, figos, etc.
ele. a 800 rs. cada urna, compoteiras de
vidro para doce secco a 20 e 20500 cada
orna, castifaes de vidro s para vela a...
10200, canecas de porcelana com tampa a
320 rs. cada orna, galheitas de vidro para
missa a 800 rs. o par, candieiros de vidro
com globos a 50, 140 e 160000 cada um.
E outros artigos que deixamos de men-
cionar ; e prevenimos a quem precisar com-
prar algum destes objectos que approvei-
tem a occasi3o de cjmprar-los por menos
20% am razSo de tormos de liquidal-os o
mais breve possivel. Ra da Imperatriz
n.15.
OLEADOS E CASEMIRAS PARA FORRO
DE CARROS.
Vende se oleado preio grosso a 20200
o covado. D to cor de cinza a 10200 e
cor de caf, verde e preto a 10400 o cova-
do, para acabar.
Panno fino azol escaro a 30700 o covad.
Flanella branca ingleza a 10400 o cova-
do. Dita muito fina azul com duas largu-
ras a 20300 o covado.
Casemiras escoras e claras de duas lar-
guras a 20400, 20600, 20800 e 30000 o
covado, as qoaes servem tambem para pa-
litot. No Emporio Commercial ra da Im-
peratriz n. 15.
CHAPEOS DE PELLO PRETO A 00000.
O Emporio Commercial est vendeodo
chapeos de pello preto para bomens a 90.
Ditos de castor branco a 100. Ditos de
palha e feltro tanto para homem como para
crianca. Ronets de cooro da Russia para
meninos a 10500 cada um. Chapelin-s de
seda para bapiisados de crianca a 20500,
30 e 30500. Ronilas tonqonhas francezas
de 13a para crianca a 800 rs. cada nma.
Chapelinas eofeitadas para senbora a 50,
60 e 70000 cada urna. Chapeos de sold
seda tanto para homem como para se-
nbora. Na ra da Imperatriz o. 15.
GRANDE ARMAZEM DE VARIEDADES
EMPORIO COMMERCIAL RA DA IM-
PERATRIZ N. 15, DE ULYSSES & IR-
MO.
Este novo e grande estabelecimento con
tina sempre firme em vender barato para
vender muito, e em consequencia de nSo
baver ainda chegado algomas encoromendas
que temos feito, e escasso como te acha o
nosso mercado de artigos de g< sto vende-
mos por mdicos precos os qoe se segu.
Ssperior panno preto PII a 60 o covado.
Dito dito Brasil a 50500.
Superiores casemiras escaras e claras
para palitois, calcas e cllete.
Brins braocos de linho de t03( O a 20600
a vara.
Brim pardo a 300 e 560 rs. o covado.
Madapol3o francez e inglez de 50100 a'
M& a peca

Cortes com 17 ovados de chatiz a 50000
a 40500.
Cohertores de 13a escossezes.
Colxas de a'godio branca e de cores de
30UOO a 40900.
Sedinha preta a 500 rs. o covado.
Dita branca a O'O rs. o covado.
drtes com 21 covados de sedinha de
listra por 250000.
Fronhas de crivo a 600 rs.
Alpaca preta sarjada a 5O n. o covado.
Llera branca a 500 rs. o covado.
Guardanapos de linho para cb a 206OC
e 30600 a duzia.
Ditos para janlar a 70300 a dnzia.
Camisinhas bordadas para senhora a...
20500 e 30000.
Lindas cambraias Imperatriz cortes de
10 jardas por 90 00.
Cortes de cambraia de salpico com 8
varas por 50oOO.
Tapetes grandes e pequeos.
Lencos de cassas para criancas a 101OC
a duzia.
A 'godao branco e de lista.
Peitos de esgoi3o de linho para carni-
za a 10
Punhos o par a 800
Collarit.hos finos a 500 e 600
Espartilhos bordados finos para senho-
ras a 50
Meias finas para homem, senhora, e
enancas.
L3a fina para bordar libra a 60
Carreteis de liona Alexandre a 80
Dila em duzia a 920
Abotuadura para collete a 120, 200 30C
500
Ditas para panbos a 300 e 10
P cores cm caixinha.
Lalinhas de. banha a 80 rs. e em du-
zia a 90
Brincos pretos de borracha e alfinele a
800
B.les de duraque preto para palito
groza a 1800
Grande variedade de boioes para palito t
e collete que se vende barato,
<" -ixas com dez novellos grandes de
nba a 440
Ditas com 50 ditos a 650 '
50 pecas cordo de vestido 600
Peca de fita para coz 440
Sabonetes transparantes finos duzia 60C
Colleres de metal fino para cha, duzia a
20000
Ditas para sopa a 40
Talbares de faccas duzia 50, 60 70 60
e 90000
Temos de bandeijas ovaes a 100
Ditos lizas a (0
Sabonetes finos e iguaes duzia a 10200,
10500 e20
Caix?s de hotes de osso para calca i
200
Sotaes branco, duzia a 280
Tranca de 13a e branca de caracol dozia
a 560
Retroz preto e de cores, oitava 240
Carnizas de meia crua muito toas a 10
Sitineta de algodo de cores para n upa
de montara, e de crianca covado a 5 O
Merino preto trancado a covado a 30300
Leucos de linbo em bonitas caisinhas da-,
zia 50800
Lindas cambraias brdalas do Ha vara
40000
Colxas de pello de lonlra com duas vis-
tas a 140000
Crelone malisado para cobDrta covado a
700
Grande sortimentos da perfumaras; nm
bonito toyalet de vinhatico com pedra mar-
more e vidro oval, um guarda -ronpa de
amaretlo ; seis cadeiras de gurnicto, 2 de
ditas de bracos e duas de balance tudo
de Jacaranda mmico, propfio pi-a nm
I gabinete e vendem se por mdico preco
Grande sortimento de chitas. I por ser resto. N3o ser mo vender no
EMPORIO COMMERCIAL
15 Ra da Imperatriz Ift
Ulysses: -& Irm^.________________
I Vende-se
Pliega pm todos
Met-A- Laraego de cnperior qaalidade a
400 T?>.-t libra e 880 rs. o killo : em casa de P6-
cis & C, roa Estreita do Ros .rio n. O.jnoio a
ia/rie-n vidoo da fihioeira e de Luboa a
ItMtaa. -f arrala, e em eanada< a 3, sopenor
carne do sertio'rouito gorda a360rs. aJibr, a
Wyrsi otilen em arroba a 10* : na taBerna da
rna da Senula-Helna n. 40J, wqaioa do Becco
Mraja.
a loja de leoest da trra sita nja dr. Racgel n.
4 : qnam pretender dirjanse i rae*m mi a pra-
ca da Indspendencia o-, 33, qae achara cum qneo
traur.
100 milheiro
De telhas e liinllos fle odas as qnalidade?, ven-
de se nir meflos 8*iOO em miWiiro d-i Que em
ootra Uld0*r parte: na' alaria da roa dos Prv
n. 80, delosd Caroeiro da Caoba.


Oan* do rmambttc# Sexla eira 3 Nvembr do 171
LITTEBATPBA,
Aaior.
Amr prime replecia dj dolara !
Amor sonh) dos iwjos, lei de Deas,
Alegra dos proprins cnerobios.
S'jb!imesiiSld(ilaculo uoa ceus.
Amor i Mu?a a brisa, que perpassa
Asurado levem-.i-oj t.raraflr ;
*t-o- rf z m hs avs o gorgeio
K tida naurzi iz: imor I
'Jutm iia qua nio se curve ante o imperio
U> m marcha d; n:'$s>>s coraces
^j vivemos f n-rugui i3 desventuras
inmerso no mar fias alll'cc^s ?
Amar f eis de noss'alma o alimeoto
Amor 1 oubo dnurado de i.loses !
oce balsamo que vena simisar
Nossas dores e amirgis afllicees.
Esse man qne prende nossl"almas
Wl altrahe dos prazeres as delicias,
E' fente o ara r qoe nos d vida
E nos moslra d'este mundo as alegras.
Mis elle Uirih^i qne nos conduz
Ao gelado e fro p da sepultura,
na n as yezos ; amo; nos ofL-r.ce
o cauca da o-igra desventura !
Amar ser Miz e desditoso
E' Intar com o praz-r e com a desgraca,
(. surver di ventura o doce iiectir
E libar do cioms a negra taca.
Amare ser amado ser foliz,
K' deitr-s3 n'iitn brco da v-.aturas
embalado pelos bymn >s do prazer
Equecendo do mondo as amarguras.
Amar e nao o *er I desgraca borrivel !
Mil vezej res-aliar na tumba fra,
E' ser o instrumento da desdita
E m rrerquanio a existencia Ibe sarria.
*j amor sejamos pos veros athletas
Mas d'aquelle que d vida e d callor,
Fajamos a vinganca d'este Deus
& digamos com prazer: viva o amor 1
lecife, 23 de ootabro de 1871.
Mamel Jos de V.nttro Vilella.
VARIEDAD
ROCIISFOBT.Este celebre communis-
\ dirigi aos parioiicos a segoin'e carta:
17 de setambro de 1870. Meu charo
Lacaze So o senbo? me pode prestar ose-
yointe faor:
t Procurar o narnero quer do Temps,
qur do Siecle, quer do Avenir National,
que, etn data de 6, 7, 8, C, ou 10 de se-
timbro de 1870, conten urna carta minba
o resposta m artig i qne tiaba apparo -
cid > n i Marselheza coatra as operares do
general Trochn.
A mi jaa carta pequea, omito vio-
lento, e principia, cuido eu, assim:
t Leio agora mesmo na Marselheza um
artigo odioso assignido por Closeret...
Em consequencia d'este incidente sup-
primi a Marselheza, que eu e Fouvielle ti-
libarnos resuseilado.
Era cerca de vial* rail francos por mez.
isto cera mil Iranios durante os cinco
mezes do creo, que eu ja:rificava para de-
fea ier o general Trochu, em quem via ento
i-sal vaco da defeza.
Ora, este raes no Trochu acaba de es-
cr sfv s e bastante desastradas contra mim,
pjrqne ella me obrigar a lisongear-me de
'"vosasqoe nunca eu ousaria dizer em pu-
rjii >.
D ve siber-30 que, n3o s me arruinei
voluntariamente, masque estive a poato.da
me bater por causa d'elle, que lio me lio
cremente se bateu por nos, porque Claseret
pieria mandar-roa as suas testemunhas de-
pon da minba carta.
- Oulra coosa:
O Fgaro, na data de 31 deontobro d-i
1870 on do 1. de novembro, assim como
f> Oaidois (porque n3o sei se esses dous
( Tiaes teem a dita do diaou do dia se-
stfite), pubcaram urna relacio da jornada
i? 31 de outubro e do modo como eu fui
maltratado pelos invasores.
Estes dous jornaes ser-me-hiam muito
eis, rrarqae o general Troihu pretende
na sua carta, qae eu nao estiva no Hotel de
Ville com os meas collegas a 31 de outu
bro. At se deve perganta- se escreveu
aqoi'lo em seu juizo.
t Taes io pois os tres nmeros do Temps,
o Figaro edo Gaulois, de que mais urgen-
temente necessito.
FOLHETIM
AILHA DO FOGO
ROIl\CC
POR
. ALEXANDRE OLMAS
, (Continuaclo do o. 247)
XVI
Usa segredo horrlvel.
O systema que rege as immensas pos
oss dos hollandezes ao mesmo tempo
eos raais simples e habis.
O joverno censervou osSrs. qne os go-
ismavam no tempo dos soberanos ind-
genas
Estes funeciooarios, qae, pelo seunasci-
ment on pela sua catbegoria, exercem
esde tempo immemorial grande influencia
sobre o povo pozenm, mediante um poaco
de ouro, esta influencia disposicSo dos
governadores, da quem s3o instramentos
passivos.
Encarregados actaalmente de transmittir
e fazer execotar as ordena da aatoridade
colonial, repartem entre os cultivadores as
ptesUcees por forma tal, qae transforma-
ran! Java n'am inmenso campo em provei-
M da Hollanda, combinacio machiavelica,
com o auxilio da qual a mi qoa fere se
esconde para d3o se deixar ver.
Os avos de Thsermai estavam, depois da
conquista na ilba, investidos as fonccSes de
fovernador na provincia da Bantan. Seo
O Figaro contou tambera, em lempo
que nSo posso d-termifar, mas qoei deve ser
entra 25 d< setembr.je 10 de oulubo, que
o ueneral Trochu dala isto :
t Si os praasianos entrm era Pjrfe, ho-
meio Rochefort general das barricadas, e
ludo se poder anda salvar com um ho-
c tnem como elle.
Est 13 palavras njo team grande alcance,
e h!ve?, ea n5o fizesse raais d< qoe os outros;
mas provam pelo raen s que o meo patrio-
vDi) e ornen desinteresse lhe parecan
(ouiri in;itacve.i--.
O mesmo jo nal, pelos das 5, 6 ou 7
desmembro, diz qui fui *u o inventor do
litlo de Governo da defensa nacional, qje
flz sub.sliluir pelo de Governo provisorio.
NSo valere grandes felicitacoes tste acbado,
que todava determinar c iva > eu punba
cima de tudo o mas a defeza do paiz.
Estes doos ltimos njmeros do Figaro
laivez lhe cnsle a encontral-os: s osciiarei
se poder obter-m'os, porque ao caso da dej-
c nfiraca em qne estou, nada qnero avn-
lurar de que nao aprsente immediatamente
a prova".
* Esta carta do general Trocbu fui me
particularmente desagradavel, por ser to
pouen generosa como t>otj'."0 verdica
Qiando elle foi ven :ido, e muitas vezes o
(i; a' o foi sempre, uuuca deixei de o de-
fender, al perdi n'isso a minba populari-
dade; tambem certo que pouco se me diva
'essa popularidade.
Agradecia-lhe muito se trooxesse estes
differejites Jorues a minln casa, pracj da
Magdalena u. 10 ; Branca os levar ao mea
advogado.
Pe;olbe me descu'pe, meu charo La-
caze ; apresent') os meai respeitos Sra.
Lacaze, e d abracos aos seas encantado-
res filhos.Henrique Rochefort.*
Qfi TAL!As pessas que quzerem
perder a visia sem dr alguma recommen-
da nos n lei ora do sesjninle facto :
O Sr. S...., de 43 anno de edale,
proprietario cultivador na aldeiola da Ville-
ln'' 11 (S -ioe et Oise,) vira a sui casa e o sea
celleiro queimados pelos prossiaoos, qce
alm d'isso tiuham morto em soa presenca
urna pessa da sua familia. Desde esse mu
ment, dava indicios frequentes de a ienaci >
mentil. A sua idafix era di lirar a vista
a si proprio, alira, dizia elle, de nao presen-
cear mais o espectacolo das occupacocs hu
nanas, que se Ine tornara odioso.
S6 linha urna uoica an*eig5o; era por
sua irm3a, que, reeolhendo-o em sua casa,
o tratava com o maior desvelh, e liaba o
maior cuidado em lhe esconder tbeiouras,
ou qna quer oulro utencilio perfuraote, cora
o qual elle pudesse cegar-se, como j ten-
tara por diversas vezes.
Mas, diz alhe ella, se tu exeoutas o
teu intento, n3o me poderes V6r depois.
Oh sim, respoadia elle ; para te
ver Dio tenho necessidade dos olhos.
Sua irm3a tinba conseguido conduzil-o
a Pars pata consultar um medico. Vendo-o
um dia com os olhos coberto3 com urna pala,
asBUStoo-se.
Est feito, disse elle com ar alegre,
nao s.ilIVi quasi nada.
O medico, que ebegou momentos de-
pois, tirou-loe a pala e observonqae o ervo
ptico linha sido queimido como se fra por
ura caustico, sem que bouvesse indicio de
ioflamacSro. Pergnotou enlo ao ceg como
linha elle conseguido destruir o qin todas
as outras pessas tem tanto cuidado em
conservar.
* O Sr. S. ap)ntou lhe para um livro
collocado era cima da mesa da cabeceira, e
no qual havia urna pagina marcada com a
ponti da 'olha vollala. Era um livro de
viagens. e a pagina marcada indicava o molo
pelo qual na China se execata o supplicio
da cegueira. Sobre cada olho collocam urna
pequen bolinha de cal viva cora am pedazo
de panno de liaho molhado, e coberto com
um panno secco, e sobre isto urna pila.
A cal qneima o n^rvo oplico, sem outra
impresso para o paciente a n3o ser urna
dr forte, mas passageira como o relmpago.
Quando se tira a pala, o individuo j
est ceg. E' um supplicio de bom tom, e
que se n3o concede sean as pessoas de
certa gerarchia. NSo occasiona gritos, con-
torsas, o effuso de sangui, e o3o com-
move os espectadores seuo pelo seu resol
tado.
t O cultivador tinba seguido risca o
processo indicado no volme que Ibe calla-
ra Das dd3os, e tnha assim executado o seu
intento. ,Q medico quiz ondazir o Cultiva-
dor para orna' casa de sade, mas a irm3a
deste oppoz-se, di'.endo qne ella tratara
com tanto carioho e desvello a seu irmao
ceg, como o tinba tratado quan lo dondo.
O ThEM MAIS RPIDO DO MUNDO.
Contam que o fallecido Sr. Brunel dissera al-
gores que, sea directora da estrada de ferro
o autorisasse para isso, elle construira urna
machina que havia de levar o tem de Lon-
dres a Brtstol em duss horas. Isso foi ent3o
considerado impossivel; naja ocaeoaueo
commelmento acaba i Ji^|iCi||| j|
realpr-se. A companhia da grande estra
da %, ferro OBlWwul (Great Western-
Railway Corpany) estabeleceu ltimamente
entre Londres eo oeste di Inglaterra um
Sfrv.fo, em firtade do qual os paisageiros
que sabem m Londres um quirto* de- bora
antes do m^rj-da chegama irisffilSsCh-
rase 21 minutos d< larde, parcorrendoj
assim as I20mlha< que separamessis duas
cidades em 90 abinuios, mais do \ie tempo
marcado por Breo($l (y
CARIC VlrUS, M4WCEZ fcS.- O frn-
cezes pe;tencem sera ddv.da escola de
Uemo;rt.j, porque nao sabaoC AfelaK i
dr n;m raasmo o seudespeitsoo) rmdo
00 fazendo rir. Agora, para nao fa-Urem
ao costme j inveterado nslles, pam mos-
trar o odio -qne teem a Tbiers. principia-
ram a oo-lo am caricatura. E qne carica-
turas, diz ufo correspondente I Para sto
nio ha com ella<.\ St-com caricaturas se
ganhassem iatalmis, j nj restara nem
um s prussiano vivo I
As duas ultimas caricaturas q ie vio o
correspondente a quem oos referimos, nao
pdem ser nem mais oppurtunac era mais
curiosas. A primeira rejresenti o previsor
desgreohado, com a cabeca inclinada e as
mos estendtda-: em altitu ie de -procurar
muito a presar os ocolo*. sem os quaes na-
da v N'aste momento, para tranquil.Uar
o povj, brada: Nao lenbas cuidado ;
en vej) parftilamente ; tudo, tolo, trido
est previsto... Nao pula a*.*ab'ir a ulti
ma syilaba, tropeca n'am barril' de petr-
leo, cai e qo.'bra a cabiC".
A seguodt caricatura, tambem inleessan-
te e muito de actaalidide. pinta Thiers
muito indignado contra os seas coutradito-
res, e bradan lo contra o ex mim tro de Na-
poleo. o Sr. Buffet: < Eu nao sou como
os ministros do imoerio. E i nun:a enga-
o o paiz Quaodo digo que as cortes p-
dem ser adiadas, porqne estou absoluta
mente sagnro de que as negociaces nao
pode j presentar-se nenhuma nova dfli
culdade...
Antes de acbar a palavra apparece oi-
ni-iro prussiano, dizendo : < Sr. Taiers, da-
mos o dito por n3o dito. Nem as provin
'cas se evacuara, nem as negoia.es se
prosegaem.
No fundo do quadro destacara se varias
figuras, qae fngindo ser grandes tarbas,
dizem : Tliiers eslava absolutamente se-
guro t
O ministro do estado, Sr. Remusat fi-
gura n'outra caricatura, eiq trajo de acad-
mico, tendo om p sobre as obras de Bos
suet e ootro sobre as de Mirabeau, lavan-
do ao peilo um lomo dos discursos de Ga
ribaldi, e exclamandt: Oo! Em Fran
ca, nao hi nem sequer oradores. A lingua
italiana, essa sim, que harmoaiosa e sua-
ve I
Portraz de Rernasat v se am amigo da
Franca que dirigalo ao ministro umolti.tr
de desprezo, diz : c At da lingua france -
za renega esta gente
METZ Os jornaes inglezes d3o os se-
gnintes pormenores das fortfijacoai qae rft
allemies projclam emMatz :
< A parte externa compor-ie-ba de nove
fortes, em lugar de cinco que d'antestiaha.
mas d'este* altmos s dous serSo refor-
mados, e os demais reconstruidos sdguiidj
o novo systema.
Observoa-se qde os fortes de Saint Ja-
lien e Saiot.Pivat n3o s3o grantia suf-
ciente para a praca pelo norte ou nordeste,
de modo qla se constrairam. doos magnfi-
cos reductosperfeitameote anubados-para
esse fino.
< Os trabamos executados pelos france-
zes durante a guerra serao aperfeieoados
pelos engei(|jros allemies, e segando os
projectos do director, ficir a praga n'oma
posic3o quasi nexpugnavel.
ONDE, AONDE, PARA ONDE, DONDE.
Lmos no Jornal do Commercio de Lis-
boa : < Pareo que nem todos dislioguem
bem o valor destas dieces. Em todo o
caso sao de certo defeitos grammaticaes,
quando empregados indistiaclamea'e e sem
raais reparo, como vemos acontecer quotidia-
naraente e at em documentos officiaes.
i Para se nao ogmentar cada vez mais
o numero dos defeitos na lingua patria, qne,
nos escriplos destinados a vu.nsar os co-
nbecimsnto3 otis, s3o anda mais prejudi-
ciaes, Untamos estas breves observares.
< N"aquellas palavras ba am adverbio de
lugarondee algama das proposicas
a, de, para.
< Sao vocabulos compostos, qi e pdem
bem decompor se sem a mnima alteraco
do seu significado estricto.
Onde indica o lagar, em qoe se est,
em que se trabalha, em que se l, em qae
se encontr, se diz, se faz, etc., algumi
tow. Mj.
c tonde, asjlbulo cjrapouo do adverbio,
ondee da prepMjgfl^a, sabnteode mov-
metilo real ou me diri-
ge; adnde se mira; fim-aotde-a qae se
encaminha, etc. PJe se ett screver o ad-'
verbio oni* separado di preosicSo, qae o.
wge^ fista mesma observacl) applicitel
ao Tocbalo compojto dondea ojde
.d'onde. 'I
t Em consequencia da divid di maior
parte des distrietos administrativo?, aonde
{W vdi da onde) as opjraci4~ dj recruta :
meato, martimo parecen inteiramente des-
caradas. || ||? i
c Dedicados a crear estas virtudes na
coBtemplaclo do co, e acjoserva-las pelos'
vocjIos daobedieacii e da discipliai, aon '
dar o amor de Deus e da lunnaoi iade. >
Urge, porra, dar mais desenvolvimen
ao c ille/io e screver lhe estatutos, aon-
f,'(om lugar de onde) lua a oorm do seu;
governo, qoe at agora nao foi dado,
As vocacs attraliidas p?fo estabele-
cimeato de um collegio, aonde (em vez de
onde) podsm livreman'.e manifestar se e des-
envdlif-se, et.
A cadapissj.se i'Ades aonies as
respectad portaras, a)?respiclioos rein-
nos, cilicios, etc., e em rautas outras pu-
blicigss. Ficasa para outra vez outros re-
paro<.
t Para onde, subentiendo movimeoto,
eavol?e ao mesmo tempo o pensamento de
ficar..demorarse, etc, virn Lisboa e vir
par Listioa, por exemplo, na i lem signi-
ricica > idntica ; nem ir a Loodres e ir para
Londres. Lisboa, para onde vou, e onde
flearei todo o anao Lisboa, aonde me dirijo.
e dmde parto para Londres.
Donde, compost) do adverbio de lugar
onde e da preposicSo de, indica o logar, do
qual se sane, se lira, cousa, dito, do qual
se cooclue, etc.
t E quando se di afonde ?ll E' o cu-
mulo de incorrecto da linguagem I
c as obras popularas onda se deve
attender mais exactidao grammatical e pro-
curar acudir rpida.decadencia da lingua-
gem verncula.
paisoube em 1811 merecer toda a con-
fianza dos bollaodezes, qae o encheram de
honras e riquezas
O radin Adifrati outra halta Soesdoernan
Bantan, principe das ciJades da provincia
de Bantan, fez a vigem Hollanda e foi
apreseotado ao re Guilherme ; regressoo
depois profundamente admirado e iorejoso
da industria e ivilisacjto europea.
Alguns massulmmos depois do secuto
XIV nao pj)rten:am saita phaoatca e ex-
elusiva qoe caracterisa os ser vos de Jalara ;
por isso o regente de Bantan nao leve de
ven:er mnitos obstculos para poder tornar
christo o sea nico filho.
Foi este o celebre medico de Bitavia,
quem vimos representar um importante pa-
pel no principio d'este romance.
Desgraciadamente para o pobre governa-
dor de Batavia, seu filho nao recebau a
edacac5o qae Ibe qaeriam dar, e, antes de
morrer, vio com desespero destruidlas todas
as esperanzas que D'elle tinha fondado.
Mais claro : o resaltado da edacaco eu-
ropea de Tbsermai foi accrescentar aos vi-
cios da sna raca os da europea,sem se aper-
eicoar.
,Era ciumento, sapersticioso e crdulo,
como todos os indgenas ; vido de rique-
zas e ambicioso como todos os colonos
bollaodezns, n9o teria recaado ante nm cri-
me, se esse crime Ibe prodazisse algama
vantagem.
Da modo qae, por morte de seu pai,
auando Ibe saccedea na soa cathegona e
igoidade, iQtrodmio e palacio, naqoali-
dade de conselheiros, todos aquellos, cojo
modo de pensar eslava mais em harmona
com os seus projectos.
Para sustentar o faastnoso laxo qae pro-
AVENTURAS BA VENUS DE MILO.-A
ideid de que este adrainval primor da arte
passasse a ser Prussiano, enebeu de cons-
ternado os amadores jraocazes. E, pon,
aps muito pensar no assampto, os guardas
do Loavre atiaaram com um engenhoso meio
de evitar a juella especie de profmacao. A
estatua foi apeada do sea padestal e m iluda
em um caxo de carvalbo ebeio de algodo
em rama. Por oras mortas da noite, alguns
horneas de confianca condnziram o caix3o
com o precioso coniedo at urna porta se-
creta do palacio do Loovre, onde outros ho-
rneas tomaram conta delle eo levaram para
certo lugar s delles proprios conhecido, no
qaal eslava preparada orna crypta para a
densa nos subterrneos da prefeilura de p>
licia.
O escondri|o era no n> do urna das mui-
tas passagens secretas di prefeitora. Cons-
truio-se urna parede defroate do logir onde
foi depositada a Yenus, e e bro-se de calica e de cisco, de modo qae
fiuasse.com a apparencia de ve ha. Para
augmentar arada seguraoca, puzeram ao p
dessa prele urna porcao da documentos de
alguma importancia, e e .r.o levataram oulra
parede, de maneira que parecesse que o
coOtHto havia sido feiio de proposito para
esses documentos. Alli ficou- YennJ todo
o tempo do assedio. Terminido o primeiro
cerco, propoz alguem que ella fosse de novo
ere;ta no sen pedestal; porm. sobrevindo
o domio'o da comrauna, os sjjs gomias re
solveram prudentemente deixa-la ficar onde
ella eslava. Apenas as tropas da Ver alhes
entraram na capital, os guardas correram
prefeitora. Tratarara do esquadrinhar com
lodo o cuidado os destroces ainda fumegan-
tes do edificio, e entre elles acbou-se inc-
lume o caix3o da carvalbo. Urna bomba de
incendio tinba milageosoeote salvado a es-
tatua. Pode, pos, applicar-si-lhe a soberb
divisa da casa de Ileidelberg. Prcestat in-
victa Venus f
6 caix3o foi recondozido para o Louvre e
aberto parante urna commisso especial. To-
dos &e inclinaram anciosos para ver se tinba
acontecido algum desastre. Daitada na sua
macia cama, em posic3o que completamente
alterava o seo costumado asoecto, com a
bocea entreaberla como pira respirar o ar
vre e fresco, pareca ella estar olbando re-
conhecida para os seus salvadoras com esse
sorriso irresistivelmenle fascinador que os
modernos labios nao conhecem. Estavam
perfeitas e intactas todas as suas feices e
formas; nenboj mal havia feito ao mar-
more a hnmanidade dojazigo onde por tanto
tempo estivera sepoludo.
HOMEM EXTRAORDINARIO.O JVeio-
York Herald, diz que na i mootanhas de
digalisava do seu palacio, serijo se das
prestarles tradicionaes que lhe da vara os
p/vos; mas i tal extremo chegaraooras
suas exigencias, qoe o conseibo de colonos
fechou os ouvidos todo o pedido qae se
Ihefjza.
Alentado, porm, pela mpunidade, tratou
o governador de sorprender i
dos hollandezes, distrabindo em proveito
proprio grande paste dos impostos, qae
elle perceba por conta do tbesouro.
O governo dicto a eolio a sua irrevoga-
vel sentenc, demittiodo o do elevado posto
qoe oceupava. Muito comprometido, an-
dn n'esta occasi3o o sea primeiro conse-
Ibeiro, e por mais qae fez n3o Iba foi pos-
sivel evitar a confis;ag3o das consideraveis
riquezas qae liaba amontoado em oonse-
qoencia das suas immoraes transaeces
com os piratas da costa.
Mais precavido Tosern i, em attenco aos
boas servicos prestados por sea pai, nio
lhe tiraram absortamente os bens, nem o
obrigaram a sabir do territorio ; concedeu-
Ibe o governo ama coosiderave penso vi-
talicia.
Mas nem a looganimidade nem a consi-
derac3o com qae fra tratado, basiaram
para calmar a profunda irritarlo qae Ibe
caosava a rigorosa providencia tomada con-
tra elle.
Sappanba descender em liaba recta de
Paadjadjaram, saito qae; reinoa as partes
septentrionaes e occideotaes da ilba de Java,
renunciando o seu tbrono favor dos bol-
laodezes em 1749 ; e sapoanba qoe atten-
dendo esti recordacJo, deviam goardir-
Ihe maitissimas recordaces eqse de vera
ser at respailado pelo governo qae o de-
mittis.
Welsh prxima povocSo de Margen-
(Pen^ylvania) appirecert altimat;"
bimem que mais pareca am urso
o e que a noite soltava rugidos de
bita ,tes da povuacio resolveram. .
persegai-lo e, se fosse possivel,
nha lo.
u Para esse fim se reooiram armados, e em
numero consideravel. Espa!har,'m se pela
monlanha maneira de batedores, e muitas
vezes ouviram os gemidos daqcelle ente,
meio hornera e msio fara, 13a perto de si,
que acreditaram estar elle dentro do circulo
qje tinbim forraid); mas, quando a Inz
da manba Ibes permitlio explorar o terre-
no, tioha desapparecido aquello que proco-
ravana. Poicis das depois appareceu o
hornera selvagem n'ura campo prximo
povo..cao. e immediatamente para alli cor-
reram muit s viziabos qae o rodeanm pren
deram e conluziram casa do juiz o Sr.
PUnk.
Eitava era nudez quasi corapleii e mal co-
berto cora alguns farrapos. Os caballos ca-
biam-lhe palas costas e era l o cabelludo Ba
cara que mais pareca um mono do que ho-
rnera. Interrogado pelo jiiz responleu qae
era natural da lrhndi, \ivra muito tempo
em Coanetcut, charaava se Tboma'. Foley e
qus havia dous aonos que viva as matas,
uerara-se-lhe roapas, m^s apenas leviocca
s 3), azada, evadise para o mato rasgando
a roupa.
Mais Urda rapetram-se os gritos nocrar-
nos. Apenas os e calam, os cavallos e o
galo das granjas correa espantados pelo
campo, como se o rastrado Ibes aunuoias-
se algum pango ; os cSes ladr3o furiosaraen,
te apenas se approxima a noite, e todo o
disiricto vive era suatos incessantes. Os ha-
bitantes reunem-se quasi todas as ooitespara
MCf o bomem selvagem, mas at o presen-
te nao consaguiram cousa algami, e apenas
algumas vuzes o tara visto, correlo sob e
mos o ps, e sallando como tigre raivoso.
O mais singular que, segundo diz a fu-
Iba citada, os auimaes perteocente ao Sr.
R iberio Yosum, dono dos terrenos era qae
f.a preso o hornera selvagem, resasam co
mer e n3o cessam de correr de um para ou-
lro ladcwcomo se alguem os persegoisse.
ltimamente mais de 40 horneas armaram
urna emboscada as immediagoes da granja
do Sr. Yosum e mais de]uraa vez virara o
hornera selvagem, porm mal corriam para
agarra-lo desapparecia ele como se fra urna
sombra. Teve depois a ousadia de appre-
cer na povoaQo ; re.uniram-se logo muitos
bomens armados e disoostos a mata lo; con-
guise aiuda fugir. Tal o aconlecimento
qaa traz assuslada toda a populacJo de Mor-
gan-Town.
ESTATISTIGADa folna cima citada-
tranjerevemos o seguinte :
Do 77ic twelfth\annualreport of the Bris-
tish and fareign antislavery society, troduzi
mos o segrale trecho, pela importancia dos
dados estatistico3, sem davida curiosos as
circumstancias a;tuaes da reforma do ele-
mento servil.
No perodo, que precedeu immedala-
mente o nosso bil de emancipacSo escrava
dos Estados-Uoidos n3o exceda a.......
2.250,000 invidoos, a do Brasil a......
2 800.000. a das colonias hespanholasa-
750,000, sommando> totalidade 5,800,000.
t No ultimo arrolamento dos Estados
U idos verificon se a existencia de......
3 300,000, com rpida tendencia de aug-
mentarse.
Pdola affimar, am vi&la da immensa
imporlacjb de escravosque se operou no
Brasil e as colonias hespanholas que a im-
portado orcon cerca de um rnilbao dorante
o periodo do 6 annos ltimos em qua ter
minou o trafico; e a populacho escrava no
Brasil deve avalar-se pouco mais oa menos,
em tres milhoes, a de Caba em um milhio.
Com o calculo precedente Mliuge a totali-
dide a sete milbbes, 400,000 escravos: o
qae d am aagsien'o de 1,650,000 escravos
para estes diferentes paizes, ou de......
550,000 de mai3 do qae a Inglaterra, a
Franca, a Diuamarca e aSuecia nao eman
ciparam conjaoctamente.-
Desde a poca, em qu a sociedade
abolicionista fazia esta declarado, as coa-
sas mularam-se. O numero de escravos
n3o cessou de apgmentar aos Estados-Uoi-
dos, onde tornouse animaes de criaco, e
na liba de Cuba anda coulnuoo a ser ali-
mentado pelo trauco, ao passo que o Brasil
smente foi qne tomou ao serio reprimir o
trafic
Hoje a escravidSo essou nos Estados-
Unidos, e em breve desapparecer do solo
brasileiro. A revolucSo de Hespanha aca-
pou om o elemento escravo as suas co-
lonias.
E considerou os favores que lhe outorga-
ram como obrigaco que elle se devia.
Esteve mnito tempo desafogando o odio
por meio da simples ameacas e impreca-
ces.
TJiserraai freqaentoa as tabernas de Mees-
- ler^c)rne,is> onde liaba inauraeros amigos
confianca, e muitos partidarios.
N'oma d'essas orgias, quasi qootidianas
no bairro dis chinos, encontrn um mari-
flheiro, cuja persistencia em seguir todos
os seos movmeatos e todos os seas gestos
o espantoa notavelmente ; approximoa-se
d'elle, fallaram em voz baixa, e com grande
sorpreza de todos os seus amigos, sabio
com o descoohecido da casa onde eslava,
depois de ter despejado o ultimo copo de
licor.
E nwdou completamente de proceder
desde esse dia.
Ouviam-o clamar contra os conquistado-
res" e reivindicar os direitos dos inligenas ;
viram-o realmente conspirar, e Jpdos dizia
em voz baixa qae vioha muito prximo o
dia da victoria.
Mas, apezar d'aquelle sea descontenta-
mente, mudoo, orno j dissemos, de pro-
ceder.
Iodispoz-se com lo ios os seas compa-
nbeirosde orgia!
Creou novos amigos, e era reservado
com todos elles.
Em consequencia d'isto, princpiou o go-
vernador a trati-lo com menos energa e
retirou-lhe a vigilancia qne andava sogeito
por cansa do sen mi 'procedimenio.
E' cerlo'que Tosermai era visitado conti-
nuamenie por algaus residentes do palacio
de Wetlebrede e de Baitenzorg, e alguns
chinos, coja bostilidade ao governo bollan-
THIER5.Este esta lista francez est
sendo o desespero de todos os seus minis-
tros, no dizer de um correspondente de
Pars.
[Xma-se delle o ministro da guerra,
um projecto de organisacio.
nada, diz lhe Thier interrom-
Unho irabalboe fetos /erca
.lo, e nm dia destei bei de le-
var o ma plano ao conselbo.
No dia seguinie apparece-lbe o ministro
da mariona.e diz Ibe :
Senbor, a marinba...
Espere l, respoode Tbiers, eu pens
muito nisso, e quando terminar r os, mena
estudos, enQo direi o qee convta fazer.
Vera o ministro de estado e recordalbe
qoe ba pendentes quesles que nao podem
deixar de resolver-se ; mas Tbieil deieja
abraner ludo, e exclaaa :
Eateja descansado. Nio mt\ esqneco
desse poni, e eu reselverei o qoe melhor
convier.
E como este o pao nosso de ada dia,
Tbiers est coraprometlido a resolver szi-
nbo uns mil problemas cada om dos quaes
exige seis mezes de trabamos.
CALCULO DE ECLIPSES. M. Hiad,
celebre astrnomo inglez, publicou ua limes
om quadro cumoleto dos eclipses totaes do
sol, que sero visveis al 1890. E' t3o
rara a occasiJo que a crealura Um de pe-
netrar o futuro, qae nio podemos deixar
de fazer um resumo fa ;il e iolelligivei deste
iiteressante quadro.
12 de Dezembro de 1871 Eclipse total
para Australia Msridionil, duracio mxima
ex:edendo 240 segundos.
16 de abril e 1H74.Eclipse total para
o Estado livre de Orange. A mxima du-
racio ser de 180 segundos.
6 de abril de 1874. Eclipse total para
o reino de Sy3o. A mxima duraejo ser
de- 216 segundos.
15 de setembro de 1876.Eclipse total
martimo, visivel ao sudoeste do cabo de
lluro. ..Eclipse quasi intil para a astrono-
ma physica. A duraco nao exced.r 100
segundos.
20 de juUio de 1878. Eclipse total para
Farwest: o quario eclipse total visivel
oestas regijs desde 1806. A duracio to-
tal ser de 186 segundos.
17 de maio de 1882.Eclipse total pira
o Sinai. A duracio nio excdela de 120
segundos.
t de maio de 1883. Eclipse total para
as libas Marquezas; duracio mxima 315
segundos.
9 de setembro de 1885. Eclipse total
para o sul da Nova-Zelandia ; duracio m-
xima 120 segundos.
29 de agosto de 1886.Eclipse total para
o Pordendic (costa occidental da lfica ) ;
duracio mxima 385 segundos. E' o mais
bello eclipse do panod > a decorrer at 1890.
19 de agosto de 1881.Eclipse total do
lago Baikal; duracio oeste logar 220 se-
gundos. Sopoz durante algnm tempo qoe
este eclipse seria visivel na Inglaterra, mas
agora tendo-se feito clenlo mais exactos
reconbeceu-se o erro.
22 de dezembro de 1889.Eclipse total
para Angola. Este eclipse cabe no mesmo
dia -qne um de 1870, durante o cerco de
Pars.
Cumpre notarse que durante os mezes
de abril, maio, julho, agosto e setembro
haver'9 eclipses, pois que o dimetro ap-
pareote do sol menor em consequencia da
excentricidade do orbe e de sua grande dis-
tancia. B? r*"**.
Os outros ou.)>o /oos Mo em dezem -
bro, porque o dimetro da la sufficiente
nesa ocosio para oceultar o do sol, ape-
zar de seu grande dimetro apparente.
Estas coojoneces celestes sao, certamen-
te, sem influencia sobre os bomens; entre-
tanto, compre notar que sua impertanc'a
scientifica vai de da para dia augmentando.
e por fim ter-se-ba de os considerar como
grandes acootecmentos que interessam toda
a bumanidade.
O CAMINHO DOC\DAFALSO.-Um dos
quatro infelizes ltimamente fuzilados em
Montevideo, do qne j demos noticia, o in-
feliz Insua, declaron que o sen primeiro
roubo fra o de' dous vintens, feito a sua
oa i para jogar. Tinba elle entio seis annos.
Aos oilo annos entrn para o collegio, t
quatro das depois parti a cabeca ao mos-
tr cora ura tinteiro, e n3o voltou iu aulas.
Seotou dep is praca em am dos batalboes
onde infelizmente muitos vadios eocontram
meio de vida. Alli esteve algum lempo,
at que deserlou, fugindo para a Conceicao
do Uruguay. Alli ferio um companheiro
em desordem.
Regressou pouco depois, e dedicou-se
vida de ladro. Entre varios incidentes-que
nessa lameniavel carreira ibe succederam,
conta que tendo podido roubar ama casa
abastada, abi se encontrara nicamente com
ama criada, que violentara, prescindindo de
praticar o roubo. O ultimo de seas actos
crimioosos foi a complicidad no crimo de
assassinato do medico Feliciangeii, o qne
lhe cuslou a vida.
dez era bem conhecida, e certo do mes-
mo modo que se fez muito amigo de Ti-
kay, o negocirate chino que vimos figarar
no festim de Maester-Cornels, e cajo av
fra ura dos principaes chafes da celebre
soblevacio china, que no seculo anteceden-
te poz tanto em perigo o dominio dos bol-
lndoles.
Certo da mesma maneira que se falla-
va de reunias nocturnas dos descontentes
effectaadas nos bosqoes de Tejirabal, da
provincia de Batavia,'e na grande selva de
Dayoo Lorhoor, situada ao sol da provincia
de Bberibou, no limite de Preaugers, nao
longe da parte classica da Iba de Java, a
qae era mais fecunda em recordaces e
tradices.
A trila milbas em redondo de Buiten
zorg, para a banda dos primeiros comes
d'essa cadeia volcnica qoe atravessa a ilba
de Java, e cujas montanhas azues formara
tres ramaes, os qnaes G.gala, o Sari e Sa-
degira formam um triangulo, ha um extenso
valle de cerca de tres milbas.
As montanhas que o rodeiam elevam-se
tres mil metros de altara.
E' abi que vamos encontrar Thsermai no
dia qae 13o desgracadameate acaboa no pa-
vlhio de Meester-Cornelis.
Alli pasea va o eslo.
A vivenda de Tbsermai era situada na
parle sal d'este magnifico valle, junto is
ladeiras do monte Sasi. Construida pelo
pai do moco principe, nio tinha sido ele-
vada, como a maior parte dos palacios dos
grandes senhores. nos arredores das povoa-
ces on no meio don campos cultivados,
mas sim n'uma aspereza da serra qae prin-
cipia va nos limites do valle.
Hara jaato aquella propriedade e n'um
bosque secular todos os prodactos da ve-
getaco das regids tropicaes. Magnificas
madeiras, saborosos fructos, fioissimas aguas
e abundante caca.
Visto cerla distancia, pareca* am fron-
doso jardim, qae serva de adorno ao pala-
cio de Thsermai.
A rodi do edificio principal, no estro
arabesco, tinba um archilecto chino agre-
pado todo qaanto poda cooceber a soa
imagmaco pbaatastica. mas sem ordim
limitada. Liadisaimos pavlhes, ame.as,
cabanas, obeliscos, grutas, tado artstica-
mente collocado.
Mas, depois da morte de seo pai, abando-
nou Tbsermai o palacio, indo morar par as
dependencias descriptas.
Durante o calor do dia habilava n'uma
grata de rocha coberta de preciosos coraos
e riqusimas tridacneas do mar do sol.
Urna bonita cscala descia da parte supe-
rior d'esta gruta, conslitoindo assim am
dique impeaetravel aos calores do estio.
Tbsermai estava n'essa grata.
Reclinado n'uma poltrona persa, aspira*
va aa suaves emanacas dos tabacos orien-
taos.
A ilbarga d'elle estava o hemem vestid
de preto, qae ji vimos na nonte de Mees-
ter-Cornelis dar Harrncb o narctico qoe
pozeia em perigo a respiracio de Eozebio.
Esse bomem vesta de mirinheiro paro
ciase de um modo siogolar com < qoe)
moco hollandez encontrara no dia da orU
do Dr. Bazilio.
/'Cos/iniMir-.a.>
TYP. DO DlAHIO-ttU DU PUyUE 01 CAXJi*
-i
*

-
5


J V

! i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E3HV7YR4S_UZQR18 INGEST_TIME 2013-09-19T23:11:53Z PACKAGE AA00011611_13126
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES