Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:13125


This item is only available as the following downloads:


Full Text
"^r

ANUO XLVII. RUNERG 250
?A1A A CAPITA!
jbsj ohte iao s? paca rosn.
Por Ira* metea adia.au
*i: dito
am aw.0
I
o
i-...-- i .
(HJ1NTA FEIRA 2 DE N0VEMBR0 DE 1871. ""~"
PA1A fiUTKO S FORA AA PBOvTCIA.
Por tres traes sdisatsdos ..............
Por mi Nos Mn. ................
Por nove ditos fdem..................*-
Por qm anuo idem............... .... 4 tI0OOt
l
I
4
/

1


.
/
ffc-
Propriedade de Manoel Kj
de Faria & Filhos.
4-

-i
Os Sn. Gerardo Antonio" Alvos A Fhos, no Para ; Goncalves 4 Pinto, no Maralo ; Joaqoim Jo de Ovra A Filbo, no Cear
Pereira d'Almeida, eco Mamangoape ;Felippe Estrella 4 C, na Parahyba ; Antonio Jos (
san Nazaretb

Antonio Ferreira de Agoiar, em Goyanna; Francino Tavarea da
jkUl_____________________________> *
de Leaos Braga, no Aracaty ; Jlo Maris Julio Cha vas, no Asso ; Antonio Marques da Sil va, no Natal; Jos
Beisraino dos Santos Blelo, em Santo Antio; Domingos Jos da Costa Braga,
Dr. Jos Martins Ahes, na Babia; e Leite, Serqninho C. no Rio de Janeiro.
JtfttSl


PARTE 0FFICIAL.
BUalstcrlo da agricultura.
Estrada da ferro. Londres, 2 de setembro de
1870.
4!lm,lm. Sr.En additamento aos meus of-
fioios aaPfiores relativos largara ntreos trilb'-s
naa estradas de ferro, completo ii- a respele, dado a V. Exc. conOeciineota do re-,
-litado das conferencias, qe ti? com Mr. l. G.
W Herbert, director da repartida i das colonias,
f cara o Sr. capilao H. W. Tyler, ngeoheiro fiscal
j r parlero goveroo das estradas de ferro de In-
j, sierra.
O Sr. Herbert dedarou-rne : que era paoegyris-
ta da v^slreiia narrow gitagenas estradas de
ferro; que na Australia haviam duas bilolas, das
i -.aen a mais estrtita era de 4 ps 6 pollegadas
j_e acloalmeote preende-se isoustruir all cami-
nios-OJJJerTo de men-ir largura, ni) s em novas
I,alias pStojecuois, como no prolongaioento de ama
di, exislsutes; llnalmanie chaojou a minba atten-
._.*.> para um caraiaho de ferro na Hungra de bi-
tola muiio Mtreita, mas nao pude colligir infor-
aiaces acerca de-te camiuha de ferro.
O incluso fjlhdto conloa as exposices do enge-
caeiro C. D. Fox sobre os caminhos de ferro de 3
pus 6 pollegadas na Noruega, na ludia e na Aus-
tralia, e bem asslin a discussia hajrida sobre a
e.iaveuieniu largura entre ostrilhis no instiluto
dos engeuueiros civis, na qual tomaram parte eu-
gsoheiros eraiuentee de Inglaterra.
O Sr. capito Tyler disse-me : que no sen modo
di entender, a largura da va depeudia dis cir-
cunstancias especiaos da estrada ; que era de
.jji'Qiio que tus paizes moutaohosos e nsquellos
onde o trafego nao fosse multo pesado era prefe-
rivel urna v estrena, pois cantora i varase mals
faeilmaote as tnontanhas, e era mais econ imica
uia s a sua constraccio, como seu custeio; que
cAQforme as cireuraslaucias a blol.i deve variar
Mira 2 ps e 4 ps e 8 pollegadas. Que-o cami-
q'.io de ferro de Fesiiuiog urna demonstraoio
cjQdudeute que a bitola di S ps admissivel
mesmo para o ran aporte de passsgeiros; que
voin dajuelle camiuha de ferro, existe, ontro na
Inglaterra de urna bitola, quasi igual, de 2 p 9
pollegadas lambem para passageiros entre Towyu'
s Talieylm, no paiz de Galles, cnslruido ba seis
para sdie anuos.
Vendo levado a preseaga de V. Ex:, lodos os es-
cUrecimentos que teuhj p h lo obier sobre esta
impurtantissima questo, V. Exc. v que exislem
estradas de ferro de 3 ps 6 pollegadas na Norae-
i:., na India e na Australia, que exi-iem d 2 ps
y pollegadas e de i ps na Inglaterra. Parece por-
ikuto que o Brasil deve emitar o exemplo. >
V. Exc. que totos beneficios tem feilo ao paiz
durante o sea ministerio, prestar ura relevantis
vno servico se encelar a construegio de uto ca-
,:.:i,io de ferro de va estrella.
Ueus guarde a V. ExcUlna, e Exm. Sr. con-
~<.jfaifo"T>;3f"'VWlft*rfV -j^inia da Jihuqumaiifl^
dignisimo ministrorTsecretario de estado dos ne-
::i.r, da agncaliara, commero e obra* publi-
tlanoel da Canha Galro.
-------

L .
rc
V
4overuo da provincia.
I. ,'t-KDIENTK DO WA 23 DE OUTCBRO DE 1871.
Acto : '
O vice-presidente da provincia, >"endene ao
tud requereu a directora da socieiade Uonte Po
Popular Pernambucaoo, resol ve, na conformidade
do 5* do arL 29 do'decrelo n. 2711, de 19 de de-
.'.etnbro de 1860, oomear Vcente Liciuio da Costa
i'..-impeli para o cargo de director da mesma so
oietas.
Oficios :
Ao geoeral eemmandaute da3 armas, recom-
tusudando a expedicao de suas ordens, para que
urna guarda se acn postada no caes do Campo
das Priocezas, allm de fazer as honras devidas ao
Exm. presidente nomeado para esta provincia con-
se.iieiro Joao Jos de Oveira Junqueira, que es-
perado at o dia 2o do crreme no vapor deguer-
ra Itecife e bem assim para qoe a fortaleza do
Bram d a salva do cosame, qaanda o dito vapor
dmandar a barra.- Ofilciou-se ao inspector do
urinal de marinba para roaadar por opponuoa-
m-Hate a dispasicio do mesmo consalbsiro as em-
bircacies precisas para o seu desembarque, e da
resoectiva bagagera.
Ao mesmo trans'mettindo, para os fins conve-
aieote9, o oficio em original dirigido ao Dr. chefe
de policja, no qual o alteres do 9o baialho deio-
(aataria, Luii los de Souia, Ja os motivos porque
nao pode regresar da villa do Tfiampho para
esta capital.
Ao mesmo mandando por em liberdade o re
era Jlo izldoro Lavrador.
Ao vice provedor da Santa Casa de Miseri-
cordia para que, nos termjs de sua iaforraacao
alinde iaterever no respectivo quadro, afim de ser
admittido no collegio dos erphaos, quando houver
vaga o menor Cyriaco, (ilho de Joanna Francisca
Evangelista.
Ao inspector da thesouraria de fazenda com-
municando haver no da 10 do corrente, deixalo
o bacharel Jos Ricardo Gomes da Carvalho, por
lacotnmodo de sale, o exercicio de jaiz rnaoici-.
pal do termo de Santo Anlo.
Ao mesmo traosmittindo, para os os conve-
uieates seis ordens, em duplcala, expedid?* pela
rtparticao do ajudaole general sob ns. 791 a 796.
Poressa tbesonrana mandou-se pagar:
A' Manoel Henriqie Pereira da Silva, a qaaotia
l 290*000, a que se julga com direiw por haver
caneloido os reparos de que anda precisava o edi-
ficio em que fuocciooa a facaldade de dreito deaU
A' Gailherme Goncalves Gurjao a de 232S wP*
veniente de parte da mobilia, composla de mesas
e cadeira?, por elle vendida para a facaldade de
iireito desta capital e a Antonio Felippe lioreau a
de 3601 em que importaran) qoalro cadeiras ra-
giitraes, compradas para as quatro sala das aulas
da mesma faeoldade.omraaoicoa-se ao eoge-
nheiro encarregado das obras geraes.
Ao Dr. chefe ds polica, declarando em ros-
posta ao seu offlcio, que, tendo sido augmentado o
destacamento de Buiqae, podera as respectivas au-
toridades loraarera elfectivas as dcligencias, neces-
arias para a captnra dos criminosos qoe allade
o eitsdo oflaeio.Nesto sentido offlciou se "ao juiz
de dreito daquella comarca, e ao juiz municipal
do termo.
Ao commandante superior da guarda nacio-
nal do municipio do Reeife para que providencie
de modo aserem dispensados do serv co activo, em
quinto esuverem em pregados na montagem das
dragas, destinadas a eseavacao do porto desta ca-
pRal, ot guardas do Io batslbo de artilhana e 3*
de infantana Salustiano Gomes do Espirito Santo,
Jos Martins Henriqods, Francisco Joaquim Perei-
ra Manoel Gomes Corroa.Communicou-se ao
iniaeator do arsenal de marin a.
Ao mesmo rocomatoando a expedicao de
suaa ordena, para uto seta dispensado do servicp
acuvo o guarda do 1* batalhio de artilhart, Casto-
Ua Jotqaim Lopes de Sour.a Jonior, visto ser cai-
xeiae da easa eommereial matriculada de Antonio
DaarU Carneiro Vianqa.
Ao mesmo ditoodo em resposta ao seu oflkio
j_, segado o avise de 18 de agosto do anno pas-
udo, nao applkivel aos oficiaos da guarda oa-
cioal, agraciados rom postos honorarios do exer
uita, o decret 3371 de 7 de Janeiro de 1869, de-
veqde-se S Mresfeito proceder, de conformidad*
i com o art. 56 da Iti n. 60i, de 19 de setembro de
1850.
Aolnsoector do arsenal de marinha, autori-
sando-o a comprar a casa eommereial de Ska.v
llawker 4 j. representada por sea gerent Wil-
liain A. CiaipneJI, 510 tenas de ferro gilvaais..
das de 6 ps de eomprimen'.o e 3 de largura, e
90 de. 8 ps de comprmanlo com a mesma largu-
ra, sendo aquellas a 2*000 e estas, a 31 cala una
visto ter esse arsenal necesfdade>della}, e ser o
sea preco mdico. Gommunlcca-so a tbesouni-
na de fazenda. g
Ao con surta repblica Argentina intslran-
do o de qne ficam expedidas as convenientes or-
dena, nao s aos agentes da companbia de navega-
oio brasileira para fazerem recebar e transportar i
corte no vapor .que se espera do norte, o mar1 -
uli -in. criminoso dp uojne Andr Margas, tripolin-
te da barca Cosmopolita, e que se acha na casa de
detenco, mas lambem ao commandante do eorpo
de polica para mandar apresentar nesse consulado
no da da sah.A do referidlo vapor urna praoa allm
de escoltar esse individuo, devendo as despezas de
transportes correr por eonta do mesmo c:nsuladt>.
Expediram-se as ordens de que cima se, trata.
Ao commandante do eorpo de poiisia*para
mandar apresentar ao inspector da thesouraria
provincial um inferior, allm de incorsbir-se da
cobranza do pedagio d ponte do Caxangf at que
seja arrematado esse imposto.Communicou-se
ao referulp inspector.
Ao cgenbeiro encarregado das obras milita
res aatonsando-o a acceitar das propostas que de
volve relativas ao asphsltamento das prisoes di
fortaleza do Uraco, quarteis do .Hospicio, Soledad*
deposito especial de mstruecao e arsenal de guerra
a de Manoel Firmino Ferreira.porser a mais van-
tajosa a fazenda nacional.Communicou-se a the-
souraria de fazenda. *
Ao mesmo para que com urgencia mande
tazer os coneertos precisos .do portao ioterne do
forte do Buraca, que se acha arruinado.Fizeram-
se as necessarias con municacSes.
Ao engenheiro encarregado das obras geraes,
approvando a delibera^o que tomou, de emprei-
lar com Andr Rampks, a execucao dos coneertos
de que necessium as rampas dos caes da ra da
Aurora e do Forte do Mattos e bem assim o da
fonte de Santa Isabel, pela Importancia de 187/;.
iteirou-se ihas jurara de fazenda.
Ao engenheiro fiscal da estrada de ferro do
Reeife Caxang, declarando eiaresposta ao seu
oficio, que approva a mulla de lOOSOOO, imposta
a essa companhrS na forma do respectivo regula-
ment Communicou-se a thesouraria provin-
cial.
Ao capito Manoel do Nascimento. da Silva
Bastos.determinando visto ter sido supprmido pela
le provincial n. 1,005 de 13 do janbo do corren-
te anin. o 2 distrieto de paz da fregaesja da Boa-
vista desta cid'de, que nao continu a exercer a
jurfsdicQao, que Ira competia anteriormente pu-
blicacao da mesma lei. Cimmunicou-se ao juiz
de paz competente.
Portara:
Ao gerente da companbia Pernambucam,
mandando dar urna passagem de estado r at o
Cear, no vapor qu val sagair para o uori
padre Manoel Claudio Ferreira.
De3p*cbos:
Engenneiro Antonio Vicente do Nascimento Fei-
tosa.Remettida ao Sr. inspector da thesouraria
de fazenda para mandar pajar.
Anna Thereza de Senna Cousseiro.Ao Sr. ce-
provedor da Santa Casa de Misericordia para at-
tender supplicante nos termos da sua informa-
;o do ante-hontem datada sob n. 188.
Amaro Jas dos Prazeres. Providancion-se na
conSrmidade que reqaer o supplicante.
Anna Thereza de Jess. Seja posto em liber-
dade.
Autonio Duar;o Carneiro Vianna.Sltff.
Capitalino Joaquim de Sant'Anna.Requelra ao
Sr. commandante superior da guarda nacional do
municipio de Olinda. I
Ernesto Augusto de AthayJe.Encamrnne-3e.
Gaudencio Anastacio do Espiht) Santo. Sim,
eago3 os direitos naciooaes sendo este remedido ao
Sr. inspector da thesouraria de fazenda para os
fins convenientes.
Jos Marques Soares.Informa o Sr. inspector
da thesouraria de fazenda. '
Jos Espirdio da Costa Muoiz.loformo o Sr.
lente coronel commandante do eorpo de polica.
Coronel Joao da Reg Barros Falco. Forne-
$a-se.
Joaquim Cavalcante de Hollanda Albuquerque.
Encaminhe-se.
Joanna Francisca Evangelista.Dirija-ae a sup-
plicante ao Sr. vice provedor da Santa Casa de Mi-
sericordia.
Luiz Lopes de Oveira.Informe o Sr. inspector
da sale publica. .
Capo Miguel dos Aojos Alvares dos Prazeres.
Iadeferdo.
Sociedade Monle Po Popular Pernambucano. -
Passe portara uomeando o primeiro volado.
QL'ALIDADE RQANTDADE
DOS OBJECTOS.
a
s

CollecSo e eariaffe ABC para^
principiantes exemplares..... ,40
LUtq de leitura para principiantes. 24
Cathecisrao da doutrina ebristaa.. 24
Historia do Brasil................ i
Compendios de grammatica portu-
guez.....'...............-'.
Taboadas pa'a principiantes......
Rudimentos arithroetiew.........24 !
Livros de sysibema mtrico...... 16 Ji
Caoivetes.k....................
Papel almaro resmas...........
Penas d'aeo caixas..............
Caetas de pao para as sesmas...
Lapesdepo..................
Ardorias para escripia...........
Lapes de pedra para as fflesmas..
Esponjas para limpar podras, pe
da(os......",i................
Giz para escre'ver, libras.........
Tinta para escrever, garrafas.....
Areia preta para escripias, libras.
Reguas de madeira.. w..........

12 6 3
8
ti 8 *1 !
36 24
isto
^0
lrgo
!f. B. Estes objects slVaerio fornecidas em pro-
por$o ao numero dos alnmoos matricedados, con-
forme seas adiadamente, e d* conformidade com o
que se acna estabelecido na prtaseira parta da or-
dem do dia do exercilo n. 43 SaJ8.de janefro de
1858, e quando se acharem estHHfes pelo seu
Reparlicio do quartel-mestre-geneVal annexa a
secretaria da guerra, eo 5 de agoste de 1871.
Francisco Antonio Raposo, coronel-quartel-mes-
tre-general.
Conforme.Adolpho Lamenba Lin?.
N. t.
TABELLADa quantidade e lempo de dnracio
jlos differentes objectos de utsncilios qoe sao ne-
-" cesearios a cada nma das estolas reginejataes
dos eorpos e corapanhias.do exercito.

DESIGNAgO.
I
l
a
S
ao
CORTOS.
sal
EXPEDIENTE DO SECRBTARIO.
Oficio :
Aojuiz municipal de Pao d'Alho, acensando
de ordem da presidencia o recebimento do oficio,
em que parlicipou ter nomeado o taballiao e eseri-
vo da civel desse termo para substituir o de or-
phos durante o seu impedimento.
i'omiuapdo das armas.
QUAHTEL GENERAL DO COUIANDO DAS ARMAS
NA PROVINCIA DE PERNAMBCO, EM 31 DE
OTBRO DE 1871.
Otdemdo dia n. 586.
O brigadeiro commandante das armas publica
para que tenba o devido effeito as tabellas n. 1 e
2, dos objectos da escripta que devem ser foraecl-
dos semestralmente, e a vencer as escolas rgimen-
taes dos corpoa e companhias do exercito em subs-
tituido do que foi mandada observar por aviso,
circular de 11 de abril de 1861, e de conformidade
com o regulamento approvado pelo decreto n. 3083
de 28 de abril de 1863, e a da quaatdade e lempo
de duracao dos ditlerentes objectos da utensilios
que sao necesarios a cada urna das escolas rgi-
men taes dos-eorpos do exercito.
O mesmo brigadeiro fz publico para o-., fins
convenientes que- a presidencia em offlcio de 24
communicou haver o Exm. Sr. ministro da guerra
em aviso de 11 ludo desle mez approvado a per-
multa entre os ajudintes das fortalezas do Brum e
Buraco, passando o desta a servir naquella e vi-
ce-verca.
Tabellas a que se refere a ordem cima :
Mesa de viohatico com ps
torneados tendo 7 nal
mos de comprido sobre
d* i*rgo com daas
gavetas e chave?
Dita de dito dito, tendo
4> palmos-de compri
do sobre 3 de largo com
gaveta e chave.......1
Dita de pioho singela ten- I
do 3 palmos de com-
prido sobre 2 de largo.
Dita de madeira de plano
inclinado para eserip
tncao, tendo 20 palmos!
de comprido sobre 2 de
largo................
Cadeiras de Jacaranda
com assento de palhi-
nba................. I
Mocho de vinhatico com
dito dito.............
Baoeo de madeira tendo
20 palmos de comprido
sobre 10 de larga (pol-
legadas).............
Dito de dito, tendo 15 d:
tos de dito dito dito..
Armario de pnbo, eom
portas, prateleiras
chave tendo 10 palmos
de alto, f de largo e "
de fundo............ 1
Escrivania de lati.....
Hastes para traslados na
razio de cinco para
cada mesa...........20
Colleeco de traslados de
calligraphia em sens
competentes quadros
com vidros...........
Bandeja pequea para
copos............
Copos de vidro......
Bilha de barro com prato.
Relogio americano de na-
rede...............
Caneco de ferro estanha-,
do..................'
Talha de barro com lam-
po..................|
Banco de madeira para a
mesma..............
Lavatorio de (erro pinta-!
do..................
Bacia e jarro de louca...
Tmteiro de chumbo com!
o reservatorio de vidro
e arieiro.............
Barril com fundo para
agua................
Quadro de madeira para
escrever cora guarnicio
e pintado de preto, tea-
do 5 palmes de alto e 4
de largo com o seo
competente ca vlete...
1
de
20
10
2 1
1M
jaba! rwposta a injustas arguieSes fei tas
l carcter e oossa ioiole.
laipho, porm, consideramo-to como o
. passo na senda du grandes refor-
cirenmstaneias econmicas do pan ca-
losamente reclamando ; de ontro modo
Incompleto, ou aotes, origem de perige
juencias. Grande resphnsabilidade tra-
i'') essa humanitaria le, se ah fleasse
lad'a. de sabias e novas providencias, qne
resumir ja escudadas pelo goverao e
a' poderem ser franca e sinceramente
jbo-nos i immigracici e a eolonisacio.
canamente, urna das maiores questoes
er, questSas que urge encarar de frente
[a sua grandeza, em toda a sua complexi-
tdia-la, adiar sem jnstiflcacao possivel
do problema, de que essencialmente de-
fnosso fataro e a oossa grande.
Inastaute estadar os meios de substituir
oor ouiro bracos, para qe a infalli-
de nm systema para ontro systema
__ ilho se fa$a suavemente e sem profundos
abaloaaaciaes e econmico;. Pequea empreza
seria Sisa, na proporcao das oossas necessidades.
E* rndfcpensavel ornar de mais alio, por que s da
multo/aftaBoOerio ver improductivas, despo-
voadtB foaai oesertas a mxima parte das ricas
trras brasileiras. Nao basta qoe sejamos gran-
des m territorio, cumpre que empreguemas to-
dos os mitos para que o sejamos tambem em po-
palajiS, por que OsHa aos ha de vir tor^s e ri-
quet, por que sem ella se conservara) intilmen-
te fechados esses inraeosos thesouros cora que a
Providencia dos fadou para altos deslios.
Conessemos que quaota at agora se tem feilo
aesta momeo toso assumpto, se nao sahio acanha-
do em sua origem, tem sido mal interprendo em
sna aptecncio. Os resultados obtidos al hoje es-
to multo Ion pe de corresponder ais dse jos ma-
nifestados tantas vezes as fallas do throno, nos
proframmas mtnisteriaes, e nos relatorios dos pre-
sidentes de provincia. Pequeo frusto tiraram as
neeeiMdades do paiz, os sacrificios do thesouro, e
as fraaquias.'em parte, 4a legislscao. Tem-se per-
dido as mais favoraveis occasioes de attrahir gente
til, ffiogoem exploran convenieotsmente o des-
costo dos estados do sal, oo nm da grande guerra
da America do Norte.
O numero de ira migrantes que annualmente en-
trSm palos oossos portos, apreseota um cootraste
slatular com as estatisticas de outros paizes, allis
em eondiedes meos felices de clima e de fertilida-
K longinqua Australia, ane aioda ha minos
nm scalo pareca inacesswel a civilisaglo,
hoje nm paiz rico de comraercio, de oavegae^o,
de industria-e de agricultura,' cortado de estradas
de rodagem, da caminhos de ferro e de telegra-
pbos, e ehets de encolas, de jornaes e de livros.
Os inquietos e pequeos estados platinos lem at-
trantoas suas prafts maior numero de enropeus,
os oossos asforcos e todas as nossas pro-
bliea Argentina, recebando nos ltimos
185,812 immigrantes, avaotajou-se no-
~ nperio brsileiro.
os o confronto al .grande a res-
lica do norte, veramos que recebe
VM*&^a (i I2"mezes raior num9ro de brajos do que
, "jos recebemos em nm qnarto de seclo !
E' impossivetque to lastima veis comparares
nao tenaam despertado a attengSo dos nossos no-
mens de estado e de todos os cidadios que since-
ramente dmejam a grandeza desta trra, que, nio
cedes la tenhuma outra em riquezas naturaes e
estmulos de fortuna, tem com tudo cedido a to-
das, nos meios appJicados soluco da grande
problema da immlgracao.
Por todos 3ao conhecidos es esforges commetti-
dos, e discretamente conduzidos per esses paizes,
par aieaogarem lo invejavel resaltado. Segain
do-)j, emparelhando com elles em vootade, ener-
ga o dedicaco, feriamos com certeza oblido
I dtesno resultado que elles obtiveram.
^- Nenhum paiz do mundo tem mais, nem tanto
que dar aa immigrante, qualquer seja a soa pro-
cedencia, quaesquer que sejtm as suas ambicoes
do que o osso. Onde mais salobridade do clima,
mais fartilidile de trra, mais agasalhi em seus
naturaes, maiores e mais navegaveis ros, maiore
e mais ricos thescuros mineralgicos ? Tudo isto
sabemos cs bem, mas ignoram-o, quasi comple-
tamente, aqaelies povos que nuito. uo3 convinha
que o soubessem. Deixando correr pela Europa
desasjzados escriptos a onsso respeito, nao os re-
futando, ou reTuoiande-os mal, acontece que nos
conhecem pouco sympathicamente aquelles povos
de quero mais podemis elevemos esperar immi-
a facilidade eom qne aos milhares cTeixam a patria,
procuraodo em paizes novos e feriis maior isla-
to do trabalho, maior recompensa de actividade,
melborla de arte emlim.
10
1 10
f
1, 4
6
1 1 20
lll 10
8 I
2
Omezes
8
i 12aonos
1 I
1 1
1 1 1
H
20 10 5 8
1 1
1 I
o
e nos niio conbeeessem mal, nao leriam a Pros-
a Baviera, a Franca e outros paizes impedido
enlgtaao de seus' naturaes para o Brasil ; nem
.veramos navios, e navios carregados de homens,
atravessarem os nossos mares, e proeiarem a Ier-
ras meaos feriis e a gentes menos hospitaleras.
Se outro tivasse sido o systema empregado por
nos para attrahirmes a iraraigracao de qoe tanto
necessitamos, nao fcil conjecturar a que ponto
de grandeza e de pro-peridade teria chegado o
Brasil. Deste modo, porm, vmonos com mais
le 270,000 legaas qnadradas, e com urna popula-
;io, hypdthasaa, d 9,000,000 de habitantes,'ou
10
1
8 mezea
2annos
12
N. B. Estes objectos s serio
quisilados, conforme o numero ti
colados e a capacidade do edificio em que fuoceio
oar a escola.
Reparticao do quartel-mestre-general anawxa
secretara da guerra, 5 de agosto de 1871.Fran-
cisco Antonio Raposo, coronel-quarlel-mestte-ge-
neral.
Conforme.Adolpbo Lamenha Lias.
(Assignado).Luiz Jote Pereira de Carvaiho, bri-
gadeiro.
Conforme.Clemente tranctlio Taares, tsente
ajudante de ordens encarregado de detalhe.
N. 1.
I
TABELLADos objectos de escripta que davera
ser fornecidos semestralmente e a vencer as es-
colas aegimeotaes dos eorpos e coinpanh'u.s do
exercito, em sabstiteicia da que foi maalada
observar por aviso circular de 11 de abr de
1861, e de conformidade eom regalaaiento
approvado pelo decreto .3083 de 28 le abril de
1863, raorganisano as escolas militares do im-
perio.
"' ..... !......i- ?
DiTERIOR.
RIO DE JA\EIRO
A LEI DE 28 DE.SETEMBRO E A IMMt
A lei de 28 de setembro do corrente I
clarando que nio nascerao mals
imperio do Brasil, foi nm triumpho c
goverao, sem violencia, e esperado pelo pata, sem
sobresalto. A ampliuiaa tteS^H
Sea, quer oa tribuna, qoor na i
a toda loa que nio hara ia~.
de freota a geoeoon jf4| i* Slr'al
ais de 270,000 bracas qnadradas para cada indi
do I
,at* a oloquencia de taet algarisroos nao ba
icdes possiveis.
arto qoe eontem a oosa legislagao sabas
es a respeito da fmporlaote qaestio da
faci, chegaodo alguraas dellas a exceder
^sidlde as disposicoes equivalentes oa le
os Estados-Unidos. A lei das ierras de
bro de 1850 ama dellas. Pena foi
qoe levaise qoalro anaos a pnblicacao da respec
tivo rfSO'am*nl
Outras leis appareceram regplaodo os effeito3
eivis dos casameotos, cojos eontraheoles nio sao
eatholieoa, o o estado civil e poltico dos filos dos
idos eia* eotfaogeiros nascldos no imperio,
amaos oaatrn ^E' para notar que os iotuitos que presidirao a
taSJieis, francas eliberaes, nao acomelhassem
iaaaBente o desappareeimento das de 13 de so-
timbro de 1830, e 11 deoutubro de 1837, sobre
ooloaos. naclonaes o loeaco de servicos de estran-
geiros. e em alga n lempo tiveram esUs leis ra-
ziqa existencia, o que at certo ponto parece
improvavel, certo qne so hoje por sna pouca
humanidae urna nodos que convm apagar do
nacional. Em nm paiz como
D preso por dividas.ser
Mmenle e sera appella^io
anos publico, o colono que nao ti-
ver oagoao locador todos os adiantamenios e des-
pexajMas, abrir nata excepto odio, alten-
latera la Uberdsde, excepcio que, prodazindo pe-
queas vanUgens dentro do pa.% leva fra delle o
escredilo colonisacio, qoalqner que seja aUor-
qm a aa proaaewas com qoe ella exprseme.
shaajaremos iniquas, lem a
tirado orc.a para em-
loeacSo de servido, a pa-
Ureoeio a corrala ne emi-
a stabateoar-se par^ oa nossus
I MUTIUDD
^ii'iitcio crBifote,
l a que oppxlr
desejado fim T
Eis nma questao de ordem superior, a que os es-
piritos mais esclarecidos e mals adiaDtados ero
Mianoias sociaes responderiam sativamente. R*
Oa, porm, ero ss lio complexa, tia cheia de dif-
fieuldades, que no aventuraremos opinio pro-
pna, reconheesndo alias que a eorrenteza das
ideas pode ero breve lempo aconsetbar os nossos
borneas de estado a arcaren) com ella de freote,
em oras das imperiosas necessidades do paiz.
Ha tres semanas qne um netavel senador () di-
sta no parlamento hrasileiro : Onde est a cor-
rete oVimmigracao qne dos ple vir f Nao a te-
osos, nem teremos emqaaoio nao tivertms legis-
lado adaptada familia, porque a familia a pa-
tria, tudo. jj
Suppomos, porm, qoe ha aioda muDo a fazer,
antes de tocarme* no fecho da abobada : mas fa-
ca-se o que ha a fazer, eom vontade, con urgen-
cia, com amor.
Bem sabe o governo que nao uesta questio,
por emquanto, que pode contar com o auxilio da
iniciativa particular. H de vir, porm, mais tar-
de ; quando eslivorem vencidas as difflcoldades
que nem o individuo nem a associao podem re-
mover.
E" necessario que pela bocea da impreasa de
todos os paizes, pelas publicarlo s avulsas, estrp
tas em diversas linguas, por iodos os meios direc-
tos e indirectos de publicidade e propagioda, se
toroe conbecido o nossa paiz e o nosso desejo, e
se expooba com verdade e simplicidade o qoe da-
mas ao immigrante laborioso e intelligeote, oa
oo va patria que Ihe offerecemos.
fim todos os paizes qu-s maior eorrenteza lera
de Aroigrac.o para o estrangeiro, ha ministros, en-
car regados de negoeios, cnsules e vice cnsules
brasiliros, que podem e devem prestar valioso
auxilio, esclareceodo e guiando a opinio, infor-
maodo e aconselbando aos que desejam mudar de
trra.
Os negocios internacionaes dio felizmente muito
lempo ao nosso eorpo diplomtico para prestar
oeste sentido servicos importantes, e o goveroo
tem eo si meios suficientes para os tornar efec-
tivos e obrgatoros.
Se assim tivesse acontecido, nao teamos sido
deprimidos oo estraogeiro como temos sido em
multas publicaces anonymas, om o fim manifes-
t de desviar para outra direccao comboyos emi
grnte?, qne naturalmente preferiran) o Brasil a
trras meos salubres e menos feriis.
Dentro do paiz, poim, ha tanto que fazer aio-
da como no exterior.
Grande parle das Ierras destinadas aos emigran-
tes estio divididas e marcadas a grandes distan-
cias das povoaeds e dos mercados. Estio encra-
vadas ao sertao.
O immigrante uio teria onde fcilmente se pu
desse sortir do indlspensavel vida, nem oode
vendesse, sem graodisslma despeza, e fruclo de
sua lavoura, e premio do seu Irabalho. A ffastado
de qualquer centro de consumo, seffl estradas
nem caminhos, pagando eairetos superiores ao
valor do genera, de pouco Ihe valen a liberdade
do solo e a bondsde do cHma. Sem o estimlo do
interesse, qne podemos esperar da actividade do
immigraDte ? Convm coosiderat aioda ontra ra-
zio embora de meos manta.
O immigrante europeu lem hbitos adquiridos
que nio perde, nem pode fcilmente perder. Mais
ou menos aTaito a tal ou qnal convivencia, nio vi-
ra solarse as nossas maltas, sem incentivo que
Ihe compense o sacrificio; e esse incentivo certa-
mente qoe nio ser encontrado na maior parte
dos pontos, onde com menos dificnldade podsria
estabelecer-se.
Se, como nos parece no estado presente do paiz,
a civilisacio, qoe oeste caso o^ arroleamento e o
cultivo da trra, deve caminhar e estender-se do
littoral e das margeos dos grandes ros para o cen-
tro, outros davem ser os logares escoibidos, em-
bora, para obterse esse fim, fosajnecessario nma
lei especial de expropriacao.
Em poucos casos seria mais racional urna lei
desta natureza. Ha perto dos centros de consumo
ou unidos a elles por estradas, ros e mar, gran-
des porcoes de ptimas trras, sem esperaoca de
cultivo, quaesquer que sejam os cabedaes e acti-
vidade de seus donos.
O deleixo ou a generosidade de nossas pasiados,
concebendo a um, ou a poucos individuos, enor-
mes extensoas de terreno, fez com que ainda ho-
je se oooontrem frequenlemente proprielarios que
trabalham apenas na vigsima e alguna na cente-
sima pane das trras que possuero. Nislo nos pa-
recemos com 03 grandes proprielarios ruraes da
Australia occidental, que prefarindo conservar in-
cultas as trras, em vez de divid las em peque-
os quinhoes, fizeram desta colonia a menos des-
envolvida, a mais atrazada, a mais pobre de ladas
as colonias daqaella regiao. Forma ella um con-
traste vivo com a da Nova-Galles do Sul e com a
da Victoria.
Ouiro embaraco se apresenta ao immigrante,
logo que manifesta vontade de adquirir algum pe
daco de ierra. E' o complicado e enfadonbo pro-
cesJo desde o primeiro requerimento al posse p
e ao lado do complicado processo a irritante de-
mora em faze-lo chegar ao fim.
Entre nos o systema de fazer difflcil e moroso o
qie por sua natureza deveri a ser de simple&gex-
pedlente, tem sido levado a ura grao de perfe"c.ao,
que taz desanimar os que ten a iniciar alguma
pretencao as diversas secretarias e repartieres
do estado.
Com relacao mmigracae, indispensavel or
gaoi-ar um systema completo, mas singelo e ex
pedito : cerca lo de meios 'suficientes de accao
de esubilidade e de independencia ; dota la por
am numero de annos cora um orcamento certo, e
urna existencia legal, forte e definida, que Ibe d
vida propria, e iraponha respoossbilidade, que
nao oossa ser declinada nem diminuida por ioter-
veocio de terceiros, e sobre ludo, e principalmen-
te um systema que oio possa ser hoje interpreta-
de e executado de um modo, e amanbaa inter-
pretado e executado de ontro modo.
Como nao temos em vista sean apootar era
grande o que nos parece necessario para simplifi-
car dentro do paz o estabelecimento So immi-
grante, nao indicamos aqni, nem aJndole desle
escripto o permute, as muitas med fas que poda-
ran) ser incluidas no systema qne nos parece n-
dispedsavel organisar e fazer executar por pes-
sas activas e otelligeates.
&' certo qoe aereacio do ministerio da agri-
cultura deixou suppOr, com fundamento, que se-
ria elle um valioso auxiliar oa questio da imrni-
graca\ A experiencia provou o contrario. Por
defeito de organisagao, por -falta talvez de urna
seccao dotada da necessarta Iniciativa, a magas
questio, a despeito de todo o zelo das successivos
ministros, bem pouco te tem adantado, entretan-
to que os maiores homens do paiz a considerara
vital psra o fnturo do Brasil I
Sen grandes'sacrlficios do goveroo dentro e fe-
ra do paiz, sacrificios alias iroraediatamente com-
pensados ; sem decidida vantade o decidido pa-
triotismo de todos, nio conseguiremos mais do que
at agora temos conseguido. Se deixarmoa i ac-
eio vagarosa do tempn o povoar oo nossos cam-
pos e Orar trra os thesouros -qne ella guar-
da para premio do suor do Irabalho, mais Ssdez
sculos pastara sem que o Brasil tenha urna po-
palajio correspoodente i sua grandeza de terri-
trl0- o,
Nao basta querer iramigracao. E
procura-la, coeveuce-la, premia-la. Se nos Itmi
armos uraa sympatbia estril, veremos com op
olhos de oveja o engrandaeimento rpido de oo -
tros paizes, em quaoto que o nosso, qoe poda *
devia ser o primeiro entre lodos, coafinuar a II
car rico de despovoados e dsenos.


PERNAMBCO.
REVISTA DJLUIIA.
DtA DE FINABOS. A" proposito deste da d
comroemoraco dos morios, offerecemos aos leilo-
res a Sentencia de delantos glisoda, aeodaosi*
de urna hbil peona da Bahia :
Considera paccador
as centas que lens de dar;
O ha que te ha de jnlgar
O leu mesmo Redemptor.
Vira eom ira e furor
Dies irardiesilla,
Solvet secnlum in aulla
Tudo era chamroas arder
Como decretado est
Teste Datii cuas Sybilla.
Oh 1 que grande confusio
Te da rao os leus sentidos!
T eolio adormecidos
Serio despeos entio !
Vers n'esta occasiio
QuanfM tremor esi futurus
Quando Judex esi venturas
De teus crimes has de ver,
Que nada Ihe ha de esquecer
Cuneta stncte discussurus.
Eotre as nnvens se veri
Em throno de divindade
Com poder e magestade
O Juiz que julgara :
E logo se ouvir
Tubo mirum spargens sonum,
Ptr sepulchra regionum
Os mortos resnscitando:
O clarim que est tocando,
Coget mimes ame thronvm.
Ser grande admiracio
Ver sem embaraco algum
Resuseitar cada um,
No eorpo sem ler lesao 11
S de ver esta uniao
Mors stup-bit, et natura,
Cum esurgel creatura ;
E cada qual homilhado
Orar corrido, e prostrado
Judicanti responswa.

O mais leve pensameato
A culpa mais venial
E o peecado a ais mortal
Ter i Daos no eotandimento :
Todo tem posto em aeoto .
Lber teriptus p\oferehtr,
n quo to'.um continetur
Nada em braceo se ha de ver
Porque este livro ba de ser
Unde mundus judicetur.
O segredo mais occolto
At patente ser,
Cada qual coohecer
O seu roubo, o seu insulto ;
* Junto este grande tumulto,
Judex ergo cum stdebit,
Quldquid latet apparebit :
ludo punido ha de ser
Tudo castigo ha de ter.
JVifcif inultum rcmanebit.
Mas ai de mira peccador I
Que em tanta cala mi dado
Hei de all fallar verdade
E experimentar o rigor I!
Nesta pena e nesta dor
Quid sum, miser, tune dicturus 1
Quem Pationnm rogaturus f
Se em Unce lio aperlado
Nio ha santo advogado,
Cum vix justus sit securus ?l
S em Vos, meu Deus, e-pero;
S de Vos me hei de valer;
Vos meo patrono haveis de ser :
Fura de Vos nenhum quero.
Nio me castiqueis severo;
Rex treminia magtstatis.
Qui satvandos, salvas gratis 111
Misericordia Seohor lll
J que sois meu Salvador
Salva me, jons pietatis.
Meu Deus nio vos esquecaes.
Do que por mira padecestes ;
E se Vos a luz me des tes
Como em trevas me deixaes'
Como assim rae castigaos ?!...
Recordare, Jesu, Pi
Quoi $vm causa tita via
O maior das peccadores
Vos pede o mor dos favores
Ne me pedas iUa da.
Se Joao disseste al fim
Eotre da mora os rigores :
E' toa dos pnccadires
Bita que deu vida a miro;
Sa Vos quizestes assim,
Prapter me dedisli lassus.
Reimisti crucem patsus;
Nio permitaos, meu Jess,
Que nos tormentos da cruz
Tantut labor non sit cassus
Pois que sois o julgador
Do juiz oo erime immeoso
Desculpai este perverso, .
Que teme o vosso rigor ,
Atiendei ao vosso amor. t
Juste Judex ultion
Donum faeyemissionis:
E, a piedade ioclisado,
Fazei-me predestinado,
Ante diem rationis.
Como reo, que son culpado,
Prevejo a minba sentenca,
Emfim na vossa presenta
Me envergonba o meu peccada
" Ji choro de envergonzado.
iMMmisoo, tanquam reut:
Culpa rubet vultus meus.
Mas se ehoro de corrido,
E vos peca arrependido..
SupfiCfliUi paree, Deus.
E se i feliz Magdalena,
E i Dimas dstes perdi,
. Como nesta occasiio
Vosso rigor me condemna T
Pois se ea mereco a pena I...
Qui Mariam bsolvisli,
necessario \ Et lalronum exaudisti,
Por vassa excelsa hondada



u.
-


5C-
Sftsja
i =

i .




.
-
'%
1

;
i -



.
.-..
--'
">'

Quando da magma piedade
() O Sr. coaselheiro fl^,M a '"sbs'Oo oe 161 Mihi oaoo
de setembro. '" >

1 --*
V
?*


Dioio da Pernambuco ~ Quinta leira 2 de Novembro de 1871
2

*
-<*>
1
F
Por estes casi, Senhor,
Por essa bemdit cruz,
Me MCdote. raen Jess,
Mtflilit mea Redeuptor;
QaetMH ui, mea Salvador,
Prects mjm mmsunt digna :
Sei t bonusfae benigne
Lime, S mor eCrno ;
Boa incendios do inferno
JVY perenni cremer igns.
Com qoaoto o*fta perdida,
Do vosso reba*k sou.
Son aquella fas) R;ou
Desgarrada ; atan guarida,
Por vos causraaota Ilda
nter oves locum fSmUa
Et ab hitis me ssmmlra :
E p TidMom mala
NaroerafpB eflfc os dama
Statuens in parle dextra.
Da mao direila o logar
Daris aos predestinados,
! aos que forera reprovados,
r IJuctJ fu: havels dar
i que disto haveis de asar,
Confulatis maledectis,
Ftammis acribas addictis ; .
En que j sou dos wntrieto*,
Nao me chamis coro os malditos
Voc tu cum benediclis.
K' tal mioha contriccao
Qmw laharedas de*feilo
Os Incendios do roeu peito
Me abrasar o oncAo
Hamilde imploro o perdi
Oro twpplet ei accUnis
Cor contntum que si tnh ;
Poi3 se neste incendio morro,
J, por vossa toma eu corro :
Gtre curar* mei fitas.




Par'esttinwbdlo abrasante
Se as Ingrimas pro juro
Qual unitivo eguro
Do arrepewlHo amante;
ti .En j espero constante
Lacrymosa dies Uta
<*a resurget en favilla,
E surgir temeroso
Era da tio lastimoso
Judicandus kmo-reus.
Ora, meu Jesu?, mea Re,
Meu amparo, mea escudo .
Agora vos peco tudo :
Por quem oais vos pedirei ?
Por vossa rai----acertei
Une ergo parce. Deas,
Pie Jesu, Domine
Naqaelle tremendo da
Era que vos pede Mara,
Dona eis rquiem. Amein.
DELEGACIAS LITERARIAS. Por sortarias
da presidencia da provincia, de 30 de outubro,
sob proposta da directora geral da instrucco
publica, foram creadas novas delegacias Ilitera-
rias : na freguezia de Naureth, leudo por sede a
povoaco da Allioca e por limites os dos juizados.
de paz dessa denomnacao e de Alagoa-Secca; no
termo de Ipojuca, tendo por sie a povuaco ue
Porto de Galliohas e por.limites os das povoaedas
desse nome e de 3. 1 js de Ipojuca ; na villa-de
Parolina, tendo por limites os dessa villa ; e no
Kwoado de Tacait, da fregaesia de S. Cela no da
aposa, lendo por limites os do juizado de paz
desse pjvoado.
. DELEGADO LITTERAUIO. Pjr portara da
presidencia da piovjneia, de 30 de ontubroT foi no-.
meado delegado luterano Je Petrolina, o Sr. An-
tonio Luiz Pereira de Mello.
PRONUNCIA. Pela dulegacia do termo de
Agna-Preta foi pronunciado, como ineurso as
penas do art. _' >' Jo cdigo criminal, Miguel Ar
chaojo da Costa.
TRILH03 URBANOS PARA OLIXDA fi BSBE
R1BK. Ni seguula-feira,ora sesso extraordina-
ria da assembla geral dos accionistas esta cora-
paohia, que coinegiu s 6 horaa da tarde e termi-
nou as II h.ras la noite, iepoii de extensa dis-
eassio, fsideni'lilo o superintendente Andr de
Ah-eu Porto.
Ni terca-feira reumo-se de novo a assembla
geral, e ele? u : para presidente capuo de mar e
guerra Ludgero de Saltes Oliveira ; secretarios,
Dr*. Jos Antonio do Almera Cunta e Antonio Es-
tevo e Oliveira.
Para a eommissfO de exame da conlas foram no-
mcados : major Salvador lle.nrijue de Albuquer-
que; Dr\ Francisco do Reg Baptis/i e Jos Fortu
nato dos Santos Porto
Nessa occasiSi pedio e obteve sua demissao a
directora actual, (cando marcado o da 19 do cor
renta para a eleico da que a lera de substituir.
PHUHY. Chamamos a altenso dos leitores
para o edilal da secretaria lo goveroo do Pianhy,
abhniiiieoncorrencia para a onstruccio da eslra
di d farro entre a cidade da Parnahyba e a mar-
:e n dorio (guaras em frente Amarracao.
FREGUEZIA DE S. JOS'. Bedera-nos para
lembrar ao Sr. subJelegado desta freguezia a con
*cni-ncia de ser nonpado inspector da ra de
Santa Cecilia pessoa ahi moradora, allti de seren
; liibidos abusos que diariamente se da>, d'enlre
os qaaei sobresahaem" as in-olcncias pralicalis
p>r urna- sacia de meninos malcrea los, que lo las
as noites batem as portas das casas e d.zem pala
vras obscenas.
ALFORRIA.-0 Sr. capilio loio Cesar Cival
riKie de Albnquerque consagrou o da i* do rcee
liado com um acto, que faz o elrgio do seu an
ttio dalivoso, conferalo carta de i-.berda le plena
an sea escravo Jjo, pardo, de idade de cerca de
30 aauus.
Nao carecemos engrandecer a mignaoimidade
do preceder daquelle senhor, elle de alto relevo
para escasar i.to.
1870 A 1871.A renda provincial arrecadada
c-: se anno linanceiro pe onsulado imporlou
em I,40!:2i5j9f2, ao passo que no anterior ar
recadou-se 1,617:989*984, resultando urna diffe-
reoca para menos de 2io:76507 no anno pr-
ximo lindo comparado com o precedente de 1869
a 1370.
Essa decadencia de arreeadaelo prende-se ao
ramo de impostis de exportaco em que dea se
im decresc memo superior 33 por ceoto, sen lo
ulvez especificadamenle a 40 por cen'o.
1MPRENSA.Lemos no JomaJ do Qoinnurcio
do Rio de Janeiro :
Encetou o Sr. B. L. Girnier urna dessas pu<
fc.-agoes cojo titulo con-tito nao diremos
ama simples recomraeadaco para a obra, mas
tambera um titulo de gloria para quem a empre
hende. Referimo -nos urna biblioiaeca nacini.l
qns sob o nome da Brazilia dev eonter 03 es
criptos dos nossos melbores autores aniigos e rao
eraos.
Emhora nao tSs numerosa como a da9 atees
que contam por scales a sua existencia, tem, lo-
davia, a nossa comparativamente recente (itle a-
tura mailo raais riqaeaas do ine feralmente se
nagioa. E' que mui'.M eseriptos pecttsoe an-
dam por ahi envolvidos no p do esquecinwnto,
eocbecidos apenas daqaelles qae das patrias e
tras tra feito especial e aorofnudado estado. Ar-
ranca-Ios desse olvide tm que Jazem, ol*ido-4njus-
4o, as explicavel pela mesma difReuldadeqae ha
mi obte-los, e por mel da urna edico coamoda
polos ao alcance de qaanios desejem maasea-
los, ora servido prestado i litteratara, 4 por
meio del a mocidde, tffereeepdo-lhe. ratatres
r. le casa, em cuja Ji^io ella retemperar 'o espiri-
to, faeil de deixarse seduzir por gosto estranfio.
Difflcilmenl* vira a ser escriptor os poeta verds-
deinraenie na;ional acuelle que tivr lido h-
vros estraageiros.
A pablicatjao feita sob os auspicios de S. M.
> Imperador; ossa o editor nao esmoreoer di-
asle das difUnttdades inUarenies empreza, que
este augusio patrocinio de certo Ihe nao faltar
at ao cabo. v
O primeire tomo, qae acaba de vir a lame,
conim as obras completas e o retrato de Casimi-
ro i. JL de Abren, o tSo mavioso quo-desrenta-
rado poeta. Da elisio, mais meiliodica que as
anteriores, dslas immorredouras poesas, encar-
regou-se ora dos nossos borneas miis eslu liosos,
o Sr. J. Norberto de Soasa Silva, que, alm de
ama noticia ua sobra*) autor e suas obras, reu-
ni a^iiosjaizos critiecs ds siguas esenptores
naclonaes e etrangeiros sobre o nosso poeta,, e
m numerosas notas derxoa consignada informa
(~3s nierrsi-anUj.
Comprehendem as obras os tres livros de cao-
{es que formara as Primavera, o liro negro
au b elegas, a soeoa dramtica de CarnOese o
Jao e dous eseriptos em prosa, a Virgen toura e
-milla. >
O Diario do Rio de Janeiro, diz o seguinte :
Com a publijagio do i* volame 4a Uwida.de
di Traj-ino cjjncluio Silvio Diarte, este ron anca,
le que j demos nottoia ^aacdosl8* luz a f
e f>autor, depols de lavar o seu Iwroe pelt Eu-
ropa Asia, emulando pazos que .
em parallelo nossa patria e procurando Mije
o que a ella possa apfove1Ur,"no-lo moslra a no-
vo na provincia natal, nao j a crianza destHo-
sa sob os cannbos maternos, oa o moijo loes,
pertent succMstodo piixo mil compreb.&a-
di la, mas o torneen forte pala iutalHfeuci. ro-
brutecid^ na obsarracao no estado.
Mais tarda, das fraqnezas de um pai, d:t or-
phandade e da parda de tantas esperan;!?, vai
Trajaoo proearar o eaqaedmeoto como prorarara
limas de rija tempera, indo onde a honra da pa-
tria congregava seas tllbos, a contribuir lambeta
com seu iaogue para as glorias da babdelia na
cianal.
i Faribetaj o oltimo estadio da evisteotla-de
* ^Hjano e oem melhor aieus poderia ouvir ;,quel-
le forte eora^o, aquella alma t rturada enijan
toi amargores do que os hymnos da vid r.n e v
bandeiras iremulaBdo ao sol de umaYeduffAtjM.
t Cora a Mocidade de Trajino estra Sylvio Di
narte na carreira das Tetras com me-ma pujn-
?a com qae Corneille fazia estrear o sea here, o
CU, na carreira das armas. Para primeiro en
saio a na accao de mestre. Promeite-aoi o la-
lento que revelon, maiores (rabalhos cora que
mesrao urna litieraiuri dalles rica, anda enriqua
ca mais.
i Sylvio Diarte, se ahjds midestameaie con-
servar este p-eudooymo, ser, nao o duvidamos,
ara dos nomos qae mais hearario as letras bra-
sileras. *
DESASTRE E MORTE.nte-hontera, por volta
das 8 horas e tres ju-.rtos da ajile, deo-sa osa la
mentavel accidente na via-ferrea do RecifeaoCa
xaoga, do qual resaltoa a morte de Manosl da
Costa Chacn, artis a pintor da casas, casado
com Blhos. .
Doscia do Caxang o trem das 8 a roela horas
da noite quando, ao entrar n'uma pequea unrva
aas immediacoas da estaco da Porta d'Agua, pau
co alm do Mjntoi-o.encontrou, deitou por ierra
e esmagou o referido Chacn, qae, estando asa
briagdo, nao onvio o syDillo repetido da locomo
tiva.
Parees que sobre o machinla nao pesa cnlpa,
por que sendo o logar do accidente urna curva,
endo a noile de escuro aquella hora, e lendo elle
dado avi "s repetidos da approxinaea do trera,
quando p le ler avista Jo o infeliz Chacn nao era
j lempo de evitar o accidente.
Todava, tendo sido cnnduziJo o carpo para
Recife no treno, das 9 horas i\ noite a depositado
as offloinas, ahi foi a autori'ade fazer as degen
cas requeridas para a instanraoao do respectiva
processo, eorao era do seu dever, aura de qce 11
que bam averiguadas as circunstancias do tfci
denle.
Convm entretanto, que a compaahia, sahindo
da sea mui sabido (goismo, Ismhre-sa qae a vie
tima do doloroso accidente deixou mu'her vinva
e fllhos na orphandade, e qae o* principios de bu-
manidade reclamam que ella ajude a viter essa
pobre gente.
THES0URAR1A PROVXCIAL.-Parante a jun
ta administrativa desta reparlicaj vai pra$i, n>
>or
Anna FraociJrda Jlon.. appellaJo. Fr
AnasU -o de VjsHa,fnormaos os eq^H
Do Jtuzo miltkHStpal de Macei.-Appd^H
aatm de Andado Maia; appellada, D S
pateatae aeiro.aa Alqueroue Lins Negaram
to ao aggrava do auto do processo a
seotea^a appellada.
Uo fah municipal de Aracaty.-AppaHatie, Ao
ionio Crrela de Lima ; appallado, Antonia Bsptis
ta Baaboea,~j^aj>rezaram ea emJurpai. |irirjpia)afqnn sobr
Do iaizo tnatcipal d Goyaaaa. AppeHaatai ria, para fte los vende
Joao Gamet4 fosta ; appellada, Laclada Maria litros eoVnciadps : logo,
dia (8 de Janeiro da 1872, as obras da ponte di
Cxito, na estrada de Nossa Senhora do O' para i
Vermelho, avahadas era 5:7865030.
SANTA CASA DE MSERICORDUII'je vai i
praca, parante a |unta administrativa da auta Ca
sa de Misericordia do Recife, a propriedads Mi
rueira, prxima da estrada da ferro de Olinda, com
abundancia de agua poiavel, boas mattas, trras
fertiussimas, e com muita exten^o. Esta corpo-
rarao recebe propostas para a renda temporaria,
e vonJa logo que obtenha permissao dn goveroni
servndo de bise as offartag feitaa, de 2005000 o-
n aei de rea Ja, e de 7:01)0*0 10 por venda.
Na posicao em que se acbam, tornam-se estas
Ierras convenienej nao s a ediflcacao de um ea
gento, como a forraaco de un povoado da aran
de futuro, quando o comprador nao queira dividir
em doos ou mais sitios. A planta, dernarcaco e
de mais paptis concernentes acham-se patentes na
secretaria da Santa Casa, no largo do Paraizo.
ALFANDE'JA.Esia repirticao arrecatou do
mazdeoatubro 943:.79328 rs.
FACLDADE DS DIREITO. Comcam am-
nhaa os actos dos diversos aonos da Faculdade de
Direito, bem eomo os exames de lingasrs.
CARUARU'.Dasta cidade nos escrevara em 28
de outobro :
e 0 coronel Pedro Paes, cuja morte notieiei-lha
ha psucoa dias deixou forros em testamento os
sen? escravos Ignacio, Braz e Helena.
t Tambera foi liberta por elli, autes de morree,,
urna mulata de nome Felismina. >
COMPANHIA PERNAMBUCANA. Segu hoja
as S horas da tarde para Mamaoguape o vapor
Mandan daata compaobia conforma se acba an-
nuneiado.
L0TEBIA.-A que se a;ha venda 6* 213
beneO:io da Sania Casa da Misericordia do Recife,
a qual corrre no dia 6.
LEiLOSexta feira 3 do crreme ePfecIna o
agente Pisto o leilao de fazoodas no armazem dos
3rs. Rabe S:hmettao .& C, largo do Corpo anto,
conforme esi annanciado.
PASSAGEIROS.Do vapor nacional Curunpe,
entrado da Mamanguape :
Joaquira ttoraes Ribeiro da Silva, Irino Araujo
Bezerra, Hermenegildo Souza Lobo.
LKWITERIO PUBLICO.Obitoario do da 29 de
outubro.
Joaquim, pardo, Prnarabaco, 2 mezes, Boa
Vista; hepatite.
Joo, escravo, preto, Pernambaco, 2i annos.
solleiro, S. Jos ; bepatite chroBica.
Anna Candida Gusmao Lyra, branca, Alagas,
19 aunes, cacada, Graca; febre otoxica.
Vitulina. parda, Pernambuco, 5 annos, Boa
Vista ; bsx'gas.
Ernesto, branco, Pernambuco, 15 mezes, Recife;
febre cerebral.
Domingos, braneo, Pernambuco, 13 mezes, S.
Jos ; espasmo.
Joo Baniista de Oliveira, pardo, Pernambuco,
8 annos, Boa Vista; mieite traumtico.
Beroardino Gomes da Silva, branco, Pernam-
buco, 28 anaos, solteiro, Recife; gastrite.
Margarida, Pernambuco, 17 annos, solleira, Gra-
ga; tubrculo.
Elelgiua Calina Angosta Nev?, brinca, Per-
nambuco, 6 annos, S Jos ; ttano.
CASA DE DETEXCAO. Moviraento do di 30
de outuhro.
Eiietiam preos 358, entraram 7, sahiram 15.
existem 350 : sendo, nacionaes 213, mu bares 12,
estrangairos W, escravos 45 escravas 3.
Alimentados eu-ta dos cofres pblicos 265.
Baixa a enfermara : Joo Francisco de Anlra-
de, ulceras-; Joo Patricio da S:lva, ferimentos ;
I'.-h, escravo da Joo Flix, erysipela; Manoel,
escravo de Jos Luiz Netto, gastrite.
Tivera.ii alia : Manuel Pereira Bezerra, Mariana
Cecilia de Alfenquarque, Jos Pedro de Albuquer-
|u\ Macario Joo Evangelista, Joaquim Alves Be-
zerra.
CHRONICJLJlin.lRH.
IHIBl \ VI- DA RI^LAO.lO.
SE^SaO EM 31 DE OUTOUR ) DE 187L
?BS1DCNCIA DO BM. SR. C0M6BLHIR0 CABTAMO
SANTIAGO.
Secretario Dr. Virgilio Coelho.
As 4&*JjK)ras da mauha, presentes os Srs. desem-
bargadores^nirana, Guerra, procurador da co-
ra, LourstJjpo Santiago, AlmeiJa Albuquerque,
Motia, Assia, Doria, Domingues da Silva, Regueira
Costa e Souza Lean, faltan lo com causa os Srs.
desmbargadoras Uehoa Cavalcaota e Freilfe Hen-
riques, abrio-se a.sesso.
Passados os faitoa deram-se os jnlgamentos se-
{uinies:
. j AOGBAVO DE PKTICAO.
Aggravaole, Anna J ia juina do Rege Albu-
qoerqiie; aggravado, o juizo.Juizes os Srs. des-
emba-gadores Issis, Domingues da Silva a Loa*
renco Saniiao.D-.rara provimento.
APWCLLA^SeS CITM6.
Do jnizo municipal de Porto Calvo.AppeJIante,
Jjas Igoacio de Meo tonca ; sppeliado, Alasandre
Wagner.Confirmada a senlenr;a.
Do jnizo municipal de Sobral.Appellante, Ma-
noel Daarte Repardo ; appellado, Francisco Alves
da Foneeea.Desprezados os embargos.
Do juizo municipal de Camaragibe.Appellan-'
le, Antonio Joaq-nm-Lios Pirana ; appellado, Fran-
ciscj|An!onio B-zerra. Onflrmada a sen leo 5.1.
Dojuiza monicipsl de Porto Calvo. Appean
tes, Ernesto Augusto de Manguaba Suva i antro ;
appellados, Dr. Augusto Frederico de Oliveira e
outro.Confirmada a eeutenca.
Do juizo municipal de S. Joo. -AppeUapte?, pa-
dre Paulino Jos dos Santos Barbosa a outro ; .>'-
pallados, os escravo Slaria, LyJia, Joaquira eo-
tro-.Reformada aseni^aja.
Do juio municipal de Acaracd. Appeilante,!
ivte.d'esse capillo, a mais rspro-
sa daiodM 01 pintos da
1 seo cor-mundo interino,
lo trabalho de ir va-toi todos os
seguio-ss o sacrificio sua gola dos car-
s mais tenros da naci, serapre seus quatro
ranebeiros Iba nao traziam peixe, ou que enfastia-
do mandava frigir todo que os meamos rancheiros
do para dietas
Thorl
da Cenceij.Despraiaram os embargos.
ai-klu(-J3es canos. lU
Do jury da Iog&. Appelianla, Adol
dos Sastt rappellada, a justiea. Jul
rempta a aecusacao.
Do jory do Itectfe.Appellaate, o Juz ;
lado, Juvatino OJilon Tarares da Lyra.A'"aovo
jury.
153 jury de Garanhun-i. Appellante, o uizo ;
appellado, Luiz Morana de Andrada. A' novo etepor precon
jury. prflddio.U
1 DdTuTy 9ftto fTAflro. Apaeitante, o juizo ;
appellado, Vicente, escravo.Nao tomaram coohe-
ciment da appellaco.
Do jury de Atalaya.Appeante, ojota; api
pellado, Jos Ferreira dos Santo.A' novo jory.
aAMfcs afras.
Paciente Angelo de Forjos Corris Cesar.De-
ram arden a maadafau casaar o naaaada de pri-
sao contra o paciente.
Do Sr. desembargador Almeida Albuqaerque ao
5r. desembargador MotU:
Do juizo municipal do Recife. Appellaules, Jo-
s da Costa Dourado e entro ; appellado, Joo
Luiz Ftrreira Ribeiro. Appellaotes, os adminis-
tradores da mzssa fallida de Thoraaz d Flgue.il)|
do ; appellada, D. Anna Machado Lutra Ffeire Cos
ta. Appellante, Luiz Antonio Pereira ; appellado,
Igoacio Luiz de Brito Taborda. D.5 jury da Impe-
ratriz.Appellante, Antonio Crrela d Ataoje ;
appellada, a justici.
Ao Sr. desembargador Uchoa Cavalcante :
Do juizo municipal do Recife.Appellante, Jo$
Alve Barbosa ; appellado, Engracio do Arcparo
Santa Rosa.
Do Sr. desembargador MotU ao Sr.
gador Doria :
Do jnizo dos faitoa da fazenda.Appellantes, o
juizo e o coroael Jos Peres Camoello; appallados,
0 jnizo e os berdoiros d> brigadeiro Gaspar de
Drumraond.
Do Sr. desembargador Assls jo Sr. desembarga-
dor Dona :
Do jury da Ignaras; ilAppellante, o juizo ; ap-
pellado, Manoel Giuveia de Souza. Do jury do
Cabo.Appellante, o proaotor ; appellado, Manoel
.la Motta PimenteL Do jury do rtatal.Appellan.-
te, o juizo ; appellada, Mancel Rodrigues Lopes.
Dp juizo de direito do Saboeiro.Appeuanta, Luiz
Amonio de Ges ; appellada, a justiga.
Do Sr. desembargador Regueira Costa ao Sr,
Jesembargador Souza Leo;
U 1 juizo municipal do Recife.Appellante, Ma-
no.-! Rodrigues Cosa Magalhes ; appellado, Tho-
maz de Aquiao ffooceca. Appellante, im Ale
xaudre da Silva ; appellado,: Jlo de
Appellacle.cfime.Appellante, o juizo ; appaflado!
Americo Jos Ferreira.
Ao Sr. desembargador Motta :
Appellacoes ciyei?.Appellante, Jos Alves Bar-
bosa'; appellado, E.ias Emiliano Ramos. Appel-
lante, Jos Antonio de Brito Bastos : appellado, o
tenenra-coioael M noel Joaqnim do Reg e Albu-
querqae. Appeiladte, D. Rita Candida Vtanna
appel ado, Euf/azlo da Arroda Cmara. Appsl-
lanta, Francis;o dos Aojos Cralo; appellado, Luiz
Gomes Silvero. A^pellinte, Paulo da Amorira
Salgado ; appellado, f'rncisco Caiaicanle de Al-
buqaerque Mello. Appellante, Antonio Barroso
Valste ; appellao, Jos Furtado Barbosa. Ap-
pe! antes, Joo da.Couto Silva a outros; appellados,
Jeronymo Jos Barbosa a outro. Embargante,
Virginio Horacio Je Fretta* ; eoibargado, Joaquim
Muiiti-iro Guede3 GonJjoi. .
Do Sr. desembargador Souza Leao ao Sr. des-
imbargador Fre tas Ueriqnes :
ApjaellcSes civeis.Appellaole, D. Anna Bufra-
zia do Rosario ; appellado, Belmiro da Silveira
Los. Appellantes, Vicente Ferreira da Foocca
e snamulher; appellado, Mancel de M/llo Monte-
negro Pessoa. Appellaco crime.Appellante, lo-
s Ricardo dos Santos 1 appellada, a Rustica.
DF.LIOE.NCIA CRUIB.
Ao Sr. desembargador procurador da coroa :
Do juizo municipal do Recife.Appel!aate,Ba-
siiiano de Magalhaes Castro ; appellada, D. Joanna
Mana das Dorei.
Ao Dr. curador geral:
Do ju'zo municipaj de Porto Calvo.i-i. fe lian
te, Bruno Amando dos Res ; appellado
dre Hyppolito de Vercosa.
DESTSUIUICAO.
Aggravos de instrumento:
Ao Sr. desembargador GiUrana \*.
Do juizo municipal dalpojuca.Aggravant?, Jo-
s Francisco Accioly Lins;aggravado, Antonio Ro-
berto Barbosa,
Ao Sr. desembargador Guerra :
Do juizo municipal de Seriobem.Aggravan-
te, M^ria Joaquina da Conceicao ; aggravado, Jos
Luiz Monlero de Queiroz.
CAUTA TKSTEM.NHAVEI..
Ao Sr. desembargador Gitrana :
Do juizo de paz da freguezia da S. Jos. Ag-
gravante, Fianklim Netto Az-reJo Coulinbo; ag-
gravado, o juno.
RECURSO CRIME.
Ao Sr. desembargador Regueira Costa:
Recrranle, o juizo de direito do Buique ; re-
orridos, Marcolino Jos dos Santos e outros. .
APPELLACO CR1ME.
Ao Sr. desembargador Almeida Albuqaerque:
, Do ju-y de S. Bernardo.Appellante, o promo-
tor publico; appellaJo, Pedro Jos do Nasci-
1 cento.
appellacBes uveis.
Ao Sr. desembargador Molla:
Do juizo municipal do Recife.Appellante, Mi-
guel dos Santos Coimbra ; appellada, a Sania Ca-
sa de Misericordia.
Ao Sr. desembargador Assls :
Do juizo maacipal do Recife.Appellante, Joo
Bapiista Casa-nova ; appellado, Jos Flix dos
Sanies.
Le va nto u-se a sessao a amar hora da larde.
ji em sua casa a
fabuloso pri
o para a enfi
a tantos ris!
> producto da
ros, pradoefo',
da nacao :
gante da
dos doentes ovos,
mulaaim das
aot
rden-
mciado'
defl/f agarrafa':
iifma Meca dad
--]indo-se d'essa *
liarte dos car-
qne devana entrar
emfJoi fazendo sode-
eferraaria, fornecen-
doj empregados a obreirot da eomp inliia. em vista
da cotistituicao e das I eis do paiz.
Neo anda asse ragulamento est jpprovado
pela asaambla geral legislativa 011 palo governo
imperial ; a admira se ter coaeccionado o art. 6.*
no mencionado regulamento.
DIsse aVictimaque os artigos da constitui-
clonao mandara que a casa'do cidado seja tnvio-
lavel durante o da. Sabe-se que de dia. tambera
m lugar a entrada n" aain m qae-a aaswti
tuicao permita noite, e Mea easos cam as forma-
lidades precriptas nos arts. 909 a SU doeedig)
criminal, 9 apenas aquel les que aMivadiram fra
d'elles.
Declare a Ticiim tm qaai d'estes caaos pode a
polica aparar-se para ler lagresso ao interior d 1
.casa do cidMdfc (salvo a poder de forca) e Um-
'bem emprsgados a obreiros para a collocac^o de
apparelhos, abrigar a recebe lo?, como determina
allinhas, eaf
3 mercado do
Tfido, pofflt, i oosio vrS nada era compara-
cao do que passamo* com tadio a narrar, cha-
mando a alinelo das autoridades, ^juem per-
sjajMamaa si e posaivel contrallar yiexercer na
ilha lugar to importante, como o de major da
iras*, quera aseim pratica.
Inutihsando o honrado capillo Trajano, de gio-
riosljpunria, o idvsntario dos bens do fallueido
omR vceol
te de Carva'bo, depositado pelo seu
emana dos hahs era qae se acbavam
baos, maudou faxer um outro, no qual
bou ura ocule ae-ver ao longe, um
um par de botet de punh e
a fazendo-lhe sentir o sentencia-
jpio da Malta, i quem o exemplar
Moitani^oArMiia dos mesmos espolios dez lenco'
le hite neatoi cota a tlgar*daGiibildi, que elle
retusoa aceitar, qae ao consol porluguez se havia
ji remetlido copia do primeiro inventario, Ihe
reeponden cora a raaior tleugma o aldnete e
boinas sao da aoro falso, nenhum valor portanto
leera a o oeulo tem os vidros mofados; as>im s
se prestara como, lateas a vou dar essas objoctos
aos meus maakios par* brincarenO que porem
jJrampiron e jorre de bocca-em bocea qua o al -
desembar-. (hete a bolees foram. cautelosamente guardados, e
o oculo permanece forrado de lona para largar o
mofe, a por Uso se dizO raijor da praca, Traja
no. s: v-pelo oculo do thqnaz.
A-franaaeiado nosso homem aludo se atira,
lude me serve. Tendo sido assassioaoa a [.feliz
Varia do trmo no dia 12 la agosto ultimo, e pro
cedendo-se leilao. como a- eostuma, dos objeelos
que Ihe parteaciam era favor de um filho menor
qusdewos subtrahio elle e mandn para ana ca-.
sa um barril, que potera prodazir mais i em
oeneeficio desse innocente.
Que miseria I Constitue-se herdelro de todos.
.'TenJo formado 'propDsilo de enriquecer, alo
trepida em lanear nio doa ateios os mais abjecios
e afames; tonara o regularaeoto, adultera as or
dens do comrnaadaote ; insulta a procura desmo
ralisar quem cumpre seus deveres, a possesso
atira-se contra ledos, que encontra como ooioos as
anas eslraagetrinhas.
Segu ora para a capital Qoirino Joaqnim Mi
deira, que pedio dernissj a lugar de sargento de
condemnados, lugar que aecupava desde agosto
de 1861 cora meucpes noarosas e atiesados que
o desdnguem, dos pascados e actuaes embregados
dasta lagar.
Levou-se a dar jdisa passo, desgostoso pelo mal-
trato e grosiejL que Iha prodgalir.ava o ^apito
Trajano, e renKo de que Ihe quize'se elle metter
os pos, como Ez o capio Oliveira o Cruz no al-
raoxarifado, dando assim um exemplo edificante
seas subordinados, d'entre os quaes s escoihe
os mios para1 delles se acercar.
Quirino Jo quim Madeira, oae leva sampra co
rao norma de sna conduela o liel o restricto cara
prtmeoto das ordena deseo* soperioees, pelo que
tem captado a estima de todos os commandantes,
a adquirido rail desafectos, deu parte ao actual
comrDWdanti), o dislioctp lanenie coronel Campos
MeJk que eni um dagBesemJiarquea o capiao
Tra^e. modelo qt (Mcaes, tambera exercera
suarfunacoes, que viera para trra e seguir via
gara para sua casa placida e de^.ssombradamsa-
le^ajjpas garrafoes de agurdente.
Sctwtedejsa parte, Trajano exasperou-se, pra-
guejou, forrawu mil castalios e promettea afinal
aos seas Deoses a ruina de Madira*e a sua des-
tituleo da sargento de condemnados; e esquecido
de que p\sao dente, e w|e p|l**mb cao a perversilade, forgi-
cou urna long'arqnexa, mas banal e sera funda-
mentos, terminando por taxa-lo da prejudicial
"iclplit e moralidade do presidio.
O comman 1;inte, porm, nu sabe fondo qua'
crime de Madeira, <|ae us consta i Uvxa a
inbeciranfo db goveroo os desregramenlos des
-o uopuJ^pedo-lhe em um longo offlcio, que
j xhlbisse provas robustas sobre os factos, de que
wensava Maleira ; por quanio sendo um dalles
facto j avenenado era sua preseoca, e pudendo
os deraais esta/em, coraefesse, alulterados, preci-
sas se faztanj as provas qae exiga, aflrn de com
ja suca proceder e "i acarretar com a responsa-
bilidade de uii.^I menos considerado, dando
demissao um empaggado amigo, em favor do
qual militavam os rniores elogios de ssus ante-
cessores, e quo ella raesmo eapito havia piolado
como ura homem necessario ao presidio. Qae
decepeo. que vergonha I
Enrubesceara as faces do capli Trajano ?
Creraoa que nao : toas faces j ojlu acostumadas
trances mais violentos; j seno alterara : ad-
uerir dinheiro a poraualquer forma, emborasof-
fra dessas decepcois, a% dneoda
t
PUBUCACOES A PEOIDC
*
Feraando de Noronha,
Aportndola esta ilha em abril do crrante an-
no o vapor Aiand'ili, trazando a seu bordo o ea-
pito reformal-i Trajano Alipio Camino de Meir-
don<;a, para servir como major da praca, excla-
mamos transidos de pasmo a iadigoacao ser
possivel, mea Deas, qas ha lempos afasia parl .0
encontr o governo offlciaes, cujo precdanlas
ignominiosos os tornara por dentis conheci*"
eomc prejudiciaes, para mandar para esie mal
dado presidio, onde s devtm governar
que imam a moralidade dr a islumes um
integra a completa abn-'gicio seas inte
piva los I?
Ser possivel que j estejam e-queeiios os soc-
ios praiicados por este hera na olonia mitar de
Pimeuteiras, onde quasi vende al os colooo#'
Estar igualmente esquecido a que praticou este
honraio varao na extincta companhia dearii:es
arraojando boas eontas com o rancho das pracas
para comprar predios, em enjos coacerlos a ed-
ticacocs de novos compartimentos erapregou todas
essas pracas; as que liahara oflkios como opera-
rios e is demais como serventes I?
Ser crivel qua a pessoa, que sabemos se rate-
ressoa para que nos viesse de presente essa fia
geilo, sa nao lembre de suas. facanhaa na irman-
dade do Conceicao dos militaras, onde entre ou-
iras figuras a de uos 1004 applica Jos aseandalo-
samen'.') If
Uso Jiziamos convicios de qae, se na grande* so-
ciedade, onJe as leis sao mais pratieadas e respei-
|ue o persegue
e quem elle^e joeibos adora.
Do qne mos de dizer, prejuiiclal a disciplina
a moralidade do presidio o eapito Trajano, a
quem a proprio* commandaote nao tributa l, e
nesse offlcio acoima da aleivoso e indiscreto, ne-
nhum peso dando a estirad queixa contra Ma
deira, que segando esse eomraaniahte e seus an
tecessores digno de elogios pela tiJelidade com
que cumpre as ordena, que Ihe sao dadas em proi
do servico pbUco.
Oatros factos poderiamos ennumerar a nartar;
guardamosapoi para outra occasio e termina-
}, o>os pedipq^ ao governo, que nos livre e esta
.malfadadaahdo figelo quo nosatormonta desde
abril e osiwm causado serias desesperos, porque
ecxerglostine a ilha navega eom valo em pupa
ontra formidaveis eachopos.
Ultima bofaConston nos que o comrasndinte
Jo vapor, qne ora segu, den ao iramortal capil
Trajano lf|000por tres barris d'agoa para a!)as
teciiwnto do sMmo vapor ; e que esse eapito
ten vendido aoproprio Dr. Adrio que aqui se
a cha, pdese dizer como Juispede, canas da pro
dncco da ilha. Vam.:9 areriguar eses fados e
na prmeira cceasio coraranoicaremos o resultado
Uua oblivermos.
Fernando de Noronha, ?4 de ootubro de 1871.
' O sentinella do
o art. C. do referido regularato; talvez respon-
da em vista do mesmo regulamento : poderia as-
sim acontaear, se no paiz nao hoovesse justica e
os.
alente cada ua tem oeste mundo, mais ou
menos, sua mana; supponha a Victima que a te-
nho de ser major a de possuir um palacete ; isto
ningaem offende. Como cidado chefe de fami-
lia, estimo e respeito aos meus concidados e s
autoridades. Dotando o mea direito escrevendo o
que siolo, sem offeader pessoa alguma, porque
a onstitulco me garanta este direito; a o qae
eserevo assigno, sem empregar a capa do anony-
mo, eom a qual sa eobrem aquellos qae, alo
tendo razo, envergoobam se de assignar o que es*
crevem para a imprenta.
Vencida como est a Victima dos proprietarios,
por ter confassado que a empreza tem defeitos,
nao merece mais resposta.
Sitio do Arraial, 30-de outubro a 1871.
Marcelino Jos Lopes.
Fernando
Testemanba ocular da maneira porqne ten' pro-
cedido na admiojatraeSo do presidio de Femando o
Sr. tenente-coronel Antonio de Campos Mello, des-
tribuindo todos justiqa, sem se deixar levar por
paixoes mas.ou afluencias de oalram, o aosso am,
viaJo hoja imprensa, restabelecer a verdade
respeito de alguns factos, que o corresponden!
de Fernando para a Nha Uberal em sua carta,
deixon que viessem alterados, talvez por nao estar
delles inteirado.
Manoel Francisco de Almeida, sentenciado mili-
tar, de pessima condoeta, um dos chefds da rebel-
lio projectada contra o commandaote da ilha, era-
pregados e offlciaes, em 186o, tendo sido encon-
trado roubando em casa do sentenciaJ) Joaquim
Jos Bezerra de Santi Isabel, sendo apresentado
ao tente-coronel Campas Me:lo, com o roubo em
rnosfoi por ordem dest, procedidas as necesa-
rias averiguagoes, castigado corporalmente. E'
esta a verdade, e nao o ler o dito Almeida procu
rado apira sentenciados, uraabaixo assignado, pe
diado ao governo a conservado, ou a volta ilha,
do Sr. coronel Moraes Reg.
Um outro facto alterado :
i O commandante mandou faze nma casa de
pedra a cal para o seotencialo, moadeiro falso,
Gil Eustaquio da Malta
E' falso.
Gil Eustaquio da Malta, multo antes de chegar
ao presidio o Sr. tenente-coronel Campos Mello,
principiou a edificar ama casa de pedra e cal no
terreno era que oolr'ora Uvera, casa o vivaodeiro
Maia, tendo por motivos que ignoramos, para lo a
obra, conlinuou ao commanJ > do tenentacoronei
Campos Mello, qua o lera ajuJa lo, como tolos
que edificara, as ras priocipaes do pre.-id:, ca-
sas de pedro e cal. Mas ainda quando o comman-
dante Campos Mello mandasse fuer ama casa para
nella morar Gil ou outro qulquer, nao era bso
materia de censura, porque as casas edificadas no
presidio, partencem (odas ao estad1, anda quando
[ellas por particulares, quinto mais feitas a cusa
do mesrao e Udo. A casa da Gil, portanto, urna
casa que perleoca,ao presidio, e qua o comman-
daote LJe d'ella lanear mi a quando quiz-r.
O qua se nao ju-ti'ica o monstruoso cercado
de modeira da Joo Mul, a o grande barracSo,
mandado fazer contra as ordens do comaiandanle
e*eea proveito panicnlar, na Pedia do Bode; o
que nao se]ustifica o emprego de 18 loateocia-
dos, tirados do serv?) do governo, contra o regu-
lamento da liba, contra as ordens do commandante
contra ludo quanlo honesto, em servico particu-
lar de ceno empregado, sentinella vigilante do
regulrnoslo.
Bem iria o presidio de Fernando, se os embre-
gados comprehendessem, como o Sr. tenente-co-
ronel Campos Mello o daeres que a lei :upe ao
funecionario publico. -
Nada de paixes, djga-se somepte a verdade.
Recf
de"buub'fo de 187.
A leslemunha de vista.
Pede-se ao Sr. administrador d carreio que
faca seguir nos dias santificados o correio da es
trada de ferro, pois Jo grande desvanlagera para
o pnblico o nao ser assim, urna vez qne todo o
maia servico dalla nesses dias igual aos dos
uteis, com a difirerenca apenas de nao se poderem
rematter os eoohecimentos dos objeelos despacha-
dos por falta da correio, ti cando por isto delidos
ns e.-licojs, sujeilos a armazenagem e a astra
garem se.
Hec.fetl de outubro de 1871.
Antonio Rodrigues Pinlo.
Ao di
governo
tadas, por esurrem os infractores imnfadiau pu-
nico sujettos, o uosso hera assim se houve,
quanto mais oeste lorrio eiquecide, em cajas pla-
gas, segundo um disuado commandante, qae beB
o gove 00a, nunca pode abordar a eoaslilaicae do
imperio I
i.'om ludo tendo na meama occasiao ehegado o
disocto e honrado militar, teoeoto Emiliano Er-
nesto de Mtlio Tambonra para exercer as fuoc
(des do secretario, e no inmadiato vapor o inia-
ro a lirioso lente coroael, Aotoaio de Campos
[ello, para comraaadar o presidio, amentou-nos
a espoi>oca de que o eapito Trajano, pond
parte 1 eir perniciosa da ambicio, que si
teve-morada era sua aleas, adjratass
hdorff^o de seus compinhelros^nrpcara-
e conteaJasse cora sea ardena io, qae n
^eqano, c com as regalas que o presidio cfferece
a todos ios empregado* licita a hcitacoeate..
ifoa eaperanea, porm, bretf eTaporon-se pe-
Emprezi Dayaage.
Kesposa'S vietluia dos proprie-
tarios.
A raotitonha nao pode sampra parir libras ster-
linas para os amigos patoteiros ; per isso est pa-
lWBn,at'}9 ios canos da empreza Draynage.
Emilir, oocfsson a Victima, qae a empreza tem
defeito*, e mais de um II En os tenbo eombalido.
e por sso eldriromplatamante vencida ; resta ser
eonhcid8, aflrn de ser soece rrida.
Urna empreaa que ten de anferir considerareis
lucros ; qae tem o prrrtegio da fazonda provin
cial receber sea dinhares e cobrar execntivameo'.e
Jo proprigUrra que aa.pagar, e reaaber dos co
trae provinciees que ten am regalameoto qne
Jiutonsa a pohsHa a ter ingresso na ea*a do cida-
do, e bem assim a obreiros construir eb'a'n>
^interior da casa tera consentimento do proBrietario,
oo-devia oa reaiidade ter eeitos.
A hirloria -da apparemos e augmento de alngnel
da casa oide existe a secretaria da polica, anda
mesmo s#hd 1 verdadeira, o sea proprietario est
em sea direito ; e por isso nenhum deiar acareta
sobre 01 mais.
1 O mroprieiario tem sen capital em predios;
necesariamente faz a conla das impostos a con
certos, afim da seren alugados j e assim mesmo o
rendiraenfb nao excede de 6 por cento ao anno"
sob o taior; satvo aqueMjs predios de ruis eom
mercraes. jWm
Qjelxemo-qcyB|| jljcfg djipaiz, porque to-
dos os annoi;lnY quem seote. sao aquelles que nao manejara grandes
capitaes, i elasse aidi, roa i > eea le a pobreza ;
um s-iraposlo inda nao foiafeeiido, como se pro-
metleu ao povo do alto da tribBna, deeois da guer-
bada.
da continuar a dizer aos meas eoncidaaios,
o art 6. do regulamento para a execucao da
empreza^ Incousluciooil ; que 01 empegados e
obreiros* I ma*rao a polica, nao pdem ter in-
gresso naneara do cidado para o obwgar a que
a empreza eonsoaa obras para a collocfja de ap-
pVelhos; *s goa corpo eleitoral do Z
dfstrleto.
O dia 26 de novembro o designado para ler
lugar a eleigo de deputa los provinciaes.
Aspiraudo um lugar na representacao provin-
cial, apresento-me ao digno e distincto corpo elei-
t ir al do segundo districto, pedalo o seu valioso
apoio.
Se nao tenho Iitnl03 que jastlfJquem urna ta
prelenco e possam ao raesmo lempo aulorisar
tima deciso que Iho seja favoravel, sobram-me
desejos de bem servir a mioha provincia.
Bem entendida economa dos dmiieitos pblicos,
todo incremento possivel aos melboramentos mo-
raes e matenaes d* provincia, eis os objeetos do
mens mais especiaes cuidados.
E' ssim que pretendo proceder, se merecer a
subida honra de 8r eleilo, sera jamis esjuecar
os principios polticos do grande partido conserva-
Idor, que me ufano de perteneer.
|PSa julgar Jes qoe isto sufficiente, qae estou de
accordo com as vossas ideas; se entenderdes em
vossa sabedoria que nao desarrasoada a mioha
pretendi, sendo, como sou, humilde e obscuro
advogado de aideia, amparai e prolegoi a minha
candidatura, elegendo-me deputado provincial
pelo segunda districto.
E desde j me confesso eternamente agradecido,
pondo vossa disposco mea insignificante a te-
nue prestimo.
Cidade de Xazaretn, 30 de outubro da 1871.
VosSo patricio a correligionario,
Manoel de Macedo.
COMMERClu.
IMPERIAL
JCompaiihia de aegurog contra
fogo.
^AGENTES
S. P. JOHNSTON & C;
Ra da Menzala-nova 49.
Seguros contra-fogo
COMPANHIA
NORTHERN.
Capital........SO,000:000*OOC
Fondo de reserva .... 8,000:000^000
Agentes,
Mrff Lathan C.
THE ALUANGB BRITISII 4 FOBEIGN.
Life nd Fire Assdrance Company esubelecida
m 18. Capital i 5,000,000
Os agentes desta companhia tomara segaros
:ontra fogo sobre predios, gneros e fazendas e
jagam aqui prejuizos-devfdamente pro vados.
|Rabe Schmettaa 4 C
* Corpo Santo n. 15. -
SEGURO CONTRA FOGO
The Liverpool & London d Glob
Insaraoce Gompay.
Agentei :
Saanders Brothers & C.
i i Corpo SanioI!.
PKAVA DO RECIPE 31 DS OUTUBRO
U 3 i/1 HORAS DI TAJUM.
CotacSes offidaa.
Algodo de Goyaona 1* sorto871 re. por kilo,
dem idem379 r. por kilo.
Fre.e deaigodofdaqoi para Liverpool no vapor-
1-d. e5 0iOpor l4(honlera).
a.
Secretario.
ALFANDEGA
itandiraeato do 41a 1 a 30. ,
dem do da 31.......
888.1631887
58.3134377
9i3:-i7WMi
norlneato da lodega
v'olumes entrados com fazendas
* eom ganaros
627
480
138
Sil
-----36*
Volumes sabidos eom fazenda
eom genero
Descarregam hoje 2 de novembro.
llate americanoHarriet Breuster farinha de
trtgo.
Logar inglezSedwell Jameenvo.
Escuna americana Eva Mayvario* gneros.
Barca oorte-allerao Mahnne Demgtt saadeira.
Patacho norie-allemo- Zeca Gebrvdtrw*tt%~
dorias.
Barca inglezaIntotentidam.
Patacho nacional-Jofc6 Patacho inglezB/Aamercadorias.
Despachos de. exportacio no dia 36 di
outubro.
Para os portos do exterior.
Na Darca portugtteza Harmona, para L ver
pool, earregarara : Sinnders Brothers 4 C loO
saccas com 13.141 kilos de algodao.
No vapor inglez Olinda, para Liverpool, car-
regaram : Simpsoo Broaders 4C. 140 saccas eom
10,344 1)2 kilos de algodo.
Na blrca ingleza Jynedae, para Liverpool,
carregaram : Mills Lalhao A C. 497 saccaa com
41,153 kilos de algodo.
No brigue iog'ez Race, para o CasMti, iar-
regsrara : Jjh,ston Pater A C. 1,700 adM e
l7,500 kilos de asencar masoavado.
Na birca portugueza Mana Luiz*, para
Lisboa, carretarim : E. R. Rabello (1.500
saceos com 112,500 kilos de assnear mascavado.
Na barca portugueza Clementina, para o
Porto, carregaram : Tbomaz da A jumo Fanseca
& C. 700 saceos com 50.500 kilos de assnear mas-
cavado.
Para os portos do interior.
Na barcaca Ouas Irmads, para-Villa da Pt-
nba, carregaram : Bcltrao & Oliveira 3 barricas
com 189 kilos de assucar branco.
No patacho nacioal Bemflca, para o' Rio
'Jrande do Sul, carregaram : Bailar Oliveira A C.
239 barricas cora 26,548 kilos de assucar masca-
vado.
Na barcaca Dous Amigos, para Measor, car-
regaran : I*mael Cesar Duarte Ribeiro 3 pipa*
cora 2,400 litros de agnardeole; Jos da Caoba
Lages <0 pipas eom 4,800 litros de agurdente ;
Baltar Oliveira 4 barricas com 368 kilos de as-
sucar branco.
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS
GERAES DE PERNAMBUCO.
Hc-ndimento do dia 1 a 30. 10.1:544*0!
(dem do dia 31...... 12.670*369


114:220*0::
MOVIMENTO 00 PORTO.
Navios entrados no dia 81.
Mamanguape16 horas, vapor na-.iooal Cururipe,
de 221 toneladas, commandante Jos IhariquA
da Silva, equipagem 17, carga 500 fardos de al-
godo ; enmpaubia Ptrnambuci.ua.
Ricnmondi8 dia, bngua norueguense Talismn,
de 211 toneladas, eapito Schiou, equipagem 10,
carga (airaba de trigo, ao mesmo eapito; veio
refrescar e seguio para o Rio de Janeiro.
HiittMkittsyst "WMMP '
ParaVapor nacional Anicota,Vommandante e 1.*
tenenie Jos Mara de Albuquerque Blom, ear-
ga diferentes gneros.
HavreBarca franceza SI Andr, eapito Ham^.,,
carga couros a outros gneros.
Mamanguape Vapor nacional Cururipe, comman-
dante Jos 11 arique da Silva ; em lastro.
Vaco entrado no da 1
Terra Nova27 dias, barca ingleza ConstanCe, de
248 toneladas, eapito Joseph Kemp, equipagem
14, carga 3,207 barricas com bacalho ; a Johns-
ton Paier A C.
/Varios sonidos no mesmo dia.
Rio Grando do SulPatacho nacional Bemfica.
eapito Jos Vieira das Ncves, carga assuca e
sal.
HavauaSumaca hespanhola Voluntaria, eapito
Jayme Bertrn, carga carne.
EDITAES
Faculdade de Direito
De ordem do Eira. Sr. Visconde, director, foco
publico que a inscripeo para os exames de lin-
guas no prximo mez da novembro se abrir co
dia 3 do mesmo mez o continuar at o dia 15,
O que se pretender inscrever dever faze-lona
secretaria desta faculdade por meio da reqoeri-
mento ao Exm. Sr. director com declarado da
materia em que se tem de inscrever, e aitesiado de
director do eollegio ou professor qua o bouver
ensinado, certificando a sua habilitaco ; letra e
assignnura do requerimeuto devem ser do pro-
prio punho do examinando, tudo de conforraiilaJe
eom os artigos e &t$ iostruccSes que baixa-
rara com o decreto o. 4,430 de 30 de outubro d*
1869
Secretaria da Faculdale de Direito de Recife,
24 de outubro da 1871.
O secrelario,
_______Jai Honorio B. de Menezes.
O Ulm. Sr. inspector da Ihesouraria provin-
cial era cumpriraento da ordem do Exm. Sr. vi-
ce-presidente da provincia de 1? de agosto pr-
ximo ndo manda fazer publico qne a mesma the-
sourana vende 500 apolices da divid provincial
no valor de 100 cada ama, vencen lo o jaro de
8 0,0 ao anno pagos por semestre na segunda
quinzena dos razes de juina e Janeiro, a devendo
ser resgatadas na quinzena deste ultimo mea, ob-
servndole a nnmeraco seguida e ttintis (can-
ias permiitirem os crditos votados nnnualmente
precedendo annuncios. Os pretendentes compa-
reijara na mesma ihesouraria no praso de 39 da,
itfeontar da data deste E para constar sa man-
dn publicar o pre>ente pelo jornal.
Secretaria da ihesouraria provincial de Peroam-
bnco K de outubro de 1871.
Conforme.Servinio deoffleial-makor,
Landelino de Lona Freir.
* O inspector Ja alfandega lu publico, qae
se*ta-feira 3 de novembro prximo vindouro, de-
pois do meio dia, porta da mesma repartido,
sarao vendidas em nasla publica, livre de direilos
ao arrematante, 120 cestas de sime em obras, bo
valor total de 200*, a saber : 80 kilogrammas d?
cestas para compras no valor de 40J, a 500 rs. o
kilogramroso, e 40 ditas pequeas para costura, to
valor de 160*. a 4&o klogrammo, as quaes via-
ram do Poit na barca portugueza Social, entrada
em 18 de julho ultimo.
Alfandega de Pernambuco, 30 de outubro de
1871.
Emilio Xavier Sobreira di Mello.
A oamara municipal desta cidade lendj de
contratar com qnem por menos zer o servico
da limpeza das quatro fregaeziis da cidade ou de
cada urna das freguezias de per si, cunvida pelo
presente eompareccrera 00 di* 3 ds noaeiabro
vindour?.
O servico da limpeea ser feito pela, maneira
seguate :
Ai mas que parlirera do arsenal da maiUth*
em direceo ao Uondego a que foram calcadas
serio varndas todos os dias, sendo anterior rayate
regadas.
As que lhe's forera paralizas a qua no forera
cateadas soro ciscadas as tereac caalas a ab-
bados, senJo tambera anteriormente regadas.
As que a estas forra perpendiculares serio var-
ridas as segundas qusrtas a sextas fetras da lo-
todas as semanas, sendo tambara conveniente-
mente humedecidas assim eomo serio ciscadas ?



,
-.I
f


I
Rf
j
&.
diario de Pfnamlme* ^ Quilla eirt 2 de NovemiSro di, 1871.
4ose clseaiffSISioTSi de
que Ibes fora^jwalfehs e que nio forem esle-
das, jf m
tambera varri-
_ da snas colloea
<3w 3 ymm aor-siaaui
0 liio as varradaras das easai ser reeebido
pftlMsacroQM porta, das msaanas mw dias era
que eaUa ras ifanav dav aer tarridas, serii
liado mi logare que forem designades
paniflicaea.
A arrematado era fstta pelo lempo de seis
4 meaea, fioand* a raaciaio do contrato ad-lititum
da eatnara, esupaUodo as multas nos casar era
que forera applieaveis.
Servido de baaea noaatia de 810* por semana
eulo a rregujzia do Hecife....... 150*000
a dt Santo Aotaaia 0O0
*A drS. Krs...... 200*000
da Boa Vista.... 230*000'
Pap> da cmara muaiciual do Recife 28 de ou
tabfO de 1871.
Ignacio Joaqun) de Soca Leo
Pro presidente.
Lourenco Beierra Carneiro da Cunba.
. .. .________Secretario.___________
S. Jijee, o Sr. praaiileoie da provincia manda
tater publico que aebandose autorizado pela re-
solacaofa. 1757, de ai de agosto ultimo a contra
arcom JoaA alaria Beroe, Francisco Gano Gu'kc
Joaquim Cpelba Fragoso, ou om entras que
Q> vaalagaht ufareeam, ou mesmo cora qual-
qajat compaa organisada] dentro ou tora do
imperio, o astabelecimenta de urna via firrea pa
ra transporte de pssageiros e cartras entre a ci-
dade da Paroabyba a raargtm do Igoarasti em
frente AroarracSo, convida a todas as peasoas
que se qulzerem propor a referid* empresa
prenotar trias propostas dentro do praso de 4
mezas, sobre as seguintes bases :
1.' A' esarada de (erro ser oaatruida pelo sys-
teraa Fairiie ou outro qoalquar de pequea lar-
fura Covrov/r guage).
i' Partir da cidade da Parn.ibyba, e segotada
ao nordeste, paasar pelo lugar denominado Tes-
:ia Branca, indo terminar na margen) do rio Igua
rasad era frente povoaco da Amarraeao.
3.a Os trabalhos desta estrada deverao comeear
dentro do prase de dous anuos, a contar davala
em que for assignado o contracto, entre os em-
prezarioa e o governo da provincia, e terminarlo
ura anno depois sob pena de pagarem aa mul-
ta* que eslabeieeerem no contrato.
4.* A eraprea se obrigar a transportar gra-
tuitamente as malas do governo. O preeo das
passagens e fretes ser-^reviaroente regulado en
tre a empreza e o governo da provincia.
' 5.a O governo garantir a empreza, ou compa-
nfaia um privilegio exclusive, pelo espaco de 30
- aoaoa para que outreo nao posea construir ca-
ralnhos de ferro na direccao deste, e outro sira,
sera a mesma empreza preferida a ootra qaal-
quer, em igualdade de ireumstanciw e vania-
gaos para txtencao desta Ifnha, cu construceo
de oatra, que se julgar convenien.e estabeleeer
da cidade da Parnabyba para o sul ou interior da
provincia.
6.a Tambem garantir o governo 03 juros de
tret por cento ao anno at o capital de irsenlos
ceios de ris pelo espaco de 30 annos.
7.a Esta garanta de joros cessar mesmo an-
tes de 30 annes, desde que a empreza auferir ou
der um dividendo de oito por cento, pelo menos.
Finio o praso de 30 annos. na primeira bypo-
these ou cessada a garanta de juros na segunda,
poder o governo fazer novo contrato com a iin
preza sob as mesmas condiedes.
8.a O governo tambem garantir o direito de
desapropriaco, na forma das leis dos terrenos
de dominio particular, que forem necessarios pa-
ra o leilo da estrada, eitacSe?, armazens e obras
adjactntes.
9. O governo se_obrigar a impetrar do gover-
no geral a isenco ds direitos do impjrtacao,
tanto dos trilbos, machinas, carros., instrumentos
e mais objeclos_ destinados estrada, como por 10
annos, do carvao que se consumir as locomoti-
vas e officinas.
Secretaria do governo da provincia do Piauby,
6 Do outubro de 1871.
O secretario,
Pedro de Aluabyde Lobo Moscoso Jnior.
OOMPAIVMIA
DE
Navegado Brasileir
At o da 8 de novembro, espe-
rado dos porto do sul o va-
por Prndente, commandante
Garca, o qul depois da demo
rado cosame seguir para os
)esde j recenem-se passageiros e enjuga-
carga que o vaj>qr poder condnrr, a quw deveri
ser embarcada no oa de sua chegada, eneom-
nendas e dinheiroa frete at ao nulo dia de sua
sabida.
N3o se recebem como encommendas senao ob-
jetos de pequeo valor, e que nao excedan a 2
arrobas de peso ou oito palmos cbicos de medi-
cSo. Tudo que pasear Uestes limite dever sei
embarcado como carga,
Previne-M ios Srs. passageiros qne-snas passa-
gens so se recebem na agencia, ra do Com-
mercio n. 8.


' ""^^pWwaM^P*
BECLARACOES.
SANTA CASA DE MISERICORDIA DO
RECIFE,
Perante a junta administrativa da Santa Casa,
v" *- nu nnapii 2000 rs. de reoa
3u3o.il, a proprTeaaTe que possue o patrimonio
dos orpbo, no lugar da Mirueira, a qual foi l-
timamente demarcada.
Os pretndanles deverio comparecer pelas 3
horas da larde do dia 2 de novembro vindouro.
Secretaria da Sania Gasa de Misericordia do
Recife, 27 de outubro de 1871.
O e?cnvao,
Pedro Rodrigues de Sonza.
No dia 3 de novembro, depois da audiencia
do lilm. Sr. Dr. juiz municipal da 1* vara civel,
tem de ir a praca por venda os movis constantes
do escripto em mo do portero do juizo, cujos
movis vo a prsca porexecucio que move Mu-
noel Coejbo Pinheiro contra Leonel de Lacerda
Machado ; os licitantes comparecen) no dia, hora
e lugar cima dito. Os movis o de gosto de
boa qualidade.
SANTA CASA DA MISHKIGOKDIA DO RECIFE.
A Illra. junta administrativa da Santa Casa do
Misericordis do Recife manda fazer publico qne na
sala de suas sessSee, no dia 2 do mez de novembro
pelas 3 horas da tarde, tem de ser arrematados
a quem mais vantagsus offerecer, pelo tempo de
um a tres annos, as rendas dos predios em segui-
da declarados:
ESTABELECIMENTOS DE CARfDADE.
Ra de Hortas.
Sobrado n. 45 (andar e solio.). .. 304*000
Ra do Prdre Floriano.
dem n. 47/.......180*000
Ra da Gloria.
'Jasa torrea n. 61......240*000
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Ra da Gua.
Caa terrea n. 27......146*000
dem n. 29........193*000
Largo do Paraizo.
Loja da-frente do soDradon. 29. 192*000
Ra de S. Jorge (Pilar).
dem n. 102........203*000
dem n. 108........205*000
Idem.n. 98.........205JOOO
Os pretendemos deverao apreientar no acto da
orrematacao as suas flaneas, ou comparecerea
aeompanhados dos respectivos fiadores.
Secretara da Santa Casa de Misericordia do Re
eife, 28 de outubro de 1871.
O escrivo,
Pedro Rodrighy de Souza.
Pala subJeiegacia do distrito do Pares se
fac constar que se acha depositado um cavallo de
edr alazo caboenlo, tres p> calcados, frente
aberta, com dous ferros no qnarto direito, rateiro,
e basi< ote novo; sendo dito cavallo aprehendido
em puder de um individuo, orno snsp^to de ser
fartadp : qnem se julgar com direito ao referido
cavallo, compare^) a esta subdelegacia que justi-
ficando o seu direito, e pagando as despezas Ib.
s c entregue.
Subdelegacia de polica do distrcto do Peres,
31 de outubro de 1871.
0 subdelegado supplente em exercicio.
Caadtdo Martins de Araujo.
AVISOS MARTIMOS^
Barca Clementina.
Segu com a maior brevidade para o Porto este
uavio por ter j sua maior parte da carga promn-J
ta : para o resto e pasaagetos trata-se com es:
consignatarios Thomaz de Aquino Fonseca & C.
Successores, na ra do Vigario n. 19.
A escuna portugnea Aguia, capito Pedro Au
gusto da Fonseca, acha-se proposta para o porto
cima ; para carga trata-se eom E. R. Rabello A
C, ra do Ccmmercio n. 48.
Para o poeto cima segu com a maior bren
daee po-eivel, o palbabote nacional Ganbal, ca
pitao Gusto lio Jos Viauna, por estar com parte
da carga engajada, para o resto trata-se eom
Tasso Irmaos & C, ra do Amorim n. 37.
Do Rio de Janeiro 4 esperado at o dia 3 de
novembro o vaper naeional Diamante o qual de-
pois de algn dias de demora seguir para o Pa-
ra. Recebe-se c.irga e passageiros, a tratar eom
os agentes Henry, Frsler & C. ra do Coamer
ci n. 8.
A' frete.
Com destino a Babia segu brevemente o vel-
leiro Zwei Gebruier, toma carga para aqnelle por-
to : tratar ra da Cruz cao Keller & C, n. 5o,
consignatarios, armazem.
COMPANHU PERNAMBCANA
DE
Navegando costerra por vapor,
Mananguape.
O vapor Sfandah^jtom-
mandante Julio, segua
para o porto cima no
dia 2 do crrante as t
horas da tarde."
, Recebe carga, encom-
mendas, passageiros e dinheiro a frete at as 2
horas da tarde do dia da sua sabida : escriptorio
no Forte de Mallos n. 12.
COMPAMHIA
DAS
Messegeries martimos.
At o dia 10 do correte mez espera-se da Eu-
ropa o vapor francez Sindk, o qual depois da
demora do costume seguir para Buenos-Ayre.-.
locando na Buhia, Rio de Janeiro e Montevideo.
No dia 11 do crreme mez espera-se dos por-
tos do sul o vapor francez Amazone, commandante
Joret, o qual depois da demora do costume se-
guir pra Brdeos, tocando em Dakar (Gore)
Lisboa.
Para condicoes, fretes e passagens, trata-se na
agencia, rna do Commercio n. 9._____________
1MRA O
PORTO-
A barca porlugueza Molla Ribeiro, capito Joao
Baplista de Lima, vai sabir com brevidade : para
carga e passageiros irata-se com E. R. Rabello &
C. a ra do Commercio n. 48.
MM liM
A barca porlugueza Jarm Luna, capito Jos
da Silva, vai sabir com brevidade : para carga e
pssageiros trala-se com E. R Rabello & C, roa
do Commercio n. 48.
PM (I PORTO
Com muito pouca demora neste porto, seguir
viagem com destino aquello, o brigue portuguez
Triumpho. Recebe carga e passageiros :* tratar
com Soares Primo, ra do Vigario n. 17.
LEILOES.
DE
FAZENDAS
Seita-feira 3 do corrate.
Rabe Schmetau & C, faraa leilio, por interven-
cao de agente Pinto, de um completo e variado
sortimento de fazeodas nglezas francezas, e alie
maes", existentes em seu armazem do largo do Cor-'
po Sanio n. 15, onda se effectuar o leilo, o qoal
principiar s 10 horas do dia cima dito.
<*
- movis e um cofre de ferro
Sendo Bma mobilia de Jacaranda a Luiz XV
urna dita de mo^no, orna; dita de ama-
relio, marqaezas, marqoezoes, sofs, ban-
cas de Jacaranda, cadeiras avalsas, mesa
elstica de amarello, um guarda louca de
mogDO, goarda vestidos, cadeiras de ba-
lango, camas francezas de Jacaranda e de
amarello, jarros, candelabro de cryslal,
apparelbo de loooa para almoco, dito de
jantar, lanternas e muitos oatros objectos
que serSo vendidos a) correr do mar-
tello ; bem como um cofre de ferro t
prava de fogo.
Scxta-fera 3 de novembro
0 agente Mariin- far leilo por coma e risco de
quem perjencer, de todos os movis cima, que
seo vendidos pelo maior preijo.
No novo armazem da ra do Imperador n. 48,
s 11 horas do dia,
VISOS DIVERSOS
BAHA
Hospital Portuguez de Beneficen-
cia em Pernamboco.
A junta administrativa manda resar no oratorio
do mesmo hospital no d'a 3 de novembro prximo
as 8 horas da manha, urna missa pelo eterno x&
pouso da alma do socio benemrito Pedro Baplista
de Santa Rosa, para assistir a este acto de religio
e caridade ; sao convidados a familia e os amigos
do finado.
Secretoria do Hospital Portuguez de Beneficen-
cia wn Pernambuco 26 de outubro de 1871.
Luiz Dnprai,
Secretario
Segu uestes prximos dias pera o indicado
porto o patacho nacional Caisilhas: quem no mes-
mo quizer carregar poder tratar coa o seu con-
signatario a ra do Vigario n. 14. escriptorio de
oae Lopes Davin,
Preeisa-se a premio de l.Oio ao mez da
quantia de 3:0004000 afim de se poder edificar
um predio em um dos melhores arrabaldes de^la
cidade e junto via frrea da loha de Caxang
bypoiuecaudo-se o predio que se vai fazer como
garanta, quem quizer annuncie.
Beberfibe
Polfwdem -do Sr. presidente da asflMB p-
ral convido oe Srs. accionista* par* se reunlrem
na sexta-feira 10 do correnle, s 40 Horas da ma-
nha, na' sala da estaco da rt Aorora, afim
de se continuar a sessao do #k 1 4o pasudo, e
proeeder-se elejcao da directora quexem de
substituir a acroal, cumpriDlo advertir que, se-
gundo o disposte no 112 do art.-t* da le n. 1083
de 22 de agosto de tofo, para eeta -eleicio, ni)
sao ailmiltidas proa^^^Vq
Retare, 1.* de novetiSro-de. 1871.
O t'secreurlo.V. A-.W^hufa Cunta.
O abaixo assignado, leudo de acatar com o seu
negocio, roga aos seus muites e aumerosos fre-
lo em ana loja de cal-
rlz n. 10, de vtr *u mandar-
JMjfiliili ^i'Jiii iTaYifciiirri do
correte anuo, pe 1 do*ootrario vBr**ha obfiga-
do, e bem contra sua vontade, entregar al con-
tas a seu procurador, pa/a elle reeeber amigavel
ou j jclioialmente, o qde o abmxo assaguado eipera
doeseos boD>fregueaeadsee.aexraer-uecesserio-
flf Preeisa-se de orna ama par* co
im.-lTM ZM. tinbir : na ra da Florentina n, 3
padaria.
O abano asignado roga eitarecidamenta a
todas as pesaoas que, se digoaram aceitar o seu
eonvite para a orgauuacao de urna sociedade be-
neficante de soccorros aos desvalidos, de se acha-
ren) no domingo 5 de novembro prximo ea sua
casa na roa do Bom-Fim j anta a igreia, aim de
ser naste dia installada-a meia sociedade.
Olala 31 de outubro d _____________Dr. J F. Xavier Paes Bwrto.
Na livraria franceta -.ua do Geespo, na
loja de msicas do Sr. Ate vedo ra Nava, e na
photographia. imperial ra do Cabug n. 18,
achara-se expostas pbotograpbias da vera efigie
do venera vel vulto de S. da Penba, padreeira
do hospicio des Rft. PP. lesienarlos Capuchiehos,
e que se venera mquelle hospicio. Ha phitogra-
phias para o preeo de 500 rs., de 3/ e de 5 con-
formo o tamanho.
- A peoa^Hto.iJ*fc venda de bllhetos
******** daRenato* Oltode, j retn.* a-
atoto.ptotojMi -aOirn
t
iLrt^,|v*-iMii,,i^ "* k
otb^Natalio aseiejnaevmlarfe do aneial,
dous eavallos eastanhos andrinos, gordas, eom
am*q'1**l''*l">'to*tfc. Arnboa alies tem
obm astoteao a fcatrtf*, qamtia deseppareaer
em |)ow084to.. Dalesawd. sicuris no
P9<*? preoe eiaia moNeme ontre
e urna raalba em urna das mies, ato abates brap
coe lonroa. Ejies-eavalio aaa*aram pala roa do
Bnam.epooteSeade Seteaebro, Onde se conbe
01 alu condactorea, ees o preto Jacob,
bnieio.buixo saesutovbe. Roga-*e, por uni,
as autoridades e aquem d elles noticia nver, que
os u?am appreheadereleva los ao abaixo assigua-
n ri* d* Cnt0- 15, qua ser recompensado.
Recite 1 da-aoeembro de 1871.
iaOqnira Pae Pereira da Silva.
Aloga-se urna das boas lojas do Passeio,
ou Caes de *de Novembro n. 67 : tratar no
segundo andr por cima da mesma toja
Na ra da Pra do Cldereiro n. 23, lava-
se e engomma-se com perfei'so aeeio por preeo
comnioda.
Imperial Inutlttito Fernambnea-
110 de Agiicnltura.
A directora do Imperial Insti'uto Peroambncano
de AKriculiura, nao tendo anda reaiisado a acqui-
sigo da propnedade agrcola destinada fateoda
modelo, por nao sasfazerem as propostas apre-
venalas s condooes requeridas, e serem exces-
sivos os precos pedidos, .recebe novas proposta;
para a venda de un) ngenhoou de qualquer pro
pnedade rural, que se ache as seguintes con
dicoes :
1* Estar na vsinhanca de alguma estrada de
ferro ou de rodagem.
2 Prximo a terrenos variados, e ter agua ao
menos sufflciente para os trabalhos de irrigacao.
Sala da directora do Instituto 23 de outubro de
1871.
O secretaric,
Buarqua de Macedo.
Precisa-se de u a ama que saiba cozinbar.
comprar e fazer todo o servico de urna casa es-
trangeira e de poucas pesabas : na rna da Impe-
ratriz n. 9, loja. ,
Aluga-se urna boa casa defronte da estacau
dos Arrombados, calada e pintada de novo* com 2
salas, 3 quarlus, cozinba fra e quintal morado,
propria para pasiar a festa : n ra Direita nu-
mero 28.
ALUGA-SE.
Para passar a festa a casa, onde mora
Antonio Al ves de Miranda Guimares na
Agoazinha de Beberibe pela qaattia, de
i:0HO : tratar com os abaixo assig-
naiioa a quem foi adjudicada em praci pu-
blica a p; ferina casa ; declarando os mes-
mos ijue o Sr. Gnimaraes nio tem antori-
saco alguma para alugar, ou dispor de
qualquer forma da mesma casa.
Recife, 25 de oultibro de 1871.
Tasso IrmSos C.
Aloga-se urna escrava sement para cos-
nhar, sendo casa de pouca fauna: tratar nc
n. 24 da rna do Caldeireiro.
Precisa se alugar urna cosinheira escrava,
para casa de familia ; a tratar Da ra Nova o. 5G
1* andar.
Oaixeiro
OlTarecese um rapaz de boa conduela, de
idade da 13 a 14 anuos para caixeiro de qualquer
estabelecimeoto,excepto de taberna ou palaria :
quem pretender dirija se ao escriptorio desta ty-
.pcgrapha que se dar as nformacoes necesarias
CASA DA IWTVNt
Aos 5:000|
Bilhetes garantidos.
A rna Primeiro de Marco (ontr'ora roa dt
Crespo) n. 23 e casas do cosftime.
O abaixo assignado, tendo vendido nos seus te
lizes bilhetes um meio n. 1230 com 5:000*000
uoijnteiro n. 716 com 800*000, um meio n. 811
300 e outras sortea de 40/ e 201 da lotera
ama m
quartos
estaco
i>sala, doli
n. S, perto a
Imperatilz
JLLt'
Hh.
9
- Prj"s*p DJh llufBer livre para coai-
SE31 UMITES

$*MB wmhX
wm
EmWAZI
PAVAO
DE
^ Precisa-se "de um copeiro, para casa estran-
geira, da pouca familia : tratar na praca do
CorH$WQ n. 11, eseriptorio, primeiro andar.
-=%
^"caK-fttar?
criado ra da Gamboa
D. Filomena Candila de Novaes Anounciacao,
Joao Baplista Ferreira ADnuciacao, Francisco
Ferreira AnnunciacSo, e Antonio Candido Farrei-
ra Annnncaco agradecem i todas as passoas
qne acompanharam aos reatos mortaes de seu
presado marido e pe Joao Baptisia Ferreira An-
nuaciacao, e d: novo as convidara assistir as
miasas que por sua alma mandam resar no dia 3
de novembro s 0 1|2 horas da manhaa, na
matriz da Santo AoUnio.

'; vr
ioio Alfonso Torres
convida aos seos amigos para assisiirem a urna mis-
sa que por alma de sua presada mai, manda ce-
lebrar na matriz de S. Fre Pedro Gooc,ilve?, no
dia 4 do cortete as 7 horas da manha.
S-2

D.
Anna Candida de ;usmo
L,yra.
Antonio Francisco de Albuqner^ue Santos, agr-
deceodo do fundo d'alma todos os amigos e p-
renles que se dignaram acompanhar at o cemite-
0 cadver de sua esposa D. Auna Candida de Gus
mo Lyra, convida aos raesums para assistirem a
algumas missas que pelo suffragio de sua alma,
manda celsbrar, sabbado 4 do correte, as 7 horas
da manba no convento de S. Francisco, pelo que
desde j se confessa snmmamente grato.
Hije 31 de outubro perdeu-se no caminbo
da ra do Commercio ao boceo do Capim e na tra-
tp>> da ra da Cadea um saque no valor de
B00iS"de B-jrstetmann & C. em Maeei sbreos
Srs. Borstelniann & C desta praca a favor do Sr.
Joao Quirino de Aguiar o qual acha-se junto com
nma sedla de 5001000 importancia da mesma
letra. Quera achar ambos, queira dirigir-se a ra
do Commereo n. 10 Io andar que ser bem recom-
pensad*
Precisa-se de um caixeiro de 12 a 16 annos
para taberna : na ra Augusta n. 116.
Precisa-se de urna ama para eosinhar
ra Augusta 11. 116.
na
Perdeu-se no caes 22 de Novembro urna car-
ta com a sub-cripia de Etelvioa Flores Bella da
Silva, vinda da Europa pelo ultimo vapor; roga-
rse a ppssa que acbou queira ter a bondade de
trae lana ra da Cruz n. 9 3 andar.
ja -mar Precisa-se de urna ama para co-
/LlvJAl'^m sinha, de meia idade : na ra do
Brum n. 86, Io andar.
Aloga-se o sbralo n. 23 da ra do.Conde
da Boa-Vista, outr'ora ra Formosa, sendo o andar
terreo, 1 andar e solea, ludo com muito bons com-
modos, e tendo cocheira e estribara, quem preten-
der dirij-se a ra da Aurora n. 86 3* andar que
achara eom quem tratar.
co
que so acabou de extrabir (212'), convida aos pos
suidores a virem reeeber na conformidade de
costume som descont algum.
Acham-se venda os bilhetes garantidos ds
7.' parte da lotera, a beneficio da Santa Cass
de Misericordia (213a), trae se exlrahir segn-
da-feira, 6 do mez vindouro.
PRECOS.
Bilhete inteiro 6*000
Meio bilhete 34000
Quarto 11SO0
Ira porcao de 100/600 para cima.
Bilhete inteiro SoOO
Meio bilhete 2*750
Quarto U375
Manoel Martiin Fiuxa.
Sociedade beaefleente ^eis
de Ma'C> 1871.
i Convida-se os socios para comparecerem na ca-
sa de snas ses.-oes no da 5 do correnle pelas 10
{horas da manba, afim de proeeder-se eleicao
dos funeconarios para o anne futuro.
Recife 2 de novembro de 1871.
I. M. Santos Jnior,
Secretario interino.
MudanQa.
Do da 10 do correte em diante estar mudado
para a ra do Imperador n. 48, i* andar, o gabi-
nete decirurgia dentaria de F. Maia,o qual dessa
data em diaute ser abi encontrado todos os dia;
a-qualquer hora. O mesmo, como al aqu, con-
tina a preslar-se a chamados.
Ainda o Sr. Theod Justo.
O proraettimenio feito a nm terceire das letras
que disse trazer assignadas pelo Illm. Sr. seo so
gro (a quem nao conheco) e como o tratante do
Sr. Theod Justo ha muit que me illude, faeo este
pedido p3ra que o publico fique inteirado de que
o dito Justo ainda nio lancou o meu 1:000/000
seguramente porque os purgantes teem sido fra-
cos, carece pinho.
Caetsno Jos Mendes.
Manoel Rodrigues de
Almeida.
Jo.o Antonio de Almeida e seus irmaos cordial-
menta agradecem a todas as pessoas qne se digna-
rara nssistir ao acto fnebre e acompanhar ao ee-
raiterio publico' os restos mortaes de seu mui
prezado rmo Manoel Rodrigues de Almeida ; e
de novo pedem-lhes o obsequio de assistirem al-
gumas missas que mandam celebrar pelo repou-o
eterno do mesmo finado, as 7 horas da manhia de
dia 3 de novembro, na matrii da Boa-Vista.
Faz-se negocio
Cora a amiga e bem afreguezada loja de calca
do francaz a ra da Imperatrlz n. 10, livre e des
embaraeada da qualquer onnus ;"faz se negocio a
dinheiro ou a praso, conforme se conveneionar
senda-ora boro-negocio para quem quizer com
nuar, e s se vende por er o dono de se retirar
para a Europa tratar de sua saude.
tratar
Precisa-se alugar orna
ama para cozmnar, prefere
se escrava, paga se bem : a
u i da Senzalla Ve Ib a n. 90.
Ahiga-se na cidatie de O.inda, 2 casas ter
reas.n. 13 e 14, ra de S. Pedro Apostlo : fal
ramo Retifa, ra da Cadeia Velha, armazem de
fazendas v0i.
Capailas mortuarias
DE
Fino maraore
Na loja do Gallo Vigilante
Vende-se cpelas mortuarias
de fino marmore, com flores
em grande relevo, que devera
ser preferidas as capellas de
que at aqu se tem usado, vis
to que a sua naturezi permute qne se nao
deterioren] com o tempo. como acontece
com as entras.
Aluga-se
Urna caa terrea com sotao e boas accommo
daces, eoacertada e pintada recente mente, na
Ilha do Retiro, Passagem da Magdalena : iraa-se
na rna do Vigarie n. 4.
Banhos
Alnga-se urna exceltente casa em Olinda, ao p
da capella dos Mlagres, propria para quem pre-
cisar toma:: banhos : 4 tratar na ra do Apollo
- : __________________________________________________________________________________
OrSri abaixo 'deofarados sio Tugad a
mandaren* >u drem ao escriptorio deste Diario
a negoc
Jos Fratrisco Ribeiro de Sonsa, (dono do col-
legio de Suito Amaro
Francit'Jos Rabello
FLIX PEREIBA DA SILVA 8r C.
NA BA DA IMPERATRIZ N. 60-
S a dinlieiro vista
Os proprieurios dest estabelecimenta tendo grande necessidade de diminuir o im*
menso deposito que tem de azenda e grande urgencia de apurarem dinheiro, tem re-
olvido fazer urna verdadeira liqoidaclo com grandes abatimentos noa prefos' de tdoa
os eos artigps: para o que cootidUmao r-eapeitavel publico desta capitala vir sortir-ge
pois Ine garantam que em parte alguna poderSo encontrar t5o grande "sotimenloe mes
ao o5p comprarlo pelos presos oae ao Ibes pode vender na loja de Pavlo; pora ad-
virtindo-se que s se vende a dinheiro vista. Os mesmos propietarios deate estabe-
Wcimento rogam a todos os seos devedores desia praca e favSr de virem saldar seos d-
bitos, e todos aquellos que estiverem devendo contas antigs e o nio fizerem, lacio de
ser eucommodados judicialmente.
Loja do Pavo
SAJAS BRANCVS BARATAS
a 24500 e 34000.
O Pav5o .vende cortes do boa azenda
branca com bonias barras de pregas, pelo
baratisimo preeo de 2)5500 e TwOD.eada
urna, grande pechincha na roa da Impera-
triz n. 60, loja do Pavo.
MODERNAS ITAREGES COM LISTRAS DE
SEDA-E FRANJA AO LADO.
a 800 rs o covado.
Cbegou para a loja do Pavio, i roa da
Imperatriz n. 60, um elegante sortimento
das mais lindas bareges modernas e letdo
ao lado bonitas Jistras assetioadas e frujas
para os enfeites, as qoaes se venden- pelo
baratsimo prefo de 800 rs. o covado, por
LStslafeas baraUao do Pavo.
Alsacianas com lindas listras de eda a
MOOO o covado.
Ditas lisas com muito brilho a [$ o covado
Aantas, fazenda de muito gosto tecida
com seda a 720 rs. o covado.
Ditas com quadros de seda e cores muito
delicadas a 640. ,
Poil de chvre, d'pma s cor com muito
brilbo a 500 rs. o covado.
Merinos escossezes fazenda de muito gosto
para vestidos bornus e roupas de* menino
a 640 rs. o covado.
Gurgnrlo muito bonito, tendo de todas
as cores a 400 rs. o covado.
Llasinbas rxodernas com differentes gos-
tos a 400 e 500 rs. o covado.
Ditas ditas a 280 e 320 rs. o covado.
Bareges transparentes com differentes c- baver om grande sortimento desta non fa-
ros a 160 rs. o covado.
Alpacas de cores lisas e lavradas fazenda
de muito gosto a 500 e 800 rs. o covado.
CassasdoPaySo.
Cassas inglezas com bonitos gostos a 200
e 240 rs. o covado.
Ditas finissitcas a 300 rs. o covado.
Ditas francezas de muita phanusia a 400
rs. o covado.
Cortes de cassas com 7 varas fazenda
muito Qua e bonita a 2)5500 e 30O0.
Ditas d'organdy branco e de cores a
20500.
CORTES D'ORGANDY A 40000.
O Pavao tem cortes de organdy branco
com 8 \ varas que vende pelo barato pre-
eo de 40000, assim como finissimo organdy
branco com listrinbas e qoadrinbos o me-
Ibor qne tem viudo ao mercado e vende
pelo barato pre$o de 720 rs. a vara.
Ponpellnas de seda a &000.
O Pavo tem um elegante sortimento de
poupelinas de ssda tanto lisas como lavra-
das as mais modernas que tem vindo ao
mercado e vende a 20000 o covado.
CAMBRAIAS LARGAS A 800 RS. A VARA.
O Pava i tem cambraia branca transpa-
rente de boa qualid,ade, com 8 palmos de
largara, que apenas precisa 4 varas para
om vestido e vende a 800 rs. a vara, dita
dnissiraa da Escossia tendo a mesma largu-
ra, que vende a 10600.
CAMBRAIAS BRANCAS A 40000 E 40500
O Pavo tem pegas de cambraia branca
transparentes com 8 i/2 varas que vende
pelo barato preeo de 46000 e 40500, ten-
do tambem muito Gnas de 50000 at
100000.
Ditas tapadas ou Victorias tendo de 30500
a peca at a mais fina que vem ao mer-
cado.
Crosdenaples preto e de cores.
O Pava.) tem um grande sortimento de
grosdenaples e gorgaro preto para vestidos
tendo de 10600 o covado at ao mais su
perior que costuma vir ao mercado, assjm
como um grande sortimento do ditos de
todas as cores e branco e um bonito sorti-
mento de setins branco e de cores que ven-
de por preeos muito em conta.
ESPARTILHOS 40000
CACHENEZ a 40, 50 e 60000.
O Pavo vende espartilbos de todos os l-
mannos a 40 e 50003, cacbenez parisiense
com delicado ponto e de cores, a 40, 50,
e 60000.
CORTINADOS PARA CAMAS E JANELLAS.
a 80, 100, 1*20 e 1(50000.
O Pavo tem um grande sortimento de
cortinados ricamente bordados,, proprios
para camas e janellas que vende de 80 at
160000 o par.
Pegas de cambraia adamascada com 20
varas a 100000. crocbet ricamente bordado
para cortinados a 10500 o metro. Assim como
ricos damascos com 6 e 8 palmos de largo
ra proprios para colchas de camas e tam-
bem ricas colchas de damasco a imiacao de
seda e ditas de crochet as mais lindas que
tem'vindo ao mercado.
MSSELINAS DE CORES A 400 RS. O
COVADO.
O Pavo tem um bonito sortimento de
musselinas de core, padres inteiramente
novos e cores fixas, qua vende a 40 rs. o
covado. Ditas brancas aauito finas a 400
e 500 rs. Metim branco da India mnito fino
para vestidos e roupas de meninos a 720 rs.
o covado. Crotones de cores muito encor-
pados para vestidos a 600 rs. o covado.
ROUPA POR MEDIDA NA LOJA DO
PAVO.
0 Pavo tem urna bem montada officina de
allaiate, administrada por om hbil mestre
nacional, aonde se manda fazer qualquer
obra de encommenda, tanto para bomens
como para meninos, garantindo-se a promp-
tido e aceto em todo o trabalbo, e no mes-
mo estabelecimentojencontraro os respeila-
veis freguezes^todas as fazendas propinas
orno sejam pannos de todas as cores qua-
diades e preeos, novas casemiras de gosto,
re ns braceos e de cores, asaim como todas
asfazendas proprias para tatos de luto.
CASAQUINHOS A 150,180 E 200000.
O Pavo tem um graodo sortimento de
ricos easaquinbos de seda preta muito bem
enfeitados e modernos que vende a 150,
180 e 200000, sendo azenda de muito
mais valor, assim como ricos chales pretos
bordados com franjas largas de retroz a
100 e 120000.
A loja do Pavo acha-se constantemente aborta das
horas da noite, ra da Imperatriz a. 60*.
zenda ; assim como delicadsimas bartge
com lindas listras de seda, sendo fazenda de
muita pbantasia a 640 rs. grande pechin-
cha, no armazem do Pavo.
Fazenda para luto.
O Pavao tem um grande sortimento da
fazendas pretas para luto, como sejam:
Merino preto com 6 palmos de largura
para vestidos a 20000 e 20500 o covado.
Merinos pretos e de cordo para todo*
os preeos e differentes qualidades.
Bombasinbas para todos os preeos.
. Cantes e alpacas pretas. Lasinbas pre-
tas ou cassas de la de 300 al 500 ra. o
covado.
Cassas pretas francezas e inglezas de to-
das as qualidades.
Chitas pretas francezas e inglezas de 200
rs. para cima.
Crep preto para veos.
CASEMIRAS PARA CALQAS A 40, 50, 60,
70 E 80UOO.
O Pavo tem om grande sortimento da
cortes de casemiras de cores para cateas,
sendo os mais modreos que tem vindo ao
mercado e vende-se de 40 at 100000 o
corte, ditas em pecas francezas e inglezas
para caicas, palitots e colletes que vende de
10800 at 00000 o covado, ditas escaras a
prova d'agoa que vende a 50 o corte ou a
30 o covado, sendo estas casemiras mn*-
proprias para meninos de escola por bttuaf
escuras e de moita duraco.
NOVOS VESTIDOS A 50000.
O Pavo tem lindos cortes de vestido de
finsimas cambraia* com bonitos bordados
de cores e tambem iodos bordados branco
que vende pelo baratissimo preeo de 50OOO
cada corte, grande pechincha.
PANNOS DE caOJHE PARA CADEIRAS E
sophAs.
O Pavo tem om grande sortimento de
pannos de croch proprios para encost d*
cadeiras e de sphs, assim como um rice
sortimento de tapetes de todos os tamanho
proprios para salas.
MADAPOLO BARATO A 40, 40500 E 50.
O Pavo tem p^eas de madapolo com 24
jardas ou 20 varas que vende a 40 e 40500
a peca, dito muito fino c largo de 60 par-
ama, dito francez do melhor que tem vindo
ao mercado, assim como dito finissimo coi
pecas de 40 jardas.
Cortes de ebltas.
a 106O, 20000 e 20800.
0 Pavo tem cortes de chitas francezas
com 10 covado, qus vende pelo barato pre-
eo de 10600 e 20000, ditas que vende a
160, 200 e 280 rs. o covado, tambem tem
um grande sortimento de ditas finas claras
e escuras que vende a 280 e 320 rs. o co-
vado e fiaissimas percales miudinhas propri-
as para camisas, vestidos 6 roupas para au-
amos que se vende a 360 e 400 rs.
- LENga&BANGGS;-----------
O Pavo tem lencos brancos abaubador
quo se vende a 20400 e 30. a duzia, ditos
grandos de murim sem ser abanbados s
30200 rs. a duzia ; assim como bonitos len-
cos bordados para mos.
ROUPA PARA IIOMENS.
Sobrecasacos de panno preto fino send
muito bem feitos de 120. at 400000.
Palitos de panno preto fraques o saceos
de 80 at 120000.
Ditos de casemira de cor de 60 al 120.
Ditos de alpaca preta fina de 40 a 60000.
Ditos de dita branca e de cores 60000,
Ditos de brim de linho trancado a 60000.
Calcas de casemira preta de 60000 at
120000.
Ditas de brim branco de linho de 40000
al 80000.
Ditas de brim de linho de cor para todos
os preeos e qualidades.
Camisas francezas e inglezas com peitos
d'algodo de 10600 at 50, em duzia ven-
de-se mais barato.
Ditas de meia de 800 rs. para cima.
Ceroulas de linho e algodo, francezas t
feitas na trra.
Collarinhos de papel, algodo e linho
que se vende muito barato para liquidar.
Para noivaa.
O Pavo tem rico gurguro de seda, bran-
co. Grosdenaple branco muito encorpado.
Agraciannas brancas com listras de seda.
Poupelinas brancas de sMa Usas e lavra-
das. Sed3sbnrc5?.'"- -la e lisas.' Ca-
pellas com palma de lio. u laraaga co;a
ricos veos bordados, que tudo e vende ma>$
barato do que em outrz, qualquer parte.
6 horas da manhaa at as t,




i
F*
\



i)imrf d Pfuib*ic *~ Qaiula eira dt NfoNeuibro Jt i 871
VIGOR DO CWILO
DO-CELEBRE E FESTEJADO CHIMICO
BlIhetM
GRAFDE PRODIGIO E EHPERHO Di EPGGA
Nio ba pul alguma do corpo de qae mais dependa da sna belleza, do qee
cabello bonito. Seim as nosaas feicSes ligeiraa, aas tonhamos o cabello bonito,
is-oos con um rico eacanto ; pelo contrario, seja o cabello roco e aspereis qoe
oda nossa phyaionomia, por mais aympathica e expressiva qae seja, por si so, esmo-
rece, e assame nm aspecto sem ioteresse. ...^ j..
Neste sentido desojamos moi respeitosameol chamar a especial attencio dat
ciberas e cavalbeiros de bom gosto para a delicada preparacSo cima mencionada.
O Vioor do Cabello o resoltado de ama looga serie de estados profondos,
emprebendidos pelo ncansavej chimico Dr. Ayer, auxiliado por outros professores emi-
nentes, com o flm de desoobrirem ama nova preparado para os cabello, qoe, sem
contar as propr edades nocivas qae se encontram nessas ootras, qoe mais tarde occ*
ticeam a perda dos cabellos, fosse realmente efficaz para conseguir outros effeitos de
fea muito deseiados. .
O Vtgor do Cabello, nao 6 urna tortura, nem contm sabsUncia algoma inju-
riosa. Nao soja as m3os; nem a cabeca, e nem a cambraia mais fina. O Vigor pro-
awtte:
Conservar, augmentar e aformosear os cabellos.
Impedir a formacSo da caspa. Evitar e curar a queda dos, cabellos, e restau-
rar a cor natural. Torna os cabellos macios. sedosos e brilbantes. perfomando-os
com um odor de rara delicadeza. D nova vida aos orgios vitaes de que depende c
creschnento do cabello, fazendo-o crvscer abundante e viccso. Com o uso qootidiano
do Vigor, as calvices serio neutraiisadas, caso as glandes capillares nao se acrtm cor-
rWW^Sentaoras e homens que antes da idade se vem cheios de cabellos brancos, e
aoe tem perdido a esperanca de ver restituida a soa belleza natural, este bello orna-
neoto pbvsico, regosiiar-se-ho quando virem os effeitos qoe pdem conseguir com c
mo do Vigor. Para os toilettes em geral. nSo se poder encontrar perfume mais agr-
davel e delicioso do que o Vigor de .Ayer.
Vende-se em todas as drogaras, pharmacias e
armarinhos do mundo.
W. R. CASSELS a C. ,,
DEPOSITARIOS E AGENTES GERAES PARA O IMPERIO DO BRASHL.J!
Rio de Janeiro
1
vU8>p8 Formas paraassucar
Arados Americanos
Machinas a Vapor
JUaCnmaS d8 descarocar algodo.
Fogoes pe ferro
Trilhos de ferro para engenhos
Camas de ferro
Macacos de estivr
Ferragens em geral
Cofres de ferro
Estes artigos vendem-se em
casa dos importadores.
Shaw, Hawkes 4 C,
X. i 1HJA DO BOM JESS.
(outr'ora rua.da Cruz )
garamtttef it p r-
B,ua do Barita da
Victoria,
Outr'ora ra Nova n\ 68 t casa
do costante.
O abaixo assignado acaba de ventor entre o
mu omito felixea biftetw a10116 a 3:000*600
em oa meto mnate de n, I J3 e oa mel de n.
1,|M eom a aorfck 1Q0M*M4 tefe ortes
acabei da extranir (tt), po*ao atas posani-
orat virein recebar, as premetaaeite tero
O inesme abaixo assignado convida ao reapei-
tavel publico san. virma* aao anabelaciaiant'
fabaaa bilkelaa fuMitidua, qae na<
Jaeqaim Jos* Goneal-
ves Beltrao
Roa do Trapiche n, 5, Io andar.
Saeea por lote oa paoaetea sobre o banco c
mho, en BrafA, obra os aafointaa ruara ao
comprar os
eixurde tirar qnaljawr p
LIQUIDACO
DS
FAZE^DAS BARATAS _
Lindas bareges lisas, de quadrinhos e de listas para vestidos a 360 g|
rs. o covado.
SSjr
Superiores alpacas da cores, de llores e de lbtras a OO res o co- p|
Puil de cbevre com lindas cre3 e de superiores qualidades abw ^
ris o covado.
Na loja das collumnas, de Antonio Correia de Vasco ncellos, ra Pn
meiro de Marco, eutr'ura do Crespo n. 13,
&
njovapeloi
Acbampe venda oa ailo felizea bilbataa ga
rantidos da 7a paito dea iotertaa em beneieio da
santa casa da misericordia do ttecife, ana sen
extrahida no dia seganda-feira 6 de uoverobro
viadonro.
PRBQOS.
Inteiro 6*eo
MO 3|I0
Qairtoe 14800
De 1000000 para cima.
Inteiro 5*060
Meto 147*0
Qaartoa 14375
____________Jlo Joaqnun da Costa LeiU.
Kival sem segundo
Rna Duque de Caxlas b. 91
Jos da Axavedo Maia e Silva, em sna lo-
j ade miodezas continua a vender tudc
por baratos precos qae t todos admira :
Libra de lia para bordar a melhor
qoe ba.
Caixas com superiores grampos fran-
cezes a
Dnzias de facas e garios de nm e
dous botes a
Talberes para meninos a 240 e
Libras de linba de novello, a melbor
posiivel.
Duzia de lencos de cassa com barra.
Caixas de lionas com 30 Dovellos a
Vara de franja branca para toalbas
Duzas de meias croas muito boas a
Dnzias de meias finas para seuho-
ras a
Duzias de facas e garfos cravadas a
Duzia de palitos seguranca a 120,
240, 320 e
Na ralbas muito finas, para fazer a
barba a
Caixas com peonas de ac com to-
que a
Caixas com pencas de Perry fazen-
da fina a
Ditas de dita dito verdaderas a
Caixas com 20 cadernos papel ami-
zade a
Pecas de fitas para coz com 10
varas a
Pecas de tranca lisa de todas as
cores a
Duzias de liuba frouxa para bordar
a 400 e
['ares de sapatos de traeca a
Du?ias de baralbos muito finos a
23400 e
Ditas de aga'has para machina a
Libra de pregos francezes a
Resmas de papel almaco superior a
Ditas de dito pautado o melhor a
Caixas com abneles fructa a 720 e
Carrlteis de oba A'exaodre. a
Gravatas de cores muito finas a
Ditas pretas poetas bordadas a
Grosas de bot?Jes de madrvperoto
para camisa a
Novellos delinha branca, 400 jardas
Duzia de carSes de linha branca e
preta e de cores a
Tliesouras muito finas pa/a' unhas
e costura a
Caixas redondas para botar rap a
Caixas cem pos para limpar denles
fzeeda fina a
Livro das missoes abrev^des a
Copos grandes com superior bacha
Magos de pallitos para deotes o
rneihor qoe ba a
Portugal
liaban.
Porto.
Valnuca.
Qoimaries.
Coimbra.
Chavee.
Yiaeo.
Villa do Conde.
Arcos de Val ne Vea.
Viania do CasleUo.
Ponte do Lima.
ViHaReaL
Villa-Nova de Famebcio.
LaoMf.
LaoaK
VasanlValpasao).
Beja.
Bareelloa.
MACIDNAS
para wmm Al
De 10 a 40 sorras.
VAPOR
para mover as machinas.
Em casa dos importadores I Ba do Bom-Jesus n. 4
Shaw Hawkes & C. 4- oalr*0ra Cruz.
NTERESSA LEB

/
A loja dos Arcos de Alvaro Aagusto d'Almeida & C. ra do Crespo n. 20 A acab
de receber pelo ultimo vapor *francez Amazonas, alguns artigos proprios para enxovaes
le noivas, e de modas para grande toilette como sejam :
Riquissimo cortes de vestidos de blonde para casamento.
Ditos de tarlalana bordados seda para casamontos.
Cortes de seda de bonitos gostos e superior qaalidade.
Colzas de seda, 15a, e 13a e seda.
I Capllas com mantas de blonde para noivas.
Camisas de esguio bordadas p Fronhas de esgHiSo bordadas.
Lencos de cambraia de linbo e labyrintho.
Superiores leques de madreperola.
Cortinados bordados de differentes precos e qualidades.
Sedas de cores de bonitos padroes.
Dilas escocezas para vestidos, roopas de menino, eofeites, etc.
Dasquioas de gorgurio, superior qaalidade. .
torns de 13a e seda para senbora.
Mantilhas brasileira de fil de seda bordado. ,
Cli icbeaez de 13a e seda.
Cbapelinas de seda branca, e de crep preto para lato.
Chapeos enfeitados para senboras e meninas modelo inteiramente novo.
Cortes de cambraia de cor, e brancos bordados.
L-ndos eortes de baptiste Frou-Froa.
CToil de voyage fazenda de gusto para vestidos.
Alm destes artigos que se vendem por precos razoaveis tem outros que sao pe-
- binbas extraordinarias, como sejam :
Damasco de lia com O palmos de largura I500 o covado.
C6rtes de lia Victoria com 20 covados por 100000.
L3as com listras de seda a lo rs. o-covado.
Ditas teseladas muito boa qaalidade a 340 rs. o covado.
Caasas de cr a 240 e 230 rs. o covado.
Alpacn largas bonitos padroes a 500 rs. o covado,.
Lencos dt* jsgoi3o rtsito finos a 30 e 40000 a duzia.
Jfcteifii 4a I'idia, Mla? paraviagem, transparentes, etc., etc,
GASA. DA FORTUNA
RA i DE MARCO OUTR'ORA DO
CRBSPON .
ios 20:000^000.
O abaixo asMgnado tem sempre exposto ven-
ia os felixes bilhetas do Rio de Janeiro, pagando
oromptamente, como costoma, qualqaer premio.
PRECOS.
Inteiro 14*000
Meto 15*009.
Qnarto 6*000.
Manoel Martins Fioza.
wsr*
ATTENCAO
Vende-se por barato preco urna propriedade a
margera da camboa dos eraedioj, fateodo-se
toda vantagem ao comprador, recebendo-se parte
em dinheiro e parte em letras oa objectos de
prompta venda ; cota propriedade contm orna
grande olaria de peora e cal qoe lastra 16,000
tijolos de alvenaria grossa e (orno que comporta
15,000, com mais nm (orno e lastro para (azer-se
telbas, ladrilhos, canos e tonca, com excelleote
barro para qnalquer obra, com dons excellenies
iveiros de pelxe ecom casa de viven la para
grande familia, toroa-se recommendavel por pas-
sar perto a linba dos boods : as pessoas que pre-
tenderen! dirijam-se dita propriedade a entender-
se com o capitao Delflm Lins Cavalcante Pessoa.
Sustento restaurativo da
saude
PELA VERDADE1RA FARINHA
A, De Barry d'Arabw
Os abaixo asssignados fazera sciente a seos (re-
gme, qoe pelo vapor ioglez La-Plata receberam
fegonda remesu d'essa exeellente farinha, caje
nso mnito se reeommenda para as criancas, pes-
soas debis e convalesceotes, applicada com reco-
nhecida vantagem as coaslipa;oes, diarrheas,
nausea do estomago, tosse, escarro de sangne,
phtbysics, etc. etc Preferida anda pelo agradave
sabor.Uniricoa outra qnalquer.
Alnga-se o segundo andar e aobrtiotio daiasa
d. 6, cita a ruado Uvramento : i pone edifica-
da, com rauitos eommodos, agua, gax ate : A
tratar na laja do raesmo predio,
aflt^an^aft^av^araaf wtt ^MUMnaflMMMfiMal
ADVOGADO
Dr. Joaqdi Correa dc Araujo
67RrA no iPtitADOR67
6(J000
160
4^000
400
1(J500
i000
500
160
30500
44000
3^000
500
10000
320
800
10200
709
500
40
500
10800
208OC
-20000
240
,30600
^40O0
0OOO
100
500
600
50C
60
m
120
500
10200
a
200
10500
10500'
160
Uunha 4p Manta, vendem
ra do Ma^ quez de Olin-
-da n. 40, o seguate :
VINHO XEREZ superior, em eaisas.
COGNAC MARTELL idem,
VINHO BOREFAUX, i lera.
AZKITE DOCE REFINADO, idem.
VINAGRE BRAN .0, idem. *
CAFF. DO CEAR. sbcco.
Charutos de Schnorbusch
Regala britnica.Regala Imperial,
Operas. Conchas. Trabucos, de um roilheirc
para cima.
CIGARROS DAS FABRICAS D3 RIO DE NO-
VAES E LIZAUR, de diversas qualidaies, vente-
s em hrripas._______
Esio por alugar o 2 e -i andar do sobrado
da ra da lmperatriz n. i7 : tratar na ra For-
mosa n. 8.
ummmmmummmmmmm
m Folhinhas para m
g 1872. m
s
Para todus os bispados do Brasil, or-
nadas de lindas vinbetas, e I retratos
dos principaea hroes da guerra franco-
allenaa, e o snc;esso da monedo gene-
ral Lopes.
Preco 300 rs.
Livrarla econmica, ra Pritneiro de
Marco n. 2.
A Herona por Excedencia
ou
vida de Mara SaatlMlMa
pprovado pelos Exms. e Rvrxs. Sr. ar
cebispo da Babia e bispos do .Rio de Ja-
neiro e Rio Gradde de Sol"
- ^
M. C. Honorato.
Acha-se venda as principaes livrarias desta
cidade-Preco JOOO.
as mesmas livrarias en;ontram-se as seguio-
tes pnblicaoes do me. Diccionario topograpbico, estatist ;o e histrico
da provincia de Pernambu 50-340*0.
Campendio de elequencia, poetici e critica lit-
teraria-44000.
DescripQo topographiea e histrica da ilba do
Bom Jess o do Asylo de Invlidos da Patria, e
descripcao histrica e topographiea da cidade de
Corrientes ornada de estampas31000.
Almanak de Castilho
para 1872
Acaba de ebegar de Lisboa, e aoba-se venda
na livraria econmica a ra i deMarcfl d. 2, de-
/roxie do ario de Santo Anut
Ama de leite.
Precisa-se de urna ama de leite, exige-se bom
leite e boas intormacSes: na ra da Concordia,
sobrado n. 10, i* andar.
Companhia Allianp a
DE
leguros martimos estabelecida
na Babia em 15 de Janeiro
de 170.
CAPITAL..Rs. 2,000:0004000.
Toma seguro de mercadonas dinheiro a risco
naritimo em navios de veila e vaporea para den*
aro e fra do Imperio. Agencia i ras do Com*
nercio n 5, escriptorio de Joaquim Jo God*
.calves Beltrio.
Frecisa-se de urna ama
para comprar e coMnbar : i
'tratar na ra da Alegra n. 5.
travessa
das Gnes n,
meiro andar,
nhelro sobre
da na
, pri-
se di-
penhores
de ooro, prata e brilhan-
tes, seja qnal for a qoan-
ta. Na mesma casa com-
pram-se os mesos me-
laes e pedras.
AMA
Nova n. 31.
'Em cusa de pequea familia precisa-
se de urna ama para cosinhor : na ra
MOFIHA
Roga-se ao Illm. Sr. Ignacio V.eira de Mello,
irivao na cidade de Nazareth desta provincia.
favor de vir*a ra do Imperador n. 18 a concluit
aquella negocio que V. S. se coraprometteu reali-
sar, pela terceira chamada deste jornal, em fin
de dezembro prximo passado, e depois para Ja-
neiro, passon a feveroiro e abril, e nada cumprio.
s rlor este motivo de novo chamado para dte
nm ; pois V. S. se deve lembrar que este negocie
de mais de oito annos, e quando o senhor
Gho se acbava no es nesta cidade
3
C4
aos banhos no Monteiro
Aluga-se por festa a easa n. 3 que tem urna
pitombeira na porta, na travessa da Levada no
Monteiro, tem junto nao s os banhos do rio
como os da levada : tratar na esquina do Lama-
rao casa nova antes de chegar ao Monteiro, on
ao tteciie, raa Nova n. 7._____
Compaahia do gaz.
PERNAMBUCO
Chamamos respetosamente a attencao dos con-
sumidores de gaz para o seguate :
As ms lozes sao geral mente occasionadas por
i 'gum deleito nos bicos, ou obstruc^o nos ap-
pareihos. Aonde asistir semelhantes defeitos a
companhia ter prazer cm remedia-los sem des-
peta ao consumidor.
Para assegurar urna luz boa, os bicos devem ser
mudados pelo menos, de seis em seis mezes Um
bico boto dar 20 at 50 por cento mais luz (gas-
lando a mesma quantidade) de que um bico de-
feituese e do mesmo lamanho.
A companhia tem sempre um grande sortimen-
to de bicos, d->s melhores fabricantes, os qna-3s
vende aos consumidores pelo custo.
Qualquer queia dirigida ao abaixo assigoado
na fabricado gaz em S. Jos, on no escriptorio da
companhia ra do Imperador, ser prompta-
mente attendidaj
Fabrica do gaz 23 de Outubro de 1871.
Thos. Newbigging. .
Engenheiro.________
Precisa-se de urna pafa casa de fa-
milia : na ra do Vigario n. 26, pri-
tneiro andai%_____________________________
. ALGA-SE
nm raoleqne de 14 a 18 onos d 3 idade, para todo
o servijo de hotel; no Caf Chinez, ra Larga
do Rosario n. 31, 1* andar.
AMA
FABRICA
DE
CHAPEOS
DE
Todas as qualidades
N, 24 rna larga do Rosa-
rio n. 24, V andar
Se o desejo dos propietarios desta fa-
brica fosse nicamente Iludir a f pu-
blica, ha muito que teriam aonunciado
os sens productos, mas para correspon-
derem mais dignamente conflanca nel-
les depositada, esperaram receber os
objectos e pessoal, que acabam de che-
gar-lhes.
Hoje, pois, que a sua fabrica se cha
montada com as mais aperfeigoadas ma-
chinas, com os melhores petrecbos e ser-
vida dos mais peritos offlciaes europeos,
podem os seus numerosos freguezes e
S" o publico em geral encentrar desde j.
Chapeos de seda da ultima moda, sen-
do altos e baixos.
Ditos de castor de todas as cores, em
I formatos inglezes e amburguezes.
Ditos de feltro de todas as qualidades
55 e feitios, tanto para homem como para
8H criancas.
Ditos de velludo para senbora.
Ditos para ecclesiasticos, redondos, tri-
I angulares e a romana.
Ditos armados para militares.
Ditos de pasta.
K Concerta-se toda a especie de chapeos
| quer de fion>ra quer de senbora, com a
55 maior pericia e mais barato qoe em qual-
I quer outra parte, assim como se rece-
jH bem encommendas tanto para a provin- |
5 cia como para fra.
*wmwmn mmmmmmm
Precisa-se de urna ama para o servido de
urna casado familia : no Caes 22 de novembro. n.
30 l. andar.
-Consultorio homeopr.-
thico
DO DR. SANTOS MELLO.
Rna do Barao 4a Victoria i. i:i.
YACC1NA.
Todos os domingos e qnintas-feiras, pe-
las 9 horas as 10 da manbaa vacclna-se
8 por preco mdico, para o que ha m lito
bom puz vaccinieo.
Recebem-sechamadas para vaccinar em
B qnalquer easa.
Consultas medicas todos os dias rea m
5 manhia.
Chamados a qualquer hora do dia e da |
Mi nonte.
Gratis a parte medica aos pobres.
wm mttis iiiii
Precisa-se de um caixeiro que tenha pratica
de taberna : na roa do Amorim n. 17.
Ama de leite.
Precisa-se alugar urna ama, que tenha bom lei-
te e seja radia : a tratar na ra do Duque de Ca-
xias, outr'ora Cruzes o. 2.
Aluga-se o primeiro andar, soto e loja da
ra da Gula n. 56.

Alaga. Ja o ^r&Dda wilio da aUodi du Roarinho
.10, com casa para numerosa familia e em bom
estado, bavendo muita diversidade de fructas, bem
como pode sustentar urna porcao de vaecas, todo
anno, ainda mesmo na maior fe rea da secca, por
ter urna grande baixa da capim, que nunca seca,
e na distancia para qualquer dos trilhos urbanos,
Encruzilhada de Belm, ou Tamarineira, se pode
gastar de cinco a seis minutos: tratar na ra
la Madre Deus n. 30.
Aluga
se
o segundo andar do sobrado da ra Nova o. 38 :
a tratar na loja.
Precisa-se de urna ama
que saiba cozlnhar bem : na
roa do Duque de Caxias, ou-
tr'ora rna das Cruzes n. 22, segundo andar.
%&?.
Monteiro
Aluga-se urna casa na pcvoaclo do Monteiro : a
tratar na taberna do Sr. Nicolao Machado Freir,
no mesmo lugar. _________________
Aluga-se o 2 andar da casa ra da Guia
n. 46 : a tratar ra do Maranez de Olinda n. 49.
Achou-se um annel na Passagem da Magda-
lena : quera for dono dirija-se i taberna da esqui-
na do Hospital Portuguez, que dando os signaes
certes se ibe entregar, pagando o presente an-
nuncio.
Do engenho Agoiar, faruram deus cavallos,
sendo nm rodado cor de chumbo com algumas
pintas de pedrez. na cabeca, nm lanto sellado,
inteiro omito novo, sem andares, o ootro tam-
bem rodado, mas, olaro, e mais pequeo, nm
tanto orcundo, anda baixo at meio, e castrado,
tambem%)uto novo : quem os aprehender ou del-
les der noticia derija-se ao dito engenho, ou nesta
praca, no largo da Santa Cruz o. 14, qoe ser
recompensado ; o ferro com que os mesmos ca-
vallos esto marcados o seguinte : X X.
Slsu
Tito da Silva Guimares, convida a seus p-
renles e amigos para assistirem no dia 3 de no-
vmbro as 7 horas da manba na matriz da Boa-
vista urna missa de stimo dia por alma de sua
fallecida mulher Mara Caetana de Mello Guima-
res.
Croz n. 18. 3* andar.
Precisa-se de urna ama pa-
ra o servico de urna casa de
pequea familia : ra das
AVISO.
Perdeu-se urna letra da (tuantia de 5361700,
sacada em 30 de seterebro prximo pa sado cito
mezes de praso, sendo sacador Joo Cbriatir.O! e
aceitantes Agoiar & irmo, de Maeei. Previne-
a qnem dita letra for apresenada a no fazer tran-
saejao alguma, pois que flea a mesma de nenhum
pffeito.
Quem tiver para alugar um preto de meia
ida le para o servico de nm sitio, dirija-se ao largo
oa ribeira de 8. Jos o. 5.
Amertcan'i, ra de Gervasio Pires n. 45, con-
tina a farer a j truito acreditada nova b.la-
chinhi americana^ uao inferior a ingleza e na
mesma '..trica se pao e bolacha das melhores fa-
rinbas do meresdo para melhor agradar aos sens
freguezes._______________________________
Preisa-se alagar urna sala com quarto para
morada de urna pessoa s : na roa do Crespo nu-
aero 7.________________________________
Pernambuco Street Railway
Company.
De ordem.da directora dV-ta companhia, con-
vila-se aos senhores accionistas a realisarem a ni-
tima pres'atao de 30 por cento do valor das snis
acces.at o dia 14 de novembro prximo fntiro,
no escripto, travessa do Brnm o. 21 N'esta oc-
casio sero os recibos trocados poreeruddes das
acedes.
Reeife So de outubro de 1871.
H. H. Swift.
Asst Ireasnrer.
Perdeu-se
no sabbado a tarde urna pnlseira de cabellos cora
retrato, sendo o cabello um tanto castanho e j
com principio de mofo, e o retrato colorido : a
pessoa que tiver achado, querendo restituir, ple
levar roa do Ouro o. 72, que ser gratifleada.
Precisa-se de urna ama forra ou cap-
tiva, que seja boa cozinheira, para casa
de pouca familia, promette-se bom ira-
lamento : irata-se na roa do Hospicio
n. 39 ou 46.
AMA
Ama de leite.
A ra da Detencao n 41, precisa-se de urna que
seja sadia e tenba leite em abundeia, preferiodo-
te que nao tronxer fllho.
AIJ
ROM
DYVETOT
nica casa neste genero
(4-Roa Estreita do Rosario-M
Compra e vende roupa feita
nova e velha, objectos de
cosinha e de mesa, e
tudo que perten-________
Pilulas assnearaas de Bristol.
NAO CONTM NEM CALOMELANOS NEM NENHM
OTRO MINERAL.
A grande necessidade e falta de um ca-
thartico ou de urna medicina purgativa, ha
muito que tem sido sentida, tanto pelo po-
vo, como mesmo por meio da aculdade
medica; e por isso, infinito o gosto e
prazer que sentimos, em pdennos com
toda a confianca e seguridade, recommendar.
as pilulas vegetaes assucaradas de Brislol,
como urna exeellente medicina purgativa, a
qual encerra em si todas as partes e mais
ingredientes essenciaes, tornando-se em um
perfeito, seguro e agradave cathaico ds
familia. Este r("Tilift J^n -A"post
(lessas drogas ordinariamente usadas na
wmposicao dessas pululas, que por ahi se
vendem, mas sim, s5o preparadas com as
mais finas e superiores qualidades de raizo
medicinaes, hervas e plantas, depois de se
haver chimicamente extrahido e separado,
os principios, activos, ou aquellas partes
que contem o verdadeiro valor medicinal,
daquellas porches fibrosas inertes e agres-
tes inteiramente destituidas da menor virtu-
de. Entre esses agentes activos ou ingre-
dientes especficos, podemos nomear a po-
dophgtiin, a qual segundo a experiencia
mm demonstrado, possue um poder o mais
Jaravilhoso possivel sobre as regios do
figado, assim como sobre todas as secre-
ces biliosas. Isto de combinado com o
leptandrin, e mais alguns extractos vege-
taes e drogas altamente valiosas, constf-
tuem e formam urna pitula purgativa, tor-
rtando-se por isso muitissimo superior,
qualquer urna outra medicina da mesma
natureza, que jamis fora apresenlado ao
publico. As pilulas vegetaes assucaradas^
de Bristol, achar-se-h3o sempre um reme^
dio prompto, seguro e eminentemente effi-
caz, para a cura de molestias, taes como
sejam as seguintes.
Hydropesia dosmerxv
bros ou do corpo,
AffeccOes do figado,
Ictericia,
Hemorrodias,
Mau hlito, e irregu-
laridades do sexo
femenino,
Dores de cabeca.
ou indi-
Dspepsia,
gestao,
dAstringencia, ou..
prisSo do ventre
habitual,
Asia do estomago e
flatulencia,
Perda do apetite,
Edtomago sujo,
Em todas as molestias que derivam i
sua origem da massa do sangue: a salsa
parrilha de Bristol esse melhor de todo?.
os purificadores deve ser tomado conjun
tamente com as pilulas, pois qae estas
suas medicinas, tendo sido expressamente
preparadas para obrarem de harmona urna
com a outra, quando fielmente assim se fa;;,
nllo nos resta a menor duvida em dizer,
que no maior numero dos casos, podemos
affiancar no s um grande alivio, como
tambem urna cura prompU e radical, isto
est bem visto, quando o doente n5o se
ache n'um estado muito alm dos recursos
humanos.
LANMANN & KEMP, DE OVA Y^-RK.
. AOS 5:0004000
Esto venda os flizes biiheles da lotera ds
labia, ta casa falte do arco da Coneeisio, oja di
lurrves no Reciff. ^^^^^_^___
O abixo asignado (ai siber aos senhores
donos das easas do largo do Parako de ns. 5, 8,
S, 1?, 15, i,'*7, 21, Jf,W, 7 e 28, que boje o
possaidor dos solos das ditas casas por compra
qoe fez Etma. Marqueta do R^cifo : porlanlo
un a presente deelaraco para inteligencia dos
mesro^s 'errores e a ouem mais inleressar possa.
Jraquim de S Lopes Peroandes.
SEGUROS
MARITMOS
E
< iO^TRi FOfcO.
A companhia Indemnisadora, estabe.t cidt
testa praca, toma seguros martimos sobre
aavios e sen carregamentos e centra og<
em edificios, mireadorias e mobilias: n-
roa do Vinario n. 4, pavimento terreo.
Jornal das fa-
milias.
Asfgoatra por anno 12*000 : na li-
vraria econom:a,Taa Primeiro de Marco
n. 1

11
1
-
1 11111111 1


V

*
i >

i



Diario de Fpmamboco (muta eira 2 de No^embro d 1871.
D. W. BOWMAIN
Engenheiro com
5* RA 10 BRlim *
PASSANDO 0 CHAFARIZ
PJ os senhorea de engenho e outros agricultores, e empregadores de ma-
,o o favor de ama visita a sen estabelecimento, para verem o novo sortimento
eto que abi tem; pois sendo todo muito mais barato em preco do que jamis te-
aba "vendido, est anda inperior em qoalidade e fortdao; o que com a inapecclo pes-
oal pode-se verificar. ._
PEDE ESPECIAL ATTENCO ko NUMERO E LUGAR DE SUA FUNDICAO
T7ori/M*ae a *r\/\tia A'acrrta dos mais moderos systemas e em
VttpUrOo O rOtldo UagUd lmannos convenientes para as di-
versas circomstancias dos senhores proprietarios e para descarocar algodo.
Moendas de canna ? **" mlborM <"wa'DI
K0CI8 UGIltEClflS para gnimaes, agaa e vapor.
Tazas de ferro fundido batido e de cobre.
Alambiques e fundos de alambiques.
NTanhiniamna para mandioca e algodo, 1 Podendo todos
JILaCIllIllolllUo e para serrar madeira f ser movidos a mo
Rnmrifla por 'gQa* vapor*
OUmuao de patente, garantidas............Jou animaes.
X OCiaS aS maCninaS e pecas de q0e se costoma precisar.
PaZ qUalqUer COnCertO de macbinismo, a preco mu resomido.
FnriTlW fi ffirrfl -em as me!bores e mais Dar,taa existentes no mer-
Pnnnmmanrloa Iacnmbe-se de maodar vir qaalquer machinismo voota
AUl/UlIUIiOUUao r3e dos clientes, lembrando-Ihes a vantagem de fazerem
eaas compras por intermedio de pessoa entendida, e que em qaalquer necessidade pode
hes prestar auxilio.
AKidOS ameriOanOS e instrumentos agrcolas.
Precisase de ama ama
mero 61
na ra Direila nu-
^jS*
Lompra-se ama cabra afelio que d bastante
pateo dorrerco n. 81
D* Mara Carolina tmete* de
.Carda.
l Joaquim Alvaao Gantfa Brotaodamentj reoo-j
nheeldo s pessoas qpe e dlgnamm acompanbar
ao ceraiierio publico os resloa raortae* de sua
mu presada esposa D. Marta Carolina Foneeea
de Garca, vera solicitar-lhe o piadoso obsequio
de ssi3tirs missas que manda celebrar pa ma-
triz da Boa-vista, is 8 boras da manha do dia
3 de noverabro.
Speriopei
n tvm
le
Jo
E' um producto que se obtem da carne do gado vaccom. da qual se tira todas as
pellas, tendoes, ossos etc. Elle tem lodos os principios nutritivos da carne sem conter
gelatina, ou fibrina, gordura. N'um pequeo volme e peso dado contem 32 vezes
mais substancia alimenticia que outro igual de carne despida de ossos, pellos etc., por
sso por poucD que se tome delle se obtem urna forte alimentado, que immediatameDte
produz effeito como tem sido observado em pessoas debis, por qualquer cansa on
exangaes como succedeo a um homem ferido que dous outros trouxeram pbarmacia do
Sr. Firmiano Antonio de Araujo (Porto Alegre ) onde recebeo o primeiro curativo, es-
tando to fraco qae n5o poda voltar para casa; mas logo que tomou duas oitavas de
estractam pdde caminhar sem adjutorio.
Tal a forca alimenticia que ainda mais se revella com o que suceedeo no escravo
do Sr. capitao Joo Cezar de Oliveira acommettido de tnetanus, com thrismus t3o forte
que n3e foi possivel empregar-se medicaclo interna, podendo o doente tomar, intro-
duzindo-se com muila difficuldade pela abertura que havia pela falta de um dente 6/8
de extractum carnis por dia, cessaodo os symptomas nervosos co fim de 22 das, acba-
va-se o doente em bom estado de vigor, restabelecendo-se logo. Que um alimento
que nS i cansa os orgos proprios da digest5o, se conbece pelo que aconteceo ao Sr.
commendador Antonio Falcao, que soffrendo de urna gastro nterite nao tolerava nem
a agua de frango ou d'arroz. Homem de mais de 70 annos com perdas t5o abundantes
como tinha o sem alimentar-se estava conderanado; sendo improficuo tqdos os remedios
intentados; o Exm. Dr. Floros empregou o extratura qoe o doente tomou com repug-
nancia, porm que desde logo sentioum bem estar que n5o tinha, e pouco a pouco mais
vigor, ficando restabelecido em pouco dias, obrigando-o a soa gratidSo a dirigir ao Dr.
TTTftnrtiw ni^nnnntnrin iinrm hnnnflrin ( diz elle) para que outros podessem gozal-o, e a
falta de cofthecimonto no obstas-e a vulgarisacao que era conveniente que tivess" um
producto t5o necessario. Nos casos que preciso diminuir a prodcelo excrementicia
anus artificial, fstula sanaes, attaques hemorrbo lados efe. 6 um vaiente recurso. O Sr:
I. 0. Castro n'um intsosissmo attaque hemorrhoidal que o levou cama durante me-
zas so obteve cara alimentando-se com o extractum. Urna familia (do Sr. Joaquim
Maria) dbil e nervosa, sotfria borrivelmenle, comecou a uzar do extractum o logo
restabeleceo-se, e o Sr. Joaquim Maria agradecendoao Dr. Ubatuba disse-lhe :Dr. V.
correo-me com as doencas de casa. Taes tem sido os resultados de seo emprepo que a
principaes mdicos o aconselbio, eo cons-imnio tem quadruplicado em toda a parte. N5o
somonte applicado c modieta aos enfermos, mas como meio alimen.cio e mesroo como
propnopara vigorar o, aumentos, e dar-lhes sabor mais agradavel. J mwtas familias
preleiem utal-o oou;e, sabstituindo o cha, e tem encontrado nelle o recurso de po-
derem rpidamente augaentarem nos casos de necessidade as refeires para ma:cr nu-
mero de pessoas do que centava, oudarem alimentaco prompta qnanio seja preciso
nSo haver demora. As pessoas debis, velhas que necessitao tomar Iguma alirneutago
no intervallo das horas destinadas para a refec5o, tem no extractum um meio prompto
de satisfazerem essa necessidade, melbor e com mais proveito do que nenhum outro.
A3 mocas qae nos dias de baile se bstem de alimer tacao para conservaren! a belleza
do talhe prejudicando muito a saude, uz3o j do extractum que satisfaz sem prejuizo
esse fim. E' esse producto indispensavel a todos, especialmente s pessoas que viajam
e as qas moram tora da cidade. A saa incorruptibilidadp, peso, volume, a sna gran-
de forca a'imenti ia, e sua brateza, e o seo agradavel sabor, quando bem preparado,
diolbe tal superioridade que s se faz myster ser conhecido para poJtr ser aproveita-
da a utilidade que elle prest. Como alimento para as enancas tem proluzido3 os
melhores resaltados e at hoje n5o se conbece outro pira substituir o aleitmento. N5o
o extractum por si um alimento que canse o est .mago, que o tenba cheio, po: m
um alimento que d forgas e preenebe o ai de levar a economn os elementos ani-
maos qre ella necessita, apara substituir o que Iba faita esse paso o que certa-
mente necessario ao estomago do homem de trabalho pelo habito que tem, encontra-se
fcilmente por baixo preco as substancias vegetaes qae existem em qaalquer parte
como sejam as raizas, batatas; legames, grSos, fariahas, que com o extractum se faz
ptima e bella alimentado.
Um bomem que tome 6/8 de extractara por dia, que custa 188 rs.. ter uzado de
toia a substancia de I 4/2 lib. de carne fresca sem ossos, pellos etc., o qiepor sem
dovida alm do que se faz necessario priocipalmente se ajuntar-se-lho qaiesquer
massas, legumes, farinhas, gr3os, batatas etc., e um pouco de gordura, com o que,
quando gaste mais 100 rs. ter urna alimentaco saboro^a. commoda, fac, muito hyg-
enca e muito reparadora por 290 rs.
UZA-SECQMO CHA Meia coluerinba n'ama chicara d'agua, com sal sulficiente, e
om aromtico ( salsa).
COMO SOPA Da urna colberinha a duas em sufficiente agua, gordura, tempeiros
e qaaqaer massas, farinhas, batatas, grSosetc.
ARROZPrepara-se como deuzo, dissolvendo a porgo do extractum na agua
que se deita nelle para cosel-o.
OS LEGUMES As carnes salgadas recnper5o com elle a,for?a alimenticia indis-
peosavel.
Deposito Pharmacie Americane, de Ferrera Maia C.
57 Ra Duque de Caxias 57.
Aluga-se ama boa casa, na povoa(io de
Caxang : tratar na roa do vigtrto a. 49.
Irmandade
das almas da matric do SS. Sacramento da
Boa-Vista.
De orden) da mesa regeora convido a todo* os
qossos irraaos para eomparecerem na masma ma-
triz no dia i de novembro, pelas 9 horas da ma-
nhaa, para assistirmos o oficio solemne pelas
almas.
Consistorio da irmaedade das almas da matriz
da Bo.a- Vista 24 deoutabro de 1371.
Ci* fttites taperts* ta cifarroa a
**o%Wkmdij, ctabaiKiita no Rio de iueirts
tem tempre om completo sor lmenlo de todas
c|I*Jto, foan ptaao e em faltas. Tem ignalroentt
t afamado dgarroi Conde d'Bn, feito com mal-
meo papel de palha de milbo e fomo superior
wa invern de seas fregaues, qne tea eatabele
sido eoositoa ailaet, iai cana dos Sr. rhamai
MiigillciBoHilliNil deSoazaCor-
ff'jo.mSMJaaior. ao bairro do Recife, e tode
a firma
aaanto for venido em outraa caaes eom
de Soma Norae h C. to falaiflcados.
Jos
O escrio,
Alfonso Monteiro.
.ti
Escrava
Alaga se ama escrava
rio n. ti, loja de selleiro.
na roa larga de Rosa-
AMA deleite:
Precisa-se de ama ama de leite, preferlndo-se
escrava e sem Albo i na roa. larga do Rosario n.
12, 2* andar, junto a botica.
r^a
Ciixeiro
Precisa-se de nm ciixeiro de 12 a 13 annos cem
pralica de taberna e qae d fiador de sna conduc-
ta, prefere-se portngaez : a tratar na raa de Hor-
tas n. 43, taberna. _________
Precisa-'e de um caixeiro portuguez da 18
a 20 annos de idade, qae tenba pratica bastante
de taberna a qae d fiador de sna condona : a
tratar no roa dos Combos n. 26.
Flix Correia de Velloso tem ama caita na
roa do Crespo n. 16, 1* andar, viada do Maranhao
Precisa se alngar ama casa bem mcbilnada
para uns estraogeiros, qoe sja nos bairros da
Boa-Vista ou Santo AnlJnio, paga-sebem : a tra-
tar na roa do Vinario n. 10. ______________
Precisase de ama ama : na roa Va Pedro
Afronso n. 4.
CASA
Precisa-se akigar ama casa, ou mesmo om pe-
queo sjtio nos aegaintes lugares. Torre ou Ar-
rala! : tratar ra roa do Caoag o. 6, loja da
Conquista.
Hoga-se a pessaa que por engao na noute
de 29 do crreme levou um chapeo de pello preto
da casa do Sr. coronel Tbeodoro Suva, o obsequio
de restituir ao seu dono na ra Formosa n. 6,
favor,.o mencionado chapeo novo, tem forro
cor de caf, e loi comprado em casa de J. Cbris-
tiani.
Olinda *
Aluga-se um sobrado e urna casa terrea na
raa de Mathias Ferreira, cam bastantes commo-
dos para familia, prxima aos banhos, por tempo
deterninado : contratar na. ladeira da Ilibira,
casa terrea n. 9.__________________________
Oem mil tijollos
Con:ralam se na obra do theatro:
Attemjao
Na ra Deque de Caxias n. lo, forne:-j-se coaai-
das em casas particulares, por preces cummodos.
Precisa-so A urna ama para engommar e
contnr : o^ ma da Roja n. 4______________
"" t'recise-sn -j u ua aica
~> 1*) yommar: .na raa das Tria,
audar.
PHARMACIA
Especial feomeopathica
VIVA DO DR.
0. L. Pinho.
i i3Ra doBar5o da Victoria i3 j
B Para e;te aatigo estabelecimento acaba j
331 de ehegar ni ultimo paquete, da casa da
Sg James Epps & C, da Londres, um excel--
H lente sjitiRieoto de carteiras e caixas de
| lodu u3 taraanhiis, qur para glbulos, j
5 qor pira tintura:; afim como medica-
H mentos em trituracao a em tintura, g'obn- ;
g| los, etc.; o que ludo se vender por pre-
gs eos :cui razoavei*.
---
Thesouro homeopaihico d: Dr. Sabino
gO.L.Pittha.
35 o* epicao.
J Muito melh^racia c augmentada eom ara
2s appendice.
B Acha-se a vendara pharmacia borneo-
i pitruca da ao:iga ra Nora n. 43.
B As prepar coes desta pharmacia conii-
nuam a ser ferias sob as vistas immedia-
tas do medico do consultorio, o Sr. Dr.
K J vaina A. dos Santos Mello.
DAN 49
E. A. t>e!oacbe acaba de receber uno
grande softimento de oculos e pincenez de
todas as qualidades, e vidroa de todas as
numeracea.
Na mesma casa tem grande sortimento
de relogios de todas as qualidades que ven
dem-se muito baratos.
Qaanta agaa, florida falsa e aborrecida Mil!
quanta agua divina que mais parece infernal I I I
mas a nova Esperanc, que nao consent qoe os
amaotes do xiqae gastem sea dinhtiro uessas
aijus, qae nao paesam de ser dos cbafarizes es-
trangeiros, ou mesmo nacionaes, mandn vir do
afamado fabricaste Rigand, a sna expeliente ka-
nanga do Japio, a qoal est superior a todas as
ostras; j palo agradavel chairo que deita esca-
par, j por suas benficas qualidades, visto que
(iiteframente vegstal (assim o diz o sincero fabri-
cante) para a eonservacao da pella a do rosto.
agua de kananga deitada na quantidade d'agna
necessaria para o (oucador, braoqneiaa palle, tor-
nando-a suave e avelladada, evita a di;sipa as es-
piabas, commanicando palle nma cor de rosa
trawmarente, o que muito bonito...... alem disto
(i nm agradavel cheiro para o leoeo.
Cemento verdadeiro Portland.
Vende Joo Ignacio da Costa, em barricas, por
barato preco: no armazem da escadinha da alian-
daga a, C._______________________________
Barato que admira
Na loja dai seis portas contina haver nm com-
pleto sortimento de fazendas baratas, a sabe-r :
chitas de 240 rs. o covado de difieren es cores,
lias de 400 rs. o covado, cambraiaa da 240 rs.,
cores segaras, assim como maJapoloes baratos,
sendo francez fino a -"500 a peca, linlia de I 400
a libra, mais barato do que em outra qnalqaer
parte. ______^^^ __________
Garantidas!
Machinas de co-'tura de Stoeer
!90#000!
Tambera eonceria machina de oualqnei autor
por precos muito eqwtaTOi l.mhas e itit i *
veadtrt
(MIMA
lj)-}Tjpa do Imperador29
4Kuado Apollo4
Joo do Hago Lima & Fho tem [>ara v, aiUr, 30
0|0 meaos qne em outra qualqaer parte >,
guinte :
Linguicat as Iihas em laus.
Alcatrao e barris.
Vinho do Porto fino em caixas.
Dito Bordeaux dito dito.
Relogios de pareae e cima de mesa.
Aproxima-se o tempo em que a nova Esperanca
roa Duque de Caxias n. 03 (anlifa roa do Quei-
mado) mais precisa selentificar aos sens fregoezes
e com especialida.ee ao bello sexo, o qae vai re-
cebeudo visto qoe ella alem do bom sortimento
qae tem constante (como igualmente conhecido)
comeea a receber suas eneommendas le objectes,
os quaes a nova Esperanca nfana-se recebe-los de
tal gosto e perfeicio sao ellas I 11 a justamente
quando Iba falla o tempo, pela grande concurren-
cia qae tem de teas apreciadores aos quaes ella
se confesas grata : qual a noira qae poder pre-
parar sea eaxoval a capricho t quem poder pre-
parar um bonito vestido f um chapeo ? ter nm
bonito coque ? amaciar os cabellos com finissimo
estrado de oleo ? asar de um agradavel aroma em
san lenco f ter um moderno e elegante cinto f
possuir om lindo cortinado bordado em sna cama?
bapti-ar orna enanca com nm rico vestuario, a-
patinhos e toca ? usar de ama camisa bordada ?
sem qae d um passeio no va Esperanca ? por
certo ningaem o conseguir............ a ella qae
deseja o bem estar de todos, apressa-se em adver-
tir que (como sempre) est inteiramente provida
do qae ha de raelhor no mercado relativamente ao
genero de negocio a qae tem-se dedicado.______
NA RA DO VIGARIO N. 19
vende-se vinhos do Porto engarrafados, ditos em
barris, retroz de todas as cores, lonas e brinsdes.
velas e bogias de ra. _____
VEFIDESE
Um sitio na Capunga, na ra da Amizade com
boa casa de vi venda, murado na frente e com
portao de ferro; qaem pretonder dirija-se a raa
de Bom-Jasas n. 23 (outr'ora da Cruz) armazem
que encontrar com qaem tratar. _____
Libras sterlinas
Vende Joaquim Jos Ramos raa do Bom Jess
n. 8, andar.____________________
Da bom
Todo este annuncio aonunclo especialmente
dirigido aos amantes do bom, elles devora diri
gr se a confeitaria doCarnpos a ra do Imperador
n. 24, onde encontrarlo smpre acepipss de inn-
meras qualidades .
Assim como :
uh da India o mais superior. '
Chocolate em p e em pao.
Amendoas-confeitadas e confeitos.
Hcas caixiohas com ditas proprias para presen-
tes.
Pastelarii a todas as horas, etc.
Fiambres icteiros e s libras.
Emflra para se poder saber o qae acabamos de
dizer s indo pessoalmente
Confeitaria do Campos.__________
Vende-sa ara bom sitio na estrada dos Af-
llictos qaasi em frente a igreja ns. 20 a 22, con-
tendo duas casas e grande torreno murado em
saa maior parle, com muito* ps de coqaeiros. sa-
polizeiros a oulras fructeiras, baixa para capim
etc., tornando-se muito recommendado nao s por
ser bastante perto de3ta cidade como por passar
em sua frata a estrada de ferro : a tratar na ra
Nova n. 50, 1 andar, das 6 as 9 1|2 horas da
manba e das 3 1|2 as 6 da tarde^____________
A revalesciere du Barry de
Londres
Toda a dsenca cede a Revalesciere du Barry,
qne d sade, energa, appetite, dlgestao e des
canso. Ella cura as dispepsias, gaotes, humo-
re;, acidez pituita, flato, enjdps, vmitos depois
da comida e gravidez, con-tipacdes,t> asthma,
aflccbes pulmonares, bexiga, fti' -erebro e
sangue ; 60,000 curas, incluindo munas dallas no
Brasil. *
A revalesciere chocolatada du Barry
em p,
Delicioso alimento para almoco e cela, moitc
nutritivo, fortificando os ervos do estomago sen
causar o menor peso nem dr de esbeca, nem ir
ritacao.
nico deposito para o Brasil om Pernambac
na pharmacia americana de Ferreira Maia & 0.
roa do Duque de Caxias n. 57. (Todo cuidad.
eom as falsiflcacSes.)______________________
Pomada alpaka
E' muito conbecida esta pomada e muilu
apreciada por sua oissimaqualidade, a Nova
Esperanca quem tem.
Jarros <\e porcellana.
Um completo sortimento de lindos Jarroi
de porcellana (do afamado Bacar) existe na
Nova Esperanza, ra Duque de Caxias
D. 63.____________
OLEO PURO DE F1GAD0 DE BACALHAO
DAj
TERRA NOVA
DE
H. LACOMBE
Este oleo que to boa acceitaco tem merecido,
muito se recomuenda por ser o mais parificado
qae at hoje tem vmdo, e ainda pelo boro paladar,
superior a cutro qualquer : vende-sa no deposito
special da Barlbolomeu & C.: ra Larga do Ro-
lara 34.
A' ra do Corameriiu o. It, escrito-
rio de Jos Joaquim da Costa Mais, en
conira-se para vender puv commodos
presos :
Azulejos liespaohs?.
Folhas de ferro galvanizado, para lelha-
do de diversos lmannos.
Ditas de dito dito lizas.
Bicas de ferro galvanizado.
("omieiras dito.
Portadas completas para cantara.
Ladrilhs.
m
ouro e
Precisa-se de um caixeiro com pratica
taberna : na ra Imperial n. 218.'
Precisa- se de um caixeiro com pratica de
padaria, o qual d Canea da sua conducta : na roa
Imperial n. 218.
A TiSOUM BE 011
GRANDE SAL'AO DE CABELLEIREIRO
ROA IIO DUQ1JIB DE 1XIA* M, SO
(ANTtGA DO QUEIHADO)
BELSUC, SIJCCESSOB DE JAVI1E
Havaod comprado o etlabeleeimento de eabelleireiro. Li d'isso sciente ao respeitavel pu-
blico de Piroaiabiicc, convidando-o ir visitar esse estabefecimento, onde ha de encentrar todos o;
trabalaos com asseio, perfeicio e urgencia. Tambem o previne de que tem pefumarias finas, poi
preco commodo; e outrosim 'loe faz todo e qualquer Irabalho de cabello relativo sua proflssao.
P. 8.-Avisa aos seus numerosos fregoezes que eontioa na saa outra cas?, raa Primeirc
de Marco, antiga do Crespo, n. 7 A, 1* andar, onde ho da eneonirar grande sortimento de'perfumarii
: t'jeoW de pbantaiia. ________
DE2USUG
Uibelleirero de Par?. Kua Duque de Caxias n. 50 e
ra Primeiro de Mhv?o n, 7 A primeiro andar,
Aluga-se o sitio da Casa-Forte, que fa$esquina
para o Chacn e Pjco, com casa e soto, jardim,
quartos fra banhoiro, proprio priocipalmente
para estraogeiro : a tfaur na roa das Croios no-
mero 34.
Criado
Precisa-se de um criado para aervico de casa :
na ra Dnqns de Caxias n. 30, 1 aodar.
Perdeu-se na quinta leira 26 do passado mez
diversos papei?, os quaes foram urna patenle e um
offlcb, o urna guia de passagemda estaco do Re-
cife a Olinda : roga-s* pessoa qae os acbrn se
dignecntrega-los nireasa jaato a padarfa do Va-
radforo. qne ser generosamaota recompensada.
j\ COv \ Precisa-se de nma'araa que
W\^SB|\ ^N compre e coziohe, para casa
m IW ^?- de rapaz sjlteirs : na roa
Djquo de Caxias a t, loja.
Perdeo-aa hf.je as 10 horas do dia um em-
bromo de joimts do B jautamente nmie car-
tas dentro para o Sr Jos Antonio de Brito Basto:
Juetti achou e quizer levar ra Nova n.-.J9. loi
a firileiro, ser graifcado.
VELAS DE CUBA
pelo menor preco possivel : na roa do Vigario
numero 19.
Ferro da Suecia
Nos armazens de Tasso Irraaos & C., Caes do
Apollo.__________________
Vende se a casa terrea d. 25 roa dos Pes-
cadores, com tres qnartos grandes, duas salas,
cosinha (ora, quintal murado, cacimba e porlo
que deita para a roa da Praia de S. Jos : tra-
tar ra do Mrquez de Olinda n. 40._________
Vende-se duas machinas novas para turar
ferro : na roa do Bario do Trinmpbo n. 79.
Tinta violeta extra-fina de
Monteiro
Meias botijas 1J500
Quartos 1#000
Oitvos 600
Por estes prego s em casa de Bourgard & C,
roa do Mrquez do Olinda o. lo.
Vndese a taberna sita ra do Aljabe da
cidade de Olinda : a tratar na metma.
CAPELLAS
de vidrilbos e perpetuas ama-
relias,
No dia da finados estarlo venda na porta do
cemiterto, para commsdidade das familias, o sor-
timento completo.
A)XKO
Precisa e de aoi meaino para oaixeiro 4
beroa. naru Augusta n. 31: a tratar na r-a o
Caldeireiro n. 60
- Precisa-se de um *juntj de conba cora
pratica de hotel : na ra de S. Jorge, antiaa do
Pilar* HI
Formas para pudn?.
Acaba de ehegar e acha-se venda nm grande
sortimento de formas para pudins. cangica, ere
mss, ele., de varalos gosios e difiranles model
los, o raelb.r que lera vindo a osle mercado, assim
como o mais barato p jjsiv-1 : roa larga do Ro-
sario, loja de louca da por ti larga n: 26, de Joa-
1iim Actcpjo. pereir.
Compra-s urna mesa redoaJa de jalaran-
d com tairp P'-r natrae, imcotiV. T
Machinas de costura,
GAl'ANTS-SE FIQAR PERFEITAS.
Concru-se qualquer qoalidade de machinas
de costara por mais estragada qae esle*: tra
lar na raa larga do Rosario loja de ealcados do
Sr. Vianna, por ser de casa a pessoa que as coa
certa.
0 eo de iiuhaca.
Vetjde-se em brts : no armazem de Edatrdo
Feotn, rpa do Commarcio n. 21.
] Luxo e teoaomia
Marmres"e mosaicos aniflsiaea para ladrilhos
de sa-, vende se na ra do Duque "9 Cjxias c-
proprios para snspender barca-
das e hiates, vende-se na ruada
adeia n. 39.________________,
VmiWBOBDEMJX
Fabreznn
WlLSONS HETTvendem em sea escritorio es-
te superior vinho, em caixas de urna duzia de
garrafas e por prego muito rtzoave!, visto a ex-
cellente qgalidade: praga do Commercio n. t4.
Popelina dd seda e
la.
Faztnda inteiramente nova.no mercado
com padrOes muito delicados, (azenda di
um effeito surprehendente em vestidos, e
vndese por 15280 rs. o covado, na loja
do Papagaio, ra da Imptratriz n. 40, de
Mendes A Cirvalbo,
Relogios de
prata
do melhores fabricantes Ingb-HS, francezes "
suissos, vendem-se por pie;os muito risoaveis, na
loja de joias Esmeralda
RA DO CABUG N. 5. ___
Bazar Universal
Ra do Barao da Victoria u,
22, btr'ora ru; Ko?m
Acaba de ehegar para este grande esiabiec-
mento um c mplelo sortimentole machinas de
costura de todos os authores conhecidos. os -inse*
garantem per annos as ditas machinas, o so ven-
dem por precos lo rasoaveis qce a todos;grada-
r, cujos precos sao oa legjales: 40* 6fl.
80, lOOi, 120, I30, U0,, fti', !80jS. 0i,
220, 2o0 e 300J rs. Garntele aos Mpra-
dores a boa qualidade do trtbaiho e olfiga-se
a ensinar laqtas vezes quantas kjsiu |irecisas
para bem comprehenderse. Yundese :ambem
peras e mais pertenees de pbrccaleoloa para
as raesiras machinas. Provine-so desde j qoe
s se vai ao chimado para conserto e en fino de
machinas das que forera compradas ueste esta-
beleciraento. _________
Livr&ria industrial
Walfredo & Sonta, s.-icntifleato ao respeitavej
publico quo abrem Ivje S3 ae ontubro f ti Bo\
estabelecimento sob o titulo il LIVA'tlA IN-
DUSTRIAL, ra do Bario da Victoria o. 12 (ou-
tr'ora ra Nova) com um cscoiaido sortirneuto de
livros dedireo, liueratora, rcieocias eartes, edu-
cacao, elassiejs, devocao, romansea, etc., <;
objectos para escriptoiio, papelara, albuns para
retratos, bonitos artigas para desenno, iivros em
branro e outro? obji'ct^s concernentes :> Svraria.
Eicarregam-83 d^ eocommeia^s de qualquer
genero para o imperio e paizes estiangelros, com
promptidao e por precos raicavcis.
Catalogo tic aigians ir.eos uovos
que se achata a veud tiesta
easa.
Colleccoes de la Bibliotheque'.Nit'onile, constan-
do de um grande numero de oirs imD6rlates,&s
quaes se vendem separadamente por 280 rs. o v>
Ivme.
Ditas de L'Ecole mu'.uellc-, 1 vol. a 2b) is.
Itcccmbole, edicca i popular cora e.taitpas, 1 v.
30 rs. (j na 24 volumei pnbliekdos.)
Garrc-lt, discursos- ; arlamenlaits a metiotii
biographicas (obra nova) 1 vol.
IdoinHelenaromau:e (obra nova) 1 vol.
Carvalho, Rosa da Muntanha, 1 vol.
Bellut, rasmorias de um caixeiro cu cm dr
da vida commercial, I vol. 2.
Favores co Co a Pjrtui;ai, 1 v, I, |o00.
A. Callet. o bfen-o 1 vol., 20'.
Novo aimnak de Icmliranc;.- !u-o br]
para 1872, t val. bn rh. I
Grsnde colfeceo de Murabas di Lsemmert pa-
ra (872, OO rs.
"Grande sortimento de livtcs oovoi com;-! .-
a guerra de Franca.
Mamoires uedrts d^ Lamartine, ; v. I. grande.
A. Esquiros, Iji-toirc (Jealanyri t ... Liberte
1 vol. grande com estampas.
dem idem, histoirc de* ttocUfUirds.
Archives loditJaire*, reaui I ccir.| .-t Jes d=-
enssions ngislatives et des del u rfentfipl
(randa preces B0liU4u.es, JH1' :' Praace de 1792
a 18i0, i o. grande, obra u.uitu uti! a^s snio-
res juizes o advogados.
Dr. Jos Serial de Sonta, 1 loe |
racional e moral, ( bra n va) 1 vol.'in I' B
menl impn rem i::.ri- 7.C00
Tem (i aflnos
om bonito cavailo rodado apatacado, andador de
baixo a meio, o qaal vende-se por baratissimo
preco, no caes da tamos n. 30,______________
Joaquim Jos Gonealves Beltro tem para
vender no seo escriptorio raa do Commercio n.
o, os gneros abaixo notados, que venda mais ba-
rato do qae em outra qaalquer parte :
Azeitonas em ancoretas.
Amendoas em barricas.
Caf muido em massos de 1 libra.
Chapeos do Chile de boa qualidade.
Cognac marca mar'.el frres.
Enxadas.
Farinha de mandioca de Santa; Catbarina, .sac-
eos de 3 e 8 alqueires.
Dita da Babia em saceos brancos.
Dita de dita'em barricas, proprias para casas
part calares.
Fio de algodo da P-ahia em novellos.
Fouces.
Maxados.
Nozes.
Obras de pamela?.
Papel proprio para cigarro?.
Dito azul para botica.
Palitos para dente?.
Pregos sonidos.
Panno de algodo da fabrica de Todos os Santos
Pedroso nde a Bahia.
Rol has.
Rap popoJar da Bah:z.
Botim em fardos.
Retroz dos melhores fabricantes do Porto-
Tapioca do Maranhao.
Tabaco smente da Bahia.
Veriz copal.
Vinho do Porto engarrafado, eaixa del t gar-
rafas.
Dito de dito era barris, proprio para .engarrafar.
Dito moscatel, verdadero de Setubal.
Dito-Bordeaux em caixas de urna dnzia.
Lito de caj em caixas de ama duzia.
Papel P8n* ii&, }.
Veade-se por prego mnit < barato, hivendo tres
lamanhos: na ra daCiuz i. oi, a.m.'.zem
Alves & C.
Breu.
Vndese doze barris com breu
Marco n. 53 (antiga do Crespo).
na roa i" de
O verdaeiro Portland : s se vende na
rea da Madre Dees n. 22, armazem de Jj5o
Marting de Barros._________________
Libras stHiaas.
Veno-s no armem o% fazendas de Angosto
?. de Oliveira 4C,i na lo Commercio o. 41
O compendia elomeaiar do systeaM melrieo
diicimal organisad: por J. 3. dos Santos osla ven
da as hvrarias dos Srs. Do Lelhaiear & C, No-
guaira & lledeiros ^ raa 1' de Marco (antiga do
Crpo) n. 2 o 9, J. Vf. de Hedelros ra do Im-
perador n.79, Maoo^ICarJoso Ayros a ma la Craz
n freguezia de S. Fra nesire?.
Vonde -ae os/brado da um andar di ra do
Lomas Valentinas >gua=-verdes) n. -w, ira chlos
proprios : a tra'arr r. "0, andar.
Um -bom e elegante sobrado 8e um andar e so-
to de 40 palmos da largo o 80 do fundo, tem
perta-cocheira e luirar. para carro e eslribarii ;
lem muitos quartos, bom quintal cora arvoredos,
e grande deposito d'agoa de chuv no mesmo ; e
rendo 1:300* annual, cilusdo na ra da Concor-
dia hoje Mrquez de Herval n. 113 : tratar na
raesma ra u. 138 A.__________________
Com o devido respeito
Sic, com o devido respeito que 0: proprieta-
rios da Confeitaria do Campos, sita ra do Im-
perador n. 24, a cuja fente se a cha coilocad?
um grande lampean que se conserva aceso nou-
te, que vea scientificar ao illustrado oablico des-
ta cidade e seus suburbios, que ?i se encontrar*
constantemeute o sealte:
Fiambres prorcptos iuteiros e as libras.
Puddings de diverses tamanhc?.
Bolos ingiezes e Irsncetea.
Pcsde l.
Pastis folhados de fructa, do nata e de crme.
Empadas de diversos tamarrtios e qualidndes.
Doce crystalisado, secco, em cala'e ralado.
Paslilhas de bortelan pimenta.
Atnendoas.confeitadas. coro" <;a?ca e descascada?.
Confeitos, perlinas e nonbon,
Bolmbos seceos para cha,
Lanches diverso?.
Cerveja, champagne, vinhos, edree e cignac.
ASSIM COMO:
Apromplam qualqaer encommeoda de bfilc- e
assado?, pois para iso tcera urna bem montada
fabrica."
E convidamos as Exilias, familias virem visi-
tar o aoaso estabelecimento, pois ne lo enconlrs-
rao sempre agrado e sinceridade. ^

Para noivados.
Fitas especiaos e preparadas tura jgo? d/ cor-
tinados de cama : receben a Nova Esperanca, a
rna Duine de Caxja* n. 63 : a ella antes qoe
acaben!, pois vkram somente sei sio lradissi-
mos.
*
Oipsl s raquim
As capsula? da r?quira lomam se m a raai t
facilidade, e n3o causara a mt or i idisposicao 4i
estomago. E' o medicamento do m.is saluiar
frito nasgfi)>iil:.is chrnica ou recentev
DEPOSITO
Pharmacia de Ferreira & C,
SUCESSORES DE J A. PINTO
, 10 RA LAU.G ^ DO ROSARIO -10
(Junto ao quTtel de po'ici)
eufcUatlas para seahora a S
o ptr.
Xa 1 n. 86, loja do ritrcarr,.
]


Diaiio de Pemanuroen Quinta eini 2 de Novembro le 1871.

/
f
!
)
LABORATORIO HOMEOPTICO
DE
WM Di PAULA CARDOZO JNM
41.Ra do Imperador41.
c.
:
i


Francisco de Paula Cardoso Jnior & C*. animados pala condescendis (
cia, que para 'com elles tove o Sr. Dr. Jicintho Soares Rebello, que ha 26 ansas ,
exerce o syslema bomoopatblco, gozando sempre de subido conceilo, a estabe- i
) lecer nesta cidade umLABORATORIJ HOMEOPATHICOdeprimeira orden,
digno da confianza e.proteccao do ilustrado e respeiuvel publico desta provin- (
cia e do norte do Brasil, para oque, nSo se poopando a despezas nem redigas
> capazes de snperar (odas as difficuldades, com que liveram de luctar, (rabana*
' ram ncessantemente desde marco ultimo, julgando ter conseguido o sen desi-
dertum, tem boje a satisfaco de, annunciando a abertura de sua casa, affir-
mar aos amigos da bomeopathia, que se ju'gam completamente habilitados pura
o perfeito desempenbo de todos os misteres do seo encargo.
Os elementos do seu establecimento foram todos importados da afamada
casa de James Epps & C\ de Londres, um dos primeiros e talvez o mais co-
k nhecido e acredtalo establecimento deste genero; as preparacBes secundarias
' (dyoamisacQes e duicSes) foram preparadas com o mais escrnpuloso esmero
segando as regras da scienca e sob a immediata direcao e inspecSo do mesmo
Sr. Dr. Rebello, cujo nome ligando-se desta sorte ao establecimento, a mais
j segura garanta que podem offerecer os seus propietarios s pessoas, qne os
' honraren coma sua connanca, de que no preparo dos medicamento-] nSo se (
pooparo esforco para que sijam bem serridas, pois que a austeridade.com qoe
. curapre aqoefles todos os seos deveres e sobretado o respeito, que consagra
J sua prepria reputado, lhe n3o permittiam sacrificar a vida de sens clientes
ao interesse de terceiros.
Sem pretenderen os proprietarios depreciar os producios dos outroi
establecimentos deste genero, creem todava podar affirmar que nentaum ootrt>
excede o seu em saperioridade, e para qoe nenbuma duvida baja a este respeito, /
poderSo-todas as pessoas que quizerem fo-necer-se dos seos medicamentos t- v
sitar e examinar o establecimento, onde, alm de boticas em glbulos e tinta-
ras de varias capacidades desde 12 at 120 medicamentos por precos razoaveis,
encontrarlo todos os artigos que tornam completo o sortimento de casas desta
ordem, taes como: excedentes chocolates, pos den!ifricios, encerado de rnica,
tintura de gnaco, etc um lindo volume encadernado domedico do povoori-
ginal do Dr. Mure, traducido pelo Dr. Silva, Pinto e revisto e augmentado em
3.1 ediccao pel Dr. Antonio de Castro Lopes.
Esta obra que cootm mais de 500 paginas de impresso e urna estampa
explicativa dos diversos orgSos do carpo humano om do3 mais claros livros
destinados ao ensino prathto do tratamento de todis as enfermedades, pois indica,
nao so os medicamentos apropriados para cada molestia, como a maneira de
applicat e repetir as dses.
O prego d'ella de 10#000 para as pessoas, que comprarem boticas
neste establecimento, e de 120000 para as que comprarem smente o livro.
Contando pois, com a valiosa proteceo d<>s amigos da homeopathia, con-
cljem 03 proprietarios o seu anouncio, declarando que se acba adjacente o sea
LABORATORIO o consultorio do Sr. Dr. Jacntho Soares Rebello, e que se
encarregam de re;eber e enviar ao mesmo Sr. Dr. a toda e qualruer hora os
chamados de seus clieotes.
branciM.
So ka mil cabello
.Trotnra l*pmi
86 > uakM-Uptn^M-^fiUi 'ik attUjln 6
i......ilini lili iiiujfy i Wmm us i|i
TTWisTTIwi di
jf"HF***r m> tosas u bo-
iras airmGmBmm._
==
UM1
h i* en
arico* fe sea negoe teaslt ts mshlm,
watn por pra? su me** qs b
PORTAS de pinho almobdads*.
PORTCBAS de ferro par*
SALITRE inglez.
STEIRAS India para cama fttornr
CANOS de barro francas, para aafata.
S88SO superior em potsfies a
GBMENTO da todas as <
MACHINAS de escawcar
LONAS brtaieada Roaasfc 7
vrmj
econmico.
msr
pasblhasVeitorAes.
de
Somas simples erystaHsada.
Ditas de angico" c
Nad d'Arabia.
Seve da pioho martimo de La gaste.
E outras militas qoe muito se recomendara pe-
las'stias excellentes qnsKdades.
Vende na
PHARMACIA B BROGARIA
Dt
*-UALARG A*M-R)SRI V*-
------------------' .. mi
Xarope sedativo
DE
Gasea COM
BROMURETO DE POTASSITJM
DE
IrAROflBE
Este noto preparado aprovado pela aeademia
imperial de medicina, muito se reeommenfla pela
toa aecao teicUiva e calmante, sobre o systema
nervoso, o bromureto de potassiem, nao deixa de
lar os mais eertos resultados as diversas affec-
ooes do organismo e principalmente as molestias
do coracao, das vias digestivas da respirarlo, das
vias genito-nrintrias, na epilepsia, nal molestias
nervosas da preohez, na insoawia das criancas
darante o periodo da denlicao etc. etc.
Vende-se na pharmacia e drogara
de
Bartholomen & C.
34-RUA LAR3A DOROSARIO-34
RA DUQUE DE CAXIAS N. 52
(Outr'ora Queimado n. 8.)
A Aguia Branca tendoj recebido parte desuas
antigs eucoromaudas, em seguimento acaba ago-
ra taeiW) de receber cutras, algunias das quacs
se tomavam essencialicente precisa-, e outras se
tzem apreciadas pjr seas gostos c quahdades,
eoiro sejam :
Meias de fio d'escocia,' abertas para senhoras
e ni titn'.s.
Ditas idem com listas tambem para senhoras
e menina-.
Daj dem multe bonitas ao go?to escocez.
Dita^ dem iJein brancas e com listas para me
Binas.
Ditas 1-m ide-m para baptisaaos.
Das do algodao cjmpridis e cem Iistras para
meninas.
Luvas prctas de seda, para senhora.
Ditas d tareal e de ?eda para meninas.
Bonitas camisiohas bordadas para senhoras.
Fil seda, branco e preto com flores raiudas.
Dito d; algodau, liso e com flores.
Tuquiahas bordadas para enancas.
Liados e moderaos chaposinbos de fustao para
litas.
Pen!3 da tartaruga para desprebararar ou pen-
tear.
Ditos d. dka traveso para meninas.
Ditos de borracha para ditas.
Dito; d'< tartarupa, pequeos, para segurar o
amarradho aos cabellos de senhoras.
Grands fortimento de enfeites de seda para ves-
tidos.
Fiveas de madreperola e de tartaruga para
pulceira e iaco para o cabello.
Bonita* b lcinha' para menina'.
NOVO SORTIMENTO DE ENCHOVAES PARA
BAPTISADOS
A aguia br?nca acaba de receber novo sorti-
mento do linios e completos enchovaea. para bap-
nudos, e bem asim separadamente camisiahas
para dito, lindos chapeosinbos de setira branco
bordado, uatros ditos com fundo de vellado, obra
ce muito gosto, e que servem tambem para pas-
seio, sapatinhos de s"im para o mesmo flm.
MODERNOS EXFEiTES DE LORES,
croados com bicos de seda, Otas de setim^e fivella
de '/.adreparla ao ultimo go.-to, e proprios para
bailes, casamentos, etc., etc.
FLORES E PREPAROS PARA ELLAS
A Aguia Branca reoebeu liados ramos de floro*
fina*, tanto para cabega como para chapos,
bem assim :
Papel verde liso e com listas para folhas.
Dito de cores para flores.
Folhas de diversas qualdades para rosas.
Ditas verdes e lustrosas, obra De va e pela pri
meira vea viadas como amostra.
Franjas pretas e de diversas, larguras para en
feitar vestidos,
COQUES DE TRANCAS E DE OUTROS
MOLDES.
A Aguia Branca acaba de receber ama peque-
a porcao dos bonitos e moderaos coques gran-
des de tranca e outros moldes.
ROVO S0RTIMEHTO
DE
HO^TiEAS
i
A apaia branca, a roa do Duque de Caxias o.
S2, outr'ora do Queimado o. 8, acaba de receber
um novo e beilo sortimento de bonecas de diver-
sas qualidades e tamanbos, sendo :
] Com rosto de seda, das que choram, e outras
que fallarn.
Ci "m rosto, maos, e ps de porcelana, e pro-
prias para vestir-se.
Obras re porcelana
A aguia branca tem outro sortimeuto de diver-
sas obras de porcelaoa, seudo :
Bonitos e ricos vasos para pos de arroz.
Outros para jots.
Outros para latonetes.
Outros para enfeites de mesa.
Pequeas e bonitas pias para agua benta.
Peqoeoos jarros para santuarios.
Outros maiores para mesas.
Bonitos port relogios.
Lindas cestinhas tambem de poreellana.
Escrivanias de dita.
E maitos onros objectos para enfeites de mesa.
PARA WOIVAS
Lindas grinaldas com Sores e botoes de
larangeiras com vivos e sem elles, vendem
se na Nova Esperaoca roa Duque de Casias
n. 63.
Oleo para machinas
Vende-se na Nota Esperanca ra Duque
de Casias n. 63.
Xk ha ver conrul^es.
As enancas qne usarem dos collares ano-
dinos, que se vendem na Nova Esperanca,
estarlo isentos de convulses; pois sao os
verdadeiros recebidos directamente.
mmjmm
FAZIiAS BARATAS
10RuadoCrespo-^UO
Pecas de algodao com 10 jardas a iJ, 4*300
DUas de madapolao a l, 8f, 5^800, H, e
1 de dito Infestado, francex superior a
francezas de todas aa qualidades a 140,
, 3)0 e 360 o corado.
braias de edres a S40 e 280 rs. o cavado.
ie cor a 3*0 rs. o covido.
para* a OW) rs. vari.
de amonta lisa transparente a n, 3*501
'tas de dita tapada Victoria, a 4f, 4*500, 5*
ef*.
Mas dita transptrtote, suissa muito fina
eom 17 vara, 14*.
Ditas de dita bordada eom 10 jardas a 7* e
Orgindy braneo fino a 700 rs. a vara.
Brilhautioa branca infestada a 440 e 500 rs. o
corado.
Breunba de nbo com 25 varas a 20*000 e
25*000.
Dita de Qto'infestOa com 30 varas a 27*.
Bracante de lino* com 10 palmos de largara a
f^"1lWoao a USH a vara.
Atoalbado de dilo e de linho eom 10 palmos de
largura a I 00 e 3*.
Toalhas ateochoadas para rosto a 7* a duzia.
Ditas de nbo do Porto felpudas a 10*000 a
da*.
GoafdSBipos de liaho a 3* e 4* a duiia.
Cebarlas de chita a-2* e 2*500.
Dius de chi adJtdascada forradas, 4*, 4*500
e 5*000.
Colchas e damasco de cores a 4* S*.
Ditas deJnstao alcocboadas a 5*.
Cobertafde la escaras a 2*.
Ditas de algodao- brancas a 1*400.
Golleiriohos de linho a 500 rs.
Chales de merino lisos pretos e de cores 2*000
e 3*000.
Ditos estampados de meia easemira a 2* e
2*300.
Damascos de core? a fo rs.
Lencos brancos de cassa Anos, 2*, 2*500 e 3*
a duzia.
Ditos ditos e de cor abalallado largo a 3* e
3*500 a duzia.
Ditos ditos de camb.aia de linho fiaos a 6 a
duzia.
Ditos deesguio de lioho a 4*, 4*500, 5* e 6*
a daiia.
Bnm Angola a 640, 800 e 1*000 o corado.
B(ins de linho de cores a 500 rs. o corado.
Cortes de meia cajemira para calta a 1*200 e
Ditos de easemira. para caiga a 3*500, 4*500
5*500.
Casemiras decores de daas larguras, 2*, 2*50-
e 3* o covado.
Ditas pretas, daas larguras a 2*500 o corado.
Pao fioo preto e azul a 2*, 2*500, 3*000
3*500.
Dito dito muito fioo superior a 5*, 6* e 7*
cor do.
Lans e alpacas de cores para vestidos a 40O
500, 600, 700, 800 e 1* o covado.
Toalbas com labyriotos para bandejas e para
rosto a 8*, 10* e 15*.
Camisas de fhnella branca, e de cores 2*,
2*500, 3*, 3*500 e 4*500.
Grosdenaflbles preto e de cores 2*, 3* e 4* o
covado.
Dao-se amostras com penhor.
Vende-se tambem grande qaaotidade de roupa
feita e por medida por precos muito reduiidos.
A FfcOR ME OIJRO
E' este o distintivo de urna nova e bem montada
loja de jifias, sita a ra larga do
: VS Brio n. 24 &

3
ARMiSEM DOS LEOES
RA DUQUE DE CAXIAS N. 29
Os proprietarios deste; grande e bem montado establecimento scientifleam ao
respoitavel peblico desta provincia, qoe se acbam c^m um variado e completo sortimento
de movis, tanto nacionaes como estrangeiros, se^do estes escolbidos capricho por
um dos socios quese acha actualmente na Europa, e por isso os podem vender mais
baratos 20% menos de que em outra qualqaer parte. O mesmo tem contratado cota
os melbores fabricantes daqaelle continente as remessas das mais ricas mobilias feitas
a!li. Na officiaa tem os mais habis artistas deste genero, e por isso aptos a fornecerem
mobilias as mais aperfetcoadas para as casas da provincia consideradas de primeira
ordem. Pedem, portanto, que venham visitar dito establecimento, onde encontrarJc
a rcalidde do que acabamde expr, passando a examiaarem : ricas e completas mobilias
de j-c3r^nd, mogno, faia, carvalho, amarello, etc. etc., ricas e elegantes camas de
Jacaranda, po-setim, amarello, etc. etc., guarda-vestidos de amarello, guarda looca de
nogueira, amarello, com tampo de pedra, aparadores de dita, dito, com dita, petib
toilettes, especialmente para azer barba, toilettes de Jacaranda e amarello, com pedra,
e maitos outros artigos de gosto, que para se n5o tornar enfadonho prescindimos di
azer mencSo delles, o que so com a vista podero apreciar.
RIVAL SEM SEGUNDO
RA DUQUE DE CAXIAS N. 91.
Jos Bigodinbo, com loja de miadezas,
avisa a todos os os seus freguezes qne est
torrando todo pelo preco, a vista dajazen-
da, para todos admirar, a saber:
Pecas de fitas bordadas omito finsa 1#500
Thesouras grandes e pequeas o
mais fino qne ha a i#000e ,9500
Caixas com 20 quadernos de papel
liso, amisade a rs. 500
Pecas de tranca de 13a e algodao as
mais modernas a 160
Frascos com agua de colonia mnita
fina a 400 e 500
Frascos com agna de colonia ver
dadejra a 800 rs. e i"#500
Chapeos brancos para baptisados o
melhor qne ba a 30O0 e. 5 000
Dozias de botoes cobertos de seda
para vestidos por todo o preco
para acabar.
Libra de areia preta a 160
Grcsas de botSes de louca branca a 120
Caixas com 100 envelopesfazenda
fina a 500, 6C0 e 800
spelbos de moldara dourada a
800 e 1,5000
Pentes pretos volteados para me-
ninas a 210
Tinteiros com tinta preta a 80 e 100
Pecas de fita elstica multo fina a 20C
Latas com superior banha 60,100 e 200
Latas grandes com superior banha a 320
Frascos com oleo de Pbi locme a
500e 800
Frascos com macass | Peruta a 240
Frasco8-eom agua de Colonia verda-
dera a 10000
Oitos comoleo de baiosa saderior a 320
Carritels de retrox preto com 2
oitavas a 600
Caixas com aguihas francezas a 160
160 240
Pecas de ttras bor jadas a 500, 600
800 e l,J000
Garrafas com a verdadeire agua
florida a i300
Cartilhis da Dontrina ChristSa as
mais modernas a 400
Pacotes com 3 saboneles inglezes
fazenda fina a
Os proprietarios deste elegante establecimento tendo em vista os aforeos que
fizeram para o colloearem as tondiecoes de ans |rass clifUella, faltaran) ao mais
rigoroso principio se nao vieanm as coilamoas de jornal ScMDhacar ao respeitavel pu-
blico, que no menno establecimento encontrarle sempre o mate completo sortimento
de jolas, como sejam : brceos os mais moderaos, para adornarem as delicadas ore-
Ihas do betlo sexo, e qoe se vendem a 8, 9 e 10* o Bar, dius para manios* a 4, 3 e 6*,
ditas de coral, obra de apurado gosto a 3 e 4*, Voltmhas de coral eom eruzes de ouro ,
a 5*, broches modernos de 3 a 13*, ditos com pedras e em suas djevidas caizinfas a
10. li, 16 e 90*, rosetas lisas, porm bem trabalhada?, de i*JJQ0 a 9*, dMa-t eoa
pedras de 4 a 15*, eacoletas a 4*. dius eom inseripcto a 6*300, sonis de dinarsoa
gostos, e com bonitas pedras a 2, 3 e 4*, dius de perolas, esmeralda e rubias a 6*,
ricas rrozee de esmeralda e rubim a li, 14 e 16*. dius de ouro e coral eom vUUt pbo-
tographicas a 3, 4, 5, 6 e 7*, flgas de coral ai*, cadeias para relogios a 40*, SHua
6*800 a oiUva, gaarnicSes com tres botee para aberlQras a 44, ditos-de pdr_
o par, ditos para punhoi oa mais modernoe a 7 e 8*; alnr de om variadsimo sertiaieB-
to de joias de apurada gosto que reoebem por todos s vaporee da Europa; como
sejam : brceos; braceletes, alflnetes, aderemos completos, erares, roletas, anoeis i|J
brilhantes, esmeraldas, perolas e rnblns. MedalMts, voiu?, traocelics, aaaeia tom let-
tras e de diversos modelos, oculos epeaetnez de ouro prata dourada, relogios de cir-
ro e praU de afamados fabricantes, salvas de prata da divarsos Umanhos, ricos peliteU
ros e faqaeiros, colkeres para cha e sopa, marac* para-triaaeae, e orna iulaidae i
objectos qoe seria eufadonho menciooar-se. .
. Os proprietarios da Flor de Ouro garanten vender mais barato qoe em outra !
qualquer parte, para que estar aberto o esiabeleclmento das 6 horas da manha as 8 da
coate.
atfiRoflf
8fi6o?
i*i*>rfi
Cura rpida e radical dos
callos
pela pomada Galopau
Essa pomada qoe to boos resaludos tem colhi-
du as pessoas que della tem feito aso acaba de
chegar para o seu deposito especial..
NA
Pharmacia e drogara
DE
Bartholomen & C. roa larga do Rosario no-
mero 34- ____
J. 0. C. Doyle tem em seu
armBzem para vender
O SEGUINTE :
COGNAK HENNESSA.
Vl^HO XEREZ.
DITO DE LISBOA,
FILTRADEIRAS.
B1TTER
roa do Commercio n. 38.
i
A'
AOJA
DO
Escovag amito finas para mpar os
den tes a
600
240
Ga
econmico para os can-
dieirof de porcelana.
Acaba de chegar esta j bem conheeido eom-
Jnstivel, eoroo o mais barato, prompto e asseiado
Se todos at h)je conhecidos, e se encoulra ven-
da no auieo depasito, i roa larga do-Rosario no-
wro 34. ^
ATTENCAO
9 .
Vende-se auberoada roa da Seozalla-Nova
d. 6 e 22, com poneos fondos: tratar oa mes-
nu, I
Alcatrio de goyat
LICOR CONCENTRADO E TITL4D0
E um poderoso remedio cootra as seguiute3
molestias: bronchites, catarrbos pulmouares, tos-
se, rebeldes dtUuxos, irritadlo de peito, males da
gargaata, phtisica pulmonar, devis pesia, catar
rho de bexfga, molestia de pele, perda de cabel-
los, pnrga{oes amigas e recentes, etc.. etc
DEPOSITO
Pharmacia de" Ferrera C
SUCCESSORES DE J. A. PINTO
10 -RA LARGA DO ROSARIO-10
GALLO VIGILANTE
Roa do Crespo a. 1
Aeaba de chegia pelo ultimo vapor diversos ar
t'gos de novidade, como sejam :
Liadas touquinhas enfeitadas para baptisado ;
assim como chaposiohos.
Sapatinhos de seda e de merino.
Meias de seda e fio de Escocia de 1 a 12 aonos
de idade.
Ricos leques de madreperola 4odos abortos, o
melhor que ha oeste genero ; assim como ou-
tros de madreperola com seda, fazenda reqaissi-
ma; tambem receben grande sortimento de le-
ques de sso ngiadcnbarfim saodalo e madelra,
tanto para senhora como para meninas.
Superiores ligas de seda para segurar meias.
Meias de borracha para quem soffre de iuxasSes
ou erysipela.
Seda rrouxa para bordar todas as cres.
Froco de seda para o mesmo uro.
Retroz preto e de cores em carritis.
Fitas para cartas de hachareis.
Quadros para retratos.
Lavas de pellica, e de seda, branca pretas e de
liadas edres.
Superiores capillas para noivas.
Lindos alflnetes de madreperola para pellos de
senhoras.
Liadas abotuaduras para colletas.
La de todas as cores para bordar.
Superiores penceoer de ac. .
Muito finas thesouras para costura, unhas e
para cortar cabellos.
Superiores penles de Urtaruga para arregagar
cabellos.
Tintan ingleza para tiogir cabellos, a verda-
deira.
Grande sortimento de franjas pretas,' largas e
estrellas e lindos padrSes.
Lindos babadinhos e entremeios bordados, tapa
dos e transparentes.
RA DO DUQUE DE CAXIAS
(Outr'ora do Queimado)
Tendo-se resolv Jo d'ora avante vender-se neste establecimento todas as fazen
das existentes no mesmo, por precos que todos admirarlo, acbo de men dever partid*
pa-lo a todas as Exmas. familias em geral, alim de virem visitar este estabeleciaento
ou mandarem bnscar amostras, garantindo-se-lbes um bom sortimento de fazendas da
algodao, la, linbo, e seda, emfim urna inflnidade de artigos de moda mandando-ae ia
casas das Exmas, familias, por empregado da casa, toda e qualquer fazenda para verem
on escolberem.
As pessoas qne vendem em menor escala poderlo bota sortirem-se neste estab-
lecimento qne vender pelos mesmos precos que em qualqaer casa importadora, tendo
a facilidade de comprar qualquer porco.
O 65 tem nm completo sortimento de roopas bem acababas o qne vende por
presos moitissimo commodos, mandando tambem fazer por medida toda e qualquer obra
qne os concurrentes desejarem para o que tem om dos mais babilitadissimo mestr
alfaiate, cortando por nm systema inteiramente novo.
Os annnacios nesta praf.a esto e por certo devem estar desacreditadissimoa, pois
qne ba casas que annunciam aqoillo que nao teem, o que o 65 garante nanea dar-se em
seo establecimento, pois que s deseja bem servir ao publico em geral, para ganhar
grande nomeada em todo o mundo.
O 65 acha dasnecess a rio mencionar os precos de suas fazendas pois qne issotor-
naria-se demasiado macante para es letores, por ter de ser demasiado extenso seo an-
nuncio, e mesmo para se tornar menos despendioso, pois que vendendo muito e muito
barato mister encurtar suas despezas. A sinceridade dos tratos do 65 julgo qne j o
publico connece demasiado, pois que sempre tem enmprido com aquillo que annoncU,
n5o verdade ?
E' INTIL, NAO SE CANGEM, COM O 65 NINGEMPODE COMPETIR
;
RA DO DUQUE DE CAXIAS
(Outr'ora do Queimado)
56 ABa do Mrquez de Olinda56A
outr'ora ra da Cadeia.
LOJA DAS MACHINAS
Sendo este antigo establecimento assaz conheeido como principal e recommea-
dado pelos grandes depsitos e bons sortimentos com que sempre prima em ter dai
memoras, mais acreditadas e verdadeiras machinas americanas para alg-
d d, desde 10 60 ser ras, e ba vendo em todos os lmannos diversidades desyste-
mas e melhoramentos para perfeito e rpido descarecamento; tornam-se dignas dt
serem vistas e apreciadas pelos Srs. agricultores; os qoaes, alm disto, encontrarlo
tambem mais:

Xarope de fedegoso
E* de ama elB:aca verdaderamente maravi-
fbosa coma calmante do systema nervoso e ap
pilcado eontra a paralisia, astbma, tosse eonvulsa
oa eoqaelacbe, tosce recente oa antiga saffoca-
rrjej, caannos, bronchites, etc., e em gril con
ira todos os sourmeatos das vas respiratorias e
na phtisica palmooar, saa virtade contra o tettio
oa espasmos, e convotsSes iocontestavel a nin-
euera ba qoe a deseonheca.
DEPOSITO
Pharmacia de Ferrera dt C
, SUCCESSORES DE J. A. PINTO
iO-RA LARGA DO ROSARIO-10
(Jutto ao qoartel de pottela.)
Veode-se ama armacio e algons pertencea"
na ra de S. Joao n. 19.
D. Anca Francisca da Fooceca Pimeota pre-
tende vender a olaria denominada Taquary, no
lodo oa reulbaodo o terreno ; assim pois q'nem
pretender dirija-i.e a annonciante na estrada no
va do CaxaD pira contratar, afini de que com
dados-certoi possa cbter licen;a do ja z de or-
pbaos para dita renda, visto ter saa Alba menor,
parte em dita olaria.
---------------------------------------------------------~^____________
Gaf moka.
Foncee & Santos fendem em sea armazem es-
te superior caf, por preco rauito raroavel, visto
a exeellente qualidade : roa do Amorim n. 39.
Apurados vapores logomoveis, de forca
de 3 4 cavallos, e pertences.
Machinas para lavar roupa.
Arados americanos para varzea e la-
deira.
Carros de mo para atierros.
Tinas de madeira.
Baldes de dita.
Ditos de ferro estanbado.
Ditos com vlvula para lavatorios.
Ditos de madeira para compras.
Apparelhos para jardins.
Guardas com das.
Tampas para cobrir pratos.
Tarrachas para fazer parafusos de ferro.
Ditas dita ditos de madeira.
Trens para cozinha.
Ternes de bandeijas finas.
Emfim muitos ootros artigos, qoe
examinados.
Correntes para arrastar madeira.
Cylindros americanos para padariaa,
Pertences avnlsos para machinas.
Salitre refinado.
Breu superior.
Moinhos de diversos fabricantes- pan
milbo e caf.
Debulliadores para milbo.
Azeite de s per mace te para machina i.
Camas de ferro.
Bombas de Japy.
Ditas americanas.
Cofres de ferro patente.
Canos de ferro esmaltados.
Ditos de dito estanbado.
Ditos de chombo.
Ditos de borracha.
Folies para ferreiros.

s avista e neste establecimento poderlo ser
Vende-se nm piano de mesa qaasi novo e
muito proprio pira qualqaer principianta, garan-
te-se o bom estado do piaoo : a tratar na ra Du-
que de Caxias n. 6, an*.iga das Crnies.
fianteiga ingleza.-
Vende-se a 80(1 rs. a libra e 1*760 o kilo : na
roa de Pedro Aflomo p. i, antiga rna da-Prai.
Vende -se nm pequeo sitio na Boaviagem, tendo
boa casa de vivenda, nova, eom ptimo terreno
para pfantacSo de capim, e na melhor loealidade:
a tratar na rna da Madre de Dos n. 36, primeiro
andar.
ERNESTO & LEOPOLDO
N. 2 D Ra do Cabug N. 2 D
Acha-se montado de forma tal este establecimento de joias que pode
vender aos seos numerosos freguezes em grosso e a relalbo e por precos
mui resumidos visto que recebe de conta propra por todos os vapores de
Eoropa. O gosto de desenho de suas jotas 6 o mais lindo do paiz das
modas, ouro de le, brilhantes verdadeiros, esmeraldas, robins, perolas,
terquezas saphiras, coral rosa etc. etc. Obras de prata do porto tanto
para igreja cerno para servico domestico. Convidamos as Exmas. familias
a visitaren o dito establecimento todos os dias at 9 horas da noite.
Compra.se ooro, prata e pedras preciosas em obras velhas:
il


DitCM (! FananOipof Oal*** (eir i da No*enilw fe* $71.
I


t
\
i
I
i
I
1
i
-,*-
BQ
i
UEIREDO ft LOPES.
64 BA DA UPERATBIZ \ U
Os propietarios deste importante e sympathico estabelecirnento de fazendas Anas,
2v2,8Wk0 resPeita.ve' Pblico e particularmente a sua numerosa regnezia, que o
E acaba de sortir-se de tndo quanto ha de gosto e moderno em fazendas Unto
1 hornees como para senboras.
E' ocioso citar que ot proprietarios di Toja do CYSNE naturalmente providentes e
2 .esPirito al**n>ite conciliador dos interesses alheios com os seos, teem sempre
legrado e magnifico systoma de offerecer venda fazendas de todas as qaaUdadei e pre-
coa relativos de forma qoe fcilmente podem fornecer artigos de sua casa accommodados
a todas as fortunas e meios.
E sobre todas as coftreoiencias e meios preferivel comprar no CYSNE em con-
eqnencia da sinceridade e barateza com que negociam es seas proprietarios.
No loavavel empento de jostificar as suas operacSes convidam as Exmas. familias
a visitar a sympathica loja do CYSNE chamando as attencSes do publico em geral para
u Mgointes especialidades e precos.
ikV t
AC DE TRIESTE
LEFTE C0N1MSAD0
COGNAC FINO
A' ra da Cruz (Bom Jess) n. 68
PARA N01VAS.
Veos, capeHas, sedas e popelinas orancas
de edres, goHas, penhos e camisas bor-
dadas, todo caprichosamente escolhido e
pira varios preeos.
CRETONE BAPTISTE.
Fazenda lisa de orna s cor, de cores di-
verts, pan vestidos e tambem propria para
sombras.
CAMBRAIAS
Transparentes de 8 1/2 varas desde
S50O at 85 a peca. Victorias maito finas
de 45 at 85000.
CORTES BORDADOS
Fazenda branca de delicado bordado
oaiios presos acompanhada do competente
gnrino*
LAS
Variadsimo e rico sortimento desde a
lia lisa barata de 45 at a de listtjs de seda
m.is cara qoe pelo preco qoe vendemos
por assim dizer de graga vista do gosto
qnaiidade.
BAREJES
Lindos padres aos precos de 360 e...
400 rs. o covado.
SAIAS BORDADAS
Ai qne o CYSNE vende s5o bellas e su-
periores.
LVAS
As melhors e mais procuradas lovas de
Jonvin, brancas e de cores sio as qne o
CYSNE expBe a venda.
BALES
De eretooes com babado e bordado, di-
to* de arcos a 10500, pechincha sem rival
no genero.
CHITAS.
Completo e grande sortimento de todos
o presos de padroes modernos e cores fl-
us.
GROSDENAPLES
Finos de todos os preces e larguras s
CYSNE pode vender barato-
FLANELLAS
De cores e branca de 500 rs. at 5300
covado.
LPICAS
Lanadas de 500 rs. a i JOCO o covado,
especialidade do CYSNE qoe n3o corita com-
petidor.
MADAPOLOES
Francez de 24 jardas de 85 at 10,5000,
irjglez de 50 at 8)5000, e muito fino.
DAMASCO
Com 8 palmos de largura, dito estreito.
CORTINADOS
Para camas e jaoellas de todos os tama-
nhos, cambraia para o mesmo fim de 20
varas a 10,5 a peca.
ATOALHADO
|, Da linbo adamascado, dito de algodo
muito finos, bramante entrabado e liso, e
barato- s o CYSNE vende.
GARDANAPOS
Grandes e pequeos.
SETINS
Para todos os precos e diversos pa-
droes.
PARA NOIVAS *
Camisas bordadas, peitos colarinho e
punhos lisos.
PARA LUTO.
Merinos, princezas, alpacas, cantSo, bom-
basinas, chitas, cambraias etc., etc., por
precos qne s o CYSNE vende.
PARA HOMENS E MEEINOS.
Brim pardo a 640, 840 rs., 15 6 1)5500
o metro, gangas de 400 e 440 rs. o cova-
do, e tambem temos o afamado brim de
angolla.
CHAPEOS DE SOL
Para homens e senhoras dos melhors
fabricantes da Europa.
FILOS
De seda, ditos de linbo, pretos e bran-
cos e mais baratos que em outras loja.
MEIAS
Para todos os tamanbos e qualidades.
CHALES
De merino lisos e estampados, pretos com
franja de seda, ditos com franja de 12a es-
I pecialidadedo CYSNE
* 1 TL ti
w
g
a
P
I

-t,a|9B.>lk
S 8 Si
i *'

i ^cuauuoucuu jiu.iu.
^y'-'' os nossos fregueze3 termos siao om pouco extenso na narrarlo de al-
eudas novidaaesTTois com q'uanto seja nosso lnteresse tambem o dos nossos fregu-
qne querem e gostam andar na moda.
Ra la Imperatriz n. 64.
IM

FIGEIREDO LOPES.
I
JOAQUIM
LOPES
MACHADO ft C.
Travessa do Corpo-Santo n. 25


ARTIGOS AMERICANOS
Cylindros para padaria.
Carros de mi para conduzir fazendas.
Mechinal para deecarocar algodo.
Polias de diversos tamanbos.
Canos de ferro galvanisados para enea-
namento d'agua.
OBJECTOS PARA CARRO
Oleado preto para guarda-chova de carro.
Dito de cores para forro de dito.
Cbicotes para dito.
Ponas de langa.
Gales de seda para o forro de dito, es-
treitos e largos.
Pregos de cabeca de marGm.
Escovas para dar graxa.
ME' DOS SANTOS t IUIM
19 Ra Piimeiro de Marco 19
Tendo renovado completamente a loja do predio, em que teem o seu es-
tabelecirnento,
19*=A ra Prmeiro de arqo19
com aquello asseio e elegancia desejave', acbam-se agora prvidos do mais
explendido sortimento de fazendas finas e moderna? de
SEDA, LA, LINHO E ALGODO
todas do ultimo gosto, e continuam a ter como sempre, diversos
ARTIGOS ESPECIAES DE SUA GASA
Garanten!, com toda
a sinceridade, vender
por menos que qual-
qoer outro, porque
recebem em direitura
a maior parte de suas
fazendas.
19 RA I." DE MARCO 19
(Anliga roa do Crespo).
-



doat cenital de sella, Modo ara castanbo* de
frente aberu, bstanle gordo, andador de baixo a
meio, e oitrp mellado, de crinas branca*, muito
bom baixelf : os pntendentes podem ve-los-n
ntt de Riaebuelo, eaa de Vicente Ferreira da
Costa, das 6 as 8 boras da manhaa e das 3 as 6 da
urde.'
E. A. Burle tt d, em seo arroaiera a roa
da Cruz a. 48, vendem a precos maito em coota
p?ra acabar :
Ladrilhos de marmore.
Taboas e degros de dito.
liaan oommom.
Hanoi [&
Fio de vela.
fiogoae fino em caixa e barrfs de vidro."
Vinbos de Brdeos finos e ordinarios em caaxas
e beiTie.
Licores em caixa. ,
Prctas em conserva.
Ateita doce em eaitaf. ________
Predios .y^niia
Vende se dona sobrado tumos com jardim ao
lado, asim como doui te/renos, am ao lado de
um dos predios, a oatro defconte, situado na tra-
vesa de Joo Feraandes Vleira, vulgarmente cna- [
mado do Padre Inglez : a tratar o eserlptorio de .
i, P. Joboston & C., ra de D. Mari Cesar n. **.-*
^nca se vio om processofmais perfelto e qoe at
s;a de tal forma a satisfazer as exgeselas mais
iteras da escripturacao.
4 ua cor lindissima e nao precisa decnida-
o alfnm para se conservar na tinteiro sempre
om a mesma cor, sem borra, crftsta, bolr oo sem
odas estas mazellas inherentes i todas as tintas
i* agora coobecidas, anda mesmo dos meinores
iteres esuaogeiros.
Sobretodo, este estimavel prodocto nao ataca as
unas de ac, antes pelo contrario, a peona
dqoire om esmalte dourado qoe,- sendo interes-
ante, asss. proveitoso.
SsU) tibta, nao seodo especialmente pan copiar,
constado daas, tres, ou mais copias-om .mes
spots de escripia ; preciso, porro, deixa-lhe
: papel bem molbado sem o ensogar com o matt-
orro, porque nao ba o risco de borrar. Pira se
frar vais de urna copia, oo se agf lomeram tan-
aa olhas quantas copias se quereai tirar, mas
a-s com o original tirar urna tantas quantas
udesejam, sem qoe o oilgical fimt' DreiodScado
iKu ttracSes. ^
OccoiTeMni diier ^ue, para- copiar imperta
Mita totelhgeocia e habidaie,sem. toe rme-
icr Unta nao salisfar, e o deeito reca* aomon
core a tinta, que monas veres qoem, menos
k dnpla qnaiidade desta tiola xtreitasBMte
jpraciajBL pois que evita- qoe om innkftrr su'
.riptorji baja mais do qoe orna tinta nan o di-
?rsosiBif teres.
Isqnanto sus darabiiidade, nao ha a oppSr
,\mmt dnrta pou qoe wt tntt dapois da es-
cripta soffre o choque de cidos fortissimos, sem
se decompr; ora, se os cidos nao lem accao so-
bre ella, muita menos a accao do tompo a pode
destroir; isto plaosrfel.
Nao s ao commercio qoe este mea prodocto
veio ser otil ; os profeseores dos eollcgios, investi-
gando todos os meios para o adiantamento dos
seos discpulos, tem approveiudo esta tinta, qoe
com razio a acharam apta para desenvolver o
goslo nos educandos, em conseqnencia da beieza
da cor e /actkdade de eorrer na pequea pela soa
liquidez. Ha exemplos de ensotas qoe havia
muito lempo tuiam ama repugnaaoia extrema
para a escripu, logo qoe fci admittida su tiou
no cohegio, atoderoo-ee deltas a coriosidade e o
gosto, e ponco tempo depois o seo adiantamento
era manitesto.
Esto tiota, par de Untas vantagens, ten m
onico inconveniente, deteriora-se ao conuoto de
ootra qoalqoer; cenvm pois te-la em tinteiro
isentos ao mecor vislumbre de ootra tinta, e evi-
tar escrever com a penna soja de orna preparad
differente e ioeompatiinl; verioumdo ieto, sdoi ha
raxio para se osar de Unta apa nao teja a VIO-
LETA EXTRA-FINA DE MUiNTElRO.
Observado.
Diversas (aieiiaaeoes semelbaneas tem appa-
recido, coja dorapilidade dovidosa. Os $rs.
compradores podem evitar o engao dirigindo-se
'casas circomspectas,i;e pediodo a tinta qoe eo
Miee
i. C MontrOf
BAZAR ACADMICO
13RA DA 1MPERATRK 13
DE
LYSSES & IRMKO
Neste bem conhecido e acreditado estabelecirnento, encontrarSo nossos amigos fre-
gnezes cigarros de palba e de papel de diversos ttulos e das melhors qualidades d
fumo. Charutos dos mais acreditados fabricantes da Babia e do Rio de Janeiro ; o bem
assim, ponteiras para charutos e cigarros, cachimbos de espuma, de porcellana, de ma-
deira de diversas qualidades, de looca e p de gallinbas muito finos a 24600 a dtizia,
amitos outros rticos que deixamos de mencionar.
Fabrica de cigarros.
Bem atiesta a sapericridade dos cigarros de nossa fabr-ca o grande consum o qne
delles tem bavido no interior e as provincias do norte. Com presteza aprt optamos
qualquer enccmmenda, remettondo-a ao seu destino.
BAZAR ACADMICO
^^3RA DA IMPERATRIZ13
r- / Ulysses & Irrrao
LOCA EVIDROS
NO
EMPORIO COHBCUL
15 Ra da Imperatriz 15

.
LYSSES & MAO
Tendo de chegar nm novo sortimento, e tendo desyffrer urna refjrma o systema
de negocio deste estbelecimento, seus proprietarios resolveram expor em ItquidacJo,
grande quantidade de pratos de louca, tijellas, apparelhos de looca para iantar e
almoco, etc.
Grande quantidade de copos de vidro fi-
nos para agua a 40200, 4o00e 4(5800 a
dnzia, clices de vidro finos para licor a
30000 a duzia, ditos de cor para vinho a
2|J500 a duzia, garrafas finas de vidro ba-
carat para vinho a 55500, U, 6500, 7*
e 75500 o par, bonitas compoteiras de vi-
dro a 6(5500, 75500 e 85500 o par, gran-
de e variado sortimento de jarres finos para
flores a 35, 45, 55, 65, 75, 85, 5, 105,
115, 125, 135, 145. 155, 165 e 185000 o
par, cbamins americanos'para candieiro a
25200 e 25400 a duzia, escarradeiras de
vidro a 3550O o par, globos para candiei-
ros de 15500 a 25000 cada um, lampari-
sna- com vidro para cima de meza, parede
aependurar a 15500. 15700, 25 e 25200
eddauma, bonitas quartinhas bambargnezas
a 45500 e 55000 o par, lindos palileiros
ce porcelana branca de 15200 a 35 cada
dm, bonitas canecas de porcelana com frizo
u esmaltadas para caf a 65000 a dnzia,
escarradeiras e copo de crystal de cor para
eavatorio por 35000, pratinbos de vidro
lpara copo a 320, 400 e 500 rs. cada urna,
sextinhas de vidro para passas, figos, etc.
etc. a 800 rs. cada orna, compoteiras de
vidro para doce secco a 25 e 25500 cada
orna, casticaes de vidro s para vela a...
15800, canecas de porcelana com tampa a
320 rs. cada urna, galbeitas de vidro para
missa a 800 rs. o par, caodieiros de vidro
com globos a 55, 145 e 165000 cada um.
E outros artigos que deixamos de men-
cionar ; e prevenimos a quem precisar com-
prar algom destes objectos que approvei-
tem a occasio de comprarlos por meos
20 % em razao de termos de liqui ial-os o
mais breve possivel. Roa da Imperatriz
n.15.
OLEADOS E C.VSEMIRAS PARA FORRO
DE CARROS.
Vende se oleado preto grosso a 25200
o covado. D.to cor de cinza a 15200 e
cor de caf, verde e preto a 15400 o cova-
do, para acabar.
Panno fino azul escuro a 35700 o covado.
Flanella branca ingleza a 15400 o cova-
do. Dita muito fina azul com duas largu-
ras a 25300 o covado.
Casemiras escuras e claras de duas lar-
guras a 25400, 25600, 25800 e 35000 o
covado, as quaes seera tambem para pa-
litot. No Emporio Commercial ra da Im-
peratriz o. 15.
CHAPEOS DE PELLO PRETO A 95000.
O Emporio Commercial est vendeodo
chapeos de pello preto para bomens a 95-
Ditos de castor branco a 105. Ditos de
palha e feltro tanto para hornera como para
crianca. Bonets de couro da Russia para
meninos a 15500 cada um. Chapelioas de
seda para baptisados de crianca a 25500,
35 e 35&00. Bonitas touquiohas francezas
de 13a para crianca a 800 rs. cada urna.
Chapelioas enfeitadas para senhora a 55,
65 e 75000 cada ma. Chapeos de sold
sida tanto para homem como para se-
nhora. Na roa da Imperatriz o. 15.
GRANDE ARMAZEM DE VARIEDADES
EMPORIO COMMERCIAL RA DA IM-
PERATRIZ N. 15, DE ULYSSES IR-
MAO.
Este novo e grande estabelecirnento con-
tina sempre firme em vender barato para
vender muito, e em conseqnencia de nao
haver ainda chegado algumas encommends
qne temos feito, e escaseo como se acha o
nosso mercado de artigos de gesto vende-
mos por mdicos precos os que se segu.
Soperior panno preto PII a 65 o covado.
Dito dito Brasil a 55500.
Superiores casemiras escuras e claras
para palRots, calcas e collete.
Bros brancos de linbo de 153(0 a 25600
a Tara.
Brim pardo a 300 e 560 rs. o covado.
Madapol5o francez e inglez de 55100 a
15|| a peca.
Grande sortimento de chitas.
Cortes com 17 covados de chaliz a 55000
a 45500.
Cobertores de la escossezes.
.Cokas de a'god3o branca e de cores ds
35',00a 45900.
Seditiha preta a 500 rs. o covado.
Dita branca a 6' O rs. o covado.
Cortes com 21 covados de sedioba de
listra por 255000.
Fronhas de grito a COO rs.
Alpaca preta sarjada a 500 rs. o covado.
dem branca a 500 rs. o covado.
Guardanapos de linbo para cha a 25600
e 35600 a duzia.
Ditos para jan'ar a 75500 a dozia.
Camisinbas bordadas para senhora a...
2500 e 35C0O.
Lindas caiubraias Imperatriz cortes de
10 jardas por 95 00.
Cortes de cambraia de salpico com 8
varas por 55500.
Tapetes grandes e pequeos.
Lencos de cassas para enancas a 1510
a duzia.
A'godao branco e de lista.
Peitos de esgnao de linbo para carni-
za a 15
Punhos o par a 800
Collarinhos finos a 500 e 600
Espartilhos bordados finos para senho-
ras a 55
Meias finas para bomem, senhora, e
enancas.
L5a fina para bordar Abra a 65
Carreteis de linba Alexandre a 80
Dita em duzia a 920
Aboluadura para collete a 120, 200 300
500
Ditas para ptrabos a 300 e 15
Papel de pezo, almaco e pequeo d
coros cm caixinha.
Latinhas de, banha a 80 rs. e em do-
zia a 900
Briucos pre 103 de borracha e alfinete a
800
BuffiQfc de duraque preto para palito
groza a 1800
Grande variedade de botos para palitot
e collete que se vende barato, -
Caixas com dez novellos grandes de
nba a 440
Dita's com 50 ditos a 050
50^pecas corflo de vestido 600
- Peca de fita para coz 440
Sabonetas transparantes finos duzia 600
a Colleres de metal 'fino para cha, dozia a
25000
Ditas para sopa a 45
duzia 55, 65 75 8|
105
Talbares de faccas
e 95000
Temos de bandeijas ovaes a
Ditcs lizas a <5
Sabonetes finos e iguaes duzia a 15200,
15500 e25
Caix?s de botSes de osso para caiga a
200
Sutaes branco, duzia a 280
Tranca de la e branca de caracol da^ia
a 560
Retroz preto e de cores, oitava 240
Carnizas de meia crua muito toas a 15
Sitineta de algodo de cores para renpa
de montara, e de crianca covadd a 500
Merino preto trancado a covado a 35300
Lencos de linhoem bonitas caixinbas du-
zia 55800
Lindas cambraias bordadas de lia vara
15000
Colxas de pello de lontra com duas vis-
tas a 145000
Crelone matisado para coberta covado a
700.
Grande sortimentos da perfumaras; um
bonito toyalet de vinhatico cora pedra mar-
more e vidro oval, om guarda roopa de
amarello ; seis cadeiras de guarnicio 2 de
ditas de bracos e duas de balanco, tudo
de Jacaranda massteo, proprio para nm
gabinete e vendem-se por mdico preco
por ser resto. Nao ser mo vender no
EMPORIO COMMERCIAL
15 Ba da Imperatriz 15
hjsies & Irmdo.____________

Chega
todos
para
PresBoloa e Lamego da superior qnaiidade a
400 rs. a libra e 880 rs. o killo :- era easa de Po-
pa A C., roa Estreita do Rosario n. 9, junio a
igneja.
YMde-e vinho da figneira e de Lisboa a
400 rs. a garrafa, e em caadas a 3, superior
carne dosero maito gorda a 360 rs. a libra, a
800 rs. o kilo e em arroba a 101 : na taberna da
roa da Swuala-Teiha n. IOS, esquina do Beeeo
Largo.
Vende-se
a loja de lonca da trra sita ra do Raogel n.
4 : quem a pretender dirija-Be mesma oa. pra-
ca da Independencia n, 33, que acbar cjm quem
tratar-
100 milheiros
De teltaas e iijolla|de todas as qualidade?, ven-
de se por meno JM em milneiro do qne em
outra qualquer paK na olaria da ra dos Pra-
" deJofc.Caru

S
xere o 30,
.fjarneiro da Cuaba.
I MUTILADO




Oan de> rrnamuo* Quinta eira t de Novembro de 187)
---------------
UTTERATURA,
OH IXDMM
>bu INGLZ. OE CHARLES SPRaGL"
m\ Ai pre 1. nxM. SR. DI). DE rililV.IHOa PAMA
^BTIMI K UU.NlUl.'ltM
.tilo, ir E aus I^H t>j <;rafl foto qd -UoatH pelaa flre> ,,, ;a ergaerrao* i ara i palavra, i ella i, ^ r < expulsa
1H tSS

imitado t W. siaUtVopesi
sos^^H
A bel'eza nao passa, realmente,
U-' um bem precario sempp, e duvidoso;
Ella semelha um lustre esplendoroso
Qaa brilria, o logo morre, decadente :
Oa Uor fiar, qae rourcha precozmente
HaJ despwita no pralo beninoso ;
Oa frgil vidro tenue e melindrueo,
Q o un leve tuque parte de repente:
l aorno o bem prdi 1, e o alagado
Lustre, e a mimosa ti >r iranareriserdi, ti
E o vidro ri'u a instante esaedacado:
Assim, dnzellas urna' vez perdida
A bille/.a n,"u> volu ao primj estado :
Qu9 os supeitlios postigos nao dao vtos.
Est captivo da iniquidade o supremo!
Postinee, o luccessor de Pedro g<
^^Kpio, como os flfcPul08h|
meram pelo sea amera as mflva
Oh
Oh! captiva/
ito 're Dos. Nao deses- gloria, para rolares
i.-.iueulasfl gora, lamentemos
/. iiuII *rei, maifaJal .$ tribu?,
pisar ufano, unjerioso,
Krtia esilWMear este* vireutes
: diiatadoi'pamp.'is ub-rt.-o !
(>.' no sos paes ehimavam-iro si-lvageiu...
SrrWfc'erBt Unjo po uuiriente e doce
T.ui.r- veles de ribo lies servir.
ti aelvagem lambe.:i nos o chamamos...
i*.>r DjusI Sajamos justo*. Peracrutamos
m .iMiroeuli seus vilipendalos
Eis ijud cnoa urna voz: a voz dos tmulos
Ol iu.i o elv[; tambem tra humano.
K pensaet qne elle nao senta amores t
'(*>u- quem com elle eslava, mutuamente
U-: IoI-isjm aiTm.1 a uri.l:ijr-Ihe 1
a uiuibar I a mullier, que:oda benca),
comparta va co'a preenja sua:
Oii f y* o Selvagom conga passaia.
IVnsacs acaso que elle nao ora va ?
, Iimtjooo e torvo rouijuejndo,
Itlam&awi o trova i peas alturas,
iJRM*0''faza aos eos ergaer os olhos ?
ri .U3 e -Selvagsia tambem alma tiaba.
" ......
o peregrino a causa eu loo. va, entanto
Ueixar nao puso de fallar pelo iuJio.
nos sorvamos, nos ubelecenioi
A'.- leii quo co registra, ? leis do Eteroj ,
lilla para a natura se volva t
Por um er.edo tavbam. Sol arquejados
ti eoncvus*imbor03 r.s bascamos
IV* meto da oracao o Dcus que noso;
SCile aroava o vagar sozulio e ermo
ivia breaos verde-negras invias,
i. all o Creador elle adorava.
ioal sentimos, tambem ell8 senta ;
im t SiO, tal como ros elle os Joelos
Terantd om Dus dubrava reverenla ;
:t lir-ardade, a mesma bberdade
Que nts idolatramos, o fazia
Defender anas plagas violadas.
4871.
4 i
fiUKCINtfClSMrtSTVSU.
E;tes suspiros meus que a fe anima
Vj buscar de astro em astro,
Um Deus qne me responda,
E de echo em echo, come a vez dos mares,
dolando sena parar, de mundo em mando,
Soar humild^menti: plantas tua.
Lrinwrline.-^Hijmni nontt.
da pvtilba
)rovac5o.
de

'




\!, elle va a pavorosa nnvem
i>ut sinna de crescer, e qae em crescendo
Yinha de arrebenlarprenhe de horrores-
sobre os oiteiros seus Ai, elle via
s ^ea3 i ponco e poaco denbando,
:^> as do airo iuvasor malignas vistas; .-
i:-1.iaulios ps iniqaos, conculcavam.
Uaa s.'U maioTM as ami las dazas !
S a inela nout-i, abanl)oando o leito,
E'le ergua se, oh dor, preseneiava
dua, oitr'ora feliz, pjbre cabana
X'mu mar de chammas crepitando horrivel,
60 que mais era! -a innoceutinha prole,
erebos ais raoribuolos exhalan lo...
,n r talo isto elie vi t e ealoujuecendo
.Vote qoadro to triste e doloroso,
Ei-toque para logo puna eatrega
itseumsculo feito I Piolada
Xao ha, com outorgada, nem pedida;
O brbaro invasor h\ de pir for^a
1-tiSir do sen torrao. das plagas suas:
Porque elle, resoluto, quer ameute
A tiberdade, a lber Jale, oa a m ji le.
Ite'ab't miierodelle Ealminado
Para semprecahij. Ja, como d antes,
Nos ttontes e na praias os seus '040$
.'\"iu vi>sb aqu; acra mais por sua causa
Salta uos bo-ques o espantado corso.
Ji tr machado cortada rotine
Km suas mattas virgem.^ o arado
!t caja as trras salea. Eslo cobertos
o- rio seus das velas iovasoras,
S i-cas esiao saas anajins fon tes ;
Eseus filhos... oh I vele os: opprlmldos
L.mge. aldm das mantanhas do Occidente,
Seus lilltos vo morrer........
........Oh I dupla perda !
Do olvido oespesso veo circumla, envolve
m seus triampnos e a3 desgranas suas.
.t'oatros paies. cujos ses de ha tnaito
i. resvallarara no sombro occaso,
) fulgor rtflectido dura anda;
O sabio e o bardo bao espalliado lazes,
i.nres riue oem se apagara, nem fe obumbram.
A.I, co as grimpas aceitando os ares,
ttwpeitsdo al do proprio lempo,
Eslo rail obeliscos atiestan!)
U.-3 Ilustres varoe- as grandes obras;
1$ nos, que ento nada eramos, nos mesmos
O.irsarao-nos all veuerabundos,
Asim conviado co'o geral consenso.
Mis... ai-do indio infeliz I... quera delle sabe
Nonlium ves'.igio seu algures resta,-
fenhara vestigio, qa slvalo possa.,
fassou co'a vida sui, sui forca ;
eos rasgos varonis, seus pensauentos,
Tu 1 > j ir. co'o seu cerpo sob a ierra.
Nem ajbranceira, daradoura estatua,
y'oriasa pigin-i aa futhro ^
>i recommendar,dandolhe n'elle
t.m grao sequr era preaiij do passado.
O seu hrazio,o seu brazo nao passa
De um arco espedagado, a historia sua
E" urna historia de alfrontas e miserias, '
o nome sea ignoto permanece.
fr'rii> co'o animaes morios \>or elle.
Elle dorrae da campa o somao eterno ;
-Sim o lamentara piedosas vozes,
\em d'eile acercam-se, e nem mesmo sabara
uando elle ao mundo veio, e qaando foi-se;
.t qae elle existi pela bocea
Do. sea conquistador sabido apenas.
Ente-lha o canto lgubre dos merlos
o adversario seo, o seu imigo I
CUrouica algama a barbara senienca
l(v de a Posteridade revelar Ihe,
Ah possa ella louvar saas virtudes.
E por seus fados olvidar seas erros I
ca-






1870.
Fr.kjicino Cismontano.
,y
A BELLEZA
(00 INGLEZ, DE WILLI\lf SHAKSPEARE)
V Francisco A. da Silya Reg
f.ktualmente no Rio de Janeiro)
EM 8IGNAL DE AMISADE.
Whdt is beaultj i
A belleza i... Nao, nao pasu
f)e nra bem ftil e demente;
E' vivazelhereo lastre,
Que se apaga de repente :
Tenra flor,, qae ao mesmo tempo
Brota e morre vacillante
Frgil vidro melindroso,
Qae se quebra n'um Instante :
Nao mais qae aro bem davidoso,
Nao mais qae um lastre apagado,
Nao mais qae ama flor sem vi^o,
Nao mais qae am vidro quebrado.
como os bens qae se perdem,
Har oa nanea sao achados;
E como os lastres extractos
Nanea mais sao atelados:
E como as faadas flores
itolam seccas sobre a senda,
E como os vidros quebrados
NIo podem mais ter emenda:
A belleza, ama vez marcha,
Para sempre est perdida;
Em despeno dos poscps,
Qae lio dio nem cor na vida.
PrARCWO CtSMWTAKO.
7.
O qiM tu s 1
Un mytho.
O que tu s ?
Utn sonbo.
O qoe tu s -.'
Urna flor qta fana.
Loa oo tea olaar s vezes a esperanca
as vezas a descrenga.
11 je o aoatimento, arnaaba o anceio
prichoso de um onhar impossve!.
Agora urna uuvern cor de rosa.
Logo a ntivetu da tormeoti.
(Jaeres e a5o queras.
K's e nao s.
Cri e desesperas.
E's um enygna.
Um io partido de urna oadi-ia de ouro.
A estrella fulg a do firmamento.
O astro danoule esplendida a esconder-
se na ^sombra de urna nuvem pardaceola.
O briHunte que luz.
A lapida de um tmulo.
O ser e o nlo ser.
A davida.
Un Jeroglifico.
O mysterio !
II
Serias a Norma dos Druidas.
A Diva dos Magos.
A Sybilta dos Gregos.
A Aimatlia d' s Romanos.
A rosa myslica de Jerasalem.
O collareocantado di Araba.
A Musa do trovador de Vdaeza.
A estrella cooluctora di caravana do
deserto.
E nida disso s t
O que s ?
Urna brizi da primavera.
... O terral do invern '...
O sim e u nao !
A aulrmacao do bello, a negaco da ver-
dad*, o sublime, o infinito 1
Porque iaotto o leu pensar, intitula
essa scisma que le trausporla dos pirarais
da te:ra aos trminos da creacio.
Lucida t que aspiras osufroir os perfu-
mes da cidade encimada dos seraphias,
para onde tua alma captiva qaer alar-se nos
arroubos de la imsginatjo ardeote.
Poetisa !
Visionaria !
Pbilosopba !
III
Hj maislle anglico em ten ser, do que
de mortal da proscripcSo humana.
O mundo te apavra.
E' eslra.to de mais para conter as aspi-
racoes d > ten espirito. Queres voar, po-
bre avosinha, mas as azas estao prasas oa
rede frrea do carcera da viji.
Liberdade I
Eis o tu sonlio.
Independencia t
Eis o leu alraejo.
Emancipaco e gloria I
Eis o maror de teos anbeiios.
Indigna-te a coodico sojeita da mulher.
A villa-te o abatimento do leu sexo.
Ravolta-te o poder brbaro do homem.
O positivismo do seclo, as conveniencias
egosticas da couvenrao humana, entontce-
te o cerebro.
Descrs I Desfaleces I Desesperas I
E la alma candida se conturba.
E o leu espirito se confrange.
E blaspbemas de Dos chamando-e o
anjodo mal!...
Feriram-te o corac5o, pobre posaba.
Na taga do crystal onde latvia o sueco do
bem, entornaram o veneno da culpa.
Gomo o relmpago fizeram a mutaco de
tua scena fulgurosa para a noute negra da
tempestado I
A transigi foi suprema !
Suprema foi a tua angustia !
Perdeste todas as esperancas, ecamba-
leaste beira dos abysmos !
Apagaramte o lume santo que te goiava
no teu dia, na tua noute, e na tua aurora I
As trevas te cercaram, o genio do male-
ficio ebtendeu sobre ti a sua aza fnebre e
sobre a tua fronte tluctuou o crpe da des-
ventura.
Vibrou ua pndula do infortunio a toa
hora de agona, e som lagubremente echooa
do fundo de teu seio.
O sol esconden de ti seu esplendor.
O co cerroa para teus olbos as cores
lindas.
A adversidade cegou-te, e as dores con-
sumiram las carnes e abalaram teus ossos.
Teus ervos se rebellaram contra ti, e a
tna cabeca penden enl .nguecida sobre o
descalvado de tea peito I
Volve os olbos a Deus, anjo.
Ora I
Elle o leu creador, n3o queiras, como
Lnsbel, ser precipitada no abysmo.
O camiubo doloroso o cadinbo das al-
mas eleitas; se lo soffres, Deus tambem
soffrea; se o flagello te tortora, tambem a
Ghristo torturaram seos algozes no patbulo
da Cruz.
E o caminbo por Elle tracado de espi-
nos e dores. E nesse camioo mu tas
truzes ficaram para os seas dilectos ber-
diros.
Aojo meo i Aojo mea! curva-te I -E' tea
senbor qae o ordena.
A propria cadeira do Apostolado est
abalada, os Albos de Satn aguilhoam o vi-
guio doCbrUlo na trra.
garamu.
Mas Elle toma
parque o bem 1
para como to, nao renega
sen pai, no inventario da
EEUe ser sgralo p
assira como foi ungido
terri.
Ai da creatara qne nlo ovjvo e 6#B^ior.
Maldito aquel ,^le o.lio er.
Ctirva-te, amo. ;
E toda a sombra que te eerct sar Hiz, e
toda a noute Os espirita tjue sssbbetbam teu leito,
creados por tua iaaagiaagIS "aufeaie, viojs
dos teus ollus dcscridos. fujirSo para aem-
prs, porque o SenWir eateoleri sstir ti o
seo braco aceroso. /artMaT ***&
E tua atoa eo rosei novena ir jinto
do throno de Deo, no aiul d> Paraizo.
entre auroras perennes cantar os bymnos
immortaes da poesia sagrada.
Ergue-te t
Levanta o tu espirito 1
Banba essa fronte delicada e formosa que
delira, as aguas vivas da f que verte a
cruz christianissima.
Ora I
Crr!
Espera i
IV
fu s como a corea que saH impetuosa
pelos rocheilos bravios.
Gomo a vealioha das 11 restas que se
arreceu do pastor.
Gomo a flor vermeiba da serra que os
occnit'a aos raiers do sol.
Bonina que nao qutr ser coinida.
Violeta que occolti seus perfumes as
folbas rateirsdo soto.
Mas Dos te v, te segu e le experi-
menta.
Porqoe tu foste eleita, e ponjae leu es-
pirilo oi conturbado para que ene saibi se
o tea coracito capaz de O adorar, d o
recebar, e se taa alma toar'da trra por
Elle bemdila para o seu verdadeiro reioo,
liberta da proscripto e remida da culpa.
O iniralgo te persegue, vence-o !
A tentaco te arrasta, s inveocivel !
O neceado te opprime, iortara-o !
Cr, er, aojo meo, e to sers salva 1
Teu anjo dileclosgU3rda divino das tais
horas, est junto te ti ; abrga-te sob as
azas braneai do arebanjo : e qual ser o
monslro, qal o poder qoe te colber, flor
mimosa do jardim terreno ?...
Toma a la harpa anglica, senla-le na
pedra que alli est beira-mar. deixa que o
sereno da noute baohe os teus cat ellos sol
tos briza ooclorna. O asiro msrencorio
atravessa a abobada do infinito, seos raios
refleclemso sobre tea rosto, macerado, e
alvejecem com o alvo do co, as dobras on-
dulante do teu niveo vestido.
Descerra as rosas dos taus libios, e dei-
xa qae um canuco sagrado santifique tua voz
encantada e argentina.
Cinta! canta, anjo meo I
Bemdi toseja o Sanhor que me pro va
na trra par i me elevar no co.
Bemdito seja o meu Deus qae me
distingui entre as creatoras, para ser pu-
rificada no mariyrio e santificada oo Pa-
raizo.
Bemdito seja o Espirito Divino^ qae
me torrara no careare d trra, para me K
bertar no jardim da Eternidade.
V
Qoe te importa a 1 que o carro ferril do
seculo, esmague na trilhi do Universo o
corac5o da hominidade ?
Que te importa qae na estrada frrea dos
humanos o fumo esconda o esplendor do
co, o nitrir do cavallo voador abale a na-
tureza, e acorde o echo nos reconcavos das
montanhas a as entranhas da trra f
Qua te importa o desmoronamento da
columna social abatida no sangua da gara-
(3o condemoada e maldita ?
Que o regato da iiiiqaidade^se transforme
em rio, o rio em torrente, a torrente em
ocano, e o ocano em diluvio ?
Qae as aguas subam ai o pice das serras
envolvendo os imperios como as repblicas,
as cidades como as familias ?
Que te importa, a li anjo, que os demo-
nios tripudiem as gargantas do Averno ?
Se toas azas s5o brancas, ae a ti nSo ba de
tragar o Yaidon, nem perdar a serpente ?
O teu seio aogelico.
* Ta s a acucena do valle desbrochando
aos raios da aurora* beijada pelo orvalho, e
querida da primavera. t
VI
Qaando teu canto exiinguir-se na qae-
brada dos outeiros; _
E o som arflando em torno dos pa'm;-
raes abalar at os cantores alados da ser-
rana ;
Quando a estrella fulgir em tea sem-
blante ;
E o calor de am sentimento extranho, o
extase do bem-estar indizivel, percorrer
tuas veas azuladas;
Qaando orna prece, a oraco de Mara,
ungir o bolSo de rosa qae te cerra os
labios virginaes;
E o corceo tiver a pulsaco do bem;
E a alma a impress3d da f ;
E o seio a jcreDca, a coragem, a espe-
ranza...
Ah Ento, ta sers salva I
Teas olhos, qae Deas fez formosos para
admirar as maravilhas da creacJo, se eleva-
rao ao co. Tua bocea prononciara o seu
Ion cor.
E o tea p delicado pisar com a forca
de toa crenca o inimigo rojado s toas
plantas.
Rasga pois essa venda qae te atravessa
a vista.
Sacode da fronte essa corda de espinos.
Eleva-te ao pedestal de taa gloria,porque
tu s a filha de Deas, e Deas nao te creou
para perder-te.
Astro I Fulge no tea firmamento.
Flor Y Desabrocha no tea Jardim.
Arebanjo I Volve ao reino de tea Deas.
VII
Raiar eoto para ti ama nova aurora.
Um nov sol.
' Um novo dii-
E orna noote nova.
Teas olhos terao ama nova luz.
Teas labios um novo balsamo.
Taa voz om encanto divino.
As ideas, extravagantes e varias
em repooso tea espirito.
Taa fronte se coroar de gloria.
Tea seio ser cneio de f crenca
Tea coraclo de amor.
E o fulgir da esperanca esmaltar teu
olhar, e colorir loas faces t
Vitars ds
voz do Senho
de Dus para qua
cutar-le no banquete da
na espiral dos impos
sXrlslr
Tu, sua filha, sua imagem, sua eleita ?
[referirs ftlner .as flores ephemeras da
vida, esgarrar is redas e as se Jas nodoa
das So Tdxn. eotboflasmar a mullido com
ti esoectacolo da tua miseria ?
S;r melhor pisar coras que uo duram
du;s auroras, crijuistadjs palo sa;rioio
de teos brios, de teu nome, de-loa rsfl-
gi5o ?
Cega I
Sers acaso a captiva dos homens, tu, a
ter va. tie Deus ?
Snr4ia !
Sers acaeo l) desgranada que te era
Dn3gue o vinho corro>t.>r da infurti, qaan-
do podes bbar o nctar delicioso do co?
Insensata l
Queimar-te-bas inleira na fo^ueira di
culpa, na sede insaciavel do mal ?
t- VI
Nao vs,' quaado "aurora descortina o
Orient, a magostada d < Suhor 1
Nao ouves os bymoos dacreafo cantando
as glorias do Arlefactor desta maravilha
E qoem cania ess:s bymnos, anjo ?
' Q(ien|g)s afiaa ?
SSo o alados e plomees filhos das flo-
restas.
S.lo as geraroas, sSo as ftmias, al as
dos barbaros, praalradas diantedo sol qua
nasci e qoe se deita. enviando s alturas
iyllabtt dessemefi ules, mas que lodas tra-
d-jxem um principio, urna verdade. eterna
como o tempo, grande corno a immensidade,
loria como a Omnipotencia.
E essa verdade,
Essa fortalez,
Sabes qual anio mea ?
Deus I Deis I-Deus %
Deixa pofs a scisma e:n qae teu ser se
perde, eleva teas olhos luz real.
Descanca no Senbor.
E vers que tua alma' desprendida dos
liames da trra, livre, deitando no p o p,
com a sua soostaocia divina, atravessar as
novens. rasgar o espacio,^ adejar as re-
gioes ethereas onde o dia pereuae, e a
gloria verdadefra.
Aojo I Anjo meu l Ergue-te I
Banba a fronte anglica as aguas lus-
traes d Eternidade.
Julho de 1871.
Dr. Jos Tito Nabuco de Araujo
VARIEDAD
entelo brasllelro
LWTA DOS SENADOnES POn ORDEM DE ANTI-
GUIDADK.
OS
O
O
o

1
11
deixarSo
Yisconde de Sapucaby......... 32
Visconde de Soassuna.......... 32
Visconde de Itaboraby-----..... 27
Duque da Caxias.............. 2t>
Visconde de Abaet......-----. 23
Francisco Antonio de S.nza Quei-
roz.. < m................. 23
Bar5o do Rio Grande.......... 23 -2
Francisco de Paula Pessa...... 22 10
Barao de Pirapama............ 21 6
Jos Martins da Cruz Jobim..... 20 5
Barao de S. Lourenco........ 20 5
Birao de Muritiba............. 20
Gabriel Mendes dos Santos...... 20 2
Viscoode de S. Vicente......... 18 6
BarJo das Tres-Barras......... 18 5
Barao de Antonina............. 17
Jos Ignacio Silveira da Mbtta. 16 6
Bernardo de Souza Franco...... U> 4
Frederico de Almeida e Albuquer-
que....................... Ia
Baro de Cotegipe........... IS 5
Carlos Carneiro de Campos... 14 6
loo Lios Vinra Cansanc'de Si- |
nimb..................- .14 6
Bar3o de Itana.............. 14 6
Jos Pedro Das de Carvalho-'- 13 11
Jos Thomaz Nabpio de Araujo. 13 5
Antonio Omte de Cerqueira a Mello. 12 7
Baro de Camargos........... 11 O
Firmino R3drigoes Silva........ 10 6
Bario ddMaroim............ 10 5
Visconde do Rio Branco........ 8 10
Thomaz Pompeu de Souza Brazil. 7 9
Zacaras de Ges e Vasconcellos.. 7 8
JoSo Luslosa da Canha Paranagu. 6 9
Antonio MatcelinoNunes Goocahes O 6
Antonio Pinto Cbcaorro da Gama. 6 4
Francisco OctavUno de Almeida
Rosa...................... 4 9
Bar5a do Bom-Retiro.......... 4 9
Francisco de Paulada Silveira Lobo 3 3
Visconde de Gamaragibe........ 2 5
Francisco de P. de Negreros Sayo
Lobato.................... 2 5
Jos Bento da Cunha Figueiredo.. 2 5
Bario de Mamaoguape.......... 2 5
Francisco de Salles Torres Homem 1 6
Jeronymo Martiniano FTgueira de
Mello..................... 1 6
Domingos Jos NogueiraJaguarihe. 1 6
Antonio Rodrigues Fernandes Braga I 6
Ambrosio LeitSo da Cunha...... 1 6
Joaquim Antlo Fernandes Lelo... 1 5
Joaquim Delfino Ribeiro da Luz.. 1 5
Jaciotbo Paes de Mondonga..... 6
Joaquim Jeronymo Fernandes da
Canha................... 6
Loiz Antonio Vieira da Silva..... 6
Candido Mendes de Almeida..... 6
Francisco do Reg Barros Barreto. 6
Alvaro Barbalho Ucbda Gavalcanti. 5
Titulares tM senado.
Daqoe................... 1
Viscondes com grandeza.... 7
Bat oes com grandeza...... 7
Bardes.................. 8
VIDA SENATORIAL.
Mrquez de Olinda............. 32 9
Antonio da Caoba Vasconcellos... 32 6
Nicolao Pereira de Campos Ver-
gneiro.................... 31 S
Mrquez de Valenca........... 30 5
Francisco de Paula Almeida de A'-
boqoerque................ 29 10
Visconde da Pedra-Branca...... 29
Manotl dos Santos Martina Vallas-'
qaes...................... 27 3
Jos Martiniano de Alencar...... 27 1
Antonio Luis Dantas Barros Leite. 27
Jos da Sil? Mafra............ 26 9
Jos Saturnino da'Cosa Pereira.. 26
Antonio Monteiro de B ir res
de Pid
lo le da Congonhas do C oo.de da Marangoape....... 25
Mirquez do branles 25
Visconde de Albuquerqne...... 25
B iro de Monte-Santo.......... 24
Manoel Ignacio de Mello e Souza,
Baro do Porttal............ 22
Mrquez de Iiantaen........... 22
Marqujz da Marica........... 22
Visconde do Rio Varmelho...... 22
Jos Joaquim FarnaadsTorree.. 22
Patricio Jos de AheMa eSilva.. -21
Mvie! Carvalho Paes de Andrade. 21
Mrquez de Baepemiy......... 21
Visconde de S. Leopoldo....... 21
Cassiano Espiridio de Mello Mat
tos....................... 21
Conde da Boa-Vista............ 20
Mrquez de Paranagu......... 20
J >3o Evangelista da Faria Lob to. 20
JoSo Carlos M yrink de Almeida
Ferrao.................... 19
Mrquez de Monte Alegre....... 19
Mrquez de Liges............ 18
Visconde de Jequitinhonln...... 18
Francisco de Paula Sjuzl Millo 18
Amonio Vieira da Sol lade..... 13
Loarenc'i Rodrigoes de Andrade. 18
Visconde de C ravellas ...-..... 18
Manoel Felizardo de Souza e Mello. 17
esconda de Alcntara......... 17
Mrquez de S. Joo da Palma... 16
I) Nono Eugeaio de L sso Seib ilz 16
Jjs Manoel da Fousoca........ 13
Francisco da Lima e Sil va...... 16
Frederico Carneiro de Campos.. 16
0. Manoel de'A'sis Mascarenbas. 16
Candido Baplista de Oliveira.... 16
Manoel Caetano de Almeida e Al-
buquerque................. 16
Mirqcez de Barbacena......... 16
Visconde do Uruguay.......... 15
Jos Joaquim Nabuco de Araujo.. 15
Jos Antonio Rodrigues de Car-
valho ..................... 14
H-rculano Fsrreira Penna...... 14
Mirqu-z da Paran............ i
Euzabio de Qaeiroz Coutinho Ma-
toso Cmara............... 14
Baro da Quaraim............. 13
Sebastio Luii Tinoco da Silva.. 13
Visconde de Sepetiba......... 13
Pedro J >s da Costa Barros....'. 13
Jos Thomaz Nabuco de Araujo.. 13
Angelo Carlos Moniz .......... 12
Jos Ignacio Borges........... 12
Visconde de Uberaba.......... 12
Jos Teixeira da Malta Bacellar.. 12
Bernardo Pereira de Vasconcellos. 11
Baro de Caeth.............. (1
Jos Clemente Pereira........ 11
Joaquim Francisco Vianni...... II
Jos Joaquim de Carvalho...... 11
Marqoez de Inhambape....... II
Baro da Uroguayana......... 10
Bento Barroso Pereira.......... 10
Jos Antonio da Silva Maia..... 10
Mrquez de Camellas......... 10
Diogo Antonio Feij........... 10
Alfonso deAlbuquerqueMaranho. 10
Francisco dos Santos "Pinto...... 10
Mrquez de Jacarepagu........ 10
Jos Bento Ferreira de Mello.. 9
Joo Pedro Dias Vieira......... 9
Visconde de Cayr............ 9
Manoel Ferreira da Cmara Bit-
tencourt e S.............. 9
Mrquez de Queluz............ 8
Mrquez de Nazareth.......... 8
Xalonin Cnncaluaa Comida...... 8
ealafro 'elctrico. O cipitao Tavs ,
muitos anuos, cenhecido como o melh
t
7 _
6 atirador de pistola d03 Estados-Unidos, a
1 nabilidade que executou no theatro mostr.
qoe aiodi conserva loda a sua destreza.
Ir
REQUIKTE DE CIVIUSACO.-Va ser
inaugurado em Pars um novo club. A ori-
8 ginaldadodo seufimlorna-o dignodomea-
8 cao. Este club de re ter a denomicaco de
5 Club dos Opiophilos. A tristeza dos tempes
2 qae corraos, a necessidada da snbtrahrse
1 i reaiidade, eis o ana Iha deu origem. Acha-
8 se estabelecido n'am elegante palacio do
t> bairro do Arco do Tnumpto e guarnecido
6 com um gosto exquisito. N'ama. gsleria
1 toda ornada de l'estoes I de astragalos, en-
contramse camarina da mais aparada ele-
gancia, cojo movel principal um canap
osadamente acolchoado. A' cibeceira de cada
am doi canaps fica urna lamparina dasH
n so em que o fumista aspira. Alm disto,
ha em cada camarina om criado, amestrado
no offisio, oncarregado d auxiliar o opio-
philo em todas as minucias da operacio.
Cada meaibro, tem por obrigaco consignar
em um registro as sensatos que experi-
menta durante o xtasi produzido pelo opt.
Constituir isso o memorial do club que
ser publicado aonuaimente.
8
10
9
9!
9
8
5
5
4
2
4
10
6
I
8
6
Francisco Brilo Guerra.
Luiz Joaquim Duque-Estrada Por-
tado de Men longa...........
Estevo Carneiro da Cunha.. .
Jacintho Furtado de Mendon?a.. .
Visconde de Macah..........
Francisco de Souza Paraso ....
7 6
7
7
6 9
6 8
REAPPARICAO DOJUDEU-ERRANTE.
Dapois de 97 aonos de ausencia parece que
o Judeo-Erranle tornara ltimamente a mos-
trarse n'um p queno povoado prximo da
Aotoer.ia.
Segundo o Soitih Side Stgnal de Babyloa
(Nova-York), o infaligavel viajante a tra vas-
son a piar;a do nv.rcido di povoacao, can-
sando a maior sorpreza aos circumstantes.
Ao velo com o u vestido romano dos
primitivos lempos, o bculo tradicional na
iu3o. e dascalco e com a barba crescida
acootala pelo vento, os adultos fugiam es-
pa litados, emquanto qoe alguns meninos o
furam saguindo at ao fim da fregoezia,
onde, damorando-se a terrfica figura, Ihss
disse que se fossem enibora, e qae disses-
sem ao povo qoe appareceria um novo so-
berano na Europa, qu-i bavia conquistar a
Blgica, a"Hollanda e outras nages; que o
presente auno seria de muitas vicisitudes,
que muitas cabegas, agora tranquillamente
altivas, havi.m de cahir antes que comecasse
o anno novo.
T-ndo-lhe os meninos perguntado o sea
nome, dsse-lhes: Nao tratis de, o saber;
j aqu estioi ha muitos anuos, e ainda hei
de collar.*
O jornal d'onde tradozimos estas noticias,
e que sem duvida sabe a historia do Judeu-
Errante, diz que elle fora visto em Bruxel-
las no aano de 1774, e qae antes passra
deas vezes por Strasburgo, a primeira em
1380 e a segunda <-m 1589. O que, porem,
admira que antes passavam-se scalos sem
que elle apparecesse agora apparece em
Antuerpia amda antes de fazer um seclo
de ter passado por Bruxellai t
O RE DO XADREZ.Secondo um jor-
nal allemo, reunio-se na cidade de Crefeld
(Prussia) um cougresso de jogadores de xa-
drez. Entre os enviados das djfferenles so-
ciedades de xadres encontram-se dua i cele-
bridades, o Dr. An^oaon e o Sr. UnJaen.
Esta ulfimo sem conestago o melhor jo-
gadbr de xadrez, exornando ^ar freqoen-
dez mesas do jogo, oceupadas pelos melho-
res jogadores, tendo um ajudinte era cada
mesa. Paolsea jiga de memorias as dez par-
tid s, e ganha regularmente destas sete on
oito partidas.
Bispo capello-mor............ 6
Mrquez de Santo-Amaro..... 6
Jaroqymo Jos Viveiros........ 6
Joo Antonio de Miranda....... 6
Manoel Antonio Gal va >....... 6
Jos Caetano Ferreira da Aguiar. 6
Francisco Jos Furlado........ 6
Teopho Banedicto Otloni...'. .. 5
Jos Rodrigues Jardim......... 5
Francisco Diogo Pereira de Vas-
concellos.......-.......... 5
Manoel do Nascmento Castro e
Silva................... 5
Mrquez de Aracaty........... 5
Joaquim Vieira da Silva e Souza. 4
Antonio Coelho de S e Albu-
querqne................... 3
Antonio Augusto Monteiro de
Bastos..................... 3
Paulo Jos de Mello Azevedo e
Brito..................... 3
Jos Custodio Das........... 2
Joaquim Franco de S......... 2
Domingos da Motta Teixeua .... 1
Mrquez do Sabara...........
Lucio Soares Teixeira de Goava. 1
Antonio Jos Duarte da Asevedo
Gondim...................
Marqaez da Praia Grande....... 1
Antonio Carlos Ribeiro de Andra-
de Machado e Silva..........
Visconde da Cachoeira.........
Joo Jos VieiraRamalho... .
Luiz Antonio Barbosa........a
Francisco Xavier Paes Birrete..
Saturnino de Souza e Oliveira...
Luiz Corroa Teixeira Braganca..
I
6
6
6
1
9
1663 6
O numer dos senadores fallecidos, sen-
do de 122. o termo medio da vida senato-
rial de 13 aonos, 7 ornes e 19 dias.
NOVA EDICAO DE GUILHERME TELL.
O celebre atirador, capito Tavs, acaba de
execatar una proeza qae revela um sangae
fro e urna destreza sobrehumanas.
ltimamente, no theatro-comico de Cle-
veland (Ohio), tomou por alvo e traspas-
80u urna magia collocada sobre a cabega
do Sr. Manrique Miller. No momento ajus-
tado foi o Sr. Miller postar-se n'uma ex-
tremidade do scenario ; o capitSo Tavis
acbava-se sentado num camarote 12 pas
sos de distancia. Levantou a pistola, apon-
too, e a magas foi atravessada bem no meio,
mas sem cahir da cabega do Sr. Miller.
Nao se sabe o que mais admirar; se a
certeza do caplo Tavis, oa a calma ad-
miravel do Sr. Miller, o qual cooservon tanta
presenga de espirito, como se estivesse
mesa a jamar; ao tempo em que o menor
desvio da bala podia fazer-lbe saltar os mi-
los. O Sr. Miller descreve a sensago que
experimentou emquanto esperava o tiro.
Senlia-se paralysado por nma especie de
fascinago, e nao teriaj podido mexer-se,
anda mesmo qae o qaixesse. No momento
HORRIVEL 10 segointe fado, que de-
nota ao protogonista sentimentos brataes e
selvagens, aconteceu em povoacao iegleza.
Um carvoeiro, tendo tido altercacoos com
sua mulher, fechou-lbe as portas da tasa de
modo que ella nao podesse escapar-ie nem
disso ter a menor esperance, e tepois pro-
vocou um grande bqll dog a accommetter e
a despedagar a infeliz mulher.
Os pormenores daqoella Juta desesperada
com o animal eoraivecido, que forara postos
em evidencia perante os magistrados, sao
horriveis e vo alm de qualquer descrip-
gao. Fot atrozmente mordida a desgragada
em diversas partes do corpo pelo co. Por
ultimo, j horrorosamente rasgada, o por
todos os lados escorrendo sangae, conse-
guid fagir da casa.
O marido foi preso.
O cirurgio declarou qoe reoelava pela
existencia da victima, e'deveriam decorrer
algumas semanas antes qae a podesse do-
clarar completamente livre de perigo.
O aecusado foi sentenciado a seis mezes
de prisao com trabadlos forgados; e no fim
daquelle tempo obrigado a dar ^oica de
paz por mais seis mezes.
Accrescenta o jornal que da esta te-
trica noticia, que este o castigo mais
severo qoe a le d em um tal caso ; o
qual o juiz do tribunal declarou ser o mais
brutal que tinba ouvido at ento I
Talvez circumstancias attenaantes, nao
mencionadas na noticia qae recebemos, ae-
[*crescenta o jornal, foram sabidas dos ma-
gistrados.
CATASTROPHE HORRIVELa Inde-
pendencia Belga conta ainda mais nma ca-
tastrophe terrivel, devida estapidez de
pessoas qae fazem uso de petrleo.
Madame K... levantou-se, das 3 is ida
manha, para aquecer as sopinhM de sea
Qlao, e commettea a imprudencia de deitar
no lame, para o fazer avivar, orna porco
de petrleo. As ehammas i inmediatamente
se communicaram vaailba qoe con inha o
liquido, e a infeliz mulher ficoo I
berta de queimaduras. Sea marido isles
saltoa di cama, tomou saa nmlber seos
bragos, e deligenciou apagar as cbi as,
chamando por soccorro.
Os seui gritos foram ouvidos (W osi-
nbos que logo foram chamar o 1
passou o resto da madrugada a tratar da
misera, que morreu algumas horas depois,
no meio de soffrmentos atroses.
O marido, pala saa parte, tambem ficou
bastante qoeimado, quando dili
gar o fogo qne rodeava saa ep
ESTATISTICA MEDICA. C
Rassa 1 medico para cerca de
hitantes; na Altrnanos, i para 3.000; na
Franca, 1 para 2,600; na GiBretanba, |
para 2,550; na Italia, 1 pira 2,200; no
Holstein, I para 2,1(0; em Iftilbrirgo, 1
para 1430.
i

;

.
i
I

da detonagio r^correa-ibe todo o corpo om rtr.nit^^ wqui w cniui
r

MUTIUIO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EETW5IG5B_5QLTBK INGEST_TIME 2013-09-19T22:01:04Z PACKAGE AA00011611_13125
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES