Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:13119


This item is only available as the following downloads:


Full Text
B'U!W'

ANNO 'LViP. NUMERO 142
-
y
.<
MBA A CAPITAL I LfiABIS OILI KAO SI PASA POm.
Por tres metes adiaaUdos............
for sen ditoi idem..................-.
Por manilo dem...................*
Osdi mnasero itoIm ....,...........>
_ _^_ .iVj ____
I
6MD0
12,5000
I4#000
no
_
Os Sn. Gerardo Antonio Alveg & Filhoa, no Para ; Gonpvea 4 Pinto, no Maralo ; Joaqoim Jote do Oliveira & Tubo, no
Pareira d'Almeida, em Mamangoape; Angosto Gomes da Silva, na Parahyba; Antonio Jos* Gomes,
em Naxaretb ; Antonio Ferreira do Agniar, em Goysnna; Francino Tavares da Costa, fln Alagoas ; Abes d C, na Babia; e Leite, Cerqninho d C. no Rio de Janeiro.
SABBADO 22 DE JUNHO DE 1872.
PASA DimO I rOBA DA PB07IICIA.
Por tres tunes adiantados ,............
Por seis ditos dem....................
Por nove ditos idem...............
Por nm anuo idem .......... .......
17
MAMBUCO.
Propriedade de Maaoel Fi#ieira de Fara & Filhos.
Antonio de Lemos Braga, no Aracatv ; Jlo Mara Julio Chavas, no Ass ; Antonio Marqnes da Silva, no Natal; Jos Jottiaf
da Peona; Belarmino dos Santos Blelo, em Santo Antio; Domingos Jos da Costa Braga,
AVISO
Rogamos aos nossos assig-
nantes. que se acham em a-
traso nos pagament03 res-
pectivos, que mandem saldar
seus debito?, afim de evita-
remquelhes seja suspensa
a remessa do Diario.
PARTE OFFICIAL.
Cioverno da provincia.
J4 de maio de 1872.
EXPEDIENTE DO DA
Actos :
O vire-presidente da provincia, sob pro-
posta do Dr. chefe de polica, era offleio de 23 do
torrente mei n. 866, resolve exonerar Man 'el Tu-
riano do Res Campello do" cargo de subdelegado
do 1* dlstricto do termo de Bniqoe.
O vice-presidente da provincia, sob propos-
ta do Dr. ebefe de polica, era oBcio de 23 do
corrente nm n. 866, resolve comear o capital
Dorindo da Caoba Lima para o c: rgo de subdele-
gado do 1 districto do termo de Boique.Cora-
ra aaieou-se ao I) r. che fe de polica.
O viee-presidenie da provincia, attendendo
ao que requeren. Joaquim Mauricio Gong?lve Ro-
sa, capitao aggregado ao 2* batalbo de reserva
da guarda nacional deste mnnicipio, resolve con
ceder-lbe nm anno de lieeoga para ir a Enropa
tritar de sua sade.
O vice-presldeota da provincia, atttendeodo
a) que requeren Antonio Augusto Pereira da Sil
va, resolve conceder-lhe licenca para poder em-
barcar para o presidio de Fernando de Norooba,
no pnmeiro vapor da companbia Pernambucana
que para all seeuir, os gneros constantes da re-
iagio junta, assigoada pelo secretario do gover-
oo, nao podendo, porm, efleciuar o desembarque
dos ditos gneros sen) que por parte do comman-
dante do mesmo presidio | se proceda a exame,
alim de verificar se ha agurdenle ou oatra qual-
quer bebida espiritno3a. Os gneros devem ser
entregues a Francisca Candida de Jesns.
O vice-presidente da provinen, attendendo
ao que requeren o raajor Francisco Pi da Silva
Valenga, resolve nomear juiz commissario ad hoe
o nz commissario do termo da Agua Preta para
servir cm o juramento de seu cargo na aviven ta-
tas dos rumo i da sesmariaBarra do Ca-me-vou I
requerid pelo referido major, na parte em que
comprehende as trras de seu engenhoCa-me-
vousinho vista ter jurado suspeigao o respectivo
juiz commissario.Coramnnicon-se ao juiz com-
missario de Agua Preta.
O vicepresidente da provincia, attendendo
ai que requeren o alumno raestre da escola nor-
mal, Manoel Ferreira Goedes, e lendo em vista
a ioformagio do Dr. director geral interino da
instrneco publica, de 18 do corrente, sob o. 188,
resol re nomea-lo para reger Interinamente a ca-
deirade pnmeiras lettras da pooagii de Alaga
Grande, creada pela lei n. 831 de 22 de maio de
1468, mediante a graliQeagio annual de seisceo-
tos mil ris.
O vice-presidente da provincia, attendendo
a) que requeren o bacharel Joii Rodrigues Cha-
vas, juiz de direilo da comarca do Bonito, resolve
conceder-lhe tres mezes de lieeoga cora os respec-
tivos vencmsotos para tratar de sna saie onde
Ihe convier.
O vice-presidente da provincia, attendendo
ao que requeren Joio Rufino da Silva Ramos, re
solve, de conformidade cora o art. 150 da lei n.
369 de II de maio de 1855, nomea-lo para o la-
gar de mordorao do gymnasio provincial.Com-
municou-se ao regedor do gymnasio provincial.
OfQeios :
Ao commandante das armas, mandando ex-
padir suas ordens para que a Torga de 1* linba
que poder marchar, anida da guarda nacional
que nesta data posta a ana disposicto, se apr-
sente sob sea commando ou doofJfkial a qaetn por
lei competir, no dia 30 do corrente as 3 horas da
tarde em (rente da igreja matriz da freguezia de
Santo Antonio desta cidade, para aeompanharo
Sanlissimo Sacramento que era solemne procissao
lam de ser exposto venerado dos fiis pela ir-
maudade respectiva, sendo que expedia-se orden
ao arsenal de gnerra para fomecer mesma ir-
maodade, mediante Indemnisacao, o cartnxame e
capsulas necessarias para as salvas.Fizeram-se
as necesiarlas communicagoes.
\o mesmo, dizendo que, para curoprir-se o
disposto no aviso de ministerio da gnerra de 6 do
corrente juoto por copia, remella os balaocetes
al o Qm do mez prximo Ando, do estado das cli-
sas dos eonselnos econmicos dos corpos aqu
estacionados; afim de provideqciar-se acerca do
valor arbitrado para a etape e forragem no cr-
rante semestre.
Ao mesmo, mandando em observancia do
disposto no aviso circular do ministerio da guer-
ra de 30 de abril ultimo, providenciar para qae
as pracas de pret se recolbam inmediatamente a
seas respectivos corpos depois de terminado o
lempo das licencas qne porventura Ihes teobam
sido concedidas.
Ao inspector da thesonraria de fazenda, com-
rouoicando para o sea eonhecimonti e flos con-
venientes qae do aviso do ministerio da marraba
do 1* do corrente, jnnlo por copia.'.consia ter sido
approva la a deliberaco que tomoa a presiden-
cia de mandar pagar sob sua respoosabilidade os
vencimentos das guarniedes das eanhoeiras Filip-
pe Camaro e Henrique Dias, devendo essa th-
souraria incluir o mencionado pagamento na de-
monstragio qae exigi aquella ministerio era avi-
so de 26 de margo nltimo, relativamente a des-
pea eflecluada por coma da rubrica Forga
naval.
Ao mesmo, communicando ter assamido o
exercicio do jaizo municipal do termo de Santo
Antio a 22 do mez prximo passado o 1* sappleo-
te daquelle cargo, Maaoel Cavalcaoie de Albu-
ijuerque Sa.
Ao mesmo, eommooicando qne, segando
consta de aviso do ministerio da guerra de 15 do
correla, foi approvada a deliberaco qne lomou
a presidencia de mandar abonar por essa theson-
raria ao director do arsenal de gnerra a quantia
de 2001000 para aequisigo de obieetos iodispen-
seveis asa uabalbos das offleinas de ferreiro e la-
toeiro daquelle arsenal
Ao mesmo, recommendando que a vista das
[otilas, relacSes nominaos e preta jantos, mande
pagar a quem se mostrar competentemente auto-
risado, conforme soliciiou o commandante supe-
rior de Garanbans, os vencimentos dos destaca-
mentos da gaarda nacional em Aguas Bellas e
Assureraa, relativos ao mez de abril prximo
liado. Commnnicoa-se ao commaodante superior
de Garanbnns.
Ao mesmo, recommendando qae a vista das
tornas, reUcdet nomioae3 e prets juntos manda
pagar ao teoente Pedro Panlo dos Santos os ven-
cimento da fuarda nacional da villa de peiqoei.
ra relativos, aos mezes de fevereiro' a marco ul
timo.Commnaicouse ao commandante superior
do Brejo.
Ao"rneimo, commnoicando para sea eonhe-
cimento e flos esoveoieotes que por aviso do mi-
nisterio da agricultura, commercio e obras publi-
cas de 30 de abril ultimo, foi declarado ticar ap-
provada a resolnco que tomn a presidencia de
autorisar, sob en responsabilidad*1, a despeza de
400 eom o transporte dos livros necesarios
matricula dos escravos e dos filhos livres de mu-
Iher escrava para as eslaedes mais remotas desta
provincia.
Ao mesrao, dizendo qne, nao obstante as ra-
zdes expendidas em sen offlcio de 14 de correte
o. 319, mande pagar sob a respoosabilidade da
presideocia nos termos do decreto n. 2,884 do 1
de fevereiro de 186, visto nao. existir crdito pa-
ra esse flm, os alogueis de casas concedidas aos
officiaas dos 2" e 9* bataibdes existentes nesta ca-
pital, certo de que vai-se dar sciencia desta deli-
beracao ao Exm. Sr, ministro da guerra.Com-
mumcou-se au commaodante das armas.
. Ao inspector da tbesonraria provincial, man
dando pagar a Thomaz de Orvalbo Soares Bran-
dao Sobrmho, arrematante da obra do muro do
jardim do Campo das Princezai a quantia de.....
1131539), mencionada no certificado annexo ao in-
cluso requerrteme
Ao mesmo, mandando pagar a Jos Mara
Ferreira da Caoba, a vista do pret junto em du-
plcala, os veoiimentos das pracas da guarda na-
cional destacadas na villa do BomJJardim, relati-
vo ao mez de abril prximo lindo. Communi-
coa-se ao ecmmandamesnperior do Limoelro.
Ao mesmo, autor i? an Jo a mandar entregar
ao tenente quarlel-mestre do eorpo de polica An-
tooio Jos de Souza e Silva a quantia de 35*000
qae, como ajada de casto de ida]e volta, tem di-
reito o alferes do mesmo corpo Joio Francisco
da Silva Castro qne segua em diligencia para
Itambe conduzindo presos.=> Commanicon-se ao
comraaniaato do corpo de pollcia.
ao msmo, mandando expedir sna; ordens
no s Batid o de serem pagos a vista do pret junto
em duplcala os vencimentos, na importancia de
2I9600 Th, do destacamento da guarda nacional
existente em Agoa-Preta, coocarnenlas ao mez de
abril pretrito, devendo taes |vencimentos serem
entregues aBeole Jos de Ma:ed) Pogas para isso
radicado pelo eommaadaate saperior ae Pal-
mares
=- Ao mesmo, man lando pagar, a vista do cer-
tificado annexo ao incluso requeriraento, aos en-
genheiros Law e Blouot o que se estiver a dever-
Ihes, proveniente da ultima prestaco do sea con-
trato das obras snpple mentares da ponte do Ca-
xaog.
Ao ebefe da polica, maadandj) providenciar
para qae sejam capturados os recrutas Francisco
Cudoso das Chigas, Miaiel Gimes do Espirito
Santo, Manoel Vicente e Manoel do Mate Virgoii-
oo, que teado viado do norte, com destino a corle,
oo vapor Para, fagiram bootem a nonte de bordo
do mesmo vapor, i ajySj JSjSjSj^r^flfig^ 4oa
agentes da eeaa>iwl*walWP>pTWS)mBI
tado de hoja.
Ao inspector do arsenal de marrana, com-
mnoicando para sen conbecimento e fias conve-
nientes qae, segaodo consta de participado da se-
cretaria de estado dos negocios de marioba de 6
do correte foi io'deferido o requerimeoto em qae
Amonio Francisco Pestaa pedio ser nomeado pra-
(ico mediante a gratificagao measal de 2001 para
condnzir s provincias do norte os navios de gu-n a
que>aqui aportarem com destino as mesmas pro-
vincias.
Ao commaodante do corpo de polica, man-
dando por a disposigo do subdelegado do dislric*
to de Belem, 6 soldados e 2 cabos, do corpo eob
seu commando, para esiaciooaren em Bslem, Cam-
po-Grande e Tamarioeira, pootis de parada dos
treos da estrada do ferro de Oiioda e Apipa-
eos. Commuoicoa-se ao dootir chefe de poli-
ca.
Ao mesmo, dizendo qae pode eogajar no
corpo seb sea commando o*paizao} Jiao Maooel
do Nascimeoto, visto ter sido julgaMo apto para o
servigo militar.
Ao director do arsenal de guerra, declaran-
do para sea coohecimeoto e Gas convenientes, qae
em atleogo ao que requereram Bastos & C, fo-
ram nesta data relevados da multa em que mcor-
reram por (alta de curaprimento no contrato que
celebraran) com o cooselbo de compras desse ar-
seoal, deixaado de foroecer o brim braoco Uso da
marca qne se obrigaram ; sabsistindo qaantn ao
raais a deciss da presidencia comida em offlcio
de 13 de corrente.
Ao mesmo, mandando fornecer, mediante in-
demnisacao da mesa regadora da irmandade do
SS. Sacramento da freguezia de Santo Antonio
desta cidade, o cartuxame e o numero de caps o las
necessarios para aisalvaslque tem de dar a torga
qne acompanbar a procissao de corpas ebristi na
tarde do dia 30 do corrente.
A cmara municipal de Limo9iro. Para satis-
fazer o disposto oo aviso do ministerio da agricul-
tura, commercio e obras publicas de 2 do corren-
te junto por copia, informe a cmara mooicicipal
do Limoeiro acerca do ociase reqoerimeoto. que
ser devolvido, do bichare! Joo Gongalves da Sil-
va Monlarroyos pedindo privilegio para a extraego
de raineraes.
no vigario da freguezia de S. Loarengo da
Malta, acensando recebido o sea offlcio de 20 do
corrente, em qae participa ter no da anterior to-
mado posse dessa freguezia para a qual fora
provisionado pelo Exm. governador do bis-
pado. .
Ao eogaaoeiro ebefe da reparliglo das obras
publicas, dizendo qne mande fazer pelos empre
gados da coaservago, como propoz em offlcio de
20 do correla, os reparos, de que precisa a es
irada poblica oo lugar qae da commuoicago do
arrabalde Torre para o Rocife, e a e.-trada nova do
Casanga como solicitaram os respectivos morado
res.
Ao mesmo, dizendo qne dea sciente de ha-
ver sido suspenso por um mez eom perda de seas
vencimentos, o condoctor Joio Pinto da Silva, qne
abandonon o sen districto desde o dia 5 at o pre-
sente.Cemmnnieoa-se ao inspector da thesoura-
ria provincial.
A Associagao Commercial BeaeBeeote, acen-
san i i o recebimeoto do offlcio dessa associagao de
22 do corrente ao qual aeompanhoa ontro para o
Exm. ministro da rateada, e qae nesta dala tem o
conveniente deslino.
Ao jnlz municipal snppleate em exereieio do
termo de Santo Anto, dizendo em resposia ao seo
offlcio da 18 do corre Ha em que expde o motivo
por que nao teve lugar na 3' dominga de abril
prximo rindo a reuniao do cooselho de recurso
dessa tormo, que flea marcada a 2* domin-
ga de jacho viodoaro para aquella flm.
"Ao redactor do Diario &$ Pemambuco, duen-
do que, para satisfazer o aviso circular do ministe
rio da agricultura, commercio e obras publicas,
sirvam-se de remetter a esta presidencia amina-
mero do seu jornal dos mezes de Janeiro ou feve-
reiro ultimo, afim de ser enviado para a exposicio
internacional de speeimen typographioo, que. tem
de effeelaar-sefem Londres ao correte, caso qoei-
ram concorrer a esta pugoa inrtaitrial.
Ao thesoureiro da soeie da Setembro declarando, em resposia ao sea offl
oio de 21 do corrale, ter testa data autoriaado o
director da soeiedade dos Artistas Mchameos Li
no cofre dessa soeiedade para ser applcada
Lyceu de Arles e Offleios.
EXPEDIENTE DO SECRETARIO.
Offlcio :
Aos agentes da companbia de navegago
brasilelra, dizendo de ordern de S. Bxe. o Sr. vice-
presidente da provincia, qoe podera fazer seguir
para os porios do norte o vapor Para as horas de
cosjurae. _^
EXPEDIENTE BO DU 25 DE MMO DE 1872.
Aetos : *
O vice-presidente di provincia, a vista do of-
flcio do Dr. ebefe de polica, n. 892 de 27 do cor-
rente, resolve exonerar das lasares de Io, 2, 3o e
cidade episcopal, assnmiido hoje a regeoci da
ima disco-e. Pago sinecros votos para que Y.
e. Revra. seja muito feliz na adminfsiragao desta
ese, e, agradeeendo os offrecimentos que se
ooa-fizar-me, campre-me assegarar a V. Exc.
Wrm. que sempre me encontrar disposto a
mpri-r as suas rleos, qaer sejam ellas teoden-
jJeo servigo poblieo, qaer ao particular de V.
Revm.
Ao brigadeiro eommaodaate das armas, di-
aeodo que, seguodo aviso do ministerh da guer-
ra de -3 do corrente. preciso que S. Exc. in-
forme s o soldado do 9 batalho de infantam,
Jos Vicente Ferreira, apresentoa-se volaotaria-
4* soppleotes do sobielegado do districto de Aga- fmeole ou foi forgido ao servigo da guerrra, afim
- a. .._. J- n._:_._. -_ ..j:., T.....U BUl filia A r\ro PaarsInA nn^M* iliMin nAtl
i
rema, do termo do Boiqae, os cidadaos, Ignacio
Jos da Silva, Amonio de Barros Dantas Leite,
Francisco Mamas Cavalcaote e tente Beata Le
te de AlBuquerque.Communicon-sa ao Dr. cha
fa de polica.
O vice-presidente da provincia, de eooforml
dade com a proposta do Dr. ctaefe de polieia, e ~
offlcio o. 892 de 27 do correte, resolve oorneai
para os lugares de 1*, 2* e 3* suppleotes do sub
delegado do districto de Agurema, do termo
Buique, os eilado seguales, na ordam da respee-
tiva collocacao :
Ignacio Jos da Silva.
Francisco Martios Cavaleante.
Alexaodre Cavalcaote de Albuquerque Mello.
Remetteram se os ttulos ao Dr. ebefe de po-
lica.
O vie presdeme da provincia, a vista do of-
ficio do Dr. ebefe de polieia o. 857, de 21 do cor-
rete, resolve exooerar dos lagares de 2o e 3' su-
pleotes do subdelegado do districto do Peres, desta,
capital, os cidadaos, Mtnoel Ferreira Costa e Lu*
Marques da Cuoha.Commonicju-se ao Dr. che
fe de polica.
O vice-presidente da provincia, a vista do
licio do Dr. ebefe de poiicia, n. 376 de 28 de fe
reiro ultimo, resolve exooerar Jos Emiliano O
valcaote de Albuquerque do cargo de 1* snpplea-
te do delegado do termo de Papacaga, por ser juiz
municipal sappleote ejaiz.de paz do dito termo.
Communiclu-se ao Dr. chefe de polica.
O vice presidente da provincia, de conformi-
dade com a proposta do Dr. chefe ae polica, em
offlcio n. 376 da 28 de fevereiro ulimo, resolve
nomear Gracindo Augusto Soares Villela e Joao
Cavaleante de Albuquerque para os logares de 1*
e 2 snpplentes do delegado do termo do Bom Con-
selba.Remetteram-se os ttulos ao Dr. chafa de
polica.
O vice-presidente da provincia, a vista offlcio do Dr. chefe de polieia, n. 869 de 23 do cor-
rente, resolve exonerar Eulalio Epbigenio de Frei-
tas Villela do cargo de subdelegado do 1 distric-
to do termo de Garaonuns. Commuoieou-se ao
Dr. ebefe de polieia.
O vice-presidente da provincia, de conformi-
dade com a proposta do Dr. ebefe de polica, a.
869 de 23 do corrente, resolve nomear o alfera
Joaquim Cordeiro Brasil Jnior para o cargo de
subdelegado do 1* dtiioio do termo de Gara-
da- nhans.Remetteawe o WW lo lar.- chai de po*
licia.
O vice-presidente da provincia, de conformi-
dade com a proposta do Dr. chefe de pocia, o.
857 de 21 do correte, resolve nomear para os
lagares de 2* e 3" supplsotes do subdelegnlo do
districto do Pera?, desta capital, os cidadaos Mar-
celino Antonio Pereira e Candido Martios de Aran-
jo. Remetteram-3e os ltalos ao Dr. chefe da po-
lieia.
O vce-presidealc da provincia, attendendo i
propista do commandante interino do b alai nao n.
41 de infantina da guarda nacional do municipio
de Ipajnca, sobre a qual intormoa o commandan-
te super.or respectivo em offlcio o. 1194 de 6 de
correte, resolve, de conformidade com o disposto
oo art. 48 da lei n. 602 de 19 de s siembro de
1851, iionear para o dito batalbo os offl;iaes se-
guiotes:
4.*compaohia.
Tenente, o alteres Jos T ta I es de Mello.
5.* eompanhia.
Tenente, o alferes Maaoel Leonardo de Squcra
Cavalcan'e.
Alferes, o guarda Alexandrino Cavaleante Ortz
de Camargo.
6a eompanhia.
Alferes, Pedro de Assis Campos Cordeiro.
7' eompanhia.
Tenente, o alferes Manoel Marques Ferreira Los.
Alferes, o gaarda Manoel Saraiva de Moura.
8a eompanhia.
Alferes, o gaarda Pedro Alexandrino da Rocha
Viera.
Commanieou se ao commandante superior do
Cabo.
O vice-presidente da provincia, a vista do
offlcio do com candante saperior da gaarda nacio-
nal do municipio do Cabo e Ipojaea, o. 1194, de
6 do correle, reselve, de eonformidale com o
disposto no art.65 da lei n. 602 de 19 de setembro
de 1850, privar Izidoro CamelloJPessoa de Siqaei-
ra Cavaleante Jnior do posto de tenente da
4.a eompanhia do bitalhao n. 41 do segaodo dos
ditos roanicipis por nio ter tirado no praso le-
gal a respectiva patete.Communicou-se ao re-
ferido commaodante superior.
O vicepresidente da provincia, de confor-
midade eom o disposto no art. 8* do deereto n.
4824 de 22 de navembro de 1871, resolve uomear
o baeharel Alipio Jos da Costa adjunto de pro-
motor publico da comarca do Cabo, no termo da
Ipijuca.Fizeram-se as devidas commuireacoe3.
O vice-presiden'e da provincia resolve no-
mear Jos de Piobo Borges para o logar de 3' es-
criptarario da 4* seecao da thesonraria de pro-
vincial, visto nao ter aceitado aquello lugar Cris-
tovo Santiago de Oliveira. Comunnicon-se ao
iospector da thesoararia provineial.
O vice-presidente da provincia, usando da
altribugao que Ihe contere o art 7* da lei de 12
de agosto de 1834, resolve prorogar at o dia 3i
do corrente a presente sessao da assembla legis-
lativa provincial.Flzeram-se as devidas coman-
nieagoes.
O viee-presideote da provincia, attendendo
ao que reqeerea Bellurmino dos Saotos Balcao,
tabellio e eserivio do civel e mais annexos do
termo de Santo Antio, resolve conceder-las 6
mezes de lijenra pera ir ao sertao tratar de sua
laude.
Offleios :
Ao Exm. viee-presideote da provincia do
Maranbo, Accaso o recebimeoto do offlcio de
e que se possa resolver acerea do sen reqneri-
ento em que allega ter seguido para o sn*, como
arda nacional desloado, e pede ser excluido o
rvigo do exereilo e o premio de voluntario da
jmlria.
T*- Ao Inspector da thesonraria de fazeodarcira-
upicaaJo que por aviso do ministerio do iraps
4 do correte, aponase pela respectiva
iroa do exercicio da 1871 1872, o crdito de
00* aberio sob respoosabilidade da presidencia
para pagamento das ajadas de custo relativas a
despeza de visgam de ida e volu na sessao do
torren!; anoo dis depulados garaes hachareis
Ignacio Jiaquim da Soaza Lao, Manoel Ciernen-
tino Caroeiro da Cuoba e Moasenhor Joaqmm
Pinto de Campos, na razao de 600* a cada um.
Ao mesmo, mandando entregar ao quartel
mestre do batalti 23 de infamarla da guarda
nacional do municipio de Santo Antio, 25*000
para compra da papal e objeetos necessarios aos
trabalbos do conselho de reviso da qualifleagae
di guarda nacional da parochia d'aqaelle nome.
Commooicou se ao commaolaate superior de
Santo Anto.
Ao mesmo, Mjamaolcando para* os devdos
etlei'.os que nesta data daelarou o juiz de direi o
Domingos Mooteiro Peixolo aceeitar comarca do
Pilar oa provincia das Alagoas, que Ihe foi desig-
nada por portara de 30 de abril proyimo passado.
Aomesmi, aatorisaaio-o a mandar pagar
sob resooosabilidade da presideocia dos termos
do decreto n. 2884 do 1 de fevereiro da 1862,
visto estar esgotado o crdito consignado na ru-
bricaobras militaresa quantia de 899*030 rs.,
proveniente do retelhamento do arsenal de guer-
ra e dos quarteis de artfices e menores do mis-
mo arsenal, falto por Jos Pereira da Alcntara do
O', Asando assira respondido o seu offlcio da boo-
tem, sob o. 339.
Ao mesmo, declaraodo qae flea approvada.
de conformidade com o decreto i. 4644 de 4 de
dezembro de 1870, a propotu anoexa ao seu offl-
cio desudan, n. 316, feila peld* Inspector da al-.
fandega desta cidade, do officia! de dessarga Joio
Paulino Marques e Jas Angosto da Costa G ai ma-
raes, aquelle para o lagar de porteiro e este para
o de ajudaote, qae se achara vagos.
Ao iospse or do arsenal da marnha, autori-
sando a compra oo mercado de 100 tolbas de metal
te 26 ongas e 300 libras da pregos de cobre para
Wmm-.com 20J caibres.SmmuoiCDn-se ao ins-
pector da thesoararia de fazenda.
Ao capitao do porto, mandando que informe
Som urgencia acerca de aviso do ministerio da
arioha de 7 do corrente, annexo por copia, rela-
tivamente a pharas e pbaroleies que fuoc:ioaam
na eosta e portos desta provincia.
Ao director do arsenal de guerra, mandando
huvarem nome da presideocia, o artfice Calis-
trato dos Saotos, pelos boas servigos qae prestoa
e pelo mailo qae fez oo aeeodio qae hoave a 19
deste mez, oo predio o. 11 da ra da Moeda.
Ao mesmo, autorisaodo a mandar vender
em hasta publica, conforme indica o procarador
fiscal Ja ibesouraria de fazenu, a grande quanli-
dade de plvora de fuzil qne existe nesse arsenal
e qae j oo est em aso, alim de que nao se de-
teriore a coniionar em deposito ; recolhendo-se o
prodaeto da venda i thesoararia de fazenda.
Commuoicou-se ao iospector dessa repartirlo.
Ao provedor da Santa Casa de Misericordia,
aatorsando a mandar adraittir uo collegio das
orpbis as filhas de Aiexandrioa Urabelioa Serpa,
de oomes Joaooa e Amalia, em vista do qae a
mesma requeren e do parecer dado pelo mordorao
do mez o'pquelle collegio, e a qae se refere o sea
offlcio com data de bootem, ssb o. 72.
Ao mesmo, idem, a menor Aooa, s .brinba
de Francisco de Assis de Medeiros Pinto, visto ter
apreseotado o attestado da qae trata o parecer
annexo ao seu offlcio de 2 de agosto ultimo, sob
o. 68.
Ao mesmo, Idem, oo collegio dos orphios os
menores Maooel e Antonio, Albos de Heoriqaeta
Carolina Vianna, visto ter ella satisfeito a exigen-
cia desta presidencia, em vista do parecer annexo
ao sea offlcio de 26 de abril ultimo, sob n. 441.
Ao mesmo, idem, no collegio das orphias
qaaodo bouver vaga, a menor Aaoa, til ta de So-
pina Carolina de Moraes e Silva, de accordo com
o parecer do mordomo do mez d'aqaelle collegio.
Aos agentes da eompanhia de navegago
brasileira, mandando dar transporte para a corte
no vapor qne se espera do norte e por eonta do
ministerio da marioba ao eapitao de fragata Ig-
nacio Aeeioli de Vasconcelos.
EXPEDIENTE DO SECRETARIO.
Offleios :
Ao 1* secretario da assembla legislativa
provincial, remetiendo de ordem do Exm. Sr. vice-
presidente da proviocia, para ser prsenle mes-
ma assembla, a copia da ioiormaco prestada pe-
la cmara municipal desta capital em offlcio de
15 do correte, acerca do requerimeoto que se
develve oe qual Gunerme de Castro pede privi-
legio por 50 aooos para assettameotos de Ros-
ques em differenles pontos desta cidade.
Ao mesmo, enviando de ordem do mesmo
Exm. Sr. e para o mesmo' fim as informagdes
prestadas pelo inspector da thesoararia provincial
e chefe da renarticio das obras publicas, acerca
da indemnisacao requerida a presidencia por Joao
HypolitQ.de Meira Lima arrematante do empadra-
meato de diversos laagce das estradas da Victoria
e Pao d'Alho.
Ao Dr. director geral interino da instraege
poblica, enviando de ordem do mesmo Exm. Sr.
copias das portaras de 11 do correle, pelas qaaes
resol vea o mesmo Exm. Sr. sobdividir as delega-
cas luteranas das villas de Garanauns e Limoei-
ro a da tregaetia de Tamanara.
=- Ao gerente da compaattia Pernambucana,
mandando de ordem do mesmo Kxm. Sr. dar ama
Jj Hygino de Sooza.Ioforme o Sr. iospector
| da thesonraria provincial.
Joao Alves Meodes da Silva. Prejadcado
vista da informadlo.
Teoeote Joio Rodrigue? de Farias. Ioforme o
o Sr. iospector da thesoararia de fazeooda.
Capiio Joio lleurlque d'Albuquerque Mello.
D -se.
Maooel Lobo da Siva Neves.Informe o Sr. Dr.
ebefa de poliea.
Maooel Romio de Camino. Prejodicado a
vista da iofjrri; rio.
Secretaria da presideocia de Peroambuco, 21 de
juobo de 1872.
O porteiro.
Si'fine A. Rodrigues.
Wcpailvo da polica.
2.1 secgao.Secretaria da polica de Pernambu-
eo, 21 de jocho de 1872.
H. 1023. lllm, e Exm. Sr. Levo ao eonheei-
meoto de V. Exc. que, seguodo coosta das partiei-
pacoes recebidas boje oesta reparlicao, foram hoo-
lera reeoihidos casa dedetengio os seguales n-
div daos:
A' minia ordem, Fraoclsco Rbeiro do Carmo,
Charles lilaod, Candido Jos lluliio, Jos Fabricio
Gomes e Vicente Ferreira Gimes da Silva, viodos
do Rio Grao le do Norte como sentenciados do
presidio de Fernando de Narooba.
A' ordem do sobdelegado de Santo Antonio,
Clandina, escrava de Jos Ssixas e Josepha, escra-
va de Manoel da Silva Maia a requerimeoto des-
tes.
A' ordem do subdelegada da Roa Viagem, Ale-
xaodre Alves dos Saotos por crime de furto, preso
era flagrante.
Deus guarde a V. Exc lllm. e Exm. Sr. des-
embargador Francisco de Fara Lamos, digno
presidente da provincia.chele da polica, Fran-
cisco Teixeira de S.
qneira, nio por querer preslar servigos, mas para
fazer jostiga nm administrador qne cumpli sem-
pre com os seus deveres, e que fez graodes bene-
ficios proviocia.
Quaoto qnesto de eooAaoga levantada por
V. Exe, de 29 de abril ultimo, em que me cernina- passagera de estado a proa co vapor da 29 do
oiea haver na meama data assamido a adminis- corrente at Penado ao cabo de esqaadra do 9.'
tragio d'essa provincia, na qualidate |da 2' vice-
presidente e no impedimento do 1.* Prevaler;i
me do ensejo para apreseotar a V. Exe. oa pro-
testos de moha perfeita estima e distinga com-
deragao.
Ao Exm. presidente do Pianhy. Teobo pre -
sent o offlcio de V. Exe., datado de5tt de abril
Ultimo, cornaunieando-me haver assnmido oexer-
eio.o do eargo de presidente d'essa provincia,
para q qual foi mmeado por carta imperial ds
30 e dezembro do anoo passado. Felicitando a
V. Exe. pela realisagio d'esse acto na provincia
que Ihe fora confiada, cabe-me retribuir eom
iguies as suas obiequiosas expressbes.
A* S. Exc. Revm. o 8r. D. Fr. Vital Mara
Gongalves de Oliveira, bispo desta diocesa. Tenho
a honra de acensar o reeebimeato do offl*',o
desta dala, em que V. Exc Revm. me cororanvj
baialio de iofaotaria, Manoel Martins Rispo.
Ao mesmo, mandando, de ordem do mesmo
Exm. Sr., por a disposigo do Dr. Sasttino de Assis
Pereira Rocha, nma passasera de estado a r al
a Parahyba no vapor de 29 do correte.
DESPACHOS DA MtBSlDBKCIA DO NA 20 DE JUNHO.
Antonio Aoiosta Pereira da Silva. Passe-se
portarla conoedep.do a lieenga requerida.
Caodida Marra Veroneia oe Carvlho.Informo
o Sr. Dr. eo,e de polica.
Hsnriqo'j Bernardo de Oliveira. Deferido i
vista da iQformagio do eugenheiro chefe da re-
partle^o das obras publicas, devendo o snpplleaota
prestamente assigoar naquella repartigao o res-
pectivo termo de respouiabilidade. .
, Dr. Henrique Pereira de Lacena. -Dafando cof
omeioaena #" **W> xh6ioat^ 09U'
jasada
PERNAMBCO.
___________._______....,---------------------- ..... .j
ASSEMBLA PROVINCIAL.
SESSAO ORDINARIA EM 15 DE MAIO
PIIKS1DK.NCIA 00 SR. FERREIRA 08 AGUIAU
(Conelnsio.)
O SR. GUSMAO LOBO :-(Nao davolreu seu dis-
curso.)
A discu'ci) flea adiada pela hora.
O SR. HENRIQUE MAMEDE pede urgencia para
proseguir a discussao. E' approvada a ur-
gencia.
OS'. HENRIQUE MAMEDE :-Sr. presidente,
depois do brilhante discurso proferido pelo men
aobre eollega e amigo depntado pelo 1." districto,
de erlo que nada poderei accreseeniar com rea
cao qoestao que ora se discute ; mas devo ama
resposta ao men nobre eollega deputado pelo 3.*
districle qne tomou parte no debate e a outros qoe
4eram apartes, dos quaes tomei nota, e por esta
razio qae volto aioda a triboaa.
A qaestio de confianga, Sr. presidente, qnando
lavantei-a, nao foi em mea nome, foi em nome da
comraissie de legislagio.
O Sr. Barros Wanderxev :Dessa eoramissio
fago eu parte, e nao aceito a queslio de conflanca.
O Sa. H. Mamede :O nobre deputado diver-
gente, a maioria Ja eommissao que estabeleee a
quesio de coufianga.
Disse o meu nobre eollega e amigo que acaboa
de fallar, que niogoem oesta casa poder porsi-
kvantar urna qaesio de ccoanga. Concordo
oesta parte com a saa autorisada opioiio, mas
ama eoramissio para a qual vai ora acto da presi-
dencia, feto mediante urna autorisagio desia as-
sembla, e que depende de um parecer ; desde o
momento em que a eommissao tem de emitlir jui-
zo sobre esse acto ; eoteodo que pode lmbem
dizer que faz qoesto de eooQanga.
Uai Sr Deputado :A commissio ?
O Sr. H. Mamede : Sim, a eommissao faz ques-
io de coooanga em relago a admioistrago que
fez o contrato, nem sj que se possa prescindir
d'ella desde o momento em que se coosilerar qne
um administrador qualquer, que faz um contrato
aulorisado por ama lei d'esta assembla, remelle o
cootralo a ella para se marcar quota oo orgamento,
e preteode-se reformar ama das clausulas do dito
contrato, depois de sngeita lo approvago da
assembla ; foi por isto que a eommissao de le-
gislago, fundada na disposigo da le qae aatori-
sou o presideate a fazer o contrato, declaroa que
elle oao precisava de approvagio desta casa. Ora,
desde o momelo em qoe isto se passa do modo
pirr que acabo de expor, eu entendo, Sr. presi-
dente, que da qnesto de conaoga oio se poda
prescindir, e assira nos estamos obrigados, qaeira-
mos oa oio, a guiar-nos por ella.
Sr. presidente, o art. 2. da le do orgamento vi-
gente, diz isto : (li.)
Pergaoto eu aos nebres depulados que impug-
nan) o contrato feilo pelo presideate, foi algaraa
dessas clausulas esquecida por elle T Nao fo
feilo o contrato por 3 aooos ? Nao foi dada a sob-
venci menor de 60:0004 ? Nao foi nomeado um
Ascal para velar pela boa execugio do contrato ?
Ora, se o presidente da provincia ciagio-se in-
teiramente i auiorisacio dada por esta assembla,
entendo que o acto d'elle oio pode deixar de ser
approvado in ferum, e assim nao pede deixar de
ser regetado o projecto
Disse se em um aparte, qae eu liona levantad
a queslio de eonAanca para prestar servicos.
Sr. presidente, siato ter de fallar de mim, por-
que sempre qae qualquer pessoa 'obrigada a
fallar de si, V. Exc eompreheod* (fue ba nm certo
acanhamento ; mas nao posso deixar de dizer doas
palavras com referencia esse aparte qae me foi
dado, e que oa verdadebastaole magooume-.
F.u oosia casa, Sr. presdeme-, desde o primeiro
da que nella ti ve assenio, creo que tenho sempre
pugnado pelo direilo ejojtica,ereio qae t pre me manifestado aqui eom a ndeoeodeocia
compativel s miaas fracas torgas, creio que oio
teobo viudo para esta casa fazer favores, i quera
q/ir que seja, porque smente tenho procurado
paular os meas actos pelos dictantes de mioba
conscieneia. Tenho dado provas exuberantes disto,
e appello para os aunaos da casa, appetlo para o
anoo de 1870.
Ux Sa Dkputabo Qaem contestou isto t
O Sr. H. Mamedk :Em um aparte disse-se que
eu levantei a qoestao de cooBanga para prestar
servigos.
Sr. presidente, desvanego-me de ser amigo do
Sr. cooselheiro Junqueira. unho orgolho de ter
apoiado a sua admiuislragio, e nao teria a menor
duvida em defender nesta casa todos os seas actos,
por uso que estou convencido de que ha moito
lempo esta parte nio tem vindo a provincia de
Pernambuco melbor administrador do que elle. Os
sena actos foram sempre pautados pelo espirito de
jusuca e reclido, fez os beaeflcios que poda fazer
provincia durante a sua corta administragao, e
mira, como membro da eommissao de legislacio,
teoho visto qoe por mais de orna vea a-sim se tem
aqui praicado. Anda hornera ti ve oceasiio de
folbear os anones d'esta assembla de 1865 para-
ca, e oelles eocontrei omitas qoestdes de confian-
za levaotadas oesta easa edm reiagio approvagio
de coolratos feitos pela oresideocia, e por isso
qoe entendi conveniente era nome da eommissao a
levanta; a questao de coolianga, a qual anda de-
claro que maoleoflo.
O Sr. A. Pernaniuco : E qae a easa nio ac-
eeita.
O Sr. H. Mamedj :Qur qneira qur nao, ba
de ac:eila-la.
Sr. presidente, o* nobre deputado, membro da
commissio da legislacio, disse qae o orgament
de 1870 lio ha dado anlorisagao ao presidente para
reformar o contrato, mas redozindo a subvenga >
smente a 30:000*000 I
Sr. presidente, nao posso admitttr que urna lei
queja cadneon, qae oio tem valor, poderse servir
de norma ao presidente para fazer o contrato eom
a eompanhia. A lei por qae o presidente se devia
regular, nao poda deixar de ser a do orgamento
vigente, e fot justamente por esta que elle se re-
guos.
J que respondo ao nobre deputado, permita-me
elle qae eom as suas proprias palavras conteste o
argumento qae apresentou, de qoe o contrato pre-
cisa de approvagio desta assembla.
Quando se discuti o anno passado o art. 2<> do
orgamento, que boje lei da proviocia, e pelo qual
se auionsou o presidente a fazer o contrato, o no-
bre deputado apresentou a segniote emenda :fi-
cando o contrato dependente da approvago da
assembla.
Ora, se o nobre depotado apresentou urna emen-
da dizendo qoe fleava o contrato dependate de
approvagio da assembla, claro que nao o jnlgava
dependente fallando essa decUracao. (Apoiado.)
Essa emenda leve oeeasio de ser regeiada,
porque a easa quareado talvez dar orna prava do
eooflanea ao administrador de eolio, emenden
dev-er dar-lhe aolorisagio plena. E' portaa-
lo estranuavel que o nobre deputado viesse nos
dizer qae hoje o contrato precisa de approvagio.
quando Daquelle lempo apresentou essa emenda,
que foi regsitada.
OSa. Barros Wandbblbt :A emenda foi re-
geitada, porque a casa eslava convencida de que
todos oa contratos para sua execugio dependala
de approvagio.
O Sr. H. Mamedk : Nao apoiado, eu votei con-
tra a emenda e eslava convencido do contrario.
O nobre dopatado pele 1.* distrlete qne ba pouco
falln, citou mnito bem o art. 44 da lei do orga-
mento do aneo passsado, o qnal fazia depender da
approvagio da assembla todos os contratos de es-
tradas de ferro, d'onde se v qne a opinao d'esta
assembla nio era que tolos os contratos eavam
dependentes de approvago.
Diz-se, Sr. presidente, e apresenta-se como gran-
de argumento que a companbia tem auferido enor-
mes lucros.
Arad, repilo urna vez, nao ha ul, a eompanhia
nao tem auferido esses lucros; actualmente, se-
guodo coDsta-rae, est fazeodo dividendos de 5
0/0.
O Sr. Barros Wanderley : Isto para mim
pouco valor lom.
O Sr. H. Mamede :O outro argumento que se
tem apresentado com reiagio edificagio qa
fez a eompanhia de orna casa para sea eseripto-
rio e armazem para reeolher as mercaduras qae
tem de ser embarcadas.
E' preciso atteoder, Sr. presideate, a qaa a com -
panhia fez urna nova emissio para construir essa
edificio, por c.oseguiate a sobveogio oio deve ser
dimiouida por essa razio, nos nada temos qae ver
com isso.
Qaaoto a qoestao primordial, se o contrato de-
pende ou nao da approvagio desta assembla, a
eoteodo e j o disse qoe nio depende, porque ou-
tros eootratos lem sido feitos pela presidencial
nio tem sido approvados pela assembla. Citarei
por exemplo os cootralos de obras publicas.
O Sr. Barros Wanderley : Esses nao esio
sojeitos.
O Sr. H. Mamedk :E qoaodo a asssemble, au-
torisa o presideate a dar subveogo compaohias
dramticas e lyricas, fazeodo-se para isso contra-
as, ficaro estes dependentes da approvagio desta
assembla ? Nio, por certo.
Sr. presideote, eu poderia aioda em jostifleacao
desta i lea trazer a opioiao de Ilustres merabru
desta casa que impugnara boje a idea de que o
cootralo oio depende de approvagio, isas a hora
acha-se ora pouco adiantada, e julgaolo a qoestao
soffleieotemeote disentida dispeoso-me de o fazer,
declarando anda nma vez que votare contra o
projeeto, porque o julgo intil e inconveniente'.
(Muiio bem, mnito bem).
O Sft. CUNHA K FIGUEIREDO :Sr. presiden-
te, depois de ter a casa ouvido o raetbodico, don-
trnai e brilhante discurso do oobre depntado pelo
l districto, (dirigindo-se ao depotado Lobo) dou
direilo a qualquer de perguolar-raa: o que idee
faaer tribuna?-Convencer t E' impossivel, se
acaso elle isto nao ver conseguido. (Xo apoia-
dos).
Que vndes fazer a tribuna, tm, sera nenhum
dote oratorio (oao apoiados), a quem faltam todos
os predicados para convencer a easa j fatigada f
Eu respooderei: veoho tnbuoa por nm dever
de bonra. venbo tribuna eom a fraoqueza ejne
me natural, e com a qual me orgu.li \ em dizer
a casa qual a razio do mea voto, venbo dizer a
easa qne com este voto nao sou contraditorio, em
vista da posicio qoe tenao. lomado aqu em divor-
sas ouiras oeeasidas quando se trata da eoooomia
dos dioheiros pblicos.
O Sa. Lacrrda :S4 estou espera qoe diga sa
pro ou contra o projeeto para dar-lbe um
aparte.
O Sr. Cukha e Fissirkdo : Brevemente o sa-
be"- _
Venbo justiBcar-me, nao perante os mens colie-
gas, que me coobecem bastante...
Um Sr. DnrrADo : Fazem-lhe moiu ju'tiga.
O Sr. Cukha Fujobirsdo:... ma peraote
a provincia qoe nos ouve 0 observa, e que tam-
bera l no recinto da sua casa, no ooio da sm
chamn (como disera os franceies), lavra a sua
sentenga, faz o seu jnizo e sos jnlga, e o que mais
, em ultima instancia sem recurso para oatro
tribunal.
E\ pois, Sr. presidente, porque eu pens daste
modo, qae veoho a trboo coos'rangido oceupar a
altengio da casa, oio obstante a oeeasio' me ser
nmiaroenle deafavorsvel,
Depois da brilhle diseusaio que teve lagar,
depois de se cnar a casa fatigada, constraegL-
do, Sr. P^siente, que venbo oceupar a sua atiea-
oio., mas, algo do meu dever faze-io.
^-Tuo dse, Sr. presidente, nio venho convea-
.""mai dar a raaio do meu voto.
^XS dSSolver perante esta casa, toioa
sanio d'aqui eoberto de (loria, louvade por lodo, \
qur gregos, qur troyanos.
Assim, Sr. presidente, lendo eu apoiado
motivos a administragao do Sr. norestes
qaeira, e lendo esw ,x --"olneiro Ji
rovinei *'.> *<) e> <>m% .
.. Muia manifeslaeao digna d essa adr>inii- w*1,?-..'"i
.racao, Udo-a Meitado, enteno o- > ^ **\*tWW*$m
imperioso dever defender toe>^
estes Ptao V r" e^(0 a0 estado preseie a
JU nasaa*^ploWe oambr-caos, com *
?^^^^'?^'\ **** VI," Goog.lvesFi.lho.-P.ndo
beraei s ir reoebsr s qaMt,s da 1:3W, existente \ de JrU ulUmo, faz Hoptam a eutrate fl^^ ^UM^^^^inMi:
r loformicdes,
qedellas'eioda^
os seas actos nesta
Fde ergoer a min*. T, ^ J,. P* 1'- se tirar conclusoes, por assim dizer. matheroatiew.
ura feila i lAiiiiBbtraa9LJ ^kn w- Pa moslrar que a companbia deve ser subven-
aura ittia f au^njsixaj^ fl(> gf 00,^^,^ iM cioM(1, w ^ F> ^^
".
-~


2
iftaric Ttmanikac ~ SabbaJo 22 t
que alo posso Caier ssa deraomtrasom toda
a elidid); mas asseguro a V. Kxc. que *m mi-
na* eoMatatAa n nio poda deixar de volar pela
subvengia cfiflida do CODirato, e por on^gumi0
contra o ta*Mmtivo, atisla da ntormacdes ligei-
ras que Mil lecebido.de aessoas 4o eommercio %
petacas caaajayliiii, com referencia aos beneficios
ijae a eompanhla lera prestado provincia, en nao
podara votar eeotra a corapanbia desle que esti-
vease como estou eooreoiiilo de que ella lera pres-
tado, presta e cootinia a prestar boas servaos a
sta provincia.
Um Sb. DapuTaoo:Se. me afihngase isse sob
ana palavra de honra.
O Sb Cdnha i ftatmiRiBo : Por seo que nio
rae prepare! par* esta d.scusso, nao tratei de'ib-
ter das repartirles fiacaea ama nota de qaanta
eraosos rendimeatos da provincia anteada exis-
teocia da coaenaoaiae quaes sao boje: pega o no-
bre depulaao ess anfonaacao e sabia! qual lera
sido o beneficio que essa compaobia troaxe a pro-
vincia com o transporte das mercadura* desta
para as oniras provincia? e (ellas para esta pra^>.
Un S. Dbntado :E quera quer acabar cora
i compaobia ? _.
O Si. Cuma b Pideirido : Deixe me conti-
nuar. .
Dessas informagoes ha de se conhecer que a
provincia de Peroaubuco lera tido um incremento
traite aotavel depois que camegou essa corapi-
nbia -a funccionar.
O Sb. 6, Lobj :-Muito bem. *E* o qae peasam
os horneo? competentes.
O Sa. Conha b Figceiredo :E, Sr. presidente,
como negar-se todos eaes beneficio* ? Como ne-
garse o bem que esta corapaohia vai fiuode
provincia, animando nao s o commeroie com a
eondaceao das mercadorias, como raesmo facili-
tando ai ir aosagoet pelos (reaqoeates avisos qne
se (aiem dos pregas correles de ama a ouira
praca pelo transporte breve e em lempo xo das
mercadorias etc. ?
Como dase, nao poseo agora apresentar os dalos
estatisticos, qae talvex aioda possa apresentar se
o projecto passar em L* discus-3 e emo talvez
j)os>a mostrar melhor do qae agora aos oobres
deputados qae a eimpanhia nao ama asjoiiago
orgaoisada naicamenle para tirar lucros da pro-
vincia, sem Ibe trazer beneficios muito reaes.
Para eonvencer-roe disto, basta-rae as vez-s que
vju ao bairro do Kecife e qae all me mcs'.ram a
qnaatidade extraordinaria de productos que sao
trazidos ao mercado pela companhia Peruambj-
cana.
Un Sr. Drputabo :Mas o que lucra a pro-
vincia com os gneros definirs provincias que
condal a companbia Peroarabacana ?
O Sr. Gu.nh.v r Figueirbdo : Augmeatara a
importancia do commercio, augmentara tambara
os impostos, porque raaitas dessas mercadorias
ficara confund Jas aqui aos arraazens e se vendara
depois para fora pagaodo direitos de exportaco
provincia.
O Sr. Tolentin.i ni Carvaliio :E' justamente
o contrario, as rendas provinciaes perlera inun j
por causa disto.
O Sr.-Cdshae figueiredo : Bu sei por iofor-
raaco que uve quandi o D.\ Joi Baot> Juaior
a presidente.de Alagoas qae o ageate nao podia
tiscaiisr os direitos di qnella provincia, parque
as mercadorias que vinham de l era grande par
te entravara nao para os tr-'pichaa qae receben a<
mercadorias daqu-lla provincia, arada o ageat'
ri feitas nesta praga mailas vezes taos marcadoria-"
entravara para os arraazens dos negociantes desta
praga, donde por futras traosagoai erara exporta
das e pagavara direitos de exportago como gneros
desta provincia.
E ts Srs., qae nao podis olbar para estes ne-
gocios com toda a attenga, por isso que cutres
mais importantes vos preoccapam, nao me podis
camelar aquille que eu afirmo par ara cooheci-
toento peculiar qaa adquir accidentalmente cana
referencia ao que acabo de dizer.
O Sr. GuXAO Lobo:Raalmaote, dizer que a
companbia concorre para diminuir a receita cou-
sa extraardinaria.
O Sr. Tole.nti.no de Cuivalho:( d um apar-
te- )
Sa. Cumia e Figueirsdo : Acontece maitas
vetes, Sr. presideote, qae as mercadorias de on-
tras provincias saa aqui negociadas, compradas
por negociantes desta praga. para aqui mesmo
lema consumo ; e qnand >, por outra coraoioa-
<;~>t* eommereaes saa reepariadis, nao ficara
sjjeias ao imposto de expirlagva da provincia
loada emaoarara. tito incontestavel, V. Ezc. e
tilas qae ten ideia do qae sao transagoes com-
raereiaes comprebendera qaa uto se d a cada
passo era todas as pragas oommereiaes.
Se ni) podem contestar que a alQiencia de mercado-
rus de diversos ponto* para o centro comraerc al
desta provincia traz nao s inulta mportancii para
a provincia aagraentaolo-ibe a riqueza a os meios
naturaes da progfesso.-eorao augraaqto saa ren-
da, eoraa querem contestar e-ta mesma arguraen-
tagao: de qae o fado de virem essas mercadoria1*
pira e-ia proviocia seja por si cousa da gran le
vantagem, aioda mesmo noteodo era vista o aug-
mento do3 Impostos? S o fasto da viada dessas
mercadorias para esta provincia traz ama grande
importaoeia vida eoraraercial e lacros imraensos
pelo maior namero de traasagdes que sa realisara
era nassa praga.
Um Sb. Dputado :Nio se cantala isso.
O Sr. Cumia e FiGUEinEOo : Vi cambater-se a
e rapanbia por diversos modos, eslou moslraado a
sua utilidad-'.
(Trocam-se apartes.)
O Sn. Cunha e Fioueirsdj: Permitlam-rae a
liberdade de justificar o meu voto.
i-u qaando me manifest uesla casa sorapre
para justificar o maa teto e nao pra que os no
ores deputados peasera do mesmo modo qae eu
pnso.
u Sr. Deputado :Nao pro va qua a compa-
nbia traga essas vantagens.
O Sb. Cumia e Figueiredo:Cada nra pense
cegando sea modo de ver. Creio t lo provado,
lnvldo que o nobre deputado possa contestar cora
vantagem. Cada nm poda dar o sea voto como
wzer e sem o jastiflear, mas eu gasto sempre de
justificar o mea.
Agora, Sr. Presidente, para mostrar a V. Exce
casa qae a subvengao marcada no contrato feito
pelo Sr. conselbeiro Junqueira est en proporgao,
e na era desproporgio, como ouvi d'ier nesta
casa, cora a reduegio das viagen, nao precisa
mais nada do que disse, e ueste ponto sigo, admitt
a aeceito a opiniao do meu nobre collega deputado
pe'.o primeiro districlo; ella ja o demonstrou muito
bffi.
O Sr. A Perxambuco : Que havia proporgao ?
" O Sr. Cumia e Figueiredo :Proporgao e razio
de ser ua quota dada pelo presidente.
Ea vu accresceniar um argumento que e3ea-
bou ao nobre collega, talvez por nio ler tido todo
o canhscImentD do fado que roa narrar.
OSr. con-elbelro Janqaeira, meas distinctos
collegas, nao fez este contrato, como nos estaraos
aqui dbcutindo, qoasi oo ar, sem estudar, sera in
veetigar todas as' coasas que dizera respailo aa
aeto e aera levo aislo clhns algarna a ca3a por-
que o poder legislativo uao pode entrar nessas
m adezu era que muito bem podo examinar o
peder administrativo, pao tiernos meios mais
promptos para de momonto a mooto entrarmos
na investigago de certas materias como o pode
fazer o executivo pelas meios a sau alcance, entre
tanto a nos nao sao ellas transmitidas senao qaan
do pelos meios competentes pedimos inlormagoes.
Eu afflrrao aos nobres deputados qae me con-
testara qae o Sr. conselheiro Juqqaeira estudou
a qaesto, mxime em referer^ia esta subvengio
que tinha de consignar no contrato, e foi infor-
mado pelo gerente da eompanhla.
O Sr. Tolentino ds Carvalho : E' o mais
competente I
O Sn. Cqnha FinuEiRBOo: Tenha abaadade
de onvir o resto.
Foi informado pelo gerente com proven autlien-
ticas de qae ar despezaa qaa fatia a corapaahia
cora refereacia aos seas empregados, com referen-
cia ao forneeiraento dos navios, com referencia aos
eoneertos dos proprios navios, com referencia fSnal-
raente a talo qaaato dizia re?peito aos gasto* da
compaobia, linbam augmentado coosideravelaente
parque os preco de todos o gneros necosaariw
para o costeo da companbia erara boje muito
superiores qaellea qae se pagavam qaando se fez
o primitivo conlrato, e qaa assim para qae a com
paubia podsse coatinuar prestar os servgos
que presta a provincia precisava que sa Ibe dsse
a subvengao nao muito diminuta.
OSr. coasalhe'ro Janlaeira, aioda assim,pro-,
enrou oatras informagSas, proenrou examinar o
coatrato qae.foi feito pelo digno ministro da agri-
cultura no Ru de Janeiro, e soube por loformagdes
cffleiaes da corte que perada aquella ministerio
fra provada plenamente a aeeessidade qae a com-
i as tinha da augmentar s suas despejas, e d fac-
panbia tlnba augmentado pela eletagao dos prego?.
Foi depois de provado isto parante o ministro, qae
tlmbem quera por economa redazir a subvengao
qne a si^panhia obt^vej a unsnbvengo qi
tinha pvo eromrsla trtnsaetk
Oru, se o ministro, estuiaqdo aquetia, euteodea
dr daf a flimisonit mssma uBveOgl)...
O Sr. TolWtino ^B Caruamij :Bnt raiao
realmente convence I CU
O Sp. Cumia e Fiqueibed] :... parqat raiio
o presidente, drotro dos limites da le, nao bavi da
dar-lhe o mais que fos-e passivel, convencido das
vantagens que a coorpanhia presta 4 provintta T
Ea nio oliendo, repito, a leobtni tos meas ne-
bro collegas quando digo qae nos aqui discutaaoa1
anuos informados nestas materias porque nos naV
disnomos dos mesmo* dadoe de qaa dispoe o po4r
execntivo, nio tamos de prompto as iaforafJCes
que o presidente lera de diversas reparligosa.
at Sb, Dbput.vbo: Nio larooa porque nio enw
remos, pega-as o nobre deputado.
O Sr. Coma e Figukiro : 8t en praelenjase
delks para dar o man voto ja as tinha psdldo, nao
precisava que o nobre deputado me lembras Nao as ped porque entendo que a assembla pana-
approvar um contrato feito por um prejideBle ca-
jo zelo pela administr.agao publica eu reconheoo e
fo!ga em confessar. por um presidente cajo jaruce
dimenlo nesta provincia mereeeu-lbe urna lonva-
vbI n justa feliritagao, para nm presidente de quem
eu'.f.irmo o mais alto conceito.
UmSr. Diputado :Acho muito natural fazer
ama felicitara boje e amanhia apreciar um con
trato.
O Sb. Conha e Figueiredo : El qae, alera
desta convieco firmada a respeito do presideote
que fez o contrato, tenha tambera jaizo feito sob'e
a utilidade e servigos prosudos por sta compa-
nbia provincia, posso dar o mea vote, como h i
de dt'lo lodepeodente des-as ioformagde:.
Um Sr. Deputado : O nobre deputado, j via-
joo as vapores da dessa compaobia?
O Sr. Cunha b Figueiredo : Ji flt urna pe-
quena a vigem daqui para Rio-Formoso. Mas, se
tivesse viajada nos vapores da compaobia nem
porque Acara muito enjoado, soffreudo muito^jom
o ma cb'iro do alcatro e outros incoramodas de
bordo, havia de cancluir que a comaanhra alia era
til provincia, e por raaiores qae f. s inei.-omodos na viagem, desde que ea eitives>e
convenchlo de qae a companhia prestava servigos
provincia, ea vota va a favor deila, embora fu-
gisse de faier viagsns era seos vapores, procuran-
do outros meios mais commodos para viajar, e
jamis serviram es meas inconmodos de argu-
mento oara >u negar-Ibe a justiga devi.da.
Um Sr. Dbpotabo :E'porque f.I s at Rio
Formaso, se f isse al Alagdas nio dira isso.
O Sr. G. Lobo : -Negava-lbe a sobvengio ?
O Sr. Cunha e Figueirbdo :Ji dose que, por
maiares que fassera os incoraraodos que seffress',
na i seria i-so qae ir,e f*zia negar o vuo i subven -
gao, desda que se tratava dos iatersssas da pro
vincia.
Agora, Sr. p-esidente, nio entro na questao do
voto de c rali inga, mas se o querem, declaro que
presN toda a conflanga administragao do Sr.
conselbeiro Jan jaeira, prestei Ihe o meu apoio a si
livesse foreas te lo hia ajulado asuito mais, e como
asni tenha, conservei-me na minha posigii) de
cidada descoaheeido e sera prestigio. (JUm apoia-
do ) Se fosse precisa dar aqu urna deinonsiraga
de confia ga aJtr.imstracj do Sr. conselheiro
Jauqueira, cu a daru da modo parque os nobres
deputados a esiglssera. -,
Mis eu nao euiro nejsa questia,jorque Bao so
nao preciso para explicar o raen voto, cerno por-
que elli j fai mailo bem tratadas por oradores
campe :ente .
Nao entro tambara na questao, ss devejoa o o
coalrato serapprovalo, ta aeate porqus esta
qussto ja ii sttfOiiantp ducaiida e satisfaz casa.
J que toquei oeste ponto responderei a ora
.aparte qne me deram qaando apaiava-o meu no-
bre col!!*ga deautada pelo 1* districlo, iraiendo-se
para coiaparaeao a questao Sloraay.
Eu peca iiT-ngi a V. Bxe., ula para tratar de
negoci-/-vencida, mas para fazer ama pequea de-
raon-traga do mea voto na questao le ento e d
raen voto na qiestSo de hoje.
Ni qaeslo Mirnay, Sr. precenle, havia ama
clausofa (a 31), qae foi approvada com o mesmo
coatra>o < q-te liytirava depois das regras estabe
lecidas para a resciin, digodepoisporque na
coofeegao d3*e conrrata vraia -Jepois das rogras
all e^tibeleci-la* para a resciSo, a clausula 31,
lizendo :m taes a U9s caaligo se derera, nao
existir cooir.atp, o contrato ser nulloLogo a
rescisa na i poda t<:r lagar, urna vez que o con-
trata flao liuha effaito. vista que provoa-se at
evideoci qua aquellas candigSes nao tioham sida
saltsfita?. Portanto Ja rainha argumsntagia o
respei todaqaelle coniracto foi lgica.
Depoi, como comparar a questao Mornay, ara
contrato do qual nia resultoa Oeaefl :io.de qaaH-
dada algarna par; a provincia, com o contrato da
carapaatia Porsarabucana, que prestou e presta
servigos Je alta importancia para a provincia T
Um Sr. Deputado :E qaem est comparando?
O Su. Cunha b Ficueiredj :Um nobre deputa
do, que dea um aparte dizond*) d.ue eu era contra-
dictorio. Por isto ?ou obrigala a mostrar a cohe-
rencia do meu voto, e foi justamente esse dever
qua raa obrig u a vr tribuna E desle que
tenha rae manifestado aqui contra algumas me-
didas, devo pr'ovar a minha coherencia asceltando
o canraio da que ss tratj. Na meu proeedi-
manta nunca lenho em vi.ua m9 tornar excepcio-
nal, mas porque quero ir de accordo cora a mraha
conciencia, o respeitaado a opinio publica, desejo
merecer a sua approvagao manifeslanlo-ma cora
aquella franqueza qaa me t> proprla, que natural
a ura padre veiho, creado no seriao, que nao sabe
isto a qua se chama traqueja de salo, que nio
conbece essas conveniencias da moda, que esta
acosturaado saa-nte a ir c ra a saa coa-ciencia,
nao smenle pela elucaga sertaaeja que lev?,
como pala educago religiosa de sacerdote, a cujj
estado adheriu. S por isto, digo, o nao parque
me queira eelebrsar, tenho me mostrado aqu
pyrrhomco, teimoso, inteloraute, mxime quaodo
se trata da iademnlsagSas de outros negocies,
qua podem prejaflear a proviocia a os inleresses
dos n issas caraniilU'nt8S.
S8 eu me lenho man fjstado sarapre assim nesta
casa, se me maaifdstei abartamnte contra a in
leraaisaco Maroay eag)ra ma raastro favoravel
subvenga) da companhia Pernambacana, por-
que em miaba consciencia entendo que e3sa ajpb-
vengo justa, de uliiidade para a provincia:
[quera disto cartos os nobres de,outado3 que pose-
rara era duvida a miaba coheren:ia.
O Sr. G. Lobo : O natre deparado um de-
votado representante da provincia.
O Sb. Cunha e FicutaaEoo : Uto um obie-
qalo qua a bonlade do nobre deputado quer dis-
pen-ar-ra?, mas que ai rcconhegaloo mererer,
porque nao tenha as qaalidades precisas par
bara de3eaipenhar o mndalo com que foi honrad'.
Assim, pois. convencido da que o contrato est
as melbores condigSes em que poda ser feito, al-
tamente-convencido de qua a companhia, embora
teaha defettos, embora tenha lido fallas, tem cora-
tudo prestado a prtesagrandesservig)s a provincia,
em rado qae devo concorrer com o meu voto para a
approvagao dessa contrato, jorque com isso lucro
a provincia, e animamos o commercio e a industria
to sedala de proteegia e entre ni aioda tao
pouco protegida.
A discussa Tica adiada pela hora.
'O SR. PRESIDENTE designa a oxdem do dia e
levanta a sessio.
REVISTA B1AB1A.
DIARIO DE PERNAMBUCO 3e ebegar boje o
vapor brasileo do snl do imperio, destnbuiremos
amanaia nosso maraero de terga-feira, nao s pa-
ra dar aos leltores era continente as noticias da
corle, eomo para permittir ao nossos trabajado-
res fo'garem o 3. Joo.
THESOURARIA PROYI0CI.\L.-Na da 25 do
correte vae praga, peranie a junta desta repar-
tie/ao, o fornecimemo dos objedos necessarios ao
expediente das repartieres provinciaes.
COMPANHIA DO BEBEIUBE -Devem ir pra-
ga, no di S do correte, os chafarizaa a bicas
desta companhia, nos aairros do Recia a Boa-
Vista, e na pavoagq do Jiaoteiro.
TRILHOS URBANOS DE CAXA^Q Atra
dos trena da tabella do horario deata companhia,
baver treos: amanhia meii noote do Casan-
ga para o Reclfe ; dapois de amanhaa do Beclfe
para Caxaagi s 4 oras da madrugada : e do
Caxaog para o Reeife .raeia noote,
SO.CIEDADE PATWOTKA DOS DE JULHO.-
Hoje stJ horas da tarde, hawr sessao desta so-
ciedade, ira roa da hnperairiz n. 43, 2' andar,
afim de se proceder a ereinio dos oovos faucclo-
aanos ; sao canvidados todos Os soeios.
FE3TA DE S. JOO BAPTISTA. Dapals.de
amanhia, U do crrante, calebra-se a fasttvidade
do glorioso S. Joo Baplista, na matriz de S. Jos.
Ora no Evaugelho o.ilim. Fr. Joo de Santa
Tbereza. no TeDeum o Rvm. Fr. Augusto da fm-
raaculada Conceico Alves.
Amanhia pelas i horas da tarda proaede-se a
beogo da respeeiiva imagam.
O lev>t qie oranivan esu fsstivilal de
prtsursor de Carita, eavlira store para o
eu completo bn(tiaaiisrn>.
EXvVIS OS CAPAi'iJADE. Foi IrantaNfMo'
para" o i y ti Je j vhi'aroxtao a exame di'*na-
eidade para o magisterio primario, do ssxd reme-
aiao, ana devia ter lugar na dia 13 do crrante,
devena as seahoras, que oelle quizaren tomar
parte, ias;reverera se al 21 daquelle mex.
Da:LAMfiVONECfc33ARIA.-Por e
nosso caiaawfci mMeiooaao em ana a
chaman i* dt*r o una dor. 1 >s Awes PeralTa, esttnao j
a sua aseiflatara do Diario.
PODfft KR PATdL.Coat a ebuv d _
lirao* atas parece qae ara 'lacea o cimente aje li
Java aaaa das pedras H soteira de ama daa anca-
as da casa onde fanc.iooa b tribunal da retaaao,
da tal sorte qua praeipitoa-aa ella sobre e pavi-
mento do passeio na ra do Imperador e junto
poria de entrada da sala das audiencias dos lirbu
naai de 1* entrela. Polizaenie chotia m ajoaa-
siio do accidente, e por isso a grande pertra alo
encontrn niogoem, eomo de eostume, junto
essa porta.
INVERSO. H k qaa tro das qae eaea> attttf e
esta eidade e seus arrabal Jes, quist que Wtfr>
sar, copiosas chavas, acegmpanhadas de vento
rijo. 0< rios Beberibe e Capibaribe angmeotaram
o volume d'agua, sendo esta brrenlas a viudo
aellas ramas e troneos de arvores, o que denota
terem bavido chuvm para o centro.
LOTERA.A que se aclis tenla a 9* a
benedeio da igreja de Nassa Senbora do Rosario,
do Racife, qae corre no da 27 -
CASA DE DETENCAj.-Mavim-suto do '.dia 20
de junho do 1872 :
Existiara (preao-) 314, entraram 8, sabiraa 3,
txistem 316.
A saber: naciooaes 210. malheres 13, estna-
geiros 43, escravos 46, escravas 7, total 319
Alimentados 1 cusa dos coras pblicos 200.
Moviraanto da enfermara oo da 20 de ianno-d.'
1872 :
T.veram baixa :
Candido Jos Rufino, broncbile.
Rsyraundo Airea, rheomaliamo.
Joo Jos Torres, f.bre.
CBROMCA Jtl>H:URIIL
TrlhnanJ do connaerclo.
ACTA DA JESSO ADMINISTRATIVA RM 20 DE
JUNHO DE 1872.
'RESIDENCIA DO BX.M. SB. CONSELHEIRO ANSBLMO
FRANCISCO PBRETTI.
A's 10 hars da manha. presentes os Srs.
lados, secretaria'interino Oiinto Bastos, Ca
Alcoforado, Alvaro d'Almeda, e o Sr. suppiante
S Leito, S. Exc. o Sr. conselbeiro presdeme
abri a sessao.
Lida, fai approvada a acta da sessao antece-
dente.
EXPEDIENTE
Offlcio do Dr. Francisc Taixelra de S, coramu-
otcando acli ir-se era exercicio de ehefe de polica
interino da provincia por designacao da presiden
cia.Mindou-se acensar o recebimenlo.
Forara di; tribuidos os seguales livros :
Diarlo e Copiador de Braga, S.lva & Raga, dito
de Carvalho Guiraares & C, ditos de Jos da Silva
Loy a Sabrinha, Oh no de Cardo & Fretas, dito
de Sonza e SI A C, Copiador de Domingos Al vas
alalbaus, djlo dos sobrHdilos Cardso & Freas.
despachos.
Reqaerimeutos:
De ft asa & Irmo, para* se Ihes certificar se Tra-
fjano Cesar de Albaquprqoe oa nao caxeiro de
saa ca-a commercial.Como reqaerem.
Da Jaio Pereira Reg, para ser admttida a re-
gistro a procurago bstanle qua joota.Rogls-
tre se.
De Jas Panlo Botstho, para cartificar-se-lhe o
da, mez e anuo em |ue se den o registro de seo
coatrato social, qual a deoomioago di firma e
natureza d sociedada Certifiqese.
De Migael Jos Alve3, Jos Nogaeira de Sauza e
D Mara Francisca da Airaeida Gamas, par si
como represan tan te de sea finado marilo Anto-
nio da AJmeida Gomes e de seas fllhas menores
Amelia, Mara, Antonia, Adelaide e Joaqnim, sob-
mettendo a registro o distrato social da firma Al-
maida Gomes, Alves & C.Vista ao Sr. desembar-
gador fiscal.
De Minoel Jas dos Santos, cidadia braseiro,
de 46 aoaos da Hade, domiciliada nesta eidade ba
trese anuos, pedindo ser prvido no lagar vago de
corretor geral pea exoneraco concedida a Fran
cisco Maraeda de AJmeida.Remeltido secretaria,
afl n de ser aprefentado cora todos os mais aaque-
rimonioa que xistirera cora a mesma preiengao,
qnan lo se vencer o praso marcado por este tribu
nal para pretnchimento da vaga do ex-corretor
Mamede da Almella.
Da bacbarel Luiz Rodrigues Villares,omanuease
intarpretd d'este tribunal, danda os motivos que ti-
vera para ju'gar-se dispensado de i/fovar sua ap-
lido para bem desempenhar as funegoes de offl-
cial escriptdnria, lugar que se acha vago na dita
secretaria.Foi attendi lo, vi-la dos movosque
allega.
Da Fraocisco Jas Alves Guimaries e Marcoliuo
Dornellas Cmara, apreseataDdo a registro o dis-
traa da firma Cmara i Guimaries.Vista ao
Sr. d6sembargador 6-ca.
PETig5sS ADIADAS.
Da bacharel Luz Rodrigues Villares, pediodo
ser inc nido na consulta que vai ser feita ao ga-
veroo para preeuchimento de urna vaga da es
crp'.orario existente oa secretaria.Ser atien-
ddo. (E fai por S. xc o Sr. conselheiro presl
dente nomeado interinamente official escriptorario
da c nformidada com o disposto na ultima narte
do art. 43 da regulamenlo o, 738 de 2o da nUas-
bro de. 1830)
Di amaouease archivista Joaa Elysiods Figaei-
re Jo Cruz, psdindo ser incluido na dita con>ulta.
Ser atteodl-o.
Da porteiro Antonio Correa Maia.Nao foi at-
tendido.
Da Joo Telesphoro da Silva Fragoso.Oppor-
tuoameote ser tomada em consideragao a pr-
senle peligo.
Do bacharel Joao Vasco Cabral. -dem.
Da Candido Acco Silva.Idam.
Nada mais havendo a despachar, o Exm. Sr.
conselheiro presidente eneerrou a sessao -11
horas e meia do dia.
depois os admlotttradnres da dita massa ; apar-
tado Antonio Joaqulm Daafte.
aggravos. .
Do juio especial do eoramerelo.Aggravante
Severiano de Siqueira Lavalcante.
Aggravado D. Bernadioa Joaquina Pite Ban-
deira.Aggravante Jorge G. Star, aggravado Ben -
to Joi Ramos Jde Oliveira. O Exm. Sr, conse-
lbeiro presidente negon protimento.
A t Mi e pooco Baaros da tarde foi encer-
rada aaato.
THESOURARIA DE FAZENDA.
Da 20 it jmU.
Foram remeltidos ao Sr. dkaaoorairo para aa*
rem nafa*:
Offldla aa presideoaia, maaaaatdo pagar comas
da empraa da illnmiaaco publica na importaoeia
da 484B-
Ofnata-4* facoldade 4a dicaito, remetiendo coa-
las de Uanoel de Pigaeira Faria.
ReqoenmeBlos : g t..
Antonio 4a Silva iaaajos.
Andr Rampek.
Francisco Joaonira Googalves do Cabo.
Ferreira Maia & C.
Joao Roberto Angosto 4a Silva.
Joao Walfredo de Medeiros c C
Joao da Silva Faria & Ir mi.
Jos Thcodoro 4a Senna.
Joio Jos Henriqoes.
Manoel Antonio de Jesns.
Maura 4-C.
Manoel Antonio Ferreira Gomes.
Manoel do Amparo Caj.
Tbomaz Fernandeg da Caoba.
Forana Igualmente remettidos ao Sr. pagador
para ;erem pagos:
Reqnerimeotos:
Antooio Jos de Souza a Silva.
Padre Joo Jos do Espirito Santo.
Servindo de offlcial-maior,
Manoel Joti Pinto.
-'.' ,l"! '

COMMERCIO.
ERRATA.
Na acta da sessao prxima passada, requeri-
menio de Amorras Irmos & Cera vez de pro-
r.;gago do seu contrato por mais cinco anuos,
lea seal o ultimo de dezembro de 1874.
SESSAO JUDICIARIA EM 20 DE JUNHO DE
1872.
'RESIDENCIA DO EXM. SR. CONSELHEIRO A. f. Pl-
RETn.
Secretario interino, Innoeencio Antunet de Fariat
Torres.
Ao mera dia, acbaudo-se reunidos os Srs. des
embargadores Silva Guiraares, Reis eSilva os Srs.
deputados Oiinto Bastos, Candido Alcoforado,
Alvaro de Alraeida, e suppleute o Sr. a Leilao,
fallando o Sr. desarabargaior Acoioli, S. Exc.
o Sr. conselheiro presidente abri a sessao.
Foi lida o approvada a acta da sessao de 17.
ACCORDO.
Assignou-se o qaa foi proferido na prxima pas-
sada sessao no feito entre partes sppellaoles ap
pelado3 Joaqulm Francisco do Espirito Santos o
Thoraaz" Jas de Campos, appallantes a appellados
Tbomaz Jo- de Campos e Joaquina Francisco do
Espirito Santo.
JULGAMEXTOi.
Feito eom dia aasiguado em sessao de 13 do cor-
rele. Appellacles os administradores da massa
fallida de Jos de Castre Redondo, appellado Jos
Maria Sadr da Molla.Adiau se o jolgamento
p ir nao esfar prsenle o Sr. desembargador Ae-
cloli.
Idam, adiada da sessao de 17, entre partes : ap-
pallantes Lporeiro & C appellado D. Capitalina
Maria Pereira Pinto.Continua adiado a pedido de
um dos dous Srs. Jaizes commercianles.
dem com dtaassignado nesta sessao, entre par-
tas appellanle embargado Joa Pereira de Araojo
Carioso, appellado embargante Joao Antonio Go-
mes Guimaries.Sorteado o Sr. Alvaro de Almei-
da em lugar do Sr. Alraeida Leal, foi adiado a
pedido de una dos Srs. deputados commercianles.
dem, idem entre partos: aopellanles Jos/oa-
quim da Cunha A CJ} appellado Joaqaim Elviro
Alves da Silva, fot tambera adiado a pedido de om
dos Srs. juizes commerciants.
PAI8AGENS.
O Sr, desembargador Silva Guimaries passou ao
Sr. desembargador R;ts e Silva, os autos em que
sao appellaote Aotonlo Ribelro Ponfes, appellado
Costodie Jos Altes Guimaries, boje saa viuva e
herdelros.
O Sr. desembargador Res o Silva, pe* sobre a
a mesa os autos que paseata a Sr. desencarga-
dor Accioli entre partas : appelUnte o carador
fiscal 4a massa /alkda de Alexaodre iot Rilaeirp,
Segaros contra-fogo
COMPANHIA
NORTHERN.
Capital........20,000:0004000
rundo da reserva .... 8,000:000*000
Agentes,
.Mlls Lathan & C.
Royal Insurance Company.
Real compaahla de segaros
de Londres e Liverpool.
CAPITAL
2,000,000 libras steroas
ou
20,000:000*000
Com autorisacao do governo.
Segara contra o risco da fogo, cas--s, fazendas,
e qualquer ouira especie-de mercadoria.
O ageole nesta provioeia
J. O'C. Doyle.
38 Ru do Commercio 38
N. B. Para segaros de vida de possoas livres
que a companhia tomar em sua sede em Londres
ou Liverpool, o mesmo agente servir de corres-
pondente, recebe as propostas, reclamares e pre-
mios dos seguros das pessoas aqui residentes para
transmiltir corapanbia, e entregar aos segurados
so respectivos tralos.
Companhia Pnenix Pernam-
bucana.
Toma riscos martimos em mercadorias, frotes,
diobeiro riseo e finalmente de qualquer natn-
reza, em vapores, navios a veila oa barcacas,
premios muito mdicos: rna do Commercio nu-
mero 3 '*.
PBACA DO RECIFR 21 DE JUNHO
DE 1872.
. AS 3 1/2 BOBAS OA TABDI.
CoUcrjes officiaes.
Cambio sobre Londres a 90 d|v. 21 3|8 d. por
14000, do banco.
tr.l. Pinto, <
* Presidenta.
Dubonrcq,
Secretario.
ALFANDEGA
deodiminto do da I a 20. 927:270*442
Idam do dia 21. I*:03'i85'i
941:303*296
Oe- carregam hoje 22 de juoho de 1871
Escuoa oorte allemaUargaretta varios g-
neros.
Brigue portoguezThumphoidoro,
Patacho inglezSolenello idem.
CAPATAZIA DA ALFANDEGA
Rendimento do da 1 a 20. 11:227*118
dem do dia 21........ 470*972
11:698*090
SAHIDAS DE MERCADORIAS.
Volumes sabidos com fazenda
dem idem cem gneros diversos 260
Somraa 294
Despacho ie exportac&o no dia 20 junho de 1872.
Para os portos do exterior.
No navio ingiez Snorezbrcor, pare o Canal,
carregaram: Keller 4 C. 330 saccas com 2-4,994
kilos de algodo.
= Na barca sueca Cari, para o Canal, carre-
garam : Rabe Schmettaa 4 C. 3W) saccas com
23,638 kilos de algodo.
Na polaca haspanhola Bella Dolores, para e
Rio da P.-ata, carregou : P. M. Uauy 400 barri-
cas com 47,947 kilos de assacar branco.
No navio allemo Joanne, para o R o da Pra-
ta, carregaram : Carvalho & Nogaeira 197 barri-
cas com 19,937 kilos de assucar braoco.
Na galera poriugueza Ptova Fama, para o
Porto, carregaram: Soares Primos 300 saceos
com 22,500 kilos de assucar braaco.
Na polaca hespanhola Adelle, para o Rio da
Prata, carregaram : J. da S. Loyo & Filbo 460
Jarricas com 144,209 kiles da assucar masca-
vado.
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS
GERAES DE PERNAMBUCO.
endimanto do dia 1 a 20. 33:714*906
idem do dia 21...... 1:C88*39
37:403*237
CONSULADO PROVINCIAL.
rlendimento do dia 1 a 20.
dem do dia 21. ; '.
132925*690
2687*308
133:582*998
MOVIMENTO DD PORTO.
Navios entrados no dia 21
Ne,w-Tork 4fr das, patacho allemo Amor, de
860 toneladas, J. H. Patz, equipagem 8, carga
differentes gneros; a Henry Forster & C.
Trieste60 das, barca neruega Emr, de 234
toneladas, capitio Wold, eqiiipaaem 10, carga
2,600 barricas com farinha de trigo; a San-
ders Brothers & C.
Liverpool dias, barca ioglexa Keiron, de 203
toneladas, capltao Robert Jarves, eqaipagem 12,
carga carvo e outros gneros; a Johnston Pa-
ter & C7
Nato saludo no mesmo dia.
Liverpool Logar inglez Sarah Smelh, capltao
Willlam Cook, carga assucar e algodio.
EDITAES.
Pela Inspector!! h, alfandega se taz publico
que achando-se ao Caso de serem arrematadas
para coninmo no .teredos dos arfgos 302 e 299 5
r do regoraBiefioMrei'9 fle setembro de W60,.as
mercadorias abaixo declaradas, os seas denos oo
consignatarios deterao despchalas ora prs?o de
30 dia, sob pana de, fiado elle, orem vendidas
po sda cdota. sem qae Ihes II jue corupeiioda alle-
gar eoatra oa tffeitos desta venda.
. Armazem n. 7
B, 50 barricas com sal refinada, descarregadas em
20 de fulbo de 1870, do patacho norte-aflemao
Atlntico, procedente de Hamburgo, e consignadas
H. Oetfli de C, conformo s particifaedaa do fiel
do armazem e do ajodaote do gerente da ampreza
da capalaiia, datadas de hontem.
Alfandega de Pernarabneo 20 da Junho de 1872
O inspector,
Joaquina /os de Oliveira.
Pela toesourana provincial tn faz publico que
foi transferida para o dia 25 do corrate a arre-
matado do forneeiraento aos objeeios precisos
para o expaeote das ropartiedas proviuciies.
Secretara da Ihesourana provincial de Pernam-
buco, 20 de junho de 1872.
O offleial-maior
* Miguel Alfonso Ferreira.
O Htm. Sr. inspector da ibasoorana provin-
cial, em eumprlmenlo da ordem do Ex n. Sr. pre-
sidente da proviDCia,de 18 do crreme mez, manda
fazer publico que peraote a juota desta tbesoora-
ria vio novameute praca no da 23 do mesmo
para serem arrematados por quem mais tr os
impostos provinciaes (menos o dizimo do gado vae-
enra) as comarcas em que noex.stem collado
rias, servindo de base arrematacao os precos j
auaundados, aogmentados cora mais a terca parte
offerecida pelo proponente Paulo Cavalcaols de
Albaquerqae, a saber:
Boa-vista 980*000.
Cabrob 977*000.
Tacaral 977*000.
' Bonito 4:8<6*000.
Caraaid 4:837*000.
Br.j) 4:340*000.
Florea 4:073*000.
Garantaos 3:666*009.
Buique 3:666*000.
As arrematases sero feUas por um armo, a
conur do 1* de julho do correte anoo a 30 de
juoho de 1873.
E para cooslar se manlou pnblicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da tbesouraria provincial de Per-
uambuco 19 de junho de 1872.
O official maor,
Mlguei Alfonso Ferreira.
Pela inspectora da alfandega se faz publico
que da data desle 30 dias, ho de ser arrema
lados livres de direito, e por conta da quera per-
teocer, porta d"sta reparucao, os gneros abai-
xo declarados encentrados ( lloetuaml" sobre o
mar pelo meslre da barcaca, Lwdi Paquete, Ja
ooario de Sani'Anna, e se presume oerteaeer ao
canegameato da galera americana Warent (Jueen,
Armazem n II.
Marcas POND a LFTY, sra naraero, i saccas
de alg.do em rama, pesando 86 kilos em hem
estado.
Albudeca de Peroambuco, 21 da juaho de
1872,
O inspector,
^______ Joaquim Jos de Oliveira.
= Faco constar a quera cunvier que o Illm.
Sr. Dr. director geral interino traosfario para o
dia 22 de julho prximo vindouro o exime de ve-
rilicacao de capacidade para o magisterio prima-
rio do sexo femenino, aonuaciado para o dia 23 do
correte. A? senhoras que quizerea prestar dito
rame devero inscrever-se nesla secrelaria na
trma das instruc^os de II de juaha de 1859 at
o dia 21 do mesmo mez.
Secrelaria da iostrac;ao publica de Peroambu-
co 21 de junho de 1872.
O secretarlo,
Aureliana A. P. de Carvalho.
O liira. Sr. inspector da toe^ouraria provm
eial, era cumprimento da ordena do Exm. Sr. vice
presidente da provincia, do 1." do correte mez,
manda fazer puolice que no dia 19 de setembro
prximo vindouro, perau e a jonta da fazeuda da
mesma tbesouraria, se ha de arrematar a quem
por menos fizer, a obra da canalis;ao do riacho
Jordo e carabea da B>a-Viagera, oa iraponaoc:a
de 16:882* 951 res, a sob as clausulas especiaes
abaixo transcriptas
As pesso.'-s que se propezerera essa arremata
(o, compare(am na sala das sessoas da referida
junta, no dia mencionado, palo meio da, e compe-
tentemente habilitadas.
E para constar se mandn publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da tbesouraria provincial le Pernam-
buco, 17 de junho de 1872.
O offlcial-maior,
Miguel Alfonso Ferreira.
Clausulas especiaes.
1.' A obra da eaoalisaco do riacho Jordo e
Cambija da Boa-Viagem sero executadas de con-
formidade com a planta e orcamento approvado
pelo Exm. Sr. presidente oa importancia de.....
16:882*951 lis.
2.* O arrematante dar coraeco s obras ua pra
sa de um mez, a as concluir no da 1 anuo, ambos
contados da data da approvagao do contrato.
3,* A importancia da arreinataco sera dividida
em quatro presiacoes iguaes, sendo psga cada
urna d'ellas proporgao que o arremtame tiver
axecutado ama quaria parte da obra.
4.' Em lado mais que nao se acia especificado
oas presentes clausulas se observar o regula
ment de 31 de julho de 1866.
Conforme
'.Mignel Affonso Ferreira.
O Illm. Sr. inyector da ihesourana provra-
eial manda fazer publico que, em cumprimento de
ordem do Exm. Sr. presidente da proviocia, vai
oovamente praga no dia 23 do crrante, o im-
posto de 2*500 res por cabega de gado vzccom
einsumido no municipio do Reeife, pela quantia
de 80:000*030, offerecida pelo Sr. bario da Sale-
dade.
Os pretendemos esta arreraa'.agao compare-
gara na s:.la das sesdes da junta da mesma tbe-
souraria no dia cima indicado, palo meio dia,
competentemente habilitados.
Secretaria da thesouraria provincial de Peroam-
buco, 17 de junho de 1872.
O official maior,
Miguel Alfonso Ferreira.
O illm. Sr. inspector aa itieaouraru piuvm
eial, em cumprimento da qrdam do Exm Sr- vice
presideote da provincia, de 2 do correle mez,
manda fazer publico que vai novamente praga
oo dia 18 de jolho prximo vindouro, para ser ar-
rematada por quem por menos fizer, a obra do
rebalxamento da ladeira do Timb, na estrada da
Victoria,.cujo orcameoto tendo sido reconsiderado,
licou elevado a 9:9000000, e sendo a arrematacao
feita sob as clausulas especiaes j annuaciadaB.
As pessoas qae se propozerem a essa arroma*
taco comparegam na sala das sessfies da referida
junta, no dia cima mencionado, pelo -meio dia, e
competentemente habilitadas.
E para constar se mandoa publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da tbesouraria provincial de Peroam-
buco, 17 de junho de 1872.
O official maior,
I/ion*/ A/fanso Fsrresra.
Q procurador riscal da tbesouraria provincial I
Peroambuco declara aos contribuales do imposto
sobre carros, carrogas e mnibus no exercicio de
1871 que Ibes tica marcado o praso de 30 dias
improrogaveis, a coatar da publicagSo deste .na
cooformidadade da lei a. 891, art. 53, para eolicl-
tarem da seego do contencioso as respectivas
guias, alira de recolhsrem seus dbitos provenien-
tes do niesmo imposto, cortos de que nao pagaado
dentro desle praso, proceder-se-ha a cobraoga ju-
dicialmente, fazeodo para isto publicar a retagio
dos devedores abaixo transcripta.
Seego do contencioso da tbesouraria provincial
de Per Bambuco, 3 de junho de 1871.
. O procarador fiscal, '
Typriano Fenelon. 6. Alcoforado,
Devedores,do imposto por carros, o/nntbus e car-
rocas.
Jos Sebello, carroga o..307
Joao 4os,de Sant'Aaaa, idem
310
Joaquim Salgado da Costa
Guiraares, idem o. 317
Jos de Soma, dem a. 320
Joo Antonio da Costa, idem
n.336
Jos Paulo Botelho, dem o.
358
Jos Rodrigues de Souza,
idem o. 369
Joaguim remandes da Costa,
dem o. 377
I 6* 4 i 540 1 6#i0
G* 540 0*340
6* 6* 540 540 6*540 6*540
6J 540 6*540
f 540 6*540
6* 540 6*540
6* 5iO *3iO
Joaqaim 5ian*i<]
Joaqaim Jos de
8
e Soo'zf, dem
o 38
Jorne di Costa, dem o. 398
Joaquim Gomes Ribaifo.ldem
idem n 881
Joaqnim Pinto de Magaiaei,
idem n. 386
Jos Bapu'sta da Molla, idem
D. 390
Joaqnim da Silva Mnaieira,
idam o. 398
Joaa de Carvalho Raposo,
idem n. 409 '
Jos Vieira Porto, dem d.
413
Jos Feroandes Lagos, idem
n. 415
Joaquim de Sonza Lamego,
idem a. 429
Joaooa de Jess Neves Qua-
resma Daarte, dem n.
430
Joia Gongalves Lucas Lisboa,
dem o. 448
Joaqaim Feroandes da Cu-
nha, idem o. 455
Jos Pereira Duarte, idem D.
4JJ8
Joaquim Maria de Carvalho,
idem 0.464
Joo da Silva Ferreira, dem
o. 473
Joo Antonio Bezerra de
Mello, idem o. 475
Joaquim Francisco Carnei-
ro, dem n. 492
Jeronymo Bruao, idam a.
493
Jos Joaquim Coelbo Bran-
dao, idem o. 500
Jos Francisco do Naselmen-
to, idem o. 503
Joo Pereira "do Reg, idem
n.507
Jos'do Carmo FelicUno.idem
d. 513
Joo Baptista da Costa, idem
o. 518
Joaqnim Francisco da Silva,
idem n. 532
Jos Joaquim Pereira dos
Santos, idem n. 547
Jos Tavares Martin?, idem
o. 557
Jos Joaqaim A otero de Car*
valho, idfm o. 583
J )-,' da Paz, idam n 592
J o c I, inri j da Fraoga, idem
o. 602
Joaqun de Barros, laem o.
611 .
Jos Lipes das Naves, idem
0.661
Jos Francisco de Souza,
i la n o. 673
Jos da RoeDa e Silva, idem
o. 676
Jorge Tasto, idem n. 679
Jos de Medeiros. idem o.
684
Joo Saares Hespanhol, idem
o. 706
Jos da Souza Paiva, idem
0.712
Joaquim Silvestre de Souza,
idem o. 720
Joo Botelho Viveiros, idem
n. 721
Jos Antonio AgnStiabo dos
Neis, idem n. 724
Jos de Souza Lopes. dem
o. 75
Joa Francisco de Albuquer-
que Maraoho, idem u.
738
Jos Soares Coelho, idem n.
754
Jos Pereira, idem o. 764
Joo Maria Affonso Ferreira,
idem n. 766
Jos Francisco Gongalves
Orrem, idam n. 777
Jos Francisco Ferreira Ra-
billo, idem n. 781
Joo Angosto da Silva, idem
n. 792
Joaquim Raphael da Cruz,
idem o. 798
Jos Roberto Galeao Coelbo,
dem n. 809
Jos Aodr Milhet, idem n.
-814
Jas Hilario Paes Brrelo,
idem n 815
Jos Pereira da Canba Ju-
oior, idem 0.811
II :' leiros da Joo Jos da
Costa e Silva, idem o.
59
Jo.-c Caetano da Silva, Idem
n. 250
Josepha Maria dos Prazeres
e Silva, carro particular de
i rodas'o. 25
Joaqaim Antonio de Oliveira,
dem n. 29
Joo Valentim Vilella, idem
0.37
Joaqnim da Alraeida Pinto,
idem o. 38
Dr. Joaquim Antonio Caroei-
ro da Canba Miranda, idem
o. 62
Jo- Jeronvmo Menleiro.idem
n. 70
Dr. Jos Bernardo Galvo
Alcoforado, idem n. 101
Jos da Silva Uardoso, idem
n. 108
Joaqaim Ferreira dos Santos
Coimbia Gmmares, idem
0.114
Joaquim Ignacio de Carvalho
Mendonca, de duas rodas
o. 9
Joaquim d'Assumpgo Quei-
roz, idem o. 12
Joaquim Marques de Souza
Mello, idem de alugael de
6* 5.0 6*5i
4 rodas n. 26
) mesmo, idem n. 27
Jos Nogaeira, idem n. 21
O mesmo, idem n. 22
Justino Francisco de Assis,
idem n. 12
O mesmo, idem o. 81
O mesmo, idem n. 113
O mesmo, dem n. 123
O mesmo, idem particular
de 2 rodas o. 132
Joaqnim Feraaodes da Rosa,
carro de aluguel de 4 ro-
das o. 29
O mesmo idam o. 30
O mesmo, idem o. 77
O mesmo, idem o. 78
O mesmo, idam n. 79
O mesmo, carroga o. 211
Jos Ignacio Borges, carro
de alugael de 4 rodas o.
33
O mesmo, idem-o. 32
O mesmo, idem o. 99
Jos Francisco dos Santos,
dem n 57
Joaquim Jos dos Santos J-
nior, idem n. 67
O mesmo, idem o. 68
O mesmo, idem n. 69
Joao lijptisia Nomertaao,
dem n. 86
O mesmo, idera,o.. 87
0 -mesmo, dem o. 90
Joo Felippe da Costa, idem
-yO. 118
0 ,roesmo, idem b. 130
Jos Durie Silvaira, idem n.
10 '
O mesmo, idem n. 62
O mesmo, idem o. 63 ,
O mesmo, idem o. 64
O ra4j)rao, idem n. 109
0 mesmo, carroga o. 617
Jos Plato Taya/es Jnior,
mnibus o. 7
0 mesmo, idem o. 8
Dr. .Kmg, carro particular
de 4 rodas o. 44
Lniz Jos de Carvalho, car-
roga a, 32 -
Luiz Antonio da Rocha, idem
0.119
Loo renco Ernesto, idem n.
121
Luiz Pereira Raposo, idea
n. 139
64 6* 540 540 6*540 6*340
6* SW 6*540
6* 540 6*540
6* 540 6*340
6* 540 6*340
* 540 6*340
* 540 6*540
* 540 6*540
< 540 6*540
6* 340 6*oiO
6* 548 64540
6* 540 6*540
6* 540 6*540
6* 540 6*540
6* 540 ojoto
6* 540 6*3*0
m 6* 540 6*340
6* 540 6*340
6* 540 6*540
6* 540 6*340
6* 540 6*540
65 540 6*340
6* 540 6*340
6* 540 C*540
6* 540 6*540
6* 540 6*340
6* 6* 540 540 6*540 CJoi
6* 540 8*540
t* 540 6*340
6* 540 6*540
6* 40 6*540
6* 6* 540 540 6*540 6*540
6* 540 6*340
6* 540 6*340
6* 540 6*540
6* 540 6*540
6* 540 6*540
~G* 540 6*340
6* 540 6*540


6* 040 CoiO
6* 6* 540 6*340 540 6*540
6* 540 6*340
65 540 6*340
6* 540 6*540
6* 540 6*340
6* 540 6*340
6* 540 6*340
6* 540 6*340
6* 540 6*540
6* 540 6*340
6* 540 6*54i)
6* 540 6*540
16* 1*440 17*440
16* 1*410 17*440
16* 1*440 17*440
16* 1*440 17*440
16* 1*440 174440
16* 1*440 17*440
16* 1*440 1754H
16* 1*440 17*440

16* 1*440 17*440
10* 900 10*900
10* 900 10*900
30* 2*700
30* 2*703 63*400
30* 2*700
30* 2*700 63*400
30* 2*700
30* 2*700
30* 2*700
30* 2*700
10* 900 141*700
30* 2*700
30* 2*700
30* 2*700
30* 2*700
30* 2*700
6* 540 170*040
30* 2*700
30*- 2*700
30* 2*700 98*100
40* 2*700 32*700
30* 2*700
30* 2*700
30* 2*700
30? 2*700
30* 2*700
30* 2*700 98*100
.
30* 2*
30*2*
69*400
30* 2*700-.
304 3*700
M '
6* 040170*040
T5t 2|230 54*50U
16* 1*440 17*440
6* 940 6*540
6* 040- 0*840
04 .940 6*040
6* 84O 6*340
I


'-
u* % fmnnmbnm Sabbado 22 de Juuho 4 JUHS
[

;
-
X
Luis Migail d'Ofceira, idea
0. 146
316*,, Idem i.
Luli Jos MaM
169
Laarentioo Pialo d'AImeida,
dem. o. 199
O mesmo, iJernu.
Loli las* Maf Me,Maa
a. NA
Lua GoroM 4'Aaevedo, dem
o. 233
Luii Goocalvsas Asta
dem o. 67-^ -1
0 mesmo, ide,a. 381
H jrdwfoi do bz Antooio.
Annes acoatTirei ide
n.171
Oj Baesmo*, ideWo. 868
Lmo Frioeoo Gws**, lem
o 590
Lioo Bento de Soazi Bran-
da), dem d, i 12
Leonardo Aatooio fio Qppi
ntc-Santo, identn
Laiz in Pereirf Gil
dem a. MI
Luir d'Arrada Midoirosidem
n. 642
La VJeetlifieje, idem a
61
U

M
63
64
3*0 6*5i0
540
5iO 13*080
51* 6*5i0
9- 6#5W
510
5i0lU80
540 13*080
540 6*540
510 6*540
o fio WI I |> .
' n. 0 C* .110
r* Gaema* T
P -6| 40
0*510
40 CjolO
6* 540 6*340
O dktsroo, idea o. 697
O iMsmo, dem o. 703
Laareatino Santyigo, idem
.708
Dr. Laiz Lopes Csstello-
traneo, earr% parUcular
al rodas o. 80
Maooel lavares Crrela, car-
6J
6*
6*
40 *
540
SiD 19*620
6* 5i0 6*540
16* 1*440 17*440
ro$|JL 46
O otan, idem o.
113
da Costa,
Hara Goocalves
idem o. 340' /.
A mesma, ilem f. 349
Maooel Coeibo, idem o. 364
O mesmo, idem o. 489
O mesmo, idem o. 494
Manoel Antonio Beltrao.idera
Dl5
O mesmo, idem o. 516
Maooel de Sooza Tavares,
idem 337
O raesrao, idem n. 393
Maooel Joto Ferreira Gai-
mares, dem o. 230
O mesmo, idem d. 315
Maooel Jos loreira, idem n.
363
O mesmo i Jera a. 627
Maooel Gon.alvesda Cucha.
idem o. 474
O mesmo, idem n. 558
Mara CirJ-.so da Conceicao,
idem a. 342
A mesmi, dem o. 606
Maooel Jj. Caraeiro, dem
0.5
Minjdl Cavalcante de Mein,
idem o. 14
6*
6*
61
6*
6*
6*
*
6*
6*
6*
6*
6*
6*
6*
6*
6*
63
63
6*
.540
546 13*080
'540
540 13*080
540
540
640 19*620
340
540 13*080
540
5i0 13*080
540
540 133080
540
540 13*080
540
540 13*080
540
540 13*030
6* 540 6*540
6* 540 6*540
(Continnar-se-ha)-
< litio. Sr. inspector da ihesoarana provincia
em cumprimeoto da ordeno dj Sxra Sr. vice-pre-
sideote da provincia de 7 do corrate, manda fa-
zer publico qae vai ooviioeale a praga no da 8
de agosto prox;nn vindooro, para ser arrematada
a quem por meooi llzer a obra do segundo laogo
da estrada de Una a Capoeira<, oreada em.....
22:000*000 e sob as clausulas abaixd copiadas.
As pesadas qae se propozerem a essa arremata-
ba compareca) na sala dis sessdes da referida
junta do dia cima mencionado, pelo meio da e
competentemeote habilitadas.
E para constar se raandou puplicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 10 de maio de 1372.
O oflhial-maior,
Miguel Affonso Ferreira.
Clausulas espesiaes.
1."
O segundo laoQ) ds. estrada do Uaa a Capoeiras
de 2202,9r) metros de extencao oa importancia de
!:000*000 ser ezecatado de conformidade com
o respectivo orsameoto e desechos untos, appro
vados pelo presidente da provincia e iostroccao
dj engenbeiro eacarregado da nscalisagao dos (ra-
bilaos.
2.'
O arrematante dar comego aos trabalho3 no
praxo de trala dias, e os concluir no de dezoi'.o
metes, contados ambos da data do contrato.
3.'
O trabalho ser executado a partir dos dons
pontos extremos para o centro.
4.
Os pagamentos sero feitos em seis preatacoes
iguaes, correspondente cada urna a am sexto da
importancia otal, quando os irabalhos executados
cotrescoaderem a essa qnaniia.
5."
Em tudo o mais que aqai nao vai e pacificado,
segair-se-ha o que a respeito dispoa o regalamen
lo ^31 do julho de 1866.
Conforme,
Miguel Affonso Ferreira.
= 0 lilm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial, era cumprimeoio da ordem do Exm. Sr. vice-
presidente da provincia de 27 de maio altimo,
manda fazer publica que no dia 5 de seterabro
prximo viodouro, pirante a jonta da fizoola
deta ibes jurara, se levar pregao, para ser
arrematada por quem por menos flzer, a obra do
5* Unco da estrada da Munbeca, oreada em
19:23.) j, e seb as clausulas especiaos abaixo de
claradas :
As pessoa3 que se propozerem a essa arremata-
rlo com larecam na sala das seS-Ses da referida
junta, no dia asima mencionado, pelo meio dia, e
competentemente habilitadas.
E para constar se raandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam
buco, 6 de junho de 1872.
O offlcial-maior
Migael Affonso Ferreira.
Clausulas eepeciaes.
As ob.'as do 5 lanco da estrada da ramifica-
<;) de Muribeca serio executadas de confirmida-
de cora a respectiva plaota e orcamento no valor
de 9:250*.
2' O arrematante dar comee.) as obras no pra-
so de am mei e as concluir no de oito, arabos
coatados da data do contrato.
5* A Importancia d) contrato ser paga em qoa-
tro prestares iftnaes, corre^pondendo cada ama
a 4* parte da obra totaL
4a Em tudo mais qae nao vai especificado as
preseotes clausulas se observar o regulamento da
reparticao das obras publicas. Conforme
Miguel Affoo90 Ferreira.
Clausulas especiaos.
1' As obns do 4 lanco di estrada de Muribeea
ojiafpoillncia de 14,-199*, seradj ejecutadas de
conformidade cora o ornamento e planta apprva-
da pelo presidente da provincia.
2* O arrematante dar principio as obras no
pmo ds am mez e as cotclair no le oito BMzea.
3' Os pftUBoios serio eftaetuado* em ualro
prastacjUea uaes, carrespoaVno, cid* ana ?
4' parta da obra executada.
4* En tudo-maii qne oii> af espwilcao se-
|Br^-aa.cwqf 9. da*p'3e o rfgalameola de 31 de
1 J Cf1' .
M. A. Ferreira.
9ECLARAC0ES.
O administrador da recebedoria de
reodas intimas geraes* faz publico que
ueste corrento me/, de junho que os dooos
de escravos residente! n jf limites trados
para a matricula no- actual qu juennio de
18881873 devem darosqua tiverem ad-
querido de jumo do anuo prximo passad;
al a presente, e requerer a elimioacSo dos
qae deixaram de pussuir por venda, liberdatt
de ou oito, visto que a matricula que %
esl procedeudo em viriude do regulamento
que acompanbou o decreto n. 4835 de 1 de
dezemirode 1871, paraexecugSo do artigo
S da iei 2040 de 23 do setembro do mes-
m) aun, uo dispensa da matricula a que
estJo sujeitts os escravos dos sanhores
cima mencionad js em virtud* do regula-
ment n. 412a de 28 de marco de 1868;
por quanlo cada urna das referidas matrica-
as proiaz se'js devido3 ellaitos, indepen-
denle ama q*j ootra : assim qae incorrero
Das maltas d'um e oatro regulamento os
qpe os infriagirem.
Recebedoiiade Peroambuo 14 de junho
de 4872.
Manoel Carneiro de Souza bmerda.
Uomp^nhia de cavllaria de
FemHmbuoo.
Teodo se de contratar o forneciraento de capim,
frelo, mol e miibo para a cavalbada da mesma
corapanhia no segundo sennstre d'este anno, con-
vido aos seahores que se qaeiram propor a forne-
csr os gneros cima mencionados, a comparece -
rem nu secretaria da compaohia no dia 22 s 10
horas da manhaa, com saas propostis fechadas;
advertiodo que o capim ter pelo prego de cada
kilogrammo, o milito, mel e farelo de cada litro.
U artel no Campo das Prineezas, 20 de junho de
1872.
Jos Joaqun Colho,
l'. n.ita i commandaole.
Dito da roa de S. 6oo$alo.
49:5Q0|(>>
Monteiro.
Gnafarudessa-povoaclo. 1513000
Escriptorio da compaohia do Beberibe iO
de janbo de 1872.
Jos Honorio B.
te.
imm
51
COMPANHU PEBNiUlBCANA
DE/
Navegando coattira por vapor
Em additaneoto ao aoooncio da sabida no da
16 W correte do, dos vapora-tata eompanbia
pof*ca e JafuariU para os portes ItmitropkM, t
nort e do ttl, m daclwa qm, se o paqoeie io-
\mn voHacpan a tero* f cbtfar a ests por
> a a Ngn 30, para tea smoao daa Ikar
traaleri* abida ossaaudiiM nams.
COI'MiA
O caixa desta eompanbia, o Sr. Gorbinia-
ao d'Aquino Fonseca, est autorisado a pa-
gar no seu escriptorio, raa. do Vigario n. 19,
das 10 horas s 3 da larde, o 48 dividen-
do desta eompanbia na proporgo de 2$000
por cada accSo : previniudo-se aos Srs. ac
cionistas que o paz^mentoser feito em moe-
da de obre qua na especie que o mesmo
Sr. caixa recebe dos arrematantes dos cha-
farizes.
Escriptorio da companhia do Beberibe,
13 d5junho de 1872.
O secretario,
Jos Honorio B. Menezes.
Arrematricao de movis
No dia 2o do correte, depois de fiada a au-
diendia do Illm. Sr. Dr. jaiz de orpdos, tem de
ser arrematados em prag publica, no primeiro
andar do sobrado n. 53 raa do Pedro AfTooso,
todos os movis perleuceote* ao espolio do final;
Domiogos Francisco Alves Ferreira, constantes de
urna mobilia de jac randa a Luiz XV, cama fran-
ceza da mesma madeira, mesa elstica, aparado-
res de amarello e mais pertence?, assim como os
atencios do armazem n. 76.
De ordem do llm.Sr. inspector da thesou-
raria provincial se faz publico para conhecimento
de qaers interessar, qne no dia 26 do corrento,
parante a jonta da mesma thesouraria, estao
novaraente em arrematado os alaguis das casas
abaixo declaradas, a contar do dia do recebimento
das chaves al o ultimo de jnnlio de 1875, serrn-
do di base para a arremaiacao os preces j offe-
recidos abaixo indicados. Os pretendemos deve-
ra > dirigir suas propostas era cartas fchalas, e
devidamente selladas, ao Illm. Sr. inspector al a;
11 horas da manhaa do refendo dia.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
oambaco 19 de junho de 1S72.
Servindo do offl:iaimaior,
Manoel Jos Pinto.
Relacao a que se refere o annancio cima.
Sobrado de do is andares n. 71 da ra do Padre
Floriano por 460*.
dem dem n. 11 da ra Direita 813*333.
Casas terreas n?. 19 e 21 da ra de Santa The-
reza 350*.
Armazem n. 7 no Forte do Mallos 1:350*.
Pela thesouraria provincial se faz publico
qae sabbalo 22 do correte baver ses?o extra-
ordinaria para serem jalgadas as habilitacSes dos
pretendentes arrematago dos impo-los provin
ciees.
Secretaria da tbesonraria provincial de Pernam
buco 19 de janho de 1872.
O offlcial-maior,
Miguel Affonso Ferreira.
Sabbaio 22 de juato
As 8 I|4
Primeara exhibicao do magnifico drama i
grande espectculo em 4 actos, representado in-
nmeras vetes, com geral *plaajj, Mt^JF
Janeiro, intitulado : "' **_
Genoveva de Brabante
DENOM1NACAO DOS AGIOS.
1.*A calamnia e a oesbonajk .
1" -O tribunal a as tortura.
3.A loncar e o desafio.
i.-0 combate e a vicloriat
Personagens. J| Actores.
Duque de brabante De-GovannL
Conde de Heaanlt Angosto Cesar,
Bario d'Hsdin Vieira.
Cavalbwru de Qaesooi Santiag).
Qnievran, piesidenle do tri-
bunal Pinto. X;
Cavalbeiro d'Assas Rernardino,
Dito de Nantai. Barros.
Edgar-proscripto Peregrino.
Oudenarda Ollveira.
Vander Lessa.
Ohvier Senna.
Capito das guardas Silva.
Steven Flonndo.
Roberto Pkiladalaho.
Jacob Souza,
Um pagem Carvalho.
Genoveva, daqaeu de Brabante B. Isabel.
Margarida D. Dorolba.
Cavalbeiros, Odalgos, homens d'armas, pageos,
arautos, soldados e puto,
Terminar o espectculo com a muito graciosa
comedia em 1 acto.
0 caixeiro da taverna
Os bilbetes acham-se desde j no escriptorio do
theatro.
Principiar as 8 l|i.
Domingo 23 de junho
\' ti horas da tarde
Segunda represeutaclo do drara
Ilha tes Miguel
> o indiealo porto sfgoe em poneos dias o
Cmkaetense ji tem tres par-
portnim
le** arfa engajada pSrt' o resw tro* loe fal
u e passageiros trata-sa com os consignatarios
Ferreira de Alraeida4 C, caa Madre de Dos n*
36, armazem. TI E
Para Lisboa
leva sabir com omita brevidade o lagar portugoez
'ulio, tem a maior parlo da caiga prempta, e pa-
ta o reto e pissageiroj trata se coa os consigna
(arios Thomaz de Aquino Fonseca C. Snccesso-
rM roa do Vigario n. 19. 1 andar.
PARA'
S hir em poneos das o pslhabote portugnez
Syntpalhia : para o resto da Carga trata-se com
Pereira Vianna & C. na ra do Vigarw n. II.
Baha.
O veleiro biate SMonfldiAiat segne para c
porte cima nesieafa. com ji Aaior brevidade
possivel por, estar com parle do carregamento
prompto, e para o resto trala-ae Com Tasso I.-mos
fl O, roa do AmoM jaj f 1 .___________
iVorto porLisbod
Paraos indicados portos pretende sabir com a
possivel brevidade a barca porlogoea Ceres, na-
vio de 1* classe, por ter a maior parle de sea car
regamento engajado, e para o qae Ihe falta, que
recebe a rele commodo e passageiros, para oe
qaaes tem aseiados commodos, trata-se eom o
consignatario Joaquim Jos Goncalves Beilro
ra do Comraercio d. 60.
Terminar o espectculo com a linda comedia
Bertha de castigo
Segunda-feira 24 de junho
As 6 horas da tarde
A pedido
OS BELAGRES
DE
SAJtfTO AVTOBIO
Terminar o espectculo com a graciosa come-
dia em 1 acto
0 caixeiro da taverua
avisos martimos
OIH'iXIHV
-l'J lill.lJILiLUli.
Dos portos do sal esperado
at o dia 22 do correte am
dos vapores da eompanbia, o qnal
depois da demora de costnme
seguir para 03 portos do norte.
Eacommendas de pequeo valor, peso, medida
e tambera dinheiro, recebem se at a 1 hora da
tarde do da da sabida do vapor.
As encammendas viadas por este vapor sarao
entregues at o dia da sahida dom9smo, no es
criotorioda eompanbia, depois desse t-.rrao sero
recolhidas no trapiche do Dantas
Pa/a (retes e passageiros trata-se na agencia
ra do Comraercio 0. 8.
Para o Porto
Depois de pouca demora nesta porto dever se-
guir viagem com destino qnelle, a velsira barca
portugueza Imperial, tem grande parle de sen car
regamento engajado ; e para o resto que Ihe falta
a passageiros, aos qaaes cfferere muito bons com-
modos, trata-se com Soares Primos i ra do Vi-
ario n. 17.
O Illm. Sr dire:lor geral interino manda pu
blicar o artigo 2 7 do regulamento inlerao de
30 de julho de 1859, abaixo transcripto, caja ob-
servancia recGmmenda aos professores pblicos,
afirn de evitar qae caotinuem a fazer ebegar
presidencia da provincia reqaerimentos sem ser
por intermedio da directora geral, como precei-
tua o dito artigo.
Secretaria da instrueo publica de Pernambu-
eo 15 de junho de 1872.
O secretario,
Aurano A. P. de Carvalbo.
Regiment interno para as escolas publicas de
Dstraccao primaria desta provincia, organisado
em viriude do 7 do arl 3' da le a. 369 de 14
de maio de 1855.
Ar. 2. O profesor publico nao pode :
jj 7a Reqnerer licenca oa dirigir qaalqaer re
querimeolo ao presidente da provincia sem ser
por intermedio do director geral, devendo o reqne-
rimento ser informado pelo delegado e documen-
tado quando isso for necessario. O reqaerimento
suoir direelamente presidencia quando conti-
ver queixa contra o proprio director geral.
Conforme.- -O secretario,
Anreliano A. P. de Carvalbo.
O Illm. Sr. inspector da tbesonraria provin-
cial, em comprmeme da ordem de Exm. Sr. vice-
presidente da provincia de 27 de maio altimo,
manda fazer publico qae Do da 5 de setembro
prximo viodouro, perante junta da fazenda da
arman ttottonrla, se tev*r i prego, para ser
arrematada por quem por menas flaer, a obra do
4* lanco da estrada de Muribeea, oreada em
ti: 100*, e sob as cattalas oapsciaes abaixo de-
clarada. :
As pesseas qne se propozerem a essa arrela-
lacio comparesam na sala das sessoes da, referaia
asta, no dia aeima mencionado, peto mel dia, e
competen temante habilitadas.
8 para constar se mandn publicar o presente
palo jornal.
leefetaria da thesouraria protioeial oe Par-
auURblco 6> junho de 1872.
0 ofScial maior,
MifSKl Aonso Fanaira.
mmm
DO
BEBERIBE
No dia 25 do correte pelas 12 horas do
dia tora mpreterivelmenle logar no escrip-
torio da companhia, roa do Gabog n. 16,
a arrematado cbs cliafarizes e bi:as por
bsirros, nao se admitiindo propostas que
comprefaendam mais de am bairro e uem
por espado maior de am anno.
Os Srs. licitantes podem comparecer com
9eos fiadores ou declararlo dos tnesmos no
mencionado dia, devendo sor as propostas
em carta fecbada, com a limitacSo da quantia
oa antes no escriptorio, onde melhor pode-
ro informar-se das condices da contracto
d'arremataco. Declara-se aos Srs. licitan-
tas que o pagamento ser feito em sedu-
taa.
BAZE3 SOBRE AS QUAES SE DEVE
LANg\R.
Bairro do Recife.
Ghafariz e bica do Caes da raa do Apollo,
ftito da roa da Cruz.
Oito da roa do Brom.
Dito e bica do Forte do Mallos.
19:6O0#000
Bairro da Boa-Vuta.
Ghafariz e bica do Caes do Capibaribe.
Orto da raa d'Aurora.
Dito da cidade nova de Santo Amaro.
Dito do lagar do Campo-Yerde.
Dito do largo da Soledade.
Mo da caixa d'agoa doa Pires.
Dito daPrasa do Conde d'Ea.
COHPAMHIA
DE
Navegado Brasilcira
Dos portos do norte esperado
at o da 28 do correte o vapor
Paran, coamandante Garcia,
o qnal depois da demora do cos-
tme seguir para os portos do
Para carga e passageiros trata-se na agencia.
Eacommendas de pequeo valor, peso, medida e
tambern dinheiro, recebem-se at 1 hora da tarde
do dia de saa sahida : na agencia, raa do Com
mercio n. 8.
As encommendas viadas por este vapor serio
entregues at o dia da sahida do mesmo no es-
criptorio da companhia, e depois deste termo sa-
rao recolhidas no trapiche Dantas.
Rio Grande do Sal
Para o referido porto preteade seguir com bre-
vidade a barca portagueza Arminda por ter parte
da carga- engajada, e para a qae ihe (alta trata-
se eom o consignatario Joaquim Jos Gongaives
Beltro, rna do Commercio o. 5. _________
Ilha de S. Miguel.
Para o indicado porto, segne com a maior bre-
vidade possivel o. lugre porlaguez Ltma de 1.
classe, anda recebe alguraa carga, e eneommen-
das. Tem bellas acoramodacoas para pessagelres ;
trata-se eom o Sr. consignatario Joo do Reg Li-
ma, rna do Apollo ni. -*
Esa Heuriette
W, G. Fenneliy consignatario do brigus argen-
tino Biisa Henrielle, declara as pessoas qae tem
canias com dilo navio qne nuodem apresenta-las
at o dio 22 do correte em sea escriptorio a ra
do Commercio n. 38, 1' an lar, e que daquelia da-
ta em diante nao se responsabiliza por negocio
ci algum do mesmo navio.
FAZENDAS BARATSIMAS
L0JA DO PAPAGAIO
T na da% Imperalriz n. 40
Os propietarios desta bsm oonhecido estabelecimeoto scientificam ao respaitavel pa
blico qae acabara d-. receber am coaspleto sortimento do que ba de mais moderno, eaa
(Saiinhas, alpaca;, crtes-de seda e popelinas tudo do melhor Rosto assim como :
espartilbos, vestuarios pasa meninos, de 13a entenados, v js de fil de seda brancos e
pretoa, e mate.
Luvas de pellica branca.
Camisas bordadas para senhora.
Setins de todas as odres.
Sedas pretas listradas.
Creiones para vestidos.
Damascos largos carmefim.
Camisas francez^s e ioglezas, lisas e bor-
dadas.
Cambraias brancas victorias para todos
os urecos.
Bramantes de linbo e de algodo para
lencos.
Madapoles inglezes e Irancezes de lodos
oa precos e larguras.
Fazendas pretas de todas as qualidades
como sejam : Crep, cassas, merinos, boa-
bazinas, caot3o, princetas,aipacas,chitaeelc.
Luvas branca de fio de escossia.
Popelina branca lavrada.
Grosdenaples pretos finos.
Pelo qne Gca especificado se t. que o estabelecimento est bem sor ti do, deeutru
muitaa fazendas, que deizamos de mencionar, para nao nos tornarmos enfadonhos.
Nao declaramos precos. ma- n3o deisamos sabir freguez algum por servir.
Offlcina de alfaiate.
Dirigida por Mr. Charles Laoreot hbil meslre alfaiate. Grande sortimento de
rsonos pretos, azues, casemiras pretas e de cores, corles de collele de gorguro, e una
completo sorlimento de roupas feitas de todas as qualidades.
Oa precos s3o menores do que em 'qualquer outra oQkina. Na
LOJA DO PAPAGAIO
A' ra da Imperatriz n. 40.
DE
MNDES & CARVALHO



LEILOES.
DE
Fazendas e miudezas
Para encerrmento di fac-
tura
TERCA-FEIRA 23 DO CORRENTE
A'S 11 HORAS DAMANILU.
enlomo Lopes Rodrigue, tendo de mudar o
ten estabelecimento de miudezas, da ra do Vi-
gario a. 11, para a rna do Mrquez de Olinda
(ontr'ora Cadeia), e querendo liquidar por todo o
prego diversas fictoraa por conta do fabricantes,
e eipr venda muit>s outros ariigos recente-
mente despachados, Tara lo.lo o agente Oiiveira
por atemoejio de seu preposto Pinho Borges de
de um magnidco sortimento de miudezas todab
proprias do mercado, existntes no seu amigo ar-
mazem roa do Padre Tenorio (ouir'ora Vigario),
consistindoem extractos, banbas, oleas, dos me-
Ihores fabricantes; booets para meninos, chapeos
para senhoras, baloes, saias, espartilbo3, luvas da
Jouvin. papel, sabidas de baila;, grvalas, casave-
ques de seda preta e de crochet ; e mailos uniros
ariigos, assim como um completo sorlimento de
fazendas Irancecas, ioglezas e allemaas, a saber :
cambraias, lencos de bnbo branco, brins brancos
e de cores, panno nao, casemiras pretas e de cores,
las de liados padroes, chitas, madapoles e al-
godoesiabos, tado existente em sea armazem on
de ser effectuado o leilo para o qua I convidam
e esperam a eonenrrencia de seu numerosos
freguezes: tercia fjira 2o do correte msz, s 11
horas da manhaa no snora mencinalo armazem.
LOJA DE JOIAS
Esquina da ra do Cabuga n. 11
Confronte ao pateo da matriz de Santo Antonio
O dono deste importante estabelecimento acaba de aformosea-lo, enriquecendocom
um grande e bello sortimento de joias modernas, e de apurado gosio como sejam : Bo-
nitas cagoletas e brincos de nix, brillante e pedras preciosas, etc., continua a receber
de Paris, por todos os paquetes novo sortimento, e encarrega-se de mandar vir qualqoer
encommenda. Convida-se as Ezmas. familias visitarem o dito estabelecimento, o qua!
estar aberto noile at 8 horas. Yende-se por precos mui commodos, e garaate-se a
^alidade do ooro.
SE610S
W. G. FENNELLY RA DO COMMERCIO N. 38 i ANDAR
Leilo
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DI
aYegatjSo cestelra por rapor.
Mamangaape.
O vapor Coruripe, com
mandante,Santos", seguir;
para o porto cima no
dia 28 do corrate as t
horas da tarde.
Recebe carga, at o dia
27 encom mandas, passafeiros e dinheiro a frete
at as S horas da tarde do dia de saa sabida :
escriptorio do forte do Manos o. 11
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
SaYegat?o costelra por vapor.
Macei, escalas, Penedo e Aracaj.
O vapor Gfwi, commandanu
Guilherme, seguir para os por-
tos cima no dia 28 do crreme
as 5 horas da tarde. Recebe car
ga at o dia 27, eoeommendas.
jassageros e dinheiro a frete at as t horas
da tarda do dia da sabida : escriptorio no Porta
do Manos n. 12.
COMPANHIA PEJINAMBUCANA
DI
%avcga*?5o costelra por vapor
Parahyba, Natal,Meci, Mossor, Ara
;aty, Cear, Mandaba', Acarac e Granja.
O *por \pojuca, eomonn-
dan te Mean, seguir para
o partos adma no dia 28 le
crrente as B horas da u
Recebe, carga at o dia
-----------------'eoooa meadas passageiros e i
aheiro a frete at as 2 ho-ras da Urde do a
sabida : no escriptorio doForte do Mattos n. 12.
*-----:---------------------------------------------%
PARA O
*
ai sahir em poneos das a jalara Nova Faaja
: para cax|a e pasugaira aos quaes offexjb
... olientes commodos, trata-se com Soares PriaW,
raa lo Yifvio n. 17.
DA
Casa terrea da roa do Yisconde de Goyan-
na n- 163, edificada em chao proprio
Quinta-feira 27 do corrente
A'S 11 1|2 HORAS DA MaNBA.
Por intervenco do agente Pinto.
Leihlo
DO
Sobrado de 3 andares e solio da ra de Domin-
gos Marlins n. 138, ontr'ora Sonzalla Velba. edi-
ficada em chao proprio, e com 2 rameos, o
qnal torna-se recommendavel pelo seu bom ren-
dimento.
QUINTA-FEIRA 27 DO CORRENTE
s 11 horas.
Por intervenco do agente Pinto.
Em sen escriptorio roa da Cruz n. 43.
LBIUO
DE
Animaos constando de 3 egoas e ama
dellas com am potro.
QUINTA-FEIRA 27 DO CORRENTE
A's 11 horas da tnanaSa em ponto
O agente Oiiveira f ir leilao por intermedio de
seoreoslo Pinho Borges, a requer ment do
Sr. Dr. carador de auzentes, e por despacho do
Illm. Sr. joiz de auzentes, de 3 eguas e urna dellas
com am plro; o leil?o ser enectaado no dia
27 do torrente mez, s 11 horas do da,. no caes
Vmte e Dons de Novembro.
DE
Um sitio no Porto da Madeira de Beberibe
n. 7, com casa terrea, cocheira, estriba-
rla, cacimba, morado na frente, porto
de ferro, com. 160 palmos de frente e
43S de fondo, con baa (de capim e
arvoredoa.
SEXTA FEIRA 21 DO.CORRENTE.
Por interveoc* o afennyPmw, em sea escrip<
lorio s rna o Bom aesps n. 43.
I ll,l li
asas n. W.
H'l.. I.ll
Hm OIVERSOS
.i------------------------
O Sr. oeqota Salvador Pessoa de Siqaei-
ra Cavalcanie, qoeira apparecer nesta tvpo-
fraehia, tea rejeo-cia, para eoocHiir o qne
promettea.
RU i DO BRUM N. 52
(Passando o chafariz)
Annuacia aos senhores, de engenhos que por falta d'agua
ou mortes de animaes nao possam tirar suas safras, que est
prompto a assentar vapores dentro era 8 dias do pedido applican-
do elles as moendas ja existentes.
Tem em deposito variado sorthnenlo de
MOTORES PARA DESGAROGAR aLGODaO
A vapor, agua ou animaes
inclusve alguna que nao precisam de obra alguma de carapina
pelo que podem funecionar logo que cheguem ao lugar.
FORMAS PARA ASSUCAR
Aquellcs propietarios quequizerem formas podem desde
j fazer suas encommendas, pois a casatni em viagem e j
ehegado numero suliciente para suprir a todos quantos queiram
MAGH1RISH0S DIVERSOS
uesta fabrica ha deposito de todos os iiiachinismos empregados
ta provincia, e acceita-se encommendas para fazer vir qual-
quer machinismo a vontade do cliente.
I.
O Sr. Melquades Antones de Almeida
qoeira vir esta lypographia conclnir o pa-
gamento do alugael da casa em qoa mora
em Olinda.
tfeiter.
Preeisa-se de um nortaleiro e jardneiro que en-
lenda de mais plantacdes : a datar na ra de Pe-
dro Allonso n. 28.
A pessoa qae recebeu da cidade de Campia
Grande urna encommenda para o conego Dornel-'
las, morador rna Nova de O inda, annonele a>
soa morada para ser'procnraila._______
HA DE SABIR!
Feslas! estas! Feslas!
Para os festivaes dias
DE
S Joo e S. Pedro
FOGOS DE VISJA CH1NEZES.
Novo e nunca visto sortimenlo de fojos
artificiaos para saloes e jardins, todo o qae
ba de mais deslumbrante e sorprebendeote
oeste artigo, em caixas com grande varie-
dade de 20,5000 a 50000 cada caixa.
A' venda no caes da Alfandega n. 1 em
frente ao trapiche da Conceico.
Engeuho.
Ningnem laca negocio com o engenho Capricho,
do Sr. Jeaqnioi U& AroHa, em Una, sem primeiro
se eotMaier com o teente-coronel Thomaa Alvee
Maoiel, propietario do engenho Monte-po, oa com
tea correspondente Joaquim Baptista de Araojo,
nesta pwja, roa do Mrquez de Olinda, ontr'ora
ra da GMfcafa 4o ReeHe n. 3, loja.
*f
< -i .."
NOTAS
Companhia Allianpa
seguros martimos e terrestres
estabelecida na Bahiaem 15
de Janeiro de 1870.
CAPITAL..Ra. 4,000;000*000.
Toma seguro de mercadoriaa e dinheiro
a ruco tonto em avio de telta e wpo-
res para dentro e f6ra do tofeno, assim
como contra ego sobre predio, gneros e
fazendas.
rm\
T
Troca-se noUs do banco do Bread e de aoaa
Na raa Daque de Caxtai (ontr'ora as Crutts)
1.15, arsauem da trastes, veode ae mobilias na-
cionaes e suangeiras, assim como obras avuisas
por pftc.0 eomoao.
s



ftiane da Prn^mJae
Sabbado M 4m*_ii_o dr 1872
1

I
URGENTE
Nesta typograplta se precita Miar coa
urgencia aos correspondentes dos Srs. abai-
10 racionados, para eviurem a suspeoslo
4o Diario.
Coronel Jos Carvalbo da Araujo Cavban-
te, em Garantios.
Antonio Jos de Castro, em Bom-Jardim.
Caara monicipil de Buique.
Dita dita de Pi d'Albo.
Dita dita do Granito.
Dita dita de Goyanna.
Tcente Ferreira Tabosa, cm Frecheiras.
Pedro Vctor Bouletreau, no Cabo.
Jos Pedro Velloso da Silveira, em Gamel
leira.
Antonio da Cuaba Pereira Brandio, em
Agua Preta.
Vigario Florrano de Qoeirot Coalinbo. em
Una.
Joaquim A. Xavier da Maia, dem.
Panto Cavalcaoie de Albnqnerque, dem.
Joaqoim Venancio Caldaira.em Bexerros.
Diooixio Ferreira Jacobina, no Altinbo.
Vigari) Frti Pedro da Pnriflcaclo Paze
Paiva, em Aguas Bellas.
Flix Ribeiro de Camino Jonior, em Oo-
ncory.
Rodopiano Florencio de Cirvalbo Calumby,
no Brejo.
GASA DA FORTUNA
Aos 5:0001
Bilhetes garantidos.
4 raa Prmeiro de Marco (oatr'ora roa de
Crespo) n. 23 e casas do costnma.
O abaixo assignado, tendo vendido nos mus I
.un bbetea quatro quinos d. 430! com 5:000*,
doas cuartos n. 76 com 100)000 rs e outras sor-
las a* i/000 e 20/000 da lotera que se ac
toa de extrabir (8*), convida aos possui dores
a virem reeeber na canformidade do costme sem
descont algum.
Acham-se a venda os bilhetes garantidos d>
parte das loteras, a beneficio da igneja de N.
S. do Rosario do Recife, 9*) que se exiraima na
quinta-leira, 27 do correte mez.
PREQOS.
Bilbete inteiro C/000
Heio bilbete 3/000
Qaarto 1*500
Em porfi de 100*000 para cima.
Bilbete inteiro 5*500
Meio bilbete 1*750
Qaarto 1*375
Mano! Martin Finia.
ira raipio KOCnHi-i
ce pnuiliXARo
Por asta secretaria sa Tai publico qoe o
Initttnto Archeologico, frinqueia o ?eo ar-
chivo e muren a quaeiquer pessoas decentes
qne os queiram visitar em todos os dias
otis, deide as 10 hora* da manla at is
2 da tarde, consentindo qne alli se trasla-
des qnaesqcer manuscriptos 00 impressos
de qne se liver necessidade.
Agradece cordeabMDto aos cavalheiros va
corporacSes qne lite offerecerern obras im-
pressis 00 manuscriptas sobre quakjoer
ramo dos conheeimentos humanos, especial-
mente sobre historia e geographia patria.
Compra a diobeiro essas mesmas obras
00 manoscriptos, que existam em mos de
pessoas qne as nio queiram offerecer.
Obriga se a mandar copiar i soa costa
qoaesqoer antign dades de reconhecido in-
teresse, onde qoer que ellas existan.
Secretaria do I os ti tolo, 17 de jacho de
1872.
J. SOARES B'AZEVEDO,
Secretario perpetuo.
Dr.R. Vianna #
Medico operador e partelre, recen- cft
temenle chegado da Europa, uode do Hr
dicoo-se a cirargia, partos e especial- St
mente as molestias e operares de vas ^
gento ourmanas, tem o seu consulto- ji
rio rna do Vigario o. I, segundo an- l*R
dar, onde d consultas do l|2 dia as 2 >ffi
cora-, gratis aos pobres. W
Pode ser procorado a qulquer hora jg
do dia on da noate.
Roa do Vigario n. I. S* andar. Ojk
Aoga-se o armaiem n, 11 da rna do Bnrgos
(troprio para eolher gneros : tratar com Jos
Feliciano de Nazareth rna de Pedro AfTonso n
20, antiga roa da Praia.
Confeitaria e restau-
rante
N. 40Roa de Santo AmaroN- 40.
O deno dete estabelecimento tem a honra de
participar ao respeitavel publico qne prepara
unalqoer eneommenda com todo asseio e promp-
idao, e por menos preco do qoe em outra qual-
quer parle, assim cerno, bandejas enfeitadas do
melhor gusto, por preco commodo ; tambem re-
cebe assignanles de meza, fornece eomedorias
mensalmente eavolsas, por preco mailo razoavel;
para S. Joao aeha-se tornecido de bolos de todas
ae qualidades e por precos eommodos e (eitos com
omito asseie.
Engommadeira.
Lava se e engomma se com perfeicao roopa de
bimm e de senhora : na roa de Dias Cardoso,
iCaldereiro) n. 16.________________________
CASA DA FORTUNA
RDA DE MARCO OUTR'ORA DO
CRESPO N. 23.
Callea que paga as orles
Aos 20:000^000.
O abaixo assignado tera sempre exposto ven
OS felizes bilhetes do Rio de Janeiro, pagand.
aroaptameote, como costuma, qualquer premio.
. PRECOS.
Inteiro 24*000
Meio 12*009.
Qaarto :6*000..
Manoel Martins Fuza.
200:000
Grafica-se com duzentos mil ris a quera
apprehender um cahrinba de neme J0S0,
desapparecido em 16 de ontubro de 1870
com 13 annos de idade, boje 15, bonita fi
gara, cabeca um pouco grande, cabellos
carapinh.a bons denles, pescoco corto, e
costas lisas. E' natural da Lagoa do Mon-
teiro, provincia da Parabyba, aonde loi de
um Sr. Gojo, morador no sitio Poco Fon-
do, damesma povoacjSe, e negociado em 24
da setembro do referido anno de 1870 com
oSr. Jos Patricio de Monra Cas, de Sanio
Antao e garantido pelo Extra, baro de Na-
zareth. Nao tendo, porm, bavido noticias
at boje, apezar dos aBnuncios distribuidos
por toda a provincia, e nem de ter procu
rado a mai nos Afogados, que nma preta
de nome Candida, do Sr. Jos Lucio Lios,
de snppr ter sido desencaminbado e de
estar com ouiro nome oo estar ao servico
dealgoem. Rogase, portanto, s autor ida
des policiaes e pessoas do povo a sua ap-
prehensao e levar ra do Doqae de Ca-
las n. 26, 2. andar, on de o recolber
casa de deteoco, que se gratificar com a
quaotia offerecida.
travessa da rna
das Crines n, 2, pri-
neire andar, da-se di-
nhelro sobre penkores
de ovo, prata e brlhan-
tes, seja qnal for a pan-
fia. Na mesna casa con-
pram-se os lesnos ne-
taes epedras.
SEGUROS
MARTIMOS
E
COMTRJl FOGO.
A cosnpanbia Indemnisadora, establecid
Mita praca, toma seguros maritimoi tobrt
nieto seos carregamentot e contratoge
1 t&LliM, mercadoriai moblaj; ni
r do Vigario o. 4, pavimento terreo.
OlbaeUeL
Mfa-Maolll.lr.ifMcn
erMn u da4e d NaureH /
(averie viran tolmm
su, isla Mrafc* ehidi dtil, jarawa, u
U d&Mmbro proxlaso passado, 4 denota pi
Miro, paaso a taMrtiro ihttL e uiA eomj
isoreaumotvo 4s not chamad* parat
ana; poi V. 8. eta Umasv ao* ato n*
(U uto da to aanoa, ojMBdo o aenhor
Ibo m aehava ao ee nesu
Alnga-se
a casa terrea lita no povoado denominado Dnarte
Coelho em Olkada, qoe tea frente 4 axalelo com
asuntes coramodos para familia, tendo 3 sala, 7
fnartoa, cosios (Ora, easa para escravos, galli-
iheiro, cacimba, qaintai murado e poni- para
ando com terreno ate a eamba .- i tratar una
DomiBf ai HunTlqoe Mafra, no awsmo rogar.
Escrava
Preeise-e de orna, escrava, boa
cotinneira e orna livre para en
gommar e (azaro servido intern
de oasa de familia, paga-se bem : na roa da Cco*
do Recite n. M, armaiea, oa no Corredor do Bia-
po e. 51.
AMAS'
Precisa-te de ama
preferlndo-se escrava, para
_ casa da peqneoa familia, pa-
; na raa estreija do Rosario n. 3i, tirj
-'estsa se de dnas amas,
aenlef' ata* exclusivamente
Pisa eoyahar e ontra para
isa de poaea familia : aa rna
i.__________
Precisa-se de orna ama pa-
ra, cua de familia d dna*
_ ^iliBWfta, fMta coiinbar e en-
jmar : a tratar na rna Direila n. 3, i* andar.
%ala^
Para familia peqneaa e
pooeo servio* : roa da Cruz,
n. i, armaiem.
' Precisase de nma atas para conchar e ou-
tra para eogommar : na roa da Corredor do Bu-
po D. II.
P
Presisa-se alagar orna ama aserava qne taiba co-
iinbar a eogommar; traa se e pan-se bem; i rna
de Vigario n. 16.1* andar
TRILHOS URBANOS
DO
Recife Olinda
e Beberibe.
A directora resolvendo recolber todos os bilhe-
tes qne se sebam em circuladlo, convida aos se-
nsores possnidores virem troca-los por dinbeiro
no escriptorio da companbia s segnnda e sextas-
feiras, at r tim deste mez, das (0 s 12 boras da
manba. Findo este praso, os referidos bilhetes
serio aceitos somente em pagamento de passageus.
Escriptorie da companbia 5 de junbo
de 1872.
O secretario,
Lauranlioo Jos de Miranda.
Na Praca da Independencia n. 33 se compra
ouro, prata e pedrs preciosas, e tambem se vende
vjbras de ignal especie.
Claudio I. tarneiro Lea-, Poiicar-
po I. Layme, Camiilo A. F. da Sil-
la, Luiz Coelho, Francisco A. Coe-
lho Jnior, Raymnndo A. Coelho,
Basilio L Coelho, Flaviano C. Coe-
lho, Anna L. C. Layme, Josepha E.
C Leal, Carolina de C. Ferreira da
Silva, Hara F. Coelho e Halena R. da Silva cor-
dialmeote agradecen) a todas as pessoas que se
d gnaram acompanbar os restos mortaes de sen
moi prexado sogro, pai e cuchado, Francisco An-
tonio Coelho, ao cemiterio publico ; e de novo os
convidara paraaisistirem amista do stimo dia,
qoe ter logar no dia 22 do correte na matriz da
Coa vista, pelas 7 boras da machia ; confessando-
se desde j eternamente reconhecidos._________
Pedro Tavares da Costa,
soa mulher, filbos o genro,
agradecen) do intimo d'alma
a todas as pessoas de sna
amzade qoe se dignaram
acompanbar ao cemiterio
publico, o cadver de sua
presada ulna, irrna e cuchada, Mana Tavares de
Almeida, e de novo rogam a estas mesmas pes-
soas o caridoss favor de onvirem orna missa que
ter lugar na igreja do Divino Espirito Santo s
7 horas da machia de sexta-feira 21 do corrente,
stimo dia do sea passauento, por enjo favor,
desde j se confessaro eternamente graios.
ajxaBJBJBBBJJBJBBXaBJi
Jos' Domingos da Silva
Peixoto
V sociedade provisoria
Philotimia, convida a todos
os sens membros e aes pa
rentes e amigos do finado
Jos Domingos da Silva
Peixoto, para assislirem as
mi-sas que pelo sen eter-
no reponso, manda celebrar sabbado 22 do cor-
rente as 8 horas da manba na igreja do Divino
Espirito Santo,_________________________
Antonio ilatheiis
naodes.
Das Fer-
D. Tbereza Dempyna Dias
Fernandes e seos filbos
agradecem cordialmente a
todas as pessoas que se
dignaram acempanhar os
restos mortaes do sea pre-
sado marido Antonio Ma-
thens Dias Fernandes al o cemiterio, de novo os
convida a assislirem a mista qne por sna alma
mandam celebrar no dia 22 do correte as 7 1|2
boras da manba na capella do cemiterio.
Alfredo Gtber agradece i to-
ldos os amigos e carentes do finado
Augusto Creton que acnmpanharam
n sea cadver ao cemiterio publico,
e os convida para assistlrem a mis-
H que pelo sen eterno repens
manda celebrar no sabbado 22 do
7 horas da manba, na igreja do Cor
corrente, s
po Santo.
SITIO.
Aloga-se nm na Capnnga, travessa da Ventara
n. 3 com grande casa de morada, tendo mais co
cheira, estribara, quartos para criado, tanque para
hacho, dito para lavagem de roupa, maltas frac-
teiras, sendo o sitio a margena do rio : a tratar na
roa do Mrquez de Olioda n. 35.
Precisa-se de um menino para caieirxo
blco : na roa do Coronel Soassnna el,
de
AGENCIA
Precisa-se de um agente nesta cidade para
as machinas de costura de Howe (Howe
Sewing Machine) de Nova-York. Para mais
plena informacSo dirija-so a W. E. Waler-
mao, agBBte geral da Howe Machine G)tn-
pany. Roa da Quitanda n. 66. Rio de Ja-
neiro.
fastilhas de Mannita
As pastilhas de Mannita sJo por certo a
medicina racional dos meninos* aos quaes
se administram com excellente resoltado
para os males de garganta, coqueluche e
falta de apetite. Para ellos nio ha porgan-
te mais suave e que tornern con mais pra-
ter. Estas pastilhas previnem tambem as
convulsoes qne resoltan dos accidentes da
deoticio, e tem ama acelo muito poderosa
como o vernn fugo.
Deposito Pbarmica Americana de Fer-
reira Maia 4 C, rna Duque de CaxiM n. 97,
Dr. Manoel Enedioo Kego Vallenca
Medico
21Roa da Caobos do Carmo 21
? andar.
f
AMA
Ka roa das Trincbei-
ras n. 80, t* andar, pre-
cisa-se de nma ama pa-
ra comprar e cozionar.
FOGO ARTIFICIAL
lo arattiena do Vapor
Fraoeez, raa do Ba-
rio da victoria (oa-
tr'ora risa Xeva) o. V.
Ao arsnazesH do Vapor
raocrz. raa do Ba-
rio oa victoria (oa-
tr'ora ra Xova)n. 9
FOGO CHINEZ DE SALDES
Para os festejos de Santo Antonio e S. Joao
Chegon graade parejio destes lindas foguinhos japonezes, franceies, aUapiat, da vistas
muito bonitos, fabricados especialmente para meninos e sennoras soltaren aam medo algnm da ae-
rean offendidos, alera desle foguinhos, ba mnita pistola, eravtiro, flamas e rodinhas fabricadas no
pan por nm dos aaals afamados artistas oeste genero nesta eidade.
TRAQUES DA CHINA
Vende-se maia barato em caixas.
aiiiunii nunnH awaaoawj
B RALRS AKROSTATICOSI LDVAS DE PELUCA"
AMA
Preeisa-se de urna ama para coii-
nbar : ao largo da Santa Cruz n. 10.
AMA
rna Velha n. 91.
Preelsa-se de ama ama para
todo o servico interno e externo
d ama casa de pouca familia :
Kugio no fim do mez de novembro do anno de
1869, do engenbo Gott, sito aa comarca de Na-
zareth, a escrava Tbereza, de 30 annos de idade
pouco maia oa menos, com o* sigoats seguimes :
cor mulata bem clara, balxa e grossa do cor-
po, rosto redondo, olhos caitanbos e grandes, na-
riz nm tanto chato, bocea graade, dente* grande*
e cangallos, cabellos meios lonroe e caxealos
para as ponUs, braco* e pernas groasas, ps car-
tos e grossos, com algumas cicatrizes de relho
as costas.
Igualmeole est fngido desde o dia Jd de feve-
reiro do correle anno o escravo crioalo de no-
me sgoetinbo, de 40 annos de idade pouco atis
en menos, e os signaes seguales : cor bem pre-
ta, alto e grosso do corpo, rosto redondo e car-
nudo, o tos pretos e grandes, naris chato, boc-
ea grande, beicos grossos, representando dons
beicos do lado de cima, com falta de dentes na
frente, cabecz oomprida e calva de diante para
traz, principiando a pintar tanto no cabello como
oa barba, pernas doas, ps torios apalbetadoi,
com ama cicatriz eco nm dos regeitos dos ps,
Este escravo foi comprado a Pedro Gareia,
morador oo sertio do Sabogy, e } fez ama sabi-
da com destino aa sertio e foi preso em Bom
Jardim da comarca do Limoeiro.
Rogase a todas as autoridades policiaes, on
mesmo pessoas particulares, qoe os prender e con-
dazir ao referido engenho Goit, a serem entre-
gues a sea setrhor o major Christova de Hol-
landa Cavalcante de Albnqnerqae, ser por cada
ira gratificado coro SOOdOOO rs.
Ama de leite
i
Pre isa-se de ama ama de leite sem filno: na
rna do Cotovello n. 129. Na mesma casa precisa-
se de orna ama para cozinbar.
.Ama de leite
Anda precisa-se de nma ama de leite: no pa-
teo do Livvramenta n. 33, 2o an4ar.
Casa de campo
Aloga se a do Exm. Sr. conselbeiro Jos Bento
da Cnnna Figneiredo em Ponte de Uehda, coja
casa e sitio tem excellente:- eommodos, bachos do
eneanamento da Companbia de Beberibe, e do rio
Capibaribe, mnitas arvores de frocto, estribara,
cocheira, e diversas aeeommodaedes para pretos e
feitor : a tratar no escrptorio do mesmo conselnei
ro, roa do Imperador n. 5?, das 10 horas da ma-
nba as 3 da urde.
Uopeiro
Precisa-se de nm copeiro no hotel de Apipueos;
a tratar no mesoo hotel, on na raa do Mrquez
de Olinda n. 53, 1* andar.
Acba-*e auzenle de casa desJe dezembre ae
anno passado o escravo Piel, de naci,. baixo e
tem pouca barba, os olhos quasi sempre muito
vermelbo?, e moito palrador : qoem delle son-
ber oa der noticia queira dingir-se roa Daqae
de Caxias n. 43, oo Imperairiz n. 16, 2*. andar,
qpe sera recempen*ado. -
400000.
D-se a qnantia cima a quera appreheder os
escravos Manoel Ricardo e Fiel, qne fagiram no
dia 14 de maio deste anno : o 1* da provincia
do Cear, e veo para esta pequeo, cabra ataio-
cado, cabel'os cacheados, ps pequeos, baixo,
bom corpo, bocea lascada, com pouca barba no
queixo, e pouco bigode, representa ter 30 annos,
ladino, e gosta de andar lirnpo ; soppSese ter le-
vado em soa companbia ama mulher de nome
Rachel, alva, com cabellos cortados. Fiel, cabra
claro, idade da 27 annos, altara e corpo regola-
res, cabellos carapinbos, andar vagaroso e espi-
gado, tem falta de ama ooha em nm dos dedos
grandes dos ps, um boraqainho no nariz encos-
tado as ventas, proveniente de um eooce de ce-
vallo, pouca barba ; levou em sna companbia nma
malher de nome Felismina. de cor alva, coro boro
caballo. Da-se metade da RraliQcacao aeima a
quera levar qualquer um destes escravos ae en-
genho Uacaoass, freguezia da Escada, cu no Re-
cife, roa do Cabog n. 18, osa de Manoel Jos
Forreira Cruz.
Abea-se auseute da casa de sua senhora, a
escrava Manoella, com os signaes segninles : cor
preta, baixa, seeca do corpo, com algumas marca8
de bexigas, ps e maos pequeos e nariz afilado
tem falta de cabellos no centro da cabeca prove-
niente de carregar pesos, e tem alguns cabellos
braceos, e mais urna cicatriz de fogo no meio das
costas : quem a pegar leve-a casa da viuva do
clrurgiao Teixeira, roa Real. ____
s
Precisa se de um cozinheiro : na padarta da
raa do Rangel n. 9.
mmm^mm mmmmmmmm
Pharmacia e drogara \
m de
m Pedro Maurer & 0,
| O abaixo assignado participa ao xespei-
Oj tavel publico que desde o dia 2 de abril
S prximo passado passon a pertencer-lhe
I o estabelecimento de Pedro Maurer & C
na ra do Bario da Victoria, ontr'ora ra
B Nova n. 23, coroprehendendo-se todo o
I activo e passivo da mesma casa. O abai-
M xo assignado que desde muilos ancos tra-
5 balhava naquella estabelecimento como
I pharmaceatico e chimiso promette e ga-
rete ao publico tm geral e aos sentares
5 facnltativos em particnlar de servi-los
bem com a devida prompdao e fldeli-
M dade. A casa continuar a gyrar debai-
5 xo da firma Pedro Maorer & C.
J. Kirchhofer.
1081
0501
Na praca da Independencia o. 33 se d de gra
tificacto a quem a presentar a escrava Marisa
na, preta, de idade mais de 50 annos, bastante la-
dina, com falta de dentes, estafara baixa, tem sido
por doas vezts encontrada com nm balaiobo na
raa da Aurora em direceo da via-ferrea,oa entio
em Santo Amaroi em todo o caso parece qne deve
estar por aqoellas immedrkr,oes, est ausente des-
de 6 de fevereiro.____________________________
Prectsa-se alngar ama casa terrea com bons
eommodos a quintal, oa Soledade oa Boa-vista : a
tratar;na rus da'Cadeia do Recife n. 55.
nico dopcsito em Pernambaco dos chara
tos G. Schoorbaseh da Babia, no escrptorio de
Cunha A Manta : vende se de todas as marcas,
por precos establecidos, e em porcio de 5,000
para cima se dar descont : na rna do Mrquez
de Olinda n. 40.
100^000
Ser gratificado oom a qaaota cima menciona-
da qoeiaT dr informecoes snffldentes para ae
prender a possoa on asneas, qoe aa madrugada
de 12 do corrate apagarvn os lampedea da illa
minacio publica, desde a rna do Viscoode de Goy-
anna (oatr'ora Moodego) al aa/assigem da Mag-
dalena: ena noite ie 13 do aadante qnebraram
varios Jaqpeoes naa mesmas mas.
Vkm. Nwrblgging,
a.
*- O Bonqoet das Daau a rna Primeiro de
Marco rJ. 14, contina no eort de cabellos e lazar
barba, para cojo aister tem bons artistas.
%.%%>
Precisa-se de ama para
tratar de eriancas : rna da
Anrora ,n. 5 segn lo andar.
Paga-te bem] a nma mu-
lher capaz qne saiba engom-
mar e qneira estar de ama
em casa de pouca familia em oro sitio : a tratar
na rna Nova, toja n. 7.
*.*
BALE8 AEROSTTICOS
pequeos de 8 a 12 palmos de
papel de seda, de cores mnito
bellos e facis de soltarse.
GLOBOS de papel de cores
para Iluminares e papis ar-
rendados proprios para enfei-
tar bolos.
SOTES FRANCEZAS, mui-
to Interessantes contendo alm
da leitora, novidades qne (a
zem realcar mais o diverti-
mento as rennides das nen-
ies de Santo Antonio e S. Joio.
branca e de cores para
bomens e sennoras.
LEQUES para senboras
e meninas.
BRINCOS e pnleeiras de
ouro bom para senno-
ras e meninas.
\^&Y
Na rna Nova n. 18, precisa
se de ama ama para com-
prar eoziabar. _____
AMA
Precisa-se de nma an.a
qne saiba cezinhar, para
casa de bomem sotteiro :
a tratar na roa do Amo-
nm n. 39.
%m
Precisase de urna ama
par lavar, cozionar e engam-
mar : na roa ds Pedro Alfon-
so n. 40.
Precisa-se de ama ama para o servico in-
terno de ama casa de poaea familia : na roa do
Bom Jess, antiga rna da Cruz n. 55, 3 andar.
Precisa-se de nma ama para o servico
de urna casa de duas pessoas : tratar
roa da Coofeigo n. 7.
AM1
Precisase de nma ama for
t a oa essrava para comprar
e cozinbar para nma casa de
duas pessoas : na roa do Vigario n, 1, 3* andar,
sobrado amarello.
%m
AMA
Preci-a-se alegar urna ama para
casa de pouca fomilia : na rna larga
do Rosario n. 20, 1* andar.
AMAS
Precisa-se de dnas amas,
urna para engomando e oa
tra para cozinbar : a tratar
na raa do Vigario n. 5, 3*
ander.
Loja
Traspassa-se o arrendamsnto da loja da raa de
Bario da Victoria o. o : a tratar na mesma.
Lava-se
e engomma-se com toda a perfeic3o roupa
de homem ou de Sra., mediante preca ra-
soavel; no Largo do Paraizo n. 3, confron-
te ao oit3o da refinaco de assocar.
Airoso
Anda se continua a forneeer almoco e jantar
para fra na raa estreita do Rosario sobrado n.
35. As pessoas que quizerem dirjam-se mesma
casa que se dir os presos : manda-se levar ero
casa dos assignantes e faz-se mais em eonta do
qne em outra qaalqoer parte e todo eora aeio.
Armazem de deposito
Recebem-se em deposito volamos de fazendas oo
qualquer oatro genero a preco moito mdico : a
tratar na raa do Commercio o. 48.
C0S1NHEIR0J
Precisa-se de am oa roa das Laraogei-
ras n. 30.____________________________t
Interesse
O Sr. Jos Al ves Machado Gaimaries qneira ter
a bondade de vir a ra do Imperador n. 28, a
negoeio de sna conveniencia.
Precisa-se ee ama criada para casa estraa-
geira, para cozer e eogommar : a tratar na raa
dr> Commercio n. 38.
Amaral Sabuco & C. tendo acabado de vender
os (ogos cbinezes e franceses qne receberaro, con-
vidara a seas amigos e fregueses a virem de aovo
a sea estabelecimento ver e examinar om
completo sortimeato qoe acabara de reeeber pelo
ultimo paquete d'Europa, sendo aaeias de fio de
Escocia para hornees e sennoras, brancas e de
cores, lavas de casemira brancas e de cores,, car
teiras para bilhetes de boo I e de camiebo de fer
ro, para dinbeiro, etc. etft o mais commodo qne
tem vindo ao mercado, aderecos para senhora?,
eorrentes para relogios de nma e dnas ponas, as
mais bonitas e modernas, perfumaras de diver-
sos fabricantes e ootros objectos : no-Bazar Vic-
toria, roa do Bsrao Victoria n. 2, antiga roa Nova.
Precisa-se de aro caixeiro de 12 a (6 annos
de idade, com pratica de tavema, prefere-se por-
tugus : na raa da Soleiade n. 47.__________
O abaixo assignado, nico agente desaa
fabrica, avisa ao pulico que tem aborto
o deposito de dito ras ne sel escrpto-
rio roa do Vigario o. 21, oade oa fre-
gnezes en contrario seapre a fuanlidade
que precisaren).
' Recre, 29 de abril ie 1872.
Dominaos Alvos Matheni.
MM ^^ anfattaKasKasn'asn'a'
W. 11 WMWMM.WW.
Calcado francez chegado de novo.
Maito boas botioas para bomens, para senboras, meninos e meninas.
Quinquilharias e perfumaras
Brinque dos para crianza
Novos sortimen'.os de um sem numero deste artigo para entreter as eriancas, tndo a preces
mais resumidos que possivel, no armazem do Vapor Francez, rna do Bario da Victoria, ontr'ota
Nova n. 7.___________________________________________ ________________________________
Aluga-se
ama easa terrea cora estr baria, margem rin rio,
sita no Manguinho ; a tratar na roa do Vigario
a.31.
Grande offlelua dV m BRAGA A PIMEN1 RL
Roa Nova n. 3.
Nesta offleina trabalba-se era encau-ieiiusd'j-
gaa, de ltoeiro, caldeireiro, fuoileiro, asm sarif
mento de bombas de n. O a n. 8, alambiques, la-
xos, torneiras, vlvulas, tubos de chambo, sinos,
obras de folba, bacas de ferro estanbadas, cobres
de engenho, espamadeiras, cadinho para randicao,
lado por precos eommodos e promptidio para
qu.lquer trabalho. -______________________
Capnaga ou Passagem.
Precisase alagar urna casa que nao exceda a
25J mensaes : a tratar na travessa do Queimado
n. 1, antigo beceo do Peixe Frito.
cozinheiro.
Precisa-se de am cozinheiro para casa de fami-
lia : na rna do Mrquez de Onda n. 35.________
Feitor
Preclsa-se de um feitor no hotel de Apipueos :
a tratar no o.esmo hotel, oa na ra do Mrquez
de Olinda n. 53, indar.
No dia 4 de agosto do anno passado ausenlou-
sp do engenho Camaragbe o escravo Vsente, ae
idade 40 annos, cabra, de altura regular, tem
: loto* os dentes, e sao limados, tem cicatrizes de
11-1 ida que teve as pernas, e tem manchas bran-
cas nos ps e as roaos, bem ladino que costaroa
1 involver-se em presepios, jnlga-se qoe esteja em
Montes de Una ou em Goyanna por ter la paren-
tes : rogase as autoridades on a qoem o appre-
hender leva lo ao Recife ao Sr. Jos de Sonsa
Barreiro<, na ra da Companhia Pernambaeane
n. 2, que ser) generosamente recompensados.
0< abaixo assigoados declarara a) respeita-
vel publico e especialmente ao Ilustrado corpo do
commercio qne tem jnsto e contratado a compra'
do estabelecimento, sito a rna da Penha n, 6 livre
e desembaracado de qaalqoer debito qoe possa
apparecer.
Recife 19 de junho de 1872
Silva Jnior & Irmao.
Aluga-se nmescravo pos.-ante oa vende-
se, sabendo cozinbar e fazer qualquer compra e
mais servico de casa : na raa da Cadeia nova
n. 16. Na mesma casa prectsa-se de urna ama
de meia idade. _______
Engenho Soledade
Este engenho situado oa ribeira de Gititnba,
a margem do rio Camaiagibe, de grande extenso
em terrenos os melbores que se pdem desejar
para a cultora de cannas ; rr.e com agua e tem
proporcSes para se levantar mais doas engenhos
d'agaa guarnecidos coro ricas mattas. Esta pro-
priedade vende-se cu arrecda-se, e tambera d-se
terrenos para levantar outros engenhos pelo tempo
que te convencionar : a tratar com seu propie-
tario ao largo do Corpo Santo n. 17, primeiro
andar.
E<
'Cravo
Vende-se um excellente escravo para servico
de campo oa mesmo para a cidade : a tratar na
roa das Aguas-Verdes o. 78, piimeiro andar, das
11 horas as 6 da urde.
Dinheiro a premio
Da qaantia de300A de 4 0005 coa garanta
contento: na ra das Trincheiras o. 48, 1* an
dar, se dir quera tem para dar._______________
Precisa sede urna ama para cozinbar e com-
prar : na ra da Unao n. 5'6. _
L. 403.
Bolea dos Des
N.o
INTEIRO.
.N E U P.
Tz.
B. F.
Precisa-se o um nonelo e jardineiro para
ora engenbo prximo desta cidade ; a tratar-se
na roa da Anrora n. 55._____________________
Conciliapao
E a comparecer a sua sesslo magna que ter lugar
no dia 2 do corrente.
Cosinheiro
No cal cbinez ra larga do Rosario
precisa-se de nm cozinheiro.
n. 31,
Mana Kosa da Conceico previne as auto-
ridades competentes que, ausentando se sea filbo
Ernesto, de idade de 10 annos, de cor fula, cabel-
los carapnha, cilios e nariz grandes, constoo-lhe
que fra seduiido para uro dos eogenhos de Goy-
anna. O qne faz publico para em todo o tempo
constar.
Aluga-se
o 3" andar do sobrado da roa do Amorra n. 39
com eommodos para familia: a tratar no armazem
do mesmo.
CAIXKiRO
Precisa-se ds uro caixeiro com aigama pratica
de taberna, de idade de 10 a 12 annos, e qne d
fiador a sua conducta : a tratar no pateo de S.
Pedro n. 1.
Dr. Sarment Fi-
cirurgio do hos-
Qaereis fazer um presente ?
Queris preparar nm vestido ?
Queris ter um bom ebeiro em vosso toucader I
Queris am lindo leqae de qualquer qualidade 7
Queris am nao oleo tnico oa banha para vosso
cabello ?
Nio indagoeis nem procuris em ontra parte, por-
que correris o risco degvos cansardes e nio en-
contrardes; dirig vos logo a -Nova Espranos, rna
Daqae de Caxias n. 63, ende tereis a certeza de
achardes e por prego rasoaveL
Imperial fabrica ?-i
F de L Comarca de Flores.
Rap areia fina da Bahia*
DI
Moretra & C.
O
lho,
pital Pedro II, de vol-
ta de sua viagem a Eu-
ropa, contina no ejer-
cicio de sa profsso,
na casa de sua residen-
cia a roa do Impera-
dor n. 29
O baebarel Flix de Figueiroa, promo-
tor publico da comarca de Pajeb de
Plores, advoga nos termos de Flores, In-
gasalra, Villa-Bella e Municipio do Tri-
nmpho. Eoearrega-se da eioranca am-
gate! ou Judicial de qualquer debito, per
coromoda poreentagem : qoem de seas
prestmos se qoizer atilisar, pode dirigir-
se directamente aojannaaeiante,on eolea-
der-se eom oa Drs. Manoel de Figueiroa
Paria e Fellpee de Figueiroa Faria, na
ra Duque de Caxias a. 44, eacriplorio
do Diario i* Ptrnambuco.
a
0 repeitavel publico convidado a vir exa-
minar o magnifico sortimento de miadezis finas o
objectos de pbanlasia que existe no estabeleci-
mento denominado Bouqnet das damas roa Pri-
meiro de Marco n. 14, prmeiro andar,, e compa-
rar eom os de ootros estabelecimentos 'do mesmo
genero, convencendo-se desta forma da modicida-
de de sens precos e conveniencia de compra-los
de prefereoeia ; no mesmo estabelecimento sena-
rio sempre boss lavas de pellica braoea, pretas
e de cores, para homens senhoras e meninas.
Obras de cabellos verda-
deros.
Mlle. Marie Lavergne faz sciente as saas Exm a?.
entes e as Sras, em geral que conserva sem-
re am grande sortimento de coques, cacbepaio,
crescentes, tapetes, bucos e o mais necessario ao
perneado elegante d'ama senhora, nao s venda
como para alagar : no Bouquet das Dxmas. a rna
Primeiro de Marco n. 14, antiga do Crespo, pri-
meiro andar.
t
Aos 5:000,5(000.
Bilhetes garantido da pro-
Tela.
Ra do Baro da
Victoria,
Outr'ora ra Nova n. 63 e casas
do costume.
O abaixo assignado acaba de vender nos seus
muito felizes bilhetes a sorte de 800 em qustro
quartos de n. 628 e am bilbete iateiro de o. 1448"
com a sorte de 300/, alem de outras sortes me-
nores de 40i e 20/ da lotera que se acaboa de
exirabir (8*), e convida aos possnidores a virem
reeeber, que promptamento sero pagos.
O mesmo abaixo assignado convida ae respeita-
vel publico para ir ao sen es abelecimento com-
prar os muito felizes bilhetes, qne nio deixar de
tirar qaaiqaer premio, como prova com es mes-
mos aonuucios.
Acha-se a venda os muito felizes bilhetes ga-
rantidos da 4' parte das loteras a beneficio 6a
igreja de 11. S. do Rosario do Recife qne ser ex-
irahida no dia quinta-feira 27 do correte mez.
PRECOS.
Inteiro 6/000
Meios 3/000
Unartos 1/500
Da 100(9000 para cima.
Inteiro 5/300
Meios 2/750
Qoartos 1/375
Joio Joaanim da Costa LaiU.
Pernambiaeo Street Rallway
* i ompany iManlted.
Alm dos treos da tabella, no dia 23 a meia
noute, de Caxang ao Recife, e no dia de S. Joao
24 do Reeife a Caxanga s 4 heras da madruga-
da e a meia noate de Caxang ao Recife.
Escrptorio da coupaobia, 20 de junho de 1872.
C. C. Rawlinson,
________________________Gerente.
smm
Joaquim Bezerra Pesaoa d G. participara
a teas amigos, fregoezea e devedores e
com especialidade ao respeitavel corpo do
commercio, qoe modaram o sea estabeleci-
mento de fazendas da rna da Imperatriz a.
II A para a roa do Bario da Victoria n.
48 (antiga roa Nova).________________
Perdeu-se hontem 17 do corrente ama letra
da qaantia de 198/393 ris, acceita pelos Srs.
Correa & Irmao e Joaquim Jos de Medelros Cor-
rea, ambos da Parabyba. vencida hontem 17 :
quem a acnou queira leval a no escrptorio de
Lehman Frres, qne ser gratificado. Avisa-ae
aos aceitantes, ou qaalqoer pesaoa qoe nao faesra
transaccao eom a dita letra, seaio com oa saeca-
dores Recife, 18 de junbo de 1872. _______
Precisa-se de un aada para casa estraa-
geira, para coaer e engomosar : a tratar a raa de
Cemmercio n. 38.
I a_M _a_af_gaV _tf
lCT
Advafado.
Otacbartl Joio Goasaga BaceUar tem
escrptorio e residencia; aa villa do Cabo
raa Doqoe de Caxias n. ti.
Eoearrega-se de causas civels, erimes
a eommerciaes, bem como de defasas ae-
rante o jury nos taraos supramaaciona-
dos.

.





Diuno d JPernamJbap Sabbado ?2 de Jimho de 1872
U
FABRICA 8E MACHINAS
A1 Ba o Bario do Triumpho (rua do Brumj ns.
100 104.
a IRMAO
AVISAM ios Sw. de engenhos e ao publico em geni, qde teera recebido da Europa,
grande sortimento de ferragens para engenhos e para lavoora, e quaesquer ootros ozos
e mistares da industria agrcola, o que todo vendern por presos razoaveis.
Formas para assncar ff"s' *imMn de diversM ""
VnnriM borizooUes e verticaes j bem conhecidos nesta provincia e lora dalla,
*Jr~fF oa melhore qoe team vindo a este mercado
JxL08IlQciS completas de diversos tamaBhos, obra muita forte e bem acabada.
IBL61&S H106UUttS par, agsentar em grades de madeira.
XolXftS Q6 I6rr0 t ferr0 fcmdido e batido de diversos tamanhos.
BodaS d agua, de diversos Umanhos.
K-OUSS dentadas 6 versos tamanbos e qualidades.
Pnnnartnc Concertam com promptid5o qaalquer obra oa machina, para o qne
OUIlOUrbUS iwm su* fabrica bem montada com grande e bom pessoal.
Encommendas
Mandara vir por encommenda da Europa, qaalquer ma-
cbinismo, para o que se corresponden! com urna respeita-
vel casa de Londres e com nm dos melbores eogenbeiros de Inglaterra; incumbem-se
de mandar asseotar ditas machinas, e se responsabilisam pelo bom trabalbo das mesmas.
RUA DO BARAO DO TRIUMPHO NS. 101,102 E 104
______________FUDICAO DE CARDOSO A IRMAO_____________
0 BAZAR NACIONAL
i
O praprieUrio do Bazar Nacional, Lourenco Perelra Mendes GuimarSes, declara ao
respeitavel publico que recebeu gran le sortimento de fazeodas, para sua loja. na ruijda
Imperatriz o. 72.
NOVIDADE.
Vende- faslao branco para vestidos de
senhora e roupa de meninas a 360 rs. o
canato.
CASSA FRAN ^EZA A' 240 RS.
Vende-se cassas francezas para vestidos
de senboras e meninas 240 e 320 rs. o co-
vado.
LASINHAS PARA VESTIDOS A' 160 RS.
Vende-se lasiohas para vestidos a ItiO,
24*. 400, e 500 rs. o covado.
CORTES DE CASSAS A" 2*400.
Vende-se cortes de cassa de cores 20400
'ira liquidar.
CHITAS FINAS A' 320 RS.
Vende-se chitas francezas finas escuras
e claras a 320 e 360 rs. o covado.
CAMBR.UA TRANSPARENTE A' 30000 A
PEQA.
Vende-se pecas de cambraia trasparente
finas a 30000, 30500, 40000 e 50000.
Pecas de cambraia Victoria a 30500,
40000, 4J5O0 e 5^000.
ALPACAS DE CORES A 440 RS
Vende se alpacas de cores para vestidos
a ilO, 50O e 640 rs. o covado.
TIRAS E ENTREME10S BORDADOS
20000,
Vende-se ntremelos e tiras
para *nfeitar vestidos brancos
I05OO a dusia, ditos de linho a 20500 e
40000 para liquidar.
CORTES DE BRIM A' 10500.
Vende se cortes de brim de cor para
calca de hornero, a 10500, cortes de gaoga
a 100(0, brim de cor a 320 e 400 rs. o
covado.
ATOALHADO A' 0COO.
Vndese atoalbado para toalhas a 10000
o metro.
Bramante de 10 palmos de largura i
10800 e 20500 o metro.
MADAPOLO r 30:00.
Vende-se pegas de madapoiSo a 30000,
40000. 405W, 50000 e 60000.
COBERTAS DE CUITAS A' 20000.
Vende-se coberlas de chita a 20COO
cada nma,
ALGODO A' 30000,
Vende-se pecas de algodaosinno a 30OOO
40000 e 50000 a peg<.
ROPA FEITA.
Vende-se camisas brancas 20000, 20500
30000.
Seronlas a 10000, 10500 e 20009.
Palites de panno preto a 50000, 70000
6 100010.
Palites de alpaca preto e de cores a
bordadas 20500, 30003 e 305CO.
20000 e PERFUMARAS PARA LIQUIDAR.
20500. 30000 e 40OOO.
SALAS BRANCAS A' 20000. Venlese um frasco com pumada france-
Vende-se saias brancas e de cores para za a 200, 320 e 500 rs.
senhora a 20000 e SOOO. Vende-se oca saboneta fioo a 200 e 320
CHALES A* 10000. Vende-se am frasco d'gna de cologne a
Vende se chales ile 15a a 10000, dit03 de 240 e 32) rs.
merino estampados a 20000, 30, 40e 50. E culros moitos extractos finos que se
LENQOS BRANCOS A I05CO vende sem reserva de preco, no Bazar Na-
Vaade-se lencos bran:os com barra a cional, na rua da Imperatriz n. 72.
Si
123
^Sf
J/^1
*2j
s3
L^TVJ
2
Aja


L*"**
t?i
r?5
CCh
I l
AVIAM
----------------
=r


aos compradores do bem conhecido e acreditado rap
REA PRETA, que reparem nos botes e meios botes,
pois que os ha de rap de outra fabrica e nome diver-
so, e com papel da mesma cor, cujo desenlio se pode
confundir com o d'aquelles.
Os apreciadores que qaizerem do verdadeiro REA
PRETA, devem para nao seren engaados ver que
os botes tragam o nome de MEURON & C, e a desig-
nado de REA PRETA.
FOGOS ARTIFICIAD
Para festejar Naatq alonto, *.
jroio e Pedr>.
Soma A Guimarae, pioprkuri s da j mk*
cothecida loja de ferragens iua du Bj.4
Victoria d. 39. (ootr'ura roa fon) veein avietr
a ?eus tregeles e so publico pin geral, qoe *e-
b ni de ree+ber um lindo e variada iciiiumbw
de fjgos c luanes o incis Modo patatal qoe
(ole di-fejr, as-im como desde ja receberue-
eoiomeodaa para toJaa as qualidades de f igos.oa-
riooaes para a< melhore fabricas deeia .ei4a4e.
Os aoDuncianies (o vida rao li.Jos os metes pa*
mclhor servir a todas as pe.-aoas que se d^oasi
henrar eu eiabnlermeolo m sna praen^a.
I
ftixas dVl'artaruKf.
r^i
Junio a b >a pitada, (ambem eoeontrarin os Sn
lomante.", a exeellrntes caixas de seo de taru-
ru/a obra bem acabada e a eornocodo preco.
rn Prim^im de Marc' n. 0! hbriea iimwriat
IrIlr
Todus d.-vem cortar daqoi cte anooncto e cra-
ae-lo oa carteira co livrode leinbranca, cumocu-
sa de grcde atilidade.
POItQE 'ELLE
mlica oDde com certeza se pode eucootrar oa e:-
cominendar nm bom prejente qne de improviso
iiueira maodar a qualmer p*tsoa,
A Sal VI COMO
indica elle onde se pudera encontrar am fiambre
bem preparado, nma empada, um gaiheauz de te
reine, um mang. th, cm pedio?, um bro lino, aat
pao de lo e urna ofroida.de de bolos e pasten di-
versos, proprios para lanche, sobre-metas e of-
rendas.
ALEM DI?SO
tn tica mais onde e encoutrara empre : froen
do tempo tant'> nan^nae* e> mo estrangeiras, di:*
.fecos e rm cald.i narionaes w rao^eiios, itcjfes
e violto tinos, coosfrvas alimenticias e excitantes,
bolaxiohas e holinhos pata cha e ontros iriaiio
ubjectos >|'.ih se turnara por demais eof-lont 4
.ua Inteira discrlpcn
E FINALMENTE
para ase se posea laxer nm imzo aproximado
SO" INDO PESSOALMENTE
a cocteitaria do Campos
l'.ii de Impera cor n. i.
Tome-se bem a camella de que, a frente de**
estabelecimeot) se seba collccado un lampea i qu
se conserva aceso nonte, at as dei horas.
V33 -Rua Impe.nai-233.
No ;.iir.:.iciii do sal encontrara" os amadore*
do b.inquedo de f.>go artihci es um ctmpieto (r-
tirr.ent de fjgo, tanto o pait romo da (.bina, de
dilTi-rectes qusiidade, com especialidad para
criaucas. por "Co commodi.
i2?l
MEURON ft C.
$**$$*ft ***&$&
CONSULTORIO HOMEOPATHICO. g
DO *
IIR. tASl\OVA g
Largo da matriz de Santo Antonio K
b. 2.
Cousulias e visitas a toda a hora. Me-
dicamentos e carteiras dos melbores fa- .
bricanles. 9
Sahir
Rua do Duque de Caxias n. 51.
A. A. P. S
*
*
s
COMPRAS.
COMPRA-S
moedas de curo e prata na loja da roa do Mar-
qaet de O'inda n. 58.__________^_____'
Uompra-se
tras'.es novos e asados: na rua io Impera-
dor d. 48, armazem. ._ _______
Compra-se ferro velbo, cobre e metal velbo :
no armacem junto ao trapicho Pelonrinbo, todos
os dias mus, das 6 da maoba 39 4 da tarde.
AON. 9
Se progresso do pateo do Carmo tem um com-
pleto sortimento de manteigas tinas para diversos
precos de 500 rs. a libra at 1J280.___________
Perden-se o recibo de n. 17 de 200*000, da
Compaahia Pernambaco lUilway, de II de no-
verooro de 1871, pertenceotea Jaouario Rodrigues
Bella : pede-se a pessoa que aoboa de entregar
na rua de D. Mana Ce*ar, oatr^ra Senzala-nova
numero i. __________________________
Sitio.
Alof a-se nm na. Capuoga, travessa da Ventura
r. 3, com granJccasa de moradia, fendo mais co-
ceira, estribara. qnarto3 para criados, tanqie
para bando, dito para lavagem de roupa, maitas
/rocteiras, sendo o sitio a margena do rio : a tra-
tar na rn do Mrquez de Oiinda o. 35._______
DesappareQa o nervoso
Os hornees que aTfrem de nervoso as mi* es-
cialoMote qaando escrevem uteiramente preja-
dicial; mas, qaerendo ver-se-iivre desse mal, ve-
nham a Neta Esperaoea e comprem um annel
elctrico qor o mal deaapparecer; assim tambem
a senhora (jse soffrer de igual mal comprar
una pntseira elctrica rJcar perfeitamente boa
boa ; tndo iseo se eneontra na Nova Espera-nca
a.rwa Doqoe de Caxiaa 03. _____________
Escravo fgido
Aoeentoa-se .desde 13 de maio proseo passa-
do o preto AlreoY, de triota o tantos annos, es
talara, alto e ftMgro, olhos graodes e tem na
geito -no andar, prfflito c:iinbeiro e foi eseravo
/lo Srs. Adriano A Castro, ejiltim'mente do gr.
/os Joaqnim Gofiatves BasKs, costoma aadar
pela Ca ponga e Poro da Panella, e consta queja
oi visto na cidade 'de Onda ; estes sao os pon-
m aonde eWe tem andado : quem o pegar tra-
gao a rua Duque de Caxias a. 91, loja do Rival
sem Segando, ae ser bem gratificado,
cWiBcffio homBpathPco m
DO
Dr. Santos Mello
43Ra do Barao 4a Vitoria43
msala ra 7, 2* m-
Grande revolnpao...
C0II5AS DESTE AMNO.
. Aioda o anno passado por este tempo ( quere-
mos duer pelo lempo do3 festejos a Santo Anto-
nio. S. Joao e S. Pedro) tados lutavam com serias
difQcnldades para supprirera-se do que neces-
eario para taes festejos, principalmeoie no que
diz respeito aos bolos de S. Joo. Este anno nao
acontece outro tanto, porque temo- nesta cidade
ama confeitaria sita rua do Imperador n. 21,
sob a denominado de
Confeitaria do campos
cujos propietarios n) tem poapado esforcos para
qae este esUbelecimento satisfaga com promptido
e asseio qaalquer encommenda tendente a elle,
! por 19SO ja v o ilkistrado publico desta cidade e
especialmente ae Exmas. familias qne est remo-
vida essa difflculdade, notando-se aim disso en-
eontrar-se-ba naqueile estabelecimento o segointe:
Papis ricos para sones, sones promptas, amen-
doas confeitada?, foges japonezes e acienaes que
ge podem soltar no* aloes sem perigo algum,
E MAIS E MAIS E MAIS
Bolos de todas as qualidades, bolmbos para cha,
cb verde e preto, chocolate de diversas qualida-
des, cremes, pastis, pudn-, empadae, nongatbes,
fatbeaux de la reine, j>ons-bocados, fiambres, sa-
ames, conservas excitantes e alimenticias, cacas
francazas com oa seta tabaras, figuras para ban
deijat, caixtnhas ricas para presentes e anda
mais : licores Anos, viahos. charopes etc. etc.
TDO I^TO
Ka confeitaria do Campos.
Residencia
dar.
Vacciaa lodu as qaoUs mingos.
Gratis aos pobres.
mmmmmm-mmmmmx
Rua da Imperatriz n. 7.
Roupa branca
s
Compra-se -plices da divida provincial
na rua'Nova n. 53, loja. _________
No antigo armazem
de apencias da rua do Imperador d. 16, compra-
se effeetivamente trastes usados e novos.
Fabrica de fiacao e teciaos.
Compra se nm terreno, oa parte de engenbo,
comprehendendo glande cachoeira e arrale para
fundaco da fabrica, as proximidades da via ter-
rea : tratar com o euiprezario, Silva Barroca,
roa do Marqez de Oiinda n. 4.
09 senhores que pretenderen] accoes desta em-
preza, queiram apparecer at o da 25 do corren-
e raez, quando ser fechada a subscripgSo.
Lehmann Frres vendem
libras sterlinas : a' rua do
Crespo n, 16, primeira andar,
Nao ha mais cabellos bran-
cos.
Tintara Japoneza.
So e nica approvada pela academia de scien-
eia, reconhecida superior a toda qae tem appare-
cido al boje. Deposito piwcipal rua da Cadeia
do Recife boje Mrquez de Oiinda n. 51, 1* an-
dar e em todas ai boticas e casas de cabellel-
reiro.
Verdadeiras bixas hm-
burguezas
nico deposito em Pernambaco : n. 53 rua da
Cadeia n. 53, prlmeiro andar._______________
Para presentes
vndese' por baratlsslmos pre
eos para acabar
Lindas eaixfnbascom amendoas econfeilos, obra
de muito gosto, proprias para presentes : na roa
do Mrquez de Oiinda o. 53 e caes 22 de Novem-
bro junto a elacao da maebambomba, armazeo*
de Antonio Gomes Pires 4 0.
Farello inglez
Em saccas grandes : na rua da Imperatriz n
fiij, loja de Irastes.
fYOtEL
'Vejde-se o da rua da Laranj;ra n. 30
ratar no me?mo.
Carro
Vndese am carro com poni aso e por prego
muito comraodo : a tratar na roa do Imperador
numero 28.
Grande pechincha.
Colletes de casemira, muito bu fazeoda e lin-
dos padroes a 3, ditos de brim branco superior a
?. paleiots brancos de fasio a 4 : na rua d o
Barao da Victoria n. lt.____________________
Calcado Pollak
A' rua da Cadeia numero *.
Santos Falcio & C, rna da Cadeia n. 43, veu
dem superior calcado Pollak para homeni, por
barato preco. Este calcado recororaenda-s? pela
especial qualidade do cabedal e perfeicao, como
tambem pela elegancia e barateza.
AO CALCADO POLLAK 11
BU
Casa de Santos Palco & Companbta
Rua da Cadeia n. 45.
Vend -so
l BitEL
Vende se massa de mandioca, a mais flna que
pode ha ver para fazer bolos para os festejos de
S. Joo e S. Pedro e tambem se faz bolos de en-
comrteada, sortes, rosas, agucenas, cravjs e bor
boletas cjm sortes dentro : na rua de Gervazio
Pires Ferreira n. 45.
Vende-se
Vr:NDAS.
ama boa casa terrea, rbos proprios, com 5 quar-
tos, 2 salas, cozinba externa, um grande quintal
plantado e mnrado, sita na Capunga, rua das
Creonlas c. 6 : a tratar na roa 1* de Margo n. 7 A,
1 andar.
28
Camisas de todas as qoalidades, cern las e os-
tras pecas ; esta can recebe de primeira mi, e
vende por precw nrottt moderados.
7-flo* da Imperatriz7
AOS 6.-OOOOOO
ano A vanto w feUna bilbetea 4a lotera 4a
Saan, o casa Mit do arco 4 CooeeieSo. )pu 4t
arivM o Reeiff.
Quando parece qne sao na mais novidade a
descubrir, netu objectos de auis phantasia, alm
dos que tem apparecido at agora, eis que a Nova
Csperanga recebe os mais elefantes e mais mo-
dernos, de forma qae iodispensavel aos apre
dadores do bom appareeerem constantemente no
drte eetabelecimento afim de nsarem o que na de
mais chique no mundo das modas; agora mesmo
a Nova Esperanea recebeu-os em to grande
qoaodade que mesmo nao sabe por onde come-
car ; pelo ultimo nvor ebegado da Europa aca-
ba reeeber os siguiles, anda naj vistos nesie
mercado, orno sejan :
Meios adereeos de tariarujra.
Polseiras e ernzes de tartarnga.
Liodissimos pmeenez eom arcos de madreperola e
marflm.
Delicadas bengalas de unicornio, (a imilago)
Bonitas guarmeoes de seda para senhora.
Lindos chapeos de paiba escora (novidale).
Enes artigos nao se pude fazer ama idea del-
les sem qae sejam vistos; por isso a Nova Espe-
ranea ,a rua Doqae de Gaxias n. 63, apresaa-se
em convidar a todos geralrnente, e eom especuli
dade ao bao sexo para vir aprecia-loa.
Sitio..
Atnga-ie am sino na povoico do Mooteiro, com
todo oa commodos qae se pode detejar, alem 4a
boa casa tem dpoa b/in qnarios lora, am excel-
ente Jardim, am grande parreiral, moilas frac-
teiras, orna grande cacimba eom boa agua e ni>
que para banbo, tendo a vio.'t*in de icar do lado
do no deroote a eataco, junto lberna. do Sr.
NWolo : a tratar na roa do Bario d yietoru n.
3H (outrori rua Nof), loja tfe ferragef.
Armazem do Campos
Rna do Imperador.
O CAMPOS, intansavel em agradar aos seus
numerosos freguezes e amigos, administrando
todos disiracrdu e deleitis, acaba de transformar
caprichosamente o sen armazem em nm centro
de iiecbio e deucus para os desejados e festi-
vtes dias de Santo Antonio, S. Joao e S. Pedro,
pelo que promeite sa'.ufazer eonvenientemenla a
SualquiT exigencia por mais peregrina que seja.
onvencido, cois, da sbperioridade de seas gene-
ros, o CaMPOS, vem boje do alto da imprensa, de
cawamiia em punho, dispertan os habitantes des-
ta bella cidade e seas adjaeentes a virero, quanto
akts. prevenlr-se alm do mais, do seguate :
manteiga ingina e franceza muito fina, qneljos
flamengos, prats, londrinos, e do sertao; vinbos
finos, os mais quintados em sabores qae tem
importado esta xidade, cerveja de diversas mar-
cas, champagne, .cognac, cidra e outras multas
quididades de licones estomacaes; presuntos para
fiambre de superior qaalidade, de 6, 7, 8 e 12
libras ; paios, liogoigas em latas, lombos de porco,
aves e legamos eia r nservas; linguas inglezas
em latas, salame de Lion ; gelas, doces seceos e
em ealda, psate, tigo*, nozes, ameadoas, bola'
xinbas em latas e ama iafloldade de aeipipes qae
excita e deleita, a par de malta modicidade nos
pregos, qae se pode fazer ama ideia exacta do es
pleadido sortioMBto qoe est a exposigao dos
amantes do bom, fazeodi-se diariamente.
DDAS VISITAS ao armazem do Campos, sito i
rua do imperador o. 28.
Segunda remessa do multo desejado doce de
goiaba da eidade de Campos, do Rio de Janeiro,
ao armazem do Campos, nico posaudor nesta
cidade deste doce j (o preeosiudo em todas as
provincias do Imperio. .
Recreio aprasivel!
Fogos! fogos !
0 Campos
tem tn variado sortneato de fogos chinexes, inof-
ensivos s criangai, qoe vende pelo oosU
Farinha de mandioca a ii o sacco : na rua
da deMadre Dos o. 7.
k Rosa Branca
Tem nadapoISo a variado.
E' madapole largo e fioo que vale 8a, mas
por ler algumas nodoas de agua de chuva, ven-
de-se a 5#'iOO a pega com 20 varas : quem o vir
compra. Roa da Imperatriz n- 26, loja da Rosa
Branca de Auvede & Gomes.
de
familia? munlr-se destes
lies, juro os seos pe
quenos saudarem estes tres dias en] aue
cef se maiifesta em ledos os semblsntef.
Venham os paii _
interesantes dirgrtimeiiN,
P-
ktmm do Campos.
Lindos frascos eom extractes de Reinel, Lubin
Piver e Condray, banba em bonitos vasos dos
mesmos fabricantes cima nomeados, pi de arroz
mui'o loo em bellos jarros doorados, p3 para
denles, tintara? de diversas cores para os cabel-
los, Hola para marcar roupa, agua de colonia em
garrafas grandes de cristal, enfim um txcellente
sorttmeato de perfamarias proprias para os pre-
seutes de S. Joo e S. Pedro encontrarlo rua
Primeiro de Margo o. I i amiga do Crespo, 1 an-
dar. Bouquet das damas.
Esponja
Pinas esponjas para toilette, e pr-prias para la-
var movis, vende se do Bazar Victoria, roa Nova
n.2.
. Leite
Na raa do Cabog n. 18, esquina para o pateo
da matriz de Sanio Antonio.iveLdase leUe paro
a 400 rs. a garrafa. Garante se a boa qaalidade
e eootinoagae da venda durante tedo o anno.
Vende-se massa se;ca fina de mandioca para
bolos de S. Joo a 500 rs. a libra : ua rua do
Rangel n. 33, casa da Mequellna.
Vende-se 1 easa terrea moderna raa dos
Prazeres, com 2 salas, 2 qaartos, corredor, cozi-
nba fra, quintal murado a cozinba : tratar na
rua dos Coelhoi n. 10.
VENDE-SE
0 ettabelecimeoto de calcados da travessa da
roa das Grases o. 1 A : i tratar oo mesmo.
Arnaco.
Vende-se ama armagio nova de aourello en-
vernisada : i tratar na roa do Baro do Victoria
O. 45.
TlS
se
?irte de orna casa terrea siu raa da Ventara n.
, Capuoga: a trni*>M m I* fe "arco n. 7 A,
* nd>r.
Claro, purificado e irausparente, em barricas
grandes de 10 e 11 arrobas, o melbor que sa pode
desejar para o fabrico do sabo : nos armazeus de
Tasso Irmos A C, caes do Apollo.
Fogos de artificio chinezes pura
saldes ejardins.
De efleitos maravilbosos, em caixinhas com va-
riado sortimento, no armazem de Tasso Irmos &
, no caes do Apollo._____________________
Muito brato
Vende-se a armagio de araarello toda envidre-
gad da loja da travessa da rua das Crotei o. 2
A, propria para qualquer negocio : na mesma
oja, ou qualqner parte. _____^__
Terrenos
A dinheiro, era Beheribe de baixo, na estrada
do Faodo, vende-se terreos muito em coma, com
300 a 400 palmos de (ando, terreno todo planigo,
lugar para cacimba com faciltdatle, trra de bar-
ro, muito perlo do banho e da eslago : a pe>soa
qae qaizer dirija-se ao mesmo lugar. Os terre-
nos ficam na estrada do Mesquita e dos Craveiros
e pertencem he ja ao abaixo assignado por fallec-
ment de sua mi; vende-se em conta por ser
morador distante da praga.
Cambraia branca transpa-
rente. >
Vende-se na rua Dnque do Caxias, oulr'ora
rna do Qneimado n. 60 A, loja da esquina, de
Bento da Silva & C.
Balances decimaes
Moreira Dias avisa a seus fieguezes que j re
ceben as nalangas decimajs de forga de 30o, 500 e
1,000 kilos, tendo as nlutos rodas de ferro : ven-
de em tea armazem roa da Cruz n. 26.
Adamson Howie @
duas trinas aguas de pedra e c.-.l na segunda ca-
bida para a estrada do Jo de Barres; rua larga
do Rosario o. i4, fabrica de cigarros.
Orculos delphicos
S'. b este titulo acabara de er impressas cm-
coecta prgunias e respotas para ntrenme:.,'
rte reuuies familiares as nooies de Santo Anto-
nio, S. J( o e S. Pedro.
Essas perguntis e respostas inteiramente nov; f,
o intersenles, e divertidas, >em que cfTendaz)
coevnisucias ou rppras... de boa sociedad*.
Sem strem propnan,euts o que entre ti-: ::
chamam sones tratam de defvpndar misterios -
egredes, ntimos pensamentos e fularos ucces-
sos.
S mpre idequjdas as re;postas expresar9
muitas veze? aquillo que nao se atrevera a diz**
a Do ser em brinco, servio 'o o cthar ou o mad-a
de dzer de dar Ihes forga neetssaria para aqt-
es a quera sao dirigidos.
Cada baralhinho cusa 11300 e achato se i ven-
da na livraria Econoroi:a o pe do arco de Sant?
Antonio, e ouiras.
A SOMNMBULA
Novissimo livro de sortes para as noutes e
Saoto Antonio, S. Joo e S. P-dro.
Acaba do ser publicado o livro cima, o quai
coutem urna linda coilecgo de bonitas. Iniere-
santes e chistosas sortes e igualmente urna col-
ecgo de recitativo-?, eoroposlM por grandes t
affamados poetas dcsti fpocba.
Cremos qua este livro um dos merhores in-
iretimenios para as reunides familiares das til
festejadas e i precie vus nnuies cima ditas.
Acba-se a venda a I000 na livraria Econmi-
ca ao p'do ar^o de S>nio Antonio, e em outrs
k C.
Vendem
m
Cerveja Bass, em barris pequeos. v,
Saperior cognac, em barril. .
Vinho Xerez, dem.
Cbarotos de Havapa.
No sea armazem, "rua do Commercio
.40.
a taverna sita rua do Amparo o. 7, na cidade
de Oiinda,, caja taverna esl bem afregu-zada, e
mesmo por se acbar collocada em ponto sublime ;
boa occasio para um principiante : quem qai-
zer effectaar a compra dirija se rua dus Gua-
rarapes n. 70, qne achara cora quem tratar.
CHEGARAM
O Rival do Recife receben pelo ultimo vapoj
ama porco de franjas prelas largas e estrdtas e
tambem de cores, o mais baraio qne tem vindo
ao mercado, assim como vende mais barato do
que em outra qaalquer parle : venham rua do
Mirquet de Oiinda o. 80 A.
Vende-se om piano de armario j usado,
porm em bom estado, e trilito barita,
proprio para quem qui/.tr apprender, quem
pretcndel-n dirija-se a Olmda roa do Am-
paro n. 17 sobrado.
Vende-se um t-rreon propiio, cora al pal-
mos de frente, cora li quartos de madeia eober-
toa o telha, cocfron;e a casa de sonde do Sr .':.
Ramos, na rua dj Lima em S.cto Amaro : a fal-
lar na mesma rea, taverna n. 10.
Barato qae admira
Buscat.es de 3 e 6 a dtizi>, pistolas de 3, 3
balas a SCO, 1600 e 22 rs. a ou?. s, e crave-.rc*
5f a doti : na roa Direita n. 68, !oj^______
lamaiicos do l'oito
Vende se tamaocc9 do Porto para bomens, se
nhors o rapaze?, fazenda especial pira a chuvs:
na r;ia da Senzilla Nova o. 1.
Vende-se
um bi m sitio na travessa da estrada dos Reme-
dios, com ba'-lautes arvoicdos e boa casa de viven-
da para grande familia, lera urna bonita cap-i >
e bom viveiro, e alem da casa tem mais duas ca
siobas pequeas para feiter e es:ravos ; faz-se
todo e qualquer negocio oo rae-mo sitio oa oa rna
de Thom de Sonza n. 4.
Vaquetas
Para ce berta de carro i e obras de selleirt >
v-n lera Perelra da Cunha Irmos, a rua do Mr-
qnez de Oiinda o 21.
Gorguro da ( es para ves-
tidos.
Vende-se na rna Djqae de Caxias, oulr'ora d*
Queimado n. 60 A, luja da esquiaa, de Bente da
Silva & C.
' VeDde-se ma^eiga ingieza a 500 rs. a lrtir>
ou a llOO o kilo : na rua de Pedro Affpuso n.
1, outr'ora rna da Praia. *
Bszerros de graxa
Vendem Pereira 4a Caoba Irruios : raa do
Mrquez de Oiisda a. SI.
Para a feeta de S. loo, ai. re-
dro e ^ani'lnna.
AO BARATEIRO CAMPO-ALEGRE '
largo do Carmo n. 2, esquina da rna das Trio
cheiras, amia contina a vender em sen estalu-
lecimenio maoleiga ingliza muito boa a 500 rs. a
libra e 14200 o kilo.
ATTENCO
Na roa do Vigario a rj, J apdr, ba par
veoder- se por preces eommcijs-:
Carne do seriad.
Velas de earaaoba.
Cera de earnaoba.
Lencos e froohas de labyrintho.
Bicos e rendas do Aracaty.
Vende-se viobo de Lisboa Pigueira a 400
rs. a garrafa, carne e llogniga do sertao mui-
to boa a 400 rs. a libra oa 920 rs. Uto,
queijos ditos a 640 rs. a libra, manteiga inglesa
fl jr a 800 rs. a libra, dita franceza a 640 rs. li-
bra : na taberna da roa da Sonulla Velna a.
102, esquina do becco Largo.
Vende-se
a armaco da loja Flor da Moda i roa da Impera-
triz n. 13 A, muito propria para faadas, midde-
zas, charutos, calcados oo qualquer, negocio fwr
ter as comaodidadss precisas ser pregocoosom-
do : quem pretende la p le dirifir-se i raa de
Bario da Victoria o. 48, amiga rua' Nova, qua
far qualquer negocio.
*-.




9iaiie> dt *iiamii* Sabbado 22 te Junho (e ilTft
AfcTAS NOVIDADES
GRANDES PECHINCHAS
NA LOJA DO Pili
Na ra da Imperatriz n. 60
DE
PEREIRA DA SILVA & C-
Para as Testas do Diez de jonho
Preira da Silva A G. tendo receido ara grande sortimento de fazeadas de laa
seda e algodUo, con os padrOs mais boos que teta viada ao mercado, teem resolvan
liquidal-as, por presos maito baratos com o nico flm de agradar aos seas numerosos
fregaezes e aparar dinheiro, de todas as fazeadas se do amostras deizaode penhor, oa
mandam se levar eoa casa das Exmas. familias.
LASINHAS
O Pavo vande delicadas alsaciaoas de to-
das as cores com maito lastro e delicadas
listras matisados a seda, proprias para os
eafeites e babadiotns a 1590 covado.
Ditas listradas a seda, sendo as mais de-
licadas qae tem virtdo ao mercado a 14(300
o covado.
Delicadas lalsinhas com muito brilbo e
1 istrinhas de seda a 10000 o covado.
Ditas com listras de seda larga e maito
encorpadas, com delicadas' cores a 809 rs.
O covado.
Ditas maito delicadas com listrinhas de
seda a 560 rs.
Ditas seado bastaute largas com listra os
lado, para os eofeites e com cores maito
delicadas a 500 rs. o covado.
Ditas da listras miadiobas com fus da
seda, qae Ihe d maito brilho, teodo de to-
das as lores a 500 rs.
Gorgures de la, de uma'f cor, teodo
fazenda amito moderna a 400 rs.
Li?snhas lisas de ama s cor, teodo de
todas as cores a 400 rs. o covado.
Alpacas lisas da todas as coros a 500 rs.
o covado.
Llagabas de cftres com delicados qnadri-
nhos da seda teodo de todas as cores osea-
do maito modernas a 800 rs. o covado.
Grgaro3s ssaes de 15a, com delicadas
listrinhas brancas lavradas sendo o qae ha
de mais novo no marcado a 640 rs.
Delicadas alpacas de seda com delicados
padrees e maito brilbo, de gosto ioglez
a 800 rs.
Delicadas Lli-inhas da ama s cor, seodo
de todas as cres.como sejam : verde e asul,
roso lirio, cor de canna, cor de rosa, bran-
cas com listras da mesma cor a 800 rs.
1,5000.
Grande soniaeoto de fazeadas de todas
as cores, e differentes qaaliades a 320 o
covado e 400 rs.
Bareges de la trasparente tendo do to
das as cores a 200 rs.
PUPELlNAS
O Pav3o vende as mais-delicadaspoapeli-
nas de verdadeiro linho e seda, sendo com
os pad:5?.s ltrado", e os mais delicados qae
tem violo ao mercado, havendo de todas
33 cores a 20000 o covado:
Ditas com dilferentes padroes, para ac
b'r, a 5600.
Sedionss de listras com delicadas cores,
teado at rx para lato a 15500.
NOVAS SEOAS A 2,5500
O Puv3o receban ana oova remessa das
mais lindas sedas para vestidos com s mais
lidas cores e mais delicados desenhos
miudinhus, em urna s cor, garantindo-se
que seda para e qie seria fezend* para
mais de 3000, a nao se ter feito ama gran-
de ornara e liqnida-se a 25500 o covado.
GROS PRETO
O PivSa vende sempre grosdemple pre-
to para vestidos sendo solrivel a 106UO o
covado.
Dito bom com oarella branca a 2,5000,
Dito di lito encorpados e moito largo a
2,5500.e3JOOO.
Dito en tecido de gurguro sendo fa-
zenda maito iacorpada a 34000 e 40000.
)da preta iavrada maito encorpada a
2-5000.
BIW MANTS PARA LENCOES
O Pavo vende superior bramante de al
godo tendo 6 palmos de largura, que s pre-
cise de 1,1/4 vara para que lencol, metro a
10600 on vara 108OP.
Dito de linho poro superior, maito erxor-
pado com a mesma largara a vara 20400.
Ditos francezes maito fios a 20500 e
30000.
Pegas de Hamburgo e panno de linho
com O e 30 varas e para todos os presos
e qoalidades.
PeC de brelaDha de poro linho, teodo
30 jardas, pelos preces mais baratos que
se tem visto. -
Peciobas de fioissimo esgaio oa celesia
com 3 jardas a 70000.
Pega* de fiaissima silesia, teodo 30 jar-
das a 350000.
Atoaihado adamascado com 8 palmos de
largara, a vira a 20900.
Dito de linho superior, a mesma largara,
a 302GO.
Dito trancado sen ser adamascado, mas
muito eocorpardo a 10300.
Guardauapos tanto graodes como peque-
os a 30001 a duzia.
ALGODOSINHJ.
O Pavo vebde pecas de algodaosinho
americano com 16 jardas pelo barato prego
de 30OCO.
Dito maito melhor com 18 jardas 40000
Dito americano maito encorpardo com
20 jardas a 50000, 50500 e 60000.
Dit) largo marca T, sendo o mais fino
qae tem vtodo ao mercado proprio para
lences a jarda a 280 e 320 rs.
D to enfestado para lengoes sendo maito
eocorpado e com 8 palmos de largara,
vara a 10000.
Dito com a meima largura, seodo tranca-
do e maito eicorpado a 10280.
cassas fran:ezas
k O Pavlo vende finissimis cassas france-
sas, com as mais delicadas cores, sendo
listradas ede ores, fazenda ebegada pelo
ultimo vapor a 400 rs. o covado.
Ditas francesas flnissiraas padres mia-
dos a 400 rs. o covado.
Ditos de differentes gostos a 820 o
covado.
C1MBRUAS BRANCAS
O Pav5o vdade combraias verdadeiras
oooi 8/2 varas oada peca, sendo fazeadi
que vale maito mais dioheiro a 40000.
Ditas maito finas a 54000 e 60000.
Ditas com 10 varas a OJOO e 70009.
PANN03 FINOS.
O PavJo tem om grande sortimHH Mr
melbores pannos fios qae tem vindo a
este mercado, sendo preto do mais fino at
ao mais baixo, assim como ditos azues,
verdes e cor de caf, proprios para palitos
e fardas, qae se vender mais barato do
qae em oatra qualquer parte, por ter gran-.
de porgSo.
SAIAS.
O Pavo vende om grande sortimento
de saias brancas maito beta bordadas, ten-
do 4 pannos cada ama pelo barato preco
de 40500.
Ditos ricamente bordadas com 4 pannos
cada ama a 60000.
Ditas j feitas com folbos macheados
sendo maito fios a 30500.
Ditas da mesma porm mais abaixo a
20COO.
Ditas tambem j promptas sendo de lia-
sinha de cores com barras enfeitadas a 30000
e 40000.
ESPARTILHOS.
O Pavo vende os mais moderaos espir-
tilhos de todos os tamanhos seodo os
mais modernos qae tem vindo ao mercado
a* 40000 e 50000.
CASAQULMHO*.
O Pavo vende modernissimos casaqui-
nhos de seda preta, maito bem enfeitdos
a 10000 e 20000.
Dito de croch brancos a 60000.
Ditos por terem algom deleito a 30000.
Ditos de fil muito fino a 124000.
BORNU'S.
O Pavo receben um grande sortimento
dos mais ricos borns, tendo brancos e de
cores que vende a 160000.
MEIAS PARA HOMEM.
O Pavo tem um grande sortimento de
meias croas para homem qae vende em
dosia a 40000, 50000, 60000 at 100000.
Ditas para meninos de todos os tamanhos
de 30OOO at 60000.
Ditas para senboras seodo francezas e
icglezas, tendo tambem maito encorpadas e
bastante largas de 50000 at i 20000.
Ditas pira meninas de todos os lmannos.
TAPETES.
O Pav3o veode tapetes grandes para sof
proprios para 4 cadeiras a 250000.
Ditos muito bonitos avelludados para
du^s cadeiras a 100000.
Ditos para o mesmo uro, oa para ao p
da cama a 70000 e 80000.
Ditos pequeos para janellas a 40500.
Assim como grande sortimento de pan
nos de croc'a proprios para encost de
sof, de cadeiras de bracos, oa de balaceo,
oa de guarni?io tudo por preces moito ba-
ratos para acabar.
CAMISAS.
O Pavo acaba de receber grande sorti-
mento de camisas ioglezas com peito de li-
nho para todos os pregos e tamanhos, qae
veode como pechiocba por ter grande por-
Cao.
Ditas com peitos de algodo" das mais
baratas at as melbores qae veem ao mer-
cado.
Ditas francezas de chitas miadiohas com
os mais delicados gostos.
Ditas de meia de algodo e de la.
LENCOS.
O Pavo veode finos lencos de cambraia
branca abainbado?, em dazia a 20109.
Ditos Dnissimos tambem abainhados a
30OOO.
Ditos com delicadas barrinbas de cores,
garanodo se seren fixos a 20000.
Ditos fioissimos de cimbraia braoca, tan-
to proprios para homem coa o para senho-
ra, sendo fazeoda qae sempre so vendeu a
60000 e liqoida-se a 40000.
LENCOS BORDADOS
O Pavo veode fioissimos lencos borda-
dos para mo sendo de fiaissimas cambraias
de linho ricamente bordado;, sendo fazen-
da qae sempre se veadea a 40000 e 50000
e liqaidam-se por se ter feito ama grande
compra a 10600 e 20000.
CHAPEOS DE SOL.
O Pavo veode chapeos de sol de para
seda com barras tendo de todas as cores e
sendo com cabos dewanna e maito leves,
fabricados no Porto, seodo fazeoda qae
vale 140000 e liquida-se por ter ama gran-
de porgan a 100000.
Ditos com.delicados cabos de marfim a
160000..
Ditos pequeos proprios para senboras
e meniaos a 80000.
Ditos de alpaca com armago de chapeo
de sol de seda a 40000 e 40503.
PNHOS E COLLARINHOS.
O Pavo tem grande sortimento de pa-
nnos e collarinhos de linho e algodo, pro-
prios para horneas qae veade por preco
maito barato.
CASINETAS ENFEITADAS.
O Pavo veode cortes de casinetas en-
testadas dealgoda de qaadros, para cal-
Cas pelo barato preco do 10000 6 corte.
A mesma faznda em covado teodo duas
largaras qae tambem serve para roopa e
vestidos de escravos a 610 rs.
BRINS.
O PavJo (em grande sortimento dos ver
dadeiros bros de angolla, proprios para
calcas, colletese palitos a 10000 o covado.
Dito maito buaito imitigSo a 800 rs. o
covado.
Bros brancos de linho dos melbores fabri-
cantes que tem viado a este mercado, de
10900 a vara at 40000.
Brins de cores pira todos os pregos e
qoalidades. >
Ditos pardos de 640 rs< a van, at 10509. J
Dito pardo Uso moito eocorpado, para
roapa de escravos a 400 rs. a vara.
As floristas
A Magnolia receben pelo ultimo yapor o qae
as senboras floristas precisaren) para fabricar fl >
res, como aejam :
estilhas de variaston. ._ r r
agas de Tidros de diversos modellos e lama
nhos.
Olhos pan mal-mejores e eruvos.
Calicw para-nms. *Jw i
Bagas doiradas para flores.
Folbas verdes, eoeeradas, prejal e de sorb sor-
tidas em tamanbo e feitio, etc., etc.
Melas e/ii
A Magnolia rna Doque de Caitas o. 43 rece-
ben dessas meias, maito boas, e vende por meaos
do qne em oatra qnalqner parte : a ellas, antes
qae se scabem.
Candielelros econmicos
Os eandieiros econmicos aio na verdade de
nvenjao agradare!, prit% a qnem desejar embel
lesar ama sala de fazer dnas despezas, pois qae
rando-se-lbe o deposito onde se conserva o gaz.
torna se nm Hado H*ro psra flores : qnem tea
a Magnolia i rna Daqae de Cazias n. 45, e vende
barato : a elle?, porque tem poneos*
Nao fot intilmente qae a Magnolia roa Da-
qae de Csxias n. 45 fez escropnlosa escolba
seas correspondentes as diversas partes da Eu-
ropa, porque agora tem a stisfaca de ir rece
bendo seas pedidos, viudo ezeeolides com tanto
esmero e gosto, qsre se afana em expo-los apru-
ciaclo dos amantes do bom, tendo a certeza de
serem pelos mesmos apreciados. ____
A Magnolia, nao esta descontente com a fre-
gnezia qae tem adqarido em do poueo tempo, e
esforca-se para muito mais; visto qae tem ton-
viccao de ser commoda nes presos de snas mer-
caduras, zelnza em bem servir a ana fragaezia e
abominar a caresta.
Ao beUo sexo cora especialidade. a Magnolia
pede que venha ve la pessoalmeote agora que tem.
recebido parte de suas encommsndas, e pretende
ser razoavel nos presos tendo a eerteza de que o
sopprir do que bom e razoavel.
A Magnolia, se se tem esmerado era ter um
lindissimo sortimento da. qne na de melhor no
mondo das modas, porque nao deseja que seas
(regaezes sejam mal servidos em outra parle,
com objectos de mo gosto : e assim apressa-se
em mencionar algons.
Bonitas gollinhas e pannos, transparentes e ta-
pados, fazenda maito fina novidade.
Camisas, de linho maito fino, bordadas e pro-
prias para noivos.
Chapeos de velludo e palna de Italia ultima mo-
da, para senbora e menina.
Chapellinas de cores e pretas, (novidade)
Ricos enfeltes para senbora.
Bonitas fl velas de madreperla para palceira.
Melos aderecos pretos, escoletas, voltas, cruzes
brincos e rozeus de gosto moderno.
Variado sorunaento de capellas, bonquets e si-
pos de botSes de" flores de larangeira.
Flores de cOres e pretas para chapeos e cabel-
los.
Linhas de todos os nmeros para croch e bor-
dado.
Chpeos de sel e bengallas eom bonitos cabos
de marfim.
Bonitos chapeos de sol para senhora.
Jarros transparentes para flores.
Ricos pon Jotas, port cartoes e porl-money.
Bonitas eaixinbas com perfumara, propria para
presentes tendo disticos as tampas.
Ditas com preparos para costara, ricamente en-
(eitadfs e com msica.
Bonecas, ricamente vestidas.
Lindas bolcinhas de vellndo, com estojo para
costara e sem elle.
Albaos para retratos co-n eom capa de madre
perola, marfim, seo e madeira.
Livros de mis?*, em capa de raadreperol,
tnarlim, sso e tartaruga.
Carteiras de chagrn, com estojo para algi-
beira.
Navalhas maito finas, com cabo de marfinr e
tartaruga.
Grampos com flor de madreperola, novidade.
Bmitas caixas de tartaruga para rap.
Sapatos de lia, bordados em talagarga.
Camisas bordadas para homem.
SO" NA
MAGNOLIA
45 Ra Duque de Canias45
DE
SA' LEITO, FONCECA & C.
' JMACHINAS
DE
COSTURA
Cbegaram ao Bazar Universal da ra No-
va n. 22, um sortimento de machinas para
costara, das melhores qaalidade qae existe
na America, das quaes maltas j sao bem
conbecidas pelos-seos autoras, como sejam;
Wfiller & Wilson, Grover & Buka, Slha-
ciosas, Weed Iaopenaes e outras moitas
Iqne com a vista dever5o agradar aos com-
radorw. m 7
Estas machinas tem a vantagem de fazer
o trabalho quo trinta costareiras podem
fazer diariamente e cozem com tanta per-
feiQo como as mais permitas costureiras.
Garante-e a sai ooa qaalidade e ensioa-se
a trabalhar com perfeico em me nos de orna
hora. e. os procos sao to commodos qoe
devem agradar aos pretend n>p.s.
Farinha de mindioea
^//CMtLBIieWHjl!
N. 82 RA DA IMPERATRIZ N. 82
Esfurcando-se para satisfazer ao Ilustrado publico no qae relativo for aos Irabalhcs
^de saa profiss5o eomta maior promptidio, comaodo, e eannrai jesoJvara. fazer refor-
ma em sea estelefecmeato e manirse do qu#i>lB^*o|Br|oMros la de melhor
s do ultimo gosto 'mandando ^r em direfcofa e pttr Mk 9^^ pdjs^gr|njB qaantldade
de cabellos de tolas as cores e tamanbo como todos os preparados reconhecidos pelas
sociedades hygienicas como s mais otis a conservacSc) e embelrezamento doa cabellos
natorae8 sem prejuizo da satde, achando se assim habilitado a foroecer aos consumido-
res, por 20 70 menos do qo ootro qualquer os objectos de pbantnia para adoreo, w-
seio e bygiene da cabeca, inlispensaveis ao muai&tfrjNfr eoj.gtral a todos qee eo-
dam de conservar a propria existencia, deixando de asar de leos, bahnas cosmticos
proscriptos pelos honlens de sciencia como capaze de ambrtttpros bullo capton*,
prodozir a calvice ou aprestar o enbraoqaecimeato dos cabellos, e occasionar o apfare-
elmeoto da cephalalgia, eclampsia, epilepsia e hysteria e ootras molestiasplitf-ener-
vosas.
O pessoal do sea eslabelecimento se acha montado com lipWioatooter dos mt-
Ihores artistas nataraes e estrangeiros bavidos na provincia entre os qoefs se diUngae
Mr. Alfed Belpecbe e o Sr. NapoleSo especialmente destinados- aes puteadas, das se-
nboras para o qae ha demonstrado pericia Idlmitavel por ootrem entre nos h'avtdB, A
facilidade e o gosto com. qae o Sr. Napoleio executa os penteados mais dilftceis taoto
historeos como de sua phanlasia antorisa a que se o considere como um genio nesta es-
pecialidade.
Os empregados do sea estabelecimento sem excepcao exclusivamente cada om na
especialidade qae mais amestrado
A casa recebe por todos os vapores os figoriaos da ultima moda de penteados ad-
miltidos nos paizes civilisados entre os quaes prima o sumptuoso Parle.
O bello sexo encontrar no estabeleoimento grande e variado sortimeoto de coques
de trancas, chinons, normarais, coques de cachos, cache peines, toupeis, boucks, crescen-
tes do qae ha de mais moderno e elegante oeste genero, perfumaras dos melbores fa-
bricantes como Lubin, John Garnell, Rimmell, Artinkson, Le aran Piver, Coudraytte.,
etc., lindissimas Acres especiaes da cabeca pos de ouro, dediamautepara ptrivetisar os
cabelles, fiaissimas escovas de dentes, pentes de tartaruga, e muitos outros objectos ia-
dispensaveis a om toilette de gosto.
Os seos collegas encontrado a contento os uteocilios de suas profisses, V^soorae*
ferros para frizar, ferros para papellostes cardos etc., etc., qoer em ptrcio qoer a re'
taino serlo vendidos.
Superior e maito propria para masa, em barr
rica-de 1rfnha de trigo ; a ItftOO rs. a barrica
dos armazens de Tasso Irmaos & C.
i. i-
GRANDE
Candieiros para g-'z
Vende-so lindos candieiros de fcronze, por pre
/os inferiores ao que custaram : ra do Impe-
rador n. 31, fscriptorio da emor^ia do (jai.
Fadaria
Vende-se a padaria da Casa Forte, pertencente
a Gabriel O- Campo : para ver na mesma, e para
tratar com Tasso Irmaos & C. ___________
BE JIM
Moreira Das, rna 4a Cruz a. 26 avisa aos
seos fregaezes qne j receben as desojadas ma-
chinas para lavar reupa, trazendo ellas desta vei
expremedor.
Estas machinas tem a vantagem sobre as oo-
tras de lavar e expremer em menos de cinco mi-
nutos para mais de cincoenta pecas de roupa;
sao muito proprias para ?s pessoas qae se dedi-
cara a tomar roopa para lavar e engommar, visto
sabir a roupa do expremedor quasi qae enchuta,
trazendo a vantagem da economa de tempo qae
se espera afln de enchugar e poder-se engom-
mar ; o annunciante o nico agente nesta praca
das referidas machinas, e por isso as vende por
preco muito eommodo.
J. A, Moreira Dias
tem constantemente em sea armaxem roa da
da Cruz n. 26, e vende por preco eommodo o se-
gnfnte :
Graixa em boioes N. 97.
Bal incas borisontaes para cima de balcao.
Camas de ferro eom colxao de molla proprio
para rapaz solteiro.
Aparemos para cha do melhor metal do afama-
do fabricante Cbrystofle.
Ac de liISo sortido. %
Agaa Florida verdadeira.
Machinas para copiar cartas,
Cbaminds de vidro para candieiro gaz.
A M800
Vende se botitsinh- pera crianea fel barato
preco de 1*800 : vwNwr atiBIval do Becife n. 60
A, roa do Marqoei da tul
Nova remessa
Aqaelles engracainfe peoes que dansam um
quarto de hora man on menos, mostrando diver-
sa* caracteres, a Non Esperase* reeeben ultima-
sete.
Boj da Madre de Dees d. 7.
Barricas eom II arrobas.
Verdadeiro Portland.
Em casa de Tisse freres, na ra do Com-
mareio n. 9 ha para vender :
Agua de Vlchy das fontes Haubelwe, Celestins,
Grande Grillo, Hospital e Mesdame?, em caixas
de SO garrafas.
Agua de Chateldon, encllente agua de meza,
em caixas d- 60 carrafas.
Agua de Vals das tontas Presiense, Msgdaline,
Dnire, Sanie Jean, Bigolelte e Donimiqoe, em
cantas de 24 garrafas.
Ctgnac das marcas : Blanchv freres & C
Boyer Guillet & C.
Marwltrresde Velros.
lval sem segundo
Roa Daqae de Caixia n. 91, loja de mia-
dezas de Jo^ Bigodinho contina a vender
tudo quanto tem em sen estabelecimento
pelos presos abaixo declarados, a saber :
, Libras de laa para bordados a 6)>000
Caitas com superiores gram-
pos francezes a rs. ICO
Talheres para meninos a 240
rs. e 400
Libras de lioha de novello de
a. 80 120 a 1)5500
Lencos de cassa com barra a rs 100
Varas da franja branca para
toalhas a rs. 120
Duzia de meias finas para se-
nboras a 45O0
Masso de palito seguranza a rs. 500
Navalhas fazenda superior a 15000
Caixas com peuias d'aco a rs.
320, 4C0 e 500
Caizas com papel amizade a rs. 70 j
Dita, dita, dita beira doura-
da a rs. 800
Caixas com envelopes a rs.
500, 600 e 800
Pessas de fita para coz com 10
varas a rs. 440
Dazia de linha frouxa para bor-
dar a rs." 400 e 500
Baralhos francezes muito fi-
aos a rs. 240
Ditos de beira doorada a rs. 320
Duzia de aguthas para machi-
na a 20000
Libra de pregos francezes a rs. 240
Resmas de papel branco liso a 30500
Ditas, ditas pautado a 40000
Dazias de sabonetes maito fi-
aos a rs. 700
Dazia da linba de carritel
Alexandre a 10000
Groza de botoes madreperola
a rs. 500
CartSes de liaba branca e pre-
ta a rs. 10
Thesoofas maito finas para
anhas a rs. 500
Groza de botoes de lonca
rs. 120
Pares de sapatos de couro
para meniaos a 20000
Caixas com 4 papis de
agolhas fondo dourado a rs. 240
Frascos de oleo Oriza supe-
rior qaalidade a 10200
Caixas de folha com palitos
de vella a rs. 200
Pessas da fita de la para de-
brum de todas as cores a re. 320
Pessas de fita braaca elstica
para debrum a rs. 200
S
im
Sitio da Ipyrang
Em Afogados
Veode-se am com baixa de campim, coqneiros
de fructos e novas, diversas fracteiras, casa de
taipa coberta de tena e em mo estado ; tratar
no Corceo de Oaro.
Bicas sedas para vestido da melhor gosto por
baratissimoa preces y s o Triaapno da Boa-vis-
ta,_r_ua da Imparalriz b. 91.
fxov^es para baptisados
s enchovaes para baptisados pelo baratissi-
mo prece de 16#0Q0 oada om : s o Triumpbo
da Boa-vjm, roa a imperatrii a. SO.
As 2.000 salas.
Salas Haas coa babados frsalos aJJfOOO, di
baba fina
tu eom
aeham noJNMWfco
ratrlia.,
bordados a SfSOO : s se
datNavWU, roa da Impe-
O COR AQlO DE OURO
Liquida suas joias por terde acabar o estabe-
lecimento, ha grande reducqao mesmo nospreqos
das entradas.
N. 2 D Ra do Gabug N. 2 D
lITA IfTENQAO
GRANDE REDUCTO EM PRECOS
Na loja de Antonio Pedro de Souza Soares, na raa do
Barao da Victoria n. 28, outr'ora ra Nova
E' BARATISSIMO
M1DEZAS.
Caixa de lioha de marca a rs. 280
Duzias de pegas de cordo impe-
rial ars....... 320
Dazia de pe?as de traogas de cara-
col brancas- a rs..... 400
dem dem lisas a rs..... 20C
Duzia de cartoes de liaba preta e
branca ars....... 120
dem de pegas de fita de linho chi-
neza a ........ 10000
Resma de papel paulado e liso a
30000, 30300, 40000 e 40500
Caixa de papel amizade muito
. soperior a rs...... 700
dem idem de qaadrinhos a rs. 610
Caixas de envelopes fiaos de por-
celana ars....... 800
dem idem a rs. 400 e 500
dem de peonas a rs. 400, 500 e 10000
Abotoaduras para collete, grande
variedade ars...... 200
dem doaradas para pochos a rs. 500
Dazia de baralhos francezes a. 20600
dem idem idem canto doorado a 30600
Lamparinas a gaz a 10200
Dazia de talheres 2 botos a 505OC
dem idem 2 b jtoes (cem pequeo
toque) a.......40300
OOlH 'Oopeu ep oeJeitroi e oqeo mapi
Grosa de botoes de osso pretos
e braceos a rs...... 200
Completo sortimento de fitas de
sarja, de todas as largaras, co-
res e pregos. ......
MODAS.
Coques de tranc. as moderaos a 50000
Diademas moderaos a rs. 500,
640e........20000
Grioaldas para casamentos a 30, e 50500
Galoes e (rangas de seda de cores,
a pega de 10000 a 30000,
Mimosos leqaes de osso para se* I
nbora a.......90000
dem idem de sndalo com lan-
tejoulas a.......50000
dem idem a imitago a 20200
Lavas de pellica para bomens e
seohoras, o par 500 rs. e 30000
Transparentes com paisagens para
janellas a.......120000
Bico de seda proto e braoco pega
de 20500 a......70000
Fita de setim Maco escosseza lar-
ga, vara a......30000
Collarinhos bordados para homem
duzia a.......80000
dem idem lisos a ... 70COO
Temos de thesouras em caixinhas
o qae ha de mais fino a 60000 e 90000
Grande sortimeato de entremeios
e babados tapados e transpa-
rentes para todos os pregos. .
PERFUMARAS
Garrafa do agua florida verda-
deira, a....... 10300
dem idem kananga do Japao a 10300
Frasco de oleo philocome verdadei-
ro a ........ 10000
dem idem antqne a rs. 400 e 500
Rosas com extracto a 10800
Frasco com extracto de 10000 a 40000
Magos de sabonetes nglezes muito
bons a rs. ....... 600
Banba ingleza moito superior de
r8.500a ........ 20000
Dazia de sabonetes de anjioho a 20000
Idem idem de coracSo a 105CO
Pacotes com pos de arroz mai-
to fino a rs. 300, 400 e 500
Caixas com dito moito fino ka-
nanga a....... 10500
Frascos eom agaa de Colognea rs.
500, 10000 e.....10500
Garrafas com dita o qae ha de me-
lhor a 30000 e.....40000
ESPELHOS DE MOLDURA
De todos os tarnaabos^e pregos, moldaras para qaadros, boueplas e brioqaedos para
criangas e ama iofioidade de objectos qae se tornara longo mencionar.
N. 28 Ra do Barao da Victoria N. 28
FOGO
De excellentes vistas moito proprio para as /a-
milias queimjrem, as noales de Testa de Santo
Antonio, S. Joao e S. Pedro : vende-se em porcSes
e tambem a retalbo, no armaiem da Escadnha da
Alfandega n. 7, e aos domingos na roa da Madre
Deas n 30, n. 3* andar.
Fontes de rogo.
Serpentes d Phara.
Espigas Kalosplnte.
Dallas terrestre de diversas cores e tamanhos.
Para os bolos de Santo Anto-
, nio, S,MoeS, Pedro
Maateiga ingleta flor a 800 710 rs., e Um
tola baixa para menos dinheiro, dita franeaia.
nova a 640 rs., e tambem lea pare meos, tata a
dinheiro i vista : ao armasen de molhados na
da Santa Amaro n. 8.
Vende-se o strado~de am aataf a>rti di
VIsooude do Heml n. 37, e a cata torrea jimio ao
mesmo n. 39 : a tratar na roa da Sentaia-vetta
o. 106.
N, 60 A Rna de Duque de O
xias n, 66 A,
airara rasado;arcillado
Grande sortimenio da faasodat portoaialliilBioa
precos, cerno sejam : sedas, lias, chitas, percales,
nsldes para vestidos e roopss para croala, salas
brancas com babado trisado, chapeos da ultima
moda para ahora, onips litas artigos da
loato- ,
A loja da eaoaaai4aa taaejda Carias a
6ftAr
Sortimento vartldo em calxmhas para-nt aoko
--------- ------ -----------IMI
m aaMa e tardia, aos faaavaa m a- Sasao
Antelo, S. Jlo a S. Pedro: noeae tfMafrai
armaxem a. 1, ao p o arw da


V
.

#iiri d ftnianUMiM Sabbackr 4 JKiuIk) m 1872
m
AO 65
RBA DO DUQUE DE CAXIAS
*
(Outr'ora do Queimado)
Bita estabelecimento acaba de recebr um importante sortimento de diversas la-
sendas propriai pan venidos, sendo poupelinas de seda, sedas, ISas, percales, ditas con
barras propras para babados, lindas cambraias crox, e em flm ama infinidade d'arti-
gos de moda, tudcproprio para a Testa, o que todo vender por precos inteiramenu
razoaveta, em consequencia de estamos prestes ao fim do anno, e o 68 n3o qner te:
grande trabalho con o seubalanco, preferindo tomar dinbeiro a fazendas, convida-at
portante ao reapeitvel publico a virem sortir-se na loja do 65 aonde comprarlo por pre
r-oa que Dio obterto en oetro qaalqner estabelecimento; em flm ver para crer
RA DO DOUE DE GAXIAS
(Outr'ora do Queimado)
Rival ?em segundo
Ra Doque de Gaixiaa n. 91, loja de
mindezas de Jos de Azevedo Maia e Silva,
conbeci Jo por Jos Bigodinbo, contina a
vender indo qne tem por menos do qae
em outra qaalquer loja, a saber :
Correntea pretas de borraxa
para aeobora a 15300
Garrafas deagaa Florida verda-
deira a 1^300
Caixas com obreias de massa a 40
Frascos com macaca perola a 200
Pacotes com poz de arroz fa-
xenda o* 500
Pares de boiues de osso
para panho a 200
Saboaets de bolla maito fino
a 160 e 240
Cartas de alnetes de latao
fazenda boa a rs. 80
Carriteis de retroz preto com
2 .tavas a 600
Capacho de palba mutto- boai-
U a 600 rs. e 700
Frascos eoui oleo Philocome a
500 rs. e 1WO
Pares de patos de tranca
para menino a 1,5500
Pessaa de tiras bordadas a
500, 660, 800 rs. e 10000
Frascos com agua de Colonha
maito boa a rs. 500
Gravatas pretas e de cores a rs 4 0
Pessas de transas modernas
de todas as cores e todo o
pre;o
* Libra de areia preta maito
boa a 160
Nsvellos de linba con 400
jardas a rs. 60
Livros di misso abreviada a 10500
S Silabarios portognezes a rs. 400
Cartas com 100 contaa im-
presas a 1^500
Caixas com 30 novellos de li-
nba gaz branca a rs. 500
Gaitinnas para meninos a 40,
60 rs. e 80
Caixas con 12 fraseos de
ebeiros a t500
Caixas com 6 sabonetes mai-
to fiaos a rs. 800
Pontea para segurar cabello
de menina a 200 rs. e 320
Chapeos brancos para bapti-
zados a 20500 e 40000
Copinbos com superior banba
a 200 rs. e 320
Frascos com oleo para cabel-
lo fazenda fina a rs. 320
Frascos com oleo Baboza a
500 rs. e
Frascos e garrafinhas de agoa
de Colonba a 10500
Frascos com verdadero azeite
para machinas a rs. 500
Redes cum contas para segu-
rar cabello a rs. 400
Latas com baoha de Piver a
200 rs. e 320
Garrafas com agua Celeste
maito fina a 10500
A AfiUli Mil
A 4^500 rs.
Vende-se sacos de multo bora milho : nos ar-
mazens ra do Amorim e caca do Apollo, de
cssoa limaos & C.
i
2*


bi.gg.B'Sgl?
niAllll
70
G
SI


2.
O-,

* li^ri 11-B
1
i
?
1
i
* #00 O 9-016 000
Sais
i.*^

EM
-las
=0
= ~ ~ 3' ** a *
"Err* 2b i-i
D M P O- 5 D ?
T T I o
Capricho.
Vende-se o engenho Capricho, distante d^ esta-
gao de Una nma on duas legnas, movido por
nma excallento machina vapor, com ptimos
terrenos para saffrejar quatro mil pies annuaes:
i tratar no mesroo eogenho com Joaqnlm los de
Arla, oa nesta eidade com o sen correspondente
o Sr. Joaqnim Rodrigos Tavares de Mello, com
eecriptorio praca do Gorpo Santo d. 17, primeiro
aadar.
AGURDENTE Dfi CNNA EXTRAF1NA
EM GARRAFA.
Vende-se na rna do -Encantamento n. 5, pri-
meiro andar.___________________________.
Arroz de easea
Superior em saceos omito grandei: nes ama-
leas de Taa tantos & C.
A verdadetra cerveja da Batiera, marea bap-
deira, de superior qaalidade : vendem Tasso Ir
mos & C em sen armaiem da rna do Amorim
B. 37.
' 'iii
Massa i...
De mandioca preparada
Santa Cecilia o. 37.
para bolos: na roa de
Ra de Duqne de Caxias n. 50
Receben :
Lindas caixinhas com os necessario* para [mar-
car ronpa, sendo abcedario e numeracao, frascos
eom tinta preta e encarnada, pioceis etc. etc. o
que de certo novidade em tal genero.
Novos coques grandes com dodios desenhos
vindo entre elles alguns enfeitados com Olas e flo-
res ; assim como bonitos crespos.
Aderecos encarnados de madreperola.
Cruzes pretas com enfeites donrados e ontras
brancas de cbristal.
Casas de pedra e cal milito
baratas
Urna senhora viuva'tendo de mndar-se para f-
ra desta eidade, vende nma casa terrea em terre-
no proprio, na ra imperial, tendo duas salla., 2
quartos e quintal, por nm cont e quinnentos
mil ris, cojo alnguel de 15 a 16*000 mensal,
e 12 meias-agna*. tambera na rna Imporial, na
trrvessa da Bandeira, igualmente em terreno pro-
prio, tendo cada nma deltas nma perta e janella
na frente, a excepcao de nma que lem duas ja
aellas, e tedas urna sala e dous qnartos, dez das
quaes tem terreno atraz, que abrindo-se nma
porta, pode ter o seu quintal ; vende-se a 5001,
sen aluguel mensal para 73000 e a de dnas ja-
nellas para 8*000 ; mas qnem quizer nma cu
duas sero vendidas a razio de 000*000 e a de
dnas janellas por 700*000 r?. Estas caas estao
edificadas na roa Imperial, bem perto donde ac-
tualmente param os bonds. J qnem tiver ponco
dinbeiro, pJe-se chamar proprietario ou morar
em casa propria. Os pretendentes dirijara-se
ra das Trincheiras n. 48, a casa do Sr. solicitador
Burgos, o qual e*-t antorisado a contratar, mea-
mo a praso com garanta idnea.
Sraaocome
Tnico especial contra a calvlce
Com nm bello sortimento de perfumara qne a
Agnia Branca acaba de reeeber veio tambero o
apreciadoSmaoeonecujo proveitoso efleilo
j bem conheeido por quantos o tem usado e ser
anda mas por aquelles que necesstam de sua
utilidade. O continuado nso do Sraaocome d o
bom resaltado de impedir a queda dos cabellos,
faze los renascer e conservar o seu briihu natural
altn de que seu odor mais agradavel qne d'on-
tro qaalquer tnico continua a ser vendido na! oja
:da Aguia Branea.
Leite de rosas brancas
Excellente para acabar com as sardas, pannos e
espiabas no rosto.
Vende-se a 2* o frasco, na leja Agnia Branca
ra Dnqne de Caxias n. 50.
Bonitas caixas com perfumaras
propras para presentes
Vendem-se na loja d'Aguia Branca rna Duque
de Caxias n. 50.
VIodernas e lindas csaquinhas
para senhoras
A aguia branca ra Duque de Caxias n. 50
receben urna pequea qnantidade de lindas csa-
quinhas de lia branca primorosamente enfeitadas
eom setira de core?, obras essas tio modernas
qnao lindas. A prova dessa verdade est*no apre-
t qne ibes estao dando as Exmas. apreciadoras
do bom.
A Aguia Branca
NA
Rna Duque de Caxias n. 5
receben bonitas bjlsnbas com necessarios para
crochet.
Agulheiros de os-o com agulbas e cabo para
ditos.
Paptl verde liso e listrado para fjlhas de rosas
Dito de cores para flores.
Dito fino verde e pardo para cobrir os talos das
rosas.
Dito de cobre de cores para flores, sombra, etc.
Lindas nonecas enfeitadas, e ontras cem rosto,
mos e ps de porcelana.
Modernos aderemos de madreperola.
Ditos de filagrana donrada eom eamapheos.
Ditos prelos, gosto inteiramente novo.
Cruzes de madreperola.
Delicadas carteiras com capas de marflm.
Ditas pequeas propras para lerabranca.
Tinta vilete
A Agnia Branca ra Duque de Caxias n. 50.
recebeu a superior tinta vilete do acreditado
fabricante Adrien Maurin, e eomo sempre vende
baratisaimo.
AGOA DERTRIFIGE I
DO
DR. PIERRE.
a Aguia Branca rna do Dnqne de Caxias n.
50, receben e.-sa apreciavel agua dentrifice do Dr.
Pierre, caja soperiende bastante conbecida.
ESTABELECIDOS
Do Porto,

Acaba de chegar a este estabelecimento um importante swtioeoto de jotas de
ouro, do melbor gesto e qaalidade que tem vindo neste genero, como cassoletas de
nix com lettras de diamantes e pintoras finas, aderecos e meios aderecos com peers
finas, etc. etc.
Ra do Cabuga' d. 5.
ffioreira Duarte & C.
TRAVESSA DA MADRE DEDEOS H. 14
Vendem os seguintes
VINHOS
Madeira,
Borganha,
Amoroso,
Xerez,
Rbeno,
Malvasia
Dm lgoiDtes marcas :
St. Lambert,
St. JalieD,
St. Estepbe,
La Joor,
Vendima Chateaa Margaax,
Cbateaa Blair,
Cbateao La Rose
E Chateaa Langaiale.
E Brdeos
CHAMPAGNE
Ao gosto de Londres e de Pars, marcas moito superiores.
0 magnifico sortimento de Vinbos cima descriptos foram fabricados de 1815 i
1847, e escolbidos, com particular recommendacao, por om ptimo entendedor, nos
grandes depsitos das docas de LondresGarante-se as qualidadese vende-:e a pro-
cos maito mdicos para animar a pedir aova remessa.
RMAZEM DOS LEES
Ra Duque de Caxias n. 29.
Os proprietarios deste bem montado est; belecimento setentifiesa te
respeitavel publico desta provincia qne se acham com um variado e completo scr-
oaento de movis, tanto naciooats como estrangeiros, sende estes escolbidos por om dos
so8ios qae se acba actualmente na Earopa. O mesmo tem contraetado com os memores
fabricantes daqaellecontioenle as remessas das mais ricas mobilias feitas all.
Na officina tem os mais babets artistas deste genero, e por isso pedem qae ve*
nham visitar o estabelecimento, aonde encontrarlo a realidade de qae acaban de expr'
ne se pode examinar; ricas e completas mobilias de Jacaranda, mogno, faia, carvalho, a-
marello, etc, ricas e elegantes camas deja caranda, pao setim, amarillo, etc., etc., guarda
vestido de amarello, guarda louca de nogtieira e de amarello com lampo de pedra, ape-
radores ded'to dita, peti toilettes especialmente para fazer a barba, toilettes de Jaca-
randa, amarello, pedra, secreta-ia; da Jacaranda e mognocustoreiraa ae mogno, san-
tuarios, thears para bordar, bercos, lavatorios com espelho, de pedra marmore e seus
pertences, cadeiras privadas, bids; etc., etc., e mottos ontros artigos qae deixamos de
mencionar por setcrnar enfadonbo
CHINAS
DE
COSTURA
DE
SINGER MANUFACTRING COMPANY
Grande reduepao de prepos !!!
! 90000. 90^000. 90^000
AVISO ESPECIAL
A alta repotaco obtida pelas machinas fabricadas pelo
i mmm m
portAo
Vende-;e nm grande pertio de ferro de Loicas
novo com 9 1|2 palmos de altara e 10 de largara
por diminuto pre^o : tratar na rna 4o Conde
da Boa-vista n8 7,ontr'ora Esperance.
Fara presente
objec-
Amaral de Nabueo vendem os seguintes
tos, proprios para fazer-se presentes :
Estojos para limpar dentes com todos os ferros.
Ditos para limpar nnbas.
Ditos para barba proprios de vlageni.
Ditos para dita proprios oara>algibeira.
-Diios para crochet.
Ditos para tesouras de costara e bordar.
Ditos para costara e com msica.
Nestes objectos se encontrar n5o so a commo-
i'idade como a elegancia : vende-se no Bazar Vic-
toria, rna do Barao da Victoria n. t.
Vestidos de. blonde.
Amaral Nabueo & C. vendem rwoa ertes le
vestidos de blonde com grinalda e llores de taran-
geira e veos tambem de blende bordados, cortes
de seda de cores e matizados: no Bszar Vietorii,
roa do Barao da Victoria m. i.
Baldes de papel
Amaral Nabueo 4 C. vendem balrjes aeraos,
proprios para sallo e lanterus tambem de papel
para enfeites de jardim, cima de mesa, etc., pin-
tados de ricas paisagens e formatos : ao Bazar
Victoria, roa do Barao da Victoria n. 2.
Vende-se
am sorado de doas andares, sito raa da Uoda
n. 19, e os terrenos qne ficam nos fundos. Tem
frente para a travessa da Companhia Pernamb
eana e capacidade para deas armaren proprios
para recolhimento de algodao on quaeaqaer on-
tros gneros, por ser perto do embarque : i tratar
ero' casa de Tasso Irmaos & C.
lUfilt MAflUl'iilJIUIUilU IJWA1I1
tem levado diversas pessoas a fabricar imitares que ellas vendem quasi sempre sob
pretexto de serem ellas fabricadas pelo systema Smger.
Fazem sciente aos sens freguezes qne teem
mudado o sen deposito de machinas a va-
por, mocadas e laxas da mnito acreditada
fabrica de LowMor para rna do Apollo n.
38 e 40, onde eontinnam a ter o mesmo sor-
timento do costnme.
Fazem sciente tambem qne teem feito nm
arranjo com a fundicao geral, pelo qne po-
dem ofterecer-se para assentar qnalqner
macbmismo e mesmo garant lo.
Os proprietarios da fundilo geral fa*em
scientes aos senbores de engenho e mais
pessoai, qne teem estabelecido nma tund-
cao de ferro e brouze a rna do Brum, jun- sS
to a estacSo dos bonds, onde aprontaran
qnalqner obra de encommenda com perfei- *-
ao e promptidio. f
Os meamos rogam as pessoas que qnei- p^
ram ntilisar se de sens servicos de deia- i^
rem as encommendas em casa dos Srs. 3a- ys--
mnel Power Johnston & C a raa do Apol- |?^
lo o. 38 e 40, ende acbarao pessoa babli- ^-'-j
tada com qnem possam entenderse.
llNENHMA MACHINA !.-
CER i:" LEGiriHA SE
NAO LEVA ESTA MARCA FIXA
\Q BRA^O DA MACHINA.
PARA EVITAR COlTRl-
FACCOES notem-se rem
TODOS OS DETALIIb*
MARCA.
MARCA DA COMPANHIA
A compaabia, desejasdo proteger seus amigos e freguezes contra as imitaces, tem
adoptado a marca cima representada.
Previne-se ao pe buco de d3o comprar machinas que nao levem a marea da
companhia.
j DIO*?
i

W- H. CHAPMAN


N. 45 Ra do Imperador |iL4>

a caaa da rna dos Guararapes n. 11: a tratar cem
o commendador Tasso.
4e wiro
Na rna do Apollo n. W tande-se libras sterKoas.
t- Vende-se farint
saceos de SO cuias per 6
Guerra.
boa da tarn t
na armazem
A rs a Mbra
No progresao do paleo de Carano o. 9 cbama.se
tteacao aos amantes do Mo de. ^if/m^-^
Jcao e S. Pedro, para a maoteiga lgleza flor de
a rs. a libra.
Cerveja de Noruega.
Verrhdeira e superior : i venda eos amazeos
de Tasso irruios & C
Apparelbo para fabricar assncar, do systema. fry>
WESTON CENTREFUGAL
nicos agentes em Pernambaco a fundidlo geral.
Para tratar em sea escripiorio a ra do Apollo o. 38 e 40.
AC e ferro em verguinba.
ARADOS e grades para lavrar a trra.
BOMBAS americanas.
CAMAS para meninos, solteiros e casados.
CARRINHOS de mo.
CHUMBO em cano, lenco!, barra e nmoigao.
COBRE em lencoes e armellas.
COFRES de M.lner e ontros.
COUROS preparados.
CIMENTO de Portland.
CHAPAS para cobrir casas.
ELECTRO- PLATE em obras fiaas.
ENXOFRE, limaiba e salitre para foguetfiros. -
ESPINGARDAS, rewolvers e pistolas.
ESTANHO, em verguinha e barras.
FOLHAS DE FLANDRES, grandes e pequeas.
FOGOES americanos e ingle es.
FORMAS para porgar assucar.
FELTRO para caldeiras.
MACHINAS a vapor..
DITAS de lavar roupa e picar carne.
DITAS de cortar4omo, estivar algodo (macacos.)
DITAS de descarocar algodao mo e a vapor.
LEOS, azeites, sabao e trinca!.
PAPEL de diversas qualidades.
PEZ JS fraocezes^de todos os tamanhos.
PRENSAS para copiar cartas.
TACHOS eetanbadbs.
ZINCO em folbae lisas e forradas.
;"
^1
8:
o
o
SS

I
Fazendas baratas
LENCOS de linho Anos com barra de c6r, abainhado largo a 9* a dasia.
POPELINAS a I 600 o covado.
SBDINHAS a iM0 e covade. M
CAMISAS Bordadas a 60*000 a doria.
VESTIDOS de phaoUsia a IJOOO.
A' toja da Turqnera, roa Nova n. 9.


8
Diario da Pernambuca Sabbado 22 da Junho da 1872
UTTERATURA.
> AJOR NAPOLEAQ PO M. PINHEIRO
CHAGAS.
(Coaliooacio)
SJtoncioso, o capillo Viarmont segoiu o
awiicano. Os sddados ranezes, com II-
oca do coronel, e c m u geni) aventoreiro
foe os caracterha, tinham debaadado, es
ceibendo pares entre as gentis mexicanas,
foe laeilmenla se cansalaram di inesperada
ssbstrtoico. O gaitarreiro, recobrand i se
osiasto, e percebenJo que era inviolavel.
fracas sua*qualidade de trova 1or, e
precisao que os danzadores tinham delle,
recoatou se de novo junto da fogueira, e
cooboooo a mus.a interromida. S os
goerrilbas, acorrentado3 e guardados vista
por quatro ou cinco sentinellas, devoravam
en sileacio a sua ira e ven lo a facilidade
coa que as mexicanas o linbam olvidado,
veosavam naturalmente de si para si o que
fraociseo l escrevia as paredes de Fon
tinebleau :
Souvent femme vari!
Bien fol est qui s'y Ge.
Entretanto Prez Lorenzo e o capillo
fiaraonl tiobam-se afastad i da clareira illi-
cada, e, internando-se no bosque, tinham-
se ida seaiar junto de ama pimenteira, que
otoroava sobre elle* a sua nroa de pene -
Iraotes aromas. A melanclica msica da
foilarra, assim ouvila ao longe. resoando
a raeio da inffavel serenldide de urna
aoile dos trpicos, casava-se de om moda
anatissimo com a doce meloda da brisa, sus-
pirando brandamente as folhas do arvore-
o. A loa, resvalando no azul do co, en-
volva a paizagem no sea manto de candido
fclgor.
Prez Lorenzo rehnceou em torno de si
om olhar saadoso, e como qae parecen que-
rer imaregnar-se bem na poesa immensa
2 soi pairia. que elle ia trocar pelas das-
coohecidas regios da eterndade.
Depois, passaodo a ma pela testa, com)
para affugentar esse pansamenlo, voltou-se
jara ocap:to, e disse Ihe exabrupto:
A mioba vida resume se em doas pa
liaras s t Amor e vinganca. Nao leva
lampo a narrar. Nasci nesta armosa trra,
qoe to dilacerada tem sido pelas facces.
Conservei-me estraoho sempre agitago
molucionaria. Nao podia mesmo compre
hender a frentica bucara, qae as vaidades
-5a pMrtica accendiam no animo dos meas
patricias u prefera apenas as doces lou-
nna do amor. Quem me diria que havia
e chegar um asante em que t-ria de me
arrojar a ese mar das revolocoes, cujas
sempestades me apavoravam, cujos sorrisos
Mentirosos me nao conseguan) attrahir ?
Ah f quaqdo a procella ruge embravecida,
qoando as ondas quebiam furiosas nos
ragodos. despedacam juntamente o navio
ene a allronta, e o pobre barquinbo fu
eado, qae se" abriga no porto.
r Amei qaasi desde crianza ama form-
la menina, mioha visioba. Carmen se cba-
am ella. Era linda como os aojos, casti
e-teeiga como a Vifgem da Guadalupe. Re
gmtflvara tambem esse Joan Pablo, cujo
<&er se baloica agora ao sopro das au-
r ; mas j ento era conhecidj pela sua
r&le sanguinaria, e dia-se que a sua ca-
nbra nao estava imma;nlada. Vingativo
e dissimolado, a mais leve injuria, que lbe
joss* dirigida, Gcava para sempre registra-
na saa memoria; mas" sorria se para
aqoelle que o iojoriava, al que chegasse o
instante em qae podesse traicoeiramente,
emboscado por traz de ama sebe, atraves-
ar o peiio do inimigo, que o olvidara j,
com doas balas da sua carabina, certeira
como se o demonio mesmo lbe dirigisse a
pontana.
Carmen despresava completamente o
feo galanteador. Seui pais preferiam ve la
saorta a ve-la unida a 13o vH creatara. Eu
peo- contrario, era acceito com muito gosto
por toda a familia. Nao houve por conse-
jointea mnima opposico ao nossa casa-
mento. Mas, no da em que nos recebemos
mi Madellin, Juan Pablo esperou-nos sai-
4a da igreja, e deu-nos os parbaos, sor-
?ado-se omaveimente com esse sorriso, que.
jtara tantos significara a morle.
Os meas amigos empallideceram ao ve-
wm-'no, e am dalles, aproximando-se de
im, disse-rae em voz baixa. Acaotella-
e, Prez Lorenzo 1 Iotrodazio-se a vbora
aas flores do tea da nupcial. En enco-
la os hombros, e relanceei um terno olhar
para mioba desposada. Ao ve-'a to bella
oa a ,sua grioalda de flores de larangeira,
com to doce sorriso nos labios de roma,
com to nacaradas rosas as faces levemen-
te morenas, quem havia de dizer, que to
cedo m'a bavia de roubar Deas I Ai! qaan-
> o ceo est azul, e as estrellas sciotllam,
como fractos de oiro, por entre a folhagem
das arvores, quem se lembra qua ha de vir
o bulco turvar essa augusta serenida-
e?
Prez Lorenzo interrompeu-se por um
instante, e duas lagrimas deslisaram-lbe dos
ifces, tanto tempo esbraseados pelo sopro
as mas paixes. A proximidade da morle
aotava as lagrimas represadas, que lavariam,
em sabe I aos olbos de Daus misericor-
o, os crimes da sua existencia.
Viarmont ouvia-o com inleresse. Singu-
lar influencia do amor I Essa palavra s
basta para levantar na nossa estima o cri
tinoso mais vil. O amor e o patriotismo
transformara, n'um beroe um assassino.
Correram os primeiros mezes do mea
casamento na mais inaltervel tranquilada-
e. Todo entregue s .inebriantes delicias
esse amor, que fra a minba vida, nem
pensei orna vex s as ameacas. que o sor
riso de Juan Pablo encerrava em si. Os
eos proprios amigos, se bem que mais
cntenosos, chegaram comtodo a pensar
qoe o mea vingativo rival tinba olvidado,
ea pelo menos adiado indefinidamente a
ac vinganca.
Foi por este tempo qae rebentoa a
geerra eontra o Mxico e as tres potencias
ecropas. Nao Ihe contarei as particulari -
iades della. Sabe-as melbor do que eu,
pois devo confessa-lo, eram-me completa-
Mente indifferentes esses grande abalos po-
lticos. Urna noticia me preoccopava muito
sais do qae o desembarque do exercito
fraecez, inglez e bespanbol, do que o con-
venio da Soledade, do qae o revez do ge-
neral Lorencez, do qae a chegada do gene-
ral Forey. Essa noticia, pela qual eu olvi:
iava todos os desastres do mea paiz, essa
Boticia pne me fazia exaltar quando a patria
stava em Indo, essa noticia ineffavel de-
MMt'a Carmen, havia poaco tempo, com
s* laces affpgaeadas as rosas do pudor; ia
ser pai I A imagen desse anjo alvo e loiro,
peadorado do seie maternal, como urna abe'
ha de clice de am lyrio, nao me deixava
ver a imagem do Mxico vertendo aaogae
pelas largas fe idas, qos lbe abra a espada
do eslrangairo. Castigon me Detii talvez
por essa culpavel ind fferenga.
c Juan Pablo, desde o principio da lacla,
cedendo aos seas destinos da rapia, Unca-
ra-se, as floresta?, onde reuna dentro em
breve ama forte guerrilha. Qa incendios..
as devastabais comefarara a assignalar a
passagem desse terrivel bando. Quando de
sbito sa va o co avermetbado das bandas
do norte, do eul, ou do oriente, quanlo
urna lingua da fogo brotava as plantaca%
e, correndo com a rapidez do relmpago,
lambia os cafezaes, ou os canaviaes do ai-
sacar, j se sabia qua oessa noite vaguea
va Juan Pablo, com o seu facho fatal, as
camp'as dos arredores de Medellia.
Mis urna coisa se nota va, Joan Pablo
escolhia escrupulosamente as plaotacss^a
que deitava fogo, e o raio da sua ira caa
sempre so ore aquellas qae tinham ligado
ao estrangeiro. Joan Pablo n3o quera
por forma alguma tirar aos seas actos mais
terriveis a cor patritica. Nisso eslava a
sua segoranfa. Sa o nao fizesse, nao tar-
dara muito em ser entregue na) mios dos
franoozes. Mas o astuto bandido tioha as
sympathias da populacho, que via nelle o
bere e o vmgador da sua nacionalidade
Por isso eu estava segaro. Ainda que
hdiffereote aos negocios polticos, a marcha
triumphal de Forey bavia produzido em
mim urna profunda impresso. Accordoo
ao meu espirito com ceria vivacidade o sen-
tmenlo patritico, ao ver para sempre
de* truida a repob'ica mexicana, Nio
occuitei as minhas symp?thias pela cau-
sa nacional, e cheguei a dizer que, se me
nao retivessem minha esposa e atan Glho
(j fallava n'essa qoerida crianza como se a
Uvesse no3 bragis) ira alistar-me no exer
cito da independencia. Estes seatimentos
expressos em voz alta collocavam-nie at
debaixo da severa vigilancia da palie a fran-
ceza. De Juan Pablo, o patriota, que poda
temer ?
Urna noute estava eu junto da janella
conversando com minha esposa e fazendo
mil projectos sobre a fatara sorte do nosso
fihinho, qnando os ladridos desesperjdos
dos caes nos revelararn que havia alguma
cousa da novo. Carmen descorou, e che-
gou-se para mm, relanceando em torno de
5i os olhos, em qae s reQectia am vago
terror.
As portas da herdade estavam abarlas.
Como disse, nada jolgava ter que recear.
Mas, conhecendo a intolligencia dos caes,
suppoz qua eram franceziS os visitantes
Os meus caes consagravam um odio mortal
ao uiforme francez.
t Alguma visita domiciliaria da poli-
ca murmurei, encolbendo os hombros,
c E dirigi-me para a porta, afim de
abrir eu mesmo.
t Mas Carmen cingio-me com os bracos,
e, toda trmula como sa um estraoho pre-
senlimento a assaltasse, nao consentio que
eu dsse um passo, e. escondendo a cabe-
ra no meu peito, desalou a chorar.
t Os ces tinham-se calado de sbito.
Reinava na babitaco um profundo silencio,
mas um d'estes silencios que preceder as
tempestades.
c Effec.ivamente nlo daroa muito
a calmara. As portas ,.da sala abriram-se
com fraoasso, e vi luzirem na sombra as
papillas de tigres dos guerrilhas mexicanos,
que se afastaram para deixarem passar
um homem, que avancou, sorrindo-se gra-
ciosamente, at ao meio da sala.
Carmen soloo om grito horrivel, eu
brami um rugido suffocado. Esse homam
era Juan Pablo.
S .ara emQm a hora da vingaoca. A
cbamma, que eu julgara abafada debaixo
das cinzas, fra lavrando, lavrando, at ir-
romper medonba, fatal, na propria ocetaafo
em que seriara '.mais pungentes para mim
as agonas da desgrana.
t Que Ihe hei da eu dizer mais, capito?
conti.iuon Prez Lorenzo com voz sufocada.
Adevinha de certo que, apezar da minha re-
sistencia, fai agarrado, preso a urna arvore,
e que Uve de assistir rogindo da faror ao
incendio da plantado. Mas o qoe nao
adevinha de certo qu, por am reqainte
inaudito de barbaridade, Uve de assistir
deshonra, a profanaco da casia compa-
nheira do meu leito, que a vi estorcer-se,
louca de desespero, nos bracos dos Infames,
e que elles,*possaidos verdaderamente da
embriaguez do crime, depois da terem sa-
ciado os saus torpes appetites, a saa bruta
sensualidade, rasgaram o ventre de Carmen
e arrancando das tepidas entranhas, santo
ninbo oade palpitava ainda implume essa
candida avesinba qua havia de ser a pota-
ba da nossa arca, arrancando o feto infor-
me, arrojaram-m'o ao rosto, rindo com um
riso na realidade satanio. (I)
Horror I exclaraoa o capito Viarmont
erguendo-se convulso e paludo.
c Ah I comprr hende agora capito, con-
tinuou Prez Lorenzo n'um longo e angus-
tioso soluco, comprehende a inflaxibilidade,
a tenacidade, a croeldade com que perse-
gu os assassinos, o deleite amargo que
senti cm assistir a cada ama das suas tor-
toras, em os ver estorcerem se tambem,
blaspbemando, nos bracos da morle ? Ah 1
mas nem Ibes paguei a millsima parte das
agonas, que me fizeram solrer. Em com-
pensaco abri-lbes as portas do inferno, e,
se esta vinganca cruel m'as abre tambem,
consolar-me hei das chammas eternas, ven-
do-os soffrerem a meu lado.
< A mioha misso est cumprida no
mundo, capito Viarmont, continuou P-
rez Loreozo levantando-se. Nao me con-
sidere como am assassino vulgar. Pense
alguma vez em mim, e, se o fizar, reze om
Padre Nosso por alma d'este desgranado,
qae o acaso lbe airavessou no camiaho, co-
mo am passaro agoureiro. >
E, deixando ficar o capito Viarmont ainda
debaixo do peso da sinistra confidencia,
desappareceu nos recesaos da fhresta.
D'abi a pooco oavio-se am tiro de pis-
tola. Prez Lorenzo cumprira a sua pala-
vra. Depois de ter terminado a saa vingan-
ca, deixava o mando, e ia, confiado na mi-
sericordia divina, navegar no sombro oca-
no da eternidade.
Viarmont limpoa o saor, qae Ihe escorria
em bagas pela fronte, depois, como os
cornetas francezes tocavam jl a reanir, di*
rigio-se vagarosamente para a clareira.
D'ahi a meia hora entravam em Medellin.
Ainda darava o baile em casa de D. Ra-
mn.
Muitos officiies, tomando apenas o coi-
dado de escovarem o falo rpidamente,
voltaram com a insouciance do carcter
ir-se no turbilho das wal-
jrande espanto do coronel
iarmoot, em vez de se-
seas camaradas, rsio-
I para dispor de oito Mlda-
lena expedicio, qoe eadu
o peito, fitou os
as estrellas come -
a aproximago da
ensaogaentado a
elle orna bengo
francez. a la
ias. Mas,
Dupin, o cap:
guir o ex
lbe pedir li
dos n'ama,
tioha de ge
E' Dolores que-o espera ? disse Dopin
depois de saber que se tratava de dar se
paitara a P rez Lorenzo, cuja historia elle
conhecera atada antes do capito.
Qoljoar dos meas camaradas m
sabstitoira ,"coronel, responden Viarmoot
encolbendo os hombros,. Dolores lembra-se
tanto de mim, como a borbolett sa lembra
da poeira impalpavel qae Ihe pousa as
azas.
D'ahi a urna hora. Viarmont, acompaas-
do por oito soldados e um padre, chegava
ao sitio em que Prez Lorenzo se tinba
suicidado. Seria impossivel conhece-lo, se
o nao trahisse o fato ; o infeliz fizara sallar
os milos com ora tiro de pistola.
Quando o corpo foi enterrado n'ama
cova, qae os soldados all snesmo abriram,
e que o p;.dre comeeoo a psalmear as saas
oracas sobre a trra remechida de fresco,
Viarmont affastou-se um poaco, e, deixando
descair a cabeca sebre
olhos no co azul, onde
cavara a desmaiar com
alvorada.
Ento das palpebras do alent deslisoa
urna lagrima silenciosa. E' porque n'esse
momento via a guerra debaixo do seu as-
pecto hediondo, e, em vez das pompas da
ovaco, do esplendor do sol das batalbas,
dos gritos da victoria, do enlbnsiasmo das
cargas, via a doas passos de si a cava hu-
milde de am noraera, a quem as vingancas
horriveis, a que o demonio da guerra d
latitade. tinham arrojado para fora do'seu
lar tranquillo, e tinham
vida, que podia ser para
do tteas bom.
E depois o pensamento voou-lhe para as
ierras da Goyennaf e vio o ninho immacula
do da familia onde s elle faltava, e pensou
que om dia podia o sangue manchar as
al vas cortinas do leito de saa irma, o in-
cendio passear os seas facaos rbidos pelos
tectos das granjas, pelas loaras messes dos
campos, e o punhal do gtrerrilha lampejar
furieso sobre o peito iodefezo de saa velba
mi, como o pan bal lampejara sobre o pei-
to de Carmen, como o iacendio devorara as
plantaces de Prez Lorenzo, como o san-
gae manchara as cortinas d'esse thalamo,
doce asylo de am casto amor.
E por isso a lagrima silenciosa deslisava
dos olhos do valente!
XXV-
A REVOLTA DO MINHO DE 1862.
E* axioma theatral qoe o entremez deve
sacceder tragedia, a farga ao melodrama.
Que seria de nos se o horror cmpeasse
ssinbo no palco, e os monlogos do lyran-
no e os berros das victimas nos persegais-
sera at se apagar o lastre, sos viessem
ainda encher de pbantasticos pavores o
somoo, que nos espera benigna e paciente-
mente entre os alvos lences do leito d<>
repooso ?
Parece qae este axioma, to verdadeiro
no theairo, o nao menos na historia, por
qoe, no panorama dos acontec raen tos, suc-
cede invariavelmante am quadro cmico a
um quadro terrivel, como se a bumanidade,
oppressa pelo espectculo do sangue der-
ramado, dos crimes commettidos, e das
guerras fratricidas, sentisse a necessidade
de alegrar o espirito, e de afageatar as n-
veos, que Ihe carregavara o borisonte, com
ama franca e sonora gargathada.
Quando se falla em crimes o horrores
histrico', acode logo a todos a idea da re-
voluco ranceza. Rtras vezes, electiva
mente, a vertigem melodramtica se apo-
derou por tal forma do espirito de ama oa
Cao, e poneos quadros to tenebrosos conta,
felizmente, a historia universal ; se fosse
| dado posteridade citar perante o sea tri-
bunal as eras, da mesma forma qae cita os
(1) Nao phiotasio horrores. Este ficto
textual.
homens, o anoo de 1793 sera riscado da
lista dos seas irmos, e ama moldura negra
o substituira, assim como, na galera dos
doges venezianos, am veo de lato occapa
o lugar onde devia existir o retrato de Ma-
rino Faliero, o infeliz decapitado.
Pois bem, quando os francezes beberam
a plena taca, na plataforma da gailbotina,
esse vermelho licor que os embriagava,
quando a sua imaginado delirante se fartoo
de explorar todos os recorsos sanguinarios
de urna peca descabellada, qoando se sa-
ciaram de horrores, qaando os tyrannos
Gzeram desapparecar todos os grandes vul
tos da tragedia revolucionaria, e qae d'esse
mualo de personagens ebeios de inteligen-
cia e de enthusiasmo, qae haviam irrom
pido e golpbado em borbotos, como as
lavas do volco da liberdade, nao restavsm
j seno os comparsas, a Franca entendeu
que era tempo de descer o panno, e s
hrridas scenas do terror succedea o en
tremez do Directorio.
Aqai em Portugal d se tambem um fado,
qoe demonstra a veracidade do principio
qae estabeleci. Tivamos orna poca som
bria I ama poca de guerras civis, de lutas
fratricidas, de odios polticos, dorante a
qual nos dilaceramos aos aos oatros, sacri-
ficamos no altar da discordia as mais nobres
victimas, e derramamos no solo da patria,
cujas messes arruioava a sacrilega rrigaco
o melbor e mais paro sangnez portuguez.
Foi urna poca deploravel, e os malfada-
dos annos de 1846 e 1847 sao sempre re-
cordados com pungente tristeza I Qae san-
gue generoso qae ento se perdeu t e os
bracos to noces serios para a solidificarlo
do edificio jconititaciooaf, para a fecanda-
co do campo do'progresso, estavam occa-
pados n'ama obra nefanda I Triste poca,
bem triste I
Finalmeote veio 1851, e o panno des-
cea I Findara o melodrama, era tempo de
comecar a comedia I
Tivemo-la effectivamente, e n'ans poneos
de actos I e, para mais divertida ser a far-
ca com qne nos entretivemos, foi a parodia
do melodrama antecedente. Depois das
revolocoes trgicas, vieram as revolaces
cmicas I
Um dos actos d'essa comedia foi a revolta
de Minho em 1863 I O peior foi qae os
actores tomaram-n'a a serio, e de om lado
ede ootro houve as saas tendencias para o
genero amigo 1 Felizmente aqaillo ficoa
em brincjdeira, mas nio sem qae hoavesse
victimas I A morte do major Vasconcellos,
e a deportaco passageira dos soldados in-
surreccionados revelaran am resto de pre-
di lecco dos artistas pelas pecas tenebro-
sas I Emfim, diz o proverbio francez :
Tout est bien qui jinit bien.
E certo, porm qoe, no momento em
que vapor Esteptiania da companhia
Uaio Marcanlil, qoe Deas baja, levantoo
forro, e deseen magestosameote a corre-
le do Tejo, levando a sau bordo o regi-
ment da infamara 16, do qual fazia parte
a pes-oa que escrevs estas lianas, todos
nos jolgavamo3 que aos iamoi cobrir de
gloria, e que am is derrotar legidas de re-
beldes, qoe fogiriam erpavoridos, acossa
dos pelas n assas espadas victoriosas.
Em abono da verdade, devo dizer qoe
eu apenas me cobri de poeira, e que en-
trei em duas batalhas, a primeira contra
ama legia da zangaos enralecidos, diante
dos quaes fugi vergonhosara ate ferilo no
cachaco palos ferros dos maldito;; a se
gunda contra urna phalaoga de persovejos
da estalagem de Santo Tbyrso, que me po-
zeram em derrota ajnda mais vergonbosa,
porque d'essa vez deixei armas e bagagem
ao campo da bataina, e s me dei por se
gar, quando ras apanhei ao ar livre, fora
do alcance dos meas terriveis vencedores
Regressavamos de Guimares para o Por-
to, quando pernoitamos n'essa estalagem,
predestinada para ser o meu Waterloo.
Pernoitamos, ao digo bem, porque meia
ooite o tambor tocou a reunir, e os meus
camaradas, saindo plidos e cadavricos a'a-
qualle antro fatal, mostraran) claramente,
nos rostos desfeitos, qual seria a mioha
sorte se qoizesse imitar, como elles, a velba
guarda, a sustentar in'.repidamanle o assal-
lo das legioas sangoisedentas. O tambor
sa;vara-os f N5o escapava um s, se o rufo
sonoro nao vera a proposito colorir, com o
pretexto do devar, a fuga despedida em
qae elles vinham.
"A noute era temerosa. O silencio, qne
me dera azo a longas meditaces sobre a
influencia dos persovejos nos devaaeio* de
gloria militar, fra quebrado primeiro pelos
toques do tambor, que os echos repetiam
alegremente, depois por um abrir e fechar
de portas, qae revelava a promptido com
qae o regiment inteiro desejava fi-.gir aos
guerrilhas dos leitos. Algaos habitantes
da villa appareciam aqu e all para nos ver
passar. O mea estalajadeiro sorria-se com
ora sorriso malicioso, o qua me fez sos-
peita-lj de cmplice aa mioha derrota. Um
fogo claro e alegre arda l dentro na cosi-
nha. A noute de fias de setembro estava
fria e escara. Nao bavia nem om sopro de
vento, mas o ar glido e penetrante cor-
tava que nem gume de espada. Os passos
dos soldados resoavam na roa ; os murmu-
rios das suas conversares, interrumpidas
pelos hocejos, pertorbavam o sileacio da
villa, muda por baixo do seu manto de
trevas, como um (rade do Bassaco sob o
oegro burel. As bayonetas, ao passarem
diaote da porta, qae eramoldurava um
quadro de fogo, chispa vam relie sos lam'
nosos qae se extiogaiam rpidamente, para
se reaxenderam as bayonetas segrales,
parecendo voltear nos ares como um bando
de pyrilampos.
Se&ti em calofri, e olhei com voluptuosa
saudade para o ridente brasido da cosinha.
Depois relanceei os olbos para o borisonte,
onde se carregavara trevas espassas. E,
comtodo, tinha que ma aventurar no seio
deltas e de deixar, para nunca mais o tor-
nar a ver, esse quidro domestico de soce-
go e de paz, de alegra e conforto. E,
qaando eu estivesse l ao longe, ao longe,
quando me cercasse a noile com os seos
lbregos terrores, qoando a aragem fria do
ultimo quartel nocturno segredasse ao meu
ouvido o 860 byrnna de tristezas, a lareira
bavia de continuar a inundar de luz e de
alegra o sero prolongada daquella pobre
gente I
Nao ser este o quadro da vida ? O va-
jante deste rido camioho da existencia para
om instante n'algum desses deliciosos oasis,
aqaece as mos regeladas na chamma do
lar, e depois retoma o sea bordo, e, dei-
xando atraz de si esse fanal, cuja luz es-
morece no borisonte, contina triste e s o
seu peregrinar, cercado de trevas, peregri-
nar cujo termo a sepultdra.
Fazendo estas reflexoes, tinha-me posto
a camioho, e ebegra ao largo de Santo
Thyrso. To silenciosas estavam as ras
convisinbas, quanto a praca estava cheia de
murmurios e de risos.
O regiment, formado em columna cer-
rada, esperava ordena de marcha. Cada um.
contava ao seu visioho a historia do seu
abletameoto, eas gargalhadas cruzavam-se,
repercutiam-se nos ares, e, como passaros
estonteados, iam bater nos vidros das ja-
nellas, espantando o estremuahado provin-
ciano, que sabia em sobresalto e em roopas
brancas, fra da cama solitaria oa do leito
conjugal.
Como j disse, estava sombra a noite, o
que motivava a presenca de uns poacos de
arebotes que projectavam os seus clares
vacilantes naquella selva de bayonetas, pur-
pureando os rostos fo'gazos dos soldados,
qae se achavam dentro do seu circulo lumi-
noso, e dando um aspecto confuso e lgu-
bre massa dos ltimos pelotes, envoltos
em trevas, reforcadas pelas que o fulgor
dos archotes espancra da sua proximi-
dade.
Finalmente, os officiaes fizaram restabe-
lecer o silencio, o commandante do regi-
ment approximoo-se, formou-se sua voz
a columna de marcha, e, flanqueados pelos
archotes, abandonamos a villa de Santo
Thyrso.
XXVI
0 ROMiO DA PRIMEIRA.
as marchas e contra-marchas que forma-
ran) os movimeutos estratgicos dessa glo-
riosa e iooffemiva campanha de quinze
das, andn sempre a p o autor deste li-
vro. Registro com justoorgolho nestas pa-
ginas esta facanha, qae ha de cooquistar
para as miabas peroas a admirado da pos-
teridade. Parecia-me qae saboreava assim
melhor os encantos das esplendidas paysa-
gens que orlam todas as estradas do Minho.
As peroas, em geral, ponco apreciadoras de
bellezas campestres, nem sempre se confor-
mavam com a mioha opinio; mas en, qae
lera, bavia poaco tempo, com proveito, a
Voyage aulour de a chambre, de Xavier
de Maistre, entend qae a alma devia exer-
cer constante influencia sobre a besta, e,
depois de ter fulminado os membros rebel-
des com esta ultima e poaco lisongeira qna-
liQcaco, encarregaei a alma de pregar
saa brota compaobeira os santos principios
de igoaldade, e de lbe dizer qae nao con-
sentira nunca qae ella, sob o pretexto de
ser bpede, tyrannisasse as suas cuadrpe-
des collegas.
Triumphoa a alma nesta lata, e as per-
cas fizeram das tripas corago, complicada
operaco anatmica, qae ea dispenso a me-
dicina de qoerer explicar.
Nessa noite, por conseguate, nao me
aastei dos meas hbitos; o fro cortante
convidara-me a desentorpecer os membros
enregelados e a saborear, com mais volup-
tuasidade do que nunca, o ineffavel prazer
de am passeia pedestre afrooxa e palpi-
tante luz das estrellas, qae pireciam tremer
de fro na abobada celeste, e que se embu-
cavam at s caobas nos seas mantos de
nevoas.
A poaco e poaco foi-me afastaado do
regiment; em marcha vai cada um von-
lado, e_o fado de eu pertencer ao peloto
da vanguarda facilitava-me a digresso.
Lsmbrei-me do Rob Roy de Walter Scott,
romance meu predilecto entre todos os
do mea predilecto romancista. Lembrei-
me dessa admiravel descripeo de urna
noite fra e clara nos desfiladeros das mon-
tanhas escossezas; lembrei-me do pr. zar
que causava a Fraok Osbaldistone o seo ca-
minhar solitario por esses rmos selvagens,
da sensacao spera e agradavel qoe lbe pro-
dara o f. io picante da montanheza aragem
A lrairei-me de nao sentir o mesmo; porque
muitas vezes, l-ndo e relando essa deliciosa
scena, presentir que havia nella nanita ver-
dade, porque me basiava fechar os olhos
para ma j'ilgar na posico do hera de
Scott, e para sentir o prazer qae elle
senta.
Relanceando os olhos em torno de mim,
percebi qual era o motivo da dillorenga das
miabas impresses e das impressres do
aventoroso moco. A paysagem que se des-
enrolava de um e de outro lado da estrada
dera de ser forraos), Iluminada ou pelo
fulgor ra lian e do astro diarno ou pelo pen-
sativo claro da rainha das noites.
Mas assim, perdida na sombra, confusa,
tenebrosa, confrangia o conco de quem a
contemplava. Nao soprava a aragem secca
e fria qpe revigorisra o corpo e aligeirra
o espirito de Frank; mas o ambiente gli-
do e hmido causav-me calefrios e envol-
via-me a alma em caliginosa tristeza. Urna
estranha desanimacn se apoderou do mim ;
pareceu-me que os sonaos rseos do meu
futaro tomavam formas lgubres, como o
frondoso arvoredo da estrada se iraosfor-
mava ao longe em hrrida cortejo de phan-
tasmas, qua a ridente alvorada da mioha
juventuda se havia de envolver n'um veo
lotuoso, que no horisonte da existencia ia
dissipar-se-me a ventura, como se dissipava
por entre os castellos de nuvens sombras
o tmido claro da ulma estrella que scin-
lillava no co.
Senti por traz da mim o tropear de um
cavallo. Novo ponto de contacto com o
here do romance. Aquelles dos meus
leitores que coobecem essa formava narra-
tiva do bardo cale onio, lembram-se que
foi om rodo semelbante quem despertou
Frank Osbaldistone das cogitarles em que
ia embevecido. Lembram se tambem qae
o vulto que Ihe appareceu era o da gentil
Diana Veroon, desse sympatbico lypo, coja
feico original consegue sobresahir espln-
didamente na admiravel galera feminina dos
contos de Walter Scott.
Seria tambem alguma Diana Vernon qne
viria com a sua mimosa mozinba arrancar-
me do abysmo da amargura em que me on-
golphava ? Nao era. O cavalleiro qae per-
tarbava a minba meditaco solitaria, era
sioplesmente o cirurgio ajudanie do regi-
ment, o meo bom amigo e talentoso es-
criptor Cuaba Relem.
Foi com elle que eu passei as horas mais
agradaveis da minba viagem militar. Gra-
Cas sua conversado amena, auxiliada por
urna memoria fecunda em ancdotas, em
poesas e em cilaces, affronlra o cansagu
de dez horas de marcha, debaixo de um sol
ardentissimo, quando, oa ida para Guima-
res, haramos percorrido a estrada do Por-
to a Villa-Nova de Familico ; juntos traba-
mos visitado as curiosidades histricas da
primeira capital da monarchia; juntos ha-
ramos bramido de indignaco parante o
sarapintado pao de bandeira da torre de
menagera, onde estivera encerrada D T ;-
reja, e perante a nao menos sarapintada pia
de baptismo do senhor rei D Alfonso Hen
ques ; juntos haviamos fulminado um tre-
mendo anatberaa, digno de figurar n'uma
tragedia grega, smre a cmara municipal e
collegiada de Guimares, anatbema qoe da-
ra fazer em picado conegos e vereadores,
se a Providencia tomasse na devida consi-
derarlo o nosso irritado duetto.
O cavallo em que vinha montado Cunha
Relem mereca urna descripeo especial, se
eu tivesse animo de me sentar, como Vol-
ney, naqaella Palmyra raminante, naquella
raina de quatro pos, e sa percebesse que o
mea estro seria capaz, coma o de Jeremas,
de entoar urna serie de tbrenos lamentosos
que ioondassem de lagrimas as faces dos
leitores. O cavallo em si mesmo era urna
lamentacao, cujas pustulentas estropbes can-
tavam elocuentemente as miserias do capti-
veiro e as angustias da foma. Ou fosse
porque a influencia soturna da paysagem
operasse tambem no amimo do guapo cor-
cel, que nem seria apreciado pelo baro de
Catania, oa porque a recordado das saas
desgracas e a approximaco da morte pre-
dispozessem o sea espirito a serias medita-
ces, certo qua caminhava sempre com a
cabeca entre as pernas dianteiras, operaco
qae o fazia tropegar bastantes vezes, e qae
o faria at cabir a am po4 pelo motivo
exactamente inverso do que dea lugar ao
banho do astrnomo da (abala, o que prova
triampbantemente que am cavallo e um as-
trnomo ca fait deux.
Muitas vezes eu julgaria |que esse Eucli*
des dos graetes se entregava resoluco
de algum problema, te essas meditaces
ao se desatassem n'ama saraivada de cou-
ces, completamente incompativeis com a
dignidade de um matbematico. Inclinei-me
antes a soppor qae essas longas horas de
mysteriosa elaboragao faziam germinar al-
guna artigo poltico, e que esses couces,
to prdigamente espalbados, se dirigiam
grammatica e ao senso commum, vultos io-
visiveis para nos, mas que as indignadas
ferrad o ras do cavallo articulista sentiam
instintivamente no seio das trevas.
Firme nesta opinio, empreguei toda a
mioba eloqencia para persuadir a Caoba
Belem qae as esporadas e as chicotadas
distrabiriam fogosamente o Ilustrado sen-
deiro das saas elevadas locabrates, loca-
braces que baviam forcosamente de redun-
dar em beneficio da mi-patria, to feconda
em talentos daquelle genero ; qae era ju-to
qae o ditoso corcel ao recebesse nica-
mente a inspiraco qae elle Canba Belem se
esforcava por lha inocular em forma de
marros, desesperando j da proficuidade
da espora nica e da varioha de marmelei-
ro; qae era muito possivel qae esse ani-
mal meditabundo chegasse a ser ministro
de estado, e qae a indulgencia com os coc-
ees presentes nos resguardara talvez dos
couces fataros. Acceden Cunha Belem
minhi proposta, o apeou-se entregando o
cavallo ao arrieo, a qoea), o intelligente
corcel segoiu com ama docilidade de ali-
maria semi-official.
Assim conversando, estavamoi j a orna
grande distancia do regiment. Comtodo,
oo forraavamos apezar disao a guarda
vaneada; om grupo comporto dos orto ou
dez porta-machados, da doas ou tres tam-
bores, e do feliz possuidor do meditativo
ginele, caminhavam, a pouca distancia aden-
te de nos.
Ao longe, na nossa retaguarda, oovamos
a loada melanclica de urna dessas canti-
gas que os soldados osam cantar em mar-
cha, para se dislrabirem do tedio do cami-
oho e tambera para disfargarem a fadiga,
acertando o passo por essa rytbmo mooo-
tano. Essa cantilena, enioada pos cente-
nas de vozes, jorra va em torrentes de sons
pelos bosques, pelos montes, ecboava lgu-
bremente nos antros, fazia estremecer a fo-
lhagem das arrores, e enebia de morma-
rios estranbos a sombra soldo da paysa-
gem.
Chegamos a um sitio em que a estrada
fazia um cotovelo e onde a ladeira, que ha-
viamos subido, terminava n'oma pequea
eminencia, vrtice do ngulo formado pela
linha ascendente da estrada que percorrera-
raos, e pela linba descendente da que iamos
percorrer.
Paremos aqoi um instante, disse eu a
Cunba Belem, e deixemos approximar o re-
giment.
Paramos com effeito; nem nos tive-
mos essa idea ;-o pequeo grupo que nos
preceda, l estava j rennido. Os tambo-
res senlavam-se em cima das caixas, os
porta-machados, com as enormes barretinas
na cabeca, encoslavam-se bocea das es-
pingardas, pousando a corooba no chao. O
arneiro picava tahaco e preparava-se para
fazir um cigarro, em quanto o peosativo
corcel contemplava raudamente^ horisonte.
Entrelidos a conversar, pouc attengo
demos ao grupo. Aflnal, l ao longe come-
Caram a apparecer as primeiras filas do re-
giment. Os archotes, disseminados por
diligentes pontos, davam aquella serpete
sinuo-a e sombra como que um scio'.iHar
de escamas. Era um espectculo verdadei-
iamentpittoreso. Dr-se-hia urna procis-
so de phantasraas, iluminados, no sea
camiohar para o cruzeiro, pela fnebre
pbosphoresceocia dos esqueletos.
Embeveci-me na contamplaco dessa mas-
sa longinqoa que avancava por eotre as ar-
vores, fazeodo sabir de repente da sombra,
com os seus claras ambulantes, um tronco,
urna casa, urna cruz. Camo os espectros
luminosos dos tbeatros, assim appareciam 6
desappareciam os difierentes objectos Ilu-
minados por essa rpida cbamma. s ve-
zes um ligeiro sopro de vento, agitando a
labareda inconstante dos arebotes, arranca-
va-lbes milbares de faiscas qae esvoagavam
os are?, e que se perdiam, como um bando
de borboletas de fogo, na espessara das ar-
vores. y
F.nlevado na cootemplaco d'esse pitto-
resco panorama, nem onvia o qoe os meus
visinhos diziam ; mas o diapaso da pales-
tra elevou-se mais do qoe o habitual, de
forma que voltei a cabeca.
Comecava a cair urna ebuva fina, mas
frigidissima. Pareca que as gotas de agua
se nos coavam por entre os poros do cor-
po, e iam congelar-nos o saugue as veias.
Maldita vida!disse um tamborsito
olbando para as calcas brancas sem gomma-
que j se Ihe pegavam s pernas,
Para que sentaste tu praca, rapaz ?
perguotou um porta-machado velbote, que
se eocostava arma com tanta dignidade
como om velbo pastor das eras buclicas
se encostara ao cajado. Tu nao tens mi ?
O porta-machado, qae fallara, tinha nma
bella pbysionomia de hornera. Alto e gros-
so, possuia ama conslrocco herclea ; mas
no seo rosto lia-se claramente a mansido
dos fortes. As barbas grisalhas emmoldu-
ravam ornas faces cavadas, onde brilbavam
dous olhos to tristes e to meigos ao mes-
mo tempo, qoe iofundiam ama certa
veneraco at nos" seus superiores.
Os tambores peqpenitos sao quasi sem-
pre os bodes emissarios dos regimeotos.Em
geral sao criados de todos, e nao raro qoe
sirvam tambem de desabafo para as iras
concentradas dos soldados, que acabaram
de 8offrer um castigo, oa de receber algu-
ma repreheoso dos seas officiaes. Mas
isso nunca aconteca dame do porta-macha-
do Romo, a nao ser que o soldado de man
tiuuaor tivesse desejos de provar os marros
do colosso. Tratava sempre bem, e at
ca rabosamente, os pobres pequeoos, e es-
tes, em compensarlo, tinham n'o pelo seu
aojo da guarda, e adoravam-o'o como tal.
Ora para que sentei eu praca, senhor
Romo? responden o pequeo ; ea j
nao tenho pai, minha mi vai-se fazendo
velha, e tenho doas irmos e tres irms.
Eotendo I emendo I tornoa o porta-
machado ; l em casa nanea tocava ao ran-
cho, e a respeito de distribuido de pao e
de azeite, meia volta direita volver, aos
seas qoarteis ordinario marcha. Pobre pe-
queo I Mas por qae ao tacaste tu com
toa mi a ajadal-a a ganhar a vida ?
Ora, Sr. Romo, os lavradores nlo
me queriam, porque ea era muito pequeo,
e ento qae bavia de fazer ?
Fizas seste ladro de estrada, inter-
rompeo o arrieiro com um risinbo surdo ;
sempre melhor qae andar com a farda
s costas.
O pequeo olhoo para elle com uns olbos
muito espantados.
ste arrieiro era flm typo, a encarnaco
do Raguel de am dos romances campestres
de Jorge Sand, personagem que julguai in-
verosmil em quanto oo vi com os meas
proprios olhos om dos irmos do modelo
vivo, por onde provavelmente a grande es-
I criptora francesa gizou os traeos to carac-
tersticos d'esse vallo que e o genio maa de
am dos seas melbores livros, Jeanne, E-a o
cynico rustico, em todo o esplendor da saa
diablica manifestaco. Eslou qoe devia
ser am objecto de terror para as criabas da
soa aldeia, e am personagem lendario, ca-
jas phantasticas facanbas baviam de ser nar-
radas largamente em torno do lar onde ere-
pitasse o magosto, oa i roda da eir, i luz
pallida da loa, aos seres da descamisada.
Era impossivel qae as velhas das cboupanas
vsinhas o nao tivessem nomeado chefe do.
broxedo, e marcador das revolaleadoras
contradaocas das noites de congresso infer-
nal.
(Qontinuar-te-ha).




TYP.-DQ DIARIO HUA DO DUQUS 1)1 UAXIoS


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EQHFFRL6I_NU97U0 INGEST_TIME 2013-09-19T21:20:25Z PACKAGE AA00011611_13119
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES