Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:13116


This item is only available as the following downloads:


Full Text
V

AMO VlW. NUMERO 139
i
FABA i CAPITAL E IUSA2IS OIDS IAO SI PACA POBTI.
Por tres meie*. adiantados .
Por Mis ditos idem
Por una auno idjm.......
asU momio nii*





MOOO
i" 24000
J44O0
320
OUARTfl FEIRA 19 DE JUNHO DE 1872.
FAJA DZITBO I POR! DA PS07IIGIA.
Por tres metes adianudos .
Por seis ditoi dem........
Por aove ditos idem.......
Por om iodo idem....., .
i
a

tVTW
17|0f*
Fropriedade de Manoel Figiieira de Faria & Flhos.

a*, ao Afnurm*:
C* Sn. Gerardo Antonio Alves 4 FHhos, no Para ; Gonfites d Pinto, no Maralo ; Joaquim Jos4 de Oliveira d FUho, no Cear ; Antoo de Lemoi Braja, no Aracaty ; Jlo Mara Jnlio Cb.s.7, no Assfi ; Antonio Marques da Silva, no Natal; Jos Joauor
/ereira d'Almeida, em Mamangnape; Augusto Gomes da Suva, na Parahyba ; Antonio Jos Gomes, na Villa di Peana; Belarmino dos Santoj Baldo, em Santo Antlo;. Domingos Jos da Costa Braga,
em Naiareth ; Antonio Ferreira de Agriar, em Goyanna; Francino Tavares da Costa, em Alagoas ; Alves d C, na Baha; e Leite, Cerqainho d C. no Rio de Janeiro.
AVISO
Rogamos aos nossos assig-
nantes. que se acham em a-
traso nos pagamentos res-
pectivos, que mandem saldar
seus debito?, afin d evita-
rem que Ibes seja suspensa
a reraessa do Diario.
F
PABTK OITICIAL.
overno da provincia.
EXPEDIENTE DO DA 23 DE MAIO DE 1872.
Actos :
O Tice-presidenta da proviocia resolve, da.
eooformidade com a disposto no art. 6.* 2. do
dacreto o. 482i de ii da novembro do anao pau-
sado, nomear para o lagar da 3.' snppleote do
juiz* municipal e de orphios do termo de Dom
Jardira, vago por allecmeoto de Joo Barbosa do
Reg e Silva, o capitao Manoel Ferreira Barbosa,
que dever tirar o titulo e prestar juramento n >
praso da le.Commuacou-se ao juiz de direito
de Liraoeiro.
O vice-presidente da provincia, de confor-
midade cora o disposto no art. 7 2.a do decreto
o. 315") de 96 de abril de 1863, resolve designar
0 2.a tabellio de notas do termo de Qlinda, Joa-
quim Hermillo Candido das Cbagas, para servir de
c*li:ial do registro de bypotbecas da comarca do
mesrao nome ; logar qae j exerce por designa-
cao do juiz de dia comarca.Commaoieoo-se ao
referido jan de direito.
O vico-presidente da provincia, atiaudeudo
ao que requeren o bacbarel Julio Angosto da Ca-
oba Gaimarles, offl-at-mator da secretaria do tri-
bunal do commerco, resolve conceder-lhe dous
mazes de liceaea cora vencimeotos na torma da
le para ir corte a ver tea pae .que est grave -
znante enfermo.
vicepresidente da provincia, atieidendo
ao que reqoereu a professora publica da cadeira
de prtmeiras letra da povomo de S. Jos de
IpojQca, Idalina Mirla de Castro, e tendo em vista
a laforrmgao do Dr. director geral interino da
lOstraccao publica de 17 do corrate, sob n. 185,
resolve eooceder-lhe dous mezas de licenga com
veacimantos para tratar da sua saude.
O vice-presideote da provincia, attendendo
SO que raqnereu Moooel Tnomaz de Albuquerque
Maranhiu, arremattanta da obra da casa da bar-
raba da S.Joo, e lan lo em vista o que a esle res-
pailo informan o engenbeiro ebeta da repartido
d- obras publicas, resolve prorogar por miis 60
das o praso que Ibe fol concedido para a eonclu-
so da dita obra.
O vice-presidente da provincia, attendendo ao
que requereu o eogeoheiro Lniz Jos da Silva,
resol ve conceder- Iha um mez de liceoca com ven-
c ments na torma da lei para ir curte.
Offlcios:
Ao Exm. bar de Itajub, ministro plen-
oteociario do Brasil e:u Pars, pedindo se digno
fazer chegar ao seu destino o offlcio que se lile
remelle, dirigido pelo Exm. presidente das Ala-
goas a Ferreira & Araujo commerciantes naquella
cidade.
Ao Exm. presidente das Alagjas, enviando,
em .;i-:>' -. ao seu ofQcio de 10 deste mez, nm
exemplar impresso do regulamento de 12 de fe*
vereiro ultimo, pelo qual se regea secretaria da
presidencia.
Ao Exm. goveraador do bispado. Tenho
presante o oflkio da hontem datado, era que V.
Exc. rae convida para comparecerno da 21 do
correlo pelas 7 horas da mauhi na igreja de S
Seoastio do VaraJouro, aura de assistir ao acto
solemne da entrada do Exm. bispo diocesano na
cidade episcopal de Onda ; e em resposta ea-
be-me declarar a V. Exc. qua no da indicado
::)mparecerei na mesma igreja. Prevale jo-me da
occasiio para agradecer e retribuir com iguaes
a? obsequiosas epressoe3 de V. Exc. e renovar
as segarancas de minha particular estima e di--
tincta consiieragio.
Ao brigadeiro commandanta das armas.
Sirva-se V. Exc. de dar saas ordens para que
amanha s i horas da tarde sa ache postada no
caes Vinte e dous de Novembro urna guarda
da primaira linba aflm< de fazer as honras da-
vidas, por occasio do ^embarque do Exm, bispo
lo Para que se acha nesta provincia e tem de
saguir para a corta; providenciando ao mesan
'ampo nc sentido de dar a fortaleza do Brum a
salva do estylo quando demandar a barra o va-
p>r Para que o condnz. Comraaoicou-se ao
Exm. goveraador do bispado.
Ao mesrao. Com a inclusa copia do ofllcio do
Exm. presidente da Babia, datado da 11 do cr-
rante, sob d. 533, respondo ao de V. Exc. da 20
de abril ultimo, sob n. 427 : develvendo o re jue-
rimento do soldado do 9. batalhao de infamarla,
Prxedes Antonio Jos.
Ao mesrao, remetiendo para os lias conve-
nientes a guia do soldado Jeronymo Casiano da
Silva, que, teado viudo da corte, com destino a
asta provincia, deixou de desembarcar segundo
cansta do cllhio do Exm. presidente do Maranhao,
1 16 do corrate. y
Ao inspector da thesooraria de fazenla, re-
eommendando que fa;a remetter para a provincia
da Parabyba no vapor qae segu hoja para o
norte a importancia que estivar recolhda no cofre
dassa thesooraria, proveniente de direitos arreca-
dados pela alfandega desla capital e pertencentes
aquella provincia, desde o mez de dezembro ulti-
mo at abril fiado. Commuocoa-se ao Exm.
presidente da Maranhao.
Ao mismo, commanicando para sen conbe-
cimento e directo qne, segando consta de part-
cipaco da secretaria de estado dos negocios de
ruanona, de 30 de abril ultimo, foi exonerado o
capitao de fragata Ignacio Accioly de Yasconcellos
do lagar de capitao do porto desta'provincia, sendo
comeado para snbstitoi-lo o capitao de mar e
guerra Ignacio Joa uim da Fonceca.Commuoi-
cou se ao referido capitao de fragata.
Ao masmo, communicando que segando o
aviso do mesrao ministerio de 3 "do correte,
tem de TOitar para esta provincia o 3 escritura-
rio da respectiva conudoria, Cyprrano Jos da
Gama Kelly, aSm de exercer o logar de escrivao
do almuxanfido do arsenal de marraba. Com-
muaicoa-se ao inspector do mesmo arsenal.
Ao mesmo, recom)andando que em cum-
primento dos avisas dos ministerios de marinba a
guaira, de 13 do crranle, laca recolher a alfan-
dega os respectivas empregados, Antdnio Luciano
de Moraes Mosquita e Jjs Fraucisco dos Santos
Miran la, que estao em commissao oos arsenaes
de Marinba e guerra. Offlcioo-se ao inspector
do arsenal de marraba e ao director do arsinal de
caera,
Ao mesmo, commanicando que o ministerio
da justica, segnnlo consta do aviso de 10 do cor-
rete, solicitou do da faieida a orden) precisa oara
ser baWtttada essa thasouraria cqib a quanjia d
300|OQfr, apno^.-eocorrer ao pagamento da ajad
4e cosi,' azbit.rada para iraasporte e primeiro es-
tabele:i-i].-,-i'.) jj bacharol Carlos Francisco Soa-
ras de li.v.o Jnior, Borneado juiz municipal e de
orphos ii termo da Paroabyba, na proyinca do
Piauhy.
o mesmo, declarando qne por aviso do
me.-mo ministerio de 17 do correte, sociton-se
igual ordem para pagamento da.quantia de 600/1,
arbitrada como aj ida de costo para transportado
juiz -de direito, Domingos Monteiro Peixoto, a
quera foi des'goada a comarca do Pilar, na pro-
vincia das Ahga?, para ter exercieio.
Ao mesniOj diteaio qae a bordo do vapor
Cear vieran) do Rio le Janeiro 23 eaixdss con-
tando listas de familia para o recenseament) oa
provincia do Rio Grande do Norte, os qnaes de-
vera para alli segnir no vapor da coraoanhia Per-
nambacaaa, de 29 deste mez; correado as des-
pezas por conta da ministerio do imperio, eomo
se djc'arou em aviso de 18.Flzeram se as na-
cessrlas cmmnnica{Ses.
Ao mesmo, devoiveodo as relacSes oomiaaes
e pretsem duplicata, qoevierara anoexos aos setos
offiio3 da le 8 d'esta mez, aflra de qae mande
pagar os vaocimeotos do-desucaraenio da guarda
nacional do districto deTlssorema, termo de Aguas-
Bailas, acontar de 16 de Janeiro deste anuo a mar-
co ultimo, visto ser aquella districto considerado
alto sertao.
Ao mesmr, eommonieando qae por aviso do
mioisterio da marioha de 4 do correle, foi appra
vado o acto da presidencia, mandando fornecer om
pratico para auxiliar a navegaco das canhoneiras
Feltppe Gamarao e Hennque Diat at o Para.
Comraunl:ou-se ao inspector do arsenal de ma-
rraba.
Ao inspseter do arsenal de mjriaha, exigin-
do qne inf jrrae cora brevidade como vai o traba-
Ibo da drafa n. i a Pira de que se possa satisfazer
o qoe so'icita o Exm. Sr. ministro da marioha no
aviso de 8 d'este mez.
Ao director do arsenal de guerra, mandando
qae providencie no sentido de ser inspeccionado
de s&la o mestre da 1.' e 2." classes das oQhioas
d'esse arsenal, Jo; Luciano Cabral-, qae pede dis-
pensa de comparecer no ponto, aflm de cumprir-
se o disposto no aviso do ministerio da guerra de
6 do correte ; devendo a janta medica declarar
oo respectivo termo se o peticionario est incapaz
do servigo, ou se poda ainda prestal-o, moderado.
A' Ilirna. cmara municipal do Recifa, re-
metiendo copia da informacao dada pelo engenhei-
ro da (Parnambuco Street Corapanyi em 8do cor*
rante, era satisfacao an que solicita a mesma c-
mara era cilicio d aquella data, sob o. 61.
Ao juiz de direito de fiaraohuns, mandando
que provideocieera ordem a qae sejara raspeitados
os direitos de Aotoaio Arseliao da Craz Villela e
oatros que representara contra actos violentos e
arbitrarios, praticados pelo bacbarel Jos Roberto
da Cunba Sallas, tenante Deodato da Costa Torres
Palmeira, delgalo Amooi) Cardeal de Atevedo,
juiz da paz Jos de Barros Silva e oatros.
Ao da Buique, remetiendo copia do decreto
de 27 di abril altirao, pelo qual hoave por bera
S. L o Imperador oerdor ao bacnaral Xos di-
maco do Espirito Santo a pean de tres mazas de
prisao e multa correspndase metade do lempo,
qne Ibe foi imposta em grau de appellaQao por
esse jnio, por crlma de injurias verbaes.
Ao da Flores, enviando copia do aviso do mi-
nisterio da justga, de 6 do eorrente, oo qual se
determina era nome de S. M. o Imperador, que Ihe
agradeca e louve-o por baver renunciado em favor
do funio de eraaniipa^o dos escravos desta pro-
vincia todas as custas que de Janeiro ulttirao em
diante Iba forera contadas, conforme o regi-
ment.
Ao juiz municipal da Caruar, dizendo que
informe .-l quando foram nomeados os acluaes
serventuarios dos offlcios o^e.escrivao de orphaos e
partidor e contador desse juizo, j existia entre
elles o paraniesco que torna incomptivel o res-
pectivo exercieio.
Ao promotor publico de Garanhuns, man-
dando proceder, de conformidade cora a lei, con-
tra quem da direito fr pelos fados constantes da
representado junta por copia e sobra a qual in-
lormarara o Dr. chefe da polica e o delegado do
Bom Consalho nos offlcios tambera juutos por
copia.
Aos agentes da Companhia de Navegaco
braslleira, mandando dar transporte para a Corte
no vapor Para, por conta do ministerio da guerra,
ao 2. cadete do 1 batalbao de infamara, Miguel
Gonr.a'.ves de Castro Mascsrenhas Communicou-
se ao brigadeiro commandante das armas.
EXPEDIENTE DO SECRETARIO.
Offlcios :
Ao 1. secretario da assembia provincial, re-
metiendo, de ordem de S. Exc. o Sr. vice presi-
dente da provincia, aflm ds que faca chegar ao
conbeciraeoto da mesma assembia, os requerimien-
tos documentados, em qoe Hanrique Angosto Met
pede que se vote quota na le do ornamento para
ser satisfea a fnderanisagio aulorisada pela lei n.
1003 do anno passado.
Ao Dr. director geral da instracro publica,
commnnicando, de ordem do mesmo Exm. Sr., qae
prorogoa-sa praso s profesa ras publicas de m-
meiras letras, Maria Leopoldina Machado, Mara
Emygdia de Almeida Monteiro, Anna Clementina
1e Souza Barros e Pbilolomena Panlina da Sil-
va, para entrarem no exercieio das respectivas
caleiras ; sendo o da primaira por trila das e
por despacho da 9, o da segunda e terceira tara
bem por triota dias e por despacho de lo, e o da
4.a por 8 dias e por despacho de 16, todo d'este
mez.
Ao gerente da Companhla Pernambocana
mandando, da ordem do mesmo Exm. Sr., arduas
passagens de estado a r al o Cear no vapor de
15 de junbo ao Dr. Carlos Francisco Soares de
Brilo a Laurentioo Alves Pereira de Vasconcelos.
DESPACHOS D.V PRESIDENCIA DE 17 DE JUN'IIO
DE 1872.
Dr. Antonio Colho Rodrigues,Como requer,
a vista da inforraajao e passe-se-lhe a competente
portara.
Capitao Antonio Aureliano Lopes Coutinho Ja-
oior.Passe-se.
Antonio Joaquim Camello. Prove o snpplican-.
te que casado.
Caodido Jos de Oliveica.laJorme o Sr. enge-
nheiro chofe da repartidlo das obras publicas.
Francisca Joaquina de Oliveira Campos.Re-
qoeira por intermedio do Sr. director gsral da ins-
nuccao publica.
Capitao Jos Joaqnim Colho.Foroeca-se.
Jasepha Clandina Soaros Villela. Iadefirido
vista di informa;!?.
Lydio da Silva Moreira.Informe o Sr. inspec-
tor da thesooraria de fazeoda.
Mara Antonia da Luz.Informe o Sr. inspector
do arsenal da marinba.
Vijginia Falque.Como reqaer.
Secretaria da presidencia de Paraamhuco, 18 de
jooho de 1872.
O porteiro,
Si'fn'iio A. Rodrigues.
C'ommaado snperlor.
QARTEL DO COMMADO SUPERIOR DA GUARDA
NACIONAL DO MUNICIPIO DO RECIFE, 18 DB
Jl'NHO DE 1872.
Ordem do da n. 72.
Coooaando a pratiea abusiva de dirigiram-se
I a prajas da |turda pasional dae majcipio di-
rectamente a presidencia da provincia, nao obs-
tante as recommeailtcdis feitas ara ordens do da ;
ede n>v.j exigalo o Exra. Sr. deseo.bargador pre-
sidenta da proviosia, qae ueabaraa corresponden-
cia oa peiicio sobre a guarda aaciooal Ihe seja
dirigida sera ir. por intermedio do comraando
superior, determ na o llm. Sr. coronel comman-
dante superior quaos S"s. eommaodantes de or-
pos, dando tola a.pablicidada a presente ordem,
procurem, tanto qaanio Ibes fr possivel, obstar se-
melhaate pratiea, ll> contraria a disciplina a pre-
ceitos da le.
Ouirosim, manda.' o masmo Illm. Sr. coronel
eommandaota snparior sciemidear aos corpos sob
sea enraman i \ que por portara da 13 do correa
te, S. Exc. o Sr. da-emrurgaior presidente da pro-
vincia maodau servir coma ellaclivo na 4* com-
panha do 4* batalhao de infamara o. Sr. tenente
do 5' batalhao da masma arma, Mansalino Augus-
to da Silva Villar.
Rodblpho Joo Barata de Almeida,
Coronel ebefo interino do estado-maior.
PERNAMBCO.
ASSEMBLEA PROVINCIAL
SESS.AO ORDINARIA EM 15 DE MAIO
PRESIDENCIA DO SR. FEBREIRA DE A0U1AR
Ao malo da feita a chimadi acham-se presen-
tes os segrales Srs. deonlados : Tolentino de
^arvalbo, Viera de Araujo, Ralise Silva, Amaral,
llenriq'ne Mamade, J. Corris de Araojo, Almeida
Pernamboco, Freir Gameiro, Arconcio Silva,
Silva Reg, Uchoa Cavalcante, Ltmeoha Lias, Cio-
ciaato Camboim, Marques da Silva, Galvo Alo-
forado, GonQalves Ferreira, Rnto Jtooior, Gorreia
Gondim, Barros Wanderley, Oliveira Fonoaca,
Ferreira da Agniar, Gn de Araojo, Gef Cavalcante, Alipio Costa, Ernesto
Vi eir, Aleocar a Firraino de N mes.
Abre-se a sesso, sen lo lida e approvaia a acta
da anterior.
O Sr. 1* secretario d conta do seguate
EXPEDIENTE :
OfQcios:
Do secretario do goverao remeneado copia do
offleio que em data de 12 de abril ultimo diriga
ao Exm. Sr. vce-presidenta da provincia o gover-
oador do bispado, o qual diz qae approva oa
parte em qae Ibe cabe as alteracdas feitas ao pro-
jeeto o. 100 do auno passado. A quera fez a re-
quisicao.
Do mesmo. remetiendo a informar ao dada pelo
chefe da repartilo das obras publicas, acerca dos
reqoermentos do lpente-coronel Vicenta Mea-
dos Waoderley e oatros, aos qoaes pedem privi-
legios para constrnirem estradas de Ierro em diver-
sos pontos da provin.ua. A quera fez a reqai-
icao.
Do mesmo, commaoicaodo que o Exm. Sr.
vce-president9 da provocia rasolveu
por porta-
ra de hoja datada, prorogar at o dia 23 do cor-
rente a presante sessao da assembia. Intei- sernos iatormados das razdsa qoe Ibe dram cansa.
em lo da mao de 187t-PtaVo Gaudiano Je Ra-
lis e SilviLioo Francisco do Amaral.'
O SR.- RATIS E SILVA >- Sr. presdeme, era
camprimeoto so meu dever na qualldade da depa
tado provincial, teaho de fazer om reqae'nraento,
aflm de aue se obtenha informar-oes acerca fio
tacto seohiote :
Ceostol-me hoja por pessoa da todo o conceito,
de lodo I crdito, que da aula de instroecao'pri-
mria do sexo famenino sita na Torre, lend > 33
almonas, retirarara se 20. Nao conheco essa profes-
sora, nao sai quera ella mas o faci pareceu-me
tao extraordinario que eu entend, que, era cara-
priraento do meu dever de daputado, devia pedir
raformacss no sentido de se saber se cora effeito
foram ra)iradas essas 20 meoioas daqaella aula,
o molivo'qne dea lugar a essa retirada.
Estou ceno, Sr. presideute, de que a retiraUa
de 20 alomnas de urna aula de natrueijao prima-
ria s poda ter lugar por algara tacto grave; e
taodo esta assembia rigiroso dever da velar so-
bre a ioatraccao publica, compre que ella teoba
scieocia do motivo qae dea lagar a aae tacto,
atlra de qne se tome a providencia qae ao caso
couber.
Por isso qoe morado mesa om requeriraeoto.
hatr-tauto, se algara dos nobres depatados lera
dencia deste faci e informar da forma qne satis-
faca, e qoe justillque a causa da retirad" dassas
20 alamaas, eo oai terei duvian-algama em desis-
tir do raquermenio.
Vai mesa e apoiado o seguate reqaeri-
mento: ?
< Reqneiro qae por intermedio da* presidencia
se pca i directora da instroc?io publica nfor-
raa^Sas sobre o seguate : i" Sa exacto qae
foram retiradas por seas paes 20 alamnis da aula
de iostfoc^o primaria da Torre; 2 qae'motivo
dea lugar a essa retirada.Ralis e Silva.'
O SR. A. CORREA DE ARAU10 nio se opp3e
ao pedido de ioformacao, mas como possa parecer
ao publi-o qae se deu algara faci menos regular
na aula la Torre, qae possa crear opiniao desfavo-
ravel a reepeito da respectiva professora, alga do
sea dever declarar qae est informado de qae essa
professora desempeoha satisfactoriamente o sea
lagar, bem como que o facto da retirada dessas
raeoiaas se explica pelo facto de ter sido aberta
aras outra aola oa Passagem da Magdalena, aoo-
da foram matrioular-se as alumnas que residem
mais prox-mis d'esn anta, qn* alias freqoentavam
a da Torre por nao torera outra mais peno.
Aceitando esta explicarlo para o facto, jalga
dispensacel o pedido de iaforaucao ; todava nao
davida prestar-lhe a sea tota, para qae se dissipe
qualqaer davida.
O SR. RATIS E SILVA:-Nio traba proposito
de lacrar iojuria a nioffaea, tanto mais qaanto
eu oao conheco, oio sal quera a professora da
Torre. Narrarsm-me o facto, qoe j vejo que
verdadeiro, porque o nobre depatado tambera lera
seieoeia o'elle, e parecendo-me extraerlioario qae
fossera retiradas riota alomoas d'aqneHa aula, sera
que ae dsse om facto grave, foi por eso qae ea-
tend qae, por foroi m aseu dever, devia traser
esse facto ao eoubecloeato da casa, para qne f s
vez de 54:800*000, diga se 3O:000(303.Barros
Wanderley.
O SR. ALMEIDA PERNAMBCO :- Sr. pres-
deme, nuaca hesitei tanto em tomar parte em ama
dscasso como nesta que versa sebra o contrato
fajjo cora a c-orapanhia Pernambocana. Hesitei,
Sr. presdante, porque vejo qae proposito de tado
levaota-se a'quastao de coniianca, ssm davida o
maior obstculo que se pola apresent3r a ama
assembia, quaDdo se tem de discutir actos pratica-
dos por admioisirador qua lha ateraca leda a coa-
flanea.
Mas, Sr. presidente, correnlo-me o dever dJ
dizer a mnha opiniao respailo do contrato em
questio, e de dar am vot cerca da coocluso do
parecer'da cinmisso de.legislagao com relacao
competencia desta assembia para approvar, les-
aoprovar ou molificar e-sg contrato, declaro antes
de tudo, cora a franqueza que costurao. ter, que no
procediraeat) do pres.ileate da proviocia,que coa-
feccioa iu esse contraa, nada vejo que faja que-
bra na confianQa ju9 Q0S merecen, e smpesmnta
rada.
Do mesrao, remettendo por copia a informa-
cao do ebefa da repartido das obras publi-
cas, dada acerca das peiicSes de porteiro e prati-
cantes da mesma repart.o, na qual pedem
augmento de vencimentos.A quem fez a requi-
sito.
Peticao :
De Laetano Antunes da Albuquerque Mello, pe-
drada a admisso de ura seu tliho menor no Gym-
nasio Provincial como pencionista da provincia.
A' commissao de petiede*.
E' lido, julgado objeclo de delibaracao e manda-
do imprimir o seguais projecto :
t A commissao da agricaltnra, artes e obras
publicas, a quem foi presente a peligo de Canha
& Manta, negociantes estabeleci ios nesta cidade,
na qual pedem a esta assembia am privilegio
por 2o aoaos para exploraram e moatarem ama
ou mais fabricas para curtu e preparar couros|de
toda a quali Jade, teado estadado cora a davida at
tengao a materia que constitae o objecto da pre-
tendo dos sopplicantes, e convencida de qne
da maior nteresse para a provincia facilitar e au-
xiliar o deseovolvimeato de qaalquer industria,
que se pretenda introdazir oo paiz, principalmente
quando da sea estabelecimento nenhnm grvame
resalta aos cofres pblicos, e pelo contrario vem
com as vntageus geraes, qoe Ihe sao ahereotes,
ootros accessorios, como succede cora o qua pre-
tende os peticionarios estabelecerem, e para a qjal
pedem o privilegio, sempre indispensavel para o
flm de garantir os capitaes que se despendem e
empatara em somma avallada, evitando dest'arte a
concurrencia, qae por ventura possa a nova idea
despertar oatros que nao foram della autores ;
concurrencia esta qua certameole vira nao t-
mente cansar graves prejmzos aos iniciadores da
idea, mas tambem am obstculo qae sa apre-
seota ao espirito daquelles que a coocebem, para
qoe arrefecara no loovavel e til intento de reali-
sa-la ; de parecer que seja deferida, adoptndo-
se o seguate projecto de le:
i A assembia legislativa provincial de Parnam-
buco, resolve :
Art. Io Fica concadido aCunha & Manta, ne-
gociantes estabelecidos oesta cidade, um privilegio
por 20 annos para exploraren! e montarem nesta
cidade ou seus suburbios, urna ou mais fabricas
para curtir couros de todas as qualidades, e pre-
para-tos para toda a especie da artefactos, redu-
zido os marroquins, camnreas, cbagreos etc.
t Art. 2.* A eoocesso deste privilegio s appro-
veitar s fabricas, qae os concesionarios fanda-
rem dentro de 5 annos, contados da pnblicayo
desta lei, poca da qual se contar o.tempo do pri-
vilegio concedido.
< Arl. 3. A concesso, qua pela presente lei
se faz aos concessionarios nao prejudicar pe-
quea industria deste genero, existente oa pro-
vincia.
< Art. 4.a As casas, onde estiverem estabeleei-
das as fabricas, com saas dependencias, gozaro
por espaco de 10 annos da isenco do Imposto da
decima, e de oniros qaaesquar impostos pro/ia-
ciaes e mooicpaes.
i Art. 5. Ficam tambem Isentos dos direitos de
tmportaco os materiaes, e otencilios necessaaos
para a fundacao, e estabelecimento das referidas
fabricas pelo mesmo espaco de 10 annos.
t Art. 6. Dantro do prazo de 3 annos serio os
emprezarios obrigados apromplar a primeira fa-
brica faze-la trabalbar.
< Art. 7.* Picaos, igualmente os emprezarios e
seas subrogados obrigados admittir por ordem
e eseolba do presidenta da provincia em cada urna
das saas fabricas, logo que comecirem a trabalbar
da 6 a 10 menores aprendizes de 12 a 18 aoaos
de idade, lirados do collegio des orpbios, os quaes
servirio gratoitameole pelo tempo da 3 annos me-
diante urna gratilicacao arbitrio dos emprezarios,
sendo tratados, aHtoentalos e vestidos a casta do
estabelecimento, a pelo mesmo modo qoe sao no
collegio donde sahiram.
t Art. 8. Fiados os 3 anaos de apreadizagem
conoaaro no estabelecimento como offlciaas, per-
cebendo o salario qae for contratado cora o presi-
dente da provincia., arado alada alimentados e
foroeidos da roup otra o trabatuo pelo es-
tabelecimento at que attiDia.ru 5Qa maior
idade.
c Art. 9,a Ficam revogadas as disposicSas em
contrario.
i Paco da aasembla provincial, de PwijafQbqco,

O nobre depatado soppoe, mas nao aasevara, qoe
e motive/4 retirada deesas meninas foi o que aca-
ba de ex pandar. Se a nobre depatado me asseve-
rasse quo realmeate essa traba sido o motivo...
O Sil A. Corra de Araujo : Eu asse/ero que
foi ioformado.
O Sr. Ratis e Silva :.... se me asseverasse
qoe essa foi a razio nica, desde j retirava o man
requarimento fl me dava por salisfeito ; mas, des-
de que nio assavera, eo, sem qaerar formar juizo
algura desfavoravel d'essa senhora, de quem al s
nao tenho razio senio para formar bom coaceito,
insto pela approvacio do mea reqaerimento, para
qae venbam as informabas, porque em lodo o
caso nos nao perdemos nada com isso.
Eacerrida a discussao, o reqaenmenio appro-
vado.
O SR. VIKIRA Dis ARAUJO :-Sr. presidente,
teado de apreseotar orna indicado, direi poocas
palavras para jus:ilicala.
Os artigos adiitivos ao regiment da casa de G
de abril de 1852, estabelecam que as discussoes
do orQamento provincial nao serio admitlidas
emendas com disposicoas qae nio sejara animas,
e.;copcio das qae disserem respeito a arrecadaco
s ii-: \'ns i; u das rendas provaciaes etc. Ora, oo
probib ndo o requeriraeoto qae se apresentera dis-
posiras permanentes nos projectos de orgaraenlo,
a probibindo qua isso se possa fazer por emeodas,
nao aeho razio plansivel para essa diaposicao pro-
hibitiva do aldttivo qae emeadoa o regiment
nesta parle. A assembia vola por meio de pro-
jectos ou de emendas offerecidas a elles, qae se
tornara parta integrante dos mesmos projectos, que
pas3ara pelos mesmos tramites, com as mesmas
eautellas, sageitos a diversas discossoes, e desde
qoe as emendas sa achara no mesmo caso dos pro-
jectos, porque aos e oatros sio meios pelos quaes
a assembia delibera, oio ha razio de ser para
a disposicio d'este additivo
Oatros adlitivos tambem ha que sio os da 9 de
maio de 1862, estabeleceodo que as posturas de
cmaras e compromissos de irmandades tenham
ama s discassio, na qual poderioser emendados;
e oeste caso passaro por mais urna discussao. No
regiment primitivo se estabelecia que o ornamento
provincial tivasse smente dnas diseussoes, mas
este artigo do regiment foi revogado por ama
disposicio addiiiva ; todos os demais projectos, oa
forma do regiment, deviara ter tres discuss5ss ;
e isso porque o acto addiclooal art. 11 S 1." diz
maito terminantemente (t) : Compete s assem-
blasproviociaes: 1', orgaoisar os regimentos inter-
nos sobre as seguintes bases : Neobnm projecto
de lei oa resolacio poden entrar em discassio
sem qae teaha sido dado para ordem do^dia pelo
meaos vate e quatro horas antes : 2', cada pro-
jecto de lei oa resolacio passar pelo menos por
ires diseussoes : 3', de ama cutra discussao oio
poder baver meaor imorvallo do qoe vinte e qua-
tro hars.
Ora, nio vejo razio para qae as postaras muni-
cipaes e compromisos de irmaodades tenham
orna s discassio, e anda quando boavesse con-
veniencia nisso para poapar trabalbo e tempo, essa
disposicio oio devia mais fazer parte do regiment
da casa, desde qae evidentemente inconstitucio-
nal ; nao ha razia qae possa justificar a sua per-
manencia, quando ella se oppoe lettra expressa
do acto addiciooal.
Nesies termos offereco urna indicacio, qoe lerei
simples meo le, porque parece-raa qae os seas fad-
dmentos sio de simples imuicao. (L): Indico
qae se revogae 03 artigos additivos ao regiment
d'esta assembia de 6 de abril de 1832 e de 9 de
maio de 1862. >
Vai i mesa, l-se e remettida commissao de
polica a seguate indicacio
t Indico qne se sapprimara os artigos additivos
ao regiment d'esta assembia de 6 de abril de
1852 e 9 de maio de 1862.Joao Vieira.
ORDEM DO DIA.
Entra em discussao o parecer da commissao de
legUlacao relativo ao contrato celebrado pela pre
silencia com a eompanhia Peroambucana.
Vai mesa Q apoiada a segainle emenda subs-
titutiva :
Emenda cooclosio do parecer :
t A asamblea legislativa provincial da Penara-
buco resolve :
Art anico. Floa approvado o contrato celebra-
do entre o presidente da proviocia s a eompanhia
Pernambocanj '^om a seguate capQificacio : -lera

pola terse dado mi aoreeiacao das condicSes a
estado d companhja, erro de apreciado qoe nio
ple prejadicar o' reconhacimeato de sua boa
adminislraci..
Sioto_que o presdante que canfacoionoa esse con-
trato oao est q ainda na adoainistraclo da provin-
cia, porque, Sr. presidate, eu>leria a franjima
de maaitdxar-me do masmo modo porqaa vou fa-
ze lo, com. certeza de qae-me oio levara mal.
m Sr.Deptado : Tolos lha fazarajustica.
Sn. A. Perxambl'o Feitas estis pondera-
coas, para qae nao se leve a questio para e lado
da coaflini;a, pois que CQnfmca plena votei ao Sr.
conselbeiro Juaqueira, vou emrar na apreciar'
do parecer da commissi.
A que-tio que occorre simples ieilura do pa-
recer da com.nissio a seguate : tem a assem-
bia o direito da examinar o contrato feto pela
presidencia, concedeoo, ama sabveocio compa-
ahia Pernarabucaaa ?
Diz a commissao, nio.
K nao porque a autorisasio consignada na lei i.
964 nio continha a clausula de flcar o contrato d-
peleme da approvacio da assembia. Mas, Sr.
presidente, islo am erro de aprecalo da nobre
com nssao, qne qmz tornar regra a excapcio e
excepijao a regra, O principio geral iocoatestavel
qae todas as autorlsacoas concedidas pala as-
sembia para a factura da contratos Ocarn depen-
dentes de sua approvagao, e assm taes contratos
nio podara ser cumpndos oem respeitados sem
ama lei que os appro re ; a excapcio, porem, Sr.
presidente, esse principio d-se quando a le que
eoaslgaa a autorisacio contera expressamenta a
disposicio le que o contrato ser execatado e vi-
gorar iadependsnte de approvacio da assembia
Y6, V. Bxc. que a excepto vem drmar a re-
gra, vem mostrar que a regra tigrera os con-
tratos faitos pelo poder execulivo dependentes da
approvagao do poder que concedan a autorisacio.
K nem se pola cinslerar de outra modo as de'.e-
gacoas que az o poder legislativo sa execulivo, do
c jotrarlo sera mudar completameote a oatareza
das aitnbuicoas dessas dous diversos poderes, se-
ria flcar partencendo o poder de legislar ao execa-
tivo a redolidas as aunboicoes da assembia pro-
vincial.
E' exacto, Sr. preeiieait, qae algara as leis pro
viaciaes existem em qaa sa consigna, qua as anto-
risges da assembia provincial para taei e taes
contratos feitos com taas e taes clausulas sejara
executalas, desda qae foram confeccionados, in-
lepen lente da approvagio da assembia ; mas esta
delegagio, longo de ser argumento para se dizer
qae o principio geral nao qua tolas as autorisa-
Q"as dependan da approvacio'da assembia, pro-
va o contrario.
As leis que autorisarara as novarlas e modika-
ces do contrato da eompanhia Peroambucana
nuaca consignaram a disposigao da que lies con-
tratos davlara ser respeitados a cumpridos indepeo-
den'a de approvagao da assembia provincial.
Om Sr. Deputaoo : O.na lei de 1837 ou 68
eonsigaoo.
O Sr. A. Perxamduco : Depois que se venti-
lou nesta casa a grande questio do nao campa-
mento por parte da eompanhia Pernambuctna das
oorigagoes que coatrahira para cora a Drovincial
duis autori.saro'3 se consignaram em 1870 e em
1871, na 1' consgnoa-sa aatorisacao para o pre-
sideute rescindir ou molficar o contrato nao ex-
cedeodo a subveogao a 30:000*000.
Om Sr. Deputado : Essa disposigao caduceo.
Sn. A. Pkrnambuco :O uobre deputado ac-
bou da dizer qua diversas leis houvarara respei-
to de modif :ag3es do contrato cora a corap?ohia
Pernambocana.
Ora, 3a aera a lei da 1870 nem a de 1871 con-
signaram a disposigao da qua esse contrato se
executaria iadepeadente da approvagao desia as-
serabla, se o legislador nao fez essa declaragio
como fez em outras leis. porque o seu pensamento
foi qae trataado-se de contrato onerosossimo aos co-
fres provincaes pela coocess?o de orna subvencio
avahada, a assembia devia apreciar os /andamen-
tos da concessio dessa subveagao ; taolo que, Sr.
presidente, oio se firmn oa le o quantum da sub-
veagio. Se (a assembia tivesse determinado a
quaatla da subvengio, poder-se hla dizer, o contra-
to consigna a qaaotia qae a lei marco a, e por isso
oio precisa mais de approvagao, mas assembia
nao teado feto isto e apenas o mximo a que po-
da attingir a snbvengao, compete a assembia,
apreciando as clausulas do contrato, examinar sa
a subvengio concedida pelo presdame est em re-
laciocora as obrigagas da eompanhia.
Parece-me, portanto, que o parecer da commis-
si devia ser, ou opinanio pela approvacio do
contrato, qae deveria ser entio approvado como
est, ou aconselhando as modiflesgoesque emendes-
se convenientes.
Em relacao, pois, demonstrarlo da improce-
dencia da opiniio da commissao nada me cumpro
mais dizer.
Vou agora, Sr.. presidente, maa.festar a casa as
razes qae actuara em meu espirito para votar
pela emenda a presntala pelo nobre deputado pelo
9a districto eooelusio do parecer, reduzodo a
30:000*000 a subvengio da comp?.nbia Peroam-
bucana.
Nem sempre, Sr. prendante, os adiAiDtstr'tdores
da provincia podem ter as ioformagoes mais exae
tas respeito do camprkoenio dos eooiratos; mu
tas vezes as ioformagoes qoe Ibes ebegam sio con-
trarias ao que realmente se d, principalmente
quando sa trata da urna eompanhia qua soube
coliooar-se oo p da eompanhia Peroambucana,
altamente protegida. Algomas veses as ioforma-
gdas, qoe mioistram aos administradores da pro
viooia aquellas que sio incumbidos da vigiar pelo
cumprimealo das eondigdas dos emiratos da taas
companhias, nao sio as mais severas, de modo que
os administradores da provincia, sao muilas vezes
Iludidos pela benevolencia dos informares.
O Sr. conselbeiro Jaoqueira pouco se demorou
nesta provincia, e sem duvida nao teve occasiio
de ser bem informado de qae. essa-eompanhia
nio eampra, e nuaca cumpli as obrigagoas
qae se liana sngeitado pelos sao contrato,
Qae nio cumprio as obrisagfes e\o seu contra-
to eu o mostrarei. A compaRha estava abrigada
a dar viagens a Itaptssuma tj a porto de Galinbaj,
auoca fez urna s viagom, a esses lugares. Obri-
gada pelo seu eontrnfc, a formar urna tabella ap-
provada pela Bf8iidr,oeia era jjue dalern}iaasa o$
das era qoe deviso aecassariameqta. partir dasta
cidade os vapore q horas da demora em eada
nm dos porr,j isai escnlla. nunca, Sr. presi-
29te, fea ejj aballa, n,anca apreseawu i appro-
vagao da presidencia, eappello para c* testemanb -
do nobre depuiado irwrobro da r.-.raraw>), o Sr.
Joo Vieira, que lando ido em 1870 compaobu
veritkar algumas censuras qae Ibe fatiam a res-
jpeito da iufraegia ao coolraio, neasa oceasiij
MtnSl lbe diSer Itrenla qoe oaoliaha tabella alguraa
orgaoisada com approvacio do presidente da pro-
vincia.
O Sa. Ramo* Tflisanisn : Eo mesmo oa7i
essa declaragio.
O Sn. A. Peb*ambi;co:Portanto, o propro g-
renle lomou, cara a sua dtetaracio digna de tod
crdito, a eompanhia r eoofassa do nao curapr
menta do contrato.
O Sr. TOLB.-OT1.W de Carvalhj : E aao r> ,
nesta parle.
O Stt A. Pernamouco :Picoa desta modo pr > -
vado qoe a compaohia nio toba urna tabella qua
regataase as sabidas dos vaporas deste dorio e i
moras aos porios em qae deviara tocar, e qoe as-
sm oio compria a coadi;o do eontrato ; sabia a
entrava quando bem Ibe pareeia.
Pelo codtrato, Sr. presideate, era a eompanhia
obrigada em todos oa portos de sua escalla a
demorar-se o tempo preciso para receber carga a
passagejros, mas a eompanhia assm nao o faxia, a
rouitas vezes de iooge procurava ve' se nos portos
em qoe devia locar liaba passageiros para embar-
car ; se estes linbam a felicidade de seren parcebi-
dos, manda*a-os bascar em nm bole. E isto den-
se ama das vezes com o nobre diputado pelo 1'
districto o Sr. Dr. Taixeira de Sa, que o aoo
atrasado qoaodo se discatia a suoveogio da eom-
panhia o deca roa em am aparte na occasiio em
qae fallava o Sr Joaqoim da Mello Reg.
A companhia, portanto, nio cumpria a obrigt-
eio qae tiaha de demorar-se nos portos o lemp.
oacessario para receber a carga e os pasaagairos.
O Sr. Tole.iti.so de Caavalho : Ainda mais.
Faz com que os passageiros desembarquen) anta'
da chegar ao porto do seu destino.
O So. A. Peunambuco- : Da i i a companbia ter
os seus vaporas em bom oslado e asseio par
transporte das mercaduras e dos passageiros,
bem dirigidos; maso qoe se observa qoe oio bt
vaper da compaobia qoe oio esteja a eocalhar era
todas as viageas, isto com grave prejazo dos pao-
sageiros, chagaado as mercaduras todas avaha-
das, ponto tal, qoe soo ioformado qae as com-
panhias de seguros se re:usam a segurar as mer-
caduras transportadas nos vapores da eompanhia,
exigindo premios muito miis avallados pelo trans-
porte faltos nasses vapores do que peles feitos eai
oatros vapores e s iguaes aos qne levara pela
mercaduras transportadas em peqoeoos barcos
valla, e os proprietarios das mercaduras preferem
qae elles sejara remedidos em barcacas a que o sa-
jara dos vapores da compaobia, porque uestes
certo o prejuizo pela demora e avaria.
Om Sr. Diputado : Mas a eompanhia oio
raspoasavei por isso r
O Sr. A. Pkrnambuco : J se v qae isto
coaseqaeacia oecessaria do mo estado dos vapo-
res, do pouco asseio, do mo ajondicionamenlo
qua se d s mercaderas transportadas, e portan-
to atraceio da clausola do contrato am qaa e es-
tipulen que a compaobia seria abrigada a conser-
var os i4us vaporea asa astado de poder em servir
bem ao eommsrcio.
Sa os negociantes preferem. Sr. presidenta, re-
moller as mercadura? em barcacas, porque coas. -
deram ahi melbor acondicionadas do que noaaM-
pores, evidente que a compaobia oio cumpre o
seas deveres, pois nio satisfaz as eondigioes do
contrato. (Apoadot).
Sao raras as viagens, Sr. presidente, era 'qaa o*
passageiros nio se arrependara de te-las fatto n : -
vapores da cdmpanhia ; alguns dastes, erabarcaa-
do com deslino Macelo, tem salalo antes dV;
chegar, tal o estado dos vapores,
(lia ura aparte).
O Sr A. Pkun Atfiu'oi : Diz o j bre depa:a i >
que isso contra os interesses da eompanhia; un-
eu respondo que os imeresses da corapaahia na
sofTrera tant) porque ella est seodo subveocioaa-
da largara-rala pelo goverao geral e pelas provin-
cias, o 11 ue a mantera do l de poder dar Si video-
desde 12 0|0, e edificar.
Om Sr. Deputado : Nunca deu dividendos di
12 0)0 ; o ultimo fui de 6.
O Sn. A. Pbrnamiiuco: Disse me um accion-
la da corapaohia.
Om Sr. Deputado :E' falso isso.
OSn. A. Pernambui:o : Mas arada quando o*
dividendos oio sejara de 12 0|0, certo qua a
eompanhia se acba era ramio bom p, pois qua
edifica para alugsr.
Om Sr. Deputado :Fazendo para isso urna no-
va eraissio.
O Sn. A. Per.va.ubu6>:E' certo que faz aova
eraissio, masa nova eraissio oio se declarou ser
para auxiliar a edificagio.
Alada pouco lando a compaobia de manda;
fizer ama viagera Babia a destinando para isso
o seu melhor vapor, o lpoac*y que linba side con-
certado ltimamente, gasiou '* dias d'aqoi para a
Baha e mais de qaioze das para ir e vallar.
O Sn. Lambnha Lins:Km virtude do nto tem-
po.
O Sr. A. Pernambhco :Oa vapores di eompa-
nhia Pernambocana fazera pessimas viagens, eoca-
ilura em todos ? portos e sempre (em par escul-
pa o mao temno. .
O Sr. Lamenha Lins :Acho que-foi ama bo>
vagem.
O Sn. A. Pernanbccoi :Nioguem diriqne mi
vapor ojae vai Babia e volta em lo das fez ura.
boa vi age m.
O Sn. Lamsaha Lim :Fez; velo com escala por
Aracajii e Macei.
O Sr. Touen-tijio de Carvaliio : dnr que o vapor foi preparado.
O Sa. A. Pernambuco *.0 melhor vapor d.v
eompanhia, concertado de oovp, tendo seo bord
o propra gerente gastio 15 dias para ir Bihia -
voltar.
O Sn. Lamenha Lins :Voltou com escallas por
Aracaj, Penado e Macei.
Outro Sr. Deputado, :Foi em direitura-
0 Sa. A. Pernambco. :-^Em direitura ura va-
por nio pode levar mais do qne 2 dias d>qui a
Rahia, principalmente indo sem carga.
O Sa. Lamenha Lin*:Quera emip que fizas-
ue ama vagam de paquete transatUnuco ? Ni
acho nada da admiravel.
O Sr. A. Pernambuco :Sr. presidente, aa sub-
veogoes nio devem ser dadas as companhias s-
meme para ellas lerem lacros, para fazerem boo<
dividendos e ediflearera predios qae alugam, devem
ser dadas se ellas bem cumprirem com os saus da-
veres, se bem servirem ao publico, e desda qoe a
eompanhia oio se colloca nesta posigio, per lo
direito sabveoclo. Tanto islo verdade qo.9 bj
Seari foi supprimida a snbveneio.
Um Sn. Dbpvtado : Nao foi, A aulorisada a
suppressao,
O Sr. A. Pertiambuco :A Parabyba creio qae
tambem j nio a d, no Rio Grande queixam-sj
da compaobia ; por censegointe nio s a provin-
cia de Pernamboco qne se queixa, sio todas qaa
a subvencionara que clamara centra as faltas i\
eompanhia.
UmSr. Deputado :O povp que fncalisa.
O Sn- A. Pibnambugo :^-Tdo o contrato dev
3er Qscalsado; mas, entretanto, o da coraflaan.
Pernambocana, quam se concede ama subven-
gao de 60:000|;000, niraca teve flsca'isce.
0 Sr. T. db Carvalho :-Porem boje ha ons ra-
geobairo fiscal.
Outro Sa, Dkputaw :-Ea|eabstj;0 BW.
V
y-

'


r
2
iiano d fwnambac* t Quila feira 19 de Junh dt 18" 2
O Sfc. T dk Carvalho :-^C baoriartl fiscal. chegou a eonviccio de i,aa todas u Vfss que se
O Sb. A. I'krNamboco :Tanto verdid-j odes ni) estabelecc qrf om contrato flyfra dependente
-rdito em ilo ao estabelccer se i iirAa lie vapores* se' Cv rsi "-"..... *--' "*- ->+ -->
derado qwso exlinM a avegagio de barcias e

/
?
o valor ttlajtaldfrntanido Coottder,aVJraente, pouco
tkpot^fouyoto o coramercio qtw a companhia
servia maraqoetles qde aoocopavam," relabeleceo
se a navegara-} de barcadas, subindo o valor des-
las e o pre^o dos fjiff?wiendeodo mpics qrre en
yrefertvel e-ffiDarpaf su* ercadorias atn barcagas
en q no* vaporee da eeapahia.
U 5. DEPirr.Mb : O $oa|mandatea esto at
trinito'habilitados; atraa efo caixeiros da eompa-
Dhia.
OSb. A. Pbwasbu!:;Paree, Sr. presidente,
naaea carnario as coodlc>5es do contrato que ex
4*fon.
O Sb. LAarestq Ctifs:Qaaw* Jorain esjas.poa
diCSes ?
Outbo Se, Dbputado :B porque semprese pa-
gou subveoco companhia t
O Sa. A. Pkrnambuco : -O uobre deparado sabe
Ue qae dependa o pagamento da subvengo ? Da-- .
peadia de ama attestagao da fepariigao do correio,
e esta etopre a dava.
USr Dowtado :Eolio v a censura ra-
parcao do correo.
So. A. rWAMBOto :-Que dirrlda ba nisso ?
Suppoe o cobre deputado que come censurar a
auturidide quem couber a censara"?
Vejamos agora i que s rediu a nevacao do
contrato, vejamos de uin lado em caanto foi re-
corra a subvenc/o era favor da provincia, *
intro em quanto foram reduidai:ss obngacfas 4a
otnpaobia.
k aamvet-rae apenas fji diminuida esa.....
Un Sb Diputado :Nos termos da lei do pca-
rm nio, proporcionalroeote s viagens.
O Sn. A MmMMM : tas sabem os obres
depntados qnae9 as redacoSes da vign da com-
panbia ?
Ksta era cbrigada a nar'e' viagens redondas de
da e volta aos porto? de Goyanna e f (andar,
ostas viif os fiart-n Tedaxidas a 1 nica por
met; diminuiram-se etoitonto 5 viagem pe-r mez.
Pas pela conservlo da parte da obria)a^3s*
pode darse apenas a diatinuigo da W." parte da
nfceeoe.ao f
PIm Sr. Deputabo :Mas a corpar*i'ao
abrigada someo e a ir a O Sb. A. Pern*mbioo:Supprimiram-se maii as
viateos a NaptWHH < ao porto de Galrohas.
Dm Sr. Depitadi :E*?as viageos nac eram
jbrigatorias pela sabvencio actaal.
O Sh. A. PRmK***oco :Eran obrigatrtas, e
suelale as viagens ao no de S. Francico# que
dependan) de urna n va .-ubveucin.
O Sb. Alipm Costa : Ao porto de Gilliohas era
oerigateria, mas nunca la foi. ?
O 8b. A. Pkhhumblco :Pretende-se dar corno
ra-io da dimitwic de 6.O0O<0OO t. ter M-a a
mortanria correspooiiTjle i dimisaicS) do car
vi qu.- a eompanhii teria de gastar; raas ai
italealo o rae parece exacto. Se eiu 6 viagen< re-
dondas pir met-3 duas localidade, i-tc ti via
cms, se cotiecR-.ia de carvao 6:000 r*., se que
a provincia com a subvencao paga o -carvao, ert
Jnas viageos deve coasumir-se sem dovka alguma
6.* pane.
* Sb. DswT^no :Mas a companbia ro faz :i
viagens para eases mirares.
O Sb. A. Pmsambiio:Entretanto ahi est con-
- v-nado no contrato, de modo para a reducoio dos 6 OOOJ rs. fui que esta cor
responda dirainuicao do carvao cas viagens sup-
'.irtmiias, e a que e*iavaobrigada a companhla pe
ki a cootrato que eram doze viagens por mez.
ITm Sn. Dhtutaoo :E abstrabe das -viagens ac
j>rte e ao sol T
O Sr. A. Persa*buco -.Para essas t^ a sub-
vencaa geral, para a navegaro entre portos da
andada, que a provincia (la a -pubvencao, pois
qae para as cutras viagens tem a subvengo geral
< das outras provincias.
O Sn Labnra Un :*tt a spiica^o que
f o aobre deputadi, mas nao assnn.
OSr. A. Pebnambco:O contracto nao falla
cas viaflens a Maceto, era lio pean das viagens
a ontraa provincias, porqae para isso a eompa-
nb'a aatilieda, com snbvenco elevada, pelo go-
verBo geral, e pelas provincias a qoem principal-
oente aproveitara as viagens feitas ta sas por-
i >. A prociacia de Pernambao conesde a sub-
v-ju(io a companuia Pernambucanj, nao para que
ao Rio Oraode, nao para qae v ao Cetra, mas
i .i-a qne v aes porto da proviacia de Pernam-
baeo. ( Nio apoiado.)
O goverco geral cooeede a sobvencao para que
a compacte a va a Fernando de No rocha, e para
'ia f>ca a navegado entre as provincias-do norte,
* mt* a raro da subvengao eeral; a provincia de
l'-rnamii'i :o tera ama razo particular para a em
re^o da subvengo, as.-iim corno a? provincias do
norte cdi sal tem tambera a sua rato -particu-
lar qae a oavegaco estabetecida entre os-portos
lias mesmas provincias.
Portante, o argumento do aobre deputado cao
Boia prevalecer de modo algum ; fi- auxiliamos a
-othpanhia'Pernainbanoa com a subvenga) para
."i* ella fara viagens aos diversos portos da pro-
vincia, e nao aos portos de outras proviocias.
O Sa. LumKA Lins :Nao foi os;e ojnotivo d\
ewaeaiio.
OSb. A. PBB5AWMJCO : -Tanto fji este o espi-
rita do leg eiador e da lei que no contracto o do-
lausalas, e nao se pode phantasiar clausulas que
no contracto nao existen).
O Sb. Lamekha Liss :O nobre deputado que
a phantasiando.
O Sb. A. PnafAiiBUCO : -O nobre epatada bao
< capaz de mostrar-rae ero no contrato antigo,
aai no a:tnal jue a provincia conceda flabvenco
Vra viageos *s provincias do Borte.
Uji Sr. Botabo:A compaohia foi esubele-
5 a para e-*e lim.
OSb. A. RttKAMBCOO :Foi, mas com a sub-
nco feral, a subveoeode ProuraDuco oi dala
para as viagens provincia ; e tanto isto exacto
ine no contracto, qae pode reenr-;eo nobre de-
uatado e qae-se refere o contracto ionovado, se
diz que ser concedida a aabfeocio de 60:0064 r.,
e qae esta ser aagtneota.'a cona mais 30 se a com
, anhii fi:-r as viag-ens a taes e determinados pon
Ut.
J v, por tanto, c aobre depatado que o pensa
ment qae determiuoa a oneesso da snb3n-
.ao est perfeitaraente determinadj pelo contracto.
i' Ha ura apae.)
OSr. A. Peoxamm. >: A compaabia faz todas
.ai viagens pelo seu proprio iateresse, mas a sub-
vencao que a provincia paga por certos e deter-
minados s--rvin, que espeeialmeale demanda o
fcemda pro'ioeia-
Un Sr Dkpctado : Que/ia qae me di-sesse
4}oal era o interese de ieur presos para laroan-
d>.
Outbo Sr. Depv/tado :Vai a Fernando para
f anaar dinh-'iro, como outra qaalquer empreza.
O Sr. A. PR.iTt.MBum .Fortante, v se que a
irra vacio do coairactj reduzio uccaraenta as
-cbngacSe* da companbia e nenhama rMtae$to fez
as obrigseSes da provincia, por jae nao pode di-
er e red'uccao a de 6:000* k. e:n tO. Asstm,
ftr. presidente, cu eoteob qae ama vez que deve
mos proteger essa companbia, que alias j nao
precisa da nosa proteceo, porqae achase em p
e edificar predios para alagar a propria provin
ca......
OSb. I.avt-ua Liv-:Argumenta-se contra a
companhia por am lavor que ella fez a provin-
cia
O Sr. A. Pcrnamb'j.-i : ___..a companhia
.*i por demais saavenciomia com a quantia
de 30:0(102 rs. qae ibe d o subitativo do nobre
epatado, pelo qorar voto.
OSb. Tolbntso b Carvalhi*.A cbnyianliia
en predio a provincia de tn$t *
O Sb Lamenha Las :Era o que faltav.
O Sb. Tolent..so de Carvaluo : Eqo nao fez
lavor.
OSR. VIEIRA DE AJUUJOw-Sr. presidenle,
nobre depotado qae acaboa de fallar ppoe se
ao parecer da omitidlo de legislacao, era pri-
oieiro logar porqae emende qae o acto da presi-
dencia qae ionovaa o contrato da cornpanliia per
nambacaoa depende da approvagao da auembla,
e em segundo logar, porqae referindo-se erceu
da apresentada ao mesmo parecer, se a casa mal-
ver qae deve tomar conbecimeato do contrito, nao
deve ser elle approvado do modo porque est re-
digido e sim Dos termos da emenda.
O Sb. A. Pebjumbuco : Referi-me soooen'.e a
diminnir,ao da subvencao.
O Sb Vieiba de Araujo : E' orna das claasu-
as,
A eommissao de |ag-l?.jao enteodaa qae a inpo-
va^o do eentra)onao dependa da approvaeao dos-,
ta assemb'a, porqae nao encontroa ba legislarlo
a provincia di? por icio que determinasse que o
aso das otorisa^es dalas ao presidenta da pro
vinel em geral estivss dependente deapprova
io da assembla, e por outro lado eon>attaado o
cptffi de martas lels, coo:e"dendo aotonsaco,
.' Pbr essft rrttlvos, 9 porqu formado a este refrito, jorque nio lanha oom
is-i/nrie acro procedoBCia iio 'pira apreciar a '.jeitio ; mas a preiaa^oo deve
prfJvoa taes aAos.'
tambera acorara
argumento agora apreseutada pelo aotta depuu
do, de qae quaaao a ssemla legisla respeito
dessas ntors;9ss nao duendo que lsam os con-
tratos em vigor indepeadentemente de approvacao,
eotn contritos tem 00 aer approvados pqr esta
Cita.
O Sb. A. Pernauboi :En aire qae aaaao
em ama lei ?e declara qrjo (al contra'.o ser *%t-
eatado indepeodrate d approvoflio, se tem lalo
ama regra de toe todos os contratos devaay ser
approvados peta assembla.
O Sr. ViEHta ds AnAiuo.:las yarece que nao
pode tirar a eenelusio que *rou o noore depu
desta clausula que ap jareoo em algumas M>
que os contratos se exeeatario independeates
de approvacio.
O Sr. A. PEnxAJiBUO :A regra em. #
O Sa. Vieira Da aracio :A (fta.feral ttm
sido esta: quando a assembla dte qae -o presi-
deAiailca autoriMdo a contratar oaa-usar de urna
aatorlsacio sera taes e taes restricc5s, ea com
etlfls, quando legi.-la assim, nao toma conbecimen-
to desses actos, nao os approva posteriormente.
O Sa. A. PEBitAMBOco : Tem tomado sem-
Irt \)
t-iiaq
Un Sr. Dcpctado :0 nobre depaVado le ver
que a eompanbia nao ^aippre a coatrito,
Sa, .ytEiRA oe Araio:Nao tpesso ter iio
pro.
O Sa. Virira ok Axaujo: Agora qo*nd a as-
sersbli tera decretado'era lei que tal contrata p
de ser exeeutado antes da acprovaca, nao neto
tetivo que da o noore depatado a assembla qaer
qae o contrato sej execatido,.b>go petos motivos
'que devam determinar tssa execuoio, que nao, se-,
ha possivel se nio se estabelecesoc es-a clau-
sula.
si Sa. Deputado :Para que remetteu o pre-
sidente o contrato assembla'?
O Sr. Vi eir ns Araitjo : Pera dar conheeti
ment a assembla. -
Um Sn Deputado :A assembja-nio prect9ava
dlsso, ba-tava lelo DO expediente.
OSr. Vewa de Aaujo:-'6 nobre deprtado
nao i le dizar isto, desde quehontem p9dio o ada
ment, porqae dlsse qae nao tinha lido o contrato,
como qne ostros deputados tambera o nao ccehe-
ciam.
0 Sr. A. PentiAMBrjco: Ha? a assemba n5o
ignorava, nao polia ignorar.
O Sr. Vibwa os- Aradio : Por consogainte,
quando a assembla em algumas leistem utoti.
ca depebdeote de a^provajao sm prejaizoda exe-
530 qaer evitar qae o contrato deixe de ser exe
catado, porqae est dependente de approvacao.
E' esta a nierpretacao qae se pode dar a essa
c's sala ; mas na legislabas de tpdos os annos se
eocootraoj autori-sgoes t^em essa clansals, e os
contratos fekos em vlrtude dellas i5> -fi;am de-
pendentes de approvaglo posterior da assembla,
tem sido execundos sen pssarappfovaeJn, > as-
sembla nio tem tomado cooheamento delles.
O Sr. A. Fernambuco Quando assembla
determina positivamentJ que Do dependem de ap-
provajio fotara.
O Sr. Veeira ai "AitACio : Ha excepci) e em
relami a contratos da mesroa natareza.- ( Nao
apmados.)
Todas a3 leis de orcimento decretam consigna
jo pdr.i obras pablica, em virtude dessas consi-
gnares tera se feito.contralos de obras^publicas, e
nunca ve:o nti ? desses contratos a-casa paa ser-
approvaio, tera sido considerados legaes e a as
sembla decreta fuados para* a despera ladepen-
derlte de apprevacao, alias de contrato omito im-
portantes.
( Trdcam-se apartes. )
O Sr. Vieira de Arac'jo:Assim de memento
nao posso moswar, isto e, contratos execatados e
qae nunca foram approvados como quer o nobre
depatado, mas o a breoVptral j tambem nao mos
tra o contrario-. Eu dei a razio porqae pens que
o contrato nao depende da approvaeaj da assem
bla, cito em meu favor os coatratis rfe obras pn
blica?, qae nanea vieram assembla para ser ap-
provados ; o nobre deputado diz qae dj, porque
ama delegafio da assembla.
Ora, eu emendo que nj propriameote urna
delegacio, porque a assembla'era caso nenhum
pode contratar, o emirato feito /sempre pela
adnjinistra^ao, qae figura de parte, come nos con-
iratos felos entre particulares, salvas certas dif-
ferenr;as pecbliaroi a natureta de talcootrataat?.
Quero thegar a este resultado: a autorisaejb ds
assembla nesle caso idenca a rtorisacSj con
cedida para contratos de obras publicas, par
quaesquer emprezas, enjo- contratos nao sao ap-
provadospeia a>.9enihl, seno quando ella de
clara por Tei que o contrato que se riter ficar de
pendente dessa approvacao.
( Hs um aparte )
O Sr. Vieira ee Araujo:Isto nao tem proce
dencia nenboma, porquo emo nio havia cootra
lo nenbara aae tives.se valor, nao sendo approva-
do por reto-irg'stA'.ivo; ara contrato para a obra
publica nada valeria entre a administrado e a
pes'a qne eom ellas coatratasse.
Um Sr. Depltaoo : Esse contrato s aflacia
ios doos contratantes, digo qaando tnseta aos di-
reitos de 3, quando se impoe.
O Sr. Vieira de Araujo : Era vigor qaal o
cootrato que nao affecta o interesse de terceiro.
U.\iSRrDEPUTAD3 :O qae r feito para a oons-
truc^o de obras nao affecta o interesse de ter-
ceiro.
O Sr. Vieira de Araujo :Quem Bis tercei
ro a que o n.bre deputado se refere ento ? E' o
publico ?
Um Sr. Deputado :Sao os que viajam n?s va-
pores da companbia.
O Sr. Vieira de Araujo-Ento tambem sao os
qne transitan) as estradas, pontes etc.
Um Sn. Deputado: NSo tera applicaQo.
O Sr. Vieira de Araujo : Podem as ronte
ser mal feitas, offere:tT perigo aos que transi-
tara.
Acbo qae a argamenfaejio do nobre deputado
oeste ponto destitaida de todo o faodanrento.
Se cs apreciarrros mais profnodaraente este
negocio, veremos que os contratos feitos pelo go-
verao nanea depeolera do a?prova?io da assem-
bla, e nao sao at auterijados por leis especiaes,
a acimioisirac.ao contrata os d versos servijos sem
iutorisajao especial
Porconsegainte nao ss oleadmi'.tir em abso-
luto o principio geral de que todo o contrato de-
pende de apprvacio, porqae ea mostr ao a bre
diputado qae s tera sido approvados por esta
cafa os emiratos de caraiobos de ferro e algn
outros qae a assembi'Ja tera declarado expressa-
men'.e qae ficam dependfntes.de approvago.
Um Sr. Deputado :l\do o contrato em que se
coniede.ttDvencao.
O Sp.. i. Correa de Araujo :At os contratos
para eompanhias de thealro leern sido approvados
por esta assembla. Tem-se concedida subvenjaes.
O Sr. ViaRA un Abacio:E' o que teoho a di
zer em relami propriamente aos faudamentos do
parecer.
ser aoOtraris, porqu luave-me no jaizo dos ad-
maiaipadores da provincia, qae entretanto asnea
deixarara de mandar pagar a subvencio, estando
os vapores nesne mo estado que referem os no-
bra depaudes. j/ST^M a
QTrMcam-w apartas.)
H Sr. Tibira bu Araub :-Os> prajaiaas, u
avarias qae softre a comraerci ^ tambem facto
de que cao posso jalgar ; mas Dio evem ter am
tao largtvescala, quando a companhia parece que
floretee, nade enonie pela subvencio, porqae
tem mereadorias e psssat'eiros eonauzr.
Bol relami aos dividendos em annos anteriores
foram wvoravois, mas a principio eram mallo pe-
queos, creio qae calculando lodos os aMoa cor-
responden eo a 3 */> e companhia chegou
ata a r.ao fczer nenhum por muitos arreos.
'O nobre deooudo referia-^e i red acolo das via-
gene Itapessuma e Porto de Gillinhas. Nio sei
se essas viagens deixaram de ser feitas.
(Ha am aparte.)
O 3R. Vieira de Araujo .Sao_e3?eu habilitado
a responder de prompto e'ta qoostSo, mas pare-
cema que se reeooriaceo. a nao importancia dessas
viagaas, e de ordem da presidencia, creio qae fo-
ram supprimidas, ou peo menos nao eram feitas.
OSr. a.PRBNAMBUca : Nio houre tal ordem.
O Sb. Vieira de Araojo: Parece qae ha al-!
pma cousa a e.-te respeito, mas nao quero
efih-mar. ,
As viagens Goyanna erara de 10 em 10 dias
foram redutidas, cono disse o nobre deputado,
porqae nio tem importancia nenhama este Dame-
ro de viagens em relacao a esses porto?.
Agora, a subveofio parece-me qae nio poda
ser menor, jalgo qae boave proporclo na redae-
io, porque a companhia oio foi estabetecida, nem
a subvengao Ine dada, como disse o nobre depu-
Jado, para as viagens aos portos da provincia.
O Sr. A. Pernamjjtjco :lato qae Incontes-
tavel.
O Sr. ViEnu be Araujo :Em primelro lugar
parece que serla al absurdo dar subvencao
nma companbia para fazer viagens Goyaana e
Timandar, que nao teera importancia nonbuma,
havendo para esses'portos embrca6es de peque-
nos lotes : as viagens entre esta provincia e as li-
raitrophsi qae sao de importancia pela abundan-
cia de productos qne se trocara fcilmente entre
ellas.
E, Sr. presidente, a lei que autorison a elevacao
da subvencio a "90 contos, o que nunca se rea-
sou, porque a eorapinhia nio levon os seas va-
pores at ao S. Francisco, d bera a entender que
os 60 contos nao eram dados rnente pelas via-
g-BS aos portos da provincia. Nem polia ser qne
para laxar vtagens a dous-ou tres portos io-ignifi
cante.*, a provincia dsse urna subvencao de 60
contos I .
O Sn. A. Potmambcco :-Para a3 ontras viagens
tem a subvenalo geral.
OSr. Vieira de araujq :A sabven?o geral
ora auxilio pap todaeas provincias qae apro-
veilam eom essa navegacio.
O Sr. A. PEN3RM8CC0 :-P61s dizer-mequal a
subvencio dada pelo gorerno gsral T
O Sn. VitiiR de Araujo : Cento e tamos
contos.
O Sn. A. Pern-ambuco :-Para que essa sub-
vencio T
OSr. Vas a de Araujo :J disse que era nm
anxdio -revincias. Tenho concluido, Sr. pr0si
dente,- i jastificacad do parecer da eommissio de
legisfa^ao que uve a honra de elaborar cum o meu
obre col leg a deputado pelo 3.' districto, e ao
rbesrno tempo motivado o mea voto contw a emen-
da que ao raesmo parecer offere'ceo o nobre de-
putado membro divergente da eommissio.
A discuti 11 :a adiada pela hora.
(Confnid )
Agora, codo o nobre depatado referic-se ao
contraa e o teuha apreciado, farei consiJerac^ies
maito liceiras a respe:! \
. O n b.-o denatado falln no< abusos da cempa
nhia era relami s viagets qae faz.
0-6r. A. Prnambuco :Falu de cumprimento
do contrato.
O Sr. Vieira de Araujo : Ora, esa ama
questio pn pnamente de flscalisacio.
Um Sr. Deputado :Se nao ba 'calisemoa nos.
O Sa Vieira de Arau 1Parece que a assem-
bli mesmo nao est no caso de legisiar a respeito.
OSr. Silva Rbco .A assembla nao vae le
gislar para o passado.'
OSr. Vibjba de Araujo :a assembla fisca-
liza at ceno ponto, sao no sentido que qaer e
nobre depatado, mas por oatra forma. Qaando,
par esemplo, se tratou de antorisar 'a iaoovaja>
do coa-rato foi a cccasio oais azada paraeeexer-
eer a fiscalisaj}&o, e a assembla a exercea man-
dando rednzir a sabvencio ; ento podiam os no
brea dapaUdos estabelecer as bases, as restriecSes
que eoendiam dever ser postas ao contrato exis-
tente mas nao sa quiz isto deu-se autarisaeo
ampia ao presidente para innovar o eontrato
mediante a redoecio da sabvencio.
O Sr. A. Panambuco : Eu digo qne essa re-
daceao nio f.)i proporeioni!. Demoastrei que de
seis vugeae sopprimiram-se cinco.
0 Sa. ViiRA ai Araujo :O aobre deputado
referi se tambem falla de ama tabella, lato
certo, eu dirigjodo-uje, creio qae em 1870, eom o
nobre depatado pelo 4* districto o Sr. ^ello fiego
companbia, declaroo-nos o gerente que nao ti-
nha tabella organisada, mas aio sei se depois sa-
tisfez sta exigencia a qae obrigado pelo' eon-
trato.
Talvez estatabells tambera nao podesse ser fei-
ta, porqae as vezes o ervigo exige alteracdet im
previstas, mesmo para atteodar exigencias do
servijo publico.
Diz se qae os vapores ee conservara em mo es-
tado.
Ea nio estoa a par dos negocios' > companbia
a poto de explicar isto.
SVTSTA DIAEIA.
JUltY. Entrn hontem em julgamento o reo
Sabino Us Fernaadeg, pronunciado no art. 257
combinado com o 269 do cdigo criminal.- Presi
diu sessao o Exm^ 6r. desambargador Costa
\1-'i:.), sendo pr Juzida a aecusacio pelo Dr. Ma-
noel Francisco de Baifos Reg, promotor ad-huc,
< a defeca peto Sr.- Romualdo de Oliveira.-
A* vista das respostas doajapselbo do aenteoca
aos qnesitos formulados, fot sbsolvido o reo.
GHEFATURA.DE POLICA."- Presloa boritem
jarmerho, eeoiroa naesereieieio do cargo de
th'efede polet#0<8r. P. Teixeira e Sa, jez de
direko da caorrca do Lirrioeiro.
A e-."*"lha qne reeahiu no digno pernambuiaoo,
darla testemanho de sua conhecida aptldio, se os
mais nobres dotes de ur espirito elevado, alflabdo-
se ha pessoa do Sr. Dr. Tehteira de 8i s mai* des
tinetas virtudes 40 magistrado, nao o recommen-
dassera provincia e ae paiz como ama das
glorias )a magistratura.
Oaito do Ex a. Sr. desembargada Farlas Le-
mos merecedor de afdpnte pplaaso. As eleva-
das funcQdes de ehefe de polica nao devera ser
comraetttdas, anda em ama interiaidade de ai-
gaos poneos dias, senao quera dellas se pos-
sa desempeohar com o mximo zelo e dili-
gencia.
Est muilo oeste cao o Riostra comprovincia
no, a quera rendemos parabens por esta inequvo-
ca prova de apreco.
TUESOURAUIA PROVI.NCIAL.-Perante a jnn-
ta desta repartijio vae pra;a, nodia 25 do cor-
rente, a arrematarlo do impostb ds 2|300 por ca
beqx de gado vaceura consumido no municipio do
Recifi, servindo de base o prego de 80:0001, offe-
recido pelo Exm, Sr. baro da Soledade.
MATRIGULA DE ESCRAVOS. E" no corrente
jtj-z que os denos de escravos residentes nos limi
tes tragados para a matricula no acta! quinqaen-
nio de 18681873 devera dar es qae tiverem ad-
quirido de julao do anao prximo passado at o
presente, e requerer e'imioacao dos que deixa-
ram de possuir por veada, liberdade ou bito, vista
que a matricula i qae se est proceden Jo em vir
tude do regalsmeiit qae a:ompaahaa o decreto
n. 4835 de 1 de deztmbro de 1871, para a exe
encS j do art. 8 da lei 2040 de 28 de setembro do
mesrao aono, nao dispensa da matricula qae es.
tao sujeitos os escravos das senhores cima men
donados em virtude do regulamento n. 4129 de
28 de marco de 1868 ; por quanta cada ama das
referidas matriculas produz seus devidos eiTeilos,
['-pealante urna da outra : assim que incorre
ria oas mullas d'am e outro regalameato os qae
iafriogirem.
DECLARACAO NECESSAhiA. A sociedade
Monte Po Popular oo assistio.A installago da so-
ciedade Luso-Brasiieira, como hontem dissemos,
mas sira a sociedade Liiieral Uniao Baneficeote.
VISITA PRESIDENCIAL.-O Exm Sr. presi-
dente da provincia vae hoje s 7 horas da manbia
pereorrer a linba frrea do Recife Una, dovendo
voltar farde.
MAVIO ENCONTRADO.- O brigae portuguez
Triumpho, entrado homem do Porto, encontrn no
da 8 do corrente na lat. i. 24' N. e long. .19."
30' S de Greenwich cora o transporte inglez Cctt-
cuta, qae coo.ts.va 29 dias de Tiagemde Londres
com destino a Calcuta. Tudo.a bordo ia sem no-
vidade.
PROCLAMAS.Foram lidosno dia 16 dejnnho
na matriz da freguezia de Santo Antonio, os se-
guiutes:
i* denanciacio.
Manoel Jicintao Bispo, cora Mara Mathilde|de
Ucerla.
Paulo Gairaud, com Marie Savergae, aataraes
de Franca.
J jaquim Moreira de Mattos, eom lordolina Ma-
ra de Franca.
Joao riigino de Sonza, com Mara Thereza dos
Santos Lima, natural de Portugal.
Antonio Luiz de arvalho Medeirot, eom Idali-
na Alejandrina da Santiago Ferreira.
Torqoato Henriqoes da Silva, com Maria Thoma-
zia P.res da Gama Lobo.
Paulino Coelbo ttodrigoe?, eom Leopoldina Ma-
ri* das Virgen?.
2* denanciacio. 1
Joao da Motta Cruz Soute, com Fraacisca da
Paala e Alencar.
Evaristo Peraira da Costa, toldado do corpo de
polica, com Antonia Mara da Conceijo.
Carlos Barromea Francisco Rasa, com Candida
Rosa di Espirito Sanio. .
Francisco Antonio Teixeira de Farias, com Apo
lonia do Cora^io d Mara.
Antonio da Costa Pereira, eom Maoella Mara
do Naseimento.
Antonio Jos Viann, com Umbellna Flora do
Nascimento. exposta em eaaa de Joaquina Francia
co Baimacdo. ^
Manoel Al ves de Lyra, preso no quane! de po-
lica, viuvo de Mana Jos da Sant'Anaa, eom Ma-
ra Jesuina da Cooeeicao.
Amaro Gaidiao Barros Dulra, eom Joaquina
MarJioola O Nascimento.
O tenste do 2 batalhio de if.nta-h de li- \
uhi Ernesto Atves Paehe:o, com Enilia Jjrge "ie
Santa.
Addino Glleno C.'elha, cot E.higenia Gorues
da Costa.
Joao Maaoel Gomes da Silva, com Mana Juliana
da Cooeefcio, africanos.
Joao da Costa, africano, com Sopla, crioul.
3' denanciacio.
O bacnarel Maaoel Antonio da Silva los, nata
ral da freguezia de Santo Antonio, e morador Da
de Papaeaea, quer raostrar-sa Uvre a desirapedido
para tpmar estado qde Ibe convler.
Beato Manoel de Castro Amara I, eom Mara Joa-
quina da Silva Rios.
Elias los Rodrigues, coa Marcoliaa Mara Ro-
drigos de lesas. ,
JoiO Celno da Cca.'-com Aatoola Bemvnda do
Reg Barros.
Jiaqari Jos dos Saatos Janior, natural de Por-
tugal, com Euthalia Carolina de Magalhies, Ta-
vares.
Firmiao Jas dos Santos, com Emilia Maria do
Livramento.
Jas Candido Aires da Costa, soldado da 2* ba-
talhio de infantaria, com Candida Mara da Pe-
nas.
Ihnoel Izidro da Cooeeicao, com Joaooa Maria
Apolinaria,
Jos Joaqulm do Espirito Santo, com Saiastiana
Mana da Graceicao.
LOTERA.A qae se acba i venda a 8* a
beneficio da matric de Una, que corre hoje 19
do corrente mez.
CLEILO.- Hoje electua o agente Martina as II
horas dia, nm leilao]de 2 mobilias de Jacaranda, 1
SiaOno e ouiros movis existentes no 2* e 3* an-
ar do sobrado n. 48 da roa do I operador.
CASA DE DETENCO.Movimento do da 17
dejunho de 1872 :
Existiam 'preso-) 312, entraram % sabiram 7,
existem 307.
A saber : naeiooaes 205, raulheras 14, estraa-
geiros 43, escravos 41, esravas 4, total 307.
Alimentados a cusa doa cofres pablices 254.
HOSPITAL PEDRO II.O movlraento desse es-
tabelecimento de 10 acidia 16 ae jonho foi de 317
existentes, entraram 39, sihiram :*3, fallecern)
17, existem 306, sendo 194 homens e 112- mu-
Iberet.
Advertencia.
Foram visitadas a enfermaras estes dias as
8, 8 1|2, 8 1|2, 8, 8 1|1 e 9 l|2 pelo Dr, Ramos.
as 11 1(1,11,11, 9 MI II e9 pelo Dr. Sarment.
Fallecidos.
Manoel Pedro de Alcntara, bernia estrangulada.
Thereza, amolecimento cerebral.
Antonio Francisco de Avila, tubrculos pulmona-
res.
Manoel Ferreira-Pessoa, hypertropbia no eora$ao.
Mara da Paixio, tubrculos pulmonares.
PittroSobrendge, febre amarella.
Olivira Pe 1ro, idem.
Josepha Alves, infeceao purulenta.
Antonio Jos Lambret, alceras syphiliticas na gar-
ganta.
Geerges Poirier, ersypela gangrenosa.
Aqailma Maria de Araujo, qaeimadaras ( entrn
roorta.)
Josepha Maria, entente chroniea.
Maria Francisca, idem.
Alexandrina Maria da ConceicAo, tubrculos pul-
monares.
Florioda, intente chroniea.
Lniza, tubrculos pulmonares.
Jos Ricardo, anemia.
PASSAGEIROS.- Vialos 00 brigue Tritim-
lat
Manoel Teixeira, Jos Joaquina da Silva Reg,
Joao Joaquim Gomes Ferreira, Manoel Alves Piolo,
Seraflm da Siiva, Bento Fernaodes Cruz, Joao *
Sooza Miguel, Joio Mara da Fooceca, Maooel Joa-
quim Marques Alonco, Fraocisco Domingues Vaz,
Estado de Carvalho, Antonio Maooel, Maaoel Joa-
quim da Costa Abren, Domingas Antonio da Silva,
los Alvos Dias, Jos Avelino da Cunta Brando,
Bento Jos Alves Ferreira, Manoel Alvt-s Jacra no,
Joio Alves, Antonio Garcez, Antonio Ferreira, Jos
da Rocha, Joaquim Mouteiro Marcolino, Joaquim
Alves, Maooel Ribeiri-Moraes, Maaoel Jo- Fer-
naodes, Rosa-Mara Fernandes, Antonio Martins
Jnior, Felisbeno GooQalves Cardoso, Joaqaim da
Cur.na Nevos Juoor.
de Mallos; appllaos, herdelros de Migoel Alves
de Mello.
Da jnry da Ciroaru Appellante, Joio ds Cruz
Micedo ; ap'>el!do, C'aalln Ribsro de Mello.
Dojnizo de direitodo Reefe.-Appetlante, Joi)
Caetaoo de Magalbies ; appellado, Jos Paulino
Lopes de Almeida.
De Qaixeramobim. Appelante, Jos Pereira
Liras ; appeqada, a justici.
Uj juixo municipal do Recife.Appellante,- Jos
Alves Barbosa appellada, Eugraeia do Amparo
Santa Rosa.
Encerrou se a sessio ao raeio dia.
Pereira
o feito
CHRONICA Jl DK HRIi.
TRIBUNAL BA RBLAC.iO.
SESSAO EM 18 DE JUNHO DE 1872
PRESIDENCIA DO EXM. SR. CONSELHEIRO CAETA.NO
SANTIAGO.
Secretario Dr. Virgilio Coelho.
As 10 horas da manha, presentes os Srs. des-
embargadores Gitiraoa, Lourengo Santiago, Al-
meida Albuqaerqd"e, Doria e Regueira Costa, fal-
tando com causa os Srs. desembargadores Do-
mingues Silva, procurador da cora e Souza Leio,
e por estar na presidencia do jury o Sr. desera-
bargadorMolla, abri se a sessao.
JULGAMENTOS.
Recursos erimes.
Reccorrente, o jaizo de direito da Iraperatriz ;
reeorfido, Thomaz Jos de Spuza.Juites, os Srs.
desembarga lares Lourengo Santiago, Regueira
Costa, Gilirana a Doria.Improcedente.
Recrreme, o aixo de direito de Natal ; recor-
rid), Joaquim Soares Raposo da Cmara.Juizes
os Srs. desembargadores Gitirana, Loureoco San-
tiago, Almeida Albaquerque e Regueira Costa.
Improcedente.
APPELLACOES CRIMES.
Do jury le Tamboril.Appellaote, o jaizo ; ap-
pellado, Vicente escravo.Nao tomaram conheci-
mento da appellagio.
De Qaixeramobim. Appellante, Jos
Lana ; appellado, o jaizo.Annallaram
por incompetencia.
APPELLACOES CIVBIS.
Do jaizo maoicipal do.Recife.Appellante, Dr.
Joaqoim Aotooio Carneiro da Caoba Miranda ;
appellado, Dr. Maooel de Barros Brrelo.Des-
presaram-se os embargos.
Appellante, Feliciaua Maria Olympia ; appella-
do, AotonfaMoreira dos Res.Confirmada a sen
tenr,a.
PASSAGENS.
Da Sr. desembargadsr Gitirana ao Sr. desem-
bargador Lourenco Santiago :
Po jury de Baturyt.Appellaote, o jaizo ; ap-
pellado. Jos de Barros Feitosa.
Da ary_ do Recife.Appettante, Belcbior dos
Reis Pavao ; appellado, o juizo.
De Ipojuca.Appellaote, o jaizo ; appellado,
Joio Bapti-ta Gomes.
Do Sr. desembargador Loureoco Saotiago ao Sr.
dosem largador Almeida e Albuqaerque:
Do jury de Campia. Appellaotes, Lucinda e
De'tina Maria da Coueeicio ; anpellada, a Justiga.
De Cabaceiras.Appellaote, o jaizo ; appella-
do, Joaqaim Alvos Ribeiro.
De Ipojuca. jAppellaote, o juizo ; appellada,
Maaoel Jaa juim da Silva.
Do juizo muDieipal do AsSti. 'Appellante, Vi-
cente Ferreira da Fonseca; appellado Manool de
Mello Montenegro.
Do jaizo maoicipal do Acaraca'.Appellante,
Gailberme Bezerra de Araujo; appellados, viuva
e berleiros de Joaqaim Domingaes da Silva.
De SeriBhem.Appellante, Alexandre Rodri-
gues da Silva ; appellada, D. Leonor Felicia Wan
derley.
Da Iraperatriz.Appellante, Jos Vieira d'Arau
jo Pelxoto ; appellado Maaoel da Costa Piuheiro.
Conflicto de jorisdicc.ao entre os juizes de di-
reitos da 1* e 2* vara do Recife.
Da Sr. desembargador Doria ao Sr. desembar-
gador fiegueira Costa:
Da jury da Barbaria.Appellante, o julio ap-
pellado, Domingos, liberto.
Da Iraperatriz. -Appellanie, Leonel Jo da Sil-
va : appellada a justica.
Do Limoeiro.Appellaote, Jo; GomeB Caval-
eante ; appellada, a jnstica.
Da Iraperatriz.Appellante, o promotor ; appel-
laJo, Vicente Ferreira Lopes.
DILIGENCIA CHIME
Mandoa-se com vista ao Sr. desembargador pro-
motor da jastica.
Appellaote, Antonio Jota Pedrosa ; appellada,
a jastica. '
Appellante, o promotor ; appellado Francisco
Moreira de Queiroz.
{DILIGENCIA CIVKL.
Ao Dr. carador geral:
Do juizo municipal do Racife.Appellante, D.
Miria Isabel Nones de ORvrra ; appellado, Ma-
noel dos Santos Nones d Olivira.
A'signou-se dia p ara julgameoto dos feitos se-
guales :
Do jaizo municipal de Camaragibe.Appellan-
te, Gregorio de Macedo Bello ; appellados, D Aona
Pia dos Santos e seos filhos.
Do Jaizo dos feitos.Appellante, o juizo, ap-
pellado, Antonio Jos de Firueiredo.
De Penado.Appellanie, Antonio Jos de Me-
deiros Bittencoort; appellado, Jos Maria Gon-
calves Pereira.
De\^iarBobim.-Ar^etorrte,ErBWl9 Brasil
PUBCACOES A PEDIDO.
Despedida.
Teodo deixado boje o etercicio do cargo
de chafo de polica desta provincia e deven
do seguir com 'miaba familia para a provin-
cia do miEonas, no vapor de 23 do cor
rente, venbo rrelo presenterJespedir-me das
pesEoas qae me bonraram com sitas visitas
e religues de amisade, visto a rapidez da
viagem nao permittir-me que o h< pessoal-
mente, pedir descalpa de falta Ub involon-
taria, e ao mesmo tempo offerecer a cada
ama dessas p ssoaa os meus servicos na -
qrjella provincia ou em qudqaer outrt-par-
te para onde me cooduza o deslino.
Recife 18 de junho da 187.
Domingos Monteiro Peixoto.
AO INCLYTO BRAVO PERNAMBCANO
ALFERES JOAO BAPTSTA DB SI-
QUEIRA.
SONETO.
Embainha guerreiro a loa espada I
Recosia-te da paz no branlorieito,
Descubre as cicatrizes do tea peito
E guarda a tua farda ensangoentada!
Inda trazes a fronte impregnada
Do fumo da baulba ? eu te respeito !
Gcnsenie pois aqoi render-te um preito,
Coroar-te a fronte pelo sol queimada '
Emqaanto le a patria a tua historia
E contempla teus feitos com espanto
Inspirada nos hymaps da victoria,
Eu procaro da lyra em doce canto
Eternisar-te, men bere, a gloria;
Ai! ditoso de mim se posso tanto I...
Recife, 19 de janho de 1872.
Pelino Guedes.
Secretaria de polica de Peroambuco, 18 de jo-
nho de 1872.
Ilion. Sr.Dous sentlraenlos, cada qaal mais no-
bre e ambos igualmente foriec. fazern com qae os
abaixo assignados se dirijam oeste momeoto V.
S. :a gratido e a saudade.
A gratido, pelo qne devem ao distlnc'.o cava-
Iheiro que to benignamente os tratou, daraole
todo o tempo qae esteve a frente desta repartidlo,
eujo crdito nao cessava de zelar, e cujo asseio
eslava promovendo ni occasio em qae Ibe foi
concedida a demiss) qae pedir.
A smdade, por que tirando os abaixo assigna-
dos privados to depre3a de ara superior que sera
affdctagao sabia fazer esquecer as desegualdades
sociae?, tratando os seus empegados como seus
melhores araigos e idenlifleando-se eom elles no
trabaibo, cojas agroras procarava desfargsr, nao
podem encarar sera pena e sem se Ihes avivar a
lemLranca do qae tinham na pessoa de V. S., e do
que'vlo perder eom a sua ausencia, a retirada da
qnelle qoe foi-lhe3 antes protector que chefe, e
mais amigo que superior.
Vera, por tanto, os abaixo assignados manifestar
V. S. os sentimentos de qae se acham possaidos,
e pedir a V. S. qae se digae de acolber com a
amabilidad qae ibe propria, a segaranca de sua
perfeita e inaileravel estima, e o offereciraento sin
cero que fazera de seas servicos, qaalqaer que
seja o lugir qae a sorte os condaza, acceitando
igualmente os vivos protestos de profunlo respei-
to e considerara coa que o abaixo assignados
teera a boura de sab-crever-se.
De V. S. amigos apreciadores e criados obri-
gados.
Elaardo de Barros Falco de Lacerda.
Dr. Jos Soriano de Soaza.
Dr. Liiz Jos Cona de S.
Francisco Geraldo da Silva Barroso.
Candido Autrau da Matta e Albaquerque.
Jo.- de Vaseoacellos.
Agosiinio Jos de Olivira.
Joaquim Jos da Reg Rangel.
Antonio Affjbso Ferreira.
Thomaz Barreto Lins de Barros.
Joaqaim Fincico Borges cba.
Joao Agripino da Cunta.
dem do dia 18.

SAHiD\3 DE MERCADORIAS.
Volumes sabidos eom fazenda
Idam idem em gneros diverso
_ Spmma
>
463
69
ODMMEROO
Segaros contra-logo
COMPANHIA
MORTHERN.
uapitiJ. .
?ando de resena
. ao,ooo:ooo* . 8,000:000#000
Agentes,
,Mi//j Lathan C.
Eoyal Iusurance Company.
Real corapaahla de segaros
de Londres e Liverpool.
CAPITAL
k 2,000,000 libras sterlinas
00
20,000:0004000
Com actorisagao do governo.
Segara contra o risco de fogo, cas's, fazendas,
e qualqaer oatra especie de mercadoria.
O agente cesta provincia
J. O'C. Doyle.
38 Rn do Commereio 38
N. B. Para segaros de vida de pessoas livres
qae a companhia tomar em sua sede em Londres
on Liverpool, o mesmo agente servir de corres-
ponflento, recebe as propostas, reelamaeSes e pre-
mios dos segoro3 das pessoas aqui residentes para
transmittir corapanbia, e entregar aos segurados
so reepecivos tiulos.
Companhia Phenix Pernam-
bacana.
Toma riscos martimos em mercadoras, fretes,
dnbeiro risco e finalmente de qaalqaer nata -
reza, em vapores, navios a vella au bananas,
-premios ilui'.o mojlicos-: ra do Commnio nu-
mero 34.
PRACADO RBt
RBaFB 18 DE ;JUNH0
"IE 17J.
BOBIS DA TABDI.
Gotaces officiaes.
Algodo ao Aracaj sem inspeccao 718 rs. por
kilo, bootem.
Cambio sobre Londres a 90 d|v. 24 5(8 d. por
44O0O, bootem.
Dito sobre dito a PO djv. 34 Irl d. por UOOO,
boje.
.;j. Pinto,
Presidenta.
Doboorcq,
Secretario.
ALFANDEGA
aendimonto do da 1 a 17. 786:7Bi943
Idam So dil 18. 45:133*898

831:8594841
Despachos ie exporlftlo no dia 17 da.
junho dt 1972.
Para o portos do exterior.
No brigae ioglez E, A. Carnnatw para o
Rio da Prata, earrogoi : P. doPaola Amorra t5
pipas com l.OOO litros de agurdente.
No brigoe portuguez Udador, par e> Porto,
earregaram : E. R. Rabello & C. 68- saetas rt>m
4,359 kilos de algodo.
Na sumaca bespanhola Frasquita, pora Bar-
cellona, earregaram : P. Carneirq A C. 48 sac-
cas com 12,489 kilos de algodo.
. No navio porlogoot -Ceres, para ?Tor,
carregon : J. J. Gonr^alves Beltrao 290 saccas
com 30.750 Kilos de algodo.
--- No navio alleraao Joanne, para o R'o da Pra-
ta, carrejaran : Carvalho & Nogueira 214 Born-
eas com 27,868 kilos de assucar branen.
No patache americano F. H. Jammgs, para.
o Rio da fVata, earregaram : P. Carneiro h C
400 barricas com 48,243 kios de assucar braacc.
Para os portos do iutenor.
No brigne naeional KfcforM,. paro o Para,
carregon : J. J. Goncalves Beltrao 435 bamcis
com 33,429 kilos de assucar tranco.
RECEBEDORIA DE REHDAS INTERNAS
GERAES DE PERNAMBUCO.
Reudimento do dia 1 a 17. 33:730*4)*
dem ao dia 18...... 5171060
L
Oescarregum boje 10 da janho ie 1871
Escuna norte allemaaJfaraarffa varios g-
neros.
Brigae portogaez Trtumphoidem,
CAPATAZIA DA ALFANDEGA j
ReD?.immo do mt+i7. 4:ilj900!
#
33.247S6K
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do dia 1 a 17. ttM:33S*l6
dem do dia 18...... i***:!
it8:i*ta0:j7
MOVIMENTO DO PORTO.
Navios entrados no dia 18.
Rio Grande do Sul19 dia, patacho bra-
sileiro Sakejmedes, de i-M lsela das, ci-
pito Lcciano Francisco Monleiro JoDior,
eqoipagem 10, carga 13,0(0 arrobas de
carne ; Rezende 4 C.
Rio Graode do Sul18 dias, barca porto-
gueza Nova Marianna, de 303 tooela-
das, capitao Jos Thomaz da Costa, etjci-
pagem 12, carga 12,000 arrobas de caree
e 4,000 de gorduras; Olivira Fi-
lhos & G.
Porto29 dbs, brigue portognez Trium-
pho, de 270 toneladas, capit53 Marjoel
Francisco Villar, equipagem 12, carga vi
nhos e outros gneros; So 1 res Pri-
mos.
iVtirios saludos no mesmo dia.
HavreBrigue franceza S. Pierre, capitao
RalQn, carga assucar e outros gneros.
Lisboa Escona portugoeza Aguia. capito
P. A. da Fonseca, carga assocar.
EDITAES.
O Illm. Sr. inspector da tbesoarana pr>vic-
cal, era camprimeoto da ordera lo Exra. Sr. vice-
presidente da provincia, do !. di correte mez,
manda fazer paalica que no da 19 de setemnro
prximo vindonro, peran e a junta da fazeoda i.w
raesraa thesourana, se ha Je arrematar a ojutm
por menos Bzr, a obra da canalisa^ao do rlacbo
Jordo e cambia da B)a-Viagera, na imponanca
de 16:8323 951 res, e sob as claosuUs espeeiit
abaixo transcriptas
As pessoas que se propozerem essa artera'.a-
qo, coraparegara na sala das sessdss da referiua
junta, no dia mencionado, pelo raeio dia, e compe-
tentemente habilitadas.
E para constar se mandn publicar o presece
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial la Per acta-
buco, 17 de janho de 1872.
O ofilcial-maior,
Miguel Affonso Ferreira.
Clausulas especiaes.
1." A obra da canaliajo do riacho lordo e
Camba da Boa-Viagem serao exeeutadas de con-
formidade com a planta e orcamento approvade
pelo Exm. Sr. presilente na importancia da......
16.882*931 ris.
2." O arrematante dar eomeco s obras no pra-
so de um mez, e as concluir no de 1 auno, ambos
contados da dala da approvaQo do contrato.
3,4 A importancia da arrematago sera dividu'a
em quatro prestac5es iguaes, sendo pi-ga cada
ama dVllas proporcao que o arrematante livor
exf cutado urna quarta pane da obra.
4.* Em tudo mais que nio se acha especificado
as presentes clausulas se observar o rege la-
mento de 31 de julho de 1866.
Conforme
Mignel Affonso Ferreira.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial manda fazer publico qne, em cumprimento de
ordem do Exm. Sr. presidenle da provincia, vai
novamente praca no dia 25 do corrente, o im-
posto de 2io00 ris por cabeca de gado vaccoui
consumido no municipio do Recife, pela quantia
de 80:000*000, offiresida pelo Sr. baro da Seie--
dade.
Os pretendeoles esta arrematago comparc-
can na sala das sessoes da junta da mesma lbs-
s'ouraria no dia cima indicado, pelo raeio dia,
competentemente habilitados.
Secretaria da ibesonraria provincial de Pernai-
buco, 17 de junho de 1872.
O offlcial maior, -
_____________Miguel Affonso Ferreira.______
O Illm. Sr. inspector da thesonraria provin-
cial, em cumprimento da ordem do Exm Sr- vice-
presidente da provincia, de 2 do corrente w~-
raanda fazer publieo qae vai oovameote praga
no dia 18 de jnlbo prximo vindonro, para tt ar-
rematada por quem por menos fteer, a obra do
rebaiamento da ladeira do Timb, na estrada da
Victoria, cujo orcamento leudo sido reconsiderado,
cou elevaioa 9:90011000, e sendo a arremata. to
feita sob as clausulas especiaes j annuoci.-id;'.
As pessoas qoe se propozerem a essa arrwr.:*
tagio -coraparegam na sala das sessdes da referida
junta, no dia cima mencionado, pelo ueio dia, e
competentemente habilitadas.
E para constar se mandn publicar o preste
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Pertam-
buco, 17 da jnnho de 1872.
O offlcial maior,
Miguel Affonso Ferreira.
Capitana do porto te Perur
bno 14 le Jiiuho de 48f
Em virtude da ordem de S. Exe. o Sr. desem-
bargador presidoate da provincia, mandaoBbB.
Sr. capito de mar e guerra e capitao do porto pu-
blicar para ciencia dos navegantes o edita! abai 10
transcripto,7
EDfTAL.
Capitana do porto.
De ordem de S- Exe. o Sr. presidente da pnv
vincla fago publico' para conhecbnento dos ture-
gantes, qae no da 2 tto corrente mei foi eoHoe;-
da no esclito fronteiro otaria de Val do (3es
urna boia de ferro para o indicar, a qoar"* d*fir-
ma de duaa pirmides cnicas troncadas, aaMtas'
lelas bases e pntalas de encarnado. A
boia est fondeada no distancia d* naa
mllba da trra, em 6, I metros d'atroa
mar, e 8, 7 na preamar em mares or
10 metros na preamar d'aguas vivas,
aos ramos verdadeiros dos pontos
193* 3(K*SO.da lorie da barra M SB.
S.-da i I ha nova, 120* SB. da poiu %,
Portim, e a 10" SR. do Fort do Caatt_
brabas ao mar da diu boia prosm-s* .iaa dtart
ordinarias em 13, 8 metras o fondo de-*as*.
Capitana do porto \r Para 7 do oaafla de
1872.Antonio Ernesto Laesanca e Camba, api-
olo do porto. Conforme o aeerelar*, Anoltao
Ta varas de Maeedo.
Esta cenforme.9 seereHrlo,
Oeoio de Aqaiio Peaiaca.

\
C

V

V
<



tfiri dt Peram>c* ~ Quilla Jeira 1 ^V^ljo & JWft
I ?*


I
O pT800Tlor .
Parssaaafciee eel
Are carros, carr
1871 qae Ihea ...
asurar gavei, a -eootar
eeatarasiladade da le o. 891, arl. 93,' para solici
*ruL*itoi<$mUn mmmtaw. as respectivas
. W 4a, reo^KKfed..us d#hi03 proveoiea-
*?* # Wo yjpfm cerutj de qae oio pagando
2
3
oviocial de
,do imposto
ixerdcio de
3 de 30 dias
da pohlicacao deste na
4ec|4
der-se-ha. a cobraoc jo-
dtciaSjsBte, rszefcdo pira rs publicar a relagao
dos devedore' *b|U o^raaaerata- -^
Seeeio do eontpei^A p tbisolrQa provincia
di 'arnambuco, le.|i|hj JUl.
raoTflscafT
Detfwbrtt
ora no tnptmo pvr cm+os, trtmtbns e
car-
roas.
c
a
Jos Sehftllo, catrogaf n. 3&7
Joio Jos de Sant'Asna, dem
310
Joaquim Salgado da C>sla
ttianea, idera o. 317
Jos de Seuaa, dem n. 320
Joae Jfctauio da Costa, dem
i. 335
# Paw
Bolelho, dem o.
*a Seuia,
Jos'
3
Jos Rodrigo**
ideas o. 369
Joaquim Pornand s da Costa,
idea d. 377
Joaqaisn Das, idera o. 378
Jornias Jus de Sonta, idem
o. 389
Jorge da Costa, dem n. 393
Joaqaire Gomes Ribiro dem
dem o 381
Joaqaim Pioto de Magalhes,
idea n. 386
Jos Bspiista da Molla, idera
n.390
Joaquim da Silva Haeieira,
idem n. 395
Joao de Carvalho Raposo,
idem o. 409
Jos Vieira Porp, idem n.
4(3
Jos Fernandas Lagos, idera
n. 415
Jojaioi de S.'zi Lamego,
idem n. 429
Joanoa de Jess Neves Qua.
resma narte, dem n.
430
J'*3 Goo5alv?s Lacas Lisboa,
idem n. i't9
J'jaqatra Feraandes da Ca-
uta, idem n. 455
Jos Pareira Duarte, idem n.
458
Joaquim Hara de Carvalbo,
idem a. 464
Jlo d* Silva Ferreira, dem
n. 473
Joo Antonio Bezerra d;
Mello, idem n. 475
Joaquim Francisco Carnei-
ro, idem n. 492
Jeronymo Bruno, idera n.
493
Jos_ Joaquim Coelho Bran-
dio, idam n. 503
Jos Francisco do Jasclmea-
to, dem o: 503
Joao Pareira "do Reg, idem
n.507
Jo3~do Carmo Feliciao'vdem
n.5I5
Joo Baptista da Costa, idem
n. 518
Joaquim Francisco da Silva,
idera n. 532
Jos Joaquim Pareira do3
Santos, idem o. 547
Jos Tavares Martins, idem
n. 557
Jo3 Joaquim Antero de Car-
valbo, idem n. 585
Jos da Paz, idera n 592
Jos L'borij da Franca, idera
tt. 602
loaquira do Barros, idem n.
611
J.'-.e Lop3s das NtV3, idera
n. 661
Jos Franciaeo de Sonta,
idera n. 673
Jos da Ruciia e Silva, idem
o. 676
Jorge Tasso, idem n. 679
Jos de MeJeiros, idera n.
664
Joio Stares He:panhol, idera
n.706
Jos* da Soaza Paiva. idem
Q.712
Joaquim Silvestre de Sonsa,
dem n. 720
Joao Botelho Viveiros, idem
n. 721
Jos Antonio Agosliubo dos
Reis, idera n. 72i
Jos da Souza Lopes, idera
o. 725
Joao Praacisco de A'buquer-
qae Maranho, idem d.
738
Jos Soares Coelho, idem n.
754
Jos Partir*, idera n. 76i
Jcao Hart* Alfonso Ferreira,
idem n. 766
Joj Francisco Goncaives
Orrara, idam n. 777
Jos Francisco Ferreira Ra-
bello, idem n. 781
Joao Auguito da Silva, idem
Q. 792
Jcaquim Rapbael da Cruz,
idera n. 798
Jos Roberto Galeno Coelho,
, idem n. 809
Jos Andr Milhet, idem n.
814
Jos Hilario Paes Brreto,
idem n 815
Jos Pereira da Cunha J-
nior, Idm n. 8
H rdeiros de Joao Jos da
Costa e Silva, idem n.
5 Jos Caetano da Silva, Idera
n. 250
Josepha Mara dos Prazeres
e Silva, carro particular de
4 rodas'o. 25
loaquira Antonio de Oliveira,
dem n. 29
Jlo Valeotim Vilella, idem
n.37
Joaqaim da Almeida P.nto,
idem o. 38
Dr. Joaquim Antonio Carnei-
ro da Cunba Miranda, idem
a. 62
Jos Jeronymo Monteiro,idem
Q.70
l)r. Jos Bernardo Galvo
Alcoforado, idem n. 101
Jos da Silva lardoso, idem
n. 108
Joaquim Ferreira dos Sanios
Goimbia Gdtmaries. idem
1.114
Joaquim Ignacio de Carvalbo
Mendoaga, de duat rodas
u. 9
Joaquim d*Awarapcao Qaei-
raz, idem n. 12
Joaquim Margues de Souza
Hallo, idem de aluguel de
i rodas n. 16
O mesrao, idem o, 27
Jos Nogueira, idem n. 21
O mesmo, idem u. 22
Jusna Francisco de Asis,
dem o. 12
O mesmo, dem n. 81
O toesmo, idem n. 113 n i *
O mesmo, idem n. 123
O 06*00, Meo- particular
d* 2 radas n. 13
Joaqwo Peraaadts da Boa,
arroda alogualde 4ro-
O mesmo ideo n. 30
O sesmo, idem n. 77
O mesmo, idem d. 78
O mesmo, Idem n. 79
O mesmo, carnea n. til
I
61
6J
6*
6#
6
6i
6*
65
64
6
6
6i
6i

540
540
540
540
540
540
5i
540
510
540
540
540
540
6 540
6
6*
6/
6*
61
540
540
540
540
5i0
s
2
6J540
6o40
6*510
6/540
6/540
64540
44540
64540
645i4
64540
645 40
64540
64540
64540
64540
64540
64540
64540
64 540
64 540 64540
64 540 64540
64 340 64340
64 540 64540
04 540 64340
64 540 64540
64 540 64540
64 540 64540
64 540 64540
64 540 "64340
64 540 64540
64 540 64540
64 540 64540
64 540 64540
64 540 64340
64 540 64340
64
64
540
340
64 540
64 540
64
64
64
540
540
540
540
Jos Ignacio Borges, carro
da altguel de 4 roda o.
3
O mesmo, Idem d. 32
0 mesmo, idem n. 99
Jos Francisco dos SanLos,
. idem n 67
Joaquim JuqVhi Sanios J-
nior, idem n. 67
O mesmo, idam n. 68
O mesmo, idem a. 69
^Joao Baptista Noraenaa?,
Mem o. 86
O mismo, tierna.. 87
0 mesmo, idem d. 90
Joao Fetippe da Costa, idom
n. 1*8
O mesmo, idem n. 130
Jos Duarte Silveira, idem 0.
10
O mesmo, idem n. 62
O masmo, idem n. 63
O mesmo, idem n. 64
O mesmo, idem n. 109
O mesOo, carroca n.617 .
Jos Pialo Tavares Jnior,
mnibus n. 7
0 mesmo, Idem n. 8
Dr. Kiog, carro particular
de 4 rodas n. 44
Luiz Jos de Carvalb), car-
roca n. 3!
La -Antonio da Roebs, idem
Sl9
Loureoao Ernesto, idem n.
121
Luiz Pereira Raposo, idem
n. 139
Lniz Migml d'Oliveira, idem
0.146
Lniz Jos Monteiro. idem n.
169
Lanrentino Pinto d'Almeida,
64540 idem n. 199
O mesmo, idem o. 295
Luiz Jos de Magatbes.idern
n. 206
Luiz Gomes d'Axevedo, idem
o. 235
Luiz 6oocalves da Costa,
idem n. 267
O mesmo, idam n. 353
Herdeiros de Lniz Antonio*'
Annes Jacome Pires, idem
n. 271
Os mesmos, idem n. 886
Liao Francisco Gomes, dem
n. 290
Lino Beutode Sonza Bran-
dio, idem o, 412
64340|Leonardo Antonio do Espi-
rite-Santo, idem o. 510*
Lnfo. Jos Pfereira Gusmac,
idemth 543
Luiz d'Anrwla Mddolros.idem
K 642
LnizYweotrPinlo, idem o.
696
O mesmo, idem n. 697
O mesmo, idera n. 703
Laurentino Sanlysgo, idem
n. 708
Dr. Luiz Lopes, Castello-
Branco, carro particular
de 4 rodas n. 80 1
Manoel Tavares Correia, car-
roca n. 46
0 mesmo, idera n. 118
Mara Gongalves da Costa,
idera n. 340
A mesma, idem n. 349
Manoel Coeiho, Idera n. 364
O mesrao, idem n. 489
O mesmo, idem n. 494
Manoel Atonio Bellrao, idera
n.515
0 mesmo, idem n. 516
Manoe! d>> Sonza Tavares,
idem 337
O mesrao, idera n. 593
Manoel Jos Ferreira Gat-
maraes, dem n. 230
O mesmo, idera n. 315
M moel Jos Moreira, dem o.
363
0 mesmo. idem o. 627
Manuel Gon-alves da Cunha.
idem n. 474
O mesmo, idera o. 354
Mara Cardoso da Conceicao,
idem o. 342
A mesma, idera n. 606
Manoel Jos Carneiro, idera
n.5
Manoel Civilcinta de Helio,
idera o. 44
6450
OJSoiO
64540
643 iO
64340
I
64540
64540
64340
64 540 64540
64 540 64340
65
64
540
540
64 540
64 540
64 540
64510
64340
64540
64540
64540
304 34700 301 21700 304 24700 984160
304 700 3)4703
304 2*2*0 304 14700 304 24700
904 247.1 304 24700 304 24700 984100
30# 24700 304 24700 654400
104 24700 304 24700 304 2*70Q 64 840 1704040
254 24250 254 14250 544500
164 14440 174440
64 540 64540
** 540 64540
64 540 64540
64 540 64540
64 540 64540
64 540 64j40
64 64 540 540 134080
4 540 64510
0-5 540 64540
63 64 540 540 134080
64 64 540 540 134080
64 540 64340
64 540 64540
64 540 64540
64 540 6540
64 540 64340
64 64 65 540 540 540 194620
64 540 64340
164 4440 174140
64 64 540 540 194080
64 64 64 64 64 540 540 134080 540 540 540 194620
64 64 540 540 134080
64 64 540 ,540 134080
64 64 540 540 134080
64 64 340 | 540 13.4080
64 64 540 340 134080
64 64 340 540 134080
64 540 64540
64 540 64540
prximo vindouro, pirante a juma da latela
desta rbesoorsria, se levar i preglo, para le/
arrematada por qnera por menos User, a obra o
5* laneo da estrada deHurrbees, oreada era
19:2304, e sub as clausulas especiaos abaixo de
claradas :
As pessoas que se propozerem t essa arremata-
cao cemsaraaam oa asa das sessdas da referida
ja ola, no dia cima oe otoado, pelo toeio da, e
corapetenlementa habilitadas. frJwwQ
E para constar se mandn publicar o presente
pele jornal.
Secretarla da theennraria provincial de Peroam-
buco, 6 da junno de 1871
O oScial-maior
JUgael Affoaso Ferreira.
Clausulas eepeeiaes.
As obras do 5 laaco da estrada da ramifica-
ra de Munbeea serie eiecatidas de confarmida-
de com a respectiva planta e orcamento 00 valor
Je 19:2504.
2-' O arrematante dar comega as obras no pra-
0 de ura mea e as concluir 00 da oito, arabo:
contados da data do contrato.
3* A importancia do contrato sar paga ea qna-
tro prestaces igaaes, correspoodendo cada ama
a 4* parte da obra total.
4* Era judo mais que nao vai especificado oas
presentes clausulas se observar o rotoJameoto da
repartilo das obras publica?. Conforme
Miguel Alfonso Ferreira.
Casa terrea n
J dem n. 99 .
dem o. 89 .
Idam o. 96 ,
Uem n. 106i
dem-.o. 104.
Idam n. WO.
O Illm. Sr diraitor geral nterin manda pu
blicir o artigo 2'J 7 do regalamento interno de
30 de jal rao de 1859, abaixo transcripto, caja ob-
servancia recommeoda aos protssaores pnbHcos,
afira de evitar qua contimera .a (azar ch.-gir
presilencia da provincia requerfOentos seo ser
por intermedio da directora geral, como precei-
tua o dito artigo.
Secretaria da instrncRlo publica de Pernambu
o 15 de junho de 1872.
O secretario,
AareHaao A. P. de Carvalbo.
Regiment interno para as escolas publicas de
instrncjSo primaria desta provincia, organisado
era virtude do 7 do art 3 da lei n. 369 de 14
de nraio de 1855.
Ar. 2. O professor publico nao pode :
7* Requerer llcenca oa drrrgir qaalqaer re-
(uerimeoto ao presidente da provincia sem ser
por intermedio do director geral, devendo o reque-
rmenlo ser informado palo delegado e documen-
tado guando isso for necesario. O requarimento
subir directamente presidencia quando conti-
ver queixa contra o proprio director feral.
Coiifjrme.--0 secretario,
_____________Aoreliano A. P. de Carvalbo.
O Iilm. Sr. iuspecior da tbesourana provin-
cial, em cumprmemo da ordena do Exm. Sr. vice-
presidente da provincia de 27 de maio oltimo,
maoda fazer publico que no dia 5 de setembro
prximo vindouro, perante a junta da fazenda da
mema tbesouraria, se levar preglo, para ser
arrematada por quem por menos fizer, a obra do
4* lanco da estrada de Huribeca, oreada em
14:1904, e sob as clausulas especiaes abaixo de-
claradas :
As pessoas que se propozerem a essa arrema
laclo comparecen) na sala das sessSes da referida
jaula, no dia cima mencionado, pelo meio dia, e
competentemente habilitadas.
E para constar se mandn publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da tbesouraria provincial de Per-
nambu^o 6 da junho de 1872.
O ofllial maior,
Higuel Alfonso Ferreira.
Clausulas especiaes.
1* A? obras do 4 lan?o da estrada de Mnribeca
na importancia de 14:1904, serao exhaladas de
conformidade com o ornamento e planta apprsva
da palo presidente da provincia.
2* O arrematante dar principio as obras no
praso da um mez e as concluir no de oito mezes.
3" Os pagamentos serlo effeeluados em qualro
prestares iguaes, correspoodendo cada nma ?
4" pane da obra execatada.
4* Era tudo mais que nao vaf e-pciSca-io se-
gair-se ba o que dispee o regalamento de 31 de
jalho de 1866.
Conforme
M. A. Ferreira.
_ Roa de S. Jorge.
Mt terrea 103. f r j?, ^ *.. 5O61000
Sfbrado de um addat 0. W. 2:0004000
Ra*r4fcug.
Sobrado de tieaanJares n. 3. 1:9004000
, t Raa Jarga do Rosarlo.
Tereeiro andar, n. 24 A 1 .
TercolQ andar n. 24......
rtTRQIQNip DO^ORPUAOS.
n : mRim de S. Gonzalo;
Casa arrea n. 9 4.. .
Roa do Rosario da. Boa Vista.
Casa terrea o. .58. .. 7\
nua de S. Jo
101. .
Jorge.
2444000
2414000
2174000
3014000
;
........

2064000
3504OOO
27iOOO
79O00
O54O0O
21|000
2034000
'. '. '. '.
Ra de Ran'gel.
Casa terrea n. 56-......4014000
Sitio do Porte......... 184000
Os prfitendente3 deverlo apresentar no acto- ih
anemataclo as suas fiaojas, oa comparecerea
tcompanhado3 dos rOpecvos fladorss.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Ii
;ife, 31 de mato flq 872.
O escrivo,
___________PcdroRodriqugs de Souza.
Pela thesouraria provincial se faz publico que
loi transferida para o dia 20 do correte a arre-
matagao d ImpoMo de 60 rt. por litro da agur-
denla consumida na comarca de Nazareth, avaha-
do aoonalmeate em 4504000.
Seereiariaaatbesouraria provincial de Pernam-
buco, 14 da jembo de 187.
O offlcial-maior
_______________Mgqel_ ABunso Ferreira.
anta casa da misericordia do
RECIPE
A janla administrativa da Santa Casa da Mi
sericoriia do Reca precisa contratar o forneci-
mento de pi, bolacha e a3sucar qae hoaverem de
coniomir og estabelecimeotos pios a sea cargo,
m trimes;re de julho a setembro ds correte an-
uo. Receba proposta na sala de suas sessSes pe-
las 3 horas da Urde do dia 20 do correte.
Secretaria da Santa Casa da Hisericordia do
Recife. 14 de juoho d3 1872.
O escrivo,
_______ Pedro Rodrigues de Souza.
64 540 04340
64340
64340
6540
64340
64510
64340
65340
64540
64 64 540 340
64 540
6.5 310
64 540
04 540
64 540
64 540
64 540 64540
64 540 64340
64 540 64340
64 540 64540
64 540 64540
164 14440 174440
164 14440 174440
164 14440 174440
164 14440 174440
164 UUO 174440
I64 14440 174440
164 14440 1740
164 14440 174440
O Dr. Francisco da Oliveira Haciei, juiz de direito
privativo de orphos do termo do Recifo, por
S. M. o Imperad >r, a quem Deus guarda etc.
Fago saber aos que o presente ediul vircm, que
por este jateo vai ser arrematada por venda
quem mais der, em daas Dragas, o bem seguate :
Uraa casa terrea de pedra e cal sita na ra das
Caiga das n. 62 cora 18 palmos de frente e 57 de
fundo com ura pequea quintal em terreno pro-
proprio, avaliada por 1:5004000, a qaal vai pra-
ga a requeriraento de Miguel Bonifacio Alves Fer-
reira, inventarame das bens de sea flnaio irralo
Pedro Francisco Alves Ferreira.
E para que chegae ao conheciraento de todos,
mandei passar o presente, que ser publicado e
aflixado nos luc-.res do costuue.
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
nambucD, aos 14 de jonho de 1872.
Eu, Hyppoiilo da Silva, escrivo, o sabscrev.
Francisco de Assts ik Olivira laciel.
Ao sello 300 reas. V. S. S, excaasa.Oliveira
Maciel.
Etava a estarapilhade 200 ris competente-
manta inntilisada. Recita, 18 de junho da 1872.
Hyppolito da Silva.
A tbesouraria provincial contracta o forne-1
cimento dos objectos precisos para o expediente
das reparlic3e3 provinciaes no exercicio de 1872
a 1873.
O contrato ser feto no dia 20 de junho ao
meio dia, perante a janla da mesma thesoararia.
A licitaglo ser fea em fracgSas ceatielmaes
da Importancia total dos obje;tos foroecldos se-
gaodo os pregos do orgamemo, os qaaes os coa-
correotes encontrarlo na secretaria da me^ma
tbesouraria para examinar, assira como as con-
dig3es cora que deve ser effectuado o contracto.
Secretaria da thesoararia provincial de Pernam-
buco, 14 de maio de 1872.
O offl:ial maior,
Miguel Affni F-rr!rn.
O r. Luiz Ferreira Maciai Pinneiro, juiz suns-
tiimo do juizo especial do comraercio nesta ci-
dade do Recife de Pernambuco, per S. M. o Ira-
P rador, etc.
Fago sabar aos que o prsenle edilal virem e
delle noticia liverera, que no dia 11 de jalao do
corrtrjto anno se ha de arrematar por venda em
praga publica daste juizo, depois da respectiva au-
diencia, dous terrenos seguales :
Um terreno na ra de S. Miguel, freguezia dos
Afogados, o qual tem qaarenta palmos de frente
para o puente e cento e cincoenta palmos de fun-
do para o nancete, entra duas casas, tendo na
frente do dito terreno*ura p de oitizeiro, avaliado
por 3OO4OOO.
Ura terreno com 22 palmos de frente e 123 de
fundo, oceupado com ama casa do ura andar,
perlencente a ootrem, na freguezia da Baa-Vista,
ra de Gervasio Pires o. 63, lado do puente, oa-
tr'ora com a naraerago de 80 e deoomioacJo de
raa dos Pires, divide pelo norte com a casa de
Antonio Rodrigues Pinto e pelef sal com a casa
de D. Mara das Neves de Miranda, avaliado per
2004000.
Os quaes lorara panhorados por exjugao de
Joaaoim Clemente dos Santos contra D. Rita Fran-
cisca da Carvalho Paes de Andrade.
E nlo h 1 vea Jo langador que cubra o prego da
valiago arreroatagao ser feita pelo prego da
adjudicaglo oa forma da lei.
E para que cheque ao-conhecimento de todos
mandei passar o presente qqe ser publicado
pela imprensa e afflxado nos lagares do cosiume.
Cidade do Recife de Pernambuco, 14 deiunho de
1872.
Ea, Secaadiao II liodoro da Caoba, escreveote
jurameatado n escrevi.
Eu Maaoel fiaria Rodrigues do Nacimento, es-
crivo o sabscrev.
Recife, 15 dejnnbo de 1872.
Luiz Ferreira Mnciel Pinlteiro.
OECLARACOES.
164 14440 174440
104 900 104900
104 900 104900
304- 24700
304 24700 654400
304 24700
304 14700 634400
304 24700
304 24700
30)4 24700
304 24700
104 9001414700
304 24700
304 14760
304 24700
304 14700
304 14700
64 W) 17O4O0
'Illm. Sr. inspeciur ua wsjuiaii* p.uviuoid
ara enraprimeoto da ordera do Exra Sr. viee-pre-
sideote da provincia de 7 de corrate, manda fa-
zer publico qae vai novaraente a praga 00 da 8
de agosto prximo vindouro, para ser arrematada
a quera por meaos fizer a obra do segundo laogo
da estrada de Uaa a Capoeiras, orgada em.....
22:0004000 e sob as clausulas abaixo copiadas.
As pessoas qae sa propozerem a essa arremata-
dlo comparegam oa sala das sessd93 da referida
jauta 00 dia cima mencionado, pelo meio dia e
competentemaote habilitadas.
E para constar se maodon pnplicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da thesoararia provincial de Peroam-
buco, 10 de maio de 1872.
O offi;ial-maior,
Miguel Aflamo Ferreira.
Clausulas especiaef.
1.' *
O segundo lango da estrada de Uda a Capoeiras
de 2202,90 metros de exteoglo oa importancia de
22:0004000 ser execatado da conformidade com
o respectivo oreameoto e desanos junto, appro-
vados pelo presidente da provincia e iostroccao
do eogeoheiro eocarregado da fiscalisagao dos ira*
balhos.
2."
O arrematante dar comego aos trabalhos no
praxo de trila dias, e oa concluir 00 de dezoito
mezas, contados ambos da data do contrato.
3.
O trabalbo ser execatado a partir dos dous
pontos extremos para o oeotro.
*
Os pagamentos sero feifos em seis prestagSes
iguaes, correspondente cada ama a nm sexto da
importancia total, quando os trabalhos execatados
correspoaderem a assa quaoiia.
Em todo o mais qae aqai nao vai eipeciocado,
segnir-ae-lo o qae a respailo dispos o regalamen-
to :a,3i do jalho de 1446.
Conforme,
Miguel Affonto Ftrreira.
a O Illm. Sr. inspector da ibeieoraria previo-
dal, em enmprimeoto da ordera do Exra. Sr. vice-
presidente da provincia de 17 da maio nltimo,
mana fuer public que ao dia 3 de setembro
O administrador da recebedoria de
rendas internas geraes faz publico que
oeste crtente mez de junho que os donos
de escravos residentes n >s limites trados
para a matricula no actual quinqoennio de
18681873 devem dar os qua tiverem ad-
querido de julho do anno prximo passad)
at a presente, e reqoerer a eliminacao dos
que deixiram de possuir por veada, liberda-
de ou bito, visto que' matricula que se
esl procedendo em virtude do regalamento
qae acompanhoa o decreto n. &835 de 1 de
dezemiro de 1871, pira execacjlo do artigo
8o da lei 2040 de 28 de setembro do mes-
mo anno, o5o dispensa da matricula a qae
est5o snjeit;S os escravos dos senhore3
cima mencionados em virtude- do regala-
mento n. 4129 de 28 de mar?o de 868;
por quanto cada orna das referidas matrica-
as produz seas devidas effeitos, indepen-
dente ama da outra: assim qae incorrerao
oas maltas d'uta e oatro regalamento os
qpe os infringirem.
Recebedoria de Pernambuco 14 deiunho
de 1872.
Manoel Carnein de Souza Lacerda.
SANTA CASA DA MISERICORDIA DO RECIPE
A Illm, junta admiaistratva da Saota Casa de
Misericordia do Recife. maoda fazer publico que
na sala de suas sessoea, no dia 20 do mex de
junho pelas 3 horas ^.rde, tem de ser arrema-
tados a quera mais vaniagens offerecer, pelo
lempo de um a tres anooa, as rendas des predios,
am seguida declarados. JQH
ESTABELEaMENTOS DE CARIDADE.
Raa do Padre Ploriano,
COI'AliA
DO
BEBERIBE
O caixa desta companhia, o Sr. Cbrbini-
no d'Aqnino Fonseca, est autorisadj a pa-
gar no seu escriptoio, ra do Vigario n. 19,
das 10 horas s 3 da larde, o 48 dividen-
do desta companhia na proporgau de 2,$000
por cada ac?o : previnindo-se aos Srs. ac
cionistas que o pagamento ser feito em moe-
da de cobre que na especie que o mesmo
Sr. caixa recebe dos arrematantes dos cha-
farizes.
Escriptorio da companhia do Beberibe,
13 dejunho de 1872
O secretario,
Jos Honorio B. Menezes.
COHPAMIIA
Casa terrea 0. 43,.
ISlJhOO
dem o. 48 ....-..,,. 1614OOO
Travesa de 8. Jos*.
Casa terrea n. 7 ....... .
Roa das Calcadas.
Cssa terrea o. 32. ..... ,
Travessa de 8, Pedro.
Sobrado de 2 andaras 0.1. ... .
Roa de Farol.
Casa terrea 0. 72. ..,..,.
Ra do Sr. Bom lesas das Crioulas
Casa terrea n. 8,.......24240060
ti Cordoau.
Casa terrea n. 3........, 6004000
Roa da Soledade. *^
Gasa iotm n, 7*. .. >. A A t 964000
1624000
1334000
6044000
1814000
No dia 20 do correte pelas li horas do
diater logar impreterivelmente no escrip-
toio da companhia, ra do Cabag n. 16,
a arrematagUo dos chafarizes e bicas por
bairros, n5o se admi'tindo propostas que
comprehendam mais de um bairro e nem
por esparto maior de um anno.
Os Srs. licitantes podem comparecer com
seus fiadores ou declararlo dos mesmos no
mencionado dia, devendo ser as propostas
em carta fechada, ou antes no escriptorio,
onde melhor podero info'mar-se das con-
dices do contracto d'arremataco. Decla-
ra-se aos Srs. licitantes que o pagamento
ser feito em cdulas.
BAZES SOBRE AS QUAES SE DEVE
LAPff/tR.
Bairro do Recife,
Chafariz e bica do Caes da ra do^Apollo.
Dito da ra da Cruz.
Dito e bica do Forte do Mallos.
Dito da ra do B: um.
19:600(5000
Bairro de Santo Antonio.
Chafariz do Largo do Carmo.
Dito do Largo da Pedro II.
Dito do Largo do Paraizo.
Dito da roa do Sol.
Dito da ra da Concordia.
24:205*000
Bairro de S Jos.
Chafariz do LirgO da Ribeira.
Dito da roa de N S. do Terco.
Dito da raa Imperial.
Dito da entrada da Cabanga.
Dito do largo de N. S. da Paz de Afoga-
dos.
25:6510000
Bairro da Boa-Vista.
Chafariz e bica do Caes do Capibaribe.
Dito da raa d'Aurora.
Dito da cidade nova de Santo Aaaro.
Dito do largo do Campo-Verde.
Dito do largo da Soledade.
Dito da caixa d'agua dos Pires.
Dito da Praca do Conde d'fio.
Dito da ra de S. Gonzalo.
19:500J0OO
Passagein da Magdalena.
CbafarizdolargodoViveiro 1005120
Dito da entre duas pontes 300?120
4005240
Capunga.
Chafariz da roa das Pernambucanas.
251fJ000v
Monteiro.
Chafariz dessa povoacfo 15I->00O
Appucfc.
Chafariz dessa povoaejo. 125*000
Escriptorio da companhia do Beberibe 13
de junbo d 1872.
O secretario,
Jos Honorio B. de Menezes.
SANTA CASA DA MiSUMCORDIA DO
RECIFE.
Fornecimento d* 30:0005000 ananaes.
A janla adminiilrativa da Santa Casa da Mise-
ricordia do Recife, precisa contratar o forneci-
mento dos gneros abaixo declarados, qae teem
de coosamir todos as estabeieciaieolos pios a sea
carga, inclusive- Atyto te Mendacidade no tri-
mestre de julho a setembro da correntj anuo.
Recebe propostas para isto na sala das sais ses-
sdes pelas 3 horas da tarde do dia 10 do corren-
te :
Aletria, kilogratnoao. *a satac
Axaite dooa,litfO.
gmardeaate, ideas.
acalMo, biUframmo.
aoka de powo, idea.
atalas, idam,
hyson, dem.
Ni pi, data.
L
pTroe sesea, idem.
Cebotey canto.
FariuW de Baodioca, kilo^rammo.
Fejao rnnanho, I tro.
Pareilo, sacro.
GatL lata.
Milbo, sacco.
Maoteiga franceia, kilogramm?.
rotassa, dem,
snc, idem.
Sai. litro. ,
apioca, idera.
bocioDo, kilogrammo.
Velas de carnauba, idem
Velas stearioas, idera.
Vloagre, litro,
Vinho tinto de Lisboa, idem.
Dito.braoco, idem.
Secreiaria da Santa' Casa da Misericordia do
Recife, ib de junbo de 1072,
O eserivao,
'__________ Pedro Radrigaea de Sonza
Consulado provincial.
Por esta repartigo atisa-se aos respecUvoi
:uninbuinies qae cometa 00 1* do mea prximo
vio do oro a correr o praso legal para o recato
cnepfo sem dependencia de multa dos impostos da
deiraa tarbaba, "5 Ojo sobre rerdimento dos pre-
dios de corporagoes de mi mona, e 60 rs. por
litro de aguardea(e, relativos ao 2* semestre do
aooe floanceiraeorrente de 187172, iccorreodo
na mulla de 6 0;o aquellos qae nao realisarem
essepagaraento dentro do mesma.
Consulado provrociaf, 23 de maio de 1872.
O administrador,
A. C Machado Ros.
da regrrrcnf
La filie
Grande dnetu da opera de Dobj
por MI le. I.APOURCADE e o bsneflaado,
Brilbanle mierraedio de canconatas e daasa.
L'Homme
S'ai pas parfalt
Comedia vaudefilleem 1 etb.f
III le. Isfu urca/le
desempenbara pela primara? vfcB' fan^eljla Mag-
dalena.
Os demais se-lo-ho por Mri. H jjbaio, Cbaatal,
llalbleib e Mu. Ziu. r, c *, .
- Pritreprara a+^L
pepois do espectculo havera tren para Api-
pucos,

fel 'tnesouraria proviooial se faz publico
qae fl a. transferida-para o da 27 do coi rente a
arrematacao da obra da ponte do Caxito, na es-
trada de NS. do O'.
Secetaria da thesoararia provincial ds Pernam-
buco, 11 de junbo de lt72.
O offlcial-maior,
Mioel Affinso Ferreira.
SANTA CASA DA MISERICORDIA DO
RECIFE. ^
A junta administrativa da Santa Ca-a da Mise-
ricordia do Recife precisa contratar o fornecimen-
to da earne verde qa9 bonver de coosumir 03 es-
tabelecimeotos pios a seo cargo, 00 trimestre de
julho a se.emuro do correle anno. Recebe pro-
postas na sala das suas sessdes pelas 3 horas da
tarde do dia 20 do corrente.
Seorataria da Santa Casa da Misericordia do
Recite, li do jonho de 1872.
O escrivo,
_________________Pedro Rodrigues de Sonza
Iaspee$ad de aaude publica de
Pernambuco.
Por ordem do Sr. inspector de saade publica
Dr. Pedro de Attahyde Lobo Mosc so, faz-se pu
blico que, teodo elle procedido ao exameMetermi
nado oo artigo 57 do regalamento de 29 de se-
tembro de 1851 na pharmacia sita raa do Bara
da Victoria n. 30, achou-a provida de substancias
medicinaes novas e da melhor qualidale, e dos
apparelhos ex;gidos na tabella approvada por avi-
so de 7 de outubro de 18'iJ.
O escrevente,
Jos Eduardo de Souza Landin.
AVISW WARtTlWOS
tOTlP.iMIIl
Bes portos do sol estacado
al o dia 22 di correal* am
dos Vapores da Oumpaiha, o-qaal
depets da demora de costumt.
sfjuir para o portos o norte.
Eocommerids p^raeno rslor, rn>sri' redida
e tambe ni rabeiro, repebem se at a 1 hora da
tarde do da da sabida do vapor.
As encmmennas viadas per est vapor serio
entregues at o dia da sahida do mesrao, a a-
criotorio da companhia, a>p ns dsse ttrmo serio
reeolbidas no trapiche do Dantas
Para f retes e passageiros trata-se na agencia
roa do Comraercio n. 8.
SANTA CASA DE MISERICORDIA DO
RECIFE.
Contrata a junta administrativa da Santa Casa,
oa sala das suas sesws pelas 3 horas da tarde
do dia 20 do correte, com quera por menor pre-
{) fizer o fornecimento dos medicamentos de que
precisar o hospal Pedro II, ao trimestre de julho
a setembro do corrente auno.
Os inieressados podero consultar o receituaro
oesta secretaria.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do Re-
cife, 14 de janho de 187i.
O escrivo,
Pedro Rodrigues de Souaz.
Juizo dos feitos da fdzendi?.
Sexta feira 28 do correte, depois da aaditncia
do Sr. Dr. juiz substituto da hienda, s II horas
do dia ir a prac por venda o seguinle :
A ca-a tefrea n. 10 da rui do Cuxo, em Olio
da, cora 20 palmos de frente, 56 de fundo. 2 salas,
2 quartos, enzinha dentro, quintal em abert), ava
liada em 300OGO rs. para pagamento da execa-
cao cootra a viuva e herdeirros de Miguel Custo-
todio Leal.
dem d. 22 da ladeira da Bies de S. Pedro, com
18 palmos de frente, ti de fundo, 2 salas, 2 quar-
tos, cozioba dentro, quiotal em aberto, avaliada
era 3O00O0, para pagamento da execuco coDtra
Prxedes da Silva Gu9mao, como snc:essor de
Joao Estevas da Silva.
Idera n. 286 e 288 da ra Imperial, teodo esta
18 palmos de frente, 31 de fundo, 2 salas, ora
quarto, cozraha fra, quintal em aberto, avallada
em 200OOO rs., e aquella 7 palmes de frente, 35
de fundo, 2 salas, quintal em aberto, eozinba in-
terna, avaliada em 300090, para pagamento do
qae devem os herdeiros de Amaro Antonio de
Parias.
Rcife, 18 de junho de 1872.
O solicitador da fazenda provincial,
______________ J. Firmino Correa de Aranjo.
A companhia de operarios militares do arse-
nal de guerra, precisa contratar para o semestre
do anno correte os segrales gneros :
Assncar de 2* sorte, arroz pilado, azeite doce,
baealbo, caff moido, carne vrrde, dita secca, fa-
rinha de mandioca da provincia, L-ijo, leoha,
maDteiga fraoceza, loucioho, vinagre, pes de 6
oo^as, ditos de 4 oncas.
As pessoas que quizerem foroecer os meoclo-
nados gneros que devem ser de boa qualidade,
aprsente foas propostas fechadas na secretaria
da dita cempanbia as 11 horas do dia 22 do cor-
rete mez.
Quartel da sobredita companhia oo arsenal de
guerra de Pernambaco, 18 de jjobo de 1872.
Joaqoira Manoel da Silva e S-
Tenent-a enmmandante.
iL
CORREIO GER
Helaco dos objectos registra-
dos existentes na admiuistra-
c do crrelo desta propia- i
cia, para as pessoas abaixo
declaradas:
Antonio Joaquim de Soato Lima, Antonio da
Silva Gasmo, Cesario M. Fraocisco dos Prazeres,
Dr. Francisco Amyntbas de Carvalho Moura, Her-
culano Alves da Silva, Henrique Deocleciano Ta-
vares, Justino Martyr Correia de Mello, Jos Peres
Campello de Almeida, Joo T. de Caxia, Joo Ma-
cado do Amaral, Joio Marinho Falco, Joo Pedro
liaptsta, Manoel Ignacio de Cerquera Leite, Ma-
aoel Mara de Saot Aooa P, Nicolao T. dos San-
tos, Pedro Paolo dos Santos, Remigio T. d Oli -
veira, Sebastian Antonio \. Lias W., Sebastin de
Magi Torquioio e Silva, Theodoro Maduro da Fon-
seca, Vicenta Ferreira Muoiz. .
Correio de Pernambuco 16 de junbo de 1872.
O encarregado do reg uro,
A. Gomes da Silva Ramos.
THEATRO
Rio Grande do Sol
Para o referido porto pretende seguir com bre-
vidade a barca portugoeza Anxini por ter oart*
da carga engajada, e para a que ihe falta trata-
se cara o consignatario Joaquim Jos Goocalves
Bel tifo, mi do Commercio d. 5.
~Ilha de a Miguel
Para o indicado porto spgue era poucos dias o
patacho portugoez Micktlenu | lera tres par-
les da carga engajada e para o resto que Ibe fal-
ta e passage^os tratase cora o* consignatarios
F-rrira de Almeida 4 C, a raa Madre e Dos a'
36, armazerd.
Paia o Uio (jcazudo do 8ul
Para osle porto preieode seguir com maiu
brevidale o brigje nacional Amtlia ; para o res-
to da carga qoo ihe falta ttau-se cora os seo
consignatarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedc
& C. ra do Boro Joans n. 57.
Para Lisboa
deve sahlr com mnita brevidade o logar porlogoea
Jul'o, tem a maior parte da ca;ga prorapta, epa-
ra o resto e passaaeiros trata se rom os ooo3igna-
tarios Thomaz de Ajumo Fonseca & C. Soccesso-
res ra do Vinario n. 19, 1" andar.
PAR
S lur em poacos dia^ o palbaho'.e p'nugu-?
Symptthia : para o reno da c?rga tiata-se cora
Pereira Vianna 4 C. na ra do Vigarna n. 11.
Baha.
O veleiro hiate nacioual Gmibaldi ,'gue para o
porte cima oestes dias cen a maior brevidade
possivel por, estar com parte uo carregamenla
prompto, e para o resto trata-se eom Tasso Irmaos
& C, ra do Araorim o. 37.
fort) i,or Lisooi
Paraos inticados portos pret-nle sah'r cora a
possivel brevidade a barca portngueza Ceres, na-
vio de Ia classe, par ter a maior parte de sea car-
regamento engajado, e para o que Ibe falta, que
recebe a frete coraraodo e passageiros, para os
quaes tjm acetados commodos, tratase com o
consignatario Joaquim J03 Gon^alves Beitro
roa do Commercio n. 50.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE.
Navegando costea por vapor.
Porto de Gallinhas, Rio Formoso e
Tamandar.
O vapor Parayba seguir pa-
ra os portos cima no dia 20 io
corrente ameia nonte.
Recebe carga, encommenda*.
passageiros e dineiro a frete at
as 2 horas da tarde : nj escriptorio do Forte do
Mattos n. 12.
Para o Porto
Depois de pouca demora cene porto dever se-
guir viagem com destino qnelle, a veleira barca
portngueza Imperial, tem grande parte de sea car-
regamenlo engajado ; e para o reato que Ibe falta
e passageiros, aos quaes ifferece muito booseom-
raodus, tratase cora Soares Primos raa do Vi-
ario n. 17.
Vai sahir em poucos dias a galera Nova /vihm
2." : para carga e pas.-agiroa m quaes offjrece
excellentes commodos, traa-se com Soares Primos,
ra do Vigario o. 17.
C0MPA\ni\ FRWCEZV
Quinla-feira 20 dejunho
Espectculo extraordinario em beneficio do
artista
com o concurso das Sras, Lafourcade, Leonie,
cantora cmica, Fuoco, Rachel, Zalla, a dos Srs.
Gauthier, Uurbaia, Ambroise e Chanta!.
O Sr. Colas dirigir a orchestra.
PROGRAMMA
Un Jeuae Homme Press
Extravagancia am 1 aeto, representada pelos
Srs. Hurbaio, Ambreise e o beneficiado.
Bnlbaote iotermedio
Ce femoies, fint sopprnter ca,
caotado pelo Sr. Ampifalat
Danca pela Sra. Fuoco.
Romanee pela Sra. Rachel.
Noal d'Adam
pelo Sr. Gauthier.
Taisez-vous Joseph!
por MiK. laeonie,
LEILAO
DE
MOVIS E LOUQA
A SABER
Urna mobilia de Jacaranda a Luiz XV com IK
eadeiras de guarni;o, ditas de bracos, 1 sof, 2
cousollos com lampo de pedra, 1 piano moderno, I
cadeira para o mesmo, 1 marqueta de Jacaranda,
t grande lustre de meio de sala com 1 braco de
sobresaleote, lavatorios de ferro, linternas, espe-
dios, qoadros, jarros, tapetes, cobertas de aram j
para comida, e outros muitos movis qae eri
anauaciados pelo jornal ia*.*to leilao.
HOJE
O agente Martins far leilao por dospacbo do
illm. Sr. Dr. juiz de orphos e a requerimento da
inventarame dos bens deixados pelo nnado Ma-
noel Lniz Goocalves, dos movis cima, existentes
oo V e 3a aodare3 do sobrado a. 48 da ra do
Imperador, as 11 horas do dia cima.
na
lindezas, perfumaras e ferra-
gens
HOJE
Joaquim Lopes Machado & C. farao leilao por
intervencao do agente Pinto, de u grande va
riado sorli ment de miadeaas, perfumaras e feria-
gens, existentes em seu armazem da travessa do
Corpo Sanio, onde ter lugar o leilao.
Principiar s 10 horas.
LEILAO
O agente Olivetra far ieilo pu intermedio de
Sen preposto Pinho Borges, e a requerimenlo 4w
rs. Monhard Mettler C, por autorisaco eem
presenca do Sr. cnsul 4* Belgioa. por conta e
risco de quem perteocer, de ama caixa marca M
M & C n. 24, cociendo 30 pepas da brim de iioho
de cores, avariadoa a bordo da rapar ioglez &*-
ient, de Liverpool, aqui ebegado no da 3 de abril
pagado. E na mesma occasiao veoder-i-na
mais 3i pecas do brim pardo cr $% pecas <
\
>


a"j>odie brauo por eonta e risco de qaem penen-
ctr. O leilio ter logir as 12 doras do di 10 d
rorrele a>t, n > eecriptorio do dito afelo, tito
a roe d-* Bom Jeso o. 53, i* lar (Mirn
Croa) E mi< dous ranto de eaiMolio.
/
Fazendas inglezas
Em cenclnso
HOJE.
f m corrate
Angosto C. de. Abre coocluira o sen leilio p
DWrv-ncao <* agente Pesuoa, de um esplendido
sortrmeoio de fasenda iogleus. todas proprias
do mercado; tic je qnarta-feira 18 do cor rente, as
11 horas da manba em pomo, em seu arinaiem
ama do Mrquez de Olioda.
LEILO
Un -mooilu de Jacaranda a Luiz XV, com muito
POMO nao, leodo 13 cadeiras de guaroijao, 2
<;u* de bracos, S ditas de balaneo, 1 sola e 2
randa com 1 frentes, 2 apparadores com podra,
1 par da serpentinas de erystal, 1 par de lanter-
nas, J pares de jarros, 1 cabide, 1 consollo com
nma armacao para grande espelho, 1 par de
veoexiaia, 1 jow de batatella, 1 apparelbo
donrado para almeno, caodieiros a gi, 1 toilet,
diversos qaadros, cadeiras de (aia, pedra de lil-
imt e mnitos ootro* objectos de goslo :
Hoje
Feto jente Martin?, no e 3 andares do so-
brado n. 48 da roa do Imperador, as 11 horas do
INSTITUTO ARCflEOLOGICO E 6E0GRAPH-
CO PERNAMB
llavera sessao ordinaria qutota feira 20
do correle j;nho. pelas i 1 horas da ma-
obla.
ORDEM DO DA
Io Pareceres e mais trabamos de commis-
srjei;
2* Palestra UUeriria;
Por esta secretaria se tai publico que o
Instituto Archeologico franqoeia o seo ar-
chivo e motea a qoaesqaer pessoas decentes
qoe os queiratn visitar em todos oa dias
otis, desde as 10 horas da manhU ate s
2 da tardo, conseondo qoe all te trasla-
dem qoaesqoer maoascriptoi oa wnpressos
de qao se liver aecesaidade.
Agradece cordealmeote aos cavalheiros oo
corporales qoe lUe offerecerem obras im-
pressas oo manuscriptas sobre qaalqaer
ramo dos coobecimentos humanos, especial-
mente sobre historia e geographia patria.
Compra a dioheiw eaaaa mesmas obras
oo manoscriptos, que existam em mos de
pessoas qoe as n3o queiram offerecer.
Obrga-se a mandar copiar a soa custa
qoaesqoer antigo dades de reconhecido io-
teresse, onde quer que ellas existam.
Secretaria do Insttoto, 17 de joobo de
1872.
J. S0ARES D'AZEVEDO,
Secretario perpetuo.
MOFINA
OlhaeEel
Ro*a-ea ao liba. 8r- lf**o *
arrtio na cidade de Nazare *-
taer de latan telmr "
iquelle nefodo (rae V. S.
sai, pela terceira chamiza MSiil, b flxu
la daxembro prximo UMUi^ym/idM paral
Miro, paaeou a (everetro abriL e nal* cumpa
a por esta naotvo dn aovo chamado para dile
ttm : pola V. S. se deve Umbrar oo* ala negocie
i de asis da oito annoa, a quando o aanhor asa
Bho se achara no es nestt cidade_____________
Precisa-fe de urna eicrava, boa
eotiobeira e urna livre para en
gommar e faier o servigo intero
de casa de familia, paga-se bem : na roa da Gro'
do Reclfe n. 41, armazem, oa no Corredor do Bis
no n. 23. __________.. -,. .____________
Preewa-se de ama ama
preferindo-se escrava, para
casa de pequea familia, pa-
ma estreiu do Rosarle n. 32, ler-
Aluga-se
a easa terrea sita no povoado denominado Duarte
Coelho em Olioda, qne tem frente de azlelo com.
bastantes cornraodos para familia, tendo 3 salas, 7
qo artos, cosinha fra, casa para es en vos, galli-
nbeiro, cacimba, quintal murado e portao para o
fundo eom terreno al a camoda : i tratar com
Domingas Heorique Mafra, no mesmo logar.
MAS
ga-ee bem : oa
ceiro andar.
Precisa se de dnas amas,
sendo orna exclusivamente
para cozinhar e ontra para
servido interno de casa de pone* familia : na ra
yelha a. 28, sobrado.
^He*
Hal^
gomi
Precisa-se de urna ama pa
ra casa de familia de duas
pessoas, para cozinhar e en
tratar na roa Direita a. 3, 1* andar.
%>%*
Para familia peqaeaa e
pouco servlce : roa da Croa,
O. 4, armazem.
FOGO ARTIFICIAL
lo armazem do Vapor
Francos, roa do Ba-
rio da Victoria (on-
lrorarua\ova)o. 1.
Ao armazem do vapor
franecz. ra do Ba-
rio na victoria (on-
trora ra Kova)n.
Escrava
Presisa-se alagar ama ama escrava qoe saiba co-
sinhar e eogommar; tratase e paga-se bem; i roa
de Vigario n. 16,1* andar.
Leilo
Dr. K. Vianna
DA
Case terrea da roa do Visconde de Goyan-
na n- 163, edificada em ch5o pfoprio
Quintafeira 27 do correrite
A'S 11 t|2 HORAS DA MaNHA.
Por intervengo do agente Pinto._______
Leilo
no
S. brado de 3 andares e sollo da ra re Domin-
gos Uartins o. 138, ouir'ora Sonzalla Velba. edi-
ficada eco chao proprio, e com 2 armazens, o
goal loroa-se recommeodavel pelo sea bem ren-
iiimento.
OUJNTA-FEIRA 27 DO CORRENTE
;is 11 horas.
Por intervengo do agente Pinto.
Em sen escriptorio roa da Cruz n. 43.
DE
__dieo operador e parlelro, recen-
temente chegado da Europa, onde de-
dicou-se a cirurgia, partos e especial-
mente as molestias e operaeSes de vias
gento ourtnartas, tem o seu consulto-
rio a roa do Vigario n. 1, segando an-
dar, onde d consultas do li2 dia as 1
horas, gratis aos pobres.
Pode ser psocarado a qaalqaer hora
do dia oa da noute.
Roa do Vigario n. 1. 2 andar.

Dr. Maooel Eoedino Reg Vllenla
Medico
51Roa da Camba do Carmo-l
1* andar.
O Sr. Maooel Hodngues Pinto coa taberna
no Poco da Panella, qnetra ler a bondad* de ap-
parecer oo caes de Capibaribe o. 42 tratar de
oegocio qae nao Ignora. ________
Nos abalxo assignados declaramos ao publico e
principalmente ao corpo comnercial desta prara
oa fra della, qae wmpramos ao Sr. Julio Jos da
Costa a soa taberna sita ao largo do hospital Pedro
II n. 19. livre e desembaragada de qaalqaer debi-
to qae possa apparecer. Recife 15 de junho de
Almirante & Bencao.
AMA
Precisa-se de ama ama para cozinhar:
aa roa do Coiovello n. 129.
Precisase de urna ama para cozinhar e on-
tra para eogommar : oa roa do Corredor do His-
po o. 11.______________________________
AMA
Na roa das Trincbei-
ras n. 50, 1' andar, pre-
cisa-se de nma ama pa-
ra .comprar e cozinhar.
AMA
D. 53, armazem.
Precisa-se ama ama para co-
zlnbar em casa de homem soltel-
ro, i roa do Mrquez de Olioda
FOGO CHINEZ DE SALDES
Para os festejos de Santo Antonio e S. Joao
Chegon grande porcao destes lindas fognlnhos japoneze?, francezes, e allemie, da vistas
moito bonitos fabricados especialmente para meninos e senboras aullaren sem medo algnm de se-
ren offendidos, alm destes oguinhos, ha maita pistola, craveiro, fumas e rodiohas fabricadas no
pas por um dos mais afamados ariistas neste genero nesta cidade.
TRAQUES DA CHINA
Yende-se mais barato em calas
AMA
Precisa-se de urna ama para cozi-
nhar : no largo da Santa Crnz n. 10.
AMA
roa Velba n. 92.
Preciia-se de nma ama para
todo o servia interno e externo
de urna casa de poaca familia :
mmmmmmmmmm\
BALES AEROSTTICOS
I pequeos de 8 a 12 palmos de
K papel de seda, de cures maito
_ bellos e facis de soltarse.
GLOBOS de papel de cores
para illaminacdes e papis ar-
^, rendados proprios para enfei-
tar bolos.
SOTES FRA.NCEZAS, mui-
to interessan%e contendo alm
da leitora, novidades qne fa
zem realzar mais o dtverti-
raento as reunioes das neo-
tes de Santo Antonio e S. Joao.
LVAS DE PELLICA
branca e de cores para
bomens e senhora3.
LEQUES para senboras
e meninas.
BRINCOS e puleeiras de
ouro bom para senbo-
ras e meninas.
s
Ama de leite.
] caixa de calqado com avaha
O agente Martin? fara leilo per conta e risco
de qaem perteocer de 1 caixa com calcado.
QUINTA-FEIRA 20 DO CORRENTE
A'S II HORAS DA MANHA.
So armazem da ra do Imperador n. 48.
LEILO
Em continuacao
DE
Livros de direilo, historia, religio e lilte-
ratora
QUINTA-FEIRA 20 D3 CORRENTE.
O agente Martins far leilo de urna grande li-
vraria de direilo historia, religio e litteratura;
sendo algumas obras ricamente eucadernadas.
> As 11 horas do dia no armazem n, 48 da roa do
Imperador. ______________^^_^__
Tinturara, largo de S. Pedro
n. 6
Aniceto Correia Lopes com tinturarla cima
mencionada, avisa ao respeilavel publico desla ci-
dade, que se acha habilitado em sua industria
desempanhar em seas trabalhos o maior desvello,
asseio e presteza, que para isso tem as necessarias
instrucj5es tendentes segurancia de saas tintas,
pelo que j nao sao estranhos os saos trabamos.
Ao cerpo do ccmmercio se cfferece com agrado e
vontade de bem o servir era snas eneommendas,
tinge e lirapa com perfeigao, e tira o mofo de toda
e qualqner fazendi. e tambera de chapeo. O mes
mo previne a todos que deram fazendas tinturara
e que excederem do praso de tres mezes pelo con-
trato feito na guia que d e que declara isso, an-
da d mais o praso de cinco dias para a pessoa
procurar, e se porm nao o fizer ento ser ven-
dido o objeclo que constar da mesma guia para
real embolso de snas despesas, nao tendo mais
direito a reclamar o mesmo objecto. Finalmente
precisando este estabelecimento de urna mulher
para passar a ferro as fazendas tinturadas, pode,
aquella que se quizer prestar a esse trabalho, di-
rigirse mesma tinturara cima declarada, qne
se contratara indispeosavelmeote, dando-se bom
ordenado. ______
Leilao
DE
6 espelhos grandeso um fardo de lecido
de algodlo.
AVARIADOS
Scxta-feira21 do correte.
Ao meio dia
O agente Pinto levar leilo por autorisacao
do consnl de Franja, em presenQa de seu cbao-
celler e por conta e risco de quera perlencer,
fardo marca M & C. n. 1183, avariado a bordo do
vapor inglez Jurist, e duas caixas marca Dias ns.
115 e 116 cera espelhos de molduras douradas,
avariades a bordo do vapor inglez Student.
O leilo sera effestuado s 12 horas do dia ci-
ma dito,no escriptorio do referido {gente, ra do
1 m Jr--n- n. 43.
Fagio no fim do mez de novembro do anno de
1869, do engenho Gaita, sito oa comarca de Na-
zareth, a escrava Tbereza, de 30 annos de idade
pouco mais oa menos, com os sigaats segniates :
cor mulata bem clara, baixa e grossa do cor-
po, rosto redondo, olbos caslanbos e grandes, na-
riz um tanto chato, bocea grande, denles grandes
e cangallos, cabellas meios loaros e .caxeados
para as pontas, bracos e pernas grossas, pos car-
tos e grossos, com algumas cicatrizas de relho
as costas.
Igualmente est fgido desde o dia 26 de feve-
reiro do correte anoo o escravo erioulo de no-
me agostinho, de 40 annos de idade ponco mais
oa menos, e os signaes seguim.es: cor bem pre
ta, alto e grosso do corpo, resto redondo e car-
nado, o'bos pretos e grandes, naris cbato, boc
ca grande, beicos grossos, representando dons
beiQos do lado de cima, eom falta de denles na
frente, cabera comprida e calva de diaole para
traz, principiando a pintar tanto no cabello como
na barba, pernas floas, ps torios apalhetados,
eom nma cicatriz em um dos regeiios dos ps,
Este escravo foi comprado a Pedro Garca,
morador no sertao do Sabogy, e j fez nma .salu-
da com deslino ae serlo e foi preso em Bom
Jardim da comarca do Limoeiro.
Rogase a todas as autoridades policiaes, oa
mesmo pessoas particulares, que os prender e con-
duzr ao referido engenho Goit, a serem entre-
gues a seu senbor o major Christovao de Hol-
landa Cavalcante de Albnqnerque, ser por cada
am gratificado com 260*000 rs^________^_^_
Precisa-se
Praia o. 23.
de urna ama de leite : na na da
Ama de leite
Pre isa-se de ama ama de leite sem f.iho : na
roa do Gotovello o. 129. Na mesma casa precisi-
se de ama ama para cozinhar. _____
AMA
Precisa-se de ama ama para cozi-
nhar para duas pessoas : na ra de
Pedro Affonso o. 22.
Ama de leite
Anda precisa-se de nma ama de leite
leo do Livvramente n. 33, 2o an4ar.
opa-
AMA
Precisa-se de ama
e-crava : na roa do
83, 3 andar.
ama forra ou
Imperador n.
Calcado francez chegado de novo.
Moito boas botioas para homens, para senhoras, meninos e meninas.
Quinqnilharias e perfumaras
Brinquedos para crianca
Novos sortimentos de um sera numero deste artieo para entreter as enancas, ludo a presos
mais resumidos qae possivel, no armazem do Vapor Francez, ra do Baro da Victoria, outr'ora
Nova n. 7. ?
Precisa-se de ama ama que saiba cozinhar
com perfeicao para casa de familia : a tratar na
rna Duque de Casias o. 93. ________
Precisa-ee de urna ama
para coziohar para duas pes-
_ soas: oa ra larga do Rosa-
rio o. 31, loja, se dir quem precisa.
^m
A M A?
Precisase
roa estrella
andar.
de
do
nma ama : na
Rosario n. 10,
^^^
Precisa-se de urna para
tratar de enancas : roa da
Aorora ,n. 5 segn lo andar.
LOJA DE JOIAS
Esquina da rn do Cabuga
n. 11
Precisa-se de urna ama
livre oa escrava, qae seja
de boa conducta, para
andar com meninos : a
tratar na roa da Matriz
da Boa-vista o. 24, sobra-
do de um andar prximo ao deposito de pao Ha
monda.
AMA
TR1LHOS URBANOS
DO
Recife Olinda
e Beberibe.
A directora resolveodo recolber tolos os biibe-
tes qne se acham em circulaQo, convida aos se-
nhores possuidores virem troca-los por dioheiro
no escriptorio da companhia s segundas e sextas-
feiras, at r fim deste mez, das 10 s 12 hora9 da
raanba. Fiado este praso, os referidos bilbetes
sero aceitos smenle em pagamento de passageus.
Escriptorio da compaDhia 5 de junho
de 1872.
O 1" secretario,
Lanraatioo Jos de Miranda.
DE
20 pecas de estopa e differentes fazendas,
500 chapeos de chile, 200 ditos de ma-
nilha, 10 caixas com liobas ere ncvellos,
5 ditas enm linhas em carnteis.
SEXTAFEIRA 21 DE JUNHO
Por intervengo de agente Pinto, em seu escrip-
torio roa da Cruz o. 43.
O leilo principiar s 10 boras prrqne ao meio
dia haver um nutro em conlinnacjio.
JLKIIilO
(DE
Urna mol..lia Genoveza, 1 guarda-roupa, 1
lavatorio, 1 marqaeza e 1 mesa de
jofo.
SEXTAFEIRA 21 DO CORRENTE
A'S 11 HORAS
Por intervencao do agente Pinto.
Roa do Bom Jess n. 3.
LEILAO
DE
FAZEMDAS
AVARIADAS
SEXTA-FEIRA 21 DO CORRENTE.
A's 10 1|2 boras em ponto.
Por intervencao do agente Pinto.
Na roa do Rem Jess n. 43.
AVISOS DIVERSOS
GASA OA FORTUNA
Aos 5:0001
Bilbetes garantidos.
4 nuPrimeiro de Marco (oatr'ora mi do
Crenpo) n. 23 e casas do costme.
O abaixo assifnado, tendo vendido nos seus fe
HaaiiMBMtM nm ioteiro n. 788 eom 5:000j, dons
aeiot b. 2600 eom 300*000 e oulraa ansies
)O0 e JOJOOO da lotera qae se lea-
extrahir (!'), convida aos possojorei
i recebar na nfonnidade 4o eostume s em
laques.
ae venda o Uihates garantidos te
tes loteras, a beneficio da matriz de
ana sa extraUr na quarta-leira, 19
* mez.
PRECOS.
BUhete intairo 6*000
Maiobilbete 3*000
Quarto 1*500
Eos per0o te 100*000 para Urna.
BUhete Inteiro 5*600
Meio bilbete 5*750
Quarto 1*375
Masoal Martas Finia.
Refinadores
Casa de campo
Aluga se a do Exm. Sr. cooselbeiro Jos Rento
da Gunha Figueiredo em Ponte de cba, cuja
easa e sitio tem excellentes commodos, banhos encanamento da Companhia de Beberibe, e do rio
Capibaribe, mnitas arvores de froeto, estribara,
coebeira, e diversas aecommodacSes para pretos e
Feitor : a tratar no escriptorio do mesmo cooselbei
ro, roa do Imperador n. 57, das 10 horas da ma-
nha as 3 da tarde.__________________________
Declaro e fago publico que o Sr. Paulino
[lavares de Lyra (alfaiate), morador na ra das
Laraogeiras, levon do abaixo assignado, no dia 3
de maio prximo passado, uns palitots traques de
casimira de cor para fazer nelles um pequ'no
concert ; assim como 2*000 na mesma occasio
(pelo concert), e a: esta data anda nao me
foi entregue o dito fraque, e por isso deciaro que,
no caso de levar descaminho ou ertragar, o mes-
mo senhor ser responsavel pela importancia
d'ellej.
Recife, 18 de jnnho de 1872.
An/ono Thomaz da Silva Jnior.
Precisa-se de nma ama pa-
ra cozinhar, lavar e fazer
compras : na roa Duque de
toxias o. 9, 2 andar._________________
Vi^
Precisa-se de refinadores oa roa de D. Mana
Cesar, outr'ora Senzalla Nova n. 30. ________
Precisa-se de nm cozinbeiro ou coziobeira for-
ra ou escrava para ama casa de familia : tratar
na roa do Amorim n. 37, oa em S. Jos do Man-
guinbo, sitio n. 4. ________
Precisa-se de urna preta escrava para o ser-
vico interno de ama casa de ponca familia e qae
saiba vender oa roa : na ra do Nogueira n. 19,
segando andar.
Na Praga da Independencia n. 33 se compra
oaro, prata e pedras preciosas, e tambera se vende
obras de igual especie.
No dia 4 de agosto do auno passado ausentoa-
se do engenbo Camaragibe o escravo Vicente, de
idade 40 annos, cabra, de al'.ura regalar, tem
todos os denles, e. sao limados, tem cicalrizes de
ferida que leve as pernas, e tem manchas bran-
cas aos ps e oas mos, bem ladino que costama
invulver-se em presepios, julga-se que esteja em
Montes de Una oa em Goyanoa por ter la pareo-
tes : roga-se as autoridades ou a qaem o appre-
hender ieva-lo ao Recife ao Sr. Jos de Soasa
Barreiro-, na ra da Companbia Peroambocana
o. 2, qae sers generosamente recompensados.
Aluga-se urna casa terrea na estrada de
Olinda, estucada, com 3 quartos, 2 salas, cozinba
fra e quintal morado, alem de outras bemfeito-
rias : qnem pretender dirija-se mesma ssirada
o. 17, a qual toroa-se recummeudavel por pssar
a liaba dos bonds.___________________________
Precisa-se de am preto ou urna preta para
o servida de roa, prefere-se escravo : tratar no
roa do Brum o. 84, 3" andar.
400^000.
D-se a quantia cima a qaem apprebenifer os
escravos Manoel Ricardo e Fiel, qae fagiram no
dia 14 de maio deste auno : o 1* da provincia
do Cear, e veio para esta pequeo, cabra ataio-
cado, cabel'os cacheados, pea pequeos, baixo,
bom corpo, bocea lascada, com pouoa barba no
qneixo, e pouco bigode, representa ter 30 annos,
ladino, e gosla de andar lirapo ; snpp5e-se ter le-
vado em sua companhia urna mulher de nome
Rachal, alva, com cabellos cortados. Fiel, cabra
claro, idade de 27 annos, altara e corpo regala-
res, cabellos earapiobos, andar vagaroso e espi-
gado, tem falta de ama nnba em nm dos dedos
grandes dos ps, nm baraquinbo no nariz encos-
tado aa ventas, proveniente de um couce de ca-
vallo, ponca barba; levon em sua companhia nma
mulher de nome Felismioa. de cor alva, eom bom
caballo. Da-se metade da gratificao cima a
qaem levar qaalqaer am destes escravos ae en-
genho Maeaoass, freguezia da Escada, en lo Re-
cite, ma do Cabng n. 18, casa da Manoel Jos
Fsrreira Cruz.
1 *i|
Tm
ama eaea no principio da estrada de Joao a Bar-
ros para alugar-se, eom grande quintal e boa
agna : irata-se na roa do Principe na taberna da
esquina 4M confronta eom a eatacio do mesmo
orne. ___________________
PreciM-se ee nma cirlada
Sein, para 'Oier e engonimar
o Comm^reii? 0- 38,
para easa asirn-
a tratar na roa
Livraria universal
Obras venda nesta casa,
Brdalo.Viagem paaresca do Imperador
do Brasil pela Eoropa, 2' ed.,
Lisboa 1872, 1 vol. ene. 1*000
Ponson da Terrail.Os Ribos de Jada?,
2 vols, br. 4*000
c Mocidade de Henriqae IV, 8
vols., br. IOOOO
Segredo de ara mdico, 1 vol. br. 1*600
t O fado de sangae, 8 vols., br. 4*000
t Cavalheiros da noite, 3 vols., br. 4*500
t Miserias de Londres, 5 vols., br. 7*300
Theopbilo Braga.Vi:o dos lempos, 1
vol. ene. 3*000
c Tempestades sonoras, ene, 3*000
Coatos phantasticos, ene. 3*000
t Torrentes, ene 3*000
Julio Diniz.Morgadinha dos caoaviaes,
ene. 3*000
Urna familia iogleza, ens. 3*000
t Ser5es da Provincia, ene. 3*000
t As papillas do Sr. Reilor, eoc. 3*000
Ramalho Ortigo.E?a de Qaeiroz as
FARPAS DR FKVgREIRO, ediCO
brasileira, com am prologo, i
vol. br. 6o
i Mystenos da estrada de Cintra,
Cartas ao Diario de Noticias, 1
vol, br. 2*CO0
Mal da Delphioa,Parodia Delphina de
mal, por um homem de bem. 1
vol., br. 2*000
Paolo de Kock.-Obras completas.
C. C. Branco.dem dem.
Eduardo Vidal.Cootos da sesta, 1 vol.,
ene 3n00e
D. Guiomar Torresao.Urna alma de ma-
lber, romance original, precedido de
nma introducto por Jallo Cesar
Machado, 1 vol. ene. 2*000
L. de .\raojo.Almocreve das petas, 1'
e 2 vols. enes. 8*000
Ceios e historias, 1 vol. br. s*9xx
Mendonca.Segredos do coracio, br. 2*000
Uopeiro
Precisa-se de am eopelro no hotel de Apipaeoj;
a tratar no mesmo hotel, oa oa rna do Mrquez
de Olioda n. 53, 1* andar.
Na ra do Jasmim n. 29 engomma-se
perleigo, promptidao e barato,
com
AUeafo
Preparam-se bandeijas eom bollnhos proprios
para bailes e casamentos, e apromptam-se pralos
com cangica e bolos avulsos para os festejos do
dia de S. Joao, etc., e vende-se aassa de mandio-
ca : na rna de S. Francisco o. 42.
ALUGA-SE
a casa terrea n. 108 da roa da Gloria (Boa-vista),
com 2 quartos, 2 salas, cozinba externa, cacimba
propria e quintal mnrado: os pretendemos on
seos fiadores dirijam-se a roa da Madre de Dos
n. 16.
. Aeha-se ausente de casa deste deaeobre da
anoo pasudo o escravo Fiel, U naejto. baixa e
tem ponca barba, os olbos qnui sempre moito
vermelhos, a moito palrador : quem dalle soo-
ber on der noticia qneira dirigir-se i na- Doaue
de Caxias n. 43, oa Imperairis n. 16, S* andar,
que sert reeeapensado.
Precisa-se ama ama para casa de pouca fa-
milia : na roa da Aurora o. 48, pavimento terreo.
Precisa-se na ra do Pilar o. 16 de ama ma
de leite : quem prelonder dirija se mesma casa
que achara com qnem tratar, ou roa da Guia,
a<;ougoe o. 50, de Fellppe da Chaga Ferreira.
Confronte ao pateo da matriz de Santo Antonio
O dono deste importante estabelecimento acaba de aformosea-lo, ennqaecendocom
am grande e bello sortimento de joias modernas, e de aparado goslo como sejam : Bo-
nitas escoletas e brincos de nix, brilbante e pedras preciosas, etc., continua a receber
de Paris, por todos os paquetes novo sortimento, e encarrega-se de mandar vir qualqoer
encommenda. Gonvida-se as Exmas. familias visitarem o dito estabelecimento, o qoal
estar aberto noite at 8 horas. Vende-se por presos mui commodos, e garante-se a
qoalidade do ooro.
Aluga-se
ama casa terrea com estr baria, margem do rio,
sila oo MaDguinbo ; a tratar na ra, do Vigario
n. 31.
Loja.
Traspissa-se o arrendamanto da loja da roa de
Baro da Victoria n. 45 : tratar na mesma.
A commisso administradora da contraria de
S. Benedicto erecta no convento de Santo Antonio
desta cidade, de ordem do Sr. Dr. jaiz de direito
provedor de capellas e residuos, coovida a todos
os irmos da dita contraria a reooirem-se no dia
domingo 23 do crreme, s 11 horas da manha,
no capitolo da mesma, afina de se proceder a elei-
tjo da mesa regedora, que tem de reger os" desti-
nos da dita contraria, enja eleicio ser procedida
com a assistencia do mesmo Illm. Sr. Dr. jaiz de
capellas.
Recife, 17 de junho de 1872.
O secretario interino da commisso,
Innocencio Paes de Mendonca. ____
Lava-se
e-engomma-se com toda a perfeicao ronpa
de homem ou de Sra., mediante preco ra-
soavel; no Largo do Paraizo n. 3, confron-
te ao oitSo da refin'aco de assucar.______
AYIS
Est mareado o dia 20 do mez correte ao
meio dia, para serem inspeciooados os guardas
qae reqaereram iospeceo pelo cooselho.
Jos Maria Ferreira da Cunha Freir,
Teoenta secretario.
a
Precisa-se de um calxeiro de 12 a 20 aoao
de idade, que teoha pratica de taverna e d Ba'
dor de sua conducta : a tratar na ra do Coro-
nel Suassana n. 296.
Pedido.
Ao Exm. Sr. general commandante das armas
roga-se de dar snas providencias adm de qae
am grapo de vadios e insolentes, qne se rene
na casa qne serve da posto da guarda ao as-
cenle do palacio da presidencia, nao coDtinuem a
dirigir provoeac5es as pessoas que por l passam,
sendD qae taes faetos se do com connivencia dos
proprios soldados oa com o consentimento delle?.
A declaraco que Qz publico a respeito do
Sr. Paulino Tavares de Lyra (alfaiate) no Diario
de 18 do correte o. 138, declaro ajis qoe este
Sr. veio na loja neste mesmo dia, proyoeoo-me
eom palavras injuriosas, ferindo nao t mioba hon-
ra, como de minoa familia, ameagaudo- me por
vezes para quando nos encontrassemos, e por is-
so fago publico para no caso de continuar estes
faetos, ou elle realisar seas projeetos, as pessoas
3ue estavam presentes na occasio diro a ver-
ade.
Antonio Thomaz da Silva Jnior.
ATIENDO
Ainda se continua a fornecer alraoco e jantar
para fra na rna estreita do Rosario sobrado n.
35. As pessoas que quizerem dirijam-se mesma
casa qae se dir os precos: manda-se levar em
casa dos assignantes e faz-se mais em conta do
qne em ontra qaalqaer parte e tudo com aaeio.
Armazem de deposito
Reoebem-se em deposito volamos de fazendas oo
qaalqaer oatro genero a preco maito mdico: a
tratar oa ra do Commercio o. 48.
Precisa-se
ras d. 30.
COS1NHE1RO)
do nm aa roa das Laraagei
Aluga-se urna escrava possaote on vende-
se, sabendo cozinhar e faser qailqaer compra e
mais servioo de taberna : na roa da Cadeia-neva
n. 15. Na mesma casa preeisa-se de ama ama
de meia idade.
Interesse
0 Sr. Jos Alves Machado Guimares queira ter
a bondade de vir a ra do Imperador n. 28, a
negocio de soa conveniencia.
Grande offlclna de nietaes
BRAGA & PIMENTEL
Ra Nova n. 33.
Nesta offlclna trabalha-se em eccanaraentosd'a
gua, de laloeiro, caldeireiro, funileiro, tem sorti-
mento de bombas de n. O a n. 8, alambiques, ta-
xos, torneiras, vlvulas, tubos de chumbo, sinos,
obras de folha, bacas de ferro estanhadas, c.ilres
de engenbo, espnmadeiras, cadinho para' rundiejh,
tndo por precos commodos e promptidao para
qaalquer trabalho.
b& tt& B 4o^ m si. && j
NOTAS
Troca-se notas do banco do Brasil e de roas
Qliaes na ra do Baro da Victoria n. 63, antiga
roa N.'.va. loja de Joao Joaquim da CostaLeite
Mobilias

li
m
m
m
/Tb
O Dr. Sarment Fi-
lho, cirurgiao do hos-
pital Pedro II, de vol-
ts de sua viagem a Eu-
ropa, contina no exer-
cicio de sua profiisao,
na casa de sua residen-
cia a ra do Impera- 99
dor n. 29 #
Capnaga on Passagem.
Precisase alugar urna casa que nao exced a
2o mensaes: a tratar na travessa do Qaeimado
n. 1, antigo becco do Peixe Frito.______________
Precisase de um criado para o servico de
yja dase preferencia a escravo : na roa do Ca-
bug n. 18, sobrado._________________________
Precisa-se alugar urna pessoa livre, que sai-
ba cozinhar soffrivelmeote : na ra Sete de Setex-
bro o. 15.
Na roa Duque de Caxias (outr'ora das Cruze-)
o. 2a, armazem ds trastes, vende se mobilias na-
cionaes e estraogeiras, assim como obras avui.-.n
por preco coro modo.
CABO, 1P0JUCA E ESCADA.
Advogado.
0 bacharel Joo Gonzaga Bacellar tem SI
escriptorio e residencia oa villa do Cabo 1
& roa Duque de Caxias o. 21.
Eacarrega-se de causas civeis, crimes }S
e commerciaes, bem como de defasas pe- |t
raote o jury no3 termos supraroenciona-
dos.
mmm
I
1
i
i
i
-i
1
i
Precisa-se de am feitor para o'sitio da Solo-
dade o. 29.
Cozinhelro.
Preisa-se do am eoziobeiro para casa de fami-
lia : oa roa do Mrquez de Olioda o 35. _____
Precisa-se de um homem para ser ico de
pa Jara, que saiba ler e escrever : na padari? da
roa da Floreooa n. 1. Na mesma precisase de
nm servente.
Aluga-se o andar n 36 rua larga do Ro-
sario, a ama peqaeaa familia, inlemnisando e-ta
o dao da loja de sessenta e tantos mil ris dos
concertos que acaba de fazer no referido andar.
I Comarca de i lores.
O bacbarel Flix de FigaeirOa, promo-
tor publico da comarca de Pajebu de
Flores, advoga dos termos de Flores, In-
I gazeira, Villa Bella e Municipio do Tri-
I umpbo. Encarrega-se da obranca ami-
gavel oa judicial de qaalqaer debito, por
commoda porcentagern : qnem de seus
prestimos se quizer utilisar, pode dirigir-
se directamente aoannnnciante,oa enten-
der-se com o; Drs. Mauoel de Figaeira
Faria e Felipne de Figaeira Faria, na
ra -Duque de Caxias n. 44, escriptorio
do Diario de PtrnambHCO.
Perdeu-se nma letra da quantia de
2:885)5000 aceita por Jos Francisco Accio-
li Lins, a vencer-se a 30 do corrente mez,
quem a acboa qneira leva-la a Lebmsms
Frres, ra do Crespo n. 16, que ser ge-
nerosamente gratificado, avisando desde j
ao mesmo Sr. aceitante de nao a pagar a
ningaem, assim como ningaem fazer trans-
ac?5o da mesma letra.__________________
Nesta lypographia se deseja fallar com
o Rvm. Sr. conego Jos Dionilio Gomes do
Reg._____________________________________
Precisa-se de am menino para caixeiro qae
teaha alguma pratica dalaberna : no largo da
Paz o. 23reni Afogados. _______
Feitor
Preclsa-se de am feitor no hotel de Aplpacos
' Mai
a tratar no o.esmo
de Olinda n. 03,1'
hotel, on
andar.
na roa do Mrquez
- Nesta typoirapnla precisase de am dwrl-
bnidor para este Diario na freguezia dos Afo-
gados.
B CONSULTORIO IIO.MEOPATIIICO.
H DO
* IDRa CASA^ OVA
0 Largo da matriz de Santo Antonio
m o. 2.
Consaltas e visitas a toda a hora. Me-
dicamentos e carleiras dos melbores fa-
Igl bricaotes.
Prectsa-se alugar nma casa terrea com bons
commodos e quintal, na Soledade ou Boa-vista : a
tratar.na roa da Cadeia do Recife o. 5a.________
O Sr. Maooel Vicente Gomes, de Itamarac,
tem urna carta vinda de Fernando, roa Duque
de Caxias o. 33, 2 aodar ; previne-se, pjrm,
que s entrega em ms propria.________________
Uoico dopcsito em Pernambuco dos charu-
tos G. Schnorhusch da Babia, no escriptorio de
Cunha 4 MaDta : veode se de todas as marcas,
por precos e-tabelecidos, e em porcao de o,C00
paradina se dar descont : na roa do Mrquez
de Olioda n. 40__________^______
AGRADECIMENTO
Herminu Lanrentino de
Andrade, agradece do inti-
mo d'alma a todos os seus
amigos e prenles que as-
sistiram aos ltimos sufra-
gios de sen nnnea as's
chorado pai Joaquim Jos
de Andrade Coimbra, e a lodos protesta profunda
gratido por to caridoso obzeqaio.
Eogenho Cseth, 17 de junho de 1872.
^

Franclsee Joo Caratelroda
Cunha
A vlava e fllhos do Dr. Fraoiis-
eo Joo Caroeiro da Cucha agra-
decem cordialmente a todas as pes-
soas qae acompanharam os restos
mortaes de sen fioado marido a
pai at o cemiterio publico, e con-
vidam-oas para asslslirem as mls-
sas qae se bio de celebrar oa matriz da Boa-vis -
ta sexta-feira 27 do correo, as 8 boras da ma-
nha ; confessando-se desde j eternamente reeo-
nbecidos
Aluga-se am escravo de fi aoaos qae tem
falta de um braco, serve para compras, maoda-
dos, carregar uboleiro, pastorar gado : a iratar
oa roa Direita n. 137, at aa 9 horas da maoba.
Desappare^a o nervoso
Os horneas qae loffrem de nervoso as mos es*
cialmente quando escrevem inteiramente preju-
dicial ; mas, quereodo ver-se livre desse mal, ve-
nham a Nova Esperanza e compren um aooel
elctrico que o mal desapparecera; assim Umbem
a senhora que soBrer de igual nal comprar
orna palseira eleetrica e flear perreitameote boa
boa; todo isso s se encontra na Nova Esperan?
roa Daque de Caxias o 63.
Sitio.
Aluga-se um na Capnaga, travesa 4a Ventara
o. 3, eom grande oasa de moradia, lento mais co-
ebeira, estribara, quarlos para criados, taoqae
Sira banbo, dito para lavagen da reama, moitas
octeiras, sendo o sitio a margem do rio :
lar na roa do Miaqtes de Olinn <
Nos Aflictos, sitio n. 9 pasaando a igrej^ba'
ha para vender-se nm boi tourino mnito gorie>
mecu ; o preco se dir a qaem agraaar-se oo
mesmo bol.
**
N.

>
1


Diario d JFernambnco Quarta eira 19 de Junho de 1872

Joaqun Bezerra Pesjoa & C. participara
a seas amigas, frlfeoez davedores e
com uspeculidade ao resptiiavel corpo du
commercio, (\w modaram o seo estabeleci-
ment de fateodas da roa da Imperatriz n.
1S A para a roa do Bario da Victoria n.
48 (amiga roa Nova )._______________
Uosinfreiro
No cal eblnez i ra torga da Rosarlo
precisa-so de na cozlnheifo,_____________^__
Precisa-se
de ana escrito para a padaria da roa 4a Concor-
dia, para pi e bolacha. ________________
D. 31,
P
Casa do Bom Pastor.
Hndou-se para a mesaia ra a- *
A pedido dos freguezes conlioaa o dono
deste grande e orneo estabelecimento a fa-
bricar em grande escala ornamentos para
igreja, vestimeotas para padres, alfaias,
imagen* de toJas aa qoalidades e tamanbQs,
assim cono todos os arligos de piedade,
oratorios, ronza, prata e onro, damascos
gales euL.etc, todos artigos de Portugal,
Paris e Ljfon, grande sorlimento de estam-
pas religiosas proprias para saloes, tambem
faz qoadres para camlbos doorados e pre-
tos. de tedas as largaras._____________
Siti para alagar
Aluga-se o sitio da Capauga (dos herdelros de
Santos Coelho) com porUo e gradearaento do fer-
ro na (rente do jardn, doas cae o.bas de boa
agaa, tendo ama deltas bomba, lauques para ba-
nho e para regar, neo grande gallinheiro todo mi-
rado, e plantado de excellentes fructeiras, a casa
tem 3 sala, 10 qaartos, cozinha fra, coeheira,
quartos para pretos ele. ele.: para iratar no ar-
mazem da rna do Harqnez de Olinda n. 62_____
Qaodo parece qne oio ba mal aovidade a
deseobrir, nem cbjectos de mals phantasia, alm
dos aue tem aparecido at agora, eis qae a Nova
Baperaoca recebe os mais elegantes e mais mo-
deros, de forma qoe inispensavel aos apre
ciadore do boa apaarecerem eonstamemenle dj
dito eslabelecimeolo afim de usarera o qoe ua de
mais chiqoi a mesmo
a Nota Esperanza receben os era lio grande
quanlidade que raesrao nio sabe por onde come-
car ; pelo olmo vavor chegado da Earopa aca-
ba receber os gulnles, anda ni) vistes oeste
mercado, como sej.m :
Meios aderecos de tartaruga.
Polseiras e crozes de tartaruga.
L'odissimoe pincenez com arcos da madreperola e
marflra. ._.__.
Delicadas beDgalas de unicornio, ( imitacaoj
Bonitas guamiles de seda para sonhoras.
Lindo chapeos de palha escura (novida le).
Base* artigo nao se pode fazer urna aea ael-
les sem que sejara vistos; por uso a Nova Espe-
rance ,a roa Duque de Caxias n. 63, apresa se
em convidar a todos geralmente, e com espsciali
dade ao bello sexo para vir aprecia-lot-________
100^000
.JL
Precisa-se de um feitor que entsnda de plaeta-
qes e seja fiel: a ra D.reila n. 93, segundo an
lar. _______________
Graide peliinchi.
Cullrtes dti caemira, muito bja fazeni e lin-
ios padiSes a 3.5, u tos de tmm oranco superior a
ti paleiots braucos de fusiio a if : na ra d 6
Barao da Victoria i. 14. '
YENDE-SE
o eslabelecimento denominado ROY D'YVETT,
na ra estrella do Rosar .o n. I, por sen proprie
lario pretender retirar- para a Earopa ; o dito
estabelecimenlo tem muitvS coTmodo para fami-
lia e esia bera afregoezado ; tratar no me.-mo.
Calcado Pol
lak
.%' rna da Cadeia niiiaaero 45
Santos Falcio C. ra da Cadela n. 48, ven
dem superior calcado Pollak para bomem, por
barato preco. Este calcado recommenda-se pela
especial quahdade do cabedal e perfeieSo, como
tambem pela elegaoeia e baraleza.
AO CAL?ADO POLLAK I
BM
Casa de Santos Falcio & Companhla
Ra da Cadeia n. 45.'
Engommadeira.
se e engommase com perfeicao roupa de
e de senhora : na ra de Das Cardoso,
Uva
homem e de senhora
(Caldereiro) n. 16.
Precisase de um cuzmheiro : na padaria da
ra do Rangel n. 9. '_______,
SITIO.
Ser gratificado oom a quaotia cima menciona-
da quera dr informa c5es su f cien tes para se
prender a pessoa ou pessoas, qao na madrugada
de 12 do correte apagarim os lampeos da illa
minacao publica, desde a rna do Viscoode de Goy-
anaa (outr'ora Mondego) al a rassagera da Mag-
dalena ; ena noite de 13 do andante quebraran)
varios lampeSes as mesroas ras.
Tbos. Newbiggrag,
Gerente.
Imperial fabrica
DE W
Rap areia fina da Baha
DE
Moretra & C.
O abaixo assignado, nico agente dessa
m fabrica, avisa ao publico que tem aborto
55 o deposito de dito rap no seu eseripto-
%k rio roa do Vigario n. 21, ende os fre- 59
guezes encontrario sempre a quantidade &
_, qne precisarem. ^
Domingos Alves Mathens. Q,
**** *x* *** *a
Escravo fgido
Auzentouse desde 13 de maio prximo passa-
do o preto Alfredo, de irinta e lantos anuos, es
tatora, alto e magro, olhos grandes e tem urt
geito no andar, perfeito'c.zinbeiro e foi escravo
do Srs. Adriano & Castro, e ltimamente do Sr.
Jos ioaquim Goncalves Bastes, costuma andar
pela Capunga e Poco da Panella, e consta qne ja
foi visto na cidade de Olinda ; estes sio os pon-
tos aonde elle tem andado : quem o pegar tra-
gao a rna Duque de Caxias n. 91, leja do Rival
sem Segundo, que ser bem gratificado.
Alugase um na Capunga, iravessa da Ventora
n 3 com grande casa de morada, teodo mais co
cber, estribara, quarlo para criado, tanque para
banho, dito para lavagem de roupa, mullas fruc-
teiras, sendo o sino a margem do rio : a tratar na
ra do Mrquez deOlioda o. 33._____________
Claro, purificado e irausparente, em barricas
grandes de 10 e 11 arrobas, o melhor qoe se pode
desejar para o fabrico do sabio : nos armazens de
Tasso Irroaos i C. caes do Apello. ________
Fogos de artificio chinezes para
saldes ejardins.
De effeitos maravllhosos, em caixinhas com va-
riado sortimento, no armazem de Taseo Irmios &
C, no cae do Apollo._____________________
CAITE
FOGO
50#000
Na prsca da Independencia n. 33 se d de gra
titlcacio a quem apresentar a escrava Manan
na, prea, de idade mais de 60 annos, bastante la-
dina, com falta de den'.es, estatura baixa, tem sido
por duas vezes encontrada c:>m um balainho ni
ra da Aurora em direccao da viaferrea.ou entao
em Santo Amaro; ero todo o caso parece que (leve
estar por aquellas immedia.,oes, est ausente de;-
de 6 de fevereiro.______________________
Sociedade dos artistas mcha-
meos e liberaes.
O abaixo assignado convida a lodos os socio?
desta sociedade comparecerera no dia 19 do
corrente pela 7 boras da noite, na sede da mesraa,
afim de assistirem a sessao magna de iniciacoes.
Flix de Va'ois Correia,
! secreuno.
De expelientes vista, muito proprio para as (a
mi ia< queimirem, oas noutes de festa de Sanio
Antonio, S. loio e S. Pedro: vende-se em porcojs
e tambero a retalbo, no armazem da Escadinha da
Alfandega n. 7, e aos domingos na ra da Madre
Deus n 30, n. 3* andar.
Fontes de fogo.
Serpentes de Phara.
Espigas Kalospinte.
Bailas terrestre de diversas cores e tamanbos.
Muito barato
Vende-ss a arroacio de araarello toda envidra-
ijada da loja da travessa da ra das Cruzas n. ,
A, pfopria para qualquer negocio
oja, ou qualquer parte._________
na mesma
Para os bolos de Santo Anto-
nio, 8, Joo e S, Pedro
W^B^-gBfJJSSf

MEURON &C.
AVISAII
Maeteiga ingleza flor a 800 e 720 r., e tem
mais baixa para menos dinbeiro, dita franceza
nova a 640 rs., e tambem tem para menos, islo a
Jinbeiro vista : no armazem de molhados a roa
de Santo Amaro n. 8. __________
aos compradores do bem conhecido e acreiitade rap
REA PRETA, que reparem nos botes e meies bote?,
pois que os ha de rap de outra fabrica e nome diver-
so, e com papel da mesma cor, cujo esenho se pe
confundir com o d'aqaelleSe
Os apreciadores que qaizerem do verdadeiro REA
PRETA, devem para nao serem engaados ver que
os botes tragam o nome de MEURON & 0., e a desig-
nado de REA PRETA.
MEURON a- C.
COMSLTRIO" HOMEOPATHIGO
DO
Dr, Santos Mello
43Roa do Bar3o da Victoria43
Residotcia mesma ra n. 7, 2 an-
dar.
-Vaocita todas as quintas feiras e do-
mingos.
Gralis aos pobres.
Sitio..
Alnga-se um sitio na povoacao do Monteiro, com
todos os:commodos qae se pode desejar, alera da
boa casa tem dous bons qaartos fra, um escel-
leole jarilim, um grande parreiral, muilas fruc-
teiras, urna grande cacimba com boa agua e tan
qce para banho, tendo a vaotagena de Gcar do lado
doTw defronte a eslacao, junto a taberna do Sr.
Nicolao-; a tratar na ra do Barao da Victoria n.
:9 (outr'ora ra Nova), loja de ferragens.
AO N. 9
No progresso do pateo do Garmo tem um com-
pleto sortimento de manteigas finas para diversos
pregos de 500 rs. a libra at 15280.
| andar
Aluga-se o do sobrado da ra Daquc de Caxias
n. 58 : a iratar na loja do mesmo. __________
' Acha-se auseuie da caa de sua senbora, a
escrava Manoella, com os sigoars seguintes : cor
prata, baixa, secca do oorpo. com algumas marcas
de bexigas, pos e maos pequeos e nariz afilado,
tsm falta de cabellos no centro da cabeja prove-
niente de carregar pesos, e tem alguus cabellos
brancos, e mais urna ctcairiz de fogo no meio das
cosas : quem a pegar leve-a casa da viuva do
clrorgiao Teixeira, rna Real._______________
Perdeu-se hontem 17 do corrente urna leira
da quantia de 198#393 ris, acceita pelos Srs.
Corroa & Irmao e Joaquim Jos de Medelros Cor-
rea ambos da Paranyba, vencida bontem 17 :
quem a achou quelra leval a no escriplorio de
Lebman Frres, que S6r gratificado. Avisa-se
aos aceitantes, ou qualquer pessoa que nao facam
transaccao coma dita letra, senio com os sacca-
dores Recife, 18 de junho de 187.
Venile-se o sobrado de uro andar na ra da
Visconde do Herval n. 37, e a casa torrea Junto ao
mesmo n. 39 : a iratar na ra da Senzala velba
n. 106. _____.
F0G9S ARTIFICIAES
l*ara festejar Santo Antonio. 8.
Joo e S. Pedro.
Souza & Gmmares, propietarios da j muito
coohecida loja de ferragens ra do Bari) da
Victoria n. 39, (outr'ora ra Nova) veem avisar
a seus freguezes e ao publico em geral, que ac-
bam de receber um lindo e variado sortimento
de fogos chroezes o mais lindo possivel que se
pode desejar, assim como desde j recebem en
commendas para todas as qoalidades de fogos na
cionaes para as melhores fabricas desta cidade.
Os annunciantes envidarlo todos os meios para
melhor servir a todas as pessoas qoe se dignarem
honrar seu estabelecimento com sua presenta.
oilerece-e urna raulhor para acuinpanbar
atauma fimilia para lora da trra ; quem preci-
sar dirjase Sani'Anna, filio que lica. defronte
da entrada da propnedade do Sr. Dr. Miranda,
onde se drr quera .
Pastilhas de Mannita
As pastilhas de Mannita s3o por certo a
medicina racional dos meninos, aos qaaes
se administram com exceliente resoltado
para os males de garganta, coqueluche e
falta de apetite. Para elles n3o ba purgan-
te mais suave e qae tomem com mais pra-
zer. Estas pastilbas previnem tambem as
convuls5es que resoltam dos accidentes da
denticfc), e tem orna ac?5o moito poderosa
como o vernn fugo.
Deposito Pharmacia Americana de Fer-
reiraMaia & C roa Duque de Caxias n
Libras sterlinas
Vende se libras sterlinas ra do Mrquez de
Olinda o. 21, f andar._________.
57.
COMPE-SE
raoedas de curo e rala na loja da ra do Mr-
quez de Oada n. 58^_______________
Ra do Barao da Victoria, ani-
rna riova n, 56
Muito barato.
Vende-se polassa americana milito nova e de
boa qualidade, propria para o trauco de sucar
nos engenbos e reQnaQSes, em latas da /O a su
libras e por preco mais em coma do que em cu
tra qua'quer parte : no caes 22 de Novembro,
armazem n. 2 por baixo do Gibin:le Portognet.
Ytnie-S6
um serado e d(tus andure?, sil; roa da M_eJi
n. 19, e os terrenos qae Bcsra nc? fund:s. T m
frente pura a travessa ta Orrp*ohia P-rnaaAu.,
esna ecapacidado para d u* airoaiene propno*
para recclh.menio ds algoJtj ou qir-..quer ou-
iros gneros, por ser peno do embarque: a tratar
em caa de Tasso Irmos & C.____________
Ceneja i!e
Vrdaieira e superior :
Je Tasso Irmaos & ('
Noruega
venda nos arroazen-
ATX
Compra-se
as'.es trnovos e usados: na ra do Impera-
dor n. 48, armazem.____________________
Compra-se ferro velho, obre e metal velho :
no armazem junto ao trapicho Pelourinho, todos
os das nteis, das 6 da manha as 4 da tarde.
Acba-se um bom e variado sortimento de cha-
peos de velludo e de palba, ebapelioas de palha
e de seda para senbon ; todas estas fazends sao
do melhor gosto e o mais moderno, por um preco
que nao pedo ueixar de agradar aos compradores.
O dono deste estabelecimento espera o bom ac-
Ihimeeto do publico.___________________^__
Caixas de Tartaruga
Junto a tna pitada, tambem encontraro os Srs.
lomantes, as excellentes caixas de casco de tarta-
ruga obra bem acabada e a commodo preco.
Na ra Piimeiro de Margo n. J frbrica imperial.
Gompra-se plices da. divida provincial
na ra Nova n. 23, loja. ____ __________
Qaereis fazer um^resente ?
fuereis preparar um vestido ?
Juereis ter um bom cheiro era vosso toucader I
Oaerei nm lindo leque de qualquer qualidade ?
o aeris um uno leo tnico ou banha para vosso
" cabello t
Nao indaguis nem procuris em outra parte, por-
que orrereis o risco de|vos cansardes e nao en-
contrardes; dirig vos logo a Nova Esperance, ra
Duque de Caxias n. 63, onde tereis a eeneza de
achardes e por preco rasoavel. ________
No antigo armazem
de agendas da ma do Imperador n. 16, compra-
je electivamente trastes nsadoo e novos.________
C>mpra-se
ama casa terrea sendo em urna das sqguintes
mas: Soledade, da Conceicao, Velha ou do Ho-
sario, do bairro da Boa-vista : quem pretender
vender dirija-se ao estabelecimento n. 20 da ra
da Imperatriz que ahi se dir quem quer comprar
Tintura da China
Para tiogir os cabellos, barbas, bigodes e
restitai-lhes a cor natural, em
2 minutos
I Entre todos os preparados chimicos destinados
colorisacao do cabeilo, deve a Tinlura da Cfti
*a, por ma superioridade, oceupar um dos mals
distractos lugares. Ella d ao cabello a cor que
se deseja, sem o damnificar, mais antes o conser-
va e fortifica.
Deposito na pbarmacia americana de rer-
reira Maia &C roa Duque de Caxias n. 57
Pepsina medicinal adobada
O melhor preparado para combater to-
das as molestias do estomago. Cada frasco
acompanha urna colher de prta, dse que
se deve tomar.
Deposito Pharmacia Americana de Ferrei-
ra Maia A C, roa Duque
y*
Vende-se nm pequeo silio na estrada do J^ao
de Barros, prximo a eslaco da travessa do Espi-
nheiro e um pequeo terreco na estrada ltima-
mente aberta pelo tenente-coronel Emeierio Jos
Velloso da Silveira : quem pretender \ o le din-
sir-se casa n. 7 da estrada de loao da Barres.
Para presente
VENDAS.
Attenpao
O concordatario Joao Francisco Borges Ferreira
avisa ao seus eredores qoe podem dirigir-se ao
Sr. Julio f astemberg depositario que foi de sua
raassa, adro de receberem os cinco por cento a
que no e/mos da oncordata se obrigou o mes-
mo Borg a pagar-lhes.
Recife, 15 de junho de J872.
Grande revolupo...
C03A8 DESTE ANNO.
Anda o annJ passado por esto lempo < quert-
rjw dizer pelo lempo dos festejos a Sanio Anio-
no, 6. Joo e S. Pedro) todos luiavam com serias
diffleuldade para upprirem-e do que neces-
ario pra tae festejos, principalmeme no qne
iz resucito ao bolo de S. Joo. Este anno nao
acioiece ootro lanto, erque temo.- nesta cidade
una eonfeiiaria sita rTrna do Imperador o. 2,
sofc denotnioacao de
Confeitarla do Campos
euia roprieiarios ni tem ponpado esforeos para
jue este eslabelecimento sasfaja com promplidao
o aaseio qualquer encommenda tendente a elle,
por isec ja v o Ilustrado publico desia cidade e
especialmente as Exraa. familias qne est remo-
vida essa difflcuHade. notando-se alm disso en-
contrar-e-ba naquelle estabelecimento o segrale:
Papis rico para sorus, sorle promptas, amen-
doas eonfeudas, fogos japoneae e nacienae que
e DOem ollar nos sal8es sem perigo algam,
" v E MAIS E MAB E MAIS
Bolo de todas as qualidade, bolinhos para cha,
cha verte e preto, chocolate de diversa qualida-
de. reme, pastis, pudios, empada, npogalhes,
Kibeanx de la reine, boD-boeados, flambres, sa-
ne, conwrva exeittnie e alimenticia, ca^as
francezas com ou se tibaras, figuras para ban
deija, caixinhas ricas para presentes e anda
mais : licores finos, vinno. (barones etc. te
TODOISTO
X* comfeUarla m Cavpoa.
Lehmai'.n Frres veadem
libras sterlinas : & fu do
Crespo n, 16, primetra andar,
Sortimento variado em caixinhas para ser sollo
em saloes e iardins, nos festivos das de Santo
Antonio, S. Joo e S. Pedro : no caes d'altandega
armazem o. 1, ao p do arco da Conceicao.
Festas! Festas! Festas!
Para os*festivaes dias
DE
S Joo e S. Pedro
FOGOS DE VISTA CH1NEZES.
Novo e nunca visto sortimento de fogos
artificiaes para saloes e jardins, todo o que
ba e mais deslumbrante e sorprebendente
neste artigo, em caixas com grande varie-
dade de 2OO0 a 500000 cada caixa.
A venda no caes da Alfandega n. 1 em
frente ao trapiebe da Conceicjo. ____
Nao ha mais cabellos bran-
-cos.
Tintura Japoneza.
S e.unica apprevada pela academia de scien-
eia, reconbecida superior a toda que leo appare-
cido at toje. Depo-ito principal roa da Cadeia
de Recis-boje Mrquez de Olinda n. 51, i* an-
dar e em toda as bo'.ieas e easas de cabelle!-
reiro.
Yerdadeiras bixas h&m-
brguezas
nico deposito em Pernambneo : n. 53 ra da
Cadeia a 53, primeiro andar.
Cambraia brancj transpa-
rente.
Vende-se na ra Dnque do Caxias, outr'ora
rna do Queimado n. 60 A, loja da esquina, de
Bento da Silva & C. _______
Vende se 3 vaceas parida e 1 vitelas pre-
nhes : a ver e tratar na rna da Pal n. i.
CHEGARAM
O Rival do Recife receben pelo ultimo vapoj
urna poreao de franjas pretas largas e estrellas e
tambem de core?, o mais*J)ara(o qne tem vmdo
ao mercado, assim como vende mais barato do
que em outra qoalquer parte : venham ra do
Mirqnez de Olinda n. 80 A.________________
Botinas e chapeos
A Rosa tranca asaba de receber um rico sorti-
mento de bolinas de merino, pretae e core, cae
alto para senioras e vende a 7000 e para meni-
nas a 350O e bolinas preta ooras f ,rte para me-
ninos a 1600, e lindos chapeos de palba para me-
ninas, cem bonitos eafeites a 40000, grande pe-
cbincba ; na ra da Imperatriz n. 26, loja da Rosa
Branca, de Azevedo Gomes. _______
de Caxias n. 57.
Ra da Imperatriz n. 7.
Roupa branca
Parra bomem.
Camisas de toda as qualidade?, cern las e_ en-
tras poras ; esta casa recebe de primeira zno, e
vende por precos mnito moderados. .
7Rna da Imperatriz7 ______
Amaral & Nabuco vendem os segaiotes objec-
tos, proprios para fazer se prsenles :
Eslojos para liropar dentes com todos os rerros.
Ditos para limpar unhas.
Ditos para barba proprios de viagero.
D'uos para dita proprios pata algibeira.
Diios para crochet.
Ditos para tesouras de cosiera e bordar.
Diios para costura e coro msica.
Nestes objectos se encontrar cao so a csmnio-
didade como a elegancia: vndese no Bazar vic-
toria, ra do Barao da Victoria n. 2.
Vestidos de blonde.
Amaral Nabuco & C. veadem ricos cortes de
vestidos de blonde rom giiualda e flores de laran
geira e veos tambem de blende bordados, corte,
de teda de eores e matizados : no Bazar Victoria,
ra do Barao a Victoria n 2.
Baloes de papel.
Amaral Nabuco & C. vendem baloes areos.
proprios para salo e lao'.ern; s tambera de pape.
para enfeiies de jardiro, cima de mesa, ele, pin-
tados de ricas paisagecs e formatos : no bazar
Victoria, ra do Barao da Victoria n. 2._______
Orculos dclphicos
S b ete mulo aeabam de ser ireprossaa eiff-
eoentt p-rgnnia e respostt patt ^^o
de rennie familiares i:as nOOlei de Sanio Anto-
EssipergMttae re*poslil inteiramentei or s,
OototereMote. e diverts, ^. que oflcnam
nveoiencias ou regras... c boa sociedade
Sem jerem proprWnte o Q^*^8?
chamara sones trattm de desveoar mtattrw e
Hgredos, ntimos pensamentcs e fotrcs sull.-
SS mpre adequida as respostas expiwarao
muitas vezes aquilio que nao se alreven
dizer
Preeisa ae de urna criada para casa esiran-
geira, paca eozer e engotmnar : tratar a rna do
Cemmercio n. 38.
Vende-se
duas meias aguas de pedra e eal na segand sa-
bida para a estrada de Joo de Barres; roa larga
do Rosario n. 14, fabrica de cigarros.
Vaquetas
.. ... *- n um* fMir ontr'ara mhIi nova Vende-se masa oara
na rit. dVD. W Cesar, or' imaiM0Ta
somero i. "*
Massa para bolo
No pateo do Carmo n. 4, vende-se massa para
bolos mais barato do que em outra qualquer par-
te ; na mesma casa vende-ie foguinbo proprios
para festejar o glorioso S. Jlo e S. Pedro : i do
pateo do Carmo n. i.
Terrenos
A dinbeiro, em Beheribe ***ai*o, na estrada
do Fandao, vende-se terreno* moito em eoatt, com
300 a 400 palmos de fondo, terreno todo pianito,
logar para cacimba eom facilidade, trra de bar-
ro, muito perto do baubo e da estaco : a pes*a
que qotaer dirlja-se ao mesmo logar. O Ierre-
_-. no Bm na estrada lo Metquita e do Craveirw
Perden-se o recibo de B. 17 de #ooo, da nflru-Mni k09 m .Dalxo aasignado por fallec-
Vende-se massa para bolos a (Vv /"
nobecco do Pocinho n. 7, taberna.
Ti
Para coberta de carro! e obras de selleiro:
veniem Pereira da Cunha Jrmos, a ra do Mr-
quez de Olinda o. 31.
Gorgu
rao de i.es para ves*
tidoe.
Vende-se a roa Daqoe de Caxias, ooir'ora do
Queimado n. 60 A.-loja da esquina, de Beato da
Silva & C.____________\_______
Vende-se manleiga ingleza a 500 rs. a libra
oo a IJIOO o kilo : na ra de Pedro Affouo n.
1, outr'ora ma da Praia.
Velas de carnauba.
QNa traveaaa da Paraiao, caa o. 1, se vende
velas de carnauba a aMmiOo por precos mais
mdicos qoe em qoalquer outra parte, em arro-
ba e em libra, a vontade ao comprador.
\ 60 A M de Duque de Ca-
xias n, 60 A,
Our'ora ruado'^Heimado
Grande sortimento de fazends por baratissimos
precos, como sejam: sedas, lia, chitas, percales,
fuslde para vestidos e roopas para crianca, saias
brancas com babado frisado, chapeos da ultima
moda para senhora, a otros moitos arligos de
gosto.
A loja da esquina da roa Duque de Caxias n
60 A, de Bento da Silva dt C._______________
Xarope Hydrocotyla Azia-
tica
A hydrocotyla aziatica orna planta qoe
se acha muito a miado em Mauricio. Borbo,
Singarope, Bombaim, Madras, e ootras pro-
vincias das Indias Orientaes onde desde
moitos annos est empregada com a maior
eficacia contra as diversas molestias de
pelle, taes como o liciten, o eczema, o acn,
o pruriio, o pemphigo, a lepra vulgar, a
elcphantiasis, as ulceraclles scrofulozas ou
typhilitic-i, assim como contra todas as
doeocas cor.heridas debaixo do nome gen-
rico dartros. Experiencias numerosas feitas
pelos mdicos dos bospitaes de Paris, sobre-
todo no hospital de Sm. Luiz, destinado es-
pecialmente ao tratamento dos doentes deste
genero de molestias, provaro a efficacia
dessa planta nos casos sigoalados cima.
Deposito Pharmacia Americana deFerrei.
ra Maia & C, ra Daqoe de Caxias n. 57-
Vende-te uro terreo eom 70 palmo de
frente e 700 e tantos de rondo, em Agua fra, roa
da Regeneradlo ; > frutar aa roa da. m 9. ,
reme de Sab-nitrato de
Bismutho
O sub-nilrato de Bismatbo nm destes
raros medicamentos qne podemse qoaliBcar
de heroicoi; com effeilo se emprega con
um snecesso sempre assegnrado contra to-
das as lezSes das vas digestivas, taes como
iiarrhtas, dytenteriak, gattritis, gastral-
gias, dore* do estomago t da barriga, ul-
C4ra0is ios intestinos. Cada vidro acom-
panha ama colher qne a doze.
Deposito Pharmacia Americana de Fer-
reira Maia d C, rna Doqne de Caxias n. 57.
Precisase de um caixelro de J a 16 annos
de idade, com pratica a Uveros, prefere-e por-
toguex: na ro da Soledade p. 47.
CEMEMTO
P.ua da Madre de Daga n. 7.
Barrica com 12 arrobas.
Verdadeiro Porllaod.
militas vezes aoumu 4"c u -" ---.------- __,,,,
"nao ser em brinco, serviola o oihar 0010 modo
de dizr de dar Ihes forc. Dccessaru para aquel-
da na livraria Ecouomi:a ao pe do arco da Santo
Antonio, e outras.
A S0MNJIML-- ,
Novissimo livro de aortei para as noutes Je
Saato Antonio, S. Joao e S. Pedro. .
de er pobl.cado o l.vro cima, o qual
linla eolleccio de bonitas, interes-
: e igualmente orna col-
eompoaUM por grandes e
aiTinados poetas des epocba. malhn.., -.
rremo aif este vro um dos melhores m-
treStos%as reoniOai I,m,iiares oas lio
festejadas e apreciav.is nouies cima .
Acba-se a venda a 100U na livraria Econ-
ca ao p do .-.r,-.o d. Sa.yo Antonl.\ e em ouuas.
Farollo inglez
Em sacca.^ grandes : na ra da Imperalnz 0.
36, loja de trastes
Acaba
conlm urna
sanies e chistosas serles
eccao de recitativos
SITEN CAO
Man^s decimaes
Moreira Dias avisa a seus fieguezes que j re
libra
No progresso do paleo do Larmu .. chama-?1,
alteocio aos amanles do Lile de Santo Antonio,
luir. .1 C r*arrn nin *i mir-lulm innlov fl 1* 1
ceben a balan$a decimaes de forca de 300,500 e ; j00 e g. [>ero, para a manleiga ingleza br da
1,000 kilos, tendo as ullima3 rodas de ferro : ven-: sqq rs. a libra,
de em sea armazem ra da Crnz n. 26. __ ..,.,..
Vende-se
orna boa casa terrea, ebaos proprios, com 5 quar
tos. 2 salas, cozinba externa, um grande quinta'
plantado e murado, sita na Capunga, roa da;
Creoulas o. 6
1 andar.
m m todos
{'asa
Todos devem cortar daqui este annuncio e tra-
a trauma rna L ae Marco 7 A,^^^^ lejano, cerno cea-
.-----------------------------------1 porque ;elle
Fannba de mandioca a l# o sacco : na.rna indica onde com certeza se pode eueonlrar ou ea-
da deMadre Dos n. 7. __________________j commendar um bom presente que de improviso se
h9ra -__J. .(jueira mandar a qualjuer p'ssoa,
para tender assim como
Vende-ee a casa terrea com sollo n. S7 sita indica elle onde se poder encentrar um iaubre
rna das Trincbeiras ; quem pretender dirija-se bem preparado, urna empada, um gaibeanz de la
rna Noa n. 1 tratar. | reine, um maugclb, um puding, um bolo fino, nm
- Vende-se o estabelecimento de molhados sito f f'* e":a jnfirD?adehae bo'"s e P*ieis di-
ra de Marrillo Dias, outr'ora ra Direita n. 99, Vrirf.' Propri09 Para tanche' ^re-mesas e me-
e viobo do Porlo engarrafado ba 12 annos,-e di-|renaai# iII7M n,,^-
versas qnalijades de qoeiio do serto. Drato e ,. alcm ousu
mlicamais onde se encontrara sempre : frnclas
ra Direita n. 99,
Porto engarrafado ba 12 annos, e di-
qnalijades de queijo do serto, pralo e
reino, figos em lair.s muito novos e outros muitos ,
gneros, por seu dono qnerer (Indar cora o eatt-1 ?'eft?p "n,5;cI^?n8* c'mo "irange.ras do.vs
belecimenlo. seceos e em calda nacionaes e esirangeiros, licores
/Sfii'^Blfc<6\Tfc av^a.-,^^ ir* 4\'e vinnos ^aoi> conservas alimenticias e excitantes,
^TOtW'w;-Ww^v' )'! bolaxiohas e bolinhos para cha e cutros muito
3^ ^- ~ ^"^ %Jr ^-TJ** ^ cbjectos qoe se tornara por deroais enfadonha a
' Anflmson Howifi ';5ua iDlei" discriPci)
uvu AXUWAV E FINALMENTE
para que se possa fazer um juizo aproximado
SO' INDO PESSOALMENTE
a eonfeiiaria do Campos
Roa do Imperador n. 94.
Tome-se bem a camella de qoe, a frente deste
estabelecimento se acha collocado nm lampeao qoe
se conserva aceso noule, at as dez horas.
4 C.
Vendem
Cerveja Bass, em barris pequeos.
Superior cognac, em barril.
Vmho Xerez, dem.
Cbarotos de Havana.
No sen armazem, rna do Commercio
0.40.
VENDE-SE
a taverna sita i roa do Amparo n. 7, na cidade
de Olinda,, coja taverna est bem afreguezada, e
metmo por se acbar colloeada em ponto sublime ;
boa occasiio para nm principiante : quem qui-
zar effectoar a compra dirija se rna dos Gua-
rarape n. 70, que achara cora quem tratar.
Bszerros de graxa
Venden Pereira da Canha Irmos : i roa do
Marqutz de Olinda n. 21.
233--Ra ImperaI-233.
No armazem do Sol encontrarlo os amadores
do brinqnedo de fogos artificiis nm completo sor-
timento de fogos, tinto do paiz como da China, de
diflerentes qualidades, com etpeeialidade para
crianeas, por preco commodo.
Par
a ferta de m. &, sj. pe-
ilro e Nant'Anoa.
AO BARATEIRO CAMPO-ALEGRE
largo do Carmo n. 2, esquina da roa das Trin-
cbeiras, anda contina a vendar em seo estabe-
lecimento manteiga iogleza mallo boa a 800 rs. a
libra e 11200 o kilo.
Viva S. Joa5
Vende se massa para bolo moito fina e man-
dioca mole : na linha de Beberibe, 00 segando
ponto, i casa da Sra. afnica.


6
iaii de PemaniDuc* Qimrta feira 19 t Junho le 1872
/
ALTAS NOVIDADES
ms
GRANDES PECHINCHAS
NA LOJA DO PAVAO
Na ra da Imperatriz n. 60

PEREIRA DA SILVA ft C-
Para as restas do mez de junho
I
Preira da Silva 4 C. ten do recabido nao grande sorti ment de fazenias de 1
seda e algodJo, coro os padrn mais njvos que tem viodo ao mercado, teem resolvido
liqaidal-aa, por presos moito baratos coa o nico fim de agradar aos seos numerosos
f reguezes e apurar diobeiro, de todas as fazeodas se dao amostras deixando penhor, ou
niaadam se levar en casa das Exmas. familias.
LJUSINtlAS
O Pav3o vande delicadas alsacianas de to-
das as cores coa maito lustro e delicadas
liatras matisados a seda, proprias para os
enfeites e babadiahos a 1,35 JO covado.
Ditas listradas a seda, sendo as mais de-
licadas, qae tem viudo ao msrcado a 10300
o covado.
Delicadas laSsinhas com rauito brilho e
1 isirinhas de seda a 10000 o covado.
Ditas com listras de seda larg i e muito
encorpadas, com leseadas cores a 800 rs.
o covado.
Ditas imito delicadas com listrinhas de
seda a 560 rs.
D.tas senda bastante Urgs com listra os
lado, para os enfeites e com cores muito
decdas a 300 rs. o covado.
Ditas dj i-tras miudiahas com G s da
seda, que Ibe d muito brilho, tendo de to
d s as cores a 500 rs.
GorgurSes de 15a, de ama f cor, teudo
fazenda muito moderna a 400 rs.
Liasin^as lisas de urna s cor, teudo de
todas as cores a 400 rs. o covado.
A pacas lisas de todas as coros a 500 rs.
o covado.
l/tasinhas de cores com delicados quadri-
alns de seda ten lo de todas as cores esen-
ti, muito modernas a 800 rs o covado.
Gurgur5ss asues de la, com delicadas
listrinaas brancas lavradas sendo-o que ha
de mais novo no m rcado a 640 rs.
Delicadas alpacas de seda com delicados
padrees e muito bro, de gosto inglez
a 80 rs.
Delicadas Lirinhas di urna s er, sendo
de todas as cdres.como sejam : verle e asul,
roxo liri, cor de canna, c6r de rosa, bran-
cas uro lis'.ras da m?sma cor a 800 rs. e
1,5000.
Grande oriimento de faz^ndas de todas
?"> c6res, edffereates qaaliddeo a 320 o
covado e 400 rs.
Bragas de lia trasparente tendo do to-
das as cores a 200 rs.
POPEUWAS
O Pavo vende as mais delicadaspoupsli-
nas de v.rdadeiro limo e seda, sendo com
os padrSes lutra \o*, e os mais delicados que
tem viudo a> mercado, 'havendo de todas
a; edrea a 20000 o covado.
Dit is com difiranle j padroes, para ac-
!) r, a I0'OO.-
Sedinbaa de listras oom delicadas cores,
te ido at rxs para lio a i 5 500.
NOVAS SE )AS A 20500
C Parlo receban uaa nova remessa das
mji; liada sedas para vest'dos com ;s mais
liadas cores e mais ielicados desenos
miadi: b s, era urna s cor, garantiado-se
qu; seda pura e q ae seria fazendi para
mais de 3:00, a na: se ter feito urna gran-
t: com ira e liquida-si a 25500 o covado.
GOS PRETO
O P lo vende sempra grosdenaple pre-
to para vestidos sendo soffrivel a 106UO o
covado.
Di;o bom cot ourelia branca a 20000,
D'to nvi'to encorpados e muito largo a
2-5>i>UJ c30\jOO.
Diio em tecido de gargajo sendo fa-
i ranito in:rpada a 3,;000 e 40000.
Suda preta iavrada maito eacorpada a
0.
BRl MANTS PAR\ LENCOES
O Pavo vende superior bramante de al
godlo tendo 6 palmos de largura, que s pre-
cisa de 1,1/4 vira para que lencol, metro a
10600 ou ?ara!08O\
Dito de linbo poro superior, muito eccor-
pado com a mema largura a vara 20400.
Ditos francezes muilo finos a 20500 e
34000.
Pifa--de Haaburgo e paoao de linbo
com 20 e 30 varas e para tod03 03 presos
e quaiidades.
PlC de bretanha de puro linho, teado
30 jaidas, pelos presos mais baratos que
so tem vista.
Peuinhas de fioissimo esgaio ou celesia
com 6 jard a a 70000.
P, t h do fiuissima silesia, tendo 30 jar-
das a 350000.
Atoalbado adamascado com 8 palmos de
largura, a v ira a 20000.
D.to do linao superior, a mesma largura,
a 30OO.
Dit transado sen ser adamascado, mas
muito eacorpardo a 10'iOO.
Guardanapos tanto grandes como peque-
nos a 3000' a duz-'-a.
ALGODOSINH).
O Pavo vende pecas de algodosiaho
americano com 16 jardas pelo barato preco
de30OLO.
Dita muito melbor com i8 jardas 40000
Dito am"rcaoo muito encorpardo com
20 jardas a 50000, 50500 e 60000.
Dit i largo marca T, sendo o mais fino
que tem viudo ao mercado proprio para
leaces i jarda a 280 e 320 rs.
D to enfestado para lencoes sendo maito
encordado e com 8 palmos de largura, a
vara a 10000.
Dito com a mi ma largura, sendo tranca-
do e muito e icorpado a 10280.
CASSAS FRAN ZAS
O Pav3o vende flnissimis cassas (ranee-
las, com as mais delicadas cores, sendo
listradas ede Aires, fajeada ebegada pelo
nltlma vaoor a 400 rs. o covado.
Ditas francesas finissimas padrSes mia-
dos a 400 rs. o covado.
Ditos de diHerentes gostos a 320 o
covado.
CVMBR\IAS BRANCAS
O Pavo vende eeoabraias verdadeiras
com 8/2 varas cada pega, seado fazenda
que vale muito mais diobeiro a 40000.
Dita mu'to anas a 50000 e 60000.
Ditas com 10 varas a 60OO0 e 70000.
PANNOS FINOS.
O Pavio tem om grande sortimento dos
rado Tes pacaos fiaos que tem vindo a
este mercado, sendo proto do mais fino at
ao mais baixo, assim como ditos azues,
verdes e cor de caf, proprios para palitos
e fardas, que se vendem mais barato do
que em outra qualquer parte, por ter gran-
de porco.
SAJAS.
O Pavo ven le om grande sor ti ment
de saias brancas muito beta bordadas, tea-
do 4 pannos cala urna.pelo barato preco
de 45500.
Ditos ricamente bordadas com 4 pannos
cada ama a 60000.
Ditas j fetas com f ilhos macbeados
sendo muit i finos a 30500.
Ditas da mesma porm mais abaixo a
20fOO.
Ditas tambem j promptas sendo de 15a-
siaha de cores com barras enfeitadas a 30OGO
e 40000.
EfPARTILHOS.
O Pavo vende os mais moda nos espir-
tilhos de todos os tamanbos seado os
mais modernos que tem viudo ao mercado
a 40000 e 50000.
GASAOUIftHOi
O Pavo vale moderaissimos casaqui-
nhos de seda preta, muito bem enfeitados
a 10(00 e 20000.
Dito de croch brancos a G0OOO.
Ditos por terem algom defeito a 30000.
Ditos de fil muito fino a 120000.
BORN'S.
O Pavo receben om grande sortimento
dos mais rices boro;, tendo brancos e de
cores que vende a 160000.
MEIAS PARA HOMEU.
O Pavo tem um grande sortimento de
laeiaj croas para bomem que veade em
dosia a 40000, 50000, '60000 at 100000.
Ditas para meninos de todos os tamanbos
le 30 00 at 60001'.
Ditas para senboras seado francezas e
inglezas, tendo tambem muilo encorpadas e
bastante largas de 50000 at 120000.
Ditas pira meninas de todos os lamadnos.
TAPETES.
O Pavo venle tapetes grandes para sof
proprios para 4 cadeiras a 250000. -
Ditos muilo bonitos avelludados para
duas cadeiras a 100'JOJ.
D tos para o raesmn fim, ou para ao p
da cama a 70000 e 80000.
Ditos pequeos para jaoellas a 40500.
Assim como grande sormeiito de pan
ao3 de cro:b proprios para eacosto de
sof, de cadeiras de bracos, ou de balanco,
ou de guarnido tudo porprecos muito ba-
ratos para acabar.
CAMISAS
O Pavo acaba de receber graode sorti-
mento de camisas inglezas com peito de li-
nbo para todos os precos e tamanbos, que
vende :omo pjebincba por ter grande por-
i;o.
Ditas com pfitos de algodo das mais
baratas at as melbores que veem ao mer-
cado.
Ditas francezas de chitas miudiahas com
os m-is delicados gastos.
Ditas de meia de algodo e de la.
LENCOS.
O Pavo vende finos lencos de cambraia
branca abainhado?, em dazia a 20400.
D tos finissimos tambem abaraados, a
30'00.
Ditos com delicadas barimbas de cores,
garantiudo se serem Gxjs a 20000.
Ditos finissimos de embraia branca, tan-
to proprios para horaem ;oa o para seoho-
ra. sendo fazenda que sempre so vendeu a
60000 e liqoida-se'a 40000.
LENCOS BORDADOS
O Pavo vende finissimos lencos borda
dos para mo sendo de finissimas cambraias
de linbo ricamente bordado;, sendo fazen-
da que sempre se vendu a 40000 e 50000
e liqoidam-?e por se ter frito ama grande
compra a 10600 e 20000.
CHVPEOS DE SOL.
O Pavo vende chapeos de sol de para
seda com barras tendo de todas as cores e
sendo com cabos de canna o maito leves,
fabricados no Porto, sendo fazenda que
vale 140000 e liqnida-se por ter ama gran-
de porco a 100000.
Ditos com delicados 'cabos de marfim a
160000.
Ditos pequ -nos proprios para sealioras
e meniaos a 80000.
Ditos de alpaca com arrnaco de ebapo
de sol de seda a 40000 e 4050 J.
PUNHOS E COLLABINHOS.
O P.ivja tem graode sortimento de pu-
nteos e collarinhos de linho e algodo, pro-
prios para horneas que veade por preco
maito barato
CASINETAS ENFEITADAS.
O Pavo veade cortes de casinetas en-
testadas de alg ida de quadros, para cal-
Cas pelo barato preco de 10000 o corte.
A mesma fazenda em covado teado duas
largaras que tambem serve para roupa e
vestidos de escravos a 6i0 rs.
BRINS.
O Pavo tem grande sortimento dos ver-
daderos bros' de angoLa, proprios para
calcas, coli-tesa palitos a \#OO0 o covado.
Dito muito bunito imitco a 800 rs. o
covado.
Brios brancos de linho dos raelhores fabri-
cantes que tetn viudo a este mercado, de
10300 a vara at 40000.
Brios de cores pira todos os precos e
qualidadss.
Ditos pardos de 640 rs. a vara at 10300.
Dato pardo liso muito emorpado, pan
roopa de escravos a 400 rs. avara,
Fcrrp ftvataisado
lias. \ i
LeiU coodesaii
CofH Martiea.
Vaho de Bordeo m
Volmay I
Haut Falerne
Penillac
Vioho do Rheno :
Seharlacbberger
* Kisdesbeimer Berg
" Hochkeiroer Berg
Marco Crumer aaslese
Kaaeoibaler Berg .
_ Steioberger Cabioet.
Libras sterliaas.
Vende-3e no arnaazem de faiendas de Aagastfi
9. de Ohveira A (I, rna lo Commercio n. 4
CABEIXEIREIRO
o. i
A MAGNOLIA!
As floristas
A Magnolia receben pelo ultimo yapor o que
aa senboras floristas precisaren] para fabricar lio*;
res, como sejam :
Pesiilhas de varias cores.
Bagas de vidros de'diversoa uiodellos e tama*
nbos.
Olhos para mal me-queres e cravot. Z
Clices para rosas. 2IJUIA
Bagas doaradas para flores.
Pomas verdes, encoradas, prejas e de sores sor-
tdas em 18031000 o feilio, etc., oto.
Melas delali fo
A Magnolia roa Dnqne de Caziis n. 45 rece-
ben dessas meias, ranito boas, o vende por menos
do qae em ontra qnalqner parte ; a ellas, antes
que se a cabera.
Candielelros ecoaonlcos :
Os eandieiros econmicos sao na verdade de
invengao agradavel, priva a qnem desejar embel-
lesar urna sala de fazer duas despezas, pois que
tirando-se-lbe o deposita onde se conserva o gat.
tornase um lindo jarro para flores : quem tara
a Magnolia roa Duque de Caxias n. 45, e vende
barato a elle?, porque tem poueo?.
Nao fol intilmente que a Magndia ra Du-
que de Casias n. 45 fez eseropnlosa escolba
seas correspondentes as diversas partes da Eu-
ropa, porque agora tem a satisfaga. de ir rece-
bendo seus pedidos, vindo execntados com tanto
esmero e gosto, que se nfana era expo-ls apre-
ciado dos amantes do bom, tendo a certeza de
serem pelos mesmos apreciaaos.
A Magnolia, nao est descontente com a fre-
gnezia qae tem adqnerido era tao pouco lempo, e
esforca se para muito mais; visto que tem con-
vicQao de ser commoda nes precos de snas mer-
cadorias, zeloza era bem servir a sna fregnezia, e
abominar a caresta.
Ao bello sexo com especialidade. a Magnolia
pede qne venba ve la pessoalraente agora qne tem
recebido parte de snas encommendas, e pretende
ser razoavel nos presos toado a certeza de qae o
snpprir do que bom o razoavel.
A Magnolia, se se tem esmerado em ter uro
lindissimo sortimento do qne ba de melbor no
mundo das modas, porque nao dse]a qae seas
fregaezes seja.ro mal servidos em ontr.t parte,
com objectos de mo gosto : e assim apreasa-se
em mencionar algnns.
Bonitas golnhas e panhos, transparentes e ta-
pado?, fazenda mnito Boa novidade.
Camisas, de linbo maito fino, bordadas e pro-
prias para noivos.
Cbapos de velludo o palba de Italia ultima mo-
da, para senhora e.menioa.
Cbapellinas de cores e pretas, (novidade)
Re enfues para senhora,
Bonitas fiv'elas de madreperffTa para palceira.
Melos aderecos pretos, cacoletas, voltas, erazes
brincos e rozelas de gosto moderno.
Variado sortuaento de capellas, bonqaets o si-
po' de botoes de flores de larangeira.
Plores de cores e pretas para cbapos e cabel-
los.
Liohas de todos os nmeros para croch e bor-
dado.
Chpeos de sol e bengallas coa bonitos sabos
de marfim.
Bonitos cbapos de sol para senhora.
Jarros transparentes para flores.
Ricos port Joias, port car toes e port-money.
Bonitas caixinhas cora perfumara, propria- para
presentes tendo disticos as tampas.
Ditas com preparos para costura, ricamecte en-
tenadas e cora mnsica.
Bonecas, ricamente vestidas.
Lindas boicinhas de velludo, som estojo para
costara e sem elle.
Albuns para retrates com com capa de madre-
perola, marim, dsso o madeira.
Livros de mrss:i, -esm capa de madreperol*,
marfim, sso e tartaraga.
Carteiras de chagrn, com estojo para algi-
beira.
Navalhas maito finas, com eabo de marfim e
tartaraga.
Grampos com flor de madreperola, novidade.
Baratas caixas de tartaraga para rap.
Sapatos de la, bordados em talagarca.
Camisas bordadas para hornera.
SO' NA
MAGNOLIA
45Ra Duque de Caxies45
' DE
SA' LEITAO, FONCECt & C.
MMMS
-DE
COSTURA
1 oegaramao Bazar Universal da raa No-
ra o. 1% um sortimento da machinas para
costara, das melhores qnalidades qae existe
na America, das quaes multas j sao bem
conhecidas pelos seos autores, como sejam;
Weller & Wilson, Groxer A Boka, Silen-
ciosas, Weed e Imperiaes e ootras muitas
que com a vista deverao agradar aos com-
pradores.
Estas machinas tem a va&tagem de fazer
o trabalho que trinta cosforeiras podem
fazer diariamente e cozem cora tanta per-
feico como as mais perfeitas costoreiras.
Garante-se a sua boa quadade e ensina-se
a trabalbar com perfeicjio em meroos de orna
plora, e os precos s3o to* commodos que
devem agradar aos prelenden'os.
F'irioha de mau doca
Superior e maito propria para mesa, em barr
ricas de farraba de trigo ; a HfOO rs. a barrica
nos arraazens de Taso IrroSns & C.
Candieiros pora g-z
Vende-se lindos eandieiros de bronze, por pre
eos inferiores ac qne cnstarara : rna do Impe-
rador n. 31, escriptorio da emnreza do gaz.
Padaria
Vende-se a padaria da Casa Forte, pertencenle
a Gabriel O. Carapo : para ver na mesma, e para
tratar com Tasso IrooSos & C.
MACHINAS
PARA
LAVAR R
Moreira Dias, raa da Craz n. 26 avisa aos
seas fregaezes qae j receben as dosejadas ma-
chinas para lavar roupa, trazeado ellas desta vez
expremedor.
Estas machinas tem a vantagem sobre as oo-
tras de lavar e expremer em meos de cinco mi,
natos para mais de cincoenta peeas de roupa;
sao muito proprias par as pessoas que se dedi-
cara a tomar roupa para lavar e engoramar, visto
sabir a roopa do expremedor quasi qae enchuta,
trazendo a vaBtagem da eeoaemla de tempo qae
se espera aflu de onchagar e poder-se engora-
mar ; o annnnoiante o uoko agente nesu praga
das referidas machinas, e por'isso as vende por
preco maito oommodo.
J A. Moreira Dias
tem constantemente em sen armazem ra da
da Craz n. 26, e vende por prefo commodo o ge-
gainte :
Graixa em boioes N. 97.
Balances horlsontaes para cima de balcao.
Camas de ferro com colrto de molla proprio
para, rapaz solteiro.
Aparaihos para cha do melbor metal do afama*
do fabricante ChrystoQe.
Aqo de Millo sortldo.
Agna Florida verdadeira.
Machinas para copiar cartas,
Chamipsdevilro par eaodieiro gi.
Santo Antonio, 8. JoaoeS.
Podro
Alguidares, baeias, bateieiras vidradaspm*.
completo sortimeoto de lou?as; a roa da I e-a6;a
trizo. 61, e do Raogel a. 16.
A 1-1800
'-.;
Vende-se botasin*n para crianea pela barato
trato de 1,1800 : veaham ao Riva do ftacifa t. 50
A, raa do Marqnez de Olioda,
Nova remeasa
AqteJIes eagraeado pasea que daaiam 'om
qaarto de hora mais oa menos, mostrando drver-
ms caracteres, a Nova Bmertiie reeeha arHo-
aaeete,
Em casa de Tisset freres, na rna do Com-
mercio n. 9 ba para vender :
Agua de Vicby das fontes FUabeiwe, Ceiestins,
Grande Grillo, Hospital e Mesdanies, era caixas
de SO garrafas.
Agna de Cbateldon, exeellente agua da meza,
em caixas d SO garrafas.
Agua de Vals das fontes Presiense, Magdaline,
Desire, Sante Jeao, Rigolette e Dcnimiqu?, em
caixas de 24 garrafas.
Ccgnac da9 marcas : Blanchy frres k C
Royer Guillet & C.
Martel frrede Velrcs.
Rival sem segundo
Roa Duque de Caixia n. 91, toja de miu-
dezas de Joi Bigodioho contina a vender
t'i'lo quanto tem em seu estabelecimento
pelos presos abaixo declarados, a saber
Libras de laa para bordados a 60O
Caixas com superiores gram-
pos fraucezes a rs. ICO
Talheres para meninos a 240
rs. e 400
Libras de Hoha de aovello de
o. 80 120 a 10500
Leocos de eassa com barra a rs- 100
Varas de franja branca para
toalbas a rs. 120
Duzia de meias Snas para se-
oboras a 40500
Masso de palito seguranza a rs. 200
Navalhas fazenda superior a 10000
Caixas com penaas d'aco a rs.
320, 4C0 e 5C0
Caixas com papel amizade a rs 709
Dita, dila, dita beira doura-
da a rs. 800
Caixas eom envelopes a re.
500, 600 e 800
Pessas de fila para coz com 10
varas a rs. 440
Dazia de licha frouxa para bor-
dar a rs. 400 e 500
Baralbos francezes muito fi-
aos a rs. 240
Ditos de beira dourada a rs. 320
Dazia de agulbas para machi-
na a 20000
Libra de pregos francezes a rs. 240
Resmas de papel braoco liso a 30500
Ditas, ditas pautado a. 40000
Dozias de sabonetes muito fi-
aos a rs. 700
Dazia do linha da carritel
Alexandre a 10000
Croza de botoes madreperola
a rs. 500
Cartoes de linha branca e pre-
ta a rs. 10
Thesooras moito finas para
unbas a rs. 500
Groza de botoes de loaca
a ra. 120
Pares de sapatos de couro
para meninos a 20000
Caixas com 4 papis de
agulbas fondo dourado a rs. 240
Frascos de oleo Oriza supe-
rior quadade a 10200
Caixas de folha com palitos
de vella a rs. 200
Pessas de fita de 12a para de-
brom de tedas aa corea a rs. 320
Pessas de fita branca elstica
para debrom a rs._________________200
N. 82 RA DA IHPERATRIZ N. 82
Esforcando-se para satisfazer ao Ilustrado publico no qae relativo lor aoa trabalho
de sua profiss3o, em a maior promptido, commodo, e esmero, resolver- fazer refor-
ma em sea estebelecimento e manir-se do qae nos mercados estrangeiros ha de melbor
e do ultimo gosto mandando vir em direitora e por sua coota d5o so grande qnantidada
de cabellos de to las as cores e famanho como todos os preparados reconhecidos pelaa
sociedades hygenicas comeos mais olis a conservaci a eaabeUezameoto dos cabellos
natoraes sem prejuo da sade. acbaodo se assim habilitado a foraecer aos consumido-
res, por 20 7 menos do que ootro qnalqner os objectos de phantasia para adorno, a#-
seio e bygiene da cabeca, inJispensavtis ao mundo elegante e em geral a todos que cui-
dara de cooservar a propria existencia, deiando de asar de leos, banhas e cosmtico
proscriptos pelos bomens de seiescia como eapazes de amortecer os bullo capillares,
prodozir a calvice ou apressar o enbranqnecimento dos cabellos, e oceagieaar o appaca-
cimeoto da cephalalgia, eclampsia, epilepsia e bysiena e ootras molestias cutneas e ner-
vosas.
0 pessoal do sea estabelecimento se acha montado eom capricho a escolher dos sa-
ibores artistas natoraes e estrangeiros bavidos na provincia entre os qoaes ae disngae
Mr. Alfred Belpeche e o Sr. NapoleSo especialmente destinados aos ponteados das ae-
nhoras para o qae ba demonstrado pericia inimitavel por ootrem entre Bes havido, A
facilidade e o gosto com que o Sr. Na,,oleo execota os penteados mais difficeis tanto
histricos como de sua phanla&ia aatorisa a qae se o considere como om geBio neU es-
pecialidade.
Os empregados do sea estabelecimento sem excepto exclusivamente cada om ira
especialidade que mais amostrado.
A casa recebe por todos os vapores os figorinos da ultima moda de penteados ad-
miltidos nos paizes civilisados entre os quaes prima o somptuoso Pars.
O bailo sexo encontrar no estabelecimento grande e variado sortimento de coque
de tranpa$, chlnons, normanas, coques de cuchos, cache peines, toupets,bouclesr orescen-
tes do que ha de mais moderno e elegante aesle genero, perfumaras d> bricantes como Lubin, John Gornell, Rimmell, Artinkson, Le grana Piver, Coudray-tte.,
etc., liodissimas fl. res especiaes da c-beca pos de ouro, de diamante para pnlverisar oa
cabellos, finissimas escovas de denles, penles de tartaruga, e muilos ostros obyectos n-
dispensaveis a om toilette de gosto.
Os seas collegas encontrara"o a conteni os utensilios de snas profissoee, theoaraav
ferros para frizar, ferros para papellostes cardos etc., etc., quer em porslo qner a re*
talbo serlo vendidos.
MfiiSa
GRANDE
UiniiOl BE JOIM
O CORADO DE ORO
Liquida suas joias por terde acabar o estabe-
^^ lecinieiito, ha grande reducjao mesmo nos presos
mi
das entradas.
N.2 D
Ra do Cabug N.2D
MUITA ATTENCAO
GRANDE REOCQAO EM PRECOS
Na ioja de Antonio Pedro de Souaa Soares, na ra do
Barao da Victoria n. 28, outr'ora ra Nova
E' BARATISSIMO
MIUDEZ^S.
Caixa de linha de marca a rs. .
Du/.ias de pecas de cordo impe-
rial ars.......
Duzia'de pecas de trancas de cara-
col brancas a rs.....
dem idem lisas a rs.....
Duzia de cartoes de linha preta e
branca a rs.......
dem de pegas de fita de linho chi-
neza a.......
Resma de papel pautado e liso a
30000, 30500, 40000 e .
Caixa de papel amizade muito
superior a rs.'.....
dem idem de quadiinhos a rs. .
Caixas de envelopes finos de por-
celana ars.......
dem idem a rs. 400 e .
dem de pennas a rs. 400, 500 e .
Abdtoaduras para collete, grande
variedade ars......
dem douradas para pnnhos a rs.
Duzia de baralhos francezes a. .
dem idem idem canto dourado a
Lamparinas a gaz a .
Duzia de talheres 2 botoes a .
dem idem 2 botoes (com pequeo
toque) a.......
00"*e *00P*!* 8P ogSeirai e oqeD raapi
Grosa de botoes de osso pretos
e brancos a rs......
Completo sortimento de filas de
sarja, de todas as largaras, co-
res e presos.......
MODAS.
Coques de trancas modernos a .
Diademas moderaos a rs. 500,
640e........
Grinaldas para casamentos a 30, e
Gdles e trancas de seda de cores,
a peca de 10000 a .
Mi.oosos leqaes de osso para se-
nhora a.......
280
320
400
20C
120
i&m
40300
700
640
80C
500
10000
200
500
20600
35600
102OC
505O
40300
200
50000,
20000
50500
30000
90000
dem idem de sndalo com lan-
tejouhs a.......50000
dem idem a imitaclo a 20200
Luvas de pellica para homens e
senboras, o par 500 rs. e 30900
Transparentes com paisagens para
janellasa.......120000
Bico de seda proto e branco peca
de 20500 a......70000
Fita de seiim Ma o escosseza lar-
ga, vara a......30000
Coilarinhos bordados para homem
duzia a ....... 80000
dem idem lisos a.....70.00
Temos de tbesouras emcaixinhss
o que ha de mais fino a 60000 e 90000
Grande sortimento de entremeios
e babados tapados e transpa-
rentes para todos os precos. .
PERFUMARAS
Garrafa de agna florida verda-
deira, a....... I03oi
Idem idem ka nanga do Ja pao a 103OC
Frasco de oleophilocomeverdadei-
ro a........ 10000
dem idem antiqne a rs. 400 e 500
11 sas com extracto a 10800
Frasco com extracto de 10000 a 40000
Macos de sabonetes inglezes muito
bous a rs. ,...... 600
Banha ingleza muito superior de
rs.500a.......20000
Duzia de sabonetes de anjinho a 20000
dem idem de coraco a 105CO
Pacotes com pos da arroz mai-
to Sao a rs. 300, 400 e 500
Caixas com dito maito fino ka-
nanga a ....... 10500
Frascos com agua de Colognea rs.
500, 10000 e 10500
Garrafas com dita o que ha de me-
lbor a 30000 e.....40000
Sitio da Ipyrang
Em Afoga Jos
Vende-se nm eom baixa de campim, eoqaeiros
ie tractos e novos, diversas froeteiras, casa de
jipa eoberta de tena e em mo estado ; tratar
no .Coraco de Ouro.
SEDAS
Ricas sedas para vestido do melbor gosto por
baratissimos precos : s o Triampho da Boa-vis-
ta, raa da Imperatriz a. 20.
Euxovaes para baptisados
Ricos enchovaes para baptisados pelo baralissi-
ojo preco de 16fQ0 cada um : s 'o Triumpho
da Boa-vjsu, roa Aa Impartira n. 20.
A 2,000 saias.
gaiai fia eom habidos frsalos a 3J000, di-
tas eom bibalmbos bortadoa s 3*500 : s se
Beban no Triampoo da Boavtsta, raa dVImpe-
Srli o. 30,
ESPELHOS DE MOLDURA
De todos os tamanbos e precos, molduras para quadros, boneclas e brinquedos para
criancas e ama infioidade de objectos que se tornara longo mencionar.
N. 28 Ra do BarSo da Victoria N. 28
com m mu.
N. 63 A ROA OA IMPERATRIZ-N. 83 A.
Vende-se espartiluos maito bons para senhora a
2*000, a ellas, antes que se acabem, assim como
botina* de cores e pretas para senhora, ebegadas
no ultimo vapor inglez, a 4*500, 5*. 5*500 e 6,
at 7*, sendo estas maito boas; lenbo mais a di-
zer que s o Colar da Rainba pode vender borze-
g'ins da trra para bomem, obra multo bem teita
a 4*500, 5*, 5*500 6* o par, onde o proprieta-
ho deste estabelecimento espera a concurrencia
de seas numerosos fregaezes e fregaezas.
VENDE-SE
O tabeleeimaJI l* calcados da travessa da
roa das Groxea. 4,tratar bq mesmo.
Fogos e sortes.
Amaral, Nabneo & C. avisam a seas amigos e
fregaezes, qne acabara de receber de Franca
Allemanba om vanadissimo sortimento de fogoge
sortes de nova invenco, proprias para sslai, e os
festejos das noites de Santo Antonio, S. Joio e S.
Pedro, sendo papel furta-cores, logos de bengila,
toorbellons, rodas, estrelinhaa, fontanas, cuajas
de fogo, qnorlibit, e sortes em caixioas profHas
para farer-se presente : veade-se sw Baar tc-
torla n. 2. i
i

iriifo.
___i-ne ama armacj* nova de amarello en-
vewtaada: i tratar aa na do Bario do Victoria
o, U,
ESTRUME
O fiwr ds aemouico, daa fabricas toj*.
um dos Estrumet mai lecoauaendafel para W
nada.
- *


HQJSL
Yende-ae o da roa da Liraw'eira, M. 3Di
tratar ao mesmo,


i*n dt Ptrintmo Quara feira fSf^ti Janho'tfi 1872
r
f '

r,
r



*

RA"110 DUQUE DE CAXUS
(Outr'ora do Queimado)
Est estabelecfmenfo acaba de recebr am importante ortimento de diversas a
sendas propr'm para. Vestidos, sendo poupelraas de seda, sedas, I5as, percales, ditas con
barran prorias toara babados, fiadas' cambraias crox, e em fim orna inflmdade d'arti-
go de imt'/TOao' proprio'para a festa, o qoe todo vender por precos inteiramentt
ratoaveis, em conseqoencia de estarmos prestes ao Om do anno, e o 65 n5o quer te
frauda trabalho cdm o sea balando, preeriDdo tomar dinhero a fazendas, convida-at
porgante ao respeitvel publico a vlrem sorfir-sena loja tfo 68 aonde comprarJo porpre
r-oa que nlo obterto en ootro qnalqner estabelecimento; em fim ver para crer
Madeira,
RA DO DOUE DE CAXIAS
(Outr'ora do Queimado)
Rival eem segundo
Ra Dnqne de Caixias n. 31, loja de
nindezas de Jos de Azevedo Maia e Silva,
conbecido por Jos. Bigodinho, contina a
vender tudo qoe tem por menos do qne
em outra qnalquer loja, a saber :
Correales pretas de borraxa
para senbora a 15300
Garrafas de agaa Florida verda-
dera a 10300
Caixas com brelas de massa a 40
Frascos com macar perola a iOO
Pacotes com poz de arroz fa-
enda fina 500
Pares de boioes de osso
para panno a 00
Sabooetes de bolla muito fino
a 160 e 240
Cartas de alfiaetes de rato
fazenda boa a rs. 80
Carriteis de retroz preto com
2 oitavas a 600
Gapacbo de palba muito boni-
ta a 600 rs. e 700
Frascos com oleo Philocome a
500 rs. e 1,5000
Pares- de sapatos' de tranca
para menino a 10500
Pessas de tiras bordadas a
500, 600, 800 rs. e 1,5000
Frascos com agua de Colonha
muito boa a rs. 500
Gravatas pretas e de c&res a rs 4 O
Pessas de transas modernas
de todas as cores e todo o
prefo
Libra de areia preta muito
boa a 160
Nvellos de liaba com 400
jardas a rs. 60
Livros da misso abreviada a I 500
(-.Silabarios portuguezes a rs. 400
Cartas com 100 contas im-
presas a I500
Caixas com 30 novellos de li-
iha gas branca a rs. 500
Gaitinhas para meninos a 40,
60 rs. e 80
Caixas com 12 frascos de
: he iros a i 4500
Caixas com 6 sabooetes moi-
to finos a rs. 800
Peutes para segurar cabello
de menina a 200 rs. e 320
Chapeos brancos para bapti-
zados a 24500 e 4000
Copinbos com superior banba .
a 200 rs. e 320
Frascos com oleo para cabel-
o fazenda fina a rs. 320
Frascos com oleo Baeoza a
300 rs. e
Frascos e garrafinhas de agua
deColonbaa (500
Frascos com verdaJeiro azeite
para machinas a rs. 500
Redes com contas para segu-
rar cabello a rs. 400
Latas com bao ha de Piver a
-"00 rs. e 320
Garrafas com agua Celeste
moito fina a
A leu
50
I 500
A 4^500 rs.
Vende-fe sacos de multo bom milho : no9 ar-
nazens ra do Aroorim e caes do Apollo, de
risoa l-maos & C.
ilfiinRi ff si
m
8
fSs
.' "> 2 o o
?filis&
p. 5 3IT3 S B
9 o i X r-"" "** aumH
R\H-Ai ?;
Capricho.
Vende-se o engento Capricho, distante da esta-
,ao de Una orna ou daas legaas, movido por
ama exaeileito machina vapor, e com optimes
arreos, tara salrejar quatro mil pies annoaei:
a tratar no mesmo engeoho com Joaquina Jos de
Arla, oq cesta cldade com o sea correspondente
b 8r. Joaqoim Rodrigues Tavares de Mello, eom
wcripUrio praca do Qorpo Santo n. 17. primeiro
dar.
AGURDENTE DE CANNA EXTRAFlNA
EM GARRAFA.
Veade-se na raa 4o Encantamento n. 3, prl-
aneiro aodar.

Arroz de casca
Superior em saceos muito grandes: nes arma-
da Tasso Irruios & C
_ -A veaietein eerre)i da Batiera, marca ban-
Mra,JsMprier qoalidade: veadem Taaao Ir
** *-C as sea armaien da roa do Amorim
n. 37.

Dan
Saita
Hassa ... Tx
arada para Moa: oa rna i$
Ra de Duqne de Casias n.
Recebes:
Lindas caixinbas com os necessario* para (mar-
ear roapa, sendo aboedarto e nnnieragao, frascos
com tinta preta e encarnada, pioceis etc. etc. o
que de certo novidade em tal genero.:
Novos coques grandes com booitos desenhos
vindo entre elles alguns enfeitados com fitas e flo-
res ; assm como bonitos crespos.
Aderecos encarnados de madreperola.
Crnzes pretaa com enfeites donrados e ontras
brancas de cbristal.
Casas de pedra e cal muito
baratas
Urna senhora viuva tendo de mudar-se para f-
ra desta cidade, vende urna casa terrea em terre-
no proprio, na ra Imperial, tendo duas sallas, 2
quartos e quintal, per ura cont e quiobentos
mil ris, cujo alague! de 45 a IGOOO mensal,
e 12 meias-iguas tambem na rna Imperial, na
trrvessa da Bandeira, igualmente em terreno pro-
prio, tendo cada urna dellas urna perta e janella
na frente, a excepcao de urna que tem duas ja-
nella?, e tidas urna sala e dons quartos, dez das
quaes tem terreno atraz, que abrindose urna
porta, pode ter o sen quintal ; vende-se a 500i,
sea alnguel mensal para 7000 e a de duas ja-
ntllas para 8^000 ; mas quem quizer urna ou
duas serio vendidas a razao de 600 jOOO e a de
duas janellas por 700^000-rs. Estas ca?as estao
edificadas na rna Imperial, bem perto donde ac
laalmente parara os bonds. J quem tiver ponco
dinbeiro, pde-se chamar proprietario oa morar
era casa prnpria. Os pretendenies dinjam-se
ra dasTrincheiras n. 48, a casa'do Sr. solicitador
Burgos, o qual et autorizado a contratar, mes-
mo a praso com garanta idnea.
Smaocome
Tnico especial contra a calvlce
Com nm bello fortiraento de perfumara que a
I Aguia Branca acaba de receber veio tambem o
apreciadoSmaoconecujo proveitoso effeito
ja bem coqbecido por quantos o tem usado e ser
anda mais por aquelles que necessitam de 9ua
utilidade. O continuado uso do Smaocoms d o
bom resaltado de impedir a queda dos cabellos,
fazs-los renascer e conservar o seu brilho natural
alen de que sea odor mais agradavel qne d'ou-
tro qaalqaer tnico continua a ser vendido nal oja
:d Aguia Branca.
Leite de rosas brancas
Expeliente para acabar com as sardas, pannos e
espinhas no rosto.
Yende-se a ti o frasco, na leja d Aguia Branca
ra Daque de Caxias n. 50.
Bonitas caixas com perfumaras
propnas para presentes.
Vendem-se na loja d'Aguia Branca ra Duque
de Caxias n. 50.
Modernas e lindas csaquinhas
para senhoras
A aguia branca ra Duqae de Caxias n. 50
receben urna pequea quauUdade de lindas casa-
quintas de lia branca primorosamente enfeitadas
com setim de core, obras essas tio modernas
quio lindas. A prova dessa verdade est no apre-
co que ihes esiao dando as Exmas. apreciadoras
do bom..
A Aguia Branca
NA
Rna Duqne de Caxias n, 50
recebeu bonitas bolsiuhas com necessarios para
crochet.
Agulbeiros de os-ro com agulhas e cabo para
ditos.
Paptl verde liso e llstralo para folbas de rosas
Dito de cores para flore?.
Dito fino verde e pardo para cobrir oe talos das
rosas.
Dito de cobre de cores para Acres, sombra, etc.
Lindas beoecas enfeitadas, e oatras cera roo,
raaos e ps de porcelana.
Modernos aderemos de madreperola.
Ditos de filagrana dourada eom camapheos.
Ditos pretos, gosto inteiraraente novo.
Crozas de madreperola.
Delicadas carteiras com capas de marfim.
Ditas pequeas proprias para lembranga.
Tita vilete
A Aguia Branca i roa Duque de Caxias n. 50.
recebeu a superior tinta vilete do acreditado
fabricante Adrien Maurin, e como sempre vende
baratissimo.
,iiTT.UC,

Acaba de ebegar a este estabelecimeoto una importante s mimento de joias de
ouro, do melhor gosto e qoalidade que tem viodo neste genero, como cassoletasde
nix com Jettras de diamantes e pinturas finas, aderecos e meios aerecos com pedras
finas, etc. etc.
Ra do Gabuga' n. 5.
Moreira Duarte & C.
ESTABfiLECIDOS
TRAVESSA DA JttADRE DE DES W. U
Vendem os segnintes
VINHOS
Borginba,
Amoroso,
Xerez,
Rheno,
Malvasia

Das segnintes marcas:
St. Lambert,
St. Jolien,
St. Estephe,
La Joor,
Vendima Cbatean Margaux,
Cbatean Blair,
Cbateau La Rose
E Cbateau Languiale.
E Brdeos




CHAMPAGNE


Ao gosto de Londres e de Pars, marcas moito superiores.
magn-ifico 80r,imeDto de vinnos acima descriptos foram fabricados de 1815
I e "co,Ddo8' com particular recommenda(j5o, pur om ptimo entendedor, nos
grandes depsitos das docas de LondresGarante-seas qoalidadese vende-se a pre-
Cos muito mdicos para animar a pedir nova remessa.

ARMAZEM DOS
Ba Daque de Caxias n. 29.
Os propietarios deste bem montado estabelecimeoto scientifleam 50
respeitavel publico dc.sta provincia qne se acam com um variado e completo sortU
ment de movis, tanto nacionaes cerno estrarigeiros, sendo estes escoltados, por um dos
osos qoe se cha actualmente na Europa. oThesmo*;tem'ohtraetado com os melhores
fabricantes daquellecontinehte as remessas dasinais ricas mobilias feitas all.
Na officina tem os mais habis artistas deste genero, e por isso pedem que te-
oham visitar o estabelecimento, aonde eneontraio a rwRdade do que acabara de expr*
ne se pode examinar: ricas o completas m'oblHas d Jacaranda, mogno, faia, carvafbo, a-
marello, etc, ricas e elegantes' camas deja caranda, pao setim, amarello, etc., etc., guarda
vestido de amarello, guarda loop de nogueira e de amarello com tampo de pedra, apa-
radores de dito dita, peti toilettes especialmente para fazer a barba, toilettes de jaca-
randa, amarello, pedra, secretabas d3 Jacaranda e mognocus tureiras ae mogno, san-
tusrios, thears para bordar, bercos, lavatorios com espelho, de pedra marmore e seus
pertences, caeiras privadas, bids; etc., etc., e muitos ontros artigos que deixamo-de
mencionar por se;te mar enfadonho
AGUA DENTRIFICE
DO
DR. P1ERRE.
.- Aguia Branca rna do Duque de Caxias n.
oO, receben em apreciavel agaa dentriflee do Dr.
Fierre, cuja snperionde bastante conbecida.
DA
Na 63 A. Ra da Impe-
ratrs n. 63 A.
So o proprietario deite estabelecimento pode
vender eeqnes do ultimo gosio a- 3J500 cada am,
visto ter recebido em direitura, por isto pode
vender por menos do que outro qnalquer.
' '
DE
SINGER MANFACTRING GOMPANY
Grande reduc^ao de presos !!!
! 90^000. 90$000. 90^000
AVISO ESPECIAL
A alta reputado obtida pelas machinas fabricadas pelo
MR MAJlMlnTO MP-
tem levado diversas pessoas a fabricar imitacbes que ellas vendem quasi sempre ob
pretexto de serem ellas fabricadas pelo systema Singer.
S
.

Samuel Power Johns-
ton & C.
Rua do Apollo n. 38 e 40
Faiem sciente aos seas fregnezes qae teem
mudado o sea deposito de machinas a va-
por, moendas e laxas da moito acreditada
fabrica de LowMoor para roa do Apollo n.
38 e 40, onde continuare a ter o mesmo sor -
timento do costnme.
Faxem sciente tambem qae teem feito um
arranjo com a fundicao geral, pelo qae po-
dem oTerecer se para aseeniar qnalquer
macbinismo e mesmo garant lo.
Os proprietarios da rondiQao geral fa?em
cenles aos senbores de engenbo e mais
pessoas, qne teem estabelecido urna fundi-
cao de ferro e brouze a ra do Bruna, j..li-
to a estacio dos bonds, onde aprontaro <>,
qnalqner obra de encommenda com perfei- l.\
gao e prora ptidao. ffjf
Os mesmos rogam as pessoas que qnci- %^-
ram ntilisar se de seos servicos de deixa-
rem as encommendas em casa dos Srs. Sa-
muel Pe wer Jobnston & C a raa do Apol-
lo n. 38 e 40, onde acnarao pesoa
Roa do Mrquez de Olinda n. 50 A,
Amiga da Cadeia.
Tem para vender os seguintes objectos abaixo
declarados, como sejam:
Carretel de linba de 200 jardas a 60 rs., sapa-
patinhos de laa para crianca a 240 rs., ditos finos
S320 re., sapatos para homem e senhora, avela-
ados a i400. ditos de tranca a 1 500, latas
com banba a 80 rs., ditas fina a 160 abotnada
rae para coletes finos a 320, ditos a 600, 1 000,
e U600. duzia de pborpboros de segrosla a
200 r. a duaa, frascos de sndalo verladetro a
I OOOrs., ditos de agua divina a 14200, ditos de
agua de madalene a 11200, ditos de agua de co-
logoe a 2C0 rs., ditos grandes a 500 rs., entre
meios a 600 rs. a peca, ditos mais finos a 800 n.
aguiba a balao a 40 rs. o papel, caivetes Anos
a 400 rs., ditos a 500 rs. IJ0O0; alera destes ob-
jectos ba m completo sortlmento de miudezas, o
qual se yende indo barato pafjajuJar: venha
ao Rival do Recife n. 50 A.
^NENHUMA MACHINA SI-
CER E' I.E.IIIMA SE
NAO LEVA ESTA MARCA FIXA
Q BRAC.O DA MACHINA.
PARA EVITAR eOITR.l-
F.4CCOES NOTEM-SE BEM
TODOS OS EIAI.HI S
DA IARCA.
MARCA DA COMPANHIA

A companbia, desejando proteger seas amigos fregoerw contri s imitacoesvtem
adoptado a marca acima representada.
Previne-te ao publico de nao comprar machinas que nao Ievem a marcada
companhia.
W- H. CHAPMAN

Nv 45 Ra do Imperador N. 45


i. .
.
'O ,
FOft
Vende-se om graade
novo coca 9 1,2 palmos d. alto
por diminuto, prego : i tratar a
< Boa-ylsu nS.T.ojutr'on afaraoW
Bwis terrenos.
Vefta-'se.iO'bko&de Santo imano para Be^
,tb bu, odo beta de arvore de frocto, terraoo
eroprto, peito do bonds & do taor de Olaada.
a tratar com. bou trras e onde se pode, com ponco capital,
forniir-se bons sitios: os pretendentes, para] m-
-------------, formacio, dirijam-se i raa do Imperador a. 48,
Moeda de ouro wh****.m,mmo.
a casa da ra dos Guararapean. II
" ir Taaap.
^Lriaa; ?* ra> do Apoll n- ^O-7611*6- "oras sterUoas.
5 Vede-ie faricha rntio boa da teraai^A "
Keeos deSOcuias por SjMOO: na armaiea do
Gnerr*.
I Si
se
rtt de ama casa terrea sita roa da Ventura n.
Capnga: rtralarna roa17!'deMarpr* ?A,
habili-
tada com quem possam entenderse.
Apparelho para fabricar assurar, do systema.
WESTON CE.NTKEFUGA1,
nicos agentes em PernamDuro a fuodi;o geral.
Para tratar em sea escripiorio a roa do Apollo n. 38 e 40.
AC e ferro em vergoinha.
ARADOS e grades para lavrar a trra.
BOMBAS americanas.
CAMAS para meninos, solteiros e casados.
CARRINHOS de m3o.
CHUMBO em cano, lenco, barra e mobicSo.
COBRE em leDcoes e armellas.
COI-RES de M Iner e ootros.
COROS preparados.
CIMENTO de Portland.
CHAPAS para cobrir casas.
ELECTRO- PLATE em obras finas.
ENXOFRE, limalha e salitre para fogueteiros.
ESPINGARDA5, rewolvers e pistolas.
ESTANHO. em vergoinha e barras.
FOLHAS DE FLANDRES, grandes e pequeas.
FOGOES americanos e ioglezes.
FORMAS pan porgar assucar.
FELTRO para caldeiras.
MACHINAS a vapor.
DITAS de lavar roupa e picar carne.
DITAS de cortar fumo, estivar 'agodlo (meteos.)
DITAS de descarocar algodSo mo e a vapor.
LEOS, azeites, sabio e trincal.
PAPEL de diversas qoalidades.
PEZ jS fraocezes de todos os tamanhos.
PRENSAS para copiar cartas.
TACHOS estanbados.
ZINCO em folbas lisas e forradas.

o

Fazendas baratas
LENCOS de linbn Anos com barra de cor. abainhado largo a 9* a inxia.
POPELINAS a l*flO0 o wado.
SKWXHaS U300 eovado.
CAMISAS Baldadas a 601000 a dmia.
VESTIDOS da pfaanUlla a KkJOOO.
A' loja da Turquesa, raa Nova n. 9.

.
H


8
*
Diario d Pernaynbuc izarla (eir 19 d Junho d 1872
/
MERATRA.
C'anco do orpbiSo.
A MEU PAI, EM MEMORIA DE MINHA PRESADA
"A,.
Papai, voc porque chora ?!...
Diga o que ilie acontecen I
Choro meu caro filbinho -. .
f p, r tu a noii que morreu !...
Pa|,a, voc porque chora?...
Diga o que loe aconteceu I...
Ai! papai, chamo por ella,
Chame, chame que ella vara,
Se nao eu morro e nao durmo,
Pois voc nio me quei bem ?!...
Ai! papai, chame por ella,
Chame, chame que ella vem
< Cala a bocea meu filhiobo,
t N5o chores, repousa em paz,
t One quem do mundo se ausenta
tetra o~o volta mais I
Cda a bocea meu filhinho,
Nio chores, repou.-a em paz I...
Ai! papai, nio me abandone,
Chame mami, venha c,
O.he, diga, nio me engae,
Mamaizinha aonde est ?!...
Ai! papai, nio me abandone.
Chame mamii, venha ci!...
t Ah t filhinlio de minh'alma,
Qoem o co te c .ncedeu,
t Ja n3o exista ni trra,
Foi tua mai que morreu I...
Ah I filhinho de minh'alma
t Quena o co te concedeu I
Papai. papai, lenhs pena
De scu filhioho a chorar !
Chame mamai que eu nao durmo
Sera ella me balancar!
Papai t papai I tenha pena
Do seu lilhinho a chorar!... .
Coitadiob como chora!
* Mal sabe o que succedea!
NJo chores mais meu filhioho
t Que a tua mami morreo !
* Co.tadinho, como chora t
9 Mal sabe o que succadeo!
Ai! papai, chame por ella.
Chame, chame que e!la vem ;
Se no eu morro e n3o durmo,
Pois voc n3o me quer bem ?...
\ f p^pai, chame por ella,
Chame, chame que ella vem!...
< Ah t nao chores meo anginho
Qae adorar te adoro eu ;
< Deixa que eu vele e lamenta
Por tua miii que morreo I *
Ah nao chores, meu anginho,
t Que adorar te adoro eu I...
Ai I papai, nao me abandone,
Nio deixe eu morrer assim ;
Chame mamii que eu nao dovmo
em ver ella junto a mim I
Ai I pipai, nio me abandone,
Nao deixe eu morrer assim I.
Dorme, dorme, predilecto
f A 'banjo do peito meo;
i Deixa somonte que eu chore
j Por tua mi que morreu !
Dorme, dorme, predileco
Archanjo, do peito meo I...
Assim allicto e tristonho
Ao ver-me fflicto chorar,
Gritata mea pai chorando
Sem no pranto allivio achar!
Assim, afllicto e tristonho
Ao ver-me aflicto otaorai I
Oh I sim, nesta nenia eu lembro
A dr que meu pai sollreu,
Ao ver-me lonco chorando
Quando rcinha m3i morreu !
Oh! sim nesta nenia eu lembro
A dr que meu pai soffreu I
Commigo sete enancas
Ficaram orphs ent3o,
Ono a mais velhiuha nao -traba
Ainda clara a razio.
Commigo sete criancas
Ficaram orpbiJ on'o!...
Eu era bem pequeniuo
Quando tal scena se deu,
Mas fui crescendo e commigo
A scena tambera cresceu l
Eu era bem pequeoino
Quino tal scena se deu!
Era urna noite eu me lembro,
Eq j dorma a sonhar,.
Quando disperto chorando
Ouvindo meu pai chorar!
Era ama noiteeu me lembro
Ea ja dorma sonhar!...
Sim, foi nessa noite eterna
Para mim de horror fatal,
Qi e vi minba mi entregue
Da morte ao somno final,
Sim, foi nessa noite eterna
Para mim de horror fatal!...
Oh! como a dr permaaece
No recndito do peito !
Parece que a tejo agora
Lvida e morta no leito!
Oh! como a dr permanece
No recndito do peito! <..
Como a vi naqaella noite
Expirar perante a croz,
Cercada de seos filhinbos,
PronunciandoJesns!..
Como a vi naquella noite
Expirar perante a croz!...
Ah desde a fatal partida
Qae me fez de dr chorar,
Que vagonauta proscripto-
No mar da vida a penar 1
Ah desde a fatal partida
Qae me fez d d6r chorar!
Blas, inda n3o, nao descreio
Do poder do Creador!
A fe em mim nao se extingue
Qae Deas fonte de amor)
Mas, inda nao, nao descreio
Do poder do Creador t....
Assim, mea pai, nio choremos
A voz dos decretos seu:
Minha mii era ama santa,
Deas a tenhal nos caos!...

Assim, meu pai, nio choremos,
Qae lia vive junto a Deas!
Recife, 10 de onho do f67|. .
Pki.ino Gedes.
MOTE
Toquei na fibra sensivel
Do coracio da Chiquita.
GLOSA
Corre-me a vda insotfrivel
Desde que, sem piedade,
D'uma fornoosa deidade
Toquei na fibra sensivel.
Urna angustia indefinivel
Dentro em mim looca se agita,
Miuh'alma toda palpita
Entre ardeotes commoces,
y j.inii i escuto as vibraces
Do corago da Chiquita.
Junho de 72.
???
MOTE
Escondec-30 um passarinho
No balaio da Milsa.
GLOSA
Nao sabes, querido anginho?
Vou dizer-t'o sem receio :
Do teu vestido no seio
Escondeu-se um passarinho I
Tem pena do coitadinbo
Que teu coracio invoca.
Guasete que nessa loca
Fique elle se aninbar
De preferencia pousar
No balaio da Milca.
Junco de 72.
???
MOTE

Emaranhei-me na teia
De tres formosas Aranhas.
GLOSA
Jamis pode quem tateia
as trevas de acerba dr
Dizer: das malhas de amor
Emaranhei-me na teia!
Nio poda, n3o, pois receia
Que a sorte, de ms entranbas,
Moveado cruentas sanhas,
Lhe diga cora triste aspecto:
Em vio to buscas o aliado
De tres farinosas Aranhas.
OCTRA
Como quem nio se erreceia
Da cruel sorte engaosa
De Pnelope mimosa
Emarankei-me na teia.
Sorrio-se a densa, e, sereia
De fallazes artimanhas,
Cantando disse: n3o gaohas
Dos lindos pomos a flor,
Porque tocaste no amor
De tres formosas Aranhas.
Junho de 72.


ftf
O MAJOR NAPOLEO POR M. PINHEIRO
CHAGAS.
(Continuacio)
Mas, vendo os austracos batidos, dispoe-
se a aproveitar completamente as anas vaota-
gem ; ordena a Massena dreita qae mude
a sua ordem de marcha e que se dirija sobre
o ls^r pra envolver o inimigo ; a Davousl
esquerda que avance, porque nio suppe
que tenha inimigoi na frente. Mas como
nao possue disso urna certeza absoluta, re-
forca-o consideravelmente, em quanto elle
com o resto das tropas persegue no da 12
os austracos sobre o bar, onde se junta a
Massena. Completamente envolvidas, as
tropas do principe Laiz e do general Hiller
sio destrejadas, e passam o Isar desmora-
usadas e dispersas. E' a batalha de Lauds-
hut.
Por ootro lado Divoost, marchando com
precaufo encontra o principe Carlos, qae
nao sabe ja o que ha de pensar deste tur-
bilhio que o envolve. Pelejam e susten-
tam-se ambos as suas posices. Este com-
bate indeciso o combale de Leuchlin.
Mas Napoleo, que avancara temendo
sempre que lhe tivesse ficado retaguarda
algum cerpo austraco, apenas lhe chegam
aos ouvido3 os primeiros vagos rumores
combate, abandona a perseguido do princi-
pe Luiz e de Hiller ao marechal Ressires,
que os segu com urnas poucasde divisos,
e volta com Massena retaguarda. Era no
da 22: o principe Carlos, muito superior
em torcas ao marechal Davonst, preparava
se para o envolver completamente, quando
se v cortado por tropas francezas que pa-
recem vir da fronleira austraca. Perde a
cabeca cora estamultiplicidadedemovimen-
tos, bate-se com desespero, mas soffre urna
derrota moaumental. E' a batalha de
Eckmobl.
Fogindo na dreccio de Ratisbonna, e dan-
do de um lado a mi ao general Bellegar-
de, do outro sua ala esqaerda, cojo des-
tino desastroso nao conhece ainda completa-
mente, pode talvez sustentar-se. Mas os
francezes perseguemno, e logo no da 23
assaltam a cidade, e obrigam-no a passar o
ro e a langar-se nos bracos de Rellegarde.
E' o combate de Ratisbonna.
Assim em cinco dia3 obtinha-se logo om
soccesao inaudito. Fazia-se perder a linha
estratgica ao inimigo, dispersava-se comple-
tamente para todos os lados o exercito prin-
cipal, matava-se-lhe, eria-se-lhe e aprisiona-
va-se-lhe perto de sessenta mil horneas, lo-
mava-se ama enrgica offenaiva que punha
os francezes na estrada d Vienna, depois
de se.ter demolido o exercito qae devia ser
o moro de bronze onde se qaebrassem' os
seas impetos, e desmoralisaya-se o general
adverso com este tarbilbio de manobras r-
pidas e perfeiut. O princip Cirios assimi-
laou-se dorante esses cinco dias a nm joga-
dor de florete, qae, deslumhrado pelos re-
lmpagos do ferro do adversario, qae, para
assim dizer, o cingem n'um circolo de fogo,
e tentando debalde acudir parada, se v
completamente paralysado e qoasi qae nem
procara defenderse.
Pde-se attribair isto i soperiorkUde QQ-
merica das tropa* ? NSo; o arehidaqae
Carlos estn i testa de ceoto e cieeoenta
mil homens, e Bellegarde conduzia-lbe pela
eiqoerda do Danubio cincoenta mil. O
eicrcito de NapoleSo constiu de cincoenta
mil homens de Davonst, de triota mil bava
varos e wurtembergaezes, e de sesseata mil
homens debaixo das ordens de Massena
s eararaio em linha oo terceiro
cinco diast de coabate. Mas urna
des qualidades de Napoleio M
d saber mallipTictr as saas oreas
senca do inimigo.
Vem agora bem os leitores qual a po
sicie do ixsrcito aoetriaco; o arcbdoo\ie
Luiz o'general Hiller, separados do prin-
cipe Carlos, seguem na retirada pela mar-
gem direita do Danubio a linha qae haviam
seguido naoffensiva, e o general em'ehefe,
tendo sido obrigado a atravessar o ro, ca
minha pela margem esqaerda, unido com o
general Rellegarde- "
Mas o caminho da margem direita cobre
Vienna, e todo o desojo do principe Carlos
, como se imagina, tornar a passar o rio
para se unir aos generaes seos subalternos
Napoleio, pelo contrario, quer pir forga
conserval-os desunidos. Para isso tosjarad
raraveis disposig5es. Davoust passajpur-
gem esquerda e persegue o principe Orlos
Este, que nio deseja acceitar nova batalha
junto do rio, lanca-se as montanhas da
Rohemia, onde fcilmente destruir o im-
prudente que o seguir, e donde espera des
cer n'uma rpida marcha a tempo de cobrir
Vienna. Mas Napoleio consegnio o seo n;
afastoo-o do Danubio. Davoust torna a
atravessar o rio e segoe Masiena, que mar-
cha ao longo da margem direita, em quanto
Ressires, seguido e sustentado por Napo-
leio em pessoa, continua a perseguir a an-
tiga ala esquerda do principe Carlos, recr-
eada de quando em quando pelas reservas
e guamices que encontra no camiobo. De-
balde comtudo, ella tenta demorar a perse-
guicio ; os fiancezesnio lhe deixarn tomar
o fotego ura instante ; o combate de Ebers
berg, combate espantosamente sanguinolen-
to, mostra qual o desespero dos austra-
cos, mas tambem qual a impotencia dos
seus esforcos. Pela segunda vez Napoleio
entra em Vienna triamphante.
Nio adormece sobre os seas loiros, e
Vienna nio para este invencivel Annibal
lio pergosa como Capaa. O exercito do
archiduque Carlos, tendo conseguido afinal
a sua janecio, conservare na margem es-
querda ) Danubio, para onde passaram
Hiller e o archiduque Luiz. Napoleio quer
tomar a offensiva. Em frente do inimigo
fazem-se gigantes preparativos de passagem.
Empregam se longos dias nesses preparati-
vos, em presenta de Vienna estupefacta
com essa traoqaillidade. A 20 de maio a
passagem opera-se. e d em resaltado a
sanguinolenta batalha de Essling. Algamas
pontes qqe se romperam, e mais que tudo
as manices de guerra que faltaram depois
de triota horas de luda obstinada, pozeram
termo ao combate. Os francezes voltam
tranquilamente margem direita e s ilhas
do Danui'io qae Ibe linham servido de pon-
to de partida; o archiduque Carlos cooser
va-so nos seus entrinebeiramentos. Mas este
meio desastre nie altera a serenidade olym-
pica de Napoleio. Repara attentamente nos
defeitos dos meios de passagem, combina,
rectifica, emprega mez e meio em se prepa-
rar para um combate decisivo. Do sea lado,
o principe Carlos cobre-se de novas e mul-
tiplicadas fortificacoes. A. Europa espera
silenciosa e ltenla.
No da 4 de jolbo estava tudo preparado.
Em qaanto o principe Carlos se obstinava
em se conservar nos entrinebeiramentos de
spera e de Essling. e era conservado nesse
engao pelos preparativos de Napoleio, o
exercito francez, protegido polas sombras da
noite, passava em massa sua esqaerda, e,
quando alvoreceu o da 5, o archiduque viu
com espanto scinitilarem sobre o flanco do
seu exercito os milbares de bayonetas das
tropas bimigas. Ao mesmo tempo prin-
cipiava se a ejecutar o movimento admira-
ve! calculado pelo imperador; faaendo da
esqaerda peio, os francezes executavam urna
roda immonsa, e, protegidos pelo fogo da
artilheria da outra margem, levando aden-
te de si todos os postos avancadoe, iam-3e
desenvolver as planicies de Wagram, onde
Napoleio, mez e meio antes, prophetisra
que havia de travar batalha. As fortifica-
coes de Essling tornavam-se completamente
notis, e era no terreno escollado por Bo-
naparte que o principe Carlos tuba de ac-
ceitar a lucia.
A batalha seria devia ser no dia seguio-
te ; o general aostriaco dera ordem a lodas
as suas guardas avancadas que nio fizessem
senio urna frouxa resistencia. Exaltados
pelo orgulho do soccesso, os francezes jal-
garam poder nessa mesma tarde terminar
a contenda, e arrojaram-se temerariamente
para levarem de assalto o montculo de
Wagram. Mas a resistencia dos austracos
foi intrpida e desesperada ; os francezes,
repellidos depois de inuleis prodigios de
valor, retiraram para as suas posices, e os
vapores da larde expirante fluctoaram como
um veo de gaze sobre o rio vasto e lmpido,
e sobre os dois exercilos que no dia se-
grate se haviam de despedazar n'oma des-
sas ludas de leras qae se chamara bata-
Ihas,
XIV
0 BATER DAS TRINDADES.
Urna ou duas horas depois de terminar
essa intil chaffoure, como os proprios
escriptores militares franceses lhe chamam,
um oflicial de cavallaria da legiio portugue-
za apartava-se do acampamento improvisa-
do pelas tropas, e internava-se ssinho e a
p n'um bosquesinho qae coroava urna emi
nencia pendorada sobre o Danubio, e por
entre cojas arvores se divisava ara conjanc-
to dessas pittorescas habitaces austracas,
em torno das qaaes corre ama larga varan-
da. Era orna aldeia, com a sua igrejinha
campestre, cojo campanario hnmilde se re
flectia no Danubio. Este idyllio gracioso,
lanzado assim no meio dos horrores da
guerra, prodaziria am effeito semelhante
ao episodio de Herminia no poema do Tas-
so, se as paredes das casas esburacadas pe-
las balas, o desamparo em qae jazis essa
aldeia completamente.abandonada pelos seas
habitantes, nio inspirassem ao pensador ama
tristeza ainda mais severa e pongente do
qae lhe inspiraran) os qoadros afflictivos do
campo de batalha.
Comtudo, o joven oficial nio pareca
preoccopar-se muito com essas reflexes
philosophicas, e a aria alegre, qae ia can-
tarolando por entre os dentes, o modo mar-
cial como fazia Unir al esporas e a espada,
mostravam qae, se procarav a soledade,
nio era senio para expandir o jubilo qae
Ibe inondava o peito.'
Efectivamente, acabara de receber a mais
suave recompense qae se poda dar a om
soldado de Napoleio. Momentos antes,
pelo marechal Oudinot, em cujo corpe de
exercito estava inclu la, o rairechal disse-
ra-lhe duas palavras aoouvido, e o impera-
dor, parando e fazendo sahir das fileiras o
oficial, pozera-lhe ao peito elle mesmo essa
estrella dos bravos, que lhe pareca agora
mais bella do que lodae as estrellas que
principiara) a scratlfUr no izal do co.
Ji os leitores recoaheceram neste here
o qosso. intrpido Rafael. Foi r cinco
boral la tarde do da 5 Je jujbo que rece-
ben, com eathusiasmo inexprimive!, das
mios do imperador essa glorios: recompen-
sa. Foi s cinco tnras da tarde que no
largo de Carnide senta' Mirla aquella dr
sotita no coracio.
Digamos-rpidamente, antes Ai pro30-
gurmos, qoe papel representara a legiio
portogueza nessa campanha maravilhosa que
a largos treos dascrevemos.
Nioentroa'a legiio as primairas aece-
desta immortal campanha. Parti h de
Strasburgo, j fez parta dos reforr;os que
iam preencher'no exercito de Napolei) as
vaga3 iios ompoa de pehja. C legada a
Augsburgo, foi empgala em destrocar
grrimas tyrolizas qu) infestavara as es
Iradas. Em Apgsburgo tave a noticia da
biUlha de Essling, e marcho] logo depois
para Tierna, juntamente com oulras tropas
frescas. Cheg)u capital da Austria no dia
28 da junho, reunio-se ao corpo de exer-
cito do m'rechal Oadnot, e, atravessanlo
o rio, eotrou em liaba de combate.
Foi eolio qoe o marechal Oudioot tentou
levar de assalio a posico de Riomersdorf,
em quanto Barnadotle investa Wagram, e
Macdonald atravessava o pequeo riacho de
Russbach. Mas os auanacos, segund)
dissemos, defendram-se briosamente. Duas
hateras suas obriam de malralha a neos-
ta. Uraa ditillo fraoceza investe cora ira
peto, doos batalhes portogueza acompa-
nham o ataque ; masa chova da melnlria
borrivel. A iivisio, apesar da sua intr^pi
dez, debanda ; os batalbes portoguezes
hesitara e *ecuam ; eniio um j iven oficial
de cavallaria portuguaza, loro como um
arebanjo, arroja-se, expolido-se quasi s ao
fogo das bateras inimiga^. Esta haroici
dade fascina e enthusiasma os seus compa-
triotas ; voltam carga, sustentara-se, tri-
amphim. Um ajudaate de ordens da Bar-
thier, vindo ver o qua se passa por esse
lado, encontra os doas batalh35 firmes
debaixo de urna novara de balas, e a di vi
sio franceza.que, colhendj novos brios no
examplo d'esses estrangairos volta enver-
goohada carga, e sauda com vivas e ap-
plausos a corag^m verdadeiraraanta pica
dos seus auxiliares. Riphael, alfares no
principio da campanha, foi promovido a t-
enle no campo de bitalha, e recebeu, co
mo vimos, a Legiio di Honra das proprias
mios do imperador.
Como o coracio lhe pulsava com ardor,
ao receber essa recompensa invejada Co-
mo n'essa instante o esplendor da gloria
guerreira olase ,u o scintllar j frouxo nio
s do amor da patria, mas tambem do amor
de Mtria. Se lhe restituis9em a liberdade
e o pozessem a caminho de Portugal, Ri-
phael n'esse momento fugiria para se ir
enllocar ao lado do deslumbrante impera-
dor.
Era bem terriveimente fatal a fascinarlo
que o grande bomem exercia i
Encostado > orna arvore, vendo o D ma-
ni desusar a seus ps, levando na correte
apressada as ultimas scentelhas do sol, qua
se atufava ao loriga as saas aguas, dou-
raado as copulas mal distiactas- e os trra-
eos de Vienna qoe se desenhavam no liori-
sonte, Riphael abra o espirito a todos os
loocos sonhos da ambico. Via-se, depois
i ganhar os postos a um e om no campo
de batalha, sobindo^ finalmante, a mare:bal
do knperio, tendo am ducado, um principa-
do talvez, fazendo parte d'essa brilhante
conslellacio milita? qu3 respleodia no co
do imperio. Eraestrangeuo? Que impoF-
tava ? Tambem Puniatowski o era, e toda a
gente sabia que reGeberia o basti no pri-
meiro eaejo favoravel. B o sol apagava-
se pouto a pooco no- horisonte ; as foguei-
ras dos dous arrayaes prineipiavam a accen-
der-se/corao almenaras, no3 cabejos do
campo de batalha, os vapores da tarda ex-
halavam-se lentamente do Dannbio, e o ar-
voredo qae cobria a vasta ilha do Lobau
tomava nao sei que aspecto mysterioso de
floresta druidica.
Riphael afastou-so lentamante, atraves-
9aado a aldeia deserta, De repente oayio
ama toada de vozes portugoexas, e viu sciu-
tillar por entre as arvoves o claro de umi
labareda. Aproximousesem que o pre-
sentissem, e divisoo um grupo de soldados
de infantera da legiio sentados sobre a
relva, roda de urna foguaira. Pareciam
todos tristes, e nm d'elles, com urna guitar-
ra qae achara meio de trazer juntamente
com os petrechos militares, fazia-lhe vibrar
as cordas n'um d'esses harpejoa montonos
e melancalicos, quo sio o encanto do nosso
povo, perfume de meloda todo impregna-
do|nas fragrancias da Ierra natal.
Raphael sentiu um doloroso aperto do co
racjlo. Vacillou, e cairia se n3o se neos-
tasse a ama arvere. Patria, patria queri-
da dizia esse murmurio plangente e quei-
xoso da guitarra. Os soldados oaviam si-
lenciosos, e pelas face3 bronzeadas de al-
guns d'elles corriam as lagrimas em fio.
A estas horas, disse um, l na mi-
nha trra o largar do irabalho. A. minha
velha m3i resa por mim Virgem e deita
azeite na lamparina que arde sempre diante
da imagem sagrada.
Ea minha Joanna, exclamou o guitar-
rista, a minha qaerida noiva, volta da fon-
te com o cntaro cabeca, cantando talvez a
meia voz, e pensando em mim. Parece
que a estou a ver com as faces rosadas e
Lo olhos negros. Ai I noiva da minha al-
ma t
E, acompanbando se com a guitarra, can-
toa com a voz ebeia de lagrimas :
A ausencia tem ama filha
qae tem por nome saudade ;
ea sustento mii e filha
bem contra minha vontade.
Oh 1 Riphael nio pode resistir i Ura so-
luco pungitivo rasgou-lhe o peito, e o po-
bre tenento (agio aportando a cabega com
as mis,
As estrellas' scintillavam no desmaiado
azul do co : os vapores da tarda flucta-
vam sobre o Daaobio ; as fogueras dos
arraiaes lampejavam paludas entre a brama;
a guitarra melanclica ribrava as mios
trmulas do noivo saudoso.
Sbito, no campanario da aldeia deserta,
resoou, grave e triste, a primeira badalada
das Ave-Marias.
Jesns I Qae mi ignota accordava o bnon
qaando o imperador paitara a galope porfe adormecido? Ningoem estava na aldeia,
diante da legiio portagaeza, acompandole a voi do sino vibrava na solidio l
Raphael parou
A segunda badalada gemau no campana-
rio.
As sombras do crepacolo desciam mais
e m lis s )bre os campos ; os vapores doTo
tomavam phantasticas formas.
Tercera vez vjbreo o sino mysterioso.
EntSo nm vulto vago e diiphaao se for
moa lentamente dlanta dos o ho3 de Ri-
plr.el: o vapor toinou consistencia, as rou.-
pas alvas e areas deseoharam formas airo-
sas; um rosto bem conhecido, triste e pal-
udo, se estimpou no espaco. Raphael viu
Mara diante da si.
No dia erra que se quebrar a crrante
do nosso amor, murmurou a sombra sera
qne os labios so movessem, lavronse a mi-
nha sentones da morte. Mataste-me, Ra-
phael.
A vaga forma desfez se lentamente como
surgir, dissipou se a vbio, e oovia-sa um
suspiro longo e flbil, que expiroa ni soli-
dio do bosque.
Raph3el eslivera immove!, com a fron-
te baobala da suor. Depois sollou um gri
to da desespero iraraenso, e fogiu como
um doi lo na diraeco do bivac.
A noite cabira da todo ; as estrellas
brilhavam no c5o, ea guitarra gema, ge-
ma ao I oog<, soltando ao vento nocturno
a sua toada nacional.
XV.
NO CAMPO DA HONRA
Nio de-creveramos a batilha de Wagram;
j talvez da mais nos eulevassemos, arras
lido3 pelo assuraplo, nal-i quadros milita-
res. Mas no desenlace dessa immansa tra-
gedia procuraremos apenas a ultima scena
>lo no3so dramazmho modesto.
O sol, rompendo no dia 6 de jalh^, illu-
miuou ura destes quadros sublimes qoe
ricam para seopra gravados na memoria
los que os coatemplam. N'uma extensio
di mais da tres leguas desenrolavam-xe tre-
zentos mil borneas promplos a viren s
mos O Danubio corra scintllanle es-
querda do exercito francez. Ao looge, no
fundo, divisava-se o perfil magestoso de
Vienna, banbada do luz. Nos seus telhados
a larra;os agg'omerava se innmero povo,
que vinoa assistir da longo a essa prio gi-
ganta onde se iam decidir os destinos de
dois imperios.
direita da linha sinuosa do exercito
france< scintillavam as bayonetas das intre
pidas divisos do marechal Davoust; logo
em seguida, mas um pooco retaguarda,
o corpo de exercito do marechal Oudinot,
duque de Raggio, esperava, com a arma no
braco, a orjera de entrar em liaba. as
suas fileiras via-se a infantara portogueza,
e o priraeiro regiment de cavallaria, imrao-
vel, debaiXi das ordens do seu coronel Fer-
reira de Aguiar, preparava se para algoma
carga brilhaole. Na retaguarda, da um dos
esquadres, Raphael, sombro e como que
estraoho ao que se passava em tomo delta,
pareca a eatataa de om amigo cavalleiro.
Ni centro do exercito do Italia, recem-ebe-
gado, e commaadado por Macdonald, ancra-
va por se mostrar digno das picas facanhas
dos seus camaradas ; logo deoois- desenro-
lavam-se as phalanges de Bernadotte, e aa
extrema esqaerda, Massena, dera urna que-
da do civallo dias antes, cooimandava as
suas divisos dentro de om calache.
R'rapeu a batalha, e os aosiriacos mos-
tra'am se nos primeiros lances decididos a
jogarem urna partida desesperada. A saa
esqaerda fez trepidar om instante o intr-
pido Davoust. A reserva de granadeiros e
couracsiros, carregaado Bernardotte, leva-o
retaguarda completamente- derrotado ;
Massena v-se quasv torneado pelas legioes
inimigas. J a direita do principa Cirios
se apoia no Danubio, j a divisio Boudet,
que formva o flanco esquerdo dai tropas
de Massena e de lodo o exercito, recua em
desordem, cedendo- o tarreno. Napoleio.
que, no maio da sua guarda imperial e do
corpo de exercito de Maroaont, que sonsti-
tuia a reserva, fazia as suas ultimas dispo-
sices, corre esquerda por entre urna
chava de balas quo pa#ecem respeta-lo
t Firae?, diz elle, firmes umi hora s, e
est ,a batalha ganha. No maio do des-
alent qae d todos so apossra, o olhar
brilbaote da Boniparto, a sua sorenidade,
a sua confiauca, tado restabelecem. Aos
gritos de t Viva o imperador., as suas di-
visoes, dirigidas pelo intrpido Massena,
tomara raz as posices era qae se achura-
Ao mesmo tempo Napoleia, correndo ao
centro, ordena urna daqoellas manobras
sempre decisivas e sempre novas em que
era lio fecundo o sea admiravel engeaho.
Rene todas as bocas de logo despuniveis,
forma-as n'uma iraraensa batera de cem
pecas, e arroja-a contra o centro inimigo
Treme a trra com o peso enorme desta
massa de canhes, os craos repatem espa-
voridos este estampido inmensa, a chamma
deste volcio artificial Ilumina com sinistra
luz. que snlca as densas nuvons de fumo,
o campo de batalha. As divisos austracas
Je granadeiros e couraceiros sio demolidas
como as muralbas de ama fortaleza, e pela
brecha larguissim penetra, formado em co-
lumna cerrada, o exerjitode Italia, que Mac-
donald dirige. Entio a derrota completa,
essas brilbantes divisos dispersam-se com-
pletamente, e o principe Cirios v, com la-
grimas de raiva, desfazerem-se-lhi as
mios os instrumentos da sua sonhada vic-
toria.
Entretanto, esquerda tambera os aus-
tracos pareciam priraeiro triamphar. Ro-
semberg e Hohenzollern multiplicara os
assaltos contra o inabalavel Davoust, e al-
gamas vantagens conseguem, mas entio en-
tra em linha o corpo de exercito de Oudi-
oot. L vae a legiio portugueza, grave e
intrpida, mostrar oque valam ainda, qaan-
do os anima ora sentimento nobre, os des-
cendentes dos soldados de Albuquerque!
Esse sentimento o da gloria portogueza,
da honra do nome de Portugal, qoe deyem
levantar bem alto nesses jogos olympicos
onde combatem representantes de tantas
naces I Briosamente o sustentam, e mare-
ceram qae o imperador dalles diga depois
da campanha: Nao be na Europa melbo-
res soldados I
Entretanto, o regiment de cavallaria fl-
cava ainda em reserva e immovel debaixo
do fogo inimigo. Mas as balas aostriacas
pareeem respailar Raphael, chovem em tor-
no delle e nenhuma lhe toca. Porm nesse
momento nma divisio do corpo de Hohen-
zollern ameaga seriamente o flanco de ama
divisio fraaceza. Oadioot, tendo mi
esse regiment de cavallaria, envia-lhe a or-
dem de carregar.
Umrelamnago de jub:lo ilumina o rosto
sombro tVlvaphael. Vae em fira encon-
trar a morte porque tinto anceia. Nio des-
embainha a espada; o sonboi de gloria
ja nio tem poder sobre elle, mas em com-
pensaoio enterra as esporai no cavallo, e
n'ora instante se acba na vanguarda dos
esquadres. Os ligeiros cavallos nio cor-
rom, vam : os regiment! austracos, len-
to* como verdadeiros aliemies, nem tempo
'.sm de se fo. mar em quadrado. A cavalla-
ria portugaezi surprenende-os na marcha,
destroca-os, debanda-oi. Raphael penetra
no mais acoesso do combate com ama ea-
oecie Je raiva febril, mas ha nelle om fel-
tico que o protege ;- as balas envolvem-n'o
sem o tocarem. Quasi que saspeita qoe
deve provocar a morte, leva a mSo ao pu-
abo da espada, mas, logo a deixa cahir com
desalent. Um sorriso amargo lhe centra a
os labios.
O que a gloria guerreira, murmuro
elle repetindo as palavras de Mara, des-
acompanhada das circomstancias que a jus-
tificara ? Estes homens que esli na minha
frente nao sio os inimigos da minha patria.
Entretanto ama batera austraca vareja
a cavallaria pertugueza, e obrga-a a recuar.
S Raphael nio recua; enterra as esporas
no peito do cavado a gal >pa dir to boca
das pecas. Os seus camaradas contemplara
estupefactos este acto de loaenra, quindo
veeui da sbito desapparecer cavallo e ca -
vallero n'uma verdadeira procella de me-
tralha.
Emfira t bradira elle cahindo fulmi-
nado.
E o pensanento concluiu, porque 08 la-
bios se recasarara a pronunciar palavras:
Ests viDgada, Mara!
Na vespera, 5 de julho, qaando ba|ia no
siao da igreja de Carnide a oitiraa badalada
das Trinlades, expirava D. Mara de Mena
zos, sellando n'uma golpeada de sangae
urna palavra s:
Raphael I
E nessa mesma hora a sua paluda figura
aoparecia, vaga e diapbana, diante dos olhos
do tenente as margens do Danubio.
XVI
UM EPISODIO DA CA.UTANIU DO MXICO
Todos conhecemos os ltimos acooleci-
mentos do Mxico, acontecimentos, que
transformaran) a anarchia repblica ameri-
cana, gracis a inlervencio franceza, n'um
imperio que por ora apenas se esteia as
bayonetas dos zuavos, mas que, para o fu-
toro, se nio commettor grandes erras, se
desenvolver o espirito nacional, se entrar
no caminho dos progressos materiaes, po-
der conquistar mais legaras garantas da
solidez.' Sabemos dos iosultos selvagens e
anti-politicos a qae estlverar sujeitos os es-
trangeiros, da insistencia do governo mex-i-
cano em responder com orgulho s reclama-
?es das potencias occidentaee, da interven-
Cio motivada por esse nqualrcavel proce-
dimento, e, finalmente, do celebre convenio
da Soledad, que (solando a poltica franceza
da poltica ingleza e da hespanhola, deixoo
a divisio imperial em campo contra as for-
ras todas da repnbhca.
A questio da honra da bandeira arrastoa
a Franp talvez muito alera do ponto a que
tencioara ebegar. ka agnia victoriosas de
Almi, e de Solferino sustentaran! o vo
audacioso peranie as muralbae de Paebla.
O genesal- Lorencez leve de recoar diacte
do indisciplinado exercito americano-hespa-
nhol. A- noticia deste desastre militar dea
rebates em Frasca ao bro- nacional. A
memoria da antiga expedidlo de S. Domin-
gos, em que a febre amaretla, e as balas
do3 aUradores negros dizimftnm os intr-
pidos soldados, que tinham xravessado in-
columes os poas d'Arcoh,. os areiaes- do
Egypto, as selvas de bayocetas aostriacae-ie
H ibenlinden, e as escarpa* dos Alpes va-
rejadas pelas carabinas dos caladores ^ro-
lezes, a memoria dessa expedicio infeliz,
em vez de afroaxar o desejo de vingaoca,
ainda mais o exciton. 0>novo grande exer-
cito estava ainia anciosopor demonstrar ao
mundo que aa vastas plaaicies da America
uio eram simplesmenie ocemiterio dos ven-
cedores da Europa, e qoe nio persegua
urna fatalidade especial as irmai frincezas
nis reginas trapicaos. Tratava-se de vingar
a um lempo o ataque infeliz de Puebla, e
a extermmgio do exercito do general La-
clare. As aguias da Gallia linham quo ajus-
far contas anligas e modernas com os cn-
dores americanos.
Um exercito de trinta mil homens, com-
raandado pelo general Forey, om dos h-
roes da Crimea, e o vencadoc do Montebel-
lo, saia dos porras francezes- a bordo da
urna e3quadra, e singrou para o mar das
Anlilhas. Dasembarcou em Vera-Craz, e,
depois de urna especie de marcha triumpha!,
em que o exercito mexicano se dissipou,
anda mais depressa que o fomo dos ca-
ahes francezes, o genoral Forey chegoa
diante de Puebla.
Foi'entio que principioa a verdadeira
guerra.
Nio comportara nem a ndole nem as
dimenses da ligeira narrativa, a que. este
capitulo serve de prologo, ama discossio
poltica sobra o direito da intorvenco, e o
carcter justo oa odioso de urna gaerra,
emprehendida para tirar vinganca de urna
offonsa real, e qae, principiando debaixo de
tio justioeiros auspicios, foi continuada por
um capricho de pundonor militar, e levada
a ponto de assamir o carcter de conquista,
violando os direitos das nacionalidades e
impondo, a am paiz livre, um governo, ma-
Ihor oa peior do qae o amigo, mas irroga-
do humilhaco dos vencidos pela pressio
dos vencedores. Considerando a gaarra
apenas dedaixo do seu ponto de vista miU-
lar, confessaremos que esta campaofia
urna das mais gloriosas para o exercito
francez. Renniam-se contra elle dous ele-
mentos, cada um dos quaes bastara, as
eras brilhantes do consulado e do imperio,
para obrigar a fortuna a alraicoar a bandei-
ra tricolor tio sua predilecta em toJos os
campos de batalha. Por nm lado a influen-
cia devastadora do clima tropical qae pros-
tara os valentes do Egypto; do Rheuo e da
Italia, nasplanuras do Hait. Por oalro la-
do a sublevacio dosporo&da raca ibrica,
o seu sysiema de guerra original e mortfe-
ra, que sepultara nos ierras da Hespanha e
de Portugal os hroes d'Aasterlitz e de
Friediand. solados, estes dous elementos
haviam saido victoriosos da lacla. O qae
nio fariam reunidos ?
Por isso dizemos: A guerra s princi-
pioa, verdaderamente, quando o general
Forey chegon diante de Paebla. Em bata-
lha campal era irrisoria a luda. Urna car-
ga de bayoneta dos zuavos dispersiva oj
mexicanos, como as hoetee de Soult e de
Sucbet affugentavam as tropas hespanholas.
*
.


'

t
(Centinoir-ie-hi)*
TYP; DO DL\WO-RA W WQUB.DK CAJUa



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EHWCAYKGY_LXUNHT INGEST_TIME 2013-09-19T21:31:50Z PACKAGE AA00011611_13116
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES