Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:13110


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AJIN XUIH. NUMERO 133
-
FU A CAPITA& I L6ARIS OIDI IAO SI PACA POIR.
Por Irea meza adiaatadoa .
Por Mis ditos idem .
Por um anuo idem.....
Dada numero arolso. .

CJOOO
12*000
timo
ISO
' PIBA DHTRO I F02A H P107CIA.
Por tres mezes o.^ntidoi ,......,*...,
Por seis ditos dem. .
Por nove ditos idem .
Por um anuo idem


<#7M
iW*ot
MUS*
tlfAQ
Propriedade de Manoel Figneira de Faria & Filhos.
-----------------------------------------------------------------------..------------------------=--------------------------------------.------------,-------------.-------------------------------------------------------------------------_--------------------------------
. ao inrni s
Ot Srs. Gerardo Antonio Al ves d Filhoi, no Pari ; Gonoalve d Pinto, no llfranhio ; Joaquim Jote de Oliveira d Filho, no Ceari ; Antonio da Lemof Braga, no Aracarj > Joio Mara Julio Chavea, no Asid ; Antonio Maranea da Siivi,
Pereira d'Almeida, em Mamangnape; engasto Comea da Suva, na Parahyba; Antonio Jos Gomes, na Villa da Penha; Belarmino doa Santoi Blelo, em Santo Antio; Domingos Joto da Costa Braga,
em Nazareth ; Antonio Ferreira de Agoiar, em Gojanna; Francino Tavares da Costa, em Alagoas; Alves d C, na Baha; e Leito, Cerqoinbo d C. no Rio de Janeiro.
no Natal; Jo Jutt*
AVISO
Bogamos aos nossos assig-
nantes. que se acham em a-
traso nos pagamentos res-
pectivos, que mandem saldar
seus dbitos, afim de evita-
rem que lhes seja suspensa
a remessa do Diario.
PARTE OFFICIAL.
toverun da proriatela..
BKSPACIIOS \ PttESIDKXCIA DO DIV 8 l> JUNIO.
Aatooio Joaquina de Siolo Lima.Infor-
me o Sr. iispecior da thesjuraria de f*
zeuda.
AQtoaio Franciico de Miara.- Passe por-
tara onceiendo a liceoga reqaerida.
Bilbina Miria da Cinceiglo.-rSej posto
em liberdade.
Alteres Crispioiano Baarqae de M acedo
e Jos Aoastacio Ferreira da Costa.Como
reqoer.
Emigdio d Assis Campos Gosdem A'
vista da iaformigo, nao lera lugar o qae
reqaerem.
Firmiaao Jiciath) de Soaza BarrosSim,
mediante recibo.
Alferes Jjaqaiin Nones do Vdlie.A vis-
ta da iaforoaaco, nij tem lugar o que ra-
qoer.
Miooel Josa de zevado Santos e Na-
poleo Oiympio Frats.Diferido com of-
ficio desla data dirigido ao director di arse-
nal de guerra.
Manoel Romlo de Camina. Informe o
Sr. inspector da tbosouraria de fazenda, ou-
vindo o da alfaodega.
Commeadador Mantel Joaquim do Reg
Alboqaerque. Deferido com officio desta
palajdirigido a thesouraria proviacial.
Mina Magdalena da Conceicio. laforme
o Sr. director do arsenal de guerra. .
Paulina Gaauiaa da Suva Monteir.De-
ferido com officio desta data, dirigido a
tbeeoararia proviacial.
Pacifico Paulino Malaqoias.Informe o
Sr. director da iuslrucrao publica.
Thomaz de Carvalho Soares Brando.
Nao podendo os propietarios dos terrenos
adjacentes estnda d) Ambol, em vista
do disposto no 2 do art. Io do decreto n.
4105 de 22 de fevereiro de 1868, op-
por-se legalmente extraccao do bao de
quo se trata, prosiga o supplicaote na cons
traocSo da obra alludida, sendo-lne conce-
dido um novo prazo, que ser marcado pela
repartirlo das obras publicas.
Jos Francisco de Medeiros e Francisco
Villa-Nova.Fica marcado aos supplicantes
o prazo fmprorogavel de trinta das para ti-
raren os respectivos ttulos e preslarem
jaramente
' Abaixo assgoados, escrivaes do civel do
termo desta cidade. Deferido com porta-
ra desta data.
Baiharel Alexandre Jos da Costa Valen-
te. Apresento o supplicante a gaia de
qae se trata, e na alta deta os ttulos da
cenca qua obteve.
Belleropbonte Candido de Castro Cha-
ves.Informe o Sr. regedor de Gymnasio
Provincial.
Companhia Santa Thereza Passe porta-
ra na forma reqaerida.
Fiancisco de Assis Meiroz Pioto.Defe-
rido com officio desta data, dirigido ao
Sr. inspector do arsenal de marinba.
Irmandade de N. S. da C mceigao dos Mi-
litares,Informe o Sr. thesoureiro das lo-
teras.
Joaaaim Carolino Montezama de Medei-
ros.Informe o Sr. commandante superior
da goarda nacnal do municipio do Re-
cie.
O porleiro,
Sikino A. Rodrigues.
EXTERIOR.
Correspondencia do Diario de
Pernambneo.
PORTUGAL.
Lisboa 27 dk mu>.
Navidades polticas, neobumas d'esli vez. E
orna foriaaa qae a H ispanha aos iavaja, e nao fe
a inquieta Hespanha I As tropas espalIndas
patas frooteiras tem feito o seu devar e a neutra-
t.dade mais restricta tem sido consrvala e man-
tida em todo o sea vigor.
O ministro da marioha e ultramar ou ja foi ou
asta para ir para tomar coala da repartido, con-
vaieseido da saa enfermidale.
Parece qae o partido histrico ( oppoaieao) d
signaes de vida, com digreto qae tem feito ai
proviaeias os seas chefes daqae de Lale. braan
camp s oatros cavalbeiros, tambem chele*, poli
ca os partidos polticos iraiiara na aua orgauisagio
a do nosso exercito: moitos generaes e poaoos
soldados t
O partido conservador, qae tem hybernado raai-
tot aaaos quasi sem tigoifleagao, resurge voi do
marqner d'Avila e Bolama e ja se desigaam por
sobebefet os Srs. Sa Vargas e Correa Caldeira, e
n'estas qaestSes de hyssope se tem* andado a ver
qual dos dois hade ser o sabehefe, oa tice-presi-
dente porque tamban este partido participa da tal
organiagao a qae cima alladi.
Separada a fraga conservadora da maioria da
cmara para Janeiro de 73, e retirado o apoto do
marqaei d'Avila ao gabinete, preciso recorrer-te
aovamente urna; isto cumore dar cartas no-
tamente, porqnea governo Acara com lio pouooi
tramphos qae alo podar fuer Tasas no parla-
mento.
E' filo o qae se espera; mas como d'aqai at
U vio anda sale meses bim puchados, e m seta
mezes passam-se oais de sete mil eoisas, qaem
sabe o jo?eato sera?
Entretanto vii ja cada ara dos salvadores da
patria ( que o ba encarta ios) daitado olboster-
nos para o sea circulo eleitoral, porque sempre
bjm estar prevenido, e mais vale diter < bem da
eu > do que se en soubra t
E' clare que si o gabinete deisar de ler miioria
dissolver'as cortes, ou, segunde a beatiBca ex-
prselo constitucional : aonselhar a corda que
dissolea, etc., ele.
E j que fallei na cora por acdente, o que
vnlgar ni liogaagem representativa, fallarei tara
bem di parig) qae ha tres ou quairo dias corrju
S. M. o re D. Lui.
Eite parigo -qua ni) foi nanbaaia ft.^ao. Foi
real.
Vioha na sua earruagem da Ajuda para L ai-Iba no caminho nm touro, que invesle com os
cavados ; o rei manda correr a todo o trota at
Alcntara para mandar lechar as portas da cida
de. Teve ptima lembramja na verdade. Era o
caso que o referido Duro qae eslava para ser
abatido em Bilem, coosegaio fogir do mattdoaro,
deu s de Villa Diogo, e ps para qne te quero I..
Les beles M son pa% ti bile$ qiu ton pense
observava o bam do Lafonuine que levoa a estu-
da-las (oda a vida.
O ceno que o touro fer cousas do arci-da-
velba: parlia um bra^o a ara mileiro, derrubou
um octogenaria, arremetleu coi ao guardada Tapa
da, levouumabayonetada de queresullou parttr-se
a espingarda pelo delgado o tombar a seolinella,
e por fim, encontrando a earruagem era qua re-
colbiam o principa real ti Carlos e o infante D
AITooso de Balera para a Ajuda entrou as marra-
das ao trem, dapois de ler deitado por Ierra o
mogo da estribeira e aleijalo o cavado da mao do
tiro diaaleiro t O Visconde da Lao^ada qae u
com os reaes meninos la se defaajeu como po-
de, pois liaba so am chicle; as ereaocas larga-
rara n'nm berreiro de partir as pedras, abracadas
Odalga que ais de suas altezas, e ae o coche-
ro nao fustiga as parelhas fortemente, desfazta-se
alli tado diaote da fara j raen assanhada. Parto
da; portas d'Ale niara um bomem do povo, qnaa-
do lulo fagla, tem a eoragem da chamar o ani-
mal e faz urna boa pega de cernelha oa de eara,
oque nao est bem avengaado ainia.
Eolio os medrosos saltara para cima do bich e
l levaran amarrada a ura carro para oabalerem
quinto antes em Belem.
Ei-rei gratiticoa o pegador com l.' libras, e soc-
correa estropiados com generosidade.
Filloa se nislo tres aiis; mas ao qaarto, que
foi (uniera, tola a gente correa jubilosa praca
do campo de Santa Ama a desaelir-se do Anto-
nio Carmona ( el G rdito ) qae, seguado os ama-
dores, o supra summu da alegra tauromacht-
ca, o Mongini das navarras, o Ver ai da sorte de
gaiola, o portento, om fin, da arte de tonrear, que
tambem nella ha Bossinis e Meyerbeers.
Ue ludo isto resulta que apesar doa desastres
de quasi todas as semanas, o gado bravo conti-
nuara a ser abatido dentro de lagares povoados,
e a3 tonradas eontiaoarao a fazer-se dentro da ci-
dade I I
E sem dar por isto, seno agora (qae j perpe-
tres o desacato,) fui-me pateando sem tr&osicQao
alguma da poltica para as corridas de toaros I
Livre-me Deas de qaerer dar a entender qne baja
a menor analoga entre os circos das touradas, e
a arena em qae se giadiam s vezes em igual fe-
rocidad a as ficcpes polticas I
A ontra novidade d'estes ltimos das, (e esta
Iliteraria,) consiste no concurso que eslo fazendo
para um lugar vago de lente no curso superior
de lettra?, o Sr. Taeophilo Braga, Pinheiro Chagas,
e Luciano Cordeiro.
Toda Lisboa corren no dia 25 para o sallo da
academia real das scencias, apesar de ser as 9
da manhaa o principio do acio Falta-me o lempo
para Ibes extractar de outres extractos que sairam
nos j >rnaes, a synopse das licoes feitas por cada
ura dos Ilustres candidatos. Seria um extracto
era terceira dynamsacao o que poder conside-
rar-so ptimo em homeopalhia ; mas que em litte-
ratura oa era scieatria d um resultado tao chilro
que melbor ser passar adiante.
Os interrogantes, se a memoria me nao falha,
eram es Srs. Soromenho, D. Jos Laceria, .Soaza
Lobo, visconde de Paiva Manso, A. Jos Viale e
Innocencio Ferreira da Silva.
Qaanto s doutnnas expostas, qaem (raesno o
proprio jury) podera avanzar seguramente qual
dos tres oppositores attiDgio o alvo ?
Em queridas de critica, de nvesligacoes erudi-
tas e de philosophia Iliteraria podem-se aflirmar
com vigorosa argumentaco coasas diametral-
mente opposla?, e achar-se razao sempre ao que
falln por ultimo.
Nao quero dizer com isto que seja este e mo-
tivo de ter a sala vindo abatxo de palmas e bravos
quando Thaophilo Braga, que foi o ultimo a fallar,
acabou de fazer a sua exposicao cora muita fluen-
cia, in piracao e ardor.
Claque de amigos tambara nao sapponho que
all a houvesse ; o certo porem,- qae. toda a
imprensa hornera lhe dava o primeiro lugar, e
qae os bravos e palmas foram para elle s, ape-
sar da elocuencia e esmero da forma com que
Pinheiro Chagas orou e ccsiama orar sempre, e
do estudo profundo que reveloa Luciano Cordeiro,
embora nao loase dolado pela nalureza de lao
seductores doles oratorio?.
Taeophilo Braga nnnea se apresentara ao pu-
blico de Lisboa ; poneos o conbecam seno pelos
seus esenptos, valioso trabalbo de investigacao
com qae est constraiodo a nossa historia ilitera-
ria. Foi feliz, e se o suffragio do jury lhe for tao
propicio como o voto espontaneo do auditorio, em
que se encontravam moitos bornees de lettras,
j r na listas e estndantes das e-colas superiores,
afina! Thaophilo Braga qaem Mear com a cadeira
apetecida.
o dia 29 defeodem a suas theses, e para ali
correr tudo, at mesmo damas, que j no sab-
bado la vi'algumas tambem.
Estes jogos olympicos da intelligencia Ilustrara
um povo e tem muilos laaos (avoraveis por oode
se defendam. Has anal de conias, ser preciso
ao paix, am corso superior de lettras ?
Um bomem, no easo de ser admittido como dis-
cpulo a am curso desta elevacio, nao possae j
ha!)ilitac5es preparatorias de tal ordem qae Ibe
dispensastem a freqneneia ? Astim como o lente
foi estndar, nos livros qae sao do dominio publico
a sciencia qae vai ostentar* no* acto do conenrso,
nao podia quem precisaste do curso como babili-
tac.ao recorrer s meamss lentes, estadar onda e
quando qnizesse, s, ou acompaahado, comanlo
qae, sendo-lhe necessario, exbibisse as provas da
sua aptido ?
Estas ideas, tjae em grande parte professo, j
vao tendo boje entre nos muilos partidarios.
Do qae nos precisamos de ama boa le, con-
venientemente reglamentada, para babltago aos
cargos publicas.
Chegado o mmenlo de ser preciso mostrar ca*
da am d >s aspirantes a tal carga publico as saas
babilitaedet, d as provat qae lhe forera exigidas,
^erante am jury competente. Estude onde e de
qua modo quzer. O caso mostrar que taba. Is-
to, qae te nao peda dizer da inttruecao primaria,
nem do estudo pratico das Hagan, aera tal vez da-
auellai provincias da sciencia qae carecem de
certa pratica, ple tusteatar-se tnamphantemente
quanto a parte especulativa das scienclas.
Alarguei-me natas reBsxdes, pego perdi e pas-
so adiante.
Oatra discusso maio saris a qae tem
feito ltimamente os membros da soeiedade das
scencias mlicas, a raspeito do molo defeituo< tod
e ante-salubre porqua te acham os pitaes de
Li?bi, mis pnacipalmeafe o de S. Jos e Das
trro e anexos, apezar de se ter gasto em malbo
ra-los ros da dioneiro, conseqaancia inevilavel
das administrabas superiores serem leigas. Tera-
se ventilado cora enthusiasmo e suraraa ernligaj
a conveniencia dat leudas barracas, on hospi-
taes barracas; a vantagam de demalir grande par-
le do hispital civil de S. Jos; de abandonar o d/>
Desterro como inferior a toda a discasso e nao
suseeptivel de melhoramentos a luz da sciencia ai-
Mal.
Tera-se proposto como mais vaatajoso o cons-
truir doas hjspities pelo moderno systsma, un
na parte oriental, oniro na occidental de L'sboi,
sendo em todo o caso a direceo de-tes bospitaes
conliada a administracoas (ecbnicas, embora a ge-
rencia e escripturaco econmica deltas f1ue a
cargo de funeconaros com bab!iita;o3s eraeciass.
Esta celeuma scieotlflca em que tem tora ido.
parte todas as notabilidades medicas de Lisboa de-
rivoa-se da^tiella celebrrima advertencia ou phi-
lippica offloial contra o Dr. Alves Branco, por ter
ou-ado escrever na Qazela Medica aa suas obser-
vaf5ea ontra as condicas pessiraas do hospital
de S. Jos, de qae facultativo. Ora esta viogaa
ca pejuena que sobre elle exercen o eafer-
meiro.mor qae ao mesan tempo chefe de una
repartilo do ministsrio do reino, e qae o minis-
tro teve a fraqueza de subscrevar, a-signan lo a
tal portara de reprehendo, deu da s<, era priraei
ro lugar por era pratos rapos a parvulez r-ibar
bativa que a tal advertencia significava ; era se-
guado lugar eosaboar a irapreasa por muit dias
o ministro do reino por ter annaido a essa praoo-
tencia liliputiaaa do sea sabordinado; em lercei
ro lugar ventilarse a queslo da incompetencia
dos enfarmairos-mres nao techaicos, elemeatos
boje abandnalos em quasi todo o muido; em
quarto lugar discutirse em sessoos publicas e
coacorridissimas a quastao do no o systema de
hospitaes e levar-sa a opinio publica a i ale ira
conviega j de qae todo e qaalqaer systema que
nao for essa, representa ama fabrica p-rraanente
de f'bres gangreaosao, um covii da chagas ama
athmosphera miasmathica de que s por milagre
escapas os desvalidos que tem da recorrer a can-
dada hospitalar.
A' quelqns chose malhear e-t bon, diz ;.n os
Fraacezes, e dizem bem.
Se o enfermeiro m seno tivasse posto as
suas taraanjuiuhas fufas, assulanlo reprebiu-ss
contra o medico qua tavej baaestidada da repetir
o'ura jornal de sciencia qae infructuosameato elle
a outras commtssoas scieotili ;as j tinham dito e
rdito ofS:>almante em relatorios qae se guar-
dara noj gaveiss escasos das secretarias para a
traga 03 cornar,nao teriamos amadurecida qua-
si de improviso em Portugal ana queslo irapor-
tantissima I
Tado veio com a sua raisso de utililaie a este
mundo. At a propria inepcia un.
E' sabido que os mais gostosos figos sio .aqnel-
les que sio amadarecidos por um verme qae cer-
tas moscas lhes introduzca.
Nada to efioeti a fructfero como apublici-
dade e a librrima discnsso.
Mais tarde e nao tardar ranito, as discussoes
desta ordem daro a coobecer que nao s en o
collocar os ho3piues da baixo da goveroaco leiga
de bomens que nao conhecem os rudimentos da
seeacia.
Nem s os hospitaes, mas tambem os asylos de
ereaocas e os asylos de velbos. Sao omito'limos
de mais todos os sonhores provedores; ningtiera o
duvida ; mas alguns gastara prdigamente em fal-
sos melboramentos o melbor das dotacoes, acertara
s por acaso, deaconbecem as mais elementares
raogoes da sciencia de educar na infancia filhos do
povo, ou de fazer prolongar o ultimo qaartel da
vida aos invlidos I
E todava fazem-sa importantes, indispeosaveis
quasi estas providencias inscientes, que o publico
e os governos acceitam por sua honestidad>, em-
bora essa honestidade fi me solada do bcra seaso.
Escuso da dizer-lb.93 que estou tratando das
qaestoes de c e s deltas; e anteado qae h a cir-
cunstancias adecuantes na generalidade e s;o em
alguns casos, a abnegaco ( rarissima ) cora que
certos boxeos boas se dedicara. Mas...o orto
que errara mil vezes em cada anao sempre com as
raelhores nteucpes do mundo, e que esses erros
augmentam a cifra da raortah Jade e dissipam as
rendas dos estabelecimenlos pos em despezas le-
gaes, mas ineptas.
Depois de tao larga digressao, qua s tem rems-
dio para a oatra vez, pois desta j fiz perder o tem
po aos leilores procurarei compendiar algnmts das
ocurrencias mais dignas de meo(o desda a saida
do vapor Cognac a 18 deste tuez.
Healisoa-se ha dias na sala do risco do arsenal
de marioha ama (esta sympathica, queantrualmen-
te ah se celebra e que altrahe sempre numerosa
conenrreacia, Foi a reuniao da asssmbla geral
da Sociedade dos asylos da infancia desvalida e a
distribuidlo dos premios s creancas quo pela sua
assiduidade e outras circunstancias os merece-
rn) durante o anuo da 1871. Era realmente dig-
ne de sympthia o quadro que apresentaram mais
de 800 creancas, qae a candade publica qaolidia-
namente ampara, dando-lhes educaco e alimento;
e que satisfaco, qae alegra, qne saule ellas re-
velavam nos |ro3tos I E quantos espectadores se
sensibilisavam com os cantos barraoniosos e tinge-
Ios soltados por aquellas creaogas, cujas voz.es an-
glicas entoavam hyranos apropriados I Saas Ma-
gestades el-re e a rainha presidiram cerimonia,
e S. M. a rainha entregou pela sua propria mo
alguns premios aos alumnos, acariciando diversas
creancas.Os premios consistirn), como sempre, em
objecios de vestuario. Lomparaceram tambem o
ministro do remo, e ontros tanecionarios.
Segundo o relatorio lido na assembla geral
fanccioaaram durante o-anno sete asylos que fo-
ram freqneniados por mil e tantas creancas, as
quaes se distribuiram 203:799 rachas.
No perodo de 38 toaos da existencia da sociadade
tara ella lido om progressivo e aotavel desenvolv-
ment, gracas ao zelo exemplar das suas tuecessi-
vas gerencias e ao favor com que o publico lem
protegido asta sympathica instituigao. A prosperi-
dada poram asassocacpas desla natareza nao
seno relativa sua prosperldada ou riqueza nao
absoluta, porque enorme o abysmo que ex-
iste entre a somraa de beneQco? qae possivel
prodigalUar e as immensas necessidades a que
anda neceesario occorrer. Vai brevemente ca-
rnerear- a fanecionar o 8.* estabelecimento suten-
tado pela benemrita sociedade de casas de asytat
da infancia desvalida de Lisboa. E' grata a noti-
cia da abertura de ama escola, embora modesta,
como tao as desta natureza, oode te tem em vista
miQiitrar ama instrueco elementar, acompanhan-
do eaae beneficio do oulro nao menos importante
qual o de dar alimento s creancas durante as
horas am qae te acham no asylo. Bem baja, pois,
a tciedade que se esforga por alargar a esphera
doS seus beneficios, procurando derramal-as sobre
nm oumaro sempre maior de infelizes. O novo
conseibo de direegio fcoa composto das segrales
damas e cavalbeiros : presidente, sua magestade
imperial a duqacza de Uraganga ; vicepresidente
visconde do Porto Covo ; directoras, daqaeza de
l'almella, condesis dos Atos e Ficalho, viseon-
desas da Ganiarraa e de AlmeiJa, D. Anna Cou-
tinho, D. Gabriella de Sonta e D.CapttaliaaViaeaa;
thesoureiro, Francisco Izidro Vianna; sacratariot,
J'.i Candido Is Assumpio e Antonio Poreiri Li-
ammissao de exames de cenias, Luiz Daily,
es da Cmara, e WanseUer.
lhes na rainlia ultima em um novo flagello.
eaga infalizmante as viadas de Portugal
Ato extracto o oidium luckery, iiua tantos
os lem cauiado durante seu longo domi-
apparece ura novo mal, talvez mais lerrvel
riuieiro, que araeag destruir ama das plan-
preciosas do mundo, e que apanagio da
exceilencia do nosso clima e solo.
A duenca manifastou-se ja no ouro.
A phyoxira vaslalria parece ler apparaeido r.o
valla do Rhodaoo em 1865. Augmentando progres-
sivamenle de intensidade, fez em 1868 terriveis es-
tragos.
As (a'has das capas atcalas toraam-so araa-
relUs, a comegam a seccar pelas bordas at qae
flaalmaate caem. As varas saccara e tornara-se
lusbradiras ; as aras, que chegara algumas vezes
a raadurecer, si i geralraeole acidas, aquosas e
se.n perfora o, e o violn feito com ellas nosa con
tsrva. Ellas synptomas reunidos untan que as
raizt estio altralas. Si se tizar uraa escavag
eacontrar-se-bo mollea e podres. Essa polnJao,
que comsga pelas radculas ataca era seguida as
raizal mais grossas. Acausa primaria deste esta-
do mrbido o phyloxera vast.itrix, animal que
sa aloja as raizas eas fere ara muilos ptratos para
autrlr-se'eora seus saceos.
O estmalo produzilo psUs feridas determioa a
formacao da tumores, e mais tarde vem a podr-
do o a decomposicao.
As phyloxera perieacera ao grupo dos horaop-
teros, de que fazem parla as cochoniltus ; vivera
por duasjfrraas; com ou sem azas. Sem azas
vi vem subterrneamente.
No verlo, porra, alguns iadividuos apresentara
paqueaos appealices, qae parecem servir le azas.
Sao estes individuos que provavelmente vo depo-
sitar ovos sobre limbos das folbas e que propagam
ao longa essa especie damninh a, qua ameaga com
a ruina as regidas vinieolat at boj? considerada?,
con razio, das mais florescenles.
As numerosas tentativas taitas at hoje para ex-
tinguir o mal nao deram aiada resallado satisfac-
torio.
En Fraoga off;recera-se premios valiosos a
quem descobrir o especico que possa debellar e
extinguir este'mal.
O raeio maja preBcuo at boje conhecido o ar-
rancamenio da cepa e a iaciueragio inmediata.
Dizem que a phyloxera vastatrix apparecea
pala primeira vez no paiz em flns de juabo da
1870, n'ama propriedade do Sr. Mallo da Goive-
nbas, cooselbo de Sabrosa.
A molestia comega a dar callado aos povos da
rego vrahaleira.
A divisa) do Daabas, que actualmeate esa re-
bellada eontra a autoridade do goverao portugaec
em Angola, um paiz mootannoso, povoade de
prelos audazes, dirigidos por poderosos regatos,
multo bellicosos, que podein causar graves trans-
arnos provincia si guerra permauecer.
U cooselbo confina com o de Golango Alto. E'
pai ariil, ebelo de rieas mattas e de clama tteolg
ao. -' o celleiro de Loanda que importa delle
quasi toda a saa mandioca, e abanda em gado
sumo e vaceum.
ila opinioes qae a rebtlliao do Derabos leve por
principal origem a.cobranca dos diziraos. Effecli-
vanete .os Bembos em suas proclaaaagoss orde-
navara quejse nao pagassem os dizimos, Estes di
zimos quasi ama cootribaigio da capitagao de
200 ris por cada palhota.
E' esperado brevemente em Lisboa o infante D.
Sebastio de Hesp-nha. Vem passar o vario oo
seu magaificn palacio, Juoqaeira.
Consta qae est contratado o enlace matrimo-
nial de S. A. infante D. Augusto com a princeza D.
Mara Isabel, viuva do conde de Girgemi, e irma
da infante D. Allinso, dujue das A lurias.
Creio que j aludi n'uraa das miabas anteriores
a este casamento.
Estio j concluidos os trabalhoa preliminares da
nova convengio postal entre Portugal e o imperio
da Ai.emanaa. Os Srs. Eduardo Lassa e e nosso
miniatro naquella corte foram os eocarregados da
oegociar com o goverao allemio Consta igual-
mente que pela nova convengio sio amito redu-
zidos os portes das correspondencias permutadas
entre os dons paize?.
Em Riba-Douro naafragaram no dia 9 do cor
rente tres barcos, vista do Palla. O primeiro vi-
nha carregado da cereaes e la; perdeu-se com-
pletamente ; o 3egundo de pipas da vinho, das
quaes se perderam algumas; o lerceiro conduzia
um carregamento de seteata pipas da geropiga;
das qaaes algumas se puderara salvar a muito
costa Os prejuizos sao calculados em cerca de
6:000*0.0. Sao dos maiores que tem havtdo por
aquellos sitios.
Alguos filhos do Porto resideotes no Rio de
Janeiro, querendo preatar homenagem memoria
do finado e illastre.escriptor portuene, Arnaldo Ga-
ma, re3olveram eolisar se e garantir os ineios de
subsistencia viuva s filbos daquelie ornamento e
glora da3 lettras patrias, to cedo roubado s li-
des da ntellegencia. E' am tabre acto, digno de
porteguezet e do paiz nosso irmo, onde ger-
minada lio bello idea.
Os vapores Tete e Sena reeeberam ordem de
se apromptarem para levantarem ferro antes do
fim do mez. Estes pequeos barcos destinam-se
navegago do Zamoeze. O transpone India,
lago que tala do dique, ir a Inglaterra bascar as
lanchas, qae devem auxiliar as iadicaias canho-
neiras no servico da frica Oriental.
Est em Lisboa o distincto violinista porloguez
Cyriaco da Cardoso, que parte brevemente para o
Brasil. Antes de deixar a saa patria quer apre-
seatar-se ante o publico da capital qae tantas pro-
vas lhe deu j da saa benevolencia.
ma fasta de familia (jantar) teve lugar no pago
da Ajuda; tlnha o duplo fim de commemorar o
regresso de S A. o orante D. Angosto, e era des-
pedida a el-rei D. Femando. Foi servido oa sala
de marmore, onde anda qae em familia, como
foi, nao tera rival pelo paralo, e ostentagao.
As paredes desta sala sao de pulida e fina aga-
ta, da que se destacara caprichosos e irregulares
desenhos, arteras da podra, dando-lhe feigo de
pintura a fresco; to tecto de Igaal materia lorma
quadros com molduras salientes, e panda do cen-
tro delle magnifico e cryslaloo lastre, e junio da
cimalba, em grimpot de metal doarado, sao aegu
ras com cordoss de leda elegantes gaiolas. O chao,
formado de paqueos qaadrados de marmore
preto e hraoco, parece parquet; elevase do cen-
tro am bem trabalbado lamine circular de mar-
more, e aiola do centro deste parte orna col au-
na, onde se firmara, em posigao perpendicular,
daas formosas tagas de fino lavor. A agua de qne
o tanque est prvido eleva-te at ellas, e oa que-
da suave, combinada com artificio, pelos jorres de
luz que a ferem, imittat mais raras e custotas pa-
drinas. os ngulos ha bustos e estatulas, e das
portas qae dio sobre a extensa varanda, em gra-
des douradas, te enlagam em mil voltas as trepa-
deiras. A forma da sala quasi quadrada, e
limita os aposentos do rei dos da rainha. A mesa
artstica e symetricamente preparada corre por
sobre o tanque occultaodo-o, abragando-a colim-
as am poaco abaix da segunda laga, e aobre ella,
aqu e alli dispostos em vasos de prata, rescen-
deotes e variegadas llares, troclas e manjares de-
licados, em pratos montados; cryslaet e poreela-
nas, da Saxonia e da Vista Alegre, a embelesara.
O jantar comecof antes das 7 horas e terminan. **9.
O caf servo-se na sala azal. Durante elle a acha-
vanga da laoceros postada em lugar pioximo exe-
cqtoa, com mejiria variad? -pecas d. masiejs.
ja e veritlcou a segunda reunio da eam- i.. ... j ^ .
missaoencarregadadeestudaraera.grago. Cora- S2SS2 ador"ad"3 de bande.ras porta-
parecern Mos o, membros. ApreseataranV.se f""". !nb"s"firas'- > momento da partida su-
vanos esrtar.rim.,lft4 i. nK.4n. L .,..J,^.. b,rara1 ao r algumas giranOolas de fogoetes
vanos escaarecmeuios ja obtidos da aigumis re-
parligSes. e propozeram alguns dos membros da
comroissao se obtivessem ouiros omito importan-
tes para o assumpto que Ibes e3tava comraettio.
O secretario da coramissao apresentou o projecto
da quesiionario para os cnsules, o qual foi appro-
vado. Foi tambem apresentado am idntico do-
cumento qae hade servir para os esclarecmentos
que devem colligir-se no paiz. Fieou para ser
discutido na prxima fulnra sessao. Resolven-se
que se dirigissem convites a varios cavalbeiros
que pelos seos coabecimeotos especaos podem
prestar i commissa valiosos esclarecimeolos.
A commissio dos trabalhoa alfaadegarios
continua com at suas importantes reunidas, trata
actualmente da simplifbael) dos servigos. Este
assnrapto da maior transcendencia para o cora-
ra ere i o e para o expediente da primeira casa ris-
cal do paiz. Ao zelo e dedicagio do actual dir 5-
tor, o Sr. Nazareth, sa dave o ter-sa. posto por obra
tal ordem de Irabalhos.
Si a iaia tria por um lado progrde coocor-
rendo assim para a sastentagao de milbares de fa-
milias, por oatro cauta de eaormes victimat.
Pela madrugada da 18 oavio-3e no atio do B8to
Antonio, a 4 kilmetros de Lisboa, jaato ao Tejo,
ama denotagio violenta, produzndo un estreme-
cimento geral, Arrabentra a caldeira da machi-
na da fabrica de bolacha e moagem do Sr. Jpo
de Brito. Na torga da explosao a caldeira arrom-
bau e dernbou urna prele, arremes3ou para Ion-
ge outra caldeira, quabrou duas fortes columnas
de ferro, e prolazio outros saisiros entre elies al-
luindo pelos aheerces a casa de officina. F.-z seis
victimas, das quaes res estio em perigo de vida.
Os prejuios na fabrica sio importantes, e algumas
offi-,inas licaram consideravelmeute damnificada*.
Todas as cantaras abalaran), mais ou meaos. Os
propietarios portaram-se com o maior cavalhei-
rtsmo, empregando todas as diligencias para que
fossem soccorndas promptamnnte as pessoas ful-
minadas por tal desastre.
J est impresso u n opsculo do'Sr. F/adesso
da Silveira, cora o titulo deO estado e as exposi-
g<5 ss -apreciagao do procedimento do nosso go-
verao, compralo como proceamanto dos gover-
nos de outras naguas, em presenga das exposig3as
universaes das industrias. Em brava sabir dos
preios da imprensa nacional oatro escripia do
mesmo autor, qae trata dassoceda les coopera-
tivas na Alleraanha, Inglaterra e Belgiea.
Consta que as negociagoes para a conclosio doe
tratados do eommercio e navegago entre a lulia
lia e Portugal esto quasi concluidas. A bandera
italiana sera igualada a de Portugal nos portos das
colonias portagaezas
Sahio no dia 20 J correte no paqnete John
Eider para Brdeos, el rei D. Fernando e sua es
posa, onde j chegarara.
Foram ac rapa o a-los at bordo, el-rei o Sr. D.
Luiz e sua alteza o infante D. Augusto, e desped-
ram-se do Sr. D. Fernando no caes de Belem, os
ministres a altjs funecionanoa civit e militares
Fazia a guarda de honra ama forga de infamara
a 1. El-rei D. Fernando vai por Franga Alle-
raanha.
Regressou a Listo i o Sr onselhero
a Lisboa o Sr onselhero Miguel
Maria Lisbi, ministra de saa magestade o Impe-
rador do Brasil nesta eorts.
Fura a Italia assistir aos ulliraos momentos de
sua filh, qae iafelizimnle saecambio em l'.za,
vctima de urna ph.ysica pulmonar.
Conforma estav "annuaciado, realisou-se no dia
19 da correte na magastosa e antiga cathedral de
Caimora, com todo o rigor lithurgico a grandiosa
ceremonia da sagrago do novj bispo daquelie an-
tiquissima diocese, o Sr. Dr. Bastos Pina, o qual
assistio tudo quanto ba de importante naquella ci-
dade, computndose a concorrencia em mais de
duas mil pessoas.
Da Lisboa foram a'guas amigos do sagrando,
entre os quies o duque de Loul, marquez da Sa-
bugosa e outros cava'heiros. Foi ministro o
Rvra. bispo de Briganca e a^sisteotes os Rvms.
bispos do Porto e titular "de Angola. O acto cor-
reu com bastante e-plendor lazendo- e todas as
ceremonias com o rigor determinado pela lilhur-
gia cathoca. A msica foi execulada com pri-
mor, e ua maior parte por acadmicos. Fmalisuu
esta festa por um jantar offarecido pelo bispo a
algumas pessai de maior intimidade.
Vai reaiisar-se as salas e mattas da real asso-
ciagio da agricultura portugaeza um baile de
subcripgio a baaelicio ilo cofre desta til associa-
cao. Consta qua os convites sao 7,000.
O Sr. eonselheiro Vrnhagan, ministro do im-
perio brasileiro na corte de Vienna, escriplor dis-
tincto e rauito erudito, coramuaicoa ao nosso il-
lustre rbbliographo o Sr. Innocencio Francisco
da Silva, doas ootnias de grande mteresse para
as lettras portaguazas. S. Ex:, declara ao hon-
rado autor do Diccionario bibltognphico UT en-
contrado urna traduego dos L-sziadas, ni) co-
ndecidas at hoje dos esta liosos e investigadores.
E' Teitos em oitavas, rimadas por am poeta hn-
garo, e teem a data de 1865; sendo a Impressao
feita em Pesia. O mesmo seohor parcipoa ler
encontrado uraa reimpressio da traduegio do
iramortal poema, do escriptor, allemio Wonoezfei-
feitas era Leipzig, em 1869.
Foi publicada urna portara pelo resp activo mi-
nisterio, declarando que es documentos apresen-
lados as alfandega3 para certificaren] a origem
franca das merca-lorias propostas a despacho,
s poderlo ser acreditados, vindo legalisados pe-
los agentes consulares portugueses, nao se admtt-
tindo 90 dias depois da publicacio da ponaria
amelles qae nao venbam nos referidos termos.
Parece qae o mar juez de Ficalbo pedio demis-
sao de adjunto da Casa-pia de Lisboa e que recusa
o lagar de provedor. Tambem corre que o filho
do Sr. Jos Maria Eugenio de Almeida so aceitar,
contribuindo annnalmente com tres contos para
a continuaglo das obras.
Falliram ot commerciantes Antonio Manoel Ma-
ria de Castro & Filho. com estabelecimento de
mercearia no3 Guindaos do Baixo-Porto.
No da 26 do crreme abrio-se em Coimbra o
bazar de Assoeiagae dos Artistas no clnstro do
Manga. Receberam-se de diversos pontos do dis-
trela" a do reino maitos e lindos presentes. O
actual presidente indo curaprimeotar o duque de
Loul quando ha dias eslava em Coimbra recebeu
de S. Exe. um valioso donativo.
O governo mandoa proceder os estados difini-
tivo do caminho de ferro do Quinto Fronteira,
na conformidade do antigo projecto ltimamente
approvado pelo goverao, e de que dei coala oa
minha ultima. .
J se veriflcou a nauguragao do caminho de
ferro americano do Potto a Mattosinbo. At 11
horas e meia da manha partiram cinco carros
que estavam em frente A nova altandega. No
primeiro lam ot Srs. ministro das obras pobltcas,
qae aproveitoa esta ociasio para fazer ama di-
gressio tecbntca s provincias do norte, Basto,
emprezaro da iioha, Melle e.Faro, Margiocbi, go-
vernador civil, generaos, estado-maior da divito,
ejalgucs ofll:iaes dos corpos da guarnigo. Se*
guiam-se a este tret ctrros, conduzindo, eaire
outros convidados, os presidentes da cmara a. da
associagao commerclal; director das obraa pn.
bliess, e mait eogenheiros civis, commissarK 9.
ral de polica, director da alfandega, cotr roj*n.
tes mais notavols, capio da porto e 0.'.,Dreten-
otes da impreosaqae a emprer ^>
esta festa do progresso. No ^ curo ft
banda do regiment de iaf^tttairia p ^ Ti3(Jg3 05
gomas giraaOulas de fogoetes
esloiraram alguos inorteirs. Em Miragoaya en
, graode a cooearrencia de espectadores e ao cor
rer da toda a linha havia grnpo3 d curiosos.
Era- Mtattosiohoa houve ora fimch de 100 talberes
era casa do commenaador Joe Jos dos Rei?.
aN'eata festa dedarou o Sr. ministro das obras pu-
blicas, respondoslo a nm brinde do Sr. Mello
Faro, que os caroinhos de ferrro de Mraho e Don-
re seriam faitos eora capitaes portugaeaas. e com
os eogeoheiros e pessoal igualmente portogueze*.
Un dos principaes fias da visa do Sr. mi-
nistro ao Porto foi a deierminacio do lugar enda
de ve ser laucada a grandiosa ponte sobre c Donro.
Depois de ouvir a opinio dos horaeos competen-
tes que o acompioharam, coucordoa qua o local
da coostrucgso devia ser junto do seminario. Ha
portanloa fazer ora tunnel de 20 metros, q:-
deve ser seguido de oulro menor. A companbta
vaeeowar o projeelo da ponte s diflerentes fabri-
cas da Europa afim de estar em pouco terapo ha-
bilitada a proceder a ama obra li imporlants.
Na Europa ha apenas tres fabricas que possam
encarregar-se de teroelhante construccio.
O ministro das obras publicas irato'u tambem
de conferenciar cora o Sr. Eduardo Moser, re-
presentante de diversos capitalistas poringuezes
brltanoicos acerca da conslrucgio do caminho di
ferroso Minho. Os capitalistas nao pedem tub
vengio algara* ao thasouro e acceitam a claasuu
de ser resgatada a concessio em quaiquer lempo
dallas, calculaodo-se o resgate pelo capital oorrra-
poadente ao locro liquido dos tres ltimos aonos.
O Sr. Cardozo Avlino depois de visitar os pon-
as prioeipaes do Porto e arredores ; assim cora
as obras de maior vulto, parti para Braga, afiui
de continuar o seu valinso exame sobre o tragad
do camina i de ferro. Vai tambem conferenciar
sobre o banco do Minho. Voltou ao Porto depoi*
de percorrer as prioeipaes trras do Minho, e oa
2' estagao qae fez na bella cidade do Douro, pa-
rece ter concordado no emprestimo para a cons-
lrucgio d'aquelle caminho de ferro. A jolgar pe-
lo qae corre as estancias de maior crdito o
emprestimo feito as circunstancias mais van-
tajosas, comegindo a vigerar os encargos s de-
pois do caminho concluido, o que se calcla ser
no Ora de jres annos. Tanto pelo juro como pe..
amortisagio o estado pagara somas inferior a 9
por cenio da quantia emprestada.
O ministro regressou capital no dii 21 de ma-
nhaa Na volla foi a Coimbra onde entre ouir.<
cousas analysou o projecto da eanalisagio das
aguas do Monlego, para oso de toda a cidade.
a exploragao do caminho de ferro de non
leste vai adquirir os melboramentos que a pra-
tica tenha sanecioaado como uteis em idntico ser-
vigo nos carainhos estrangeiros. Para tai fin vi -
doas engenheiros encarregados d'aqnella especia-
lidade, a diffarentes paizes, onds aqaelle servido
lem tocado perfeigio.
Foi remetlido ao govarno o projeelo e ornamen-
to da ponte do Ponsol, no langa de Escalios c <
Baxo Portella, na margem esquerda do PonsuJ.
no distrcto da Castalio Branco. As obras est
orgadas em 41:960JJO0a
O administrador geral das"malta3 do reino en-
vin j ao goverao o relaorio sobre a soa geren-
cia no anno econmico de 1870-1871, conforme o
dispo3to "no regulamento das mattas, de 7 de jn-
lho de 18ii. Por elle se v que a receila realza-
da naqaelle periodo foi de 6i:592i320 rs. lacinia-
do o saldo do aooo anterior na importancia d*
8:36o9i9 rs. A despeza paga foi da qaantia d
iC:6i:i584 rs. Nesta verba est incluida a trans-
ferencia de &:000| para o ministerio da fazenda
Houve portanto urasaldo.do qual deluzidos osen-
cargos qae pas>am para o aooo seguala. Oca re-
dolido a lo.82i*2!i rs. O relatorio acompa-
ahado da uns mappas qua mostrara qual o aug-
mento que teve a propriedade. quaes as novas s menttiras feitas era 203,i 18 nctares de terreno,
e bem assm qual o material adquirido e as obra'
de conslrocgo e reparagio execntadas naque;1
periodo, as quaes foram na importancia de......
8:987b'il rs. Anda aquella importantissin: -
trabalbo se refere a alguns pontos de verdadeir.-
interesse, como sao o systema dos cortes e venda
de raadeiras do pinbal de Leiria; a exploragao da
resinagem, qne tem produzido os melhores resn1-
taJos, e Qaalmente da alieoagio das mattas do es-
tilo.
E'para admirar a ri|ueza mineira do ncs't
solo. Na secretaria da cmara municipal do coo-
selbo de Gondomar, aistrieto do Porto, registra-
ram-se desde 29 de abril de 1871 a. 23 de .!--
zembro do me.-rao anno os descobriraeatos das sa-
guintes minas : sulpbarete de chumbo, urna ; an-
timonio, 5; chambo e mais raineraes accessorio -
2; carvo de pedra, 3 ; ferro, urna (com tres 6-
tdes), manga nez de ferro e manganez da cobre,
mais accessonos, ama ; e bem as3ira difieren;*.-
jazigos de antimonio e oatros metaes qae eotta-
mam acompaohar este mineral. No met de feve-
reiro do correte anno tambem oo mesmo conse-
ibo te registraram : urna mina de chumbo, dua.<
de sulphato de chnmbo, uraa de carvo de pedra
e urna de antimonio. Total 19 minas, do qx-
anda aqni lhe nao tinha dado noticia.
Na cmara municipal do cooselho de Aljazer.
distrcto de Faro, foi registrada urna mina di
manganez. ferro e ontros metaes: Na eamara mu-
nicipal do conseibo de Menola foram registradas
19 minas de manganez e 2 de chumbo.
No mez de Janeiro trabara sido tambem registra-
dos oa cmara municipal do conseno de Ga.a,
distrcto do Porto, mais duas mmas ds jaztgo? i-
farro, manganez e ontros metaes.
No mez da abril ultimo foram registradas n
conseibo de Alcontios, distrcto da Faro, 7 minas
sendo duas de manganez e cinco de cobre. O re-
gistradores foram os Srs. Jos Caetano Doningne<
das duas prmeiras e Barlbolomeu Gomeroy Or-
tez das cinco ultimas.
Nos mezes de margo e abril uhimos'foram re-
gistrados na cao|ara municipal de Arrayollos tre<
minas de cobre, contando nma deltas outros rai-
neraes.
No mez da abril faram registradas na do con-
selho de Iclanha-a-Nova 6 minas de galena d*
chumbo.
O museu lecbnologico de Lisboa vae adque-
rindo tal desenvolvimento qae em breve estar a
par dos mais notaveis da Europa. Daram entra-
da no mnseu os seguintes objectos:
Um apparetho telegraphico de Mr. Ch. Da Vos.
para dupla transmissio (relns) de nolavel utilida-
de para commanicagdet directas em grandes dis-
tancias. Ha quarenia destes apparelbos em ser-
vico do estado na Belgiea.
Um para raios da papel, invento do Sr. De Vo-.
adoptado nos telegraphos da Blgica, da Hollaada.
da Franga etc.
Urna grande Uecci de espingardas, pistolas
e rewelvers, da fabrica dos Srs. Dretse Laleux &
C, de Liw.
Urna torci de pecas separadas das armas, pa-
ral.'.Wies pitucas, offerecidas ao Instituto pelo
!LfS.Dre3se Laloux&C. ; '. ._
Urna frente de fogao (marmore preto) eavtaai
pelo Sr. Croqoel da Beanmonds. .
V" cojlecfiio de preg03 de vMitsdimeno.-.
remetlido pelos Srs. A. Jsmar C- -,=,,.
Ura modelo de casa par* OPr-fflSl-
pelo Sr. Vctor Lismadge, da sodea denomina-
do mmbilire Bruxelloxte.
>
Urna colleccolo de ujollos ds novo systema. en,
prago na Blgica varia de ssisceatos a m. re.s
itm*


y
x< L\l\ iVfflftUQ DXvnm t 7kntahutM A ^irl feira 1* i Junho d 18T.2
0
f


i
por metro qaadrad). Bita eolleecio
ao Ioslitnlo pelo Srs. SoifQ t Mblcnd, drCherg.
oo! ajridores de Touroai. dP*
A ostras de limas de escrever do 9r. itlairJc
Planada dfeo. *
Caktete o Sr. P. Daetoict,
Licores diversos. E^eram-se novas amostras
d'axido de idco e 'oulros productos de Vieiile
Moraga*.
O Sr. Guyot, Impreesor em Brjxella, nvloa
um qoadro d'accoes. obrigaces e oums ttulos
mpressos.nat suas (Bcinas.
O rau'eu do Instituto es' aberto das 10 s 3 da
tarda, exsepto nos das feriados.
EM* tamben exposta na gtleri desta secco
atoa xceileate caria agrcola da Blgica.
E' urna carta chromolittwgrapnada, na qual te
vi o reino dividido em nov regioes caractersa-
regions aobdividem-se en tenas.
O Sr. Malaise professor do Instituto Agrcola de
iJemtkjux, oflerecen ao conselheiro r'radesso da
Stlveira, alm da carta agrcola, ama memoria que
tena o seguais titulo : A Blgica -agrcola iras
mis relocfes con Blgica a minen a Esta memo-
ria esi comprebenddi m introducis de ultimo
recenseameoto agrcola da Blgica, trbame va-
liosissimo qee pode serrir de modelo. O duque
de Saldaoha, aovo ministro era Londres, pedio ao
governo iogi do Instituto Industrial de Lisboa algans duplica-
dos de coHeccoes dotsuseu das seieuoias e arles
de Edimburgo.
Toi "publcate a carta <3e le <<3 15 do
ficrrente apprwaado o contracto para o
afcastecimenio das aguas da cidade de Coi^
fcra, celebrado entre a cmara municipal
a empresa representada pelo Dr. Ant
Augusto da Costa SioaSes e o engenrieiro
dvit Candido Xvier Cordiro,
Dita de 44 aulorisaixlo a despeza ordina-
ria e extraordinaria do Estado para o exer
cicio de**87i a 1873.
Dita da mesma data autoriands a co-
branza (tos contribaicea e impostes direc-
tos e indirectos, e dos meis rendimentos do
'Estado 'ao exercicio de I871S73, beta
como a dos reudimeclos qire ficaram por
-cobrar em 30 de junho de 1872, qualquei
que seja o exercicio a que perteBcara.
Carla de lei de 14 do corrate, proro-
gando a autorisagao concedida o governo
sobre a applicaco- do saldo da receita dos
caminos de ferro o sal cocliQuacSo da
sna coostrnecio.
Carta de lei de 14 do correte estbalo
cendo diversas dtsposices relativamente
contribuido indns ri.il.
Carta da lei de li determinando que
seja reconbecida e decretada pelo governo
a utilidade publica e a urgencia das expro
priacoes qbe forera necessarias para o me
Ihoramentc das ras, pracas, jardins e edi-
caces existentes as cidades e villas do
reino.
Taita del i a-ntorisando o governo a con-
traur o estabelecimeuto e explor?co de
urna linba telegrapbica submarina de Por-
tugal ao Brasil, que icque m ilba da Midei-
ra e em urna das ilbss do Cabo Verde.
Dita de 11 ixando o qoadro e os venci
montos do pessoal para os servicos admi-
nistrativos e tecunicos de piabaes e maltas
nacionaes.
Cart de iei de 8 bando em 649 recru-
tas o contingento para o servico da armada,
rtferindo ao anno de 1871 1872.
Dita de 8 focando- em -2:921 pracas da
fflpci do mar para o anno econmico de
1872-1873.
Dita de 8 xando em 117 recrutas do
contingente da armada, referido ao anno de
18721873.
Dita de 8 approvaodo o contracto jonto,
celebrado em 24 de abril ultimo pelo go-
verno e Ernesto (-sorgo, como representan-
te da firma Bailey A Leetbam, do Hall.
para o servico da navegaco a vap r entre
Lisboa e os portos d'Africa occidental.
Portara de 21 do correte approvando
as disposigos reglamentares que foram
propostas pela faculdade de pbilosopbia da
universidade de Coimbra para a frequencia
e exame do curso especial de arjalyse cbi-
raica.
A novidade em espectculos, agora,
a corripaniia de declamago italiana de
que director o Mayezoni que ja aqu linba
vindo com urna cehbre Ristori. Mme. Pas-
qaali urna notabilidades a sua formosora,
lo rara cerno o sea talento.
As recitas sao em -S. Carlos.
Os rabes zoug zmigs partem para o
Rio de Janeiro prximamente. Sao uis
vivo* demonios de torca e de agidade I
L.
fji enviada (i;;iQ|9 Bo ^ |8 *, wrrente, patocete do p>
- fle S. Pbdro, one"ton5ftfla a iocle4>*-e ju.
PERNAMBCO.
SEVTSTA BIAEIA.
SEGhETARIA AEPISCOPL.Por esta repani-
io se faz publico qne Sua Exc. Rvm. o Sr. Bispo
Jiocesano houve por bem mandar passar proviso
de vigano geral, e previsor do btapado em favor
do Rvm. Sr. conego Joai Chrisostomo de Paiva
Torres em data de 24 de maio : tendo o Rvm. Sr.
coaego Paiva prstalo o juramento do estylo, en
iroo no exercicio dos supradilos cargos na mes-
ma data.
Soa.Exe. Rvm. hoava ainda por bem confirmar
a proviso de secretario do bispado passada em
favor do padre Miguel Araerico Pereira de Soaz
em dala de 20 de marfo, e assignado poto x-
governador do bispado. '
COR DOS PARAMENTOS.A sagrada coDgre-
gacao dos rito, ;por decreto de 27 de junho de
1868, approvado e confirmado por Santidade
em 23 de julbo do mesmo asno, aiem de ontras
disposi.-O'.'s relativas a comrauobao as missas de
defamo?, res&lveu afflrmativamente o seguate :
c Que as missas de rquiem devem eempre ser
celebradas com paramentas negros, de maueira
que nao se posaa azar de paramentos roxos senao
oo caso em que, no dia 2 d' novembro, se ex
poaba o S. Sacramento publica adoracao dos
fiis para a solemEe orajo das Quarenta Horas,
*.omo determina o decreto da S. C. de 16 de se-
tembro de 1801.
Nao obstanto a determinaco formal d'aqoelle
decreto, sobre o qnai nao se pode allegar igno-
rancia, pois vem apontada na ultima pag'ioa di
Calendario da diocese para o anno de 1869, per
niste o abusivo costume de, 4tn quasi todas as
igrejas desta capital e fra della, celebrarse mis
as de rquiem com ornamentos ou paramentos
roxos. Entretanto que estes dinueirog fabolosos,
|ie se gastam em novenas lyricas, em eomedorias
nos consistorios e em numerosa fogaetaria, ene-
gariam de obra para se dotar essas (grojas de
paramentos negros, e substituir outros, de cor
diversa que, verdadefros frangalho, admira nao
causarem tedio a qnem os veste I
Compre que appareca o xelo e a decenea.
DEPESA DE THEZES :-0 Sr. bacharel D. Lu-
m de Soma da Siiveira def-ndeu anie-hontem e
bontem, perante a congregado da faaildade de di-
reito do Reeife, as theses gas apresenton para ob-
zero grao de doulor em ciencias jurdicas e so-
eiaes.
Tettemunbas oculares do acto acadmico, alias
versadas as malarias que eonatitairam as theses
e eapazes de Jolgar da diiCBssio, afflrmaram-nos
que o Sr. 0. Luiz defendi as ditas theses rauito
regularmente e ao ponto de- merecer a apr >vaclo
qae nao tem sido rebasada a outros dontorandoi
em eoudicdes menos favoraveis I
Eotretanio a defeza do Sr. baebarel D. Loiz fas
regeitada, e o candidato julgado inhabilitado par
ohier o grao de poutor, obiendo apenas 3 votos
favoraveis entre 7 jqlgadores 1 I
A divisa iuum eviqut tribuere vae cahindo em
desaso. Felaes tempoj I I
LUZO BRASILEIRA :-A sociedade beneflcbole
ue, snb este ltalo, sta en) vas de organisafie
esta cidade, dsve celebrar a sua sessao 4e ins-,
teo*
wnfa*.
OKDEM CARMELITANA =-No -apitulo desta
orden), celebrado no met passado, resolveu-se dar
liherdade gratuitamente I todos os escravos tanto
existentes no convento como do engenhd Utnca,
sendo estes, logo d.ne termina o actual arrenda-
?enta deasa propriedade.
MANUMlSsORS :- O Sr. Maaoel de itetedo
Aodrade, commerciar/te de nossa praja, coWdeu
gratuitamente carta da Uberdade ao sea eteravo
Mathias. O acto 4o Sr. Andrade digno le lodos
os encomios, qae d'aqai Iba enviamos.
O Sr. Manael de Barros Franco Moflo, mora-
dor aa freguezia de Agua Preta, acaba de alorriar
gratuitamente a sna eserava Uttaoa, crioula, de 26
anuos de idafe,eom a cooicio de servi-lo duran-
te sua vida, latido antes disso trberlado seis llihos
dos3a eserva, encarregande-sa elle de saa cria-
cao.
PASSAMENTO .--Domingo do correla falle-
cen na povoacao da Vanea, o Sr. Maneel Francii-j
co de Camino Paes de Andrade, cidado influen-
te e estimado na.ioaadade, onde ha Jgnna aunas
exsrcia com geral agrado o cargo (te subdelegado.
Aoaeu enterro comparecen greode numero de
amigos e correligionarios polticos.
COMBATE DS HACHELO.Hontem, d an-
iversario do memoravel combata naval *e Ria-
c'hoelo, os Srs. commandante e offliaes di 9.*
batalhao da infantaria de linba mandaran) cele
tirar urna missa n i i reja da Soledade, em cum
primelo do ow e,ue flzeram qaando deixaram
esta proviacia em demanda des campos do Para-
A' essa Ocanta commemoracao asaifliu o bravo
a dislincto general Mallel, actual commanlanle
das armas oe*la proviocia, e eommaadaole da ar-
iilhiru na campaulia do Paraguay, tendo se reu-
nido a flloiaUdade oo quartel do Hospicio e d'ahi
seguido at -a igreja.
, As pracas de prel do batalhao tiveram um aug-
iiuQij emsoas refeiedea** noute esteve illnmi-
iwda a'fachada do quartel, tocando a banda de
msica variados trechos de msica.
AaRBMATACOSS PR0V1NCMES -Perante a
juata da thesourara provinelal vio praca ama-
niia-: o imposto de 20 / sobre a agurdente con
-umida un comarcas onae existem eolleciorias; o
foroecimento de medicamentos & nten^s precisos i
enferroaria da casa de detanoia; o forneeimento de
alimentac.ao e dietas aos preses pobres oa casa de
detetcao.
PALLECIMENTO.-Hontea), por vjlta das 4 ho-
ras da tarde, rendeu o espirito ao sen Creador o
Sr. Antonio Augusto da Fonceca, director do ce -
miterio publico do Reeife, succambindo urna
affeecaodo coracio, sobremodo excitada desde al-
guna da?.
O Sr. Antonio Augusto da Fonceca era pessoa
muito estimavel e de carcter circumspecto.
-O enterramento dos sene despojos mortaes deve
realisar-se hoje pelas 4 horas da tirde, depois da
exequias, que lerlo lugar na capella do cemiterio
publico, onde se achara depostalos.
A' saa familia apresentamo3 uossos pezames e
condolencias.
OLEADOS PARA MESA.Para a loja de cha-
peos de Joaqaim de Souza Maia A C. praca da
Independencia ns. 24 a 30, acabara de ebegar de
Ilamburgo fluissimos oleados de variados padreas,
proprios para mesa.
AZYLO D MENDCIDADE.-0 direetor desta
pia msiiiuigao, em consequencia de ser quinta-
feira 13 do correte dia do padroeiro do mesmo
estabelecimento,Convida ao publico desta cidade
para o honrar com a sua visita.
FESTfVIDADE. Os devotos do glorioso San'o
Antonio, que se vei|era na malrii do ilorpo San-
to, festejan) o mesmo Sanio com missa cnula e
sermo, na madrugada de quinta-feira 13 do cor-
rete.
FFTA DE SANTO ANTONIO. Amanhaa os
religiosos fianciscanos celebrara na igreja do res
pectivo convenio a (e>ta do glorioso Sanio Antonio.
E' orador ao E.anjelho o Rvd. padre-raestre,
fre Joaquini do Espirito Santo. A noute finalisa
a solemoidade com o acto da tresenn, orando ces-
ta oceasiao o Rvd. Jos Estoves Vianna.
PROCLAMAS.Foram lidos no dia 9 de junho
na matriz da freguezia de Santo Amonio, os se-
guiutes:
i* deounciacao.
Francisco Antonio Teixeira de Farias, com Apo
lonia do Corceo de Mara.
Antonio Jos Viaona, com Umbelina Flora do
Nascimento, exposta em easa de Joaquim Fraucls
co Balmacdo.
Antonio da Costa Pereira, com Minoella Maria
do Ni>ciraento.
Manoel Alves de Lyra, preso no quarti de po-
lica, viuvo de Mara J>s de Sani'Anoa.com Ma-
ria Jesuina da O cceigao.
O tenente da 2 batalhao de ofantaria de li-
nha Ernesto Alves Pache:o, com Emilia Jjrge de
Souza.
Amaro Galdino Barros Dulra, cora Joaquina
Mar:ionilla do Nascimento.
Evaristo Pereira da Costa, soldado do corpo de
polica, com Antonia Maria da Conce{o.
Joao da Costa, africano, com Sophia, crioula.
Joo Manoel Comes da Silva, com .Mara Juliana
da Concedo, africanos.
Adelino Galeno Cielho, com Ephgena Gomes
da Costa.
Jos Candido Alves da Costa, soldado do 2o ba-
taliKio de infantaria, com Candida Maria da Pe-
nha.
Joao da Molla Cruz S:mt3, com Francisca de
Paula e Alencar.
2' denunciacSo.
Bento Manoel de Castro Amaral, com Maria Joa-
quina da Silva Rios.
O baebarel Manoel Antonio da Silva Rios, natu-
ral da freguezia de Santo Aolcoio, e morador na
de Papacaca, quer raostrar-se livre e desimpedido
para tomar estado qaa Ihe convier.
Elias Jos Rodrigues, com Marcolina Maria Ro-
drigues de Jesns.
JoaoCoelho da Csta, com Antonia Baaivinda do
Reg Barros.
Joaquim Jos dos Saitc>s Jnior, natural Jo Por-
tugal, com Eulhalia Carolina de Jdigalhaes, Ta-
vares.
Firmino Jos dos Santos, cora Emilia Maria do
Livramento.
Jos Juaquim do Espirito Santo, com Salusliana
Maria da Coocelclo.
3' denunciado.
Frederico Cesar Bnrlamaque, com Mafia Au-
gusta de Sooza Peres.
O capiao Manoel Antonio Ribeiro, viuvo de Joa-
quina Pelismioa de Albiwuerque BMieiro^eom Lu-
ciana Maria de Albuqufrqae
Jos Francisco das Chagas, com Francisca Maria
da Concedi.
O capito Joio Tbeodomiro da Costa Monteiro,
com Ignez Pessoa Rigaud.
Harraeoegildo Amaro Lames, com Auna Adelai-
da de Mendonga Pinto.
Izidro de Ges e Silva, viuvo de Martioba Maria
d'Aranjo, com Antonia Mara do Livramento, viu-
va de Maaoel Lacio do Nascimen'.o.
LOTERA.A que se acha a venda a 7J a
beubucio da matriz de Grvala, fue correr boje
12 do correte.
LKILAO.Hoje as 10 horas efJectua o agente
Pinto, o leilo de 28 caixinhas com cha em sen es-
cripiorio, ra do Som Jesns n. 43.
Ao 1|2 dia vender o mesmo agente na As-
sociacao Commereial o brigne argentino Elije
Henriette, tal qual 3 acha ancorado-este porto.
Em conlinaaclo vender o mesmo agente ama
lancha a vapor, 20 aecfos da eompanhia Phedi
Pernambaetna e 15 ditas da eompanhia de sega-
ros tilida le Publica.
Amanla deve ler lugar o leilo da (azendas
annnneado por intervengo do agente Pinto, no
armazem dos Srs. Joaquim Lopes*acbado A C.
PASAEIROS.Chegados no vapor ingles City
of Rio de Janeiro.^Cosme los de Castro, Anto-
nio Jos da Cosa, J os Maria de Azevedo.
CASA DE DETECAO.Movimento do dia loj
de junho de 1872 : .. "*
Exitlanv (presos) 311, entraram 3, sahiram 2,
existem 312, a fber : nacionaes 203, mulheres
II, estrangeiros 44, escravos 30, escravas k total
312.
Alimentados a ansia dos cofres pblicos 244.
Movimento da enfermarla no da 10 de junho de
872 :
Tiveraru baixa:
Janaarlo, escravo, sentenciado, broochite.
Joo Pedro de Oliveira, ebre,
CEM1TERI0 PUBLICO^rrObitaario do dia 8 de
Jnnho de 1871
Ernesto, branco, Peroambaco, 5 mezes, Boavis-
ta; calharro.
Cyprfano Fraociseo dos Santos, pardo, Pernam-
baco, 30 apnos, viavo, Boavista, hospital Poli* n;
hepatite ehrolea.
Minoel, braned, Parnambaco, 27 das, Graca;
carriza seeeo,
E3S.
Ji d* Silva Braga", braaco, Pafl9gali'%0 inoos,
jasado, Bja-vlsta; hepan'a,
Miria.braoca, Pew&bnC), 2 nwzs,l)a vista ;
espasmo.
Tnereu do Jasns Marta, branca, Nmamboco,
72 aonos, vtKva,JJ)avisti; congestio eer adral.
Valeria, eserava, parda, Pernimbuco. 16 aonos,
solteira, Bjavisia i congesto palmoaar.
' Maaoel 4a Frailas Padilha, braaco, PaMmbQco,
11 anaos, soiteire, Santo Antonio; berhMri.
Salsnitena, eserava, preta, Pernatahaia 1 aano,
3. Jos; marasmo.
Antonio lar, brano, Auslria, 34 anaes soltai
ro, Reeife; (eDre Amarella.
Igaaoia, eserava, preta, Peraambaco, 33 anooa,
solteira, Boavista toberculo palmoaH.
Fortuna, eserava, preta, Pernambnco, 46 aonos,
solteira, S. Jos; amolleeimenio earebral.
Saquim, pardo, Peraambueo, 2 annos, Boavista;
dati(ao.
Maria do E-pirito Safio, branca, Peroambaco,
90 annos, solteira, BoavtaU, hospital Pairo II; pe-
rilooite.
BEtAtORlO
A difteria tnbmetU Soifl muito pnzer aos se-
clonistas o balaacj jauto, mostrando o actiVo e
passivo do baeio e a eonta de ganos e pedas no
aorto naafcctttto, ando em 29 de fevereiro proxims
paadO.
3 rteros toties do anno, datis de feita ampia
proviso para asjiividas as a duvidosas, min
|y^|^fci-in-)?Hc.gt |ft h a dedniir o re
bata da joros as letras a tiques por vencer,
lodu aa despeas aa sede, e as uceurtaaa do
Rio da Janeiro, Pernambaeo e Santos, fleaade o
lucro liquido t 11:937-1-7 que inclne asa ba-
lanco da 12:190-10 3, que vem do anno pastado.
Km itzembro ultimo pagoo-se nm dividendo de
8 snttnngs por accao, montando a fi 20.000 0-0 e
agora recoraraenda-se qae te divida a somma de
30:000-0 O uu 12 shillioga por accio no dia 10 do
juohO prximo futuro, prefaxendo o dividendo an-
onal de, 20 shillings por aecio on 10 por eenio
sobre o capital realisado do Banco, llvres de im-
posto.
Depois de prever para o dividendo por eonta
j pago, e para o pagamento do dividendo qne
Tuereza de Jesas, preta; Pjrnambneo, 70 annos,' agora se recommenda, ficar nm .balaneo de
11:937-1-7 ao crdito da eonta de'ganhoa e par-
dea que a direecio rscommenda que passe para
eonta nota.
A somma do crdito da coota deDepreciado
do capital-* 6005-9-7 excede 19:764-14-9 a
actual depreciaco ao cambio de 24 1/4 taxa do
cambio oo Rio de Janeiro em 29 de levereiro pr-
ximo pastado.
O (anda de reserva ereado pela resolucao da
assemWa geral de maio de 1871 de .....
0:000-0-0.
Participamos com muito sentimeoto duas vaca-
turas na direcQo occorridas no anno ultimo, sen-
do a primeira cansada pela resigaaco do Sr. Fre-
deriek RodevralJ, e a segunda pelo lamentavel
fallecimeolo do Sr. James Me Grouiher.
Para enclnr estas vacaturas a direceio, em vir*
lude do poder que lbe conferido pelos estatutos,
oomeou directores do Banco os Srs. Tho as Sellar
e David Hcwdeo.
O directores que, fegundo as dlspostjCas dos
estatuios, deixam os seas cargos nesta oceasiao,
sao os Srs.Thomas Sellar e Aribur B. White. am-
bos sendo elegivels offerecem-se para re-elei-
cio.
A assemblater de nomear flseaes para os
doze mezas qae se segaem. O Sr. John Silva, om
dos flseaes do aono Ando, resignon o sea cargo
em dezembro passado.
13, St. Hslen's, Plaee E. C.
7 de maio de 1871
vio va, Boavrsta; desinteria.
Alexaodre Alves pardo, Peroarabaeo. 72 asnos,
solieiro, Boavista, hospital Pedro II ; fabre ama-
relia.
Umlhoraera preto, igaora-se,30 annos, B)avista ;
hemorrhagia.
Jiaqaim Gongilves da Luz, braaco, Parnamba-
co, 36 annos, viuvo, S. Jos ; benberi.
Maaoel. pard), Pernaraouoo, recera nascido,
Reeife ; fraqueza eongenila.
CHRONia JLDlflARU. a
rRlBI\AI, DA nULAClO.
SESSaO EM 11 DE JTJUHO DE 1872
PRBStDCNCA' 00 EXtl. SR. (XWSBLHEntO CASTAO
SANTIAGO.
Secretario Dr. Virgilio odko.
As 10 horas da manhaa, presentes aa Srs. des-
embargadores Gitirana, Almeida Albaqaerqne,
Mola, Ooria, Domiagaes Silva, procarador da
corda, Regaeira Costa, e Souza Ceio, faltaodo
com cansa o Sr. desembargador Lonrenco San-
tiago, abrio-se a sessao.
Paseados os feito?, deram-se os julgameatos te-
gaintes:
AGORAVO DR PETSCO.
Aggravante, Manoel Joaqaim de Barros Ceelho ;
agravado o juit". Julzes os Srs. desembargado-
res, Motta,Reguera Costa* Almeida Albnquerqne.
Nao tomaram coobecimento.
appellacSbs <:hes.
Bo jurv la Barbalba.Appellante, ojuizo ; ap-
pellado, Salustiano Laurindo Pontes. A aovo
iury.
Dj jury de Livras.Appeliante, o juizo; ippel-
ladi, Joao Ignacio Barrella.4mprccedeote.
Do jury de Pianc. Appellante, Antonio Tno-
raaz de Araojo Aquino; appeliado, o jaizo.Nullo
o julgamento.
Do jury de Flores.-^Appellante, o juizo; appel-
iado, Januario, esravo.Crallrmada a sen tenga.
Do jury do Crato.Appellante, o jaizo ; appel-
ldo, Jos Carlos de Souza.A novo jury.
ArrELLAQOES CIVB!S._
Do juico municipal do Reeife.Appellante, Ber-
nardioo Jos Li.iao ; appeliado, Manoel Gongalves
Ferreira e Silva.Deteriram a cotta.
Appellante, o curador da massa fallida de F.
Siepple ; appeliado, Dr. esuino Angosto dos San-
tos Mello.C infirmada.
Do juizo municipal de Pao d'Alho. Antonio
Firmino Pereira da Coirba; appeliado Jos Fer-
nandes Pedrosa,Despresaram os embargos.
Do juizo municipal de Goyanna. Appeliante,
padre Ricardo Jos Machado; appelladas, Cordula
Termpntina de Souza Lobo e sua irma. Refor-
mada a senteoa.
Do juizo municipal do Reeife. Appellante Ma-
noel Alves Vianna ; appeliado, Flavio Ferreira Ca-
(ao.Reformada a senteo^a.
Appellante, Jos Ignacio Pereira da Rocha ; ap-
peliado, Jos Francisco Carneiro.Despresados os
embargos.
o'juizo municipal d'Assemba. Appellaoie,
D. Joaquina Mara do Rosario ; appeliado. Joo
Candido de Macedr.Confirmada a sentenga.
Do juizo municipal do limito. Appellante,
Francisco de Barros e Silva ; appeliado, Jos Ri-
beiro Ribas.RoDrmada a seoteoca.
Do juizo municipal de Goyanna.- Appellante,
Manoel Paulino da Costa G)uveia ; appeliado, Joo
Carneiro de M. Cmara:Confirmada a sentenca.
Do jaizo municipal do Reeife. Appellante Ma-
noel Alves Barbosa Sobrinho ; appellada, D. The-
resa Gonealves de J. Azevedo.Dsspresaram os
embargos.
Do juizo municipal do inga. Appellante, An-
tonio de Lelis de Souza Pontes e oulros; appella-
dos, Jerooymo Leopoldo d'Aranjo e outros.Re-
formada a seotenca.
Do juizo municipal de Pedras de Fogo.Appel-
lante Antonio Henrique de Souza Gomes; appella-
do.Thomaz?Antonio daN. Peregrino.Confirmada
a semen?'.
Do joizo municipal do Cabo. Appellante, D
Senhorinba Theresa de Jesns; appeliado, o cara-
dor geral.Reformada a eeatenca,
PAS6A0ENS.
Do Sr. desembargadr Gitirana ao Sr. desem-
bargador Loureiv; i Santiago :
Do jury da E do Nascimento ; appellada, a justica.
Do Sr. desembargador Almeida Albuquerque
ao Sr. desembargador Molla :
Do jury do Ip.Appellante, o juizo ; appelia-
do, Francisco BapUsta de Souza.
Do jury de Lavras.Appellante, candido Vielra.
Di jury de Maria Farinha.Appellante, o jaizo;
appeliado, Joao Vieira da Silva.
Do Sr. desembargador Molta ao Sr. desembar-
gador Doria
Do juizo de dreito do Reeife.Appellante, Joo
Caetano de r,\lagalhes ; appeliado, Joo Paulino
Lopes de Almeida.
Do Sr. desembargador Doria ao Sr. desembar-
gador Domiogues da Silva:
Do juizo municipal do Reeife.Appellante, Joa-
qnim Silvero de Souza ; appeliado, Joo Duarte
Colho.
Do jaizo municipal de Campia.Appellante,
D. Rita Candida Vianna ; appeliado, o tenenie-co
ronel Eapbrasio de Arruda Cmara.
Dj juizo municipal do Aquiraz.Appellante,
Antonio Bernardo das Neves; appellada, a cma-
ra municipal.
Ao Sr. desembargador Rigueira Costa :
Do jury do Ourlcury.Appellante, o jaizo ; ap-
peliado, Pedro Soares Tavieira.
Do jury de Mamanguape.Appellante, Maria
Joaquina do Espirito Santo ; appeliado, o juizo de
Caruar ; appellante, Loureoco Jos de Oliveira ;
appellada, a justica.
Do Sr. desembargador Domingues da Silva ao
Sr. desembargador Regueira Costa:
Do juizo mnnxipal do Reeife.Appellantes, os
herdeiros de Lulz de Franca Sonto ; appeliado?,
Bartbolexeu & C.; appellante, Joo Gomes da
Costa ; appeliado, Jos Euzebio Alves Ferreira.
Do jaizo municipal do Pilar.Appsllante, Jo
Joaquim de Araojo Pmbeiro ; appeliado, Jos Joa-
qaim de Araojo,
Do Sr. desembargador Souza Leao ao Sr. des-
embargador Gitirana :
APPBLLAgoES CR1MES.
Appellante, o promotor ; appeliado, Marcelino,
escravo : appeliado, Joo Flix da Cruz e outros;
appellante, o juizo ; appeliado, Jos Joaquim da
Coneeicao.
DILIGENCIA C1VEL.
Do juizo municipal de Campia.Appellante,
Bernardo, africano, por sea carador ; appeliado,
Joio de Deas Barros; appellante, o jaizo ; ap
pellada, Maria, eserava.
Assiguou-se dia para julgamento dos seguiotes
feitos :
Do jaizo municipal do Becife. Appellante
Fernando Stepole ; appeliado, Dr. Jesulno Augus-
to dos Sanios Mello ; appellante, Manoel Marliniano
Leile ; appellados, os herdeiros de Jos Ferreira
do Nascimento.
Encerrou-sa a tesso a 1 hora e meia.
Ortf'iio da reeebedorfa remaftenda cantas de
de-pezas feitas om o respectivo expediente.
Offlcio do confndanla da fortaleza do Buraco,
afi.n da ser pago o foruecimeato d'agoa .ao mes-
mo no met prximo passdo.
Beqnerimentos:
Antonio Cirreia Cabra).
Bacharel Carlos Francisco Soares de Brlto.
Joio Rodolptu Gomes.
Jos Gjoealves de Albafoerque.
Jos Kduardo de Souza L)ndim.
Manoel Jjaquim de Miranda e Souza.
Foram tambem remetildos ao Sr. pagador pira
serem pagos.
Requenmeatos :
Baebarel Angelo Henriques da Silva.
Luiz Francisco Vieira de Luna.
Joo Antonio da Costa Coelho Maranbao.
Servindo de offlcfal-maior,
Unoel Jos Pinto.

Engllsh Bauk of Ro de Janei-
ro, Limited.
Activo pasro em 29 ie'.fevereiro de 1872.
ACTIVO
s. d.
Dinhelro aos banqueiros
caixa
Letras a receber
em carieira a
d e p o sitadas
nos banquei-
ros da eom-
panhia
Ontras dividas
activas e sal-
dos devedores
e em
406:895 8 9
1.980:865 11 7
90:505 11 3 1671:071 3 10
3.077:666 12 7
PASS1V0
Capital
Antorisado em 50:000 aeQoes de
10 cada ama.com facnldade
de ser augmentado 1.000:000
Realisado S 10 por .accio
Dividas passivas
Q)aotias que se
deve por con-
tas correles
e de depsitos 81:706 4 5
Letras a pagar,
outras dividas
passivas e sal?
dos credores
a]
500:000 -

1.729:540 2 2 1.411:146 6 7
Depreciaco do
capital
Somma do cr-
dito desta eon-
ta conforme o
balanco de 18
de fevereiro
ds 1871
Menos a somma
passada a fon-
do de reserva,
segando a re-
solueao da as-
gembla geral
de 31 de maio
de 1871
H-.505 9 7
60:000 0 0
Fundo de reserva
Rebate de jaros as letras e sa-
ques por veocer
Ganhos e perdas, conforme a
eonta janta
60:505 9
60:000 -
3:977 14 10
41:937 1
3.077.666 12 7
6:994 16 8
Dividas passivas em letras ne-
gociadas
Conia ie ganhos e perdas no anno finio em 29 ie
fevereiro de 1872
DEVE
A dividendo de 8 shillings
por aeco, declarado pela
assembla geral de 31 de
maio.de 1871 30:000 0
A sald) levado abaixo 12.190 10
42:190 10 3
A despezas geraes na sede
e as snecursaes do Rio
#de Janeiro; Pernambuco
e Santos, racluindo a re-
muoeracjio dos directo-
res
A dividendo pago por eon-
ta pelo semestre Ando em
31 de agosto de 1871
A rebate de juros as letras
e saques por vencer
A saldo que vai abaixo
17:379 9 6
0:000 0 0
3:977
41:937
14
i
93:294. 5 11
Londres, 23 de abril de 1871.
George T. Brocking,
George A. H. Holt,
Directores.
HAVER
De saldo em 28 de fevereiro
de 1871 * 42:190 10 3
41:190 10 3
St s. d.
De saldo que vem de cima 12:190 10 3
De lucros totaes em Lon-
dres, no Rio de Janeiro,
Pernambaeo a Santos,
depois de provar para
os juros dos depsitos, di-
vidas, mal paradas etc. 81:103 15 8
9fc294 5 11
Engllsh Bank of Rio de jan
Limited.
CAPITAL SUBSCRIPTO M00.C00 EM 50,000 ac:
CUES DI 20 CADA UMA
Com faculdade de ser augmentado
CAPITAL BEALISAOO 500,000
Sede 4o banco, 13, St. Helen's Place Bishopgate
Slreet, Lendon. B. C.
Saccursaes no Rio de Janeiro, em Pernambaeo e
Santos
Saca sajttre o Brasil a Portugal.Encarrega-se
da compra e venda de fondos, de receber dividen
dos, ds negociar a cobrar lena de cambio, e de
ouiro qnalquer negocio nanearlo.
Jfat ifccursaes reeebem-ie depsitos a joro
ajastar.
Saldo qae vem de cima 41:937 1 7
Examinamos os balancos remanidos pelat di-
versas snecursaes, coja exsetido certificada
pelos respectivos Aseaos, e bem assim oa livros e
tas da sede de Londres, e acbamot o balanco
ma e a coma de ganhos e perdas, eorrectamen
feitos de conformtdade com ello. Oa lacros
das saccursaes no anno Ando fcram calculados
pelos cambios correntes, na data em qae as coa-
tas se facharam. O capital empregado as suc-
enrsaes figura as contas a 27 d. o par do cambio
como d'aates, e a tomma a crdito da eonta de-
epreciaco de Capital excede, aaiparde j
19:000 0 0, a quanlia sufflcienle para fazir face
depreciaco pelo cambio correte na data em
que ie fecharan) as presentaa eontas.
John Young,
- CAorM Htnry yoble,
Pisctes.
(144!)
fjxo, eqjat eondicSes vista se podem
THESQURARIA DE FAZ^NDA.
Dia 10 de junho.
Foram remedidos ao Sr, tbstpnreiro pira se-
rem pagos:
PUBLICACOES A PEDIDO.
POB VKNTOBA A PARTB DA CIBDBGtA, RBLAT1VA AOS
BSTBB1TAMENTOS DB UBETHHA, TEU CORRIDO BM
PERNAMBUCO QUBM DOS LTIMOS PH0GRBSSOS
DA SCIB.HCIA? HA VIRA MRIO CUBATIVO SOPBBtOR
AOS QUE TEM SIDO AQU REGULARMENTE BMPBE-
OADOS ?
-- VI.
Antes de demonstrar que, p;!a ac<;So da electri-
eidade, nao podem ser carados radicalmente os es
ireitamenlos fibrosos da ureihra; qae nem ha es-
pecialista, d'entre os mais assigaalados na seeneia,
que consigne a electricide como meio geral
pro'prio'a combater as coarctacSes; e eonsegaia-
lemeate que o primeiro annancio do Dr. R. Van
na foi urna baria com que se animou a apreseo-
tar-se nesta capital, oa cega penuisao de que
nella nao exista au medico qae eoabesse prali-
car a operaco da urelbrolomia tatema e por todos
os processos eoohecidosalguma coasa eonvm
qae nao eseape i aitencao do poblie, e vem a
ser :que entre cinco metnodosque hachamados
geraesempregados contra os estreitamentos da
urelhra,inclusive a urethrolomia interna qae, como
teoho dito, resame-se em fender totalmente o aoael
fibroio oo interior do canal, ba o meihodo de
searificaco, qae eonsisie em sarjar ou fazer in-,
cisies superflaaes no punto eoarciaJo da urethra,
introdutiodo-se, ou nao, logo depois urna algalia
mais-oa meooa grossa, conforme as circamstancias
especiaos do doenle.
Essa searificaco ou sarjadura, que uni
ea ou lambem multplice, pode ser feita ou com
instrumentos espsciaes, como o tcarifica
dor de Ricord ; ou anda pelo proprio iastrameoto
de Maisonnenve, modificado os>no, ou com ouiro
qualqaer areihroiomo qae orle de dianle para
traz. Todo depende da forrea que a ra) do opera-
dor eraprega oo parafaso de presso do iastra-
raento cortante. Sendo ceno, como teoho eu ob-
servado, e dizem todos os pratcos,que ranius
vezes basta urna simples iociso superficial sobre
o eslreilamento, para que este cela de modo a
franquear passagem s oarinas e recebar urna al-
galia at de alto calibre ; ainda qae seja para em
pouco tempo as cousas tornaren) a sea antigo es-
tado, orno quasi sempre saccede.
Ora, se assim como nenhum pratico distinct'o
pode contestar, nao de primeira intuico a pos-
sibilidade qne ba em qnalquer ridiculo operador,
servindo-se de nm ureibrotomo ou de algum sc-
rilljador, sarjar a urethra dos doentes, a dest'arle
dar passagem prompta e mais ou menos franca s
oarinas; correr oa nao urna algalia logo depois
da operaco, e mandar que os doentes andera logo
sem'reserva alguma a p para suas casas 1 Com
taalo que satisfeiios pelo allivio da hora, saliera e
batam as palmas no dia segaiale em gloria do
prodigioso operador I
E se sobre essa variedade da accio dos arethro-
tomos, alguem ousar eontestar-me, abrirei as pa-
ginas de VoiHemier. Malgaigoe, Felippe, Jamin, Ci-
viale e outros, e publiearei o quanto el I es dizem a
respeito da scarificagao, e de seus diversos ef-
feitos.
Assim ama s que seja scarificarao, feita com o
urelhrotemo de Cbarriere ou de Malsonoenve, e por
mo astuta, poder illudir alea mdicos qae nio te
nham pratica da urethrolomia, em vista do resal-
udo do allivio aos doentes.; e leva-Ios i ulsa eren -
ea de que se acbam elles radicalmente curados,
anda que seja, como j disse, para em tempo
terem de praguejar ao maldito qae os illudio.
Salvo se, como agumas vezes saccede, seguir-se
scaridca^So a diiataco graduada e melhodiea qae,
por si, am meihodo escolente, d'entre os geraes.
Entretanto, a respeito da excedencia da dilata-
cao melhodiea om muitos casos de coarctacSes
rebeldes, pesso asseverar, por experiencia propria,
que ella com uzao considerada assaz proficua,
entre os raetbodos geraes.
O Sr. Luiz Antemo Moreira, morador na Boa-
Vista, tendo sido por mira tratado de um eslreila-
mento antigo, ruudiaote a scari9.cac.ao e a dilata-
cjio melhodiea e graduada, s depois de 10 annos
voliou para ser-lbe praticada a urelhrotomia in-
terna ; e isto por haver o doenle se desviado mui
to do rgimen, como elle proprio cootessoo.
O Sr. Felippe de Albuquerque Santiago, que,
alias, bavia sido tratado pela dilaiacio, s comer ni
a sentir differeoca oa projeceo das ourioas, mui-
tos annos depois, acen-ando tambera a falta de r-
gimen eomo causa do reapparecimeoto do mal,
quando veio sujeitar-se nrethrotomia.
Visto portaoto, que pelo faci da am oa oatro
doente asseverar sua cura radical por sentir logo
depois de aniamanobra com instrumento, oa cousa
que o vainaprojeceo mais ou meaos franca das
ourioas, e possioilidade de receber oa urelhra
urna algalia, qae antes nao poda penetrar, nao se
pode concluir qae a cara seja feita, e muito me-
nos radicalmente : nao s pelo que j tenbo d;to,
como ainda por ser mais que certo,segundo asse
veram Yoillemier e outros muitos praiicos respe-
taveisque a sacrificacao, cora quanto prodaza
eTdtos b.mefico?, nao pola em geral por si s de-
terminar a cura
Em todo caso, a respeito do medico que disser,
ou publicarque tem praticado a aretbroiomia
interna em monas doentessempre sem dr, sem
demora algoma|oa inlroducco da vela conductora
da sonda estriada ; sem corrimento da sangue ;
sem difculdale na inlroducco da algalia chama-
da preventiva (porqae omitas vezes qaando a io-
ciso completa succede qne ainda sendo grossa a
algalia sua extremidade se esbarra no angnlo in-
terno da ferida) ; sem risco de mandar incoan
oenti os doeotes a p para suas casas, por haver
praticado as operaedes em sen consultorio e dan-
do-se os^doenlea por promptos no dia seguate....
..........(.de-so com certeza asseverar qu
em vez de inciso completa ou urethrolomia in-
terna pelo instrumento de Maisouneuve, apenas
pratlcou a inetsao superficial oa a searificaco.
Pois certo que a urelhrotomia interna, mor-
menie praticada com o instrumento de Mtisonneu-
veqae muito se aproxima do de Reybard quanto
profonddade e extenso da incisonem deixa
de dar corrimento de sangue, nem deixa de expr
os doentes a probabilidade de accidentes, muita*
vezes serios, como a hemorrhagia nem deixa
produzir dr, maitas vezes forte, te o doenle nao
Rodeado sapportar a algalia preventiva, langa-a
fra para ourinar, antee de 16 oa 24 oras.
E com muito mais razo se deve considerar que
apenas houve searificaco em vez da plena in-
cisose os operados sahem todos para a ra,
mas nos a innnnciar-se pelos diarios completa-
mente enrados ; outros a correr palas mas
de casa em casa dando a nova de milagres
iguaes ao da filha de Jaira I..................
Dado um talbo profundo em qualqaer parte
do corpo, o sangos ha de correr, a dr sobrevir,
os accidentes, conforma a aensibilidade e icritabi
lidade do lagar, ou sero provavets oa estenciaes.
, se em urna parte delicada como a uretbra do
hornera, todo o organismojaramenie deixar de es-
tremecer, e a febre aera o symptoma geral qu
ordoariamento te observa, como tenbo visto.
O medico, que tem pratica e procede com o
devido criterio, nao pode deixar de seguir o que
Ihe snggere a propria observaco ; mormete se.
ror esia de accordo com a matarla dos (Albo-
res especialistas.
Se Civiale, se Yoillemier a oulros homens de
igual importancia, asseveram qae am corte pro
fundo na uretbra. pela urelhrotomia, reqner o
repouso dos doentes e applicaclo de oulros meios
preventivos contra a hemorrnagia e outros acci-
dentes, estando isso de confprmidade com o que
tenbo observado, nao peSso seguir a epiniao con
traria e solada de um ou entro cirurgiao, que
aiem de nao ser expecialista nio esliver no cato dos
autores citados.
Dizer oa seguir o contrario, oa ? nm gracejo
proprio de oreancas, oa insensatez de nm ope-
rador qae se annnncia curando os eslreliamentos
por mew da electricidad e sem dr, mas que ao
depois fenie a urelhra com o instrumenta de Mai-
sonnenve, sem ama s das eantellas pruleuciaes e
iodispensaveis natureza, tanto da operacio cmo
do operado.
Cooouarei agora coro o mais que tltba a diter
a ;erea da dsectUldlaV como meio] de eora radical
e mei) genrico, contra os estreilam-intos fibrosos
da dretnra, e tenr dor, ete .'oto'dlsse o Dr. Ray-
muodo M Viaooa, da resomateaavel memoria
em Poruambuco I
Este medico, desde que se apreseotou asseve-
gando o segainte : Opero os rstteitammtos de
ureiltra por meio de electricidade, por um processo
tsteiramente novo e dor, garantindo a cura
radical im piucos Has. Considerou ipu Jacto a
Uctricidadc como o primeiro entra os maios ge-
:aas de iraumeoto conirt o* apertos ou coarcta-
?5;s urethraes ; polque a ler elle considerado
diversamente, ou como meio raroe excepcional a
aeco da electricidade, oatro de vera ser o annon-
cio, e cao o qae cima se v.
Batas figurn o Dr. a electricidade eomo nm
meio curativ.0 muito conhecido; mas aqai anda
igaorado; a somente cont cousa inteiramente
novao processo, que nao mais do que ama-
neira de executar urna operacio. Por exemplo,
a lamina cortante le Maisonoeuve e seus acces-
sorios consumero o iastrumento de qae se serve
o operador par praticar a aretbroiomia, o pro-
cesso o de Gayn (de Pars!.......)
Assim, no auouacioqae a figura fiel do ce-
rebro de sen autora electricidade o instru-
mento : o processo inteiramente novo oo poda
deixar de ser a machina por meio da qnai
se realisa a aeco da electricidade. Exeeltente-
mente II....................................
Ja di?se, repilo, e conlinno a dizer e a repet r
que no estado actual da sciencia, a electricidade
nao meio admittido, e muito meaos geoerico,
contra os eslrertamentos fibrosos da urethra; e
fie a existir algum appardno galvnico novo, al-
gn) meihodo de aeco elctrica, superior ao de
Dnchene de Bonlogne (o que nao contesto), isto.
por modo algara altera as leis, que regem esphe-
aomenos elctricos, e as as que'eonstituem a for^a
vital e orden) da orgaoisaco humana.
A accao da electricidade levada ao organismo,
por diSerenles meios, exerce nella(uma influencia
poderosa, como provam qaotidiauameole os me-
teoros as birrasca, e o emprego de diversas
machinas ouapparelbos galvnico*.
Assiro, as experiencias de Volta, Nobili e alaria-
oioi tea) feito conhecer a aceto dos electromm :re?
deforca dilTerente sobre a conlracco muscular; os
estudus de Prvosl e Dumas sobre a dsposic.ao
terminal dos li'etes nervosos, levaram a atthbai-la
a lei da electricidade e-n virtade da qual as
correales qae vio em sentido contrario se rs-
pellem.
B diz Marianini, qae, qaando aa correales elc-
tricas se dirigen) dos troncos nervosos s raire-,
ba logo um estremecimenlo mais oa meaos vio-
lento ; e que no caso de ctreulacao inversa, ha aa-
tea sensaco do que eontraeco.
Em iodo o caso, a aeco da electricidade sobre
o systema nervoso sempre de mais ou menos ex-
citaco, seja manifestada pela irritabilidade, con-
trtetilidade ou contraego.
Sappooha-se agora nina machina oa apparelho
galvnico, ainda o mais moderan, applicado sobre
a parte da urelhra relativa ao eslreilamento, atra-
vessaado os tee!d)i at com coatinuidade : qoal
serD resltalo desta aegio sobre os ervos 3a
parte 1 Augmentar a sensibilidade ; porqae a cor-
rete elctrica oo se dirige dos troncos oervosos
para as raizes.
Assim, pelo lado da tele oervosa da parte afec-
tada, a aeco da eleetricidade nis pode por modo
algum produzir rpidamente a cura que era
lodo caso deve consistir na extineco mais oa
menos complata do annel fibroso.
E quando actuasse a crrente elctrica aecumu-
lativamente, j sobre os ervos da parle, j sobre
'os outros teeidos oormaes, ioclusive os que repre-
seatam a sede restricta do mal, leriamos a irrita-
bilidade augmentada e a circalaco capillar acti-
vada. B'taato as contraeces, como a maior acti
vidade da clrsalacao, prodazida pela eleetricidade,
nao podem por modo algum dar em resallado a
proropla absorpeo dos teeidos, e cooseguiote-
meole a cara radical pela extineco rpida do
elemento mrbido fibroso.
^Quem quer qne eonbeca profundamente as al-
terares mrbidas que eoostituem os estreitameo-
los rebeldes, comprehender logo a impossibilida-
de que ba em as correntes elctricas produci-
r m a cara radical em tamaoha escala, se poder
anauoclar o desproposito que apreseoloa o tel Dr.
R. Vianna.
De feito, se o estreitamento o chamado trau-
mtico, prodaiido por perda de substancia da
uretbra, a cicatriz que o constilne cooserva a
propriedade de retraelilidade ; e nao pode ser r-
pidamente destruido por urna correte elctrica,
por mais novo e melhor que seja o appaielho ; se
o esireitameaio o denominado Dammatorio, ba
retrac;o de tecido fibroso, que entra na eonsti-
tuielo do balbo, cerra pasivamente a membrana
mucosa, e aprsenla entre as malbas do tecido
esponjoso om deposito de lyrapha plstica (Guerra),
sendo que esse deposito torna-se um obstculo j>
passagem de saogae, qne vae do bulbo glande,
ou d'esta ao bulbo. E' nesie caso que se obser-
van) nm oa mais anneis daros que os dedos do
cirargio sealera atravz da pelle.
Be.o se v qae, ainda abi actuando a crreme
eleetrica e facilitando a absorpeo pela aceelera-
$o do trabalho dos espillares, oo poda de modo
algum produzir a cura em piucos das, quanto
mais em dous oa em tres.
A tendencia, que tm os estreitameotos Abro os
ou chrooicos de retrahir-se pela accao militas ve-
zes da mais delicada sooda, explica a razo por-
qae um meio quslquer, queprodnza um augmento
de sensibilidade e irrilabilidade, nao pode ser van-
tajo80 e antes ser prejudicial.
VoiHemier diz em o tratado de pilhologia das
molestias ourinarias (tom. 1." pag. 166 ) que
ha induracoesureihraei, que oceupam urna grande
parte da longura da urelhra e toda a espessurade
suas paredes, interessando at'o corpo cavernoso ;
e que quando abi se procura iolroduzir orna sonda
de quatro a cioco millimeltros, o canal secontrahe
i inmediatamente.
Nestes casos, que nao sao raros, abslrahindo-se
d grande extenso do malnem a inciso e nem
mesmo a diiataco podem produzir a enra, qnanto
mais o fluido elctrico, applicado, ainda que seja
pelo melhor e mais novo apparelbo.
Censeguinlemenle nio pode a electricidade, por
modo algum, prodozir a fbula, qae aqu veio con-
tar nos o infante operadornnico, entretanto, que
no paiz sabe bem curar os apartos da uretbra
pela accao elctrica e sem dor.
No seguiote artigo reforcarei o que levo dito
com robu-ta prova da mais celebre aufridade na
sciencia, e qne nao foi hoje publicada por anuen-
cia de materia no Diarto.
Dr. Carolina Francisco de Lima Sontos.
Por ventara a parte da cirnrgia,
relativa aos-estreiamenios de ure-
thra, ter corrido em Pernambuco
quero dos ni timos progressos da
ciencia ? Haver meio curativo
superior ao qne tem sido aqni rega-
lamiento empregados ?
Cinco sao es processos ou melbodos coohecidos
de e empregados para a cura poa estreitameotasd'ore-
thradiiataco gradual e progressiva, urelhroto-
mia externa, divulcao, urelhrotomia interna, e
electrolide.
Em geral todos estes methodos sao bons : em
particular, porm, se-lo ha somente este oa aqael-
le, cuja boa eseolha e emprego depende dacir-
cumaraacias, completamente alheias pojifo sa-
cia/ do enfermo. Mas o Dr. Corolioo, que s
sabe distinguir o doente da clnica civil o doen-
le do hospital, ignora-as por certo.
Elle mesmo o confessa quando afBrma que na
clnica dos hospaes, se ple empregar um s
meihodo, tornando o absoluto e exclusivo I
Qae o sapateiro de ama pequea aldeia, oo
leudo mais de nma forma, por ella faca a-calca-
do de lodo e qualqaer Ireguei, bomem oa va-
Iher, menina ou menina, negro ou branco, com-
prehende-se, admitiese, tolera-se, como coasa
qae em si mesma jnsfieavel; mas qae n3
medico de urna grande capital, e nm medien que
tt iit especialista, amante da verdade, da cien-
cia, que professa, do direito e da religiao, alga-
que jd na clnica civila pocicSo socialdo do-
ente aeontelbar o emprego deste on dtquelle
processocoasa s n'am dodo, poderia livra b
da cadeia, oa da ilba de Fernando I
S qaando estadante, e mesmo depois da forma-
do, duraute o longo vegetar da mel tcalo, nao
abri o Dr. Carolino nm s tratado de molestias de
vias ourinaria mnto menos o far agora, j velbo,
j decrepito, e j demente I
Dos cinco processos, pois, cima mencionados,
tratarei apenas dos dous ltimos. Do primeiro
destesi uuethrotomia internaporqae sobre elle
tersa a quest&o do Dr. Carolino, do segundo elec-
trolide, porqae delle nao tem o especialista nma
s idea, como prova quando afiTma ex-
ser elle nm mero sonho, nm problema a re-
solver, provavelmeote pela DefWva.
Ubetiirdtomia iNTAiteA, No estado aeual da
sciencia, os uretbrotomos de Reybard e Civiale
(elogiados pelo Dr. Carolino) j devm apparteef
i

\
A I




/
lw% d Jforaaiiiimqt, ^ Quarlaer J2 dt> Junk> ck 872
no museus de antigedades, cobo prevadlo aira
zo da eirurfiafa tea fmpo,, anjeme JUbato
do pnmeire pnit dado para a dwcoberta i fa-
,entfMos polenaua. Oaeram alies empegados.
andajyrta^ftD 1872, por ura medico que ae diz
espectimi, do tas ournarias, prova da scbejo
3ue elle se 4c*a, pelo mos ?nte anoos, aquera
l ptagrassoa ta aclenc, como provaremos coro-
paraadM ora os moderaos do Voilleraier, Se-
dill Dentro estes, construidos eom o mesmo fb, e
sob c?B(Hc5es indicadas pela sciencia moderna,
lomaremos por lypo o ultimo, com o qaal compa-
raren* oa doas antigs, aos qnaes da proferto
cia 9 Dr. Caroliao.
i* Sendo ambos ell es rectos nao podara operar
como o da Mauooneuve, os slreltamfinlos da par-
to cana 4a nretbn, ste ordiiaria dos meamos
estreitameotbs, como hoja sabido de lodo medico.
o principalmente, do especialista. Assim aquello
qae ae serve de taes Instrumento". jraals' poder
operar na mor parte dos casos, sea fajar violencia,
sugeijando o duente a tolos os sofiYimentos e pe-
rigos de urna m oparacao, qae corneja por tor-
nar recto o qna naturalmente corvo, Inconveni-
ente gravis9imo que nao offjrece -o de Maisonnau-
te, por ter a curvatura natural da urethra, em
toda a extensao da qua! opera oni igual facilida-
de.
2* Os instrumentos amigos, nao teodo sroda
conductora, ou tendo-a asufflcente, eomo na al-
tima moditicacao do de Oviale, sao completamente
cegos. Alm disso tea-Jo em sua extremidade
uretral urna luraefaccio olivar, onde se occalta a
lamina incisiva, ou nao franqaeia o ponto estrel-
lado, para o poder inci-ar de detraz para diaate,
ou s o far qnando dilatavel, e previamente d< -
atado por sondas graduadas, at o n. 10, caso
em que se toroa quasi desaecessaria a operacao,
depois de se ter augeiudo o doente a ara sobre
longo, por demais penoso trattmeoto.. Ora a ob-
servarlo qaotidiana tem mostrido que eslreila-
nsentoi ba, qae deixindo aoenas passar ama son-
da capilar, nao se doxara franquear, por sondas
un poaco mai; espessas, e muito meaos pela oli-
va do instrumento de Civiaie.
Supponhamos agora am caso de urgencia; o de
nma retencao da ounnas tal, qae ponha a vida do
doente em perigo eminente. O qae faz o velbo
pralico retrogrado ? Da sahida as oorinas por
meio de urna algalia? Irapossivelt Opera? Com
qae in?trumeuto ? Cora o de Civiaie? Oatro ira-
possivel I Ou faz a punecao da bexiga, como ul-
timo recurso, ou espara t No primeiro caso su-
geita o doente a ama operacao que alm de peri-
gosa, apeo is paleativa : no segando crusa os
bracw, e ra lelleronte deiza morrar o doente I O
verdadero pralico, porra, empregaudo jora van-
de nretbra a eleclroliie -* esse meto sonko (I),
este problema a retoloer, prwaVitmente pela li-
gativa (t) eomo afflrm o mais que neseto. idiota
Mpoeialiata, far o objeoto do nosio seguiote on
siguiotes artigo?.
Recita, II dejunho de 1871.
Dr. R.
M. Vianna.
(Contina)
tageas reaea
doeotes, os i
tos, opera,
do Dr. C
su i* cunan
TajTa peqi
si, e principalmente para seas
eatorraoderoos e mais perfei-
o mesmo doente, que as maas
elh pralico retrogado, prestes
a differooca entre o velho retro-
gado, e o moderno pralico 1 Aqnelle recua dim-
te das diffl-vullades que eacontra ; cruza os bra-
cos, e deixa por ituoran:ia dos preceitos da arle,
perecer o doente I
Este, pelo contrario, vence-as, empregando to-
dos os recursos qae a arta moderna Iba offerece, e
salva pela aciividade e coragera o condeuaoiJ > a
morte pela inercia e covaMia O qae acabo de
pialar nao um qu-jdro phaatasiaio mas sim o
real.
3." 0< instrumentos antig03 atacara a cada nm
dos estretamentos por sua vez, excepto os la par-
te curva da urethra, ao passo que o da Miison-
naave, cuja lamina guiada pela estria do conduc-
tor, incisa de dianta para traz e successivameoia
na ( tres, mas lautos quantos estreitaraentos
pona encontrar, de3e o meato at o eolio da be-
xiga.
^admiracao e a duvida ]ue o Dr. Carolina ma-
Difisla sobre o ter eu incisado no Sr. Corria da
Silva, tres estrnamenos do ama s vez empre-
gando o urelhrotom) de Miisonneuve, provam
ex'iberanteraeato que S S. nao tem desta iosiru-
m-juto o menor cenbecimento I.
4. 0aretbro:o:no Je M'isonneuve, anda offere-
ca ama vantagam inapreciaval sobra os da Ray-
bard e de Civiaie, ao qaaes da s Dr. Carolino a
preferencia, pola simples razao de terem como
elle 40 annos da pratica.
Tal a de prestar -e a sonda capilar introdc-
elo nao s dj mandarira estriado, que deve guiar
co.w seuranga a lamina incisiva,"mas tambara a
iniroduegio da soad epecal, qae deve ficar, de-
poi* da opera(i-).
Sao estas as principies vantagens do instruman
to de Maisoaneuve, sobra os do liaybard o Civiaie.
Se o Dr. Caro.inj qaizer dar-se ao trabalbo, do
ne .-i :.vaajala idada, tratar mais d) cerebro do
que dos cabillos, p>de cinsultar qualquar espe-
cialista moderno, quj u-.lle encontrar o sem nu-
mero de outras que coaipletam o elogio dos mo-
dernos instrumantos, e qja aqui omiti, porque
sou multo crhnca para ser mestre de velho.
accidentes.Sabido, d'outiva que o Dr. Ca-
rolina se tioba na canta de especialista de vas
ournarias, eslava mai loage da pensar que elle
fosie, cuino proiujiti provar, completrosme anal
ph'belo ani sia e^cialidade I
Ecora eTsito, qumJ) S. S. d'entro os amitos
accijentes, que sopo lera seguir aretlirotomia
interna, s airecea se da baraorrbagia. d.-ixaudo
de ineucioaif outros, sa.n Juvida mus parigoios.
e eoctra os q&aes nia tara o novador o mssrao
p lor, Man *nf -lvoi, pelo menos seguro da evita
jj ou eotnbale-los.coma arespaito da beaiorrhagia,
pela introdcelo da sonda em permanencia, da
nrovasrneqaivocas da verdade de minha verdadei-
ra asserea".
Fjillaybirl qaeru, prime ro, classiflnu o cor
rlai.rata sioauiaeo ai aretbrouraia interna em
heraorrbagia immediata e cmsecutiva. Traba ra
za>: porque fazeudo ella largas e profuudas in:i-
cuj i liralJ, cora; dz Slillot, era multas ve-
zes a palle, devia de necessaria e freqasntemente
ter-se a bragn com bjmorrhagias, dilnceis de se
sustarem, por serem provenientes de lesSes au
s do corpo cavernoso, tecido esponjoso erectil;
mas tamb-m da da urna ou mais arlberias que
nu'.rem o penis. Oatro tanto deve acontecer a qaal-
quer especialista, qm, cono o Dr. Carolina, ainh
hoja embrega da preferaocia, o uraihrotomo de
Civiaie, (!) razao porque S. S. tanto teme e-se ac-
cident, quanto ignora os demais.
Saiba, pois, o Dr. Ciroliao, que o eraprega do
uretbrotomo (o mo Jtflcado) da Haisonneuve, e a
observancia da tadas as regras e cuidadas, acon-
sejados e seguidos por Gayn, loroara esse acci-
dente mu raro a fcil de ser combatido, como diz
M. Iteverdio, (pag. 38 da sua tbese) QmnJ M.
Alatssonneuve se servait de sa lame non emousse,
il obsemait oidinairement des, hemorrhajies assez
abmdanUs; c'esl me me cel accident, qui lui
donna l'ide Sen emoussjr le sommel; 41 n'eut
plus alors [qu' un coulement coitlement sangum
insignifiant.
M. Guyon, adoptando com os praticos e especia-
listas moderaos a fenda ou estria na face conca-
va do ra.indarira do nreibrotomo de H. Haison-
sonneuve, a lamina Incisiva, romba em seu vrti-
ce, e-apenas cortUte na maior parte dos lados ad-
jaceates a base, aceitando anda a iatroauccSo da
son la especial, de qae ja filleijornou a nrethro-
tomia, que S. S. com razao taflH encarece, urna
operario simples, segara, e mai poaco sujeita a
hemorrhagias, que s se devem temer, quando a
ignorancia dos preceitos da arte, aceresce o empre-
go dos instrumentas a que S. S. d preferencia,
par isso mesmo que ento ellas se tornara qaas<
inveneiveis a Introducto da son la em perma-
nencia. Os 51 casos de uretnrotomias praticadas
por Si. Guyon (uto s no hospital Necher at o
ano) de de 1871) e j por nos citados, confirmara
o qae viemos de dizer.
Romba como no sea vrtice a lamina triangu-
lar do urethrotoma de Maisonnenve, de ver,
qae s ple ella incisar canal nos pontos co-
arctad>s, deixando intacta em todos os mais a
mocosa, que, por sua elasticidade propria cede
sua passagem. E" igualmente claro que incisa-
r nao tras (I) mas unios qaantos foram os
pontos coarctados qae posan ella encontrar.
Alm das cirumstaocias mencionadas, qae tor-
nara rarissimas as hamorrbagias, a de s ncisar
a lamina do instrumento a parte superior do canal,
merece particalar atteocao; por qflanto. diz M R*
verdn Plutiems raitons justifint cette pri-
fuente (meisao na faca sape/ior da uretbra). La
premiare ett basa sur a Hispositton da tissu
caverntux de Tnrethrc qui, fabord i peu prs
egilement repart autour du canml s'enflela
partie 4uperieur et se reduit a une fatbleepais
seur, taniit qu' la parts inferieure il se renle
pour former le bulbe.
Assim poii podemos affl-mar qae as hemorrha-
gias rae sempra o Sr. Cwolloo prodaz qtuado
pratica nrethroiowa interna aio devidas ao ig.
norar 6. i. o* progieigos qoa tam sido eitos ni.
timameaia nesu parte da cirargia, cema demans-
tramas posiuvamente ; qneixe se, pois, p Sr. Dr.
CaroHoo, da sua ignorancia, de Un atraso em
scsmsv e ni da mUa.
D'mim a* vnttedM,ou
Defeza de thesds
Tendrj pela segaod vez defeadtde tbe-
ses peranle i bcaldade do direito, e sendo
de novo reprovado por matro dos lentes
examinadores, nio venboa imprenta naos-
trar a ijuslifa da minb;i reprovado, .mas
provocar os Drs. Fignekedo, Reg e Sil-
ve ira de Souza a provaram a falsidade das
tbeses. em qae me arguiram, cortos de que
se o n3o flzerem mjstraro qae a parciali-
eade, a injostiftA o odio foram os sent-
meatos qae predomioaram em seus espri-
tus qaando julgaram m<
A opini) publica serd-o nosso jaiz, Srs.
Drs.
s m ~ D. Luiz da Silveiz*.
T_jLr 'n-ifMBHM^rianaani
C0MME8CI0.
PRACA DO RECIFR 11 DE JUNIO
DE 1872.
aS 3 1/3 HORAS DA TA5DI.
Cota ees ofciae8.
Algadode Macei 790 rs. por kilo posto a bordo
a frete de 78 d. e 5 00.
Cambio sobre Londres a 90 drv. 24 Ii2 d. por
14000.
Cambiosobre Lisboa 93 dv. 117 0(0 de premio
boatem.
Dito sobre dito 3 d|v. 125 0|0 de premio.-do
banco, hontem.
Cambio sobre Paris a 90 d[v. 390 rs. por franco,
bonum.
F.J. Pinto,
Presidenta.
Dubourcq,
Secretario.
ALFANDEGA
tandiminto do da I a 10. .
dem'do dia 11. .
479:333*7GG
42:628*101
521:963*867
Descarregam b -je 12 do junbo de 1872.
Barca inlezaWitch o.' the Teign machinismo.
Lugar porluguez/ufio vanos generas.
Paiacno inglezLa Cayenni ilem.
Brigua austricoE;m-arinha de trisa.
CAPATAZA DA ALFAXDEGA
Rendimento do dia I a 10. 5:108*676
dem do di 11, ... 817*990
5:926*663
SAHIDAS DE MER.CAD01UA3.
Volumas sabidos cora fazenda.
dem dem cera generas diversas
S.mma
111
1,180
1.291
Isuportpo.
Vapor fran-i'z gibosos, lindo de Brdeos e
Lisboa, manifestou:
Carn de Lisboa.
Imneos Icaixaa Sadr a Milla.
Carga de Borlos.
Ab'intho 1 caixa a J. I. da C> la. Araaixas sec-
cas Ocaixas ordera, lOaKiller. Azeita de
obveira 6 jaixas a Wilraer.
Bitter 1 ciixa a J. I. da Costa.
Calcado 3 caixis a Pr<--ira Arantes, 2 a Oveira
Sabriobo, 2 a Porta & BjsIo., 2 a VIenles Azeve-
do, 2 a Manteiro Gregorio, a a Lyra & Vianna, 1
a cada am dos segaintes; D. Teixeira Bastos, L.
A. Seqaeira, Cunha A Maato, Abren Maceo, Man-
des Lobo, Linden Weidmaua, Prente Vi.noa,
Goncalves Forreira, Leclera, Champagne 40 cai-
xas a Keller. Chapis 3 fardas a Phipps Brolherf,
4 caixas aCliristiaui, 4 a Mandes Azevedo, 3 a
Costa Maia, 1 a Armino C, 1 a Cota Irmaa-,
l a Goncalves Irraa, 1 a Gnncatvas Ferreira.
Cognac 50 caixas a Doyle, i a W Imer. 1 a Chaix,
1 a Snntos Farola. Csnservas 20 caixas a Keller,
2 a Chaix, 2 a Santos Farofa, 2 a Turpin. Conros
2 caixas a Candido da Silva, 2 a M. Birroso de
Msllo, 1 a Cisia Irma^-'. 1 a Linden Waidmann,
1 a M. Ferreira Pralo, 1 a Pereira da Mella. Cu
tilarias 1 caixa a Parete Vianna.
Diorama e pertencej 1 caixi a Lehman Freres.
Daces 10 caixas a Keller, 10 a Paula Ramos.
Estampas 1 caixa a Ga/.ilphe.
Jiias 2 caixas a Hyvernat, 1 a L"ieraaa Freres.
Leltras de z'nco doradas 1 caixa |a Ferreira
Maia. Licores 10 caix-.s a Turpin, 3 a Keller, 3 a
Santos Farofa, 2 a J. 1. da Costa. Livros 2 caixas
a Ds L-i'hacir, 1 a Njgueira da Sauza, 1 a Wal-
frado & Souza.
Manteiua 4o barris e 60 maias ditas a J. I. d-
Costa. Medicamentos 2 caix.s a Caors e 2 a Bira
tholomeu & C
Modas e miudaias 2 caixas a D. Taixeira Dis-
tas, 2 a Amaral Nabnco, 2 a Bisto 0:iveira, 2 a
Vaz & Leal, S a Morcira D;.3,' 2 a trmai Chaava
roche, 2 a ordei, 1 a cali um das fejrointes:
Oveira Sabrinh),.S Lait3i 4 Coia>Wa,;BourKrd
4 C Vaz Jnior, Costa Irm'os, Siuza e S, J. do
Almeida, M. Barroso de Mallo, Ramo3 Paixoto,
Maura Pereira, Nalta Campas, Gaimara3 & Luz,
Barros Juaiar, Aievedo Maia 4 Silva, L. A. Se-
qneira, Burie^Costa 5!>;i, Amiuo & CL,vBruno i
Gaivo, M. Cardoso Ayres, Par jira Simoe3, Araujo
4 C, Racha C, Gaa(jlvo3 Ferreira e Pirents
Viaana. ^^^
Objacto3 para chagloe da sol 1 caixa a Manoel
4 C, 1 a madama Falque. Ditos para oscriptorio
2 enxa< a Walfredo 4 Siuza, 1 Sinlos Aguir.
Ditos diversos 2 caixas a Turpin. Ovelhas lea-
sal a Pommars.
Papel 1 caixa a Boorgard 4 C, 1 a D. Teixeira
Basto, 1 a Pinlo da Silva 4 Casco. Perfumaras
1 caixa a Barros Jnior, 1 a Moreira Das.
Quefjos 6o caixas a Marllns de Barros 4 Filho,
62 ordera, 46 a Magalha^s 4 Irmao, 45 a A. Fer-
reira de Carvalno, 40 a Mmleico Rocha, 23 a Soo-
za Basto, 13 a Se ares do Amaral, 11 a A. F. Cor-
a, UaCorga lrraao3, 10 a Alve3 bebre, 10 a
' >sta Irmao?, 9 a J. I. da Cosu, % a J. J. Alves, 5
a Gomes Pires, 3 a Keller, 2 a Turpin.
Relogios 1 caixa a Lhems.au Freres. Roapa 1
eaixa a eada um dos segualos: Pinto da Silva 4
Casca-i, OliveTa 4 Sabriobo, Lemann Freres, Ma-
reir Dias, Pereira Mautinba, Pereira Bastos, La-
pes Machado e Miie Fuoco.
Sangaesugas 1 caixa a Ciors.
recidos diversos 5 caixas a Costa Irmaos, 4 a
Keller, 3 a Moohard Mettler, 2 a CanlaKce, 2 a
Vaz 4 Leal, i a cada um dos sega otes : Silva
Cardoso 4 C, Moara Pereira, Olivlra Sobrinbo e
Guelphe.
Vinbo 4 barris a Turpin, 1 a Sequeira, 3 e
caixas a Panla Ramos, 200 caixas a Labraann
Frerev*6 a Keller, 21 a Bolires, 6 a Sanios Faro-
fa, 1 a J. da Costa.
Carga do MaranhSo.
Panno 1 i ordem.
9oHa 200 meios a J. G. dt Baaios, tOO a Ovei-
ra ieveo, 181 a ft i. da Cuta Goimaraes.
Despacho de exftortfSo no dia 10 dt
jmho dt 1872. .
Para ot pertot do exterior.
Na barea portugueli Imperial, para o Por-
to, earregou : A. da Costa Manir 1 ancoreta com
70 tros de aguardante. ^r
No vapor inglex, Coanac, para Liverpool, esr-
regsram : Heory wnlmer 486 ecas com 39615
kilo de algodao ; J. J. da Costa Maia 450 ditas
com 10,919 ditos da dito.
No lugar inglex SaroA Smilh, para Liverpool,
oarregaram : Sauoders Brothers 4 C. 184 saecas
com 17,800 kilos de algodao.
Na barca austraca Frederic B, para o Ca-
nal, carregaram : Rabe Schmettau 4 C. 729 sae-
cas com 54,442 kilos de algodao.
No navio norueueose CAnifiaiura, para o
Canal, carregaram : Keller 4 C. 480 saecas com
34,601 kilos de algodao.
Na barea francesa Granule, para p Havre,
carregaram : Tisset irires 4 C 322-saecas com
20,894 kilos da algodao, e 313 couros seceos sal
gados cem 6,573 kilos.
Na barca hespaobola Auna, para Birceliona,
earregou : P. M. Maury 150 saecas com 12,612
kilos de algodao.
No brigo portugaaz Liiador, para o Porto,
earregou : L. J. da Silva Goimares 12 quartos
de barrica com 445 kilos de assncar bracee.
- No brigue inglez Herald, para o Rio da Pra
ta, carregaram : P. Caroero 4 C 150 barricas
com 14,667 kilos de assncar branco.
Na sumaca hespanhola Tafia, para o Mediter-
rneo, carregon : Masoel Martins Pires 1,600
saceos com 120,000 kilos de assucar mascavado
Na esenna poriugueza" Agttia, para Lisboa,
carregaram : E. R. Rabello 4 a 1,780 saecos com
21,000 kilos de assncar mascavado;
Na escuna uorte-ailemia Adelina, para o Rio
da Prata, carregaram : J. da S. Loyo 4 Filho 288
barricas com 30,863 kilos de assacar branco.
No navio allemo Joanne, para o R o da Pra-
ta, carregaram : Carvalbo 4 Nogueira 141 barri-
cas com 15,785 kilos de assacar branco.
Para os portos do interior.
No patacho allemao Alma, para o Rio Gran-
de do Sal, earregou : J. Jos Ferreira 50 meias
barricas com 3,719' kilos de assacar branco.
No brigue nacional Victoria, para o Para,
earregou : A. d OlffBlra Leite 210 meias barri-
cas com 15,492 kjlos de assucar branco.
REGEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS
GERAES DE PERNAMBCO.
fej otsaar o presente edita! pelo qual Cha-
mo !9 bfj por iitiaadee os credo/es
iocertos dd dito execatado para que compa-
reca neste j?izo deolro do indicado prazo
aa de allegaren! o qae or de jastica, ma-
nidos de seos docuiBeotos am de allega-
rem o sen direito.
E para-que cnegue ao COTecaienlo de
todos mandei pastar o presente qoe ser
publicado pela imprensa e afiliado; aos lu-
gares do costme.
Cidade do Recife de Pemambaco, 7 de ja-
rano de 1872.Ea S3candino Heiiodoro da
Cotb, escrevente jaramendado o escrevi.
Eo Manoel Mara Rodrigues do Nascimeoio,
escrivo, o snbscrevi,Racife, 7 de junbo
de 1872.
Sebastiao da Reg Barros de Lacerda.
Pela ihesourana provincial "se faz puoiico
que a arremalacaa do imposto de 20 % de agur-
dente consumida as comarcas onde existem col-
leetorias foi transferida para o dia 13 do correte
mez.
Secretaria da tbesonraria provincial de Poroam-
bueo, 2 de jnaho de 1872.
Oofflciil maior
____________ Miguel Affonso Ferrra.io
dendimento do dia 1 a 10.
dem do dia II. .
16:243*305
1:8071729
18:051*0*4
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do dia 1 a 10.
dem do dia 11. .
67:413*937
8:047*784
75:461*721
MOVIMENTB DO PORTO.
Navio entrado no da 11.
Rio de Jauero e porios intermedios11
dias, vapor Dglez City of Rio de Janeiro,
de 1 o)j toneladas, commandante Joba
idson, equipagem 48, carga varios g-
neros;'! Saooders Rrotbers & C. Veio
receber passageiros e seguo para Li-
verpool.
Navio sabido no mesmo dia.
Rio de Janeiro e porlos iulermedios7apor
brasileiro Cear, ommandaote RjJri-
gue3, carga varios gneros.
A tUesouraria provincial contracta o forne-
cimeoto dos objectos precisos para o expediente
daa repartieses provinciaes no exercicio de 1872
a 1873.
O eantrato ser feto no dia 20 de juuho ao
me| d'?' peraote a juma da mesma Ibesouraria.
A ticilacao ser feta em fracQSes ceotielmaes
Ja importancia total dos objeatos frnecidos se-
gundo os procos do orcamento, os quaes os'con-
correntes encoutraro ua secretaria da mema
thesouraria para examinar, assim como as con-
dic5es cousque deve ser effectuado o contracto.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 14 de malo de 1872.
O oficial maior,
______________Miguel Alfonso Ferreira.
= O lllm. Sr. inspector da ibesouraria provin-
cial, era cumprimenlo da resolucao da junta da
fazenda, manda fazer publico, que no dia 13 de
junbo prximo futuro, perante a- mesma junta, se
na de arrematar a quem por menos-fizer, o forne-
cimento dos medioaraentos e utencis precisos
enfermara da casa de Delencao, por tempo de um
apoo, a contar do de julho do corrente anao a
30dejunho de 1873.
_As pe3soas que se propozerem a esta arremata-
cao, comparecam na sala das sessdes da referida
juota, no dia cima indicada pelo meio dia, e ;om-
petentemente habilitadas.
Secretaria da thesonraria provincial de Pernam-
buco 14 de maio de 1872.
O offlcial maior,
M. Alfonso Ferreira.
EDITAES.
O Dr. Sebastiao do Reg Rarro3 de Licerd |nil
de direito especial rto commerclo n :.-ta cidade
do Recife de Pernambuco por S. M. imprial
e constitucional o Sr. D. Pedro II que Deus
Ruarde etc. etc.
Fajo 9aber aos que o presente edital virem e
delle noticia tiverem que ao dia 13 de junho do
correte anno se ba de arrematar por venda a
quem mai* dr, depois da respectiva audiencia, a
arrematado das mereadorias da laja de calcados
sita ra de Marcilio Dias n. 38, a saber: 1
armacao de madera envidracda cara seus penen-
ees 4a loja cima, por 300*000, 1 laminador por
100^000, 15 pajas de algodao a 4*000 cada urna,
29 paws de botinas de conro a 2*000 cada par, 7
ditos de 9ipat5es a 21509 o par, 18 ditos de couro
branco a 1*000 cada par, 12 dilos de 9apatos de
borracha a 500 rs. o par, 37 ditos de iranja a
803 rs o pi.r, 23 ditos de tapete a 800 rs. o par,
56 ditos de couro de lustro para senhora a 1*000
o par, 17 ditos da chiquitas a 200 rs. o par, 7 di-
tos de sapatos de brlm a 600 rs. o par, 1 par de
botas russiaoas oor 8*000, 4 pares de sapatos de
marroqu na 500 rs. o par, 3 ditos de couro bran-
ca a 500 rs. o par, 12 ditos de botinas para senho-
ra a 640 rs. o par, 12 chapeos para hornera a 500
rs. cada ma, 11 pares de tamancos a 300 rs. cada
par, 41 paeotes de fia a 300 rs. cada pacote, 28
caixas do p< para sapatos a 20 rs. cada eaixa, 19
libras de cerol 800 r?. a libra, 2 pegas de tta
de borracha a 1*000 a peca, li4 pecas do ta de
a'godo a 100 rs. cada peca, 15 ditas de lila de
seda a 10) rs. cada pac, 134 parss de obra de
couro braoco a 300 rs o par, 14 caixas de Mvella9
a 200 rs. a caixa, somma total 8402t0.
Foram penhorados por execujo de Jos Lapes
Oavio contra Daniel Antonio do Res. E nao ha
vendo lanzador que cubra o preco da avaliacSo
a arrematado sera fella pelo preco da adjudicajio
na forma da lei. E para qae cbeqae ao conbeei-
mento de todos mandei passar o presente qne
jera publicado pela imprensa e afflxado nos lu-
gares do C03iume.
Cidade do Recife de Pernambuco. 23 de maia tt
1872.
Eu Manoel Mara Rodrgaos do Nacimenio, es-
crivo o subscrevi.
Recife, 29 de malo de 1872.
Sebastio do Reg Barros de Li cerda.
O lllm. Sr. inspector da thesouraria provincia
em curaprimento da ordera da Exra. Sr. vicepre-
sidente da provincia de 7 de corrate, manda fa-
zer publico que vai novimente a praca no da 8
de agosio prximo vindpuro, para ser arrematada
a quem por menos flzer a obra do segundo lan^o
da estrada de Uoa a Capoeira, oreada em.....
22:000*000 e sob as clausulas abnixo copiadas.
As pess6as qne sa propozerem a essa arremata-
;a.) compirec/tra na sala dis ses?es da referida
junta no dia cima mencionado, pelo meio dia e
competentemente habilitadas.
E para constar se maodou puplicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da lhesouraria provincial de Pernam-
buco, 10 de maio de 1872.
0 ofcial-maior,
Miguel A/7i>wo Ferreira.
Clausulas espe'caes.
!.
O segundo [anco da estrada de Uaa a Capoeras
da 2202,90 metros de extenclo na importancia de
22:000*000 st-r executado de cenformidade com
o respectivo orcamento o dssenbos untos, appro-
vados pelo presdeme da provincia e instruecSo
do engenheiro encarregado da Gscalisaco dos tra-
balbos.
O arrematante dar oomeco aos trabalho3 no
prazo de irinta dias, e os concluir no de dezoito
mezes, contados ambos da data do contrato.
3.
O trabalho ser executado a partir dos dous
pontos extremos para o centro.
4.'
O- pagameut03 sero feitos em sais prestacSes
Tgaaes, correspondente cada nma a ara sexto da
importancia total, quando os irabalhos executados
corresponderem a essa quan.ia.
. 5.a
Era tudo o mais que aqu nao vai eipeciScado,
seguir-ie-ba o que a respeito dispoe o regulamen-
to 131.31 d julho de 1866.
Conforme,
Miguel Alfonso Ferreira.
O liiui. Sr. Iuspeeior aa thesouraria provin-
cial manda fazer publico que no da 13 de junbo
prximo viudouro, perante a junta dostu thesou-
raria se ha de arrematar a quem por menos flzer
o fornecimenla de aiiraenlaco e dietas aos presos
p bres da casa de detencao no trimestre que prin-
cipia ao Io de julho viodouro a 30 de etembro,
servindo de base arrematacao os pragos segain-
tes :
AlmoQO e jantar conforme a tabea.
Domingo 380
Segunda-feira 380
Terga-feira 380
Quarta-feira 360
Quiata-feira 330
Sexta-feira 340
Sabbado 349
Dieta! .
N. 1 380
N. 2 400
N. 3 640
N. 4 400
N. 5 400
Alm do que est mencionado as tabellas ser
fornecido ceia aos presos, a qaal ser composta
de um pao de 3 oncas. ou urna bolacha, ama on-
?a da caf e duas de assucar, pelo mssmo preco
por qus for fornecido o almo?o.
E para constar se mandou publicar o pr-
senle.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco 15 de maio de 1872.
O ofeial-maior,
Miguel Affonso Ferreira.
e mpregade u
Pfjcesaoi eootMCijoi
ical.iu *\l Rate Brasileiro graciosa, vindo de Aracaty
e Macu, consignada a Bartholomeu Lourenco,
manifestou :
Carne secca 1 caixa ordem. Cenriahos 120
molhos a Gomes de Mallos limaos, 11 ordem.
Esleirs 16 molhos ordem.
Gomma 14 saceos ordem.
Queijos 2 caixas ordem.
Sal 600 alqueires ao consignatario.
Velas de carnauba 32 caitas a Games de Mattos
Irmaos.
Htate brasileiro d. luizi, vlnio do Ass, con-
signado a Gomes de Mallos Irmaos, manifestou:
Algodao 12 saecas a Adriano Castro.
Gara de carnauba 3 barricas e 2 saceos a Perei-
ra da Silva
Palba de Carnauba 400 molhos aos consignata-
rios.
Sal 600 alqieires aos consignatarios.
-r Vaptr brasiUirsMBumiPK, vindj de Maman-
gutft iMnifesiou:
Algodao 170 saecas a Sauoders Brothers. As-
sncar broto 38 srecos a Barros Jauior, 24 a Pa-
reirvdKnlo.
Vapor hfatileiro obaba', viudo !o Para w-
callas, manifestou :
Carga do Para.
Mereadorias 2 caixis a A. Lopes Rodrigaes. -
Salsa parriloa 40 rolos orde/j), J8 a MAchado
O Dr. Sebastiao do Reg Barros de Lacer-
da, joiz de direito especial do commer-
cio n st;i cidade do Recife de Pernambu-
co por S. M. I: etc. etc.
Faro saber aos que o presente edital vi-
rem e delle noticia tiverem que por este
juizo especial do ommercio pendem aos
autos de execacSo de sentenga de Jayme
Eneas Gomes da Silva, contra Jeronymo
Delsuc. E tendo-se feito penhora em di-
n be ir 4 existente oa recebedoria das rendas
geraes internas pertencentes ao dito execa-
tado Jeronymo Delsuc, fra pelo solicitador
Jlo Caelirao de Abreu, procurador do exe-
quente Jayme Eneas Gomes da Silva, feito
o requerimento do segninte termo :
Aos 6 de junho de. 1872 na cidade do
Recife em publica audiencia que aos feitos
e partes dava o Dr. joix especial do com-
mercio Sebastiao do Reg Barros de Lacer-
da, nella pelo solicitador Jo3o Caetano de
Abreu, piwcurador do exequente Jayma
Eneas Gomes da Silva, fra acensada a pe
nbora feta em dinheiro perteacente ao exe-
catado devedor Jeronymo Delsuc, e reque-
ren qae ficassem assignados os 6 dias da
lei penhora feta nos M dias sos credo-
re i insertos do execntaao, passando se edHL
taas.-o qa'e oo?ido pelo jiz, hoave apenh^
rs por feta e accasada, os seis dias da re
por assignados e tambera os 10 das aos
crodores incertos, e o mais por delrido de
po)dj> juandar apregoar pelo porleiro dos
audiltfios qoe o (ex os forma do estylo, do
que m este termo* exlrahido do protocollo
das audiencias a qne juatei a predatoria e
termo da penhora qae segu : eu Secundi-
no Ueliodoroda Canha, sement juramen-
tado o escrevi. Eu Manoel Mara Rodri-
gues do NascMiento escrivo, o escrevi.
Por for? do meq d0SDabo o escrivio
O procurador fiscal da thesouraria provincial de
Pernambuco declara aos contribuales do imposto
sobre carros, carrocas e mnibus no exercicio de
1871 qae Ibes Sea marcado o praso de 30 dias
improragavei', a contar da pnblicacao deste na
cooforomadade da lei n. 891, art.-?i3, para soliei-
tarem da seeclo do contencioso as respectivas
guias, afim de recolherem seus dbitos provenien-
tes do mesmo imposto, certas de que nio pagando
dentro deste praso, proceder-se-ha a cobranca ja
dieialmente, fazendo para isto publicar a relacao
dos devedorea abaixo transcripta.
Secco do contencioso da thesouraria provincial
de Pernambuco, 5 de juobo de 1872.
O procurador fiscal,
Cypriano Fenelon G. Alcofarado, -
Deudores do imposto por carros, mnibus e car^
rogos.
Dr. Alsxandre de Souia Pe-
reira do Careno, carro
particular de 4 rodas n. 23
A. Plessimau, dem fdem
. Dr. Augusto Carneiro Mon-
teiro da Silva Santos, dem
1.30
Antonio da Silva Azevedo,
idem n. 102, T
Antonio Goneslves da Silva,
idem n. 45
ntonio da Cunba Soares
Guimares, Idem 2, n. 5
Antonio Raposo F, carro de
aluguel o. 7
O mesmo, ideal n. 8
O mesmo, idem n. 9
Antelo de Soma Mello,
fdem n. 35
Antonio Bernardo Qainleiro,
idem d. 44
O mesmo, idem n. 45
Antonio Ferreira Pinto, ide-n
n.74
O mesmo, ideen n. 7
Beato Lody, enrrtiMn. 7
Befraarriroo AJvflsTWem p.
163
9
i =
t2
16* U440 1746
16 U440 17*440
16| 1*140 17*440
16* 1*440 17*440
10* 900 10*900
30* 2*700
30* 2*700
30> 1*700 98*100
30* 2*700 32*700
30* j{700 M^400
t\* rjJ 5*400
9f 1W 0*540
61 $/0
O mesmo, Idem n. 165
Benio Joi Gomes, idea .
246 .
Bernardino Pinto Barbosa,
carroca o. 280.
Bernardino da Costa Lima,
idem o. 308
Braz Manoel d'Arrnda, idem
n. 313
BeroardiBO Ignacio Gomes,
idem n. 382
Bernardino Martina Souza,
idem o. 454
Bonifacio Vasque, idear d.
608
Bento Francisco Jos dos
Prazeres, idem o. 628
Baro da V particalar de 4 roda* n.
Baro de Baaaflca, idem o.
7o
Braga Sera & C, Mem n.
Oaifio de Gaararape?r idem
i 103
Bef jamin Francisco Doarte,
carro de alagad a. 19
O mesmo, dem n. 121
Balihazar Goncalves Macha-
do idem d. 40
Bernardina da Silva Ramo, *
carroca o. 534
Candido Goncalves Tarres,
idem n 3
Clementino Lasser, idem n.
114
Candido Mara d'Avila e
Souza, idem n. 135
Cosme Jos da Silva, idem
n. 151
Gocy Jovenal do-Reg, idem
n.2lO
Camillo Bcdrignes, idem n.
244
Custodio Jos Pereira, idem
n.305
Candida Rosa de Barras,
idem n. 393
Candido Jos Raposo, idem
o. 504
Christovo Santiago do as-
cimento. dem n. 677
Cecilsno Paes Peixoio, idem
n 685
Candido Jos de Oveira,
idem n. 690
Candido Rosa deBarro3 Lou-
reiro, idem n. 772
Cypriano km me de Souza,
dem n. 790
Candil Lasrmiro Gaedes
Aicoforado, idem n. 119
Clirisliauo de Almeida Ma-
raes, idem n. 68
Candido Gomes dos Santos,
carrosa n. 577
Domingos Rodrigues da Cos-
ta, idem n. 25
Domingos Moreira do Valle,
dem n. 31'
O mesmo, idem n. 662
Deodato Gongalves Ierres,
idem o. 424
Domingos da Costa, idem n.
450
Domingos da Silva Ferreira
idem n. 598
Domingos Jos Fernandos,
idem n. 605
Domingos" Jos Moreira, idem
n. 689
Domingos Jos da Costa La-
ges, idem n. 794
Diogo Carneiro Rodrigues
Campello, idem n. 800
Elpidio Accioli de Barros,
idem n. 553
) mesmo, idem o. 554
Eustaquio Jos das Chagas,
idem n 699
Euzebio Joaqulm Dclflao,
idem n. 816
Elpidio Feliciano Pereira de
Lyra, carro de aluguel de
4 rodas o. 105
0mesma, n 108
Enzebio Tasso, carroca n.
588
Francisco^Antonio de Miran-
da D.-.rio," idem n. 45
O mesmo, idem n. 74
O mesmo, Idem n. 646
Francisco de Mello Tas,
idem n. 142
O mesmo, idem n. 144
Francisco Vieira de Souza,
idem n. 268
O mesmo, idem n. 269
Francelmo Amancio de Aiba-
querque Mello, idem n.
445
O mesmo, idem n. 446
O mesmo, idem n. 182
Franeiseo Jos do Rosario
Arantes, idem n. 532
O mesmo, idem n. 545
Francisco Iziduro Ribeiro
Carvalho, dem n. 713
O mesmo, idem n. 714
Francisco Munz de Sauza,
idem n. 50
0 mesmo, idem n. 51
0 mesm;, idemn. 30
Francisco Fartado Muniz,
.idem n. 1
Francelma Jacome do Rosa-
rio de Araujo, idem n. 23
Felippe Vasque, dem n. 64-
Francisco Goncalves Torres,
idem n. 97
Flix Jos Maris, idem n.
117
Francisco Baptisla Leal.idem
n. 120,
Francisco Hemeterio de Al-
meidaidcm n. 130
Francisco Goncalves JNtto,
idem n. 143
Francisco (de Luiz da Rocha
Castello-Branco.) dem n.
159
Francisco de Paula Santo?,
idem o. 203
Francisco Marques da Siiva,
idem n. 203
Francisco Jos Lopes, idem
n. 345
Francisco Rtyeriolde Panla,
idem n."383 *
Francisco Jos de Arruda,
idem d. 403
Francisco Augusto do Ama-
ral, idem n. 421
Francisco Alves dos Santos.
idem n. 422
Francisco Jacome da Costa,
idem n. 483
Francisco Xavier de Ovei-
ra, idem n. 484
Francisca Romana Moreira
da Costa, idem n. 488
Francisco de Lima Rama-
lhete, idem n. 512.
Francisco de Paula Albu-
querque Lins, idem n.
538
Froderieo Chaves, idem n.
555
Felippe Santiago Calateante
de Albuquerque, idemn.
580.
Francisco Maia Cortes, idem
595
o Erpito, dem n.
6*
6*
6*
6*
*
6*
O*
540 13*080
540 #540
6*540
6*540
6*840
6*340
6*540
6*540
6*540
540
540
540
540
-540
540
540
16* 1*440 170140
16* 1*440 17*440
16* 1*440 17*440
16* 1*450 17*440
30* 2*700
30* 2*700 65*400
30* 2*700 32*700
6* 540 6*540
^Secretarla da thesonraria provincial de Peroim-
baeo, 6 de junbo de 1872.
O efBeiti-miior
Miguel Affonso Ferreira.
Clausulas eepeeiaei.
'As obras do 5a lasen da estrada da ramtfica-
Sao de Muritnea sero execuladas de conf armids-
9 eom a respectiva planta e orcamento no raldr
de 19:250*.
2* O arrematante dar cometas obra* no pra-
so de um mei e as concluir no de oilo, ambo
contados da data do contrato
3' A importancia > contrato ser paga em ana-
tro prestacoss ignaes, eorrespondendo cada orna
a 4 parle da obra total.
4* Em ludo mais qae rio vai espeeifeado iss>
presentes clausulas se observar o regulamento d
reparlieo das obras publicas.
Conforme
______ Miguel Affonso Ferreira.
do
Francisco Antonio Ferreira,
idem n. 200
O meso, Idem n. 302
6*
6*
6*
6*
6*
6*
6*
6*
6*
6*
6*
6*
6*
6*
16*
540
6*540
6*540
6*510
6*510
6*540
6*540
6*540
6*540
6*o40
6*540
6*540
6*540
6*540
540 6*540
1*440 17*440
30* 2*700 32*700
6* 540 '6*540
540 6*340
540
540
540
540
540
540
540
540
540
540
540
540
6*
6*
6*
6*
6*
6*
6*
6*
540
540 13*080
540
540
549
540
540
6* 540
6* 540
6*540
6^540
61540
6*540
6*540
6*540
6*5iU
0*
6|
6*
65
30*
30*
540
540
13*080
540 6oi0
540 60340
2*700
2*700 650400
60 540 60340
6*
60
6*
6*
60
60
6*
6
60
6f
6*
6*
60
0*
60
540
540
540
19*020
B40
540 130080
540
540
130OSO
510
540
540 190G2O
540
540
540
34)
130050
130080
540
540
340 190620
60 540 60340
60
6*
6*
60
6*
540
540
540
540
540
6* 340
6* 540
60 50
60 540
6*
6*
6*
60
6*
6*
6*
60
6*
6*
60
6*
6*
6*
60
6*
6*
540
540
340
540
B4j)
540
540
540
540
540
540
340
540
540
540
603O
60340
6*540
63340
6*540
60540
60340
60540
60540
60540
60540
60540
60540
60540
60540
60540
6*540
6*540
6*540
6*540
60540
60540
6*540
6*540
840'
540 13*080
(Contina)
O lllm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial, am cumprimenlo da ordem do Exm. Sr. vice-
presidente da providea. de 27 de maio ultimo,
manda fazer publica ame no dia 8 de setembro
prximo vindonrow parante a junta da fazonda
desta thesonraria, se levar pregao, para ser
arrematada por quem per menos flzer, a obra do
6* fanco da estrada da Munbeca, oreada em
19:2400, e sab aa olanuilaa eaaaciaaa abaixo de-
claradas : .
ls pessoas fue s* propozerem i esjuagaiata-
c5o cQpjarftfiam na sala das sestes dfWerida
Tanta, no dia cima mencionado, pelo moto dia, e
competsMemente haWUtadu.
E n#a constar se mandou publioar o presente
O lllm. Sr. inspector da ihesouraria provin-
cial, em cumprimenlo da ordem do Exm. Sr. vice-
presidente da provincia de 27 de maio ultimo,
manda fazer publico qae no dia 5 de setembro
prozimo viudoaro, perante a junta da fatenda da
mesma thesouraria, se levar pregao, pira ser
arrematada por quem por menos fizer, a obra du
4* langa da estrada de Munbeca, oreada em
14:190*, e sob as-clausalas especiaes abaixo de-
claradas :
As pessoas que se propozerem a essa arrema-
tacao comparecam aa sala das sessoes da referida
junta, no dia cima mencionado, pelo meio dia, a
competentemente habilitadas.
E para constar se mandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da thesonraria provincial de Per-
nambuco G de junbo de 1872.
O offlcial maior,
Miguel Affonso Ferreira.
Clausulas especiaes.
1* As obras do 4 laoco da estrada de Muribeea.
oaimpoitcela de 14:190*. serao execuladas da
conformidade com o orcaratrto e planta apprava-
da pelo presidente da provincia.
2* O arrematante dar principio as obras do
pra?o de um mez e as concluir no de oito mezes.
3' Oa pagamentos sero eftectuados em quar
prestares igaaes, correspondendo cada ama >
4' parte da obra executad.
4* Em ludo mai' que nao val' especificado se-
guirse ha o que dispoe o regulamento de 31 de
julho de 1866.
Conforme
________________________M. A. Ferreira.
5." seCQao. Por esta seeret ra se deelara a
quera intexessar possa que aos 8 do corrente mez
foram confirmadas por S. Exe. o Sr. vice presi-
dente da provincia, e publicadas nesta secretaria,
as sentengas do rtsuectivo juiz commissario nos
autos de meiicao e legitimario das posses dos se-
grales senhores : Jo.- Francisco Ferreira, do ter-
mo da Escada ; Antonio 'Rodrigues de Moura.
idem ; Alexandre da Molla Canto, idem e D.
Mana Machado da Gi ceicao, idem.
Secretaria da presidencia, 8 de junho de 1872.
Servindo de secretario,
Francisca Lucio de Castro.
Consulado povincial.
Por esta repartgo av-a-?e aos respectivos
eonlribuinies qne comeca no 1' do m-z proxim.
vindouro a correr o praso legal para o recebi -
ment sem dependencia de multi dos imposlos da
dcima urbana, 5 0o sobre o rendimento dos pre-
dios de cnrporacSis de raaa morta, e 60 rs. por
li i de agurdente, relativos ao 2 semestre do
nao fioanceiro corrente de 187172, iocerrando
ni multa de 6 O.rj aquellos qr.e nao r^asarea
esse pagamento d.utro do mesm '
Consulado provincial, 23 de malo de 1872.
O adraistr'.dor,
A. C. Mi'-hado ios.
Quima fera i:; do c trente pelas l ho-
ras da manbaa, ba rouniao da directora
desta i:oaip..i)uia, o qoe ter lugar no res-
pectivo escriptorio, ra do Cibug n. 16.
O secretario,
Jos Honorio D. de Menezes.
SAMA CASA DA MlEttlCOKDlA DO RElFE
A lllm, junta administrativa da Santa Casa de
Misniicuida do Recife, manda fazor publico que
u sala de sna; sessoes, no dia 13 d mez de
junho pelas 3 horas .da tarde, tem de ser ari enla-
tados a quera mais vantagens offerecer, pelo
lempo de um a tres annos. as rendas dos predios
em seguida declarados.
ESTABELECIMENTOS DE CARIDADE.
Ra do Cordoniz.
Casa terrea n. 3.........6OO0OO(i
Roa da Solcdade.
Casa terrea n. 72....... 960000
Ra de S. Jorge.
Casa terrea n. 103........206*000
Sjbrado n. 20.........240*00
Ra do Baro da Victoria.
Sobrado de um addar n. 57. 2:000*00-.)
Ra do GabugS".
Sobrado de tres andares n. 3. 1:900*00)
Ra larga do^osario.
Terceiro andar-, d. 24 A.....244*OOj
Terceiro an^r n. 24 ,.....1440000
[PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Ra do Raogel.
Casa terrea n. 56-......401*00-,)
Sitio do Forte......... 180OO>
Os pretendemos devero apreentar no acto "da
irrematacao as suas flancos, oa comparecerea.
icompannados dos respectivos fiadores.
Secretaria da Santa Casa do Misericordia do R*-
;ife, 31 de maio de 1872.
O escrivo,
PedroRodrigues de Souza.

Fiscalisaqiio da freguezia da
Boa-vista.
O fiscal da Boa- vista 'faz sciente a quem interes-
sar possa, aue se acbam depositados dous bois
mansos spprebendidjs em Santo Amaro das Sali-
nas, os quaes se achiram destruindo plantacoes :
quem se julgar com direilo aos mismos compare
ca, que satisfazendo o dispostj ni artigo 16 d^
titulo 9* das posturas de 30 de junho de 1849 Ih
sero entregues.
O fiscal,
Jeronymo Jos Ferreira.
Pela thesouraria provincial se faz public
que fi:a transferida para o dia 27 do eotrente .
arrematacao da obra da ponte do Caxito, na es-
trada de N. S. do O'.
Secretaria da tbesonraria provincial de Pemam-
baco, 11 de junbo de 1872.
O official -maior,
Hjguel Alfonso Ferreira.
THEATRO
GVM1SI0 RIB41 ICO
Qointa-fcira (3 de junho
Dia de Santo Antonio
Represeatar-se-ba, com too o apparato da pri-
mitiva, o popular e muito dosejado drama-sacro
de'grande apectaculo, ornado de msica, trans-
formacoes e visualidades de maravilhoso effeit,
iotitulado :
OS BpU^GKES
,lHTTO AUTOPIO
Toma parte toda a companbia.
A msica iastrnneatada e ensatada sale
maestro Marcelno Clto Ribeiro, seado O do-
ria qae se canta no fim do drama, ae sna com-
posicie.
A scena final representaiio o interior a tan-
ja do Esqueleto, nteiranaU w pipada pa-
lo iistincto scenographo o Sr. Laon Cniaehn.
Termioar o wpecttcalo con una Inda
t

.1


I
(.
COMEDIA
A's 8 l\\ da noute.
N. B. O bilhetes eoeommeedados, reservara se
l .juarU-feira.
AVISOS MARTIMOS.
Butr li Foniimfcoc*
QftfU etti \_ d JnnKo da IST1
ir do ajenie, perteoeentes o referido britae,
til dual seha encorado, tieste porto.
O leilo ser tffeettud-j ao neto da do dii II
do eorfeBt, na Ancicio Commercial.
* preteudentes piMero desde )i examinaren)
o dil<) brigr-.e, e concorrerero lo leilo no diae
horaaciuia mencionado?.
Babia.
il O vtfteiro blata nacional aribaldi segne para o
porte cima uestes das cora a mator brevidade
possvel por, estar com parte do carregamento
prompto, e para o resto traase com Tasso Irmios
& C rna do Amorim n. 37. _________
PARA 0 PORTO
o patacho porlof oes Mador vai sabir breve ;
tara carga e passageiros trata-se com E. R. Ra-
bel lo & C-, roa do Commereio n. 48.
DE .
aeces da cr,mpanhia fle segaros Utili-
dade Publica., o 20 ditas da Pnenii Per-
lonambucana.
HOJE
A' li2 befa -epois de meio dia
Pbr mlervenco do agente Pioi_
Na Assoewcio Commerclal.
Directorio liberg
Todos os seohores roerabros do $S2j\
partido libsral nesta provincia s*^gfl[tMados
comparecer a sesso'qoe ever *__" bha do
15 do crrente a mem d'a, a nu :e da Caxits
o. Sft, l andar, i&f-de tr*Ur-si 4o negocio ur-
geate, ___________
MOfINA
Olha elle!...
AMAS
da Mello, es-
firoTincl. o
8 a condol
Leilo

Porto por Lisboa
Par os'laucados portos preteude sabir com a
pssivd Brevidade a barca portufcoeta Cerrs, na-
vio de f"*asse. por ter a mator parte de sea car-
regameou engajado, e para o qae Ihe falta, qae
recete "a frete, commodo e passageiros, para os
qaaes tem aeeiados commodo?, tratare coro o
consignatario Joaqaim lose Goncalves Beitrao
roa do Commereio n. 50.________
~~ COMPANHIA PEKNAMBlICANA
n
,ffnvega$do costetra pr vapor
*&>yaana.
O vapor nacional Parahy-
6o,aeguir para o porto ci-
ma no dia 16 do correte as
9 horas da nonte.
Recebe carga, encemmen-
das, passageiros e dinheiro a
frete : no escriptorio no Forte do Mallos n. Al.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
de;
Mavegagdo costeira por vapor
Porto c Galliras, Rio Formoso e
Tamandar.
O vapor Parahyba seguir pa
ra os portos cima no dia O do
correte ameia noate.
Recebe carga, encomraendas
passageiros e dinheiro a frete at
as 2 horas da urde : o: escriptorio do Forte do
Mallos n. II.__________
DE
FAZENDAS
Franczas e ioglezas
JUlNTA-r'EfRA 43 DO COKRCNTE
" Joaqaim Lopes Machado 4 C, faro leilo por
ntervencio do agente Pinto, de om variado sortl-
ment de fatendas inglesas e raneeias, constando
de sedas.Vas, chitas e maltas oatraa proprias do
mercado, e existentes era sen armazero na iraves-
sa do 'Carpo Sanio n. 25. -
Prmciplfr as 10 horas.
LEILO
Wi-WW
Para'
O fcrigue nacional Victoria sahir com omita,
brevidade ; pare o resto da carga trata-se com
Pereira Vianna dt C roa do Vigario n. 11, !
andar. ___________
Fara o Rio de Janeiro
ainda recebe resto de carga o patacho Helios. Tra-
ta-se na roa-do Vigario n. 19, com os consignata-
rios T. .de-'Aqoioo Fonceca 4 C, saccessores.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
M
eVatrega^So costeira por vapor
Parahyba, Natal, Maco, Mossor, Ara-
caty, Cear, Mandaba', Acarac e Granja.
O vapor Pirapama, comman-
dante Aievedo, seguir para
os portos cima no dia 15 d<
correte as 5 horas da tarde.
Recebe carga al as 2 horas
da tarde do dia 11, encom-
raeodas, passagens e dinheiro a frete at as 2 ho-
ras da tarde do dia da sabida : no escriptorio do
Forte do Maltos n. 12.
A^d^,
wm.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Stavegacio costeira por vapor
Macei, escalas, Penedo e Aracaj.
O vapor Giqui, commaudanu
Martins, seguir para os por
tos cima no dia 15 do correntt
as 5 horas da tarde. Recebe car
ga at as 2 horas da tarde do
dia i, encommendas. passageiros e dinheiro a
fred at as 2 horas da larde do dia da sabida
escriptorio no Forte dr attos n. 12.
Para o Porto
Depois de pouca demora ne.-te porto de ver se-
guir viagem com destino qnelle, a veleira barca
portagueza Imperial, tem grande parte de sea car
regamento engajado ; e para o resto qae lhe falta
e passageiros, aos qnaes c(Terer omito bons cora-
modos, tratase com Soares Primos ra do Vi-
ario n. 17.
i'aia o Kio (irande ao sul
Para este porto pretende seguir com maita
hrevidaie o brigae nacional Amelia ; para o res-
to da carga qae lhe falta trata-se com os seas
coosigaatarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo
& C roa do Bom Jess n. 57.
Para o Kio (irande doSul
Para aquello porto segne em poneos dias o pa
tacho nacional Arroy Grande, para cojo navio fal-
tando-ibe um resto de carga, recebe-se a frete
tratar com Jos Victorino de Rezeode & C, es
cnptori ra do Mrquez de Olinda n. 60. ]
LEILOES.
LEILO
DE
Bgue argentino Iklize Henriette de 230
toneladas, arribado neste porto.
HOJE
Era frente a As.-ociacao Commercial.
Por intervencao do agente Piolo.
DE
S caixas e 20 meiat ditas com chnreto
HOJE
A's 10 1|2 boras era ponto.
Por ioierveacao do agente Pinto, em sea escrip-
torio, ra da Cruz n. 43.
Leilao
DE
Um pequeo vapor com machina, mastros,
ancoras, velas e mais pertences.
Hoje
AO MEIO DIA.
Por intervencio do agente Pinto.
Na AssociacSo Commercial.
Os pretendeoies podero jxamMt-lo das 9 horas
ao meta dia do dia do leilo, junto ao caes da roa
do Trapiche.
LEUAO
DO
Casco, mastros, ancoras( corren-
tes, vela?, botes e mais objec-
tos do brgue argentino Eh-
ze Henriette.
Hoje
Ao rneio dia
Em frente i AssociacSo Comercial.
E. Goboni, capitio do brigae argentine EUzt
Henriette, de 230 lonelladas, arribado nesle porto
por torca maior, tu ana oltlma viagem de Monte-
video para o Canal laglez, levar leilo com
lieaoea do inspector da alfapdega, em presenca do
empregado da mesma repart gao para o fim no-
aneado, con assistencia do viceeonsul argentino,
por interveocio do agente Pialo e por contt e ris-
co 4e qoea perttneer, o casco, austros, velas,
corrtniM, aieoras, 1 bola e mais objeetos eons-
tanies lo Inventario existente no escriptorio do re-
DE
Bclancas grandes e pequeas proprias para
pezar assncar."
Em 18 do correte.
O agente Oliveira, far leilao p r intervencio
de. sea preposto Pinho Borges, de i balancas,
sendo 2 grandes proprias para o servico de :om-
panhia de estrada de ferro, para fondines etc.
e 2 ditas pequeas proprias para estabelecimen-
tos eommerciaes, Os seobores pretndeme* po-
dero previamente examina las, no edificio que
foi theatro do Apollo, silo a roa do Viseonde de
(tapanca n. 26, onde ter lugar o dito leilao s
12 1|2 horas da tarde do dia terca-feira 18 do
cerrente.
LEILAO
DeoiaracaO necessaiia
Constando ao baixo assignado qae al-
goem, se ervindo de seu neme, o fez ds-
crever eta ama representa^So a cmara mu
nicipal dsta cidade contra Maooel Jos Ra-
moa, vem pelo presente declarar qae desse
teto t teve conbecimeoto agora.
Afogadoi. 11 de joobo de 1872.
Joo Vctor de Souza Jnior.
GASA HA rORTUHA
Aos 5:0001
Bilhetes garantidos.
i roa Primeiro de Marco (ontr'ora nu de
Crespo) n. 23 e casas do costme.
O abaixo assignado, tendo vendido nos seos ft
lisos bUhotos qoalro qaartos n. 33 com 5:0004,
om intelro n. 2,783 com lOOJOOO, ootras sortet
da iOOOO e 20*000 da lotera que se ac
boa de extrahir (6*), convida aos possoidorea
a virem reeeber na oinformidaie do costme sem
descont algnm.
Aeham-M a venda os bilhetes garantidos di
2' parte das loteras, a beneficio da matriz de
Grvala (7*) que se tratara na quarta-feira,
12 do correte mes.
PRESOS.
Bilhete inteiro 6*000
Meio bilhete 34000
Qoarto 1500
Em porcab de 100/000 para cima.
Bilhete inteiro 5*500
Meio bilhete 2/750
Qoarto 1/375
Manoel Martins Fiaia.
Roga-se ao Illm. Sr. Ignacio V.eira
srivao na cidade de azrelo deett
favor de vir a roa do Imperador n.
iquelle negocio que V. S. se comprometteu reali-
sar, pela terceira chamada desto .jornal, em fina
de desembro prximo passado, depois para ja
aeiro, passoo a feverelro e abril, e nada cumprio
por este motivo de novo chamado para dte
Om ; pois V. S. se deve lembrar quo este negoc
i de mais de otlo aonos, e quando o senhor sei
Bho se achava no es nesta cidade
DO
Engonlio Monte de (Juro
A* 18 de jnnbo do correte atino
Por mandado do Illm. Sr. Dr. jois de direito es-
pecial do commereio d'esta cidade, reqoertmeo-
to dos administradores da massa fallida de Siqnei*
ra & Pereira, o agente Oliveira, far leilo por
intervencio de seo preposto Pinho Borges, do eu-
genbo denominado Monte d'Oaro, site no termo
de Ipojuea d'esta provincia, oqoal penhorado por
execoco de ditos administradores a viava e ber-
deiros do Dr. Ignacio Nery da Fonceca e adjudi-
cado indicada maesa.'
Ao meio dia em ponto, no escriptorio do referido
agente, roa do Bom Jess (outr'ora Cruz) 1* an
dar n. 33, onde os preteodeotes podem haver as
intormaedes necesaria*.
L1JI0
DE
Urna grande vraria de direito, rellgiao e Hite-
ratnra, sendo grande parte deila de importantes
escriptores como Toullier, Deranton.Savignry, Jor-
nal des Economislis, Tbemis, ama eolleccao das
leis do Brasil de 1808 a 1864, e multas ootras
obras de grande importancia.
Os pretendentes podem vir ao armazem da roa
do Imperador n. 48,* na vespera do leilo, para
examinarem todas os obras.
Quiota-feira 13 do correte.
O agente Martins far leilo de urna importante
livraria constando de raros livros de direito, re-
ligio, historia e litteratura, todos muito bem coa-
servados.
No armazem da roa 4o Imperador n. 48, piio-
cipiando logo s 10 horas da nianha por serem
muitos es lotes.
Leilo
DE
Chapeos do Chile, de manilba, de feltro,
ditos para senhoras e meninas.
SEXTAFEIRA 14 DO CORRENTE
Por intervencao do agente Pinto.
No armazem de Joaqnim Lopes Machado & C,
travessa do Corpo Santo n. 25._____________^^
LEILAO
DE
Movis, louca e crystaes
Vicho, cabriolis, um mallo e sel im.
A SABER:
Um pianno forte e novo, 1 mobilia de jacaran
di Loiz XV, 1 dita de gabinete, 1 lastre de
erystal, 4 jarros para flores, 2 serpenlioas, jarros
de alebastro, escarradeiras, cadeiras de balanco,
ligaras de gesso, 1 porla-cartao de cbaro, 1 alca-
tifa para forro de sala e qaartos, 3 cortinas para
janellas.
Urna cama franceza, 2 commodas grandes, 4
qoadros, 2 espelhos, 2 cabides, 12 cadeiras de
faia, 2 tapetes de sof, 2 mappas, 10 venezianas e
camas de vento.
Urna mesa elstica 2 apparadoree com oedra?,
2 ditos torneados, 1 lastre de bronze com 3 bieos,
12 cadeiras, loaga para jaotar e para cha, garra-
fas, compoteiras, garfos e facas cabos de marfim
(Anos), ditos de electro-piale, colberes, .2 guarda*
commidas, machinas de cafar 1 moinho, (landres,
boides, jarras, irem de cosioha, e muitos ootros
objeetos.
Um cabriolet americano de 4 rodas coberto e
arreio?, qoasi novo, 1 dito excellente com oso, i
cavallo rnsso para carro, 1 carrinho e arreios
para earoeiro 1 selim inglez, 2 carros de mo, 4
regadores, ferramenta para jardim, fardas e roa-
pa para criados e outros artigos.
TERCA-FEIRA 18 DO CORRENTE
Por intervencao do agente Pinto.
Na roa do Viseonde de Goyaona n. 58, outr'ora
ra do Mondego.
(Entrada pelo portao da ra do Bario de S. Bar ja)
Joo da Caoba Neves, lendo-se retirado para
Europa, levar a leilo por intervencao do agente
Pinto, os movis e mala objeetos cima menciona-
dos existentes na casa da roa do Viseonde de
Goyaona n. 68, onde se effectaar as"10 Ii2 boras
do dia cima dito.
A's 10 horas da manba partir da eslaoo da
rna do Brom om bond, que servir de condazir
os concurrentes ao leilo, tomando-os em toda li-
ona.
Em continuado
Vender-st-ha tambera no mesmo dia, lagar ento
meio da o seguioie :
PranchSe e la boas de amatello, pei loria para
janellas, portas, lagedos e podras para calcadas,
bombas, oseadas, caibros, I moitoes com eabot,
carros de mo, ferramenta para jardim.
EbIjAo
de
Urna machina de costara, 1 carrinho para roe
nio, I bercos, I camas de lem, commodas o
ootros objeetos de casa de familia, que serio trans-
portados para a casa da rna do Viseonde do
Goyannan. 58.
AiygOS DIVERSOS
O Sr. Boaventara Jos de Castro Azevedo
qae re idio em Macei e actualmente acha-se nes-
ta cidade, rogado a vir roa do Amorim o. 37,
escriptorio de Tasto Irmios & C, a negocio, ou
annuociar a soa residencia para ser procurado.^
Aluga-se
a casa terrea sita no povado denominado Daarte
Coelbo em Olinda, qae tem frente de azlelo com
bastantes commodos para familia, tendo 3 salas, 7
qnartos, eosinha fra, casa para es era vos, galli-
oheiro, cacimba, quintal morado e portio para o
fundo com terreno at a camba : tratar com
Domingas Henrique Mafra, no mesmo lagar.
Escrava
Precisa-te de urna escrava, boa
coxiobeira e orna livre para en
goramar e fater o servido intern
de Cba de familia, paga-se bem : na roa da Cru>
do Reelfe o. 42, armatem, ou oo Corredor do Bis-
po 0. 23. _____________________
Precisa-se de ama ama
preferindo-se escrava, para
casa de pequea familia, pa-
a roa estrella do Rosario n. 32, lar-
ga-se bem :
ceiro andar.
Precisa se de duas amas,
sendo nma exclusivamente
para eozinbar e ooira para
servico interno de casa de pouca familia : na roa
Velha n. 28, sobrado.________________________
Precisa-se de urna ama pa-
ra casa de familia de duas
pessoas, para eozinbar e en-
a tratar na rna Direita n. 3, 1* andar.
^m
v^\*
gommar
%a1k_*
Para familia pequea e
pouco servica": roa da Crns,
n. 4, armazem. ^___
Precisa-fe de urna jasa forra oa escrava,
qoe saiba engommar cosa perfei^io : oa ra da
Aurora o. 49.
Precisase de ama ama
roa do Cotovello B. 129.
Ama de leite
de leite sem filbo : na
CASA DA FORTUNA
RA P DE MARCO OUTR'ORA DO
CRESPO N 13.
l'nlca qne paga as sortea
Aos 20:000>000.
O abaixo assignado tem sempre exposto ven
la os felizes bilhetes do Rio de Janeiro, pagamk
womptamente, como costuma, qualquer premio.
nnoos.
Inteiro 24*000
Meio 12*009.
Qoarto :#000-
Manoel Martina Fiuza.
Presisa-se alugar ama ama escrava qae saiba eo
sinbar e engommar; traa se e pags-se bem; rna
de Vigario n. 16, 2.' andar.___________________
Do engeobo Macauass, termo da villa da
Eseada, ausenloo-se em dias do mez de abril, do
aooo 4e 1870, o escravo Pro jopio tendo os signaos
segnintes: altura de 36 e 11_ pollegadas porta-
guezas, mulato claro, cabellos crespos, cara re-
donda, tendo as maces do resto altas, espada-
do, falla de dentes qaeixaes do lado direito, sen-
do os demais rombados, limados os de cima, lea-
do um da frente, e de baixo sahido, Presume-se
acbar-se o escravo cima referido na fasenda
Castanbo no termo da cidade da Rossia,
na provincia do Cear, no entretanto bem pode
suceeder que se ache nos sertoes desta provincia,
pelo qae reccmmendamos captara de seme-
ntante escravo, offerecendo 400*000 de gratn
cacao, qoe ser entregue a quero eondnzi-lo ao
engenho cima referido, on na cidade do Recife,
4MA
Precisa-se de nma ama para eozinbar:
na rna do Cotovello n. 129.
Joaquim Pereira de Azevedo Hamos, tendo
de retirar-se para a Europa deixa dorante soa
ausencia como seos procaradores aos Srs : em
1* lagar Bernardino Pereira Ramos, em 2* Frao
cisca Jos de Brillo e em 3 Jos Francisco de
Souza Lima.
Precisase de om bom feitor para eogenho :
tratar oa ra das Triocbeiras o. 43, fabrica de
cigarros. ___________
O administrador da propnedade commum
Apipocos de novo coavoca aos senbores herdiros
da mesma propnedade para urna reunio geral
extraordinaria no dia 16 do correte, pelas 10
horas da manha, na casa do Sr. thesoureiro Jos
Francisco do Reg Barros, em Apipucos, visto nao
ler comparecido numero legal para a reunio do
dia 9 deste mez, sendo qne a reunio para se
tratar do mesmo objecto. Monteiro 10 de junbo
de 1872.
Jos Camello do R*go Barros.
Massa fallida de Jos Lino
do Couto.
O abaixo assigoado, administrador da massa fal-
lida de Jos Lino do Couto, convida a todos os
credores a apresentarem os seas titalos oo praso
deoitodias, a contar da presente dala, aftad*
serem admiltidos ao passivo, conforme o art. 89
do cod. do commereio. Cidade de Mamangoape
10 de junno de 1872.
Manoel Seve Filbo.
4004000.
D-se a qnantia cima a quera apprehender os
escravos Maooel Ricardo e Fiel, qae fagiram no
dia 14 de maio desle aooo : o 1* da provincia
do Cear, e veio para esta pequeo, cabra ataio-
cado, caberos cacheados, ps pequeos, baixo,
bom corpo, bocea lascada, eom pouca barba oo
queixo, e pouco bigode, representa ter 30 aonos,
ladino, e gosta de andar limpo ; suppoese ter le-
vado em soa compaobia ama mulber de nome
Rachel, alva, com cabellos cortados. Fiel, cabra
claro, idade de 27 annos, altura e corpo Tegula
res, cabellos earapinhos, andar vagaroso e espi
gado, tem falta de ama onha eo om dos dedos
grandes dos ps, om baraqoinho no nariz neos*
tado as ventas, proveniente do um conce de ca-
vallo, pouca barba; levoo em soa compaobia nma
mulber de nome Felismina. de cor alva, com bom
caballo. Da-se metade da gratificado cima a
quera levar qoalqoer ara destis escravos ao en-
genho Macanass, fregaezla da Eseada, cu no Re-
cite, roa do Cabog n. 18, easa de Manoel Jos
Farreira Cruz.
28
Armazem do Campos
Ba do Imperador.
O CAMPOS, iossnsavel em agradar aos seos
numerosos fregnezes e amigos, administrando
lodos distracedes e deleites, asaba de transformar
caprichosamente o sea armazem em um centro
de bbcbcio delicias para os desejados e fesli-
vaes dias de Santo Antonio, S. Joo e S. Pedro,
pelo qae prometi satisfazer convenientemente a
Jualquer exigencia por mais peregrina qoe seja.
onvencido, pois, da soperioridade de seas gene-
ros, o CaMPOS, vem hoje do alto da impreosa, de
campanhia em pauho, dispertar os habitantes des-
ta bella cidade e sens adjacentes a virem, quanto
antes, prevenir-se alm do mais, do seguiute :
manteiga inglsza e-franceza ailo fina, qoeijos
flameogos, pratos, loodrioos, e do serlio; vinhos
fios, os mais requintados em sabores qae tem
importado esta eidade, cerveja de diversas mar-
cas, champagne, cognac, cidra e ootras maias
qualidades de licores esloroacaes; presuntos para
Hambre de superior qaalidade, de 6, 7, 8 e 12
libras; paios, lingaicas em latas, tombos de porco,
aves e legomes em c nservas ; lingaas ioglezas
em latas, salame de Lion ; gelas, doces seceos e
em calda, naasas, figos, nozes, amendoas, bola*
xinbas em (alas e ama infinldade de aeipipes qae
excita e deleita, a par de maita modicidade nos
precos, qae se pode fazer ama ideia exacta do es
plendido sortimento qoe est a exposico dos
amantes do bom, fazeod j-e diariamente.
DUAS VISITAS ao armazem do Campos, sito
roa do Imperador o. 18.
Segunda reojam do mallo desojado doce de
golaba da cidade de Campos, do Rio de Janeiro,
oo armazem do Campos, nico possuidor nesta
cidade deste doce ja lio preconisado em todas ai
provincias do imperio.
roa da Madre Deas
Pontaal.
ao Sr. Bernardino de Sena
Do engenho Mapau-
assti
no termo da Eseada, do major Marcionillo da Sil-
veira Lins, furtaram na noite de 3 para 4 do cor-
rente mez de maio um cavallo de sella com os
signaes seguiotes : cor castanba, tendo nma man-
cha branca no lado esqoerdo, ps e roaos calca
dos, velho, ferrado com letraM, frente toda
aberta, e aniador de baixo a meio. D-se 100* a
quem der noticia certa do referido cavallo e da
pessoa, em cujo poder for elle encontrado, na ra
da Aurora n. 9, oa no mesmo engenho.
Precisa-se
de ama ama de leite : na rna de S. Jorge (ooir'o
ra Pilar) o. 131, andar.
Sitio em Olinda
Alogase por preco rasoavel orna boa
casa, commodos para familia, e com om
ptimo sitio, contando militas e variadas
frocteiras e excellente agaa potavel. O si*
lio situado na ra do Amparo e ao lado
direito da igreja. Pode ser visitado por
qoem o quizr alagar, sendo qae sbi mes-
mo acbar-se-ha com quem tractar, o que
tan bem peder ser feito na roa Duqae de
Caxias, nesta lypograpbia. _______

Precisase de urna ama para eozinbar e oa-
tra para engommar : na ra do Corredor do Bis-
po n. 11. __________
Precisa-se de orna ama
qne saiba comprar e cozi-
_ nbar, para casa de rapazes
solleiros" i a tratar na loja de livros ao p do arco
de Santo Antonio.
^%^
Precia se de orna ama qne saiba eozinbar e
engommar, para casa de familia de duas pessoas :
a tratar na rna do Crespo o. lS._______________
Precisa-se de ama ama para comprar
e eozinbar : na ra da Palma n. 42.
AMA
18, 30 andar.
Precisa-se de urna ama
para servico de casa de orna
pessoa : na roa da Crnz n.
ATTENCAO
s
Ainda se coniinua a fornecer almoco e jantar
para fra na roa estreita do Rosario sobrado n.
33. As pessoas qae qaizerem dirijaro-se mesma
casa que se dir os presos : manda-se levar em
casa dos assignantes e faz-se mais em conta do
qae em oatra qaalquer parte e tndo com aeejo.
Co/Inheiro
Precisa-se do um cozinbeiro para casa de fami-
lia : na roa do Mrquez de Olinda n 35.
Pharmacia e drogara jg
SI DE
m Pedro Maurer & 0,
I 0 abaixo assignado partlsipa ao respei-
M tavel publico qae desde o dia 2 de abril
i prximo passado passoa a pertencer-lhe S
| o estabelecimento de Pedro Maurer & C. j
i na ra do Baro da Victoria, outr'ora roa g
2 Nova n. 23, comprehendendo-se todo o S
I activo e passivo da mesma casa. O abai- ]
| xo assignado qae desde muitos annos ira- |
balhava naquelle eslabeleeimento como 5
pharmaceutico e cbiroiso promette e ga- B
rante ao publico em geral e aos senhjres ffl
facultativos em particular de servi-los f
bem com a devida promptido e ideli-
dade. A casa continuar a gvrar debai- SM
xo da firma Pedro Maurer & C. S
J. Kirchhofer.
mmmmmmmm mmm
Precisa-se alogar om creado escravo
oa livre para casa de familia : a tratar na
tbesonraria das loteras com Antonio Jos
Rodrigues de Souza, oa em seu sitio no
Monteiro._________________________
Pepsiua medicinal adobada
O melbor preparado para combater to-
das as molestias do estomago. Cada frasco
acompanba urna colber de prata, dse que
se deve tomar.
Deposito Pharmacia Americana de Ferrei-
ra Maia & C, roa Duqne de Caxias n. 57.
Ama de leite
Precisa-se de nma ama de leite : na roa da So-
ledade n. 32.
m | m Precisa-se de urna ama para co-
zmlvLilL zinhar e comprar: na ra da Glo
ra n. 104.
Ama de leite.
Na travessa do Corpo Santo n. 25 precisa-se de
ama ama sem filbo.
a roa Nova O. 6 precisa se de urna ama
qae cosiohe com perfeicio, prefere-se escrava,
para casa de hornero solteiro; paga-se bem.
Kefijjtdores
Precisa-se de refinadores na roa de D.
Cesar, outr'ora Senzalla Nova n. 30.
Mana
AJIA
Precisase de ama, na roa de Pe
dro /ffonso n. 58.
AMA
Na roa das Triocbei-
ras n. 50, 1 andar, pre-
cisa-se de nma ama pa-
ra comprar e eozinbar.
Joaqnim Jos Gonpal-
ves Beitrao
Roa do Commereio n. 5, I* andar.
Sacca por todos oa paquetes sobre o
banco do Minho, em Braga, e sobre os se-
guintes lagares de Portugal.
Amarante.
Arcos de Val de Vez.
Barcellos.
Beja.
Chaves.
Coimbra.
CovilbS.
Faro.
Guarda.
Gaimariea.
Lamego.
Lisboa.
Mirandella.
Moncjlo.
Ponte de Lima.
Porto.
Tavira.
Valpassos.
Vianna do Castalio.
Villa de Conde.
Villa Nova de Famalicao.
Villa Nova de PortimSo.
Villa Real.
Vizeo.
Valenca.
Figueira.
PenaGel.
Regoa._________________________
Ureme de Sob-nitrato de
Bismutho
O sab-nitralo de Bismutho om destes
raros medicamentos qae podem-se qaaiiflcar
de heroicos; com efleito se emprega com
om socces-o sempre assegorado contra to-
das as lezes das vias digestivas, taes como
diarrheas, dysenterias, gastritis, ga*tra\-
gias, dores do estomago e da barriga, uU
ceracoes dos intestinos. Cada vidro acom-
panba urna colber que a doze.
Deposito Pharmacia Americana de Fer-
reira Maia C, roa Duque de Caxias n. 57.
Acba-se aozente de casa desde dezembro de
anno passado o escravo Fiel, de naci, baixo e
tem pouca barba, os olbos qoasi sempre muito
vermelbos, e muito palrador : quera deila soa-
ber oa der noticia qaeira dirigir-se ra Duque
de Caxias n. 43, ou Imperatriz n. 16, 2* andar,
que ser recompensado. __________
Gratuitamente
no Monteiro, sitio de Jos
D-se barro cavado
Rodrigues de Sonza.
Armazem de deposito
Reoebem-se em deposito volamos de fazendas on
qaalquer oulro -genero a preco muito mdico : a
tratar na ra do Commereio n. 48.
Nao a mais cabellos bran-
cos. .
Tintura Japonesa.
S e nica approvada pela academia de scien-
cia, reconbecida superior a toda que tem appare-
cido al hoje. Deposito principal roa da Cadeia
do Recife hoje Mrquez de Olinda n. 51, 1* an-
dar e em todas as boticas e casas de cabellei-
reiro.
Yerdadeiras bixas ham-
burguezas
nico deposito em Pernambuco : n. 53 ra da
Cadeia n. 53, primeiro andar.
O abaixo assignado avisa ao publico e eom es-
pecialidade ao respeitavel corpo do commereio,
qae tendo de fazer ama viagem para Europa, dei-
xa a/icarregado de seas negocios aos Srs. Joo da
Silva Regadas, Caelano Ciraco da Costa Moreira e-
Joo Antonio da Costa Moreira ; jolga nada de-
ver nesta praca, porm se algaem se jalgar ere-
dor aprsente seos titalos at o dia 22 do correte
mez, a roa da Senzala-velha n. 90. Recife 11 de
maio de 1872.
Dominnos Manoel^Martins,
Criada.
Precisase de ama criada para servico interno e
externo de ama casa de pouca familia : a tratar
na ra de Santo Amaro n. 14.
Recrtio aprasivel!
Fogos! fogos
0
!
Campos
Mm usa-variado sortimento de fogos chiner.es, inof-
tensivos as eriaocas, qae vende pelo casto.
Venham os pais de familias manir-ie destes
interesantes divert alen tos, para os seas pe-
queos saudarem estes tres dias eaa qoe o pre-
sar se manifesta em ledos os semblantes.
Armazem do Campos.
O Sr. Manoel Rodriga* Pialo con taberna
no Poco da PaaeiU, qMtra ter a bondad* de ap- ------
parecer no es* ie espinarme n. 43 i tratar de carta a
foclo qae alo ignore. J?T
0 eseravo Vicente
Foi pegad- pelo eapilio de campo Joaqaim Jos
Pacheco e rateJhlde na cadeia de Pao d'Alho o
escravo Viasae, cor fala, tem falta de denles na
frente, represesrta ler 40 amos, qae diz ser es-
eravo de no Sr. Jos Daarte ; s foforaacSes e
ate respailo se aeham na roa Hora, loja
Veneravel ordem terceira de
S. Francisca.
Tendo esta veneravel ordem mandado vir da
Europa, em cumprimenlo do art. 192 dos estatu-
tos, a fazenda propria para os hlitos dos,irmios
para a ceder pelo costo ; por isso convida aos
mesmos irmos professo e nevices, a virem se
prover da mesma fasenda no consistorio da dita
ordem, todos os das atis das 10 boras da manha
s 3 da tarde.
Consistorio da veneravel ordem terceira de S.
Francisco 7 de junno de 1872.
Genuino Jos da Rosa,
Secretario.
Dezeja se saber onde mora a Sra. 0. Fran-
cisca Vieira de Salles; a pessoa qae d ioforma-
fies da mesma dirija-se a ra do Amorlra o. 38.
Justino Pereira Ramos tenao do retirar-se
para a Enropa, deixa por seos procuradores do-
rante soa ausencia os Srs. Bernardino Pereira
Ramos em 1* lagar e Jos Francisco de Sonza Li-
ma era 2o.__________________________________
Machado & Pereira aslabelecidos com loja de
ramadas na roa Io de Mareo o. 11, jalgam nada
deverem a pessoa algama, todavia se algaem se
jalgar credor aprsente seas titalos qne prompts-
mente ser pago. Oatro sira aproveiiam a occa-
sio para parteciparem ao publico e com especia-
lidade ao corpo de commereio desta praca qae
tem admittido a soa firma tommerelal ao seo so-
cio particular o Sr. Maooel Severioo Duaria, qae
girar d'ora em diante sob a firma Machado, Pe-
reira & Daarte a cargo dos quaos Oca todo o ac-
tivo da extincta Arma Machado & Pereira.
Recife. 31 de maio de 1872.
Na travessa da roa
Crozes n, 2, pri-
meiro andar, da-se di-
nheiro sobre penhores
de onro, prata e brilhan-
les, seja qnal for a qnan-
tia. Na mesma casa com-
pram-se os mesaos me-
taes e pedras.
Loja
Traspassa-se o arrendamsnto da loja da ra do
Baro da Victoria n. 45 : tratar na mesma.

Aluga-se ama escrava para e servico de
ama casa de familia : a tratar no Csjaeiro, sitio
gomero 8,_______________________
Precisa-se de oso ealxeiro de idade de 12 a
14 aooos para taberna, prefere-ie brasiteiro : a
tratar oa roa do Imperador o. 47, armazem.
Sortimento variado em caixinhas para ser sollo
em saldes e jardins, nos festivos dias de Santo
Antonio, S. Joio e S. Pedro : no caes d'alfandega
armazem o. 1, ao p do arco da Conceicao.
Vinho Xeres, calas.
iito Chambertio, dem.
Dito Bourgogne dem.
Dito St Jolieo idem.
Dito St. Estephe idem.
Cognac Marlell idem.
Dito Hennessey idem.
Cerveja de Norway.
Dita de Christiania idem.
Dita de Mainz idem.
Dita Leio idem.
Vinagre branco.
Azete doce refinado idem.
Agua de Vicby idem.
Cidra (Champagne), gigos.
Cemento Porlland, barricas.
Breo idem.
Salitre refinado, barrls.
Verde Chrome ilem. .
Ocre amarello idem.
Roxo trra idem.
Zarco ideo.
Oleo de linbaca idem.
Aramia ingleza, latas.
Chocolate Menler.
Dito Soisso.
Veude-se no escriptona de Caoba & Manta, roa
do Marones de Olinda n. 40.
i
Henrique Mamede Lins de Almeida roga a
todos os seos davedores, qeer particulares, qner
da empreza do Correio Pernanbucano, o es-
pecial obsequio de mandarem saldar as soas con-
tss al o dia 20 do crrante mes, do contrario se
vega forcado a fase las eobrar judicialmente.
'
> '
No Collegio
copsiro.
da ConceiQo precisa-se de om
Precisa-se de um criado
mero 7.
na roa Nova no
SEGUROS
MARTIMOS
E
CONTRA FOCO
A companhia Indemnisadora, establecidf
.esta praca, toma segaros martimos sobre
navios e seas carregamentos e contra rogo
iva edificios, mercadorias e mobilias : na
raa do Vigario n. 4, pavimento terreo.
NA
Imperial fabrica de cerveja
Ra do Sebo
Vendem :
Verdadeiro absintho soisso de PernoJ.
Dito Wermontb de Torio.
Dito Kirsch de Zoog (saissej.
Vinhos do Rheno, Boutgogne, Btwjolexis, Cotes
do Rhone e Bordeaux, a precos mnilo commodos.
Cboaxeronle de Msvence a melhor conbeclda.
Julienno de Mayence de qualidade superior.
Scbweirer Landjaeger (Gendormis Snisses).
Cerveja nacional de qaalidade, rivalisando a
Lioo e noruega.
Vinagre brnco e linio muito forte a 14a"000 c
quinto sem barril.
Em tempos modernos nenhum descubr-
ment operou maior revolucSo no modo da
curar anteriormente em voga do que o
PEITORYL DE ANACHUITA
TANTO NO TRATAMENTO DA
TOSSE, CR0P0,
ASTHMA, THIStCA,
ROQTOAO, RESFR1AMENT0S.
BRONCHITES,
TOSSE CONVULSA,
'DORES DE PEITO,
EXPECTtnUCAO DE SANGUE.
Como em toda a grande serie de enfen_-
dades da gamjanta, do peito e dos orgao
da respiracao, que tanto atormentam e fa-
lea zem soffrer a human i. A maneiranda
liga de curar consista geralmente na appli-
ca^Io de vesicatorios, sangrias,sarjar ou ap-
plicar exteriormente ungentos fortissimos
compostos de substancias vesicantes, alm
de produzir empolhas; cujos differentes mo-
dos de curar, nao faziam seno enfraque-
cer e diminuir as for?as do pobre doente,
contribuindo por esta forma d'uma maneir?
mais fcil e certa para a enfermidade ade
truifo inevitavel de sua victima I Quem di-
jerente poisto o effei admiravel do
PEkTORAL DE ANACHUITA f
VM E EZ DE IRRITAR, MORTIFICAR E CAZAJ
INAUDITOS SOFFRIMENTOS AO DOENTK,
CALMA, MODIFICA E SUAVIZA A DOR.
ALLIVIA ADUUTACO
DESEMVOLVE aENTE OTDIENTO,
FORTTF ICA OCORPO
e faz com que o systema
Desaloje d'uma maneira prempta e rpida
at o ultimo vestigio da enfermidade. O
melhores votos em medicina da Europa (oa
Lentes dos Collegios de Medicina de Berlina)
testificam serem exaetase verdadeiras estat
leacoes analgicas, oual m disso'a experi-
encia de mimares de pessoas da America
Hespanbola, as quaes loram curadas com
este maravilboso remedM^sfo mais qua
sufficientespara sustentara*|t opiniao do

'
mm




/
Diario da l*ernami>uc Quarta feira 12 de Junho da 1872
TRILHOS URBANOS
DO
Recfe Olinda
e Beberbe.
Na estacao da ra da Aurora comprara-se
dormeales da oitfeica e sicupira cora 10 pairnos de
comprimeoto, 8 polegadas de largara e 3 1|2 ditas
de espenara- Compra-se tambera alguna cora 10
polegadas de largara.
O escriptartrio,
Sant'Anna,
Daraote a tesia qae se faz era Beberbe era boo-
ra^o Sanio AdIooo, baver mais nm trem aa 9 e
20 da noile, da Encruzlhada para Beberbe,
d onde rollar as 10 boras para o Recife, parando
era todos os poulos. Recife i 4a Joubo de 1872,
O escriplurario,
Sinl'Anna.
A directora resolvendo reeolher tolos os biibe-
tes que se achara era ercnlacio, convida aos se-
obores possaidores vrem iroca-los por dioheiro
no escriptorio da corapaohia as segundas e sextas-
reirs, at c Ora deste mei, das (0 a* 12 boras da
machia. Fmdo este praso, os referidos bilbetes
serlo aceitos someote era pagamento de passageus.
Escriptorio da companhia 5 de iunbo
de 1872.
0 I* secretario,
Laurentioo Jos de Miranda.
Altencao
Dr.R. Vianua
Medico operador e partetra, recen- ,
temeale chegado da Earopa, onde de- '
dicou-se a cirorgia, partos e especial- a
mente as molestias e operacdes de vas
genito ourmartat, teta o tea consulto- a
rio i ra do Vigario n. 1, segundo ao- n
dar, onde di consultas do 1[2 dia as 2 '/,
boras, gratis aos pebres. *J
Pode ser procurado a qualquer hora
do dia o a da noate. !
Ba do Vigario o. I. 2* andar. /,
COSINHEIBO
Anda se precisa de um bom eozinbeiro qae
seja de conduca, paga-.se bem : no caes do
Apollo, armazem n. 71._________________
ICll yfc;V3 3VI tv^CaH Hd
" * 1 1 "aaaT ' TB
( w ^
WPJ
FEL!

EMEITO
A S*ftOO
Ra da Madre de Dees o. 7.
Barricas cora 12 arrobas.
Verdadero Porlland.
Urna pequea familia sera bomem deseja alagar
metade de ama casa de algama senbora vava ou
honesta, sendo no bairo do Beeife : quera quizer
anouocie para ser procurada.
MAS
Troea-se notas do banco do Brasil e de snai
nliaes na ra do Bario da Victoria n. 63, aotiga
roa Nova, loja de Joto Joaaoim da CostaLeite
Umco doposito era Pernamuuco dos chara-
tos G. Scbnorbuseb da Baha, no escriptorio de
Canba & Manta : venda se de todas as marcas,
por preces establecidos, e era porco de 3,000
para cima se dar descont : na roa do Mrquez
de Olinda n 40.
O abai:;o asignado, negociante na cidade de
Mossor, constand-lbe qae algaem tem-se ser-
vido do seu nome na praca ds Pernarabuco, fal-
sificando saa firma eom o Qm de obter diohei-
ro de. pessoas cora quera tem relacSes cora
merciaes, ja tendo, segando Ibe consta, obtido por
tal meio algnmas qaantias, vera pelo presente
declarar, e prevenir ao respeitavel publico, cora
especialidad^ ao corpo commercial daquella pra-
ca, qae nao s deixar de satisfazer qualquer
quaua que at esta data tenha sido dada, eomo
nao se responsabilisa d'ora era diante pelas que
forera dadas, e protesta contra qualquer trans-
adlo feita era seu nome por pessoa menos com
ptente para isso, e previne aos Srs. a quera for
apresentada qualquer ordem minba, que, cuida-
dosamente examine a minba assigoatara, aim de
nao se sojeitarem a perder qualquer qaaotia que
por ventara deera.
Mossor, 28 de maio de 1872.
Francisco Antonio Martins de Miranda.
Interesse
O Sr. Jos Alves Machado Guimares queira lor
a boudade de vir a roa do Imperador o. 28, a
negocio de sua conveniencia.
agio no flm do mez de novembro da aano de
1869, do engenho Gaita, sito na comarca de Na-
zareih, a escrava Tbereza, de 30 annos de idade
pouco mais ou menos, com os signaes seguintes :
cor mtala bem clara, baixa e grossa do cor-
po, rosto redondo, olhos castanbos e grandes, na-
riz um tanto chato, bocea grande, dentes grandes
e eaogollos, cabellos meios loaros e caxealos
para as pontas, bracas e pernas grossas, ps cur-
tos e grossos, com algums eicatnzes de relbo
as costas.
Igualmente est fagido desde o da 26 de feve-
reir do correte anoo o escravo crioulo de no-
me agostioho, de 40 annos de idade pouco mais
ou menos, e os signaes seguintes: cor bem pre-
ta, alto e grosso do corpo, rosto redondo e car-
nudo, o'hos pretos e grandes, nariz chato, boc-
ea grande, beicos grossos, representando dous
('pros do lado de cima, eom falta de dentes na
trente, cabeca comprida e calva de diante para
traz, principiando a pintar tanto no cabello como
na barba, pernas flaas, ps tortos apalhetados,
cora urna cicatriz era nm dos regeitos dos ps,
Este escravo foi comprado a Pedro Garca,
morador no sertao do Sabogy, e j fez ama sabi-
da com destino ao sertao e foi preso em Bom
lardim da comarca do Limoeiro.
Roga-sa a todas as autoridades policiaes, oo
mesmo pessoas particulares, qae os prender e con-
duzir ao referido engeDho Goit, a serem entre-
gues a sea senhor o major Chrisiov) de Hol-
landa Cavalcante de Albuqaerque, ser por cada
um gratificado com 200*000 rs.
Desappareeeu no Oa 13 de setembrode 1871,
do engenho Arscagy, comarca do Cabo, o escravo
de nome Pedro, crioulo, preto, alto, secco, ps
grandes, pernas finas, olhos brancos, sem barba,
de 20 annos, tem falta de um dente na frente, des-
confia-se achar-se nesta cidade, ou no termo de
Iguarasso', por ter sido do engenho Tabatinga :
qnem o apprehender pode leva-lo ao dito engenho
Aracagy, oa roa do Imperador n. 77, Io andar,
qoe sera recompensado.
CAXEIKO
Precisa-se de am na roa das Laraogei-
ras d. 30.
A sociedade recreativa ju-
ventude
tendo de mandar celebrar sexta-
feira 14 do corrente, pelas 6 horas
da manba, oa igreja do Espirito
Sanio, urna mis-a por alma do sea
fallecido consocio Joio Vctor de
Mora es, convida a todos os seus
asociados, bem en no & familia, pa-
rantes e amigos daquelie finado para assisiirem a
esse acto relig-ieso._________
mmmmmmmBBmmmmmmmmmmmm
O Dr. Joaqoira de Aquino Fonse-
ca, o leneote-coronel Dexio de A-
quino Fraseca e D. Olimpia Fonse-
ca convidan) aos prenles e amigos
deseo fallecido irmo e pai Anto-
nio Atigusio da Fonseca, e aos seos,
para que facara a earidade de as-
si-iir as exequias e eoterrameaie qae tea de ha-
ver logar boje as 4 toras da tarde oo eeraiterio
publico.
JoSo Manoel da Canba
Araujo tendo de mandar
dizer algnraas missas das 3
Irl horas at as 7 da ma-
nba do dia 17 do corra-
le na Ordem Tereeira
Carmo, por alma de sea
presado pai fallecido em Portugal no dia 23 de
maio prximo pateado, roga a toda* as pessoas
de saa aonzade, o obzeqmo de asaistirem a esse
acto de cahdade, palo qae desde ja aa eonfessa
eternamente grato.
Para presente
Amaral & Naboeo vendem os seguales objee
tos, proprios para fazer se presentes:
Eslojos para lirapar dentes com todos os ferros.^
Ditos para liropar uohas.
Ditos para baroa proprios de viagenr.
Di ios para dita proprios para algibeira.
Diios para crochet.
Ditos para tesouras de cestura e bordar.
Ditos para costura e com msica.
Nestes objecios se encontrar nao s a sommo-
ddade como a elegancia : vende-se no Bazar Vic-
toria, ra do Baro da Victoria n. 2.
Vestidos de blonde.
Amaral Nabaco A C vendem neo3 cortes de
vestidos de blonde cora grioalda e flores de laran
gera e veos tambera de blonde bordados, cortes
de seda de cores e matizados: no Bazar Victoria,
ra do Baro da Victoria n. 2.
Baloes de papel.
Amaral Nabuco & C. vendem baldes areos,
proprios para salo e lanternas tambem de papel
para enfeites de jardim, cima de mesa, etc., pio-
lados de ricas pasagens e formatos : no Bazar
Victoria, roa do Baro da Victoria n. 2.
Escravo fagido
Auzntou-se desde 13 de maio prximo passa-
do o preto Alfredo, de triota e tantos annos, es
tatura, alto e magro, olhos grandes e tem aa
geito no andar, perfeito eozinbeiro e foi escravo
do Srs. Adriano & Castro, e ultim'mente do Sr.
Jos Joaqmm Goocalves Bastes, costuroa andar
pela Capunga e Pojo da Panella, e consta que j
foi visto na cidade de Olinda ; estes sao os pon-
tos aonde elle tem andado : qnem o pegar tra-
ga o a ra Duqoe de Caxias n. 91, l< j i do Bival
sem Segundo, que ser bem gratificado,
Cosinkeiro
Precisa-se de um eozinbeiro ou cozioheira for-
ra ou escrava para urna casa de familia tratar
na ra do Araorira n. 37, ou era S. Jos do Man-
guinbo, sitio n. 4.
O Sr. que levou no dia 5 um chapeo de sol
do escriptorio de bilhetes no caes 22 de Novem-
bro, tenba a bondade de entrega-lo.
Attenpo
Na ra estreita do Bosano n 33, 1 andar, avi-
sa-se a todos os freguezes que todos os annos maa-
dam fazer bolos de Santo Antonio, S. Joao e S.
Pedro, e todas as pessoas que quizerem bolos ve-
abara fazer a encommeoda tres dias antes, tem
bouquets promptos para enfeite de bolos, por todo
prec.), e toda qaalidade de flores para vender-se
Paga-se generosamente a quem aprender ou
der noticia onde est oceultada a preta Suzaoa d
60 annos, africana, a qual tem sido vista pelo
Recife e em diversas parles da fregaezia da Boa
vista, e tem os signaes seguintes : alta, meio fula,
cabeca grande para traz, queixo cahido, (eia, e
Uando beDe mais cabido fica o queixo, levou ves
tido de chita rxa com palmas, costuma trazer um
panno atado a cintura e tambem na cabtea:
quera souber leve-a ra da Gloria n. 99, que abi
ser gratificado.
Fugio em abril do corrente anno desta cida-
de Zenobio, preto, idade 18 annos, cambado dos
ps, andar meio carabela, quando fugo eslava com
a cabeca raspada : qnem o encontrar entregae-o
a seu senhor Dr. Manoel Teriuliam, na ra nova
de Santa Rita, bairro de Santo Antonio n. 61.
Jornfiro.
Precisa se de um fjrneiro hbil
ra do Rangel n. 9. M
na p;.daria da
Fogo para S. Joao
Recebe se encommendas de pistollas de seis
bailas a 25000, fogos de chuviscos a 4/000 e pia-
tollas de tres bailas a 1/000 ; ra do Fogo n. i
Na roa dos Mscales n. 15, urna, aenbora se
encarrega da foroecer comida com acolo e promp-
tido, para casa de hornera solteiro, meliaale um
pre^o razoavel.
Dinkeiro a juros coin hypo-
theca.
No cartorio da roa do Imperador a. i se dir
quem d diversas quantias com hypotheca em
predios e letras de longos prasos de vendas d
proprledades.
Aluga-se
ama casa terrea com estr baria, margem do rio,
sita no Manguinbo ; a tratar na ra do Vigario
o. 31.
Uosinheiro
No cal chinez ra larga do Rosario n. 31,
precisa-se de nm cozinheiro,
Sitio para alugar
Aluga-se o sitio da Capunga (Jos herdeiros de
Santos Coelbo) com porto e gradeamento de ier-
ro na frente do jardim, duas caembas de boa
agua, tendo urna deltas bomba, tanques para ba
nbo e para regar,nm grande gallinheiro todo un
rado, e plantado de excellentes fructeiras, a casa
tem 3 salas, 10 quartos, cozioha fura, coebeira,
qaartos para pretos etc. ete. : para tratar no ar
muera da roa do Mrquez de Olinda n. 62.
Precisa-se de urna prete escrava para o ser-
viro interno de ama casa de ponca familia e qae
saiba vender na ra: na ra do Nogueira n. 19,
segundo andar.
Aluga-se nm grande sitio na Capnoga, roa
das Pernambucanai o. 25, coja oasa tem 4 salas,
9 quartos, cozinha, coebeira e estribara : qnem
oreteader rija-te roa da Aurora n. 15, oa i
rpa Nova o. 13. qoe achara eom qnem tratar
Dr. Manoel Eoedino Reg YalJenca
Matea ^
81Roa da Caaatta do Carmo21
Precisa-se de um ceziobeiro na padaria da
roa do Rangel n. 9.
ATTENCO
No dia 2 de junho aasentot-ae do engenho Li
raogeira da Treguada de Una, o escravo Barnab,
de idade de 24 annos, levando vestido calca de brim
pardo, paleiot raneo e mais am bab coberto de
conro com pintas brancas.e suppoe-se ter sTdo seda
zido por ama mulata forra qoe levoa em saa coa-
paobia,raoca. de idade de 22 annos, cor encbombra-
da, e (alia nm dente oa frente, prenhe para parir
este mez, o o dito essravo levou tambem urna
viola e doos caes, sendo nm laraojo a as orelhas
cortadas, e outro rajado, e a dita mulata levando
vestido verde; velo em direcco a Escada pela
vja frrea de S. Francisco em procara do Becifd,
latitula-aa o escravo coa** forro : recommenda-se
as autoridades oa a qndag o apprehender leva-lo
ao matan eogenbn, oa no Recife ao Sr. Jos de
Souza Barreiroa na roa da Companhia Pernambu-
cana n 2, que sera generosamente recompensado.
ALGA-SE
orna casa no Caldeirero per lo da anaci da ma-
chambomba, eom i qaartos, 3 salas, cozinha fra
aaintal e cacimba com agpa de habar, por preco
eommodo : a tratar na roa M Moeda n. 39, das 9
ai 3 bom da larde.
MEURON&C
a. m^ s al mm
aos compradores do bem conhecido e acreditado rap
REA PRETA. que reparem nos botes e meios botes,
pois que os ha de rap de outra fabrica e nome diver-
so, e com papel da mesma cor, cujo desenho se pode
confundir com o d'aquelles.
Os apreciadores que qaizerem do verdadeiro REA
PRETA, devem para nao serem engaados ver que
os botes tragam o nome de MEURON & C. e a desig-
nado de REA PRETA.
MERON ft C.

Xarope Hydrocotyla Azi-i?
tica
A hydrocotyla aziatica orna planta qae
se acha muito a miado em Mauricio. Borbao,
Singarope, Bomhaim, Madras, e oulras pro-
vincias das Indias Orientaes onde desde
maitos annos est empregada com a maior
ecacia contra as diversas molestias de
pelle, taes como o lichen, o eczema, n acn,
o prurido, o pemphtgo, a lepra vulgar, a
elephantiasis, as ulceraedes scrofulozas ou
syphilitic-is, assim como contra todas as
doencas conhecidas debaixo do nome gene
rico dartros. Experiencias numerosas feitas
pelos mdicos dos bospitaes de Pars, sobre-
todo no hospital de Sm. Luiz, destinado es-
pecialmente ao tratamento dos doentes deste
genero de molestias, provarlo a efficacia
dessa planta nos casos signalados cima.
Deposito Pharmacia Americana deFerrei.
ra Maia & C, ra Duque de Casias o. 57-
Casa do Bom Pastor.
Mndouse para a mesla ra u- 8
A pedido dos freguezes continua o dono
deste grande e nico estabelecimento a fa-
bricar em grande escala ornamentos para
igreja, vestimentas para padres, alfaias,
imagens de tolas as qualidad's e tamanhos,
asim como todos os artigos de piedade,
oratorios, bronze, prata e onro, damascos,
giloes etc., etc., todos artigos de Portugal,
Pars e Lyoo, grande sorlimento de estam-
pas religiosas proprias para sales, tambem
faz qoadros para caixilbos doorados e pre-
tos, de todas as larguras.
Aoiouiu Joi Hodngues, Jos Rodrigues de
Amorm e Bernardo Esteves, fazem publico para
sciencia do respeilavel corpo do comraereio qoe
no dia 28 de maio prximo passado, dissolveram
axlgavelraente a seciedade que trabara no esta-
belecimento de (averna ruada Soledade nume-
ro 46 que gyravasob a Arma social de Ro-
drigue Amorim & C, retirando-se o ex-socio
Araurim pago e satisfeito do sea capital e lacros,
e ficaodo os outros dous socios na posse do esta-
beiecimeoto eom iodo e activo e passivo, coja
liquidacao Ibes fica competindo.
Rejife, 7 de junho de 1872,
i
DA
Santissima Trindade erecta no convento de
S. Francisco desta cidade.
Por ordem do irmao juii convido todos os ir-
ruios da raesraa para assistirera a festa do glorio-
so Santo Antonio que lera logar no dia 13 do cor-
rente no mesmo convento de S. Francisco, pelas
10 horas da raanha.
O secretario,
Manoel Googalves Agr.
Na refioacao da roa direita o. 22, precisa-se
de trabajadores e paga se bons ordenados.
Pastilhas de Mannita
As pastilhas de Mannita sao por certo a
medicina racional dos meninos, aos quaes
se administran! com encllente resaltado
para os males de garganta, coqueluche e
falta de apetite. Para elles n3o ba porgan-
te mais suajo e qae tornero com mais pra-
zer. Estas pastilhas previnem tambem as
convnlses qae resultam dos accidentes da
denticSo, e tem orna acolo amito poderosa
como o vernn fogo.
Deposito Pharmacia Americana de Fer-
reira Maia & C ra Daqae de Caxias n. 57.
Tintura da China
Para liogir os cabellos, barbas, bigode- e
restitoi-lhes a cor natural, em
2 minutos
Entre todos os preparados chiraicos destinado*
rTotorisacao do esbelto, de ve a Tintura da Chi
na, por sua snperioridade, eccupar am dos mais
distioetos lugares. Ella d ao cabello a cor qae
se deseja, sem o damnificar, mais antes o conser-
va e fortifica.
Deposito na pbarmacia americana de Fer-
reira Maia C roa Doqoe de Caxias n. 57
Companhia Allianpa
DE
seguros martimos e terrestres
estabelecida na Baha em 15
de Janeiro d" 1870.
CAPITAL..Rs. 4,000:000*000.
Toma seguro de mercaderas e dioheiro
a risco martimo em navio de vel'a e vapo-
res para dentro e fra do imperio, assim
como contra fogo sobre predios, gneros e
lazendas._______________________________
Santo Antonio, S. JoaoeS.
Pedro
Algaidares, bacas, batedeiras vdradaspmRJra
completo sorlimento de toncas; a ra da I e-6z s
tria o. 51, e do Rangel n. 16.
Graude offlciaa de metaes
BRAGA & PIMENTEL
Ra Nova n. 35.
Nesta offlcioa lrabalha-se era encanamentos d'a-
gua, de latoeiro, caldeirero, funileiro, tem sorli-
mento de bombas de n. O a n. 8, alambiques, ta-
xos, toraeiras, vlvulas, tubos de chumbo, sinos,
obras de folba, bacas de ferro estanhadas, cobres
de engenho, espumadeiras, cadinho para randicao,
tudo por precos commodos e promptido para
qu.lqaer trabalho.
&mm mmmmmm mmmm
Attencao!
M ENS1NO SEGUNDARIO
O bacbarel A. R. de Torres B.-nlei- g|
5 ra professor de geographia e hsto- |
I ria moderna, do Gymnasio desta pro- aS
K vincia, tem abena aa casa de sua real- Sfi
2 dencia, ra do Coronel Sua-sn:u (aoti- r
ga ra dos Marlyrios) n. 1H, segundo $&
gM andar, os cursos das disciplmas prepara- fiQ
S tonas seguintes :
Geographia. jR
^ Historia. |
Rbeiorica e potica.
9 Pbil^sophia.
Liogua nacional. H
| E contina a proporcionar o ensino desta S
J13 llngua, da franceza e de geographia e Bb
I historia as senboras, qae para tal fin o H
5 quizerem honrar com a saa confianza.
Aos 5:000^0
Bllhetea garantidos da pro
Tela.
Ra do Baro
Victoria,
PAO ESPECIAL
Pao especial e commum lodos os dias as 4 ho-
ras da taale sabir do forno, podendo os fregu-
es compra-lo anda queme, sendo feito de farinha
especial: na roa de Gervasio Pires o. 45, nova
padaria americana.
Aloga-se urna eserava para o servico de
casa : na roa do Imperador n. 50._________
Precisa se de am menino de 12 a 13 annos
qae saiba 1er e escrever, para caixeiro de taberna
em Freixeiras ; tratar na ra de Hortas n. 2.
AVISO
Jos Ignacio da Silva Porto deixou de ser cai-
xeiro do Sr. Francisco Guedes de Araujo nesta
data. Recife 8 de junho de 1872.
Prectsa-Mt alagar ama casa terrea com buns
commodos e quintal, na Soledade oa Boa-vista : a
tratar na roa da Cadeia do Recife n. fio.
8 CONSULTORIO HOMEOPATfflCO. S
8E)K. CAS AMO TA 9
Largo da aatriz de Santo Antonio V
m o. 2.
Consallas e risitas a toda a hora. Me
dieamentoe cartelras doa melhorea fa
H bricantes.
Dinkeiro joros
Precisa-se da qaantia de 3:000/000 rs. a juros
de um e meio '\. ao mez. com garaatia e por es-
paco de ao auno, pagando-se aa mesma occasio
em que recebar, os juros competente; quem pre-
tender este negocio queira annuncar ana moradia
para ser procarado, oa enlio deixe carta feieha-
da nesia typographia eom ai initlaes C. e M.
a Praca da Independencia n. 33 se compra
onro, prata e pedras preciosas, e tambem se vende
obras de igual especie.
Typographia.
Vdnde-se por precormodico a typographia
do Correio Pernambucano, a qual est per-
feitamente montada para se pot licar ama fo-
lba diaria, tendo recebido ltimamente um
completo sortimento de typos no vos: a tra-
tar na roa do Imperador o. 2.
Trocam-se
notas das eaixas Alisas do banco do Sraail, com
jequeno descont : pa loja da roa do Mrquez de
Tinturara, largo de 8, Pedro
n.6
Aniceto Corroa Lopes cora tinturara cima
mencionada, avisa ao respeitavcl publico desia ci-
dade, que se acha habilitado em sua industria a
desempanbar em seus trabalhos o maior desvele)
asseio e presteza, qae para isso tem as necessarias
insiruccSes tendelas seguranza de suas tintas,
pelo qae j nio sao estranhos os seus trabalhos.
Ao corpo do commercio se offerece com agrado
vontade de bem o servir em suas eneommendas,
tinge e limpa eom perfeicio, e tira o mofo de toda
e qualquer fazanda e tambem de chapeo. O mes-
mo previne a todos qae derem hiendas tinturar
a que exeederem do praja de tres mezes pelo con-
trato feito na guia que ai e qae declara sao, aba-
da da mais o praso de cinco dias para a pessoa
preearar, e se porm nio o Qter ento sera ven-
dido o objecto qae constar da mesma guia para
real embolso de suas desposas, nao tendo mato
direito a reclamar o mesmo objecto. Fiaaiaseate
preciaaodo aste estabeleeimenio de amaaaalber
para pastar a ferro as fazeodas tlniuradai pode,
aquella qae se quizer presUr a easa trabalho, di-
rigir-so a mesma tintararia cima declarada, qae
se contratara Bflispensavelmente, dando-je bom
prenado.
Outr'ora ra Nova n. 63 e casa?
do costume.
O abaxo assignado acaba de ven ler nos seus
rauto felizes bilhetes a sorte de 8(!0 em quairo
quartos le o. 1086 e qua'.ro quartos d. o. 181
com a sorte de 100J, alera do ou'.ras aortas me-
nores de 40 e 10fi da lotera qoe se acabou de
exirahir (6*), e convida aos possuidores a vrem
receber, que promptamenio serao pagos.
O mesmo abaxo assignado convida ao respeila-
vel publico para ir ao seu es abelecimento com-
prar os mnilo felizes bilbetes, que nao deixar de
tirar quaiquer premio, como prova cora es mea-
mos a anuncios.
Acham-se venda os muito felizes cunetas ga
rantidos da 2a parte das loteras a beneficio da
igreja matriz de Grvala, que ser extrahda no
dia quarta-feira 12 do correnlo mez.
PREgOS.
Inteiro 6*000
meios 3000
Qaartos 1*800
De 100.5000 para cima.
Inteiro 6*800
Meios 2*780
Quartos 1*373
Joao Joaquina da Costa Leita.
Precisa-se de um fetor para o sitio d* Sole-
dade n. 29.
Oriado e copeiro
Precisa se de nm, roa do Conde da Boa-vista
outr'ora ra Formosa n 29, com tanto que seja
de conducta afiancada.
Mobilias
Na ra Duque de Caxias (outr'ora das Cruzes,
n. 28, armazem de trastes, vende se mobilias na-
cionaes e estrangeii as, assim como obras avuzas
por preco eommodo.
5W^"iP0uCaTe3CADa"S
atafMaaaVaUlA

Advogado.
O bacharcl Joio Gontaga Bacillar tem |
escriptorio e residencia na villa do Cabo 1
ma Daqae de Caxias n. 21.
Eacarrega-se de causas civeis, crimes |
i e commerciaes, bem como de defesas pe- |
S rante o jury nos termos sopramenciooa- !
m dos. --o.
mKMittimimiv
rroftfssora.
Urna senbora vuva, competenlemenle nabilila-
da pej directora da inslroccio publica desta
provincia, offerece se para eosioar primeiras le-
tras em algura engenho perto desta cidade, bem
eomo cozer, bordar e outros trabalhos de agu-
Iba : no torceiro aodar do sobrado o. 31 da ra
das Crozee.
Precisa-se de sm caixeiro de 13 a 14 an-
uos de idade, preferindo-se dos ltimos chegados,
embora nio tenba pratica : a ra do Conde da
Boa-Vu n. 87.
Preeisa-se de um servente e de urna ama :
na ra do Rangel n. U% botica.
Jos Ramos da Silva vai a Earopa, e deixa
enearregado do sea estabelecimento a seu caixeiro,
boje tocio, o Sr. Antonio Pinbeiro de Camino, e
como seas procaradores, i Aotonio da SHva Ja-
nior, 2 Joaqaim da Silva Carvalbo, 3*
Manoel do 8a Ramos-
Pedido.
Jostino
Pede-te ao akm. presidente da proviMia qoe
lance suasHatas para o pessimo estado m qae se
coa o calcamento da roa Imperial

Cas ni Ita&Kein.
Perdeu-se
no s:hhad<, ao sabir di th aire Gymnasio Dram-
tico, um If-ii; de lahynnilio sata as ioiciaes M.
1. M. N. : roga-?e |uem o aebju de leVA-lo a
ruj Piirero Je Mareo oa Crespo n. 19, oj, que
ser gratificado.
Olferee-se um rapta brasilero de idade I i
mno?, par caixeiro d faienda ou armazem, dan-
do algum lempo de pranca : a tratar na ra do
Amorim n. 28.
As pessoas que annunciaram precisar de
urna araa escrava, drijara->e ra da Impera-
iriz n. 18, sobrad i.
COMPRAS.
COMPASE
moedas de ouro e prala na loja da ra do Mr-
quez de Olinda n. 38.
(Jompra-se
as'es trnovos e usados: na ra do Impera-
dor n. 48, armazem.
'jjinpra-se ferro veihj, obre e itetal velho :
no armazem junto ao trapicho PelouriLbo. lodos
os das u!'-;s, das 6 da maohaa as i da tarde.
Uompra-se ?plices da divida provincial
na ra Hoja o. 23. loja.___________________
C'mpRi-se
i obra em quatro volumes o Tbesooro Precioso
de orarles escolhidas para (odas as necessidades
da vida cluk-la, pela Condena de Andelaw, revis-
ta, crrela e augmentada por Mr. Marlct. areebs-
po de Tours: na ra do Raigl n. I, taberna.
Compra se urna casa terrea, mas que seja
ms roas seguales : ra de Sania Rila, Calcaaas,
Padre Floriano, pateo de S. J' oa roa do No-
g-aeira, que nao exceda de 1:6(0*000 a 1:8C0* :
pessoa que quizer vender pie dingir-se a ru*
da Seowla O. 116. qae achara com quem ir; tir.
E era va
Compra se na ra d) C^nie da Boa-vista, ami-
ga ra Formosa, n 29 sendo de coo.docu afianca-
da, sadia, 9 que saiba engomruar e coziabar.
VENDAS.
Vende-se um ravallo bom -andador; para
examinar na cocheira do caes do Apoll", do Sr.
Francisco Flix Goncalves: a iratar oo escripto-
rio da ru da UoMa n 4.
Vende-te uiu mesa ue amariiu ae ti pes a
6 tabeas, sem uso algum : na roa de Marcili >
Dia*. anima ra Dire a, n. 81.
Ouro(
l/bra sterlinas : vende-se ca ra do Apollo
20, escriptorio.
Libras sterlinas
Vende se libras siertinas i ra do Mrquez de
lioda n. 21, 1* andar.
i
B iiiiiiimvui
Venlose massa de mandioca, a mai* (loa que
pode baver para fazer bolos para os festejos de
Santo An>oain, S. Joao e S. Pe 1ro e lambem se
fax bolos de encommenda, sones, rosa?, ac,uena.*,
cravos e b^rb-'ieta cora sortea demro : na ru^i
de Gervasio Pires o. 18.____________________
Muito barato.
Vende-se potassa americana muito nova e de
boa qualidade, propra para o trafico de assncar
nos engenbos e refinacSes, era latas de 70 a 80
libras e por prego mais era conta do que em ou-
tra qaa'qaer parte : no ca^s 22 de Novembro,
armazem n. 2 por baixo do Gabinete Portuguez.
Ruada Imperatriz n. 7. j
Eoupa bran&*
Para hoiueiu.
Camisas de todas as qualidades, eeroulas e cu-
tras pecas; esta casa recebe de primeira mi, e
vende por precos mullo moderados.
7Roa daImperalriz-^7_________
Armado
Vende-se por com .nodo pfefd a grande armario
da loja de raiudezas Agaia de Ouro, om muito bom
estado, parte envidragada, propria para qualquer
neg:io : na ra do Cabogt n. i A
Vende-se om pequeo sitio na estrada de Joio
de Barros, prximo a estaco da travessa do Espi-
obeiro e ara pequeo terreno na estrada ultima-
mente aberta pelo tenente-coronel Emeterio Jefe
Velloso da Silveira : quera pretender pode diri-
gir-se casa n. 7 da estrada de Joio de Barros.
Vende-se ama mobilia de Jacaranda em bom
uso, bem eomo urna mesa da mesma madeira pro-
pria para aavogado, e ama estante de amarello :
a tratar ra das Crnzes, bote Daqae de Caxias
o. 41,1* andar, das 10 horas da manba as 2 da
tarde._________________________________
Vende-.-e dous bois novos e duas carracas e
nm earro, todo em bom astado : a tratar na roa
dos Pires o. 49._____________________^^^
Vende-ae duas vaccas pandas, boas leitei-
ras : no sitio da ca pella do Cbora meninos.
51,60 1 Roa do Doqoe de Ca*
xias n, cu A,
Ontr'ora ra da Crnxes.
Grande sorlimento da fazendas por baralitaimoi
precos, cerno aejam : sedas, lias, chitas, percales,
futtoes para vestidos e roupas para crianca, saias
brancas com babado frisado, chapeos da ultima
moda para senhora, a outros maitos artigos de
goato. *
A loja da esqnina da ma Dique de Caxias a
60 A, de Bento da Silva & C
H'
Aluga se urna i a-., ds uJMBKfeaitagem da
Magdaltoa, delruiiio ao^tltfawneadador Amo-
rim, lendo ,'ga.i, g.-.z, c xeir*i Fs'iihrria e silio
rom arv radii* de fructo Ijjix* de capim, in-
d u.nisaodt o pretendenle o eosanamenio e i-.an-
dieiro do ga? ao inqcilino qae defx n a dita casa:
iratar na ra Baque de CfXiu o 91 ou na ra
do Loramente n. \\. ____________ _
O Bi-uquet das'dtiiia-, a run I.* de margo n. .
II I.* andar, tcirnlifU'a ao respeilavel publi:o que
caba de, receber um bello sortimento de perfo-
niarias finas ohresahiQ'lo enlre e lat lindas cal-
xinliat pr. prias para preseole, bonitas garrafas de
fino cristal com agua de rologne, fratciu com es
melb -re exlratcs, ni.' gnilk.is vasos delirados cem
s de airnf, a exceiume igua de Botct a mais
propria para iimpir e conservar o briiti i dos den-
le'. Um sorlimento de escovas para cabellos e
barba, com as costas marcheiadas de madreperola,
leques d'osso muito bonitos a imita cao de mailim
ditos prdos r' seda, pr.-pt, > para loto, lindos
pares de ligas para nonas, veos e grinaldas de
flores de larangeiras, lavas de pellica branca, de
cores e prelas para homenx.s eoboras e meninas,
c llarinhos de linbo da nltima moda, lencos de seda
para algibeirjs pelo baratsimo preco "de 1000,
1200 e liOO cade um, collares electros para ere-
anca', franjas e galoes de seda prela e de cores;
am completo soitimenlo de fitas de sarja de bel-
las cores de n?. I al 80, estas proprias rara cin-
tos ; peines de lariatuga iroeratriz lindissimas
1 res ariiliiiaes de diffirenies matizes.
No mesmo eslabele tmenlo cima eocootrarao
sempre am grande sortiliento de coques, cache-
pane, trancas e tapetes, btm como o necetrario
para o pentea-lo das Exma*. Sras., nem .- a ven-
ia, emo d.H xluffuel.
Feito .
Precisa so de um bom f-.iror que entenda de to-
Jas as plaas : iratar di ra de Pedro Alfonso
n. 28. oo em Saot'Anoa, sitio junto a estacio, a
d reiis. poitio de ferro.





Oiaii. fk-toam*u* QuartKHeira \% i Junto le 18*1
O OLEO DE FIGADO DE BACALHAG
Nutrimento
MEDICINA!
f Preparados por
Lanman A Kemp
para tsica e toda
qualidanta dedo-
eneas, quer seja
na garganta, pe-
to oo. bofes.
Express a
mete escolbido
dos melhores li-
gados dos quaes
se ex trabe o
[oleo, no banco
Ida Terra Nova,
purificado cbi-
rniealmente, e
suas
prepriedades
conservadas
com todo o cui-
dado, em todo o
frasco, se garan-
te perfeitamen
te puro.;
Este oleo tem
sido submettido
a um exame
muitosevero, pelos chimicos de mais tale-n
ot, do governo hespanhol em Cuba.foi de-
vukao por elle e contem
MAIOR PORCAO D'IODINA
do que oulro qualquer oleo, que elle tem
exarntaado
IODIN0 E'M PODER SALVADOR
Em todo o oleo de ligado do bacalbo,
e naquelle no qual contm a maior porcSo
d'esla, invaluavel propriedade o nico
meio para curar todas as doencas de
GARGANTA, PEITO, ROFES.FIGADO,
Tsica, bronchites, asma, catarFho, tosse,
resfriamentos,etc.
Uas poneos frascos d carnes ao muito
tr,a*rro que seja, clarea a uista.e d vigor a
tedo o corpo. NenUum outro artigo co-
nliocido na medicina ou sciencia, d tanto
nutrimento ao systema e encommodando
quasi nada o estomago
As pessoas cuja organisaco tem side
destruida pelas affecces das
ESCRFULAS OU RHEUMATISMO
e todas aquellas cujadigesto se acha;
p-otamente desarranjada.devem tomar
Vlodernas e liadas casaquinhas
par- senhoras
A aguia branca roa Duque de Caxias n. 50
receben ama pequea qnanwMe de lie*** casa-
quinhas de laa branca primorosamente afeitadas
com aetim de cores, otras asas lio modernas
quo lindas. A prova dessa verdade ost 10 apre-
co qne Ibes esli dando as Kxinas. apreciadoras
do bom.
Collares Royer
A aguia branea, roa Duque de Caxias n. 50,
continua a receber por todos os vaporas franceres
urna determinada quantidade desses apreciareis
coliares, contra as convalides e a favor da denti-
ca das crianzas.
Vende-se
um soraMo de dous andares, sito ra da Ifoda
n. 19, e os terrones qae Qcam nos fundos. Tem
frente para a traversa da Companbia Purnambu-
cana e capacidade para dous armaiens proprioa
para recolbimeoto da algodo ou quaeaquer ou-
tros gneros, por ser perto do embarque:
em casa de Tasso lrmaos 4 C.
Cerveja de Noruega.
Verdadeira e superior : i venda nos armazens
de Tasso lrmaos & C.
***** ** *******i
IKUAcT"
Ra do Bom Jess u. 55
Vendem
Ferro gavaloisado em folhas para te-
Ibas.
Le i te condensa*).
Cognac Martineta.
Viabo d> Brdeos em eaixas :
Tommard -
Volmay I
Haut Falerne
Penillac
Vinho do Rbeno :
Scharlaebberger
JCisdeaberatar Berg
Hocbkeimer Berg
Marco Crumer ansese
Kauentbaler Berg
Hraur ^*000****
Libras sterlinas.
Vende-se no armazem de faiendas de Augusta
r. ds Olivmra A C, roa lo Gommerclu n. 41
A 4.000
Vndese estojos para viagem com os sus per-
tences. sondo tbesoura, eanivete, eseova, pente,
sabonele, etc., pelo barato prego de 4*000, venba
ao Rival do Recife n 50 A.
Guana lrmaos & C.
Ra da Madre Deus n. 3 i.
Vendem :
Vahos i Parto, Osos e de mesa, engarrafados
Orculos delphieos
S b este titulo acabam de ter imoressas cin-
;oenta perguntas e respostas para entretiroento
ie reuniles familiares as noutes de Santo Anto-
oio, S. Joao e S. Pedro.
Ess'.s pergontas e re.'postas iasalramente nov.'.s,
sao interessantea e divertidas, sem que offeodam
conveniencias ou regras... de boa sociedade.
Sem serem propriamenle o que entre nos se
eh.imam sortes tratam de desvendar mstenos e
degredos, ntimos pensamentos e futuros succes-
sos.
S'mpre adeqmdas as respostas ezpressarao
muitas veros aquillo que nao se atrevera a dizer
a nao ser em brinco, ssrvindo o oihar on o modo
de diza/ de dar-Ibes for$* necessaria para aquel-
es a quem. sao dirigidos.
Cada baralhlnbo casta iiSi>0> e acbam-se ven-
da na livraria Economiea ao p do arco de Siuto
Antonio, e ontras.
A SOMNMBULA
Novissimo livro de sortes para as noutes de
Saato Antonio, S. Joao e S. Pedro.
V:aba de ser publicado o livro cima, o qual
contem ama linda colleccao de bonitas, interes-
antes e chistosas sortes e igualmente urna col-
oeco de recitativos, compostos por grandes e
aff amados poetas desta epocha.
Cremas que este livro um dos melbores in-
tretiraentos para as reuniues familiares das lao
festejadas e apreciaves noutes cima ditas.
Acha-se a venda a UOOO na livraria Econmi-
ca ao p do arco de Sanio Antonio, e em ontras.
Graade -pechiachi.
Collete3 de casemira, muito boa fazenda o lia-
dos padras a 3, ditos de brim Manco superior a
na ra do
e en t>ris de todos os tamanbos, marcas antigs. W.paleiote braneos de foatio a 4* :
aaetaaas e garantidas. Barao da Victor.a n. ti.__________
E^eeia.idade de vicho engarraf o, proprio pa-
ra, m,ir.es ea pessoa* doen'.ae, ou qua saibam apre-
ciar,
Viwo verde superior cm b^rris d* d;cimo
ros.
Ti ita lyro uavarrin.
E-.s nagniea tinta de escrever a mais fina,
taais ferinoia 6 segara todas a'. boje desco-
.;,: mantem-sa setnpre pura, e nao uxy la a
:;, antes a SMuitt b conserva. E' exce9sva-
U2:gw aubil e purificada, a ponto de nunca criar
., eroa ou bolor, Vende-e em frascos
pelo prec.0 de 15000. aniamente para se tornar
Faps
de articlo clilnczcs para
saldes e jardins.
Da eflbttoi maravilhoso, em caixiuhas com va-
riado aortim^tito, no armazem de Tjssj IrroSos &
<". ej cst-i do Apolla. ^^_^___^^__
lujimaim
Veedor-- l'bras stprlina.
Fref-s
NDE-SE
o estabelecimento deuomioado ROY D'YVETOT,
na ra estroiu do Rosar.o n. 14, por seu proprie-
["rio pretender retirar-se para a Europa ; o dito
estabelecimento tem muit;s colmados para fami-
lia e em bem afreguezado ; tratar no me Wiloa Rj\ve & C. vendem no^eu escripia-
no :
COGNAC fino, em caixas de urna duna de gar-
rafas a 20J e 24*.
VIMIO !' r leaux fioissimo, em caixas de ama
dula de carrafas a 10.
. E ios ;eus depsitos :
CARVO de 1' quahdade somente e de varias
denominares.
CORE de Inglaterra.
Todo por precos razoaveis e por tonelada de 70
arrobas.
e reliantes vistas, aiKo proprio pr.ra as fa^
queimsrem, as ocotes de fest.i de Santo
S. J ao e S. Pedro : vende-se em porco-s
c (&a)b?m a retalUo, no umszem fia E cadinba da
liega n 7, e aos domDg:'3 na ra da Madre
l).u o 30, n. 3 aniar.
Fontes de fogo.
Serponti's de Phara.
K'pigas Kalospinte.
Baiis terrffr.! de diversas cores e tamanbos.
Muito
b rato
Vcade-se a armacSo de amarello t^da. envidra-
giAa ^a loja da travesea da ra das Cruzej n. 2
ra para qualquer negocio : na mesma
.:. i|na!qaer parte.
d:t, franceza
nva a 6i0 rs., e lambem tem para menos, isto a
t 'Viro vista : ro armazem de molbados rna
de ->-oto Amaro n. 8.
Calcado Pollak
A' rna da Catlefa numero 45.
Santos Falco & C, ra da Cadeia n. 45, ven-
dem superior calcado Pollak para bomem, por
barato prego. Este calcado recommenda-se pela
especial quahdade do cabedal e perfeic.ao, como
tambem pela elegancia e banteza.
AO CALCADO POLLAK!!
NI
Uua de Santos Falco & Compaohia
Ra da Cadeia n. 45.
TENCAO
5
A 80O rs a libra.
No progresso do pateo do Garmo n. 9 chama-se
,'.tt,-Gc,io aos amantes do bolo de Santo Antonio, S.
Joao e S. Pedro, para a manteiga ingleza or de
800 rs. a libra.__________________________
Boas terrenos.
F Vende-se, no becco de Santo Amaro para Bel-
-3 DwOS u6 b't-0 AtO"'km'do eoberto dearvorej de fracto, terreno
,, -. v proprio, perto dos bonds e do vapor de Olinda,
uto, S, Joao e S, Pedio
Maateiga ingl-za fiar a 800 e 720 rs., e tem
baix* para menos dipbeiro
Vende-se
ana boa casa terrea, chaos proprio?, cora 5 quar-
ttt=, 2 salas, cozinha externe, pra grande quintal
pUnudo e murado, sita na Capunga, roa das
Grauotai t i tratar na ra Ia de Marco n. 7 A,
i- aadr- .___________
Vende-se o sobrado de um aniar na ra di
Vseude do Ilerval n. 37, e a casa torrea Junto ao
'mermo n. 39 : a tratar na ra da Senzala velba
t iOH_________________________________
Vende-se o deposito n. 15 oo becen do Por-
tas, oo Becife : a tratar na roa da Cadeia no ar-
cueto de Braga Gomas & C_______________
ATTENCAO
Veode-se a taberna da travesea dos Expostos n.
IS, bem afreguezada para a ierra, e o motivo por
qo se vende por querer sea dono retirar-se pa-
n. tratar de spa sande: a tratar na mesma.
Vende-se a casa terrea da ra da Conceico
c 25 6 orna dita com um pequeo sitio no Jor-
ca a :3 tratar na rna das Calcadas n. 6._______
FOGOS ARTIFICIAES
Para festejar Santo Antonio, B.
Jlo e s. Pedro.
Soeza & Guimaraes, proprietarios da j muito
eiwhecida toja de ferragens ra do Barai da
Victoria n. 39, (outr'ora roa Nova) veem avisar
a seas freguezes e ao publico em geral, qae ac
bao ie receber um lindo e variado sorumeoto
de fogos chinezes o mais lindo possivel qae se
pode ifcsejar, assim como desde j recebem en-
coouBendas para todas as qnalidades de fogos na-
dosuee para as melhores fabricas desta cidade.
Os aananciantes envidarlo todos os meios para
sneThor servir a todas es pessoas que se dignarem
hosgar sea estabelecimento jom soa presenc,.
Balanzas decimaes
oreira Dias avise a seas fregaetes qae \i re
cebe* m balanc.as decimaes de torca de 300,500 e
IJOOD kilos, leudo as ultimas rodas de ferro : ven-
de esa tea araeieas re da Cruz n. K.
boas trras e onde se pdn, com pouco capital,
formar-se bons sitios: os pretendemos, paca n-
formacao, dirijam-se ra do Imperador n. 48, e
nos domingos no dito terreno.
E' sempre assim.
Quando se abre um novo estabelecimento de
modas oa se concerta algum outro, a Nova Espe-
ranza ra Duque de Caxias n. 63, colloca-se na
espeetaiiva para observar os objectos de ditos es-
labelecimentos e ver se sao de qnalidade ou per-
fcicao melhores ou iguaes aos seas, e para oo caso
de serem melbores e mais aperfeicaados, a Nova
Esperanza tomar ama ligao e dar assim mais um
passo avante, visto que ella, como j tem dito, em-
bregar todos os meios afim de satlsfazer soa
constante fregaezia, mandando vir o que de me-
Ibor houver no mando das modas; mas qual i 11
a Nova Esperanza, quando verifica os objectos
desses estabelecimentos a qae se refere, fice des
go9tosa e triste por conbecer qae oda aproveitou
em observar objectos de nio gosto ; entao ella
ufana se em ter exposto venda artigos de phan-
tasia, qae, sem medo de errar, pode-se dizer os
melbores qae tem vindo a este mercado e por
precos bem razoaveis; agora mesmo acaba de re-
ceber os se guiles :
Entremeios e babadinhos bordados (sortimeato
lindissimo).
Entremeios com tres e seis tiras (novidade).
Bonitos enfeites para cabeca.
Delicados chapeosinhos para baptizados.
Bonitas cacoletas de plaquet.
Metas de seda para baptisados.
Ditas de escocia arrendadas para senhoras e
meninas.
Ditas de dita de cores sendo listradas.
Lampa rias para santuarios.
Jardineiras proprias para bailes (oatra novidade).
E outros muitos artigos que a Nova Esperance
deixa de mencionar para nao se tornar asa-
*""", ^ W
Vapor usado
Vende-se por prego commodo um vapor de tor-
ga de qaatro cavallos, qaasi novo e en bom esta-
do : trata se no armazem da travess* de Cerpo
Santo o. 25.
A MAGNOLIA
As floristas
A Magnolia receben pelo ultimo vapor o que
as senhoras floristas precisarem para fabricar flo-
res, como sejam :
Pestilhas de varas cores.
Bagas de vidros de diversos modellos e tama-
nbos.
Ollns para mar-me-qaeres e eravos. "
Clices para rosas.
Bagas dooradas para flores.
Folbas verdes, enceradas, prejas e de cores sor-
lidas em tamanho e feitio, etc., etc.
Helas delato
A Magnolia roa Duque de Caxias n. 45 rece-
ben dessas meias, muito boas, e vende por menos
do que em oatra qualquer parte: a ellas, antes
que se acabera
Oandielelros econmicos
Os candieiros econmicos sao na verdade de
invemjo agraavel, priva a quem dosejar embel
lesar urna sala de fazer dnas despezas, pois que
tiranda-se-lhe o deposito onde se conserva o gaz.
torna se um lindo jarro para flores : quem tem
a Magnolia ra Duque de Caxias n. 45, e vende
barato : a elles, porque tem poneos.
Nao fui ioutilmeote que a Magnolia roa Du-
que de Caxias o. 45 fez escrupulosa escolha
seus correspoodeotes oas diversas partes da Eu-
ropa, porque agora tem a satisfagas de ir rece-
beodo seus pedidos, vinlo execatados com tanto
esmero e gosto, que se ufana em expo-los apre-
ciagao dos- amantes do bom, tendo a certeza de
aerem pelos mesmos apreciaaos.
A MagnoUS^ao est descontente com a fre-
gaezia qao tem adquerido em to ponco tempo, e
esforga-se para muito mais; visto que tem con-
viegao de ser commoda nes pregos de suas mer-
caduras, zeloza em bem servir a sua freguezia e
abominar a care>tia.
Ao bello sexo com especialidades a Magoolia
pede que venha ve la pessoalmente agora que tem
recebido parte de suas encommendas, e pretende
ser razoavel nos pregos tendo a certeza de que o
supprir do que bom e razoavel.
A Magnolia, se se tem esmerado em ter um
lindissimo sorlimento do qae ha de melhor no
mundo das modas, porque ne deseja vjue seu=
freguezes sejam mal servidos em ontra parte,
com objectos de mo gosto : e assim apressa-se
em mencionar alguns.
Bonita* golnhas e pannos, transparentes e ta-
pados, fazenda muito fina novidade.
Camisas, de lioho muito fino, bordadas e pro-
prias parrnoivos.
Chapeos de velludo e palba de Italia ultima mo-
da, pTa ? nhora e menina.
Chapellinas de cores e pretas, (novidade)
Ricos enfeites para senhora.
Bonitas fivelas de madrcperola para palceira.
Meios aderegos pretos, cacoletas, voltas, ernzes
brineos e rozetas de gosto moderno.
Variado sortroento de cappllas. boqapets e si-
po* do botoes de flores de laraogeira.
Flores de cores e pretas para chapeos e cabel-
los.
Linbas de todos os nmeros para croch e bor-
dado. .
Chpeos de sd e bengallas com boauos cabos
de marQm.
Bonitos chapeos de sol para senhora.
Jarras transparentes para flores.
Ricos port Joias, port cartoes e port-money.
Bonitas caixiDhas com perfumara, propria para
presentes tendo disticos as lampas.
Ditas erra preparos para costura, ricamente en-
tenadas e com msica.
Bonecas, ricamente vestidas.
Lindas bolsinhas de velludo, com estojo para
costara e sem elle.
Albuns para retratos cora com capa de madre-
perola, marfim, sso e madeira.
Livros de missa, cam capa de raadreperola,
martim, sso e tartaruga. -
Carteiras de chagrn, com estojo para algi-
beira.
Navalhas muito finas, com cabo de marCm e
tartaruga.
Grarapos com flor de madreperola,'novidade.
Bacilas caixas de tartaruga para rap.
Sapatos de ia, bordados em talagarga.
Camisas bordadas para homem.
SO" NA
MAGNOLIA
45Ra Duque de Caxias45
DE
SA" LEITO, FONCEGA & C.
CIBEIXEIREIRO
N. 82 BA DA IUPEBATBIZ N. 82
W*
COSTIRA.
Gbegaram ao Bazar Universal da roa No-
va d. 22, uro sortimento da machinas para
costora, das melbores qualidades qae existe
na America, das quaes maltas j sao bem
conbecidas pelos seas autores, como sejam;
Weller & Wilson, Grover & Ibka, Silen-
ciosas, Weed'e Imperiaes e outras muitas
que com a vista devero agradar aos com-
pradores.
Estas machinas tem a vantagem de fazer
o trabalbo que trinta costureiras podem
fazer diariamente e cozem com tanta per-
eicft) como as mais permitas costureiras.
Garante-Fe a sua boa qualidade e ensina-se
a trabalbar com perfeicSo em mcuos de orna
hora, e os precos sao lao commod^s que
devem agradar aos pretndenos.
Esforcando-se pafa aatisazer ao ilustrado publico oo qae relativo for aos trabalbos
de sua profissSo, com a maior promptidSo, commodo, e esmera, resolver fiwr refor-
ma em sea estebelecimento e manir-se do qae nos mercados estraegeiros ba de melhor
e do ultimo gosto mandando vir em direitora e por sua coala nSo so graode qnantldade-
de cabellos de todas as cores e tamanho como todos os preparados reconhecidos pelas
sociedades bygienicas come os mais olis a conservacao e erobellezamento dos cabellos
natnraes sem prejoi'o da sade. achando se assim habilitado a foroecer aos consumidor-
res, por 20 / menos do que ootro qualquer os objectos de pbantasia para adorno, >.
seio e bygiene da cabeca, inlispensaveis ao mundo elegante e em geral a todos qae cui-
dam de conservar a propria existencia, deixando de isar de oleas, banhas e cosmeticoe
proscriptos pelos homens de sciencia cogo capazes de amortecer os bollos capillares,
produzir a calvice ou apressar o eobran^uecimento dos cabellos, e oceasionar o appare-
cimeoto da cephalalgia, eclampsia, epilepsia e hysteria e ontras molestias cataneas e ner-
vosas.
O pessoal do sen estabelecimento se acba montado coa capricho a escolher dos me-
lhores artistas natnraes e estrangeiros havidos na provincia entre os qoaes se distingue
Mr. Alfred Belpeche e o Sr. Napole5o especialmente destinados aos ponteados das se-
oboTas para o que ha demonstrado pericia ioimitavel por ootrem entre dos havido, A
facilidade e o gosto com que o Sr. Napoleo execota os ponteados mais difficeis tanto
histricos como de sua phaola^a aotorisa a que se o considere como nm geoio oesta e-
peciadade.
Os empregados do seu estabelecimento sem excepto exclusivamente cada om na
especialidade que mais amostrado
A casa recebe por todos os vapores os figorinos da ultima moda de ponteados ad-
mitidos nos paizes civilisados entre os quaes prima o sumptuoso Pars.
O bello sexo encontrar no estabelecimento grande e variado sortimento de coques
ie trancas, chmons, normanas, coques de cachos, cache peines, toupes, boucles, crescen-
tes do qae ha de mais moderno e elegante neste genero, perfumaras dos melhores fa-
bricantes como Lubio, John Gornell.Rimmell, Artinkson, Le grana Piver, Coudray etc.,
etc., lindissimas fi\ res especiaes da cabera pos de ouro, de diamante para pulverisar os
cabellos, finissimas escovas de dentes, pentes de tartaruga, e maitos outros objectos in-
dispensaveis a nm toilette de gosto.
Os seus collegas encontrarlo a contento os ntencilios de suas proflss5es, thesouras-
ferros para frizar, feros para papellostes cardos etc., etc., quer em porc^.o quer a re'
taino serso vendidos.
F iriiiha de man iioca
Superior e muito propria para il.V.a, em barr
ricas de far'mha de trigo ; a 11*00 rs. a br.rrica
nos armttzdns de Tasso Irmao.-. & C._________
Candieiros para gaz
Vende-se lindos candieiros Qe brenzo, por pre
eos inferiores ao que custaram : ra do Impe-
rador n. 31, escriptorio da emorera do gaz.
Padaria
Vende-se a padaria da Casa Forte, pertencente
a Gabriel O. Campo : para ver na mesma, e para
tratar com Tasso IrmSos & C. ____
do Com-
Em casa de Tisset freres, na ra
mereio n. 9 ha para vender :
Agna de Vichy das (ontes Hsubeiwe, Clestin?,
Grande Grillo, Hospital e Mesdames, em caixas
de 50 garrafas.
Agna de Chateldon, excellente agua de m9za,
em caixas d- SO Tarrifas.
Agua de Vals das fontes Presiense, Magdaline,
De?ire, Sante Jean, Rigoletle e Donimique, em
caixas de garrafa?.
Crgnac das marcas : Blancbv frres & C.
Royer Gnillet & C.
Martel frres de Yelros.
GRANDE
0 BE Jfl&S
O COBAQlO DE OURO
Liquida suas joias por lerde acabar o estabe-
lecinieiito, ha grande reducqo mesmo nospreqo3
das entradas.
Ra do Crespo n. 20 alpacao mescladas com bar-
ras a 500 rs. o covado dita- lisa de todas a3 cores
a 440 rs. o covado grande pecbiacba loja de
Guilberme C. da Cuoba & C.
Fa-inha demilho. *
Vende-se fsrinba de milho moida a vapor, dia-
riamente, pelos pregos seguintes : gros'sa para
mogunz a 90 rs., dita para ang, pintos e passa-
rinhos a 100 rs., para cangica e pao de Provenga
a 120 rs., e para Tmscus a 140 rs., em arrobas
mais barato : na ra do Cotovello n. 25.
Salitre.
SaStre ragle muito superior, vende-se baratis
sMUfan foonar faetura: largo do Corpo Santo
m. 4, primeiro andar, escriptorio de J. M. Pal
Armado.
Vende-se urna armario aova de amarello o-
vernisada : tratar na rus do Barao do Victoria
n. 48.
Claro, purificado e traniparesrte, em barricas
ales dajp e u arrobas, o omUmm a* pode
Jar pa#e fabrico do sabio ; tiiMhm de
Tasso Irruios & C., caes do Apollo.
MACHINAS
PAR\
Moreira Dias, rna da Cruz n. 26 avisa aos
sene freguezet- qua j recebeu as desojadas ma-
chinas para lavar reupa, trazando ellas desta vez
expremedor. '
Estas machinas tem a vantagem sobre as ou-
tras de lavar e expremer em menos de einco mi-
nutos para mais de cincoenta pegas de roupa;
saVtauito proprias para ?s pessoas que se dedi-
cara > temar roupa para lavar e engommar, visto
sabir a roupa do expremedor quasi que enehnta,
trazendo a vantagem da econemia de tempo que
se espera afim de enehugar e poder-se engom-
mar ; o annunciante o nico agente nesta praca
das referidas machinas, e por isso as vende por
prego muito commodo.
j. A. Moreira Dias
tem constantemente em sea armazem i roa da
da Cruz n. 16, e vende por prego commodo o se-
# atole:
Graix em boiSes N. 97.
Balangas-borisontaes par* cima de baldo.
Gamas da (erro cesa eoiato de mella proprio
par* **f** solteiro.
Aprelo** pa eh do melbor metal do alabia-
do fabricaste CirystoflB.
Aoo i mtko strtMo.
Agna Florida verdadeira.
Machina para eopjar cartas
Cbaminea de vidro para GMdleiro I ga.
llival sem segundo
Roa Dnqoe de Caixia n. 91, loja de miu-
dezas de Jos Bigodinho contina a vender
lado qoanto tem em sea estbale:imento
pelos precos abaixo declarados, a saber :
Libras de laa para bordados a 6#000
Caixas com sopariores gram-
pos fraucezes a rs.
Talberes para meninos a 240
rs. e
Libras de lioha de novello de
a. 80 120 a ^
Leagos decassa cm barra a rs
Varas d-3 franja branca para
toalbas a rs.
Duzia de meias Gnas para se-
a'aoras a
Masso de palito seguranza a rs.
Navalhas fazenda superior a
Caixas com penaas d'ago a rs.
320, 4C0 e
Caixas com papel amizade a rs.
Dita, dita, dita beira doura-
da a rs.
Caixas com envelopas, a rs.
500,600 8
P.esaa8 de fita para coz com 10
varas a rs.
Dazia de linha fronxa para bor-
dar a rs. 400 e
Baralhos francezes muito fi-
os a rs.
Ditos de beira dourada a rs.
Duzia de agulhas para machi-
na a
Libra de pregos francezes a rs.
Resmas de papel branco liso a
Ditas, ditas pautado a
Duzias de sabonetes muito fi-
os a rs.
Duzia de linba de carritel
Alex-ndre a
Croza de botos madreperola
a rs.
Cartoes de linha branca e pre-
ta a rs.
Thesouras muito finas para
unbas a rs.
Groza de boles de louca
a rs.
Pares de sapatos de couro
para meninos a
Caixas com 4 papis de
agulhas fondo domado a rs.
Frascos de oleo Oriza supe-
rior qualidade a
Caixas de folba com palitos
de vella a rs.
Pessas de fita de 13a para de-
brum de tedas as cores a rs.
Pessas de fita branca elstica
para debrum a rs. _

Cabug N. 2 D
GRANDE RE
EM PRECOS
1G0
400
1,5500
100
120
4,5500
200
UOOO
80O
700
800
800
440
500
240
320
25000
240
35500
40000
700
UOOO
500
10
500
120
20000
240
10200
200
320
200
Na ioja de &xit'bo Pedro de Soaza Soares, na ra do
BaTo da Victoria n. 28, outr'ora ra Nova
E' BAEATISSIMO
280
400
20G
120
10000
40300
700
GiO
800
500
10000
M1UDEZAS.
Csixa de linha de marca ars. .
Duzias de pacas de cordo impe-
rial ars.......
Dazia de pecas ie trancas de cara-
col brancas a rs.....
dem dem lisas a rs.....
Duzia de cartoes de linha greta e
branca a rs.......
dem de pecas de fita de linho cbi-
neza a...... .
Resma de papel pautado e liso a
35000, 30500, 40000 e .
Caisa de papel amizade muilo
superitr a rs......
dem idem d**tjuadrmbos a rs. .
Caixas de envelopas finos de por-
celana -'8rs.......
dem idea a rs. 400 e .
dem de pennas a rs. 400, 500 o .
Abotoadoras para collete, grande
. variedade a rs...... 200
IdMt dooradas para pnaos a rs. 500
Duzia de baralhos franceis a. 25600
dem idem idem canto doorado a 35000
L^mparinas a gaz a 102OC
Duzia de talberes 2 bot5es a 505OC
dem idem 2 botos (com pequeo
toque) a.......40300
00*06 '0P2!A P. oe.5ei!tm e oqeo raapi
Grosa de botoes da osso -pretos
e brancos a rs...... 200
Completo sortimento de fitas de
sarja, de todas as larguras, co-
res e presos.......
MODAS.
Coqoes de trancas modernos a 50000
Diademas modernos a rs. 500,
640e.........20000
Grinaldas para casamentos a 30, e 50500
Gdle e trancas de seda de cores,
a peca de 10000a .... 30000
Mimosos leques de osso para se-
nhora a.......90000
dem dem de sndalo com lan-
tejoulas a.......50OCO
dem idem a imiaclo a 20200
320 Lavas de pellica para homens e
senhoras, o par 500 rs.e 30000
Transparentes com paisagens para
janeilasa.......120OC0
Rico de seds proto e branco peca
de 20500 a......70000
Fita de setim Maco escosseza lar-
ga, vara a......30000
Collariohos bordados para bomem
duzia a.......80000
dem idem lisos a.....70COO
Ternos de thesouras em caixinhs
o que ha de mais fino a 60000 e 90000
Grande sortimeato de. entremeios
e babados tapados e transpa-
rentes para todos os precos. .
Sitio da Ipyranga
EJm Afogados
Vende-se um com baixa de campim, oqueiros
de froetos e novas, diversas fructeiras, casa de
taipa ooberta de telha e em mo estado ; tratar
do Coragao de Ouro.
SEDAS
V
Ricas sedas para vestido do melbor gosto por
baratissimos pregos : so o Tritmpho da Boa-vis-
ta, roa da Imperatriz b. 20.
Euxovaes para baptisados
Ricos eocbovaes para baptisados pelo baratlssi
mo pre$o de 16/000 cada nm : s o Triumpho
da Boa-vjsta, rna da Imperatrii n. 20.
As 2,000 salas.
Saias finas.eom babados frisados a 8*000, di-
tas eorn bafcahnbos boriados a 3*300: so so
aeoam ato Triampbo da Boa-vista, rna da Impa-
ratrun,30,
PERFUMARAS
Garrafa do agua florida verda-
deira, a ...... 103OC
dem idem kananga do Japo a 10300
Frasco de oleophilocomeverdadei-
ro a........ 10000
dem idem antique a rs. 4O0 o 500
Rosas com extracto a .... 108OC
Frasco com extracto de 10000 a 40000
Macos de sabonetes inglezes muito
bons a rs........ 60C'
Banba ingleza muito superior de
rs.500a....... 20000
Duzia de sabonetes de anjinho a 20000
dem idem de coracJo a ... 105CO
Pacotes com pos de arroz ami-
to fino a rs. 300, 400 e 50C
Caixas com dito muito fino ka-
nanga a........10500
Frascos com agua de Colognea rs.
500, 10000 e.....10800
Garrafas com dita o que ha de me-
lhor a 30000 e ... 40000
ESPELHOS DE MOLDURA
De todos os tamanhos e precos, molduras para qoadros, bonclas e brinquedos para
criancas e urna ofioidade de objectos que se tornara longo mencionar.
N. 28 Ra do Bar&o da Victoria N. 28
Fogos e sortes.
Amaral, Nabuco 6t C. avisam a sens amigos a
fregueses, qua acabam de receber do Franca e
Allemanha nm vanadissimo sortimento de ogoi"
sortes de nova invengo, proprias para salas, e os
festejos das noites de Santo Antonio, Joo o o.
togos de bengala,
fontanas, chovas
COLAR D
I
N. 63 ArRUADAIMPERATWZ-N. 63 A.
Vende-se espartilhos muito bons para senbora a
JWOOO, a ellas, antes ene se acabem, assim como """J" "~' """","JIrtHn^"!^ "de bengala,
botina, de cores a pr&s para senhora. eheg^aa ^'jeodo papel f"aalc,3i K,
no ultimo vapor ingle, 4|W0. S, 1500 e 65, So uu'orUbT'e sote em oSSta. prot
at U, sendo estas multo boas: tenho mais a di- ^^^^^t&-!t no Bazar Vic-
iar qne s o Colar da Rainba pode vender borie- V
guins da trra para bomem, obra mnito bem taita
a 44500, 5J, 5|5O0 6| o par, onde o proprieta-
rio deste estabelecimento espera a concurrencia
de sens numerosos freguezes e fregnezas. I
toria n. 1

VENDE-SE
0 estabelecimento de calcados ds travessa da
rna das Grates i. 2 A : a tratar ao mesmo.
F&rro 8ueoia
Kan baas de diversas larguras: vende Peraira
da Cunha lrmaos, i ra do Hajqaef de Olmdi .
U, 1* andar,
ESTBUME
O liauor <* mamanteo, das bteieas de |U, r
um dos E*r*** mais rtooBuneodavei para tar-
tliaaralarra. P6*t-M okw m Mme 4o fax,
em S. Jos, qae tea pan Tender, a MO Na a a*
nada.
""" HOltBL ..
Vende-se o da roa di Larajetra a. 30
irtar no mesmo.
f

<<





* r?.'
Wat 4k *-rnnHnie*


tuarta eira 12
d Juirho 1872

=:

-.
RA D8 DUQUE DE CAXUS
(Outr'ora do Queimado)
Este estabelecimento acaba de receber om importante sortimento de diversas (a-
Modas proprias pan vestidos, sendo poopelmas da seda, sodas, lias, percales, ditas coa
barras proprias para babados, lindas cambraias crox, e em fim urna inflaidade d'arti-
gos de moda, todo proprio para a festa, o que todo vender por presos inteiramenU
razoaveis, em conseqaencia de estarmos prestes ao fim do anno, e o 65 nao quer ter
grande trabalbo com o seo balando, preferindo tomar dinbeiro a fazendas, convida-st
portante ao respetiva! publico a virem sortir-se na loja do 65 aonde comprarSo por pre
coa qae oto obterio em oatro qoalqaer estabelecimento; em fim ver para crer
RUI DO DUOUE DE CAXIAS
(Outr'ora do Queimado)
240
80
600
700
1,5000
i500
1^000
500
4C0
160
60
10300
400
1,0500
500
80
10500
800
320
4,5000
320
320
RivaJ ^em segundo
Roa Duque de Caixias n. 91, loja de
niudezas de Jas de Azevedo Maia e Silva,
conbecido por Jos Bigodinbo, contina a
vender todo que tera por menos do qae
em outra qualquer loja, a saber :
Gorrentes pretas de *borraxa
pira senbora a 14500
Garrafas de agua Florida verda-
dera a 1^300
Caixas com obreias de massa a 40
Frascos com macaca perola a 200
Pacotes com poz de arroz fa-
senda fina 500
Pares de botdes de osso
para ponbo a 200
Sabooetes de bolla moito fino
a 160 e
Cartas de alfioeles de latao
fazenda boa a rs.
Carriteis de retroz preto com
i oitavas a
Gapacbo de palba moito boni-
ta a 600 rs. e
Frascos coui oleo Philocome a
500 rs. e
Pares de sapatos de tranca
para menino a
Pessas de tiras bordadas a
500, 600, 800 rs. e
Frascos com agua de Golonba
moito boa a rs.
Gravatas pretas e de cores a rs
Pessas d trancas modernas
de todas as cores e todo o
preco
y Libra de areia preta moito
boa a
Novellos de linha com 400
jardas a rs.
Livros da misso abreviada a
fr- Silabarios portuguezes a rs.
Cartas com 100 coritas im-
presas a
Caixas com 30 novellos de li-
aba gaz branca a rs.
Gaitinhas para meninos a 40,
60 rs. e
Caixas com 12 frascos de
oheiros a
Caixas com 6 sabonetes moi-
to fios a rs.
Pentes para segurar cabello
de meoio a 200 rs. e
Chapeos brancos para bapti-
zados a 20500 e
Copinhos com soperior banba
a 200 rs. e
Frascos com oleo para oabel-
o fazenda fina a rs.
Frascos com oleo Baboza a
300 rs. e
Frascos e garrafinbas de agua
i a nm
50
:e Colonba a 10500
Frascos com verdadeiro azeite
para machinas a rs. 500
Redes com contas para segu-
rar caballo a rs. 400
Latas com banha de Piver a
00 rs. e 320
Garrafas com agua Celeste
moito fina a______________________105QQ
A 4^500 rs.
Vende-se saeos de multo bom milho : nos ar-
mazeos ra do Amorim e caes do Apollo, de
:ssoa Irmios & C.
i
51
3*
gl
-Ta
M
I
5
djS w o sr. c es a. o. cr 3
Sis*SfIfsfs
^M -c ._ o o m a M r* ,'
fflSgfsff 5
8

i'Iiil-S'g W
B 9
o
&si5flssl-
E*o*JlIffsrBS
05
T
B
SMS
2 -i
o 5.
-a 3 = 2 o.S o
Roa de Doqne de Caxlas n.
Iiecebeu :
Lindas caixinhas com 02 necessarios para [mar-
car roupa, sendo abeedano e nuroei-agao, frascos
com tinta preta e encarnada, pioceis etc. etc. o
qae de certo novidade em tal genero.
Novos coques grandes com bonitos desechos
vindo entre elies algons enfeitados com Atas e flo-
res ; assim como bonitos crespos.
Adereces encarnados de madreperol.
Cruzes pretas com eofeites donrados e ontras
brancas de cbristal.
Casas de pedra e cal muito
baratas
Urna senhora viuva tendo de roadar-se para f-
ra desta cidade, vende urna casa terrea em terre-
no proprio, na roa Imperial, tendo daas sallas, 2
qoartos e quintal, por nm cont e qoinbentos
mil ris, cujo singue I de lo a 16000 mensal,
e i2 meias-agaas tambera ra ra Imporial, na
trrvessa da Bandeira, igualmente em terreno pro-
prio, tendo cada ama deltas ama perta e janella
na frente, a excepeo de urna qae tem daas ja
aellas, e todas ama sala e dous qnartos, idez das
qaaes tem terreno atraz, que abrindo-se urna
porta, pode ter o sea quintal ; vende-se a 5004,
sea alagael mensal para 71000 e a de daas ja-
nellas para 840OO ; mas quera quizer ama cu
duas sero vendidas a razao de 6OO4OOO e a de
daas janellas por 7004000 rs. Estas casas estao
edificadas na roa Imperial, bem perto* donde ac-
tualmente param os bonds. J qaem tiver poaco
dinbeiro, pde-se chamar propietario ou morar
em casi propria. Os pretendemos dinjamse
ra das Triocheiras n. 48, a casa do Sr. solicitador
Burgos, o qual eMaotorisado a contratar, mes-
mo a praso com garanta idnea.
Smaoconie
Tnico especial contra a calvlce
Com am bello sortimeoto de perfaraaria qae a
Agola Branca acaba de receber veio tamben o
apreciadoSmaoconecujo proveitoso efteito
j bem conbecido por quantos o tem asado e ser
ainda mais por aquellos qae necessitam de sna
utilidad. O continuado aso do Smaocome d o
bom resaltado de impedir a queda dos cabellos,
faze-los renascer e conservar o sea brilho natural
alera de qae seu odor mais agradavel qae d'oa-
tro qualquer tnico continua a ser vendido nal oja
:da Agaia Branca.
Leite de rosas brancas
Excellente para acabar com as sardas, pannos e
espinbas no rosto.
Vende-se a 24 o frasco, na leja da Aguia Branca
ra Dnque de Caxias n. 50.
Bonitas caixas com perfumaras
proprias para presentes.
Vendem-se na loja a'Agaia Branca ra Duque
de Caxias n. 50.
Agua Florida.
Acaba de ebegar novamente a afamada agua
florida de Guislain para Ungir de preto os ca-
bellos brancos. Como sabem os qae tem asado
dessa apreciada agaa, o sea effeito nio Instant-
neo porm seu resultado segjro e efflcaz. Che-
gou tambera a agua de Topasio para o mesmo fim,
e continuara a ser vendidas a 74 c frasco na loja
d'A guia Branca ra do Duque de Caxias n. 50.
Molduras do anulas para qua-
dros.
Na loja d'Agaia Branea a roa Duque de Caxias
n. 50 vende-se moldaras douradas com differentes
Moldes e larguras, e por preco commaio.
Pennas de ac bico de lanca.
Caixas com 100 penas a 400 rs. na loja d'Agaia
Branca.
Bonitas capellas com veos para
noivas.
Vendem-se na loja d'Agaia Branca a rna Duque
de Caxias n. 50. Tambera se vendem separada-
mente bonitos veos ou mantas bordadas panr noi-
vas, e veos de cores para chapeos.
Escumilha preta fina e larga.
Vende-se na loja d'Agaia Branca ra Du u
de Caxias n 50.
Botes
Cobertos de e?gaiio proprios para carnizas, e por
sqa duracao preferais aos de madreperola.
Vende-se na loja d'Agaia Branea.
Caixinhas com 3 sabonetes finos
a 14,1*200 e 14500 a calxa.
Vende se na loja d'Aguia Branca.
Talagarsa
Seda fronxa e toreal para bor-
dados.
Vende-se na loja d'Aenia Branca.
ESMERALDA
Acaba de ebegar a este estabelecimento am importante sortimento de joias de
ouro, do melbor gosto e qBalidade qoe tem vtodo neste genero, como cassoletas de
nix com lettras de diamantes e pintoras finas, aderejos e meios aderemos com podras
finas, etc.' etc.
Ra do Gabuga' n. 5.
Moreira Duarte & C.
GU1MARES.
GRANDE LIOIDACfiO
DE
Fazendas e chapeos de sol de seda
NO
Bazar Nacional
Ra da Imperatriz n. 72
DE
LOURENgO PEREIRA M.
Lqnidarse
Grande sortimeDto de chapeos de sol de seda, alpaca e merino
A SABER :
Chapeos de sol de alpaca a 30600 e 4,5000. Ditos de merino a 4A5QO. UUm dt
seda a W, 8,JO0O e 103000.
Vende se om grande sortimento de cbapos de castor para Lmeos e mens,#
de todos oa tamaohos a 2500, 30000, 3*500 e 4*001). Ditos de pello a U StrttW
3*000.
RA DA IMPERATRIZ N. 72.
ROUPA FEITA PRETA MADAPOLO A 3*000 A PECA
Vendeae: Vende-se:
Calcas de casemira preta a 4*000, 6*000 Pecas de madapolio enfestado a 3#6tt>,
8*000. 4*000, 8*000. 5*500. 6*000 e 8*t 00.
Palitota de panno preto a 5*000, 7*000 ALGODO BARATO A 3*00a
e 10*000. Vende se pegas de algodo- a 3*, i, H
Golletes, de casemira preta a 3*, 3*500 e 6*000.
-W000- CORTES DE BRLM DE COR A I#00.
Palitts de alpaca preta 3*, 3*500 e Vende-se:
40- Cortes de brim de c6r para calca a i5ft
Ve"?S8e-a,0 rs-oc^ado' S'de ganga a 1*000. Ditos toteim
aitas fraeezas larcas a 200 320 e S60 u*rdo a mo0' l&800re 2*000-
CHALES DE LA A 1*000.
Veode-se chales de 13a em qaadroi a
15000. Ditos de merino estampados a 2*,
3* e 4*000.
Cambrala lisa a 34000.
Vende-se pecas de cambraia lisa para
vestidos a 3*, 4* e 5*000.
Ditas de cambraia Victoria a 3*500,
4*500 e 5*000
BRAMANTE DE LINHO A 205OO
Vende-se bramante de linho muito largo
a 2*500 o metro. E outm muitas fazendas
que se vende muito barato.
rs. ocovado.
Riscadinoos de lislras proprios para ves-
tidos e roopas para meninos a 320 e 360 rs.
o covado.
LASINHAS A 160 RS. O COVADO
Vende-se:
Laasinhas para vestidos a 160, 200, 320
e 400 rs. o covado.
Alpacas de listras de cores para vestidos
a 500 e 640 rs. o covado.
Ditas em qaadros de seda fazenda nova
a 800 rs.-o covado.
ARMAZEM DOS LEES
Ra Duque de Caxias n. 29.
Os propietarios deste bem montado estabelecimento scientificam ao
respeitavel publico desta provincia que se acbam com um variado e completo sorti-
mento de movis, tanto nacionaes como estraogeiros, sendo estes escolbidos por nm dos
osios qoe se acha actualmente na Europa. 0 mesmo tem contractado com os melhores
fabricantes daquellecontinente as remessas das mais ricas mobilias feitas all.
Na officina tem os mais babeis artistas deste genero, e por isso pedem que ve-
nham visitar -o estabelecimento, aonde encontrarlo a realidade do qae acabam de expr'
ue se pode examinar; ricas e completas mobilias de Jacaranda, mogno, faia, carvalho, a-
marello, etc, ricas e elegantes camas deja caranda, pao setim, amarello, etc., etc., guarda
vestido de amarello, guarda louca de nogueira e de amarello com tampo de pedra, apa-
radores de dito dita, peti toilettes especialmente para fazer a barba,, toilettes de jaca-
randa, amarello, pedra, secretarias do Jacaranda e mogoocas tnreiras ae mogno, san-
tuarios, thears para bordar, bercos, lavatorios com espelbo, de pedra marmore e seas
pertences, cadeiras privadas, bids; etc., etc., e muitos ontros artigos qae deixamos de
mencionar por setornar enadonbo
DE
COSTURA
OO00Q 0$$GO0
Capricho.
Vende-se o engento Capricho, distante da esta-
dio de Una nina oa duas leguas, movido por
ama excellento machina vapor, a cora opmc s
erreuos para saffrejar quatro mil pes annaaes:
a tratar no mesmo eogenho eom ioaqoim Jos de
Arla, oa nesta cidade com o sea correspondente
o Sr. Joaqaim Rodrigue Tivares de Mello, com
Mcriptorio i praca do Gorpo Santo o. 17, primeiro
andar.
AGURDENTE DE CANNA EXTRAFINA
EM GARRAPA.
Vende-se na rna do Encantamento n. 5, prl-
soetoo andar._______________________________
Arroz de casca
Soperior em saceos nnito grandes i iea arma-
im de Tasso Irmies di C
A verdadeira cerv^a da Bayiera, marca ban-
dera, desnpenor qoaltd4e : tndem Um Ir-
miw & G,mb ses arnuwB da rna do Amorto
Vende-se

ps draoia de uabigo e da china, pos de la-
poti efruitapao.
Objcctos de Ferro.
Cadeira de balando.
Camas para solteiro e casados.
Lavatorio (completos)
Retretes o melbor qne tem vindo at hoje.
Cadeiras, Cameps para jardim.e ontros muitos
objflctos.
Vndese muito barato para acabar, na loja do
louca da porta larga a ra Larga do Rosario n
26 de Joaqaim Antonio Pereira & C*
C&ndieiros Baratos.
O sortimento mais completo que tem Tin do a
este mercado ; acaba de receberj a moito amiga
loja de leuga da porta larga a roa Larga do Re-
sano n. 26 de Jeaquim Antonio Pereira & c.
&
ira em yelas.
Cbegada nttoamente de Lisboa : vende Pereira
da Cuaba Irmios ra do Mrquez de Olinda
numero 21.
Fogos artificiaes.
Allemaes, em caixas batanles sortidas : vende-
se roa Mrquez de Olinda n. 21, 1* andar.
Cemento por ti and
Em barrisgrandes : vende se ara do Mrquez
de Olinda n. 21, 1 andar.
A. Oleo le li'nhaqa
de boaWpalidade, em barris: vende-se roa do
Marqaef de Olinda n. 21, Io andar.
COLIAR M Mili
Ntt 63 A.*Kua da Impe-
Mtf8 n. 63 A.
S o praprietarlo deste estabelecimento pode
vender ceqnes do ni limo osto a* 3*500 cada nm,
visto ter reeeWdo em direitura, t por isto pode
veeder por menos do qae oatro qualquer.
DE
SINGER MANFACTURING COMPANY
Grande rednepao de presos !!!
! 90000. 90000. 90*000
AVISO ESPECIAL
A alta repotaco obtida pelas machinas fabricadas pelo
vmmm
' i
tem levado diversas pessoas a fabricar imiiac5es qae ellas vendem quasi sempre sob
pretexto de serem ellas fabricadas pelo systema nger.
!
NENHUMA MACHINA ^rTrf PARA EVITAR COSIHI-
ffh?f\4ft. e\\
faccOes notem-se bem
nao leva esta marca vul a
17ER K" )LEiriMA SE
X<| BRACO DA MACHINA.
Samuel Power Johus-
ton & 0.
Rua do Apollo n. 38 e 40
Fazem sciente aos seas fregaezes qae teem
modado o sea deposito de machinas a va-
por, moendas e tazas da moito acreditada
fabrica de LowMoor para roa do Apollo n.
38 e 40, onde continuara a ter e mesmo sor-
timento do costme.
Fazem sciente tambem qae teem feito am
arranjo com a fundieao geral, pelo qoe pe-
dem offerecer-se para assentar qualquer
machinismo e mesmo garant-lo.
TODOS OS DETALIILM
MARe.%.
MARCA DA COMPANHIA
A companbia, desejando proteger seas amigos e fregaezes contra as imitaces, tem
adoptado a marca cima representada.
Pre\ioe-se ao goblico de nSo comprar machinas qae nio levem a marca
companbia.
W- H. CMPMH
UNI0 AGENTE
N. 45 Ra do Imperador N. 45
Apparelbo para fabricar assucar, do ays
WESTON CENTREFUGAL
Sk
Os propietarios da fandicio geral fazem
scientes aos senbores de engenbo e mais
pessoas, qae teem estabeleeido orna fundi-
eao de ferro e brouze a roa do Bram, jan-
te a estacio dos bonds, onde aprontarlo
qualquer obra de encommenda com perfei-
Qo e promplidSb.
Os mesmos rogam as pessoas qae qaei-
ram ntilisar-se de seos servicos de deixa-
rem as encommendas em casa dos Srs. Sa-
muel Power Johnston & C. a roa do Apol-
lo o. 38 e 40, onde acharao iiessoa habili-
tada eom qaem possarn enetraerse.
tema.
nicos agentes em Pernamboco a fundidlo geral.
Para tratar em seo escrlptorio a roa do Apollo n. 38 9 40.
a casa da roa dos Guararapes a. 11: a tratar jqb>
o eommeodador Tasso.
Moeda de.ouro
Ni roa do Apollo a 20 vndese libras sterlioas.
AGUA DEHTRI
-s
DO
NL P1ERRE.
A,Agaia Branca A roa. do Dnque de Caitas n.
60, recebeo essa apreciavel sgna dentrifice do Dr.
ierre, coja soperisride bastante enneeMa.
POHTAO
Vetde-se oh nade psrti* de tarro de Loicas
Vende-se farinha amito boa da trra em novo eom 9 1|2 talaras de altara e 10 de largura
saceos de 20 caas por 3*000 : na armazero do por diminuto preco : a tratar na roa do Conde
Guerra. a Boa-vista n8.7, oQtr'ora Esperan;!..
NOTA TODOS
Todos devem cortar daqai este annnncio e tia-
ze-lo na carteira oa livro de lembranca, como cou-
sa de grande ntilidade,
PORQUE ;elle
indica onde com certeza se pode encontrar ou en-
commendar om bom presente qoe de improviso se
queira mandar a qaafqaer pessoa,
ASSncOMO
indica De onde se poder encontrar nm fiambre
preparado, nma empada, am gatneaax de la
nm maugotb, um pudrag, om bolo fino, am
de- l e ama infinida de bolos e pastis di-
os, proprios para laen, sobre-mesas e me-
rendas.
ALEM DISSO
rauca, mais ende se encontrara sempre : fructaa
do tempo tanto ncionaes como estrangeirss, dcw
seceos em calda ncionaes e eitfangeltoe, licores
e vinnVB^aajiasnservas alimenticias e exeiuntee,
boiazinnas boln nos para eb e ontros mnitos
objectos qas se tarnaria por demaii enadonbo a
soa Inteira discripeao
E FINALMENTE
qoe se possa fuer nm juizo aproximado
SO' INDO PESSOALHENTE
eitaria do Campos.
Roa de Imperador a 24.
se bem a cautella de qoe, a frente daste
imento se acba coliooado um Jnmpeao qne
se conserva ceso a aoute, at is des eras.
Roa do Mrquez de Olinda n. 50 A,
Antiga da Cadeia.
Tem para vender os segrales objectos abaixo
declarados, como sejam:
Carretela de linha de 200 jardas a B0 rs., sapa-
patinbos de la para crianca a 240 rs, ditos finos
a 320 rs., sapatos para bomem e n hora, avela-
dados a 14400, ditos de tranca a 1500, latas
com baoha a 80 rs., ditas fina a Ifitt. abotaado-
ras para ooletes filos a 390, ditos a 500, 1J00O,
e 14500. duiia de pborpnoros de egnroaea a
200 rs. a dozia, fraseos de sndalo < riadeiro a
I4OOO rs., ditos de agaa divina a 14 !O0, ditos da
agua de madalene a 14200, ditos de agaa de co-
logoe a 200 rsn ditos grandes a 3"' rs., ntre-
melos a 600 rs. a peca, ditos mais fit a 80Ors>.
agolbas a balo a 40 rs. o papel, r avets naca
a 400 rs., ditos a SOO rs. 14000; alora destes ob-
Jaetos ba m eompleto soraenie de miodetas, o
qual se yende tndo barato para acbar : venaa
ao Rival do Reolfe a 30 A.
finta yioletQ
A Aptas Branca 4 roa Duqne de Caxias a. 60.
recaban a soperior tinta vilete do acreditado,
fabricante Adnen Maurin, e como sempre vende |
baratlsimo.
Vende-se o armazem de lonca fina e ordina-
ria da rna do Bbrio d Yietorta a 49, ontr'ora
rna Nova, a dinbeiro on a praso eom tanate a
vaalade do propietario, venda ee eom taasses
fondos oa com poneos. Vende sa todas as loceas
existentes no dito estabelecimento para fazer li-
quida cao, por preco raioaval per ter o proprieta-
rto aa fater orna viaaaa naBl tratar de sa sao-
da : qaem pretender dJrija-se a dita cata a tratar
com o propietario Jos Mara Goocslres Vieira
Gnimaries.___________ _______
Parlaba de mandioca a 24 o acco: na nt
da Madre de Dos n. 7,


8
fcfgj- Diario m FernamUuc Q
e.ra/U 4t Junfeo
fti*
V1RIEDADE
ponto de bater-se Mr. de
Mitcbell, ambos escrptores
NAO VINGOU.Esleve a ponto de haver
oniro due lo em Pars entre bomeos pol-
ticos.
A agitagio em que os nimos se encon-
trara, a vjvacidade com que se discute, vio
suscitando os desaguisados de que temos
dado coi.t.
Estiveram a
Pene e Hr. R.
pblicos.
O caso, porm, poda levaf-se a tfm termo
pacifico.
Livrou-se urna acta, a que nos jornaas
se deu pubiicidado, como de estylo, e or-
dena o cdigo dos duelistas, quando as ol-
fensas furam publicas, ou se tornaram de
ootoriedade.
A acta, publicada em doos jornaes fraa
cezes traz om post setptum, declarando
que o processo Bazaine tencionava intentar contra o jornal
Courrier de France nSo daixar de ter
lugar. i*
UMA HERONA.Perante o quarto con-
selho de guerra comparecen Agostinha
Cbffon, porqoe logo nos primelros dias da
communa excitara seu marido a tomar ir-
mas e correr para as forlificagas. Ciagida
com urna fcha vdrinelha, e armad? de um
rewolver, era ella que inspeccionava as bar-
ricadas de Austerlitz e as do boulevaad Ma-
zas ; abi anjmiva os defensores d commu-
na, e requisitava forca dns lojas e arma-
zens os vinhos e bebidas oecessarias para
os reconfortar. Outras vete, commandan-
do om piquete de federae--, preceda a visi-
tas doaiciliaria para descobrir os refracta-
rio?, e os forgir a irem para as forlica-
Qoes, onde se acbava seu marido.
No da 2o de maio um federal caio fo-
ndo ao lado d'ella, tomon-o logo sobre os
hombros, econdozio-o para ama loja, d'on-
de expulsou o propietario.
No da seguate alravessava a ra com as
maos ensaogoentadas dizendo a todos : L
despachei dotts.
Nj da em que as tropas de Verstiles
entrar.'m em Pars, estaodo ji encostada
um muro onde ia ser fusilada : Atirai* disse
ella aos soldados, fui eu que acudi aos fe-
ndos. A estas palavras, o commandante
suspendes a execueo, e manda a condem-
oada p :r i a priso.
No ooselho de guerra, quando o presi-
dente a interroga, ella responde : Vendo
roupa branca, tenbo 33 annos. Ni i tinba
forgas para pegar em orna espingarda, se
fosse mais forte ter-me-bia armado. Nao
roobei nem saqaeei, tratei dos feridos, e
anda boje tomara a fazer o mesmo.
Presidente : Para que arVWS da ban
da vermelba ?
Agostinha : Porque essa cor ms
adrada, como emblema da liberdade. Amei
e amo os federaes. Meu marido foi con
demnado deportado em praga fortificada,
e eu me nao arreceio de nenbuma condem-
naglo. Ji passei um anno nos pontoes,
tenbo sapportado todos ospormentos moraei
e materiaes; que me condemnem morte
para mim indiferente.
Hoeker, capillo de coaraceiros, encarre
gado ex-offici) da defezi da Agostinha Gbif-
fon, responde com vigor accosagio:
c Quando a histeria referir, diz elle, que
bastn orna mulber para incotir terror em
todo nm bairro, ser mais que bumilbante.
Esta m ilber nio um tigre, basta o caidado
que elle mostrou pelos feridos : qualquer
que fosse o partido d'elles, eram horneas
e basta isso. >
Hoeker tentara' provar que ella padeca
alienarlo.
Eu alo estoa douia, interrompea ella, e
protesto coatra sem';laaotes assergOas.
Presidente : Teades mais alguma cousa
qae allegar ?
Agostinha : Tenbo padecido muito
na prisio, pego que me matem. Sim, ma-
tam me ; mas desejo a repblica o a com-
tnona. Viva a communa.
Presidente: Lavem a acensada.
Agostinha : Sim : Yiva a coamana I
Todos se bao de sobmetter ella. Os ver
salheases eram muilo cobardes para me
matar, e vos sois com elles. Viva a com-
odona.
N'aste ponto o aoditorio precipitase sobre
a aecusada e sobre a guarda que a condnz.
A polica do conseibo intervem para prote-
ger a criminosa, qae nao cessa de gritar :
Viva a commnna abaixo Verstiles.
Ao sabir da porta do tribunal j lbe ti-
nbam arrancado o chale e a tonca. A sala
estiva na mai.r agitajio. Emficn, o com-
mandante da estagio restabelece a ordem
com diflii'uldade.
Aps om intervallo, o conseibo prosegue
as mas faocgSes, e pronncia a sentenga
coDdemnando Agostinha .Cbiffon a 20 annos
detrabalbos foicados.
Minutos depois entra a condemnada. A
guarda est em armas. Quando ouvio pro-
nunciar a sentanca I Ab I cobardes, gri-
tn ella, alo *nhtreveram.. Tenbo 35
annos, d'aqui a 20, aos 55, ainda sahirei
com forcas... De mais, todo isto impos-
tura : ama mudmea de governo, e eis-me
em liberdade. E nao ba de tardar muito.
Yiva a communa! >
EXPOSIQAO. A de Pars conta 1,536
obras de pintura de 1,109 artistas, e 333
obras de escalptara, a maior parte bastos
de 245 esculptores. Ha 139 damas artistas
e 109 expositores estrangeiros, dos qoaes
oito bespanbus.
O retrato de Tbters pala senbora Jacque-
mart passar posterdade.
Moitos qaadros allasivos ultima guerra,
ainda os mais terriveis, contra os allemSos
ficaram retirados.
Ao mesmo lempo qae a exposicio de
Pars, tem logar em Londres a venda pu-
blica dos qaadros e objectos de arte qae o
prin *ipe Napolelo poie calvar do incendio
do PaUia Hoyal, e de sua caa greco-romano
de Pars, qae records as de Pompea.
Havia o'esta collecglo moitos tbesooros
artsticos, apezar do qae s prodazio
377,756 francos.
ACERCA DO VIXIIO. Agora qae a as-
sembla franceza acaba de votar ama le
para reprimir os excessos da embriaguez,
achamos curioso dar a conhecer varias tea;
Utivas qae se tea feiio em Franca
5m idntico.
Em 1350 o tei Jlo prohibi aos nego-
ciantes de bebidas vender vinhos mistara-
dos, sob pena de morte.
Em 1397 o preboste de Paris dea ordem
probibiodo aos trbalhadores de frequenta-
rem as taveroas em dias de trabalbo, e Ol
taveinerus de 03 rec=berem.
Em 1530 expeJio-se ama real ordem,
mui termiaante, ameacaodo com a tortora
ao in lviduo qae fosse encontrado ebrio
em urna taverna.
'Dez annos depois orna nova ordem pro-
hiba entrar ais taoernas as pessoas casa--
da?.
Estas ordens cumprram se at o reinado
do Carlos IX, em cuja poca diminoioo ri-
gorismo oa observancia das ditas prescrip
ge;, e as pessoas de todas as condices se
deram a frequeatar os estabelecimeatos desti
classe.
Em terapos de Luiz XIV os nobres e to-
das as pess as da bom tom acadiam s la-
vernas. Este costume continooo no reina-
do de Loiz XV, e nio se modifican sen3o
ao reiaado de Luiz XVI, no qual os cafs
comegaram a substituir aqaelles etabeleci-
mentos.
NSo obstante isto, em reaes ordens de
1724, 177. e 1791, probibia-se frequAntar
as taveruas dorante a noale e em qaanto se
celebrassem os oficios divinos. Os ditos
estabelecimentoa eram obrigados a faenar
as suas portas de invern s 8 e de verlo
s 10 horas.
*
O PROGRESSO DA TURQUA. O rota-
torio que o grao vizr apresentoo ao sulto
affiran que se adoptarlo providencias para
a melhor applicaglo da justga, e p3ra a
conveniente reformaglo do processo judi-
cial.
As torgas militares, comprehendendo a
reserra, elevam-se all a 800,000 bomeos
bem equipados, e com artilharia correspon-
dente.
Os melboramentos da marinha sao oota-
veis : tal a sua importancia, que a Tur-
qua pode serhavda como urna das prme-
rat potencias navaes.
A sua esquadra coura?ada compreheode
j 17 grandes fragatas e varios monitores e
canboneiras.
As fronteiras esto fortificadas. Os ar-
senaes melhorados para lutar com as fabri-
cas estrangeras. Est quasi construida
urna fabrica capaz de produzir 30) pecas
raiadas, por aano.
Tambem s* constituem os estabelecimen-
tes para fabricar espingardas e maoicfos....
Multiplicam-se as escolas e meos de ea-
sino.
A liaba frrea de Scutari e Ismidt deve
estar concluida em agosto. Outras liabas
esto em conslrucgSo.
O sulto declarou-se satisfeito de tantos
melboramentos, mu lastimn as finanzas,
que nao se restabelecem. e esto longa de
inspirar confianza.
UM GRVNDE INCENDIO.-Noticias do
Japo por Nova York annuociam que om
grande incendio rebanlara em Yeddo, pro-
pagando se por 4 milhas quadradas. Trinta
mil pessoas estavam sem abrigo.
ELEICOES E\l INGLATERRA. Para se
formar idea do qae ama elego de mano-
bro da cmara dos commans, convm dizer
qaanto dispeoderam n'uae eleico dous
candidatos, que se propuzeram pelo mesmo
circulo.
O vencedor, Honourable G. E. M. Man-
ckton, gastou 6,089 af (mais de 58 contos
de res); e o vencido, Mr. Robert Laycock,
6,2 i i a*, 4 sliilling e 2 pence,
-----------------------------w.
Van Klaes absorvia qaotidiaoamenie 15
litros de cerveja, e fnmava 150 gramma de
tabaco. Ora bu consamo quotidiano de
150 grammas de tabaco durante oitenta
annos di o total de 4,383 kilogrammas, e
a absorpeo jorna'.eira de 15 litros A cer-
veja durante o mesmo periodo, \ de
438,300 litros.
DISTURBIOS.Em Smiroa hoave odia
30 d abril refregas entra os gregal e os
jadeas, acensndoos primeiros os Mgondos
de haverem sacrificado ama crianct.
Hoave mortos e feridos. A tropa Occu-
pava a cidade ; e temia-se qae OMMnaas
sem os disturbios.
A RELIGlAO NOS ESTADOS-UNIDOS.
Pelo recensemento feito ltimamente nos
Estados-Unidos sabe-36 que existem all
63,074 templos, que saj freqaeatados pir
t21,659,562 crales. Estes dvdem-se do
segoate modo : metbodistas 6,518,209,
baptistas orthodoxos 3,997,1(6, baptistas
dissideotes 363,079, presbyterianosortbc-
doxos 2,198,900, presbyterianos disiiden-
les 49!),38i, calholicos i,990,414, coi:-
gressionalistas 1,117,212, luiherenos....
997,332, episcopaes 991,051. J qae fal-
lamos de religiao, vem aqu a proposito di-
zer-3e que em ama das ultimas sesses do
senado dos Estados-Unidos o senador Sum-
mer apraseotoa ama petigo assigoada por
13,000 idivduos, os qaaes se eppoem
que Deus seja reconhecido na constiiuica I
COSTUMES TRADICIONAES.Na com-
muna de Nanterre (Franca) existe de base-
culos urna ceremonia tradicional, que os
francezes denominam coroaco da rosire,
que consiste em premiar todos os anno
com ama rosa e um dote para casar ama
das raparigas mais bem comportadas da lo-
calidade. Este anno prepararaawe gran-
des festas para solemnisar o acto, o qual
devia ter-3e verificado no da 20 de maio.
A rosire do presente anno era urna linda
rapariga de 19 annos de idade, costureira,
chamada Armandioa Mancienne. No acto
da coroacao devia ser-'.be entregue a qaan-
tia de 2004, om relogia d6 ooro e um en-
xoval, como recompensa do sea bom com-
portaraeoto. Alm disso, a mancipalidade
entregar-!he-hia om adereco mandado pela
esposa do Sr. Tbiers.
om
GRANDE ORIGINAL., Ha poaco tempo
fallecen em Rotterdam um individuo muito
original, o maior fumista e bebedor de cer-
veja que jamis se encontrn no mundo.
Os stus compatriotas e coofrades tinoam
lbe posto o nome de rei dos fumistas.
Possoidor de immensa fortaoa, adquirida
oo commerco de folba da ferro, Vao Klaes
bavia mandado construir, parto de Rotter-
dam, orna magnifico palacio, cujas salas en-
cerravam urna curiosa colleccio, que todos
os estrangeiros de destucc5r>, qae iam
Rotterdam, tratavam logo de visitar.
Pensar-se-ha sem davida que essa jollec-
cao seria urna galera de quadros aulhaoti-
cos da pintores flamengos, de Van Dick e
de Ternera. Pois nada disso era I
Naquelle museo achavam-se em exposi-
cio e clarificados, segundo a sua naciona-
lidade e ordem cbronologica, todos os mo-
delos da cachimbos, representan io cabecas
oa caricaturas de borneas, aaimaes, flores,
legamos e todos os typos de tabacos O
excelleute Van Klaes gastara, durante a su
vida, e engulira sommas fabulosas, com as
qaaes reuo:ra aqaeila extravagante collec-
Algaas dias antes da sua morte, que elle
sentio aproximar-se. aquello homem excn-
trico mandou chamar um tabellio, seu ami-
go e fumista emrito, ao qual dictou o tes-
tamento, concebido nos seguales termos:
Quero que os fumistas da miaba trra
sejam convidados para o meu funeral.
< Cada nm receber dez libras de tabaco
e dous cachimbos hollaadezes, do ultimo
modelo, onde estar gravado o mea nome,
miabas armas e a dala da mioba morte.
Todos os meas amigos,prenles e con-
vidados para o meu enterro, qua quzerem
acompanhar os meus despojos mortaes a.
ao lugar de supremo repoaso, tero cuida-
do em nao deixar apagar os cachimbas que
o mea mordomo pora sua disposiclo.
c Cbegando ao cemiterio e terminada a
ceremonia, cada um dos convidados deixar
no mea c>ixo a cinza do sea cacimbo.
c Os pobres do districto e das circumvi-
siabaocas, que se conformarem com as mi-
abas ultimas voutades, recabarlo todos os
annos, e no da anoiversario da miaba mor-
te, dez libras de tabaco e m barril da
cerveja de boa qualidade.
* Pelo qae ma diz respeito pessoalmente,
accrescenta o honrado Van Klaes, quero
qae o mea corpo seja encerrado a'um caixio
de carvalbo
madeira das miabas velhas caixas de cha
ratos de Havaaa.
c No fund do caixlo onde repou^ar o
meu corpo, envolvido n'uma mortalba de
linbo do Egypto, collocar-se-ba urna caxa
de tabaco francez, chamatfeoipora/, e am
ausso do oosso velbo tabaco hollaodez.
c Qaero e desejo qae porjham mea
lado o mea maitp amado cachimbo, o velho,
dovelho, bsm como ama caixa de pb
ros, om fusil e slex, e algamas fot
isca. Niagaem sabe o que poder
car, observa senteaciosamente Vaaatei
Depois da morte d'aqualle boenMieai,
ama estatistica, qae passa por fidedigna,
apresenta os segaintes algirimos, qae indi-
cam o numero de litros qae o defaato eo-
gorgitara, e o dos kilogrammas de tabaco
qae faaura dorante a sua longa carreira de
noventa e oito annoi.
QUESTO DO PRINCIPE DE MONACO.
Haver tres aanos, celebroa-se, sob os
mais lisoogeros auspxios, o casamento do
principe berdeiro de Monaco com a prince-
sa Mara, lba do duque d'Hamiiton de Ba-
de. Quatro mezes mais tarde, sem que
nenbuma desavenca grave e seria tivesse
acontecido, e apenas inspirada das malvo-
las 8uggestoss de pessoas interessadas om
turbar a paz domestica, desamparou a prin-
cesa o domicilio conjugal, e recolbeu-se
junto de sua mli.
O principe, extremamente afUcto por
este fado, nlo pode laucar a rasponsabili-
dade delle sobre sua mulber, porque bem
sabia ser ella innocente victima de intrigas
odiosas e interesseiras: e por isso empre-
goa todos os meos para ebegar desojada
reconciliacio, que am acootecimenlo feliz, o
oascimento de um filbo, devia ainda aoteci-
par. Todava, as mesmas foa8stas influen-
cias impediram a desojada reconciliacio,
apezir de elevados personagens apromove-
rem e facilitaron),.
O principe resolveu-se a passar dous lon-
gos anuos longe de saa mulber, e de sen
lho.
As cousas achavam-se nesse p, quando,
pelo decorrer do ultimo invern, a joven
princesa Mara, com a duqueza d'Hamiiton,
sua mli, chegoa Roma: pareca entlo
occasilo opportuua para nova tentativa de
reconciliacio, empregando-3e para esse fim
as mais aogustas intervenges, quando a
princeza o seu Gibo deixaram Roma para
transportar-se aples, onde perniciosos
conselbos reappareceram, e pozeram fim
s negociarles..
Foi nessa occasilo que o primipe heredi-
tario reso'.veu reivindicar legalmente a pos-
se de seu filbo.
O tribunal de Florenca, por ama sentan-
ca, ordenoo que, sem detenga, fosse satis-
feita a vontade do principe.
Neste ponto, as autoridades cvis de Fio-
renga, ullrapassando os seus poderes, e nlo
respailando a sentenca do tribunal, favore-
cern) a suspensa) da execugo della, sob
pretexto de promover conci.iacio entre as
partes, e obstaram entrega da crianca ao
principe ; direito que um tribunal acabava
de conferir-Ib a solemnemente.
A princeza entlo aproveitoa-36 da sus-
peoslo da sentenca, e fugio de Floreaba
com seo filbo, apezar do compromisso to-
mado pelas autoridades civts, que se torna-
ram garantes da presenga da crianca em
Florenga, at final decalo.
Tal a narraclo que o Precurseur faz de
semelbante escndalo.
O PRETENDENTE TICHBORNE. O
pretendente Rogero Tichborne, lecusado
pelo governo inglez de perjurio e falsidade,
e solt sob flanea, foi no dia 14 de maio
visitar as trras e propriedades da casa
Tichborne, onde leve urna recepco estroc-
dosa, segundo refere o Times. Acompa-
uhado por Mr. Guildford Onslaw, membro
do parlamento, parou em Grove Ropley,
3 milbas do solar da familia Tichborne, oode
foi recebido com vivas e acclamaces. D'alli
parliram para Alresford, onde sao situados
grande parte dos bens da casa Tichborne.
A' entrada da povoaclo esperavam os visi-
tantes com ama banda de msica, os ren-
deiros das propriedades da casa Tichborne,
e grande numero de habitantes, nlo sendo
menos de 2,000. Alguns entusiastas li-
raram es cavallos da carraagem, e foram-
na puchando ; e com a msica oa frente se
forrado interiormente cooo a encaminbaram at ao hotel do Cysne.
em que hoave grande numero de tadetw?
eothusiasticos discursos, com ruidosos aV
plaasoj
Os visitantes retiraram-se, saudados com
maitss acclamagOes de despedida.
No transito foram incessantes as acclama-
goas; as senhoras ebegavam s janellas,
agitando os lencos.
No hotel, Mr. Onslaw e o pretendente 6-
zeram longos discursos, mostrando qae esta
ultimo era o verdadeiro Tichborne.
Receberam ama deputaglo de Soutbamp-
too, prometiendo toda a protecelo ao pre-
tendente.
'. Onslaw declarou qae outras cidades
' (aterra iam enviar depatages para o
ato fim.
Servio-3e depors om jintar no hotel, em
que tornaram parte moitos convidados, e iffastar-se do lagar da catastrophe. As
) EXERCITO DO JAPO.-Uma tolha
da China aanuncia qae o imperio da Alle-
maob oa a seu cargo a organisagle do
exereito-japooez. Sele officiaes do exerciio
prussiano ebegaram ao Japlo com este in-
tuito. Oaixercito deve compor-je de 15,000
horneas. Os officiaes prussianos esto s
ordene de um certo Keppen, allemlo qae
re ide ha annos no Japlo, e tem all o pos-
to de major.
OPINIES ENCONTRADAS.-E-n Was-
biogton comparecaa perante o jury urna ra-
pariga de 17 annos, aecusada do enrae de
assassinato jsjmmeltido na pessoa de G.
Watson, ne|lante em cabellos falsos, que
pretender desencaminba-!a, na hade j
respeilarel de 54 annos. Na America, bem
como em Inglaterra, o jory nlo pode con-
demnar senlo por onanimidade. Neste
processo, depois de 14 horas de debate, os
jurados nlo estavam de acord; e um
dalles declaroQ que ainda quando os conser-
vassem encerrados por dous mezes, n > se
obleria a unanmidade. O jn mn lou-os
recolher da novo : aocabo de 19 horas de
deliberaclo, o presidente vem annunciar
que ainda bavia divergencia. Em t>es cir-
cunstancias reunic-se o tribunal suprem ,
cbamoa perante si os jurados exhaustos de
fadiga e de deteoglo durante 29 horas, e
man loa que se retirassem depais de os
admoeslar severamente.' A aecusada foi
posta em liberdade com fianga de 25,000
lollars.
BOM DSCORRER.Oart. 1781 do cod.
civil da Blgica diz: 03 patroes serlo
acreditados pela sua affirmativa com respei-
to importancia dos ordenados, ao paga-
mento do anno vencido, ou s quaotias da-
das por conta durante o anno corrente.
J om ministro da jostiga propoz a aboliglo
deste artigo, que estabelace um privilegio
em favor dos patres ; mas o projecto do
ministro foi regeilado na cmara.
Agora umjuiz de paz, em um proces3o
que tem da julgar, declarou este artigo do
cdigo abrogado com os seguintes funda-
mentos :
Visto qae o art. 6 da constitaigo diz:
f Nao ha no estado nenbuma destinego de
classas. Todos os belgas slo igoaes peran-
te a lei; .
c Visto qae o art. 138 da mesma consti-
tuido diz: Desde a data em qae a consti-
tuirlo for executoria, todas as leis, decretos
e reglamentos que lbe forem contrarios fi
cam abrogados;
Atiendenlo qaa impossivel vei
como simples regra do processo um artigo,
que recasa de modo absoluta aos criados e
operarios todos os recargos contra a m fe
e m vontade dos patroes;
Attendendo qae a incapacade pro-
nunciada pelo art. 1781 contra ama calego
ria de pessoas, em proveito de outra cate-
gtria, constitue urna dasigualdade de direc-
tos contraria ao art 6 da constituirlo ;
Por estas motivos declaramos o art.
1781 do cod. civil abrogado pelo art. 138
da constitaigo. >
INCENDIO DE CHICAGO.-N) refatorio
de inquerito sobre este desastroso incendio
diz-se qae as perdas foram superiores a
190 milbas de dollars, dos quaes 51 mi-
Iboes e 500,000 dollars em edificios, e o
restante em propriedades particulares. O
incendio destruio 25,000 edificios. As
perdas das companhias de seguros foram
da 90 milboes de dollars.
SAUDE PUBLICA.Observa urna folba
estrangeira, que Londres boje a capital
mais sadia do mundo e altribue este faci,
estranbo em orna agglomeraglo de mais de
tres milbas de habitantes, influencia dos
seos numerosos squares (espagos abertos e
plantados), e perfeiclo dos seas caaos de
despejo.
EXERCITO DA SUISSA.A Suissa man-
tera um exereito de 201,257 bamens. Em
tempo de guerra, comprebendida a reserva,
esta forga eleva-se a 401,673 horneas. A
sua populadlo de 2,5(8,240 almas. Tal
o encargo enorme qua o militarismo
germnico obriga orna peqaena aaglo paci-
fica e laboriosa.
FUNESTO ENCONTR. Urna molher
qua fora formosissima, e pelos seus encan-
tos brilhra em ama certa espbera, onda
as grandezas slo epnemeras e precarias,
descabio pouco pouco, e, na idade j de
50 anuos, achavs-se reduzida ao tristissimo
mister de trapeira.
Esta mulber conservava ainda vestigios
de sua antiga belleza, e a linguagem polida
e deceote de que usava, contrasiava nota-
velmente com a da sociedade ignobil, qae
ella era toreada a frequeatar.
Um dia urna cri.da convidoa-a a dirigir-
se casa de seus amos, onde lbe dariam
boa porglo de papis inutilisados.
A pobre trapeira nlo faltn. Emqaanto
ella enebia o sea sacco e a alcofa, acontecen
que o dono da casa, velho de 60 annos,
atravessando o quarto onde ella estava, re-
conheceu admirado, em to abatida condi-
gao, aquella mesma que elle em outro tem-
po conb'ecra em circamstancias florescen-
tes. Parcebendo a viva impresslo que este
encontr causara na desgranada, o bom ve-
lbo prometteu que no dia seguinte ira
casa della, afim de abi combinarem os meios
de remediar a sua miseria presente.
No dia seguinte foi cumprir a sua pro-
messa, dirigindo-se ama ra escasa do
20. bairro de Paris. Bateu. Ninguem
responde. Cbamoa um visiaho que frca a
porta. A pobre trapeira tinha-se envene-
nado.
Na mo gelada apertava fortemeote o
fragmento de ama carta, agora achada entre
os papis qae lbe deram, e qae ella bavia
escripto em entro tempo.
PODA SER PEIOR.Na noite de 25 de
abril, derribou am vendaval em Boston o
colliseo moastro qae se estava edificando
naqaeila cidade, para se dar em janbo am
concert internacional, e para o qual estio
coatratados 2,000 canteres de todos os pai-
zes civilisados e 1,000 msicos d'eotre os
melhores.
Por fortuna tiabam-se retirado j os 2,500
operarios empregados na construcelo do
edificio, e os guardas nocturnos sentiram
os estalidos com bastante antecipglo para
D. CARLOS FEITO SACRISTO.E* ca-
riosa e coistosa a seguinte noticia dada
pela Tribun-, de Brdeos, da entrada de
D. Carlos em Hespaoha :
c O prefeito francez, Sr. de Nadaillac,
leve um dia qae ir com parte das forcas
dupooiveis Saint-Jean-de-Luz para desar-
mar am bando da carlistas qae ibe tinham
dte que se encoatrava naquelle ponto.
Os ontros sitios da fronteira ficaram por
conseguinte mal guardados. Ao p de Saiot-
Joan- de Luz ha, mesmo na linba da fron-
teira, duas aldeias; urna franceza, Urague
a outra hespanhola, Elcbalar. As duas al-
deias, que administra o mesmo parocho,
slo fpparadas por urna simples_ponto.de
madeira da alguns metros de cotnprimento,
langada sobre a torrente qae, descendo do
valle Carlos, se precipita as gargantas de
Roocesvalles.
Por volta do maio dia foi visto o paro-
cho atravessar a ponte. la de sobrapeliz
branca e leva va a extrema-ungi para um
habitante de Elcbalar que etava morte.
Adi -nt'i delle ia am sacristlo com a cruz e
o asperges. Conforma uso em tas? casos,
os soldados do posto francez e do posto
bespanbol sabiram da casa da guarda para
prestar as honras-militares sagrada ungi.
O parocho entran em Elcbalar, e, finia a
ceremonia religiosa, voltou para Urugue,
mas sziobo. D. Carlos fkava em Hespa
nha,porque nlo era outro senlo elle o
sacnsto.
t A ancdota tem sua importancia, por-
qoe deixa salvo a responsabilidaia do
prefeito de Nadaillac, accasado de carlismo
pelo gabinete de Madrid.
EMPRESA PARA O SALVAMENTO DOS
ANTIGOS GALEOES DV AMERICA, AFUN-
DADO> EM VIGO.. O conselho de admi
nisiraglo desta empresa acaba de dirigir
aos seus accionistas ama circular da qoal
extrabimos o paragrapbo seguinte, que nos
parece resumir suficientemente a marcha
da empresa:
< Iloje a nossa expadiglo est a camiobo.
J os seos trabalhos e os seos eaforgos os
mais activos alcangararo deis navios que slo
o Santa Cruz e o Taritor, e as suas ma-
chinas produziram, palo esgotamento e pelo
impulso dado s pesquisas, os resultados
mis satisfatorios. Caabas, madeiras de
industria, etc., teem sido extrabidos rpida
mente, e ludo nos autorisa a erar que con-
seguiremos, em pouco lempo, retirar dos
navios lodo o que elles encerram. As ri-
quezas em prata, presume-se, segundo os
dados mais dignos de credilo, acharem-se
debaix9 do lastro, no ultimo porao. A ex-
pedidlo qae entsadeu dever sabmetter s
suas primeiras nvestigages os dois navios
de que acabamos de fallar, por causa da
sua posiclo e do estado do mar, reserva-sa,
logo que Ih'o parmittir o estado dos traba-
lhos, dirigir-se ao Almirante ( om dos na-
nios afundados), onde se encontraran) as
primeiras barras de prata. A expedigla,
dizemos, peoetrou j at coberta sob a
qual se soppa estirem estas riquezas.
Logo qae isto se verifique, o vosso conse-
ibo apressar-se-ha em levar ao vosst co-
ahecimento os resaltados obtidos. Iloje s
vos podemos communicar a nossa esperan-
za de um prompto saccesso.
perdas passam de cem mil pesos e recahem
sobre os empreiteiros da obra. Estes prin-
cipiaram a trabalhar de novo e fazem todos
os esforcos possiveis para terem tudo
prompto a tempo, para nlo perderem as
qnaotiaa depositadas como fiaofa.
O DIREITO DO MAIS FORTE
fran-
Com este ltalo publica um jema
cez o seguinte artigo :
< Os representantes da opinio liberal
em todos os paizes da Europa, ola seguem
de perto os acontecimenios que se succe-
dem em alm-mar. Por ignorancia ou in-
diflereuga fecbam-se os olbos acglo op-
pressiva que as monarchias europeas exer-
cem impunemente ba muilos seculos sobre
as pequeas repblicas do ultra mar. l> is-
presam-se, ou sao pela maior parta das
vezes imperfeitamente conbecidas as ques1
toes coloniaes, e como se estivessem envol-
vidas oe oabloso espago do oceaoo, qae
us separa d'esses paizes longhquos. E'
assim que durante am longo periodo as na-
ges que fazem soar no seu mais alto grao
a saa* pretendida civilisaglo tem podido
occaltar a vergooba dos vexames da toda
a especie, que fazem pesar sobre as popu-
lagoes coloniaes, verdadeiros rebaabos hu-
manos indignamente opprimidos peta me-
tropole. Qaantas infamias d'esta natureza
subsistem'ainda ; a justiga anda nlo fran-
queou por toda a parte os mares, e o que,
m torno de ni, e cbamava crime imper-
doavel e felona, perpetua-se muitas vezes
all, com a appareocia de ama exploraglo
regalar.
< NSo queremos entrar na discusslo das
iniquidades d'esta especie que ainda sub-
sisten), e queja era tempo de preoecupa-
rem por toda a parte os espiritas verdadei-
ramente liberaos. Estas reflexes slo-nos
nicamente inspiradas pelo conhecimento
que temos de algons ligsiros abusos de
forga qae acabara de se produzir em pre-
juizo de certos estados da America do sal.
< A grande repblica da Uaio nlo est
mais isenta de censaras, a este respaito, do
que as monarchias da Europa. Tambem
ella faz frequentemente uso culposo do
seu poder, e contra ella que devemos
elevar a nossa primeira queixa.
< Trata -se agora das difSculdades qae se
levantan) entre os Estados Unidos, e Vene-
zuela acerca das reparaces exorbitantes
qua a America reclama pelos prejuizos sof-
fridos pelos seos naciooaes residentes na
repblica, durante a guerra civil de que
acaba de sabir.
c E' um principio de direito internacional
iodiscutiveQ que os estrangeiros que fixam
a saa residencia em um paiz, para aprovei-
tarem as vantagens e os direilos dos seus
ci dad los, de vem sujetar-se por isso mesmo
s coosequencias da saa resoluglo, e nlo
podem desviar-se das oecessidades qae
d'aqui Ibes provm. E' evidente que o
paiz da saa escolha nlo pode ser responsa-
vel dos prejuizos que elles podem all sof-
frer, em eonseqaeacia de acontecimentos
de forca maior. Todos os bomens compe-
tentes nos estados doi tratados internacio
naes admittem que nenhuma indennisaglo
se deve pelos prejuizos cauzados dorante a
guerra, que dere ser considerada mo urna
calamidade to imprevista como Aa epide-
mia ou om flagello natural.
f A propria America, pelo orglo dos seas
proprios horneas de estado mais autorisa-
dos, tem professado esta doctrina, como
prova um facto referido pelo jornal O Ame-
ricano, o recente orglo das repblicas do
sol, que defende com tanta autoridade e
talento os interseos d'esse grapo importan*
te dos Astados.
Em 1851, em am motim profocado em
Nova-Orleans pelos acontecimentos de Ca-
ba, por {occasilo da expeiigio de Lopes,
praticaram-se graves ofrensas contra as pro-
priedades do consol de Hespaoha e de mui*
tos dos seos naciooies. O governo hespa
nhal pedia reparaglo, tanto pela injuria fei-
ta ao seo^representante, como pelos prejui-
zos causados aos subditos bespaohoes.
O-mioislro americano,- Mr. Webster,
regponieudo ao embaixador de Hespanba,
dizia eolio:t Os prejuizos soffridos pelo
cnsul hespanhol, funecionario poblico, col-
locado sob a protecelo dos Estados Uaidos,
slo effectivamenie diflerentes dos que po-
dem sofirer os subditos haspanhoes, qae
vieram para o nosso paiz para se confund-
rem com os nossas proprios concidadios,
;om o intuito de fazerem em paz os seus
negocios particulares. O primairo pode
reclamar orna indamnisagla especial, maa
os segundos olo teem direito senlo pro-
tecgl i devida a todos os nossos concida-
dios.
Nestas circumstancias, a America repel-
lia, com razio, o principio de urna indemni-
saglo. e da intervengio dplomttica em fa-
vor dos estraogeiros, em cooseqoeocia dos
prejuizos soffridos por occasilo da guerra
civil.
< Mas a maneira de ver as coasas mo-
da, ao que parece, com o ioterasse do mo-
mento, e os precedeotes adquiridos desta
materia nlo impediram o governo dos Es-
tados-Unidos de querer exigir de Venezae-
U o qae elle mesmo liaba recasado conce-
der n'urn caso idntico.
c As reclamares da America do norte
foram iniciadas nos aunes de 1863 e 1864,
com a somma da200:000piastras, o mxi-
mo ; nesta parcella, as inderanisaces ieaes
podem jusuficar-se nlo excedendo 80, ou
!OC:0Ou piastras. O governo de Venezue-
la, protestando contra o principio da in-
demoisaglo, conseniu em ceder presslo
dos Esiados-Ueidos; e para descrever as
indemnisagoes verdaderamente exigiveis,
(ormoa-se orna commissao mixta.
t Ora, essa commissio mixta deu em re-
sultado 03 maiores escndalos que jamis
se registraran) nos annaes das negociagoes
desie genero. Pelos mais affrontosos ma-
nejos fraudulentos, e aproveitando a des-
animarlo em que a guerra civil tinba dei-
xado a pequea repblica, excedeu-se o m-
ximo primeiramente fixado pela parte recla-
mante, e elevou-se a indemnisaglo enor-
me somma de um miIhao e quinbentas mil
piastras I
f O honrado presidente da repblica de
Venezuela diriga logo ao governo d03
Estados Unidos am protesto motivado, no
qoal d anuncia va com indignadlo, essa col-
ligagio cjntra o direito e a ver da de, e coa-
tra o intersie e honra dos dous paizes. >
Reclamava neste protesto, nio a dispensa
de ama obrigagio consentida, mas apenas a
revislo de umjulgamento iniquo pelos qae
tinham sido escolhidos de commum accordo.
f Deve notar-se que Venezuela tinba en-
tregue, a titulo de deposito e de garanta,
oa mo do governo dos Estados-Unidos,
urna somma qae exceda muito a divida real
de Venezuela. i
Nio s o protesto da peqaena repblica
nio foi ouvido, mas na mensagem dirigida
pelo presidente Grant, em data de 4 de de-
zembro ultimo, o. chefe da grande rep-
blica foi fazer ao congresso a seguate de-
clararlo :
c Recommendoao congresso que exerga
c urna acglo coerciva contra Venezuela, para
c o pagamento das reclamages do anno de
t 1366.
-
c Depois daquella denuncia contida n'um
acto solemne, o presidente de Venezuela
protestou novameate; e n'uma linguagem
ebeia de moderagio e de dignidade, dli-
genciou esclarecer a consciencia do governo
J s Estados-Unidos. Ainda nio obieve ne-
nbama solugio, e Venezuela, no momento
em qua estamos, est sob a ameaga de ser
compellida pela forga a execotar o jura-
mento da commissio. Em todo o caso ;<
somma depositada, a titulo de garanda, exis-
te nos cofres do governo americaao.
c O que a America do norte faz com Ve-
nezuela, fel o a Italia com o Uruguay. As
ultimas noticias recebidas do Rio da Prata
fazem saber que o ministro da Italia em
Montevideo pediu os seus passaportes, por
isso que o governo da repblica acbou exa-
gerada a somma exigida como indemnisaclo
do prejuizo causado aos italianos, durante
a longa e sanguinoleta guerra sustentada
pelo Urugay contra o tyranno Manoel Rosas.
O governo do rei Vctor Manoel reconhecea,
em doos gratados successivos, assigoados
em Venezuela em 1858 e em 1862, o prin-
cipio da nio respoasabilidade para com
03 subditos estraogeiros ; principio que na-
ga hoja ao Urugu?y, como a grande rep-
blica americana negou em Venezuela, de-
pois de o ter sustentado coatra a Hespa-
oha.
E assim que as naguas poderosas,
cegas pela sua forca, se voltam contra as qae
slo mais fracas, que em occasilo opportu-
ua sabem reivindicar em sea beneficio; com-
mettem, pois, assim um abuso de poder que
nada poderia justificar, e qae to coatra.
rio sua propria legislagao, como pratica
internacional, e as 'conveniencias polti-
cas.
Qaizemos fazer conhecidos estes doos
exemplos de tyrannia. porque, falta de
um tribunal internacional que reprimase
estes excessos pelo menos, til emittir
contra elles urna opiuilo. Estes tactos nlo
slo solados, e nlo slo mais do que os in-
cidentes de um vasto systema de oppresslo
praticado pelas grandes naguas contra os
pequeos povos, to enrgicos, lio intelli-
gentes, to honestos e to dignos, que,
forga de lucias e de perseveranga, fanda-
ram a prosperidade nascente das repbli-
cas do sol da America. Ponco a pouco,
porm, taem essas repblicas sabido apre-
sentar-se Europa e fazer ellas mesmas a
laz para esclarecer a saa causa.
c Os espiritos rectos nlo podem deixar
de acolher com ioteress as saas qaeixas
aasim motivadas, e o desejo que tem de
oceupar, afinal. na civiusaclo, o lugar qae
lhes est reservado. E' em todo o caso
um dever para a imprensa republicana fran-
ceza apoiar as seas reiviodicacoes e apoiar
as oagoes, que o Americano, i Paris, se
encarregou de revelar discaeslo da Eu-
ropa. >
*
,;
TYtV i)Q DIARIO -RA DO DUQE.DK CAXLo


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EVR6HC3NA_1IVSTS INGEST_TIME 2013-09-19T23:00:27Z PACKAGE AA00011611_13110
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES