Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:13108


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AUNO XLVIH. HUMERO I3l
(. Jifero
i,
i

t
fAlA A CAPITA1 E lSAin OIDI IAO SI PA6A frOlTI.
*?sr im mezes apealaos*.............*. 4000
.Por esia dilot idosa.................... 9#9W
feroa ara tara..................... aHtWOO
Dada mawo avulao ............ 1 .,,, KK>
?. i
nfftirT*'? *i> ittjtfff
DOMINGO 9 DE JSJO OE 1812,
Por trot
fiu mnc i roza 2* "-
AMltlwl -i i ..., ,
Por Mis dito* ifsm. / ........
Por uovo ditos idea .... ^ ......
Por am toa idtm .....,*...
* i
.
.
......
. .....
.
Propriedade de Manoel Figueira de Faria & Filhos.
A Al
I:
O Srs. Gerardo Antonio Al ve & Pilhoa, no Pari ; Goa?aJva d Pinto, no Maranhao ; Joaqoim Jos de Oliveira & Filho, no Cear ; Antonio de Leanoi Braga, no Aracatj ; Jlo Mara Julio Chavea, no Atad* {'Antonio Marques da Suva, no Natal; Jos
Pereira d'Almeida, em Blamangoapt; Augusto Gomes da Silva, na Parahyba; Antonio Jos Gomei, na Villa da Penha; Belarmino dos Santos Baldo, em Santo Anuo; Domingoi Jos da Costa Braga,
*m Naiareth ; Aotonio Ferreira de Agoiar, em Goyanna; Francino Tavarea da Costa, es|j0agoai; Aivea 4 C, na Babia ; e Leite, Cerqtrinho C. no Rio de Janeiro.
AVISO
Rogamos aos nossos assig-
naates. que se acham em a-
traso nos pagamentos res-
pectivos, que mandem saldar
seus dbitos, afim de evta-
rem que lhes seja suspensa
a remessa do Diario.
PAUTE OFTICIAL.
Ministerio do Imperio.
Presidencia da conselho de ministros. Rio de
Janeiro, 28 de maio de 1872.Illm. e Exm. Sr.
Pelos debates da cmara temporaria conhecer V.
Exe. a natureza da crise suscitada contra o gabi-
nete.
Exiga-se a retirada dos actuaos ministros, sem
allegar nem um motivo-que podosse alienSlMhes a
conlianca da cora, o favor da opinio publica e o
apoio que lhes prestava grande parte da mesma
cmara c a maioria do senado, contando-so neste
numero os horuens mais eminentes do partido con-
servador.
Nem as reformas que o gabinete se propunha
realisar, nem os seus actos relativos a importantes
questes de poltica externa e interna, desafiaram
a censura dos oposicionistas.
Nao podendo a dissidencia invocar urna s ra-
zio de estado que a legitimase, a cmara ficou
dividida em dous campos, cujas forcas quasi se
cquilibravam.
Pondo de parte os inconvenientes do precedente
que assim se deixaria estabelecido, era manifest
que outra qualquer combinaran ministerial encon-
trara as iuesmas difliculdades, atiento aquello la-
mentavel estado de divisao, e quando reviviam-os
resentitnentos da luta passada, sob a forma de
urna questo de pundonor.
Neslas circunstancias julgou-se o gabinete col-
locado no Imperioso de ver de projwr a cora o re-
curso que a constituicao do imperio offerece para
taes emergencias.
Depois de ouvir o conselho de estado pleno, S.
M. o Imperador resolveu annuir proposta do mi-
nisterio, dissol vendo, por decre'o de 22 do corren-
te, a cmara dos deputados, e convocando outra
para o 1 de dezembro prximo futuro.
Tendo, portante, de proceder-se eleieo de
unu nova cmara, em consecuencia dos factos que
succintamente acabo de referir, hoje mais que nun
ca cumpre ao governo aos seus delegados as pro
vincias empregar a inaior solcitude para que seja
perfeitamente livre a expressao do voto popular.
este indeclinavel empenho os. agentes do poder
executivo deverao cingir-se escrupulosamente sua
missao de velar pela ordem publica, seguranea in-
dividual e liberdade dos cidados activos.
0 governo confia plenamente no zelo, prudencia
e lealdade com que V. Exc. seguir e far seguir
osta norma de procedimento.
Deus guarde a V. Exe Vizconde do fio Bran-
eo.A S. Exc. o Sr. presidente da provincia de.,.
Por decretos de 27 do correntc mez foram exc-
uerados, a pedido, dos cargos de presidentes :
Da provincia do Pan, o bacharel Abel Graca.
Da da Parahyba, o senador Frederico do Almci-
da e Albuqucrque.
Da da Babia, o desembargador Joo Antonio de
Aruujo Freitas Henrques.
Da de Minas-Geraes, o bacharel Joaquim Pires
Machado Portella.
Por cartas imperaes da mesma data foram no-
meados presidentes :
Da provincia do Para, o bario da Villa da Barra.
Da do Maranhao, o comraendador Jos Bento da
Cunta o Figueredo Jnior.
Da Parahyba, o bacharel Heraclito de Alencas-
Iro Pereira Graga.
Da da Babia, o bacharel Joaquim Pires Macha-
do Portella.
Da de Minas Geraes, o senador Joaquim Floria-
no de Godoy.
Em 28 de maio :
Communieou-sc ao presidente de Pernambuco
que foi approvada a deliberado que tomou de
mandar elTectuar diversas despezas com o servico
do recenseamento da populacao da mesma provin-
cia, tendo sido j requisitada do ministerio da fa-
zenda a expedgo de ordem para pagamento des-
sas despezas.
Determinou-sc ao presidente da provincia de
Pernambuco que eipa^a ordem thesouraria de
fazenda para ser pago ao Dr. An'onio Coelho Ro-
drigues, lente substituto da Faculdade de Direito
do Recfo, o vencimento integral do seu emprego
desde o 1' at 10 de abril ultimo, e o ordenado
smente do da 11 do mesmo mez, era que deixou
o exercicio para vr tomar assehto na respectiva
cmara, como deputado pela provincia do Pauhy,
at 2 lo correntc inez, por ter tomado assento no
da 3 ; e bem assim do dia 23 desle ao em que
r'iassurair o exercicio do dito emprego.
Ministerio da fazenda.
Por decretos e ttulos de 29 do maio ultimo, ti-
> eram lugar os seguintes despachos :
Alfandega de Pernamliuco. Foi denvttido o 1
escripturario Firmno Jos de Oliveira.
F.ram nomeados :
O V escripturario Jos Affonso dos Santos Bas-
tos, para ignal emprego na do Maranhao.
O 3* escripturario Joo Duarte Caraeiro Monle-
ro, para* mesmo emprego na do Para.
O 3o escripturario Joao Antonio da Silva Perei-
ra, para o mesmo emprego na de Santos.
Foram promovidos :
A escriturario, o 2, Caetano Gome de Sa.
A segundos- ditos, os terceiros, Joo Bernardo
Dinz Pessoa e Manoel Gomes do S.
A terceiros escripturarios, o amanuense da re-
cebedoria da mesma provincia bacharel Jos Men-
dos Pereira de Vasconcellos, e offlcial de descarga,
Sabino Joaquim da Silva Corado.
A segundos conferentes, o 2' escripturario Joao
Manoel Ribeiro do Coutp, o 3- dito, Eutychio Mon-
dlm Pestaa e o 3* dito Basilio Baptista Furtado.
Por ordem da mesma data mandou-se entrar
para, o auadro o 2* escripturario addidt Henri^e
Gomes de Oliveira.
Alfandega de Sanios.Foi nomeado V escrip-
turario o 3 dito Lourencp Jos Martns Ramos.
Alfandega do Maranho. -Foram nomeados :
1 confer^nte, o stereometra addido da alfandega
do Rio Grande do Sil Joo Carlos de Paiva.
2* conferente, o 3o escripturario Joo Raymun-
do de Souza.
l'escriptuaarbFD 2- dito Raymtwdo Nonato
forrea de Faria.
Segundos escripturwa, os terceiros Jos Fran-
cisco Gomes Pereira, Jos Joaquim de Miranda, e
o amanuense da secretaria-da thesouraria Rogero
Augusto Pereira.
TVeiros escripturario?, o 2 da alfandega da
Parahyba Felippe Paes Sardnha e o 3' dito da do
Cear Manoel Jos Candido.
Alfandega da Bahir.Voi nomeado 2o escrptu-
rarto o 1* dito da de Aracaj, Boaventura Jos da
Slva.
Alfandega de Araraj.Foi nomeado Io escrip-
turario o 2- dito Joao Emygdio da Silva Castro.
AlfanilMa do Para.Foi nomeado 1* conferente,
o 1* dito da do Rio-Grande do Sul, Jos Alexandre
Pereira Godeeo,
Alfandega do Rio-Grande do Su/.Foi nomeado
2 escripturario, o 2* conferente da do Maranhao
TlioBlaz Velloso Tavarcs.
Por titulo de 2o do correntc foi nomeado 3* es-
criturario da alfandega do Cear, Fmaciseo Sera-
llm de Miranda Moura, para igual emprego na da
Parahvba.
Ministerio da jnstiea.
Por decretos de 29 do correte foram no-
meados : o desembargador Maooel Elisiario de
Castro Menezes, presidente do tribunal do commer-
co desia corte.
Ojleserabargador Joao Evangelista de Negreiros
Sayo Lobato, fiscal do mesmo tribunal.
O bacharel Fraocisc i Jos do Souza, )uiz muni-
cipal e de orpbios dos termos reunidos do Pomba
a Catle do Rocha, na provincia da Parabyba.
Fez-se merc da serventa vitalicia dos respecti-
vos offlcios, para que foram nomeados provisoria
mente pelos presidentes :
Ao lente honorario do exeroito Manoel Eufra-
sio de Toledo do de 1* tabellio do publico, judi-
cial e notas do termo de Cacapava, oa provincia de
S. Paulo.
A Antonio Augusto Pessea, do de escrivo do
jury o execucoes crimiuaes do termo da Granja,
oa provincia do Cear..
A Antonio Thom Rodrigues, do de offlcial do
registro geral das hypothscas da capital da pro-
vincia do Maranhao.
Foi nomeado Claadiao Das de Campos, sob pro-
posta do presidente da provincia das Alagas, para
exerjer os offkios de 1 tabellio e escrivo de or-
phlos, capellaa e residuos do termo de Paulo Af-
fonso, na mesrac provincia, durante a vida do res-
pectivo serveniuario vitilicio, Maooel Joaquim Sa-
tyro, ao qual fica obrigado a pagar a terca parle
dos rendimentos dos ditos ofkios, conforme a Io-
ta gao.
Foi conmutada em um anno de pnso com Ira-
balbo, que ser enmprida na casa da correeco da
corte, a pena de quatro anoos e seis metes de ga-
las e malta, imposta ao reo Jos Lai pelo jary do
termo da H .rra Mansa, na provincia do Rio de Ja-
neiro.
DECRETO N. 4970 DE 29 DE MAIO DE 1872.
Altera a classificacao de algnmas das. comarcas da
provincia do Espirito Santo.
Ilsi por bem, para execucao do art. 29, 4." da
le n. 2' 33 de 20 de selembro do anno passado,
decretar o seguiote :
Artigo nico. Fieam elevadas terceira entr-
ela a comarca da Vietona e segenda a da Itape-
mirim, da provincia do Espirito Santo.
Subsiste a classiQcacao das outras comarcas da
mesma provincia, a saber : a de Res Magos e de
S. Matheus de primeira entrancia.
O Dr. Manoel Antonio Dnarte de Azevedo, do
meu conselho, ministro e secretario de estado dos
uegocios da justica, assim o tenha entendido e faga
execotar.
Palacio do Rio de Janeiro, em 29 de maio de
1872, 51* da independencia e do imperio.Com a
rubrica de sua mageslade o imperador.Manoel
Antonio Duarte de Azevedo.
DECRETO N. 4971 DE 29 DE MAIO DE 1872.
Altera a classilhaco de algnmas das comarcas da
provincia do Rio Grande do Norte.
Ilei por bem, para execuco do art, 29, 4. da
le n. 2033 de SO de selembro do anuo passado,
decretar o seguinta:
Artigo nnico. Ficam e!evidas a terceira entran-
cia a comarca do Natal e segnnda a de S. Jos
da provincia do Rio Grande do Norte.
Sabiiste a clossificacao das outras comarcas da
mesma provincia a saber : as de Ass, Macan e
Mossor de segunda entrancia, e as de Canguare-
tama, Maioridade e Serid de primeira.
O Dr. Manoel Antonio Duarte de Azevedo, do
mea coaselbo, ministro e secretario de estadq dos
negocios da juslica, assim o tenba entendido e faca
execular.
Palacio do Rio de Janeiro, em 29 de maio de
1872, 51 da independencia e do imperio.Com a
rubrica de sua mageslade o imperador. Manoel
Antonio Duarte de Azevedo.
DECRETO ft. 4972 DE 29 DE MAIO DE 1872.
Altera a classiQcacao de algnmas das comarcas da
Erovincia de Santa enharina.
am, para execuco do art. 29, 4." da
lei n. 2033 de 20 de selembro do anno passado,
decretar o seguiote:
Artigo nico. Ficam elevadas segunda entran-
cia as comarcas de Santo Antonio dos Aojos e de
S. Jas, da provincia de Santa Catbarina.
Subsiste a classiScaco das outras comarcas da
mesma provincia a saber: a do Desterro da ter-
ceira entrancia e as de Itajaby, Lages e de Nossa
Senbora da Graca de primeira.
O Dr. Manoel Antonio Duarte de Azevedo,! do
meu conselho, ministro e secretario de estadodos
negocios da justica, assim o tenba entendido e faga
execotar.
Palacio do Rio de Janeiro, em 29 do maio de
1872, 61 da independencia .e do imperio.Cono a
rubrica de sua mageslade o imperador. Manoel
Antonio Duarte de Azevedo.
DECRETO X. 4973 DE 29 DE MAIO DE 1872.
Altera a classiQcacao da comarca da capital da
provincia de Goyaz.
Hei por bem, para execuco do art. 29, 4. da
lei n. 2033 de 20 de selembro de anno passado,
decretar o seguiote :
Artigo nico. Fica elevada segnnd entrancia
a comarca da capital da provincia de Goyaz.
Subsiste a classiQcacao das outras comarcas da
mesma proviocia a saber : Boa-Viata do Tocan-
tms, Cavalcanti, Palma, Paraoabyba, Porto Impe-
rial, Rio das Almas, Rio Caramba, Rio Maranbo,
Rio Paran e Rio Verde de primeira entrancia.
O Dr. Manoel Antonio Duarte de Azevedo, do
mea conselb, ministro e secretario de ostado dos
negocios da justiga, assim o tenaa entenSido e faca
execotar. '
Palacio do Rio de Janeiro, em 29 de maio de
1872, 51* da independencia e do imperio.Com a
rubrica de sua magestade o imperador. tanoel
Antonio Duarte de Azevedo. .
Rio de Janeiro, em 27 de maio de 1872.
Illm. e Exm. Sr.Foi presente a S. M, o Impera-
dor o offlcio dessa presidencia, do 19 de abril ul-
timo, aeompanhando copia da sollado que dera
consalla do juiz municipal erde orpnos do termo
de Itabaina sobre a que-to le competencia, sus-
citada entre elle e o juiz de direito da comarca,
qaanto ao processo e j algamento das pariilhas. E
o mesmo augusto aaoh or manda declarar a V.
Exc. que, as comarcas geraes, o proeesso e jal -
gamento da partilhi, cajo monte nao exceder de
5001, eompetem ao jalz municipal oa de orphos,
conforme a n tareza da causa, com appellaco
para o juiz de direito; sendo, porem, de malor
quantia, pertence o proeesso ao jaiz municipal on
de orphos e o jalgamen'.o em 1' instancia ao jaiz
de direito, vista das disposicSsi dos arts. 23, }
1 e 2 e 24 1* da lei n. 2033 de 20 de setembro
de 1871 e aris. 6i | f e 2>, 66 1 e 2% 71 e
83 do respectivo regulameoto.
Deas guarde a V. ExcJfanoef 4nfon/o Duar-
te de Azevedo.St. presidente da provincia de Ser-
gipe.
Ministerio da guerra.
Por portarlas de 24 do correte foi concedido ao
bacharel Jos Marcelino de Araojo Ledo Vega a
exoneradlo que pedio do lagar de auditor de
guerra, juato i divisao brasileira no Paraguay ;
sendo nomeado para, o referido lugar o bacharel
Melchiades Augusto de Azevedo PeJra.
Por decretos de 29 do correte foraaa transfe
ridos:
Para o 5 batalho de iofantaria o major do 14
da mesma arma Roberto Ferreira da Costa Sam-
paio, e para este batalho o major daqaelle Jos
Antonio Alvos.
Para a 3< companbia do 3a regiment de caval-
laria ligeira o capito do 5 da mesma arma Pedro
Jos Cardoso, e para a 5' da companbia deste re-
giment o capito daquelle Jos Mendos Jacqoes.
Para o corpo de estado-maior de 2" classe, na
conformidad** das disposicdes do art. 2 do decreto
o. 3322 de 1 de outnbro de 1863, o 2 lente do
2 batalho de arlilharia a p Banh olomeu Jos
Pereifa.
Por decreto da mesma data cooeedeu-sa ao 1
tenenter eformado do exercito, Marcos de Azevedo
Sinza, a demisso que pedio do serfico do msalo
exercito.
Ministerio dos negocios da guerra. Rio de Ja-
neiro, 29 de maio de 1872.
Jlim. e Etm. Sr.Expeca V. Exc. as conveni-
entes ordena para que desde j Sqae suspenso oes-
sa provincia o reerutameoto para o exercito.
Deus guarde a V. Exc Joao Jos de Oliveira
Junqueira.l\\m. e Exm. Sr. presidente da pro-
vincia de...
Cioverno da provnola.
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DI\ 7 DE JL'.MIO.
lente -coronel Alexandre Augusto de Fras
Villar.Forneca-se.
Aooa Izidora do Espirito Santo.Fica a expe-
didas as convenientes ordens no sentido em que
requer a sapplicante.
Benedicto Marqoes Vianna. Informe o Sr. di-
rector geral da instrueco publica.
Balbina Mara da Silva.Informe o Sr. Dr. che-
fe de polica.
Bernardo Teixeira de Moura.Entregue-se os
documentos mediante recibo.
Bellarmina Mara da Conceico. Por ora nao
pode ser attendida por nao haver vaga na compa-
nbia de apreniizes menores do arsenal de ma-
rraba.
Baldoino Amando Farias.Prejudicado.
Alfares Cvpriano Buarqae de Macedo.Preju-
dicado.
Candido Goncalves de Oliveira. -Seja nomeado
o sapplicante.
Calharraa de Serpa Brando.Dse.
Tenente ChristovoFraacisco te Paula Caval-
cami.Prejudicado.
Francisco Silverio de Farias Jonior.A cadeira,
a que se refere o sapplicante j foi provida.
Fraocisco Tavares Corre i.Informe o Sr. ins-
pector da ihesouraria de fazenda, ouvindo o da
alfandega.
Coronel Joo Vieira da Mello e Silva.Deferido
com offlcio desla data ao engenheiro chele da re-
particao das obras publicas.
Jos Francisco de S Leito.Pasje.
O mesmo.Sim.
Laiz Aotonio Cordeiro.Prejudicado.
Manoel Al ves Maciel.Prejudicado.
Miria Joaquina de Jess Barreiros.Ioforme o
Sr. provedor da Santa Casa He Miseriordia.
Teoente Manoel Carneiro Machado Freir.For-
neca-se.
Miguel Archaojo da Silva BragaNao tem la-
gar o que requer o sapplicante.
Maria do Rosario Pioheiro.Indeferid.
Manoel Flix do Nascimento.Nao tem lugar o
que requer o sapplicante.
Major Maooel Carneiro Cavalcanti de Albuquer-
quo Lacerda.Seja nomeado o snpplicante.
Capito Paulo Cavalcante de Aeaquerque.
Ficam expedidas as convenientes ordens no senti-
do em que requer o suoplicaote.
Severno Alexandre Viilarm.Certique.
Secretaria da presidencia de Pernambuco, 8 de
juoho de 1872.
O porteiro,
Silvino A. Rodrigues.
-------- %
2.* Secco. Secretaria da presidencia
de Pernambaco 6 de junlio de 1872.
EDITAES.
Par esta secretaria .se faz publico, de
conformidade com o diaposto no art. 1. do
decreto 4,668, de 5 de Janeiro de 1871,
qae por portara dee-u data foi nomeado
para provisoriamente exercer a serventa do
blficio de 1." tabellio e escrivo de orphos
e mais annexos do termo de Hamb, o t-
dadao Candido Goncalves d'Oliveira.O se-
cretario, Elias F. de Almeida e Alboqaerqae.
2. Scelo.Secretaria da presidencia de
Parnambuco 6 de janho de 1872.
Por esta secretaria se faz publico de confor-
midade com o disposto no art. 1. do de-
creto 4,668, de 5 de Janeiro de 1871, qae
por portara de^u data foi nomeado para
provisoriamente exercer a serventa do offi
ci de 1. tabelliSo e escrivo do civel e
mai3 annexos do termo do Bom Gonselbo,
o major Manoel Carneiro Civalcante de Al-
boqaerqae Lacerda. O secretario Elias F.
de Almeida e Alboqaerqae.
DIARIO DE PEBNftMBUCfi
RECIFE, 9 DE JIW'HO DE 1872.
Aduilnlstracao da provincia.
A bordo do paquete nacional Paran cliegou
hontem a esta provincia o Exm. Sr. desembarga-
dor Francisco de Faria Leras, nomeado presiden-
te de Pernambuco por carta imperial de 8 de
maio do correte anno.
S. Exc. deve prestar juramento, perante a
lllma. cmara municipal do Recife, amanha urna
hora da tarde, depois do que ser empossado na
admraistracao da provincia.
Os honrosissimos precedente! de S. Exc sao
mui suficientes garantas de sua administraco,
que sem duvida ser pautada pelas normas da jus-
tica eda prudencia, que sao duas valiosas forcas,
especialmente na difflcil quadra que S. Exc. tem
de atravessar.
Xotlelas do sul do Imperto.
Aamanbecen honlem em nosso porto o vapor
brazileiro Parama, traseofo datas : do Chile 1,
do Piragua*/11, (b Ro la Prau 23, dj Rio Gran-
#
dele Sul 17, de Sania Catbarina e do Paran
23, dt S Paulo a 28 de maio, do Rio de Janeiro a
i, da Babia a 5, e das Alagoas 7 do eorrente. Eis
o qoa colhemos dos joroaes e cartas.
CHILE.
A noticias desla repblica pouco adiantam das
altHsas qae demos.
OcfMiisoa-se ama eompaahia intitulada Colon
de CMasoles. para exploracio das minas ulUma-
merrtlNseacobertas.
A varila eslava fazendo victimas nos Aodes e
em Valparaso mallos casos fataes se tinham dado.
O hospital das malberes eslava sendo devastado
pela epidemia.
PARAGUAT.
O estado sanitario bom.
lima eommisio do commerc o levon urna qaei
xa ao governo contra os fornecedores das (oreas
adradas, pela contrabando que dizem terem elles
iniroduzido com grave detrimento do mercado.
D Ignacio Segovia foi exonerado do carga de
fiscal geral do Estado, e substituido por D. Miguel
Alfaro.
O congresso approvoa o contracto celebrado
pele governo com Diogo Horrocns & C., para o
esiabeleeimento de uottram way, em Assumpcio.
Uancedeo-se privilegio exclusivo por cinco
anoos ao Sr. Juquer para fabricar g,lo.
HIO DA TRATA.
No congresso argentino > cmara dos deputados
apoforoo o censo geral da repblica, segundo o
qnal o total da populacao i* 1,879,507 almas,
assim distribuidas celas differentes provincias:
Boenos-Ayres 495,117, Santa F 89, 117, Entre-
Mal 134,271, Corrientes 19.03. Cordova 210,508,
S. Loiz 53,294, Santiago, 132 898, Mendoza 65,413,
S. Joan 60,319. Rioja 48,746. Caiamarca 79.962,
Toeumao, 108,933. Salto 88,933, Jujuy 40,379,
Chaco 45.291, M>ss5ss 3,000, Pampa 21,000, Pata-
gonia 24,000, exercito do Paraguay 6.276, Argen-
tinos em panes estrangeiros 41,090.
Tomando por base este canso distribuirara-se
assim os deputados qae cada provincia tea de
enviar ao congresso : Baeuos-Ayres, 25; Santa
F, i ; Entre-Ros, 7 ; Cornentts, 6 ; Crdova,
11 ; San Luis, 3; Santiago, 7 ; Mendoza, 3 ; San
Juan, 3 ; Hoja, 2; Catamarca, 4; Tucuman, 5 ;
Salto, 4 ; Jujuy, don'.
O senado approou am projecto autorizando o
poder execuiivo a despender at a somma di
2,600,000, pesos com a compra de tres navios en-
coaracados e de armas portatsis de precisad.
Sustentando este projecto, o general Mure disse
em nome da commisso que o formulara; qae esta
se nao na va guiado absolutamente por proposito
algara qae poaesse significar ameaga oa provo-
cacao a qualquer naco do mundo, porgue seria
isso conspirar contra a paz qaa todos anhela va.
Tal pensamenlo jmau perpassara pela mete do
orador, pois assai amava a paz e coohecla bem os
frnetos que ella d, para nio pensar nem por um
momelo em comprometa-la ; nlo se falrasse, pota-
je guerras cora os viziohos, porque lal possibili-
dade oo entrara nos clcalos da commisso.
Ottraa eram as iavaadM qae a Repblica Ar-
gentina projectava e estar empenbada em (azer
na.JJolivia, no Chile, no Paraguay e no Brazil.
Xo lardarla a estrada 4* farro central a chegar
em Jujuy, e ento irinspondo as fionteiras qae as
dividem, a Repblica Argentina invadira a Soli-
via com os trilitos ea locomotiva, isto com as
armas do progresso e da civilnaco. Em breve
tambera o telegrapho transandino, e mais tarde a
a via frrea, galgando os Andes, iriam invadir o
Chile por sebre a cordilbeira, como antes lisera
San Manin. aoindd-o Republiea Argentina por
novos vnculos da ferro 9 fraterndade. E final-
mente, em breve tamben a estrada de ferro que
vai conslrair-se em Corrientes esteoderia os seus
bracos at ao coraco do Paraguay, ievaado
quelle povo novo elemento do vida, novo germen
de prospendade e riqueza.
Eram esta as invases que a repblica eslava
empenbad em faz ir nos Estados viziohos, estas
as guerras qae ambhiooava realizar.
Referiodo-se em seguida ao Brazil, disse o ge
neral Mitre que o povo argentino e o brazileiro
estavam empeohalos n'ura duello, mas nao de
morte, e sim de vida. Um e ontro porfiavam por
mostrar ao mundo qnal progredia mais, qual dlf-
fuudia mais a instrueco entre as mi.i%;, qnal
delles serva raelhor a cansa do progresso huma-
no, n'uma palavra, qual sabia aproveitar-se com
maiores vantagens das beneficios da liberdade, da
paz e dos pacficos Instrumentos do trabatho. Qae
precisamente para triumphar neste duello e para
colher a pilma da lata, era qae se apreseolava
o projecto em discasso, porque ao que elle ten-
da era a manler a ordem no ioterior, e lazer
guardar e respeitar as leis da naci dentro e tora
da repblica, para qae nanea mais se alterasse a
paz.
Accrescenton que os Estados Unidos, o paizqoe
servia de modelo aos oatros, volavam aaoual-
mente gran les sommas de dinbeiro para compra
de armas e aperfeicoamento das suas fortalezas,
oo porque estivessem em guerra com quem
quer que fosse, mas porque assim o exigia a ne-
cessidade de velar com previso pela sua sosten-
laclo da ordem e respeito devido sua soberana.
Tioha sido nomeado ministro do interior o Dr.
M. Ladislao Fras, qae pouco antes tora governa-
dor de Tucuman.
A legislatura de Eatre-Rios aatorisou am em-
presumo externo de am milbio esterliao, para a
ere gao de um banco provincial de emisso e de-'
psito.
Do Estado Oriental nao temos noticia de ata-
rease.
Nos ltimos das nenhum caso novo d febre
amarella se dera em Montevideo. Cliegou alli a
21a nossa corveta Fifo de Oliveira, em vagem
le instraeco.
Caasavam algama sensaco em Buenos-Ayres
diversas noticias vindas do Salto spbre entrada de
partidas bolivianas em territorio argeolino. Nao
se sabia bem o qae pensar a tal respeito, diffkil-
mele; porm, se poda acreditar qae fossem actos
de hostilidades autorisados pelo governo da So-
livia.
Em Montivido a junta de bygiene communi-
cara offlcial mente ao goverao a eiiincgo da, febre
amarella desde o dia 16, depois do qual se nao
dera mais caso nenhum daqnella molestia.
RIO GRANOS DO SIL.
O Sr. bispo diocesano devia sabir brevemente da
capital com destino corte.
A S Exe. Revma bavia -se apresentado no dia
(0 ama commisso, composta dos Srs. Drs. Joio
Das de Castro, Emiliano Valentim Barrios e Ale-
xandre Moura, em ama petigo da populacao de
Pelotas, qae conim mais St duas mil asignatu-
ras, impetrando a resliluicao das funcctSes e di-
reito de pregar ao padre Guilherme Pereira Das.
Fallecer na cldade de Bag o negociante Cus-
todio Francisco Alves. sooio da acreditada casa
qae alli gyra sob a Arma Antonio Ferreira Ha-
moa & c.
Em Santa Tueca, 1 dislricto da mesma cidade,
saicidara-se a 28 do passado, disparando am tiro
de pistola no peito, umiaenhora chamada Carolina,
qae ha teuipos soffrerm de alenago mental, da
qual pareca achar-se carada. Attribue se o fatal
acooteciraejp a algum novo a|MM, porqaanto
era raaiaj Imada po; sea WfW, Francisco Jo-
s dos Santa*, e por todos os {iarentss. A infeliz
suieida deixou filhos aseores. >
Do Prito, anda da mesma eldade, extractoa o
Commercial as seguintes noticias :
(Actuado-se em sa chcara, no da 29 do
passado, ? o horas da tarde, Antwlo i de Al-
raeila, subdito poringoez, occupadi em accommo-
dar a carnea em qne vitha de veoder pasto oa
cidade, ahi chegoo am sea ririoho, subdito Aran-
lez, connecido por Cirnanle curtidor, qae, api
breves palavras, dea-lbe non tremenda cacetada
na cabeg que o dei^o por Ierra.
< Segundo nos consta, demente deixava am ca-
vallo dd sua propriedade pasear o cercado do of-
feadilo e estragar-lbe o pasto, que plaatava para
se egocfo, sem qtrt dssr a maftat.providencia
para evitar o mal, at que Alneida, j cansado,
entendea qae o melbor meio de ?e livrar do des
traidor animal era agarra-lo e leva-lo ao fiscal,
afim de o encerrar no curral do eonselho. Ora,
vejam como o diabo as arma f Clemente tambem
l de si para si entendeu qae o methor meio Je se
viagar de Almeida, era qaebrar-lbe a eabeca.
Consta-nos que o oiTendido est em perigo de vida
e que at publicaco desta folba aioda nao re-
cuperou a falta de que foi privado ao reeeber o
golpe.
< Como promellemos em nosso numero ante-
rior, vamos tratar resumidamente do assassioato
perpetrado no Passo do Viola, segundo as infor-
mac5a.* qne nos foram remettidas :
Miguel Corneta, morador oaquelle lugar, ti-
nba comsigo urna mulher, com a quil viva ba
lempos ; ltimamente maltrata va-a muilo, de-gus-
tando-a a poni dalla desejar sua separac/n ; um
emigrado oriental or nome Francisco Acosta,
amigo de Miguel, sendo lesleitranha das continua-
das desavengas em que vivUm, acooselbou a este
qae a deixasse, qae era indigno delle ter era sua
corapanhia ama mulher que ji nao o estima va,
etc., etc. Miguel parecea compsoetrar-se da l-
gica de sea amigo e despedio a amazia, qae a sea
pedido, foi acompanbada al esta cidade pelo
oriental ; eale quando voltou procuroa como sera-
pre a Miguel e continuaran! amigos, porm, se-
gando dizem, o oriental gabara-se pelo camiobo
qae tioha supplaotado aqoelle apoderndole da
amazia. Isto, como provavel, foi aos ouvidos de
Miguel, qae na noute de 29 do pas ado procurou
ao oriental qae se acnava perto do Passo em am
rancho jogasdo as cartas com ontro individuo, e
alli ebegando exigi Ibe ama satisfagao ; o orien-
tal cootestou I he com inaultos e o accommeltea a
mo armada, dando Iba Miguel ama facada e logo
am tiro qae o deitara raorto.
( Tudo foi lio rpido qae o parceiro do assas-
sinado nio o pode soecorrer. Miguel eslava bem
montado a-fogio em direcgio ao Estado-Orieotal.
< O subdelegado mareboa para all logo qae
leve noticia do crime e proceden ao competente
auto de corpo de delicio.
No 5 districto desta cidade, no arroio Seival,
i 2 do correte mez, dea se am conflicto entre va-
rios individuos, resaltando o ferimento de tres,
senlo am delles grave.
Por pessoa fidedigna dalli viuda recebemos in-
formagSes do fado e sao as que segaem :
< Desde o dia 30 do passado alli corriam-se car-
reirs ; achava-se eatre os carreinstas um orien-
tal de nome Aotonio, morador naqnelle lagar;
este ndivtdno fura amaxiado com orna tal Mara
Joaana, qde o abandonoa por nio poder sappor-
tar os mios tratos qu; Ibe dava ; desde ento
elle procarava-a e a maltraiava onde quer que a
encontrasse Este miseravel ranito conhecido
por seus pessimos cosiumes, e muitas vezes tem
sido preso por desordeiro, mas nem assim se cor-
rige, e continih sempre da mesma maneira,
Em ama ramada, do arraal das carreiras es-
lava Maria Joanna,quando cliegou o refesidojorieo-
tal qae, na forma do loavavel costme, comegou
a insulta-la e maltratar, nesla occasiio aproxima-
ram-se tres dos carreirislas na nlenco de deten-
derera a infeliz. Antonio nao qaiz attende-los e
al ousou dizer que c assim como den nella era
capaz de fazer o mesmo aos seas defensores >
Tal insulto foi repellido enrgicamente por
meio de palavras da parte dos tres individuos, An-
tonio, puxou de urna pistola o fez fogo contra
elles, a arma eslava carregada cora cortados e fe-
rio a perna de nm e o braco de ontro, o terceiro,
qae Qcoa aclame, tira a sua pistola e desfe-
chou a contra o miseravel, que cabio com o peito
esquerdo airavessado pela bala.
i Dizem-nos que anda nao morren, mas que
provavel que na) escape. Os (res carreirislas
conseguiram sscapar-se.
SANTA CATHARINA.
Proseguan) os irabalbos da assembla provin-
cial.
Assentara-se na tarde d 18, na capital, a pe-
dra fundamental do novo hospital militar com as
solemnidades do estylo.
Refere o Conciliadir de 16 :
c Comega ^varila a estender-se pela cidade.
J em um dos prmeiros nmeros deste jornal de-
mos noticia de qae grassava esta epidemia na ci-
de, no enlamo que providencia algama tem se
adoptado at boje.
t Comeganio pelo lado leste da cidade, ella foi
levada para o de oeste, onde tem frito bastantes
victimas; boje o mesmo centro est ja losado.
c O termo medio da permanencia das epide-
mias em qualquer lugar segundo diz-se, tres
mezes; oo entanto a varila desde Janeiro qae co-
megou a atacar os habitantes da capital.
< Ioformam-oos qae oo Itajaby t na freguezia
da Santissima Trindade a moriaodade tem sido es-
pantosa. Pois nao seria melhor qae se fechasse
logo a inspectora de sade ?
PARAN.
O tenente coronel Manoel Mir assamira no dia
6 a orisdieco municipal.
Fallecer a 16 a Sra. D. Anua da Luz (jaima-
raes, mi do eommeadador M. A. Gira arada e ama
das seohoras mais antigs de Paranaga, deixao-
do numerosissima prole.
L se oo Anlomna :
< Causa lastima o estado em qae se acham os
ceraitenos desta cidade. Um destes das tlvemos
ojeasio de ver qae em lagar de serem alies des
tinados smeole morada dos morios, o eram tam-
bem para pasto de animaos I
S. PAULO.
O presidente, por acto de 8 do crreme, aceita-
r a desistencia Teita pelo Dr. Manoel de Maga-
Ibes Cont, da serventa vitalicia do ofikio do 2
tabellio do publico, judicial e notas da termo do
Banana!; por acto de 16 designara a residencia
dos jnizts de direito e promotores da provincia, e
por acto de 22 acceitara a desistencia feita por Ao-
tonio Galvia da Franca Freir, da serventa vita-
licia do offlcio de eecivao de orphos a ausentes
de S. Lniz d Pafabytfnga.
Dis o Comi Paulistano de 28, sob a epigraphe
Invern :
i Ja nos acoita o fro desapiedadameote alm de
vir cedo. Na noule de ante-honlem livemos a'pri-
raeira visita do hospede qae nos Irdfjaenta ha 2
on 3Jannos agaada. Tivemo-la nestacapilal e oos
arrabaldes, o qne d a sappor # tlmbem appa-
receu em alguas pontos do interior.
L se no Diario do mesmo dia:
i No logar competeote vai publicado am edita!
do governo, designando o praso dentro do qual
recebem-se propostas para o prolongamento da
va-terrea de Campias ao Rio Claro.
f Consta nos qae esti provideaeia lora inspira-
da pelo facto de ler o Sr. De. Perteoee offerecido
nova proposta a 25 do coreaste, pairado a garan-
ta de jaros de 7 / smenla durante a construc-
Co, qae nio ir alm de 30 mezes, a obrigando-sa
a applicar ao abaiximenlo das tarifas o excedente
da renda de 12 /
t A referida providencia, alm da consultar rae-
lhor os ioteresses da provincia, por abrir campo
a producto de proposus, on'u vaoujoaas do qae
as existentes, se recommenda anda, qaer por evi-
tar conrimas convocis da Companbia rssttt.
I atim de resolver se sa propde obra, visto a pra-
ferencia qae Iba compete, a qaer porque pb* tor-
i mo especie de licitago lodelioida ana anelearia
este negocio-.
< Os concurrentes tem St apresantar as prosos-
tas oa secretar do governo al as 3 koraa do du
M do prximo mez de jaoeiro.
No dia 21, pelas horas da lar Je, Alfredo Fra*-
Heb saicidara-se em Sorocaba-,disparando oa> lir
de revolver oo qneixo em direccia ao ee-
rehro.
Dando coota do ficto, assim sa exprima o Sm
nema :
t M c) de urna edarago acafeda, ilfmaradi.
gozando da geraes.-; mpaihias e da estima o das
da casa commercial am qae era guarda litro,
nao sabemoi a que artribnir esse acta da 4eM*aa-
ro, seoo a amiga molestia de qoe Bra acomeMlti-
do oo Rio, a febre typhoide, qoe daixoa-lka raa:
oa meaos um desarranco meuial.
< Meia hora antes de perpetrar o acto eoejaorou
un par da botinas, depois ontro, a mandando aa-
graxarum, calgou-o. Aprovettaodo, porm, a ac-
casio em qoe sa vio so, den lira a toa exisleacu
com grande desolagio de lodos qaa o eoaheciam
de perto; a no amianto elle bata o suicidio com
todas as forcas da sua bella intelligeocia. F>> aa-
poltado no cemitario publico, e seu sthimaato foi
o mai ir que temos visto aqu : mai da 100 pca-
soas o acompaoharam a ultima morada.
< Recitaram discursos ao baixar o corpo a se-
pultura os Drs. Firmo de Mallo, Ubaidino do Asea-
ra! por parte do Club Palestra, Ferreira Brag4
pelo Gabinete de Ltilara.
O Club Palestra resolveu tomar lato por tras
das.
Os convites foram fsitos pelo amigo do
Sr. Laiz Matheus Maylasky.
Algaas amigos do tinado Jos Aotonio
Romeiro abriram na capital nma snbseripeao,
de reuoirem um peculio, qoe, posto a premio *-
tabelega ama mesada as iufelizes liba da dalo t-
oado, as quaes perdaram ao mesmo lampo psi -
mi.
Informaram ao Sorocabano que a eslraa gtral
qae de Campo-Largo segu para ksaatimSca, se
aeba em pessimo estado, e qae a ponte do ribeerv
Iper ameaga ruina, tando ja oo centro sa gasa-
de buraco.
Fallecaram : no dta ti o Dr. Domingos Ribete
da S Iva, victima de ama coogestao cerebral, su
dia 12 o importaote fazendeiro, am Barrairos, l-
ente Jos Cedcnio Gomes dos Res, am dos mai -
eminsolas vnilos do partido conservador alli.
Com r> ferencia ao espaoeameoto da L
Francisco Pacheco, no Jah, de que demos
no da 27, noticia o Diario :
t Ha lempos, o 1 sapplente do jaiz mai
dra nma sentf nga centra o referido Lacias,
ama questo que liona sobre a peaaa da aigam*
escravos; em eonseqneneia diaso, eacoatraaSa-r
o dito Luciano em nm eaminho com aquella aa
londade, chicoteou-a vontade. Era represalia .i
qaa esa autoridad?, acompanbada de outras pav
soas, invadi a casa do duo Luciano para asipi-
car-lhe a pena da Taliao.
< Sendo assim, j sa v qaa o sopramenctoaa-
do Luciano aio nm cidadao pacifico, como m
pretendea fazer erar.
.' em todo o caso, de lamentar qae sqae.la aa -
toridade se esqoecesse dos recursos da le, anu-
de que devia laogar mo para punir lamaoha af-
fronta.
O desacatado nao foi o simples cidadao, porm
sim ama autoriJade no exercicio legal ds laasat-
tnbuiges.
S vimos dar estas informagoes, para mos-
trar qae S. Exc. o Sr. presidente da provincia,
guando o nomeou para o cargo de 1' splente do
juiz municipal, nao poda prever que aqnelle cida-
dao, revestid) da auloridadeaio podesse coater
se por occaso de ser lie bralalmeoie desa-
lado.
Isso poda dar-se com ontra quaiquer autor i
dade, e nao ser por isso a pessoa indigna do earg i
que exerce, como no caso presente.
Do Jaba communicam ao Diario de S. P*mlo.
de 25 :
c No dia: 19 do correte, pelas 9 horas da maaa.
acbaodo-e Luciano 'Francisco Pa:neco, ciJad*>
pacifico, almogiodo em sua casa, am eomsaahia
de sua mulher e seis filhos, de menor idase, tai
assaltado por nm grupo de horneas armados a c-
cele, facas e armas de fogo, qoe, ali entrando, ss-
paocaram atrozmente, nao s a Luciano, como a
sua mniber isto passoa-se no centro da villa,
vista das autoridades.
O Sr. commendalor Antonio Joaquim da Rosa.
de S. Roque, dirigi so Sorocabano a segaint-
carta :
Li eom sammo interesse o editorial do Stru-
cabano, n. 104. E um artigo magistral a ebeio
de verdade.
E note anda que as ierras baixas (vararas <
snjeitas geada, plantamos ra.is cedo'o algidac,
a o colhemos ames do invern. Mas nem toda
esta zona snjeita geada ; temos sitas raoa-
tanhas, onde ella nao chega, orno nos logares
mais livres.
t Descobrio-se aqu excellente padra calcares,
e j se levantaram dous tornos, am dos quaa*.
pertencenie ao Dr. Stevaox, est prodoxiado mti-
salmeote dons mil alqueires da cal da 1* quabda-
de, qae dar, s neste ramo, bom alimento i ataa
via frrea.
c Os qae davidam da nberdade do nosso aat-
podem recorrer a aatoridade insnspaita do vasw-
raodo Sr. Bario de Tial, qae j morn aqni, s
susteota qae as trras da Limeira e Rio-Claro sao
sao mais feriis.
ESPIRITO-SANTO.
No dia 20 comega rara as seisoes preparatoria
da assembla provincial, a eslava marcado > Sis
23 para sua abortara; a 22, purera, resolver* o
presidite da provincia adiar a legislatura at
30 de setembro. O motivo do adiamanto lara o
reconhecimesto dos Srs. Basilio Carvalbo Damaa
e Francisco Rodrigues de Bareailos Fraire, eam
deputados, quando alias achavam sa am manilmi i
iocompatibilidade para terem asias'o aa asaamain*.
Foram por essa razio mandados respoasalmmar
algaas vereadoras da cmara municipal sa ca-
pital.
A 20 assamra o cargo da jaiz de direito da
comarca da capital o Sr. Dr. Laiz Dnarte Pereira.
Os repetidos factos criminosos qaa se em*mm
pratieaolo as villas da Sorra a Nova AlmniaV
resol >eram o presidente da provincia a ordeasr ao
ebefe de polica qae para ali seguissa, ata aV
proceder rigorosa syadicancia sobro esasa tactos
e punir os criminosos.
A 19 fora collocada a psdra fondamaattl do
edilicio qae tem de servir de thaatro aa cidade da
Victoria.
A' sociedade Melpomene deva a capital ds pe
viocia este melhoramsnto. O acia aauva meato
concurrido.
O Crrelo da Victoria da 11 desle mes relera a
segrate fado : I
t Ha poacos Has voluva desta capital para
Santa Leopoldina, onde eslava destocada, ata
praca de polica qoe liaba vindo bascar anas..
quando, ao chegar ao Porto do Bateaba, de dis-
tricto de Cariacica, foi, seguido consta, por ~
tivo frivolo, presa, amurada brutalmente e
tada por um inspector de quarteaiso, qae a >
ao subdelegado daqaelle alstricio, o eaai, e*
senlo logo eajootraio, td m.u larde pMetalsia/
i
______


'II
Diana d Fwnamhttca &
Domingo 9
da Junho ia 18*32

~-^~&=i
OltA
f
esUVarh ji io
*


soltar aquella praca, cojos oaoho
llamados petas cordas.
Rio di
trnal do f jAKUro.
,,M *-yri t exirahlmna :
destflflb"' ooaiem (30) a assembla eral
areail" -*$*. U boAs da rpaoha, sob A
;- .^ota,doSr. treclor Boaventura G. Roque,,
-rvlha* secretarios os i\ cohselho delitierativ'o
"Srs. P. P. Vu e A. A. Pereira de Barros ; lida a
acta dasesso antecdeme e pedida dispensa da
leitoraTo relatorio, per ler sida publicada nesla
folha, procedeu-sa eteico do coutelho delibera-
tivo e da eomraleeao diixami de coala-, que dea
o seguate resltalo :
Cooselho.4rs. : Con mandadores, Domingos
Adiodo de (4a Pacheco, Maooel Salgado Z-jnha,
J uquifl Ueroafiuo Piolo Macha w e Miguel Cont
dos Sanios, AfottJpho Gonralves Guimares, Jo-
Joaqoim Ferreira Margando, Eduardo Rodrigues
Cerdoso do Lemos, Manoel Lcile Bastos, Joaqaim
Pinto de Carvalho Ramos, Emilio Antonio Pereira
Gomes, Lat CanTSe-Furiado Coelho, Joao Meo-
des de Aranjo, Jos Joai|uim Teixeira de Valenga,
Jos Antonio Gomes Villela, Francisco Ignacio de
Oliveira Apuiar, Joao Joaqoim Goocalves Porto,
Francisco Ferreira Vai, Antonio Joaqnira Pereira
da Silva, Domingos Moutiuho e Antonio J:s de
Lima Jnior
< Commissao de cootas.Sr?. : Erue.no Cybro,
Constantino Joaqiinnf le Aievedo Lemos e Hay-
muodo Jos Nuoes.
A toja maconea Caridade e Uoio, ao valle
do Lavradto, na sua sesso de posse da aova admi-
nistrarlo, celebrada a 27 do correte, solemnuou
este acto dando tres cartas de liberdale.
O Sr. J 5o Peroira de Mag.ilhaes Gatos tara-
l>em cooceleu carta di Kberdade so preto Cesar,
de cerca de 40 amos de idade.
c Anlehontra (17) as 9 horas da nonte fallecen
repentinamente, na roa do Conde d'Eu, era frente
ao chafariz do Lagarto, victima de urna coug pulmonar, o hespaohol Francisco Pantako Gon-
zales, de 49 annos de idade, casado, com negocio
de caf volante, e residente naquella ra a. 40. O
subdelegado respectivo tuno conbecimeol o do (acto
e mandua entregar o cadver familia d> flnado e
remetteu ao cnsul nespauhol a quantia de 13|960
que foram encontrados na lgibeira de Gomales.
t Falle:eu a lo' do corrate da cidade de Pa
damonhaogaba a septuagenaria Sra, D. Ana
Mari i Sueno, dejando livret, sera coodico alga
8, iodos os seas escravo?, en numero de 27 (12
"8o sexo masculino e 15 do feuoioinoi e legando-
Ihes urna sorte de trras, um terreno na refer a
; dado e todos o vencimentos existentes na fa-
leafU
A' requisicao do miaisterio da flica o supre
too tribunal remetteu ama nova lista de 17 juizes
de direito ruis antigs para escolha de dasembar-
gadores :
! Antonio II nrique de Miranda.
-" Joao Caetano Lisboi.
'{ Francisco Loarenc,> de Preitts.
& Maooel Jauem Ferreira.
*)' Jja Salom Qoeiroga.
U" Manoel Jos da Silva Neiva.
"a Jcao da Carvalbo Ptrnandes Visira.
K Viriato Bandeira IJ jacte.
9o Antonio de Cerqueira Lima.
10. O egan > II reulano de Aqoino e CiSiTO.
11. J'-i l'iul' Munteiro de Acralo
12. Silvano Fernandes de Araujo Jorge.
13. Sebastin Jo- da Silva Braga.
14. Vicente Ferreira da Silva Bueno.
15. Luii Graziga de Bnto Guerra.
l. Francisco Rodrigues Sette.
17. Joaquun Francisco de Faria.
Segundo refere o Telegrapho, de Macaba, fal-
leceu na freguatia da Aldea de S. Pedro, da co-
marca de Cabo Fri, no dia 1 de maio passado,
J laquim Jos da Silva Lessa, que nasceu em S.
Joao ueltabirahy en julhi de 1756 ; casoa-se 3
vez "i, eixaado do seu primoiro raatrirajoo 6 fi-
Ibos, 3 netos, 46 hisnetjs e 3 talaranetos; do
segundo. 6 fllho, 42 netos e 12 biBaetOS ; do ter-
teiro, 2 boa
Ao lodo, 149 desendentes I
Jos Jos da Silva Lessa (diz a citada f jlha)
Hiate dito ffio BflHifo je ^rf^TSrVr,.
dorou 116 annos, menos 3 mezes^ gosando sera-
pre de todas as suas (acuidades menta ; mas
se esse hirnem atlingio essa idade porque nunca
! >i guarda nacional em Macaba.
Honve bentim, em ana das salas do qnar'el.
general, sesso do cooselho de guerra.
Foi presidida pelo Sr. teoeote- coronel Ele3-
t) Maria da Silva Biitencourt. Esteve presente
ion aildit r de guorra, o Sr. juiz criminal
O'. Antooij Caroeiro de Campos, e foram vo-
aia os Srs major Rayraundo Jos de Souza (co
mu juiz interrogante), capites Antonio dos San-
tos Lira e Antonio Ce-ar Tupinamb, alferes Ma-
x'mo Lniz Gongalves de Jess, Fortunato Jos
Fazeoda e Carlos Clementin) Carvalhaes.
O coiselho tomja conheciraeuto do precesso
do toldado alido :o 1* regiment de iofanlaria
da corte Kaustiu) J'aquim Soares, qae ferio gra-
vemente sea camarada e companheiro de pnso,
no xadrez do ?uartel, Luiz Ignacio Pereira.
Foi advogado alo reo o Sr. Dr. Felzardo Pi-
t.heiro de Campo', que, na forma das leis milita-
res, prestou juramento'na? mos do Sr. presidente
do conselho para defender o sea cjiente.
t Apresentada a defesa escripia, e sustentada
verbalmenle pelo Sr. advogado, fez o Sr. Dr. au-
ditor a leitura della.e de todas as pecas compro-
halorias dos factos;%passando o conselho a deli-
berar, coodemnon o* aecusado a um anno por ter
riavido provocaco directa do offeodido, e a goma
allaeinacao do reo no momento em que fui ca-
lumniado por aqueHe. O processo vai, na forma
da lei, ao ecnselho supremo militar de juslica.
Eis as noticias commerciaes da ujtima data .
< Tem havido nestes ltimos dias alguma II ic
iiucaooo mercado do cambio. At hoje ao meio-
dia regulen a taxa naneara de 24 1/4 d., mas
liepois desta hora o Banco Cotumercial, que esla-
va sacando, retirou-sa do mercado, de sorte que
tiodemos cousiderar onmiualmente a taxa banca-
lia a 24 d. As noticias do norte pelo Neva influi-
r.rn muito para esta baixa. Negocion-se hoje c
uapel da praca a 24 .3/8 e 24 1/i d. Sobre Fran-
a regulou a taxa de 388 rs. por franco.
Tem hsvido grando animaeo as vendas de
MMPMOai cujjs presos fecharan hoje a 10J a
lioheiro.
Era apolices geraes de 6 0/0 iambem se tem
realisado tr.iosac.oes regulares de 1:0323 a 1.0353
a do emprestimo nacional de 1868 a 1:1203, a di-
uheiro.
' Os presos das acco?9 do Banco do Brasil, de
ioisde arem experimentado alguma depreciajao,
fecharara noie firmes a 583000 de premio i di
nheiro e a 623 dito para o ultim > dia de transfe-
rencia.
As cotacSes dos titalos de outros estabeleci-
mentos sio as seguintes : Banco coramereial de
Peroambuco, 23 de premio ; Carris de Ferro de
Pernambaco, 1403 dito ; Navegacao Brasileira,
203 dito ; Carris de ferro de S. Luiz do Marauho,
353 dito.
Sahiram Dir Pernambaco : a 30, bar ja bra-
sileira Joven Palmeyra, e brigae inglez J>ri Ca-
renion ; e a barca portugueza Alexandre Iiercu
la*o.
PAHIA
A asjembla provinaW prosegua em seas
trabalhos.
No mez de maio arrecadaram :
A alfaodega 968:4263711
A mesa de rendas 132:0223325
A recebedoria 43:6393422
Falleceram : o coronal Manoel Caetaao de
Vireira Passos, o teoente Manoel da Rocha Pas-
aos e o vigario collado da frejuezia do Boquelro,
Femanla dos Sintos Pereira.
A Santa Casa de Misericordia aforriou gra-
tuitamente todos os seas escravos.
Arribara para arrumar a carga a barca in-
gleza Rota Brae, (pie a de Liverpool para Mon-
tevideo.
O cambio regulava sobre Londres 23 7/3 a
24 l/i.
AL1COAS.
No mez de maio foram matriculados na al-
fandega da capital 1427 eseravos 6 59 lhos II-
?ras de mulher escrava.
_r~ A alfandega reudeu no; mez de maio......
78:638^977.
No dia 14 do mex passado morrea, na fre-
guezia de Jaragu, Vleente Ferreira de Lima.
Era martimo, viuvo e natural desta ffgaezia de
Macei. A origem de sua raorte foi o cessivo
peco de 110 comprilos annos qae Ibe pesavam no
costado I
A' altima hora fkavam fundeados barra
os seguintes navios :
Bartt ingleta The Quetn de 894 toneladas.
Bita dita Agmcourt de 719 dita
Dita dita Lady Whanliff de 5*2 ditas.
Dita diu Fleiterg de 320 ditas.
Brigue Ingle Cognac de 338 ditas.
Brto dito CaUslram de 305 ditas.
Dilo dito Adams de 369 ditas.
Patacho dito Williarn Amhig de 213 ditas.
Dito austriaco Diva S. He 327 ditas.
Brigue brasiieiro S. Paulo de 232 ditas.
Legar dilo Alogw de 150 dita*.
. llantera *s ? borae da Mto tmUem m
lamarlo o vapor franeez Gironde, treodo
datas, de Lisboa al .27. da maio i' I tora
da, tarde. Eia o que cometaos doa jornm
e cartas.
-(.HAN WMtlANHa. E K AMWtICA.
Questo Mabama
O governo inglez deu coala ao parlamen-
to na iass3o de i 3, do proced manto do go-
verno em vista da exigencia do governo
americano pelos prejoisos indirectos.
O Sr; Gladtlone falln na cmara dos
comamos explicando qae o governo 9 o3o
sffasiiira da sua pritneira attitode tomada
em vista da pnmeira reclamacao, attitude
qae est indicada no despacho icglez de 3
de fevereiro, replicando qae tal reclamacao
o5o eslava na lettra nem ao espirito do tra-
tado de Washington. Em resposta nota
de lord Granvjlle o Sr. Fish em 20 de
abril maadou dizr que na sua opiniSo o
tribanaf de Genebra devia resolver essa
ijuestao como as oulras.
Eotre estes dous despachos foi suggeri-[
da a idea de exporem os doos governos as**
ideas e coudiges sob as quaes cooseoliam
em sujeitar estes negocios ao tribunal dos
arbitros. O governo ingle/, esludou esta
proposla e mandn para Wasbicgton as
bases que lhe pareceram rasoaveis ( 21
de abril).
Tres dias depois ( 2i de abril) o minis-
tro americano participava a lord Graoville,
que o presidente dos Estados-Unidos, o Sr.
Grant, eslava disposto a aceitar as propos-
tas inglezas; e sabendo-se que o general
Grant, havis commanicado confidencialmen-
te ao senado essas propostas; a participa-
rlo do governo americano importava a ac-
cetaf5o e approvao das propostas,
Disso mais o Sr. Giadstooe que o senado
americano estava examinando em sessSo
secreta as ditas propostas e que esperava
que o resultado seria nao smente ifis*-
torio, mas honroso para os dous paizes, e
pedia cmara que na situacSo actual nao
discutisse o assump'.o.
O chefe da opposic3o^ o Sr. Disraeli
apoioo este pedido e manifestoa a esperan-
?a de que as negociagoes teriam desenlace
pacico e honroso.
Na cmara dot lords, f?z lord Graoville
as rnesrms declaracSes e igual pedido, ad-
diando se a cmara at o Qtn do mez. A
cmara ti s communs addiou-se iambem,
terramando porm primeiro a discassao
sobre o bil do escrutinio secreto.
\ Pall Mili Gazet'e diz qoe os gabinetes
de Londres e de Washington dirigiram ao
tribunal arbitral de Genebra ama nota pe-
dtndo que adi as fuas deliberacoes at
15 de selembro ; para que esta,, ntarvaiio
seja aproveitado na oegTiciacJo de oatros
tratados.
A solugSo do pleito anglo americano esl
pois depeodenta da resoluoSo que tomou o
senado dos EstaJos-Unidos, e que consiste
na redaecSo de um artigo addici rfal ao tra-
tado de Washington o em virtode do qoal
ficar condemnado por ambot os paizes, o
principio da3 reclamacoos por prejuisos in-
directos aos neutraes, era caso tle guerra
entre qiaesquer potencias.
Os tratados suomed os ao senado ame-
ricano, devem reunr dois tercos dos votos,
para s;.rem ap'rjvados; bastara, pois, ^eH
para ser recitado o artigo addicional, qae
23 senadores fossem contrarios i solaceo
appresentada pela Inglaterra.
Entretanto a qaestSo parece qnasi deci-
dida favoravelmeute ; pode mais que ludo
a bpioiao publica nos Estados Unidos, a qaal
daseja por todos os modos a paz, e o des-
envjlvimento das relaroas commerciaes, e
se oppoe cora todo o vigor guerra com a
Gra Bretanha, apesar das declanftcoes, ex-
clusivamente partidarios de alguna jornaes
adversos po'ilica do presidente Grant, que
qiaotidianamente escrevem contra o accordo
com a Inglaterra. O llerall, a Tribuna, o e
World sao os jornaes que com mais vio-
lencia atacam o governo.
Na sesso dos representanle.3 do dia 20 de
maio o Sr. Butler dissa que i'ne con3tava
ter dito o Sr. Strafford Northcote, em um
discurso pronunciado em Exeter, qoe a re-
clamado por damnos indirectos seria retira-
da, porque bavia palavrar-dada a tai respei-
to, e ficcrescentou, que, a ser isto verdade,
o senado resolvera fod a influencia da pro
messa feita; e por isso requera que se
suspenderse a ordem do dia para que a
cmara resolverse sobre tal assumpto.
A assembli regeitou a mor;3o e ordenou
qoe fosse enviada a commiSsSo diplomtica.
O congresso foi addiado at 29 de maio.
Dizia-se que na commissao dos negocios
estrangeiros do sensdo, qae composta de
sete membros, quatro se baviam proinn
ciado favoraveis ao accordo projectado, e
que tres Ibe erdm bostis; entretanto os l-
timos telegrammas noticiam qae a commis-
sao havia apresentado relatorio favoravel
raliQcac3> do artigo addicional, relatorio
qoe bavia sido approvado por onammidade.
GRA-BRETANHA.
Comefam a deixar Londres as pessoas
reaes qae all se achavam. A imperatriz
Augusta da Altemaoba parti no dia \ l. O
re dos belgas no dia 19. A rainha Victo-
ria hata-se despedido dos seus augustos
hospedes no dia 13 para ir para Balmoral
oa Escossia, com os seus filhos mais novos.
Lord Enfield respondeodo ao Sr. Gilpin
disse que o governo inglez se dirigir
Allemaoha, Franja, America, e a Pora-
togal para saber a opiniSo destas potencias
acerca dos melhores meiosEde por em prati-
ca as recommendages da cmara dos com-
muns respeito do trafico de escravos.
A America e a Franga responderam que
te atsociavam a estas negociares., A Alie
manha est prometa a auxiliar a Inglaterra
sob certas condicSea. Portugal ainda nio
havia respondido.
O Sr. Gladstone profano no dia \ \
ara importante discurso, n'uma reuniSo pu-
blica, celebrada com o fim de ajudar um
esiabflecimento de instrtjcr;3o saperior qoe
est em ms- circumatancias : Disse que a
religio devia ser a base da insiracco sa-
perior, e b%too* os perigos das opini5es
scepticas, das opinibes fanticas, e accres-
centou que a delinic3o do dogma da rafal-
libilidade era ama declarado de guerra ao
espirito do progresso.
Constiloiram-se em grve os carreteiros
de Liverpool, e os marinheiros de Sou-
tbamptoo, pedindo ope Ibes augueotem os
salarios. As modistas e rostureiras de
Londres formiram orna sociedade, e pedem
renicelo as horas de trabaiho. 03 proprios
agentes de polica em Piymootb pedem
aogmento de salario, e dizem qne se Ih'o
q3o derem, pedirlo a sna demiss3o
Noticiara os joroies inglez** i morte de
sir Jonn Peonefather ex-generaf em chefe
de exer;ito das Indias. E te ofliel! gene-
ral zeri guerra da Crimi,/fa.6on-
decorado cora a Legio de Honra dtoptfc d
batslliir Me' Iokermaoa.
Morreo tambem em Inglaterra o bar3o
de Gifford, estadista nolavel.
AMRRICi
O congresso estabaleceo um dinito de
dous a meio a 4 cents, ao arratel di cobre
segundo as qualidades, e o de 18 % ad
valoro* no estaaho em bruto oa laminado.
- As grvea era New-York e em otitras
cidadiss intorpe'cem a industria.
Continuara os trabalbos preparatorios
para as elaicSas da presideneia. Aagmen-
tam as probabilidades era favor de Horacio
Greley, redactor principal 4) jorqil l tri-
buna. O candidato deixa a redaego do
jornal eo> qoanto durarla os trabalbos
eleiloraes.
Aprsenla tambem a sua candidatura
presidencia dos Estados Unidos a Sra. Vic-
toria Wosdhull, que presidente da seita
das raulberes livres, e tem coawgradu
vasta srje de discursos para demontrar qae
u3o s devem ter os mesaras drreuos qae
os borneas, como casarse guantas vezes
queiram. Aprsenla como candidato vi;a
presidencia o S:. Fred?rico Doaglas, pre-
to f...
FRANCA
O Sr. Thiers as conferencias qae leve
com o onde de Arnim tratoa de doos pon-
tos: da evacuacao antecipada do- larri-
-torio franeez, e do pagamento dos tres mi-
IhSes. N3o fez propostt algama; pergan-
tou nicamente se o governo allemo que-
ra entrar em negociaces a este respeito.
Apezar da entrevista se ter reelisada a 3
de raaio, e do conde de anota lee imme
diatamenle escriplo para Berln, n5o te es-
pera a respcsla do governo alleraSo antes
do fim do ir z, era conseqoeacia da doenca
do prn ipe de Bismark.
O ministro da fazenda explicoo com'
mis-3o o sea intuito ao formular o orca-
mento geral de 1873.Se aassembla ap-
provar os lOmilhes de irapostos, hive
om excedente de 18 milhoes de receita.
O governo persiste no projecto das materias
primas, e a comrais 3o o3o se aliasta do
seu plano de propor o imposto sobre a ren-
da sem exceptuar .o de propriedade urbana
e rural. S n3o pagam impostos os sala-
latios, mas em compensado, estabelece-se
o imposto sobre o sal.
O Gaulois publicou urna carta de Napo-
le3o III sustentando que os seas direitos,
em resaltado do plebiscito esto cima dos
direitos daassembla; e reivindicando toda
a responsabilidade da capitulado de Sedan.
A assembla discute o projecto acerca
do imposto do sal e dos va ores estrangei-
ros.
Wz o Times qae o governo fnncez
fez trausferir Nudaillac, prefeito dos Baixos-
Pyriieas, para o otra prtfeitara, a pedido do
governo hespanhol, por ter sido pela sua
prefeitura, que o pretendente D. Carlos
penelroo em Ilespanba.
BLGICA.
O goveroo relirou no da la de mio, o projec
to de lei cere da polica do Brouxalai, apre-
stla lo ao parlan-nto e ajeasado de reaceiooa
rio pela muniipalidade.
Por decreto de 17, foi encerrado o parla-
mento.
No da 20 celebrou o partido eatholico um
ing catholico era Aawers (Antuerpia) ao qual
ai-i.-tir.im os represeotaotes da cidade. O povj
iovadia o estrado e obr.gou a (agir o membres
da masa. Acontece isto pa librrima Blgica I
SUISSA.
A ravifiao .1 coQiiaieio foi regeiuda, lauto na
vota co oomioa I como oa votaco eaolonal. Vo-
isram n?.la revi-So da coutitoi^o 252,571 e con-
tra 2o7,aH, obteve, porm, ama raaioria de 5 mil
votos cuotra. A votaco caa'.onal deu 13 contra-
rios e nove favoraveis, e e3te calculo era o sulB
cente para Ikar regeitada a reviso da con-titui-
Qo.
Todos os cautes catholico; regeilaram ; os
cnidas mais habitados por fraoceies e italiano-,
regeilaram a reviso ; pelo contrario tai esta ap-
0'ovada pelos cnidas allemes e protestantes.
Eilre o* canl033 que regeitarara a revisas da
coosiiluicao, deve-se juaur o caao dos Grisoos,
em qie a populacao mlxu quanto s racas e re-
ligioea, mas que de todas a partes da confede-
rago, aquella em que tem mais raizes, o espiritj
de aatonomia e de daceatralisago a ponto de
cala valle constituir de certo modo um estado no
estado.
0} principaes cantoe* que se pronunciaran! con
tra a reviso foram 03 de Uri, Scowyz, "TJoter
wolJeo, Friburgo, Lacerna, Tessin, Grisoas, Gene-
bra, Vaud e Valais. Pela reviso o cantao de
Berne, Teufchatel e oatros.
Os reviMouiatas ao desaaimam. Deveoa ren-
Bir-se no da 27 de maio em.^erne todo os mem-
bros do cooselho nacional e'do conselho dos esta-
dos que votaram a reviso, para resolveren! se a
pruleocia e o ioleresse do progresso nao acoose
Iham a que te elimine do projecto approvado pela
represeulacao federal e regeitado em plebiscito, as
reformas que maiores reluctancias encoutrem no
povo suisso, deixaodo s aquellas cuja oecessidade
reconneeida pela opiuiao publica, e que seriam
aporovadas, se fossem appresenudas parle.
EIT ctivamente sendo o projecto da nova coosti-
iun-40 regeitado por uns em coniequeocia de ser
muito radical, por oatros em coasequencia de con-
trariar os interesses caotiyiaes, e floalmente por
outros em conseiaeocia dos receios qoe inspira a
exeessiva cenlralisar^ao e a absorpcao do elemento
romano, pela elemento germnico.
Parece que a esperanca dos revisionistas se volta
para o projecto do Sr. Dubs, que ha lempos fra
apresentado s cmaras, e por ellas regeitado, e
qae limitava a centralizarlo aos pontos absoluta-
mente necesarios.
ITALIA.
usnrapto; o governo continuar na roesma lintia^ ci/o a 800 mil humeo .bem e^oinado
O somrao pontifica receben ama depataco has-
panhoiajp-qae lhe offereceu ama somma conside-
ravel de dinbeiro, e um lbum com asignaturas.
Pi IX respoodea em hespanhol felicitaco di-
zendo-lbe que esperava qae s provacSes porque
a Hespanha est passando actualmente redunda-
riam em proveito da igreja e da religiSo.
. > A nacao bespanboia, acerescentoa o santo pa-
dre, ba de robstecer-se ; a uniao do clero com
o povo, ha da levar a paz ao reino, e fortificar as
crencas. Que a bencio apostlica faca a Hespanha
ciosa da sua f e da saa dedicacao pela San-
ta S..
O Sr. Carulti pedio explica$5es acerca do
qae se dissera contra a Italia no senado belga. O Sr
Vi3cont Venr s a responden qae logo se havia di
rgido ao gabinete belga e este responder qa
destjava manter boas relacoes com o governo itae
liano, e mandara residir em Roma o sea mi-
nistro.
Na discussao do greamento dos negocios es-
trangeiros o Sr. Viscont Vetusta responden a 2
deputados da opposlco Perrerf e Micelli qae o
governo Do era reaccionario e qne a as poten-
cias nao caihou'cas haiam approvado o procedi-
mento do foveroo para com a Santa S.
O Sr. Correnti, ministro da instrueco pu-
blica apresentoa saa demissio que foi acceita. O
ministro da instraeco publica bavia apresentado em
conselbcde ministros ara projecto de lei destinado a
subtrahir da direecio do elro o enslno popular,
e cuino os seus collegas recusaesem dianle de se-
melhante medida pedio a sua demusao.
O Sr. Lauze na sesso de 18 disse que o Sr. Sel
la flcavajnteiramenle euearregado da paita da
nstrncgo publica, e axplicou os motivos pelos
quaes o Sr. Corrj ni dra a sua d&gjio por
causa do projfl(6?|minado a melborafaBitaaco
dos pr^fessore de uino primario, ao qoal no
ajt. 1 sapprimla i reccao religiosa as es-
eolas.
O governo n quer por o.-a disentir este assum-
pto, disse o Sr* Lanza, que diz respeito mais aos
inter ?5ses;4* sociedade qoe aos da religio. Em
novembro apresentar ontro projecto Kbre este
Dlitica
O Sr. Correan decltroa que dera a sna derais-
*!) porque eoteodi que nio 4V!a retirar o seu
projecto, mas que lomava n&vaaxttle o seu lugai
entre o> membros da maioria.
A amara applandiu esta deetaracao e regei-
tou por 175 votos eoatra 1 ritma mocio, pola
qaal se dTzia nlo Qcar uiisfeiu coro as declara-
cues feitas pelo presidente do eonselhj.
A le qae eitabelecea o casamento civil,
nao exige que este prescedaoacmenlo religioso.
O osvo cdigo penal que vaa ler apresentado ao
parlastMto no decurso d'eete anoo, pune coro
mulu je 120 a 560 francos, da priraaira vez lodo
o sacerdote qae der a bencio nupcial a eoojuges
que Alo se tenbam casado civilmente.
Partiram para Tarirs, 6 depoii para Genova o
rei e rainha da Dinamarca.
A ambaixada dos Birmam foi para Londres.
SUKCtA S N0R01A.
O Siorthing ( parlamento da Noroega aporovou
no dia 17 o orcamento da guerra, mas dea nessa
oecasiio voto de censura ao gmnw^'Maitas ei-
dadsi protestaran) ao terem noticia do veto do Stor-
thing.
O re disolvea no da 18 o Swrthij (Jue eslava
rsnoido em Christiania
Encerrou-se a sesso do Reigodag sueco. O dis-
curso da coroa lastima que o rei por estar ainda
doente nio podesse assistir pessoalmente aquelle
acto.
O rei da Saecia apesar de j ter sido dado por
morto est muito melhor.
Depois de tres metes de reclasio no sea pala-
eic de Siockolmo, parti na dia 11 para Ulrichs-
dal, saa residencia favorita.
Allemakha.
A qaesllo do dia a discusso no parlamento
acerca das petic5es pro e contra O! jasailas. A
imprensa ministerial alimenta as preoeeapicSei
publicas e-crevendo verdadeiroj libellos contra o
episcopado allemo, demonstrand.o que a excora-
mnnho as formas proscriptas pela igreja catbo-
hea um atienta Jo contra a honra e interesses
civls dos cidadios.
O Reichstag depois de seis horas de discusso
resolven pedir ao governo um projecto de U que
regule os direitos das congregaedes e sociedades
religiosa?, e as suas obrigacSes, punindo os que
fal!arem a ellas e especialmente os jesaitas. Vo-
lararo con",ra aolcaiteote os depulados polacos a
os do centro catholico.
O principe aroebispo de Bre-lau excoiimuo-
gon os professores Reiohens, e Weber. e os padres
Bircbmano, Hassler e Hirsbvralser. Este proles-
tou, dizeodo que nao appellava por estar em um
tempo em que os ebefes da igreja desconheeem e
violara as bases da religio caiholica. O Sr.
Reiohens vai fundar em Berlim um jornal anti-
lafallibilisia para fazer opposico ao jornal ullra-
montano Germania.
O governo prussiano inlimou o bispo Ermeland
para offlcialmente retirar a exebmunho pronun-
ciada contra dous professores.
Verifkou-se no dia 14 o dbale sobre o in-
cidente Hohenlohe. O Sr. de Bermigsan propoz a
substituico da legacao allema em lio.oa por air
imples consolado ; e o principe de Bismark
aconsejando a cmara a que rejr-itas.se a proposta
para nio deixar revelia os interesses dos catho-
lieos, expressoa se em termes bastante acerbos
acercada recusa poueo cortea do Papa. Disseque
nunca em sua looga carreira diplomtica vira se-
melbante coasa ; e conclue qae se deve perder a
esperan^) de ebegar a um acord com a Sania
S, tanto mais qae os aovos dogmas sao um pe-
rigo real para a paz religiosa do imparto, e para
a segurnca do estado.
A assembla approvou a crearlo de consolados
em Roma em outros pontos da Italia e trans-
formou em instituto imperial o instituto archeolo-
gieo de liorna, creando uma'succursal delle em
Alhena?.
O parlamento regeitou, porem, a proposta da
soppressao da embajada em Roma.
A GTzefa da Attemanha do Norte publica a carta
do encarregado de negocios allemes o Sr, Derm-
itis I ao cardeal Antonelli.e a resposta deste acerca
da nomeaco do cardeal principe de Hohenloha,
para embaixador da Allemaoha, junto a Santa S.
O Sr. Derenthal recebeu ordem era 23 de abril
para communicar aquella nomeaco ao cardeal
Antonelli, e como nao recebeise resposta at o 1
de maio leve ordem para o interrogar a tal res-
peito. uniao que o oardeal Astonelli deu parte
da recusa do Papa.
E f is i qne o principe de Bismark mandasse
declarar ao cardeal Antonelli que neste momento
o imperador nio dava importancia ereacao j
ajustada de nma nunciatura em Beriim.
O principe de Bismaik depois de se despe-
dir do imperador parti pura as snas proprieda-
dai de Varzin. O chancellar explica a sua au-
sencia com a necessidade em que se encontra de
tratar da sna sade. Fica-o substituindo no par-
lamento o Sr. Delbrnck, ministro de estado a pre-
sidente da chancellarla.
Diz se qns o principe de Bismark ia passar em
Varzin as festas de Pentecosts, e voltar a assis
nr s sessoes do Reichstag e que s em flns de
janho principiar as suas ferias.
O ministro da Instraeco publica da Prassia
o Sr. Falk, prop5e-se no dizer de inforraacSes of
rkiosas, convocar urna conferencia para exami-
nar e rever os regulamentes em vigor as escolas
primarias e normaos.
Houve no dia 17 nma nterDellaco a respeito
do navio allemo Ferdinand Nted clarado inna-
vegavel pelas autoridades portugrjezas de Cabo-
Verde.
O Sr. Philipsborne, commissario federal, disse
que o governo tinha ouvido doa? jariconsultos,
segaodo os quaes nao hoavera injastica no pro-
cediment! das autoridades portogueza?, nem ba-
via motivo para qaalqaer reclamacao.
O imperador Gailherme briodoa a cathedral
de Colonia com 22 pegas de artilharia francezas,
que pesam 25 rail kildgrimmas e tem nm va-
lor melalicq de 90 mil franco?.
O sino qaeTla de ser fundido enm este bronze
tem 17 ti's de altura e 13 de ps de dimetro
oa parte Inferior. Por causa das difflculdades de
transporte a fundiQo veriflear-se-ha. n'uma casa
prxima da cathedral, comprada para esse effeito. O
sino imperial, como Ibe chama o povo, flear sen-
do o maior qae existe na Europa depois do gran-
de sino de Mo'cow.
A Baviera acaba de perder um dos seos es-
tadistas e sabios rais eminentes, o Sr. de Maa-
rer, conselheiro de estado, siembro da cmara
alia, e da Academia das Sciencias. Fallecen em
Munich cora 82 annos de idade. Acompanhou
em 1831 o re Othon Grecia e tes parte da re-
gencia durante a menoridade do rei. Foi elle
quera redigiu a constiloicao hellenica, em vigor
durtote o reinado de Otboo.
A Grecia perdeu tambem nm dos seas mais
Ilustres estadistas o Sr. Rbfgas Palamides, que
em 1825 flgaroa aas Sierras dos que eorobatenrm
pela indepatdeueia da Grecia. Reprasentoa sem-
pre papel preponderante nos negocios do paiz.
AUSTRO-HUNGSIA.
Na sesso de Reichsratb de 1S, o ministro da
instruccio pubMca, declarou que o governo n3o
tlnha pactaado com a conferencia dos bispos ;
qae estes baviam enviado ao goveroo propostas
conciliadoras e baseadas na actual legislago : qae
o goverao s hade examinar como seu dever,
mas que se nio affastar da lettra e espirito das
leis sobre as escolas.
A conferencia episcopal deve reanir-se em
Vienaa uo principio de maio para deliberar acer-
ca da distribuicao do meio milho de llorlns re -
centemente votado pelo Reichsrath a favor de ele
ro pobre da"Ci-leithiania. Alguns bispo?, e a m-
prensa ultramontana protestaram cdtatra aquella
dot?cio, por verem nalla um meio de inoeneia
poltica, que o governo nao deixaria de explorar
para conquistar o concurs do baixo clero.
A qaesto de destribuicao do meio milhio -de
florios resolveu-se apezar de todo satisfactoria-
mente para o alto clero o para o governo ; e com-
mooa-se entre os bispos cessarem os ataques con-
tra as instituicoes e as novas leis.
O ministerio Anerspehg val-se aproveitar destas
tregoa? para realisar as reformas polticas que tem
em vista.
RUSSiA.
Diz-se que o general Ignatlef valsar chamado
para substituir o prineipe do Gost-chakoff. Esta
nomeaco, a realisar-fe, indica estarem agora na
ordem do dia as qnestoes do Oriente.
Os jornaes moscovitas disentem um livro alle-
mo, sobre as fronteiraa naluraes do imperio da
Allemanba, que abrangem parte da Snisss, da
Blgica, toda a Hollanda, a Dinamarca, a Polonia,
a Bohemia e outros pases at Triaste I
TUHQUIA. S
O Oriente cada vez tende mais pira tomar os
usos do occidente. A Turqua publica o seu orca-
mento, e acaba de publicar o , a exposicao feita pelo Gra vizir ao Sulto em
um extenso relatorio.
No dia 15 foi o saltad Sublime Porta ouvlr a
leitora do relatorio, do qnal se v cae foi melbo-
rada a adn;inlsira?5o da jcstlca ; elevado o exer-
eaiada a nariaha, compoodo se" traje a esquadra
de 17 grandes fraguas couracadas, raooitore* e
caabonairas; aperfoicoadas as fortifleicoes e ran-
dados estabeiecimeotos para a fabricaQii de ar-
mas ; augmentado o nqmsro das escolas ; prxi-
ma concluirse a linha de eaminho de ferro de
ScuHiri a Isrrrdt, e principiada a de Eskarkair con
um ramal para Brousse ; em eoostruccio bastan-
tes estradas ; aproveiadas as mioas das fuae? ba
agora 77 pedidos de coacessio; protegida a
agricultura, e as aancas no estado qoe lodos
sanen.
O sulto felicitou se do estado do Imperio, e
lastimn que a fazenda nio esteja em itnacjo de
inspirar oenfianca, como exigem as necessidades
do pait a a civiiisaco. de scalo actual.
=- Emir EITendi foi nomeado ministro da ratea-
da em lugar de Cbaiib-Bey, que passou a gover
nador de Trebitonda.
Os armenios catholicos foram offlcialmente
avisados de qae a Porta nao reeonhece Hassono.
Teem de eleger oatro patriarcha.
Na Persia cessoa o cholera
HESPANHA.
O ministerio bespinhol Sagajia pedio a saa de-
raissao por terem sido publicados uns documentos
qae nio desiinava publicidade.
O rei Amadeo chamou Serrano para organisar
novo gabinete, o qaal aeeeitea o encargo ; mas
devendo continuar as uperacoas at ao flm da
insnrreieao, delegou oeneargo em Topete, alim de
que este oecupanlo interinamente a pasta da gner
ra, forme ura ministerio, um membro da maiorh
das cmaras. Topeta depois.'le ler conferenciado
com os presidentas das daas C'maras, cora os mi-
nistros demisiooarios e cora as diversas notabili-
dades da maioria, oieopa-ce da formajio do ga-
binete, que deverla estar constitaido sabida do
Gironde. lodicavam-se mesmo alguns o ornes de
sagastistas e unionistas.
O senado approvoa por 71 votos contra 30 c
projecto de resposta ao discurso da cori.
As ultimas noticias sabidas pelo ministerio da
guerra davara promenores di batida dos carlista*
em diversos ponto?.
Suppaoha-se que D. Carlos estava em Pan ; mus
com certeza nio consta onde elle esteja.
-Mas de 301) sacerdotes tem sabido a campo por
D. Carlos. Muitos delles tora sido feUosprisiooeiros
Extractareraos.de peridicos qae temo3 ?
vista o mais intere-sante do boletim da guerra
civil.
Provincias Vascongadas e Navarra. O gover-
uador militar de S. Sebastiao participoa que en-
travam em Franja os 150 carlistas qae estavam
no monte Laron na fronteira, e iue ocommandan-
te de carabineiros que os persegua andava revi;
lando as casas para recolber as armas.
o O capitio general das provincias Vascongada1
sabia de Murguia, com nma columna de infanta-
ra e cavallaria, em persegoico das guerrilhas de
Calle e Vellasco, que estavam em Manurga e
Echaguen.
A brigada Z irrilla chegou a Zamarra, para
d'allj se mover para onde for conveniente e allc-n-
der paeiflcaco de Gaipazcoa.
t A guerri'ha Carasa achava-?e em Appellaniz,
e tratava de penetrar novamenta em Navarra.
O general Moriones entrou em Estela, assim
como a brigada Ceruti.
A fageao Aguirre, do valla de Gai, foi batida
e dispersa pelo coronel Sevilla e nma columna de
carabineiros; perdendo varios homens ; os cara-
bineiros ticou ura ferido. Continuara a percor-
rer vatios povos as demais guerrilha?, em numero
insignificante.
a O general em chefe, com as d'ivhoas Leitona
e Acosta, opera na provincia (le Biscaya.
As partes relativas a Catalunhi ditera qae foi
batida a faecio Saballs, composta de 350 homens
sendo desalojado? das casas onde se tioham inirin-
cheirado ; perdern um offlcial e mais quatro
tramaos, tiveram 20 feridos e'tres prisioneiro?, A
guarda civil tomou-lbes nm cavado, varias armas
e 80 gorros.
Nos bosques de Lloras e Mllmala foi dispersa
pelo leuente coronel Huniz a guerrilha Caslells.
Dizia-se qaa D. Carlos estava era Pao e qae fi-
aba amputado dois dedos da mo ; mas o certo c
que se ignora o paradeiro (auto do pretndeme
romo do sen irmo D. Alfonso.
Asseverava-se quo augmentavara os bandos
carlistas em lava, lendo sido vistos alguns com
1:400 homons, e que, a pedido de um general qae
opera naquella provincia, se enviar para all mais
artilharia de monlanha.
Segundo a somma dos dado3 adquiridos, ele-
va se a 300 o numero de padres que tem sahido a
campo por D. Cario?.
Um jornal leve a ennosidade de ir soraman-
do o numero dos insurgentes carlista?, qne, no di-
zer das|partes "ii'i -iaes |t -i.i sido aprisionados petas
tropas, e segundo o sea calculo sio 32:600.
Se tantos fossem os prisioneros, qae numero
representaran! ainda as forras da losurreico 1
O estado ma'or do duque da Torre compoe-
se de 1 marechal de campo, 3 brigadeiros, 6 coro-
nis, o tenentes coronis, 4 coramandantes, 8 ca-
pites, 4 tenentes, 3 alferes, 1 auditor de gneera,
3 mdicos, 1 intendente. 1 commisssario de guer-
ra, 3 offlcies de adminbtraco militar, 1 sargento
que faz offleio de carleiro, e a escolta que Ibe d
um esquadrio de hussard?.
Ha era toda a provincia de Burgos 2:000 in-
surgentes. Os principaes ebefes sao Villalaio, II r-
ro e Arsiniego ; o segundo capitanea 500 infantes
e 60 ginetes.
Sonbe-se qne os carlistas, ero nnmero de 600
entraram s 6 da tarda em Moniblanc, juntando-
se-lhes 40 homens. Os voluntarios de Yilavert en-
tregaram as armas, porque nio Ihes pagam.
Nada de positivo se sabe acerca do encontr
havido no Priorato. Dizem uns que s se troca-
rara algnas tiros sem resaltado. Oatros e, melhor
informado?, asseveram qae boave urna formal ac-
cao as eercanias de Mola, entre duas compaohi-
as do exereito e 25 cavallos e aos 250 carlistas
capitaneados nao se sabe por quera, nos vio pelo
Sr. Vali, porque estava em Aibiol. A cavallaria
dea ama carga com bora resultado, pondo
tres sublevados fra do corbata ; estes sahiram
,da plaoice e raetleram-se n'am bosque, de oode
'sustentaran! o f go por espaco de duas hira?,
poodo s tropas dois homens fors de combate.
Cartas de Orense annaneiam a ebegada -
quella capital de ura cabeeilha carlista feito pri-
sioneiro n'ama povoaco immediata a Verlo. Cha-
ma se Romero, e Albo do que sequestrou o juiz
Magdaleoa, magisttado actualmente em Barcelona.
Parece que entrn em Hespanha por Chave?, pra-
ca Portogueza, eora alguns insurgentes, a fim de
revolucionar a provincia. Os carabineiros anda-
ram oito dias atraz delle, ferrado cem nma bala
no hombro o referido cabeeilha ; os que acampa-
nhavam internara ra se em Portugal.
PORTUGAL.
Deste paiz as noticias carecem de interesse po-
ltico.
A carta de nosso correspondente, por extensa
deixamos de dar boje, atienta a bora adiantada
em qne o paquete deu as mallas, relata fados ae
ioteressus secundarios.
Por ella vero os cossos leitores o qae se den
aln no periodo que abrangem as noticias,
Amanha poblica-la-heraos.
res-1 rWieas soeiaei, o Sr. bacbarel D. Luiz e Snu
LM8ft**DE--.4 Exm. Va. D. Mara Barbara
d'AIraeida Stmn, quereade iifaeur de aw
molo brllbante o regateo de qae ee achara pee-
uida pelo baptisado da um sea neto, Mfco do Sr.
Dr. Caetaao Maria de Paria Nev?, eooeeea a It
do correle, da em qae foi levada a pa bapiis-
mal esta innocente createra, a earu de libertad
a ama sua mala traba de aeaet Lacia, eucar regan-
dose de saa eduracae, por saa livre e esraotaor.*
vottade, o referido Sr. Dr. Matar.
Dl.NiiKiRO.-O vapor Pmrmt tronxr para -
Bario de Natareth
Manoel Jos de S Araujo
Pereira V/iooa A C.
Joao Licio Marque? & Fimo
Manoel Marina Fiuza
Bank of Rio de Janeiro
Manoel Nnnes da Fonseca
Jos dos Santos Neves
Carvalbo & Nogaeira
fos da C de O iveira Figaeiredo
VAPOR FRANCBJ. O iieaili
Bordos devia sabir da corte de 21
tXfleOc
7:OUM0OJ
3:000000
3:0000nO
2:(Xt0.l
1:000*00" t
WOaOOO
MftlW
aNaaa -
a 25 de eor-
rente, pelo qae : polera i ocar em aoaai parto
d 27 a 30.
ARMAZEU DO CAMPOS. A este esiateleci-
meoto, da rna do Imperador a 28, acaba de cte
gar nova remessa do bom doct de gnaba da ci-
dade de Campos, no Rio de Janeiro. Aquellas pet-
sojs que nio poderam obler porco detse doce da
prim.eir* remessa, devem apretsar se a piola-
ra lo. V
DKCr.VRAC.VO NECESSARU.-Em costea-
da da arfloeacia de pubiicacoes, deixamns pari
terca Itira o segundo artigo do Sr. Dr. luviaundo
Vianoa.
TELEGRAMAS COMMfeRCIAES.- Os das casa^
commerciaes dos Sr*. Kiecwies & Foster, r Pin.
Leite & S.brioiios de L -odres e Uverpocl, em S*>
de maio as J horas e 10 niatos da lard, diaem
o segainte:
. O algo J;i i sa Arme com alea de I 8 a 1/4 so-
bre os preQ.s: de 10 1/8 a 12 o de Pernambuf>
de 10 & 10 5/8 o da ('inhiba, de 10 l/i a 10 t'it
o de Hace-., de 10 1/8 a 12 o de Maraihio, de l
1/2 o do Rio Grande do Nortea a 10 3/1 o do Cara
t O asucar tt'roe aos precos : de 27' a 30
branco e de 20/ a 26/.
t O caf firme com alga de 2 shillfofr? lobr* o
precos: de 65/ a 74/ o do Rio e de 68, a 71 o
Je Santos.i
NAVIOS SAHIDOS.Do Poro >abram para u
nosso porto a 18 o brigue 7Vmmp*o, e a 21 o
brigue Relmpago com escala por Lisboa
GIRONDE -Hoja as 2 horas da larde lira ele
vapor as malas do eorreio com destino ao sol o
imperio.
LOTERA.-A qae se acha a venda a 7-
beueficio da matriz de Grvala, qae corre ni da
12 do correle.
CASA DE DKTENCAO.-M,vi-nenio do dia 7
de jonho de 1872 :
Existiam (presos) 312, entraram 2, sah:o I.
existem 13, a ?tber : oaciooaes 2t3, maia*rfe
12, atrangeiros 45, escravos 49, escrava- 4, loui
313.
Alimentados a casta dos cofres pobliecs 248.
Movirfleoto da eofermaria oo da 7 de jan : do
1872 :
Tiveram baixa :
Rosa Mana de Lima ua-tnte).
Manoel Flix da Silva ubce?so).
Antonio Maooel da Silveira (fsbre).
Teve alti:
Galdino Gomes da Suva.
COLLEGIO DOS 0RPHA03 O movimeoic f-
te C' llrgio no mez de maio foi o seguinta :
Existiam 91 sahio 1, e.itraram 2, exislem 93.
O das orshis foi o seguate :
Existiam 160, eatrru 1, exislem 161.
PASSAGEIR05.Entraram dos portas do sol
no paquete brasiieiro Paran ;
Dr. Maooel Ciemenlino Cuadro da Cuarta, Dr
Anlooio Coelho Rodrigues, Dr. Francisco de Pa-
ria Lemos, sua seohora, 6 tlhos e 4 criados, Pe-
dro Lopes Rodrigues saa seohora, 1 ulbi, 1 cruda
e4 escravos, Alberto Gh-wy Luiz Corrcia de Avel-
lar, Joaquim Pedro Barreto Mello Rea Fraoc :
Jesas Re?, Clotilde Beatriz D^w-ley, 8 praca-, 'rt
Felippe de S. Luiz Pairo, Dr, Tnsiao INarinn
Costa, Joio I) niai-r Margucil- Rooqotrol, i.iaqtum
'.'eir da Silva. Rodeado, pardo livre, Venan.:;-.,
David Levi, I m-n., erloola livre, Mara de Car-
me, Manoel G.'spar do Carreo. Jos da Cruz, Ma
Ihilde da ConceiAo Sancbes, J o Sanche, Mirla
Jos to Sacramento, Perpetua aficaoa. Amorten
Soarcs Raposo, Dr. Antonio Bjarqa. de Gaiso,
Ad''>lpho Defei-, Mano.I Lour.-nco CiMa Pereira o
sua senbora, Anacleto Jos d Mallos, Alvaro Jone
Teixeira, A ni;co Lniz de Paria, Miguel Vela saa
seohora e 2 filh s, Justino Silva Torres, M uri -i i
Mano, Anloo'o Pereira Gime;, Antonio Fernn!--
Pirlo e Josquim Miguel S. Leiiao.
Entraram da Europa o. paquete trancez 5.-
rond:
Mlle. Leooine Villol, Rodolpho Sbimilb de V.
concello*, Hila Lcgrand, Mrae, Odile da Silva Bcr-
ges, Pedro da Silva .Nave, Decio Augoalo lt- i: -
gues da Silva, Joto da Silva Lemos Gniraara--
Feliciano Baplista da Silva. Jos Antonio da S Ira.
Manoel Delfrao de Gouvea Callado, Car'ota .'a
qaina, Serafira da Rocha, Antooi.i Pinto Card >
da Gama e Joaquim de Oliveira Torres.
g*aji .gjrmrarar-aa
PBLiCACflES A PEDIDO.
\o ha Ira qne me fatpl-c Ta-
ganca; ha dever e zelo pela
setnela.
PERNAMBUCO.
HEVXSTA DI* RA.
CORTE.-Carias desta localidad* dizem qae fo-
ram momeados:
Desembargador da relago de Pernambaco, o
Sr. Dr. Manoel Jos da Silva Neiva.
Presidente do Rio Grande do Norte, o Sr. Dr
Henriquo Pereira de Lucena.
Presidente do Amazonas, 5 Sr. Dr. Domingos
Monteiro Peixoto.
Juiz de direito da Ia vara do Recife, o Sr. Dr.
Qointino Jos de Miranda.
Jais da Direito de Olioda, o Sr. Dr. Delphioo
Augusto Cavalcante d^ Albaquerqae.
CONSULADO PROVINCIAL. Por portara da
presidencia da provincia, de 7 do con ente, foi da-
mittldo Manoel de Siqueira Cavalcaote. e nomeado
Miguel Ludo de Albaqnerqie Mello, feitor confe-
rente do consulado provincial.
COMARCA DE ITAMBE'.Por portara da pre-
sidencia da provincia, d 6 do crreme, foi no-
meado provisorjamenl para exercer os cffleio? de
primeiro tabelHIo VJpcrivao de orphos e mais
annexos do termo re Ilamb, Candido Goncalves
de Oliveira.
TERMO DO BOM CONSELHO.-Por portara da
presidencia da provincia, de o do crreme, foi
nomeado provisoriamente para exercer os ofDcios
de primeiro tabellio e escrivio do civel e mais
annexos do termo do Bom Conselho, Manoel Car-
neiro Cavalcante de Albuqaerqae Lacerda.
DEFEZA DE TIIFZES Perante a congregacSo
dos Srs. lentes da Facnldade de Direito desta ci-
dade deve defender amanha theses qae apresen-
loa psra obler o grao de dontor em ciee!Ju-J
Tu Jo qoanlo bavia eu previsto esl quasi m-
li??do. O no de leza sciencia, o Dr Riymnnd
M. Vianua, .-abio-se anal com o insulto em vea de
cabal defeza, pelas justas accusacfcs qae loe le-
tal frlo, no curapnoieoto de um dever.
Se algura alveitar se apresentasse em Pernarn
buco, em pleno meio dia, a annuneiar-?ecara-
dor dos estreitamenios fibrosos da arelara, ac nm precesso qae nanea existir, rpidamente e
sem dr ; se com ioqualiquavel audacia ves-e
elle aqu dizer, alto e bom som, sera respeito si-
gan aos mdicos da provincia e lamben ao pti-
coque operava por meio de electricidade os es-
treiamentos da aretbra e seo dr, que fendia i*
estreitameoios fibrosos por iosirumeuti nanea via-
to, sem corrimeoto de saogne e fra ioteiraraente
das camellas prudenciaes, alias lio recon.mea.a-
das pelos pralieos; ningaem por certo lhe deve-
ra sabir ao encontr para combate lo com a* aris
da scieocia : denuncia lo sena eaetaote, entregan-
do o I go ao deiprexo e sua propria iodignidoMe,
em falta de polica correccional.
Mas, vir ara homem, mnnido de om diploma de
Dr. em seieoeas medica?, dizer oo centro desta
capi-al com inaudita impudencia aeae opna a
estreitamento de urtikra por auto de tMririU,
por um processo tneiramenle ore em rf.ii ;
garantindo a cura radical em poneos das (t)....
qaando mais qae certoque nada d'iteo exiete.
qae nem ha processo inteiramente oco, ewf CMtr
sem dr, e pelo qual se possa garantir a cura em
poucos dias; que nem ha electricidade pela qaal
se opere os estreitamaotos da ureihra e sem or,
que nao ha err fim meio saperior ao aoeaqalMi
lem empregado......... por corto o maior uo
arrojos, digno de ser severamente ponida pela.
justas reacc,5es da cooseieneia e do dever I
E, em tal caso, seria porveniura acto Luvavel,
3ue todos os mdicos da provincia, sem Vxeepci:
e nm s, diante de semeibante escndalo, r-
menle para se nao exprem s eootortd>s*e asal-
tos do chatUiao, curvos ao peso da desenvoltura
eu meros espectadores do escndalo, deixasseta
correr inclume a mentira saturada de cjeisrao,
com todos os seus effeitos perniciosos, atea qae
to profundamente tocara a hnmanidade ?......
Nio por certo. Isso seria urna especie de coa-
ni venca total, qae bavia de ser um diacoodera-
oada no ajaste de coalas do (aturo com o pr-
senle.
Desi arte, onde os defensores da religue ia
scieu.-ia, para, a exeraplo do Sennor, enxotar a la
tego. do saoeluario os roercadore* immaaaos qpe
o procurara conspurcar? Entionem jastiea,tieai
direito, nem principios, aem moral, nem relif li?
se saslentariam no mundo, para sobre todo pai-
rar o egosmo, desculpado com a digniiaie 4c
ruedo.
Nio por certo. A tacto nio ple chegar o es-
pirito de classe...........,...................
Segurar esse medico pela garganta, traze-lo ao la-
gar mais. publico da eidaaa arraaear-lae a
mascara dizer v-ata de toda gente : i om
nis?ra>el,Borque mentes isciencia................*
Digo qae nm dever, e alta de um deverum
bem i bumanidade...........................
E dizer mais :esse homem A nm medico que
se aviila pelo altiva e pela impostura ; esse med:-
co um homem qae se arri?ia pela iodlga ida,*





"
i.
I__llliptl J
i
i



f## Pe^oi^sc, ^PozaingQ 9, de Ju^qj ^ l
i
e pal eobics... N*m h pro gu. CUre te da proviocia Dr. Portella, no iotoito do ser cas-
*"" f*JiAi*?tf5! L**/0* ""'T "0i o do teroetro tupplente
nena ka ptMcod/ae reoVa ofende 0 desazo mi ope municipal, Manoel Basara das Saaioa,
racdJl, a falla da eoidides pradennaes; e que "
conAMre a sabida rapria do* operados, ora sem
proprros pea, tendo urna algtlii oa nio as ure-
thra, recentemente (alnada por instrumento cor-
tante.
BM<
, ihi Agorada a triste ?tuacio do Dr. Rar-
mojAa M. Vianna V O publico que o jalgue.
QNrto que sae rae elle aaencontr, por bi-
ver-e anouochdo, aqai em Peroamhuco, curador
dos estreitamentos fibroso ia urelhra.am fortuna
iiaI.'aqnell eom qae eurava o mato ddutorna-
grojll Pars 01 canoros anda os mais destruido-
res!. I. a mira qie elle cobre de improperios,
no Diario de 7 do crreme, cora inquahfkavel des
plat, era falta sem duvida de bazes era qae se
firaft para sustentar tanto 'o annuncio, corno as
noticias de que techo faMado*
O qae cumpre, entreunto, ater f Iasaltal-o
do mesmo modo T Para Isto serie preciso que rae
aeUesse na triste sitaaJioem qae se sollocen elle.
A maceara, de e^e'W Fervio para estrepito;a-
uaeuto entrar em Peroambuco, ja loe est penden-
te, por serem-lhe cattadoj os cordeis. Com msis
um ligeirojaapnlso cahir por certo ; e o pand-
eo ver ento, bem departo qual o calibre da ooe-
rador qoe opera "por meo da [electricidade e
sem ior.
Arrancar-lbe a raiscara deixa-lo estoreer-
se ah no dadive, por elle mesmo escolbido, a vo-
ciferar em deliria continua contra os diclames da
consciencia e dignilada da proIis Iba a mascara proseguir nos meas artigas, e
mostrar ao publico, toda evidencia, qae a falla-
da electricidade, convertida em meo de cura
prosapia e radica! e sem dor, contra os estrei-
lamentos da urdihra, nm clcalo de qae se
servio para Anear o p<5 e dizar ao3 collegas, como
outr'ora o celebre poeta prtugaez :
a Cesse lado qaanto a musa amiga cania
Que outro valor mais alto se allevanta. >
E assim procedendo, lentoa por eo'.re o pasmo
de todos, correr illeso o camiaho do lucro, qae
para muitos o nico Qm de um grande diploma !
Nao; nio ha de ser assim : maior o delicio do
medico qae tanto desee, do qae a audacia do cu-
randero qae sobe.
Proseguir!, portaato, em miabas aualyses, com
toda calma aossivel: aoico meo de mais fcil-
mente mostrar ao publico, toda luz, quaes sao
os verdadeins aiicauaeiros, e igaoractesida parte
da cirurgia relativa aos estreitamantos da uretiira.
Dr. Coralino Francisco de Lima Sontos.
...Jlftft
Jual gmente pretende neite sentido offleiar, lat-
o as raides concertada!, porque nio quiz deferir
o juramento de possa, nem quiz qua a cmara
muuicipal o defere, i este empregado de noto-
ria independencia e hinestiiad, e de serv eos
relevantes; perlencsndo alm disto a ama familia
importante e de tradicional moralidade.
Na verdade, nao pode am jaiz de Unto pulso ser
lei mais viva sobre s cmara I...
lias o qae certo, tambera, qae a corda omi-
to espichada arrbenla t... e o novo nem serapre
cao nem cordeiro t... e as vezas, qaer coatrs os
ovemos despotas e perseguMores, quer contra os
izaileis vivas qae nao se a'-n ao pedestal de seos
deveres, e querem metter-se a dirigir oa formar
poltica para si, ou para os seas conciliabularios,
saltando pela Justina e aleando a intriga, apadri-
nnando os persifnidoras e deacarregando machado
da iniqaidade sobre a innocencia ; o povo, digo,
neslas circunstancia?, tambera sabe ser jaiz por si
mesmo, oa agente da justiga panuca, levando-os
abarra do3 trlbnnaes superiores I...
Muito material j existe accamulado naste sen-
tido ; e vai se aproximando a hora de o clamor ler
echo I...
Para o governo lomar em aitencao o trislissimo
e desesperalor estado, da comarca, basta por ho-
Jal...
E assim o espera
O mpxrcial.
Tenlo sido indicado a ilua da Sanio
Aleo para abrigo dos tripolantes dos na-
vios estraogeiros que deraandaram este por-
to, por causa da febre amarella qae os tem
flagellado osle ano o, da ama man eir assus-
tadora conforme demonstraramas duas pu-
blicacies inseridas no Jornal do Recife de
19 de marco e 6 do crrante ; torna-s ne-
cessario saber-se a extens3o da referida Iha,
e se tem casas e accommodacoes para rece-
ber os referidos trip.oUa.tes, ou se neces
sario fazer-se accammodar533 para este
fim.
Na barca ingles* Magdala, para Jfontreal,
carretarara : Henrt Ftfiffr A G. 1409 sacos cem
105.000 kilos de astear aaseavado.
Na polaca hespaahela India, para Marseille.
earregoa : P. M. M*ary DO saceos com 19,000
kilos de assacar mascavado.
No vapor inglez Cognac, para Liverpool, ear-
regoa : L. J. da Silva Guimaraes 200 taceos com
13,000 kilos de assacar mascavado.
No brlgae inglez Herald, para o Rio da Pra
ta, carregaram : P. Caroeiro dt C. 330 barricas Aatooio Los da Cunha WaB
com 39,549 kilos de assacar branco.
Na barca franceza Gravtlle, para o Havre,
carregaram : Tiaset freres 4 C 280 saccas cem
21,495 kilos de alfolio.
No navio inglez Bissept Chrlstin, para o Ca-
nal, carregaram : Keller & C. 456 saccas com
21,787 kilos de aIg odio.
Na barea prussa Laindar, para o Canal, car-
regaram : Rabe Sehmeitau 4c C. 403 saccas com
29,643 kilos de algodio.
Para os portos do interior.
r-o brigoe nacional Pirangi, psra o Rio
Grande do Sul, earregoa : F. R. Pinto Gaimaraes
301 barricas com 31,757 kilos de assacar masca-
vado.
Na bareaca Silvina, para Murici, carrega-
ram : Fraga & Rocha 16 barricas com 1,277 kilos
de assacar branco.
1 v
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS
GEHAES DEPERNAMBCO. *
endimento do dia 1 a 7 10:204*444
dem ao dia 8 ". 2:052>976
12:257*420
9"
COMMERCIfl
vlii do Besito 18 de malo de
t8f.
tttltiva para ser vista pelo governo provincial e
geral.
Von eacelar a minha corraspondencia, impellido
pelo clamor pub ico, que de um outro ponto da
comarca se faz ouvr de um modo conlristador I
A comarca estJpu/a/-mfn/e'Jividida, em
victimas e algozes,-tsodo estes por priocipal*-pa-
tronoo librrimo juiz de direito Joo Rodrigues
Chavea, que mu bem tem compreh:ndido a mi-sao
superior de que se acha investido, entrando por
-/oslo habitual, c tomando parts proeqpiaente por
instincto farejador na intriga e dissenedes locaes
e lazando causa comraura e consorciada com os
felizes da todas as epochas, sectarios ferrenhos do
mandom mismo, e partidarios de todos os partidos.
Os verdadeiros libera-es Ibe sao desagradaveis,
torqae o nao applaulem m todos os seus desva-
rios de perseguido. A fraecio mais sensata e
moderada do partido conservaJor tarabem Ibe nao
agradavel, e incorre era suas ras, porque nao o
quer tomar por chefe. era a certa3 autoridades
inha?, que inepta e commodamente se presta) a
instrumentos passivos de suas disparatadas ou
despeitos.
Tem elle a original e fofa pretenQio de qae a
su voz, como a dos amigo* res, seja a lei viva
sobre a comarca... I e ai d'aiuelle infeliz subal-
terno, que nao e*ti?9r por esta lei, e contra ella
citar, um s artigo aa nossa legislaciol.. embora
em termos de consulta I...
Aiada, ha poneos dias, o vereador Rrayner ( qae
nio dos seas bajulalores) servalo de supplen-
te de jaiz mam tipil era ama causa civel em que
gara ama parte protegida pelo faro do juizlei
viva ( ora bomenagam a infiueuca3 al Hunde) ten-
do deixado de curaorir incontinenti, por ser evi-
dentemente exdruxulo, um sea despacho, profe-
rio em um aggravo, declarado ssra provimenio,
por nao ser caso deste recurso, mas com provi-
nenio implcito, palas monstruosidadej da3 ordens
que contmha, iaclusive o julgimento, que em con-
tradiQio proferio, de se acharem os autos prepa-
rado?, e devorera subir a su* concluso, como o
aggravante quera ; e fazendo-lhe aquelle vereador
uxa consulta, se era da competencia do Juiz jul-
Jddor final, iu do juiz preparador, a apreciarlo
d) preparo ; bem como, se elle juizlei viva
poda, seu bel prazer, restringir-lhe 3, o praso
de 10 dias, que pelo arl. 27 da lei de 20 de setem-
tro de 1871, poda ler os au'.os era sea poder pa-
ra deliberar qualqaer despacho ; responden-le o
despeilalo jui*com um oDjo em modo lao des-
abrid) e araeoQalor de responsabilidade, qae o
pobre vereador, teniendo o raio de Jpiter, nem
mais quiz saber de sua cosip3leocia,e tratou apres
idamente de. por os autos fora do seujuizo, mau-
dando-os subir logo como preparadla, segundo a
crdera da conclnsao do juz de direito nao obstan-
1? um despa^h) j neiles exarado de vista as par-
roelusive o carador e outro decretando amia
ostras providencias sobre o preparo.
Perscrutando-sa o olivo de semelhante dtstam
ptoro, e vindo-se ao conhacimento de que a ur-
g-^cia dos 3 dias liaba sobrevinda no anim do
jaiz, depois Je m-iis de 20 lias, qae, a espera
de opporluaidaJe, em sea p.'d-r leve 03 aatos, e
-'. :''Z descer com o tal despacho, s qaando apuel-
le vareador ia ocenpar-se por 5 dias, na prasiden-
c.a da janta de recursos da qaaliilJaci) de l* juiz
de paz, que do 1." Jisiricto da villa, devendo
P>r aso, no caso de haver necessidade tao argente
de despacho doi autos, d pensaraen'.os, segando a
latenio de certo innocente, ao vereador almejado
- acessoriada do tal innocente ; har-se-ha, ento,
siSendo qae o integro juiz de direito nao quera
otra cousa cora aquella jteceleracao, depois da
propositada demora, seoo tangsr o negocio
geito de poder proferir suavemente a sua sentenga
en sentido j resolcido -9nlre juizpartese io-
iencias. ...antes de entrar no goso de ama II-
cene, qn-^ em segredo tinha requerido, e da qual
vai gosar na Parahyba, para onde hontem d'aqui
-aTo com toda a familia e bagagem, sem pas-ar
o exercicio da vara ao seu substituto, e deixando
4 comarca em perfeita aaphaha //...'
"A proposito deste seu ultimo procalmenlo, di-
zea uns, que teve elle em vistas ampliar o prazo
da licenQi e percebar o ordeaado e gralifbacao
durante as f>ras do Espirito Santo, qae come^am
aaanbia; dizem ontros, que para farlar-ae a con-
ceder babeas corpas, cuja pelic) se procara
iastrairi ido as pobres ci Jalaos espinhas de
girgantao delegado de polica, de ibja primea-
ra perseguico j se haviam Jvrado, obleado bal-
xas doexercito, para o qaal tinham sido recrata-
(!:>., e despeito do qne foram no dia 14 do or-
rante publicamente presos pelo promotor publico,
(moralisador sagiz do tal dehgado) para averi-
guacZes policiaese a ordem do subdelegado, pon-
c: os logo a disposi;!) desta autjridade nominal,
di aecrio com o juiz de direito, perante o qual
rjiidoa qae o soldado os conduzisso, indo atraz
combinar a soluco Eita verso nio parece
das mais juciosas, posto qae a ex:epgao da am
a ich_\ qae hoje dea o juiz municipal snpnlen-
tiJoaquim Paotaleo, que nao soube ac ;oaj-
mdaT-se i tanta chicana offlcial, mandando dar
a certidio requerida da ordem de prsao e da no'.a
(.institucional da culpa, todas as mara autoridades,
. inclusive o propno jaiz de direitoat hontem as
luras de sahir, inleferiram as paticSas, que n'a
qielle sentido Ibes forara apresentadas.com os
despachos revollantemenu declinatorios deRe-
qutira a quem compitir I... Oatros flnalmene,
dizem, que para ama e oatra coosa, e mais alguns
oelhiios anda nio aebados, qne da mesma
<-iqiada matou... iniiguaodo-se entre oatros, uns
aal03 da irmandade ie S. Sebastiao pelos qaaes
tosa interesse,por especial devoco aa mesmo,
oa a outro milagroso santo... e am proeesso
de responsabilidad* do en subdelegado Jos Cy-
priano, alvo mais 'qne mediano de suas ira;___
(h qaaes nao qmi confur ao sea substituto even-
tualo segunda sappleota do jaiz municipal em
exercieoj mencionado Joaqaim Pantaleio, le
carcter, por certo, nio ti? fcilmente tneneiavil
aos seas caprichos..,. e os ttt, por issotrao-
cades as amx nra os entregar em pesad* ao
pnmeiro supptenf* Joo MauoeT PontoiI) qaaoi
vay-fadg duw, coa 0m termo de jaramenlo
^eJoy!l"!t*'*H'?? <%*tl vai de irrito ao Reeife, log qae expiren* fe-
rias. r"
Como qaer at seja, myiueoaiii ainda se diz'
com visos de probabilidad*.; cUo a de ama eon-
fereacia, qu* m utimu do Exna, vice-prMiea-
Segaros contra-fogo
COMPANHIA
NORTHEBH.
Capital.
?ando de reserva
. 20,000:000*000
. 8,000:000*000
Agentes,
Mills Lathan S C.
Royal ksurance Oampany.
Real compaahla 3e segaros
de Londres e Liverpool.
CAPITAL
2,000,000 libras sterlinas
ou
20,000:000*000
Com antorisacao do governo.
Segara contra o risco de fogo, cas?s, fazendas,
a qaalquer oatra especie de mercadoria.
O agente nesta brovincia
/. O'C. Doyle.
38 Roa do Commerco 38
N. B. Para seguros de vida da pessoas livres
qne a companhta tomar em soa sede em Londres
oa Liverpool, o mesmo agente servir de corres-
pondente, recebe as propostas, reclamac,5es e pre-
mios dos seguros das pessoas aqai residentes para
transmittir corapanhia, e eqtregar aos segurados
so respectivos ttulos.
Oompanha, Phenix Pernam-
buoana,
Toma riscos martimos era mercadorias, fretes,
Jinheiro risco e inalmeutede qualqaer natn-
reza, em vapores, navios a velia ou barcadas,
premios muito mdicos: ra do Commerco nu-
mero 34.
PRAGA DO BUFB 8 DE J'NUO
DE 187.
KS 3 1/2 HORAS DA TARD*.
Gotaoes officiaes.
Algodio1 sorte 762 rs. por kilo, hontem.
Algodiomediano 715 rs. por kilo, hontem.
AlRodo de 2' son 0i7 r3. por kilo, hontem.
Cambio sobre Londres a 90 div. 24 3|8 d.. 2i
1|2 d., e do banco 24 3,8 d. por 1000,
hontem e boje.
p. J. Pinto,
Presidente.
Dubourcq,
Secretario.
CONSULADO PROVINCIAL.
ttendimento do dia 1 a 7 38.912*342
dem do dia 8...... 16:104*043
33:016*385
MOVIMENTO DD PORTO.

Navios entrados no dia 8,
Rio de Janeiro e portoa iotermedios6 dias,
vapor brasileiro Paran de 850 tonela-
das, commandante Garca, equipagem 53,
carga varios gneros; itenry Fors-
ter & C.
Ass14 dias, hiate brasileiro Graciosa,
de 96 toneladas, capito Eslevo J is dfe
Freitaa, eqaipagem 8, carga sal e oiflros
gneros; Bartholomen Lonrenco.
Navios sahidos no mesmo.ia.
CanalBjrca iogleza Eleonor Gracc, capitSo
Tbomaz Jones, carga assacar.
CanalBarca iogleza Dolphin, capitao Tbo-
maz E lis, carga algodio.
Antonio Jos Martino, idem n.
AW,r40l* Aba >0r,',' iam
ASa Roeh*PM9t*>M9B1 -
Aotonio'de Aboquerqae Mello,
idem o. 42f
Albioo Jos Ferr'eir di Cosu,
dem n. 447
Berley, idoa, o. 4j"|
Antonio Jacntho Reieode, idem
n. 47
Antonio Jos Ferruco, idea n.
6* 441
6f 340
H 540
6* 540
6# 540
6*
da Cosu,
EDITAES.
Caetano Ciraco da Costa Mreir, majnr comman
daole interino do Ia balalhio de infaniaria da
guarda nacional do Recife e presidente do con-
selh) de qaalilkacao da parochia de Santo An-
tonio, etc. etc.
Paz publico que tem concluido os trabalbos da
primeira rnnio do conselho de qaaliftcaQio e (lea
marcado o dia 15 do corren;e 'm^.as 9 horas da
manhia, para a seganda reaniio do conseibo de
conformidade com a le.
Sala das sessSss do conselho de qualicacao da
parucbia de Santo Antonio 1* de juoho de 1872.
Caetano C da C. Horira.
O Illm. 8r. inspector da ihesourana pr.ovio-
cial manda fizer publico que foi transferida para
o dia 10 de juoho prximo vindonro a arremataoao
do imposto de 2*300 p r cabega de gado vaceum
consumido no manicipio do Recife, orgado annual-
mente era 67:lO0j.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
huco, 29 de maio de 1872.
O offlcial-raaior
___________________Miguel Alfonso Ferreira.
Pela thesouraria provincial se fai publico
que a arrematacio do imposto de 20 % de agur-
dente consumida as comarcas oaJe enstem col-
lectoras fui transferida para o dia 13 do corrate
mez.
Secretaria da thesouraria provincial de Peruana-"
baeo, 2 de jaauo de 1872.
Oofllcial roaior
Miguel Alfonso Ferreira.
Angelino Pacbeco
dem a. 495 ,
Antonio Jos da, MolU, idem n.
Antonio Gome* da Cunha, idem
D. 520
dem, idem n.165
Antonio da Silva Gaiilherme,
dem n. 400
Antonio Los da Silva Martins,
dem n. 533
Antonio da Silva Pontes, idem
n. 840
Ant0D Prsderico Supra, idem
D. 552
Anua Florinda, idem n. 556
Antonio Manoel de Campos,
idem n. 572
Antonio Gomes da Silva Cunha,
idem n. 575
Antonio Pedro Ferreira, ide
n. 582
Antonio Pinto Baptista, idem n.
609
Anna Ricarda de Mello, idem n.
198
dem, dem n. 599
Antonio Botelho Pinto de Mes-
qaila, dem n. 016
Apbrodroiio Mara de Mattos,
idem a. 630
Antonio Moreira da Slv, idem
n. 683
Antonio da Costa Reis, idem n.
748
Alexandrina Claadina Lopes,
idem n. 749
Antonio dos Santos Mello, dem
n. 750
Antonio Jos Correia, idem n.
775
Dr. Antonio Joaqaim de Moraes
e Silva, idem n. 698
6
6*
6#
61
6/
64
64
6*
64
64
64
64
64
64
64
64
64
64
64
540
540
540
540
540
540
540
540
540
340
540
540
540
540
540
540
540
50
540
540
540
64 540
65 540
64 540
6 540
(Contina)
64540
64540
64540
64540
64540
64540
64540
. 64540
64540
64540
134030
64540
64340
64540
6*540
64540
64540
64540
64540
64540
13*03'j
64540
64540
64340
64540
64340
64540
64540
64340
O Illm. Sr. lospector da thesouraria provin-
cial, ern enmprimento da ordem do Exm. Sr. vice-
presidente da proviocia, maoda fz->r publico qae
00 dia 13 de junho prximo vindonro, val nova-
mente a praga, peranle a junta desia thesonraria
pira ser arrematada por quem por menos
fizer a obra da ponte'do Caxito, na estrada de
Nossa Senbora do O' de Ipojaca, cujo.orcaroento
foi anmanlado com mais 20" (, por isto eleva-
do a 8:1004400 rs. e sob as mesmas clausulas es-
peciaos j annnnciadas.
E para constar se mandou publicar o presente
pelo jornal. -
Secretaria da thesonraria provincial de Per-
namhuco, 23 de maio de 1873.
O ofScial-maior, Miguel Affonso Ferreira.
conformidade tora o regalanjento de 13 de jacho
de 1859, artigo 3, rjuaddi ao3xar edftaes nos lu-
gares do costme. abrici-jos pela imprensa,
chamando os berdetrov tacteiMKf do mesmo fi-
nado, e todos que direilo tennam i sna heraoga i
viren habilitarse na frme do citado regala-
manto.
Dada e passada nesta cilade de Olinda aos 3 de
japho de 171 E ea bscharel Praneisco Lins
Cildas, essrivlo o subserevi.
_____Manoel Antonio dos Passos Silva Jnior.
O Doutor Sebastiao do Regj Barros de La-
cerda, jaiz de direito esbeci?! do com-
merco destd cidade do Vtecife ,de Per-
nambaco porS. Magostada o Imperador
qae Deas Gaarde etc.
Faco saber pelo presente que acha-se
a berta a fal! enca do commercianle Jos
Antonio da Silva Machado, pela senteaca do
iheor seRointa :
Scnteo?a.A vista da peticlo de folhas 2
e balanco de folhas 3 a 5 com qoe se apre
sentou, declarando sua fallencia, Jos Anto-
nio da Silva M tenada, commerciaote estabe-
Itfcido com loja de miadezas ra do Ca-
bug n. 12 desta cidade, bei por declarada
a abertura d fallencia do mesmo, datando-a
de 31 do maio fiado, data em queapresen-
tou a peticlo.
Nomeio caradores fiscaes aos credores
Lehmann Frres que prestarlo juramento ;
eimmediatamente proceder-se ha ao aventa-
rio a:to em que nomearei quem sirva de
depositario at que os credores aa foruia do
artigo 842 do cdigo commercial nomeiem
outro, sendo para isso convocados para se
reuoirem no dii 11 do corrente mez as 11
horas na sala das;aodiencias. Faca se pu-
blica esta sen tenca por editae 3. Pagas as
castas pela massa.
Recife 5 de janbo de 1872. Sebastiao
do Reg Barroi de Lacerda.
E nada mais secontinha emaditasenten-
ca eporfor^a damejma o respectivo escri-
vo fez pastar o presente edita!, que ser
affixadj nos lagares do costme e publica-
do pelos jirnaes.
Dado e pass?do nesta cidado do Recife aos
6 dis do mez de junho de 187J.
Eo, Ernesto Machado Freir Pereira da
Silva, escriv5o o subscrevi.
Sebastiao do Reg Barres de Lacerda.
4a Era todo mais j)a nao tai
presentes clamlas *e otnervr o
reparticao das obras pnblieai.
Co afora
Mignel AffonM
9 ea*
j Ja
O illm. Sr. raspeeicr da mmwu ptim-
eial, em cara primelo da ordo a Saos. Ir. vlcs-
presidente da provincia de 7 de mi alune,
manda fazer publico qae no dia 5 de intrate-
prximo vindonro, peranle i jtnta 4a tmmU m\
mesoa thesonraria, se levar prefie, pan Mr
arrematada por quem por mans Rar, otra i
4* laooo da estrada de alurawa, otfada
14:1904, a sob asclansalu speatoea abaiM de-
claradas :
As pessoas qne se propszena a ean Mirai
laco rompare?am na sala das aess3ei da nfciila
junta, no dia cima mencionado, pelo meto dia, 9
competentemente haoiiitadas.
E para constar se mandn publicar e presen:*
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial le- Per
nambucq.6 de junho de 1871
O oeial Bator,
Miguel Affonso Ferreira.
Clansala*. espeeltes.
1' As obras do 4a la neo da estrada de Varibeca
na importancia de 14:1904, serse execrada*) 4
conformidade com o ornamento e plasta srarrav
da pelo presidente da provincia.
i* O arrematante dar principio as asna a*
praso de nm mes e as concluir ne de oito mete.
3' Os pagamentos sero ettectoados em quatro
prestarles igoes, corre.=pondendo cada runa *
4* pane da obra ejecutada.
4 Era tndo mais que nao vaf especificado se-
gnir-se ha o que dispe o regalaraealo de 31 d*
julho de 1666.
Coa forme
________________________M. A. Ferreira
Por e-ia secretaria se declara a qura tale -
ressar possa qae aos 7 do correte mu foi tal-
gada nuila e de nenham efleilo por S. Exe. o S
vice-presideute da provincia, e publicada aeeu
secretaria, a sentenca do respectivo jnu ceoMBissa-
rio nos autos de medico e legitimacio da pass*
den imioan Corral requerida por lUrtiaiaa
de Barros Bran .0 ; ordenando o mesmo ExTje. Sr.
em sna deciso que se procedesse a oatra medi-
di(io nos termos do arl. 30 di regolaraeoto para
execurio da lei n. 601 de 18 de novrabro <
1850, sendo notificados os recorremos. Jai) Car-
los Cavalcante de Albnqnerqtie e t. Aaaaaaa Um-
belina de Sena para assistir a nova medteie, ce-
rno bereos coauaanles, que -o du dito tiliaCar-
ral.
Secretaria da presiden :ia de Pernambaeo, 7 d
junho de 187!.
O ?ecreno,
Elias Frederico de Alme:Ja e Albuquerqa*.
ALFANDRGA
endimento do dia I a .
Id*m do dia 8 .
336:27*4449
42:3054028
408:5834477
Oescarrsgam hoje 10 da ;aabo de 1872.
Vapor inglez Cognac varios genero?.
Lugar portaguez,/m/o vanos gneros.
Patacho inglezLa Caycaneilem.
Hiate nacionalGracioso idem.
CAPATAZIA DA ALFANDEGA
lendimento do dia 1 a 7 3:9794039
dem do da 8........ 5924994
4:5724633
SAHIDAS DE MERCADURAS.
Volames sahidos cora fazenda 193
dem idem cem gneros diversos 597
Somma 790
Importado.
Vapor brasileiro paran, vindo do
Rb de Janeiro e escalas, mdnifestou:
Barricas abatidas 50 voluntes a Loro &
Fho.
Gaf 50 saceos a Monteiro Jnior & Fer-
nandos. Cigarros 27 barricas a D. A. Ma-
theus, 10 a Gomes do Mattos 4 IrmSo, 5
a Conha i Manta, 1 caixa, a Joaqaim Ber-
nydo dos Reis.
T)roga i caixas^a A Gaors.
Encommendas 3 voluntes a A. J. de Aze*
vedo, 1 a M. M, Fiuza, 1 a J. J. do Lima
Bairo, 2 a Bartholomen 4 C 1 a C. Hur-
bain, 1 a F. J. Costa GnimarSes, 1 1 Wal-
fredo 4 Souza, 1 a Braga Gomes & C, 1
a Aprigio de Menezes, 1 a Prente Vianna
4 C., 1 a Cyro Manoel, 3 a Domingos Al-
ves Matheus, 1 ao Dr. Menezes de Drnm-
mond, 1 a A. F. Ramos Sobrioho, 1 a A.
A. de Carvalho Veras, 1 a Meurou 4 C, 1
a Robilliard Lidstone, 1 a Mendos 4 Aze-
vedo, 1 a Monteiro Jnior 4 Fernandos, 1
a J. B. dos Reis, la Bourgard, 1 a Manoel
Dias de Toledo, 1 aCietaoo P. de Veras,
5 a B. Campos, 4 a J. L. Goncalves Fer-
reira 4 C 2 a Lahacar 4 C, 1 a A da S
Ferreira Janior, 1 a A. G. Netto, 1 a Jos
L..Milanez, 3 a A- L. de Ovein Azeve-
do 4C.
Famo 2 rolos a J-. F. Ploto do M^galhSes,
18 a A. F. de Carvalho, 40 caixaa,aordem,
I e(30 rolo a J. M. Palmeira.
Livroi 1 caita ao iospactor da thesoura-
ria geral.
Papel 8 caixa a E. R. Rabel lo. Posa-
da 50 cajxju. aMjiiteiro Rocha. 4 C,
Motaos 1 caixi a Custodio Braga.
ie
O procurador fiscal da thesouraria pro&incial de
Pernambaeo declara aos contribuales do imposto
sobre carros, cirrocas e mnibus no exerccio de
1871 que Ibes fica marcado o praso ne de 30 dias
improrogavei*, a contar da pnhlicacjio deste na
coaformidada da le n. 891, art. 58, para solici-
tirem da secgao do contencioso as respectivas
guias, afira dn recolherem seas dbitos provenien-
tes do mesmo imposto, certos de que nSo pagando
dentro deste praso, proceder-se-ha a cobranza ju-
dicialmente, fazeado para isto publicar a relacao
dos devedoro3 abaix? transcripta.
Soccao dp.contea:io30 da thesouraria provincial
de Pernamloco, 5 de janho de 1872.
O pncardor Bscal,
Cypriano Fenelon G. Alcoforado,
Devedores do imposto por 'canos, mnibus e car-
rocas.
4 .
Aatonio Machado Gomes da Sil-
va, carrosa n. 297.
dem, idem n. 293.
dem, dem n. 389
Adolpho Teixeira Lopes, idem
n. 293
dem idem n. 391
Antonio Francisco Jos da Cu-
nha, idem n. 231
dem, idem n. 270
Anna Joaquina da Conceicao,
idem n. 401
dem, idem o. 438
Antonio Furtaio Quelto, idem
n. 9
Agostinho Vellar, idem n. 16
Augusto Floreatino Cesar, idem
n. 37
Antonio de Medeiros, ide 2 0.
78
Antonio de Carvalho, idem n.
262
Actonio Francisco Ferreira idem
n. 80
Angosto Maciel, idem n. 81
dem, dem n. 82
Antonio da Silva Ltns, idem a.
86
Antonio Rodrigues Vaqueiro,
idem n. 112
Antonio Alves da Costa, idem
n. 133
Antonio Proeopio de Souza Bar-
cellos, idem n. 180
Antonio Correia da Costa, idem
n. 213
Antonio Francisco de Souza,
idem n. 802
Aotonio Pinto da Silva, idem
n. 214
Aiaa liara da Conceicao. idem
n. 216
dem, idem n. 217
Antonio Martins Goncalves, idem
n. 226 -
Antonio Ignacio Brandao, idem
n. 243
Antonio Elizo Antones Ferrei-
ra, idem n. 252
dem, Idem n.255
Antonio Jos Dias, idem n. 265
Antonio Joaqaim de Almeida
Cruz, idem n 276
Antonio Nelto Ferrein, idem n.
Antonio Teixeira, idea 0. 2-78
Antonio Soares heves', taem.n.
Antonio Jos Craveirw, dem n.
Anna Joaquina da Canoa Ca-
vajeaste, ideo n. M7
AlexABoVioo beodoto de Bar-
ustsats.
o
a.
a
6
64
64
o
a
Despachos de exportaco. no dia 7.
junio Pa?a oa poeto do exterior.
fto brlgne port|tut Catete, para Lisboayfr
64
6*
64
64
64
64
64
64
64
61
64
64
64
64
64
64
6
64
64
64
64
4
64
64
6*
64
540
540
540
510
540
54>
540
540
540
540
540
540
540
540
540
540
540
540
540
540
540
540
540
m
540
540
540
540
540
540
540

194620
134080
135080
134080
64540
65540
64540
04540
65o40
64540
134080
64540
64540
64540
4540
64540
64540
64540
A thesonraria provincial contracta o forne-
ciraento dos objectos precisos para o expediente
das reparticoss provinciaes no exerccio de 1872
a 1873.
O ontrato ser feto no dia 20 de junbo ao
meo dia, perantra juma da rne-tma Ibesooraria.
A licicao ser fe'.a em frasco centiciraaes
da importancia total dos objectos fornecidos se-
gundo 03 presos do ornamento, os qaaes os con-
currentes encontrarlo aa secretaria da mema
thesiuraria para examinar, afsira como as con-
dicde3 com que deve ser effectaado o contracto.
Secretaria da thesonraria provincial de Pernam-
buco, 14 de maio de 1872.
Otifflcial maior,
Miguel Alfonso Ferreira.
= O Illm. Sr. inspector da thesonraria provin-
cial, em cumprimeato da resolano da junta da
fazenda, raanda fazer pnblico, que no dia 13 de
junho prximo futuro, peraute a mesma jan
ha de arrematar a quera por meos fizer, o fj
cimento dos medicamento; e ateneij precisos
enfermara -da casa de Diteoeao, por tempo de nm
anno, a outar do i de julho do corrale auno a
SOdejuDho de 1873.
As pessoas que sepropozerem a esta arreraata-
i;ao, comparecam na sala das sessoes da referida
junta, no dia cima indicado pelo meo dia, e com-
petentemente habilitadas.
Secretaria da thesouraria provincial ds Pernam-
baeo 14 de maio de 1872.
O offlcial maior,
M. Affonso Ferreira.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria provincia
em cumprimeato da ordem do Exm. Sr. vice-pre-
sidente da provincia de 7 do corrate, manda fa-
er publico que vai oovimente a prac,a no da 8
de agosto prximo vindouro, para ser arrem-taia
a quem por raenoi fizer a obra do segundo lacgo
da estrada de Una a Capoeiras, orgada em.....
22:0004000 e sob as clausulas abaixo copiadas.
As pessSas que se pnpozerem a essa arremata-
do omparegam na sala di' ees- da referida
junta no dia cima mencionado, pelo meio dia e
competentemente habilitadas.
E para conuar se mandou puplicar o presente
pelo jornal.
Sscrelariada thesonraria provincial de Pernam-J
baco, 10 de maio de 1872.
O officlal-maior,
itrguel Affonso Ferreira.
Clausulas especiaos.
1.'
O segundo iaogo d estrada de Una a Capoeiras
de 22)2,90 metros de exteogae na importancia de
22:0004000 se'rexeculado de conformidade com
o respectivo ornamento e desenhos junto**, appro-
vados pelo presidente da provincia e instrnecao
do engenbeiro encarregado da fiscalisacao dos Ira-
balhos.
i.'
O arrematante dar comec.0 aos trabalhos no
prazo de trila dias, e os concluir no de dezoito
mezes, contados ambos da data do contrato.
3.
O trabalho ser execatado a partir dos dous
pontos extremos para o centro.
4.'
O pagamentos serlo fei(03 era seis prestages
iguaes, correspondente cada urna a am sexto da
importancia total, quando 09 trabalhos ejecutados
corresponderem a essa quantia.
8-* 4
Era tndo o mais qae aqai nio vai especificado,
segair-se-ha o que a rejpeito dispSe o regalamen-
to:S.31 d3 julho de 1866.
Conforme,
Miguel Affonso Ferreira.
64
64
940
540
Ajenlo Ptreire Cavalcante e
AJbaqunM, idn a. 339
64 o&O
64. 540
64 540
64 510
64 540
64540
64540
64540
6*540
13*080
64540
6-48
64540
64340
64540
O Illm. Sr. iuspeetor da tnesouram provin-
cial maoda fazer publico que ne dia 13 de junho
prximo vadouro, perante a jauta desta thesou-
raria se ha de arrematar a quem por meaos fizer
o forneciraento de aliraentacao e dietas aos presos
pobres da casa de deteneao no trimestre qae prin-
cipia no I* de julho vindouro a 30 de selembro,
servindo de base arrematacao os preces ceguin-
tes :
Almofo e jantar conforme a tabelia.
Domingo 30
Segauda-feira 380
Tetta-feira 380
Quarta-feira 360
Quinta-faira 330
Sexta-feira 340 .
Sabbado 340
Dietas.
N. 1 380
N. 2 400
N. 3 640 *
M. 400
N. 5 400
Alm do qae est mencionado as tabellas ser
64 540 61.140 ornecido ceia aos preso*, a qaal ser composta
de um pao de 3 nagas, *t nmatotaetia, ama on-
5a de caf e duas de -attoear, pelo mesmo prego
per qne for foraecid* o atooco.
TB para consur se mandea publicar o pre-
sento.
Scretad* da thesonraria provincial de Pernam-
.km noce 15 de maio de 189ft
O ofllciaj-maior,
Miguel Affonso Ferreira.
ODr,M*oel Antelo do*Paam* e Srtra, jatade
dvtaUbs a auwtms. I Wpplente en axsroleia
eHeffl d* OMeJi ta rtrMdd da I* *.
mevaaterpelo praata qoe 00 e*u jalao M
a aaa lerru, tita i rus da Mea de
deU cidade peHeaceota ao **- tro prestaos* Vgiiaes, corre^eafc'^eaox5*
mm a MW9- ttMkX} i* DV* obra wtal
O Dr. Sebastiao do Reg Barros de Lacer-
da, juiz de direilo especial do commer-
co nesta cidade do Recife de Pernamba-
eo por S. M I: etc. etc.
Fago saber aos que o presente edital vi-
rem, que por parte de Tasso Irmos 4 C,
me foi dirigida a petigSo do tbeor seguin-
:e Illm. Sr. Dr. juiz do commercio
Dbem Tasso Irmaos 4 Companaia, que
quereo> fazer citar, a Joaquim da Costa
Amorim, estabelecido com taverna nesta ci-
dade na aeguezia de S. Jjs, para na
primeia audiencia deste juizo, fallsr aos
termos de ana acelo ordinaria, na qual pre-
tenden! os supplicantes pedir-lbe a quaatia
de um cont tfeaeotos noventa mil novecen-
tos e oitenta o quatro ris o seus juros, sal-
do das transaccSes uavidas com o sopplica-
do provenientes, de gneros que Ibe vende-
ram para o sortimento do seu estabeleci-
meoto, como demonstra a conta junta; fun-
damentara os ?upp!icantes o seu pedido e
accSo na dita conta as teslemunbas que
bao de produzir no termo probatorio, no de-
poimento do supplicado, e quaesquer outras
diligencias que julgaram a bem da seo di-
reito ; requerem os supplicanles a V. S se
digne manda-b citar para todos os termos
da cauaa al Qual seutenga, pena de revelia
E por quanto consta aos supplicantes o
geralmente sabido que o supplicado auzen-
tou-se desta cidade feichafcdo o seu estabe-
lecimenlo; e nao se sibe at o presente
onde elle exista ; requerem os supplicantes
a V. S. seja servido admitti-los a justificar a
auzencia do supplicado para julgada por sen-
tenca, ser ella citado'p'ir, cartas e edital com
o prazo da lei, para lodos os termoj da
cauza o sua execugo at final sentenca,
digo ate fin arrematacao e integral embol-
so dos supplcaotes.Requerem ob su pil-
cantes a V. S. se digne designar dia e bora
para sercm ioqueridis as testemontias.
P. a V. S. deferimento.-E. R. M.
Eslava sellada com o sello de e-t .apuna
oa importancia de duzentos ris, legalmeo-
te inutilisada da forma seguinte : Recife,
' de junho de 1872. G. Alcoforado.
Na qual dei o despacho segointe Dis-
tribuida como requerem, sendo a inquirico
quando queiram os supplicantes.Recife,
li de junho d3 4872. Rarros de Lacerda.
Em virtude do qual fra a petico dis
tribuida ao escrivo deste juizo, Manoel Ma-
ra Rodrigues do Nascimento,E tendo o
o supplicante proJuziJo suas teslemunbas
as quaes juraram ac'aar-se o reo auzenle
em logar nao sabido, sellados e prepara-
dos os autos, me fez o escrivo concia-
sos e neiles dei a sentenca seguite ;
bei por justifica ia a auzencia de Joaquim da
Costa Amorim ; peto que, mando que para
os fins declarados na peticSo de fh duas
seja citado por editaos com trinta diaa de
praz affixados e publicados.Gustas es-
cansa.Recife, Io de junho do 1872.Se-
bastiao do Reg Rarros de L3C9rda.Por
torga do qual o escrivo fez passar o pre-
tenle, pelo qual chamo, e bei por intimado
o dito supplicado para que comparega ueste
juiso dentro do dito prazo, afim do allegar
o que for de justica.E para qo# ebegue
ao conhecimeBto de todos mandei passar o
presente qoe ser publicado pela imprensa
e adiado no lagar do cosame.
Cidade do Recife de Pernambaeo, 7 de ja-
nho de 1872.E Secundino HelioJoro da
Guoha, escrevento juramentado o escrevi.
Ea Manoel Mara Rodrigues do Nascimento,
escrivo, o subscrevi,Recife, 7 de janho
de 1872.
Sebastiao do Reg Barros de Lacerda.
CECLARACOES.
COMPOTA
BEBRIBE
Sagunda fira 10 do corrente pa'ai I:
horas da manh3a ha reoniH > da dire:ton
detla companhi.i: o qoe lera lugar,bo rt-
pec.ivo escriptorio ra do Cabuga n. 46.
O secretario,
Jost Honorio B. uusulado provinciaL
Por esta repartgio avsa-se aos respeetrn
contribaintei jue comega no Ia do m 1 proxif
vindouro a correr o praso legal para o reeeb
ment sem dependencia de mu ti dos imposto* d
dcima urbana, 5 0,o sobro o readiroenu. dea pre
dios do cnrporacods de u.i rooru, 60 s. po.
litro de agurdente, relativos ao V semestre >
anno fioanceiro correte de 187175, iccrrenV
na multado 6 Ojo aquello*, qie nao r alaretr
csse pagamento d;ntro do ma-n .
Consulado provincial, 23 de maio de 18TJ.
O dministr^dor,
A. C. Mjcbado Ros.
Pola the?ouraria provin:il se faz put.:
que li:a iraateri la para o da 10 do 0etNejM 1
arrematacio dos impostos provinciaes das c.'Xa:
cas onde nio existem collecrorias.
Secetaria da thesouraria provincial da Perc:
buco, C de junho de l-7. #
O cmcial-maior,
______________Miguel Aff'.nao Ferreira.______
Capliauia do porto bnco 4 de j::a 10 de 1S ? 9
Para scieneia dos matriculado aeita capiut 1
manda o llim. Sr. capitao da mar e gu?rra e cap -
tao do Porto deelarar qa8 as revi>l;.s measa-
d'ora em diante s lero lugar ns priociraj d
mingas de cada mez, oa conformidade do art.;
66 do re'gulamento Je 19 de maio de 18S6, i -vea-
do principiar as 9 horas da manha e terminar 1
meio da.
O secretario,
Deca d Aii'm Fon-^a
Juizo dos tetes di ftldlH.
Escrivo Dau'elra.
v-xIa-feTa 21 do crreme, pelas II htfU d
dia, perante o Sr. Dr. jaiz substituto dos fetos 1
fazenia ir praga por v-oJ.-, o ssguiae :
As casassilas ra I.nperial n<. ." e 9L lend
esta 20 palmos de frente, e 23 Mee de fundo, l
sila e nm quorio, avaliada em 400J rs., e as
2! palmos de treme, i5 ditos i f md-i, aan
las, dous quartos, avaliada em COOa, as qua-
so pertencenles a Jola Rodrigues L'ma, e vi
a pr-(c.a por exacaglo qie Ibe move a fazenda pr~ -
vinciat.
A casa terrea sita ra do Yuradcnro, a..
Olinda, n. 31, tendo 16 palmos de frente a 70
fundo, 2 salas, 2 quartos, eozinba dentro, qoiL-
tal em aberto, avaliada em :tOiax, para pagamon
to da execo?ao contra herdeiros de F>l:ciaio Tur-
res Ribeiro.
dem, a ra do Bomgosto, n. 1, fregwzia do-
AfogaJos, com 16 palmos de frente, .ti de fuifii
sem reparliraenio, em m) estado, avahadle
1005, para pagamento da execucao contra Tran-
quilino Manoel de Parias, como OCC
Reeife, 7 de junho de 1872.
J. Fumino Coni 6 Aranj .
AUMIMSTRACAJ OJ liOlttttiOS UE PKK.Na
BUCO 9 DE JUNHO DR 1872.
Halas pelo vapor Paran da Companhia
Brasileira.
A correspondencia .^ue tem de aer expdida
hoje (9) pelo vapo^Snma mencionada pira
portos do norte, serarecebida p?la mane ira w-
guinte :
Macos de jornaes, impressos de qaik]oer aati-
reza, e cartas a registrar, at 2 horas da tul-
carias ordinarias at 3 horas, e estas at S lil
gando porte duplo.
O administrador interine,
Vicente Ferreira da Puretucata.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial, em camprimeuto da ordem do Exm. Sr. vice-
presidente da provincia de 37 de maio ultimo,
manda fazer publica que no dia 6 de setembro
prximo vindooro, pirante a junta da fazenia
desta thesoureria, se levar prego, para ser
arrematada por quera p^r menos flzer, a obra de
5* lanco da estrada de Hunbeca, oreada em
19:2oi), e sob as clausulas especiaos abaixo de
claradas :
As pessoas qae se prppczerem t essa arremai-
cao comparecam ni sala das sessBas da referida
jauta, no dia cima meacionao, pelo tneio dia, e
competentemente habilitadas.
E para constar se mandou publicar, a presente
pelo jornal.
1 Secretaria da tMioararja previncial di ternam-
haqft, 6 de janho de 1872.
Miguel Alfonso Perreir.
Clausulas eepeciaes.
1' As obras do 5* laapo lia estrada da ramifica-
nio de Muribeea serio exeeutadas ds conformida-
de com a respectiva planta e orc,ajn,eo no valor
de UizoO. '
2i0.arremtante dar cometo aa obras no pra-
da am- eaea e ae eoaceaira no de oito, ambo*
\ A fcBportaoela-do oootrno san nafa era qa-
avisos martimos.
OUIA\IIIA
DB
nw
Dos portos do norte esparad-'
si o dia 10 do corrale, o tapo
Ce0, coaamaaiante Eutaqn.i.
o qual depois da dewa da oes
turne eguira para as portoa do
sh^^
sal.
Para carga e passagelros trita-s aa afenci
Encommendas de pequeae valor, peso, medida a
tambarn dinheir reoebeai-ae at bora da tari*
do da de sua lahida : na af enca, roa do Cea
mercio o. 8.
As enjomasaJas viadas aor aata naor aaala
entregaos at o dia da sabida do meeeao, as a-
criptorio da companii, e deapois darte temo ae-
~o recolbidas no trapicha Dantas.
t
Baha.
O veleiro blata nacional GarHaUi
porte cima uestes diaa cem a m
ppaiivel por, estar con pane do
prompto, apara o reata trata-ie cotn Tasto-Ir
iCiiriadAatoriBB.97.

aeran
m..... ,
etaai






4
TKarU a Pfn-ftiW Dooiingo 9 t Jtltih d 1S1

i
PARA 0 PORTO
o patacho ptfioguf* LH-idor Va sabir brete;
jara earg e pttnageiros tratase oom E. R- na^-
teli G-j roe do Cvmmercta 5. 48.
5L
Fort por Lisboa -
Para oe Indicados porloa pretendo sabir com a
noesel breattaie i barct portuguesa Crea, na-
Vio de 1' elasse, por ter a maior paite de seu car-
regaaMOto engajada, pira o que Ibe falta, t^e
recabe* frete eeeaaoda e pissegeirqs, pera o
antes lem eeetedee eoromodos, trato-w era x
eonsiguaiario Joaquina los Goocattns Baltrio
roa do Oomanreio a. 80. ^
Briguear^wina mt flMrfcfjB de 230
'.noladj^ arribado oeste porto.
QAJVfA-FElRA i DO CORRENTE
W. frente a Assoeiacao Cotnmereial.
For oterveocao do agente Pinto.______
cgratVj 555?
'_2_v
ParV
O btigue nacional Vittoria sahir eom muita
torevidade ; pire o resto da carita trata-se com
Pereira Vianua C ra do Vigario n. 11, 1*
andar. ....._________________________
Liverpool va Lisboa
Espera-se dos portos da
sul at qrurta-feira 12 do
corrente o magnifico vapor
"de Janeiro da 4597 toneladas.
Para carga e passageiroi trata-se com o
consgnala ros Sannders Brothers ea do Gorpo Saalo__D. jl-_____________
Cttgof
PARA O
Rio Grande do Sol
"Seguir coa a maior brevidad* poasreel
o trigue nacional Pirangy, para carga
frean trata-se oom Francisco Rtbwro Pinto
*I atmaries-, roa do Brom n. S&.________
Para <* Rio de Janeiro
inda recebo resto de carga o pataefeo Bertas. Tra-
u-se na rua-dn Vigario n. 19, com os consignata-
rios T. de Aqnino Fanceca fc C, saccessores.
COMPANHIA PERNA.MBUCANA
D
gfa-aemio costd-a per Tapor
raxa_ji>a, Natal, Maco, Mossor, Ara-
cata/Gcara, Mandaba, Acaraco e Granja.
O vapor Pirapmta, comroan-
dante Azevedo, seguir pan
os partos cima no dia 15 de
corrente as o horas da tarde
Recete carga at as 2 horas
da lerda do dia 11, encora-
roeedas, passageose dinbeiro a rele at as 2 ho-
ras da tarde do dia di sahida : no escriptorio do
Forte do Mallos n. 12. ________________
C0MPANH1A PBRNAMBUCANA
M
a-ega^S citclrK por vapor.
Mamanguape.
O vaper Coruripe, com
mandante.Santos, segniri
para o porto cima no
dia 12 do corrente as
horas da tarde.
Recebe earga.-encom-
mendas, passageiros e dinbeiro a frete at as 1
coras da tarde do dia de sua sabida : escriptoric
do forte do Manos o. 12.__________________
COMPANHIA PERNAMUCANA
DE
_aega^So cosleira por vapor.
Macei, escalas, Penedo e Aracaj.
O vapor Giqui, commandantt
Marti os, seguir para os por-
tos cima no dia 15 do correntt
as 5 horas da tarde. Recebe car
ga at as 2 horas da tarde do
ta il, eneommenda?. passageiros e dinheiro a
frete al as 2 horas da larde do dia da sahida :
**eriptorio no Forte dr lanos n. 12._________
Para o Porto
Depois de pouca demora nesta pcr'.o dever se-
gmr vgero com aestino aquella, a veieira barca
portugueza Imperial, tem grande parte de sea car-
regamento engajado ; e para o resto que Ihe falta
passageiros, aos qoaes cfferece milito bons cora-
modos, tratase com Soares Primos ra do Vi-
ario n. 17.
Leilo
* DE
FA2ENDAS
Franci'ias e ioglezaa
QUINTA-FfilRA 13 DO CORRENTE
"Joaquim Lopes Hachado & C, (ario leilio por
ioterveoco de agente Pinto, da na variado eorU-
ment de fazendas ioglezas e trncelas, constando
de sedas, lias, chitas e multas outras proprias do
mercado, a existentes ero seu armazem na traves-
a do Coflp* Santo n. 18.
Principiar as 10 horas.
LEILO
DE
Salangas grandes e pequeas propria9 para
pezar assocar.
Em 18 do corrente.
O agente Oliveira, far leilao p t mtervengao
de seu prepoeto Pinho Borges, de i balancas,
sendo 2 grandes proprias para o servicu de wm-
panhia de estrada de (erro, para fundicoes etc.
e 2 ditas pequeas proprias para estabelecimen-
tos commerciaes, Os senhores pretendentes po-
dero previamente examnalas, no aditicio que
foi iheatro do Aoollo, sito a raa do Visconde de
Itaparica n. J6, oods lera lugar o dito leilao
12 1|2 horas da urde do dia terca-feira
cerrente.
LEILO
TRILHOS URBANOS
DO
Becife Olinda
e.Beberibe.
Na eslaclo da raa da Aurora compram-se
dotmentFs jeoitleica eskupira com 10 paimes de
comprlinenio, 8 polegadas de largura e 3 1|2 ditas
de espeuara. Compra-se umbem alguns com 10
polegadas de largara.
O esenptarario,
Sani'Anna.
WOFINA
Olha elle L
Rota-se ao Ulm. St. Ignacio V.eira da Mello, es-
irtvfc na cdade QeNaiarei des provincia, o
later de vir a ra do Imperador n. 18 a conclnli
uMBlle necoeio e.ue V. S. se comprometteu raali-
sar, pera Orira chamada deste Jornal, em fin
le deiembro prximo passado, e depois para ja
nero, pateau a fevereiro e abril, e nada comprio
a pot eeife motivo de novo chamado para ditc
flm ; pela V. S. se deve lembrar ana asta negocie
i de mais de oito annoe, e qnanao o senhor mi
Bho se aehava no es nesta eidade
IMAS
Precisare e orna escrava, ba
eotiobeira e nma livre para en
5pomar e farer o tervico interno
a, piga-ie bem : na ra da Croi
do Recito n. 42, armazem, on no Corredor do Ris-
po n. 23. ^______
%aNa
ga-se bem >
ceiro andar.
Precisa-se de urna ama.
preferindo-se escrava, pira
. casa de pequea familia, pa-
na ra estrella do Rosario n. 32, tir-
O Sr. Boaventora Jos da Castro Azevedo
que re idio em Macei e actualmente acba-se nes-
ta eidade, rogado a vir roa do Amonm n. 37,
escriptorio de Tasto Irmios annunciar a sna residencia para ser procurado.B
18 do
Durante a lesta que se faz em Beberibe em bon
ra ao Santo Antonio, haver mais nm trem ai 9 e
20' da noite, da Eacrniilhada para Beberibe,
d'onde voltlr as 10 boras para o Recite, parando
em todas os pontos. Recito 1* de jocho de 1872.
O escriptarario,
Sim'Anna.
A directora resolvendo recolber todos os bilbe-
tes que se achara em eircnlacio, convida aos se-
nbores possuidores virem troca-los por dinbeiro
no escriptorio da companbia s segunda* e sextas-
feiras, at o flm deste raez, das 10 s 12 horas da
manhaa. Findo este praso, os referidos bilhetes
serio aceitos somente em pagamento de passageus.
Escriptorio da companbia 5 de jnnbo
de 1872.
0 i* secretario,
Laurontino Jos de Miranda.
PORTAS
baratas
Se mandardes fazer nma porta aqu com o di-
nheiro que vos ha de casiir compraras muitas
Sorlas americanas muito bem feita?, no armazem
a bola aroarella no oitao da secretaria de noticia.
Engenlio liante de Ouro
A' '8 de jnDbo do corrente aono
Por mandado do Illm. Sr. Dr. jnix de direilo es-
pecial do commercio d'esla eidade, requerimen-
lo dos administradores da mas-a fallida de Siqoei-
ra & Pereira, o agente Oliveira. far leilao por
iotervencao de seu preposto Pinlio Borges, do en-
genbo denominado Monte d'Ouro, sito no termo
de Ipojuca d'esta provincia, o qual penborado por
execncao de ditos administradores a vinva e ber-
deiros do Dr. Ignacio Nery da Fonceca e adjudi-
cado indicada massa.
Ao meio dia em ponto, no escriptorio do referido
agente, ra do Bom Jess (aulr'ora Cruz) l' an-
dar n. 53, onde os pretendentes podem haver as
informacSes neceesarias.
Aluga-se
a casa terrea sita no povoado denominado Doarte
Coelbo em Olinda, qne tem frente de azlelo com
bastantes commodos para familia, tendo 3 salas, 7
qnartos, cosinha fra, casa para eseravos, galli-
nheiro, cacimba, quintal murado e portao para o
fundo eom terreno at a eamba : tratar com
Domingas Henrique Mafra, no mesmo logar.
Ama de leite
Precis-se de nma ama de leite ; no pato do
Livramento n. 33, 2* andar._________________
Precisa se de urna ama que
salba bem eozinbar, prefennds-
se escrava : a tratar na rna do
ra do Hospicio o. 50.
I Dr. R. Viunna
Al A
l'recisa-se de urna cczinbei
ra para asa de duas pessoas:
tratar na ra da Moeda n.
39 das 9 as 3 da tarde.
*v.
\.1.%.
Precisa-se de urna ama pa
ra cozinhar : na roa de Pe-
dro Allomo o. 3, lutr'ora da
Escrava
Praia.
Para o Rio Grande do Sal
Para este porto pretende seguir com muita
brevidade o brigae uational Amelia ; para o res-
. da carga que Ihe falta trata-se com os seus
consignatarios Antonio Luiz de Oliveira Azevedo
& C ra do Bom Jess n. 87. ______
AVISOS DIVERSOS
O9690
O Sr. Dr. Francisco Jos Rabello, pro
prietario de um coliegio na ra do Visconde
de Albuquerque, queira vir esta typogra-
phia concluir o negocio que nao ignora.
masa fnebre.
Nicolao Vieira da Silva convida aos amigos do
Sr. Francisco Manoel Wanderley Lins para assis-
tirem a urna misia, qne pelo reponso eterno de
sna virtuosa esposa, manda celebrar segunda-fei-
ra 10 do corrente. as 7 1|2 horas da manhaa, na
igreja do Divino Espirito Santo.
a_02__a_H_a_lMa__a_ia_a__ek
D. A nna Marcolina da
Costa Silva.
Antonio Jos Silva do Brasil
agradece cordialmente a todos os
seus amigos qu<) se dignaram acom-
panhar sna ultima morada sua
mu prezada esposa D. Anua Mar-
colina da Costa Silva ; e de novo
ruga aos mesmos o caridoso obse-
quie de assistirem a missa do stimo dia, na igre-
ja da ordem terceira de S Francisco, as 8 horas
da manba do dia 10 do corrente.
COMP
DAS
Messegeries maritimes.
At o dia 10 do corrente mez espera-se da Eu-
ropa o vapor francez Gironie, o qual depois da
demora do costume seguir para Buenos-Ayres.
loando na Babia, Rio de Janeiro e Montevideo.
Para eondicoes, (retes e passagens trata-se na
agencia, ra do Commercio n. 9.
Grande revolupao...
COUSAS DESTE ANNO.
Ainda o auno passado por este tempo (queremos
dizer pelo tempo dos festejos a Santo Antonio, S.
Joo e S. Pedro) todos lutavam com serias difll-
culdadcs para supprirem-se do que necessario
para taes festejos, principalmente no que diz res
peito aos bolos de S. Joo. Este nno nao acontece
outro tanto, porque temos nesta eidade urna con-
feitaria sita ra do Imperador n. 24, sob a deno
minacio de
ConfeMarla do Campos
cojos propietarios nao tem poupado esforcoa para
que este estabelecimento satisfaga com promptido
e asseio qnalquer eneommenda tendente a elle, por
isso j v o Ilustrado publieo desta eidade e espe-
cialmente as Exmas. familias que est removida
essa difficoldade, notndose que alm disso encon-
trar-se-ha naquelle estabelecimento o seguale :
Papis ricos para sortea, sortes promptas, amen-
doas confeitadas, fogos japonezes e nacionaes que
se podem soltar nos saldes sem perlgo algum,
E MAIS E MAIS E MAIS
Bolos de todas as qualidades, bolinhos para cb,
cha verde e preto, chocolate de diversas qualida-
des, cremes, pastis, pudins, empadas, nougatbe?,
gatbeaux de la reine, bons- bocados, fiambres, sa
lames, conservas excitantes a alimenticias, cacas
francezas com on sem tobaras, figuras para ban-
deijas, eaixinbas ricas para presentes e anda mais:
licores finos, vinhos, champes etc., etc.
TUDO ISTO
'Va conffelUria do Campos.
LEILOES.
LEILAO
DE
FJ.ZE3TDJLS
Iogiezas, francezas e allemas, e de um
grande sonimento de miedezas, todas
proprias deste mercado.
Segunda-feira 10 de jtinho
AS 10 1|2 HORAS EM PONTO.
Ra do Bem Jesns n. m.
O agente Oliveira far leilao por intervencao de
senpreposto Pnbo Borges, de nm grande e com-
pleto sortimeon de fazenda a miudezas, consis-
tiodo em algod5esinhos, madaaoloes, caius, cassas
brancas e d cores, easemira preta, camisas inl
jgle:as, lencos de linho branco, cambraia Victoria-
ditas bispo, coilarinhos de linho, alpaca preta e
priaseta, bros brancos e de cores, loalhados de
linho, ditos de algodo, extractos lios, oleo, agua
de eologne, lovas, coques, cam.s de ferro, chapeos
aveludados do ultimo gesto para seoboras, fitas
de seda, ditas de sarja e elsticas, bonets para
meninos, chapeos de palha para bomens, toncas
para enancas, enxovaes para baptisados e outros
ieuios artigos; assim como na mesma oecasiao
vender-se-ba diversas fazendas avahadas, bem
como seja algodio, madapoloes, bros pardos, cas-
tores de cores muito bonitas, etc., etc., tudo exis-
tente no sen muito conhecido escriptorio, ra do
B>m Jess n. 53,1* andar, (ontr'ora Croz) onde
ser effeetnado o leilao, para o qaal convidam a
concurrencia de sens reguezes.
< \ Sp
Missas do stimo dia.
Antonio Jos Silva do
JS Brasil convida aos senhores
sacerdotes comparecerem
no dia 10 do corrente as 8
boras da manhaa na Igreja
da Ordem Terceira de S.
Francisco aura de eelebra-
rem missas de 7* dia, por alma de sua chara es-
nosa D. Anna Marcolina da Costa e Silva.
Presisa-se alngar nma ama escrava qne saiba co-
sinhar e engommar; trata se e paga-se bem; roa
da Vigario n. 16, 2/ andar._________________
Do engeoho Macauasi, termo da villa da
Eseada, ausentou-se em das do mez de abril, do
anno le 1870, o escrito Procbpio tendo os signaes
segnintes : altura de 56 e 1|2 poilegadas portu-
Suezas, mulato claro, cabellos crespos, cara re-
onda, tendo as mages do rosto altas, espadad-
do, falta de denles queixaes do lado direito, sen-
do os demais rombudos, limados os de cima, ten-
do nm da frente, e de baixo sahido. Presme-se
achar-se o escravo cima referido na fazenda
Castanbo no termo da eidade da Russia,
ua provincia do Cear, no entreunto bem pode
succeder que se ache nos sertSes desta provincia,
pelo que recomraendamos captara de seme-
Ihante escravo, offerecendo 4004000 de gratiu-
cacao, que ser entregue a quera conduzi-lo ao
engenbo cima referido, on na eidade do Recito,
roa da Madre Dens ao Sr. Beroardino de Sena
Pontnal.____________________________
Do engenho Mapau-
ass
ao termo da Eseada, do major Marcionillo da Sil-
veira Lins, fortaram na noite de 3 para 4 do cr-
reme mez de maio nm cavallo de sella com es
signaes seguintei : cor castanba, tendo urna man-
cha branca no lado eaqnerdo, ns e raaos caiga-
dos, velho, torrado com letraM, frente toda
a berta, e anlador de baixo a meio. D-se 100 a
quem der noticia ceru do referido cavallo e da
Sessoa, em cujo poder tor elle encontrado, na ra
a Aurora n. 9, on no mesmo engenho^________
Precisa-re de duas amas,
sendo nma exclusivamente
para cozinhar e outra para
sarvigo interno de casa de pouca familia : na ra
Velba n. 28, sobrado. ________________
Precisa-se de urna ama pa-
ra casa de familia de duas
pessoas, para cozinhar e en-
tratar na rna Direita n. 3, 1* andar.
%afie
V^V
Medico operador e partefro,
temeote chegado da Europa, onda 4a-
dicon-se a cirurgia, partos e especial-
mente ai molMtiis e operaeoee da vas
gimi ourtnarUu, teas o lea eoomllo-
rjo a ra do Vigario n. 1, lego nao aa-
dar, onde d eoosniui do 1|2 dia ai 2
horas, gratii aos p ores.
Poda- ser procurado a qnalquer hora
do dia on da aonte.
Rna do Vigario a. 1.1*
Aioda se precisa de nm bom eotiabeiro qne
seja de conducta, paga-aa a*m : no eaes da
Apollo, armazem o. 71.
CEMKMTO
Ra da Madre de Deea a. 7.
Barrica eom H arroba?.
Verdadeiro Porlland. ^^^^
gommar
Aluga-se urna preta escra-
va qne cozinba e lava: qnem
pretender dirija-se a praca
do Conde d'Eu n. 5, 2* andar. ____
%1fc^
^aV
Para familia pequea e
pouco serviga : ra da Cruz,
n. 4, armazem. ________
Precisa-se de urna ama forra ou escrava,
qne saiba engommar eom perfeigio : na ra da
Aurora n. 49.
Precisa-se de urna ama para eogemraar
ra da Unio n. 61.
na
Precisa-se de urna ama
roa do Cotovello b. 1!9.
Ama de leite
de leite sem
filbo : na
AMA
Precisa-se de urna ama para eozinbar:
na ra do Cotovello o. 129._________
Na ra da Gloria n. 106 preeisa-se de nma
ama de leite que nio tenha filhn.
Para presente
Amaral di Nabuco vendera os seguiatea oajee-
tos, proprios para fazer se presente! :
Estajos pira limpar dentes com todos os ferro*.
Ditos para limpar nabas.
Ditos para barita proprios de viagen.
Di los para dita proprios para algibeera.
Diios para crochet.
Ditos para tesouras de costara e bordar.
Ditos para costura e com msica. ___
Nestes objeetos se encontrar nio r a eomejo-
didade como a elegancia : veude-se no Bazar Vic-
toria, rna do Bario da Victorii o. 2.
Vestidos de blonde.
Amaral Nabnco A C veodeaa neos cuetes de
vestidos de blonde rom grinalda e flores de latan-
geira e veos tambem de blande bordad, orles
de seda de cores e matizado! : no Baiar Viciuru,
rna do Bario da Victoria n. 2.
Baloes de papel.
Amaral Nabuco & C. vendem baloes aere'j*.
proprios para sali e lanternas taobein de papal
para entoites de jardim, cima de meea, etc, pin-
tados de ricas paisagens e formatos : no Baiar
Victoria, ra du Bario da Victoria n. 1
ATTENCaO
Ainda se continua a fomecer almogo e jantar
Sara fra na roa estreita do Rosario sobrado n.
5. As pessoas que quizerem dirijam-se mesma
casa que se dir os precos: manda-se levar em
easa dos assignantes e az-se mais em eonta do
que em outra qnalquer parte e tudo com adela
Atiendo
Urna pequea familia sem homem deseja alugar
raetade de urna casa de alguraa senbora viuva ou
honesta, sendo no bairo do Recito : qnem quizer
annuncie para ser procurada.
NOTAS
Troca-se notas do banco do Brasil e de snat
Bliaes na rna do Barao da Victoria o. 63, amiga
roa Nova, loja de Joo Joaquina da CostaLeita
AVISO.
O abaixo assigndo avisado Sr. tenente-coro-
nel Galdino Accioly da Costa Villar, proprietario
do engenho AI vi arta, termo da villa da Leandra,
provincia da Parabyba do Norte ; que foi captu-
rado o seu escravo Matbeos, e acha-se recomido
a cadeia da eidade do Rio Formoso.
2 de juobo de 1S72.
Jos Aotonio de Miranda.
Precisa-se du ora bora tenor para engenho :
tratar na raa das Trincbeiras n. 43, fabrica de
cigarros.
LEILO
DS
Tras predios as segointes roas, a saber
I casa terrea na Camoda do Carao n. 2.
agua na travessa da roa
1 ; todas en cbSos pro-
4 dita dita meia agoa na roa das Flores
n. 1.
i dita dita meia
das Flores n.
prios.
TERCA-FEIRA 14 DO CORRENTE
O agento Martioi (ira leilao, precedida com-
petente aatorisaoo, doi predios cima muito bem
loaUados, podando oe pretndeme para iufor
anaeSea aa entender eom o meamo agenta.
O leilao ter lagar no armazem da ra do Im
perador a. 18, it 11 horas do dia.
Dr. Manoel Enedioo Reg Vallenca
Medico
21Ra da Gamboa do Carmo21
1 andar.
GASA Di lORTllA
Aos 5:000*
Bilhetes garantidos.
t roa Primeiro de Marco (ontr'ora roa do
Crespo) o. 23 e casas do costme.
O abaixo assigndo, tendo vendido nos sens fa
izas bilhetes quatro qnartos n. 33 eom 5:000/,
um intelro n. ,783 com 1004900, outras sortee
de 40*000 e 2O|000 da lotera qne se ac-
bon de extrahir (6*), convida aos possuidores
a virem recebar na conformidade do coitume lem
descont algum.
Acham-se venda os bilhetes garantidos da
2' parte das loteras, a beneficio da matriz de
Gravata (") que se extra ri na qnarta-feira,
12 do corrente mez.
PRECOS.
BUnete inteiro &1000
Meio bilhete 3*000
Quarto 1*500
Em porcao de 100*000 para oima.
Bilhete inteiro 81800
Meio bilhete 2*780
Quarto 1*378
_______________Manoel MartbM Fiaza.
GASA DA FORTDRA
RA f DE MARCO OOTR'ORA DO
CRESPO N. 23.
Vsea qne paga su fortes
Aos 20K)00jjKK)0.
, O abaixo assigndo tam sempre exposto tan-
la os felizee bilhetes do Rio de Janeiro, pagaade
oromptamente, como coetuma, qnalquer premio.
PRECOS.
Inteiro ^JWOOO
Meio 12*009.
O/urto MKXXL
Manoel Martina Finja.
nico dopcsito em Pernambuco dos chara-
tas G. Scbnorhusch da Baha, no escriptorio de
Cunha & Manta : vende se de todas as maros,
por precos e-tabelecidos, e em porcio de 5,000
para cima se dar descomo : na ra do Mrquez
de Olinda n. 40.
Ainda est por Mugar a casa e sitio no Mon-
teiro, que foi do Sr. Domingos Rodrigues d j Pas-
so : a fallar na ra da Imperatriz n. 21.
Frecisa-se
de nma ama de leite : na ra de S. Jorge (oalr'o-
ra Pilar) n. 131,1* andar.__________________
Precisase de urna ama para cozinhar e ou-
tra para engommar : na ra do Corredor do Bis-
po n. 11.
Precisa-se de urna ama escrava para com-
prar e cozinhar para casa de pequea familia es-
traogeira : na ra da Cadeia do Recito n. 49,
leja._________________________
Precisa-se de nma ama
que saiba comprar e cozi-
_ nhar, para casa da rapazes
solteiTos : a tratar na loja de livros ao p do arco
de Santo Antonio. -_____
^%^
ATTENCAO
Tendo-se perdido um caderuo contendo os no
mes de algnns devedores da casa de joias do
Annel de Ouro, proprietarios Jos Joaqn.m Gon-
galves Barros t C.; vem por meio deste, pedir
a seus devedores, que, nio paguem conta algu-
ma sem que sajara rubricadas pelos seus proprie-
tarios.________________________^_________
Cozlnheiro.
Precisa-se de um cozinbeiro para casa de fami-
lia : na ra do Mrquez de O'.inda n. 35.
MmMM $*!
Pharmacia e drogaria m
Precita se de urna ama que saiba cozinhar
engommar, para casa de familia de duas pessoas
a tratar na ra do Crespo n. 15. ______
AJiA
Precisa-se de urna ama para comprar
e cozinhar : na ra da Palma n. 42.
Escravo fgido
Auzentou-se desde 13 de maio prximo pasea-
do o preto Alfredo, de trinta e tantos annos, ca-
tatara, alto e magro, olhot grandes a tem nm
geito no andar, parfeito cozinbeiro e foi eeeravo
do Srs. Adriano & Castro, e nltimsmenta de Sr.
Jos Joaquim Goncalves Bastea, eostoma anear
pela Capunga e Poco da Panella, e consta qne j*
foi visto na eidade de Olinda ; estes sio os pon-
tos aonde elle tem andado : qnem o pegar tra-
ga-o a rui Duque de Caxiis n. 91, l sem Segundo, que ser bem gratificado,
Cosinheiro
S
O abaixo assigndo, negociante na eidade de
Mossor, constando-lbe que alguem tem-se ser
vido do seu nome na praca da Pernambuco, fal-
sificando sua firma eom o fim de obter dinhei-
ro de pessoas eom quem tem relagoes com
merciaes, ja tendo, segundo Ibe consta, oblido por
tal meio algumas quamias, vem pelo presente
declarar, e prevenir ao respeitatel publico, com
especialidade ao corpo cotnmereial daqoella pra-
ca, que nao s deixar de satisfazer qnalquer
quamia qne at esta data tenha sido dada, como
nao se responsabilisa d'ora em dame pelas que
forem dadas, e protesta contra qnalquer trans-
aegao feita em seu nome por pes-oa menos com
pteme para isso, e previne aos Srs. a quem for
apresentada qnalquer ordem minba, que, cuida-
dosamente examine a minba assignatnra, afim de
nio se snjeitarem a perder qnalquer quanlia que
por ventara deem.
Mossor, 28 de maio de 1872.
Francisco Antonio Martins de Miranda.
Interesse
O Sr. Jos Alves Machado Guimaraes queira tor
a bondade de vir a ra do Imperador n. 28, a
negocio de sua conveniencia.
Joaquina Pereira da Aleando Raaos, tendo
de retirar-se para a Enrona deixa durante ana
ausencia como tena proeuralore aos Srs: en
1* lagar Bernardina Pereira. Raaaoa, ata Ia Fran-
ejsce Jos de Britte e em 3a Jos Franeaeo de
Sonia Lima.
Fogio no fim do mez de notembro do anno de
1869, do engenbo Gaita, sita na comarca de Na-
zareib, a escrava Tbereza, de 90 annos de idade
pouco mais ou menos, com oe signaes segnintes :
cor muala bem clara, baixa e grossa do cor-
po, rosta redondo, olhos castaobos e grandes, na-
riz um tanto chato, bocea grande, dentes grandes
e cangallos, cabellos meios loaros e caxeados
para as pomas, bracos e pernas grossas, pos cor-
tas e grossos, eom algunas cicatrizes de relbo
nal cotas. <
Igualmente est fngido deide o dia 26 de feve-
reiro do correte anuo o escravo crioulo de no-
me sgostinho, de 40 annos de idade pouco mais
en menos, e os signaes segnintes : cor bem pre-
ta, alto e grosso do corpo. rosto redondo e car-
nudo, olhos pretas e grandes, nariz chato, boc-
ea grande, beicos grossos, representando dons
beicos do lado de cima, eom falta de dentes na
frente, eabeca comprida e calta de diante para
traz, principiando a pintar tanto no cabello como
na barba, pamas flaas, ps tortas apalbetados,
eom ama cicatriz em om des regeitos doe ps,
Este escrito foi comprado a Pedro Garda,
morador no sertio do Sabogy, e j fez urna sahi-
da com destino ao sertio e oi preso em Bom
Jardim da comarca do Limoeiro.
Rogase a todas as autoridades policiaes, ou
mesmo pessoas particular*, que os prender e con-
dnzlr ao referido engenho Goiti, a serem entre-
gues a seu senhor o major Christovio de Hol-
landa Cavalcante de Alboqnerque, ser por cada
um gratificado eom 200*Q|p r.
Dwappareeea no da 13 de setembro de 1871,
do engenho Artcagy, eomarca do Cabo, o eicravo
de nome Pedro, crtoalo, preto, alia, leeeo, pdi
grandes, peraas finas, olboe brancos, sem barba,
de 20 aada, tea falla de na dente na fraate, des-
confiase acbar-se neata eidade, on no termo de
Igaaraun', por ter sido do engenho Tibitioga :
quem o apprebender pode leva-o ao dito engenho
Iracagt, oe roa do Imperador o. Tlt i* andar,
qne aera recompenildo.
DE
Pedro Maurer & 0.
a O abaixo assigndo participa ao respei
tavel publico que desde o dia 2 de abril
8 prximo passado passon a pertencer-lhe
o estabelecimento de Pedro Maurer & C
na ra do Bario da Vietoris, ontr'ora rna
8 Nota n. 25, comprehendendo-se todo o 5"
activo e passito da mesma casa. O abai- ]
xo assigndo que desde muitos annos Ira- I
8balhava naquelle estabelecimento como !
pharmacenlico e chimbo promette e ga- I
rante ao publico em geral e aos senlnres M
_ facultativos em particular de servi-los S
I bem com a devida promptido e fideli- 8
dade. A casa continuar a gyrar debai- WL
B xo da firma Pedro Maurer & C.
J. Kirebhofer.
mmm mmsim* mmm
Precisa-se algar nm creado escravo
on litre para casa de familia : a tratar na
thesooraria das loteras com Antonio Jos
Rodrigues de Souza, on em seu sitio no
Monteiro.
Pepsiaa medicinal adocad
O melhor preparado para combater to-
das as molestias do estomago. Cada frasco
acompanha urna colber de prata, dse qne
se deve tomar.
Deposito Pharmacia Americana de Ferrei-
ra Maia & C, ra Pugne de Gaiias n. 57.
Kefinadores
Precisa-se de refinadores na rna de D.
Cesar, ontr'ora Senzalla Nova n. 30.
Maria
O abaixo assigndo avisa ao publico e com es-
pecialidade ao respeitavel corpo do commercio,
que tendo de fazer urna viagem para Europa,_ dei-
xa eocarregado de seus negocios aos Srs. Joo da
Silva Regadas, Caetano Ciraco da Costa Moreic* e
Joo Aotonio da Costa Moreira ; jolga nadt de-
ver nesta praga, porm se alguem se iulgar cre-
dor aprsente sens titolos at o dia 22 do correle
mez, a ra da Senzala-velha n. 90. Recito It de
maio de 1871
____________Domingos ManoelMartio?,
Aluga-se o primeiro andar e
do sobrado o. 5, da rna Imperial:
brica de vinagre.
_\ __\ _V Precisa-se de urna ama
aN/'eMX a_\. para serviga de casa de urna
%) YWd ^ej pessoa : na ra da Cruz n.
18, 3 andar.__________________
Acha-se auzente de casa desJe dezembro de
anno passado o escravo Fiel, de nagao, baixo e
tem pouca barba, os olhos quasi sempre muito
vermelhos, e muito palrador : quem delle sou-
ber ou der noticia queira dirigir-se rna Duque
de Caxias n. 43, on Imperairiz n. 16, 2 andar,
qne sera recompensado._________________'
Freciza-se.
Para pequea familia alugar um sitio na soledade
ou na estrada do arreial e que fique junto de
algoma estaca) da va torrea a tratar no largo do
Corpo Santo n. 19 1. andar_________________
Precisa-se de nm cozlnheiro on eoziobeira for-
ra ou escrava para nma casa de familia : tratar
na rna do Amorim o. 37, ou era S. Jos do Man-
gninho, sitio o. 4._____________________
Joo Jos de Carvalbo Morae* tal ao Rw S
Janeiro, e dorante sua ausencia deixa_ eucarrega-
dos de seus negocios a Moraes & Irmio, rea da
Madre de Dos n. 8, andar ; outro sim, aao tea-
do tido tempo de despedir se de todas as pessoas
de suis relages, pede-lhes descalca dessa falta
invcluntaria, e Ibes eflerece os sens seivicos na-
qnella eidade._____________________
Precisa-se de um caixeiro para a taberna da
Camb do Carmo n. 2 : a tratar na meiaa.
__ Precisa-se de um rapaz brasileiro ou porto-
guez de idade 14 ou 18 annoe, eom pratiea de
laverna e que d fiador a sua conduela : tra-
tar a rui do Rosario da Bja-vista a II, esquina
do beco do Tambii. ___________
Sr. que levou oo da 5 no cftapo de so.
do escriptorio de bilhetes no eaei 22 de Notem-
bro, tenha a hondade de entrega-lo.__________^
Gratuitamente
D-se barro cavado : no Monteiro, sitio de Jos
Rodrigues de Souza.
Armazem de deposito
Recebem-se em deposito volumes de fazendas on
qnalquer outro genero a prego muilo modi:o : a
tratar na ru* do Commercio n. 48.
Nao ha mais cabellos bran-
cos.
Tintara Japoneza.
S e nica approvada pela academia de acien-
cia, reconhecida superior a toda que tem appare-
eido at hoje. Deposito principal roa da Cadeia
do Recito boie Mrquez de Olinda n. 31, 1* an-
dar e em todas as bolicas e casas de cabelle!-
reiro.
Verdadeiras bixas nam-
burguezas
nico deposito em Pernambuco : n. 53 ra da
Cadeia n. 53, primeiro andar.
| JKWal alSai MHLaWB
Na travessa
das Ciros n,
meire andar,
nhelro sobre
roa
2. fri-
se di-
penhores
o andar terreo
tratar na fa-
Criada.
Preeisa-se de urna eriada para servigo interno e
externo de urna casa de ponea familia : a tratar
na rna de Santo Amaro u 14._______________
Veneravel ordem terceira de
8. Francisca
Tendo esta teneravel ordem mandado vir da
Europa, em cumprimento do art. 192 dos estatu-
tos, a fazenda propria para os habitas dos irmios
para a ceder pelo custo; por isso convida aos
mames Irmios professo* e nevices, a tireni ee
proter da mesma fazenda no consistorio da dita
ordem, todos os dias uteis das 10 horas da manhaa
s 3 da tarde. B
Consistorio da veneravel ordem tereeira de b.
Francisco 7 de jnnbo de 1871
Genuino Jos da Rosa,
Secretario._________
Alagase o armazem do predio da ra da
Senzala-velha n. 68, para deposito de fajeadas ou
Salear outro genero; a tratar na rna Dnque de
xiaa n. 43. _____________
Deieja-ie saber onde mora-a Sra. D. Fran-
cisca Vieira de Salles; a pessoa qne d informa-
gges da mesma dlrlja-se a roa do Amorim n. 3f
na em2\
de oro, prata ralban-
tes, seja qaal for a qnan-
tia. Ha mesma casa com-
pram-se os mesnos me-
taes e pedras.
O abaixo assigndo declara a quem inttressar
possa, que nada deve a pessoa algoma, excepto
frezentos e poneos mil ris de aluguel de orna
casa, que se acha depositada euTsen poder., e se
alguem se julgar seu oredor, por qnalquer titulo
crediterio dinia-se a casa de sua residencia no
prizo de oito dias, pira ser pago.
Potoado dos Montes, 6 de junho de 1872.
Joaquina Goncaltes de Albnqnerqoe Silva
Ningnem faca negocio eom a parte que tem An-
touio Manoel Ferrelra dos Santas no sobrado n. 29
da ra de Marctllo Diis. ontr'ora ra Direita, visto
que a dita parta est sojeita a nma execucao j
jolgada por senanca.____________________
Precisa-se de um criado
mero 7.
na raa Nota nu
7netiao Pereira Baaoe tendo, de rattrar-se
para a Entapa, deixa poreensarocuradnresdo
rante ina ausencia pe Sra. Beroardino Pereira Jardim.
Ramee em Ingar e Jas PraaeisaB de Souza J> ctfe a ra Nota loja.a. 7, ou ao Monteiro casa
& aata a a casi i aa n n a I a t*M *i va a
Est fgido o escravo Naurio, preto da 801
88 annoe, nm pouco achacado, cxo de nma per
na, tem nma ferida qne tem j carcomido toda a
unba de nm dedo de nm p, tem ontra ferida en
tre as ventas no logar do sujo do tabaco que ella
toma; foi eseravo do Sr. Antonia Joaqoim de
Agniar, morador no logar Louriano em Bom-
Paga-se bem a quem o conduzlr ao Be-
sa uqnjna do Limarlo.
Atten Na ra eslreita do Rosario n 35, 1# andar, ati-
sa-se a todos os freguezes que todos oe annos man-
dan) fazer Dolos de Sinto Ant mi, S. Joao e S.
Pedro, e todas as pessoas que quizerem bolos te-
nham fazer a eneommenda tres dias antes, tara
bouquets promptos para enfe'te de bolo, por indo
prego, e toda qoalidale do f--- pnr vender-te
Paga-se generosamente a quea aprender on
der noticia onde est oceultada a pr*ta Sotana de
60 annos, africana, a qnal tem sido vista palo
Recito e em ditersas parles da freguezu da Boa-
vista, e tero os signaes seguintes : alta, aeio fula,
cabega grande para trar, queixa cabido, tola, e
quando beDe mais cabido Oca o qaeixo, levou ver-
tid j de chita rxa com palmas, costuma trazer nm
panno atado a cintura e tambem na estoca:
quem souner leve-a roa da Glora n. 99, qne ah
ser gratificado.
Fugio em abril do corrente anno dotta eida-
de Zenobio, preto, idade 18 anuos, cambado doa
ps, andar meio cambeta, quando fogio esteta gafj
i cabega raspada : quem o encontrar entregue-o
a seu senhor Dr. Manoel Tertuliano, na rna nota
de Santa Rita, bairro de Santo Antonio a. 61.
ormiro.
Precisa se de om torneiro h: bil
roa do Raogel n. 9.______
na nadara da
AVISO
$Jos Ignacio da Silta Porto deixou de ser ea<-
xeiro do Sr. Francisco Goedes de Aranjo nesta
data. Recito 8 de jnnbo de 1872.___________
Na ra dos Mscales n. 15, nma tenhora ee
enearrega de fomecer comida eom aceto e promp-
tido, para easa de homem solietro, mellante na
prego razoavel.
Dinheiro a juros com hypo-
theca.
No cartaro da rna do Imperador n. 2 se dir
quem d diversas qoaatlas eom htpoiheea ea
predios e letras de loogos praios de tenias de
proprledadea.
O VERDADEIRO E O FALCO VINllO
CHAMISSO.
Cunba Irmios A C nicos reeebedores do ti-
nbo do Porto marca amiga e acreditada P. CHA-
MISSO FILHO & SILVA : encontraado a ten-
der se vinbo em garrafas, coa a marca CHA-
MISSO SCCESSORES, importado de HaeatHzrgo.
imitando o terdadelro, com o diitico CHAMISSO
gravado nu garrafas, a bem asaia aoa malos
etc., tem prevenir ao commercio e e qnaa in-
teressir possa, que o verdadeiro tan nce ratnlae
F. CHAMISSO PILHO & Silva, e tado *a Haa-
burgo tem nos rotutos-CHAMISSO SUCCtSSO-
RES ; nio lando nada de eoaeaaa aa esa o
outro, tanto que o verdadeiro j aulta ennlaaida
e o outro precisa tamir a marca CHAMISSO para
se poder tender tinao toito, igooramoi da ana,
por tinho Mo de UVA, prejodicaado asaia oe
atiiores do tal tinho a repuucio aa ana saapra
foi tido, e que merece o verdadeiro rafea da P.
CHAMISSO FILHO* SILVA._______________
Precisa-se de nm caixeiro aerMaaee a i
a ti annoi de idade, e qne tenha
tici de venda : i tratar no pateo do
Terna..
Prectaa-se alagar nma casa tarrea eoa feaaa
commodos e quintal, aa Soledade oa Pea tta* : a
tratar na rui da Cadeia do Red n. 55.
Aluga-se
darte.
ama caa terrea eom estribarla,
sita no Manguinho ; a tratar aa raa
a. 31.________________________________
oeinheiro
No cal ebiaai nu larga de Roaario a. SI,
preeisa-se la na eoeabeiro.
Alnta-sa a eaaa a. di da raa da
cumcea|andoipmsuaa: trauri
rna.no sIBo do portle n. a3.
Loja
Trispiisa-se o arreali-iiii da Iota da raa
Barioda Victoria a. 48: tratar aa aeaaa,
V




Diario da Pernamimco
Dohiingo
* d Jtfihosda 1872
s*
1 *
I*
i)
IH) I Mil
FABRICA DE MACHINAS
A* Ba do Brao do Triumpho (na do BrumJ ns.
100 104.
CARD0S0 a IRMAO
AVISAM aos Sr. de engenhos e ao publico era geral, qae teem recebido da Europa,
grande sortimento de ferragens para engentaos e para lavonra, e qnaesqner ootros uzos
e misteres da indcstria agrcola, o que todo vendem por pregos razoaveis.
Formas para assucar ** galisada *"*"'-
VftnnrAfl borizontaes e verticaes j bera conhecidos nesta provincia e tora dalla,
V ttpurco 08 melhore qae teem viudo a este mercado.
-uLOtuluaS completas de diversos tamaBhos, obra moita forte e bem acabada.
ieas moeuaas para a8senlar em gra(je8 ,je madera.
lalXoiS Q6 I6rr0 ICOaS U agua de versos tamanhos.
itOClaS deniadaS de diversos tamanhos e qualidades.
rnnPrtnS Coacerta.m com promptidSo qoalquer obra o machina, para o qne
VU11UI LUo leem sua fabrica bem montada, com grande e bom pessoal.
'VflPftTtlYYlATldAQ Mandara vir por encommenda da Europa, qnalquer ma-
JuiitfUIIlIii'cIiU.a chinismo, para o qoe se corresponden! com orna respeita-
vel casa de Londres e com um dos melbores engenbeiros de Inglaterra; incombem-se
de mandar assentar ditas machinas, e se respoosabilisam pelo bom trabalho das mesmas.
RA DO BARAO DO TRIUMPHO NS. 101,102 E 104
FUNDICAO DE CARDOSO 4 IRMO
El
fc_
CAUTELA!
1
MEURON & C.
itVISAH
Os ii
fe.v
h-?l
RA DO BRUM N. 52
(Passando o chafariz)
Annuncia aos senhores, de engenhos que por falta d'agua
cu mortes de animaes nao possam tirar suas safras, que est
prompto a assentar vapores dentro era 8 dias do pedido applican-
do elles as moendas ja existentes.
Tem era deposito variado sortimento de
MOTORES PARA DESGAROCAR ALGODaO
A vapor, agua ou animaes
inclusve alguns que nao precisam de obra alguma de carapina
pelo que podem furtecionar logo que cheguem ao luo-ar.
FORMAS PARA ASSUCAR
Aquellcs propfletarios quequizerem formas podem desde
j fazer suas encommendas, pois a casatm em viagem e j
chegado numero suliciente para sunrir a todos quantos queiram
HAGH1HISM0S DIVERSOS
nesta fabrica ha deposito de todos os .nachinismos empregados
na provincia, e acceita-se encommendas para fazer vir qual-
quer machinismo a vontade do cliente.
aos compradores do bem eonhecido e acreditado rap
REA PRETA, que reparem nos botes e meios botes,
pois que os ha de rap de outra fabrica e nome diver-
so, e com papel da mesma cor, cu jo desenho se pode
confundir com o d'aquelles.
Os apreciadores que quizerem do verdadeiro REA
PRETA, devem para nao serem engaados ver que
os botes tragam o nome de MEURON & C. e a desig-
nado de REA PRETA.
Aluga m uin d- -Mirad tu Pas-agem da
"Jardal-na, delroiue do Sr. eommrmitjr mn-
r.m, tendo rgo, f>i, H':r<, r-:iihria Ma
com >rv redut e dado b haiti de rtpttn, n
di mnisand > o pretenden!* o eoaewesi e ca-
dluro lo tui tu loquiino qae detx a a diu cu:
i tratar na ra Doiir.- de Oxiaa n Ul oa na tu
du Livramrio o 14.
O Ikufi i da d-ma?, k roa l de eaarcoT
i i L* andar, eieDiili<-j ao r.*plavrl publico (jil-
eaba de recetor um helio criiscoii de perf-
nariss anas wtjtefaMetia. ajao liadas eai-
x>Dbai ir. pnas para pr* serte, bonita.' garrafa* O
fino cristsl erro ;gca de role ene, frascos roa o
nelh -re* extra**', nr-ghifleo* vaso domados c jos de atroz, a exnteme .gua de Ho propri para apar e cinteiw o l.rilaj dos dee-
te\ Uro i.riiirxnio de estovas para cabello*
barba, com as costa* marcenadas de madreperola,
eques d'usso inuilo bonitos a imitacio de mar tira
ditos pretus fe-ela, propri* para loto, lindos
pares de ligas pira oorvas, voi e griaaldas de
llores de larat-je.ra?, luvas de pellica branca, d*
cores e pretas para bornen<,< entorai e mei in.,
'< llariohos de linbo da Dilima moda, leocue de seda
para aigibeiDS pelo baratsimo pn < de 1000,
1200 e t."00 cade urn, collares electros par ere-
aoca;, franjas e ga!oe< de seds preta e de core;
j;n cnnpleto ciiimecUi de Otas de sarja desel-
las cores de B*. I al 80, e-ias proprias para ci-
i? ; pentps de tartaruga imeratrix; ludiaeiesas
ll res artificif.es de diffcreues aatizer.
No rar-rao e.'Ut>f!t:meoto cima encootrafao
empre um grande ?oriiT.eoto de coqMs, caes*-
paioe, trancare lapete-, b'm como o oeeeasar o
para o perneado das Ex mas. Sras., nem toa rea-
ta, como d>> loruel.
MEURON f C.
FOGO ARTIFICIAL
lo arniazem do Vapor
Franeex. ra do Ila-
rSo da victoria (cn-
tr'ora rna l\'oTa) n. 7.
Ao armazem do Vapor
fraaecz. rna do lia-
r o na victoria (ou-
tr'ora rna Xova)n. 9
FOGO CHINEZ DE SALDES
Para os festejos de Santo Antonio e S. Joao
Chegon grande porco destes lindas ogainhos japocezes, Irancezes, e allmes, de vistan
mnito bonitos, fabricados especialmente para meninos e seaboras soltareis sera medo algara de se-
rojo offendidos, aim destea foguinhos, ba rnuita pistola, eraveiro, flamas e rodinbas fabricadas no
paz por am dos mais afmalos artistas neste genero nesta cldade.
TRAQUES DA CHINA
Vendc-se mais barato em caixas.
s
a

a
BALE3 AEROSTTICOS
pequeos de 8 a 12 palmos de
papel de seda, de cores motto
bellos e ficis de soltar se.
GLOBOS de papel de cures
para illamioarGes e papis ar-
rendados proprios para eofi-
tar bolos.
SOTES FRANCEZ AS, mui-
to interessantes contendo alm
da leitura, novidades que U
zem realzar mais o diverti-
mento as rennides das non-
tes de Santo Antonio e S. loo.
LVAS DE PELLICA
branca e de cores para
bomens e enflora?.
LEQUE5 para senboras
e meninas.
BRINCOS e pnlceiras de
ouro bom para senho-
rae e meninas.
Calqado francez chegado de novo.
Mnito boas boticas para bomens, para senhoras, meninos e meninas.
Quinquilharias e perfumaras
Brinquedos para crianca
Novos sortimentos de nv sera numero deste artigo para entreter as crancas, todo a precos
mais resumidos qae e possive), co armzem do Vapor Francez, ra do Bario da Victoria, cntr'ora
Nota n. 7.
LOJA DE JOIAS
Esquina da ru do Gabug n. 11
Confront ao pateo da matriz de Santo Antonio
-. ~^ .es* in,P0rlante eUbelecimeito acaba de aormosea-Io, eriqoectsodo com
SJISii.tr k wrti,D?Qt0 d Joa modernas, e de aparado goato como sejam : Bo-
Diiai cacoieus Drmeo de nix, brilhante.e cedras preciosas, etc., continoa
de Pana, por '*
encommenda.
r~ "r--------w uo un, Drimamo.e apearas preciosau, eic, coniinoa I receber
?.I ?0r n ?? Pa1aetM novo sortimento, e encarretfa-se de mandar vir qaalqaer
encommenda. Convida-ae as Exmas. familias visitaren, codito estabelecimento, o qnal
estar aberto i noite at 8 boraj. vfln-_ ,- ; *-.^^. ___l,. *. .
qaalidade do onro.
Vende-se por precoi mai commodos, e garante-se a
Xarope Hydrocotyla Azi-i?
tica
A hydrocotyla aziatica nma planta qae
se acha muitn a miado em Mauricio. Borbao,
Siogarope, Bombaim, Madras, e outras pro-
vincias das Indias Orientaes onde desde
moitos annos est empregada com a maior
eficacia contra as diversas molestias de
pello taes como o lichen, o eczema, o acn, |
o prurido, o pemphigo, a lepra vulgar, a i
elcphantiasis, as ulceraedes scrofulozas ou
syphiltticis, assim como contra todas as
doencas coebecidas debaixo do nome gene-
rico dartros. Experiencias numerosas feitas
pelos mdicos dos hospitaes de Pars, sobre-
odo no hospital de Sm. Loiz, destinado es-
pecialmente aotratamento dos doentes deste
genero de molestias, provarSo a eflScacia
dessa planta nos casos sigoalados cima.
Deposito Pharmacia Americana deFerrei.
ra Maia & C, ra Doque de Caxias n. 57-
Fastilhas de Mannita
As pastilhas de Mannita sao por certo a
medicina racional dos meniaos, aos qaaes
se administrara com excellente resultado
para oj males de garganta, coqueluche e
falta de apetite. Para elles n3o ba purgan-
te mais suave e que tornera com mais pra-
zer. Estas pastilbas previnem tambem as
convulses qae resoltam dos accidentes da
denticSo, e tem nma accSo muito poderosa
como o vernn fugo.
Deposito Pbarmacia Americana de Fer-
reira Maia 4 C roa Duqne de Caxias n. 57.
Slh-Tlitrflti /iil va e fortifica.
Deposito na pbarmacia americana de Fer-
reira Maia A C roa Doque de Caxias n. 57
Companhia Allian DE
seguros martimos e terrestres
estabelecida na Baha em 15
de Janeiro de 1870.
CAPITAL..Rs. 4,000:000*000.
Torna seguro de mercadoeias e dinhoiro
a risco martimo em navio de vel'a e vapo-
res para deotro e fra do imperio, assim
como contra fogo sobre predios, gneros e
fazendas.
Santo Antonio, S. JoaoeS.
Podro
Algnidares, bacas, baledeiras vdrad.ispmc|rd
eompleto sortimento de loncas ; a rna da 1 e-6z s
triz n. SI, e do Rangel n. 16.
reme de
Bismutho
O sob-nitrato de Bismutho um destes
raros medicamentos que podem-se qualificar
de heroicos; com effeito se emprega com
um soeces-o sempre assegorado contra to-
das as jezes das vas digestivas, taes como
diarrhtas, dysenterias, gastritis, gastral-
gias, dores do estomago e da barriga, ul-
ceraedes dos intestinos. Cada vidro acom-
panba urna colber que a doze.
Deposito Pharmacia Americana de Fer-
reira Maia & C, rna Duque de Caxias n. 57.
Joaquim Jos Gon^al-
ves Beltro
Rna do Commercib n. 5, i" andar.
Sacca por todos os p'aquetes sobre o
banco do Minbo, em Braga, e sobre os se-
gantes lugares de Portugal.
Amarante.
Arcos de Val de Vez.
Barcellos.
Beja.
Chaves.
Coimbra.
Covilb.
Faro.
Guarda.
Guimaraes.
Lamego.
Lisboa.
Mirandella.
Mooc5o.
Ponte de Lima.
Porto.
Tavira.
Valpassos.
Vianna do Castello.
Villa de Conde.
Villa Nova de Famalicao.
Villa Nova de PortimJo.
Villa Real.
Vizeo.
Valenca.
Figueira.
Penafiel.
Regoa.
CONSULTORIO HOMEOPATHICO. \
DO
t OR. CASAMOVA
Largo da matriz de Santo Antonio
m o. 2.
| 5 dicamentos e carteiras dos melbores fa-
bricantes.
' Dmheiro jares
Precisa-se da quantia de 3:000*000 rs. jaros
de nm e meio j. ao ez. com garanta e por es-
paco de nm anno, pagando-se na mesma occaaiaa
Tiatura da China
Para Ungir os cabellos, barbas, bigodes e
,restitui*lhes a cor natura!, em
2 minutos
Entre todos os preparados cbimicos divinados
& eolorisacSo do cabello; deve a Tintura da Cki
na, por sua foperioridade, occapar om dos mais
distinctos lugares. Ella d ao cabello a cor que
se deseja, sem o damnificar, mais antes o conser-
Attenc^o!
E.N3INO SEGN DiR 10
O bacbarel A. I, de Torres B^ulei-
ra profesor de eopraphia e histo-
ria moderna, do Gymnasio desla pro*
vincia, tem aberto oa casa de ;ua resi-
dencia, ra do Coronel Suassuna (mu-
ga roa dos Martyric-) n. lii, segundo
audar, os nrsos das disciplinas prepara-
torias segniotes :
Geograpbia.
Historia.
Rbeiorica e potica.
Pbilesopbia.
Llngna nacional.
E contina a proporcionar o eniao (testa
llngna, da franceza e de geograpbia e
historia is senboras, qae para tal lim o
quizerem honrar com a sua confian ba.

a
Feito".
Precisa de nm bom f Itor qne entenda la !
las as plantas : tiatar n< ra da P^dro AOomo
n 28. ou em am'Aooa, -iu j nto i elacio,
d -arta, pi.n" de f-rr'.
S. ClliliO Ariklldc Alve-Uf Salbpa:) q'.fl
ne.Rnri a era AUfdl de (tos tem ama car; pa-
ra .ti-- er sotrefi, do armatem da travesea 4)
C:Tp" Snt" p. 3.
MARTIMOS
B
c ovni A FOGO*
A companhia Indcmnisadora, estabelevid
esta pra(;a, loma seguros martimos aoLrs
laviop e seos csrregame.ntos e contra togo
im edificios, m .rcadorits e mobilia* : na
oa do Vinario n. 4, pavimento terreo.
AOS 5:0004000
Kstic venda-os felina Mibeies da kXaria da
aoja, iu casafoliz do arco da Ccocuico. asfa de
1 orives no Recife.
COMPRAS.
COMPRA SE
moedas de ouro e pata n_
qcz de O'icia n. be.
aja da roa do 5.r-
Oompra-se
as'es trnovos e usados: na ra do Impera-
der d. 48, armazem.
'.: :ipra-. c. bre e metal veiho :
no arrareai junto te trapicho Peicnricn. i
os das n:e?, di 6 da marina a- di tarde.
C"mpra-se po!ti-es da divida provirrul
na rna Nova o. 53. l'Ja.

C.mpra-s obra *m ^uitr^ ralumes c Tbeiuuro PJMckMO
de cr?.>.?' escoihidts i ra tedas w ieee**Mee>s
da vUa" i'.h:-:fn, pela Cfnitqt de Andt'sw. revis-
ta, eerreta e augmentada por Mr Marn, areebis-
po de i :,u<: oa ra do llanf-l n. I. ubera*.
1 1 l I IVA A lili A [pu ua urs : na ra ao nanfi n. i. lacno.
I AM H0 fabrica de Aseaos tteid..-.
Grande offlclna de naetaes
BRAGA & PIMENTEL
Ra Nova n. 35.
Nesta oficina trabalha-se em encanamentos d'a-
gua, de laiceiro, caldeireiro, funileiro, tem sorti-
mento de bombas de n. O a n. 3, alambiques, ta-
xos, torneiras, vlvulas, tubos da chumbo, sinos,
obras de (olba, baeias de (erro estanbadas, cobre
de engenbo, espnmadeiras, cadinho para rndicao,
tndo por precos commodos e promptidSo para
qu.lqoer trabalho_____________
PAO ESPECIAL.
Pao especial e commum todos os dias as 1 ho*
ras da tarde sabir do forno, podendo os fregoe-
zes compra-lo anda puente, sendo feito de farioha
especial .* na rna de Gervasio Pires d. 4o, nova
padaria americana.
ero que reeebar, os jaros competente; qaem pr Precisa-sede urna
tender este negocio qneira annnnciar sua moradia
para ser procurado, oa entio deixe carta feicha-
da nesta typograpbia com as ioiclaes C. e M.
Trocam-se
i caixas filiaos de banco do 3rai!, com
descont : na loja da roa do Mrquez de
9* 08.
Alaga-se um grande sitio na Capaoga, roa
das Pemambacanas n. 23, coja casa tem 4 salas,
9 qaartos, cosinba, cochelra e estribara : qnem
Dreteoder dirija-Be roa da Aurora n. 15, oa a
rna Nova n. 13, qoe achara com qnem tratar.
Typographia.
Vndese porprecomdico a typographia
do Correio Pernambucatio, a qnal est per-
feitamente montada para se pul licar urna fo-
Iha diaria, tendo recebido u'timamente um
completo sortimento de typos novos: a tra-
tar na roa do Imperador n. 2.
FOGOS ARTIFICIAES
Para festejar sanio Anin lo. 9.
*oo e Pedro. 4
Souia & Guimaraes, proprieurios da muito
conhecida loja de ferragens rna do Bar) da
Victoria n. 39, (outr'ora roa Nova) veem avisar
a seas fregaezes e ao publico em geral, qae ac*
bam de recebar um lindo e variado sortimento
de fagos chinetes o mais Modo possive qae se
pode dse jar, assim como desde j recebem en-
commendas para tedas as qualidades de fogos na-
eionaes para as melbores rabricas desta cidade.
Os anoOBciantes envidarlo todos os meios para
melhor servir a todas s pessoai qoe se dignarem
honrar seo estabeleeimento wd sua presenca. -
do
av
segando andar.
vico interno
aaiba vender na roa :
preta escrava para o ser
ama casa de pofsU familia e qoe
na roa do rojueira n. 19,
Precisa-se de am coslnbeiro oa padaria da
rea do Rangel n. 9.______
Na Praca da Independeaeia n. 33 se compra
onro, praUe jwdras preciosa-, e tambem se vel
obras
avatt e m
delfnae
Aos 5:000OOO.
BUbetea garantidos da pro
vincia.
Ba do Sarao da
Victoria,
Outr'ora ra Nova n. 63 e cos
do costume.
O abaixo assigaado acaba de vender no sea
muito felizes cill-tes a sorte de 8C0 en qaatro
qaartos le o. 1986 e qua'.ro quartos d- a. 181
com a sorte de 100, alem de ou'ras aoftea me-
nores de 40* e 20 da lotera qae se a*al>oc de
exlrahir (6*), e convida aos possuidores a virem
receber, que promptameme sero pagos.
O mesmo abaixo assignado convida ao respeiU-
vel pul liio para ir ao sea es abelecimento com-
prar os muito felizes bilhetes, qoe nao deixari de
tirar qaai^uer premio, como pro va com os mes
mos asnancios.
Aeham-se venda os mnito felizes bilbetes ga
rantidos da 2' parte das loteras a beneficio ds
igreja matriz de Grvala, que ser extraiida na
dia qnarta-feira 12 do crranlo mez.
PRECOS.
Intero 6*000
meios 3*000
Quartos 1*500
De 100)5000 para cima.
Intero 8*500
Meios 2*750
Quartos 1*375
Joao Joaquim da Costa Leita.
jooprafe um leirtno, cu p.ne d. engent .
>*.ompr*>h~F.dc!:do crande cacboeMl e a^oie par*
fjGda<;ao da Ubrica, as proximidades da va far-
rea : :rar com o empeiario, Silva Uarioca,
raa do MarojM 11 n., n. 4.
Os leeborea que preieedertai arease deta en-
pr-za, queiram apparece- ate o da 25 do correc-
to mez, quaodo ser chida a .-uLscripcao.
VNBAS.
Veode-se nm cavallc bom andador ; p.sra
'xamicar na crheira to er< do Apoll", do Sr.
Ficcis?' F-.-lii G-nca!ves: a tratar no eserip'o-
rio da ru^ da Moeda n i.
Salitre.
Preeisa-e de um fetor para o sitio da Sol-
dade n. 29.
Alaga-se a caa o. 41, no principio da es-
trada* de Joao de Barros, com commodos para
grande familia, sitio, boas arvoredos, todo mu-
rado, grades e portao de fero, agna e gaz, com-
modos para fetor e escravos: tratar no mes
mo sitio ou na roa do Imperador n. 22. arma-
zem.
No Lollegio da Concedi precisa-se de um
copeiro.
Mobilias
Na raa Duque de Caxb.s (outr'ora das Crnze>)
o. 25, armazem de trastes, vende-se mol tilias na-
:onaes e estrangeiras, assim como obras avahas
por preco commodo.
CARTA.
Sr. Antonio Cypriaoo da Silva Fragoso, tem
carta na roa do Imperador n. 28.
fflfiSWsssf sW sWS sMiiillinf ssst'sft
CABO, ITOJUCAE ESCADa! IB
Advogado.
O bacharrl Joo Gonzaga Bacellar tem
eeeriptorio residencia na villa do Cabo
rna Duque de Caxias n. 21.
Encarrega-sa de causas civeis, criraes
e commerciaes, bem como de defesas Do-
rante o jury nos termos supramenolona-
dos. ..........
Iflsjlsal aaasmt VKfl^m s^sa^B sssis^vs^ai"
Professora,
Urna senhora viuva, oompetealamente habilita-
da pela Arectoria da iostroccii publica desta
provineis, offerece se para ensrnar primeiras le-
tras em algam engenho parto desta cidade, bem
eomo a coter, bordar e antros trabamos de agp-
Iba : no tereeiro andar do sobrado o. 34 da ra
das Cruzes.
Precisa-se de un caixelro de 13 a 14 an-
nos de idade, preferiodo-se dos ottlmos ebegados,
embora nao tenba pratica : roa lo Conde da
Bea-Vista n. 87.
Precisa-se de um servente e de una ama
ni ral do Rangel n. 162, botica.
Sa'.re ing'ez muito super: r, eede-se bar. -
imo para raebat factura: lar^o do Corp lew i
d. -4, pr.meirc andar, t--cn-:-to de J. M. Pa
meir,
L brea steroas
20, escriptorio.
Ourot
vende-se oa ra
do Apollo
Batane, sdecimae s
Moreira Dias avisa a eus fiesaezes qae \i re-
ceben as balaocas decimaes de fotca de 300,50") e
I,CCO kilos, tendo as ultimas rodas de (erro : ven-
de em sen armarem i roa da Crsx n. 20.
E' sempre assim.
Q jando se abre um novo estabeleeimento de
modas ou se coocerta algum cutro. a Nova Esre-
ranca ra Daqae de Caxias n. 63, cotloca-ae na
espectativa para observar os objectos de ditos es-
labelecimeotos e ver se sao de qaalidade ou per-
feielo melhores ou iguaes aes ceas, e para do caso
de serem melhores e mais aperle ciados, a If va
Esperacca tomar urna hco e dar assioi ouis oa
passo avante, visto qae ella, coceo J tem dito, em
pregara todos os meios aura de tatislaaer toa
constante freguezia, mandando vir o qae de sne-
Ibor hoaver no maodo das molas; mu joal I
a Nova Esperaocs, quando verifica os objectos
desses estabelecitnentos a qoe fe refere, fice des-
gostosa e triste por oonhecer que nida prpveiioa
em observar objectos de mo gosto ; entao ella
ufana se em ter exposto venda arttgos de phac-
tasia, que, sem medo de errar, pode-se iser es
melbores qae tem viudo a este mercado a por
precos bem razoaveis ; agora mesao acaba de re-
ceber os seguintes:
ntremelos e bsbadinbos bordados (sortiateeto
lindissmo).
ntremelos com tees e seis tiras (eovieade).
Bonitos eofeites para caoeca.
Delicados chapeoinno* para baptisados.
Bonitas cacoletas de plaqaeL
Meias de seda para baptisados.
Ditas de escocia arrendadas para senboru e
meninas.
Ditas de dita de cores sendo listradaa.
Lamparinss para santuarios.
Jir lineirss proprias para bailes ootra novidet).
E outros maitos arligos que a Nova Kseereace
dina de mencionar para nao se tonar asa-
cante.
Vapor usado
Vende-se por preco commodo una vapor de lar-
ca de qaatro cavalloa, qaas novo e esa bees esta-
do : trata se no armazem da travessa do Carpo
Santo d. 15.
Arail*.
Vende-se urna arnucao tova de aaureUo o-
vernsada : i tratar na roa do Bario do Vlcuria
n. ^5,
Mnito barato
Vende-se a armacio de amarelio I
cada da. loja de travessa da rae du
A, proprla para qaalqaer neaocio ;
ld>,oo qaalqaer pene.
Creaesn.
m



6
0MLO d. ferua
f'
Domingo 9 4* unlio 4 1S?&

Vlodernas e 1 indas'casaquinhas
para senhoras
A gala branca raa Duque de Caxias n. SO
reeenea ama pequea qnaolidade de lindas casa-
quinhas de la branca primorosamente enfeitadas
eom setim de cores, obrw asas lio modernas
qoao lindas. A prova deisa verdade est no apre-
so qne Ibes esto dando ai Exmas. apreciadoras
do bom.
OGRANDE PURIFICADOR DO SANGUEl
Esta encllente e admiravel medicina, e
preparada d'jima maneira a mais scientifl-
ca por Cbimicos e Droguistas mui doutos e
d'uma instruccao profunda, tendo tido mui-
tos annos de experiencia ao par d'uma Ion-
ga e laboriosa pratica.
A sua composigao nao consiste d'um sim-
ple extracto d'um s artigo; mas sim.
composta d'extractos d'um numero de rai-
les, hervas, cascas, e folhas, possuindo to-
das ellas, sua virtude especial ou poder
em curar as molestias as quaes teem sede
o a essente, no sangue ou nos humores;
e estes differentes extractos vegetaes, acham-
se por .urna tal forma combinados ponto
de conservarem em toda a sua forca, o cu-
rativo especial de virtnde, que cada um de
per si possue. A, raiz da planta de Salsa-
parrilha, produzida as Honduras, a que
nos usamos nesta preparac5o, sendo a qua-
lidade que todos os mdicos mais prezam
e estimam. Na composic2o da Salsa-
parrllha de Bristol entra mais de 50
por cento deste concentrado extracto. Ella
nao encerra em si cousa alguma, que pos-
ea por leve ser perigosa ou injuriosa
sade; e tanto n'este,' como em quasi to-
dos os mais respeitos, ella inteiramente
diversa*de todas essas mais preparaces,
as quaes debaixo do nome de Sjilsaparr-
lha, sao accondicionadas ou postas em gari
rafas pequeas, sendo receitada em doses
mui diminutas d'uma colher de cha por
cada vez. Nos pelo contrario engarrafa-
mos a
S*.LS\PARRIRA DE BRISTOL
os grandes, e assim por este modo,
u,wu.:uo3 com os consumidores, o grande
provcito e vantagem alcanzado por aquellos
que acondioionam sua prepara?o emjt''
rafas pequeas. Cada um dos frascos da
nossa ftalsaparrilha de Bristol
oonteem a messa quantidade igual porco
contidanaquellas garrafas pequeas, e alm
disso, possue ainda muito mais torga e
virtude medicinal do que aquella, que por
ventara se possa achar contida dentro de
seis garrafas de pequeo tamanho. Por-
tan to mui natural, que aquelles, que se
acham occupados em preparar e vender as
suas producccs, em garrafas pequeas,
murmurem e gritem contra os nossos fras-
cos grandes: proclamando, que a nossa Sal-
saparrilha de Bristol nao possue a
nnnor virtude; porm quo electivamen-
te sao elles postos m silencio, quando indi-
oamos, ou simplesmente referimo-nos para
com e6sas centenares de certides e tes-
ten: anhos authenticos, por nos recebidos
de todas as classes da sociedade, nos quaes
p!r.amente attestam o poder curativo e vir-
tudes maravilhosas da nossa.
SALSAPARRILHA DE BRISTOL.
k vantagem de termos os nossos pro-
prios agentes naquelles lugares aonde as
diterentes raizes, drogas, hervas, e plan-
tas de que se corapem as nossas medicinas,
s5o produzidas, que nos habilita exer-
aquelle constante cuidado e disvello na
minuciosa escolha; e o que assegura ega-
unilbrmidade de excellencia.
Em quanto que, por outro lado, nos tito
j poupamos'nem dinheiro, nem dili-
gencias ; afim de alcuncarmos o melhor
e nicamente o melhorde cada um artigo
ou ingridiente que entra na sna composi-
55o; pois levados e compenetrados da
mais flrmee persuasiva confianza; que po-
demos afoutamente dizer aos doentes de to-
das as naces, e de todos os paizes, que na
Kaisaparrilha de Bristol. possuem
um remedio mais efficaz e seguro ; do que
hum outro, que vos tenha sido offere-
cido at hoje, e o qual por certo nao hade
mailograr vossas expectativas, na prompta
e effectiva cura das seguintes enfermidades:
Collares Royer
A agaia branda, a raa Duque de Caxias n. 60,
contina a receber por todos os vapores francexas
ama determinada quantidade dtues apreeiavab
collares, contra as convnlsoas e a Tavor da denti-
ca das eriancas.
Vende-se
um aorado de dous andares, sito raa da Hoda
n. 19, e os terrones qne fieam nos landos. Tem
(rente para- a travessa da Companhia Pernamba-
cana e capacidade para deas rmateos proprios
para recolhimeoio da algodio ou quaesquer ou-
tros feneros. por ser perto do embarque: i tratar
em casa de Tasso Irmaos & C
Cerveja de Noruega
Verdadeira e snperior : i venda nos armazens
de Tasso Irmaos 4 C
A 4:000
Vende-se estojos para vhgem eom os asas psr
lences, sendo thesonra, caivete, escova, pente,
sabonete, etc., pelo barato preco de 4*000, venha
ao Rival do Recita 50 A.
Ferro aavalnieado
Jhas.
Leite con deseado.
Cognac Martweaa.
Vi abo de Bordaos em eaixas
Tommard
fotany!
Haat Falerne
Penillac
Vinho do Rbeno :
Scharlacbberger
Kisdesheimer Berg
Hocbkeiaer Berg
Marco Grumer auslese
Kaaentbaler Berg
Steioberger Cabinet.
Libras sterliaas.
Vende-se do armaiem de faiendas de Angosta
f. de Oliveira A C, i roa lo Commerco n. 41.
s
Orculos delphicos
Sob este ltalo acabam de ser impressas cin-
coenta perguotas e apostas para entretiraento
de reunidas familiares as nonte3 de Santo Anto-
oio. S. Jlo e S. Pedro.
Essas pergnntas e respoatas inteiramente novas,
io inleressantes e divertidas, sea qne offendam
conveniencias ou rearas... de boa sociedade.
Sem serem propnameote o que entre nos se
chamara sones tratara de desvendar misterios e
segredos, ntimos pensamentos e futuros sncces-
sos.
Sun pre adeqnidas as respostas expressaro
muitas vexes aqaillo qae nao se atrevera a dizer
% nao ser em brinco, servalo o olhar ou o modo
de dizer de dar-Ibes fon;* necessaria para aquel-
es a qnem sao dirigidos.
Cada baraihinho cnsta i*500 e acham-se ven-
da na livraria Econmica ao p do ateo de Santo
Antonio, e outra.
A SOMNMBULA
Novissimo livro de sortes para as nontes de
Saato Antonio, S. Joo e S. Pedro.
Acaba de ser publicado o livro cima, o qual
contm nma linda colleccao de bonitas, inleres-
santes e chistosas sortes e igualmente ama col-
eccp de recitativos, compostos por grandes e
aflamados peetas dest epoena.
Oremos que este livro uro dos melbores in-
tretimentos para as reuoioes familiares das to
festejadas e apreciaveis nontes cima ditas.
Acha-se venda a 1*000 na livraria Econmi-
ca ao p do arco de Santo Antonio, e em outras.
Grande peehim* Colletes de casemira, muito boa-fazenda e lin-
dos padr5es a 35, ditos de brim braceo superior a
!*, paletots braceos de fustao a 4* : na ra do
Baro da Victoria n. 14.
ttffl Lili
Para acabar
De um grande sorlimento de chap n de "todas
as qaalidadale; na praca da ladependeceia n.
38 e 40.
Escrfulas,
jas antigs,
oras,
te Ulcerosas,
Tinha,
Sypliilis,ouMal Ve-
nreo
Humores Escrof
losos,
Irregularidades do
Sexo
Feminino,
Nerrosidade,
Debilidade Geral,
Febra e Malignas e
Febre e Sezoes
Biliosas,
VENDE-SE
o estabelecimento denominado ROY D'YVETOT,
na rna estreita do Rosario n. 14, por sen propie-
tario pretender retirar-se para a Europa ; o dito
estabelecimento tem muit-is colmados para fami-
lia e esta bera afregnezado ; tratar no me^rao.
Calcado do Porto
Antonio Pereira de Oliveira Maia avisa a seus
fregnezes qoe pela barca Imperial, chegada lti-
mamente do Porto, receben tamancos, chinellas e
sapatos de tranca de hornero, senhora e rapaz,
todo i!" superior qaalidade : na rna da Senzala-
nova n. 1.
Wilon Rowe & C. venaein no seu escripto-
rio
de urna duzi> de gar-
eaixas de urna
COGNAC lino, em eaixas
rafas a 20* e 24*.
VINffO Bordeaux flnissimo, etn
dnzia de garrafas a 10*.
E nos seus depsitos :
CARVO de 1* qaalidade somente e da varias
denominarles.
COKE de Inglaterra.
Tudo por precos razoaveis e por tonelada de 70
arrobas.
Tumores
Ahscessos Apostemas.
Erupces,
Herpes,
Saisagem
Impigens,
Lepra, febres intermitientes e remitientes,
hydropesia e ictericia, etc., etc.
Ontro-sim, aehar-se-ha, que para o bom
resultado e perfeito curativo de todas aquel-
enfermidades cima apontadas o adian-
Umento da cura, grandemente promovi-
do e apressurado; usando s ao mesme
tmpo das nosgas mui valiosa pilulas
vegetaes asumearadas de Bristol.
tomadas em doses moderadas em connec-
C-3o ou (njunctamente com a Salsaparrilha;
ellas fazem remover e expellir grandes
quantidades de materias morbficas e hu-
r: >rcs viciados que se desprendem e livre-
mente circulam esp alhados pelo systema
sto causado pelo utso da Salsaparrilha; e
por esta forma faciliar a volta e o exercicio
normal das operaces funecionaes,
A qual A preparada smente pelos unicoi
________PropMrietaos,
Cunha Irmaos & C.
Raa da Madre Dous n. 34.
Vendem :
v nhos do Porto, fiaos e de mesa, engarrafados
e em barris de todos os tamanhos, marcas antigs,
acreditadas e garantidas.
Especiaiidade de vinho engarrafado, proprio pa-
ra mimos en pessoas doentes, ou que saibam apre-
Vioho verde superior em barris de decimos
e oitavos.
Tinta lyrio navarrino.
Esta magoiflea tinta de escrever a mais fina,
mais fonoosa e segura de todas at hoje deseo-
bertas : rukntem-ss sempre para, e nlo uxyda a
peona, antes a esmalta e conserva. E' excessiva-
nente snbtil e parlflcada, a ponto de nunca criar
1 rra, costa ou bolor, Vende-se em frascos
pelo preco de 1*000. nicamente para se tornar
conhaeMa,
Barriguda
No sitio n. 23 rna da Soledade (Boa-vista), se
vende nma bonita macaca do Para, dos chamados
Barrigudos e tambera um veado mnito nim.-o ;
precos convenientes : a tratar no escriptorio do 1
andar da raa do Commsrcio n. ii, ou no dito
sitio.
HOTEL
Vende-se um hotel bam afregoezado: na ra do
Brum n. 41, prximo estacao dos bonds .qnem
o pretender dirija-se ao mesma para ver e tratar.
A MAGNOLIA
As floristas
A Magnolia receben pelo ultimo vapor o que
as senhoras floristas, precisarem para fabricar flo-
res, como sejam :
Pestilbas de varas cores.
Bagas de vidros de diversos modeilos e tama-
nhos.
Olhjs para malme-queres e cravos. "
Clices para rosas.
Bagas doaradas para flores.
Folhas verdes, enceradas, prejas e de cores sor-
tidas em tamanho feitio, etc., etc.
Metas delata
A Magnolia raa Duque de Caxias n. 45 rece,
bea dessas meias, muito boas, e vende por menos
do que em outra qualquer parte : a ellas, antes
qae se acabem.
Candieieiros econmicos
Os eandieiros econmicos sao na verdade J1
invencao agradavel, priva a qnem desejar embel-
lesar urna sala de fazer duas despeas, pois qae
tirando-so-Ihe o deposito onde se conserva o ga;
torna se nm lindo jarro para flores : quem tem
a Magnolia rna Duqne de Caxias n. 43, e vende
barato : a elles, porqae tem poucos.
Nao foi intilmente que a Magnciia roa Du-
que de Caxias R 45 fez escropnlosa escolha
seus correspondentes as diversas parles da Eu-
ropa, porque agora tem a satisfacii de ir rece-
bendo seus pedidos, vindo-execotados com tanto
esmero e go.'to, que se ufana em expo-los i apre-
ciadlo dos amantes do bom, tendo a certeza de
serem pelos mesmos apreciaaos.
A Magnolia, nao est descontente com a fre-
guezia qae tem adquerido em tao pouco tempo, e
esforca-se para muito mais; visto que tem con-
viccao de ser commoda nos precos de snas mer-
cadorias, zeioza em bem servir a sua fregnezia e
abominar a caresta.
Ao bello sexo com especialidade. a Magnolia
pede que venha ve la pessoalmente agora qne tem
recebido parte de suas eacommendas, e pretende
ser razoavel nos pregos tendo a certeza de que o
supprira do que bom e razoavel.
A Magnolia, se se tem esmerado era tlr um
lindissimo sortimento do queha de melhor no
mando das modas, porqae nao deseja que seus
freguezes sejam mai servidos em outra parte,
com objectos de mo gosto : e assim apressase
em mencionar alguns.
Bonitas golnhas e punhos, transparentes e ta-
pados, fazenda muito fina novidade.
Camisas, de linho muito fino, bordadas e pro-
prias para noivos.
Chapeos de velludo e palha de Italia ultima mo-
da, para senhora e menina.
Chapellinas de eres e pretas, (novidlue)
Bicos enfeites para senhora.
Bonitas fivelas de madreperola para pulceira.
Meios aderecos pretos, cazoletas, voltas,' cruies
brincos e rozetas de gosto moderno.
Variado sortimento de capailas, bouqaets e si-
pos de botoes de flores de laraogeira.
Flores de c5res e pretas para chapeos e cabel-
los.
Liabas de todos os nmeros para croch e bor-
dado.
Chpeos de sel e bengallas com boauds cabos
de martirn.
Bonitos chapeos de sol para senhora.
Jarros transparentes para flores.
Ricos port Joias, port cart5es e port-money.
Bonitas caixinbas com perfumaria, propria para
presentes tendo disticos as lampas.
Ditas com preparos para costura, ricamente en-
fettadas e com msica.
Bonecas, ricamente vestidas.
Lindas boleinhas de velludo, eom estojo para
costara e sem elle.
Albuos para retratos com com capa de madre-
perola, mariim, ss"o fe maHeira.
Livros de missa, cem capa de madreperola,
martirn, sso e tartarljga.
Carteiras de chagrn, com estojo para algi-
beira.
Navalhas muito finas, com cabo de marfim e
tartaruga.
Grampos com flor de madreperola, novidade.
mitas eaixas de tartaruga para rap.
Sapatos de laa, bordados em talagarc,a.
Camisas bordadas para homem.
SO' NA'
MAflNOlIA
45Ra Duque de Caocias45
DE
SA' LEITO, FONCECA 4 C.
DE
COSTURA
Cbegaram ao Bazar Universal da raa No-
va n. 22, um sortimeoto de machinas para
costura, das melbores qualidades que existe
na America, das quaes muitas j sao bem
conhecidas pelos seus autores, como sejam;
Weller A Wilsoo, Grover & Boka, Silen-
ciosas, Weed e Imperiaes e outras muitas
que com a vista devero agradar aos com
pra dores.
Eatas machinas tem a vantagem de fazer
o trabalho que trila costureiras podem
fazer diariamente e cozern com tanta per-
feicSo como as mais perfeilas costureiras.
Garante-Re a. sua boa qnadade e ensioa-se
a trabalhar com perfeigo eu menos de nta
hora, e os precos sao to coramodos qoe
devem agradar aos pretenderles.
ODILON DIARTE
CABBLLEI1EIS0
N. 82 BA DA IMPERATE1Z V. 82
Esforcando-se para satisfacer ao illustrafro pnblicp no qoe relativo for im trabalbos
de sua profissao, com a maior promptidao, commodo, e esmero, resolver faxer refor-
ma em seu estebelecimento e manir-se do que nos mercados estrangsiros ba de elhor
8 do ultimo gosto mandando vir em direitora e por sos coma Dio s grande quantidade
de cabellos de todas as cores 6 tamanho como todos os preparados reconhecidoa pelas
sociedades bygieuicas come os mais otis a conservado e embellezameoto dos cabaflo*
naturaes sem prejui/o da sade. achando se assim habilitado a fornecer aos consumido-
res, por 20 70 menos do que ootro foalqoer os objectos de pbsntasii para adorno, as
seio e bygiene da cabeca, inlispensaveis ao mundo elegaote e em geral a todos qoe cui-
dara de conservar a propria existencia, deixando de asar de leos, banhas e cosmticos
proscriptos pelos bomens de sciencia como capazes de amortecer os bollos capillsns,
prodazir a calvice ou apressar o enbranquecimento dos cabellos, e occasionar o appara-
cimeoto da cephalalgia, eclampsia, epilepsia e bysteria e outras molestias raUteas ser*
vosas.
O pessoal do seu estabelecimento se acba montado com capricho a escolber dos -
Ibcres artistas naturaes e estrangeiros havidos na provincia entre os quaes te distingue
Mr. Alfred Belpeche e o Sr. NapoleSo especialmente destinados aos peoteados das se-
nhoras para o que ba demonstrado pericia inimitavel por ootrem entre nos batido, A
facilidade e o gosto com que o Sr. Nauole3o execota os peoteados mais difflceis tacto
histricos como de sua phanlasia autorisa a que se o considere como nm genio nesta es-
pecialidade.
Os empregados d seu estabelecimento sem excepelo exclusivamente cada um aa
especialidade que mais amostrado
A casa recebe por todos os vapores os figorinos da ultima moda de penteades sd-
miltidos nos paizes civilisados entre os quaes prima o somptuoso Paria.
O bello sexo encontrar no estabelecimento grande e variado sortimento de cosum
de trongas, chinons, normands, coques de cachos, cache peines, toupets, bouclet, cresom-
ts do qae ba de mais moderno e elegante neste genero, perfumaras des melbores fa-
bricantes como Lubra, John Gornell, Bimmell, Artinkson, Le grana Pivtr, Couiray etc.,
etc., lindissimas fie res especiaes da cabeca pos de ouro, de diamante para pulverisar os
cabellos, finissimas escovas de dentes, pentes de tartaruga, e muilos ootros objectos in-
dispensaveis a nm toilette de gosto.
Os seus collegas encontrarao a contento os utencilios de soas proflsoes, tbfsooras-
ferros para frizar, trros para papel'ostes cardos etc., etc., quer em porejo qoer a re'
taino serao vendidos.
naM
Farinha de mandioca
Superior e muito propria para masa, em barrt
ricas de farinha de trigo ; a 110GD rs. a barrica
nos armazens de Tasso Irmaos A \\.
Candieirospara gxz
Vende-se lindos eandieiros de bronte, por pre
eos inferiores ao qne custaram : ra do Impe
rador n. 31, escriptorio da empoza do gaz.
Fadaria
Vende-se a padaria da Casa Forte, pertencente
a Gabriel 0. Campo: para ver na mesma, e para
tratar com Tasso Irmaos & C.
Em casa de Tisset freres, na ra do Com-
mercio n. 9 ba para vender :
Agua de Vichy da3 fontes Haubewe, Celestins,
Grande Grillo, Hospital e Ma3dames, em eaixas
de 50 garrafas.
Agaa de Cbateldon, excellente agua de meza,
em eaixas d 80 garrafas.
Agaa de Vals das fontes Presiense, Magdaline,
Desire, Sante lean, Rigoletle e Donimique, em
eaixas de 11 garrafas.
Cognac das marcas : Blanchy frres & C.
Royer Guillet & C.
Marte! frres de Velros.
Calcado Pollak
A' roa da Cadela nnmero 45.
Santos Falco & G., ra da Cadc-ia n. 45, ven-
dem snperior raleado Pollak para homem, por
barato preco. Este calcado recomroenda-se pela
especial qaalidade do canedal e perfeiQlo,
tarabem pela elegancia e barateza.
AO CALCADO POLLAK I f
BM
Casa de Santos Falcao & Companhia
Ra da Cadeia n. 45.
como
ATTENCAO
&
A 80O re- a libra.
No progresso do pateo do Carmo n. 9 charra-se
attencao aos amantes do bolo de Santo Antonio, S.
Joo e S. Pedro, para a manteig* ingleza flor de
800 rs. aJibra.

Fogos de artife.*) chinezes para
saldes e jardins.
De effiitos maravilhosos, em caixinhas com va-
riado sortimento, no armaiem de Tasso Irmlos &
C. do enea do Apollo.
rendem loras teras/.
Freres
Boas terrenos.
Vende-se, no becco de Santo Amaro para Bel-
lem, todo coberto de arvores de fructo, terreno
proprio, perto dos bonds e do vapor de Ooda,
boas trras e onde se pode, com pouco capital,
t rmar-se bons sitios : os pretendentes, para n
(orma^ao, dirijam-se na do Imperador n. 48, e
nos domingos no dito terreno.
Economa de tempo
O Bazar Universal raa do Baro da Vi noria
n. 23, acaba de receber pelo ultimo paquete da
Europa, ama machina eapectal para frisar flhos
ou babados de vestidos, com a qua, em 5 minutos
se pode fazer o mesmo trabalho que com as tena
zes on tesooras usadas para esse um, serfam pre
cisas seis horas.

FOGO
De exeellentes vistas, mailo preprio pira as fa,-
milias queimarem, as noutes de fesla de Santo
Antonio, 3. Joo o S. Pedro: vende-se em porcoss
e tambem a retallio, no armazem da Escadmhada
Alfandega n. 7, ao damitfos aa raa da Madre
Deas n 30, a. 3* andar.
Fontes de foso.
Serpentes de Phara.
Bsprgas Katosplnte.
BaRu terrestre de diversas c-jrss \iwbo
s
Raa do Creqd n. 20 alpacas mescladas com bar-
ras a 500 r3.6 eovado dita lisa de todas as cores
a 410 ra.* eovado grande pechiacha loja de
Guilberme C. da Cucha & C.
Farinha de milho.
Vende-se farinba de milho uoida a vapor, dia-
riamente, pelos preces seguintes : grossa para
mogunz a 90 rs., dita para ang, pintos e passa-
rtnhos a 100 rs., para cangica e pao de Proventa
a 120 rs., e para cascas a 140 rs., em arrobas e
mais barato : na ra do Coto vello n. 25.
MACHINAS
PARA
Moreira Das, raa da Cruz n. 26 avisa aos
seus freguezes que j recebea as desejadas ma-
chinas para lavar roapa, trazendo ellas desta vez
expremedor.
Estas machinas tem a vantagem sobre as ou-
tras de lavar e expremer em menos de cinco mi-
nutos para mais de ciaaoenta pecas de roupa;
sao muito proprias para, aa pessoas qae se dedi-
cara tomar roapa para lavar e entfommar, visto
sabir a roapa do expremedor qnasl -que enchuta,
trazendo a vantagem da economa de tempo qae
se espera afina de enchagar e poder-se engom-
mar; o annunciante o unieo agente nesta praca
das referida); machinas, e por uso as vende por
proco mnito commodo.
J. A. Moreira Das
tem constantemente em seo armazam rea da
da Cruz n. 26, e vende por prego comodo o se-
gnjnte :
Gtaixaem bordes IrW7. afc _
Bataneas horisonUes para cima de balcio.
Camas de fennreom colxio de molla, proprio
para rapaz solteiro. ,
Aitarfllho para, cha do melhor metal do afama-
do fabricante Carystofte.
\ Ac de Millo sortido.
Agaa Florida verdadeira
' *W^if para copia? cartas.
Chamices de vidro para castieiro i faz.
fiival sem segundo
Raa Duque de Caixia n. 91, loja de miu-
dezas de Jj Bigodiobo contina a vender
i'ido quaato tem em seu estabelecimeoto
pelos precos abaixo declarados, a saber :
Libras de la para bordados a
Caixas com superiores gram-
pos fraocezes a rs.
Talberes para meninos a 240
rs. e
Libras de liaba de noveilo de
o. 80 120 a
Lencos decassa com barra a rs
Varas da fraDja branc para
toalbas a rs.
Duzia de meias fiuas para se-
uboras a
Masso de palito seguranga a rs.
Navalbas fazenda superiof a
Caixas com penaas d'ago a rs.
320, 4C0 e
Caixas com papel amizade a rs.
Dita, dita, dita beira doura-
da a rs.
Caixas com enveopes a rs.
500, G00 e
Pessas de fita para coz com 10
varas a rs.
Duzia deiinha froaxaDara bor-
dar a rs. 400 .e
Baralbos francezes muito fi-
aos a rs. *
Ditos de beira aburada a rs.
Duzia de agulhas para macbt-
aa a
Libra de pregos francezes a rs.
Resmas de papel branco liso a
Ditas, ditas pautado a
Dnzias de sabonetes muito fi-
aos a rs.
Duzia de iioha de carritel
Alexandre a
Croza de botoas madreperola
a rs.
Cartoes de linba branca e pre-
ta a rs.
Tbesouras muito finas para
unhas a rs.
Groza de botes de louca
i rs.
Pares de sapatos de congo
para meninos a
Caixas com 4 papis de
agulbas fondo dourado a rs.
Frascos de leo Oriza supe-
rior qualidade a
Caixas de folna com pautes
de vella a rs.
! Pessas de fita de 12a para de-
brum de todas as cores a rs.
Pessas de fita branca elstica
para debcum a rs.

GRANDE
LIQUIBAHAO i J01&S
O OOBAClO DE OURO
Liquida suas joias por lerde acabar o estabe-
lecimento, ha grande reducqao mesmo nos precos
das entradas.
N. 2 D Ra do Cabugft N. 2 D
w
mm
p .-(*
4TTEN0
0^000
160
400
1,51500
100
120
40500
200
13000
500
700
800
800
440
500
240
320
25000
240
3^500
4,5000
700
10000
500
10
500
120
. 20000
240
1.200
200
320
200
GRANDE REDUCTO EM PRECOS
Na loja de Antonio Pedro de Souza Soares, na ra do
Bar&o da Victoria n. 28, outr'ora ra Nova
B* BARATISSIMO
Sitia da Ipyrang i
Em Aogados
Vnde'S am eom batxa de campia, coqneiros
de frnclos e novos, diferas frncteira?, casa de
taipa coberla de telha e em-oio estado ; tratar
no Corajio de Ooro. ,
, ]9M
Ricas sedas par vestfdo do melhor gosto aor
baratissimos pregos: so oirlampho da Boa-vis*
ta> roa da Imperatri n. 10. '
. Enxovaes para baptisados
^Hjtes enchovaes para baptisados pelo baratissi-
mo preco de 16*000 cada trm : s o Triumpho
d Boa-?j3t, rna da Imperatrh n. 20.
As 2,000 satas.
Saias finas coas babados frsalos a 3*000,
te eom baba,lmhos bardadoi a 3*300 :
achat no Trktmphc da Bia-vma, raa da
Wiiz a. 30,
MlDEZAS.
Caixa de linba de marca ars. .
Duzias de pecas de trancas de cor-
d5o imperial a rs.....
Duzia de pecas de trancas de cara-
col brancas a rs.....
dem idem lisas a rs. .
Duzia de cartoes de linba preta e
branca a rs. .
dem de pegas de Gta de linbo cbi-
neza a .......
Resma de papel pautado e liso a
30000, 30500, 40000 e .
Caixa de papel amizade muito
superior a rs. ..^ .
dem idem de quadrinbos a ff. .
Caixas de enveopes fmos de por-
celana ars.......
dem idem a rs. 400 e .
dem de peonas a rs. 400, 500 e .
Abotoadaras para collete, grande
variedade ars......
dem douradas para punhos a rs.
Duzia de baralhos francezes a. .
dem idem idem canto d jurado a
Lamparillas a,gaz a .
Duzia de talberes 2 botes a .
dem idem 2 botes (com pequeo
toque) a^.......
Grosa de b'otoes da osso pretos
e brancos a rs......
Completo sortimento de fitas de
sarja, de todas as larguras, co-
res e precos.......
MODAS.
Coques de trancas modernos a .
Diademas modernos a rs. 500,
640e .4......
Grinaldas para casaments a 30, e
Calos e trancas de seda de cores,
a peca de 10000 a .
Mimosos loques de osso^ara se-
nhora a / .'
dem idem de sndalo com aa-
2S0 tejoulas a.......5Oc
dem idem a imiaco a 2 *f>
320 Lnvas de pellica para bemens e
senhoras, o par 5CO rs. e ?;o
400 Transparentes com paisagens para
2001 janeilasa.......I240GO
Bico de seds prato e branco pega
20 de 20500 a......7|OC,
Fita de seiim Ma.o escossezalar-
ga, vara a......30O
Collariobos bordados para hemem
duzia a .......80C
dem idem lisos a.....70j>O
Temos de tbesouras emcaixinhss
o que ba de mais fino a 60000 e 00000
Grande sortime&to ce ntremelos
e babados tapados e transpa-
rentes para todos os precos. .
PERFUMARAS
Garrafa de agua florida verda-
deira, a....... 103*-'
dem idem kananga do Jipo a I|MC
Frasco de oleo philocome verdadei-
ro a -........ 10OA>:
Idem idem antique a rs. 400 e SOC
Rosas com extracto a .... 1080c
Frasco com extracto de 10000 a IfOOG
Macos de sabonetes inglezes muito
bons a rs........ 6tx
Banba ingleza muito superior da
rs.500a....... 2#*>
Duzia de sabonetes de anjiobo a S0Of>*
idem idem de coraclo a 11800
Pacotes com p6s de arroz caci-
to fino a rs. 300, 400 e 300
Caixas com dito muito fino ka-
nanga a........1 550'
i Frascos com agua de Colognea rs.
30OOO1 500, 10000 a.....IA30C
! Garrafas com dita o qoe ha de me-
90000 lhor a 30000 e 400C
i0oqp.
40500
700
640
800
500
10000
200
500
20600
30600
10200
50500
40300
200
50000
20000
30500
ESPELHOS DE MOLDURA
De todos os tamanhos e precos, molduras para qnsdros, bonc'.as e brinqoedot para
eriancas e urna iofintdade de objectos que se tornara longo mencionar.
N. 28 Ruado Bar5o da Victoria N. 28
(HU DA Mili,
N. 63 A-RJA DA fMPERATRIZ-N. 63 A.
Vende-se espartilhos mnito bons para senhora a'
2*00Q, a elles, antes qne se acabem, assim como
botina? de cores e pretas para senhora, chegadas
ao nltimo vapor inglez, a 4*300, 5*. 5*500 e 6,
t 7*, sendo estas mnito boas; tenho mais a di-
zer qne s o Colar da RaioDa pie vender borze-
guins da trra para homem, obra omito bem feita
a 4*500, 5*, 5*500 6* o par, onde .a proprieta-
rio deste estabetecimenlo espera a concurrencia
d seas nuaeratos fregnezes e fregnezas.
/ Fo^s e sortes.
Amaral, NbacaA C. aviaa a sena aiaagoi
frernapM, m aa'bim de retasar aa Fiaac*
AWhanha al vanadisaimo aarfiaMa aa fcfop
soma.de_nfli invencao, proprias para laa, ob
festejosidas noites de Santo Antonio, S. Joat c
Pedro, sendo papel farta-cores, fofo* ',6,,-
tonrbelions, rodaa, estrelinhai, fonunaa, c m*
de fogo, qnarBbit, e aortas em eaiiianaa
pan faiet-se presenta : vene-se
toria n. 8.
ao Basar vic-
VENDE-SE
O attabaleaimento de
rna das Groies n. % K :
calcadoa da travessa
i tratar no mesmo.
da
Ferro 8ueci
ESTRllE
0 iiotior it aauHoaiaco,
nnrdoa Bttrvwtes mais r#
Uuratarra. Pde-ie oaiar
-K
S. Jos, qne ten. para veoac, a
vende Perira
i barras de djuajas largAras.: vende Pere
Cnnba IrmlnlH do Hirqaei de Oltadi n.
autor,
H&VEL
Veode-se o da ra da LarMJain i,Ml
tratar no mesmo.


i
W
!l
i
i
11

i
<
4
u
\
*s
RA D0 DUQUE DE CAXIAS
(Outr'ora do Queimado)
Bate estabelecimento seiba de receber am importante sortimento de diversas fa-
sandia proprias para tenidos, sendo ponpelmas da seda, sedas, lSas, percales, ditas con
barras proprias para babados, lindas cambraias crox, e m fim urna infimdade d'arti-
go de moda, tado proprio para a festa, o qoe todo vender por presos inteiramenU
raaotaeis, em conaeqoencia de estaos prestes ao fira do anno, e o 65 n5o qner le
grande trabatfco com o sea balance preferindo tomar dinheiro a azendas, convida-at
ortaiito ao respeitvel pobhco a virem sottir-se na loja do 65 aonde comprarlo por pr*
COt que nSo obterlo em ootro qoalqner estabelecimento; em flm v6r para crer
ROA DO DOEDE CAXIAS
(Oulr'(


ora
do

Queimado)
Rival wm segundo
Ra Duque de Caixias n. 91, loja de
mi adazas de Jos de Azevedo Mala e Silva,
conbecilo por Jos Bigodinbo, contina a
vender todo que tem por menos do qae
em ouira qualquer loja, a saber :
Correales pretas de borraxa
para senbora a 1,-5'JOO
Garrafas de agna Florida verda-
deira a 10300
Caixas com obreias de massa a 40
Frascos com macaca perola a 200
Pacotes com poz de arroz fa-
xenda fina 500
Pares rje bot5es .de osso
para pnnho a 200
Sabonetes de bolla maito fino
a 160 e 240
Cartas de alfinetes de. latao
fazenda boa a rs. 80
Carriteis de retroz preto com
2 oitavas a 600
Capacbo de palba mnito boni-
ta a 600 rs. e 700
Frascos com oleo Pliilocome a
500 rs. e 4^000
Pares de espatos de tranca
para menino a 1(5500
Pessas de tiras bordadas a
500, 600, 800 rs. e 10000
Frascos com agua de Colonba
maito boa a rs. 500
Gravatas pretas e de cores a rs 4(0
Pessas de trancas modernas
de todas as cores e todo o
preco
*_ Libra de areia preta mnito
boa a 160
Nvellos de linha com 400
jardas a rs. 60
Livros* da missSo abreviada a 10500
fr Silabarios portugoezes a rs. 400
Cartas com 100 centas im-
presas a 10500
Caixas com 30 novellos de li-
nha gaz branca a rs. 500
Gaitinbas para meninos a 40,
60 rs. e 80
Caixas com 12 frascos de
ebeiros a 10500
Caixas com 6 sabonetes moi-
o Bnos a rs. 800
Pentes oara segnrar cabello
de menina a 200 rs. e 320
Chapeos brancos para bapti-
zados a 20500 e 40000
Copinhos com superior banha
a 200 rs. e 320
Frascas com oleo para cabel-
lo fazenda Ona a rs. 320
Frascos com oleo Baboza a
500 rs. e
Frascos e garrafinhas de agna
de Colonha a 10500
Frascos com verdadeiro azeite
para machinas a rs. 500
Redes com cootas para segu-
rar cabello a rs. 4 400
Latas com banha de Piver a
00 rs. e
Garrafas com agna Celeste
mnito fina a
320
1 ICHMUM
Ra de Daqne de Caxias n. 50
Receben :
Lindas caucionas con os necessarios para [mar-
car rcupa, sendo abeedano e nnmeracao, frascos
com tinta preta e encarnada, pincela ets. etc. o
qae de certp novidade em tal genero.
Novos coques grandes com bonitos desenhos
vindo entre elles aiguru enfeitados com fitas e-flo-
res ; assim como bonitos crespos.
Aderis encarnados de madreperola.
Crnzes pretas com eDfites donrados e ontras
braneaa de christai.
Casas de pedra e cal muito
baratas
Urna senhora viava tendo de roudar-se para fu-
ra desta cidade, vende urna casa terrea em terre-
no proprio, na rna Imperial, tendo duas sallas, 2
qaartos e quintal, por um cont e qoinhentos
mil ris, cajo alogael de 13 a 16*000 mensal,
e 13 meias-sgua tambera na roa Imporial, na
trrvessa da Bandeira, igualmente em terreno pro-
prio, tendo cada ama dellas ama perta e janella
na frente, a excepeo de urna qae tem duas ja-
aellas, e todas ama sala e dous qaartos, dez das
quaes tem' terreno atraz, que abrindo-se urna
porta, pode ler o sea quintil; vende-se a 5004,
sea aloguel mensal para 7000 e a de daas ja
uellas p-ra 8000 ; mas quem quizer mu ou
duas sero vendidas a rarao de 600*000 e a de
duas jaoellas por 700*000 rs. Estas casas esto
edificadas na roa Impeiial, bem perto donde ac-
tualmente param os bonds. J qaem tiver poaco
dinheiro, pde-se chamar proprielario ou morar
em casa propria. Os pretendentes dinjam-se
roa das Triocheiras n. 4$, a casa do Sr. solicitador
Burgos, o qual est antorisado a contratar, mes*
mo a praso cora garanta idnea.
Smaocome
Tnico especial contra a calvice
Gom nm bello sortimento de perfumara qae a
Agota Branca ceaba de receber veio tambem o
apreciadoSmaocooecujo proveitoso eeito
j bem contiendo por quantos o tem osado e ser
anda mais por aqaelles qae necessitam de saa
utilidad. O continuado oso do Smaocome d o
bom resaltado de impedir a queda dos cabellos,
fjelos reaascer e conservar o sea briiho natural
alm deque sea odor mais agradavel que d'ou-
tro qualquer tnico continua a ser vendido na! oja
:da Agina Branca.
Leite de rosas brancas
Excellente para acabar com as sardas, pannos e
espmbas no rosto.
Vende-se a 2* o frasco, na leja da Aguia Branca
ra Dnque de Caxias n. 50.
Bonitas caixas com perfumaras
proprias para presentes.
Vendem-se na loja d'Aguia Branca ra Duque
de Caxias n. 50.
Agua Florida.
Acaba de chegar novamente a afamada agua
florida de Guislain para tingir de preto os ca-
bellos brancos. Como sabem os que tem usado
dessa apreciada agua, o seu effeto nao instant-
neo porm seu resultado segaro e efflcaz. Che
gou tambem a agua de Topasio para o mesmo flm,
e continuam a ser vendidas a 7/ c frasco na loja
d'Aguia Branca ra do Duque de Caxias n. 50.
Molduras douradas para qua-
dros.
Na loja d'Aguia Branca a roa Duque de Caxias
n. 50 vende-se molduras doaradas com differentes
Moldes e larguras, e por preco commodo.
Pennas de aqo bico de lanqa.
Caixas com 100 penas a 400 rs. ua loja d'Aguia
Branca. .
LOJA DE JOIAS
ESMERALDA
Fazatdas e chapeos de sol de. seda
NO
Bazar Nacional
Ra da Imperatriz n. 72
DE
LOURENCO PEREIRA M. GU1MARES.
I/qoida-se
Grande sortimento de chapeos de sol de seda, alpaca e merino
A SARER :
Chapeos de sol de alpaca a 30600 e 4,51000. Ditos de merino a W500. Dito* *
seda a Sj, 8,5000 e 104000.
Vende se om grande sortimento de chapeos de castor para iiomeoa meninos t
d,o2! t,maDb09 2*500 3*W0. 3*500 o 44000. Drtot de pello a 2# 2B0
0000.
RA DA IMPERATRIZ N. 72.
Acaba de chegar a este estabelecimento om importante sortimento de jotas de
ouro, do melhor gosto e qnalidade qoe tem, vindo neste genero, como cassoletas de
nix com lettras de diamantes e pintaras finas, adereces e meios aderecos com pedras
finas, etc. etc.
Ra do Cabuga' n. 5.
Moreira Duarte & C.
>
. ^ ROUPA FEITA PRErA
Vende se:
Caifas de casemira preta a 40000, 6,5000
e 8 Palitots de panno preto a 50000, 70000
e 100000.
Golletes de casemira preta
e 40000.
Palitots de alpaca preta 30, 30500
40000.
A 30000 A PECA
rs. o corado
Chitas a 0 Vende-se:
Chitas rancezas largas a 200, 320 e 360
rs. ocovado.
Riscadinhos de listras proprios para ves-
tidos e roopas para meninos a 320 e 360 rs.
o covado.
LASINHAS A 160 RS. O COVADO
Vende-se:
LSasinhas para vestidos a 160, 200, 320
e 400 rs. o covado.
Alpacas de listras de efires para vesidos
a 500 e 640 rs. o covado.
Ditas em qnadros de seda fozenia no*a
a 800 rs. o covado.
MADAPOLO
Vende-se:
Pecas de madapolSo enfestado a 2*000,
40OOO, 50000. 50500. 0000 e 80(00.
ALGODO BARATO A 30000.
Vende se pecas de algodlo a 30, 40, 50
a 30, 30500 e 60000.
CORTES DE BRIM DE COR A 10500.
Vende-se:
Cortes de brim de cor para calca a 10500
9 20000.
Ditos de ganga a 10000. Ditos de bria
pardo a 0400, 10800 e i 0000.
CHALES DE LA A 10000.
Vende-se chales de 13a em quadros a
10000. Ditos de merino estampidos a 20,
30 e 40000.
Canbrala lisa a 3*>4X>
Vende-se pecas de cambraia lisa para
vestidos a 30, 40 e 50000.
Ditas de cambraia Victoria a 30500,
40500 e 50OCO
BRAMANTE DE LINIIO A 25500
Vende-se bramante de liobo mnito iarp
a 20500 o metro. Eoutras muius Uita/%
qoe se vende muito barato.
1*500
A 4^500 rs.
Vende-se sacos de multo bom milho : nos ar-
mazens a ra do Amorim e caes do Apollo, de
cssoa Irmaos & C.
**&* 8*-&* &**&

R I
o.S S a-a g B 1
= f O
l!i,5
o-*? ?Sbb1
*
i
m
*
*
*
z

> ca. o _
2?
Iw.ocstoTTo
Capricho.
Vende-se o engenbo Capricho, distante da esta-
<;Io de Una ama ou duas leguas, movido por
ama exeellenlo machina vapor, e com optimes
terrenos para salfrejar quatro mil pies annaaes:
tratar no mesmo angeobo com Joaquim Jos de
Arla, ou nesta cidade com o sea correspondente
o Sr. Joaquim Rodrigues Tavares de Mello, com
eriptorio i Braca do Corpo Santo n. 17, prlraeiro
aadar.
AGURDENTE DE CANNA BXTRAFINA
EM GARRAFA.
Vaada-se aa rna do Encantamento n. 5, prt-
naeteo andar.
Arroz de casca
Saperir r em saceos maito granees: nea arma-
xensdeTasso Irraios & C. ^^^
A verdadeira certeja da Bavtera, marca ban-
*wa, de snpeter qnalidade : renden! Tasso Ir-
naos* (Leo ]ra arroaem da roa do Amorrm
n. 47.
Vende-se
ps de 'aranja de uobigo
poli e frnctapio.
aeWna, ps de sa-
Bonitas capellas com veos para
noivas.
Vendem-se na loja d'Aguia BraBea a roa Duque
de Caxias n. 50. Tambem se vendeos separada-
mente bonitos veos ou mantas bordadas para noi-
vas, e veos de cures para chapeos.
Escumilha preta fina e larga.
Vende-se na loja d'Aguia Branca ra Duqa
de Caxias n. 50.
Botes
Cobertos de esguiao proprios para carnizas, e por
sua duracao preferiveis aos de madreperola.
Vndese na loja d'Aguia Branca.
Caixinhas com 3 sabonetes finos
a l{, 1*200 e U500 a caixa.
Vende se na loja d'Agoia Branca.
Talagarsa
Seda fronxa e torzal para bor-
dados.
Vende-sa na loja d'Aeuia Branca^
Objcctos da Ferro.
Cadeira de nflnco.
Camas para solteiro e casado?.
Lavatorio ( completos )
Retretes o melhor qoe tem vtodo at hoja.
Cadeira?, Cameps para jardim.e ontros muitos
obiectos.
Vende-se maito barato para acabar, na loja do
lonca da porta larga a rna Larga do Rosario o
26 de Joaquim Antonio Pereira & C '
OandieirorvBatos,
O sortimento mate eonoffeto que tem vin do a
este mercado ; acaba de receber, a muito aDtitrt
ioja de louca da porta taiga a roa Larga do Re-
sano n. 26 de Joaquim Aetunio Pereira & C.
Cer'em veLs.
Chogada ltimamente de Lisas : vende Pereira
da Cunha Irmaos i ra do Manqaex de Olinda
numero 21.
Fogos artificiaes.
Allemlesvero caixas bailantes aortidas : vende-
se ra Mrquez de Olila n. 21, I
Cemento
Em barra grandes
de Olinda n. 21,1* andar.
Oleo de nhaqa
de boa qnalidade, em barr*: vende-se ra do
Mrquez de Olinda n. 21,1 andar.
portand
vende -se a roa do Mrquez
A. Ktia da Impe-
ratrs n. 63 A.
S o proprielario desta
vender ceques do ni timo
visto ter recebido em diii
vender por menos do qae
estabelecimento p
M80 cada
Jriato
tr.
ARMAZEM DOS LEES
Rna Dnque de Casias n. 29.
Os proprietarios deste bem montado estabelecimeoto scientificam ao"
respeitavel publico desta provincia qoe te acham com Jim variado e completo sorti-
mento de movis, tanto nacionats como estrangeiros, sendo estes escoltados por^m dos
sosios que se acha actnalmente na Eoropa. O mesmo tem contactado com os melhores
fabricantes daquellecontinente as remessas das mais ricas mobilias feitas all.
Na officina tem os mais babeis artistas deste genero, o por isso pedem qoe ve-
oham visitar o estabelecimento, aonde encontrarlo a realidade do qoe acabam de expr*
ue se pode examinar; ricas e completas mobiliae de Jacaranda, mogno, faia, carvalho, a-
marello, etc, ricas a elegantes camas deja caranda, pao setim, amarello, etc., etc., guarda
vestido de amarello, guarda looca de nogoeira e de amarello com tampe de pedra, apa-
radores de dito dita, peti toilettes especialmente para fazer a barba, toilettes de jaca-
randa, amarello, pedra, secretabas da Jacaranda e mognocos tureiras ae mogno, san-
tuarios, tboars para bordar, bercos, lavatorios com spetbo, de pedra marmore e seos
pertences, cadeiras privadas, bids; etc., etc., e muitos ootros artigos que deizamos de
mencionar por seorear enfadonbo
DE
DE
SINGER MANUFACTUiM COMPANY
Grande rednepo de pre ! 90*000. 90^000. 90^000
AVISO ESPECIAL
A alta repotacao obtida pelas machinas fabricadas pelo
! !!
."W
te
pretext
levado diversas pessoas a fabricar imitaces qoe ellas vendem quasi sftapre sob
de serem ellas fabricadas pelo systema Singer.
EVITAR COSTRA-
NOTEM-SE BEM
DETALlILl
^NENHUMA MACHINA SH-
C'ER E' EEGiriHA SE
NXO LEVA ESTA MARGA FIXA
\| BRACO DA MACHINA.
- MARCA DA
'A companhia, desejando proteger sens amigos e fregoezes contra as imitacSes, tem
adoptado a marca cima representada.
Pevioe-se ao publico de n5o compfar mcbinas que nSo evern a marca da
companhia.
Samuel Power Johns-
ton & 0.
IRua do Apollo n. 38 e 40
[.Fazem sciente aos seus freguezesque teem
mudado o sea deposito de machinas a va-
por, rooendas e laxas da muito acreditada
fabrica de LowMoor para rna do Apollo n.
38 e 40, onde continuam a ter e mesmo sor-
timento do costme.
Paiem sciente tambem que teem (sito nm
arrnjo com a fundicao geral, pelo qae po-
dem offerecer se para assentar qualquer
macbinismo e mesmo garant lo.
Os proprietarios da funJico geral fa;em
scientes aos senhores de engenho e mas ^^
pessoas, que teem estabelecido nma fondi- h^t
cao de ferro e broute a roa do Brum, jan- (5
to a estagao dos bonds, onde aprontarlo &
qualquer obra de encommenda com perfei- '
ao e promptidao.
Os mesmos rogam as pessoas que "oel-
ram nlilisar se de sens servidos de deixa-
rem as encommendu em casa dos Srs. Sa-
muel Power Jobnston 4 C. a ra do Apol-
lo n. 38 e 40, onde acbarao pesaoa
babili
tada com qaem possam entender se.
Apparelho para fabricar aseoear, do systema.
WESTON CBSTREFGAL
nicos agentes em Pernambaco a fuDdicao geral.
Para tratar em sea escriptoro a roa do Apollo n. 38 a 40.
W- H. CHAPMAN
N. 45 Rna do Imperador N. 46
a casa da roa dos Guararapes o. 11 : a tratar com
p commeudador Tasso.
Moeda de wiro
a rna do Apollo n. SO vende-se libras iterlinas.
Vende-le fariDba aito bcaa tarraim
de 20 cuias por 5*000 : na araaiem do
i +*l* Branca i Sft Dnque de Caxl
BO, receben essa apreeiavel agna dentrifioe 4* Dr.
Fierre, cuja soperionde bastante eonbealda.
m nu todos
Todos devem cortar daqni este annuncio e tra-
xe-lo na earteira ou livro de lembraoca, como cou-
sa de grande utilidade,
PORQOE .TILLE
indica ende com certeza ae pode encontrar ou en-
commendar am bom presente qae de improviso se
queira mandar a qualquer pessoa,
ASSIM COMO
indica elle onde se poderi encontrar m fiambre
bem preparado, nma empada, nm fMMaux de la
reine, nm maogoth, om pndmg, nm bolo fino, nm
pao de-lo e na infinidade de bolos e pastis di-
versos, proprios para lanche, sobre-mesas e mo-
rondas.
ALEM DISSO
indica mais ende se encontrar* sempre : fractas
do lempo tanto nekmaei eomo estraogeiras, dOeea
aeccos e em calda naeiooaes e estrangeiros, k'eores
e vlnhaa Unos, conserva* alimenticias e excitantes,
Be-lauto* e boKnbos fara^M e outros mortos
objeetoY qoe se tornara por deroais eafadonba a
sna inteiff* dcrlogao ___
E PIfALMENTE
para que se possa faier nm julio aproximado
SO' INDO PESSOALMENTK
a coajaitaria do Campos.
Roa da Imperador a 14.
Tome-se bem a camella de que, a frente deste
estabelecimento se acha collocado um lamplo qae
se cjMMem aceso noote, aH is des horas.
VefdVe'nn "fraude petUo de'ftrro de Loicas
novo com 9 1|2 palmos de altara e 10 d largtra
por diminnto preco : tratar na roa do Conde
da Boa-vista n8.7, oatr'ori Esperanza..
Tinta yiolete
A Agtia Brinca rna Duque de 8axiasn.'B0.
receban a superior tinta violeto do aera*do
fabricante Adrien Miurin, e como sempri rende
barassimo,
Ra do Msrqotz da Oliida a. 50 A,
Amiga da Cadeia.
Tem para vender os sagxuitos objectos abaixo
declarados, como ?ejam:
Carreteis de lioha de iOO jardas a 30 r., sapa-
palio hos de lia para erafa MOn., ditos Unos
* 380 rs., sapatoi para homarn e seab^ra. avain-
dados a i400. ditos de truca a 1*300, latas
com banha a 80 nu, ditas fina a 180 b .tnr du-
ras para eol'tw'flnos a 310, ditos a 880, 10660,
1*500. na* de t>korptoroa 4a ftftroncn a
100 rs. a doate, frasrs de sndalo wriadwra a
1*000 rs., ditos de agna divina a 1*200, ditos da
agna de madalene a 1 ItOO, ditos de agua de co-
logoe a SfO m, ditos s andas iH0rs entre-
meios a 600 rs. a p^ca, ditos nato Baos a 800 n.
agnlbas a balio a 40 rs. o pajal, awtoHM Sao*
a 400 rs., ditos a 500 rs. 1*000; alea dfsies ak-
jectos ha o competo soritatooto da miodezat
qual se vende Indo barato'
ao Rival do R c.L a. 10 A.
SSkJ
Venda-as o araaaeaa a (onea Ina Nina-
ra da roa do Bario da Victoria a. 40, ooir'ora
roa Nova, a din herr ou a praao com garanta a
vontade do proprietario. veade-se can lodosas
fundos on casa asacas. Ya
existeates w dto
quidacio, por preco ratoaval, per
rio de fiisr ama viagem para tratar i naa tan-
de : com o propnetario Isas Harto tosttostn VMra
Gniaariea.__________________________________
Parinna ds mandioca a-** otases: i
da Madre de Daos o. 7,



Diario da Pernambuce Domingo 9 de Juuho de)
1872
LITTERA1
loanna fteymo
Ni mor re o Utu->iajmo na*
almas ir.odM aBelbanta avs
piel i jjui'reoasce de suas cia-
ra, 9 aentimento do amor nanea
se apaga nos coracoes a' G. G. de Alvaneda.
I
Miss Joanna Gabriela Mara de Saymour,
filha de Dobre e opulenta familia inglesa,
eatroo, como dama de honor, para o servco
da rainha Anaa Bdeoa, contando j 33
aonos de idade.
M litis casamentas vantajosoi se propor
cionaram Ilustre donzella, sera que ella
se quizesse coroprometter, cora gr nde De
zar de seo velho pai e de seo irmlo, om
dos flda'gos da corte de Henriqoe VIII.
Qaeres raorrer solteira ? Ibe perguo
tou um da sea pai, bastante irritado.
E qaando assira fosse, que mil rae
rastillara disso, respoodeu Joanni cora
meigo s irriso. Nio est ah raen irmo
para perpetuar rnossa desceoleocia ?
Lord S ynoonr nlo respondeu cousa al-
guraa, mas nio deisoa de patentearo des-
contentaraeoto hibipial de que se reves'.ia,
sempre que se tratava do casamento de sua
filba.
Efectivamente, Joinni n5o amava pessoa
alguma, nenbucn boraem conseguir mover
o s*u coraglo, en tmida, e a vida mo-
nstica era nicamente o objecto de suas
aspirags ; mas, conltecenlo o carcter Qr-
me e severo de s a declara-lh'o.
O sen aspecto cneio de graga e de inno
cencia devia estas vaoigens pureza de ra
alma, isenta de paixBiS e de altelos pro-
fundos.
NSo se podia dizer a primeira vista que
era lormosa, nem linda ; baixa, delgada, o
que mais chamava a atleogao eram os seus
cabellos cor de ouro, olhos azues, ainda
qua pequeos, cheios de dogura, booiios
dentes, e o sorriso constante de seus la-
bios.
Oservava-se-lbe urna cousa aerea que
Ibe dissimulava os deleito?, entre e les os
signaes de bexigas e o nariz demasiada
mente grande.
Vesta com a riqueza que sea pai Ibe de-
terminava, mas com murta simplicidade
usava ordinariamente, de vestido de seda
branca sem diamantes, nem mais eofeiies
que umvo para Ibe cobrir parle dos ca
bellos qae Iba ondeavam pelas costa.
Este costme to fr seo', to simples, to
encantador, lio sent de pretendes e de
vaidade n'oma corte em que a ostentaglo e
a prodigalidade da rainha eram normas
para o iuxo mais exorbitante, dava a Joanna
certo aspecto de candura e do siropliciia
de, cercando-a de urna aureola ebeia de
digoidade e de virtode.
Joanna herdara riquissimas joia3 de sua
mi, e todava era tal a sua opposiglo ao
fausto, que nuoca fez oso d'ellas, e smen.te
as grandes (estas da corte trazia um fio de
perolas porque a isso a obrigavam.
A simplicidade dos seas costamos, a sua
modestia e o seu carcter serio e re-ervaio,
foram os motivos que determinaran! a rai-
nha a nomea-U sua dama de honor. Aona
Bolena, aconselbada pel sua grande pers-
picacia, separava pooco a pooco de sea lado
todas as damas novas e formosas. qae po
deriam eclpsa-la, e rodeava-se de damas
graves e mais idosas do que ella.
Joanna apre^entava ter dez annos de me-
nos ; mas, apezar d'isso, parecen rainha
que era sema de pretengns e de belleza
que a podesse offuscar, e por isso a cba-
mou para o sea lado com inuit > prazerde
toda a familia Seymoar, que assim se con-
soln da obstinagoo de Joanna em ficar
solteira.
A rainba quiz dar um carcter de grande-
za aquella apresentaglo, e para isso con vi-
don para os seus quartos particulares gran-
de numero de pessoas da corle, entre as
quaes se contavam algons inimigos da fa
milia Seymoar. Joanna foi apresentada por
sea pai, que Ibe dava a ralo segundo o cos-
tume. Um vestido de seda branca e um
collar de perolas eram o sea nnico enfeite,
e os encinadados cabellos sollos sobre os
Lombros e costas tornavam-na o mais in-
teressante possivel.
Qnando a rainha a vio, sentio no cora-
gao um golpe violento, e instantneamente
se arrependea da sua escolba; acboo Miss
Seymoar quasi formosa, e um tremor fri
quasi qae a fez desfallecer.
Era a consciencia que a aecusava das des-
gragas causadas a Catbarina de Araglo, a
ij.iera ella com seas artificios expulsara do
thalamo real, e qae presenta tocar-lhe a sua
vez, agradando-se o re de outra mulber.
Nao obstante, traoqoillisoa-se olbando
para ilenriqoe. Este, ao ver Joanna, en-
coJbea os hombros com bastante indifferen-
ga, e voltou-se para um grapa de cortezlos
a fallar de cagadas.
Milord, disse a rainha ao pai da Joan-
na, dmdo Ibe a beijar a sua mao com seis
dedos, a sorte de vossa filba est as mi-
nbas raaos, nada receieis.
Dizendo isto;voltoa-se para a filha Joanna,
ajoelboo, baijon-lhe'amo, e, segundo aeti-
qaeta, foi prestar igual homenagem a el-rei.
Qae formosos cabellos, mea Deas ; e
qae bem ponteada cabega, parece-me orna
caseata de ouro. Qaem o vosso cabel-
leireiro, Miss 1
Son eu mesma qae me penteio, respon
dea Joanna com dogara e modestia: e, ven-
do que o re nlo toraava a dirigir-Ibe a pa
lavra, retirou-se para entre as suas compa-
nhoins, qae a receberam com affectaosa
cordi?lidade.
Era j ama hora muito adiantada da
noate, qaando a rainba se levantoa para
retirar-se ao sea qaarto particular, e os
fidalgos foram sabiodo pooco a pooco.
Joanna estava de p ao lado de saa ama, e
dea oxasio a qae todos admirassem o
grande contraste qae offerecia.
Aun, alta, trigueira e paluda, trajava um
vestido de seda cor de ouro, to exagera-
damente decotado qae pareca ter esquecido
todas as leis do pudor ; os seas cabellos,
peito e bracos estavam cobertos de diaman-
tes e esmeraldas, e viam-se at d'eslas po-
dras as fitas dos sapatos.
Joanna. baixa, delgada ./al va como a nev,
eslava vestida com tanta modestia e simpli-
cidade qae toraava ainda mais notavel a
provocadora indecencia da rainha ; o deco-
te bastite elevado do sea vestido braoco
pooco deixiva ver a sai garganta e hom-
bros, e ainda assim eran velados pelos lin-
dos canudos de seas cabellos cabidos.
O rei pairan dianle de ambas, e aquelle
contriste chimot a saa atteoglo.
Estis damasadamentrUtotada esta
noate, senfnra, diise elle i rainha em rela
voz a com mao honor.
Pols Dio vos agrada este vestido, disse
Anaa com despeto irnico ?
Nid, senbori,disse o rei e'camente.
Simo moto, e noto ser esta a primei
ra vez qae assim saccede.
NSo todava a primeira vez que vos
alvtrto que nlo vos quero ver em publico
eom as jo as da minha defunta esposa Ca-
tha.ina.
O rei disse estas palavras langndo a vista
irado para as soberbas joias que ador-
navam a cabega, o peito e os bragos da
rainba.
Anaa mordeu os beigos e baixou a cabe
ga envergonhada ; o rei continuou :
E' a ultima vez que a advirto.
Dizendo isto, sabio; a rajnha comprimen-
toa a todos e retirou-se, mas os seos olhos
vertiam lagrimas de indignaglo e de dor.
Estava perdida no animo do rei; j Ibe
nlo agradava, sendo antes admirada.
Aona durmi pouco, e durante esse breve
es pago leve visites que a aterravam.
II
Passaram-se apenas quinze das desde que
Joanaa fra apresentada rainha, e j
aquella se achava bem enfastiada da vida do
palacio.
Sin:era, nobre e delicada, soffria a todos
os instantes n'aquella corte deprava la, em
que a liberdade] e os caprichos da rainba
davam cansa a tantos escndalos. Jarana
eracoono ama d'essas santas religiosas que
eniram para os conventos, ainda meninas,
e que mesmo na velbice conservara sempre
a siutplicid:dade| da infancia.
Outro motivo a martyrisara tambem:
sorprender muitas vezes as ardentes vistas
do rei fixas sobre ella, o que muito a ra-
borisava e affligia. Joanna at entlo fogira
dos homens sem esforgo, mas como fugir
do rei se o seo deter a prenda no pala-
cio? Gomo renunciar ao seu logar de ca-
marista da rainha, sem expor-ie aos enfa-
dos de sea pai e de sea irmlo?
. Nao Iba restava outro recurso qae soffrer
aquella muda, mas constante perseguigo.
Dbil para tomar ama resoluglo difinitiva,
toraou-se fraca tambem para resistir ao mo-
nareba que tema, e costuraouse a encon-
trarlo todas as noutes e todas as manhas
nos corredores e ante-camaras do palacio.
Bem depressa aquelle costume foi con
vertido em le ; o da em que Manrique VIII
nao Ibe apparecia, passava-o triste e pensa-
tiva, e pela saa parle o rei distrahia quasi
sempre o seo mo humor, com a vista d'a-
qoella creatura anglica. E' verdade qae
nenhama virtule, por mais admravoi que
fosse, poda surprender o esposo da nobre e
santa Catbarina de Araglo, mas bavia em
Joanna mais suavidade, mais innocencia,
mais dogura que na filha dos reis calbo-
lieos.
Anna ia ponco a pouco perdendo terreno
no coraglo do marido, as aecnsages e os
ciumes prodoziram os seus effeitos, apezar
das gragas p:ssoaes da raioha, do seu tlen-
lo, da sua vivacidade ; a modestia de Joan-
na e o seo carcter anglico sobresabiam
entre todas as pessoas da corte, assim como
se distingae por seu perfume a violeta en-
tre lodas as flores.
Entre aquellas damas cobertas de seda e
da diamantes, Joanna, por sua simplicidade,
assemelbava se imagem do pudor, da in-
nocencia e da castidade.
O trinmpho da virtode qoasi nanea
ruidoso, mas sempre solido e duravel ; o
dominio que Miss Seymoor ia exercendo
sobre o rei ama prova desta verdade.
Aquelle monarcha feroz, sombro e tacitur-
no, gozava om prazer inexplicavel quando
se enconlrava com Joanna.
Urna noute, peno das nove horas, como
dama de honor, achava-se aoservigo da
rainha, e entretioha se n'uma ante-camara
a bordar.
A rainha peoalisada j por amargos des-
gostos, retirara-se ao seu quarto de dormir,
dizendo qae quera ficar s para escrever
algumSs cartas.
Algons passos rijos e pausados annancia-
ram a Joanna qae o rei se aproximiva, e
effectivamente dahi a um momento entrn
Henrique, sombro e preoccapado. Joanna
levanton-se.
Nio esperavaoncontrar vos aqu, Miss
Seymoar, disse o rei com affago, o qae es-
timo para a minba consolaglo.
Puxou urna cadeira, sentoa-se e fez sigoal
a Joanna para que o imitasse.
Acabo de estar com minba filha Maria,
disse o rei, e live com ella um grande des-
costo : tem o carcter indomavel de sua
mi, e antes morrer qae ceder.
Senlior, exclamoa Joanna, esquecendo
a sua natural timidez, e levantando as mos
supplicantes, respeitai a memoria da augusta
Gatharina de Araglo, e honrai-a respeitando
soa desgranada filba.
O rei olbou para Joanna assombrado,
nunca Ibe pareceu lio bella; os seus olhos
brlhavam, as faces estavam animadas pelo
ardor da rogativa que acabava de fazer, e
o seu ; aspecto assemelbava-se ao de om
anjo.
Miss Seymoor, contioooa o re, vos
nio conbeceis a princeza ; tem apenas dez
aonos e j resista s mais fortes ameagas.
= Poderei ter o atrevimento de pergun
tar a V. M. o qae 'exige de saa filha ?
Que v todos os dias visitar a rainha,
e qae a receba no sea qaarto qaando esta
a procurar.
Para qae pretende V. M. anir o qae o
co desuni ? Nao pretendo criminar a
rainba, mas a filha de Gatharina acensa
sem davida, no intimo de saa alma, a vossa
actual esposa de (odas as desventuras de
soa mi I
O rei gaardoa silencio ; Joanna conti-
nuou :
Deixa que vivam affastadas felizmente
em volts do tbrooo, todas as existencias sao
iadependentes, e nlo preciso qae a rainha
e a princeza se vejam seno por saa livre
vontade.
Devo, porm, permittir minba filha
a desobediencia? Diga-me, Joanna, nio
Ibe diz o coraglo que a princeza culpada ?
Nio exige a minba dgnidade que a Mande
para am convento ?
Nio, senhor, e veja V. M. qae peta
Torga nada se consegae ; deixe pissar o
forado, que s o lempo far esqaecer
todo. ^
NSopensa assim a rainha, mamaron
Henrique, e cortamente porque o sea co-
raglo ainda mais duro qae o de miaba
filha.
A princeza j bem dosgragada com
a dediragap de V. M. de qae Ilegitima,
proeeguio Jarana com ardor. Por essa re-
solagio* nio perdea lodos os direitos ao
tbrooo de tea pai ? Acreditai-me, senhor,
a pobre mello merece mais alguma con-
sideraglo
ItMnoB por algom lempo o silencio.
Quer ir visitar minba filha ? disse re-
pentinamente o rei, levantando a cabeca.
Confesso a V. M. qae teria nisso noi-
to gosto, disse Joanna com franqueza, mas
talvez a rainba me chame e...
Nada de receios, interrompeu o rei.
eu a descalparei; v e veja se a torna obe
diente.
Joanna le\ antou-se, o rei deixou tambem
a saa cadeira, e tiroikda algibeira ama cai-
ta guarnecida ds brilnanles com o seo re-
trato, e pendente de ama cada de ouro.
Guarde isto em memoria deste dia,
disse Henrique VIII lineando a cada ao
pescogo da dama de honor.
Cos 1 este o retrato de V. M., ex-
clamoa Joanna, observaodo-o 1
V ver Mara, consolea, j qae eu a
fiz chorar.
O re desappareceu, e Joanna ficon mara-
villada, segnrou o retrato com a mo tre
mala, esconden-o no seio, dirigio-se aos
quartos da princeza; e, nio transposera
anda o primero corredor, quando se ou-
vio o apto de prata da rainha, mas nin
goem Ibe responden ; o rei fra deitar-se
tranquillamante.
III
Qaando miss Seymour chegou porta do
quarto da princeza, foi peno das dez horas
da noile, e reioava o mais profundo silen-
cio, tanto interna como externamente.
Eram s quatro as camaristas qae ser-
viam a filha de Gatharina de Araglo, pois
que, declarada Ilegitima, linha diminuido
muito as pessoas de sea servigo.
Alm das quatro damas, qae por um a-
comprehensivo! capricho de Aona foram es-
coltadas entre pessoas graves e avangadas
em idade, cuida va assiduamente da prince-
za a condessa "de Salsbury, Marganda de
Platiganet, urna das mais virtuosas seobo-
ras de qae se gloria a altiva Inglaterra. Era
mi do cardial Polo, refugalo na corte de
Roma desde a apostasia da Henrique VIII.
A condessa passava ji dos setenta annos,
mas era alta e formosa: nomeada aia de
Maria Tu dor por m irte da rainba D. Catba-
rina, a escolba nlo podia ser mais acertada,
tratando-se de orna menina qae, nascida no
tbrooo, devia bccapa-lo.
Mas a sorte alo cssava de perseguir a
regia menina confiada edacagio da velha
Margarida, e esla, em vez de aconselhar a
que se homilhasse perante os rigores do
destino, s Ibe ensinava a ser mais altiva
maneira qoe ia sendo infeliz.
A princeza, aos dez annos de idade, era
orna menina muito bella e de aspecto deli-
cado, mas Severa e de am carcter fro e
impassive.
Era pena ver o contraste de suas delica-
das formas com a rgida etiqueta a que a
obrigavam, e o transparente brilho dos
seas olbos com a aspereza de soas vistas
J lanna batea porta de vagara no, ama
das damas veio abri-Ia, e aos olbos de miss
Ssymoar apresenton-se om qaadro ai ver-
dade pouco alegre.
A princeza, dejoelhos, em rica almofada,
lia as oragoes da noile n'ura livro aberto
no seu reclinatorio. Atraz- da princeza
ajoelbada tambem n'oolro cochim, estava a
velba Margarida rezando, 9 do mesmo modo
em lieira, mais airaz, as quatro camaristas,
adundse onicamente desoccopado o logar
da qae viera abrir a porta.
Por mais grave qae quizessem tornar a
princeza, tmha apenas dez annos, e voltou-
se qaando Joanna appareceu, mas am olbar
da sua aia a obrigou a baixar de novo a
vista sobre o livro das oraces.
No entanto a condessa fez am sigoal be
nevlo a miss Seymoor, a qaem eslimava
muito, para que nio li'.esse bulba emquan
to a princeza nlo acabasse de rezar.
Esta acaboa logo e levantoa-se.
Senhora, disse entlo a condessa de
Salisbory, aqu est miss Seymoor qae nos
vem visitar.
Que me qaer a rainha, perguntou
princeza com altivo desprezo, julgando qae
Joanna como dama de honor vicha por saa
ordem.
Nio venho da parle de S. M. a rainha,
senhora, mas a pedid do augusto pai de
V. A.
Meu paipedio-lhe... qoe viesse aqoi?
disse Maria Tudor com desden.
Sim, senhora.
Qiem entio a senhora?
Urna das admiradoras da santa mi
de V. A.
Ao ouvir pronunciar o nome de sua mi,
desanuvou se o rosto da princeza; aquelle
nome era o melhor e o mais forte talismn
para Ibe dobrar o coraglo.
Era amiga de minba mi ?
Tanto qaanto a respeitava, senhora.
Enllo para qae espern qae mea pai
Ibe pedisse para vir vsitar-me ?
Maria proooncioa estas palavras com am
sorriso cheio de graga maliciosa.
Receiava que a minha presenga offen-
desse a V. A.
Porque ?
Sou dama de honor da rainba Anna.
Pouco se med da rainha, disse Ma-
ria com altivez Soa tio rainha dentro dos
meus quartos como ella ao resto do pala-
cio ; mas qae pretende mea pai de mim ?
Qae V. A. visite amanhia a rainha.
Ouve ? disse Maria, voltando-se para
a velha Margarida.
Ojqo, sim, senhora, respondeu esta ;
mas c-eio qoe V. A. nlo tem obrigaglo al-
guma de visitar a raioha, nlo tendo ella
vindo aqoi quando V. A. estove oito dias
de cama com febre.
E' verdade, responden Maris, agora
me record, nlo irei.
Senhora, disse Jarana, dirigiodo-se
condessa de Salisbory, a rainba nlo veio
procurar S. A. porque tambem esteve
doente.
Doente 1 disse a velha com irona,
mokas vezes a vi ir para a caga.
Nio o neg, disse Joanna, desejando
a todo costo coDCia-lis, mas a caga ama
paixlo da rainha, qae por ella eaquece to-
dos os seos soffrimentos.
E'Jflatil, miss Seymoar, disse a prin-
cesa, approximando-se e tomando parte na
conversarlo; intil qoe se empeohe para
que ea queira bem i rainha, nunca conse-
guir isso de mim. Foi vassafla de minba
augusta nli, que por sai cansa foi dester-
rada, persegaida, mortondo afinal raartjr
de desgostos.
Senhora, quem disse todo isso a V.
A.? exclamoa Joanna, con puno; creio
que haveria nnito mais dignidad e bnmaoi-
dade em occnltar-Ih'o.
E acaso precisava en qoe m'o disses-
sem ? tornou Mara, com pezar; nio sei
qae me arrancaran das bragos de minha
mii para a encerraren no castalio de Hum-
balton ? Nio ajoelhei aos ps do rei, mea
pai, rogando-lbe qoe me deixasse despedir
da rainha ? Negou-m'o por artificios dessa
mulber vil, qoe boje posre cora, qae era
de minba mii E, qoaodo ped ao rei
para Ibe dar o ultimo adeus, calon-se enio
interceden para qae me concedesse o que
Ihe pedia t E nlo foi para que si a filha
Isabel seja raioha de Inglaterra, que, por
um decreto do parlamento, me fez declarar
bastarda ? Miss Seymoar, ninguem me
disse isto; porque a minha aia muito leal
para qae aecuse o sea rei, e quer-me muito
para que me allija, mas sei tudo isso, por-
que, embora seja menina, tenbe j o cora-
glo tortorado pela dr 1
Galou-se depois a princeza, e calados fi
carato tambem todos que a rodeavam.
Joanna, com o coraglo repassado de
amarguras, pens a vontade do rei, nlo vendo probabilidade
de que soa filba cedesse.
Senhora, disse ella, beijando a pe-
quea ralo da princeza, j vejo que ba no
coraglo da V. A. um odio para com a rai-
nba, se nlo legtimo, ao menos justo, fun-
dado infelizmente em bem tristes motivos
Exprimirei, pois, ao re a negativa de V.
A.
Sim. Diga-lho qae nlo estou resol-
vida a ter atteoglo alguma para com a ra
nba, nem a prestar-lbe homenagem e que
rogua a Deus que sua filha Isabel nao pre-
cise algom dia de mim.
Qaando Maria pronunciou estas palavras
brilhon-Ihe nos olbos um fulgor sombro.
Jarana comprehendeu entlo toda a duru-
za d'aqoelle coraglo e a infiaxibilidade do
carcter da qoe depois foi rainba com o nome
de aria Tador.
Mas a camarista nlo podia resolver-se a
deixar aquella menina pertinaz sem,, ter al
cangado o qoe o rei pretenda, e, perma
nacendo algons instantes pensativa, disse
afinal:
Repetirei a S. M. el-rei as propras
palavras de V. A., mas pelo menos, senho-
ra, diga me que as miabas a nlo enfada-
ran).
A mim ? Pelo que ? disse Maria.
Porqae abr no coraglo de V. A. fe-
ridas dolorosas sem saber que ex sliam.
Est perdoada, disse a princeza com
dgnidade, esteodeodoa mao a Joanna.
Esta beijoo-a novamonte e continuou :
-r- Quizera urna prova de qae V. A. nlo
est enfadada comigo.
Nio Ihe basta a minha palavra ?
Sim, senhora, enio obstante....
Quer ainda outra prova?...
Considero grave a offeasa e desejo
om perdi completo.
Pega-me, pois, a prova de mais valia
no seo conceilo.
Quizara que V. A. me permittsse vir
passar todos os dias algumas horas a seu
lado.
Sabe o que diz ?
Serei acaso indigna dessa merc ?
Nao isso, mas a vida qoe leva como
dama da raioha. os passeios, os bailes e
a caga nio Ihe deixario tempo algom li-
vre. A esposa de meu pai nlo vive como
rainba, mas como a dama mais garrida e
caprichosa.
E todava a'cangarei permisslo de S.
M. para deixar de acompanha-la alguma
vez.
E ser-lhe-ha concedida ?
Sem duvida.
Maria pegoo na mi de Joanna, levoua
para o vio de urna janella, isolando-se as-
sim ambas de todas as pessoas que estavam
no qaarto.
Ah t minba querida Miss Seymoar, ex
clamoa em voz baixa, se soubesse o quanto
estimara que viesse muitas vezes.... Es-
tas cinco velbas, eternas companbeiras da
minha tristejuventude, eternas testemunhas
de todas as minbaj ac.es, gelam a minha
alma com a nev dos seus annos. Nao sei
como se penteam, nem como se vestom as
meninas da minha idade I Nio leio seolo
livros de devoglo I Nio como frnetas, nem
doces, porqae dizem ellas que todo isso faz
mal ao estomago. Olue, a primeira vez qoe
vier traga-me um prato de fruetase om li-
vro de contos.
Amanhia ter V. A. todo isso.
Mas qaem m'o ha de trazer 1
Eu.
E' o mesmo qae nada, porqae a mi-
nha aia nem ha de consentir que eu coma
fracta, nem que leia os livros.
Mas que prectslo ha de que ella veja
a fructa e o livro ? -
Se ella v tudo qaanto eu fago f
Nao ver isto.
Nlo?
Nao, senhora; de que me servem os
annos seno para ter alguma astucia ?
Mas qual o seu plano ?
Comearemos ambas a bordar um veo
para V. A., e logo de manbia maodo-o para
aqu cosido e armado n'um grande basti-
dor.
E depois ?
Gom o pretexto de procura rmos boa
lnz, abriremos a janella e no cestinho da
costara trarei a fructa. A condessa e as
damas bio de querer resguardar-se do fri
da tarde, e nlo vem para a janella, e V.
. inclina-se entio a bordar e vai comendo
a'frocta, pooco a ponco, que eu Ih rei
dando do cestinho em logar das liabas para
o bordado.
Magnifico ; e o livro ?
O livro a coasa mais fcil. V. A
esconde-o na algibeira do sea vestido e l
depois de deitada.
Bem bom, bem bom ; olhe, Joanna,
estou Ihe tio obrigada qoe quizera dar-lhe
alguma prova disso.
Basta a bondade com que V. A. me
trata.
Isso nlo nada. Ha oalro meio de
mosrar-lhe a minba gratidlo.
QaaL?
Ir esta mesma noite visitar a rainha.
E' possivel 1 qoe alna to magnnima
a de V. A I
Nio quero adolages, Joanna. Se-
nhora, os meas pagens que me venham al
lomiar e dm-me o manto.
V. A. vai sabir ? exclamoa admirada
a condessa Margarida.
Sim, respondeu Maria com firmeza.
Miss Seymoar convencea-me de qae devia
visitar a rainha.
Mas a estas horas I
Senhora, disse Joanna, nada de inu-
tilisar as boas disposiges de S. A pois
muito me costn a resolvel-a. j
A condessa de Salisbory encolheu os hom-|
rada de palles, qoe antregoo a princeza, e
no mesmo instante appareceram dous pa-
gens com tochas acssai as naos.
Nio se neonato Je, disse Maris a ve-
Iba condessa. Miss Seymoar e duas dessas
senhoras bastam para acompanfaar-me.
Dizendo ist), sabio do quarto, as sent-
nellas qoe estavam porta e palos corre-
dores comprimentaram a princeza. apresen-
tando-lbe as armas, ao qae ella correspon-
den nobre e dignamente, inclinando a ca-
bega. Deu o brago a Joanna, e em poneos
instantes ebegaram aos quartos da rainba
Anna.
Balen um dos pagens, e voz feminina
respondeu de dentro :
Quem ?
Marqueza, disse Joanna, qae Ihe co-
nbeceu a voz, abr a porta a S. A. R. a prin-
ceza Maria, que vem comprimentar a ra-
na *
A porta abrise immetalamente, a3 sen-
linellas saudaram a filha do sea re, e a rai-
nha saltn ligeramente da cama, embra-
gada n'uma capa, esperando a princeza de
p.
IV
Aona estava n>quella noile pallila e aba-
tid!, e por isso mesmo mais bella.
Os seus cabellos praios cihiam em Ion
gas trangts sobre as roupagens brancas, e
os grandes olhos da azevi -,!n pareciam es-
condidos por suas grandes pestaas.
A voloptaosidade e a melancola onam-
se naquella formosa mulber; a belleza falia-
va a um tempo ao coraglo, intelligenci.i
e aos sent jos.
Com dgnidade arrogante e tranquilla vio
chegar a princeza, eadantob-se ao umbral
da porta para recebe-la.
Qaando ebegou presenga da rainha toda
a alegra de Mana se extinguir de novo,
um soffrimento penoso se Ibe retratava no
semblante, eslava all o verdugo de sua mi,
occupjndn o mesmo quatro em que ella
nascera berdeira presumptva da cora da
GriBretanba.
A energa do sea carcter, porm, dea*
Ihe furgas para inclinar a cabega perante a
rainha.
Anua corresponden do mesmo modo, e
ndicoQ'lbe urna cadeira dourada pira que
se asaostasse.
E' mnito tarde, senhora, disse Maria
seranete.
Mas sente-se V. A. um instante, disse
1 rainha contrariada.
NSo, senhora.
Ento escusa va V. A. ter vindo, tor-
nou a raioha vo I lando Ibe as costas muito
descortezmente.
Maria, qae era milito perspicaz, reparou
ueste movimento tornou-se logo corada ;
cooteve se, porm, a um olhar de Joanna,
porque ns verdade esse olhar era urna sop-
plica.
Senhora, disse, evitando sempre dar
esposa de seu pai o .itulo de mageAade;
senhora, nio vim aqoi por minha vontade,
pode acredita-lo.
Foi entio alguma ordem qoe o rei deo
a V. A., disse a rainba com irona 1
Nao, senhora, responden a princeza ;
de<'o dizer-lhe, ainda que isso a desgoste,
qoe meu pai nunca me d ordena; mostrou-
me qae folgaria de qae a visitasse; mas,
se a tanto me resolv, foi a instancias de
Miss Seymour, a quem se nio pie recusar
coasa aigoma.
Quando Maria pronunciou estas palavras,
urna sbita pallidez colirio o semblante de
Anna, poique logo presenlio um perigo
grave e eminente era que ainda nlo pen-
sara.
Mara era a le ciada de Miss Saymoor,
aquella mulber de qoem julgoa nio ter
cousa alguma a receiai, e que. nio obstan-
te, desde qae entrara no palacio, chamara
a atiengio do rei.
E* amiga de Miss Seymour ? disse en-
saiando m sorriso ; folgo muito, porque
na verdade muito amavel.
.Mais do que julga, senhora, disse Ma-
ria ; e logo accrescentoa: sinto nSo ver mi-
nha irma Izabsl, mas snpponho que es-
tar dormindo e eu vou fazer o mesmo.
Ditas estas palavras a princeza fez urna
inclinaglo irnica rainba e sabio do quarto
Fique, Miss Seymour, disse imperiosa-
mente a rainha, vendo que esta se dispunha
a seguir princeza, o sen dever aqui.
-Perdoe me, senhora, replicoa Maria,
preciso della, e meu pai disse que podia
ficar com comigo.
Dizendo isto, a princeza fez nm signa!
imperioso i Miss Seymour para que a se-
guase, mas esta, attonita e confusa, olbava
ora paTa urna, ora para outra, sem saber
a qaem devia obedecer.
A situagio ia sendo muito perigosa para
a pobre Joanna, que, dotada de carcter t-
mido, era inoapaz de urna determinagio.
A princeza foi qaem pz termo a esta
scena, apoiando se familiar e amigavslmen-
te no brago de Miss Seymour, e sahindo
com ella da cmara real.
A dama de honor acompanboo Maria al
a deixar no seu quarto. all beijou-lue a
mi e retirou-se, nlo sem que a menina
ihe recommendasse efficazmente que no dia
seguinte lheHevasse as fructas e o livro de
contos.
Joanna volton com timidez se quarto da
rainba, que se achava ainda de p, severa
e rgida, como se a esperasse.
Nlo preciso dos seos serviros, Miss,
nem boje, nem por ests oito dias, que fi-
car encerrada 00 seo qaarto, deixe me.
Joanna retirou-se triste e confuza, linter-
rogava a saa consciencia sobre a nalureza
do crime por qae era castigada, e por que
motivo vinba ella alagar os odios e rivali-
dades da familia real.
O rei procoron-a debalde no dia segua-
te, e nlo soobe da sua prislo seno pela
velha coodessa de Salisbory.
Ficou, pois, a pobre princeza sem as suas
fructas e os seas contos, pois qae o fim
principal da rainha fra o separa-las.
Quando Henrique VIH soube que Joanna
cumpria os seas desejos com tanta promp
lidio, qae Maris fra naquella mesma noite
visitar a rainbi, e que.em premio daquelle
servigo fra presa, o sea mo humor tomou
todas as apparencias de ama colera fariosa,
e todos os dias dorante prislo de Joanna
os passou sea lado, fallando ambos em
completa liberdade.
A desgragada rainba fra abandonada
pelo sen bom anjo; todas as providencias
qae tomava para conter a paixlo do rei
eram outros tantos meios qae a auxliavam.
O rei nio mandn soltar a daa de ho-
nor, porque assim Ihe con vinba para estar
sos com ella em mais liberdade.
V
Assim se passaram muitos mezes, quasi
aeras do rei fon Joanna, qoe usava psa-
ileate n'om rubio da oaro o retrato
o soberano Ibe offerecers naquella ooote
qae a dama de booor resolvea a princesa a
que visitasse a rsrhi.
Cbegou a final o termo do terrivsl dra-
ma da vid ds Aoaa Boleta, rainba ans
desgragada qae culpada.
Na mesma manbia em que a cabeca da
rainba caba s naos do verdago, acbava.se
no parque de Richmond un gropo de bo-
rneas vestidos como quem ia pira ana ca-
gada, escutando com a maior aitsogio o
mais ieve rodo.
O qae mostrava ser chafe era de nedia-
na estatura; formas qae comegivam a ser
obessas, e espessa barba arela.
Era o rei de Ingl,trra, Heoriqoe VIII-
O semblante spero e (eroz nao Iba re-
tratava a mais leve emocio, mu orna impa-
ciencia extrema em oavir o sigoal qoe Ihe
annunciasse a morte oe soa esposa, da nii
de saa filha. G >mo aquelle qae con tanto
delirio amia a rainba se converlii agora
em seo impiaeavel ioimigo l
MystecJos do coNgo que os horneas nio
saben comprehender!
Oivio-se finalmente o estrondo de am
tiro dd peca longhquo, e um gozo cruel se
divisou as feigas do rei.
A cavado, disse c- m voz tremola d
impaciencia : est todo concluido !
Os seas compraheiro3 estremecerim, e
todos correram a galope em dirsccao ao
caslello de Walp-Hall. aonde ebegaran ao
declinar a tarde.
Todos os criados de el-rei, vestidos en
grande gala, formar am alas, qaando es ce-
gadores entraram pela porta principal do
caslello.
Cada um voltou depois s soas oceupa-
ges com ama pressa indicadora de qae
se tratava de algnma ceremonia importante.
O sei e os cortezlos entraram na sala.
sendo porta recebidos por Lord Seymour.
Pouco depois enlroo Joanna conlozid
pelo brago de sea irmo. Apreseotoa-se
com um vestido de selim braoco, e os seos
cabellos eram adornados om a cora das
desposadas.
Nao bavia em sea rosto meigo sigoal al-
gom da alegiia, sabia que a saa elevacio
ao throno cuslra a vida a ama mulber es-
posa e mii; lembrava-se, tremendo, qoe
tinha j trinta e tres annos, e qae s sua
formosura, o sen talento e a soa instrnc-
gio eram mnito inferiores aos da desgraga-
da qoe acabava de morrer.
Rtzio tnba para tremer de susto, e per-
guntar a si propria se trocara em breve a
cora de rainba pela do martyrio.
Um bispo protestante abengoou o cas-
mento, e ao coocloir-se a ceremonia envi-
se por tres vezes na capelli esta accla-
maglo :
Viva Joanna de Seymour, rainha di
Inglaterra I
O pai e o irmo da nova rainha nostra-
ram-sa ebrios da man gestente alegra, e
o rei suspirn de felicidade. Joanna fez
urna breve oraglo pedindo a Deus pelo des-
canso eterno de Anna Bolena.
Da cape lia voltaram i sala, onde a prin
ceza Maria os esperava de p.
Quasi a completar doze annos, esta me-
nina, de peqoeoa estatura, ji era ana se-
nhora, e conhecia-se qoe nio cresceri
mais, pelo deseovolvimento das sais for-
mas, e pelo carcter de gravidad) de toda
a sua Ogora.
Era mais formosa qae antes, porqae es
suas feigoea e a cor dos seus cabellos ti-
oham variado muilo ; o sea vestuario era
rico, bordado de rendas entrelazadas com
perolas.
A condessa de Salesbury, soa aya, nio a
acompanbava, a velba Margarida ficara em
Londres gravemente incommodada; e a prin-
ceza fora s acompanbada de algunas da-
mas.
Qoando o rei a vio mostrou-se enfadado,
porque Ibe era odioso todo qoanto Ihe fazia
lembrar as negras sombras do passado.
Senhor, disse Marii, termmou boje a
existencia d'aqueila molher qoe foi cansa
la morte de minba santa mil, venho agra-
decer este acto de jostiga.
Agradece-o antes a Deas, respoaJea
o rei.
J o fiz, senhor, disse a princeza levan-
tando os olbos com a altiva magestade que
herdara de saa mii a raioha Catbarina.
Daus nao escotaos rogos da voganga,
Hara, tornou o rei com aspecto cida vez
mais severo, aogmeotando-se-lbe a irrita-
gao de momento a momento, por ver qae
esta conversagio era observada por tanta
gente.
Mara comprehendeu qoe a sos presenga
nlo era agradavel ao rei, e demasiido altiva
para dissimular o seu desgosto o'aqoella
occasii, responden com amargura.
(Conlinuar-if-ha)
i
VARIEDADE
bros; ana das damas trouxe ama capa for-lam aano, toado Anaa a fatal certeza dos
ADIVINMOU.Encontramos no Comtitu-
tionel de Pars a segointe curiosa noticia
< Morreu bontem. ?9 de abril, en Paria,
ms agoas-fartadas de ona casa do arrabal-
de de Santo Antonio, on individuo bem sin-
gular. Era on americano chamado Daniel
Peer feiticeiro de profissao, e que gozara
ba aanos de grande repotacio no outro lado
do Atlntico. Parece, porn qoe en no
bello dia os espiritos se negaran a fazer-
Ihe as suas revelagoes e ordenaran Ihe qoe
se expatriasse. Peer obedecen e veio para
Pars. Apesir da ana snbnissio, dizia elle:
os espiritos obstioaran-se a nlo Ibe quere-
ren commonicar nada e os habitantes do
quarterio riam-se do pobre dabo; cono,
porm, a saa minia, afinal, era inoffensiva,
deixaram-o tranquillo. Ante bontem pela
manbia declama qas os espiritos tinbim
vindo vsital-o e qoe morreria n'aquella mes-
ma noate s 11 horas. Todos se riram da
estraoba predcelo, prometiendo iren ao
sen enterro. Peer respondeu que nio ba-
via razio para se rrem dalle e qoe dava
muito seriamente o seo oltimo adeus to-
das as pessoas das sois relages. A' meta
noote om fructeiro da visinhanga, o Sr. Ga-
briel Benoit, subi a sacada da babitagao do
feiticeiro, e para o chasquear, bateo por-
ta do qaarto,exclamando: J est morlo,
Sr. Peer ? Ninguem responden. O Sr.
Benoit den entlo volts i chave, que ficara
na porta, e encontrn Peer estendido no
leito. Pareca dormir, mas os seas men-
tiros estavam rgidos e fros. Benoit sacu-
dio-o ornas poucas de vezes, e vendo qoe
elle nio dava accordo de si, foi chamar os
visinhos. Ponco tempo depois chegoa tam-
bem nm facultativo, que vrificon qae o
pobre feiticeiro estava morra.
m. DO DIAKIO-RUA 00 DVUUlS.Di CdXUa




Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EH3FMEZDT_OSA9ZQ INGEST_TIME 2013-09-19T21:57:08Z PACKAGE AA00011611_13108
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES