<%BANNER%>

Diario de Pernambuco ( Wednesday, July 27, 1870 )

Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/AA00011611/13097

Material Information

Title: Diario de Pernambuco
Physical Description: Newspaper
Language: Portuguese
Publication Date: Wednesday, July 27, 1870

Subjects

Genre: newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage: Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract: The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding: Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation: Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities: Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution: University of Florida
Holding Location: UF Latin American Collections
Rights Management: Applicable rights reserved.
Resource Identifier: aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID: AA00011611:13097

Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/AA00011611/13097

Material Information

Title: Diario de Pernambuco
Physical Description: Newspaper
Language: Portuguese
Publication Date: Wednesday, July 27, 1870

Subjects

Genre: newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage: Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract: The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding: Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation: Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities: Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution: University of Florida
Holding Location: UF Latin American Collections
Rights Management: Applicable rights reserved.
Resource Identifier: aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID: AA00011611:13097

Full Text
IHHO XLWL HUMERO J67. o:8 aL ?*
PAU A. CAPITAL E iflGAlES (fflDE IAO SE fASA METE.
Por tres pezes adjuntados........ ....... 6,5000
f or seis ditos idem....................M*WQO
?armame idem..................... WOOO
Cada mumero avalso................... 886
sjh: oo/rdiOEiii*! 9-
PARTA FEIRA 27 DE JULHO DE 1870.
PA1A BEtTHO E 1011 DA PBOVMCIA.
Por tres raezes adiantados
Por seis ditos idem. .
Por nove ditos dem .
Por tun idqo idem
W7C5
13*500
30|0
27*000
-
I
-------------J>-------------------------------
Manoel
_^_





_1------L.

|
-----------.----1--------------J---------1----------------------------------
Os 8rs. Gerardo Antonio Alves & Filbos, no Para ; Gonces & Pmto, no MaranMo ; Jo**** Jos de OHveira; *> CMr Antonio Lomo Bra*a, no Ama* ; Joao Mari Jubo Cham no Ass ; Antomi Marques d Silva, no Natal; Jos- festino
Pererra d'Almeida. em Mamanguape; Antonio Atexandrino de Ln,a, na Parabyba ; Antonio Jos Gom., nb da PeAa; BelarnWno do Santos Balito, em San* AnOo; Dommges *s da (**r Braga,
em Nazaretfy; Frane** Tavires da Costa, em Alagoas ; Dr. Jos fcrtins Alves, p Babia ; e Jos Bibeiro Gasttrinbo mr B de Janeiro.__________________________
DIARIO DE PERNAMBUCO
i i'. .
nlia declaragio solemne execnto, pela nica forma
que permute o acaso dos lempo e o extraordina-
rio das elrcumstanclas ;
RECIFE. 27 OS Jl'LHO DE 1870.
vapor Ingles Gladiator.
leudo sabido de Lisboa, no da 8 4o crreme, o
vapor Gladiator so ch-gou liontem ao nosao porto,
juntamente cotn o Domo. Dartus em seguida os
rilos-occorridos na Europa at a data da sabida
'li primeiro vapor, e que completara a serie da
mtwm*,
HESPANHA.
, .Parece resol vida a questo das candidaturas ao
(hrooi) hespannoi. O general Pnia, quorende pri
uetro que tudo aiieodtr as exigencias do impera*
Jtr dos Franoezaj, tem-se visto em falsisstma po-
siQaa perante a Hespanha e peraote a Europa.
As antipaihias de Napolea. casa de Orleaas, a
a recoda dos principes da casa de Braganea, eolio-
< ram o goveroo hespanhol em serios embarace.
A Prussia, aproveilaado o ensejo, apodera-ee da
s tnaco e propia ma principe allemae. A ira-
preosa fraaeza, echo das opinies do govenio,
Clama couira a preponderancia que o imperio
liecmanioo pretende lomar em toda a Europa ;
considera a tleicio de um principe, subdito do rei
ia' Prussia, como nm casn belli. mas a pohiica
do conde de Bismark e do rei Guiinerme n j des-
hanca, e leva de assalto as opinies hespanlwlas,
i'ie de aecordo os hmeos de estado, rene pro
iuca de votos da maioria dos raeidbros do con-
gresso hespanhol, e atBxa a candidatura do prin-
cipe Leopoldo de Hobeuiollern para o tbrono de
Hespaatia.
Os ministros hespanhes teem celebrado diffe-
.'ntes conselhos, em que fcaiam completamente
de aecordo no camiaho diplomtico que teem de
seguir. 0 regeute approvou o proceatmento an-
terior de Prim, e autorisou o ministerio a entabo-
lar a* negoeiages di lomaticas, que julgar conve-
nientes para apresentar o mais brevemente possi-
vbI as corles um candidato que corresponda aos
dtttjot da maioria dos depulados.
As corles devem reunir-se no dia-22 de julho ;
,i oleicao deve ler lugar no dia iO de agosto ;
/iita-se com duzenlos votos. Se o principe Leo-
pudo de Huhen/.ollern fui efeclivamenle eieito,
-otrar em Madrid no Io de novembro, da em
tente juramento constituicao.
i 'ma esquadra bespauhola deve ir Aliemanba
buscar o candidato eieito.
A doiacao do novo rei ser de viole milhes.
">ue influencia lera a eleicio de um principe,
afeigoado poltica do rei Guilherme da Prussia,
vjlire a questo sempre debatida da unido he-
nea ?
AfTastar-se-ha esta terrivel ameaca com o aban-
dono do projecio de candidatura de um principe
da casa de Braganea ?
A Franca e a Inglaterra poderao entravar a po-
lica unitaria e absorvedora de Bismark e de
'.uilherme da Prussia ? As alliancas da familia
entre Portugal e a Italia sero motivos suficientes
uara o rei Guilherme, tao intimo alliado de Victor
Kmmanuel, suspender a execufo dos seus planos
i grandes monarebias 1
Nao aci editamos. A elevado ao tbrono de Hes-
panha de om principe da casa de Braganea pode-
rla talve atTaslar para um futuro mais ou menos
remoto a questao da unio de Portugal e Hespa-
ulia, e nenhum dos principes da casa de Braganea
e prestara a dar o sen apoio urna uniao lao
, mal vista pelos seus compatriotas. Se algum dos
principes portuguezfis aceeitasse a coroa de Hes-
panha, contiamos no seu patriotismo de que havia
de assegurar por tratados bera garantidos a inde-
pdodencia de Portugal.
4) povo portuguez, desconfiando de quaesquer
veleidades do povo hespaohol, estara de preven-
rao e de aulaia para desviar tal acouleeimenio.
A eleiclo do principe deHohenzollern-Sigmarm-
}:eu, cunbade d el-rei D. Luiz, dar as mesmas ga-
rantas de seguranra?
Temos presentes os tratados secretos fetos por
Napoleo I com o governo hespanhol no tempo da
mvasao franceza, e o modo porque inteBiaram
itessa occasio dividir e desmembrar a monarchia
p >rtugueza.
Temos presentes os acontecimentos da Dina-
marca, e o caso que a Prussia faz; dos tratados,
rctendo anda hoje o Schlewyg-Holsuin que, se-
gundo as eslipulacoes do tratado de Praga, devi.i
ser devolvida a Dinamarca,
i Temos presentes os ulmos acontecimentos da
Aliemanba, come^ados era Sadowa, e. continuados
at hoje, absorvendo estados, enleando outros, na
rede devoradora da unlicacaodo exereilo, unili-
ar-o da representaro diplomtica, nnificacao
los cdigos e leis importantes, e unilicacao dos
rramentos geraes. .
(v.Jer a Franca oppr-se poltica unitaria aa
Prussia na pennsula ? ,-._
IV.de a .Franca oppr-se a violacao do tratado
de Praga ? ,
Pdde a Franca oppr-se a questao do Lu-
xeinburgo ? ...
Pode a Fran?a oppr-se a fermagao do gran
de estado allemo, que lhe ameaca continuamente
a? frenteiras ?
A Franca protesta, ameaca e retira !
Uuerera a Inglaterraopor-sea poltica uoitana
da Prussia na Pennsula t
Quiz a Inglaterra envolver-se na questao do
Vhleswig ? Quiz a Inglaterra envolver-so na ques-
to alletnaa t" Quix a Inglaterra impedir a unifica-
.ao da Italia T Quix a Inglaterra envolver-se na
questao do Mxico ?
A Inglaterra quer manter i sua supremaca
iramercal nos mares,, desenvolver a sua indus-
tria e eommereio, e dbelrar'a serapro viva insur-
neiro da Irlanda. A loflaterra approvava a so-
la rao iBerica, com um principe d casa de Bra-
_- mja ; approvar qualquer soloco, vendendo a
^ua neutralidade por algumas conecsaoes tern-
ofiaes.
(sal nos engaemos nestas awsas trst* >re -
ises.
= D. Isabel I fez no dia 21 testamento cerra-
d.<, sendo testemQnhas os duques de Riauseres e
de Besano, o marechal Bazaiae e outres persona-
gens francezes No dia geguinte, verificou-se aab-
dicaco. Firmada respectiva acia, D. Isabel, vi
^ivelmente ommovida, leu um manifest muito
eVnciliador, declarando reservar-se a guarda do
.principe. Este, gualmenle commovido, leu a acta
offkiaT, estando presentes este aclj o infante
D. Sebasliao, o principe d Aqulla, os duques
de Medoaeelli, peUontelrano, de Sesto, de Rian-
zaret, de Ritas e de Sevilhano, os grandes de Hes-
panha, marquezes de Bedmar, de Esteva, condes
de Eipuleta e de Vllapaterna e prncipe de SanU
Lucia ;as damas da rainha D. Isabel, condenas
de Campo Alange e de Ezpnleta, e marqueza de
Penaflorida ; os generaes Lersundi, Gasset e San-
lioman, os condes de Santa Marca e de Sanef,
Abdico livre e espOBUBoameote sem nenhum- absolste, a at se mostra dieposto a ceder, em
de Roma ou para que pelo menos, flw urn- praso
para esia retirada.
O governo francez parece que nao recueara em
!enero de coaccao nem de rieMcia, sob o nico
rapolso do mea amor Hespanha, 3ua ventura
e ladependeneie d* real autoridade qoe exercia
por gra;a de Deus e pela constituidlo da monar-
ertia iwsaaohola promulgada ao anno de 46)9, e
abdico tambem de toda os raeus direilos lora-
mente polticos, lransrit|iindo-o com todos o qne
corresponder.* successio dacorrta de HespSnha.
em meu milito amado fllho, D. Alfonsoj"principe de
Asturias.
Infeliz e triste em mnitas occasioe foi o largo
periodo do meu reinado; infeliz e triste mais para
mim que para os outros, porque a gloria de cerlos
lacios, o progresso dos adiamantemos da nossa
querida patria emquanto reg os destine) d'eMa,
nada nisto conseguio faaer rae esquecer que, sen-
do como era amante da paz e da crescente ven-
tura publica, vi sempre contrariados por actos m-
dependentes da mioha vomade os meus senlmen-
los mais charos, mais ntimos, mais profundos, as
minhas aspiracse mais nobres, os meas mais ve-
hementes desejos pela* felicdade da amada Hes-
panha.
< Crianca anda, euv o mea nome proclamado
por milhares de hroes ; porm os estragos da
(uerra cercaram o mea berco ; adolescente, so
pensei em secundar os propsitos que me parece-
ram bons e vnhara d'aquelles que me odereciam
a vossa dita ; todava, a agitada e calorosa Iota
dos partidos nao dea tempo que se arraigassem
nos costumes o respeito pelas leise n amor pelas
reformas prudentes. Na idade em qoe a razio se
fortalece com a propria e a allieia experiencia, trou-
x^ram me trra estrangeira, distante do throno
de meus raaiores, esta trra, que apezar de
amiga, hospitaleira e Ilustre, nao todava a pa-
tria querida, era tao pouco a patria de meus fi-
lho<, as tumultuosas paixes dos homens, que nao
3uiz combater custa e mais aprego que a propria vida.
Tal , em compendio, a historia poltica dos
trinta e cinco annos aurante os quaes exerci a
suprema representaro e poder dos povos que ha-
viara confiado ao mea cuidado Deas, a lei, o di-
reito e a vontade nacional. Nao acho ao lembra
la por que deva accusar-mefde haver contribuido
cora intento deliberado, era para os males de qne
me criminan), nem para as desventuras que nao
pude conjurar.
Como rainha constitucional, respeitei sincera-
mente as leis fundameataes ; como hespanhola
antes de tudo e mi amorosa dos llhos de Hespa-
nha, confund todos no mesmo puro e carinhoso
allecto.
o Vinte mezes tem deeorrido desde que pisei
trras estrangeiras, e nestes vinte raezes nao dei-
xou ainda o meu afilelo espirito de recolher cora
anhelante afn os chos produzidos pelo doloroso
clamor d'essa Hespanha que me ha do lembrar
eternamente. Cheia de f no seu porvire agrade-
cida aos votos dos quo me foram e sao deis, es-
quecida dos aggravos d'aquelles que me desco-
aheeera e injuriara, nada aspiro por minha cau-
sa, quero porra corresponder aos impulsos do
meu corarlo, ao qne ha de ser aceito com regosijo
pelos leaes hespanhes, liando da sua ndalguia e
da nobreza dos seus elevados sentimentos a aorta
da dynastia tradicional e do herdeiro de cem r3.
E' este o acta de que vo< fallo, esta a ultima
prova que posso e quero dar-vos do^ffecto que
sempre vos consagrei.
c Sabei, pois, que, em viriude de urna acU la-
vradana minha residencia de Pars c em presen-
ga dos membros da minha real familia, dos gran,
des, digoitarios, generaes e homens pblicos de
Hespanha, eonuraerdos na mesma acta, abdiquei
da minha real autoridade e de todos os meus di-
reitos polticos, tem violencia jde genero algum e
s por minha expontanea e librrima vontade,
transmttndolh'os cm todos aquellos que corres-
pon lera cora de Hespanha, no rneu muito ama-
do filho U. Affcnso, principe de Asturias.
Cora relaco s leis patrias, reservo para mim
todos os dreuos civis o o estado e dignidades pes-
soaes -que ellas cofceaVm, especialmente a de I-
de maio de IM">, e portanto neo conservando D.
Alfonso sob minha guarda e custodia em quanto
elle residir lora da sua patria e at que, procla-
mado por governo e cortes que representem o voto
legitimo da naci, vo-lo entregue como anhelo e
como alenta minha esperanza, que forcas sinto
para isso, nao obstante confranger-se a alma da
iiki ao prometle-lc.
AffonsoXWpor consequenca. lica sendo des-
de hoje vosso verdadeiro rei ; re hespanhot, re
dos Ilespauhoes, nao re de partido ; amai-o com
a mesma sinceridade com que elle vos ama ; res-
peij e protege a sua raocidade cora a ra^ue-
brantavel fortaleza de vossos fidalgos ebracles,
em quanto eu era fervorosa preoe rogo a9 Todo
Poderoso longos dias de paz e prosperdade para
a Hespanha, e que ao mesmo tempo conceda ao
meu innocente filho, que abenei, sabedoria, pru
dencia, rectido no governo, e maior fortuna que
a que alcancou sua desventurada mi, que foi
vossa rainha.Isabel.
A Gazeta de Hespanha publica a le de abolico
da eseravatura, e a lei relativa aos subditos es-
trangeiras residentes em Hespanha.
prneip), a este pedido, mas jalga que aro- pas
so bastante grave e qoe precisa ser maduramente
rBeetido.
reauA.
Parece que o incidente diplomtico Saldanka-
Oldoini nao est terminado, e toma ua f asacter
Msu-fador. ,
Tem-se trocado sotas entre os soberanos de
Italia e de Portugal, e falla-se de Kplleacpes di-
rigidas de Lisboa ao Sr. Visdonti Venosta, da ida
de urna esquadra italiana ao Tejo, da nlerven-
cao oficiosa de um governo amigo para por termo
satifatorio a esta questao. _
A cmara dos deputades votou a ofdwn do
di pura e simples sobre a proposta do Sr. Melle-
na, tendete a elevar a 20 */? o impoilo sobre o
jaro. Coneebe-se qae bm vesperas detKn-em-
prestimo a proposta do deputado Mellena era pou-
co acertada, Ulrez o governo a adopte mais tarde.
ALUaiAHHA-
Os jornaes austracos oceupam-sa "arttaBeate
das eleicdes g^ae^ que acabam de se ve* i litar
all. Por ora so ha informaces dos resultados na
baixa e alta Austria, Styria, Moravia, Carinlbia e
Caruesla. 11
O partido clerical cooseguio reforcar muito as
tuas fileiras; na Styria que era o mais lirue
apoio do partido progresaista, nomeou o partido
clerical urna impoaent maioria. Era eoiapensa-
gao o partido projressista q,ue ao ultimo Reichs-
rath era representado por urna pequenissima maio-
ria, vai actualmente entrar em scena con* torgas
taes que ha de obrigar o governo e os outros par-
tidos a contarom com eHe ms suas combioacoes.
O partid* clerical j protestou pela irnpren
contra as tendencias federalistas qae os seas ad-
versarios lhe atribuem.
Est abarla a luta entre os centralistas e os fe-
deralistas.
O ministerio presidido peto conle de PWocki
coma porem que o resultado final das eleiedes lhe
ser favoravel; o seu programma fanda se na
consarvagao da constituicao, e na reviso de cer-
tas disposigSes constitucionaes peros meios legisla-
tivos
os marquezes de Pidal, de Arciocallas|e de Boga-
raya, oa Srs. 0'f%an, Coello, Rab, Belda, Gutier-
--yega, Abacete e outros.
lida publicamos a acta da abdicagd e o
-
idnes dos meus reinos e todos os
que o presente virem e entenderera, faga saber :
a Que attendeado s a procurar por todos os
meios de paz e de legtimo direito, a felicdade e
ventura da patria, e dos filhls da tninha amada
t Considerando que aos votos da grande maio-
ria dqj>ofp, cajos destinos reg por espago de 31
BLGICA.
Depois de alguns dias de erise. ucha-se organi-
sado o ministerio belga do segninte modo :
Barao de Atlethan, ohefa do gabinete e minisfo
dos negocios estrangeiros ; Cornesseministro da
justiga e cultos ; K*rwynmiaistro do interior ;
Tackfinangas; Jacobs-obras publicas e Guil-
laume-Jguerra.
O ministerio clerical est, pois, organizado e
constituido. Parece que o seu primeiro acto ser
a dissolugo das corles, l'azendo logo em seguida
conheepr o seu programma.
Suppe-se que um dos artigos do programma
do toaro de Anethan era a reduccio dos encargos
miliure, questo respeito da qnal eslo de ae-
cordo na Blgica todos os partido?.
N* qaesto, porni, de reforma eloiloral a di-
vergencia ompteta ; os liberaes peiem osuffra-
gio universal, ;mais intelligente ; em quarXo que
os catholicos pens&rh nicamente no suffragio
aniversal puro e simples.
. Relativamente lei que regula os cemitenis,
e que diz respeito s honras que se devem prestar
ao culto, deve-se notar qne existe urna forte bar-
reir, ora profundo abysmo entre os partidos dos
bispos a os liberaes progresistas da Blgica.
Pde-s fazer idea da situaco creada n aqueiie
paiz com as ultimas eleicoes. O novo ministerio
que representa urna certa ordem de ideas contra-
rias aos principios liberaes, nao ira de certo ab-
dicar seu credo para acceitar e admittir as dou-
trinas dos seas adversarios.
JUECIA.
Na Shecia acaba de se publicar um decreto,
permittiodo as muiheres a formalura em medicina.
ROMA.
Pareea que' o concilio ser prorogado logo de
pis da proctomagi do dogma da inrallibiiidaae.
Contina a haver inqaietacos em Roma a rea-
pello de urna nova invaso garibaldina, e quer os
as outras questoes, erebora sejam vitaes o mi-
nisterio acceita o programma que lhe indica a
maioria.
O rei da Prussia vai passar urna revista em
Williemsbafen esquadra couragada da Allema-
nha do norte commandada pelo priacipe Adal
berto.
Esta esquadra, que actualmente se acba fon-
deada em Spithead, largar d'alli logo que estejam
terminados os trabalhos da fragata couragada
Koenig-Wilkeln. As obras deste navio veriflcam-
se em Inglaterra onde foi construida
A presencado rei Goltaemio em Wilhemshafen
dar lagar a grandes.festas.
A Prussia enviou a Dinamarca urna commis-
sao especial e'ncarregada de fzer o tragado das
novas obras de forticago que se vio execaiar
na ilba do Alsen.
O gabinete dinaroarquez nomeou ama_ commis-
so de defesa nacional, tendo por misso especial
fortificar a iiha de Seeland onde se aoha edificada
a capital.
Acaba de ser assgnada era Berlin a conven-
Gao relativa ao corto do mont de S. Gotbard,
feita a confederago do norte, a Italia e a Suissa.
0 prso convncionado para o pagamento da
subvengo foi prorogado at 31 de Janeiro do
anno prximo.
BUSS1A
O imperador da Russia chegou a Weimar, pro-
cedente de Stulgard, onde passou algunsjjias em
casa de sua irma a prineesa, Olga de Wurtem-
b ig. O czar aeompanhado pelo gran-duque
Whadinier, seu segundonlho o qaal conta 22 an-
nos e muito popular.
O czar esperado era agosto em Tifiis, onde se
deva encontrar com o Shati da Persia, que all
chegar pelo mar Carpi, escoltado pela squadri-
Iha russa do cumulando do almirante principa.
Constantino. As autoridades de Tiflis preparam
explendidas festas em hinra dos dous soberanos.
Esta entrevista nada tem de bim para a Tur-
qua.
01UENTF.
As medidas relativas diminuir* do exereilo
egypcio esti concluidas.
So dia 18 de juntio foi li:en:iad a terga parte
do contingente, e este ato operu-se da maneira
mais satisfactoria e mais regular. O exereilo
egVDCio tica reduzido a 20,00!) homens sendo esta
a cifra tixada pelo firman imperial que confetio a
iavestiduri do actual vice-rei.
O vice-rei est doenie, nao despacha os ne-
gocios, nom recebia pessoa alguraa.
O herdeiro de Kbedive que se diriga a Vienna e
d'alli a Pars recebeu ordem de regressar a Ale-
xandria nara tomar conta da regencia.
Nao se confirma a noticia da conspiragao contra
o principe Carlos da Roumania, e da tentativa do
assassiftto na pessoa d'aquelle principe.
As cmaras da Roumania, convocadas em ses-
so extraordinaria estaro reunidas apenas uas
quinze das, segundo se diz Devem-se nica-
mente ocenpar da verificago dos poderes, que
dar lugar a tumultuosas discusse?.
As ultimas eloigoes foram all notaveis pelas
scenas de violencia, e mesmo n'algumas localida-
des como em Pitesli, pela intsrvencao da forca ar-
mada, de que resultaram numerosas vctimas.
O partido de acgo procurar explorar aquelles
acontecmentoS) para combater o ministerio, cuja
posigo nao tem sido das rnis solidas.
O "principe Carlos tem-se conservado prudente-
mente affastado destas luctavde partido ; e diz-se
que sahira brevemente de Baeharest para visitar
as provincias.
As sesses das cmaras dos representantes em
Washington nos das i, li e 16 de junho -foram
bastante tongas e animadas ; versava a discussao
sobre a meosagem do general Graot sobre a ques-
to do reconhecl ment dos direitos de beligerantes
aos insurgentes cubanos.
O presidento Grant, condemnou com energa
a desassomhrada franqueza, e lamenta os feitos
barbricos da guerra de Cuba, e com toda a luci-
dez e espirito de justiaa e de bom senso pratico
espe as questoes da iutervengao da beligerancia,
e de interesse poltico e moral; transcreveroos al-
guns poriodos mais notaveis :
A lucta tem sido dirigida por urna e outra
parte, e ainda, com lamentavel inajneienga pela
vida humana e oelo uso e praticas que a cvilisa-
gao moderna hao estabelecido para mitigar os hor-
rores fataes da guerra. Hespanhol a cubano eso
igualmente occapadoa em devastar aquellas ferteis
regioe
t D'arabos s lados se expedem. decretos de s-
sassinato e vmganga. O conde de Balmaseda a
o coronel Boet por parle de Hespanha, har feits
estremeoer a liumanidade e provocadp um senti-
mento'de' indignaglo no mundo civilisado pela
exacugo que cada um te* feito de vtntenas de
nrisloneiros por esda vea; e por parte de Cuba o
oeoeral em chefe Quesada, contsssa framente e
narecendo ignorar que houvesse commettido oulr
sados da tafidelidade ao partido qne os apri-
stonou.
Qnaasojuer que sejam as sympathias do povo
e do governo dos stados-nidos em favor da
causa on razio peta qaarmaa parte do poro de
Cuba, segando se er, tomen as armas para re-
sistir ao governo de Hespanln, nao pMe bavar
justa sympathia ama Iota-ero que amitos as par-
tes comraettem tao barbaras viohees de todas as
regras dbs paite* civilisado e tactos ultrages aas
mai* sospoineipios da hamanidade.
No*,eH nossa censura, nao podemos'.distin-
guir entre fcespanhes e coiiaoos, sobra o mado-
porqne tzern a guerra.
fTnse outros hio commettido as mjsmaaatro-
cidades jOterages rguaes s leis estabelecidas na
guerra. \ propriedade de nwitos dos nosses con-
cidad3ns|^s sido destru la ou embargada ; as vi-
das dejaos! (oram sacrificadas a coartada' a lt-
berdade S/onrros
De cada caso de qae o goverao tem lid no-
ticia, exiflra immediari reparagio Hideranieaca
e protesrou. enrgicamente coatra o despreso pela
vida humana, contra a desneaessaria destripo
de riquesa material e falta de respeito as le da
guerra tfere nacees eivilisadao:
O presidente Grant expe seguidamente a oli-
tic ametlcaaa aira relagao settralidade, no pas-
sado e m presente, principio dt Munroe, a cono a
estricta adhas aojoaUapolitic interaaeional,pelea
dilTerentas estadistas americanos tana captado a
sympathla e a eoofianga das pequeas potencias
daqoelle continente aos Estados Unidos, que dan-
do-lhes examplo e protecgo moral, nortea se as.
sustoa cora- teoflenctas conquistador, e lera sat
bido mamar urna posigio digna, vantajosa e da
poderosa iafitiencia, de que nao devemabmcar.-a
que Ihes ispoem os mais delicados deveres do di-
reito e honra ms questoes americanas.
Expe em seguida o estado de luta que nao pa
rece corresponder a ama guerra de tacto no sen-
lido da lei internacional, o estado dos insurgentes
que nao mssnetn traa cidade oa vlHa, que nao
teem esiahelecido um centro de governo, nem
um tribunal de presos, nem organisagao para co-
brar direitts e imposto?, ue-n posto de mar para
levaren all os presos ; que a existencia de urna
legistura cp representa o seotimento do povo, e
mais qne dovidosa ; qae na certeza- qae rod
a insorrehjid pnvavel que nao hajft eteicao al-
guraa, nemauoridade delegada de neohuraa ca-
se de governo frira dos limites dos acampamento*
que oceupam por um dia as ambulantes compa-
panhias de tropas insurrengentes, que nao ha
trafico, neta eonnexao Interior ou extenor, ner
fabricas etc. etc. .
R'um.pnncipiodizo general Grantde le
publica beta estabelecido qae o reconhecimento
beligerantes por parle de ama potencia estrangei-
ra, de insargeote que se achara na stfuagao nos
de Cuba prasentemenle, se nao . joatirlcada pela
necessidad ami manifesttg) gratuita ue
apoio iiiorai roboiliaL.
. Essa necessidade pode vir com o tempo mas
nao a tem havido at agora. I
Segu depois a exposigo das consequencias na-
turaes do reconheclmento. e depois declara posi-
tivaraenie que em Cuba, nao ha governo de fado
inficiente para exetutar as leu e manter asdevi-
das relacoes com as o* nacoes ; que a Hespa-
nha nio'tem podido suflocar a opposigao ao seu
dominio, nem fazer justiga ramediatas as outras
nacoes ; ou cidadios de ou:ros paizes; que exis-
tem serias eomplicagoes nascidas de embargos de
navios americanos em alto mar, da execucoes de
cidadios americano*, sem summario conveniente,,
de confiscages de propriedades americanas, etc.,
que se tem reclamado e protestado enrgicamente
contra o, que se tora exigido satisfaces e re-
paraces, e que de esperar que taes reclama-
ces sero attendidas pela Hespanha. mas que se
o nao forera sarao assumplo de outra mensagem
w coagresso. .
Comtudo-a questo de beligerancia deve deci-
dir-se segundo principios definitivos e factos ave-
riguados, intetramente differente e nao tem eon-
nexao com os outros assumptos.
Depois de loriga discussao f*i approvada se-
guinte moco apresentada em nome da minora
por Mr. Buigham.
Fica aulorisado o presidente para represeniar
contra a maneira barbara de fazer a guerra em
Cuba, 9 para, julgando-o conveniente, sollicttar a
cooperac) dos outros governo?, de modo que
mais a proposito julgue, afim de conseguir que
arabas a* partes contendoras observem as leis ae
guerra.quaes asreconheeem as nagoeseiviitsacias..
Dizem do Mexice qoe os habitantes de Boa-
tmala invadiram o territorio mexicano com o nm
de ansxarem os estados de Yucatn, Tehwan-
t-pec Oajaca. se forraasse com estes urna nova
repubica. ,..
Parece que a tentativa promette ter bom xito,
apera de que o governador do estado mexicano
de Chlapa frente de tropas nacionaes a com-
bata.
PORTUGAL
Em carta de 8 diz o nosso correspondente o
S pessmas as noucas vindas hontem da nossa,
xpedico a Mogambiqae.
Ms de meiade da orga esta fora de combate.
MaiMs-Jos offlcr.es morios ; o resto da tropi inr
subordinado. ,
Eu as noticias qae d'alli nos vm neste mo-
me,DReceberarn-se noticias de Mogambique com
data de 8 de maio ultimo.
, 0 astado de expedigo enviada aquella pro-
vtncia deploravel. Falleceram os majores, Mo-
gaeira,fBa4o e Gueies. O secretario dog- ov rno
o Sr Burlado Coelbo, tambera succumbio a nma
noruioSsa- Da orga expedicionaria, aaw o
baSdeGa eslava acampado emmelhorpo-
, OsSoldados acham-se, porem, em tal
i iMiSOluauos auiiiu-=c, pviv-i -
bordinato que fazem eqrrerias oommettendo rou
b0S' 0 9r- Miranda, cirnnrlio em ohefe da exped-
eo reinerauasua exonerago desistmdo de w.-
Sas'as vantagstw como expedicionario. Parece
aue o roverno nao deferio sudpU.ca ,em conjft-
^ercia de htver deliberado, mandar responder
oSerentea nm conselho de guerra pai* se
mstilicar das aecusages grav.simas que sobre
"! PEmfim, s temos a- larpentar mortes sem re
.altaddcoliuuando a questao Bonga ao estado
em qiese achava qaando paruo de Lisboa a tor-
ga expedicionaria.
VAPOR INGVE7 nai'RO.
.>
palto de urna nova invasio garibaldma, e quer os P^"^8'. n'm\7to conveniente, a sftacio
prsioneiros de guerra.
nS Europa, qner esperem despertar no coraco to
Sr. Ollrier as suas antigs symp|thias, e oWr ft
retirada do exercito. francez, ( certo qus traba-
Iham aflneadamente n$ sua orgamsagla,
Afflrma-9e qae atgnmas potenia trabalham
^u cujos destinos reg por espago do 35 Atnrma-so H "'f""" h~wW iruuau.
pode corresponder o acto que por esta mi para qae o governo francez retira Ss Flus tropas
, o summario verbal em que poneos ou ne-
ohans deizam de ser dados r^r criratnosos, se-
Cnegou Uontem o vapr ingles J^lgJ?
datas de. Haraburg 5, de Pana 7,de Lorwres ,
Sinc^LeuSdTH
& da Sc-da rainha de Portugal MMg**
nw. e esposo da infanta deste reino D-.Amonia
As n>goclac5es entre o governo he panhol e o
dAri* foram tao .secreta^ que ninguerri oi
d?eUas informado, no^ando o redo do prin
cie, do'general Pnm, do conde de ft^Nl.11
agente pussiano, do deputado hespanhol Salazar^
nhnns deixara da ser dados por criminosos, se- agente prussiano, uu uo^uu.------ .jjn(1
guffpofuraa *<*> mmeoTau, a soruff ^\4'SX^ q"*> V S -
espera os que dama epuira parle, se veti) accu-1 J>rMiptou a trsospfrT osegreuo. v t
corabinagees esuvam ultimadas. No corpo legis-
lativo fraoeazaonunciaramoSr. Cochery e slguns
dos seas coMegas urna interpellagao sobre a eao-
didaiura dura principe prasslano ao throno hes-
panhol.
Responden'no a 7 Sr. de Grawinront, mtms
ir dos negocios- estrangeiro, dizendo qoe ara ver-
dade ter Prira-oereeido a cera ao principe Hb-
nenzotern que-aaceeitra; mae-qne opovo hespao'
!hol anda nada havia decidido; e que era prudente
esperar pela escolta do povo ;- qne Pranga res-
paila todos os- dirailss dos nevos, e jalga qse
nenhoma nspo ertratehaa p* afroniar; que tem
baelaote contanca na aago alfemla, a ao povo
hespaabol, para-'nao acreditar que * facise
veona a realisar; raaa que, sa* de outra modo
succeder, o governo, tobostecido com o apoio do
paiz a das cmaras, comprlri o san devar.
De Vreena commuBicavam que os jovernos da
glaaevra, Italia-a A natria estavam resolvidos a
assorinr-se interferencia diplomtica da Pranga,
para aplanar as dMBcutdades qne se opadera so
lacio- da questao hespanhola.
O-awenio francer. eavioopara Berlrm-ama nota
d*plontica, peoVnde eJ^ilicagoesso- bre a prr-jeeto
de-candUatara da prinaipe- le Hotienzollern.
Os joraaes hespanhes deplorara as susceptibi-
lidades-da Franca, e reivindteam pan a Hespanha
O direito que esta patencia tem de- se constituir
Como beaa quizar. A lenooo da ranara> devia
ler lugar no dia 2g.- Opriocipede Hooemolferu.que
tahez: nao obtivesae-na* cortas a maioria necessa-
ria, se aa potencias nao qpizessera inorvir directa-
meaie na seus negocios, deve agora reunir por
patriotismo urna grande maioria.
O principe LeepplV de Hohenzolern Sigraa-
ringen eserevea urna caita ao gene! Primy em
que diz- ojae depois de tongas entrevistas oom o
emiesario enearregado de lhe propor *eandidara,
resollara aeceitar a corta caso lhe fosse offcreci-
da pelas cortes hespanholas-; a que est, disposto
juaar a eonstituicao hespanhola da 1869", e a
p&nieipar dos seus-perigos e das suas-glerias.
O- governo hespanhol fesolvea que se-sustente a
candidatora do principe ReopoWo, confiando em
que Benhuma poteneia dades-; mas que,, no caso caatrarioy nao sarao
jalgadas justificadas
Montpeasierista, esparteristas, unionistas, e
quasi todos os partidas de Htospanha proraettem
seu apoio candidaturav se esta qaestae se-tornar
internacional.
A Prussia nao responden nota fraaceza. O
governo francez sonsidera este silencio- como pro-
vocagao guerra 0-general Benedott, esaba
xadoi francez em.Berln, parti no dia-tO- para
Etna para pedir ap rei Guilherme uraa resposta
immediata. A resposta deve chegar a ito* 13 ;
sonad tbr satisfactoria, a Fanea temar iaime-
diataineote medidas milUare?, a pediri s cansaras
os meios necessanos para, a gaerra.
O governo hespanhot respoodea .aoU fran
Snza aue nao tinha insancao de suscitar dMkal-
ades Franga, mas sim procurar a solosao aa
questao monarchica ; e declarou qae-, no. caso de
guerra entre a.Pranca.eaBespanha e separara
da lula com tanta que ftcassensmantias-a-soa in-
dependencia e autonoma. .
A Franga enviou um ulneaatam Prussia.
m artigo de Girardin na Li6rrpede um
congresso europea, ou a guerra para- limiaar as
Cronteiras natnraess
A Franga e a,Hespanha chamara as saas re-
servas, e fazera todos os preparativo* militares, fa-
zendo avangas tropa, sob varios pjatexias, para,
as fronteiras respectivas.
O governo portugne receben desaachoe e com-
municagoes de Franca, da Inglaterra e da Hes-
panha; e eslava em eoselho permaaente-; resolveu
manter a neutralidade, e para isso ia ehama
as reservas, e elevar os quadros do oxercito a,
cera mil homens ; partiram eraissarios para cora-
prarera o armamento preciso.
Parece que a Inglaterra pretende tonaar-se rea-
dianeira, e prevenir o grave conflicto que esta
imminente, procurando tancar na tela da discus*ao
a candidaturadel-reiBvFernando dePortugal; que
em vista de tao grave crise, acceitaria a cora da
Hespanh i, se por ventara fbsse eieito.
Parece-, porem, qoe asta solugo ja vem bastante
tarde. A* combioacoes entre a Hespanha. a Prussia
o o principe de HuheBiollern estao terminadas, e
tarde para a Hespanha e a Prussia recuarem. A
atlitude altiva a sobremaneira insolente da Franga,
um serio obstculo para a Prussia eeder urna pol-
legAda de terreno. A rivalidade entre a Franca o a
Prussia de longa data ; e a Praaca tem soTndo
com apparente resignaco bastantes affronias da
parte da Prussia-; as .iggravos-sao antigns.e espe-
ravam s um pretexto para romper hostilidades.
O- governo portuguez pretende robustecer-se
chamando ao seu gremio hmeos de. estado, bem
considerados pelos seas dotes polticos, Per*?'
centfls s dilTereutes parcialidades do pejudo libe-
ral, para reunir em torno de si todo o paiz coma
um s ho.uem.
As ouiras noticias sao de muito poaa impor-
tancia, entretanto resumi-las-hemos.
Foi muito interessante a sessio do- corpo legis-
lativo francez em que so discuti a peticao. dos
principes d Orleans, tanto pela attitude do3 mi-
nistros como pelas divisoes e lulas que por essa oc-
casio surgir m entre Picard e Julio Favre por
um ladoArago e Grevy pelo oulro.
O parecer da commisso conclua regeitando o
pedido por 8 votos contra 1, tendo sido ouvido o
governo. Depois de agitada discussao, a cmara
regeitou o pedido por 174 voto contra 31. Urna
grand parle Sa esijuerda e do centro esqueroo
abstiveram-so de votar. O Sa. Thiers nao lomou
parlo nos debates, porque cova o Sr. Gaizot, desap-
provon a petigaados principes de Orleans.
O discurso mais nntavel foi o do Sa. Estancelin,
defendendo a pratencao.
Eis os periodos mais notaveis de seu discurso:
t A monarchia em Franca reveslio doas for-
mas : a forma hereditaria e de direito divino, e a
forma hereditaria electiva. 0 conde de Chambord
a representaeo do primeiro principio a ninguem
pode saber se esta tradieco mouarctuea sera um
da para.a Franga o seu uliino. recurso fagita&J.
Mas o conde de Chambord, segundo a pbrase elo-
quente da Berryer, na.) pode entrar em Franga, se-
nao como re. Os prncipes, de Orleans pelo con-
trario aoceitaram as consequencias do rgimen
popular, e, principes palo sangue, sao cidadaos
pelo corago. VisteUos nos bancos das nossas es-
colas, misturados Com a geragao presente, e um
dos ltimos- ministros, Daru, era nm dos seus
amigos, outro sau meslre, estando os seus condis-
cpulos no exercito e na administraco.
t A revoluoao do tevereiro vero surprehender
em Afrioa o duque de Aumaleeo principe de Join-
villa ; o primeiro commandava um .exercito de
80,000 homens; joven e valenle, teria podido in-
tentar o restahelecimeuto do throno de sea pai ;
porm surgi anta elle-a imagem patria e sua a mi, B nao quiz por sobre ella
mo sangrenta e sacrilega (applausos). Tal vez
faase urna falta,.mas nao possivel oensural-s,
porque nasce do amor da patria, e de um corago
elevado (applnusos). Embainh.m a sua espada, e
escreveu ao exercito urna commovedora despedi-
da, na qnal dlzi a3 saos soldados, quo do fuodo
do desterro nao oessaria de fazer votos pela gloria
e pela felicdade dos fraeoezes, recommendando-
lhes aue permanecessem sempre fiis pama.
(liando Luiz Fe|ippe conheeea esta carta, ac
centn'lndo os seas paragraphoe ao le a, excla-
I liVijanjmi *>a de um rmale.
insu-
E despedinao-se de mim, reeommetrdeu-me qu
dissesse aos sene amigos, qae sirvissem realroenii-
a Franca. Nao ha partido orieanista/tnas aiada.
qae exista, permttido honrar a virtirie e o va-
lor de urna familia,da qnal se disse com raro, qu-
lados os homens sao valeMes, a todas aa muiheres
castas (applausorp.
No desterro esses principes s sao francezes
e porque boje se dirigoni aos representantes, ac-
ensara-os aVester obstinaran. Os que nao esti-
verarn no desterro, nao saben o qne e a patria. O
pedido dlgue, e nao ofrende- ningnem. A' querr.
podiam diwgir-se, pedindo a derogago de le, se-
no ao corpo legislativo ? O mesmo tftreraru o
'principe Jeronyrao a outro pnocipes da dyranas-
;tra napolenica, dorante os aitiraos reinado?. Has
fallou-se da ordem era que estao as assignituras,
e porque o conde de- Pars aesigaava em primein -
lugar, considnram-o como am. pretndeme. Ma
em todas as grandes familias, sobre tndo na aw
, tenv atraz de-si dtz scalos de gloria, o deseeoden-
- te do fllho primognito o primeira representante- *
da ramilla. Pal de familia quer qoe seus flfto-
respirrm o a* da patria.
t Aqu tend o testamento do ftiqae de Ortoaas,
e i- .ou> obscuro defensor da eaus liberal preeiso
que sja hoosem do seu tempo e-da sua nagin *
' Depois do conde de Pars assigaa Joiaville.
Cdnrmceis a saa historia'e certamente- que por ella
(crrecia maio- considaraga do governo actual,
pois foi elle qaera conduzio a- Franga as cinias de
J4pole5o I. Jbinville estava.com AfltBBle na fri-
ca' e responden carta de Arago, dizeado-lhe qu*-
amava muito a sua patria para levar aa seu seio a.
guerra civil.
i-0 duque da Auraali -oteroeiro- signatario
da pedido. Ao entrar no sen gabmele vse a es-
pada do grande conde, o por batxo des arma do
vencedor de Raeroy esta divvss :-ffl esperan*.
a vttftxi da Franca. Conto que nie esperara
muito lempa \pplamost.
0duque de Chartres o ultirao que assigaa.
Osoossos soloodos de Italia viram-o na primen*
flteira do exercito piemonlet: Uto diafei enviada
urna avangada ao exercito alliado francez, conv-
mandada por san offlci.il quasi menino :: t Sr. l-
ente disse-lhe o genaral, fattais ranilobem o fran*-
cea O duque de Chartres podia dizer quem era,
mas nao quorendo oemproaaetter, nena o general,
nem oa offlciaes, respondeu eemnovido>: Gene-
raV nasci em Paris. > E co' os olhos- marejadas
de lagrimas artio a galope. (Af/doutuJ.
* A razio de estado nao poda allegar-se par
justiAcar urna injustiga aat. A historia conoam-
noui sompre esta poltica de mqnidade, e. felize*
os-governos qne em lagar da roano da-estado, ra-
vocam s o direito e*a lei. >
Este discurso causn grande sensagno.
O conde de Paria escreveu ao deputado francez.
Esiaocelin, ama carea afteernesa, folicitando-o peta
exaelido C301 qne interpeltara ao corpo legislati-
vo o Sr. de Srammaoi, cmw. <*. pionripas des-
terrados.
Q corpo legislativo tornara brevemente ooen-
par-se dos principes de Oriean* em sunsequencia
ae se ir diseulir a petigo do Sr Degauve Denen-
altes, para que Ibe-devolvam os bens. O marque*
de Pir faltara em^favor desta fotigio.
Appsesentou-se no senado- franoez um pedi-
do de auiorsagaj para perseguir penante os. trt-
bonaes um ex-raieiistro das obras publicas, cujo
nome se oeenta oaidadosamente.
A iasurreigao de Pakin leve-tugar no da
de junho O enearregado de negocios da Branca,
Mr. Rochechoriart, o eonsal franeez e todos os
padres e religiosas franeezas, roram.m?ssacrcas;
a cathedral foi >mpletamente quainsada. 5 rus-
rosjforam comprehendidos no massaere.
Falla-se na necessidade de urna vigorosa accao-
combinada das- potencias earopsas, se naiita se.
confirmar como'se receia.
IHOLATEBSU.
Pas?u este anno sera grande- agUaeac* na Ir-
landa o anniversario- da batalha * Bayna, aanh;i
por Guilherme III deOrange a lacques 1 *o t de
julho-de 1820 batalha que conduzio a submissao.
da Irlanda.
Os orangistas cossumam celebear este s aniversa-
rio, mauifestago que costama dar lugar a san-
guinolentas nxas entre catholieos e protestantes.
O governo bavia lomado todas as precauges, ang-
mantando e numero de agenies de polica e as
tripas da guarnir".
No dia 12, porro, devwm raunir-se dons mee-
tinus muito consideraveis, um em Newbiiss, con-
dado de Monagliaui, e outro em Kochellamore.
Hestabeleu-so a trani[uilidode em Cork, masa
greve que servio de pretexto- as desordens naquei-
ia cidada, esteade-se aetuabnente as-cidades pr-
ximas da capital. .
O governo ioglez receia importantes acoateci-
mentos. _
Na sessio da camaiadc* lords de 1 dejuroo
duque de Bsckingham feama interpellagao, per-
guntando ao governo- sas haviam lomado as me-
dida convenientes para assegurar a proteegat.
das pescas a das propriedades amaagadas pelas
desordens agitagao de Cork. Olugar tenente da
Irlanda, conde de Spenter responden, que a or-
dem seria eficazmente- mantida por meio das tor-
ca> uiilitapes de que as autoridade* podesseo ais-
pdr ; mas que recebara lelegrammas assegurando
que a tiaaquilidade eslava restabelecida ; que o>
operario em gfve voluvara gradualmente ao sen
trabalho, e quoaa achava apaciguada a agitaga
passageira, promovida por algans agitadores ac-
crescamou quo se haviam tomado todas as pre-
caucOes para evitar a repebeao das desordens e
manifesiou a esderanga de que a autorjdada nao
deixaria de camprir com o seu dever.
A cmara raosUando-se satisfeita com as exp"-
cacoes do ministro, declarou lord Clanricardi que
se'nao havia pensado em censurar ogoverso.
Tendo fallecido lord Clarendon, ministrodos ne-
gocios estrangoiros, foi substituido, per lord tran-
ville.
ITALIA BOMA.
A cantara dos deputados italianos asprovou um
tratado de eommereio eom a Hespanha e outro
com a Franga. __. a. n
A imminencia da proclamagao do fegma^dain
fallibilidade em Koraafaz correr de.wm o boab.
da prxima retirada das tropas fratesas qne pro-
tgelo a soberana temporal Na aotual conjaactu-
rainas vesperas de-um confelo serio cora a mis-
sis, a Franga, desojando tomar a Italia hvoravel.
tem de retirar neeessariamenle as suas tropas.
HOLLAND*.
RaHeceu o celebre revolucionario Barbes,^ que
passou quasi toda sua vida as cadas de tranca
ou no exilio. ____
ORIENTO.
Ha novamente erise ministerial era alhenas.
Bainis e outros ministros queriam que se ?
sem limites ao inquerilo a que se vai proceder na
quelle paiz, acerca da caustrophe de, Oropes. *
o exame da Inglaterra e da Italia. Valaor lis e ou
tros ministros pelo contrario entendem qu.e a o.|
nidada e o interesse da Grecia exW m se na
ponhasz ao inquerilo limites nem "*";- ',.
V -..O vice-rei do Egypto foi recehtdo P^o^ui
tao com todas asprovasde cousidefagao e.amizade.
RUSSIA. __ .;,
0 archiduque d'Austria, Alberto chegou.mi
i a Varsovia ; foi recebid na fronteira p*e4o gane-
ral russo Kuorring e por mijitos offlc'asnnifnrBie
O imperador da Russia vestido om o on
de manchal austraco, esparava o "**>*
ostagaf, onde se acbava postada uma coropanm os
tropa.
2
^.
....

i


i U i
: e?rW!HBW57
kT8A)ian0 de Pernamb,kCO 0uarU eira *7 de" Julho de 1870. 8fl3$!

O imperador Alexandre, acompanhou o arcbi
duque ao palacio do Lazie.ki, e depois de ter ma-
-uifeu4o ao erabaixador austraco a satisfago que
experimentar pela cheijada do mu hospede, con-
cedtu o archiduque Alberto a grita-cruz militar
de S. Jorge.
Uucao neutral nos deixsr arruinados ao deseo-
tase da contena, asm eompetnaees, se desde j
se nao estipularen) as eondicdas de urna neutrali-
dad importftatksicna pitra s beIMgernnies, J peta
nosa pstelo geographica, j pelas circamstaa
cas especialissimas em que temos sido aansidera-
Diz o Gaulok que o governo rosso vai submet- dos,era retacao ao equilibrio earopeu.
1er a uui publicista M Petunia a approvacio de
aaocxaco desla reino au imperio russo.
imiucA.
A cmara dos representantes de Washington,
nprovou ama reseluc,ao aprssentada pelo general
Butler, para que e presidente pergunile ao gover-
tjo ing le com que direitc a em virtud de que or-
den) sao capturados o Barios amerinda.
O senado americano regoitsu no di a i de
jumo, por 27 vetas contra i% a emenda de Mr.
Sumaer no npojecto sobre as teis de aaturausa-
* dos estrangeiros.
* Esta emenda propuuha ijue se a dillis3cs4 os
Oineies aogoso dos Jireitos ci O senado final adptou o projeclo por 31 votos
contra 17, cora um emenda, que amplia a facul-
tarte da nAaralisacao aos negros, mas excluiado
-esadiun us Gbinfxes.
TOUTIG.ML.
Em dau do IX do correute.escreve nosso
>ceiresp > Pata Gladiator 7 do correte em breves
palavres dava-llies conta ultima liora das tem
ties-tades que a Meta horas se cstavam formando
sus rogtdes diplomticas. A cscolha de ain princi-
pe alletno pela Hespanha, caocada de adiar por
loda a parte recosas a cora de B. Fernando, ou
de ser importunada oem certas candidaturas que
ihe uao agradavain, t para a Frasca U1U U,W,,Y0
de aggravo.
t Gruzavam-se.ipms, sabida 4a mala do Gla-
Anitor os primeiroi telegrammas, relatando a aca-
lorada sessao do sai lamento Iranoez ao saber-se
earPans que o-general Prim havia declarado co-
joo candidato ao tarono hespanhol o principe Leo-
poldo de Hobenznterne Sizmaringee, coronel pros-
siauu, casado com a irraa dorei de Portugal, a
"Sra. D. Antonia. Km toda a Coropa resoaram as
desabrida prate do Sr. de Grammonr, e os
acerbos commentarios da prensa francesa a es-
cotha do regente e gabinete de Madrid : em toda
a Europa se soubn iustaotaaeamente o applauso
com que essa escolha tira aceita pela Pi us-ia, e
desde lugo se enredara zs labyrinthos da diplo-
xaacia para cenjurar ama trovoada seria de que
poiieria ou poder resultar ama conflagrado ge-
ni europea, ocia, visivel que a Prussia proca-
rava uiu pretexto para burailhar a Franca. Appa
recctM pretexto e acolhou-o pressuroso o gabi
neto de Berln ; o de Madrid lixava o da 20 para
ser aoouuci;.da a candidatura solemnemente no
mgresso, devendj votar-se o prncipe Leopoldo
uo oa 38 de julho. Estavam as cousas ueste pon
lo sabida do Gladiator.
Seguiram-se as noticias sobre a probablidade
de um coaQictn europea. 0 ideal do conde Bis
nwtk a unilicacae allemia, sot> o sceptro de
Guitberme, e para o raahsar carece de abater ou
juesmo aniquilar o imperio de Xapoleao.
a Sendo casus-MU o faci de nao retirar o go-
vorno de Ilaipanha tal candidatura, quaes allian-
cai se Cariam ? A Fraoca cora a Iaglateira ? Am-
h;.scoi a Italia 7 Que,pel lomara para a si a
Austria ? A Ruia a quem se ligara ? A Prussia.
HffCUtt Jo a Fraaca pelo liheno, contara com o
Uinmoho, se a Bespaaba a invadlsse pelos l'yii-
omu.s. Einfim, de todos os lados te archilectavain
uo ar (irevises apenas fundadas no ago annun-
ciar de notas, a ultin*ztuns entre as potencias ri-
vfef, concordando se ludavia em que a Hespanha
iieas um preteitlo para o rompimento das hos-
tilidades entre a Prussia e a Franca, ao passo que
a -Hespanha que procura va a todo o transe^ sabir
da patigiu indefiuida de urna inlerinidade tao pro
lonp.ida, pmcurava realisar pela escolba do priuci
pe Leopoldo, cuja aceitacao com aunaencia da
!'ru.-si;i nao se fez esperar, a ambicao enu-tanto de
todos os Hespanhes que ligar-:e com a casa de
Hi'agaiiea, apoiando se ao mesmo lempo ao pres-
ngio militar da Prussia. Esta p< tencia ;iproveitoo,
se r ^ie nao pn-pamu mui secretamente, o ense-
ji da trazer para i occidente da Europa urna ver-
ajaatea aiL-rnaa, vinculada com a casa de Bragan
i* e a de Gabrla. Estreitadas as liga ;es cvm Por-
ingal e Italia, novos elementos previa para novas
alnaaeas, |ue um da Ibe p rmltiissem annullar a
Franca.
l'. .i ii'L-senca de.-tes prenuncios de grandes
saccawos nao po.lia Portugal ser esquocido.
Portugal, dedaramki a sua neutralidade ar-1
maila, purqe de ontra forma nada .iguificaria, I
piderm conjurar os pericos e azares ae urna lua j
<*m ue, estas huras, pode ser que forcegem por
eHVi4vc-lo as potencia.- contendoras ?
E como declarar-se neutro, fazendo-se res-
pealar si e protegr.odo os i|ue se Ibe acolhessem
ao abrigo da sua iwutralida.li', sem grosso dispen-
dio, eai enormes sjerilicios de aimamentos, de
tropas, de uiulien'", de material de guerra, de to-
dos os ueijs emfim de defeza, sem os quaes a
ueutraliJade unid uatavra vasia de sent Jo, e
menos digna do decoro nacional ?
t bous graudes utopistas tem pregado constan-
temente, tiesta trra, que a questao do arman ento
do p.iiz sobrelevava todas as questoes secunda-
rias de administrarn : o marque: de S da Ban-
doira, e a CwuHkiCto Central 1 de Dezembro de
As pre.vh.6es, os discursos parlamentares, as
memorias, os etorens centinuados do primeiro
foram .-empre acurados com o respeito e acata-
mento de que merecedor o Ilustre mutilado da
independencia e liberdade de Portugal.
As suasorias eonslanlemente felas pelos pa-
triotas de 1610 aos ministerios que se lm succe
dido nestes ltimos annos, as representacoes quo
lo n feilo, se Ihe u lem ie.-p.nnli.io a indifTerenea
publica, tem lido somente em resultado prome-
sas e > >iome.-sas que al agora se nao traduzi -
rain em faci?. A fneza e indolencia para cerlos
assumptos mais que AavgaMfiea de muitos dos
nussos homens pblicos e de urna grande parte da
imprensa, servia tal vez, comquanto nao ousasse
foxe-lo ostensivamente, das iuslancias e repetidos
fidJunai da Cmuiisso Central.
_ Cl)'gado, porm. o ramenlo decisivo quantos
nao coiifessam que havia motivado fundamento
para instar por aquella forma e com es-a teoaci-
dade!
Tem estado os ministros nestes ltimos dias
on eoaselbo permanente', empregaodo o goveruo
utdiis os esforcos para sabir condignamente das
mHculdadts determinadas pela crise europea, em
harmona com os inleresses do paz e com as nos
sas faenes ioternacionaes.
Que fez, porm ? Que resposta deu s notas
ue dos gabinetes de Madrid e de Pars mulla
neamenie recebia, pcrguolem que attitude seria a
de Portugal se a luda se declarasse?
Cmsultou o marechal Saldaaha o gobinete
injlez, antes de rt-sponder- definitivamente aos da
Fraoca e da Hespanha ? Parece que sim. Affir-
ma-se muilo, e sabe se pouco. O oerto c ter re
cehiir o presidente do conselhi cartas autogra-
phas dn Napolco III e da ramha Victoria. Ter
part lo hontem noule para Madrid D. Pedro da
0ta de Macedo, em Hespanha, com instrueedes
para entregar as suas eredenciaes e seguir logo
para Paiis. E' cerlo ter no mesmo comboio par-
tido o visconde de Seiwal para a Bdgica, afim de
realisar urna compra de 35.000 espingardas Isnei-
der para Portugal.
C msta qae a Fraoca poe dispAScao de Portu-
gal 400.000 armas e todas os recreos preciso
nesta conjuntura. Diz se qne a Inglaterra Hiera
iguaes, se uao mais consideraveis offerecmento?.
Entrar a Inglaterra na lucia em que a Franca vai
aju.-tar con a Prussia a divida sangrenta de Sa
duwa i
Os telrgrammas davare a Prossia continuando
a guardar srieoeio as utas da Frasea, dizrndo
que esta potencia interpreta ra o srieoeio do ggbi
oete de Berln como descoosideracio, preparando
lodos os elementos para a guerra.
Si tarde de 12 hegou um desparti de Ma-
drid, anaunriando qae a 4ha oftkii hespaaaela
publicara tima eirealar de Sagasta ao gprpo dipjo-
malico estrangeiro, participando Ihe a candidatura
do prncipe Leopoldo.
Por consegrante, inuteis j agora todos os
passrs que dsse a diplomacia para anda resolver
^-rw D. Fernaado'de Oiboorgo a aceitar a ora
de H'^paiiha, evitando se com essa aceitaeo a
igoerra.
Nao era eompativel com a saa primeira e for-
mal recusa o aceitar -aerte inorneuto, oem decoro
<> para o orgalho da nacao be-^aoh lia reoa ir
esto nunwntri, dapsis de ter arinndado CBnal-
eiente a eandidninra alloman, eom a maior solt-ro-
'oiBde que as ebancellarias encbcem, para fornar
-noblieos aetos deRta gravidade.
Ao pas^o que oeo lo cr.ysteno encobre a'n-
d Talmente apathica m Portuga!, comeea a agitar f a
e tomar um certu grao de ebnlicao,. que j ie si
"dmbem, por .ue nos fax s:ihir dewo eslrema
atHianca popular qae a palor ide todas as eala-
'Ndadts para au>a uaejao.
* J se discuiem eom ardor aqui as vantagraf
au contras da neutratidade. Pondera-se que a si-
iuai ndeftniaa de hostfhdades par parte da
afiha, por quaote, bloqueado oa portos bespa-
Por outra parle, adduc se "que nada nos cot
vm tanto como a neutratidade.
Outros a reputara imposeivel da sosten
porque a Franca taria com ella MI prolonj
1
pafiha, por quante,
ohoos, o Tejo e as eaminhos de farro portugieaes
levariam ao corarn da Hespanha mantillos.
e lado de que posa precisar aquHa paasncia
para abastecer-te, excepto material de guerra, de
que nao carece, porque o tem de sobejo nosseus
ananaes a as snas oSetaas e depsitos, a que
mesmo !ha oj poderiamos tpraeoer sem ajnjebra
dessa neutral idade
Observa-se igualmente que Franca sarta u
cil, bloquear o Tejo quanJo bloqueaos ue portes
hespanhoes para evitar a prolongacSo dos Sbaste-
ciraentes de vveres Hespanha, circamstancia^
iin|ortantisima n'um anuo.de fomo, resultante da
secca que lem qaeimado as cearas em muitas re-
gioes.
< Outros mais easaaraeate entendem qae Heve
Portugal enSleirar-se ao lado da Franca, estabeie-
icer coadieoes, e vmcnlar solt das baiaibas o
sea destino futuro, ou desapparecer como aaciona-
lidade, ou sahir da lucta ata o-tramcewaal pres-
tigie, anoexsndnse-lbe aGtlne resliaindo-se-
nos Wtvenca, que a Hespanha oos deve desde
15.
Poder Portugal seguir ara destns alritres
sem conhecer qoat a liaha da cosdacta da la
antiga alliada, a Inglaterra 7
Procurar esta evirar Franga o concurso de
um auxiliar aguerrido, e mportaaussimo pela
nossa sitnacao geographica 7
. Que Ihes poste dizer ueste momento, quando
acabo de informar ie, e as t'ollus da Urde o di-
zera que neahuraa -communieacao ottlcial ckegra
al estas hars 7
t Que o governo p rtugnez tem preparado pro-
videncias energas acertadas e promptas para a
evenlualidado de se daciararar deailivaraante neu-
tral, oerto. Mas que nenhuma destas-iiiedidis,
lae> como o cliamamento da reserva, a creago
das milicias nactonaas, a formacjao dos cornos de
voluntarios, etc., anda toi decretada, certissi-
rao.
< A imprensa comer a agrupar-se em torno
do gabinete para Iba dar torca; mas ama parte
della iQtiran-o para que se rocompoaba de modo
tal que insbire mais coofianca.
< Urna declaracao positiva do orgia semi-offi-
cial, esta tar Je, desmeme o beato de que o gover-
no leona entrado, ou .pretenda entrar em qual-
quer transaccao com o partido regenerador.
< Faceui-se esforcos para reformar um gabine-
te conciliador; maso Urde. Os aeontecm.entos
nao dad lempo. Diz se que anianbaa a folhaoffi-
cial convoca as cortes para 14 ou 16 de-te mez.
afim de seren votados os meios extraurdioaros
para as aventuakdades da dofeza do paz. Em pri-
meiro lugar, tarde ; em segundo lugar, depois
da ecena do juramttUo, era que os depulados da ao*
liga maiona laacaram a tremenda insinuadlo de
ibrico ao gabinete actual, tal cmara tncompa-
livel eom o ministerio. Seria com absurdo polti-
co reuni-la,, como (seja dito de passageo) um
absurdo constitucional a co-exislencia da dictadu-
ra com a cmara, erabora addiada.
< O governo, ja aqui o di se algumas vezes, de-
yia ter logo dissolvido as curtes. Hoje n'uma cun-
joclura tiestas imita junto a si um parlamento e
com elle a pleua legalidad*, eminho de que pro-
prio Xapoloio III nao se quer affastar ueste mo-
mento. Mas arrscar-se ia o duque de Saldanha
depois do golpo de nao de 19 de loaio a l'azer urnas
eleicos ? Ihe lem custado a escolba de nomeaco e colleca-
cao do pessoal superior administrativo.
Falia-se na invocaco de umi junta de ho
iii-n- eminentes, de todas as cores poltica?, para
ser ouvida pelo governo sobre o caminbo a tomar
na crise actual,
< V se que a dictadura ambiciona rebaplitar-
se no consenso verdadeirameule popular e nacio-
nal, pois as turbas que Ihe fazem ovacoes ruidosas
com archielados e vivaz, representara o grupo cha-
mados peneckeiros, mas nao significara um ele-
mento serio de popularizo.
a 0 governo, cerno Ihes tenho dito, sneerm-
mente se tem recoiiipo^to e as pa-tas actualmente
.o iiaiij-.se assim desmtiuiaas: PresiJencla, gner
ra e estrangeiros, duque de Saldanha; "eino enec-
lian Jos Das Ferreira ; lxenla -cunde de Ma-
ga ihes; justica interino Uta Ferreira; marioba
D. Luiz da Cmara Leme; obras publicasmar-
quez u AUgeja; insiruceo publicaD. Antonio
da Costa de Sooaa de Macedo.
o H e uieia da noute. Nao vera u ais ne-
nlium telegrainma via-Hespanha para a prensa.
K possivel e mesmo provareique o governo te-
tilla boje tido pelo cabo sub-marmo va-Ingla-
terra.
0 ultimo recehido refere-se a ter publicado
boje a Gazeta de Madrid a circuler de Sagasta ao
corpodiplomtico e irangeiro.annuneiaodoa candi-
datura de Leopi-Mo.
Obtve o extracto desa circular que veio pelo
telegrapho urna folha de Lis-boa, que me o pro-
porciunou obsequiosamente ajiora mesrao.
Ei lo: ^
Temos presente o texto da nota diplomtica do
Sr. Sagasta, miaistro dos negocios estrangeiros de
H- spanba. K" um documento da maior imporiau-
cia na presente anjeclura. Alinde as declara-
res do general Pnm as cortes sobre a procura
dos candidatos, e a confianza depositada pelo go-
verno no seu presidente para o resultado final, e
nota como elle venreu tedas as intrigas e diffleul-
dades para o ennseguir, e que a eonianca do go-
verno nao fui illudida, pois ne conseibo de minis-
tros no da 4,o conde >le lieuss part ipoa a candi-
datura do princi(ie Leopoldo, Que ueste principe
concorrem circunstancias que o ho de fazersyra
palhico nacao, e elnito por grande mair-ria, o
que trra nar o perodo constituinte. Que esta
eleicao fe far conforme a le, e que o acoaleci-
mento em nada alectani as boas relacoes da Hes-
panha com as potencias amiga', (legista o modo
digno como se ha su-tenudo o interregno, e como
esse interregno era um perjgo desde que so votou
a forma monarchica. Poe em relev j o fcspeclaculo
glorioso dado pola Hespanha ao mundo nesse difli
cillmo perodo. Todos desejavam coropr a obra
da revolucao, e as naces estrangeras fi-
Z'-ram votos para que ella se consolidasse. Esse
fausto suocesso chegju. A nacao a que se di
rige receba-lo-ha com alvo"ro{o e cordeali-
dade.
O governo procurou-se inspirar na opiniao pu-
blica nos nteresse* da Baco, as retacees externas.
Leopoldo se for reipelo voto das cortes se-lo-hacom
a constituico mais democrtica que existe as na
edes liberaes.
i O governo acompanha lo-ha, e o espirito pu-
blico secundar a obra de ambos. O re, embora
estrangeiro, sei hespanhol desde que subir ao
throno de S. Fernando. Como tal eentiauara a
obra da revolucao de seternbro. Esta visar pnn
quem julgue nao obstante o ro^apimeaoio das hos
lilidads ioevitavels. Venir .os o que nos trazern^
amanba a linhas telegrap'aicas.
i Creio dar-Ihes perfeitci idea do qae esta sendo
Lisboa har era que Ihjs ascrevo. -Nos pequeos
grupos, nos clubs, as ivlarres, as mas e cafes,
as salas ens.>seios n-^i ue conversa era outra cou-
sa. Todos se quei *am agora de insufficiente ser-
neo das agencias elegraphca8, quando ha 8 dias
quaai niiHpam davyAsjpamai i i, rarisa- das
communicacoee qne versa ata sobre a pali(%
externa. K' que doras vea aquefto bata-sos g
porta e sabe Deus esa ota hatera depois, sf. o
espillo joblico se^ao levantar at ao ivel das cir-
cumstjMtes.
t Apeaar de tima aelarac^o formal dos sgaos
do soTerno a qao acisaa me esfori, haneaaeafoes
cnuMadas enlre os lfenenmret e a teadura
para ana sppr aslraaAn o Sr. FqbsC
i Hogade o bispo de Vizeu ha dias a aceitar urna
pasta, resaoadeu que nao taha creado a situaco
dettdefUto, qoa !hu aaaqueria%snar a res-
ponsabiMade ; mas que meito menos a quera to-
mar associ*ndo-se eom oa que lio mbectlwtBU.
(sic), as tiuham deixado perder. Qu s faria par
te do governo do paiz em virtude da urna signiti-
cativa demonstraeao popular, e nao em virtude de
aggiYgaodea sem aloaasca. Qae nao mcordaria,
porem, nos meios impeditivos, taes come a recusa
do jtagaroenia dos impostas, ctitaaespaosanie parai
derribar o ministerio. A resposta digna e
nebre.
< Os partidarios do gabinete Loul-Lobo d'Avila
continnam (mesaio depeie de manifcalada a erise>
a proclamar petas seos ergios na impreosa que o
povo nao eve pagar nem um ceitll da impos-
tas. Considerara a cmara municipal do Porto a
instigar os contrfcuiotos a recusar os impostas. A
municipalidad^ respondeu enrgicamente ao club
Catino; que nao!
Esta, resposta dignisskna.
A cemmisso central 1 de desatino deca-
roo-se em sesso permanente, delegando nos Sri.
Jos Dionisio de Mello e Faro, Alberto 0-orio de
Yasconcellos e Luiz FelippeLeite as aitribulcdes de
vigilancia que pela independencia Ibe compelem
em virtude da sua instituic^o, antoristndo-os a
etenderem-se eom a impreusa para se coacordar
na linua de conducta que parecer mal acertada
em presenta do aconteciuientos.
< Esta outra comraissao procurou hontem de
aianhia o presidente do couselho de ministros du-
que de SaMauua, oom qaem leva urna larga confe-
rencia, communic at ento o governo traba Mo para dehJIar a cri-
se em relacao ao paiz, oa tirar o melbor partido
dos aeontecimentos em harmona com o decoro
nacioaal, e independencia da patria. > .
A' 13 do crreme accrescenla nosso corres-
pondente :
Pelo cabo sabmarino chegarara os seguintes
telegrammas qoa apenas tenho lempo para trans-
erever :
< Londres, 12, s 7 horas e 40 minutos da tai-
de.At est momento nao consta que a Prussia
respomtase a Franca. O Stock excbange fechou
hoje, omito deprimido. Os fundos francezes fica-
rain a 07,30, isto , cerca de 2 % abaixo da cota
=
cipahnente a regeneracao in'erna da nacao, e ao
seu desenvolvimeBto, que nenhuma influencia es-
tranha poder tollier. O guverno operou em com-
pleta liberdade. sera que por um mnmenlo coritas-
se, nem pensaste na induecia de um governo es-
trangeiro.
Sobre esse ponto chama a attenedo, pois o
governo s ubedeceu a ci nvenieneia da nanao. De
Prim foi a inician vai delledesejo de eoroar os
rotos da nacao. O prncip de maior idade, ap-
pareotado eom as priucipaes casas renaates da
Europa, sem estar chamado suocessfio de ae-
nhu'ii throno, e exciuindo toda a idea de hnstiiida-
de contra potencia alguma determinada Prtan-
lo a candidatura de Leopoldo nao arfecta aa rela-
ceesamigaveis daMsnauha com as man poten-
cias, e mullo manos pode aftectar as que e-tas te-
attain entre si.
< A' vista siesta circular, cerno pode eonctliar-
Hi mais rescente noticia, que a de ter estado
h>je por mais de quatro botas o ministra de Hespa-
nha era Lisbira O. Fernando de loa Ros con S.
M. Rl-Kei D. Luiz em conferencia, e consta que
vieram proposia nroiao instantes do governo de
Madrid a El-Kei para qae censmta em que pu
irmo o Sr. . Angasto, ou algum de seus Slhos
e Sr. Mrfmite D. Cartas oo a Sr. infante D.'ABooso
va para Hespanha oceupar o trfraqo; que o re da
Prossia insta eem o prineipe Leoparaewque desis-
ta, ame a estas horas ha negeciaqes seria* a
rste respailo, .uo toan fio de evitar a gacrra, oo
qae parooe iaterawaveea-se as graaao* puten-
rM.
A Hespanha garaaMr-aos-ha a intefriadedo
aworio, a iadepenihaioia e moaorma par trata-
do. Ouvi esta vefiaa em ridas redacoes agora
mesaw, a san ciscalu* rae.f >i aQkouda pelos que
andammais prususwa das altas regios. ,
'* Para que attaeou -tonto o gabweta da, Ber-
ln, se havia mais tarde de rearo ;eder ?
. Nao se-cniende nte lomeato, e ne falla
cao de hontem. Os hespanbes de 24 Vi , 25
X-
< Madrid, 12 s 6 Iteras da tarde.Os ministe-
riaes as&egurain que a Prussia oblivera nova pro
rogacao de praso para responder Fraoca. Es-
perara que o iiicidenie tomar uutro carcter
mediaste urna dlscusso prudente. 0 ministerio
prstate era apre-eutar s cortes a candidatura
a Hernia. Ha agitacn carlista oo norte da Hespa-
nha.Consolidados 25,20. >
Madri i, 12, 8 horas e 15 minutos da larde. A
Bussia pea Hespanha. Bismark e GortscnakolT
foram a Eras. A resposta da Prussia ser decla-
rada oo corpo legislativo someme 13 ou li/' No
coaseluo de familia (em Eras) o rei se mostrou di-posto a inluencur o prindpe Leo-
poldo em neahum sentido. >
A Correspondencia de Portugul acaba de rece
ber de urna casa respeitavel de'Londres o seguale
lelgramma :
< Londres, 12, 5 horas e 45 minutos da tar
de.Aggravoa-se a desratelligenda entre a Fran
ea a Prussia. Crauoe audedade e quasi pnico
neta praga pilos fundos estrangeiros, que tem
baixado muilo. Os brasileiro; menos affecta-
dos. ,.
0 Diario Popular Jj hoje diz q seguinto sobre
as ogodacGes da coulraproposta alfamilia real
portugueza. *
Hontem corra quo e^-rai D. tremando resol-
ver aceitar a cora de Hespanba. DUera-aa,
porm, passoas btun lulormadas que, apes^r das
instancias d'Austria, Inglaterra e Italia, oa ma-
gestado resolveu nao aceitar. Nao faz bera.
< Di/.-se Uaibc.n quo o Sr. iufale D. Augusto
ac*itai. E' po*s\-e, oas eremos que de tal nao
se Iraiou.
t Tambera s disse, que a tres potencias.cima
citadas aconselh.ivara a el-rei D. Luiz que acce-
desse a ser re de Hespanha, garantido ellas a
nossa independencia. Isto simplesmcote absur-
do, porque em tal caso para nada quererla a Has
pan'.ia um principe p.irtugutz.
Finalniiute curreu tambara, qua as potencias
inleressadas na paz, pediam familia real portu-
guesa para ella se empenhar com a Sra. ufante
D. Antonia afim desia o ter de ssu marido que re-
tirarse a sua aceitacao da cora bcspanbola. Isto
apenas um destempero.
< O que nos parece certo que ogoverno de
Madrid nao emtauolou nenhumas negoci;oes eom
o nosso aira de qualquer prncipe porliigin /. acei
lar a candi latura. a
< Espera-s que hoje saiam decretos chamando
as reservas desde 1864.
Foram nmneados : governador civil de Ango-
la o Sr. Josa Mara da Ponte e Horta, ex-goverua-
dur de Cabo-Verde; governador civil de Mocam-
bqoe o Sr. Codlho do Amaral.
< Foram agraciados: como titulo de bario, de
Luzo, o Sr. Maooel Ferreira de Azavodo Jnior;
com o titulo de visconde do Barreiro, o consorhei-
ro Francisco de Mello Soares de Freitas; com a
commenda ae Christo, o barodo Santos, o Dr.
Frandsco Veira Mootdro, e Manuel de Azevedo
Monteiro, commerciantes no Brasil.
Seguio para Roma, coma usno ministro junta
ao governo ponliHcio. o conde de Thoraar; para
Florenca vai seguir, como socretario da lefacao, o
bario de Ferreira dos Santos; para secretario ora
Londres vai o Sr. Co. Ibo de Almcida; e para mi-
nistro era S. PetersOorgo, o visconde de Pinga
niere.
A associaeao coBMcercial de Lisboa pioceden
eleicao de sua nova directora, que ficoq assira
orgamsada :
< PresidenteJoaquim Felppe de Miratjda, di-
rector do banco de Portugal.
Vi ce-presidente Antonio Jos Rodrigues Lei
tao, adrainiitrador da caixa do banco Uniao.
t Secretarios- -Antonio Augusto Pereira de Mi-
randa e Jos Dionyio de Mello e Faro.
< ThesoureiroVisconde d'Abrigada.
DirectoresA. Schnewald, Antonio da Costa
Camino, Antonio Jos Pereira Serzedelle Jnior,
Joaquim Moreira Marques, \utonio Jrs Gomes
Netlo, Henrique Bernardo Pires, e Henriqse Euge
oio Macieira.
No dii 9 do crrante foi entregue, no Porto,
ao cnsul hrasileiro a fecitaco ao imptrador d i
Brasil pelas victorias obtidas contra o faragniy.
ssiguada por 3550 habitantes da cidadeJ A feli-
eitacao e as aagnaluras or ra encadernadas em
velludo verde, forrado de seda araarella'; os can-
tos e os fechos nao duuru: na freale est a co-
ra imperial encimando esta mscrip^aoc- sua
tnagettade o Sr. H Pedro I, imperador So Bra-
tUA corda, e as palavmo 5r. Pedro II -sao
de uuro oerolas as outrae palavras alo de ob-
ro. No reverso esta n dato 1870 entre urna fol..a
de carvadig, a outra de pro, 0 livro vai dentro
de urna ca xa de anarroqulm verde, coa inscrip-
ei> igual quaaima copio.
Pur decreto de 7 do crrenle foi approvado
pira ser raliflcado pelo poder excutivo o tratad
de paz, amisade, comraercio ede limites atre Por-
tugal ea Repblica Africana do Sul, assgoad^ em
Pretoria aoi 23 de^ujbq de 1869 pelos respectivos
plenipotenciario?. E de maito nteresse o relato-
X L prMdeD??. Provincia, da 15 da aoth 36 para Par, Asftasjraaje 1 a 1 para Pernam-
al'A r!e??or. ull.l.,co da casa de dotancaav-erea buCo; dd PortoDoiiro para o t-araV
GLADIADOR. Esto vapor chagado hontem
dat,oel ,8 Pnwncial n. 912 de 29 de abril ultimo,
o Sr- Manuel Lopes da Paz.
AS&ASSINATO.-N0 logar Cabaeetras, perten-
caarte ao districto policial da Casatoaiaddo Rober-
tu, no tormo da Boa-vista, foi aniggantado, no da
18 de abril pasiado, o menor Jusaehno, fllho de
Antonio Leopolaiuo Rodrigues Cgelho, por '"""
mera va dasie chamada Canuta. A crianuiaaa lei
fresa.-
PhdNUA'ClA.-Pelo delegada do temo do Sal-
gtieira foram pronunciados : come iaaursa as
penas ddart. 205 do cdigo penal, Fsdape da tai;
eoce tacurso as penas do art. IH, CtMio
Ferreira de Mello e Lauriudo Ferreira de Meti,
comoaadntes, Joo Pequann e Jo*i Barboaa
de Olivaira. como maadatartaa do aasassnata de
Prancaaapaieiro.
GREMIO JURDICO. Houve dommgo sessao
oMinaria pratica, aerviodo : como jqU de direito
lltoii Sr. "rwuaiirjes Vletra ; advogado o Sr.-'
Bindeira; e promotoro Sr. Moreira. A r, pronun-
ciada no art. 198 do cdigo criminal, loi absolv
da, algaliando tx officia o juiz.
Hoje deve ha ver sessao ordinaria theorica, para
discutirle a questao propasta pato Sr. Arcano ;
um Individuo que, esperando outro para assassi-
ai, nata por engao um lenoeiro., tem. conanatti-
do o enrae de Soralcidie oj de tentativa ae morte i
JURT 00 RBC.IFE.-Foi hontem snboiettido
inlgamenlo o reo Joo Alves Gomes do Espirito
Santo, acensado por offensas phrstcas em Joaqnim
Alves Guades, litado pordefenser o Sr. Antonio
Justino de Souza. A causa foi julgada perampta
JANTAR No hotel da Enrona, i roa do Tra-
piche, tem hoje logar um jamar offerecido pelos
Hio-Graadensas do Norte aqui residentes, s pra-
cas desea provincia, qae se acnaw fiordo do
Marsito Dias, em viagem para sua provincia,
pelo aeu denodo e bravura nos campos do Para-
aay.
HARMONA ACADEMICA.-Hoje havari sessaa
extraordinaria, para tratar-se de negocios tenden-
tes mesma sociedaae, e da eleico da director
do mez de selembro oroxltno futura, s & horas
da tarde, na ra dos Martynos n. 2.
GUERRA UO PARAGUAY. Damos boje em
oqssa oitava pagina e minucioso vesumu do discur-
so do Eira. Sr. duque de Caxias, pronunciado no
senado no da 15 do correnta, exiheando phases
unpji'ttutos da guerra contra o Paraguay. Para
elle chamamos a attencao dos leitorea.
EXPOS1CO.Cliamanio' a attencao dos apre-
ciadores da photograpbias oara quatro retratos de
um bello e perfeito trabalbo sahidos da officina
photographiea do Sr. Ferreira Villela, os qaaes
acabara de ser exposlos oa livraria franeeza dos
Srs. Lilbaoar & C, ra do Crespo.
NOVA MSICADa lythographia do Sr. A. J.
de Azevedo, ra Nova n. II, acaba de sahir
luz urna nova pnblicaeio musical, ntidamente im
presa, do compositor francez E. Casalbore, sob o
titulo de Souvenir. E" nava Irada walsa de salo,
que agrada e prende a arteneio. As Exmas Sras.
leitoras, apreciadoras da boa msica, deven apro-
vedar a occasilo de se munirem de nm bella tre-
cho nresfcal.
EXTRE CARMELITAS-Sob este ttulo dfsa-
raos hjutem que nos constava acharara se liberta-
dos pelo Rvd. Fr. Joao do Amor Divino, oilo os-
cravos. Hoje afflrmamos a existencia do faci. Os
ooraes desses escravps sao : Lydia, Ciu.lido. Braz.
Miquelina, Rita, Elizeu, Udbaldo e Eullichiana,
cujas cartas de bbardadea eslo lanzadas nos II-
vr is de notas.
Desses, ordem do Sr. Dr. chelo de polica e
requer ment do Rvd. Fr. Alexaodrino Josdo Ro
sano, foram presos os de nomo Candido e Rita.
Completa assim a noticia, cumpre as autorida-
des e etpecialmuBte ao Sr. curador geral tomar
conheciraento do factoe proceder como fr de jus-
tica.
DINHEIRu. O vapor ingiez ouro troaxe
300 para o Sr. Antonio Gomes Nato.
Esse vapor levou de nossa praoa :
Para a Baha 102:180*000
< o Rio do Janeiro 61:317*150
EU TRANSITO-Com 6 racebidos em nosso
porto levou o ouro para o sul 93 passageiros.
CO.NDECORAgO ESTRANGEIRA.Por deere-
t de 18 do passdo, foi agraciado com a commen-
da de Christo, pelo governo portuguez, o Sr. Joao
d Cunim M,ij5iii3es jnior, commerciante ra
da Cadea, e membro prestimoso do part do con-
servador na freguezia de S. Frei Pedro Goncal-
ves.
GNEROS DE ESTIVA.-O Dmro Imuxe para
a iin-sa praca : 30 caixas queljos a Joao Martins
de Barros, fi a Patn Nash A C, 14 a J. M^da Ro
sa A Fimos, lo i Joai F. Lopes, 20 a J. J. Gon
calves Beltro, 3 a J. M. Palmeira, 6 a-F. A.
Mnntoiro Jnior, 10 a Silva & Joaqnim Felippe, 5
a Corga Irmcs, 40 a Thomaz do Aquino Foaceca
ftC.
ORDEM CARMELITAN.A-ORvra. Sr. Fr. Ale
xandrino Jos do Rosario Figueiroa pede-nos a se-
guate public.ro :
Srs. redactores da Revista Diana.Dizrndo
Vv. Ss. era sua concailuada Revista de hoje, que
o Rvd. Fr. J.ii.i do Amor Divino, passara carta de
liherdade aos escravbs do convento do Carino de
Olinda, peco-lhe tambeadque declare ua sua con
elluada Revista que o Rvd. Fr. Joo nao mais
prmr de Olinda, desde da 2i ie jtinho.proximo
passado, e que anda me-mo que fosse prior, nao
poda e aein pode alfor.riar os usemos do con-
vento, sem autorisaco do Rvm. vigario provincial
e seu definitorio.
Intimando a sua dapcstfad, por ordem do
Exm. Sr. governador do arcebispado, era il de
lunho, dahi em diante eu sou o legitimo admins
tralor do< bens doCarmo de Olinda. Assim, pois,
se exacto o que sob informacao, Vv. Ss puhli-
cam em sua conceituada Revista, cabe-me pro-
testar contra -emelhaote acto, que uao pode pro-
duzir nenhum efleito legal.
_ Nao produz effeito legal, j porque o Rvd. Fr.
Joo est deposto do lugar do prior, e j porque
s o prelado o o seu delioilono podem passar car-
ta de liberdade aos escravos do convento. Se
exacto, pois, o que mformam a Vv. Ss, desde j
lavro o mea protesto em nome da communidade
do convento disCirrao da Baha, eonlra um acto
lio Ilegal ce nacriminoso.
t Carino do Recite, 26 de ju'ho de 1870.Fr.
Alexandrino Jos do Rosario Figueira, ex-pro-
vincial e comnmsario visitador.
UM GRANDE IOMEM B DOUS GRANDES PAI-
ZES. Logo que ahegoa aos Estados Unidos a
triste nova da mora da lord Claren.!.m. o presi-
dente da rupubhca fez expedir para o governo
nglez o seguinte telegrainma : O falleciinenio
do c nde de Claren Ion a perda da um estadis-
ta cuja fama era universal. A sua morte deve
sur sentidU por todas as aacAes, porque o iilus
tre faJIecido trabalbuu seupra pelo progresso da
eiviiisaco o ao iateresse da paz. 0 presidente
des Estados Uoidos, interprete da sympalnia do
poyo americano pela rainha Victoria e pelo povo
britnico, enva os seas pezames aquellas a quem
a lameniavei perda ferio to dolarosaateote
Nao se pode boarar mais nem melbor a memo-
ria de uso estadista.
do Lisboa, tronxe a seguioie carga de Lis-
boa : 250 barris cal, SO ditos loaeraho, 6 ditos
vinagre, 26 ditos e 5 caixas raassa do tomates, 4
ditas censar vas, I dita leoi Jo de algodie, M) di-
tas carnes, 220 ditas batatas, 1 dita Ierra-
gens, 2 ditasjixe, 3 ditaalivos, 94 tulas iotas d
cera, 4 diua dragas. tas azeite, 90 ditas ce-
bollas. 4a' tasduaes, SOdgas geoetora., M ditas
niacaas, t dttas# 10 barris vioho, 36 sacos co-
minhas.
I.E1LO.Conforme sst annutNkdo, fliectaa
hoje o agaade Pinto o leilad de urna barcaca nova
e grande, a qual est em frente ao caes do Ramos,
onde se efectuar o lei lio as 11 horas em punto.
PAS5A6R01 Chegaram da Buropa a pa-
quete ingle* Datero :
Richard P. Anghes, Thomaz Mamn Malcolra,
Thornatdardner, Thomaz Rabson, Robert Evano,
lP9llam Chanse, Serafino Alves Rodrigues, Henri-
que Alves Rudrigues, Luiz Pereira de Carvalho,
Julo amonio de Afaujo, sua seuhora o 2 tilhos,
Joao de Almeida dos Res, Antonio Mauricio das
Santos, Bernardo Peris Gongalves, Domingo Frn-
tuoso e Rodrigues, Manoel A. e Marino. Domnigos
da'Barros, Antonio G. de Castro, Silvmo da 5. o
Souza, Harculano F. Lobo, Jo< P. Fructuoso, Ni-
colao Antonio S., Antonio Jos Lipe, Gertradio
Mariz.
EMrTBiH) PUBLICO.-Obituario do dia 21 de
julho de 187a
Marcelino, pardo, Pernambaco, 2 annos, S. Jos ;
febro maligna.
Joaquim, preto, frica, 58 annos, soltro, S
Jos; hydropesia.
Luz, pretu, escravu, frica, 48 aunos, solleiro,
Santo Antonio; hepaiite ohronieo.
lira prvulo encontrado oa roa da Conceico,
pardo, Pernambaco, 3 metes, Boa-vista ; molestia
i ulerea
Phtloroela, parda, Pernambaco, 28 annos, soltei-
ra, Boa-vista, hospital Pedro 11; phthvsica palmo
nar.
Manoela Mana da Coaeeicao, parda, Pernamba-
co, 36 nanos, soltera. Boa-vista, hospital Pedro
II ; cancro no nariz.
Jos Antonio da Moraes, braneo, Peras m-
huco, 46 anaoB, casado, S. Jos ; hepatisaco pul-
monar.
Amelia, branca, Pernambuco, 3 me2s, Santo
Antonia ; convulsoes.
Jo oBodrigues da Sdva Vale, braneo, Per-
nambaco, 46 anuo-, solteiro, S. Jos ataxia lo-
comotora progrressiva.
22
Manoel, pardo, Pernambaco. 6 annos, Santo
Antonio, escravo ; intente maesnterio.
Luiz, preto, Pernambuco, 26 anaos, solteiro, es-
cravo, S. Jos ; anasarca.
Innocencio, pardo, Pernambuco, 2 annos, escra-
vo. Boa.vista ; convulsoes.
Qoileria Francisca da Costa, parda, I'ernam-
buca, 45 annos, solleira, Santo Amonio ; encepha-
lite.
Felipp*, preto. frica. 30 annos, solteiro, Boa-
vista, hospital Pedro li; febre maligna.
Mara, branca, Pernambuco, 2 annos, Recife ;
heinorrhagia.
Isidoro Jos Baptsta, pardo, Baha, 33 annos
Recife ; h morrbagia ecrebral.
Maria Antonia, preta, frica, 72 aunos, solteira,
S. Jos; inanico.
Dotniogo Suriano da Silva, pardo, Pernambuco,
85 aunos, solleiro, Boa-vista ; anemia.
23 -
Jo-, pardo, Pernambuco, 19 mezes, Santo An-
tonio ; marasmo.
Bi'nigna.^branca, Pernambuco, 5 metes, Boa-
vi-la; gastrite.
Recera-nascido Manoel, pardo, Pernambaco, Re
cife ; ao nascer.
Carlota, branca, Pernambuco, 4 mezas, Boa-vis-
ta ; desynteria.
Pedro, pretr, fscravo,:Pernambuco, 45 annos,
solteiro, Recife ; molestia no coracac.
Anua, badana-, ivniambuco, 7 aunos, Santo An-
tonio ; gastro hepalo ioterite.
Benedicta Mar.a do Rosario, preta, frica, 80
anuos, solleira, Santo Antonio ; fraqueza senil.
24 -
Mara branca, Pernambuco, 7 mezas, Boa-vista ;
convulsoes.
Marta, branca, Pernambaco, 1 mez, S. Jo; ex-
posta na matriz.
Jos Ditaldo Afves da Silva, braneo, ignora-se
a nacionalidad*. 56 annos, solteiro. Poco ; apo-
plexla fu Im i au i.-.
Antonio Benigno Correia do Almeida Sarinho.
branca, Pernambuco, 16 annos, solteiro, Boa-vista ;
peritonite aguda.
Cinstantina Emilia do Espirito Santo, parda,
l'emambujo, 22 annos, casada, Boa vista ; eelam
pasa,
Seaborinha Maria de Jess, narda, Bahl, 30
annos, solleira, Boa vida ; hepate chronco.
Ermiiu-Senhoriuha da Costa Bruno, branca,
rernanibuco, 2S annos, solteira, S. Jos cancro
no ulero.
Olivia, brauca, Pernambuco, 2 meze?, S. Jos ;
vmitos.
Antonio Pereira da Silva G lmaiet, braneo,
Portugal. 60 aunos, solteiro, Santo Antonio ; gas-
tro hepatile.
Graciana, preta/ frica, 50 annos, solteira, Boa-
vista ; ptrthysica.
25
Joo Jos Damasceno, pardo, Pernambuco, 16
annos, solteiro, Sanio Antonio; ttano espan-
taneo.
Manoel, pardo, Pernambuco, 5 a:iuo, S. Anto-
nio ; apoplexia.
Mar jo* Evangelista Ribeiro. bramo' Pornam-
bm.'o, 52 anuos, casado, Boavisia : paralv-
sin.
Virginia, branca, Pernambuco, 2 annos S. Jos ;
hydrope*ia.
Feli-bslla Martiniana de Albaquerqiie, brtnca,
Peruambuco, 23 anuos, solteira S- Jos;, tubrculos
pulmonares.
Manoel, pardo, escravo, Pernamiaioo, 3 annos
Boa vista ; hemorrhoftia.
^T* mJ?**?*r<*\tom: vieram par-
turbar o regosivo pnLco eem palavras rajdrki-
*as, soltando fogo, em diree&Tm ponto, em
que acbavam-se mudo, eonaarvadores rwpalto-
vei* Estando algn* dates esordstros baitaate
r bem da tranquilidade publica dar-Ibes
.am
P 4 sea mostr
dHl pnifia % -q
tndo pasMalu
arros. A
raaqimioaaejiub
ue
FUBLICACOES A PEDICO.
RACTIFICACAO -No relaiorio da companhia
do Beberibe, bit miel publicado, dea-se ama fata
sensivel na data, que oonom corrlg'1 : ea vez
d t de setembro. con > publicado, la-se 9 de
jolho etc.
rio que precede o citado decreto.
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
CORPO EFPECBVO DB POLICA -Por eHbe
raga o da presidencia da provincia, de 26 do tor-
rente, ferasa euieada-i ilferes da 7* cemiw-
uhia o dd corpo provlserio Loureoco GorealTt*
de Ase Vedo, e o honorario do exereito llani^l
ttaymundo Caminha; da 8* eompaohU, o do cor '
po prorisori Antonio Joaquina i Barros Lima
Ji o honorario o esereito iromerlano las de
rosionior.
?STOUCCAO NJ6LIC*^-Sa rlata-d rm\u't
do do uTtfmu concurse, Sai .aomeado, |r n&tx-
COCACOES COMMERCIAES-Sao as segoinles
as das pnncipaes pracas da Europa.
Londres, 12 oj 7 tfi A da l.
0 algndao do Brasil leve alguma sahida pela
baixa que -ofreu da 1/4 d. por libra, sendt pon
co procurados os da Parabyba e Rio Grande do
Nerte. Cotam-se : de 10.a 10 1/4 o de Pernam-
buco o Ceaia. a 16 3/4 o d. Maranhao, a 9 6/8 o
da Parahyba, e a 10 o de Macer.
0 assucar- tarabem soffreu baixa de 6 d. por
112 libras, em consequencia da avultada existen-
ia, leodo-se veudido 8463 saceos da'Pernambu-
''e i8^.*20^- 3380 -saceos de Macei de
19/n a 21/, 260 do Maiapho a 20/, e 700 saceos
do Rio Grande do Norte a 20/6, segundo a quali-
dade.
Liverpool, 12 s 7 *. da t,
O atgoflab baxou 1/4 d.
O asnear sabio 5 penes, e flea firme.
ASSIVERSAIHU.Amanha o da anuiver-
sari i da independencia da provincia do Maraaho.
KCCUPSE.Deve ha ver amaoba oin do sel,
avi-isei vara. I'.-rnambuco.
NAVOS A CARGA.Em Lisboa Amcoap
.paraba PazA; no PortoAmelia para Peruambu-I
co, Buido para o Para.
NAVlO*CHEGAD0S. Li'hoaVira d)
iPar a IQ, Bella Faucuetue, Seberoao e Nova"
^mftim de Perntuibuco, Liada do Para 11.
, aVJ&rto lentadora a Sur ico de Pernambuco
*all
BATIOS SABTOOS.Be LisboaFlor do Tez a
Soleat mendacc* luerc penas
inaleUcii.
O publico tem lido o i.nmundo jornal, denomi-
nado Liberal, que sa publica ua capital dc*ta pro-
vecta ; tem visto que esse jornal, hoje completa-
mente desacreditado na opiniao publica, procura
marear s reputaces bmn firmadas em tratan-
do-se de molestar, doestar, mentir e catnmniar,
o temos sempre em ampo, aceommodando-se a
ludo, sem arrepiar a carreira.
A imprensa quando representa um papel como
o do Li Viv/ desvirlua-se ; perde na opiniao dos
homens sensatos sua alta importancia : era logar
de varmus nella esse tribooal impon, ute, do qual
os podemos, dirjgindo-not ao paiz inieiro, a ldo
universo, apreciar devidawente o bnm e o m
vemos um charco hediondo, yode quotidiaaainente
espojam-se os que em balde tentara entamiar os
ligeos bem conceituados, e iotciraraent'i sobran-
ceiras a baba de alguns eaes, aue por saa hydro-
phobia procurara morder a todos o no enconiram.
O que di2emos nu urna phantasia, o publico
deve .tar bem convecido disso, e se ha algnem
que duvide, pedimos que lea o Liberal, qae apre
ce a acervo de falsi Jadas, que tem emanado de
algumas pennas, prostituidas cnmpHauenie s
paixe* de urna poltica, ha omilo condemaada e
estimaiisada p-lo bom seusp do povo liraiViro.
Vera a pello algues coininonicadns, que tem sido
publicados relativamente a comarca de Iteraba.
Nessescommunieado-, que sao, sigunlo soim* *o
forma lo* por passea- u.-uspeitas. partes d*s nacria-
res Francisco do Araujo Barros a Jos lavares
da Cuoha Mol fu, o* facaos sao nteaaienie desfi-
gurados. Para esses bacuareis a verdade inleira-
menta descuuhecida, tantea corrwsa tem-se ra
dicado em seos espirito* t
Sao calmaniadas por estas .haeliarea* algumas
autoridades da comarca de Umb, a* quaes, at
lentos os seus acto, nao Ibas oflerecem materia
para a mais leve causura. ConnnaraM assim a
veracidad* da seguinte maxiau do marquez de
Marica :
.Sao calumniados os qne nao Pvdesa asr eensu
radas.
Prascindindo por ora de algumas eoasas, qne
temo de dizer relativamente essaa Jaicaare*
Miaplos singulares da abjucfa entreoa upe
o de.*eureauiuto de paixas hauiia las pede duzir os borneas, apreciemos um catawuincadu
que vem no lilmat de 13 do c*rr*ate, go^oai *,
fepcoduz e*e mootu de falsidadu, que tasa tan-
tas vetes oconaado as ensarna* sem. mvhpw
JotflaJ.
Todos saben que por occasiao 4os.ado. -qae
b v.;ram lugar oesu Uta, pata tetww a
guerra do Paraguay, algn* indi vid nos deaoxdeJ-J
com desates.
J ea mastre
hoe foi desobadecida, caa-
egalo prendar taes datordatros. e levou o faete
ao conheciaaantn do doutor juiz rauoiiipal, afim
da ser instaocado o respectivo processo.
Eis a narraedo fiel do qae banve. Os liberan
desta vill?, inspirados pelo haahirH Araujo lar-
ros, politicao singular, -ivaossram urna grita tre-
menda, urna oetauma asuppnrtavel, pensando tal
vez algous deltas jjue estajiam staanbando e agri-
caltando os rocados, que Araujo Barros tem feito
na comarca do Pilar e Itamb, para os quaes eHe
guia os trabalhadores com a vara de juiz I S*
queremos acreditar o que se nos diz, e se acredi-
tassemos annuuciariamos ao publico qoa aaaaior
parle dos trabalhadores do bacharel Barros s*
ladroes, de cavllo e outros criminosos, (exeedea-
do j ao numero de 45) que graiaitamento pres-
taui se sen sondeo, par tarea enaseguido snas
solturas por ordens do habeas norpus, expedida
peto mesmo jau.
E at nos informara que os rocados faites na es-
marca do Pilar pertencem a Iris socios, Fran-
cisco de Araujo Barro?, Antonio Hernardino d.
Santos e ara ronco ds nome Antonio de tal. Albo
do agricultor Manoel Ignacio, residente na retari-
da comarca; aeodo mestre Barros a sacie nenite
Oue bella soeledade!
J nao qner mais o mestre Barros negociar eem
assucar, lem razio, a farnha hofe est dando m>
dinheiro. Entretanto que nos affirraam que eMe
declara em alto e bom som. Quem ti ver criase,
ou *stiv*r a caso de ser rearwado uatse-^e para
os rocados da snoiedada Barro, Bemardiae c
coaapabhia, que Acara garantido eom a comHecao
iraprescindivel da trabalbsr para asooiedsde, rene-
bem* desta nicamente exiguos alimentos.
Nao acreditamos, por qae a arma da eaktmau
a mputacao de crimes Inventados, o qne confir-
mamos com os arttfos, publicado ao Liberal peta
mesmo mestre Barros.
facerte 8. 3. ua eoaselbo : darxe obripsi
por mems indirectos, cna a sua vara de joit o pa-
vo ignorante e fazer roca los para S. S. contste-
se cora os cinco qae j lem sem Iba costar nem
um vintera, mgnndo nos dizem 1!
Se cuntinnar assim, se tur arada depennawfc as
pessoas, que team ainfelioidade decooheoe-lo,n..
tem motivo de aangir-sa som estes anabaprtsta-.
que nao coafentos com 0 seo lome de FrawaW*
de Araujo Barros, racebide em seu primeiro bap
tismo, trataro de o baptisar segaoda vei, da..
a S. S. este nome repugnante, asquerosa de pre-
varicador I 1
Pondo de parte su as ptimas qnalidade*, res
ponda nos: como S. 8. atre ve-te a desfigura? *.
que est no dominio da opiniao pablica?
Como se tem a impudencia de faltar k terdade
oihos vistos f I
O tonente-corouel Mariano Ramos de Mendos-
Sa, delegado efleetivo do termo de Itamb, nao nwi-
on seu domicilio para o engenho Manuaba. situa-
do aa provincia da Parahyba. eotno o Sr, Araoju
Barros affirma, segundo nos cons'n.
Se o Sr. Araujo Barros qner urea pro va trte-
fragave! disso reqomra ama ceidlo do livro i*
qualificacao dos jurados da comarca' de Itamb.
e ver que o teaente-ooronel Martas no princi-
pio do eorrrente anno foi qnaliftafdo jurado pea
junta de revisan de qne foi presidente seu corre-
ligionario poltico, Dr. Petinto Henrique de Al-
meida.
Nesla comarca mora ar: nal mente o baehart!
Jos Tavares da Caoba Mello, de quem ha ponto
fallamos." E oro imitador de Araujo Barros; c
um Jadas perfeito. O tal Tavares. coohecido par
Dr. Cabaco nu tem amizade a ningnem, e tanto
tem de informe nomo de petulante. Receben im-
mensos favores do major (Jrsnlino ('.avlenme e\>
llego Vasconcellos, e porque foi entraado per
elle e pelo Dr. Menelo, juiz municipal aste
termo, em seas inleresses ind.-fensaveis atassalba-
coino quitaadeire, nw lagares mais pabliees.
Note se que o major Ursulino primo do bacha-
rel Jos Tavares t !
O Dr. Menelo um juiz de ama probidad*
incontestavel para .tollos, excepto para aDr. C
baco e o seu compares, bacharel Antonio Bernar
dio dos Santos, carcter este j bem coofiecie-
pelos laitores deste eouceituadn jornal. Beraa*
dio, este celebrrimo bacharel nada tem neis
qae perder : qaem perdea ioteiramente a repvi-
ta cao o que espera mais perder ? I O Dr. (aba.
muilo loria o que dizer a seu respei'o, aguarden,
do-rae porem para a volta, occasiao em qae o
con versa re.
O Ur. Menelo deve rontentar-se em/Sar ca-
lumniado pelo Bi rnardino : elogios de cortos be
mens no c nceito das pessoas boas, sao acensa
coi bem fondadas, porque suppoem que siaiao-
em contacto com ellos. Tal contacto pernicioso.
Os hachareis Beraardlno e Tava.es team algnasos
questaes pendentes ao juiso municipal des-
termo, e porque os iateressos de seus coniitnioi-
*o indefensa veis, porque vem que nenbain
direito assiste | aos seos mandatarios, entraa a
itizer, eom o tim de depreciar a rputaco beai
conhecida eestabeiicida do integro juiz municipal
de Itamb, qua este tena declarada que profere
tafs e taes sentencas... Nae loas qualificaca-
nma calumnia desta ordem.tfllha da mais hediai-
da torpeza I I
Consolem-se o Dr Menrtae, o major Ursulina
muras viciiir.as das calumnias dessas sentenas de
todos ns_vicios, porque ao calumniador, diz al-
goem, o) escapa nem o melhor dos rais, felici
tando s povos ; nem o general, qne ganhou tai-
tas victorias, orno aeches conmundon; nani>
labio eutregue a profoudas meditaedes, no rethv
de sea gabinete ; nem o anacnoreta ne deserto :
nem o Sanio ; e quem poder dize lo sean estr
mecer? Nem Deus mesmo. Oh I sem dovida
inferno todo empenhado em prcdozir um monati.
digno delle, na poda produzir um nena mam.
horrivel, nem mais at a harnnidade, que eda
calumnia I I
liamb l de julho de IB70.
B.C.F.B.T,
Ao publico.
Leudo urna correspondencia, que oa r
epigraphe cima publicou no Ihario dB
hoje () o Sr. Dr. Lucas Rangel, depart
rom o segninte trechique o Sr. part
Mello, podrinho do menor Manoel. frn
quem luivia aconselhado ao Sr Pemm
reconhecimento dos meninos, e por este rt-
conhecimento o cumprimento de um thur.
Com quatiio uiiulmiQ deiar me podease
vir, >e iivasse dado stjmelhant- conaeUaA,
todava nao o teudo feilo. e so leod sc^a
cia do recoobecitB'Qlo quando fot chamadn
para assigaar como tesleuMiuba a escriptora.
julgo codveniente declarar sso 19 pubtae
e ao Sr. Dr. Lucas Hangel.
Recife, 26 de julho de 1870.
Padre Antonio de Mello Albuquerqtu
COMMERCIO.
#
V



PRACA DO RBCIFE 26 DE JULHO.
DE 187.
as 3 ir? uobas aa TAJtas.
Cambio sobre Londres 90 Tv 23 d. por ifJtm
(hoje).
Dito s.bre dito-9 ir<. 23 d; e 3 Ijg por !Mr.
(hontem).
arabio sotire faris 90 djj. 415 rs. por /ranu-
Frete de algodo daqoi para HamburgsTilfi ati
lib.e 5 Ofi (hornea). "**
TUto do do por ordes noifjanali\1 . aJM-st>
1 (honternt. ^
iJonealloJos Aioaao.
**wniu ivmr.
Whi*flVbMlBV i A
english nm
BQ d /aaeiro LinaidW
da prsja p&+ tm-
t
1!
Deseoata lettras
ejjcionar.
Recebe dinheiro
Irasd ie.
Sica vista oa a orago sobfe e cidao>?
em coate consta tua
ros, depois de bem catechsade pele bathareU jrlncipaes da Europa, tem corresponded!*
1 IIEGNEI
p



*
'fcritf d* MaifebUto *- Qawrfci feira'*f d Ml %
rrrr=:


u Babia, Boei*ihwi Mbatevido, ,New fr* Kw-ki*jnm aior r*. !^ ttege ao
- ^ I ,. I ..ana .^**a ,__,_ ____ ^-- -__ato lAu _,-_
Nw-Orleanfc a einittt ras de crea to
ALFAffDCOa,
A*ttnM4d{lal5 826:202*913
do d 26. ~ 46:198*69
872:50l**U
MOWMSNTO DA ALPANDEGA
f fllBS MkMR40*- CA faltadas
Idea dem eom genero*
Volamos sahidoe cata f axendaa
dem de ectn teteras
314
8
-----5
19
1006
1227
DnaaTmi" boj* & ie j"lh,
arca iagetaJfiiiw*amercadorias.
tfarea franeeiaIVidwnamerca dorias.
Marea inglesaMnmii Gray -dem.
Barca inglezOtardem.
lUrca portaguea.4/*rai4r HfrctUnnoidwn.
Barca inglesa0: ai.' PArsi-vlrrhos.
(nuca ingietAtalanta farioha e taboado.
Brigae suecoBtrefarinlu de trigo.
Patacho norte-allemaoLevantediversos gneros
Brigae suecaMinadem.
KKCKBEDOHlA DB RBNDtIS INTERNAS lili-
RABSDB PERNAMBUCO. __
ttendimentode di 1 a 26. 60:378X719
dem do a 2*...... 1*674669
1*000, 8 fibras d rirttln d fRflnhao a 160
jets, meia labra: da barva dea per 1 reav *>
libra da- ea ateto a 2*000, 1 qaarta de cha verde por 560
res, 49 doiias de pase de pomada a 240 raa, 9
latas da sardiataas da Nantes a 326 res, 3 maeos
de goma de milho a 320 res, 24 latas de biseooH
a 1 000, 3 dhu ae ditos menores a 500 res, 16
feixes e leoha por 200 res, 2 pipas vazias a
12*000, i dita oom 2 caad* de rinbo por 18*,
1 barril eom II caadas de vinagre por 26*000,
I dito eom 2 ditas de agurdente por 4*000, 27
mar; s de cigarros a 40 res, urna porcao de ci-
garros sollos por 200 reis, 5 qnarttahas de barro
a 100 rea, 3 lgalas de dito a 40 re*, 9 macos de
palitos para denles a 100 reis, 5 pecas de corda<
por 50 reis. Os qnaes vio a praca por execn^ao
de Antonio Jos Dantas, contra Antonio de Miran-
da AC.
E para que cheque ao conhecimento de todos
mandei fazer o presente, que era afflaado nos
lugares do cosame e pela imprensa.
Dad e paasado nesla cidade do Recife aot 8
das de iulho de 1870.
Eu, Ernesto Hachado Freir Pereira da Suva,
ser i vio o escrevi.
Se hastia do Rugo Barros di Laceria.
tt''GwF.dV,'iitiie4a :
A awapi apptaodlda eameala eaa na acto, or-
nada da nMsica,
ims di mm\
Toma parte a benefletada e o anter Habla.
A beoffielada desde ja se antecipa a agradecer
ao Ilustrado publico pernamnaeano, a quera pela
ariaeeira vez recorre am'tan da aoa nanea des-
mentida proteccao.
Peda igualmente ao generoso publico que loe
dispense ae faltas qne per vanara se houvaram
de notari, qoadto ao seenario do theatro, visto,
como este nao se aeba aioda preparado.
Ao Sr. Coimbra agradeea a aua poilaaOOpiea
condescendencia em lio bem se manifestar a ser-
i-la.
"r'-Ki, .* y ,\ flEtSa),*.
,cu aa caiga eugajau.1; j p.ra . que lbe//*rta e
. eseravos a frete, trau se eom o eensignaisfiaMoa-
qnim Jos Goncal ves Maltrio a ra do CoaMBat
n. 17. i
' Y rMiiiiSn
61:456*388
CONSULADO PROVlNCAI.
Kendiraento do dia 1 a 25.
dem do dia 26
118:092*035
4:139*091
122:231*126
MOVIMENTO DO PORTO.
Sirios entrados-n Ha 26.
Liverpool por Lisboa24 das do Io 18 do
ultimo, vapor inglez Gladiator, de 459
toneladas, comtnandante S. Wlliam,
eajuipagem 24, carga faaeodas e outros
gneros: Tnoraaz Jefferees C
Mazatlan104 das, barcav franceza Len,
de 343 toneladas, capitio, equipagem 11,
carga pao brasil a orden.
New-York38 das, patacho inglez Brisk.
de 200 toneladas, capitu Banhs, equipa-
gem 8. carga diffweole* gneros ; Tas-
so IrraSo.
Sonthampion e porios intermediosvapor
inglez Douro, de 1757 toneladas, com-
mandanie A, Hule, equipagem 140, car-
ga fazendas e outros gneros ; Ada-
rasonGowe & C.
Navios saludas no mesme dia.
t.-inalBrigne norte-aJlemo Taeresa, ca-
pito Kepler, carga cinza e cssos.
Para Brigue portognez Aprigio ca-
pito AntonioPenna, cargaassncar agur-
dente e outros gneros.
Riq d^ Prata e portos intermediosVapor
inglez Donro, comtnandante Hole.
SP
EDITAES.
? Dr. Sebastian do Reg Barros da Lacerda, jaiz
de direito esperikl do cominercio nesia cidade
do Recife de Pernambuco, por S. M. I. etc.
Facp saber aos que o prsenle viren] e delle no-
! Ma tiverem. que no dia 27 de iulho do crreme
amo, se ba de arrematar por vena em praca pu
aiea desle juizo, depois da respectiva audiencia, o
a ate :
Um sobrado de dons andares e solio sito a ra
et'reita do Rosario n. 2a, coin 81 1)2 palmus de
el nprimentn e 20 de largo no vao, eom 2 salas e
uartos em cada andar, cozmha tora, avahado
pk 5:000.
vm sotrado Je ara andar e sotao silo ra das
A puf- verde n. 2 oom .'l palmos da e.iuilil'lliirii-
(,, e 15 d '"B"' <",m 4 !!! p 4 aliarlo, e no "
tia> pequeos quartos, cozinha, eanr pequeo
oBjnfel, avaliado por 5:000*.
Uip sitin ua travessa do Brito, fregueiia de S.
'osjehftos preprio?, co^heira, estribara, eom 850
palmos de frente,'aiem do alagado, e 400 de fonde,
c.im arvoredos avaliado por 18:380*.
O* qnaes fjram psnhorados por e.tecngao de
Manoel Pires Ferreia coatra o major Antonio da
Silva Gusmao.
E nao havendo qnem cubra o preco da avalia-
^io, a arreraataco ser feila pela adjudicai.-o,
s^ndo do sobrado da ra estreit* do Rosario n. 25,
adjudicado por 12:000*. Dito da ra das Aguas-
Verdes n. 2, adjudicado po" 4:000$. O siti na
trave=sa do Brito, treguezia de 5. Jos, adjudicado
por 14:704*.
E para que chegne ao conheciraento de todos,
idaodei passar o presente, que ser publicado
pela impren-a e afflxado nos lugares do costme.
Recife 2 de julbo de 1870. En Manoel Maria
l'.odrigues do Nascimento. escrivio o subscrevi.
Sebastiao do Reg Barros de iMerda.
9 Dr. Sebastiao-da Reg Barros de Lacerda, juii
de direito especial do comraercio desta cidade
do Recife capital da provincia de Pernambuco e
sea termo por S. M 1. que Deus guarde etc.
Faco saber aos que o presente edital vlrera e
dille noticia tiverem, que no dia 27 de juina do
corrente anno se ha de arrematar por venda a
bens seguales:
Arraacao e seas pertenees da taberna das Cinco
Pontas n. 30, inclusive balinca* e carleira por
1">0*000, 11 bacas pintadas a 600 reis, 9 orins
de ditas cores a 600 reis 5 bules de ditas a 600
reis, 20 dnzias de tigelas de ditas a 1*200, 2 du-
zias de pratos de beira azul a 1*200, 8 duzias de
cazaes de chicaras e pires pialados a 20000, 5
potes de barro a 320 reis, 176 garrafas de eervja
nacional a 240 res, 24 raeias ditas de dita dita a
120 res, treze "garrafas de cervja prta a 240
re, 50 ditas de dita franceza a 500 reis, 68 gar*
rafas de vinho Bordeaux a 500 reis, 24 ditas de
vioho do Porto a 800 reis, 38 ditas de licor a 400
reis, 37 frascos de genebra a 320 reis, 20 botijas
de dita a 300 reis, 12 frascos de conserva a 600
leis, 10 latas de azeitonas a 800 reis, 150 duzias
de eaixas de phosph iros a 200 reis, 15 ditas de
ditos seguranca a 300 reis, 67 ditas de ditos do
gaz a 200 res, 39 eaixas eom graixa a 80 reis,
i libras da aletrta a 400 reis, 4 libras de taHia-
rira arruinado a 200 reis, 6 libras de sag a 320
res, S libras de caf em carco a 160 reis, 2 deca-
litros de (tijao prio a l*280j 6 libras de cravo a
:>00 reis, 6 ditas de pimenta do reino a 320 reis,
', ditas d alinean a 320 reis, 8 ditas de alpista
3 160 r-.is, 10 ditas de maearrSo arruinado a 200
O Dr. Sebasiio do Plago Barros de Laoerda, jai-
do direito especial do oommerelo desta cidada
do Recife de Pernambuco e san termo, por Sna
Magestade Imperial, que Deas guarde, etc.
Fago saber aos que o presente edital virem e
d'elle noticia tiverem, qne dentro de 90 dia da
pnblicacj do presente, recebe este juizo proposta
em carta fechada, para arrematacio por venda a
quen mals offerecer sobre avaliado de 500* dada
escrava Miquiina, crioula, eom idade de 40 an-
nos pouco mais oa raenoa, sabr a avaliajo da
250*, dada escrava Coastantin*, crioula, eom
idade de quarenta annos pouco mals ou menos, as
quaes foram penhoradas por execucao de Leopol-
do Ferreira Martina Ribeiro, contra Salvador de
Siqueira Cavalcanli, caja arrematacio ser-feila
pela forma que determina o art. 1* do decreto n.
1,665 de 15 de setembro de 1869.
E para que ehegue ao conhecimento de qnem
interessar possa, mandei fazer o presente edital,
que ser afflxado nes lagares do costume e pabli-
cado pela imprensa.
Dado e passade nesta eidade do Recife de Per-
nambnco, aos 25 de junbo de 1870
Eu, Ernesto Machado Freir Pereira da Silva,
escrivao, o escrevi.
Sebaiao do Reg Bai ros de Lacerda.
DECURACOES.
SANTA C.\SA DA MISERICORDIA DO
RECIFE.
A Hlrn.a. junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recife manda fazer publico que
na sala de suas sessdes, no da 28 de julho, pelas
4 horas da tarde, tem de >er arrematadas a quem
mais vantagens offerecer, polo lempo de um a trer
annos, as rendas dos predios em seguida declara-
dos :
ESTABELEC1MEMTO DE CARIDADE.
Ra do Padre Floriano.
Casa terrea n. 63.......177*000
dem n. 47.......171*000
Ra larga do Rosario.
2.* dito do sobrado n. 24 A. 400*000
Travessa de S. Pedro.
Sobrado de 2 andares n. 2. ... 602*000
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Ra da Senzalla.
Sobrado de 2 andares n. 136 601*000
Ra da Cacimba.
Casa trra n. 12.......147*000
Ra do Pilar.
dem n. 104.......200*000
dem n. 102........202*600
dem n. 103 ........203*000
dem n. 93.........204*000
Ra da Guia.
Casa terrea n. 27.......147*000
Sitio da Mirueira n. ...... 107*000
Os pretendentes deverao apresentar no acto da
arrematarlo das suas naneas on eomparecerem
acompanliados dos respectivos fiadores.
Sef rataria da Santa Casa da Misericordia do Re
cfe, 2 de julho de 1870.
O escrivao,
Pedro Rodrigues de Soura,
laspecfo do arsenal de
marlnha.
Faz-se publico que a commissao de peritos
examinando na forma determinada no regulamento
annexo ao decreto n. 1324 de 5 de fevereiro de
1834, o casco, machina, calduira, appareJho,
mastreacio. veame, amarras e ancoras do va-
vapor Mandah di companhia Pernamtmcana de
naveqacua eosleira, achon todos esses objeetcs em
estado de poder o vapor navegar.
Inspeccao do arsenal de manaba de Pernambu-
co 25 de julho de 1870.
O inspector,
H. A. Barbosa de Ameida
Juizo dos feito-; da lazenda
De ordem do lllm. Sr. Dr. juiz dos feitos da fa-
zenda desla provincia, fafo saoer todos os arre-
matantes dos bens do extincto vinculo de (tamb,
e bem assim seas fiadores, que dentro do praso
de 15 das, a contar da dala' deste, e sob as penas
da le, deverao comparecer por si ou por seus pro-
curadores na thesouraria de fazenda ; aquelles
que arremataran] vista para recolherem aos co-
fres da mesma lliesooraria em dinheiro e contado
o respectivo preco, e aquelles que arremataran)
praso, e seus dadores para assignarem as letras,
qae se obrigario aceitar e garantir.
Recife 26 de julho de 1870.
O escrivao.
I.uiz Francisco Brrelo de Ameida.
THEATRO
DE
SANTO AMO.
SOIRE DRAMTICO
QHiata-felra 88 do corrente
BENFICIO DA ACTRIZ
MMMtJk MMMTA'
PRIMEJRA PAUTE.
Depois de ama brilhante ouvertura pela orches-
tra subir a scena Reste theatro a comedia em 1
acto
TO torquato
SECUNDA PARTE.
EXEUUglO DE FLAUTA
Para o referida pepa pretende segur eom nra--
vidade o patacho naeional Prolet^ pW *r
maior parte da eargajaiompta ; e pato i*a*j, a
frete mdico, traia-se "eom o consirtarto' Joa-
quim Jos Gouealves Beltrao. ra di ffliaanuaHi
a. 17.
PARA.
Para o referido poRb, preteBde seguir eom
possivel breviiade a-tarca portugueza S.
por ter ja porcao da carga, e para a que Ibe
Boga aindauma vez s pesseas 5J5SS. OToonV-r BeJtS?- a S?T
rem acceitar bilhetes pera esta nonie o obaeqmo meJJ.jo ,7 uoa\ves enrao a ra ao
de satisfazerem as suas portlas na mesma oc- i^i^^m^m^^
caiao do espectculo, em virtade da sua proxim
retirada para fra da provincia.
Principiar s 8 horas. ,
PRBC08.
LEILOES.
1.' ordem.....
2,' ordem desda n. i at Id..
Os mmeros 11. 12, 13 e 14...
D*n. Mate24.......~....
Cadeiras...................
8*000
10*000
12*000
0*000
2*000
M
AVISOS MARTIMOS.
Da barcada denonatada Academia.
qial paga 148 sacras oo 7 mil arfWas de
car^a,
RIO DE JAREIRO
Para referido porto ist pro- pw i recebar
carga frete o brigtie bTasleiro Qthelo : tratar
eom seus consignatarios Amorim Irmaos & C
roa da Crtiz n. 3.________^_______^_
ii wsm
m
Paquetes a vapor.
Dos portos dp norte esperado
ate o dia 28 do corrente o vapor
Guar, comtnandante o capitao"
lente Pedro H. Duarte, o qnal
depois da demora do costume
seguir para os do sul.
Desde j recebem-se passareiros e efigaja-se i
rga que o vapor poder eonduzir, a qnal devers
er embarcada no dia de suachegada. Encommeu
las e dinheiro a frete at as 2 horas do dia da sua
taluda.
Sioserecebemeomo eneommendas sene ob '
jeetos de pequeo valor e qne nao excedam a doar
Tobas de peso ou 8 palmos cbicos de modicat
rudo que passar destes limites dever ser embar
jado como carga.
Previnc-se aos senhores passageiros qne sua?
paesagKBs s se. recehera na agencia, ra da Cruz
n. 57, 1 andar, eseriptono de Antonio Luiz de
Oliveira Azevedo A G.
Hoje
Qaarta-fetra 27 de jofto, s II horas em ponto.
No caer do Ramos.
O agente Pinto far leilio precedida a com-
petente aqtorisacao da barcaca cima .mencio-
nada a qnal esta fundeada em frente do cae, on-
de pode ser desde j examinada, sendo qne o lei-
j lio se elfeetuar s 11 horas do dia aeima dito.
LEILAO
DE
9 barris eom sardinhas, quinta-tetra 28 do
. corrente.
O agen/o Pestaa far leilio por conta e risco
de quem uertencer, de 0 barr* eom sardinhas de
Liba, setan vendidas em lata no da de quinta-
feira 28 do crtete, s 11 horas" da manhaa, no
trapichado Cunta.
nerrurm*
*ft mUf tF^i* vrn,^
WajMr: f asearradelras, tape- a|fe*,) i/mm jtur.. imatrn rotrau* ipta>x-
Ijlidbs fthi> no noso estabeleflmento da aheto-
ia rna do Cabug, esquina do patae da
; peco para elles a attene.ao do iltustradi
desU capital.
J. Ferreira TiletU
iro h"uras rfWl
tes, panos do croch, auas serpenliiia>, seii vasos
e qoatro eaallcaes.
lima outra mobHi%daf fiereoscopo, urna pis-
tola, dous albona, exeWteane secretaria, urna
atlante, difiere** vrea, dow endieiros e dous
tapetes. .
I Urna cama fraoeza, enpuh e eeriinados, um
Met, or MMa, tal guarda Mido, nm guarda
Mtpsf nm hrvatorl e pertenees, nm porta-loalhaai
eeatros objMea.
Urna mes* elastiea am eaceHwrte fuarda louca,
ntt aparador dan aXaV dna cadajCa de bracos e
dote de anarlcjK nm retofto > pirede, duas es.
untes, dons eaMdlefrOs a gat, tttt eeolo de altan
ce, dous meios aaparWbee dr perealana para jan-
ur, dons ditos paWena, mpd*, ealices, garrafaa,
Mpateiras, port-anerj, galtteteiro e bandejas.
B> guarda tonca pequeo, ah aparador de can-
a, aaa mesa eom abas, dben espelbos, orna mar-
queza] doze eadiras, nm relogio, nm lavatorio,
um guarda-comida, flrandres, bacas, tren de co-
zinha r muitos objectos existentes no30BBADO
(jjyMlUA DIRElTA N. 34.
Terqa-feira, 2 de agosto
Jos Jeronyino da- Silva, tendose retirado para
> Seropa- eom sna familia, far leilio por nter-
venci do geme Pmto, dos mover, loue,a e mais
objeetos cima descriptos, existentes no priweiro e
segundo andar do sobrado da ra Direita n. 34,
Me se eftectuai o leilio bo da cima designado.
Prhtnpiira ae dez horas em posto por serem
muitos os lotes.
VMttmlvo.
frecisa- se de um caixetro brasileiro de 16 a 2t
wHPm da hfade, que tenlia bastante praiiea e ta-
bern # wa mHi^erial n. 2
Irmandade
alan >s do rorpo Santo.
*Iio tendo comparecido no' dia 25 do CTreate
mez numero sufflcienle de trmao* para se eoaatt-
lair mesa geral, de novo sao eoffridados os noseeo
charissimes irmaos eomparecerem no consistorio
dar irmandade, na quinta-feira 28 do crreme, a
A-loras da tarde, alim de reunidos em mesa ge-
r, (ratarmos de negocios relativos irmandade
Ue'crivJo,
, Manoel Jos dos Santos.
Pi ecisa-se
de urna ama para eoziohar e comprar para rasa.
de horoem sotleiro : ao progresso di roa Mreita
n. 33.
Atiendo
Cnntinnase a forneeer alntoco e jaotar :
brado da nm streita do Rosarte b. 36.
mmmmmmmm mmmm
ADVOGAGIA.
0 DR. JOAQTM CORREA DE ARAUJO |
tem o sen escriptorio ma do Imperador fi
n. 67,. ende pode ser procurado das !> bo-
ras da manhaa s 3 da tarde.
Companhia americana e brasl
lelra de paquete a vapor.
At o dia 1" de agosto esperado dos portos do
sul o vapor americano Norlk America, o qual
depois da demora do costmn- seguir para New-
York, tocand* no Para e S. Tbomaz, oara fretes
e pawagens trata-se eom os agentes Henry Fots-
ter & C, ra do Commercio n. 8.
Prec^ das passagens para o Para.
As passagens para o Para na 1* classe custa 120fi
> > na proa >
uo mn m si.!
Para o indicado porto recebe alguma carga a
frete a barca naeional Santa Mana : tratando-se
eom os seus consignatarios Amorim Irmaos 4 C.
roa da C nzn. 3.______________________^
COMPANHIA PEtO^AMUUCANA
DR
liave^aco eostelra por vapor.
Parahyba, Nata'. Maco, Mossor, Ajra-
ca'ty, Cear, Mandah, Acarac e
Granja.
"*v?r* '"* vaPur loojuca commandan
^a Moura seguir para os porioi acl-
''Bafc* ma uo dia "10 do corrente as 5bo.-
u tarde. Recebe carga at o du 29, eacoiu-
sendas, e passageiros e dinheiro a frete at as
2 horas da tarde lo dia da sabida no escripto-
rio do Forte do Mau.-s n. 12.
Aracaty
FAZENDAS GERAES
28 d'> corrate.
Magalhaes Irmaos farao leilio, per intervencio
do agente Oliveira, de um esplendido sortimento
de fazendas novas de iinho. I Tu, seda e algodio,
todas appKipriadas ao mercado, e que agradarlo
aos sen? lons freguezes, qncm convidam para
Quinta-feira.
s 10 horas da manhaa, em sen armazem sito
ra da Caveia.
LEILAO
DE
1 um sof de ainarello, 1 mesa de meio de sala, 9
cadeiras de amarello, i marqneza de dito, i
meia cor moda o>. amarello, i mesa de pinho,
4 cadeiras, 1 lavatorio, 1 candieko, 1 espelho
pequeo, umi porfi de roupa nsada, 1 botio
de ouro para abertura e 2 tullas novas.
Quinta feira 28 do corrente.
O agente Martins, far lcllao por ordem do lllm.
Sr. cnsul de Portugal Dr Clandino de Arujo
uimaries, dos movis cima, pertencenles ai
espolio do subdito portuguez Manoel de Azeve-
do Santos, na ra do Amorim n. 21 terceiro an-
dar, s 11 horas do da.__________
LEILAO
DA
Graifrle casa terrea n. 11 da ra de Santa The-
reza em Oliuda, eom 91 palmos de frente e 88 de
fundo, cem uina meia agna pelo lado do sul, eom
177 palmos de frente e 23 de fendo. eom ontra
meia agna do lado, do norte, eom 98 palmos de
frente e 23 de fund, grande p.mbal do mesmo
correr eom 66 palmos, quintal grande e todo mu-
rad) e um grande viveiro.
Sexta feira 29 de julho.
s 11 horas em ponte.
Por intervencio do ageste Piule. Em scu es-
criptorio a ra da Cruz n. 38.
MUDANCA.
O Dr. Carolina Francisco de Lima San- B
tosMiradou sua residenoa e eonullorio JJS
para a ra do Imperador n. 37, 2o andar 2
do sobrado cojo armaxem conserva ain- J
da hoje o nome de Alianza, tendo a jM
entrada, que pelo lado da ponte Seie S
de Setembro, o mesmo numero 57, da {'j
frente. Ani continuando o dito Dr. no fias
exeraeio de sua prosao de medieo e S
de operador, pode ser procurado a qnal- J|
quer hora do dia e da noute.
I#vvar mwmmwm
Precisa-sa de urna criada coznheiro: na rua-
do Imperador n. 57, 2o andar, entrada pelo lado
da ponte.
A pessoa que auaan.'hu
qnantia de 460# a jaros, venha
S. Jos n. i.
HTS
ru*a>
Segu eom a possivel brevidade o palhaboie
Emilia, anda recebe alguma carga afrete : a
tratar eom S Leitao Irmaos, ra da Madre de
Dos o. i.
LEILAO
Das casas terreas da rui de Santa Cruz bs. 01
e 66 e C eom grande quintal murado, sendo que os fundos
das primoiras dio para o fando da casa na rna
doCotovello eom jortio, tendj urna das casas
grande solio.
E- esperada do Rio de Janeiro em poueos das a I Sexta feira 29 de julho s II horas e meia em
Maranho
barca portugueza Maria, que traz j alguma car-
ga para o referido porto ; e descarregando a que
para este eonduzir, receber aqni a que for pos-
sivel obter para o Haranhio, o eom ponca demo-
ra : por isso quem' desejar aproveitar esta boa
occasiao de embarque, diria-se ao consignatario
Joaquim Jos Goncalves Beltrc, ra do Com-
mercio n. 17.
Maranhao
Segu eom brevidade para o porto cima o pa-1
Ihabote nacional /orn .4r/', anda pode recebar
alguma carga e '-ata-se eom os consignatarios'
Antonio Luiz de '* iveira Azevedo h C, ra da
Cruz n. 57, ! andar.
Fara o Porto.
Acha-se carga o brigne portuguez Triumpho,
pera onde recebe por (rete commodo : quem no
mesmo quizer carregar enlenda-se eom o- consig-
natarios Tnoraaz de Aquino Fonseca 4 C, ra do
Vigario n. 19, 1 andar.
COMPANHIA PERNAMBCANA
DB
iavegaco costera por vapor,
Mamanguapo.
0 vapor nacional Coruripe, eommandaote Sil-
va, seguir para Mamanguape no dia 28 do cor-
rente as 6 horas da tarde. Recebe carga, eneom-
mendas, passageiros e.rtiBhejiro a frete al as 2
horas da tarde do dia da sabida, no escriptorio
da companhia, Forte do Maltes n. 12.
ponto
Por intervencio do aconte Pinto, em sea escrp-
torio n ma da Cruz n. 38. ____________
LEILAO
DE
300 sacc s eom farinha de man-
dioca
Sexta-feira 29 de julho, s .11 horas.
O agente Pinto levar leilo, requerimento
do depositario geral, e por mandado do lllm. Sr.
Dr. juiz de direito especial do c mmerdo, 300
saceos eom farinha de mandioca perteneente
Eduardo Alkains, vindas na barcaca Academia,
mestre Jos BarBoja, procedente de Aracaj e
existentes no trapiche, onde se efectuar o leilio
s 11 horas do dia cima di o.
Urna pessoa habilitada, que lem dado alguns
discpulos promptos e que teem sido approvados
as materias latina, francez e rhetorica, propoe se
a leccionar as mesmas materias, das 3 horas da
tarde em diante. Pode ser procurada ra do
Jardim n. 43.
Precisa-se de urna ama qae conaWa en
gomme para casa de potiea familia ; a tratar o*.
praca da Independencia, toja de chantos nnaaaro
8e 10.
mmmmmmmaammmmfMmm
Joaquim Gomes bardiv, Fti.-a Mana da Cuaeri-
cao. Antonia Mar da Silva ValK, Retalia'da Su-
va VaHe e Constanea da Sirra Valle, gearo e- fi-
Ihas do finado Jee Rodrigues da Silva fiHe..
agratleeem a toda as paasua qae se dgnaram
acompanhar os resana mortaes- do mesmo no da
21: do corrate at- o eeimierio psbiieo ; e de as
vo*convidam a lodos- os pareles e amigos rmr
as-i-tirem a missa do 7* dia (27 do correte ) qne
se dir na igreja matrii de S. Jos#, das 5 a* 7 ho-
ras da manha, peto qne se coufcssam desda j-
gratos.
ATTENCAO
Ainga-i ou contrata~se na ra de Rangei a.
46, ora' carro graode < uwito commodo, paca a
ciuade da Victoria. sen-Jn a sahida dn carro bo
dia qointa feira as 3 ho/as da tarde ; preco geral
para viagem de ida e voita 2O0DO, conduand a
carro al- o numero de !! pessoas paradas a ">
eavallos gordos e kros : qnem ijhizer contratar a
sua viagem deve vir de v> apera. ___________
Roga-se ao Sr. Francwi Cardosua Cimba
que annuncie sua morada para ser procurado *
negocio de sen inteiwe :. o isto eam TlrRMri.
Na ra Nva n. 4 precisa-se de um eaixeiro
que tcnba pratica de loja de terra^ens, offerece
vantagens.
Offereee-se urna senhora portuguez; de bnns
cosiumes para casa de pouca familia engomma.
e cose eom perfeiea : a tratar na ra da Au-
rora n. 48 primeii andar.
Perdea-e da estar;5o da ra Formosa
at Santo Amaro, no domingo 24 do cr-
rente, um relogio ele ouro para Sra.; roga-
se pessoa que o achou de fazer o obsequio
de o entregar na ra do Crespo n. 5 loja,
qoe se agradecer ou recompensar. __

A vinva e fllhos do finado Dr. Joao Ferreira da
Silva convidam todos seus amigos e prenles,
afim de assistirera algumas missas e memento,
que por alma do mesmo tinado mandam celebrar
no dia 27 de julho, pelas 7 horas da manhaa, no
Hospicio de Noaea Senhora da Penlia, primeiro
anniversrio de sen passamento._____________
D. Mara Joaquina de Oliveira Campos, tendo de
fazer remessa para Ptrtogal dos restos mortaes de
s-u sempre asss lembrado marido Bernardino
Francisco de Azevedo Campos, convida os seus
parentes e os amigos do Asado a Ibe fazerem o
cardoso obsequio de assistiiem as missas e me-
mento solemne que pelo dcicanco eterno de sua
alma, manda celebrar na quinta-feira 26- do cor-
rente, pelas 7 horas da manhaa, na igreja da ve-
neravel ordena terceira do Carmo ; pe que des-
de ja manilesta sua eterna gralidio.
i riTiTiMawilwirtiiwr i onaii UlIrlIl'INI lli

Ocapitio T.borcio IMari da Silva Tivares. Dr.
Ernesto Feliciano da Silva T.nares, Altred.) Deo-
deofano da Silva Tavares (ar.sentv), convidam toa
seus amigse prenles para assiann algumas
missas, que mandam rezar nocunvenlo do Carino,
s 7'lnras de manhaa d > da 28 oo corrate, pelo
repouso eterno do seu presado pai, o conselheira
Tburcio Valeriano da Silva Tivares. falreeido na
corte 12 do corrente; e p >r cujn acto de cari -
dude e rcllgiio, desde j s>> mostram agradecidos
as pessoas que eomparererem.
-------^-v.,,. .._,, , ^>2J5fi3*naiaa
GozinheiKi
Preeisa-se de um cozinheiro : na rna do Quei-
mado n. 12. 1* andar.
Sauirs Brother* &
vendem libras esterlinas.
C. Cjrpo Santo u. 11,
COMPaNH
DOS
THLHOS URBANOS
DO
recife a9 1*3s!*.*-
Avisa-se ao respeitavel ih1)Ip;< >u i.
o fim do corrente mez baver m'i.iiii
das viagens de manhaa e duas laioe1, t.u-
to de ida como de volta, sendo de m.i.f.iw.
s ft e 8 boras para Ol ida, e de la para
o Recife as 7 e 9 horas ; a tarde o Io trem
partir para Olinda, s 4 horas, e o 2? as
G, e de volta ao Rdcife partir as 5 e as 7
horas.
0 supreintendente.
A. de Abrtu Porto.
m
$ $ v *
Antonio Pinlieiro Paz de Lyra manda resar ama
missa por alma de sua prezada sobrmha D. Isabel
Francisca de Menezes, no dia sabbado 30 do cor-
rente, pelas 9 horas ea manhaa, na igreja matriz
de N. S. da E:cada, no stimo dia de sen falleci-
miento ;. e para isso convida a todos os seus pa-
rentes e amigos para assistrem a este aeto de ca-
ridade e religiao, do qne ficar eternamente agra-
decido.
ATJUM
Movis, louca crystaes
A SABER
Xo primeiro andar
Um piano, urna mobilia de Jacaranda, dous e-s
Altenfo.
Na ra do Hospicio n. 3 gratiGea-se eom gene-
rosidade a quem achou e quizer restituir urnas
chaves atadas em um lenco d-> cambraia, sendo
perdidas da estacio das Cinto Ponas ilha :os
Hatos, no dia 2o.________.
Precisa-se alugar um cozinheiro para casa
de ponca familia e que seja de boa conducta : a
tratar na ra da Cadeia do Rscife n. 35.
O poSyglota So Jornal
do Recale.
(Almanak de Pernambuco pag. 222)
Ferradores:
Joaquim Jos dos Santos Jueior, ra do
Imperador n. 13.
Joao Ferreira Gome?, roa de Imperador.
Julio Rodrigues da Silta, ra do Impe-
rador n. H.
Lucio, ma do Imperador n. 13.
A BOHEMIA AZUL.
s
Afn]$lo
Qnem precisar e quiaer comprar ama riea ar-
macao de amarello, forrada de louro, para qoal-
qner eslabeleeimento, dirija-se ra- Direita, casa,
n. 12, qoe achara eom quem tratar,___________
Precisa-se de urna ama deleite: na
d) Corredor do Bisyo n. 13.
r.mtr.1^- a^jSmi'
-^___ Este importante estabelecimento no sen genero, tem sempre nm sortimento sem igual
J -' e vende por presos que nenhnma ontra oasa pcte vender.
i!'
CABfJGA
esquina
Boeario.
rerdade.
Garante-se ser tudo de lei. Oon^ra-se ouro, prata e pedras finas por presos muito ele- "Rosario,
vados,
est aborta at s 9, horas da noute.
GlVft

%-r***


Diario de Pemambuco Quarta leira 27 de Jalho de lf^O
x

*o
c3
-O
O
03
es
1
0
.A|l
PHARMACIA CERTKAL
Ra do Imperador n. 38
Xarjpe. e lactucario d'Anl)ergitr, de
thery dedo d'Abbadie recommendados,
como calmantes para os casos, em que se
nao pode osar do opio e de seos prepara-
dos, e mu convenientes para as enancas
owilsrj
DOR N. 38.
Preparados d'alcatrao em capsulas, licor,
e xarope ferruginoso.

V
Este antigo estabelecimento. acha-se hoje montada n'uma
escala de poder servir vantajesamente os seus freguezes, atien-
to o grande sortimento de joias d'ouro, prata brilhaiites, que
sempre tem e reeebem mensalmente das principaes fabricas da
Europa- eujos prepos sao em competiveis e as obras garantidas
de le.
_____________JMOREIRA 111 ARTE C.______________
m BttaBttE ,, Creado.
i
aEF.2.-gs
* 2 M a ^
3 W -3 'O O
o a> croe
=5 oa a..-

O (/}

31 gs
g
a "O o>
ST &> M i
g m ^ srsg-o 2
= O 5 g-
o- M a o*-!' a
as
g* &Z
8 2.3
3 sr o '
ca
3
$0
O
V
p
p-
o
~
Precisa-se se um oreavo fiel, de moito bons
costamos, e qtie d fiador sua conducta : diri-
ja-se raa Bella p. 37, sobrado de 8 andaros.
- Precisa se Alugar urna escrava para cozinhar
e engoromar : na rus, do Crespo n. 83.
ce
3. Q,
3
9 t,
2 5

e."
2 c^^-b
E3 t 0> 3. i
ft, CO ^ C CP
ja T o 3 _.
so-" oa
2.
11 &'S .
&2-3 c o-S.
3 g.
9 3 *S a
a a -i P
=
O
O ct>
3 B
o

3
3
B W^a
=-.o.2c
9o38.
B 3. O ce so _
" 3 c
_, ! _. C 03 09
g a
o U a
M 3 ,-, 2
s ro
" U ej m .,
o o.- a> *
-" B B-
II S9 V
.2.

o
t
rt-
s-
O

c>

di
o

J-'
O
ATTENQfiO
''Urna pessoa habilitada prop5e-se para mestre
de msica de guarda nacional, ou sociedade, sen-
do distante desta cidade : quem pretender dirija-
e a roa de Santa Rita n. 1._________________
SAQUES
Joo do Reg Lima sacra sobre a pri;a de Lis-
boa : ra do Apollo n. 4.______|________
Deseja-se (aliar com o Sr. Clementino Fer-
reira Gomes negocio de seu interesse : rna do
Commercio n. 17.
A luga se
o 2* andar do sobrado da ra dos Maayrios n. 4,
muito fresco e cora modo para grande familia:
quem pretender drija-se ao mesmo sobrado, no
i' andar.
TINTA PAEA IMPEESSOES.
Nsta typographii ha um grande deposito de ti ta
p ra yp. grahii, fobrieada na Inglaterra, de quaidade
superior, e que retaliada em barris de O a 100 libras
por preco commodo.
Bernardino da Costa Ferrtira vT para Eu-
ropa e deixa por seus bastantes procuradores aos
Srs. Manocl Ferreira da Cruz, Julo Jos dos Santos
e Jos da Costa Ferreira.
ios Jeronymo da Silva lendo de fazer urna
viagem, deia por seus procuradores durante a
sua ausencia aos Srs. Joaquim Lopes Machado,
Joaqnim Theodoro da Silva e Augusto Frederico
dos Santos Porto.
EfRL ROA DO IMPERA-
DOR N.38.
Pillas-de Vallet.
Plalas de Blancard.
Pillas de Bland.
Xarope furrnginoso de Blancard.
Gonfeites de lactato de ferro.
Pillas de carbonato de ferro, lactado de
ferro, iodureto de ferro com magnezia.
Ferro de Queveone.
Assucar ferruginoso.
PHARMACIA CENTRAL RA~DO
DOR N. 38.
Vboo e xarope de pepsioa e Jdiarthare,
excellente tnico para auxiliar as digestoes
difficeis nos casos de debilidade do esto-
mago.
FHABMACIACENTRAL RA DO 1MP
DOR N. 38.
Agua bemosthalica de Lechelle, mu re-
cotnmendaJa em qualquer caso de hemor-
rbagia, e principalmente na thysica pulmo-
nar, e as hemorrhagias uterinas.
PUARMAA DENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Xarope de rbano iodado excellente com-
binaco do iodo com o sueco de plantas
anti-scorbuticas. ,
Este xarope empregado com grande
soecorro contra as molestias da pelle, os
engorgitamentos escrofulosos, o rachitismo-
cachloroso.
O vmho iodado de joly, e oleo iodado de
Personne, sSo recommendados para os mea-
mos casos, e encontram-se nesta pbarma-
cia.
AVOZDAVERAE
Hotel Apa Brilhante
Ra estrella d Reaarl a. 49
Os praprlelarhn i este taboteotmonto teenva
honra de portcipar m respeilavel: publico que
desde ja se aeha abena sua casa, onde eneootra-
rao a lempo e a hora, commedorias com acorto
perieic>o. .
Asfim como recebe-se assigaaturas, mandando-
ge levar a comedorta aos assignanug, se aao tive-
rem pertidor, aflancando os proprietarios tudo
oom a de^da aromptidao a sen fref uezes;
Anda se precisa de um caixeiro de 14 *.16
annos com pratica de taberna : na ra da Concor-
dia n. 95.________________________.
Precisa-te de urna ama para servico de urna
casa de pequea familia, para comprar e cos-
nhar : a ra do Duque de Caxias, outr'ora ra do
Queimado, leja n. 88.
)QL Poe-se a devocao do Monte Po Porta-
55 guez, que lance snas vistas para urna v....
J que mora na ra dos Pescadores, qual
sendo protegida por esta santa institu- ig
cSo, por considera-la urna senhora lio- 55
nesta; o contrario urna muiher de
mos costumes, a pontos de ser na mes- X
ma raa tida e havida como urna seduc- cS
tora de filos fami. ias, sendo que o sen
primeiro fructo depois .de sua v.... ape- 2M
.. as conta i para 5 nx-zes. %
f& Pescador seta tarrafa.
Precisa-se de urna ama para casa de pituca
familia para comprar e cosiubar : ra do Im-
perador n. 16, t andar. ,,
AVISO
Francitco fos Riaeifo Braga, eom (abnca de
charutos e cigarros na ru Direita n. 38; desojan-
do ser visitado pelos snpores doaos de taberna*,
ou por seus caixeiros e iodos os mais que o qm-
zerem honrar, vem pelo presente' advertir qae e
sua. fabrica se ach bons charutos fafiricades aqni
com fumo da Baha e que vende a 14*000 o m-
Ihefro, e por sso espera que os mesmoe aenhores
venhara desengaarse eom seus olbos ; assita
como, tem cigarros de todas as qnalidades e
aprompu tambem quaiqtter encorameada a von-
jade do comprador.____________ -
PEDIDO
PERA-
O abaixo assignado, tem justo e contratado
com D Catharina de Senna Barbosa, 4 casinhas
sitas no' Arraial, livres e desembarazadas ; e se
alguem se julgar credor, apresente-se no praso de
tres das, na ra do Rosario da Boa-vista o. 31.
Manoel Lniz Ribeiro.
Precisa-se de urna ama
sa: na travessa da matriz de
mero JO.
para servico de ca-
Sauto Antonio ou
Coilegio de S. Pedro de Alcntara a ra
da (,'adeia do Becife o. 2i.
A aula de msica principiar a funecionar no
dia 1 de agosto vind xarb, sob a direcrao do Sr.
professor Manoel Augusto de Menezes Costa.
Joaquim Teixeira PeiXoto Fllho,
Director.
DAV1I
EBCEBHEffiO
Com fundi(?o
RA DO BRUM 52
Passando o ch&fariz.
Chama a atteo?o >s Srs. de engenho para seus acreditados mathinismos e
em esaecalidade para seur apores que ainda urna vez tem memorado.
Os vapores forneci s por elle ej fuoccioDando Ibe ho de fazer melhor apre-
ciado do Oeseia todava mencionar que i vista do cambio agora mais avoravel do que
na poda dos apontameotos do anno passado tem feito urna redaeco sensivel em todo
. eos profi.
iiwfiiii mmmmwummmuwm&
m
m
t
i
l.\3 Atti MCAIt&ilU
I mmii
t
O
I
2S
t
CO
>
Com este ilitulo acha-se aberto e inteirameme transformado este antrgo
esUbelecimeute de joias, onde os freguezes e amigos encontrado tudo quanto
a moda e o bom gosto tem inventado na arte de ourivesaria, o Corlar de Ouro
observar delicadt^za no trato e senciridade e modecidade nos precos.
Espera que o respeiUvel publico venha ver o que existe de melhor en
aderaos de brilhaotes, esmeraldas, robins e perolas, meios aderecos, pul-,
ceiras' brincos alfmeies e anoek de todas as qaaWades, prata de lei faquei-
ros, clheres, paliteiros salvas e outros muitos objeetos que seria enfadonho
mencionar. ,
Cempra-se ouro, prata, bruteantes e pedras finas, pormaior preco do
qu em outra qualquer parte, troca-se e coacerta-se lodo e qualquer objecto
pertencente a esta arte.
Atencao
No armazem de Mus Latham Cruz n. 38, ven^em-se saceos vasios.
Vende-se tabelas corapararativas de pre-
cos de metros covados e vice-versa, mos-
trando primafacie o valor de qualqcer
fazenda, em relaco s mencionadas medi-
das reciprocamente : em casa de Lailacbar
: C, ra do Crespo n. 9.
Furtaram do engenho Munbequinha no dia
de S. Pedro, 89 de junho do corrente anno, um
quarto ru?o de vermelbo, grande, secco do corpo,
carnudo, aiuda novo, inteiro, com duas feridas de
cangaltia as costillas, a pontinha da erelha es-
querda aparada por dente de outro cavalle, com
marca de raladura as juntas das mios, e o ferro
MC mal queimado em ambas as pernas: quem
souber noticia delle dirija-se ao engenho cima
dito, a tratar com Manoel Carneiro Leao, que ser
recompensado.
Precisa-se fallar com o Sr. Jos de Barros
Accioly a negocio de seu interesse : na praca do
Corpo Santo n. ", 1 andar.
Precisa-se de urna escrava que saina cozi-
nhar e fazer compras : a tratar na ra da Cadeia
do Recife n. 1.
No armazem Novo Mundo, eif frente a ra do
Vigario n. 8, vende-se rap das seguintes qualida-
des e vinhos, por todos os vapores, sendo a reta-
lo e em grosso, a saber:
Rap G sse-grosso.
Rap Gassp-fino..
Rap Paulo Cordeiro.
Rap princeza da Baha meio-grosso.
Rap princeza da Babia tino.
Rap popular da Bahia.
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Variado sortimento de chocolate de ban-
nilha, salepo-araruta, ferro, e de sade, da
acreditada officina de Menir.
Sabonetes d'alcalro, d'acido phenico, en-
xofre e camphora recommendados para as
molestias de pe!'. como sarna, panos, em-
pingens etc., sendo o ultimo de muita utili-
dade para o uzo do toilette, por preservar
a pelle de ser manchada das maculas, que
costumara accomettel-a.
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Os melhores vermfugos para crianzas,
Pastilbas de sanctonina.
Ditas de Kemp.
Oleo vernifug-j.
Tudo de melhor qualirl-nle.
MACLA CENTRAL RU DO IMPERA-
DOR N. 38.
Variadsimo sortimento de fundas de
excellente qualidade.
FARMACI\ CENTRU
Ra do imperador n. 38.
Lamploughs Pyretic Saline.
A preparation of well knuwn utelity to the En-
glish Facnlty, as a cooling and refresbing beverage
in all cases of fever. The frequent use'of "ii sa
hne preserves oreigners from many dist^es to
whicfc they are leable before becoming acclima-
ti>ed. May be obtained at the Pharmaoea Central,
jua do Imperador n. 38.
PHAP
IMPERADOR
Precisa-se de urna ama para casa de piuca
familia, preferindo-se escrava : na Capunga, rna
das Creonlas n'. 53,
mmmmmuummmum
casa cauvin \mm
Pharmaceutico privilegiado
suooessor
Jlooievard Sebastopol, SB PARS.
NOVAS ESPECIALIDADES A. MARINIER
AoreSnUd j Acadcai* III IFPPfl Sob tami de P"t>U*> de*dida e doseidt part
IRULUbnU fuer de momelo UM k>Iocc4o
PrmBtlva coritia u M0LE8TI1S OMTAIMtS.
INJECieR PflILTRO
ESTOJOS *
om de un relof o, i
iiltro e smmk
I'HILTRO e SBRDfCA en ot
trmt inconaiiMU* * frifUMM*.
Aluga-ee o sotao do sobrado da rna de Hor
tas n. 18 : trata-se no i* andar.
~A0 PUBLICO
O abaixo assignado, como directer da banda de
msica allema, chegada ha poueo da capital do
Imperio e da Baha, tem a honra de partecipar ao
respeitavel publico desta cidade, que se propoe
a dar concert* em todos os theatros, bailes, fastas
de igreja etc. E pode ser procurado para este
8m na raa do Pilar n. 30.
________________C. Rtppelmann.
MOFINA
CENTRAL RA
N. 38.
Pastilbas de balsamo de tol e de seiva
de pinbo martimo, para as affecces chro-
nicas dos pulmoes.
Pastilbas de therydocio e louro cerejo
para as tosses agudas, e de carcter nervo-
so, e para os vmitos durante o periodo da
gravidez, e qualquer affecc3o nervosa.
Pastilbas de bypophospbeto de cal moi
otis na thysica pulmonar.
Pastilbas de angico naf, e de Regnault,
de bortela, pimenta, e de Viccley, de pe-
cacuanba e de Kermes.
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Cha purgativo de Coambard, excellente
laxativo, e refigerante, que se pode usar
repetidas vezjs sem irritar os intestinos.
X4H9PEIHYWiOTIC DE CHLORAL.
O chloral um agente therapeutico recen-
temente experimentado, mas cujos benefi-
cios vo sendo largamente aproveitados pe-
los praticos em quasi todas as affecces ner-
vosas, calmante e somnfero poderoso, elle
sempre empregado com vantagem nos
casos de dores nervosas intensas, e as de
insomnia, em que elle produz um somno
calmo e profundo.
Elle recommendado as clicas, na cho-
rea, no ttano, nos partos laboriosos, na
clampria, as queimaduras extensas, nos
accessos agudos de gotta, na astbma, na
tosse convulsa, e em muitos outros casos,
DOSE. Daas a oito cplheres de sopa
por dia.1 conforme o effeito que o medico
quer obter.
Encontra-se na Pharmacia CENTRAL ra
do Imperador n. 38.
VINHO DD QUININNO DE LARARRAQUE
Poderoso tnico hoje to aconselhado nos
gozos dej debilidade geral, e mui otado
como antifebril.
PiLARMAClA CENTRAL RA DO IMPERADOR
N. 38.
Sociedade Vinte Oito de
Julho.
a fonni. e de volme de om forte-oed
COTRNDO TODO JRkTAtlENTO
COLLTBIO Coatra as affecobis des palpebraa,
(Tiiarada mo i rneusa forua.
IARTHOLOIEO & C
iurios geral para e WaSBL e PORTDC Al,
34, ra larga do Jtoiano. PKRNAMBUOO.
Roga-se ao Ijd. Sr: Ignacio V.eira de Mello, es-
crivo oa cidade de Nazareth desta provincia, o
favor de vir a ra do Imperador n. 18 a ondnir
aquelle negocio qu V. 9. se compromefteu reali-
sar, pela terceira chamada deate jornal, em fios
de dezembro prximo passado, e depos para Ja-
neiro, passou a teveretro e abril, e na 1a curoprio,
e por este motivo de novo chamado para dito
ia ; pos V. 8. se (ieve Jembrar qae este negocio
de mais de-oito annos, e quaano o senbor sa
Slbo se achava no estndo nesta cidade.
Precisi-se alugar om cria<$p de 14 a
16 annos, para fazer compras e oolros ser-
vicos de casa de familia: tratar na roa
Nova o. 50, i" andar.
Em virtude do art. 89 1 e art. 31 4 sao con-
vidados os socios da sociedade de Socorros Mutuos
Vinte Oito de urho reunirem-se na noitede 88
de julho corrente, em a casa n. 30 do caes de Ca-
pibaribe. ,
Recife 84 de julho de 1870.
Joao Vianna de Mello,
Secretario da assemnla geral.
ATTENQAO
O abaixo assignado convida a quem se jolgar
credor do 9 batalbao da guarda nacional do mu-
nicipio de Olinda, comparecer no praso de olio
d/as improrogaveis em caa de sua residencia (la-
diaira da Ribeira n. 9) munido de seus documen-
tos para serem pagos.
Olinda, 83 de julho de 1870.
Manoel Ignacio da Silva Braga.
Alteras tliesoureiro do batalhao.
A' todas as pessois que par eroprestimo teem
levado livros de direito e obras de Htteninra^do
escriptorio da Alcoforado h Irmao, roga-se o espe-
cial favor de ot mandaren) traaer, visto como so
elles de palpitante e absoluta necessidade.
FESTA MACARRNICA.
Pamphletorpolrtioo de qoe na erte venderam e
DEZ MIL EXEMPLARES
EM
VINTE E QUATRO HORAS
Bs.-OO.
Livfaria franceza.,
li
EPISODIOS DA VIDA INTERNA
do ex-dictador e de sua favorita, com o retrato de
LPEZ.
1 vol. 8' brochado.
Rs.11500.
Livraria franceza.
HOMEM DE MELLn
ESCRIPTOS HISTRICOS E LITTEAAMOS-
A Coastointe perante a historia.
8 30 de juuw de 1838.
3 Diversos.
1 volume 8 brochado.
Rs.-3*000.
LIVRARIA FRACEZA.
AVISO
Achando-se embargado o engenho Pootable pelo
juizo do commercio da capital, para pagamento da
quantia de 4o:0C0000 de res e juros at real
embolco torna-se a avisar que ninguem faca
compra, arrendamento, nem qualquer contrato
sobre o dito engenho ; porque alm de nullo de
pleno direito, quem fiter incorrer as penas do
art. 364 4 do cdigo penal;
-Aluga-se
Aluga-se para casa de familia urna escrava com
habilidades, um moleque para servico de casa e
um molaio que entonde de tratamenlo de caval-
los: na ra do Rangel n. 7, taberna.
Ao publico
O hotel chinez previne ao respeitavel pubiieo
que se acha estabelecido com um hotel na ra
de Santa Rita n. 3, prompto para fornecer qual-
quel encommenda inherente ao sea estabeleci-
mento, certo de que achara sortimento, prompti-
dao e agrado.
Jos Joaquim
ropa.
Goncalves Bastos vai a Eu-
A viuva e filhos do finado Dr. Joao Ferreira
da Silva convidan) todos seas amigos e prenles
aliji de assislirem a algumas mssas e memento,
que por alma do mesmo Tinado, mandam celebrar
no dia 87 de julho, pelas 7 horas da manha. pri-
meiro anniversario de seu passamento.na igreja dos
MissinnariosCapuchinhos.
Aluga-se urna excellente casa tfrVea mu
Olinda, na ra de Mathias Ferreira : a tratar em
Olinda com o Sr. Luiz Antonio Goncilves Penna,
ou na ra do ^morim n. 37.
DESEJA-SE
Empregar um homcm portoguez de meia idade,
nao escolhe arrun ac^o, e tem muita pratica de
negocio, tanto para esta cidade como para fura
della": a tratar na rna Nova n. 38:
Precisa-se Je um criado de 15 a 30 annos, pre
fere-se. para casa de pasto : ra das Larangei
ras n. 4.
Precisase de um ineuuao para caixeiro de
taberna : na ra da Senzalla Velha n. 80.
Precisa-se de urna ama para comprar para
casa de homem solteiro: Estrada Nova primei-
ra taberna.
- Precisa-se alugaj urna escrava para vender
na ra : a tratar na jiw Imperial n. 33
AMA
Precisa-se de orna ama, que engomme bem, e
faga mais algum servico para casa de familia, po
rcm, que seja de boa conducta ; na ra do Pires
sobrado n. 37.
Precisa-se
de urna eo*i-
nheira, pre fe-
re-se escrava,
para casa d*. pouca familia e paga-se bem : a
tratar no largo da matriz de Santo Antonio n. 3
Io andar.
mimmv
Attenpo
Precise-se alugar nra moleque para vender
miudezas, d'se tres mezes adiantados : na rna de
S. Francisco n. 70, taberna, ou na Capunga, ra
das Creonlas n. 5.
CAIXEIRO.
Precisa-se arrumar um menino dos ultimes che-
gados, de idade de 13 anuos : a tratar na ra Di-
reita n. 10.
Ama
Precisa-se de urna ama forra oa escrava para o
servico de urna casa de pouca familia : a tratar na
ra da Cruz n, 18, 3'andar.
Precisa-se de 400 a premio, da-se hypothe-
ca em bens dn ra: : quem pretender dar annun-
cic por este Diario para ver procurado.' ______
Precisa-se de urna ama para comprar e co-
zinhar : na rna da Cruz n. 15-
CASA DA FORTUNA
Aos 8:000*
Bilhetes garantidos.
A ra PrimeiFO de Marco outr'ora do Cres-
po n. 23 e casas do costme.
Acham-se a venda os felizes bilhetes garan
tidos da 8* parte das loteras beneficio da San-
ta Casa de Misericordia (154*), qae se extrahir
quinta-feira 28 do corrente.
PRECOS.
Bilhete inteiro 10*000
Meio bilhete M000
Quinto 81000
Em poreao de 100*000 para cima.
Bilhete int.iro O|000
MewbiJtMU 4*300
Quinto 1*800
Manoel Martins Finia.
AVISO
Vende-se nma casa terrea sita na Boa-vista
na ra da Gloria n. 67 : trata-se na mesma.
amada Lingoeta n 1 precisase de ama ama
para cozinhar para casa de rapaz solteiro.
PERDIDO
Perdeu-se no dia 33 do correnta da ra Au-
gusta roa do Brum, cento e dez mil res, em
duas notas : quem as achou e quizer restitui-las
dirija-se a ra da Praia n. 59, que se dar os
signaos e ser generosamente recompensado.
rreeisa-ie da urna ama de lejte para amamentar
ana crianea : qaem estiver nesta circuinstancia
dirija-se a rita Nova, casa n. 28, qae achara eom
quem tratar. Sendo Ja fra da cMade pteto-
rmf.
Armazem.
Aluga-se um grande armazem proprio para qnal-
qaer esabelecimento, silo ra Direita n. 3i : a
tratar na casa n. 84 da mesma raa.__________
Q abaixo assignado declara pelo presente ao
respeitavel publico a com especialidade ao corpo
do commercio, que o Sr. Joaquim Jos Mara Dias
deixoo de ser sea caixeiro desta data em diaote.
Recife 35 de julho da 1870.
______________JoauCardoso Rabel lo.
Acha-se justa e contratada a taberna 1* raa
do Vigario n. 18 : se algum senhor se julgar eom
direito a algama redamara>, queira dirigir-se a
travessa do Corpo Santo n. 85, 1* andar-_______
Precisa io de nm forneiro: na rna imperial
n. m
Urna pessoa que lera todas as habilitado
precisas offerece-se para administrar qualquer e
genho, ainda mesmo sendo para fora da provincia
quem precisar annuncie para ser procurado.
Precisa-se de urna ama para servico nter "
de casa de pequea familia : na ra do Amori n
n. 35, 8" andar.
Vendas on permutas
Vende-se a propriedade Guarapos no 1U. -
Grande do Norte, com Ierras casa? e armaz**
de um e outro lado do rio, lunar bem conhecto.i
pela sua importancia comraercial, cojo porto otV-
rece muita facilidade para embarque e desembar-
que de gneros.
Igualmente se vende o engenho Jundihaby (na
mesma provincia) moente e carrele, com cdm
leguas de turra* Jh m!>** virga, oito esc tari' .
liui>, be. tus e alamhiqae ( i>u somanta o em 1*110 i
com as. Ierras qae convier ao comprador), fcsus
propriedades vendem-se por baralissimos ptec;.
e tambe n se permutam por engenhos nesta pr
vincia, Parahyba e Alagas, ou por casas naso-
pitaes das mesmas : a tratar com o proprietar '
major Fabncio Gomes Pedroa rna da Cade i
n. 35, ou com os seus procuradores no Rio-Gran-
de do Norte.
50^000.
Furtaram do dia 5 a 6 do corrente do engentu
Giqui, freguezia da Escada um carallo ruasc,
grande, castrado, serrado de baix, cauda apu-
rada, dinas grandes, cabera pelada por ter ti.o
sangue, bem feito a gordo, anda a paco e galop .
e de sella ; gratifica-se a quem o pegar e levar
ao dito engenho com a quantia acuna.
Ama de ieitb
Ha urgente neces-idade de nma ama de leiie
sem fllho : na ra do Pa^so da Patria fantiga lf-
vpssa do Moateiro) no tim da rna do Mrquez Herval, casa com 8 por fies de ferro n. 18.
Aluga-se a padaria allem em Santo Amar ,
bem montada e afreguezada, c.m casa junto par
grande familia, com agua e gaz par consumo :
quem quizer dirija-se mesma, na ra do Lima
ns. 3 e 4.
Precis -se
alugar um moleque de 16 a 18 annos para servico-
interno do Slammet, paga-se bem : ra do Impe-
rador n, 38.
Precisase de nma ama para comprar e co-
zinhar para nma casa de pouca familia : na rna
Imperial n. 130, casa com porto de ferro ao
lado.
O abaixo assignado declara para o conbec -
menfo daqaelles a quem pssa interessar, que des-
la data em diante lem ferrado os animaes caval!.'.-
res e muars do engenho de sua propriedade Bu-
rarema com o ferro do mesmo engenho, que o
seu nomo e que se considera o mesmo propriets-
rio prohibido de negocia los por venda ou in-
ca, devendose por isso ter como furtados oa ex-
traviados aquellos animaes que estiverem em p.<-
ddr da terceiros, que se nao podem soccorrer a
ignorancia depois da presente declaracao. Recife
33 de jolho de 1870.
Jos de Castro Paes Barrete
DE COZINNA
Precisa-se de um ajudanle : na raa larga u
Rosario n. 44.
V
\

.



Tjiario d Prnaiiibaco Quarta
(eir
27 de Julho de lfcTO.
5
L
AO ARMAZEM
DO
VAPORFRANCEZ
Esta conbecido estabeleeimento acha-se con<*aaiemeote bem sortido,m virtude das
facturas que recebe por todos os vapores e navios toncases, dos artigos abaixo menciona-
B dos, precos os mais resumidos que possivel.
CALCADO FRAXCJEZ
Botinas para eahras e meninas.
Botinas pretas, brancas e de muitas oulras core, sortidas e bonitas, do ultimo gos-
to da moda, e precos mais baratas do que em outras partes.
Botinas para benens e meninos.
Botinas de biterro, ordatao, lustro pellica, das melhores fabricas e escomidas.
Botas e perneiras rassianas.
Botas ^jwraeiras para amnlaria, das melhores qualidades, de couro da Russia, las-
tre e bnerro. .
wapatos de borracha para harneas e sennoras
rendo cbegado grande porcao de sapaios de borracha vende-se pelo custo altin de
desempatar o diabeiro neiles mpregado, sao baratsimos.
Sspatos de lustro para horneas.
Sapatas de entrada baixa de couro de lastra com salto, de muito boa qualidade.
Abotinados para meninos e meninas
Sapatos abotinados de differentes modelos, de rauito boas qualidades e fortes, unto
para meninos como para meninas, mmto baratos.
Mapatos de tapete.
Sapatos de tapete aveludado, de casemira, de charlte e de- tranca fraacezes e por-
tugaezes pan tornen!, para senhoras e para menios.
Precisa
para planta
S. Goncalo
Alnga-sTuB '
ede differentes habilidades, para asj
a tratar rfatua do crespo n.;lf, 1
Engommale ra
Precisa-se alngar urna e-erara que entenda al
guma causa de engommar; na tinturara france-
za, ras a 1-nperttriz n. 55._______________
_ Em casa de THEODORO CHRIST1
ANSEN, na da Crnz n. 18, encontram-*
;flectivamente todas as qualidades de vinb<
tortean*. Bonrgogne edo Rheao.________
Na o raga da Independencia n. 33 se da di
heiro sobre penhores de ooro, prata e pedras
jreciosas, seja qnal for a quaaa; e na mesmi
sa se compra e vende objectoa de ooro e prata
) igualmente se faz toda e qualqoer obra de en
enmienda, e todo e qaalquer concert tendeut*
i mesma arte.__________________
Alugam je as casas : n. 101, terrea, da ru
de Santa Hita, e o sobrado de dous andares e sota
n. 32 da ra da Aurora a tratar nesla mesm
ra n. 38. ___________________________
-Quem precisar de urna pdrtngaeta que en-
gorama e cozinba, dirija-se a ra do Mondego nu-
mero 61.
Precisa se de urna ama que lave e engojime
com perfeicao : na ra Nova n. 22. _________
GUROS
MARTIMOS
perfumaras
Excelentes extractos, banhas, leos, agua de cologne, florida, divina, lavanlle, den-
iriflee, 4e toilette, sabeoetes, tintara para cabellos, pomada anajroise para btgodes, pjs de
arroz elft, ndo isto dearimeira qualidade, dos afamados fabricantes, Condray, Piver ei.ubin.
Quinquilharias
COSTRA FOCSO.
Companhia Indemnisadora, estabelecid
testa praca, toma seguros martimos sob-t
aavio e seus carregamentos e contra foge
ja edificios, mercadorias e mobilias: <
raa do Vigarioa. 4, pavimento ter eo.
COMPRAS.
Lavas de peluca do conbecido fabricante louvin, espemos para sallas, quartos e ga-
binetes, toticadore- de diversos tamanhos, leques para senhoras e para meninas, abridores
de luvas, brincos, oleeiras, brtoes, correos e chaves de relogios e traneelins,udj de
ouro de le, correles e brincos de plaqu, a imitacao e de mais gosto do que as de ouro,
oaiiinhas de costura ricamente guarnecidas e ornadas com bodas pessas de mu>ica, albuns
e caixilaos dourados para retratos, caixiuhas com vidro de augmento para distintamente
ver-se a oerfeicao dos retratos, objectos de plraotasia para toilettes, nolsinhas e cestmhas
de seda, de velludo c de rimes para braco de meninas e senhoras. dita;para costuras, pe-
queos Tegisiros muito finos e delicados, bouqoets de fiares de porcelana, jarros prqprios
para gabinetes e santuarios, quadros proraptos para ctillocar-se vistos, molduras douradas
para quadros, estampas Anas de paysagens, eidades, figuras e de sanios, vidros para eos-
tnorama, malas, saceos e bolsas de viagens, esporas, chicotes, bengala*, oculos, lunetas ou
pensioez de prata delirados, gravatas pretas e de cures, abirtoaduras de ollele e de punhos,
carteirinbas para notas, thesoonnhas e caivetes finos, pentes, escovas, ponteiras de espuma
para charutos e para cigarro* Jogos de domin, rodetes, bagatelas e outros dilierentes, ve-
necianas modernas muito conveniente para portas e janelias, cosmorama?, lanternas mgi-
cas, esteriocopos om ratTessanles vistas de figuras e das mais b mitas ras, boalevards,
praca* e passeios de Paris, photoeraphias e eaixinhas mgicas, reverberos para eandieiros,
topetes de vidrilao e de laade cores para ps de lanternas, realejos.grandes e pequeo?,
harraoaicos, aeordions de todos os tamanhos, berros de vimes para eriancas, sapatinhos e %
toncas de 13a, carrinhos de 3 4 rodas muito elegantes para condujir enancas passeio : e ;jj
outrae muitas quinquilharias de phantasia, francezas e allemes precos muito er.i conta.
Para este artigo nao ha espaco nem tempo para a mas?ante leitara da infisidade de
gneros de brinquedos fabricados em diversos paizes da Europa.
0 muzeo de joias
Na ra do Cabag n. 4 coiaara-se ooro, prata
pedras preciosas por precos mais vantojosos do
\a* em outra qnalqner parte.________________
Oompram-se
Moedas de onro ee pnrta de todas as nadies : oa
ra da Cadea do Recife n. 38, loja de a?.ulejo.
Compra-se una ea>a terrea boa, situada em
Santo Antonio ou Boa-vista : na ra da Florenti-
na n. 6.____________________________
Coinpra-se urna casa terrea, na freguezia de
Santo Antonio: tratar no arco da Coaceirio nu-
mero 6._______
ATTENCAO
O dono deste estabelecimento pede ao publico era geral que continu a visita-Jo
verificando as qualidades e os precos baratos de ditos objectos por serem viudos em ai-
reura e de conta propria.
Com ftiuito maior vantageni compram-se
ouro, prata e pedras preciosas e a obras velhas: na
loja de joias do Coracao de Ouro a. 2 D, ra do
Cabug.______________________
CABELLUDO
Cempra-te um cachorrinho de marca pequea,
cabelludo a que chamam do reino : ra do
Apollo n. 43, segundo andar.________________
Compia-se um cabriolet americano em bom
estado : a tratar na ra da O.dela do Reeifo n.
."i:"., loj- de. chapeos. _______ '________
COMPRASE
urna machina de costura que estoja em bom es-
tado : no Caes do Capibanbe n. 32, armazera.
TRES VTA
VNDAS.
allitMill]
21000
ir$0GO
500
lr$008
11000
A PlS!E8ft EM PERNAMBUCO
11Ra Nova11
.\toni Une de A/evado, acaba de fundar em stu grande armazem de pianos e
nsteument s, urna ...
Imprensa para gravar e imprimir musiea*
de oaio trabJlho se acha encarregado o distinelo gravador e impressor o Sr. Nkacio
Carcia, qae por maitos annos foi empregaJo das primeiras casas do Rio de Janeiro, de
i x irfittt^F A ^IDOW *
Nesta casa sr5o impressas no s as melhores novidades que vierem da E^opa,
como Umbem as msicas origmaes dos melhores prefessores e amadores desia cidade,
auer Bor nossa coula ou por conta dos seus autores
As primeiras msicas que se gravaram e mprimiram em nossa casa, tendo stdo
raaito bem acceitas pelo respeitavel publico, nao s pela perfeita gravura e boa tmpres-
sa, conw palo suprior papel que empregamos, faz cem que noie pobhqoemos a lista
abano 6 qoe se aobam a venda em nosso armazem. Conuuando a publicar-se sema-
ualmeote pelos jonnaes as novidades qae formos tmpnmindo.
ANNETA polka brilhante pelo insigne maestro i. Smoltz. preco-
MINEBVA, pofea brilhante pelo insigne professor Colas Filho .
iCHIOO D1ABO, linda polka por *-. ......
UMA LAGRIMA, mazorka.............
LA GRANflEDUCHESSE. poka......
Tres lindas polkas do Circo Equestre de M. Cosalt. (Esta coiec-
co continia)............... ^W
Est-se gravando jara sahir a luz nestes dias, dnas lindas pecas de msica para
piano; composicSo do insigne e symp Utico maestro cbegado da Europa pelo ultimo
vapor ofir.
E. Casalbore.
por seis mezes e por um anco, origan Jo-se a fornecer a seus assignaotes doas no
-e pecas de msica pormez, para piano s, e para canto e piano, pea tabella seguinte;
Assignatura por seis mezes Assignatura por -
para j
Recife Provincias
Duas pecas por mez Tres pecas por mez
parapiannos 83000 10*000 sendo urna decanto
Tres pe?as por mez e piano
' i aalipo etabeleci.'nenlo de Joaqun d* Silva
C^ta, 3 i ni .lTTT3ni"-r-4S. lia caiJ?taotmeirt
0 que de mt-.lhor se pode procurar neste mercado
para meza de quem prefere bous gneros, como
sejam :
PRESUNTOS para fiambre e de Umego, choa-
ricas e paio?, em latas e em barril.
MASSAS, macarrao, talherim, estrellinh, se-
vadinha, sag, aletria e fariaha americana.
CHOCOLATE o mais novo e melhor qne desejer
se possa.
VINHO do Porw e Fift-ueira dos"mais9Bpericr^.
CONSERVAS 1e lombo de poreo, de bases, M
fi'iioes em latas b VEIXAS slerlinas i &W rs. o maco.
COPOS lapidados o:n duzia e a retalho.
Alm de muitos outros gneros vmdo* em i-
reitora, que se vendem pir pregas razoareis.
Cidade do Natal 19 de jurho
de 1870.
Por.precos commodos ende-se:
\\ paos de pinbo de-eso-lien le qualidade
cumprimento de 34 palmos 83 ,-gros-
sara de ti 52 polegadas; sendo masta-
ros, vergas e mastro de navio.
65 pedras inarmores, differentes lama-
ubos, sendo : o cumprimento da maior, "9
polegadas, largura 18 ditas, altura 3 ditas.
30 taboleirostambem de marmor ee ten-
do o cumprimento do maior 80 pollegadas,
1 largura 40 ijitas, grossura umae um quarto
depollegada: a iratar no escriptorio da
agencia da companbia-brasrter?de paquetes
vapor, roa da Alfandega.____________
Na lojt da VERDADE continnatse a ven-
der por baratissimos precos tochas- os arti-
go de miudezas e perfumaras do se
grande e variado sortimento, garantindo aos
compradores toda a sinceridade.
Linda* botecas de cera e massa por ba-
ratissimo'prec.
Espelhos dourados para pendurar a
(60 rs.
Agulhas de osso para crox a 200 rs.
Pentes finos para segurar cabello, a
320 rs,
Chaans para gaz a 320 rs.
Garrafa com tinta alizarina a i #000.
Dita com agua florida a t#500.
Dita com dita dita a. 14000.
Tonteo de Jayme a i #500 o frasco.
Frasco com oleo expresso de babosa, de
W a 40 rs.
Dito cosa agua de Colonia de 300a 15000
Dito com extractos finos a 10000.
Dito com sndalo verdadeiro a 10200.
Latas com banha muito fina de 120 a
i40 rs.
Sabonetas muito finos e diversas qaali-
iades a 80, 160, 240 e 320 rs.
Finas escovas para dentes de 320 e 500 rs.
Ditas "para facto de 500, e 600 rs.
Ditas para cabello a 500 rs.
Pestes para alisar com costa de metal a
320 rs.
Ditos ditos ditos de bfalo a 240 e 320.
Pentes para tirar piolho de 160 e 240 rs.
Pavios para gaz, dtazia a 240 e 320 rs.
firincos de cores, inteiramente modernos
de 160 e 240 rs.
Peonas caligraphicas muito finas a 10400.
Ditas de lanca e maos-inha a 800 rs.
Lindos babadinhos e entremeios de 500
a 10500.
Grosas de botes de louca de 160 e
iOOr.
Ditos ditos para cal a 240 rs.
Caixa com papel amizade a 700 rs.
Ditas com nvelopes a 480 re.
Ditas oom obre i as 40 rs.
Ditas com agulhas fundo dourado a
80 rs.
Thesoura para costura a 240 rs.
Linha de marca eaixa a 280. rs.
Garriteis de linhas oe Alexandre de n. 70
200 a 10 rs-o
Grampos muito fines, com passarinhos du-
iaa 200 rs.
Garlas francezas para jogar duzia 350O0
Ditas poriuguezas, duzia 10400
Papel aknaco superior qualidade resma
10000.
Lam muito fina para bordar libra 65500
Fitas para debrum de sapato, .pessa 160 rs
Ditas de lam para debrum de-vestido peca
iOO rs.
Caivetes grandes com molla a 400 rs.
Ditos grandes com 2 folhas por 320 rs.
Rosetas pretas para luto, o par 100 rs.
Trancas de lam de caracol branca e de
cies de 40 a 100 rs.
Fitas para eos, pega 480 rs.
Alfinetcs de lato, carta 100 rs.
Sapatinhos de lam para creanca de 400
i 800 rs.
Calcadeiras a 40 rs.
Gravatas de seda preta de 400 e 800 rs.
Ditas decroxe, brancas e de cores 500 rs.
Dita.de gorguro de cores a 800 rs.
Xa verdad'e a ro* Baque de ta
xlas n. &.
Cigarros da iipperial
fabrica de S. Joo
0 Campos da ra do Ii 2**. recebeu
pelos albinos tres vapores chegados a este porto,
differentes gneros que vi>la das soas espeeiaes
e diversas qualidades, merece fazer-se delles es-
pecial menean ; e avisa nao s ao seu .erewdo
numero de hegueies e amigos, como M*
iqnelles que nao lem querido honra-lo com raa*
regoeiias, encontrando por esse motivo sen.> dit-
ficuldades em suppnrem-se de bons gneros, por
falu Ulve de quem Ibes indique com ruieza um
esiabeleciment que coico o seo, possa coin ga-
ranta, bem satisfazer as jusUs exigencias do res-
peitavel publieo desta capital; que fc acha o seo
armazem provino dos mais no vos e vanados gane-
ros, e liinita-se a nomear o seguinte :
Carne e queijos do sertao.
Prezunlos inglezes e portogueze?.
Gndola (nova marca de bolachmbas).
Petit Pois ao Beurte (erviihas em manteiga).
Chocolate hespanhol a U"00 a libra.
Conservas a 700 rs. o frasco.
Caf chumbado e de moka.
Rap Paulo Cordeiro (viajado e comraum).
Guizados francezes (Trufft).
Superior champanhe.
Doces linos de goiaha, laranjs. liman e banana.
As seguintes obras
Colas cont sttisso, ene. 1 vol. por 10000.
Flores sinyelas, por Paes de Andrade. Ul-
timas faginas, por P. de Calasans. IllusO-
es perdidas, por C. de Azevedo, tudo en-
cadernado em um s voliune, por 80000.
Tambem vende-se as colleecoes de leis
provinciaes faltando apenas 5 annos, por
150000, tendo 27 vol. em brochura. Quem
quizer dirija-se a esta typograpiiia que se
dir quem vende.
A 3,000 RS.
Chapeos de sol de alpaca (loa com basteas de
bale a 3* : na ra do Crespo n. 25, loja da es-
quina._____________________
ATTENCAO
CAF MIDO i VAPPB
|DE
AVILLA IRMO & C.
49 BA .NOVA DE SANTA RITA 49
PERNAMBUCO.
Ha para vender Reste estabelecimento caf mui-
do a vapor e torrado a ponto certo, sem mistara,
empacotado em papal de eslanho para se conser-
var sempre fresco. Garantus a sua primeira
qualidade. Os apreciadeos do bom caf podero
procurar nos principaes armazens de molhados.
Para evitar falsificacao, previne-se aos senhores
apreciadores que todos o* pacotes terao um rotulo
com a firma doesiaheleciinenti.______________
CHARUTOS OA BAHA
DEPOSITO
Na ra Z/ireit* u 31
iJsSrs. Bastos & Sobrinho. exportadores de pri-
meira ordem de fumos em folha e charu'.os linos
da Baha fabricados em S. Flix por Joaquim Jo?
dos Res, acreditados tanto no estrangeiro como
no imperio, resolveram mandar fazer sea deposito
d charutos tinos na ra Direita n. 31, aonde so
acham expostos venda de differentes marcas e
pelos precos da fabrica, ajuntando apenas os pas-
tos, a saber : Palmeiras. ltiachuelo. Regala d'el-
Rci, dito Iroperiaes, Exposieao, I,yrici,s, Hava-
na, ele, Convida se, pois, aos apreciadores a vi-
rem ao meucionado estabele;imonto f-mecerem
>ie d- exceHent"- cliarntns e a precos commodos.
i-------------------------------------., ,. .^-----------------------------------
Eival sem segundo,
RA DUQl'EaTK CAVIlt I\. 4
(Amiga roa Mo (lueinadoj
Cont:na a vender, tudo inuilo bom e
muilo barato a saber :
Libras de areia prela muilo boo. .
Tesouras linas pata unirs e co>tu-
ra a. ....'..,.
Papis de agu.lias fiancefas a Li-
o a.........
Caixas com seis saboneles de frua
Libras de 15a para bordar de todts
as cores a.......
Garriteis de linha Alexandre a. .
Frascos com azeite para machinas
Grvalas de cores muito boas a .
Grozas de bolrjes wadepersla fi-
nissimos a.......
Pares de luvas de cores muilo fi-
nas a 320 e.......
Novello de linha de 400 jaulas a.
Caixas com 100 envelopes muito
superiores a......
Pentes volteados para mtninas a.
Tntenos com t;nta preta i 80 rs. e
Pecas de lila elstica mnito lina a
Laia com superior banha a 1U0 e.
Frascos de oleo Phitocouio muilo
fino a.........
Ditos ditos dito grande a. .
Frascos de macaca perola r.. .
Frascos de extracto muilo benitos a
Duzia de sabonetes muilo lino a.
Sabonetes inglezes a 000 rs. e. .
Frasco com agua de colonia Piver a
Dito de oleo babaza a.....
Caixas de lamparinas a. .
Sabonetes a forma menino muilo
superiores a. ..... .
Lartilbas da dootrina azenda nova a
Libras de linha surtidas de lodos os
nmeros a.......
Babados do Porto, largos a 100 e
Capachos muilo bonitos e grandes a
Garriteis de retros preto, com 2
otares a........
Agulheiros de osso enfeilados a, .
Libra de linha franceza supeiior"
qualidade a.......2400
Caixas de paulo do paz
120
60
1*000
600O
100
500
500
oOO
5G0
60
000
240
100
200
200
500
16000
210
500
720
1*200
500
500
40
240
400
i 800
OO
700
640
240
a.
de Nictheroy.
L'uico deposito em Pernarabuco caes da alfan
depa velha n. 1, 1* anda.___________________
Vidros para vidracas de lodos os tamanhos
e em caixas, vende Bartholomeu & C em sua
pharmacia na ra larpa do Rosario n. 'M.______
Saceos com arroz em casca.
Xo escriptorio de Joaquim Gerardo de Bastos
ra do Vigario n 16, t" andar, vendem se saceos
com arroz em casca ; para ver, no trapiche Ctt-
nha ra da Moeda.
FazendaS baratas
Raa do Cabug ,10
Pecas de abjodo eom 18 jardas a
Las Muc^mbiinie, covado
Ditas de urna s cor, fazenda de -gosto,
covado, rs.
Ditas com letras de sedi, rs.
Chitas de bom panno e cores linas, rf.
Ditas percales finas, rs.
Chales de ganga bordado?, duzia
Colchas de diversas cores a
Dao-se as amostras.
CALCADOS BARAT S.
Borzegnins de phantazia pretos e de cores
para senhora a f i 000
Ditos para meninas a 2000
Ditos de bezerro, sola grossa, inglezes, _
para hornera a "000
Vcnde-se na praca da Independebcia n. 39, loja
de Porto & Bastos.________________________
Vende-se duas cabras (bicho) ; na ra dos
Acouguinhos n. 8._______________________
Vende-se
urna D|;elba de excellentes burras brancas, muito
boas- de carro e trotadeiras : no sitio n. 4 em S.
Jos do Mansuinbo.
um anno
PAltA
Recife Provincia*
se.ndo urna
canto e piano
para
10(5(000 12*000
Doas pecas por mez
para piano s
20(5000
lo^OOO
241000
18-jOOO
0 preco da assignatura, apreseftta aos Srg. asstgnmtes, ama grande economa:
por qpe se forem a comprar avulsa a msica que foroecemos no decurso de um armo,
lbe tetara 504 a 604, oo talvw ilfis. Porianto convidamos a todas as pessoas, quer
desta cHade, oa de outras provincias, que quizerem ser assignaotes, dirigirem-se di-
rectamente a nossa casa, que promptamente Ihe ser5o remettidas a seas domicilios,
pelos Upores o crrelos. ,
igualmente convidamos aos Sis. negociantes de maicas, quer desta provincia ou
s, que quizerem entrar em relacOes de oegocio rom nossa casa, Ihe trenos
presos marcados n> msica um grande descontr muilo vantajoso.
NESTE GRANDE ARMAZEM TEM SEMPRE:
O maior e mais esplendido Sortimento de pianos nicoi agentes, o maior e mais explendido sortimento'de mosteas para piano, edicCes
a Earopa e do Rio le Janeiro, o maior e m^is esplendido sortimento de instrumentos
ti mostea para banda militar e orebestra.
le^H|
:!000
360
500
:00
:i00
4001
25000
2 400
Verdadeiras luvas do Jo Win 1. raneas e de cores,
viudas pelo ultimo Vapor a 2;'> : na loja da Fita
Azul, ru do Cahnp n 2.
De Clnny, brancas e pretas, doultimp gosto : ven-
de-se na loja da Fila Azul, ra do Cabug n. 2.
' MlhoT
Ne escriptorio de Joaquim Gerardo de Bastos
ra do Vigario n. 16, Io andar, vendem se saceos
grandes com milho n.uito novo por preco razoa-
vcl : para ver, no trapiche Bario do Livramento
no forte do Mallos.______________________
Calpado muito barato
Botinas de couro de lustre, com atacadores para
senhoras a 2o00 o par.
Botinas pao o lustre, com ditas ditas, a 3
o par : ra do Livramento i 15. Na mesma
loja compra-se urna machina de .costura com pon-
co uso e em perfeito estado, do autor Singer.
Vende-se um bol e urna carroca
Mondego n. 61.
na ra dr
= S
M

?&
-
A Nova speranca
81BUtia ltjqwe c Caxias 21
Quando a NVA-ESPERA.Nl.lA faz os seus
anuncios expando aos seus l'reguezes e a
lodos em geral o grande sortimento e su-
perior, -dade de seus objectos nao com vis-
tas de atrair a atteoco do nina grande fre-
guezia, como a de que actualmente despe.
e sirn para ientificar (a interese de todos)
a qualidade de seus objectos os quaes sao
sempre de apurado gosto e perfeiyio ; tor-
uando-se qnasi ifidispenSavt I para aquclles
apreciadores (do bom) fieqtienlarem a No-
va Esperanca, pois que ei!a caprieba em re-
ceber constantemente, o que ha de melhor
relativamente a sua repartida >: o que se po-
deri verificar quando em qualquer reunio
de pessoas (amantes doxiquej \-se um
bonito enfeite.em um boniu vestido, um
aroma agradavtl escapar d'um alvo lenco,
um moderno e linde l;n;o, um dilicrdo ra-
mo de tinas ores, ele, etc. lodos olham-se
reciprocamente e dizem com ;igo (e as ve-
les ons aos outrus) oles' sio objectos
comprados iNQVA-ESKBANQA: realmen-
te !!!! procurar desccevej am annuncioa os
arligos que contera dita loja, siia trabaUm
insano e uotca o fa.:iatti praga e perlViro rom quosSoHles fabricl-
dos, assim pois a .NOVA ESPERANZA .con-
tenta se em convidar a iodos goralmente,
;i \isilarem-ua para etto (karam intei-
rados do que ha exposlo na mesma loja.
81 Rm Deiqcsc de faxas81
S vare> de Mello,
^i- raija do Corpo Santo n. 17^
TEM PAItAVENOEB :
Cal de Lisboa.
Potassa pa Russia.
Viuho Bordeaux.
Farello dn Lisboa.
Farota le mautJoca.
Bichas hainburgnezas
Nestf'>ovo deposito recebe-se ikt todos os pa-
(juetes, anslaotieo bichas de qualidade superior
o vendei .se emcaixa ou porcao mais pequea,
e mais barato do que em outra qualquer parte :
na ruS da Cadea do Recife n. 51, ! andar.
Vcnde-se por berato preco urna armacao en-
vernisada e forrada propria para taberna ou para
outro qualquer estabelecimento; a tratar a ra
doCabug n. 10-________________________.
Vendem-se duas casas em Olinda, na ra do
Coxa com frente para os -Quatro Cantos : no so-
brado n. 1, no pateo de S. Pedro Apostlo.
ATTENCAO
Vende se a famosa taberna sita ra da Guia
a. 36 por seu dono querer se remover para outre
bairro. O Bstabelecimento cont gneros muito
novos, e um espacoso armazem ; como assim o
prime'iro andar, qne tica diiposico do pretn-
deme o querer ou nao occupa-lo : pedeodo tratar
no mesino.___________t__________________
Vende-se a casa terrea n. 11, sita em Olinda,
ra do largo do Amparo, corr excellentes com-
modos o grande quinta!, solo proprio : a tratar no
rigeife, ra da ''adeia n. o.______________
Farinha de Mag
Km saceos grandes, de uperior qnalidade. pro
pria para mesa e.sem gosto algum da barco : ven-
de-se por preco ommodo na travessa do Carioea
n. 8, Caes do Ramos.
Aviso. ,
No armaiem n. 2 da ra Duque de Ujxias tem
grande porcao de palha dar erapalhar tadeiras,
vende- s moito barato.
T l'EJTOJB-SJB ~~
pl de fraflta pt. mais /rueleiras eochert4a9
todas por preco muito .barato-para acabar : na
trivessa do Padre Inglez p. 7, locar do Camaho
Novo. \
Fazendas b ratas pa a |
acabar
A* RA DO CRESPO N. 25. j
CAMBKA1AS finas de cores, modernas |
| a 280 o covado. |
CHITAS novas de superior qualidade, I
mf a 240 o cavado.
CHlTAs imperiaes do ultimo gosto com \
cores seguras a 280 o covado.
CHITAS escuras de listras cor de caf j
B 240 o covado.
LaAS de cores a 240 o covido.
CAMBRAIAS brancas transparentes a j
P 33 a peca. J
BHAMANTE uno de n. 230 a 270 com-!
fi 27 varas a 143.
JB ALGODAOZLNHO com 18 jardas a j
23800 e 3* a pe?a.
_ ALGOO07.1NHO superior qnalidade |
I a 533OO e com 20 varas a 63500 a pe$a. i
Cortes de calca de fustao de cor a I
m 13400 o corte.
Superior algodlo americano de listras |
g para roupa de escravos a 320 a covado. \
Dao-se amostras coro penhor ra do :
S Crespo n. 2o, loja de Manoel Dias Xavier. 1__
&m-nmummmmmmm-m&
Vende-se a taberna da ra de Santo Amaro
n. 8, un dos melhores eetabeleciraentos para reta-
mo, que apura de 603 a 803 diarios, tem excel-
lentes commodos, e garante-se o aluguel. Sua
localidade, junto aa porta das canoas da cal e es-
taclo dostrilhos, a melhor possivel; o m ti'vo
da venda porque scu dono retirase para fra
tratar de sua saude : trata-se na ra da Senzala-
nova n. 30
Objectoa para carros.
Solas de lustro.
Vaquetas de lustro.
Cales largos e estreitos.
Oleado preto para guarda chu.a.
Dito de cores para forro.
Lanternas e vedas.
Botoes de sso de cores diversas.
Pechincba
Vende-se dous bois e dou carro?, tudo em bom
estado : no cae* do Ramos n. 20.
Vende-se ou aluga-e urna canoa nova, toda
encavilhada de cobre, que pega 400 fix'' de ca-
pim : para ver e tratar na cambija dos Remedios
com o capitn Dollim._______________
Farinha de nandioea.
Da melhor qualidade e mais barata do que em
outra qualquer parle : vendem Amaral, Mofeira
& C., no caes da alfandega n. 7. ____
Farello.
Vende-se saeens com 90 libras de farelkt no-
vo do Chile a 4*300 ra da Madre de Deus
n. 7. ^ __________ '___________
Estampilhas
Vende-se no cartonn do tabeiliao Almcida
rna do Imperador o. 7.
Vende-i-e barricas com cerveja pru de upe-
rior qualidade em botijas e meias botijas : no ar-
mazem de Eduardo Fentoo, ra do Commercio
u. 22._________________________________
* Cebla
Vende-se soltas a 13^00 e em resteas a 2 : na
travessa da Madre de Dos n. 6.
Os accredilados cylindros americanos p:ra pa-
daria.
Machinas para descarocar algodao.
Cano? de ferro galvanisadis, para agua
Carrinhos americanos para transportar fazendas.
ATTEfiAF
Vende-se nina parte do engenho R'mos, comar-
ca de Pao d'Alho. de 9:0003 a I0:00n, e ontra
do engenho Iuliaman. comarca de Iguarass, de
o:0003 : os pretendentes queiram entender-?''
com o senhor do engenho Caraba da freguezia de
Tracunhem, ou com o Dr. Laurino de Moris
Pinheiro, ra das Cruzas (hoje Duque de Caxiasi
n. 2. O 11 esmo senhor do ent-nho Caraba offe-
rece a fazenda denominadaMinguai do Grva-
lapara n Brejo da M. dre de Dos c Curato de
Bom Jardim. cuja fazenda muito acreditada pi-
los habitantes do lugar, tem acude e vario tan-,
ques e algum gado que tambera se vende encorp -
rado dita fazenda : trata-s nos lugares cima
mencionados.
(.abnolet venda.
Na ra da Matriz da Boa-vista n 28,
ja.
Machina para cos-
tura.
Veale-se unm maehina com poii'o nso e oomo-
do perfeitamente todas M costuras de alfaiate, sa-
pateiro e selMro : o dono prtMa-sa a ir na casa
da pessoa qua a comprar para entinar a coser :
na loja da roa da Cadsia n. 43.
,1
Gravatinhas de seda dn cores para meninos, bo-
mens e senhoras a 320!!! : na rui do Duqna'de
Caxias n. 35.___________________________
Milho e farelo
em saceos srandes a 53, em porcao se faz abaii -
raento ; no armazem da estrella, largo do Paraizo
n.14.
Sitio em Parnameirim
para vender
Aioda esl para se vender o sitio Olho de Vi-
dro, em Parnameirim, ou Ponte de Ucha, com
sobrado de um andar com 1.0 quartos. fogoes e
foruos do I'itio, soiiialla. para lodos os arranjo-,
bstame arvoredos de fructos, terrenos para
idantacSes, boa baixa de captm, agua de beber,
lauque para banho etc. : quem o-pretender com-
prar enftmda-se com Jos Antones Guimarae-.
na rtia do Aragio n. 13 (buje Viscende de Pelo-
tas) at 9 horas da ro^nhaa e das 3 as 5 da tard;,
na fulla, na ra de Queimado n. 1 loja, hoje Bu-
qnsde Caxias.
Venham ver
Avsucar refinado com ovos, proprio paia cha
caf muido liquido por menos do que em bntr*
parte. S se encontra na ra Direita n. 22.
w
.


-*>
6



V
Diario d Fewiamlmco Quarto, eira 27 Je JalJio de 1WO.
COM FilIVIIA
atoja Laoelino vende ecos cora faria de
moea : na roa do Duque de Caxias, travessa
do Rosario, toja n. 18 B
Mais banto do que em outra qualquer
parte.
No porto da travessa dos Coelhos achase cons-
tanlementi lijlo graso e fino, Upamento, teJhas,
e grande porcao de areu, que ss vedem a vjntade
do comprad..r por menos preco do que em oulra
qualquer parte ; assim como se enrarregam de
onecer matenaes para as obras, para o que n?
canoas rMrroca*
Armzem dona irmaos
8Roa da Peoha8
"euf 76$**** r HS0 hbn>Mem fraB'
Cha miado e grosso superior a 31800 e 30OO&. ea-
( em otrooo a me e 240.
VeHas de spermacette a 640 a libra.
Alema, Umartm e maearro a 400 a llora.
Vmooempipa a 400 a garrafa, dem S. Inflis
a ouh re.
Grandes latas rom bcUebinhas a 1*309. Mem cora
laawHMos; a 800. i.lem com ffgos a 1*000.
Copos lapidados a 5*100 a duzia, idem idem de
i^a^ a 2a600' idera tern com 6 copos por
1*100; asaim cohio mu tos ootros objeetos.
Roa
DEPOSITO
da Cadeia
n. S.
Vende se por roen preco do que em outra
qualquer parte, fe 10 ktllo* para cima, as seguvn-
tes qualidades :
Sanie.Qualit fine, fine superieur.
Sur me.Par excellence. Tanille.
Quelite fine.
CEMENTO
O verdadeiro portiand. So se vend na roa da
Madre de Dos d. 42, armarem de Joao Hartoi de
arro
Alta novidade
Loja dopado
Chegaram pelo ultimo vapor francez as ricas
chapetonas de palha de Italia, ultima novidade de
Pars, chapeos de veludo e palha tambera oa te-
mosde mnito gosto, postilhdes e basquinas de gor-
gurlo preto muito superior com ricos aeos de
selim : na ra ! de Marco n. 7 A, laja
Farnha de mandioca
igual a de /J/ui ibeca.
Em saceos de dous alqaeires e de panno de-
algodo, cuja medida corresponde de 5 a 8 0|0f
mais do que a medida daqui e do Rio de Janeiro,
vndese a preco menor do que em qualquer ou-
tra prtete : tratar com Joaquim Jos Gomjal-
ves Beitrao, em sea eseriptorio a ra do Coauner-
cio n. 17.
(RINDE NOVIDADE
Quaado a ACUIA BRRNCA, mais precisa scieotificar ao respeitavel prjbbco em
geral, e em particular a sua boa fregueaa, da immensidade de objectos qae ltimamen-
te tem recebido, justamentequando ella menos o pode fazer e porque essa falta iavo-
luntaria ella confia e espera na benevolencia de todos que lb'a attendero e relevaro,
continuando portante a dirigirem-se a bem conhecida leja da AGUIA BRANCA rna do
Queimado n. 8, onde sempre acharo abundancia em sqrtimento de superioridade em
qualidades, modicidade em precos e o seu nunca desmenttido AGRADO E SINCEWDADE.
a- a t^0 qae acima flca dit0 K wntec que o tempo de que a AGUIA BRANCV pode
dispor, empregado apezar deseus custos nodesempenbo de bem servir a aquellos qae a
nouram procurando prover-se em dita loja do que necessitam, entretanto sea ennome-
rar os objectos qae por sua natureza sao mais conhecidos ali, ella resumidamente indi-
car aquellos cuja importancia, elegancia e novidade os tornam recomtnendaveis, como
bem seja
Corpinhos de cambraia, primorosamente
eufeitados com fitas de sem e obras essas
cuja novidade de molde e perfeiclo de ador-
Dos os tornam apreciados.
Fitas mni largas de diversas cores e qua-
lidades para cintos.
Leques uesse objecto muito se poderia
dizer querendo descreve-los minuciosamente
por suas qualidades, coree e desenbos, tal
o grande e variado sortimento que acaba
de chegar, mas para nao massar o pretn-
deme se lhe apresentar o que poder de
melhor.
ntremelos em pecas de 12 tiras.
Guipure branco e preto de diversas qua-
lidades e desenbos.
Ditos de algodo com flores e lisos.
Yos de seda para cbapelinas e monta-
ra.
Meias de seda para noivas.
Ditas abortas de fio de Escossia.
Costumes ou uniformes para meninos.
Enxovaes completos para baptisados.
Capellas brancas para meninas.
Grandes sortimento de flores finas.
Fil de seda, preto.
PERFUMARA
Grande e constante sortimento de diay.
sempre melhor quajidade.
Lindos vasos com p de arroz e pinsel,
Caixinbas com ditos aromticos.
Bonitos e modernos pentes
para circular o coque.
Bonitos brincos de plaquee.
Adereces e brincos de raadreperolr.
Caivetes finos para abrir latas.
Tbesouras para frisar babadinbos.
Aspas para bailo.
Novos stereoscopos com 48 vistas, as
quaes sao movidas por um machinismo
urnas substituem as outras.
Vistas para stereoscopos.
Bonitas caixinbas de vidro enfoitados com-
petirs.
Ditas de raadeira envernisada com vispo-
ras e com dminos,
Bollas de borracha para brinquedo de
LEO DE OBRO
Grand* eeUbeeMeaeoto d (anudas e roupas fettas e por medida'i roa da Im.
paratrir. 82 juoto a toja de ovinas.
Neste estabelecimento encontrara o respeiUvel publico om bonito sortimento da
roupas da todas as qualidade. /
.J!&J!SSZV*t ^"V 3?000 mo 7*X)0'dit03 ^^ pwto
Ue7,Wfra 150OOO, diteoe caaaoMra de coivs finas e ordinarias, de 60 185000
ditos de panno finos de 6* 8* 10# a 0000. sobrecasaco dito de 200 a 505000 '
Completo sortimeoto de calcas de brim pardo d 10600 a 60000, ditas brancas
de 20, 100000 o mais superior, ditas meia casemira, ditas eaeroira de 51 120000
ditas casemira preta de |,; a lOWOOsuperior, dita de merino diversas qnalidades para
luto. Assia cosao uro bonito sortimnto de colletes de brim de cores, ditos branros
ditos de casemira de cores e pretas* ditos de merino para luto fazeada superior
Sonrojate complete de aerelas francezas de algodo de 13600 a 2300
ditasde bramante a ***>** 9HQ0 diUs da Hamburgo. francezas, fazenda sul
penor.de 25 assim como meias de algodo para banern de 3*, a IQjOOfta duzia, grvalas deraai'-
tas qualidades. Na ra da Imperatriz a. 52, leja do
Sortimeato de chapeo de sol de alpaca, e seda, ditos iagtezes cabe de marfim
Toslha8 para rosto. Sortimeato de mattas para TiaRem
ATTENgtt
Neste estabeleeimento encarrega-se de mandar fazer qualquer obra por medida
e para esse fim tem hbil mestre encarregado da oficina, que se eocarrega do trabalho
com perfeicao e peatoalidade.
SORTmKNTO !>E FAZKNDAS.
Chitas de 248 rs. o cxwado oa 104000 a pessa coro *2 covaes, ditas larodes
para camisas e tirnao de meamo 260. e 280 rs.. e outras motas qualidades de 320, 360
e 400 rs. o corado, neste mesmoestaeatecimenlo chegaram, ornas booitas chitas da
victoria com barra, a qoal para flbos ecompetente eofeile para corpinbo. Cam-
braia lisa de 35, 45,55 e 10)500 a pessa, e outras moitas fazendas de todas as Quali-
dades.
ALGOftiO E MftDAPOLO AVAWADO.
A 45t0 o algodo, e 45S00 o madapolSo, e tarobem chita escura boa 24ft e
covado por ter grande perco, n rna da^mperatrir n. 52; loja coro porta** encarnado,
intitulado
LeSo de Onro.
MACHINAS PARA
CATIRA
Acabara de ebegar ao GRANDE BAZA1
UNIVERSAL, ra Nova n. 22cabiwioo
tunjaum completo sortimento de ma-
chinas para costura, dos autores mais eo-
nfcecidos, as quaes esto em exposicao no
mesmo Bazar, garantindo-se a sua boa qua-
lidade, e tambem ensma-se coro perfeicao
a todos os compradores. Estas machinas
sao iguaes no seu trabamo ao de 30 costo-
reiras diariamente, e a sua perfeicao tal
como da melhor costureka de Pars. Apre-
sentaro-se Uabalbos exesutados pelas mes-
mas, que muito devem agradar aos pretn-
deme.
no armazem de E. A Burle & C. rol 0
Cruz n. 48 o seguinte;
\inbo Bordeaux superior qualidade, pao-
ros de 75500 a 205000. "^
Cognac fino, diferentes pre?os.
Licores de diferentes qualidades e pp.
eos.
Frotas e conserva em frasees.
Azeite doce francez, em caias de 41
garrafas.
Sacqos di Mtaya
Vendem-s optoaos sao ti *opav propojm
para amucar, railho, farinha eto.: no armazem a
Adomsoa, lowie & u, ra do Commercio n, 441-
LOJA DOS ARCOS
Cera te Lisboa en velas
Tamaoho9 dUTerentes dede t a 16 per libra, em
eaixas de urna arroba : no irmaaem de Tasso lr-
roaog A C, rna do Amorim n. 37.
Offlcina e armazem de
ma?,more
Veiae-sflviBhA daquella procnlenea
N. BA DO VICARIO- 11
Marcas
S. Jueo IMoe
______Cbataan Margaux. ________.
jEstampithas.
Vende-se na ra da Cadeia do Recife n. 58, toja
de aiakjat______________________________
Farmtia e mho.
No trapiche Bftrao do Livramento existo boa fc-
rinfca de mandioca e excellente milbo em saaoM
grandes : a tratar na rna do Vicario o. 1S, t* aa-
darrwcfiporio da joaquim Gerardo de Bastos.
Farinha da man
da Baha.
Caes
n. 57,
Vinte e dous de noverabro
(ootr'ora armazem aHiaaca)
Ha para vender peoras marmoles de todos os
tamanhoi e gr ssuras, tijolos de diversos ta-
manhos, soleiras e saccadas, assim como solei-
ras e saccadas de pedra de Lisboa. Tambem con-
jWU-se e faz-.se qualquer obra, como monuueo-
: to?, tmulos, estatuas, pas, lavatorios, mesa e-
' todo o mais tendente mesraa arte, por modicoe
i pocos.
No eseriplario de Joaqun GeraMo de Baso:
I ra do Vigarin n. IG, priaieiro andar, veado-o
; (arinna muito al va, fina e torrada, saceos de done
I alqaeires, por menos da qae em outra qualqoar.
parte.
Touquinhas de fil, sapatinhes bordados crianzas.
e meis para ditos. Diversos objectos de porcelana, proprios
Camisinhas bordadas para ditos. para enfeites de mesa e ds lapia&as.
Ra do Crespn. 20 A.
Alvaro Angosto d'Almeida C.
Este estabeleeimento de fazendas fines e grossas j bastante eonbecido como
am dos- mais bem sortidos desta cidade acaba de recebar directamente de Pan alanos
douradoei art^es- especiaes que passa a mencwroaf. #
Ricos cortes de vestidos de blSnd para casameatos.
Cortes de vestidos de seda di cor, de gostos inteiraroente nc-ws.
Brochad, fazendas de 13a e seda propria para vestido.
Foolard de seda de todas as 46res, tambem para vestidos.
Fitas largas de seda para cintos, gostos escoseses e Rsos.
Chapelinas de seda e de palha d'Italia.
Basquinas de-seda e gmpore.
Colehas de seda e de la-e seda.
Cortinados de cambraia bordados mniso ricos.
Pannos de verdadeiro croch para jardineiras, sof e 83deiras.
Toalbas de linho de superior qualidade.
Bramantes, selicias, sguioes atoalhados.
Guardanapos, colchas, aaias bordadas camisas,.
Cache-nez, bal&es, cami>inhas, sombrinha.
Madapoioes de varias qua id3des, saxos para ^agem, mallas, tapetes, capa-
chos, alcatifas e mnitos outros artigos que se vende por precos mdicos.
Tero tambera-constantemente nm completo sorrmento de ESTESIAS DA IN-
DIA para forrar salas.
Vende-se
Sementes n:vas de hortalices, garantidas, da socie-
dade de Horticultura Lisbooense, ra do Amorim,
deposito da fabrica de cervejas e espiritas da ra
do Brnm.
AZ GAZ m
Chegou ao antigo deposito de Henrr Porster 4
" C, ra do Imperador, um carregameoto de ga:
' de primeira nualidade; o qual se vende em partiai
e a retalbo por menos preco do que em outra qual
qner parte.
Veude-se uro terreno propno, com 138 pal-
mos de frente e 160 de fundo, para o lado da es
. trad de ferro, cujo terreno tem al ceree feito pa-
ra cioco ni .indas de casa, na ra de MotocoUim-
h (o- Afogados : a tratar na mesma ra, ou na
rna Direita dos Afeados n. 13.
Sahidas de bar.
Chegaram loja do paco as ricas sahidas de
bailo, assim como os ricos enchovaes do cambraia
bordados para enancas se baptisarem, artig este
o melhor que ha no mercado, assim como temos
grao e sortimento de outras muitas fazendas de
gosto e novidades por todos os vapores : na leja
do pago ra Io de Marco n. 7 A.
Vende-se urna casa de taipa, na baixa do
Zumbi, (Torre) em solo rendeiro : tratar na ra
Imperial n. 233.
BRACO
Ra do Imperador n. 26
O rpspcitavel publico encontrar naafo
estabeleeimento diariamente um complete
sortimento de pastelaria, bollos iogiett
podins, pads-del, prgsentos dos utino
chegados ao mercado, salame de lion, be-
linhos finos de todas as qualidades para cha,
amen loas concitadas, confeitos, bomboms,
pastilhas, chocolate francez em libras, paa
tilhas do mesmo .cartuxos e carteiras com
seis charutos de cho oate cada orna, este
sortimento de cbseolale da mais acredita-
do fabricante de Pars e o melhor que at
boje tem vindo ao mercado.
Yinhos portuguezes, figuetra muito sopa
rior. Os mais genainos e superiores vinao*
do Porto, moscatel e Setubal, o illostrade
publico encontrar neste estabeleeiroeate
por corarnodos precos, fazendo-se abatimaa-
to a quem comprar em porcao.
Os dono* deste estabelecimecto nao s*
tem poupado a despezas para melbor roe-
recerem a acoadjuva3o do illustrado pe
blico.
60RA DA IMPERATRIZ60
OS DreCOS OUe COmnram as casas StranffWras. Para mamr crtmnvxiitarlo riaa E'tm-.D hn>;i.i> A t^A^, . r____j.f .. ,-__fi-____i_______- r ? , wunn, urau ira
e armazem poderlo fazer os seus sortimentos pelos mesmos precos que compram as casas estrangeiras.
derera escolher.
Organdy branco cora listras lar-
gas e quadrinhos, a vara a 1#000.
Todas estas fazendas, sao inteira-
roente novas e se vendem muito em
conta, ra da Imperatriz n. 60,
ija e armazem de Silva e Figuei-
do de C.
Para mator commodtdade das Exraas. familias, de todas as fazendas se do os liwos das amostras, ou se mandam levar em'suas
casas, para melbnr >.
ALTA8 NOVIDADES
DO P1VAO
BONITAS FAZENDAS PARA A FES-
TA DE
SANTO ANTONIO, S. JOAO E S. PEDRO.
Veniem-se as mais lindas ponpeli-
nas de >inho e seda com os gostos
mais novos que tem vindo a este
mercado, pelo barato preco de....
2;J0OO o covado.
Sedas listradas, de farta cores, fa-
zendas de muita pbantasia a 2000
o covado.
S- da bismark, larga fazenda muito
encorpada o covado a 2J500.
Bonitas lasinhas largas com palma
de seda, covado a i1000,
Lindas agraciando lavradas covado
a \600.
Alpacas lavradas de todas as co-
res, covado a 640, 800 e 4(5009
Bonitas ISssinhas escossezas com
quadros e litras de seda, covado a
56).
Finas alpacas lisas, sendo cor bis-
mark lyrio, verde, roxo, cinza, can-
na, azul etc., covado 640.
Ditas furta edres com as mais bo-
nitas c6res, covado 50.) rs.
Lindas bareges lisas, e com lista
da mi-sma cor, fazenda inteiramen-
tenova, covado a 569 e 6i0 rs.
Bonitas lasinhas lapadas e trans-
parentes com grande diversidade, o
covado a 600 re.
Lasinhas lustrosas com lindas co-
res etnitacao de seda, o covado a
320.
uindos cortes de anadine. sendo
fazenda nova e transparente e de
muita pbantasia, com 18 covados a
W 150000.
Finiss mos cortes de vestidos bran-
cos bordados com todos os enfeites
francezes a I2000.
Cortes de ganga indianos, fazenda
inteframrtnte nova a 7)5000'
Ditos chinezes cora duas saias a
7^000.
Dijos de la escosseza fazenda mui-
to b inU com Boa de seda a 75O,.0
Finitstmos orgaodys com lista de
cor a salpico, sanio fazenda de
muita pbantasia, ojmetro 10280.


de 120U0 rs. cada um, pecbincha.
CASEMIRAS ESCOSSEZAS.
0 Pavo tem boni as casemiras escosse-
zas com quadros grados e raidos e outras
lisas com listras ao lado, sendo fazendo
muito tina que se vende mais barato, por
haver grande porcao.
CORTES DE CASEtfHU PRETA A 4:500,
O Pavo tem os superiores cortes de ca-
semiras protasenfeita las polo barato preco
de 40500 rs. o cort,
CASEMIRAS RASPADAS A 800 RS. 0 CO-
VADO.
0 Pavo ?ende excellente fazenda de pura
la com as cores escuras muito proprias
para calcas, palitots, colletes e roupa para
meninos que l'r^qu-ntam a escolla por ser
urna fazenda leve, escura e de muita dura-
Co. pecbincha a 80D rs. o covado oa a
20800 o corle de calca para homem.
FINAS BAREGES A 640 RS. 0 i-OVADO.
O Pavo tem as mais lindas bareges de
la sendo nuias transparentes, com urna
s cor, tendo: lyrio, azul, rosa. Bismarck,
roxo, etc., tendo muito boa largura e liqui-
dare por 640 rs. o covado, por se ter fei-
to urna grande compra, assim como ditas
mais estreitas de urna s cor com listras
imitafo de seda a 560 rs. o covado, e pe-
chincha
PECAS DE MADAPOLO A 30500.
0 Pavo vende pessas de muito bom
madapolo, tendo 12 jardas cada urna, pelo
barato preco de 30500.
PECHINCHA EM ALGODO A 4#000 RS.
O Pavo est vendendo pecas de algodo-
sinho francez, tendo 4 palmos de largara e
com 11 metros cada peca, pelo barato pro-
de 40000 rs.
CERA DE CARNAUBA.
Vende-se superior cera de carnauba em
saccas, mais barato do que em outra qual-
quer parte, na ra da Imperatriz n.'60,
loja do Pavo.
OS SETINS DO PAVO
Vende-se es mais bonitos setins de xores
e mais encorpados, proprios para vestidos
tendo de diversas cores.
CROCHffS PARACADEIRAS E SOPA'S.
O Pavo tem um grande sortimento dos
mais bonitas crochs para cadeiras, sofs
mesas, almofadas etc., proprios para co-
brir presentes e vende-se mais barato do
que em outra qualquer parte.
Algodo enfestado.
Vende-se urna grande porcao de algodo
sinbo americano com 8 palmos de largura,,
proprio para le&ces e toalhas, tendo liso e
f 6R0SDRNAPLES PBETOS DE 600 AT 7*000
Na loja do Pavo encontra o respeitavel
publico um grande sortimento degrosde-
naples prelos de todas as larguras e qua-
lidades, tendo de 0SOO o eovado at 70000
e 8000.), que se vende por preco muito
em conSa.
CASSAS FRANFZAS. .
Chegaram para a loja do Pavo as mais-
lindas eussas francezas com delicados pa-
drees, tendo para todos os precos e
trancado; que se vende por preco mnito era. ) !!' E.E7 .WUS0SPrecs e ,.,; i dades, dando-se todas amostras, s*im como
um Bonito sortimento das mais lindas clii-
conta.
LAAS ESCOSSEZAS
LAAS ESCOSSEZAS
LAS ESCOSSEZAS
A 560 rs. o covado.
Chegou para a loja do Pavo, o mais
elegante sortimento das mais lindas razi-
nbas escossezas com fios de seda, as quaes
fazem o mais delicado efeite, para vestidos
de.duas saas, e vendem-se pelo baratissi-
mo preco de 560 rs. o covado.
SEDAS DE LISTA
SEDAS DS LISTA
SEDAS DE LISTA
a 20000 o covaHo.
Chegou para a 1 ja do Pavo um grande
e bonito sortimeoto das mais lindas sedas
de listas com as mais delicadas cores, tndo
entre ellas algumas que servem para lato, e
vendem-se pelo barato preco de 20000 o
covado, pechincha
FAZENDAS PARA LUTO NA LOJA PAVO
Encontra o respeitavel publico neste es-
tabeleeimento um grande sortimento de fa-
zendas pretas, como sejam cassas franco*
zas e inglesas, chitas pretas de todas as
qualidades, fazendas de la de todas que
tem vindo, proprias para luto, sendo lasi-
nhas alpacas lavradas e lisas, canto, bom-
basinas, merinos, etc. que tudo se vende
por preco barato.
PARA BAPTISADOS
Na loja do Pavo vende-se bonitos en-
chovaes para baptisados.
Cortes de casemira a 40000, cada um.
Vende-se bonitos cortes de casemiras
claras e escuras pelo barato preco de 40,
ou a 20400 o covado, tendo duas larguras,
CORTINADOS PARA CAMAS E JANELLAS
de 80, 100,120 e 160000.
Chegou para a loja do Pavo um grande
sortimento dos bonitos e ricos cortinados
bordados, proprios para camas e janellas,
qae se vendem de 80000 o par, ate o mi
rico que vem ao mercado, e vende-se mais
barato que em outra qaalquer parte.
tas francezas escuras & alegres, que se ven-
dem muito em conta, e tambem se do
amstras.
CHITAS A 240 RS,
Na loja do Pavo vendem-se bonitas chi-"
tas francezas claras e escuras e cores fixas
240 rs. o covado, e pechincha.
LASINHAS A 320.
LASINHAS A 320
LASINHAS A 320.
Na loja do Pavo vendem-se elegante sor-
timento das mais bodas lasinhas lustrosas,
com listrinhas a imitacio de poupetinas de
seda e com as cores mais lindas que tem
vindo ao mercado, sendo fazenda que vale
mnito mais dinheiro, e liquidam-sa a 320
rs. o covado, pechincha,
FECHIXCIIA
EM CAMISAS DO PAVO A 40500 RS.
Vende-se om bonito sortimento de muito
Unas e modernas camisas inglezas com pe-
to e coliarinhps de linho e puahos pelo
baratissimo preco de 40500 rs. cada urna
e aos freguezes que comprarem duzias se
lhe far um abatimento, garantindo-se que
fazenda que vale muito mais dinheiro,
ROUPAS PARA HOMENS PARA TODOS
OS PRECOS.
N'este grande estabelicimento encontrar
o- respeitaver publico um grande sortimento
de roupas, sendo palitos e sobrecasacos de
pann
brim branco e de cores, que tudo se vende
mais barato do que em outra qualqoer parte;
assim como um grande sortimento de ca-
rnizas franaezas e inglezas, e ceroulas tanto
de linho como de algodo e abundante sor-
timento de meias cruas.
VESTIDOS INDIANOS COM DUAS SAIAS.
0 Pavo vende urna grande porcao de
cortes de vestidos indianos, tendo duas
saias e tendo basiante fazenda, com os gos-
tos mais novos que tem vindo, e liquidarse
a 501)00, tendo cada om seu competente
figurino.
CASEMIRAS MESCLADAS A 30 0 COVADO
0 Pavo tem para vender bonitas case-
miras mescladas e bastante encorpada para
roupa de homens e meamos pelo haraio
preco de 30'XO cada covado ou 50000 o
corte de calca para homem.
Roupa por medida.
Na loja do Pavo manda-se fazer qualquer
peca de obra a vontade do freguez, para o
que tem um perito alfaiate, responsabelisan- fina que vem ao mercado.
ALPACAS LAVRADAS A 640, 800 j
1,000 RES.
Chegou para este grande estabelicimenu
o mais bonito sortimento das mais modar-
e sobrecasacos de I Ms alpacas lavradas de todas as cores, qm
eto e cazetmra, calcas-e coletos de se vendem a 10, 800 e 640 reis o covado.
assim como um grande sortimento de sipa
cas lizas de todas as cores
Basquinas.
Chegaro as mais modernas basquina*
oa jaquetinhas de seda preta, ricamente
enfeitadas a vidrilbo, tranca e settm preto
tendo de todos os modelles, os mais novos
que tem chegado e vendem-se por preco
muito razoaveis.
POPELINAS DE SEDA
POUPELINAS DE SEDA
POPELINAS DE SEDA
a 20000 o covado.
O Pavo acaba de receber o mais ele*
gante sortimeato das mais lindas veidadei-
ras poupelinas de linbo e seda com os pa-
drees mais delicados que tem vindo ao mer-
cado, tendo entra ellas cores proprias par
alliviar luto, e vende-se pelo barato preco
de 20000 cada covado, pecbincha.
Cambraias brancas
Vende-se um grande sortimento das roa-
lhores cambraias tanto victorias como trana*
prenles tendo de 30500 peca at a roai*
do:se os donos do estabelicimento por qual-
quer falta que possa haver, quer por de-
mora, quer por qualquer defeito na obra;
e para isto encontra o respeitavel publico
um grande sortimento de todas as fazendas
que desojar.
liquida-se por este preco por se ter feito BAMANTE A
urna grande compra : assim como se vende vende-8e superior bramante com 10 pal-
ano bonito sortimento de drtas tambera com raos de largura, proprio para lenCes, dan-
peito de linho bordadas e ditas de algodo | do a largura d'esta boa fazenda o compri-
para todos os preces. ,ment0 do lencol_ aendo iso Mda
PANNO PARA SAIAS A 10000, 10280 a om apenas 1 e f/2 metros ou 1 e 1/4 pe-
10600 RS. chincha pelo preco.
Vende-se benitas fazendas |proprias para' espartilhos a mooo.
saias sendo cem bordados a pregas a om J Vende-se um bonito sortimento dos me-
lado, dando a largura da fazenda o compri- mores-e mais modernos espartilhos tendo
ment da saia e vende-se pelo barato preco I do barato preco do 50000 at 8000.
de 10000, 10280 e 10600, cada metro sen-
do preciso apenas 3 ou 3 1/2 metros para
cada saia pechincha.
Vestidos brancos a 1S4000 rs.
0 Pavo vende flnissimos cortes de ves-
tidos de cambraia franca, ricamente borda-
das e com muita fazenda pelo barato preco
Cachenez.
Na loja do Pavo vende-se um grande
sortimento dos mais bonitos cachenez ae
pura Ha proprias para senhoras, vendem-se
a 60000 cada aro. aa ra da- Imperatriz
n. 60.
loja do Pavao est constantemente aberta, das 6 horas da manhaa s 9 & noute
CAMBRAIAS BRANCAS A 4*000, A PICA.
S o Pavo vende pecas de cambraia
branca transparente, tendo mais de vara de
largura, com 10 jardas cada peca, fazenda
que sempre se venden a 70 e 80000, liqui-
da-se pelo barato preco de 40000.
FSTES BRaNCOS A 640, 800 R IJfOO.
Vende-se muito bonitos fustoes brancoa
muito flexivel proprios para vestidos da
I senhoras e roupa para meninos e vende-s*
a 640, 800 e 10200 rs. o covado.
Cassas a 14 rs.
0 Pavo est vendendo bonitas cassas da
cares fixas a 240, 280 e 300 rs. o covado
Brilhanteg lasinhas.
S o Pavo, 640.
Chegaram as mais birlhantes lasinhas oom
as mais lindas cores, com palminhas miudi-
nbas, asseatadas as mais delicadas Ores da
lyrio, cor de canna, cor de gaaga a brisco,
sendo estas novas lasinhas de muito boa
qualidade, tendo largura de alpaca e venas
sea 460 rs. o eovado. roa da Imperatt
a, 60 loja de Pavo.
i


11


i

Diario de PeruamJbuco Quarta eira 27 de Jullio de 1870.
I

h V;

. >

' t
40 RESPEIT4\EL PUBLICO
v.^ Loureo?o Pereira Manto* Gui***-;, c^merdaitf* de iba de concluir
*<** w|sms cmnQumt.* -e novo abre tseos ttimkm de fazendas
t***a d iaBperatwz, . ais liquidar todas m mm im,,,*,rom grande batimento fle precos, por sso con-
dasa) tsaptitasri o nidio a seo* airi<>-< e fregnffzes, lauto da praca como do matto,
liies kinbMi de novo o ssn Mttbelcrimontn, e que todas ftzendas esto
i ttqa o arniazem a aiwa?tu da laja Gsriba'di, para icar somonte com a da Arara, como cima
anaJJBc,
Attenpo.
Veade*se chias fimncaan a 210. 2SO, :(20
3fO*o cotado na lij ORG.ttHrVS OS UfiTA DK <#RES.
Yaode-se organdvs. ara vestid** de se-
bsrss, isienda auuto awdeinos a 440 rs.
oovsdo.
nHhanUM u MiHwoMlia tle cr
Veofle^SH 4jrBhantii * nmnttttitia de
cor para vestidos a 4iO o vade.
MiQtMB IHACEKES A 360.
Vende-se riscados tancezes para vestidos
a .StOrt. ' aovado*
Chitas largas a StdJ.
Vondita rhilu sariuir fin iln Lugas
para vkIj**-d* fctiahrtrt, a AfO-o trovado.'
iua itta*i4..a atura* a 210 o covado.
____ll Ir v f \ f lu. i kiv\
AlT.\\:l> LjISAS J\ Vende-feiiastas lisas pato vestidos de
sdnboras a 00 e GO rs. o covado.
LaAZLNHAS TK.V^SPARENTES A 300 RS.
Hale*1 ItoKitibas transpafenles, para
Mos 380 rs., ditas tapados a 400 fs.
o covado- pura liquidar.
A4#*CASDK LISTAS A 300 RS.
Vfco- alpacas to lisias para vestidos
a auu ts o cavad*.
BRILHANTINA BRANCA A 300 RS.
Tnods-sa, brilbaMssa branca para vustitlos
'500 w, o availo,
ALPAClS MATSAOAS A GO.
VsadO'ts alpacas isatisadas para vestidos
aotonhor-ii 040 rs. o covado.
CORTINADOS PARA JANKLLAS A 63000.
Vende-tse cortinados parajanellas a ($#000
por paca- miil-r.
*BWSU8 Vende-se sedas para vestidos a 1 )000 o
covado.
AU
CORTINADOS PARA CAMA I4-KJ0O.
Vende-se cortinados (tara cama a 14#000.
iOLLDUAS PAHA SENHORA 100.
VeudJB-se urna grande porcao de gollinbas
para senboras o meninas, a 100 e 200 rs.
cada orna pan liquidar.
CHITAS PARA CORERTAS A 320.
Vende-se china largas para coberta a
320 e -60 rs, o covado.
MANGUITOS E COLLAS A 500.
Vende-se manguitos e golltnuas para se-
awraeiWttts. 44*. *W abo-o -646o 00
rs: cada uma.
. CHAUCSESTAMPAIJOSA 2#000.
Vende-se chales de merino (alampados a
2000 para liquidar.
CAMBHAI.lS VICTORIAS 65000.
Vende-se cambraias Victorias finas a
*d000 63500 o 74000. por ser liquidaco.
ALPACAS COM PALMAS DE SEDA A 15000.
Vende-se alpacas cum palmas de seda para
vestidos de seobora a I060o covado.
C6RTES*DE CtlTAS DE CORES A 200.
Vende-sc cortes de cliits de cores ';om
<6 covados a 2W0.
CHALES BRANCOS DE CASSA A 11000
C\DA M.
COBERTAS CHINEZAS DE CHITA A 2^000.
Vfnde-se uma grande porro de cober-
fas d chitas chineras para cama pelo barato
preso de 25000 cada uma.
Vende-fl ha toja *o Arafa "i'balcSes para
quakjuer estabeiecimento por barato presso
por n3p se precisar tlte* no eSta'beleci-
mento.
RETALHOSDE CHITAS PRETAS E CASSAS
A 120 0 COVADO.
Vende-se ma grande prCSo de reta-
!hos de chitas e cassas pretas a 120 rs. o
covado para liquidar.
COBERTORES DE ALGODO A i400'
Vende-se cobertores de algodSo cada um
l^OO.
RRAMANTE DE LINDO FINO A BARATO
PRESSO.
AlgodA (randado de dnas lar-
guras a 1S200
Vende-se algodao transado de duaS lar-
garas a 13200.
MADAPOLO ENTESTADO A 3,$S00.
Vende se pecas de maJapolao de 12 ar-
das a 33500 a p^ci.
LGODO A .43000.
Vende-so pec-s de algodo^ncorpadoa
13, 53, 63 e 73000 a peca.
Ilud,;,.!lo a 5.$OOQ.
Vende-se pecas de madapolo de 24 jar-
das a 53 03 e 6->o00, dito muito fino a 73,
83 93 a 103 a prca para liquid r.
ALGODAO DE 8 PALMOS DE LARGO.
Vende-so algodao com olio palmos do
largura prop io para lences e toalhas a 900
rs, o mvtro.
ALGODAO DE LISTA A 160 RS. O COVADO.
Vende-se algodo de lista, proprios para
snias 00 vestidos para escravas ou calcas e
carnizas para escravos por ser muito forte a
100 rs, o covado para liquidar.
Cortes de castor para calea a
oo rs.
Vende so cottes de castor para calca a
500 rs cada um.
CORTES DE BRIM PARA CALCA A 13400.
Vende-se cortes de brim de cor para
calca a 13400 CTda um.
Ilritti pardo liso a 500 rs.
Vende-se brim pardo liso, mel linho para
calcas para trabalho a 500 rs, o metro.
angas para calea a *SO rs.
Vende-se gangas inglesas para calcas e
patitots a 280 r-. rt covado para liquidar.
CORTES DE CASEMIRA DE COR A 3,3500.
Vende-se cortes de casemira de cor para
calca a 33300 cada um.
Ditos mni o finos rom listas do lado a 33.
PERCALAS FIN 4S A tw.
Vende-se .'perca as finas, para vestidos de
senhoras a 440 rs. o covedo.
Cassas f:-a--rezas a 94a.
Vende-se cassas francezas para vestidos
a 240 rs. o covado.
SORTIMTO
U JE MOIiHADO^
ATIVO
N. 23Largo do Terpo.K. 23.
rrx
DO
D
1MA0 DOS SANTOS t C.
10
Pateo da Peniaa
DE
10
SA ROS 4 FEBE IRA.
Os proprietaros destes bem ortidoi afmazens paiticipam aos soos innomoros
fregueaes tanto desia tiraca como do mauo que tendo fito grande diminuc3o de pro-
cos tras suas metcadoriaS estSo por sso resolVidos a vender por menos de 10 e 20 *ia,
do que ea: outra qualqucr parte, garantindo-se porianto a s-perior qualidadede qual-
qaer genero comprodo ueste ous eslabeleetmentos. Mencionamos alguns dos nossoo
gneros e a vista destes s3o ebraprehendidos os oatros, Jorque enfadonho seria men-
cina-los.
Se alguem duvidar venha ver.
Vinagre branco mandado vir por conta
propna vinto de Lisboa, a 320 a garrafa
480 o litro.
dem tinto Figo^ira, Lisboa e Porto a
320,280, 2*40 e 200 rs. a garrafa e 480 300
rs. o litro.
Vinho Figueira, Lisboa, Porto e Estreito
Gaz americano marca Deves a 83800 a
Wa, 380 rs. a garrafa e 560 o litro.
Aaette doce do Lisboa a 900 e 13>XK) a
garrafa em porcSo fat-so grande abatimen-
to.
Ib
e
Caf em caroco a 220, 240 2W), a
w -- ~......^m
^ Cortes de seda e de eambraia bordados J
S/l) O Cysne na da Impeivuriz n. 04 acaba de receher Nodu? e modernos cortes de ^*fj
,V; vestidos de seda, m-ios o d>; <:ores, lisns e malisados : assira como corles de eambraia Ivg
*jjj braacos toaos ricameoie bordaios, os quacs voude por commodos procos.
|| Laa para bordar a 5^500!
f& Acaba d receber um grande e variado soriimeiuo de lia, qual vendo a BaHM
*** libra, cores soniJas.
m
m
Fitas e galoes de seda
Reccbn laflibem um lindo sorlinK^lo d tr.in/jas, franjas o galoes de seda, c um *3|
variado sortimralo xun sem numero do artigo* proprio de dito estabeiecimento.
m



SRS. ALFAIATES
ltW6
Chegou a loja das Colunnas, da ra do Crespo n. 13, de Antonio Correia de
Va.sconse! os. superior velludo preso de seda.
RA DO DUQUE DE CAXIAS N. 7. (OUTRORA DO QUE.MADO)
DE
M0BE1B4 & BASTOS
Este novo estabeiecimento j bi m conheado netsti capital, os seus proprieta-
nos faiem ocJenW aos seos fregaezes e ao respmtavel pulilico qne conservam sempre o
elhor e mais vari.i.lo fortiuneotu de fazeudas para annipnn. bomaa e meuiuos, sendo
-osa especialdado oaxovaes para ooivaios e preparo* paa salas.
Pi'a nivas
Ricos vestidos de biond de seda bordidos de dnas saias o qao ha mais rico e
9003 todos os preparos.
Gorgur3o branco.de seda, superior qualidada.
Manas de blonl com capellas.de flor de laranja : s na
Rua -do Duque de Caxis a. 7.
rim tpecaififaJe d Bartholo
34.RUA LARCA DO R0SAM0.34.
.J*0* cmuwhibm procorar MmUit p*r> KMdiiw
hti^M ewrtkMdoi imano., V 4:ie qwlMf.
?y ***)*> safcMaaa,afa. "
aswa
vfc-aiwl
INOf*
*ieUI Aowmiio. d. m otmomt. Mita*
>r<*n bailante doute e oBM. aanijaB.. m m
Wfl.tia.Bte rwcoc aM tro.ie nmt t*n
lOMe. BM ft.MlbtlnW 4 Mil Q.
d. color d* empreu Irric, too* i.nilaiwr lh. ana
compteto teJt.beUcim.ou.. oh obtmmi tnIt.
I^T taSTt-**!** ^ w-to nS
'i. ia tM.la.Ma .lbm maar----'*-

4. as.
I Uma
rica 00.
cei MI
*t*a.-i
?&???******** ** *a-
:'**!"* faH*taKSrI^Jtw
________________
uecdtwu a loa* iun h^
de grande poBcwh. Qnm
IR
a360>300 4Sp e 400 a gajrafa-Jio a 840! ^Lkiilram,no-a 480, 8* e t00'
760, 720 e 600:
Vinho branco puro de Lisboa a 40 960
a garrafa, em powo ha abatimooto.
Viobo do Porto, engarrafedo da melho-
res e maisacretadas marcas a 13000 e 13*00
13500 e 23 a garrafa.
dem Bordeaux, Medoc e St. Julieo a
73300 e 63500, a duzia e 640 rs. a garafa.
Genebra de Hollanda e laranja doce aro-iamn,ei
macaa 63500.73, 113500, a frasqueira." *&
Servoja Bass, Illers & Bell a 93800 du-
zia em porco ba grande abalimeato.
dem marca Hete ootras marcas a
53500 e 63, a duzia e 500 rs. a garrafa.
Assim como ba outros amitos
passas e figos, charutos finos de diversas mar
qualidades, perola, Francy-cracynel, a, b, e, M
lace de Varieies, combination, Britania, doce de
franceza e ingleza, banha de Baltimor, pliosph
sas qualidades, OaneUa, pimenta do reino, srvay.
em latas de todas as. qualidades, fannba de rnbomericaiia, grandes molhos do sebol-
las, nestes dous armazens existe tambero ;graod* srtimento de Joucas propnas para ne-
goci, que pelos seus commodos preco fax ,vatajem aos compradores.
7rJ00O. 735K) e 83800 arroba.
Mimo aipisia 200 r>. a libra e 440 o ki -
loAjramma e 53800 a arroba, om porcao ba
abatnenlo.
Qieijos frescos do allimo vapor a 33200
e 3*00 cada um.
Aietria, macarrSo, talbarim a 500 rs. a
Kbra-e 13100 o kilogrammo em caixao ha
abtrrtento.
3o massa de 1 e 2* qualidade a 220
o 24a rs. a libra em caixa ha abatimento
Toocioho de Lisboa muito alto a 400 rs.
a libe e 880 o kilogramo, em arroba ba
grando differenca.
ge
vinho em ancoretas, azeitonas,
marmeiada, botachinbas de todas as
mixed, soda Fancy-nic-nac, pa-
iaba fina, cbouricas, manteigas finas
de Sycuryt, Cogoac, cha de diver-
pomada, enxofre, breu, peixe
toce
13
13 Ra da Imperatriz
DE
ULYSSES & RMAO
Os propiietarios deste bem coahecido e a credilado estabeiecimento aviso ao?
seus numerosos fregoezes tanto desta pra?a como de fura, e especianente ao ilustrado
corpo ACADMICO, que este estabelecimenio acha se sempre bem prvido de todos os
artigoj de >eo gneros abaixo mencionados e que vendemos por mdicos precos, tanto
avarejo como por atacado para negocio, para o que se podem derigir por carta a nossa
casa que sei2u sapiisfactoriaoiente servidos.
CHARUTOS
joperiores de Havana, Hamburgo, Babia,
;las acreditadas marcas Regala Britnica
Imperiaes &: do do Rio da bem conhecMa
marca Opera e entras rnuitas feitas aqu de-
safamados Beberibe e outros que se venden
em porcoes.
Cigarros
de palha de S. Paulo, de 33000 a 73000,
) milbeiro; verdadeiros do afamado Daniel
do Rio Novo, Maurity, Imperiaes Visconde
de Herval, Duque de Casias, Gaodon etc
de pape.1, de fumo de Daniel, General
Osorio, Conde d'Eut> aromticos, e peito-
raes, HocamboJe, Radicaes, Acadmicos,
Macbam bomba, Monte video. Orientaos, Bae-
pendy e nanitas nutras qualidades.
fuhos
Afamados de BAEHiNDY em caixes de
10 libras a* 13400 rs. a libra, em pacoies
a 23, e em porco 13500 uto em lata de
quarta a 640, o a 500 ris; dito Daniel do
Rio Novo, do Para de S. Paulo, Caporal,
e rnuitas oulras qualidades.
FABRICA DE
Com prompiido apromptamos quakjuer encommeatla dos afamados cigarros de seda,
Baependy, linho, e de outras qualidades da nossa bem onbecida fabrica, e bem atiesta
i superioridade o nossos cigarros, numerosa reguezia dos nosso estabelecimentos.
TS. 1 Travessa de S. Pedro N. 1
GALLO VIGILANTE
Raa do crespo a. 7
O propneurio desta bem conhecido eatabele-
etaantA, al das muitoa objeetos que ;inham ex-
Ktos a apceciaco do respeitavel publico, mao-
am vir e acabam de receber pelo ultimo vapor
da Europa um cotnnleto e vanado sortimento de
finas e mu delicadas especialidades, as quaes es-
li resolvidos a vender, como de seu costume,
por freas inuiw baratinaas e commodos para to-
dos, com unto que o Gallo....
Mullo superiores luvas de pellica, pretas, brau-
eas c de nrut lindas coros.
Mu .boas e bonitas golliuhas e punhos para, se-
nbora, Beata genero o que ha de mais moderno.
Superiores pentes de tartaruga para coques.
Lindos e riquissimos enfeites para cabecas das
Esmas. senboras.
Superioras trancas pretas e de c res com vidii-
lbos e sam cUes; esta fajeada o que pode baver
de melhor e mais bonita.
Superiores e bonitos loques de madreperola,
marnm, sndalo e osso, sendo aquelles brancos
cero lindos desenos, e estas pretos. ,
Muito superiores meias fio de Escossia para se-
nhoras, as quaes sempre se vendern por 30 jOOO
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 204,
aim destas, temos tambem grande sortimento de
outras qualidades, entre as quaes algunas muito
Unas.
Boas bengalas de superior canna da India e
castao de m^rfim etm lindas e-encantadoras figu-
ras do mesmo, nesie genero o.que de melhor si
pode desejar ; alm destas temos tambem grandi
quantdade de outras qualidades, como sejaih, ma
deira, baleia, osso, borracha, etc. etc etc.
Finos, bonitos e airosos chicotinhos de cadeia e
do ontras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora e para meni-
nas de 1 a 12 annos de idade.
.Vavalhas cabo de mirflm e tartaruga para faier
barba; sao muito boas,e de mais a mais sao ga-
rantAs pelo fabricante, s nos per nossa vez tam-
bem aseguramvs mu qnaHdade e delicadeza.
Lindas e bcHa* capellas para noiva.
Superiores agulhas para machina e para crox.
Linha muito boa de peso, frouxa, para encher
labyrintho.
Bons baralho de cartas para voltarete, assim
como os tentos para o mesmo tm.
Grande e variado sortimento das melhores per-
fumarias e dos melbores e mais conhecidos per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as convulsoes, e
facilitam a donticao das innocentes chancas. So-
mos desde multo recebedores destes prodigiosos
collares, e continuamos a rocebe-Ios por todas os
vapores, afim de que nunca faltem no mercado.
cuino j tem acontecido, assim pois poderlo aquel-
les que delles precisaren], vir ao deposito ao galio
vigilante, aonde sempre eocontrarao destes verda-
deiros collares, c os quaes attendendo-se ao flm
paraquo iio appliraos, se venderao com um raui
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista dos objeetos qne deixamos
declarados, aos nossos freguezes e amigos a virem
comprar por precos muito ratoaveis loja do gallo
vigilante, ra do Crespo n. 7.
111 BPBil
A ra do DiKine le Caxias n 21.
(AITIGA RUA DO QUEMADO)
Receben segninte :
E-peHws grandes dourados, mnM.s bonos.
Carteiras, charuteur.s e port-rigsrros demoit
qualidades.
Runitas pastas para papis, simples < matmida..
Boas calan varias para costura com sua i.napi
tente chave.
Delicadas caetas de marfim com o bocal
prata.
M'ideriKis rentes de t;iramgn, sobrcsslnndo cu-
tre ellw os niimwo* iHepra^ihistas.
Ctmmodos t.ocMdores com duas gavetas e b.-m
espcllw.
Pon houquet, o que de melhor tem appare-
cido.
Purt relngios de muits <|nlidade.
Rns talheres para rriancas.
Vosluarin, chapnzinlios, toncas, sapatos t>mas
para ba plisados.
Toalhas e fronhas de labvrintho.
Chapos e chapelin3s para senhora, moMes twv'ns
e bonitos.
Chapozinhos gvrrcs e bmets para mSBtasa e
meninas.
ICoutra as convalsSvs aas
Vend-se os verJadeiros callares na Nova Espe-
raoca, ra dn Duque le (*.-xias u. SI.
' PARA TOGIU CABELLOS
para prei-n on oawntue, rer-tieu a Nova Espe-
ranza a verdadeira linca itmltva.
PALA ACABAR OOiJ AS 'SARDAS
ou pannos, m a Nova Kfpuraaea o verdadeiro
leile de rosas Iiranra".
AGUA DE FLOIt DE-LAliANJA.
Vndese na Nova Espernnea, tua da> Bn>pK d*
Caxias 11. 21.
PAPEL PARA" KXFErTAR -FE BOLO*!
receben-os muito lindos a Sova Esperan;, m*
do Duque de Caxns n. Si.
PAUA AMACLAR E AFORMJSEAR A PELLE
tem a Nova Espctauca ws sabonetei de |kw de
arroz.
VARIEDADES
P0.MH1RAS de espuma finas para cha-
rutos 9 ci jarros, completo sortimento.
CACHIMBOS do superior espuma, de ma-
deira 13,000, a duzia ditos finos diversas quali
dades avarejo: dito p de gaMinbas do qoe
ha no mercado a 2,800 e 3,200 a duzia;
ditos de louca, gesso, barro, ele, etc.
BOLSAS para guardar fumo, de borracha'
e cooro de diversos modelos e gestos.
CARTERAS de todos oa syslemas para
ctgarros.
PHOSPUOROS de cera, dos melhores que
ha, era caixas de 500 a 5,500 a duzia, em
caixas de 400 4,500 a duzia, em caixas
de 2,900 2,600 a duzia e rnuitas outras.
PAPEL de milho, de arroz, san- om, Per
san, potado, e palba de mimo, da Fernando,
e papel do linho.
CIGARROS.
-------
w ira 1;,
iimoen.
rame de turro galvanisado em rede pera cercas, ajaiolas, gallinheiro.- etc.
Chapas de ferro galvanisado para cobrlr casas.
Tachos de larra Maahado para noemoas.
Cofraa da farra de Mser a ooams autore*.
Chomba em cano.
Dito em lene -I.
Dito em barras.
Dito em enxadas.
Estanho em barra e erguiaba.
Folba de Flandivs.
Arados americanos para ladrira e varzua.
Carrinhal da mi.
ffamianas para ptaeUes.
HacMasw da-dasoanefar afgad * iviv.
Ditas de serra.
Ditas para cortar fum<7.
Bitas vatwr de ferrea de 3 cavajtos e molorerpara cavaiMs, para nevar as
macUsas de atapdaa.
CsatfM aV laaro.
Caaaa* defcero.
Prensas para copiar cartas.
Bataneas para pesar
Oleo de Sanaca m latas Je Ierro. ..
TriHao* ae forro parassgMhos
Baabas amarieanaa.
Macacos de e.-livar.
Bahiiicas e aaaoa docim.es e ootras. 1
foseas de faaaata.
Enxofre.
SaMa.
Estopa larga e (fe boa qualidada
Picaretas para caminhos de ferro.
Uto grande sortimesioas ferrsfaaa e cotilaria
0 cordeiro prevident*
Rnat do uciuiado n. 1.
Novo e variado sortimento de perfuman;
finas, e omros objeetos.
Alm do completo sortimento de perli
tnarias, do que effectivamente est provida
loja do Cordeiro Providente, ella acaba
receber xm outro sortimento qoe so torn
aotavel pelav?rriedade de objeetos, superior
dade, qualidades e commodidades de pr
$08; assim, pois, oCordeiroProvidente peo
9 espera continuar a merecer a apreciar*
do respeitavel publico em geral- de at
boa fregoozia em particBrar, nao se afa
taodkrCo de sua bem conhecidamansidi
baratoza. Em dita loja encontrarlo f
ipatadores do bom:
Apa divina de E. Coudray.
Dita^erdadeira de Murray i Lamman
Dita de Coiofo mjieza, americana, frai
;eza, todas dos melhores e mais acreditad
fabricantes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, violeto paratoilet.
Elixir odontalgico para consenac-ac
isseio da bocea.
Cosmetiqnes t superior qualidade e che
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, coi
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparen
9 outras qoalidados.
Finos extractos inglpzes, americanoa
(rancezes em frascos simples e enfeitados.
Essencia imperial do fino e agradavel cnt
to de violeta.
Outras coijctntradas e de cheiroa igua
mente finas o agradaveis.
Oleo pbilocome verdadeiro.
Extracto Poleo de superior qnalida
om escolhidos cheiros, om frascos de diff
rentes tamanhos.
Sabonetos em barras, maiores e menor.
para naos.
Ditos transparentes, redondos o em fifi
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinba para barb.
Gaixinbas com bonitos sabonotes imitarte
fructas.
Ditas de madeira invernisada cootendo
oas perfumarlas, muito proprias para pr>
entes.
Ditas de papelio igualmente bonitas, tas
bem de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e i
moldes novos o elegantes, com p de am
e boneca.
Opiata ingleza o franceza para dent.
Pos do camphora e outras dbfereat
qualidades tambem para denles.
Torneo oriental de Keap.
Anda oasis roques.
Um outro sortimento de coques de n
vos e bonitos moldes com fflets de vfdrir.
alguns d'elles ornados de llores o fita
esto todos expostos i apreciacao de que
s pretenda compras-.
GOLLINHAS E WJNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeioSo.
Firellas e atas para lates.
Bello e variado sortimento de taes objc
los, ficando a boa escolia so gosto do cot
pmdor.
Eival sem segtuido
RA DO DUQUE DE CAXIAS N. 49
Estou disposto a continuar a vender todas
as mindezas pelos baratsimos precos aba-
xo declarados, garantindo-Uido bom e pro-
cos admirados.
Caixas com 20 caderaospapel pau-
tado a........
Caixas com 50 novellos de linha
do gas a.......
Duzias de meias cruas superior
qualidade a.......3JW)0
Pecas de bibadinlios com 10 va-
ras a.........
Pecas de tiras bordadascom 12
metros cad'a p*ca a ItfSOO c.
Pepas de ttai para cs de q al-
quer largura com 10 varas a.
Escovas para anhas fazenda flna a
Dkas para denles z 240, 320,
400 rs. e. -.
Pejas de tranca lisas, brancas e
de cores a.....
aixinhas de madeira com aifine-
tes fazenda superior a. .
Duzia de linba frxa para borda-
dos a 400 rs., e.....
Pares de meias crua- paia iup
U"s diversos tamanlios a.
Duzias de meias brancas milito
finas para senhora a. .
Pares de sapatos de ranca do
Porto....... -
Pares t'e sapatos de tapete s. .
Livrns de missa abreviados. .
Duzias de barahos para voltarete
Sylabarios portuutzes a. .
Cirtes com colxeles t carreras a
A oUwduias para collrte diversas
qualidades.......
Caixas com penna de a<;o muito
boa de 320 a......
Duzia de linba 200 jardas Alexan-
dre de 40 a 200 e, . .
aixas com superiores obrei>s a.
Duzia fle agulha para macDins a-.
Libras de pegos francezes lodos
os tamaitos a......
Pacole de papel com 20 quader-
nos...........
Caixas do phosphoros seguranca
muito superiores a .
Resma de papel pautado super or
Resma de papel liso muito supe-
ri^ra...........
Garrpfa com agua Florida verda-
deira a..........
Quaderno de papel liso amizade
Carretis de inua do cores com
l'O jardas a........
700
400
5O0
23000
500
500
' seo
40
RIO
l a**
320
49(60
l|G
IjROi
00
20
ou
500
I,?iOO
. 40
2QC
'1"
400
00
4000
3.->-iOO
IdGOO
20
Cabellos
Vendem-se cabellos de todas as cores, qoalquer
comarioienso, ajanhdae soperwr, am eaixa oa
potio mais peqneaa :
cite 9. 51. V> andar
ra da Cadeia do Re-
l
I
De d par dia, mais doce.
Pili*
Delaran>.
De banana.
Em caixoVs a laus.
Ilnaa b*xo.
Caiies graoa a paqoaoas.
Proprio para embarque.
Vndese constsmemeiue a roa Diaeita n 91,
TtatierDadiBorites.
jPar* fte HMMidioa
lfe-trapi.;he Barajo do LiTrameot., no larna da
assemblea, ha depositada superior twiaia da man-
dioca para vender-se : nata-so no mesmo trapiche
ou no largo do Corpo Santo n. f, S* andar.
20Roa da Imperatriz:2*
Faria i- Ltssa.
Araba de ch gar a esta noss- nova loja i* te-
zendas finas um variad* sortimento de fazendas o>
laa e seda, como sejam : granadines do UmJ
go>to, pupelaias de uma so cor, alpacas e laazl-
nba de cores, o que ha de mais moderno. BAo
por baratissimos precos, brhantina- de core-, l-
cidos das indias, fazenda nova a imilacao de per-
calia, balees de dina Ung: do saia de cor com lin-
das barras, astoes proprios para vestioa e ronsas
de meninos; agora grandes e admira veis pecbm-
chas, saias brancas com lindos frisados a 3. n-
eos orpinhos bordados muito flm>s a 5, liae?
modernos de astas a ti, ricas w-lchas para cama
alrochoadas. spndo brancas e de cores, a Si. %t h
li, eambraia victoria lina a 5*, ditas tranaast
tes a Si, 6i e 7^chiias fimVsimas esenr-- s e clara*
a 380 380, 320 e 360 o covado, rascas > cati-s .1
240, lene"* hranens de cas^a a J#1t0, ditos ehi
neies a 3^800 a dozia, masan"* t no a f| e
6i5O0. e muilj soperic-r a li, 7*-00 e/*, al|)o-
daozinho largo proprio pafa lences a e*. paof"
de al odan branro tramonto prn|o p*ra tnatha-
de mwa a l#00a vara, ararnaate par luteoes a
2*000 e 3<300. v qae h de aselbnr, ftliao *-
nissimo a 2*500 e 2*500 a ara. Mandamos as
casas das Exmas. familias para melhor puerro,
esc-ilber. Tambem temos completo utimsoto *<
perfumaras dc*srmeiiw (sbricaates tnaette e
inglezas as pnwaas jue ae aignarem vir a eMa
I ]a leroocca"iao de recanhecer a rtalidade do
que annuticiamo< para nos jostiQcar.__________
Farifihade mandioca de Santa
Ont harina.
Da superior, vhtda peto patedio ragle Jerv
Block j lia parte ensacada para c mmodidade As
cimpraSere, a vmSee aos srmaaaas > Iw
Irwaus & C, no caes 4o ai^poUo, e ra do An rm
numero 37.
Ve4e-w>
Palitos do gaa a 320 rs. a dada de eateinhas,. Ss-
rato : na tib 4" RangW o. 3. taberna______
Vende -e n i azeni de Rib.Tt LiaStb-n
& C, rw da Oad*ia . W, fti e bartMMe *p tedas
asqaasdada, nass e swwira. am grandea ou
pequeas porcdes, ealopasds todas ss qualidade
e largor s. \
Milho novo d Fer-
nando
Em sacres prandes a prego onnaodo : nssr-
Hi-iem de Tawo lnnia.ec C, res do dsnesfts no-
mero 37
Ven*e-e ama boa ara ac alistante "
casa do Paleo do terco n. 19; sedendose a cbave
ao aotnprador.


Diario
de

Pernambuco
Ouarta feira 27 de Julho de 1870

z~
ASSEMBLM GEHIL
SENADO.
bISCUHSO t>0 RXM. S\. Dl'Ql R OK CAXIAS POR
OCCASIO DA DISCOSSAO DA FALLA DO TURO-'
NO, EXPLICANDO FACTOS PASUDOS NA
GUERRA CONTRA O PARAGUAY.
O Su. Duque de Camas nao pedio a pa--
lavra para oppur-sff' resposta fa'.ia do
throno ; vota por lodos os seos paragra
phos e pelos elogios feitos ao illustre prni
cipe que commanduu nossos cxerc los T.im
bem nao vem tribuna para defend.i-se
de ionumeraveis aieusaeoes que Ibe foram
eilas ; tero consciencia de quu seus gene
rosos amigos j as conlestaram, sen m
apenas fazer succimas observaces obre
alguns factos que s o orador pode explicar
e responder s pergnntas que Ibe dirigi
o oobre senador pela Balua.
Antes, porm, far o histrico do que se
passou com o orador em relajo guerra
do Paraguay desde o convco desta.
Logo que chegou a noticia da declarago
4a guerra, foi o orador procurado pelo
digno general que ento era ministro da-
guerra, o honrado Sr. Beanrepaire Rohan :
' disse-lhe S. Exft. que tendo instantemente
de prompuficai-se o exereito para repeuir
as aggresses no Paraguay, via-se endura
gado, porque com quantu official de eoge-
nheiros (e, accrescenta o orador, engMihei-
ro deslindo) oao tinba pratica da organisa-
go de um exercto para tal campanil a, e
por isso procurava o auxilio do orador.
Escusado tlizer que desde esse mo-
mento p.z-se disposigo do governo.
O noDro ministro pedio-lhe um plano de-
organisago de nossas forjas, um p'ano de
campanha ; deu os com a maior boa voo-
tade, e conlinuou a trabalbar em seme-
ibaole empenbo, indo aos arsenaes. vendo o
que era preciso mandar fazer aqui e enmm-
mendar para a Europa, e ajudando quanto
podia ao nobre ministro da guerra
Disse-lhe S. Exc. que era sua intengo
propor que fosse o orador commandaro
exereito. Nao Ibe deu certeza de que iria,
mas nao se negou.
Foram-se oxpedindo os contingentes de
guerra a proporgo que vieram ebegando
e que se apromptaram. N'um dia em parti daqui um desses contingentes, estn
do S. M. o Imperador e os ministros a
bord3, onde tambem achava-se o orador,
veio o nobre ministro da guerra dizer-lhe
qui o governo eslava resolvido a incumb-
lo de ir orgaoisar um exereito na provin-
cia do Rio-Graode do Sul, afim de seguir
coa elle para o Paraguay.
Respondeu a S. Exc. que se o governo
quera que elle partisse naquelle mesmo na-
vio, s pedia duas horas de demora para
mandar casa buscar duas canastras* com
roupa. Tornou o nobre ministro que nao
era precisa tanta urgencia, que podia baver
demora de alpnns (lias.
Retiroo se o orador e nao recebeu no-
meago alguma. Conversando pepos disso
om o nobre ministro, disse-lhe que duas
vezes tinha ido ao Rio-Grande do Sal em
taes commisses e que de arabas fra re-
vestido da dupla qualidade de presidente
da provincia e commandante dos armas.
Como se sabe, a principal forga da pro-
vincia a guarda nacional ; o general que
all fr organisar um exereito nao pode
prescindir da guarda nacional, e se nao
reunx o commando das armas presiden-
cia da provincia, licar na dependencia
desta, podeado desta s circumstancia re-
sultar embaracos que sobremaneira diffieul-
tem, se n3o irapossibilitem a commisso que
aceitar.
A estas observacoes respondeu o Sr.
Rohan que, com effeito, nao podia dentar
de ser assim; mas que nisso nao devia
haver dvida alguma, e o orador promet-
teu que iria.
No dia seguinte, porm, proenrou-o o Sr.
Rohan, e disse Ihe : a O que ajustamos
nao pode mais realisar-se ; mas eu nao sou
mais ministro. A vista d'Sto, -retirou o
orador sua palavra.
Pelo que ouvio ento ao Sr. Rohan,
soube que todos os ministros haviam con-
cordado na ida do orador para o Rio Gran-
de do Sul como commandante do ejercito
que devia orginisar ; mas que quanto
nomeago de presidente da provincia, havia
predominado a idea de nao poder ser, por
conveniencias polticas.
Adinirou-se o orador de que em to
graves circumstancias, qnando toda a pro-
vincia do Rio-Grande da Sul unida nao
seria demais para resistir invaso dos
Paraguayos, pudessem assim imperar inte-
resses de partido ; isto, porm. foi o que
se passou.
Dbi a dons dias appareceu nos jornaes
a noticia da demisso do Sr. Rohan, e da
sua substituiQao pelo Sr. visconde de Ca-
mam.
A nomeago do Sr. visconde de Cama-
ma para ministro da guerra importava tor-
nar impossivel o orador para a commisso
para que eslava indigitado : era esse o.
nico ofBcial general com quem nao tinha
relacoes; pareceo-lbe significativa a es-
colha.
O novo ministro da guerra, como que
para nao deixar em duvida seus sentimen-
tos, chamoa para seu official de gabinete
um official-maior da secretaria da guerra a
quem o orador aposentara, e que depois
disso escreveu urna serie de artigos em
que o insoltava e calumniava. Persisti,
portanto, na resoluto de nao aceitar a
commisso que fra lembrada.
No dia 14 de fevereiro de 1865, quando
j acreditava que nao se tratava mais disso,
foi procurado s 10 horas da mnha pelo
Sr. conselheiro Furtado, presidente do
coDselho, com quem nao tinba relacoes,
posto qne respeitasse muito o carcter de
S. Exc. e que pela primeira vez ia casa
do orador.
Disse-lhe S. Exc. : Sr. raarquez, venho
na qualidade de presidente do conselho
convida-lo para o commando em chefe do
nosso exereito. Respondeu ao nobre mi-
nistro o que j tinba feito ver ao Sr. con-
selbefro Roan quando S. Exc. se retir, a
do gabinete ; isto , que a nomeaco do
Sr. visconde de Camam para ministro da
guerra tornava impossivel que o orador
aceilasse esta commisso.
Tornou o Sr. conselheiro Furtado que
sabia das dissdencias existentes entre o
sea collega e o orador; mas que no lhe
parecia motivo snfficiente para que elle se
recusasse a servir sob as ordens do minis-
tro da guerra.
Ora se nunca o orador quiz que o Sr.
visconde de Camam servisse sob suas or-
dens, como havia de sujeitar-se, na sua
idade e posigo. com 50 anuos da servicos.
a ir serv tifos daquelle ofcil,
quando sabia das ms disuosices em qoe
elle eslava para com o orador, confirmada
sobre ludo pla es ralba de sen official de
gabinete 1 Que confianga poda ter, lm-
brando-se de que esse erapregado, nos
arligs, qne escrefeu contra o orador, in-
clino Vas que escrevera ao Sr. M noel
FelizarQ, d.ndo assim publicidade aas-
snnipiQs reservados em mat8ria de ser
por Goy.
pequea
das c
ercpm
vicu ?
Disse, pois. decididamente que, em vista
desies motivos, era-lhe impossivel ir. O
Sr. presidente do conselho, formalisando-se
enlo. oBservou que tratava-se de urna
commisso militar, e qne o orador, como
militar, nao podia recnsar-se a acceita la .A
isto teve de responder que, comquanto mi-
litar, gozava de inmunidades que S. Exc.
nao podia desconbecer. nem menoscabar;
que era senador do imperio, e como tal o
governo nao poda dispor delle sem obter
licoca da cmara a que pertencia. Reti-
rou-se ents o nobre ministro, e tomou ou-
tra resoluco. #
Passaram-se mezes ; deixou de existir
aquelle gabinete. O Imperador resoLveu
ir ao Rio Grande do Sul, e o orador teve
ordem de acompanhar Sua Magestade. Es-
tava doente ; mas lev.inlou-se da cama e
l'ji cumprir -u de.ver.
Chegando se a Urugnayana, vio-se que
dous generaes estrangeiros e um brasileiro
jue all estavam, dispotavam a primazia no
commando. Resolveuse que se aperlasse
o cerco, para apressar-se a tomada da praca,
f. qne se lizesso um reconbecimento. Para
islu foram conviados os generaes estran
geiros.e outnos e nao foi chamado o orador,
que havia sido duas vezes presidente e com-
mandante das armas da provincia, que a
conhecia, e fra quem lngara os primeiros
traeos daauella povoaco. Doeu-se listo.
Voltou para o Rio de Janeiro, e mezes
depois fji procurado pelt> nobre senador da
Bahia, enlo presidente do conselho. Nao
entielinha relages com S. Exc, mas fazia
bom eonceito, como ainda hoje faz, de seu
carcter.
Tmha-se dado o desastre de Curupai'y.
O Sr. presidente do conselho pedio ao no-
bre ministro da justija (o Sr. Paranagu)
que fosse primeiro ter com o orador e de-
pois \>\ era pessoa, como S. Exc. j disse,
porque naquella emergencia entendeu que
precisa va dos servicos do orador.
Apezar de tudo quanto se linha passado,
poz-se immediatamente disposico do go-
verno. ...
O Su. ZncARiAs:Apoiado
O Sn. Dcqiw dk Caxias ... sem impr
nenhuma condico...
O Su. Zacaras ;Excepto a que men-
ciona.
O Su. Duque de Caxias. .. excepto a de
ter conlianca plena do governo..
O Sr. F. Octaviano :Isso era indispen-
savel.
O Sr. Silveiiia da Motta : E nao era
condigo; era da essenea da cousa.
O Sr. Duoie de Caxias propoz em se-
guida ao govorno algumas duvidas sobre o
modo de obede er autoridade do com-
mandante em chefo dos exercitos alliados ;
a resposta foi satisfactoria, e o orador par-
ti pira seu destino.
Ao cbogar ao Rio da Prata, o que achou ?
Dous hospitaes em Montevideo, dous em
Buenos-Ayres, tres era Corrientes, um no
Cerrito, um em Itapir, um em Tuyuty.
Nesses dez hospitaes estava doeqte a terca
parte do exereito.
As nossas forgas achavam-se divididas em
dous corpos: um em Tuyuty, outro em Cu-
ruz. Nao haviam mais que 3,000 caval-
los em menos mo estado. A caval'aria
do 2o corpo estava a p. Nao haviam car-
ros sufficieotes para o servico de transpor-
tes, nem bois para puxar as carretas.
Os dous corpos do exereito jiareciam de
nagoes dilTerentes, taes erain as disparida-
des que se notavam. Nem as etapas eram
a* mermas; os fornecedores erara diver-
sos, assim como os pregos. Era preciso
dar urna s organisagao ao exereito, cha-
mar ludo isto a um centro, reduzir os hos-
pitaes, etc. Teve' de regularisar tudo isto,
para poder d-sempenhar a commisso que
acceitara.
Aqui cumpre um dever de lealdade, de-
clarando que foi sempre perfeita e comple-
tamente auxiliado pelo governo, de quem
recebeu as maiores provas de confianga que
era possivel receber.
Assim seguiram as cousas durante I i
mezes. Coaiegaram ento a apparecer, na
imprensa ena tribuna, algumas aecusages;
censurava-s porque o exercilo dIo avan-
gava, porque nao se atacava Humayt, Nao
se attendia a que faltavam ainda meios.
Coincidiram com essas aecusaces algumas
providencias que d'qui foram, e que nao
agradaram ao orador. Suspeitou pois, que
o governo j nao deposilava nelle a mesma
coutanga, lalvez por julgar que tinham al-
gum fundamento aquellas censuras, mas
que vexava se de o mandar oxonerar, en-
tretanto que estimara ver-se livre delle.
Ja enlo achava-se doente e em carta par
ticular ao nobre ministro da guerra, quei-
xando-se dessas pequeas cousas que o le-
vavam a ter aquellas desconfiangas, disse
que se ojninisterio nao estava mais contente
com o orador, pedia demisso ; mas que
se era engao seu, se tal nao existia, nao ti-
nba duv'da alguma em continuar no com-
mando do exereito.
Em to ba f aehava-se o orador, que
quando podia estar-se aqui resolvendo sua
demisso, em vista daquellas oceurrencias,
estava elle atacando em pessoa as obras
de Humayt, determinado a subida da es-
quadra, e dando assim impulso s opera-
goes da guerra.
Mas foi resposta satisfactoria e o orador
continuou a servir com a mesma dedicagao
e lealdade.
Seguiose a marcha do exereito, e nunca
ministro algum fez-lhe os elogios que nessa
occasio dirigio-lhe da tribuna o nobre se-
nador pela bahia. ento presidente do con-
selho, nao havendo mais nenhum motivo de
dissabor,
Mas em 16 de julho cabio o ministerio
que o senador presidia; desde ento, sem
que saiba porque, tornou-se o nobre sena-
dor inimigo do orador, e tem langado mo
de tod s os meios de o mortificar e des-
acreditar.
Agora vai explicar alguns factos da guer-
ra, que ainda nao esto completamente'es-
clarecidos.
e-se que o exereito estava mal admi-
nistrado, que o general em chefe nao cui-
dava de sua economa, que os presos esta-
vam em um ponto horrivel, com os ps
dentro d'agna, etc.
Sent qoe o nobre ser
estivesse,no Pjrajju;
te de um:
nbecesse pesaoalme
antes edepoiSdessrj
parar as taes pocas.
Quando o orador ~
cresos estavam no
barracas, cercados \
os podiara guardar etff
pestade fngiam aos 10 e aos 12 ; mas na
diminuiam porque os pobres soldados os
iam substituir. Os officUes empenhavam-
se fortemente para nao commandarem
aquellas guardas ; preflriam quajquet ou-
tro servico.' |
Par* Segarenga dos preso*, 'ao esmo
lempo que para sua coraraodade,
veu acabar cara aquelle estado da comas,
Mandou comprar um navio % fofortoPtor
arranjos precisos: p6-lo sob a direccao de
um official superior; deolhe um medico
e botica ; gujeikra-o o c#mra corpo Que mais podia fazer ? Na distancia m qne
estava, entregue a cuidados to graves, po-
dia vir em pessoa fiscalisar esse pontam ?
Era impossivel.
Nao contesta que o nobr senador disse
que vio ; mas o qoe S. Exc nao podia,
porque n estava ao faeto das cousas, era
comparar isso mesmo com o que se passava
antes, e com o qne aconteceu depois.
Tambem se disse que o orador esbanjou,
mandando dar gratificagoes arbitrarias aos
officiies: isto inleiramente inexacto; o
nobre ministro da guerra mandn syndicar
a respeito dessa accu*cab e fez publicar o
resultado no Diario Official ; ficou prbva-
do assim que nem urna gratificago existi
em taes condigoes.
Ainda foi o orador aecusado de ter pro-
movido por actos de bravura to grande
numero de officiaes que foram excedidos os
quadros do exereito. A verdade que
em 27 mezes de commando promnve 223
officiaes nessas condigoes. e tanto n pre-
enehen os quadros, que seu successdr, em
11 mezes do commando, prora yeu por
idnticos motivos ?20 officiaes, e s frgora
esto os quadros excedidos apenas mm 3
majores. Cr que estes algarismos alian
bem claro. (Apoiados.) f
Censsraram-o at de nao ter npluido
dous distinctos generaes as proposijs para
a medalha de ment, um dos quaes i o Sr.
conde de Porto-Alegre.
E pois que tem de fallar nisto, f|r a
historia da creagi desta medalha.
Quando tomou conta do commanflo do
exereito observou os graves inconvenientes
que resultavam da pralica adoptad pelo
governo. de conceder a pragas de pi con
decoragoes que ihes davam honras capi-
to; Soldados qoe se distinguirn com
grande coragem, e que nem sempra erara
os de melhor cooduct. desde que rece-
bam laes condecoragoes nao se sujutavam
mais a certos servigos, nao queran) mais
obedecer aos cabos e sargentos e s, vezes
nem aos alferes e teneotes, originando-se
dahi al assassinatos de officiaes.
Representou, pois mostrando ao governo
taes inconvenientes; e para evlta-lqs lem-
brou a creago de urna medalha de mrito,
que s signigeasse bravura pessoal, s*m dar
honras de graduaces militares.
Fez o-governo esta creago. Recebeu o
orador o decreto e depois a medalbas;
mas teve escrpulo em distrbni-las s aos
que dall em diante se distingniss^n pot
actos d bravura. Desde que se entra em
campanha vai-se logo formando um nume-
ro de officiaes e pravas que adquiren a no-
meada de valentes% sendo essa fama aceita
com reverencia por todos os camiradas;
entretanto podiam esses officiaes to _ter
depois da creago da medalha, otcasies
de distinguirem-se de novopjr sua bravura,
ao passo que outros officiaes menos conde-
cidos, tendo ensejo de praticar taes actos,
receberiam a medalha de bravnra, que aos
outros nao poderia ser dada.
Isto podia occasionar serios desgostos.
Assim, perguntou ao nobre ministro da
guerra de ento (que foi justamente quem
no senado notou aquella falta) como devia
entender-se o decreto de creago da me da-
Ib i de mrito. A decso foi que a ei nao
podia ter effeito retroactivo, tanto mais que
os ofliciaes qae anteriormente se haviam
distinguido,tinham por isso recebido outras
condecoragoes.
A'vista disto, ponderando nos inconve-
nientes da aistribuigo das medalha*, nao a
fez; e sahindo do ministerio o nobre sana-
dor pelo Piauhy, consultou o seu succes-
sor. que achiu razono .orad r.
Djpois remetteu as rolagoe6 dos ofliciaes
e pragas que se haviam distinguido por
actos de bravura; se nao foram incluidos
na distriboigo aquelles officiaes, nao foi
por gosto ou culpa do orador, assim como
muitos outros que tambem nao foram con-
templados.
Urna das censuras que mais magoa lhe
causou, foi a aecusago de ter-se retirado
do exereito sem licenga do governoL J no
senado foram lidas as communicaees do
nobre ex-ministro da guerra, o Sr. Para-
nagu, concedendo licenga para qoe o ora-
dor se retira.sse. E' pois indusitavel qoe a
tinha desde o anterior ministerio.
Assumiodo o poder o actual gabinete, e
nj sabeedo o orador se o nobre .ministro
da guerra estava ao fado do que a este res-
peito se havia passado, tornou a pedir li-
cenga ao governo para deixar o commando
do exercio, se seu estado de saude peio-
rasse: o governo nao s concedeu-lhe essa
licenga, como mandou-lhe successor.
Foi a esse general que entregou o com-
mando, quando por molestia foi-lh impos-
sivel continuar; e seguio para Montevideo,
afim de ver se melhorava, para voltar ao
exereito, como declarou em ordem do
dia.
Disse-seque o orador deo a guerra por
acabada. Nao exacto. Enunciou sua opi-
nio, vista dos factos que presenciou ;
mas qual foi o acto que praticou, quaes as
tropas que mandou retirar, declarando fin-
da a guerra ? Nenhum,
E' certo os distinctos generaes marquez
o Herval e visconde de Itaparica tiveram
de ausentar-se ; mas todos sabem em qoe
estado achavam-se elles.
Notou-se que o orador trouxesee o sen
chefe de estado-maior. Mas tinfia de dar
contas ao governo; estava gravemente doen-
te : nada mais natural do que vir acompa-
nbado do official que melhor podia auxilia-lo
no camprimento daqaelle dever. (Apoiados.)
Ainda foi aecusado de ter trazido seus
ajadbtes de ordens; mas quem eram offi-
ciaes da guarda nacional do Rio-Grande do
Sul, que estavam ausentes de suas casas
desde o principio da guerra ; os outros dous
vieram s acompinh.vlo, e voltaram imme
s. O que ba
^Ha que, como
geralmente sabido ^Htes de ordens
sao reputados membros de familia do gene-
ral e sempre os acompanham,
Outra aecusago: ter redufdo os corpos
Do ajudantes de jaropo foram edta
envi i Herval cpm
qoeno iatervajl um do ou
c O prinio parlecipou a S Etc. -que t
mesmo general afia j transposto o peunei-
ro fosso, e qoe o inimigo parecia apresentar
pouca resistencia.
t A resposta de S. Exc. foi a segrate :
ier depois de que procedesse como entendesse c
----- te, levando a effeito o assalto, se Visse pro-
babilidade disto, sem grandes perdas de
nossa parte.
?Jatalhas e combates 'qne'reduziam a'guns
corpos a 70 ou 8o pragas e %oe 3 officiaes?
Na ha quera desenabepa que.em taes occa-
sies sempre indispensavel a reorganisa-
clo dos balalhes assim r^dozidcs. Isso
mesmo era prov de qne a guerra nao es-
tafa acabada; se eitivesse, no'uaveria ne-
cessWad \le reorgSnfcar 5 exereito.
Tirou baqdeiras. O que havia de fazer?
Deixar bataioes com 3 e 4 bandeiras ?
" Prohibi aos voluntarios da patria que
uaassem de suas' legendas ? Qual a ordem'
di dia, ou mesmo a insinuago, que houve
nesae sentido ? Nao a poderam apresentar
porque nanea existi,
"Cnegou-se at a'censra-lo por ter indi-
cado o Sr. marechal Gnilherme para seu
saccessor, consideranlo-se urna crueldade
dar tal commissb a um general que estava
to doente. E' cer^o que lembrou esse dis-
traen official ; mas acaso --stava elle de
:ama ? nao ; pelo contrario achava-se n'uma
importantissima commisso,, qual a de pre-
sidente e commandante das armas, da pro-
vincia do' Rio-Grartde do Sul. Quem podia
nrst3resse servlgo. nao'estava no caso de
ir comman.tar o exereito ? Nao se poda
suppr isso. (Apoiados.)
Vai agora responder s pergnntas que
lhe d>riio o nobre senador pila Babia ; is-
to e, por que o orador nao perseguio Lpez
em Lomas Valentinas, e que npinio faz do
procedimento dos Srs generaes marquez
do Herval e visconde de Itaparica no com-
bate de Itoror, I
As ordens do dia qne poblicou a respei-
to dsses acon'ecimentos do a razo por
que nao perseguio Lpez, e explicam e jus-
tificara aquelles bravos generaes. Mas vai
satisfazer ao nobre senador.
Quando resolveu o movimeoto que levou
o exereito a Santo Antonio, combraou com
o distincto general Argollo que oceupasse
1 lo
ejus forAi as
foram
apa-
con-
lo asno que fo
So ae
-se^ld|>i para
ponte de Itoror assim qoe puzesse p em
trra.
Aquelle valente official chegou a Villeta
s 6.horas da manha, onde o orador s
ge achou s 3 horas da tarde. Immediata-
mente que se avistou com o Sr. Argollo
perguntou-lhe : c J est oceupada a pon-
te ? Nao, foi resposta que teve
Porque ? replicou. Ento lhe foi expli
cado que nao era possivel marchar para oc-
cupar a ponte sem faier proceder um re-
conhecimento ; mas que nao havia podido
ainda desembarcar a cavallaria, sem a qual
nao era possivel proceder ao recooheci-
mento.
Com a pouca cavallrria que estava em
trra e dous batalnes de infamara, man-
dou o orador fazer ento o reonh-icimen
lo, e achou-se a ponte j oceupada pelo
o migo. Vi! .
A posigo en terrivel ; nraguem conhe-
eia o terreno, a'toraj nao era propna, e
julgou conveniente n atacar logo. Tinha-
se de atravessar e>pessa mata onde podia
o inimigo estar oceulto, e ignorava-se at
de que forga dispunha elle da outra banda
da malta.
Nada mais fcil depois dos factos consu-
mados, de longe e a sangue fri, vista das
partes officiaes, criticar as operages e dar
melhores planos. (Apoiados.) Mas nao acon-
teca o mesmo quem l estava, n'um paiz
inleiramente desconhecido, cheio de dfli-
culdades naturaes. (Apoiados.) E' preciso
que os nobres senadores se convengam de
que a guerra foi feita s apalpadellas; nao
haviam mappas do paiz, nem praticos, era
preciso ir fazendo reconhecimentos e exp'o-
ragoes para poder-se dar um passo.
Quando all chegou nao se saba da exis-
tencia da vereda por onde depois fez seguir
o Sr. marquez do Herval, e encaminhando-o
por alli suppunha que a distancia a vencer
seria de legua e meia. O que acoute ;eo ?
o caminho era pessimo, e tinha tres leguas
de extenso. Demorou-se portanto, e for-
cosamente o Sr. marquez do Herval.
Engajado o combate, avangou a vanguarda
e foi logo morto o commandante; os bata-
Iboes retrogradaran!. Mandou outra forga;
a;onteceu o mesmo, voltou em desorgani-
sago. No resto da tropa j se senta abalo.
Nao sabia o orador onde estava oSr. mar-
quez do Herval, que obstculos teria encon-
trado, nem que demora podia ter. As cir-
cumstan^ias eram criticas; nao se poda
perder terapo. (Apoiados.) Poz-se frente
das columnas de ataque, e tomou a posigo.
Dahi a meia hora chegou o Sr. marquez
do Herval e deu razos- que provaram a
absoluta impossibilidade em que achou se
de apresentir-se mais cedo. Justificou-se
completamente,
Quanto ao Sr. visconde de Itaparica. torna
a dizer o que j ropetio da-ordem do da ;
nao mandou fazer o reconhecimenio assim
que desembareou, porgue nao tinha ainda
avallara e sem ella nao podia intentar
aquella operago.
Nao se pode fazer idea do que sao os
terrenos do Chaco. Durante o lempo secco
criara urna crosta grossa que prmitte a pas-
sagena de urna ou outra carreta, de um ou ou-
tro cavalleiro; mas se o transito se amiqda,
se otrafego augmenta, a trra fende-se, e ca-
ballos, cavalleiros, carretas tudo absorvido
por terriveis tremedaes. Dante de taes
difflculdades, pisando-se um terreno com-
pletamente desconhecido, como se quer
exigir impossiveis dos generaes ? Onde est
a culpa?
O Sr. Silveira da,Motta:Arguraentei
com o Diario do Exereito.
O Sr. Duque de Caxias nao tem feito
mais do que relatar factos incontestaveis.
O nobre senador julgoe-os. mas a verdade
esta.
O Sr. Silveira da Motta :Nao quero
pertubar a V. Exc.
O Sr. Duque de Caxias, aproveitan4o o
ensejo que lhe offerece o aparte, observa
que tambem o nobre senador, tratando do
reconbecimento de Humait, disse com re-
ferencia ao Diario do Exereito, que o orador
mandara ordem ao Sr. marquez o Herval
para retirar-se quando j estava dentro de
Humait. Nao exacto; nem dentro de
Humait nunca nenhum dos nossos esteve,
nem tal ordem d retirada foi mandada.
Para provar esta assergo Bada mais ne-
cessario do qoe 1er o proprjo Diario do
Exereito cm que onobre,sensdij)i^tendeo
arhar documento para justificar sua propo-
sigo
Eis o qoe diz o Diario em data de 10 de
julho:
. Neste mesmo sentido mandn S. Exc.
expedir um telegramma ao general Argollo.
O segundo ajudaote de campo veio
pouco depois partecipar que o mesmo ge-
neral j se acbava prximo trincheira ;
que as nossas perdas j se tornavam consi-
deravels e que elle aguardava. a deciso de
S. Exc. para, nao obsiante. avangar ou r
cuar.
Mandou-lhe S. Exc. dizer que deixava
ao seu juizo resolver o que entendesse mais
acortado, e que, se precisasse de mais for-
g?s, elle marchara era seu apoio com as da
reserva ; devendo outrosim considerar que
em taes occasies perdia-se s vezes mais
gente retirando do que avangando.
c Nesta occasio, mandou tambem S. Exc
expedir outro telegramma ao general Argol-
lo, delerrainando-lhe que levasse a effeito
o assalto, e fizesse seguir a seu destino a
brigada que se tinba mandado embarcar.
c Acabava, nor,m, esta, ordem de ser ex
padida, quando S. Exc. recebeu aviso de qoe
vinha o visconde do Herval retirando; pelo
que mandou immediatamente desfaze-la.
t Este general tinha j soffrido muitas
perdas, e vendo que a resistencia do inimi-
go se tornava tenaz, julgou conveniente
contra marchar, urna vez que j havia
conseguido o reconheeim-rato ordenado....
Es aqui o que houve. O bravo general
cumprio seu dever, e-fez o que devia fazr;
nao porque b orador lhe mndasse ordem,
mas porque isso era o que cumpria fazer.
Ahi est o Diario do Exereito. O Sr. mar-
quez do Herval um homem de honra ; se
nisto houvesse inexactido nao se teria ca-
lado ; reclamara, e nunca o fez.
Agora a resposta ootra pergunta do no-
bre sena 3or. Por que nao perseguio Lpez
em Lomas Valentinas. Porque o exereito
inimigo desfez-se na frente do nosso. Ahi
eslo os depoimentos do ebefe do estado
maior do exereito paraguayo ; elle quem
declara que Lpez escapou-se apenas com
00 homens.
E por onde fugio Lpez ; Precisamente
pelo lado opposlo aquelle em que o orador
estava, metendo-se por urna mata. Por
aquelles lados tinhamos algumas cavallarias;
mas n'um grande combate quem que d
f de um grupo de 60 cavalleiros que segu
n'uma ou n'outra direcgo ?
Como perseguir? Quem conhec'ta'os ca-
minos por meio de matas ? Demais, nao
tinhamos ainda nossa retaguarda a fortiQ-
cago de Angostura com lo pegas de arti-
Iharia e 2,000 bomeus de guarniro ? Havia
de embrenhar-se atraz do Lpez, que nin-
guem sabia onde estava, deixando na reta-
guarda, margena do rio, aquella fortifica-
gao ?
Fizeram-se exploragoes; mas quem poda
dzer onde se acbava Lpez; nioguem o
sabia : s dias depois que se comegou a
dizer p*or onde elle fugira, como depois vera
confirmar o depoimento do chefe de estado-
maior. Hoje nada mais fcil do que discor
rer sobre a m-neira de ter-se agarrado
Lpez, mas l quem que sabia onde ele
estava, em to consideravel extenso de
terreno oceupado pelas forgas combatentes?
Nraguem.
Em taes condigoes, nm exereito que ac
bava de ter tres semanas de continuos com-
bates, que nao tinba preparados nenbuns
elementos de mobilidade, havia de internar-
se s apalpadellas, deixaodo atrs de si An-
gostura ?
Veis, portanto, bateresta fortifleagao, que
se rendeu, e a oavtfgacSO do riq ficou com-
pletamente desembaracada e franca. Dianlc
de nos nao restavam raimigos.
Seguio para Assumpgo e alli chegou a 5.
Poucos dias depois adoeceu gravemente.
Teado chegado o seu successor p'ssou-lhe
o commanio. Podia dar parte de doente
e licar na capital ; mas em taes circums-
tancias quem o substituisse interinamente
teria naturalmente de ouvi-lo ; ora nao se
achava em estado de poder auxilia-lo e isso
podia causar transtorno ao servico. Reti-
rou-se, pois, para Montevideo, o .de ainda
era districto do commando em ihefe. Para
iso j i tinha nao s urna, como duas licen-
gas.
At o aecusram de ter permiltido que
os ofliciaes que o acompanhavam trouxes-
sem suas cavalgaduras. r> um faeto ; mas
nisso nao fez mais do que cumpnr seu de-
ver. Se o nobre senador por Minas, que
fez esta aecusago, estivesse ao faeto das
disposigoos que regulam o assumpto, de
certo nao teria feito a censura que fez.
Os officiaes que tem direito a cavalgadu-
ras, quando sao enviados aqui para alguma
commisso dessas, recebara logo na paga-
doria a importancia precisa pa/a a compra
de animaes. Se quzessem conpra-los aqui
e levar para a campanha, estavam em seu
direito, e o governo havia de mandar-lhes
dar transporte. Nao os comprram na corle,
por que ninguem lva daqui cavallos para o
Rio da Prata. Compram-os l; mas nao tendo
servido cinco annos, as cavalgaduras nao
eram delles, eram dd Estado, e haviam de
dar conta dellas, ou paga-las por descont
da 5.1 parte do seu sold. E, pois. quizeram
trazer as cavalgaduras, e nao se Ibes podia
negar transpone e sustento para ellas
O orador podia trazer 6 cavallos e 12
bestas de bagagem ; trouxe apenas 3 caval-
los e 4 bestas, e como nao esteve em cam-
panha 8 annos, est soffrendo em seu sold
o descont da 5.a parte para o Estado pa-
gar-ae do que por este titulo credor do,
orador.
Nao ha aqui nada que censurar, porque
istr/e exactamente o que se devia fzer e,
o que mais, o que todos fizeram sem in-
correr era censura; nem deviam sofr-la ;
o que e de estranbar que o orador fosse
por isso acensado.'
0 nobre senador por Goyaz aecusou ain
tornou o nobre senador,
urnas' do iak
bifdaj
naarai
timiar a guerra.
A guerra est acabada ; agora ja alo
pe iaver du vida alguma 11 respeito desta
questao de armas apeonadas peto mimigo ;
se com effeito. as tivesse oblide por eeae
meio,ellas haviam de apparecer entraos
ltimos destroc das forcas.de Lpez. Pois
bem ; onde appareceram ellas ? Bal parte
alguma. Ahi esl o Sr. general Casara;
ah eslo todos os nosso* generaes a offi-
ciaes ; elles que gam se entre todos os
despojos do inimigo vio-se urna .s arma
nossa ? Pode haver refutagao mait cem-
[ pleta da semelhaote aecusago ?
Arada linha umita cousa qoe dizer ; de-
pois o faca. Eoto acabar de mostrar a
injustiga de outras censuras que lhe foram
feus. Mas oao tem habitas de tribaaa ;
est muito fatigado e aeu estado de saude
ainda nao bom.
Por ora para aqu. (Moito bem, muito
bem.)
(O orador felicitado por murtos nobces
senadores.)
L1TTERATM;.

me eu neeeee l
A...
Se eu podesse embalar no peito nao
A crenga de um amor que tu nao sent ?
E que tanlo eu imploro !
Se eu podesse colber as mil florionas
Que brotam de tu'alma meiga e doce
Por quem eu tanto choro !
Se eu podesse um minuto, um s instante.
Pousar nos sonhos leus- como enlr'as files
Saliita a borbolela I
Se eu podesse oceupar teos devaneioe,
E, proslrado teusps. beijar-te a fimbria.
E chamar-te Julieta I
Se eu podesse fazer coa que mioh'alma,
Se tornando mortal, n'om longo abrago
A' tu'alma se unisse,
E fosse respirar-I he as mil fragancias
De um amor infinito, inda que aps
No nada se sumisse !
Ah estou certn que, embora o mundo todo
Me chamasse de atheu e me alirasse
A pecha de egosta.
Tu serias p'ra mimnovo Messias,
De quem em bem do amor eu me faria
Dilecto evangelista.
Julho de 1870.
? ? ?
VABIEDADE
RELATORIO DOS NEGOCIOS DA NAVEGACO DO
ARAGUYA DE Io DE MAIO DE 1868 A Io DK
ABniLDE 1870. ,
(Continuado)
Aquelle artigo nao era a expresso da
opinio publica.
A provincia do Para orna excepgio bo
imperio do Brasil em relago a qoestes de
comraercio ; alli qualqner materia, que pos-
sa intoressar ao progresso industrial e a ri-
queza publica, excita a curiosidade da po-
pulago. Nao sei se devida a presenga de
urna grande companbia como a do Ama-
zonas, nao sei se a visinhanga dos Estados-
Unidos, o certo que ha all em compara-
gao com outras provincias em que tenho es-
iado, muito mais espirito de empreza do
que 0 que natural ao carcter brasileiro:
e tanto qoe estas se geram l com mais fa-
cilidade lalvez do que converia ao progresso
da provincia.
Eu coraecei a expor a qnesto no Libe-
ral do Para, e bem depre-sa a imprensa
de ambos os partidos tomou a s a discus-
s > da materia. A contar d'ahi eu nao fui
mais quem influio no movimento da opinio,
e sim o commercio do Para. Fizeram-se
clubs, reunise a praga a convite de urna
commisso e desses esludos resul'.ou o pla-
no seguinte :' execular-se a navegago a va-
por na parte desembaragaia dos rios em
toda extenso du Tocantins e Araguaya', e
ligar as linhas interceptadas por cachoeiras
com o meio usado nos Estados-unidos de
iramroads.
Como comego de execugo deste plano
abri a commisso da praga a assignatura
para tomada de aeges que foram subscrip-
ta em alguns dias na importancia de omi-
tas dezenas de conts; e encaminhou ao
Toverno imperial urna representago pedin-
do-lhe o auxilio de 190:000^000 annaaes
para montar-se a companbia com este flm:
0 plano apresentado na praga do com-
raercio do Para sem duvida o melhor.
porque solvia logo e pela melhor forma a
quesio da navegago ; me pareceu, porm.
que as actuaes circumstancias do imperio
o governo geral nao daria o auxilio pedido,
onerado como se acha, com cerca de 40
milhoes de liaras sterlinas de divida trazida
pela guerra do Paraguay; e portanto jul-
gando que, collocada a questo neste terre-
no de fazer-se tudo ou nada, ella nao teria
j execugo, procurei colloca-la neste outro,
o de fazer-se j o que me parecia mais im-
portante, qqe era a navegago a vapor na
grande linba cima das cachoeiras deixando
a parte encaichoeirada aos botes que sao
embarcages apropriadas para esse servigo;
crrregam duas mil arrobas, e navegara bem
o rio sem despeza alguma.
Com isto se conseguira a exporta$ao que
nao existia nessas aras vastissimas, oceupa-
das por urna populacho de cerca de.200mil
habitantes, qae na phrase enrgica a verda-
dera do Exm. Sr. senador Jos Bento da
C Tigueiredovivem sequestrades do eom-
mercio. Se o commercio de Goyaz para o
Para estivesse creado por via do Aragaaya
assim como est oreado o comraercio do
norte, por via do alto o baixo Tocautias,
podia adiar-se a navegacio a tapor, porque
dos nossos soldados que morreram ou fo-
rain gravemente ferdos e as deixaram por
isso oes campos de batalha de Lomas Va-
leniina, proporcionando assim a Lpez o
grande auxilia de mandar apanbar essas
armas, com que, depois de derrotado.pole
continuar agnerra contra nos.
Para destruir esta aecusago provoo-se
que foram apanhadas H 5,000 armas,, e rez-
se distribuigao dellas pelos alliados. Bem,
margem
rio, com os productos de qoe l houvesse
misier, Mas nem* o commercio pelo Ara-
guaya eslava creado, e nem podia s-lo sem
a navegago a vapor do Aragaaya como
passo a mostrar,
(Cmtinuar-se-ha
TY?- DO DAHio RTjA D QOB DE G*l