Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:13093


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANUO XLVI. NUMERA 163.
ore fc
' (
i.
PAHA A CAPITAL E LUGARES QoTJE IA0 SE PAGA PORTE.
*or tres meaes adiantados................. 64000
seis ditos itera.......... ....... 124000
^ornai armo idera..................... 244000
**tt mumero avuteo................... 320
DIARIO
SEXTA FEIRA 22 DE JULHO DE 1870.
-------------------------------------------------------------- P -----------1---------------------------------------------------------- Ti
PARA DEITRO E TOSA DA PROVHCIA.
Por tres roeze adiantadps................. efjcS
Por seis ditos idem.................... 134500
Por Bove ditos dem................... 204250
Por nra anno dem..............*.....' 274000
Propriedade de Manoel Figneira de Fara & Filbos.

SAO AGENTES:
Os Srs. Gerardo Antonio Alves i Filhos, no Para ; Gon?alves & Pinto, no Maranhao ; Joaqrjitn Jos de Oliveira, no Cear ; Antonio de Lemos Braga, no Aracaty ; Joao Mara Jalio Chafes, no Ass ; Antonio Marque da Siha, no Natal; Jos Joptiao
Pereira d'Almeida, em Mamanguape; Antonio Alejandrino de Lima, na Parabtba ; Antonio Jos Gomes, na Villa da Penha; Belarmino dos Santos Balcao, em Santo Ant5o; Domingos Jos da Costa Braga,
em Nazaretb ; Francisco lavares da Costa, em Alagoas; Dr. Jos Martins Alves, na Babia; e Jos Bibeiro Gasparinho no Rio de Janeiro.
RIO DE JANEIRO.
7 DE JULHO DE 1870.
Nao taouve hontem sessao no senado por falla de
no mero legal.
A cmara dos dputados elegeu hontem para
nwmbros da mesa que tem de funccionar duran-
te o mez corrente os mesmos do mez passado.
Approvou em egaida .1 proposta do orcamento
convertida era projecto de lei na parte relativa
despeta do ministerio da guerra, cora as segra-
te? emendas :
Eleve-se a verba do art. 6 n. 13 a 216:058*800
omprehendda a despeza de 11:4485800 para a
execuro do decreto n. 2.402 de 19 de novembro
de 1859, que creou colonias militares nos campos
lo Er e do Xag, m provincia do Paran.M.
F. Corra.Affonso de Carvalko. Dias da Ro-
rha.
Eleve-se .1 verba do art. 6o n. 13 a 299:997*390
compri-lieudida a despeza de 62:387*390 com o
ostbeleemento de Itapura, que passou para o
ministerio da guerra.,U. F. Correa. *
Continuo em ultimo lugar a segunda discus-
so da proposta do orcamento convertida em pro-
jecto de lei na parte relativa despeza do mi-
nisterio da agricultura, commercio e obras pu-
blicas.
Oraram os Srs. Andrade Figueira e Teixeira J-
nior, ticando a discusso adiada pela hora.
Foram ofTerecidas as segointes emendas :
1 Ao 12.Depois de 1,000:000*, accrescente-
se :sondo 100:000* para eomeco da estrada que
diva marginar o Tocantins e Araguayo, ficando
augmentada a verba com a quautia corresponden-
te. Pinheiro.
v Ao 13 accrescente-se :Ficando concedida
a subveneao de 20:000* companhia organizada
para a navegacao a vapor entre os portos de Mos-
>or e Amarracao, que extremam a provincia do
t'.ear cora as do Rio Grande do Norte e Piauhy, e
levada verba respectiva. Alinear Araripe.
Manoel-Fernandes Vieira Pinto Braga.Domin-
nos. Araujo Lma.J. de Menear.
Ao 12 accrescente-se : sendo desde ja
100:000* com a construeco de urna ponte no rio
Sergpe, na estrada da cidade de Maroim de La-
rangeiras. Menezes Prado.Guimnracs. a
t Ao 12 accrescente-se :sendo 40:000* pa-
ra auxiliar a abertura do canal do Varadouro.
M. F. Correa.Dias da RochaAffonso de Carva-
lho.Floriano de GodoyJoao MenesPaula To-
ledo. Duarte de Azevedo.Antonio Prado.
A' da comraisso sobre o % 12 :Era vez de
1:000*, diga-se1,130:000*. sendo 150:000*
para auxiliar as obras do melhoramento do porto
do Cear, se alguma empreza particular nao se
incumbir de realizar as ditas obras.i, de Aleit-
oi:Manoel Fernandes Vieira. Domingues.
H. Graca. Pinto Braga. Araujo Lima. T.
Alencar.Araripe. *
t Ao 12 :Depois de1,000:000*diga-se :
sendo 20:0005 para auxiliar as obras de cana-
lisaco do rio Mutuca at a cidade de Cuyab.
Paranhos Jnior. *
Ao 18 accrescente-se a quantia de 30:0005
para a navegacao a vapor do rio Jequitinhonha,
contratando o govemo esse servico cora a com-
pannia que ss organisar e offerecer melhores con-
dicoes.Candido F. de F. Mura.Cruz Machado.
Luiz Carlos.Gama Cerqueira.Pinto Moreira.
J. Capanema.V. de Ftgueiredo. J. M. N. Pe-
nido./. Anto. J. Pedro. Ferreira Luye.C.
Dantas.Dyonisio Martins.Araujo Ges.Jun-
queira.Affonso de Carvlho. Taques. Ltal de
Menezes.Goncalves da Silva.Chaves.J. J. Fer
nanees da Cuuha.Pereira Franco. Ribeiro da
Luz.
Ao 6: Inrlua-se para o Instituto Bahiano
de Agricultura, alim de concluir as obras nece3-
sarias para a abertura da escola agrcola 20:0003.
Dyonisio Martins.Affonso de Carvalho.Dias
'Ia Rocha.Araujo Ges.Guimaraes.- -Bonifacio
de Abreu. *
t Ao 18 :Inclua'-se para a companhia Pro-
;;resssla de navegacao
Paran, 12:000*.Od!
Affonso de Carvalho.
Ao 16 :Em lugar deTorras publicas e
colonisaco 851:300*,diga-seTrras publicas,
iramigracao e coloQsaco 2,000:0005,e accres-
cente-se : govemo pagar cu>ta do estado,
as passagens dos lhos impberes dos colonos que
se destinaren! lavoura da provincia de S. Paulo.
Una 1 le de Azevedo.
t Sejam igualados os vencimentos dos empre-
gados do correio da provincia de S. Paulo aos do
de Pernambuco.Paula Toledo.
a vapor na provincia do
da Rocha.M. F. Coirca.
Hontem, as 6 horas da tarde, no paco de S.
Cliristavo, S. A. o Sr. conde d'Eu* na presenca
dos presidentes das duas cmaras legislativas,
ptestou as augustas raaos de S. M. o Imperador
juramento de cidado .brasilelro, nos termos do
art. 3 do decreto n. 1,708 de 23 de setembro de
4869. Em seguida, por decreto de hontem, foi Sua
Alteza [orneado conselheiro de estado.
8
Na cmara dos depulados, hontem, logo depois
da leitura do expediente, o Sr. 1. de Alencar fun-
damenton o seguinte projecto, que foi enviado
commissao especial inaumbida de idntica ma
teria :
A asserabla geral resolve :
Art. 1. As sociedades de emanclpaco j or-
ganisadas o que de futuro se organisarem sao con-
cedidos os seguintes favores :
f i i. I-enco da meia siza e taxa dos escra-
vos comprados para serem libbertados.
t i." Privilegio sobre os servicos do escravo li-
bertado para indemnisaco do preco da compra.
t S gozaro destes favores as sociedades que
se obrigarem a libertar no prazo mximo de cinco
annos.
Art. 2. O governo applicar annualmente mil
cintos de ris raanumisso dos escravos, dando
a preferencia: ;
1 1." Aos do sexo femenino at quarenu
aBnos.
2. Aos que souberem lr e escrever.
< Art. 3." Dous annos depois da promulgacao
desta lei fica prohibido o servico escravo na edrte,
capitaes e cidades martimas, quaato as seguintes
industrias :
t i Condueco de vehculos pblicos de qual-
qaer natareza.
2." Tripolacao de navios e embarcicoes gran-
des ou pequeas.
3. Venda em quitanda flxa ou volante.
4. Servico de ganbo para carrete ou ou-
tro nra.
5. Servicos em lojas de alfaite, sapateiro,
castureiras, carpinteiro, marcineire, ferreiro, ou-
rives, caldereiro, Unoeiro, acougueiro, padeiro e
pintor.
Os donos dos vehicnlos, erabarcacoes e lojas
que contratarem taes servicos escravos soffrero
a mult de 100 a 500*.
1 1? A taxa dos escravos, na corte, augmen-
tar ieide j progresivamente na raza) de AO o/O
cada auno. O escravo que nao esver matricula
i ih presume-se liberto.
* t( f Art. 4." O senher poder conceder lforna
fom a clausula de retro para o efteito de ftoar nul-
1o se o escravo nao pagar o preco, ou integral
mente ou por prestages cepforme e
Nessas convences o escravo sor assistido por um
curador sua escolha.
t 1.* Qaando por falta de pagamento do pre-
co fique sera efteito a alforria, a somma que se
achar em mo do senhor constituir um peculio
para o eerwo, e vencer o juro de 6 O/o aecu-
raulados por semestre.
Art. 5. Tambera 6 permitlido ao escrave,
com sciencia do senhor, a formaran de mn pecolio
destinado sua raanumisso. Esse peculio ina-
lienavel, fallecen do o escravo Ihe succeder, na
ordem da designaran, a mulher, a filha, a mi, a
irma, o psi, o Olho, o irmo, e flnalraenie qualquer
escravo desi nudo sorte.
< Art. 6.* O direito de successao estabelecido
por nossas leis s ter applicaco a respeito de
escravos quaodo se tratar de herdeiros necessa -
rios. Fra deste caso os escravos deixados por al-
guem, tstalo abinteslato, se devolvem ao Oseo e
tic-a.ni libertos.
Exceptua-se :
8 1." O caso de morte violenta do senhor,
quando ella nao tur manifest mente o resultado de
um accidente
2." O direito de credor hypothecario, quan-
do nao honver no espolio bens que bastera para
remir a hypotheca do escravo.
Art. 7.* Serio isentas de quaesqner impos-
tos, taxas e cusas as herancas ou legados insti-
tuidos em bera da eraancipaco, e as arremata-
coes para manumisso inmediata.
Art. 8." Ficarit libertos desde j os escravos
da fazenda publica ; inclusive aquelles cujo usu-
fructo pertence casa imperial.
Sala das sessdes da cmara dos dputados, 7
julho de 1870./. de Alencar.
Em seguida o Sr. Teixeira Jnior tambem fun-
damentou a seguinte indicacao, que foi remeltida
comraisso de polica :
t Alienta a inconveniencia da execuco do art.
134 do regiment interno desta cmara, na parte
relativa prorogacao das sessdes as disenssoes
das leis annuas, indicamos que a referida dispo-
sico seja reconsiderada pela mesa, afim de esta-
belecer-se essa providencia como excepcao e nao
como regra, e preferindo-se ero casos urgentes a
applicaco do art. 33 do mesmo regiment, que
autorisa a celebrar-so duas sessoes no mesmo dia,
comecando a primeira s 10 horas da roanhaa e a
segunda s 6 da tarde.J. J. Teixeira Jnior
Joaquim de Souza Reis.Junqueira.*
Entrando na ordem do dia, a cmara approvou,
depois de um debate em que tomaram jarte os
Srs. !, 2 e 4 secretarios, Andrade Figueira,
Araujo Lima, J. de Alencar e Coelbo Rodrigues ;
o parecer Ja commissao de polica declarando que
nao se altere por ora o que est em pratica qnan-
to celebrarem-se n ite as sessdes de sextas-
fe ras e sabbados, devendo, porra, enlender-se
que a prorogacao por mais de duas horas nao se
refere s ditas sessoes nocturnas, que sero de
quatro horas, podendo smente ser prorogados
nos termos do art. 104.
A seuinte emenda ofTerecida ao parecer pelo
Sr. Andrade Figueira, foi enviada commissao de
polica :
Pica rsvogada a ultima parte do art. 134
do regiment interno que proroga por duas ho-
ras as sessdes diarias nos casos all designados.
Continunu em ultimo logar a 21 discusso do
projecto do orcamento, na parte relativa despe*
za do ministerio da agricultura, comraercioe obras
publicas. Oraram os Srs. Antonio Prado, Coelho
Rodrigues, Paula Toledo e 1. de Alencar, flcaado
a discusso adiada pela hora.
Foram ofTerecidas as seguintes emendas :
t Sub-emenda, a do Sr. Paula Toledo :Depois
das palavrasS. Paulo accrescente-se : e do
Rio Grande do Sule o mais como est na emen-
A.=Bittencourt.
t Ao 12. -Dspois de 1,*00:0003, accrescen-
te-se sendo 100:000* para melhoramento do
porto da cdade do Macei, flcande augmentada a
verba com a quantia corresponden!.Paes Men
donga.Casado.Sobral PintoMello Maraes.*
Ao 18 :Reduzasea somma a 2,726:000*.
Pereira da Silva.*
Ao 20 (instituto commercial) :=Suppiima-
se esto paragrapho, voltando o instituto commer-
cial, e a verba respectiva de 20:800*.^/. J. Tei-
xeira Jnior.
Ao21 (museo nacional)Supprima-se este
paragrapho, voltando o museo nacional para o mi-
nisterio do imperio que despender com esse es-
estabelecimento a quantia de 27:187*000 indi-
cada no mejmo paragrapho J. J. Teixeira J-
nior.
t Ao 12 accrescente-se :sendo desde j....
30:000* com a canalisacao do rio Forraoso, em
Pernambuco, para a cautela dos vapores at a ci-
dade do mesrrto norae.Barao de Aragagy.Por-
tella.Augusto de Oliveira.Souza Reis.Ucha
Cvaleante.Theodoro da Silva.Maraes Silva.
t Ao s !.Reduza-se a verba a 150:000*. vo-
tada para os quatro exercicios auteriores.
Ao 8 2"Snpprima-se a verba de despeza.
t Ao 3.Reduza-se a verba quanlia de...
20:000* votada para os quatro anteriores exer-
cicios.
6.*Supprima-se a verba de despeza.
7.Supprma-se a verba de despeza.
12.Suppriraam-se as palavrase au-
provincises.
j li.Deduza-se a quantia de 24:000*,
que incumbe Illma. cmara municipal da corte
pagar.A. Figueira.*
< Ao 11Era vez de 2.034:030*, diga-se.....
6,000:000*, sendo 4,000:000* desde j para cons-
trucQo da 4" seccao at a Cachoeira, no munici-
pio de Lorena, provincia de S. Paulo. A. Fi-
gueira.
cidados de dous paizes visinbos e de idnticos in-
leresses.
< Animado destes desejos, e seguro dos esfor-
cos que, sem duvida, fare para merecer a honro-
sa benevolencia de.V. Exc e de todos ee peruanos,
me lisongeia. Sr.- presidente, a fagueira esperaa-
ca de que sere orgo fiel dosaraigaveis sentiraen-
tos do men soberano e compatriotas, ede que nes-
ta misso nao serei menos feliz do qqe as ontras
que meteem sido conftuas em outros panes do
nosso to vasto como rico continente.
t Permetti, Exra. Sr., que tambera rae prevale-
ca de to solemne momento, para apresentar a V
Exc. e ao seu Ilustrado averno, as expressoes
do men sincero respeito, e manifestar-lbe os .vo-
tos que com todo o Brasil, lenho sempre feito pela
prosperidade e ngrandecimento desta mu impor-
tante porco da America do Sul.
O presidente da repiblica respondeu :
Sr. ministro.Com muita satisfaeao ouvi as
affectuosas palavras de amisade que roe dirigiste
era vosso nome e no de vosso illustre soberano.
Os nobres seutimentos que vos animam em pro!
do Per e os votos que fazeis pela sua prosperida-
de e engrandecimiento me fazein esperar que, no
desempenho da misso que ao vosso talento e lu-
zes diplomticas foi confiada, tero sempre o im-
perio e a republiea motivos para felicitarem-se.
Pela minha parte encontrareis, Sr. ministro,
o mais benvolo acolntmento e toda a facilidade
que vos pos ser agradavel para augmentar e
fortificar as relscoes que reinara entre o Per o a
nacao que to dignamente representis.
A Sra. D. Maria Pereira Coelho Gamboa, em
signa! de seu regosto pela terrainafo da guer-
ra, concedeu liberdade gratuita a urna sua escr-
va de nome Justina.
9
A cmara dos dputados approvou hontem snc-
cessivamente, em discusso, os projectos decla-
rando que os eleitores da villa de Nossa Seohora
do Rio das Eguas, na provincia da Batia, forma-
rao um collegio eleitoral que se reunir na mesma
villa; e creando na provincia de Pernambuco tres
collegios eleitoraes, o 1 na villa de I tamb, com-
posto das freg-uezias de Nossa Senhora do Desterro
e de S. Vicente; o 2o na villa da Ipojuca, compos-
to dos eleitores da freguezia de S. Miguel da mesma
villa; e o 3o na villa da Floresta, coraposto dos
eleitores da freguezia do Senhor Bem-Jesus dos
Afllictos da Fazenda-Grande.
Approvou em seguida, successivamente, em uraa
s discusso, dous projectos concedendo diversas
pensoes.
Approvou depois, teodo fel'o algumas observa-
coes os Srs. ministro da agricultura e Fausto de
Aguiar, o projecto concedendo urna subvencao
annual de 40:000* empreza on companhia orga-
nisada para a navegacao do rio Aragnaya, entre o
porto de Itscaia na provincia de Matto-Grosso at
o presidio de Santa Maria de Goyaz.
A emenda substitutiva bem como a do Sr.Can^
dido Mendos foram tambem approvadas.
Continuou em ultimo lugar a 2* discusso da
propqsta do orcamento na parte relativa despeza
do ministerio da agricultura, commercio e obras
publicas. Oraram os Srs. ministro respectivo e
Duarte de Azevedo, ficando a discusso adiada
pela hora.
Foram offerecidas as seguintes emendas :
Ao 17 accrescente-s*:sendo 1^:000*000,
desde ja, para ser applicados catechese dos In-
dios do Para e Amazonas. PnAen-o. H.
Graca.
t Ao 16 accrescente-se :3endo 40:0005000,
desde j, para explorarlo dos rios do Para e Ama-
zonas. Pinheiro. *
O Sr. Portella requereu que, estando designado
o da 10 do corrente para os festejos otfleia<*s em
regozijo pela terrainaco da guerra com o Para-
guay, e dignando-se &. M. o Imperador receber
nesse dia as felicitacoes que Ihe dirijam as corpo-
raroes do estado, v urna deputaco desta cmara
comprimentar o mesmo augusto senhor.
Approvado o requerimento, foram Horneados
para a mesma deputacao-os Srs. Correa de Olivei-
ra, Affonso de Carvalho, Paes de Mendonca, Can-
dido Torres Filho, Ponte.*, Luiz Carlos, Leonel de
Alinear, Cardoso de Menezes, Fausto de Aguiar,
Mello Reg, Lima e Silva, Pinto Pessoa, Borges
Monteiro, Salles, Alencar Araripe, Bonifacio de
Abren, Dnqne-Estrada Teixeira, Ferreira Vianna,
Theodoro da Silva, baro de Aracagy, Lamego,
Guimai es, Durte de Azevedo e Sinoes Lopes.
Por decreto de 6 do corrente e na confermidade
da imperial resolucao de 21 do junho prximo
passado, e das disposices do art. Io, Io do de-
creto n. 260 de 1 de dezmbro de 1841, l,\ rever-
tido, como effectivo arma de infamara, o alferes
agregado mesma arma Francisco Jos da
Silva.
?3r decreto de 6 do corrente foi nomaado 1*
canferente da alfandega do Rio de Janeiro o aju-
datte do inspector da da Babia Carlos Americo
Sampaio Vianna.
Por decreto de 30 de junne ultimo, fez-se merc
a Jos Pedro de Araujo da serventa vitalicia dos
officos de 1 tabellio do publico, judicial e no
tas, e escrivo do civil e crime do termo da Cruz
Alt, na provincia de Sao Pedro do Ro Grande da
Sul.
Por decroto de 6 do corrente, foi designado o
capito Caetano Cyriaco da Cost Moreia para
exercer as funeces de raajor do batalho de
infantaria da guarda nacional da provincia de
Pernambuco, na forma do decreto de 5 de abril
de 1856.
Por decretos de 5 do corrente :
Foi promovido a Io tenente, contando anlguida-
de de 2 de dezmbro do anno pausado, o 2* tenente
da armada Adolpho Paulo do Bomsuccesso Ga
Ihardo.
Foi reformado eom metade do respectivo sold,
na conformidade do art. 29 do regulamento annexo
ao decreto n. 411 A de 5 de junho de 1845, o ira
perial marinheiro de Ia classe Manoel Jos dos
Santos Segundo.
Foi perdoado ao guardia i Carlos Pedro Tappe o
lempo que Ihe faltava para ocumprimento da sen-
lenca de um anno de suspenso do emprego a que
fra condemnado.
sltenles qnadrados, toma a forma de cruz gve-
Na frente de cada atrio ba orna esradaria qoe
coaduz ao vasto- soalho cima de mu soco cora t&
palpaos de altura. A superficie Ho soalho acha-se
dividida por 124 columnas de ordemdoriea grega,
em wncirculo interior concenlrco,em duas naves
circulares e noaquatroatrios qnadrados. pues.
No circulo interior ergue-se ama capella de
ordem corinlnia,. decorada talvez um tate pobre-
mente para o acto a que destinada, e aht existe
o altar pan a exposiro do Santissimo Sacramen-
to. cima da eupola deste templo, na altura de
85 palmos, est eollocada a cruz, vistvel e qual-
qupr ponto da praca.
- No tugar qie devia ser oceupado por orna das
columnas, foi construida urna encada qne conduz
ao segundo pavimento, destinado para os msicos
e canteres, que deviam ser ouvidbs e nao
vistos.
Sobre as 16 pilastras que forraam a galena da
mu-k';v e sobreponas columnas que fechara a
circum&rencia 00 crculo inferior do edificio, que
o principal carpo do templo, achara-se outras
tantas columna de ordem corinthia, que susten-
tara a grande cpula e a tatema, sobre a qunl est
eollocada, o Anjo da Victoria, na altura de 186
palmos. Esta estatua obra do Sr. Chaves Pi-
nheiro.
No tympano do f-ontespico da fachada princi-
pal do templo, lado de teste, est pintado um bai-
xo rolevo represeaundo aretigio; dolado op-
posto, outro baiso relevo representa a paz. No
tyrapaao do lado do norte est reoresevtada a
naco, e do lado do sul a guerra. Estas pinturas
sodp Sr. Le Chvrel.
O^ngenhiro da otra o Sr. C. Bonimi, iracou
grandes di meneos : o leraplo oceupa urna super-
ici.) do 43,000 palmos qnadrados.
Neste templo, observado o programma, que ha
dias publicamos, eelebrou se s 10 horas-da ma-
nhaa um solemne Te-Deum, em aeco de-gracas
pela feliz terminaco da guerra, era presenca de
Suas Magostados lmperiaes, de S. A. a Sra. pria-
ceza imperial e de seu augusto esposo o Sr. conde
d'Eu, da corte, ministerio, raembros das duas ca
niaras legislativas, do corpo diplomtico ofciaes
generaes de mar e guerra, altos funeconaros p-
blicos e de diversos convidados.
Depois do Te-Deum houve cortejo no paco da
cidade e parada da guarda nacional, que apre-
sentou grande numero de pracas.
A's 4 oras da tarde executou-se no lene po do
campo da Acclamacao urna cantata marcial, com-
posta pelo professor J. M. de Santa Rosa, e na
qual tomaram parte cerca de seiscentos cantores
e instromenlistas.
A msica do Te-Deum, composico do fundador
do imperio o Sr. D. Pedro I, e a da cantata agra-
daran) geralmente.
A parte mais brilbante da fest foi a iHumina-
cao que produzia um elleito mgico. O templo
circundado de fita da bicoa da gaz que Ihe dese-
nliara as formas desde a base at, ao mais alto
da copuiaacornada por urna estatua, apresentava
de longe nm aspecto mais'roagesloso do que visto
de dia. Os numerosos lustres que resplandecan)
por entre as columnas anda realcavam aquella
niassa delineada por contornos luminosos. O h-
bil meslre da companhia, o Sr. Agostinho, esme-
ron-se nestas obras, dando novas pro vas da sua
pericia e bora gosto. O monumento erguido de
fronte da porta do quartel, as duas pyramides
transparentes e a fachada principal do mesmo
quartel erara igualmente bellas de verera-se.
Accendeu-se tambem a fachada do paco da
Illma. cmara municipal que offerece um aspecto
deslumbrante, e os diversos edificios pblicos e
rautas casas particulares valla do campo, Ilu-
minadas a gaz, apresentavara iinhas de Inz que fe-
chavara o quadro exterior, era quanto o recinto
comprehendido entre o prolongameuto da ra do
Hospicio e o quartel, apparecia todo guarnecido
do arcos inlerr,ompidos por alguns prticos, for-
mando caprichosas curvas, que Iluminadas por
um sem numero de copos de varas cores, faziam
urna vista realmente deliciosa.
No tneatro lyrco houve espectculo em arande
gala, a que assistiram SS. MM. e A A. lmperiaes.
Represenleu-se a opera Norma, e alm de varia-
pecas de canto executou-se um fesval composto
expre8?amente para aquella occasio pelo profes-
sor A. Fiorito.
& C, por excesso de despeza que azeram com a
ponte de ferro sobre o rio Capibaribe, segundo a
deciso arbitral.Cruz MachadoAffonso-deCar-
valho.
Sub-emenda emenda dos Srs. Alencar Ara-
ripe e ouJros :5apprinra-se as palavrasque
servem de limiles*at ao 5m.--.-l. Coelho- Rdri-
No dia 9 do corrente a associatjao emancipado-
ra Seis de Xaio; cranosla de estadantes da esco-
la central, eelebrou a sua sessao de inaugurado,
dando carta de liberdade aopardinho Taeodoro,
de 3 e 1/2 annos de dade.
O nosso correspondente do Amazonas, referindo-
se a urna folha de Lima, que recebera de Moyam-
baba, ncticia que no da 22 de fevereiro ultimo,
foi receido em audiencia solemne, pelo presiden-
te do Per, o nosso ministro conselheiro Felppe
Jos Pereira Leal, o qual, ao entregar a carta
autographa que o acredita junto do governo d'a-
quella repblica, pronunciou o segrale discurso :
Sr. presidente.Ao ter a honra de aoresentar
a V. Exc, a carta pela qual S. M. o Imperador do
Brasil communica ao seu grande e bora amigo, o
filustre presidente da repblica do Per, que hou-
ve por bem nomear-me seu enviado extraordina-
rio e ministro plenipotenciario sado respetosa-
mente na pessoa de seu primeiro magistrado a
sympathica nacao qus me hospeda, e aproveito-
me esta especial occasio apara a ssegurar V.
Exc, que fare tudo quaato me caiba para pro-
var qu*nt0 mea augalio soberano toma a peto
man ter, e anda mais estrellaras relr.cdes de ami*
estipular, zade, qne felizmente eiistero, entre os goveroaJ c
A loja raaconca gualdade e Beneficencia, ao
Oriente do Lavradio, por occa-o de dar posse s
suas dignidades, concedeu a liberda ie a pardinha
Marcellina, de 19 mezes de idade.
O Sr. Jos Teixeira de Carvalho Pedrosa,
fazendeiro em S. Jos de Alera Parabyba (Porto-
Novo do Cunba), fallecido no da 4 do passado,
delxou livres todos os seos escravos, em nnmero
de 21, de ambos os sexos.
- 10
Nao houve hontem sessao no senado nem na
cmara por falta de numero legal.
- 11
Realisarara-se hontem os festejos com que o go-
verno imperial resolveu celebrar a terminaco da
guerra do Paraguay.
Tendo sido declarado de grande gala o dia de
hontem, ao araannecer, 1 hora da tarde e ao
auoutecer embanderaran! e deram as salvas do
eslylo as fortalezas e navios de guerra surtos no
porto. Os edificios pblicos e muitos estabeleci-
menios e casas particulares tambera enfeitram-se
com bandeiras.
A parte do campe da Acclamaco comprehendi-
da entre as Iinhas da ra do Hospicio e larga de
S. Joaquim, fra preparada vistosamente para os
festejos. Fecha este espaco urna serie, dispost
em quadra, de pequeos arcos ligados uns aos
outros e interrompida or qnatro maiores e por
grande prtico em frente do quartel. Ah, para
dentro do prtico, levanta-se un elevado pedes-
tal sustentando a figura da Paz tendo de cada
lado pyramides, era cujas tres faces acham-se em
transparentes os retratos do S. M. o Imperador, de
S. A. o 8r. conde d'Eu, e dos generaes duque de
Caxias, marquez do Herval, viscoodes de Santa
Thereza e de Pelotas. A parte inferior do pedes-
tal da estatua anha-se oraada com sarilhos de ar-
mas e trophos militares.
De/ronte do edificio da casa da moedi levan-
ta-se um templo, cuja planta circular, e tendo
pas quatro entradas equidistantes quatro atri>,3
Sepultou-se hontem tarde no ceraiterio de S.
Francisco de Paula o senador do imperio Antonio
Luiz Dantas de Barros Leite.
Era um dos mais antigos membros do senado
brasileiro, tendo sido etelto na vaga do segundo
senador pela provincia das Alagoas, e nomeado
em 31 de julho de 1843.
-12-
Por decreto de 6 do corrente :
Foi concedida a exoneracao que pedio o Dr. Pe-
dro Romao Borg&<< de Lemos do lugar de inspec-
tor de sade publica da provincia de S. Paulo.
Foi acceita e confirmada a renuncia, que fez o
conego Manoel Jos de Siqueira Mendes, do cano-
nicato da ordem prasbyteral, que oceupava na
cathedral da diocese do Para.
Por aviso de 11 do corrente foi aoprovada a no-
meaco do capito tenente Joo Carlos de Souza
Jaciiues, feita pelo director da escola central, pa-
ra exercer interinamente o lugar de director do
imperial observatorio astronmico.
"O Parahybano da Parahyba do Sul, noticia ter
fallecido a 3 do corronle, na sua fazenda do Paty
do Alteres, o baro de S. Luiz, na idade de 61
annos.
-13-
A cmara dos dputados approvou hontem, em
urna s discusso, o projecto do senado declaran-
do que a penso concedida a D. Anna Sertina
Gomes de Freitas deve entender-se concedida a
D. Ignacia Sertina Freitas da Silveira, verdadeiro
norae da agraciada.
Approvou depois successivamente em i. dis-
cusso os segrales projectos:
Prorogando por mais 20 annos o decreto n. 566
de 10 de julho de 1850, concedendo loteras an-
nuaes ao hospicio de D. Pedro II.
Autorisando o governo a conceder a Antonio
Ferreira Ramos e Bernardino Josa- Calho privile-
gio exclusivo por 30 annos para a applicaco e
construeco de diques fluciua&tes, docas e planos
inclinados na provincia do Rio-Grande do Sul.
Autorisando o governo a conceder isenoo de
direilos de importacao a indos os raateriaes ne-
cessarios para a conslroc-co da ponte de ferro
sobre o rio Macei, na provincia das Alagoas.
Approvou em segaid.a, depois de algumas ob-
servaijoes dos Srs. Gatoio e Portella, o parecer da
commissao de polica sobre a licenca pedida pelo
offlcial da secretaria desta cmara Dr Francisco
de Assis da Silva Fe/reir, cora a seguinte emen-
da :
Era vez das palavrasporm eom ordenado
Ante-li miera as 11 horas da noite, na ponte de
Manoel Caetaao- Pinto-, freguesa o engenbo- Ve-
lhi>, encontroo o inspeetor do respectivo qnartei-
ror vestigios dw sangae as pedras da referida
poste, e informado de que alb fra assassinada
urna'praca do 30'batalhae de voluntarios da patria,
aquartelado no es.c rturoe, partierpou o oeeorn-
do ao subdelegado.
G'vnparecendo esta autoridade, prenden o dono
da taberna, prxima da mesma ponte, dous eai-
xeiros e um guarda livro*, sobre quera recahiem
suspeitas graves.
0 cadver do assessinado nao k> encontrado.
Hontem de manhr. dirigio-se aquetle lugar o
Sr. 2? delegado eo-seu escrivo, j encontrn to-
das ae providencias tomadas pelo referido subde-
legado. Continan), porrsv as pesquisas sobre o
factov
14
A tmara dos dputados approvou bootera, de-
pois de algumas observacoes- dos Srs. Candido Tor-
res Filho 1. e 3." secretario, Coelho Rodrigues e
Araujo Lima, o parecer da comraisso de polica
sobre a reforma do regiment interno di mesma
cmara, com a seguinte emenda :
1 Ao 4." accrescente-se :Outrosira poder ter
lugar qualquer discusso depois da leitura do es-
pediente, uraa vez que seachem presentes 40 d-
putados. L. A. da Stlva Nunes. B. A. de J
Taquee. *
. Approvou em seguida a proposta do orcamento
convstida era projecto de lei na parte relativa
despeza do ministerio da agricultura, commercio
e obras publicas, eom todas as emendas irapressas
da commissao e mais as seguintes :
1 Ao 12 accrescente-se :Sendo desde j....
26:254*183 para inderanisaco de Horacio Greeo
Je C por excesso de despeza que fueram cora a
ponte de ferro sobre o rio Capibaribe, segundo a
deciso arbitral.Cruz Machado.Affonso de Car-
valko. >
24:000*1)00.
> Ao 8 19 accrescente-se; Sendo desde j
cora a reforma do peesoal e do servico 162;247*220.
Cruz Machado.Barro Bando. Affonso- de
Carvalho. ...
Emenda substitutiva da emenda:Ao $. 15
ajcrescente-se:Sendo desde j com o augmento
do servico 133:000*. Cruz Machado. Bonos
Brrelo.Alfonso de Carvalho.
Ao 12 accrescente-se : Sendo desde j a
quantia de 100:000*000 para o prolongameuto
da estrada de rodagera -Ma capital para o inte-
rior da provincia da Parahyba do Norte.Catneiro
da CuntaPinto Peisoa.Henriques. *
i Ao J 18 accrescente-se a quantia de.....
30:000* "para a navegacao a vapor do no Je-
qnitinhonha, contratando o governo esse servico
com a compaohta que se organisar e offerecer me-
lhores coudieces. Candido F de F. Murta.
Cruz Machado.Luiz Carlos. Gama Cerqueira.
Pinto Moreira J. Capanema.V. de Ftgueire-
do.J. M. N. Pemdo.-J. Anto.J. PedrxFer-
reira Lio?. C. Dantas. Dionisio Martins.
Araujo Ges.Junqueira. Affonso de Carvalho.
Taques__Leal de Menezes.Goncalves da Silva.
Chaves.J. J. Fernandes da Cunka.Pereira
Franco.Ribeiro da Luz.
1 Ao 6 Inclua-se para o instituto bahiano
de agricultura afim de concluir as obras necessa-
rias para a abertura da escola agrcola, 20:0005.
Dionisio MartinsAffonso de Carvalko. -Dias
da Rocha.Araujo Ges.Gutmarer.Bonifacio
de Abreu. *
Ao 18 accrescente-se :FicaBdo concedida
a subvencao de 20:000* companhia organisada
para a navegacao a vapor entre os portos de Mos-
sor e Amarracao que extremam a provincia do
Cear com as do Rio Grande do Nerle e Piauhy,
elevado a verba respectiva. Alencar Araripe.
M noel Ferdandes Vieira.Pinto Braga.Domin-
ques. Araujo Lima.J. de Alencar.
t Ao 20 (instituto comraercial)Supprima-se
este paragrapho, voltando para o ministerio do
imperio o instituto commercial, e a verba respec-
tiva de 20:000*./. /, Teixeira Jnior. *
Ao 18:Inclua-se para a companhia pro-
gressista de navegacao a vapor na provincia do
Paran, 12:000*.Dias da Bocha.M. F. Carea.
Affonso de Carvalho. *
t Sub-amenda emenda dos Srs. Alencar Ara
ripe e outros :Suporimara-se as palavrasque
servem de limitesat o ftm.A. Coelho Rodri-
gues. *
O transporte Werneck entrado hontem trouxe
binas de Santa Catharina at 8.
O presidente da provincia regressra de sua va-
gera Laguna no dia 30 do passado.
Por acto de 1 do corrente fra exonerado, a
bera do servico publico, do comraando do corpo
policial o capito Joo Xavier Nevos, e nomeado
para substtui-to o oapito Jos Manoel de Souza
Sobrinho.
Suicidara-se, enforcando-se, o padre Moyss Li-
no da Silva.
smente, etc., *i o fim do periodo, dga-se
com todos os vencimentos.Galvao. *
Contiauou. em ultimo lugar a .* discusso da
proposta do orcamento convertida em projecto de
lei Ha parte relativa despeza do ministerio da
agrioaibv &i commercio e obras publicas. Ora-
ram oa, Srs. And.ade Figueira, ministro respecti-
vo e bandido Torres Filho, fleando a discusso
adiada pela hora.
Foram offerecidas as segtntes emendas:
1 Ao I 11 accrescente-se. Sendo desde j
126:234*183 para indemnisaco de Horacio Gre-
Do Rio. da Prata entrou, tambem hontem, o
transporte rr>rn#cit com folhas de Buenos-Ayres e
Montevideo at 6 e 7 do corrente :
Na Assumpco foi a paz com as potencias adia-
das solemnemente proclamada pelo governo provi-
sorio. O presidente Sarmiento communicou ao
congresso argentino o tbeor do tratado preliminar
celebrado na Assumpeio, e grande copia de pr >to-
eolios e documentos relativos a este assumpto, dos
inaes se v o anoamento das respectivas negooa-
ooes as suas diversas phases. Eraquanto o go-
verno imperial nao fu oncialra?nte igual publi-
caco, tradujimos das folaas do Ro da Prata o
reterido tratado preliminar, que do tbeor se-
guinte : nmn
f Aos 20 das do mea de junho de 1870, reuni-
dos na cidade de Assumpco SS. EExcs. os pleni-
potenciarios da repblica Argentina general u.
Julio de Vedia, de S. M. o Imperador do Brasil
conselheiro Jos Maria da Silva Paranhos, e os
Exms. Srs. D, Carlos Loizaga e D. Cirillo A. Riva-
rola membros do governo provisorio da repuouca
do Paraguay, com o Qm de prem a raodicaoao
das estipuace3 do protocollo de 2 de junho do
anno prximo passado, de conformidade com as
actoaes circumstaneias:
Considerando que a morte do marecnai u.
Francisco Solano Lpez e aniquilamento das tor-
cas que Ihe obedecan!, puzeram termo de facto a
guerra que elle to desleal e injustamente traba
provocado. .
Considerando que a terminaca de fae-to aa
ierra Impoe s potencias alliadas o dever de dei-
xar a mais plena liberdade reorgaulsacao poliU-
ea da repblica do Paraguay e eteieao de suas
autoridades permanentes, que, devera afflancar as
relaedas faturas das ncoes. alliadas cora a dita
repblica :
t Considerando que a nova situarlo exige por
parle do- goverao provisorio a ratiucaejo de de -
claracoes anteriores e a aeceiaco expressa d>
outras clausulas que surgen) oeeessariamenie da-
quedas e das nova cMaMstoeias :
Coiwieram em-declarar solemnemente termi-
nada a guerra, ticando modificado o aeconte de %
de junho do anno 'prximo passado, nos termos
seguintes :
* Art. 1-. Rea restabeleeida a paz entre as re-
publicas Argentina e a Oriental, o imperio db-Bra-
sil e a repblica do Paraguay.
Art. 2: O governo provisorio da republieaTa-
tifiea mais urna vez as declaracoes que fez ao ac-
eeitar o protocollo de-2-de junho do anno prximo
passado, e por cos#egurates aceeita no fundo o
tratado da trplice allianca celebrado em Buenos-
Ayres no t de maio de 1865; nservando-se para
ajusto definitivos com o governo permanente, a
modificar/es deste mesmo tratado, que possa pre-
pr o governo paraguayo -no- rateresse da rep-
blica.
Art. 3*'Eai corwequencia da declararlo do
artigo anterior, o govemo paraguayo reeonhece-se
obrigado ;cele bracio dos tratados a que ae refe-
re o de I de raaio. entendi-udo-se estabelecido
desde ja, qne a navegacao do Aillo Paran e do
lio Paraguay as-aguas torritoriaes da repblica
deste nome,. Sea franqueada aos navios de guerra
e mercantes- das naeies alliadas, livre de todo e
qualquer eiw, e sem que se possa impedir ou
extorvar de aenham outro modo a liberdade dessa,
navegacao conmum.
Art. 4.*- Os poderes alijados- comproroetlem-
se a nao inffibir directa nem indirectamente na or-
oanisaco e eleicao do governo permanente do
Paraguay, devendo tomar conseqneoteniente as
disposicoes convenientes- de inteltigeacia com o
governo provisorio se, na occasio da dir eleiro
existirem atada forras- alijadas no territorio para-
guayo.
Art- 5.a- Piaa entendido .que, eraquanto per-
manecerem breas alliadas no territorio paraguayo,
conlinuaro snbsistirido as condices 5* e 7* do
citado accordo relativas jnrisdiceo militar dos
generaes alliadas, assim como a S* lmente quan-
to aos artigos destinados ao consumo dos exer-
citos.
Art. 6.-Os tratados a que se retere o de 1 de
maio de 18CS, sero celebrados apenas se otegero
governo permanente da republiea do Paraguay, e
o governo provisorio promette que esta eleicao se
verificar ao mais tardar no termo de tres meses
contados da data do presente aceordoj segundo as
disposicoes j decretadas.
< Art. 7* No caso de de morar -so a eleicao do
governo permanente- da republie do Paraguay,
por mais d* tres mezas, os governos alliadas se en-
tendero entre si sobre a resoliico que devam
tomar para concluiros ajustes definitivos da paz,
os quaes no interesse de todos nao podero, ficar
adiados por mnito lempo.
< Em te-iemunhodo que, nos os plenipotencia-
nos dos governos alliados e-membros do governo
provsrrio da repblica do Paraguay, assigna-
mos e presente accordo, e Ihe flzembs por nossos
sellos. .fulio Vedia.Jos Maria ia Silva Para-
nhos.Carlos Loizaga C. A. Rivarola.
Na noute de 30 de junho o governo provisorio,
receando que rebeotsse na Assumpco urna revo-
luco que sedizia tramada pelo partido adverso que
celebrava meeting eleitoraes, reqaisitou o auxilio
das foreas brasileiras. Tomaram- estas algumas
[_precauces para defeza das- pessoas dos governa-
dores e manulenco da ordem na cidade, e tudo
se coaservou tranquillo. No dia 3 do corrente
deviam faser-se as eleicoes para o congresso con-
stituate.
D.v repblica argentina nao temos noticia de
importancit. A ultima vtrso a respeito dos ne-
gocios de Entre-Res era que Lpez Jordn. Medi-
na e outros chefes blancos lagistm para a r>intui-
r da provincia de Corrientes,, acompaados ape-
nas de 2,000 homens, e perseguidos sempre pelas
forons do general Rivas.
Na repblica oriental tambera nada eccorrera
que mudasse seu nwelamento o estado das cou-
sas. De Pavsand asseverava-se quo nao havia.
ininii.os era'todo o norte da repblica e que era
falso ter Appanco atravessaado o Rio Negro na-
quella direeco. Coninuavam os blancos as
suas corrroias, sempr* perseguidos e nunea alcan-
zados pelas tropas do governo.
Por decreto de 6 do correte foram. agraciados :
Cora o ululo de baro de Goyanna, o coronel da,
guarda nacional da provincia de Pernambuco, Joo
Joaquim da Cunaa do Hego Barros.
Cora a, grande dignatria di ordem da Rosa, o
conselheiro Jos Bento da Cunba Bgueiredo.
Cora a commenda da ordem de- Aviz, o briga-
deiro Emilio Luiz Mallet.
Com o habito, da mesma ordem, os capitaes :
do estado-raaior da l* classe, Domingos de Araujo
e Silva; da 2* classe, Jos Francisco Cofite, e da
5" de cacadores mallo, JosMendes Jaeqaes;
o capito' de fragata Manoel Ricardo da Cunba.
Como, e os capites-tenentes Jos Luiz Teixeira,.
Joo GoncaWes ftaaite e Felinpe Firmico Rodri-
gues Chaves.
Por decreto ua raesraa data, e em attencao aos.
relevantes servij>s que praatarara na guerra do-
Paraguay, foram condecorados os seguintes ofn-.
ciaes da gnarda nacional, da provinaia do Rio-
Grande do Sul :
Ordem da Rosa. Coramendador : os coronis.
Caetano Goacalves da Suva, Camillo Mercio Pe-,
reir, Hippolylo Antonio Ribeiro. .
Offloiaes : os coronis, Antonio Alves Pereira
Manoel Amaro Barbosa, Urbano Rodrigues das.
Chagas, Francisco- Rodrigues Liata e o coaonel
honorario Jos do Amara Ferrador. .
Os tenentes-eorone : Jos Masa Guerreiro Vic-
toria, Manoel HippoUjlo Pereira e Manoel Amaro
Por cartas imporues de ifual dat foiam no-
m Commendador da ordem de Christo o conde M.
Debban, cnsul do Brasil ero Aliwna,
Cavalliro da dita ordem, Jos N. Debbane,
chanceller do mesmo consulado.
Cavalliro da da Rosa, o subdito pottuguez Joao.
de Saat'Anna Cabrita.
Foram naturalisados cidados brasileiros .
Os subditos portuguezes Bartholoaeu Jos L>^
bao, raacainista da 3< classe da armada ; Jerony-
rao Franeiseo Seabra, machinista tambera de i"
elas?e da armada; Francisco Ferreira da Cunta ;
Narciso Ferreira da Silva Sobresa; Antonio Lopes
Branco.
Chegou hontem o transporte Werneck, proee-
dente de Assumpco, conduzrado o 14 batlnao
de infantaria de linha, com 563 pracas erespec-
"% MC'ao imperador drigio-se bordo daquelle
transporte, e assistio ao desembarque e aqa"e-
raentodo mesmo batalho no quartel do ex-cor-
tume, em S. Christovao.
Fallecen ante-hontem de noite o conselheiro T-
burcio Valeriano da Silva Tavares, ministro apo-
sentado do supremo tribunal de justica,
18
Hontem nao houve sessao em nenhuraa das c-
maras legeslavas, por falta da uuroero legal.
A ordem do dia de boje 6 a mesma que eslava
designada tanto no senado, como ua cmara dos
dputados.


-:.", ;,* \ g


O paq tete Buaporr, entrado hontem dos portes
^fl<> si, irouxo d*us de Port- Alegre al 5, Rio-
tiran Je, 8, e Sania enharina, 10 do comiste. -
Pela presiden ca Ja provincia de S. Pedro tora
mrcalo o dia 7 de" Miembro prximo futir para
eleipo dos dfepniado* aasemblea provincial e de
Din daputodo asseinblca geral para prcenchi-
ntento da vag% quo dmou o Sr, conserhero Fer-
nandes Braga.
Tinha partido, em fervco publico, para San-
l"Anua do Livrameoto o ehefe de poicia (Merino
da provincia.
Nos transpones jfjc* e Guaycuri chegaram ao
Rio-Grande, de volia do Paraguay, o lt* bstalhd
de infantera e quatro hateras 4o r* regimesto de
artilharia, com o respectivo material de guerra.
Obelara tamben a rarsnia cidade o general Sa-
"lusitano Jos dos Res
Naufragara na costa de Mostardaa nm navio
bollando* que Traha de Buenos-Ayres para Rio-
TiWum fallecido : em Porte-Alegre, o coronel
Xiaocl dos Sanios Cardoso de Menezes, comman-
dante superior da jtuarda nacional dos municipios
de fiuary, Trramphu e S. Jeronymo, i no Rio
Iho Porto, tenente-corooel_ reformado da guarda
.a.
Dwno de Vernambiico Sexta feira 22 de Julho de' 1870.
Ie Srate Catharina nada temos que noticiar.
DIARIO DE PERMAMBUCO
ConsuHado o senada, foi apprnvado o reate-
rmenlo twbW do Sr. Siniaib.
Pro-egnla a dlscnssto do voto de
(grapas.
Mr"i.I?,motf,,T!!eFli estabeleemtrto da governo paraguayo m As-
sumprao.: r o /
' *"* "-no Braill..- Buenos Ayre* 1
de nulo de 1869. (Confldenevl).
O eonsclheiro Jos Man da Sirva Paranhos,
enviado extraordinario e ministro plenipotenciario
de s. M. otinpwtdflr do Brasil, leo a honra de
tumpnianiir a 8 Exc. o Sr. D. nsuianno Vara-
la. ininutrodas relacors exteriores da repblica
argentina, e de pastar soas mos o wumitm-
^flun mesmo eonselfcniro ten na conferencia
* bontes*,
0 oslahelec ment da nm governo paragoavo
i *f.ao> 'Utre deicio nopular. idea ac
celta paiot plenipoteaciarios tos necSes alliadas
a aeeeitaram como uelemento moral favo
como acto de boa poltica, -conforme os voto? dos
reprsenles naturaes da pepulacu paraguaya, que.
acha-se fra do dominio do dictador Lpez, ano.
raga palos mallos ou gemo sob a viokmria de sen
*Migo opf*sor.
Este acto ,ema mamis simplesexpressao,
JS&VSSJ: baUlh"a0 ^ '"^ -rada' 'EZSZStt
Ites paraguay, que marcharan! com os exerci-
tes alliados.
Falta definir as reteQoes do novo governo com
as patencias Hiedas, a quem um intere.sse vital
ligam necessariaraeate, e cuios direitos nao podem
ser desconocidos, acra prejudieados por aquelle
he lo.
Dessa iuieresse nacional e supremo, que uni-
r hoarasamente o novo governo paragnayo as
tres acoes al Inflas, resulta cerno eonsequenci.
uecessari, que-essa governo ser parte na guerra
sustentada be raais de quatro anuos con ira o ini
migo cixnninm, e que ponasto aceitar desde
lego as ondicedes da pu que estabelece o trata-
da tte I de mai) de 1865.
Aereado do governo provisorio paraguayo,
no ervieo libertado pete* armas da triplica alli-
anca, e a manifestarse pratiea do respeito que os
adiados profesaam a inJependeneia e soberana
dasae talo, eujo goverao tes tero causido
d>ima-.inealculaveis. Bsse respeito, sem embar
go, aaopde ir at o ponte da annular os direitas
dos alliades, coliocando a par delles um poder
Hascido ue seus sacrificios, mas mdifferente ao
tnumphe da allianca ou hostil em a sua aceao.
Q.governo que se va estabeleeer no Para-
guay, tem de ser adiado das aoteneias qne estao
j tfrra com o mareenal Lepes. As condicSes
ee o tratado do de maio de 1865.
Certamente os alijados, apezar de lerem es-
tabelectdo as condiooes de paz cem a repblica
desde o principio da guerra a que fnram provoca-
dos, isto muito antes de prever a extensao dos
sacrilkiasque ilo Ihe imporia, nao serao boje,
era depois de sua completa victoria mais exigen-
tes do que foram entao.
A generoidade que presidio a esse acto, ha
de inspirar todas as relacoes dos alliades com o
novo governo paraguay, mas nao possivet pres-
cindir dellas, salvo sampre qualqucr concessao
ulterior e voluntaria na areitacao das clausulas do
snu pacto de allianca, que justamente considerara
como garantias solidas de paz futura, e legitimas
repancSes de seus grandes prejuizos.
Os plenipotenciarios das tres nacSes aliadas
j esto tambom de oeordo sobre este ponto, as-
sim como tambem sobre os limites entre a anto-
ridade civil paraguaya e a militar di>s afliadns,
com os privilegios o sencoes que as forcas belli
geranios devem g.izar durante a sua permanencia
no territorio paraguayo.
0 ponto tambem em discussao entre os mes-
mos plenipotenciarios e do qual depende um com-
pleto accordo, a respeito da base actual da guerra
do Paraguay, se o novo governo provisorio, ami-
ga o allido nato, a cojo eslabelecimente aspirara
os cidados paraguayos, ter bastante antoridade
moral e loga I para os ajustes complementares do
tratado de 1 de maioda 4865.
Examinamos esta qnestao debaixo do ponto
Xetfclas do su! do Imperio.
RECIFK, 2i DE JLHO DE 1870.
Ghegou homaro pela manhaa o vapor brasitair
"7Vicai<*iM, trazend. datas rio Rio de Janeiro at
15 e da B.ihia at rfl d> ebrrente.
Sob a rubrija Interior publicamos por extenso
noticias dienas di mcmtramos nos 401 naee as que seguem.
IATTO-GaOSS3.
Sao de 29 de maio ultimo as noticias aae te-
na*. _
Xa dia 3 tere lugar a iastiUaeio da assem
lea proviocial, coja me Itresidante r.Jas artiM J-Je.iino'G. da Gasta e padre Jos J. dos
Saiitus Kerreira.
A noticia da lerrainacao da guerra, foi feste-
jada em Guiaba.
\ pjpulaoo dessacidade resente-se da faite
d'agua, linda, *p >rm, a presiJeneia da provincia,
melhor) dado promptas previdencias, remediou
est mal.
A Sttimro di a segninte noticia :
o Rimbo cuitado.Q Sr. bario de Villa Mara,
m ni>ute de 2-i para 2i do paseado foi roubado
na iiunii.i de oito cantos, oente e tastos mil res.
S. Exc. aehava se no tneatro ssistindo repre
scntac,3i> que leve luar, eomoTomplemento do?
-J/estejus nacionaas, e o iadrao aproveitando sua
m-riicia, ficanco a casa sem viga, conseguiu,
rom ciuv.' fala, abrir a purla da ru e penetrar.
111 >ala, onde eslava urna canastra que foi violen
ladaem iiias duas fechahira?, levando o Iadrao,
a snu salvo, a quaotia referida em notas de dilTe-
rei Proeedou 3 corpa de delioto o Dr. ehefe de
|Kieia, de quem esperamos -toda a eoergia, aflm
da ilescoirfr o roubo e evitar que taes fados se
re.produ7.am.
Na mesma noute urna dasjanellas da casado
Sr. comn>nd.dor Henriqaeos Vieira, que tam
b.im se achara no tbea.ro, foi vi dentada, nao eoa-
segaindo o larapio s-eus iatent., pela seguranca
da inicua janella, e porque as pretas da casa gri-
laram a terapo, e o ladra) recuou.
covai.
Alrancam a 4 de julho as ultimas datas.
fbrreu no presidio de. Sr. Jos de Araguay,
re.pe.ciiv,i i-oinmanJante capitao Maaoel Pinhei-
rn i| Le:n:w.
? Bt*ttaM Joaqaim Vicente de Azeveo coacedau
gratu.um, te u liberdado a S eseravos seos.
UINAS GBUAES.
Sio de 2 do frrente as datas.
?) Dr. Garlos Petxot de Mello apresentou-se
caadMato a ieputado assembla geral, pelo 1
atrleto, nt vaga que deixou o conselbeiro Ao-
la.'.
> Ctnuercadar da Campanha daPrineeza, de 25
diz -|mif : ,
X1 futan la do-Sr. Evaristo de Salles Cardse,
ne>ta fregaezia, liontem (la) amanhecou o eubo
h<: sea epgeaho do serra s-mipleamente cheio de
!?"! em massa compacta, o que foi visto por al-
.'uuias pessoas, entre as qaaes o !nesmo Sr. Car-
diwrt n'ie nos coinmunicou esta noticia.
T.ialo esse cubo (espacie de reservatorio da
agu :|U) t 'ni de dar modmento ao engenho) 25'
i>iluos de comprimento, 2 de altura e 3 de lar-
gura, done |ezar o pedaco d gelo que o encheu
re de 108 arrobas, cousa que nao no3 consla 1
iir-se visto por aqui at o presente.
i. PAUU.
Ghegou a 10 do crrente os jornaes.
Mease da tievia installar-se a associacao emau-
riui.l ir:i, composta de senhoras.
So dia Io exista no thesouro.provincial um Bal-
ito d3 568:515*718.
Fallecer emTiet, Jos Aleixo da Costa, dei-
xando livres tres eseravos.
A Sra. D. Mara JaciothaMoraes e Abreu no dia
em que completos 70 anuos de idade libertou
um escravo.
Recrudesceu o invamo nos ltimos dias, ca-
hindu muita geada na capital e Jundiahy. ma
correspondencia de Brotas diz que as geadas dos
d ato DE JAKBRu
O sead) approvou, no dia 7 do corrente, o pa
rener da commissao de poderes sobre a eleicao de
Minas Geraes, sendo declarados senadores por
asa provincia e tomado assento os Srs. Joaquim
DetUQ Ribeiro da Luz e- Joo Antj Fernandes
Lean.
Nodiadl, communicando ao senado a morle
d< sena ior Dantas, disse o presidente o seguinte :
Seulores. Pela segunda vez nesta sessao
teaba de dar-vos a triie nova de que a morle
-acaba de privar-nos de um collega.
* Por caria de 9 do corrente raez, part cioou-
-ine o Sr. Itarao do Gurupy, que nesse dia.pelas 7
ras da noute, fallecer o Sr. Antonia Luiz Dan-
tas de Barros Leite, senador pela provincia das
Alagoas.
Deram-se lodas as providencias, que nestes
rasos sao de estilo, iuineou-e urna deputacao de
seis (adores para acimpanhar o fretro desde a
yuta da residencia do Ilustre linado at o cemile
rio Ja ordem deS. Francisco de Paula.
O Sr. Antonio Luiz Dantas de Barros Leite
ai norneado senador ptr carta imperial de 31 de
julho de. 1843.
< Foi >empre re3pe*(ado pela independencia de
sea carcter (apoiados), pela franqueza com que
espunua e defenda as suas opiuioes, pelo seu
aaor justica e pelos seos entiraentos verdadei-
ramente patriticos. (Apoiaios).
Anda no da 8 doso mez ou vimos a sua voz
na tribuna desta casa.
Fui um aitus ao parlamento, e aos seus con-
cidados.
< Horas depois j nao exista I
Para elle tiuliam*se acabado as illusoes do
mundo, para nos com^cava a realidade da dr,
por ter perdido uu to disiiocta, collega.
Senhores, sor aue sou wrga* flei dos senti-
r.msiirerenios agora a questao pele lado das
conveniencias reciprocas dos go verses sitiados e
do governo paragnayo que sr tratada estabele-
0 que esperan ts governos hNia,dns para ce-
lebrar os wu ajustes deDniivo* em o governo
da' fepnblioa ? Que este so orgmise dibaixo de
urna forma, nava e mais ou utios conformas is
constitaicoes do. aovos livres.
lAt quanio durara esta tre.?pa. armada, qae
exigirla provaretments a osenpa^ao militar de
urna parto do territorio paguayo peles Uiados t
A quantas emtlingeacias e vieissi!ude< nao estara
expesta a reconstrnetjao de nma naciooaHdade,
sok ss condiroes*mora e raateriac^ mais favbra-
veisl
t fiesta staselo inceita, precaria, indofiaida e
gravesa, haveria para o?, olhos dos neutros perigo
para a independencia, eu ao menos para a tote-
gridade o repblica, e para os aHiados a neces
nve a mats prosapia torminaeio da -garrtt. c; sidadede madres saerTiciris, qaando oiaue cus
tiram e ainda custarao a guerra actual sao de
per si enorows.
t A guerra actual foi provocada p*r wn gover-
no nas-ido da sua propria vontade, e que nao ti-
nha aor norma seuao essa merma vontade abso-
luta. Poder se-ha exigir oa geoeros-dade dos go
vernes alliados que a eleicao de assemblasohe-
ranas, e a orgaaisar(> d'e um p dar executi-'o
mais ou menos limitado, para ento firmar com
este as MudMjes definitivas da sua paz amn a re-
pblica ?
- O marecbal Lpez pode opnrimir a sua patria,
reduzi-la an estado lamentavel wi que a vemos,
ude provocar os alnados a urna guerra tito de-
sastrosa, e o governo provisorio que se consliloe
no Paraguay pla livre vontade dos Paragnayo,
que felizmente ainda vivem para salvar sua naco-
nalidade, nao podara lirruar os ajustes definiros
le paz e de ami ade com os saos adiadas, de cuja
generosidad* e asoio desinteressado neeessita por
algum lampo ?
t Seguramente, nao ha rarao de estado, nao ha
consideraran de jostra, nao ha emolo na histo-
ria das grandes guerra*, que tem affligide a hu-
manidada, nada ha qne aconselhe, e muito menos
qne torae obrigatorio para es alliados e para o
nova governo paraguayo nma poltica de t3o peri-
gosa e lio prejudicial contemporisacao.
Realmente, o limite dos poderes, qne as cir-
ciimstaucias confiassem ao Roverno paraguayo pro-
visorio, mw tena entro effarta mate do pje aug-
mentar os sacrificios dos alliados, prolongar a oc-
ctipacid estrangeira, e diminuir a antoridade
moral desso governo perante os neutraes e seus
proprios compatriotas, em beneficio do poder de-
cadente do inimigo comtnum.
E' esle o parecer do plenipotenciario brasi-
leiro, e elle espera que ser tanbem o dos Ilus-
trados plenipotenciarios argentino e oriental, de
cujas amigraveis disposicoes e espirito conciliador
tudo confia.
Buenos-Ayres, 30 de abril de 186?. >
0 eambio sobre Londres regulara 22 3/4 a
23 d por 1000 papel bancario e particular.
Os soberanos (S?) veniiam-se de 10J430 a
10*500 cada nm.
As apolices geraes de 6 % vendiam-se a 83
ALAGOAS.
~ Frara '.-emovidos os promotores publicas :
Dacfcarel Maaoel Fernaodei de Araujo Jorge, da
comarca u Alsgas para a da Atalaia ; e de
Anadia para das Alagoas. o bacbarel Aurelio
Netnenauo Postes da Silvelra.
Foi exonrrado, i seu pedido, de promotor
DUblioo das Alagas, o bacharel Joaquim Joas
Bezerra de Montenegro.
Foi nomoado
o eogeuheiro Jacintb>Pa Mendouealaragua, enganheiro fkcal da*prortoein.
Mo dia 19 do correnw falleeeu o vigar do
Pilar coaego Jaciniho Candido de Mesdonca.
Lanos no Diario das Alagos :
Aa amanheivtr o dia de humera
ram-se da casa de detenco
orezos, todos j sentenciados,
formam
(lii avadi
desta capital treze
segundo nos in
Por nm arrombameato aborto na parede de
lado do norte, poderan elles sabir, e perseguidos
depois de se terein evadido, foram alcancados e
novamepte prezoi tres delles, os quaes toram ba#-
lante maltratado pela forca quu o persegua.
Den! hontem (15 a noticia da evaeo de
prezos da casa de detenco que leve lugar ante-
hontera 14 do correte*
Como o declaramos, nao tinhamos na occa-
slo em que escre.viamos a noticia, informacoes
completas sobre este faci ; hoje, porem, oblando
melhor e mais exacto conhecimento do mesmo,
passamos a inteirar os laitoras de todo esse acun -
teeimento
. A's 5 lloras da madrugada do dia cima dito
o administrador da casa de detenco participou ao
Sr. Dr. ehefe de polica terse al! arrombado urna
das cellulas por onde se haviam evadido alguns
prezos.
O mesmo Sr. ehefe apreseutouse inmediata-
mente naquelle estabelecimento. e mandaram vir
dos quarteis e corpos de guarda as pracas dispo-
niveis, veriiicou terem-se evadidos os prezos:
Andr Vieira do Nascimento, Reinaldo Jos da
Costa, Maooel Reinaldo da Costa. Antonio Ignacio
dos Santos, Joio Jos de Souza Quirino, Felisar-
do Antonio Dias, Leoncio Correia de Souza, Joao
Pareira da Coste. Francisco Ramalho ds Figueira-
do, Jos Lopes, Luiz Jas de Franca, Manoel Pe-
reira da_Silva e Manoel Felippe de S.
Estao j capturados* os 3 ultimo, que fica-
im lelemente contosos no acto da pristo.
O Sr. Dr, ehefe de policia den sem demora
todas as providencias que o caso exiga, fftzendo
sahir piquetes e patrumas -para diversos lagares
%
para Pernambueo os
mnntos do senado nesta occasio, em que com o
ciracati ulcera>d tao cm0t*t, declaro que
a noticia do inlaoslo sucesso. .que acabo de com
manicar-vos recobida por esta cmara com o
mais profundo pezar. (Apoiados. Muito bem I)
. O Sr. Sininb iez tambem seguinles coosi-
-fracpes :
< V. Exc. acaba de eommunicar ao senado a
prda que esta corporacao acaba de soJIret com o
fallecimento de nm dos seus mais amigos membros
" Sr. Antonio Luiz Damas de Barros Leite, meu
Ilustro collega de representacao pela provincia
Alagoas, e a quem me ligavam tacos de pa-
n'otosco e de anliga ami>ade.
Xo me competo, Sr. presidente, depois das
ii.layras repassidas de sentiuntoa, sisearas e
cordiaes, que o senado onviu de v. Exc, e que
sao tambem a expressao sincera e cordial dos
.laicatos, (issim ouso er lo de c .da nm dos
.oros desla casa para com o illnstre lnadi
ados), accrescentar cou-a ilguma para com-
uiemerar soas virtudes, e justificar addr que sen-
timos por esta perda ; V. Exc. foi n'esta eceasiao
c k:io sempre, fiel interprete dos sentiraenlos do
ido : quero -rnente, Sr. presidente, invocando
o-edentes d*esta easa, peiir a V. Exc. em
na -darjuelle que hoje pranteamos,
o mcioo .jue n te.nfeito acerca de uutros, por-
que talvez o nico mod > porjiio esta corpofa
dear o pezar qu soffre com a per-
cada um dos seus membro?.
< Assim, pois requeiro a V. Exc. haja le con-
sultar o seado se concorda cm que se suspenda
a se-sao boje, como se tem feto era casos iguaes.
de vista do direilo publico e da conveniencia re
ciproca dos alliados, o do mesmo governo provi-
sorio.
A ereacao actual de nm novo goverso para-
guay nao ser um facto arbitrario c artificial, m
a expressao de ama necessidade real, e o exerei
oiodo direito de soberana que tem o povo para-
guayo, o que os alliados se eoraprazem em reco-
nhecer
Destinado a salvar a naeionalidade paraguaya
de ara completo aniquilemento moral e material,
e tendode prever a todas as necessidades civis da
populacao nacional e eslrangeira, que tem afllni-
do e afflnir sua apital, e s povoaeoes mais
prximas, esse governo nao pode deixar de an-
nuir ao pleno exercicio da soberana paraguaya,
t As jireumstaneus o revistiram desse carcter
e desse poder, e como tal os governos alliados tra
de reconheca-lo. Os neutraes tambem serio le-
vados considera-lo na pleriitnde dessas attribui-
coes, mas nos limites do territorio, oude demina
"e faci.
Apto para celebrar urna allianca com os bel-
I geranios que soesforcaram por libertar a repu
blica do Paraguay do seu oppressor, esse gover-
no est igualmente api) para os ajustes que de-
vem completar os corapromissos da allianca oue
contrae, e que envolve a seguranca da paz da re
publica com o Brasil e as repblicas Argentina e
Oriental do Uruguay.
i A ailianca dictada por nma identidade de
causa, pelo reconhecimeoto dos beneficios qne de
ver aos alliados e pela forca imperiosa dos acon-
tecimentos qne nao admitiera dous poderes estra-
nhos nm ao outro, com igual juris-iccao no mes-
mo territorio. Os ajustes definitivos dessa allian-
a, nao podem deixar de ser aceilaveis. desde que
orem s consequencia9 dos principios que sa de
vem consagrar no primeiro acto. E importa mui-
to a esse poverno conhecer desde logo a natureza
e a extenso da responsabilidade que assame para
com os alliados e para com a sua patria.
Com effeito era que consisliram os ajustes
complementarios do tratado da trplice allianca ?
Pelo que toca condicao de paz tine qw
non, dos alliados, esses ajustes nao lano mais do
que confirmar e regularlsar a exacuco pratiea
dos anteriores.
t Pelo que respeita aos principios geraes da li-
vre savogacao e commercio, nao exprimem a lei
d> vencedor, mas o direito e as iat- sses mutuos
dos estados nbeirnhos ; nao sarao i. is do que
urna amplificacao lgica, necessaria u reciproca
mente til do direito convencional preexistente
entre os alliados e a repblica do Paraguay.
% Porque, pois o governo qne celebra os ajustes
preliminares n* ter autoridade para celebrar os
definitivos, uue nao sao seno urna consequencia'
neces^aria daquelles )
< A forca moral qne Ihe assiste para constituir-
se, co-existir e cooperar com a allianca, a mes- j
ma que presidir aos actos com que Ihe cabera
bonrar sua palavra e desempenbnr a sua missao,
cele rando com os alliados todos os ajustes que de-
vem pr lerrao guerra actual.
c Esse governo nao creado para fin* mera-
mente secundarios, mas com a alia misso de sau-
dar a existencia de sua patria, conqui-tar com os
alliados a plena lberdade desta, e est.ibelecer as
bases da sua paz e seguranza futuras.
0 e.-tado reduzido da populaciio paraguaya
infelizmente um facto irremediavel, cuja respon-
sabilidade recae toda, perante Dsus e o- horneas,
sobre o provocador implacavel que tanto sangue
fez derramar do urna e outra par', e que tudo sa-
erifiaoa sua colera e ambicio pessoal.
Expulsido o dictador Lpez do territorio pa-
raguay, os elementos habis para o novo goverao
sero us mesmos que hoje exisiem, p iripie debai-
xo do dominio da allianca nao se encontrara se-
no familias desgr?.cadas, privadas dos varos que
Ihes serviam de amparo, e ala: dest os restos
das forcas do cppressor, compost da parte mais
ignorante dessa maru risada populaca
A presenca dos exercitos alliados nao ama
ameaca independencia do novo governo para-
guayo, porque esses exercitos nao team nem ve-
ram por fl rrecu*avel o proprio faeto da ealabeerimenio de
um governo qne venha representar aa lado delles
a soberana paraguya. Se esta eircumstancia coar-
ta-.' e hoje a lberdade de pensamenlo e aceao do
governo paraguayo, a paz coro aste seria talvez
pm s.impro irapo:sivel, excepto se os alliados
qnzerem separarse da aUiauea, ou depor as
armas, anu-s de deixar firmadas deflnitivainente
as condico's do urna paz honrosa e segura.
A nica garanta effloaz que existe hoje, como
existir aaansMrt, para a independencia do gover-
no paragaayo, est no. respeito qi ns soldados
eo-agram a essa naeionalidade, por :-ua honra e
seu proprio interesa*. Uraa situacio anloga se
produzio com a creacn do estado nrienlal do Uru-
guay em 1823, a a historia so-la aprsenla em
outras guerra* semellwntes. A presenca dos al-r
liados nao ser, pois. tuca amea$a, mas ama ne-
cessidade inardavel e sem apow benefiw para o
novo governo.
Estavam carga :
brigues Isabel e S. Pauto.
BABIA.
Fallecers: o proprietario Jo^ MariaTlen-
rigues Ferreira ; o emprogado da estrada de ferro
Jos Antonio Morira da Queiroz; e o vigario da
vilia velha do Jacobina, padre Theotonio Barbosa
de Miranda,
Acnava-se no porto, em viagem de Tonlon
para a Nova Caledonia, a fragata franceza Neret-
dt commandante o capitao de fragata Murat, con-
duzindo 175 condemnados.
Arribou, |ior ter sido o capitao atacado de
bexigas, o bngue sueco Umea, que ia do Ro de
Janeiro para Baitimore.
Lemos no Jornal:
t Hontem (13), no salb da praca do cemmer-
co, reuniram se os accionistas da eompanhia Gom-
merca! do seguro* maritimos, e, depois de ap-
provados os relatorios da direccao e commissao
fiscal, teve lugar a eleicao, qne den o seguinte
resultado :
Mesa.
Presidente. -Commeudador Domingos Soares
Peretra.
Vce-Presidente.Commendador Maneel Joa-
quim Rodrigues.
Secretarios.Antonio Carvamo da Silva Leal
e Jos Joaquim Leite Borges.
Directores.
< Lino Porfirio da Silva.
Commendador Fernando Pereir daHCunb.
Antonio de Frailas Parando- Jnior.
Hontem (li) entre duas e tres horas da ma-
drugada, as igrejas desta cidade derara signal de
incendie, a principio com alguma confuso, nio se
podend.i atinar logo com o ponto em que exista o
mesmo, verifixindo-se depois que era um navio
ancorado no porto.
< O Sr. Dr. ebefe da polica dirigio-se iramedia-
tamenle para o caes, e alli chegando msndou que
fossem nado buscar um escalar am qne se trans-
portou pera o ancoradonro, e chegando entre os
navios, verificon pelos muitos boles que cercavam
a barca nacional Aurora, de propriedade da firma
social Godioho, Paulo & C, que era este o barco
a incendiar se ; abordou ao mesno, e saltando
dentro j alli encontrou os ch'efes da estaco, ca-
pitao do oorto, inspector do arsenal de marinha,
alguns orflciaes da mesma, o patro mor e seus
est procedendVas diligencias qne deveni"pro-
ceder o processo qne se tem de instaurar pelo
facto.
t Foi exonerado o ajndante do administrador
da casa de detenco, e recolhido preso ao estado-
roaior por ser lente da guarda nacional.
A' ordem do governo foram presas pelo coro-
mandante da guarda as duas pracas Manoel Pe-
reira do Nascimento a Balmiro Jos dos Santos,
nma por estar dormindo e a outra por nao ter acu-
dido ao grito de armas.
S. Exc. o Sr. presidente da provincia, apenas
sonbe do facto, exoneren das fancebes no corpo
destacado de gnardas naclonaes o lente Flo-
rencio Ignacio da Silva que se achava de guarda
na casa de detenco. devendo proceder-se no foro
competente contra essse ofcial. como n caso
couber.
t Ante-hrratem (16) celebraram-se na matriz
desta capital, missas e nm memento solemne pelas
almas de lodos os brasileiros fallecidos na cara-
panha do Paraguay.
Assistiram ao memento o Exm. presidente da
provincia, Dr. ehefe de policia, chefes das reparti-
coes e seas respectivos entregado?, autoridades
civis e militares e crescido numere de pessoas
particulares.
Ao torminar-se b ceremonia religiosa, o Rvm.
Joao Luiz da Silva Reis, que offleiou no acto; des-
trilmio esmolas por todos os pobres presentes,
(ijono a cad um) e mandn entregar esmolas de
10*000 a diversas viuv pobres da cidade.
ARSENAL DE MAUINHA.-Vei > hontem o
Ttmnm o Sr. 1* tenante Prarttisco Jeronvmo
Goncalyes, ajndante da inspectora do arsenal de
marinha.
TR1LH05 UR&afefOS DE OUSDA. Domingo
cometa o servico provisorio de transporte de pas-
sageiros do Itecife 0)md>. pela tabella de hora
de partida o'outro lugar publicada.
COMPANHLi, ITRiAJiaUCANA. A viagem
extraordinaria daum doa vapores desta eompa-
nhia Fernando da Xoroaba deve reaUnr-se no
dia 9 de agosto prxima, e nao no dia 13, como
hontem dissemo.
Acerca da alteraeao das visgens para o presidio,
commuaieam-nos que depende sao do governo
imperial, que deva autorisar a reforma do contra-
to nesse sentido, e mesmo no augmento dos porto
de escalla que reclamara esse beneficio.
ACGO DE GRAGAS Remettem-noj o seguin-
te pedmdo son publica cao :
< O nosso comprovinciano o velho Joaqnim Jo-
s Bello, em aceao de gracas pelo feliz regresso de
seus fimo e neto, o tenonte-coronel Joaquim Ca
raleante de Albuquerque Bello, e o filho deste o
1* cadete Alfredo de Albuquerque Bello, que vol-
taram da carepanha do Paraguay, deajiberdade,
apezir de nimiamente pobre, seu escravo Ma-
noel, crnalo, de vnle asno* de idade, sua cria.
Nao pode, por certo deixar de ser agradavel
ao Ente Supremo lio meritoria aeco digna de
apreco, atientas suas circumstancias pecuniarias.
ANIVERSARIO.Amanha odia do 30.an-
iversario da inaioridade de S.M. I. o Sr. D. Pe-
dro II.
ffeMol^*n<*l i"q"m de OlivOra,
Angelo B. Joca, An.omo Vil lela * uin
Antonia FranciscoAre|Kloro iK'teOb
yeira, Joao Vnx^^lT'S^^^S:
Joaquim Angosto de *mEE3Sl*tE*
SrentManAo2XflT rfiS?2'^^
WqmrjteHAo, FraaciscoA.**
PEHNAMBFCO.
REVISTA DIARIA.
empregados, trabalhando aa exlioccao do incendio,
quejt eslava quasi conseguida.
Gompareceram mais o negociante commenda-
dor Basts, socio da firma social, o ajudante do
guarda-mr da alfandega, e o canito da mesma
barca, que se achava em trra.
A barca osiava era descarga de carne secea,
de que consla o seu carregamento, e tinha dous
guard da alfandega Alexandre Augusto Bstre e
Francisco Emilio Pereira Rocha sea bordo pela
circumstancia de dar-se urna duvda peante a
alfandega entre a Intaco e seu carregameeto.
Pelas indagacoes a qne o Sr. Dr. obele de
poicia proceden, veriflecu-se que o incendio se
declarara na seguoda coberta e no camarote do
contra-mestre, sem que se'podesse conhecer sua
verdad eir origem, pois interrogando seis esera-
vos do navio, ao contra-mestre, e aos doas guar-
das da alaodega que aUt se acbavam, nada dacla-
raram pelo que se podesse formar um juizo.
Depois do que retirou-se o mesmo Dr. ehefe
de polica pelas 4 horas da rnanhaa, fleando eom-
pletamtnte extracto o incendie, e para alli fea se-
seguir oDr. delegado do districto com instruc
coes de proseguir era outras diligencias, caso
fossem nece>sarias.
O commandante do navio, sendo fambem ou-
vido deoots que ebegou i bordo, nada adiantou.
t navio pouco soffreu, pois o incendio nem
conseguio varar o Udo externo do mesmo.
V NaJ)?ute 16 do corrente a saciedade ma-
coaica FuUUdade e Bene/kmcia, que fnneeiona
na ra de Baixo, soba jurisdiccao do Grande Ori-
ente du Lavradio, em regosijo da p sse'de seus
novos funecionjriis, dau urna rensio familiar,
e elforriou tres meninos e urna menina..
Inaugurou-se no domingo (17), no safo do
Gre-nn Litterario urna sociedade com o titulo de
Abolicionista Commercial.
Procedendo-se a eleicao, den o resaltado se-
guinte :
t PresidenteBare do Rio Real.
Io vlce-presidenteBaro d Sauhipe.
t 2* vico presidenteJos Alves dos Res,
Io secretarioManoel Gomes Cofia.
2 ditoMaximiano dos Santos Marques,
Commissao de estatutos.
Joio Gonclves Tourmho.
Antonio Lopes da Silva Lima.
Domingos Pachaco d'Avila.
Teodcr-se hospedado na casa do negociante
Jos Barreiros um tal Zezinho Boa Marte, tentn
esta aa aoute de domingo (17) assassinar aquelle.
t Eis como nos foi referido o acontecimento :
Sahindo no domingo noute o Sr. Barreiros
8 o Zeziuho Boa Motte a passeio, voltou aste logo
apoz, sem que muguem o visee, e o Sr. Barreiros
para apromplar a sua correspondencia com;i>er-
cial para Porto Seguro.
Concluida a eorrespoodeseia a 1 hora da
noute, levantou-.se contou o dioheiro que tinha na
carteira, venlic.ia se a chave da porte da rea es-
lava no qnario, eeou o mesmo edeiteu-se. Puusu
depois seatiu dores atrozes no rosto e
INSTITUTO ARCHEOLOGICO E GEOGRAPHI-
CO.Reuni-se hontem esta sociedade, soba pre-
sidencia do Exm. coaseliu'iro Moosenbor Muniz
Tavares, e com assisteocia dos Srs. Drs. Soares de
Azevedo, Baptista Reguera, Funoeca do Albuquer-
i|ue, Innocencio Seraphico, e os Srs. padre Lino
do Monte Carmellu, e major Salvador Hen-
riqne.
E' ida e approvada a acta da antecedente.
O Sr. secretario perpetuo menciona o seguinte
expediente :
Um offlcio de Sr. Jos do Reg Barros effer-
tando duas raedalhas paraguayas. Inte.rado.
sendo recebida com agrado.
Outro do Sr. Maooel de Araujo, offertando a
iraagem d'um santo era vulto, cujo nome aqui
ignorado, e que foi encontrado na villa de S. Joa-
quim na repblica do Paraguay; urna raoeda de
cubre de pequeo valor que se suppe ser do
lempo do reinado de Alonso Henrique; e urna
sedula no valor de 4 pesos.Inteirado, sendo ra-
cebido com agrado.
O mesmo Sr. Secretario d conta dos seguales
offertas: Varios ns. do Diario de Peinambuco,
pelo consocio Dr. Figueira; slguns ns. da Opi-
niao beral de Alagoas. Americano, Madrisitea
Opintao Nacional, Assuensr das respecvas re-
dacQoes.Todas estas offeri >o receidas com
agrado e rnandam-se archivar.
Veera mesa e vo commissao respectiva,
duas propostas para socios.
Entra em discuso e approvado, depai gera consderago do Sr. major Salvador Henri-
que, o projecto de orcamenlo de receita a despeza
para o corrente anno acadmico de 18701871.
E' lida e addiada para a prxima sessao a se-
guinte proposta.
Teado a Illma. cmara municipal desta cida-
de resolvido dar estrada de Joao de Barros o n-
me de Paulino Cmara, no iotuito de tornar per
petua a lembranca do rasgo de patriotismo da-
quelle Ilustre pernamhucauo, marchando para a
guerra do Paraguay; e recsrdaodo o nome de
Joao de Barros, a poca gloriosa da lata titnica,
que esta provincia emprehendeu contra Hollanda,
e na qual foi elle deslindo capitao; propooho que
se represente aquella corporacao, pedindo-se-
Iha que, em attenjo ao mencionado Joao de Bar-
ros, haja de conservar o nome desle naquella es-
trada, e (Jar o de Paulino Cmara outra qual-
quer ra.
Sala das sassSes do Instituto, 21 de julho de
1870.S. Henrique d; Albuquerque.
Nao hateado mais nada a tratar levanta-se a
sesssSo.
U.NIAO JURIDIGA.=Funcconon bootem esta
sociedade, tendo servido como autoridades, juiz de
direito Goncalo da Faro, promotor Caetano Lima,
advagado Anstarcho. O reo foi candemnado no
mnimo do an. 193
COMMISSAO DE ALFANDEGAS.Segsem hoje
a bordo d'o Tocantins, para o Cear, os Srs. Sam-
paio Vianna e Lopes Rodrigues, commissarios in-
cumbidos de regularisar os trabalhos das alfanje-
gas d > norte.
FERIMENTO GRAVE.-^o dia 50 do corrente,
na roa do Cisco, da fregueiia da Boa-vista. Joa-
quina Mara da Conceico ferio gravemente com
urna puohalida a Nicolao Toleotioo do Sacra-
f ment. A delnqueme f* presa.
GUARDA NACIONAL.-Por decreto do minis-
terio da justica, de C do corrale, foi designado o
Sr. capitao Cttano Cvnaco da Costa Miceira,
para servil de major do batalhao de infamara
da guarda nacional do municipio do Recife.
EXPLORACO DE MI.VAS.-Por decreta domi-
sisierio da agricultura, de 9 do corrente, foi pro
rogado por raais 5 aunos o praso marcado a Jos
Jacorae Tasso, para a exploracao de ouro e oulros
mraeraes nos sertos .la Parahyba e Parnambnco
D1NHEIRO. Os vapores Ipojuca e TocaiUinj
treuxeram hontem para os Srs :
Sauader Brothers & G.
Bank ef Rio de Janeiro
danoe#^ernaodes,ba Costa dt C.
Martias & Leopoldo
Joaquim.Silvario de Sonxa &. C
Jos F. de S Gavalcante
Caldas & C.
VAPOR IPOJUCA.Chegou hontem da Granja
e portos intermedios este vapor, com datas : do
Cear 15, do Natal 19 e 4a Parahyba 20 do cor-
rete
Na capital do Cear lata va a populacao com
a caresta da carne verde, que se venda a 500 rs.
o kilograrnrao.
Nos cofres da ihesouraria provincial exista, _
30 de juoao, o saldo de 122:2164305 em dinheiro,
ledras e apolices :
Foram arrematados os dizimos grossos: de San
ta Quitara por 3:900#, do Tamboril por 2:500#,
de Lavras por 701*. de Jaguaribe-merim por...
4:200*. de Paracar por 865*. de S. Francisco
por 720*. e de Aracar por 1:380*000.
A presidencia da provincia rescindi os contra
tos: da Dra. Jos Pompeo de Albuquerque Gaval.
cante, e John James Foster, para a eonsirucrao de
um rom-rood da capital para Maranguape e Pa-
atuba; e dos Srs, Benjamim Theophilo & C.,
Luiz Ribeiro da Cunha & Sobrinhos, e outros.para
a navegacao costeira vapor nos pontos da pro-
vincia.
No anno financeiro de 1869-1870 a alfandega
da capital arrecadou 2,10o:.J05Ji909 rs.
Importacao I,50l:740i763
Despacho maritimo 6:012*225
Exportacao 575:55U323
Interior 22:915*482
Santa Casa 287*916
ralleceram os leneBtes Francisco Xavier das
Ghagas, e Antonio Jos de Camino.
Procedentes da Jlha de S. Miguel chegaram ca-
pital na escuna Olivtira, 76 colosos portugueses,
Lemo n Cearense :
Na povoacao de S. Joo deJaguaribe, do termo
de b. Bernardo, por occasio de celebrar-so a fes-
ta do glorioso padroeiro da fregueaia, appareeeu a
idea de libertar-se urna creanca para maior so-
lemnidada do acto. Tomou a iniciativa o Rvm.
vigario Francisco Ribeiro Bessa, alforriando urna
escravmha da 3 anuos do idade ; a esse piadoso
acto de pbilantropia seguio-se outro sao menos
louvavej do nosso disuado amigo coronel Antonio
Manoel Ferreira Maia, que conferio carta de lber-
dade a uraa escrava de 16 annos de idade. Autes
que arrefecesse o enlhusiasnio, appareeeu a idea
de.proK)ver-se urna ubscripco para alfarriar
urna ouira e;cravoha. A idea leve o mais feliz
resultado; a subscribo foi elevada a 125*,quan
ta pela qual foi libertada urna cria do Sr. Fran-
cisco Antonio da Silva de 2 ineies de idade.
0 Sr. r. Jos Pnulnlioo Mandas de Maga-
Ihaes, era regosijo pelo baptisamenle de utu seu
neto lillio do major Viriaio Candido Rodrigues,
deu lberdade a um recem-nascido filho da ama
sua escrava, o libertou o ventre desta.
Igual procedimento teve o Sr. major Viriaio,
libertando tambera o vaatro de urna sua escrava
de 22 anuos de idade.
o Em Baturit,o Sr. Manotl Jos, honrado agri-
cultor liben- u, em norae da sociedade emancipa-
dora fundada naquella cidade, urna sua escravi-
Jbaid 12 para 13 anaos de dale. O Sr. Manoel
Jos hornera pobre e por isso o seu acto torna-se
anda mais lonvavel.
A Exraa. Sra. D. Tbereza Rocha Moreira, re-
si lente nesta capital, solemnsou o seu anniversa-
rio natalicio, 17 de junho, com um acto de verda-
deira philanlropia : conferio nessse dia carta de
lberdade a sua escrava Mara de 13 anuos de
iJade.
Sao desagradaveis as noticias que nos chegara
de varios pontos da provincia com relaco ao in-
vern. No Crato, Inhamuns, Saboeiro, Jaguaribe-
merim etc. a populagao acha-se seriamente preoc-
cupada com a idea altarradora da urna secca.
'Nesses pontos onde as ebuvas principio foram
copiosas J se vosontmdo os efTeitos do cruel fli-
gello : lia localidades onde ha falta qnasi absoluta
de. cereaes de que se alimente a populage. Este-
raos nos fias d'agua e por tanto de lodo desvaneci-
da a esperanca de recuperar-se o perdido as pri-
msiras plaotacoes.
Teve effecvameote lugar ao dia 29 de ju-
lho do correte inno, no paco da cmara munici-
pal dosta cidade (Batnrit), a sessao magna de ins-
tallaco da sociedade denominadaAuxiliadora da
manumissao do$ caphros, soba presdeoeia do
v ario Hay mundo FraucUco Ribeiro.
Cerca de 200 pessoas, entre estas algumas ?e-
nhoras, comtemplavam a magesiade doacto, eda-
vara a assembla um aspecto modesto, mas impo-
nente :
Urna banda de msica marcial postada fren-
te di edificio, fazia as honras davidas solemni-
dad da festa, entoando por algumas veze3, o hym-
no nacional.
Abre-se a sessao 1 hora da tarde.
Depois de appruvacjjo da acta,.! leitura do ex-
pediente, passa-se carte de liberdado as 3 segura-
tes creancas:
Carolina, escrava do Dr. Antonio Pinto
Nogoeira Accioli, 6 mezes de idadepor 150*.
Raymunda, escrava de D. Mara Umbelina Mo-
reira Lima, 1 anno de idadepor I40.
Hygina, escrava do capitao Joo Epjphanio da
Costa, 6 mezes de idade porI50JI; deixanda se
na mesma oscaso, de ailorriar Joanna, menor de
J airaos de idade, olferecida a associacao por M-
noel Jos Bezerra da Rocha, pelo precode 150,
porque suscitaram-se dnvidas sobre a condicao da
agracianda, as quaes teom de ser resolv las pel3
mesa admini-trativa.
Logo, em seguida, o orador da sociedade, em
confrinidade do disposlo nos estatutos, lea o seu
discurso, que poz ierran sessao as 3 horas Jda,
tarde.
No lugar Sahy do termo de Canguaretema
no Rio Grande do Norte, Antonio Apollinario as-
snou em urna luta que tiveram seu cdnhado
Luiz Antonio, por causa de um frasco com
ail.
No lugar Alagoas da Prensa do districto de S.
Goncalo, foi assassinaoo Joo Cabra! de Azevedo,
gor Zeferino J.s dos Anjos, que foi captu-
rado.
Falleeeu, na capital da Parehyba, o agri-
cultor Paulo itibeiro Pessoa de Lacerda.
No termo de Pianc foi preso o celebre crimi-
noso Manoel Antonio, companheiro dos grandes la-
dras Vicentoe Berto.

Franklinda Costa Cvrn j
preso e 2 eseravos a entregar.
Vindo dos portea do sai no
ii'iu :
praers, l
Tpor Totam-
na cabecil, -
e a ranito custo levastando-se, gritou por soccorro Luiz Goncalves da Silva de Pinto
Acudiram seus caixeiros e hospedes, e notaram Dr. Antonio Jos Perteira
que o qoarto e a porte da ra estavam ahertas
daudo-se jinmodiatameato pela falte do refer io
Boa Morle, adiando-se no onarto o cbinello que
elle usava.
Preso e juterrogado pala subdelegado da Coa-
CeiCBo da Prate, oegou o
oa dormir na ra para
arreros :
O eambio sobro Londres, regalava
por 1*000. .
A alfauflega rendan de la 18 do
545:93**350
facto, accreseeotando
nao inconimodar o Sr.
M 1,4 d.
earrente
Dimiogos A. Malheas
Silva h Joaqaim Felippe
XMa Bohres
Vianna di Guimaracs
Joaqaim Jos Gosealves Baltro
Juv4neio Atbayd
D*. Francisco Aotonio de O. Sabrinho
O vapor IbAMJint trouxe mais :
Para a Parabyt>a
oCoar
o Maranhao
u e Para
6:6o0000
5:600*000
4:406*000
2:946<000
2UXW*00)
1:800*000
1:616*000
1:388*000
1:207*000
1:000*000
993*000
810*001)
78fl0
4*0*000
300*000
50*000
500*000
14:500*010
4:200*001)
36:939*000
D. Conceicao Rufina Batnga Braga, do lugar
Marrano do termo de Qanaceiras, deixou em tes-
tamento livres os seus escravialios Iguacia de 6
anuos, e Jus do 4.
LOTERA.A que se acha venda a 154
beneficio da Santa Casa de Misericordia, cuja ex-
iraccao ser no dia seguinte ao da partida para
0 sol do paquete inglez que se espera.
PASSAGEIROSVrodos de Granja e portos in-
termedios no vapor Ipojuca:
Tente-coronel Jos Fernandes de-Araujo Vian-
na, Luis Alfredo de Moraes. 2 sobrinhos 4 es-
eravos, Antonio Ferreira da Silva, Dr. Joaquim Pe
reir da Silva Guimares, Joaquim Olympiu de
Paira, Domingos Jos Rodrigues, Domingos Deo-
eleciano de Albuquerque, Braz Antonio Florencia-
no, Lourenco de Hollanda Ca,valcante de Albu-
querque e 1 criado, Joo Marques da Silva Go*
m-s. Jo- Alves Martin?, Jos Francisco Alves de
siuza, CassisBo Mara da Qdste Ferrefra, Jis Ba-
silio, Malma Clandina Leite das Trevas, 6 fllhos e
1 criado, Nic-lo Fichini, Camillo Rodrigot da
hdva Figuerredo, Eduardo Correa dos SaOtoi
miel taudenoio Parlado de Mendonca, 1 sabrinha
S Antonio Rodrigues de Almida, Mi-
guel Ricardo Moraes, Panjo Escuscio, Francis-
co de Paula Rodrigues, jUtonio Alves Teixeira
Bastos, Francisco Teixeira de Aray, Francisco R.
da Silva, major Manoel Modesto Pereira do Lago,
Alexandre Barros Albuquerque, Jos Baotkta
Rodrigues Pareira, Graciano da Cunha Maebado
Pedroza, Dr. Augusto de Jess do- Cas'ro Me-
nazes, R. N. de Andrade, Dr- A. Jos>d;i C T-
lente, B. Garca, Maria J. de Ssni'Anna, 1 lenes-
te F J Goncalves, e sua senhora e 5 eseravos ca-
pitao M. da S. Gusmao, Francisco da C^ Ananstn
Roque M. Dantas, Esmeralda, A. Pedro, padre Joa*
de t>. Jos, e um cr ado, Cosma M. da Piedade 13
allemaes muzicos, M. P. da Conceieao, iAntoniT
dos Santo?, J. F. Coelho, Mauoel Maria V. Franea
T. A. Henrique da BU vi, Joo D. Pmieniel, 11 ex'-
pracas. Joo B. da Crnz, M. F. do Nascimento
V. da Silva Plores A*edo S. Duarte, Manoel de'
O. Cavaquinho, A. F. de Albuquerque, G. A. Con-
deira, Thomai de Aqaino Silra Lonrenc,^, A. de
H. Cavalcante, Domingos Jos de Parias, Qoerc-
bim Bandeira, Sebaslio, Hanriqnete da Costa, te-
nenie J. Lourenco do V. Chave-, G. P. da Coneei-
eeicao, B. A. Pequeo, Jos Baptista do llega
Cavalcante, Antonio Ju;> dos Santos, capitao T. J
da Cunha Moreira, Francisco Pinta Brandan, Br-
nardino P. L. Bastos e sua senhora, J. Ramo da S
Maia, Dr. H Grao, Francisco F. da S. Santis,
Jos F. Nunea Heurraes e um criada, Fernandes
R.,do Ama ral, Atalyba Ferreira Pimental Bf Hez,
Dr. Pedro Oias Canieiro, Joansa Franca, len-
te Sergio Tertuliano Castalio Braucn, lenenie-ebra-
nel Joaqnim Cavalcante Albuquerque Bello, e sea
filho Alliuquorqae Bello, Victoriano tarmeiim
Pedro Jayme Lisboa, Vicente Souza de Miranda.
1 ex-praca de marinha, 41 ex-pracas para as pro-
vincias-
(HRONICA JIHlf|.iRM.
THII.IWI. DA KKI,Ai, IO.
SESSAO EM 19 DE JULHO DE 18T0
rassnwxciA no exm. si. consklrriro cactak*
SANTIAGO.
Secretario Dr. Virgilio Coilho.
As 10 horas da manilla, presentes os Srs. desem-
oargadores Gitirana, Guerra procurador da coros,
Lourenco Santiago, Almeida Albuquerque, Metta
Doria, Domiagues da Silva, Reguera Coste c Souz
Leo, abncse a sessao.
Passados os feitos, derara-se os secuintes ioka-
meotos:
Habeas coitros.De Benjamim do Carmo Lopesr
em favor de Antonio Joaquim Botelho, raandou-se-
ouvir a autori lida respectiva. De Joo Bapliste
dj Nascimento, negarara soltara, e adaram quas-
t. ao de Manoel Gomes da Cruz. Concedern or-
dem a Vicente Ferreira da Franca, para o da 23
do corrente.
Appellacao canre.Appellante, o juizo: appel-
lado, Vicente Ferreira dos Santo. A' nova
jury.
ppbllacobs crvEis.Appellante, Jos Frascis--
eo deOliveira; appellado, Domingos de Barro
Brandan.Receberam os embargos. Appellante
e appellado.' iuniamente, D. Anna rsula de Oli-
veira e D. Felisarda Joaquina de Azevedo.Jnl-
gou-se contra o eoromisso, e reconven-o. Appel-
lante, Angelo Henrique da Silva; appellado, Sal-
vador dos Santos Sequeira Cavalcante.Confirma-
da a sentenea.
PASSAGERS.
Do Sr. deserabargador Gitirana ao Sr. dese
oargador Guerra.Appellacoes civeis : appellante.
bao Antonio Gome3; appellado, Manoel Alves Pe-
reira. Appellante. Jos Cardoso de Almeida; ap-
pellado, Severino Jos de Farias.
Ao Sr. deserabargador Loarenco Santiago.Ap-
pellacao civel: appellante, a fazenda; appellado,
Joaquim Lop> de Almeida. Appellacao crine :
appellante, Antonio Barbosa do Reg; appellada,
a jnstiea.
Do Sr. desetnbargador Loarenco Santiago, aa
3r. desembargador Almeida Arbaqnerruc. Ap-
pellacao crme: appellantes, Simio Jos c oa-
tros; appellada, a ju9tica. Appellacao cvel: ap-
pellante, Joaqnim Monleiro Guede9 Gonn; appel-
lado, Virginio Horacio de Frailas.
Do Sr. deserabargador Almeida Albuquerque ao
Sr. desembargador Motta.- Appellacao eivej: ap-
pellaule, Tasso Irmo; appellada, a fazenda. Em-
bargos remedidos: embargante, Justino Pereira
de Farias; embargado, Joo Luir Ferreira Ribei-
ro. Appellacoes crimes: appellante, JosGencal-
ves de Oliveira; appellados, Virgilio Jos de Souza
e o juito. Appellaote, Joo Baptista dauCrcz j ap-
pellado, o juizo. Appellante, Cosme Ferreira fin-
maraes ; appellada, a justica.
Do Sr. desembargador Motta ao Sr. desembarga-
dor Doria.Appellacoes crimes : appeliante, o jui-
zo; appellado, Julio Alves Galvao. Appellante, a
juizo; appellado. Suterio. escravo. Appeilaeo
civel: appellante, D.Carolina Amelia PareBie; ap-
pellado, Manoel Ferreira da Ponte.
Do Sr. desembargador Doria ao Sr. desembar-
gador Domingiies da SilvaAppellacao crime : ap-
peilanle, o juizo; appellado, Jo.- Thomaz da Silva
Reg. Appellago civel: appellante, Henrique
Josi Alves Ferreira ; appellado, Rodolfo Vellosa
da Silveira.
^ D> Sr. desembargador Domingues da Silva ao
ar. desembargador Regueira Costa.Appellaada-
enmes: appellante, o juizo; appellados, Manoel
Vicente Pereira de Souza. Appellante, o juiao
appellados, Manoel Jos da Silva e ontro. Appel-
lante, o juizo; appellado, Joo Alfonso Ferreira
Filho.
Do Sr. desembargador Reguera Coate ao Sr
desembargador Souza Leao.AppellacSe civeis ;
appellante, H->orique Guilherme Stephe; appella-
do, Antonio Gomes da Silva. Appellantes, Fras-
eisco Antonio Pereira e sua mulher; appellada.
Rita Varia de Jesus. Appellante, Benlo Nunes da
Silveira; appellado. Dr. Olinlho Jo^ Mein.
Do Sr. desembargador Souza Leo ao Sr. des-
embargador Giiirana. Appellacoes crimes: appel-
lante, ojuizo; appellados, Pedro Francisco deOli-
veira e outro. Appellante, o juizo; appellado, Ma-
noel Florentino de Lyra. Appellantes, Joao, escra-
vo e outro; appellada, a justica. Appellacao m-
yel: appellante, Carlos Holrus; appellado, Manoel
Marques deOliveira.
Dhjgencia ciumb.Ao Sr. desombargador pro-
motor da justica: appellante, o juizo; appellado,
Severino Bispo da Silva. Appellante. o juizo ; ap-
pellado, Maaoel Rodrigues de Carvalbo Brto.
Assignou-se dia para juicamente dos secumte-
reitos:
AppELLAgoEj ennuss.Appellante, Francisco Al-
ves de Miranda Varejo; appellada, a justica. Ap-
pellante, o juizo; appellado, Vicente Ferreira dV
Santos. Appellante, o juizo ; apnellandos, Jos*
rerreira de Araojo e outro.
ApmLAQOES civeis.Appellante. Jos Francisra
deOliveira; appellado Domingtsde Barros Bran-
dao. Appellajite, Miguel Francisco da Costa Ma-
chado ; appellada, D. Anna Joaquina Xavier aV
Couto. Appellaoie, Dr. Angelo Henrique da Su-
va ; appellado, Salvador dos Santos Sequeira a-
valeaqte Appellante, a preta Pericia; apprlla-
do, Jos Luiz do Albuqueri|ue.
A' u:na hora e tres quarlos Jatarae eucerron-fr
a sessao.
fUBUCACfS A PEDIDO.
*jngjgBpfMmataBjmsWmv&*HmK*
.4' raetaorJa de inna Blegraiay
Giivale^ate, po>- occasio do
sptimo dia de sea passa-
mento.
Mais urna vida preciosa acaba de ser arrebateda-
pelo impetuoso vento da morle; mls urna alma
rica de virtudes subi a mselo dos justos, onda-
goza da eterna felieidade que cucundi o ihrese*
do Senhor. Une ja nao ex-te a mimosa e candida
douzella Atina Rigina Cavalcante, i urna Inste
e dolorus-i verdaav que aji se regjstra enrolla ne
mysterioso manto da inerte.
Coraco serai re aberto s iuspiracoe?, santas
virtudes, e espirit inalteravelmeule propenso p>
bem, taes foram_ os predicados da unocpi
creatura levada tocdo para o seio do Crejaor-
Ues foram os dotes com qe este eogrinaldes .
curto espado djiqaella preciosa existencia.
Oh I como sao tristes as recordagoes do pas*,
|ue s i no prezente pelas emoc i
genrts
D. Afina i: -iua Cavalcante nasceu a 7 de se-
ta mbro us olbiis j;i .im lni
da vicbvdesc o dia 14 do correte n
O di liieio foi certametite a inaagans-.'
; noli pica antolhada como de peTensae*
as para si, para a familia e pira a sociedade
em parttcnlar para essa parte da gera$So humas


Diario de'Vrhambuo Sexta fera 2 de Julhc Ae jftftt.
>
'ae haba p i >> a-nrrituri. d;
assauem* pi
%6M amart dnaaMavo t> ,iu (i,d-u- i ieb marrar
3jndras f#d|*ajj|fc anlo, por
*tag rimas qne na se riaaraei nu seio da desolada
iba *o* o pesadello desee sepuiebro que ah se
****!? *" *,*'W*im, e par crelo de ornatos
dar. a Im da trova, e a realidad das Ik'cdea do
'y."10 h*reM* Ah I Como lie depressa pode
VWW-m o fia d'oma existencia preoiosa I Gimo
.Ho eed* aqaeHa fronte juvenil erguid semore
***>#*, e eqmeHe eoraoio eempatwWo i vinnde
linpinieceram de face aa. trra I Entretanto'
mito o eoraeie do seeptico que ehega a des-
^are-aai sea dr 1 Resigne-se a alma doehristan
atada no *uga de soffrimento I Perdi Senhor

me nes to escapa dos lentos alguma expresado
* do sentmeato ; mas ase possa per ventura
desloar da nossa profunda homenageai vossa
ofceraaa divindad t Eaunadecam-se a votes do
desespero, fallera antea aa do espirito onristao ;
-porquaato a marte que deplranos foi oais um
decreto da Dmna Providencia que, bailando
sesre a Iraraanidade, teva completa execooo.
Historiemos um pouco essa vida deshumana
mente encuitada, j que a morte nao tem tradic
-Cies. B. Abe Regina Canteante viveu at o da
4 de fevereiro d oorrenle anuo, em coneeohia da
u e*4reeedav D. Bernarda Joaquina Pinto
aleadelra, onde gosava os praieres d'uma, existen-
om feliz, onde as auras da innocencia bafrjavam
ai caneias que ali recebia de seio materno.
O terrivel pampeiro da morte viera porem arre-
batar a preciosa vida de sna carinhosa mi D.
Hita Francisca Cavalcante, e desde ento ob
A orphaa, leve a companaia de sen pai, todo
fMoonupado com a adninisiracao dos bens a parti-
ar. Ah Que tristes seres da contrariedades y
^ioleneiai, f ii d'alii em diante abatendo aquella
eepirito anda em flor I A d;screnca cometan a
lavrar em seu -coracao e em breva a triste con-
vtccao da seu infortunio mirrou-lhe a existencia
ntr'ora tao bella e encantadora t
Foi urna verdadeira orphaa que teve de succuma
lar, invocando o auxilio da lei e da pistica human-
-tao Hiiperiita e con tiagrute como soabe ser Ha
juiiea 1....................................
Con-als-aus a t robnsu qut* livre dos laxos
terrestres, saa alma descanse na maosao dos
tastos.
Recife 21 de julho de 1870. ______________
jai/ municipal da capital do
Cear.
Wu jornal Imparcial de 8 do raez proxi-
aao passado, que nj Cear se publica tob
-minha redaccae, fiz inserir o seguinte pro-
testo :
Suspenso ao meu cargo do juiz muni-
cipal 9 de orphaos desta capital desde o lde
utubro do anno prximo passado, afim de
ser respon perpetren e somente inventados pelo odio e
vtaganea de meu figada! inimigo, bacharel
Joaquim Jorge dos Santos, joiz de direito
d'esta comarca, que a esta hora dev'fl estar
prestando cootas ao Creador, lia decorrido
at ii j; i oita mezes, sem que ao menos um
dos cinco processos tenha sido julgado pelo
juiz dd direito interino, Dr. Joo Paulo Go-
mes de Mallos.
Com esta delonga, pois, sem urna ra-
zio justificativa, len'ao soltado grande pre-
joiio j na rainha reputado, j nos meas
ulereases pissoaes, e finalmente na minha
siude, que, exigindo mudanca di clim e
um tratament i regular, tem-mo sido isso
diffi ultado pela perseguiciSo iaiqna, deque
sou victima.
* Som esperanca de que esUs procesaos
se c'jncluam agora, visto que ha o proposito
firme de prolonga-tos at certa poca, e
acn liado.a fazer urna viagem. tenciono
partir no primeiro vnpor para Pernambuco,
d'oti'le regressarei logo que a m-nlia pre-
seoca se Htr necessaria. Mas, antes d'isto,
oao posso furtar-me ao dever, que as oc-
correncias mo impem. de vir .1 imprensa
protestar centra semelhante delonga, e con-
tra qualquer acto que, na minba ausencia, se
Dfatier .lepois de pronuncia (que alguem
juIr.i incviiavel) concernente ao julgamento ;
visto com >, para isso, n;cessario o pra-
so de sessenla dias, pelo menos, marcado
em edital, conforme deeidio a relago do
distnelo no accordo proferido n'um pro-
i do bacharel Francisco Barbosa Cor-
doro, cija copia aotheniica deixo ao meu
l>toc!-a'.jrparaos fias convenientes, efaco
publi.-ar neste jornal.
t Pretendj, si a sortc me ajudar, acom-
ia .bar aqui lodos esses dramas, em-
quaoto me assistirem a calma, a resigna-
C a pitiJenjia e a coragem, que di a
fMopria consciencia, nao me deixando jamis
numilliar e acebardsr diante da araia da
Udlamnia e da injuria, do odio e vinganca
de juizes apaixonados, nem to pouco pelo
resultado da dependencia e da suDservien-
da ou do noviciado de alguem, que con-
sidera os meus pncessos a chave do seu
futuro brilhanic. Fortaleza 7 de junho de
4870.
Seto dias depois dessa publ cacao (a 15)
Jirigi ao presidente da provincia a repre-
sentico seguate:
Illni.eExm Sr. presidente di pro-
vinciaO bacharel Manuel da Conha.e
Figutiredo, juiz tLunicipal e de orpbJos
Jo lerme desta capital, soffrendo urna
atroz perseguiclo em seas direitos no
modo descommuna!, por que no juizo de
direito da comarca sao retardados os pro-
fesos ah instaurados contra o snppli-
cante, por imaginario pecalato, vem re-
presentar a V. Exc. contra semelbante
procedimento, filbo da m vontade de
seuj inimigos, e quic do interesse que
nutre o proprio joii interino d s mencio
nados proi-.essos, em o-copar o emprego
'' s ip.jlicanto, segundo se diz garalmen-
n ala cidade, para que V. Exc, como
primeira aotoridade da provincia, a quem
;niimbe exeeutar e fazar executaras leis
!e preferencia a jiaesquer oulras attri-
iMires, se digne de providenciar a seme-
jante respeto com a Justina qae de es-
Ha oito mezes que o suppHcante se
cha suspeoso do exercicio daquelle car-
,' i: e ha c*rc* de sele mezes que Uve-
ra m cobijo,os meockiaados ppocessos
'erante o juiz muojeipal de Maraoguapa,
b iciiarel Joo Paulo Gomes .de Mattos,
nico que ne!le tem fua^cioaadocomo
joiz de direito ad hoc, antes do falleci-
miento do effectivo hachare! JoaqnimJor-
ga dos Santos, por ter sido este suspsito
o depois interinamente.
Entretanto, apnsar dosse tongo tempo
lecorrido acbam-se ainda por inquerir
as t^stemonhas em dous dps mesmos pro-
cessos, atando feivos os interrogatorios
qnanto ao ir?, que prefazem o nume-
ro cima declarado; vista do qae
negavel o proposito, que, com inaudito
'idalo, tem tido o referido Hiifc de
pcoccaaiinar taai ^Ocessos, de cuio ro-
ce4er resulta ncalculave! pcajuizo e op-
prselo aos ntoressese direito do sop-
eante.
Ao passo que asiim sio extraordiaaria-
gama plausivej, retar;
* a* igop aquel
-.cada para inquiricao de testemunbas -em
um octro, q,ie tambera iostaurou por I
* w*tr<-'i n0 obstante ler
I e proradO ,
aueatado de umr-$pejtavel medicv dasr-
* gravejaeote doente e iaaossibMitado de
comparecer agella audiencia.
* lado, isto xm. Sr., pro que o ba-
charel Gomes de MaUos, aberrando dos
principios de justicae legalidade. vai tt-
ihando a senda, do capricho ou do inte-
resse, espesinbaodo as leis do processo
criminal, que certamente alo consentom
no seu arocedimento moroso e calcu-
lado.
Si bem que ao aopplicante assista o di-
reito de queixa para a punfcao, limtta-se,
comtudo, a reclamar de V. Exc. as ne-
cessarias providencias contra semelhante
procedimento do mencionado juiz, afim
de nao continuar elle a retardar os pro-
cesses allu^idos. Xeste termosPede i
V. Eic. deferimenjo.Fortaleza, t5 de
iunhpde 1870.*
OeeliHiltinMi dato-at'a partid* do vapor
//>o;uco4aquelle poctp, ebegado boje a este,
decorrem trinta e seis das, sem que
n5o obstante essas reclamacoes, fosse julga
do algum dos celebrrimos prooessos a que
alimio.
O presidente daqoella provincia, Exm
Sr. desembargador Freitas Henriques, deu
minha representacao os dous despachos
seguintes :
l.*-"Ioorme o Sr. Dr. juiz de direito
* Interino com o qne se lhe ollerecer acerca
t do retardamento dos procossos do sup-
t plicante, devendo em tolo caso dar o
t mas promplo andamento quefr possivel
< aos ditos precessos, sendo qne esta i.eih
cao s nesia data me foi entregue. >
2.-Em vista da informacao do Dr.
juiz de direito interino, requeira o sqpplir
cante ao mesmo juiz, o que entender a
bem de seos direitos e defeza, ou delle
se queixe, s para isso tem aa.
Esgotado este recurso para fazer valer
allio meu direito, postergado descommunaI-
mente pelo bacharel Joao Panlo Gomes de
Mattos, s me restava o de queixa ao vene-
rando tribea! da relac5o; mas isto ainda me
dilDcultado pelos escrivSes dalli. que se
negam a pissar as necessarias certidea, con-
forme me coramunica um amigo ; d-i sor te
que, obrigadoa regressar aquella provincia,
depois de restabelecido dos incommolos de
sade, que me obrigaram a vir a esta ci-
dade, terei de continuar merc dos ca-
prichos de semelhante gente, em quanto
me sobrar paciencia e resignagao.
O publico avalie por ah da perseguico
iniqua, de que sou victima ; e sirvam estas
poucas palaras de solemne protesto con-
tra ella,
E^.TdB
Pur i
nhecimanto de qoem cor rfas senhorag
que se apresentaram ttnne de vericac.
eatweidute prefeMioMl p nnulerio ptiaiilci
de sexo femeniao, noe das i5 e 7 de juabo ah
mo, oram julgadas hul|talas as segaiatis r
D. Idaliha Mara da Conceicio U3aT
0. Mara Albina de OKvstraV
l. lanez Barbalh* Ucbda Cavalcanti.
Etdjigenia Mana de Alai
Candftl Mara Rosa. BPP-'
D. Mara da Coneeicao Azevedo.
D. Josephina Amalia de Atbuquerque Machado.
Secreura da instruccao oublica d Pacoanku-
cu 0 de juina de 1870.
Oeacetario,
Aureliaao A. P. da Camino.

MI
f 3.m inter
I alna.
I 4-
S-* i/UMKrt-ius pyraiKidaas pjr AJ
Koea execotando o benetkiado o tren
Iro. d| altura de 4 me,
cadefra, disparando dnas pistolas no r. i
Um aovo intermedio bnrlesco, os dq
Recife. 21 de julho de 1870.
Mdtioeldi Ciinlia e Figueiredo.
COMMERCIO.
t=aA(:A DO REGtFB 21 DE JULHO.
DE 870.
AS 3 1/3 HORAS DA. TARDK.
Algodo 1* sorte823 e 837 rs. por kil. (hontem).
Garabo sobre Londres 90 d/v 22 l[\ por lOOO
(hoatem).
Frete de algodao daqai para Liverpool 3|8 por
11 sem capa.
Goncallo Jos Affonso,
Presidente.
, Pelo secretario,
A. P. de Leraos.
ENGLSH BANR
O Rio de Janeiro Limited
Descoata lettras da praca taxa a con-
-encionar.
Recebe dinheu-o em conta corrate bis
I raso flxo.
Saca vista ou a praso sobre as cidade
prlncipaes da Europa, tem correspondentes
ja Bahia, Bueaos-Ayres, Montevideo, New
; N'ew-Orleans, e emttte cartas de crdito,
sara os mesmos lugares.
RA DO COMMERCIO N. 36-
DECLARAWtS.
Santa iasa e Misericordia;
doRece
Pela seflSetaria da santa casa de misericordia da
Recife se faz scente que o IUm. Sr. tbesoureiro
commendador Jos Pire Farrwra, no da 35 iq
corrente. pelas 9 bx>ra da manhaa, no sali da
casa dos expostos, far pafameato as amas qne
trouierem os meninos gne lhe* forai* fiados.
do trimestre vencido da abril a junho ndo.
Santa casa de misericordia do Uecife 18 de iu-
\ no IOTA
lista*
ciado, mvenco dos mesaio*
VicVnte3 d0le tr>P<^ P*fnm-Gmi 9
8.* O palhaco a cawHo.
Iotervallo de 36 mwdios
SEGJ^A PARS.
3.* aymphonia.
10. Pela primeira tez, a cotumna rodante, po
Rodrigues. ^ *^
" 4neficiad0 80Dre a corda tesa.
12. Uifflceis equilibnos sobre a mesma corda,
pela matrona Mariet^asal.
13. O pao Cucanhi, pelo beneficiade e Rodrk
gaes.
nnnnnWo
14. FiBaKaando-se com urna applandida paoyto-
miraa.
PriaStpiar as 8" 1|2 da nouteV
Presos
Umarotes com 6 entradas........ 121006
Cadetris...............
Cad*ir avaisas par'*anhpra.V..'
Geraes..... ...... .^"^
O* bhates do caiparotes, cadiir* e palasi
adew-se do aemo.irf
Iho de 1870.
O escribo,
Pedro Rodrignee de 5ouza.
O abaixo assignado tendo sido nomeado por
poriaria do Sr. administrador de 30 de julho para
taaer o lancamantp da dcima uroana e raais ira-
postos da fregueia de S. Fr. Pedro Gonealves,
Santo Antonio e S. Jos pana o exercicio de 1870 a
1871, dar principio aos referidos laocammtos no
da 31 do crreme, pelo que faz sabor ats inqui-
linos do> predios para que tenham seu* recibos
on arrendamentos mi afim de por elies se fa-
ter o lancamwito, nao se atteodando aos que pa-
recern) dolosos ou lesivos fazenda, flxando-se
nesta 9aso o Rrecu provavel da ^jugue que pode-
rla render pm relami a capaddade e tocalidade
dellesein aluguel pagos p*r antro- semelhantes.
i* secci) do coagulado provincial 20 de julho
de 1870.
O lancador,
Joao Pedro de Jess da Matta.
fcstando a espirar o aontrato qne tenaos con
os pMpfieUrios do pa**an dt Sanca Isabel, ore-
mos que domingo ti do vigente ser a n^ssa-oi-
n ma fuac<;au ue?te circo.
COiNSULADO PR0N1NCIAL.
Pela mesa do consulado provincial se faz pu-
blico qne no da 26 do corrente tem de serem ar-
rematados em basta publica ao meio dia. 38 kilo-
grammas de doce em massa, 6 garraf3es, i caixa.-
e ama barrica com 140 litros de gonebra, a 25 ki-
logrammas de rap avaliaoVs tuda por 1303492,
os quaes form apprehendidos pelo feitor confe-
rente desta reparticao Joao uaptista do Reg
Francisco Xavier da Silva Marques, por falta do
pasamento dos respectivos direitos.
Mesa do consulado provincial 19 de julho de
1870. '
Antonio Carnero Machado Ros,
Administrador.
ALFAN'DEGA.
'andimento do dia 1 a 20. .
aem do dia 21. ... ,
698:1444387
40.52o.'930
738:670*317
MOVIMENTO DA ALFANDEGA
nltuaaa entrados eem faiendas 46
dem dem com genoros 426
'cluitas sabidos cem fazendas
dem idem cora gneros
-----470
196
408
604
Descarmeara neje 22 de julho,
8arca francezaVcridianamercadorias.
Barca inglezaMimosaidem.
Barca inglezaMennie Grayidem.
Barca inglezaCe4ar dem.
Barca portuguezaAlcxandre Heratlanoidem.
Barca iaglezaD. 3/. Pkersenvinbos.
rUSCEBEDOHlA DE RENDAS liNTERiNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
lendimeatode da 1 a 20. 50:904S30l
Idera do dia 21. 2:253*269
53:1575573
CONSULADO PROV1NCAL
andimento do dia 1 a 20.
dem do dia 21.
105 193*799
1:659,561;
106:853*4H
Queixano-se um auoiiymo do Diario di
Pernambuco de hontem, que lhe fura vedado asis-
tr a sessojudiciarla do tribonal de commercio
de 14 do corrente, e, sendo publicas tanto natas
sessos como as adroininraiivas, xistiudo unvi
galera paoi assentos para os espectadores, pede-
se ess^a pessoa que haja de comparecer no mes-
mo tribunal sua prexima sessao de 25 do cor-
rento, altm de declarar qaal o empregado que lhe
prohibi tal ingresso.
Secretaria do tribunal do commercio da Per-
nambuco 21 de julho de 1870.
O secretorio juliciario.
_________________Julio Gni maraes.
Consulado provincial.
O abaixo assignado, toado sido nomeado por
portara do Sr. administrador, datada de 20 do
crrante, para fazer o lancamento da dcima ur-
bana e mais mpostos das fregueziis do Poc,o da
Panella, Afogados, parte da Varzea e Jaboatao, pa-
ra o exercicio de 1870 a 1871, dar principio aos
referidas lancamentos no dia 31 do corrente, pelo
que faz, saber ao3 inquilinis dos predios para que
tenham seas recibos ou arrendamientos mao, afim
de por elles se fazer o lancamento, nao se atteu
dando aos que parecerem dolosos ou lesivos a
fazenda, fixando so neste caso o preco provave! do
aluguel que podera rondar em relacao a capaci-
dade e localidade delles em aluguel pago* por
outros semelhanle?.
1" seccao do consulado- provincial 21 de iulhj de
1870.
O lancador,
__________liidnro Theodulo'de Mattos Ferreira.
Consebo de compras navacs
0 ceoselho no dia 23 do corrente mz promove
a compra, sob as coadic/ie* do estylo e vista de
prepostas recebidas at as 11 h"ras da raanha,
dos objectos do material da armada seguintes :
1 mastro de 67 a 70 ps. dr e-ompnmenti e 2
ps de dimetro paw o bria e barca Itamaiaa,
50 sadernos de papel mata-horra >, 300 pucaros de
folha, 80U fulhas i ziaco, 400 libras de pregada-
ra de zinco, 10 resmas de papel cartnxnho, 30
arrobas de estopa pira otaeutaa, 8 arponas de <-s-
tanhoem verga 230 covados de baetla, 10 bal
deadeiras de folha, 6 foles iuglezes de 8 ps ,ie
comprimento e C de largo, 2 ocal' s do alcance,
60 barras de ferro inglez proprio para grelnas e 8
covados de oleado para assi albo.
Sala das sessoes do conselho de compras navaes
21 dejulhode 1870.
O secretario,
____ Alaxandre Rodricues dos Anjos.
Ao publico
AVISOS MARTIMOS.
, RIO DE JANEIRO
Para o referido pyrto isti pro. pto receber
carga frete o brigue bwaileiro Qihelo : tratar
com seus coasgua!ario9 Amorim Irmaos & C, i
rna da Cruz a. 3.
CDMPA11A HBASILHIU
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do norte 'esperadc
at o dia 28 do corrente o vapor
Guar, commandanle o capitao
tenente Pedro II. Duarte, o qaal
, depois da demora do costume
seguir-para as do tal.
Desda ja rocabem-se pasr-ageiros- e engaja-se :
;arga qu^ o vapor poder conauzir, a qaal deven
er embarcada ao dia de suarhegada. Encommen
las e dinbairo a frete at as 2 horas do dia da sus
tbida.
Naosereeebemcomo encommendaa senao ob
Jectos de pequeo valor e que nao excedam a duai
irrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medicao
Fado qiie passar destes limites dever ser embar
;ado coh carga.
Previne-so aos senhores passageros que suas
passagens s se rectbem na agencia, ra da Crui
n. 57, l* andar, escriptono da Antonio Luii d'
Oliveira Azevedo & C.
P agente
de quom pe-
nados, o* quaes yi& x>
loets a vontad* doaco
11 boras da raaobaa ao.
fronte da affandefi.
IMAO
ehados no-riiimo
com tapioca.
corrate.
9 par f*onu e risca
cima mencio
em um ou mafs
I, ao dia cima as
o Aunes, da
/ tMbiha e de dividas, na impar^
tmeia de 20:022#658
a 23 do corrate.
Por mandado do Illra. Sr. Dr. juiz especial do
coinmercie desta oidade e a requeriaMato dos ad-
ministradores da massa fallida de Antonio- Pedro
de Mello, o agente Oliveira far leilo publico da
taobilia perinceuie ao fallido, conststindo em 1
guarda louca, 12 copos para agoe, 1 mesa com
elastw'a
losar mr tloii
r, no sob.-ad,. u. da ra ova e Santt
graade varado esawtacolo gyasaaneo
tico, em beneflea- de Enzebio SapS to
- Sabbado se annunciar o proma>-
o do espectarnlo. ^
sa-se de urna aaia que connhe perW
ojete, de raeia idade, para casa de nomem (otiei-
m^^tor no pateo do Carmo n. 13, taberna.
se no melhor arrabtlde ama grande casa
lilia; nova e aaseiada, e junto a linha
_ dea trilhos urbanos : a tratar na roa da
Crik n. 7,1* andar._____________________
Joaquim Das de Atoeida Costa pede as pes-
was a quem est o dever Ibes fornecer as coa-
Mgiues cootas para serem conferidas e pagas no
HB do corrente, na ra do Podro Aflbnso n. 11
gr-ora ra da Praia) das 9 horas da manla a
MKUade_______
Alaga-ai o aoto do sobrado da ra de flor
tas n. 48 : tfau-se no andar.
fliaohina de costura, 1 mesa nafa justar
1 oadeira de faia, 1 eommoda de amarelto, 1
guarda-roupa ea'idracado, 2 marqoezas, 1 lava-
lrio, 12 eadeiras de ansareUo, 1 ma de piano,
1 dita de louro, 1 "piano de moguo, 2 quadros de
moldaras pretas,-2 consolos de mogno, 2 escarra-
deiras, 1 relogo de parede, candieiros para gaz,
e das dividas na importancia sapra de rais......
:0S3#68.
Sabbado 23 as Ib horas da manhaa na casa sita
roa do Sol n. 9, primeiro andar.
Igualmento rara leilo na mesma occasio e
casa upra indicad, das dividas na importancia
de 7:741*890. pertencente massa fallida de An
tamo Maria O'Oonnel Jersey, por idntico mandado
do mesmo IUm. Sr. Dr. juiz do commercio, a re-
querimento dos respectivos administradoras desta
massa.
^' ^
AVISOS DIVERSOS.
mm,+:.mmmmm
ADVOGA&A.
O DR. JOAQIM CORREA DE ARAOJO
tem o seu escriptorio ra do Imperador BgS
n. 67, onde pode ser procurado das 9 ho- S
3 ras da manhaa s 3 da tarde.
wmm&*wsmm mmmwm
TinFVlfTk' Dixou-se por esqueci-
r K'lHiltl 111 meBt0 n'UIDa das eadeiras
A XcLiltilV do circo, na nauta de 30 do
corrente un binocolo de marfira, coja caixa for-
rada de vi'ludn rro: quem o achou e qnerendo
restitu lo ser bem recompensado r ja do Impe-
rador n. 42, primeiro anda*.
Vendas on p* repitas
Vndese a propriedade Guararapes no Rio-
Grande do Norte, com trras casas e mau^n
de um e outio lado do rio, latrar fceir. eeaaaeido
pela sna importancia commercial, cujo porto otfe-
rece omita faciltdade para embarque a deseaaar-
qne de gneros.
Igualmente se vende o eagenbo Jaodibabr (aa.
mesma provincia) motmte e carrate, eow cmo-
leguas de trras de- maltas virgens, oito escra-^,
bois, bestas e alamiiqae t ou aumente o empano
com as lerraa que coaver ao comprador) E-la
propriedades vendeap-se por baratissimos prof^s,
e tambe'u.se permutan por engentaos nest *o
vincia, Parahyba e AFagas, cu por casas as es-
pitaos das mesmas: tratar em o proprielari
major Fabricio Gomes Pedro*a raa ai Cideiae
n. 25, ou com os seus procuradores no Rio-Gran-
de do Norte.
Para urna familia arle-
nia de duas pessoas, pre-
cisase donata ama uoea
para comprar e tazar o
ma i servica de casa ao
largo da matriz de Sania.
Antonio n. 4. segando andar
ALGF
O nrimeiro e segando and>r eom sotao do so-
brado da roa da Cadera do Recife n. 6, eomsof-
ficieotes comraodos para fimilia : sendo ern boa.
localidade e maits fresco: tratar- no armasen do
masmo..
Piecisa-se de moa ama para custnhar,
para casa de pouca familia, roa da Hortas
p, 30 sobrado.
Para o indicado porto recebe alguma carga a
frete a barca nacional Santa Marta : tratando-se
com os seus consignatarios Amorim Irmaos dt C.
ra da C'ntn. 3.
Para o Porto.
Acha-se carg o brigue porluguez Triumpho,
pera onde recebe por frete eommodo : quem no
mesmo qnizer rarregar cntenda-se enm o- consig-
Datarlos Thoraaz de Aquwo Fonseca & C, ra do
Vigario n. 19, Io andar.
Maranho
Segu com brevidade para o porto cima o pa-
Ihabote nacional Joven Arthur, ainda pode receber
alguma carga e trr.lj-se rom os consignatario?
Antonia Laiz de Oliveira Azevudo dt G., roa d;:
Cruz n. 57. t* andar.
Rio de Janeiro
Pretende seguir para o referido porto com a
possivel brevidade o patacho Monteiro por ter por-
ga) da carga engajada ; a para a que lhe Mu e
e^ravos a Irete, trata se com o consignatario Joa-
qoim Jos Gongalves Beltr-i a ra do Commercio
n. 17.
G0MPANU1A PERNAMBCANA
DE
\aiega^o costera por vapor
Maroangnape.
O vap.T nacional Coruripe, cemraandante Sil-
va, seguir para Maman;rua|ie no dia ?8 do cor-
rente as 6 hars da tarde. Recebe carga, encom-
mendas, passageiros e dipbeiru a frute al as 2
horas da larde do dia da sabida, no escriptono
da compaohia. Forte do Mal-j n. 12.
MDANCA. 1
O'
O Dr. Carolino Francisco de Lima San-
tos mudou sua residencia e consultorio fij
para a rua lo Imperador n. o", 2 andar 2
do sobrado cujo armazem conserva ajn- g|
da hojo o nome do Alanea, tendo a n
entrada, que pelo lado da ponte Sete H
de Setemhro, o mesmo numero 57, da fljj
frente. Ah continuando o dito Dr. no SS
exercicio de sua proflsso .de medico e S
de operador, pode ser procurarlo a qaal- g
quer hora do dia e da noate. ,
Precisa-se de urna ama para o ser-
vico interno de orna casa de pequeaa fa-
milia : rua estreita do Bosario n 3, 3o
andar.
usiiluio Filial da Ordem dos Advocados
[Brasileiros.
Sao convidados os senhores membros dj conse-
lho director do mesmo Instituto para sesso ordi
naria no dia 22 do corrente (sexta-feira) as 2 ho-
ras da larde, em casa do Sr. presidente, e nao na
ala do jury, por estar funecionando esse tribuna!.
Gabinete Portugus
de Leitura.
ASSEMBLEA GRAL.
De ordem do Illr. Sr. presidente convido aos
senhores socios effeetivos rrunirem-se em asam-
blea peral dominpo 2i do- vigente, as 13 hora* do
da* para, de conformidad- eom os estatutos, pro-
ceder-se-a eleicio do cois.Im deliberativo e ceav-
misso de exame a dfe aonta ; devendo ter logar
a sessj urna hora depois de mareada com o nu-
mero de senhores socios ,i- coiuparecoren, visto
ne se ier reunido hoje numero legal.
Os senhore> socios qm* se acharem atrasadas
em saas menselidades. -ao po-leni votar nem se-
rem votados (art. 50 rts estatutos).
Secretaria do conselho deliberalivo aos2ode
julho de 1870.
S-irrelario,
J. /?. Fonam:
XJMPANH1A PEH.NA.HBUCAMA
DE
feuTcga^ao eoatelra por vapor.
Parahyba, Nata', Maco, Mossor, Ara-
caty, Cear, Maoaah, Acarac e
ai
MOVIMENTO DO PORTO.
Navtos entrados no dia 21.
Rio de Janeiro e Baha7 dias, vapor bra
sileiro Tocantins, de 750 toneladas, com-
mandante Jos Marta Ferreira Franco,
equipagem 52, carga varios gneros ;
Antonio L. de 0. Azevedo.
Granja e portos intermedios7 dias vapor,
brasileiro Ipojuca, de 360 toneladas,
commandante Maura, equipagem 30, car-
ga diflerentes gneros : compaohia per-
nambucana.
Para pelo Maraiihao8 dias, sendo do ul-
timo porto o\ traajparte nacional Leopol.
dina, commandante capitao tenente Cas-
tro.
Nawios sonidos no mesmo da
ParahybaPatacao aoete alIem3o Julien,
capitao P. H. Kroger, era lastro.
Miranh5aHate portoguea Bkphante, ca- {i0*"!. f?c-0J?f,iP0*J?J!B" ^S^Slf"
pitlo Joo Buarfd Ferreira, cafga diffe-
r3ntes gneros.
Aracatyllyate brasileiro Garpldi. capitao
Gustudio Jijs Van na, carga varios gene-
ros.
Suspeodeu do iamarUo gara o Rio de Ja-
neirs o briga*iogiea,Kta, capitao Guy,
com. a mesma carga qa, trouxe de Terra
Npva.
iideou SO iiuuarn um brigue iogiez,
talas nao teve coiaaiu'>icii;i coto a ierra.
Admitostrago jus corraos de Pernambuco
22 dejulho de 1870.
Mala pelo vapor tocantfns da compqnhia irasi-
leira.
A correspondencia que tem de ser expedida hoje
(22) pelo vapor cima incncioiado,para os portos do
norte, ser reoebida pela forma seguinte :
Macos de jornaes, impressos de qualquer natn-
rew, e cartas a registrar, at as 2 horas da
tarda, cartas ordinarias at as 3 horu, e estas at
3 1(2 pagando porte duplo.
0 administrador,
Affonso do liego finirs
~~emeo
NO
PAViLHAO DE S. ISABEL
CGMPANHtt
EOLESTRE GYMXASTCA E ACROBTICA
SOB A WRECQO
D, Lirs Qasa
EXTRAORDINARIA E VARIADA FNGCAO
. abbado 83 do co. reate.
EM BENEFICIO
Do applaudidu artista
DgDICATOlUA.
O beneficiado, n<> tendo -eutros ttulos bonori-
licos que o acrediiem peranie o respaila val pu-
blico desta invista provincia senao a exibicSo de
alguns rrabalh ipra applandida ari
r.yrillo, logal, Blf ndin e laeotardj fc" eujos ar
tista um simples imitador, dedfao san bene-
ao apreso ,da ublio, e espara raerecar a
sua foperosa ccadjuiaca esse sej| fia le. ysta,
assim como tem merecido a- ap-
plausos de todo o cldadao qne estima s artes e
deseja de as ver cultivar por toda a parte, seja
O vapor Igojuea conimandarif
Moura segair para os porto: ac-
'SSSCSB raa no dia 30 do crrante as 5 hora-
la tarde. Recebe carga m o dia 29, eacom-
aendas, e passageiros e diaheiro a frete at as
i horas da tarde do dia da sa'uida no escripto-
rio do Forte do Matts n. 12.
Aracay
Segu coro a piwivel brevidade o palhabote
Emilia, ainda recebe alguna carga a frete
tratar com S Leito IrrnSo,
Dos n. 1.
rua da Madre de
Maranhao
E' esperada do Rio de Janeiro em poneos dias a
barca portogueza Maria, que trai j algoma car-
!?a para o referido porto ; e descarregaado a que
para este coodtuir. receber aqu a que for pos:
sivel obter para o Maranbo, e com p-uaa domu-
ra : por so quem desajar aproveitar esta boa
occasiao de embanjue, Joaquim Jos Gonealves Beltrao, raa do Com
mercio n.J7.
m
Para o referido porto pretende seguir cora bre-
ridde o patacho nacional Proiectr, pur ler a
autor parte da carga prompla ; e para o reato, a
rete madico, trata-se com o c'orfsianatario Joa-
quim Jos Gonealves Beltrao, rua do Commercio
n. 17.
Debaixo deste poQt de vista, pois, o btae-
ciado, considerando, se p mais humilde dos a
las da sua arte, e endo anda pono eonhecido
nesta bospitaleira trra de hroes a vardes in-
humados, espera que o* ilastre^ filhi>s e hospe-
das desta vneta americana nao se recusarlo de
ir abrilhantar a so'ree do seu benefljto.
PBOGRAMMA-
PBUIE1RA PARlJ:.
1. Urna jinda symphooia darifda peb nuestro
Martn-.
2. A batuda aMa, pelo beoe/iciado, Vicente Ca-
sli e Rodrigue.^, finalisaodo. o beneficiado eom o
arriscadissimo. salto daBaial'ha.
-i
LEILQES.
FAZENDASGERAES
UOFTINU.ClO
Rabe, Schamett;
leilao por intervet
perfeito sortimento
sea bem conheci
le da igreja do Co
eontinuarao hoja o seu
^^HNveira, do mais
^ especificadas, no
Jp largo e defroo-
no Recife.
Daa dividas que fazem
fallida de Rozendo
valho.
parte' da Wissa
da Korh;^ Car-
Por d
i
divida* acrna mencionadas servlndo da
Veneravel levuco da Senhor
Sani'Anna erecta no convento
de S. Franefseo.
De ordem do nosso irmo joiz, s3o pelo
presente convidados todos os nossos caris-
stmos irmaos para domingo 2i do corren-
te as 8 horas da manhaa assistirmos a missa
votiva, e depois em mesa peral proc-'-
dermos eloico dos nossos fuoccionarios
que tem de reger esta devoc5o do anno de
1870 71. N
Consistorio da devoco de Sant'Anna, 20
de julho de 1870.
Manoel da Silva Fialho.
' '"^_______Secretario.
ATTENCAO
O abaixo assignado previne que ningnem faca
negocio c im os bens de Joaqoim Francisco de
Alem Jnior, sem .;rimeiro apresentar a quila ao
dada pelo mesmo abaixo assignado, sendo nulla
qualquer transar > que o dito faca, piis pendem
execucao da alguns credores, illadidos pelo
mesmo. Recife 19 de julho de 1870.
Domingos Francisco Ramalho.
Jos Narciso teal o Harros manda ealebrar
urna mirra per alma de seu prendo cimbado Jijio
de Pioho Borges, no dia 23 do Brrente, pelas 7
horas da mantiaa, na maMz da I! a vi tn ; para
esse tim convida a-seus amigos a pireniM para
assistirem o^t^^ aem de carida.le.
BCr.'^r O" Sr. Joaquim Das da Alnirids Cosa nao
pode vendf r o seu esiatoeleeimenu de moibadoa da.
rua de Pedro Affoueo n. i, oatr'ora rua ila-Prata,
sem saldar sua< cootas com cu swis erelnre*
Preeisa^w-drt um jreto ou um iiiolfque: a.
relioaco da rua larga do Rosario n. ;i
COMPANHIA
OS
TREHOS SBAM
Alaga-se a casa n. 34 na rua do Yantnra, na
Capunga, eom cimmodo* para grande familia : a
tratar na ruado Queimto a. 2, un rus do Raogel
n-*i^_____^__________(
AVIS
Francisco Jo? Ribeiro Braga, com fabrica de
charutos e eigarros na rua Dreita a. 38, desejan
do er visitado p^Jos .vnhoras donos do tabernas,
ou por seus caixeiros e todos os mais que o qmV
zerem honrar, vem pelo presente advertir que em
soa fabrica se aoha boas charutos fabricados aq
I fumo da Bakia e que vende a iiJOOO o mi-
Iheiro, e por isso esaer.i que os mfemos senhores
veofeam esenganar-se com sens olhos ; asim
como, teai omr- de todas, as qnalidades e
aprompu .tambero qualquer enconimeada a von-
tade do comprador.
:Prect6a-se de ama ama para enguantar e
coiinhar para casa de familia : a tratar na rua
Nova, It \n n. 8.
O abaixo asignado fax scisaie qae o Sr.
F9ffti^B Percira de Souxa deixoa de ser seu
caixeiro- des*! o dia l'J do twrrenta Recife 21 de
juluo de 1B70.
______________Man te! dos Santos ViHace.
E' tle Hi3i>!
Previne so a um idiota bacharel que furtou a
asOgaalura da sed proprio pai, que pcepare-se
pars^re^ppader a^tAate os tcibqnaes pelo crio
qe commettenja q,ue 6 indigno ^a gaaerosa cq
B*nfacao de seas jr.mios. Previna se e lique
a ua hypocrisia infama cahir para
um simula.-
Francisco Antonio Pereira de Mello e saa mu-
HmtD, flarnardin Pessoa de Mello, feridos da
mortfero golpe pelo prematuro passamente de sua
idolaiMM*-Moa, gradeefm do (mime d ilma a
*Ml'" l* rftfjTlf OBf NJtaltaot acotapanharo
iade>Bar-
>re-i ~
no
RECIFE A' OiSYIfrA.
Abertura pr; visoria^
Por instruc?8s da clrec oria da.caropa-
nhia em cooseqaencia da antorisaQao de
Exm. vice-presidente da provincia, sobre
pe ti 5o de diversos taoradores da estrada
de Belm e Paulina Cimara, abrase provi-
soriamente para passageiros de t'tlasse no
dia 24 do con ente, dt; vendo partiros trena
provisorios as horas que vj aonunciadas
em ootro tagir.
Sendo essa abertura apenas provisoria,
pede-se ao-respeiuvel publico e-as pessoas
entendidas toda a adolgencia para qoalqawr
falta, que por ventura encontrar no servi-
co, visto como s aberto o trafego, por
havel-o^pedido diversos moradores das es-
tradas que tem de ser percorridas pelos di-
tos treus.
O snpreintendente.
A. de AbrePorto.
Aviso.
No dia 24 do corrente comega o,sepago-
provisorio para passageiros de i* classo
p rlindo da rua de Suata liabel um tr'B
as 6 7 1/2 e 9 da ma.ibia e as i, 5 1,/ie
7 da tarde dos dias da servido, e volteado
de Oiinda-M mesm3s h ras, quer da au-
nha quer rta tarde e,;icontrarem-e na e,s~
lacao da eaeruzji.i,!,!. Nos domingo* e
das santificados saem os trens dest*-
pital s C; T1/2 e ft da raanbla a 1 1/2, .
'4 1/2, 6 e 7 1/4 Ca larde devendo litar
de Olinda s 7 1/2. 9 e 10 1/4 da manhaa.
e -3, 4 1/i, Pede-se aos Srs. pas^agairos quo aejpu-
nim.de- bilhetes antes de, eaU;ara|n M"t**p*
trens, e jara isso aobatu-se e.llea
Ti> s na rua de :
te o trem, como >
Arrumbados, a aaif
rjas..
Pede-se ae^^^H
apresentar an
melade do b^BI
nai-poder serpea
tagao.
_^_^H_batl
HBdia-
favor de
s trens a
a o que
^a^aa^^B-^
di'Abreu i
Pranisa-se # m
ou forra : na roa Direita n.
! andar.
ascava




1

JDtiiffio 4e Peniambuco Sexta eira 22 de Julho de 1870
PHARMiCU. CEBTRAL
Ra do Imperador n. 38
Xarope de lactucario d'Aubergier, e de
ihery decto d'Abbadie recommendados,
cono cateantes para os casos, em que se
nao pode osar do opio e de seos prepara-
dos, e mu convenientes para as enancas
nos espasmos e convulses.
PHARMAGIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Preparados d'aScatro em capsulas, licor,
e xarope ferruginoso.
Este antigo estabelecimento, acha-se hoje montado n'uma
escala de poder servir vantajosamente os sens freguezes, atien-
to o grande sortimento de joias d'ouro, prata brilhantes, que
sempre tem e recebem mensalmente das principies fabricas da
Europa- cujos pretjos sao em competiveis e as obras garantidas
de lsi.
9IOREIRA HITARTE C.___________Z__
NTiUL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Pillas de Vallet.~---------
Pilotas de Rlancard.
Pillas de Bland.
Xarope furruginoso de Blancard.
Confeites de lactato de ferro.
Pilulas de carbonato de ferro, lactado de
ferro, iodureto de ferro com magnezia.
Ferro de Quevenne.
Assncar ferruginoso.
11BMM* 3MHaB3 ffiHH0HII
B
g 5c ,?
5 .8 5*3 a
55\2. g B
w tu a w "o o
2 3
,S Oi
2 M nr-e ,2 "3
g M ^ 5T ff -a 3
fg
a w c
o a.;
0=3 =
C5 -
r
ap
SBSg3"
o gao" o g
B2, ...2
So.?nS
S- o-g 3 2 T
ce
"=-3 .
o o
C6 O o,
3-2.
o
0
'i
o a> c6
,OQ
5 3 D 3
g g ttM 0.-3
s
e
I
O
2.
5=

O
Cu
O
C5
g4

MOFINA
ttoga-se ao lilm. Sr. Ignacio V.eira de Mello, es-
crivao na cidade de Nazareth des provincia, o
favor de vir a ra do Imperador n. 18 a oncluir
aquelle negocio que V. S. se comprometan reali-
sar, pela terceira chamada deste jornal, em nns
de dezerobro prximo passado, e depois para Ja-
neiro, passou a tvereiro e abril, e na 1a cnmprio,
e por este motivo de novo chamado para dito
fim ; pois V. S. se deve lembrar que este negocio
de mais de oito annos, e qaando o senl
Albo se achava no estudo nesta cidade.
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Yinbo e xarope de pepsina e diarthare,
excellente tnico para aoxiliar as digestoes
difceis nos casos de debilidade do esto-
mago
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA
DOR N. 38.
Agua hemosthalica de Lechelle, mui re-
coramendada em qoalqaer caso de hemor-
rhagia, e principalmente na thysica pulmo-
nar, e as hemorrhagias uterinas
Criada
Precisa-se de ama criada hvre ou escrava,
que saiba bem eegommar e tratar do servlc/) in-
terno de ama casa do ponca familia : a tratar no
Manguinho, asi nova dos Srs Carpinteiros, ou
ao eaes d'alfandega velha n. 1 escriptorio, paga-
JMUHNHHimmi
PR1MEIR0 E ANTIGO CONSULTORIO 1
H0ME0PATH1C0
FUNDADO PELO DB. SABINO
HOJE DIRIGIDO
PELO
DR. SANTOS MELLO.
4Raa Nova n.43
| O Dr. Santos Mello de volta da Baha
m coDiina a ser encontrado todos os das
i das 10 horas ao meio dia para consultas.
Chamados a qualquer hora do da ou
" da noute.
Gratis aos pobres.
43Ra Nova n. 43. __Ji
.lililililli
Tie Liverpool & Lor-
don & Globe Insu-
rance Company.
Companhia ingleza de seguros conlra-fogo,
estabelecida em 4839.
Capital e fu mos de reserva
H. 35,3*0:3*0*.
Os agentes desta companhia tornara seguros so-
bre propriedades, gneros e fazendas arraazanada?,
mobilias, etc., etc., e esfio igualmente autorisados
a saldarem aqui quaesquer reclamagSes.
Saanders Brothers & C,
Praca do Corpo Santo n. 11.
CABELLEIREIRO
Faz scwnte ao respeitave publico dssta eidad* e
ora espttialidade as Ezmas. Sras. que se ha
prvido dos mais elegantes penteado, como $-
jam : coques de tranca de ca bollo imita cao eai-
pin, caitos de todos os comprimemos, frinras
para adornar a frente. Untura para tornar os ca-
bellos trancos pretos, tamrem recebe cabellos de
obras antiga* para por moda ou a vonlade de
sen dono ; offerece-se para ir em casas particula-
res lomar qualquer encommsnda, garandado a
quem se utilisar de seu* servicos serem servidos
com perfeicao, e raxoaveis precos: na rna de San-
to Amaro n. A com frente pura o oitao do Beur
da Moda.____________________- _____
Um hornera solleiro se efferece para criado
de alguma casa eu feitor de algara sitio : quera
pretender dirila se ra das Flores a. 14.
Offerece se um cozinljeiro francez, preferra-
da casa estrangeira : a tratar na ra das Laran-
goiras. hotel francez.______________________
MARTIMOS
Cozinheiro e Uvadeira.
No collegio da Conceifio precisa-se alagar um
cozinheiro e orna lavadeira, forros ou eseravos.
Aluga-se urna excellente casa terrea em
01 inda, na ra de Mathias Ferreira : a tratar em
Girada com o Sr. Luiz Antonio Gonezlves Peona,
ou na ra do .^raorira n. 37.
XAROPE PEITORAL DE RABO DE
TAT'
COMTRAFOCSO.
A Companhia Indemnisadora.estabelecic;
testa praca, toma seguros martimos sob e
avios e seus carregamentos e contra foge
m ediflcios, mercadorias e mobilias: t
na do Vigarion. 4, pavimento tereo.
Precisa-se de urna anu para o servio inter-
no de ama casa de pequea familia, preferindo-se
escrava: na ra da Amizade n. 21, Capunga, ou
na ra do Vigario n. 5. 3* andar.
PHARMACIA DENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Xarope de rbano iodado excellente com-
binacSo do iodo com o sueco de plantas
anti-scorbnticas.
Este xarope empregado com grande
soccorro contra as molestias da pelle, os
engorgitamentos escrofulosos, o racbitismo-
cachloroso.
O vinho iodado de joly, e oleo iodado de
Personne, s3o recommendados para os mea-
mos casos, e encontram-se nesta pharma-
cia.
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Variado sortimento de chocolate de ban-
nilha, salepo araruta. ferro, e de sade, da
acreditada officina de Menir.
Sabonetes d'alcatr3o, d'acido phenico, en-
xofre e camphora recommendados para as
mulestias de peta como sarna, panos, em-
pingens etc., sendo o ultimo de muita ulili-
dade para o uzo do toilette, por preservar
a pelle de ser manchada das maculas, que
costumam accomettel-a.
No armazem Novo Mundo, eii frente a rna do
Vigario n. ^vndese rap das seguintes qualida-
des e vinhos, por lodos os vapores, sendo a reta-
Ibo e em grosso, a saber:
Rap G sse-grosso.
Rap Gase-lino.
Rap Paulo Cordeiro.
Rap princeza da Baha meio-grosso.
Rap princeza da Baha fino.
Rap popular da Baha.
w ce _
o a
- Q-3
o a. a
" 3 S-
s

TINTA PAEA 1MPEESS0ES.
Nesta typograihi lia um granoe deposita de ti psra ryp. grri, fabricada na Inglaterra, de qua'idade
superior, e que etalhada em barris de 70 a 100 libras
por preco commodo.
STAVE
BESEJA-SE
Eraprcgar um hornera portuguez de roeia idaJp,
nao escoihe arrua acao, e tem muita pratca de
negocio, tanto para esta cidade como para fra
della!: a tratar na ra Nova n. 38:
CABELLEIREIRO FRANCEZ
51Ra da Cadeia do Eecife51
Chama a attencSo dos seus innmeros freguezes, e do respeitave,publico er
feral, para a seguinte tabella dos presos de sua casa, os quaes sao vinte por cena
mais barato do que em outra qualquer parte:
Cabelleiras para senhoras a 25, Cadeias para relogio a 5, 6)5,
304,3^ e. 405000 70,80, 90, M e. .
Ditas para homem a 350, 400 e 500000
Coques a IU, 150, 18&, 300, (Grte de cabello, ,.,..,.
<^fi2e0,150,-i80,m mm\^ de cabello com ^ .
250, 300 e..... 320000;Ctr^ d? "bello com lavagem a
Cachos ou crespos a 30, 40, 50,
60, 70, 80, 90 e. 100000
Tranca de cabello para annel
500 e....... 10000
Tranca para braceletes a 100,
150, 200, 25 e.....300000 Barba. .....
ASSIGIWTURAS MENSAES
Especialidade de penteados para casamento
Bailes e solres
O dono do estabelecimento previne s | Recommenda-se a superior TINTURA JA
Exmas. Sras. e aos cavalheiros que ha um; PONEZA para enegrecer os cabellos e btf
alo para atara dos beUos e barba, as- P. admitUda na Expsito Universal
*^ I como nio prejudicial a saude, por ser vot
aim como um ompregado smeote occnpa-'iatil, analysada e approvada pelas acad*
do nesse servido. mias dfl sdencias de PARS E LONDRES
CASA CAVIN AJSHK
a champou.
Corte de cabello com limpez da
cabeca pela machina elctri-
ca, nica em Pernambuco. .
Frisado ingieza ou franceza.
150OOC
50c
501
1000*
0OOI
50
251
Mugase o sobrado n. 18, na ra da Aurora
em Santo Amaro, reedificado e pintado de novo,
tendo excellentes commodos para urna numerosa
familia, quartos para criados, urna grande baixa
com capm, em todas as estacSes, para 4 cavlos,
coclieira, cavalharig* o urna ptima cenzalla para
eseravos: quem a pretender dirija-se ra da
Aurora n. 24.___________________________
ATTENCAO
Precisase de urna mulherestrangeira que saiba
engommar, e para o servico int, rno de urna casa
iogleza de pouca familia : a tratar na ra oa Cruz
n. 38, armazem.
Urna pessoa que tem todas as habilitando
precisas rlTerece-se para administrar qualquer en-
geuho, anda mesmo sendo para fora da provincia :
quem precisar annuncie para ser procurado.
CONTRA A TOSSE
PLAKTA DO, BRASIL.
Este xarope, de s>bor mnito agradavel,
empregado com constantes resultados
contra as toases antigs ou recentes, ca-
tarrhos, bronchite chronca lieraoptise,
coqueluche, suffocacao, e era geral coa-
j tra todos os padecimentos causados por
i irritaeao das vias respiratorias. O seu
! uso convm igualmente para aliviar os
| sofTrimentos causados pela phtisiea.
nico deposito, ptiarmacia de Joaquim
i de Almeida Pinto, ra larga do Rosara
I n. 10, junto ao quartel de polica.
TINTURARA franceza
55-Bua da Imperati iz-55
Tinge, lava, limpa, lustra e achamalo-
ta-se, com a maor perfeicao, fazendas em
pecas e em obras de todas as qualidades;
como sejam : seda, laa, algodo. lidho,
chapeos de feltro e de palha etc. etc.
Tira-se noioas e limpa-se a secco sera
molhar os tecidos, conservando assim to-
do o brlho da fazenda.
Tintura preta as tercas e sextas fei-
ras.
Precisa-se de urna ama de leite sem filho, e pa-
ga-se bem : na ra da Conqui-ta (Soledade) nn-
mero 6. __________________________
Precisa-se ainda de ura criado, na ra do
Imperadar n. 57, 2 andar, entrada pela ponte 7
de setembro.
Aluga-se o sobrado junto a ponte do Vara-
douro em Oiinda para qualquer estabelecimento,
por ter bastantes commodos: tratar no Yara-
douro com Joao Pint da Cunha, e no Recife, ra
do Imperador n. 21, 2andar.______________
Precisa-se de urna ama para comprar e co-
zinhar, que tenba boa conducta : na ra da Praia
n. i' e 15.
Precisa-se de urna ama para servico interno
de casa de pequea familia : na ra do Amorim
.35, 2o andar.
Precisa-se de um caixeiro para venda, que
techa-toastante pratca : na ra da Aurora n. 56,
dando fiador a sua coodusta.
Precisa-se de ura unoeiro para remoutar
iuaa destillacio e fabricar fornos de madeira em
n ngeoho de Agua Preta, perto da via-ferrea :
a' teoder-se com o Sr. Bernardino Puntual, em
sea escriptorio, na roa da Senzala Nova n. 38.
Pharmaceutieo priTilegiado
I BUCCMMr
Sebastopol, SB PABIS.
NOVAS ESPECIALIDADES A. MARINIER
ApresenUdas a Acidtmia de Srienc* e ao Intttiiio 4t PraDfa,
|fj irflplft Sob :l orml de Pslilla. lewdida e doaeada para
InUtubnU fater de momento ama soloe FraTtitiM e ratita iu MLUTIA8 COIT1SI081.
INJECTOR f HILTRO
ESTOJOS
o volme de um releaio, tenrindo ia
I'HILTRO e SERINGA sem os
fratss iicanaaiwtai frafllldali.
Com a forma, e de volunte de um Porte-Meis
COTBNDO TODO JRkTAUBKTO.
COLLYRIO Contra as afieceos das paJpebraa,
preparado sob a mesma forma.
BARTHOLOMEO 4 (T
CASA CAUVIN JH5K
DeposiUrios geral para e BRASIL e POUTl4i*L
34, ra larga do Rosario. PERNAMBUCO.
Pharmaceutieo privilegiado
succeeoor
8btjtopol, 5S. PARS.
NOVAS ESPECIALIDADES A. MARINIER
Apresestadas i Academia de Scieneias e ao Ustitulo de Franca.
' ferdeu-se urna letra da quontia de quatro
centos e sessenta e tres mil e oitocentos e oitenta
reis aceita por Jcao de Monra Borba, morador na
fregoetia de Agua-Preta uo eogeoho Alexandria,
coja letra .nao tem saceador e pertence a los de
Souza Barreiros e como fosse perdida fica sem
effeito algura por ja estar paga a dita quanti.i e
cuja letra -se vence em oovecabro do corrente
anno.
Recife, 1 de julho de 1870.
Joao de Souza Barreiros.
Joao de Honra Borba tendo pago ao Sr. Joao
de Souza Bacreiros ama letra da quantia de
460*880, lavrada em 11 ou 12 de abril deste au-
no, a' prazo de 9 mezes; e como a mesma letra
se tivesse deeeneaminhado previoe-se para que
niaguem faca negocio cam ella, visto acbar-se
sem o respectivo recibo.
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Os melhores vermfugos para crianzas,
Pastilbas de sanctonina.
Ditas de Kemp.
Oleo vernfuga.
Tudo de melbor qaalirl'de.
PHARMACIA" CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Variadsimo sortimento de fundas de
excellente qualidade.
FARMACIA CENTRA
Rna do Imperador n. 38.
Lamploughs Pyretic Saline.
A preparation of well known uielity to the En-
glish Faculty. as a cooling and refresbing beverage
in all cases of fever. The frequent usejof ;"is sa
lme preserves foreigners from many aift^ies to
which they are leable before becoming acclima-
tised. May be obtained at the Pharmacea Central,
jua do Imperador n. 38.
PHARMACIA" CENTRAL K~D~IMPBAfJOR
N. 38.
Pastilhas de balsamo de tol e de seiva
de pinho martimo, para as affeccSes chro-
niras dos pulmSes.
Pastilbas de tberydocio e louro cerejo
para as tosses agudas, e de carcter nervo-
so, e para os vmitos durante o periodo da
gravidez, e qualquer affecc3o nervosa.
Pastilhas de bypophospheto de cal mui
uteis na thysica pulmonar.
Pastilhas de angico naf, e de Regnault,
de hortella, pimenta, e de Vtccley, de pe-
cacuanba e de Rermes.
Armazem
Precisa-se alugar ura armazem as seguintes
ras : Commercio, Cruz, Cadeia : a tratar na ra
do Commercio n. 46.
Precisa-se de urna escrava que saiba cozi-
nhar e fazer compras : a tratar na ra da Cadeia
do Recife n. I.
Creado.
Precisa-se de ura creavo Del, de mnito bons
costumes, e que d fiador sua conducta : diri-
ja-se ra Bella n. 37, sobrado de 2 andares.
va-
Ama.
Precisa-se de ama ama
bradon 30, 1 andar.
na ra de Horlas so-
Na praca da Independencia n. 33 se da di
iheirosobre penhores de ouro, prata e pedras
jreciosas, seja qual for a quantia; e na mesar;
sasa se compra e vende objectos de ouro e prata
i igualmente se faz toda e qualquer obra de en
iommenda, e todo e qualquer concert 4edenu
i mesma arte.
INJECCAO
MOLESTIAS
Sob forma de Pastilla, devedida e doseada para faser de
momento nma solcelo PUTIITITA I C0IAT1TA das
C0NTA6I08AS
INJECTflR-PHILTRfl
Grave
do volume de um relogio, servindo
de Philtuo e Sbsunga aem os
inconvenientes de fragilidad*.
Coa a forma, e do volume de tu Porte-Moeda eoiUMs*
TODO TRATAMENTO.
OOJL.JL.YIWO
ESTOJOS
Contra as affeccois das palpebi>a>, preparado sob a raesma forma.
BRTH0L0K04C*
Depositarios geral para o 0RASUL e POBTUAI,
34, roa larga do Rosario- PJ&RNAMSUCO.
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Cha purgativo de Chambard, excellente
laxativo, e refigerante, que se pode usar
repetidas vez3s sem irritar os intestinos.
"XaRPE HYPNOTICO D CHLRAL.
Ochloral um agente therapeutico recen-
temente experimentado, mas cujos benefi-
cios v5o sendo largamente aproveitados pe-
tos praticos em quasi todas as afftcc5es ner-
vosas, calmante e somnfero poderoso, tile
sempre empregado com vantagem nos
casos de dores nervosas intensas, e as de
insomnia, em que elle produz um somno
calmo e profundo.
Elle recummendado as clicas, na cho-
rea, bo ttano, nos partos laboriosos, na
clampria, as queimaduras extensas, nos
accesos agudos de golta, na aslhma, na
tosse convulsa, e em muitos outros casos,
DOSE.Dnas a oito colberes de sopa
por dia, conforme o effeito que o medico
quer obter.
Encootra-se na Pharmacia CENTRAL ra
do Imperador n. 38.
VINHO DD QININNO DE LABARRAQUE
Poderoso inico hoje to aconselhado nos
gozos de; debilidade geraL e mui usado
como antifebril.
PHAHMACIA CENTRAL RA DO IMPERADOR
N. 38.
Alheiro, Oliveira & C agradecen* s pessoas que
se digaaram acamnanbar ao cemiteri publico os
restos mortars de teu prezado amigo Antonio de
Azevflde Ramos, e aos ccesmos seus amigos os
convidan para assislirem a ama missa que tem
de se mandar dieer por alma do sea dito amigo,
sabbado 3 da corrate, na matriz da Boa-vista,
pelas 7 horas da roanhaa, por cuja caridade Ibes
Boam eternamente gratos.___________________
Na ro* doQaeimado n. 12, I* andar, preci-
sa-se de ama ama que cozinhe e foca as compras.
TIL MILI
Vende-se (abelas compararativas de pre-
cos de metros covaotos e vice-versa, mos-
trando primafacie o valor de qualquer
fazenda, em relacSo s mencionadas medi-
das reciprocamente : em casa de Lailachar
C, ra do Crespo o. 9.
Alaga m um magnifico sobrado de ara an-
dar e mirante, sito na ra da Aurora em Santo
Amaro n. 20, e reedificado de novo, com muitos
e excellentes comlnodos para f.vnilia; tendo mais
muitoa quartos p4ra criado, e um linio quintal
todo arborsado. j# pessoa qne & pretender, pode
dirijir-se roa da A.arora n 24.____________^
- Precisa se alafas'' nma escrava para cotinhar
e engommar : na roa \S> Crespo n. ts.
Na travessa da rna
Crnzes n, 2, pri-
meiro andar, da-se di-
nhelro sobre penhores
de onro, prata e brilhan-
les, seja qnal for a quan-
tia. Na mesma casa com-
pram-se os niesmos me-
taes e pedras.
o, w. mm
ENGENHEIRO
Com fundiqo.
A RA DO RRUM N. 52^
Pass nao o rhaf>riz
Machinas vapor systema melhorado.
Rodas d'agoa.-
Moendas de canna.
Taixas de ferro batido e fundido.
Rodas denudas para moer com agoa
por e animaes.
E outros muitos objectos proprios d'agri-
culmra.
Tudo por preco muito reduzido._______
50^000.
Furtarara do dia 5 a 6 do correnle do engento
Gqui, freguezia da Escada ura cavallo russo,
grande, castrado, serradu de baixo, cauda apa-
rada, dinas grandes, cabeca pelada por ter tido
sangue, bem feito t gordo, anda a pago e galope,
e de sella ; gratilk-a-se a quem o pegar e levar
ao dito pngpnho cora a quantia acuna.________
Em casa de THEODORO CrlRiSTI-
tfSEN, ra da Cruz n. 18, encontram-s-:
inactivamente todas as qualidades de vinh
ordeaux, Rourgogne edo Rheno.
Precisa-se fallar com o Sr. Jos de Barros
Accioly a negocio de seu interesse : na praca do
Corpo Santo n. 17, 1 andar.______________
Formas de ferro
para purgar assncar, ainia exUtem algunias, :
recebe-se encommenda para maior quantidade e
na rna da Cadeia n. 4, armazem de S. Barroca.
HOMEOPATA.
O Dr. Casanova pode ser procurado a
qualquer hora era seu consultorio espe-
cial homeopathico, no largo da matriz de
Santo Antonio n. 2. Xeste consultorio
tem sempre sortiment03 dos acreditados
medicamentos de bomeop3thia de Weber
& Catellan em tinturas, e em glbulos, e
tudo quanto necessaro para as pesoas
que seguem este systema.
Os pobres foram sempre e continuara
a ser tratados gratuitamente.
Precisa-se alugar um preta escrava
que saiba cosinhar : tratar na ra Nova
n. 50, Io andar"
Furtaram do engenho Muribequiuha no dia
de S. Pedro, 29 de junho do carrente anno, uro
quarto ruco de vermelho, grande, secco do corpo,
carnudo, aiuda novo, inteiro, com duas feridas de
cangalha as costillas, a pontinha da erelha es-
querda aparada por dente de outro cavalle, com
marca de raladura as juntas das mans, e o ferro
MC mal queimado em ambas as pernas : quem
souber noticia delle dirija-se ao engenho cima
dito, a tratar com Manoel Caraeiro Lelo, que ser
recompensado.
PAUL CHAUVIN
Mechanico conhecido ha 10 annos nesta cidade,
partecipa ao publico que tendo dissolvido amiga-
velmente a sociedade que traba com o seu omina-
do Carlos Pluyn contina a se achar a sua dispo-
sicao para o que diz respeito a abertura de bur-
ras, machinas de costuras, armas, fechadaras, col
locacao de eampanhinhas e toda qualquer concer-
t : praca do Conde d'Eu n. 24, oat'or* da Boa-
Vista.
Agencia em Pernambuco
Do Dr. Ayer
Petoral de Cereja
Cura a ph'.bysica e todas as molestias do peito
a'sa parrilha
Cura ulceras e chagas antigs, impigens e dar-
tros.
Tosileo
Conserva e limpa os cabellos.
Pilla* eatbartlca*.
Purameae vegexaes o sem mercurio, cura se-
zde9, curam e pnrifleam todo o systema humano
Vende-se efectivamente em casa oe Samoelt
hnston & C, raa da SawaHa Nova p. 42.
Alnga-se ma preta escrava boa cozinheira:]
a tratar na ra Darfns de CaxiM n. 14, antigado
Qneimado, loja de pendas.___________^____
Ama de leite
Ha urgente necessidde de urna ama de leite
sem fiiho : na ra do Pa'.w da Ratria anjig "*
vessa do Moateiro) ao Bm to n do Marquw do
Herrai, casa comlporAe de ferro n.
O G!RCR61A0 DENTISTA
Frederico Maya
Tem a honra de scientificar ao respeita-
ve publico e.-a geral, e aos seus clientes
em particular que elle mudou o seu gabi
netede consullas da ruaDireitan. 12 para-
a do Queimado n. 31 primeiro andar, com
a entrada pelo pateo de Pedro II, onde po-
de ser procurado para os misteres de sua
profissao, todos os dia; uteis das 9 horas
da rnanhaa s 3 da tarde.
Tambem previne, que contina a prestar-
se a vontade dos clientes n5o s na cidade
como nos seus suburbios, para onde as
idas sero precedidas de ajuste. Elle ga-
rante o bom desempenho e a perfeicao de
seus trabalhos, o que j bem conhecido,
assim como as commodidades dos precos.
Pede-se aos senhores abaixo declarados que se-
dignem vir ra Nova n. 46, loja de fazendas,
am de tratar de ultimar o negocio que nao ig-
norara :
Joao Hypolto de Meira Lima.
Joao Francisco Hemeterio Portella.
Joao Francisco Paes Brrelo.
Jos Egidio Ferreira.
Jos Patricio de Castro.
Jos Yieira de Oliveira Maciel.
Jos Joaquim de Aguiar.
Jnaquim Esteves Vianlia.
Antonio Cordeiro de Mello. >.
Manoel Caudillo Pereira do Lyra. _________
__Perinuta-se a residencia do 1" andar do so-
brado n. 21 da ra da Camba do Carmo, compo-
nente de 2 salas, 5 quartos, cozinha, um corredor
em seguimento pwta da roa, quintal, por um
primeiro andar ainda que tenba muito menos ac-
commodacoes, de casa sita em quslqoer das ras
seguintes : Duque de Caxias, Nova, Imperador,
larga do Rosario : quem pretender dirija-se ao
sobrado annunciado.______________________
Aluga-se o armazem da casa n. i\ da ra-
Direita : a tratar na mesma ra n. 24. padaria.
"CASA DA FORTUNA
Aos 8:0001
Bilhetes garantidos.
K. ra Primeiro de Marco outr'ora do Cres-
po n. 23 e casas do costume.
Acham-se a Yenda os felizes bheles garan-
Hdos da 2" parte das loterias a beneficio da San-
ta Casa de Misericordia (154"), que se extrahir
no primeiro dia depois da sahid d> paquete in-
gles que se espera d*^gJa-
Slbete inteiro 10*000
Meio bilbete 5*000
Quinto 2*000
Em Dorco de 100*000 para cima.
^ Ribete inteiro 9*006
Meio bilbete 4*60
Quinto 1*800
Manoel Martins Fiuza.
1:500^000 de aluguel
Oferecese a quem tiver para alugar nm arma-
lem que sirva para vender fazendas cm groeo :
oara inforraac5es e tratar na jua de Comme
46. ____________:________________
' Aluga-se a padaria allema em Santo Amare,
bem mouda e afregdezada, eom casa junto para
grande familia, com agoa e gaz para consumo :
quem qnizer dirija-se a mesma, na ra do Lima
\


Diario de Peraambw* Sexta'eira 2f de Julho de 'Itftti.
i.

AO ARMAZEM
DO
VAPOR FMNCEZ
Attericao
No armazem t Mi
Cruz n. 38, ^^^^^^^H_
a fle late
Continuase a precisar de urna ama de leiie :
na ra larga do Rosarlo n. 12, segando andar,
joiuu botica do Pinto-__________________
Cozinheira
Precisa-se de ama boa counheira para casa
estrangeira : a tratar na ra do Trapiche n. 3, Io
andar, oa n Casa Porte, sitio na Campia.
Precisare de ama ama para servico de ca-
sa ". na travessa da matriz de Santo Antonio nu-
mero 10.
de
17RA NO.H. 7
Este conheeido estabelecimento acha-e constantemente bem sorlid,em viaderas
facturas que recebe por lodos os vapores e navios francezes, dos artigos abaixo menciona-
dos, preces os mais resumidos que possivel.
CALCADO FRA^ICE/i
Botinas para teahoras e mealnas.
"Betinas pretas, brancas e de multas nutras cores, sordas e bonius, do ultimo gos-
I lo da moda, e precos mais barates do que em outras pertes.
Botinas para horneas e meninos.
Botinas de bizarro, cordavao, lustro e pellica, das elhores fabricas e esoalbidas.
Botas e pernetras rnssianas.
otas e perneiras para mantaria, das melhores qualidades, de couro da Russia, lus-
tro e buerro.
Zapatos de borracha para hnreos e senhoras
Tendo chegado grande porcao de sapatos de borradla vende-se pelo custe anra
desempatar o dinheiro nelles erapregada, sao baratsimos.
Sapatos de lustro para horneas.
Sapatos de atraa baixa de couro de lustro com sallo, de muito boa qualidade.
Abotinados para meninos e meninas
Sapatos abotinados de difTerentes modelos, de muito boas qualidades e fortes, tanto
para eninos come para meninas, maito baratos.
sapatos de tpete.
Sapatos de pete aveludado, de casemira, de charlte e e tranca fras seres e por-
lugueces para noaens, para senhoras e para neninos.
PERFUMARAS
ExceUentes extractos, batraas, leos, agua de cologne, florida, divina, lavande, den-
tri6ee, de toilotte, sabonetes, tintara para cabellos, pomada angroise para to^odes, pos de
arroz te., tudotao de priaaeira qualidade, dos afamados fabricantes, Condray.Viver e Lubio.
Quinquilharias
Luvas de pellica d conheeido fabrieaBte'Jouvra, espeHios para saMag, quartos e ga-
bmetes, toucadores de diverses taroanbos, legues para senhoras e para meninas, abridores
de tovas, brincos, pulceras, bmdes, coireatjs e chaves de relogios e tranceln*, tuda de
ouro de lei, oairentes e brincos de plaqu, a taittcao e de-mais gosto do >qae as de ouro,
eaixinbasde costera ricamente guarnecidas e ornadas com tudas pessas de msica, albuns
e carxilhes doarados para retratos, caixiubas com vidro de augmento para distinctameme
ver-se a perfeicao dos retratos, objectos de pbentasia para toilettes, hoisinbas e cestinhas
i de seda, de velludo e de vimes para braco de meninas e senhoras, ditas para costuras, pe-
quecos registros muito fiaos e delicados, bouqoets de flsres de porcelana, jarros proprios
para gabinetes e santuarios, quadros promptos para collocar-se vistas, molduras douradas
para quadros, -estompas finas de paysageus, cidades, figuras e de santos, vidros para eos-
morania, malas, saceos e bolsas de viagens, esporas, chicles, bengala?, eculos, lunetas ou
pensinez de prata dourados, grvalas pretas eik cores, abotoaduras decoHete e de punbos,
carteirinhas para notas, la*sounnbas e caivetes finos, peales, escovas, penleiras de espuma
para charutos e para cigarros, joeos de domia, rodetes, bagatelas e outros differentes, ve-
necianas modernas muito conveniente para portas e janellas, cosmoramas, lanternas mgi-
cas, esteriocopos com irrt'Tessantes vistas de figuras e das mais bonitos-mas, boulcvards,
pravas e -passeios de Pars, photouraphias e caixinhas mgicas, reverbros para candieiros,
tapetes de vidrifeo e de la de cores para ps de lanternas, realejos grandes e pequeos,
harmnicos, acordions de todos os tamanhos, berros de vimes para enancas, sapatinhos e
toncas de laa, carrinhos de 3 e 4 rodas muito elegantes para coniwir crianzas a passeio:; e
outeas muitas quinquilharias de phantasia, francezas e allemaes, precos muito em conta.
Para este artigo nao ha espaco nem tempo para a massanle leitura da ininidade de
generas de brioquedos fabricados em diversos paizes da Europa.
ATTENCA
Amn,
Precisa-se de ama ,araa para o servico de urna
casa de pouca lamilla : na ra da Cruz n. 18,
3 andar.
V VERDADE
Una Duq a^BBBasn. 55
Na toja da VERDADE cootinna-se a ven-
er por baraiissimoi precos todos os rti-
cos de miudezas e perfumaras do seo
grande e variado sortimento, garaotindo aos
empradores toda a sinceridade.
Lindas bonecas de cera e massa por ba-
ralissimo prego.
Espelhos doarados para pendurar a
160 rs.
Agulhas de oseo para crox a 200 rs.
AMA
Precisa-se de urna ama para servico de dontro
e fra de casa de pouca familia, prefere-se escra-
va e paga-se bem agradando: na rna Velha nu-
mero 66.
- Desojase fallar com o Sr. Clenenlino Fer-
reira Gomes negocio de >eu interesse : ra do
Commercio n. 17._____________
Precisase de urna ama para comprar e co-
zinhar para urna casa de pouca familia : na ra
Imperial n. 130, casa com poiHio de ferro ao
lado.
COMPRAS.
0 iirazeo de joias
Na ra do Cabug n. 4 oempra-se ouro, prata
i pudras preciosas por precos mais vantajosos do
jue em outra qualquer parte._________^__^
(Jompram-se
Moedas de ouro e de prata de todas as naoSes :
ra da Caea do Recife n.758, loja de azulejo,
ua
Compra se urna casa terrea boa, situada em
Santo Antonio ou Boa-vista : na ra da Florenti-
na n. 6.
Compra-se urna casa terrea, na freguezia de
Santo Antonio : tratar no arco da Conceicao nu-
mero 6.
tom muito maior vantagem compram-se
ouro, prata e pedras preciosas e n obras velhas: na
loja de joias do Co;a;ao de Ouro n. 3 D, roa do
Cabug. ___
CABELLUDO
Comprase ura cachorrinho de marca pequea,
cabelludo a que chamam do reino : ra do
Apollo n. 43, segundo andar.
VrNDAS.
visita-io
em di-
0 dono deste estobelecimento pede o publico em geral que continu a
K veriicMido as qualidades e os precos baratas de ditos objectos por seren vindos
W reitura e de cunta propria. i
.'' JAWW.NMUN '* --
ERGEWHEIRO
Com fund cao
UA DO BRUIV1 52
Passando o chsfariz.
Chama a aUeccao dos Srs. de eogeoho para seas acreditados raachinisisos e
com especialidad* para seus vapores que ainda urna vez tem melhorado.
Os vapores lornecidos por elle e j .funecionando lhe bao de fazer melbor apre-
ciaco do que qual juer dito proprco.
seja-to-1avia.mencionar que viia do cambio agora mais ravoravel
oa pocha dos apontamentos do anso passado lem feito ama redac;ao sensivel
aeos precos.
do .que
em todo

NJARUADOCABUlMa
AGOSTIMHOi IRM\0S
5*3
O
O
a
m TRATO
No antigo estobelecimento de Jnaquim da Silva
Costa, ra das Cruzes u. 42. ha constantemente
o i|ue de melhor se'pode procurar neste mercado
para -meza de quem prefere bous ceneros, como
sejam :
PRESUNTOS para fiambre e de Lamego, chou-
ri^as e paios, em tatas e em barril.
MASSAS, macarru, tollienm, estrellinba, se-
vadinha, sag, aletria e fariaha americana.
CHOCOLATE o mais novo e melhor que desojar
se, possa.
YINHO do Porto e Figueira dos mais superiores.
CONSERVAS de lombo de porco, de bages, de
feijoes em latos bem acondicionadas.
VELLAS sterlioas a 640 rs. o maco.
COPOS lapidados cm duzia e a retalho.
Alm de muilos outros gneros vindos em di-
reitnra. que se vender pir precos razoave.is
Farinha de mandioca
de superior qualidade, em saceos grandes : ven-
de-sopor mdico preco : nos armazens da Com-
panbia Pernambneana.
Peates finos para segurar cabello, a
320 rs.
Chamins para gaz a 320 rs.
Garrafa com Unta alitarine a ItfOOO.
Dita com agua florida a 15500.
Dita com dita dita a 4 JOCO.
Tonteo de Jayme a 15500 o frasco.
Frasco com oleo expresso de babosa, de
40 a 640 rs.
Dito com agua de Colonia de 300 a 15000
Dito com extractos finos a 15000.
Dito com sndalo verdadeiro a 15200.
Latas com batiba muito fina de 120 a
240 rs.
Sabonetes muito finos e diversas quali-
dades a 80,160, 240 e 320 rs.
Finas escovas para dentes de 320 e 500 rs.
Ditos para facto de 500, e 600 rs.
Ditas para cabello a 500 rs.
Peates para alisar com costa de metal a
420 rs.
Ditos ditos ditos de bfalo a 240 e 320.
Pentes para tirar piorno de 160 e 240 rs.
Pavios para gaz, dazia a 240 e 320 rs.
Brincos de cores, inteiramente modernos
de 160 e 240 rs.
Pennas caligraphicas muito finas a 15400.
Ditas de langa e mosinba a 800 rs.
Lindos babadinhos e entremeios de 500
e 15500.
Grosas de botSes de louca de 160 e
OOrs.
Ditos ditos para calca a 240 rs.
Gaixa com papel amicade a 700 rs.
Ditas com envelopes a 480 rs.
Ditas com obreias a 40 rs.
Ditas com agulbas fundo dourado a
80rs.
Tbesoura para costura a 240 rs.
Linha de marca caixa a 280. rs.
Carriteis de linbas de Alexaudre de n. 70
i 200 at) rs.q
Grampos muito.finos, com passarinbos du-
ziaa 200 rs.
Cartas francezas para jogar duzia 35000
Ditas porluguezas, duzia 15400
Papel almaco superior qualidade resma
45000.
Lam muito fina para bordar libra 65500
Fitas para debrum de sapato, pessa 160 rs
Ditas de lam para debrum de vestido peca
400 rs.
Caivetes grandes com molla a 400 rs.
Ditos grandes com 2 folbas por 320 rs.
Rosetas pretas para luto, o par 100 rs.
Trancas de lam de caracol branca e de
Otes de 40 a 100 rs.
Fits para eos, peca 480 rs.
Alfinetcs de lalo, carta 100 rs.
Sapatinhos de lam para creanca de 400
i 800 rs.
Calcadeiras a 40 rs.
Gravatas de seda preta de 400 e 800 rs.
Ditas de croxe, brancas e de cores 500 r?,
Dita de gorgurSo de cores a 800 rs.
Xa Verdade ra Ique de Ca-
xias n. A.
As seguintes obras
Colas cont suiiso, ene. 1 vol. por 15000.
Flores singelas, por Pas de Andrade. VI-
tirnaspaginas, por P. de Calasans. IUusd-
es perdidas, por C. de Azevedo, tudo en-
cadenado em uro so volunte, por 85000.
Tamb^m vende-se as collecces *le leis
provinciaes faltando apenas 5 snnos, por
155000, tendo 27 vol. em brochura. Qnem
quizer dirija-se a esta typograpbia que se
dir qnem vende.
Vende-se
No armazem de H. Lger. ra da Cruz n.
nho de Bordrwux em caixas.
Vende-se um boi e urna earroca : ua ra de
Mondego n. 61.___________________________
Aviso provincial.
O Campos da roa do Imperador n. 28, avisa
nao s aos sus numerosos fregnezes. eomo a todos
demais habitautes desta provincia, que o ^eu
armazem de molhados, um dos que pode com
franqueza bem prover urna boa dispensa, pois
tem o propietario deste estobelecimento reunido
um trande sortimento de gneros de primeira
qnalidade em dito armazem. Nomea los um por
um lornar-se-hiam enfadonho, no entonto de,-
creve algnns que merece especial raencao.
A saber :
Presuntos ingbzes para fiambre.
Ditos de lamego para panella.
Qutijos de Minas, grandes, a 2.
Latos com salmn.
Ditas com lagostas a 600 r?.
Doce de goiaba e de banana, muilo fino.
Camaroes seceos muito novos, a 320 a libra.
Champanhe superior, girrafas e meias ditos.
Chocolate superior de diversns qualidades.
Caf de moka e commum muito superior.
Bages em latos a 700 rs.
Bolaxinas de soda em latas e libras.
Vetlas para carro.
Copos lapidados.
Charutos do Costo de S. Flix.
Vinho abafado em garrafas.
Nozes e ameaduas.
Conservas em frascos a 700 rs.
Rap Paulo Cordeiro viajado e commnm.______
BivaUw segundo.
RA E>tWTElB r? VIA* N. 49
(Antfga na ti Oieimadij
Continua a vender tudo muito bom e
muito barato a saber:
Libras de areia preta muito boo.
Tesooras finas para iinlias e chita- '
506
fraficezas a ba-
ra a.
Papis de agulbas
lio a. ..
Caixas com seis sabonetes de fruta
Libras de 13a para bordar de todas
as cores a .......
Carriteis de linba Alexaudre a. .
Frascos com azeite pra machines
Gravatas de cores muito finas a .
Grozas de bolbes roadepersla fi-
nissimos a.......
Pares de luvas de cores muito fi-
nas a 320 e.......
Novello de linha de 400 jardas a.
Caixas com 100 envelopes meilo
superiores a 4 ^
Pentes volteados para meninas a.
Tinteiros com tinta preta a 80 rs. e
Pecas de lita elstica muito fina a
Lata com superior banha a 100 e.
Frascos de oleoYhilocomo muito
fino a......
Ditos ditos dito grande a. .
Frascos de macaca perola a. .
Frascos de extracto muito bonitos a
Duzia de sabonetes*muito finoi a.
Sabonetes inglezes a 600 rs. e. .
Frasco com agua de colonia Piver a
Dito deoleo.bnboza a.....
Caixas de lamparinas a. .
Sabonetes a forma menino muito
superiores a. ..... --^
I"!
66
15000
60000
100
500
500
500
500
60
240
l'.'O
200
200
00
15000
246
:ioe
720
I5aw'
500
500
40
J1
Ha para vender novo e superior fardo que se
acha deposiadono trapiche da cotnnanhia, chega-
do ltimamente do Hio da-Prata pela harca fran-
ceza Angelina a tratar com seus consignatarios
Amorim Irmiios & C, ra da Cruz n. 3.
A 3,000 RS.
Chapeos de sol de alpaca fina com hasteas de
baleia a 3 : na ra do Crespo n. 25, loja da es-
quina.
Cartilhas da doulrina fazenda nova a
Libras de linha sorlidas de lodos )s
nmeros a.......
Babados do Porto, largos a 160
Capachos muito bonitos e grandrsa
Carriteis de rctroz preto, com
oitavas'a........
Agulheiros de o so enfeilados a, .
Libra de linha franceza superior
qualidade a.......
Caixas de pauto a paz a. .
yo
h&aoo
200
700
640
240
25400
20
Vende-se
urna parelha de excel lentes burras brancas, muito
boas de carro e trotadeiras : no sitio n. 4 em S.
Jos do Mangulnho.
Com este titulo acba-se aberto e inteiramente transformado este antigo
estabelecimento de joias, onde os freguezes e amigos encontrado tudo qnanto
a moda e o bom gosto tem inventado na arte de ourivesaria, o Collar de Ouro
observar delicadeza no trato e senciridade e modecidade nos precos.
Espera que o respeitavel publico venha ver o que existe de melhor em
aderaeos ceiras, brincos, alfinetes e anneis de todas as qualidades, prata de lei faquei-
ros, colberes, paliteiros salvas e ootros rauitos objecto6 que seria enfadonho
mencionar.
Compra-se ouro, prata, brilhantes e pedras finas, pormaior preco do
%ue em outra qualquer parte, troca-se e, concerta-se todo e qualquer objecto
pertencente a esta arte.
Bffilho e farelo
em saceos grandes a 5, em porcao se faz abati-
menlo : no armazem da estrella, largo do Paraizo
n. 14.
..___________________________________________________________________________________--i-----------------------------------------------------------------------------------
Wnde-s3 ama exfellente machina dp costu-
ra por pre^o commodo : a tratar na ra da Penha
n. 17,1 andar._________________^____
ATTENCAO
CAF INDO K TAPO
DE
AVILLA IRMO & C.
49 RA NOVA DE SANTA RITA 49
PERNAMBCO.
Ha para vender neste estabelecimento caf mui-
do a vapor e torrado a ponto certo, sera mistura,
empacotado em papel de estanto para se conser-
var sempre fresco. Garaete-ss a sua primeira
qualidade. Os apreciaderes do bom caf poderao
procarar nos principaes armazens de molbados.
Para evitar fslsiflcacao, previne-se aos senhores
apreciadores que todos o. pacoles terao um rotulo
com a firma do estobelecimento.
Cigarros da imperial
fabrica de S. Joao
de Nictheroy.
nico deposito em Pernambnco caes da alfan
dega velha n. 2, 1 anda.___________________
Vidros para vidracas de todos os tamanhos
e em caixas, vende Bartholomeu & C, em sua
pharmacia na na larga do Rosario n. 34.
ihhk-h:
tres vapores
I.TTENC&0
7 Urna pessoa habilitada propos-sa para meetre
de musiea de guarda nacional, ou sociedade. sen-
do distante desta cidade : qnem pretender dirja-
se a rna de Santa Rita n. 1.
. SAQUES
" JoSo do Reg Lima sacca sobre a praca de Lis-
boa : ra do Apollo n. 4._________________
Manoel Pereira Lemas vem ratiiar o an-
nuncio qne ha mezes fez publicar por e>te Diario,
no sentido de oinguera dar nem confiar coasa al-
guraa em ten norae, pois que, por nada se res-
ponsabilisa, anda meimo algara objecto de poaco
vallor.
Ocoramendador Joseph FacJiinetti, por ped-
do de tres senhoras que lem de ir Roma e via-
jar Italia, vai leecinnar a lingua iuiapa no pro
ximo ezde agosto; proraetle da-las prorapts de
eserever, tradozir e fallar cora o tea respec ivo
aecnto em seis ou seta mezes, se posiuirera os
neeattarios conhecimeotos de sua gramraatica na-
cioaai. Aceeita somente seis disclpulat em suas
respectivas casas : as senhoras que deiejarera
entrar netse numero, podem mandar saas ordens
na ra Nova u- 52, 1* andar.
Monte pi popular pernam-
bucano.
De ordem da directora sai convidados todos os
senhores socios para se reanirem em sessao da
assembla geral na casa das reunioes as 10 horas
da manha de domingo 24 do corrente, afim de
1 se discutir o projecto de reforma de estatutos ;
assim como, a mesraa directora manda selentifi-
car aos mesmos Srs. socios que daquella dala em
dianie flcar convocada a mesma sessao para os
das quartos, sextos e domingos ds casa semana
at olmar-se a discusso daqnelle projecto. in-
dependente de annuncios, cujas ses;5es le ao lu-
gar as 7 horas da noute daquelles das, e m caso
de serem estes antifteados ser a sessao as 10 ho-
ras da manha.
Secretoria do Monte po popular pernambucano,
19 de jnlho de 1870.
O 1 secretario,
Candido Jos de Ges Telles.
Precisa-se de urna prea torra ou escraya
para vendar: na ra do Hospicio n. 38.
AMA
Precisa-se de umaama par cozlnhar e comprar
^para casa do pone familia : a tratar na ra do
Crespo n. IR, ; andar. ____
Krecisa-sa de urna ama forra ou eserava,
qne cozmhe e compre para pogea familia ; na ra
e Santo Amaro n, 6, 2* andar.
0 Campos da ra do Imperaiior n. 28, receben
pelos ltimos tres vapores cliegados a este porto,
difTerentes gneros que vista das snas especiaes
e diversas qualidades, merece fazer-se delles e?-
I>ecial Atendi ; e avisa nao s ao seu crescdo
numero de freguezes e amigos, como tambero
aqnelles que nao tem querido honra-lo com snas
freguezias, encontrando por esse motivo serias dif-
flculdades em fuppnrem-se de bons gneros, por
falto talvez de quem Ibes indique com firmeza ura
estobelecimento que como o seu, possa com ga-
ranta, bem Mtisfater as justas exigencias do res-
peitavel publieo desta capital; que se acha o sen
armazem prvido dos mais novos c variados gane-
ros, e limita-se a noaiear o segninte :
Carne e queij is do serlo.
Prezuntos inglezes e portuguezes.
Gondolo (nova marea de bolachinhas).
Pelt Pois ao Beurte (ervhas em manteiga).
Chocolate hespanhol a IH(iOO a libra.
Conservas a 700 rs. o frasco.
Caf chumbado e de moka.
Rap Paofti Cordeiro (viajado e commum).
Guizados francezes (TrulTeej.
Superior champanhe.
Doces finos de goiaba, laranja, Irmo e bannnas.
Grande pechincha de fa-
zendas b&ratas,
Rna do Crespo u. 585.
MADAPOLO FINO a 4*500, 5o00 e
6*000 a peca.
ALG0DAOSLNH0 a 2*800. 34. 4* e
4*500 a peca.
ALGODAOSINHO marca T com 20 va-
ras a 6* a pega.
CAMBRAIAS finas e de cores a 240 e
280 o covado.
DITAS brancas e trasparentes a 3*
CHITAS escuras, claras e miudinhas a
240 e 280 o covado.
ALGODO AZUL, pega com 56 cova-
dos a 5* a peca.
LENCOS finos brancos e com cercadu-
ra de cores a 2*500 a duzia.
BRAMASTE FINO de n. 230 a 270 a
22* e 24* a peca.
Na ra do Crespo n. 25, loja de Mano-
noel Das Xavier.
CHARUTOS DA BAHA
DEPOSITO
Na ra DireiU n 31
Os Srs. Baslos & Sobraho, exportadores de pri-
meira ordem de Tumos em folha e charutos finos
da Baha fabricados em S. Flix por Joaquim Jos
dos Reis, acreditados tonto no estrangeiro como
no imperio, resolvern) mandar fazer sea deposito
de charutos finos na ra Direita n. 31, aonde se
arbam espostos venda de differentes marcas e
pelos presos da fabrica, ajunt.indo apenas os gas-
tos, a; saber: Pal meiras. Riachuelos, Regala d'el-
Re, dito Imperiae.', Exposigao, Lyricos, Hava-
na, etc. Coavida se, pois, aos apreciadores a vi-
ren) ao meacionado estabelecimento fornecerera-
se de excellentes charutos e a precos eommod
A 2:500
Grande sortimento de luvas de pellica de Jou-
vio, brancas, pretas e de cores : em casa de An
drDelsnc, cibelleirero, ra do Io de Margo n.
7 A, Io andar.
I..UU
o
Grande pccklncha.
A' RA DO CRESPO N. 25.
PE^AS DE BRAMANTE FINO com 27 $8
varas, de urna largura, de 143 a 2?-S. ES
PECAS DE CAMBRAIA TRANSPA- |
RENTE a 3*000. &
ALGODAOZINHO com 18 jardas a Sg
2*900 e 3* a peca.
CHITA FRANCEZA de todas as quali- 0
dades a 240 e 280 o covado.
CHALES DE MERINO' LISOS de todas Ki
as cores a 2*800.
Na ra do Crespo n. 2o, loja de Manoel
Das Xavier.
H5
immmmmmmvsrm
MACHIMA
PARA COSTUB
Vende-se urna com pouco uso, de lagadeira, o
melhor sistema conheeido, serve para todas as cov-
turas de camhraia at couro ; o dono incunsbe-se
de ir aos domingos ensinar a pessoa que a com-
prar.
RA DA CADEIA N. 4-1
LUVAS
Verdadeiras luvas do Jouvn branca? e de core?
vindas pelo ultimo vapor a 2*500 : na luja da Fita
Azul, ru do Cabug n 2.
BASQUINAS
De Cluny, brancas e pretas, do ultimp gosto : ven-
de-se na loja da F.ta Azul, rna do Cabug n. 2.
Pechincha
Algodo, pega de 18 jardas, a 2*900, para liqui-
dar : na ra do Queimado n. 1, loja do Gaspar.
a a
O V
A Nova speranca
IRna Detone le Casias*1
Quamlo a NOVA-ESPERANCA fu os seus
anuncios expondo aos seus tTuezes e a
todos em geral o grande sortimento esu-
perioridade de seus objectos uo com vis-
tas de atrair a attencFio de nina grande fre-
guezia, como a deque actualmente duspe,
e sim para scientificar (a interese de todos)
a qualidade do seus objectos os qnaes sao
sempre de apurado gosto e peifeicSo ; tor-
aando-se qnasi indisponsavcl para aquelles
apreciadores (do bom) fieqnenlarem a .No-
va Esperance, pois que el!a caprioba em re-
ceber constantemente, o que ha de melhor
relativamente a sua repartida): o que se pe-
der verificar qoando em qualquer reo-nulo
de pessoas (amantes do xiqoe ) v-se um
bonito enfeite em um bonito vestido, um
aroma agradavel escaptr d"um alvo lengo,
um moderno c linde laco, ura dilicado ra-
pio de finas flores, efe, e.tc. todos olham-se
reciprocamente e dizem com bigo (e as ve-
zes uns aos outros) esle sso objectos
comprados a NOVA-E&PERANQA: realmen-
te !!!! procurar descrever em annuMos os
artigos que cont1 in dita luja, se.iia trabalbo
insano e nunca o f.'.riam< s cun aquella
graga e perteicSo rom que sao <'lles fabrica-
dos, 'assim pois a NOVA-ESPERANCE con-
tentase em convidara todos peralmentc,
visitaren)-na para ent$o fcaram inei-
rados do que ha expostona mesma loja.
1Km* S>a mmm mmm;m
{ Joaquim Rodrigues Ta- \
varc< do Mello, j|
Jraqalo Corpo Saulo n. 17^)>
-;\I PAISA VENDER : ^
Cal da Lisboa. S
Potassa paPiussia. ^
Viubo Borde.:u:.. gt
Faielio da Lisboa. S
^ Fai'SrJia Je iaaailoea. 0
Bichas bamburgnezas
Neste novo deposito recebe-se por todos os pa-
quetes translancos bichas de qualidade superior
e vendem se em caixa ou porteo mais pequea,
o mais barato do que era outra qualquer parte :
na rna da Cadea do Recife n. 51, andar.
Objectos para jarros.
Solas de lustro.
Vaquetas de lustro.
Galoes largos e estreitos.
Oleado preto para guarda ebuva.
Dito de cores para forro.
Lanternas e vellas.
Hotoes de so de corps diversa'.
Pechincha
Carneiro muito gordo
SabbafoJ 5 do correte, as 4 horas da tarde,
mata-se utp carneiro muito gordo que ea9toa 100#.
Faz admiracao, estar venda em r*?aiho no
ajougue #a ,rua d3 hngel n.
Saceos com arroz em casca.
No escriptoio de Joaquim Gerardo de Bastos i
ra do Vigario n 16, 1 andar, vendem-so arcos
com arroz em casca ; para ver, no trapiche Cu-
nta ra da Moeda.
Mho.
N escriptorio de Joaquim Gerardo de Bastes
ra do Vigario n. 16, andar, vendem-se saceos
grandes cora roilbo muito novo por preco razoa-
vcl : para ver, no trapiche Barao do Livrament
no Forte do Mallos.
TILHO NOVO.
Vendem Pocas & C saceos cora milho novo a
jioOOo sacco : na ra estrella do Rosario n. 9
noto igreja.
CALCADOS BARAT S.
Borzeguins de phantazia pretos e de cores
para senhora a HOOft
Ditos para meninas a 2000
Ditos de bezerro, sola grossa, inglezes,
oara hornera a 7*000
Vende-se na praca da Iodependebeia n. 39, loja
de Porto & Bastos.
Vende-se dous bois e dou* carros, tudo em bom
estado : no cao- do Ramos n. 30.
Vende-se ouxluga^e urna canoa nova,' toda
encavilhada de cobre, que pega 400 feix ;s de ca-
pira : para ver e tratar na cambija dos Remedios
com o capitao Delflm.
Farinha de naudfoca.
Da melbor qualidade e mais barata do que em
outra qualquer parle : vendem Amaral, Moreira
t C, no caes da alfAQdAg.i n. 7.
Farello.
Vendem-se os segaintos objectos para diti-
Is^o : l alambique de cobre com carapuea, qne
dislila 70 caadas por da, serpentinas, cubas,*di-
versos pare de aneuras e 1 bomba de Japy ; s
quaes vende se junto- on cada um de per si; no
engenho Macaco m rp.Tjucs.
yende-se rtaas cabras (bicho)
Acougainhog n. 8.
na ra dj=
Vende-se saceos com 90 libras de farello no-
vo do Chile a 45O0 : ra da Madre de Deus
n. 7.
Estampillas
a
Vende-se no eartortn do tabelliiio Almeida
ra do Imperador n. 75.
Vende-'e barricas com cerveja prela de supe-
rior qualidade em boii|aa e meias botijas : no ar-
mazem de Eduardo Fentou, ra do Commercio
n. 25.
Vendem-s pipas da verdadeira agurdente
de canna : ra Nova de Santa Rita n. 19, ribeira
do peixe.______________________________
~ Cebla
Vende-se soltas a K*iO0 e era resteas a Si : na
travessa da Madre de Dos n. 5.
1
Gravalinhaa de seda de cores para meninos, ho-
rneas e senhoras a 320III : na roa do Duque'de
Caxiasn. 55. ______
Vende-se urna armaco propria para qual-
quer estabeleclnionto : na run larga do Rosario
numero 1.
Os accreditados cvlindros americanos p>ra pa-
daria.
Machinas para descarocar algodo.
Canos de ferro galvauisados, para agua.
Carrinhos americanos para iranspnriar fazendas.
ATTECAF
VeDde-se urna parte do engenho Rsnios, comar-
ca de Pao d'Alho, de 9:000* a 10:000, t outra
do engenho Iuhamau, comarca dn Iguarass, de
5.000 : os prelendentes queiram entender-se
com o senhor do engenho Caraba da fregnezia de
Trac.uohaem, ou com o Dr. Laurino de Mor"-:
PinKeiro, ra das Cruzed (boje Duque de Casias)
n. 2. O tresmo senhor do engenho Carab* offe-
i er- a fnzenda denominadaMinguiii do Grva-
la pxr,: o Brejo da M.dre de Deis e Curato de
Bom Jardim ruja fazenda muitu acreditada pe-
l<8 habitantes do lugar, tem acude e varios tan-
ques e algum gado que lambem se vende encorpo-
rado dita fazenda : -tratase nos lugares cima
ineocionado-.
Veude-.s^
Ps d roseira de varia? qualidades, assim com
da sapoli, abacate, igueira, laranja crave e pi-
nbeira, pnr preco razoavel: a tratar na Boa-vis-
ta, ra do Mondego n. al.
champagne da marca George
Goulet & companhia.
vaquetas de lustro para carros.
oleados de diversas coros.
pesos de ferro do sys tema deci-
mal.
A VENDA RA DA CRUZ N. (58.
ao hrmnxem H. l^ger
Sacpos de estopa
Vendem-se opti.no topa, propru-
para aMOcar, milio, farinha etc.: no arinazen de
Adamson, Howie de C, ra do Commercio o, 40.


Diario de Fe*nambueo Sexta feira 22 Je JuHjo de IflTO.
[ -
COM FlinHl
Maia Uodelmo rende saceos cqm faraba de
aanaioca : na rna do Duque de Caxias, travetsa
do Rosario, loja w. 18 B
Mais barato do que em outra qaalqaer
parte.
No porto da trayewa don Coelhos acba-se cons-
onlemenie tijeto nono e fino, tapamenlo, telhas,
e grande porejw de area, qqe 86 veden a vontade
do comprador por menos pre$o do que em outra
qualqaer parte ; assim como se encarregam de
wrnecer matenaes para as obras, para o que nj>
canoas e carrosas.
Armazem dous irmaos
c^-Rua da tenha-*
Manteiga inrieza flor a 1JMO a bra, idem fran-
1 eeza a 760.
Cb miado e grosso superior a 3100 e 3*000, ca-
f em caroso a JUO e 240.
Vellas de spermacette a (Ha a libra.
Atetria, talharim e macarrio a 400 a libra.
vinboem pipa a 400a garrafa, idem S. Jnem
ft wai rs.
Grandes latas combolachinbas a 1*380, idem com
lagosnbos a 300. dem com figos a 1*880.
Copos lapidados a S*JOO a duza, idem Idea de
1lv\ a 2*^' idern ternos com 6 copos por
1*100; assim como muitos outros objectos.
RICOS CHALES DE CAMBRAIA BOR-
DADOS de cores de ultima moda a
2*500 : na ra do Crespo n. K.
Al!
LENC03 DE CAMBRAIA DE LINHO
BuRDADOS a 1*500 : na rna do Crespo
n. S5, loja de Manoel Dias Xavier.
JS3383S L.
Vndese umajpadaria no Giqui, tendo to
os os uiencilios : a tratar na mesma.
Alta novidade
NA
Loja do pago
Chegaram pelo ultimo vapor frantez as rices
chapelinas de palba de Italia,.ultima novidade de
Pars, chapeos de velado e palba tambem os te-
mos de multo gosto, postilhSes e basquinas de gor-
gorito prelo maito superior com rios laces de
setim : na ra de Marco n. 7 A, loja do paco.
Farinha de mandioca
igual a de Afuribeca.
Em saceos de dous alquuires e de panno de
algodSo, coja medida corresponde de 5 a 8 0|0
mais do que a medida daqui e do Rio de Janeiro,
vndese a prego menor do que em qualqaer ou-
tra prtete : tratar com Joaquira Jos GonGal-
ves Beltrao, em sea esenptorio a ra do Commer-
ci n. 17.
DE ORO
grande wyimde
Qoando a A GUIA BRRNCA, mais precisa scientificar ao respeitavel publico em
geraJ, e em particular a sua boa freguezia, da immensidade de objectos que ltimamen-
te tem recebido, jostamentefqnando ella menos o pode fazer e porque essa falta 6 invo-
luntaria ella confia e espera na benevolencia de todos que Ib'a attenderao e releraro,
continuando portante a dirigirem-se a bem conhecida leja da AGUIA BRANCA roa do
Queimado n. 8, onde sempre acbaro abundancia em sortimento de superioridade em
qualidades, modicidade em precos e o seu nunca desmenttido AGRADO E SINCERIDADE.
Do que cima tica dito se conhece que o tempo de que a AGUIA BRANC V pode
dispr, empregado apezar de seus custos no desempenbo de bem servir a aqnelles que a
bonram procurando prover-se em dita loja do que necessitam, entretanto sem ennume-
rar os objectos que por sua natureza sao mais conhecidos ali, ella resumidamente indi-
car aquellos cuja importancia, elegancia e novidade os tornam recommendaveis, como
bem seja :
Corpinhos de cambraia, primorosamente
enfeitados com fitas de setim e obras essas
cuja novidade de molde e perfeic3o de ador-
nos es tornam apreciados.
Fitas mni largas de diversas cores e qua-
lidades para cintos.
Leques uesse objecto muito se poderia
dizer querendo descreve-los minuciosamente
por suas qualidades, coree e desenbos, tal
o grande e variado sortimento que acaba
de chegar, mas para nSo massar o pretn-
deme se Ihe apresentar o que poder de
melhor.
Entremeios em pegas de 12 tiras.
Guipure branco e preto de diversas qua-
lidades e desenhos.
Ditos de algodo com flores e lisos.
Veos de seda para chapelinas e monta-
ra.
Meias de seda para noivas.
Ditas abertas de fio de Escossia.
Costumes ou uniformes para meninos.
Enxovacs completos para baptisados.
Capellas brancas para meninas.
Grandes sortimento de flores finas.
Fil de seda, preto.
PERFUMARA
Grande e constante sortimento de dita,
sempre melhor quajidade.
Lindos vasos com p de arroz e pinsel,
Caixinhas com ditos aromticos.
Bonitos e modernos pentes dourados
para circular o coque.
Bonitos brincos de plaquee.
Aderemos e brincos de madreperolr.
Caivetes finos para abrir latas.
Thesouras para frisar babadinuos.
Aspas pera balo.
No vos stereoscopos com 48 vistas, as
quaes sao movidas por um machinismo
urnas substitnem as outras.
Vistas para stereoscopos.
Bonitas caixinbas de vidro enfeitados com
pedras.
Ditas de madeira envernisada com vispo-
ras e cora dminos,
Bollas de borracha para brinquedo de
Grande estabeteci ment de (rondas e roupas feltu e por medida, ra da la
peratris u. 52 junto loja do oorites.
Neste estabelocimento encontrar o respeitavel poblico um bonito sortimento de
roupas de todas as qualidades.
- ini^cfASSr^ e c6-feS,a 000i*, 7*009, to Girino P^to
de 7*000 ate 253000, ditos de eaeemwa de crvs finas e ordinarias, de 6*. 16,5000
ditos de panno finos de 63 83 100 e V ,$000. sobrecasaco dito de 20* a 50*000 '
* Completo sortimento de .calcas de brim pardo de 1*600 a 8*000, ditas brancas
de 2*. a 10*000 o mais soperior, ditas raeia casemira, ditas ca?emira de 5* 12*000
ditas casemira preta de 8*, a 16*000superior, dita de merino diversas qualidades para
luto. Assim como um bonito sortimento de colletes de brim d cores, ditos- braacos,
ditos de casemira de cores e pretas, ditos de merino para loto fazeodo superior
Sortimento completo de cmisas francezas de algodo, de 1*600 3*000. e de
linho de 38*000 a 70*000 a dusia.
Sertimento completo de ceroolas francezas de algodSo deJ*600 a 2*500
ditasde bramaDte a M80O, 2*500 e 3*000. ditas de Hamburgo, francezas, fazenda s<
perior de 85*000 a 35#000 adrow. Sortimento decolarrahos de algodo e linho etc
assim como meias de algodo para liomem de 3*. a 10*900 a duzia, gravatas de mui-
tas qualidades. Na ra da Imperatriz n. 52, loja do
Sortimento de chapeos de sol de alpaca, e seda, ditos inglezes cabo de marfim.
Toaloas para rosto. Sortimento de mallas para viagem.
ATTENCO.
Neste estabelecimento encarrega-se de mandar fazer qualquer obra por medida
e para esse flm tem hbil mestre eicarregado da officina, que se encarrega do trabalho
com perfei?.2o e pontualidade.
SORTIMENTO DE FAZENDAS.
Chitas de 240 rs. o eovade ou 10*000 a pessa com 42 covados. ditas miudes
r,ara camisas e timo de menino 260, e 280 rs.. e outras muitas qualidades de 320, 360
e 400 rs. o covado, neste mesmoestabelecimento chegaram, urnas bonitas chitas da
victoria com barra, a qaal para fltrts ecompetente wifeite para corpinho. Cam-
braia lisa de 3*, 4*. 5* e 10*00 a pessa, e outras muitas fazendas de todas as quali-
dades. H
ALGODO E MADAPOLO AVARIADO.
A 44000 o algodo. e 4*500 oraadapolo. e tambem chita escora boa 240 a
covado por ter grande porcSo, na ra da Imperatriz to. 52, loja cora portaes encarnados, i a^'sil&TSeadM, a
MACHINAS PARA
COSTURA
Acabara de chegar ae GRANDE BAZA*
UNIVERSAL, ra Nova n. 22carnisr
vunnaum completo sortimento de ma-
chinas para costura, dos autores mais co-
nnecidos, as quaes estao em expsito no
mesmo Bazar, garantindo-se a sua boa qua-
lidade, e tambem ensina-se com perfeicjio
a todos os compradores. Estas machinas
sao iguaes no seu trabalbo ao de 30 costn-
reiras diariamente, e a sua perfeico tal
como da melhor costureira de Pars. Apre-
sentam-se trabalbos executados pelas mes-
mas, que muito devem agradar aos preten-
dentes.
no armazem de E. A Burle d C. ros te
Cruz n. 48 o segointe;
\inho Bordeaux superior qualidade, pis-
cos de 7*500 a 20*000.
Cognac fino, differentes precos.
Licores de differentes qualidades e pre-
ces.
Frutas e conserva em frascos.
Azeite doce francez, em cains de 19
garrafas.
CEMfiPO'
O vefdaMro porMod. So- se vende na ron*
Madre de Dos n. 42, armazem de Joio Marina s
Barros.
Boa morada
Vndese um bom terreno em ama das mas ol-
timamenie abertas na estrada nova de Uetxvike,
onde passa a liona (ocrea, muito perto d ru
Jicara, com maltas e trra para capim e
dioca, tem de exlencao 1500 palmos, porm
de-se vootade dos compradores: entendOfg.
na roa da imperatriz n. 3t
Officina e armazem de
Caes
intitulado
Lefio de Ouro.
maimore
Vinte e dous de novembro n. 57,
(ootr'ora armazem allianca)
Ha para! vender pedras marmores de todos os
de diversos ta-
assim como solei-
ras e saccadas de pedra do Lisboa. Tambem con-
trata-se e faz-se qualquer obra, como montmen-
tos, turnlos, estatuas, pias, lavatorios, mesas e
1 tndo o mais tendente mesma arte, por mdicos
; prjeos.
Estamfjrlkas.
Vende-se na roa da Cadeia do Recite n. 58, toja
de aznlpjo.
Farinha e milbo.
No trapiche Bario do Livramento existe boa fa-
rinha de mandioca e excedente milho em sacaos
grandes : a tratar na roa do Vicario n. 16, t* aa-
dar, escriplorio de Joaqoim Gerardo de Bastoa
Farinha de mandioca
da Baha.
No escrintorlo de Joaqnim Geraldo de Bastan;
rna do Vipario n. 16, primeiro andar, venda-
(anona muito aWa, flna e torrada, saceos de don*
alqueires, por menos do que em outra qualqmr.
parte.
como
Touquinhas- de fil, sapatinhos bordados | crianzas.
meis para ditos. Diversos objectos de porcelana, proprios
Camisinhas bordadas para ditos. para enfeites de mesa e de lapmhas.
LOJA DOS ARCOS
A
Ra do Crespo n. 20 A.
Alvaro Augusto d'Almeida A C.
Este estabelecimento de fazendas finas e grossas j bastante coobecido .
ara d.js mais bem sortidos desta cidde acaba de receber directamente de Paris altmos
artigos especiaes que passa a mencionar.
Ricos cortes de vestidos d blond para casamentos.
Cortes de vestidos de seda de cor, de gostos inteiraraente novos.
Brochad, fazendas de 15a e seda propria para vestido.
Foulard de seda de todas as cores, tambem para vestidos.
Fitas largas de seda para cintos, gostos escoceses e lisos.
Chapelinas de seda e de palha d'Italia.
Basquinas de seda e guipure.
Colchas de seda e de 15 e seda.
Cortinados de cambraia bordados muito ricos.
Pannos de verdadero croch para jardineiras, sof e cadenas.
Toalbas de linho de superior qualidade.
Bramantes, selicias, sgui5es atoalhados.
(luardanapos, colchas, aaias bordadas camisas,
Cache-nez, bales, cami^inbas, sombrmha.
Madapoioes de varias qaa'idades, saxos para viagem, mallas, tapetes, capa-
chos, alcatifas e muitos antros artigos que se vende por precos mdicos.
Tem tambem constantemente'um completo sortimento de ESTEIRAS DV IN-
DIA para forrar salas.
Vende-se
i Sementes n:vas de hortalices, garantidas, da socie-
I dade de Horticultura Lisbonense. rnadoAmorlm,
i deposito da labrica de cervejas e espiritas da roa
do Brnm.
; m m m
Ghegou ao antigo deposito de Henry Forster 4
; (1, roa do Imperador, um carregamento de ga
de primeira qualidade; o qoal se vende em partida)
e S retalho por menos preo* 4o qne em outra qua!
qner parte.__________________
Vende-se um terreno proprio, com 138 pal-
mos de frente e 160 de fundo, para o lado da es
Irada de ferro, cujo terreno tem alicerce (eito pa-
ra cinco moradas de casa, na ra de Motoeolom-
b do* Afogados : a tratar na mesma roa, on na
ra Direita dos Afogados n. 43.
Sahtdas de baile.
Chegaram loja do paro as ricas sahidas de
baile, assim como os ricos encbovaes de cambraia
bordados para criancas se baptisarem, artig) este
o melhor que ha no mercado, awM como temos
gran-e sortimento de outras muitas fazendas de
gesto e novidades por todos os vapores : na lja
do oq.o ra 1 de Marco n. 7 A.__________
Cantara de Lisboa
Soleira?, hombreiras e capiteis para frentes de
casas, o que ha do melhor : venda no arma-
zem da trave-sa do Corpo Santo n. 25, de Joaqurm
Lopes Machado 4 C.
Vende-se urna casa de taipa, na baixa do
Zumbi, (Torre) em solo rendeiro : a tratar na rna
Imperial n. 233.
BRACO
ORO,
Ra do Imperador n. 26
0 respeitavel publico encontrar neate
estabelecimento diariamente um compiti
sortimento de pastelaria, bollos inglezet
podins, p5ds-del, prgsentos dos ltimos
ebegados ao mercado, salame de iion, bo-
linhos finos de todas as qualidades para cha,
amen loas onfeitadas, confeitos, bomboins,
pastilhas, chocolate francez em libras, pas-
lilhas do mesmo .cartusos e carteirns com
seis charutos de cho oate cada urna, ate
sortimento de chscolate do mais acredita-
do fabricante de Paris e o melhor que at
hoje tem vindo ao mercado.
Vinhos portnguezes, figueira moito sope-
rior. Os mais genuinos e superiores vinho
do Porto, moscatel e Setubal, o Mostrado
publico encontrar neste estabelecimento
por commodos precos, fazendo-se abatimos-
to a quem omprar em porcSo.
Os donos deste estabelecimecto n5o m
tem poupado a despezar para melhor mo-
recerem a acoadjuvagao do Ilustrado po-
blico.
s
Neste grande estabelecimento encontrar^ o respeitavel publico, u,u grande
rf^d" ontra qaalqa
e arniazera podero fazer os seis sortimentos pelos mesmos precos
derera p-scoiher.
60RA DA IMPERATRIZ
DE
reSDtltaVfi nilh li-.il. ll i oran^A nrlimonln ,Ha fajonH Hn ir^lo nn,,,,^ ........ .. ".^^-^, ^-"" "' ^S-aW ^^3*T0> "^_--^^
de 'so ym^S^^WM^^m^^^^ ^tSfSZ ^f*** q"f Se ^S ^^ Tnder Pr v^n mUt ma'8 b?,rat8 do
asas Astranppira. Paramrt rnmiSL;H, 1- ? ^ast0'J Uu,,lanaO"Se apenas a ganharem o descont. As pessoas que negociara em menor escalfa, nesta loto
asas estrangetras. Paramaior comraodidade das Esmas. familias, de todas as fazendas se d5o os livros das amostras, ou se mandara levar emsuas casas, para melbr.v ...
f CROCHE-S PARA CADEIRAS E SOFA'S. r GROSDKNAPLES PRETOS DE l600 AT 7/000 ROUPAS PARA HOVFNS PARA TODOS
O Pav5o tera um grande sortimento dos Na loja do Pavao encontra o respeitavel
! mais bonitos crochs para cadeiras, sofs publico um grande sortimento degrosde-
naples pretos de todas as largura.?
* ALTAS NOVIDADES
S DO PAV.O 9
38 BONITAS FAZENDAS PAMA FES- ^
0 TA DE. M
A SANTO ANTONIO, S. JOAO E S. PEDRO. av"
Vendem-se as mais lindas poupeli- w
^ as de linho e seda com os gostos **
mais novos que tem vindo a este H^
> mercado, pelo barato prego de____ : 23000 o covado. ^
Sedas listradas, de furta cores, fa- gj
endas de muita pbantasia a 25000 oL
l o covado. S
[ Sfi bismark, larga fazonda muito &
f encorpada o covado a 25500. ^
Bonitas 15asinhas largas cora palma ^
} de seda, covado a 13000,
l Lindas agraciando lavradas covado
\ a 13600.
Alpacas lavradas de todas as c-
> res, covado a 040, 800 e 13003
Bonitas lassinhas escossezas com
quadros e litras de seda, covado a
i 56).
Finas alpacas lisas, sendo cor lys-
; mark lyrio, verde, roxo, cinza, can-
na, azul etc., covado tilo.
Ditas furta cores com as mais bo-
nitas cftres, covado 503 rs.
Lindas baregs lisas, e com lista
da mesma cor, fazenda inleiramen-
te nova, covado a 560 e 610 rs.
Bonitas I5asinhas tapadas e trans-
parentes com grande diversidad, o
covado a 600 rs.
LSasinhas lustrosas com lindas co-
res emtalo de ?eda, o covado a
320.
-indos cortes de anadine, sendo
f izenda nova e transparente e de
muita pbantasia, com 18 covados a
153000.
Finiss'moa crtes'de vestidos tiran-
eos bordados com todos os enfeites
franwzes a 123000.
Curtes de ganga indianos, fazenda
inteiraraente nova a 73000'
Ditos chinezes com duas saias a
73000.
Organdy branco cora listras lar-
gase quadrinhos, a vara a 13000.
Todas estas fazendas, sao inteira-
mente novas e se vendem muito em
conia, ra da Imperatriz n. 60,
loja e armazem de Silva e Figuei-
do & C.
de 123000 rs. cada um, pechincha.
CASEMIRAS ESCOSSEZAS.
O Pavao tem bonicas casemiras escosse-
zas com quadros grados e raidos e outras
lisas cora listras ao lado, sendo fazendo
muito lina que se vende mais barato, por
haver grande porc5o.
CORTES DE CASEMIRA PRETA A 4:500,
0 Pavao tem os superiores cortes de ca-
semiras pretas enfeitadas pelo barato preco
de 43500 rs. o cort,
CASEMIRAS RASPADAS A 8C0 RS. O CO-
VADO.
O PavSo Tendo escolente fazenda de pora
la com as cores escuras muilo proprias
para calcas, pautte, colletes e roupa para
meninos que frequntam a escolla por ser
urna fazenda leve, escura e de muita dura-
mesas, almofadas etc., proprios para co-
brir presentes e vende-se mais barato do
que em outra qualquer parte.
Algodo entestado.
Vende-se urna grande porc3o de algodo
sinho americano com 8 palmos de tergura,
proprio para lences e toalhas, tendo liso e
OS PRECOS.
N'este grande estabelicimento encontrar
trancado, que se vende por preco muito em! ^' ^endJ0 para dos os P1"6?08 e (Iuali-
dades, dando-se todas amostras, asim como
um Bonito sortimento das mais lindas
lidades," tendo de l&m o covadoat^OOO'C
e 83000, que s* vende por pre?o muito
em conta.
CASSAS FRANCFZAS.
Chegaram para a loja do Pavao as mais
lindas cassns fiancezas com delicados pa-
Ditos de laa escosseza fazenda mui-
to b mita com os de seda a 7-30t;()
Finissimos orgaodys com lisia de
cor e salpico, sendo fazenda de
muita pbantasia, ometro 13280.
cao, pechincba a 80.) rs. o covado ou a
23800 o corte de cal?a para homem.
FINAS BARGES A 640 BS. 0 OVADO.
O Pavao tera as mais linila-; bareges de
15a sendo meias transparentes, com urna
so cor, tendo : lyrio, azul, rosa Bismarck,
roxo, etc., tendo muito boa largura e liqui-
da-se por 640 rs. o covado, por se ter Ib-
to urna grande compra, assim como ditas-
mais estreitas de urna so cor com listras
imitac5o de seda a 560 rs. o covado, e pe-
chincha.
PECAS DE MADAPOLO A 33500.
0 P,av5o vende pessas de muito bom
madapolao, tendo 12 jardas cada urna, pelo
barato preco de 33500.
PECBINCHA EM ALGODO A 43000 RS.
O Pavo est vendando pegas de algodao-
sinho francez, tendo 4 palmos de largura e
com 11 metros cada pe?a, pelo barato pre-
de 43000 rs.
CERA DE CARNAUBA.
Vende-se superior cera di> carnauba em
saccas, mais barato do que em outra qual-
qoer parte, na ra da, Imperatriz n. 60,
loja do PavSo.
OS SETINS PO PAVAO
Vende-se os mais bonitos soaa-de cores
e mais encorpados, proprios para vestidos
tendo de diversas cores.
conta.
LAS ESCOSSEZAS
LAS ESCOSSEZAS
LAS ESCOSSEZAS
A 560 rs. o covado.
Chegou pa-a a loja do Pav5o, o mais
elegante sortimento das mais lindas lazi-
nhas escossezas com Sos de seda, as quaes
fazem o mais delicado effeito, para vestidos
de duas satas, veodera-se pelo baratissi-
mo preco de 560 rs. o covado.
SEDAS DE LISTA
SEDAS D* LISTA
SEDAS DE LISTA
a 23000 o covario.
Gbfgou para a I Ja do Pavao um grande
e bonito sortimento das mais lindas sedas
de listas cora as mais delicadas cores, tendo
entre ellas algumas que servem para luto, e
vendem-se pelo barato preco de 23000 o
covado, pechincba
FAZENDAS PARA LUTO NA LOJA PAVO
Encontra o respeitavel publico neste es-
tabelecimento um grande sortimento de fa-
zendas pretas, como sejam cassas france-
zas e inglezas, chitas pretas de todas as
qualidades, fazendas de 12a de todas que
tem vindo, proprias para luto, sendo lasi-
nhas alpacas lavradase lisas, cant5o, bom-
basinas, merinos, etc. que tudo se vende
por prego barato.
PARA BAPTISADOS
Na loja do Pavo vende-se bonitos en-
chovaes para baptisados.
Cortes de casemira a 43000, cada um.
Vende-se bonitos cortea de casemiras
claras e escuras pelo barato preco de 43,
ou a 2i5400 o covado, tendo duas larguras,
CORTINADOS PARA CAMAS E JANELLAS
de 83, 103,123 e 163000.
Chegou para a loja do Pavo um agrande
sortimento dos bonitos e ricos cortinados
bordados, proprios para camas e janellas,
que se vendem de 83000 o par. at ornis
rico que vem ao mercado, e vende-se mais
barato que em ontra qualquer parte.
chi-
tas francezas escuras e alegres, que se vea-
dem muito em conta, e tambem se dao
amstras.
CHITAS A 240 RS.
Na loja do Pavao vendem-se bonitas chi-
tas francezas claras e escuras e cres'Qxas
240 rs. o covado, e pechincba.
LAAS1NHAS A 390.
LAASINHAS A 320
LAASINHAS A 320.
Na loja do Pavo veadorri-se elegante sor-
timento das mais lindas lnsiohas lustrosas,
com lislrinhas a imitacSo de poupelinas de
seda e com as cores mais lindas que tem
vindo ao mercado, sendo fazenda que vale
maito mais dinheiro, e liquidam-se a 320
rs. o covado, pechincba,
EM CAMISAS DO PAVO A 43500 RS.
Vende-se um bonito sortimento de muito
Anas e modernas camisas inglezas com pe-
to e coharinhos -i lirAo e puBhos, pelo
baratissimo preco de 43500 rs. cada urna
e aos freguezes que comprarem duzias se
ihe far um abatimento, garantindo-se que
fazenda que vale muito mais dinheiro,
liquida-se por este preco por se ter feito
urna grande compra : assim como se vende
de roupas, sendo palitos e sobrecasacos de
panno preto e cazemira, caifas e coletos de
brim branco e de cores, que tudo se vende
mais barato do que em outra qualquer parte;
assim como um grande sortimento de ca-
rnizas francezas e inglezas, e ceroulas tanto
de linho como de algodSo e abundante sor-
timento de meias cruas.
VESTIDOS INDIANOS COM DUAS SAJAS.
ALPACAS LAVRADAS A 640, 8t> w
1,000 RES.
Chegou para este grande eslabeliciment*
o mais bonito sortimento das mais moder-
nas alpacas lavradas de todas as cores, que
se vendem a 13, 800 e 640 reis o covado,
assim como um grande sortimento de aipa>
cas lizas de todas as cores
Basquinas.
0 Pavo vende urna grande porco de
cortes de vestidos indianos, tendo duas
saias e tendo bastante fazenda, com os gos-
tos mais novos que tera vindo, e liquida-se
53000, tendo cada um seu competente
figurino.
CASEMIRAS MESCLADAS A 33 0 COVADO
O Pavao tem para vender bonitas case-
miras mescladas e bastante encorpada para
roupa de hornese meninos pelo harao
preco de 33'MO cada covado ou 53000 o
corte de calca para boraem.
Roupa por medida.
Na loja do Pavo manda-se fazer qualquer'
ChegarSo as mais modernas basquina
ou jaquetinhas de seda preta, riGsi&ea#*
enfeitadas a viarilbo, tranga e setim preto
toado de todos o? modellos, os mais nove
que tem chegado e vendem-se por preco
muito razoavtiis.
POUPELINAS DE SEDA
POUPELINAS DE SEDA
POUPELINAS DE SEDA
a 23000 o covado.
O Pavo acaba de receber o mais ele-
gante sortimento das mais lindas verdades
Fas poupelinas de linho e seda com as p*.
droes mais delicados que tem viudo ao mer-
cado, tendo entre ellas cores proprias para,
alliviar lnto, e vende-se pelo barato preco
de 23000 cada covado, pechincba.
Cambraias brancas
Vende-se um grande sortimento das m>
lhores cambraias tanto victorias como trane
peca de obra a vontade do freguez," para o | parentos tendo de 33500 peca at
que tem um perito aifaiate, responsabelisan- fina que vera ao mercado,
do-se os donos do estabelicimento por qual-
quer falta que possa baver, quer por de-
mora, quer por qualquer defeito na obra;
e para isto encontra o respeitavel publico
um grande sortimento de todas as fazendas
que desojar.
a ma
BRAMANTE A 1800.
Vende-se superior bramante com 10 pal-
nL T Snh. ^ d9 d,J?s ta,mbem T":raos de ,argara- Pr(>Prio P^a lences, dan-
K i\? daS 6 d,taS d8 al8d5'd0 a larS,ir* N>a fazenda Pri-
Eflm n.n PJeCS- ment0 d0 toW. sendo preciso para cada
PANNO PARA SAIAS A 13000, 13280 e
13800 RS.
Vende-se bonitas fazendas Jproprias para
saias sendo cem bordados e pregas a um
lado, dando a largura da fazenda o compri-
mento da saia e vende-se pelo barato preco
de 13000,13280 e 13600, cada metro sen-
do preciso apenas 3 ou 3 1/2 metros para
cada saia pechincba.
Vestidos braaeos a 184000 rs.
O Pavo vende finissimos cortes de ves-
tidos de cambraia Dranca, ricamente borda-
das e com muita fazenda pelo barato oreco
om apenas 1 e 1/2 metros ou I e 1/4 pe-
chincha pelo preco.
ESPARTILHOS A 5*000.
Vende-se um bonito sortimento dos me
lhores e mais modernos cspa-ti'hos tendo
do barato preco de 53000 at 8000/
Cachenez.
Na loja do PavSo vende-se um grande
CAMBRAIAS BRANCAS A 4*000, A PECA.
S o Pavo vende pecas de cambraia
branca transparente, tendo mais de vara de
largura, com 10 jardas cada peca, fazenda
que sempre se vendeu a 73 e 83000, liqm-
da-se pelo barato preco de 4300.
FSTES BRaNCOS A 540, 800 E 1*300.
Vende-se muito bonitos fustes brancof
muito flexivel proprios para vestidos de
senhoras e roupa para meninos e vende-se
a 640, 800 e 13200 rs. o covado.
Cassas a 40 rs. <
O Pavo est vendendo bonitas cassas de
ceres fixas a 240, 280 e 300 rs. o cova4e
Brilhantes laasinbas.
S(To PavSo, 640.
Chegaram as mais birlhen'tes lasinhas com
as mais lindas cores, com palminhas mi4t-
nhas, assentadas as mais delicadas coree de
lyrio, cor de canoa, or de ganga e braaeo,
loja do Pavao est constantemente qJberta, das 6 horas da manhaa s 9 da nonte
sortimento dos mais bonitos cachenez de' sendo estas novas ISasinhas de muito boa
pora la proprias paragenhoras, vendem-se qualidade, tendo largura de alpaca e veoda-
a 63000 cada om, na ra da Imperatriz sea 460 rs. o covado. roa da Imperatm
n. 60. B. 60 Iota do Pavo.


Diario de Pernaiubuco Sexta feira 22 de Julho de 1870.
:
AO ROTTAVEL PUBLICO

'- <<"
Lo u
dos es seas ni
sitos r
vid liijnwsi* tJ
ida a respei*
Memles GuimarSes commcrciante desta prac'a acaba d concluir
fwwneiiies e de novo abre osseus estaoejeeima&tos de aeodas
n a denoMii^^es de Garibahli eArr.it, e'. lando resot-
-ndas corn guinde abatinwito de piv.os. por isso con-
amijros e /regu/.*, lano da prara nomo do mallo.
** la novo o so, efcabalecin que todas fatndas esiao
JJ Mja o armazem da Arara na ra da (uparatrif 72. e que resolvcu-se
SSSo ? J* 0aribaM'' Pa,';l car smer.Uj mu a da Arara, como cima
AttSCao. CHALES BRANCOS DE CASSA A 1000
_. ___.... CAliA UM.
?<*de-se chitas trancezas a 240. 280, 320 COBERTAS CHNEZAS DE CHITA X 2^00U.
* n JZ Jl? E" Vende-se orna gr.nde poicao de cober-
ORGANDYS DE LISTA DE CORES. tas de chiUs cbinezas para cama pelo barato
Vende-se orgnn-lys para vestidos de se- presto de 25000 cada orna.
"rtn Cn mUlt odernM a 4* rs- V.nde-e na loja do Arara 3 balcoes para
252?^ oaalpjer estabeteeimento por barato presso
*'***'Ba on mnstwHmi e ccVr, por n3o se precisar .relies no estabeleci-
Vende-se brilhaittina oo mussalina de ment.
cdr para vestido a 440 o dwade. BETALHOSDE CHITAS PRETAS E CASSAS
BISCADOS FHACEZES A 360. A 120 O COVADO.
Vende-se meados francezes para vestidos Vende-so urna grande porcto de reta-
a 300 rs. o covado. jlhos de chitas e cassas pretas a 120 rs. o
Cultas larga* a 330. covado para liquida-.
COBEHTOBES DE ALGODAO A 1400'
\W wm
Vende-se chitas tennis fioas das largas
pawa vestidos de senhoras. a 320 o covado.
Oitas matisadas otras a 280 o covado,
ALPAGAS LISAS A 500,
Vende-se alpacas lisas para vestidos de
senhoras a .500 e 640 rs. o covado.
LAZNHAS TRANSPARENTES A 000 RS.
Vende-se lSa$iiih ostidos a 500 rs.. 'litas tapadas a 400 rs.
o covado para liquidar.
ALPACAS DE LISTAS A 500 RS.
Vende-se alpacas de bstas para vestidos
a 500 rs o cavado.
BRILHANTINA CHANCA A 500 RS.
Vende-se brilhantina branca para vestidos
500 rs, o cavado.
ALPACAS M \TISADAS A CiO.
Veode-se alpacas matisadas para vestidos
de senhora a (HO rs. o covado.
CORTINADOS PARA JANELLAS A OOOO.
Vende-se cortinados para janellas a 6|>000
o par para liquidar.
SEDAS DE CORES A I 000.
Vende-se sedas para vestidos a I$000 o
covado.
CORTINADOS PAR ACAMA A 14/JOOO.
Vende-se cortinados itara cama a 14$000.
150LLINHAS PARA, SEN HORA 100.
Vende-se urna grande porco de gollinhas
para seuboras e meninas, a 100 e 200 rs.
cada ama para liquidar.
CHITAS PARA COBERTAS 320.
Veode-se cbitas largas para coberta a
320 e 360 rs, o covado.
MANGUITOS E GOLLAS 500.
Vende-se manguitos e gollinhas pura se-
nhora a 500 ts. ditas d- linho a 640 e 800
rs: cada urna.
CHALES ESTAMPADOS 24000.
Vende se chales de merino eslampados a
25000 para liquidar.
CAMBRAIAS VICTORIAS 6,5000.
Vende-se cambraias Victorias finas a
65000 6500 e 7,>0. por ser liquidarlo.
ALPACAS COM PALMAS DE SEDA A IiJOOO.
Vende-se alpacas com palmas de seda para
vestidos de senhora a l-5000 o covado.
CORTES DE CHITAS DE CORES A 20400.
Vende-se cortes de chitas de cores com
-10 covados a 20500.
Vende-se cobertores de algodo cada um
Wrtoo.
RRAMANTE DE LINHO FINO A BARATO
PBESSO.
Algodae raneado de Unas lar-
guras 16SOO
Vende-st! algodo transado de duas lar-
garas a lOO.
MADAPOLAO ENFESTADO A 3o500.
Vende se pecas de tnaiapolo de 12 jar-
das a 3500 a peca.
. ALGODO A.4J00O.
Vende se pec-s de algodo eucorpado a
. 5$, G e 7 000 a peca.
aiadaplo a &000.
Vende-se pe?as de madapolao de 24 jar-
das a 5$ 6,$ e 6500, dito muito fino a 7$,
84 di e 10$ a peca para liqoidr.
ALGODO DE 8 PALMOS DE LARGO.
Vende-se algodo com oito palmos de
largura proprio para lences e toalbas a 900
rs. o metro.
ALGODO DE LISTA A 160 BS. 0 COVADO.
Vende-se algodo de lista proprios para
saias ou vestidos para escravas ou calcas e
carnizas para escravos pyr ser muito forte a
160 rs. o covado para liquidar.
Cortes de castor para calcha a
OV rs.
Vndese coi tes de castor para calca a
500 rs cada um.
CORTES DE BRIM PARA CALCA A 1(5400.
Vende-se cortes de brim de cor para
calca a 1100 cada um.
rica pardo liso a rs.
Vonde-se brim pardo liso, meio linbo para
calcas para trabalbo a 500 rs, o metro.
Cangas para calca a 8SO rs.
Vende-se gangas inglesas para calcas e
palitots a 280 r<. o covado para qoidar.
CORTES DECASEMIRA DE CORA 30500.
Vende-se cortes de casemira de cor para
caiga a 3$500 cada um.
Djlos ni i i o finos rom listas do lado a 5$.
PERCALAS FIN tS A 4i0.
Vende-se perca as finas, para vestidos de
senhoras a 440 rs. o covedo.
Cassas francezas a 840.
Vende-se cassas francezas para vestidos
a 240 rs. o covado.
N. 23Largo do Ter$o. -ff. 23.
DE
S1MA0 DOS SANTOS ft C
PROGRESSO
10 Pt o da Penha 10
DE
SANTOS & FERRE IRA.
Os propietarios destes bt-m sortid armawins participa*! aos sem innmeros
freguezes tanto losta pra?a como do matto que tendo feito grande diminoicSo de pre-
Cos as suas mercadorias esto por isso rcsolvidos a vender por menos de 10 o 20 i0,
do que ais. oura qualqucr parW, ^afastiado-se portanto s perior muHidadede qnal-
quer genero compracio .estt dous estabelecimentos. Meo.'ionamos algons dos nossos
gneros ea vista desies sao cotnprehendidos os ootros, porque eafedonhrt seria men-
cina-lus. ,
Se alguem duyicar venha ver.
Caz americano marca Deves a 8$800 a
VIGILANTE
A
Vinagre bronco mandado vir por conta
propna vindo de Lisboa, a 3*0 a garrafa e
480 o' litro.
dem tinto Figoeira. Lisboa e Porto a
320,280, 240 e 200 rs. a garrafa e 480 300
rs. o litro.
Vinbo Figueira, Lisboa, Porto e Estreilo
Uta, 380 rs. a garrafa e 560 o I'tro.
Azeite doce de Lisboa a 900 IflOOOa
garrafa em porejo faz-se grande abatimen-
lo.
Caf em caroco a 220, 240 e 2y0, a H-
a 560. 600'480 e 400 a garrafa litro a 840 kilogrammo a 480,
760, 720 e 600. 7<*00. 7$6(0 e 8^800 arr
540 e 600, e
arroba.
Vinho branco puro de Lisboa a 640 560 j M',D0 a'Psta 200 rs. a libra e 440 o ki -
a garrafa, em prco ha abatimeoto. i '*>{ramma e 55800 a arroba, era porco ha
Vinho do Porto, engarrafado das inelho- alimento,
res e maisacetadas ...arcas a l$OO0 e 1$200 9$* rescos (1 'J,tim val>r a 3^200
1$500 e 2$ a garrafa.
e 3$400 cada um.
dem Bordean*, Merfoc e St. Julien a
74300 e 65600. a dma o 0W> rs. a garifa.
Genebra de Hollanda o laranja, doce aro-
mtica a (5$500, 7$, ll$500, a frasqneira.
Sen-eja Bass, Illers Befl a 9$800 du-
zia em por.;ao ha grande abatimento.
SHAW wnm k
111 13 II.
Aranie do Terra galvanisado era rede para nerc9, gaiolas, gallioheiros ele.
Chapas de ferro a(vaneado para cubrir casas.
Tachos de ferro esinnhado para eogenhos.
Cofres dr> ferro de Miiner e oatros aolores.
.Chumbo em cano.
Dito, em I.-ih; I.
Dito em barras.
Dito em enxa las.
Estanto em barra e vergaieba.
Folh.i de Fl.-.ndivs.
Arados aacriooM para ladeira e varzea.
Carriobos de mo.
VeDezianas para janellas.
Machinas de descampar algodo de facao.
Ditas de sorra.
Aletria, mcarro, talharim a 500 rs. a
libra e 1$100 o kilogrammo em caixo ba
abtimento.
Sabio massa de 1 e 2* qnalidade a 220
o 240 rs. a libra em caixa ba abatimento
Toucinho d3 Lishoa muito alto a 400 rs.
*fl-!^nm:'rca n eT e 0,,tras raarcas a 3 ,ibra e 880 o ki .'igrammo, em arroba ha
5$d00 e 6,5, a dozia e 500 rs. a garrafa, 'grande diffeienca.
Assim como ba outros muitos gneros, vinho em ancoretas, azeitonas,
passas e figos, charutos finos de diversas marcas, marmetada. bolachinhas de todas as
qnalidades. perola, Francy-cracynel, a. b, c, Meditim, mixed. soda Tancy-nic-nac, pa-
lace de Var.etes, combustin, Britania, doce de goiaba fina, chouricas, manteigas finas
franceza e mgleza, banha de Baltimor, phosphoros de Sycurvt, Cognac, cha de diver-
sas quahdades, Ganella, pimenta do reino: ervadoce, pcmqda, enxofre, bren, peixe
em latas de todas as qualidaes, farinha de miio americana, grandes molbos de sebol-
las, uestes dous armazens existe tambera grande, sortimento de toncas propnas para ne-
gocio, que pelos seus commodos preco faz vantagem aos compradores.
I
1Travesa de a*. Pedro1
13
13
Ditas para cortar forao.
Ditas a vapor de fojea de 3 cavall
machinas de algodo.
CaJeiras de ferro.
Canias de ferro.
Prensas para copiar cartas.
Bataneas para pesar.
Oleo de linisca em latas de ferro.
Trunos de ferro para engenhos
Bombas americanas.
Macacos de editar.
Halangas e psol decimaese outras.
Fupoes de patente.
F.axofre.
Salitre.
Kstopa larga e de boa quatidade.
Picaretas para eaminhos de ferro.
Um grande sortimento de ferragens e entilara.
i4m v>s JS
motf>res pira ioavallos, para mover as
Cortes de seda e de cambraia bordados
O Gysne rna da Imperatriz n. fti acaba de receher lindos e modernos cortes de <
vesdos de seda, pretos de cores, lisos e matisados; assim cprao coates de cambraia ^
brancos todos ricamente brdalos, es quaes vende por commodos precos.
1$g
La para bordar a 5^500!
receber um
ortidas.
Fitas e galoss de seda
Acaba.de receber um grande e variado sortimento de la, qual vende a 5*800 }
a libra, cares sortidas. **
_
Recebeu tambera um liado sortimento de trancas, franjas e galoes de seda, e um
vanado sortimento de fjtas de sarja, setira e chanialute de todas as cOres e larguras, e *?.
ara sem numero de artigus proprie de dito estabelecim'mto.
GRANDES NOVIDADES
NA.
LOJA DO TRIMPHO
PARA SENHORAS. Ricas ponpelioas de padroes liodir.-imos, e gaste aovo.
Cambraia bran as bordadas para vestidos. Poil d'cbevre de lindos padroes por
barato preco de 560 rs. o covado.
Grande sortimento de Ras e alpacas de 320 rs. a 10600 o covado.
Saias bordadas, ditas lisas j eitas cora barra de cf.
PARA MENINAS. Ricos vestidinhos de fastu eufeitados braocos e de cor.
Veetwar os de fustao para meninos.
PARA HoMENS. Camisas ingieras e francezas, de linho bordadas e de pregas,
etweoUannoo e sem elle, ditas bordadas para noivas. Chapaos de sol de cabo de
artun e de ca*natc etc., luvas de Joovio para WAfr.ri*.
Grar lo sortiment de cortinados para camas, aJwellag, Croxs para sola e ca-
irodebncoegnarnicao. Tapetes para so, >ra pianos e portas.
vocnfi para cama de fteives. Tapees em pessa para forro de salas.
O orneo e especial sortimentos das verdadeiras ESTEIRAS DA INDIA, s existe na
Loja do Triumpl*.
Ra Duqu^ e gaxifts n. 7.
- Sua da Imperatriz
DE
ULYSSES & MO
Os proprietwios deste bem comecido e a creditado estabelecimento aviso aos
seos numerosas freguezes tanto desta prsca como de fura, e especialmente ao Ilustrado
corpo ACADMICO, que este estabelecimento acha-se sempre bem prvido de todos os
artigo; de >eu gneros abaiso mencionados e que vendemos por mdicos precos, tanto
avarejo como por atacado para negocio, para o que se podem derigir por carta a nossa
casa que serlo saptisfaetnria:nenie servidos.
CHARUTOS
periores de Havana, Hamburgo, Baha,
das acreditadas marcas Regaba Britnica
Imperiaes &: do do Rio da bem conhecida
marca Opera e outras militas l'eitnt aqui de
afamados Beberibe e outros que se venden)
em porgues.
Cigarros
le palba de S. Pauly, de 3^000 a 7000,
o milheiro; verdadeiros do afamado Daniel
do Rio Novo, Mauriiy, Imperiaes Visconde
de Herval, Duque d* Gaxias, Gandon etc
de papel, de fumo de Daniel,' General
Osorio, Conde d'Eq, aromticos, e peito-
raes, Hocamhole, Radicaes, Acadmicos,
Machamoomba, Montevideo, Orientaes, Bae-
pendy e suitas outras qualidades.
FUMOS
Afmalos de BAEPENOY em caixoes de
O libras 1^400 rs. a libra, em pacotes
2i5, e em porc3o 15500 <: ito eu lata de
quarta a G40, e a 500 ris ; dito Daniel do
Rio Novo, do Para de S. Paulo, Caporal.
e muiias outras qnalidad^s.
Ra do crespo m. 9
09-^repriettfio8desie bem conhecido eaUbele-
canente, aliu dos muitos objectos que tinham'ex-
postos a apreciato do respeiuvel poblico, m*n-
daram vir e aeaham de receber pelo ultimo vapor
Bwopa wcompleto e vanado sormento-de
mu o mu dele-ida* especialidades, aa quaes es-
tao resolvidos a veader, como de sen costme
por precos multo baratinhos e commodos para to-'
dos, com tanto que o Gallo....
Muito -mperiores luvas de pellica, pretas. bran-
cas e de roti lineas eores.
Mu boas e bonitas gollinhas e ponhos para se-
nhora, neste genero o qne ha de mais moderno.
Snp-irores pentes de tartaruga para coques.
Liados eriifoisslaaos en/eites para cabecasda>
Exraas. senhoras. .^
Superiores teancas pretas e de coros com vidri-
Inos e sem elles; esta facenda o que pode haver
de melhor e mais bonito.
SnpeHores e bonitos loques de madreperola,
marlim, saadalo e osso, sendo aqaelles brancos
cun lindos desechos, e estes pretos.
Muito superiores metas fio do Escossia para se-
nhoras, as quaes sempre se venderam por 30#000
a duzia, entretanto qne n9 as vendemos por 0i\
aim destas, temos tambem grande sortimento de
outras qualidades, entre as qnaes algumas muito
finas.
Boas bengalas de superior canna da India e
castao de marfim com lindas e encantadoras figu-
ras do mesrao, neRte genero o que de melhor s>
pode desejar ; alera destas temos, tambera grandt
quantidade de outras qualidades, como sejam, ma-
aeira, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Flno\ bonitos e airosos chrcotinhos do cadeia e
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as raeias.
Boas metas de seda para senhora e para meni-
nas de 1 a 12 ancos d idade.
Navalhas cabo de marlim e tartarnga para fazer
barba ; sao amito boas* de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabrican!*, e nos per nossa vez tam-
bem assecaramvs sua qnalidade e delicadeza,
Lindas e bellas empellas para noiva.
Superiores agolbas para machina e para crox.
Linha muito boa de peso, frouxa, para eneher
laliyrintho.
Bons baralhos de cartas para voltarete, assim
como os tentos para o mesmo fim.
Grande e variado sortimento das melhores per-
fumarias e dos melhores e mais conhecidos per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as coavulses, e
facilitara a dentico das innocente* eriancas. So-
mos desde muito recebedorea smm prodigiosos
collares, e continuamos a recebe-lo* por todos os
vapores, afim de que nunca faltem no mercado,
tomo j 2m acontecido, assim pois poderlo aquel-
les que delles procisarem, vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre encontrarao destes verda-
deiros collares, e os qu:es attendendo-se ao fim
para quo &3e appeados, se venderio com ora mui
dimiDuto Inero.
Bogamos, pois, avista dos objectos que deixamos
declarados, aos nossos freguezes e amigos a virem
\A ruafo Duqut deCaxijVsTi 21.
(A5TIGA BITA DTJ QEIK3D0)
Ilrcebfa seguiiu
Espelhoi grandes "tirado?. mM^ b,n
Carteiras, charuteiras e po. i u^,
qoalid.ides.
Bnnilas pastas para papis, simple* p mallnda^.
Boas caixa* vastas para cosiara cvm mu compe-
tente chave.
Deliradas canelas de ruarla com a bocal de
prata.
Modernos pentes de l irtarng, siNtsshindo en-
tre elles oa mimosos tetograpbistas.
r.'niiniodoi tAucadors cura deas gavetas e Som
espelho.
Pon banqnet, o que de melhor tem apeare -
eidn.
Port relogio* de mnit?s qnalidadrs.
Bons talheres-para erta'ica*.
Vostuarios, chapuzinlioff, toucas, sapa ios e meias
para baptisados.
Toalbas e fronhas de labyrmrho.
Chapeos e chapelinas para seotioia, moldes novos
e bonitos.
Chapozinhos gorros e bonets para meninos
meninas.
Coi;tra as couvuls5(-s nas
erisBcas
Vende-se os terrifMr) cnttares na ?fot Ecpe-
ranQa, rna d> Duque de Cultas n. 21.
PARA TlNlU CABELLOS
para pretos ca castantws, rtrebeu a Nova Epe
ranea a verdadeira Hma injma.
PARA ACARAR COM AS SAltpAS
on pannos, tem a Nova Kspevatiea o terdadelr*
leile de rosas branr.-i^.
AGU^ DE FLOR DELAUA.NIA.
Vende-se na Nova Esperanra, ii:.i i Duijue de
Casias n. 21.
PAPEL PARA E.NFK1TAR SE ROLOS
recebeti-os nraHo Modo* a Kt>va Kspeanca, ra
do Duque de Caxiss n. 21.
PARA AMAC1AR E Afr'ORMOSEAR' A TELLE
tem a Nova Esperauca s sabonetas de pos de
arroz.
comprar por presos muito razoaveis loja do gallo
vigilante, raa do Crespo n. 7.
VARIEDADES
PONTEIBAS de espuma finas para cha-
rutos 2 cigarros, completo sortimento.
CACHIMBOS do superior espuma, de ma-
Jeira (raiz> do :>d at 3.500, ditos grandes
a 13,000, a di.'zia ditos tinos diversas quali-
dades a varejo; dilo p degallinhasdo qut
ha. no mercado a 2,800 e 3,200 a duzia;
ditos de lauca, gesso, barro, ete, etc.
BOLSAS para guardar fumo, de borracha-
e couro de dtvorsos modelos e gosto?.
CARTEIRAS-de todos os systemaspara
Cigarros.
PHOSPHOROS de cera, dos melhores que
*. '. m caixas de 500 a 5,500 a duzia, em
calas de 400 4,500 a duzia, em caixas
de 2,500 2.G00 a duzia e militas outras.
PAPEL de mbo. de a-roz, sao-' om, Per
san, pintado, e palha domilho, de Fernando,
e papel de linho.
IMBRICA Ui: CIGARROS.
Com prompiido apromptamos qoalqqsr icomraenda dos afamados cigarros de seda,
Baependy, linliq, e deoutra.s qualidades da Bosja bem onheca fabrica.'e bem attesta
stiperiuriilade o nossos cigarros, numerosa freguezia dos nosso estabelecimentos.
N. 1 Travcssa de S. Pedro N. 1

llot costniDimoi proenrar IteiUdM pira crediUr
toscos preparados, e deiamo* qne aoa apphciflo e 01
ntatado*obtida* pelaspeasoaaque M digoaram acceita-
los, Ihea deera crdito e oga ; porqna sao senpre m
testados cootiderados gra.nitot, e dalle* qu* lanca
Bio o charlatanismo; nas bi qnerendo oSuder a* pea-
_ qoe .,
Uo carrobonr o ooneeito, a atcaitatio qoa un aMM-
tiaV Buo xarop. Uarthtlome C.
TTMt*.
ffliia. Srs. Bartboloneo i C. E eos a Mis sabida
wtisfacto qoa declaro sor o xarop* Americano de ama
fficacia eiiraordiniiria, pois qu* soffrend* b* dias de
intensa losse. ponto de njo poder dormir a noile *
upeita mesmo de medirasoeato* qe lomara, i elle
retorna na tetceica cpUier fui allixlado, e do to4omt<
icbo boje rotabelef ido com o nso somet de quasi
pe fraseo: grato pois i este resoltado maniresto a
*, 5*. oieu roroBliecimenta. De Vv. St, aanato. te-
narader jjanoe) iotoiuo Vieua innior.
la ce.n ao de obrt de 1861. *** H
Itlm. Sis. Bpttlio|r.oio & C. Panluiradbiiaiocta
Km de Moasajar o um> dp luotx
?4gotal Americano, de ana composieo, qasndo oh
arbera bastante doente de anta cossupacio, qne <
tornon eompletamenie rouco e qoe trouxe ama fort
tost, e me rJtpnssibilitoa decomprr oe meas derere
de caalor da .empresa Ijrica, roa acndeatr^het mei
completo reslabelecimentn, qne obtite com om so ridr
do mesmo isrope, depois de harer recorrido a amitos
traumeatos. Desejarei qne oatrot como *a racorraa
to sen ifrope para se verem aliviados de tao terrret
ineommodo, Ito fatal neste paii. Com malcr consid*.
racio coaiiaa t ser de V. St. aliento, venerador
obrigado. Lx Cremona. Racife 25 da tettmirc
lteos Srs BartheiomeoacO xarope Vgaial Ame-
ricano qoe Vf. Ss. tem eepatto i venda t de l*4a efi-
cacia para o cirativo d'tstbmt, ca forme obstrrti ap-
plicando-o a men lilbo Joaqoim. menor de qaatn
annot; viclist* d'esse flagello, que at tatto per tpaat
eicedesu a daas topos navia resistido a oatros larepa*
de grande aomeada. Queiram ,pos Vt. S*. teceittr i
eipressao allmt*He sincera dt mea reeonbecimeaio u
meritorio sarrio ene Ibe presura com o indieal
jarope, acreditndome para sempre de Vv. St. criada,
aitent -c abrigad*. Amerieo batto dt Hendonca. -
Reria 3 I ttUbro da lt68. *^
I
PILULAS
f!TltT^!T?CTTgil
Uuytiro : P. MAC UtB t C'% Prnum*** OSE M.LLO. m Porto
811.VA LOPES, m&*4. FEBDEJEA ct C'-,.
H06G
Mc;nM
Ocordeiro previdenti
Roa jo Qneiiuado a. 19.
Novo e variado sortimento de perraraari
unas, e outros objectos.
Alm do completo sorttmento de perft
marias, de que ellectivamente est provida
loja do Cordeiro Prevideate, ella acaba d
receber nm outro sortimento quo se torij
QOtavel pela varisdade de objectos, superior
iade, qnadades e commodidades do pr.
eos; assirypois, o Cordeiro Providente peo
e espera continuar a merecer a apreciac
do respeitavel publico em geral e do ss
boa freguezia em particular, n5o se aa;
lando ee -de sua bem conhecida mansidi
e barateza. Em dita loja encontrarlo o
apreciadores Agua divina de E. Condray.
Dita verdadeira de Murray & Lamman.
Dita de Cologne ingleza, americana, frai
ceza, todas dos melhores e mais acreditado
fabricantes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontalgico para conservacio
asseio da bocea.
Cosmetiques de superior qnalidade e cha
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, coi
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transpiren!
a outras qualidades.
Finos extractos inglezes, americano
franceses em frascos simples aoofeiladoa.
Essencia imperial do fino e agradavl cha-
ro de violeta.
Outras concentradas o de cheiros igual
inene finas e agradaveis.
01 p philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qnalidad*
com escolhidos cheiros, em irascos de difl:
rentes Lmannos.
Sabonetas em barras, maiores e menor*
para mos.
Ditos transparentes, redondos o em fift
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barbt
Caixinlias com bonitos sabonetes imitan
fr actas.
Ditas de madeira invernisada contendo t
aas perfumaras, muito proprias para prt
tentes.
Ditas de papello igualmente bonitas, ta
bem de perfumaras finas.
Bonitos vasos de motal coloridos, o i
moldes novos e elegantes, com p de arrt>
9 boneca.
Opiata ingleza e franceza para dentes.
Pos d'j camphora e outras differenu
qualidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Kemp.
Anda soals ^oqaes.
Um outrx) sortimento de coqnes de a
vos e bonitos moldes com filets de vidrilhc
) a'guns d'elles ornados de floras e fita.
esto todos expostos apreciacao do qoei
os pretenda comprar.
GOLLINHAS B PNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeico.
Flvelias e filias para eotos.
Bello e vanado sortimento de taes objae
toa, ficando a boa escolha ao gesto do co
prdor.
Rival sem segundo
HUA DO DUQUE DE CAX1AS N. 40
Estou disposto a contiuuar a vender todas
as miudezas pelos baratisimos preces aba-
xo declarados, garantindo ludo bon. e prg-
cos admirados.
Caixas com 20 cadernos papel pau-
tado a........
Caixas cera 50 novellos de linha
do gaz a........
Duzias He raeias cruas superioi
quaHdadea,......3fj80tv
Pecas de babadinhos cora 10 va-
rasa.........
Pegas de liras bordadascom 12
metros cada p ca a 1#500 e.
Pe?as de fitas para eos de qnal-
quer largura com 10 varas a.
Escovas para unhasfazenda flna a
Dilas para denles a 240, 320,
400 rs. e.....,
Pecas de tranca lisas, brancas e
de cores a.....
Caixinhas de madeira com atfine-
tes fazenda superior a. .
Dnzia de linha frxa para borda-
dos a 400 rs. e.....
Pares de ineias crua< para me
ni'S diversos tamanb<>s a.
Dorias de riifci3S brancas mtiiui
finas para senhora a. .
Pares de sapatos de tranca di
Porto........2r?W
Pares ^e sspatos de t;ipet Livms de missa abreviado*. lSO
Duzias de banMlOS para vulttrete ::
Sylabarios portugttezes a. .
Cartes com colxetes carreras a
Atoloaduias para colbte diversas
qualidades.......
CaixaS com penna de ac muito
boa de 320 a......
Duzia de linha 200 jardas Alexan-
dre de 40 a 200 e, .
Caixas com superiores obreiss a.
Duzia Oe agulha para machina a.
Libras de pregos francezes todos
os tamanhos a. .' .
Pacote de papel com 20 qoader-
nos...........
Caixas de phosphoros seguranca
muito superiores a .
Bema de papel pautado suptn.r
Besma de papel liso muito upe-
riora...........
Garrafa com agua Florida verda-
deira a.......... 1/5C0O
Qnaderno de papel liso amizade 20
Carretis de nba de cores com
100 jardas a........ 20
70C
400
50(1
9000
m
500
51H)
W
400
son
rt^i
kiW*.'
400
50(i
lOO
4f
2OO(
24 400
O.
4(900
MBOO
Cabellos
Vendom-se cabellos de todas as eores, qnalqner
comprimenio. qnalidade superior, em caixa ou
porcao mais pequea : ua ra da Cadeia do Re-
cife n. SI, iB andar
De dra para dia, mais doce.
De goiaba.
De laranja.
De banana.
Era cawfcs e lates.
Fino e ba xo.
Caixoes grandes e pequeos.
Proprio para embarque.
de se constantemente roa Direita n. 91,
taberna do Dorges.
Far n a de mandioca
No trapiche llaro do Livramnnto, no largo da
assembla, ha <' superior farinha de maa-
dioca para vender*?! e o mesmo trapiche
oo ao largo do Corpo Santo n. 6, 2* anclar.
LA VILLE DE PttIS.
20Ra da imperatriz20
Fsri & I^essa.
Acaba de chegar a esta mua nova toja di fe-
zendas finas ata variada sortimento de Caztmiias de
la e seda, como sejam : granadines do ultimo
gosto, popelina? de urna so cor, alpacas e laaii-
nha< de cores, o qoe ha de mais moderno, todo
por baratissimes presos, brilhantina^ de eores, te-
eidos das indias, fazenda nova a imilaeau de per-
cala, balues de dina fimjindo sata de cur crun lin-
das barras, fusles proprios para vestiao e roupas
de meninos ; agora grandes e admira veis per hin-
chas, saias brancas com lindos frisados a 3$. ri-
cos corpinbos bordados muito finos a 5/, baloe-
modernos de reos a ti, ricas colchas pura cania
alcochoadas, sendo brancas e de aores, a 5 j. rii e
75, cambraia victoria tina a 5, ditas tTanspaven-
tes a o, 6# e 7,chitas fiuwimas escuras e clara-
a 80, 300, 320 e 360 o covado, cassas 8e coi es a
340, lencos, tironeos de assa a 34-300, ditos chi
nezes a 3i500 a dnzia, madapoln fino a C <
6*500, e muiu supenor a-7*, 7ti00 e 8, a'p>-
daozinho largo proprio para lences a t;. y
de al,,odo'rrr!meo trancada prtprio para toalha-.
de mesa a 15600a vara, mamante pata lenco.
25000 e 33300. o qtw ha de mellwr, esguiao 11-
nissimo a 33200 e 33500 a vara. Mandamos das
casas das Exina'. familias para melhor podercin
escilher. Tambem temos completo sojlimcio de
perfumaras des primeiros Ifabricantes franei 2es f
inglezes; as pessoas que se dignarem vir a esta
lija teroecratlao'tewcon^eeer nIMadc d<
que anniipciamos para nos jnstiflear. ______
llicos coeiros d casemira bordados a crox e a
matiz rna do Crespo n. 36, loja da esquina..
Farinha de mandioca de Sania
Cal harina.
Da soperior, vlndav pele ptwK> ingle* .Kwt
Black j ha parte sacada para oaannodfdade
compradores, e vende-se aos armazene de T
Irmos & C, no caes da Apollo, e rna do Am ,
numero 37.
m
Vende-se
Palitos do gax a 330 rs. a dnzia de- wtfttnbJrs, ha-
r : na roadaJBgel uJI,*,
IAtANS
Chegadrs peto ultimo vapor: no ai
dundo em frenle ra do Vi sri n
mais' mt <> >m i titta qoMqer parl^
Vende azwn de R -brt 1.:
tt C, ra da Cadeia n. 53, fio e barbante
as qualidades, cores e grossuras, etn gra,
pequeas porrOes, es'.dpas de todas
e largaria.


Diario
de Pernambuco Sexta eira 22 de
Juliio de
1870
UTTERATRiL
A Rrlata dos Dous Hnnilus e
a guerra do Paraguay
Entre as producges da imprens euro-
pea, por va de regra to mal informada
(le nossas cousas, distihgoo-se peh ioe-
xactido -ios fados e p;rcialidade das apre
iacoes no tocante guerra do Paraguaya
Revista*dos .us Mundos. Todas as suas
svmpatbias eram por Lpez, a encirnago
heroica \ direito e da uacionalidade para-
guaya, o representante mais autorisad.) da
oiviiisagai) moderna na America Meridional,
o paladino incomparavel da Liberdade em
.Mita com a escravidao. Era assim que ella
escrevia a historia.
Informales mais circumstanciadas e sin-
ceras das causas elficientes dessa guerra,
e os triumpnos successivos dos exercitos ai-
liados, conseguiram finalmente apear do pe-
destal erguido na imprensa europea pela
ignorancia dos fados, e outros motivos que
e intil averiguar, o Breno dos Esteros, ver-
dadeiro semi-barbaro com todos os deei-
tos da civilisagao e da barbaria sem ne-
nhuma de suas qualidades, orgulho perso-
nificado da ferocidade e do crime, enlidade
nconcebivel ueste secuh em que vive-
mos.
0 Sr. Xavier Riymond deu testernuuho
desta modanga iuevitavel da opini2o, trium-
pho obrigadp da razio e da justic.t, as
considerages que trazem por tituloA
guerra do Paraguay,publicadas na Revista
dos Dous Mandos de i 5 de fevereiro pr-
ximo passado. A questao foi ahi dcluada-
da sob seu verdadeiro ponto de vista. O
illustre escriptor faz a devida jasic-a causa
da allianga, coraprehendendo perfeitamenle
que o imperio e a repblica viram-se'oreados
por sua honra e dignidade a levantar a lava
que llies fra atirada pela ambigo sem li-
mites e sem escrpulos, pela irrefiexo da
barbaria e arrogancia feroz da torga bruta.
As nacoes alliadas nao comparecern)
p*or seus exercitos no campo das bata has
para usurparem direitos de terceiro, mas
em defesa de seus proprios direitos. Nem
a allian^a, para o fim de usurpagao ou con-
quista de territorio, era possivel, como fra
denunciado na imprensa europea, entre o
tmperio e as repblicas Argentina o do
Uruguay. O Brasil, desde o estabelecimen
lo do Estado Oriental, tem sustentado sem-
pre o principio das nacionalidades Mitre seus
viziohos do Rio da Prata, reconbecendo a
autonoma da repblica do Paraguay, e man-
teado a do Uruguay, quando ameacadas de
absorpe/ao pelo governo dictatorial de llosas.
A invaso do territorio brasileiro e argentino
e sua oceupaejo por torgas paraguayas, em-
quaow isso Ibes oi possivel, provam que
a ambicio de augmento de territorio existia
Dio da parte das potencias alliadas, mas do
presidente do Paraguay.
Se a apreciarlo do direito dos belligeran
tes se distingue no escripto citado pelo per-
feito conheciraento das cousas e imparciali
dade das conclusoe; se igual mrito trans-
!uz da exposigo fiel e reflectida do priiuei-
ro periodo da guerra, o mesroo, com pe-
zar o dizemos. se nao pode affirmar da li-
geira exposig3o dos fados occorridos no
periodo subsequente, inconlestavelmente o
mais arriscado e glorioso. Quando a ver-
dade nao soffre, neste ponto, de narrarles
inexactas, sepultada as trevas da omis-
ik>,
Desta parcialidade occasional nao dedu-
ziremos iilago contraria s intenges do
eximio escriptor. Nao foi elle de certo
quera colligio os dados, base obrigada de
seus juizos. Acreditou na exadido das
iriformages ministradas, e deduzio as con-
tequencias das premissas estabelecidas.
Kestabelecer a verdado dos fados o
nico alvo de nossos desejos ao tragar es-
tas linbas. Nem outra cousa preciso
porque se desmorone para todo sempre a
obra da injustiga e dos interesses desvela-
Jos em consolida-la.
Urna vez narrados os succeseos da guerra
desde seu comego at Curupaity, e assigna-
ladas as consequencias deste revz nos exer-
citos adiados, refere o Sr. Xavier Raymond
que, ao regressar de Buenos Ayres o gene-
ral Mitre, mmra, frente de 30,000 bo-
rneas, a direcgo de Tuyu-Cu, dsixando
12 ou 13 em Tuyuty.
Nada menos exacto. O illustre presi-
dente da repblica Argentina fra obrigado
a reiirar-se do exercito, depois do ataque
de Curupaity, levando corasigo grande parte
do contigente argentino, para o fin de
acudir aos reclamos da ordem publica amea-
gada por sublevages intestinas. De volla
ao Paraguay, concluido eslava o famoso mo-
vimento de flanco ; plano e execugo do in-
victo duque de Caxias, quem, na aus n-
ia do presidente da repblica Argentina,
eabia o commaado geral dos exercitos ai-
liado*. O movimento foi operado a 22
de julho de i eral argentino as-
suraio o coinmaudo do exercito, em virtude
do tratado da trplice a'lianga, no da 30,
nao se effectuando por isso oreconhecimen-
to das fortiicages de Humayt, ordenado
para odia 31. Se fra elle o autor do
plano de campanha tSo enrgicamente ini-
ciado sob os mais felizes auspicios, de certo
n3o se leria dirigido inopidameote, a Tuyo
Cupela corda do arco por onde segura o
exercito, no intuito de mais apressadamente
assumir o commando, como quem muito se
receiava dos perigos de t5o temerario com-
mettimento, e nao se retirara poueos me
zes depois, no periodo mais qritico da cam-
panha, para Buenos-Ayres, donde mais nao
voltou. Esla retirada de um general de
primeira distinegao, como o muito Ilustra-
do e reQectido ex-presdente da rupublica
argeniina, 6 o mais claro testemunho de
summa confianca que depositava nos dotes
eminentes do insigne general brasileiro. seu
immediato no commando do exercito.
Pouco reparo merecera a mencionada
inexactidao da Revista. dos Dous Mundos,
se acaso se tratassede insignificante succes
so, simples manobra de nenhum ou corta
alcance. Mas n5o. o movimento de flanco
qoe estendeu a linha sitiando de Tuyuty o
i'uyu Cu foi urna revolngo militar de
coHSumraado vigor, de poderosa iniciativa a
primeira e capital operago de plano estra
tegico, concebido na intengo de tomar Hu-
mada para que o exercito, segura a sua re-
taguarda, podesse caminhar para a frente
em busca do inimigo, e, quando nao con
viesse ou n3o fosse passivel tomar essa
praga inmediatamente vivaforga, isola-la,
aniquilaado a- posiges cuja chave era,
obrigando o inimigo a render-se, como de
fado aconteceu,
Das mformacos ministradas Revista
dos Dous Mundos transparece luz da evi-
dencia o intuito de obscurecer o mirito do
mais distindo general da guerra do Para-
guay, como se deprehende da ligeira, e ra
pida narrago dos feitos culminantes que
juntamente com a memoravel balalha de Ria-
chuelo mais concorrerao para o triumpho
das nages alliadas.
As hostilidades, eis a narrago da fle-
vista, reomegaram com o mez de dezerx-
bro, e desta vez o marechal Caxias as di-
rigi com vigor digno ue mengao. Gomo
se transportarse o exercito adiado por va
do Grao-Chaco, sobre a margem direita do
Paraguay, passou o rio no lugar denomi-
nado Santo Antonio, crea de 10 kilome-
meiros cima de Villeta, tomando assim de
travs s posiges oceupadas oor Lpez
sobre o Pikysiry. No dia 5 de dezembro
atacon os pontos avangados de Villeta e
travou urna serie de combates sanguinolen-
tos, que duraram al ao dia 27. Redun-
daran todos esies combates em vantagem
dos alliados mas muito caro Ihes custaram,
pois perteram de 8,000 a 10,000 homens
entre morios e feridos.
Neste tempo avahara o informante da Re
vista em 10,000 homens o exercito de Lpez,
composto, diz elle, em grande parte do
novos reerntas.
Que contraste de apreciago entre os
successos da phase mais importante, mais
arriscada e gloriosa da campanha,eos que
se seguirara ao triumpho assignalado de
Lombas Valentinas!
O arrojado movimento de flanco, indica-
tivo de mudanga radical no plano de opera-
ges seguido at ento, que tomava a es-
quadra por basj, foi attribuido iniciativa
e execugo do general Mitre ; a passagem do
Chaco, obra eminentemente romana, teme-
ridade inexcadivel, concebida pelo invicto
marechal e execntada por uca das mais
distinctas capacidades militares do Imperio,
o denodado visconde de Raparica, apenas
indicada, como se fra a cousa mais vulgar,
mais simples e natural deste mundo, nos
termos seguintes : L'arme allte s'etant
cleve par la roule du Grand-Chaco, sur la
rice dreite du Paraguay, passa le fleuveen
un lieu nomine S. Antonio.
Entretanto prova ess3 insigne operago
militar que o genio brasileiro, lo pacifico,
circumspeclo e prudente, nao recua ant os
mais arrojados e estupendos commeltimen-
tos. Eleva-se s alturas supremas da cora-
gem e da abnegago, de to'das as magnifi-
cencias da alma humana, sempre que assim
o exige o cumpnmento do dever e piinci-
plmente a desaffronta da honra e da dig-
nidade nacional.
A passagem do Chaco nao encontra na
historia das temeridades maravilhosis da
guerra nada que \\& seja superior. Parece
que o Chaco nao ouvio a voz do Eterno,
quaqdo no terceiro dia da creagao ordenou
a separago das ^guas e das trras. Mais
alguma demora; eabysmadoficaria emtre-
medaes insondaveis tudo o exercito invasor,
cavallo e cavalleiro. Nossos vapores nave-
gram por ende cerca de 25,000 homens
FOLHETIM
i \\u DEPaTs di moma
POR
Xavier de Montepin.
PAUTE SEGUNDA.
0 HORSCOPO
(Gontlnnagao do n. 461).
I
CondesM e marqueza.
Urna escadnba de forma elyptica, de
alto baixo acompanhada por ama grade
de granito polido como o mais rico
jaspe, punba em communicago os aposen-
tos do andar terreo do castello com o jar-
dim que se estendia ao p das janellas,
como vistoso agafate de flores*
Urna extensa alameda, enfeilada de espa-
to a espaco com estatuas e vasos de ala-
bastro, que resplandecaos aos raios do sol
matutino, conduzia em linha recta urna
espessura de enormes carvalhos e casta-
nheiros, qoe formavam ama sombra abo-
bada defolbagem.
Do cimo da ejeadinba avistaram o conde
de Rabn e o marquez de Saint-Maixent
duas senhoras, do extremo opposto da
alameda, ama d'ellas vestida de azul e a
outra de cor de rosa, qae passeiavam len-
tamente de braco dado.
L estao a condessa e a senbora de
Chavigny, ditas o conde ao seo hospede ;
vamos ter com ellas.
Os dous fidalgos ebegaram em dez mi-
das tres armas baviara transitado tres dias
antes, com todo o seu material de guerra.
A influencia exeroida o termo glorioso
de tao prolongada Iota sor esse arrojo es
trategico, manifesta?ao esplendida do genio
brasileiro. representado pelo inclylo mare-
chal do Imperio no Qampo das batalhas,
atestada pelo proprio general Resquin.che
e do estado-maior do exercito paragoayo,
nos seguinte trechos de seu depoimento
publicado na imprensa desta corte :
Declarou mais que a posigSo de Pekisi-
ry era excellente; que se o exercilo alliado
atacasse de frente a defesa teria grande van-
tagem, se procurasse flanquea-la pela es-
querda teria de passar por desfiladeros
muito estreitos, que tornavam difDcil.na a
operago, e que a marcha pelo Chaco deu
um golpe mortal no erercito paraguayo.
t Accressenta que Lpez julgava impos-
nivel que o exercito alliado passasse pelo
Chaco, wnto mais que urna commisso pre-
sidida pelo major Lara assegurou isso. Fi-
cou, pois, Lpez muito sorprendido, apezar
de saber que se trabalhava no Chaco, quan-
do o exercito brasileiro atravessou essa re-
gao de tremedaes, indo desembarcar em
Santo Antonio. Eutretanto, apezar de sen
tir-se flanqueado, n3o quiz retirarse de Pe
kisiry, nem de Itaybote ( Lombas Valenti-
nas ), dizendo que n3o quera entregar aos
alliados a capital, e os distridos vizinbos
que esta va m muito povoados. O que fez
oi mandar 5,000 homers, sob o commando
do general Caballero, esperar os alliados na
ponte de Itoror. fissa torga foi repellida
a 6 de dezembro de 1868 com grande pre-
juizo. e retirou-se para o passo de Avahy.
Ahi retorgada por um regiment e um ba-
talho que estava em Villeta, foi atacada de
nuvo em 11 de dfzembro pelas torgas al-
liadas. e toda destruida.
Mais adiante accrescenta que Lpez de-
pois da baulha de Lombas Valentina*, fugio
com 60 homens pelo potreiro Marmur.
Evidencia-se deste depoimento qae a pas
sagem do Chaco decepou de um golpe o
plano, de operages concebido por Lpez.
Fiado na nviabilidado da regio dos treme-
daes, na impossibilidade do transporte fluvi-
al ao raesra tempo. nico elficaz, do exer-
cito invasor com sua artilharia, cavallaria,
munig">es de guerra, viclualhas e forragens;
julgava o dictador nicamente possivel o
ataque pela frente, onde contava oppr tor-
midavel resistencia transportavel em caso
de necessidade para outras posiges. Des-
t'ar'te contava prolongar indefinidamente a
guerra, esperancado nos accidentes do ter-
reno, no desanimo das torgas invasoras, nos
caprichos do acaso, esso Deus da impieda-
de, e talvez em alguma mediagSo armada
dos estados Norte-Americanos.
A passagem do Chaco o expellio do cas-
tello de suas mais caras esptrangas. O va-
lor pessoal, que expe a vida para conjurar
o nerigo ilumnente ; o sangue-frio, seguro
penhor da reflexSo no ardor da peleja; as
illuminages sbitas do genio, que indicam
os meios azados de conseguir o fim, eleva-
vam-se no animo do intrpido general bra-
sileiro a toda altura da responsabilidade tre-
menda que assumira, conduzindo o exerc.to
por tremedaes ralransitaveis, onde era mu to
menos provavel <> xito feliz que a catastro
phe mais medonha.
0 plano concebido e assentado com toda
rellex3o e madnreza foi rpidamente execo-
tado. Assim procedem os grandes capiles.
Em Itoror ousa o inimigo disputar o in-
gresso em seus acampamentos. A posigao
que oceupa ostenta embalde formidavel re-
sistencia. Tres vezes e tomada e retom ida
a ponte por onde tem de avangar o exerci-
to invasor. Na primeira investida suecumbe,
victima de seu ardimento e coragem, o in-
trpido coronel Fernando Machado. N3o
cessa um instante as linhas inimigas o fogo
da artilharia. e infantaria. Retiram-se do
combale feridos em seu posto de honra oa
bravos generaes visconde de Itaparica e Hi-
lario Gurjao. Nossas inantarias avangam e
recuam como as ondas do ocano.
No momento critico e decisivo entra na
rea do combate o intrpido guerreiro, o
nobre duque de Caxias. Ei lo, proclama s
tropas: S3gui vosso general, que nunca
foi vencido. Ordena ao seu piquete se
rena s cavallanas e carregue sobre o ini-
migo, e conduz ao fogo os balalhes do 1.
e 2." corpos de exercito, que se achavam
estendidos no desfiladeiro m columna de
ataque.
Sua presenga, seu exemplo e esras pala-
vras animadoras produzern o effeilo deseja-
do ; inspirara confianga e hateam o enthusi-
asmo inseparavel- da abnegago. Cada sol-
dado faz mais que seu dever. Nao hi re-
sistencia que nao ceda ao embate de tanto
valor e a victoria ahi vae na direcgo tra-
gada pelo invicto general.
Ei-la caminho de Avahy. Cesaba horri-
vel temporal, mas a calma do pensamento,
que suggere os meios do triumpho, indica
ao nobre duque o partido a
inopinado successo. Dada a ordei
avangar, a intrepidez do soldado brazileiro
traospa immediatamente o paso e desa-
loja o inimigo. Para manter a posic^o coo-
quistada bovos esforgos s3o precisos. O
bravo marqoez do Herval, que os conduz
ao fogo, retirase ferido de urna bala de
fuzil.
Avanga entao o general em chafe fren-
arar desse verteo-se em pouco tempo em um dos- mais
imperiosos hbitos da vida, e sobjugoo ai
seu desptico dominio quasi t?nlos mbBes
de consumidores, quantos tormam talvez
urna terca parte da- popalagao de ambos os
continentes.
Para se fazer idea da extens5o qoe tem
tomado em nosso lempo o consamo deste
producto manufacturado, basta-nos lembrar
iue na Inglaterra, em 1850, a importadlo
te de todas as torgas, entrego* o comman- foi de 16 milhes de kilmetros e o consu-
do da reserva ao bravo e calmo brigadeiro
Jacintho Bittencourt. Ao cabo de quatro
horas de combate nunca interrompido,
fogo horrivel de bombas, metralha e arti-
lharia, o inimigo recua espavorido, em com
pleti derrota, para a planicie, carregado
nos flancos pelas intrpidas cavallarias.
A batalha de Avahy foi urna das mais
notaveis pela sua direcgo estratgica de
quantas se pelejjram na campanha do Pa -
ragnay.
NSo para aqui a victoria, que a espada
do marechal ao Imperio anda nao voltou
bainha.
(Continuar se-ha.)
VARIEDADE
IMPERIAL FABRICA DE CIGARROS DE
S. JOO DE NICTHEROY.
utos ao p das senhoras. O conde bra
dou alegremente :
Querida esposa, aqu tens o Gibo
prodigo, pela volta do qual devemos rego-
sijar nos como nos lempos bblicos. Mar-
queza, apresento-lhe o nosso muito amado
primo, o marquez de Saint-Maixent, de
quem nos tem ouvilo fallar muito meudo.
O marquez inclinoo se diante da condes-
sa, coja branca mo beijou respeitosamente,
e fez um profundo cum primen to senhora
de Chavigny, deitando-lbe ao mesmo tempo
um olhar irresislivel, onde transluziam a
admirago e o enthusiasmo.
A formosa Olympia respondeu ao cum-
prirarato de Saint Maixent com graciosa
reverencia, e improssionada pelo fogo do
olhar d'elle, cerrou quasi as compridas pes-
taas e crou ligeramente.
As duas molheres formavam nm grupo
encantador, e o contraste que os seus dous
typos apresentavam, differentes de todo,
anda que ambos perfeitos, contribua para
realgar a belleza de cada qual.
A senbora de Rabn era alta e esbelta,
linha olhos e cabellos pretos, tez de creoula
americnaa, eest ava n'essa quadra da vida em
que a formosura da mulher brilha com to-
do 6 esplendor. Nisso fica dito qua tinha
Irinta annos.
A marqueza de Chavigny apenas comple-
tara Tinte e dous annos. Era de mediana
estatura, de mrbidas e torneadas formas,
cabellos de ouro, tez branca realcada pela
cor de rosa, olhos azues de langoido e vo-
luptuoso olhar e labios de carmim. O con-
juncto, qae nD poda ser mais admiravel,
justiGcava largamente o sobre nome de
formosa Olympia, com que era conhe-
cida.
Encantadora creatura J disse entre si
o marquez de Saint-Maixent. Ao p de
A industria que,'segundo define um sabio
economista, a acg3o das torgas physicas e
raoraes do bomem applicada produego,
constilue no seculo em que vivemos um dos
elementos mais activos do progresso social.
Considerada em sua applicago agricultu-
ra, provoca e fecunda o desenvolvimenlo dos
productos naturaes ; sob o ponto de vista
commercial, estabelece o valor dos gneros
e dos produc.os, pondo-os ao alcanc do
consumidor; em relago aos objedos que
transforma, toma o nome de industria ma-
nufacturera, ou antes o ttulo genrico de
industria, deixandcaos dous ramos da di-
visSo precedente as suas design 'goes corre-
lativas.
Entendem alguns publicistas que a nago
mais prospera seria aquella que possuisse
urna mais numerosa populacho agrcola ; e
chegam outros a receiar das conseqnencias
do des-mvolvimento Ilimitado da industria,
acreditando absurda a lei da l'berdade abso-
luta em quesiao de to magna importancia
e exigindo para ella urna solucjfo restricti-
va. Sem que pretendamos desenvolver
estas materias, parece-nos que, prolegendo
por todos os meios o desenvolvimento da
producg3o agrcola, um paiz novo que sabe
explorar com utilidade as suas feotes de
riqueza, n3o deve olhar cramenos attengao
para a iniciativa da industria manuactureL-
ra, cujo desenv. lvimenio entre nos est an-
da longe de ameagar a sociedade com o mo-
nopolio dos cap taes.
Paiz recente, e sem as institoiges de
crdito que facilitara ao traballio empreben-
dedor os recursos para-se manifestar a acti-
vidade individual, o Brasil deve sem duvida
muito aquellos que, simplesmente pela ener-
ga de sua vontade, transformam e multi-
plicara os productos naturaes do slo, sa-
tisfazendo com seu esforgo as necessidades
do consumo e augmentando relativamente
os algarismos da riqueza publica.
Quando a considerages desta ordem se
une, porm, gragas ao influxo do espirito
de associagao que se va desenvolviendo en-
tre nos, verdadeiros melhoramentos no pro-
gresso moral, e garantas efficazes con-
currencia do trabalho honesto, pode consi-
derar-so resolvido era pouco tempo o pro-
blema do trabalho livre e estabelecida urna
base relativa para a questo dos sala-
rios.
No momento em que o espirito publico
se preoecupa qusi exclusivamente com o
modo pratico de substituir o elemento ser-
vil e nobilitar o trabalho, mesmo as suas
mais rudes manifestagoes, eremos a occasif.0
opportuna de descrever alguns de nossos
estabelecimenlos industraes nestas condiges
e tornar bem palpaveis os triumphos da ini-
ciativa individual, quando sua idea origi-
naria preside o zelo e o acert da adminis-
trago.
Neste caso est a imperial fabrica de ci-
garros de S. Jo3o de Nictheroy, qae gyra
sob a firma social de Souza, Novaes dt C,
a qual ltimamente visitamos.
Todos conhecem o uso, e at certo ponto
o abuso, segundo opinies respeitaveis, que
todos os povos do globo fazem boje dos
productos manufacturados com essa planta,
que os descubridores da America encontra-
ran! j conhecida e aproveilada as raaos
das tribus indgenas. O presente que Joo
Ncot, einbaixador de Francisco II de Fran-
ca junto corte di el-re D. Sebast3o de
Portugal, deu ao gr3o prior em 1560, con-
mo de 10 milboes, e, accrescenta o autor
de quem tiramos estes dados, n3o este o
algarismo do consumo real, porquanlo o
contrabando neste artigo consideravel e
se a va lia como igual ao da estalistica offi-
cial.
Os Estados-Unidos o paiz que produz
rbais tabaco. Segundo os clcalos e as in-
vestigages de Mauricio Block. a prodnegao
total da America, coraprehendendo a dos
Estados-Unidos, ilha de Caba. ilba,dfi Porto
Rico, e outros pontos, deve ser avalida em
145 milhes de kilmetros, 95 dos quaes
s3o consumidos na Europa, qoe prodoz por
sua parte 115 milhes de kilmetros, tor-
I mando a totalidade de 208 milhes.
Por este prodigioso resultado se pode
calcular a importaocia econmica desta in-
dustria. O consumo no Brasil extraordi-
nario, e sentimos que neste, como acon;ece
em quasi todos os outros assumptos desta
natureza, nos escassem informages au-
tenticas, que nos proporcionassem ao me-
nos chegar a um calculo approximatio.
A imperial fabrica de cigarros de S. Jo3o
de Nictheroy, est estabelecida em um vasto
predio, que, se bem n3o baja sido construi-
do expressamente para o destino que lbe
deram, tem grandes accommodages e pode
conter um pessoal de 300 operarios. A
primeira cousa qu3 chama a attengao do
visitante a boa ordem, methodo e direc-
g3o do trabalho. Todos oceupam os seus
lugares, concluem a sua tarefa, sera confu-
sao, mas tambera sem esse rigorismo toqui-
sitorial, cora qoe muitas vezes se faz detes-
tar em vez de abengar a santa lei do tra-
balho, imposta como necessidade, e nao
como castigo a todos os membros da fami-
lia humana.
0 pavimento inferior do edificio contm
as offleinas, e neHas trabalham os officiaes
e para cima de 100 meninos, quasi todos
ainda aprendizes, recebidos gratuitamente
naquelle estabelecimento, que, alm de os
araestrar em um officio, Ihes d o ensino da
inslrocgo primaria, noges de religiSo, mo-
ral, e sobretodo os hbitos do trabalho ho-
nesto, o melhor de lodos os estmulos para
afugentar os vicios e desenvolver os bons
instinctos do corago homano.
O refeilorio, cozinha e deposito de fumo
encontram se ainda neste mesmo pavimen-
to ; assim como a oficina de empacotilhar
fomo e nrais tres machinas; a primeira das
quaes corta por hora 240,000 mortalhas
para cigarros, a segunda comprime de cada
tiragem 5 libras de fumo, e a terceira muito
maior e com msteres mais complexos, tem
por fim cortar, picar, seccar e peneirar o
Os proprietarios-este estabeleimento di-
viden o* trabalho d fabrico em duas or-
dens de operarios i ss officiaes s o meno-
res aprendizes. Os- primeiros desempe-
nham a sua tarefa secpsoo as oondices
estipuladas no ajuste : os segundos, porm,
trabalham e aprendem,. em virtude de um
contrato especial, qae -por assim dizer o
alicerce moral da propriedade e engrande-
cimeoto da fabrica. Assim, os menores qse
alli sao recebidos nao s aprendem todo o
processo relativo preparagao do fomo,
comotambem se Ibes fornece alimento,
roupa esui lavagem, cacado, domicilio e
tratamenlo medico, e o*triic$o administra-
da por um professor competentemente ha-
bilitado, consstindo em primeiras lettras,
calUgrapbia, contabilidade e pratics religiosa.
Terminando o contrato, que de tres asnos,
o menor pode continuar no estabelecimento,
sendo ento remunerado segundo a asa pe-
ricia, e podendo frequentar gratuitamente
a aula.
semelhante deusa, deslisar-se-ha o tempo
como nm spro no castello deRahon.
Meu primo, disse a condessa com
amavel sorriso, onde se pintava toda a
bondade da sua alma, n3o preciso de lbe
encarecer quanta alegra me d a sua pre-
senga. Quando bonlem noule me noli
ciou o conde a sua chegada, n3e pude
conter um grito de satisfag3o. Quantas ve-
zes o convidei em Paris a vir passar com-
nosco urna temporada, e quantas m'o pro-
meiteu, sem nunca realisar o promettmen-
t I Tinham-no captivo os prazeres da ca-
pital. Em summa, como j c est, nada
de reprehenses ; o que l vai, l vai. E'
nosso hospede, e espero que nSo nos dei-
xar por muito tempo !
Ab mraba prima redarguio o mar-
quez com viveza, n3o serei eu quem me
canse da sua grata hosptalidade. A minha
maior dita ser permanecer aqui at ao
dia em que se tornar importuna a minba
presenga.
Cuidado, primo I exclamoa a senho-
ra de Rabn; cuidado, que se est compro
metiendo nunca mais nos deixar I
Ob I dizer nunca demasiado dizer,
interrompeu o conde sorrindo. A agoia,
anciosa de espaco e de liberdade, n3o pode
conservar-se en errada entre os dourados
ferros de urna jaula. A verdade que este
elegante donzel commetteu algumas impru-
dencias que preciso emendar. Certos fac-
tos, qoe nem de leve prejudicam a sua hon-
ra, mas que foram augmentados e desfigu-
rados pela oveja e pela malevolencia, po-
zeram-no em difficil situagib. Fez ms
bontem a sua confiss5o geral, sem roderas
nem hestages, e leve a minba pleaa ab-
solvigo ; vou por consegrante cuidar dos
seus negocios, e espero conduzi-Los bom
fim ; mas a meada est muito embarazada,
e n3o se poder desfiar n'um dia. Forcoso
, portanto, que o meu senhor primo se re-
signe a ser por muitos mez;s o nosso com-
mensal, quasi dire o nosso prisioneiro, e
congratulo-me com a esperanga de arranjar
as cousas de modo que Ihe parega toleravel
o capliveiro.
O marquez s respondeu estas affec-
tuosas palavras. tomando entre as suas as
mos do primo, e apertando-as com effu-
so.
Ha de cootar-nos as suas aventuras,
disse a condessa.
Oh I guarde-me o co de semelhante
cousa I bra dou Saint-Maixent abanando a
cabega com ar de profunda melancola per-
feitamente imitada.
Entao porque ? interrogou a senbora
de Rabn.
Qoer sabe-lo, minba prima ?
De certo.
Pois n3o contarei as minhas aventuras,
porque julgo pelo menos intil o entriste-
ce-las com a dolorosa e tristonba relagSo do
muito que padeci. Para que hei de referir
as angustias de um fidalgo injustamente ac-
ensado de crimes to odiosos, que nem se
quer os comprehende ? Para que hei de
contar os tormentos de um infeliz comido
ein horrando lago, em gigantea rede, cujos
nos seiam apenando cada vez mais e amea-
gavam afoga-lo ? Para qae hei de faze-las
chorar, ao narrar a triste sorte de om
proscripto que tem a conciencia limpa e
tranquilla, e que, nao obstante, se v obri-
gado a fugir de noute, como nm criminoso,
por sendas occullas, disputando a vida aos
habitantes de ama provincia toda, ebrios de
odio, e anciosos de enriquecerem com as
recompensas promettidas pela sua cabega,
e temendo 4 cada passo receber, nio a mor-
te gloriosa dos campos de batalha que se
fumo, preparando 5 arrobas por hora : mo-
vido tudo isto por um apparelho vapor
da torga de 4 cavallos, e resultando d'aqui
poupar com a primeira machina, diariamen-
te, o servigo de 6 opranos, e com a se-
gunda economisar o trabalho de 25, no mes-
mo espago de tempo.
Nos dous pateos contiguos a este pavi-
mento existe o gazometro, onde se fabrica
o gaz para a illuminagao do estabelecimen-
to, e outros accessorios indispensaveis ao
asseio e hygene domestica. A casa dis-
pe de agua saflicente para as necessidades
ordinarias.
No andar superior avulta a grande sala
da frente, destinada escola dos aprendizes.
Urna escola um templo Naquelle sanc-
tuario ha Deus. A alma engrandece-se e o
espirito dilala-se contemplando esta quasi
desguarnecida e modesta quadra, onde os
pobrezinhos adolescentes commnogam na
eucharistia da inslrucgo Pao para o corpo
e p3o para a alma! Bemdita seja a mo que
se estende aos famintos! S custa da
instruego que o homem pode alcangar o
nivel de sua grandeza moral.
O trabalho nobilitado pela instrucg5o o
caminho ..berto riqueza, o incentivo para
a felicidade. Nao basta, porm, ensinar a
lr aos analphabetos, preciso completar
esse primeiro aprendizado, por assim dizer
mechanieo, dando-Ibes o livro que os ins-
tru, porque saber !r e nao :r, ter os
olhos e n3o distinguir os objedos, ter bra-
gos e dio poder mov-los, ter alma e nao
aspirar ao infinito. Depressa, depressa
urna bibliotheca! O prlo e o Evangelho,
sao os dous grandes motores do progresso,
os dous instrumentos de regenerago mo-
ral, que os fundadores de qualquer povoa-
go da America do Norte levam em procis-
s3o para com elles assentar as bases da me-
tropole futura.
, Accrescenta nma importante Memoria, da
qual co hemos estas particularidades, que,
sem a isso serem obrigados por sea con-
trato, abonam comtudo os proprietarios
urna gratificago mensa! de 5 coforme o merecimento de cada um des-
ses aprendizes. Os que teem terminado o
contrato recebem mensalmente de 15$ a
450000, na conformidade de seu mereci-
mento.
A fabrica fornece tambem trabalho a
grande numero de familias, qae vivem de
fazer cigarres; algumas teem ganboem om
mez al 400-5000, sendo o minino, para
cada familia, nesse mesmo periodo, nunca
a baixo de 500G0.
Tendo cada menor obngago de concluir
sua tarefa jornalera, terminada esta, nao se
Ihe exige que trabalhe at completar as ho-
ras marcadas; pode continuar, porm, re-
cebendo nesse caso nova gratificago por
esse accrescimo de trabalho.
Omittindo outros detalhes em que abun-
da a referida Memoria, chegamos ao lison-
geiro resoltado que, no espago de 5 annos,
isto desde a fundagao do estabelecimento,
d'alli teem sahido promptos para seu officio
mais de 300 meninos, o maior numero dos
quaes trabalba agora por sua conta, ou
est empregado era outras fabricas.
O numero actual dos aprendizes da fa-
brica deve orgar em 100.
G dinheiro que vencem os aprendizes
accumulado: segundo menciona o citado es-
cripto, para render na caixa econmica, de
modo que, ao sabir do estabelecimento,
dispe de um peculio proporcional a seu
trabalho e em relago economa das pes-
soas que s3o seus responsaveis, se os tem,
visto que muitos s3o orphaos, e em grande
parte remettidos pela secretara de policia
da provincia.
Um estabelecimento indastrial fundado em
taes condiges, deve necessariamente dar
em conclasao os resaltados industraes qae
as leis econmicas Ihe asseguram : aperfei-
goamento dos productos e modicidade no
prego da venda ; sao estes os dous incen-
tivos da concurrencia.
E na verdade, os proprietarios desta
grande fabrica sao incansaveis em promover
para o seu estabelecimento todos os melho-
ramentos que a pratica recomraenda, nao s
mandando vir de pontos diversos as mate-
ras primas do fabrico, como o papel para
as mortalhas de cigarros, do qual teem re-
cebido amostras de todos os paizes onde se
manipula este genero de productos, e qoe
deve recommendar-se tanto pelo gosto
agradavel, como pelas suas propriedades
hygienicas.
Os fados provam a verdade de nossas as-
serges: os artefactos desta fabrica teem
tido crescente procura no mercado e s3o
de preferencia ao de todas as outras recla-
madas pelos consumidores. O algarismo
dos productos manufacturados nesla casa
hoje extraordinario e promette em pouco
tempo tomar ainda mais lisongeiras pro-
porges.
Terminando, felicitamos o paiz pela pros-
peridade deste estabelecimento ; e a seus
proprietarios pelo xito feliz de sua louva-
vel tenacidade. Honra aos donos deste es-
tabelecimento, que to prsperos resultados
sabem tirar de sua iniciativa industrial.
Deus deu-lhes a intelgencia, o trabalho for-
neceu Ibes capital : com a intelgencia e o
capital teem ensinado um officio a 400
changas e formado 40 operarios; ora,
preparar 400 homens para o trabalho ho-
nesto abengar o futuro de 400 fami-
lias !
procura com ardor e enthusiasmo, mas a
morte obscura e vil, causada pela bala de
um ubarde pe3o, que espera a presa oc-
culta na malta ?
A' medida que Saint-Maixent ia fallando,
a condessa de Rabn empalledecia.
Como I bradou ella muito commovida.
Succedeu-lhe sso que diz ? Passou por
esses lances ?
Por estes, e por muitos mais.
Perseguiram-no ?
Como se persegue um c3o damnado,
minha prima I volveu Saint-Maixent. Ima-
gine que o senhor governador civil, que
tudo faz grande quando se trata de alguem
da sua familia, mandn apregoar por todas
as aldeas qae receberia tres mil de re-,
compensa quem me entregasse, morto oa
vivo.
Que horror I balbucion i condessa
encostaodo-se ao brago do marido, por
sentir que Ihe falleciam as torgas. Isso
infame I
Qual historia De diodo algum, mi-
nha prima, responden o nosso hroe sor-
rindo. Prova isso, pelo contrario, a elevada
estima|era que os governantes d'esta provin-
cia tem o nome e a parentella do marquez
de Sant-Maxent: e melhor comprehender o
qae avango, em eu dizendo qae taxaram s
o meu criado em trezentas '. Ora as tres
mil orna grande riqueza para um des-
gragado villo, e como era mais fcil mata-
rem-me do que prenderem-me, e como aos
aldeos pouco se Ibes d de atacarem pelas
costas o inimigo qae suppe temivej. mais
de ama vez assobiaram bem perto de mira
as balas dos mosquetes. O cagador visava
orna rez de tres mil r I
Emquanto o marqqez trqcava estas pala-
vras com aria de Rahon, stava calada a
senhora de Chavigny; n3o tiriva do mogo
A. E. Zaluar.
os rasgados olhos, filos n'elle com um
expressao de suprema languidez, e como se
lbe n3o fra dado voltar a vista para outro
sitio. Onvia o com attengao profunda, e s
vezes passava-lhe nm pequeo estreraeci-
mento pelos hombros, meio occullos por
baixo de urna rica mmiilha.
Para aquella mulher, cujo passado nos
em breve daremos a conbecer, nao era
Saint-Maixent um bomem como os demais,
tinha o que quer que fosse de extraordinario,
de sobrenatural; era o phantastico hroe,
que na imaginago forjam todas as (Ibas de
Eva, e que aos attractivos da belleza rene
o prestigio de urna vida de fabulosas aven-
turas e de perigos inauditos.
Victima de um fado cruel, era inno-
cente dos crimes de que o aecusavam.
Tanto melhor dizia comsigo a mar-
queza.
Mas quem sabe se, mesmo tendo a con-
viego das suas colpa*, nao encontra o
marquez thesouros de indulgencia no com-
passivo corago da formosa Olympia ?
O marqoez s pareca attentar na con-
dessa ; mas reparava s furtadellas na se-
nhora de Chavigny, e os seus olhos de
lynce nao perteram nem um s dos symp-
tomas de commogo reveladas pela dama.
Decididamente tenho a fortuna do
mu lado I disse elle ettre si. Gragas se-
iam dadas minha boa estrella, que me
trouxe at aqui l J nada posso receiar, s
tenho direito a esperar todo. O conde de
Rabn o meu protector, e a fermosa
Olympia ser a minha amada!
(C TVP. DO. OAHIO BU A O QUE Dfi CA&IA3
X
V
f.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EEP3L6L4D_S9NCP2 INGEST_TIME 2013-09-19T20:48:27Z PACKAGE AA00011611_13093
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES