Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:13090


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO XLVI. NUMERO 160.
I
\\
fARA ? CAPITAL E LUGARES OIDE IAO SE PAGA FORTE.
Por tres mezes adianudos.................
Por seis ditos idem...................
i'or on r*...............'...!
Cada madHKtw......... .

' TERC* FEIBi> 19 DE JULHO DE 1870
PARA DEITRO E fORA DA PSOVHCIA.
6,5000
12,5000
24)9000
320
Por tres mezes adianados
Por seta ditos idem. .
Por aove ditos idem .
Por nm anno idem
W7C5
43*500
20*280
27#O0O
Propriedade de Manoel Figneiri de Faria & Filhos.

*AO AGENTES:
Os Srs. Gerardo Antonio Alvos >d Filhos, no Para ; Gonfalves d Pinto, no Maranb3o ; Joaquina Jos de Oliveira, no Oear ; Antonio de lemos Braga, s Aracaty ; Jlo Mam Julio Chavea, do Ass ; Antonio Marques da Si!, bo Natal; los JmtiiK
Pereira d'Almeida, em Mamanguape; Antonio Alexandrino de^Lima, na Parahyba ; Antonio Jos Gomes, na Villa Ba Porta; Belarmino dos Santos Buido, em Santo Antao; Domingos Jos da'Costa Braga,
em Nazareth ; Francisco Tavarea da Costa, em Alagoas; Dr. Jos Martins Alves, ni Baha ; e Jos Ribeiro Gasparinho no Rio de Janeiro.
parte ornciAL.
overeo da provincia.
fiXPRDIgNTB.ASSIG*AO0 PELO KXM. SR. SENADOR FRE-
PERICO DK ALMKIDA E ALBUQUERQUK, PRESIDENTE
CA PROVINCIA, M 2 DE MARCO DE 1870.
1* secgo.
N. 3!.Portara ao Exm. Sr. general eotnman-
.iante das aran?.Transmiti a V. Exc. pira seu
conhecimento nm t:xemplirr impreSso das instruc-
109S di 31 de jineiro ultimo, que, segundo aviso
circular do ministerio da guerra da mesma dala,
devem ser observadas as repartieres das obras
militaren na corte e as provincias.
N. 31.Dita ao mesmn.Consumi de aviso
di reprtelo da guerra de 17 de fevereiro ulti-
mo, ter sido approvada a deliberarlo que esta
presidencia tomoQ, de mandar continuar o abono
da etape de 1 000 diarios, que em virtnle do de-
creto n. 1254, de 8 de julho de 1863, estavam
percebendo major reformado Joan Ribeiro Pes-
>oa de Lacerda, e o tenente tambem reformado
Jjaquim Jos de Souza; visto estar aquella deli-
berarlo de accordo com a imperial resolucao de
29 de Janeiro prximo passado, tomada sob con
suita da seccao de guerra n mariiria do conselho
de estad), assim o communico a V, Exc. para seu
conhecimento.
S. 34.Dita ao inspector do arsenal de mari-
nha.Expeca V. S. as suas ordens, para que nm
4os machinislas desse arsenal se aprsente na
estaeo das Cincos Ponas, no dia 4 do corrente,
amn de proceder a um ezaitie nos tr'ilhos da via
frrea.
X. 35.Dita ao mesmo.Em. cumpriroento ao
aviso qne me fu dirigido peio ministerio da ma-
nnha em 21 de fevereiro ultimo, mande V. S.
fenecer duas boias a capitana do porto da pro-
vincia do Oar.
X. 36.Dita ao engenheiro militar. Trans
initto a Vmc. para seu conhecimento e execucao,
um exemplar impresso das inslrucc,oes de 31 de
jineiro ultimo que, segundo o aviso circular do
ministerio da guerra da mesma data, devem ser
observadas as repartirles das obras militares
t,i corte e provincias.
N\ 37.Deliberacao.O prndente da provin-
cia attendendo ao que requereu Frederico Henri-
qae da Silveira Tavora, resol ve conceder-lhe li-
eenca para ir ao presidio de Fernando, levando
cMiisigo o gneros constantes da relaco junta,
assignada pelo secretario do governo, nao poden
i!o porm effeciuar o desembarque dos referidos
gneros, sem que por parte do eommondante do
mesmo pre'idio se proceda a exame, alim -de se
verificar se ha agurdente ou outra qaalquer be-
bida espirituosa.
2*. seccao.
N. 38.Portara ao Dr. chefe de polica.Ex-
peca V. S. as ordens precisas para que regresse
ao presidio de Fernando de Noronha, onde est
Connande das armas.
QUARTEL-GENERAL DO COMMANDO DAS ARMAS NA
PROVINCIA DE PERNAMBUCO, 18 DE JULHO
DE 1870.
Ordem do dia n. 41U.
O bngadeiro commandante das armas publica
para conhecimento da guarnico e fins convenien-
tes, que a 8 do corrente, foran pela respectiva
commissao examinados as materias do art. 20 do
regulamento de 31 de marco de 1851, os Srs. te-
nenies da afuia de infantaria Francisco Antonio
de S Barreto Jnior, Manoel Anselmo Pereira
Guimaraes e Pedro Velho de S Brrelo, sendo o
primeiro approvade plenamente, e o segundo e
terceiro sunplesraente, as seguintes especialida-
des : manejo de arma, fogos, manobras de bata-
lho, detalhe, escripturaco e economa.
Outro sim, que por portara de 14 do corrente,
a presidencia conceden ao Sr. major em commis-
sao do 18 batalhaj de infantaria do exercito Jos
do Reg Barros, tres meses de licenca nos termos
dos arts. 5o Io, 1" Io e 4o 2 do decreto o.
3,579 de 3 de Janeiro de 1866, psr?. traraento de
su a sade. *
AssignadoJoaquim Jos Gongalves Fontes.
Conforme Emiliano Ernesto de Mello Tambo-
nm, tenente ajudante de ordens encarregado do
detalhe.
de
nimpriodo a respectiva pena o senieiwiado Pide- Affogados, urna canea em que iam seis scravos,
PERNAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
CORRO DE POLICIA.Por deliberacao da pre-
sidencia da provincia de 16 do corrente, foram no
meados :
Tenente ajudante o do corno provisoria Miguel
Nunes de Freitas. %
2._companliia.Tenente o honorario do exerci-
to Joo Deodecio da Silva Paula, alteres os hono-
rarios do exercito Joao Francisco da Silva Castro e
Laurentino Flix de Oliveira.
9.* dita.Tenente o alteres do eorpo provisorio
Joao Pires Ferreira, alferes os honorarios do exer-
cito Francisco Vieira da Paz e Francisco Pereira
Lagos.
NAVIO ENCONTRADO.A barca franeeza Ve-
ridiana, chegada hontem do Havre, falln na lat.
X. 33 53' e loog. O de Pars 19* 31' com a barca
hamburgueza Angostura, indo de Haraburgo
para Valparaizo com 15 das de viagem, a 24 do
mezdejunho.
BRIGUE-BARCA ITAMARAC.Na sexta-feira
quando se dava a bordo deste navio de guerra, a
salva pela terminaro do funeral, foi erido em
urna mo e atirado ao mar um imperial marinhei-
ro ; o qual foi recolhido por um dos escaleres de
bordo.
MORTE CASUAL.No domingo s 7 horas da
manha vrou-se no rio Ibnra, da fregueria dos
l= Antonio alendes de que trata o seu offlcio Ti.
289 do mez lindo. i
N. 39.Dita ao mesmo.Em vista do que ex-
pz V. S. em seu cilicio n. 285 de 28 do mez ftndo
pode ser Horneado inspector de quarterao na fre-
suezia do Recife o guarda do 1." batalho de ar-
tilharia Francisco de Panla Mendes, sendo que
n'esta data se expedir ordem ao commandante
superior deste municipio para ser elle dispensado
do servido activo emquanto exercer dito cargo.
X. 40.Dita ao mesmo.Para qne se nossa ex-
pedir ordem para o pagamento a que se refere a
sua informacao de 23 de fevereiro ultimo sob n.
26i, relativo" ao aluguel da casa que servio de ca-
dea no termo de Papacara, a contar de 17 de
agosto de 1868 a 17 de abril de 1869, faz se pre-
ciso que V. S. me devolva o atteslado de que faz
menro a mi'.a portara da 8 de outubro do anno
prximo passado, dirigida a essa repartcao.
X. 41Dita ao commandante superior da guar-
da nacional do Recife. Expeca V. S. as suas or-
dens para que seja dispensado do servico activo o
guarda do 1.a batalho de artilharia deste muni-
cipio, Francisco de P.iula Mendes visto declarar o
i cele de polica em oflko n. 28o de 28 do mez
lido, ser inconveniente o ser elle nomeado ins-
pector de quarterao, por na haver guarda do
servico da reserva ou outro cidado habilitado
para o referido cargo.
X. 41Dita ao mesmo.Expeca V. S. as suas
orejeas, >im de que seja postada no arenal de
inarinha no dia em que ebegar do snl e tiver de
desembarcar o batalho n. 53 de voluntario! da
patria desla provincia urna guarda de honra do
um dos balallioes da guarda nacional sob sou
(ominando superior.
N. 43.Dita ao commandante superior da guar-
da nacional dos municipios de Barreiros e Agua
Preta.Devolvo a V. S. os dous prets juntos em
duplcala, que vieram antiexos ao seu offijo de
13 de fevereiro ultimo, tirando vencimentos rela-
liv s aos mezes de dezembro do anno prximo
passado e Janeiro deste anno para os guardas na-
rionaes destacados na villa do Barreiros, pos que
laes vencimentos devem ser pagos pela respectiva
rollectoria de conformdade com as ordens d'esta
presidencia de 12 de outubro d'aquelle anno.
N. 44. Dita ao commandante superior da
guarda nacional de Garanbuos. Communico a
V. S. para os fins convenientes, que por delibera-
i;1j desta dala e de conformdade com a proposla
do commandante do batalho n. 28 de infantaria
da guarda nacional do municipio de Garanhuns,
sobre o qual inforioou esse cotnmando superior
em offlci n. 10 de 17 do mez lindo, loram Hornea-
dos os offleiaes constantes da nota junta, deixando
de ser approvadaa raesma proposta na parle rela-
tiva aos dous postos de alferes do 3.a companhia,
por estarem preenehidas, segundo a matricula da
secretarla "da presidencia, um por Jao Joronyrao
Soares de Csrvalho, que nao consta tenha sido
lulgado ausente de conformdade com o decreto
n. 3335 de 25 de novembro de 1863, e portanto
privado do posto; e o segundo por Joaquim Qui-
nao de* Santos, qae passou da 5* para dita com-
pinhia por deliberacao de 27 de junbo de 1867.
i. 45.Deliberacao.O presidente da provin-
cia de conformdade com a pronosta do comman-
dante do bataihio n, W de Infantaria da guarda
nacional do municipio de Garanhuns, sobre a
em offlcio n. 10 de 17 d> mez Ando, reolve no-
mear para o Teferido batalbo os offleiaes se-
guintes : ,
1- corapanbia-Alferes, o guarda Pedro do Re-
g Chaves.
2* comnauhia.Alferes o 1 sargento Martinbo
Avelino ae Albuquerque.
3' compiihiaTenente o alferes Eulalto Epni-
treuio de Freitas Villela.
V companhia Tunete o alferes aggregado jo-
i de Barros Silva Jnior.
3'companhiaAlferes o guarda Antonio cesa-
do da Silva Brasileiro Jnior.
N. 46.Dita.O presidente da provincia atten-
dendo ao que requereu Antonio da Silva Ferrei-
ra Juaier, capitao da guarda nacional do Mrvicp
de reserva, aggregado ao respectivo 3 batalho
deste municipio, e a Infermaello ieJl de feverei-
ro ultimo, sob n. 39 do comm tndante superior -.a-
terino, resolte cooeederlhe um anno de Ij^enca
para coninnar a residir na Europa por motivo
de molestia em pessda de sua familia.
pressao do que por ventura haja de criminoso na
tal sociedade.
' HOSPITAL PEDRO IIO movimento desse es-
tabelecimento de 11 17 de julho de 1870, alen
de 256 doentes existentes, entraran! 27, sabiram
23, fallecern) 2, exislem 258, sendo 157 homens,
e 101 mulberes.
Advertencia.
Foram visitadas as enfermaras uestes das aa
7, 6 1/2, 7. 7, 6 1/2, 7, pelo Dr. Ramos ; ai
11 1/2, 10 1/2, 10 1/1, 9 1/2,12, 11, pelo Dr.
Sarment.
Fallecidos.
Honorata Jos Ferr-ira marasmo,
Alexandre Jos do Nasciraenlo ; pneumona.
LOTERA.A qne se acha venda a 154"
beneficio da Santa Casa de Misericordia, cuja ex-
traerlo ser no dia seguinte ao da partida para
o sul do paquete inglez que se espera.
LEILO.Amanha 20 do corrente deve partir
da praca do Corpo Santo o mnibus com os con-
correnles do leilao de movis, louca e erystaes no
sobrado da ra do Sebo n. 38.
PASSAGEIROS Vindo de Peaedo por Macei
no vapor Jaguaribe :
Coronel Jos Mendes O. Mara Catharina, D.
Francelina Francisca^ Eugenio Bressac, A. M. de
Albuquerque Jambefro, padre Antonio Jos de
Oliveira, Egidio Feliciodo Nascimento, Eslamslau
P. d Costa, Pascual Guilhermino, capitao Baird,
2 pracas do corpo de polica, Manoel Francisco da
Costa.
COMMUNICADOS.

perecendo um driles affjgado.
FER1MENTO GRAVE.Na poroacao de Beberi-
be, no doming >, foi ferido mortalmente Frederico
Augusto Velloso da Silveira, por Valeriano Anto-
nio de Mello, Joo Augusto de Mello, Pedro Anto-
nio de Mello e Sebastio Antonio de Mello, tendo
sido apenas preso os dous ltimos.
FESTIVIDADE.Xa capella do hospital Pedro
II tem b'ije lugar a festa de S. Vicente de Paulo,
pelas 10 horas da manhaa; devendo ella assis-
tir todos os mordomos da Santa Casa de Miseri-
cordia.
D1NHEIRO.O vapor Jaguaribe trouxe para os
Srs.:
Amorim Irmos A C. 3:0754380
Andrade A Reg. 2:461*140
Jnaqnim Jos G Bellrao 2:387*640
Tboinaz Ti mes. 1:000#000 ;
Beitro, Oliveira & C. 412*030
ASYLO DE MSNDICIDADE.-Por deliberacao da
presidenria, de 16 dd corrente, foi exonerado de
director do Asylo de Mendicidade o Sr. Joaqnm
Pedro Barreto de Mello Reg/ sendo nomeado in-
terinamente para o suhstitr o Sr. Dr. Jos Joa-
quim de O.iveira Fonceci.
FESTEJOS DA RA PEDRO AFFONSO.-Come-
qou no sabbado pela manha o regosijo dos mora-
dores desia ra, pela terminaco da guerra, por
di .ersas missas, na igreja do Espirito Santo, pelo
desrango eterm da alma do valente capitao Pedro
Alfonso, s quaes assistio grande numero de pes-
soas.
A' noute acrendeu-se a illuminacao da ra, que
consista em dous grandes arcos sustentando em
seu alto os retrato? do capitao Pedro Alfonso eDr.
Faulino Cmara, e urna inagesiosa columna collo-
cada em meo de um jardim, abrangendo tudo
cerca d8 1.000 bicos de gaz.
No alto da columna vase o retrato do Impera-
dor sustentado por dous anjos.
Divididas pelo opaco da ra, haviam pequeas
columnas com estrellas gaz, as quaes, com a W
luminaro particular das casas, tornaram a ra
completamente clara.
A' note de domingo queimouseo fogo de artifi-
cio, que esjeve bom, bem como diversos bailoes
aereostaticos.
Durante as duas noules tocaram em coretos,
convenientemente preparados, tres bandas de m-
sica.
A coneorreocia fii extraordinaria, reinando sera-
pre boa ordem e harmona.
SEftGIPE E PENEDOChegou no domingo
tarde dessas procedencias o vapor Jaaparbe.
Foi enthusianicainente festejada em Sergipe
a volta dos voluntarios da patria.
A presidencia da provincia abri concorreneia,
a Andar em 30 do mez corrente, para a illumina-
cao a gaz da capital.
Igualmente abri concorrencia, a terminar em
20 do corrente, para a navegado dos ros Pomon
ga e Japaraluba.
Na cidade da Estancia comee.ou a ser publicado
o jornal Sul de Sergtpe, destinado a ser interprete
liel das neesssidades dessa parte di provincia pe-
rante os poderes competentes: moralisa-la, des-
perta-Ia aos comraettimentos grandiosos, chama-
la ao convivio das grandes ideas, faze-la coramen-
saV da lauta mesa do progresso, volla-la para o
oriente da civilisaga \ ahrir-lbe o pulrao ao ar que
vem da Europa, instrui-Ia, prepara-la, engran-
dece-la, tal a rsisso desta seminario.
Era Penedo eram abundantes as ohuvas.
SOCIEDADE lMMORAL-'-Sob este titulo pu-
blicamos, ha das, urna noticia sobre urna casa da
ra da Vea'tura na Capunga, baseado as infor-
males qae nos deu pessoa que mora gor aquellas
bandas e que nos parecen slxuda, nao obstante
nao oonhecerroo-la bem ; agora que acontece que
o Sr. subde egado d'aquelle lugar afflrmanos que
por mais diligencias que tenba feito, nada soube
tal respeito, e que a casa indignada nao esta as
condiedes era que a collocou o nosso infor-
mante.
Qnando demos a noticia dissemos que era mys-
ter que a autoridade veriflcasse a sna exaclidao;
se tomos mal informados, flea corregida a falla;
siporm alguma cousa existe, estando de sobre-a-
viso aquella autoridade, fcil ser-lhe-ha chegara
verifica-la e irapor lhe o correctivo.
Era todo o caso, as o nosso Informante voltar e
carga, aconselha-lo-hemos afina de qne ministra
suas informaooes ao Dr. subdelegado cima, tor-
nando immediataojenie accessivel a polica a re-
C'ollabora^o.
ANDA AS NoMEACES dos SDPPLRNTES DOS iriZES
MUNICIPAES.
A opposico, conbecendo que perda lempo e
trabalho, pois que os juizes das suts acres censu-
ras ao digno vice- presdeme desta provincia, ti-
nham plena sciencia dos fados, e assim fariam
justica recta, recolheu-se ao silencio no seu orgo
na imprensa, o Liberal, e fez reproduzjr na corte
do imperio as suas injustas e apaixonadas apre-
ciares por occasio das ultimas nomeaedes de
supplentes dos iuizes municipaes.
Os correspondentes liberaes para o Jomat do
Comnercw, bem como para a Reforma, sao prodi
gos em falsas arguiedes alguns d s nomeaoos,
qnasi todos homens importantes, influencias legiti-
mas do partido conservador desta provincia.
Occnpando se um desses correspondente com
alguns dos supplentes nomeados para os termos
das comarcas do inierior, a quasi todos alcunha
de ladrees e asajsinos.
Tratando do Io supplente nomeado para o ter-
mo da Vi la-Bel la, o major Sebastio Jos de Maga-
,)hes Lopita, diz o correspondente, que julga ser
o mesmo que j all foi nomeado, pedido do Sr.
padre Campos ; e assegura ser um criminoso na
provincia da Parahyba,' e qu*-tera: fados horroro-
sos em sua vida!
Quaotas falsidades em to poucas palavras I
O major Magalhes Lopita um importante e
abastado fazendeiro, memoro de urna das mais
importantes familias de Villa-Bella. Nao tem, e
nunca leve crime algum Resta provincia (d'onde
nunca sabio), nem em outra parte.
E' verdade que foi nomeado Io supplente no
quatriennio passado, nao a pedido dj Sr. padre
Campos, qne entao uao era ouvido, nem- attendi.
do, mas sob pronosta do ex-chefe de polieia, Dr.
Pyndahiba de Mattos; o qual, apreciando as ex-
celentes qualidades e os relevantes serviros, que,
durante os qoatro mezes de sua estada em Villa-
Bella lhe prestara esse distingo cavalheiro no
exercico de sua commissao n'aquolla local idade
( por occasio do brbaro assassinato do infeliz
Dr. Franca) o propoz para esse cargo ao Sr. Dr.
Manoel Clementlno, que o noraeou de preferencia
aos I i era es.
Foram, portanto, os propros liberaes, os altos
funecioaarios da situaco ligueira. que reeonhece-
ram o elevado mrito do Sr. Magalhes Lopita.
Occupando-se dos supplentes para Cimbres, diz
o correspondente liberal : Ii9oriir4o Bezerra de
Siqueira Cavalcante, criminoso pela celebre baca-
martada, e pronunciado por crime da moeda
falsa.
E' falso que o Sr. coronel Leonardo esteja pro-
nunciado em parte alguma. Sendo mais fcil
fazer allusoea vagas sem fundamento algum, Que
inveqtar factos circumstanciados, o corresponden-
te liberal usa de um manojo, que. nao novo.
Tratando de urna pessoa diz : criminoso peta
celebre bacamartada tratando de outra diz : o
mata frades : E' preciso que o correspondente
explique qual foi esta celebre bacamartada, e que
parte tomou nella a pessoa de quera elle se ceu-
pa ; assim como qual a razo, porque engendrou
aquella alrunha, attribuvndo-a ao capitao Antonio
Bento de Oliveira. ,
O Sr. coronel Leonardo Bezerra de Siqueira Ca-
valcante e um anci respeitayel, chele de ma
familia distincta. Nascido e criado no termo de
Cimbres, tem all exercido cargos de confianga.
A legitima influencia, que. por sua intelligenea,
prestigio e relacoes pesseaes, mantm, ba nume-
rosos annos, o Sr. coronel Leonardo, o malquis-
tara ( podra nao r) com os liberaes desta pro-
vincia.
Um outro supplente contra quena muito se ma-
nifestou o cor respndante liberal, foi o Sr. Joe
Florentino de Goes Cavalcante, quem chama
criminoso, acensado na assembla provincial peto
deputado Pedro BeUrd,
O que a respeito do Sr. Joo Florentino se pas-
sou foi o seguinte :
Em 1854, dndose na cmara municipal da
Victoria urna questao renbida a respeito da mu
danca da fetra, e pretendend alguem arredar da
mesma cmara o Sr. Jeo Florentino, forgieou-se
o processo mais miseravel, que se pode imaginar,
e que fot logo julgado improcedente.
Depois, as vesperas de urna eleico renovaran)
o mesmo processo, afim de neutralisarem^ ou pelo
menas enfraquecerem a legitima influencia do Sr.
Joo Florentino. Esla segunda ediecio teve o
mesmo resultado.
Em outras vesperas de eleieoes repetio-se o
mesmo processo, que anda depois teve quarta
edieco, sempre cora o mesmo resultado do pri-
meiro.
Em 1869 o depntadoDr. Pedro Beitro, proprieU-
rio e redactor de um jornalzinho, que se publieava
na cidade da Victoriao Liberal Victoriense escre-
veu e pub'icou no mesmo jornal um commonicado
anonymo contra o Sr. Joo Florentino, de quem
encarnicado nimigo poltico, e depois mandou
transcrever o mesmo communicado em nm jornal
desta cidade.
Aberta a assembla provincial naquelle anno,
e comscada a opposico violenta e desabrida que
all se fez contra a situaco, o Sr. Pedro Beitro
apresentouse com o seo. proprio communicado
em punho, e sobre elle baseou nm capitulo de
acensaco.
Convm notar que j antes disso o Sr. Joao Flo-
rentino havia chamado a responsabilidade o autor
do communicado, mas flcou sorprehendido, e ao
mesmo tempo indignado, quando apparecen-lhe
como responsavel um miseravel testa de (erra
(ai$\to conheeido por CoroiH?ii;'()) qw faz 43so
ooieio de vida.
Feu a acensaco na assetnMa. provincial, o
deputado Dr. Gaspar Drammond refqtgii-'a capa|-i
mente erm nuito? documentos importantes, tor-
nando evdinti as falsidades da mesma aecusa^o,
ramo tudo eoista dos aonaes da assembla.
Pelo que d respeito nomea^o do supplente
ue juiz municnal de S. Bento, o Sr. Antonio Beato,
de qnem tRkfi o correspondente liberal, j as
columnas dse jornal foi completamente justifica-
da essa nomeajao.
O Sr. Antoilo Bento de Oliveira, bomem honra-
do, e considmdo no lugar de sna residener, s-
mente teve de real contra si a precipitada embir-
raSo do ex-ntraistro da justiea.-
Quanto ileonba de mata frades engendrada
pelo correspondene, Compre que elle d a razo
dessa alcunha, qm so agora appreceu.
Tambem se ccutou o correspondente liberal
da Domeaco do Sr Jos Cabral de Oliveira Mello
para sopplent de niz municipal em Nazarelb,
attriboindo lhe a auftria no tiro dado de embos-
cada no commandanb superior Dr. Confinho.
Esse rommandanle e arbitrariedades no amoso tempo da liga, creon
muitos inlmfgos. mlelles, julgando-se offenddo
era sua dgnidade de lomem, (diz-se ser ura po-
bre homem que levu imas chcotadas) eommet-
teu o attentado, de que falla o correspondente, e
qu forra o quer atribuir seus adversarios
polticos.
Igualmente contra o Si Antonio Tristlo de Ser-
pa Brando, supplente dejuiz municipal de Igua-
ras-, se manirestou o correspondente liberal,
fundando se em urnas edebres correspondencias
assignadas por nm ente pirdido na opinio publi-
ca, verdadeiro testa de ferio de adversarios enca-
potados do Sr. Serpa BrantSo.
Este senhor, veio a impretsa, e em longos e bem
elaborados escrhptos pulverisju as acensares que
lhe eram feitas; motrando i razao porque nao
lhe convinha arrastrar aos tlbonaes o miseravel
testa de ferro que as assignavi.
Finalmente dlsse o correspondente liberal sobre
os Srs. Antonio Peregrino Cavbante de Albuquer-
que e Manoel eres Campello Jacome da Gama,
supplentes do jniz municipal Serinhera, que
eram ambos autores da celebre invaslo do enge-
nho Aratangil, a o primeiro umdos eomproraetti-
dos na celebre Genipapada, to onecida de S. M.
o Imperador.
Ignoramos que a posse do enzenho Aratangil
tomada pelo consenhor daquelKejgenho, o teen-
te-coronel Gaspar Uchi, em virtuae de nma sen-
tenca, tivesse sido legalmente qualitcada de atten-
lado celebre e criminoso ; e qnanto compromet-
timento do Sr. Peregrino na Genipipada, apenas
diremos que naquella poca contavi este senbor
de 13 para 14 annos de idade; e que nunca o seu
nome fignrou no rol dos que, com razo ou sem
ella, eram indignados autores ou cmplices da-
quelte facto.
Como estas sao quasi todas as accnsac5es dos
orgos da opposico liberal, nesta provincia, sem-
pre trescalando o odio poltico em todas as suas
palavras.
PUBLIMCOtS A PEDIDO.
Nao me sorprenden a demisso que me araba
de ser dada de director do Asylo de Mendicidade,
e nem ella me vira acordar.
Espero, entretanto, que o Exm. Sr. Assis Ro-
cha mande publicar o motivo qne a oecasionou, e
se este merecer apreciacao, a farei, e senio me
permanecerei no mesmo estado de indifferenca com
qne recebi a noticia do acto a qne me retiro.
Devo, porm, declarar ao Exm. Sr. Assis Ro-
cna, que exijo de sna honra, que nao oceulte esse
motivo, principalmente se elle pode de alguma
forma .affectar a minha reputacao,
Recffe.18 de jnlho de 1870.
J. P. Barreto de Mello Reg.
negocios do Asylo de Mead!
eldade.
i
Abaixo traoscrevo a parte de relatorio do Exm. |
Sr. provedor da Santa Casa de Misericordia, rela-
tiva ao Asilo-de Mendicidade. Nao lhe oppooho a
mais lij;eiiaci>nteac*o,deixo que o publico apre-
cie, e que produza toda a iropresso que seu au-
tor calculoj, qando avlu perante a junta da San-
ta Casa, cujas sessoes sao secretas, nao obstante
nao o determinar o respectivo compromisso.
Depois do effeito d palavr de S. Exc, vire
eu apresentar 6 effeito da verdade, e entao ver-se-
ha se esta se sobrelevar ou nao aquella.
Recife, 18 de julho-de 1*70.
J. t. Brrelo de Mello Rtgo.
Eis O'teiatnrh : __
. ASYLO DE MENDICIDADE.'
Nao sendo abracada a mista bmbranfa, era
preciso um local para este Asylo. A presidencia
nomeou urna commissao eomposta de cidadaos
respeitaveis, Ilustrados, independentes por carc-
ter e posico, iocumbio-a de procurar um edificio
apropriado para o Asvlo : por indicaco desta
commissao foi comprada por 25:000* ao comman-
dador Antonio Gomes. Netto, a casa sita em San-
to Amaro das Salinas, que pelo franeez C. Cam-
hronae fra edificada. Havida esta casa, compria
prepara-la para o m que era destinada, e foi
justamente o que nao paree* ter sido feito com a
indiepensavel previso. E com effeito reparado
apBns o raio do-sul achou-se elle suficiente pa-
ra receber os mendigos que foram capturados pe-
la polica, mas nao os que existam no hospital
Pedro II e na enfermara all inaugurada por Sua
Magestade o Imperador, quando esleve nesta ci-
dade, os quaes all ficavan, e ainda all se achara,
apezar de que com a sua ida para o Asylo tera
este de ver a sua reeeita augmentte com crea
de 4:000*, que tatito re eleva a importancia,
com que sao sustentados e mantidos, proveniente
nao so dos dividendos correspondentes cento e
oitenta aeces da eompanbia e Beberibe, como
tambem do juro das apolioes existentes em poder
da direecio da associaco Commercial Beneti-
cente.
c Em vez de mandar buscar e receber esses
mendigos, o Asylo teve- de enviar para aquelle
hospital 03 seus doentes por falta de enfermara,
onde fossem tratados, falta esta mu sensrrel, se
se attender que os mendigos pela tuator parte sao
e que nao pouco tem
possa haver anecessaria inspeegao, e nem a eco-
noma que resulta da nbtenco dos gneros pre-
cisos por meio de contratos aerados na compe-
tente secretan i.
Pelo art. 10 do regulamento interno o di-
rector quenxjulga sem recurso as faltas dos em-
pregados do Asylo, quando pelo art. 97 do' com-
promisso a dos ujpregados dos mais estabeleci-
mentos sao por outro modo e sem arbitrios justi-
ficadas.
t Determina o art. 5 do regulamento de 21 de
outubro que o mordomo do Asylo preste urna flan-
ea de 2:000 $000-perante a junta administrativa,
mas pretende o director que esse empregado res-
ponsavel para cora elle, e nao para com a junta.
A junta da Santa Casa em vist do % Z do art 52
db compromisso, deve exercer a sua impeccSo- por
meio dos mordomot'nos estabeiecimento sujeitos a
sua administracao, no entanto que nqm o regula-
mento de 21 de outubro e nem o regulamento in
terno concede a Santa Casa dfreito ir xercer a
menor fiscalisaco sobre os negocios io Aapo.
Conforme os 3 e 4 do art. 7B do compromisso,
devem as qiantias que formara o patrimonio do
Asylo, ser postas sob a administracao da Santa Ca-
sa, ao passo queajantanotem a menor base,c(w>
que possa organisar o orcamento na parte relativa
ae Asylo, e apenas recebe da thesouraria provin-
cial alguma quantia,afim de entrega-la issmedla-
tamente ao director.
E de mais : pelo-art. 5 do regulamento inter-
no o valor da racao diaria de cada mendigo, en
vista da respectiva tabella parece excessWa en
comparaco do que g*sta qualquer Individuo do
oulros estabelecimentos a cargo da Santa Casa,
porque ao passo que o hospital Pedro II despende
por dia com a alimentario de cada pessoa, inclu-
sive; os empregados e chefes, a quantia de 418" rs..
o hospicio de alienados a de 388 rs., a casa des ex-
poslos a de 378 rs., o hospicio dos lazaros a de 767,
o collegio dos orphos a de 389 rs. e-o das orpbas
a de 292 rs., gasta o Asvlo de Mendicidade a de
907'rs. termonedw, nio incluindo-se os emprega-
dos e o director, cuja aumentado ffea a disposicao
deste.
t E' provavel que os regulamento do Asylo- te-
riam sido formulados de accordo com o compro-
misso, se a quinta junta tivesse sido previamente
ouvida. Mas nao tendo assim acontecido, ella por
raeu intermedio offieiou era 2 de abril ultimo
presidencia, pediodo-lhe que houvesse de per tae
regulamentos de harmona com o mencionado com-
promisso e mesmo un com o outro, pois que o
art. 13 do regulamento de 21 de outubro diverge
do art. 6 do regulamento interno e o art. 7 deste
d ao director faculdade para nomear empregados
que nao foram creados? pelo citado regulamento de
21 de outubro.
t Posteriormente a quinta junta, vendo que a
to anillada quantia de 48:000*060 calculada
para a despeza annua do Asylo, tinba de ser in-
suficiente, por quanto a importancia de 4:000*010
mensaes apenas chegawt para o cmteio, enao dei-
xuva sobras para o- pagamento de ordenados, e
menos para saldar a-despera dos mmdgos'mviadbe
ao hospital, (ex outro oficio em data- de 6 de maio
presidencia, 'pedlndo-lhe que tosse elevada
5:00O*CO0 a somma despender por mez cono
Asylo, e para justiBeaeo deste pedido servio-se
das proprias contas e papis emanados do director
do estabeiecimento.
D-'estas contas e papis, senhores.se depreheu-
de que o pessoal do asylo sendo pouco mais ou
menos igual ao do hospicio dos alUenados, sua des
pea em proporcaotem sido tres ve'es maior do
que a deste, e se as cousas nio mudarem ser
igual sendo superior do hospital Pedro 11, que
tem o triplo d > pesssoal do mesmo asik>. Senho -
res principios errados, difficu tesos Hns.
O-que nao sera hoje preciso pare fazer che-
gar o asylo ao estado em que deveria ter princi-
piado a "funecionar f
t Muita doeilidade da parte dos empregados, que
toram creados independentes das jemas, mutte
boa vontade dos presidentes, esforcos aturados e
perseverantes das administragoes da misericordia.
A assembla d'este anno quiz Jibertar-nos e
urna trefa, talver superior a nossas forga : pelo
que a quinta junta, logo que teve conhecimento
do projecte provincial, tena dexado de apontar a
presidencia as modificacos que conviria faier nos
sobredrto* regHlaraentos, reis fora o que *ta re
eomtnendara-lhe em resposta aos dous oficios de
| de abrH e 6 de maio e ter-se-bia limitado, cerno
ez, contestar com os dados pelo proprio direc-
tor ministradas as raz&m que elle apresentar para
explicar as excesstvas despez do estabeiecimen-
to confiado ao seu governo e dir cao, se a mes-
ma presidencia nao tivesse em offlcio de 13 de
junho ultimo insistido em ordenar o queja havia
aiteriormente recommenddo.
E nada mais se continha emdita part relati-
va ao asylo de mendicidade, a cual fielmente co-
piada, a fiz extrahir do proprio original que se
ada ne archivo d'est* secretaria, e vai na ver-
dade sem cousa que dnvida fa;a, por mina confe-
rida, subscripta e ass gnada.
Secretaria da Sania Casa de Misericordia o
Recife, 14 de julho de 1870. Sabscrevo e assrg-
no. >
O escrivo,
Roirtgues de Sout*.
pessns doentes e achacadas, i
de ser o despendi desses doentes o hospital,
Su; se allude. por mais benignamente que tenha
e ser calculado na respectiva canta,
a Por outra parte, em virtude do 3 do art. 2
do compromisso da Sania Casa de Misericordia,
approvado pela le provincial n. 531 de 9 de ju-
nho de 1862, a administracao di Asylo devia estar
a cargo da junta em exercioio, e loi por isto que
elle foi em 25 de marco ultima, entregue junta,
que agora deixa de funecionar. Em toes circuns-
tancias parece aue o rgimen do Asylo devia ser a
mesmo que os dos outras esldbelecimentos da San-
ta Casa, ao passo que o regulamento de 21 da ou-
tubro de 1869, e regulamento Interno, pelos
quaes rege-se o Asylo, contm disposeSes, que
eslo era diametral opposico com o mencionado
eompromies*. Assim que pele art. 52 do g 7!
do corapramisso, os estabeleciraentos carga da
Santa Casa sao fornecidos de pi, bolacha, gene-
ros de estiva e carne, por meio da contratos, re-
cebando apenas os chefes desses eatab^ecimentos
quantia maior ou menor para una outra despexa,
emquanto que no Asyle, em co/r,equencia dos re-
gulamentos em vigor, alguns gneros sao empra-
\ ios pelo mordomo e outras pelo director sem que
Questo jurdicacommercial,
Em face dos documentos authenticos abaixo
transcriptos dos autos de execuco de Miguel Ar-
chanjo de Figueirlo contra Manoel do Amparo
Caj, e dos da fullencia deste, aos quaes se refere
o administrador da respectiva raassa fallida em
sua correspondencia publicada no Diaria de Per-
nambuco de 17 de juuho prximo passado.
Pkrgunta-se aos Ilustrados jurisconsultos do
foro destt cidade* se poderia aquelfe administra-
dor nulificar a 1 classificaco de crditos por
elle mesmo feita, e julgada por seutenca, aposen-
tando urna 2' totalmente diversa da 1' para clas-
sificar arbitrariamente o nico creder hgpotheeario
como simples- ehglographario de muito menor
uantia, e admittir como prMkgiaia urna lia do
allido, cujos ttulos foram julgados simulados e
prescriptoe por sentenoas passadas em julgado,
tanto nos referidos autos e execuijio como nos da
falleoeia.
Daoumento n. 1.
Jos Mariano de Albuquerque cavalheiro da impe-
rial ordem da Rosa, capitao da guarda naaional
do servico activo e serventuario vitalicio de um
dos oficios da escrivo de appellacSes, aggravos
e Ubellio dos protestos de lettras do meretissi-
mo tribunal do commercio da provincia de Per-
nambueo, por S. M. Imperial o Sr. D. Pedro II,
a quera Deus guarde etc.
GerUco era vista dos autos de que faz mencao o
supplioante em sua petico retro que as pessoas
que me foram apontadas sao as seguintes:
Carta de liberdade.
Eu abaixo assignada que sendo senhora e pos-
suidora da negrinha Melania de idade de 12 annos
filha de minba escrava Benedicta, de minha livre
voo.tada a forro pelo presente, para que goze de
aiu liberdade de hoje para sempre como ae.1
nasciia de ventre livre, e taco esle benefloto a dita
minha escrava Melania, pelo multo amor que be
teuho, lhe pesso que em quanto eu. vivar nio deixe
Malfada Sabogana de Jess-
Como testeuwnhas: TranquHioolia.aWjJ
Severino"Martins de Araujo e Silva, Flix Pacneeo
de Menezas.
Reconheco verdadeira a lettra e firma inpra dk
qoe don f.
Villa de Serinhera, 30 de setembrb de 1864.
Em testemunho de verdade sifnal puMieo. O
tabellio publico Jbo Affonao Rgoeira. Registra
da a foi has 27 verso- do Kvro competente, aos Si
de outubro de (864. O tabellio publico Riguei-
ra. N. 2, pagoa 200 rs. e sello. Serinhem t
de selembro ue 1861Nunes. O escrivo Ar
ruda.
Sentenca.
Julgo provados es embargos a folhas-21; por-
quamo achando-se- a embargante na posse de sua
liberdade por forct do titulo a folhas 58,' nao pcVle
ser objectode pnbora, dev^mJ neste joizo preva-.
?ecer o dito titulo em inteiro vigor em quanto bJo
for devidamenie annullado em jaizo competente,
se para isio houver jo-to fundamento.
Assim* mando, que se relaxe a penhora, conti-
nuando o- embargante- na pees e goso d sua K*
berdade.
Recife, 27 de fevereiro de- W. Tristie de
Alencar Ararips.
Sentenc de adfudicacie- de movis.
Visto nao haver qnem era basta publica-arre -
matasse os bens penherados a folhas 3 e constan-
tes do escripto de praca a folie 79, hei os mes-
raos bens por adjudicados ao eredor exequente.
sendo a adjdicaco das jotas eom o abatimeato-
da decima parte, e a do de mai nene com o aba- .
tmenlo da quarta parte-nos termos o art. 56 8$ t 1." e 2. do regulamento n. 737.
E assim passe-se a competente carta de adjn-
dicaco dspoir de satsfertos os oVeitos nacionaes,
pagas as custas pelo exeentado,
Recife, 31 d marco de 1865Tristao de Alen-
car Araripe.
Sentenc oe adjudicaras de immoveis.
Visto nao haver quem em hasta punir arre
matasse os predios penhoraes a fclhas 3 e cons-
tantes do escripto de praea a foNias M8, hei os :
ditos predios por adjudicados ae eredor exequen-
te com o abatimeoto da iei (reculamente n. 737,
art. 570 % 3.), e mando, qtte depois de pagos os -
direitos nacionaes se passe a competente carta de
adjdicaco, con a qual o adjudicatario entre na
posse e dominio dos referidos predios pagas as-
custas pelo exeentado.
Recife, 29 de abril de 1865.Tfisto d Alen-
car Araripe.
Sentenc de rrgeico- de embargo.
Os embargos a Coihas 235 julgo a tina! nao pro-
vados.
As embargantes apresentam-se como-senhora
do sitio Crrame, sobre o qual corre a presente
exeeueao ; e para fundamentar os seus embargos
referem-se escriptura existente uestes autos i
apreciada como mcapaz, por sua simuihtao, de
produzir dSreito algum conforme se v da senten-
c a folhas 192 verso.
Nao havendo as embargantes apresentado preva
algama, que modifique a condico da- dita escrip-
tura, destraindo os- tactos, qae oosaprovam o ri-
mutacao indicada,. visto subsistir tolo o- funda-
mento da referida sentenc, e continuar a escrip-
tura inhbil para favorecer a preteaeo dos em-
bargantes.
Assim desprezades os embargas, prosiga a exe-
cuco, e pagoem os- embargantes as custas.
Recife, 4 de julho- de 1866.Tristlo de Alencar
Aiaripe.
Ajcoreao confirmando a senlenca anterior.
Accordo em tribunal do eommercio etc. Que
confi rmam a sentenc appellada a folhas 256:
porquanto, fundando-se os embargos de folhas
225 na escriptura de doacao-e folhas 119 verso,
semelbante titulo jamis se pode considerar hbil
e legitimo por ter contra si a presumpeo e simu-
lacao, que alia* se prova pelos documentos de fo-
lhas 16, 170, 171,172 e 177, dos quaes se mos-
tra qne, sendo o exeeutado Manoel do Amparo
Cajd eredor de Joaquim Correa de Araujo pela
quantia de 6:000*000, este lhe hypelhecara em 26
de maio de 1846 o sitioCrramepassando em
junho do mesmo anno essa hypotheea e debito,
por cesso do exeeutado, pertencer a sua lia
Luixa Teixera de Lima a qual' propondd a
competente ac^o contra seu devedor dito Aran-
jo, veio a final a ser-llie adjudicado o referido si-
tio, do qual fez doaco ao exeeutado, seu sobn-
nho para desruetar durante sua vida, passando
depois a propriedade as appellanles, Alnas do me-
ditado, com a eondico- bem partilhado com o mulher do exeeutado, o
qual vive separado de sua mulher e"em concubi-
nato com a mai dos appellanles como consta dos
autos.
Mostra-se ainda dos sobreditos documentos, que .
o exeeutado Mauoel- do Ampaw Caja den ao re-
gistro das trras o dito sitio-Cortumee preten-
deu vndelo em leilao publico, o que por sem dn-
vida prova o dominio que o- exeeutado tinha no
mencionado sitio. .
E pois nao podendo vista dos tartos retenaos,
combinados entre si, produair effeito algum jur-
dico a escriptura de folhas 119 verso, por ter con-
tra si a prova de simalacao, confirmara a senten-
ra appellada a folhas 256 ; e condemnara as ap-
pellanles as cusas.
Recife, 1 de agosto de 1867. A. F. Piretti.
Acciory.Silva Guimaraes.-Roxa.-Miranda Leal.
Accordo confirmando o anterior.
Accordo em tribunal etc. Que, proposta a
preliminarse se deveria ou nao jomar conhech-
mento do3 embargos de restituirao a folhas J6.
oppostos ao aceorde de folhas 360, antes de ter
sido posto em pratiea o recurso establecido no
art. 662 do regulamento n. 737 de 23 de novem-
bro de 1856\ cidiose afirmativamente. E en-
trando-se no raerecimento da causa, julgam im-
procedentes os embargos de ralbas 363 por sua.
materia j allegada, discutida e desprezada, e.
coademam os embargantes as castas.
Recife, 26 de wtembro de 1867: A. P. Pire"'
cora voto qoaato preliminar. -Acc.oly, Silva.
Guimaraes vencido quanto preliminar. Roza,
Miranda Leal vencido quanto a preliminar. Nu-
""Accordo do supremo tribunal de justiea de-
negando a revista. *
Vistos, exposlos e relatados estes aulo& de re-
vistas commercial. entre partes reearrentoojr-
Antonio Joaquim Ayres do Nascimento, uajaor
adlitem dos "menores Mooela e Ignez e reaor rt-
do Miguel Archanjo de Figueirdo. negarai a pe
dida revista, por nao haver injaettca notoria nem
"KrLIirTrde novembro *, *m-Brito,
Sre^-Valdetaro.-Baro do Mont'serrate, venci-
do -FrancaBarboza.-Macbado Nones.
E raais seno contiuha em ditas peca* aqu mu
bem e fielmente copiadas e transcriptas dos pro-
pros aut03 originaes dos quaes me repone,
Recife de Pernambnoo, 1. de julho de 1867.^
Recife
Suhscrevo e assigno.
En f de verdade. _
los Maano de Atmqueraut.
Manoel Maria Rodrigues oJascimento Berrean
tuario viculicio de um ^?^.22!*2ft
do juno especial l^om"Tln; iuSfla
Reiife de Pernarabuco, P" Sua Mageslade^
perial e constucional o Sr.. Pedro II, a quem
cacS^sS'dos autos de que, trata o sup-
plicante em sua peticio retro ser o theor das pe-
Smm me foram apontadas da forma seguioto .
f


*
Diario de Pernambno *_ Tercja feira 19 de Julho de 1870.
i*
%
-
&


Artlgos de preferencia.
Por artigos de preferencia, 411 Lniza Ferreira
te Lima, credera exequeaas e Manncl do Ampa-
ro Caj, c:-nrra Miguel Vrehinjo de Figaftiredo,
fela nielhotfarir .1 e vi de-diroito.e sendo necesa-
rio, provar que M.-.uoecdo Amparo Caj, truno u
por mnrotimo ('referente, por diversas vetes,
as quanas constantes-das letras de folha* e fofnas
pela respectivo, e tiesto ja*> cojnparaaouo o dilCa-
j rtmfessando a druida a sujeitanJo-se a decls
d uz conciliador nsaigoon eoro elle, tea termo,
tjue lem forra eompromi-so, sobre o qoal o
joizo de paz proferto na sentenca, que fot devida-
neme homologada pelo juix competente, em vlrtu-
4e do que a preferente fez pentiorar a* hens do
re-rido Caja, como se v follia-, e tada conifor-
me o disposto no art. 137 do regalamiinto n. 73?,
de 35 de aovembro de 1350, ltalo 2, eaplalo f,
pie se iascreveu. Da ordem do |ie oa coneiKa-
cao;
*. Pro vara que a quantia de aue se trata alia-
avu'iada, pois sulie cornos jarata mais dedezescis
cornos de reis, fui effectivaraente emprestada ao
mwtewfiado Manoel do A'nparo Caj para com-
pra- fte raateriaes, pagamento do obreiros, con*
Irueeao de otarias e reedificarlo da casa de vi-
renda quo hoje te acham no sitio peafcorado de
nominado enrtuaie, porto assim pele emprettimo
do preferente eaa estado do render, e prestado
avallados lucros, nulidades e vanlaeens, que' boje
presta;
3.- Provar, que s por esta rasas, a divida de
que1 se trata, deve ser iiaga de preferencia ao
preferido Mtgal Arcbenjo de figueiredo, e de
qtuJqaer outw credor da exeaetado Manuel du-
Amparo Caj at agora contiendo em juizo, se-
cundo iUspa cdigo d) comaiercio art. 876. S
"> e art. 877, g 2o, que. determina muito claro
positmnente que credor lem hypotheca UBita
especial, uas bemeitarias oa no tea valor, pe-
los utateria*s e jornaes de operarios, empregados
as mesaus bemfeilorias, sendo que ja C. L. de
90 de jaelio de 1771 se cslabelece no % 31 que o
credor, que concorrer com maleriaes ou diaben
para a reedificacao, reparaeao, ou construecoes
o edificios e nao barofeilerias, a primeira gra-
duado. "Veiam-se tainbem os autores de 12 d
111.11 de 17;8,j 10, de -0 de juubo de 1774, $ 3*,
24 de de julho de ?79a, i Alm disto, que
fundamento iudisiiactivel, para que a preferen-
te seja alten sida;
5? Prtvar, flue a divida da prefererfte, lem
prtoridade fobro o do exeijuente Miguel Archanjo
de Figueiredo. e qualjuer outro coohecido em
jntio, que consta dus'tilulos que gozam de pri
vi!*|fios vista-das disposicoes do citado codig*
do coramercio, n bem assim da aatiga -legslacao,
antigs mencionadas, romo se v da C iZ de 20
de.juuhode 176i, |-3l, o seguate. Nestes ter
ao*;
$,* Provara que. segundo os de direito deram a
preferente Luiza Ferreira de Lina, ser graduada
a prDt'iro lagar no concurso presente. Pede
rcceoimeuto e oomprimenlo de instica, provas ne
essarias e cusas.Dr. Vilella lavares.
Sentenca.
Vistos o- artigos de preferencia a fo'has 72 nsos-
tra-se pedir Laica Ferreira de Lima para ser pa
*ra com primasia do credor exeqaeete Miguel Ar
chaajo de Figueiredn, qae pul em (iraca o sitio
do Curtome por meio da presente eseca(o con
tra o devedor secutado Mauo^l tu Amparo Caj,
alega a pivoteDie per creUora por letras na
importancia ris 10;76OOO, at -dos juros, e
cfter-flie a piimasia pedida em virtud de -hypo-
Iheca legal eobre o dito sitio, para cujos reparos
- Bmnfejtorws ora o dsbil coatrabido.
Do exante dos autos resulta eouhecer-e que o
rredor exe-jueate demanda a Manuel do Amparo
Caj e na exeeucao da sentenca contra este obti-
da teto sido em barajado por vanas pretenedes
acerca do mef mo sitio, que u amulo a iomdo as
llns do executado.
Decahindo essas pretencoes, proseguio a prefe-
rente doadora do sitio, nos r.nigos de foshas 72,
fmniadw em letras j prexritas, mas por cuja
obrigacio responsabifisnu o executado no juizo
di paz, ctvsssindo o debilo.
Ora, d'aqui resulu o interesse, que ha por
parta de axecutado era sublrahir o sitio ao paga-
mento do exequenie, e sendo soerinlio da piefe-
rente, compreheodese com que facilidade pode-
ri*ra arraojar as ietras e,m questao, cuja simla-
me li<\i fora de duvida em vista da ceriidio a fe-
Mus S3i, pela qual se prova, que fora n ellas pas-
cadas em papel sellado em o aneo, aBm de que
assim (kidessetn an" atarse cuo/enieutoir.enie
a ftmmlaqSo.
O dolo entre parentes fcil de presumir, se-
cundo o axioma jurdico fraus ixtrr prximos
fucile piewmittur e ao presente caso observara-
>e as tluas condiccSes, que os juristas exigem
para reconhecer-se a fraude, pois na ama serie
de actos, que manifestam a inlensao de fruwlar,
e ua o psHo de fraude, que se revela no inleres-
se, 00111 qti o executado e sua lia btiseam a pos-
se de mu -.'ioai u que qoerem gosar.
PoriaiiU;, < debito da preferente c xtntuladc, e
ni- i!' :;v-ileeer a allegada preferencia.
Al.o ':- -.-o, quaado por veatura assim nao fos-
se, o akfc'.:o direito Bypettoeario nao susisle. Se
beove deMl', o se este fe i para bemfeitorias do (i-.
id 1 en 1 ou.-;.*.), dar-^e-hia a hypnineea tacita le-
gal. un- aara que ella podewe hoje sentir e/Teito
HMtoa o -Ke pente, cumpria terse sali.-feiio o ds-
parim n: le.gi-laco o I tima mente promulgada acerca
4b .y,, lineen* ([.. 24 de setambro de lb64,e regu-
IkMeato de 2 de abril de 4863) o que se nao .fea.
Atada i-tr .'ste motivo uto procede a preferen-
Mam >'termos-mando, que a exeeucao prosiga,
pacas as MHaa la preferente.
ttei-if.', 13 ue orilde 1867.Tristao de Alencar
Arai ipe.
Despacho.
Bei por deferida a noticio a follias 300, para
que se passe a carta de adjndieacao pedida, dei-
xaade de attender a petirao de fothas 303, vist
orno o i;raU,y exequmte lem hypslUeca, eos ere-
dores bypothecanos podem proseguir era suas
^xecuedes, nao obstnte a faHencia (cod. com. art.
830.)
Recife, 10 de dezembro de 1S67.Tristo .de
.Aiencar Araripe.
Pioviinento negativo de aggravo.
Asgravade nao foi o aggravante com o despa-
-ho de folhas 308, visto como a exeeucao, cons-
tante dest^s autos, procedite, como de crdito
previlegiado e Aypothtcano, nao pode deixar de
(rogredir em seus termos naes, anda roesmo qae
que claramente se deduz da ultima parte do ar-
iigo390 do cdigo commerciaJ, que por certo,
Hssjruardoa de qualquer suspensio urna ul exe-
cucito, que ja lida da Qxado cara arremata
can.
Esta diutrina est de aecordo eom os artigos
">-( e 903 segunda parte do mesmo cdigo, dos
quaes beni se deixa ver, qae os eredores privile-
iadas, Uypothecarioe nao podem estar sujeitos ,
nqni l:,cad pelo processo da quebra para com ella
serem entio pagos, sempre que taes privilegios
nao forera conte-tados e tidos por incapazes de
M-oduzirein os eeitos lagaes.
Estando pois a prstale exesugaa en grao di
tdjudicaro, sendo esta ja determinada pela sen-
teura de folhas 101 verso, e reconbecidos como
perten-jnles ao executado os predio* peahorado-
e adjudicados segondo v-e das senteneaa de fus
las 171 verso, -33 verso e 191 -verso, evidente
que, nada offereeendo qne teja legitimo e preee
dente para obstar a presente exeeucao oes termos
em que se acba, nao deveria o juiz aqu deixar
de dar o despacho de foiha 30.
Portaato, desejaodo provimento era aggravo,
mando que subsista o referido despacho, e pague
o aggravanle as costa*.
Recife. 10 de fevereiro de 1868.-Cutlodio Ha-
noel da Silra Guimares.
E mais se nao contiuha e nom al juma nutra
eousa mais se declarava e mostrara em ditas pe-
cae que nu foram apuntadas e pedidas por cei-
dlo, aqui copiadas, a qual vai sera ousa qae da-
vida faga, por mica escrivao subscripta e asigna-
da nes cidade do Recife de Pernambuco, aos 27
le jonbj do anno do nascimeato de Nossj Senhor
i'-sus Christo de 1870.
Fiz escrever, subserevo e asaigao em f de ver-
dad,;.
lleeife, 27 de junho de 1870.
Monoel liara Mrigues do Nascmento.
DOCUMENTO li 3.
v se ter esta dewado de seiirer a letras d o, 3
a fl. 69 f hsver falo aos sens credote* a p/oposla
de 124; e comquanto em lugar dos, diversos
credores eonrtantes dessas letras e propalas tenha
o aggrevante passado a ler por eredoc o iMaVa-
ao.como se mostrji da cscriptnra 4e t.liitom
ludo dos autos tambem se mosira qae a elle nao,
fes o nggi'anante 01 pagamentos i qne. mttal es-
criplnra se obrtgara : resultando disto que o
ggr&vante eessi.a oeus pafaiur.Mw e de mana
mais eessou-os era quantc eommociiNie, urna-fe
qae tmha toja de bandas e de affaiaie na,roa
\nva por oceasiao de uo pagar as iadieadas le-
tras ; e aa passo que deixava a pagar ao aggra-
vado coatiuuou por-si ou por ostro nogyro da li-
*luidarao de sua oasa.de qae anda agora trata va
comofcera d njuixaquo com sa rejposta de fl.
115. nao se estando na peoe^los dbitos, qae 00-
iir&va, canto tendqa|azeudas ara ven|er por sua
coota como ludo se ceulwee du invenurio de 8.63
a fl. 94 declaracao ds H. "97; ao que accrescei
ver-se de>cripu. enu^ os mais livros do ?ggrawen
te um borrador do diario de 1861 a 1864: o |ae
prova ter o aggravante pelos menos tido transac-
coes al essea ltimos aauus. Isla po>to, e sua.In
certe que ce.ssando os seas pagamentos o cera-
merciaute tem lugar a abrir-se-lho fallencia anda
depois de ter elle deixado o exercieio dn pruflssao
de co.nntereio, conforme parece-rae lar demaos-
trado na decisao qne profer no processo de que-
bra de Antonio Eawptio Ribeiro, fundanda na
tispo*icao do ari. 97 do cdigo do commercio, na
doutrina dos commereialistas e na epinlao do tri-
bunai do commercio da corle; opinao que se en-
cun ra na 3* colleccao "de decises ^te vem ees
s-^uiiiienio 1I0 relaiorio da repanieo dajustica
do auno de 1368 e visto que com ruzao o juizo
aqua decUrou fallencia du ggravantc na deci-
sao recurrida o qual procedera anda quaudo aca-
bada a ..ja da vua Nova nao tivesse o aggravante
o esUtatocimeuto ds otaria que o ju aquo repu-
la coi: meruiaate a vista do art. 19 $ 3 do reguiamento n.
737 'do qae da relacao de fl. 102 depiehende-
se que o aggravante tem tres credores; mas anda
quaado s tivesse um (o aggravad") anda assim
nao podetta osle fado obstar a declaracao da que-
bra do aggravante, pois a circunstancia de ter o
comnersiante apenas um credor nao impede a
alK-rmi^a de Moa fallencia conforme em ana obra
iottiladaresumo de legislacae, doutrioa e juri<-
pradenciar-aobre faltenoias e bancarous eusiua
Lavesque citando os seas cemmrcialista*, e.oito
arrestos de tribuuavssupeiores,umavez que asse
devedor haja deixado de fazero pagamento 011 |ia-
gameotos qe Ihe campria efectuar ao aou nico
deveJor.
Xugaodo, porlanto, provimentpao aggravo man-
do que subsista a decisa >, aggravada, pague o ag-
gravante .-<# cusas.
lleeife, ide agosto de r86a.=AuseI(no Francisco
PereRi.
Nada mais se cnntiaha no presente aggravo.
eguind.. a permocao de fl. 30 que o se-
grate :
PeimocA de fl. 230.
Tiodo o fallido eessad<> os seus pagamentos e
den indo de se apresentar na orina do art. 80O do
cdigo commercial eotendo que se acha incurso
no ; i do art. 801 do -mesmo cdigo.
Dj exame ou iivros constantes a IL 209 v-se
qne o fallido nao tinha sua escriplnracao mercan-
til nos tenaos regulados pelo citado cdigo, pelo
que aoha-se igualmente incurso no S 1 do referido
arL 801.
nanlo ao mais faca-se justica.0 promotor pu-
blico Francisco de Carvalho Soares Brandad.
Nada mais se contmba era lila permocao aqui
fialraeuio copiada e seguindo a soutenca se-
gulnte :
Sentenca de ualificacao de quebra.
Vistos osles autos de Uleneia em que fallido
Maooel do Amparo.Caj, mostra-se que, cessando
o dito co.ninemnte us sea*-pagamentos, foi-I be
aberta a fallencia a requerimeoto do credor U-
guel Archanjo de Figuoiredo por sentenca de 13
de ju,nuo du aaoo pruxiino passado. cmv> se mani-
fesu da policio a 2a despacho a fl. 89 v. Mus-
ir-se mais, que proeed.ndo-sa as dibgvaciap le-
gis, reconhecs-se que a fallencia proirut de des-
vias nao justificados do capital e receitas do fal-
lido; veniicauio-se tambera que o raasmo fallido
dexou de apresentar-se em juizo no termo da le
o nao liaba sua esaipluraqao regular, como nido
demonstra a minuta de exame de fl. 191 fl. 193.
Portante, julga a fallencia culposa e fraudulenta
nos isruios dos arta. 801 g^l e 2, e 80J i do ced
go do cumiuercioe pronuncio o fallido as penas
do are 263 do cdigo criminal,
Expeca.se orden de prisao e sejam os autos re-
meltidos ao aupremo tribunal da reluci, para
quera appello ex-offlcio. Hei por, ihdeferida a fl.
19?.
Rscfe, 12 de fevereiro de 1866.-Tristao de Alen-
car Araripe.
E mais se nao continha em dita sentenca aqui
fielmente copiada. Seguindo a decisao segrale :
Decisao de aggravo.
Nao fez o juiz aquo aggravo ao aggravante com
o despacho de-fl. 270 v. pvrquaoto a sentenca de
decJaracio de quebra pode ser re cagada por via
de embargo, art. 806 do cdigo commercial e ari.
112 do reguiamento n. 738 ou por meio de aggra-
vo o arts. 66 a 721J 3 do decreto n. 1597 do de
maio de 1855, e s no caso de sua revogacao por
esses mek que tem lugar o que requereu o
aggravante. nao podendo tal revogacao ser proferi-
da pelo tribunal da relacao, que s conAece da
quatcagao da quebra e prenuncia oh nao pronun-
cia do fallido, art. ti do citado decreto, e quando
semelliante tribunal queira apreciar o facto pelo
qual venfleou-.se aquella declaracao, aio pode a
sua decisao nesta parte ser invocada para invalidar
o effeite da sentenca declaratoria, devendo-se ter
em consideracau que em virtude do aru 820 do
referido cdigo, se pelo julgameoto definitivo e
absolvijaodo fallido, os efeitos civis da faUencia
nao ficam invlidos por maioria de razio, Acara
sendo esses effeitos -em consequencia da revogacao
da pronuncia, senil evidente qae o legislador nao
qnz que as decises da aotoridade civil no pro-
cesso de quebra dependesera das decisoes da au-
loridade civil no processo de quebra dependessem
cas decisdes daautecidade criminal enio me cons-
ta que no foro de.-ta cidade teoha-se jamis susci-
tado duvida alguma contra esta intelligencla, qae
geralmente tem sido adoptada sem que em ocea-
siao alguma tenha chegado ao meu conhecimento
que os fallidos despronunciados tenhara requerido
a entrega de sen, b*u a qual somante se d em
beneficio daquelles, cuja declaracao de quebra
revogada por via da embargos e aggravo, art. 117
do, mencionado regulameato n. 738 ou anda da-
quelles que oblm coacordata de seus credores
art. 854 do indicado cdigo.
Negando, portaato, proviraento ao aggravo man-
do que subsieta o despacbo aggravado pagas pelo
aggravante a* custas.
Recife, 16 do marco de 4866.Anselmo Francis-
co Peretti.
Nada mais se contmba ov dito aggravo e mais
pe$as pedidas nos referidos autos de que trata a
peueao rearo.
Dada e pasaada nesta cidade do Recife, aas $ de
de juofao de 1870.
FiZ escrever, subserevo e assigno.-rEm f de
verdade, Ernesto Machado Freir Pereira da
Salva.
Recife, 8 de julho de 1870.
Ernesto Machado Freir Pereira da bilva.
Jos Mariano de Albuquerque, cavalheiro da im-
perial rdeu da rosa, espillo da guarda nacio-
nal e dotservioo aetivo e semutuario vitalicio
te, um dos oftfeiosde tribunal do oommercio por
M. e Imperador, etc.
mados os credores da roassa fallida e Manoel do
Amparo Caj, como consudo Diam de Pernam-
buco do 1 du correte mez, n#i um Selles com-
vxreceu para poder fazir a clasificaco dos
<*#it*o.Recife 10 de marco de 189.-0 admi
Hislfador, Amonio Carlos Pereira deta?g9S Ponce
de Len.
Despacho.
Fac a elassificacao pelo que nstadet pa-
pis Vi mima-fallida.*.Reojfa ide marco de
I869.f-Alenear Arsripe.
Interaaacao.
Fz a claasUlcaco de rditos aegnde os dados
ique tjve, leado-se-me aprcseaUdo.. solicitador
Aatemlo Marques Crrela, exigiadoo pagamento
de sen trabalha como prooarador judicial da
missa a qae se jalga eotn direiie (cando de ir
apurad o tu direito pnate V.S.-'Recife 10 de
abril de 1S69. O adBiai--irad>r Ajtonio Carlos
Pereira de Burgos Penee de Leoo.^4. 133, oagou
200 n.Recife 15 de abril de 869.Chaves
Pranoa.
Relacao dos creiores da massa taiida de Maaoel
do Amparo Caja, segundo xobta dos res-
pecteoi iuitns.
Credores : Miguel Archanjo de Fgueiredo eom
hypother.a 28:4l3iM0, Alves C, a .-tem C-oro-
grapharo 84J1100, Thoraaz TexeirfBaslos dem
8034419. AugustoCezar de Abren, idlin '1:007370
ManOel Alves Guerra dem 225000,-30:5525:W9.
O curador Antonio Carlos Pereira deRurgos Ponce
de Len.S. 134, pagou S00 rs.eeife 15 de
abril de 1869.Chave*.Franca.
Sente5a.
Nao tende os credores feito ."pmsicio algnma
a elassificacao dos crditos onstanes da relacao
de folhas 5, a hei por appravada, [ira que tenha
lugar o devidendo na coafonuidade ik tei e cusas.
Quanio a policio de folhas duas, digtin os credo-
res no termo de 48 horas.Recife l de main de
1869.Franiisoo de Assis d'0liaira, Baciel.
Peticaa. .
Illm. 8r. Dr. juiz de direito espeeii do commer-
cio. Alves A C, ha vendo sido aualflcados palos
administradores da rnassa fallida oe Maaoel do
Amparo Caj, credores por menor qaaotia do que
aquella em qUe na verdade importap seu crdito,
vem apresentar os titulas justos dos quaes se
musir que sao os supplicartes credores do
mesmo fallido pela quantia de 183J422 importan-
cia de nma exeeucao coofonie prova a certidao
junta sob n. 1, e mais pela uantia de 27U740,
constanies das letras sob n. le 7, e pois requerera
a V. S. srvanse mandar ouvr os ditos adminis-
tradores para o (Ira de seren os supplcantes con-
templados pelas quautias meicionadas, reformadas
nestn parte a elassificacao de crditos, Pede a
V. 8. defenraeiiio.. R. f.,Cosa Ribeiro.
espaoio,
Digam 1* administradores em 48 horas.Recife
29 de abril de 1869.OHeira MacieL
Infornacao.
Iilm. Sr. Dr. juiz do conmer. 0.Me parece em
vista do que aHegam e povaui os supplcantes que
devem ser aitendidos, entretanto decidir V. S.
como julgar de jaatici.Recife 8 de maio de
1869.O administrador Antonio Carlos Pereira
de Burgos Ponce de Lu. -N. 23, pagou 200 rs.
Recebedoria de Pernambuco, 11 de maio de
1869.Chaves.Franfa.
Despacho.
Reformada a elassiieacao de crditos na forma
requerida a folhas 1], voitem conclusos.Recife
12 de jttuho de 186f.Neiva.
Sentenca.
Vistosos autos, mostrase, que pelo administra
dur da massa faliid; foi apresentada a relacao de
crditos a folhas 5, a qual foi julgada procedente
pefa sentenca a follas 10, afira de serem pagos os
credure n'eila contemplados, mandando se depois
'reformar a dita :eelamacio para serem incluidos,
os credores reclinante* a folhas 12, e em vtz ds
fazer-se a reforma ordemnada, apresentou o
mesmo admmisiador sob a aulordade do despa-
cho a folhas 24 Aova relacao ,de crditos oa/i#
diversa da primeira. E considerando qae esta
segunda rslacio nao pode ser acceita, porque nao
auresenla urna lassiticacao de crditos, mas ade-
rece diversas e variadas" hypotheses relativas a
alguns credores ; considerando que a clissifwa
cao deve canter o debito liquido e reconluctdo d
massa falUic ; considerando que no caso de da-
vida nos credores, cabe reclamar e disputar ne
foro contencioso os seas dreitos ; considerando
que a relacao a folhas 3, jd havii sido migada,
havendo spmente a reclamaoao a folhas 12, attai;-
dda pelo despacho a folhas 21, considerando qne
05 ttulos de Luisa Teixeira de Lima, de que falla
a relacio a folhas 26, j f>ram desattendidos em
jnizo contenciosa como simulados e rescriptos,
mando que subsista a relacao a fotnai 6, falta a
emenda ordenada a folha 11; e qae por easa re-
laeso assim emendada sejara os credores pagos na
preporcao des seos crditos, e na razio de sua
cathegoiia, ficando sem effeito a relacao a folhas
26, e pagos as custas pela massa fallida.Recife
23 de fevereiro de 1870.Tristio de Alencar Ara-
ripe. E mais se nao continha em ditas penas que
rae foram pedidas por conidio dos referidos autos
aos quaes me reporto, e a presente vai sem cousa
que duvida faca conferida e concertada subscripta
e assignada nesia cidade do Recife de Pernambuco
Io di julho de 1870.Subserevo em f de verdade.
Jos Mariana de Albuquerque.
A vista de lio philantropieos aervices prestados
pelos proprietarios da imperial fabrica de cigar-
ros de S. Joio de Nitnerony, abencoado o vicio d- ^
fumar, qae concorre para o activo exercieio da vire,
tade da caridade.
En convilooa leitores e fumantes a visitar a Ira
penal fabriea de cigarros de S. Joao de Ni-
tneroy.
Moleque.
(Jonu do GommtiTio, 1 da marco de 1870.)
ATROPELLO NO SERVIO
Petie-se encarecidamente ao Sr. .guwrda
do 3o baulho, qae decore se ha 011 nao,
officiaes qae teahara ;sido atropellados do
servido da guarnicSoda cidade, ponto de
j terem montado seis guardas durante 18
das; assiau como, a que horas foi hontera
rendklfi o official da guarda da alfandega.
Meio dm.
.1
COMMERCIO.
ENGLISHBANK
Of Rio de /aneiro Limited
Descoata letras da praca i taxa a con-
'cnctonar.
Recebe dinbeiro em coota correte hia
(raso fixo.
Saca vista ou a prapo~sobre as cidads.'
(trincipaes da Europa, lem correspoodentec
la Babia, Boeaos-Ayres, Montevideo, New-
i Nerw-Grleans, e emitte tartas de crdito,
jara os mesmos logares.
HUA DO OOMMERCIO N. 36-
ALPANDSQa.
endimanto dodia 1 a 16. .
dem do dia 18......
539:058e*17
30:799*321.
989:B58fi38
MOV1MENTO DA ALFANM1GA
'oiuraas entrados eorafarendas
dem idem com gneros
oiume.s sabidos com fazendas
dem iJara com gneros
141
467
698
180
297
477
Descarreaam hoje 19 de julho,
Rrigue inglezBri/naaiemercadorias.
Patacho norte-allomioAtlanticmercadorias.
Rarca ingietaMimosaidem.
Barca mglexaMmnit idem.
Barca ingieraCedar4dem.
Barca portugueraAlexandre Herculanoiitta.
Sumaca hespaoholaJoven fizoidem.
Paucho norte allemaoAnuaidem.
Patachj norteallemaoElisabelhidem.
Brigue ragle7Firme-i*r\nn. de irigo.
Barca ingiatafVi|vferro.
laaptMrtaifie
Barca francesa Verimana, vinda do
Havre, consignada a E. A. Burle A. C, ma-
nifestvu :
6 caixas movis de ferro ; a Alvaro An-
Rusto 'Almeida.
1 dita miudezis; a MarcoUno D. Gamara-
7 ditas revolvere e espoletas; a Leh-
mann frere9.
2 ditas tecidos de algodSo ; a A. Correa
de Vasconccllos.
5 ditas ditos e chapeos; a L. A. Se-
queira.
4 ditas instrumentos de msica e teci-
dos diversos; a Anua C. de Meira Hol-
landa.
- ditas metas e chapeos; a S Ldito -
Irmaos.
13 ditas e i fardo Inpalo, acido solfa,
rico, e capsulas de chumbo; a H. Le idea-
2 caixas calcado ; a Mandes, Lobo & C.
3 ditas dito; a Porto & Bastos.
Siissitou-se questao a respeito de furto de um
cavado do Sr. Belarmino Alves Archa, e eu dis-
se a alguem suspeiur ser um individuo cogno-
minado Batioga, que aqui conhaci. e muita gen-
te o cooheeeu, tendo crdito de'ladrad de cavaHe,
sem mais tradutirera esse raen dito em disfavor
do Sr. Francisco Rufino Uatinga Braga, marchan-
te bem acreditado nesta praca e a quem se nao
pode attribuir semelbaote faeto. Peco a publica-
cao deste esoripto para justificar-me como Sr.
Baiinga Braga pela qual respondo na forma da
iei.
Reeife, 19 de jnlhode 1870.
Francisco Demetrio de Almeida.
Ernesto Hachado Freir Pereira da Silva, ofBeial
di imperial ordeni da Rosa, condecorado eom a
medalba de prata pela rendieao de Uruguaya-
na, lenle-coronel lv noraro do exercito, es-
r4vaa do i-ilzo especial do commercio desta. ci-
dade do. Recife dajernambaco e seu termo, por
Sua Magetade Imperial que Deus guarde, etc.
Uartioco que rsipjodo os autos (Indos de fallen-
cia de Maaoel do Amparo Caja, de qae trata a pe-
jto remo, nelle encontrei as pecas segumtes :
Decisaa de aggravo.
agrando nao foi o aggrarante com a decisao
de II W v. pela qual o Jan aqoo declaran- a faf-
leneia do raesmp aggravante; porquanlo dos autos
^ertifloo a visu dos autos, de que nota a peticio
retro, quo as pessas pedidas por eertidio sio as
seguintes :
Petieae.
Illm. b Exra. Sr. Dr. juiz de direito especial do
commercio.Diz Miguel Archanjo de Figueiredo,
qae#endo credor hypoihecario do fallido Hapoel
do Amparo Cajil, e adjudicatario da propriedade
Crteme, srto na frgenezia dos Atfofados, e
outr'oraperteneente ao mesmo falKdo, e que ochan-
do-se em poder do administrador da massa a
quantia de 75*992, producto da renda da dita
propriedade reduzida ero doas annos e qaatro
mezes e vlnte dtas, cuia renda foi arrematad era
leilid publico por ordem de V. Exc. no processo
da fallencia, rom osupplcante requerera V. Ecc,
que se digne de mandar entregar-lhe a referida
qnantia ^jae Ihe pertenee, nao s porqne feita a
penhora na propriedade, fleos tambera aprehen-
didos es fraetos d'ella, como ensina Pereira e Souza
prlmeiras liabas civil. Irdta 78, mas principal*
mema porque foi expresamente hypothecado ao
snpplicante alera da propriedade, o respectivo nao-
fructo como consta do dooumento junto. E assim
pede a V. Exc dferiraeato.E; R. M.O advogadq
Dr. Pereira do Bego.
^.. ftespnolw.
pfbrtne o admintatradr se j se fez a classifi*
Agua Florida de Murray e
A introduccao deste saudavel e delicadissimo
perfume inevitavelraente deve fazer eotn que essas
mil e ana aguas e espirito de chero, compostos
principalmente d'oleoe esseaeaes fortes e d'uma
qualdade impura, se transformem n'nma venla-
deira droga nne mercados. A' vinte annos i esta
pane, ella tomou o lugar de todos os extractos
e essenclas europeas nos mercados tanto da
America do Sal come das Antlhas, supprimindo
todas as dfferentes qualidades dessas chamadas
Eau de Cologne. O seu deleitavel aroma tem urna
approximacio mais eslreita e anloga a respira-
cao delicada das verdadeiras flores, do que aquel-
lede nenhum outro artigo era uso para a mesa do
toacador.
Usada como ama iavagem oa eaxagoamento da
boca, ella igualmente neutralisa e faz desappare-
cer o ino gusto e balito, causado palo fumo do
charuto, melhorando a condicao e estado dos den-
tes e gengires.
O FUMAS
NOUM VICIO.
Se J. lasques Rousseau sustentou( o paradoxo
que o estado do borneen selvagem e incali pre-
ter velan do hornera eivlisado e eulto, menor tra-
balho terei eu' era demonstrar qjw o fumar nao
um vicio, e qae at concorre para o bem estar
e felcidade social.
?$ de ef''rto Reeife 1* de feveroiro dd
1889.Alenear Araripe.
Informa cid.
Illm. e Exm. Sr. Dr. juiz do commercio.Cha-
(Juera nao conhece ao menos, de boom a impe-
rial fabra de cigarros de S. Joio de Nitnerohy, de
Souza .Wovaes C. ? Ajada mesmo os qae' nao
fnraam abemea existencia e eredites d'esse vas-
to o atiMsslme escabeleeimento Industrial.
O qoe, porra, Ignora anda algoem e que essa
intmensa fabrica proporciona meios de subsisten-
cia honrosa a mais de 100 familias, tendo dado
edacacid a 400 meninos brasileiros, que lem
aprendido, com a rastrieeio eieraentar e religiosa
a tomar amor aorabalbo e i ecoRomia; qne ac
lualmente o numero de aprendizes son e alm de
100 ; qoe o dieheiro vencido por efles aeenma-
4ado para render na eaisa economiza; Inalmente,
ana reiaam n'esse estabeleemeato a ordem, asseio
disciplina lado qnaato a hygiene aeonselba as
officinas povaadas por graade numero de opera-
rios.
J em 1867 a assembiea legislativa da provin
cia do Rio de Janeiro dirigi aas benemritos pro-
prietarios da imperial fabricajde cigarros de S. Joo
da Mkberohr um voto de louvor pales srmeos
queprestam. recebando em sea utabnleeimento
todas ositneninoa pobres brasileiros, qoe a elle re
cerrara, aos qaaea alimentante vastan, tratara
oae enfermdades, educara, mandara dar instne-
cao primara f eosioar um offlcio qae Ibes ve-
nha a proporoioaav meios de ubsiaienoia, pagan
do-Ibes desde que oa admi tem um jarnaJ, q*e
augmenta andida que se adiantaai ne of-
1 dita dito; a Lyra I dita dito; a Baltazar Pinto do G.
I diti dito; a D. Manoel Martins.
i dita dito; a Manoel Francisco Paseos
1 dita dito ; a Joao Ramos.
% ditas dito; a J. P. Arantes.
1 dita dito ; a J. Lopes Machado et C.
16 ditas armamento; a Non Sbosten & C.
37 dita cognac; a Lailbacar de C.
1 dita e 30 cestos vicho ; a T. Chris-
tiansen.
100 caixas spermacetti, 2 ditas sperma-
cetti, 1 dita tecidos de algodSo ; a H. Wi-
huer.
1 dita modas ; a Luis J. da SU va Cal-
marles.
18 ditas drogas; a Joo da Silva Faria
& Irm5o. >
2 Ditas fumo e papel; a J. Bernardo
dos Reis.
1 dita tecidos de algodao; a J. dos San-
tos Noves 6 Irmo.
2 ditas ditos de dito e sombrinbas; a
Bastos & Mooteiro,
40 barris e 40 meios manteiga; a Au-
gusto F. de Qveira & C.
45 caixas qninqoilbarias, chapeos, mar-
roquins, tecidos de linho e de algodao; a
Rodrigues, Irm3o 4 C.
14 ditas chapeos; a J. Christiani.
3 ditas ditos, a Joaquim de Sonza Maia
4 C.
8 ditas drogas; a A. Caors.
1 dita moiubos; a Maturino B. de M.
5 ditas miodezas; a A. P. de Souza Soa-
res.
5 ditas ditas; sellins, perfumaras e vi-
dros; a madama Adour.
1 dita chocolate ; a Cunta Manta.
6 ditas vidros ; a J. A. Pereira
5 ditas tocidos de algod3o e de 15a ; a
Adriano, Castro & C.
1 dita movis; a Moreau.
2 ditas ditos e perfumaras; a Rocha e
Silva C.
17 ditas, chapeos, miudezas, calcado, te-
cidos de algodao; a Jos Luiz G. Ferrei-
ra AC,
1 dita papel; a Nogueira & Medeiros
9 ditas gaiolas, teeidas de algodao e
de linho; a Alves A C.
2 ditas papel e rame ; a Meuron A C.
5 ditas espelhos; a J. de Azevedo Maia
e Silva.
2 ditas papaj para cigarros; a Costa
Irmaos A C.
1 dita perfumara ; a Augusto Ferreira
de Carvalho.
Jayma B. G. da Silva,
a J. I. Gonsalves Bel-
lo ditas qiiinquilharias, miodezas ; per*
lomaras ; a Otto Bohres.
80 barris e 50 meios manteiga ; a C. A.
Sodrt da Motta A C.
10 barricas e 11 caixas drogae ; a Bar-
Iholomeu A C.
50 ditas e 9 barricas ditas; a M. A. Bar-
bosa.
25 barris e 20 jneios manteiga : a J. Ge-
rardo de .'Bastos.'
I caiu calfado ; a Viaana Guimarles.
10 ditas papel. 40 barris e 40 meios
manteiga ; a J. M. da Rosa A Futios
15 barr e 30 meios dita ; a Benardo
Jos de Antojo.
3 caixas malas e tecidos de algodSo ; a
Herniqaes Azevedo.
6 ditas papel, crystaes e drogas; a Izi-
dern, Bastos A C.
25 baffis chombo de munieao ; a Anto-
nio dos Santos Oliveira.
598 formas para assucar; a A. V. da Silva
Barroca.
20 barris e 20 meios manteiga; a F. A.
Monteiro Jnior.
60 ditos e 40 barricas dita ; a Luiz J.
da Costa Amor i m A C.
20 ditos e 20 meUs dita; a Souza Bas-
tos A C.
40 ditos e25 barris dita ; a Tasso Irrno
AC.
30 ditose 40meios dita ; aCorga Irmaos.
40 ditos e 30 meios dita; Joo I. da
Costa.
loo ditos e 60barris dita; a Carvalho'
Zenba A C.
40 caixas perfomarias, alforges, papel,
miudezas e calcado; a Eduardo de Moraes.
17 ditas charuteiras, ferragens, vidros,
porcelana, tintas, papel, movis, escovas e
perfumaras; a Estevao da Cunba Medei-
ros.
II ditas miudezas, mafroquins, calcado,
papel, brinquedos, ferragens ; a Domingos
T. Bastos.
7 ditas, 1 farda e 7 barricas drogas; a
P. Maurer A C.
40 ;aixas ferragens c qumquilharias : a
A. D. Carneiro Vianna.
25 barris e 50 meios manteiga; a H.
Leger.
20 ditos e 15 barris dita, j' caixas te-
cidos diversos, calcado, marrotjuins; a or-
dem.
6 ditas ditos e tecidos diversos : a Mello
Lobo A C.
18 ditas papel, quinqutlharias, Bspelhos
marroquins, calcado, miudezas e perfuma-
ras ; a Prente Vianna.
o ditas ferragens e vidros; a J. A. M-
reira Dias.
26 ditas' chapeos de palha e tecidos di-
versos ; a Keler A C.
17 ditas balancas, miudezas, papel, fumo,
ferragens, vidros, marroquins ; a Bourgard
A Fa-ia.
43 ditas agoa'd Vichy, biscoutos, miu-
dezas, perfumaras, marroquins, tecidos
diversos; a V;u A Leal.
15 ditas armamento, marroquins, calca-
do, ferragans e miudezas : a Joaquim A.
de Araujo A C.
14 ditas tecidos de linho e de algodao :
a Pinto da Sil A Casco.
5 ditas movis, marmores, e camisas; a
Fuerstemberg, Flack A C.
20 ditas chapeos, calcado, ferragens, mar-
roquins, espoletas, e tecidos diversos ; a
Monteiro, Gregorio A C.
23 ditas miudezas. marroquins, tecidos
diversos ; a D. P. Wtld.
13 ditas ditos de algodao ; a Cramer
Frey A C.
5 ditas ditos ds dito; a Lindem Weydman
AC.
12 ditas div>s diversos, chapeos e
raindezas ; a Silva A Cardoso.
65 ditas armamento, cerveja, bitt-r, espe-
lhos, papel; marroquins e tecido? diversos ;
a Monbrd, Mettler A C.
201 ditas e 29 barricas porcelanas, crys-
taes, perfumaras, chapeos, machinismo.
vinho, queijos, marroquins, drogas, conser-
vas, tecidos de linho, de algodao e de la,
100 barricas farinha de trigo, 125 barris e
125 meios manteiga ; aos consignatarios.
Vapor brasileiro jaouarib, lindo de
Penedo e liacti, manifestou :
76 couros seceos ; a Tasso Irmaos A
561 ditos ditos, 281 meios de sola ;
ordem.
200 saceos farinha de mandioca
Goncalves Torres.
ECEBEDOR1A DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
dendimentodo dia 1 a 16. 42:183*832
Idem do dia 18....... 4:953J919
AweMU?5o de eabraa
Parante o juiz de paz da fregaezia.de Santo An-
tonio val hoje a 1 dora a arrematad diversas ca-
bras pegadas em correecio.
_ O oscal.
Joaqmm FraacfrcQ^e, Torres Gallada.
ArretnatacSo de cibras e porcos
Parante o juiz de paz doJoajuazia de S. Jos vai
hoja a arremataeio, as -sf horas, da manbaa, a*
pata da nbeira, diversas cabras e tres porcos.
Eraesao Cavalcanti de' Albuqnerqne.
k extincta caixa lial do Banco da
Brazil paga o 33% dividendo das accoes
aqui inscripta a razio da 9dt)00 por accio.
De ordem do lllirt. Sr. censelheiro inspector
da thesouraria de fjzenda desu provincia se faz
publico que no dia 27 do correrte mez, as S horas
da tarde, irao prac perante a junta da mesma
thesouraria para serem arrematados por imera por
menos fuer os concertos da quo precisa o proprio
nacional quo serve de Lazareto na Una do Pisa,
oreados em 2:8.1*5700.
Os licitantes se deverao habilitas; previamente;
raostrando-so aithenticamenle desembarazados e
quites, tanto com a fazenda geral como com a
provincial.
Secretara da thesurarta de fazenda de Per-
nambuco 13 de julho de 1870.
Servindo de oficial maior,
Manoel Jos Pinto.
Santa Gasa de Msericordia
do Recife.
tlu -fcir.* vista.
A Illm* jama admin-trativa da santa casa de-
misericordia do Recife no intuito de alargar o cir-
culo das pessoas que concorrem arrematacao do
fornecimento de genero que team de consumir os
esiabelecimeytos pos a seu cargo nos mezes da
agosto setetnbro, manda fazer publico que
mesmo fornecimeoio da quantia de trinta cont?
e (autos mil ris annualmente, e que pago raea-
salraente cora dinbeiro vista.
Recebe, portanto, a mesma junta propostas para
o fomececimento indicado na sala de suas aea*oes,
pelas 3 horas da tarde do dia 21 de julho correte.
Assucar retinado kilogrammo.
Dito de 2' sorte dem.
Dito de torrao idem.
Ale.tria idem.
Arroz de Maranhao idem.
Azeite doce litro.
Agurdente idem.
Azeite de earrapato dem.
Bacalho kilogrammo.
Batata idem.
Cha verde idem.
Cnpreto dem.
Cha hy.vm ulein,
Ceblas cento.
Caroe secca kiloprnmino.
Farinha do mandioca liirn.
Fumo do Rio kilo^rainino.
Feijao mulatinho litro.
Farello sarco.
Manteiga franceza kograram
Peixe fresco idem.
Sabao dera.
Sal litro.
Velas.de carnauba kllogrararao.
Velas stearinas idem.
Vinagre litro.
Vmh-i tinto do L>boa dem.
Dito branco idem.
Toocinho kilogrammo.
Os concorTemes a prsenla rao suas propostas em
cartas fechadas, as quaes tero a ordem estabeW-
cida no presente annuncin.
Secretaria da santa cisa da misericordia do Re-
eife 18 de julho de 1870.
O escrivao,
Pedro Rodrigues de Souxa.
Conselho de compras navaes
0 conreino no dia 21 di cornmte mez, i vista de
propostas recetadas al as 11 huras da manbaa e
sob as condicSes do estylo, promove a compra dos
objectos de material da armada, seguimos -. 1
niastro de 67 a 70 psde comprimento e 2 pea de
dimetro para o brigue barita Itamarac, 12 bar-
ris de alcalri, 200 colheres de ferro, 80 caderoos
de papel mata-boro, 500 pilcaros de f illi.i. W*
folhas de zineo, 400 libras de pregadura de zinco,
10 resmas de papel c*riuxinbo, 30 arrobas de es-
topa para machina, 8 arribas de estanho em ver-
ga, 6 escarradeiras de metal, 6 pecas de sondare-
za, 600 covados de baetilba, 1,200 libras de tinta
branca de zinco, 10 baideadeiras de folha, oVfote-*
inglezes de 8 ps de comprimento e 6 de largo, 2
oculos de alcance, 60 barras de ferro inglez pro-
prias para grelhas e 80 covados de oleado.
Sala das sessoes do couselho de compras navaes
18 de jnlhu de 1870.
0 secretario,
____ Alexandre Rodrigues dos Anjos.
c.
a
a F.
i7:l37*7ol
CONSULADO PROV1KCAL
Rendiinento do dia 1 a 16.
Idem do dia 18. .
92236*209
7018516a
99:754*371
MOV1MENT0 DO PGRTO.
1 dita dita; a
2 ditas vinho ;
trio.
2 ditas papel;
2 ditas aguas
C.
4 ditas moldearas
Azevedo.
3 ditas dita ; a H. C. de Paula Mooteiro.
6 ditas armacoes para chapeos de sol;
a Manoe! d G.
200 ditas speraoaeot, 60 ditas sar-
inhas, 100 barris e 100 meios manteiga;
S. de Ohveira Azevedo & C.
a Jos Cardoso Ayres.
nimeraes ; a H. Oetth
a Antonio Jos de
Navios entrados no dia 17.
Santa Camarinali das, palhabote nacional Ama
ro, de 313 toneladas, capilao Lnu da Costa
Amaro, eqnpagein 8, carga 1300 saceos com
farinha de mandioca por conla do governo ; ao
Bario do Livramento.
Penedo por Macei2 dias, vapor brasileiro Ja-
guanbe, do i9 Isneladat. coramandante Gui
Iherme de Castro, equipagem 30, carga varios
gneros: Compaohia Pernambacana.
Navtos sahidos no mesmo dia.
Rio_ de JaneiroPatacho brasileiro Esfrega, cap-
tao Manoel Jjs Pereira Mariobo, carga dffe-
rentes gneros.
PortoRarca portagueza Luiza, capilao Manoel
Pereira Marques, em hslro.
Navtos entrados no dia 18.
Rio de Janeiro20 das, palhabote portugoez Dez-
enove de Junho, de 189 tonelada., capilao Ma-
noel Fernandas Sena, equipagem 9, carga caf
e outros gneros; David Ferreira Bailar.
Havre37 dias, barca franceza Vmdmnna, de 240
toneladas, capitao Cholour. equipagem 12, car
ga fazendas e outros gneros; E. Barle & C.
Rio Grande do Sul17 das, paucho brasileiro S.
Bartholomeo, de 221 toneladas, capitao Jos
Gonsalves Pedro, equipagem 10, carga 11:200
arrobas de carne : Amorim Irmo.
Navios sahidos no mesmo. dta
Rio Grande do SulBrigue brasileiro Intrpido,
capitao Martinbo Francisco de Sonza, carga as
snear e outros gneros.
De conforinidade. rom os arts. 77 e 78 do de
reguiamento n. 2661 de 17 de marco de 1860, pre-
vine se aos Srs. Miguel Alves da Cruz Moniz, Joa-
qnim Francisco de Albuquerjue Santiago, Caeta-
no Pereira de Brito, Dr. Francisco de Paula Soa-
res, Maooel Mendooca da Silva Soares, Jos Higv-
no de Sonza Peixe e"Joao Francisco de Paula, qne
foram comprehemlidos no lancamento sobre in-
dustrias e profissoes a qoe se" est procedendo
para o exercieio de 1870 a 1871; o primeiro co-
mo dono da otaria sita na ra do uro, na quan-
tia de 21 000, sendo 3 sobre o alugnel de 100*
em que foi arbitrada a casa oc:upada com a refe-
rida olaria.tO*. por ler ella somente um fon
64 por tra balitar com seas operario : o segun-
do, na quantia de 10*000 sebre o alnguel de 100*
em qae foi arbitrada parte do predio, em que mo-
ra na ra Augusta n. 68, e que oecupa cem o sen
escriptorio de sollicit.vlor de cansas : o terceirn.
em igual quantia, arbitrada tambera sobre o alu-
guel de 100* da parte do predio em que mora na
mesma ra n. 57, e que igualmente- oecupa eom
o seu escriptorio de sollicitador de causas ; o
quarto na quantia de 20* sobre o alnguel em que
fui arbitrada parte do predio em que reside na
referida ra n. 46, e que oeeupada com o seu
consultorio medico : o quinto, na qnantia de
173*600, sendo 130 do imposto fixo sobre a sna
drogara na ra Direita n. 88, e 43*600, propor-
cional, sobre o Muguel de 436* ; o sexto na
quantia de 37*680, sendo 30* de imposto fixo so-
bre a sua botica na me-ma ran. 118e 7*68*
do proporrional sobre o alugoel de 76*800: e o
sptimo, finalmente, na quantia de 30* sobre
>eu ostahelecimento de marciueria na rna das
Cinco-Ponas n. 16.
Recebedoria das rendas internas de Parnambu-
co, 18 de julho de 1870.
O lancador interino
Ernesto Augusto de Atayde.
CIRCO
a i.
30 caixas cognac ; a F. Souvage.
1 dita vidra; a J. M. da Cruz Correa.
1 dita ferragens ; a J. d'Almeida d- C.
4 ditas, calcad.* e teoidBs de algodao;
a F. G_ de Qveira sobrioho.
I (Na cartoes ; a A. J. da Costa '
Silva.
UCUMMES.
Santa Oasa de Misericordia
do Recife
Pela secretaria da santa casa de misericordia do
Reeife se faz fcknte qoe o Illm. Sr. tbesonrelro
oommendador Jos res Ferreira, bo dia 25 -'o
crreme, pelas 9 hora* da maahaa, oo sali da
casa dos expostos, fara pagamento s anas que
u-ouxerem os meninos que ihes foram eonlados
do trimestre vencido de abril a janho nado.
Santa eau de misericordia do RMife-sfi'asi in-
tnodes870. nssss s.w j
O estriv&o,
Pedro Rodrigues de Souza.
NO
PAVILHO DES. ISABEL
GOMPANIIIA
EBLISTRE GYSSAOTA E ACB0BA1M
SOB A DIBBCgO
DK
D. Luis Caeali,
EXTRAORDINARIA E VARIADA FUNJ$AO
Qaarta-feira 20 do cmrrcaie,
EM BENEFICIO
^Do palhaco da comj)anhia
O dever de todo artista crnjgando o' djir de
seu bfueQoio, apresentar em scena urna obra ane
seja digna da cultora do publico ; e como seja
irapossivel ao beneficiado conseguir o que deseja,
sem a coadjuvacao do raspaitavel publico desta
capital, quera e confessa summaraente grato,
pelo hom acclhimento que at aqui lem tido, per
isso faz aiuda um appello ao mesmo, prometien-
do esforcar-se quanto Ihe for possivel aflm de sa-
tisfaz! r a todos quanto se d.lgqarem bonra-lo eeaa
as suas respeitaveis presencas.
PROGRAJWA.
PtUMERf PAWt.
l.#m lida syaiplioniaden|gida pelo maesc
5.*VoIieo rpido pela meaioa Juania, sobre
cavallito md!>ca.
3* Os dous Ribos do ar, axecutado pelos sym-
pathicos artistas AJdabo e o beneficiada.
4. Um novo intermedio burlesco, os deuaaaaes
1 v


)iario de
n i.
11
~ 'Terga era 19 de Junio de T870.

agigantada, pelo" .trtl lavdacao do* mfcfci
6. Exareieios equenre*, por Tcente, sobre ua
carilla era sso.
6. RjotWxrios pymnMaes e salto* nortees, pef
I i Sr. Aidabo e o beneficiado, ftoalleando o Sr.
Aldaba co o arriseadissirao falto de despenha-
iero ou duas pisiollas as mos da altara de 4
eias e | eadaira.
loternHo de 30 minutos.
SEGUNDA PARTE.
1-* Sytaphonia.
t. A hatada alu, pelos saltadores da eompa
ahia, na qaal o Sr. Aidabo dar o salto do tnel,
era traasfornaea, Qaalisaido eom, o arriscadissi-
loo- Mito- da bararlia, que serlo M soldados d*
bayonetas calladas disparando logo ao inesmo
tcmpo.
3.' Um Jocoso ntreme, pelos cloirns Aldaba
e i> benedado
k* k posta naeional, con seta carritos er Os,
?rgida peto distinelo ariistista Cesar Casali.
5.* O pao cueaaha, ou a percha lisa polo bene-
fletado e Aidabo.
applaudido deslocador Pernamboeaao te-
cita* varias deslocaeOti.
7.* PinaKsando-se core a aaolaudida pantomi-
ma, intitalada : O botisario da aldeia.
Principiar s 8 1)2 da nonte.
Caantes cora 6 entradas........ ItjOM
eir....................... 9MO0
Cadetm anisas para senbora..... U006
erae$.......................... 1*800
Os bilhetes de camarotes, cadras e platea?
reosm-st no mesmo circo.
Ao publico
O pavilbao achar-ae-ha todo embanderado, tan-
ta por dentro como por tara, e ao reesmo tempo
a banda de mnsica do 2o batalha de inlantari*
star dede s 7 horas da noate era frente ao
inesrae- pavllho, tocando diversas pecas.
AVBflS MARTIMOS.
MA
BUASILEIM
DE
Paquetes a vapor.
Dos partos do sol esperadi
al o dia 22 do corrente ora dos
vapores di companhia o qnal
depels da demara do costme
seguir para os portes do norte.
Desde ja recebem-se passageiros 6 engaja-se i
carga que o vapor poder conduzir, a qaal deven
ser embarcada no dia de suachegada. Encommen
*d*s e dinheiro a frete at as doas horas do dia di
soa.sabida.
Nao se recebam como encommendas senao ob-
lectos de pequeo valor e que nao excedam a i
arrobas de poso oa 8 palmos cbicos de med-
cao.
Tudo que passar destes limites devera se
emba eado como carga.
Previne-seaos Srs. passageiros que soas passa
(reas s se recebera na agencia ra da Cruz n. 57
! andar, escriptorio de Antonio Luiz de Hiveir;
Azevedo & C.
compaiia mmm
DE
Paquetes a vapor.
Dos porlos do norte esperad!'
at o dia 28 do corrente.o vapor
Guar, commandante o capitao
teuenle Pedro II. Duarte, o qnal
depois da demora do costme
seguir para os do sol.
Desde j recebem-se passageiros e engaia-se i
arga que o vapor poder conduzir, a quafdevere
*:r embarcada no dia de sua chegada. Encoanmen-
das e dinheiro a frete at as 2 hora- do dia da sua
sahida.
Nao se recebem como encommendas senao ob
J Mtos de pequeo valor e que nao excedam a duai
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medicao
Tudo que passar destes limites derer ser embar-
cado como carga.
Previne-sc ao* senhores passageiros que sua^
passagens s se recebem na agencia, ra da Cru2
n. 57, Io andar, escriptorio de Antonio Luiz de
Oliveira Azevedo & C.
(Para o Porto.
Acha-se cargt o brigue portoguez Triumpho,
pera onde recebe pjr Irte comraodo : quem no
inesmo qnizer carregar eotendase com o consig-
natarios Thoraaz de Aquino Fon-seca & C, ra do
Vigario n. 19, Ioandar.
COMPANHIA PEUHiMBCCAlti
DB
*avega;o coscra yor rapor.
Parabyba, Natal, Maco, Mossor, Ar*v
eaty, Cauri, Maadah, Acarac
Granja.
O vapor Igoj%ca eorainaadaBtt
Honra seguir para os porto* aci-
____, ma ao da 38 do correo as horai
la tardeT Recebe carga at o dia 29, neo
agendas, e passageiros e dinheiro a frete atss
t horas da tarde do dia da sahida no escripto-
rio do Portado Maitoa n. 12.
Maranho
E' esperada do Rio de Janeiro em poneos das a
barca portuguesa Marta, que traz j alguna ear-
ga para o referido porto ; e descarregando a que
para este conduzir, receber aqoi a que for pos-
sivel obter para o Maranho, e com pouca demo-
l : por isse queiu desejar aproveitar esta boa
occasiao de eoaoarque, dirija se ao consignatario
Joaauiaa Jet fionealves Bertrau, roa do Com-
mercio n. 17".
ni. de nma bilj-
pitofl #rio*vJn> Woa '* \
um
caranda, i mbiliar noza.
i cofre raacez. 1 e.uuU'.
dottra,'hrtttrtos, eadeirn aralas, consol los,
narqoezOes, bancas para jofo, mesa pa juttt,
baqa para advogado, 1 maluM para costara,
maqnezas, sofis. mezas redondas, copos, clices,
compteiras, reloglos e nrajtos outros bject03 qoe
serio vendidos- no correr o martellb, s !1 tfora
em ponto.
PARA'
Para o referido porto pretende seguir eom bre-
vidade c patacho- nacional Protector, por ter a
maior parte da carga prompta ; e para o resto, a
frete mdico, trata-se com o consignatario Joa-
quim Jos Goncalves Beltro. ra do Comaercio
n. 17.
LEILOES.
DE
FAZENDASGEEAES
EM
CONTINAQAO
Mello, Lobo & C. continuarlo, terca-feira o seu
leil do raais esplendido sorlimenio de fazendas,
j especificadas, em seu armazem, sito roa da
Cruz
LEILAO
DE
metal, de forro de
navio
A 20 do corrente.
O agente Oliveira farleilo por ordem do capi-
tao do navio Fidelis, em presenca do Sr. cnsul
norte-allemo, e por coma e risco de quem ner-
teoeer, de crea de 513 folhas de metal lirado do
dito navio recentemente arribado este porto
Qnarla-eira
ao meio dia em ponto, no armazem do barao do
Livramento, ao caes do Apollo.
Um bah com roupa usada,
O afete Martina far leiHo por ordem do film
Sr. Dr. Claodino de Araojo Oonnarie*. consol de
Portugal, de nm bami com roupa usada, con*tan-
do de paletots, camisas, eaTcas, coletas, chapea,
am relogio de prata, e muitos oatres objectos
pertencentes ao espolio do subdito portugus Ao
tonio Peixoto da Cunha
Quinta felra 11 do corrente.
em seu escriptorio ra da Cadela n. 9, frjmeh
ro andar, s il horas ao dia.
Fetapapifl iJUtTI
.iJLi^ts.a
R
LL'
DE
PI.WL'OTPa
J. Ferretra VtUk
AVISOS DIVERSOS.
Instituto Filial da Ordem dos Advogarios
Brasitoiros.
Sao convidados os senhores raembros do oonsa-
lho director do instituto para se reunirem em ses-
so no dia 20 8o corrente (qoarta-feira) na sala
do jury, a 1 hora datante.
OGaOIa.
O DR. JOAQUIM CORREA DE ARAUJO
lem o seu escriptorio roa do Imperador
g n. 67, onde pode ser procurado das 9 ho-
1 ras da maohaa asi 3 da tarde.
m
MDANC1
Maranho
Segu com brevidade para o porto cima o pa-
Ihabote nacional Joven Arthur, ainda pode receber
alguma carga e trata-se com os consignatarios
AntHij Loiz de Oliveira Azevedo & C, ra da
Cruz n. .t>7. 1' andar.__________________
Rio de Janeiro
Pretende seguir pan o referido porto com a
ponivei brevidade o patacho Monteiro por ter por-
i;.li da carga engajada ; e para a qoe Ihe falta e
sernos a frete, trata se com o consignatario Joa-
quim Jos Goncalves Beltro ra do Comraercio
n. 17.______________________________________
COMPANHIA PEHNAMBUCANA
DB
Naregaco costeira por vapor.
Porto de Gallinhas, Rio Formoso e
Tamandar.
O vapor "Jfosjor seguir para os portos aci
ma no dia 20 do correte, a meia noite. Recebt
carga, encommendas, passageiros e dinheiro a fre
t-> no escriptorio do Forte de Mattos n. 12.
NAVIO A VENDA
Vende-se o brigue portoguez 8. Jos, de tota-
;.Vi de cerca de 1500 arrobas ; os pretndanles
padero examina-lo no ancaradonro : na volta do
Forte do Mitto, e tratar a respeito, com o capitao
a bordo, ou na praca do Corpo Santo n. 6, segun-
do andar.
COMPANHIA PEKNAMBCANA
DE
\avegacao costera por vapor
Mamangaape.
0 vapor nacional Coruripe, commandante Sil-
va, seguir para Mamangnape no dia 28 do cor-
rente as 6 horas da tarde. Recebe carga, encom-
mendas, passageiros e dinheiro a frete at as 2
horas da tarde do dia da sahida, no escriptorio
da companhia, Porte do Mattos n. 12.
Aracaty
Seg'oe com a possivel brevidade o palbabote
Emilia, ainda recebe alguma carga a frete: a
tratar com S Leitao Irmoe, ra da Madre de
Dos n. 1.
LEILAO
DE
Dez paneiros com tapiora e 10 ditos cora g)mraa,
marca JAS avariado de agna.
Quarta-feira 20 do corrente.
O agente Pestaa far leilo per conta e risco
de quem pertencer, das mercadorias cima viudas
do Maranho no vapor nacional Crnzriro co SHl,
entrado neste porto a 8"do corrente, e serSo ven-
didas no trapiche Baro do Livramento no Forte
do Mattos, s 11 horas da menhaa de quarta-'eira
20 do corrente.
LEILAO
DE
movis, louqa e ehrystaes, a sa-
ber:
Um piano forte franez, urna mobilia de Jacaran-
da com um sof, drus coosolos com pedras, qua-
tro cadeiras de bracos e d cadeiras de balanco e oito ditas de guarnifo de
Jacaranda, dous ricos espelhos, um dito oval, um
lustre de christal, dous ditos de doos bicos, 6 jar-
ros finos para Aeres, tapetes e eferrradeiras.
Um toilet, urna cama trance a de jacajandi.
urna mesa de cama, nm goarda-vestido, am gnar-
da-roupa, urna commoda e santuario dejaearand,
seis cadeiras, nm marquezao. duas camas para
meninos e dons bercos.
Um sof, dous consolos, urna mesa de jogo,
duas eadeiras de abrir, vinte e quatro ditas ham-
burguesas, doze ditas de faia, urna mesa de jogo,
dous cabides, um e-pelho.
Urna mesa elstica, um guarda louca, doos apa-
radores, duas qnartinheiras, um sof, doze cadei-
ras, louca para cha e janlar, compteiras, garra-
fas, copos, clices, garfos, facas, colheres, msas
para engommado, trem de cozinha e outros ob-
jectos existentes no
Primeiro andar e pavmento terreo do sobrado de
azulejo da roa do Sebo n. 38
Quarta-leira 20 de julho.
O agente Pinto, autorizado por nma familia que
rai Enrona, far leilo di movis e mais objec-
tos cima descrptos, existentes no sobrado da roa
do Sebo o. 38, onde se elTectuar e leilo no dia
cima dito.
Princi piar s 10 horas.
LEILAO
DE
miudezas e ferragens.
Qointa-feira 21 do corrente.
Vaz A Ceal farao leilo por inter\encao do
agente Pinto, de nm completo e variado sortimen-
to de miodezas e ferragens, existeotes em eu ar-
mazem da ra da Cadeia n. 19, onde se elTectua-
r o leilo oo dia cima dito.
Principiar as 10 horas.
DE
MOVIS
No armazem da roa do Imperador n. 16.
Qointa-feira 21 do corrente
Augusto Seixas far leilo por intervencao do
31 O Dr. Carolina Francisco da Lima San-
tos mudoo sua residencia e consultorio
para a ra do Imperador o. 57, tf andar
1 do y obrado cojo armazem coacerva ain-
da boje o nome de Alianza, tendo a
S entrada, que pelo lado da ponte Seto 5
de Setembro, o mesmo numero 97, da |
frente. Ahi continuando o dito Dr. ao i
^ exercicio de sna proliss > de medico e SS
||t de operador, pode ser procurado a qaal- |
B quer hora do dia e da noute.
$,<:: lilHili
f 1VSTTLT0 ARCHEOLOtlGO E fiEOGRAPEICd
PEH\.\MWiCP.
Haver sessSo ordinaria guinta-feira 21 do
corrente pelas M horas da manhaa.
ORDEM DO DIA
Pareceres e mais trabalhos de com
missSes;
Discuss3o do ornamento que tem de vi-
gorar no anno social de 187071.
Secretaria do Instituto, 18 de julho de
1870.
Jos Soares d'Azevedo,
_______Secretario perpotno
Precisa-se de u>aa ama para o ser-
vico interno de urna casa de pequea fa-
milia : ra estreita do Rosario n 32, 3
andar.
PEOioe
Desde o da 7 de abrir passado acba-M atatt?
novo ettabeleciraento photographico, so ros do
Cabuga n 18, canto do pateo .la matfh. Ortraba-.
Ihos que desde entaa, lem sabido daoaM oflUHft
tem geraJmeDte agraado, ni niijii. imi
alguns com admirado pelo extrtoMteri) pro-
gresso que nltimarawie tem tido a i*o grapoJs
e por outros cora alegra, por verera a DKrvMMta
dotada com um estabelecimento digno tf*llaaa i-
contesiavelmente o primeiro qoe sesse genero
hojepossne : tambera nao nos poopamosem cousa
algunia para roonla-lo no p em qoe se acha, es-
perando que o patuco de Pernamboeo sabe
apreciar nossos esforcos e recompensar nossos
cnflcis.
Convidamos a todas aquellas pessoas, naeioMae
e estrangeiras que gvaum das artes, oo Svrem
necessidade He traba** de photograpba
tarem o nosso esu balee (ment, qoe estar sem^,
aberlo e a soa dispoSicao todos os das desde as 7
horas da oun&a at as 0 da tirde.
Para cs-lrabalhos de ptratofrapliia possutBMMdi
venas machinas dosmereom autores faaBisees,
uiglezos e alhr.enaes,. coran segara : Lereboors el
c r**%r ?ern!a:is' Thomaz-loss, Voigikader et
bonh e Woll ltimamente recepemos tres novas
nrtcbwiasi sendo rana dolas prtpria pa toma
Sobre e aesmo vtdro 4 on 9 imagens diversos e
isolad33, eqntra de 6 a 12 imagens' diversas e
iguslniraie ifeladas, do sorte qne no caso de
pande concurrencia pederemos retratar sobre
orna mica chapa at 8 pesseas diversas e sola-
das para rmifcs de risita, esssint em men*s de
nm quario de hora despachamos 8 differentes
pessoas que pecara cada orna, orna duzia de cartdes
mais ou menos, com os seos retratos smente, ou
em grapo com outras.
Encarregamos-nos exclusivamente da difeceo
e feitura dos trabalhos de photographia dei-
xando pencia- e utentes do distinelo pintor
allemao, e Sr.
Jorge A. Rbth
os trabalhos de piatnra, a aquarela, a olea,
pastel.
O Sr. Roth acha se hgado a nossa empresa por
orna escriptura publica, o at o presente tem-se
destellado na execucae de seos trabalhos.
So nosso estahelocimento acharase exposlos ou-
tros trabalhos in|iortantes do Sr. Roth, tanto em
miniaturas aquarella cono oleo, roiratos
oleo, quadrs sacros e diversos outros irabalbo?.
Tomamos encomn;p.r,d*s 4e retraios oleo at c
tamtfho natural, assim cono de quadros sacros
para ornamentacao dp igreias on capellas. Tara-
bem aceitamos encommendas de qaadrus histri-
cos.
Assepu ramos que os pracns dos dhrersoa tra-
balhos da nossa casa sao mni rasoaveis.
CART6ES DK VISITA NAO C0I.RIB0S A' 10|00 A
DUZIA
CABT9ES DE VISITA COM 0 COLOaDO AO NATU-
11 AL A 11^000 AD17IA
Retrates em miniatura oleo on aquarella de
16 20j000 cada am, iodo convenientemente en-
caixilhado em moldura doorada e regulando c
busto da pessoa retratada de 3 h, pollegadas e
todo o qnadro palmo e meio de tamanho
Julgaraos que bastarao os prec->s cima para
darroos idea da baralesa dos trabalaos do nosso
etabloc:.-riento, qoanto sua pprfeicao cada um
venha jolgar por seos proprios olhos.
As molbores horas para se tiraren) retratos nc
nosso estabelecimento sao das 8 horas da maohaa
1 da tarie; entretanto de uuia hora s a da tarde
em casos especiaes pde-se tambera retratar qual-
quer pessoa.
Nos dias de chura, ou por tempo sombro po-
demos retratar, e asseguramos qoe esses dias sao
os mais favuraveis aos trabalhos de photographia
pela dofora e persistencia da luz, e p*r termos o
nosso terrero construido com taes proporc5es e
melhoramentos, qae ainrta chovendo jorros ne-
nhum inconveniente ha para fazer-se bellos re-
tratos.
. J.F.rreira miela.
da com-
tem sor-
Como sabemos que o primeiro artista
psnl'ia de D. Marcos Casali, o Sr. Cesar,
prehendido o publico em toda a parte que ha leva
do scena os tres tapesios ou o hornera voador,
sublime inveucao do applaudido Mr. Lotard, pe-
dimos ao Sr. D. Luir. Casali, director interino da
inesiiia compahia, o favor do pedir a seu Ilustre
irmao que nos d o prazer e honra de o apreciar-
mos em to magnifico quao sorprehendente tra-
balho gymnastieo, antes de se retirarem detta
cidade.
Ossetts constantes admiradores.
Manoel da Suva Jacome Pessoa manda rosar
urna mi-si na igreja da Santa Cruz, as 7 horas da
manhaa do dia 23 do corrente, por alma de seu
amigo Joo do Pinho Borges, fallecido no dia 17.
Para ouvir essa missa convida os seas amigos e
aos amigse prenles do finado.
Manoel Antonio Vieira agradece s pessoas
que se dignaram aeompaohar ao turnlo a sua
muito prezada esposa Aona Joaquina Vieira, e aos
mesmos seus amigos os convida para assistirem a
umtmissa que tem dse dizer pela alma de sua
dita esposa, quinta-fein 21 do correte, na igreja
do Espirito Sonlo da Collegio, pelas 7 horas da
manhaa, por cuja candada ihe fijar eternamente
Franoelmo Domingoes da Silva manda celebrar
na missa por alma de seo lembrado amigo An
ionio Jos da Silva Gonzaga, no dia 21 do cor-
rente pelas 7 horas da manhaa, na igreja matriz
da Boa-rlsla, primeiro anniver-ario de seu falle-
cimento, e convida os seos parantes e amigos
para assistirem a este ano de candado. ______
Fronstipcio do Carme
Os encarregados da test de N. S. do Carmo do
Frontispicio convidara aos senhores procaradores
da mesma festa comparecerem no pateo do Li-
vramento n. 31, andar, tratar da mesma. fes-
tividade, no da 20 do corrente, as 4 horas da
tarde.
Irinaflddade das Alinas o Recife
Nao se tendo ainda realisado a permuta
do terreno da casa i-cndiada n. 66 da ra
da Cruz rio Recife, a mesa regedora convida
de novo es preLendentes- da nesnte, para
mandarem suas propostas em carta fechada
ao jtiiz da irmandade at o dia 21 do cr-
reme mez.
O escrivao.
Manoel Jone dos Santos.
Aluga-se o soio do sobrado da ra de Hor
jas n. 48 : trata-se no 1 andar.
Aluga-se o sobado n. 21 mo a ra de S. Pe-
dro Mai tyr de Oiinria : a tratar na roa do Impera
dor n. fio, 3 andar.
Precisa Te de orna amp oe leite
dor do Bispo n. 13.
no Corre
Precisa-se alugar un eseravo que seja fi
e sadio : a tratar na ra dos Pescadores n. 1'
padaria.
Armazem
Precisa-se alugar nm armazem as seguintes
ras : Couiraerie, Cruz, Cadeia : a tratar na ra
do Commercio o. 46.
Prrcisa-se de urna escrava quH saiba cozi-
nliar e ftizer compras : a tratar na ra da Cadeia
do Recife o. 1.
Pennula-se a residencia do 1" andar do so
brado n. 21 da ra da Camba do Carmo, compo-
r.nte de 2 sala, 5 quartos, cozinha, um corredor
em seguimento porta da ra, quintal, por um
primeiro andar ainda que tenha muito menos ac-
eommodacoes, de casa sila em qoilcjuer das roas
seguintes : Duque de Caxias, Nova, Imperador,
larga do Rosario : quem pretender dirija-se ao
sobrado annuociado.
Preeisa-ae de om cxeiro portugoez de 14 a
16 aonos: oa ra da Concordia a. 96, taberna.
Aluga-se o armazem da casa n. 34 da ra
Direita : a tratar na me-ma ra n. 24. padaria
A luga se
O 2 andar do sobrada da ra do Vigano n. 5,
com bous commodos para familia, agua polavel e
esgoto para aguas sojas : a tratar no armazem da
travessa do Corpo Santo n.45.
Na praga da Independeucia n. 33 se da di
heiro sobre penhores de ouro, prata e pedra:
oreciosas, seja qual fox a nantia; e na mesms
;asa se compra e vend objectos de ouro e prata
i igualmente se faz toda e qualquer obra de en
,ommenda, e todo e qualquer concert teadentt
i nusma arte.
MAR0QEH, ph"rmaTu^sS:ivile81-<>'
Boulevard Sebastopol, OS PABIfi.
NOVAS ESPEOALIDADES A. WARINIER
ApKstaljdas a Aetdoraia de Sfieurus c ao Instituto > Fn
W.!FPPf& Sob f"D Pjslilla, derodid c decida i
iniltWlMU fusor ib- inoiuuto nma solaeco
Preventiva e toratira da> MOLESTIAS COHTAGiOSAS.
laJECM-fmrai:
ioli tic um relogio, tenia* Ar
1 UlI.TItO t SERINGA *ca o
Cravct inconvcnientei de rrifilitB.
CCTi^ IrtQ Com r"rm,< Ae Tntwne de ura Poet
tO I UlJUO COTBXDO TODO tRXT^ilBTO.
COLLYBIO Conlra as ilTeccois das palpebraa,
preprjdo sob > mesnu furnia.
BARTHOLOMEO i C
CASA CAUVIN
Depositarios gcral para e ERASES., o PMSTUGAIi
3i, ra larga do Rosaiio. PERNAMBTJfJO.
A. IAWMEH Pbarma^;c,9c:ivne,Iiado
Boulevard Hbastopol,
NOVAS ESPECJALIDADES
C5.~PARI8.
MAF5INIER
Aprmentadas a Academia de Sticnias e ao Institude Franca.
1 t*(lP A A ** a form*(,e l>i"in eredi !a e doeada nara raser do
IHlWunU mntMDto nma solnr-irn PKETEBTITA E CDATIT das
MOLESTIAS CONTAGIOSAS
IHJECfOR-PBIlTBfl
do volume de um relogio, servindo
de Riiltro c Seringa sem os
Graves inconvenientes de Lragi);aode>.
COLLYRIO
BARTHOLOMEO C
CO I UaUO TODO TIIATANKNTO.
Contra as afleccois das palpebras, preparado sob a iiMsma forma.
Depositarios geral para o BRASIL e PORTf GAL
34, roa larga do Rosario. PJolRITAMliTJCO.
X A R o Fm
f E6ETAL AMERICANO
r S A LIOAOX
V"
lt
BARTNOLONEO&C
rm a cara eorta ai taes aatifai e retenta, aurrhoi pnlmonar, uthma; tasto cunla),
Vsothiu, o em goral contra Udos os soDrimeotos das ras respira lorias.
DEPOSITO ERAL
sonriGA. e: drogara
34, ROA LARGA DO ROZARIO, 34
PERNAMBCO
A thenpeitie* das diversas molestias do peito. desde
i pharyogite ou mal da garganta at a toUrcnlaclo
ulmonar, passando peras diversas bronchites catarrban
e o emphysema acaba da ser enreqoecida eam mais
te medieameoto, qae tooure a primeira orden entre
.odos at hoje conhecidos. O xarope Vegetal Americano,
;arantindo porainente vegetal, lio conten em sua
composicao nm s tomo de opio, aim somante soc-
eos de plantas indgenas, cojas propiedades benficas
na cura da molestias qne perteneca aos orglos da res-
piracio foram por nos observadas por longo tempo,
eom ptimos resultados cada res mais ensecan*; pelo
qne nos jnlgamos antorisados a oompor o xaropa qnt
agora apresentamos, a oBerete lo aos itedico* o ao
publico, Provamos coa os attestades abaxo o mn<
amos dito, e contamos qua o concoito de qn* ji cosa
o xarope Vegetal Americano eresWt de da a da,
deixando mnito aps de si todos o* paHoraas a roga.
lita. Sr. Baribaioneo ft C.-0 xarope Vejatal Ama.
icano, preparado emana conceitaadissima pbarmacia,
e um olil remedio para combate*- A terriret asthna.
Sofra en aquella molastia ka quatro netas, sem ainda
ter combatido oa ataques manai qae tina; este altimo
qae tire foi (ortissimo qne me proston par 8 dias, osei,
porm o sea milagroso xarope, tonudo apenas Ves
lesas, e at o presente ni o fui de nota atacado. Prua
Um, qae a ftfw raaubalacsa* par aau vas. Baado-
lhe, pois os meas agrdeomentos par me lar aliviado la
Uo borrirel mal. Com a mais significativa ejaHiilla,
sobsersto-me de Vmcs. aflectuoso e reconheciaV eri vt*.
- Setemo PuarM.-Saa Casa 14 de fevereire mtfmm.
Illms Srs BartholomeotC. Depois de qaattMaa
metes de soffrmento com nma toase incessanu, UaOm
extraordinario, expectoradlo de nm catarrho axeanilsv-
do, e perda total das (oreas, qne o menor passaia
me fatigava completamente, cansado de tomar musaati-
tros remedios sem resoltado tiveafelicidadedea *
Vmcs. preparavam o xarope Vegetal Ameri
elle, |cas a Deas, me sobo reslabelecido na i
dois netas, a robaste eomo se nada tiras** sontta. .
gratido me (orea a ata declaradlo, qoe pniaais inca:
lazer ato qae qnizerem. Son com estina. *Vr
muitos respetlacWr e criado. AntoM Jo*q%
Castra Salta. Eecife 8 de fevsreiro da t.

Atleatt qMi aaei do xarope Vegetal
eomposialo d*a Srs Bartbolomeo C. para
forte aflua qn me trome nasa renqaidio. qaaaiaa >
fatia adieader, Inflanmaclo a dor aa carteata. tmwu
graade taba derespiracio, e fiqoei caasplelsmafUasjwa
tabelecido com nm s ridro do mssno taroaa v-paia,
aa Ibes protesto otaras gratidio. Bacila i*Wa> js><
aeirode 1868. ;*afwa Prreira aVaaM.,is>7.
Esto raconbecido*.
M >:
la cabuga
u| esquina
illda rua larga do
Boaara
Esta importante estabelecimento no seu genero, tem sempre nm sortimento sem ignal, esquina
e vende por presos que nenhuma outra casa pode vender. ,
vista da qualidade e do prei?o das joias cada um poer-se-ha coavenoer da uerdado.da **
Oarante-se ser tudo de lei. Compra-se ouro, prata e pedirs ftans por presos muito ele-
A loja est' abert at s 9 horas da noHte.


Diario de Pernambuco Terqa feira 19 de Julho de 1870
n
PHARMACIA CEHTRAL
Ra do Imperador n. 38
Xarope de lactucario d'Aubergier, e de
thery decio d'Abbadie recommendados,
como calmantes para os casos, em qoe se
nlo pode osar do opio e de seas prepara
dos, e mui coa venientes para as enancas
nos espasmos e convulsoes. __
^ARMAGI?clTRAL MA DO IMPERA-
OOR N. 38.
Preparados d'alcatrSo em capsulas, licor,
e xarope ferruginoso.


iO
v
Este antigo estabelecimento, acha-se hoje montado n'uma
escala de poder servir vantajosamente os seus freguezes, atien-
to o grande sortimento de joias d'ouro, prata e brilhantes, qne
sempre tem e receben* mensalmente das principaes fabricas da
Enropa- cujos prepos sao em competiveis e as obras garantidas
de le i.
MOREIRA BUARTE C.

_
S-|S-f-S
k> O u
2Z
asrSop
A> co
J
O ce
.3*
si
o ST o 12 o
H S r> ? -i
" g ^
=5 S.3 g o-d
fo' 3.5
B 5 ir. S
09 W X C9
2 ua S o 3
isr ?.m
g-a-g 3 o ST
CB
3
xesos
"O-S O 0 a
&2LB So.
ti t ^ o n.
ci-
ca
a
a o
o o o
sils
o ^<5 3 STs-
O C6
D 3
SO.
a a B
lo
S g 3 o_
B cu CL-3 m
00 co _
-i g-38-9
> O) 2. c S o)
03 o
> tu

3 co 3"
a w ce a
MOFINA
XOA CENTRAL RUADO I
DOR N. 38.
Pillas do Vallet.
Plalas de Blancard.
Pillas de Bland.
Xarope ferruginoso de Blancard.
Confeites de lactato de ferro.
Pilulas de carbonato de ferro, laclado de
ferro, iodureto de. ferro com magnezia.
Ferro de Quevenne.
Assucar ferruginoso.
PHARMACIA CENTRALRUA DO IMPERA-
DOR N. 88.
Viobo e xarope de pepsina e diarthare,
excellente tnico para auxiliar as digestoes
difficeis nos casos de debilidade do esto-
mago. _
ATwu Sal
DOR N. 38.
Agua hemostualica de Lecbelle. mui re-
commendada em qualquer caso de hemor-
rbagia, e principalmente na thysica pulmo-
nar, e as hemorrhagias uterinas.
Roga-se ao Illm. Sr. Ignacio V.eira de Mello, es-
crivo na cidade de Nazareth desta provincia, o
favor de vir a roa do Irrperador n. 18 a < onclnir
aqoelle negocio que V. S. se coroprometten reali-
1 sar, pela terceira chamada deste jornal, em fins
de dezerobro prximo passado, e depois para ja-
1 neiro, passou a fevereiro e abril, e na la cumprio,
1 e por este motivo ie novo chamado para dito
; fim : pois V. S. se dere lembrar que este negocio
de mais de oito annos, e qnanao o senhor
filho se acbava no estado nesta cidade.
seu
m
TINTA PAEA IMPEESSES.
Nesta typographia ha um grande deposito de ti'-te
pfra yptgrahia, fabricada na Inglaterra, de quadade
superior, e que i etalhada em barris de O a 100 libras
por pre^o commodo.
6USTAVE
CABELLEmEIR FRANCEZ
51Ra da Cadeia do Secife51
Chama a attencSo dos 6eas innmeros freguezes, e do respeitavel publico ei
eral, para a seguinle tabella dos precos de sua casa, os quaes sao vinte por eentt
aaais barato do que em outra qualquer parte:
Cabelleiras para senhoras a 25)51,
M, 355 e......405000
Ditas para homem a 355, 405 e 505000
Coques a 125, 155, 185, 205,
255, 305 e.....505000
Crescentes a 125,455, 485,205,
255, 305 e.....325000
Cachos ou crespos a 35, 45, 55,
65,75, 85, 95 e. 405000
Tranca de cabello para annel
500 e....... 15000
Tranca para braceletes a 105,
455, 05, 25e.....305000
Cadeias para relogio a 55, 65,
75,85, 95, 125 e. :.15500i
Corte de cabello, ..... 50i
Corte de cabello com frieco. 501
Corte de cabello com lavagem a
champou...... 1500
Corte de cabeHocom limpez da
eabeca pela machina elctri-
ca, nica em Pernambuco. .
Frisado ingieza on franceza.
15001
501
251
Os abaixo assignados, proprietarios do
muilo acreditado estabelecimento sob a de
nominado BAZAR DA MODA scientificam
ao respeita*el publico, e com especialidade
a seus Innameraveis freguezes, qne conhe-
cendo a ntcessidade de dar um acrescimo
a seu genero de negocio aQm de me'.hor sa-
tisfazer sua immensa freguezia, resolveram
fazer um melhoramento importante em seu
estabelecimento, metamorphoseando-o no
que pode haver de mais bello e agradavel.
Sendo
0 BAZAR DA MODA
um estabelecimento j to conbecido d'esta
provincia, como das mais do imperio, onde
os compradores sempre tem encontrado o
que ha de melbor e especial em artlgos de
miudezas e perfumaras, conservando sem-
pre os proprietarios o systema de vender
por muito commrdos pre?os, tendo para
esse lim recebido todas as mercadorias di-
rectamente da Europa onde tem peritos
correspondentes, e certos de serem sempre
preferidos com animado, esto resolvidos a
juntar ao genero de negocio existente am
importante e sublimado sortimento de ricas
fazendas para senhoras e artigos da alta
moda de Pariz, onde o bello sexo com es-
pecialidade encontrar todos os adornos ne-
cessarios de que merecedor.
Conservando se
Precisa-se de nma ama para o servigo ioter
no de ama casa de pequea familia, preferindo-se
escrava : na ra da Amizade o. 21, Capunga, ou
na ra do Vigario n. 5. 3* andar.
DESEJA-SE
Erapregar um homem portuguez de meia idade,
noescolhe arrunaco, e tem muita pratica de
negocio, Unto para esta cidade como para fura
del la": a tratar na ra Nova n. 38:__________
Barba. ,......
ASIGNATURAS MENSAES
Especialidade,, de penteados para casamento
Bailes e soires
O dono do estabelecimento previne as j Recommenda-se a superior TINTURA JA
xmas. Sras. aos cavalheinos que ha um PONEZA para eoegrecer os cabellos e bar
alio para tintura dos cabello* e barba, -.*. aD *?";BJ ElP?si3mverMi
sau pdra ummm u aoao n3o prejudicial sade, por ser vo>
aim como um empregado sement occopa-jiatji, analysada e approvada pelaa acade
o nesse servico. uas de scieocias de PARS E LONDRES
LIVROS NOVOS.
LIVRARIA FRANCEZA
Una do Crespo numero 9.
CestaInstruccao nacin* I, 8* encad. 4.
Homenagemi Camdes, 8" encad. 5.
JozinoCdigo do processo criminal 6 edic, i
vols. 8o encad. 8.
Jutzo do MundoRomance, 8 eneai 3i.
GeraldesO papa rei e o concilio, 8o encad. 7.
LifSe de um paiz urna fllha sua (historia sagra-
da em verso), 2 vols., 12 encad. 49.
Luciano CordetroLivro de critica em 12 encad.
4*008.
Mello MoraesCurso de litieratura brasileira em
8 broch. 3*.
PawtoRomancetto por F. do Borja e Oliveira, em
18 broch l i.
Revuta.juridicaFascculo de novembro dezem
bro de 1869.
SaldanteRevolta dictadura militar nnio ibrica,
8 broch. ifi.
SilvaTestamento do Frade, 8 encad. 3*.
Tarares i* SilvaManual ecclesiastico, 2a edicto,
em 8 eocad. H$.
TelxeiraAccio de sracas pela victoria das armas
brasileiras em 12 broch. 300 rs.
Criada
Precisa-se de tuna criada livre on escraya,
qoe saiba bem ecgoBmar e tratar do servico in-
terno de nma casa do poaca familia : a tratar no
Maoguinho, casa nova dos Srs Carpinteiros, ou
ao cae* d'alfandega veHta n. 2 etcriplpria, paga-
IMMM-M Mili
PR1MEIR0 E ANTKK) CONSULTOBIO 1
HOMEOPATHICO
FONDADO PELO BB. SABINO
HOJE DIRIGIDO
PELO
DR. SANTOS MELLO. jtft
43Ra Nova n.-43 m
O Dr. Santos Mello de volta da Baha.
i contina a ser encontrado todos os das I
Jdas 10 horas ao meio dia para consolus. !
Chimados a qualquer hora do da ou 1
g da noule.
Gratis aos pobres. m
fR 43-Rui Nova n. 41 _^,^,i
&sa asa *&
Te Liverpool & Lon-
don & Globe Insu-
rance Company.
Companhia ingieza de seguros contra-fogo,
estabeleoida em 1839.
Capital e fundos de reserva
Rs. 35,30:9804.
Os agentes desta companbia tomam seguros so-
bre propnedades, gneros e fazendas armazenadas,
mobilias, etc., etc., e estao igualmente autorisados
a saldarem aqui quaesquer reclamagSes.
Saunders Brothers & C,
Praca do Corpo Santo o. 11.
PERFUME INEXTINGUTVEL.
Para o Ltoico, Toucadob", e Banho.
PHARMACIA DENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Xarope de rabano iodado excellente com-
binado do iodo com o sueco de plantas
anti-scorbuticas.
Este xarope empregado com grande
soccorro contra as molestias da pelle, os
engorgitamentos escrofulosos, o rachitismo-
cachloroso.
O vinho iodado de joly, e oleo iodado de
Personne, s5o recommendados para os mes-
mos casos, e encontram-se nesta pharma-
cia.
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Variado sortimento de chocolate de ban-
nilha, salepo-araruta, ferro, e de sade, da
acreditada officina de Menir.
Sabonetes d'alcatro, d'acido phenico, en-
xofre e camphora recommendados para as
molestias de pelo como sarna, panos, em-
pingens etc., sendo o ultimo de muita ulili-
dade para uzo do toilette, por preservar
a pelle de ser manchada das maculas, que
eos tu mam accomettel-a.
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Os melhores vermfugos para criancas,
Pastilhas de sanctonina.
t>itas de Kemp.
Oleo vernifuga.
Tudo de melbor qnalid-.de.
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Variadsimo sortimento de fundas de
exceden te qualidade.
FARMACIA CEMRAL
Rna do Imperador u. 38.
Lamploughs Pyretic Saline.
A preparation of well known utelity to the En-
glish Facully, asa cooling and refreshing beverage
in all cases "of fever. The frequent use:of "lis sa-
line preserves foreigners from many aU>..-es to
which they are leable before becoming acclima-
tied. M-iy be ob'tained at the Pharmacea Central,
juado Imperador n. 38.
PamaCIA CENTRAL-BlS UO^IMPERADeB
N. 38.
Pas'ilhas de balsamo de tol e de seiva
de pinho martimo, para as affecgSes chro-
nicas dos pulmes.
Pastilhas de therydocio e louro cerejo
para as tosses agudas, e de carcter nervo-
so, e para os vmitos durante o periodo da
gravidez, e qualquer affecco nervosa.
Pastilhas de bypphospheto de cal mui
uteis na thysica pulmonar.
Pastilhas de angico naf, e de Regnanlt,
de hortelSa, pimenta, e de Viccley, de pe-
cacuanha e de Kermes.
No armazem Novo Mundo, em frente a ra do
Vigario n. 2, vende-se rap das seguintes qualida-
des e vinhos, por todos os vapores, sendo a reta-
Iho e em grosso, a saber :
Rap G sse-grosso.
Rap Ga>seflno.
Rap Paulo Cordeiro.
Rap princeza da Baha meio-grosso.
Rap princeza da Bahia lino.
Rap popular da Bahia.
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Cha purgativo de Chambard, excellente
laxativo, e refigerante, que se pode usar
repetidas vez?s sem irritar os intestinos.
Alaga-ge o sobrado n. 18, na ra da Aurora
em Santo Amaro, reedificado e pintado de novo,
tendo excedentes commodos para urna numerosa
familia, quartos para criados, urna grande baixa
com eapira, etn todas as esttefies, para 4 cavallos,
cocheira, cavaikariQi e urna ptima cenzalla para
esoravos : quem a pretender dirija-se ra da
Aurora n. 2i.
k^WMfcT;
Do xarope Vegetal Americano- ^specatdaf "d^Brtkolomco&C:
34.RA LARCA DO R0SARI0.34.
Ko coslomatco* procurar tlcttidos pin eradiur
ossos preparados, deiamof qH a, applictcio a Of
taailudo, ohlidos pela.'' peaaoai q im, ikas deaa credrt t .'oga ; porua ato acmpr* o*
attattadoa eooiidtradoa gratuito*, # dalle* qoa laaca
o o cbtrlataoiimo; bii ni qncrmi* fleoder aa pea-
^aawjneesponUDeameot* noa o/Tere '^ransenplos, oaaiaBoapnWieraa'f*ataBdo-lb*
aaaaaa gntidlo pela allNicto. aaparand V*
Na* corroborar o conceilo, accailaclo qoa ua>
mi oosk' larop*. arlAolomaa 4 C.
trrnTAOM.
llta. Srs. BirtholoaMO i C E coa a bm snbv-1
jU*Iaclo qne declaro ser o iarope Americano it acia
"cu exiraordioaria, pois que ofrendo ka dias da
tosse. i nonio de alo poder dormir noil* *
So memo de medjraaunioa qat tomara, a elle
(i na terceira eolber U alTiado. e ate Ude me
toie re la pois csse reaullad manifeslo a
**af'^*- IIM?a reconheeimenlo. De V. >;#. auiigo. re.
*mm<- lo. Manoal Antonio l'iefji oBor.
----.
M t I'.. Pl
- lrof*
Vegetal Americano, de sua eomposiclo, qnando *
acbera bstanle doente de nma constipaclo, que me
lornou completamente rouco e qne Irouxe ama favtt
tosae, e me rmpossibilitoa de camprir os mena devana
da cantor da empreza lyrica, ron agradecer-lhea atea
completo restabeleeimento, une obtire com am so riere
da aaeamo zarope, depois da Ana recorrido a moilac
traumento*. Deaejani qae aatroe como en recorraa*
ao aaa atropa para a* venal aliriadoe da Uo Urritat
acoamodo, tae fatal nesta ptiz. Coa nulor consida-
racto eontioio a aer de Va. Sa. atteato, venenaW a
obriaado. Loir Cremooa. Bacifa S5 da tateman
lllmt Sr* Itribolomee *C0 laroe* Vegetal Ame-
'icano que Tr. Sa. Um expotto A veodt de toda efl-
ctv'it para o earatho d'attame. etaforme oktarvai ap-
alica^o-o mea Iho Joaqttt*. atanor da ajaatn
annoa; Ktina d'eas* flagello, que at aatto por espte*
excedente C unnt annoa baria resistido a ontro*zatvpat
de grande Borae.da. Qoairam pois Vr. Sa. tceaiur t
eiprcMloalUaunlfaincera de atea reconbec memo t
meritorio sanie* que Jbe preataram com o indicad*
Tarop, tcrediiaBiiotoe para sempre da V't. Se. ttiadd
..pei.lc i>i,iigado. Jjiu.'co .Nati9 da Vddoai^t. *>
PayilhaO de S. Isabel.
Joao Aodrigues, artista da compa-
nhia de D. Marcas Casali tendo-lhe sido
concedido o dia qaarta-feira (SO do cor-
V reate) para seu beneficio e como Ihe seja
tSL impossivel conseguir o que deseja, sem
5 a fenerosa coadjo vacio do respeitavel
I pablico desta capital a quem se confes-
8sa sammaraeele grato, pelo bom ac
I ni ment que at aqui tem lido. Por isso
faz aiada um apello ao mismo, pro-
mfttendo o beneficiado esfor^ar-se o
Squanto pessivel tbe fr. allni de satisfazer
a todos qaaatos se dignjrem honra-lo
com soas respertaveis presencat. 0 be
m neflciado cfferece ao publico a maior
B parte de sena Irabaihoa todos novos e
8ao mesmo tempo os demais artistas da |
companhia se esmer-arSo nesse dia em 5
fazer os eus trabalhos o melbor possivel. 1
Preclsa-se de urna ama pan comprar e co-
zinhar para urea casa de ponca familia : na ra
Imperial n. 130, casa com portio de ferro ao
iado.
i
^ma.
Precisrse de urna ama
, I andar.
na ra 4a Horf**> so*
XAROPE HYPNOTICO DE CHLORAL.
Ochloral um agente therapeulico recen-
toraente experimentado, mas cujos benefi-
cios v5o senda largamente aproveitados pe-
los praticos em quasi todas as affeccOes ner-
vosas, calmante e somnfero poderoso, tile
sempre empregado com vantagera nos
casos de dores nervosas intensas, e as de
insomuta, em que elle produz um somno
calmo profundo.
Elle recummsndado cas clicas, na cho-
rea, no ttano, nos partos laboriosos, na
clampria, as queimaduras extensas, nos
accessos agudos de gotta, na asihma, na
tosse convulsa, e em muitos outros casos,
DOSE. Daas a oito colheres de sopa
por dia, conforme o effeito que o medico
quer obter.
Encontra-se na Pharmacia CENTRAL ra
do Imperador n. 38.
VINHO DD QUININNO DE LABARRAQUE
Poderoso tnico hoje to aconeelhado nos
gozos de} debilidade geral, e mui usado
como antifebril.
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERADOR
N. 38.
AMA
Precisa-se de nma ama que engomme com pej
feco ; a tratar na ra Nova, casa n. 22.
TINTURARA franceza
S55-RuadaImperatiiz-55
Tinge, lava, limpa, lustra e achntalo- |
Bta-se, com a maior perfeicao, fazendas em
pecas e em obras de todas as qualidades; S
1 como sejam : seda, laa, algodao. linho, 1
chapeos de feltro e da palha etc. etc. ag
Tira-se noioas e limpa-se a seccosem Wa
| molhar os tecidos, conservando assim to- |
jo do o brilho da fazenda. j~:;i
Tintura preta as tercas e sexus fei- f
iIiiiniiin
Precisa-se para o Rio Grande do Norte de tres
amassadores portuguezes : a tratar com Tasso Ir
maos & C, ra do Amorim n. 37.
Na travessa da roa
das Grozes n, 2, pri-
meiro andar, da-se di-
nhelre sobre penhores
deooro, prata e brilhan-
tes, seja qnal for a qnan-
g ta. Da mesnia casa com-
pram-se os oiesmos me-
taes e pedras.
Precisa-se fallar com o Sr. Jos de Barros
Accioly a negocio de seu interesse : na praca do
Corpo Santo n. 17, t andar.
A MUI AFAMADA
AGUA DE FLORIDA, '
DE
HllllMl *4c I.WM %\.
He o mais delicado e mimoso e ao mes-
mo tempe o mais estavel de todos os per-
fumes, e encerra em si, no seu maior auge
de excellencia, o proprio aroma das verda-
deiras flores, quando ainda na sua flores-
cencia e fragancia natural. Como ummek)
seguro e rpido allivio contra as dores de
eabeca, nervosidade, debilidade, desmaios,
flatos, assim como contra todas as formas
ordinarias de accidentes hystericos; de
summa eflicacia e n5o tem outro queo
guale. Igualmente, quando destemperada
com agua, torna-se um dentifricio o mais
agradavel e excellente, dando aos dentes,
aquella alvurae aperolada apparencia to
altamente apreciada e desejada pelas Se-
nhoras. .
Como um remedio contra o raau hlito
da boca, depois de diluida em agua,
summamente excellente, faz remover neu-
tralizar todas as materias imhuras que se
criam roda dos dentes e das gengivas,
tornando-as duras, sadias e d'uma linda cor
encarnada. Quanto a delicadeza, riqueza
e permanencia do seu fragrant aroma, ella
por certo n5o tem igual: e a sua supe-
rioridade sem rival. Ella igualmente tor-
na-se um meio mui excellente, para fazer
remover de sobre a pelle do rosto, toda a
qualidade de brotoejas, ebulic5es, sardas,
pannos, manchas, impigens e espinhas.
Quando se queira servir della como reme-
dio para fazer desaparecer qualquer um
destes disflguramentos, e que tanto desfei-
am asilindas feicOes do bello sexo; devera-
se usal-a n'um estado de dilluic5o, destem-
perando-a n'uma pouca d'agua ; porm no
ratamento de qualquer espinha, usar-se-ha
della pura em toda a sua forca. Einal-
mente como um admiravel meio de cora-
municar as feicSes trigueiras e paludas,
urna pelle macia e d'uma transparente al-
vura, dando-lhe urna linda cor de rosa :
para um tal fim, ella leva a palma a-todos
os perfumes que se teem inventado at-ho-
je, e existe em plena soberana sem rival.
Bem entendido tudo isto se refere nica-
mente a Agua de Florida de Mrrat &
Lanman.
As imitacOes que se tem feito na Franca,
Allemanha, assim como em outras partes ;
s5o inteiramente inuteis e invaosas ; per-
ianto recommenda-se mui especialmente
s senhoras, que tenham toda a precauf5o
e cuidado, de quando comprarem, estejam
certas que compram.
A Genina
AGUA DE FLORIDA
DE
MURRAY LANMAN,
A qual preparada smente pelos nicos
Proprietarios.
LANMANN # KEMP, DE OVA YORK.
Acha-se a venda nos estabelecimentos de
A. Caors, J. da C. Bravo, & C. P. Mau-
rer A C. A. A. Barboza Bartholomeu. & C.
CASA DA FORTBJA
Aos 8:00011
Bilhetes garantidos.
. ra Primero de Marco outr'ora do Cres-
po n. 23 e casas do costme
Acbam-se a venda os feJir.es bbetes garan-
tidos da 2" Darte das loteras beneficio da San-
ta Casa de Misericordia (loi*), que se estratur
no primero dia depois da sahida dj paquete in-
elez qne se espera da Europa.
PRECOS.
Bilhtte inteiro ljOOO
Meio bilhete ."i'OO
Quinto 2000
Em porcao de 100,5000 para cima.
Bilhete int irj OOOO
Meio bilhete i500
Quinto 11800
M.inoel Mariins l"iu;a.
Formas de ferro
para purgar assucar, ainda exi?tem algumas, :
recebe-se fncomroenda para maior quantidade e
na ra da Cadeia n. i, armazem de S. Barroca.
iiii"i !l a in :
O Dr. Casanova pode ser procurado a
qualquer hora em seu consultorb espe-
cial homeopalhico, no largo da matriz de
Santo Antonio n. 2. Neste consultorio
tem sempre sortimentos dos acreditados
medicamentos do bomeopathia do Weber
& Catellan em tinturas, e em glbulos, e
: tudo quanto necessario para as pessoas
i que seguem este systema.
Os pobres foram sempre e continuam
a ser tratados gratuitamente.
Precisa-se alujar um preta escrava
que saiba cosinbar : tratar na ra Nova
n. 50, Io andar!
M fflUI
Vende-se tabelas cmpararativas de pre-
j;o8 de metros covados e viee-versa, mos-
trando primafacie o valor de qualquer
fazenda, em relacSo s mencionadas medi-
das reciprocamente : em casa de Lailachar
C, roa do Crespo n. 9.
Furtaram do engenho Munbequinha no dia
de S. Pedro, 29 de junho do crreme anno, um
quarto ruco de vermelho, grande, secco do corpo,
carnudo, aiuda novo, inteiro, eom doas feridas de
cangalha as costellas, a poDtinba da erelha es-
querda aparada por dente de outro cavada, com
marca de raladnra as juntas das maos, e o ferro
MC mal queimado em arabas as pernas: quem
sonber noticia delle dirija-se ao engenho cima
dito, a tratar com Maooel Carneiro Leo, que ser
recompensado.__________________________
PAUL CHAVIN
Mechanko coohecido ha 10 annos nesta cidade,
parteeipa ao publico qae tendo dissolvido amiga-
velmente a ociedade que tinha com o sea ennha-
do Carlos Ptuyn contiaiia a se acbar a sua dispo-
sicao para o qae dix respeito a abertura de bar-
ras, machinas de costuras, armas, leehaduras, col
locacao de campaobinhas e todo qualquer concer-
t : praca do Coade d'Eu n. 2i, oat'ora da Boa-
Vista.
ALERTA
Acaba de chegar livrarla franceza
REVOLTA DO
DICTADURA MILITAR
UNIO IBRICA
En 8o 1 #000.
Gabinete Portuguez
de Leitura.
Assembla Geral.
De ordein do Illm. Sr. presidente, convido aos
Srs. socios effeclivos a reunirem-se em asssembla,
quarta-feira 20 do torrente pelas 6 horas da tar-
de, para de conformidade com os estatuios proce-
der se eleccao do novo canselho deliberaliv a
commissao de exnme Je cintas.
Secretaria, 17 de julho de 1370.
Secretario,
J. R. Fonceca.
Aluga aa um oiagoiflco sobrado de um an-
dar e mirante, sito na roa da Aurora em Santo
Amaro n. 20, e reedificado de novo, com muitos
e excellente commodos para familia; tendo mais
muit03 quartos p.ira .criado?, e um nJo quintaJ
todo artorisado. A peasoa que o pretender, pode
dlrljir-se i raa da Aurora n 24._____________
* Preeiaa ae atesar ata escrava para czirjhar
e engownar : di roa o Crespo p. 23.
Agencia em Pernambuco
Do Dr. Ayer
Peitoral de Cereja
Cura a phthysiea e todas as molestias do peito.
Nafsa parrlIfca
Cara ulceras e chagas antigs, impigens e dar-
tros.
Tnico
Conserva e limpa os cabellos.
Plalas catbartlcas.
Puramente vegetaes e sem mercurio, cura w-
liSes, curara e purideara todo o systema buroano
Vende-se effectivamente em casa e Samuel P
hnstoo A C, raa da Santalla Nova n. 41
Aluga-se urna preta escrava boa cozinheira:
a tratar na rtu Duque de Casia* n. i, aDtiga do
Qocnado, loj* 4e fazenda--.
0 CIRLRIilAO DENTISTA
Frederico Maya
Tem a honra de scientificar ao respeita-
vei publico em geral, e aos seus clientes-
em particular que elle mudou o seu gab
netede consultas da ra Direita n. i'2 para-
a do Queimado n. 31 primeiro andar, com
a entrada pelo pateo de Pedro II, onde po-
de ser procurado para os mistares de sua
profiss3o, todos os dias uteis das 9 horas
da manha s 3 da tarde.
Tambem previne, que contina a prestar-
se a vontade dos clientes n3o s na cidade
como nos seus suburbios, para onde as
idas sero precedidas de ajuste. Elle ga-
rante o bom desempenbo e a perfeic*) de
seus trabalhos, o que j bfem conhecido,
assim como as commodidades dos oreos.
PEDIDO
Pede-se aos senhortt abaixo declaradas que se
dignem vir ra Nova Q. 46, Inja de fazendas,
aim de tratar de ultimar o negocio que nao ig-
noran) :
Joao Hypolito de Meira Lima.
Joo Francisco Hemeterio Portel la.
Joo Francisco Paes Barreto.
Jos Egidio Ferreira.
Jos Patricio de Ctstro.
Jos Vieira de Oliveira Maciel.
Jota Joaquim de Agniar.
Baziliano de Magalhies Castro.
rtuiabenne Rodrigue? Breekeofeld.
Maooel Candido Pereira de Lyra.
Precisa o da urna boa cozinheira para cas.i
do pottea faraDa; a tratar na rna da fnn n. iO,
armazem.


(Mara d eniambuco Terqa feir* l de Julho de 1&70.
?
&mwm^i
AO ARMAZEM
DO
VAPORFRANCEZ
Este eontaecido establecimento acha-se eonstnn'emente bem sonido, em virtude das
tatturas que recebe ipor todos os vapores o navios francezes, dos artigos abarco menciona-
dos, presos os mate resumidos que possivel.
CAIi^AOO FRMCEZ
SotlaM para *euturas e meninas.
Bolinas pretas, brancas e de muitas otaras cores sortidas e bonitas, do ultimo ges-
to da moda, e presos mai3 baratos do que em outras partes.
Botinas para bomens e meninos.
ottaas de bizerro, cordavao, lastro e pellica, das melhores fabricas e escoltadas.
Botas e pernelras rnsslanas.
Botas e peroeiras par raantaria, das melhores qualidades, de coure da Russia, tas-
tro e fciterro. __
zapatos de borracha para harneas e senkoras
Tendo chegado grande porcaode zapatos de borracha venderse pelo costo aiim 5
desenlatar o dinheiro nelles empregado, sao baratissimos.
Mapatos de lastro para horneas.
Sapatas de entrada baixa de couro de lusiru cora sallo, de muito boa qualidade.
Abotinados para meninos e meninas
Sapates abotinados de differentes modelos, de raurto boas qualidades e fortes, tanto
para meninos, como para -meninas, muito baratos.
palos de tpete.
Sapetos de tapete aveludado, de asemira, de charlte e de tranca francezes e por-
1 aoguezes paca homens, para senhoras e para meninos.-
PERFUMARAS
Exeellentes extractos, bauhas, leos, agua de coogne, florida, divina, iavande, den-
! 'triflce, de toilette, bonetes, tintara para cabellos, pomada angroise para bigodes, pos de
-arroz et i
Quinquilharias
Levas de peUiea do coiroecido fabricante Jouvin, espelhos para sallas, qnartos e-gn-
toinetes, toucadore- de diversos lmannos, leques para senhoras e para meninas, abridores
de lavas, brincos, puloeiras, botdes, crrenos e chaves de relogiose trancelins, tudj de
ouro de tei, correntes e brincos de plaqu, a imitacao e de mais gosto do que as de ouro,
caixinhas de costura ricamente guarnecidas e ornadaS'Oom lindas pessas de urajea, albn*
e caixilhcs dourados para retratos, caixinhas com vidro de augmento para distinctameote
ver-se a porfejcao dos retratos, objeetos de p ha o tas a para toilettes, bolsinhas e cestinhas
de seda, de velludo e de vimes para braco de meninas e senhoras. ditas para costuras, pe-
queos repisiros mottofinos e delicado, bouquets de flores de porcelana, jarros proprios
para gabinetes e santuarios, quadros promptos para collocar-se vistas, molduras douradas
para quadras, estampas finas de pa>ysagens, cidades, 'figuras e de santos, vidros para eos-
morama, malas, saceos o bolsas de viagens, esporas, chicotes, bengala?, oculos, lunetas oa
pensinez de prata dourados, grvalas pretas e de cures, abctoadur.ts de olleta e de pnnhos,
carteTiobas para notas, thtsounnbase caivetes finos, pentes, estovas, ponteiras de espuma
para charutos e para cigarros, jogos do domin, rodetes, bagatelas a outros differate?, ve-
nezianas modernas muito conveniente para portas e janellas, cosmorama?, lanlernas mgi-
cas, esteriocopos com intf-re"ssantes vistas de figuras e das mais bonitas ras, houlevards,
pravas passeios de Taris, photogra-ohias e caixiahas mgicas, reverberos para candieiros,
tapetes harmnicos, acordioos de todos os-lmannos, herios do vimes para criaseis, sapatinhoa ^
touca d laa, carrinhos de 3 e 4 rodas muito eleganles para conJu:ir enancas passeio ; a
outras omitas quinqoHarias de phantasia, francezas e allemaes, precos muito em conta.
Van este artigo nao ha espaco nem tempo para a massante leituru da innidade de
gneros de brinquedos fabricados em diversos paizes da Edropa.
ATTENCAO
O dono deste estabelecimente pede ao publieo em geral que continu a vistalo
verileando *? qualidades e os precos baratos de ditos objeetos por seram vindos em di-
i reitura e de conta propria.
DAVID W.
ESSGENHEIRO
Com fundieao
RA DO BROM 52
Passando o chTar-iz.
Chama a jtUenc3o dos Srs. de eRgenbo para seus acreditados lachinisraos e
<3oai .especialidade pitra seos vapores que anda urna vez tem melhorado.
> Os Vapores ornecidos por elle e ja funecionando Ihe bao de fazer melbor apre-
ciaco do qp gaalqoer dito proprio.
B&eja lolaw mencionar que vista do cambie agora mais faveravel deque
oa pocha tio/apontamentos du aaao passado lem feito urna redac;ao sensivel em todo
66US |M0OA.
N. 3 A RU4 DO CABVfiA N. 3 A.
C*5
O
co
>
Cora este titulo acha-se aberto e inteirasuente traosforraade este antigo
estabelecimento de jolas, onde os freguezes amigos eneontrarSo tudo quanto
a moda e o boro gosto tem inventado na arte de ourivesaria, o Coilar de Ouro
observar delicadeza no trato e senciridade e modecidade nos precos.
Espera que o respeitavel publico venba ver o que existe de melbor em
aderacos de brillianles, esmeraldas, robins e perolas, meios adrecos, pul-
eeiras, brincos, alfinetes e anneis de todas as rraalidades, prata de lei /aquei-
ros, colheres, palleiros salvas e outros muitos t?bjeetos que seria enfadonho
mencionar.
Compra-se ouro, prata, brilhanies e pedras 5nas, pormaior pre que em outra qualquer parte, troca-se e concerla-se todo e qualquer objecto
perteocente a esta arte.
tHom fundiqao,
A Passino o chafriz
Machinas va(:or systema melhorado.
fodas d'agoa.
Moendas de cama.
Taisas de ferro batido* fundido.
Rodas dentadas para oer com agoa> va-
por e animaes.
E outros muitos objeetos proprios d'gri-
oultura.
Tudo por prero ararto reduzido.
DE
Catao & C.
N. 77 ROA BA IPERAT ZN. 77'
Tsforce-se muifo embora o facottativo -npreguein-se as reacedes mais fortes contra
Huaiqucr affeccao, e tudo ser baldado, infructfe-
ro, a at omtninoso seos combinados 'pmarnaceu-
ticos nao forem acrysotados, e oriundos dos medi-
camentos mais novos paros.
Se a patrologa, a atera medica sao os dous
contribuales para ajtiompu exmelo dos pade-
cimentos mrbidos, se do seu perfeito -conhecimen-
to depende a vida as menores como ais .graves
enfermidades, a pureza do medicamento, a sua
forca reat e promttta accao expetindo toda dnvida
sobre sua efflcacidade, em vea do ser a' ultima so-
licitado a tomar o mais seguro arante da vida.
Esta pharmacia paro isso emprega todo o zelo,
mandando vir seus medicamentos ilos principaes
forneeedores de Pars, Londres, Haofkurgo, Lisboa
e America ; tendo tambetn grande ertimento de
productos chimicos, pharmaeeuticos, tintas, pin-
ceis e toda a quatidade de drogas, e preparados
especiaos desta barmacia.
Avia receitas com pericia e proroptido, at as
10 horas da norte, attendendo a qualquer remita
e a qualquer hora tambera da noite, por um pos-
tigo, a s abrwdo a porta a fregueses conhecidos.
Avista diste convidamos es moradores da Gre-
guera da Boa-vista e ao publico en geral a eon-
correrem ao nosso estabelecimento, que nos en-
contrarlo sempre promptos a satisfaze-lo- por
menos dez porcent-j do que em outra qualquer
parl.
Abaixo trarscrevemos algncs artigos ultin-
mente chegados :
Agua ingleza d Lisboa.
Dita de Viehy natural.
Dita de Seltz natural.
Assucar ferruginoso de Chanteand.
Checolate de musgo de Menier.
Dito de vermfugo.
Chocolate horaeopalhico.
Cloroformio de Minier.
Capsulas de Pasqun.
Ditas de oleo de ligado de bacalho.
Ditas de oleo-de figado de caparea.
Ditas de oleo de ligado de cupahiba e cubabas.
Ditas de oleo de figado de cupahiba, cubabas
ferro.
Carvo de BeHoc.
Cupaine mege.
Cupaine mege e ferro.
Drages de cupah ba e bismulh de Fortn.
Dito de Hermes mineral.
Dito de H-rmes mineral prateado.
Dismamadeiras finas.
Dismamadeiras entre-finas.
Elveir de Guilhier.
Extracto de carne de 1* qualidade.
Granulas de a -unitina.
Ditas de digitalina.
Ditas de Styclmina.
Injeccao de Cadet.
Dita de nrages de matica.
Licur-ante-rheumatico de Ricord.
Moscas de milbao francezas.
Oleo iie figado de bacalho ferruginoso de Ctonei \
Dito de dito de dito lodado ferruginoso Jo Di .
Delaitre.
Dito de dito de dito dito Persone.
Pasiilnaa de Emina.
Dias de Detan clorato de potassa.
Ditas de Vichy.
Ditas de Seve de Pin no.
Dias de carvo de Belloc.
Ditas peitoraes de Requault.
Pilula de naf.
Ditas pe i'.o raes ante asmalhicas de Pafieary.
Pos de citrato de magnesia de Roggi.
Perch'orureto de -ferro liquido.
Rob de Biy-ean Laffecleur.
Sacharureto de oleo de ligado de bacalho.
Saboneles solforotQS.
Ditos de alcatia.
Cigarros ante-asma(hiros de differentes autor is.
Sinapismos preparados de Rigolio.
Sulfato de l' qualidade.
Vinho do Pepsina de Bandoult
Dito de quina e ferro de Moitur.
Dito de Belline.
Xarope ante-asmaihico de Parai'ary.
Dito hypophosphisto de soda.
Dito liyposulphito de soda.
Dito Habano iodadu.
Dito Naf.
Dilo de alcatrao ferruginoso.
Dito depurativo de Cbabb.
Dito de quina ferruginoso de Ribelon.
Dilo de dita dito de Griraoutt.
Ditu de agriao do Para iodado.
Dito I,i rdureto iodurado de Gibert.
Dilo Cseme Berth.
Dito de casca de laranja amarga de La-Rose.
Dito de dita dita iodurado de La Rose.
Dilo de dita dita o quaca com prata e idureto- de
ferro de La-Rose.
Preparares.
Emplastro de jurubeba.
Pillas simples e ferruginosa.
Ungento simples.
Vinho simples e ferruginoso.
Xarope simples e ferruginoso
50^000.
Fnrtoram do dia 5 a 6 do crtente do engenbo
Giqw, freguezia da Escada um carallo russo,
grande, castrado, serrado de baixo, cauda apa-
rada, dinas grandes, cabeca pelada por 1er tido
sangue, bem feito a gordo, anda a pago a galope,
e de sella ; gratifica-se a quem o pegar a levar
ao ditoengenho com aqiianlia acuna.
GRANDE ARMAZEM
. lORt
Ra Nova n. 48, esquim da ra de Santo A maro.
O arnuzem da NORMA um importantissimo estabelocimanto, em cuja montagem nao se
poaparam despezaj pira o fazer wtoresahir entre os deraais estabelecimentos do aeu genero, a tor-
na-lo digno da concurrencia publica.
Se grande foi o e?mero qua prezidio decora;.) do estabelecimento, tanto maior tem sido
o euidado e capricho que tem havido ein torna-lo mais importante fornecendo-o de ura lindo sorti-
mento de fazendat finas, artigos de modas, etc. eje, importadas directamente da Europa, donde sao
escolhidas por pessoas habilitadas o de conformidade com as ultimas modas.
A WOR1IJL
pede ao publico e especialmente s Exmas. Sras. que dignem-se visitar este mpoitante e.tabelect-
manto, no qual acharo plenamente justificado o titulo que adoptou, porque o envidam os mniores
'iijorcos para qaa o ettabeleeimenio seja geralmente cpnhecido, como norma, da bom goslo riqus-
imo sortmento, modicidade de precoj, iuperioridade d fazendas e finalmente jjorraa de franqueza
e sienrdaae.
Sene ertafieleeiraento ha um nessoal habilitado a eeuduair fazenda a moMra t asas da*
Exmas. Familias que o desojareis.
Armazem da Norma.
48Ra Nova48
ATTENCAO
o
Precisa se de urna uulher eslraogeira que saiba
engorainar, e para o servico interno de urna casa
ingleza de pouca familia : a tratar na rua'da Cruz
n. 38, armazem. _____
l'uia pessoa que tem todas as habifitaedes
precisas offerece-se fiara administrar qualquer en-
genpi'. anda msmo sendo para fora da provincia :
quem precisar annuncie para ser procurado.
feitor" do
^^K^Voia>
ruada
-O Dr. lo*, Mara Seve, medico da eamara
mumcipal desta cidade, avisa ao publieo que se
acha encanegsdo do curativo dos pobres, poden-
do ser procurado para os misteres de sua profls
sao todos es das das t as II horas da manhia, e
las 3 da Urde em diante, em a sua resideucia
ra da Imperatriz 36.
XAROPE PEITORAL DE RABO DE
TAT'
CONTRA A TOSSE
PLANTA DO BRASIL.
Este xarope, de sabor muito agradavel,
e empregado com constantes resultados
comra as toases antigs ou recentes, ca-
tarrhos, bronchite chroniea bemoptise,
coqueluche, suffocacao, a em geral con-
tra todos os padec meatos causados por
ritacao das vas respiratorias. O seu
| uso convra igualmente paru aliviar os
g soffrimentos cansados pela phtisica.
8 nico deposito, nliarmacia de Joaqulm
de Almeida Pinto, ra larga -do Rosario
n. 10, junto ao qnartel de polica.
iatIHIiH
ATTENC&0
Precisa-se de urna ama forra cu escrava para o
ser vico interno a-externo de pequea familia : .na
ra do caes ao Capibaribe, casa nova com grade e
portao de (erro ao lado ; e lambem se atuga urna
negrinha ou moleqne, paga-sa'bem.
Ama
Precisfse de urna ama forra ou
casa de amilia : a tratar na ra
Caxias n. -69.
escrava para
do Duque de
As segnintes obras
Colis cont sttisto, ene. 1 vol. por 10000.
Flores sinqeku, por Paes de Andrade. Ul-
timas paginas, por V. de CaUsans. Illusd-
a perdidas, por C. do Atevedo, ado en-
caderoado em um s volnme, por 8KX)0.
Tambem vende-se as coleccoes de leis
provtociaes faltando arfeuas 5 annos, por
15^000, tndo 27 vol. em brochura. Quem
quizer dirija-se a esta typograpia que se
dir quem vende.
ALTA N
Ra do Duque de Caxias n 6,
1 anidar.
A tesoura de ouro acaba de reerber pelo ultimo
vapor da Europa um variadsimo sortmento de
objeetos de phantasia, onai proprios para presen-
tes, bem assim ama mfinidade de albuns para re-
tratos de apurada gosto, que sero vendidos por
baratissimo pceco ; luvas de pellica de Jouvin de
todas as res e todas as qualidades, exclusiva en-
commenda.

Vende-se
No armazem de U. Lger. ra da Cruz n. 68,
nho de Bordea ux em ca xas.
"ende-se um boi e urna carroca
Mondego n. 61.
na ra do
Deseja-se fallar com 0"Sr. Clementino Fer-
reiraGomesnegocio de*ea interesse : -ra o
Commerciou. 17.
AMA
Preoisa-te -ue urna ama para servieo de uontro
e (ora de casa de pouca familia, prefere-se escra-
va e paga-s*em agradando: na ra Velha nu-
mero-flB.
Ama de leite
Continua-se a precisar de urna ama de leite :
na ra larga lo Rosario n. 12, segundo andar,
jotnii botica (fa Pinto.____________________
flote do Uonle ro
Precisa-se de un' bom- oezinheiro.
Oozinheira
Precisa-se de |ma boa connheira para casa
estrengeira :' a tratar na ra do Trapiche n. 3,1
andar, oa'na Casa Forte, sitio na Campia.
<0 Sr. Affonso Jos de Oliveira deixou de ser
eaix-eiro da Maneel Amonio de Jezus e dispensa-
di) desde esta data de qualquer compra, ou rece-
bimento em nome do abiixo assignado.
Recife, 16 de julho d1870,
_____________Manoel Antonio do Jezus.
Preeisa-se de urna ana para servieo de ca-
sa : a travessa da matriz de Santo Antonio nu-
mero 10.
Cozinba-se, no largo d SanU Cruz n. 20,
livre de despeza, para hoaem solteiro ou nego-
ciante.
AMA
Precisa-se de urna ama .para o servieo de casa
de pequea familia, preferindo-se escrava : na
ra do Apollo n. 1.
Aluga-se a padaria allema em Santo Amaro,
bem montada e afreguezada, cem casa junto para
grande familia, com agua e gaz para consumo:
quem quizer .dirija-se a mesma, na ra de Lima
ns. 2 e 4.
Aefaado
A pessoa que na tarde de 14 do corrente per-
deu um chapeo di; sol na alfandega, Ihe ser en-
trege na roa Augusta n, 37, dando os signaes.
Am-i
Precisa e de -ama ama para
casa de pouca familia : na
3o andar.
o servieo de-urna
ra da Cruz n. 18,
Monte Pi Portugus
Eis os membros da directora provisoria anda
presentemente na administracio U\. ...
Presidente0-IHm. Sr. commendador Jos da
Silva Loyo.
SecretarioJoaquim Gerardo Bastos.
TiiesoureiroJos Alves Lima.
Precisa-se do um caixeiro portnguez de 20 a
25nn0S| que tenba bastante pralica de taberna,,
dando fiador a sua conducta : na ra do Pilar nu-
mero 139.
COMPRAS.
0 muzeo de joias
Na roa do Cabug n. A compra-se ouro, prata
i peoras preciosas por precos mais vantajosos d(
fue em outra qualquer parte.
Aviso provincial.
jO Campos da ra do Imperador n. 28, avisa
nao saos sos numerosos freguezes. como a todos
emais habitantes desta provincia, que o ^eu
armazem de molhados, um dos que pode com
franqueza bem prover "urna boa dispensa, pois
(em o propwetario des estauelecimento reunido
um arande sortmento 'de gneros de primeira
qualidade em dito armacem. N'omea los um por
um toroar-se-hiam enfadonho, no entanto des-
creve alguas que merece especial mencao.
A saber :
Presuntos inglfzes para llamnre.
Ditos de la mogo para panel la.
Qutijos de Minas, grandes, a 2.
Latas com salmn.
Ditas com iagostas a 600 rs.
Doce-de goiaba e de banana, muito fino.
Camaroes seceos muito novos, a 320 a libra.
Champante superior, garrafas a meias ditas.
Chocolate superior de diversas qualidades.
Caf de moka e commum muito superior.
Bagesem latas a 700 rs.
Bola-xinas de soda em latas e libras.
Vellas para carrr.
Copos lapidados.
Charutos do Costa de S. Flix.
Vwho asafado em garrafas.
Nozes e amenduas.
Conservas em frascos a 700 rs.
Rap Paulo Cordein viajado e commum.
Farinha de mandioca
de Santa Catharina
O que se pode desojar de bem, a garnel, a bor-
de do patacho inglez Maiy Blick : a tratar com
Tasso (raaos & C, ra do Amorim n. :7.
Ha para vender novo' e superior farelo que se
acna deposi ado no trapiche da comnanhia, chega-
do ltimamente do io da Prata pela harca fran-
ceza .4naWina a tratar com seus consignatarios
Amorim Irnwos & C, ra da Cruz n. 3.
A 3,000 RS.
Chapeos de sol de alpaca fina com hasteas de
baleia a 3J : na ra do Crespo n. 2o, loja da es-
quina.
Gfaude pec'.ilncha.
A' RA DO CRESPO N. 25.
PECAS DE BRAMANTE FINO com 27
varas, de urna largura, de 14 a 2? 5.
PECAS Dli CAMBRAIA TBANSPA-
RENTE aSiOOO.
ALGODAOZINHO com 18 jardas a
2-3900 e U a peca.
CHITA FRANCEZ A de todas as quali-
dades a 240 e 280 o covado.
CHALES DE MERINO' LISOS de todas
as cores a 2-3800.
Na ra do Crespo n. 2o, loja de Manoel
Dias Xavier. v
(Jompram-se
Moedas de ouro e de prata ra da Caseta do Recife n. 58, loja de azulejo,
ua
Compra-se urna casa terrea boa, situada em
Santo Antonio ou Boa-vista : na ra da Florenti-
na n. 6.
Cmpra-se urna casa terrea, na freguezia de
Santo Antonio : tratar no arco da Conceico nu-
mero 6.
Com muito maior vantagem compram-se
ouro, prata pedias preciosas e n obras velhas: na
loja de joias do Coragao de Ouro B.1D, ra do
Ca bug._________________
Precisa-se de um ponugnez para
engenho : na na Aiigasta n 43, 1 andar.
Em cana de THEODORO CHRISTJ
4NSEN, roa da Cruz n. 18, encontram-s
electivamente todas as qualidades de vinb<
Sordeaox, Bourroane ado Rheno.
Jornaes para embrulho
Gompram-se jomaes -. na fabrica a vapor de ci-
garros, na anga roa de quartel de Dolioia nume-
ro 21.
VENDAS.
Precisa-se de urna ama^ de leite sem fllho, e pa-,
ga-se oera : na ra da Conquista (Soledaae) nu-
mero g.
Manoel Francisco Carneiro avisa ao respeita-
vel publico e com especiaHdade ao corpo commer
cial, que por haver outro de igual nome, passi as-
signar-se desta data em diante por Manoel Fran-
cisco Carneiro da Fouceca. Keeife 14 de julho de
1870.____________
rtluga-8e o 2 andar do sobrad1) da roa Nova
n. 38, tem lodos os cowatodss qne je podem de-
ejar e est muito aceado.
^ Precisa-sa de urna ama para cozinbar e
prar: na ra wtreita do Rosario o. i7, primairo
andar. _________ ____
0 abaixo astignadpnada doven^hja da roa
16.
Grande armazem do Costa jun-
io a lypographia do Diario
n. \l
Manteiga ingleza muita (iua, dita fran-
ceza.
Queijos flamengos, dilos de minas, ditos
de prato.
Cha de diversas qualidades.
Caf de Moca e de outras qualidades.
Ameixas francezas em latas e frascos.
Marmellada dos meibores fabricantes.
Licores Japona e de outros autores mais
acreditados, maceas, presuntos, chouri-
cas, salpices em bsrril e Jalas de i libras,
e outros muitos gneros viudos no uiiirao
vapor, de especial qualidade por mdico
prego no novo armazem do Costa.
MACHIMA
PIRA COSTURA.
Vende-se urna com poco uso, de lacadeira, o
mtlhur sistema conhecido, serve para todas as cos-
turas de cambraia at couro ; o dono incurabe-se
de ir aos domingos ensinar a pessoa que a com-
prar.
RA DA CADEIA N. 45.
Bival sem segundo,
l\V\ BUQl KIII3 CAXIA* N. 4
(Antigaroa do Qneinado)
Contina a vender tudo muito bem e
muito barato a saber:
Libras de areia preta muito boo. .
Tesouvas firfts para tmhas o m< tu-
ra a.
500
60
10000
6QO00
100
500
500
5C0
00
coo
240
400
200
200
500
40000
20
500
720
40200
50Q
50O
40
240
lOOj
200
700
640
240

Objeetos para carros.
Solas de lustro.
Vaquetas de lustro.
GalSes largos e estreitos.
Oleado prelo para guarda chava.
Dito de cores para forro.
Lanlernas e vellas.
Botoes de osso de cores diversas.
Papis de agn'has francezas a ba-
lo a. '
Caixas com seis saboneles de frua
Libras de 13a para bordar Je todas
as cores a
Carriteis de linha Alexandre a. .
Frascos com azeite pra machinas
Grvalas de cores muito finas a .
Grozas de boles madepersla fi-
nissimos a......
Pares de luvas de cores muito fi-
nas a 320 e.......
Novello de linha de 400 jardas a.
Caixas com 400 envelopes moito
superiores a......
Pentes volteados para meninas a.
Tinteiros com tinta preta a 80 rs. e
Pecas de fila elstica muito fina a
Lata com superior banha a 400 e.
Frascos de oteo Pbilocomo muilo
fino a.........
Ditos ditos dito grande a. .
Frascos de macavperola a. .
Frascos de extracto muito b nilos a
Duzia de saboneles moho finos a.
Sabonetes inglezes a 600 rs. e. .
Frasco com agua de colonia Piver a
Dito de oleo baboza a.....
Caixas de lamparillas a. .
Saboneles a forma menino muito
superiores a.......
Lartilhasda doutrina fazenda nota a
Libras de linha soriidas de torios os
nmeros a.......4806
Babados do Porto, largos a 160 e
Capachos muito bonitos e glandes a
Carriteis de retroz prelo, com 2
oitavas a.....'. .
Agulheiros de osso enfeitades a, .
Libra de linha franceza superior
qualidade a. ..... 2400
Caixas de palito do gaza. 20
A Nova speranca
81Rna Duque de Caxias < I
Quando a NOVA-ESPERANCA faz os seus
anuncios expondo aos seus freguezes e a
todos em geral o grande sorlimtoto esu-
periondade de seus ohjeclos n5o com vis-
tas de atrair a attengao de urna grande fre-
guezia, como a de que actualmente despoe,
e sim para scientificar (a inlerese de todos),
a qualidade de seus objeetos os qnaes sao
sempre dt apurado gosto e pe fe;3o; tor-
nando-se quasi indispeusav^j para aquelies
apreciadores (do bom) fiquenlarem a .No-
va Esperanga, pois q, o ella capiicba em re-
'ceber cons!;;ntemeiile, o que ha de melhor
relativamente a sua reparliga'} : o que so po-
der verificar quando em' qualquer reunio
de pessoas (amaules do xique) v-se um
bonito enfeite em um bonito vestido, um
aroma agradavel escapjr d'nm alvo lenco,
um moderno e linde lago, um dilicado ra-
mo de finas flores, ele, etc, todos olbam-se
reciprocamente e dizem com tigo (e as ve-
zes uns aos or.tros) esls sao objeetos
comprados a NOVA -ESPERANZA: realmen-
te IIII procurar descrever em annuncios os
arligos que cont'-m dila loja, seiia trabalho
insano e nunca o fariatm s c^m aquella
graca o perfoicao com que sao elles fabrica-
do-:, assim pois a NOVA ES PER ANCA con-
tenta se em convidar a todos geralmente,
vjsitarem-na p;,ra eoOo licaram inlei-
rados do que ha exposto na mesma loja.
I Rna Duque de Caxias 2i
mmzm -*8**8t6te*a
Joaquim Rodrigues Ta-1
vare- de Mello,
Traga clt> Corpo Santo n. 17)
TEM P.vr.A VENUEB :
Cal de Lisboa.
Potassa pa Russia.
^ Vinho Bordeaux.
& Fa: ello d Lisboa.
$$ F-SjJia de inauiioea. 0
FRINHA
le Santa Catharina.
Vende-se farinba de mandioca muito alva e fi-
na, a mais superior que ha no mercado, em sac-
eos de dous alqucires, por menos do qne em ou-
tra qualquer parte: a tratar com Antonio Fran-
cisco Martins de Miranda, ra njva de Sania
Rita n. 53.
Muito barato
Para acabar
Pecas de algodao com 18 jardas por 280O-: na
ra do Cabng n. 10.
Pechincha
Veade-se dous bni e dou carros, tudo era bom
estado i no caes do Ramos n. 20.
PeehiiK'lia
Algodo,fpeca de 18 jardas, a 2900,'para liqui-
dar : na rna do Qneimad d. I, loja do flaspar.
Vende-se urna taberna oa rna de S. Miguel
n. 68, na povoaclo da frcuueziados Alegados, cjrn
poacos fundos, serve para qualquer principiante,
o dono dir poique razao a vendo. ______
Vende-se ou aluga-t>e urna canoa nova, toda
encavilhada de cobre, quo pega 400 fcix a de ca-
pim : para ver e tratar na camboa dos Remedios
com o capillo Delftm.
Os accreditados cyiindros americanos para pa-
daria.
Machinas para descarocar algodao.
Cano3 de ferro galvanisados, para agua
Carrinhos americanos para transportar fazendas.
ATTENCAO
Veude-se nina parte do engenho Ramos, comar-
ca de Pao d'Albo, de 9:000* a J0:O00#, e onira
do engenho Inbaman, comarca de Iguarasst, de
o:000 : os prelendentes queiram entender-se
com oenhor do engenho Camha da freguezia de
Tracnnlicm. ou ofli o Dr. Laurino de Moraes
Pinheiro, a rixi das Cruzcs (hoje Duque de Caxia i
o. 2. O ii esmo senhor do engenho Caraba offe-
rece a fazenda denominada,Mingnai do Grava-
t-psra o lrpjo -!a M dre de Dos e Carato de
Bom Jardim i uja blenda irtuita acreditada pe-
los habitantes du logar, lem acude o varios tan-
ques e algum gado que tambera se vende encob-
rado dila fazenda : trala-se nos lugares cima
mencionados.
LUVAS
j. p. p?.
Preeisa-se anda dj um criado, na ra
Imperador n.
de letembro.
01
7
andar, entrada pela poote 7
* Verdadeiras luvas do Jouvin branca* e decores,
viadas pelo ultimo vapor a 2*300; na loja da Fita
Atol, na do CaBog ri. i.___________
BASQUINAS
[De Ciuny, brancas e preUs, do ultimp gosto : ven
Ide-se na loja da Fita Azul, roa do Cabug o. t.
Farinfia de nandloca.
Da melhor qualidade e mais barata do que em
outra qualquer parte : vendem Amara!, Moreira
& C, no caes da alfandega n. 7.
Saceos de estopa
Vendera-ie ptimos saceos de estopa, proprios
nara asnear*, milhn, farinha etc.: no armazem df
Adamson, Howie & C., rna do Commercio n. 40.
Ligbnx)!
Veno-se do aro aem dRofrt Lighmowo
& C, ra da Cd-ia n. 32, fio e barbante de todas
as qualidades, eores e frossuras, em grandes ou
pequea- porpes, estopaj de todas as .ju^
e larguru.
Champagne da marea George Coubel 6) C.
vaquetas de lustre para carros, oleados de diver-
sas cores, pesos de ferro do swtema decima! :
venda ua ra da Cruz n. 68, no armawrn de
H. Lger._______________________________
Bichas hamburgnezas
Nesle novb deposito recebe-se por todos os pa-
quetes translanticos bichas de qualidade superior
e vendem se era cnixa on porcao mais pequea,
e mais barato do que em outra qualquer par
na ra da Cadea do Recife n. 31. { andar.
Yeude-se.
Ps d roseira de varias qualidades, assim com
da sapoli, abatate, figueira, laranja cravo c pi-
nheira, por preco razoavel: a tratar na Boa-vis-
ta, ra do Mondego n. 51.



6
Diario de Petnambuco Ter^a feira 19 _e Julbo Je 1870.


I
a 200 rs.
cabello, a
10000.
A VERDADE
Rna Duque de Caxiasn. 55
Na toja da VERDADE continna-se a ven-
cer por baratsimos presos todos os arti-
go! de miudezas e perfumaras do sea
grande e variado sortimento, gara.itindo aos
compradores toda a sinceridade.
Liadas bonecas de cera e massa por ba-
ratissimo preco. .
Espelhos honrados para pendurar a
160 rs.
Agulhas de osso para crox
Pentes finos para segurar
320 rs.
Chamins para gaz a 320 re.
Garrafa com tinta alizarine a
Dita com agua florida a l(J500.
' Dita com dita dita a 10010.
Tnico de Jayme a 15500 o frasco.
Frasco com oleo ex presso de babosa, de
240 a 640 re.
Dito com agua de Colonia de 300a 15000
Dito com extractos finos a 10000.
Dito com sndalo verdadeiro a 10200.
Latas com banha muito fina de 120 a
240 re.
Sabonetes muito finos e diversas quali-
dades a 80,160, 240 e 320 rs.
Finas escovas para dentes de 320 e 500 re.
Ditas para fado de 500, o 600 re.
Ditas para cabello a 500 rs.
Pentes para alisar com costa de metal a
320 re.
Ditos ditos ditos de bfalo a 240 e 320.
Pentes para tirar piolbode 160 e 240 rs.
Pavios para gaz, dazia a 240 e 320 re.
Brincos de cores, inteiramente modernos
de 160 e 240 rs.
Pepnas caligraphicas muito finas a 10400.
Ditas de langa e mosinha a 800 rs.
Lindos babadinhos e ntremelos de 500
e 10500.
Grosas, de botoes de louca de 160 e
200 re.
Ditos ditos para calca a 240 re.
Caixa com papel amizade a 700 rs.
Ditas com envelopes a 480 rs. '
Ditas com obreias a 40 re.
Ditas com agulhas fundo dourado a
280 rs.
Thesonra para costara a 240 rs.
Linha de marca caixa a 280. rs.
Carriteis de linhas de Alexandre de n. 70
a 200 a 10 rs.q
Grampos maito finos, com passarinhos du-
ziaa 200 rs.
Cartas francezas para jogar duzia 30000
Ditas portuguezas, duzia 10400
Papel almaco superior qualidade resma
40000.
Lam muito fina para bordar libra 60500
Fitas para debrurn de sapato, pessa 160 rs
Ditas de lam para debrurn de vestido pega
400 rs.
Caivetes grndes com molla a 400 rs.
Ditos grandes cora 2 folhas por 320 rs.
Rosetas pretas para luto, o par 100 rs.
Trancas d3 lam de caracol branca e de
coi es de 40 a 100 rs.
Fits para cs, pega 480 rs.
Alfineics de lato, carta 100 rs.
Sapatinhos de lam para creanca de 400
a 800 rs.
Calgadeiras a 40 rs.
Grvalas de seda prata do 48\j"eo0 rs.
Ditas de croxc, brancas e do cores 500rs.
Dita de gorgorito de corea a 800 rs.
Na verade ni* Baque de Ca-
sias B. *&.
COM I tfrl\ll V
Mala Laodelino vende saceos com farinha de
mandioca : na roa do Duque de Caxias, travos
do Rosario, toja 18 B
LOUCA
O
car ande armacem na ra da
laiperatriz n. O
Neste grande armazem vede-e Inica inglesa
Anas e ordinarias, apparelhns de porcelana para
jantar e para cha, jarros para flore os mais boni-
tos e de gestos moderaos; assim como grande
tortimento de vidros finos c ordinarios, que tudo
se vender tanto a retalho como por atacado polo
mais barato preco que em outra puaiquer .parte :
chamamos a atteneo dos fregnetes, que serivo
convenientemente servidos tanto nos eommodos
procos como na boa mulidade das faiendas.
Cigarros da imperial
fabrica de S. Joo
de Nictheroy.
nico deposito em Pernambnco caos da altan
dega velba n. S, 1* anda.
Lojj
Vidros para vidracas de todos os tamaitos
e em eaixas, vende Bartholomen A C, em sna
pharmacia na na larga do Rosario n. 34.
Alta novidade
NA
ja do pa(jo
Chegaram pelo ultimo vapor franeez as ricas
chapelinas de palba de Italia, ultima novidae de
Pars, chapeos de vetado e pal na tambera os te-
mos de maito gasto, poslilhoes e basquinas de gor-
gurio preto muito superior com ricos lacos de
setim : na ra i* de Marco n. 7 A, luja do paco.
Armazem dous irmos
8Ra da Peuha8
Manteiga ingleza flor a i 500 a libra, dem fran-
ceza a 760.
Cha miudo e grosso superior a 35200 e 33000, ca-
f em caroco a 200 e 240.
Vellas de spermacette a 640 a libra.
Aletria, talharim e macarrao a 400 a libra.
Vinho em pipa a 400 a garrafa, dem S. Jaliem
a 600 rs.
Grandes latas com bolacbinhas a 15300. idem com
lagoitinhos a 500. idem com figos a 1*000.
Copos lapidados a 5*200 a duzia, idem idem de
contra a 2*600, idem temos com 6 copos por
1*100; assim oomo mu.tos ontros objoctos.
Grande estabelecimento de fazeadas e roupas feitas e por medida, 4 ra da Im-
pera-n a. 52 junto i toja 4e orives.
Neste estabeleeimento encentrar o respeitavel pobOco am bonito sortimeato de
roupas de todas as qualidades.
Palitot de alpaca preta e de cores a 35000, 30500 70000, ditos mirin preto
de 70000 at 25)8000. ditos de casemira de cores finas e ordinarias, de 60, 4 160000,
ditos de panno fiaos de % 8-3 O0 e 24 000. sobrecasaco dito de 20,$ a 500000
Completo sortimento de calcas de brim pardo de 1,5600 a 60000, ditas brancas
de 20, i, 1OI0G0 o mais superior, ditas meta casemira, ditas casemira de 50, 12,5000,
ditas casemira preta de 60, a 165000 soperior, dita d merino diversas qualidades para
lato. Assim como ura borta sortimeato de colletes de brim de cores, ditos brancos,
ditos de casemira de ores e pretas, ditos de merm para lato futrada superior.
Sortimento completo de camisas francesas de algodo, de 15600 30000, e do
linbo de 381000 a 700000 a dar.
Sortimento completo de oeroulas francezas de algodo de 10600 a 25500,
disde bramante a 10800, 20500 e 30090. ditas de ttamoorgo. franeezas, faaenda su-
perior de 250000 a 350000 a duzia. Sortimento de colannbos de algodo e Hubo, etc.,
assim como meias de algodo para liomem de 30, a 100000 a duzia, gravitas de mul-
tas qualidades. Na ra da Imperatriz n. 52, loja do
Sortimento de chapeos deso de alpaea, e seda, ditos inglezes cabo de marfim.
Toalbas para rosto. Sortimento de mallas para viagem.
ATTENRAO.
Neste estabelecimento encarrega-se de mandar fazer qualqoer obra por medida
e para esse fim tem hbil mestre encarregado da o.licina, que se encarrega do Irabalbo
com perfeigSo e pontualidade.
SORTIMENTO DE FAZENDAS.
Chitas de 240 rs. o covado ou 100006 a pessa com 42 covados, ditas miudes
para camisas e tiroo de menino260, e 280 rs., e outras muitas qualidades de 320, 360
e 400 rs. o covado, neste mesmoestabelecimento chegaram, ornas bonitas chitas da
victoria com barra, a qnal para llhos ecompetente enfeite para corpinho. Cam-
braia lisa do 35, 40,50 e 10000 a pessa, e outras muitas fazendas de todas as quali-
dades.
ALGODO MAAPOLO AVARIADO.
A 40000 o algodo. e 40500 o madapolo, e tambem chita escura boa 240 o
covado por ter grande porco, na roa da knperatrtz n. 52, loja com yortaes encarnados,
iutitulado
no armazem de E. A. Burle 4 C. roa tb
Cruz n. 48 o segointe;
\inho Bordeaux superior qualidade, mo-
cos de 75500 a 205000.
Cognac fino, differentes precos.
Licores de differentes qualidades e mo-
cos.
Frutas e conserva em frascos.
; Azeite doce raacez, em eaixas de 12
garrafas.
CEMMO
O verdadeiro portland. S se vend na ru 4i
Madre de Daos n. i% rmazeol dejoao Martitde
Borros._______ ,______^___________..^.
Boa morada
Vendo-se om boro terreno em ama das roas al-
ur ,.aran llt. timameote abertas na estrada nova de Batel,
va.a L8aranu?a-se a sua coa qua- onJe a ,raha ferrea mui|0 perto d# h^,.
Iidade, e tambem Bnairja-se com perfetco j3Ctr* eom maltas e trra para capim e nu
a todos os compradores. Estas machinas! dioea, tem de exieoelo 1800 palmos, porm m-
so iguaes no seu trabalbo ao do 30 costa-1 de-so wnudtf dos compradores: entendorem-
reiras diariamente, e a saa pereicSo tal, "*roa da ""^ratrii n. 31
como da melhor costureira de Paris. Apre-
sentam-se trabalhos ejecutados pelas mes-1
mas, que muito devem agradar aos pretea- .
dentes.
COSTURA
Acabam de ebegar ao GRANDE BAZAR
UNIVERSAL, i ra Nora n. 22cauntoo I
tiannaum completo sortimento de ma-1
chinas para costara, dos autores mais co-1
ntiecidos, as quaes eslao em exposico no
Leo de Ouro.
Of ficina e armazem de
maimore
Caes Vinte e doas de novembro n. 57,
(ootr'ora armazem allianca)
Ha para vender pedras marmores de todos os
lmannos o gr. ssuras, lijlos de diversos ta-
. manhos, soleiras e saccadas, assim como solei-
, ras e saccadas de pedra de Lisboa. Tambem con-
trati-se e faz-se qualquer obra, como mona neo-
tos, tmalos, estatuas, pias, lavatorios, masas e
tado o mais tendente mesma arte, por mdicos
prjeos._________________________
Estampilhas.
Vende-se na roa da Cadeia do Recife n. 58, loja
de azulejo.______________
Farinha e mi'_<>.
No trapiche Baro do Livramento existe bo fa-
rinha de mandioca e excoliente inilho era saceos
grandes : a tratar na roa d> Vigario n. 46,1* *-
(_r,egcriptorio de Joaquim Gerardo de Bastoe.
Farinha de mandioca
da Babia.
No escriptorio de Joaquim Geraldo de Bastes ;
raa do Vigario n. 16, primeiro andar, veado-se
farinha milo alva, fina e torrada, saceos de don*
alqueires, por menos do que em outra quakper.
parle.
Farinha de mandioca
igual a de Muribeca.
Em saceos de doas alqueires e de panno de
algodao, cuja medida corresponde de Si 8 00
mais do qne a medida daqui e do Rio de Janeiro,
vende-se a preco menor do que em qualqoer ou-
tra prtete : tratar com Joaquim Jos Goncal-
ves Beltrao, em seu escritorio a ra do Commer-
cio n. t7.
Mais barato do qne em outra qualquer
parte.
No porto da travessa dos Coelhos acha-se cons-
tantemente tijolo grosso e fino, tapamento, telhas,
e grande porcao de area, que se vedem a vontade
do comprad.- r por menos preco do que em outra
qualquer parte ; assim como se encarregam de
f.irneivr matenaes para as obras, para o que b?
canoas e carrocas.
LOJA DOS ARCOS
a
Ra do Crespn. 20 A.
Alvaro Augusto d'Almeida C.
Este estabelecimento de fazendas finas e grossas j bastante conhecido como
ara dos mais bem sorldos desta cidade acaba de receber directamente de Paris alguns
artigos especiaes que passa a mencionar.
Ricos corto de vestidos de blond para casamentos.
Cortes de vestidos de seda de cor, de gostos inteiramente novos.
Brochad, fazendas de 15a e seda propria para vestido.
Foulard e seda de todas as cores, tambem para vestidos.
Fitas largas de seda para cintos, gostos escoceses e lisos.
Cbapeloas de seda e de pal ha d 'Italia.
Basquinas de seda e guipare.
Colchas de seda e de la e seda.
Cortinados de cambraia bordados muito ricos.
Pantos de verdadeiro croch para jardineiras, sof e cadeiras.
Toalbas de linho de superior qualidade.
Bramantes, selicias, sguies atoalhados.
Gaardanapos, colchas, aaias bordadas camisas,
Cacl>e-nez, bales, camiMnhas, sombrinha.
Madapoies de varias qua'idades, saxos para viagem, mallas, tapetes, capa-
chos, alcatifas e muitos ontros artigos que se vende por presos mdicos.
Tem tambem constantemente um completo sortknento de ESTEIRAS DA IN-
DIA para forrar salas.
Vende-se
Sementes n:vas de hortalices, garantidas, da socie-
dade de Horticultura Lisbonense, ruadoAmorim,
deposito da tabrica de cervejas e espirites da ra
do Brnm._______________________________
m GAZ GAZ
Chegon ao antigo deposito de Henry Forster o
o., roa do Imperador, nm carregamento de su
de primeira qualidade; o q_1 se vende em pamaai
e a retalho por menos preco do que em ontr qua)
qtter parte.______________________________
Vende-se um terreuo proprio, com 138 pal-
mos de fren le e 160 de fundo, para o lado da es-
trada de ferro, cujo terreno tem alicerce feito pa-
ra cinco moradas de casa, na ra de Motocolom-
b dos Afogados : a tratar na mesma roa, ou na
roa Direita dos Afogados n. {3.
Sahidas.de baile
Chegaram loja do paco as ricas sahidas de
baile, assim como os ricos enchovaes de cambraia
bordados para enancas se baplisarem, artig > este
o melhor que ha no mercado, assim como tomos
grane sortimento de outras muitas fazendas de
Sosto e novidades por todos os vapores : na loja
o paco ra i* de Marco n. 7 A.
Cantara de Lisboa
Soleiras hombreiras e capiteis para frentes de
casas, o que ha de melhor : venda no arma-
zem da travessa do Corpo Santo n. 25, de Joaquim
Lopes Machado & C.
Vende-se urna casa de taipa, na baixa do
Zumbi, (Torre) em solo rendeiro : tratar na ra
Imperial n. 233.
BRACO
Ra do Imperador n. 26
O respeitavel publico encontrar nesu
estabelecimento diariamente um completa
sortimento de pastelaria, bol-Ios inglezes
podins, pds-del,- prgsentos dos ltimos
chegados ao mercado, salame de lion, bo-
linhos finos de todas as qualidades para cha,
amen loas confeitadas, confeitos, bomboios,
pastilbas, chocolate franeez em libras, pas-
tilhas do mesmo ,cartuxos e carteiras eom
seis charutos de chocolate cada orna, esta
sortimento de cbscolate do mais acredita-
do fabricante de Paris e o melhor que at
hoje tem vindo ao mercado.
Vinhos portuguezes, figneira maito supe-
rior. Os mais genainos e superiores vinhos
do Porto, moscatel e Setubal, o Ilustrado
publico encontrar neste estabelecimento
por eommodos precos, fazendo-se abatimen-
to a quera comprar em porcSo.
Os donos deste estabelecimecto nao m
tem poupado a despeza* para melbor me-
recerem a acoadjuvaco do Ilustrado pu-
blico.
60RA DA IMPERATRIZ
DE
SILit9 __n_lJBl__t_E_DO & C
Neste grande estabelecimento encontrar o respeitavel publico, u_ grande sortimento de fazendas, do mais apurado gosto assim como de todas as de primeira uecessidade qne se Ihas prometa vender por preces muito mais baratos do qn*
era outra qua'quer parle, visto que os novos socios desta firma adoptaram o systema de s vennderem l>l\IIEIHO ; para poderem vender pelo casto, liiitando-se apenas a ganharern o descont. As pessoas que negociam em menor escalla, nesta Int*
e armazem podero fazer os seas sortimentos pelos mesmos presos qne compram as casas estrangeiras. Para maior commodidade das Exmas. familias, de todas as fazendas se dao os livros das amostras, on se mandam levar emgsuas casas, para melhr.v .
derern escolher.
m ALTAS NOVIDADES |
* DO PAVlO 8
5 BONITAS FAZENDAS PARA A FES- g
0 TA DE e
tt SANTO ANTONIO, S. JOO E S. PEDRO, g
Vendem-se as mais lindas poupeli- w
as de linho e seda cora os gostos H
mais novos que tem vindo a este %k
mercado, pelo barato preco de-----$t
2^000 o covado. jfi
Sedas listradas, de furta cores, fa- q
zendas de muita phantasia a 20000 X
o covado. S
S-da bismark, larga fazenda multo W
encorpada o covado a 25500.
Bonitas laasinhas largas com palma
de seda, covado a 10000,
Lindas agraciando lavradas covado
a 45600.
Alpacas lavradas de todas as co-
res, covado a 6i0, 800 e 10003
Bonitas I3asinhas escossezas com
quadros e litras de seda, covado a
56).
Finas alpacas lisas, sendo cor bis-
mark lyrio, verde, roxo, cinza, can-
na, azul etc., covado a 610.
Ditas furta cores com as mais bo- 0
nitas cores, covado 503 rs. w
Lindas bareges lisas, e com lista <
da mesma cor, fazenda inteiramen-
te nova, covado a 560 e 6i0 rs.
Bonitas laasinhas tapadas e trans-
parentes com grande diversidade, o
covado a 600 rs.
LSasinhas lustrosas cora lindas Co-
res emitacio de seda, o covado a
320.
uindos cortes de anadine, sendo
fnzenda nova e transparente e de
muita phantasia, com 18 covados a
150000.
Fmiss'mos crtes'de vestidos bran-
cos bordados com todos os enfeites
francezs a 120000.
Orles de ganga indianos, fazenda
inteiramente nova a 70000'
Ditos chinezes com duas saias a
70000.
Ditos de lia escosseza fazenda mui-
to b -nita com flos de seda a 700jO
Ficiissimos organdys com lista de
cor e salpico, sendo fazenda de
muita phantasia, ojmetro 10280.
Organdy branco com listras lar-
g.'ise quadrinhos, a vara a 10000.
Todas estas fazendas, sao inteira-
mente novas e se vendem muito em
conta, ra da Imperatriz n. 60,
loja e armazem de Silva e Figuei-
do de G.
de 120000 rs. cada um, pecbincha.
CASEMIRAS ESCOSSEZAS.
0 Pavao tem boni as casemiras escosse-
zas cora quadros grados e midos e outras
lisas com listras ao lado, sendo fazendo
muito fina que se vende mais barato, por
haver grande porc5o.
CORTES DE CASE IRA PRETA A 4:500,
O Pavo tem os superiores cortes de ca-
semiras pretasenfeitalas pelo barato preco
de 40500 rs. o cort,
casemiras raspadas a soo rs. o co-
vado.
0 Pavo "ende excellente fazenda de pnra
13a com as cores escaras muito proprias
para caifas, palitots, colletes e roupa para
meninos que frequantam a escolla por ser
urna fazenda leve, escura e de muita dura-
co, pechincha a 800 rs. o covado ou a
20300 o corte de calca para hornera.
FINAS BAREGES A 610 RS. 0 OVADO.
O Pavo tem as mais lindas bareges de
la sendo meias transparentes, cora urna
s cor, tendo: lyrio, azul, rosa. Bismarck,
roxo, etc., tendo muito boa largura e liqui-
da-se por 640 rs. o covado, por se ter fei-
to urna grande compra, assim como ditas
mais estreitas de ama s cor com listras
imitaco de seda a 560 rs. o covado, e pe-
chincha.
PEGAS DE MADAPOLO A 30500.
0 Pavao vende pessas de muito bom
madapoio, tendo 12 jardas cada ama, pelo
barato preco de 30500.
PECHINCHA EM ALGODAO A 4*000 RS.
O Pavo est vendendopecas de algodo-
sinho franeez, tendo 4 palmos de largara e
com 11 metros cada pe^a, pelo barato pre-
de 40000 rs.
.CERA DE CARNAUBA.
Vend9-se superior cera de carnauba em
saccas, mais barato do que em outra qual-
quer parte, na ra da Imperatriz n. 60,
loja do Pavo.
OS SETINS DO PAVO
Vende-se es mais bonitos setins de cores
e mais encornados, proprios para vestidos
tendo de diversas cores.
CROCHE'S PARA CADEIRAS E SOFA'S.
O Pavo tem am grande sortimento dos
I mais bonitos crochs para cadeiras, sofs
mesas, almofadas etc., proprios para co-
brir presntese vende-se mais barato do
que em outra qualquer parte.
Algoiio eafestado.
Vende-se urna grande porco de algodo
sinbo americano com 8 palmos de largura,
GROSDRNAPLES PHETOS DE 1*600 AT 7000
Na leja do Pavo encontra o respeitavel
publico um grande sortimento de grosde-
naples pretos de todas as largaras e qua-
lidades, tendo de 10300 o covado at 70000
e 80OOJ, qne se vende por preco muito
em conta.
CASSAS FRANCFZAS.
Chegaram para a loja do Pavo as mais
lindas cassas f.ancezas com delicados pa-
proprio para lencees toalbas, tendo liso e ^ ^Z para od s os Ve q J
trancado, qne se vende por preco muito em -
conta.
LAS ESCOSSEZAS
LAS ESCOSSEZAS
LAS ESCOSSEZAS
A 560 rs. o covado.
Chegou para a loja do Pavo, o mais
elegante sortimento das mais lindas lazi-
nhas escossezas com fios de seda, as quaes
fazem o mais delicado eHeito, para vestidos
de doas saias, e vendem-se pelo baraiissi-
mo preco de 560 rs. o covado.
SEDAS DE LISTA
SEDAS D" LISTA
SEDAS DE LISTA
a 20000 o covado.
Chegou para a Lija do Pavo am grande
e bonito sortimento das mais lindas sedas
de listas com as mais delicadas cores, tendo
entre ellas algumas que servem para luto, e
vendem-se pelo barato preco de 20000 o
cova io, pechincha.
FAZENDAS PARA LUTO NA LOJA PAVO
Encontra o respekavel publico neste es-
tarjelecimenfo am grande sortimento de fa-
zendas pretas, como sejam cassas france-
zas e inglezas, chitas pretas de todas as
qualidades, fazendas de la de todas que
tem vindo, proprias para luto, sendo laasi-
nhas alpacas lavradase lisas, canto, bom-
basinas, merinos, etc. que tado se vende
por pre?o barato.
PARA BAPT1SADOS
Na loja do Pavo vende-se bonitos en-
chovaes para baptisados.
Cortes de casemira a 40000, cada am.
Vende-se bonitos cortes de casemiras
claras e escuras pelo barato preco de 40,
ou a 20400 o covado, tendo duas largaras,
CORTINADOS PARA CAMAS E JANELLAS
de 80, 100,120 e 160000.
Chegou para a lojado PavJo am grande
sortimento dos bonitos e ricos cortinados
bordados, proprios para camas e jaoellas,
que se vendem de 80000 o par, at o oais
rico qne vem ao mercado, e vende-se mais
barato que em outra qualquer parte.
dades, dando-se todas amostras, asiim como
um Bonito sortimento das mais lindas chi-
tas francezas escuras e alegres, que se ven-
dem muito em conta, e tambem se do
amstras.
CHITAS A 240 RS.
Na loja do Pavo vendem-se bonitas tas francezas claras e escuras e cresfixas
240 rs. o covado, e .pechincha.
LAASINHAS A 320.
LAASINHAS A 320
LAASINHAS A 320.
Na loja do Pav-o vendem-se elegante sor-
timento das mais lindas laasinhas astrosas,
com listrinhas a imi'.aco de poupelinas de
seda e com as c^es mais lindas que tem
vindo ao mercado, sendo fazenda que vale
maito mais dinheiro, e liquidam-se a 320
rs. o covado, pechincha,
EM CAMISAS DO PAVO A 40500 RS.
Vende-se um bonito sortimento de muito
finas e modernas camisas inglezas com pei-
to e coliarinhos de linho e punhos, pelo
baratissimo pi-eco de 40500 rs. cada orna
e aos freguezes que comprarem duzias se
Ihe far um abatimento, garantindo-se que
fazenda que vale maito mais dinheiro,
liquida-se por este preco por se ter feito
urna grande compra-: assim como se vende
ROUPAS PARA HOMENS PARA TODOS ALPACAS
OS PRECOS.
N'este grande estabelicimento encontrar
o respeitavel publico ura grande sortimento
de roupas, sendo palitos e sobrecasacos de
panne preto e cazemira, calcas e colotes de
brim branco e de cores, que tudo se vende
mais barato do qne em ontra qualquer parte;
assim como am grande sortimento de ca-
rnizas francezas e inglezas, e ceroulas tanto
de linho como de algodo e abundante sor-
tmenlo de meias cruas.
VESTIDOS INDIANOS COM DUAS SAIAS.
O Pavo vende urna grande porco de
cortes de vestidos indianos, tendo doas
saias e tendo bastante fazenda, com os gos-
tos mais novos que tem vindo, e liquida-se
a 50000, tendo cada um sea competente
figurino.
CASEMIRAS MESCLADAS A 30 0 COVADO
O Pavo tem para vender bonitas case-
miras raescladas e bastante encorpada para
roupa de horaens e meninos pelo barago
preco de 30000 cada covado ou 50000 o
corte de caiga para homem.
Roupa por medida.
Na loja do Pavo-manda-se fazer qualquer
pepa de obra a vontade do freguez, para o
que tem um perito alfaiate, responsabebsan-
do-se os donos dp estabelicimento por qual-
quer falta que possa haver, quer por de-
mora, quer por qualquer deleito na obra;
e para isto encontra o respeitavel publico
am grande sortimento de todas as fazendas
que desejar.
BRAMANTE A 1809.
Vende-se superior bramante com 10 pal-
um bonito sortimento de (litas tambem comimos de largura, proprio para lences, dan-
peito de linbo bordadas e ditas de algodo do a largura d'esta boa fazenda o compri-
para todos os precos.
PANNO PARA SAIAS A 10000, 10280 e
10600 RS.
Vende-se bonitas fazendas Jproprias para
saias sendo com bordados e pregas a om
lado, dando a largura da' fazenda o compri-
merrto da saia e vende-se pelo barato preco
de 10008,10280 e 10600, cada metro sen-
do preciso apenas 3 ou 3 1/2 metros para
cada saia pechincha.
Vestidos brancas a 14000 rs.
O Pavo vende fiaissimos cortes de ves-1
ndos de cambraia jranca, ricamente borda-
das e com muita faienda pelo barato preco' n. 60.
ment do lencol, sendo preciso para cada
om apenas 1 e 1/2 metros ou 1 e 1/4 pe-
chincha pelo preco.
ESPARTILHOS A 5*000.
Vende-se um bonito sortimento dos me-
mores e mais modernos espartiibos tendo
do barato preco de 50000 at 8000.
Cachenez.
Na loja do Pavio vende-se um grande
sortimento dos mais bonitos cacbenez de
pura la proprias para senhoras, vendem-se
60000 cada am, na raa da Imperatriz
A loja do Pavo est constantemente aberta, das 6 horas da manhaa s 9 da noute
LAVRADAS A 640, 800 ,
1,000 RES.
Chegou para este grande estabelicimento
o mais bonito sortimento das mais moder-
nas alpacas lavradas de todas as cores, qna
se vendem a 10, 800 e 640 res o covado,
assim como am grande sortimento de ipa
cas lizas de todas as cores
Basquinas.
Chegaro as mais modernas basquinas
ou jaquetinhas de seda preta, ricama&U
enfeitadas a viorilho, tranc e setim pralo
tendo de todos ot modellos, os mais nove*
que tem chegado e vendem-se por procos
muito razoaveis.
POUPELLVAS DE SEDA
POUPKLIXAS DE SEDA
POUPELINAS DE SEDA
a 20000 o covado.
O Pavo acaba de receber o mais ate-
gante sortimento das mais lindas vei dadei-
ras poupelinas de linho e seda com os pa-
drees mais delicados que tem vindo ao mer-
cado, tendo entre ellas cores proprias para
alliviar luto, e vende-se pelo barato prego
de 20000 cada covado, pechincha.
Cambraias brancas
Vende-se um grande sortimento das m
lhores cambraias tanto victorias como tras
parentes tendo de 30500 peca at a mais
fina que vem ao mercado.
CAMBRAIAS BRANCAS A 44000, A PECA.
S o Pavo vende pecas de cambraia
branca transparente, tendo mais de vara de
largura, com 10 jardas cada peca, fazenda
que aempre se venden a 70 e 80000, liqui-
da-se pelo barato preco de 40000.
FUSTOES BRaNCOS A W>, 800 E 1*200.
Vende-se maito benitos fustQes brancoe
muito flexivel proprios para vestidos da
senhoras e roupa para meninos e vende-te
a 640, 800 e 10200 rs. o covado.
Cassas a S40 rs.
0 Pavo est vendendo bonitas cassas da
cores fixas a 240, 280 e 300 rs. o covado
Brilhantes laasinhas.
S o Pavo, 640.
Chegaram as mais birlbantes laasinhas com
as mais liadas cores, com palminbas miadi-
obas, assentadas as mais delicadas cores de
lyrio, cor de canna, cor de gaaga e branco,
sendo estas novas laasinhas de maito boa
qualidade, tendo largara de alpaca e venda-
se 460 rs. o covado. roa da Imperatriz
a, 60 lojado Pavio.


Diario de Periiainbuco Terqa feira 19 de Julho de 1870.
\
46 REPEITUIL

Louren' ule* Cu i manes, eommerciante ledos os seu< commerciaes e de novo abre us aeits i'statwlecinicaos de fazendas
silos nu da Im>3ratriz. ca?o e,teodo resol
vido liquidar todas as suas f.tzsndas. cooi grande *!> por isao con-
vida ao respuitavel publica e a s.-ns aoiiffos c fr. ,m <> mHQi
para Ibes lemtwr de nova o sen ,l8 M fuzeodas esiu
reunidas na /ja e armazem da Arara na na da lnrp< 72 oque rosfrveu-se.
vender a armado da l-.ja Garibalti, para car tojM ,-utn a da Arasa, como cima
titadfte.
AtteilC 3. CH U-s BRANCOS DE CASBA A .i 0000
Vende-se chitas ff.mctts a 240,280, 320 CQBERTAS CHINBZAS Di: CHITA A.30000.-
TdSS' ,x Wnde->e urna grande ober*
ORGAJTOYb DE-USTA DE CORES, las de chitas chinezas para.eaw pelo barata
Veode-se orgaadys para vestidos de se- uresjo de 20000 cada ma.
doras, fazenda muito modernas a 440 rs. j Vende-* na toja do Arara 3 oalcoes para
oc,')vado. qualqqer esiafoeiecimento por barato pfasso
Brllhzattaa ouannssnllaa Vende-se brilhantina ou mussulina de raent.
cor para vestidos i 440 o" cavada. RETALHOSDB CHITAS PBEIAS E CAS6A6,
BISGADQS FKACEZES A 3b0. A 120 O COVAD.
Veode-se riscados francezes para rostidos i Vende-se nina grande porcia de reta-
a 360 rs. o cuvadu. Hws de chitas e c.issa*~prelaa,fl.i20 rs. o
CteSCas largas a 3. ovado para liquida'.
Vende-se editas escuras finas das largad CBERTOaESDEALGObAQA104GO'
M XOYIMM
oais preafi scier.
para vestidos de senaoras, a 320 o covado.
Ditas mateadas escuras a 280 o covado,
ALPAGAS LISAS A 500,
Vende-se alpacas lisas para vestidos de
seaboras a 500 e 6i0 rs. o covado.
LAZINHAS TRANSPARENTES A 500 RS,
Vende-se ifasiojus transparentes, para
vestidos a 500 rs., ditas tapadas a 400 rs.
covado para liquidar.
ALPAGAS DE LISTAS A 500 RS,
Vende-se alpacas de listas para vestidos
a u)0 rs o cavado.
BRILHANTINA BRANCA A 509 RS.
Veode-se brilhantina branca para vestidos
a 300 rs, o cayado.
ALPACAS M VTISADAS A G40.
Veade-se alpacas matisadas para vestidos
de senhora a 040 rs. o covado.
CORTINADOS PARA JANELLAS G5000.
Veade-se cortinados parajanellas a 6(5000
o par para liquidar.
SEDAS DE CORES 1*000.
Vende-se sedas para vestidos a 13090 o
covado.
CORTINADOS PAR V CAMA 140000.
Veode-s* oortinadoa nara cama a 14#J0.
tiOLLlNHAS PAHASBNMOsUii 100.
Veflde-se urna grande porco de gollinbas
para senhoras o meninas, a 100 e 200 rs.
cada ama pr liquidar.
CHITAS PARA COHEUTAS 320.
Vende-se ditas largas oara cobrta s
320 e 360 rs, o cotado.
^ MANGUITOS E GOLLAS 500.
Vende-se manguitos o gollinhas para se-
eaora a 500 rs. ditas de lindo a 640. e 800
rs: cada urna.
CHALES, ESTAM PADOS 20000.
Vende-so cba'es de meriao estampados a
20000 para liquida-.
CAMBKAIAS ViCTORIAS 60000.
Vende-se cambraias Victorias tinas a
0OOO 6^500 o 7-5OOO, per ser liqoidaoo.
ALPACAS COM PALMAS DE SEDA A 10090.
Vende-se alpacas cora palmas de seda para
vestidos de senhora a lOOO o covado.
MRIESDE CHITAS DE CORES A 23400.
Vende-se cortes de chitas de cores :om
lOcovaJos a 20500.
. Vende-se co
13100.
RRAMANTE DE
res de algodio cada um
LINHO FLNO A BARATO
PRBSSO.
Algado raneado de dnas lar-
;nras lM9
Veade-se algodao transado de daas lar-
guras a 13200.
MADAPOLO ENFESTADO A 33500.
Veade-se pecas de roa iapolao de 12 jar-
das ai 30SOO a prca.
ALGODO A 43000.
Vemle-se pec 43. 50,6oe "000 a peca.
Hadapolo a ^OOO.
Veada* pecas de madapolao de 24 jar-
das a 55 6r> e 63500, dito milito, fino a 73,
83 83 e,103 a.peoa para liqoid-r.
ALGODAO DE 8 PALMOS DE LARGO.
Vende-se algodio coai oito palmos drf
largura proprio para leuces e tealhas a 900
rs. o metro.
.ALGODO DE LISTA A 160 RS.0 COVADO.
Vende-se algodao de lista proprios para
saias ou ves litios para eseravas on 'calcas e
carnizas para e?cravos por ser, anulo forte a
160 rs, o covado para liquidar.
Cortes de castor para calca a
-oo rs.
Vende-se coi tes de castor pava calca a
500-rs cada tuna.
CORTES DE BRIM PARA CALCA A 13400.
Vende-se cortes do brira do cor para
calca a 13400 cada um.
llrim pardo liso a OO rs.
Veade-se brim pardo liso, meio bnho para
calcas para trabalho a 500 rs, o metro.
Oangas para calen a SO rs.
Vende-se gangas inglesas para caicas e
patitots a 280 r-. o covado para liquidar.
CORTES DE CASEMIRA DE CORA 33500.
Veodetse cortes de casemira de cor para
caiga a 35500 cada um.
Dilos rnui o finos rom kstas do lado a 53.
PERCALAS FINESA 440.
Vende-Be percalas finas, para vestidos de
senhoras a 440 rs. o covedo.
Cassas fraaeezas a 840.
Vende-se cassas francezas para vestidos
a 240 rs. o covado.
mais precwi scier. -peilavel publico em
geral, e em p da immensldade de objeoto8-qaa oRiBwmen-
te teta .recobi* teos o pode fazer e porque esaa falta -invo-
luotaria ella copa evolencia de todos que lh/* atteaierio e retesarlo,
continuando portado a diripirem-se a bem conhecida leja da .VC.UfA BRANCA roa do
Queimado n. 8, m :a&* abundancia em sorlimento de superioridade em
qualidades, modici inc^ desmenttido AGRADO ESWCERIDADE.
i Do qoe acinam que o tempo de que a AGIA BRANC V pode
dispor, eiupregadoapezar deseos cusios np^csempenhedeteni servir a aquelles que a
honram procurando prover-sc em dita loja do que necessilao, entretanlo sem emmme-
rar osobjectus que por.sua naliirewsao wiis oonhecidos a!i, ella resumidamente indi-
car aquelles uiaiimusrtacia, elegancia e novidade os toraam recommendavea, como
bfmseja :
Capellas brancM-para meninas.
Grandes sortimento de flores finas.
Fil de seda, preto.
PERFUMARA
Grando e constante sortimeato de dita,
sempre melhor quajidade.
Lindos vasos coan p de arroz e pinsel,
Ciixn-bas com ditos aromticos.
Bonitos e modernos pentes doaradoc.
para circular o coque.
Bonitos brincos de plaquee.
Aderecos e brincos de madreperolr.
Caivetes finos para abrir latas.
Thesouras para frisar babadinhos.
Aspas para baGo.
Novos stereoscopo com 48 vistas, as
quaes sao movidas por tun tiaachimsmo
urnas substtuem as outras.
Vistas para stereoscopos.
Bonitas caixinhas de. vidro eafeitados com
pedras.
Ditas de madeira envermsada om vispo-
ras e com dminos,
Bollas de borracha para brmqBedo de
enancas.
Diversos objectQS de porcelana, -proprios
para enfeites de mesa e de lapinbas.
L Corpinbos de cambraiM, priraorcs,tra elifeitados com utas de setim e obras essas
cuja novidade de molde e perfeicjip de ador-
os os tornan apreciados.
Fitas mni largas de diversas cores e qua-
lidades para ciatos.
Leqaes uesse. objecto muito se poderla
dizer querendo descreve-los minuciosardente
por suas qualfdades, coree e desenhos,. tal
o grande e variado sortimento que acaba,
de chegar, mas para nao massr o preten-
dente se lhe apresentar o que poder do
melhor.
Entreqaeios em pec&s de 12.tiras.
Guipurebraoco e preto de diversas quar
lidades e desenhos.
Ditos de algodio com flores e lisos.
Veos de seda para chapelinas e monta-
ra.
Meias de seda para noivas.
Ditas abertas de fio de Escossia.
Costumos ou uniformes para meninos.
Enxovae6 completos para baptisados.
Touquinhas de fild, sapatinbos bordados
e meis para ditos.
Camisinbas bordadas oara ditos.
AW^IAZEXS
NOS GRANDES
COMPLETO
IHOIiHADOS
w UM k L
i u m 1.1.
gaiolr, gallinbeiros ele.
Icv.ios, para mover as
rame d Trro galvaoisado em rede para cercas.
Chupas de ferro galvanisado para eobrir easas.
Tcitos de ferro estanliado para engenhn?.
Cafres do ferro de Mi Inore cuiros autros.
Chumbo em cano. '
Orto em lene..!.
Dito em barras.
Dito em enxadas.
Esianho em bar.) e verguicha.
Folha de Flandrcs.
Arados amerieanoi para ladeira e vanea.
Carrinhos do mo.
Veoeiianas para janeilas.
Machinas de de?carucar algodio de faeo.
Ditas de serra.
Ditas para cortar fama.
Ditas x vapor de forra de 3 cavaHos e motores para
achinas de aJgodo.
Cadeiras de ierro.
Camas de ferro.
Prensas para copiar cartas.
Balaceas para pesar.
Oleo de lioliaca em latas de ferro.
Trilhosde ferro para engenhos
Bombas americanas.
Maeaeos de eMivar.
Balancas e pesos deoimaes e outras.
Jogoes de palele.
Eixofre.
Salitre.
Estopa larga o de boa Picaretas para eaminbos de ferro.
Um grande sortimento de ferragens e eutilaria.
* Cortes de seda e de cambraia bordados
trf-l

O Cysae ra da Imperatriz n. (54 acaba e receher lindos e modernos cortes de
vestidos de seda, pretos e de cores, lisos e matisaos ; assim como cortes de cambraia
brancos lodos ricamente bordados, os quaes vende por commodos precos. *^':
Laa para bordar a 5^500!
Acaba de receber um grande e variado sortimento de la, qual vende a 5300
** libra, cores sortidas.
m
Fitas e galoes de seda
Receben tambem tiro lindo sortimento de trancas, franjas e galoes de seda, e um .JS
variado tortimento de fitas de sarja, setim e chamalote de todas as cores e larguras, e p**^
m sem numero de artigos proprio de dito estabeleciraenio.
d____- ^?
lkGRANDESMIVIDADES*
LUJAD _
PARA SENHORAS. Ricas poupelioas de padrSes lindksrmos, e gosto nevo.
Castadas bran. as bordadas para vestidos. Poil d'cbevre d lindos padroes por
fearatD preco de 560 rs. o covado.
Grande sortimento de las e alpacas de 320 rs. a l^SOO o covado.
Saias bordadas, ditas.lisas j feitas cora barra de cor.
HAR MENINAS. Ricos vesudrnhos de fustSo enfeitados brancos e de cdr.
Vestuarios de fusiSo para meninos.
PARA HMENS. Camisas inglesas e francezas, de linho bordadas de pregas,
com collarinho e sem elle, ditas bordadas para noivas. Chapeos deso de cabo da,
aurfim e de canna ele,, etc., luvas de Jouvia para senburas.
Grande sortiment de cortinados para camas e janeilas. Croxs pava so e cat
i de braco e guarnicao. Tapetes para sof e cama, para pianos e portas.
Celias de croch para cama de noivas. Tapetes em pessa para forro do salas,
6 uraco e especial sortimentos das verdadeiras ESTEIRAS DA INDIA, s exista na
Loja do Triumpho.
Um- Buqua e Qaxids n. 7.
CONSERVATIVO
H". 23Largo do Ter^o.N. 23.
Sftt
GALLO \1G1LANTE
Urna do Crespo '
Os prviprjtarios deste bem coaliecido esUbele-
cimente, a! .tos obje-ctos que tinham ex-
tos i apreciacao do respeitavet publico, man-
ram vir e acabam de receber pelo ultimo vapor
da Europa um cbttileto e vanado sortimento de
tinas e mui delicadas especialidades, as quaes'es-
lio resalvido* a vender, como de seu costume.
p.>r precos muuo baratiuboe e commodos para to-
dos, com tanto qna o Gallo....
Muito superiores luvas de pellica, prelas, bran-
cas e de mni lindas cores.
Mui boas e bonitas gollinhas e punhos para se-
nhora.nesto geauro o que ha de mais moderno.
Superiores pentes do tartaruga para coques.
Lindos e riquissimos enfeites para cabegas das
Exraas. senhoras.
Superiores tranca^ pretas e de cores com vidri-
Ihos e sera elles; esta faieuda o que pode baver
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos Joques de madreperola,
niarfim, simslo e oeso, sendo aquellos brancos
com lindos des^aljos, e ests pretos.
Mptito superiores meias fio de Escossia para se-
nhorts, as quaes sempre se venderam por S0400
i duzia, entretanto que nos as vendemos por 204
um dcstas, temos lambem grando sortimento de
outras qualidades, entre as quaes algumas muito
finas.
Boas bengalas de superior canna da India e
castao do marfini com lindas e encantadoras figu-
ras do inesme, noote genero o que de melhor s)
podo desejar ; a!m destas temos tamben) grandi
quantidado de outras qualidades, como sejam,ma
deira, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, btnitos e airosos chicetinhos de cadeia e
de oaUasijualidades.
Lindas e imperiores Kgas de seda e borracha
para segurar as metas.
Boas meias de da para senhora e para meni-
nas de 1 a 12 anuos de idade.
avalhas eabo de marfim e tartaruga para fazer
barba; sao inico boas, e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vez tam-
ben assoguram-o sua qualidade e delicadeza.
Lindas o bofias capellas para noiva.
Superiores agnihas para macaiaa e para crox.
Linha muito boa de peso, frouxa, para eneher
laiyrintfco.
lions bfiralhos de as para voltarete, assim
como os lentos pau o naosmo m.
Grande variado sortinieiito das melhores per-
fumarias e dos memores e mais conhecidos per-
omistas.
COLARES DE ROE.
Elctricos magnticos contra as convolsoes, e
fa-'.ifitam a dentU-ae das innocentes criancas. So-
mos desu', niaiio recebedores destes prodigiosos
collares, e continn.ar^o i recebe-los por todesos
vapores, alim .t uu< i altcm na mercado,
tomo j tem ac iv.v as im pn; nod' rao aquel-
les qae delles pi-1 > -m. a .topos. 10 do gallo
viyimate, aond" onnpi j iciu tpra rtostes verda-
deiros coll'oev ns, q*.^ jtte-;\iii;ilo-se ao flm
que :.. .i ffHrA\ ios, i'5 ron'ierin com um mni
inuto hjBf,
Rofamc,' s^. ,viui jos ohjecto que deixamos
declarados, aou ussos freguezes e amigos a virem
comprar por urecos muio razoaveis loja do gallo
vigilante, ra -\o Crespo n. 7.
A ruado DuquedeCaxiusn21.
(AHTIGA R* CO QUEIMADO)
RrrebeuH scji
E*pellios grandes ffobrados, moldes bonitos.
Carteira?, charutiras e puit-cljarrus de muia
qualid;. .
Bonitas pactas para papci?, winple? e matisadas.
Boas eantas vaslas para costura rom sua compe-
tente chave. .
Uelieauas caneUs de marital rom o bocal de
Modernos peajes do t rtarnga. < bres.-hindo en-
tre elles os niimos-* leegiaiAiSta.
Commodos lntu;.d..re> cun uuas gavetas e bem
espelho.
Pon bouquel, o que de raellior tem appare-
cido.
Port relngios de nmitas qualidades.
Bons fallieres para rriane**.
Votuarios, chapozailus, loucas, sapalosomeas
para baplisados.
Toalhas e fronha? de labyi iniho.
Chapeos' e chapelinas para senhoia, moldes noves,
e bonius.
ChapoiiahoB goma, e bouete para menmos e
meninas.
Ci)tr;i as couvuls5'.s Das
Vende-se os vcr.Ir.eiros d llarr- i.a Nova Espe-
rarca, roa d" Hoqoo 'le (^i\i.i^ n. 51.
RARA Tl.NGUt CABELLOS
para preUi> ou cataiih, mil en a Nova Espe-
rar.ca a verdadera ln:a plej.-i.
S PARA ACABAR COM AS SARDAS
ou pannos, tem a ova Ejpmffca o vtrdadeiro
leite de rosas brsi
AGUA DE FLOR DE CARAMA.
Vende-se.na Nova Esperanza,'na do Duque de.
LaX'3pAPEL BABA EXFEITAR SE BOLOS-
recebeu-os muito lindo* a Nova Esperanza, ra
do Duauode, GaS n. 21. ..
PAKA AMACIA E A FORMSE AR A PELLE
lem a Nova Espcianca s sabom tes do pos de
arroz.___________
Palto da Penha
DE
SAUTOS & FERR IRA
Os proprietarios destes bem Bortidcs armazens parcipam aos ff us innameros
fregneaes tanto desta praca como do matto que tendeo feilo. grande- dimiriicS>*8 pro-
cos as soas mercadotias esto poriseo resohides a vende' por menos de 50- 'SO [0,-
do-qae ene ontra qua^uar parte, garantindo-se portanto s pprior qnalidade>4e qual-:
qner genero oomprado natas dous estabeleoimentos. Mencionamos alguns des nossos
gneros o a vista destes sao otnprebendidos os outros, jorque entadonho,sarta men-
cina-4os.
Se alguam dnvidar venha Ter.
Vinagre branco mandado vir por conta
proprta vindo de Lisboa, a 120 a garrofa e
480 o litro.
Meta-tinto Figueara. Lisboa e *a
320,280, 240 e 209 re. a garrafa e 460 300
rs. -o litro.
Vinho Figueira, -Lrsboa, l*orto e Estreito .
a afiO, 500 4*0 .400 a garrafal*, a 840 ^^l^^
3cordeiro previdenti
It3*i do Novo e vatiado sortimento de perfumari
anas, eoulros objectos.
Acm do cc-mpleto sortuneato de perft
manas, loja dorCordeiro Previdente, ella acaba
receber um oubro sortimento que se tora
aotaveL pela variedade de obj ectos, superior
dade, qatidades e oemmodidades de pr;
eos; assa,pois,oGardeiroPrevidente peo
e espera continuar a merecer a apreciar*
do pespertavftl oublioo em geral e de su
Gai americano marca Deves a 8^800 aff^Xle ^ ^^^ '
l|ta, 380 rs. a garrafa e.-560 o litro.
jte doce 4e Lisboa -a 900 e 1/fOOO a
rata em prao raz-se grande abauavu-
to.
af em-carooo a 22#, 240 e*2S0, a K-
480, 540 -e 600, -e
760, 720 e-600.
Vinho branco pwo de Lisboa a 40 560
a garrafa, em por Vinho de Porto, engarrafado das melho-
res o maisacretadas marcas i<5000 1 $200
\m0 e 20 a garrafa.
dem Bordean*, Medoc o Bt. laben
a;
Miio aloisia 200 rs. -a libra e 440 o ki -
logramma e 5^800 a arroba, em porco ha
aba tmente.
<>ueijos frescos do altano vapor a 3#20Q
o 35400 cada um.
AJetria, macarra, tatfaarim a 500 rs. a
75300 e 6*500, 'a duzia e 640 rs. a garafa. j *" e }***> ka* em caixao ba
Genebra -de Hollanda o laranja dece aro-
abtimento.
matka a 641)00, 71, 141909, a frasquefra.l Sab5o massa de t'-ei* qualidade a 220
Seroja -Bass, -iHers & Bell a 9fl80 da- ~M rs. a bra em caixa ha batimento f
zia em porco ha grande abatimente. Toucinho de Lisboa muito alto ^ 400.rs.
'dem marca H e T e oetras mercas a a libra e S8 o kilogrammo, em arroba ha
5500 e iS, a dnna e 500 rs. a ga-afa. 'graade diffefnca.
Assim como ha ootros muitos gneros, vinho em ancoretas, aeeitonas,
passas e figos, charutos fios de (Kversasi marcas, marmeiada, bolachialias de todas as
qualidades, perola, Francy^cracynel, a,.b, c, Mdium, mixed, soda, Fancy-nio-oac, pa-
taca de Varietes.combination, Britaaia, doce de gaiaba. fina, chooricas, manteigas finas
franceza e ingleza, banha-' de Baltim6r, phosphoros de Sycuryt, Cognac, clj do diver-
sas qualidades, Canella, pimenta do remo, ervadoce, pomada, enaofre, bren, peixe
em latas de todas as qualidades, farinha de mimo americana, grandes molhos de sebol-
las, oestes dous armazens existe tambem grande sortimento de loucas propnas para ne-
gocio, que pelos seus commodos preco faz vantagem aos compradores.
BiZAR
EMICO
ULYSSES & iRMG
13 Bua da Imperatriz
13
Os proprieUrios deste bem coabecido e a creditado estabeiecimente aviso aos
sea) numerosos freguezes tanto 4esta praea como de,-fora, e especialmente ao lustrado
corpo ACADMICO, que este estabelecimesto acoa-se^empre bem prvido d todos os
artigo) de seu gneros abaixo mencionados e que vendemos por mdicos p/ac-os, tanto
avarejo como por atacado para negocio, para o.que se podem derigir por carta a nossa
casa que serlo saptisfactoria ajenie servidos.
ioperiores de Havana, llamburgo, Bahia,
das acreditadas marcas Regala Britnica
Imperiaes &: do do Rio da bem conhecida
marca Opera e outras muitas feitas aqui de
safamados Beberibe e ootros,que se venden
em porcoes.
Cigarras
ie palba do S. Paulo, de 3,5500 a 7IK00,
o milheiro; verdedairos do afamado Daniel
do Rio Novo, Maority, fanperiaas Visowtle
de Herval, Duque de Ganas, Gandan : ete
de papeL de fqmo da Danie*, General
Osorio, Conde d'Eu, aromticos,, e patio
raes, teeambole, Radicaes. Acadenricosi,
MachamtNNnba, Mtmtevido, 0r8ntaes,.Bae-
pendy e muitas outras qualidades.
FUMOS
Afamados de BABPEN)Yemcaixes de
0 Horas 40400 re. a libra^ e pacotes
j2(J, e em por?5o 4#500 tito em lata de
qaarta a 640, e a 500 ris; dito Daniel do
Rio Novo, do para de S. Paulo, Caporal^
jjmnilaa oatras qwltdades.
VARIEDADES
PONTEIRAS de espuna finas para cha-
rutos e cigarros, completo sortimento.
CACHIMBOS de superior espama, de ma-
deira (raiz; de 30 at 3,500, ditos grandes
13,000, a duzia ditos finos diversas quali-
dades a vjrejo; dito pdegallinhasdos que
ba no mercado a 2,800 e 3,200 a duzia;
ditos de lonca, gesso, barro, ete, etc.
BOLSAS para guardar fumo, de borracha'
e couro de diversos modelos e gostos.
CARIARAS de todos o sygtemaspara
{cigarros.
PHOSPHOROS de cera, des memores que
ba, em caixas de 500 a 5,500 a duzia, em
carias de 400 4,500 a duara, em caixa
de 2,800 2,600 a dozia e muitas outras.
P.^PEL de mHho, de arroz, san-i om, Per*
san, pmtdoi O/palha de milbo, da Fernando,
e papel de linho.
FAHRICA BB fACARMl.
ComorompdSo apromptacnos qualquir encommenda dos afamados cigarros de seda,
Baependy, linho, e da-ootras qoalidadesda nessabem conhecida-fabrina, e bem atiesta
i sopew^ridade o nossos- girros. ameren freguezia de nosso esrabelecimenlo.
13-^ua d mperatriz-^IS
sea bem conhecida mansidi
fee barataw. Eca dita loja encontrarao <,
iapreciaAwes do bora:
Agua-divHM e E. -Goodray.
Dita vardadeira de Murray & Lsmman.
Dita-de Cologne ingieza, americana, fntx
ceza, taas dos melhores e mais acreditado
fabricantes.
Dita de flor de laraageiraa.
Bita -dos Alpes, e-vilete para toilet.
Extr odantalgico para conse vacao a
isseio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e cha'
;ff os agrada veis.
Copos e latas, maiores e menores, co
pomada fina para cabello.
Frasees com dita japoneza, transpareni
e outras quaJidades.
Finos extractos inglezes, americano
francezes em frascos simples e enfeitados.
Esseaeia imperial do fino e agradavel cii:
ro de violeta.
Outras concentradas e de cheiro igui?
mente finas e agradaveis.
Oleo pmlocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualidadi
com estoihidos cheiros, em frascos de difft
rentes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores e menor
para mos.
Ditos transparentes, redondos e em figr
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barb:
Caixinhas com bonitos sabonetes imitand
fructas.
Ditas de madeira invernisada contendo f
aas perfumaras, muito proprias para pr*
lentes.
Ditas de papelo igualmente bonitas, tas
bem de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e i
moldes novos e elegantes, com p de airo
e boneca.
Opiata ingieza e franceza para dantos.
Pos de camphora e outras differenu
qnalidadas tambem para dente.
Tnico oriental de Kemp.
Atada mal coques.
Um outro sortimento. de coquea de n
vos e bonitos moldes com filis de vidriuV
? alguns d'elles ornados de flores e fita:
est3o todos expostos i apreciaco de qnei
os pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeieao.
FlTeljaae fitas para cluics.
Bello e, vanado sortimento de taes objat
tos, ficando a boa escolha ao gosto do ca
prador.
Rival sem segundo
RA DO DUQUE DE CAXIA3 N. 49
Estou disposto a continuar a vender todas
as mindezas pelos baratisrimos predas abai-
xo declarados, garantindo ludo bom e pre-
cos admirados.
Caixas com 20 cadet nospar d pau-
tado a.......
Caixas com 50 vellos de buba
do gaz a......
Duzias de meias cruas superim
qualidade a.......
Pecas de babadinhos com 10 va-
ras a........
Pegas do liras bordadacom 12
metros cada p ca a I #500 e.
Pecas de fita* para eos de q >al
quer largura com 40 VWM a.
Escovas para unlias fazenda fina a
Ditas para denles a 240, 320,
400 rs. e.....
Pecas de tranca lisas, brancas e
de c&res a.....
faixinhas de madeua com alline-
tes f.izenda superior a. .
Duzia de liaba ftxa para borda-
dos a 400 rs. e.....
Pares de meias crua< paca m
n'S diversos tamaitos a.
Duzias de muas brancas muito
finas para senhora a. .
Pares de sapaKr- de tranca do
Porte ........
Pares de sapatos rife tapete a. .
Livrns de missa abreviados. .
Duzias de baralhos para vultarele
Sylaharios porluguezcs a. .
C; Ar.'Otondnras para tollcte diverjas
qualidades.......
Caixas com peona de ac muito
boa de 320 a......
Duzia de linha 200 jardas Alexan-
dre de 40 a 200 e, .
Caixas com superiores obreiss a.
Duzia de agulha para macnina a.
Libras de pregos francezes todos
os tamanhos a......
Pacote de papel com 20 qoader-
nos...........
Caixas de phosphoros seguranca
muito SBperiores a .
Refma de papel pautado superirr
Resma de papel liso muito supe-
rior a ...........
Garrafa com agua Florida verda-
dera a.......... 4kK)o
Quaderno de papel liso amizade 20
Carretis de linha de cores com
100 jardas a........ 20
700
400
3*500
5O0
20000
500
500
50C
40
400
500
320
4*500
2^000
tjioo
!#BO0
30000
400
20
400
50&
10200
40
20000
240
400
400
40000
30600
20Ra da Imperatriz20
Farl d- Leaaa.
Acaba de chegar a esta nossn nova loja de fa-
ztndat fi*at um variad surtimento de fazendat de
lia e seda, como sejam : granadines do ultimo
gosto, popelinas de uma s cor, alpacas e laazr-
nhas de cores, o que ha de mais moderno, lado
por baratsimos prego?, brilhantina' de cores, te-
cidos das indias, fazenda nova a imiucao de per-
calia, bale* de dina tingiLdo saia de, cor com lin-
das barras, fustdes proprios para vestido e roupas
de meninos; agora grandes e admiraveis pechin-
chas, saias brancas com lindos frisados a 3, ri-
cos corpinhos bordados muilo finos a oj, baldes
modernos de arcos a H, ricas colchas para cama
alcochoadas, sendo brancas e e cores, a 54, 6 e
7J, cambraia victoria fina a 5, ditas transparen-
tes a 5, 6 e 7,chitas finiasnas escoras e claras
a 280, 360, 390'e 360 o covado, cassas de cores a
240, lentos brancos de oas^a a t^OOf dilos ehi-
nezes a 3J500 a duzia, madapolao fine a 6/
6J500, e moio superior a Ti, 7*600 e 8l, algo-
daozinho largo proprio para lonjees a 6*, panno
de al^odo branco trancada proprio para toalhas
de mesa a 1*600 a vara, nramante para lences a
2*000 a 3*500, o que ha de melhor, esguiao fl-
nissrmo-a9*fOet*lOO a vara Mandamos nas-
casasdas Exmas. familias para melhor poderem
esolner. Tamben temos completo fojtimento de
perfumaras des primeiros- fabricantes francezes e
inglezes; as pessoas qae se dignaran vir a esta
leja terao occasiao de reconhecer a realidade do
que annunciamos par aos justificar.
Ferro gaivanisado
Cabellos
Venaeai-sa cabellos de todas as cores, qualqner
comprimento, qualidade superior, em caixa on
pprco mais pequea : na roa da Cadeia do Re-
cife n. 8!, I* andar.
MU. ME. M
De dia para dia, mais doce.
Degoiaba.
De laranja.
De banana.
Em caiafes e lata.
Fino e ba.xo.
Gaixoi-s grandes e pequeos.
Proprio para embarque.
Vende se. constantemente roa Dlreita a 91,
tatecmidg Barga*
J^riiiha de mandioca
No trapiche firao do Livramento, no largo d
assembla, ha depositada superior larnba de man-
duca para vender-se : trau-se no mermo trapiche
oo no largo do Corpo Santo o. 6, 9* andar.
Vene-se em-casa de Adamson, Howie t C, na
roa do Commercio n. 40, folhas de ferro galvani-
sado de 6, 7 e 8 ps de comprimento.
40;5 604
Ricos ooeiros de casemira bordados a crox e a
matiz rtia db Crespn. 28, loja d* esqnfa.
Farinhade mandioca de Santa
Catharina.
Da superior, vnda pelo pataeho inglez Hmry
Block j ha parte PDsaead* para eoanocridadB dos
canpradorf ?, o vende-se nos armaaas de Tseso
Irmaos 4 C, no caes do AptiUo, e raa do Ara- rira
numero 37.
Vende-se
Palitos do gaz a 320 rs. a duzia de caixinhas, ba-
rato : na-raa de Raopel u. 39. taberna.
Cbegados peto ultimo vapor!
) Vi arf, n. 2. Veae-se
no arnmem Novo
Monde ei frente na f
mais barato qoe em oatra qoalquer parte.


8
Diario de Pernambuco
Tero

eira 19
de
Julho
*V 1670*
LITTERATIIA,
U1WMA.
(DO linio bos rbvlexos).
Virgem do meo amar, qanndo o raen canta
pni ur;
esle cau: ns olhos
: -:iiar,
vola um suspire de saudade inflnda,
a o bardo que le amou ;
urna Ligrima s ubre e*t*s folbas
que o passado olvidu I
E. d C.
i.viu pnmi:i!\A.
Como prende-se a hera ao tronco anno
assim minh'alma se prendera ardente
na luz dos olhos teus t
e inspirada nos risos dos teas labios,
soltara alegre, os cantos sonorosos,
que perdiam-se em Dos I
Lonco, perdido em teo olbar sublime,
amei-te um dia. de&prezando as glorias,
sem o har o porvir I
Fiz-me desertte e poderoso em todo,
e em met viver somonte desejava M
minh'alma taa umr!
Era grande esse amor que me abrasava
o corado, na lucia ambiciosa .
de um infeliz viver!
era grande esse peito que nutria
A fl5r das esper. nf as, esquecendo
o mondo do prazer!
Eras tu meu futuro, a gloria mioha;
o meu anjo de luz que me guiara
aos caminhos do bem.
Oh! quantas vezes dos meus sonos de ouro,
vi-te raulher, me dizer baixinho :
i Amo-te muito... oh I vem!
Ol! quantas vezes delirante, ardente,
preso n is lacos ilesse amor celeste,
nao te julguei vis3o !
e em meus-desejos inhocentes, puros,
quantas vezes tambem n3o oceultei-te
o ardor do coradlo !
Nos eramos felizes! Nossa vida
era um mar de venturas, procurando
o ocano do amor I
as nossas almas semelbavam flores,
que desbrochavam vividas e bellas
da esperance ao frescor!
Nos eramos felizes! Deus enchia
nossos peitos de luz e de innocencia
nos guiando ao porvir ;
e as lyras do co os anjos lindos
entoavam estropbes de harmonia,
que elle ouvia sorrir.
lloje, ausente de li, s posso cantos
desferir-te na lyra abandonada,
da brisa no soprar;
boje, ausente de ti, veja-me louco!
Ob I eu sou um espectro que apparece
para crr e te amar I
-me de novo o leu amor sublime!
d-me de novo fada, os teus palacios,
quero nelles vi ver!
D-me a taca da placida ventura,
onde outr'ora, bebi junto ao leu lado,
o hydromel do prazer I
6b I consente que eu viva feliz sempre,
j que preso me sinlo nos teus olhos
de celeste brilbar!
Oh I consente de novo que se prostre
um descrente cantor apaixonado,
para crr e te amar 1
LYRA SEGUNDA.
Oh parece impossivel que os teus olhos
de mgico fulgor,
nao comprehendam d'alma as confidencias,
o meu ardente amor I
Oh parece impossivel que os teus labios
que juraram-me amar,
nao proflram ao menos o meu nome
n'um doce recordar!
Oh parece impossivel que o ten seio
que alenta urna paixo,
nao sinta inda bater por mim, ao vr-me
o inquieto corceo!
Entretanto, eu ausente ou de ti perto,
se vejo-te sorrir,
sinto n'alma inspirada anhelos vagos
que nlo sei exprimir.
Sinto dentro do peito ao ver-te bella,
tremer-me o corceo,
posto que os meus labios nao te digam
minha louca paix3o I
Amo-te muito! As vezes solitario,
eu procuro affastar,
os desejos que sinto no meu peito
para depois scismar.
Mnilas veze/ tambem, vem-me lembranca
a placida uni
de minh'alma co'a la, e rio e choro
esse desejo v5o I
Nos felizes seriamos por certo
destino cruel,
nSo enchesse te peito de innocencia,
minh'alma defel!
Nos felizes seriamos, se outr'ora
essa ardente paixo,
meus labios revelassem. nao temendo
meu fragit co ac5o!
Mas a sorte na"o quiz as nossas almas,
nr s seus lacos unir I
Oh eu devopor ti, porteos amores,
toda a vida carpir!
LYRA TEHCEIRA.
Gomo gnarda-se ao seio a flor que amamos,
assim eu goardarei n'alma a lembranca
do meu ardente amor i
como oceulta-se a vz que vem trabir-nos,
occuitarei tambem as miohas queixas,
a minha acerba dor !
Quero vivar por tt ?bandonado,
uas.ermas%olides do meu presente,
meu destino chorar;
qoero virer as brxflcas penid as,
escotando das vagas o rugido.
nos rochedos do mar!
Despresado por ti, que posso agora
desejar nesla vida sempre cheia
de flagkios crueis ?
Despresado por ti, que altnejo oh anjo,
se eu nao tenbo tbesouros neste mundo,
p'i a depr a leus ps ?
Fvi um louco talvez, quando julgueile,
minba doce esperanca, o mea futuro,
que fngio-me veloz I
Fui um louco, uro perdido, um desgranado,
quando nao divisei codo em teus labios
a indifferenca atroz!
Hoje tudo findou-se I Hoje comeca
para mim urna vida de tormentos,
um paludo existir I
Hoje d3o poderei mais dar-te cantos,
netn esperar a aurora da ventura
que devia surgir.
Despresado por ti, nao comprehendido,
eu saberei cumprir o juramento
que a ninguem revelei;
e as ancias crueis das minhas dores,
eu bemdird leu oome feiticeiro,
porque sempre te amei ?
Quando um dia souberes os tormentos
que na vida passei por teas encantos,
por ten ardente amor,
oh lalvez que urna lagrima derrames,
lembranca do louco apaixonado,
que se una de dor !
Porm ser j tarde 1 Um peito morlo,
onde vive sepulto na descrala
gelaclo o coracao,
n5o poder de novo como outr'ora,
alimentar o amor que repeliste,
com despreso e trahifo !
Tarde viras pedir-me os cantos debis
que na lyra soltei aos teus olbares,
" flor dos risos teus 1
larde viras trazer f-licidades
qnem vive descrendu di presente,
do futuro e de Deus!
Esquece-me, mulher Eu s nao posso
esquecer-te nos prantos que derramo,
no mundo seductor 1
Eu guardarei p'ra sempre na minh'alma,
a lembranca do amor que sepultaste
no tmulo da dor 1
LYRA QUARTA
Deixa fugir-me, ausentar-me,
quero oceultar meu amor ; .
minha sina prantear-me
no desespero e na dr!
Quando te vejo estremece
teu olhar prende me a voz ;
tudo que eu sonbo, que peco '
a felicidade p'ra nos !
A noute, os astros, as flores,
quanlo a natura sorri,
tudo me falla de amores,
tudo me falla de ti 1
Os venturosos se agilam
na onda do seu prazer,
e esquecem, quando meditam,
as dores do seu viver;
S eu, que vivo tristonho,
eu que vivo por te amar,
que.sempre comligo sonho,
entre o riso, entre o chorar ;
Desamparado e maldito,
vago no man
nesse desejo j^^^H
nessa esperan
As vezes maldigo o instante
era que na vida te vi,
quando te vejo brilhante,
quando me lembro de ti !
E quando pens n'aurora
do meo futuro e do tea ;
quaodo sonho. triste embora, .
Co'as esperances do co ;
minh'alma vaga absorta,
no abysmo do ten amor;
meu peito sent j morta
da nossa ventura a flor t
Leifatal! Viver medooho,
que feres om corceo !
Felicidade, s um sonho...
amo, nao existes,n5o !
Deves fagir-me, ausentar-me,
quero esquecer esse amor ;
deves me emfim prantear-me
no desespero e na dr !
1870.
Eduardo de Carvalho.
FOLHETIM,
i VIVA DEPOIS DI MORTA
POR
Xavier de Montpin.
POUCO DE TUDO.
A CARETA. i
i
Vem ao mundo a crianza, a pobre mi
Da procreado da especie grande athleta,
Ao depr sobre a trra o doce fardo
Entre solujos faz-lhe urna careta.
Por seu lado a'crianca, quando nasco,
Ao passar da existencia na barreta,
Solta um vagido, faz se de mil cores,
Ao mando soltrando urna careta.
Vem a ama agrada-la coro caricias,
Dar-lhe bolos, beijinhos, doce e teta,
E acriance,quenascen enfezadinha,
A cada mimo lbe faz ama careta.
B' levada ao baptismo, o paranympbo
Enronha a luva branca e a calca preta,
E a crianca, sentindo o sal na bocea,
Faz ao padre e ao padrinho ama careta.
Vaj crescendo enfezada, e, muito embora
Se chame Joaode Deas, Martba ou Julieta,
Faz mil artes, d quedas, chora e grita,
Gomo estribilbo fazendo urna careta.
Chega a idade da escola, a mal a exhorta
No santo amor do livro e da caeta,
E a crianca, que s quer brincar e rir,
Engaa o meslre e dedica-se careta.
Si menina, ao deixar o sea collegio,
Traz por sciencia o sorriso de lanceta,
E, com ares de gente de importancia,
Diz-se poetisa e faz sua careta.
Sabe bem namorar, faz seu versinho,
Usa vestido da moda e traz luneta,
E, quando dansa, no par nunca se esqaece
De dar muchachos fazendo urna careta.
Si depois de gozar dous mil namoros
Ghega sempre fisgar algum pateta,
Traz o parvo mettido em calcas pardas
E todo o dia lhe prega urna careta.
Si nao ebega casar, aqu d'el-rei!
Faz-se beata e torna-se jarreta,
E quelles une e affastam do san rumo
Faz a barata por noite urna careta.
Si a manga menino, no collegio
Vai estudar latim e faz-se poeta,
E, depois de filar os sete exames,
Ei-lo acadmico a custa da careta.
Nesse posto janota, vai ao theatro,
Nao dispensa o caf, joga a roleta.
Compra fiado, e, se o credor o encontra,
Prega-lbe um mono e faz-lhe urna careta.
Ghega o dia do acto, e o sabicho
Que dos livros mal vio a tinla preta,
D um espicha tremendo, e, mui lampeiro,
Ao professor prespega urna careta.
No fim dos cinco annos de flautero
She o horneradoutqr, quer logo teta;
E, se lbe do cousa parca e pouco pwgue,
0 here torce o beifo e faz careta.
Quando apenas dez annos sao passados
Do tempo na montona ampulheta,
O homem nos conselhos da cora
Tem asiento por causa da careta.
Nesse tempo elle lord, deputado,
Foi presidente e escreve orna gazeta,
E, em quanto se prepara senatoria,
Contina sublimarse na careta.
Deputadosabe dar seu apoiado,
Presidenteandou sempre de moleta,
Ministrotraja bem o seu fardao
Primando sempre e sempre na careta.
| Cahe um paVtido, e o homem, qoe prefere
lo sao i vida da saleta,
ior eynismo
HjHB em todo indo urna careta !.
Si o rapaz nSo se quer fazer lettrado
S p'r'as artes lhe d soa vneta,
E' seu caroinho tao prodigo de espinbos
Que elle vive ahysmado > reta.
Si de frade ou soldado a vida segoe
Veslindo com prataj ( roopeta,
Oa lea o breviario ouont guarda,
Junta sempre ao petisco ama careta.
Si prefere alistar-se no commereio
Impondo-se urna impdica jaqceta,
Passa at.teropo sonbando com fallencias
E acab^ por fazer-lhe orna careta.
Si ten) tito e se faz agricultor
Ligando-seNI charra e carreta.
Nunca sabe do poder dos agofc>s
Onde se extorce em vo n'uma careta.
Si faz-se jornalista, & cada instante
E' forjado dizer mais de ama peta.
E p'ra gozo dos seos poocos leitores'
Em vez de cara usur, usa careta.
Si rico e'si tem todos os bens
Qoe se eontm de Pandora na boceta,
Inda assim tem pezares e desgostos
Qne o forcam fazer muita careta.
Si d'esta emfim p'ra melbor o leva a parca
Em sua fra e lgubre barqueta,
Embora seja pouco o amor da vida,
O homem faz morte urna careta.
Si pois a vida toda se resume
Somonte no soffrer, outro planeta
Vale i pena habitar, inda que seja
Para fazer trra urna careta.
Me parece estar vendo algu^m dizer
Com ar de compaixo : oh que paleta!
Pois bem, em pagamento aqui lhe deixo
Pela sua careta outra careta.
Julbo de 1870.
? ?
VARIEDADE
REQUERIMENTO DOS HABITANTES DA COMARCA
DE MAC APA. NO PARA. ASSEMBLA GERAL
LEGISLATIVA, PEDINDO A CREACAO DE UMA
PROVINCIA.
Augustos e dignissimos Srs. representan-
tes da naci. Os abaixo assignados, habi-
tantes do termo e comarca de Macap. da
provincia do Grao Para, vm vossa augus-
ta presenta lembrar a necessidade, j bem
recoohecida e demonstrada, da creaco de
urna provincia no territorio comprehendido
na margem esquerda do Rio Amazonas en-
tre os ros Nhamund e os limites septen-
trionaes do Imperio, tendo por capital esta
importante cidade de S. Jos de Macap,
projeetc j apresentado nesta aogusta cma-
ra desde o anno de 1853, mas que, por cir-
cumstancias de pouco apreso ato agora,
anda nao mereceu acurada attenco dessa
Ilustrada cmara, com gravissimo prejuiso
dos habitantes de i3o importante territorio,
e quic raesmo do Impegio, para ser con-
vertido em lei e proceder-se creaco da
nova provincia.
9s abaixo assignados nio se demoraram
eiu demonstrar as conveniencias d'ordem
bem elevadas para crir-se no territorio de
que iratam a nova provincia, visto que est
isso verificado e demonstrado desde que o
governo portugu;z mandou construir a im-
portante fortaleza de S. Jos de Macap na
fz do rio Amazonas. Calando no espirito
de todos essa grande conveniencia, os abai-
xo assignados apenas se lemitarao a impug-
nar a nica objecejo seria com que s es-
piritos prevenidos costumam atacar o pro-
jecto, fundados em falsas informaces e pre-
conceitos muido adrede mantidos, com e.
nico fim de retardar, como at agora se
tem retardddo, a execucao de tao importan
te providencia, desconcertando assim os
seus mais decididos defensores.
A nica objeceo que se apresenta, re-
vestida de cores bem car egadas, contra a
creaco da nova provincia, consiste na falta
de salubridade de Macap, cujo sitio, dizem
todos, horrivelmente doentioj um varda-
deiro matadouro, e acrescentam ainda, que
aqui vivem todos envenenados, nao s dos
miasmas dos moilos p- ntanos, como ainda
das aguas contaminadas di sei va venenosa
dos assacuseiros que vegetara nesses panta-
nos e at nos quintaes das casas. Os abaixo
assignados lamentam seriamente quando
leem essas inexatidoss, e at admirara que
hpraens Ilustrados se deixem assim engaar
dando comoverdadeiras, falsidades reconhe
cidas, e que levem a exageraco ao ponto
de dizer-se (como o declarou o Sr. conse-
Ibeiro Joaquta Manoei deOliveira Figw*-1 me*or agua-
do i eHrio lie I85i) qtw dertw parj; raas
tiesta la Mfccap, ^ra o asumo deve ser morto no mesn
dw, por qqe a carne podrece en menos j
de ofto horas! Uto- hwrivel, e os abatios-
assignados nio o acredkiriim senlo lessem,
lamentando qae o Sr. conselheiro acreditas-
se em semelhanle absurdo para o mencio-
nar no seu importante relatorio. Senhores,
lbcap*foi, e h de ser sempre um siir>
sadio, e-oosamos assgorar. qae o mais
sadio de toda provincia do Paf ; tanto
isso verdade, que em Macap a nica mo-
lestia,^at hoje conhecida sSo sez5es, em
certaS quadras di anno, e "em tempos idos
nosfoi importada abexiga,que fizestragfts
u pop#c5o, nica; epidemia mortifera de
(que temos sciencia.
is historias e de agoes envenenada, so falsas e
sfnente emstem na imaginado daquelles
|^ue otos para Macap atrwez de om pris-
ma diverso dn que elle em si mesmo
Os abaixo. assignados, compenetrados do
maior seniimento de verdade, passaro a
expender 0 que sejao esses sonhados pan
taos, assacuseiros,, e aguas envenenadas;
e fioafmente raqstraram a causa primordial
das sesoes qo^ em orna ou outra vez no
corso dos anuos, nos accometlem com os
mesmos symptomns da fnb, calor ou febre
e suor em sna declruacSo, como sos acon-
tecer era todo o Brazil.
Nao temos pantanos propriamente ditos.
geralment sabido queem Macap existem
doos igaraps, um corre ao sul da cidade
prximo fortaleza pelo norte dell'i, e o
outro corre 'ao norte da cidade coobecido]
cora o notne do igarap da corapanb a ou
d is mnlheres. O primeiro igarap, entran-
Jo um pouco para o interior em distancia
de quatroceDlas br cas, termina por encon
trar trra muito alta, donde principiara os
magnficos campos ''* creacao. As duas
margeos desle igarat.e sao bordadas de am
terreno que se chamavarseatodo com-
posto de barro ma?ap e lera a extensSo de
cem brajas ero sua largura at a beira da
ferra alta onde est collocada a cidade. Nos
lugares mais baixos desta bonita varzea,
onde o invern fazia conler algama agua,
abriram-se sargtas que deram esgoto s
agoas repres-das ; no verao, porm, tod a
varzea scea, e a mar, guando cheia, entra
pelas sargtas, e descem as aguas na va-
zante, ficando tudo liropo.
Els o que chamaro pantanos; se esta var-
zea um pantano, nesse caso, pantano
igualmente toda a varzea do Rio Parabyba,
na provincia do mesmo nome, e todas as
vaneas da provincia de Pernambuco onda
esto collocados os seus engenhos de assu-
car.
Se boa culturas da cana e do algodao fossem aqui
pratteadas, como sao em Pernambuco e oo-
tras provincias, todo esse terreno que
chnsraam-de pantano seria bem aproveitado
para tirar-se delle a riqueza que contera, e
o estado perceberia avultadissimas sommas
de sua cultura. Esta varzea est coberia
de capim, de arbustos pequeos, e palmei-
ras do Para ; nella n3o se eocontra um s
p de assac, arvoredo este que nao existe
em Macap, como todos aqui o sabem e re-
conhecem.
Na margem deste igarap do lado da
fortaleza, cresceram graodes arvoredos (de
moratingas, assucuranas, jatabas, e ucuh-
bas) e essa orla de arvoredos, qua vista
da cidade 3Z urna linda pe-spectiva, as
que denominam de grandes assacuseiros de
Macap!
Custa crer isto, mas a verdade pura.
O assacurana, arvoredo conhecido as
outras provincias com o nome deraulun-
guseiro, nenhuma seiva tem ; e, quando
a tivesse, n5o venenoso. Estes arvoredos,
que se parecem tanto com o assacuseiro
como este com a larangeira, sao aponlados
por um erro que nao podemos justificar, em
todos os relatorios que tratam de Macap,
como assacuseiros! Nao nos admiramos
que assim o affirmem, quando lemos igual-
mente o absurdoque a carne apodrece
em menos de oito horas!
Parece isto um proposito, e por torca de
Srrem classificados os arvoredos de que tra-
tam is por assacuseiros, foi sem duvid al-
guna que o Sr. Dr. Tavares Bastos na sua
visita Macap, abracando, a nuvera pela
deusa, no seu bello estudo do valle do Ama-
zonas, declarou existir em Macap um pan-
tano e assacuseiros que detertninavaro sesoes
por sua seiva venenosa ; donde se v que
todos dao como causa das sezes os sonha-
dos pantanos e assacuzeiros, e ate ao uso
da agua potavel, que dizem estar envenena-
da pela folbagem dos assacs, engao este"
anda mais lamentavel, que as aguas pota-
veis de Macap sao as mais puras e as mais
cristalinas que se podem conceber e imagi-
nar, e sobre esse ponto estamos to bem
servidos, que n3o desejamos ter melhor,
pois que possuimos coro o favor de Deus a
rovmci
__^^^^^^^^^pco de
q-je todos s-e d>it federar q pedes-que par aoJ^^Bt honr>de rece-
ber, com bem pencas excepcSes, per mais
sede qne sintan nio carera beber-a nossa
boa agua por sopporem-a envenenada da
Viva- dos sonhadee- asacuseiros, de- que
tanto tratam os relalorios. ._^
.6*segundo igarap chamado da cofflpa-
que tambera-chamara das mulheres,
corre eere duas varaeas qne bordam suas
margens em todo igual ao que fica descri-
to. Sita varzea. em teda a su exteoaao;
nao tera una s p de assacaseiro ; toda ell
coberta de capim, pequeos arbustos e-
maito tebocal, o qae abr na provincia do
Ro de Janeiro chamanbamb. Nesta
varzea enltivam-se roe,- (milho. arroz,
feijao, algodao, melaocias, meles etc.), e
por assim dizr o celeiro povo, e tao
abundante ella, que, aprpveitada toda,
bastara para abastecer a provincia, tal
sua extraordinaria fertilidades assim tifes-
seraos brajos que a cultivaBsem.
E' geralrwrate sabido qoe em Macap
esto os melhores campos de- criac3o de
gado vaceum e cavallar, campos que se
Lperdem muitas legnas, sempre Robertos
de ricas pastagens. O gado das fzendas
o m?is gordo da provincia, peloqne todos
qoe conhecem Maraj,- quando vem a Maca-
p, admiram e assegoram que o nosso gado
cuperior n3o s por seo tamanho-, como
ainda por sua gordura ; pois bem, ser cri-
vel que a carne d'um boi assim criado,
cheio de vida e forcai apodreca em menos
de oito horas ?!
Isto repugna do simples bom senso. Em
Macap s3o os proprios fazendeiros que
malam o gado para o assougue; torna-se-
Ibes mais commodo matarem logo dema-
nh3a, e venderem ao povo, do qpe o taze-
rem de vespera, nio s por qoe n5o ba
nisso o menor inconvonienue como mesmo
porque ha urna especulacao de lacros qae
todos'almejam, pois, sabe-?e que a carne
morta e vendida logo pesa muito mais do
que sendo de vespera, e estao tao avesados
es-e costume que urna tortura obriga
los a fazer o contrario. Era urna pocha
mais anterior foram os fazendeiros obriga-
dos a matar os seus gados de vespera ppra
o consumo do dia seguinte. e desgostaram-
se tanto com isto qae nao s n3o manda-
da rara os bois da fazenda, como ainda es-
palharam por entre o povo ignoraste, qae
a carne morta de vespera amanhecia podre.
Acreditamos que chegando isso aos ou-
vidos do Sr. conselheino Joaqaim Manoel
d'Oliveira Figueiredo. deisou se engaar
como urna crianca, effeito sem duvida do
pnico que j o dominava, e para logo
dando, o tacto gracioso como verdadeiro, era
natural que tambera buscasse, como bascoa
sua causa nos sonhados pantanos e assacu-
seiros :
PARTE PRIMEIH*.
O HAROUEZ DE SAINT-MMNT
(Continuaco do n. 158J.
xxn
AaYeetaosM demonstraides
A narrativa do marqnez de Saint- Mai-
xent havia durado algumas horas, de modo
qae eraj meia noute quando terminou
com o pattico desenlace, j conhecido pe-
los nossos leitores.
O nosso here, amparado pela torca de
vontade e pela prodigiosa energa do ca-
rcter emquanto representava a audaz co-
media de qne dependiam a sna vida e o
seu futuro, s seotio o cansaco e a exte-
nuacao das torcas de ter concluido.
Bateo comsigo em cima de orna poltrona;
o semblante fez-se lvido ; um snor gelado
lhe innandou a testa, e um desfallecimento,
qoe d'esta vez nSo era fingido, acabou de
o prostrar.
O conde de Rabn, devras afflicto, to-
cou logo urna campaioha, e appareceu im-
mediatamente um criado. Mandou bascar
agua e saes bem activos para reanimar o
marqnez, o.qoe de feito se conseguio em
poneos minutos.
bom
do conde, mal o vio tornar si, sao ini-
migos terriveis, porque, lulando com elles,
suecumbe al o mais animoso. Voo or-
denar que sirvam a ceia mesmo aqu n'es-
te aposento, e depois o levarei ao seu qoar-
to. Algumas horas de socego e repouso
ho de restituir-lhe as perdidas torcas.
Estando seu lado, esqoeco'-me de
todo, at do somno ; mas muito prova-
vel qoe, urna vez na cama, dormirei como
deve dormir om fugitivo que nao prega
olho ba tres bou tes fio.
Nesse caso, melhor conduzi-Ioj
aos seus aposentos.
TJo depressa I
Sabe qae j ama hora ?
Oh desculpe, querido" primo, o te-lo
obrigado a velar tanto, e j qae reclamo a
sua indulgencia, digne-se de m'a conceder
tambera para um crime de lesa-galanteria,
qae nunca teria commettido a nao ser pe-
las graves preocupaces que me acocavam.
Ainda lbe n8o perguntei por minha prima.
A condessa passa perfeitamente, res-
pondeu o senhor de'Rabn. Deiton-se pro-
vavelmente, estraohando tao demorada con-
ferencia com um desconhecido.
Com om desconhecido bradoa Saint-
Maixeat muito admirado.
Ella assim o julga, prosegoio o con-
de, porque ordenei aos meus criados qae
n3o dssessem quem era o senhor, reser-
vando para mim o prazer de Ih'o annunciar.
Amanbaa a ver, e posso affiaocar qae lhe
ser muito grata a sua prosenca ; bei de
apresenta-lo tambem urna encantadora me-
nina, um tanto oa quanto aparentada com-
nosco, que nos faz favor de acceitar a
nossa hospitalidade.
O marquez n3o se atreven a fazer urna
pergunta que talvez fosse indiscreta, mas
rebrilharam-lhe os olhos de curiosidade.
i Esta menina que eu digo, chama-se
Olympa de Aubray, marqoeza de Cbavigny.
Creio que n5o a conhece.
Sei quem ms nunca a vi.
Tanto pior para o senhor, porque
merece realmente ser admirada...
Morrea talvezj o anciao com qeem
casou ? pergantou Saint-Maixent.
Ainda n3o ; infelizmente para ella,
contina sem novidade.
Mas ent5o, como...
Qae a marqueza aqui est sem o ma-
rido ? disse o conde completando a per-
gunta. Isso urna historia muito compri-
da, que eu lhe hei de contar em tendo oc-
casio.
Tenbo oovido dizer que a marqueza
13o linda que pode quasi competir com
sua esposa, prosegoio Saint-Maixent.
E nao o enganaram, porque, apezr
de Olympia e a condessa nao se parecerem
em nada urna com a outra, ambas sao ado-
raveis. Amanhaa ver a marqueza de Cha.*
vigny, mas tome cuidado no corado Nao
vi agora enamorar-se! Sen marido n8o
parece disposto a morrer, e tambem por
ootro lado, aquella menina a virtude em
fpessoa.
Qual amor, nem qual historia I mur-
muren Saint-Maixent com melanclica ento-
naco. Tenho padecido muito em poucos
mezes, e quer-me parecer que j* morrea
este mea corac3o.
Ao depois resascitar, deixe estar ;
mas tome conta n'elle, nao lh'o roubem,
que d'aqoi i, pouco tempo ha de apparecer
occasio de o entregar, Mal o re, por
meto de urna patente, o justificar em d-
Os abaixos assignados reconhecem e de-
claram qua ha sezes era Macap, ssim
como se desenvolvem todos os annos em
Relm, capital da provincia, e em moitos
ootros lugares do Brasil, com os mesmos
symptomas de fri, febre e snor, e eonsi-
deram como causa primordial delta (alm
das geraes que as molivam em todas as
parles) a grande humidade das casas, as
quaes, sendo quasi todas de taipa, desti-
tuidas de condices bygienicas, collocadas
era terreno que muito se hamedecem pelo
averno, motivando evaporaces hmidas,
nao pode deixar de influir de modo muito
pernicioso nasade dos seus bahitantes, prin-
cipalmente se ssbendo, como certo, qae
em Macap todos dormem em redes, nellas
adoecero, e nellas morrem. Esse uso, que
peculiar ao Para, em Macap o igual-
mente ; rara a pessoa que dorme em
cama: esse habito que, como se snbe,
nocivo sade, ainda mais nocivo se torna
quando a humidade est muito prozima,
como si acontecer em Macap as estaces
do invern. Observa-se, porm, que os
qne ra ram em casas bem construidas, are-
ladas, e assoalhadas n3o soffrem sezes.
vivem sadios e aptos para o livre exercicio
de sua aclvidade.
*
As cousas apontadas, accrecente-se ainda
a falta de limpeza j as mesmas casas, em
cojos quntaos se aecumunam o lixo e a
iama, e j as ras e pracas, e tudo isso
n3o ser bastante para por era perigo a
saude dos habitantes ?! Ainda assim as se-
zes s se desenvolvem no principio das
estaces. Os' que se curam conveniente-
mente, restabelecem-se, os que deixam de
curar-se, e, zombando com a sade, nenhu-
ma dieta observam, ficam sujeitos, repe-
liC'o dos accessos, e nestas circurastancias,
como sabido, adquirem inflammaces, de
baco e figado, que os prestam, ainda mais
pela carencia de recursos para se trata-
ren!.
vida forma das falsas e injustas aecusaces
qne actualmente pesam sobre o senhor,
ento procuraremos por ab urna menina
de boa familia, e de regular fortuna, que
lbe trar em casamento a sua belleza, as
sus virtudes, o seu amor, o seu dote, e
qoe muifo se orgulhar de rastaurar a I-
lastre casa dos Saint Maixent. Mas estas
coosas h3o de succeder sen tempo. Esta
noote tratemos s de dormir, que o mais
argente.
O senhor de Rabn cbamou novamente o
criado, disse lbe que fosse adiante para ac-
cender as lnzes, e quiz por torca acompa-
nhar o marquez at aos aposentos que lhe
eram destinados.
Ficavam elles no andar nobre, ao fim
de um comprido corredor, todo ebeio de
tapessarias flamengas, qne jrepresentavam
paysagens e assomptos campestres.
A primeira casa era urna saleta, com
quarto para o criado do marqnez ; segua-
se ama sala de regulares dimenses, e
depois nma alcova grande e om gabinete de
toucador.
Na mobilia, do tempo de Lniz XVIII, al-
liava-se urna grande magnificencia om
gosto superior.
As paredes da alcova para dormir eram
torradas de tapessarias dos Gobelinos, e das
riquissimas esculpturas em madeira da sala
pendiam muitos quadras da escola italiana,
dignos de attrabirem as attencps dos pe-
ritos.
O conjuncto de tudo isto era elegante sem
exagero, e severo sem affeclacao.
Notava-se nos mais pequeos pormeno-
res o gosto artstico do dono do palacio
e dos seus antecessores, que deounciava
a.o mesmo tempo a immenn riqueza relies.
Para citar apenas um exemplo, diremos
que todo o servico do toucador era de
prata, cinzelada com sumraa delicadeza por
algum artista nota'vel, discpulo ou talvez
rival do famoso florentino Benveouto Gel-
lini.
Na saleta, n'uma poltrona de bano com
grande espaldar de couro, dorma um ho-
mem de cabeca pendida, pernas estira-
das eos bracos dependurados.
Era Lzaro que, nao ousando accoramo-
dar-se antes de ebegar o amo, ficon pro-
fundamente adormecido, apezar dos esfor-
cos que fez em contrario.
O sen- criado nao pode resistir ao
somno, disse o conde apontando para elle;
nao possue como o senhor essa torca mo-
ral que triumpha do cansaco. Amanha
ir com o meu intendente guarda roupa,
para elle escolher entre as libres dos mens
criados alguma qae lhe fique melhor, at
|vpoder vestir as suas cores, qoe pouco dif-
ieren) das minhas. Emquanto nos vamos.
sua alcova de dormir, o meu criado o
acordar, e lhe dir da sua parte qae se
pode deitar.
O conde de Rahon abri a porta da al-
cova.
i
Esta va a noote algama cousa fria.e para
temperar a atmosphera, tinbam posto lame
no grande fogao de marmore, e as lbaro-
das allumiavam alegremente as cortinas en-
carnadas do leito,
Aqu est o seu gabinete de toucador,
accrescenton o conde introduzindo o hospe-
de na casa immediata, onde se viam per-
durados nos cabidos moitos tatos de todos
os feitias e de todas as cores. Nos doos
tenjoi pouco mais qu mnos' a mesma e-
(Gontinuar-se-ho.)
tatura; esta roupa ebegou-me agora de
Pars, e creio que lhe ficar perfeitamente.
Tanto favor !...
Oh n3o me agradeca ; isto nao. 6
nida ; e se tem empenbo em rae consagrar
a sua gratido, espero que a minba boa es-
trella me permita servi-lo em cousas de
importancia, o que. segundo creio, nao ha
de tardar muito. Por consegrante, meu
primo, desejo-lbe que passe bem a noote,
que durma somno solt, e qoe sonhe
mil felicidades. Amanhaa, por volla das
dez. c virei visita-lo.
O senhor de Rahon apertou outra vez a
mo de seu primo, e retirou-se.
Saint-Maixent, quando flcou s, foi
saleta com tencao de fazer ao criado alga-
mas prevences importantes.
Laz3ro, acordado como o conde dissera
pqueos minutas antes, nem seqoer teve ani-
mo para se despir ; metten-se na cama tal
qual como eslava e adormecen de vez.
O marquei teve de renunciar espetta-
Ca de acordar o criado ; volteo para o seo
quarto, despiose o sentio urna impressao
de extraordinaria voluptuosidade ao eaten-
der-se no eolebao de pennas, entre esplen-
didos lences-
N3o apagou as vellas do grande candela-
bro de bronze, para adormecer contemplan-
do todo o laxo que tinha diante de si, e
de qoe por tanto tempo carecer.
Afinal cerraran)-se-lbe as palpebras sem
querer ; principiaran) a embaralhariserlhe
as ideas I j se lembrava unto do presente
coma do passado, e se ficou alada vendo
alguma cousa, foi de certo em sonbos.
CCqtifear-**-*a;
,f?P. DQ P*lQ i? M V QUE % CAJUAS


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EK3OAS7QG_HQZCI5 INGEST_TIME 2013-09-19T22:03:43Z PACKAGE AA00011611_13090
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES