Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:13089


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANUO XLVI. NUMERO 159?
' ---------------------------------------------------------?,_ -----------------!-----------
UU 1 CAPITAL E LOGARES OWDE IA0 SE PASA PQRIE,
fot .seis dito idem ....... jS
*-* Motero aruiso.................r &o
SEGUNDA FEIRA 8 DE JULHO DE 70.
PARA KITHO E FOBA DA Pl&TIBCIi,
Por tres metes adtelados ,............
Pop seis ditos idea* ,....... .
Par no*e ditos ide.................
Pt nni anno dem............., '. .
6J7C5
i 3*500
20*250
Xf
w*wwr
Propriedade de Manoel Figucra
i ~ ii..................' <.i. ----------------------------------------.
de Faria & Filhos.
OiSfs.
Gerardo Antonio Alves Filhol,Jjo Para ; Goncalves <$ Pinto, no MaranhSo ; Joaqaim Jos de Olivelra,. ao Cear ; AntonioTe Lemos Braga, no Aracatr ; JoJo Mara Julio- Chaves, no Ass ; Antonio Maraes da Suva, no Watal; Jos Jaslino
Pereira d'Almeida, em Mamaaguape; Antonio Alejandrino de Lima, na Parahyba ; Antonio Jos Gomes, na tilla da Penb; Belannino dos Ssotos Bulc3o, em Santo Antlo; Domingos Jos da Costa Braga,
-. em Nazareta ;-Francisco Tavareg da Costa, em AJagoas ; Dr. Jos Martios Alves, Babia ; e Jos Ribeiro Gaspanabono Rio de Janeiro.

ni.
PAITE OITICIAL.
overa* la provincia.
DESPACHOS DA PRRSIDBUCIA DA PROriXCIA DO DA 8
DB JUMO DE 1870.
.gasto Paulo de Lima Duarte Coutihho.In-
firme o Sr. inspector da ihesouraria de fazendn.
Antonio Augusio Macel.Informe o Sr. inspec-
t >r da thesourana le fjenla.
G. uitao^A CFui couiratado com outro o for-
n^cimente que alludem.
Eneas Targioo Accioli.Informe o Sr. inspector
da tuesourara provincial, o u viudo o do eoosu-
lad
Francisco Carlos da Silva Fragoso.Selam en-
tregues medante recibo.
Francisco lavares da Silva.Informe o Sr. Dr.
chete de polica.
Francisco Anfonio Rodrigues.Expeca-se or-
dem para er dada a guia, e entregese a patente
:n 'diante recibo.
lrmandade do Sonlior do Bom Jess dos Passos
da matriz do (roo Santo.Nio lem lugar o que
requer.
Jas Francisco Gomes da Silva.Informe o Sr.
commandante do corno provisorio de polica.
Joaqnra de Alrffctda Pinto.Avista da infor-
madlo, como requer, pagos os dreilos flseaes, e
remeiiendo-se estes papis ao Sr. inspector da
thesourana de Cazan4a par os fins convenientes.
Jos Felippe Sanago.informe o Sr. teneote-
coronel eommandanta do corpo provisorio de po-
lica
Jvio Mara da Cruz.Jamo este ao anterior re-
quermintp, volte ao Sr. inspecior do arsenal de
marinha para informar.
Marcolino Ernesto de Oliveira. Rivalide o re-
qnerimento que dirige ao governo imperial e os
documentos que nao esto sellados, e voite.
9
Antonia Francisca da Hora.Informe o Sr. di-
.fftitor interino do arsenal de guerra.
Abaixo assigoados moradores na Passagera da
Magdalena e Chora-Menino.Informe o Sr. enge-
neiro chefe da repartido das obras publicas.
Baeharel Bento Jos da Costa.Tomar-se-ha na
devroa eonsideraifao no contrato que se flzer a res-
peito.
Justino Jos de Sotua Campos.Encaminhe-se.
Manel Felippe do Monte.Passe se portara
teacedendo a femacao pedida.
11
Aquilino Jes de Guiroares Ferreira.Requelra
'p.i termos.
Antonio Jos de Almeida Pemarabuco Avista
Jo resultado do coacurso e das informajoes, seja o
supplieadle perneado.
Andr Cavalcanii de Alauquerqhe.Informe a
cmara municipal" da villa de Itamb.
Candido de Souza e Mello.Entregue-se-lhe,
pu-ssando rocib.
Daniel Alves de Queiroz Lima.Informe o Sr.
director geral interino da instruccao publica.
Eduardo Antunes de Albuquerque Mello.Coo-
eeda-se.
Mana Mathildes Cavateanti.D-se.
Manoel Franoisca da Sil a Guimarcs.Como
reauer.
Mariano Luiz de Albuquerque.Passe-se por-
tara concedendo a remoeao pedida.
Mara Luiza da Encaruacao.Informe o Sr. des-
embargador provedor da Santa Casa de Miseri-
cordia
Thqmaz de Carvalho Soares Brandb Sobrinho.
Dirjase Ihesouraria provincial.
12
Abaixo assignados moradores em Fra de Por-
ta?.InTorme a directora da companha do Bebe-
ribo.
Camarina Leopoldina de Castro Araujo Ramos.
Lirja-se thssouraria provincial.
Jos Peregrino de Miranda.Informe o Sr. com-
mandante superior da guarda naconai de Taca-
rat.
Joo Ramario de Azevedo Campos.Informe a
Sr. commandante superior da guarda nacional dos
municipios de Santo Anto e Escada, declarando
se o sspplieante se tem prestado ao servico ecum-
pr.do as ordens de seus superiores
Isabel Maria Baplistade Castro.Inferme o Sr.
inspector da ihesouraria de fazenda.
Joao Jos Ribeiro de Miraes.Avista da infor-
macao, conoeda-se a lcenca requerida com orde-
nado t rnente.
JaciWha Avelina da Cruz.Remettdo ao Sr. di-
rertjr geral da instruccao publica para adniiltir a
.suppieanle ao exame qua requer, se anda nio
leve lugar o concurso.
Raeharel Jos Clitnaco do Espirito Santo.In-
forme o Dr. inspector da ihesouraria de fazenda.
Jjo do Bego Falcao.Informe o Sr. desembar-
gadi>r provedor da Santa Casa de Misericoadia.
Mariano Pereira do Souza.Informe o Sr. Dr.
jaiz deeapellas.
Manoel Frmctco da Silva Guimaraos.Dse.
Manoel dos Santos Leal.Infnrme o Sr. dasem
Dargador provedor da JSanlA Casa de Miseri-
cordia.
"Jai* Augusto de AraujcVolte ao Sr.-enfo-
nbeiro chefe da repartico Jas obras publicas para
formar o certillcado na razio da quarta parte, de
conformidad com o.cootrato.
Joao Gomes ivangelsta.Infirme o Sr. Dr.
clefa de polica se o supplicante anda est preso
e onde.
i 5 dem sobre o ro Capibaribe em Pao d"Alho e
ontra em Afogados.
ti> A reeditarlo do theatto de Santa Isabel.
7* A cnnslruceao de" uta na?o para a a--sein)la
provincial.
8 dem de um passeo publico.
Art. Para pagamento do premio e amortisacao
ilas apolices emitiidospor esta le e por outras em
vigor, sari annualinente voudo ura crdito da___
15O:O0O, sendo a quant quo sobrar do paga-
mento do predio applead ao rngate de apolices,
guardndole a onlem da numeratjaj dellas.
O SR. .M. ELLO REG (pela ordem) pede o addia-
ment da discussao dus artigos additiviM at qua
compare'cain 03 mernbros da commlssao de orna-
mento.
E' approvado o addiamento.
O SR. OLIVEIRA A.^DRADE pede urgencia
para ser discutido o seu pmjecto n. 4o. E' ap-
provado a urgencia.
V discusso do pmjecto n. 125 deste, anno que
approva o contrato celebrado com Manoel ^Poly-
carpo Moreira d'Azevedo para cana sarao do ri >
Goyanna.
Vio a mesa e apoam-se as seguintes emen-
das :
i OfTerec/i como addkivo o projecto n. 119
Dr. Manoel d) Reg.
t Na cndilo do contrato sob n. US 6, onde
sedzSOOrs. dgase 300. Ortde no 7 se diz
300 rs., leia-so 200 rs.Gumao Lobo.Olivei-
ra Andradt.
O SR. OLIVEIRA FOXCECA pede aos signata-
rios do proleeto queiram dar algumas explicacoes
acerca da uracao do privilegio concedido para
a obra da canalisaclo do rio Goyanna, que lhe pa-
rece ser rauito extenso, bem como a respeito dos
precos estabelecidos, visto que deseja dar a seu
vota depois de iHrftfilamente esclarecido.
O SR. GL'SMO LOBO d as explicagoes pedidas
justilicando as emendas que assignbu.
Vai a me Em lugar de 50 annos diga-se 40.Oliveir*
Fonceca.
O SR. WANDERLEY faz algumas considera-
?5es em favor do projecto.
O SR. OLIVEIRA PON'CECA :Sentirei multo
se realisar-se o que dos assegura o nobre r* se-
cretario, isto se o contratante nao quizer accei-
tar i. modiieaeao por mim proposta ; mas isto
nio razo para que eu deixe de apresentar a
emenda, e para que ella seja regeitada.
Fallou o nobre deputado de emendas qua sao
aceitas, e de outras que o nao sao. Se o contra
Unte competente para saber o que lhe convm
esta assembla umbem competente para julgar
dos interosses da provincia.
Nao estndei profundamente o objecto do con-
trato, cuja appmvacao consignada no projecto ;
nao flz uma coinparacao exacta do onus, a que
o contratante obrigou-sc, com as vantagens que
vai auferir, mas parece-me exeessvo o praso de
50 annos; assim como a um de meus collaga'
pareceram excessvas as porcentagens, que o
contritante tem de perceber durante' esse longo
praso.
O que ella diz a bB> 4e mu interesse au ra- lices aa mercado roea-iaa, atse pode fater.-o
" anijo nao p3e liraitacao...
O Sr. Rukinode Almeida :E o presidente nao
pode por as apolices em circulacao t
O Sn. Mello Rkoo :Se quizer, pode determ-
na-lo em regulamento ; mas a minha idea nao
esta, nem se pode perceber que fosse tal; que
zao para se ce ceder tudo o que elle quizer ; nao
nos amedrouie sua aineaca de nao fazer a obra,
porque outrem poder faze-la sein tao grandes
vantagens.
E' verdade, que abrio-se concurrencia e s ap-
parecen elle ; mas nao compareceram outros,
porque nao esperavara obter as vantagens, que
elle obleve por falla de competidor.
Acontece muita* vezes, que aberla novamente
a concurrencia, conhecidas mais ou men >s as
vantagens que os pretendentes podein obter ; ap-
parecem mais concurrentes e fazem melhores pro-
postas.
(Trocam-se apartes).
Quero mostrar que nao daremos recear, que o
contratante retire sua propasta por nma diminu-
cao comparativamente pequea nos lucros que
pretende auferir.
.A tnodincaco fcita pela emenda, que otlerec,
muito limitada. Nao mister um longo exame
para conhecer-se, que sao exces-vas as vanta-
gens do contraame, e aceitavel a irtoilicacao
proposta. .
Um Sb. Deputado :Muito aceitare!.
O Sg; Omveira Fonceca :A mvsgacao do rio
Goyanna actualmente feita por canoas e barca-
gas, quo transportara muitas mercaderas e ; pas
sagelros ; aquellas e estes flcarSo lodos sujeitoi
ao pagameoto de certas iinpo>iQoes em beneficios
do contraante; parece-me bastante que elle as
perceba durante 40 annos.
O 8K. A. PERNAMBCO :-Pedi a palavra para
apresentar umi emenda ao contrato, em discus-
ao, accrescentando ama condicio que figurando
em quasi todos contratos ltimamente feHos, foi
entretantoexcluida ueste. A emenda a seguin-
te : (l).
Esta condcao, Sr. presidente, estabelecida era
todos.os contratos ltimamente feitos como meio
de evitar que vennam ellos a tornar-so antes um
unos pesadissimo a populadlo, do que um bene-
Ocio.
O Sa. F. dr Figobira-.Est convencida de
que a sua emenda ob^a ao mal que pretende
evitar.

PERNAMBCO.
.-----------------,------------------------_,
ASSEMBLA PROVINCIAL.
SESSAO ORDINARIA EM 2 DE JUNHO.
PRES1DBNCU BO SR. DR. AfiUIAR.
^o mei 4ia, teita a chamada, achaui-sa pre-
jeteeosfirs. Amaral, Barros Wanderley, Ribeiro
Vianna, Mello Reg, Antonio Paulino, Vieira de
Arauj), Manoel w|8f, Teheira de S, Oliveira
Fonceca, Rufino oftlmeld, Cunha Cavalcante,
Pinto Jnior, Valr d Meflo, Oliveira Andrade,
Angosto CoMa.GuedesGondim.Peu-eira de Agujar,
ll*nrique Mantede, Gusmao Lobo, Cunha e F-
Iaeirada, Manoel Artbnr, Firmino de Novaes,
elippe de Pigaeira, Correia d'Aranjo, Miguel
Peraambaco, Nicolao Tolentino, Gaspar Drum-
omd, Pedro Affonso, Ignacio Joaquim, Joao Ca-
araieante.
Abre-se a sesso, lida e approrada a acta da
anterior.
O Sr. L* Secietario da conta do seguinte
KXPHMEirat.
Um ofucio do secretario do f remo, remetiendo
por copia as inforraaefles solicitadas em o ofHco
sob n. 66, acerca da companha Pernarabucana
A", quera fea % raqoisioao.
ORDKM DO BUL
Contina a discussio dos artigos additivos do
orcameoao provincial. ....
Art O presidente da provincia abrir dentro do
xereici desta lei, um crdito d 1,200:000*000
en apolices emitudas ao par, ronceado o premio
4e 8 Jo ao jumo, con applicacao especial as se.
guiniai obras :
i' A cooalruoQao da estrada da Victoria at
Gravat.
^ Meoa A ft)jnM at^Pedr de Fogo. .
3> (dea de Trombeas at Capoeiras.
4> dem de orna ponte sobre o rio Una.
O Sn. A. Pernambco : Reeonhogo que rai
produzir o elTeito que tenho em vista, qne fazej
com que no lira de certo tempo seja modificada a
tabella, qu-* consigna os precos dos transportes.
O Sr. F. dk Fioueiroa : Nio creio nisso.
O Sr. A. Pbrnambuoo :Se esta condcao tives-
e sido imposta, a empresa dos irlbos urbanos &9
Recife Apipucos, nos hoje teriamos o transporte
por mnito menos, do que estamos pagando. E'
verdade, como diz o nobre deputado, que dilli-
cil verificar-so qnaes sao os lucros da emproza,
mas sera pre se chega por algura modo a conhe-
cer esses lucros, principalmente quando a empre-
za incumbida a uma companha. Portante, en-
tendo que nao tao dfficil, como parece ao nobre
deputado; mxime se .attendermos a qualquer
empreza desta ordem, nao pode deixar de sotfrer
ftsealisacao de empregados da provincia ; toda a
empreza de ordem tal, fiscalisada ou pelo di*
rector das obras publicaron pelos engenheiros no-
meados pelo presidente, e sendo.a obra realisada
por meio da companha, multo possivel chegar-
se ao conliecimento dos lucros da empreza. Esa
condcao lem sido incluida em diversos contratos
e nao o seria, se nao se eonsiderasse realisavel ;
creio, pois, e nio poda deixar de reconhecer-se
que vantajosa para a provincia.
Assim espero que a emenda' seja aceita por esta
assembla.
Vai mesa e apoia-se a seguinte emenda :
Accrescente-se ao contrato a seguinte cond-
cao: logo que os lucros da empreza xcederem
a i *, ser esta obrigadaa modificar a tarifa.
fernambuco Fitko.*
Encerrada a discussao approjadp o projecto
ta-las com quem queira reeeber apoRees em pa-
gamento : nesta ultima hypothose nao prestara r
seo voto, por considerar esta medida;
aos interesses da provincia.
O SR. MELLO J. REG :Sr. presidente, se V
nobre deputado as informacoes qne pedio, quiz
nicamente por, como den a entender, em provas
as minhas habilitacoes financeiras, de esiar dis-
pensado de satisfize-lo; estas habilitaeoej me
faltam, ao passo que elle as teui em grao maito
superior a mim.
Das observares que acaba de fazer vse que
comprehende e explica pereitamente a differenca
que ha entre emprestimo e antorisacao- para erais-
slo de apolices : deu sua opiniao de que o em-
prestimo deverK ser contrahido por outro mero e
nao pelo de emissao de apolices, para pagamen-
to de obras ; re.cbi uma lieelo.
O Sr. G. Drummno :Em flaneas, dnvido.
O Sr. Mello Reg :Guardan-i esta liccio e a
juBtarei aos eetudos que estou fazendo agora so-
bre financas.
Mas, a explicacio qne o nobre depntado quer :
mnito simples. Dasda que o artigo diz que o pre-
sidente contrahir um emprestimo de mil e d-
denlos contos...
O Sr. Rufino de AlmeIda :Nao diz empresti.
mo, diz que abrir utn crdito.
OSr. Mello Rboo :... para ser applicado
construeco de obras especiaes, lora de duvida
que determina a nao autbrisa, como outras lea o
tem feito, a emissao de apolices para pagamento
de obras.
. 0 Sr. Rufino De Auieida : Entao empres-
timo *
0 Sr. Mullo Reuo :Aesim deve ser conside-
rado. 0>presidente abrir um crdito de mil e zentos tontos de ris em apojices o dar a es.-1
sas apoHces a applicac3o qu' fr possivel ; se
houver quem quejra tomar as apolices, trocandb-
as por numerario, o presidente pode em:tti-la* ;
se nao houverem compradores, litara o crdito
aberto para ser applicado a proporqao que as
obras a qua destinado forcm sendo feitas. Tudo
isto questao de execucao. Na occasiao de appli-
car a importancia do crdito o presidente o (ara
do modo que fr mais conveniente, aqui tratad
apenas de abir ura crdito de mil e duzentos con-
tos com applicacao cpecial a certas obras ; qnan-
to ao mais o presidente procurar o meio de emit-
tir as apolices, determinar tudo ui um regola-
ment, que necessario elaborar.
Entretanto, eu emendo qne nio ha necessidada
de faaer a troca das apolices. 0 crdito tem appli-
cacao especial obras publicas, e o melhor pa-
gar taes obras em apolices, as qnaes serlo des-
tribuidas a proporcao qne as obras forera senda
rjealisadas.
A explicacio que o nobre deputado pedio alo
vem ao caso, era enflue no que diz respeito ao
quantum do emprestimo. Abre-seo crdito; pre-
parara-se as apolices que fieam a tnesowaria, e
cora a importancia dellas vai se pagando as obras
na proporcao que j disse. Esta a minha inten-
cao ; mas o nobre deputado se quer, se acha que
o presidente, pealando o artigo, deve levar a apo
ro que se aora o crdito, que se preparen as apo-
lices e que fique ellas na Ihesonraria para serem
applicadas ao pagamento das obras.
O Sr. Rufind dk Almeida :Era isto o que eu
sappunha.
O Sr. Mello Reg :Se o sabia para que per-
guntou ?
OSr. Rufino de Almeida :Perguntei sehavia
am emprestimo.
0 Si. Melui Reg :A vista disto nao couti-
nuarei.
Vai mesa e apoia-se as seguintes emendas e
artigo subtitutivo :
t Aecroscente-see com dnas ponte, uma no
rio Argunda da freguezia do Rio Formoso e on-
tra na passagem do rio Una na estrada que vai
da eslaeio d'Apua Preta para a villa do mesmo
nome.Figueireo.Pedio Alfonso.
AditivoSupprima-se os 5$ 7" e8", e diga-so
uma ponte sobre o ro Sentihaem leira e mais estradas e pontes, onde sua necessi-
dade fr reconhecida pela repariieao das obras
publicas.Pedro Affonso.
Cora a coiyinuacao da estrada da Escada pe-
a amiga ou por nutra Jireccio projectada, con-
forme entender conveniente o presidente da pro-
vincia, cuja eenstruccAo foi parausada, dous an-
nos.Dr. Miinotl do 'Reg.
Seoadilno l'r approvado fagam-se as se-
guinte* emendas; em vez de, abrir, diga-sefi-'
case autorizado abrir; em vez de mile duzentos
/Coatas paradga-seat a quantia de mil con-
tos ; em vez de 8 por cenjodiga-se7 por cenlo.
Oliveira Fonceca.
ti0 do artigo qne $e discute, diga-sea ree-
dificarlo do theatro de Santa iabel, ou a ediaca-
oao de um theatro no lugar que fr jnlgado mais
conveniente.Gusmo Lobo.
SubstitutivoO presidente da provincia con-
trahir um empresliroo al a quaotia de rail e du-
zentos conlos com especial applicacao as obras quo
se segnem, emiltindo para este fim apolices ao
par com o premio de 7por cnlo ao pno, ou dan-
do-as era pagamento pela rrrematacao das tnes-
mas obras, comp melhji'canvieraoa interejses da
provincia.Gusmilo Ijm.
O SR. G. DRUMMO>TD rtraffesla-oe contra a
dea do artigo aditivo, offer*do pelo membro dii
yergente da commisso ue orearaento.
O SR.GUSMO'LOBO, par mais quejulgue re-
commendaveis toda a possivel economa e discre-
ta applicacao das rendas provocjae*, aceita com
alvorogo o pensamento, consagrado no.aditivo, de
um qperacio de eredito cora que ppssam terfea-
lisadoa os Importantes melhora\*ntos -de que ahi
se trata. 0 orador observa com prazer que pri-
meiramenle de estradas qu,o addtivo se mostr^
prdoccopado, pot que de btas estradas qtie de-
pende em grande parte o futuro da provincia. A
suppressao das distancias sendo o segredo da
uosso lempo, deciidamente em npsso paiz a
primoira e inevitavel condjtao de todo progrsso.
ig-aqu porque, s por um lado lhe pareceu atre-
vida, por outro lhe parecen generosa a idea que
inspirou o addtivo que prouiette o sea voto con
urnas certas restnecoes.
A forma que se pretende dar a essa operacao,
tal vez aliene o voto do orador que v nella um pe-
rigo. Sendo como a concurrencia uma garanta
imprescindivel a boa applicacao do adiantamenlp
de receitas futuras, a forma dada pelo addtivo ,
essa gigantesca operacao de crdito a elimina ero
pura perda dos interesses da provincia.
Darendo os arrematautes reeeber em troco Jo
teriamaf por este modo excluidoleralmnle a com
pelencia; e graves prejuizos vlriam d'ahi pm-
prefudicial- vincia fm -
Bem .#>e t) oradori antea qu Ih'o venham dV
r, qne q^daiquer arrematante, de pose dos ttu-
los que v5o- ser autorisalos, pode laaca-los no-
mercado e levantar ahi o capital de que precisa.
Mas, aleta de que esta operacao nao a mais fcil,
devendo>lHas ttulos soffre'r descont abraca
nao sendo bs de mais prompta cirealaefo, aeere-
e que isio era todo caso um embara con-
correncla.'
Anda prece ao orador a/ie o juro de 8 por cen-
fo pode, sem inconveniente, ser redundo a 7 por
cento, aendo esteo premio-que rendem ordinaria-
mente oa ttulos da divida- publica.
Estas slo as razoes largamonte desenvolvidas,
peas qoaes offereceu o sabstitutivo, em que pro-
urou ler attence esta eousideraedes que lhe
parecen dignas- de estado era questio tao impor-
tante e de tamanho alcance.
"Confia o orador que a assembla, laopatrioti-
[ cntente desvolada em fazer imj escrupulosa ap-
plica;ae da receita,. nao votar sem o exame mais
profundo o'adian'amento que se pretende. Nao se
deise efta arrastar de entliu9iasmo pelas apparen-
cia,s seductoras do addtivo ; ha ahi um real peri-
go a evitar.
Onde avi" : rectmstfucrao d theatro publico, n
orador ocreveu em uma manda : edipcaedo de
vm teatro no ktgar que fr julgado mais adap-
tado.
Quando todas as graad>s cidades se ensoberbe-
cem com a suas precas e lirgos, nao parece ra-
zoavel que, som a raconstntejro do theatro no lo-
gar em que ests as ruinas, se desaformose uma
das poucaa eenao a aoiea praoa que possnimos
digna d*est nome. A discussio, qne aqu se le-
vanten sobre este-assumpo, nao deve ser posta de
parte to de afogadilhO;
O orador espera do Ilustrado membro da com-
misso de orcament) que assigoou o roto em se-
parado, qne seja elle o primeiro a apadrinnar o
substitutivo. E' a sua mesma idea sob ama for-
ma levemente modificada. Esta ligeira modMca-
cao pode trazer-lbe ou retrar-lhe um roto.
O SR. MELLO REG :Ped a palavra para dar
uma_ lgeira resposta ao nobre membro da com-
misso de oreamento qee impugnou o addtivo,
soceorrendo-se duas leis que existein na col-
lecco. .
m Sb. DRPUTAtxi:Leis de ornamento.
O Sr. Mello Reso .-Leis permanentes.
Uma d'essas leis a que auterisa, on antes, de-
termina ura emprestimo de seiscentos costos por
meio da emissao de apolices trocadas no mercado
por numerario : foi considerada nexeqnivel a
nio pode ter appUeacio, porque nao houve quem
3nizessa fazer o troco das apolices sendo o jaro
e 6 por cento, .
Em |865, quando se tratoa dos tramwais, essa
lei autqrisou o presidente a contrahir- um empres-
timo aj 308:000*. afira de ser applicado cons-
trueco da estradas ae estabelecimento de car-
rs de trro da que trata va a mesma lei. V-se,
pots, que estando uma dessas leis Ja sem effeto, e
a-mtrrSeiire!tecueao ate hoja, lendo alias appli-
ca?io especial, nao se deve contar com ellas para
o caso que eu tenho em vista, para a realissco de
obras urgeoiea, como sao as de que trata o audi-
tivo.
Julgo desoecessario mostrar a vantagem das me-
didas de que traa o addtivo, porque ellas sao. in-
tuitivas, basta lembrar que se trata de estradas.
Mas disse o nobre deputado que o emprestimo
de 1,200 contos era. superior ao valor das obras
projectadas. Isto me parece ter sidoum raeio. que
lhe occorreu para oppor objeeco, ura motivo, de
argumentacb apenas, porque as obras de que
se trata devem custar quaotia superior i 1,200
contos. .
.'-gora farei ligeiras consideraees sobra o substi-
tutivo do nobre. deputado peio primeiro districto,
semeomtud) impugna-lo. Para mim tanto vale oad-
ditivo como o substitutivo do nobre deputado. Fa-
rei apenas uma observadlo para responder ob-
jecelo que oppoz, isto se a ihesouraria emitlia
as apolices para troca-las. por numerario, ou se
ae dava em pagamento das obras contratadas.
Eu j disse que a minh..i idea era que. fosse
aberto o crdito e ficassera. na Ibesouraaia as apo-
lices. para com ellas r-se proporionalmente pa-
gando as obeas, desejando que nio se tmquem as
apolices por numerario;, mas se o presidente enten-
der islo conveniente, o poder fazer. Convm, po-
rom, dizer que a minha opiniao que a troca de
apolices por numerario ae nao faca por esta razio :
nao fcil a emissao de apouces, nao ha raes-
me vantagem em emiltir 1,200 contos de ama vez,
porqus a provincia ter de ir desde logo carregan-
4o com o pagamento dos juros. Em segundo lugar
eu lanlio a experiencia da outra vez que, autori-
ando-se a troca de apolices por numerario, nao
houve queu quizesse toma-las. O meu desejo
que se facam as obras consignadas no addtivo, e
para isso proponho o emprestimo. E' mais urna
razo para nao rae affeicor idea da troca de
apolices, porque recolhido o numerario, bem pdc
acontecer que o empreguem oulros fins, Picando
assim Iludido, ou prejudcado o fim do addtivo.
Um Sr. Deputado :Nao sei que isso se possa
fazer, a nao ser por um aboso.
OSb. Mello Reg :E' justamente o abuso que
eu temo;
(Trocara-se apartes.)
sidade dessas obras ; mas contesto u possibiUdade
de serem feitas as actuaos circumstancias.
(Trocam-se apartes.)
O Sr. Wankrlkt : You responder ae aparte
com que honroa-me o meu digno collega de dis-
tricto. J coofessei que do neg a utilidad- das
obras que se pretende fazer ; mas j prove que
tno o estado das nossas (mancas : e aposi>-ine
da occasiao para profwr im alviue :reduzanoos
as despezas, aocamurfemos nm terte capital, e
depois appliquerao-lo a estas neceseidades. O em-
presliow de que sa trata importa uma despeza, e
ensinam os que tem estudido fioancas, qne ne-
hbuma despeza seja autorisad, sera que ao mes-
mo tempo se tenha estacelecido a receita.
(Troeam se ranitos avartes.).
(0 S. Presidente : Alteocao, attencao!')
O Sr. Wanbcrlev : Nao pos o aceitar e sys-
tema de pagamente de joros o amr>risac pital, estabeleeido pe nobre deputado signatario
da additameato,. pelos motivos qpe j expend, e
vot contra a emissao, porque receio que para o
futuro tenhamos de crea novos impostos para
pagamento do emprestimo que agora auterisamoe,
o que multo oneroso para a populncao.
ftando pedi a palavra, Sr. presidente, tinha eon-
\-iecao de que- a Moa da einissao en lontrava echo
nesta casa, e rim. tribuna sement justificar o
meu voto e sasfazer aos reclamos de minha con-
scieneia.
Encerrada a discussao, approvado o artiga
substitutivo oflerecidb- pelo Sr. Gusmao Lobo e
rejeitadas as emendas.
Sendo dada a hon, o Sr. presidente designa a
ordem do di a a levanta a sessio.
ERRATA.
Os discursos; do Sr. deputk> Mello Reg, pu*
Wi:ados no u. 136 qpe conti engaos e ineorv
reccoBj, serio convenientemente emendados aos
annaes.
com todas as emendas, sendo dispensado o nters- seus ser vicos apolices emittidas ao par, ao juro d
ticio^a requerimenWdo Sr. Oliveira Andrade. 8 portenlo e reemhoJcaveia ~
Contina a diecoaso dos additivos -
ao otjh
eote que hava fleado interrompida. i
0R. RUFINO DE ALMEIDA pede informatoes
ao membro divergente da commisso do oreamen-
to praviocial (o Sr. Mello Reg).acerca da redac-
cao do artigo em discussao, que manda abrir nb
correte ejercicio am crdito" de mil e dazetos
contos par** certas a determinadas obras, pois de-
seja saberse o presidente da provipcia pode, oed-
Iralar estas obras, pagando em raeeda aos emprei-
tetros, e obtendo esaa moeda por emprostico na
praoa, oa se tica, nicamente autonsado contfa-
em 30 annos pela or-
dem de sua numen pi, resultar d'ahi que s-
mente coaporrerao essas arrernatacoes aqueUes
que, dspondo de grossos captaeg, os possam im-
mobilsar em semelbantes ttulos de divida. Os
pequegos .capitalistas, os industrialistas que qui-
zessera concorrer, seriar aisimesmagado pela
omnipotencia das, grandes fortunas que, nio per-
deudo com essa mmobilsai(o, itnpoam afioal o
preco, concorrentes unios.,
Em um circulo limitado como o n do lio conhecidos os poneos arrematantes que de
ordinario copcorrem contratos d'essa natureza,
0 Sr. Msixo Reg :Pode dar-se o abuso, o re-,
ceio d'elle foi que me fez nao consignar no add-
tivo a idea ppr outra forma.
Entretanto, isto questao secundaria, que ser
resolyida, pelo regulamento, qu o governo ex-
pedir. Sobre o substitutivo, teobo a dizer que nio
me pponbo elle, entendo que, qar elle qur o
mea addtivo, preenehe o fim que tenho em vigts
O Sr. Wanderley :Sr. presidente, levanto-me
para justrtlcar o meu voto sobre o addtivo em
questao que autorisa a emissao de 1200 contos a
juros do oita por cento. Esta emissao nos vem
cpllocar eoi senos embaracos, vem de alguma
sorte crear ura grande irapecilio confeccao dos
futuros ores mentes e arruinar cada vez mais as
nossas flnaacaa.
0 meio asubejecido pelo nobre autor do addi-
tameatorfiar pagameoto dos juros e amortisacao
do capital,' m?u ver, inconveniente. Este meio
consiste etp deduzir da receita annnal a quaotia
de I30:000jl0e0 para euelle fim.
Un SB. Owtado : Tirar da reeeita 1
, 0- Si.VWwerlky : Sim, tirar da receita an-
hua 150 contos para pagamento dos juros e
amortisacao da divida. Este meio, a mea ver,
perigoo..
Nos sabbs qual o estado poaco rantajoso das
nossas, floausss, q,U! de difflculdades nio encon-
tramos em organisar o orcamentb, e qaantas ve-
tes nao sa torna elle inexequivel em parte, por-
que a recella e sompre inferior a despeza.
O. Sa.iPwao Affonsq ; A^ rendas da provin-
cia tndem a 'erescer.
0 Sr.Wandeiu.kv ; Ea niocontesto esta ten-
dencia; ms o qne desperla em mim a idea de
nao votaf pela emtssao, o tacto do oreamento
ser era parte unja coimera; e votrmas a emissao,
deduzndo-se da receita ama certa quota para
pagamente da qdantia emittida, 6 abrirmos maior
margera para a sua nexequibd|dade.
tj Sr. rJtPUTADo :Querr 9aber se a provin-
eia lera ou nao neoeisidade de fazer ai obras con-
signadas na^djtanwito, P*ra as qaies se autori-
PJ^Wamsw-kv ; Nio descouheco a neces-
EEV1STA DIARUL
ESTRADA DE FERRO.A. presidencia da pre*
vincia reabson, no sabbado, com o Sr. bario da
Soledade, o contrato para a eonstruceao de uma
via frrea pera a rala do Liraoeiro, com ramaes
para Nazareth e Santo Antao, passando pelos po-
voados do Casanga e S. Lourenco da Malta, villa
dte Pao d'AHio e povoacao de Tracuahera.
^icoalrataote dever apresentar approvacio
da presidencia, dentro do prazo de dous annos
aps a assignatura do contratos a planta geral e
os. estudos para a construeco da linha, e no de
ura, a contar dVssa approvacio, a planta e estu-
dos dos ramaes ; devendo comecar as obras da li-
nha frrea dentro de seis meses improrogaveis, a
partir do da em que forera- approvadas a planta e
estudos geraes, e termina Vas ao de tres annos.
Na eonstruceao da estrada e ramaes ae observa-
r o seguinte : 1 serio erapregados trilitos ameri-
canos de Vigeolle do peso mnimo de 35 kilos por
. metro corrate, ligados entre si por talas de con
^nexo ; 2. a bitla entre os trilhos ser de I
metro 44 eent. a 1 m. 45 eent. em linha recta ; 3.
o mximo entre os dormentes serde 90 cent.; 4.*
os declives longitudinaes da linha serlo inferiores
2 */> excepto as distancias menores de 300-me-
tros, onde poderlo atiiagir 4 % 5." as curvas
nao tero raio inferior 200 me tres, excepto as
proximidades das estacos e pontos de parada,
onde podero ter 80 metros ; 6. as locomotivas
sero de peso superior 18 toneladas mtricas
construidas pelo melhor e mais aperl'eieoado sys-,
lema, e serlo fumferas.
Havero tres classes de carros para passageiros,
tendo cada wagn um apparelho para alarma ;
compoodo-se o trem rodante de 12 locomotivas, 2
carros para passageiros, 100 para mercaduras, 4
para animaos e 4 para bagagem.
O trafego da estrada, que deve ser diariamente
Lfeito por nunca menos de dous trens de passagei-
ros e um de carga, ou duus mixtos, s. poder co-
mecar quando estiver prorapto metade do trem ro-
dante.
Tanto na lin"a geral como nos ramaes haverao
linbas telegraphicas, que poderlo ser franqueadas
ao publico, sendo os despachos do governo trans-
miltidos gratuitamente,
As tarifas dos trens de passageiros e de carga
sero reguladas pelo padrao das que vgoram na
estrada do. Recife ao S. Francisco actualmente, ou
que vigoraren) na poca em que comecar a func
cionar a estrada ; devendo serem revistas de 5 em
5 annos, e reduzidas logo que o lucro liquido ex-
cede.r 10 % ao amo.
Os trilhos, jante da linha geral como dos ra-
maes, poderlo ser assentados no Ieito das estradas
do governo, uma vez que fique espseo sufficunte
para o trafego commum, sendo perraittido mudar a
dtreecio da va terrea, caso seja modada a da
estrada do governo.
A estrada divdir-se-ha em 6 secedes, quatro
das quaes ua linha geral, e ama em cada am dos
ramaes.
Para a construeco da linha frrea concedido
um pnvilegio por 75 annos a comecar da data fi-
xada para a conclusa das obras, dentro do qual
nao ser permittido o estabelecimento de trilhos de
ferro ou de raadeira n'uma zona de 5- kilmetros
para cada lado da estrada.
O contratante, em ignaldade de circumstancias.
ser preferido nao s para a prolongacao desta
inha, ou seus ramaes, como para a construeco
de outras que ueiles tenbam de entroncar se.
A construeco da estrada poder ser feita pelo
contratante ou por meio de companha nacional
ou estrangeira, sendo esta ohrigada a ter no im-
perio uma direccao cora poderes para responder
nelle, e perante a admnistracio eu tribunaes do
parz, por tedas as obrigaces do conlrato.
No caso de cessao companha estrangeira, o
contratante pagar provincia uma udemnisaco
de 3&Q00J
Para a obtencao dos trrenos que lhe forem ne-
cessarios, a empreza loa subrogada no direito de
desapropriaco por utilidade publica provincial,
requereado ao goveroo imperial a concessao dos
tarreos de marinha na coBforraidade das leis que
regem as erapbiteuses.
As obras, armazens, escriptoros e mais depen-
dencias da companha icara isentos de todos os
impostor provinoaes e rannoipaes. .
0 governo ter o direito : l. de inspeccionar a
estrada par meio de am agente fiscal seu ; 2.*
quatro passes gratuitos em cada trem de passa-
geiros e a 100 kilos de carga ; 3.* ao transporte
gratuita dos estafetas dp correio, das pessoas em-
pregadas oa polica quando servico, de 6 pracas,
e dos soccorros pblicos ; 4 ao abate de 50 %
sobre oa traosporfea das pessoas que viajaren)
servico, tropa e ledo o trem e material de
guerra.
No flm, do privilegio ou quaudo decorridos forem
por meto de resgate da estrada pelo valor arbitra
do por peritos, sendo o prego do resgate pago em
prestaoes ananaes at dez annos, era apolices ge-
raes o. pravnciaes do inro de 6 /
O contratante renuncia os Juros ou a subvencao
kilomtrica, e 30 annos do privilegio concedido
pela lei n. 856 de 5 de junno de 1868, e bem assim
renuncia o direito de solicitar de qualquer dos po-
deres geraes ou provinciaes favor oa modific^io
que nao esteja autorisada no contrato, sob pana de
noar ipso factu rescindido o contraje.
Todas as duvidas suscitada" qur acerca da
lettra do contrato, qar a e'xecaco das obras,
serio decididas por, (gelq de af bitros residentes na
{
eidade do Recife, nomeados pelas dnae partes con-
tratantes ; havendo mar* nm desempatadnr, esco-
Ihido pelas mesraas ; asaoraiodo a eesao Anal,,
caso-nao se accordera os-tres, o presidente doTri*
bunal do Gommercio ou e da Relagio do districto,
que fer designado pela serte.
E' o qua podemos colber de uma rpida leitnra
do contrato, reservando a sua integral publicara-
para quando a repartilo competente nes forsecer
a copia autnentica.
* GUARDA NACIONALPor deiberacao da pre-
sidencia da provincia, de 28 do passaco e 13 do
correte:
Foi nomeado Jos Antonio da Suva Lenes,.para
aiferes cicurgiae do 5 esquadrao de ca vallara do
municipio de S-. Bento.
Foi maadndo servir como capitao effectivo da'
companha do batalhlo de infamara n. 20, d
municipio de Nazaretli, o addide Joaquim Ignacio
Gongalves da Luz. '
Foram nomeados para o 3-1* batalhlo de inten-
tara do municipio do Buique : tenante qnarlel-
mestre o alferes Victorino Jos-da Rocha a SHva ;
1* companhatsente o alferes Antonio Jos Pe-
reira I! -otes, alferes Adrio Rodrigues de Araujo;
2* companhacapitn o tenente Jas Antonio da
Gama, tenente o alferes Deodat Roiemberg de
Albuquerque,. alferes Antonio Serapiao da Rocha ;
3* companha capitio o tenente Jos de Mallo
Cavaleante ; 4; companha capillo o tenente
Antonio Cavaleante de Albuquerque Carvalho, te-
nenie o alferes Ciarindo Cavaleante de Albuquer-
que, alferes Lourenco Cavaleante de Albuquerque
Maranhao, e Severino Rodrigues Lins de Albu-
querque ; 51 compaahia teuente o alferes Sa-
lustano Cavaleante de Albuquerque Arag, atie-
res Manoel da Silva Souto, e Manoel Soares de Al-
buquerque Pereira ; 6' compaahiaalferes Fran-
cisco Rodrigues da Rocha e Benigno Rodrigues
Lins de Albuquerque.
CORPO DE P0LICIA.-Por deuoeraco de btfo
correte, foram-nomeados capites do corpo eflfceti-
vo_ de policia. oa capites honoaarioa do exercit
Joo Francisco da Cunha e Antonio Jos de An-
drade.
PROCLAMAS,Foram lidos no domingo na ma-
triz da freguezia de Santo Antonio os proclamas
seguintes :
1.a denunciado.
Jos Duarte d* Silva, com Joaquina Perpetua
da Can ha.
Amero Duarte Pinto de Mesqua, cora Bernar-
dina dos Santos Roque.
Arseoio Alfonso Pereira Borges, com Auna
Amalia da Cunha Bereira.
Joao Neporauceno do Sacramento, cora Francis-
ca Auna Mara da Conceicao.
Francisco Graciano de Aranjo Mallo, com An-
nunciada Candida Freir de Sonta.
2.* denunciacao.
Hortulano Alves Ferreira Penoa, com Idaltna
Julia da Gama.
Joo Domiogaes Aires Moreira, com Belannina
Francisca de Albuquerque.
Jos Miguel dos Santos Jnior, com Joanna Ma-
ria Siqueira Antunes.
Juvraiaao Joaquim Alves, com Ermelnda Isabel
da Silva.
Francisco Iztdoro Ribeiro de Carvalho, com
Francisca Xavier Antunes Ferreira.
Antonio Francisco Pereira da Lyra, com Anto-
nia Libania de Mello Texeira.
Jos Fernandos de Amorira, com Maria Francis-
ca de Souza Barreiros.
3.a denunciacao-
Joaquira Jos de Sant'Anna, com Jacintha Mara
de Paula.
Jeronyrao Carneiro de Albuquerque Maranhao,
com Amelia Leopoldina Ferreira.
Antonio Joaquim da Silva Lopes, com Claudina
Maria dos Santos.
Jesuro Jos de Jesos, com Mara Christina Leo-
poldina.
Pedro Marques da Silva, com Amelia Eugenia
do Nascimento.
VAPOR POTEN'GI.Apenas aqu chegou a no-
ticia que veio por um expresso Companna Per-
nambucann, de haver este vapor de sua proprie-
dade balido na barra do rio de S. Francisco, e
haver-se de proposita encalhado, por eonter al-
guma agua dentro, na margera do mesma rio em
lugar manso, donde com muita facilidade se pode
safar, porque ao passo-que se acha emdous ps
d'agua da proa no baixa-mar, se acha em tres
bracas da popa, e apelar de haver lia dous das
sahido o vapor Jaguaribepzn aquelle mesmo por-
to com. escalla por Macci, e que lhe deve ter
prestado o auxilio de que precisasse.expcdioainda
0 Sr. Bcrges, gerente da mesma companha. o va-
por Ptiruhyba, conduzindo, alm de gente, tud
quanto julgou poder ser preciso em qualquer
emergencia.
Nisto acha-se comprehendida ama bocha com
palamenta, espas, viradores, correntes finas, loDa,
chapas, cravos, um caldeiroiro e varios engenhei-
ros todos empregados seus, e que devero traba-
Ihar sob a direccao do hbil e iutelligenie Sr. Fre-
derico de Mornay, o qual ochando-se erapregado
no Peoedo, em servico tambem da companha, na
qaldade engeoheiro, nao hesitan em assumir a
direccao dai;uelle servico, que de presumir esti-
vesse lindo Chegada do Parahyba.
Figura umbem nos apparelhos mandados pelo
gerente, a bomba centrifuga de que tratamos hon-
tera em nossa Revista, e que o Exm.'Sr. bario di>
Livraraento, com o cavalherisrao que todos lhe
conhecem, se dgnoa prestar bem como ura official
que com ella j trabalhou no esgoto do vapor
Russia.
ANIVERSARIOS.Compleum-se hoje 29 an-
nos que foi coroado e sagrado S. M. I. o Sr. D.
Pedro U.
Amanba. faz 46 aunos S. A. o Sr. eonde
d'Aquila.
CONCERT.Realisa-se hoje o concert do ba-
rytono portuguez o Sr. Joaquim Francisco Vieira.
com o pregramma em outra parte publicado, sen-
do coadjuvado pelos Srs. Jos Colho Barbosa.
Claudio Leal, A. Vianna, E Casalbore, Francolino
Pessoa, Henrique Jansen e Salustiano Thenorm,
todos artistas de meritoconhocido nesta eidade.
O Sr. Vieira tem nome destinelo na Europa, em
cujos prncipaes theatros se fez ouvir sempre com
applausos e louvores pelo vigor e extensao de sua
voz, e especialmente pelos conhecimeatos que tam
da divina arle.
Consta-nos que o barytono portuguez deve reu-
nir hoje, na sala do elegante theatro de Santo
Antonio, a escolha do nosso rauodo elegante e a
preciador do mrito onde quer que esteja.
VAPORES PERUANOS.Sabbado pela manba
chegaram ao nosso porto, tb a bandeira ingleaa,
doas pequeos vapores de ferro, chamados Paru o
irequip, que se destinan) i repblica do Per,
1 ijl -. ... .......ilnc mimninin los TOS.
trinta annos, o gaverno poder rescindir o contrato 00ae ^ m empregados na naregaeio dos ros.
i, mol. A* moatia H< qiImI, ola vilnr arbitra- n____. .._n,.,.;an. m I ivociwnl noina fahricantes
Foram construidos em Liverpool pelos fabricante>
Lnvis. lera 51 toneladas, demandan 6 ps d agua
quando carregados, andana 6 milbas por_ hora,
consommera eeroa de 5 toneladas de cawao por
da, e sao movidos por machinas, dos 'abroantes
James VM & C, da for?a de 30 cavailos cada
RECTIFICACAO.-No art !. da lei n. 946, que
nabSos saobado, sexta linha, nouve falu das
Sntea palarras, que derem ser enllocadas de-
ooHe Santo Araaro-a> Jlmifo duaspantjs
otraidalgreja de Santo Amaro de Smnha** etc.
SINISTKO NO MAR.-0 palcha Sespubol Sg-


Diaria ele Fernanibuco .- Segunda fera 18 dft Julho de 1870.
f
I

Jmb i i. i iii
tatito, chegado sabbado de Sanio, perdeu em
viagem, no da 7 do crreme as 9 tioras da neuto,
o iiimiqiro Jos Cardona, que, estando rinzar
sob un grande pampeiro, cabio .10
a *cl*_
aaar osoreceu, apatar do es roba empve
Jado* OWeto dpo-sa aa lat. S. 31 \t c loag.
1. doUwaawich 3) 33'.
ARSENAL DE MUUNIU.Damos em seguida
lugar ama comiajBBieaciu, ana nm dirigi o
J\vm. Sr. inspector 4o acsenal de uurinha, acerca
do motivo da transferetcia da sabida o vaMr Je
< da conipauhta Peraambaeana, qual serve
bado, em vista 4a sota ministrada (teta gerencia
dessa companhia :
Illm. Srs,-J*agn-'be* o obsequia declarar,;
na sua coueeitoada Rteista, que a tasa de nao
u-r tido o vapor Jnjui vietorta par tazer vagem
no dia 15, nao proveio de molestia do rae ajudan-
te, o qual anda est per cltegar da Baha para u-
mar pene do lugar ; e sim de nao ter sido cum-
lir..lo por parte da companhia Pernambucana o
Mt 7* do reglame uto annexo ao decreto o. I35i
le 5 de fevareiro de 1834, o qual, tratando das
"Vfcfcvrias, a*im se exprime :
Art. 7.* E ttisso de empreados do arsenal de marinha,
adianto designados, preeedirado para Isso requer
w. <-,.ui,>anhia, coiiimaudanle ou mestre, com declara-
do do inaehinista de nnvi i, di- que as machinas
o ilJeira* esto em cireumetancias de ser exami-
nadas : devondo submetier-se este requeriraeuto
twpacho do respectivo inspector, tres das uieis
oles daquelle, em que ha d* ter lagar o exame.
, 6 reqienmento rae foi aprsenlado no da
ti.So com a maior consideraeao.O inspector
il. A. Mnrboza dMmtiia.
3BOC0 BlOGUAPHICd.-Com este titule bre
mmm sera publicado pelo 8r. Dr. Joaquim Guen-
uee da Silva Mello unHivro, de cerca de duzeiitas
paginas, sobre o finado lente de nossa Faculdade
te Direito, o Dr. Kraz Florentino Heariqoes de
Sabia. Acorapanhar o estudo blograpnieo do
.Vstro tinado nina critica liileraria de todos os
s.osessriiiios. No frontispicio da obra ir o re-
trato do Dr. Braz.
Desde ja recenem->e assignaturas para a obra
so soriptorio deste Oiano.
__IU.VA que se acha venda a 154"
beneficio da Santa Casa de Misericordia, caja ex-
tracco ser no da segrate ao da partida para o
*n\ do paquete ingiez que se espera.
JI03P1TAL rWTUfilJEZ Bsi de semana nes;
te estbelei;imeuto c Sr. inordomo Maaoel Jos
Machado.
PASSAGEIKOS.Sahkios para o norte no va-
por brasileiro Pvopamu :
Alipio Dias Machado, Felppe Estrella, Antonio
F. Lima Verde, Francisco Soares da Silva Re
lomba, Pedro Goncalves Torres, Braz Jos Velho
Lima, Francisco Fernaades Lima, Felinto Elisio
un Albaquerqiie.Jos A. Vieira, Francisco Celes-
uno Ramos, Dr. Jos J. Tolentino de Carvalho,
>aa senhora e 2 criadas, Manoel Maria Brayne,
Y. M. de 1 Silva, Ftjcsco Tbeophjlo da Ro*cha
Becerra. Pedro da Sirva Antunes, Estevao Silves-
tre da Canta, Haymnndo Francisco Hamos, sua se-
merk, I lllha e 1 criada, Joaquim Jos Alexan-
nno e l criada, Jos Barroso, Joao Manoel Al ves,
fetippe ^e Aguiar. Aoreltano Augusto Snuza C, Joaquim
da Costa, E. de Aleuquorque Henriques, Benedicto
Je Albuquerque Henriqoes, R. E. de Albuquer-
jes, Joaana' A. do Nascifnenlu H. e i criadas, Jos
Si tu Lucio e sua senhora, Jos A. da Cmara
Pinto, Benedicto da Silva Garrido, Francisco da
Sila GaiT+Jo. coronel Bonifacio F. P. da Cmara
< 1 menino, Joo Cordeiro,. Jonli Ellis, L. AfFonso
*j. 4a Guab Morera.
- Sabidos para Liverpool no vapor injlez Sa-
phyra :
Hairison, Miss Davis.
*p
Em rea?ao a eatatU d< escalla,* Millet, de ii intoruiafdes, dando iuieira
conflaiK;a a SOV pabvra.
Creio qne cuas .linbas, arraneadas peta atten-
?ao. que raere como ouenejvas a sua pe
Recift, 13 de julho de 1870.
J. J. B. de Mtllo Rtgo.
Negocio o ylo 4c MtuM+
clMe.
Tenho j eia meu poder aWarlidao do rafalorio
do xm. Sf. provedor da Saata Casa de Wiw'r
eortia, na arta reanv aa Aajrto de MeadjfctMdei
e emqnaato nao eontenha ella o acervo dj^mpu-
ta;3es denirosas que na oriaiJ<4i por aW
Klhavjm, devo todava ocFesar qae ata-per-
la varrina contra mm jogada oom a*awa e
simuladlo.
Por esta raijo teaho de faiT a exposicao uii-
nuciosa e deuda dos (actos, traba!burtanue nao
pede er feito de momento, e por tele aptaseo-iw
em declarar ao publico, que d'entro em naneo vi-
Mi a falla. Careco impulsar documentos, pre-
ciar circunstancias, confrontar resulamenios, e
isto nao se faz senio cem alguma demora.
Assim reduzrai a qucstao a urna aariatoarU--
gos, que os irei patticando, pediado desflyja a
atlencao iiuhbca aoace eltea.
N'o meio da emrtrariedaoe que me tem cansado
urna aggresso tao desjouual, sem olivo para
Illa, resta-me a satisfacao de a poder vantajosa-
mente repelr. Siohcide consentir que o amor
pronrio exagerado, que se julgou offendido com a
ereacao do Asvlo de Mendicidade, irnlependeote
da lieenea e audiencia do dispensador geral dn
caridade publica nesta trra ; qoeira em mim se-
var o sen despeito.
Sabere guardar toda a snbronceifia, porqae
acastellado em minha dignidade eno apoio de mi-
aba conseieucia, olho de alto para os calumnia-
dores.
Recile, lo de julho de 1870.
J. P. Barreto de Mello Reg.
XOV1MKNTO DA ALFANDKGA
olumes entrados cstifaieudas
dem dem cuai gneros
roRuceatahidos casa fatendat
Idom iem -ora gneros
&
17B
331
S35
WBLIMCOES A PEDIDO.
i r. rente da tompauhia
Peraambcinana
..*
Decedidamente eutna em mar de caiporismo,
querem fazer de mim o leo velho e alquebrado
4a fbula I
Nao importa, carregarei resigna tino.
Teuho entretanto extremo [iez*r que o Sr. F. F.
Burees, gerente da cempanhia Pemambueana, a
proposito dos disoursos que profer Da assemblea
-obre aquella companhia, me sahisse ao encontr
com tio m vontade.
Em meus discursos, cumprindo conseienciosa-
Dientn a m,-a derer, nao i a volv o Sr. Borges, com
quein teuho boas relaepes -nessoaes. as aprecia-
ces que tivo de fazer sobre o contrato que com a
previnaa tem a companhia Pernambucana, e se a
nHe i< reiTi fui hmente para dar-ihe provas da
niaior bcinvolencU"
Ipfelitu.i'iite, quando orava sobre o raesixo as
sumlo o libia amigo o Sr. Dr. Mamede, a propo-
sito Jo companhia nacional e accionistas estran-
geiriH, pri gwili i llie, em aparte, se o Sr. Borges
ara bsiletro. Pareceu isto una olfensa ao Sr.
Berges, c d'ahi vem sem if uvida a sua m von-
lada-
lf urna *em rnto. Tendo onvido a uns dize-
r. n (ui> i Sr. Borges estrangeiro e outros que
n". hava em meu espirito urna duvida qne a ap-
pvrtunidade d:i ditcusso me levou a querer ti-
rala.
J v o Sr. Bi.rges que a minha pergnota foi in-
genua, nicamente para saber.
Como em regra julgo os outros por mim, nao
mppenho nunca fezer offensa, dizendo aquillo que
a mim sendo dito me nao offendi. Emendo que o
sopp&r ser alguem estrangeiro nao importa offen-
sa, nem defuito o nao^ser brasileiro.
Tenho tanta consciecia de minha nacionalida-
de, que nao me posso, nem de leve, molestar se
alguem diascr que sou paraguayo, cousa boje tai-
vez detestada.
Por tanto, se o Sr. Borges como diz e en creio,
brasileiro, que fundamento tem para desgostar-se
coii a minha pergunta T
T2 o que infliie para os uegecios da companbia
de qne diimo rente, o ?er brasileiro ou por-
lll"UW ?
JSs S. ^. quer Irazer a questo de nacionalidade
para lembrar os seos servicos ao paiz, servicos
nlcriores aos meus (que nio sle nenhnns) e pres-
tados at na campanha de Panellas; nao opporei
a isto a menor contestarlo, e smente lhe direi
qce lem para mim mais ura motivo de apreco e
considern^Io.
Embora eu nio tenna campatlhas de Panellas
nem de Cassarla>, e nem pretendo t-la?, porque
no lias nHo me pegarao senao quando urna idea ou
seniimenlo meu me demovam, enanca paTa acom-
retftsr inlhasiasmos alheios; nem por isto deixo
* *e louvar o ?prce1ar 3 dedioacCes e servidos
' tfesta ordem.
Em relacao aos seus bons servigos a companhia
Pernambucana, sou o primeiro a reconhece-los,
oaetn careca fallar do seo constante lidar, porque 1
jamis o ponho era duvida.
Beixafei sem reparo a sua alinsSo de n3o ter
promovido arranjos, porque commigp nao se pode
.atender. Grcs a Deas ertou snjferior aos ar-
ranjos, ntnea os fl ninguem ter a onsadia de
diter o contrario Ate.
Agora direi dtH palavras sobre o contrato da
companhia, nnicaraente per deferencia ao Sr.
Borges. effl rae sobra tempo par diseutir qnes-
iiies desta ordem, nem fofa di cadeira de depnta-
do-estou disposto a questionar sobre assnrtptos
que s all me cmpre apreciar.
Resisto aceeltar a asseveracSo de que o contra-
to ultimo, feito com a companhia Pernambucana,
nao est em execucao, e don at de barato que o
offlcio do respeitavel Sr. conde da Baependy (isto
ji eoncessfo) determlnasse a suspensas de todo
o contrato, e nao de parte; mas esta suspensao
oi temporaria e s at a approvaco do mesmo
contrato. Ora, esta approvaclo leve-.logar em
48G9, e o contrato ainda nao est em vi|oi?
Tenho'ou alo razao de dizer que carece provi-
deociar-se sertameole sobre este ass.upipto ?
O contrato por seis annos, e se ainda nff co-
mecou, nao oaelaate estar sendo a sobvemjo pa-
ga ha dou on tres, ser assim o sacrificio da pro-
vincia, em vea de sek, par nove ou des aaaos.
fsto So secoaspreode, nem ae discate.
Nao acompanharei as pequeas circumstaocias1
a que se refere o Sr. Borgea, poroue em nada al-
tera o ponto capital da questao, qne o da aj?s-
sMicacIo e n5e execucao do cqvirilo.
Nio qaere coatauar na discusjlo, nem afargar-
me este artigo, a, eoacloindo, aproveftari o en
- aparte m qae se referi ao facto acontecido
roa o Sr. Dr. Tamarindo. Delle me informando
da exactidao do qne asseverei, responden'me que
nao com elle e sim com possoa qqe lhe aparen-
tada, deu-se tal facto.
Dwcarregaai boje 18 do julho
Brigue inglet-~t9r/tta^ntercadonas
Patacho uata-t
u"
Barca agjeaa-
,ugWaCedm-
Barpa ftogueza-.lta 'i^^^^BH
Sumaca bspa*bola-^*H) Etizaidaw.
Patullo 4)orte alleaia.4aiiaidnm.
I'ataebo norie-alleaKo-TiJE^aafti/idem.
347
dem.
387
O Sr. % Isari do Bonito.
O Sr. Dr. Jos Guirana nao ha de levar a mal
que eu faya urna ohservaco sobre a sua corres-
ptffldeaeia, boje publicada, era que se refere ao
Sr. vigarlo Joaquim da Cunta Cavalcanle.
Tenho miabas razSes para nao daixar passar
em julgado a semen? que lhe lavrou, da ter sido
liberal em nutro lempos.
Por aqoelle eenhor, tomo a responsabiliade de
nao fazer queslo do que elle foi quando era ami-
go dos Pemms, nao obstante poder estar em aian-
ca con elles por motivas locaes, sem comtudj ha-
ver comiuunhio de principios ; limito-me somente
a assegurar ao senhor doutor que em 18G7 o se-
nhor vigario topiou parte na elecao do Bonito,
como prestimoso couservador, recbendo e aceitando
nsirucc/les dos cheft's do partido conservador.
Sa com elle estveram reunidos liberaos, que
hoje esto separados, outros que tambera o auxi-
liaram contiuuam firmes, a allmca de entao.
Ao lado do Sr. vigario esteva tambera, em 1867,
o honrado Sr. Automo Jos Pereira, "que era e
conservador, tanio que antes do dominio nrogres-
sista fra delegado de' polica do Bonito, n'omeado
por governo conservador.
Nao quereado tomar a mim o tur que, se d
entre o senhor doutor e o senhor vigario, peco-lhB
que nao tsoha como impertinente esta minha servaco, que como j disse, assenta em motivos
que me sao especiaes.
Recife, lo de-julho de I*.---------
i-P.B.de Mello R'go.
INDUSTRIA
NACIONAL
Ha poneos estabeleoiraentos no imperio que se
possam por a par de urna fabrica de cigarros es
tabelecida em Nictheroy, que foi dos Srs. Lizaur.
Novaes e C. e hoje perlence aos Srs. Souza, No-
vaos de C.
De^pendendo immenso capital, enjo emprego foi
dirigido com o maior acert, os Srs. Soma, Novaos
A C. eonsegmram montar meslabelecimentomni-
to til e rendoso, que logo despertou contra si a
inveja dos concurrentes.
Guerra pertinaz e pelos meios mais igoobeis lera-
se desenvolvida contra elle; mas os enrgicos e
intelligenlissimos industriaes a cada aovo ataque
responden) com um grande nielhoratneMo, e tem
o immenso prazer de oppor aos gritos do despei-
10 os applausos unnimes dos que visitara a sna
fabrica.
ltimamente publiconse no Rio de neiro em
urna broebura urna noticia completa deste impor-
tantissimo estabelecimento, contendo documentos
que lhe sao altamente favoraveis do go/erno da pro-
vincia, da assembla provincial, do instituto medi-
co e da imprensa.
A leitura deste folheto, qne hoje comecamos a
transcrever, despertou-nos o desejo de chamar pa-
ra esta fabrica a atlencao dos nossos leitores apo-
sentando-a como modelo de ura estabelecimento
industrial.
Duas censas sobretudo arecommendam a per-
feicao dos seus productos, sem rival no paiz, e a
organisaco do servicoqae ao mesmo tempo urna
casa industrial e de caridade, pois nello vivem,
aprendem a 1er e adquirein o habito do trabalho
mais de 200 meninos desvalidos, e do servicp que
el!; distribue tiram mnitas familias os meios de
subsistencia.
0 ponto desta transcripto, que principalmente
nao deve passar dcsappercebido pelos consumido-
res de cigarros, a analyse chimica do fumo e do
papel dos mesmos.
Admirados os outros fabricantes do grande con-
sumo dos cigarros da fabrica de S. Joao, reconhe-
cendo a in^-omparavel superioridade do producto,
assoalbarara que os fabricantes deitavam opio nos
cigarros, explicando assirn a vantagera que elles
tinham sebre os outros.quando esta nao passava de
um facto econmico devdo barateza e ao empre-
0 da materia prima da melbor quabdade. Cortos
o triumpho, padiram os Srs. Souza, Novaes & C.
o exame scientlico do fumo e papel dos seus ci-
garros, e o resultado foi a conlusao dos calumnia-
dores.
Enthusiasta de ludo quanto pode ser proveiioso
ao nosso paiz, eserevemos estas linhas, acompa-
nhando a imprensa fluminense em merecida home-
pagem a estes encargos industriaes.
(Jornal do Conmercio, 8 de. abril de 1870.)
Enfermiclade hereditaria.
As vidas de miibares de pessoas, acbam-se re-
duzdas s maiores afflicces e miseria pela escr-
fula hereditaria. No entretanto ella sasceptivel
de cura. To certo como um lcali neutralisa um
acido, assim tambera a Salsaparrilba de Bristol,
tira ao virus escrofuloso e sibiltico toda a sua
maligoidade.
E' o nico remedio antisptico que faz parar ou
on poem urna barriga as enfermidades ulcerosas
de urna natureza virulenta, e previne a possibili-
daoe deHifs seren transmitudas segainja ge-
Odoente flea constlttidonalmnle curado e to-
das as suas fibras musculares tornam-se tao saas
e boas, como se a pessoa jamis houvesse experi-
mediado molegtia alguma. Est bem visto, que
para se ffectar to grande muttanca, tornase ne-
cessario o uso continuado da Salsaparrilha de Bris-
tol. pelo espaco de algubs mezas. As plalas as-
sucaradas de Bristos, deverao igualmente nsar-se
conjunclamente com a Salsaparnlba; porifm em
dses moderadas.
TABELLA dos rRacca DosaaaEKOs suieitos. a km* ub bxpb*aco. n*sAbl8 k*3E
11x110 bb 1870.
Jercadpjas; Unidades. Valores.
Abaix ......: **ft
Algodo em caroco ..... kilog.
Idenemrama ouem taa, .
Carneiros vivos....... um
Porcoifldem.........
Ama com casca. .... kilog.
dem descascado 011 a*a4o .
Assuear brauco .......
dem -miscavado.......
dem relinado.......
Gallmbas........ uiaa
Papagaios......
Azeite de amendoim on men-
dobim......... lilro
Idean de coco ....'. >
dem de mamona.......
Batatas alimenticias. .... kilog.
Baumlha.......-
Bebidas espirituosas efarmeatadas ;.
Agurdenla cachaba. Utr.
dem de canoa...... >
dem ganebra ....... *'
Idemrestada...... >

dem cerveja.......
eravinagre.......
dem viaho de caj.. ....
Bolacha una. compraheadtdos os
biscoitos......... -kilog.
dem ordiaaria, propparrria
embarque........ >
Caf bom.......
dem escolha oa restolho ... >
dem torrado 011 moida.....
Cal branca, ........
dem preta........
Carne, secca ( xarque ) >
Carro vegetal.......
^ra amarellx......
(dem de carnauba em bruto. .
Idera dem em velas, ....
Cha.......... -
Cocos seceos...... canto
Coila......... kilog.
Couros de boi, seceos salgados.
(dtil idem espichados....
dem idem verdes .....
idem de cabras corados mu
idem de 00?...... >
Doces em calda ...... kilog.
[dem em gela ou masas. >
(dem seceos.......
Espanadores de pennas grndes duzia.
idem, pequeos......
(em do piilia .......
Esleirs de carnauba .... ceuto
Idem p* 1 iprkipara forroou estiva
daoavio. n .
Estopa naeiooal......| -kilog.
PKBSUjrros.dem a ftl a arroba.
Os flaraeagos venderara-se d 1X800
a S4900 aada um.
Saao.Vendeu-se a 170 rs. a libra do wslez.
ToociMio. Vendeu-se o de Lisba a IS58OO a
armb;.
_ VcAeaa.O de Portugal itiyi on a 1W)J a
Vnoos__Os de Lsbea tintos Venderam-se de
,1NiM0j. e o hranoe de O a M, e
euiroa aaizes a 18af por pipa.
Vatas.As do composicao veiidjeram-sa 4eS50
a 560 o pacote de 6 velas.
Dasjoarro.-O rebate de letras ragolou 4a 8
a 9 por eenlo ao aano.
Fama.Para Liverpool, earregando em acaso
poru\ pelo algodao 1/4 a 3/8 4. por Hora sem capa,
""HjlT*" M Parahyba e Macei 3/8.

centro
kilof,
Farinha deararuta......
dem de mandioca......
Keijo de ijualquer qualidade, .
Fumo charutos ,.....
dem cigarros......
dem em foibabom '
dem em Ma, ordinario ou tas-
toibp........
idem em rolo e ea> latas bom >
idem, ordinaoioou reslollio.
Rap..........
Goiuraa do mandioca, (polvjlho). >
Ipaoacuanha (raz)....
Angico (toros)......dwa
Caibros........m
173
230
m
436
44oar>
iiOOO
937
78
m
101
SM60
133
300
330
300
337
00
390
60
479
Sh
476
443
939
39
37
S58
168
443
436
4#36tt
44000
1*438
544
640
300
3D
10*000
U133
784
2*180
48*000
24*000
12*000
16*000
12*000
136
1 681
92
378
3*000
320
1*090

613
681
34o
2*180
170
.-4*703
. 60*000
360
kilog.
um
duzia
um
duzia
1
kilog.
urna
duiia
Euxams........
^Frechaes......
Jacaranda (eoueoeicas) duzia
Lonha em aekas...... aento
dem em loros......
Liuhas e estoios...... um
Lour s (prauches).....
Pao Brasil.....
dem de jangada......
Quiris ......
Vinhatico costadinho de 35 a 39
millimeiros de grossnra. .
(dem areseos de dous costa-
dos al 30 uiilmetros de gros-
snra .........
dem tabeado de menos de 33
millimetros de grossura .
TaLiado diverso......
Tatajuba........
Travs ........
Varas para pescar. ....
idem para agnilhadas ...
dem para canoas..... unja
Cavernas de Eueopira(em obra)
Eixos d- cicupira para carro. par
Melaco......... kilog,
Mel de abena.......
Milho..........
Ossos......,
Palha de carnauba..... recibes
Pechury........ kilog.
Pedras de amolar
dem de filtrar......
dem de rebollo
Pennas de ema. ...*..
Piassava......... nwlhos
Pontas ou chifres de novilbo ou
vacca......... aento
Sabao......... kilog.
3aJ.........
Salsaparrilha...... <
Sapatos de eouro branco ... par
Sebo ou graxa em rama kileg.
dem em velas. ......
Sola e vsqaeta.....,
Tapioca.........
Unhas de boi....... eeoto
Vassouras de carnauba duzia
dem de piassava '. 1090
dem de imb. 1 960
Alfandega ae Pernabrabuco, 16 de iulno de 1870.
0 1.'conferente. Joaquim Aurelio Wanderley.
O 3." conferente Joaqutm da C. ibtiro
Approvo. A,lfandga 16 de'julho de 1870. =
Paes de Andrade.
Conforme. Joaquim Tertuliano de Mearos.
SECEBEDORLA DE RENDAS INTERNAS UE-
RAESDEPERIUHBCO.
aeudlmentodo dia 1 a 15. 39:671*384
dem do dia 16....... 1;5I*448

1*600
3*000
93*000
3*000
13*080
6*000
10*000
103
5*000
6*000
16*000
20*000'
1444000
96*000
33
600
3*400
6*000
1*000
3*S00
16*000
50
330
68
16
1*000
817
31
18
34
4*796
160
3*800
348
10
1*043
890
340
476
1*990
204
43:1834832
CONSULADO PB071RCA*
ondiineoto do dia 1 a 13. ... 90:!
dem do dia 16. ,
COMMERCIO.

ENGLISH BANK
01 Re de Janeiro Limited
Desconta lettras da praca taxa a con-
'enciomar.
Recebe diflheiro em cooa correte hie
I ralo fio.
Saca vista on a praso sobre as cidades
prlncipaes da Europa, iem corresponrtente
aa Babia, Boeaos^Ayre, Moatevidp, Ne
a New-Grleans, e emitte cartas de crdito
ozv 04 mesmos lujares.
AJuFADBO*.
eadimeato do da 1 a 15. .
dem 4o dia 16..... .
302:331*945
36:735*872
539:058*817
MOVIMENTO DO PORTO.
*-------------- "
A'ci'o taludo no dia 16.
Londres par sba55 dias do primeiro porto e
33 do segunde, vapor inglez Per, de 54 tone-
Ibias,' capillo Thomaz, equipagem 13, em las-
tro ; Sawnders Rrothers & C. Yeio receber
earvioe segu,para Calho deLima.
LoLdres por Lisboao. dia** do primeiro posto e
. 33 do- sogdoy. vapor mgle Arequipa, de 54
toneladas, capilao Hinson, equipagem 13, em
lastro. Velo receber carvo e segu seu destino
Calbo de Lima.
Santo Patacho hespanho! Sebastian, de 144
toneladas, oapitao Luiz Casis, equipagem 13,
em lastro ; a orden.
Weatrwik53 das, barca sueca Atzw, ae 360
toneladas, capilao T. C. Sahlsbsrg, equipagem
H, carga madeira e outio- genorus ; ordem
Naetos sofodos no mesmo dia.
Rio Grande do SulPatacho brasileiro Relmpa-
go, capilao Francisco Bernardo de Sania, carga
varios gneros.
Rio Grande do Sul Brigue brasileiro Arroio
Malo, capilao Vital Jos da Molla, carga assuear
e outros gneros.
Rio Grapde do SalBarca brasiieira Norma, ca-
pito Jos da Silva Qua/esma, carga assuear e
outros gneros.
Aracaty Hiat brasileiro A'or-a Esptranca, capi-
lao M. F. Talles, carga fazeudas e ouires ge-
nero!.
LiverpoolVaper inglez Sapbyra, commandante
Williams, carga algodo.
Purlos do Sol -Vapor brasileiro Giqui, comman-
dante Guilberme, carga vanos gneros.
bservacao.
Hontem (17), al meio da, nao baviam entradas
nem sabidas.
Catiselho de qnalieacao da guarda nacio-
nal da fregoezia da S. Jos.
fio dia 18 do correte,. ha" inspeccao de saude,
paraos guardas que requereram pas-agera para o
servicp da reserva. Os ioteressados pompaream
as 10 horas da manba do referido dia.
Sala das sessSes do conselbn de quailficaQao no
consistorio da matriz de S. Jos 16 de julho de
1870.
Flrmmo Francisco de Brito,
Tenente-secretario.
BC.ARACES.
De orflem do Illm. Sr. conselheiro uwpectar
da thesouraria de fazcuda.se fj,z,publico, que nao
lindo comparecido licitante arremaiaoao do alu-
guel p)r inez a tres anuos da casa, que servia de
cavallarice em Santo Amaro da fraguezta da Boa
vista desta cidado, tica a mesma irausieriJa para o
dia 33 do corrale mez,
Secretaria da thesourria de fazenda de Per-
nambuco 14 de julho de 1870.
Servipdo de offlcial-maior,
___^___________Maaoel Jos Pinto.________
exliucla caixa Uliai u Bancq do
Brazil paga o 33*/0 dividendo das aceces
aqu inscriptas a razao de 95000 por aeco.
Os senhores credoree ao espolio do finado
subdito portugaez padre Augusto Maria Ferreira
Botelho, (|oeiram comparecer ueste consulado den-
tro do praso de lo dias, da data de hoj. para re-
ceberem o rateio que Ibes tocou dos bens daquelle
finado, arrecadados e liquidados por este consn*
I ano.
Conslado de Portugal em Pernambuco 13 de
julho de 1870.
O chanceller,
Arlhur Aureliano Ferreira Braga.
Vai praca pelo juizo de orphans desta ci
dade, escrivao Guiuaraes. 00 dia 18, linda a au
diencia, o sitio denominado Demarcacii, perten
ceuto aos bens do finado Manoel de VeJIa Cruz, na
fregueiia de Muribeca, pela quantia de 1:500*,
que servir de base para a arrematarlo.
Santa Gasa de Misericordia:
do Recife
Pela secretaria da santa casa de misericordia do
Recife se faz sciente que o Illm. Sr. thesoureiro
commendador Jos Pires Ferreira, no dia 38 crreme, pelas 9 horas da manha, no salo da
casa dos ezpostos, far pagamento s amas que
trouxerem 03 meninos que I tus foram confiados,
do trimestre vencido de abril a junho lindo.
Santa casa de misericordia do Recife 18 de ju-
lho de 1870.
O escrivao,
__________Pedro Rodrigues de Souza.____
O inspector interino da alfandega faz publico
que o leo das ceblas annunciado para hontem,
e que nao se effectnou por nao ter funecionado a
reparticao, Oca transferido para segunda-feira 18
do correnie.
Alfandega de Pernamnuco 16 de julho da 1870.
0 inspector interino,
Luiz de Carvalho Paes de Andrade.
Era virtude de ter conseguido a inclnso do dis-
lincto maestro o Sr. Emmanucl Casalbore no meu
concert, qne tera Ingar segunda feira 18 do cor-
rente, ti ve de alterar o programraa pelo quo na
mesmanoute serao distribuidos outros que re-
gularisaro a ordem do dito concert.
Recife !6 de julho de 1870.
Joaqum Francisco Vieira.
VOCAL B INSTRUMENTAL
KO
THEATRO
M
&S42Q9
praca po REqra
cr M na jlh na 1870. as y-mas a tadb.
Cambios.Saccoa-se sobre Londres deB?K
I i d. por !| e uma pequea pana a 32 3/8,
fazendo o total dos saques flaetuados uurante a
semana o valor de 25,000 a 30,006 %
Jwodao.Veadeu-se o de Pernaamico de
13*200 a 13*300, e o de Macei post a bordo a
13*600 os 15 killograramas.
, Aasuuaa Veudeu-se o mascavado purgado
americano a 3*600 os 11 kTaranito,
Aaaot-0 puado da India vendeu-se a
a arroba.
AzEita-aocaO deU8boa vendett-se a 3*330
^ajlo, e o do Etrito 34100.
^ACAHAo.-^m atacado veWeu-se l| abar-
rica, e a reulho^de 8* 18"
Pelo bartono portogtjez
Joaqntm Francisco Vktra
Segunda {erra 1% itjvlho
Primeira parte
I.1Ouvertura grande orehestra da opera
Zambaautor Ai'oldi.-
2.*Maria de Rudenz Romana cantada pelo
benefterado acompanbada a platino ferie pelo
aestr'brasileireSr. Claudio leburqne Carneiro
Leal.
3."Puantisia da qnera--Sonambulaexecra-
da no clarmeto pelo distincto professor Sr. Antonio
RodriguesViaona aeompnhada pela orehestra.
4.*Aria da operaTrovador cantada pele ds-
tineto taor brasfieiro Sr. Jos Colho Barbosa,
aeompnhada pianno pelo Sr. Claudio.
. 5*Andante e rondo original =do maestro 8r.
IUtatas.Veflfiuj
BoucsafHA.T
CAr.-Wem d^
Ca.dem d,!
CEEVtJA.I4em
botijas'u'fca&jfa. _
rs. por cesto ae premio sobr a raerara.
MrTEtGA.-A ibileza SMfettWI* a t0f>
a libra, e a rarlcSl ae T s 7:rt.
MAsm-Veniierauvsea 7*300ibafea.
Olko e i.whaca.dem a iW&tfia.
Passas.dem a 11*500 a caixa.
adtuiade^
eza ordinaria cn 350"
Emmanoe! Casafbore e executado pelo mesmo
piatm.
.Carnaval de Venesaexecutado na rabeca
relo distmeto professor Sr- Francriino Domingos
d*1Mra Pwsea acompanhaflo a piano pelo maes-
tro Sr, Claudio.
?.*=H-doloreRomanza cantada pelo beneficia-
do combasta palo toaestro Sr. Gaealbre, e acoav
penbado palo meaew.
Segunda parte.
*"Onvewnra Esperanga pela orebestra,
autor Pedro Baptista.
i.Aria da operaMaria de Ruhancantada
pelo beieiciado e aeompnhada pela orebestra.
im Ouwnora da opera Aana Boleaa eje-
cutada no ophieleide pelo distincto amador o Sr.
H*nnque Jauseu, aeempanliada a piano pelo raaes-
tro Sr. Claudio. '
*.*Phantasia 4a opera Ernani execatada
no clarinete' pelo rofessor Sr. Automo Muniz
Vianna, aeompnhada pea orehestra.
i.*PhatittsiaOriginal eyaculada na rabe-
ca pelo distinto professor Sr. Francelina de Mora
Pessoa, acompanhaca a piano pelo maestro Sr.
Casalbore. ^^^ ______ a _
6.--CCvde S*- exeendo wi flauta
pelo distiaitu professor Sr. Salusiiano Tenorio
acompakb. daadio.
7.'-Mlbai sul lema d'AdonisLe Noel
compatWo e axeeac^a a piano forte do maero
8.*--l)iieto da opeiv- Lucia de Lamemoor
cantado- pelo Sr. Jos! Golh) a o benefli iado,
acoinpanbado a piano pele maestro Sr. Claudio.
O beneflado agradece a todos os artistas brasi-
leiros que da tao boa -ventade s prestaram a
coadjuvalo neste concert, aos quaes manifesia o
;eu,elp1&o reconhecimento; assim como ao^dis-
iiactD <)aestro de piann> e canto o Sr.JEm-
manol Casaibore que chegsdo a poucoda Eu-
repe nao se esioiio tambem a tomar parte em
diio concert.
O beneficiado esperado distraen publico per-
nambucapo a valiosa proteccao qu sepipro dis-
pensa aos artiaias qne a reclamam em' seus bene-
ficios. ,
Oimecar as 8 horas.
CIRCO
NO
PAVILMO DES. ISABEL
COMPANHIA.
RQUESTRE GYMNASTICA B ACROBTICA
SOB A DIRECCO
DE
D. Luis Casali.
EXTRAORDINARIA E VARIADA FONCCAO
Quarta-felra 90 do curreate,
EM. BENEFICIO
Do palhago da companhia
O dever de todo artista cliegando o dia de
sea beneficio, apresentar em scena uma obra que
seja digna da cultura do publico ; e como sej.i
impossivel ao beneficiado conseguir o que deseja,
sera a cnadjuvaco do respeitavel publico desta
capital, a quem ;e cun'essa summameote grato,
pelo bom acolhimcnlo qne at aqu tem lid j. por
isso faz anda um app^ilo no mesmo. prometien-
do e*forcar-se qaanto lhe for possvel aiim de sa-
lisfazcr.a todas quaum ,se dignaren) honra-lo com
as suas respoilaveis presencas.
PROGRAMMA.
PRIMKIRA PAHTC.
!. Uma linda symphoaia derigida pelo maestro
Martins.
2 Volteio rpido pela menina Juanita/sobre o
cava I lito mosca.
.1 Os dous filhos do ar, executado pelos syra-
paihif os artistas Aidabo e o beueiiciado.
4. Um novo intermedio burlesco, os dous aaaos
agigantados, pelos artistas Aidabo e o beneficiado,
iimncao dos mesmos.
5. Exerccios equestres, por Vicente, obre um
cavado em sso.
6.' Equilibrios pyramidaes e salios mortaes, pe-
los Srs. Aidabo a o beneficiado, fioaliseedo o Sr.
Aidabo com o arriseadissimo salto de despenha-
deiro eom dnas pistollas as mos da altura de &
mezas- e 1 oadeira.
latervallo de 30 minutos.
SEGUSDA PARTE.
l. Symphonia.
2.* A batuda alta, pelos saltadores da compa-
nhia, na qual o Sr. Aidabo dar o sallo do tnel,
em transformara', linalisando com o arriseadissi-
mo sallo da batalba, quo serao 30 soldados de
bayonetas calladas disparando logo ao mesmo
tempo.
3. Um jocoso entremez, pelos clowns Aidabo
e o beneficiado
4.' A posta nacional, com sete cavallos em sjq,
dirigida pelo distincto aitslista Cesar Casali.
3-f O peo cncanhn, ou a percha lisa pelo bene
Ociado e Aidabo.
6." O applaudido desloeador Parnambucano exe
cutara varias deslocacoes.
7. Finalsando-s<; eom a aplaudida pantomi-
ma, intitulada : O boticario da aldeia.
Principiar s 8 1|3 da nonte.
frenos
Camarotes com 6 entradas........ 13*000
Cadeiras....................... 35000
Cadeiras avulsas para senhora..... 3*000
Geraes.......................... 1*000
Os bilhetes de camarotes, cadiiras e plateas
vendem-se no mesmo circo.
Ao publico
O pavilhao achar-se-ha todo embandeirado, tan-
to por dentro como por fra, e ao mesmo tempo
a banda de msica do 3* batalbo de infantaria
estar desde s 7 horas da noute em frente ao
mesmo pavilhao, tocando diversas pegas.
fi'o ** Mfereo porto ----------
possvel hrevjdade o 1 fottfr por ter por-
cao da carga en^H a que ,he fa|U e
eom a-
e>ravos a frete, trata m Leosignario Joa-
qoun Jps oa*We ReUri* W do Cemmereb
IBCANA
cW
Porto de Caltafeas, Rk> Formo e
Tamandar.
O vapor "Mssor4 seguir para os portos at.
ma ao da 10 do oorrente. | mcia noite. Recebe
earga,encomHiendas, passageiros edinheiro a tr-
te no escriemio do Porta-do Matt s n. 12.
NAVia AHDA
Vende-se o brigue portuguez 8. Jos, de tela-
cao de cerca de 1500 arrobas ; os pretndeme*
podarQ examiua-lo nenReoradenro} na voita do
Forte do Mallo, e tratar a respeito, eom o eapito
a bordo, on na praca do Corpo Sanie n. 6, segun-
do andar.
OMP.ANHIA PERNAMBUCANA
DI
.Vavegaco costera por vapor.
Mamanguape.
O vapor nacional Coriuipe, coamaadanie Sil-
va, seguir para Mamanguape no dia 28 do cor-
rente as 6 horas da tarda Rttte taiga, eneom-
meudas. passageiros e dinheiro a frete at as 3
horas da tarde do dia da sabida, no escripton
da companhia. Forte do Mattos n. 12.
C0MP.\NHIA "PERNAiffiL'CaU
DR
Xavegacao costeira por vapor.
Parahyba, Natal, Maco, Mossor, Ara-
caty, Cear, Mandab, Acarac e
Granja.
**W\y O vapor Igojuca oommandanu
-fl/sL. m ^oura seguir para os porto aei-
MUtrn ma no dia 30 do crreme as Chora
la tarde. Recebe carga at o da 23, encom-
iendas, e passageiros e dinheiro a frete at >s
3 horas da tarde do dia da sabida 00 escrpto-
rio do Forte do Maltes n. 13.
Maranho
E' esperada do Rio de Janeiro em poneos dias a
barca portugueza Mara, que traz j alguma ear-
ga para o referido porto; e descarregando a que
para este conduzir. rnceber aqui a qae for pos-
svel obler para o Maranho, c com pouca demo-
ra : por isso qoem desejar aproveitar esta boa
occasto de emnarqno, dirjase ao eonsignatarie
Joaquim Jos toncalvos Reltrao, ra do Com-
a ereio n. 17.
,-------------------------,-----------------------,-----
Para o referido porto pretende seguir com bre-
vidade o patacho nacional Prolector, por lar a
maior parte da carga prompu ; e para o resto, a
frete mdico, trata-se com o consignatario Joa-
quim Jch Goncalves Beltro, ra do Commefcie
n. 17.
Aracaty
Segu cem a possivel brevjdade o palhabote
Emilia, ainda recebe alguma carga a frete; a
tratar eom S Leito Irmos, ra da Madre de
Dos n. 1.

LEiLOES.
Paquetes
AVISOS MARTIMOS.
C0MPA1IA BBASILEIR1
DE
a vapor.
Dos portos do sul esperadi
at o dia 23 do crreme um dos
vapoies di companhia o qual
depois da demora do costume
seguir para os portos do norte.
Desde ja recebem-se passageiros e engaja-se 1
sirga que o vapor poder conduzir, a qual deven
ter embarcada no dia de sua chegada. Encommen
las e dinheiro a frete at as duas horas do dia d;
sua sabida.
Nao se recebem como encommondas senao ob-
lectoe de pequeuo valor e que nao excedam a 5
arrobas de peso ou 8 palmos cubicas de medi-
o.
ludo que pasear destes limites dever se;
embarcado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que suas passa
gens sse recebem na agencia ra da Cruz a. 57
l* andar, escripiorio de Antonio Luiz de Ohveir;
Azevedo &C.____________________________
CMPA1IA BRAS1LE1BA

Paquetes a vapor.
' Dos portos do norte esperado
at o dia 38 do crrentelo vapor
6'iMird, commandante o eapitao
tenente Pedro H. Duarte, o qua'
depois da demora do costume
seguir para os do tul.
Desde- j recebem-se passageiros e eagaja-se
asga qua o vapor podar, conduzir, a qual deven
ter embarcada no da da suacbegada. Eaeoaunen
Jas ediabaire a frete asi as 3 horas dodiadasiv
sahida.
Nao ae recebem como eacommendas seaao ob
Jectosde pequeo vaior eqaaao excedam a duai
arrobas de peso ou i palmos cbicos de medioao
rudo qne passar deste* limites dever ser embar
cado como carga.
Rreviae-se aos senderes passageirofl qne sea*
paasyBns s se recebem aa agencia, ra da Gru
n. 5771* andar, eseriptono da Antonio Luiz o>
Oveira Azavedo & C _____
Paira p. JP/ortp.
Acha-se carga o brigue portuguez Triumpho,
pera onde recebe por frete comme^o : quera nb
mesmo quizer carregar entenda-se com o* consig-
natarios Thomaz de Aquino Fopseea & C, ra do
Vigario n. i^, pandar.
Risco martimo
, O brigue escuna aorte-_emio Fdes preeisa de
cerca de rs. 13:000j0O0 para fazer is despesas
(sitas aesie porto. O uavie pretende segoir
gem para l'almouth em poneos dias. Recebese
pcoposlas e oartafasuada 00 consulado da con-
federaco 1 aarie-aUemia.
1------1^-.- '
Segu eom brevdsde para o porteaeima eaa-
Ihibote eeihaal Joven Arihur, tioda pede reeeber
algwna carga e trata-se eoo os eonsignalanes
Antonio Luiz de Oliveira Aeevedo C, nb da
Cruz n. 57, 1* andar.
DE FAZENDAS
HOJE
Schapheitlin & C contina a exper em leilio ne
dia sexta feira 15 do corrente, par intervengo de
agente Pinto, um variado e completo soriimento dr
fazeudas franceses, Miases e allemes, existrni.
em sea armazem ra da Cruz n. 42, onde se efcc -
luar o leilo s 10 horas do dia cima dho.
LEUAO
DE
fazendas avariadas
hoje.
18 de julho, s 11 horas em nonio.
O agente Pinta far leilo por coala e risco d
quem pertencer, de alguns madapoloes e algodo-
ziobos com a vara d'agua salgada, s 11 horas en
ponto, no armazem dos Srs. Scbafbeitlin & C, ra
da Cruz n. 43.__________"_______________
LEILO
Em con! _na<;io ao correr m
martello
HOJE
A's 10 horas do dia. -
Henrique de Moraes & Irmao farao leilo por in-
tervencao do agente Pontual, da armacao e gne-
ros existentes em seu e.-tabelecimento de miudeas
silo a ra larga do Rosario n. 34 A, em diverses
lotes vontade dos concurrentes e sem reserva de
precos
HOJE
no mesmo estabelecimento s 10 horas.
DE
FAZENDASGERAES
CONUNAClO
A 19 do^orrente.
Mello, Lobo t C. continuaro, terca- feira o sen
leilo do mais esplendido sortimento de (blendas,
j especiOcadaa, em seu armazem, sito ra da
Cruz_________________________j_________
LEUAO
DE
metal, de forro de
navio
AJO do correle.
0 agante Oliveira far leilio por ordem do eaai-
tao do navio Fuielu, em presenca do Sr. ceacal
norie-allemo, e per coaka e risco de queai per-
tencer, de ceca de 513 (oibaa de metal uvada de
dito navio recenlemenle arribado ele. porto
Quarta-faite
ao meio dia em ponto, no armazem do bario Livramento, > ca3 de ApoMb.
movis, loiuja, e civrystaes, a sa-
ber:
Um piano forte franez, uma mobilia de jacarai-
d eom um sof, dVus consolos eom fiedras, qna-
tro cadeiras e bracos e doze de guarnirte,#aas
cadeiras de balango e oito duas de guarnila de
Jacaranda, dous rices espelhos, nm dito val, %m
lustre dp christal, dous ditos de dono bieos, 6 jar-
ros finos para fieras, tapetes e emrmdeiras.
Um toilet, urna cama france>a de jaeaiaada.
uma mesa de cama4 um guarda-vestida, *m guar-
da-roupa, upa eomwoda e Maano le Jacaranda,
seis cadeirad, am raarfuetao. 'duas camas para
meninos e dous bercos.


I
'ar? $ Pkttthred
segara
lef.
Um sof, don* no|*)h nesa de Jbgov
tilias tmrn de al "'fo dita* hm-
t-glMIM, dw dita ial*a,uiMauaa.*.>jgb)
Urna taasa alaste, ora gnanli loo^a, dou ap*.
radores, duas quarlinheiras, ura sof, doie M>:
PfitBM-o andar e pavimento tarreo do sobrad* de
ualej da rna do Sebo n. 38
Quarta-leira 9(Vde juibo.
0 anota Pinto, aMarisado por urna familia que
vai aSoN^a, ara le lio dos movis e naisobjap-
toa acia da*cri(>u>8, existentes no sobrado da raa
ddSebo n. 38, onde sa effeetuari e letlao no da
aera dito.
frinelpiara s 10 horas.
4
S DIVERSOS.
>gac.
O DR. J0AQUJM CORBEA DE AftAUJQ
tem o sen escritorio ra do Imperador
n. 67, onde pxVk-ser proetfado 'das 9 ho-
da Rianhia 3 da tarde.
Fotograpbia imperial
CALERA
E
DI

Aj
vsTirt
ras
*n aasww anu
s
3
MOANCA.
O Dr. Camufla Francisco de Lima San-
ttoe mudou sua residencia e consultorio
para a roa d* Imperador a. 57, 2* andar
do sobrado cujo" armatem conserva a|L- 1
da hoja o noiu de Alianza, teoda a
** entrada, qne pelo lado da pOBte-Seto H
de Setembro, o mesmo numero 87, da $B
frente. Ah continuando o dito Dr. no jB|
de sua profiio de medteo e 35
de operador, pede ser procurado a qual- |
quer hora do dia e da oule.
mmmMmnwmmm
Precisavu da ama ana para eaea de hornera
soiteiro na ra da Praia n.44.
EliSiopMmarioem"
um anno
a 5$000 mensaes.
os trabalhos de pintura, a. aooarela, a dea, e a
pastel.
O Sr. Rota achase ligado a nossa empresa por
urna escriptura publica, e at o presente tera-se
desvellado na exeeucao de aeos trabalhos.
No nossoestabelecimonto acbam-se exposlos o-
tros trabalhos importantes do.Sr. Roth, tanto eni
miniaturas aquarella como oleo, retratos
oleo, quadros sacros e diversos outros trabalhos.
Tomamos encommeudas de retratos oieo at o
SocoIIegio de S. Pedro de Alcntara, a rna da tamnho natural, assim como de quadros sacros
.aden do Reeire n. 2i, sob a direccao de Joaquim.-para ornamentaco de lereias ou cauella* Tam-
-SSiS.i'V M JWdo ,acba.6 abarlo o
nawo estabeleclmenio ph%r?toWeo sito na do
tiRa n. 18, cant do pateo matriz. Os traba-
loa que desde entan, tam sabido de nossa offlein
lear geralmente agradado,', sendo recebidos por
atgnns cora admJracio pelo e?traor,dinari) pro-
graaso que ltimamente wn tido photc graphiai
e por outros com alegra, por verera a provinajpj
ftw^com nm estabelecimeoto digno di ella, e m
^Kavelmente o primeiro que nesse gener
hpjt possue : tarabem n5o nos poupanjos tm cousa
aUjuma para monta-lo no p em que ?e achs, es-
petando qne o publico de Pemambnco sabart
aaraciar nossos asforcos recompensar nossos sa-
cnBcw.
Convidamos a todas aquellas peseoas, naciooaes
e esirMgah-asquegistimdas artes, ou tiverenr
neceasuade da trabaJhi da phatjaphiaaj.visiL
tarf m o nosso estabejecimnto, que estar sempre
Ab^ue^suadiaaerfaa^s^ia9rqads 7
. Para es trabalhos de. pJwiHraphia.possaimos di-
versas macotnas dos anlhore autores traneezes.
Inglezes e allmeroes, como, sejam : Lerebours et
Secretan, Hermagis, Thmaz Ross, Vofgtlander el
onh eWulf. ltimamente recehewos tres novas
macajaasi sendo unta del las praprya' para tomar
sobre e mesmo vidro 4 ou 8 jenaceos diversas e
soladas, e outra d 6 a 1? laureas diversas e
igualmente soladas, de sorte qne no caso de
grande concurrencia pederemos retratar sobre
urna nniea champa at 8pessoas diversas elsola-
das para carto?s de visita, easskn em menjs de
um qua,rlo de bOra despachartnos 8 differenies
pessoas qne pecam cada urna, una duzia de cartoes
ais ou menos, com os seus retratas jmente, ou
em grupo com ontras.
' Encarregaraos-nos-exclusvamenn) da direccao
e feitura dos trabarnos de phutographia d'ei-
xando peTteta e talentos Sstmeto
alleraaov o Sr.
A. Roth
Pilfclaarap^tiwamai
j.a.aekfim; na r^a o* Goaquata (Soledade) nu-
me>.0o-
^ifjnnel Franciacn Garnro
-----
vel JMbtlf^ e com nspeciajliade io arpo cotl3Wr-
'l*lgaal sonta-, jtasaaaa-
stgnar-se desto data era dtante pal Mamad Frao-
cis Carftera da Fonceca. Recua 14 de inlho de
1870A
T >,.

LEGITIMA E ORIGINAL
EM FRASCO GRANDES
& afilar rfi
da rn' H
que se podem d
ova
e-
rtluga-se o
n. 58, tem todos os
g )ar e asta naito aowado.
Precisa-se de ama ama?para>eonfar;e ewn-
prw; na rna estrea do Rasada n. 37, priaaesro
aPaaf-__________________. :. .
O abaixo asaignado nada deve na toja da roa
Nova n. 46.
J. P: PaesBarreto
ai I o peM^B^BH
por esta forma fi
Anormal das
| Acha-se a va
U. Gaors,
Saisaparnllia; 8
o exercicio
lentos de
P. Majajn
EsL.B M i A.arbosa, Part.olo^i C &.
Preaisa-se denma boa Ciaobeira para, nasa
de pouca familia; a tratar na ra da Crazn, 40,
armazem.
x-~,--------------_,..,.
Precisarse de um porhguei para fltoc Jio
engenho'. na rn Augasta u 43, 1* andaf.
!--------..-Vi'!"-------,xir) i' '||"' ',f|----1--------' .i,'"'
pintor
Jorge
Teixeira Peixoto Filho, ex-alumno da escola nor-
mal, com cinco preparatorios na facaldade de d-
reito, ex-professor pnidioo as provincias das Ala-
roas e Parabyba, professor de insiruccao primaria
>: secundaria da Sociedade Liberal Unio Benefi-
ceote e competentemente autorisado pcia 'directo-
ra geral de instruccao publica.
Ocoll>go fornece pratuilamenta a seus alumnos
liom papel, tinta, pennas, caetas, lapis. creyes,
l usas e agua. A escola ser limitada a t'rinta
alumnos, para nao haver na mesma deJorioes, e
o melhodo de ensino empregado do Ilustrado
'Sr. Dr. Abilio Cesar Borg-s, o qual nao admitte
Ro ensino o infamante castigo de palrmoadas e
sim coaselhos e castigos moraes, que promovem o
oto e a emulacao pelo estudo s enancas. O
professor de instruccao primaria ser o director,
f o de graramattea portuguea o Sr. professor pu-
blico Miguel Archanjo Mindello.
No mesmo collegjo lecdona-se gratuitamente a
vinte alumnos pobres das 6 horas da urda as 9 da
noite, as seguintes materias : grammalica portu-
guea, arithmetiea. geomeiris plana, primelras
letras e a fallar a liagua fraoceza.
Os alumnrs que se matricularem este mez s
principiarlo a pagar do dia 2 do mez vindouro
etn diante.
flecifo 14 dejulhodel870.
Joaquim Teixeira Peixoto Filho,
Director.
O abaixo assiguado avi-a ao respeitavel pu-
Itlico que ni) contrate negocio de qualidade algu-
ma com D. Alexandrina Marinho Falcao, e san ma-
rido Bellarmino Bezerra Pereira Bringuer, porque
tem nso-fructo em qoanto viva. O abaixo assigna-
do protesta contra qualquer negocio, visto ser in-
teressado.
Jos Antonio da Silva Acciolv.
Pede-se aos senhores abaixo declarados que se
dignem vir ra Nova n. 46, loja de fazendas,
alm do tratar de ultimar o negocio que nao ig-
noran :
Joao Hypolito de Meira Lima.
Joo Francisco Hemelerio Portella.
Joo Francisco Paes Brrelo.
Jos Egidio Ferreira.
Jos Patricio de Castro.
Jos Vieira de Oliveira Maciel.
Jos Joaquim de Aguiar.
Baziano de Uagalhes Castro.
iuilherme Rodrigues itreckenfell.
Manoel Candido Pereira de Lyra.
50^000.
Furtaram do dia 5 a 6 do corrente do engepho
Giqni, freguezia da Escada nm carallo russo,
grande, castrado, serrado de baixo, cauda apa-
rada, clinas grandes, cabe$a pelada por ter jido
sangue, bem feito t gordo, anda a pago e galope,
e de sella ; gratika-se a quem o pegar e levar
aa dito ongaoho eom aquantia cima.
D. Maria Brgida da Silva Dubouroq, seus fl-
lhos, ora e genros, convidam aos prente? e ami-
gos do fallecido S. A. Dutiourcq para assislirem
a missa de rquiem e memento que mandam ce-
librar pelo reponso eterno da alma do mesmo
lecido, no dia 18 do corrente as 9 horas da
manha, na igreja matriz de S. Frei psdro Gon-
<;alves ; e esperan) que se dinrao assistir a este
acto de caridade e religiao. ________
ATTENCAO
m
Precisa-ae de ama .unllier estrangoira que saiba
<3gomiijir,e para o safvico iat :rno de urna casa
iDglej4*B pouca famia : a tratar na ra da Cruz
a. 38, armazem.
fll
bem aceitamos encommendas de quadros histri-
cos.
Assegnramos qne os precos dos diversos tra-
balhos da nossa casa sao mu rasoaveis.
CARTOES DE VISITA NAO COLORIDOS A IOjJOO A
DUZIA
cartoes de visita com o colordo ao natd-
i;al16#j00adi;za
Retratos em miniatura oleo ou aquarella de
16 20J00D cada um, indo oonveaientemente en-
caixilhado era moldura dourada e regulando o
busto da pessoa retratada de 3 4 pollegadas e
todo o quadro palmo emeio de tamanho.
Jolgamos que bastarlo os precos cima para
darmos idea di barale.-a dos trabalhos do nosso
establecimento, quanto sua perfeicao cada um
venha julgar por seus proprios olhos.
As melhores horas para se tirarem retratos no
nosso estabelecimeoto sao das 8 hor^s.da manha
1 da tarde; entretanto de urna hora s 5 da larde
era casos especiaes pde-se tambem retratar qual-
quer pessoa.
Nos das de ebuva, ou por terapo sombro po-
demos retratar, e asseguramos que esses das sao
os mals favoraveis aos -abalhos de photographia
pela docura e persistencia da luz, e ptr termos o
nosso terrafi construido com taes proporcoes, e
melhoramentis, que ainda chovendo jorros ne-
nhum inconveniente ha para fazer-se bellos re-
tratos.
J.F,rreira Villela.
in irrrra
urna casa no V;radooro da cidade de Olada,nro-
pria para hotel par ter eommodoa at para doo
bilhares : na ra do Amotina n. 33 6e dir
atnga.
__________________. _______________
Em asa de THEGBOHO CHBJSTl
\NSEN, rna da Grai i. i%, eneontranv*
;fle bordeara, Boorgogne edo Rheno.
DE
Gatlo ...*?' 9L 77-RUA DA B((PERAT ZX. 77
Esrorce-se muifo embora o facultativa labprfso,
e"mpregpein-se as reacedes mai3 fortes contra
qualqnor affeecid, e ludo ser baldado, infructfe-
ro, e at omminoso seioseo8ib)nados pharnaoeu.
ticos nao forera acryjolidos, e oriundos dos medi-
camentos mais novos e.puroS.
Se a pthologn, a materia medica sao odous
contribnintes para amompta eiUBC(b' dos pade-
cimentes mrbidos, se do seu peYfetfo oaheciraen-
to depende a vida as menores como mais graves
enfermldadc?, a pTirexa do medicamento, a -sua
for^a real e prampta aceio xpelindb todadnvida
sobro sna efflcacidide, em veedosar a ultima so-
licitude a tomar o mais seguro garante da vida.
Esta pharmacia paro isso emprega lode o zelo, j mos a
OGBANDB PURIFieDOR DO SANGUE f
Esta exceente admiravel medicina, e
preparada d'om naaneira a mais scientfl-
ca por Chimieos e droguistas mui doutos
d'uma iustrucco prftfioda, tendo tido
ios annos de expenfcoflia ao par d'uma
ga e laboriosa pratfa?
A sna composieao nao cwisiste d'um sim-
ple extracto d'um s artigo; mas sim,
esrTkWaCcascE^Tbffi^Siihtla fr>;
errf etffr's molesta aJqas -teenf
e^Swit^tes^^IvtgtltScham-
se por usa tal' forma- mmbiaadi i ponto
de consrvarem erd tba a snafelta, otn-
rativo epeal le viripd<\ que cnia um de
per1 si {tsne.' A v& da pTantaf-(te Sarsa-
parrilha, prodnzida na* Honduras, a que
'nos usamos nesta prepara?3o, sendo a qua-
,h"dade que todos os mdicos mais prezam
e estimam. Na composico da Sftsa-
parrllha de BrlstoF entra mais de 50
por cento desj| eentra4E) (tracto. Ella
nao ehcerra sa por leve sw, perigosaou ^niuriosa i
sadeje tanto a'eat, come esa quasi. to-
dos os mais respetas, et! inteiramante
diversa de todas essas maw prepararse,
s.quaes dewixo do nome de Salsaparr-
ilia, sao aceondiaooadas ou postas em gari
rafas- Pequeas, sendo rcettada em doees
mu diminutas d'umlj colher de cha por
cada vi. Nos pelo contrario engarraSi-
Frederco
Tem a boira da) seieetifter ao respeta*
vei publico a* feral, e aos seos cliente*
em particular|oe\eale mudoo e seu gabij
'" consDltai da nw DlraKa n. 12 para
leimado n. 94 primeiro andar, con
i pelo pateo di Pedro II, onde p-
ocurado pare ot misteres de sua
, todos os dia* uteis das 9 horas
ila s 3 da tarde,
inbem previne, que contina a prestar-
se a vontadj; dos clientes nao s na cidade
coepo nos um suburbios, para ende as
idas serSo precedidas de ajuste. Elle ga-
Jan^ bo desempenbo e a perBico de
seus trabalhos, o ^ue j bem conhecido,
fiesta cono as qjmmodidades doa preces.
Predsa-se de M aaulner naeioeal oq es-
trangeara, qne saiba engommar cora asseio e tra-
tar de dees meninos da m anuos: ptga se bem.
A eueft eoBvier, pode dirijir-se ra da Aurora
n. 24.
Mhetes garantidos.
i mPrtaefro de Mar$o outr'ora do Cres-
po n. 23 e casas do costme.
J&&& a "^ ^P*0* bilhetes ganan
tidbs da f parte das loteras,beneficio daSm-
ta Casa de Misericordia ((J4rt, qne s extrahw*
no primeiro da depois da sabida tf) paquete in-
gles que se espera da Europa.
PREOJflL,
Bnete inteiro 10*000
Meio bllhetc 5*000
Quiote 2*000
Em por cao de 100*000 para cima.
i V Bilhete ioiiro 9*000
Meio bilhete 4*500
Quinto 1*800
" ManoeJ Jartins Fima.
npl nwmmi vr
Anafea de ebegar livraria ranceza
REVOLTA DO
naaaasaai aaiaaiaft
DICTADURA MILITAR
UNIO IBFJJKA
Bina
que tem todas as habilitaedes
ce-se para administrar qualnolr en-
aesmo-sewfe para- fora da prevmeia :
quem precisar annnncie para ser procurado.
Gabinete Portugus
deLeitwa,
Asseasbla eral
De ordem do lllm. Sr.. presidente, eonVido ao*
Srs. socios ffcotivos a rennirem-sa en aswaobt*
onarta-feira 20 do corrapte pelas Abora datar-
de, para de confurmidade com os estatom pro>
dar se a eleccao do novo conselho detitentiva a
eommisso de exame de contas.
Secretaria, 17 de julho da 1370.
Secretario,
J. f. Foiceca.
Iroianddade das Almas o Recife
Nao se tendo ainda realisado a permuta
do terreno da casa incendiada n. 66 da ra
da Cruz do Uecife, a mesa regedora convida
de novo o pretendientes da mesme, para
mandaren) snas propostes em carta fechada
aojuiz da irmandade at o da 21 do cor-
rete mez.
0 escrivao.
Manoel Jos dos Santos.
AMA
Precisa-se da urna ama para cozlnhar para casa
de hornera soiteiro : na ra da Praia n. 29, ta-
berna.
Precisa-se ainda de ura criado, na ra do
Imperadar n. 57, 2o andar, entrada pela ponte 7
de setembro.
MARTIMOS
E
COHTTRAFOfiO.
A Companhia Indemmsadora, estahetecids
testa praca, toma seguros martimos soba
avios e seos carregamentos e contra fog(
an edificios, mercadorias e mobilias: i
Ta do Vigarion. 4, pavimento ter eo.
Alnga-se o sotao do obrado da ra de Hor-
ias n. 48 : trata-se no 1 andar.
Aluga-se o sobrado n. 21 sito a ra de S. Pe
dro Martyr de Olinda : a tratar na ruado Impera
dor n. 50. 3 andar.
Precisa se de> urna ama de leite ; no Corre-
dor do Hispo n. 13.
Prerisa-se alujar ura escravo que seja He,
e sadio : a tratar na ra dos Pescadores n. U
padaria.
Armazem
Preeisa-se alugar um armaem as seguintei
mas : Commersio, Cruz, Cadeia :, a tratar na roa
do Commercio n. 4o.
Precwa-se de urna esorava que saiba cozi-
nkar e fazer compras : a tratar na ra da Cadeia
do Recite n. i.
mandando vir seas medicamentos dos principae
lornecedores de Pars, Londres, Hambtrrgo, Lisboa
e America ; tendo tambem grande sorlimento de
productos chiralcos, pnarmaceuticos, tintas, pio-
ceis e teda a qualidade de drogas, e preparados
especiaes desta pharmacia.
Avia receitas com pericia e promptidao, at as
10 horas da noite, attendendo a qualquer receita
e a qualquer hora tambem da noite, por um pos-
tigo, e s abrindo a porta a fregnezes conhecidos.
Avista disto convidamos es moradores da fre-
guezia da Boa-vista e ao publico em geral a con-
correrem ao nosso estabeleciejente, que nos en-
contrarlo sempre promptos a satisfaze-lo? por
menos daz por cento db que em outra qnalqner
parte. *
Abaixo transorevemo6 alguns artigos ltima-
mente chegados :
Agua injleza de Lisboa.
Dita de Vichy natural.
Dita de Seltz natural.
Apsucar ferruginoso de Chanteand.
Chsoolate de musgo de Meoier.
Dito de vermfugo.
Chocolate bomenpathieo.
Cloroformio de Minier.
Capsulas de Basquln.
Ditas de oleo de ligado de bacalho.
Ditas de oleo de figado de cupaiba.
Ditas de oleo de lujado de cupahiba e cnbebas.
Ditas de oleo de Sgallo da cupahiba, cubebas e
ferro.
Carvao de Bclloc.
Cnpaine mege.
Cupaine mege e fenu
Drages de cupah b. h bismutb de Fortn.
Dito de Hermes mineral.
Dito de H;rmes mineral prateado.
Dismamadciras finas.
Dismamadeiras entre-finas.
Elveir de Guher.
Extracto de carne de 1* qualidade.
Granulas de a -onitiua.
Ditas de .gitaliua.
Ditas de St) el mina.
Injecco de Cadet.
Dita de rtrageg de matica.
Licon-ante-rheumatico de Bicord.
Moscas de milho rancezas.
Oleo de tigado de bacalho ferruginoso de Cbevier.
Dito de dito de dito mdado ferruginoso do Dr.
Delattre.
Dito de dito de dito dito Persone.
Paslilli.is d Umitina.
Ditas de Detan clorato de pQtassa.
Ditas de Viehy.
Ditas de Seve de Pinho.
Ditas de carvo de Belloc.
Ditas peitoraes de Requault.
Pilulan de naf.
Ditas peiteraes anteasmathicas de Pancary.
Pos do cilrato de magnesia de Roggi.
Perchlorureto de ferro liquido.
Rob de Boy-veau Lafecteur.
Sacharureto de oleo de ligado de bacalho.
Sabonetes sulfocozos.
Ditos de afeatrae.
Cigarros ante-asmathicos de diferentes autores.
Sinapi.-iios preparados de Bigollo.
Sulfato de Ia qualidade.
Vinho de Pepsina de Bandoult
Dito de quina e ferro de Moitur.
Dito de Betune.
Xarope ant-asmaihico de Paracary.
Diio hypophosphistii de soda.
Dito hyposulphilo de soda.
Dito Rbano iodado.
Dito Naf.
Dito de alcatrao ferruginoso.
Dito depurativo de Chabb.
Dito de quina ferruginoso de Ribelon.
Dito de dita dito de Grimoult.
Dito de agrian do Para iodado.
Dito biodureto iodnrado de Gibert.
Dito Codeme Beilh.
Dito de casca de laranja amarga de La-Rose.
Dito de dita dita iodurado de La Ro
Dito d dita dita e quacia com pratae idnreto de
ferro de La-Rose.
P*eearas6et.
Emplastro de jurubeba.
filulas simples e ferrugij
UnguentG simples.
Vinho- simple e ferruginoso.
Xarope simples e ferruginoso.
SAbSAi&fliVIA UE BB1STOL
em frascos granates, e assim por este modo,
di^dlnios com os cwisundom, xo grande
prtAiite e vahtagem klcancado por aquees
que acoiidiciOnam 'sna preparaero em gar-
rafas pequeas. Cada um do9 frascos da
nossa Nalsaparrba de Bristol
oonteem a messa quaatidade igual i porcao
contida naquellas garrafas pequeas, e alm
disso, possue anda muito mais forca e
virtude medicinal do que. aquella, que por;
ventara se- possa aciwr contida dentro de
seis garrafas de pequeo, tamanho. Por-
lanto mui natural, que aquellos, que se
acham oocupados em preparar e vender as
suas produc$5es, em garrafas pequeas,
murmurem e gritem contra os nossos fras-
cos grandes proclamando, que a nossa Sal-
saparriHia le Bristai no possue a
menor virtude; porm quo effectivamen-
te so elles postos em sileno, quando indi-
aamos, ou simplesmente referimo-nos para
com essas centenares de certldoes e tes-
temunhos authenticos, por nos recebidos
de todas as classes da sociedade, nos quaes
plenamente attestam o poder curativo e vir-
tudes maravilhosas da nossa.
SALSAPARRILHA DE BRISTOL.
A vantagem de termos os nossos pro-
prios gentes naquelles lugares aonde as
differentes raizes, drogas, hervas, e plan-
tas de que se compoem as nossas medicinas,
sao producidas, 6 que nos habilita exer-
cer aquelle constante cuidado e disvello na
minuciosa escolba; e o que assegura e ga-
rante uniformidade de excellencia.
Em quanto que, por outro lado, nos nao
nos poupamos nem ditiheiro, nem a dili-
gencias ; afim de alcancarmos o melhor
e nicamente o melhorde cada um artigo
ou ingridiente que entra na sua composi-
co; prMS( leva nnpenetrados da
mais firme e persuasiva confianza; que po-
demos atentamente dizer aos doentes de to-
das as nacoes, e de todos os paizes, que na
Walsapairillia de Lristol. possuem
um remedio mais cfficaz e seguro ; do que
nenhum outro, que vos teoha sido offere-
cido at hoje, e o; qual por certo nao hade
mallograr vossas expectativas, ha prompta
e eflfectiva cura das segundes enfennidades:
3 c/j
re 2.2 isaB-
3 3-2.00 %
a a -S__
m tn C o ^
Si -
es-
^ .. O"
.1
p s
re o
5p
o -i cr
-i o
3 = S. re
p.2S,a
tV g-2 re
re -^ Tt -
p
CASA CA0VIR8 iuher.
errugiposa.
Escrfulas,
Chagas antigs,
Ulceras,
i
Feridas Ulcerosas,
Tinha.
Sypliilis.ouMal Ve-
nreo
Humores Escrofu-
losos,
Irregularidades do
Sexo
Feminino,
Nervosidade,
Debilidade Geral,
Febra e Malignas e
Febre e Sezes
Biliosas,
Tumores
Abscessos Apostemas,
Erupcoes,
Herpes,
Salsagem
Impigens,
Lepra, febres intermitientes c remitientes,
hydropesia e ictericia, etc., etc.
Ontro-sim, acbar-se-ha, que para o b\)m
resultado eperfeito curativo de todas aquel-
las enfermidades cima apontadas o adia'n-
tamento da cura, grandemente promovi-
do e apressurado: usando s ao meano
tempo das nossas mui valiosa ptalas
vegetaes asHisearadas de Brlstol.
tomadas em'doses moderadas em connec-
'co ou conjunctamentecoma Salsaparrilha;
ellas fazem remover e expellir grandes
Pliatmaceuiioo privilegiado
succesfjor-
Soulevard. Sebastopol, GG PARS.
NOVAS ESPECIALIDADES A. MAfllf-ER
Apreseutadas a Academia da Sckneias e ao Instituto de Fnum.
I,! JFrnfl S<* a foImi ds ^ilh, iexeOb c (Ideada pan.
Preventiva e curtva i KOLEoIAS CO^TACiOSAS.
L\ JECTOR-PHILTafi' S5 l^3S'
iiraiuuiuu I 11 ii,i uu graves ncouvtiiieaie de rpaglli^
ESTOJOS
Com
J.fJ' c '^ Vfilamp di- um Porte-Hoe**
cora.\do roso in.\ txuesto.
COLLYRIO Contra ;\s piTeecoi* das palpebras
pre|irado sob a niciina fua. *
BARTHOLOMEO & C
Depositarios geral para c IUIAS11. e BMJRTLGAt.
3 i, ra larga do Kosario. PKRNA^IliUCCX
CASA CAUVEAIA- harier, ph"ksust*-*
Boulvrrl Sebastopol, S3. PAIRIS*.
NOVAS'ESPEC1AL.IDADES A. MAR.NIER
Aprosuutadus i Academia de Sciencias e ao lusiituto de I r
IN.IPnfAn S"* forma de-Pwiilh, devwf:, e dacaidi rara feserde-
IIIU LUUNU momento urna iMiierao BBEVEHX1VA t CDEATIA d^i
MOLESTIAS CONTAGIOSAS
COLLYRIO
BARTHOLOMEO C
IMCTOB-PnlLTROd0 lr *. %&?*
Graves inconvenientes de fro^iliaade.
COTA IrtC Coa 'orn,a- *'" *HnM de mn Pnrte-Motd roatettft
COlUJUo toiiu i.:.\i.\.\j;xro.
Contra as uffeccois das palpebras, preparado sob a mtssina forma.
Depositarios geral para o BRAKIL c POIITI'GAjL
34, ra larga do Rosario. PililXAMiiTJCO.
[da roa largf
fiosario.
__ CABUGA
Est! mpq^tapt estabeleciinento no seu genero, tem genere na sortmento sem igua|i! esquina
UBIa TWtW nMAAAB HUA TiATtVlTlTWO Mll-KO AABA l^do VMi<]#. 'I '
.*% n .i*e %
esquina
e ve^e.tMr "pre9os jue nentoima v^ v^m, w^ ^m ,
f A vista da qualidade e do pre$o das jqiw cada um poder-se-ha convencer da cerdada.da ** larg*d
Oarante-se ser tudo de lei.
vados.
A' loja egt aborta at tt'f horas da umte.
Compra-se ourq^prata e pedras finas por preoos nito ele- Bosario.


Diario de Pernamfeuco Seg unda feira 8 de Julho de 1*37^
o
5z
5

Este antigo estabelecimento, acha-se hoje montado n'maa
escala de poder servir vantajosamente os seus fregueses, atten-
to o granie sortimento de joias d'ouro, prata e brillantes, que
sempre tem e recebem mensalmente das principaes fabricas da
Europa- cujos presos sao em competiveis e as obras garantidas
de lei. '
HOREIRA IHJATE .
PHARMACIA CEBTRAL
Ra do Imperador n. 38
Xarope de lactucario d'Aubergier, e de,
thery decid d'AUbaflie rcommemjados,]
como cateantes para os casos, era que se'
nS pode osar do opio e de seus prepara-
dos, e ara! convenientes para as enancas
nos espasmos e corrvulsoes.
PHAfilAGA CENTRA! RUA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Preparados d'alcatro era capsulas, licor,
e xarope,ferruginoso.
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA^
DOR N. 38.
, Pillas de Vallet.
Pillas de Blancard.
Plalas de Bland.
Xarope'forrnginoso de Blancard. u'
Confortes de lactato de ferro.
Pflulas de carbonato de ferro, laclado de
ferro, iodureto de ferro com magaezia.
Ferro de Queverme*
Assocar ferragiooso.
jmmwm
CA CENTRAHtUA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Yinho e xarope de pepsina e diarthare,
exceHente tnico para auxiliar as digestSes
difficeis nos casos de debilidade do esto-
mago
09 O OJ o -1'
S8aS,.T SB 3 35
b a ^2
CIO 0
a, ~j os
3 ; sl g 3
o CrS-oS

NI0F1NA
----------
b Rl1!fJ<:i
5o
Sg.a.SS.'lS.Se
B
n> o O
?! w
63.
a
"~
w f c
B
o*
.2.3 g o-
C
s? -, O f g 5
n* o g
c o* o 3
"O
20
o
OS
*oQ o o "
C r- ^ O /r,
g 3. 8
D a o s >
si. S'g-'S o
ti
en
?s 1:111
e sg-o
" N P O B
O Jl b
00 BJ
O

6*
O
e
e


es
P-
Roga-se o IUra.Sr. Ignacio V.eira de Mello, es-
3riTao na eiitade deNaiareih flesU provioeii, o
,'avor de vira ra do Imperador n. 18 a oncluir
' aquelle oegocio que Y. & se comprometleu rea-
sar, pela tercena chamad deste jornal, em flns.
de dezembro prximo passado, e depos para ja-
neiro, passoa a fevereiro e abril, e nala enrapno,
i e por este motivo de novo chamado para dito
fim ; pois V. S. se deve lembrar que este negocio
de mais de oito anoos, e quanao o senhor su
fllho se acbava no estndo nest cidade.
l
Criada
Precisass de ma criada lirreou escraya,
que saiba bem cgemmar e tratar do servlco in-
rnoile vm#m+ pw fa^U* ;*Jf*
llansuinho, caaaoova dos Srs Csrpinteiros, on
aotaes d'alfandee velho. 2 eacriptorio, paga-1
BMMIniM
TONDADO PELO DB. SABINO
HOJE DIRIGIDO 9
PELO
- DR. SANTOS MELLO. m
* 43-Rna Nova a.43
O Dr. Santos Mello de volta da Babia,
continua a ser encontrado todos os das
das tOhoras ao meio dia para consultas.
Chamados a qualquer hora do da oa,
da noute.
Gratis aos pobres.
43-^Rna Nova n. 43.
lllliliill
The Liverpool & Lon-
on & Globe Insu-
rance Company.
CompaDbia ingleza de seguros contra-fogo,
estabelecida em 1839.
Capital fundos de reserva
RS. 35.386:3NO*.
Os agentes desta companLia tomara segaros so-
bre propriedades, gneros e fazendas armazenadas.
mobilias, etc., etc., e esl3o igualmente autorisados
a aldarem aqui quaesquer reclamares.
Sannders Brothers & C,
AMA
Preciarse de urna ana para aetH^o doatt
e fra de casa de pouea fooriba, prefer** sera-
va o paa-se bem agradando : na roa Velh*. nn-
me*o66.
PHARMACIA CENTRAL "RA D
DOR N. 38.
Agua hemostlialica de Lecbelle. mu re-
commendada em qualquer caso de hemor-
rbagia,, e principalmente na thysica polmo-
nar, e as hemorrhagias uterinas
Praga do Corpo Santo n. H.
Ama de leite
Gontiaua-se a precisar de nm ama de leu :
na rna larga da Rosario n. 14, segando andar.,
jomo botica do Pinto. ____________
Precisase de atojar para nina easa de pe-
qtfeea familia ni creada forra oa captiva, que
salba eotaaar e ngonvrrrar ; e de n criado
para comprar e fazer roai servieos de easa :
tratar na m do AmbtftMtl,;lt
O proprielano do-iA'ario do Mi de
Janeiro, faz publico, aue dp l dejyj|tf>
do correte anao em (fiante, os Srs. assig-
iantes q/wpwtm Wnsrnc n as as-
signaturas, terSo boadade demandar re^.
forma-las, on na c&te, no escrjpterio da
Diario, ou na casa commencial dos Sr.
Augusto F. dTOhveTra 4 C, em Pernanibo-
co, no Recife, ra do Commercio n. 42.
Recite t dejulhode 1870
Augusto F. (TOiiteira & C
D. Bernarda Joaquina Pinto Bandeira agradece
s pessoas que se dignaram acompanhar para o
lumulo a sua prezada neta Anua Regina Cavalcao-
ti de Albuquerque ; convida as mesaias pessoas
para asstirem ao seu funeral, qae teca logar no
da SI do cerrante, pelas 7 horas da manftea, no
convento do Carmo ; e desde j agradece aos aai-
gos que comparecerem para este lina.
P*

mm
mm
GUSTAVE
CABELLEIREIR FRANCEZ
51Ra da Cadeia do Eeeife51
Caama a attenco dos seus innomeros freguezes, t do respeitavel publico ea
^eral, para a segainte tabella dos preces de sua casa, os quaes s5o vinte por cent
mais barato io que em outra qaalqner parle:
Cahileiras para senboras a 55,
304, 35-3 e......405000
Ditas para hoiaem a 354, 405 e 50*000
Coques a 12& I5J, 18*, Mi,
254, 30,5 e.....505000
Crescentes a 125,155,184,205,
255, 305 e.....325000
Cacaos ou crespos a 35, 45, 55,
65,75, 85, 95 e. 40500S
Tranca de cabello para anael
500 e....... 15000
-Tranca para braceletes a 105,
155,205, 25 e.....305000
Cadeias para relogio a 55, 65,
75,85, 95, 25 e. ; 45500
Corte de cabello,..... 80t
Corte de cabello oom frcelo. 50
Corte de cabello com lavagem a
obampon...... 500
Corte de cabello com limpez da
cabeca pela machina elctri-
ca, uoica em Pernambuco. .
Frisado ingleza oa franceza.
i500t
501
251
Barba.........
ASIGNATURAS MENSAES
Es|>eciaidade de penteados para casamento
Bailes e olrea
O dono do estabelecimento previne s Recommenda-se a superior TINTURA JA
Eanas. ras. e aos cavalheiros qae haamjPONEZA para enegreoer os cabellos e b
*->4 j^- k^ii^b m horh9 me l;ba, nica admittida na Exposic3o Universal
alao para tintura des cabellos e baria,-as- ^ njQ prejudioia, gaJe) w 8er vo,
cim como m empregado smeate oceupa-; latil, analysada e approvada pelas aeade
o nese servico. i mas de setencias de PARS E LONDRES
Attenco
No.armazem de Mills Latiam & C, na
4lrai n. 38, ven lera-se saceos vasios.
-! AHENCO
-------i 'Preetsa-ge de orna ama forra ou escrava para q
(jaern precisar de uin Aomem idoso, de boni ^vico interno e enterno de peqaena amiHa : as
cosiumee e de capacidade para botar .sentido a rUi ,j0 aes 0 Capiharibe, casa aova com grade e
algua^sitio jierw desta praca: nesU typographia ^r^o de ferro ao lado ; e tambera se aluga urna
oegrinha ou rooteqoe, paga-se bem. ________
~~~~ Ama
Brecifa-se de ama ama forre oa escrava para
casa de familia : a tratar, na roa 4o Duque de
Canias n.r09.
se dir qnem .
O Or. Joao Mara Sevc, medico da amara
municipal desta cidade, avisa ao publico que se
acna enearrffrado do curativo dos pobres, poden-
do ser procurado para os misteres de sua profis-
sao todos es das das 9 as 11 aeras da maohaa, e
ra da Iraperatriz n. 36.
mam mmmmm mm
XAROPE PE1T0BAL DE RABO DE
TAT'
CONTRA A TOSSE
PLANTA DO BRASIL
Este xarope, de Sibor muitoagradavel,
empregado com constaotes resultados
contra as lo-ses antigs ou recentes, ea-'
tarrbos, bronehite ebronica hemoptise,
coqueluche, uffocacao, e em geral con-
tra todos os padecimentoe causados por
irritacao das vas respiratorias. O seu
uso eoovm igualmente para aliviar os
sorTrimeots causados pela phtisica.
nico deposito, pdarmacia de Joaquim
de Almeida Pinto, rna larga do Rosara m
n. 10, junta ao quartel de polica.
aHRII-Kfll HHBI
AMA.
Pr*ei8-se de urna ama para coiinhar em casa
de hornera eolteiro : a Iraur no Passeio Publico
iiumsrr 5i.
- Aluga-se urna preta escrava boa cozinheira:
a tratar na ra Duque de Casias fl- tt, antigado
MiwadJ, loja qe Cizendas.
Deseja-se fallar com o Sr. Clementino Fer-
reira Gomos jk negocia de eu interesse : ra do
Comaercio Arrenda-se
um terreno na travessada Traico, cercado e pre<
prio para plantar hortalizas ; qoem quker dirja-
se rna do Socetro n. 33
D, W. B0WM4IS
EMGEIHEIRO
Com fundiqo.
A RA DO BRUM N. 52.
Passmdo o i-haftriz
Macbinas i vapor svsiema melhorado.
Rodas d'agoa.
Moendas de canna.
Taixas de ferro batido e undido.
Rodas dentadas para moer cota agoa, va
por e acimaes.
E outros maitos objectos proprMS d'qgrl- coliura.
Tudo por preg.o muito reduzido.
Precisa se de nina boa e anejada eosinhei-
ra, na ra da Aurora n. 94 : qaem estiver oes-
us eoudicea d/rija-ae nesai para se tratar do
ajaste.
Os abanto assignados, propietarios do
muito acreditado estabelecimento sob a de-
nottfinacSo BAZA DA MODA scientificam
ao respeitavel publico, e com especia lidde
a seus innumeraveis freguezes, qae conhe-
cendo a necessidade de dar om acrescimo
a seu genero de negocio afim de melbor sa-
tisfazer sua imraensa freguezia, resolveram
fazer um melboraraento importante em seu
estabelecimento, metamorpboseando-o no
que pode haver de mais bello e agradavel.
Sendo
0 BAZAR DA MODA
um estabelecimento j tao conbecido d'esta
provincia, como das mais do imperio, onde
os compradores sempre tem encontrado o
<]ue ha de melbor e especial em artigos de
miudezas e perfumaras, conservando sem-
pre os proprietarios o systema de vender
por muito commodos precos. tendo para
esse fim recebido todas as mercadorias di-
rectamente da Europa onde tem peritos
correspondentes, e certos de serem sempre
preferidos cora animaco, esto resolvklos a
juntar ao genero de negocio existente um
importante e sublimado sortimento de ricas
fazendas para senboras e artigos da alta
moda de Pariz, onde o bello sexo com es-
pecialidade encontrar todos os adornos ne-
cessaros de que merecedor.
Conservando-se
Precisa-se de una ama para o servio inter-
no de urna casa de pequea familia, preferindo-se
escrava : na ra da Amizade n. 21, Capunga, ou
na ra do Vigario n. o. 3 andar. ______
PHARMACIA DENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Xarope de rbano iodado excellente com-
binaejio do iodo com o sueco de plantas
anti-scorbnticas.
Este xarope empregado com grande
soccorro contra as molestias da pelle, os
engorgitamentos escrofulosos, o rachitismo-
cachloroso.
Q vinho iodado de joly, e oleo iodado de
Personne, s3o recommendados para os mes-
mos casos, e encontram-se nesta pbarma-
cia.
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Variado sortimento de chocolate de ban-
nilha, salepo- arar uta, ferro, e de sade, da
acreditada oflicina de Menir.
Sabonetes d'alcatro, d'acido phenico, en-
xofre e camphora recommendados para as
molestias de peli como sarna, panos, em-
pingens etc., sendo o ultimo de muita ulili-
dade para o uzo do toilette, por preservar
a pelle de ser manchada das maculas, que
cos,tumam accomettel-a.
PHARMACI~CENTRAL"RA" DO IMPERA-
DOR N. 38.
Os melhores vermfugos para crianzas
Pastilhas de sanctonina.
Ditas de Kemp.
Oleo vernifugo.
Tudo de melbor qualid'de.
PHARMACIA: CENTRAL 'RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Variadissmo sortimento de fundas de
excellente qualidade.
FARMACIA CENTRAL
Rna do Imperador u. 3S.
Lamploughs Pyretic Saline.
A preparation of well known utelity to tbe En-
glish Faculty, as a cooling and refreshing beverage
in all cases f tVver. The frequent use'cf^is sa
line preserves foreigners from many disii-jes to
which they are leable before becoming acclima
tised. May be obtained at ihe Pharmacea Central,
jua do Imperador n. 38.
No armazem Novo Mundo, em frente a rna do
Vigario n. 2, vende-se ret das seguales qualida-
des e vinhos, por todos os vapores, sendo a reta-
Ibo e em grosso, a saber:
Rap G'sse-grosso.
Rap Gajsp-lino.
Rap Paulo Cordeiro.
Rap prineeu da Babia meio-grosso.
Rap princeza da Baha fino.
Rap popular da Babia.
AMA
Precisa-se de urna ama que engomme com pej
feQo ; a tratar na ra Nova, casa n. 22.
Ama.
Precisa-se de urna ama
bradon SO, 1* andar
na ra de Horras, so-
DESEJA-SE
Empregar um hoiaem portuguez de roeia idade,
nao escolhe arrnuaejio, e tem muita praiica de
negocio, tanto para esta cidade como para fra
della": a tratar na ra Nova n. 38:
LIAROS
LIVRARIA FRANCEZA
Rna do Crespo numero 9.
CosaInstrucgSo nacional, 8 encad. 4.
Homenagemi Camoes, 8* encad. .
Jozine Cdigo do processo criminal 6o edic, 2
vols. 8o encad. 8|.
Juizo do MundoRomance, 8 encad. 3.
feraldfsO papa re e o concilio, 8 encad. 75.
LifSes de um paii urna fllha sua (historia sagra-
da em verso), 2 vols., 12 encad. 4.
Luciano CordeiroLivro de critica cin <2 ensad.
4#000.
Mello MoranCurso de litleratura brasileira em
8 brocb. 3*.
PmoRoraaocetto por F. de Borja c Oliveira, em
i8*broch la.
Revista jurdicaFascculo do novembro dezem-
bro de 1869.
Saldanka Re volta dictadura militar nnio ibrica,
8" brneh. i 5.
SilvaTestamento do Fr.ide, 4" encad. 3 J.
Tacares da SilvaManual eoclesiaslico, 2* edicao,
em 8 encad. 8.
TeixeiraAocao de gracas pela victoria das armas
brasileiras em 12" broch. 300 rs.
DO IMPERADOR
PHARMCrA CENTRAL/rA
N. 38.
Pastilhas de balsamo de tol e de seiva
de pnbo roaritimo, para as affeccSes chro-
nicas dos pulmes.
Paitilbas de therydocio e louro cerejo
para as tosses agudas, e de carcter nervo-
so, e para os vmitos durante o periodo da
gravidez, e qualquer affecclo nervosa.
Pastilhas de bypopbospheto de cal mu
uteis na thysica pulmonar.
Pastilhas de angco naf, e de Regnault,
de hortela, pimenta, e de Viccley, de pe-
cacuanha e de Rermes.
Aluga-se o sobrado n. 18, na ra da Aurora
em Santo Amaro, reedificado e pintado de novo,
tendo exceiientes commodos para urna numerosa
familia, quartos para criados, urna grande baixa
com capim, em todas as estacSeg, para 4 cavallos,
cocheira, cavalharic, i e urna ptima centalla para
escravos : qaem a pretender dirija-se roa da
Aurora a. 24.
Qualquer proessur, que precisar de um aju-
dante para sua aula (do que tem bastante prati-
ca) uesta typographia se dir qaem .
i MICO.
PavilhaO de S. Isabel.
Joo Rodrigues, artista da eompa- S
nbia de D. Marcos Casali tendo-lhe sido g
concedido o dia (marta-feira (20 do cor- 2
rente) para seu beneficio e como Ice seja I
impossivel ot^eguir o que deseja, sem m
a generosa eoadjuvacao do respeitavel |
publico desta capital a qoem se conles- I
sa Bummaoaenle grato, peto bom ac ML
Ibmcnlo que at aqui tem tido. Por isso 5
Tai anda om apello ao mesmo, pro- 9
me tiendo o beneficiado esorcar-se o I
quanto pessivel me tr. afim de satisfazer 55
a todos quantos se dignarem fconra-lo S
com sua* respeiuveis preaencas. O be-
neficiad i offerece ao.pnbJico a maior
parte de seos tratoalbat todos seros V
ao mesmo tempo os demais artistas da
compaabia se esmerarlo nease dia em
fazer ce os trabamos o melbor pnssivet
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Cha purgativo de Chambard, excellente
laxativo, e religerante, que se pode usar
repetidas vez-s sem irritar osintestioos.
XAROPE HYPNOTICO DE CHLORAL.
Ochloral um agente tberapeulico recen-
temente experimentado, mas cujos benefi-
cios v5o sendo largamente aproveitados pe-
los pratcqs em quasi todas as affecces ner-
vosas, calmante e somnfero poderoso, tile
sempre empregado com vantagem nos
casos de dores nervosas intensas, e as de
insomnta, era que eUe produz um somno
calmo e profundo.
Elle recitramendado aas clicas, na cho-
rea, no ttano, nos partos laboriosos, na
clampria, as queimadoras extensas, nos
accessos agudos de gotta, na asthma, na
tosse convulsa, e era amitos outros casos,
DOSE.Daa8 a oito colheres de sopa
por cVia, conforme o effeito que o medico
qoer obter.
Encontra-se na Pharmacia CENTRAL ra
do Imperador n. 38.
VINHO DD QUIMNNO DE LABARRAQUE
Poderoso tnico hoje tao aeonselhado nos
gozos de |debilidade geral, e mui usado
como antifebril.
PHARMACIA-CENTRAL
N.
Precsa-sedaoma ama: para comprar eto-
linhar pan urna casa de pouea familia : na roa
Imperial n. 130, casa can porfi de tern ao
RA
38.
D9 IMPERABOP.
Vende-se tabelas onmpararativas de pre-
ces de metros corados e vice-versa, mos-
trano primafaet o valor de ^Mlquer
fazenda, em relacSo is mencionadas medi-
das reciprocamente: em casa de Laacbar
Crua do Crespn. 9.
Afciga se um magnifico sobrado de um an-
dar e mirante, sito na na da Aurora em Santo
Amaro n. id, e reedifleado de novo, com mnitos
e exceiientes commodos para familia; tendo mais
muito3 quartas para criados, e um linio quintal
todo arborisida a pessoa e;ue o preteoter, pode
din>r-ge a rna da Aurora n 24.________ _____
- Precisase alagar una escrava para ediiohar
euptmmir : na roa do Crespo n. 23.
TINTURARA franceza
S55-Rua da Impeiatriz-55
Tinge, lava, limpa, lustra e achamalo-
a tase, com a maior perfeicao,. fazendas em
I pecas e em obras de todas as qualidades;
I como sejam : seda, laa, algodo, linho, g
chapeos de feltro e de palha etc. etc. imj
Tira-se noioas e limna-se a secco sem W
| molhar os tecidos, conservando assim to- |
g do "o brilho da fazenda. Kg
m Tintura preta as terreas e sextas fei- J
mras- B
Precisa-se para o Ro Grande do Norte de tres
amassadores porluguezes : a tratar com Tasso Ir-
ruaos & C, ra do Auiorim n. 37.
Na travessa ta roa
das Crozes n, % pri-
meiro andar, da-se di-
nhelro sobre penhores
de ouro, prata e briDian-
tos, soja qual foraqnan-
tia. Na mesina casa com-
pram-se os niesmos rae-
taes e pedras.
Precisa-se fallar com o Sr. Jos de Barros
Accoly a negocio de seu interesse : na praca do
Corpo Santo n. 17, 1 andar.________________
i Precisa-se de urna ama para engommar: na
juada Crurn. II, 2o andar
Formas de ferro
para purgar assucar, ainda existem algumas, :
recebe-se encommenda para maior quantidade e
na ra da Cadeia n. 4, armazem de S. Barroca.
I HOMEOPATHR |
Dr. Casanova pode ser procurado a 2B
8 qualquer hora em seu consultorio espe- {
g cal homeopathico, no largo da matriz de SK.
9 Santo Antonio n. 2. Neste consultorio U
tem sempre sortimenlos dos acreditados jg
a medicamentos de homeopathia de Weber gg
_ t Catellan em tinturas, e em glbulos, e *5g
SI ludo quanto necessario para as pe^oas 5
M| que seguem este svsiema.
Os pobres foram sempre e continuam 5
a ser tratados gratuitamente.
Precisa-se alugar um preta escrava
que saiba cosinbar: tratar na ra Nova
n. 50, i" andar; ___________________
Furtaram do engenbo Munbequinha no dia
deS. Pedro, 29 de junho do carrente anno, um
quarto ruco de vermelbo, grande, secco do corpo,
carnudo, aluda novo, inteiro, com dnas feridas de
cangalha as costellas. a pontinha da erelha es-
querda aparada por dente de ontro cavalie, com
3arca de raladura as juntas das maos, e o ferro
C mal queimado em ambas as pernas : quem
I souber notieia del le dirija-se ao- engenho cima
dito, a tratar com Manuel Carneiro Leo, que ser
recompensado.
~PAJL CHAUVIN
Mechanico conhecido ha 10 annos nesta cidade,
partecipa ao publico que tendo dissolvido amiga-
velmente a soeiedade que tinha com o ten cunha-
do Carlee Piuyn contina a se achar a sua dispo-
sicao para o qae diz respeito a abertura de bur-
ras, machinas de costuras, armas, techadoras, col
locacao de camnaohinhas e lodo qualquer concer-
no : praga do Conde d'Ea n. 24, ourtu-* da Boa-
Vista______________'____________________
Agencia em rematobuco
Do Dr. Ayer
Petoral de Cereja
Cura a phtbyfca e (odas as molestias do peito
aiaa parrllha
aira.uicera eehagas antigs, impigense dar-
tros.
Toalro
Conserva e limpa os cabellos.
rilnlaA cathartlcas.
Puranamie vegetaes e sem mercurio, cura se-
i6es, cur.%m e purificam todo o yttenu numapo
Veadene enVetJvameito eti casa oe SaaaeiF
bastn 4- C, ra da Sanitlia ffova n. a.
Hotel do ilooieiro
Precisare de nm bom cozinheiro.
COMPRAS.
0 muzeo de joias
Na roa do Cabug n. 4 compra-se ouro, prau
pedras preciosas por precos mais vantajosoa do
jue em outra qualquer parte._______________
Uompram-se
Moedas de onro e de prata de todas as naces :
ra da Cadeia do Recife n. 58, loja de azulejo,
ua
Compra se urna casa terrea boa, situada ero
Santo ADtonio ou Boa-vista : na ra da Florenti-
na n. 6._____________,___________________
Compra-se urna casa terrea, na freguezia de
Santo Antonio : tratar no arco da Conceicao nu-
mero 6.
Oom muito maior vantagem compram-se
ouro, prata e pedras preciosas e u obras velhas: na
loja de joias do Coracao de Ouro a. 2 D, ra do
Cabug.____________________
Jornaes para embrulho
Compram-se jornaes : na fabrica a vapor de ci-
garros, na amiga ra do quartel de oolicia nume-
ro 21.
VENDAS.
Grande armazem do Costa jun-
to a ivpographia do Diaria
n. \t
Manieiga ingleza muita lina, dita fran-
ceza.
Queijos flamengos, ditos de minas, ditos
de prato. ,
Cha de diversas qualidades.
Gaf de Moca e de outras qualidades.
Ameixas francezas em latas e frascos.
Marmellada dos melhores fabricantes.
Licores Japona e de outros autores mais
acreditados, maceas, presuntos, chouri-
Cas. salpicos em Barril e latas de 4 libras,
e outros muitos gneros viudos no ultimo
vapor, de especial qualidade por mdico
preco no novo armazem do Costa.
Saceos de estopa
Vendem-se ptimos saceos de estopa, proprio
para assucar, milho, farinha etc.: no armazem de
Adamsnn, Howie & C, rna do Commereio n, 40.
Vende >n no an azern de Robert Ligbtbo^n
& C, ra da Cadeia n. 32, fto e barbante de todas
as qualidades, coi es e grossuras, em grandes ou
pequeas porgues, estopas de. todas as qualidades
e larguris.
Grande pechlncha
A' RA DO CRESPO N. 25.
PECAS DE BRAMANTE FINO com 7
varas.* de urna largura, de 145 a 2?.
PECAS DE CAMBRAIA TRANSPA-
RENTE a 3*000.
ALGODOSINHO com 18 jardas a
2*1)00 h 33 a pega.
CHITA FRANCEZA de todas as quali-
dades a 240 e 280 n covado.
CHALES DE MERINO' LISOS de todas
as core: a 2*800.
Na ra do Crespo n. 23, loja de Manoel
Dias Xavier.
MACHIMA
PARA COSTURA.
Vende-se urna com pouco nso, de laeadeira, o
nitlliur si>lema conhecido, serve para tildas as cos-
turas de cambraia at cobro ; o dono incunibe-e
de ir aos domingos eusinar a pessoa que a com-
prar.
Muito barato
Pai
Pecas de algodao c
a do Cabug n. 10.
Para acabar
com 18 jardas por 2*800 : na>
Pechincha
Vendase dous bois e dous carros, tudo em fcoo>
estado : no caes do Ramos n. 20-. ______
Pechincha
Aleodao, peca de 18 jardas, a 2*90, para liqui-
dar *M rua doQneiniado n. 1, loja do Campar.
"^Tvde-se urna uberna 1a ru de S. Miguel
D 68 n povoacio da freguezia dos Afogads, coro
pneos fundos, serve para qualquer principiante,,
o dono dir porque razao a vende.
_ Vende-se ou aluga-;e urna canoa nava, lod;i
encavilhada de cobw, que pega 400 felxw de ca-
pim : para ver e tratar na camoda dos Reaaadios-
cam o capitao Delflro.___________________
" Parlaba e mmmioc*.
A* melbor qualidade e mais barata do que era
ouvaqnalquer parte : vendem Amarai, Moreira
t, ao caes da alfandega n. 7.
Estampilkas.
Vende-se aa rua da Cadeia do Recife u. 38, loja
de azulejo.


Diario de Pernambuco Segunda eira 18 de Julho de
18^0.
Ai) MSPEIMEL PUBLICO
tan ^00r8D P( limarles, cdramerciante destapn&i acaba decenduir
ooaog seas negocios eornmercaes e 'desovo abre o* seas eslabelecimentos de rateadas
S'!u u *** foaperatriz, cotn a deoomioacoes de Garibaldi e Arara, e tendo resol-
v Hquidar ttdas as suas fazendas com grande abatimento de precos, por sso co-
uda ao respeitavel publico e a seos amigos e freguezes, tanto da praca como do matto.
para flies lembrar de novo o seu esurbelecirm>nto, e que todas as azendas estSo
reunidas na loja e armatem da Arara na ra da Imperatrw n. 72. e que resoke'u-se
vender, a armacao da loja Garbaldi, para ficar smente eetn a da Arara, coa cima
ficadito. :sr?V;wa
" 'w.

'^Miaaa
como
Attenpo.
nhoras, fazenda muto modernas a 440 rs.
o cpvado.
Brllhantloa mi nmsgnlina de cr
Vende-se brilhantina ou raussuKna de
cor para vestidos a 440 o covade.
M3CAD0S FRACEZES A 360.
Vende-se riscados francezes para vestidos
a 360 rs. o covado.
Chitas larga a 3O.
Veade-se chitas escuras finas das largas
para vestidos de senhoras, a 320 o covado.
Ditas matisadas escoras a 280 o covado,
ALPAGAS LISAS A 500,
Vende-se alpacas lisas para vestidos de
senhoras a 300 e 640 rs. o covado.
LiAZINHAS TRASPARENTES A 5oO RS.
Vende-se lasiubas transparentes, para
vestidos a 800 rs., ditas tapadas a 400 rs.
..covado para liquidar.
ALPAGAS DE LISTAS A 500 RS.
Vende-se alpacas" d* listas, para vestidos
a 500 rs o cavado.
BRILHANTINA BRANCA A 800 RS.
Vende-se brilhantina branca pira vestidos
a 500 rs, o cavado.
ALPACAS MATISADAS A 6'40.
Vende-se alpacas matisadas para vestidos
de senhora a 640 rs. o covado.
CORTINADOS PARA JANELLAS 60000.
Vende-se cortinados para janellas a 60000
o par para liquidar.
SEDAS DE CORES 1)5(000.
Vende-se sedas para vestidos a 1^000 o
covado.
CORTINADOS PARA CAMA A 14,5(000.
Vende-se cortinados para cama a 14^000.
GOLLINHAS PAKA SENHORA 100.
Vende-se urna grande porcSo de gollinhas
para senhoras e meninas, a 100 e 200 rs.
cada urna pan liquidar.
CHITAS PARA COBERTAS 320.
Vende-se chitas largas para coberta a
320 e 360 rs, o covado.
MANGUITOS E GOLLAS 500.
Vende-se manguitos e gollinhas para se-
nhora a 500 is. ditas da linbo a 640 e 800
rs: cada urna.
CHALES ESTAMPADOS 20000.
Vende-se chales de merino estampados a
20000 para liquidar.
CAMBRAIAS VICTORIAS 60000.
Vende-se cambraias Victorias finas a
6^000 60500 e 70000, por ser liquidarlo.
ALPACAS COM PALMAS DE SEDA A10000.
Vende-se alpacas com palmas de seda para
vestidos de senhora a 10000 o covado.
CORTES DE CHITAS DE CORES A 20400.
Vende-se cortes de chitas de cores com
lOcovados a 500.
CHALES BRANCOS DE CASSA A 10000
CADA UM.
Vwdjeecht4 francesas a 240, 280, 320 COBERTAS CHINE2AS DE CHITA A 20000.
wlJDOTiBialoja do Arara. Vende-se urna grande porcSo de cober-
OftGANDYS DE LISTA DE CORES. tas de chitas cbinezas para cama pelo barato
Vene-se organdys pira vestidos de se- presso de 20000 cada urna.
Vende-se na loja do Arara 3'batcoes para
qualquer estabBiecimento por barato presso
por nao se precisar d'elles no estabeleci-
mento.
RETALHOSD CHITAS PRETAS E CASSAS
A 120 O COVADO.
Vende-se urna grande porco de reta-
lhos de chitas e cssas pretas a 120 rs. o
covado para liquidar.
COBERTORES DE ALGODAO A10400'
Venderse cobertores da algodSo cada um
10100.
RRAMANTE DE LINHO FINO A BARATO
PRESSO.
Algodio (raneado de duas lar-
guras lSOO
Vende-se algod5o transado de duas" lar-
guras a 10200.
MXDAPOLO ENFESTADO A 35500.
Vndese pecas de madapolo de 12jar-
das a 30500 a peca.
ALGODO A 40000.
Vende-se pe? -s de algodio encorpado a
40, 50,60 e 70000 a peca.
Hadapole a 500.
Vende-se pecas de madapolo de 24 jar-
das a 50 60 e 60500, dito muito fino a 70,
80 90 e 100 a peca para liquidar.
ALGODAO DE 8 PALMOS DE LARGO.
Vende-se algodio com oito palmos do
largura proprio para lences e toalhas a 900
rs, o metro.
ALGODO DE LISTA A 160 RS. O COVADO.
Vende-se algodio de lista proprios para
saias ou vestidos para escravas ou calcas e
carnizas para escravos por ser muito forte a
160 rs, o covado para liquidar.
Cortes de castor para cales a
500 rs.
Vndese cortes de castor para calca a
500 rs cada um.
CORTES DE BR1M PARA CALCA A 10400.
Vende-se cortes de brim de cor para
calca a 10400 cada um.
Brim pardo liso a .0O rs.
Vende-se brim pardo liso.meio tinao para
calcas para trabalbo a 500 rs, o metro.
Ciaagas para calca a 280 rs.
Vende-se gangas inglesas paca calcas e
patitots a 280 rs. o covado- para liquidar.
CORTES DE CASIMIRA DE COR A 30500.
Vende-se cortes de casemira de cor para
calca a 30500 cada um.
Ditos mu o finos com listas do lado a 50.
PERCALAS FIN\S A 440.
Vende-se percaas finas, para vestidos de
senhoras a 440 rs. o covedo.
Cassas fra-eczas a 55-*.
Vende-se cassas francezas para vestidos
a 240 rs. o covado.
oncuuur at
publico em
ultimamen
gwal, e en boa freguezia, da immensidae de .
te tem recebtdo, justamentePquando ella menos o pode fazer e porque essa falta invo-
luntaria ella confia e espera na benevolencia de todos que lh'a attenderSo e relevarlo,
continuando portento a dirigiren>se a bem conhecida leja da AGUIA BRANCA roa do
(jneimado n. 8, onde sempre achario abundancia em sortimento de snperioridade em
qualidades, modicidade em precos e o seo nunca desmenttido AGRADO E SINCERDADE.
Do que cima fica dito se cohece que o tempo de que a AGUIA BRANCi pode
dispr, empregado apezar de seos costos no desempenno de bem servir a aquellos que a
honram procurando prover-se em dita loja do que necessitem, entretanto sem enhorne-
rar os qbjectos que por sua natoreza sio mais conhecidos ali, ella resumidamente indi-
car aqeees cuja importancia, elegancia e oovidade os tornam recommendaveis, como
bem seja
IiO*fA
DO
911
1H (MI I. J.
/
rame de ferro galvanisado era rede para cercas, gaiola?, gallnheiros etc.
Cifam de ferro galvanizado par.i eobrir casas.
Tachos de ferro estanhado para engenhos.
Cofres do ferro de Milner e oulros autores.
Chumbo em caoo.
Dito em lenc^l. '
Dito em barra?.
Dito em enxaas.
Estanho em !>arra e vergaioha.
Forba de Flandres.
Arados americanos para ladeira e vanea.
Carr'mhos de mo. ,
Venezianas para janellas.
Machinas M descarocsr algodo de facao.
Ditas de sena.
Dii*< pwa cortar famo. ,
Dita* > vapor de forca de 3 cavallos e motores para 2 cavallos, para mover as
machinas de algodao.
fjadeiras de (erro.
Oima* de ferro.
rVeaiat para copiar cartas.
Balanivt* para |K'sar.
Oleo do Irffhaca em latas de ferro.
TrtJliosde rf para enpeolios
Bombas americana-. \
Macacos de e-livar.
Balancas ^ nest decimaes e outras.
Foftes de patente.
Enxofre.
Salitre.
Estopa larga c de boa qualtfade.
Picaretas para caminhos de ferro.
Um grande sortimento de ferragens e entilara.
m
Cortes de seda e de cambraia bordados ^
O Cysne ra da hnperatriz n. 64 acaba de recetor lindos e modernos corles de i
vestidos de eda, pretos e de core?, lisos e matisados ; asim como cortes de cambraia
braneos todos ricamente bordados, os quaes vende por commodos precos.
Laa para bordar a 5^500!
Acaba de receber m grande e variado sortimeuto de laa, qual vende a 5300
libra, cores sortidas.
Fitas e galoes de seda
de trancas, franjas e galSes de seds, e
Recebeu tarobem nm lindo sortimento de trancas, franjas e galSes de seda, e OT
variado sortimento de fitas de sarja, setim e chamalote de todas as cores e larguras, e
um sem numero de artigos proprio de dito estabelecim-mto.
m
I
GRANDES NOVIDADES
'NA
LOJA DO TRIUMPHO
PARA SENHORAS. Ricas poupeoas de padroes lindsimos, e gosto nevo.
Cambr*ias brancas bordadas para vestidos. Poil d'chevre de lindos padrSes por
barato preco de 530rs. o covado. v
Grande sortimento de I2as e alpacas de 320 rs. a l^UtOO o covado.
Saias bordadas, ditas lisas j eitas com barra de cor.
PARA MENINAS. Ricos vestidinhos de fosUio enfeitados braneos e de cor.
Vestuarios de fusto para meninos.
PARA H.MENS. Camisas ingiezas e francezas, de linho bordadas e de pregas,
com coilariobo e sem elle, ditas bordadas para noivas. Chapeos de sol de cabo de
marfim e de canna etc etc., luvas de Jouvin para senhoras.
Grande sortiment > de cortinados para- camas e janellas. Croxs para sota e ca-
Odiraa de braco e guarnicio. Tapetes para sof e cama, para pianos e portas.
Colxas de croch pera cama de noivas. Tapetes em pesia para forro de salas.
O nico e especial sortimenios das verdadeiras ESTEIRAS DA INDIA, su existe na
Loja do Triumpho.
Eua Duque e Qazias n. 7,
Corpinhos de cambraia, primorosamente
enfeitados com fitas de setim e obras essas
coja novidade de molde e perfeicSo de ador-
nos os tornam apreciados.
Fitas mni largas de diversas cores e qua-
lidades para cintos.
Leques uesse objecto muito se poderia
dizer querendo descreve-los minuciosamente
por suas qualidades, coree e desenhos, tal
o grande e variado sortimento que acaba
de chegar, mas para n5o massar o pretn-
deme se lhe apreseoter o que poder de
melhor.
Entremeios em pecas de 12 tiras.
Guipure branco e preto de diversas qua-
lidades e desenhos.
Ditos de algodSo com flores e lisos.
Capellas brancas para meninas.
Grandes sortimento de flores finas.
Fil de seda, preto.
PERFUMARA
Grande e constante sortimento de dita,
sempre melhor quajidade.
Lindos vasos com p de arroz e pinsel,
Caixinhas com ditos aromticos.
Bonitos e modernos pentes doorados
para circular o coque.
Bonitos brincos de plaquee.
Aderecos e brincos de madreperolr.
Caivetes finos para abrir lates.
Thesooras para frisar babadinhos.
Aspas para balSo.
Novos stereoscopos com 48 vistas, as
quaes sio movidas por um machinismo
Veos de seda para chapelinas e monte-lumas sobstuem a outras
na.
Meias de seda para noivas.
Ditas abertes de fio de Escossia.
Costomes ou uniformes para meninos.
Enxovaes completos para baptisados.
Touqoinhas de fil, sapatinhos bordados
e meis para ditos.
Camisinhas bordada* para ditos.
Vistas para stereoscopos. .
Bonitas caixinhas de vidro enfeitados com
pedras.
Ditas de madeira envernisada com vispo-
ras e com dminos,
Bollas de borracha para brinquedo de
criancas.
Diversos objectos de porcelana, proprios
para enfeites de mesa e de lapinhas.
SORTIMENTO COMPLETO
AUHAZEMS
NOS GRANDES
DE SKCCOS
E
TIOI.IIAlHftS
CONSERVATIVO
N, 23Largo do Ter^o.N. 23.
S1MA0 DOS SANTOS ft C.
PROGRESSO
10
10
Pateo da Penha
DE
SANTOS & FERR IRA
Os proprietarios destes bem sortidos armazens participara aos seus innmeros
freguezes tanto desta praca como do matto que tendo feito grande diminuirlo de pro-
cos as suas mercadorias est3o por isso resolvidos a vender por menos de tO e 20 i0,
do que eo. outra qualquer parte, garantindo-se portento a s-iperior qoalidade de qual-
quer genero comprado nestes dous estabelecimentos. Mencionamos alguns dos nossos
gneros e a viste destes sao comprehendidos os ootros, porque enfadonho seria men-
cina-los.
Se alguem duvidar venha ver.
Gaz americano marca Deves a 8(5800
3" a garr(lfa *|litr, 380 rs. a garrafa e 560 o litro.
Azeite doce de Lisboa a 900 e 10000 a
garrafa em porco faz-se grande abatimen-
to.
Caf em caroco a 220, 240 e 2^0, a li-
bra o kilogrammo a 480, 540 e 600, e
70000, 7)J5G0 e 8800 arroba.
Milho alpista 200 rs. a libra e 440 o ki
logramma e 5800 a arroba, em porco ha
abatimento.
Queijos frescos do ultimo vapor a 30200
e 30400 cada um.
Vinagre branco mandado vir por conta
propna vindo de Lisboa, a
480 o litro.
dem tinto Figueira, Lisboa e Porto a
320,280, 240 e 200 rs. a garrafa, e 480 300
rs. o litro.
Vinho Figueira, Lisboa, Porto e Estreito
a 560, 500 480 e 400 a garrafa litro a 840'
760, 720 e 600.
Vinho branco puro de Lisboa a 610 560
a garrafa, em porco ha abatimento.
Vinho do Porto, engarrafado das melho-
res e maisacretadas marcas a 10000 e 10200
10500 e 20 a garrafa.
dem Bordeaux, Medoc. e St. Julien a
70500 e 60500, a duzia e 640 rs. a garafa.
Genebra de Hollanda e laranja doce aro-
mtica a 60500, 70, 110500, a rasqueira.
Serveja Bass, Illers & Bell a 90800 du-
zia em purto ha grande abatimento.
dem marca II e T e outras marcas a
50500 e 60, a duzia e 500 rs. a garrafa.
Assim como ha ootros moitos
Aletria, macarro, telharim a 500 rs. a
libra e 10100 o kilogrammo em caixo ha
abtimento.
Sabao massa de l1 e 2a qoalidade a 220
e 240 rs. a libra em caixa ha abatimento
Toucinho de Lisboa muito alto a 400 rs.
a libra e 880 o kiiogrammo, em arroba ha
grande differenca.
gneros, vinho em ancoretes, azeitonas,
passas e figos, charutos finos de diversas marcas, marmelada, bolachinhas de todas as
qualid-ides, perola, Francy-cracjnel, a, b, c, Mdium, mixed, soda Fancy-nic-nac, pa-
lace de Varietes, combination, Britenia, doce de goiaba fina, choun'cas, manteigas finas
franceza e ingleza, banha de Baltimor, phosphoros de Sycuryt, Cognac, cha de diver-
sas qualidades, Canella, pimenta do reino, ervadoce, pomada, enxofre, breu, peixe
em latas de todas as qualidades, farinha de mith'o americana, grandes molhos de sebol-
las, nestes dous armazens existe tambem grande sortimento de loucas proprias para ne-
gocio, que pelos seos commodos preco faz vantegem aos compradores.
BiZAR AClDElCO
DE
ULYSSES & IRMflO
13 Eua da emperatriz 13
Os propietarios deste bem coahecido e a creditedo estabelecimento avisao aos
seo i numerosos freguezes tanto deste praca como de fora, e especialmente ao ilustrado
corpo ACADMICO, que este estabelecimento acba-se sempre bem prvido de todos os
artigo; de >eu gneros abaixo mencionados e que vendemos por mdicos precos, tanto
ivarejo como por atacado para negocio, para o que se podem derigir por carta a nossa
casa que sero saptisfactoriamente servidos.
CHARUTOS
superiores de Havana, Hamburgo, Baha,
das acreditadas marcas Regala Britnica
Imperiaes &: do do Rio da bem conhecida
marca Opera e outras muitas feitas aqui de-
safamados Beberibe e outros que se vendem
em porcoes.
Cigarros
lepaib de S. Pauio, de 30500 a 70500,
o milheiro; verdadeiros do afamado Daniel
do Rioltovo, Maurity, Imperiaes Visconde
de Herval, Duque de Canas, Gandon etc:
de papel, de fumo de Daniel, General
Osorio, Conde d'Eu, aromticos, e peito-
raes, Rocambole, Radicaes, Acadmicos,
Macharasenba, Montevideo, Orientaos, Bae-
pendy e muitas outras qualidades.
FlflOH
Afamados de BAEPENDY em eaixoes de
20 libras a 10400 rs. a libra, em pacotes
120, e em porco 10500 dito em late de
qoarte a 640, e a 500 ris: dito Daniel do
Rio Novo, do para de S. Paulo, Caporal,
muitas outras qualidades.
FABRICA BE
VARIEDADES
PONTEIRAS de espuma finas para cha-
rutos e cigarros, completo sortimento.
CACHIMBOS de superior espuma, de ma-
deira (raz; de 30 at 3,500, ditos grandes
a 13,000, a duzia ditos finos diversas quali-
dades a varejo; dito p de gallinhas dos que'
ha no mercado a 2,800 e 3,200 a duzia;
ditos de iouca, gesso, barro, ete, etc.
BOLSAS para guardar fumo, de borracha'
e couro de diversos modelos e gosto?.
todos oa systemas para
CARTEIRAS de
cigarros.
PHOSPHOROS de cera, dos melhores que
ha, em caixas de 500 a 5,500 a duzia, em
caixas de 400 4,500 a doiia, em caixas
de 2,500 2,600 a duzia e muitas outras.
PAPEL de mHbo, de arroz, san-om, Per-
san, pintado, e palba de milho, de Fernando,
e papel de linho.
CIGARRO*.
Com promptidio apromptemos qnalquar-encommeoda dos afamados cigarros de seda,
Baependy, lineo, e de outras qualidades da nw testa
gupetofidane 6 iresbs cigarros, numerosa fregoezi de nosso tabelecimefito.
13Ra da Imperatriz13
GA1L0 VIGILANTE
Rna do Cresp* n. 9
Os propneurk lecido estabele-
cimeate, alem dos n. qtte tinhan ex^
postos a apreciacio do -ralpiuvet publico, man-
dacam vir e acabam de recoier pelolultimo vapor
da Europa um,completo e vanado ortimenio de
mas e moi delicadas especialidades, as quaes es-
li resolvidos a vender, como de seu costme,
por precos muito baratinhos e commodos para to-
dos, com tanto que o Gallo....
Muito superiores luvas fle pellica, pretas, brau-
cas e de mu lindas cores.
Mui boas e bonitas gollinbas e punhos para se-
nhora, neste genero o que ha de mais moderno.
Superiores pentes de tartaruga para coques.
Lindos e riquissimos enfeites para cabecas das
Exmas. senhoras.
Superiores trancas pretas e de cores com vidri-
Ibos e sem eiles; esta fazenda o qne pode haver
de melhor e mais bonito.
Saperiores e bonitos leques de madreperola,
marflm, sndalo e osso, sendo aquellos braneos
cora lindos desenhos, e estes pretos.
Mnito saperiores meias fio de Escossia para se-
nhoras, as quaes sempre se venderam por 30JOOC
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 205,
aim destas, temos tambem grande sortimento de
outras qualidades, entre as quaes algumas muito
finas.
Boas bengalas de superior canna da India e
castao Se marfim com lindas e encantadoras figu-
ras donesmo, neste genero o qne de melhor sa
pode desejar ; alm destar temos tambem grande
uantidade de oatras qualidades, como sejam.ma-
ein, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos chicotinhos de cadeia e
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as meias.
Boas meias de seda para senhora e para meni-
nas de 1 a 13 annos de idade.
Navalhas cabo de marfim e tartaruga para fazer
barba ; sao muito boas, e de mais a mais sao ga-
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa vez tam-
bem assegurams sua qnalidade e delicadeza.
Lindas e bellas capellas para noi va.
Saperiores agalhas para machina e para crox.
Linha muito boa de peso, frouxa, para encher
labyrintho.
Bons iaralhos de cartas para voltarete, assim
como os tontos para o mesmo fim.
Grande e variado sortimento das melhores per-
fumaras e dos melhores e mais conhecidos per-
fumistas. .
COLARES DE BOER.
Elctricos magnticos contra as convolsSes, e
fanlitam a denticao das innocentes criancas. So-
ntos desde muito recebedores destes prodigiosos
collares, e continuamos a recebe-los por todos os
vapores, afim de qne nunca faltem no mercado,
como j tem acontecido, assim pois podero aquel-
es que delJes precisarem, vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde sempre encontraro destes verda-
deiros collares, e os quaes attendendo-se ao fim
para qne sao applicados, se venderao com um mui
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista dos objectos que deixamos
declarados, aos nossos freguezes e amigos a virera
comprar por precos muito razoaveis loja do gallo
vigilante, roa do Crespo n. 7.
3 cordeiro previdento
Roa do Qnelmado n. 112.
Novo e variado sortimento de perfomari
finas, e ootros objectos.
Alm do completo sortimento de perfi
otarias, de'que electivamente est provida
loja do Cordeiro Providente, ella acaba d
receber um ootro sortimento qoe se torn
ootavel pela variedade de objectos, soperior
dade, qualidades e commodidades de pr
eos; assim, pois, o Cordeiro Providente pea
e espera continuar a merecer a apreciac
do respeitavel publico em geral e de se
boa freguezia em particular, nao se aaj
tan do ojie de sua bem conhecida mansids
e barateza. Em dita loja encontraro c
ipreciadores do bom:
Agua divina de E. Coodray.
Dita verdadeira de Murray A Lamman.
Dita de Cologne ingleza, americana, frai
ceza, todas dos melhores e mais acreditad;
fabricantes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toilet.
Elixir odontaigico para conservaco
sseio da bocea.
Cosmetiques de superior qoalidade e Cha
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, coi
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparenv
a outras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanos
francezes em frascos simples e enfeitados.
Essencia imperial do fino e agradavel chi
*o de violeta.
Outras concentradas e de churos igot.
mente finas e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de soperior qoalidad
com escolhidos cheiros, em frascos de difit
rentes temanhos.
Sabonetes em barras, maiores e menor*
para m5os.
Ditos transparentes, redondos e em figt
ras de meninos.
Ditos moito finos em caixinha para bartw
Caixinhas com bonitos sabonetes imitend
froctes.
Ditas de madeira invernisada contundo.'
as perfumaras, moito proprias para pn
lentes.
Ditas de papelo igualmente bonitas, tal
bem de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e
moldes novos e elegantes, com p de arre
noneca.
Opiata ingleza e franceza para dentec.
Pos de camphora e outras difireme
qualidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Kemp.
Alada mais coques.
Um ootro sortimento de coques de n<
vos e bonitos moldes com filete de vidriu
9 algqns d'elles ornados de flores e fita;
asteo todos expostos apreciacio de que"
os pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNHOS BORDADOS.
Obras de moito gosto e perfeicSo.
Flvellas e Ota para c!nto.
Bello e vanado sortimento de tees obj<
tos, ficando a boa escolba ao gosto do cot
prador.
Cabellos

M.
xiasn 21.
DO QEIMADO)
(AHTICA RU
Recabeua segu
E'pelhos gran
Carleiras, charut de muitas
quaJidades.
Bonitas pasUis para papis simples e matisadas.
Roas caixas vaias para costura cotn ana compe-
tente chave.
Delicadas canelas de marfim com o boca] de
prata.
M-)dernos pentes de tartaruga, sobresahindo en-
tre elles os mimosos iclegraphisias.
Couimodoi taucadores com duas gavetas e bem
espelbo.
Port bouquet, o que de melhor tem appare-
cido.
Purt relogios de muitas qualidades.
Bonstalheres para criancas.
Vostuarios, chapozinhos, toncas, sapatos e meias
para baptisados.
Toalhas e fronhas oe labyrinlbo.
Chapeos e chapelinas para senhora, moldes novos
e bonitos.
Chapozinhos goiros e bonets para meninos e
meninas.
OoDtra as convulsas oas
criancas
Vende-se os verdadeiros collares na Nova Espe-
ranja, rna do Duque de Caxias n. %t.
PARA TINGIll CABELLOS
para pretos ou castanhis, recebeu a Nova Espe-
ranea a verdadeira unta inplein.
PARA ACABAR COM AS SARDAS
ou pannos, tem a Nova Esperanca o verdadeiro
leite de rosas brancas.
AGUA DE FLOR DE LARANJA.
Vende-se na Nova Esperanca, ra do Duque de
Casias n. 21.
PAPEL PARA E.NFEITAR SE BOLOS
recebeu-os muito lindos a Nova Esperanca, ra
do Duque de Caxiss n. 21.
PARA AMACIAR E AFORMOSEAR A PELLE
tem a Nova Esperanca 'as sabonetes de pos de
arroz.
Rival sem segundo
RA DO DUQUE DE CAXIAS N. 40
Estoo disposto a continuar a vender todas
as miudzag pelos baratsimos precos abai-
xo declarados, garantindo ludo bom. e pre-
cos admirados.
Caixas com 20 cadernos papel pau-
tado a...... .
Caixas com 50 novellos de linha
do gaz a........
Duzias de meias cruas superioi
qualidadea....... 3#600
Pecas de babadinhos com 10 va-
ras a.........
Pegas de liras bordadascom 42
metros cada p.ca a 1,-5500 e.
Pecas de fitas para eos de qual-
quer largura com 10 varas a.
Escovas para unbasfazendd tina a
Ditas para dentes a 240, 320,
400 rs. e....., -
Pecas de tranca lisas, brancas e
de cores a.......
Caixinhas de madeira com alfine-
tes fazenda superior a. .
Duzia de linha frxa para borda-
dos a 400 rs. .....
Pares de meias cruas para me
nos diversos temanhos a.
Duzias de meias brancas muito
linas para senhora a. .
Pares de sapatos du tranca do
Porto........2000
700
400
BOO
20000
500
500
500
40
400
500
320
450O
Vendem-se cabellos de todas as cores, qualquer
comprimento, qualidade superior, em caixa ou
porco mais pequea
cife n. SI, 1 andar.
na ra da Cadeia do Re-
1]
I UVlil
De dia par; dia, mais doce.
De goiaba.
De laranja.
De banana.
Em caixSfes e latas.
Fino e baxo.
Caixdes grandes e pequeos.
Proprio para embarque.
. Vende se eonstaoteniente roa Direita n. 91,
taberna da Borgf?.________________________
-Farnha de mandioca
Na trapi'-he Bario do Limmento, ao largo da
asserabla, ha depositada superior farinha de man-
dioca para vender-se : trata-se no mermo trapiche
ou no largo do Corpo Santo n. C, 2* andar.
Pares de sapatos de tapete a. .
Livros de missa abreviados. .
Duzias de baralhos p;;ra voltarete
Sylabarios portugui'zes s. .
Cartoes com cohetes -2 carreras a
Atotoaduras para cotte diversas
qualidades.......
Caixas com penna de ac muito
boa de 320 a.....
Duzia de linha 200 jardas A lexan-
dre de 40 a 200 e, .
Caixas com superiores obreias a.
Duzia e agulha para machina a.
Libras de pregos francezes todos
os temanhos a......
Pacole de papel com 20 quader-
nos...........
Caixas de phosphoros seguranfi
muito superiores a .
Resma de papel pautado superior
Resma de papel liso moito supe-
rior a...........
Garrafa com agua Fluida verda-
deira a..........
Quaderno de papel liso amizade
Carreteis de linha de enes o,im
iOO jardas a........
15500
1,580 1
3,5000
400
20
400
506
10200
40
2,5000
240
400
400
40000
30600
i
10000
20
20
U VILLE i PARS.
20Ra da Imperatriz20^
Fari & Lesea.
Acaba de chegar a esta nossn nova loja ie fa-
zendas finas um variadt* sortimento'de fazendas de
laa e seda, como sejam : pranadines do ulUmo
gosto, pepelinas de urna s cor, alpacas e laazi-
nhas de cores, o que ha de mais moderno, tudo
por baratissimos preyos, brilhantinas de cores, te-
cidos das indias, fazenda nova a iinitacao de per-
calia,bal3esde dina fingudo saia de cor com lin-
das barras, fustOes proprios para vestioo e roupas
de meninos ; agora grandes e admlraveis pechin-
chas, saias brancas com lindos frisados a 3, ri-
cos corpinhos bordados muito finos a 6i,. baldes
modernos de arces a 2#, ricas colchas para cama
alcochoadas, sendo brancas e de cores, a 51, 6* e
lt, cambraia victoria lina a 5, ditas transp?ren-
tes a 5, 61 e 7 j,chitas finissimas escuras e claras
a !80, 300, 320 e 360 o covado, cavas de cores a
iO, lineo braneos de casfa a 2*300, ditos ch-
neles a 31500 a duzia, madapoln fino a 6 e
61500, e muitJ supericr a 71, 71WK) e 81, algo-
daozinhoiargo proprio para lences \ 61, panno
de al<)do branco trancada proprio para tuaihas
de mesa a 11600 a vara, mamante paia lences a
21000 e 34500. o que ha de melhor, esguiao fi-
nissimo a 2120 e 21500 a vara. Mandamos as
casas das Exmas. familias para melhor poderero
escolhcr. Tambem temos completo sojtimento de
perfumaras dos primeiros fabricantes francezes e
inglezes; as pessoas que se dignarem vir a esta
leja teraooccasiao de reconhecer realidade
que annuociamos para nos justificar._______
(Jo
Ferro gaivanisado
\>nde-se em caa de Adamson, Howie & C, na
ruado Cnmmcrcio n. 40, fulhas de ferro gaivani-
sado de 6. 7 e 8 pos de comprimento.
40$ 50$
e a
Ricos cheiros de casemira bordados a crox
matiz rna do Crespo n. 25, loja da esquina.
Farinha de mandioca de Santa
Cal harina.
Da superior, vinda pelo patacho ingle* Jtorty
Block j ha parte ensacada para eommodidade dos
compradores, e vende-se no* armazens de Ti sso
Irmaos & G., no caes do Apollo, e rna do Am rim
numero 37.
Venderse
Palitos do gaz a 310 rs. a dniia de caixinhas, ba-
rato : na ra do Bangel u. 39, taberna.
NIACANS

/
Chegados pelo nliimo vapnr: no armazf ni
Mando em frente ru\do Vi ari n. i. Veno
maiibaratt queem.oulr qualquer parte.


6
Diario de Fem*fl?aco Sveguncid feira 18 J Julho de 1870.

A VERMDE
Rna
de Caxiasn. 55
cabello, a
1,5000.
de
Duque
Na loja da VERDADE coottanua-se a ven-
er por baratissimos precos todos os arti-
gos de miudezas e perfumaras do sea
grande e variado sortimanto, garaando aos
compradores toda a sinceridade.
Lindas bonecas de cera e massa por ba-
ratissimo preco.
Espelbos doarados para pendurar a
160 rs.
Agulhas de osso para crox a 200 rs.
Peutes faos para segurar
320 rs.
Chamins para gaz a 320 rs.
Garrafa com tinta alizarine a
Dita com agua florida a 15500.
Dita com dita dita a 10010.
Tnico de Jayme a 15500 o frasco.
Frasco com oleo expresso de babosa,
240 a 640 rs.
Dito com agua de Colonia de 300 a 15000
Dito com extractos finos a 15000.
Dito com sndalo verdadeiro a 15200.
Latas com banha moito tina de 120 a
240^*5.
Sabonetes muito finos e diversas quali-
dades a 80,160, 240 e 320 rs.
Finas escovas para dentes de 320 e 500 rs.
Ditas para facto de 500, e 600 rs.
Ditas para cabello a 500 rs.
Pentes para alisar com costa de metal a
320 rs.
Ditos ditos ditos de bfalo a 240 e 320.
Pentes para tirar pielho de 160 e 240 rs.
Pavios para gaz, dazia a 240 e 320 rs.
Brincos de c6res, inteiramente modernos
de 160 e 240 rs.
Peonas caligrapbicas muito finas a 10400.
Ditas de lanca e mosinha a 800 rs.
Liados babadinhos e entremeios de 500
e 15500.
Grosas de 1>otes de louca de 160 e
200 rs.
Ditos ditos para calca a 240 rs.'
Gaixa com papel amizade a 700 rs.
Ditas com envelopss a 480 rs.
Ditas com obre i as a 40 rs.
Ditas com agulbas fondo doorado a
280 rs.
Thesoura para costara a 240 rs.
Linha de marca caixa a 280. rs.
Garriteis de linbas de Alexandre de n. 70
a 200 a 10 rs.g
Grampos muito finos, com passarinhos du-
ziaa 200 rs.
Cartas francezas para jogar duzia 35000
Ditas porluguezas, duzia 15400
Papel almaco superior qualidade resma
45000.
Lam muito fina para bordar libra 65500
Fitas para debrum de sapato, pessa 160 rs
Ditas de lam para debrum de vestido peca
400 rs.
Caivetes gnndes com molla a 400 rs.
Ditos grandes com 2 folhas por 320 rs.
Rosetas pretas para luto, o par 100 rs.
Trancas de lam de caracol branca e de
ci6s de 40 a 100 rs.
Fitas para cs, peca 480 rs.
Alfineics de lato, carta 100 rs.
Sapatinbos de lam para creanca de 400
a 800 rs.
Calcadeiras a 40 rs.
Gravatas de seda preta de 400 ef*8&TS.
Ditas de erse, brancas* de cores 500rs.
Dita de gorgorio de cores a 800 rs.
Ma Tardada m Duqae de Ca-
xlaa n. 56.
COM FA*IYII V
Maia Landelino vende ecos com farinha e
mandioca : na rna do Daqne de Caxtw, travessa
do Rosario, loja n. 18 B
LOUCA
Grande armazem na rna da
Imperatriz a. 6
Neste grande armazem vende-se lonca ingteza
flnaa e ordinarias, apparelhos de porcelana para
jantar e para cha, jarros para flore os maia boni-
tos e de gestos modernos; assim como grande
eortimento de vidros finos c ordinarios, que ludo
se vender tanto a retalho como por atacado peto
mais barato prego que era outra pualqaer parte :
chamamos a atteneao dos freguexes, qne serao
convenientemente servidos tanto nos eommodos
precos como na boa nnalidade das fazendas.
Grande estabelerimento de fazendas e roupas feitas e por medida, i roa da Im-
peratriz n. 52 jnnto a loja de ourfaes.
Neste estabelecimento encontrar o respeitavel publico um bonito sortimento de
roupas de todas as qoalidades.
Palitflt de alpaca preta e de cores a 35000, 35500 75000, ditos mirin preto
de 75000 at 255000. ditos de casemira de cores finas e ordinarias, de 65, 16500o,
ditos-de panno finos de 6 85 105 e 2' 5000. sobrecasaco dito de 205 a 505000
Completo sortimento de calcas de brim pardo de 15600 a 65000, ditas brancas
de 25, 105000 o mais superior, ditas meia casemira, ditas caemira de 55, 125000,
ditas casemira preta de 65, a 165000 superior, dita de merino divfirsas qualidades. para
luto. Assim como um bonito sortimento de colletes de brim de cores, ditos brancos,
ditos de casemira de cores e pretas, ditos de merino para luto fazenda superior.
Sortimento completo de camisas francezas de algodo* de 15800 35000, e de,
linhn de 380000 a 703000 a duzia ^^ Acabam de cbegar ao GRANDE BAZA
Sortimento completo de ceroulas francezas de algodo de 15600 a 25500, 'UNIVERSAL, ra Nova n. 22-^arneibo
dltasde bramante a 15800, 25500 e 35000 ditas de Hamburgo. franelas, fazenda so- i*.A-am< completo sorttmento de ma-
perior de 255000 a 355000 a duzia. Sortimento decolarmhos de algodo e linho, etc., chinas para c081"' ,dos aatores m^c-
assim como meias de algodo para hornera de 35. a 105000 a duzia; gravatas de mui- ; ***!<* as qoaes estao em wp^icao no
tas qualidades. Na roa da Imperatnz n. 52, loja do imesmo BaMr- **?*> a sua boa qaa-
M4CM4S PARA
COSTURA
no armazem de E. A- Burle & C. roa da
Croz n. 48 o segointe;
\nho.Bordeaiix superior qualidade, wt-
Cos de 75500 a 205000.
Cognac fino, differentes precos.
Licores de diflerentes qualidades e pr.
eos.
Frutas e conserva em frascos.
Azeite doce francez, em caixas de 12
garra fas._________________________
Faruha de mandioea
Acaba fle hafhr o brifrae brastleiro MUh>,
aoba ae funaado em frente do trapiehe d
Livramento, com farraha de mandioea nova, e boa,
de Santa Catharina, a granel on ensaccad a vw-
tade dos compradores : seus consignatarios Aa-
rin Irmioa k-^rai*CWtrnjC___________
Cemento
O verdadair portiaad. S se vende uraid
de Joao Martina de
Cigarros da imperial
fabrica de S. Joao
de Nictheroy.
nico deposito em Pernambuco caes da
dega velba n. S, 1* anda. ____
albo
Vidros para vidracas de lodos os tamaonos
e em caixas, vende Bartholomeu & C em sua
pbarmacia na rna larga do Rosario n. 94.
Sortimento de chapeos de sol de alpaca, e seda, ditos inglezes cabo de marfim. {*f. e ensina-se com perfejco | ^del)e0SD- armaiem
Toalbas para rosto** Sortimento_dePmallas para viagem.8 ,** ^S^LSSSS\-------------C^t
tal
Sortimento de mallas para viagem.
ATTENClO.
Neste estbeleeimento encarrega^e de mandar fazer qualqaer obra por medida reirs diariamente, e a sua perfeico e iai. VeBM ^ 0briowt francei emperiwta-
e para esse flm tem hbil mestre encarregado da oficina, que se encarrega do irabalho como da melhor costuretra de Pars. Apre-1 do: a tratar na rna da matm n. 28, toja. 1
com perfeico e pontualidade. i sentam-se trabalbos executados pelas mes | miss,M ata ^ e u.na arreca: nanu a
SORTIMENTO DE FAZENDAS. mas' .ae mmt0 devem agradar aos preten- Mondego n. 6t.
Chitas de 240 rs. o covado ou 405000 a pessa com 42 covados. ditas raiudes dentes.
m
Alta novidade
NA
Loja do paqo
Chegaram pelo nltimo vapor franeei as ricas
cbapelinas de palha de Italia, nltiroa novidade de
Pars, chapeos de velndo e palba tambera os te-
mos de muito gosto, postilhdes e basquinas de gor-
gurao preto muito superior com ricos 4acos de
setim : na rna 1* de Marco n. 7_A, lojado_pa5a_
Armazem dous irmos
8Ra da Peoha8
Manteiga Ingleza flor a 1^500 a libra, idem fran-
Cb miado e grosso superior a 3J200 e 3*000, ca-
f era earoco a 200 e 2'i0.
Vellas de spermacette a 640 a libra.
Aletria, talharim e macarrao a 400 a libra.
Vinho em pipa a 400 a garrafa, idem S. Juliem
a 600 rs.
Grandes latas com bokchinhas a 1*300. idem com
lagostinhos a 300. idem com figos a 1*000.
Copos lapidados a 5*100 a duzia, idem Idem de
contra a 2*600, idem temos com 6 "copos por
1*100; assim como mu tos outros objctos.
para camisas e tim3o de nwnmo 260. e280 rs.. e outras multas qualidades de 320, 360
e 400 rs. o covado, neste mesmoMtabelecimento chegaram, urnas bonitas chitas da
victoria com barra, a qnal para fdttos ecompetente enfeite para corpinho. Cam-
braia lisa de 35, 45, W e 1O560 a pessa, e outras muitas fawadis de todas as quali-
dades.
Officina e armazem de
maimore
i Caes
n. 57,
Farinha e mi'.ho.
No trapica Bario do Livramento existe boa fa-
rinha de mandioca e expeliente milho em saen
grandes : & traMr na ra do Vigario a. 10, f a-
ilar, escriptorio de Juaqaim Gerardo de Bana.
Vinte e doos de novembro
ALQODO 4 MADAPOLAO AVARIADO. (ootr'ora armazem allianca)
A 45009 .-.Utol. 4H0O omarbpol^e tabem chita scora ba 240 o ^g, ^ur^i T \t^?
covado por ter grande porco, na roa da Imperatnz n. S2, loja com portaes encarnaoos. mwih0S) Soleira9 e saccadas, assim como solei- No escriptorio da naqmm Geraldo da Bastas ;
' r\\\\T|IqHa a mm o Mm m A.. n>Jiu An I ioKn Trt.wKiirv nnn. I m. na An UnaaA i Jfi nrimairn andar aDika.au
Farinha de mandioca
da Baha.

LeSo de Ouro.
___________________
ras e saccadas de pedra de Lisboa. Tambero con- a ra do Vigario n. 16, primeiro andar, tenda-se
trau -se e taz-se qualquer obraj como monunen- farinna muito alvo, fina e tarrada, saceos de daos
* alqneires, por menos do que em outra qaalqner.
parte.____________________
tos, tmulos, estatuas, uias, lavatorios, mesas e
tudo o mais tendente mesma arte, por mdicos
pricos.
Farinha de mandioca
igual a de flurrbeca.
Em saceos de dous alnueires e de panno de
algodao, cuja medida corresponde de 5 a 8 0|O
mais do que a medida daqui e do Rio de Janeiro,
vende-se a preco menor do que em qualquer ou-
tra prtete : tratar com Joaquim Jos Goncal-
ves Beltrao, em seu escriptorio a ra do Commer-
cio n. 17._______________________________
Mais barato do que em outra qualquer
parte.
No porto da travessa dos Coelhos acha-se cons-
tantemente lijlo grosso e fino, tapamento, telbas,
e grande porcao de area, que se vedem a vontade
do comprador por menos preco de que em outra
qualquer parte ; assim como se encarregam de
f jrneccr matenaes para as obras, para o que h?
canoas e carrocas.
LOJA DOS ARCOS
Ra do Crespo n. 20 A.
. Alvaro Augusto d'Almeida $ C.
Este estabelecimento de fazendas Anas e grossas j bastante conhecido como
am dos mais be sorttfes desta cidade acaba de receber directamente de Paris alguns
irtigos especiaes que passa a mencionar.
Ricos corte* de vestMo de blond para casamentes.
Cortes do vestidos de seda de cor, de gostos inteiramente novos. k
Brochad, fazendas de 13a e seda propria para vestido.
Foulard de seda de todas as cores, tambem para vestidos.
Fitas largasr^de seda pera cintos, gostos escoceses e lisos.
Cbapelinas de seda e de palha d'Italia.
Basquinas de seda e guipare.
Clchesete seda e de 13a e seda.
Cortinados de cambraia bordados milito ricos.
Pannos de verdadeiro croch para jardineiras, sof e cadeiras.
Toalhas de linho de superior qualidade.
Bramantes, selicias. sguioes atoalhados.
Guardanapos, colchas, aaias bordadas camisas,
Cache-nez, bales, camieinhas, sombrinba.
Vende-se
Sementes n:vas de hortalices, garantidas, da sacie-
dade de Horticultura Lisbonense, ruado Amorim,
deposito da fabrica de cervejas e espiritas da ra
do Brnm.
m m GAZ
Chegon ao antigo deposito de Henry Porster
C, rna do Imperador, um carregamento de gaj
ds primeiraqualidadojoqual se vende em partida)
e a reialbo por menos preco do que em outra qual
qner parte-______________________________
Vende-se ura terreno proprio. cora 138 pal-
mos de frente e 160 de fundo, para o lado da es
trad de trro, cujo terreno tem afcerce feito pa-
ra cinco moradas de casa, na ra de Motoeolom-
b dos Afogados : a tratar na mesma ra, ou na
roa ireitn dos Afosados n. 13.
OURO,
Sahtdas de baile.
Cbegaram loja do paco as ricas sahidas de
baile, assim eomo os ricos enchovaes de cambraia
tornados para criancas se baplisarcni, artig) este
o melhor que ha no mercado, aSim como temos
grane sortimento de outras muitas fazendas de
posto e novidades pir todos os vapores : na loja
do paco rus de Marco n. 7 A.______ .
para frentes de
venda no arma-
Cantana 'Je Lisboa
Soleiras, hombreiras e espitis
casas, o que ha de melhor :
Madapoies de varias quaidades, saxos para viagem, maltas, tapetes, capa- zem da travessa do Corpo Santo n. 2o, de Joaquim
dios, alcatifas e muitos outros artigos que se vende por precos mdicos. Lopes Machado & c.-----------------------
Tem tambem constantemente um completo sortimento de ESTEIBAS D.yN- ^'^U^o^el^l Su!?
DA para forrar salas. Imperi'af n_ 23'3.
DO
DE
Ra do Imperador n.26
O respeitavel publico encontrar nesU
estabelecimento diariamente um complete
sortimento de pastelaria, bollos ingwzei
podins, p5ds-de!, prgsentos dos ultimo
chegados ao mercado, salame de lion, b-
nhos finos de todas as qualidades para cha,
amen loas confeitadas. confeitos, bomboins,
pastilbas, chocolate francez em libras, paa-
tilbas do mesmo .cartuxos e carteiras com
seis charutos de chocolate cada um, este
sortimento de chscolate do mais aorf ita-
do fabricante de Paris e o melhor qfte ate
hoje tem vindo ao mercado.
Vinhos portoguezes, figueira moito supe-
rior. Os mais genuinos e superiores vinbot
do Porto, moscatel e Setubal, o illostrao
publico encontrar neste estabelecBente
porcommodos precos, fazendo-se abatnen-
lo a quem comprar em porcao.
Os donos deste estabelecimecto bo m
tem poupado a despezas para melhor me-
recerem a acoadjavaco do Ilustrado pu-
blico.
60RA DA IMPERATRIZ
^^^ _____ DE ________
Neste grande estabelecimeoto encontrar o respeitavel publico, uu grande sortimento fle faendas,-lo mais apurado gosto assitn como de todas as de primsira necessidade que se ibes promette vender por precos muito mais baratos do qn
ara outra qualquer parte, visto que os novos socios desta firona adoptaram 0 systema de s vennderem I>IMII0 ; para poderem vender pelo costo, li citando-se apenas a ganharem o descont. As pessoas que negociam em menor escalla, nest Ini
e armazem podero fazer os seus sortimentos pelos mesmos precos qne compram as casas estrangeiras. Para maior commodidade das Exmas. familias, de todas as fazendas se dao os livros das amostras, ou se mandam levar emjsuas casas, para melbr..* .
CROCHE'S PARA CADEIRAS E SOFA'S. r GR0SDRNAPLE3 PHETOS DE 1600 AT 74000
0 Pav3o tem om grande sortimento dosj Na loja do Pavao encontra o respeitavel
mais bonitos crochs para cadeiras, sofs J publico um grande sortimento degrosde-
* ALTAS NOVIDADES
1 OO PAViO
XK. BONITAS FAZENDAS PARA A FES- 9$.
TA DE B
SANTO ANTONIO, S. JOAO E S. PEDRO.
VenJemse as mais lindas poupeli- w
as de linho e seda com os gostos p*
mais novos que tam vindo a este %k
mercado, pelo barato preco de.... $
2 Sedas listradas, de furta cftres, fa- q
zendas de muita phantasia a 2-3000 X
o covado. Jg
S-da bismark, larga fazenda muito w
encorpada o covado a 2#500. ^
Bonitas lasinhas largas com palma ^
de seda, covado a 13000,
Lindas agraciando lanadas covado
a 15600.
Alpacas lavradas de todas as co-
res, covado a 610, 800 e 1)5003
Bonitas I3asinhas escossezas com
quadros e litras de seda, covado a,
561.
Finas alpacas lisas, sendo cor bis-
mark lyrio, verde, roxo, cinza, can-
na, azul etc., covado a6i0.
Ditas furta cores com as mais bo-
nitas cores, covado 503 rs.
Lindas bareges lisas, e com lista
da nrisma cor, fazenda inteiramen-
te nova, covado a 560 e 6i0 rs.
Bonitas lasinhas tapadas e trans-
parentes com grande diversidad*, p
covado a 600 rs.
Lasinhas lustrosas com lindas co-
res emitaco de seda, o covado a
320.
Jndos cortes de anadine, sendo
f.izenda nova e transparente e de
muita phantasia, com 18 covados a
150000.
Finissimos crtes'de vestidos bran-
cos bordados com todos os enfeites
francezes a 124000.
Curtes de ganga indianos, fazenda
inteiramente nova a 7)5000'
Ditos chinezes com duas saias a
70000.
Ditos de la escosseza fazenda moi-
to b >nita com flos de seda a 70u0
Finitsimos organdys com lista de
cor e salpico, sendo fazenda de
mqita phaotasia, ojmetro 10*80.
Organdy branco com listras lar-
gas e quadrinhos, a vara a 10000.
Todas estas fazendas, sao inteira-
mente novas e se vendem muito em
conla, ra da Imperatriz n. 60,
luja e armazem de Silva e Figuei-
do G.
8
de 12^1000 rs. cada um, pechincha.
CASEMIRAS ESCOSSEZAS.
O Pavo tem boni:as casemiras escosse-
zas com quadros grados e midos e outras
lisas com listras ao lado, sendo fazendo
maito fina que se vende mais barato, por
haver grande porcao.
CORTES DE CASEMIRA PRETA A 4:500,
O Pavo tem os superiores cortes de ca-
semiras pretas enfeita las pelo oarato preco
de 40500 rs. o cort,
CASEMIRAS RASPADAS A 800 RS. 0 CO-
VADO.
0 Pavo ?ende escolente fazenda de pura
la com as cores escoras muito proprias
para caicas, palitots, colletes e roupa para
meninos que, frequuntam a escolla por ser
rima fazenda leve, escura e de muita dura-
Co, pechincha a 800 rs. o covado ou a
208(M) o corte de calca para homem.
FINAS BARGES A 640 RS. 0 -.OVADO.
O Pavo tem as mais lindas bareges de
la sendo meias transparentes, cora urna
s cor, tendo : lyrio, azul, rosa Bismarck,
roxo, etc., tendo muito boa largura e liqui-
da-se por 640 rs. o covado, por se ter fei-
to urna grande compra, assim como ditas
mais estreitas de urna s cor com listras
imitaco de seda a 560 rs. o covado, e pe-
chincha.
PECAS DE MADAPOLAO A 30500.
O Pavo vende pessas de muito bom
madapolo, tendo 12 jardas cada urna, pelo
barato preco de 30500.
P8CHINCHA EM ALGODAO A 4#000 RS.
O Pavo est vendendo pecas de algodo-
sinho francez, tendo 4 palmos de largura e
com 11 metros cada pefa, pelo barato pre-
de 40000 rs.
CERA DE CARNAUBA.
Vende-se superior cera d carnauba em
saccas, mais barato do que em outra qual-
quer parte, na ra da Imperatrfa n. 60,
loja do Pavo.
OS SETNSPO PAVO
Vende-se es mais bonitos sens de cores
e mais encorpados, proprios para vestidos
tendo de diversas cores.
mesas, almofadas etc., proprios para co-
brir presentes e vende-se mais barato do
qne em outra qualquer parte.
AlgodUo entestado.
Vende-se urna grande porcao de algodo
sinho americano com 8 palmos de largura,
naples pretos de todas as larguras e qua-
lidades, tendo de 10600 o covado at 70000
e 8000;), que se vende por preco muito
em conta.
CASSAS FRANGPZAS.
Chegaram para a loja do Pavo as mais
{lindas cassas francezas com delicados pa-
proprio para lences e toalhas, tendo liso e l r Umo Mos J,.
trancado, que se vende por preco moito em, dades> dando4 todas amJr3 iss]m 4como
I um Bonito sortimento das mais lindas chi-
tas francezas escuras e alegres, qne se ven-
dem moito em conta, e tambem se do
LAS ESCOSSEZAS
LAS ESCOSSEZAS
LAS ESCOSSEZAS
A 560 rs. o covado.
Chegou para a loja do Pavo, o mais
elegante sortimento das mais lindas lazi-
nhas escossezas com fios de seda, as quaes
fazem o mais delicado effeito, para vestidos
de duas satas, e vendem-se pelo baraiissi-
mo preco de 560 rs. o covado.
SEDAS DE LISTA
SEDAS D* LISTA
SEDAS DE LISTA
a 20000 o covado.
Cbegoa para a I ja do Pavo nm grande
e bonito sortimento das mais lindas sedas
de listas com as mais delicadas cores, tendo
entre ellas algumas que servem para luto, e
vendem-se pelo barato preco de 20000 o
covalo, pechincha.
FAZENDAS PARA LUTO NA LOJA PAVO
Encontra a respei-tavel pabfico neste es-
tabelecimento um grande sortimento de fa-
zendas pretas, como sejam cassas france-
zas e inglezas, chitas pretas de todas as
qualidades, fazendas de la de todas qne
tem vindo, proprias para luto, sendo lasi-
nhas alpacas lavradas e lisas, canto, bom
basinas, merinos, etc. qne tudo se vende
por preco barato.
PARA BAPT1SADOS
Na loja do Pavo vende-se bonitos en-
chovaes para baptisados.
Cortes de casemira a 40000, cada nm.
Vende-s bonitos cortes de casemiras
claras e escuras pelo barato preco de 40,
ou a 20400 o covado, tendo duas largaras.
CORTINADOS PARA CAMAS E JANELLAS
de 80, 100,120- e 160000.
Chegou para a loja do Pavlo am grande
sortimento dos bonitos e ricos cortinados
bordados, proprios para camas e janellas,
que se vendem de 80000 o par. at o mais
rico que vo'm ao mercado, e vehde-se mais
barato que em ootra qaalqner parte.
amstras.
CHITAS A 240RS.
Na loja do Pavo vendem-se bonitas chi-
tas francezas claras e escuras e cres'fixas
240 rs. o covado, e pechincha.
LASINHAS A 320.
LASINHAS A 320
LASINHAS A 320.
Na loja do Pavao vendem-se elegante sor-
timento das mais lindas lasinhas lustrosas,
com listrinhas a imitaco de poupelinas de
seda e com as cores mais lindas que tem
vindo ao mercado, sendo fazenda que vale
miito ra^is dinheiro, e liqaidam-se a 320
rs. o covado. pp-hincha,
EM CAMISAS DO PAVO A 40500 RS.
Vende-se om bonito sortimento de muito
inas e modernas camisas inglezas com pei-
to e coliarinhos de linbo e punhos, palo
baratissimo preco de 40500 rs. cada urna
e aos freguezes qne compraren] dozias se
Ibe far um abatimsnto, garantinde-se que
fazenda que vale muito mais dinheiro,
liquida-se por este preco por se ter feito
urna grande compra: assim como se vende
um bonito sortimento de ditas tambem com
ROUPAS PARA HOMENS PARA TODOS
OS PRECOS.
freste grande estabelicimento encontrar
o respeitavel publico um grande sortimento
de roupas, sendo palitos e sobrecasacos de
panne preto e cazemira, calcas e coletos de
ALPACAS LAVRADAS A 640, 80o
1,000 RES.
Chegou para este grande estabeHcimemo
o mais bonito sortimento das mais moder-
nas alpacas lavradas d9 todas as cores, qa*
se vendem a 10, 800 e 640 reis o covado.
brim branco e de cores, que tudo se vende assim como um grande sortimento de Id*
mais barato do que em outra qualquer parte;' cas lizas de todas as cores
assim como um grande sortimento de ca-
rnizas francezas e inglezas, e ceroulas tanto
de linho como de algodo e abundante sor-
timento de meias cruas.
VESTIDOS INDIANOS COM DUAS SAIAS.
0 Pavo vende urna grande porcao de
cortes de vestidos indianos, tendo duas
saias e tendo bastante fazenda, com os gos-
tos mais novos qu tem vindo., e liqaida-se
a 50000, tendo cada um seu competente
figurino.
CASEMIRAS MESCLADAS A 30 O COVADO
O Pavo tem para vender bonitas case-
miras mescladas e bastante en.*orpada para
roupa. de homens e meninos pelo haraio
preco de 30)O cada covado ou 50090 o
corte de calca para homem.
Roupa por medida.
Na loja do Pavo manda-se fazer qualqaer
Basquinas.
Chegaro as mais modernas basquina
ou jaquetinhas de seda preta, ricamente
enfeitadas a vidrilbo, tranca e setim preto
tendo de todos os modellos, os mais novot
i que tem chegado e vendem-se por preco
muito razoaveis.
POUPELINAS DE SEDA
POUPELINAS .DE SEDA
POUPELINAS DE SEDA
a 20000 o covado.
0 Pavo acaba de receber o mais ele-
gante sortimento das mais lindas verdad*-
ras poupelinas de linho e seda com os pa-
drees mais delicados que tem vindo ao mer-
cado, tendo entre ellas cores proprias para
alliviar luto, e vende-se pelo barato prec
de 20000 cada covado, pechincha.
Cambraias brancas
Vende-se um grande sortimento das sa-
ibores cambraias tanto victorias como tran**
peca de obra a vontade do freguez, para o parentes tendo de 30500 peca at a mai*
que tem um perito alfaiate, responsabehsan- fina oue vem ao mercado.
do-se os donos do estabelicimento por qual-
quer falta que possa haver, quer por de-
mora, quer por qualquer defeito na obra;
e para isto encentra o respeitavel publico
om grande sortimento de todas as fazendas
que desejar.
BRAMANTE A 1800.
Vende-se superior bramante com 10 pal-
CAMBRAIAS BRANCAS A 4*000, A PECA.
S o Pavo vende pecas de cambraia
branca transparente, tendo mais de vara de
largara, com 10 jardas cada peca, fazenda
que sempre se vendeu a 70 e 80000, liqui-
da-se pelo barato preco de 40900.
FTJSTES BRaNCOS A UQ, E 1000.
Vende-se muito bonitos fustes branco
muito flexivel proprios para vestido* d
veadfM*
um Doniio sommenio ue aiias lamDemcom mos da lar^nra nmnrio nara \mr dan- """^ UBX1VB1 pru"'" i^'-- ""*'
peito de linho bordadas e ditas de algodo ff. taSTd'efto ffi Eir^^M
par todos os preces. ment0 f0 lencol seDdo eciso para nM a t>40, 800 e */8 v*do-
PANNO PARA SAIAS A 10000, 10280 e
10600 RS.
Vende-se bonitas fazendas |proprias para
saias sendo com bordados e pregas a nm
lado, dando a largara da fazenda o compri-
mento da saia e vende-ee pelo barato preco
de 10000,10280 e 10600, cada metro sen-
do preciso apenas 3 ou 3 1/2 metros para
cada saia pechincha.
Vestidos brancas a 1 OO rs.
O Pavo vende finissimos cortes de ves-
tidos de cambraia tranca, ricamente borda-
das e com maita fazenda pelo barato preco
ana apenas 1 e 1/2 metros ou 1 e 1/4 pe-
chincha pelo preco.
ESPARTILHOS A 8#000.
Vende-se nm bonito sortimento dos me-
lhores e mais modernos ospartilhos tendo
do barato preco de 50000 at 8000.
Cacheuez.
Na loja do Pavo vende-se am grande
A loja do Pavao est constantemente aberta, das 6 horas da manha s 9 da ueste
cassas
0 Pavo est vendendo bonitas cassas da
cores fixas a 240, 280 e 300 rs. 0 covado
Brilhantps lasinhas.
S o Pavo, 640.
Chegaram as mais biranles lasinhas com
as mais lindas cores, com palminhas miudi-
nbas, assentadas as mais delicadas cores de
lyrio, c6r de canoa, cor de ganga e branco,
sortimento dos mais bonitos cacbenez e! sendo estas novas lasinhas de moito boa
para la proprias para senhoras, vendem-se qaalidade, tendo largara de alpaca e veos*.
a 60000 cada am, na roa da Imperatriz; se 460 rs. o covao. a ra da taperatrn
n. 60. ^a. 60 loja do PiH.
^


Diario de Pernambuco
Segunda feira 18 de Julho de 1870.
Itf
i -
I
/
E-te conheeido pslah|prJmento aeha-se constantemente bem sonido, em virando das
tactnras <|ue recebe por todos ee vapores e navios.fraBcezes, dos artigos ahaixo menciona-
dos, preeos os mais resumidos que possitel.
CAIi^AOO FRASCBJE
Botinas para fteolsoras c meninas.
Bolinas pretes, brancas e de omitas outras core*, surtidas e bonitas, do ultimo ges-
to da moda, e precos mais baratos rio qne em oulrus partee.
' Satinas para bornean e meninos.
Botinas de bizerrn, cordavao, lustro e pellica, das me.llwres fabricas e e-colbidas.
Bolas e pernearas russfiaur.s.
Ilotas e peraeirns par* mantaria, das roelhures qualidades, de couro da Russia, lus-
tro e bizarro.
apalos de borracha para horneas c scuhoras
Tendu ehegado rande pore;io de sauatos de lirracha vemle-so pelo euslo uftva de
desempatar o dineiro nelk* emprestado, sao baratsimo?.
fetpatos de lustro para horneas.
Sapttos de entrada baixa de couro de lustro eom salto, de muito boa qualidadc.
1 Abotinados para meninos c meninas
Sapatos abotinados do dilerentes modelos, de muito boas qualidades e fortes, tanto
para meninos como para meninas, muito baratos.
Sapatos de tpele.
Sapatos de tapete aveludado, de casemirn, de charlte e de tranca trnceles e por-
tuguezes pura uoiaens, para sinaoras e para meninos.
PERFUMARAS
Exeellentes extractos banhas, leos, agaa de eologne, florida, divina, lavande, den-
trifice, da toilette, sabonetes, untura para cabellos, pomada mgroise para bigodes, pos de
armz etc., lado isto deprimeira qpalidade, dos afamados fabricantes, Condray, Piver e Lubin.
Quinquiiiiarias
Lavas dp peflica do conhecido fabricante Jotivin, spelhos paca salla, quartos e ga-
binetes, tuucadore- de diversos lmannos, leques para senhoras e para meninas, abridores
de luvas, brincos, puleeiras, nctOes, correst-s e chaves de relugios e tranceln*, tuda de
ouro de le, correnH* e brincos de plaqu, a imitaeao e de mwis gesto do qno as de'ouro,
cnizintMs de contar* ricamente guarnecidas e ornadas com lindas postas e msica, albuns
e caixilhos riutirados para retratos, i-:.ixinhascom, vidro 4 augmento, para dialwctanieoie
ver-se a perfeieo dos retn.tos, oij'C.ios de plmotrsi.i para toilettes, tolsiunas e oestinbas
de seda, de velludo e de vimes para braco de meninas e senhoras. ditss para costuras, pe-
queos registros mu:to finos e delicados, bouqoets de flores de porcelana, jarros proprios
para gabinetes e santuarios, uadros prontptos para collocar-se vistas, moldaras dontidas
para quadros, estampas linas de paysagens, cidades, figuras e de santos, vidros para eos-
inorama, mais, saceos e bolsas de viagens, esporas, chicotes, beng.-.las, oculos, luuelas ou
; ^ensinez de prata dooradus, gravatas pretas e de cures, ahorcaduras de cufete e de pnnhos,
; earleirintias para notas, thf>ourtnhas e caivetes finos, pentes, escovas, ponteiras de espuma
i para charotos e para cigarros, oeos de domin, rodetes, bagatelas* e ouiros dilferentf j, ve-
Dezianns modernas muito conveniente para portas e janeJIas, cosnioranias, lanternas mgi-
cas, esteriocopos rom int- ressaDies vistas de liguras e das mais bonitas ras, boulevards,
pracas e passeios de Paris, photographias o caixinhas mgicas, reverberos para candieiros,
tapetes de vidrilho e de la de cores para ps de lanternas, realejos grandes e pequeo*,
harmnicos, aeordions de todos os tamanhus, bercos de vimes para enancas, sap.iUnhos e
toucas dH (aa, carrinhos de 3 e' 4 rodas muito elegantes para con ju; ir enancas passek; e
outras mattas quinquilharias de pbantasia, rancezas e allemaes, precos muito em cunta.
Para este artigo nao ha espaco nem tempo para a massante leitura da infi
gneros de biiuquedus fabricados eos diversos paizes da Europa.
O doao dcste estabelecimento pede ao pabHco em geral que continua a visita-jo
tacando as qualidades e os preeps baratos de ditos objtdos por seren viudos em di-
litro a iIa ;.ntn mvmtviai
veri
reitura e de cuota propria.

'...
DAVID W. BOWMM
EHGENHERO
Com fundico
RA DO BRUM 52
Passaudo o ctiafariz.
Chama a attant;ao dos Srs. de engenho para seus acredilaaas macbioisoios e
com especialidade para seus vapores que anda urna vez tem melhorado.
Os vapores oraecidos por elle e ja funecionaado Ine ho de fazer melbor apre-
lijijjo do que qualquer dito proprio.
Deseja todava mencionar que vista do cambio agora mais favoravel do que
na pocha dos apootameotos do anuo passado lom le i lo urna redac;o sensivel em todo
seus precos.
N.5AHliMCAkWGJtN.5:A
i
0
Com este ttulo acha-se abrtrto e inteiraraente transformado este antigo
estabelecimento de joras, onde os fr^uezes o amigos encontrado tudo quanto
a moda e o bom gosto tem inventado na arte de ourivesaria, o Colar de Ouro
observar delicadeza no trato e sp.nciridade e modecidade nos nrer;os.
Espera que o respeftavel pubtc veoba ver* o qu existo de melbor em
aderaos de rimantes, esmeraldas, robins e perolas, meios aderpeos, pul-
ceiras, brincos, afffnetes e anoeis de todas as qnah'dades, prata de lei faquei-
ros, colberes, paularos salvas e outras murtos objectos que seria enfadonho
mencionar.
Compra-s owp, prata, briroantes e pedras finas, pormaior proco do
que em outra qualque/ parte, treca-se e concerta-se todo e qualquer objecto
pertencente a est arte.
GRANDE ARMAZEM
i
DA
Ra Nova 48, esquin* da ra de Sauto maro.
0 armazem, da NORMA uui mportantissimo estabelecimeato, em cuja montagetn nao se
pouparam despezar para o fazer snbresahir entre os dentis estabelecimentes do sen genero, e tor-
na- lo dignla concurrencia publica. ^
Se grande fui o osero que pretidio deuoracao do eslabelecimeato, Unto raaior tem sido
o cuidado e capricho que tem havido en lorna-lo mais importante f-rnecendo-o de um lindo sorti-
monto de fasendas n^s. atigos de modas, etc. etc., importadas directamente da Europa, donde sao
escomidas por pessoa habilitadas e de conformidad com as altimas modas.
A SORMA
pede ao publico o especialmonte S*uias. Sras. que dignem-se visitar este iinpoitante estabeleei-
nietito, no qual acharan plenamente justificado o titulo que adoptou, porque so envidara os maiores
estonios para que o estabelecimento seja geralmcnto conhecido, como norma, de bom gosto riquis-
simo sortimeuto, modicidad de presos, superioridad^ de fazebJas e finalmente norma de franqueza
e siceridaoe.
ftista esubelecimenl^ na um pessoal habilitado a conduzir fazendas a raoslra as casas das
Esroas. Familias aue o desojarcm.
Armazem da Norma.
48Rua Nova48

Eival sem segundo,
m.\:\ OlUtK Hi 14\JI* IV. A9
(Amiga rua do Rimado)
Contina tudo muito bom e
ojio.b.irato a
Libras do aceia prela muito boo. .
Xesouras finas pata unbas-e cottu-
ra a.........
Papis de agulbas francezas a ba-
15o a.........
Caixas com seis sa bonetes de (ruta
Libras de la para bordar de todas
as cotes a.......
Carrileis de lioba Alexaudre a. .
Frascos com azeite para macbinas
Gravlas de ores muito finas a .
Gimas de totoes madepersla fi-
nissimos a.......
Pares de luvas de cores muilo i-
nasaa2a.......
Novtllo.de boba de 400 jardas a.
Caixas com 100 envelopes muito
superiores a......
Pates volteados para meninas a.
"inteiros com tinta preta a80rs. e
Pecas de fita elstica muito fina a
Lata com superior banba a 100 e.
Frascos de oleo Pbilocomo muito
fiuo a.........
Ditos ditos dito grande a, .
Frascos de macaca perola a. .
Frascos de extracto muito b -nitos a
Duaia de sabonetes muito finos a.
Sabonetes inijlezes a 600 rs. e. .
Frasco wni gua de colonia Piver a
Dito'da.oliO bboza a.....
Caixas de lamparillas i. .
Sabonetes a turma menino muito
superiores a.......
Lartimas da doctrina fazenda nova a
Libras de linba surtidas de todos os
nmeros a. ...... 10800
Babados do Porto, largos a 460 e
Capachos muito bonitos e grandes a
CarriteJa de retroz preto, com 2
oitsvas a........
Agulheiros de osso enfeitados a, .
Libra de linba franceza superior
qualidade a.......2^400
Caixas de palito do traz a. 20
-_:----........
~.---------1
_
-
A Nova Esperanza

Aviso provincial.
O Cimpos da na do Imperador n. 28, avisa
nao s- ftm sus numerosos fregnotes. como a todos
4amaia hafeitaate dPta provincia, que o eu
aruiazeco de mJhados, um dos que yode com
franqueza bem provur urna boa dispensa, pois
tem o proprietario deste estabelecimento reunido
nm vrande sortimento de gneros de primeira
qvfllkkdi! em dito armazem. bornea los um por
dai toruar-so-biam eiifadonbo, no entanto des-
(20
00
1,9000
60000
400
500
500
500
500
60
600
240
100
200
200
-500
1^000
240
500
72t)
1200
500
500
40
240
400
200
700
640
240
SIRoa Duque de Caitas91
Qnando a NOVA-ESPERANQA'faz os seas
anuncios xpondo aos seus treguezes e a
lodos em geral o grande sortimento e su-
perior! dade de seus objectos nao com vis-
tas de atrair a attcnc5o de urna grande ft;e-
guezia, como a de que actualmente despBe,
e sim para scientiflear (a interese de todos) Jereve lguns que mertce especial mencao.
a qualidade de seus objectos os (fuaes s5o! A saber:
sempre de apurado gosto e perbiflD; tor-1 ^Tta&^S'SS""
nando-se qaasi mdispensavil para aqoelle* Q^yos da Mios, gran>iea,a 2.
apreciadores (do bom) (Vequentarem a So- Latas com salmn,
va Esperanca, pois que ea caprtcna em re- Ditas com lagostas aflOO rs.
reir onnstantpmentp n nnn ha re mplhnr DM de eoiaba e de banana, muito uno.
ceper constanieroenie, o que. na ae meioDr ^^^^ 8ecc0S mnll0 0OVOS) a 3m a libra.
relaitvamente a sna repartido: o qae-se po- (bampanbe superior, garrafas e mias dius.
der verificar quando em qualquer rcuniao Gbooolate snperiot de diversas qualidados. ,'
de pescas (amantes do xiqaej f-se um Gaf de moka e.cammum omito superior.
bonito enfeite em um bonito vestido, qm ^K \T?JS u. uh,
.^ ,, .' Bclaxinas de soda em lata e libras.
aroma agradavel escapar d um alvo lenco, vetias para carro.
um moderno e linde laco, nm dilicado* ra- Copos lapidados.
mo de finas flores, ete, ele. todos olbam-se Charutos do Costa, de S. Flix.
reciprocamente e dizera coro sigo (e as v-^J'J^S garrafas"
zes nn3 aos ontros) tes s3o objeetns cbBServas em frawos a 700 re.
comprados a HOVA-ESPERANCA: redimen- Rap Paulo Qocdairo nayUn e coramam.
te III1 procurar descrever em annaacis os arp-'z~np-----^--------------_ .....
artigos qne contem dita loja, seria trabalbo JftnH|ia Q6 Diail(ll008
insano e nunca o fariamos com aqneHa 4 # ** A*
graga e perfeicao com que sao elles fabrica- Q Sailta Oatliarilia
dos, assim pois a NOVA ESPERANCA con-1 Q se ^.^ a (> a ^
tentase em convidar a todos geralmente, ^0opiacil0 ^ez Mm-y Biock -. atraur com
visitarem-na para ento ficaram inci- Tasso Irmos & c, rua do Amorim n. 37.
rados do qne ha exposto na mesma toja.
81 Rea Duque de Caxlas91
Vende-se
Ha para vender aovo e superior fcrelo qne se
Ps d' roseiras de varias quaMdades, assim como ada deposbado-no trapiche da compaobia, chega-
da sapol, abacate. figueira, laranja cravo e pi- do ltimamente do ftio da Prata pela harca fran-
nheira, por preco razoavel: a tratar na Boa-is- ceza Angelina a tratar com seus consignatarios
ta, rua do Mondego m )jeqtos para carros.
Solas de lustro.
Vaquetas de lustro.
GalSes largos e estratos.
Oleado preto para guarda chava.
Dito de cures para forro._
Lanternas e vellas.
BotiJes de 6rho de cores diversa?.
As segnintes obras
.1 tirget do mosteiro, e as memorit$ de fl,.
chelieu, p.:.- loa \icior\m, ambos encder-
nados em um s Vol. por 3000. Colas
cont mtisso, ene. 1 vol. por liJOOO. Canto
d'alvorada, poesas por M. da Rocha, i vol.
ene. por 3^000. Flikvs singlas, por Paes
de Andrade. VHm* juginas, por P. de
Calasans. Illuses perdidas, por C. de
Azevedo, lodo encadernado em um s To-
tano, por 84000. Jornia a voluntaria da
norte por J. C, e Alberto, scenis de nm ro-
mance, por J. Candido, ambos ene. em s
vol. por 3iOOO. Palmyra,a ceguiniwbna-
sileira. romanue em 7 cantos por Dr. Boni-
fdCio de Abreu. ene. es um s vol por B.
O cavulheiro d'Hartnental por A Domas, i
vol. encadernados, por iOiJOOO.
Tacm>m vende-se as colecgoos de leis
proviuciaes faltando apenas 3 annos, por
20dO0O, teudo 27 vol. me brochara, tam-
bem tem outras obras que a vista se mos-
trarlo, e qno ludo se vende por prec,o em
conta. Queinquizerdu ja-so a esta lypogra-
pia qne se dir qtb'm vende.
[ JoaquimRodrigues Ta-
vare- de Malo,
1'faqadoCorpoSantoii. 173
TEl PARA VEN'OER :
Cal de Lisboa.
Potassa paRussia.
"Viuho Bordeaux.
Farello d^ Lisboa.
Farinha de mandleea.
FARINHA
de Santa Catharina.
Vonde-se farinha de mandioca mmto alva'e fi-
na, a mais superior que ha no mercado, em sac-
eos de dons alqueires, por menos do qne em ou-
tra qoalquer parte : a tratar com Antonio' Fran-
cisco Martin de llirana, rua nova de Santa
Rita n. 55.
ATTENCAO
Vende-se urna parte do engenbo R*mo!, eomar
ca de Pao d'iilho, de 9:0804 a 10:0004, outra
4o engexho luhaman,. comarca de Iguarass, de
5:000 : os pretendentes queiram entender-se
com o senhor do engenho Caraba da fregnezia de
Tracunhaem, ou com o Dr. Laurino de Moraes
Pinheiro, rua das Cruzes (boje Duque de Caxias)
a. i. O uesmo senhor do engenho Caraba offe-
rece a fazenda denominadaMinguai do Grva-
lapara o Brejo da Madre de Dos e Curato de
Rom Jardim, cuja fazenda muito acreditada/pe-
los habitantes do lugar, tem acude e varios tan-
ques e algum gado que tambem se vende encorpo-
rado dita fazenda : trata-se nos lugares cima
mencionados.
Os accreditados cylindros americanos para na-
dara.
Machinas para descaroear algodao.
Canos de ferro galvantsados, para agua.
Carrinhos americanos para transportar fazenda?.
Champagne da marca George Conbet &. C.
vaquetas de lustre para carros, oleados de diver-
sas coree, pesos de (erro do syetema decimal :
venda na roa da Cruz n. 68, no armazem de
H. Lger.
A ttenxjo
Vende-se urna taberna em muito boa localidade
e p opria para qualquer principiante por ter pou-
cos fundos : a tratar na raa da Esperanca no Ca
minti Novo n. 40.
Bichas hamburgnezas
Neste novo deposito recebe-se por todos os pa-
quetes translanticos bichas de qualidade' superior
e vendem se em caixa ou porcao mais pequea,
e mais barato do que em outra qualquer parte :
na roa da Cadea do Recife n. W, i andar.
Rua do Duque de Gaxias n 6,
1* andar.
A tesoura de ouro acaba de receber pelo ultimo
vapor da Europa um variadissitno sortimento de
objectos de pbantasia, mui proprios para presen-
tes, bem- assim urna innidade de albuns para re-
tratos de apurada gosto, que sarao vendidos por
baratissimo preco ; luvas de peluca de Jouvin de
todas as ci res e todas as qnalidades, exclusiva en-
coramenda.
Vende-se
No armazem de H. Lger. rua da Cruz n. 68,
nho de Bordeaux em caixas.
Boa morada
Vende-so nm bom terreno em urna das ras ol-
timamente abertas na estrada nova de Beberibs,
onde passa a linha frrea, muito perto da riacho
Jacar, com mattas e trra para capim e man-
dioca, tem de exteneao 1500 palmos, porm ven-
de-se a vontade dos compradores : enlenderem-
na rna da imperatriz n. 31
A 3,000 RS.
Chapeos de sol de alpaca fina com basteas de
baleia a 3 : na rua do Crespo n. 25, loja da es-
quina._______________________________
'.:
LISTA GERAL

155.
a
I.

DOS PREMIOS DA I- PARTE DAS LOTERAS CONCEDIDA POR LEI PROVINCIAL N. 745. A BENEFICIO DA SANTA CASA DA MISERICORDIA, EXTRAHIDA EM 16 DE JULHO DE 1870.
J!S. PREMS. hS. PREMS. SN. PREMS. I .NS. PREMS.
f
8
12
17
18
28
30
32
33
38
39
45
8*
56
61
64
69
87
93
! %
8
12
21
24
32
35
37
38
40
45
63
69
71
72
73
74
78
n
85
m
91
16*
8*
16*
192
93
96
98
201
21
23
26
35
37
45
54
63
65
80
84
90
95
301
7
16
19
23
26
29
35
48
' 50
53
55 ,
60
61
66
8
76
81
90
91
92
94
403
5
6
8*

16*
1C*
8*
16*
8*
16
8*
13 -
414 8*
15
16
21
23
28 -
31-
40 -
45 1:300*
52 8*
56
69
76 -
92
503
10
12
15 -
21 -
30
33 -
34 -
36
38 -
40
43
50 -
57 -
88
60 -
62
63 _
66 _
68 100*
75 8*
82 -
86
89
96 -
97 -
603
9
IB -
21
22 -
626 8*
33
45
62 -
53
57
59
67
69 -
71
75 -
79 -
80
82
85 -
91
96
98 -
701
18 -
21 -
35 -
37 -
39 -
45 -
46
48
49
50
58
59
63
66
75
78
79
89 r-
802
3
5
10
12
17
21
24
NS. PREMS.
831
32
33
40
45
47
51
53
54
57
58
59
60
6i
64
65
68
71
72
73
76
78
83
86
92
901
7
13
17
19
20
26
27
33
37
41
50
51
.53
55
59
61
66
72
75
8*

NS. PREMS. i RS. PREMS.
_

40*
8*
984
82
87
95
1002
11
19
24
38
39
41
8
:
74
76
8t
88
86
94
9t
96
97
1102
3
17
19
23
24
28
30
37
39
46
48
50
51
61
68
71
73
75
7
81
8*
8:000*
8*
40*
6*
I
1183
. 85
90
94
1283
6
7
16
18
19
24
25
26
29
35
38 ni
39
17
48
M
63
0
63
6i
69
75
77
84
85
86
94
1304
9
10
12
14
19
21
30
3J
38
39
48
49
II
8*
NS. PREMS.
16*
2
__





4-
-
1W
a*
16*
8*

1354
56
57
80
82
85
86
88
92
97
1400
11
19
21
M
7
28
35
36
0
48
82
53
56
-57
62
M
82
85
87
88
90
2
98
103
8
11
42
44
47
20
24
34
8*
40*
8*
NS. PREMS.
46*
8*



1339
40
41
45
62
63
65
67
72
74
78'
81
82
91
93
95
1600
11
12
43
1" i*
16
18
8*
302#
8*
181
8*
OO*
. 8*
NS. PREMS.


-
40*
8*
-r
-
36 -
38
39
i
47
30
62
67
6
70
y*
77
79
85
80
St-
97
1704
7
8
10

~
~ 1 .
1712
1*
20
21
25
28
30
31
33
35"
51
64
65
76
79
81
8
93
94
97
8*
1*
8*


16*
s
'
'
16*
U
13
14
17
18
ie
34
87
a
44
45
46
47
H-
54
57
58
63
67
38
22
74
80

KS. PREMS.
8*

48*
8*
48*
8*
1882
87
88 -
97
1903
5
7
8 -
10 -
14 -
l ~-
S -
3* -
33 -
38
49
! %
69
70
73
84
85
91
2005
8
12
13
16
18
24
28
32 -
36 -
48
48 -
53
57 -
50 .
8
70 18*
78 8*
NS. PREMS. i NS. PREMS. 1 NS. PREMS
600*
8*
168
8*
2089
96
98
2104
10
U
12
21
23
24
30
32
35
36
41
43
48
51
56
87 .
58
59
60
62
68
70
27
83
85
90
2202
8
11
14
24
22
23
24
27
47
49
51
56
80
67
8*


T
2268
72
83
85
96
97
2306
7
8
11
15
16
17
19
28
25
32
33
37
38
42
45
51
52
53
54
58
62
71
8*
100* . 7
8* 79
83
89
^-^,
_ 94
_ 1 97
_ 98
40* 99
8* 2408
7
U
- 1 18
13
| 21
22
16* 34
2439
47
49
56
63
64
72
75
79
83
89
90
91
93
97
99
2513
14
16
19
29
34
47
48
2
57
58
65
66
69
71
77
78
96
99
2601
2
6
7
11
43
15
20
28
23
8*
NS. PREMS.
16
8*
16*
8*

2635
S
74
76
82
96
2701
7
19
28
36
40
45
8*
18*
8*
81
58
66
77
78
82
86
89
91
93
94
5
97
98
99
2800
8
6
7
88
48
24
28
29
89
31
33
34
U
39
40*
Si'
NS. PREMS.
2840
41
42
43
45
49
53
54
58
63
70
72
78
85
94
99
2905
6
13
14
18
20
21
28
32
33
37
39
44
46
48
58
61
85
6
68
78
82
83
84
94
95
88
98
3000
8*
16*
8*
16*
8*


8
Diario de Pernambuco Segundar feira 18" de Julho de 18?#
ASSEMBLEA GERAL
CMARA DOS DEPUTADOS.
(Continua gao)
EXTBACTOS DO RELATORIO DO MINIS-
TERIO DA AGRICULTURA. APRESKN-
TADO AS CMARAS PELO EXM SK.
CONSELHElftO DIOGO VELHO CAVAL-
CANTE DE ALBUQERQE.
MKLHOn.\\(E.\rO DO POSTO DO RECIFK.
Incumbe-lhe anda proteger as enterezas
e associacoes que so organisafem para o
servido da immigrscSo, desde a' propagan:
da no exterior al o estabelecimento de ca-
da immigranle no paiz. '
Pertence o resto iniciativa particular,
collectiva ou individual. E' profunda ron-
vjcgo minha que neste assumpto deve-9e
esperar muito do impulso que proceder do
proprio interesse dos fazendeiros e propie-
tarios territoriaes no empenho de substi-
tuir o ruinoso instrumento de trabalbo re-
presentado no elemento servil pelo fecundo
e urgente emprego d s bracos livres.
Da proficuidade deste meio temos ani-
madora demonslracjo na provincia do S.
Paulo, onde a immigracj >, atlrahida por
aiguns. emprendedores^ tem determinado
feliz transforma cao na economa rural, e
offerece, na sna prosperidade. sensivcl con-
traste com a imnaigrago tutelada pelo es-
tado.
E', pois, firme proposito do governo
cumprir religiosamente as obrigaees pros-
criptas em contracto- desempenbar os com
promissos tomados por agentes seus. Vbfi
tambem est deliberado a negar o seu as-
senso a qualquer combinacao que signifique
reincidencia as faltas do passado.
Est ao mesmo passo di-posto a mandar
medir trras e gubdivid-las em lotes avan-
tajados, na proxiraidade das povoar,5es',dos
ros navegaveis, das estradas de ferro e de
rodagem existentes, ou em construcco, afim
de serem vendidas a prego mdico e a pra-
zo, sendo mister. aos recera chegados.
O conhecimento dos terrenos, assim ap-
parelhados, ser divulgado onde convier,
mediante mappas escrupulosamente exac-
tos, e noticias que descrevam as suas con-
dif5es topograpnicas e econmicas.
Aos immigrantes, se fr indispensavel,
assegurar o governo a differenca das pas-
sagens, asylo e sustento por espaco de ai-
guns das, transporte ao lugar de seu disti-
no. Ahi prestar-lhes-ha quaotas facilida-
des conlribuam a guia-los em seu novo es-
tabelecimento.
Transcender a nha deslas concesses nao
seria prudente, at porque nao concorreria
para o resultado appetecido. A quem de-
seje grangear a abastanca pela persistencia
do trabalho, bastam estes elementos. A
quem fallecer) os estmulos da propria
responsabilidade, quantos favores se libera-
lizem, por ampios que sejara, se esterili-
sarSg.
Os paizes, procurados pela emigraco eu-
ropea, que nos sao indicados para exemplo
e iinitacao, esforc5o-se. menos que o Bra-
sil, por provoca-la e auxilia-la. Os seas sa-
crificios pecuniarios, principalmente, sao
insignificantes, em parallelo com os nossos.
Sabemos que nos ltimos tempos a en-
trada de inmigrantes em Rueos-Ayres
representada por algarismos avultados. O
seu incremento em tres annos sobe a pro-
porces notaveis : de 17,046 individuos em
1867elevouse a 29,234 em 1868 e a per-
to de 50,000 em 1869.
Em que consistem os meios empregados
pelo governo argentino para alcanzar resul-
tados taes ?
O movimento tem estado a cargo, quasi
privativamente, de urna sociedade que da
contribuico dos seas membros colhe a par-
te principal dos recursos para desempenho
de seu encargo.
Limitta-se a prestar aos inmigrantes ne-
cessiiados,auxil;o para desembarque e sus-
tento por oilo dias, e a obter-lhes passa-
gem gratuita ras estradas de ferro, quando
manifestam o proposito de residir em algu-
ma (1. s provincias do interior. O numero de
hospedes recebidos no seu asylo foi 2,831
em 1867, 5,005 em 1868 ; em 1869 rela-
tivamente menos.
A intervencSo official reduz-se a escassas
subveoces do governo provincial e nacional
assim como da municipalidad de Buenos-
Ayres, e gratificaco de poucos agentes
no exterior.
Eis todo o esforco para promover a m-
migraijo naqcelle paiz.
A aspiraco para melhorar, declarada em
documentos officiaes, cfra-se em conceder,
a!m desse pouco auxilio, os elementos pre-
cisos cultura da trra e fnrnecimento de
vveres at se effectuar a primeira colheita.
As concesses feita pe lo "governo do Bra-
sil sao all mencionadas como exemplo de
liberalidade, pouco fcil de imitar.
=
FPLHETIM
,4 VIVA DEPOls DE SOIIIA
POR
jXavier de Montpin.
PARTE PRIHEIRA.
0 MRQUEZ DE SAIDT-MiUXENT
' XIX
Un famoso comediante.
(Continuaco do n. 158J.
Haver coosa de quatro mezes, sabia eu
s tres horas da madrugada da casa de
jogo da ra de Santo Honorato, que era
aonde eu ia mais. Aquella noute perd ao
principio grandes quaatias, mas j me re-
tirava quando appareceu o Samuel Herard,
e a sorte mudou immediatamente ; grabas
elle* que, segundo j disse, nlo perda
nenhuma occasilo de apostar contra mim,
pude reparar as minhas perdas e encbi os
meus bolsos com o dinheiro dos del le.
Finalmente, quanlo me levantei para sahir,
o total dos meus ganbos ascenda vinte
cinco mil Sff. Apenas tinha posto o p na
ra, acompanhado pelo meu criado, notei
que Samuel Herard me nha seguido e
esta va ao p de mim.
Meu senhor, disse-lhe eu cortezmente,
sinto devras te-lo assim desprovido. A'
f de quem son, que muito me peza este
azar que o persegue ; mas, que diabo I a
culpa nao tenho eu. Que singular mana
essa de apostar contra mim ? M tem tido
As circamstanclas excepcionaes deste
porte, o receio de que obras mal delineadas
Jo trifpeiorassein as condicSes naturaes,
prejudicando tambem a capital,.e o desen-
contro de opintSes, alias respeitaveis, deter-
mioaram meu {(lustre antecessor a mandar
proceder a no vos exames e estudos, especi-
almente sobre as mares e o rgimen das
aguas dos rios Capeberibe e Beberibe.
Esta comrissao foi confiada ao engenhci-
ro '.laphaet Archsnjo Galvao, o qual nao
apresentoo ainda relatorio completo'dos
trabjeos executados.
A debatida e sempre adiada questao do
porto do Recife, carece de ser resolvida cora
a urgencia reclamada pela importancia da-
quella praga, rujo florescente commercio
abrange nao- s a provincia de Pernambuco.
senao tambem as visintas, que all tem o
seu meibor mercado.
BOCAS.
Habilitado com o decreto n. 1746 de 13
de outubro do anno Qndo que autorisa a
construcgo de dcas nos portos do Impe-
rio, tenho procurado prver a necessidade
de semelhante melhoramento que interessa
Unto .fiscafisacSo Jo Estado, cou.o cora-
moiidade do commercio martimo.
Existero proposita para a construccSo de
dcas e outras obras nos portos do Rio de
Janeiro, de Santos, B^bia, Recife, Parabyba,
Fortaleza, S5o Luiz do Maranho e Belm.
Por ora s poude ser attendida a que
relativa ao porto do Rio de Janeiro, conce-
dida a Estev5o Busck & C* e ao engenhei-
ro Andr Rebocas pelo decreto n. 4492 de
23 de marco ultimo annexo Q.
Sobre o porto de Santos da duas, urna
assigoada pelo conde da Estrella e o Dr.
Francisco de Andrade Pertence, eoutra pelo
engenheiro Augusto Teixeira Coimbra.
Para o da Prabyba do Norte, apresenta-
ram-se as dos engenheiros Charles Neate e
Andr Pereira Raboneas.
Para o de S. Luiz do Maranho a dos
engenheiros Andr Pereira Reboucas e Ray-
mundo Teixeira Belfort R6xo.
Para o da Baha a de Antonio Francisco
de Lacerda, Paulo Pereira Monteiro. Fran-
cisco de Sampaio Vianna e Joaquim da Costa
Guimnraes.
Finalmente para o de Belem, no Para, a
do bar5o de Mau e engenheiro Joao Mar-
tins da Silva Continuo.
Sobro todas mandei oovir autoridades e
corporaces competentes e com a necessa-
ra brevidade resolverei como fr de justica.
CATECHESB.
Interessante questo de humanidade, de
religio e economa social a catecbese dos
indgenas.
Seui rememorar as vantagens alcanzadas
neste servido pelos, padres da companhia de
Jess, sem recordar que moitas de nossas
actuaes povoacoes comegaram por arda-
mentos, e em todas o sangue do indio se
mislurou com o do europeo, dir-vos-hei que
mui proficuos resultados se obtero de um
systema de catechese mais desenvolvido e
seguro, que conquiste religiSo e vida
social essa grande moliido anda acoutida
em nossas extensas matas.
Formados na vida errante das selvas, os
hbitos do indio nao se coadunara desde
logo com os trabalhos ruraes, que exigem
presstencia,
Deste facto tem-se errneamente conclui-
do que o indio por ndole inerte e pre-
guicoso.
A experiencia prova o contrario. Dai-lhe
occupaco que se conforme com os seus
primitivos trabalhos, e veris activo, gil e
intelligente.
A extracto das drogas no Para, Amazo-
nas e Mato Grosso quasi na geoeralidade
effectuada por individuos daquella rafa.
N3o obstante o resultado desse trafego tra-
duz-se na primeira destas provincias por
exportado annua no valor official de cerca
de 12,000:000 JCOO
Na provincia de S. Pedro do Rio Grande
do Sul outras, era que a c'recSo de gado
se ha desenvolvido, mais ou menos prestam
uteis servidos.
A pesca e caca lites sao familiares, ex-
tremanxlo-se pela destreza, energa e san-
gue fro nos perigos.
Finalmente entre elles recruta o excrcito
muito bons soldados, e a armada seus me-
Ihores marinheiros.
Aps duas ou tres geraces seus filhos,
affetos vida social, preslam-se admira?el-
mente aos tralnllios da lavoura, para os
quaes levam a energa de sua robusta com-
pleicjo.
Como sabis, a catechese acha-se entre-
gue presentemente a limitado numero de
religiosos eapnchinhos.
Comquanto terminasse em 1862, por
meio de notas reversaes, trocadas a 28 de
outubro daquelle .anno, a quesio suscitada
com a Santa S, em virtude do decreto n.
373 de 30 de julho de 1844, que ix-a as
bastantes occasies de ver que a sorte me
favorece ctmtra o senhor.
Que o que o favorece, se-
nhor marquez, a sorle ou a habilidad? ?
redarguio Samuel com modos rudes e zom-
beteiros, que me pareceram occullar urna
tentalea de insolencia.
N3o cheguei, todava, a imaginar o wer-
dadeiro sentido d'aquelle atrevimeolo ou
antes d'aqnelle insulto. Ha acensares 13o
descabelladas, to absurdas, lo imprevis-
tas que nao se comprehendem primeira
vez e recusa-se uma.pessoa a dar crdito
aos seus ouvidos. N3o obstante isto, puz-
me de sobre aviso e pedi ao meu adversa-
rio que explicasse sem demora as suas pa-j
lavras,
Para que. se j me comprehendeu
perfeitamente ? volvu com dobrada imper-
tinencia. Mas j agora, visto que assim o
quer fallarei mais claro. Dtzera que a for-
tuna cega ; mas nao o com certeza para
o senbor, porque tem a rara habilidade de
Ihe arrancar a venda. A sorte favrece-o,
por causa da grande perfeigao com que sabe
baralhar as cartas marcadas ; e para di
zer fudo de urna vez, o senhor nao me ga-
nhou o meu dinheiro, mas roobou-m'o. En-
tende agora, senbor marques, ou anda tem
alguma duvda acerca das minhas palavras ?
Mal Samuel acabu de fallar, sentidme
senboreado por um d'esses arrebatamentos
de colera, que fazera perder a cabeca urna
pessoa, atrei me elle e esbofeteei-o. No
mesmo instante recuou doos passos o meo
inimigo, e desembainbaodo a espada, rve-
Ion todo o odio que me tinha, dizendo :j
Ah I aoal vou mata 4o 1
E sem dar tempo que eu me pozesse
em guarda, atacou-me vilaa e cobardemen-
te. Por felicidade minha, o ferro dirigido
contra o meu peito, encontrn ama bolsa

regras para a distribuido dos ditos religio-
sos pelas provincias, comtudo nao se tem
obtido quantos sio necessarios.
No anno deJ8 tiam no Imperio 34.
Este numero H^^^Bb pelo fallecimen-
to de alguns.|^^^^BBbi!itdram-se em
virtude de ej^H^H^idquiridi no ev
ercicio de seu santo ministerio, ou de avan'
Cada idade,
1 Embora* de 1863 em diante titessemos
bbtido algODS, existem presentemente 48,
-assim distribuidos:
No Paraguay................ 7
Na corte...........'......, 7
Na provincia da Babia......... 3
i do Espirito Santo... 7
, do Para............ 2
do Maranblo........ 3
de S.Paulo......... 3
do Paran.......... 3
> de Minas Geraes..... 3
de Goyaz........... 5
de Mato Grosso....; 2
do Ro Grande do Sul. 1
de Pernambuce...... 8
somma........ 48
Por intermedio do nosso ministro em
Roma, o governo nao tem poopado esfo-
eos para obter mais aiguns missionarios r
mas apenas cnseguio um o anno pas:
sado.
Felizmente obtivemos agora de Sua San-
tidade o da coogregagao de Propaganda
Fide que viessem miis N cinco dilatar as
nossas missoes.
S3o esperados em Pernambuco, donde
opportunamente seguirio seo destino.
E' condemnavel o systema. at agora ad-
miltidot de os distribuir por umita< pro-
vincias, onde segregados, se nao poden au-
auxiliar mutuamente.
fistoa deliberado a approveitar os ser-
vicos destes santos varitas collocando no
Para os que houver disponiveis.
Existem all as missoes doXing, mar-
gem do rio do mesmo nome, formadas com
indios de diversas tribus, em numero de
131.
O estabelecimento de outras na conlinua-
gao desse rio, no Trombetas, Tocantins e
Araguaya, provincia de Goyaz, produzir
benficos resultados,
Nao terminarei esta parte sem mencionar
os relevantes sei vigos prestados pelo pre-
feito dos capuchinhos, o venerando Fr.
Caetano de Messina. e seus dignos c>mpa-
nbeiros Fr. Fidelis de Arola." Fr. Gregorio
do Prado, Fr. Jeronymo de Montefiore, Fr.
Joaquim do Monte Palermo, Fr. Salvador e
Fr. Gabriel de aples, os quaes compar-
tilbando os perigos e incommodos da guerra
do Paraguay e arrostando as balas inimi-
gas, souberam confirmar o valor do sol-
dado brasileiro, soccorrer os feridos e le-
var aos moribundos a convicgSo consola-
dora de seu martyrio pela patria.
Em Matto-Grosso o respeitavel ancio Fr.
Mariano de Baggeia e Fr. Angelo de Car>-
monico mostraram-se tambem dignas do
seu augusto ministerio, quer durante a o-
vas3o paraguaya, quer no tempo de sua
priso entre o inimigo. O ultimo, depois
de agoitado, foi degollado.
No proposito do ser til sua patria, o
conselheiro Felppe Lopes Netto, durante
sua misslo diplomtica junto ao governo
da Rolivia, procurou estudar a catechese a
cargo, a'aquella repblica, dos religiosos
franciscanos observantes, e, reconbecendo a
aptidao destes sacerdotes, fez sentir ao go-
verno imperial a conveniencia-de os chamar
ao Brasil.
Resolveu, pois, o meu antecessor orde-
nar ao nosso ministro em Roma, que soli-
citasse da Santa S a necessario autorisa
c5o.
Por offlcio de U de Janeiro comrauni-
cou-raa est que as solicitacSes do governo
haviara sido attendidas, promettendo-lhe o
reveieodo padre geral da ordem oceupar-se
inmediatamente em preparar os padres ne-
cessarios misso do Brasil.
Os missionarios franciscanos oceupar-se-
h3o especialmente em raissOes as provin-
cias do Amazonas e Muio-Grosso.onde po-
dem prestar assignalados servicos.
Como auxiliar da catechese naquella pro-
vincia, devo mencionar o estabelecmento
do i educandos, fundado em 1858 na cidade
de Manos, com o fin de proporcionar ins-
truego profissional, para o que possue offi-
cinas de jilfaiate.sapiteiro, torneiro, ferrei-
ro e vreiro, alm de urna fabrica de cha-
peos de palna e urna banda de msica.
Os menores indgenas, que se hablta-
rem com as prmeiras letras, ensino religio-
so e algum desses officios, poderao prestar
bons servicos nds aldeiamentos respec-
tivos.
Tendo sido a presidencia da provincia au-
torisa a fazer no regulamento as modifica-
ces convenientes, recommendei-lbe algu
cheia 3e ouro que o fez resvalar, salvndo-
me a vida. Pucbei pela espada, e aparan-
do os botes d'elle, disse ao meu adver-
sario :
O senhor um infame digno do meu
despreso, e acaba de o provar, primiro
com seu viao insulto, e agora.com essa
tentativa de assassinio. Accelto, nao obs-
tante um desafio com p senbor, anda que
me degrade, e proponho-lhe que o adiemos
para amanha, porque nao temos aqu tes
iemunlias, e se algum suecumbir, peder
dizer-se que o assassinaram.
Bem vejo que a senhor marquez tem
medo, reterquo Samuel em ar de mofa.
Ah Sempre quer, respond encolnen-
do os hombros. Pois. bem, faga-se a sua
vontade, e tome coota, olhe que nao atten-
derei consideracoes.
O meu inimigo era muito dextro ; mas o
primo sabe perfeitamente como sou forte
na esgrima, e demais disso, a minha ndg-
nago. e o convencimento da minha justiga,
redobrram-me a energa. Poucos minutos
passados, desappareceu a minha espada no
peito do adversario, que, dobraodo-se para
traz, cahio soltando urna terrivel praga.
Debrucei-me para elle a ver se poderia
prestar-lhe os meus cuidados e salva-lo an-
da : mas o sangue sabia da ferida aos bor-
botos, os' otos estavam envidragados, e
dos labios, sabia urna espama arrouxada ;
veio depois um exterior quasi imperceptivel
de maneira que o julgaei morto, e vindo o
criado avisar-me de* que se approximava
urna patrulha, afastei-me precipitadamente
e voltei para casa com a consciencia tran-
quilla, porque tinha oumprido os deveres
de cavalheiro, mas devras pesaroso por
ter morto um bomem.
Imagine, pois, qual n2o seria o mea as
sombro, a minha ira, e o meu desespero,
mas medidas- que me pareceram necessa-
rias para cltocar esta interessante institu-
gao na devifcv altura.
Estabelecimeatos desta orden sao, a meu
ver, o complemento das missoes, e o de
Manos cpntinuer a ser objecto de espe-
cial attengo do goverB^
AtOEAMKMTOS
E', em geral, muito pouco satisftorio o
estado dos aldearaentos. Abandonados ge-
ralmenle por falta efe missionarios, voltaram
seus habitadores o antigos hbitos da vida
selvagem.
Querem aiguns attrbuir este resultado
suppressSo das antigs directoras.
Certaraente conviria adoptar olgoma me-
dida para proteger, na fal^ de missionarios,
essa pobre gente, j meio habituada vida
regular da sociedade.
A suppressao das directoras dos indios
foi urna providencia feliz. A experiencia
havia demonstrado que, foitas honrosas ex-
cepc5as, essas autoridades, em vez de pro-
teger, opprimiam os inflios snjeitos sua
jursdigo, exigindo-lhes' alcavalas e traba-
lhos, esbulftando-os muitas vez.s de suas
propriedades.
Es o que ebegou a meu conhecimento
em relacjfo a este assumpto :
Amazonas.
Nao existe na provincia. estabolecimenlo
a que se applique o nome de aldeamento;
apenas ba restos de antigs aldea para tes-
tificar a importancia em que tinham- este as-
sumpto os antigos colonisadores.
Para.
Ccnta esta "provincia seis aldearaentos:
dous situados no municipio da capital, doos
em Santrm, um em porto de Moz no rio
XiKg, e o ultimo em Portel.
Ha, alm disto, 48 malocas, ou grandes
faroias catechisadas reliquias da antigos
aldamentos ou tnbris, esiaDecdas 32 no
municipio de Itabh, e 16 no Viso.
O missiooario fre Camilio da Mazzarini,
navegando o rio Trombetas, cuja explora-
Co Iba eoram-utera a presidencia em ou-
tubro de 1867, reconheceu serem as tr-
ras marginaes as melhores do Amazonas
pela sua fertilidade e dosc3o geographica.
Os indgenas que as oceupam sao de
boa ndole, e mostraram-se dispostos a
civilisarem-se. NSo poude, porm, o mis-
sionario communicar com elles porque se
tinham acolbido s matas.
Encontrn ahi um quilombo com 130
pretos alenda indios que com elles vivem
e no periodo de 10 dias de demora fez 25
baptismo e36 casamentos.
Declararan) Ihe os pretos estarem dispos-
tos a viver em paz e aldeiados, resgatan-
do sua libardade pela quanlia da 300&000
por pessoa paga no praso de quatro aeraos.
Os senbores, residentes era Obidos, aos
quaes communicou o facto, acceitaram a
proposta.
Segundo este missionaro, sem auxilio
destes pretos impossivel formar estabe-
lecmento no rio Trombetas : por elles aju-
dados reooiram desde logo mais de 300
pessbas.
Auxiliado por frei Luduvico de Mazza-
rioo'fundouo anno passado no porto de
Moz. s margeos do rio Xing. o aldeia-
ment do mesmo nome com 151 indios,
dos quaes 87 homens e 64 mulheres. alm
dos menores.
Entes sacerdotes j conseguido plantar
mandioca para cem paneros de farinha,
destinados subsistencia dos indios.
Concederam-se os auxilios pedidos na
importancia de 6;000# e bem assim um
carpintairo, um ferreiro e forja com suas
pertengas, nao s para a conUrucao de edi-
ficios, mas tambera para o ensino de ai-
guns dos indios mais inteligentes.
Finalmente foi apresidencia ; despender a quanlia de 4:0005000 com a
abertura de um caminho da boca do Igara-
p Tacury ao rio Xing abaixo da sede da
missao, afim de evitar as cachoeiras d'es-
te rio.
as magens do ro Pacaj habitara os in-
dios Onambis, cu^a cuja tendencias a vida
civilisad s3o manifestas, vista de suas
plantagoes. asss adiantadas. Forrao j
urna especie de aldeia, a oito dias de dis-
tancia da villa de Portel.
Com taes predisposc5es um s missio-
naro anda quando nao resida eutre elles
censtantimente, ser sufficientemente para
milborar seis coslumes.
Chamo vossa attengo para as informa-
c5es prestadas pela presidenta da provin-
cia em officio d 7 de outubro ultimo, an-
nexo sobre a letra JK
Alagas.
Comquantj esta provincia cont oito al-
deas da indios, em nenhuma encontrara-so
actualmente individuos de racs primitivas,
mas apenas descernes seus a que se aggre-
garam individuos de differente procedencia,
Estas aldeas sao as seguintes:
Jacuipe.Situada margem direita do
ri> db naesmo nome, funda em 1698, con
tra 302. almas, distribuidas por 82 fogos e
mintm relagOes commereiaes com as vK-
las de-Barreiros, Porto-Calvo e Agua-Prett,
e com povoacoes de Jecuipe, Una e Colonia
Leopoldina.
Foroeceu para o servico da guerra con-
tra o Paraguay e para a guarnicao d capi-
tal 51 pracas.
Cocd.Na margem esqyerda do rio Ca
maragibe, a 5 leguatro- povoag5o Leopol-
dina. Soppoe-se ter sido fundada por in-
dios de Barreiros em Pernambuco e de Ja-
cuipe, em 1831. por occasio da rebelliSo
de Panellas de Miranda. Orga sua popu<
lag3o por 151 almas em 35 fogos.
Uruc.Demora margem esquerda do
Mandah, x\o municipio e freguezia da Im
peratriz, oVante 8 leguas da capital, pr-
xima florescente povo gao de N. Senhora
da Graga do- Muricy. Sua populacho de
838 almas era 227 togos. Possue trras
ferteis, onde estavam- encravados muitos en-
genbos de assucar,
Limoeiro.Fondada no municipio da as-
sembla, 3 leguas abaixo da povoagao do
Corrente em Pernambuco ; tem 1 l almas
51 fagos.
Santo Amaro Situado margem es
querda do Parayba, 2 leguas abaixo da villa
da Atalia, e 1 cima da do Pilar. Sua po-
pulacSo de de 646 almas divididas em
13S foges.
Atalaia.Na margem e3querda do rio
Parayba, 3 leguas cima da villa do Pilar.
Conta 636 almas era 201 fagos.
Palmeiras doi indios.Fundada no mu-
nicipio do mesmo nome, prxima dos li-
mites desta eom a provincia de Pernambu-
o, e habitado, por 572 individuos e tm
cOI fogos.
Porte Real.A margem do rio S. Fran-
cisco. 7 leguas a cima da cidade do Peue-
do. Sua populagao do 298 habitantes era
140 fogos.
Baha e Pernambuco.
Nestas provincias tem *ido diminuto o
numero de missionarios, aos quaes, entre
tanto, devera aesignadbs servigos, feitos s
suas villas e povoag-s.
Na ultima frei Venancio de Ferreira aca-
ba de restaurar collegio ds orphs des-
validas, fundado em 1853 por frei Caetano
de Messina com o a mi lio do povo.
Existem nesse estabelecmento 100 me-
ninas. Outras em maior numero aspiram
oLter os beneficios da educaco, mas nao
p ilem ser recebidas no estabelecimento
que sustenta-se de esmolas.
Possue duas fazendas de crear, adquiri-
das com os donativos agenciados pelo mes-
mo religioso.
Atem da iostrugo primara d-se s edu-
candos educagiio pratica da ra3i de familia.
A matriz, comees da era 1853 por fri
Caetano, acaba de ser levantada e coberta
por frei Venancio, que all abri misso de-
pois de o ha ver feito na capital da provin-
cia Babia.
Tambera indicaran os nobres depotados
orno escandalosa e sem juslificagao a ver-
ba de 200:000(51 com a construegao de edi-
ficios na villa do Cabo.
Nao tem anda razo nessa parte os
nobres deputados. a companhia nao pode
encontrar urna s casa naquella localidade
para estabelecimento nra dos operarios,
nem dos empregados superiores, nem das
officinas indispensaveis ; foi preciso cons-
truir tudo rpidamente e com enorme dis
pendi na acquisicao de raateriaes.
Estas construeges nao foram t3o mal aca-
badas, que presentemente nada exista,
como disseram os nobres deputados.
O Sr. Correa de Ouveira :Pelo con-
trario, l esto prestando-se aos respectivos
fins.
O Sr. Ministro da Agricultura :As
officinas sao bem apparelhadas. e muito ser-
vem estrada de ferro ; os edificios s3o
utilisados para os (iris primitivos.
V a cmara, que nao teem razo aquel-
les que incliiem esta despez no numero
dos esbanjamentos, das malversages, etc.
Ainda de equidade. Sr. presidente, a
concessSo da garanta de juros pedida pela
companhia, porque ella foi obrigada a fazer
obras extraordinarias, avalladas em mis de
200:0005, figurando entre ellas a muito im-
portante do aterro da Cabanga ; ao passo
que lutou cora muitas difficuldades e acon-
teciraantos imprevistos, como innundaces,
des/noronamentos, epidemias (nao m-mosde
duas se deram naquella provincia), durante
os trabalhos da estrada.
E' ainda de equidade porque, como tve
occasio de dizer. o capital garantido es-
trada de ferro de Pernambuco tixado pre-
sentemente na somma de lib. 1,200,000,
ter de descer ao limite de lib. 800,000,
desde que for concluida a amorlisagao do
emprest/mo de lib. 400,000, contrahido em
1860, sendo assim aquella das nossas es
tradas que nesla parte se acha menos favo-
recida, quando por outro lado sio as sok
tarifas as mais coramods.
LM'ERATuRA.
PALVBASAO VENTO
A'.....
quando no outro dia soube que Samuel
Herard, reanimado, ainda que poucas horas,
e conservando at aos ltimos momentos o
sou odio e os seus instnctos vngativos, os
erapregra era proferir urna horrivel calum-
nia, aecusando-me de o ter assassinado irai-
goeiraraente para lbe ronbar a bolsa. No
mesmo instante em que ia apresentar se no
tribunal do que tudo v, consagrou a alma
ao diabo et s eternas chammas, s para
gosar a medonha satisfago de me perder.
Seu tio, David Herard, o agiota, tornou-
se cmplice de to monstruosa delago ;
,arrojou-se aos ps do Sr. Reynie, pedindo-
Ihejustiga, e o tenente de polica, artifi-.
ciosamente convencido da minha criminali-
dade, mandoo-me logo prender. Acocado
entao como se fra um malvado pelos agen-
tes da po ieia, fugi de Pars e vim refugiar*
kme n'estaa montanhas.
Aqu tem, pois, as fataes circumstancias
que pela primeira vez juntaram ao Ilustre
nome dos Saint-MTaixent os infames epithe-
tos de ladrio e de assassino. i E' esta a
pura verdade ; nada Ihe oceultei, e disso
tomo Dos por testemuhna, Deus que
nos ouve, e que me pode ferir com os seas
ra os se en mioto.
Agora, senher conde, appello para a sua
consciencia, que um santuario de justica
e de lealdade. para qne digaes se fui culpa-
do n'este primeiro crime. .
Continu, meu primo, disse o conde!
Islo nao era responder ; mas o tom
benvolo quasi affectuoso do .conde indi-
cara Saint-Maixent que a sua tentativa de
rehabilitacSo fizera considerareis progressos
no animo do seu poderoso e nobre primo.
Depois de pequea pausa, continuou o
marquez a parte mais custosa da sua tare-
fa, a de justifiwr-w de todas as aecusacoes
(Do llvro dos reflexos.) .
Dieu..........
a fait mon amonr poar too *,
H et-raon regar poar u beaat !
Vicn Hugo.
Deus cerooa-te d-gra^a e formoiara,
E envolveu-te no veo da virgiodade,
AfTitando de ti, o inundo imratrso
No pelago do vicio J Dos feas sonhos
lllre tu foete a imagem feiceira,
^eu aojo predilecto I Envolta sempre
Ne*sa doce pureza,que me inspira
E nesse olhar que a mente me deslumhra,
Me pareces noute a fada airoaa-
De um sonho Orienul I
Ha nos teas olhos
A chamraa abrasadora da poesa,
E em teu sorrito o ml que se distilla
A' flor dos labios teus I Ha ao tea seio
O cofre da ionocenea que palpita.
Como a rola escondida no seu- ninho.
Pipi lando de amor I
Ha no teu roto
A belleza divina que arrebata
O coracao e a alma apaixonaiis,
Como a onda do mar enfurecido
O tmido baixel r
Ver-te araer-ie,
E amar-le, ser feliz, ter na-vida
Dos gozos de ventara inesperada,
A doce realidade I
Ah I entretanto
Eu que evito na vida oa teus-odiares,
Como palliJo infame, eu que inda temo.
Que receio co's olhos profanar-te,
Eu sinto-me inspirado no tea bruno,
E te amo ardentemente !
As vezes triste.
Mergulhado sozinho, era minhas scismas,
Eu quizera expliear-me como guardo
No coracao descrate a viva chamma
Do tea amor que a vida rae conforta t
Quando vejo-te, eu sinto exlremeeer-me
Como o passaro, ounndo a voz ligeira
Do errante catador Onde camintias,
A rniuh'alina. le segu inda raedroza,
Evitando essa luz que me-aliucina,
E esse seio que atrae, que me inquieta !
Eu quizera deixar de amarte agora,
E calado, occullar o amor que sinto,
Como am sonho perdido, ama esperance,.
L'uia flor que murchara I
Oh I eu quizera
Auzentar-me de ti, viver proscripto,
Longe, looge dos olhos cubicoses
Oeste Hundo egosta t Occulto sempre.
Oh tatvez que eu podesse do mea peito
Abafar essa chamma abrasadora,
que o coracao rae queima I Entao na vida.
Eu seria feliz para o futuro
Sem dezejar os gozos da opulencia
flozos que sao ephemeros, que traxem
O desespero e a doc t Talvez um da
Eu podesse viver Celia comlige,
Na innocencia do noss) amor primeiro.
Cercado das caricias, das venturas
Que espalha o leu amor I
OU s to bella,
que eu nao posso attastar-rae dos teas tXkt
Dessa luz scntillante que me ollusca
Como os raios do sol t
Deus corou-te
Com as rosasj virgneas de seu seto,
e envolveu se na tela da pureza
amistando de ti, o mundo immerso
do vicio no Ocano t
Oh! quaotas veas
NSo sonbei-te malher, nos meus delyrio?,
Cercada dos earinhos amorosos,
embalada na onda da harmona,
unida ao peito meu Oh t quaotas vezes
i
oao soltei, inspirado nos teas risos,
do mea peito ferdo os cintos frageis
que perdiam-se alm, por entre a selva
da minha solidao!
Confesso, eu temo
revelar-te esse amor quo por ti sinto,
No mea viver errante t Ah temo emuito,
os teus passos seguir, seguir teus vos
Na eschala social 1 Pobr*e descreme,
Eu am da sonhel chegar comtg)
Ao cumulo da gloria I Um dia, outr'ora,
Nesse ardente dezejo que alentoa-me,
Eu jalgaei-me feliz, julguei-rae preso
Na luz dos < Ibos leus I
Inepiente,
na mnltdSo dos celebres cantores,
Eu s pude te dar os traeos cantos
inspirados por ti, por ti, que foste
a Muza dos meus sonhos I
Quando o medo
auzentar-se p'ra sempre do meu peito,
e minh'alraa chegar a comprehender- te,
Oh t talvez que eu rovel o amor ardent)
Sue alimento por ti! O mundo inteiro
onlemplar exlactico, sem duvda,
do nosso amor os lagos perduravei,
para entao conhecer como so vencem
as barreiras da vida transitoria,
qne nos mostra sorrindo a sociedade !
Porm que almejo eram ? Que louco intento
apossou se talvez do meu espirito,
para tanto anhelar, eu que nao posso
subir to alto assim ?
Dezejo insano !
Deus cercou-le de gra;;a e formozura !
mas nao quer esse amor, nao quer unir-nos...
Deus s deu-me o poder pan adorar-te !
dirigidas contra elle desde que chegra
Auvernia. '
Nao reproduziremos aqu a serie de
mentiras que semeou pela sua historia,
porque as julgamos de p tico ou nenhum
interesse para o leitor ; basta dizer quo o
nosso here deu provas de ter urna inven-
tiva altamente fecunda, e que desenvokeu
urna hvpocriia e urna habilidade incampa-
raveis para explicar em seu favor, de ma-
neira lgica e verosmil, os factos mais co-
nhecidos o malhor provados, fazendo so-
bresahir a sua innoceocia al nos actos mais
criminosos.
O certo que Saint-Maixeiit cnseguio o
seu fim.
O conde de Rahon, medida que seu
primo fallava, a sentindo que se dissipa-
vara as duvda?, e besitava as snspeitas.
Quanto mais o hbil narrador embrulha-
va o cont e obscureca a verdade, tanto
mais ia convencen io o crdulo ouvinte.
Succede s vezes acceitarea as almas
nobres e generosas como realidades o que
nao passa de engaos ou illnsSes, porque
nao oomprehendendo o mal, confundemo
com o bem, mal se pe no semb'ante
a mascara da bypocrisia e do Qngimento
Em resumo, "o conde de Rahon ficou
perfeitamente convencido de que, nao obs-
tante seu primo baver coramettido graves
imprudencias, nao tinha aeco vergonh'osa
que se Ihe assacasse, nem crime algum in-
famante.
Os seus modos fros e severos trabam-se
ido modificando pouco e pouco, assim
como o gelo se derreto -aos raies mais ou
menos quentes do sol, e afinal .briltaaranV
Ihe no semblante a bondade, a compaixao
e os mais generosos senlimentos, quando
o marquez rematen a sua coraprida defesa
com IS seguintes paUvras ;
Abril de 1870.
Eduardo de Carvalho.
Sabe agora tudo, senhor conde. Jul-
gue-me Qual o conceito era que ma
tem ?
0 conde de Rahon estende ambas as
mos ao fugitivo, e cahiram-lh dos olhos
iJuas lagrimas da enternecimento, respon-
dendo ao mesmo tempo com a voz commo-
vida : ,
0 senhor um prente que eu esti-
mo, um hospede qua a Providencia me
envia, e que eu recebo Jubiloso.
. Ah Louvado seja Deus, que ji <>
primo nao duvda de mira f bradou Saint-
Maixent cora entonacSo dramtica, levan-
tando os olhos para o tecto.
N3o, nao duvido. Erga essa cabeca,
meu primo; se tem sido victima da des-
gracia, nada ba vergonboso na sua vida, -
pule anda dizer face de ndd o mondo
como Francisco I: Perdeu-se tud, menos a
honra \
Estas palavras cavalherosas enternece-
rn! tanto o marquez, que n*> pode repri-
mir a comraocao, e dei^ou-se :ahir nos
bracos do primo, aperando-sa, estrejtamen-
te aquelles homens, to differentes, que
um representa va o typo mais completo da
lealdade, e o outro a encarnacao mais in-
fame da perfidia.
Tem padecido muito, meu primo,
disse afinal o senhor de Rabn, e cabe-lhe
em boa verdade todo o direito para sa
queixar da injnstica dos homens, mas com
o auxilio de Deus e do rei, espero que todo
se ha de arranjar... Ponho desde j
sua disposico a miaha casa, os meus bons,
as minhas relac5es e a minba influencia na
cdrie... Cont comlgo intetramente.
(Con/imwr.|#-ia)
TYp; DO 0A.KIQ MK WfDg CA2UA&


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ESDM1Y9OA_934FVL INGEST_TIME 2013-09-19T20:26:50Z PACKAGE AA00011611_13089
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES