Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:13087


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO XLVI. NUMERO IS7.
.o
11.
I
fe':

^ PAJWL 4(CAPJJM E LGAIES OVSE 5A0 SE PAGA NBTL
fcf4 ftr "* dia*aaos................. jIOQO
l*or seiatwtoirttir................. I2OOO
*r um anuo iifeiu......
S4#000
820
ine I
,------------
SEXTA FEIRA 15 DE JULHO DE 1870.
paia samo FORA.DA PROVUClA.
Por tres mezas adiantado*.........
Por jaslos dem............
Frmta ditos idem..........rf
Por MB'irmo dem...........

6#X
13*500
201280
27*000
;'i, i,
1
-----

,-------------
Propriedade de Jfajioel Hg&eitoa de Paria IUhos.
-------------^-------------------J--------------^-----4----------------!----------------------------------------
.i 1
Os Srs. Gerardo Antonio Alves A Filhos. no Para ; Go?alves d Pinto, no MaranhSo ; Joaqnim Jos de Oliveira. no Cear ; AJRoi
SAO AGBWTK:
nlo de Lerno* Braga, no Aracaty ; Joao Mara Joiio Ornes, no Ase ; Antoa Marques da Srlia, no Nata*; Jos JnatiD*
Pereira d'Almeida, em Mamanguape; Antonio Alexandrno de Lima, na Parahyba ; Antonio Jos Gomes*, na tilla da Penba; Belarmino dos Santos Balcio, em Santo Anta; Domingos Jos da Costa Braga,
m Nazareth; Francisco Tavares da Costa, em Alagoas; Dr. Jos Martins Alves, m Babia ; e Jos Ribeiro Gasparinho no Bk) de Janeiro.
paite ornciAL
Gvern la provnola
CXI'MHNTB ASSICNADai'litJt EXM. SR. 8RNADOR KKK-
naiCO DX ALMBUM C ALBUQU RUQUE, PHfiSIDENTE
SA MtOVIXCIA, EM 56 08 FKVIUtURO DE 1870.
! ecco.
N. 82.Portera ao Esm. Sr. general comraan-
dome as armas Para se poder satisazer o pe-
dido que devolvo do commandante do deposito di
remitas que veio anaexo ao sea offlcio 15 do enr-
rer.e, sob u- 91, faz-se necesario qno V. Exc sa-
tisfaca o qtte exige, no parecer junto por copia, a
contadoria da thesouraria de fazenda.
N. 830.' Dia ao mestno.Tomando era cons-
deracXo o qne V. Bxc. propoz era sea offlcio des-
ta data. ?ob u. 109, tenho a dizer-lhe qne nao fa-
ca seguir para a corle, no vapor Arnos. os tres
recrutas mencionados en seu citado offlcio, visto
estar all grassandu coai carcter epidmico, a fe-
bre amarella.
N. 831. Dita no mesmo. Commnnico a V.
Ese. para seu conhecimenio e flns conveniente*,
que o vapor Cuntripe da companhia Pernambuca-
na, segae para o presidio de Fernando de Noro-
nha no dia d de margo prximo vindouro ao meio
da.Igual ao director do arsenal de guerra mu-
tatis mutandis.
2a seccao
N. 833.Portara ao Dr.' cbefe de polica.Em
vista dos exames a que procedeu a commissiio de
mdicos encarregadoi por este presidencia, de
aminar a pessa de Antonio de Holtana Caval-
caote de Albuquerque. opinando a mesma com-
nisso nao sofTrer dito Hollanda da alienarlo men-
tmt, poJe o mesmo ser posto por Y. S em libar-
dade.
N. 811Dita ao mesmo.Communico a V. S.
para seu conhecimento e flns convenientes, qne o
vapor Cururipe da companhia Pernambuca segu
para o presidio de Fernando de Noronha ao dia 5
de margo vindouro ao meio dia.
N. 835. Dita ao commandante superior da
guarda nacional de Santo Anteo. -Nao pode ser
.ipprovada a proposta de que trata o offlcio de Y.
S. de 13 do correte, por nao existir vaga do pos-
to de capito na 1* companhia e aira na 2a do es-
quadrio n. 8 de eavallarla do municipio de Santo
Anto, e ser para esaa vaga proposto um simples
suarda, quando pelo fado de estar organisado dito
l.-iuadro, deve ser guardada a ordem gradual
4o aeeeaso. Qnanto ao atieres proposto para l-
ente di 2' companhia, perlencendo elle ao baia-
Iho b. 23, preciso para que possa ter lugar a
su nomeacao que seja ouvido o respectivo cotn-
inaadante.
N. 836. Dita ao commandante superior da
guarda oacionai do Bonito.Devolvo a V. S. a pro-
posta de que trata o seu offlcio de 18 do corrente,
por isso que existindo no esqnadro n. 4 do mu-
nicipio -do Bonito, dous capiHes que nio consta se
aehem impedidos, vem a mesma assignada por um
teneate. convindoque V. S. d a ratio pela qnal
est aquelle tenente no commando do referido es-
ro4rio.
X. 837. Dita ao commandante superior da
juarda nacional d Cabo.Tende por deliberacao
desta data nomeade para e batalhlo n. 41 do mu-
nicipio de Ipojaca os offlciaes constantes da rela-
rio juola de conformidade com a proposta do res-
pectivo commandante interino e informacao de V.
S. era offlcio de 14 do correte ; asara Ihe com-
municopara seu conhecimento e flns convenientes.
I*/ 838.Dita ao commandante interino do ba-
lalbao d. 48 de Cabrob. Devolvo a V. S. os
prets juntos do destacamento de abrob, relati-
vo, ao mez de Janeiro, para que venbam por in-
termedio do respectivo commandante superior, fl-
cando assim respondido o seu offlcio de 5 do cr-
reme.
N. 839.Dita aojulz municipal daprimeira va-
ra desta eidade.Commanlco a Vmc. para seu co-
nhecimento e fins convenientes qne o vapor Cn-
i >tripe da companhia Pernambucana, segu para o
presidio de Fernando de Noronha no dia 5 de
marco vindouro ao meio dia.
N. 8W.O presidente da provincia de confor-
midade com a proposta do commandante interino
ilo batalbo n. 41 de Infamara da guarda nacional
do municipio de Ipojuca, de que trata o offlcio do
respectivo commaodante superior de 14 do cor-
rente, sob n. 1.033, resolve nomear para dito bata-
Iliio os offlciaes seguntes :
2' companhiaTenente o alteres Jos Cavalcan-
te de Souza Leao.
3" companhiaTenente e alferes Paulo Felippe
de Salles Abren,
ii' companhiaAlferes Jos Thales de Mello. _
ti* eompanhiaFrancisco Manoel de Souza Leao,
alfares Manoel Marques Ferrein Lias.
N. 841.Dita.O prndente da provincia at-
tendeado ao que Ihe reuuereu o bacharel Jaao Al-
vares Pereira deLyra, juz municipal do termo do
Brejo, resolve conceder-lhe trinta das de lieenca
om ordenado na forma da le para tratar de sua
sade ende Ihe conver.
3' seceo.
N. 842. Portara ao inspeotor da thesouraria
de fazenda.Communico V. S. para seu conhe-
cimento e flns onvenientes, que o vapor Cnruri-
\if da companhia Pernambu "ana, segu para o
presidio de Fernando no dia 5 de marco vindouro
ae meio dia.
N. 843 Dita ao mesmo.Em vista do certifica-
do que incluso devolv, competentemente sellado,
mande V. S. de conformidade com o parecer da
contadoria dessa thesouraria o que se refere a sua
iurformacao de 15 do crreme, sob n. 118, pagar
ao arrematante da obra do encmmento das colum-
nas da ponte denominada Sete de Setembro, Tho-
niaz de Carvalho Soares Brandao Sobrinho, a im-
portancia da segunda prestacao do seu contrato.
Jf. 844.Dita ao inspector da thrsouraria pro-
vinciaf.Antoriso V. S. de conformidade com a
sna in'ormaco de 24 do orrente, sob n. 128, com
referencia a da contadoria dsa thesouraria a
mandar pagar ao delegado do termo de Buique, a
quaotia de 601, proveniente do alagael de caval-
los de qne laneou majo aqueiU autoridade para a
captura de dous criminosos, segundo consta do
oficio do chefe de policia datado de 7 deste mez,
certo de qoe nesta data se exige do mencionado
delegado a remessa do Tedbo da despea de que
se trata.
N 845.- Diu ap chefa das obras publicas.-tGom
o patecsr lo rfceale infarm*CJes JunUs por eupia
4a tSesauraria de fazenda, respondo ao offleio que
Van, e dirigi em 19 do corrale, sob a. 42,
acerca da impugnacao que fez a mesma thesoa-
raria a tres documentos relativo despeas mi-
das faltan-com os ra*ros do edificio era que func-
cionaa RaSuldade de Direito do Recife.
N. 846.Dita ao mesmo.Informe Vmc. o que
ha occotTido acerca do damno causado pela barca-
da Atona Senhora ortfliegantes, ao parapeito da
IKtate Sete de SetemljKy ealos reparos foramre-
v. .rameoJados por ponajfa laeta presidencia.
4.a saccao.
N. 8i7.Poruria ao director prosdor da Santa
Osa de Misericordia.Nao exigindo o regulameo-
to de 24 de junho de 18S5, para a adraieaao no
colegio das orpbiss qna sajam estas Binas legiti-
mas, e estando provado pelos documentos juntos
a peticao de Joao Jos Manoel, qne se refere a
saa informaeao-de 18d* enfrento sob n. 2463 que
a Mor AdeHa le dw) traU a carttdao de idade
iaerau orpnaa desvnlida, pode V. Exe. pnnda-la
adnsUtfr no 'referido eofleglo.
rV.-m,-m$W) tefefa,;M eanyanhia de illa-
minafo a gazBecommendo ao Sr. gerente da
companhia de iilnminacSo a gaz que jamis con-
sulta abrir as pilastras da ponte Sete de Setembro,
para concert do encanamenlo do gaz sem aviso
previo ao engenheiro flseal da illaminacao a gaz
aflin de gue seja inspeccionado semelhante traba
bo como convm a conservagio da mesma
ponte.
N. 819DiU ao engenheiro fiscal da illumina-
co a gaz.R*commeud.indo nosta data ao gerente
da rompan ia da illuminaca a gaa que jamis
consinta abrir-as pilastras da ponte Sete de Se-
tembro para concert do encanamenlo do mesmo
gaz sem previo aviso a Vmc. para ser esse devrda
mente inspeccionado em vista do que me repre-
sentou o engenheiro das obras geraes, em data de
31 de Janeiro assim Ib. o eommunico para sua in-
leliigencia.
N. 830.taao engenheiro fHcal das obras ge-
raes. -^Em vista do que expoz Vmc. em seu offlcio
n. 3 de 31 de jinelro ultimo, acabo de recoramen-
dar ao gerente da illaminacao a gaz qne jamis
consinta abrir as pilastras da ponte Sete de Setem-
bro, para o encanamenlo do mesmo gaz sem pr
vio aviso do engenheiro flseal da Iluminarlo a gaz
convtndo qoe Vmc. por sua parte contmne a ve-
lar na couservacao da mesma ponte e traga ao
cunhecimento. desta presidencia o que necorrer.
N. 831.Djla ao mesmo. Organise Vmc. e
aprsente-me o orcamento da despea a fazer-se
com os reparos de que precisam a guarnicao que
cobre as eabecas das traretas da ponte Sete de
Setembro e com a collocacao do capuz da
pilastra aa mesma, qoe se acha fra do seu lugar
de qne trata o sen offlcio n. 3 de Janeiro nltimo,
indicando o meio a adoptar-se para evitar repro-
dnecio de iguaes estragos. *
N. 832.Dita ao comnrissario vaceinador pro-
vincial.Remetta-me Vmc alim de serem envia-
dos ao presidente do Rio Grande do Norte que as
solicita em offleio de 24 do crreme algumas lam-
minas ou tubos com puz vaccinieo.
N. S33. Dita ao gerente da companhia Per-
nambucana.0 Sr gerente da companhia Per-
nambucana mande dar transporte at Penedo, no
vapor que segoir para o snl em lugares de proa
destinados a passageiros de estado, ao 2* sargento
Andr Antonio dos Reis, e a sua mulher Angela
Mara da Cooceicao.
N. 834.Dita ao mesmo.Pode Vmc. fazer se-
guir para o presidio de Fernando de Noronha, o
vapor Cornripe, no dia 5 de marco vindouro ao
meio da. Pica assim respondido o sea offlcio de
26 do crreme.
N. 835.Dita ao agente da companhia brasilei-
ra de paquetes a vapor.Em respusla ao seu offl-
cio de boje, pode Yrac. fazer seguir para os por-
tos do sul o vapor Arinos, depois do preso respec-
tivo,
N. 866.Deliberacao.O presidente da provin-
cia attendendo ao qne requereu o profossor pu-
blico da cadeira de Pao d Albo Francisco Manoel
Bizerra de Vasconcellos, e tendo em vista a infor-
macao do director gera1 da instrnecao publica de
18 de Janeiro prximo lindo n. 36, resolve cocce-
der-lhe 2 mejes de lieenca com ordenado, smen-
te para tratar de sua sade.
N. 837 Dita ao mesmo.O presidente da pro-
vincia em vista da informarlo do director geral da
instrnecao publica de 24 do crreme sob n. 76,
resolve conceder a exoneracao que pedio Telespho-
ro Lopes de Siqueira Granja do cargo de profes-
sor interino da vi la de Flores.
KXI'EDIENT ASSIGNAOO PELO SR. DB. ELIAS FREDE-
RICO DE ALMEIDA E ALBl'OUERQUK, SECRETARIO IN-
TERINO DO GOVERNO. EM 26 DE FEVEREIR0 DE 1870
2* seccao.
N. 858.Offlcio ao Sr. Dr. chefe de polica.
Sua Exc. o Sr. presdeme da provincia, manda
nio so declarar a V. S- em resposta aa seu offlcio
de 7 do corrate que a thesouraria provincial tem
ordem para paear a o delegado do termo de Bui-
que os (602000) constantes do citado offlcio, mas
tambem recommendar-lhe que exija do menciona-
do delegado e remella com brevidade um recibo
dessa dospeza, o qual reclamado por aquella re-
par ti cao.
N. 859.Dito ao juiz de direito da 1' vara des-
ta cidad.O Exm. Sr. presidente da provincia
manda declarar a V. S. que flcou inteirado de ter
sido posta em concurso por edital de 19 desle
mez, que veio annexo ao seu offlcio de 23 do cor-
rente, a serventa vitalicia do offlcio do escrivao
do jury e execucoes desta capital.
3* seccao.
N. 860. Offlcio ao inspector' da thesouraria
provincialSua Exc. o Sr. presidente da provin-
cia manda coinmunicar a V. S. para seu conhe-
cimento, qne por deliberacao desla data e em vis-
ta da informacao do director geral de instruccao
publica de 26 do correte sob n. 76 resolveu con-
ceder a exonerado que pedio Telesphoro Lopes
de Siqueira Granja, do cargo de professor publico
interino da villa de Flores.
4* seccio.
N. 861.Offlcio ao director geral da instruccao
publica.Sua Exo. o Sr. presidente da provincia
tendo por deliberaca.) desta data e em vista de sua
lotormacao de 24 do crreme, sob n. 76, resolvido
conceder a exoneracao que pedio Telesphoro Lo-
pes de Siqueira Granja, co cargo de professor in-
terino da villa, de Flores, assim o manda commu-
oicar a V. S. para seu conhecimento.' .
IXPEDIENTE ASSIGNAD0 FELO EXM. SR. SENADOR FRE-
DERICO DE AI.MEIOA K ALBQUEROUB, PRESIDENTE
DA PROVINCIA, EM 28 DE F8VBREIR0 DI 1870.
1* seccao.
N. 864.Dito ao director do arsenal de guerra-
Respondo ao offleio que V. S. me dirigi em 25
do crreme sob n. 25, declarando-lhe que appro-
vo a nomeacao que fea de Pedro Rogerio de Olivei-
r Baduem, para exorcer o lugar de guarda da
companhia de educandos menores desse estabele-
eimento, visto ler fallecido Antonio Francisco Ca-
valcanie que o exercia.
N. 865.Dito ao capilao do porto..Em respos-
ta ao offleio que V. S. me dirigi em 15 do cor-
rete sob o. 20, tenho a dizer quex segando infor-
madlo junta por copia da contadoria de Tatnda a
ue se refere a dofespectiro inspector, datado de
_3 deste mez, pode-so mandar imprrimir e enca-
dernar presentemente um dos hvros de que trata o
sen citado offlcio, fleando o oatro se julgar iudis-
pensavol para o exercicio vindouro, aflrode que l
sao exceda o crdito respectiva.,
N. 867.Dito ao consetho da compras nava es.
Ficarn approvados os contratos oue o eoselho de
compras aavaes eelebron eom diversas pessoas,
segundo o termo e offleio datados de 19 e 21 do
orrente, pare foraeoerem o alraoxarifido do ar-
senal de marmha os objectos mencionados em dito
offlcio. O que declaro ao mesmo coaselho para seu
conhecimento, -, _
- ,. 2* seceo.
N. 869.-Dita ao mesmo.Pode V. S. mandar
por era liberdade o guarda nacional do batalbo
n. 12 de infamara do municipio de Goyanna Wen-
ceslao TaVares de Andrade, de qne trata o offlcio
do commandante superior respectivo junto a por-
tara des presidencia de 16 deste mez, visto ter
cessado o motivo da saa prlsio.
V. 870.Dita ao mesmo.-Inteirado do que V.
S. eommunicou ara seo offleio de 22 do crreme,
sob n. 238, acerca do apparecimento d urna febre
de-madeareetar no termo do Bom-Conelho, re-
mello-Ihe ama ambulancia com remedios alop-
ticos, aflm de que V. S. a transmuta ao juiz de
direito de Garannans para serem applicados a pre
sos pobres que forem accommettidos daqueile mal
podando o referido juiz encarregar desse trata
Iento a alfutna, pesaoa para ese fim habilita^,
percebendo mesmo alguma gxalifleacao, ea*o nao
baja -quera a isso se queira prestar gratuita-
mente. -
N. 871.DitiT ao juiz de direito da comarca de
GaraohuoeDeclaro em resposta ao seu offlcio de
6 do correte em que me partid pon o a ppa rac-
menlo de ama febre de mo carcter no1 termo do
Bom-Conselho que nesta data envi ao Dr. chefe
de polica para ser rmettida' a Vmc, urna ambu-
lancia com medicamentos alopathieos, aflu de se
rata pelicanos a presos indigentes qn* forem ac-
cimiineuidos daqueile mal, podendo Vine, encar-
regar desse Iratamento a alguna pessoa para esse
fim habilitada, percebendo mesmo alguma gratif-
caeSo, caso nao naja quera a isso se queira pres-
tar gratuitamente.
X. 872.Circu1 r a todos os juizes rnunicipaes
da provincia.Tendo os agentes consulares de
Portugal comraunicado a legaclo de sua mageita-
de fldelissima na corle qse as autoridades locaes
deixam era muitos casos de Botieiar-llies o fallec
meato dos subditos daqueile reino, na turna das
disposicoes da convenci consular de 4 de abril de
1863 e do accordo de 23 de malo de 1867 para
execuoo do arl. 13 da mesma con venci, mando u
o governo imperial por aviso circular'do ministe-
rio d estraogeiros recorameadar o fiel cumpri-
menlo daquellas dispjsicoes, como de absoluto
necessidade, determinando que do mesmo modo se
proceda relativamente a outros paizes como a
Franca, Suissa, Italia, e Hespanha, que tem cele-
brado com o Brasil iguaes conventes, onde tam-
bera se acha estipulada a obrigaco de commnoi-
car aos respectivos agentes consulares os cases de
raorte dos subditos desses paizes, de que as auto-
ridades brasileiras forera as primetras a ter co-
nhecimento : -o que hei por muito recorarntodado a
Vine.
N. 873.Portara ao promotor publico da capi-
tal.Em vista do offleio flo administrador do cor-
reio de 31 de dezembro nltimo, e do aviso de mi-
nisterio da agricultura, coaimereio e obras publi-
cas de 14 deste mez, jaatos por copia, proceda
Vmc. contra Eduardo Firmino da Silva pelo qae
preiicou na qoalidade de contador do mesmo cor-
reio e consta do offlcio daqueile administrador ci-
ma citado relativamente a respectiva escriptu-
racio.
N*. 874.-Dita ao commandante do corpo provi-
sorio de polica.Em vista do que me representou
o commandante do vapor Arinos mande Vmc.
i presentar ao capilao do porto o soldado do corpo
sob o sen commando Florencio Ferreira da Silva,
para servir na armada, caso seja para isso julgado
apto.
3* seccao.
N 876.Portara ao inspector da thesouraria de
fazenda.Communico a V. S. para seu conheci-
mento qne attendendo ao que requereram as pro-
fessoras publicas de instruccao primara da tercer
ra cadeira da fregeezia de S. Frei Pedro Goacatves
do Recife, Cl ira Oiympia de Luna Freir, beta
como os professores das cadeiras das poyoacoes
do Caxang e Beberibe Hermelino Elseo da Silva
Caneca e Manoel Figneira de Menezes expeco nes-
ta dala as neeessarias ordeos do inspector da the-
souraria provincial para fazer cessar o esconlo
de cinco porcenio que elles offereceram de sou
vencimentos para as despezas da guerra.
N. 877.Dita ao mesmo.Communico a V. S.
para seo conhecimento qne o tbesoureiro das lo-
teras desla provincia me declaren em offlcio de 7
do crreme que nessa data fleava terminado o of-
ferecmento que fez de 10 bilhetes inteiros da mes-
ma lotera para auxilio das despezas da guerra.
N. 878. Dita ao mesmo.Ao negociante Joao
Teixeira da Rocha, mande V. S. pagar, depois de
liquidados, em vista das folhas juntas em duplca-
la que me remellen o Commandante superior do
municipio de Garanhuns com offlcio de 4 do or-
rente, sob n. 6, os vencimentos a contar de setera
bro do anno prximo passado a Janeiro ultimo, do
tenente commandante do destacamento de guardas
nacionaes existentes naquella villa.
. N. 879 Dito a o mesmo.Tendo nesla dato ap-
provado os contratos que'o conselho de compras
navaes celebrou com diversas pessoas para forne-
cerem ao alraoxarifado do arsenal de marinha os
objectos mencionados no termo junio,1 per copia :
assim o commuoica a V. S. para sea conhecimento
N. 880.Dito ao mesmo.Tendo o secretario
interino desta presidencia bacharel Elias Frederico
de Almeida Albnquerqae renunciado o resto da
lieenca, em enjo goso se achava e assumhido nesta
data o exercicio de sea cargo : assim o commu-
nico a V. S. para sen conhecimento.
N. 881.Dita ao mesmo.Bemetto a V. S. para
seu conhecimento e ns convenientes copia do
aviso expedido pelo ministerio da agricultur, com-
mercio e obras publicas, em 14 do mez que hoje
Gnda relativamente os contas que devem ser pres-
tadas pelo administrador do correio aposentado
Domingos dos Passos Miranda.
N. 882.Dita ao mesmo.Communico a V. S.
para seu conhecimento que nesta data approvei a
nomeacao que fez o director do arsenal d guerra,
de Pedro Rogerio de Oliveira Baduem, para e-xer-
cer o lugar de guarda da companhia de menores
daqueile arsenal vlsi ter fallecido Antonio Fran-
cisco Cavalcante, que o exercia.
N. 883.Dita ao iuspector da thesouraria pro-
vincial.Pode V. S., conforme indica em seu offl-
cio de 25 do crreme, sob n. 130, mandar pagar
com as sobras das consignacoes da lei do orna-
mento dp exercicio pmximo lindo, visto nao haver
crdito para isso a importancia da prestacao defi
niiiva, a que tem direito o arremtame das obras
do 1* lanc) da estrada da Victoria a Grvala, co-
mo se'v do certificado annexo ao reqnerimento
que incluso devolvo e acorapanhou, ao citado offl-
cio, o qnal flea assim respondido.
N. 884.Dito ao mesmo.Depois de liquidada
em visto das comas e relagoes. juntos, a des pea
feita com o sustento dos presos pobres da cada
do termo de Ouricury, contar de malo do ahno
prximo passado Janeiro uWmo, manda V. S. de
sua importancia levar em coala ao delegado da-
queile termo os 200*000. que para occorrer
essa despere Ihe foi adiaada por essa thesouraria
e pagar o restante a Carlos Soares de Brito, eos
forme soliciton o chefe de policia, em offlcio de
25 do crreme, sob n. 278.
N. 885.Dita ao mesmo.Inteirado de qnanto
V. S. expoz em sea offleio d 24 do crreme, sob
o. 124, acerca do pagamento dos venutmentos,
contar do 1 21 de dezembro do anno prximo
passado, do offltial commandante do destacamento
da eidade do Rio Fprmoso, como se vda'folha,
que devolvo em duplica, tenho a dizer em ras-
posto ao citado offlcio que mande pagar, integral-
mente taes vencimentos, porque alni de ser di
minuta a differeni}a acontece que a continnacio
desse oficial no commando daqueile destacamento
proveio de nio haver sido aera, entendida a minea
ordem de 3 do citado mea de dezemJw-o, acerca da
qnal honve consulta i esto pro^i.fteqcia qae ji
responden.
M 886Dito ao mesmo,AWortse V. S. nos
termo* de sua informacao de 15 do correte, sob
n. 127 a mandar entregar a Francisco Paeinco. do
Amara!, que assim o solicita no requeriraento do-
cumeotodo, que incluso devolvo, a quantia de
1:0004000, resto da de 2:000*000, votada pelo
art. 45 da lei do orcamento vigente, e a que tem
elle direito por haver cumprido o sen contrato
para a confeccio e impressio do almanack da pro
vincia.
N- 887.Dita ao mesmo.Attendendo ao que
soliciton o direeto geni da instruccao paWica,
un offlcio de H -do cor renta, sob n. 77, reoom-
que seja naga a Lailhacar & Cf .ou a sua ordena,
a quantia>fe 330*001) por que :foi comprada em
vj'ciude o antorisacao deta presidencia a obra
de Dallos, a1 61 voluntes, para a biblioteca pro-
vincial.
. 888,+-Dita ao mesmo.Atteadendo ao que
requeren***- a professora publica de instrualo
primaria da 3* cadeira da freguezia de S. Fr. Pe-
dro Goncalves do Hecife, Clara Oiympia de Luna
Freir, e ps profesores da* cadeiras das povoa-
n doCaxang- e Beberibe, Hermelino Elseo da
iva Caneca e Manuel Fgueira,-do Menezes. re-
comiuendo a V.'S. que faea suspender o descopto
da 5 0/0 que elle ollereceram dos seos veaci-
mentos para as despa/as da guerra, visto terem
cessado semelhantes offerias. >
If. 889Diu, ao mesmo.Tendo o secretario
interino desta presidencia, hachare! Elias Frede-
rico de Almeida e Albuquerque, renunciado o
reste da lieenca em enjo gozo se achava. e assti-
mido nesta dala o exercicio de seu cargo, assim
o communica a V. S. para seu conhecimento.
4* seccao..
N. 893.Dila ao gerente da companhia Per-
nambuca.- Mande por disposicio do juiz de di-
reito do oonaiktrcio de Theresina, bacharel Gerva -
siojLCampello Pires Ferreira, duas passageos de
estado r e tres de proa al- a Granja, no vapor
que tem de seguir para o norte no da 15 de mar-
co prximo vindouro.
EXPEDIENTE ASSIGNADO PELO SR. DR. ELIAS FREOE-
BICO DB ALSIRIDA E ALWOCEROCE, SECRETARIO
IKTBR1NO DO GOVERNO, EM 28 DE KEVEREIRO DE
1870.
2- sec?ao.
It 894.Offlcio ao Dr. chafe de policia.S,
Exc, o Sr. presidente' d provincia, manda de-
clarar a V. S. qne tramiraitlio a thesouraria pro-
vioenl, para o Ii n indicado em seu offlcio de 25
do crreme, sob n. 278, as comas e rebeoes que
vieram anneias ao citado offlcio, o qual fica'as-
sim respondido.
N. 895.Dito ao commandante superior d
guarda nacional de Garantmns. Nesta dato au-
lorieou-se a thesouraria de fazenda a pagar ao
negociante Joao Teixeira da Rocha os vencimen-
tos constantes do offlcio de V. S., datado de 4 do
corrente, sob n. 6, o qual fica assim respondido
de ordem do Exm. Sr. presidente da provincia
4' seceao.
N. 896. Offlcio ao director geral de instruc-
cao 'poblica. O Exc. Sr. presidente da provia-
cia manda declarar a V. S., em resposta ao seu
offlcio de 24 do torrente, sob n. 77, qae a thesou-
raria provincial tem ordem para pagar a Lailha-
car Jt C. ou stu ordem a quantia de 350*000
constante do citado offleio.
N.897.-J>rto ao thesoureiro das loteras.S.
Exe. o Sr. presidente da provincia manda ecla*
rar a V. S. que pelo sen offlcio de 7 do corrente
flcon ioteirado de haver V. S. nessa dato termina-
do o offerecimento qne fez de 10 bilhetes das lo-
teras desta provincia para auxilio das despezas
da guerra.
. m.\-
PERNAMBUCO.
BEVISTA DIARIA.
SEMINARIO DE OLIVDA. H,.e que passada
a primeira impressio dolorosa da prematura mor-
te do virtuoso prelado Peraambucauo, vimos pu-
blicar urna homila dirigida por S. Exea. Rvma.
aos alumnos do seminario de Olinda, no sabbado
de Alelluia, lourando-ce pelo sea aproveitamento
tanto na rgra de viver como nos estudos, e ex-
hortaDdo-os a proseguirom nessa verJa, esca-
brosa sim, mas perenne de gracas e dons celestes,
que os deve n'utn futuro prximo tornar o orna-
mento do clero desta diocese. ,
Approximando-se a solemnidad? do Petencostes
E)spirilo Santo) S. Exea. Rvma. couvidava os jo-
vens levitas a se prepararem convenientemente
para esa festa, nra des mais importantes da
igreja catholica romana, com um retiro espiritual
e coinmuntiio geral ao ultimo dia, especialmente
dedicada a implorar do Divino Paraclyto a pro-
teccao para toda essa igreja que pertencemos,
para o bom resultado do ciincilio reunido em Ro-
ma para proclamar a verdade, pare todos os po-
vos chrislaos alim de receberem com docilita le a
-palavra de salvajao, e iualmente para elle dioce-
sano poder doseropenhar o seu episcopal ministe-
rio com prudencia e vautagem para a igreja.
Nessa pequea homila se v bera claro os prn-
cipaes dotes do Ukistre preladoa humildade, a
caridade e o verdadero amor do prximo ; e se
nota quanto zelo e cuidado tinha pela sua diocese,
e sobre indo pelo estabeleeimento onde os futuros
levitas do Seohor preaaram-se as scieocias e as
virtudes.
Ainda oessa homila vera a comraunicacao aos
alumnos do seminario de Olinda da gra$a que o
Saolissimo Padre Pi IX conceden ao muito digno
e Ilustrado reitor desse esiabeteeimento, o Rvm.
Sr. Dr. Gregerio Lipparoni, de seu capellio secre-
to henorario, cora o tituh e insignias de Monse*
nhor, como premio do fino, prudencia e illustra-
cio com que tero-o dirigido, collocando-o no mais
alto grao de prosperdade.
Nos oue taraos sem pre acora panbado o cami
nhar iocessame na va do progresso desse estabe-
leeimento e que, compartithamos o pensaraento
do -nesso sempre chorado prelado, felicttamos ao
muito digno Monsenhor Dr. Gregorio Lipparoni,
por essa destinecao de Sua Saotidade, que Ihe
lano mais honrosa que foi expontaneamente con
cedida.
Bis a homila:
t Ftranoisco Cardse. Avres, do Instituto da Cari-
dada, por Greca de D jus e da Santa S Apost-
lica Bispo de Olinda, em Pernambuco.
Aos dilectissiroos Filhos em Jess Christo os
Clrigos do Seminario de Olinda.
< Os sentimentos qne por vos nutrimos, dilec-
tsimos Filhos, devem serosos bem notorios pela
oorrespendenca, que temos eatretido com Monse-
nhor Lipparoni, digno Reitor desse Seminarlo.
Mas, approximando-se' a soleranidade de Petencos-
tes, qne por exceltencia a festo da Igreja, a
qual uve ella oomeco ao primeiro serrado publi-
co dos Apestlos assim que forem visitados pelo
Espirito Santo ; desejaraos seguir os impulsos do
nosso corecao o qual affectuoso se langa como que
em meio d vh, para exultamos com vosco, e
para com vosco celebrarmos, ao menos em e pri-
co, os tnamphos da Santa Igrej,a na Missao do Es-
pirito Paraclyto, que veio do Co pare assisti-la
eorn o sen perenne influxo. Accresce, porm, ues-
te anno i Solemnidad de Peteneosies ama parti-
cularidad si pTepria, qne a torna sobremanei-
ra gloriosa; R' dpmrina revelada, que, quando
todo o Episcopado. Catholioo esto rennido em Con-
erlio cora o Summo Ponliflce, o Di,vtno Espirito
a sua alma ou artooipio vlvineante, e o seo imme
dalo assistoete pare tomar infaliiveis as sua de-
Cisdes relalivas f e a moral. Oreis que se
realsa urna tal conjuoctura : pois, como bem sa-
bis, a nossa ausencia da Diocese motivada pe-
les nossos deveres para eom essa alta Aaaembla
reunida em Roma em torno ao Vigario de Jess
Christo; e qne, sa atamos separado por unta
distancia de nossos oharos Diocesanos, acharao-nos
unido aos nossos IrmSos no Episcopado e princi-
palmente a Cubeca deste Corpo venerando pare
o servioo da Igreja universal. Grande a nossa
esparanaa que dea* Syaodo Sacrosanto resalto
menq a V. ?.
io d suas rde'os,' par' (mojenao provetto para a Diacese opa dileoli;
sim, uma aftrueocia de bens qne possa expela- o
muito mal qoe nella infelizmente-existe; aflra-de
eleva-la ao nivel dessas Dioceses mais estimadas
pela virtude iv saber do seu Clero e pela bondade
e brandura de todo o seu Povo. Por isso mesmo
temos comlnnamente ffxo o pensamento era vc,.
amados Filhos, que sois a nossa eoosolacao pre-
sente e a nossa esperanca do porvir; em v* que,
educados na pVatci da vrtude e do sacrificio
mais heroico, e natridos com a doutrina que raos-
tra o carainho da salvacjo, seris o-novo sol da-
uoss-i trra, a nov luz desta ainda rcenle parte
do mnndo.
a Temos iodisiwl prazer, e damos as derdas gra
cas Deus, ao receberm s nformacos acerca da
vossa piedade, morigeracao, e appiicaeSo ao es-
tudo: pelo que fksamos certamente agradecido
aos Professores voseos, e quaotos erafen vos as-
sislem com solicitude. Mas, por isso mesmo que
nos vemos satisfeito cora vosco, nos serAimos tan-
to mais animado a insistir para qae vos-esforcis
de dia em dia emulando no espirito ecctesiaslico,
na cultura da sciencia, e na boa disciplina, aflrn
de eorrespondrds eom a possivel perflicaa
santidade do minisnri.i, para o qaal vos estis
preparando. Esses dons sublimes pedios instan-
temente quelle que s vo los pode conceder,
quelle que os proigou aos Apostlos na dia de
Petencostes. Preparai-vos por tanto para essa So-
leranidade no correte anno com singular devo-
io. Desejariamos qoe Ihe precedesse u-Triduo
a Retiro Espiritual, o qual, sa nao de sermoe*
especiaos, constasse ao menos de medilaeoes e
preces, como usaram o Santos Apostlos no Ce-
nculo ; iQierpundo a mediacio de Mara Sanlissi-
raa, que afl com effeiio estove era meio delles co-
mo poderosa iatorcessora : e tambem desejaria-
mos que no dia dessa grande Solemnidade rece-
besses todos o Santissimo Sacramento com.fervo-
res i affecto. Nessa Cmmuohao sagrada suppli-
cai a Deas os preciosos dons do Espirito.Sanio
para toda a Igreja; e era primeiro lagar para o
Concilio dos Meslres ou Doutores, aflm qae ssm
o menor affecto torren, humano respeito,.ouacei-
tagio de pessoas proclamen) a verdad-;. depois
pare todos os Povos Chrislaos, aflm que doceis
e obedientes recebara a. palavra de salvacjo que
s pede vir de Deas ; Qnal mente para nca mesmo,
aflm que o Espirito de Sapiencia e de Fortaleza
nos nao falte no desempenho do nosso Episcopal
ministerio. .
Nossa ausencia da Diocese dever prolongar-
se, temamos, muito alm do que trabamos pensa-
do, tontos sao os assuraptos contemplados pare
tratarem-se no Concilio I e tanta importancia se
Ihes atiribue, que compre dar-Ibes preferencia
outros interesses. Porm. se nao nos -dado ata-
da tio cedo achar-Dos no meio de ve, como foi
sempre nossa delicia, inde ver-vos meado ao
Seminario, a Divina Providencia tora disposto qoe
Sossuais, qaal viva lembraaca nossa, por voseo
eitor um dos Familiares do Nosso Santissimo
Padre, o qaal dignou-se manifestar a ana estima
pelos muitos servicos que o Rvm. Dr. Lipparoni
tem prestado e est, prestando Diocese como
Reitor do nosso Seminario, nomeando-e seo Ca-
pellio secreto honoraria, com o titulo e insignias
de Monsenhor. Esta noteia talvez de vos eoabe-
cida, vo-la commnnieamos directamente como
cousa grata, estando nos persuadido que a digni-
dade do chefe se estende toda a Corporaeju ; e
que isto mesmo vos estimular no exercicio da
virtude e na practica de todo o bera : com o que
vos tornareis elle cada vez mais agradaveis, ao
passo qae minorareis o p*so da sua respoosabili
dade.
Com o mais profundo sentimento paterno da-
mos todos vos unidamente aos vossos- dignos
Superiores a nossa bento.
Dada em Roma, fora da Porta Flamioia aos
16 de Abril de 1870.
o + Francisco. Bispo de Pernambuco.
GUARDA NACIONAL.Por deliberacjSes da
presidencia da provincia, de 27 do mez passado,
foram nomeados :
26." batalka defantara (Bonito),
Alferes porta-estandarte, Francisco Solano de
Vasconcellos Pereira.
2.* campanhia.. Tenente Jos Pedro de Albu-
qoerque, alferes- Manoel Eduardo da Costa Moa-
teiro.
5.a dita.Tenente Jos Gomes Cibral Jnior,
alferes Thomax Jos de Aquino Pereira.
6.a diu.Capilao o alferes da 2.a Manoel The-
maz de Villa-Nva, tenente Manoel Thomaz de
Souza, alferas Jo Candido de Mello.
7.a dila.Alferes Manoel Tnom da Fonsesa
Mello.
8.a dita.Capitn Manael Vctor da Fonseca
Marques, tenente Flix Athanazio de Villa Nova,
alferes Jerooyrao Alberto Maia e Manoel Joaqpi n
da Cunha.
57. batattlao de itfnlaria (Caroar).
Alferes secretario o alferes do 27. batalhao Pe-
regrino de Souza Magalhaes, alferes porta-estan-
darle Mareolino Francisco Lins.
1.a compauhia.Capilao Antonio Jos Goncal-
ves Pires Ferreira, tenente o alferes do 270, Tbo-
raaz Ferreira da Cunha, alferes Manoel Florentino
dos Santos.
2.a dita.Tenento Joao Gomes Pereira de La-
cena, alferes o do 27" Manoel Ignacio de Paula e
Silva.
3.* dita.Capitaa o do ti' Joo Taimoteo de
Andrade, tenente Manoel de Soma Silva Serodio,
alferes Luiz Alfonso Ferreira.
4. dita.Capito-Manoel Sim5es da Silva Braga,
tenente Francisco de Siqueira Passos, alferes Joo
de Siqueira Passos Jnior.
5.a dita.Capilao Domingos Ferreira de Macedo,
tenente o alferes do 27 Antonio Yetbo de Olivei-
ra, alferes Manoel Ferreira de Moraes.
6.a dito.Capito Isidoro Ferreira Botelho, le-
nenie Felippe Ferreira da Cunha, alferes Diogo
Ferreira da Suva.
balalhao de infantera (Bonito).
Estodomaior.Tenente quarlel uiestre Jbaquira
Jos Beserra da Silva Jnior, dito cirurgio Gui-
Ihermino Tavares de Mello, alferes secretario Joa-
quim da Costa Bezerra, dito porto-estandarte Ca-
listo Teixeira ds Carvalho.
1a companhia. Capito Maooel Bezerra dos
Santos Janior, tenente Bernardo Jos Brayner, al-
feres Francisco Roma Torres, e Francisco Go-
mes da Silva Vieira.
t.* dito.Capito Pantoleo Xavier de Luna,
tenente Jos Bezerra de Vasconcellos, alferes Jos
Faustino Paes de Lima Jnior e Jos Firmo da
Silva. "^
3. dito.Capito Jos Soares de Oliveira Gran-
de, tenente o do 26a Joo Francisco Cavalcante,
i I reres Manoel Jos da Confla e Antonio Manoel da
Cunha. I
4.a dito..Capilao o do 26 Francisco Bezerra
de Vasconcellos Jonior, tenenie o alferes do 26
Luii Bezerra de Vasconcellos, alferes Joaquim
5 Venancio Caldera, e Joao Baptista de Lima.
- 8.a ditaCapito o tenente do 26* Antonio Ma-
noel Teixeira Viann, tenente Lniz Beltro Jorge,
alferes Seraphim Jos dos Reis, e Manoel Beierra
de Siqueira Ramos. .... __
6. dito.Capilao o tenente do 26a Miguel Fran-
cisco Vieira, tenente o alferes Manoel Baptisto
das Nevos, afferea Jos da Silva Rios, e David
Cyriaco de Brito. ...
r 7. dlta.-^apltio o alferes do W Joaquim Lu:
de Araujo, tenente Joa Paulino Pereira da Casto,
teres Alejandre Francisco des Santos, e Anto-
nio Esleves da Silva Camilo.
S\' dito.Caprtio o do 26* Jos Clemente da
$07, teen o alferes Frenebeo Goirjei de Arau-
jo, alfen.s Manoel Thomaz de- Albuquerque r Att-
tonio Christiano da Silva. <
T esquairao de cavalfana (Bonito).
AMeres porla-esiandarte Miguel Arcbaojo Ur-
zerr da Silva.
2. companhia. Capito o- tenente Francisco
Apoiomo Becerra e Silva.
I>iSWFTO HISTRICO E WWLO30PHICO>--
Reunio-se hoatem esta sociedade- era sesso ordi-
naria sob a presidencia do Sr. Sirreira Garca.
Foi lid e approvada a acto da sesso anterior.
Tomn asiento con socio effecttvo o Sr. Matnia*
Joaqumv da Silva. Entrando em disemso a llie-
s-t Se-hai vantaofii na separanfo- 4a igreja e-
o-estttdbi Pallaran) em sentid afflrmativu *
Srs. Berros Guimaraes, Silv e Souza, Silreira
(Jarcia, Xildereot e ea senti.io negativo o Sr.
Luiz Denv'trio, fleando ainda adiada a discuta .
Procedendo-se ao soneto de nova Ihse; decidi a
sorte sobre a do Sr. Luiz Demetrio :Pr>erseka
em- aDpms um bem t E nada mais bavendo a tratar encer-
rou-se a sesso.
ACTO DE SELVAGEUI.V ^nte-hontom por
volta de 7- e i/2 horas da manhia, aac proximi -
dades do engenho Poeto, na estrada nova, fot br-
baramente-espancado por dous eseraves do dito
engenho, uro pobre inaiatinho, que >scia para o
(Recife eooduzindo alguos cabritos, por causa de
uma caaoa- qpe sapposeram ter o rapaaiabo ti-
rado do- canevial do Pbeta.
Aos gritos da victima aecudiram vavias- pessoa
e livraran o infeliz-.malulo das garras des abntres
negros, que, em presenca d'essas testeraonhas, de
clararam>qne tinham'dadono rapasioitn poror-
demda arrendataria e do administrader do engv-
nho, e que era essa a ordem que lbaro para
empregar contra todo aquelle que nwltesse a
mi no cannaviat do engenho.
Os esarevos ajadados por outros que aaendiram
e pelo administrador, cpieriam levar o meaiao
para o engenho, e s' a moUo cnsto a teslemn-
nbas conseguirara> imped-lo. As teetemoatus
sao os Srs. : Hermelino Elseo da Silva, Caneca,
professor do Cixang>; Francisco Pedro da Costa,
morador na estrada nova; e mais um tal Sr. B i
cellar e-outro Sr. Lonreaco, ambos eeahecidos
d'aquetle professor.
Ao Sr. Dr. chefe de policia reeommendamos o
facto, alim de qae nao nqnem impunes- os- seo
autores, tonto mais qpawociemos que koHve aki-
vosia da parte dos eseravos quando affiemanun
ter ordem de sua senhora para o que pratiearem,
visto coma essa senhora pes*oa qualiftcada-e- in-
capaz de too lurarendo procedimemo.
FESaviDAC: RELICKJ6A.Amanha o re-
ligiosos carmelitas celebran) a fesla de su pa-
dreara Nossa Senhora do Carmo, com o brilaan
tismo do costme.
FUNERAL.Tem boj lugar, na igreja do.Cor-
po Santo, o funeral que a cmara municipal do
Recife manda celebrar pelas almas daqueile que
perecerara nos campos de balalha, durante a
guerra contra a repblica do Paraguay.; .deveadV
occopar a tribuna sagrada o Rvm. plegador im-
perial padre- Lma do Monte Camello acra.
Por ordem da presidencia sera feriado em to-
das as repartieres publicas, sendo da esperar
que- outro tonto faca o coramercio, ao manos du-
rante- as horas em que durar a ceremonial
JU estaooes publica* e navios de guerra icario
em. fueral seus pavUboes, : dando este* o a for-
talera salvas ao comecar e terminar o acto, nm
tiro de dez era dea nnantos.
Uma brigada da guarda oacionai Jara as. hon-
res do estylo.
SOCIEDADE IMMOftAL Pedem-nos-qoe rt-
memos a aliencio do Sr. subdelegada da Capang.i
para uma sociedade immoral, que ha em urna ra-
sa da ra da Ventura daqueile lugar. Diz o n
so informante que ha alli um feo d# pedirii<
tanto para os paes,como para os nitias famtis,
que n'elle sio postos em pratica todos os amos da
mais vil e negra degeneracao de coslumesv
O-Sr. subdelegado deve verificar isso, > provi-
denciar ao meBOs no sentido de evitar a iartw-
cao des miasmas a.ue delles se exhalan) alf.is-
tr do seu seio alguns mocos que a. par da
sade alli deixam quanto dinhelro adimiroui.
DESASTRE.No trem que descia hontem s 9
horas da manhia para o Recif, soffreo uma p '-
quena escoriaco n'uraa perna o passageiro Casse-
miro de tal, morador no Monleiro, porque saltn
do wagn prximo da estacio da Jaqaeira autps
que o trem paresse, Emquauto hoaver a?ola-
mento na deseida dos wagons, hio de dar-se ues-
ses aconteoimentos.
PARA GOYANNA E RIO IORMOSa-Em con-
sequencia de ter seguido o vapor Pw:akttbn par.
Penedo aflm de prestar servicos ao vapor Potrwji
que alli se acha eacalhado, seguir para G..vaitiia
e Rio Formoso o Mojjot, em lugar daqueile va--
por.
ASSASSINATO.As 11 horas do dia 12 do fr-
rente, era torras do eogenbo S. Paa/o, da fregue-
zia de Ipojuca, um escravo da fabrica assassmou
ao feitor respectivo, sendo preso em flagranie.
ACHADO.Inforinrm-nos que fui encontrad...
no islhmo de Olinda, um bah com roupa e ou-
tros objeotos, esuodo o lugar em que elle se acha-
va com visiveis sigases de lula, e que desse
faeto tomou conhecunento o subdelegado de i.'
Pedro Martyr de Olinda. A" ser isso vestede,
porque nao veio ainda communicaco ao 5r. Dr.
chefe de polieia? Ghamamos para isso a attencao
desta autoridade.
LOTERA.A qne se aeaa a venda a i*,*-
beneficio da Sanu Casa de Misericordia, que.
correno dia 16, cajos UHwtes se vender na re*
pectiva thesouiana, que se mudou para a rita da.
Gadeia n. 23, e tambero na loja dos Srs. Porto &<
Bastos praca da Independencia n. 3? e 9.
TRANSFERENCIA.O leilo annuneiado para
hoje por intorvencao do agente Pinto no armaieiu,
dos Srs. Schapheitlim & C. ra da Cruz n. 42, Oca,
transferido para segunda-feira 18 do correte.
PBLICACOES A PEDIDO.
nesto ik .ve-tena"^*
Na Revista Diana deste jornal publicon-se hon-
tem, sob a epigrapoe cima a noticia de twem si-
do extrahidas as visceras do cadver do tenente-
coronel Joo de S, qoe foram encerradas em
frascos e estes lacrados com as formalwlads le-
gses para serem subraettidas aos processos acon-
selbados pela sciencia em casos taes.
A leitura desta noticia suggerio-m mu natu-
ralmente a recordaco de ama queato sementan-
te, na qnal (tu advogadofra desta provines.
por parte dos pais das victimas de nm enve-
namento.
Nesse proeesso orime de qne me record., bou-
ve da parte das autoridades,que o miUannm.
urna leuaz reluctancia era nao roe "'"'"''^"i
parte dos prenles do morto, nem-* "^
protesto, por termo nos autos, de preseotr pro-,
corado dos paes da victinu, moradores no con
Mlnoila villa do Conde do Remo de Portugal,
P?ocedsetarabem eolio aaew como agora,
a abertare da catacumba, onde tinha s.dq e,ncer -
rano o cadver do fllho dos meus ooostitu.mes ;
raH asimeimo aqu, foram extrahidas viscern
Sominaes. parte da roopagera cora quesepul-.


r..
r


__i r-y ritffj-^^M

__
-
. I
I
I
Vm-sn o cadver e Ja tem la eaUcumba que Ibe
%ou adherente.
Todo* este* dc-trietra cnio, assim cinto atora,
foram receid* tole.* medico*! em videos de.inis-
tora *cot alcooi fecradpi mrcalos eem tete
Tilrus frim encerralos. ero fo-
lUxs do SaniSrt.s, iv.as Um.idas sold de*funilei-
*o e .n norrada m mn cai*io de pinao de non-
vMleutes diMensoes, e.-o uado, Jarrado e mar-
calo com o sinele oa 4-elicu.
F.irecia taiiiuein eal&o, aasim fcom > agora, que
sUvatn Umada.> lula* ;wt neee3Mrias"*Vaiicoes
4>*ri que se |mJh.s assegarar que as viseen^ e
mais inferas enterrada* atti, eraui exactamen-
te as .lo tilho du ineus censtituiiies.
At ernao nj iM tioli. Mti permitido pet^ po-
lica, requerer ciUa lyia cunivrneate i dfe.i
tus "iretios ds inca* MO derequerer oerta* Migeniis que depois po-
Oermii ler lagar como ua* fxi>i.:iu ds qiiu eolio nteuuvutn, iiSokii: serdjitB-
rd pruvar que essas Urtigeoeias nao roe conten-
taran).
De taita procedendo se na doutissima academia
4n medicina da liahia as exaniM daq^ella* vis-
"SfS, depois ds o ter >i.li ordemiado pela R*.
l.ii,i de 18 de nuio de 18GG, descobi iose nellas a
KMeucia de uiu preparado arsenical...em do
tal -que pedera toe pro liiziJu a mora uuitumiea
1 individuo que a mgerio uo estomago.
als como quer q te a dtnlissna academia de
medicina da bjlr.a i> rs*s um tribunal de Justi-
na : neiu se a Uves*) queslionad > sobre o que
que-liuuada .ao poderia ler sido, cobcIuo fecla-
mudo que nao poda cumiado assevjrar que F,
uve>s sido envenenadocque a Justina pablica
tnethur esclarecida, puderia descoorir a angun
donde aqnillo proceda.
Se depois da vm la desee exame, e qnando se
tratava da reciifieaeo desse processo, perante o
jaito de direilo, para undesubie em grao de reenr-
9* a requerimeoie men, foi que se pode remediar
a preteneao de certos acios qoe pareeeram, e
feio que de lid fo, subsianciae* ; es. quaes se
iive>sem sido preenchidos em lempo, a doulissinra
a.-al-mia ou ua leria concluido o seu relatorio do
wodo cono o concluio, ou lena deixado em filen
ce x declaraciio da existencia do enveneaameolo,
ou talvet llves-e assvera^o a existencia ddle.
alas na loado a dMisaama academia, por onde
podesse asseverar, ou coinpeBotrarse da quea
oiucuina, oude tinl sidu encerrado o cadver
nko tmha sido vi.dada por modo que, um carpo
mianlio se livesse canfuudilo em as maesas ab-
douKuaes : nao leudo por onlepodesse assegurar-
se da pureza dos vidrus, onde as visceras foram
rec.il idas, e neiu final o priucipatmente da pur-
a do alcooi que as receben, o que ludo deveria
i.t constado, e so depois veio a constar,de tenm-s
auibealicas de exames por pedreiros que verijas-
sem a parte exterior da cata umba, por pharma-
eaticos e mdicos que. sob o juramento do sua
arte allestassem nao ler vasculejado nesses vi-
dros um eorpo extranbo com proprieJades taxicas,
ujas panculas Ibes podessemler ficado adheren-
Jes, uao se tendo examinado, einilm, o alcooi, cu-
ja boa qualidade e punza devem lambjm ser au-
iMeuticada por um termo esDecial de exame, como
asse^urar-se depoit que houve envenenamento ?
Ora, todos nos sibemos que euvenenamento, ju-
ridicamente fallando, a morte por propinafao de
urna substancia qualquer que em alte ou baixo
3; > lenha a propriedade de matar. .
t niuguem ous.n dizr que so pela violacao da'
catacumba, impttraa dos frascos ou do icool po-
der so descobrir a existencia de um veneno qual
quer, sera que previamente teriham sido tomadas
aquellas cauleMas,. se possa alTouta e temeraria-
mente asseverar que bouve euveneuamento.
I'ois que enveneaamenlo nao a simples mistu-
ra de um cor .jo que lenha a propriedade de enve-
nenar com visceras, ou a iniroJacao desse eorpo
em um cadver.
fem sido pela fiel e escrupulosa observancia
destas cautelas que em ouiros mais adiantados pai-
zes tum podido afflancar os horneas da scincia,
islencia do onveneniento por exames de visee-
r xlrahidas de cadveres erd putrefajio.
Foi pola escrupulosa ob'crvancia dos principios
de ambas as leieui'as, mdica o jurdica, que os
illa-Irados Orla, Tardo, Andral, Luiz, Rngt e
Oliayt no processo criine, instaurado em Paris
par morte do Sr. de P'raslen poderam terminal* o
sen relatorio nos seguimos termos :O conde de
Prnsten morrea envenenado por arsenic.
AflL-raaliva esla que na poda ter ftito a dou-
issiraa asadenlia de medicina n.iqadllas fetreums-
taneias, nem a poder fuxer ainoa agora, se nao
for convencida de que nao iiotive violacao aa ea-
lacumba, de qae os vaso- que encerram as visce-
ras estavam eottonjenteinerte tirapos e princi-
palmente de qne o ak'ool com que foram de mis-
tura antes do sen emprego, timbera era insus-
peito.
tcpois destas tiqeiras e toscas observacoes, que
ah oV-ara exaradas no singelo interesse deeoncor-
rer com o mea fraqnissimo contingente para o
descobnmento da verdado qne deve presar todo
hornera de honra, resta-me pedir aos professio-
uaes nesia materia as merecidas desculpas de mi-
aba teme/idade, por me ter envolvido em nm as-
snmpto para o qnal te poder dizer com justa ra-
zio que me faltam os ttulos de habilitacoes.
Recite, 13 de jullto de 4870.
O ex-advogado
LeopcMino Antonio da Fonceca.
J
o Exm. Rvm. Sr- arcebispo, coailp de S. Salva-
der, aiie per um breva specal Msbbba esta de-
legacao do Mnlnsutissinw Sr. anclo apostlico,
residonte no Rio de Jantiro, peral n> intperio do
Krasii por delegar"), de su santidade, o 8rs
IX.
Bar ronsegninte 6 o Exm. Sr". arcebbao' (em b't
peder de dep<>r as aut ridai^s caxnrelttana*, efeiJ
tas pelos competentes captulos.
ala-, esse sb> prendo *e arha a*apitalaji
mundo catholico, para onde foi tMr parte H
sesos do agrada eondHio ecaf*Co-; e ro
c msttque etl.. se digna- sa so* delegarlas aiaWa
i'Xiraardidarias attrmnieoei a qualajBBr regularon
secular; logo, prettoleraente o* dado da labia
nia ba ipieiti possa ser oonieteU para exercer
sai ;nribitico>t, alvo subaettc*i e:tpoeial
laqnottr preiad. .
Mas, sa houve esta suamegaeJU! o qaajnh-
fundamenta para dovidar, ea dA-erta '*r recento
olido, orlara que me convancesse de sua competencia para pra-
tcar uro acTy exurbiunte de toda a jorilt
commuin.
Has, nada dista rec-ebi. em mesmo cartas do
Rvm. Sr. provincial nesse sentido; lego, nao lu
convencido de forma alguna da conioplencia do
Rvm. Sr. frei Alexandriiw para raedepor, o qual
Er ara uao me xh.tao ooira pnwa aenao Mt
nraia palavra.
Esu tamba duvida proneda. anda mesnw iw
caso, de querer argraentar-se que o Rvm. br.
fre Alexandrino tes lia sido enviado par.dionea
cao do Exm. prelada.
C un eOeitn, o Exm. prelado da Baha, pelo faeto
de ser acto lmente gobernador do arcebispado era
snh>iitn:cio do Exm. Sr. conde de S. Salvador,
nio tm jirisdicXo sobre nos>a ordm a ponto de
uornear n depdr as respectivas au'.orid-des; por
panto', principio corrente em dlreito ecclesias-
tico, que us poderes de delegacao especial, que
tem Bs liisjia?, e metropolitas, nao se extendem
aos neta substitutos goveruadores episcopaes
vlgario- eapiulare?, porque, estes s' podeai exer
cnr o qu- de jurisdicao ordinaria, a bam da sal-
vacio da^ alian s, e do tro interno da igreja, e nao
RecK^ 15 dejulno de II palacio, e IS mj propoz S. Exc. o r
.io xT^iJlSfi!** rta coci, nao dejarte do con-
mas do uxlo efle, sSa por nao
P>o A* Illa- r. rnroael hctmike
tado-Maior ecuaiBiadsate
perlmr Interino do Heelfe.
lneoherejicias sobre incoherencias, absurdos
sobr ab-untjh a abusos wbre abiuo*, eia o que
raonWf"
considnten
cibsorvavse o lereoiro batalhau
O fre loio do Amor Divino
ao pnMico.
IV
Na precedente puhlcacao limitei-me a apreciar
*om a maior exactid) e siaceridaile os motivos
que derara lugar minha deposicao do cargo de
prior do convenio de Nossa Senbora do Carino de
Olinda, hoje, na forma de minha promessa, lenno
le apreciar a competencia do Rvm. Sr. padre fre
Atcandrino Jos do Rosario Figueiroa para exer-
vrr <->sa extraordinaria aitribuicao, e a Jegaldade
Uo acto.
V
No dia 21 do raez p*sado esta cidade ehegan-
do o Rvm. fre Alexandrino, mandn chamar-me,
no da 22. para declarar me que tinba sido envia-
do da Baha, na qualidade de visitador deste con-
venio, pelo Rvm. r. provincial, o frei Joo Lucas
do Monte Carmelo, com autorisacao do Exm. Sr.
invernador do arcebispado, para o lira de de-
pr-me do priorado do convala, de assurair a
admiiistracao dos bens do mesmo convento, e de
Te.melter-me para Baha; o isto dizeodo, me apre-
senlou esse enviado um masso de papis, que nao
pu..e lr, mas, entre eUes disiingui um eftlcio, que
me era en Jcressado, que todava nao me foi entre-
gue, nao sei porque razan; e que por isso ignoro o
que nelle se contera.
Surprchendeu-me, nao a deposicao, que j traba
razio ds esperar, mas o meio violento e Ilegal
pregado para esse fina; meio, que revela da
parle dessas aatortaades certa preveneio, qoe nao
Ins pode ser airosa, e muito opposta prndenea,
acwolnada e recommenlada pela candado e rto-
ralidade cnristl*.
Praiicaram com Isso om es-iindalo, e rovelaram
outro, que era quasi ignralo.
Na i admira tanto o proeeoiiaento tosco e Ilegal
do Rvm. Sr. fra Alexand/iao. porque, apenas veio,
-orno declarou, eumprir ordena saperiores; mas
tenia-se indisculpvel em relaeio ao nomo Rvd.
provincial, que, menor do que ninguem, deve
oiiliecer os estatuios e usos carmelitanos, que fo-
ram desta voz soberaaameate laenaapresados.
Vejamos :
E' sabido que pelos estatutos da nossa ordem
c umeJiaaa os vigarios| provincial e prior sao no
meados por eleicao de todo o capitulo, que se com-
p5e do provincial, priores. lUnldofes, 8 nliTs
d gnidados da odhumraidade, 6 nao sSe poftatalo,
qnandoa ordem est regular.
Ora, quera au pode nanear, nao pode denit
vir; logo, os vgarios prtlntiat fi prfof riSo potlem
-ser domittidos senao pelos eapnln?, estando rega-
lar a ordem.
.Mas, tendo sido ea elsilo, para o Ingar de prior
liaste convento em 1862, a reeleito vm 186a; e
desta data para ca nao ee lando raais reunido o
apitclo; nao pedia e nem dev ser depeeto da
lugar por outra qaalqaer autondade.
Esta eonelatao nece>saria e venladeira, no
caso de estar rfetnlar a ordem carmelitana.
EsUtndo, porm, orno tem estado irregular,
desde qne nio se procedeu em 1868 a ovo api ta-
lo, como era neees-ario por se haverem decorrido
tres annos do ultimo, deve-te recorrer a outros
principios, cajas consecuencias plenamente me
>nti.fazem.
So caso de irragularidade da ordem, por isto
qae as respectivas eutondades continuara a exer-
<'r urna juri-icio extraorlinaria, por j se achai*)
Hado o tempo das nomeaeoes caprtulares, raeor-
re-se i nm podar extraordiatrio, que reside na
pessna do geral da ordem, fue, na qualidade de
-v.-iUdor, e de reformador apostlico tem absoluta
f i-i-dicio sobre ella, com d poder de nomear e de, copsiiuiifides carmelitanas e direilo ecclesiastieo
depdr as respectivas autoridades.
O cosso geral, visitador e reformador apostlico
Ceos actos de jurisdieco, une sao artribuices
pessoaes dos respeetivos prelados substituidos.
A atiribui^io, pois, do visilaaor e reformador
aj ostoljco da oruem carmilitana da Babia, que
tem o Exm. o Rvm. Sr. arebi.po, nio polia pas-
sar para o gjverador do areebispado, por nao
ser ella/r?-pj'opr!o dos arcebispos, e sim ex-
traordinaria, delegalA, e pessp^l.
Porlaoto, ao Rvm. Sr. fre Alexandriuo nij
aproveita mesmo o dizer simplcsmont que proce-
de em vk-tude da autorisaQo do Exm. Sr. gover-
nador do arcebispado, quando isto fossa provado.
De toda a argnmentaco desenvolvida se pode
deduzir > sc-guinte. dilemma : ou a ordem do
Carino est rgutar, ou nao.
Se est, en sd possn ser deposto pelo capitulo
que me elegeu. E se nao estn o posso.ser pelo
Sr. arcebispo, oa alguem por elle especialraenia
autorisado.
VI
ConeedendA mesmo, por hypothese, que o Rvm.
Sr. frei Alexaadrino tenba vrndo competentemente
rovesfido do poder de visitador deste convento,
ainda assim vori mostrar qae, no desompenbo de
sua missao, e'tem pfoceddo irregularhienie, e
contra todos1 os osos, costumes e regfas cannell
tenas, observadas at entao consiste e rlg^osa
mente por todos os visitadores prioCes, qu <
preeeer.im, em casbs semelhaatos.
Srtdo irrteliftavel dever do Rvm. Sr. frei Ale-
xantfrWona qualidade de visitador edviado para-
este convento, dever imposto pl< itassas regra^,
que dle nao 4ev g'norar, lugo qa ebegasse ao
sed convento', lr em fjfimefro Ing^os d icurnentos
comprobatorios de s commlsslo'petante es reli-
giosos da drdem qd esfivessem resVotes, e ao
dpbb anrlr a fisiro. rfeutro futo deveria ftis-
lanrar um procso summatissl'^o de syndlcah-
ciat dos actos 6tr crime*, pYsticairos pelo priot em
exerricio; durante esse processo de svndicancia,
que per mais 'sn'nnario, qn* fosse, nao podena
durar menos de oifo'das, o prior eontioaarra no
exeftflcio de stis faneces, at que Ando o sdm
roario com culpa oa sem ella da pat^ do prior,
este seria tfecfarado deposta, rnarcando-s|he nm
termo razoavel para elle pfestar' suas ontas de-1
Unitivas.
De ta"o isso se hvrariam os compefntes ter-
mes, qoe devem ficar arebivads no convento
nem de oufro nodo te pode comprebndef qtte
se proceda em cousas tao graves, e tem sidu a
praxe segtda, como i sedisse, em taes nasos.
Entretanto, nada dlsso praticara sss visitador,
que at fez oVteniacio publica do de-pfeo, em
que tem ao Sea primlrro erra, permitta-ma que diga toda
a verdade, foi no dia segrale ao da sua'negada
esta cidade, no convento em que estava hospedado,
fazer a intimarlo de minha deposicao, pols, deve
saber qoe o lugar era inconveniente para' exercr
suas attribu cOes, quando legitimas fossem ; pois,
qne sua jurisdiccio era relativa ao convento de
Olinda, e nio ao desta cidade O sejtundo rol nio
conflar-me seus documentos para l-los, nem por
elle me foram lidos. O terceiro o de nao abrir a
indlspeusivel visita, e Instaurar o processo de syn-
dicancla. O qaarto finalmente de uio 'mandar la-
vrar os competentes termos, nem de marcar ara
praso rezoavel para e apresentar mrahs contas,
que, segundo as occorrencias ha vidas*, io com-
plicadas e longas; pois, qbe se referem a oito au-
nes de administracio.
Ora. eMi vista de tao irregular procem'mento,
qae nao pode sor filno da ignorancia, quem nao
conjectura mil suspeitas corttra o carcter dessa
ssio e desse coramlssarlo 1 qem nao encherga
em todos esses atropellos de formalidades as smis-
tras intencSes que transparecem oos actos desii
visitador 1
<}ual ro raeu crime para merecer essa deposi
cao violenta, atropellada, e ex-abrupto ? Porque
nao rae -alimn ou nio me convenceu de meu de-
licio ? e porqu nio denuncia ao publico esse cri-
me, que raotivou minha deposicio, e onriga a re
mctier-rao quanto antes para a Babia ?
Nao bastar para punicao delle que ea seja de-
posto do priorado T Se far necessario ainda que
eu seja deportado t
E para que o Rvd. Sr. visitador me pede ineo*
linenti que faci-lhe entrega dos escravos, que es-
li tm meu poler? Consta-lhe. perventura, que
eu pretendess vender, trocar ou doar algotn del
les?
Qual ser finalmente o verdadelro fim do se-
melhante missao, aparentada com a bypocrlsia do
zelo e amor pela couservacSo e guarda dos bens
de Nossa Senhora do Carra o 1
Poucas palavras bastam para responderem
tantas pergantas, que devem parecer importunas
a muita gente.
Mea crime foi tsntar a relvinflieaeio de joias,
escravos, doados e vendidos por certos priores do
convento, c nomeadaronte pelo Rvm. Sr. frei Joio
Locas do Monte Carmelo.
Meu crime foi querer dbdecer lei civil, riio en-
iregando os escravos reivindicados coin tanto tra
blbo e despezas ios seos injustos possnidores, re
sistindo ordena illegaes.
Meu crime fot nao querer entregar m conltnen-
ti os escravos ao Rvm. Sr. frei, Alexauirino e es
pecisliueoie o Udbawo, que elle quera embarcar
para a Balita no vapor de 29 do passado, seb Do-
me supposto, e como criado de um passageiro.
Meu criine foi, finalmente, augmentar o patri-
monio da Nessa Senbora da Carino, eonserva-lo,
zela-lo e defeade-le das garras das rapias, que
sobre elle esvoacavsm com vorases intentes, como
hei de pro va r ainda.
O fim real e verdadelro da raissio do Rvd. Sr.
frei "Alexandriuo esta provincia foi : Ia entregar
s escravos seus suppostos donos, 2.* remaiter
iguas dos bens portateis, destinados a sustentar
a culto deste convento para o da Baha, 3.* depor-
tar-me para a Babia, porque ao convm que ee
continu a exhumar certas ossadasde eataeum
bas, que ecoudem ftias miserias, que ba nesta
provincia em grande abundancia, em retaao aos
b'nsdo nonvqnt, 4.' finalmente, fazer acreditar
que eu, nr uilo longo delzejar os bens de Siowa Se
Ibora.tenho procuradobtbnja-loa o onera-los ea
da vez mais.
Bem, a ludo isto hei de oppdr-me, emeeanto
restar-meJisposicao a di eito; porque nao poeto,
era devo curvar-rae ao arbitrio dos potenudoa,
sem ao menas dar um. gemido de oppreeao em de-
feza dos bens de Nossa Senbora pelos quaes unto fk.
E es lodo o caso fique consignado oestas uaanas
meo protesto contra todas esaas aroitraridadet e
injusticis.e sobre ludo contra o inquaflcavel pro-
cedimento do incaloadovisiladorje prior a o mesmo
lempo, cargos, qm: por sua natureza se ncompati
bil ao, occuitapdo calculadamente oa ltalos que
diz ter irazido da Babia para esmagar-uie, lemau
rta4q eu verift^pe tus ffegulartdades A pro
rnraudo por outro lado illudir as autoridades
alia* incempetentes para ^al/em dos ngocioj
tendentes aos priorades, qne sao regulados pelas
Voltari ainda para dar canta de minha admi-
strajio dos oito annos de meu priorado.
do ciramaado p Sr. tenante-coronel Francisco de
Miraoda Leal Svo.
t De feita, parque ratita, seb qne riindnraenta o
Br. Sve 4t-ofico dffspanson do aquartalmento
6 olllclaes, era ordem do di, p de|>nis pedio ofH
daes de oWros con.n t. Po lena fnge-lo ? Nio ;
tnirqnaoto 0 ai i. 28 do decreto f&li'de de abril
d 185* diz : As Jipaas temporarias de corto
a detenolnado sarvioe serio concedidas, sempre
qVfB hiuter justflfado' mniiv, pelos respeotiv"
commandantes de carpos etc. etc. Ora, ja se v
i.ioda approvado pela asTOmbla pr-
acnl, como por que nao hthi dmlieiro
ara o pagamento de subvoflo intagral;
que continuasse a fazer o servido que at.
ali *e {ana pela maona subvem-o
qae percebia.
_ Piidefei S, Exc qae qaMto i prioMi-
ra parte S. Ex. tioln razo, mas que dM-
Jdudo a companhia nio le demorar aa aiM"t-
tura da-oojr^ fonte de receita pela aavega^io
do Rio S. Francisco, por oode ae escolo,
como prd*)c3o de oolras provinciaa^niulfcd
genuros d'teta, a Compaahia nao terta V
apenas o rio
vida em fazer essa aave?ac3o
BaTfta'wvKsejn--^ fi*Sl> verigSwe/J byr>
tarlegur dfcpehsa, urna* vei sedopedlds pelox eSe. "Wtes mvsrdD" d'aijilla ppfov^ao,
olflcjai, sem que por cooogointe o coramaudante
pcfJi ftncee-ta ndpendente de requcriinenlo.
A razio allegada na ordem do da qae dtepen-
sou o offlciaes, foi por nao lerem ellesAarrelina e
dragonas. Sementante razio nao tem fnndamento
no citado decreto, nem resmo o legislador poderia
lembrar-se de urna razio lio faiil e deshtuida de
importancia.
Alera ile que, os otlieiaes pedidos peta Sr. Seve,
tero barrelina e dragonas ? K' oiquo resta prova'r.
Dentis, p^irece-nus que nio 6 necessario barretina
e dragonas para o ollkial fazer u^-rvico d.tguar-
nicio ; e se o Sr. Serve entende o cotttrarlo, ha
qiii mera de qne pede1 tancar mid, e mandar re-
eolber prisao os offlciaes qne faltarem, quaWo o
batftlhao tenha de sahir d barretina a dragonas,
porm nunca dispensando-os do servico, sobretodo
da aquartelaraenta.
Qiie qnalitlcaeio pode ter esse procetHmento do
9t. Seve ? A ojiniio pblica que o diga.
Atada mais: I* seto anoes qne dSo B conVoca
o conselho de adnlinistracio, que tem como urna
das atlributcdes-ornear animalmente um ihesoo-
reiro, como eVnlln'a oart 20 do decreto 1532
de" 18 de fe ereito de 1854. J Bbove quem fal-
larse e. mesmo censarasse pela Imprensa easa in-
curia do Sr. Seve, o qull sem embargo dHsso. e
Ssjei expressa, conlinila reveitido do dapfo ea-
raetfer de commandant e thesoareiro, com me-
noscabo da rnesma le.
E' verdade que ditera, qde o ajollante o en-
carregadi de passar os recibo*, de forma qtle
thesonreiro n nomme, o qoe nao pode ter lugar,
visto como na qualidade de aj adame nio pode oc-
cupar ess raeaia nao direria ser feita pelo Sr. Seve, Do-
ren nicamente pelo eonselho.
Portante, pedimos encarecidamente n lllm. Sr.
coronel chefe de estado-maiar e commandante so-
perlbr ietisriiio que, apreciando devidamente o
exposto, providencie de forma a sanar flo cods'-
tantes escndalos, e os revolteles abasos : assim
espera
O emantt ia jtttttc.
Villa do Bonito, 10 de julho
de 1870
Aq concluir a publicado qoe Gz no Diario
de Pernautbiico de 23 do mea fiado, em res-
posta aro'Dr. Campjs, tonei o ompromiss
de voltar ;i impressa, as vezes que fossem ne-
ces^ias, para snsteoUr o que eoto asse-
verei relativamente a elei?ao primarte qwe
fb ffetta nesta frguezia em !8C7; n3o (fvo
portanto detxar sem res posta a correspon-
dencia qjie se l no /Mario de i do corra-
te com s assignamra rio vigario Joaquim da
Costa Cavalcante, na parle era q,ue sao con-
testados dous pontos da minhi pubcaco,
apesar de sereua to verdadeiros c-mo iodos
os outros.
PRO o para devertif-me com o vigario
Cnh'a, que eu o colloquei no n. dos Libe-
raes que em 1867, nesta frguezia estavam
em divergencia e conrtituiam a oppasifo;
foi para despertar a verdade dos factos. e
nao merecer o coriceito qoe tem merecido
ess vigario, depois que ebegou a esta
villa a sna celebre contestagSo.
Pode nao ha ver desar ,em
ideas, ou em se as modificar; mas mcon-
testavvlmebte ha desaf e moio grande em
faltar se a s'erdade'pra'sepssa"por aquillo
que nem sempre so foi.
Hoje pode vigario Contra dizer-se mais
vermelbo do que as cortinas do seu sobra-
do, roas deve confessar- por amor a verdade,
qu fot liberal exaltado quando esteva no
frguezia do Grvala unido a familia Penon;
que foi libara! exaltado por muito tempo
nesta frguezia; que foi como liberal e com
recommendages dos Ifberaes, que trabalnon
para ser apresentado nella, e qne foi ainda
nes-a qualidade que pleiteon a eleifSo pri-
maria de 1867.
SSo estes fados t5o conbecidos por aqoi.
que ne gal-os sei, quem 0 fizer, chamar so-
bre si o radiclo.
Se o vigario Canha j era em 18C7 o ver-
melbo que hoje, e se tinba em seu favor
urna immensa maioria, por que nao quiz se
prestar a organisar a junta conservadora
deste municipio ? Tlvez nem elle se lem-
bre do que responden aqoellefs qne, muni-
dos das circulares, o procurarao para esse
Gm.
A contestado offerecida ao ultimo dos
dous pontos de que se occopou o vigario
Canoa, se acha por tal modo distante das
raas da verdade que nao merece ostra
resposta que n5o seja a sua inclusao no .
das muitas bespanboladas qae correm o
mundo.
Na verdade, dizer o vigario Cunha que
tinba maioria nesta frguezia em 4867, elle
qae ainda hoje, apesaf de estaa no poder,
nao a tem. com a que so poderia passar
desapercebida aos bonitenses. para deixar
de ser considerada um hespanholada, se
fosse publicada no limes, ou escrlpta
n'aqoelles caracteres que disiinguem as car-
tas dos fogos cbioezes.
Se o vigario Cimba quizer disentir sua
procedencia poltica, pode apresenlar-se,
porque achara com quem fazel-o; mas ser
conveniente que medite antes no seguirte
verso "de Boileaa : Cette mer 6a ta coufs
8t clebre eh naufrages.
Jos GUirem.
Faltando-me o tempo preciso para ler
jornses, foi chamada hoje a minha attencao
para um discurso do Sr. de jutado Mello
Reg em sessSo de. 81 dpeesado, cem re-
ferencia Companhia Perna nbucan de na-
vegado, qne moribunda me foi ehtrtge ha
dez annos.
Instando eomago algoos amigos para dar
as devidas explicaeoes i respeito, mi for
ca'do a faze-fo, mo grado meu, receoso de
desagradar quelle Sr. deputado, que se
engaos quando seppoi que vigerava parte
do contracto celebrado em 47 de jolho em
virtnde da le n. 852 de 5 de jermo de
1867, deixando de vigorar a outra parte;
4 sendo aquella eoalrarto o que determioa,
que se organisasse a tabella de qne S. S.*
tratou, claro qoe nem aCempanhia tinha
arecisSo de a eoofecciooar, nem a presiden-,
ti* de approva-la, km vez addtado o eon-
McM.
Agora jostd, qae en diga i rafie pot
fue se dea esse Cacto do addiaraento.
Poucos dias ante do marcado paca co-
mecarera as viagens eetojoJadat no referido
eontracto, foi ea convidado pele Ex*. Sr.
conde de Baependy, entSo presidente, pora
por suppdr nao deixsria da ser approvado
pm cjntracto de puro inteiessj cdmmercial.
S. ex%. insisti ainda. e eu tendo-lhe
ponderado que nada poda deliberar sem
ouvir a directora, pedi-Iba permissao para
assim o azeP, n efJeciivtmient ness* mes-
rao dw reuni-se a. directora, qae delibe-
rou acceder aos desejos de S. Eic.
Era pois tarde, e no da segointe pode
fallar com S. Exc, aquett entreguei a res
posta por eseripto, a qual provocon da
parte dj S Exc. o oflicio, que o Sr. depu-
tado Mello Reg tove a bondade d^ ler aa
mesma sesso, e di qnal se v claramente,
quando diz qne a Companhia concorda qae
fique addrada a execu$o do contracto ( e
nao de parte do contracto) que a proposta
para o addia.nento parti do governo e nao
d Companhia, que alias estava preparada
para a execuc3o com os seus novos vapo-
res Coruripe e Mandahu, qne liavio da
gado a proposito.
Promettr ainda a S. Eno. continoer a fa
zer as seis viagens a Gayanna e Rio Formo-
no, a que nao estava. ella obrigada, e que
t3o precarias sao para a Comp rabia, smen
te c.'in o tira de crear essa navegacSo, tao
dispendiosa, mas neces**ria.
A de Itapissuma, smente est consigna-
da no contracto addiado.
Quem se lembra do qu foi a Companhia,
deve recordar-se, e principalmente os seus
accionistas, qu* aindi os primeiros cinco
annos de mmlia admimstrac3o, juntos aos
qoe> decorreram as anteriores, foram em
pura perda, e como cima digo, pitra crear
a navegaco por vipor.
Eeganou-se pois o Sr. MeHo Reg quan-
do dtsse qoe o contracto qtie vigore
segundo.
A subvengan que a Companhia percebe e
tambem a que anterdrmtate tinha, sem o
onus das esialas de G-^arma e Rio form-
se', onde a pezar de n5o haver tabellas os
vapores se demorao mais de 24 horas,
qoe se pode verificar dos jomaos, dos
qiwes se vfi qoe os vapores para o Rio
Formoso tocando em Porto de galianas e
Tamandar as ooiits de iO, 20 e ultimo
de cada mez regressaodo a 42, 22 e 2,
sendo as viagpns de 6 a 7 horas ; e pare
Goyanna" 6, 46 e 26 voltando a 8, tS e 28
com psuco mais oa menos a mesma via-
^gem,
Disse o Sr. Mello Reg < qne o Sr. rjr.
Tamarindo tendo de ir a Rio Formozo leve
o desagraso dd ver o vapor varar a barra
e seguir viagem pera outros portos, e so
o* volia alijr a cafga. i Ma para qoe
oceultoo S. S. o nome dos outros portos ?
Porque nao te ve S. S a bondade de decla-
^^ai-"Ae_ rar 1m ou*r<> l*or*0 a 1m segak) o vapor.
o de Tamandar, qae fleando ao sal
d'aquelle, tambem da escalla em quanto
se fazia a maro para entrar em Rio Formo.
90, cuja barra (por muito tempo jatgada
inacessiV!) depende coffttudo de certo es-
lado da mar ?
Pois foi o que se dea, e j se v qoe n3o
tendo sido possivel por falla d'agua entrar
a barra do Rio Formoso, importara o mes-
mo aguardar sobre rodas fra o momento
da entrada, ou ter essa mesma demora em
viagem a outro pono de esealla, embora
muito poaco mais adianto.
I-fao pensa S. S, comigo quando diz, que
a compannia na navegaco dos portos da
provincia uio presta a uttlidade qae era
para desejar.
A Companhia que nio tira dessas via-
gens a utilidade que deveria tirar, aguarda
porm o futuro, como o tem feito com os
outros portos de escala, e tem confianza qae
colher da sua pontualidada e bons servi-
cos o resultado a que tem direilo.
Encetou ella essas viagens sem carga ou
passagiros.
Urna e outros tem vindo e augmentado ;
e qnando o nosso povo se convencer do va-
lor do tempo, e a vantagera de serem con-
duzidos os seos gneros com a mxima rapi
dez, e fretes reduzidos espero que o resol-
lado seja tal qual que compensen) os gran-
des sacrificios, que a compannia agora faz
com essa viagens, os quaes S. S. pode
verificar em nossos livros, quando loe ag-
prover.
No corto espaco de poucos minutos em
que S. S. rae honrou no escriptorio com
sta visita, mal tive tempo para dar respos
ta s poocas pergnntas, que se servio fazer-
me, aao podeado por consecuencia desea
volvel-a, como muito desejava, e faria ape-
sar de achar-me sempre atarefado com de-
masiado trabalho, qae pesa sobre a minha
individaalidade, mais cansada de repro-
dujir todos os annos mesma historia muitas
vezes, do qne de todo o restante trabalho e
que me acarrta penoso encargo de ter de
lidar com centenares de pessoas de diver-
sas condicoes e edocces no decurso de
d.
Pensando haver esclarecdoos pontos qoe
me1 parada carecerem d explicacio n5o, pos-
so deixarjde confessar que sobre maneira me
admiraran) algaras topieos de discurso do
Sr. depotado e sSo ds twoaintes :
* fteconheteque o contratfoi pinito msl
feito, qae na coofecc5o nao foram ao.ratel-
t iadoe osinteresaes da provincia, foi um
arrahjo mais em favor da vjorapanhia do
que dos fnteresses poblicos.
m Nio imperta va que os tribunaes con-
demuassem a provincia ao pegamento de
qoalqner SndemnSSo; a sehtena dos
tribOnaes a nada'hos obriga, e desde que
esta asseofeia nao votasse quou, a in-
deiwmsacio asnea terie logar. >
Ootn a mirma nacionadade qnando S.
S. quizer poda procorar-me para me inter-
rogar, entretaarto fembro a S. S. qw.de?.
anaes comnanai o brigne brasileiro Sm-
pt*** para o alto mut; tewie entes edm-
mandado o nrtgne escuna Amizode, em que
tinba parte, que outras dez esve etnpro-
gadoae ceaaptahia de paquetea, dos quaes
6 oa 7 commandando, oque nio pode caber
olio a cidadSo baasileiro, e que final
mente a fe4 te*cottlpasjba ddNrtWas,
no elevado posto de soldado, conservndo-
me destacado as Cinco'Puntas ero 'saftstM
tuicio a ootra^idadao. qae para I roi -em
meu lugar mclianie a qu.intia de 400iSfOOO.
Nessa epocha ear que eu ji prestava
quelles servicos, no poda S. S. jnrestar
ain ia es rsMvVkBs r|HMRe nfafti-t
Posso airnr^ao Sf. Mel Reg, que
durante a minl)4MlreMla> naoet a ceeapa
nhia leve occaso A e seu favor promo-
ver arranjos, e so tem encontrado em todas
as pochas cavalaeiros. que tem feito josti-
ca aos servicos qm ella presta e cooiado
no meu coestante lidar, na minha dedica-
Cao ao bem do paiz e di companhia.
Recife. 44 de julho de 4870.
F. F. Borges.
MPERIAL FABRI-
CA DE
CIGARROS DE NI-
THEROY.
Pomos mimoseados cora um folheto acerca des-
te importante asttbelcitnMto, qoe se tora* ere-
lor da proteccao do nosso publico ; ji pel 8rio
de ptrfeico a qoe attingiram ds seus prodaclss,
Ja pelo trabalho qne encontrara em saas offlcioa-
mais de duzentas peasoas, entre ellas cento edez
meninos brasileiro, a mlor parte dalles orphaos,
e lodos perienceale* s ulasset menos tavcrecidai
da fortnBa.
iAhi encontram estes desveolarados da sorte aio
s o pao do espirito, c nao um ofocio qae Ibes ga-
rante o futuro.
Muitos delles j percebem um jornal de 20,
outro; menos, conforme o grao de adiantamenlo
que vo apreciando.
Estes salaries sao entregues s familias dea
meninos, a depositados oa caixa econmica, com
sufflciencia do magistrado inspector, os jomaos
daquelles que sao orphos.
Na easa de sade de Kilheroby enconeoatram
essas enancas o tratamenio necessario, nade Ibes
faltando em caso de enfermidade.
Os meninos mais pobres sao alimonladose vos-
tidos a expensas do esubelecimonto.
Escrevemos com orgulbo os nones benemri-
tos dos Srs. Soma Novaes & C, propietarios
deste esubelecimeolo, os quaes tambem ssbem
conciliar a caridade com seos interesses, tar-
naodo-se uteis i si e ao paia, onde se aeham hos-
pedados.
Honra a to d'stinctos portogaezes !
Jornal do Conuntrcio de if de maio de 1870.
MifttBtlVto doe crrelo d
Pernaiaabiiea a ato Jalla* ale
Malat pelo vapor Ptrajmma e Gipm ia com-
Act,rrnondi erexpedida baje
pelos vaporea
acuna menciowdos, este para os
lo snl, ser re-
qualquer aala-.
10 adaaeistrador.
dUm Bamw.
.NO
COMMERCIO.

rRAGA DO RIC1FE U DE JULHO.
DE 1870.
AS 3 1/1 HORAS Dk. TARO*
Assucar americano purgado 2*600 rti per 1*
kil. (boolem).
Algodao de Pernambuco i 90rte837 rs. por kil
(iKije).
Algodao de Macelo 1" sorte 919 re. por kil. pes-
io a bordo a frete de 3|8 e 5 0|0 (hornero).
Cambio sobre Londres 90 d/v JI d. por 1*000
(hontem).
Descont e letras 8 04> ao aneo.
joncallo Jos AITonso,
l'resieotp.
Mesquila lueior.
Secretario.
ENGLISH BANK
O Rio de /aneio Limited
Deseo ata lottras da praca tara a con-
enciofiar.
Recebe dinheiro em costa correte hi)
I raso xo.
Saca vista oo a praso sobre as cidade
prlncipaes da Bmfopa. teM cotrerooBdentef
ia Babia, Bneno-Ayres, Montevideo, Ne**
i New-Orleans, eemitte cartas da crdito
'jera os meamos logares.
RA DO COMMERCIO N. W
ALFANDEGA.
tandimentododiala 13. 449.8aUUi
dom do dii 14. 52.481#83i
CU
PAVILHAO DES. ISABEL
COMPANHIA
IQDESTftK 'HIISTICJIC ACIORITICA
SOB A DIRECCO
M
D. Luis Casali.
EXTRAORDINARIA E VARIADA FUNCCAO
MaMadfiaf l o caiVaMt.
EM BENEFICIO
Da menina
mMMmmM giszjr
A menina beneficiada, cuja idade aiada ai*
loe nermiue fazer o seu devido eneareciment ae
respeitavel publico pedindo-lhe a sua preteeeao,
dedica a sua noote de festa artstica a todos
quelles qae se inltressarem pela propriedade da
juventude, em cojo peito f bale um coraeie ebeie
de innocencia, e ajo apradecimt mo aos sene pro-
tectores s pode ser feito por meto do rorriso
propra das enancas de sele sanos.
Os chafes de familias que tem a felicidade de se
verem rodeados de galantes possuklores da ver-
dadeira inaoceneia nao deixarSo de levar seos II-
Ih'oos ao beneficio de ama menina que, coas seta
annos de idade, j d provas do quanto se tsfor-
ea para ser til a seus pas.
PROGRAMMA.
PRIME1RA PARTE.
1. Cma linda symphonia derigida pelo maestre
Manins.
! A menina beneficiad eaecntar sorprendea-
tes ovoluedea, sobre o eavafilo mesea,
3.* Um intermedio ieeoso, petos elons da oonpa*
aJaa>
j. ExereicioB equeslres, por Vicenta, soete na
cavallo era sso.
5.* A menina beneficiada efleluar varias des-
teeacoss, junclamanio c^m o menino Juanaia.
6. Murilbo, cavado amestrado, apreseotado em
liberdade pela senborite Anna.
7." A Mama beneficiada execator pala pri-
meira vea, sobre um avallo, a liada sceaa : ts
capinhas bespanboes.
8.* A dupla barra lixa, por Cesar Vicente.
Intervallo de 30 minutos.
SEGUNDA PARTE.
Acto primelro.
i raudo qaadro em allegoria, inliiolado ;
A densa da guerra
Acto sgondo.
Quadro fjtjnco, por Rodrigoes e Jaaania, tti-
lufado:
Caim e Abel
Aek> terceiro.
Quadro final, intitulado

302.32-U9&5
MOVIMENTO DA ALFANDEGA
folaxnes entrados ceitfazendaj
dem id-jm com gneros
/o! orces sabidos com f sendas
dem dem com gneros
S\
32
e
199
1005
------ 104
As nympbas sorprendidas peles
Sajtos.
No qnal tomam parte as senboiIlM Anna. Va-
ria Luiza e Marieta, e os Srs. Rodrigues, Lnii *
Cesar.
Principiar s 8 irf da nome,
*Veeo
Camarotes com 6 enfadas........ 1SJ0M
Cadeiras....................... j^ooo
Gadeiras avulsas para senhora..... MfiOO-
Geres.......................... taOOt
Os bilbetes de camarotes, cadairas e platea
veodem-se no mesmo circo.
Ao publico
O director interino avisa ao respeflavel pnblico
qne esftndb a companhia em acto de partida, bre-
vemente annonoiar a sna ultima fonccSo esta
hopilaleira eapilal.
Descarregam boje lo de julho,
Brigue ingieiBrilkanteraercadorias.
Barca ingleaMimosa dem.
Barca inglea Mennitidem.
Barca inglezaCedardem.
Barca portuguezaAlexanire Uercalnnodera.
Sumaca hespanholaJoven Elizaidem.
Brigue ingle7Firmefarinba de trigo.
Patacho norte allemaoAtlanlie--mereadorias.
Patacho norte allemaoAnnidem.
Patacho norte-allemaoElisabethidem.
AEGEBEDORlA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBCO.
\endiraomodo di 1 a 13. 37:935*86?
Idem do dia 14....... 1:735*512
39:7038i
CONSULADO PROVINCAI,
Rendimento do dia 1 a 13.
Idem do dia 14. .' .
89-J0o"je6
1:33*5*932
90:54558
MOVIMENTO DO PORTO.
Navio Salitn no dia J.t.
Terra NovaPatacho lngl Haidee, capitao Sa-
muel Fotzp, em lastro.
Navios eittrd Babia8 dias, hiate brasileiro Sergio, de 61 tone-
lada?, capul) loaqnim Ignacio da Fonseta,
eqoipagem 7, carga farinti* de mandioca ; a
Caetano Cyrlaco a Costa loreifa.
Baha3 dias, barca braslleira Perola, de 189 to-
neladas, capitn Manoel Casiano dos Passe**,
ef|uipagem 12, erga differentes gneros; a Jo-
quim Jos Conealves Beltrao.
Nano oahido no mesmo Ha.
Re da PrstaPaUeho norte-allemSo Annyi, api-
tio Luchi, eirga asvnear e agurdente.
"MwaaftR
Fuudeou no lamaro a corveta portogtleai Z7-
que de Plmela, mas anda nao teve eomitmnica-
go com k ierra, e enasta qae entra amanhia.
i i i
AVISOS MARTIMOS.
COMPAjNIA PERNAMBCANA
DI
Navegagdo costetrapor vapor
Macei escalas Peoedo e Aracaja
*?\Y O vap /%/3\ pono cima no dia 1S do corrente.
!4SaHaW as 0 horas da tarde.
R.cebe carga at o dia 19,encommendw, pas-
sagiros e dianeiro a frete al as 2 horas da lar-.
do no eseripterio do Forte do Malte* a 48.
Propestas (em caria fechada) para os eoo-
eertos neeessanos do liidre inglez Satlite eatrade
ne?te porto a 27 do prximo passado, serio reee-
bidas no coasnladVj rrilumco al o meio dia de
sexla-feira 15 do corrente : espeerfleaeao dos
mesmos aeha-se no dito consulado e pode-se ver
qoalquer dia entre as horas de 11 as 4 da tarde
Recife 12 de jnlho de 1870.
Saanders Broters & C
____________________Consgnala rits.
Risco maritimo
O brigae escuna norte-allemao Fides precisa de
cerca de rs. 12:000*000 para faier as despetas
eias neste porto. 0 navie pretende segnir via-
gem para Palmouth em poneos dias. Recebem-se
Sropostas em cana lechada no consulado da oa-
ideraco norte-allema.
Maranhao
Segne cem brevidade para e porto aeioa aa
Ibabole nacional Joven Artkur, anda pode receber
alguma carga e trata-se cem os eonsignalaries
Antonio Lu: de Oliveira Azevedo & C, rae da
Cruz n. 57, andar.
Maranho
EDITAES.
O inspector iaterino da aifandega fax" pabiieo
que em virtnde da autorisacao da tfaesonrarte de
faienda em portara n, 89 de 7 do eorrente, tem
de contratar os reparos de que precisa a baa de
vigi 4 n. 2 desta repartir assim, pote, convida a
quem os qaeire fazer, apresentar a aaa aro-
postas em cana tediada, at edia 20 do oeemo.
Alfandga deParaambuce 11 de julho, de 1870.
Oinepector uainaian
Liz de Garvalho Mes de Aadnde.
DECLBACOES.
De ordem do lllm. Sr. conselbeiro inspeetor
da thesoararia de fazenda se faz, publico^ qoe aio
tendo comparecido licitante arremau^ao do alu-
gul par mez a tres annos da tata que sera de
cavallarice em Santo Amato da fref iwua da Boa
vina desta cidade, tica a meaow iranateriia pan o
dia S3 do corrate mu.
Secretaria da thesoararia de./auada da Per i
nambuco 14 de julho de 1870.
Sarv1ndo.de efficj-ouior,,
Manoel .Jos^,)^.
E' esperada do Rio de Janeiro en penco* dias a
barca portugueza Mria, que traz j alguma *r-
ga para o referido porto ; e descarregaodo a que
para este condutir, receber aqoi a que for pos-
sivel obter para o Haranbao, e com pouca demo-
ra : por isso quem desejar aproveilar esta be
occasiao de embarque, dirija-se ao contigaatarie
Joaquim los Goocalves Beltre, ra do Cma
mercio n. 17. _________
Rto <1t Jmeiro
Pretende segnir para o referido porto oa* a
poisivel brevidade patache mnteir por ter or-
tao da carga engajada ; e para a qne lbe taita e
escravos a frete, ir.tte e com o ceosignaurio Joa-
quim Jo6 Goocalves Beltrio A roa o Com
1.17.
ffl*rmr deatra em peoeas dia* frorkaa
nacional a^>arter prnanjna a (iHrtnroam
de Macarra, e parae qne atada pede riiiaar a
frete commodo. trate-se eoao Baaar, Oirtem .
C^ ra do Vigarid a. A, f andar.

A
Brasil
aqoi
exmela cala titiat tJo Banco do
Anha-se 4 t*tt* o brifjM
pera ende receae por frete
inscriptas a raz5o d^lWO por acco. y|rioIMlar
Ve-
Para o referido porte ereteade seguir cota W
Mane o patacho memal t*r*U#r, por liar
maler parte da ara* aretpta";"e psnretae, a
Me entice, trta-se ee o constiraatar la Ha-
qnm n. 17. '
Ihimm .4*a>tau.'
ffH



^ t
o
iaro e PefamhQO Sexta eira J de
inJhc
de 1870.

CMPAI MlM

K ;ft
a vapor.
Bo8 P'JP6.*' "^ espentdr
t* o dia 8 da Mrente uro dos
pm enpomimdn, tf*n Se mMa e o utros cb-
rfewlre anear*'jftvnmttf t*f<* ^ daros uoSe*ro-. '
A ,. JBanru-lrtrt M de Jofno.
0fnteniMa,.ntortio por tima famtns ans
. J?j lieili0 dos raoveU e raobj
Vapores di eompsnnla o qail It1 ^rlvmi*msss no sobrado da ------daen do costme *i5W)0JL ~ on3 erTectaar o leilao no dia
POtosdonorte. *
ufef*
jare---------------------
^i.ja^pbr|dirf <^otir,.aqnal deven
ujilr>eieii dau ^ ^
sMsaamd
Naoe romitaao mnrindii m.^*.
arrobas de peso paj* eoMcos de medi-
J^li^d Mniiies evar.
ser
Principiar s H> hora.
" .a
a-
- Acorado A C'
OHvein
Mr
Pww Gallinhas, Ro Porowso
6 npotlafo*j(Oa, sefato para os porto aoi
a no cha au do crrante, a nidia noite. Receb
carga, encomiMndavpassa#ero8 edinheiro a fre
1e no esenptorla do forte* Hattos n. 12.
AVISOS DIVBSOS.
------------' mi'
A pessoa que achoo, ou ea cuja caca
toixei um estojo de marroquiro verde*- con-
tando om peqeeno bistur'e duas lancetas
em cabos de tartaruga, rae fara" o favor de
stituir-m'o.
Dr. Jeofuirm d'Afmn Fonseca.
Contrau-se
e
DICTADpiA MILITAR
PNIO ttERICA
Km 8* 140OO.
O foroettwoto de 60 /
o fjuli'Bercfnratt-s Ha
f
GOMPAIHIA BRASIJJHU
_ DE
Paquetes a vapor.
Dos pollos flo norte esperado
at o da 8 du currente;o vapor
Otinri, rormamiaarte. I oepito
renosle Pedro H. tortelo ooal
------- depois da demora do costotue
eegoiranaracw do sol.
Besde j reteaem-ee paseageiros e eagaja-se ;
e*rga queo vapor poder condiuir, a goal (laven
tsar omfiarcaJano diade soachegada. Eocommee
da e djoUeiro a frete at as 2 beras do di da sos
fauna.
Maoserecebemceaoo eaeoatmendas seno ob
os de pequeo valor e que lio excedam a dua.-
robas do poso on 8 palmos cnicos de medico
do quepassar destes limites dever ser robar
lo conw carpa.
, J?revne-e aos senhores passageiros qoe seat
ptssasens s so recobem na agencia, ra da Croa
1S7, 1 .indar, cseriptono de Antonio Luir de
I veis Azeveds A C.
O DR. JOAt}Wi! C9IRBA DE ARAHJO 8
tem o seo eacriptorio roa ataiperador S
n. 67..oade pode ser Mocorado das 9 bo-;3
imiw&lmmmwM
mm-wmmmmm msmm
Pilnlas5 xaroae e vi-
nho de jurubeba
Saperior a tidoe os tnicos cordieeidr contra a
Anemia, Cblorose, Hydropfsia, Obstrocoio do a>-
dwnea. unb embregado nos cases da
nteoan-mcio dilIlflB; ne^ ctTtiw da bexrfa, etc
BfiPO^ffTO
PHARMACIA DE I
Joaqoim de AtaMi Pinte,
Roa larga du Rosario n. iO, junto ao quartl de
po*tcia
foi
DE
J> Ferrara Flela
n?ie, i L* bri tmt achare al
novo estabetrtnftoto.photograpia' Mt>
Cabuw n 18, i^topateo .la aja**' Os
Precisa-se de urna escrava que saiba cojti-
nhar e fer Crtmras : a trataY na roa da Cadla;
do Recifa n. I. .
i
Urna cozinbeira
rasa : ere apresewar-te na rta
mslro adar.
MI SEM
pema e activa, qoe do
teMttr-te ra vova tt.
durma em
a tt. 98, pn-
O Dr. Carolma Praneisco de Lima San-
ios mndou saa residertcn e cunsoltorlo
E para a roa do Imperador n. o7, 2o andaf'
I do sobrado cojo aratazem conserva alo
~ da boje o nome de Aliamr*^- lando a
entrada, que pelo lado da ponte Seta
de Seteabro, o mesmo numero 67^ da
frente. A*ii connuandD dito Dr. no
exercfe le soa profisslo a, Hfdloo e
de opeadcr, pe jer pr\nrado*a *ial-
quer hora du dia e da nadie.
a Pj
.VnlU'i
CDMPA.\I71A PERNAMBUGANA
DR
\arecnrJo cewteira per rapwr
I <5oianna.
O rapor Pnrn'tyba seenir para o porto ari-
*n no da Iti de Jumo as 9 horas da nonte.
nteebe carga at o dia 15, encommendas, pas-
saeiros e dinlieiro a frete no escriptorio de For-
' >io Mattos n. 12.
ILj
Para n ref-rirto porto pretenae seynir com pos-
ivel brevidade o patacho portn?uer Elephnnte por
tor aluroa carpa tratada, e para o que Ihe falta
-a-ae cum o consignatario Joaqoim Jos Goncal-
BHtrao rna do Commercio n. 17.
-irata
ves
A VENDA
Vende-se o brigne portogtiez S. Jos, de loia-
Cao de cerca de 1500 arrobas os preiendenta
podero examina-lo no atworadourb : na volta do
Forte do Mitto, e tratar a respeiw, com o capitJo
a bordo, d- andar.
Atracaty
Gabinete Portuguez de Leitura
AS-EMBLEA GERAL.
De ordem V Ildri. Sr. presidente convido aos
s^nhores socios efTeclivos reonifem-se domingo
17 do frrente, pelas U horas da manbaa, para
pnmeira so?sao ordinaria de assembla geral a
qnal tera lu*ar coai o nameM de sethores socios
que comparetarem visto as sftef reunido nu
mero leg*no dia ID di crreme.
Secretarla do conselho deliberativo do Gabinete
Portuguez deLeitura em Pernambuco 12 de julho
de 1870.
J. R, Fonseca,
2 Secretario.
JttaoJoeda. Silva Sarment pede eecarecida-
meoto aos seo eollegas.e amigas qoe Ibes faeam o
piedme f.iv(ir de a-sistir a orna missa' que elle
manda restfr na egunda-feira W do corrente, as
9 hwas da manbaa, oa matriz da Boa-vista, pelo
p.teroo reponso da alma de iu oheraio irmao
Jos Bernardo da Silva Sarment. Tallecido no
Piauhy ; e desde j Ihes agradece do fundo d'a' '
ha esse act > de rarrdade.
hos que desde eolio, fem sabido di
temi geralmente agrarhrtb. sendo
aifonscom admirac|o pelo extru,
gresso qoe ltimamente tem rido a
e por oo tros com aleara, por verem ,
222?.co? nm ''menlo dlgovd
K2n.T t"?6"0 qae BeS8e "
aio^^T lamben"aonospoopamrwemconsa
algoma para monta-*, B0 p em que se ad, es
P*^ aa o Publien de Peroamboco safa
crfleSk nMSM^<^erecoo>P>sarnoo9os-
n S52!BM t0,,a' W" P*:, na
oecnuidftde de trabhos de photographia _
E, ti tolenlo, que Mar seeap
hnr ^ M -d,3fiosl^o *>* uias desde m
"Jfa*Danbaa al^i, 6 da urde.
")ff* maclinas dos
SonheWulf. UJmameate recebemos'tres a
^H*!"i***,u "S*1 Wpn* fara t*
oWsi m.sino S^, ^ 0M g [ml^nr difSa'-e
"*da?, eoutra de 6 a l inwgoiw oiveraa c
l^niesfe'ftAftM, > .,rle 4Vo ceso de
anoe foncurreocia podtremus retratar sobre
nu Mlea chapa at'8 pessoais diversas efeofa-
"Ja* paft cantes oe ntfte. ea'ssliti em 'men-s de
um quarto de bora despadiarmos 8 diferenies
pes>oas qo* pecam cada urna, orna duzia de cartoes
mais ou menos, com os seos retratos smente. ou
em grupo com outras.
Encarregamos-nos exclosivasaente da direcco
> dos trabahos de photographia dei-
L3A8lIAD0CMfi^.3A.f|
Q%T*tettWoicri*-se
aberlojl inteiamente transforrailo este antigo
fT? ***>' "de VAMOS*** e amig8 ncontrarto todo quanto
h^ T^9^ tem ,nvebto *S*te d oarivcsaria, o Collar de Ouro
observar delidza do trato m rhrfld* e modecidade no* precw.
jm JTa 1S P818^ ?*yi* ver o que existe de me*or em
iMerocos de breante, esmerad W e perolas, meios aderecos, pul-
S.ra?AiIl.nC08' a'fi?elM.5 anne.rtfe tensas qualidades, prata de le faquei-
ros, colberes, palileiros saetas e oofroS ortos objectos qK seria enfaonbo
nieociOQar.
Itimameaie recebemos tres novan iK
xando apenas
allemao, o Sr. Y
JOTgf*
Aluga-se urna casa em Apipaees (na
povoaco), com coramodos para grande
famila : a tratar na ra da Cruz n. 7, l"
andar, das 10 horas as 4 da tade.
Ensino
Stgne com a possivB| brovidade o palbabote
Emilia, anda recebe.algutca carga afrete: a
tratar com Sa Leitao Irmos, a ra da Madre de
Dos n. 1.
LEtLOES.
(fontinoiifo no Cabo.)
P>r urdem do Bita. Sr. Dr.-jaiz municipal e do
eominercm da villa do Cabo, reqoerimento do
curador da masa fallida de Severiano Jos dos
Santos Agolar, fot designado o dia sexta-feira, 15
de julho s 10 horas da manhaa, para na'casa do
ntesmo estabelecmeoto se proceder em pra^a pu-
bliea venda do telheiro e forno, armago, vinhj
da Pigoeira, macarro, aletria, e palitos de gaz,
pelo maior preco que encontrar ; convida-se os
pretendentes para essa praea, podendo irem ver a
avaliacao na cartorio d escrivo Aranjo.
-----------------1
DE
MOVIS
O agente Pomual fara Isilo por mandado do
Jlliu. Sr. Dr. juis ep-cal do commercio, a reque-
nmeoto do curador fiscal da missa fallida de Flo-
rencio Tertuliano do Reg Costa, dos movis e
leuc,a, pertencontes ao mesmo fallido.
1IOJE
Xa ra das Cinco Ponas n. 86, primeiro andar
a a 11 horas.
I
FAZENDASGERAES

crmtfmiaeSo.
A16 do crrente.
.MeHo, Lobo A C. cootinoariis, sabbado o seo
leilao do mais esplendido surtimento de fazendas,
jecpacinidas, em seu armazem, sito ruada
Cruz
SE FAZENDAS
. ;,.. .^"O'ls-feiralS
Sliapheftl.n & Q. enUsft aexpor em leilao no
di i sexta fera 15 do corrente, p,r intervenco do
agente Pinto, nm vanaioe completo sorilmeuto de
faxenda francs, smsr.^e allemes, existiles
.em seu armazem ra da Cruz n. t, onde se effet-
tuara o leilao as j* Jjafaftdp sm Mima di o.
movis, louca e chrystaes, a aa-
her: <-(l
('o piano forte franez, orna mobja de iaora
ptdr, qu
da con) umsof, dcns coosolos coi pedr, qua-
tro cadeiras de bracos e doze de guarnicao.duas
cadeiras de bfanijo" e oito ditas de jraarni?5o de
Jacaranda, dous ricos espHhos, um dito oval, om
lustre de ehriatal, dous dito dedons Wcos, *jar-
n* finos para fieros, tapetes e escrrradeiras.
Um toilet, orna ana francera de jacajand.
u-iia mesa de cama, oca guarda-vestido, m gaar-
da-roupa, una eommoda santuario de Jacaranda,
sois cadeiras, om raarquezo. duas camas para
meninos o dous bercos.
Um seta, doos consoios, urna mesa de iogo,
duas cadeiras de abrir, vinte e quatro ditas baaa-
burgBBzns, dota ditas de faia, urna mesa de iogo,
don cabides, om espetbo.
lima mesa elasticx um gora lou?a, doos apa-
rasore, duas qoarUnbeiras, um sof, dm oadel-
ras, looea pan ca e Jaotar, eoeapoteiras, pm-
as, copos, ealices, garfos, faca, oiheres, nssas
Primario em um anuo, a o;$000 meosaes.
No eollegio de S. Pedro de Aluian, a roa da
Cadeii do Recite n. 24, s-ob a diPeecao de Joaerbim
Teixeira Peixoto Filho, ex-alnmno da escola Dor-
mal, com cinco preparatorios na faculdade de di-
reito, ex-profeeaor pmrfieoinas provincias das Ala-
goas e Parabyba, professor d? insa*oeca.> primaria
e secundaria da Sociedade Liberal owo Beneli-
cenle e competentomento autorisado pela directo-
ra geral de instruccao publica.
Ocollegio fornece gratuitamente a ens alumnos
bom papel, tinta, peonas, canelas, lapis, creves
L.usas e agua. A escola ser limitada n t'nata
alumnos, para nao baver na masraa- deiurioes, e
o methodo de ensio empregado do Ilustrado
Sr. Dr. Abilio Cesar Borg s, o qnal nao admitte
no ensino o infamante castigo de palmatoadas e
sem conselhos e castigos moraes, qoe promovem n
gosto e a emolacln pelo e.-tudo s criaocas. O
proessor de instruccao primaria ser o director,
e o de grammatica purtugueza o Sr. professor pu -
blico Miguel Archanjo Mindello.
No mesmo collegio lecckina-se gratuitamente a
vinte alumnos pobres das-6 horas da tarda a<5 da
noite, as seguintes materias : grammatica portu-
gneza, arifhmetica. georaeiria plana, primefras
letras e a fallar a lingoa fraaceza.
Os alumnos que se matricolarem este mez
principiarlo a pagar do dia "2 do mez vindouro
em diaotc.
Recife 14 de jolho de 1879.
Joaqoim Teixeira Peixoto Filho,
_____________________ Director.
Francisca Mana de Alduquerqu e Mello, abar-
xo assignada, viuva de Francisco Paulino Gomes
de Mello, casada com Malhias de Atboqoerque e
Mello Jnior, declara ao respeitavel publico, qne
tundo sido abandonaba pjr seu marido, vend -se
obngada a retirar-se da casa de sua residencia,
tem resol vid* a nao coosenor que esle continu
na delapidaeao que tem feito dos hens de seu
casal. E por Uso previne pfo presente meio que
pessda alguma fai-a negocio com os escravos que
Ihe pe tencem, bem oomo com os demais ben,
por isso que a abaixo assigpada est disposta a
disputar o dirfito qse a elles tem pelos tribunaes
do paiz. Outro im, previne ao mesmo seu mari-
do, que o sea eoraportamenio para conj a abaixo
asignada est sogeiiu a prova por elle bem co-
nhecidata qual a abaixo assignada leve o cuida-
do de nao reduzir a cinzas como tal vez presuma.
6 de julho de 1870
f>ancwa Maa dt Albuqnerque Mello.
Us membros da suciedade Umo Couiuier-
eial, *abe#eeida rus Pedro Alfonso,, outr'ora
ra da Praia, em regosijo pelo estupendo trlum
pbo obtido pelas invictas armas bra-ileiras contra
o audaz guaraoy Solano Lopsx, de execranda me-
moria, resolveram nos diai 16 e 17 do corrente
faxer o seu festejo na referida ra, ha pouco hon-
rada pela Illma. cmara mooSdpat.oom o nome
de om dos mais distinetos offlciaes, filno desta he-
rbiRi prdaincia, |erfo de lautas hroes que hon-
rara a hfetoria patria. Assim. as 8 horas da tar-
de do primeiro du dar > principio os ditos fes-
com mrJsBa e Hlflmlaaco, o que durar at as
10 horas : e oo seguinte dia, alffl'dos festejos
do primeiro, ser qoeiuiado wn gr.iode e ioteres-
sante fugo de artificio, fabricado pelo insigne ar-
tista Jo Alies. A c Kiimtslo eneartegdi de
dKos fesrcj'os, para mai brhan'.jsrao, roga aos
moradores da ra se ciignem ornar as freoes de
soa* casas, e illnoiina h* na din* noutes.
A sociedade Uniao CommerCral. eontposta dos
eommerciaates da roa Pedro Alfonso, oolVora
ra da Praia, preteodeodo lloarar a memoria do
nclito offkial braseiro, prdigamente derramou
o san*ue pilo desaggravj da patria, vilipendiada
pelo audaz paraguayo Solano Lpez; manda ce-
lebrar no dia sabbado 16 do eorrontey na iflrej
do Espirito Santo, pelas 8 koras da manira algu-
mas missas pelo desCanco eterno do aiesmo in-
victo offlcial, honra desla provincia que Ihe setvio
de berco ; e para este acto de oandad e regiao.
tem a honra do convidar aos habitantes desta ci
dade, e especialmente aos pareles e amigos do
bere pernimhucano.
E, aiada posioi a a referida sociedade dos mes-
mos senment-is, em sego'da ao acto fnebre, da-
r lberdede na pa batitism il duas criaocas,
qua ticaodo livres di ferrenbo jugo do caotiveiro
marcarao a nova era de sua reuascenga civil
com a lembrsnca daqaelle quo nao poupou o san-
gue pela liherdade da urna aunan iMcravn.
pela cmara
celebrar om
dos bravos
A coramissao encarreaada
municipal desta cidade ce
olicio de rquiem p^la alma
quefalleceramna guerra do Paragnay," con-
vida aos Srs. sacerdotes que quizerem
suffragar a missa dos mesmos, a compa-
ea'rem na igreja de S. Frei Podro Gon-
calves no dia 15 de corrento das 6 horas
s dez da manha.
R'idfe, 13 de jolho de 1870
Capilao Jos Mara Freir Gameirn.
Hajdr Caetnno C. da Costa Moreira.
Dr. Pedro de Mhayde. Lobo boscoso.
D. Olimpia de S e Albuquerqu! convida a to-
dos os prenles e amigo* de seu fallecido marido
o Dr. Vrtiriaoo de Su e Albuqoer;|u.!. pan asss
Urern so offl-io solemne que inunda celebrar a i
da 18 do corrente, as 8 horas da manbaa, na
igreja do convento de S. Francisco ; e espora que
concorrerao a este acto de regSj e caridade, pelo
que sera eternamente grata.
uril!
lalonto--do sncio pintor
A. tAh
pasi*?b"l,W8 de 9ialan' ,a,loar. olt, t a
O Sr. ROA acha-so ligado a nessa empre.a por
urna escriptora [Mibea, e at o prsenle teo-se
oesvetado M execu^o de seos Irabalhos.
<>s^soes8beleitonloMtm*>iteexBt>str* on-
tros traba llios unfiorianies rio Sr. Iloth, tanto em
tniniatoras a aquirella romo tito, re.rstos i
oteo, quadros sacros o dirsnws ootres trabalboe.
romamos encommendas de retratos oleo at o
tamao natonl, assim como de quadros sacros
paj* oijlaaifantat -do ifrjas on c^MIa. tm-
bdSu afei&aos eAMimio de (isairuf Uslri-
coa..
kJ.I6!"'''1*0! qu ? P"5**8 "*'*vetsos'fra-
bam%an|Sj!j cas sio mni rasoaves.
cOtfOtes t?6 tlsiTA rrtO crw.oirroos 1 fOiJOO a
ncjtrA
CARTOfiS E VIWTA COU O C0f.0D0 AO NATU-
nAC A -ifilOOO a m:*lA
Retrates em miniatura oleo ou aqoarelia de
16 2000 cada ora, ioao conveoientamenle en-
eattlltado em moldura ooarada e reculando o
busto da pe^soa retratada de :i 4 polleitaflas e
todo o iioadro \m)inr> e meio do lamanno
Juigamos que bastar*, os preces cima para
Oarmos idea di baratera dos trabahos do uosso
establecimiento, quanio sua perfeieao cada om
venlia julgar por sens proprios olhos.
As mltioro> horas para se tirarem retratos no
nosso estabelecimento sito das 8 horas da maiiba
1 da larde; entretallo de uuia bora as 5 da tarde
em casi especiaes pde-se umbcm rdratar qual-
qiier.pessoa.
Nos das de chova, on por tempo sombrio po-
demos retratar, e asseguramos qne esses das sao
os mais favoraveis aos Irab'lhos de photographia
pela docura e persistencia i luz, a p r termos o
nosso terrac constru 1o com taes proporces e
melhoramentos, que anda chotendo jorros ne-
ahum incoaveniento ha papa fazerse bellos re-
tratos.
J.Frretra Villela
a^T^!'re,4^1>riihaD,trfPbdra9 ** ****** m O
"seeeoncerta-se todo, e qualipter objeeto
GUSTAVL
CpLLEIHEffl FfiANCEZ
~Kua da Cadeia te Beo&--^l
mais barato do que em ontra qualquer porte-
GabelteifMjpara seaboras a 250,
YaVfcUlt e.
eaA e* ojpies s5o vtR* por cerner
Ama
Pre'isa-se de orna ama para casa o^ hcmem
loltalro. que sSiba le.var. engommar e cozinhar ;
na na da Croz n. 24, andar.
O propietario do Diario do Rio de
Janeiro, faz pobco. quo do 1. di jaflio
do corrente anno em diante, os Sr<. assig-
nanles que quizerem conservar as snas as-
ajgnaturas, tt'to a botulaJe de raand ir re-
forma-las, ou ru cote, no escriptorio do
Diario, mi na casa cominera 11 dos Srs.
Angosto F. d'O.iveira & C, em Pernambu-
M, no fiecife, ru i do Commercio n. 42.
Recife M de juim de 18/0
Augusto F d'OUvcira & C
i Cadetas 9ra relogH> a o* ^
403W! 1$, 8^ 9J, mt. .
totas (MNtoeeir. a 39^ 404 30JD0O'
^e ** *, I Corte de *elkyr.....
21% 36# e..... 50*300 fc
>esceates a tifa 15, iS>, aod, W>r* ^ eabt- coa iriccao. .
25^ 30l e..... 3 5000 Corte de cabello ce iavagem >
^chos ou ccesp< a U, W, 5ft, chaaipoo;.....
66, 7K #, n e. 10-3000 Crt deca8elloc8!B.|>Bpex da-
Tranija de cabello para annet : cabeca pola MBobiw electri
*W t- i k 1,5000 ca, nica em Pswnaoaboc. .
Tranca para braceletes a 10A, Frisado ibtfeza w franceta.
B ISSIGRITUMS HEKSB
ft-speeialidnde de penteados para crento
A Bailes c Moires
O dono do estabelecimento previne s Recommeada-se a-supetior T1N3URAJA
xmas. Sra*. e aos cavaheiios que flaumtPONBZA para enegnecer oe cabelkis e bar
13o para tintura dos cabellos e barias as-1 ba' 0,li,;a admMda na EaposicSo Universal
ta como um empregado sotnente ^\&2tt& ga^g
15*0
x
50
iffix
50*
23
lo Desse servido.
mas de arrancias de PA WK E LONWffl
as**
RHAZEM
os<
(I abaixo assignado avisa au respeitavel pu-
blieo qnn nSn cdntrat* nfcgnrto fd qualidade al.:u-
ma com D. Alexandriua Mariobo Faicaa>aBH ma-
rido BenartBlnfl Bewrra Perefra BrlngWr.'^rqae
ojjSens que a mesma possue em seu peder .apenas
tote usofructo em qoanjd vin. O aaain Asigna-
do protesta contra qualquer nejocis, visto ser in-
tarasudo.
Jos Antonio da Silva Accioly.
Alug,i-se
ama casa no Varadouro da cidade de Ollnda, pro-
Cria para hotel per ter commedos at para doos
lhares.
PEDIDO
Pede-se aos seabores abaixo declarados qne ss
igneai m roa Nova n. 46, loja de fazendas,
a*n de tratar de ultimar o negocio qne nio ig-
E jpe|%V).de Maira LaikT. I / i II
*5oF7aics Hemeterlo'PbrttlIa.
Joo Prancrsco Paes Brrelo.
**EgidloPerrelra.
f Patricio de Castro.
Jos Vieira deOlifeinr Maciel.
toi Joaqun de Agolar.
S^l1*?0 di*ga.naes Castro.
Goilherme Bodrigne Breckenfell
Coronal CaaeldoPereira d Lyra.
AMA.
Preelsa-sadnnosnsBaparB cozlnnar em essa
de nomern softeiro.: a tratar no Passeo Pablico
oamsrc o. ,
--------m_____- -
-se de on
-se
solteiro -. oa ruada Praia n. 4i,
ra. casa de hornero
Dr. Victoriano de S e Albuquerque. D. Olym-
pia de S e Aibuquerqui, cmvida a todos os p-
renles e amigos do sen fallecido marido o Dr.
Victoriano de S e Albuquerque. para assisiirem
ao offlcio solemne, que manda celebrar no da 18
do corrente, s 8 horas da manha, na igreja do
convento de S. Fraaciseo, e espera qne concorre-
rao a esse acto de religio o caridade, pelo que
sera eternamente grato.
Pi'oistASa de ntjni feo .r para casa
trangeii-a :* tratar na mi da Crorn. JO.
\Viiraoi Viiug'.i.in da -a-a !. Jjmes Kv.ier &
C. vai Eoro|ia co.n >ua famili.i, e declara que
nada deve pi s0a algUTa, mas se todava alguer
se jalgar seu crelor, P .dera vir recebar Oestes
oito oas que ser logo .-asfeifo.
SOCEDADfi ONIA0.BEMSFICENT2 MA-
BITIMA
Pela directora sao convidados terlos os socios
para comparecerem a assenflla gera! n domingo
I" doc rrente. as 10 horas da manha, na ra do
Apollo n. 36, Io andar
Secretaria da sociedade Uniiio Beneficente Ma-
rtima em Pernambuco li de julho.de 1870.
O I* secretario,
______________Mannel L'pe Ferreira.
Precisa se de alogar um rooleque de idade
de 10 ou 12 annos : ua ra Direita u. 79, loja
de ouro.
ponpa
na-lo aipno os concurrencia p
Se grande fui o e-mero que prezidio decoraeao do e.ta*>loem,-oto, tB0> maior ten sidft
l'n.nl08 Te*? q'K" S2 hayidcni turna-'" ">ais porlrtila Sruer.^TLZlLT^u.
, A MOKM %
pedeiao publico o especialmente s Eima. Sras. que di^ern-s* visitar eto iiMortanss e=tabelM)t-
SS?n",rh"ra-'tlMm""t Jr-"n-llo1.,U,l|o qe adopten, pe*,*.. seTnAam ZnSoS
^Z^LSSu" ^ff^'^meotosrja gerafcienje n.nhecido, cnm n na, de-bom gost.v riqost.
e siceST raodl,:,daJ dt W*. uperwndado de fazendas e-liasUasnie norma de fraeza
Exma, SSttliflSZJS. Um **** haW,ad a M**"h~<
Armazem da Norma.
48Ra Nova 48
D. Maria Brgida da Silva Duboorcq, setrs fl-
Ihos, oora e genros, convidara nos parete? e ami-
gos do fallecido S. A. DuOonrcq oara assistrem
a mssa do rquiem e riwnenlo que mandara ce-
lebrar pelo repou-o eterno da alma do mesmo
fallecido, no dia 18 do corrente as Q horas da
manhaa, na igreja matria de S. Frei pHdVo Gon-
calves ; e esperara que se digoaro asistir a este
acto de caridade e religio. .
'......HaWail HMJgMWP
Os senhores credores ao espolio do finado
subdito portngoei padre Angosto Maria Ferreira
Botelho, queiram comparecer oeste consolado den-
tro do praso de 1S das, da data de huje-, para re-
ceberem o rateio que Ibes tocou des bees daqueUe
finado, arrecadados e liquidados por este consu-
lado.
Consulado de Portugal em Pernambuco 13 de
julho de 1870.
O cbancpller,
Arthur Aureliano Ferreira Braga.
Alug* se um iivignitico sonrado ue om an-
dar e mirante, sito na roa da Aurora em Santo
Amaro ru O, e reedificado de novo, com mnitos-
e excedentes eoramodos pira familia; temi mais
rnuiM qjarais pira criados e um lin'o quintal
todo arbonsado. A pesaos que o pretender, pode
dirijir-se raa-da Aora n 34.
Precisa se de urna hua e a seiada eosinoei-
ra, na ra da Aurora n. 2i : qnem estiver des-
tas oadicAr-s dirija-se irwsm para se traur do
ajusto._______
Alupa-se o sobrad n. 21 sito ra de S. Pe-
dro Martyr de Olinda : a tratar na roa do tronera
Jer ft. 80, > andar. v
- Precisa se alugar urna escrava para cozinhai
e engojimar : na.ra lo Crespo u. 33.
Precisa-se de-alugrir para um.t jasa de pe-
quena fimilia urna creada forra oa eapilvi, qoe
saiba cosinhar e engommar ; e de oo criado
para comprar e faier mais servicos de casa :
tratarO roa do Amorim u, 58.


FOROS
A raeeira do casal de Joto Hennque Oa
tendo par esta joma! por dWsas vfE#,dnlti
ment*no de 33 J* jlnko fiado ped&ia lodV
foreiraVdo extiacto vinculo da Coaceieonos
queiros que hojo Ibe pertenca, a aoadade de vi
rem pagar os foros vencidos, e tirar duvidas sa
ra estreita do Rosario n. i, 1" anda, com seu
fllho Jos Hearique da Silva, e com* at o presen-
te nio tenba appareeido os mesmos senneres para
urna ou oatra cuusa, declara: a mesan qae vai
mandar que seu procurador recaba os referido*
foros na conformidade do? arts. ras e 629 da le,
mormente aquellos que esto daffllds desde o
anno de 1851.
asa para alugar
fhta da Cadeia n. 4. 3 Mr.
S O Dr.JdSo afina Se, medico da eamara
mnhlcipal desta eidade, Visa ,m mhhao que ss
acb* encaftigM #i mfttlvo dos pubre, podeo-
do ser procurado nara os misteres de soa profls
sao todgs es dia* das, fl a* 4\ horas 04 mana,.
das 3 da tarde em diaete, en a sua resideucia
na da Imperjitrrx n. 3^.
XARATPE PEITORAL DE RABO DR
TAT*
Attencao
No armazem de Mills Latbam -J, C.,
Crnz n. 38, veoJem-se saecag1 vaei. ,
ra da
Quera precisar de ana bo/aem loso, os boas
coitumes e de capacidad p^ra botar seaiido a
algnm sitio perto desta pra'ca: nesta tyaogrsphia
se dir quem .
CONTRA A TOSSE
PLASTA DO BRASIL.
Este xarope, de ssbor muto agradavel,
empregado cora constantes resultados
J^M* a to=seqntiga8 oo recentes, ea-
tarr ios, bronchite ebronioa heraoptise, ,
reoiaaelocbe, suBocaeo, e em geral con-
| irai todos os padeoinenlos caosa.dos por
das vas respiratorias. O sea ,
pajateaovH igualraents para aliviar os, i
TOSliweaaos einndos pela phtislca.
I una Ibanmo, pharraacia de JeaoatM
o Atawtda oto, roa larga do Rosar
J w !} jueto ao artel de poHix
ai8ll-aa ttlMHiJ
Com fuiiditjo
Ra oo BRym 52
Passando o ch^ftriz.
Giama a attencao dos Srs. ifc eo^d* pira scih acreditado? maobinimos e
com especiahdade para seos vatrares qoe ainrfci itmiiez tea* ml?>ora!lo.
Os vapores forneVido- por ell* e ja nrici-i;)irendo Me hia> iU f:?.ar mebor apre-
ciafao do que qualjuer dito proprio.
Deseja toiavia mencin* que vi,ta rio torraSifragora 4s favorawl doqtw
na epocba dos apontamentos do anno passad lotn feito urna reftwdo sensivel em todo
seus preces.
VEGETAL AMERICANO
E $ A LIDADE
BA RT HOLOMEOs C?
Para a can certa das lenes anlifts e retentes, atarrsis palmonar, asthma; tana esaraJa,
Vontaiu, 0 em geral contra todas ei soffrioeoto ai viai respinlsriai.
DEPOSITO CEKAL
BOTICA 3EB DRQaARIA
34, RA LARGA DO ROZARIO, 34
PERNAMBUCO
A thenpentic du diversu molestiis do peilo, desde
pbirjrDgite oo nul di garganta al a tnboMolafo
pulmonar, passando acias diversas bronchites caurrkaei
t o emphjseaa acaba de ser enreqnecida ca naja
sto medicamento, qae toaari a primeira ordem entre
iodos aie boje conhecidos. O xatope Vegetal Americano,
raranlindo paramente legeUl, nao eonlm em soa
eomposicio am so alomo de pi, sim somenle sac-
eos de planus indgenas, cajas propriedades benencM
enra da molestias qoe pertencem aos ralos de res-
(Mrac> foram por no* observadas per tengo lempo,
com opinaos resallados cada ves mai crescenies; pelo
qoe nos jnlgamos amontados oompor o xarope ana
agora apreseDtaotte. e a oBereceio aos mdicos e ao
?modo nrtito (Sus as ti todos os peitoraet em roga!
Ilhn. Sr. Barthaloaaeo C.-O xarope VegeUl Ame
eano. preparado em tw eosceltaadharnia pairmacia,
tar combatido o..iaro73lv*>i^7eerarn>o
Uve foi orussimo ss SNMot>por S din, aaei.
perem sea mllagron uiB|)57tomdo apena, tn.
OLEO
igrdeeUaeBtoa parata lar aiMa4a>sa>
Com a mais sigaiOcali*a grr'iinaj.
Ihe, pois es meas a
tto horrivel mal. I
sabserevo-me daVmca. aaVctaoso e'waaauVteaaa criado
- Staariaa Puarie.-Saa Casa 14 aa faverairo de Utat
Illma Srs Bariholomeo iC. Depois da oruai
metes de seflVimeolo com orna loase inetssaate, fas__
extraordinario, expaetoraclo de nm catanha amaraH*.
do, a parda tata! du forcas, qae o menor |
me fatiga completamente, cansado tomar aun
tros remedios sem rualtado *' fr'f-irtarlt i*naia ..
Vmes. preparsTam a xarope Vegetal Aroericaao, ac
elle, gracu a Deas, bm aoho restaheleeido ka nviadh
dois metas, e robaste como se nada tivaste iiffl'ai |
graiidta me (arta a tta deelaracio. apa poderaV Vnoa.
fuer a ata M qaiaarem.- Soa eaaa estima da '
taitas respeiudor e criado. Anlonx* ieaaa
Caatra Silva. Recite 8 de levaram aa 1844.
Atiesta composieo dos Srs Bartkolomeo i C. psra caa latntn
forte daflaxo qae me troaxe amarouqaidio. qaeaaaaaaa.
I tuit edleader, inflammacia, a, lar naprgaata, tata*.
trade falta de reapareci, e lani eoaplauaararaaatv
takelaciao coa asi so ridro do atajo taropa; pasa
aae Ibes protesto ataraa gratidao. Bacila t Aa jar.
aeiroda 1868.
OE F
IGAD
3AC
OS FRESCOS
oc BACALHAO pjc
L
1I)WW
811.VA LOPES, em a--*;a; FlCUItEIUA el C", m Manwmo-


feira 1> <* lnUjo de Ifi
70

axm>
Onada
1 Pvecisa-se de urna criada Uvre ou eacra?,
qo* uiba bem cgommar iraur d WW *
wre-j de urna tuTdc punca familia ; a tratar no
E^gulnbo, caja nova do ^^E^JJ
4 cm faltadas velna o. i escrttone, paga
cifrar* ffiqoV^l^'MMMM-M jj
nao pdeos* de gpo de eos prepara
dos.e m.t|,d|QW|i*alea para -" crUD$
nos espasmos eeonvolseea.
PHARMAGI\ CENTHAL RA. DO IMPERA
10R N. 38.
Preparados d'aicatrao em capsulas, licor,
e xarope ferruginoso.
v
Este antigo estabelecimento, aena-as aoje Rutado aurna
escala de poder servir vanidosamente os seas &?'; aten-
to o grande sortimento de joias d'onro, prata e *&"** ?
sempre tem e recebem mensalmente das pilncipaes moneas da
Europa- cujos procos sao em competiveis e as obras garantidas
d* le* _, -
M-rumMBS________
MOFINA
Rom** ao lilm. Sr. Ignacio V.eira de Mello, es-
cnvio^Teidade de N.zareth des pro"n*,
favor de vir a roa do mperador n. I a oftctair.
I LSetie.cio que V. S. se comprometa reali-
LOJA DO TRIOMPP^^Si
PARA SENH01AS. Ricas oupelinas de pedroes lindissiraos, e gosto nevo. fi|ho M aehava no egtndo neM cidade.
Camboias brasras bordados para vestidos- Poild'obevre de lindos padrSespor
barato preco de 560 rs. o covade.
Grande sortimento de laas o alpacas de 320 rs. a 1*500 o eovado.
Saias bordadas, ditas liusj feitas com barra de cor.
PARA MENINAS. Ricos wstidinhos de fosto enfettados brancos e de or.
Vestuarios de fusto para meninos. .^,'VjJ A M i
PARA HOMENS. Camisas inclezas e francezas, de 4mno bordadas e de pregas, |
com collarmhoe sen elle, ditas bordadas para*noivas. Cbapos deso de abo de
marfira e de caona etc., etc., tovas de Joov* para senhoras. I
Grande sortiment i de cortinados para camas e janettas. roxes para sota e ca
ndiras de braco e guarnicao. Tapetes para sof e cama, para pianos e portas.
Cotes de croch para cama de noivas. tapetes em pessa para forro de salas.
O nico e especial ortimentos das verdadeiras ESTE5RAS DA INDIA, s existe na
Loja do Trrampho.
Ra Duque e Caxias n. 7.
mni mnmn waummamm
_ r- = a = M&3 ^ %
.JTfflA,.
I* N. 38.
Pillas de Val**.
Ptalas dettaacard.
Plulas de Blaod.
Xarope Turruginoso de Blancard. ,
Confeites deiacfctfo de ferro.
Pilulas de carbonato de ferro, laclado de
ferro, iodureto de ferro com magoezia.
Ferro de Quevenne.
Assocar ferruginoso.
PHAR!
ENTRATRUA do impera-
dor N. 8.
Vinbo e xarope de pepsina e dtarthare,
excellente tnico para auxiliar as digestoes
difficeis nos casos de debffldade do esto-
mago
PHARMACIA C
lL RUADO IMPERA-
DOR N. 38.
Agua bemostbalfea de Lechelle. mut re-
eoramendada em qnalqoer caso de hemor-
rbagia, e principalmente na tbysica pulmo-
nar, e as hemorrhagias uterinas.
I PRIMEIRO E ANTIGO CONSULTORIO
HOMEOPOTHK '
S~ FUSDAOO PKLO PB. aUMfli
BOJE DIRIGIDO
DR. SAN^'MrX0.'A _.
43Roa Nova n.43 ,
O Dr. Santos Mello de ^UBab*
ooUmia a ser encontrada lodos, os da*
das 0 horas ao meta ^ ra co*roW.
Chamado* a qualquer hora do da oa
Gratis aos pobres.
-_ k*-Boa Note a.>t
imm.
The Liverpool Lou-
on & Globe Insu-
rance Ownpany.
Compannia iogleza de seguros contra^fogo,
estabelecida em 1839.
Capitel e fundos de reserva
RS. 34,WO:*SO#
Os agentes desta companhia tomara seguros so-
bre propriedades, gneros e hiendas arraazenada?,
mobilias, etc,, etc., e estao ignalmente antorisados
a saldarem aqui quaesquer reclainacoes.
Saandcrs Brothers 4 C,
Praea do Gorpo Simo n. II.
AMA
Precisa-se d urna ama par servioo de dontro
Catao & C.
Precisa-se de ama ama para comprar e co-
nhar para urna casa de poaca familia : na roa
Imperial n. 130, casa com porto de ferro ao
lado.
. 77-RA DA IMMRAT ZN. 77-
Esforce-se muifo embora o lacultaru taboriMO,
erapreioeo-se a rewcdes mais forte eooa
qualqaor affeccio, e tuJo sera baldado, udntk-
ro e t ojomiofliw tees QomUM*M pharaaceo-
ties nao forera aeryaoMofl, eoriim* dos medt-
camtntos mais nove.epoiw.
Se a pathologia, a materia medica sio os does
eoniribointe para aptompta exu^De^aoidos pade-
cimentos mrbido?, se do seo perie** emaeeiam-
io depeode a *ida as menores como mala gfaws
enfermidades, a purea .do mtoMto. Mg
(arca ea e prorepu eocao emelmdo tora nm*
sobre sua efflcacidade, em verde sar a uleaam-
licitude a tomar o mais sejjiro- fW?!? ** VIT"
E-^ta phannaela part) Isso emprepa lodo o lelo,
mandando vir seos roedieamentos dos pnocipaes
laneeedorea i faite Loedres, Hamborr U
^America ; tenflo lambeunn"* soRlimeo de
producios chimicos, ptarmaeeoticos, tintas, pra-
ceis e toda a qualidade d drogas, e preparados
especiaos des pharmacla. ^.o- ....a.
Atia receltas com pericia e ptompMao, ate as
O horas da noite, aitenVndo a qnalqner recelta
e a qoalaner hora tambem da nolte, por nm pos-
tigo, e so abnodo a porta a fregneaes conbef Idos.
Avista disto convidamos es moradores d% tre-
gueiia da Boa-vista e ao publico em geral a con-
correrem ao nosso estabelecimento, que, ,dos en-
contrarlo aemyre promplos a usfaze-lo por
meuos dei por cento do que ,em ontra quaiqner
parte._________________^-_____.... j,
Em casa de THBODOR CMitlS'n-
ANSEN, roa da Cre n. 18, contram-sc
Aluga-se urna prett escrava boa cozinheira:
a tratar na roa Duque de Caxias n. 14, antigtdo
Queimado, loja de fazeudas.
as o &> a
S w %. a ;2 2
3a
=r3 o5l S ^ fffl
2
D
o2 t
5- S.g-3 3?3
,5a
s 5* < B. ">
3 o a> s?. s
txj sr o g _.
"co"1 o g
"O
1
t
t
<3>
i
"' '
o



cr. o. -, cr5
Sbdb
i i. SS^ o
'"&3l^
> u S. S u u
o a> as
-2. =3 x,
=2. s s oo =r
U.^] p U O V
ce
a
P-
O
es
o
p"
es
0

P-
o
p-


Saman anaaaaa mmammm
UHBiC
iii\n\iin, .
rame de ferro galvanisado em rede para cercas, gaiola?, galhnheiros etc.
Chapas de ferro galvanisado para cobnr casas.
Tachos de ferro estanhado para eugenhos.
Cofres de ferro de Milner e outros autores.
Chambo em cano.
Dito em len^ol.
Dito em barras.
Dito cm enxadas. .
Estanho em barra c verguinna.
Folha de Plandres.
v Arados americanos para ladeira e vanea.
Carrinbos de mao.
Venezianas para janellas.
Machinas de descarocar algodao de facao.
DiUs de serra.
D!lUPv^Tfo50de 3 cavallos e motores para 2 eaval.os, par. mover as
machinas de aJgodao.
Cadeiras de ferro.
Camas de ferro.
Prensas para copiar cartas.
Balancas para pesar.
Oleo de libhaca em latas de ferro.
TrilhQs de ferro para engenhos
Bombas americanas. i ,
Macacos de estivar.
Balaucas e peso decimaee e outras,
Fogdes de patente.
Cnxofre.
Salitre. ....
Estopa larga e de boa quaimade.
Vtcaretas para caminos de ferra. .
w rande sortimento de farrageas e caUJaria.
Os abaxo assignados, proprietarios do
muito acreditdo estabelecimeoto sob a de-
nominaco BAZ^R DA MODA scientificam
ao respeitavel publico, e com especialidade
a seas innumeraveis freguezes, qne conbe-
cendo a necessidade de dar om acrescimo
a seu genero de negocio alim de melhor sa*-
tisfazer sua immensa freguezia, resolveram!
fazer nm melhoramento importante em sed
estabelecimento, melamorphoseando-o no
que pode baver de mais bello e'agradavel.
Sendo
O BAZAR DA MODA
um estabelecimento j t5o cqnbecido d'esta
provincia, como das mais do imperio, onde
os compradores sempre tem encontrado o
que ba de melhor e especial em artigos de
miudezas e perfumaras, conservando sem-
pre os proprietarios o systema de vender
por muito commodos precos. tendo para
esse fim recebido todas as mercadorias di-
rectamente da Eoropa onde tem peritos
correspondentes, e certos de serem sempre
preferidos com animaglo, estao resolvidos a
juntar ao genero de negocio existente um
importante e sublimado sortimento de ricas
fazendas para senboras e artigos da alta
moda de Pariz, onde o bello sexo com es-
pecialidade encontrar todos os adornos ne-
cessarios de que merecedor.
Conservando se____________________
" precisa-se de urna ama para o servico iuier-
no de urna casa de pequea familia, preferindo-se
escrava : na ra da Amizade n. 21, Capunga, ou
na ra do Vigario n. a. 3 andar.______|_______
"DESEJ4-SE
Empregarum homem portuguez de roeia idade,
nao escolhe arrnn agao, e tem muita pratica de
negocio, tanto para esta cidade como para fora
del I;.- a tratar na rna Nova n. 38:___________
mos tos.
IJVRARIA FRANCEZA
Ra do crespo numero
CosaIustruccao nacin* I, 8o encad. 44.
Homenagemk Camoes, 8o encad. S.
JozinoCodito do processo criminal 6o edic, 2
vols. 8o encad. 84.
Juizo do Mandollomance, 8" encad. 34.
GeraUes-0 papa rei e o concilio, 8 encad. 7*.
LirSes de um paia urna fllha sua (historia sagra-
da em verso), 2 vols., 12 encad. 45.
Luctano CordetroLmo de critica em 12 enead.
44000.
.M/to MaraesCur?o de litteratura brasileira em
8* brocti. 35.
Pa/o~Romancetto por F. de Borja e Oliveira, em
18broch 14-
Reala jurdicaFascculo de novembro a dezem-
bro de 1869.
Saldana Revolta dicudura militar uhio ibrica,
8 broch. l.
SilvaTestamento do Frade, 8' encad. 35-
Tavares da Silva Manual ecclesiastico, 2' edicao,
em 8* encad. 8.
Tetxeira Acco de gracas pela victoria das armas
brasileiras em 12 broch. 500 rs. ____
PHMlACi dentral ra DO ?
DOR fl. 38.
Xarope de rbano iodado excellente com-
binacio do iodo com o sueco de plantos
anti-scorbuticas.
Este xarope empregado com grande
soccorro contra as molestias da pelle, os
engorgitamentos escrofulosos, o rachitismo-
cacbloroso. *" ....
0 vinbo iodado de joly, e oleo iodado de
Personne, s5o recommendados para os mes-
mos casos, e encontrante nesto ptwrma-
PHArScIACENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Variado sortimento de chocolate de ban-
Dilha, salepo aramia, ferro, e de sade, da
acreditada officina de Menir.
Sabonetes d'alcatr3o, d'acido pbenico, n-
xofre e camphora recommendados para as
molestias de peL como sarna, panos, em-
pingens etc., sendo o ultimo de moita ulili-
dade para o uzo do toilette, por preservar
a pelle de ser manchada das maculas, que
costamam accomettel-a. ___ -^_a
PHARMACU^TRALRUA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Os melhores vermfugos para crianzas,
Pastilhas de sanctonina.
Ditas de Kemp.
Oleo vernifug.
Tudo de melbor qoalidde^
HOTEL JIM.
48-rua.dn s Trincheiras~48
Neste hotel* foroece se para casas particulares,
tanto avuIsa como por assignaturas, ccralhnpeaa';
sorvete noute, ptima feijoda as quintas fei-
ras e mao de vacca nos domingos de madrugada,
e apromplam-se cem brevidade qualquer encom-
meoda. __
Aluga-se o sobrado n. 18, na ra da Aurora
em Santo Amaro, reediQcado e pintado de novo,
tendo excellentes commodos para urna numerosa
familia, quartos para criados, urna grande baixa
com capira, em tedas as estaces, para 4 cavallos,
eocheira, cavalharig e urna ptima cenzalla para
escravo: quem a pretender dirija-se i rna da
Aurora n. 24.
Qualquer profesor, que precisar de um aju-
dante para so aula ( do que tem bastante pratt-
ca) nesta typographia se dir quem .
taj UCSIA l>^u^l Jipuia ^ wi- ^w^. ~.
mmmmmwmmammm
Carte de seda e de eambraia bordado*
aCysne rna da Imperairiz n. 64 acaba de rebeber lindos e V^wawte de
resuda de seda, preto.se de c6,es. lisos e masados;. aunnamo^a de cambraja
brancos toflqs ,ricmen|e fordaios, os qnaes vende por eommado^pfecos.
Acabade receb*.ya rande.e variad^aortimento de fU,ttp vende a 54500 \
libra, cures sortlda.
Laa pain bordar a
reeebjsr nm mnde.e variado sortimento
unida mma -
Fitas e galoes de seda
n^hen tambem nm lindo tftoiento"'"dai trancas, franjas e gaWes de seda, e um
- |5SS!fS Tas de sa- e cha, m* u>das a. cores larguras, e
I nm fpm numero de artigos proprte da i\V> esUbelerimepto.
' i
PayilhaO de 8. Isabel.
loao Bodrigues, artteta da ompa-.m
nbia de D. Marcos Casali tendo-lhe sido 1
concadido o dia qaarta- feira (20 do cor- m
rente) para sen beneficio e como Ifee seja fl
impoiaivel conseguir o qne deseja, tem I
a generosa coadjovaco do respeitaei
publico esta capital a quem se confe*-
sa summamente grato, ptlo bom ac
! Ihimento que at aqui tem tido. Por isso
az ainda um apello ao nwsmofpro-
arttendo o beneficiado esforcar-se o
quanto pessivel lae fdr. adra de satisfacer
I todos quantos ae dgnrem honra-lc
I com snas re-petavej presenc^s. O be-
inafleiad offerece ao publico a maior
parte de sens trabados todo novos e
ao mesmo lempo os dentis artistas da
I companhia e esmerarlo nassedia em g^
I aeer os seus trabalhoso melhor posslvel. 1

- Offerece-se um manino braaUairo da 14 an-
uos para prticar em loja de fazendas, miuileaa
oa ferragens, de wJncw 0**k! 00 paleo
do tfreo n. 141.
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Variadsimo sortimento de fondas de
excellente qualidade.
FAMACI\ CENTRAL
Ra do Imperador n. 3S.
Lamplou{ibs Pyretic Saline.
A preparalion of well known utelity to the En-
glif h Faculiv. as a cooling and refresbing beverage
in all cases f fever. The frequent usejof :"ms sa
line preserves foreigners frora many disees to
which they are leable before becoming acclima-
tised. May be oblained at the Pharmacea Central,
iua do Imperador n. 38. _^__g, w
PHARMACIA CENTRAL RA DO~IMPERAK)R
N. 38.
Pastilhas de balsamo de tol e de seiva
de pinho maritimo, para as affeccoes chro-
nicas dos pulmes.
Pastilbas de tlierydocio e louro cerejo
para as tosses agudas, e de carcter nervo-
so, e para os vmitos durante o periodo da
gravidez, e quaiqner affecco nervosa.
Pastilbas de hypopbospheto de cal mui
uteis na tbysica pulmonar.
Pastilhas de angico naf, e de Regnault,
de hortera, pimenU, e de Viccley, de pe-
cacuanha e de Rermes.
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Cha purgativo de Chambard, excellente
laxativo, e refigerante, que se pode usar
repetidas vez-'S sem irritar os intestinos.
X-iROPHYPOTIC DE CHLORAL.
Ochloral um agente therapeutico recen-
temente experimentado, mas cujos beneQ-
cios vo sendo largamente aproveitados pe-
los praticos em qoasi todas as affeccoes ner-
vosas, calmante e somnfero poderoso, tile
sempre empregado com vantagera nos
casos de dores nervosas intensas, e as de
insomnta, em que elle prodnz om somno
calmo e profundo.
Elle recimmendado as clicas, na cho-
rea, no ttano, nos partos laboriosos, na
clampria, as qoeimaduras extensas, nos
accessos agudos de gotta, na asthma, na
tosse convulsa, e em muitos outros casos,
DOSE.Daas a oito colberes de sopa
por dia, conforme o effeito que o medico
quer obter.
Enconlra-se na Pharmacia CENTRAL ra
do Imperador n. 38.
VINHO DD OUININNO DE LABARRAQUE
Poderoso tnico hoje 13o aconselhado nos
gozos de Idebilidade geral, e mui osado
como antifebril.
PHARMACIA 'CENTRAL RA DO IMPERADOR
N. 38.
No armazem Novo Mundo, em frente .a rna do
Vigario n. 2, vende-se rap das seguintes qualida-
des e vinhos, por todos os vapores, sendo a reta-
Iho e em grosso, a saber:
Rap G-sse-grosso. _,
Rap Gaff-flno. 1 W
Rap Paulo Cordeiio.
Rap prioeeza da Babia meiogrosso.
Rap princeza da Baha fino.
Rap popular da Babia.
D, W. BOWIbW
ENGENHEIRO^
Com fundiqao.
A RA DO BRUM N. S2;
Passtndo o chaf.riz
Machinas vapor systema melhorado.
Rodas d'agoa.
Moendas de canna.
Taixas de ferro batido e fundido.
Rodas dentadas para moer com agoa, va-
por e animaes.
E outros muitos objectos proprios ffagri-
cul'ura.
Tudo por preco muito reduzido.
jflectivamente toda as quadales de vinb#
5ordeauxi Bonrgotme edo Rheoo._______
__ Purtarara do engenho Muribequinba no dia
de 8. Pedro, W de junho do carrente anno, u
quarto ruco de verfnetbo, grande, secco carnudo, aiuda novo, inteiro, com duas fcridas *
cangalha as costillas, a ponlinha da erelha ?-
querda aparada por dente de otrtro cavalle, cote
marca de raladura as juntas das maos, e o fero
MC mal queimado em ambas as pernas : qoin
souber noticia delle dirija-se ao engenho aeifca
dNo, a tratar com Manoel Carneiro Leao, que sf a
recompensado.
PAUL CHAUVIN.
Mechanieo conhecido ha 10 annos nesu cidjrJe,
partecipa ao publico que tendo diss'lvido amca-
telmente a sociedade que tinha com o do Carlos Pluyn contiena a se achar a sua d*po-
sicao para o que diz respeito a abertura de bor-
ras, machina de costuras, armas, fechaduras. col-
locaeao de campanhinhas e udo qualquer coicer-
to : praga do Conde d'Eu n. 2i, oul'ora da Boa-
Vista. '
Fnmram do d 5 a 6 do correte do engenbo
Giqui, freguezia da Escada uro carallo rnsso,
grande, castrado, serrado de baixo, cauda apa-
rada, dinas grandes, cabeca pelada por ter tioo
sangue, bem feito s gordo, anda a pago e galope,
e de sella ; grafka-se a quem o pegar e levar
ao dito engenho com a quantia acuna.
/
l
TINTURARA FRANCEZA
55-Rua da Impeiatriz-55
Tinge, lava, limpa, lustra e achamalo-
ta-se, com a maior perfeirao, fazendas era
pecas e em obras de todas as qualidade? ;
como sejam : seda, laa, algodao. linbo,
chapeos de feltro e de palha etc. etc.
Tira-se nodoas e limpa-se a secco sem
rnolhar os tecidos, conservando assim to-
do o brilho da fazenda.
Tintura preta as tercas e sextas let-
ras.
AMA
Precisa-se de urna ama que engorante com pea
feeao ; a tratar na ra Nova, casa n. M.
Precisa-se para o Rio Grande do Norte de tres
jimassadores portuguezes : a tratar com Tasso Ir-
raaos & C, ra do Amorim n. 37.
Na iravessa da rna
das Cruzes n, % pri-
meire andar, da-se di-
nhelro sobre penhores
de ouro, prata e brilhan-
tes, seja qnal for a quan-
tia. Na mesraa casa com-
pram-se os mesaos me-
taes e pedras.
:iai mmm\
\ ImmSSI
Precisa-se fallar cotrJ o Sr. Jos de Barros
Accioly a negocio de seu inleresse : na praca do
Corpo Santo n. 17, andar.
CASA DA FORTUNA
Aos 8:000$
Bilhetes garantidos.
i rna Primeiro de Marco outr'ora do Cres-
po n. 23 e casas do costme.
0 abaxo assignado, tendo vendido alm de on-
tras sorles, cinco quintos n. 2648 com 8:000* da
lotera que se acabou de extrahir a beneficio
da matriz da Escada (lo2) convida aos possui-
dores virera receber na conformidade do costu-
me sem des-jonto algum."
Acham-se a venda os felizes bilhetes sarn-
tidos da i* Darte das loteras beneficio da Sari-
ta Casa de Misericordia (153a), que se extrahir
quinla-feira 16 do torrente me
H l'RECOS.
Bilnete inteiro 103000
Meio bilhete 3*000
Quinto 2*000
Em portao de 1003000 para cima.
Bilhete int iro 93000
Meio bilhete 4*500
Quinto 1*800
'Manoel M.irtins Fiara. __
" 0 UiAO DENTISTA
Frederico Maya
Tem a honra de scientificar ao respeita-
vei publico evo geral, e aos seus clientes
em particular que elle mudou o seu gab;*
netede consultas da ra Direita n. 12 para
a do Queimado n. 31 primeiro andar, com
a entrada pelo pateo de Pedro II, onde po-
de ser procurado para os misteres de sua
profissao, todos os dia uteis das 9 horas
da manha s 3 da tarde.
Tambem previne, que contina a prestar-
se a vontade dos clientes n5o s na cidade
como nos seus suburbios, para onde aa
das sero precedidas de ajuste. Elle ga-
rante o bom desempeDbo e a perfei?3o de
seus trabalhos, o que j bem conhecido,
assim como as commodidades dos precos.
__Precisa-se de urna raulher nacional oa es-
trangera. que saiba engommar cora asseio e tra-
tar de doas meninos de 5 e 8 annos: paga se bem.
A quera convier, pode dirijir-se ra da Aurora
n. 24.
Iriandade das Almas do Recite
Nao se tendo ainda realisado a permuta
do terreno da casa incendiada n. 68 ra roa
da Cruz do Recite, a mesa regedora convida
de novo os pretendentes da mesme, para
mandarem suas propostas em carta fechada
ao juiz da irmandad at o dia 21 do cor-
rente mez.
O escrivao.
Manoel Jos dos Santos.
Attenpao
D-se a quantia de 6:000* a premio sobre hy-
potheca em bens de miz : na rna Imperial n 47,
te dir quera da.________________.
Precisa-se de urna ama para engommar : na
jua da Cruz n. II, 2* apdar
Vende-se tabelas compararativas de pre-
cos de metros fr covados e vice-versa, mos-
trando primafacie o valor de qualquer
fazende, em relacio s mencionadas medi-
das reciprocamente : em casa de Lailacbar
d C, rt?a do Crespo n. 9.
Pechincha
Vende-se doul^ bois e dou* carros, tudo em bom
estado : no caes .lo Ramos n. 20.____
Ama de leite
Continna-se a pret'isar de urna ama de leite :
na roa larga do Rosario n. II, segundo ?tor,
joma botica do Pinto.
Formas de ferro
para, purgar assuear, ainda existem algumas, :
recebe-se encomroenda para maior quantidade e
na roa da Cadeia n. 4, armazem de S. Barroca.
8K MUP^K M ^V Q
iTHTA m
HOMEOPATHIA -
Q Dr. Casanova pode ser procurado a 5
qualquer hora em sea consultorio espe- 1
cial homeopathico, no largo da matriz de
Santo Antonio n. 2. Mate consultorio
tejn sempre sortimentos dos acreditados
medicamento* de homeopamia de Weber
& Catellan em tintaras, e em glbulo*, e
tudo quanto necessario para aa peEoas
que seguetn este systema.
Os pobres foram sempre e continuara
B a ser tratados gratui .._>~
MBjB-M.WIMiiWW
Precisa-se alagar om prt escrava
que aiba cosinbar : i tratar na roa Nova
o. 50, | andar"
Attentfo
A pessoa que tem annunciado dar a premia
1:000* com garanta, queira indicar sua morada,
para ser procurada.
CRIADA
Precisa-se de ama criadai com urgencia: a tra-
tar na ra dos Coelbos n. 2*. ^
Agenoia^m Pernambuoo
Do Dr. Ayer
Ptoral de Cereja
Cura a phthysica e todas as molestias do peq.
salsa parrllba
Cora ulceras e chagas antigs, impigens dar-
iros.
Tonteo
Conserva e limpa os cabellos.
Plalas catnartlcas.
Pnramente vegetaes e sem merenrio, cura
zes, curam e puriQcam todo o systema humano
Vende-se efectivamente em casa ae Samuel f
trasloo c C. ra da Saozll ^ov^ ti. W.
Aliento,
Preei-a-M da urna ama qae Mina eogommar
para ea*a da pouca familia : aa. roa larga do Ro-
sario n. 28, p andar. v*'
i


m



Mari* dte^niimbc*11^ '&& lekk 1&&'*U' &' l&O.
S
'

Ko convidados
gSS o dT^d"" pa,a 8e reanirem em meM
^?2? "P1"e negocios ^enMtn*jMNa
T*S fe '& Wlhofr
'-^ Wecisa'se alagar nm
moleque para vendar
Francisco o. 70; 1br%a.
miadezas : na roa de S: .
Na^mes* oasa comprase una negra de raeia
t '
Este eoatiectdo estabeleeiraeoto acha-sa constantemente bem sortuto, em virtude das
facturas que recebe por dos, a precos os mais resumidos que possivel.
I M V >> FRA^XE/
Botina para teaboras e meninas.
Botinas pratas, brancas e de muitas outras otes, sorfidas e bonitas, do ultimo tos-
t da moda, e precos mais barates do que em eutras partes.
Botinas para boaaens e meninos.
Botinas de bizarro, cordavao, lustro e pellica, das melho/es fabricas t escolhidas.
Bofas e per ne ir as russlanas.
Botas e peroeiras para maulara, das melhores qualidades' de couro da Russia, las-
tro e bizaro.
- Zapatos de borracha para hornease senhoras
Tendo ebegado grande porcio de snalas de berracha vawle-se pele cuito atira dt
esempatar o dinheiro nelles empregado, sao baratissimos.
Sapatos de lustro para horneas.
Sapatos de entrada baixa de couro de lustro cum salto, de muilo boa qualidade.
Abotinados para meninos e meuiuas
Sapatos abotinados de diffrentes modelos, de milito boai qualidades e fortes, tanto
para meninos como para raeainas, muito baratos.
Sapatos de tpete.
Sapatos de tapete aveludado, de casemira, de charlte e de tranca francezes e por-
toguezes para homen?, para senboras e para meninos.
PERFUMARAS
t fxcellentes extractos, banbas, leos, agua de colog, florida, divina, lavaude, den-
trince, de toilette, sabonetas, tintara para cabellos, pomada angroise para bigodes, pos de
arroz etc., tudo isto de primeira qnalidade, dos afamados fabricasfeB, Condwy, *lver e Lubin.


Quinquilharias
Luvas de pellica do conhecido fabricante luvin, espelbos para sallaa, auartos e ga-
binetes, oucadore do diverws ttmanboa, laqaes para senboras e" para meninas, abridores
'as, brincos, pulceiras, botes, corrqnt-s e chaves de rebuto e tranceln*, tud3 de
uro de le, correntes e brincos de plaqu,^ imitacao e de fa$ oSo dp
ricamente guarnecidas e ornadas com Ihloas pessas de
caixinhas de costura
e eaixilhcs donrados
que as de ouro,
! musir, albuns
para retratos, eajxinlias com vidro de augmento para distin:tamente
vervse a perfeiao dos retratos, objeelos de phantasia para toilettes, boldtahas e eestinhas
ae seaa, de velludo e de vimos para braco de meninas e senboras. ditas para costuras, pe-
genos registros muito finos e delicados, bouquets de flores de porcelana,-jarros proprios
ibmetes e santuarios, quadros promptos para collocar-se vistas, molduras douradas
Era temposmeder^os nenbum-idl
ment operounyiior revoluto ru>%do fa
TANTO NO TRATAJffiNTO t)A'
TOSSE,
ASTHJKA,
KOUQHD0 RKFRIAMENTqs, ,
BfTO.NC^tTES,
Tossir cbjrVrjisA.
DORES DE PEITOj, .".
EXPECtDRACtO DE SANGIE.
Como em (oda a gramJ serle efe enfe^mi-
tiades.da gafigaata, da pKiro,e ,dra,<#a*
da resi'ihaco, que tanto .alorrae4fiW ? fe*
zethsoffrera humanidade. A maneira an-
tiga de curar consista geralnjeote/B agpb-,
cacao de vesicatorio^, saagris^arjar ou.-ap-
plicr exteriormente ungentos fortissimos
composts ele. substancias vesicantes, alm
deprodzirempolhas; cujos diffrentes mo-
dos de curar, nao faziam seno enfraque-
eer e diminuir as forcasdo pobre doente,
contribuindo por esta forma d'uma maneira
mais fcil e certa para a enfermidada a dr*
ruicaoinevitevel de sua victima i Quem dif-
jerente pois o effeito admiratel do
PECTORAL DE ANACAHUITA !
E~EZ DE IRRITAR, MORTIFICAR E CATJZAB
INAUDITOS SOFFRIMENTOS AO DOBI(t CALMA, MODIFICA E SUAVIZA A DOR.
ALLIVIA A IBRITACO
DESKMYO.YK (t JENTESD1MENTO,
FORTIFICA O CORPO
e faz com que o systema
Desaloje duniamaneiraproraptaerpida
at o ultimo vestigio da enfermidade.'. Of
melhores votos em medicina da Europa (os
JS*^'*''^ ama Ma-fowa ou eserava parao
co mterno e externo de pequea familia : na
caes do Caplbarlbe^casa nova com grade e
OOUirfb ao lado ; e tambera M aloga urna
WgWi on attoqura, paga-se ban.
Ama
Wefcin " JffifM \ a ti^ar (^a, ros ..do Duque de
--------
JU.
a.|falarcomo-Sr. Oementino Fer-
i negocio de eu inleresse : a ra do
V.M
_ a neg
Sottmierieid M. if
Venerare! devocHo d Senhora SnU Annq
oo coavaotft de ^, Fwnoisa.
, "t2J2n4d9.nflso iroap juiz, ea requeriraanto,
mv convdanos aos os nosss Irtnaos a compare-
eremno domibgo 17 do corrtnte s 0 horas da
|wi*,'4ii8 tratar-se de
tantas. ,
Consistorio, 15 de julho de -|870.
O secretario,
Mmoel alho.
rn-----------i_j. : ^...------
negocios mpor-
n ueit^ciu
vende-se urna taberna em multo boa Iocalidade
e p opria para qualquer principiante por ter pou-
cos fundos: a, Jraiar na raa da Esperanca no Ca-
minti Novo n. W. mtg
um terreno na travessada Traicio, cercado e pro-
pno para plantar bortalicas ; quem quizer dirtia-
, se na do Socego n. 33
carteinnhas para notas, tb(ourmhas a caivetes finos, pentee. escavas, ponteiras de eswiraa
para charutos e para cigarros, jogos de domin, rodetes, bagatelas e uutros diffaj-eoUs, ve-
nezianas modernas muilo conveniente para partas e janellas, cosmorams; lanternas mgi-
cas, estenocopos com infcressaDtes visus de figuras a das mais bonitas ras Imulevards,
pravas a passeos de Pars, photographias e caixinhas mgicas, reverberos para ciradieiros, ,
s tapetes de vidnlho de laa de cores para ps de lanternas, realejos grandes e peaueno?,
i. harmnicos, acordions de todos os tamanhos, bergos de vimes para ciinnc.is.sapatinhos e '
toucas da laa, carrinhos de 3 e i rodas muito elegantes para condujir cnaticas passeio ; e
ootras muitas qninquilbarias de phantasia, francezs e allemes, precos muito em conta.
Para este artigo nao ha espaco era tempo para a massante leitnra da infinidade de
gneros de bnnquedos fabricados em diversos paizes da Europa.
ATTENCAO
O dono deste estabelecimento pede ao publico em geral que continu .a visita-lo
verificando as qualidades e os precos baratos de ditos objeelos por 9erem viudos em d-
reitura e de conta propria.
AO lESrnittlL PUBLICO
Lourenco Pereira MendeB Guimaraes, commerciant desta praca acaba de concluir
todos os seus negocios commeiciaes e de novo abre os sens eslbelecimentos de fazendas
sitos roa da Imperatriz, com a denomioaces de Garibldi e Arara, e tendo resol-
vido liquidar todas as suas fazendas com grande abatimente de precos,, por isso con-
vida ao respeitavel publico ea seas amigos e freguezes, tanto da pracacomodo maltn
de novo o sen esiabelecimonto, e que todas as fazendas esiao
e armazem da Arara na ra da Imperatriz n. 72. e que resolvin-M'
da hja Garibaldi.x para Ocar somonte com a da Arara, como cima
para Ihes lembrar
reunidas na loja
vender a armacao
fica dito.
1 ;>000
Attenco. .CHALES BRANS^CA9SA A
Vende-se chitas francezs a 240, 280, 320 COBERTAS CHINEZA6 DE CHITA A 5000.
e 360 o covado na loja do Arara. Vende-se urna grande porclo de cobr-
ORGANUYS DE LISTA DE CORES. tas de chitas chinezas para cama pelo barato
Vende-se organovs gara vestidos de se- presso de 2j5000 cada urca,
nhoras, fazemla muilo modernas a 440 rs. Vender na loja do Arara 3 balces para
o covado. qualquer est?beiecimento por barato presso
BraIhantuaouuu8suiiaadecdr por nao se precisar d'elles no estabeleci-
Vende-se lirilhantina ou musutina de ment,
cor para vestidos a 440 o evade. RETALHOSDE CHITAS PRETAS E CASSAS
RISC\D0S FRACitfES A 360. A 120 O COVADO.
Vende-se liscados l'rancezes para vestidos. Vende-se ama grande porcSo de reta-
Ihos de chitas e cassas pretas a 120 rs. o
a 360 rs. o covado.
Chitas larcas a 3SO.
Vende-se chitas escuras finas das largas
para vestidos de senhoras, a 320 o covado.
Ditas matisadas escuras a 280 o covado,
ALPACAS LISAS A 500,
VeDde-se alpacas lisas para vestidos de
senhoras a 500 e 640 rs. o covado.
LAAZWHAS TRAT* SPARENTES A 500 RS.
Vende-se I5asinhas transparentes, para
vestidos a 500 rs., ditas tapadas a 400 rs.
o covado para liquidar.
ALPACAS DE LISTAS A 500 RS.
Vende-se alpacas de listas para vestidos
a 500 rs o cavado.
BRILHANTINA BRANCA A 500 RS.
Vende-se brbantina branca para vestidos
a 500 rs, o cavado.
ALPACAS MATISADAS 640.
Vende-se alpacas malisadas para vestidos
de senhora a 640 rs. o covado.
CORTINADOS PARA JANELLAS 65000.
Vende-se cortinados para janellas a 65000
o par para liquidar.
SEDAS DE CORES 15000.
Vende-se sedas para vestidos a 15000 o
covado.
CORTINADOS PARA CAMA 145000.
Vende-se cortinados para cama a 145000.
GOLLINHAS PARA SENHORA 100.
Vende-se urna grande porco de gollinhas
para senhoras e meninas, a 100 e 200 rs.
cada oau para liquidar.
CHITAS PARA COBERTAS A 320.
Vende-se chitas largas Dar coberta a
320 e 360 rs, o covado.
. MANGUITOS E GOLLAS 500.
Vende-se manguitos e gollinhas para se-
nhora a 500 ;s. ditas d* linho a 640 t 800
rs; cada ama.
CHALES ESTAMPADOS A 25000.
Vndese chales de merino estampados a
24000 para liquide r.
CAMBRAIAS VICTORIAS A 65000, |
Vode-se eambraias Victorias finas a
6*0*0 65800 o 75000. por ser Ifqnidacfo
ALPACM OOM PALMAS DE SEDA A15000.
VJfc-se alpacas com palmas de seda para
vestido de senhora a 15000ocovado.
CORTES DE CHITAS DE CORES A 25400.
Vende-se cortes de cl)i?as de cores coo
10 covados a 2|500.
Vende-se algodao
covado para liquidar.
COBERTORES DE ALGODAO A 15400'
Vende-se cobertores de algodao cada um
15.00.
RRAMANTE DE LINHO FINO A BARATO
PRESSO.
ilgodo (raneado de duas lar-
gura* 1 3OO
transado de duas lar-
guras a 15200^
MADAPOLAO ENFESTADO A 3,5500.
Vndese pecas de maijapolo de 12 jar-
das a 35500 a peca.
ALGQDO A 45000.
Vende-se pees de algodo encorpadoa
45, 55, 65 e 75000 a peca.
Madapolo a OOO.
Vende-se pe?as de madapolSo de 24 jar-
das a 55 65 e 65500, dito muito fino a 75,
85 95 e 105 a peca paja liquid r.
ALGODO DE 8 PALMOS DE LARGO.
Veqde-se algodo com oito palmos de
largura proprio para lences e toalhas a 900
rs,. o metro.
ALGODO DE LISTA A 160 RS.O COVADO.
Vende-se algodo de lista proprios para
saas ou vestidos para escravas ou calcas e
carnizas para escravos por ser muito forte a
160 rs, o covado para liquidar.
Cortes de castor para calen a
r.o ra.
Vende-se cortes de castor para calca a
500 rs cada um.
CORTES DE BRIM PARA CALCA A 15400
Vende-se cortes de brira de cor para
calca a 15400 cada nm.
Brim pardo liso a 5JO rs.
Vende-se brim pardo Jiso,meio ludio para
calcas para trabalbo a 500 rs, o metro.
Cangas para calca a 0 rs.
Venderse gangas inglesas para caigas e
patitots a 280 r.. o covado para liquidar.
CORTES DE CASEMIRA DE CORA 35500.
Vende-se cores de casemira de cor para
calca a 35500 cada um.
DHt muio finos'cois listas do lado a 55-
PERCALAS FIN ISA 440.
Vwide-se percalas finas, para vestidos de
senhoras a 440 rs. o coyedo.
Crasas Iraoeeatas a 40.
Vende-ee cassas Trancezas para vestidos
a 240 rs. o covado.
Lentes dos CollegiosdeMedicin^deBprlim:X
testificam serem exactas e'\prdadetras estas
relaces analgicas, oualm disao^a experi-
encia de mimares-de pessoas'da America
Hespanhola, as quaes forara curadas coro
este maravilhoso remedio, s5o mais que
sufficientes para sustentarem a opinio do
PEITORAL DE ANACAHUITA!
Deve-se notar que este remedio se acha
inteiramente izento de venenos, tanto mine-
raes, como vegetaes, em qnhto que porm.
alguns d'estes ltimos, e particularmente
aquelles que sao dados sob a forma de Opio
e Acido Hydrocianico, formam a base da
maior parte dos Xaropes, com os quaes to
fcilmente se engaa a credulidade' do pu-
blico. A Composica de Anacahuita Peito-
a acha-se linda e curiosamente engarrafadas
m frascos da medida de cerca de meio-
quartilho cada um, e como a dose que se to-
ma so d'uma colher pequea: basta ge-
ralmente a applicaco d'um ou dous frascos
para a effectuaco de qualquer cura.
Acha-se venda nos estabelecimentos de
P. MauerC, J. C Bravo & C. A.
Caors, B. M. Barboza e Bartnolomeo & C.
Candieiros. e ,gaz econmico
Acaba de chegar nova remessa desses tao
desejados candieiros em porcelana, bran-
cos e de cores, os quaes muito se recom-
mendam pela seg ranea asseio e eaonomia,
e anda pela excellenie loz prefervel mil ve-
zes ao kero. ene. Venham antes que se
acabem.
nico deposjto na rna larga do Rosario
a. 34Jphajrmacia da Bartbolomeo A- C.
ASSUCAR.DE OXIDO DE FERRO DE
CHANTEAUD.
SEGREDO ECONOMA E CELERID.VDE.
nbtm se com o uso da
0 assucnr ferruginoso de Chanteand
obtido pela associago do oxido de ferro
inteiramente soluvel com o aisucjur cuida-
dosamente purificado. Este assadfr de
(-urna bella apparencia cryslalina, tem o sim-
ples gosto mu agradavel do assucar, sem
o menor sabor adstringente, nao tem ac-
ao irritante sobre a mucosa do estaraago
e intestinos, e rpidamente absorvido pelo
apparelho digestivo sem causar as constipa-
?es do ventre.
INJECgO LHOSTE.
Uuica bygienica radical e iofallivel na cura
^rta das gonorrheas, flores brancas, e Hu-
sos de toda a especie receutes ou chroni-
cas, e que olferece com garanta de seus
alotares resultados a antiga e continuada
applicacao que sempre com a maior van-
tagem se tem feilo dallas nos nos pitaes de
Paris. nico deposito para o Brasil, Srs.
Bartholomeo & C, roa larga do Rosario
a. 34.
CHHCOLATE VERMFUGO DE A.NTO.MO XE-
1 VES DE CASTItO.
Este acreditado preparado, que to boa
acceitacao tem merecido nesta provincia,
muito se recommenda para cura certa e
efijcaz das bichas oa lombrigas, tanto as
enancas como em pessoas de maior idade.
nico deposito na pharmacia drogara
de Bartholomeo C. rna larga do Rosa-
rio n. 34.
E' hoje o preparado de ferro de mais ae
ceitaclo para a cniorose atona dos org5os,
perdas brancas, mensbruacoes difiBceis etc ,
e tem seu favor o juizo autorisado da es-
cola de medicina de Pars,e dos cbimicos os
mais notaveis. Deposito especial pharmacia
e drogara de Bartholomeo & C, ra larga-
do Rosario n. 34.
Sabouetes dalcatrao.
De Antonio Neves de Castro.
Este acreditado preparado, que tao boa
acceitacao tem merecido nesta provincia,
muito se recommenda para cura certa das
impigens, sarnas, castas, coceiras, e todas
is molslias de pelle, sendo anda preferi-
r! para a barba, ouiro qualquer sabo-
oete.
nico deposito d verdadeiro, na phar-
macia ,. edrogaria de Bartholomeo & C,
ra larga do Rosario n. 31.
CO\TRA !()(.()
A; CompaBia Indemnisadora, estabelecids
eau praca, toma seguros martimos sobn
aavios e sena carregamentos e contra fogo
>m edificios, mercadorias e mobilias: i
roa do Vigarioo. 4, pavimento ter eo.
Na pra$a da Independencia n. 33 se da' di-
iheiro9obra penhores de ouro, prata e pedras
preciosas, seja qaal for a quaatia ; e na raesm?
-as se compra e vende objectos de ouro e prata
j igualmente se faz toda e qualquer obra de en
ommeBda, e todo e qualquer concert tendent*
i mesraa arte.
''! '
As seguintes obras
A tirgem domtAmLmfumemorias de Ri.
chelieu, porfiHf rftWiPVsmhpsencader-
nadoiem ums vol. p omto sui$so, ene. I vol. por fiJOOO* danto
d'o/twrffdti. poesas por M. da, piocha, I vol.
hc. por 3(00O. Fiares siagelat, por Paes
do Andrade. Ultimas paginas, por P. de
Calasans.r lllums perdidas, -por C. de
Azevedo'"todp encadernade ea um so vo-
lme, por 8^000. Jovita 'a voluntaria da
mflrte por J. C-, e Alberto, cents de um ro-
manc, por J. Candido, ambo ene. em so
3ffrtD,por 3000. Palmyra.i ceguoha*ra-
sileirau romance em 7 cantos por Dr. Boni-
facio da Abreu. ene. em um s vol por 5yl
O avalheire d'Harmental por A Dumas, 4
vql. encadernados, por 1Q000.
Tambem vende-se as collecces de leis
proviociaes faltando apenas 3 nnos, por
OlJOOO, tendo 27 vol. me brochara, tam-
bem tem outras obras que a vista se raos-
trarao, a ajoa lado se vende por prego em
conta. Quem quizer dirjja-se a esta lypogra-
pif que se, dir quem vende.
ALTA HIBADE.
Rwa do Duque de Caxias n 6,
Io andar.
A tesoura de ouro acaba de receber pelo ultimo
vapor da Europa ara variadsimo soriimento de
objectos de phantasia, mu proarioa para presen-
tes, bem assim ama infinidade de albuns para re-
tratos de apurada gosto, que se*o vendidos por
baratissimo prefo ; luvas de pellica de Jouvin de
todas as ci res e todas as qualidades, exclusiva n-
eo mmenda.
^ownciai
"9 Cirdfmf da > do tlhpfradhr m V, awa
sy.a.j&.sua nmrerw(i# freq*L ^oj jMw
armaem de mulhados, um do jue ui>4*' eo
rranqaer.1 bem prover uma bpa diprasa.'*)
lemcproprietirii drtie estabolfcimenro Tein*.
um rande sormoMo do genero *< primea
qu nm lornar-se-hiam enf.id^oho, en(aatd.>-
c.reTe.a'Dis que merece wpeciai menjit
Presuntos iogl es para Hambre.
Ditos de lara^go para panell.
Quhjos do Minas, grandes, ;, 2i.
Latas cun salmn.
Dita* ebnr lagostas a 600 r?.
Doce de goiaba e de banana, imitoTino.
Umares scci-os maitu Duvus, a. 310 a librr
unampanhe superior, girrafas e meias ditas.
r m Hlale s"Pfrirtr de a'"***** qoali.Jades.
">af de moka e cominom muito superior.
ages em latas a 700 rs.
B'iaxinas de >oda em Utas e libras.
Vellss parararrr.
Copos lapidado-.
Charutos do Costa de S. Mfc.
Vinho abafado em garrafas
Noies e ameaduas.
Conservas em frascos a 700 rs
lUp Paulo Cnraeiro ajA> "co^mira.
-91
COMPRAS.
0
muzeo de joias
J Na ra do Cabug n. 4 compra-se ouro, prata
peoras preciosas por precos mais vantajosos do
rae em outra qualquer parte.
(Jompram-se
Moeda3 de ouro e de prata de todas as nacSes : ua
ra da Cadea do Recife n. 58, loja de azulejo,
Compra se uma casa terrea boa, situada em
Santo Antonio oa Boa-vista : na ra da Florenti-
na n. 6.
Joapim Rodrigues Xa-1
?ares de Mello,
IPraqa do Corpo Santo n. 17
TEM PARA VENDER :
Cal de Lisboa.
Potassa paRussia.
Vinho Bordeaux.
Farello de Lisboa.
Farinha de mandloei.
Bichas hamburgnezas
Neste novo deposito recebe-se por todos os pa-
quetes translanticos bichas de qualidade superior
e vendem-se em caixa ou porcao mais pequea,
e mais barato do que em outra qualquer parle :
na roa da Cadea do Recife n. 51, andar.
Vende-se ou aluga-?e uma canoa nova, tuda
encavilhada de cobre, qae pega OO fefajs de ra-
pim : para ver e tratar na eambOa dos Remedios
com o capitao Delflm.
Farinba de naudinca.
Da melbor qnalidade e mais barata do que em
outra qualquer parte : vendem Amaral, Moreira
& C, no caes da alfandega n. 7.
JEstaminlhus.
Vende-se na rna da Cadeia do Recife n. 58, loja
de azulejo.
Compra-se urna, ca9a '-errea, na fregueiia de
Santo Antonio : tratar no arco da Conceiclo na
mero 6.
Lom muito maior vantagera compram-se
ouro, prata e pedras preciosas e n obras velhas: na
loja de joias do Coragao de Ouro n. 2 D, roa do
Cabng. _______*
Jornaes para embrulho
Compram-se jornaes : na fabrica a vapor de ci-
garros, na antiga ra do quartel de polica nume-
ro 11. i
i
S
N0'
2 aJ
a -o
o*
Vr:NDAS.
Grande armaznii do Costa jun-
io a typographia do Diario
n. 42.
Manteiga ingleza muta fina, dita fran-
ceza.
Queijos flamengos, ditos de minas, ditos
de prato.
Cha de diversas qualidades.
Cafe de Moca e de outras qualidades.
Ameixas francezs em latas e frascos.
Marmellada dos melhores fabricantes.
Licores Japona e de outros autores mais
acreditados, mangas, presuntos, chouri-
cas, salpicoes em barril e latas de 4 libras,
e outros muitos gneros viudos no ultimo
vapor, de especial qualidade por mdico
prego no novo armazem do Costa.
Vfende-se uma machina de costura, perfeita:
para ver e tratar, na ra do Queimado n. L pri-
meiro andar.
Vende-se orna orneada de moer-milho~para
puchar com boi oa cavallo : a tratar no Corredor
do Bispo B. 6?, taberna.
Os accreditados cvndros americanos para pa-
daria.
Machinas para descarocar algodao.
Canos de. ferro galvanisados, para agua.
Carrinhos americanos para transporlar fazendas
Farinha de mandioca
de Santa Catharina
O que se pode desejar de Daei, a garnel, a bor-
do do patacho inglez Hartj Dhrfc ; a tratar com
Tasso Irmaos A C., roa do Amnrim n. :I7.
R
Ha para vender novo e superior farelo que se
acha deposi'ado ni trapiche da co:nr>anha, chega-
do nltimamente do niq da Prata pela harca fran-
ceza Angelina a tratar com seus consignatarios
Amorim Irmaos & C., ra da Cruz n. 3.
AMA
Precisa-se de una aro* para ozlnbar par casa
de lioiuem soUeiru : na ma da Praia n. 39, U-
Iberni._______________ ____
Precita-* de ma* ana para ca* ae punca
familia para comprar e cozinhar : n /na das
Cruzes o. 14, andar.
Precise-se de uma boa C-ziiifieira pira caa
de pnaea familia: a tratar n* ra da "
armazem. ,__________
Prertst-s* jnih de i:m crtadi.^iT rna to
Imperadar d. 57, 3* andar, eptrada p|a pgn!e 7
!Je etembro.
ATTENCAU
Vende-se uma parte do engenho Ramos, comar-
ca de Pao d'Alho, de 9:000* a 10:00041, e oatra
do engenho Inhaman, comarca de Iguarass, de
5:000 : os prctendentes queiram entender-se
cem o senbor do engenho Caraba da treguezia de
Tracunhaem, ou eom o Dr. Laurino de Moraes
Pinheiro, ra das Cruzes (hoje Duque de Caxias;
n. 1 O nesmo senbor do engenho Car.ibi offe-
rece fazenda denominadaJlinguai do Grva-
lapara o Brejo da Madre de Dos e Curato de
Bom Jardim. cuja fazenda muito acreJilada pe-
los habitantes do'lugar, tem acude e varios tan-
ques e algum gado qae tambem se vende encorpo-
rado dita fazenda : trata-se nos lugares cima
mencionados.
Objectos para carros.
Solas de lustro.
Vaquetas de lustro.
Gades largos e estreitos.
Oleado preto para guarda chava.
Dito de cores para forro.
Lanternas e relias.
BotSes de luo de cores diversas.
Vende-se
OOGE
De goiaba, laranja e banana ; na roa Direita n.
91, constantemente.
Champagne da marca George Coubet de C.
vaquetas de lustre para carros, oleados de diver-
sas cores, pesos de ferro do systema decimal :
venda na roa da Cruz n. 68, no armazem de
H. Lger.
Ps roseiras de varia? qualidades, assim como
da epol, ahacate, flgneira, laranja cravo e pi-
nheira, por preco razoavel: a tratar na Boa-vis-
ta, ra do Mondego n. 1.
Sacpos de estopa
Vendera-9e ptimos saceos de estopa, proprios
para assUcar. railfin, farinha etc.: no armazem di
Adamson, Howie & C, rna do Commercio n. 40.
Veade-se
Palitos do gaz a 3 rs. a duzia de caixinhas, ba-
rato : na ruado Kangel u. .ft, uberaa.
Vende se no u azera de Robert Ligbtbowo
4 C, ra da Cadeta o. 32, (u e barbante de todas
as qualidades, cotes grossaras, em grandes ou
pequeas poreSes, estopas de todas as qalidades
e largor. '
tttias h' Luiz XV
Botinas de duraqoe ireto, ditas de cores, ditas
de pellica deoon ti preta para canora a inodx
de Luiz XV, e nutras ntuitas bo|iqas de phantazia.
tanto mira senbwa como para meainoi, calcado de
Melllpara homem, ditos de Xantes e Allemanha :
na praca da Independencia qs, 1-3 a J5, loja do
Arante?. '
2S&*
A Nova Esperanca
iRa Dnqne de Caxlas
Quando a RVA-ESPERANCA faz os i
anuncios expondo aos seus freguezes a
lodos em geral o grande sortimeno ese-
periondade de seus objectos no oxn vb-
tas de atrair a attenrno de nina grandefre-
goezia, como a de que actualmente despee,
e sim para scientificar (a interese de lotfos)
a qualidade de seos objectos os quaes s
sempre de apurado gosto e peifeii.-ao; tor-
oando-se quasi ndspcnsavl para aquciea
>preciadores (do bom) ftequeniarera a Ne-
va Esperanga, pois q.ie ella caprieba cm.re-
ceber constantemente, o que ha de melbor
relativamente a sua repartir!: o que se pe-
der verificar quando em qualquer reuui*
de pessoas (nanles do xique) \-se nm
bonito enfeite em m bonito vestido, ua
arom agradavel escapir d'um alvo leoc,
nm moderno e linde laco, um dificado ra-
mo de finas llores, ete. ele, todos oltiamse
reciprocamente e dizera com Mgo (e as ve-
zes ons aos outros) este? so cbiecu*
comprados a NOVA-ESPERANZA: realiw-
te II!! procur;ir descrever rm annunctos os
arligos que cont-'m dra loja, seria trabaihe
insano e nunca o fariatms com aquella
gra?a e perfeicio com que sao.-lies fabroa-
dos, assim pois ;i NOVA ESPERANCA con-
tenta se em convidar a todos geralmentc
visitarem-na para ciitao ficaram ittei-
rados do que ha exposto na mesma loja.
glBa Pnqnc rfe raxla1
Rival sem segundo,
RA DCiU:i2 3;K CAXiAV X. 49
(Anlija ra do Queimado)
Contina a vender tudo muito bon e
muilo barato n saber:
Libras de areia preta muito boo. .
Tesouras finas para unhas e costu-
ra a..........
Papis de agulhas francezss a ba-
^o a.........
Caixas com seis saboeles do frua
Libras de laa para bordar lie lod.s
as cores a.......
Canutis de liolia Al ^ailre a. .
Frascos com azule para machinas
Grvalas de cores muilo tinas a .
Grozas de boles madepei-sla l-
nissimos a.......
Pares de ovas de cores muito li-
nas a 30 e.......
Novello de linha ilc 400 3rd:is a.
Caixas com 100 envelujh-s multo
superiores a ..... .
Pentes volteados para meninas a.
Tinteitos com t na preia a 80 rs. e
Petas de Ota elstica moitti fina a
Lata com superior baoha a loo e.
Frascos de oleo Philocomo muilo
fino a......
Ditos ditos Frascos d macaca parola a. .
Frascos de extracto mui'o b nitos a
Duzia do saboneres muo ino.s a.
Sabonetes itglczes a (!(t0 rs..c. .
Frasco com nm de culi ira Pivera
Dito deol'-o htib'Kf.i a.....
Caixas de i.-mparinas-a. .
Sabonetes a forma menino muito
superiores n.......
t-ariilhasda dootrina zenda nova a
Libras de linha surtidas de todos os
nmeros a........
Baados do Porto, largos a ,160 e
Capachos muito bonitos e grandes a
Carriteis de retroz preto, com 2
oitavas a........
Agulheiros de osso enfeilados a, .
Libra le linha franceza superior
qualidade a.......2409
Caixas de palito do gaz a. 20
FARINHA
le Santa Catharina.
Vende-se farinha de mandioca muito alva e
na, a mais superior me ha no mercado, em sac-
eos de doas alipieires, por menos do que em ou-
tra (|n,ilqaer parte : a tratar coro Antiraw Fran-
cisco Martins de Miran 'a, roa nova de Saau
Rila n. 55*.
114
oOd
mm
9
?m
m
<;o*
2ift
\m
SOsi
a
too*
2W
300
720 '
U200
500-
501
40
2M>
i$m
700
GW
-2k
Vende-se
No armazem de H. L'ger. ra da Cruz n: 68,
nho de Borde;ux emeaixas.
A' ma Direita n 26 chegou novo surtiment*
ds hlalos, condecas, azafates, costurciras. <- es-
tas de lodos os tamanhos : vende-se -mais taraio
que em oatra parte.
Boa morada
Vnode-se um bom terrena em um.i da* ras t
liuiameiiU .-iberias na entrada aova de KtbriJi?,
onde pass a linha frrea, muito perto de riaia
L car, com mallas e trra para capim e man-
dioca, tem dn cxicncfiu 1500 palmos, porem ven-
de-se a vuntade dos cuinpradures : enlenderem-
na rna da imperatriz n. 31
A 5,000 RS.
Chapeos de sol de alpaca ftoa com hasteas de
baleia a 3 : ua ra do Crespo n. 25, loja da>-
quina.
Pechinrha
Algodao, peea de is jarda*, a *MWiO, para iqu*-
dar : na ra do Qaeimado p. 1, 'oja dnGapar.
Vrndem-se luigoas mailu novas a borde patacho hesp.-inh^l Miytul, fundeado no ancora-
donro da carne.
Vende-se proa taberna oa na de S. Higa4
n. CS, na povoara > da frcguezia dos A''-gados, eota
poneos fund.?, servt- pjira qualqner principiante,
o dono dir.i porque razan n vend.
Tinta deimpresso
Vende-se tinta para mpressao, mnito boa e>a
prc?o raxoavel: ae;u ivpograpbia.





1

AVERMBE
Rna Duque de Caxiasn. 55
Na toja da VERDADE connnia-se a veo-
4er por baratissimos presos lodo os arti-
gos de miode8 e perfumarlas do sea
grande e variado sortimento, garaotindo tos
compradores toda a sinceridade.
Lindas bonecas de cera e raassa por ba-
ratissirao prego.
Espelbos doarados para pendurar a
160 rs.
Agulhas de osso para crox a 200 rs.
Penles finos para segurar cabello, a
320 re.
Chamins para gaz a 320 rs.
Garrafa com tinta aUzarine a 40000.
Dita com agua florida a 10500.
Dita com dita dila a 10000.
Tnico de Jayrae a 40500 o frasco.
Frasco coni oleo expresso de babosa, de
240 a 640 rs.
Dito com agua de Colonia de 300a 40000
Dito com extractos finos a 40000.
Dito com sndalo verdadeiro a 40200.
Latas com banha amito fina de 120 a
240 rs.
Sabonetes muito finos e diversas qnali-
dades a 80,460, 240 e 320 rs.
Finas escovas para dentes de 320 e 500 rs.
Ditas para fado de 500. e 600 rs.
Ditas para cabello a 500 rs.
Pentes para alisar com costa de metal a
320 rs.
Ditos ditos ditos de bofalo a 240 e 320.
Pentes para tirar piolho de 460 e 240 rs.
Pavios para gaz, dana a 240 e 320 rs.
Brincos de coree, intoiramente modernos
de 460 e 240 re.
Peonas caligraphicas muito finas a 40400.
Ditas de langa e mosinba a 800 rs.
Lindos babadinhos e entremeioa de 500
e 40500.
Grosas de botoes de louca de 460 e
200 re.
Ditos ditos para caifa a 240 re.
Caixa com papel amizade a 700 rs.
Ditas com envelopes a 480 rs.
Ditas com obre i as a 40 rs.
Ditas com agulhas fondo dourado a
280 rs.
Thesoura para costara a 240 rs.
Linba de marca caixa a 280. rs.
Garriteis de nhas de Alexandre de n. 70
* 200 a 40 rs.p
Grampos muito finos, com passarinbos du-
ziaa 200 rs.
Cartas francezas para jogar duzia 30000
Ditas portuguezas, duzia 40400
Papel almago superior qualidade resma
40000.
Lam muito fina para bordar libra 6-5500
Fitas para debruin de sapato, pessa 460 rs
Ditas de lam para debrum de vestido pega
400 rs.
Caivetes gr.-ndes com molla a 400 rs.
Ditos grandes com 2 folbas por 320 rs.
Rosetas pretas para luto, o par 400 rs.
Trangas de lam de caracol branca e de
CI6S de 40 a 400 rs.
Fitos para eos, peca 480 rs.
AlfineicS de lato, carta 400 rs.
S3patinhos de lam para crean?a de 400
a 800 rs.
Calgadeiras a 40 rs.
Gravats de seda preta de 400 e 000 rs.
Ditas de croxo,-brancas decores 500 re.
IVa vendada H^C|ne de C*

COM FAV0HA
Maia Laodelino veade uceas com briatw de
mandioca : na ra do Duqae de Gaxias, travs
ioRosario, toja n. 18 B ...
Cirande armazem ata rna da
Imperatriz n.
Neste grande armuem vende-se louca mpwa
tinas e or*rias, apparelhoe joroaa* par
jantar e para cha, jarros para flore* iO aii-boa-
tos e de fastos moderaos; asiim ,eomo gww
tortimento de vidros flnos o ordinarios, que tuflo
se vender unto a relalbo con por atacado pelo
maia fearato preeo que en otrtr fmaUpier pane :
cuamamos a atteaco dos fregu**, ioe **>
convenientemente servidos -ant noa qaiwaoos
preco como na boa nnalidade das fazenaas.
Grande estabelecimento de aienflas e roupas feitas e por medida, i ra da Inv
peratrix d. 52 jauto a toja de oorim.
Ueste estabelecimento encastrar 0 respeitavel publico om bonito sortaaento de
roupas de todas es qualidade*.
Palitoi de alpaca preta e de eres a 30000, 30500 7J000, ditos mirin preto
de 70000 at 255000. ditos de casemira de cores Qoas e ordeMnas, de 0, 460000,
ditos de faooo nos da mm 400 e 2< 0000. sobreeasaeo dito de 200 a 890000
Gosnpiete sorthaeitona caifas de brim pardo de 40600 a 60000, ditas brancas
de 20, MW080 o nflhVsuperior, ditas meia casemira, ditas ca?ewh*a de 5% 420000,
ditas casemira preta de 00, a tOJOeOsoperior, dita de merm diversas qtralidades para
luto. Assim como um bonito sort'uaento de colltt&'de brim de cares, ditos brincos,
ditos de casemira de otees e pretas. ditos de farfM&A* *>* fafWfla W>|MMf.
Sortimento onpiata da camisa*francezas de aigodo, de 40600 4 40000, e de,
linbo de WMm1Q/SS\ dnzia. m ^ U::-
Sortiroen#ee*ffcto de ceronlas francezas de aJgoSao de 40600 a 20500,.OT1 vana ai,
bramantaa 44000, 2#eOai90OOO ditas de Hraburjo. 'rancezas, azenda su-'ffi^IlT
ditsde remante

ao armatem de E. A- Burle & C. ra da
\tofco Bordeaos superior qualidade, afl-
eos da 70500 a 200000.
C4|nae fino, diferentes precos.
Licores de dttfeptnles qualidades e fla-
cos.
Frutas e conserva em fraseos.
Aieito oc-lkaRoez, em canas de
ali*h*d#
JNriorde-'SSIOO* W*01'^*.' Cimento 8e col arincada ajgodao'e linho. etc.,!**!* "* ^^'ejT m^xofoZ
Issim como meiasdealgodie parafeottem de 30. a 400000a JSz' grvalas de mu-1**"*08; as 9aae8 *P. '
egar o Arign araaileiro
do emureBie df trapiche
launa de eandioca nova
ria. ranalp ensaccada a
radores f seoB%Bsigoatarioe
rito IroiM 4 d; rna 4* &*. 1._____
CeVheato
Cigarros da imperial
fabrica de S. Joao
de Nictheroy.
nico denosto em Peniambueo es da altan
deg* vwlh fl. I, T*anda. ;
viarazas d tdus'e tafinoms
Vidros para
e em caixas, vende Bartholomeu C, era
pharmaeia na ra Isrpa do Rosario n. 34.
tas qualidades. Na roa da' ItBperttrz n. 52, loja do
Sortimento de chapeos deso da alpaca, e seda* ditos in
Toattias para rosto. Sortimento de mallas para viagen.
ATTETfiAO.
cabo de marm.
&*msss arjflff sWdMSd
ima>a>
Barros.
um..^ ii
se vendn na rm
de Joio Martina 4b
Vende-se
do: a traar
aytodos os compradores. Eafcas piacbioas
sio iguaes ao seu trabalbo ao de 30 costa-
Pe^''eWa*etocliei!t encarrega:se c%^Ban*r fjrzr qoalqoer obra por medida 'Wras diariamente, e asna peejo *^J
e para esseUar tem hbil ntestrt ecarr'egadtr da offlcra, qae seencartega do irabamo mo da melbor st"J*** *"
con peafeifao a peataaWade. aentam-|e trabatbeS-*wrtHM petaJj 7n4e
SOWISIINTO D FAZENt)4S. i o.
Chitas de 240 rs. o colado on 404000 a pessa cora 42 eovados, dius miudes dentes.________;________;___________ j FUlllkl C J3)lllO.
para camisas e tiocf5o de menino" 20t), e 280 rs.. e ootras martas qualidades d 320, 360 AI! ^___ J^\ No trapiche Barodo Uvrameoto existe bo#*-
e 400 re. O'covado, neste mesmoestabelecitpenti chegaram. urnas bonitas chitas da OllClIa 6 aniiazeill UC' rinha de mandioca e exceOeote rnho -
C abrira
eabrioet francez em perfeito
maila matriz e. 28, loja.
tu api e urna carraca : na ru
i
Alta novidade
NA
Loja do paqo
Cbegaram pelo ultimo vapor fraoeez as ricas
chapelinas de palha de Italia, ultima novidade de
Paris, chapeos de veluoo e palha tambera os te-
mos de moito gosto, posiilhoes e ba&qaiaa de gor-
gurao preto mnito superiur com ricos lacos de
se'ira : na rna i* de Mar^o n. 7^, lejadopac^
Armazem dous irmos
8Roa da Peoha8
Manteiga ingleza flor a lSOO a libra, idem fua-
ceza a 745Q. ^^ ,
Cha miudo e grosso superior a 3200e WOOO, ea-
f era caroco a 200 e 240.
Vellas de spermacette a biO a libra.
Aletria, talharim e macarrao a 400 a libr.
Vinho era pipa a 400 a garrafa, dem S. Jntiem
a 600 rs.
Grandes latas com bolaehinhas a 1<30Q idem com
hgo'linhos a 500. idem com figos a 1*400.
Copos lapidados a 5*200 a duzia, idem.idom de
contra a 2*G00, idem temos com 6 copos por
llOO ; assim como mu tos outros cbjectos
victoria com barra, a qnal parat^^s eceflrffehte' eufeite para corpmho. C*m-j
braia lisa de WW.W e 10000 a pessa, e odtfas murtas fazendas de todas as quali-
dades.
ALGQDiO t MADAPOLO AVARIAOO.
A. 40000 o algado. 40500 o mndopatao, tambera chile esanra Ma i 210 e
covado por tr grande poWitx, na roa da Imperatriz o. 52, loja com portees eacarnudeS'.
intitulado ''
Mo de Ouro.
em
t rii<
a. '*7,
maj-nW
Vinte e dou** aonaibto
para vender pedras marroores de todos o*
tamaohos e gr asaras, lijlos de HfefW na-
manho?, soteiras o Faceautas, awm como soM-
e saecadas de pedra de Lisboa. Tambe eei-
-se e faz-se qaalquer obra, iyqw ene ~
tmulos, estatuas, pias, laQNl'lm flMr f
o mais tendente mesma afte, por mdicos
DTJCflS.
------------.---------------.. .ii
grandes : a traur na raa do Vigario n. 19,
oar, escrlptono fte Joaqnim Gerardo, de Bas
rs
IOS.
Farinha de mandi
da Baha.
No eriptorto de Jnaquim Gemido de
i i rus do Vtgario n. 16, pritnelro andar,
farhnahWb tn, fina e torrada, saceos de
mes, por uicaos do que em outra qu
parte.
venue-se
Sementes n:vas de horulices, garantidas, do.ocie-
dade de Horticultura Lisbonense, ra do Amorim,
deposito da lanrtoa de eervejas e espiritas da roa
do Brnm.
.nao
Farinha de mandioca
igual a de /r/ur ibeca.
Em saceos de dous alqueires e de panno de
algodao, cuja medida corrospoude de 5 a 8 0(0
mais do que a medida daqui c do Rio de Janeiro,
vende-se a preco menor do que em qoalqner ou-
tra prtete : tratar com Joaquim Joe Goncal-
ves Beltrao, em seu esenptorio a rna do Commer-
cio n. 17._______________________________
Mais barato do que em outra qualquer
parte.
No porto da travessa dos Coelhos aeha-se cons-
Untementi) lijlo grosso e fino, tapamento, telhas,
e grande porfi de area, que s vedem a vontaile
do comprador por menos preco do que pm outra
qualquer part3 ; assim como se encarregam de |
f >rnecr matenaes para as obras, para o que h? |
canoas e carroQas. I
Ra do Crespo n. 20 A.
Alvaro Augusto d'Almeia i C.
Este estabelecimento de fazendas finas e grossas j bastante conbecido coma
um dos mais bem sonidos desta cidade acaba de receber directamente de Paris alguna
artigos especiaes que pssa a mencionar.
Ricos corte- de vestidos de blond para casaraentos.
Cortes-de vestidos de seda de cor, de gostos inteiramente novos.
Brochad, fazendas de 13a e seda propria para vestido.
Foulard de seda de todas a cores, tambera para vestidos.
Fitas largas de seda, parecimos, gostos escoceses e lisos.
*-~ Ciiapelinas de seda e-de-partw tfltalia.
Basquinas de seda e guipure.
Colchas de seda e de 13a e seda.
Cortinados de cambraia bordados muito ricos.
Pannos de verdadeiro roch para jardiaeiras, sof e cadeiras.
Toalhas de linho de superior qualidade.
Bramantes, selicias, sguioes atoalhados. ;
Ouardanapos, colchas, aaias bordadas camisas,
l'aclie-nez, balep, eambinhas, sombrinha.
Madapoioes de varias quaidades, saxos para viagem, mallas, tapetes, capa-
chos, alcatifas e mnitos outros artigos que se vende por precos mdicos.
Tem tambem constantemsnte um completo sortimento de ESTEIRAS DA IN-
DIA para forrar salas.
ai m m
Chegoa ao antigo deposito de Henry Fonter *
i, rao 4o Imperador, om carregamento de mu
de praneir* qnadade; o quai se veaeem partida
e a retalho por meos preco do que emomtmqnal
qwr porta._______________
Vende-se um terreno proprio, com 138 pal-
mos de frente e 1B0 de fondo, para o lado da es-
trada de ferro, cujo terreno tem at cerca feito pa-
ra cinco moradas de casas, na rna de Motocolom-
b do> Afogados : a tratar na mesma rna, ou na
rna Direita do> Afogados n. 13._______________
Sahtdas de bail?
Chegaram loja do paco as ricas sahldas de
baile, assim como os ricos enehovaes de camb/aia
bordados para enancas se baptisarem, artiga ste
o melhor qne ha no mercado, assim como temos
gran'e sortimento do ontras muitas faiendas de
go*to etovidades por iodos os vapores : na loja
do pa^o roa 1" de Margo n. 7 A._________
Cantara 'Je Lisboa
Soleira?, hombreirae e capiteis para frentes de
casas, o que ha de melhor : vesda no arraa-
lera da travessa do Corpo Santo n. 25, de Joaquim
Lopes Machp.do & C.__________________:
Vende-se urna casa de taipa. na baixa do
Zumbi, (Torre) em solo rendeiro : tratar na ra
Imperial' n. 233.
Ra do Imperador n. 26
O respettavel pnMico encoattari neasa
estabelecimento diariamente um comptole
sortimento de pastelaria, boUos iigleeae
podins, pds-del, prgsentos dos oMaese
chegados ao mercado, salame de lion, be-
linhos finos de todas as qualidades para cha,
amen loas confeitadas, confeitos, bomboiaa
pastilhas, chocolate francez em libras, paa
tilbas do mesrao .cartoxos e carteiras enea
seis charutos de chocolate cada nma, eeie
sortimento de chscolate do mais acredfce-
do fabricante de Paris e o melfcor qeaU
hoje tem vmdo ao mercado.
Vnoos portoguezes, figueira muito supe-
rior. Os mars genuinos e superiores vinbea
do Porto, moscatel e Setubal, o Ilustrada
publico encontrar neste estsbeiecimeala
por commodos precos, fazendo-se abatimea-
to a quera comprar era porcSo.
Oe doos deste estabelecimecto nao se
tem poupado a despeza* para melbor raa-
recerem a acoadjuvafSo do Ilustrado pa-
jblico.
60RA DiA IMPERATRIZ
DE
jra outra quaiquo.
e armazem podero fazer os sens sortimentos pelos mesmos pre?os que comprara as casas estrangeiras
derern escolher.
ALTAS NOVIDADES
O PAVlO
BONITAS FAZENDAS PARA A FES-
TA DE
SANTO ANTONIO, S. JOO E S. PEDRO.
Vendem-se as mais lindas poopeli- gg
as de linho e seda com os gostos *g
mais novos que tem vindo a este &
mercado, pelo barato preco de-----0
25000o covado. $
Sedas listradas, de furU cores, fa- ^g
zendas de muita phantasia a &000
o covado.
Seda bismark, larga fazenda mito
encorpada o covado a 2)5500.
Bonitas lasinhas largas cpm palma ^
de seda, covado a 1(5000, &
Lindas agraciando lavradas covado
a 1,5600:
Alpacas lavradas de todas as co-
res, covado a 640, 800 e 1,5000
Bonitas lasinhas eecossezas com
quadros e litras de soda, covado a
560.
Finas alpacas lisas, sendo cor bis^
mark lyrio, verde, roxo, cinza, can-,
na, azul etc., covado a610.
Ditas furta cores cora as mais bo-
nitas cores, covado 503 rs.
Lindas bareges lisas, e com lista
da mesma cor. fazenda inteiramen-
te nova, covado a 560 e 610 rs.
Bonitas lasinhas tapadas e trans-
parentes com grande diversidade, o
covado a 600 rs.
LSasinhas lustrosas com lindas c-
sas emitac3o de seda, o covado a
O.
ndos cortes do anadine. sendo
fazenda nova e transparente e de
muitt pbantasia, com 18 eovados a
15(1000..
Finissaflpsertes'de vestirlos bran-
cos bordados com todos os enfeites
francezes a 12(5000.
Cortes de ganga indianos, fazenda
inteiramente nova a 7)5000'
Ditos chinezes com duas saias a
7J0U0.
Ditoe de 13a escosseza fazenda mui-
to b mita com nos de seda a 750u0
Finigimos organdys com lista de
cor e salpico, sen io fazenda de
muita phantasia,'o metro 1(5280.
Orgundy branco cora listras lar-
gas e quadrinhos, a vara a 1)5000.
Todas estas fazendas, sao inteira-
mente novas e se vendem muito em
cou'a, ra da Imperatriz n. 00,
3$ loja e armazem de Silva e Ftguei-
^ do & G. &
^888S9$ mmmmm
de 12-^000 rs. cada um, pechincha.
CASEMIRAS ESGOSSEZAS.
O Pavo tem bonitas casemiras escosse-
zas com quadros grados e miados e outras
lisas com listras ao lado, sendo fazendo
muito una que se vende mais barato, por
haver grande porcto.
CORTES DE CASEMIRA PRETA A 4:50p,
O Pavo tem os superiores cortes de ca-
semiras pretas enfeitadas pelo oarato preco
de 46500 rs. o cort,
CASEMIRAS RASPADAS A 800 RS. 0 CO-
VADO.
0 PavSo *ende excellente fazenda de pora
la com as cores escaras rauito proprias
para calcas, palitots, colletes e roupa para
meninos que freqn-rntara a escolla por ser
urna fazenda leve, escura e de mnita ditra-
?o, pechincha a 80J rs. o covado ou a
238O0 o corte de calca para homem.
FINAS BARGES A 640 RS. O GOVADO.
0 Pavo tem as mais lindas bareges de
la sendo meias transparentes, com urna
s cor. tendo: lyrio. azul, rosa. Bismarck,
roxo, etc., tendo muito boa largura e )iqi-
da-se por 640 rs. o covado, [ur se ter fei-
to urna graide compra, assim como ditas
mais estreitas de urna s cor com listras
imitado de seda a 560 rs. o covado, e pe-
chincha.
PECAS DE MADAPOLO A 3|B00.
O Pavo vende pessas de muito b
madapol, tendo 12 jardas cada urca, p
barato preco de 3500.
PECHINCHA EM ALGODAO A 42000 RS.
O Pavo est vendando pecas de algodo-
sinho francs, lando 4 palmos de largara e
com 11 metros cada peca, p3lo barato pre-
de 4,5600 rs.
GER.V DE CARNAUBA.
Vende-se superior cera de carnauba em
saccas, mais barato do que em outra qtjai-
quer parte, na ra da Imperatriz a. 00,
loja do Pav3o.
08 SETINS DO PAVO
Vende-se os mais bonitos setib de coras
e mais encornados, proprios para vestidos
tendo de diversas cores.
CROCHE'S PARA CADEIRAS E SQFA'S. IGROSDRNAPLES PRETOS DE t600 AT 73000
0 Pavo tera nm grande sortimento dos Na leja do Pavo encentra o respeitavel
: mais bonitos crochs para cadeiras, sofs publico um grande sortimento de grosde-
ROUPAS PARA HOMENS PARA TODOS ALPACAS LAVRADAS A 640, 800 i
mesas, almofadas etc., proprios para co-
brir presentes e vende-se mais barato do
qae em outra qualquer parte.
Aigodo entestado.
Vende-se urna grande porco de algedio
naples pretos de todas as largnras e qua-
lidades, tendo de 1(5800 o covado at 7(5000
e 8500), que se vende por preco muito
em conta.
CASSAS FRANCFZAS.
Chegaram para a loja do Pavo as mais
sinho americano com 8 palmos de largura, ,ndas caSMS flQcaM8 com delicados pa-
propno para lences e toalhas, tendo liso e | dr5es> ^^ p^ ^^ os ^^ e q0a|j.
traocado, que se vende por preco moito em j dades> dando.se toii3 amostras, asm como
conta.
LAASESCOSSEZAS
LAAS ESGOSSEZAS
LAAS ESGOSSEZAS
A 560 rs. o covado.
Chegou para a loja do Pavo, o mais
elegante sortimento das mais lindas laazi-
nhas escossezas cora fios de seda, as quaes
fazem o mais delicado efieito, para vestidos
de duas sa*as, e veadam^iMiglo baratissi-
mo preco de 560 twm>*&
SEDAsbf-
SKDA8 m ummm
9K)A6Di2ICas
a i#m o iwidtew^:^
Chegou para a l ja d4-Pata nB0.rande
e bonito sorlimaato das.aeais tadaa- cedas
de listas com as mais delicadas cores, tendo
entre ellas agomas que servem para lato, e
vendera-se pelo barato preco de 2(5000 o
covado, pechincha.
FAZENDAS PARAUSO NA LOJA PAVO
Encontra o respe'uavel publico neste es-
tabelecimento um grande sortimento de fa-
zendas pretas, como sejam cassas france-
zas e inglezas, chitas pretas de todas as
qualidades, fazendas de la de todas que
tem vindo, proprias para luto, seodo lasi-
nhas alpacas lavradas e lisas, canto, bom-
basinas, merinos, etc. qae tado se vende
por pre^o barato.
PARA BAPT1SAD0S
Na loja do Pavo veude-se bonitos en-
ehovaes para baptisados.
Cortes de casemira a 4(5000, cada om.
Vende-se bonitos cortes de casemiras
clans e escuras pelo barato preco de 4)5,
ou a 2(5400 o covado, tendo duas larguras.
CORTINADOS PARA CAMAS E JANELLAS
de 8*, 10,5,12/1 e 16,5000.
Chegou para a loja do Pavo um grande
sortimento dos bonitos e ricos cortinados
bordados, proprios para camas e ianetyas,
que se vendem de 81000 o par, ate o ajis
rico que vem ao mercado, e vende-se mais
barato qae em ootra qaalqoer parte.
OS PRECOS.
N'este grande estabelieimento encontrar
o respeitavel publico um grande sortimento
de roupas, sendo palitos e sobrecasaco de
panno preto e mentira, calcas e coletes de
1,000 RES.
Chegou para este grande estabelicimenti
o mais bonito sortimento das mais moder-
nas alpacas lavradas de todas as cores, qu
se vendem a 44, 800 e 640 reis o covado.
O Pavo vende urna grande porco dej .
cortes de vestidos indianos, lando duas ^tTazoaveis
saias e tendo bastante fazenda, cora os gos- D
tos mais novos que tem vindo. e liqpida-se
a 5(5000, tendo cada om seu competente
RUrino.
CASEMIRAS MESCLADAS A 3,5 0 COVADO
um Bonito sortiraente das mais lindas chi-
tas francezas escuras e alegres, qne se ven-
dem muito em conta, e tambem se dao
amstras.
CHITAS A 240 RS.
Na loja do Pavo vendem-se bonitas chi-
tas franeezas claras e escuras e cree'Sxas
240 rs. o covado, e pechincha.
LASINHAS A 320.
LASINHAS A 350
LASINHAS A 320.
Na loja do Pavo vpndera-se elegante sor-
timento daa mais lindas lasinhas lustrosas,
coi listrinhas a imitgo de poupelinas de
seda e cora as cores mais lindas que tem
vindo ao mercado, sendo fazenda que vale
maito mais diaheiro, e liquidam-so a 320
rs. o covado, pechincha,
FECHIACHA
EM CAMISAS DO PAVO A 40300 RS.
Vende-se um bonito sortimento de muito
finas e modernas camisas inglezas com pei-
to e coliarinhos de linho e puahos, pelo
baratissimo preco de 4,5500 rs. cada urna
e aos freguezes que comprarem dozias se
lbe fiar um abatimento. garantindo-se que
fazenda que vale moito mais dinheiro,
liquida-se por este preco por se ter feito
ama grande compra : assim como se vende
um bonito sortimento de ditas tambem com
peito de linho bordadas e ditas de aigodo do a largura d'esta boa fazenda o compri
para todos os precos. ment do lencol, sendo preciso para cada
brim branco e de cores, que tudo se vende assim como ora grande sortimento de sipa
mais barato do que era outra qoalqner parte;! cas lizas de todas as cores
assim como um grande sortimento de ca-
rnizas francezas e inglezas, e ceroulas tanto
de linho como de aigodo e abundante sor-
timento de meias cruas.
VESTIDOS INDIANOS COM DUAS SAIAS.
Basquinas.
Chegaro as mais modernas basquina*
on jaquetinbas de seda preta, ric-aicento
enfeitadas a vidrilho, tranca e setim preto
tendo de todos os modellos, os mais novo
vendem-se por preco
POUPELINAS DE SEDA
POUPELINAS DE SEDA
POUPELINAS DE SEBA
a 25000 o covado.
0 Pavo acaba de receber o mais ele-
gante sortimento das mais lindas verdadei-
0 Pavo tem para vender bonitas case- jras poopeliaas de. linho e seda com os pa-
' droes mais delicados que tera vindo ao mer-
cado, tendo entre ellas cores proprias para
alliviar luto, vande-sa pilo barato preco
de 2)5000 cada covado, pechincha.
Cambraias brancas
Vende-se um grande sortimento das
PANNO PARA SAL\S A 10000, 15280 e
1(5900 RS.
Vende-se bonitas fazendas Jprprias para
saias sendo com bordados e pregas a aro
lado, dando a largura da feenda o compri-
mento da saia e vende-se pelo barato preco
de 1)5000,1^250 e 10600, cada metro seo-
do preciso apenas 3 on 3 1/2 metros para
cada saia pechincha.
vestidos braaces a l OOO rs.
O PavJo vende flnissiraos cortes de ves-
tidos de cambraia )ranca, ricamente borda-
das e com muita fazeoda pelo barato preco
miras mescladas e bastante encorpada para
roupa de horneas e meninos pelo ^baraio
preco de :\& corte de calca para homem.
Roupa por medida.
Na leja do Pavo manda-se fazer qoalqner! Inores cambraias tanto victorias como trans
peta de obra a vontade do fregus, para ofparentes tendo de 30500 peca at a mais
que tem um perito alfaiate, responsabenean- fina que vem ao mercado,
do-se os denos do estabelieimento por qaal- CAMBRaUs BRANCAS A-4J000, a peca.
quer falta qae possa haver, quer por de* S o Pavo vende pecas de cambraia
mora, quer por qaalquer defeito na obra; branca transparente, tendo mais de vara da
largura, com 10 jardas cada peca, fazenda
que sempre se vendeua70a80OOO, liqta-
da-se pelo barato preco de 40900.
FUSTES BRaNCOS A 640, 800 E U20O.
Vende-se muito bonito* fustoes braacoe
maito flexiver proprio par* vestidos da
senhoras e roupa par meninos e vende-ee>
a 40, 800 e 10200 rs. o covado.
Cassas a 4 ra.
O Pavo est vendando bonitas cassas da
cares flxas a *40, 280 e 300 rs. o covado
Brilhantes lasinhas.
S o Pavo, ,646.
Chegaram as mais birlhaotes lasinhas con
is mais lindas cores, eom nalmiahas miodt*
nbjs, assentadas as mais delicadas cores da-
iyrio, cor de canoa, cor de ganga e branca,
seodo estas aovas lasinhas de moito boa
e para isto encostra o respeitavel publico
: um grande sortimento de todas as fazendas
que desejar.
BRAMANE k'.1800.
Vende-se superior bramante com 10 pal-
mos de largura, proprio para lences, da-
nm apenas 1 a l/aonetros ou i e i/4 pe-
chincha pelo preco.
ESPARTILHQS A 5#000.
Vende-se um bonito 'sortimento dps me-
mores e mais modernos espartimos tendo
do barato preco de 50000 at 8000.
Cachenez.
Na loja do Pavo vende-se
sortimento dos mais. bonitos
um grande
cachenez da
A loja do Pavo est constantemente aberta, das 6 horas da mantisa as 9 da n para la proprias para senhoras, vendem-se qiMada, tendo largura ^^J
a 60000 cada um, na roa da Imperatriz j se ^i460; re. o covado. roada taperatnx
n> so. W loja do Pavo.
K
.j


en
/
N
r.

>
t til-h&iLei Sexla S-fJ-J-i cG'lTO.
"*"-----1 i I!1'" "
^=m=
m mu
a bu a \ IMFEU ITMJfcja;. ^
19NpifiQ .,. N!t,9,e"nvo Miimiosoesuiteecfttisnto de faaanoas mcontraro aa Exm
Tm
Ain
1.7. A^m prmos *> I"6 de toeIT'^" encronfra neste mercado,
ff2fiS?T?, ^P3' P6C*^IB dfefilaiWto o oue m artigos de .aoda e
^rSTSi .. """?"* omPari$' *ue ** augmentar s propor-
te^uedMpfeeteestalwle.^^pwa oem servir sa numerosa ffcgni*
B4K M4M
Queado gfiOA npNR.'tam preefca stietttirkar-a* opeitarer publico em
iI^re?^justaiBtPqWud& eta^meiis-rpedafltter po^pi^fesn tS mvo-
JJaBtam-eltetfonSa espere Da bariesoJeneiafide-teda* que Pa^&rSo 9 relevar,
icootoaado portento a *rrprera-se a bem conbecjda leja da AGUA BRANCA roa do
** a. 8, eaaesempre adiarlo abundancia em sortimento de soperioridado em
qeaeaeaes, modiadade en presos e o seonunca desmeottido AGRABO KSNCRDADE
a- ^ <|ue ?c,ma tki d,t0 se W,uneee QM leP0 de qo- a A6%IA BRANC*. pode
por, empregado apeaar deseus cusios no desempenho de bem servir a acuelles aue a
nltF0?"*1*1* ProV6r*6e m ** W* *> que neeessitam, entretanto sem ennume-
rar os objectos que por sua natuiesa sSo roa condecidos ali, ella resumidamente indi-
car raeUei caja im$ortancta, elegancia e novidade. os tornara recomroendaveis, como
*CIi Sula < afL
" 1 w
X.OJA
1GIUNTE
nm do Crete a. 1
Oft propr leuova 4esle bem cwihecido estabele-
cunenie, ,ajfcn dos inuitoa objectos que tinham eiv
pastos a apfeciaclo do respcitavel publico, man-
**! *r o oabam de receber pekrnltimo vapor
da Europa un completo e vanado sortimento de
Algodao largo para lences e toalnas de
dai as qualidades qnecosturaa vir ao mer-
Alpacas de todos o* padres e qoalida-
:ao variadas qoe so nao podem dcscrcvsr.
.fiase com listras de seda e flores, faaen-
da ini'Mraotente nova pan vesdosderbarie.
Grvalas pura sennoras e bomeos, o maii
completo aortinwnto qao se pode dese/ar.
Guipure preto a branco, diversas lanm-
Mt.ans Gom msicas ptra collocar i'etratos, ras edifferentes gostos *^
tedo prstate para qualq^er pessoa de Gollas e puobos bordados para senaoras.
iv*^* a k ^ Guardanapos ^ }iflho pe_0 e ,
Atoaltado de llnbo e algodSo, branco e des
e'eoros proprlos para toalhas. Gorgurtk) de tadi.pnu ede cores,
. i %rJ\Tl 3' ^P0'*' brancos to' fezenda propr.a para as fastas nos ar-
de cores, para senhora e nieniDas, rabades e passeos a tarde.
Bareges de cores variado sortlmento.
Batoaduihos oa tiras bordadas em todas as
rtrguras.
Belbtrtina de todas as cores.
BoIsts de tapete para viagem, grande
erl3d9de de famanhos e gostos.
Bombazina prela de todas as qualidades.
Bramante de linho ,te i l palmos de lar
cora; e todas as mais qualidades,
Btetanbas de linho e algod5o, grande sor-
aiento.
Llazinhas de todas as qualidades, cores
e gostos, nao (cando nada a desojar, tal
o sortimentaue existe para escolber.
Lencos, tudu quauo pode havar desde
esguio ao algoddocoHJrnum.
Leques de madreperoia e oseo, o mais va-
riado ,sortimento.
Ligas d seda, bordadas, pira sentara.
Lavan de Joavin, chegatdas por lodos os va-
orpnJies;9 cambraia, primorosamente
enfeiudos oom Utas de setim e obra essas
coja Bovklide de molde e perfeif e de ador*
uos os. tornam apreciados.
Fitas mni larga de irersas edres^ qua-
lidades para cintos.
Loques aesse objecto maito se poderii
daer querendo descrew-losmfiraciosameBie
por suas qoatidades, coree e desenhos, tal
e o grande e variado soramcato que acaba
de coegar, mas. para n5o roas?ar o preten'-
dente se Ibu apreBentara o que poder de
melbclr
Bntremeios em pecas de tiras.
OWpure branco e preto do diversas qua-
lidades v desenhos.
Ditos de agod5o com flores e lisos.
Gapollas brencas ptira meninas.
Grandes sortimento d flores finas.
Fil de sedaH preto\
PERFUMARA 1
Grande e- constante sortimento de dita,
setnpre mlhorqoajidade.
Lindos vasos com p de arrot e pinsel,
Gritonas com ditos aromticos.
Bonitos e modernos pentes dotrrados
psra circular o coqne:
Bonitos brincos de plaquee.
Adereces 0 brincos' dfe madreperoir.
Ganiretes Hdos para abrir latas.
TTiesouras pare frisar babadlnhos.
Aspas para bafo.
Notos stereoscopos com 481 vistas, as
qnaes sao movidas por um machinismo
Veos de seda para chapeliaas e monta-'un*? 8absttoem a nutras.
ra.
Meias de seda para noivas.
Ditas abortas de fio de Escoesia.
Costumes oq aniformes par' meninos.
Bbatovaes completos para baptisados.
Tonquinhas de fil, sapatiahos, bordados crlancas.
e meis para ditos Diversos objectos de porcelana, proprios
Mmismnas bordada* para ditos. ipara enfeites de mesa e de lapinhas.
Vistas para stereoscopos.
Bonitas caixinhas de vidro enfeitados com
pedras.
Ditas de raadeira envernisada com vispo-
ras e com dminos,
Bollas de borracha para briaquedo de
pors, sempre novo sortimeoto, quer enri
" de? branco amodo ao mais caro ein qualicUde. afilan- d'scecia, braucas e fe -cdiwa M ^
" o jaelM-dt-meUMr m et>acie. 1 5^
CijQtiitP (taaipietc joriimento e MadapolSo; indescri^tivel o grande sor-
Pres- timento r,aa a ,Am. a*- elevado picoao menor, qoe se vende em
Jfi Jl ?m\ sorUment0' Pri* P^fi wtelb por meao,ao qoe em Do-
nando pelo bom goito e barateza, atientas tra qoalquer parte. ^
- qualidades. Mania8 de blQ 10
Srins
?ariedade de"
\f\
COMPLETO
Gambraias brancas tapadas, e tracparenvgoato"^7osi^;wiS,M|0ear
de todas as qualidades a presos. habilita-nos a dizer
que temos em
Paro
nos so
Camisinhasde cambraia de linho e cassa estabelecimeruo o que de-melber- se deae-
ordadas ricamente eructados para Sras. ja para vestir e onm-luJSnu.
Camisas para houens e meninos, to va- Mantaa prets de blonda
nado sortimento que vai do mais ordinario Maa,tas para, earros, coa. Mofes, pintoras.
CON
NOS GRANDES
Bsurcos k noi ii Anos

ERVATIVO
K. 23Largo do Tiar4jo.--ir. 23.
Merinos pretos, trancado'*. ises.
Massalina braucae de cores, lindos e va-
riados padr-oes.
oadapolao ao mais perfeito bordado de li-
Camisas de meia, de flanea, brancas e
e cores para boaem. a
Lasemiras pelas e de cAres,. o melhor! Pannos pretos e fe cors, desde o mai*
fie se pode imaginar, sendo d'isso a me-1 barato ao mais superior, por prego muito
aor prova o grande coasummo dellas na' emmodo.
^tficina da casa.
Capellas de flores, para noivas e bailes,
tesde a mais candida flor de larangeira at
* mais interessante griaalda.
Pannos de crochet, para cafeiras e sof-
Ditas de casemira muito fiaos-
mesa.
para
Chapelinhas no melhor gosto.de todas as'godlo pare camisa.
Paitos bordados de lioho, lisos e de V
^re3 boje preferidas pelas senboras fe
ais apurado rigor na moda.
Chapos pretos fe velludo, para sennoras,
altiino gosto de Paris.
Chapeos de sol, para senioras e horneas,
de todos os pre;o& e variados gostos.
Chaly com ricos padres para vestidos.
Chales de todas as qualidades, avultado
omero e nao menos variedade de gostos,
Chitas, impossivel descrever o sortiraen-
o e variedade de padre e novaB gostos,
la neste artigo tudo quanto se pode deaejar.
Cintos para senhoras o que se pedo ma-
znar de melhor.
Coques, o melhor no gosto e nos entei-
ws^ varios tamanhos.
Colchas de seda com borlas, o mais apa-
rado gosto e lavor.
Ditas de fusto branco e de core por
arecos commodos.
Corpinhos de cambraia, ricamente brda-
los para senhoras.
Cortinados de cambraia bordados e de
il.o que de melhor se pode desejar.
Colarinbos de linho bordados e lisos, o
aaior sortimento.
>
Damasco~de la de 9 palmos de largura
lindas cores e ricos padres.
Espartilhos brancos e de cores, para se-
ahoras e meninas, o melhor neste genero ;
aenhuma Sra. deixar por certo de muir
e de tao precioso auxiliar perfeico de
am corpo delicado.
ntremelos bordados.
Escomilha preta.
Snfettes pn'ra cabeca, ultima moda de
Paris, recebida no ultimo paquete.
Esgoiao de linho, completo sortimento de
dos oe nmeros.
Fitas largas escocesas para cintos, varid-
tide de gostos e lindos padrfes,
Fishs de crochet, modernos com cintos
capas, o que ha de melhor.
Fil de seda, Hnho e algodSo, de todos
Fusilo de todas as cores e qualidades
fraude sortimento.
Flanea branca e de cores.
Plores, o qoe ha de mais rico, quer
51 iSS"1 ram*3' temoPAVTLHAO
SLiErKL 1* P^^ente jardim a
sposlcao fes EtmaSi ftmilas#
Princeta freas e <*& cores.
Popelina do seda e linho, com listras e
flores; fazenda lindissima.
Pelherinas para senboras, do ultimo
gosto.
Perfumaras ; os mais fiaos extractos o
que de melhor e mais agradavel se pode
encontrar neste genero, e de mais fragante
e suave no olpbato, tem o PAVILHO DA
AURORA, desde a verdadeira agua Flori-
da at o mais fino Douquei d'Amour, final-
mente tudo quanto deve eccupar o touca-
dor de urna senbora de gosto.
fci
Saias bordadas, brancas, lisa e de cores
com folbos e sera elles, o melhor possivel,
Sabidas do baile, de todas as core.
Sedas pretas, de qoadros, lavradas, lisas,
de listras de todas as cores e qualidades e
o mais barato possivel.
Sargeiim detodaa as cores e qualidades.
Tapetes grandes, lindas pinturas para 8
cadeiras, mais pequeos e de todo os ta-
manhos desejaveis, e em peca para co-
vados.
Toalhas de labyrintho, do maior e mais
fino trabalho ao mais barato.
Toalhas de linho e algodo de todos os
tamanhos, lisas e felpudas.
Tarlatana branca com palmas e de cores,
fasenda muito nova, e gostos delicados pro-
pria para baile.
Vistuarios bordados de fuso brancos e
decores para meninos, de cambraia para
baptizados, o que de melhor tem vindo a
este mercado.
Vestidos de 15a escoceza de 2 saias,
novidade pelopadrSo, gosto eforma; ditos
de linho com barras de cores, e de cam-
braia de cores com 2 saias, tudo inteira
novidade, trazem os modellos juntos para
mostrar a forma de os fazer.
Veos de blond para noivas e pretos para
luto.
Vestidos de blond para noivas: podemos
issevarar as nossas Exmas. regaezas, que
somos os nicos em Pernmbuco que pode-
mos oflerecer ao Ilustrado publico, o mais
apurado gosto em sementante materia, gra-
casao bom gosto do nosso fomecedor em
Paris, podemos garantir que Dinguem neste
genero o possue melhor, nem mais em
cbfita.
I A
rateo da. reoh* 10
DE
Ah
10
S i UTOS 1 FMREIRA.

Os proprietariofl destes bem sortidoj-armatens participam"aos"seus innmeros
freguetes tanto desta praca como do matto qoe tende feito grande dimmoicao de pre-
cos na suas mercadorias estSb por isso resolvidos a vender por meno de 40 e 20 *r
do que em outra qoalquer parte, garantmdo-se portante a s perior qualidade de qoal-
qoer genero comprado uestes dous estabeledmentos. Mencionamos alguns dos nossos
genero e a vista destes sSo couiprehendidos os outros, porque enfadonho seria men-
cina^-los.
Se alguem duvidar venha ver.
Gaz americano marca Deves a 8(5800 a
finas e mnnielda!> especialidades, u qnaes e*-
tao resolvidos vender, como de aea costme,
por p eoos muito baratinhes e commodo para to-
Tlbs; cojn lano Yjne o Gallo....
MLiiosuperion luras de pellica, preUs, braa-
eas n de mui lindas cores.
&ui bas c bonitas gollinhas e punhos para se-
niora, nesto genero o que ha de mais moderno.
Superiores portes de tartaruga par coques.
Lidos e Hquiseimos enfeites para cabecas das
Exmas. senhoras. ,
Superiores iranias pretas e de cocea eom vidri-
loos e ssni elles; esta fazeuda o que pode haver
de molhor e mais bonito.
8uperforos<- e bonitos leqnes de madreperoia,
maNin^saiidao e osso, sendo aquelles brancos
un lindos destnlws,e estes pretos.
MuiU) superiores meias 2o de Escossia para se-
DJioras, as cmaes sempre se venderam por 30*000
| a dnzla, entretanto que nos as vendemos por 20,
aim destas, temos tambem grande sortimento de
oufraa qualidades, entre as quaes algumas muito
nnp.s.
Boa? hgalas de superior canna da India e
casta* do niarfim com lindas e encantadoras figu-
ra mesmo, neste genero o que de melhor s \
pode de.wijar j aim destas temos t*mbm grandf
3aantidade de outras qualidades, como sejam, ma-
eir, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Pinos, bonitos e airosos chicotinhos de cadeia e
de outras qualidades.
Lindas superiores ligas de seda e borracha
para segurar as meias.
Boas meias de sedanarasenhora
as de 1 a 12 ancos de-idade.
Navalhas cabo de marfim e tartaruga para fazer
barba ; sao mnilo boas, e de mais a mais sao ga-
rautidas pelo fabricante, e nos por nossave tam-
bci assegurann* sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas capellas para noiva.
Superiores agu has para machina e para crox.
Linha muito boa de peso, frouxa, para encher
labyrintho.
Bous baralho de cartas para voltarete, assim
como os tentos para o mesmo fim.
Grande e vanado sortimento das melhores per-
fumaras e dos melhores e mais conhecidos per-
fumista.
COLARES DE HOER.
Elctricos magnticos contra as convulsoes, e
farjlitam deaticao das innocente crianzas. So-
mos desde muito recebedores destes prodigiosos
colla-es, e continuamos a recebe-los por todos os
vapores, afrn de que nunca faltem no mercado,
eomo ja tem acontecido, assim pois poderao aquel-
es que delles precisarem, vir ao deposito do gallo
vigilante, aonde semprt encontrarao destes verda-
deiros eoares, e os quaes attendendo-se ao fim
e para meni-
A ra do Dbque de Caxias n 21
(AHTIGA Mk DO OEIMADO)
Hecebi'U segiiiiibt : .'
E'peJhos grandfs douraj..f. inild.s bonito
Caftiras, charutsiras e port-dgarros de mnis
qualidndes.
Boniliis pastas part pApei. simple p mntistdac.
B/iss caixa va.-ias para costura com sua enm-
lenle chave.
Delicadas canela* de niarfin com o bocal de
prafn.
Modernos penies 4 tiriarng,sobresshindo en-
tre elles os mimoso* tele^rapliistits.
Commodos tuucadorcs cun duas gavetas e ben
espelho.
Port bonquet, o que do melhor tem apptre-
eido.
Port ndogios de muius qualidade.
Bons lalbercs para rrionca.
Vostuarios, chapntiblios, trucas, sapalos e meia
para baptisados.
TVslhas e fronhas de lt.yrDtlw.
Chapeos e cbapelinas para senhira, moldes noves
e bonitos.
Chapoiinhos gorro c bonets para meninos e
meninas.
Contra as coavulsOs cas
criMneas
Vndese os verladoiros colines na Nova Espe-
racca, ra do Tluqu* de Cxia n. H.
PAItA WKGIH CABKLLOS
para prcte* ou casianlns, rerebeu a Nova Espe-
ranea verdadeira lint ingle.
PARA ACARaI f.OM AS SARDAS
ou pannos^ tem a .Nova I-Nparauca o vtrdadeir
leile de rus.is Prancs.
AGUA DE FLOl DE LAANJA.
Vende->e na Nova Esperanra, roa do Duque de
Caxias n. 21.
PAPEL PARA ENFlilTAR-SE BOLOS
recebeu-os uiuito lindos a Nova Ksperaoca, rn
do Duque di' Caxias n. !{.
PAHA AMAGAR E AFORMOSEAR A PELLE
tem a Nova Esporauca es sabonetes de pos de
arroz.
Vinagre branco mandado vir por conta
pVopna vindo de Lisboa, a 320 a garrafa e
480 o litro.
dem tinto Figueira, Lisboa e Porto a
320,280, 240 e 200 rs. a garrafa e 480 300
rs. o litro.
Vinho Figueira, Lisboa, Porto e Estreito
a 560, 500 480 e 400 a garrafa litro a 840
760; 720 e 600.
Vinho branco puro de Lisboa a 640 560
a garrafa, em porco ha abatimeoto.
Vinho do Porto, engarrafado das melbo- aba*toento.
res e mais acreladas marcas a 0OOO e 12001 &WS t?scos do 'Mm vaPr a
. e 30400 cada um.
AJetria, macarrio, talharim a 500 rs. a
libra e 1*100 o kilogrammoem caixo ha
lata y 380 rs. a garrafa e 560 o Jitro.
Azeito doce de Lisboa a 900 e l*XM)a
garrafa em porcao fai-se grande abatimen-
to.
Gaft em cereco a 220, 2*0 e 280, a li-
bra feilogrammo a 480, 340 e 600, e
7AO00, 7(J5GO-e 8*800 aTroba.
Mlhoalpisra 200 rs. a libra e 440 oki-
logramma e 5?800 a arroba, em porcSo ha
3,5200
I.500 e 2(5 a garrafa,
dem Bordeaux, Medoc
e St. Jalien a
7*500 e 6*500, a duzta e 640 rs. a garafa.
Genebra de Hoflanda e laranja doce aro-
mtica a 65500, 70, 11*500, a frasqueira.
Servej* Bass, Illers d- Bell a 9*800 du-
zia em por?3o ba grande abatimento.
dem marca HeT e outras marcas a
5*500 e 6*, a duxia e 500 rs. a garrafa.
Assim como ha outros moitos
passas e figos, charutos Anos de
qualidades, perola,
abtiaiento.
Sabao massa de Ia e 2a qualidade a 220
e 240 rs. a fiara em caira ha abatimento
Toucinho de Lisboa muito alto a 400 rs.
a libra e 880 o kilogrammo, em arroba ha
grande differenca.
gneros, vinho em ancorlas, azeonas,
diversas marcas, marmeiada, bolachinhas de todas as
FraBcy-cracynel, a, b, c, Mdium, mixed, soda Fancy-nionac, pa-
ace de Varietes, combination, Bntania, doce de goiaba fina, chouricas, manteigas finas
francesa e ingleza, banba de Baltimor, phosphoros de Sycuryt, Cognac, cha de diver-
sas qualidades, wnea, pimenta do reino, ervadoce, pomada, enxofre, breu, peixe
ern latas de todas as qualidades, feriaba de mimo americana, grandes molhos de sebol-
las, nestes dous armazens existe tambem grande sortimento de loucas proerias para ne-
gocio, que pelos seos commodos preco faz vantagem aos compradores
*r nlA n* intB^J0 d m &**** e varado rtimento que os proprietarlos do PA-
riJL l,UTK apresentam ao publico declarando desde i que a sincerida-
p^STa0 moIel mi0 fle seas negocios.
J todo e prompto8 sempre a prover-se

Hiuui(jius uouif^o a iH-over-se do que por ventura Ihe
3 tS^S^i^^iiS?* deste 8un,Ptaoso estabelecimento recommendam-se
rotoSTmifl\XTtZf?*^ Pf^slam esforcar-se por continuar a merecer
T^SSJJT PeBMd *' "* de *" d0 8eu ^belecimento nao satura
ttmimSa.mvr* a 0fficna alaiae dirigida por um dos mais habis artis-
*,prompto execntercom promptidao e bom osto q^iuw toaban anTlSa
^^mln^r^ iC0Df a d0 toi q^nos propomos,tomoenonosso
22S2S25 mia<* ^m$ de Par'8' recatemos por todo* o* palitos^ os
f^romdaSI5eTV?tOSa5 fa0lilias nofeas freguLsX VS*Z
o peono da fazeuda o gesto na forma.
Na ffiCMSr.alfaial8' ^D0 a ^^^^^ento, iu gualmeoe os figorioo
ULYSSES & IRMiO
13 Eua da Imperatriz 1S
Os preprietirk* deate bem coobeddo e a cr'editeflo ttabeleefmento avraSo aos
seui numerosos freguezes tanto desta praca como de fcra, e especialmente ad Ilustrado
corpo ACADMICO, que este esiabelflGimimto acha-se1 sempre bem prvido de todos os
artigoj de seu gneros abaixo mencionados e que'venettos por'ttodicos preces, tanto
avarejo como por atacado para negocio, fiara o que se podem derigir por cartt a nossa
casa qoe serto saptisfectoriaownte servidos.
CHARUTO
superiores de Havana, flamborgo, Bahia,
das acreditadas marcas Regaba Britnica
Imperiaes de: do do Rio da bees conhecida
marea Opera e outras mu i tas feitas aqui oVl
i homens que por todos os vapores se reuebem.
^u^.JL^-m^^ejmlptemt,lTs P^d aprotoccao ^^^St^^T6 ***** ^toC0Qtrarein naUI)alo mwvcvpv*?*
Podara* especificar todo quanto temoe. r^^h
Jjfa Mzt Sbrtnhi (L
Aberto das 6 As 9 horas da noite.
de erva?, Btqae de CatiaS, Ganden etc
de papel, de fumo de Daniel, Gene'ral
Osrlo, Conde d'o, aromticos, e bello-
itaes, Hdabole,' Radlcaes, Acadmicos,
Machamiomba, Montevideo, Orientaes, B*e-
atty e muitas otttraS qoatidades.
fflfif.
VARIEDADES?
POSTEIRAS de espuma finas para coa-
safamados Beberiba e outros que se venden P^ JLS: am?x,*a orUmento.
em fiorcoes.
Cigarros
depalh de S. Paule, fle 3*500 a 7*500,
o mflhefro; terdsdeiros do afamado Daniel
CACHIMBOS de superior espuma, de ma-
Ideira (raa.; de 3* ata 3,500 ditos grandes
i 13,000, a quaia ditos fino diversa quali-
dades, a ayrej o; UitopdagaHwbasdo que
6 Novo, Maurity, Imperiaes Visconde ^S& iJf^i?J^i
dA un** nww. aJ r*t>:,* c^anr mi. ^,,os OT 10UCa' esso- barr. ete, etc.
para que ^ao applicados, se vendero com nm mm
taminuto' lacro.
Hof amos, pois, avista dos objectos que delxamos
clarados, aos nossos freguezes e amigos a virem
comprar por procoe: muito rasoaveis loia do gallo
vigilante, roa o Crespo n. 7.
Jcordeiro previdenti
Rn do auclciado u. ltt.
Novo e variado sortimento de perfumara
finas, e outros objectos.
Alm do completo sortimento-de perft
maas, de que efectivamente est provida
loja do Cordeiro Previdente, ella acaba d
receber um outro sortimento que se tora
aotavel pela variedade de objectos, superior
dada, qualidad'-s e commodidades de prt
eos; a8sim^poia, o Cordeiro Previdente ped
e espera continuar a merecer a apreciac
do respeitaval publico em geral e de su
boa freguezia em particular, nao se afai
tando ee de sua bem conhecida mansidi
e barateza. Em dita loja encontrarao o
apreciadores do bom:
Agua divina de Coudray.
Dita verdadeira de Murray de Lamman.
Dita de Cologpe ingleza, americana, frai
oeza, todas dos melhores e mais acreditado
fabricantes.
Dita de flor de Iarangeiraa.
Dita dos Alpes, e violeto para toilet.
Elixir odontalgico para conservacio a
sseio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e chai
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, eos
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoneza, transparent*
a outras qualidades.
Fino extractos inglezes, americanos
franceses em frascos simples e enfeitados.
Essencia imperial do fino e agradavel cha
re de violeta.
Outras concentradas e de cheiroa igual
mente finas e agradaveis.
Oleo pbilocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualidad
com escomidos ebeiros, em frascos de difii
rentes tamanhos.
Sabonetas em barras, maiores e menor
para maos.
Ditos transparentes, redondos e em fin
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barba
Carxinbas com bonitos sabonetes imitand
fructas.
Ditas de madeira invernisada contando t
cas perfumarias, muito proprias para prt
lentes.
Ditas de papeleo igualmente bonitas, tas
bem de perfumarias finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e i
moldes novos e elegantes, com p de arro'
e boneea.
Opiata ingleza e franceza para dentes.
Pos df camphoii e outras difirante
qualidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Eemp.
Jilnf n nato eoqnes.
Um ootro sortimento de coques de n>
vos e bonitos moldes com filets de vidrilhc
e alguwd'elles ornados de flores e fitas,
9st8o todos expwios i apreciacao de quat
es pretenda comprar.
GOLLBfflAS E PNHOS BORDADOS.
Obrai e muito gosto e perfeicio.
FiTollaa fitas para cinto.
Bello e variado sortimento de taes obji
los; ficando a boa escoiha ao gosto do coa
pradOr.
Rival sem segundo
ItA DO DUQUE DE CAXIAS N. 49
Estou disposto a continuar a vender todas
as miudezas pelos baralissimos precos abai-
xo declarados, garamindo tudo bom e pre^
eos admirados.
Caixas com 20 cadernos papel pau-
tado a........ 700
Caixas com 50 novettos de linba
do gaz a....., 400
Duzias de meias cruas superior
qualidade a.......3600
Pecas de babadinhos com 40 va-
ras a......... 500.
Pecas de liras bordadascom 12
metros cada p ra a 16500 e. 6000
Pecas de fita para eos de qoal-
quer largura com 10 varas a. 50O
Escovas para unlus fazenda fina a 500
Ditas para denles a 240, 320,
400 rs. e....., 500
Pecas de tranca lisas, brancas a
de cores a....... 4$
Caixinhas de madeira com alfine-
tes fazenda superior a. .' 400
Dazia de linba l'ixa para borda-
dos a 400 rs. e..... 500
Pares de meias crua< para mt>
nos diversos tamanhos a. 320
Duzias de meias brancas muito
finas para senbora a. 40500
Pares de. sapalos de tranca do
Porto........2i500O
Pares r'e sapalos de tapete a. .
Livrns de missa abreviados. .
Duzias de haralhos para vultaiele
Sylabarios portuguezes a. .
Cartoes om colxetes carreras a
AOoloadoras para rolltte diversas
qualidades.......
Caixas com penna de ac muito
boa de 320 a......
Duzia de linha 200 jardas Alexan-
dre de 40 a 200 e, .
Caixas com superiores obreias a.
Duzia e agulha para macbina a.
Libras de pregos francezes todos
os tamanhos a......
Pacte de papel com 20 quader-
nos...........
Caixas do phosphoros seguranza
muito superiores a .
Resma de papel pautado superior
Resma de papel liso muito supe-
rior a ...........
Garrafa com agua Florida verda-
deira a.......... 1,5600
Quaderno de papel liso amizade 20
Carretis de linba de cores com
100 jardas a........ 20
16500
16800
36000
400
20
400
506
16200
40
26000
240
400
400
46000
36600
Afamados de fc,
e t porfo' j
tO libras 16400 rs. a libra, em pacotas
i6, e em percao 1500 -Uto em lala de
irftrta a CO, e a 5QJF riS; dito Daniel do
em caixoes de bi, emcaixas de 500.
dmjr
)en
B0L9A8 aara guardar fumo^deborracha'
coaro e drvtrso aaaekM 0 goeto.
CARTEIRAS de todos oa syslemas aara
cigarro.
Pap^PJipR^rtocra, dos memores que
5,500 a duzia, em
ii4^l?l4S<4'S00adMa* en ***
(J 2.8J 4 2,600 a duzia e mokas outras.
PAPEL de milbo, de arroz, san-nom, Per-
S. Paulo, Caporal, san, pintado* .paa demlho, de'Farqaodo,
outras qpa|idade8. papel de Hubo.
r %BBI A DE ClWlUaO,
anromptamos dualquer encommenda dos afamados cigarros de seda,
ff3'Jj?W* edades da Q9ssa bem canhecida (abea, e bem altana
o nossos cigarros, a numerosa freguezia de nosso esUhelecimaoto.
13Eua da Lnperatnz--13
Cabellos
Vendem-se caBellos de todas as cores, qualqoer
eompruwBito, quaMade snpwlor, em ctixa on
porcao mais pequea : na roa da Cadeia do Re-
oife 51, t andar.
20Ra da Imperatriz20
Fari 6 Lesea.
Acaba de ebegar a esta nosso nova loja t fa-
zendat finas nm variad sortimento de telendas de
laa e seda, como sejam : granadinos do nltimo
gosto, popelinas de urna ? cor, alpacas e laazi-
nhas de cores, o que ha de mais moderno, Indo
por baratissimos precos, brilhantinas de cores, te-
cidos das indias, fazenda nova a imitarao de per-
ca lia, bales de dina fingicdo saia de cor com lin-
das barras, fastoes proprios para vestido e ronpat
de meninos ; agora grandes e admira veis pecbi*
chas, saias brancas com lindos frisados a 3/. ri-
cos corpinhos bordados muito finos a 54, baldes
modernos de srcos a ti, ricas colchas para cama
alcochoadas. sendo brancas e de cores, a 54, 6f e
11, cambraia victoria- Una a 54, ditas transparen-
tes a 54, 64 e 74,chitas flnissimas oscuras e dars
a 280, 300, 320 e 360 o covado. cassas de cores a
240, lencos brancas d cas* a 245tU, ditos chi-
uezes a 34500 a duzia, madapoln fino a 64 e
6500, e muit superior a 74, 74600 e 84, algo-
daozinho largo propri para lences a 64, panno
de al.odio branco trancada ptoprio para toalhas
de mesa a 14600* vara, nramante pan lences a
24000 e 34500, o que b da melhor, esguio fi-
nissimo a 24200 e25G0 a vara. Mandamos as
casa? das Exma<. familias para melhor poderes
escolber. Tamben temos complete sojtinaato de
perfumarias dos primaros fabricantes francezes e
inglezesj as pessoas que se dignarem vir a esta
leja teraopecasiao de reconheccr a realidade do
que annnciamos para nos justificar.
Ferro gaivanisado
Venderse em casa de Adamson, Rowe k C, na
ra do Conmewto a. 40, folhas de ferro gal vaii-
sado de 6, 7 e 8 ps de comprimenlo.
40^6504
licos eoeiros 4e cMenir bordados crox e a
matiz rn o Crespoto. 25. loja da esqaiaa.
I
De da para ia, mais doce.
Dtfoiaoa.
De laraaja.
De banana.
Em ealidhs e tatas:
Fino e bro.
Caixae gran e aeqoeoos.
Preprio para embaapa.
Vande constmiemeat roa Direita a 91,
i di Borges.
......*
taberna da Boi
i ~|J lll.l
Fkr.i
nva de mandioca
HaoiOlO BaHaido Livranfc, no lamo da
sstnhia, a* depositada superior ftriaba de ua-
diuca pan vender-se : tratase no mesmo trapiche
oa ao larga ao Corpo Santo a. 6, I* andar.
jfarinha de mandioca de Santa
Catbarina.
Da superior, vinda pe patacho ingle
Bleck j ha parte fnsacaa para conynodidade do
compradores, e vende-se nos armazens de Tita
Irmaos A C, no caes do Apollo, e roa de Am rim
numero 17.
A 2?000
Fiaos cortes de chita a 2400
po n. 25, loja da esquina.
na rn do Ota-
WIACANS
Gbegado peto ultimo vapor: no arnutem Nov
Mundo em frente ra do VI arl n. Vende-
mais barato que em outra qualquer parle.



Diario de Pernambuco -
.Obt al> oiilu. >> <".t <
Se*to feira 15 de Julhp
/ <

de
tf
70
'


-
?f
ASSEMBIEA GERAL
---------------------------------------------------------------------------------------i------------------------------------------------------------------------------------------------------;-
CMARA DOS DEPUTADOS.
(Conlinuacao)
Isto sabe o povo inglez, que o nobre de-
petado pelo Cear confundi injustamente
com os socios da companhia da estrada e
torro (te Pernainbuco, Isto sabe- o go-
governo britanni-o. foto sahera tanln us
proprios accionista da estrada -t ferr d
Pteriwmtiuco, que nunca allegaram dirtiio .i
(aramia roclamada, e sim a pedirn pomo
favor o que exigen apenas do governo do
Brasil que feca o corpo legislativo, nico
poder compelen te no Brasil, decidi-la 6a jiia
Mbedoria e quanto an es. Como poi se
f*lla ainda empromessa e conproraissos, e
depotados b-aseiros, quando a pr<>pria
companhia nem allega tal fundamento ?
Quanto a juslifa da pretendo, nenluima
I ningoem cipaz de allega-la. Quanto
a proraessa do governo alm de cond cio-
aes, quando hoovessem-. nada valem nem
asseiuimeoto do corpo legislativo; alm
#jto esrt cabalmente demonstrado que n5o
ha compromisso nenhum do governo.
fApoiadcs.)
O ministro da agricultura as poucas pa-
lavras que disse em questlo de orden.
mandando ora emenda auditiva, procuro
que elle cause menos malea
s produziria, esforeo-di '
os efTeitos, e inteotpjao mn
sacio obter a regala* **cp aquella compa-
nhia, e inonyacaa doa contratos de modo a
cortar duvidas fuM*rage,a garantiros nos*
sos direiios. Eis m qae nw.propoa com]
o addilivo. i/
E' verdade que o nobrea, depuiadv rpelo
Cear tratando de adavinbar-me as inleoces,.
achou que a emenda addiLivadevayar o cu
bo de opposico.
E'-me indiferente que rae alcnahem de
opposicionist ou de ministerial; sou bem
connecido no meu paiz, e lenho disso garbo,
(Muitos apoiados.) que digo e o qae
faco inspiraco,do..iweritendirnen4o,.da
minha consciencia, e n5o do influencia ex
terna. (Apoiados.) O que me parece meo e
nocivo ao paiz, ontbalo, e combato franca-
mente ; o que digo nos corredores, deca-
roo na tribuna, e sen receio de desagradar.
(Apuiados), JJei de ir at onde julgar por
mim conveniente : he de parar onde o pen-
sar dever fazer ; minha punicao lia de ser
por mim tomada, e nao deliberada por ou-
tros.
E o que teta e$sa emenda que Bao seja a
verno que mManre o treta rodante, a es-
trata, a renda, etc. Aiii se diz igualmente
que umquanti nSo agarram, expresso
enrgica que empfgam, a nova garanta de
juros reclamada, cbnvem nao levantar novas
reclatiacbes, e qoe epo:s que ella fr ap-
provnda^petn corpa*legislativa, ento se:
exigirlo nlo^S 0|0, mas tambera os!
i 0;0 prov'mohes, e outras satisface?. a
que tem drroilo contra o governo brasjleiro.
podfemos tfr fe em tal companhia ? A
historia de sen* fitos anteriores, o que se
passon em sua ultima assembla geral em
Londres; nlo nos deven reclamar pruden-
cia e providencia contra seus planos fu-
turos ?
Disse ainda o nobre depotado que alo
nosassustassemos'con) e$ta garanta nova,
porque ella bavia de ser nominal, pois que
que a estrada floreada e breve renden*
mnito. Bsse argumento contraproducen-
te. Se nominal a garanta, porque nos
querem obrigar a concad-la ? Se nada va
le. nao a exija n. A prova, porm, do con-
trario que a reclamao, e abi vai o theson-
ro despender mais duzentos e tantos con-
tos por anoo, e pelo espaco de noventa an-
,aos, para pagar esbanjamento immoraes,
Voubos escandalosos, e prevaricares dos
agentes da estrada de ferro de Pernambuco consignacao de todas as coadicoeque o jr.
quaem vea de empregar as obras bona
"Woo" orna proposicao contra a qual pr lideT capilaes la companhia, coai el lis se
seto" solemnemente- Disse que a culpi da locuplotarana (apoiados) e quem paga e o
trida estas dillKuld.idjs nao nasciam da
eompanhia, mas principalmente do decreto
e 1835; por ter retirado a fiscalisaco do
5verno sobre a construeco da estrada.
E' oni engao do nobre ministro. O :a
taheinvque en'fio platicara esto acta, como
coaselbeiro da cora, no momento em que
cAotratava cara a companliia, que quaesquer
qce fossem os gastos da construeco da obra,
sao podara a companhia pedir garanta se-
BO do capital ento fixado de um milbiio e
uzenlas mil libias, para desresponsabilisar
governo de eventualidades futuras, para
ferar todo- o pretexto companhia de novas
reciamacoes a garantas de capital, para at
abriga-la a fazer a obra bona fide e econo-
camente. fez bem em retirar a fiscalisaco
e governo.
Sao dabi que parte os- escandalosos
tocs da companhia, que Ibe acarretaram
lado o seu descredita, e a levaram as dila-
Idades cm que se acha. da sua pes-
ua admoistraeao, e dos sens agentes im-
prooos. (Apoiados)
Senhores, bou ve erros, e deviam haver,
^oodo comeeamos a tratar da construccSo
id estrada de ferro, industria nova, nao eo-
iieeid* aiada entre nos ; tioha diversos
ijustmas de proteceo e auxilio dos gover-
as, e nos s timttmos o de garanta de
{iros aos capitaes dos accionistas. Varios
overnos adoptam o methodo de fixar urna
rBuaerac5o por kilmetro construido, ou-
tros pagam as obras de arle, deixando as
Mmpauhhs o levantamento e plantas, ater-
ros, e mais obras: all lornam-se os-gover-
oflt s proprios constructores e costeadores
m differente< paizes. o governo entra com
parle do capital, e os cidados com outra
parle, e a administram emeommum. ludo
.Mi fonna systemas diversos, ho>e muito
conhecidos e estudados, mas entlo pouco
apreciados.
Piao bos admiramos, pois. dos erros do
governo. Mas esses mesmos erro do go-
*ernx> teram mais em desvanlagem publica
do que contrarios aos interesses das cora-
panhi-is. Por exemplo a de Pernambuco
lem propriedade perpetua da estrada, tem
oocusso de garanta de juros por-noventa
mdos, nao se sujeita a funde de amortisa-
r.to e nem a fundo de reserva.
\ de Pedro II s linha a propriedade por
aafl annos e garanta de joro por trinla
e -es annos. As^de S. Paulo-e Babia per-
done a propriedade das obras no Qm de no-
venta annos. revertendo ellas para e gover-
o. mas tm gaiaotia de juros por noventa
annos.
Ha muitos erros abi do governo, e a e
zontrariedades, mas um ministro da cora'
alero de lodo o mais. injusto, acensando
eus antecessores por en os, que na oan-
era destas questoes lod.-s- commeUenam.
f ?Oiz o nobre depulado pelo Cear qu*
convinha dar a garanta de projecto. por-
|ue a companhia melhoraria o trafego e
prosperara.
Lei o nobre depulado a acta da ultima
essa dos accionistas desta estrada de ferro
3ta Londres: abi se diz claramente que os
accionistas nenhum inleresse tm na pros-
peeidade da compaoiiia, na melhoria de ren-
da : o seu inleresse est s em receber
7 0|0 de juros pelos seus capitaes, logo
pe o gjverno orasileiro os pague, o go-
Siuimb. o Sr. Viriato e o proprio actual
miuistro da agricultura nao julgnem dever
aceitar ? Ha dous contralor UW, -a esrda
nbaodo para o bem geral e engrandecimen-
to-danacao. (Apoiados.)
ts o qna desejttjjprocuro, para nao ser
membro intil lorArpo legislativo, Fal-
j^ado-me qutro reqgsBoi nj me falta o
zeo, e nem me espalta e desanima o trj-
balho. (Apoiados) Trabalbemos, pois, nos,
e facamos.oqoe devemos, sen suscitar a
todo o instante asas questes de gabinete
e de confianca, que tolhem a berdade de
muitos de .miados, e arrasiam a cmara a
votar m seolldo contrario ao^^oe pensa.!
Oucamos o governo mas facamos com in
dependencia o que julgar conveniente, e nao
s o que o governo enlende.
O nobre ministro'declarou que contava
ob'er da comp.inbia as concessoes do adda-
tivo, e quando as nao conseguisse, n3o exe-
cutara a le. E outro nSo a execotarSo?
Pensa se* ministro eterna f E qoe SansSo
poderoso ha abi capaz de avaa;ar que con-
seguir desta companhia, qae recuson o
empreslimo de t50:000i> par^ o trem ro-
dante,, apezar de cofldiceseqoHativas, como
o pobre ,mitro as chamoo, qoe appellida
na suas reonioes publicas e nos peridicos
o governo imperial de deshonesto, e isto ha
6 para 7 anno que ameaca coa novas r
claraaces, logo que obtiver o favor da
quantia xarada no projecto que discuaimos,
qua lodo? os .das levanta duvidas e diffi
cuidados para sangrar o thesouro publico,
porque todas as suas qoesles, sao de di-
OSii. ANDaAOEFHJKiBAr-E'assimqrjefi^eepulajlo pelo disJricto*J Riode
SlWA
O
Se-
Brasil I
Disse o nobre deputado que ms conse-
qoenoias previa da n-cusa do projecto. por-
que deviamos ser agradecidos Inglaterra
por noster. empresdo e3se dinbeiro, e
quando precis.issenio n5o o teriamos.
Senhores, o povo ioglez nos conhece e
nos faz juslifa. (apoiados.) Nunca faltamos
aos nos80s compromissos, nunca deixamos
de pagar em da nossas dividas contrahidas
na praca de Londres. (Ap dados.) Basta
esle fado para' nunca temerraos perder
conceto e crdito em Inglaterra. (Apoiados)
N5o sao as dovidas entre o governo e urna
companhia como a de Pernambuco, desa-
creditada al em Londres, que nos b3o de
desraoralisar no conceito e opinio dos ca-
pitalistas e do povo inglez. (Apoiados.) E a
prora est at em que ha dez annos que du-
ra esta queslo, e nem no tempo da guer-
ra contra o Paraguay, em que se eserevia
que nos nos abjsmavamos- no pelago da
ruina, e trabamos nossas financas estraga-
das, nosso crdito -nunca baixpu era Lon-
dres, goanto mais agora, depois da termina-
cao da gaena e das esperancas al de sal-
dos de receiu sobre a despeza publica an-
nua. (Muitos apoiados.)
Cumpraiaos semp^e exactamente nossos
compromissos pecuniarios tomado na praca
de Londres, que nao pop benevolencia, co-
mo disse o nobre deputado, mas por inte-
resse, que o movel dos caplaliss> ob-
teremos quanto dinheiao procisarmo em
Inglaterra, e quando os toglezes n5o quei-
ram, ?hi est o continente da Europa nos-
sa disposicSo ; hoje nao s- Londres que
empresta capitaes ao governos e empre-
zas estrangeiras. Paria. Francfort, Amster-
dam e muitas outras praeas europeas abun-
dara de capitaes que desejio emprego van-
lajoso, e oue actualmente se applicab a pai-
zes estranbe-.
O nobre deputado confundido eontralo
com a concessaode|novagarantia dejaros de
que trata o projecto. fcto? novo iVor, de-
pende novo contrato. Quando o recusemos,
nem por isso se poderl> dizer qse deixa-
mos de cumprir nosso contratos. Senho-
res. honra seja feit ao governo do Brasil,
seus contratos tem elle cumprido- sempre
no eslrangeiro. (Apoiados.)
Assim, portanto, senhores, por qualque*
face que se aprecie a questo, reeonhece-se
e demonstra-se que na coacesso da nova
garaniia para um capital addicioaal, nao ten
a companhia requerido em seu fevor, nem
justica sua, nem conveniencia do Brasil,
nem compromissos do nosso go*erno ; que
s se traa de nm fnvor, e puro favor, e o
thesouro do Brasil nao pode fazer fa-
vores de duzentos e tantos coitos por anno
e por noventa annos, quando para concluir
a estrada j o gove no garanti um empres-
timo de 400,000, que levantou com-
panhia. e pode levar a estrada ao seo pomo
terminal; e que o povo do Brasil nao deve
pagar os esoanjamentos das companbias es-
trangeiras.
E' por isso que combat, e voto contra o
projecto.
Mas disse-sepor que mandn emenda ?
Explico o meu pensamento.
Conhecendo pela pressao qoe se faz na
cmara, que a raaioria ha de passar pelas
forcas caudinas e approvar o projecto entao
exeo|fcfl
gn#n<
de ferro de Pernambuco. Conven innova- nheiro, e nada a satisfaz ;. quem pode dzer
." ... i j_ *t Atm .. los. Dand-se o favor pesado de tSo dis-
pendiosa quantia de dinlieito orno essa do
do projecto, ao, menos obtauhamos conal-
ces qu regulpisem. nivellem, roorasem
aquea companhia, e corlen duvidas futu-
ras.
Ella nao quer encampacSo, assim o res-
respondeu por veaes ao govesno : ella nao
quer nem o. empreslimo de 430:000^ para
melborar seu trera rodante, e aperfeicoar
o servido da viacao-: s quer a garanta de
juro por um capital esoanjado por seus
agentes.
Nesse caso, psrea a perpettidade *a es-
trada. niellando-se com as companhia* do
S. Pauloe Babia: oree um fundo-de amor-
lisacSo para posso novo capital no. fe) de
JO annos ; cree um ludo de reserva para
as despezas que nao- sao de caateio ; con-
tinu a estrada do forte das Cinco Pintas
at o Recife para a prender com as obras
do porto e abrir-lbe prospero futuro-de-
sista de tedas as reclamares ate aqu apre
sentadas em ponto secundarias: meiaor,es
sua escripturacSo para qne poasa haver fc-
ealisago do governo* nao sacceda como
at aqui qoe era apparece escriptunacao,
como attestam os esames j verificado offl-
dalmente ^e por fin* segundo a nova emen-
que sera to forte que curvar a eomoanhia
aocumpriment dos seas deverest Nao
tem ella a sede en* Londres ? Nao sao as
leis inglesas que para ella vigorara f
Nao sao arbitro eglezw em Lindres
que lem ilecidir es confelos, conforme
o contratos ? Nao possoe ella elementos
extraordinarios para resistir como tem feito
aO direitb o razo. sempre que lbe alo
sorriem aosioteresse pecuniarios ? Presamp-
Coes individuaes nao rae agradam. Prefiro
a segurancav e um ministro expedente pe-
dera at para seu benv que se inserissem
na. lei as condices de que se trata, at por-
que, parr renovaros contratos existentes qoe
forana ratifleados por lei, nocesserio ama
lei nova qne reguiarise os nows conve-
nios.
OSi*. ANnRADeFiGUEra*.Muko apoiado.
Sr. PEreibad*Silva:E' j tarde; na
qaero mais abusar da bondadosa attenco
da-camara. (N5o-apoadoe) Termino aqui,
satisfeilo com a mioha coasciencia. Decida
a cmara como.sntender. que ,a responsa-
bidade do|otojo nlo s*rmiabK (Muito
bem, muito ben>. i
O SR. DIOGd-VELHO (ministro da agn-
cultara^:Sr. presidente, com grande
conatragiraeoto qe volto ao presente debate.
FOLKETIM
i \\U DE-FOS Di MORTA
|ran
Xavierde Montpin.
da do meu illustrado-collega e amigo, que-lDesde^que elle^f, i desviado para Mneao
arealizacaoda garanta comeen dapoia de
aovo conato. Eis-o que cooim a emen-
da ; mas diz se qua esse addaivo nlo ne-
cessario porqpe ha a palavra do ministro
porque elle declaro* que nao execatara a
lei sem conseguir eosas raesraas condices
por mim lembradas; que falla da coo-
anca, depois de declaraces to francas de
S. Exc, insistir em consigna-las no pro-
jecto,
Eu digo que lodo isso nao tem valor;
comeca parque nem o nobre ministra sabe
se ser elle qs eaecutara lai. Em se-
gundo lugar, indo o projecto. n e despedido
nomo vai, com a concesslo de garanta, re-
cusar-se-ba a companhia a fazer coocesses
ao governo. e exigir a exacuclo s- da lei.
Em terceiro lugar, incluidas as condices
na lei, o governo que fica fortalecido para
tratar cem a companhia, e o corpo legisla-
tivo prova a sua intenco inteira. Sem o
additivo- o governo est desarmado perante
a companhia. Com elle impoe, e diz :eis
abi em orna mo o favar da garanta.;
mas na outra, abi vio as condices com qwe
posso sonced-la.
Nlo entra aqui questao de confianca : s
o interesse publico. Nao quero improviden-
cias ; ba6ta de autorisafes com que faz o
favor, nlo os delegue, nlo os conde a nin-
guem, cumpra o seu dever. (Apoiados.)
E' abi que esta a verdade do ,systeme
representativo. 0 povo nao quer q,oe os
seus representantes, a pretexto de confianca
e s vezesperpregnica, passem as.sucs at-
tribaices legislativas ao govern^, estejam
s a votar aulorisaces e delegacoes. (Apoia-
Oos.) Nao seja a cmara actual estril, faca,
promova por si os servicos pblicos, que
derla depender. Praticanlo suas attribui-
Qes, coosegairi que funecione e se rega-
larise o regimem constitucional, cada um
dos poderes deptro em a esphera dos seus
direitos e harmnicamente por se nlo inge-
rirem as funeces uns dos outros, cami-
P1BTE PttI.HEIHA.1
mmu de sAisTiraw.
(Cooliniiaclo do n. 156).
XX
O acolhimento.
Aos lados da grade, entre grupos
lomtas arvores, levanta vana -se
tiosos pavilhes, todos felos
janellas grandes
eacandesaente de invectiva, de personali-
dad e, da injuria...
O Sic Aia*ABaFCLEnn :Ons que
houve isto ?
O Sr. Pebejba.da.Silva: Foi o nobre
ministro que deu-me como incompetente, e
a outro memoro da casa. (Nao apoiados.)
O Sa.. Ministrosa Agrkltora t .,.eu,
cjre nao sei manejar estas armas; eu, que
nlo posso mesmo maneja-las dar-me-bia
por vencido, se o impenoso dever da posi-
Co que occopo me nlo compellisse a vir
ainda fazes algunas observagoes-
Sr. presidente, a quesllo que nos ocen-
pa, aginada neste paiz e fra debe desde o
anno de 1860, em sido por tal forma de-
batida, acba-se j- lio esgotada (apoiados)
que dareceria dnvidar do simples bom
senso desta augista cmara, quem preten-
desse sobre ellatrazer novidade em argu-
mentadlo.
E nada mais fcil, Sr. presidente, me
seria do que entreter por longas horas a
atterjelo de meus illnstrados e benvolos
collegas se, para refutar om por ura os ar-
gumentos aqui trazidos pelos impugnado-
res da resoluclo que se discute, quiaesse
dar-me ao trabalho de buscar as fontes
coDhecidas onde os foram procurar, a con-
tradicta cabal de ludo quanlo se tem aven-
tado contra a mesma resoluclo.
At o presente Sr. presidente, smente
se tem reproduzido materia velha, j dis-
cut la o desprezada. (Apoiados.)
O Sr. AndbadeFiuuuba :Nao apoiado.
0 Sr. Ministro n.\ Aobiccltura : E eu
qoe tenho incessanles e serias oceupaces.
que insufficiente como me julgo para as al-
tas fuoccoes do cargo que honrosa confi-
anca da cora immereCidamente rae entre-
gou (nlo apoiados), devo a ellas dedicar-
me com esforco, nlo posso, a tado o mo-
mento e a cada passo, conforme as exigen-
cias e Caprichos de quem quer acudir tri-
buna.
de
dous gra-
de pedra,
e rasgadas para a
tanda da alameda, de vidros de cores
samo os das igrejas.
ITum d'esles pavilhes morava o porteiro,
a outro servia de babtaclo om guarda-
matto. exclusivamente dedicado a vigiara
forco dos bosques- mais prxima do cas-
mo.
Saint-Maixent agarrn a cadea de ferro
aae penda aocomprido de urna das pilas-
tra da grade, e puebou-a de rijo, fazendo
tadalar ama sineta da grandes dimenses.
Aqueile modo.de tocar, imperioso, ma-
jpstral e decidido, indicava, segando pare-
cas ao porteiro, um personagem de elev-
is catbegoria.
Por eonseguinte, o citado fonccionano,
aagpilo barrigudo, de genio impertinente
cara de cao dog, vestindo a libr dos
aben, deseen toda a pressa os tres oo
futro degros que ibe enfeitavama porta
apat>lo, e encaminhouse passo largo
. a grade.
Jotoje-se qnal seria o sea espanto e a
_jmSiigoaclo, qaando, incerta claridade
iacrepasculo, notou qoe os doos recem-
[fcsprtm trio cingiam espada, qae vinham
empoeirados, sujos, queimados pelo sol,
com a barba por fazer, os cabellos emba-
ncados, os chapeos machacados, e a rou-
pa em larra pos!
Uns liomens to esfarrapados e to mi-
seros, haviara de ser por forca alguns aven-
turaros, vagabundos, mendigos, talvez la-
dres, e em todo o caso dignos s de des-
prezo...
E semelhante plebe atrevia-se a locar a
sineta do casteilo de Habn, como se nao
houvesse mais que fazer, Jo que incommo-
dar-se nma pessoa por soa causa, e acudir
logo ao toque !
Realmente, pareca impossivel urna ousa-
dia d'aquellas !
O porteiro assumio, pois, certos ares de
magestatica imponencia, e, deilando aos in-
trusos o mais furibundo olhar, disse com
modo irado e despresativo :
Sucia de patifes! como se atrevem a
faier semelhante espalhafato porta d'este
casteilo ? Ora na verdade, nao sei o que
me conlm, que nao chamo j quanto antes
os criados para Ibe darem urna boa tosa,
oa soltar-Ibes os ces s caoellas, que, o
que voces mereciam !
O bomem est doudo I disse Lzaro
comsgo raeio escandaiisado. Verdade seja
que as nossas figuras nlo inspirara grande
confianca primeira vista.
Saint-Maixent encarava as eousas1 pelo
sea lado cmico, e mal poda cooter o
aiso.
V. v, desempachtr QM que-
rem voces ? proseguio o porteirp cora in-
solencia crescente. E responder de pressa,
que nlo tenho lempo para perder : quando
olo vou-me embora, e deixo-os ah wnbas-
baca dos.
Quero fallar ao sanbor conde, volveu
Saint-Maixent tranquillamente.
Ah ah! ah bradoa o porteiro pon-
do as ralos as iihargas, e desatando a. mais
homrica das gargalhadas, qoe abalou toda
a sua formidavel paaaoa. Com que entlo
querem fal'ar ao seohor conde, as$m sem
mais nem mais Cuidam talyez qne S.
Exc. est disposto a receber a visita de
qualquer borra-botas que apparece f Ris-
quera, isso l da sua cartilha ; se querem
alguraa esmola, uizerera-o sem roderas,
e veremos o que Se pode arranjar.
O marqaez j nlo linha -vootade de rir ;
prncipiava a zangar-se, n|o obstante o en>
penho que linha em se dominar.
Basla-jyde tolices I disse elle cpm
lUBu de responder.
laEoiib^o da Sa.i.A e outbos
naoM :E tem respondido.
O Sb.4Mwistbo da Aowcpwt'BA : Os
sobres tpognidores do projecto que e
discute, senvfundamento e sen provowcSo
da mioha ^fine, estabetecWram desde o
principio o debate era terreno onde eu nlo
poieria jamis, pomo j disse, acompa-
nba-los.
O Sr. Andrade. Fioeira : Na optiao
deV. Exc.
O S. Ministro da Agricultura : Quan-
do allou pela primeira vez o nobre depu-
tado que me interrompe, en, edm a defe-
rencia e consideracia que ^empre lhe in-
hutei, fui prompto a subir tribuna dan-
do-lbe as explicacas que se dignou pedir-
madirectamente. r
Qaando o nobre deputado accapou pela
segunda vez a attenco da casa, foi o pro-
prio que disse qne apenaafazia nma pausa
oo sea diseorso aftm de continua-lo opportu
mente. Encerrou se calo a discussao, e
a opportonidade s veio na prsenle, que
a terceira. Conseguintemente "lo faltei,
nem podia ter faita{ia. consideraco que
devo ao nobre deputado, como a qualquer
collega, se inmediatamente que acabou de
fallar na 4 discosslo nao repondi-lbe.
Se logeapso discurso do nobre depu-
tado por S. Paut1 qbe discoo a questlo
dei-mo pres-a em v4r tribuna foi porque,
almdoaprecoera qoe o tenho, pedio tan-
be directamente expliccecsobre a emen-
da qu se acabava de apreseatar.
. J v o nobre- deputado pelo Rio de Ja-
neiro que nlo te*e razio para julgar-se o-
fendtdo em sua susceptibilidade.
Sr. presiiente. revolvida coino tem sido
a questlo em todos os sens elemen'os mo-
raes, econmico, administrativos, nlo te-
nho nscessidade do repetir samara o qoe
ella tanto sa .e.
Ningoem ignora qae a companhia da es-
trada de ferro de Pernambuco. tendo por
lim a eoostracclo desta obra do cidade do
Recife a Agoa-Preta,. gastoa a somma de
um railMo ortotentas e cincoentae mil libras
esterlinas na extenso de 12i kilmetros.
E' sabido que destecapital esta** garantido
cote o jaro de 7 OiC por parte do governo
geral do provinciat ot milhlo e 200 mil
libras. '
E' sabido qae en virtade de circumstan-
cias que ooeorreram e que a companhia
trouxe ao conbecimeoto do governo. jal-
goe eHa no caso do pedir ao mesnos
como favo*, como caneoslo, que o seu ca-
pital garantido fosse augmentad. E' tam-
bem sabidoqae o governo, a primeira vez,
qpando se lhe fez e.sse pedido, recosou in-
limine atindelo ; qoe-mais tarde, vollando
a companhia con sospexigeacia, mandon-se
proceder minuciosos exames, que sobre
estes se iostituio anda outro de qae foi
encarregado o Sr. engenheiro iriato de
Medeir'os, e que afinal admittio-se como con-
closo baver urna parte desse capital nlo
garantido que por ep,udade poderia merecer
e favor solicitado. Ptou-se em I......
485.64S essn parte.
Desde o Sr. Cansoslo de Siaimb en
1862, at-o-nea illaslaado antecessor oSr.
onselheiro Antlo, quas todos o honrados
cidadlo qoe oceuparam a pasta dos nego-
cios da agricultura, eatenderam que a pre-
tenclo da companhia da estrada, de ferro
de Peraambuco podia ser attendida. Houve
om que entendeu ata- levar a qpestao mais
adiante. E' sabido qoe o Sr. conselheiro
Domiciano, apoiado pelo presidente do con-
seibo do ministerio a que partencia, fez
questSo de confianca, exigmdo crdito para
o augmento- do capital garantido. Vencida
a questlo nesta caara, foi para o senado,
d'onde voltou na resoluclo qno se discute
en as- do anno passado, quando entrou
en discusslo que fleou pendente.
Foi nesles ternos, Sr. presidente, que
encontrei a qnestlo o nlo foi desenter-
ra-la do p do es ueciraento, onde jazia
condemnada pela opinio poblica, como
aprouve dizer ao nobre deputado pelo 4o
districto do Rio de Janeiro.
Achei a em 2a discusslo nesta cmara ;
achei-a fortalecida com o voto dos meus
venerandos collegas de gabinete na outra.
(Apoiados). Era taes circurastancias era
dever meu, como membro de um gabinete
qusserespeita, virpedr a esta augusta
cmara urna soluco qualquer. (Apoiados).
Qxa Voz:Sem duvida : o que nlo se
comprehendia era o adiamenio indefi-
nido.
O Sn. Ministro da Agricultura :O no-
Aoetro aponloB-ma como
mn'stro rHnxftto de unl.de meos
res, o finado Sr. conselheiro Paila
qoe eixou dormir esaa qoest, e
ella nada adiantoo.
Ea, Sr. presidente, peco vemrao nobre
deputado para dizer-lhe que seinelhante
meio de resolver as qnestes nao podera
jamis-aer seguido por quem,
prefere qualquer compromethmento, arada
arriscando saa posicio official, ao saerillcto
de seas deveres pblicos. (Apoiados).
O Sa. Correa oe Oliveira :Accertar,
ou recusar; olo havia meio termo.
0 Sr. Ministro da Agricultura :r
bem explcito, Sr. presidoole, a primaira
vez em que ti ve a bonra de occopar-me
deste assumuto perante esU augusta cma-
ra. Declarei que o gabinete nio fazia ques-
llo de confianca, por entender que as qoes-
les mioisteriaes deven ser estabelecioas
somente quando se trata de meios indispen-
saves de governo, quando se traa da solo-
Co das questes essenciaes vida do ga-
binete, entretanto qae a actual pela soa na-
tureza nao poda merecer esla honra.
Divirjo nesse ponto dos que a elevaram
altura da questlo ministerial.
O Sr. Anwiade Figubhva :Porque elies
entenderam que o governo eslava compro-
netlido.
O Sr. Minbtro oa Aomcoi-TunA :E ao-
bretudo, Sr. presidente, nlo devia, Bao po-,
da o gabinete estabelec la cono tal, desde
que apresentava-se a extenso da garanta
do capital da estrada de ferro de-Pernamr
buco cono un escndalo, cono una pro-
digalidade injastificavel, at cono urna im-
moralidade! Nao era possivel que o gabi-
nete devendo zelar a sua honra en urna
questlo que asskn se affigurava. paretesse
fazer presslo f obre a consciencia dos seus
amigos. Era do seu dever deixar-lhe ple-
na e ampia berdade no vola qae tivessem
de proferir em materia to melindrosa.
(Contitmor-s-ha).
LiTrERATMi
estrella continuasse a favoxece-lo, at con-
seguir xito feliz para a sua empreza, e
contava alm de todo isso cora o poder de
sedcelo, ou antes de fascinaclo, com que
a natureza o prendara bem largamente.
"Era j noule fechada quando o porteiro
deixou o marques e Lzaro no pateo grande
defrbntedo palaci \ para onde elle entrou s
carairas/
Ao ^bo de alguns minutos viram-ee pas-
ftaupiro.
A'.....
Mos teas labios porporinos,
Coralinos,
Onde alnejo dar um beijo,
Que desejp
Retractar nos sonho meus ;
Ai I consente,
S clemente, qu'eu intente
Embriagar-me.'
Nos teos olhos feiticeiros,
To brejeiros,
Onde alcaocq, n'uro relaoco,
Que de naanso
Se retracta o sol nascente ;
Ai! formse,
S piedosa, deixa airosa
Allumiar-me.
No tea seio perfumado,
Ho rosado.
Onde vejo, doce ensejo,
N'um lampejo.
Relractar-se a langae aurora ;
Ai esquiva,
Bella Diva, d qoe eu viva
A' nebriar-me.
Tea corpinho magestoso,
To mimoso.
Onde le qae ha enleio,
Por quem creio
No bater do peito meu ;
E", querida,
Minha vida, doce ermida
A' enamorar-me.
Quando a lyra triste tanjo,
Vejo arebanjo
Taa inagem. qual miragem,
Vir na aragem
Perfumar os cantos meus ;
E mioh'alma
Vejo, calma, dar-te a palma
E extasiar-se.
Pois que s bella, seductora,
Encantadora,
D que ao menos, nos meus trenos,
To serenos,
Eu te possa idolatrar;
Faz oh t Diva,
Rediviva, que eu s viva
Para amar-te.

<*Wi
modo impeeoao, onde sreelava a sua fi- sar^ rautas luzes^ por traz^ das janellas do
dalguia apezar do misero aspecto. Veja,
paleta, com quem est fallando, o mande
dizer ao conde de Rabn qoe seu' primo o
marjuez de Saint-Maixent lhe desoja tallar
immedatamente.
O porteiro ficou to estupefacto e apaler-
mado como um gato que, depois de haver
agarrado um rato, o visse transformarse
em cao de presa;
Quando vulven si do prhnefrd assom-
broj a cara, os gestos, a compostura e a
voz mudaram-se totalmente, saccedendo
mais descarada altive? o mais baixo servi-
lismo
Ah senhor marqwz f tartameleon
elle, senhor marqaez Soa ama best, um
alarve iadigno at da soa ira I ABnCoao
senhor marqaez que se soubse 'qum
era...
Nao metera ameacado com ama boa
tosa, creio bem, obterapareu Saint Maixeot
interrompendo-o. Forte palerma f Vamos
a acabar cora isto I Nlo me faca esperar
muito, e s assim lhe perdoarei o saaim-
qoalificavel procedimento. iuclo
O porteiro metteo com a rnab tremola
urna pesada'chave na masssa fechadura.
Abrio-se a grade, e a'.mrqtta Ljixaro
enirifjm afinal no roviofav recinto das
possesss do conde.
Sfaltv obter am bom acolhimento,
conservar o posto urna vez coq o'
nosso here linha ct?ga corraailct na sua
boa estrella, qoe o levara at ali, vencendo
as difflcaldadSs oade qtrafqaer otrtrb bVeria
SBccurobUlb ; ep'ema" q ssa raesola
O A *'i
andar terreo. Muitos criados, vestidos'Com
a libr de Rabn cujas cores eram preto,
encarnado e ooro, appareceram com casti-
caes no .alto da escadinb; nm sugeito, ga-
llardamente vestido, com ares de mordo-
mo, veio ao encontr do marquez, e djsse-
Ihe, depois de profunda reverencia:
, Se o snbor marqaez m'o permitte,
tW* honra de o condozr aos aposentos
do senhor conde.
Estoo ao seu dispr, voltou Saint Mai-
xnt. Itecemmendo-lhe, porm, antes de
fado o meu criado... accrescentou ind-
cando Lzaro. O pobre diabo esoapou tam-
bera como eu das mioa.de uns salteadores
que tentavam exigir pela oossa berdade
uhi rsgate avultado. Aguentamos as mais
redes pelejas, e trazemos dops das de ca-
minho :, necessta por eonseguinte de ali-
mento e de socego.
Pu> ficar descancado, senhor mar-
quez, hada Ibe ha de (altar; ea me encar-
rego de tudo.
13 de julho de 1870.
???
O mordomo conduzio Saint-Maixent pelo
meio de um salo immenso, oade caera
perfeitamente urna das nossas modernas
casas, com pateo, jardira e todas a suas
dependencias, e abri depois a porta de
urna sala mais pequea, onde o conde de
Rabn estava sozinbo, de p e imnovel-
encostado ao marmre n'um grande foglo.
O senhor marquez de Saint-Maixent !
annunciou o criado, qee se retirou imme
dialamente, fechando a porta.
Pelo que deixamos dito nos capitolos an-
teriores acerca do carcter do nosso bere,
ha de o leitor ter oraprehendido que nlo
era susceptvel de sentir commoces muilo
vivas, fossem ellas quaes fossem.
Todava, sentio pulsar o coraclo com
violencia, quando se vio danle de seu pri-
mo, na protecc5o de quem punha a sua nica
esperanca de futuro.
A compostura severa e preoecupada do
conde de Rahon, o silencio d'elle e at a
propria immobilidade, nlo eram sgnaos de
homagouro.
O marqaez teve alguns fsegundos de ver-
dadera angustia, e todo elle estremecen
com a idea d lhe poderem recusar a hos-
pitaldade que at entlo contara par certa,
o que to necessaria'be era.
Julgamos escusado accrescentar qne no
semblante do marquez nada se revelaba di
qob elle senta; antes pelo contrario, domi-
nando o abalo passageiro oom o seu costu-
mado artificio, cbamon aos labios um sornso,
Sain-Maixent fez um slgnal ao criada 9 aceremwe rpidamente do conde, estn-
penetrante ; nlo ergnea a mo para aportar
a do marqaez.
i Demonio demonio 1 disse este ani-
mo para?i. A coosa vai mal...
Chamo i Deas por testemunba, mea
Os criados, que tinbam apparecido com
as los, formavam dui fileiras no vestbu-
lo, grande e sonoro como a nev de umi
jgreja.1
M pissaj.Qjnarquez, toaos lles se lr-
naram respeltbsambte.Bastavaqaea visiu
fosse nobre e prente do seo amo para nao
repararen se qaer M m exquisita appa-
primo, de que bem quizera (eliclar-me pela
iua viada esta casa ; disse o conde de
Rahon con vo; grave,
.tNivu a#.
Senhor conde, bradoa Saint-Maixent com
altivez, o seu fri acolhimento parece in-
dcar-rae que sou demais aqai. Diga orna
s palavra n'este sentido, e desapparecerei
immediatamente da sua presenca.
Nlo. prim, nlo dir, porque men-
tira, e eu nlo costomo mentir volveu
o conde. O senhor melbor do quaniogoem,
deveria receber gasalbado cordial e franco
no casteilo dos meus avs... talvez ainda
ih'o possa dar... pelo menos assim o as-
pero. .. e accrescentarei que o desojo viva-
mente... Mas as circurastancias ospeciaes
e funestas que ,o senbor est collocado, tor-
nara necessaria, ou, para melbor dizer, in-
dispensavel, urna explicaclo entre nos. Pre-
ciso que rae d luz para investigar as trvas
que o rodeiam : preciso que me descubra
leal e francamente a sua alma e os miste-
rios da sua vida ; talvez que ao depois me
seja possivel apertar a sua mi* dizer-lbo
com o coraclo cheio de jobito : Bem viudo
seja. querido. primo E' sua esta casa :
djsponha 4'ella.
Saint-\Iaixenl respirou.
O que o fazia estremecer era o medo do
ser despedido inmediatamente e sem ap-
pellagao; porque em tal caso, toda a saa
habtlidade, todos os recursos do sea enge-
oho e da soa artificiosa hypocrisia, tenam
sido nullos para impedir o mais terrivel
desenlace, o anniqallarento definitivo das
suas esperancas.
Senhor conde, exclamoa o audax
intrigante.o mea proposito e tem sidd sem-
pre o dar-lbe para logo as explicacoes que
pede e qae tanto importara minha hon-
ra mea primo, o chefe da familia;
tem o coracSo e a intlligeacia altara da
sua insigne liohagem e da soa elevada po-
siclo. Acceito-o para juiz das minhas ac-
Cs'. Pergunte o que qoizer, ha car-,
teza de quew respoaderei como Deas res-
pondera ni hora da marte.
(Continuarse-ka)
\

TYP, 00 PARW RA. WHHgft CAXIA
..
i-j t


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E1BPG04LC_65SMGX INGEST_TIME 2013-09-19T21:56:45Z PACKAGE AA00011611_13087
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES