Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:13080


This item is only available as the following downloads:


Full Text

I
ANNO XLVI. NUMERO 150.
PABA A CAPITAL E LGAEES ONDE IAO SE PA6A POBTE.
Por tres mezes adiantados...... 6*000
Por seis ditoS dem .... ...... i^/ono
Por um anno dem.........'.".".'!!".'.".*.'.*.' 244000
Cada raumero avuiso..... !!!!! i 320
QUINTA FEIRA 7 DE JULHO DE 1870.
PABA DENTBO E FttA DA PBOVHCIA.
For tres mezes adiantaos................. 6075a
Itor seis ditos idem......... :......... 13J50O
Por Dove ditos idem .-.................. 20J260
Por am anno idem................... 27|JOO&
Propriedade de Manoel Figueida de Faria & Fflhos.
SAO AGE
*
Os Srs. Gerardo Antonio Alves Filhos, no Para
OTE:
; Gongalves Pinto, no Maranh3o ; Joaquim Jos de Oliveira, no Cear ; Antonio teLemos Braga, no Aracaty ; Joao Mara Julio Chaves, no Ass ; Antonio Marques da Silva, no Natal; Jos Justino
Pereira d'AImeida, em Mamanguape; Antonio Alexandrino de Lima, na>arahyba ; Antonio Jos'Gomes, na Vfli da Penba; Belarnino dos Santos Buido, em Santo Antao; Domingos Jos da Costa Braga,
?.m Nazareth ; Francisco Tavares da Costa, em Alagoas; Dr. Jos Martins Alves, na Babia ; e Jos Ribeiro Gasparinho no Rio de Janeiro.
PARTE OFFICIAL
Governo da provincia.
EXPEDIENTK ASSIUXADO PEI.O EXM. SU. SECADOR FRE-
DSBICO DR ALMilDA E ALEUQUERQUE, PRESIDENTE
DA PROTINCIA KM 43 DE FKVKREIRO DE 1870.
1* secgio.
X. 798.Dita ao director do arsenal da guerra.
Uespoodo ao offlcio que V. S. me dirigi era 23
do correla soh n. Si, declarando-lhe que approvo
a designaco que fez de Leopoldno Alfonso Fer
reir para exercer interinamente as funegoas de
apontador desse arsenal, percebend os venei-
uienlos corresponilentes at que seja prvido dito
lugar.
2" secgao.
y. 800.Offlcio ao presidente do supremo tribu-
nal de justiga.Levo ao conheeimento de V. Exc.
que segundo participou o juiz dedi'eito da comar-
ca de Pao d'Alho hachare! Vicente Ferreira Go-
mes, em offlcio de 15 do crrente nessa data re-
assuraio o exercicio das funecSes de seu cargo.
N. 801. Portara ao Dr." chele de polica.
Xesla data ordeno ao inspector da sado que man-
de preparar urna ambalancia com remedios, para
com o respectivo receituario ser enviada ao dele-
gado do termo le Ouricury, onde segundo offlcio
de V. S. de 23 do correte sob n. 268, est gras
ando urna febre de mo carcter, podeodo V. S.
autorizar* mesmo delegado encarregar o cida-
cado, da applicacao dos medicamentos nos enfer-
mos pobres.
N. 802. Dita ao comraandante superior interi-
no da guarda nacional de Cabrob. Devolvo
V. S. as folltas inclusa-; dos veucimentos do offl-
cial commandante do destacamento da villa de Gra-
oto, relativos ao mez de bezembro ultimo, de que
trata o seu offlcio de 13 do. mez lindo, visto dever
o pagamento ser feito pela colletoria do Grato, de
conformidad com as ordens expedidas, das quaes
!f. 803. Dita ao commandante do batalhio n.
15_de Iiamb.Devolvo a Vine, a peticao do ca-
pitio Jos Faustino Cavaljante de Alouq'uerque de
que trata o seu offlcio de 10 do*correte, para
que venha por intermedio do commandante supe-
rior.
. 804.Dita ao juiz municipal da vara des-
Ja cidade.Devolva Vmc. a peticao de Manoel de
Luna Freir contador e partidor do juizo de or-
pilaos que por despacho de 10 do correte Ihe foi
remettida para informar.
X. 805.Dita ao promotor publico da comarca
do Cabo.Transmuto a Vine, as copias juntas do
offlcio e documento que deixaram de acompanhar
a portara de 19 do mez ndo, (cando assira res-
pondido o seu offlcio de 23 do corriente.
N. 806.Dita ao commandante do corpo provi-
sorio de polica.Faca Vmc. apresentar no da 26
do rorrete s 6 horas da manha ao Dr. chele de
polica urna escolta suficiente commaodada por
oQicial do confianca para condnzir ao termo de
Itamb os criminosos Pedro Jos Rodrigues, Ma-
noel Pereira de Luna e Tiburtino Jos dos Santos
que all vio responder ao jury.
3* secgio.
I. 807.Portara ao inspector da thesourarla
de fazeiida.Depois de liquidada em vista do re-
cibo juoto em duplicata, a despeza proveniente do
aluguel da casa, que servio de quartel ao destaca-
mento da villa de Cabrob, a contar do 1 de maio
do aooo prximo passado a Janeiro ultimo, mande
V. S. pagar a sua importancia a Dinamerico Au-
gusto do Reg Raogel, para esse flm indicado
pelo chefe de polica em offlcia de 23 do corrate
sob n. 263.
X. 808.Dita ao mesmo.Anioriso V. S. de
conformidade com o final de sua informagio de 23
do correle o. 136, a mandar despender sob minha
rosponsabilidade, nos termos do decreto n. 2881
do 1" de fevereiro de 1862 a quantia de 6:217800,
com o pagamento dos vencimentos at junho pr-
ximo vndouro dos ofliciaes e [iracas prisioneiros
de guerra paraguayos, visto nao haver crdito
para esse pagamento na verba despezas even-
tuaes do ministerio da guerra no actual do exer-
cicio segunda consla da citada inormagio.
X. 809.Dita ao mesmo.Coiiimu-.k'o a V. S.
para os devidos fitis qu? segundo participou o
juiz municipal a de orphabs do termo de Cimbres
bacharel Joio Vieira da Araajo, em ofllcio de 11
do corrente, nesta data deixou o exercicio do dito
cargo, por ter de seguir para esta capital tomar
assento na a X. 810.Dita ao mesmo. Tendo ne*ta data ap-
provado a designago qu1* tez o director do arse-
nal de guerra da Leopoldo Aflonso Ferreira para
servir interinamente o lugar de apontador d'aquel-
le arsenal, percebendo os vencimentos correspon-
dentes, at que seja prvido o referido lugar,
assira o communico a V. S. para seu conheci-
mento.
X. 811.Dita so mesmo.Communico a V. S.
para os devidos fins que segundo participou o
juiz oe directo da comarca de Pan d'Alho, bacharel
Vicente Ferreira Gomes, em ol;o de 15 deste
mez, n'essa daia reassumio o exercicio das func-
g>s de dito cargo.
X. 812.Dita ao mesmo.Expega V. S. as con-
venientes ordens para que no dia 1 de margo vn-
douro se passe revista de m ostra ao Io batalhao
de artilharia da guarda nacional que se aclia
aquartelado no Hospicio.
N. 813.Dita ao mesmo. Communico a V. S.
para seu conhecimento, que segundo coasta do
offlcio do brigadelro commandante das armas,
fallecen nesta data, no dia 19 do crreme e foi
sepultado no ceraiterio publico o major graduado,
reformado do exercito Jos Hermenegildo Leal
Ferreira.
X. 814Dita ao inspector da thesouraria pro-
vincial.Com a informagao junta p>r copia, do
subdelegado do 2' districto de Gameleira, a que
se refere a do chele de polica, datada de 23 do,
corrente, e sob o n. 265, respondo ao offlcio que
V. S. me dirigi, em 11 de dezembro do anno pr-
ximo passado, sob n. 762, acerca do aluguel da
casa, que servio de quartel ao destacamento exis-
tente n'&quella povoacao.
. 815.Dita ao mesmo. Recomroendo a V.
S. que em vista do recibo junto em duplicata,
mande liquidar a despeza correspondente ao alu-
guel, vencido de julho do anno prximo passado
a Janeiro ultimo, da casa que serve de cadeia na
villa de Cabrob, e pagar a sua importancia a Di-
namerico Augusto do Reg Raogel, cunarme sol i-
citou o chefe de polica em offlcio de 23 do cor-
rete sob o. 263.
4' seccae.
X. 8M>.PoTlaria a cmara municipal do Re-
cife.Declaro a cmara municipal do Recife para
seu conhecimeato e em resposta ao seu offlcio de
conformidade com o art. 78 do regulamento de 2
de jonho de 1854, nomeei os Dr Augusto Frede-
rico d'Oliveira, Joaquim Goncalves Lima e Rvd.
Dr. Loiz Ferreira Nobre Pelinca para em corarais-
sao proceder no ceraiterio publico, aos exames
de que trata o citado offlcio,
N. 817.Dita ao inspector da saude publica.
Mande Vmc. preparar cora urgencia urna ambu-
laocia com remedios apropriados ao tratamento
das (abres de mao carcter que segundo offlcio
junto por copia do delegado do termo do Ouricary
a que alinde o Dr. chele de polica, n. 268 de
23 do corrate est grassando n'aquello termo,
mandando igualmente o receituario que deve ser
seguido.
X. 818.Dita ao conego Luiz Ferreira Nobre
Pelinca.Tendo por deliberado desta data e de
conformidade cora o art. 78 do regulamento do
cemiterio publico de 2 de jonh-i de 1834, neraeado
uraa commisso composla de V. Rvma. e dos Drs.
Joaquim Gonjalves Lima e Augusto Frederico de
Oliveira, para proceder no mesmo cemiterio do
exarae e "que trata o citado artigo; asim Ih'o
communico para seu conhecimento esperando que
se prestara a esse trabalho com o zelo que cos-
tuma.
Igual aos Drs. Joaquim Gongalves Lima e Au-
gusto Frederico de Oliveira.
X. 819.Deliberado.O presidente dp provin-
cia de copformidade com o art. 78 do regulamento
do cemiterio publico de 2 de junho de 1854, re-
olveu nomear urna commisso corapesta dos Drs.
Augusto Frederico de Oliveira, JoaquiraGongalves
Lira* e Rvd Dr. Luiz Ferreira Nobre Pelinca, para
proceder no mesmo cemiterio ao exme de que
trata u citado artigo.
KXPKDIIiNTK ASlfiN.YOO PELO 0FFICIAL-MUOR R.
A.NT0NI1 A. J. PlRRS. NI IMPEDIMENTO DI SECRE-
TARIO DJ GOVERNO, EM 25 DE FEVEREIRO DE
1870.
1* secgao.
X. 820.O.'flcio ao Exm. ^Sr. general comman-
dante das armas.O Exm. Sr. presidente da pro-
vincia, respondendo ao offlcio de V. Exc. datado
do 18 do corrente, sob n. 97, manda declarar
que, a thesouraria de fazenda lera ordem para
pagar opportunaniente at junho prximo vin-Jou-
ro os vencimentos constantes do citado offlcio.
2* secgao,
N. 821.Offlcio ao Dr. rhefe de polica. O
Exm. Sr. presidente da, provincia manda declarar
a V. S. que nesta data se expedio ordem ao com-
mandante do corpo provisorio de polica para lhe
ser presentada no dia 26 dnc orrente, pelas 6
horas da matihaa, urna escolta sufflciente cora-
mandada por offlal de conllanga para a condn-
gao dos criminos de que trata o seu offlcio de 24
do corrente.
N. 822.Dito ao mesmo. S. Exc. o Sr. presi-
dente d provincia manda declarar a V. S., em
resposta ao seu oflkio de 23 do correte, sob o.
263. que as thesourarias geral e. provincial teera
ordem para pagar a Dinamerico Augusto do Reg
Rangel os alugueis das casas de que trata o citado
offlcio.
X. 823.D iia ao commandante superior interi-
no da guarda uacinal do Recife. Da ordem do
Exm. Sr. presidente da pooviocia. declaro a V. S.
que fieara expedidas as convenientes ordens para
que, no da 1 de margo vndouro, se passe revista
de mostra ao 1 batalbjio de artilharia da guarda
nacional que se acha aquartelado.
N. 824.Dita, ao ;Sr. Dr. Viceute Ferreira Go-
mes, jniz de direilo da comarca de Pao d,Alho.
O Exm. Sr. presidente da provincia manda decla-
rar, em resposta ao seu offlcio de 15 do correnie,
que flea inteirado de ter V. S. nessa data reas-
sumido o exercicio das Tuneces do seu cargo.
N. 825.Do ao juiz municipal do termo de
Cimbres. O Exm. Sr. presidente da proviniia
manda declarar lhe que tcon inteirado pelo seu
offlcio d-j 11 do corrente de ter V, S. nessa data
deixado o exercicio dos cargos de juiz municipal
e delegado do termo de Cimbres por ter de seguir
para esta capital a tomar asseoto na assembla
provincial.
3o sessao.
N. 827.Dito a Antonio Lins do Amaral, chefe
da secgao da ihesouraria de fazenda .Da ordem
deS, Exc. o Sr. presidente da provincia, declaro
a V. S., em resposta ao seu offlcio desta data, que
transmittio-se ao Exm. Sr. ministro da marinha o
relatorio e quadro que veio annexo ao seu citado
offlcio.
4" secgao.
N. 828.Offlcio a Eduardo fornay.Ao offlcio
por V. S. dirigido ao Exm. Sr. pr< sidente da pre-
sidente da provincia, em data de 23 do corrente e
hontem rec-bilo, me determina o mesmo Exm.
Sr. que lhe responda pelo modo seguinte :
Que os dous arbitramentos sao separados, mas
que tendo o arbitro da provincia declarado que,
para dar o seu laudo na 1* questo, lhe era indis-
pen-ave! examinar a 2\ visto ser elle tamhera o
arbitro della, e julgando attendivel semelhante
observagao, assira o determinou como a V. S.
o commuciquei.
Q te esta medida nao se oppoe de modo algnm
ao que etfa estipulado no acto da rescisao. Sao
qnestoes relativas execugao, que, urna vez que
nao olfendm e prejudiquem ao que se tratou,
derem ser resolvdas pela presidencia, como resol-
vido est. A allegacao que 'ei V. S. de que nao
se poda tratar j ds '2o arbitramento, nao procede.
Os trabalho* que teem de ser avahados existen) na
secretaria da presidencia : o mais deve sec sup-
prido pelas suas nformagdes ou pelas do seu ar-
bitro
Xas conferencias verbaes V. S. fallou na brevi-
dade do Io arbitramento, mas nunca se oppoz a
que se trata' se logo do 2o, e se tivesse boas razes
que o impossibilitassem de concorrer logo para
elle, as deveria ter allegado, e at pedira que no
termo de rescisao se consignasse semelhante pen-
smenlo.
Quant) brevidade do 10 arbitramento, ella ha
de ter lugar, questao de poucos dias; salvo se
V. S. nao tratar de nomear j o seu arbitro para
2o arbitramento.
A V. S. ser impossivel provar que o proced-
ment da pres.aencia neste assumpto contm in-
novagSes do que se tratou.
Nem do termo da rescisao do contrato, e nem
mesmo as conferencias verbaes se tratou que o
2 arbitramento fosse demorado vontade de
V. S.
Quanto promptido do pagamento da indem-
nisagao do primeiro arbitramente, ella tera lugar
immedi; lamente depois que se verificar o mesmo
arbitramento.
Fnalmenta o Exib. Sr. presidente manda decla-
rar a V. S.. que "sempre que quizer reclamar
contra qualquer providencia tomada pela presi-
dencia o deve fazer, nao por^ofllcio e sim por meio
de requerimento.
A correspondencia por offlcios s tejn lugar en-
,re autoridades ou funcionarios pblicos.
por dito de outras bebidas espirituosas,
11.20 ris por caada de vinagre importa-"] 1J. 418 rs. por gramma
do e consumido na provincia. lado emobraj.uadas ou fundida
10.800 ris por arroba de sabo iJem e 200
ris por dito exportado.
PERNAMBCO.
ASSEMBLEA PROVINCIAL.
SESSAO ORDINARIA EM 15 DE" JUNHO.
PRESIDENCIA DO SR. DR. AGUIAR.
(Continuacao).
Art. 16. Para as despezas flxadas no art. 1* da
presente le. tica autorisada a arrecadagao dos se-
grales impostos :
8 1.a5 por canto o algodao exportado.
8 290ris por arroba de awucar expor-
tado, i
3.'20 ris por caada de agurdente e al-
cool idem.
8 4.30 ris idem de rael de furo idem.
,| 8*800 ris por couro idem.
I 6.3 par cento dos demais gneros idem.
7. 30 por escravo exportado, gurdala a
disposigo da le n. 431 art. 41.
8 8.100 ris por libra de tabaco fabricado e
00 ris pela nao fabricado importada e consumida
na provinco.
8 9."M por railheiro de otiaru.109 e 500 ris
por dito d.e cigarro idem.
| 12.80 ris por caada de genebra e licores
e 50 ris por dita de ontras bebidas espirituosas
idem.
13.11500 por oUava de onro exportado ftm
obras usadas ou fundidas ; 100 ris por dita de
prata idem; 120 ris por.libra da cobre oa*lato
idem ; 80 ris por libra de chambo idem.
14.150 ris por caada de agurdente con-
sumida oa provincia.
15.2500 por cabega de gado vaceura con-
sumido na provincia, eom excepcao dos criadores
as comarcas do bonito. Caruar, Garanhuns,
Brejo, Flores. Tacarat, Cabrob, Boa*Vista e fre-
guez:a de Taquaretinga ; sendo este imposto de
1*900 em Pedras de Fogo.
16.800 ris por cabega de gado vaceum e
cavallar, cobrados as fazendas d* criagao na oc-
casio da partidla animal, era substituigao do di-
zimo.
17.Decima dos predios urbanos nos ter-
mos da le n. 852 8 18 dos arts. 43 e 769, art. 3.
18.30* do valor das rendas de escravos, ex-
ceptuando os menores que forem vendidos com as
mais, devendo, porm, pagar proporcionalmente o
imposto quando a venda for de partes, ou houver
dilTerenga de prego as permutas, e sendo este
imposto de 60*, quando a venda se cffecluar por
procurador, pagos por este.
8 19. 50* por cada corretor ou inculcador de
escravos nos termos do 8 19 do art. 48 da lei
n. 891.
20.10 por cento do sello de heranca e lega-
dosdentro do primeiro grao, e dahi por diante 15
e 5 por cento sobre a doagao de qualquer es-
pecie.
21.lOpor cento de novos e velhos direitos,
por nomeaco, apnsentadonas e remogio de em-
pregados provnciaes.
22 5 por cento de premios de loteras maiores
de 900*.
23.-5:000*000 por cada casa qoe vender
bilhet de loteras da corte e de outras provin-
cias.
24.-5 por cento sobre as rendas de bens de
raz, de corporagdes de mao mora, exceptuadas
as que mantera estabeleciraentos pi.
25.20 por cento sobre as casas em que se
acharem estabelecimentos de commercio reta-
lho ou de recolher, fabricas de rap, depsitos pe-
queos ou armaiens de algodao, licando isentos
os que nao tiverem eaixeiros estrangeiros.
26.-8 por ceoto sobre as rendas das casas era
que se acharem consultorios, escriptorios e carto-
rios, inclusive os solicitadores de causas dos ter-
mos do art. 45 17 da lei o. 687
27. -4 por cento sobre as rendas das casas
em que se acharem ostabelecimen os commerciaes
fra da cidade do Recife, assim como das casas
era qne se acharem em toda a provincia typogra-
phia?, photographias, hoteis, botequins, casas.de
pasto, roclieiras, cavallarices de aluguel e fabricas,
exceptuadas as ruraes
28.400* por casas bancarias, companhias
anonymas e agencias, 200* por casas de cambio e
300* por casa de penhores.
29.100* por casa que vender roupa feita,
selins e obras de marcenara feito3 em paiz es-
ttangeiro.
30.-100*000 por cada corretor commercial,
agentes de leiles e casas de compra e venda ou
qualquer transaccao sobre escravos.
til.30*000 por casa de mceda de qualquer
especie.
| 32.30000 por casa de um s buhar e mais
20* por cada bilhar.
33.1 por cento do valor do objectos vendi-
dos em leilan, inclusive os judicaes.
34.-30*000 por cada escravo empregado no
servigo de alvarengas e canoas de carga e descar-
ga do porto.
33.-10*000 por tonelada de alvarenga e ca-
noas empreadas era servir de carga e descarga
de navios.
36.-1*000 por bote, catraia, baleeras e ca-
nois empregadas no servigo do porto e navegago
des rios.
37.-2*000 por escravo- ganhador na cidade
do Recife.
38.-16*000 por carro particular de 4 ro-
das, 10* por dito de 2 rodas e 30| por carro de
aluguel.
39.-25*000 por cada mnibus e 30* por
carro fnebre de primeira classe e 20* pelos de
outras.
40.-6*000 por carroca ou vehculo, nao
coraprehendidts nos paragraphos anteriores, ex-
cepto os que forem erapregados no trabalho da ia-
voura.
41. 6*000 por cavallo de aluguel.
42.-5 por cento sobre a venda do capim na
cidade do Recife.
43.-1:000*000 por cada joalheiro estrangeiro
que mascalear na piovincia e 500* se o joalheiro
for brasileiro.
44.-100*000 por cada estrangeiro que mas-
calear na provincia com fazendas, miudezas, quin-
quilleras e oulros quaesquer objectos.
S 45.Matricula da escola normal.
46.Pedagios de pontes e estradas.
47.Bons de evento.
S 48.Emolumento e aprehensao da polica.
49.Multas por infraegoes.
i 50.Emolumentos das repartigoas provn-
ciaes.
8 51.Restituiges e reposigoes.
S 52.Divida activa.
53 Metade da divida anterior ao 1 do ju-
lho de 1836.
54.Producto de venda e renda dos gneros,
utencilios e proprios provinciaes.
55.Producto do imposto creado pela lei n.
350 e 596. rt. 57.
56Saldo dos premios das loteras pros-
criptas.
| 57.Cusas arrecadadas pelo joizo dos feitos.
58.Juros de 9 por cento pela indevida de-
tengo das rendas.
59.-5 por centi sobre o valor de empreza ou
contratos que forem transferidos, se este valor for
at 100:000*, 2 por cento at 300:000* e dahi por
diante 1/2 por cento.
O SR. OLIVEIRA FOXCECA requer a proroga-
gao da hora para continuar a discussao do orna-
mento.
E' approvado o requerimento.
Vao mesa e apoiara-se as seguinte-s emen-
das :
a 2.6 rs. por kilogrammo de assucar expor-
tado.
o 3."8 rs. por litro de agurdenle e alcool,
idem.
. 4.12 rs. por dito de mel de forb. idasa,
G. Y>rnmmond. Vello Reg.So*za Leao.
< 7.Accreacente-se 30* por cada escravo
importado de ouira provincia, com a excepgao dos
que vierem em compiuhla de seus senhores, quan-
do estes venhara residir nesta provincia. Rufino
de Alnada.
i | 8,218 rs. por kilogrammo de tabaco fa-
bricado, e 41 por dito nao fabricado, importado e
consummido na provincia
10.55 t. por kilogrammo de sabio, idern
e 14 rs. por dito exportado.
g 11.8 rs. por litro de vinagre importado e
consummido na provincia.
1231 rs. por litro, $o genebra e Kcores.e
91 rs.
dem.
de onro expos-
as ; 28 rs. por dita
de prnta/ldem ; 26 rs." por kibgraram) de cobre
ou iHioidem, e485rs. por dilo de chumbo idem,
Mello Reg.Souza-Uno.
' Digl-M 2* por oitava de ouro exportado
Dr. Mavm do Rerfx
' 8 '4*>7_ rs. por litro do agurdente de pro-
ilucg do p.iiz, consummida na provincia. G.
Drummond-Mfflo Hego.-Souza.Uo.
i 16. Suostitna-se este paragrapho por
este;O dizimo do gado toecum cobrado oas
comarcas da provincia em que este imposto tem
sido cobrado por annis anteriores.Oliveira Fon-
ceca.
ar, cobrado as fazenlas de creaco, cmo as
leis anteriores. Antinio Paulino. Vieira de
Mello.
' \ 19.Era vez de 50*, diga-se 100*.Anto-
nio fnulino.
Era vez de 50*, dija-se 100*. Pernambuco
Filho.
| O.Supprimam-se as palavras finaes : e
5 0/0 sobre doagao de qualquer especie.Antonio
Paulino,
Accrescente se, com xcepgo dos que forem
feitos as ssociagoes para emancipagao dos escra-
vos.Rufino de Ahneida.
O projeclo n. 7-7 desie anno.Vieira de A-
raujo.
, 8 23.Accresceote-se,5:000* por garantas
de bilhetes da provincia. Antonio Paulino. Dr.
Manoel do Reg.
8 25.Acrescente-sedapois di palavra al-
godaoe trapiche*, e supnraa-se o final do para-
grapho comegaado na palavrafcando.Dr. Ma-
noel do Reg.
* Era vez das palavrasIcando Isentos os que
oab tiverem caweiros estranfeiros, diga-seflean-
do isentos os que s tiverem eaixeiros nacionaes.
P'rnambuco Fdho.
' 117.Sprima-se a palavra typographica, e
acreseante-soas que tiverem 10 discpulos em
constante aprendisagem.Rufino de Almeida.
$ 28i Em vez de 300* sobre casas de pe-
nhoresdiga-se 1:000*.Pa/o Jnior.Figuei-
roa.
t Em vez de 300* por casa de penhores, dga-
se 1:000*.C. de Araujo.Dr. Manol do Reg.
E dous contos de reis sobre cada casa de
vender plvora. G. Daummond.J. Mello Reg.
| 30.Substitutivo.100* por cada correc-
tor commercial e agentes de leifoej ei:000* por
casas de compra e venda ou qualquer transaccao
sobre escravos.C. de Araujo.r. Manoel do Re-
g.Antonio Paulino.Vieira de Mello.
g 30.Onde diz 100* por cada corredor com-
mercial, accrescente-se: inclusive os eaixeiros dos
mesraos, coohecidos pelo appellido de zangoes.
Rufino de Almeida.
8-30.Em vez da 100* por casa de compra e
venda oU qualquer transaccao sobre escravos, di-
ga-se 300.iiu/fno de Almeida.
' 30.Depois da palavralelflesdiga-se :
e 5003 por cada casa de compra e venda de es-
cravos, por eonta propina ou por commisso.
Pernambuco Filho.A. Cavalcante.
S 33.Accrescente-s; a palavra objectos: im-
moveis e semoventes.Vieira de Araujo.
39.40* por carro fnebre de classe.
Dr. Manoel do Reg.
41.10* por cavallo de aluguel. Dr. Ma-
noel do Reg.
g 43.-Era vez de 1:000* dga-se 5:009* ; e
em vez de 500S diga-se 200J.Antonio Paulino.
Dr. Mantel do Reg.Vieira de Mello.E. A. de
Oliveira.
t g 43.Era vez de 1:000* por cada joalheiro
estraageiro que mascalear na provincia, diga-se
2:000.Rufino de Almeida.
g 43. Substitutivo 2:000* por cada joalhei-
ro ou caixeiro do mesmo quo tnascatear na pro-
vincia, exceptuados, porm, os quo se acharem es-
tabeledos na provincia ha mais de seis anno?, os
quaes pagaro 300* por cada pessoa ou caixeiro
que empregarem em mascalear. Henrique la-
mede.
43.Depois da palavraestrangeiro, diga-
se ou caixeiro do mesmo. Dr. Manoel do
Reg.
U SR. F. DE FIGEROA faz algumas consi-
deragoes era justilicacao da seguinte emenda.
Addilivo ao art. 161/10 por 0/0 sobre o va-
lor dos predios segurados as companhias de se-
guros, devendo a impasigo srr cobrado dessas
mesraas companhias.Figueiroa. >
O SR. OLIVF1RA FO.NCECA faz algumas con-
sderagfles era justilicago da emenda que offere-
ceu.
Verificando-se nao haver numero fica a discus-
sao adiada.
O SU. PRESIDENTE designa a ordem do dia e
levanta-se a.sesaab.
Voltou esta capital a consternada familia do
finado e deu conhecimento da opinio dos m-
dicos da Baha seus numerosos membros. que
fulminados por tao horrivel nova, porfiaram em
descobrir o autor ou autores de crime tao br-
baro.
O procedlmento que, durante a curta auzencia
da familia, livora o escravo Eduardo, do servigo
intimo dos filalos irmaos, procurando acodada-
mente e sem motivo, qaam o comprasse, pis nao
quera mais servir familia S e Albuquerque, e
outras circumstaacias chamaram a attengSo par
este escravo, que pedido de um lllho do flnado
Joao de S, foi recolhido casa de detenco.
Q.iatro dias depois foi o dito escravo re.irado da
detencao, e condnzido para oengenlio Guararapes,
do Exm. Sr. baro do mesmo nome.
.Ali chegado, foi posto era um tronco, prisao usa-
dapara seguranga dos escravos da fazenda, e conti-
nuando as pesquisas e indagacSes para descobri-
ment do autor do fado criminoso, todas as sos-
peilas convergiram para o escravo Eduardo, que
afinal declarou-se autor principal "do horrendo
crime, que arrancn deste mondo dous expelien-
tes pas de familias, ambos aioda no vigor da vida,
victimas ambos do veneno que lhe propinara aquel-
la fra, que com mimo fra por elles criado I
Apenas se deu a conftssao do escravo, o Exm.
Sr. Barao de Guararapes o conduzio para esta ci-
dade, e o apresentou ao Sr. Dr. chefe de polica,
narrando-lhe tudo quanto lnha. occorrido acerca
do fado, de que se confessra autor o dito escra-
vo, o qual em publica audiencia foi ante-hontem
interrogado pe|o Sr. Dr. chefe de po licia, perante
numeroso e destinelo auditorio.
O interrogado representa ter 25 annos de idade,
de cor preta, estatura pequea, corapleico fra-
ea, semblante agradavel e onar sereno; mostra-se
calmo. Trajava camisa de madapola, caiga de
casimira preta, o Raqueta de alpaca da mesma
cor.
Tem o punho e mao direita ioflammados, achan-
do-se no mesmo estado ambos os ps e arterias,
m consequencia de sua estada em um tronco, ou
prisao semelhante.
Advertido pelo Sr. J)r. chefe de polica de que
devia considerar-se livre de qualquer castigo, que
debaixo da proteegao da lei, como eslava, nin-
guem lhe faria mal lgum, e que assim dissesse lio
smdute a verdade, respondeu com o maior san-
BEVTSTA DIARIA.
CRIME HORRENDO POR EXVEXEXAMENTO.
Sobre este horrivel crime, perpetrado contra
dous chefes de familias respeitaveis desta provin-
cia, dissemos hontem algumas palavras de simples
noticiario acerca do que consta va na repartigo da
polica.
Entendemos que era caso tio grave, como esle,
o sigyllo necassario, eraquanto a polica nao co-
in todas as ponas dos (ios, que a devera levar ao
conhecimento perfeilo da verdade ; e por isso, no
que hontem dissemos, nao quizeraos deixar co-
nhecer quaes os noraes dos que eram, com razao
ou sem ella, aponudos como cmplices desse tra-
ma infernal.
Nao tendo, porem, pensado assim um ootro nos-
so collega da imprensa diaria desta capital, que
noticiando o facto, o fez com quasi todas as cir-
cunstancias narradas pelo indignado criminoso, e
at declarando o nome de um cmplice, que an-
da ub eslava sob a acgo da polica, somos forja-
dos a irazer por nossa vez, ao conhecimento de
nossos leltores, o que temos presenciado na au-
diencia publica do Dr. chefe de polica, relativa-
mente ao facto que hoje prende a attonfo pu-
blica.
E' sabido que o teneote-coronel Joao de S, che-
fe de urna das mais respeitaveis familias desta
provincii, suceumbio em prazo breve orna affec-
g}o cerebral, que nao pode ser qualieada no nu-
mero das molestias conhecidas, pelos habis mdi-
cos que o assistirsm.
Tamben} sabido qu9, poucos dias depois da
morte do teneote-coronel Joao de S, seu irmao e
genro Dr. Victoriano de S, foi atacado do mesmo
mal, que apresentando os raesmos symplomas e a
mesma marcha", em poucos dias o levoo sepul-
tura. A' coosellio dos mdicos, que cuidavam do
infeliz Qy.. Victoriano, embarcara este para a Ba-
bia no fapor americano, com a intengo de, obti-
da alguna melliora, seguir dali para a Europa.
Algumas horas antes' de ebegar o vapor BahiaJ
fallaceu o doente, que leve de ser sepultado na-
quella cidade. Os mdicos que ali t^veiam de exa-
minar o cadver para satisfazer-se os regulamen-
tos da polica, ouviram sobre os symplomas do
mal ao hbil medico homepata, qu acompanha-
va o enfermo, e ei\ face d seu relatorio, conclui-
rn! que havia fundadas suscitas, de que fra
victima de um veneno, quo ui.o podiam coahecer
sem a autopsia : este aclo, porra, se oppoz a
familia do morto.
gue fro e presenga djj espirito todas as pergun-
tas que lhe foram fetas, explicaudo todas as cir-
cnmsiancias, e mostrando ser dotado de intelli-
gencia um pouco esclarecida.
Uesumindo o que ouvimos de seu interrogatorio,
exporemos o que elle narrou.
Disse que Manoel Cmarao, escravo do Sr. coro-
nel Gaspar, de Quitinduba, o convidara para en-
venenar seus dous senhores, teen te-coronel
Joao de S e Di*. Victoriano deS; que-em princi-
pio se negara isto, mas qne, tendo sua mai,
quem consultara, lhe dito qne se era para sen
bem o izesse, elle aceitou o convite de Carnario,
e dalla recebera dons fraseos, um peqnenino e
ootro maior, ciiendo ambos um liquido braaco;
que comegra primeiro a envenenar o teoenie
coronel Joao de S, langando por diversas- vezes
do liquido do vidro pequeo, ora na sopa, ora na
agua, e algumas vezes no caf preto, de que era
o flnado amante; que, depois que inorrera o l-
ente coronal Joio de S, preparou-se para fa-
zer a mesma applicagao ao Dr. Victoriano ; e, sa-
bendo que este se retirava desta cidade para o eo-
genho, na occasio em que elle tomou caf, antes
de partir para o caminho de ferro, lhe propinou
urna dote forte (palavras textuaes do interrogado),
pondo no caf urna colh'r de cha do liquido do
frasco maior, por j terse acabado o do mais pe-
queo.
Quej para nao confundir as chicaras de caf, na
occasia i em que o lnha de servir s suas victi-
mas de mistura com ouiras pessoas, as marcava,
deixando ticar dentro a colhr.
* Que urna vez ministrara por engao urna des-
tas chaveuas de cafe um de seus senhores mo-
gos, que a nao liebeu, por ter notado mo gosto
no caf, e por isso 6 regeitado.
Que Azara tddo isto por que Manoel Carnario
lhe prometiera, em nome de Gaspar, a alforria,
constando lhe que dito Carnario ja havia dado
l:O00*Of)0 a mai delle respndeme.
Qi'a procurara qnem o eemorasse, por que as-
sim lhe seria mais fcil realisar a sua alforria,
sem niitguem desconfiar ciusa algumi.
Que cjstumava guardar os frasquinhos do ve-
neno por iraz de uraa jarra d'agua, que havia na
salla de jantar da casa em que residiam seus se-
nhores nosta cidade.
Referi militas ouiras circumstancias, que nao
interessam sean justiga publica em suas ulte-
riores investigagoes.
perfume que encerrara esses doces Furos *
Travos.
CLUB POPULARHaver hoje sessio familiar,
sido a ordem do dia revista de jornaes, do Dr!
Xobre ; prelaegao spbre a eonstituigio do imperio
pelo Dr. Torres Bandeira,.
EXEQUIASNaqoe acamara municipal d>
Recita-manda celebrar no dia 15 do correnie, ni
greja do Corpo Santo, ocenpar a tribuna .aira-
da o Revm. Sr. pregador da capella imperial Lin>
do Monte Camello Luna. ,
ARMAZEM DE MULHADOS. Acaba de rea-
brir-se na ra das Cruzes n. 42, junto a nossa
typographia, o antigo e acreditado armazem de
molhados do Sr. Joaqun da Silva Costa, onde en-
contrara* os freguezes um sorti ment variado d-*
ludo quanto genero de estiva, das melhores
qualidades.
ASSASSIXATO.Xo dia 18 do pnssado, oo la-
gar Ribeirao, da freguezia de Gamelleira, Joi"
Martins dos Santos assassioou com duas faead.v a
seu irmio Manoel Gabriel, seodo preso em fla-
grante.
FER1MENTO GRAVE.-A's 3 horas da tanfe
do dia 4 do corrente, na povoagab de Jaboalio,
Thomsz Pacheco de Aquino ferio gravemente i
Jos Bernardino de Senna, sendo em continente
preso.
SUICIDIO.Xo dia 6 do corrente foi encontrada
morto, na escada do sobrado da roa da fmpera-
triz, onde mora o Sr. Luiz Antonio Rodrigue dV
Almeida, o cadver de Bonifacio Martins de Car-
valho, pardo, casado, de 28 a 30 annos de idade.
declarando os peritos ter sido a morte produzida
pelo emprego do actalo de cobre. Das indaga-
goes, qne se proceden, resnltoo ter-se Bonifacio
snjcid.\do era consequencia de desgostos pelo seu
estado de miseria.
Em seguida ao preto Eduardo foi interrogada
a prea Eva, mii deste, que negou ludo quanto
com referencia ella dissera seu filho.
Depois daste interrogatorio, proceden-se urna
ve-loria na pessoa do escravo Eduardo, para ve-
ri(lcar-se a causa das offensas pnysicas que se no-
lava em seu corpo. Foram peritos os Srs. Drs.
Firmo Xavier e Sarment Filho; que, depois de
minuocioso exarae, ..> descripgio das offensas en-
contradas no vesturiad declararam ter sido ellas
ocasionadas pela aegio do tronco era que estive-
ra ello preso no engenho Guararapes.
Goiicluiram-sa os trabalnos da polica s 7 ho-
ras e um quarto da noule, sendo recoluidos
casa de delengao, incommumeaveis, o nreto Edu-
ardo, a preta Eva, e ujn africano Antonio, escra-
vo da Ex ina. Sra. baroneza da Victoria.
Honlem continuaran! as diligencias da polica,
sendo nevameote interrogados os individuos j
mencionados. Uestes interrogatorios pouca ou nen-
huma luz resulton mais.
O Sr. Dr. chefe de polica tem se mostrado incan-
savel no descobrimento da verdade; e, gragas ao
seu zelo e nouvel inteligencia, confiamos que
a verdad} appareeer triuinphanle.
Por parte da justiga publica tera estado presen-
te s deligencias da polica o Sr. Dr. promotor pu-
blico Joao Thom da Silva, e por parte da familia
das victimas o Exm. Sr. conselheiro Joio Silveira
do Souza.
Serva de curador do escravo Eduardo o Sr. Dr.
Angelo ileoriqoes da Silva
Fazemos sinceros votos para que as diligencias
da polica sejam coreadas de feliz resultado.
NOVEXAS.Comegarara hontem as de Xossa
Senbora do Carmo, no seu convento desta eidade.
FAVOS E TRAVOS,Com este titulo acaba o
Sr. J. ;l)aptisia Guimaraes, estudanto do quinto
anno de nossa faculdade de direilo, de publicar
um volume do poesas, augmentando assim a bi-
blioteca Iliteraria brasileira.
O livro dividi-se em duas partas, urna seria e
oulra jocosa. Quer n'uma quer n'ontra o Sr
B. Guimaraes revella trato oom as muzas, e d
pravas de cultivo de ideas. O estyle allegante,
as iraagens risonhas, a rima fcil e abundante ;
a metreficacao cuidadosa ; em lira os Traces
Favos sao saborosos e credores de uraa leitura
e apreciagio detida e comentada.
A estra foi excedente e prometedora; e
de esperar que o aparecimenlo dos Focos e Tra-
vos seja seguido de outros pontos de imaginagao
tao feliz.
Agradecendo o mimo que da nm cxemplar nos
fez o autor, recoramendamos altengao publica
esse livro, qne, para mais traliir, tem em seu
favor estar bem impresso. Quera o ler ver que
nao perdeu o seq tem.po e conservar n'a.lma o
COMPANHIA PERXAMBUCAXA.-Ho>9 o ol-
timo dia em que recebe carga o vapor Juguara*
para Macei e Penedo, conforme o annnndo da
mesma companhia.
JERARCBM DA 1GREJA.A Ckroniea reli-
giosa publica :
PuOlicouse por ordem de S. Sanlidade, a se-
guinte lista official, trazendo um resumo geral
da jerarchia actual da groja, e erando conta dos
que (omam parte no concilio e dos que por moti-
vos justificados deixaram de comparecer :
Os cardeaes vivos da ordem dos bispos, em
numero de 6, todos presentes no concilio.
Os cardeaes vivos da ordem dos prebyste-
ros em puraero de 38, 8 dos quaes, em virtudo da
avangada idade nio poderam comparecer no con-
cilio.
Os cardeaes vivos da ordem dos diconos,.
em numero de 7, todos presentes no concilio.
Por tudo, 6 cardeaes bispos, 38 prebyste-
ros, 7 diconos, 15 cardinalatos e 19 capellos va-
gos.
Os patriarchas em numero de 11, f> um ni-
pode vr ao concilo.
Os primales em numero de 12, s 1 nio com-
parecou.
Os arcebispos em numero de 166, dos qn?e.
50 nio poderam comparecer.
o Os bispos, era numero de 757, tendo oVxad.i
de comparecer 268.
c Os abbades nultius, em numen de 6, s 1
nio cipareceu.
Os abbades geraes mitrados das ordens mo
nasticas, em numero de 22, 7 dos quaes nao com-
parecern).
< O administrador apostlico da diocese da IV
losck na Russia. presente no concilio.
Os geraes e vigarios geraes, era r.onvr fUi
8 das congregagdes de clrigo* regulare* todo* n>
concilio ; 5 das ordens monsticas, 4 tos qnaes
nao comparecer m.
t Os padres vivos com direito de asaiatir a >
concilio sao pois em numere 1037, desse numen.
702 compareceram em Roma e 335 por aolraw
legtimos, obtiveram dispensa.
MOREA DE J0X.\'ES.--A?".ha de Wteeer'em
Paris, depois do urna longa existencia de nan-
nos, o Sr. Moreau de Jonnes, ura ob primeirus
estaii-ticos de Franga.
Alistado como voluntario no exercit; foi aju-
danie de campo do general Hoche e de ouu-os
minios.
Na restaurago dos Bourbons demittio-se en-
tregou-se aos rabalho--. de estatislica, que f iran
a honra e a gloria d sna vida. Entro as snas
obras, que sao numerosas, cita-se como sendo a
mais importante, a sua eslalistiea geral de Fraaru.
LIVRO CURIOSOO edictor Dentru, da Paris.
acaha de publicar um livro curioso. E' a histo-
ria da p ,'rfumaria, que forma um tomo elegante .
seJudor como o assumpto de que trata. B' im-
presso era caracteres grandes e sobre papel finis-
simo, dourado pelos cantos, adornado de linda-
gravuras e de chromo-lilhographias, e digno
eralim das mios que o devem folhear, mios llan-
cas, delicadas de dedos rosados. As mos u>*s
culinas seriara demasiado grosseiras para esa**
paginas, de que parecera emanar vagos e dtliciu-
sos aromas.
Ha comtudo seus pontos do erudiegao neste al -
miscarado livro. Os egypcios, os hebreas, os ro-
manos e osgregos oceupam ahi um lufrar impor-
tanle, mas sem degenerar em pedantera, nem en-
fastiar o leitor; e nao indifferente sab-r, por
exemplo. como se penlcavam as mulheres em
Echatano, era Persepolis, sa Cleopatra uzava az>--
te ou nmada e poique prodigio de perfuimria n
lesbio Phaon enaraorou Sapho at a arrasiar a
morte.
Nao nos deteremos em repredozir todas as
noticias que d o autor sobre a perfumaria mo-
derna e seus portentosos segredos, porquo swa
neceisario largo esparo; limitar-Bos-hemos, pois,
a dlar esta parase do prefacio, que escripto por
Allonso Karr:
* E' unta a minha sen?iblidade em materia dp
perfumes, que nanea pude apagar a recordara
a'uma mulher peta emanagao, qualquer que eil.
fosse, que a rodeava na vez primeira em que com
ella fallara.
TREMOR DE TERRA.O ultimo que honve na
Allemanha produzio entre Heidelberg e Wiesleeh,
a queda de urna grande massa de rochedos, quo
deixaram a descoberto urna antiga moa de prata
explorada pelos romanos. Nio possne muito des-
se metal, mas o jazigo abunda em ainco, que os
romanos despresaram.
QUE RATICE !Perante um dis commissarios
de policia de Paris, fo levada a Sra. Julia V.....
presa por causa de um furto bem singular.
Teve a m lembranca de, ao passar por um lu-
gar de peixe, metter a mi n'uma celha ebeia d'a-
gua e tirar urna famosa carpa viva.
Presa em flagrante delicto, allegou em sua di-
foza que eslava grvida, e que, dominada pelo de-
sojo irresislivel de possuir urna carpa viva, seu
ser obligada a compra-la, ceder tentacao.
O commissario obteve as melhores iofrmagoes
acerca da Sra. Julia, o dono do peixe nao recia-
mou perdas nem damnos, e a joven amadora d >
carpas vivas foi posta em libardade.
LOTERA.A que se acha venda a 152-,
beneficio da matriz da Escada, a qual corre no
dia 7 pelo novo plana
LEILO.Conforme est annuociado deve ter
lugar amanhia o leilio de movis, louga, erys-
taes, carro e avallo, na casa do Porto de Lai-
re n. 32 e 34, Capunga, para onde partiro s H
50 e 9 3Q mimiios da manhaa trens que servir*
-


3
Diario de Vemaiajraco Quinla feira 7 de Julho 4C 1870.
I ;
*
JBI
Be transporte aos oono Trentes, e d'onda voltario
fe 2 1/1 e 3 i/ da larde.
CHRONICAJUDWIARIA.
TRIBU^Ai SJ>.1 ilKLACAO.
SESSO EM 2 DEJUUIO DE 1870.
MESIDK3CU Dt> SU. iM.NStXIlf.lIlO CAETANC
S.V.NTUGO.
Secretario interino Dr. Virgilio Cotlio.
As 10 hora'' Ja mantisa, presentes os 3rs. dr*sm-
Cargadores Gitirana, Guerra procurador da cora,
Lniirenco Santiago. Almeida Albuquerqae, Molla,
D.ina. Domingues da Silva, Rcgaeira Costa e Sou-
a Leao, fui *bert,a \ x<
Passados os fuitos, dwam-se os sega'rates julga-
cf.tos:
Acuna vo db pr.noxo. Aggravante. bevenano
Jas de M-nra; sggravado, o juizo.Relator <. Sr.
te/embargad ir L'U'.reinjJ Sin
Sr- descuibargadores Almeida Albuquerque e
mina Leao.-^Xcgarain provjmenio. Aggravante,
I). Joaquina B medicta Vieira da Silva; aggrajra
do, rtkiiio.'.. lator u Sr. desembargador Almei-
da'A ;t=i.j:i i'-''. os Sr/', Gi'.-civ.Dargado-
re H.iua e GuerraDerai pavimento.
Ramso csksib.Recrreme, o juizo; reccorri-
do, Antaaio liaHi'd Fr inois mhargador B sta, sorteado' osSrs.des-
mliargadores I. >'uvv Santiago, Uoraiugues da
Silva e Almeida Aibnqocrque.Improcedente.
Hmbas CORPUS.Segaran) soltura a Francisco
T. Conflicto DB jl-kkd!Q\o-Entro os janes rau-
nicipal, de orplliose de direito desta edadeMan
doa-sc exigir pin e-.-!;.rccimeito do jajado, o
xnfQci<> do jais de ttlreito de que trata o me sino
conflicto. *
PuonoGAcvj osi .wsw.vtuo.Concedeu-se pro-
rugado de inventario pedida-por D. Mara barbosa
da Silva.
Avw:i.laquf.s civsts. Appellante, Llanoel do
lesqaila Cintos k; ai-pellados, Ignacio Pedro da<
Tv.-ws e outro*:*u l iraraui o. mhecinenio. Ap
"ftetl.uite, teueSle-Cronel Ale andr Augusto Fras
"Villar; apellados, a vluva New? i Gardo-
M)._>.-jrcsjc:\:n tfes. .Appellante, a
Sanw Gasa # SaM bol Hara lmacta ico; appella-1 >, Mi-
li"-' Aulowo a i Silva Juigtiu- se diserta a appel-
hrSi.
\Mk i)?. iep.uut.ira.Apellado, DominjjWSoriano
de Aiev id i: appollaute, Krieisco_de Sour.a Amo
riui.latearam dse: a a appellaeio;
Amuicdcs coiitK-.Appellante, Clemente es-
rr.tv,,; app l'i; i, o juiz* V m-vo jury. Appei-
laiite, o jun.i; appellalft, Antonio 'Joaquina Lei-
ti..V' novo j;iit. Appellante, Jos Lonrengo de
Lima; app. liad i, a useaaMinprocedenle.
ABPKU-*Afl r.i.vx.Ao Sr. de.-ninaRgad .r pro-
earadur uaeniiV: apn-lian;.-, Lonreocp Jos Pe-
res; appeiiado, Luiz tionzaga do Souza.
PASSAOBNS.
p Sr. desembargadjr Gitirana ao Sr. desem-
tnrnd ir Gnerra.AppeHacij-n civeis: appellante,
J '-< Lourenc i da Silva; appollado J^ 51 Madrlfin
C.rd.is-'. App-'llane, Antoni Bernardo das Xe
cs; i.ppp'h la. reamara uiunicfpa.1 de Aqo-
ras. :''. J ifi .Vie ;nte i'e Lima Freir; ap-
p<%'?' .padre Antero stani>la Oarique.
fc Sr. dKsernbrirgador.Lourengo Santiago, ao
Sr. de^ribam !.ir Alm'jida Albuquerque. Ap-
pvlhrio erfr, : apiellante, o promoW; ajppel-
lut, Geaer ra Franri*ea do Sania. Appellasdes
viven: ajtpell nte, II .na J iquilla la Sant'Aooa ;
njim-llado.' AntJflia I5'i:in.) i'.rira de Carta-
JUo. appellante, a Santa Casa i* MiwrHrtB j
p.'ieliai! <. Candido Jos da Sv Guimaraei.
Do Sr. dtsoio: irga i..r Almcida Albuquerrrae ao
Sr. desembargador Motta.- AppeliafiQH civ.'is:
appelUpte. hiFrancisco do Barros Hugo; appel-
l.ido, Fraaeise < Man >el de Siqneira. AjiPflH
J aij.iiin Jos dos Sinf-s c ouli'os; appellado, An-
lyo-. Ferreira dosSantqe.
I) > Sr. d iibai gador Motta ao Sr. desembarga-
d-r nria. Appellaijes ci'-vis: appeliaute, Ma
n >e: 3 > i ni n do Bego Albuquerque ; auputUda, a
faie i :;. .VppaltaAie, Fraociseo Gaucalve.- i'etto;
a,.;, -i: ido, Manoei oaquim llaptist.i. Appellante.
J.'.o Franctsea 4oBego*;" appellaaea, Jos
AlT us:i Ferreira e ouiros.
Sr. i! 'sembarfador i) miingues da Silva ao
Sr. <: -e noargajjr Regneira Costa.AppellaQao
.-.\o : ap:.cl!aute, Jos Francisco de AnJrade Ju-
BtHf ; :ipnl!a !a, a fazi-n h.
Ao Sr. desatnb irga 1 ir Soma Leo.Appellaeao
rlvel: a.ipellan'.e", Jii BaplisU da CosU Goellio;
a,ip Jh ios. Anua Iguaria e seas ilhos.
D. Sr. dosembrgador Regueira Costa ao Sr.
des -.obargador Souza Lea ..Appellaees eiveis:
aupeMante, Salustiano por seu curador; appellado,
Urbano Barbosa da Suva. Appellante, Joaquina
li-l.-ii.i de oraes; appdUdos, UftiKwi^Pereira
M ipa baes e ooiros. Appellante, Silva Leo & C.;
appfllidos, os herdeiros de Alexandre Jo.- Ru-
i.: ,'Uts.
I Sr. desemtiargador Doria ao Sr. desembar-
or DoBotJjies da SilvaAppellacao erime: ap-
i.-!laut4,1 o juizo; appellado, Antonio Flix Paes do
.N ./cimento. Appellagao civel: appellante, a fa-
aenla ; appellado, Joaquiui Lopes de Almeida.
i).j Sr. desembargador Soasa Leo ao Sr. des-
-uiiargador Gitirana.Appellacao crime : appel-
late, ojnizo; appellado, Amorim, escravo. Ap-
pella gao civel: ; ppellaute, Fraacico Antonio Soa-
r<-; appellaJo, Vicente Ferreira Padilho Ca-
n ..by.
);;ligexcia crime.Ao Exm. Sr. desembargador
rr motor da [ustica: apoellaate, o juizo; aupel-
i Pedro Jos Ferreira e outro. Appellante,
j'in; appellado, Juao AlTonso Ferreio Filbo. Ap-
allante, Manoei Antonio Bezerra ; appelada, a
j-jbtica.
A^signou-se da para julgamento dos seguintcs
feites:
Ai'pkllaijoes civeis. Appellantes-, Francisco
G.tealves Beiris; appellado, Jos Francisco da
C tfta W uiderley. Appellante, Jos de Souza -Nu-
iles liraga ; appellado?, Francisco Goncalve Ser-
vino e outro. Appellante, Jos Teixeira Machado;
appe'.lado, Joao Luiz S'ianaa. Appellante, Joo
Cullio Bastos; appelada, a fazenda. Appellante,
o cnsul portuguez; appelada, D. Maria Joaqui-
na de Oliveira Campos.
Apellaces crimus.Appellante, o juizo; ap-
petlado, Uinisio Ferreira dos Santos. Appellante,
ti juizo; appellado, Antonio Joaquim Leite. Ap-
ieliaute, o juizo; appollados, Manoei Mondes da
Silva outro. Appellante, o juizo; appellado,
Manoei Vidal d-i Negreiros. Appellante, o juizo;
apiielladu, Candido Rodrigues Bezerra.
A' una hora e meia da tarde encerrou-se a
c^sao.
SESSAO EM o DE JULHO DE 1870.
fUESlOENCIA DO EXM. SR. C0NSELUE1R0 CRTAMO
SANTIAGO.
Secretario Merino Dr. Virgilio Colho.
As 10 horas da manhaa, presentes os Srs. desem
Cargadores Gitirana, Loureneo Santiago, Almeida
Allmqserciue, MoUa, Domingues da Silva* Reguei-
ra Costa, faltando cont causa os Srs. desembarga-
iores Guerra procurador da cora. Doria e Son
za Leao, abrio-se a sesso.
Passados os eitos, deram-se os seguimos julga-
neatos:
Afiotuvo de PETigao Aggravante, o commen-
dador Antonio de Souza Leao; aggravado, o jai-
za. Relator o Sr. desembargador Gitirana, sortea-
dos os Srs. nesembargadoros Domingues da Silvr e
JLourenco Santiago. Mandou-se que junto o
anhecimento de decima voltassem os outros.
Deligencia errar..Ao Dr. promotor de capel-
las: appellante, Juao Severianu Correa; appelada
O. Mana do O' Vasconcelos. Ao Dr. curador ge-
ral : appellante, a preta Mara; appellado, Aman
*ao Francisco Mendos.
Osugencia crime.Ao Sr. desembargador pro-
motor dajustiea: sppullaote, o juizo; appellado,
Francisco, ecrVo. Appellante, Antonio do M;
appcll ola, a justica.
Assignou-se da para julgamento dos seguintes
eitos:
Appkllaco civ-.Apdellante, Joaquim Jos
dis Santos; appellado, Antonio Ferreira dos San-
tos.
AppellacSes canas.Appellante, ouiro; ap-
potlado, Arminio, escravo. Appellante, o promo-
tor; appellado, Antonio Flix Paes do Kasci-
IIMWltO. .
PASSAGEKS. '
Do Sr. desembargador Gitirana aoSr. desetabar-
gaJor Guerra. Appellacilo civel: appcllanleg,
Francisco Antonio Soar*< e outros; appebadoy
Vicendte Ferreira Paditha Caluraby.
.bargador Loureneo Santiago ao Sr.
-iybargaJ la Albuquerque.Apnella-
<-5es crimes: appellante, padre Joao David Madei-
ra; appellaaos, Joaquim Domingues Viapna e nu-
tro*. Appellante, o juizo; appellado, Vicente Fer-
reira dos Santo3. Appellaees civois': appellante,
a preta Fabncis; appellado, Jos Luiz de Albu-
.inerque.' Appellante, Antonio Jos Pinto; appel-
ada, Mara Francisca da Coneeico- Silva. Appel-
laote, Manoei Florcalino dos Santos; appellado,
Bartholonea Brandao^do Sobral. Appellante,
Tafso iStlrmio; appelada, a bzenda nacional.
Do Sr. desembargador Domingues Ja Silva ao
Sr. desembargador Regpeira Cosl?..-5ppclI
erioii -una, o juizo; apyeUados, Jo Fer-
reira de. Araujo^outii). Apretantes e apuellados
juntamente, ajultica e Fraw'sjo Alves de Miran-
da Varejp. Appeliates fveis: appellante, o
juizo; appellado. j isa .-, L(.pes de Almeida. Ap-
pebanle, Jos FetMgKo'je; appoirade, Dr. Lmz
Lopes Castalio-Brau.
DoSr. descnibarrador Motta ao Sr. desembar-
gador Doria.Apoetlaca) civel: apptWantes, Ma-
noei Gomes da Canoa Senna;
Francisco Alves Gama.
DoSr. desemtargador Bgueira Cesta ao Sr.
4c?erf.rxirgador Souia Leao.Appellac s \
app.Uanre-, Manuel Go'.ne*. da Ciinha Lima ; appel-
lado, Bento (>ii rea Lima. AppeUanle, D. Ann-
Ursuta de Oliveira; ^pellada, D. Felisarda Joa-
quina de Azevedo. Appellante, Salvador de Se-
qneira CMRlcunte; appellado, Joaquim Salvador
. do Sequuira Cavalcante.
aiipcWante^^
appellaJo, Manoei
DiSTRinuicOK:
O Sr. desembargador Silva rtJui.iarie* jnroo
supeicao e distribuio-se ao desembargador
lWs e Silva : app-.llante Joaqui* Antonio Pereira,
apiicUado Vicente Jos da Brito.l
Ao Sr. denerasa-gador Acciott ^
vdor do Siqueira Cavalcanti,
TPPrdfra Martins Biberro.
Encerrou-se a svs.-ao a
i da tarde.
PBUGAC3ES
----:---
RomD^s^ o \i
1GTA DA SESS,vO ADMINISTRATIVA DE i DE
JULHO DE 1870.
'aESIDBW*. DO liXU..,SR. DF.SF/IARGADOR ANSEUI0
PRAJICilSP. PERETT!.
slO horas da maahaa, presentes os Srs. depu-
tvios Miranda Leal, Bast e narao deCruaniy,_S.
Esc. o Sr. ntesideme dcclarvH aberta a seseao.
Ffli lida o approvada a acta :a sesslo de 40
du uiez lindo.
EXPEDIENTE.
O.Tkio do presiente e secretario da junta do?
oorretores, remeUendo a1* colac;.es offleiats da se-
mana bu-la. -F.>i mandado para o archivo.
Mappas deinnnstrav.n di m.vmiaiilo havido
durante rmateos da C 'mpanhia Pernanibucao ;.lf.indega-
dos e nao alfaadegadds, e dos trapienes liara Ao
JUvraueiU'i ra do Brum n. e an cues do Atialtu
n. 4o.G iiiieiii! i eotn o antccedeoe, archive-se,
nao baveuilo duvida.
Jornal oli-ial de n. i:'.'.l li.l-Aoarchivo.
ESPACHeS. -
Requsrniiit i de Antonio Lnii Bap'.ista, pedindo
o reg-tro 'da iiomeaciio de cu raiseim Leopoldo
Jo- de Helio.Gomo requer.
Do Joaquim Ferreira i!a Costa, pedindn o da
de' seu caixeiro Maximiano Ferrara da Cjsla.-
Deferid i.
' De Manoei Clem.mtiuo R.beiro, ped;nd> tambem
o da de s o caixeiro Getulio Gaadi lo Muvinoier
Ribeire.t.o
De Jos Ricardo iteFaria, iguil pedido Panto a
de seu caixeiro Diomedos B.zorra de Mello.Na
forma requi-rida.
De J.i.- Juquim Soares. para sojhe cerl:
se est nu nao registrada a im:ne;T.ao de seu cai-
xeiro Jos Mano. I Soares.Cerii'i I
De Francisco Antonia das Ctrntas, no mesmo
sentido quinto ao seu eaixeir i Adalberto Lrraucuo
das Cfnj.';s. Certifique -e.
De Maia x. C, certido tambem d-> e.-Ur ou n.u
registrada a nomearao de seu caixeiro Joaquim
Ferreira Ramos S.ibfinlio.Gomo pndeUl.
De Daniel Antonio o'os liis, pava registrar e-
Ihe a noineaea.) de seu caixeiro Fraocisco Lene
Barbosa. lt-j.'i-tre- e.
De Fl. rin lo J .s TeUeira do Carvalho Sobnnho.
para refistrar-oo-bo tambem de seu caixeiro
Jo> Braz dos Santos Bastos.Se ja registrada.
Da vi ova Santos A O, para rep^trar-se-ilie a
do seus caixeiro. Felippe S.uriago do Aqumo Jor-,
ge e Jos dos Santos Breeos Sun.
De Guilherme Camorra da Cunhn, para lamba n
re^i.-trar-se Ih.i a ikio dra ao seu eaixeiro Joai
Manoei da silva Braga.Seja i-disuada
De Jos Franusc, do Reg Mello, paraiga.l
mente reg.-irar-se-iho a de seu caixeiro Serapbim
Augusto Jj Rio.Oe n i D'de.
Do Domingos da Costa Monteiro, pedindo cerb-
dao do estar ou na i registrada a nj'iieae.i'i do suu
ct'xeiro Ignicio da Costa Mqnloirv.t4jrutt|as-se.
De Jo.iquioi do Almeida Qneiroz, no mesiuu s so-
lido quinto ao "u caixeiro Maiuel Antonio Cesar
D-so a reriidao requerida.
Do Jos Nicolao Ferreira, igual cerlilieado qnan-
lo ais seus caixeiros Manoei Fex de Souw Pon-
te o Chnstovo de Hollauda Cv Icanti.Na for-
ma requerida.
De Paes de Mello & C. apresentando a registro
a nomeacao de seus caixotfos Jos Podro de Me-
deiros e Antonio Alves da Sva.-;Seju adunttida
a registro a acineaeao junta.
De Jo- Btuobio .arques'Colbo, apresentando
tambem a registro a nonieico de s'.m caixeirj
Martiniano Geral.lo Franco. Regisfe-se.
De Jeronyinu Salgado de Castro Gn'mnraes, pe-
diudo certilic.ido ,i.^ estar ou nao regstrala no
mearlo de seu caixeiro Ismael AntJiuo de Olivei-
ra. D-se a osrtido regerida.
D; Joaquim Nicoli Ferreira, pedindo que se
ihe registre a nomeacao de seH caixeiro Mtuoel
Roberto de Alleluia.Seja registrada.
De Joaquim Francisco das Ghagas e Silva, eom-
merciante matriculado, pedindo que seja admillida
registro a de seu cuxeiro Daniel de Araujo Lo-
pe^.Seja adniittida registro a nomeacao junta.
De Justino Casado Lima, pedindo que se Ihe
certifique a sua matricula como caixeiro de P-
renle Vianna & CCurtiflqoe-se.
De Custodio Antunes Guimares & C, pedindo
o registro da noineacao que junta, e que se faga a
nota no registro sob n. 228-, por ter deixado de
ser seu caixeiro Cietano Xavier da Silva.bacana-
se a annotaQoes pedidas e registre-se a nova no-
meacao depuis de reconhecida a tirma.
De" Guilhermmo Rodrigues Monte Lima, pedindo
certido de e;lar ou nao registrada a nomeacao
ce seu caixeiro Maneel Rodrigues Nogueira Lima
Pas?e-se a certido requerida.
De Flix Pereira de Souza, apresentando o re-
gistro da nomeacao de seus caixeiros Custodio1
Furtad de Mendouca e Jos Antonio Casimiro Bo-
telbo.Sim, depois de reconhecida a lirma das no-
mear;es.
De Custodio Antunes Guimares A C, pedindo
certido de estar ou Dad registrada a nomeacao de
seu caixeiro Pedro Affouso de Hollanda Chacn.
Na forma requerida.
De Costa Moreira A C, pedindo transferencia
da actual lirma para o Diario que pertenceu de
Caetano Cyriaco da Costa Mor.'iraA Irmo. -Sim,
Do Caetano Cvriaco da Cosa Moreira e Jos
Ad/id da Costa Moreira, registro de seu contrato
social.Vista ao Sr. desembargador fiscal.
De Caetano Cyciaco da Costa Moreira e Joaquim
Francisco do Espirito Santo, dem de seu dis rato
social.Haja vista ao Sr. desembargador fiscal.
De Manoei JosJLopss A Irmo, i-aern da nomea-
cao de seu caixeiro Urbano Francisco ures Cir-
nelro.Faca-se o registro pedido.
De Manoei Soares Pinheiro, dem do distrato so
cial da firma Soares A Souza.Assignada a peticao
por ambos os socios, seja annexo petico o dis-
trato.
Rehabilaco de Benvenuto Cavalcanti Buarquo
de Albnqusrque.Adiado, por no'estar completo
o tribunal.
Nada raais sendo submettdo i despacho, S.
Exc. o Sr. presidente encerrou a sessao s 11 ho-
ras e meia do da.
Copipjo-me qco o padre Pedro Sncs Ferraz,
que dRdjutor de meu nioito untado pai o fi-
-iv?igai'io Joo AntoaiO Torr, e que >e
constituir seu figadal iciaipo, o mallo de ui-
famar-ma o. uvera ob e subreptiliuoariamente
uuiaiaertidode baptismo extrati | d>assento
uta o irrilaucado a fl*. :3 do I 11 dos bap-
tlsaiiK'ntos da fregu-zia da Santo Ant nio. api
a publicar u documento uo s -degu-s ai'nn
Jo uipslrar a improcedencia e o nenh lu valor que
tenia dita certido.
Aogados, 6 de julho de 1870.
Inmc"Ucio Aittuo te F. torres.
Ilim. e Rvdm. Sr. coaego vigario da frcguozia
de Sanl Antonio do I! ei!V.t)i7. Iniocencio Au-
;ums de F.ria Torres que, tomn V", S., de ordem
sii|ierior, inotilisadr. os irrito* noli s.assentos da
baptism >;' H siiiq nao Ange-
lo, os <|U .- :.:;. '", p i i lo finado vi-
gaiioliez.i de r destruid s park i tie^rem
prevalecen .> se.oi citradic-1 I, auei'U) em vino lo d,
peranie a jgarariaigaral .
presado jai, o Sr. vigai. -', o
que di u lu;..r ue algum mal intencionaminio
e 'urna certidid do nullo asspBto que so
. snpocanie exarado (i- ''A^ do L. II,
para coin ella contraolzer o verdadeir-ssseto da
fl-. i Ib" do L 19, requ V. S. (iue Iho
rtiHque se c mi elfeito Oca os ri-
cial. E soria inex^licavel e iadesculpavel esta
omisso, si a as-embla geral nao tivesse enten-
dido que era da competencia das assemblas pro-
vinciaes resolver sobrs sua fazenda.
O art. lo do regulamento prvineal do Rio
aeiro de 12 da dez'mbro de 4842, determi-
non quo toda a divida actva que nao fossa paga
administrativamente pelos coltectados, o osimpostos
quanao fossetn pagas aleo encerramenlo deca.da
esrcioio, teriam cobrados exejuvamjote peran
too juisdosfeitos da fazenJa geral da capital da
prowncia, o juiz de direito. Eslava aassembla
perf-i'Amente no seu direito.
, -* O art. 78 porm do ddcreto gerel o. 736 de
18 de novombro de 1850 extingui esse juizo na
provincia, e mandou que as causas da fazend3
(geral) da inesma provincia, corressom perante o
juizo dos.ttos da corte.
i Ficou por tan.o o juiz que excrcia a vara dos
feitos provi!>ciaes distitaido da jurlsdicco dos fol-
ios goraes.
A lei do orQA'.neno provincial do Rio de Ja-
neirt n. 339 de 2i de jcleiabro de 1831, declarou
no art. 7.8, aun o juizo dos feitos da provincia
Conliiiuariapltomo se acliava drterminado, expe-
didlo para esse lm o governo o regulamento e
i ostro crides necesarias ; e foi esse juiz) declara-
do permanente peln art. 4' da le provincial de 18
de ootubso de 183?. Eslava a assembla provin-
cial perfeitaniente uo seu direito. Na > creou urna
nova jnrisJie.-a i. Applieou a quiera geral, ao
provincial, conforme o decreto de 14 de iulbo de
1846.
So obstante, sendo
zenJa da provin
juiz de Direito dii capital ( en tan simplesmente
juiz de direito do crime, porque nao era raais da
Siendajjeral) foram os processos annullados p?-
.r incompetencia do juizo. Por quau-
to, como dis o aecordo de 33 de abril de 1833,
leudo sido exlinrto o juizo dos feitos da fazenda
da 01 lo lo de Janeiro ( o ger.d ) pelo de-
creto de itX.de nowoibro do 1830, devena a cau-
sa correr no foro commum, e nao pelo juizo de
direito.
Sobre essa occurre.noia represunlou o presiden
'encioear.
Recebe dinheiro em corita crranle hib
i raso fixo.
Sacatista on a praso sobre as adido
oriacipaes da E5aropa. tora ojfrcsponeiite:
ia Babia, Bueus-Ayras, Montevndo, New
i Now-Orleaas, e etaitte carias de crdito
)ara os meitaof lu.crar:
UU IERGIO N. 36-
ALFVNDGA.
'.endimonto do dia 1 a 3 .
dem dOMlfia 6.....' .
128:879*'-1 i
49:26933
177:786^363
mMESTO O A ALFANDEGA
/olumes entrados eo dem id?m cota gneros 73
'oluraes sittidos co;n fazarsdas' 104
(dem idea, cara ganaros 300
IQt
Dcscarregam hoje 7 de julho
Vapor nglczSaphirnmercaduras.
Brigue vortugU'.-zTriitmphodem.
Brigue inglesDorbacaibo.
Barca ingietaFagasrflercadorias.
Pataebo norte-alleuio Jultunedem.
Btgua fran;:ez.liige'Hifdem.
Brigue inclezBtt'eraacalhD.
;e, sendo pronos .1S causas da (a- J Bgk!xa-3fru#-Mlivem8 gneros. /
a do Rio de Janeiro perante o ETERNAS GE-
.KSDEPEItNAMBCO.
. 13:387770
. 1:273*878
44:6635Gi8
^er.iimentodc;
i leal do d
a 1 a o
I pado pela secretarla da ospitania do porto e a eo-
berta do edQcid em que funcciona o tribunal da
relacSo, or n 141 900 e o_ 2 em
5422500, eoafofiO os. orcamentos que sero fran-
quea l na secretaria da dita
thesouraria.
Oslicitantes se davero nabilllr previamente,
mostrando se antentieair.eiite dosembaracados e
qailas. tanU) cou a fazuuda gMt como cam a pro-
vincial .
Secretaria da tnesojnraria da bzenda de Pernam-
baoo 30 de janho dtflBp).
Ser>in lo de ofllcial-maior,
.____________Manoei Jos Pinlo.________
Por o leni uo llim. Sr. Dr. Claudlno de A-
raojo Guhnares, cnsul do Portugal nesta pro-
vincia, sao coni&ados de novamente os credores
do finado subdito p irtogutz Francisco Joaquim de
Carvalbo a apreseai s eontas dntro do
praso de tres dias, a contar da dala de tnje, nao
podendo ser mai* admillidas firldoeste pr
Cnsul alo de Portugal em PernambucoS de ju-
lho de 1870.
Arthur Aure'.iano Ferreira Kraga,
___________^^ Chanceller.______________
. Por ordem do liim. Sr. Dr. Claudino de A-
raujo Guimares, con;al de Portugal em Pernam-
bqco,.sao convidaaos os credores do finado subdi-
to portuguez Alexandre Teixeira Pinto, fallecido
na villa da Eseaa, a ipresantarem shas contas
"dentro de praso de mo dias. a centar da data de
h>j', para depois do verificadas seren pagas, nao
podendo ser mais admittidas lindo este praso.
Consulado de Pyrtujal em Pernainbuco 3 de ju-
Artbar Aureliano Ferreira Braga
Chanceiler.
DO
c _
dic.idos ase.-itos, laoJo-se-lhe en 1-egufda csrtidao Je da provincia do Rio de Janeiro aO governo ge-
SESSO JTJDICIARIA EM 4 DE JULHO DE
1870.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DnSEMBARGADOtt A. F. PE-
HETTI.
Secretario, Julio Suimares.
. Ao meio dia declarou-se aberta a sesso estando
reunidos os Srs. desembargadores Silva Guima-
res, Reis e Silva e Accioll. eos Srs. deputados
losa, "Basto, Miranda Leal e baro de Cruangy.
Lida, foi approvada a acta da sesso anterior.
0 escrivo Albuquerque registrpu o ultimo pro-
testo de letra a 2 do prsenle mez sob o n. 2071,
e o escrivo Alves de Brito a 28 mez passadb, sob
o n. 2031.
ACCORDAOS ASSIGWAD0S.
Appellante Josa Barbosa da Carvalbo, appellado
Barbosa e Souza ; appellante Paulo Guelphe, .ap-
pelada D. .Luciana Gerirudes Clara da SiWeira ;
embargantes os administradores da massa fallida
de ABtonio Jos de Figueiredo, embargado Antonio
Pereira de Carvalbo.
JULGAMBNTOB.
Embargante Jos Francisco Ribeiro Machado e
outros, embargado Amaro Joi dos Prazeres; ap-
pellante D. Maria Felismina do Reg Costa, appel-
pellado Manoei Pereira Magalhes ; apptllanle Jos
Joaquim Gomes de Abren, appelrados a viuvae
herdeiros de Jos Antonio de Barros Wanderley.
A lia ios a pedido dos Srs. deputados.
Nao estando o Sr. Rosa, nao foram
nropostos os f / ao passada. en-
tre parles, emb 'alvador de Siqueira Ca-
valcimd, emba; qaim Salvador i'essoadc
Siqueira Cavalcanti; appellantes Tasso Ir:
appellado Antonio Moreira Reis; appallantes Jos
Barbosa de Carvalho e outro, appellado Antonio
de Sonsa Braz.
PASSAGEM.
Do Sr. desembargabr Accioli ao"Sr. desembar-
gador Silva Guimares: appellantes Tasso lr-
raaos, appellados Manoei Nunes Parreira A C.
o the o- cribo ad veiibum di petico e despacho
uu Exm. o Rvdm. Sr. vigario capitular qufl deli-
rio-ihe.E H. IJ.-R'dfe, 5 fie julho de 18J0.-
lanocaicio utnius de F. Tbiivs.
Antonio Marques de tesura, presbytero secular,
eavalht'iro da ordem do Cnri.-to, conego lisura-
no .la caihedral e capolla uiperiaj, .paoiebo
colla lo na freguezia dq S.mtissimo aoraoento
de Santo Antonio io Reiife etc. /
0;r.ilico quo em < nmueneia do despacha do
Rvdi. cone.u.i gario capitular nutisei os sseq-
tos-oV baplisioo de lamMoncio, laucados no
i e fls. 393, o no livro R ;1-- 193 ; assim domo
o de seu irnii Aiigjlo,i;m(ado uo livra 12 e Q-.
2-7, em I": ile p.-.rficti
r rti taiiibem que o requefimento do snp-
plicante, pi .iiuw serem iBUtlisados tsies assentos,
3 o despacho do llv.liti. conego vigario capiular
sao da maneira segrjinu:
Illm e Exm. Sr. conejo govejnador do bispadii.
Diz InnocindoAntuneF. Torres, que hVendp --.-u
iiui presado pai, o linjidu Sr. vigario du Af "gajos
Jni Autuoiu Tures, ja>t.ioado porante a vigasa-
ra geral do bispado a qualidade ingenua do suo-
plicante e de seos irm s Angelo e Carleta, vjso
procederera de ventro,lvie, aiim doserem risca-
dos d" maneira que s nao leseo os asaamos irr.i-
nullos, i|un foram ii,e.uP.-ilerad:.uieHte\aber-
los coni sua audiem-ii. I.ui v;udu-sj outros eii que
o restituase a qualidade ingenua a\o supplic.oiie
o .le seus ditos irufifs, acontece que, expedido y
mandado do costunif, Ti) fdra ello lilteralu.
BU qiri o pe i vigario" Rezende, porquanio, sendo
abertos os autos relitivus fio su;iylicante e seu
irmiio Angelo, qua fuam os que so baptisaram na
fieguezia de Santo Antonio dosta e: lade, conti-
nuando a purmitri'cir ia.-oiivBuire.lenionte osant:-
gi.s as-entos, dando lo lagar que nm mal in-
teneionao individuo obiivc-.se agora nb a subre|i-
ticla'menta urna cerlidi extraida iriadsafda-
nieiite pelo l'.v.l n. Sr. c mego vigario con ar'.ni-
fe,.-to urejuizo do supjilicaute, cumo se v do o-
cuuwnto jr.uio.
Ein ytia do exposto vjm o snpplicintc requerer
a V. Exc. Rvdnj. que. bam da justica publica e
ditnoralidade, mande que osobredto copego vi-
gario inntilise de forma que se nao leiain os assja-
los nu I is quo se referon o supilicante e su
ilito icmao Aogeln alim de quo permanecam spip
contraieo os togalmente abertos por ordem su-
perior, e quo feiio isto sj euire-.-ae ao supplicaote
a pitsento petic com oertincado do ter /&!u
siiinprida a ordem de V. Exc. llvma.
i' o a V. Exc. Rvuia. deferimento com a cos-
tnmada juMici.E recebar merc. Recife. 5 ile
julho de 1870.Innocencio Antunes de Farius
Torres.
Eslava a estampilha de 200 rs.
Despacho.Tauae em coasidera^ao o fljtposto
pelo l'.vilrn. conego vigario deliro o supplicant.-.
Palacio da Soldade, 3 de julho de 1870.Conego
Paiva.
E nsda siais se connha era dita petico c des-
pacho, que fielmente copie de verbo ad terbum,
e aos quaes me reporto, em le de parocbo.
Santo'Antonio do Recife, 3 de julho de 1870.
O ivnego vigario Antonio Marques de Castitho,
CONSULADO
Iteudimento do da 1 a 3
dem da da 6 .
PROV1NCAL
42-680G90
9:1325391
51:833081
fal, e sendo sobre a materia ouvida a secjo d;
faenda do couselho de estado, relator o Sr. Alve3
Branco, votos os Srs. Rodrigue Torres e Monte-
zuma, fui, e:n consulta de de dazembro de 1833,
de parecer i maiona da mesa eeco de que :
Nao teado por fin o decreto de 20 de novem-
bro seBio recular a rrecadaei, admiuislracao e
fiscalifaeio das readas geraos, na s pabvraa do artigo 78 siguificaco to ampla.que
comprebendam disposigoas relativas s reaOas pro-
vinciaos.
Tomando o juizo dos f ito, de quflm se trata,
conhecimento de todas as causas de fazenda,
quer geral, qaer provine.al, o ten lo o citado de-
creto extinijuido a jurisdiceo na parte owres-
i -uto reala gera, era por isa teve em
vista tornar o mesmo juizo incompetente para
conjj.'cer dos feitos da f i'.en li provincial.
Quaado. oorem, se oodesse entender que es-
ta doalrina to era, verdadeira, nenhum incon-
veniente descobria a maioria da secijo em que as
causis da fazenda provincial corressom pelo juizo
dos feitos da corte.
t Na mesma dala bnixou o decreto n. 1298, o
quai na confumidade dessa resolugao. deslarou
Que a junsdicco ppivativiflQO pelo arligo 4
da le n. 242 do 29 de novembro de 1841 com-
pete o uu de direito da capital da provincia do
lUo de Janeiro para conhecor dos feitos da fazen-
da provincial su' siste, en*.endend3-se a oxti;iCi,'o
doieruiinada soinente limitada ao conbeciment
dos feitos da fazenda geral, que sao os que de-
veui correar pranle o juiz dos faitna da corte.
Aind a resoluco imperial de 1S de mareo de
Si, referendada pelo S;\ Nabuco da Araujo.
Q>nst|glttn a mesma doutrna.
Do que liei exposio v s, que o aeto da assem-
bla provincial 6 legitimo.
Depois de ntisclo o juizo dos ."eitos da fazen-
da geral da provincia do Rio de Janeiro, nao (i
cou o juiz de direito com a jurisdieco dos feitos
nrovinciaes ? E nao foi investido dessa uridic^o
pela asseriib.) provincial ?
t;ontiuuaremus as nossas reflexes em outro
artigo.
ife, G de julho de 1870
Iho do 1870.
A qsicso do juizo dos feitos.
As uuservacoes do Sr. Dr. G.mcalves Luna.
acerca do projscto que a assembla provincial
adoptou em sua prxima sesso, relativo ao juizo
dos feitos da fazeoia provinoial, nao sao proce-
dentes
O illustro preopinante coraacou por fazer urna
dislincco que foi pena nao esclarecesse, de lado
legal e pratiso, em urna questo que s de prin-
cipios.
Parti de que nao compste s asserablas pro-
vinciaes crear juizes privativos para as causas
da fazenda nacional.
Para isto nao ser preciso ter o trabalho de
desarrumar a loara da prateleira ; porque nao
esta a questo. ,
Nao se creou um juizo privativo nem urna ju-
risdieco nova: o que so fes foi attribuir juris-
dieco que j exista a outros juizes.
U juizo dos feitos da fazenda geral foi investido
da commsso de conhecer tambera das causas
provneaes, nao obstante ser privativo e impro-
rogavel.
A assembla provincial que o escolheu oara
juiz dos feitos provinciaes, do quo elle nao poda
conhecer por delegaco do poder geral, pode,
sem duvda alguma, retirar-le essa commsso e
da-la a outro juiz.
Isto nos parece claro. Mas deixeraos por ora
o artigo do Sr. Dr. Gonijalves Linw, para de outra
vez refuta lo.
Oucamos primeiro a lico do sabio visconde
de Uruguay em seus testudos pratcos e adminis
trativos que *indispulavelmente autoridade mais
competente.
Tomo 1 283.
c O decreto de 14 de julho de 1846 ouvidas as
seccoes de fazenda e justica do conseibo de esta-
do, declarou :
i Que as assemblas provinciaes tem o direito
de decretar que as causas da fazenda provin-
cial se processem e corram no foro commum,
ou peralte os juizes privativos creados pelas leis
geraes para as causas da fazenda publica na-
cional, e de estabelecer as regras que mais Ihe
parecain conducentes para a boa arrecadacao e
liscalisaco das rendas provinciaes, pos que sera
essa faculdade seria Ilusoria o que lies teem de
crear as mesmas rendas.
Assm resolveu esse decreto, roas logo pooco
depois urna resolucSo imperial decidi eoasa con-
traria sobre parecer de diversa seccao do mesmo
conseiho de estado.
A assembla provincial de Matto Grosso por um
projeclo de 21 de julho de 1846 declarara pri-
vativas do jais dos feitos da fazenda geral as can-
sas relativas fatenda provincial, sendo com-
petentes para dar andamento aos processos todos
os ewpregados do juizo dos feitos. >
Era justamente o que admittia o decreto
cima citado.
O presidente da pravincia negou Maeeao a
esse projecto por carencia de autoridade na as-
sembla provincial para legislar sobro esse
objecto, a vista dos actos da assembla geral, que
assim o declara.
Note se porem a diflerenca. A assembla
geral ha va revogado leis que creavamjuizes
particulares (provineiaes) o a assamMla do
Matto Grosso encarrezara ao juiz dos (otos da
fazenda geral o cennecimento das cansas da fa-
zenda provincial,
t A I ai geral n. 242 de 29 de novembro de
1841 restabelecendo a jurisdieco privativa eim-
prorogavel do juito dos eitos da faienda, deter-
minou que, a excepeo da corte e das provincias
da Baha e Pernambuco, onde naveria um juiz
de direito especial, cora a denominaco de juiz
de direito des feitos da fazenda, cervistem como
taes as outra? provincias os juizst de direito da
capital.
> Esta lei nao eomprehende a fazenda provin-
MOVIMEMTO DO PORTO.
.Vacio entrabo no dia 26.
Liverpool2 dias, barca "ingleza Mimosa, de
.409 toneladas, eapo Georgo Pepperell. equipa-
"seu 17, carga dilTerentes gneros; a Juhaston
Pater & C
Rio-Grande do Sul25- dias, patacho portugnez
iVoro Abalisado, de 307 toneladas eapilo Mi-
' noel Casimiro Pacheco, equipatrem 9, car^a
10:033 arrobas de carne ; a J. J. Gancalves
Bellro.
.Y; 'fin s:,kilos no mrsmo dia.
Alcobassa >ela Babia laucha b'aaiieira Linda
Dalia, capito Mauue.1 Jos.: Ja Dad Marte, car-
ga varios gneros.
dem idemlancha brasileira Pastora, eapjllo Mi-
guel Joo de Mcdeir-js, cm',\ dilTerentes gene
ros.
Uem idemlnrhi brasileira S. Joao 2 capilo
Ju Ferreira Lares, carga varios eneros.
filia de Fernando Yii. i::, i. iro Manio,
cmmandanto Juiio Gomes da Silva, carga va-
rios gneros.
Obsen-acao.
Suspenden jjn Irfmaraq para Q.ieeneston o lu-
jar nore-allemao Alerte, capilo W. don Appen,
com a mesma carca que truuxe de Play a Cob-
rado \ni Co'ifonTi)
pASSAGlEROS. Sahilos para a Ilha de Fer-
nando no vapur L-rasiiiiii'n M.mda : Francisco de
Paula llego Barros, Maria Laura o filbo, Antonio
,::3to Pereira da Silva, padre Rembert.
SANTA CASA DA MISliKICRDlA
RECIPE.
A I!lm.3. junta adminisirativa da Santa Casa de
Misericordia do Recife manda fraer pubiieo que
na sala de suas sessocs, no da 7 de julho, pelas
4 horas da tarde, tem de .-er arrematadas a qnem
mais vantagens offerecer, pelo lempo do um a tres
annos, as rendas dos predios em. seguida declara-
dos :
ESTARELECIMEMTO DE CARIDADE.
Ra do Padre, Floriano.
Casa terrea n. 63.......177*000
dem n. 47 '.....171*000
Ra larga do Rosario.
2. dito do sobrad* n. 24 A. 400*00
Travossa do S. Pedro.
Sobrado de 2 andares n. 2. 602*000
Rua de Santa Thereza.,
C;sa terrea n. 4.......143*000
Rua do Amorim.
Casa terrea n. 20.......301JO0O
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Itua da Seizalla.
Sobrado de 2 andares u. 136 601*000
dem P. 18........340*000
Rua do Rangel.
Casa terrea n. 38........ 360*000
Itua da Cacimba.
Casa ierran. 12........1471000
Rua do Pilar.
Casa tenv n. '.01.....
dem n. 104......
lein n. 102.......

Mrito
Ainda mesmo nao merecendo as estreitas rea-
rjH de trnisade) nao deseonhecetnos ^ mrito e
qualidades apreciaveis do quera quer que seja ;
ainda mais quaado ellas influam a bem da pro-
techas e caridade, nao para o desvalido, qne
desejoso procura, como para o bom desempeaho
e cumprnutnlo do devera.- impostos por lei.
A execurio de um.preceito e cumprimenio de
nm dever, urnas vezes se consegue pela forca da
obediencia, outras vezes, pprm, acresce esta a
dejjicaco e esmero do executor.
E' pos nfsta segunda condico que conhece-
mos acharse um empregado public9 zeloso ; pai
dedicado ; cho/e harmoobsa; homememfim cheio
de prestimos quo repartindo, e emaregando com
habidade o seu valimento, sabe minorar para o
orpho a saudade de seu pai ; ao desvalido o sof-
friraentns da indigencia ; ao subalterno o rigor
da obediencia, nao desconhecendo, e pratlcando
mesmo por sqa parte, o respeilo e acatamento
pessoa ao super or : e procedendo sempre para
com o amigo... outra peana melhor dirigida o
dir.
Podamos oceultar o neme da pessoa de quem
nos oceupamos; pois nao nosso intento tazer
adornos ; e sira, com a cinceridade que nos ca-
racterisa, respeilar o mrito e felicitar a quem e
possuo : nunca prostitumos a nossa expresso ;
nunca ella alentou a feia intriga e nojenia cavi-
larlo. Condico embarazosa 111
E' ao Exm. Sr. general da armada Hermenegil-
do Antonio Barbosa de Almeida inspector do ar-
senal de marrana de Pernambuco, quem nos
dirigimos, favor de quem urna honrosa tradi^o
e despida de prevmcoes, barraonisando com o que
temos presenciado, nos convencendo de seu acri-
solado mrito, nos autorisa a derigir-lhe sem re-
morsps nossas expressos, to mal escriptas como
bera pensadas.
Temos tido, por vezes repetidas e quasi curiosa-
mente, entrada nesse arenal, e nunca notamos o
menor dosarranja o pessaal dos erapregados e
operarios cuidosos em seus deveres ; o material
pelas offlcinas, e diversos armazens do almoxari-
fado, na melhor arrumacao em suas devldas clas-
ses ; e pelo que toca a educacao, e trataraento dos
menores j a Bosta curiosidade sobe a ponto de
procurarmos fallar a alguns, para podermos ava-
har, pelo que presenciamos, o qnanto a respeito
dclles temos ouvido, nao s em publico, como
por casas particulares, e elles sempre e cora sa-
tisfago jios diziam nossa comida boa ; nosso
trabalho suave; temos lempo at para folguedo;
o Sr. director graceja eomnosco.
Tres menores conhecemos nos cujas mes sen
tindo a ddr do apartamento de seu tubo orpho,
pela falta de recursos para maate-los dizem mes-
mo: sua visa-me isto ver a proleco e amparo
que achei no arsenal de marinha.
Nao concluiremos sem dizer que o mesmo
presenciamos era dia e hora incerta, a por modo
nenhem presumida : transpomos o bordo navio
quartel dos menores marinheirss e por (temis
era htra do jantar I que ordem I que acceio da
comida I e de qualidade superior I...
Logo refletimos quo elles erara ahi to bem pen-
sados como os de trra dentro do arsenal, e quan-
do entra couza isto nos nao revelass, reveilana
de certo a satisfacd qne >e divisava era seus sem-
blantes, e com respond ara a alguraas perguntas
nossas.
Nunca viraos a orphandade to bera amparada
e to bem tratada como no arsenal de marinba de
Pernambuco pelo desvello do seu digno inspector
a quera gandamos.
a
CMMERCiO.
rHACA DO RECIFE 6 DE JULHO.
DE 1870.
AS 3 1/2 ROBAS 0A TARDK
Algadao l60rte871 rs. por kil,
AcpJes da caixa filial do bao do Brasilao par.
uambio sobre I.oodres 90 div. 21 5i8 d. e 21
3)4 d. uor 1*000
Dasoonta de letras 9 0/0 ao anoo.
uoneajlo Jos Affoaso,
Presidente.
Pelo secretario,
A. P. de Lemos.
ENGLISH BANK
Of jRo de /aneiro Limited
Descorita lettras da pra?a taxa a con-
TAES.
Pela arnara municipaldesta ci.iade, se faz
publico para conh cimento ie quem interessar
p."si. ;|iie .i mi -ma cmara d comtcd a sua 3
sessao nMinaria ileste anuo em o dia 6 do correte
e continuar nos s"gnintcs.
Secretaria da cmara municipal do Recife, 1 de
julho de 1870. _
O secretario interino,
Augusto Genuino de Figueiredo
HMnB
n2>
lata m- 103
/.sa terrea n
[Jora n. Vi.
110.
201 (XX)
M0J000
S0000
103*0(10
2043000
204*000
Rua da Gua.
Casa terrea n. 27.......147*000
Sitio da Srueia n. 4...... 107*000
0; pretendenles deaerio apresentar no acto da
arremataco das suas flaneas ou comparecerem
jcnmpanbados dos respectivos fiadores.
Socrat.ii i:', da Santa Casa da Misericordia do Re-
e, 2 de julho de 1870.
O escrivo,
______________Pedro Rodrigues de Souza,
Pela snb.lrdegacia do 4* distruti da fregu-
ra dos Afogados se declara que se acham" deposi-
tados cinco ava los, sm-Jo dous de cor castanhos,
dous de cor riisso, e nm alaso sujo : quem pois
se julgar s.-.t'.s ilonus comparecam nesta subdele-
gada, instruidos de suas competentes provas, que
Ihe* ser o entregues; marcando para isto o praso
de 30 dias, a contar da data deste.
Subdelegada da Boaviagem 6 de julho de 1870.
O subdelegado.
Paulino Je venci da Silva.
A cmara municipal do Recife, tondo da
mandar celebrar um oficio solemne pelas
almas d'aquelles que tao generosamente der
ramaram seu sangtie na cruenta guerra que
ustentaram contra a repblica do Paraguay,
convida ;i todos os seus municipaes para as-
sis'.irem a esse acto da piedade religioso o
qual ter ;ug^r na igreja matriz de S. Frei
Pedro Concalves no dia 18 do corrente s
10 horas da manha.
Papo da cmara municipal do Recife. em
6 dVjulbo de 1870.Bento Jos da Casta
Jnior.Dr. Pedro A. Lobo MoscovaJos
Maria Frere Gameiro,Caetano Qdr ya coda
Costa Moreira.Ignacio Pessoa ra Silva.
Pela secretaria da cmara municipal desta
cdade, se taz publico que, nao tendo havido luje
sesso, conforme tinha sido marcada, bea transfe-
rida para .'.manhaa (7) do crrente, bem como a
a rrematacao do talhodo canto da nbeira da fro-
guezia do S. Jos do lado do snl.
Secre/ana da cmara municipal do Recife, 6 de
julho de 1870.
O secretario interino
Augusto Genuino de Figueiredo.
Avises mwms.
Pa a Lisboa
Achase proirpto para seguir vagem nestes
poucos dias o bsm etnhecid brigue portugnez
Lua / : para o resto e passageiros, a quem offe-
rece os melhores commodos: tr.ta.-se eom os con-
signatarios Thonm do Aquino Fonseca A C.,_ rua
do Vigario n. 19, 1" andar, ou com o capilo na
praca.
DECLARAGOES.
S3o novamente convidados os- Srs. ac-
cionistas desta companbia para se reunirem
em assembla geral no dia 9 do correle
mez, ao meto da, no escriptorio da mesma,
rua do Cabug n. 16, para, em conformi-
dade de seus estatutos, deliberar sobre as
contas ao anno fmanceiro. e approvar o or>
camenlo vindoiiro ; devendo-se previnir que
nao tendo os Srs. accionistas comparecido
em numero legal na primeira reuniSo para
hoje convocada, realisar-se-ba a assembla
geral eom o numero de accionistas que
comparecer na nova reuniao, para a qual
ficam de novo convidados, segundo acna-se
prescripto no art. 23 dos respectivos esta-
tutos.
Escriptorio da^companbia do Beberibe,
5 de jumo de 187.
0 secretario,
Dr. Prxedes G. de Souza Pitanga.
SANTA CASA DE MISERICORDIA DO
RECIFE.
A Illma. junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Recife, precisa contratar cora
quem por menos preco flzer a obra de um muro
que'feche os quintaes das casas de n. 94 n.
UO, sitas rua do Pilar em Fora de Portas per-
tencentes ao patrimonio dos orphos, o qual de-
ver ter 10 palmos de altura sobre 4 de alicoree.
Os prebndenles devem apresentar as suas pro-
postas em cartas fechadas nesta secretaria at o
da 30 do corrente pelas 3 horas da tardo.
Secrteara da Santa Casa de Misericordia do
Recite, zo de junbo re 1870.
O escrivo,
______________Pedro Rodrigues de Souza.
De ordem do Illm; Sr. consalheiro inspector
da thesouraria de faienda desta provincia se fazf
publico que no dia 9 de julho prximo vindouro
iro praca, perante a junta da mesma thesoura-
ria, para serem arrematados por que por menos
flzer, os reparos de que precisara o pavilbo occu-
COJPAffmJL
DAS
Mes3 gei-s imperiales.
At o dia 10 uo corrente mez espera-se da Eu-
ropa o vapor francs Amazone, o qual depois da
demora do costme 9eguir para Rnenos'Ayres,
locando na Baha, Rio de Janeiro e Montevideo.
Para conducoes, frttes e pas-agens, trata-se
na agencia, rua do Commereio n. 9.
Al o dia 12 do corrente mez espera-se dos por-
tos do sul o vapor francez Gironde, commandante
H. de Somr, o qual depois da demora do costme
seguir para Brdeos, ficando ein Dakar (Gora) e
Lisboa.
Para eondiedes, fretes e passagens, trata-se na
agencia, rua do Commereio n. 9.____________
MA11A BRASILEDU
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do sul esperado
at o da 9 do corrente o vapor
Gfi'nvi, commandante o c apito
teen te Pedro H. Duarte, o qual
depois da demora' do costume
seguir para s portos do norte.
De3de j recebem-se passageiros e engaja-se a
arga que o vapor poder conduzir, a qual dever
ser embarcada no dia de suachegada. Kncomraen-
das e dinheiro a frete at as 2 horas do dia da sua
sabida.
Nao se recebem como encommendas seno ob-
lectos de pequeo valor e que uo excedam a duas
arrobas de peso, ou 8 palmes cbicos de medico.
rudo que passar destes limites dever ser embar-
cado como carga.
Previne-se aos senhores passageiros que snas
passagens s se recebem na agencia, rua da Cruz
n. 5?, 1 andar, escriptorio de Antonio Luiz de
Oliveira Azevedo A C. ______
GOMii BiASlllIll"
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do norte esperado
at o dia 9 do corrente o vapor
Cruzeiro io Sul, commandante J.
P. Gnedes Alcoforado, o qual
depois da demora do costume se-
guir para os do snl.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
carga qne o vapor poder conduzi*, a qnal dever
ser embarcada no dia desnachegada. Etreommea-
das e dinheiro a frete at as duas horas do dia da
sua sahida.
Nao se recebem como encomoMMtai senao ob-
lectos de pequeo valor o que nao excedam a S
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medi-
co.
Todo qne passar destes limites devora ser
enmarcado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que tas passa-
gens s se recebem na agencia rua da Crfu n. 67,
{ andar, escriptorio dn Antonio Luis da Oliveira
Azevedo & C.___________________________^_
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DI
\aTee*co costelra por vapor.
Porto de Gallinhas, Rio Formoso e'
Tafflandar.
0 vapor Parahyba, seguir para dS portos ci-
ma no dia 10 do corrente. meia noite. Reeeb*
carga, encommendas, passageiros e dinheiro a fre-
te no escriptorio do Forte do Mallos n. 12.
- 7k
k .
- *..' />
t
ai


.
*

Diario & Peraailra *-' Quinta eira 7 dt> Julhc de lf70.
ja.
"Segu com brevidade para e porto cima o pa-
Ibabote nacional Joven Artkur, tem a maior parle
h S?\ carrea[Mnto engajado ; para o resto que
ine falta trata- com os consignatarios Antonio
Luiz de Ohvair Azevedo & G, roa da Cruz n. 57.
Io andar. .
compandTpernambcana ;
Navegar costclra por vapor.
Macei em direitura e Penedo.
O vapor Jugwre, comman-
dante Guilherme, seguir pan os
portos cima no dia 8 do corrente
i as 4 horas da tarde. Recebe car-
ga at o dia 7, encommcndas
passageifos e ffinheiro a frete at as i horas da
tarde do dia da sabida : escriptorio no Forte de
Mattos p. 12.__________________________________
fcOMPANHIA PEKNAMUCANA
Minuto e
passageir din
- DE
Navegado costera por vapor
Mamangaape.
O vapor nacional Coruripe, commandante
va, seguir para Mamanguapo no dia 12 "do cor-
rente as 6 horas da tarde. Recebe carga, encnrn-
mendas, passageiros e dinheim a frete al as 3
heras da tarde do dia da sabida, no escriptorio
da companhia, Forte do Mato* n. 12.
meninos, 1 berr >, 1 lavatorio da. Jacaranda, 30
iras .ivjIs.i-; para salla de jantar, dive
paj'es de aleijia-, c
e vidros, garrafas paravmho, copos, causes, jarros
figuras de porcelana ; assim como diversas titiras
de ouro, como .bem, pulseiras, aneies, relogios e
muilos utros objectos. que estarlo patente aos
licitantes no dia do leilao.
LEIO
DE
COMPANHIA PEm DS
rVavegaco coste! ra por vapor.
Parahyba, Nata', Maco, Mossor, Ara-
caty, Cear, Mandah, Acarac e
Granja.
O vapor Pirapama commandacte
Azevedo seguir para os poriot
__cima no dia lo do corrente as 5 horas
da tarde. Recebe carga at o dia 14, encora-
mendas, e passageiros e dinheiro a frete ata s.
2 horas da tarde do dia da sabida no escripto-
rio do Finia do Matt-s n. 12.
Movis, louca e cryslaes, e una carro ame-
ricano com arreios e cavados,
Sexta leira, 8 de julho de 1870.
Na casa n 33 e 34 do "orto do
Lasserre, na Capunga.
O geme Pinto, encarregado por urna familia
qne retira se desta provincia, levar a leilao os
movis, louip, vidros, e roah objectos abaixo de-
clarados existentes na casa n. 3 i e 34 do Porto do
Lasserre, onde se cffeetuar o lilo no dia cima
designado, a saber : um piano forte, urna mn-
iilia de faia com os lampos de pedra, 4 pares de
sl | jarros par llores, 2 iusiees de faz, 1 tapete-, 1
caodieir de gaz, 1 espelho, 4 quadros, i figuras,
1 rica secretaria. 1 esunte, 1 relogio, 1 cxcellente
cama franceza. 1 gurda-roupa, 1 .toilet, 1 e-pe-
I lio, 1 eommoda, 1 lavatorio, 1 cabide, 4 estantes
de cantos, i costnreira de diario, 1 masa elstica,
1 aparador, 12 cadeiras, 1 mesa de jigo, 1 caixa
com teios, 1 fjuartinheir:i, louca para jantar, dita
p ira cha, copos, clices, bandeja, garrafas, porta
ipeijo, 1 salva de prata, frneteiras de vidro, gar-
fas, facas., culhera?, trem do cozinha, e outros ob-
jectos que estaro patentes ad exame dos concur-
rentes.
O* concurrente? encontraran na eslaeae da ra
de S. Franci>co, as 8 e 50 miuutos, e 9 50 minu-
tos, trens para transporta-Ih estacao da Capun-
ga, donde voltaro as 2 1|2 e 3 1[2 horas da tarde,
ou maistarde.se loes convier.
Deve seguir dentro em poucos dias o brigue
nacional Imtrepido p>r ter prompta a maior parte
de sna carga, e para o que anda pode receber a
frete commjdo, trata-se com Baltar, Oliveira
C. ra do Vigario n. 1, 1 andar._____________
f
Para o referido porto pretende seguir com bre-
vidade o patacho nacila! Protector, por ter a
maior parla da carga prompta ; e para o resto, a
frete mdico, trata-se com o con-ignatario Joa-
quim Jo.-. Goncalves Deltro, ra do Commereio
n. 17.
VUogrspbii imperial
ClLgKIl
dos gneros existentes na loja de
miudezas sita ra largado
Rosario n. 24 a.
Henrique de Moraes & Irmao fariio leilao por
intervencao do agente Pontual da armacao e g-
neros existentes era seu estabelecimento de anude-
zas sito ra larga do Rosario n. 24 A, em diver-
sos lotes vontade dos licitantes e sem reserva d3
precjs.
Sjsta-foira 8 do corrente
no mesmo estabelecimento, s II horas.
Aracaty.
O paluabtte Garibohli, capital? Custodio
Vianna : a tratar com Tasso Irmaos & C.
Jos
fijara o Porto.
Acha-se carg o brigue portuguez Triumpho,
peraondereccbep.tr frete commodo : quom no
mesmo qnizer carregar entendase com o- con=ig-
natarios Timnaz de AqUino Foneea & Vigario n. 49, Io andar.
Para o referido porto pretcnle seguir com pos-
sivel brevidade o .patacho porluguez Elephanlc por
ter alguma carga tratada, e para o quo tbe falta
trata se como consignatario Joaquim Jos Goncal-
ves Beltrao ra d'> Commer.'io n. 17.
NAVIO A VENDA
Yende-se o brigue portngnez S. fu, de lota-
ga i de cerca de 1300 arrobas ; os pretndeme?
poderfm examina-lo no ancoradonro : na volta do
Forte do MHo, e tratar a ivspeito. com o capitao
a bordo, o na p.*aea do Corpo Santo n. 6, segun-
do andar.
A
- Precisa se alugar urna escrava para coziohar
e engonmar : na ra do Crespo o. 23.
ADYOGAllA. M
O DR. JOAQUIM CORREA DE ARAUJO ci
tem o seu escriptorio ra do Imperador J}
n. G7, onde piie Ser procurado das 9 ho-
ras da manha s 3 da tarde.
Atteaco
Precisa-se fallar com o Sr. A. A. P. Alencar. ne
ra do Vigario n. 12, a negocio que j e fallou.


.
ca-
In-
DE
ucn olegaaie ca?rSa^3 ou
!)-J;Ec1 fraacez de aova
veaclo.
Um elfgante carrinh > franeez de quatro rodas e
assaaioa para Juas e tros pessdas, do nova invn-
cao e cora todo os pertences precisos para traba-
Ihar cora um ou dous cavallos e com cobertar ou
sem, elia, et., etc.
^siiata-felra. S de jnlh
HOJE.
Na ra do Imperadjr n. 16 ao raeio dia, por in-
tervencao da agente Pontual.
DE
O agente Martins levar novamente a leilao por
despacho do Illm. Sr. Dr. juiz especial do com-
mereio as dividas activas da massa fallida de
Antonio Joaquim Fernandes na importancia de
21:107^750 rs
HOJE.
Em seu escriptorio a roa da Cadeia do Recife
n. 9 as 11 horas do dia.
de movis
HOJE
Augusto Seixa? autorizado por urna familia, que
retirou-se para a Europa, far leilao em seu arma-
zem a ra do Imperador n. 16, por intervencao do
agente Pontual de diversos movis de gosto, como
bera : i mobilia de Jacaranda a Luiz XV com
tampos de pedra marmore, 1 mesa para jantar, 1
piano francz de armario obra nova e perfeita-
mente acabada, diversos quadro, i secretaria de
amarello, 1 mescam estante, 3 mezas para escre-
ver, 1 cadeira le farro para recreio 2 estantes da
amarclo. 1 guarda vestidos, 2 camas de faia para
S MDANCA.
C"' O Dr. Carolino Francisco de.Lima San-
f>3 tos mudou sua residencia e consolirio
^ para a ra do Imperador n. 57, 2o andar
i_ do sribrado cujo araiazem conserva ajo-
rga da hoje o nome de Alianca, ttmdo a
^ entrada, que pelo lado da ponte Sete
jiSj do Setembro, o mesmo numero 57, da
. Abi coiiiinuanl.i o dito Dr. no
:^ exercicio de sua protissa da medico e
de operador, pedo ser procurado a qual-
quer hora do.4'a e da noute.
Ama.
Precisa-se do urna ama p::ra ctzinhar e com-
prar : a iratar defronto da slfandega n.4.
Precisa-se de uous ainassadores : na padaria
da ra do Raogel n 9.
P "i -
Os irmaos, sobrinho3 eafilhados da fallecida D.
Clara Clerfientraa Carlota do Rrlto, sommamenle
penhorados para com aquellas passoas que a aium-
panharam ao cemiierio publico, signiflcam deste
modo seus reconliecimentos, e rogam de novo sua
assist neta n missas que no stimo dia, 8 do cor-
rento mez de julho, se haod; celebrar no conven-
lo do Carmo pelas 8 horas da manha, por snlTra-
gio de sua alma ; (cando p.>r scmelhante facto
cada vez mais eratos.
No dia sexta-feira 8 do corrente mez de ju-
lho, por occasiao da missa do stimo dia, em suf-
fragio, celebrada pela ailecida D. Clara Clemenli-
tina Carlota de JJritr, no convento do Carino,, se
bao de daresmolos de 1$ cada urna s pessoas
uecessitadas.
Convida-se aoi reverend s sacerdotes para
celebrarem missas por alma da finada D. Clara
Clementina Carlota de Brito, no dia 8 do correte
mez, no convento do Carmo, das 6 horas em dian-
te, com a esportula de 3.5 por cada urna.
Ama
Precisase de urna ama de boa conducta para
casa de pouca familia ; a tratar no largo da alfan-
Jega n. 7.___________ ________________
Offerece se urna perfeita crzinheira para
casa de horaem solteiro : a tratar na ra da Ca-
deia do Recife a. 29, 2o andar. ______
Precisa-se de urna ama para cozinhar :. a tratar
na' ra do Brum n. 88, 2 andar, ou ra da Cadeia
n. 5o, Io andar
DE
J. Fetretra Vthla
Desde o da 7 de abril passado acha-se aberto o
novo estabelecimento photographlco sito* ra do
Cabug n. 18, canto do pateo da matriz. Os traba-
Ihos que desde eniao, tem sabido de nossa ofJkino
lera geralmente avadado, sendo recebidos por
algnns com admiracao pelo extraordinari) pro-
gresso que ltimamente tem lid a pbotc graphia,
e por outros c^m alegria, por verem a provincia
dotada com um estabelecimento digno d ella, e in-
contestavelmen'.e o primeir que nesse genero
hoje possue : tambem nao nos poopamos em cousa
alguma para monta-lo no p em que se acto, es-
perando que o publico de Pernambuco saber
apreciar nossos esforcoa e recompensar nossos sa-
crificios.
Convidamos a todas aquellas pessoas, nacionaes
e estranseiras que gostam da* artes, on tlverem
necessidade de trabalhos de photographia a vi si-
ta re m o nosso estabelecimento, que estar sempre
aberto e sua disposi^ao todos os dias desde as 7
horas da manbaa at as 6 da urde.
Para es trabalbos de photosraphia possoimes di-
versas machinas dosmelhores autores, fraacezes,
inglezes e allmemes. como sejam : Lerebours el
Secretan, Hermagis, Tliomaz Rossv Voigtlander et
Sonh e Wulf. ltimamente recebemos tres novas
machinasi sendo nma dellas propria para lomar
sobre o mesmo vidro 4 ou 8 imagen diversas e
soladas, e outra da&a 12 imagi-ns diversas e
igualmente i-oladas, de sorte que no caso de
grande cocurrenoia podoremes retratar sobre
una nica chapa ala 8 pessoas diversas e sola-
das para cartoss de visita, e assim em men^s de
um quarto de hora despacharmos 8 differeoies
pessoas que pegara cada una, umaduzia de cart5es
mala ou menos, com os seos retratos smente, ou
em grupo com outra?.
Encarregamos-Bos exclusivamente da direccao
e feitura dos trabalhos de photographia dei-
xando pericia e talentos do distincto piqtor
allemo, o Sr.
Jorge A. Rdth
os trabalhos de pintura, a aqnarela, a olee, e a
pastel.
O Sr. Rotli acha-se ligado a nossa empresa por
urna escriptura publica, e at o presente tera-se
'desvedado na execucao de seos tnbalhos
No nosso estabelecimento acbampe exposlos oo-
tros trabamos i q orlantes do Sf. llotli, tanto em
miniaturas aquarella como oieo, re ratos
oleo^ quadros sacros e diversos outrrs trabalhos.
T 'mamo? encommendas de retratos oleo at o
tamnho natur.il, assim corno de quadros sacros
para ornaniuntacao de igrejas ou capillas. Tam-
bem aceitamos encommendas de quadros histri-
cos.
Assegnramo? que os preces dos diversos tra-
balhos oa nossa casa sao mui rasoavei-.
CARTES DE VISITA NAO COLORIDOS iO&OO A
DUZIA
CAUTOES DE VISITA COM O COLOR i DO AO NATC-
n.vi.l6^00ADrzi.\
Retrates em miniatura oleo ou aquarella de
16 205000 cada um, ftaao convenientemente en-
eaixilnado em moldura ourada e regulando o
busto da pessoa retratada de 3 4 pollegada e
todo o quadro palmo e raoio de tamanho
Julgaiuos que bastarlo os presos cima para
dartCQs idea di baratea dos trabalhos do nosso
establecimento, qunnto sua perfeieSo cada um
ven ha jnlgar por sci> proprios olhos!
As nielliores horas, par;, se tirarem retratos^ no
110.-.-0 estabelcciniuto sao das 8 horas da manba
1 da tarde; entretanto de urna hora s 3 da tarde
em casos especiaos pde-se tarabem retratar qual-
quer pessoa.
Nm dias de chu-a, ou por tempo sombro po-
demos retratar, e asseguramos que esses dias sao
os mais favoraveis aos irabalhos de photographia
pola doenra e persistencia da luz, e p: r termos v
nosso terra^i construido cora taes propore5es e
melh iramtntos, que ainda chovendo jorros ne-
nlium inconveuicn'.o ha para fazer-se bellos re-
traas. ,
J. F rreir Vitela
0; snboip.' acames da eonrj.'' Pernai.
I vap-ir queirad Vyj 'encial
ijii. v.', cmin.rffaxS' i-''ra o
na 'i? or .'-irn 'ui A"onv
uliimaiiiente as iiarr.'Cas Uoiacaluaj farintu, e outros generoj, cora guvissimo prejuizo
nts do norte'.
Novariflouro, no nlttmo sobrado, precisarse
fallar ao ir. Antonio afarinBo Paes Barreta, filhp
A ajudanie Antonio Leocadio Paes Barreta a sua
mulhcr D. Ignez Maria de Mello._____________ _
Pretisa-se de um ob dous trabalnadores,
mogos, para servico de tinturara : aa ra das
Flores n. 25".
PEDIDO
Pede-se s pessoas que se eaiveceram com a
cartinha o-tineiro da tgitja dos soldados a seu
ompatre Tabula, que nao faturisem mal e injus-
tamente, visto como o antor foi eu
' O palit dn eterntdade.
Ama
Precisase na ra da Praia n. 53, 2" andar, de
urna ama que saiba cozinhar com perfeicjto, quer
seja livre ou escrava, sendo t3o rnente para o
servico dacozinlia : a tratar no mesmo sobrado
Irmandade do Senoor Bom Jezus das
Chajras.
Da conformidade com n artigo 79 do nosso com-
promisso, convido os irmaos desta irmandade para
as 9 horas do domingo prximo (l), reanidos em
niesa g^ral em o nosso consistorio, e depois da
respectiva missa, procederera a eleicjb da nova
mesa regedora.
/ Luiz de Franca Pereira,
_^_____________Secretario. _______
Na raa da Crin n. 13 precsase de urna
ama para cozinhar e comprar para casa ds fa-
nilia.
roa
2,
pn-
di-
da-se
pebores
i
m
i
Ka ravessa
das Cmzfis n,
meiro andis
nhelro sobre
de oaro, craa
tes, seja qoal for aqeait
^ lia. Sa mesiia casa com
pram-se os mesmos
s taes e pedras.
Iiagem.
Troca-se nma bonita imagen do MrainoDco.'.
feita em Lisboa : na praca da Independencia n,
39. loja de raleada
Irmandade acadmica
DE
N. S. do Bom Oonselho.
A mesa administrativa da irmandade acadmi-
ca de R. S. do B 111 Couselho, cjnvida a todos es
irmaos para no dia 7 as 11 horas dia. se reuni
eem no consistorio da mesma, irmandade, afim de
tratar-se de negocios tendentes a mesma irman-
dade.
Consistorio da irmandade acadmica aos 4 de
julho de 1870.
O secretario.
Camillo Correia Dantas.
Aluga-se um :.ora eozmheiro e um escravo
de todo servico : na ra Direita n. 12, Io andar.
Eraoregar um homem portuguez de meia idade,
naoescalhe arrurcaclo, e tenmuita pratica de
negocio, tanto para esta cidade como para fra
del I a : a tratar na rua Nova n. 38:_____________
A pessoa que aiiuunciou comprar uinareii-
nago, appare^a na rua Direita n. 22.
Miguel Pires Branco convida a todns os seus
amigos cojiparecerem no dia 11 do corrente, as
6 1[2 horas da raantiaa, afl.n de onvirem a nma
missa que manda resar pela alma de sua prezada
esposa D. Leopoldina Carlota Pires Branco, falle-
cida m Lisboa, na matriz da Boa-vista ; e desde
j antecina ?o r-ardlaes agradedmentos.

LuizaMara Coimhra muida celebrar nmi
missa por aJraa desui muilo prezada e chorada
irmaa D. Franc.sca Jliria Coira'jra, no dia sexta-
feira 8 do corrente, na igr.-ja de S. Gonzalo, pelas
G 1|2 horas da manha, soliino dia de seu fallec-
ment ; para cujo acto da caridade e religiao con-
vida aos sjus prenles e pessoas d< sua araizade o
seu comparecimenio, coufessaudu-se grata para
com todos que tsistirem.
Pro 1
Utrn
d* nm aixatoi
^at'e prttcs
111 roa lo Livfaijif);! n. jo
48-rua ds Tracheiras-48
Nes| hotel forneco se para casas particulares,
tanto aralsa corno por assitmatnras, comlimpez ;
sorveie ^ noute, ptima feijosd* na3 quintasfei-
ras e mo de meca nos domingos de madrugada,
e apromptam-se cera brevldade qealqaea- encom-
menda.
Vendem-se cinco burros e seto egoas de roda ;
para ver no engenho Aihuraas distaate da eslaeao
de Gamelleira urna legoa : a tratar na rua do
Apollo n. 4!, 2o andar, com Jis da Silva Alves,
ou no mesmo > ngenho.
PjE&IEMI
Pela segunda vez t.rnamo nos masantes, mas
com delicadeza, pedir ao Sr. n, Liiz Casad, dir?c
tor do circo no pavilhiode Santi Isabel, para in-
cluir no seu progrmala d d miago 10 do cor-
rente, o trabalho da escad.i a rea p^los applau Y.-
dos gynasticos Aldabo e Vicente. Esperamos que
i> Sr, LuitCaca preste mai- alguma attac\o aos
pedidos que se llie f;zem.
O publico era g=ral.
Precisa-se do urna ama do uuia idi.ie : na
rua do Apollo n. 4?. 2- ailar.
Am
Precisa.se de urna ama
33, 2 andar.
na rua do
Vigario n.
Ollerece-se orna ana d^ lite : a tratar no
pateo do Carmo, esqaina da rua de Hortas, arma-
i'im n. 2.
Bartholomon & C,
**
\.


V:n::'\ Ph.li.a.-;. X.\ko>'R e TlNTURa
SU
...... ). v-.TFiO
PL. :.'/- 'i':'.i:;'a:_\UOS POH
J&RTHQLfMS 4'C"
Ph a kmack uticos- Dhoouistab
PEB5X*SI5SUS:
A Innteba : >U planta < hi>j reconhecid
i um1s paderoM inico,
l.i;!i>!nir.i!i'. furii.i
do Ogadue !{.., hi-|iatiis. iluresaa, Uununa laler-
oos e es|cialaicnte do ulero, hjdiii])efias, erjrai-
polba, etc.; e assoroaJa no ferro i til as pallai
cor:?, cblorosc taita de Hf:i..iraa<;0, dejarran.
jos do ustomaKo, etc., e o que diaatooa atlelU*
iiiumeras curas imporlaotea oktidas com nosso
pr! distmetos mdicos do paiz e l'ortngal. Km todos 01
nossos depsitos distribuimos gratis folhatos 1
selhor fasem cocbeccr a Jambaba seos resollad
t apphcacto.
Pillas assucaradas de Brislol.
CONNO TlMf JfEU CALOXCLANOS NEM NENHDaf
OUTBO MINERAL.
Agrande necessidade e falta de nm ca-
thartico ou da nma medicina purgativa, ha
muito que tem sid sentida, tanto pelo po-
vo, como momo por meio da facoldade
tfiedica; e por isso, infinito o gosto e
prazer que sentimos, em podermo com
toda a confiancaeseguridade, recommendar
as pitillas vegetaes assHcaraaa de Bristol,
como urna excedente medicina purgativa, a
qual encerra em si todas as partes e mais
ingredientes essenciaes, tornndose em um
perfeito, seguro e agradavel catiartico de
familia. Este remedio nao composto
dessas drogas ordinariamente usadas na
composicao dessas pululas, que por ahi se
vendem, mas sim, sao preparadas com as
mais finas e superiores qoalidaies deraizes
medicinaes, hervs e plantas, depois de sel
baver chimicamente extraliido e separado
os principios activa, ou aquellas partes
que contem o verdadeiro valor medicinal,
daquellas porcSes fibrosas inertes e agres-
tes inteiramente destituidas da menor virtn-
de. Entre esses agentes activos ou ingre-
dientes especficos, podemos nomear a po-
iophgtiin, a qual segundo a experiencia
ram demonstrado, possue um poder o mais
"aravilhoso possivel sobre as regidos do
figado, assim como sobre todas as secre-
ces bih'osas. Ist de combinacSo com o
leptandrin, e mais alguns extractos vege-
taes e drogas altamente valiosas, consti-
tuem e formam urna pilula purgativa, tor-
nando-se por isso rauitissimo superior,
qualquer urna outra medicina da mesma
aatureza, que jamis fora apresentado ao
publico. As pilulas vegetaes assucaradas
ie Bristol, achar-se-b5o sempre um reme-
dio prompto, seguro e eminentemente efi-
caz, para a cura de molestias, taes como
sejam as seguintes.
Hydropesia dos mem-
bros ou do corpo,
Affecc5es do figado,
Ictericia,
Hemorrodias,
Maa hlito, e irregu-
laridades do sexo
femenino, \
Dores de cabeca.
Em todas as molestias que derivam ^
sua origem da massa do sangue: a salsa
parrilha de Bristol esse mclhor de todos
Dsppsia, ou indi-
gesto,
dAstringencia, ou..
prislo do ventre
habitual,
ra do estomago e
flatulencia,
Perda do apetite,
Edtomago sujo,
Prtcisa-sede um homam que arta parata-
tor de engeoho, prpere-se esirangero a. tratar
na rua de Santa Hita n. 83.
- Precisa-se de duas amas, sendo nma. de asile
e outra para coziohar e comprar para cas* de
pouca familia : a tratar defronte da nUh do
peina n. 8, l8 andar.________^_______^_
Candlclros. e gaz econoMfo
Acaba de ebegar nova remessa desses tao
desojados candieiros em porcelana, bran-
cos e de cores, os quaes muito se roeeni-
mendam pela seg ranea asscio e economa,
e ainda pela elcellente luz preferivel mil to-
zo ao kerosene. Vtbiam antes qua sa
cabem.
nico deposito na ras larga do Rosario
q. 34, pharraacia de-Bartholomeo & C.
ASSUCaA E OXIDO DE FEURO DE
CHANTEAD.
SEGREDO ECONOMA E CELERIDADE.
obtm se coin uto da
O assucar frrugino* ds Chaoteaud
obtido pela associacao do oxido de ferro
inteiramente soluvel com o assucar cuidi-
dosamente purificado. Este assucar de
una bella apparencia crj'staliua, tem o sim-
ples gosto mu agradavel do assucar. seta
o menor sabor adstiingento, n5o tem ac-
Cao irritante soiwe a mucosa do estamago
e intestinos, e rpidamente absorvido pelo
apparelbo digestivo sem causar no constipa-
coes do ventre.
INJECgO LHOSTE.
Uuiea bvgienica radical e infallivet'na enra
certa das gonorrheas> flores brancas, e lin-
ios de toda a espeeie recentes ou ebrooi-
cas, e que offerece com garanta d seus
salutares resultados a antiga e continuada
appjicago que sempre eom a maiir van-
tagem se tem feito dallas nos hospaes de
Paris. nico deposito para o Brasil, Srs.
Bartholomeo & C, rua larga do Rosario
Q. 34.
Sabonetes d alcatrao.
De Antonio Neves de Castro.
Este acreditado preparado, que tao boa
acceilaco tem merecido nesia provioeia,
muito se recommenda para cura certa das
impigens, sarnas, c.btas, coceins, todas
as molestias de pelle, sendo ainda prefcri-
ve! para a barba, i nutro qualquer sabo-
oete.
nico deposito do verdadeiro, na phar-
tnacia edrogaria de bartholomeu & C,
Foa larga do Rosario n. 31.
CHHCOLATE VKRMIFUpO fE ANTONIO NE-
VES DE CASTRO.
Este acrediado preparado, que tao boa
acceitacao tem merecido tiesta provine,
muito se recommenda para cura certa e
eftieaz das bichas ou lombrigas, tanto as
enancas como em pessoas de maior idade.
nico depositi na pbarmacia e drogara
de Bartho'.omeo A C. rua larga do Rosa-
rio n. 34.
E' hoje o preparado de ferro de mais ac
os purificadores deve ser tomado conjuD ceaeSo para a chlorosd atnnia dos orgos
lamente com as pilulas, pois que estas
suas medicinas, ter.do sido expressamente
preparadas para ebrarem de harmonia urna
com a outra, quando fielmente assim se faz.
nao nos resta a menor duvida em dizer,
que no maior numero dos casos, podemos
afliancar nao so um grande" avio, como
tambem urna cura prompta. e radical, isto
est bem visto, quando o doente nao se
ache n'um estado muilo alm dos recurso?
humanos.
Guarda-livros
Urna pessoa habilitada se oflVroee para fazer es
criptos comraerciaes por partidas simples ou do-
bradas, e por prejo razoavel : o- preten lentes po
dero deixar cjrias \I. B, na rua d 1 Queknado
ou do Duque de Caxias n. 12, lua ile ferrbaos.
Joo da lto>;ba e Silva vai para Europa e
deixa encarregado disseus neg)cius no armazem
da rua da Cadeia n. 8 aos Srs. L uireico Alves Sa-
lasar Jnior e Alfredo Io* Antunes Guimaraes :
nos'DagoClo sob a razia social de Rnclu, Silva &,
']. e Bento Machado & C o seu socio Manoel Alves
Lesaa qaetamb-nj^espmda pelo^ seus negocio 1
pirticuhres. Fica em-arregado o solicitad-r J1 '>
Theodoro Gomes por qualquer aegio judicial no
furo desta cidade.
perdas brancas, mrosbroa|oes diiiioeiseir.,
e tem seu favor o juo utitorisado da es-
cola de medicina de l'at i-,e dos chimicos os
maisnolaveis. Deposito especial pbarmacia
e drogara de RarUibJom-o C, rualarga-
do Rosario n. J4.
Precisa-se do um porlugnai para leilor de
engenho :.na rua do Apello fi. 10.
Precisa-se de un eaixeiro praUco para loja
de chapeo : a tratar na rua da Cad'ia n. Kl
ma
Precisa-se de urna ama para cozinh.r : no caes
do Ramos n. 8.
Prstiaa-ie de
ofTn'ii) de lornetrU
u;n : i-il. gil.? para aprender
no ra/s d" R.mios n. 8.
ROgSr
ZB
Precisa-se de nma ama para comprar e ecsi-
nhar pan du;is pessoas: no largo da Matriz de
Santo Antonio n 12.
CaBUGA
/
esquina
|a raa larga do
Eosario.
Este importante estabelecimento no sen genero, tem sempre nm sortmento sem igual,
e vende por presos que nenhnma outra casa pode vender. u ja
vista da qualidade e do pre^o das jolas cada um poer-se-ha convencer da rerdade.
Qarante-se ser tudo de lei Comin-se ouro, prata e pedras finas per presos muito ele-
vados. KX
A loja egt aberta at s 9 horas da noute.
A pessoa que pdde providencias po'icia para
os escndalos praticados ppf una inulher de ma
vda, rua das Lirangelcas n... que haja de de-
clarar seu nome .ou numero, alm de nao se taitr
man juizodi nnira* pessoa*que ahi mi-ram.
5EHEgESESE5HSB5E


Diario de Pemambuco Quinta feira 7 de J>n3ho de 1870
i
- O Sr. Manoel De-fliovanni queira
mandar esta typographia pagar o impor-
te de publicares de annuncios de espect-
culos, em somma superior cento e cin-J
coenta mil res.
ESMERALDA

5
*fc

*
LOJA DE JOIAS
DE
1
IC.
J Eerreira Tllela
PUOTOtiftiPilI i IMPERIAL.
18RA DO CABUGA18
A entrada pelo pateo da matriz.
Os trabathos da reedificaba desta photographia,
e que se prolongaran! por tanto lempo, acham-se
felizmente Hermipados e ella aberto ao servido do
publica desde 7 ne abril passado.
O preOio em que est colloeada esta photogra-
phia aoha-se multo augmentado, e e a parte desti-
nada aoesUbeleci ment conU cinco salas, inclu-
sive as do laboratorio. Todos os concert e aug-
memosteado do fetos" expresamente para se
moatarconvenienteraente a photographia, e nao se
podendo nelhor modelo escolber do que a Photo-
graja Imperial do Sr. Insley Pacheco do Ri de
Janeiro, o primeiro puotographo do Brasil, e um dos
pnraerros do mundo,- segundo a opinrao dos mais
abalisados mestres, a nossa photographia acha-se
dlsposia e reedificada pelo mesmo plano da do Sr.
I. Pactoeco, a qual (oi montada sob todas as regra?
recoromendadas pelos mais desuncios professores
de accordo com as modiCcaces necesarias ao
clima do Brasil, reconbecidas e estudada pelo ha-
bilissimo e pratico Sr. I. Pacheco.
Todo o interior do predio era que est nossa
photographia foi mudado desde a soieira da.porta da
ra at a coberta, tendo-se demolido todas as pa-
redes interiores para se faierem as nova salas,
edificaodo-se nm novo terrago eavidracado mui
espacoso e elegante.
Como sabido, Aremos urna viagem expressa-
mente corte para examinarmos as melhores pbo-
lographias all, e foi a do Sr. 1. Pacheco, a que
melbor corresponden aos nossos desejos e aspira
c5es, e da qual trouxemos os planos depis de
all estarmos todo um mex estndandoe anro-
veitando ai ligos de tao dlstincto mestre. Pen-
samos que juntando os nossos estudos e looga
prauea de 15 annos de photographia s ulilissimas
licSes ultiman ente recebida do Sr. I. Pacheco,
tendo montado a nossa photographia como se
acha, podemos offerecer ao Ilustrado publico
d'esta cidade e aos nossos nun.erosos freguezes
trbateos de photographia to perfeitos, como se
poder desejar, e disto convencidos, esperamos
que contluuem a dispensar-nos a mesma pro-
teccao com que ha 15 annos nos tem hsnrado e
ajudado.___________^_______
Este antigo estabelecimento, completa-
mente reformado de novo, est as condi-
4oes de servir vantajosamente os seus fre-
gueses, visto que acha-se prvido com um
esplendido sortimento de obras de ouro e
:srata de lei, assim como brilhantes e ou-
'vras podras preciosas, cujos prepos sao os
siais mdicos que se pode encontrar.
As joias compradas nesta casa recebem-
M em troca ou compram-se com pequeo
ateto.
89 CABI1GA N. 5
MOFINA
Cabelleiras para senhoras a 25$,
30*, 35,5 e......405000
Ditas para homem a 35)5, 405 e 505000
Coqnes a 125, 155, 185, 205,
25#, 305 e.....505000
Crescentes a 125,155,185,205,
25#, 305 e.....325000
Cachos ou crespos a 35, 45, 55,
"!,' 75, 85, 95 e. 105000
Tranca de cabello para anoel a
500 e....... 15000
Tranca para braceletes a 105,
455, 205, 23 e.....305000
Cadeias para relogio a 55, 65,
75, 85, 95, 125 e. .
Corte de cabello, .....
Corte de cabello com friccSo. .
Corte de cabello com lavagem a
champorj......
Corte de cabello com limpez da
cabera pela machina elctri-
ca, nica em Pernambuco. .
Frisado ingleza ou franceza.
Barba. ,......
ASIGNATURAS MENSAES
Especialidade de penteados para casamento
Bailes e nolres
O dono do estabelecimento previne s
Cunas. Sras. e aos cavalheiros que ba um
Recommenda-se a superior TINTURA JA
PONEZA para enegrecer os cabellos e bar
malioDara tintura dos cabellos e barba, as- ba- anica admittida na ExposicSo Universal
^^ *^ : como n5o prejudicial saude, por ser ve
saa como rjm empregado somente oceupa- )atil, analysada e approvada pelas acad*
do nesse servico. niias de sciencias de PARS E LONDRES

Pl LULAS
PHcp 2 Ru 6
PAR I
HOGG
SILVA LOPES, Baha: PEBREIRA et C-, em MtranUo.
I
Roga-se ao Illm. Sr. Ignacio V.eira de Mello, es-
crivao na cidade de Nazareth desla provincia, o
favor de vir a roa do Imperador n. 18 a i oncluir
aquelle negocio qne V. S. se comprometteu reali-
sar, pela terceira chamada deste jornal, em flos
de dezehbro prximo passado, e depois para Ja-
neiro, passou a fevereiro e abril, e nala cumprio,
e por este motivo de novo chamado para dito
fnn ; pois V S. se eleve lembrar que este negocio
de mais de oito annos, e quanao o seohor sea
filho se acbava no estndo nesta cidade.
O Campos da ra do Imperador n. 28 apresenta
concorrencia do respeitavel publico os segrales
gneros, que roputa-os especialidades, nao sopor
serem muito desejados, como pelo prego porque
est vendendo ; Bao so os que abaixo menciona,
como todos os mais que existem no seu armaiem.
ESPECIALIDADES :
Camar3es seceos.
Pescadas em salmoura.
Presuntos de Lamego:
Ditos para fiambre.
Rap Paulo Cordeiro viajado e commura,
Velas para carro.
Latas com legumes em concern.
Ditas com guizados francezes,
Ditas com salmn e ostras. /
Chocolate de diversas qualidads e precos.
GUSTAYE
CABELLEIREIR FRANCE2
51-Ra da Cadeia do Recife51
Chama a attenclo dos seus innmeros reguezes, e do respeitavel publico es
geral, para a seguinte tabella dos precos de sua casa, os quaes sao vinte por cern
mais barato do que em outra qualquer parte:
Al DI LITI
Precisa-se de urna ama de leite, preferindo-se
escrava sem filho : na ra larga do Rosario n. 12,
2o andar, junto a botica do Pinto.
PHARMACIA GERTRAL
Ra do Imperador n. 38
Xarope de lactucario d'Aubergier, e de
ibery dedo d'Abbadie recommendados,
como calmantes para os casos, em que se
nao pode osar do opio e de seu prepara-
dos, e mui convenientes para as criaecas
dos espasmos e convulsoes.
PHARMAGIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. S8.
Preparados d'alcatrJo em capsulas, licor,
e xarope ferruginoso.
RaI^RDATKT!
, DOR N. 38.
Pilulas de Vallet.
Plalas dtiBlancard.
Plalas de Bland.
Xarope forroginoso de Blancard.
Confeites de lactato de ferro.
Pilulas de carbonato de ferro, lactado de
ferro, iodureto de ferro com magnezia.
Ferro de Quevenne.
Assucar ferruginoso.
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Vinbo e xarope de pepsina e diarthare,
excellente tnico para auxiliar as digestes
diOiceis nos casos de debilidade do esto-
mago.
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Agua bemostbalica de Lechelle, mui re-
commendada em qualquer- caso de hemor-
rbagia, e principalmente na thysica pulmo-
nar, e as hemorrhagias uterinas.
PHARMACIA DENTRAL RA DO LMPERA-
DOR N. 38.
Xarope de rbano iodado excellente com-
binado do iodo com o sueco de plantas
anti-scorbulicas.
Este xarope empregado com grande
soccorro contra as molestias da pelle, os
engorgitamentos escrofulosos, o rachitismo-
cachloroso.
O vinho iodado de joly, e oleo iodado de
Personne, s5o recommendados para os mes-
mos casos, e encontram-se nesta pbarma-
cia.
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Variado sortimento de chocolate de ban-
nilha, salepoararuta, ferro, ede sade, da
acreditada oflkina de Menir.
Sabonetes d'alcatro, d'acido phenico, en-
xofre e camphor recommendados para as
molestias de pel' como sarna, panos, em-
piogens etc., sendo o oltimo de muita uiili-
dade para o uzo do toilette, por preservar
a pelle de ser manchada das maculas, que
costumam accomettel-a.
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Os melhores vermfugos para crianzas,
Pastilhas de sanctonina.
Ditas de Kemp.
Oleo vernifugs.
Tudo de melbor qualidade.
. Criada
Precisa-se de urna criada livre ou escrava,
qne saiba bem eegommar e tratar do servic/) in-
terno de ama casa de punca familia : a tratar no
Manguinho, casa no7a dos Srs Carpioteiros, ou
ao caes d'alfandega velba n. 2 escrplorio, paga-
se bem.
PRIMEIRO E ANTIGO CONSULTORIO
HOMEOPATBICO
TOKDADO PELO DB. SA01NO
HOJE DIRIGIDO
PELO
DR. SANTOS MELLO.
43Roa Novan.43
O Dr. Santos Mello de volta da Baha
contina a ser encontrado todos os dias
das 10 horas ao meio dia para consultas.
Chamados a qualquer hora do da oa
da noute.
Gratis aos pobres. m
M 43-Rua Nova n. 43._____
Te Liverpool & Loe-
don & Globo Insu-
rance Company.
Companhia ingleza de seguros contra-fogo,
cstabelecida em 1839.
Capital e fundos de reserva
Rs. 3&,380:?80.
Os agentes desta companhia tomara seguros so-
bre propriedades, gneros e fazendas armazenada?.
mobilias, etc., etc., e estao igualmente^ autorisdos
a saldarem aqu quaesquer reclamacoes.
Saunders Brothers & C,
Praca do Corno Santo n. II.
COMPANHIA
DOS
TRILHOS RBABOS
DO
RECIFE A9 OIjINDA.
Por ordem da directora s3o convidados
os Srs. accionistas para, no praso de 10
dias contados do dia I. de julho vindouro,
effecluarem a 10.* prestado de saas acedes
rar-o de 10 %.
Para esse tim ser encontrado o Sr. tbe-
sooreiro, das 1 i horas da machia as 2 da
tarde ae lodos os dias, no eseriptorio da
companhia, ra Nova 35, *. andar, en-
trada pela ra dos Ffores n. 4.
Recife, 27 de junbo de 1870.
O 1. seeretario-
Joo Joaqnim Akes-
AMA
ATTENCAO
m
Deseja se saber se existem nesta cidade ou pro-
vincia os Srs. Manoel Jos Soares e Joo Jo> Soa-
res, naturaes das Ilhas dos Azores, os qnaes, ou
quem delles tiver noticias, sao rogados compare-
cerem ra do Brum n. 96, armazem, a negocei
de interesse._____________
Cozinheira
Na ra do Commercio n. 3 Io andar pre-
cisa-se de urna boa cozinheira para a casa
de tres mocos estrangeiros em Casa,Forte.
Aluga-se
O armazem da ra do Imperador n. 57, denomina-
do Allanc,a : a tratar na ra do Crespo n. 8, es-
quina.
Precia-se de um cozinheiro: na ra da Con-
quista (Soledade) n. 6.
Precisa-46 de moa criada cosmheira, na
ra do Imperador n. o7, segundo andar, escada
pelo lado da ponte Sete de Setembro.
Precisa-se de alugar orna escrava para
o servico de urna casa de pequea familia,
que saiba engommar e cosinbar : na ra
da Mangneira n. 3.____________________
ALUGA-SE
O primeiro e segundo andar com sutao do sobrado
da ra da Cadeia do Recife n. 60, com suficientes
commoJos para familia, sendo em boa locali;lade e
muito fresco : a tratar no armazem do nesm\
Os Srs. Francisco Camallo de Paula Pacheco,
morador na villa do Cabo, e Pedro Duarte Rodri-
gues Frauca, morador m Trombeta (Una), sao
rogadas a virem ra do Queimado n. 46, toja de
Goes A Bastos.
Precisa se de urna escrava de meia idade
mesrao sem habilidades, para o. servico interno de
nma casa de familia : na ra da Conquista (Soie-
dade) n. 6.
O Sr. Joaquim Salvador P. de Siqueira Ca-
valcante, nao pode vender o seu escravo Benedic-
to Sapucaia e oem nutro qualquer. ____
AMA
Precisa-se de urna ama para cozinhar e com-
prar para casa de punca.familia : a tratar na
na d i Crespo n. 18, i> andar. ____
Precisa-se de urna anrt para o servido ioter
no de urna casa de pequea familia, prefe/indo-se
escrava : na ra da Amizade n. 21, Capunga, ou
na ra do Vigario n. S. 3o andar.
15,9001
. 501
501
l,900t
15001
501
251
No armazem Novo Mundo, em frente a ra do
Vigario n. 2, vende-se rap das seguintes qualida-
ds e vinhos, por todos o* vapores, sendo a reta
Iho e em grosso, a sber:
Rap G sse-grosso. -
Rap GaSP-fino.
Rap Paulo Cordeiro.
Rapprincezada Baha meiogrosso.
Rap princeza da Bahia lino.
Rap p pular da Babia.
Irmandade do SS. Sacramento do Corpo
Santo.
Nao tendo comparec lo numero legal de irmaos
para se constituir mesa geral no dia 3 do correte
mez, de novo convido aos nossos charisiimos ir-
maos a cornparecerem no consistorio da irmanda-
de na quinta-feira 7 do crreme mez, as 5 horas
da tarde, para em mesa geral elegerem outros
membros que substituam os que tendo sido eleltos
par? regerem a irmandade no anho compromissal
de 1870 a 1871 nao quizeram aceiur.
O escrivio,
Manoel Jos dos Santos.
Precisa-se
Terco n. 63.
de um caixeiro : no pateo do
Faga-se bem.
Precisa-se de um trabalhador forro on captivo
para o servico interno de tira estabelecimento, pa-
ga se bem agradando : tratar na ra larga do
Rosario n. 84, botica de Bartholomeu.
Padarla da ra do camarSo
numero 13
Esta padaria tendo-se acabado de montar con-
venientemente, acha-se habilitada para apresentar
ao pnblieo um pao especial, tanto :ela sua quali-
dade como pelo asseio com que fabricado. Tem
pao quente de roanhSa e de tarde.______.
Urna pessoa bastante habilitada se offerece
ae encarregar de algumas cobraocas, tanto nes-
ta cidade cerno tora della, por mdica poreenta-
Sem, o qual d fiador i sua conducta a contento
os senliores que coofiarem seus dbitos; na ra
Bella n. 15. Esta mesma pessoa acha-se enear-
regada de urna cobranza bastante imputante fra
da cidede.
Offerecer se urna pessoa para criado de urna
casa para compras e man*'ado?: na roa da Boda
n. 40, loja.
PHARMACIA CEN-RAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Variadissimo sortimento de fundas de
excellente qualidade.
FARMACIA CENTRJL
Ra do Imperador n. 38.
Lamploughs Pyretic Saline.
A preparation of well known utelity to tbe En-
glish Faeulty, as a cooling and refresbine beverage
in all cases of fever. The frequent usejof :Ms sa-
linb preserves orfiigners from many dif.b_.-es to
which they are leable before becoraing acclima-
lised. May be obtained at the Pharmacea Central,
jua do Imperador n. 38.
raARMClA CENTRAL BOA
N. 38-
Pastilhas de balsamo de tol e de selva
de pinho martimo, para as aiecces chro-
nicas dos pulmes.
Pasiilbas de therydocio e louro- Cerejo
para as tosses agudas, e de carcter nervo-
so, e para os vmitos durante o periodo da
gravidez, e quaiquer affecejo nervosa.
Pastilhas de bypophospheto de cal mui
uteis na thysica pulmonar.
Pastilhas de angico naf, e de Begnaolt,
de hortela, pimenta, e de Viccley, de pe-
cacuanha e de Rermes.
Precisa-se de urna ama para servico de dentro
e fra de casa de potica familia, prefere-se escra-
va e paga-se bem agradando: na ra Velba nu- '
mero 66._______________________________
GASA DA FORTUNA
Aos 8:00011
Bilhetes garantidos.
i roa do Crespo n.23 e casas do costme.
O abaixo assignado, tendo vendido alera de ou-
iras surtes, um meio n. 1263 com 8:0001 da
lotera que se acabou de extrahir a beneficio
do recolhimento de Iguarass (151*) convida
aos possuidores virem receber na conformidade
do cosame sem descont algum.
Acham-se a venda os felizes bilhetes garan-
tidos da 6' parte da lotera beneficio da ma-
triz da Escada (152*), que se extrahir quinta-
feira 7 do me: vindouro.
PRECOS.
Bilhete inte.ro 10*000
Meio bilhete 5*000
Quinto 2*000
Em porcao de 100*000 para cima.
Bilhete infeiro 9*000
Meio bilhete 4*500
Quinto 1*800
Manoel Marlins Fina.
CRIADA
Precisase oe urna ama para comprar e co-
zinhar para urna casa de pouca familia : na ra
Imperial n. 130, casa com portao de ferro ao
lado.__________________________________
PARA SCIIIIA
A casa que se acha annunciada pelo Diario para
ser vendida, defronte do sobrado do tenente-coro-
nel Manoel Joaquim do Reg Albuquerque. em
Afogados, dizendo que tem 60 palmos para edifica-
cao, nao ha tal, por (iiant- estes terreos estao
aforados ao Sr. Francisco Simoes da Silva Mafra,
como se v de urna escriptura publica pelo pro-
prietario da mesma.
Precisa-se de urna moga decente e branca para
o servico da sala do hotel do Universo, preferin-
do-se urna ailemaa : na Praga do Commercio n. 2.
Paga se bem.
Padre Augusto Anto-
nio Teixeira
DISCURSO
De accao de gracas pelo fausto successo do aca-
bamento da guerra, por occasiao do solemnissitro-
T-Deum, celebrado oa Igreja de N. S. da Encar-
nacau de Lisboa. A' venia as livrarias : Fran-
ceza, Acadmica e Encadernaco Parisiense.
Aluga-se urna prela escrava bia cozinheira:
a tratar na ra Duque de Caxias n. i'i, antiga do
Queimado, leja de fazendas.
IMPERAD
PHARMACL\ CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Cha purgativo de Chambard, excellenle
laxativo, e refigerante, que se pode usar
repetidas vez^s sem irritar osintestinos.
XAROPE HYPNOTICO DE CILORAL.
O chloral um agente therapeutico recen-
temente experimentado, mas cujos benefi-
cios vo sendo largamente aproveitados pe-
los praticos em quasi todas asaffeccoes ner-
vosas, calmante e somnfero poderoso, tile
sempre empregado com vantagem nos
casos de dores nervosas intensas, e as de
insomnia, em que elle produz um somno
calmo e profundo.
Elle recommendado as clicas, na cho-
rea, no ttano, nos partos laboriosos, na
clampria, as queimadoras extensas, nos
accessos agudos de gotta, na asthma, oa
tosse convulsa, e em muitos outros casos,
DOSE.Daas a oito colberes de 'sopa
por dia, conforme o effeito que o medico
quer obter.
Encontra-se na Pharmacia CENTRAL ra
do Imperador n. 38.
VINHO DD QUININNO DE LABARRAQUE
Poderoso tnico hoje t5o aconselhado nos
gozos de debilidade geral, e mui usado
como antifebril.
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERADOR
N. 38.
TIL iHf
Vende-se tabelas compararativas de pre-
cos de metros covados e vice-versa, mos-
trando primafacie o valor de qualqcer
fazenda, em relacSo s mencionadas medi-
das reciprocamente : em casa de Lailachar
& C, ra do Crespo n. 9.
IRMANDADE
Do Divino Espirito Santo da igreja do
Collegio.
Usando das attribuigoes que me confere o art.
68 do comproraisso, convido a todos os Illms. Ir-
ma que compdem o conselho fiscal, a reunirem
se no consistorio de nossa igreja no da 7 do an-
dante pelas 4 horas da tarde, a lira de darmos
execugao ao disposto pelo art. 83 do mesmo com-
proraisso.
O procurador geral,
Thomaz Fernandes da Cunha.
Alnga se o Io e 2o andar do sobrado sito na
roa Direita d. 93 : tratar na loja do mesmo.
Ama.
Precisa-sede urna ama pra cemprar e cozi-
nhar para casa de duas pessoas : na travessa de
Corpo Santo n. 23, 2o andar. __________
Precisa-se de una ama para casa de peque-
a familia, no largo do Paraso, segundo andar do
sobrado em frente da igreja, entrada pela traves-
sa do Ouvidor.
Boleeiro.
Precisa se de um rapaz boleeiro no sitio do
commendador Tasso.
"Aluga-se una preta do servigo ("e casa e
ra, sendo para casa de pouca familia : quem pre-
cisar emenda-se no cartorio do Sr. escrivo Multa,
das 10 a 11|2 horas da tarde.
Na villa de Barrcims precisa-se de urna
ama : trata-se na ra de Hortas n. 8i.
ATTENCAO
o
A subdita pertugueza desvalida, que ha pouco
tempo fra esbofeteada em sua residencia rna
imperial, de novo acaba de ser acommetida na
ra, pelo seu aggressor, com palavras injuriosas e
ameagas, tudo isto em menoscabo da- lei, jamis
estando seu aggressor pronunciado no arl. 201 do
cdigo criminal por ullensas feiia mesma desva-
lida, cujo processo corre pela subdelegada de S.
los, e hoje se acha affecto ao Dr. juiz municipal
de quem se espera fara just ga como cosiuma.
Precisa-se
De urna ama de leite : na ra da Senzala-velha
n. 140.
m^mm ipQipiDiiftft
DE
Cato & C.
GeneralVersammlung des deutschen Hu"
elfevereins Montag den 18. /uli Abends Halbach1
Une : ra Nova 44, erste Etage.
Der Sekretaer
Otto Bohre?.
Pechincha
Vende-se dous bois e dcniarro?, todo em bom
estado : jjo-cae? do Raaos n. iO.
ATTENCAO
Aluga-se ura primeiro andar do sobrado da ra
larga do Rosario u. 21 proprio para eseriptorio : a
tratar na loja do mesmo sobrado. ________
N. 77 RA DA IMPERAT ZN. 77
Esforce-se muifo embora o facultativo laborioso,
empreguerir-se as reaegoes mais fortes contra
qualquor affecgao, e tuio-ser balitado, infrnctife-
ro, e at omminoso se os combinados pharaaci-
ticos nao forera aorysolados, e oriundos dos medi-
camentos mais novos e puros.
Se a pathologia, a materia medica sao os dous
contribuintes para apiompta extrai-tao dos pade-
cimentos mrbidos, se do seu perfeilo conhecimon-
to depende a vida as menores como mais graves
enfermidades, a pureza do medicamento, a sua
forga real e prompta aegao expendo toda duvida
sobro sua eflicaddade, em v^z de sar a ultima so-
liciiude a tomar o mais seguro garante da vida.
Esta pharmacia paro isso emprega todo o zelo,
mandando vir seas medicamentos dis prineipaes
fornecedores de Paris. Londres, Hamburgn, Lisboa
e America ; tendo tambera grande sortimento de
productos chimicos, pharmaceuticos, tintas, pin-
ceis e toda a qualidade de drogas, e preparados
especiaos desta pharmacia.
Avia receitas com pericia e promptidan, at as
10 horas da noile, attendendo a qualquer receita
e a qualquer hora tambem da noite, por um pos-
tigo, e s abrrado a porta a freguezes conheridos.
Avista disto convidamos < s moradores d re-
gtftzia da Boa-vista e ao publico em geral a con-
correrem ao nosso estabelecimento, que nos en-
contrarlo sempre promptos a sati.-faze-lo: por
menos dez por cento do que em outra qualqner
parl.______________________
Agencia em Pernambuco
Do Dr. Aver
Peitoral de Cereja
Cura a phthysica e todas as molestias do peito.
Matsa parrilha
Cura ulceras e chagas antigs, impigens e dar-
tros.
Tnico
Conserva e limpa os cabellos.
Pilulas cathartlcas.
Puramente vegetaes e sem mercurio, cura se-i
zdes, curam e purificam todo o systema humano
Vende-se efectivamente em casa de Samuel P
hnston & C, ra da Sanzalla Nova n. 42.
Furtaram do engenho Mumbequinha no dia
deS. Pedro, 29 dejunho do carrente anno, um
quarto ruco de vermelho, grande, secco do corpo,
carnudo, aiuda novo, inteiro, cora duas feridas de
cangalha as costellas, a pontinha da erelha es-
qnerda aparada por dente de outro ravalle, com
marca de raladura as juntas das maos, e o ferro
MC mal queimado em ambas as pernas : quem
souber noticia delle dirija-se ao engenho cima
dito, a tratar com Manoel Carneiro Leao, que ser
recompensado.
Precisa-se de urna ama
de n. 32.
na ra da Soleda-
Escola primaria.
A professora particular Thereza G. de Carvalho
transferio a sua residencia para a praga do Conde
d'Eu (Boa vista) n. 9, andar, onde contina a
exercer o magisterio primario. A sua longa pra
tica no ensino garante o adiamntenlo de suas
discipolas. Alm de alumnas externas, recebe
tambem como pensionistas algumas meninas de
familias residentss fra da cidade, dando-Ihes, a
parda instruegao e educagao, um ti aumento con-
veniente. Exige mdicas remnneragSes.______
Vendo no Diario de hontem (4) os noraes de
diversos senhores, iucluido nelles o nome de meu
finado rnoao An-onio CaeUno da Motta, tenho a
declarar ao Sr. annunciante da ra da Cadeia n
30. andar, que este fallecido ha 3 annos.
RA ESTRFITA DO ROSARIO 0.
Joaquim Caetano da Motta.
AMA
Na ra da Cruz do Recife n. 19, 2o andar, pre-
cisa-se da urna ama pira 3ervr a tres pessoas.
Precisa-se de orna ama qne engomrae com per-
feigao : a traur na ma Nova, casa a. 33._______
AMA
Precisa-se de ama ama qm saiba cozmbar :
praga da Independencia n. 39, loja de cjJcado.
na
SEGURA.
Fugio urna grande cachorra preta com sobr'o-
Ihos e pintas amarellas como os caes ratefros :
3oem a levar ao sitio do commendador Tasso, na
ra das Almas, ou em seu eseriptorio na ra
do Amorim n. 37. ser recompensado.
AMA
Precisa-se de urna ama pira todo
urna pessoa : na ra do Vigario n.
andar.
o servico de
33, segundo
PAUL CHAIIVJN
Mechanico conhecido ha 10 annos nesta cidade,
partecipa ao publico qne tendo dissolvido amiga-
velmente a sociedade que tinha com o seu cunha-
do Carlos Plnyn contina a se achar a sua dispo-
sicao para o qoe diz respeito a abertura de bor-
ras, machinas de costaras, armas, fechaduras, col-
locgo de campanhinhas e todo qualquer concer-
t : praga do Conde d'Eu n. 24, out'ora da Boa-
Vista. ^^^^^
Macuco Horeira Pinto Barbosa, convida ian>
aos seus amigos como aos do finado Manoel de
Azevedo Santos, a assistirem a urna missa qne o
mesmo manda rezar por alma do mesn.-i finado
no dia 8 do corrente pelas 7 heraa da raanha
na matriz do Corpo Santo, e desde ja a todos el-
les confessa sua gratido por este acto de reiigio
e caridade^________________________,
Refinacao.
Precisa-se d batidores : na roa de Hortas nu-
nro7.
/* -
.y


i,
(

Diario de Pernambuco Quinta feira 7 de Julho de 1870.
o------------------------------

I
.$
N.7AHINGUDGAHU
p. ----------------------.__ ^
Com este titulo acha-se aberto e nteiramente transformado este aDtigo
estabelecimento de joias, onde os freguezes e amigos encontrarlo tudo quanto
a moda e o bom gosto tem inventado na arte de ourivesaria, o Collar de Ouro S
observar delicadeza no trato e senciridade e modecidade bos precos.
Espera que o respeitavel publico venba ver o que existe de melbor em S
aderlos de brilhantes, esmeraldas, robins e perolas, meios aderecos, pul-
ceiras, brincos, alfinetes e anneis de todas as qaalidades, prata de lei faquei- g
ros, colheres, palileiros salvas e outros muitos objectos que seria enfadonho
mencionar. $;
-m Compra-se ouro, prata, brilbantes e pedras Anas, pormaior preco do
Sque em outr qualquer parte, troca-se e concerta-se todo e qualquer objecto 2g
pertencente a esta arte.
Baftanraunni mwmmmmmmumamm
0 NAR4VILH0S0 REMEDIO DO
DR.CHAS DE GRATH
OLEO ELCTRICO
kl\ of r\i\ o re da dor
PARA USO I\TI^R\ : EXTGHIVO
Cura cholera e cholera m rbus,
Diarrbea, fluxo de sangne, em um da.
Dr de cabeca, e dores de ouvido em
tres minutos.
Dor de dente, em um minuto.
Neuralgia, em cinco minutos.
Deslocaces, em vinte minutos.
Gargantas inchadas, em dez micatos.
Clica e coiiYiilsoes, em cinco minutos.
Rheumatismo, em um dia.
Febre e febre intermitente, em um dia.
Dor as costas e nos lados, eai dez mi-
notos.
Tosses perigosas e refriados, em um dia.
Pleuresa, em um dia.
Surdez e astbma.
Hemorrhoidas e broncbitis.
InflammacSo nos rins.
Dyspepsia, erysipelas.
Molestias de figado.
Palpitarlo de coraco.
Reserve sempre este remedie em sua familia
AS DOENQAS SE APRESENTAM, QANDO MENOS SE ESPERAM.
OLEO ELCTRICO O KNG OF PA1N (O rei da dor) aquieta e positivamente
dissipa mais de differentes molestias e ores, e allivia mais os soffrimentos e produz um
mais perfeito equilibrio no sysiema humano, o que nao se pode effectuar no mesmo
tempo, com qualquer outro remedio medecinal
Este, muilo popular remedio est agora usando-se geralmente, pela razo que
milhares de pessoas se tem curado gratis com o dito remedio peio Dr. Grath e outros
mais.
Este importante remedio nao se offerece para curar todas as doencas, porem t3o
smente para aquellas estipuladas nasnossas dircccoes.
Est operando nos principios da cbimica e da electricidade e por isso est ap-
plicavel para o curamento e para a restaurado da accjo natural dos igaos que soflrem
da irregular circijlaco dos fluxos dos principaes ervos. Oleo elctrico O King of
Pain opera directamente nos absorventes, fazendo desapparecer as inchatoes das gln-
dulas at em um lempo tacrivel; breve sem perigo do seu uc-o debaixo de qualquer cir-
cumstancia.
O remedio, urna medecina para o uso externo e interno, composto dos elemen-
tos curativos, raizes, hervas, e cascas, taes, como se tem usado dos nossos antepaga-
dos, e das quaes tem grande existencia no munio, para curar todas as molestias, so-
mente sai'endo-se quaes ellas sao. *
Foi um grsude e especial desejo da faculdade de medecina durante muitos anaos
de experiencia para.aprender os melhores nudos que se deviam adornar para curar a?
seguintes doeneas, e que proporcoes de medecina se devia usar.
UMCO DEPOSITA
EM PERNAMBUCO
NA PHARMACIA P DROGARA DE
BARTHOLOHEO & C
N.=34 Rua Larga do Rosario.N. 34
AO ARMAZEM
VAPOR FRANCEZ
II. 7-RUA MIH. 7
Acaba de chegar a este estabelecimento novas facturas com importante sormento dos
artigos abaixo mencionados precos os mais resumidos que possive!
LUYAS DE PELLICA
Do afamado fabricante Jouvin.
Sorliment completo de brancas e de cores, muito boas de se escolher, em quanto estilo bem
frescas e sortidas.
BOTICAS
Para senhoras e mealnas.
Botinas pretas, brancas o de muitas outras cbem sortidas e bonitas, do ultimo gosto da
moda.
BOTINAS, BOTAS E PER* EIRAS
Para horneas e meninos.
Botinas de bizerro, cordavo, lustro e pellica, botas russianas de bizerro e de lustro, per-
aeiras de lustro tanto para horneas como para meninos.
Sapatos
Sapatos de borracha para homens, senhoras e meninos, sapatos de invern pan homens,
ditos de lustro com alto para homens, ditos de tapete aveludado, de caseraira e de nanea fran-
cezes e portuguezes para homens, para seoho/as e para meninos.
PERFUMARAS
Finos extractos, banhas, leos, agua divina, de cologne, de lavande, e de florida tintura
para cabellos, pomada angroise para bigodes, pos de arroz e sabonetes.
Gabinete Portugfuez
de Litura.
De ordem do Illm. Sr. presidente de cpnselho
deliberativo, aviso ao* senhoros conselbeiros qne
sabhado 9 dj crrente, as 0 l|2 horas da tarde Da
sessio ordinaria na salla das respectivas-sesses.
Secretaria do conselho deliberativo do Gabinete
Portuguez oe Lcitura em Pornambuco 6 de iulho
de 1870.
J. R. Fonseca,
Secrertano.
Gabinete Portuguez de Leitura
em' Pernarabuco.
Assemhla geral
De ordem do Illm. Sr. presidente convido aos
senhores socios efleetivos reunirem-se domingo
tO do corrente. pelas 11 horas da manhla, para,
de conformidade com os estatuto5, proceder se a
leitura dos reltenos do conseibo deliberativo, di-
rectora e parecer da commisso de exame de
contas.
Secretaria do Gabinete Portuguez de Leitura em
Pernambuco 6 de julho de 1870.
J. H, Fonseca,
2o Secretario.
Quinquilharias
E-pelhos grandes e pequeos, leques, albuns e caixilhos para retratos, esterioscopes com
bellas vistas escolhidas, bengallas, chicotes, correntes de plaqu para relegios, grvalas, oculos,
lunetas, caixinhs de costura ornadas com msicas, photographias. mgicas, coffresinbos mgicos
para desapparecer anneis, ditos ditos para relogio, jogos de domin, bagatella, redetos, e outros
muitos icguiphos francezes e alleme, jarros com bouquets de flores de porcelanas para san-
tuarios, cestinhas diversas para braco de meninas, objectos de phantasia dourados para toiletes, ri-
cas escovas para cabello, para vestidos de senhora, para chapeos e para barba, ponteiras de espuma
para cigarros e para charutos, abat-jur pa?a candiciros a gaz e para lanternas de piano, caixinhs de
msica de darse corda, ps de vidro para pianos, realejos grandes e pequeos, accordions, cosmo-
rama3 com as mais importantes vistas, molduras douradas para quadros, bonitas estampas de pai-
zagens, de figuras e de santos, carrinhos de 3 e de 4 radas para conduzir meninos a passeios, ma-
las e boleas para viagens, bercos de vimes os mais commodos que ha para crianzas.
Para este artigo nao ha espaco nem tempo para a massante leitura da infinidade ds gene-
ros de brinqoedos fabricados em diversos paizes da Europa.
ATTENCAO
0 dono deste estabelecimento pede ao publieo em geral que continu a visita-lo veri-
8c3ndo as qaalidades e os precos baratos de ditos objectos cor serem vindos em direitura e de
onta propria.
Bernardino Jos da Silva Maia tendo de ir a
Europa, deixa na gerencia de sua casa de nego-
cio a sens caixeiros, em lugar Francisco Jos
Ferreira Guimaraes, 5 Antonio da Silva Maia, 3o
Luiz Alvesde Magalliaes; e por seus procurado-
res, em Io lugar Antonio de Paiva Ferreira, 2o
Jos Francisco Lavra Peona, 3o Antonio Joaquirn
Vinhas.
AVISO
Precisa-se de urna ama para cozinhar e lavar
para casa do piuca familia : na rua de Hortas n.
30, sobrada.
Jis abaixo asignados fazemos >ciente ao
respeitavel publibo e com especialidade ao Ilustre
eorpo do commercio, que dissolvemos sociedade
que tinhamos n taberna sita rua de Aguas-ver-
des, hoje Lombas Valentinas, amigavelmente, fl-
cando todo o activo e passivo a cargo do socio
Joao Machado Evaogelho at esta data.
Joao Machado Evangelho
Antonio Teixeira do* Santos,
Urna senhora bastante habilitada se offerece
para encinar prlmeiras letras ke toda a qualidade
de costuras inclusive bordar a ouro, com tanto
3ue seja para fora da praca, quem a pretender
irija-se a rua Direita n. 85, 2o andar.
As seguintes obras
A tirgem do mosteiro, e as memorias de R-
chclicu, por Jo-e Victorino, ambos enc-der-
nados em uro ? vol. por 3000. Colas
cont suisso, ene. 1 vol. por 1(5000. Canto
d'akorada. poesas porM. ra Rocha, l vol.
ene. por JJ^OOO. Flores silletas, por Paes
de Andrade. Ultimas paginas, por P. de
Calasans. Ilhises perdidas, por C. de
Azevedo, tado encadeniado em ua) so vr>
Itime, por 8#000. Jmia a voluntaria da
morte por J. C. e Alberto, scenis de utn ro-
mance, por J. Candido, ambos ene. em s
vol. por 35000. Palm/fra, a cegtiinha bra-
silira. romance em 7 cantos por Dr. Boni-
facio de Abren, ene. em om s vol por 5.
O cavalheiro d'Harmental por A Dumas, 1
vol. encadernados, por 10JOOO.
Tambem vende-se as colleccCea de Ieis
provinciaes faltando apenas 3 snnos, por
20#00p, tendo 27 vol. me brochara, tem-
bem tem outras obras que a vista se mos-
traro, e qne tudo se vende por preco em
conta. Qi^mijuizerdiiija-se a esta typogra-
piiia que se dir quem vende.
Milho e f.rinha
No trapiche Bario do Livrameiuo, boa farinha
de mandioca e excellente milho tm sicros gran-
des : a tratar na rua do Vicario n. 16, 1 andar,
escriptorio de Jtiaquim Gerardo de Bastos.
11
Os abaixo assignados declaram ao respeita-
vel publico e com especialidade ao corpo do com-
mercio, que nesla data dissolveram amigavel-
mente a sociedade que gyrava sobre a rasao so-
cial de Teixeira & (rmo, ficando o activo e pas-
sivo a cargo do socio Justo Jo; Gimes Teixeira
e retirando se o socio Jos Joaquim Gomes Tei-
xeira, pago satisfeito do seu capital o lucros.
Recife, 4 de julho de 1S70.
- Justo Jos Gomes Teixeira.
Jos Joaquim Gomes Teixeira.
GRANDES NOVIDADES
NA
TRIUMPHO
PARA SENHORAS. Ricas poupelinas de padroes lindissimos, e gosto nevo.
Cambr*ias bran: as bordadas para vestidos. Poil d'chevre de lindos padroes por
barato preco de 550 rs. o covado.
Grande sortimento de laas e alpacas de 320 rs. a 1!500 o covado.
Saias bordadas, ditas lisas j feitas com barra de cor.
PAR* MENINAS. Ricos vestidinhos do fuslo enfeitados brancos e de cor.
Vestuarios de fust3o para meninos.
PARA HuMENS. Camisas inglezas e francezas, de linho bordadas e de pregas
;om collarinht e sem elle, ditas bordadas para noivas." Chapeos de sol de cabo de
uarm e de carina etc etc., luvas de Jouvin para senhoras.
Grande sortiment de cortinados para camas e janellas. Croxs para so e ca
3diras de braco e guampo. Tapetes para sof e cama, para pianos e portas.
Colxas de croch para cama de noivas. Tapetes em pessa para forro de salas
O nico e especial sorlimentos das verdadeiras ESTEIRAS DA INDIA, s existe na
loja do Triumpho.
Rua Duque e Caxias n. 7.
Ulsslu^o de sociedade.
Jos Joaquim Gomes Teixeira disselveu amiga-
velmente a socie'dadc que leve com seu mano Jus-
to Jos Gomes Teixeira, no "estabelecimento silo
rua da Penha n. 8 sobre a raso social de Tei-
xeira & Irmao, ticando o dito Justo encarregado do
activo e passivo da mesma finni e o abaixo as-
signado h\re de qualquer responsabilidaJ?.
Recife, 3 de julho de 1870.
J'>st Joaquim Gomes TMxelfa.
arvaltio & Nogueira, na rpa do Apollo n.
20, saccam sobre Portugal, vista o a praso.
0 muzeo de joias
Na rua do Gabug n. 4 compra-s8 ouro, praia
t pedras preciosas por precos mais vanidosos oo
iue em outra qualquar parte.
Uompram-se

rm
MITRARA frota
j! 55-Rua(aImperatriz-55
Moedaideouro ede prata de todas as narres : ua
rua da Cadea do Recife n. 58. loja de azulejo,
Compra se um a casa terrea boa, situada tro
Santo Antonio ou Boa-vista : na rua da Florenti-
na n. 6.
Compra-se urna casa enea, na freguezia de
Santo Antonio : tratar no arco da Conceico nu-
mero 6.
Com muito fcaior vaniagem eomuraoHM
ouro, prata e pedras preciosas e o obras veliins: na
loja de joias do Co -a$io de Ouro a. 2 D, rua do
Cabng.___________
Comprare urna carrosa epreparos para um
cavallo, sendi esta muito maneira e em muito
bom estado: na rua daSenzala-nnva n. 30.
Compra-se na rua de Hortas n. l, papel de
jornaes para embtulho.
De dia par dia, mais dece.
De goiaba.
De laranja. .
De banana.
Km caixoes e latas.
Fino e ba'xo.
Caix5es grandes e pequeos.
Proprio para embarque.
Vende se constantemente rua" Direita n. 91
tabernadj Bi'i-ges.
Ricos coeiros dB casemira b6fad a ernx e a
matiz rua d Crespo n. 2.'i. luja da esquiia.
CHARUTOS DE 8...PBUX
Ramos & Temporal vende n no wn escriptorio,
rua da Cruz n. 27, eharotos do afamado fabrican-
te ManoeldaC-sia Perreh-a, d- S. Flix.
Cemento
O verdadeiro porlland. S se vond'f na rua da
Madre de Dos d. 22. armazem de Ji.ao Martius da
Barros.
TABiSRXA.
Vende se a amiaeifl e pertenecs de urra taber-
na a rua do General Vieonn ., bem afreguezada e
com poucos fondos : a tratar na mesma taberna a
qualquer hora do dia.
Farinha de mandioca de Sania
Ca harina.
Da EoperW, vinda pelo patacho in::lez Mnnj
Block j ha parte ensacada para c .mmudidado d s
compradores, e vndese nos armazens de Tssso
Inalos A C, no caes do Apollo, e rua do Am rim
numrro 37.
Finos cortes de cinta a Jl)00 : na rua do Cres-
po n. 2", loja da esquina.
Cabriola
Na cocboirs d i Sr. Ballhasar rua da Guia n.
I, vende-se om cab'riolet de 4 roda-, ca perfeito
estado e por preco commodo.
Vende-se
Palitos do pz a :;o rs. a doria de caixinhs. ba-
rato : na rua dn lt.-ii!;p| n :'.-. la I ama.
Veode-se feijio muiatinao a 7(! rs. a cuta
na na do Viga rio n. 15.
Attenco
Compra-se urna refinacao de assucar : quem
tiver ancuncie para ser procurado.
Tinge, lava, limpa, lustra e acbamalo-
tase, com a maior perfeigao, fazendas em
pecas e em obras de todas as qualidades;
como sejam : seda, lia, algodo, linho.
molhar os tecidos, conservando assira to-
do o brilho da fazenda.
Tintara preta as tercas e sextas
ras.
Os abaixo assignados, propretarios do
muito acreditado estabelecimento sob a de
nominaco RAZAR DA MODA scientificam
ao respeitavel publico, e com especialidade! jj bapos'de feltro de palba etc.'etc.
a seiis inoameraveis freguezes, que conbe- gg m('hr,aP"lt f"" e!'??."?iA ^*
cendo a necessidade de dar ura acreecimo
a seu genero de negocio afim de melhor sa-!
tisfazer su3 immensa freguezia, resolveram!
.fazer um melboramento importante em seu'
estabelecimento, melamorphoseando-o no'
que pode haver de mais bello e agradavel.
Sendo
0 BAZAR DA MODA
Uta estabelecimento j to conhecido d esta
provincia, como das mais do imperio, onde
os .compradores sempre tem encontrado o
que-ha de melhor e especial em artigos de
VIDAS.
sem
fei-
0 RGIAO DENTISTA
Frederico Maya
Tem a honra de scientificar ao respeita
vei publico ea geral, e aos seus clientes
em particular que elle mudou o sea gabi
neiede consajtas da rua Direita n. 12 para
a do Queimado n. 31 primeiro andar, com
Farinha de mandioca
da Baha.
No escriptorio de Joaquim Geraldo de Bastos;
rua do Vigario n. 16, primeiro andar, vende-sc
farinna muito alva, fina e trrida, saceos de dous
alqueires, por menos do que em outra qualquer.
parte.
S Joaquim Piedrines Ta- J*
vare* de Mel o,
^ Kraija do Corpo Santo n. 17
^ TEM PARA VENDER : 9
| Cal ds Lisboa. |
g Potass pa Riisia. { S
^ Vinho Ilordeaix. S
Iferello (le Lisboa. S
^ Far&aha 3c anSoea. m
fiw^^jg -mm
>5 Vende-se a padaria da rua da Guia u. 36,
por seo duno querer relirar-sc por se achar doente.
Vende-se ou aluga-se urna canoa nova, toda
encavilhada de cobre, que pega 400 feix u de ca-
pim : para ver e tratar na camba dos Remedios
com o capitn Delfim.
LEONRDO KUHN
pimeiro introductor dos po^s tubulares instantneos
d i Abyssinia, em Pernambuco.
Participa ao respeitavel puolico que uUimameate tem recebido a quarla renessa dos di-
to poco, e-osperteoQ3s completos e aperfeifoados para a collocac,o d'elles em pouco
tempo, tanto em terreno mole como em pedra a mais dura que bonver, como se pode
verificar no sitio ao anaunc ante no Araial dos Coqueiros.
A vantagens que offerece este systema de adquirir agua sobre qualquer outro, sao
immensas ; servindo niogmente nascondicoes cima mencionadas,. omo tambetn as
cacimba j feitas, aonde aioda n5o le^m bombas oo a agua n3o pura, pois elles esto
manidos de um filtro que no deixa entrar impuridades, vantagemque n3o tem o outros.
Alm disso, a grande quaniidade d'agua que elles deitam de 5 8 pipas por hora,
conforme o dimetro dos tobos, (i /i, \\f e 2 pollegada*) a factlidade com que elles
funecionam, a siraplicidade, perfeicao e solidez combinada com a elegancia desua forma,
qne para ser appreciada basta ver-se.
O mandante tem urna pessoa especialmente habilitada, tanto na coiIocar;3o d'elle,
cx)mo na escolba do terreno ou lugar,mais proprio, que se encarrega de taes servicos
por preco commodo ; e, visto o cambio ser mais favomel, vende-se elles por precos
mais moderados, recebendose a impertanciasdepois de coliocado e funcionando a satis-
facSo dov comprador.
Para encommendas e mais esclarecimentos a respeito trata-se na loja do Sr. F. J.
Germano, rua N'tva, n. 21, fi na oflkina de raetaes de Sr. Paulo Jos da Silva Freir,

argo da Concordia n 7.
miudpzas e perfumaras, conservando sem- a entrada pelo pateo de Pedro II, onde p-
pre os propnetarios o systema de vender de ser procurado para os misteres de sua
por muito commodos precos. tendo para'profiss5o, todos os dias uteis das 9 horas
esse fim ^cebido todas as mercadorias di- da manha'a s 3 da tarde,
rectamente da Europa onde tem peritos j Tambem previne, que continua a prestar-
correspondentes, e certos de serem sempre, se a vontade dos chontes no^ na cidade
preferidos com aniraacao, eso resolvidos a eomo nos seus suburbios, para onde as
juntar a genero de negocio existente um das sero precedidas de ajuste. Elle ga-
importante e sublimado sortimento de ticas rante o bom desempenho e a perfeicao de
fazendas para senhoras e arligos da alta. seus trabamos, o que j bem ~ conhecido
moda de Para, onde o bello sexo com es- assim como as commodidades dos Drecos
pecialidade encontrar todos os adornos ne- \
cessarios de- que merecedor.
Conservando se
0 BAZAR DA MODA
ROS
MARTIMOS
Santuario
Vende-se um em bom estado, pnr preco com-
modo : na rua Imperial n. 25.
Vende-se por menos do qoe em qualquer
outra parte 100 moinhos de pedra chegados nlti-
mamente d Ilha de S. Miguel : na rua do En-
cantamento n. 11, venda.
Allenf
Vende-se urna casa de taipa cobcr.ta de telha,
na povoacao dos Montes, margem do ro LTna : a
tratar na roa Imperial n..38.
na continuarlo de suas obras, espera em
breve reabrir com lodo o brilhantismo. sa-
tisfazendo deste modo a espectativa publica,
e apresentando aos concurrentes a elegan-
cia elevada ao mm alto grao, a qual s pode
ser comparada com os principies estabele-
cimentos da corte deste imperio. O ptimo e
activo pessoal j contratado para os tres ra-
mosde negocio, a saber: i. ricas fazenda e
modas para senhoras, 2. variado sortimen-
to de miudezas finas, 3." superiores e ver-
dadeiras perqmarias, empregarSo sempre n
todos oe meios neeessanos para satisfazerem j0nt0 ^^ do Pint0
sua freguezia. ficando esta desde j sciente, PfeCi8> .se de oma ama p
que como semore, encontrar2o o maior goramar para urna s pessoa
agrado, sinceridade e modicidade nos pre- d- ttf.____________,
e por esta razSo esperam que o illus-
Companhia Indemnisadora, estabelecid
esta praca, toma seguros martimos sobre
aavioa e seus carregamentos e contra foge
n edificios, mercadorias e mobilias: a
rua do Vigarion. 4, pavimento ter eo.
Ama de leite
precisar de o'roa ama de leite :
13, segundo andar,
CootlDua-se
na roa larga
na rua da Roda
Cos ; e por esta razSo esperam que illus-; Os abaixo assignados declarara ao publico
trado publico desta cidade continu a bon- com especialidade ao corpo do commercio qoe n
ra-los com a sua presenca aeste estabeleci- <5.'aJ3^ de ma' dl8olvram amigaveimento a so-
ment.. compabi, umbem da xcoBen- ZgSX?SS.'i tJSSi
tissimas senhoras as qaaes desde j se re- ci Manoel Rodrigo^ Teixeira, rerando-se o "
commendam, esperando e desojando a sua co Antonio da Soma Aimeida, pago
^SJKSTd. iu'lho de 870 rA> 3 de >a*de ,87-
Manoel Rodrigues Te.xeira.
jFarmba de mandioca
No trapiche Barao do Livramento, no largo da
assembla, ha depositada superior farinha de man-
dioca para vender-se : tratase no mesmo trapiche
ou no largo do Corpo Santo n. 6, 2" andar.
-^ Vende se no au azeni de Hoberl Lightbown
& C, rua da Cadeia o. 52, lio e barbante de todas
as qualidades, cores e grossuras, em grandes ou
pequeas por<*5e?, estopas de todas as oualldades
e largor is.
FARIUX
le Santa Catharina.
Vende-se farinha de mandioca ramio alva e fi
na, a mais superior que ba no mercado, em sac-
eos de dous alqueires, por menos do que em ou
tra qualquer paite: a tratar cora Antonio Fran-
cisco Martins de Miran Ja, roa nova de Santa
Rita o. 55.
Vende-se urna pequea casa sita rua Oi-
rerta dos Afogados n. 52 : a tratar na rua de
Marcilio Dias n. 74.
so
do capital e
Jos de Soma Soares C
Attonio de Souia Almeida.
A lgOOO o cento
de cebollas de Lisboa em bom estado : no arma
zem de molbados da rua do Amorim n. 44 : quina
da roa do Cordonir.
Boa morada
Vende-se um bom terreno em ama das ras l-
timamente abertas na estrada nova de Beberibe,
onde passa a liona frrea, mu taperto do riacho
Jaear. com maltas e trra par cipim e man
dioca, fem de extencio 1500 palmos, porm ven-
de-se a vontade das coropr.dores : ent>nderem-
e na rua da Imperatriz n. 31.
Siva! sem segundo,
IVA Br-QUEI^E CAXi.l* W. 4
(Anga na do Qdeioiado)
. Continua a vender tudo muito bom e
muilo barutu a saber:
Libras de arda pela muilo boo. 180
Tesouras linas pata nnbas e costu-
ra a......... 500
Papis de agulhas francezas a bs-
lo a......... 60
Caixas com seis saboneles de fruta i $000
Libras de laa para bordar de tods
as cores a....... oiTOOO
Carriteis'de Dha Alt.xandre a. 100
Frascos com azeite pra machinas 500
Grvalas de cores muilo finas a 500
Grozas de boles madepersla fi-
nissimos a....... goo
Pares de luvas de cores muito fi-
nas a 320 e....... goo
Novello de linha de 400 jardas a. GO
Caixas com 100 envelopes muilo
superiores a...... 000
Pentes volteados para meninas a. 240
Tinteiros com t;ttia preta a 80 rs. e 100
Pecas de fita elstica muito fina a 200
Lata com superior banha a i00 e. 200
Frascos de oleo Philocomo muilo
fino a......... goo
Ditos ditos dito grande a. 1,0000
Frascos de macaca perola a. 240
Frascos de extracto moito b nitos a 500
D.izia de sabonefes muilo finos a. 720
Sabonelus- inglezes a 600 n. e. 141200
Frasco com agua de colonia Piver a 500
Dito deoko babuza a..... 500
Caixas de lamparinas a. 40
Sabonetes a forma menino muilo
superiores a....... 240
uartilhas da doutrina fazenda nova a 400
Librjs de linha sortidas de todos os
nmeros a. ...... i|S00
Babados do Porto, largos a 160 e 200
Capachos muito bonitos e grandes a 700 '
Carriteis de retroz preto, com 2
oitavas a........ 640
Agulheiros de ossfj enfeitados a, 240
Libra de linha franceza supefior v
qualidade a.' 20400'
Caixas de palito/do gaz a. .. 20"
Vende-so um cabnolet francez de duTs ro-
das, em perfeito estado e bem conservado, cora 0
seus competentes arreios: a ver e tratar rua da
Matriz dt Boa -vista o. 28, loja de pintar carros,
Farinha de mandioca. ~~
Da melbor qualidade e mais barata do que em
outra qualquer pa rte : veodem Amaral, Moreira
4 C, no caes da alfandega n. 7.

d k
. i
^ m c


Diario de l'emambuco Quinta Eeira 7 Je Julho de 1870.

A YEWIADE
Rna Duque de Caxiasn. 55
Na loja da VRDADE continna-se a ven-
cer por baratsimos precos todos os arti-
go* de miudezas e perfumaras do seu
grande e variado sortimento, garaotindo aos
compradores toda a sinceridade.
Lindas bonecas de cera e massa por ba-
ratissimo preco.
Espelhos doorados para peadurar a
460 rs.
Agulhas de osso para crox a 2C0 rs.
Pentes finos para segurar cabello, a
320 rs.
Chamins para gaz a 320 rs.
Garrafa com tinta alizarine a 10OOO.
Dita com agua florida a 105GO.
Dita com dita dita a 100.0.
Tnico de Jayme a 1 5500 o frasco.
Frasco comoleo exprcsso de babosa, de
0 a, 640 rs.
Dito com agua de Colonia de 300 a i 0300
Dito com extractos finos a 10000.
Dito com sndalo verdadeiro a 10200.
Latas com banlia multo fina de 120 a
240 rs. ,
Sabonetes muto finos e diversas quali-
dades a 80,160, 240 e 320 rs.
Finas escovas para dentes de 320 e 509 rs.
Ditas para facto de 500. e 600 rs.
Ditas para cabello a 500 rs.
Pentes para alisar com costa de metal a
no rs.
Ditos ditos ditos de bfalo a 240 e 320.
Pentes para tirar piolbo de 160 e 240 rs.
Pavios para gaz, dazia a 240 e 320 rs.
Brincos de cores, inteiramente modernos
de 160 e 40 rs.
Pennascaligraphicas muito finas a 10400.
Ditas de langa e mosinha a 800 rs.
Lindos babadinhos e entremeios de 500
e 10309.
Grosas de botoes de louca de 160 e
"ira.
Ditos ditos para calca a 240 rs.
Caixa com papel amizade a 700 rs.
Ditas com envelopes a 480 rs.
Ditas com obrejas a 40 rs.
Ditas com agulhas fundo dourado a
280 rs.
Thesoura para costura a 240 rs.
Linha de marca ciixa a 280. rs.
Caniteis de linbas de Alexao'dre de n. 70
a 200 a 10 rs.q
Gi ampos muito finos, com passarinbos du
liaa 20U rs.
Cartas francezas para jogar duzia 30000
Ditas porluguezas, duzia 10400
Papel almaco superior qualidade resma
40000.
Lam muito fina para bordar libra 60500
Fitas para debrum de sapato, pessa 160 rs
Ditas de lam para debrum de vestido peca
400 rs.
Caivetes grandes com molla a 400 rs.
Ditos grandes com 2 folhas por 320 rs.
Rosetas pretas para luto, o par 100 rs.
Trancas de lam de caracol branca e de
tifcs de i O a 100 rs.
fits para cs, peca 480 rs.
Aiieics de lato, carta 100 rs.
Soaiinhus de lam para cranla de 400
a 800 rs.
Calgadeiras a 40 rs.
Gravatas de seda preta de 400 e 800 rs.
roxe, brancas e de cores 500 rs.
Dita de gorguro de edres a 800 .rs.
Na Verdad i ras* Dnqne de Ca-
xlas n. 56.
con Fl'l IMA
laia Landelino .vende sancos com farinha de
mandioca : na roa do Duque de Casias, travesea
do Rosario, loja n. 18 B ____
LOUCA
Grande arniazem na rna da
Imperatriz n.
Neste grande armazem vende-se louca mgleza
tinas e ordinarias, apparclbos de porcelana para
jaotar e para cha, jarros para flores os mais boni-
tos e de gestos modernos ; assim como grande
sortimento de vidros finos e ordinarios, que lodo
se vender tanto a retalho como por atacado pelo
mais barato preco que em outra pnalqaer parte :
chamamos a atteneao dos freguezes, que serao
convenientemente servidos tanto nos commodos
precos como na boa nualidade das fazendas.
LEGDEORO
Grande estabeler.imento de fazendas e roupas feitas e por medida, ra da Im-
peratriz n. 52 junto'a loja de ourives.
Neste estabelecimento encontrar o respeitavel publico am bonito sortimento de
roupas de todas as qoakdadee.
Palitot do alpaca preta e de cores a 30000, 30500 70000, ditos mirin preto
do 70000 at 250000, ditos do casemira de cores finas e ordinarias, de 60. 160000,
ditos de panno finos de 65 80 403 e 2<'0OOO. sohrecasaeo dito de 200 a 500000
Completo sortimento de calcas de brim pardo de 10600 a 601)00, ditas brancas
de 20, a' 100000 o mais superior, ditas meia casemira, ditas caemira de 50, 120000,
ditas casemira prta de 60, a 4W000 superior, dita de merino diversas qnalidades para
luto. Assim cmo um bonito sortimento de coHetes de brim de cores, ditos brancos,
ditos de casemih? de cores e pretas, ditos de merino para latflfazeada superior.
Sortimento coraploto de camisas francezas de ajgodo, de 10600 30QOO, e de
linho de 380000 a 700000 a dazia.
Sortimento completo de ceroulas francezas de algodo de 10600 a
MACHIAS PARA
COSTURA
Acabam de che&ar ao GRANDE BAZAft _
HVFR<*AT na Nova n 22CARNBIRO | de Santa Catbarina. a granel ou ensaccada a vot-
20500, U"IN *-RAL,a ra nova n. zz^A""'"n" i lade dos compradores : seus ^Jdmuto* Au_-
ditasde bramante a 10800, 205*) e 30000 ditas de Hamburgo. franelas, fazenda su- vuNNA-nm completo sorumentojie rim lttaM & a. rua da c^
UNIVERSAL*
vunnanm ce
1 chinas para costura,
dos autores mais co-
no armazem de E. A. Borle dt C. roa da
Cree n. W o seguinte ;
-\taho Bordeaux superior quaUdaie, pre-
ces de 70500 a 200000.
Cognac fino, "lifferentes precos.
Licores de differentos qualidades e p?e-
Cos.
Frotas e conserva em frascos.
Azeite doce francez, em caixas de 12
I garrafas.___________________'
Fariuha de mandioca
Acaba de chegar o brigue brasileiro Othekt, e
acta se fundeado em frente do trapiche Baro do
Livramento, com fannaa de mandioca nova e T
de Santa Catbarina. a granel ou ensaccada a i_.
tade dos compradores : seus consignatarios Amo-
perior de 250000 a 350000 a duzia. Sortimento de colrmeos de algodo e linho, etc.r
ssim como meUs de algodSo para bomem de 30. a 100000 a duzia, gravatas de moi-mecidos, as quaes esto em exposi
Cigarros da imperial
fabrica de S. Joo
>. de Nictheroy.
nico deposito em Pernambaco caes da alfan
dega velha n. 2, Io anda.______________
Vende-se
Semenes n .vas de hortalices, garantidas, da socie-
dade de Horticultura Lisbonense, rua do Amorim,
deposito da tabrica de cervejas e espiritas da rua
do Brnm.
Toalhas para rosto. Sortimenlo_de_ mallas para viagem.
a todos os compradores. Estas machinas
MILHO
No trapiche do Barao do Livramento, ba para
!sao iguaes no seutrabalho ao de JU costu- |vender 8nperior raji0 chegado ltimamente do
da reiras diariamente, e a sua perfetco e ta. (njf, de Janeiro : tratar com Joaqun Jos Goi-
ATCBSA0.
Neste estabelecimento enoarrega-se de mandar fazer qualqner obra por medida .--
e para esse fim tem hbil eitre encatregado da officina, que se encarrega do trabalho! como da melhor costore.ra de Pans Apre- calves: Belirao em sen esenptono : a rua do Con-
r .,.1. o com perficao e pontualidade.
Alta novidade
NA
Loja do paqo
Chegararo pelo ultimo vapor francez as ricas
cbapelinas de palha de Italia, ultima novidade de
Pars, chapeos de veludo e palaa tambem os te-
mos de muito posto, postilhoes o basquinas de gor-
guro preto muito superior om ricos lacos de
selim : na rua l_de Margo n. 7 AJojado PJ>CO._
Fechincha a 1$ e 9^ "
Vende-se calcado francez obra muito boa pelo
diminuto prego de 7 e 9, assim dmo calcado
para enancas a 200, baratissimo: venham a el-
les antes que se acabem, na bem conhecida loja de
miudezas da rna da Cadeia n. 50 A, confrente a
rna^da Madre do Dfos^___________________
SOKTIMENTO DE FAZENDAS.
Chitas de 240 rs. o covado ou 100000 a pessa com 42 covados, ditas miudes
para camisas e timo de menino 260, e 280 rs.. e outrts muitas qnalidades de 320, 380
e 400 rs. o covado, neste mesmoestabelecimento chegaram, urnas bonitas chitas da
victoria com barra, a qnal para flhos ecompetente enfeite para corpinho. Cam-
braia lisa de 30, 40, 50 e 10000 a pessa, e outras muitas fazendas de todas as quali-
dades.
ALGODAO E MADAPOLlO AVARLADO.
A 40000 o algodo, e 40500 omadapolb. e tambem chita esenra b6a 240 o
sentam-se trabalbos execulados pelas mes-
mas, que muito devem agradar aos preteu-
dentes.______________________________
Officina e armazem de
maimbre
Caes Tinte e dous de novembro n. 57,
(ootr'ora armazem allianca)
Ha para vender pedras marmores de todos os
tamanhos e grasuras, ti jlos de diversos ta
Mi'ho e farinha
Vendem-se saecos com milho novo a 5^500, e
saceos com farinha (22cuias) a 65O0. no trapiche
da Gompanhia : a ttXar no mesmo._________
Sacpos de estopa
Vendem-se ptimos saceos de estopa, proprios
para a&sucar, mil to, farinba etc.: no armazem de
Adamson, H .wie 4 C, rua do Commerdo n, 4ft
covado por ter grande porc3o, na rua da Imperatriz n. 52, loja com portaes encarnados. raanh0Si soieiras e sac'cadas, assim como sot-
intitulado

Lefio de Ouro.
A 5$00.
Vendem-se botinas de cores para senhora pelo
diminuto preco de 5 o par, sao cores bonitas e
obra bem feita : venham ruad* Godeia n. 50 A,
lja de miudezas confronte a rua da Madr? de
Dos.__________________________________
Farinha de mandioca
igual a de 3Iw:ibeca.
Em saceos de dous alqueires e de panno de
algodao, cuja medida corresponde de 5 a 8 00
mais do que a mpdida danui e do Rio de Janeiro,
vndese a preco menor do que em qualquer ou-
tra prtete : tratar com Joaquim Jos Goneal-
ves Beltrao, em seu esenptorio a rua do Commer-
cio n. 17.
LOJAD
Yelias de spermacet
ras e becadas de pedra do Lisboa. Tambem con-1 Verdadeiro americano cada uma^caixa trinta
trau-se e faz-se qualquer obra, como monumen- e tinco meias duzias de vellas, ou 210 vellas, por
tos, tmulos, estatuas, pas, lavatorios, mesas e ; trinta e cinco mil reis. No armazem de Tasse Ir-
'. tude o mais tendente mesma arte, por mdicos i maos & C, rqa do Amorim.________________
I pr^gos. _____________________________^_
i Farinha de mandioca
Vende-se farinha de mandioca chagada do Ma-
ranhao no ultimo vapor do norte, por menos pre-
go do que em outra qualquer parte : a tratar no
escripbrio de Joaquim Gerardo de Bastos, rua
do Vigario n. 16, Io andar.____________
se
Rua do Crespn. 20 A.
Alvaro Augusto d'Almeida C.
Este estabelecimento de fazendas finas e grossas j bastante coahecido como
am dos mais bem sortidos desta cidade acaba de receber directamente de Paris alguns
irtigos especiaes que passa a mencionar.
Ricos cortes de vestidos de'blond para casamentos.
Cortes de vestidos de seda de cor, de gostos inteiramente novos.
Brochad, fazendas de la e seda propria para vestido.
Foulard de seda de todas as cores, tambem para vestidos.
Fitas largas de seda para cintos, gostos escoceses e lisos.
Chapelinas de seda e de palha d'ltalia.
Basquinas de seda e guipure.
Colchas de seda e de 15a e seda.
Cortinados de rambraia bordarlos raoito ricos.
Pannos de verdadeiro croch para jardineiras, sof e cadeias.
Toalhas de linho do superior qualidade.
Bramantes, selicias, sguies atoalhados.
Gaardanapos, colchas, aaias bordadas camisas,
Cache-nez, bales, cambinhas, sombrinha.
Madapoioes de varias qua'idades, saxos para viagem, mallas, tapetes, capa-
GAZ GAZ GAZ
Chegou ao antigo deposito de Henry Forster
ti, rua do Imperador, um carregameno de ga:
de primeira qualidade; o qual se vende em partida
e a retalho por menos preco do que em outr quai
qner parte.__________ '_______________
Vende-se um terreno propio, com 138 pal-
mos de fren* e 160 de-fundo, para o lado da es
trada de ferro, cujo terreno tem al'carta feito pa-
ra cinco moradas da casa, na rua de Motocolom-
b do> Afogados : a tratar na mesma roa. r>" na
rua Direita dos Afogados n. 13. ______
Tem tambem constantem:nte um completo sortimento de ESTEIRAS DA D-
0 engenho Bomiri, provincia de Pernambuco,
districto de Agua-Preta. distante da estacao de i
Una qoatro legoas, com boss trras moent e cor- CQ0S> alcatifas e muitos ontros artigos que se vende por precos mdicos.
rente : tratar com Jos Joaquim Das Paredes, tambem r-.nnslantp.rm.nt.A nm c/mnletn snrtimf rtt,> Ae ESTI
no povoado r.0s Montes, (Una) ou no engenhb ca-1 1CIU MU7
prtchd com Joaquim Jos de Arolla. DA para forrar Salas.

Sahiias de baile.
Chegaram loja do paco as ricas sahidas de
baile, assim como os ricos enehovaes de cambraia
bordados para enancas se baplisarem, artig este
c melhor que ba no mercado, assim como temos
grane sortimento de outras muitas fazendas de
gon:> e novidades p.ir todos os vapores : na leja
do paco rua 1 de Margo n. 7 A.____________
Cantara de Lisboa
Soleira?, hombreiras e capiteis para frentes de
casas, o que ha de melhor : venda no arma-
zem da travesea do Corpo Santo n. 25, de Joaquim
Lopes Machado & C.______________________
Vende-se urna casa de taipa, na baixa do
Zumbi, (Torre) em solo rendeiro : tratar na rua
Imperial n. 233.
BRACO DE OURO,
Rua do Imperador n. 26
O respeitavel publico encontrar neste
estabelecimento diariamente um completo
sortimento de pastelaria, bol-los inglezes
podtns, pds-del, prgsentos dos ltimos
chegados ao mercado, salame de lion, bo-
linhos finos de todas as qualidades para cha,
amen loas confeitadas, confeitos, bomboins,
pastilhas, chocolate francez em libras, pas-
tilbas do mesmo .cartnxos e carteiras com
s,eis charutos de chocolate cada urna, este
sortimento de chscolate do mais acredita-
do fabricante de Paris e o melhor que at
hoje tem viudo ao mercado.
Vinhos portuguezes, figueira muito supe-
rior. Os mais genuinos e superiores vinhos*
do Porto, moscatel e Selubal, o Ilustrado
publico encontrar nesle estrbe'ecimento
por commodos precos, fazendo-se abatimen-
to a quem comprar em porco.
Os donOs deste estabelecimecto nao se
tem poupado a despezar para melhor me-
recern a acoadjuvagao do illustrado pu-
blico.

I
*>;_
6 0
Neste grande estabelecimento encootrar o. respeitavel publico, u.u grande
em outra qualquer parla, visto qua os novos socios desta firma adoptaram o systema de s vennderem
e arra;?zem podero fazer os seus sortimeatos pelos mesmos pregos que comprara as casas estrangeiras
erem escolher.
com listras lar-
RUA DA IMPERATRIZ
E
* M.TAS NOVIDADES -g |
'DO PATIO ^'3
J BONITAS F.AZENDAS PAKA A FES- VX i >s<
0 TA DE k
fc SANTO ANTO.NJO, S. JOO E S. PEDRO. ^
^ Vendem-se as mais lindas poupili- S>
as de linho e seda com os gostos
m:is novos que tsm viudo a este 9t
mercido, pelo barato preco de-----0
25000 o covado. jfi
Sedas listradas, de furta edres, fa-
zendas e muita phantasia a 2#000 S
o c i vado. m
S da bismark, larga fazenda muito
encorpada o covado a 2j?500. W
li mitas asinhas largas com palma ^
Organdy branco
gas e quadrinhos, a vara a if5000. .
Todas estas fazendas, sao inteira- <
mente novas e se vend ;m muito em J
cofita, rua da Imperatriz n. 00,
leja e arm.zem de Silva e Ftguei- j
do C. ;
de seda, covado a 15000,
Lindas agraciando lavradas covado
a 10GOO.
Alpacas lavradas de todas as co-
res, covado a 640, 800 e i"0003
Bonitas lasinhas escossezas com
quadros elitras de seda, covado a
56).
Fjjias alpacas lisas, sendo cor bis*
mark lyrio, verde, roxo, cinza, can-
na. azul etc., covado a 640.
Ditas furta cores com as mais bo-
nitas cores, covado 503 rs.
Lindas bareges lisas, e com lista
da nv'ma cor, fazenda inteiramen-
te nova, covado a 569 e 6i0 rs.
Bonitas ISasinhas tapadas e trans-
parentes com grande diversidade, o
covado a 600 rs.
Lasinhas lustrosas com lindas co-
res emitaco de seda, o covado a
320.
Jados cortes de anadine, sendo
f.zenda nova e transparente e de
muita phantasia, com'18 covados a
150030.
Finissmos crtes'de vestidos bran-
cos bordados com todos os enfeites
francezes a 12)1000.
Ortos de ganga indianos, fazenda
inteiramente nova a ,7(5000'
Ditos chinezes com duas saias a
70000.
Ditos de la escosseza fazenda mili-
to b mita com dos de seda a 70OuO ^
Finsimos organdys com lista de &
cor e salpico, sendo fazenda de
muita phantasia, o metro 10280.
de 12^000 rs. cada um, pechincha.
CASEMIflAS ESCOSSEZAS.
O Pavo tem bonias casemiras escosse-
zas com quadros grados e midos e outras
lisas com listras a%o lado, sendo fazendo
muito lina que, se vende mais barato, por
baver prande porco.
CORTES DE CASEMIRA PRETA A 4:500,
O Pavo tem os superiores cortes de ca-
semira9 pretasenfeitalas pelo barato preco
de 4530rs. o cort,
CASEMIRAS RASPADAS A 800 RS. O CO-
VADO.
0 Pavo vende exeellente fazenda de pura
la com as coras escuras muito proprias-
para calcas, palitots, colletes e roupa para
meninos qae frequ-ntam a escolla por ser
urna fazenda leve, escura e de muita ditra-
Co, pechincha a 803 rs. o covado ou a
20800 o corte de calca para homem.
FINAS BARGES A 640 RS. 0 ::OVADO.
O Pavo tem as mais lindas bareges de
1 la sendo meias transparentes, com urna
s cor, tendo : lyrio, azul, rosa Bismarck,
roxo, etc., tendo muito boa largura e liqui-
da-se por 640 rs. o covado, por se ter fri-
to urna grande compra, assim como ditas
mais estreitas de urna s cor com listras
imitaco de seda a 560 rs. o covado, e pe-
i chincha.
PEGAS DE MADAP0L50.A 30500.
O Pavo vende pessas de muito bom
madapolo, tendo 12 jardas cada urna, pelo
barato preo de 30500.
PECHINCHA EM ALGODAO A 4*000 RS.
O Pavo est vendendo pecas de algodo-
sinho francez, tendo 4 palmos de largura e
com 11 metros cada peca, pelo barato pre-
da 40000 rs.
CERA DE CARNAUBA.
Vende-se superior cera de carnauba em
saccas, mais barato do que em outra quaj-
quer parte, na rua da Imperatriz n. 60,
loja do Pavo.
OS SETINS DO PAVO
Vende-se es mais bonitos satina da cores
CROCHE'S PARA CADEIRAS E SOPA'S.
O Pavo tem um grande sortimento dos
I mais bonitos crochs para cadeiras, sofs
(mesas, almofadas etc., proprios para co-
brir presentes e vande-se mais barato do
que em oatra qualquer parte.
Algolo eaestado.
Vende-se urna grande porco de algodo
sinho americano com 8 palmos de largura,
proprio "para lences e loalhas, tendo liso e
GROSDRNAPLES PRETOS DE 15600 AT 73000
Na leja do Pavo enconlra o respeitavel
publico um grande sortimento de grosde
naples pretos de todas as larguras e qua-
lida"
e80OO
em conia.
CASSAS FRANCFZAS.
Chegaram para a loja do Pavo as mais
lindas cassas francesas com delicados pa-
' droes, tendo para todos os precos e
ROUPAS PARA HOMENS PARA TODOS ALPACAS LAVRADAS
OS PRECOS.
N'este grande estabelicimento encontrar
aL tAnlVi "AV "7 V ,L' respeitavel pnblico um grande sortimento
des, tendo da 10oOO o covado ate 70000 de ro| seJ(Jo ]m be sobrecasacos da
00 qua se vende por preco muito Dannc proto e cazemira, calcas e colotes d
ende por preco muito em 3; ^0Z^Zm\^Z^t
um Bonito sortimento das mais lindas cni-
conta.
LAAS ESCOSSEZAS
LAAS ESCOSSEZAS
LAS ESCOSSEZAS
A 560 rs. o covado.
Chegou para a loja do Pavo, o mais
elegante sortimento das mais lindas laz-
nhas escossezas com'fios de seda, as quaes
fazem o mais delicado effeito, para vestidos
de duas saias, e vendem-se pelo baratissi-
mo preco de 560 rs. o covado.
SEDAS DE LISTA
SEDAS DK LISTA
SEDAS DE LISTA
a 20QOO o covado.
Chegou para a 1 ja do Pavo um grande
e bonito sortimento das mais lindas sedas
de listas com as mais delicadas cores, tendo
entre ellas algumas que ser vena para luto, e
vendem-se pelo barato preco de 20000 o
covado, pechincha.
FAZENDAS PARA LUTO NA LOJA PAVO
Encontra o respei-tavel publico neste es-
tabelecimento um grande sortimento de fa-
zendas pretas, como sejara cassas france-
zas e inglezas, chitas pretas de todas as
qualidades, fazendas de la de todas qu
te"i vindo, proprias para luto, sendo lasi-
nhas alpacas lavradas e lisas, canto.'bom-
basinas, merinos, etc. que tudo se vende
por prego barato.
PARA BAPT1SAD0S
Na loja do Pavio vendese bonitos en-
ehovaes para baptisados.
Cortes de casemira a 40000, cada um.
Vende-se bonitos cortes de casemiras
claras e escuras pelo barato' preco de 40,
da a 20400 o covado, tendo dnas larguras,
CORTINADOS PARA CAMAS E JANELLAS
de 80,. 100,120 e 160000.
Chegou para a loja do Pavo um grande
sortimento dos bonitos e ricos cortinados
bordados, proprios para camas e janellas,
que se vendem de 80000 o par, at o mais
e mais encornados, proprios para vestidos ^ TS .^TL ?
tendo a* divSr*. J r'co qae 'em ao mercado, e vende-se mais
l barato que em oatra qualquer parte.
tas francezas escuras e alegres, que se ven-
dem muito em conta, e tambem se do
amstras.
CHITAS A 240 RS.
Na loja do Pavo vendem-se bonitas chi-
tas francezas claras e escuras e cresfixas
240 rs. o covado, e pechincha.
LASINHAS A 320.
LASINHAS A 320
LASINHAS A 320.
Na loja do Pavo vendem-se elegante sor-
timento das mais lindas lasinhas lustrosas,
com Hstrinhas a imitaco de poupelnas de
seda e com as cores mais lindas que tem
vindo ao mercado, 'sendo fazenda que vale
mdito mais dinheiro, e liquidam-se a 320
rs. covado, pechincha,
PECHIiTCHA
EM CAMISAS DO PAVO A 40500 RS.
Vende-so um bonito sortimento de muito
finas e modernas camisas inglezas com pei-
to e cohdrinhos de linho e pu_hj>8, pelo
baratissimo preco de 40500 rs. cada urna
e aos freguezes que comprarem dbzias se
lbe far um abatimento, garantindo-se que
fazenda que vale muito mais dinheiro,
liquida-se por este preco por se ter feito
urna grande compra : assim como se vende
um bonito sortimento de ditas tambem com
peito de linho bordadas e ditas de algodo
para todos os precos.
PANNO PARA SAIAS A 10000, 10280 e
10300 RS.
Vende-se bonitas fazendas |proprias para
saias sendo com bordados e pregas a um
lado, dando a largura da fazenda o compri-J
ment da saia e vende-se pelo barato preco
de 10000, 102SO e 10600, cada metro sen-
do preciso apenas 3 ou 3 1/2 metros para
cada saia pechincha.
Vestidos brancos a 12fcOOO rs.
O PavSo vende finissimos cortes d ves-
tidos de cambraia jranca, ricamente borda-
das e com muita fazenda pelo barato preco
brim branco e de cores, que tudo se vende
mais barato do que em outra qualquer parte;
assim como um grande sortimento de ca-
rnizas francezas e inglezas, e ceroulas tanto
de linho como de algodo e abundante sor-
timfnto de meias cruas.
VESTIDOS INDIANOS COM DUAS SAIAS.
C40, 800 B
1,000 RES.
Chegou para este grande estabelicimento
o mais bonito sortimento das mais moder-
nas alpacas lavradas de todas as cores, que
se vendem a 10, 800 e 640 reis o covado,
assim como nm grande sortimento*de alpa-
cas lizas de todas as cores
Basquinas.
0 Pavo vende urna grande porco de
cortes de vestidos indianos, tendo duas
saias e tendo bastante fazenda, com os gos-
tos mais novos qu tem vindo, e liquida-se
a 50000, tendo cada um seu competente
figurino. .
CASEMIRAS MESCLADAS A 30 0 COVADO
O Pavo tem para vender bonitas case-
miras mescladas e bastante encorpada para
roupa de homens e meninos pelo hara'.o
preco de 30000 cada covado ou 50030 o
corte de calca para homem.
Soupa por medida.
Na loja do Pavo manda-se fazer qualquer
peca de obra a vontade do freguez, para o
que (em um perito alfaiate, responsabehsao-
do-se os donos do estabelicimento por qual-
quer falta qne possa baver, quer por de-
mora, quer por .qualquer defeito na obra;
e para isto encontra o respeitavel publico
um grande sortimento de todas as fazendas
que desojar.
, BRAMANTE, A 1800. ,
Vende-se superior bramante com 10 pal-
mos de largura, proprio para lences, dan-
do a largura d'esta boa fazenda o compri-
mento do lencol, sendo preciso para cada
um apenas 1 e 1/2 metros ou 1 e 1/4 pe-
chincha pelo preco.
ESPARTILHOS A WOOO.
Vende-se um bonito sortimento dos me*
lhores e mais modernos espartilhos tendo
do barato preco de 50000 at 8000.
Caehenez.
Na loja do Pavo vende-se um grande
sortimento dos mais bonitos caehenez de
para la proprias para senhoras, vendem-se
a 60000 cada um, na roa da Imperatriz
n. 60
Chegaro as mais modernas basquina
ou jaquetinhas de seda preta, ricamente
enfeitadas a viarilho, trenca e setn preM
tendo de todos os modellos, os mais novo*
que tem chegado e vendem-se por precos
muito razoaveis.
POUPELNAS DE SEDA
POUPELNAS 'DE SEDA
POPELINAS DE SEDA
a 20000" o covado.
0 Pavo acaba de receber o mais ele-
gante sortimento das mais lindas verdadei-
ras poupelinas de linho e seda com os pa-
drees mais delicados que'tem vindo ao mer-
cado, tendo entre ellas cores proprias para
alliviar luto, e vende-se palo barato prec
de 20000 cada covado, pechincha.
Cambraias brancas
Vende-se um grande sortimento das me-
lhores cambraias tanto victorias como trans-
parentes tendo de 30500 peca at a maia
fina que vem ao mercado.
CAMBRAIAS BRANCAS A 4*000, A PICA.
S o Pavo vende pecas de cambraia
branca transparente, tendomais de vara de
largura, com 10 jardas cada peca, fazenda
que sempre se venden a 70 e 80000, liqui-
da-se pelo barato preco de 40000.
1 FUSTES BRaNCOS A 640, 800 E 1*200.
Vende-se muito bonitos fustes brancot
muito flexivel proprios para vestidos dt
senhoras e roupa para meninOs e vende-e
a 640, 800 e 10200 rs. o covado.
Cassas a rs.
O Pavo est vendendo bonitas cassas dt
cores fixas a 240, 280 e 300 rs. o covado
Brilhantes lasinhas.
S o Pavo, 640.
Chegaram as mais birlhantes lasinhas com
as mais lindas cores, com palminhas mindi-
nhas, assentadas as mais delicadas cores de
lyrio, cor de canna, cor de ganga e branco,
sendo estas novas lasinhas de muito boa
qualidade, tendo largura de alpaca e vende,
se 460 rs. o covado. rua da Imperatrix
n, 60 loja do PavSo.
A loja do Pavo est constantemente aborta, das 6 horas da manhaa s 9 da nonte


i
Diario de Perriambaco Quinta feira 7 de Julho de 1870.
i
-Tr-
Es N' i e sum), oto fie :';;;'.er iJtrer2o as Exilias,
(anulias tudo -ii (io.-. orno ern todas
u mus quas
.vidos <} que 'lo qo.i lljor se o-icontra oeste mercado,
t*t todos os poquitos ra Enn bem directamente o que em artigos de mona e
io mais apurado gusto se oneoiitra era Paris, o que yenj c.^iuJia augmentar s propor-
aas de que dispoe este estabetecicento para hej servir sua numerosa fieguezia.
AlgodSo largo pira leemos o toalhas de Gase cm li'5'.ras e s-da e flores, fazen-
;odas as (unidades qoe costum'a vir ao tner- da urteiramente nova par is de baile.
sado. Grvalas p*ra sem oras.e umens, o mais
Alpaca.-- ; o? p?dr3es e qualida- o surtmento que so pode desejar.
4e t< n3u pi:dom d -serever. Guipare poeto B brenco, diversas largu-
Aibs.' -. ,, ras o Ghfferentes gostos. _
4e!ir.c!o presente para natqr pessoa do
oa.
Atoamado de nno e algodo, branco e
Bas-jainas de sa la pn tas o muito moder-
jas, oera como de crochet, tu o de apurado.
(oslo e tritio.
Collas e pnnlvis bordados para s&iboras.
Guardanapos de iinuo paqueos e gran-
des.
Gorgaro da seda preto ede cores.
Grosdcnaples preto ede_cpres, haven-
do diversas quididades e gobios.
Japonezes para senhoras, o melhor gos-
Baldes de wnssdfna, rnadapoRSo, irancos to, e fazenda propria para as festas nosar-
a decores, para senhora e merlinas, rabaldes e passekwa tarde.
Bareges de cores variado sortiiaento. i QEa
Sabadinhos oq tiras bordadas em todas as Lazinias de todas as qualidades, cores
arguras. e gostos, nao licando nada a di>sejar, tal
Belbutrn da todas as coro?. Q sor ti meato que existe .para escollier.
"Bolsas do tapete para viagem, grande' Lencos, ludo quaato pode baver desde
wriadade de lmannos o gostos. .o ao ati^t&oeammuni.
preta (i,; i qnadailes. Lequesdemadreperoia e oss), o mais va-
Bran d i linho de l palmos de lar- riado sortiraei
fara, e todas s mais qualidades. Ligas d seda, hordadas, para senhora.
Bretanhas de linlto e algOdo, grande sor- Luvas deJooviu, cebadas por todos 03va-
imento. pores, sempre novo sortimento, quer em
Brins de linho branco e da /ores, do mais peluca para homens e senhora?, que* em.Sc
wmmodo 39 mAis caro em quatidade, affian- 'Escocia, brancas e de cores,
tanrto o (] melhor na especie. ^
Brins d'ajgodao completo sortimento e Uadapolo; iodescriptivel o grande sor-
wiadade c-j ;-e;os. limento que iia nesla. genero, desde o mais
qa elevado prego ao" menor, que se vende em
Cassas de core?, o ;uaur-soriimento, pri- pr'ca c retalho por menos do que ern ou-
ar.do pelo L>o:n gosto e barateza, atientas tra qoalqoer parte.
a qn.Vida '". Mantas de blonda para popas : o apurado
Cambraia? brancas, Capadas', e tfagsparen- goiio dos nossos correspondentes em Pars
ves de todas a* "<\ se procos. babita-nos a dizer qae tem^S em nosso
C^r rata de linho e cassa escbelecimento o quo de mclor se dese-
soradas E eofeilados para Sras. ja para vestir e ornar urna noiva.
Camisas para hoirens e meninos, I2p va-
natlo sortimonto vaj do mais oedinario
aadspolj a bordado de li-
te cambraia.
Camisas do meta, le flanella, brancas e
le cores para Lomera.
Casemii-as pictas e de cores, o raeior ,
406 se pode imaginar, sendo d'sao a^ne-baiatoa,0 ma,s superior
bor prova o grande consummo dellas na
ifficina da casa.
Capelks da &&<&, para noivas e bailes,
tesde amis candida flor delarangeiraat
i mais ioteressant griaalda.
Chape'inhas no moihor gosto.de todas as
Qoaado a AGUIA BURNCA. mais prec icar ao rcspeitaVel publico em
geral, e em particular a soa hoa frcgu:ia, da ii de objectos qne-ultimamen-
ttem recebido, 6 jusinmentequando ella menos o p<;'!ef.!zer e porqiieessa falta invo-
iuntaria elia confia o espera na'benevolencia de todos que IVa attendero e relevaro,
continuando portanto a dfrig'rcm-se a bero conheoifla Ir ja da AGUIA BRANCA ra do
Queiraado n. 8, onde semdre acb3r5o abundancia era sortimento de superioridsde em
qualidades, modicidade em pregos e o seu nunca desmenttido AGRADO E SINCERIDADE.
Bo que acina rica dito se rorjheeaqoe o tempo .le qup a AGUIA BRANCV. pode
dispr, empregado apezar de seas desemperno de Lem servir a aqnelles qoe a
ho:iram procur;: ida prover-se en dito loja do que necessitam, entretanto em ennume-
rar os objectos que por sua natreza slio njais.oonbecidos ali, ella resumidamente indi-
car aquellos cuja importancia, elegancia e novidade os toraam recommendaveis, como
bim seja :
Corpmbos de cambraia, primoresamento
enL'itados com fitas de setira e ot)rts essas
cuja novidadc'de molde o perfeico de ador-
aos ns tornara apreciados.
/ fitas mni largas de diversas cores e qua-
lidades paja cioin.-
Leijues aeas ubjecto muito se pe'
dizer querendo descreve-los minucosami
por suas qualidades, coreo e desodlos, tai
o grande e variado sortirneno que acaba"
de cliegar, mas para nao rcassar o preten-
dente se lhe apresentar o que poder de
melhor.
Entremeios em pecas de 12 liras.
Guipare branco e preto de diversas qua-
lidades e desenos.
Ditos de algodo cem ores e liso:,.
Veos de seda para cnaplin^s e monta-
ra.
leas, de seda para noivas.
Ditas abertas de fio do Escossia.
Costumes ou uniformes para meniros.
Capettas brancas para meninas,
Grandes sortimento de flores finas.
Fil de seda, preto.
RFUMARIA
Grande e constante sortimento de dita.
sempre rcelbor quajidade.
Linv' com [ de arroz e pinseL
Cattitas com ditos aromticos.
Bonitos e modernos pentcs donrados
paia circular o ccqtie.
BonHos brincos de plaquee.
Adereces e brincos do raadreperolr.
Caivetes tinos pira abrir latas.
Thcsouras paVa frisar br.bndinhos.
Asp^ para l:::lip.
No vos SI pos com -48 vistas, s
qn'aes s";o movidas por um macbiuismo
ra as outras.
Vistas para stereoscopos,
Bonitas caixinhas de vidro enfeitados com
pedras.
Ditas de madeira envernisda com vispo-
ras c com domines.
Bollas de borracha para brinquedo de
Enlovaes completos para baptisados..
Touquiuhas d fil, sapatinbos bordados crirncas.
e res para ditos. Divo. borcelana proprios
Camisinhas hordadas para ditos. para eni'eies^a mesa e de lap'umas.

Vil lu
A?m&m:
ti
NOS GRANDES
as
r
raiLiiiA>os
Mantas pretas de blond.
Mantas pira carros, com lindas pinturas.
Merinos preos, trancados e Usos,
afsselioa branca e de cores, lindos e va-
riados padroes.
Pannos precs e de cores, desde o mas
por preco muilo
ciiumodo.
Pannos de crochet, para cadeiras e sofs
Ditas de casemira muito finos para
meso.
Poitos bordados de linho,. lisos e de al-
godo para camisa.
senhoras, do ultimo
ores "boje preferidas pelas senhoras de' Prineelas pretas c -fl cores.
mis apurado rigor na moda. Popelina do seda e linho, com lislras e
Chapos pretas de velludo, para senhoras, flores; fazenda lindissima.
itirao gosto de Paris. Pelberinas para
Chapeos de sol, para sf-nhoras e horneas, I gosto.
de todos os >pre Chaly com ricos padroes para vestidos. ] que de melhor e mais agradavel ao pode
Chals de todas as qualidades, avullado! encontrar neste genero, e de mais fragante
anmero e nao menos variedade-de gostos,je suave no olphaio, temo PAVILHAO DA
Chitas, impossivel descrever o sortmen-1 AURORA, desde a verdadeira agua Flon-
*.o e variedade de -padroes e novos gostos, da at o mais fino Bouqwt d'Amour, final-
la.neste artigo tudo quanto se pode deseiar.; mente tudoquanto deve oceupar o touca-
eintos para senhoras o que se podo iina- dor de urna senhora de gesto.
GILANTE
i
Os p:-cprietarios destes bem sortidos armazens participara acs sons innom
taato Sestil praca cemo do mallo que tendo feito grande diminuicSo de
innmeros
fregtiozes tanto tfesta praca cerno do mano que lenao ieno granao uiunuuivSo de pre-
sos as suas mercadorias estSo por isso resolvidos a vender por menos de 10 e 20 j0,
do que ea. outra qualqucr parte, garantmdo-se portanto a s perior qnadade de qnal-
quer genero comprado cesto) slous estabetecimontos. Mencionamos alguns dos nossos
gneros e a vista destes sao comprehendidos os outros, porque enfadonho seria men-
cina-los.
ver.
pnar de melhor.
Coquesj o melhor no gosto e nos enfei-
'^s, varios lamanhos.
Colchas de seda com borlas, o mais apu-
rado gosto e lavor.
Ditas do fiisto branco e de cores por
arecos commodos.
Corpinhos de cambraia, ricamente borda- i
ios para senhoras.
Cortinados de cambraia bordados e de
ll,o que do melhor se pode desojar.
Colarinhos de linho bordados e lisos, o
aiaior sortimento.
UD
Damasco de la de 9 palmos de largura
lindas cores e ricos padrees.
EBft
Espartilhos bramos e de cores, para se-
ahoras e meninas, o melhor nes& geuero ;
oenhoma 9ra. deixar por certo de muir
as de to precioso auxiliar perfeicSo de
im corpo delicado. v
Entretneios bordados.
Escomilha preta.
Eneites para cabeca, ultima moda de
?ars, recebida no uitimo paquete.
Esguio de linho, completo sortimento de
sodos os nmeros.
Fitas largas escocesas para ciatos, varie-
ade de gostos e lindos padrSes,
Fiehs de crochet, modernos com cintas
capas, o qne ha de melhor.
Fil de seda, linho e algodao, de todos
w gostos e padroes.
FustSo de todas as cores e
irande sortimento.
Flanella branca e de cores.
Flores, o que ha de mais
Saias bordadas, brancas, lisas e de cores
com folhos e sem ellos, o melhor possivel,
Sahidas de baile, de todas as cores.
Sedas pretas, de quadros, lavradas, lisas,
de lislras de todas as cores e qualidades e
o mais barato possivel.
Sarcelim de todas as cores e qualidades.
Tapetes grandes, lindas pinturas para 8
cadeiras, mais pequeos e de todos os ta-
manhos desejaveis, e em peca para co-
vados.
Toalhas de labyrintho, do maior e mais
fino trabalho ao mais barato.
Toalhas de linho e algodo de todos os
tamaitos, lisas e felpudas.
Tarlatana branca com palmas e de cores,
fasenda muito nova, e gostos delicados pro-
pria para baile.
Vistuarios bordados de fustao brancos e
decores para meninos, de cambraia para
baptisados, o que de melhor tem vindo a
este mercado.
Vestidos de 15a escoceza de 2 saias, e
novidade pelopadro, gosto e forma; ditos
de linho com barras de cores, e de cam-
braia de cores cora 2 saias, tudo intuir
novidade, trazem os modellos juntos para
mostrar a forma de os fazer.
Veos de blcnd para noivas e pretospara
luto.
Vestidos de blond para noivas: podemos
freguezas, que
Se algusin
Vinagre branco mandado vir por Conta
propria vindo de Lisboa, a 320 a garrafa e
480 o litro.
dem tinto Figueira, Lisboa a Porto a
320,280, 240 e 200 rs. a garrafa -e 480 300
rs. o litro.
Vlnho Figueira, Lisboa, Porto e Estreito
a 560, 500 480 e 400 a garrafa litro a 840
760, 720 e 600.
Vinho branco puro de Lisboa a640p560
a garrafa, em porco ba abatimenio.
Vinbo do Porto, engarrafado das melho-
res e maisacreadas marcas a i 000 e 4)5200
14500 e U a garrafa. |
dem Bordeaux, Medoc e St. Julien a
7S500 e 6(5500, a duzia e 640 rs. a garafa.
Genebra de Hollanda e laranja doce aro-
mtica a 65500,75, 115500, a frasqueira.
Serveja Bass, Iilers & Bell a 95800 du-
zia em porco ha grande abatimento.
dem marca HeT c outras marcas a
55500 e 65, a duzia e 500 rs. a garrafa.
Assim como ha cutros muitos
ve
Gaz americono marca Deves a 85800 a
1 ita, 380 re a garrafa e 560 o litro.
Azeite docrde Lisboa a 900 e 40000a
garrafa em preao faz-s^ grande (batimen-
to.
Caf em caroca a 220, 240 e 280, a li-
bra o kilogrammo a 480, 540 e 600, e
75000, 75500 e 80800 arroba.
Milho alpista 200 rs. a libra e 440 o ki -
logramma e o5800 a arroba, em porco ha
abatimento.
Queijos frescos do ultimo vapor a 35200
e 35400 cada um.
Aletria, macarro, talharim a 500 rs. a
libra e 15100 o kilegrammo em caixo ha
abtimento.
Sabo massa de I* e 2* qualidade a 220
e 240 rs. a libra em caixa ha abatimento
Toucinbo de Lisboa muito alto a 400 rs.
a libra e 880 o kilogrammo, em arroba ha
grande differenca.
gneros, vinho em ancoretas, azeitonas,
passas e figos, charutos finos de diversas marcas, marmelada, bolachinhas de todas as
qualidades, perola, Francy-cracynel, a, b, c, Mdium, mixed, soda Fancy-nic-nac, pa-
lace de Varieles, combination, Britania, doce de goiaba fina, chouricas, manteigas finas
francza e ingleza, banha de Baltimor, phosphoros de Sycuryt, Cognac, ch$ de diver-
sas qualidades, Canella, pimenta do reino, ervadoce, pomada, enxofre, breu, peixe
em latas de todas as qualidades, farinha de milho americana, grandes molhos de sebol-
las, nestes dous armazens existe tambera grande sortimento de loucas p'ropnas para ne-
gocio, que pelos seus commodos preco faz vantagem aos compradores.
ULYSSES & IRM&O
1 asseverar as nossas Exmas. freguezas, _
qualidades somos os nicos em Pernambnco que'pode-
mos offerecer ao Ilustrado publico, o mais
apurado gosto em semelhante materia, gra-
rico, quer' cas ao bom gosto do nosso fornecedor em
loHas, quer em ramos, tem o PAVILHaO Paris, podemos garantir que ninguemneste
DA AURORA am permanente jardim a j genero o possue melhor, nem mais em
sposico das Exmas. familias. conta. .
E' dispondo d t3o grande e variado sortimento que os propnetanos do PA-
VTLFlIO DA AURORA se apresentam ao pnbiico declarando desde j qne a sincena-
te e o bom gostoo movel nico de seus negocios. .
Prvidos de tudo e proniptos sempre a prover-se do que por ventura me
teja necessario, os proprietarios deste sumptuoso estabelecimento recommendam-se
em receio de serena contradictos e proteslam esforcar-se por continuar a merecer
?rotec3o que se Ihes tem dispensado ; certos de qoe do sen estabelecimento nao sahira
freguez descontente.
Contina sempre a officina de alfaiate dirigida por um dos mais habis artis-
as,prompto executar com promptidao e bom gosto qualquer trabalho que lhe seja
fjoa&i. Urna modista especialmente oceupada nos trabalhos do PAVILHAO DA AU-
aORA, dirige os que lhe sSo concernentes, garante por seu apurado gosto epromptidSo
aa eiecuco e a mais completa perfeico nos seus trabalhos.
A numerosa freguez ia que nos honra uma pro va de que merecemos o con-
aeitaqae se dispensa ao noeso estabelecimento, conceito qne procuraremos firmar cada
ni BMii. Para facilitar anda a concecucao do fim que nos propomos, temos-no nosso
itabeleoknento os ltimos figulinos de Paris, que recebemos por todos os paquetes, os
aaaes enviaremos para serem visto aa" familias nossas freguezas, afim de escolfcerem,
om o padrao da fazenda o gesto na forma.
Na officina de alfaiate, junto ao estabelecimento, ha igualmente o figuraos
ara horneas que por todos os vapores se recebem.
E' este o arado porque nos apreeentamos pedindo a proteceo do llustrado
publico e com o mais profundo respeito convidamos s excelleotissimas Sras. a yisi-
arem o nosso estabelecimento, certas de encontraren! nelle pelo menor preco possive-
tndo qnepodemdesejar. ....
Mandaremos caixeiros levar as fazendas e amostras onde forem pedidas, visto
lio pdennos" especificar tudo quanto temos. n l ,
Joo Luiz, Sobnnko C.
Aborto das 6 s 9 horas da noite.
13
13
Os
seu j
- Ba da Imperatrz
proprietirios deste bem coaheeido e a creditado estabelecimento avisSo aos
, numerosos freguezas tanto desta praca como de fora, e especialmente ao ilustrado
corpo ACADMICO, que este estabelpcimento acha-se sempre bem prvido de todos os
arti"0S de seu gneros abaixo mencionados e que vendemos por mdicos preces, tanto
avarejo como por atacado para negocio, para o que se podem dengir por carta a nossa
casa que soro saptisfactotiapnte servidos.
CHARUTOS
superiores de Havaaa, Hamburgo, Babia,
das acreditadas mareas Regaba Britnica
Imperiaes &: do do Rio da bem conhecida
marca Opera e outras mu tas fe i tas aqoi de-
safamados Beberibe e outros que se vendem
era Borce8.
Cigarros
iepalha de S. Paulo, de 35500 a 75500,
o milhero; verdadeiros do aamado Dame!
do Rio'Novo, Maurity, Imperiaes Visconde
de Herval, Duque de Caxias, Gandon etc:
de papel, de fumo de Daniel, General
Osorio, Conde d'EU, aromticos, e peito-
raes, Rooambole, Radicaes, Acadmicos,
Machambomba, Montevideo, Orientaos, Bae-
pendy e ntitas outras qualidades.
FlHf OS
Afamados de BAEPENDY em ciioes de
20 libras 15400 rs. a libra, em pacol
a 25, e em porco 15500 dito_
qnarta &640, eaSOO ris;
Rio Novo, do para de S. Paut,
VARIEDADES
PONTEIRAS de espuma finas j)ara cha-
rutos a cigarros, completo sortimento.
CACHIMBOS de superior espuma, de ma-
deira (raz; de 35 at 3,500, ditos grandes
a 13,000, a duzia ditos finos diversas quali-
dades a varejo; dito p de gallinhas dos que
ba no mercado a 2,800 e 3,200 a duzia;
ditos de leuca, gesso, barro, ete, etc.
BOLSAS para guardar funlo, de borracha'
e couro de diversos modelos e gosto!.
Rasa . cunen rttam ex-
poste ;ian-
er pelo ultimo vapor
da E; i monto de
iiias qnaes os-
tao r, ;oino,
9 commodos para to-
dos. >
pellica, pretas, trau-
<','.H f. ('
Jlui boas e !"';:itas go!liuh>s e punhos para se-
nhora, nc.'. o qufl hn d mais modraor
Sapcriores pentss de tartrea para coques.
Linos ios eneites para 'cabe.-as da?
Esmas. s:
Superioros trancas pretas e de cores com vidrl-
Ibos e sem elfes; esta fazenda 'o que pode liaver
do inelhor e n.ais bonito.
Superiores e bonitos leqnes de madrep?ron,
marlkn. sndalo 8 so, se::do aquellos brancos
com li:
meiaa Mo de Escossia para w-
niioras, as i -nderam \
a duzia, entretanto qoe nos as vendemos por SO/,
:.rabem grande sortimeato A
outras qi aire as quacs algomas mcio
linas.
Boas bengafas de s;ipcror canna da Ir.dia e
ni rom lindas e ene an i adora:
raadomesmo, nc?o genero o pode ckwjar ; tambem grande
quautida.: i da oairas quakdades, como sejam, ma-
deira, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Fi': i ch.icotinhos de cadeia e
de ouir. s s.
Liufl..- i -i!;..-:ilores ligas de seda e borracha
pamsegnr: : lias.
Bom ia para senhora e para meni-
nas de i a 12 annos de idade.
Xavall: -.lariira e taf'.aruira para fazer
barba ; 'de mai a ma
das pelo ral % vei tam-
bem a. alidada e doltcod
Lind. s bi 'las eap
ra machoa e para crox.
Linha laoilo ba de peso, frouxa, para encher
intho.
liorj a Cirtas para vo^arete, assim
como os
sortimento das raelhores per-
fanrias e dos melhqres e mais conheciios per-
fumistas.
COLARES DE ROE?,.
Electrictj magnetices contra ascwtvulsSes, e
facilitara a dentcao da&lnnocentas criancas.
..La i receb
Callara !.''S a pecehe-los por too
ue nnnea 'altem noficrcado,
eomo j tem ac mt ido, ss!m poi; poderao a(jne!-
les qoe deli.s pectarem, vir ao deposito do gallo
violante, i ipw eacoutrao destes veni.v
deiros coaies, 8 os quaes attondendo-se ao Bn
liara i adOS, fce Tetderao com um mui
dimtculo faero.
Regamos, pois, avista dos objectos qne deixamo?
dec'.ai'adis, acs Bosaos firegaeMa e amigos a vi.-eu
comprar por preeos mui'.o razoaveis loja do ga'.'.c
vigaro. roa '.:o'''respo n. 7.
J eorsiro prevideuti
WLua do <32ac3aar: a. 1G.
Mbvoe variado sortimento de perfumara
tinas, e outros objectos.
Am do completo sormisato depert
alarias, de que efiecivamento est prvida
oja do Cordeiro Previente, ella acaba
receber um oulro sortimento que se ton
aoiavel pela vwiedade de obpc'os, superi
dade, quadades ecemmcifidades do
eos; assim, pois, o Cordeiro Proviic
a espera continuar a merecer a aprecie'.
do respeitavei publica em geral e de K
boa freguezia em particBlar, nao se afm
lando elle de sua bem ooobec
i barateza. Em dita loja encontraran <
spreciadores do bom: ,
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Aforra; Laminan.
Dita do Cologne ingleza, americana, fvx.
eza,. todas dos melhores e maisaeredilad
fabricantes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, e vilete para toiiet.
Elixir odontalgico para conservacJo I
.sseio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidada e ch
;os agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, om
pomada una para cabello.
Frascos cora dita japoniza, transparent
a outras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanos
(rancezes em frascos simples e enfeitados.
Essencia imperial do fino e agradavel ch*
ro de violeta.
Outras concentradas e de cheiros iguz:
mente finas e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualidad'
com escoltados cheiros, em frascos da din
rentes tamanhos.
Sabonetes em barras, maiores e menor*
pan mos.
Ditos transparentes, redondos e em fig
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barii.
Cakinhas com bonitos sabonetes imitan
fructas.
Ditas de niadeira invernisada coatendo I
as perfumarias, muito proprias para pr
orta.
Ditas de papelo igualmente bonitas, tu
bem de perfumarias finas.
' Bonitos vasos de metal coloridos, e 4
moldes novos e elegantes, com p de arce
a boneca.
Opiata ingleza e ranceza para dentea.
Pos de camphora e outras differeau
qualidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Kemp.
Anda mais coqtaes.
Um outro sortimento de coques de ni
vos e bonitos moldes com filete de vidrilhc
e alguns d'elles ornados de flores e fita;
asta todos oxpostos apreciac3o de qne;
os pretenda comprar.
GOLLINHAS E PNHOS BORDADOS.
Obras de mnito gosto e perfeico.
Fjfreilas e fitas para ciatos.
Bello e variado sortimento de taes objvt
tos, ficando a boa escoma ao gosto do coa
orador.
Eival sem ,
ROA DO Dl O
K.-tiiu tisp' ar a vender t;)d
as miudezas pi ;nos precos abai-
xo declarados, gan tudo bou. e [
eos admirados".
C;'i:;as com 20 cadefOO? papel pac- ,
lado a......... T
Caixas com 50 noveilos de linha
do gaz a...... 40&
Duzi 'as cruas si-perioi
adu.i.......:!vC?
do bjbadinlios o m 10 vj
r;'s a......... 5)d
Pecas de liras bordad l
metros cada pea a.l^OO e. 2o utas para r (!: q al-
quer (arfara o u, 10 varas a. S00
i unbasta; a Wt
Ditas para (eute-s lio, -'-O,
400 rs. r....., .
Pecas de trao$a lisas, brancas e
de efires a.......
i ais : s iiii madeira ic-
tes faaenda snpmoi a. .
Dozia de liriha fidxa ; rda-
(h s .i i 0 rs. c.....
Pares (! meiaa ra. para i
Dut moito
linas ] ::.,..
Paros ce sapaloa de tranca d< .
POlO.......y^
Pan g c pa'1 s >', i. \.; a. .
Livms ce missa ab '.....
Du ias.de barslluts pura vnltarele
iaios porugiii z ja, -
Grtoes com eolxetes <. irersa a
AjOloadneas para colMc diversas
qualidades.......
c :\ i i de seo (nuto
bi ce :2 a. '.....|
Duxia da da 2G8 jardasAlexan-
(\\t de 40 a 260 e, .
Cantas com si es obrehs a.
Duzia oe agulha para roa',.iiina a.
Libras de pifgos nncezes i dos
os lamai Iv s a......
SO
40
40
200
349-
Mfsao
30P0
400
iQ
i sei
I4S0A
40
2(00
240
20Hun da Impufitriz20
F:?>: d- &.sa.
Araba di rhi gar 8 ostt mi norn loja V fa-
zenis fnas rm variad S ui.ssde
aa a seon, enno ** do ii'jnw
gorto, popelinas de urna rtvv, alpacas o ias-
nba de ci-ri?, o rfm ba ilemai" !..> tic, tuda
por i ''i' to-
cidos da indis?, aura .". in'it:rilo de ier-_
ealia.ltalCe.idc cKrra fi.-ui to raa iK- c r o m Un-'
das barra?, fosldea |ii >a
c. mG ; i ia graid i rl in-
chas, saia? bran i ind fi t ji-
i pinitos bordado moito fim.s a '.. i :,<%-*
Biodernos d reg > SI, i ea* t< Ir-fcdB burn cama
nlci-.-i vio br ca "'>,l.
7, caiiibraia virluria ii;i a "J, ditas irau|taren-
tes a"iS, W e 7^iiia fln e claras
a 2Si) 300, 3e 3C0 o cov lo. ra
I ranc.- d i ca -i a rta-
IX) :i ir/ii. ii a R| i :-. i", e
. e mnil i -ir ernr a 7:. 7< l
aoiinlin largo prnurio para li n n io
de nl,_< co tr*i rada '; r'~ i pal
dr Bf 2S0O t oO, o qoe hi da melhor, estuiao fl-
nisiii' a 2$2W e S.":(;i a vara. II as
casa? das Exross, familias pr.r; DUdhor p"(lerem
edlher. Tamtem temjs romplefii de
perTomarias ili s pr un im (tbrientti a fi bt :zm *
ingieos; :s pwoas que se diflnarea vir a esta
I'h irifioociMiio de r'ciMiiiPi-i r :. nalidado >''
que anuir.fianios para ni,s justificar._________
Ferro gaivanieado
Vende-fe cm rasa de Adameon, Hcwis & C. na
roa do Commercio o. 40/ffilbas de ferro galvani-
sado de 6, 7 e 8 p de comprirrpn'o.^
Fazenans b rata < com
t que le avaria.
A' na do Crespo ia. 85.
Cbita-fastia de ecres a 160 r*. o cova- m
do : na roa do Crespo d. 23, luja de Ma- S
noel Dias Xavier.
:r--.,;';:;;:; r;:.""rj"-- ;;..".
NA
Loja iR!eza
Passeio pwlco n. O.
Neste grande estabelecimento encontrar o res-
peitavtl publico um grtnde sortimento de .azenda
de todas as qualidades e presos pur menos do que
em outra qualquer parte, cerno sejam :
Chitas tanto escuras como de cores, muito una*
a 240, 2C0 e 280 o covado.
Cassas de cares, padr5es muito bonitos, a 280 e
320 o covado.
Cambraia branca traesparente para vestido a
4# a pei;a,
Lazinha para vestido a 360 o covado.
Ditas para dito com lislras de seda, a 800 rs.
Cisemira preta para calca a 55 o corte.
Ditas de cures a 43 o covado.
Fuetao de cores para caiga alio corte.
MadapoISes tinos com pequeo toque de avam
43 e 5*. __ ,
Alg-d5es brancos a 35, 35500 e 45 a peca.
Paletots. calcas e colletes de todas as qualidade'.
PASSEIO PUBLICO N. 60.
DOGE
De goiaba, laranja e banana ; na rna
91, constantemente.______________
Direita n.
CARTEIRAS de todos os systemas para
cigarros.
PHOSPHOROS de cera, dos mentores que
ba, em eaixas de 500 a 5,500 a duzia. em
aixas de 400 4,500 a duzia, em eaixas
^^^Hj a 2,600 a duzia e multas outras.
PXPEL de milbo, de arroz, san-nom. Per-
san, pintado, e palha de milho, de Fernando,
e pajel Estampillas.
Vende-se na ra da Cadeia do Recife n. 58, loja
de azulejo. ^
Bichas hamburgnezas
Neate aovo deposito recefco-so por todos os pa-
quetes translanticos bichas de qualidade superior
e veodam-se em caixa ou porco mais pequea,
e mais barato do qne em oatca qualquer parte :
na roa da Cadeia do Recife n. 81, i* andar.
Cabellos
Vendeni-se ebellos de todas as cores, qualquer
comprimento, qualidade superior, em
porcio mais pequea : na roa
eife n. 8i, V andar.
\TTEMCO
Vende-se urna casa com sitio, na rna do Gua-
dalupe em Olinda: a tratar na roa dos Gatos n.
10, com Liberato Rogero de Almeida.______^^
__Vidros para vidracas de todos os tamann,.*
e em eaixas, vende Bartholomeu C, em sua
Pharmacia na ra larga do Rosario_n._34.
vende-se um boi e urna carroga de 4 rodas,
em bom estado : a tratar na rna da Roda n. 48,
das 6 s 9 horas da manhi.
da Cadeia do Re-
83muitas outras qualidad,^^^
Com promptidao apromptamos qualquer eficommenda dos afamados cigarros de seda,
Baeoendy nbo, e de outras qualidades da nessabem conhecida fabrica, e bem attest*
snperioridade o nossos cigarros, numerosa fregueaia# de nosso esJabelecimeno.
13Ra da Imperatrz13
ATTENCAO
Vende-se nm grande sitio em trras fowirae, ae
locar denominado Arraial b. 48 V, o qual fica por
detrai do Mooleiio, e muito perto da estacao, ten-
do a casa 2 janellas e 1 porta de frente, 2 satas e
I gabinete, 4 qoartos, a coain** fora ; o s 10 afem
de diversas arvorea frnetiferas, teavmat para u-
Taxo de cobre
Vende-se um grande, por preco commodo : na
rna Imperial n. 88.______________________
Vende-se nma casa nos Affogados, sita de-
fronte do sebrado do tenente-coronel Manoel Joa-
quim do Reg e Albnqnerque, com chao proprio,
sotao e mais sessebta palmos de terreno para edi-
fica cao, perto da estacao, por preco commodo : a
I tratir na roa Augusta n. 69,
rar lenha a tratar i
livraria universal.
do Imperador a. 54.
Mais barato do que em oulra qualquer
parle.
No porto da travessa dos Coelhoa acha-se cons-
tantemente tijoto grosso e fino, tapamento, lelha?,
e grande por$5o de rea, qne *? vedem a vontade
do compraA-r por menos prtoo do qne em outra
qualquer parte ; assim como se encarregam a*
fjrneccr matenaes para as obras, para o qoe af
canoas e carrosas.


8
Diario de Pernambuco Quinta eira 7 de Julho de 1870
ASSEMSLSA GERAL
CMARA DOS DEPUTADOS
(Conlinuofo)
Nao pretendo contestar em these esta
proposico; mas, sereconhecoo pati iitis-
mo dos honrado; luetnbros q nesta que.*-
to se acharar em rain ria, n3o poss<>
xar tambem de seniir-rae satisfeto por ir
que os mejis di ostros cocgaS, que licirstn
em maioria, teem guaira ule dudo oxiu,
rantes pravas da interesse pola causa pu-
blica. S a m 'iori.'i nao est com a verd;i
de, certo ao menos que procura nao
apartar-so deila.
A questo presente pode ser encarada de-
baixo de dous aspectos: quanto ao m^re-
cimento da pretenco, e quanto ao compro-
ra sso que por ventura tenlia tomado o go
veroo em rclaco sua solucSo.
Von occnpar-me da materia por estas
duas laces.
Morecim^n'.o da pretenco. Tratando
deste ponto, Sr. presidente, devemos ex-
cluir do todo a idea deque a pretenda) da
companhia possa fundar-se no direito es-
tricto. Para provar esta asserc5o basta re-
ferir o que diioH o ultimo contrato ili 11
de agosto de 1S">5. qui elevon o cap id d;i
companhia de873,123 iib. a 1,200,000 liD.
Neil se i que a elevaco ficava depen-
dente de3tas eondicoes: H.' O goverao
nao se obrig senio pela quantia do Ibs.
1,203:000, quaesquer que sejam OS gastos
qaa se fai;am, os quaes importando em
raaior quanti*, correr) por conta da com-
panhia. 2.a Se os gastos n5o exceder n a
quaatia de 87.", i 23 Ibs. ser mantida ; cs-
uosirao do art. 11 I. e 3. do decret.
de 13 de outubro de 1853: se, purera,
excederem aquella quantia, em consequ-mcia
das modifican a do plano tragado, ser ob-
servada, quanto ao excesso das 32.B77
ibs., e dentro deste excesso smen e. a
clausula dacoodicio 17 do decreto n. 7,033
de 7 de agosto de 1852. devendo por isso
correr a respiuisabiliJade do governo s-
mente at o que despender efectivamente
dentro desse excesso.
V-se, porianto, que, posta a questo so
mente no terpeno rigoroso do direit >, a com-
panhia nao poden] sustentar sua preten-
co. Mas, Sr. presidente, se o mesmo prln
cipio tivesse sido invocado quando se Iralou
da Qovac o rigor do direito nSo favorecera compa-
nhia ; porqu nto j pelo contracto de 13 de
outubro de 1853 se havia declarado que o
capital garantido pira coastracejo das obras
da estrada de ferro de l'ernambuco era de
875,123 Ibs.. compreheadidas todas as des-
pezas que se li/.essem, de qualquer natu e-
za, e qualquer que fosse a quantia em q le
importassem.
Porque alterou o governo em 1858 este
mximo fixado, e, jio se apegando enllo
ao principio rigoroso do direito, elevou a
somma garan'ida a 1.200:000 Ibs. f Porque,
Sr. presidente, entendeu que a quantia pri-
mevamente lixada nao sena sulliciente para
realisacao das obras contractdas.
O governo marcliou sempre no proposito
de nao garantir genio as quantias'effectiva-
mente despendidas em cumprimenio de
contracto, tanto que no propno decreto da
concesso do privilegio de 11 de agosto de
1852 se estabaleceu que se na execuco das
obras as despezas fossera menores que as
do mximo fixado, o governo se aproveita-
ria desta reducc-o para verificaco da ga-
ranta estipulada
Se fixou-se o mximo foi per urna caute-
la salutar, mas n3o para oppr barreira n-
vencivel a pretendes legitimas da compa-
nhia, recodbeeida a exaetido de qualquer
despeza excedente realisada em boa f,
coao demonstra a concesso feita em 1855,
sem embargo das disposices do decreto n.
1,245 de 13 da outubro de 1853.
Este proposito do governo attendia ao
mesmo lempo aos interesses dos contac-
tantes e ios do Estado, que se nao deve
pagar ae mais, tambem nao pode querer
tesar a ninguem.
Se presentemente nos dexarmos guiar
pelos mesmos principios, como me parece
conveniente, varilicando-se que effactivamen-
te se despendeu em boa f mais do q e o
mximo fixado em 1855, teremos de seguir
o justificado precedente ento estabelecido.
N > decreto n. 1,829 de 11 de agosto da-
quelle anno, o governo declarou que atten-
dia reclamaco de Alfredo e Eduardo dj
Mornay acerca da iinpossibilfllade de se
construir a estrada de ferro de que erara
emprezarios na provincia de Pernambuco
com a quantia de 875:123 Ibs., fixada em
1853, e o elevava a 1,200:000 Ibs.
FOlrlETIM
A VIVA DIPHS Di 1U0RTA
POR
Xavier de Montpin.
Por esse decr-to n. 1,621), disse o nobre
deputado pe tricio da provincia do
Rio d& Janeiro; que na sesso de 13 d ou-
tubro do < mente tratou da materia, que a construccio
da obra converteo-se em mpreitada ; opi-
nio em que o aoompanha o distincto repre-
sentante do 4. districto da mesma provin-
'a. Aceitarei a quahficaco que os honra-
dos memhros dim ao acto de 1855: foi
urna empreitada.
Mis pergunto; quando.o empreiteiro de
urna obra no-sa despende para sua conclu-
so, e era noss^betieficio quantia superior
estipulada, nao somos porventora obriga-
do-, nao no rigor do direito. mas por um
Jever igualmente imperioso, a indemnisa-lo
do que pessoas de nossa contianca assegu-
ram que elle de mais. e em boa f, des-
pendeu ? (Apoiados.)
O Sn. Gama. Cerquen a : o caso de
pplicar-se o principio de equidade.
Sr. Correa : Exactamente.
Ora, est verificado que a quantia fixada
pelo decreto de 1855 nao foi suficiente para
se levar a effeito a obra contractad-.
Quem o verificou ? Acaso foi a compa-
nhia ? Foram agentes seos ? Nao, senhores,
foram pessoas competentes, da confianza
do governo, ao q ai cabia proceder a essa
verukacao. O poder legislativo por si nao
a- poderia fazer.
Logo que fra esgotada a importancia
ajustada para a concluso da estrada de
ferro de Pernambuco, o empreiteiro dirigi-
se *o contractador, ao governo, por seu re
presentante a directora em Londres ; e em
requerimento da 7 de marco de 1881, as-
signado pelo presidente e secretario da
mesma directora, tyz conhecer o estado em
que se achava, concluindo nos seguintes
termos:
Pede a V. M. Imperial seja servido, por
um acto de favor e liberalidade, determinar
que a materia deste requerimento seja to-
nuda era prompta e favoravel considerado
para o li.n de se conceder urna extensjo di
garanta de 7o/u sobre o capital que baste
para completar a estrada de ferro, e que na
mesma ra^oavelmente se gaste, tudo sugeito
aos exames, revisao e fiscalisacjo das des-
pezas que V. M. Imperial e seu go-e no
julgdrem necessarios.
O governo nao se deixou levar pe'os cl-
culos, njm pelas asserfoes da companhia;
mandn proceder a exames por duas com-
missjs, urna que funecionava em Londres,
composta do distincto engenheiro o Sr. Line
e do Sr. .Morgan, e outra em Pernimbu:e,
de que faziam parto o engenheiro fiscal, o
distincto engenheiro o S. Martineau, e um
empregnd > da thesouraria.
Apresentados os trabalhos destes agentes
da conianca do governo, forcoso era com-
pletalos, reunindo e confrontando as infor-
raacoes e dados obtidos n'um e n'outro
ponto, para se poder, por rneio de um ex-
ame final, chegar a conhecer o mais exacta-
mente possivel a importancia real das des-
pezas com a construccSo da va frrea.
Foi incumbido deste exame um engenhei-
ro de habilitacoes especiaos, o Sr. Viriato
de Mederos, o qul chegou concluso de
que, se havja abasos e despezas nao justifi-
cadas, outras existiam feitas em boa f, em
beneficio (lo paiz, para desenvolvimento da
estrada de ferro, que de tanto proveito
pira a Ilustrada provincia le Pernambuco.
Sendo o exame por natureza demorado,
o empreiteiro. antes de sua concluso, acode
de novo ao contractador para evitar o trans-
torno que o ameacava, e pergunta-lhe o que
c nsta do aviso expedido em resposta pelo
Sr. Sinimb, isto se o governo estava re-
solvido a conceder a garanta, urna vez que
se mostrasse que as soramas despendidas
o foram efectivamente sem offensa da hon-
ra e da boa f, ficando todava dependentes
de ajustes posteriores a forma da concesso
da garanta.
No momento do apuro, quando, segundo
documentos olici es, as obras se faziam em
um ponto com extrema lentidao, em outro
estavam pandaste na 1.a sect5o, aberta ao
transito publico, se teria de suspender' o
ser vico por Ma de seguranza das obras, o
governo respondeu deste modo : O go-
verno vae e:itrar no exame geral do negocio,
e se o resultado fr satisfactorio nao duvi-
lar fazer companhia da estrada de ferro
de Pernambuco o favor solicitado, isto ,
conceder garanta ao excedente do capital
j garantido, que fr absolutamente indis-
peusavel para concluso das obras contrac-
tdas.
Quando corria-se o risco de perder os
sacr.cios j i fiitos, o governo dirigi coa-
panhia, ao empreiteiro, as palavras que
acjbo de refeir.
Procedeu direit ente, consultou grandes
PARTE i>Kini:i3t%.
0 MARQLEZ DE SAIMAIXEiYT.
(Contiouacao do n. 147,).
XV
norte de um fiel servidor.
Assim dizendo, Medardo Taboreau, que
aldeo, apontou para
cuja drecgo o fidalgo
assim se chamava o
um canto da casa,
seguio com a vista.
Ali estava encostado parede um velho
mosquete de grande calibre, de cano en-
ferrujado e negro, mas fechos iimpos e re-
tazantes ; era urna das armas com que os
aldeos seguem as piogadas nos soitos,
d'onde nunca voltam com as maos aba-
nando.
Medardo bavia de ser cacador furtivo as
horas vagas.
A' vista d'aquelle mosquete, carregado
com to caritativas intencoes, sentio o moco
correr-lhe pelas veias um leve estremeci-
raento, e percebeu que tinha cahido na
bocea do'lobo ; todava fez quanto pode
por se nao alterar, e redarguio sorrindo :
Palavra de honra que o tenbo j na
conta de um hornera valente, e dese"jo-lhe
occasi3o propicia para ganhar as tres
mil fjt.
Quando Vmc. me contou o perigo
em que esteve esta noute, proseguio Me-
dardo, logo me lembrou que os taes doqs
salteadores haviam de ser o senhor Saint-
Maixent e o seu acolyto ; c tenho minhas
z5es para o acreditar.
' Que razes ? perguntou o fidalgo.
Ninguem me tira da cachimonia que
vi ante-hontem o'patife do criado. Viaha
eu da aldoia, carregado com um sacco onde
trazia o pilo para toda a semana, quando
no cotovello de um atalho me encontrei de
frente com um hornera, que tinha todas as
feicoes do tal Lzaro. Quiz seguir meu ca-
minho ; mas o carreiro era rauilo estreito e
o tal sugeilo nao se arredava. Que leva
ah ? perguntoa-me elle indicando o sacco.
Bem v, levo pao, respond eu.Vnda-
me um.Nao sou padeiro.Ento d-m'o.
Sou muito pobre para dar esmolas, e
Vmc. nao tem cara de mendigo.Pois pre-
ciso do pao, porque tenho fome.O reme-
dio fcil. Na aldeia onde eu comprei este,
amassara para toda a gente ; ir l.Nao
vou aldeia, e voc ha de me dar o pao.
Isso mais devagar, disse eu em ar de
mofa.Has de ra'o dar inmediatamente 1
accrescentou o tal sugeito desensacando urna
pistola e apontando-a para mim. V,
desempenhar, quando nao faco fogo Eu
nao tinha com que me defender e nao quiz
arriscarme a receber um tiro por causa
de um p3o de dous vintens. Abri, pois, o
sacco, peguei n'um pi e atirei-o ao no-
mem, que o apanhoo sem dizer obriga'do,
e sumio-se n'um buraco da selva, onde nao
o poderia ter seguido nem o proprio diabo.
Provavelmente, safou-se depois do bosque,
juntou-se ao amo, e foram elles dous que
atacaran) Vmc. Se o matn, acbo muito
bem feitb : ao menos est paga a partida
que me fez.
Em quanto Medardo contava o caso,
Saint-Maixent, prestando sempre toda a
attenco aquella historia, que era para elle
de grande intresse, mergulbou a cabeca
no alguidar cheio d'agua, e lavou as nodoas
de sangue, nao s da cara, mas tambem do
fato. Terminada a operaco, voltou-se para
o aldeSo e perguntou-lhe com \ maior na-
turalidade :
Agora estou melbor ?
conveniencias, cingio-se resoluco legisla-
tiva de 3 de outubro di 1853, tomada no
empenho, que expressamente declara, de
ser levada a effeito a empreza de que se
trati. (Apoiados.)
Nao t>rado sido possjvel realisar logo a
especie de poomessa feita pelo, ministro de
1862, o Sr. Sinimb', porque os trabalhos
de que dependa o cumpnmento n3o po-
diam ser rpidamente feitos, vejamos o que
occorreu depois, estando na direcc3o da
reparlico de obras publicas um profissio-
nal cheio de habilitacoes, o Sr. Bellegarde.
No rela:orio de 1863 disse elle :
N8a foi possivel anda deferir de qual-
quer modo o requerimento em que a com-
panhia pedio augmento do capital garantido,
pretenco qne depende do conhecimento
do resultado da confrontacao dos relatnos
apresentados pelas duas commissoes de n-
querto, que foram nomeadas urna para o
exame das despezas feitas era Pernambuco
e outra para verificacao das contas das
sommas despendidas em Londres.
t Como, porm era urgente vir-lbe em
auxilio as criticas circurastanciaes em que
se achou, esgotado o seu capital garant
do. e restando aind i p >r fazer despezas im-
portantes para concluso da obra, o gover-
no,, ponderando os prejuizos que podiam
provr de qualquer dem.ra em prestar-lhe
o seu apoio moral, declarou que nao duvi
dara conceder o augmento pedida smente
at a importancia absolutamente indispen
savel para concluso das obras.
Eis aqu o ministro da reparlico de obras
publicas, o distincto engenheiro oSr. Belle-
garde, assegnrando positivamente que o ca-
pital garantido estava esgolado, que entre-
tanto restavam obras importantes por fazer
para concluso do que fra contratado, e que
sendo indispensavel em to criticas circums-
lancias ir em auxilio da companhia, o go-
verno declarara que garantira a despeza
absolutamente necessaria para que a empreza
fosse levada a effeito. Attendeu anda re-
soluto legislativa de 3 de outubro de 1853.
Ora, o que foi absolutamente necessario
para a realisacSo das obras contratadas ?
Eis o ponto capital da questlo.
A cmara v que tenho procurado estu-
dar os fados medida que foram occor-
rendo, como convm, para esclarecimento
perfoilo da materia, e cabal justificarlo do
voto que j dei, e pretendo confirmar.
O Sr. Viriato de Medeiros, incumbido da
confrontacao dos trabalhos das commissas
de Londres e de Pernambuco, reconheceu
que havia despezas injnstiflcaveis na subida
importancia de 1,245:000(5; mas opinou
que, tendo sido outras quantias empregadas
em boa f na obra contratada, devia conce-
der-so o augmento de S 485,648 no capital
garantido.
O Sr. Barros Barreto d um aparte.
O Sr. Correa.O nobre deputado vai ver
em que me fundo ; e devo declarar que
proenrei ler os trabalhos das commissoes de
Londres e de Pernambuco, publicados com
o relatorio de 1863, e o parecer do Sr. Vi-
riato de Medeiros publicado em 1864.
Uefiro-me as significativas palavras do Sr.
Bellegarde no relatorio de 1864, de grande
valor pela autoridade profesional do mi-
nistro que as escreveu :
O capito de engenheiros J. Ernesto Vi-
riato de Medeiros, em urna conscienciosa ex-
posico que fez por ordem do governo im-
perial, foi de parecer que, vista das des-
pezas feiUs bona fide pela companhia, o
capital garantido pode por equidade ser ele-
vado a mais 485,648, decbzindo-se desta
somma a importancia da que foi despendida
com a questo Furness desde Janeiro de
1862 al data do seu relatorio. Inclin-
me a sua opinia.
Depois de apresentar o resultado do exa-
me do Sr. Viriato, o ministro exprimo-se
tambem como profissional, e declarou que
se inclinava opinio daqnelle distincto en-
genheiro.
Qoe informages mais satisfactorias pode-
mos desejar, senhores, para julgar da boa f
com que taes sommas foram despendidas ?
Pessoas nomeadas pelo governo, agentes
de sua coofianca, o proprio ministro, asse-
gurara que o capital garantido se 'poda ele-
var a mais 485,648 Se estas informa-
coes nao valem a que outros meios have-
mos de recorrer?
E singular, senhores, que os que com-
batera o projecto, ao passo que aceitam ar-
dentemente todas as observaces dos agen-
tes do governo contrarias companhia, des-
prezam as informages desses mesmos agen-
tes quando Ihe sao favoraveis! Eis o que
nao posso comprehender. (Apoiados.) Nao
posso conforraar-me cora este proceder.
(Apoiados.)
Se os argumentos contrarios compa-
Se est bradou o campesino. D'a-
quelle feitio ninguem era capaz de o conhe-
cer ; agn parece mesmo um fidalgo...
Vmc. ha de ser pelo menos marquez ou
conde, nao verdade ?
Bravo 1 como adevinhou 1 volveu
Saint Maixent sorrindo. Sou o conde de
Lavrires. A minha familia do Velay,
tal vez tenha ouvido fallar n'ella ?
Medardo respondeu affirmativamente, por
que o marquez citara urna das familias mais
conhecidas por aquelles sitios ; mas o al-
deo attentava ao mesmo tempo no fidalgo
com a maior insistencia, e dizia com o3 seos
botes:
extraordinaria orna semelhanca
d'estas. I Nao lhe falta nada, nem sequer
o S'gnal do lado esquerdo, ao p da bocea.
Se fosse elle... que felicidade 1... Em
summa, vamos a ver.
Saint Maixent nao estava seu gosto n'a-
quella casa ; os olhares do aldeo filos
n'elle causavam-lhe grande inquietacaq, e
por outro lado j sabia ludo o que precisava
saber. Perguoira por Manriac, porque o
casteljo de Rabn distava s tres ou quatro
leguas d'essa aldeia, e em chegaodo Mau
riac, era fcil encaminhar-se para casa de
seu primo.
Por consequiute, o sen maior desejo, de-
sejo natural e legitimo se os ha, era afas-
tar-se quanto antes d'aquelle homem que
sabia de memoria todos os signaos d'elle, e
que tanto anciava encontrar o fugitivo, coja
priso ou morte lhe darla tres mil &. O
fidalgo pozera o chapeo em cima de urna
cadeira para se lavar ; enterrou-o outra vez
na cabeca at 3 sobrancelhas, o tirando da
algibeira urna moeda de prata, offricea-a
i Medardo, dizendo :
Fez me um grande favor, bom amigo;
acceite esta pequea recompensa e beba
minha saude.
Obedecerei, senhor conde, muito
obrigado f... Nio quer Vmc. descancar
aqui um pedaco e tomar alguma cousa ?
nhia, fornecidos pelos agentes officiaes, slo
aproveitados para combate-la, para ma-
ravilhar qoe nao se preste igual altencjoaos
outros argumentos tambem por elles pro-
ducidos a favor da mesma companhia.
A somma que se reconheceu ter sido des-
pendida de boa f, no interesse do Brasil,
com a conlinuaco das obras contratadas da
via frrea de Pernambuco, a mencionada
ao projecto. Foi essa a somma que o Sr.
conselheiro Domiciano, sendo ministro da
agricultura, declarou resultar dos estudos,
definitivos sobre a questo.
O nobre deputado pelo Coar notou no
pr.jecto dous equivocas: mas devo confes-
sar que os pontos como taes qualificados
pelo nobre deputado'sao claros para mim.
O 1." foi que a garanta nio era de 5, mas
de 7 %, o 2. que a garanta nao bavia de
correr da data da resolucad, ms da d
emprego effeclivo do capital.
Se o nobre deputado tivesse simplesmente
manifestado a opinio de que os favores nao
ho de limitar-se aos concedidos pelo pro-
jecto, eu nao teria necessidade de tocar
oeste ponto. MasS,Exc. referio-se a equ-
vocos do projecto. Taes equvocos nao ex-
istem; pelo projecto sao garantidos 5 eno
7 %, e a data de que a garanta ha de cor-
rer a da resoluco. (Apoiados.)
O Sn. Araujo Lima:Veremos.
O Sr. Correa :Isto se acha expresso,
quanto possivel s lo, no projecto.
O Sn. Araujo Lima :Eu sei que est no
projecto, mas tambem sei quaes as couse-
quencias que se ho de tirar.
O Sr. Correa.N5o se trata, portanto,
de equvocos no projecto, mas de urna opi-
nio do nobre depuiado, soppondo que os
favores ho de ser ampliados. Nao posso
saber o que se ha de fazer no futuro, se
se ha de conceder ou nao maior. garanta,
se vira essa garanta a ser ou nao conlade
da data da resoluco.
Para o caso allirmativo ser necessario
revogar esta lei (apoiados); e a revogaco
importar nova deciso do poder legislativo
cuja competencia nao pode ser contestada.
O Sr. Araujo Lima.Nao preciso a re-
vogaco.
O Sr. Correa.Se expressamente se
determina qoe a garanta concedida ao ca-
pital addicional conte-se da data desta re-
soluco, como se poder alterar tal dispo-
sico sem novo acto legislativo ? (Apoia-
dos.)
S vier a fazer-se alguma proposta para
que a g4rantia conte-se da data em que a
despeza se effectuou, o nobre deputado,
quando fr ella discutida, ter a gloria de
recordar sua previdencia.
O Sr. Araujo Lima.Triste gloria !
O Sr. Correa.Triste nao ; porque dahi
tirar o nobre deputado argumentos de
grande valor, dir : eu declarei em 870
que os favores ento concedidos nao se
considera vara sufficientes, e ti ve razo.
E estou certo de que S. Exc. se oppor ao
novo acto legislativo anda com mais vigor
do que aquello que emprega na impugnado
do projecto que ora se discute.
O outro equivoco notado pelo nobre de-
putado foi que a garanta de 7 e nao de
5 Oifj. O nobre deputado quer significar a
crenca em que est de que a provincia de
Pernambuco conceder tambem a garanta
de 2 0|o ao capital addicional.
Nao sei se Ilustrada deputaco per-
nambucana pensa do mesmo modo ; eu li-
mito-me a dizer que o projecto garante s-
meote o juro de 5 On>. Foi esse o juro
que o Sr. conselheiro Bellegarde declarou
que o governo poda conceder. Nao poder
ser elevado a 7 00 sem que a assembla
legislativa de f ernambuco conceda a diffe-
renca. Se o fizer, o que cumpre 'ao poder
legislativo resolver se deve o thesouro
obrigar se pelo pagamento. Decidindo ne-
gativamente, a administraco provincial en-
tender-se-ha com a companhia.
Eu li o que se disse em Londres na reu
nio dos accionistas da estrada de ferro de
Pernambuco, de 2 de abril deste anno, a
saber : qne a dicectoria tinha sido aconse-
jada a nao tocar'na questo de garanta
addicional emquauto nao estivesse bem se-
gura da garanta do governo imperial.
Se entre os accionistas existe este pen-
samento de apresentar opportunamente sua
reclamaco, os nobres deputados por Per-
nambuco previnam dis-oos seus amigos da
assembla provincial, para que procedam
com todo o cuidado e considerem bera os
interesses da provincia.
O Sn. Souz.v Res : Ajude-nos votando
contra este projeeto'.
O Sr Correa.0 prajecto de modo ai-
gura pode influir pira a deliberarlo da as-
sembla provincial. Ahi est o equivoco do
nobre dedutado, para servir-me da expres-
Nada, que desejo quanto antes chegar
ao lim da minha jornada.
Pois ento Deus .lhe depare toda a
casta de felicidades, e o livre de encontrar
no caminho o malvado marquez mais o su
criado i!
Se os encontrar, tambem peior para
elles, respondeu o marquez. Vou bem
acautellado e saberei servir-me d'estas pis-
tolas, se ousarem atacar-me.
Foram estas as ultimas palavras trocadas
mesmo porta da casa. O fidalgo toraou
as rdeas do Djali das raaos do pequenito,
e montoucom ligeireza.
Medardo comprimentou-o o*utra vez, e
tornou a entrar muito pressa, emquanto
Saint-Maixent se afastava, levando o cavallo
passo.
A estrada ,serpenteava por entre duas
filas de silvas e oogueiras, que serviam de
vallado aos terrenos visinbos.
Medardo, cujas sospeitas se haviam con-
firmado cada vez mais, agarrou no mos-
quete, sabio de casa por urna cancella, e,
atravessando o campo s carreas, foi em-
boscar-so por traz do vallado.
Aastou as .silvas com o cano do mos-
quete e engatilhou, como fazem os cacado-
res espera da rez que pode passar de re-
pente. Saint-Maixent appareceu logo, sem-
pre caminbando passo.
Ola, senhor marquez l gritn o cam-
pesino, depois de o ter deixado passar por
diante. Esqueceu-Ihe urna consa.
Que foi ? perguntou 'O fidalgo parando
o Djali e voltando machinalmente a ca-
beca.
Esqueceulhe que tenho aqui urna
bala para Vmc. desavergonhado assassino,
porque j o conheci: o marquez de Saint-
Vfaixent.
E Medardo fez fogo.
Djali dea um galo, e tremeram-lhe as
pernas convulsivamente.
An traidor gritn o marqpez agar-
rando a pistola que Ibe restava carregada,
sd do honrado membro pelo Cear. Como
se poder conslranger a assembla provin-
cial a garantir mais 2 0|r> 1
O Sr. Souza Res :Ser a consequencia
desta lei.
O Sr. Correa.Nao ser consequencia,
assim como nio obrigacao do poder le-
gislativo votar por este projecto. NSo ha
direito, trata-se de um acto de equidade.
A assembla provincial pdenSo julgar ne-
cesario novo favor e recusar o augmento
de garanta. Com isso nao provocar ques-
to internacional, nem abalar o crdito do
Brasil. \
O Sr. Souza Res : -A lei provincial ha
de ser o corollario desta.
O Sr. Correa.Entretanto se a assem-
bla provincial nao conceder o augmento, a
companhia s receber o juro de 5 0o I
Na ultima reunio dos accionistas da es-
trada de f^rro Pernambuco deram-se oceur-
ren;ias que comprme tteriam seos inte
resses. se a isso nao obstasse a superiori-
dade desta cmara, que nao attende a pala-
vras inconsideradas proferidas no estrangei-
ro por accionistas de urna ewpreza que
ante nos se apresenta solicitando- actos de
favor e liberalidade.
Ellas nao chegam at esta assembla em
que exercemos. nossas elevadas funecesos
representantes da nacSo brasileira. (Apoia-
dos ; moito bem.)
Ellas nao me impressionam para negar
meu voto ao projec o ; esqueco essas pala-
ras imprudentes para obedecer smente ao
dever de consultar os grandes interesses
do paiz, aos quaes a todo o custo cmpre-
nos attender. (Apoiados; muito bem,)
Tenho-rae esforcado para apreciar o as-
siimpi que nos oceupa com a possivel im-
parciaRdale, expondo os fados com a m-
xima exaetido, dep >s de examhaar os do-
cumentos publicados e os que se encontram
nos archivos pblicos.
O Sr. Teixeira Jnior :Tem dito quanto
possivel ere defesa da causa, mas esta
m.
O Sr. Correa :Nao entendo assim. De
fendo-a, porque a considero boa.
Vozes :Estamos certo disso.
O Sr. Corlea :O nobre deputado julga
a causa m. Consolo me, porm, vendo
que a maiuria desta casa pensa diversa-
mente.
Uma Voz :A maioria da cmara e do
senado.
O Sr. Correa :Dizia eu, Sr, presidente,
que havia procurado examinar a presente
quest) com a possivel imparcialidade, para
justificar o meu voto. Desejaria que a jns-
tficacSo fosse satisfactoria, porque ella im-
porta a de todos os amigos polticos a quem
tenho a fortuna de acompanhar nesta occa-
sio,
Sei bem que a minora que se tem mani-
festado uesta questo accidental.
O Sr. F. Belisario :Apoiado.
O Sr. Cohrea :Em outros assnmptos
espero estar em harmona com os Ilustres
membros que a compem.
O Sr. Andrade FiouEiriA:Nem ha aqui
maioria nem minora.
O Sr. Correa :Reiro-me smente a
esta questo.
Passo, Sr. presidente, a tratar da segun-
da parte da questa, a saber, at que ponto
se acha comprometida a palavra do governo
para com a companhia.
Nao era possivel tratar do merecimento
da pretenco sem referencia a actos e opi-
nioes de alguns dos ministros que se oceu-
paro com este assumpto ; e, pois, alguma
cousa do que cabia nesta occasio j licou
dita. Nao pretendo tambem fazer o hist-
rico da questo. Essa tarefa tem sido bri-
llantemente desempenhada por mais de um
dos notaveis oradores que me precederam
na tribuna. Exporei apenas como diversos
ministros procederam.
O Sr. conselheiro Joa de Almeida Pe-
reira, a quem priraeiramento foi snjeita a
pretenco, fundado na letra do contrato e
no rigor do direito, indeferio-a. Nao exis-
tiam ento os elementos que hoje possui-
mos para aprecia-la. Demais, o honrado
ministro, ao mesmo lempo que receba o pe-
dido da companhia, era informado pelo en-
genheiro fiscal dos abusos que ha pouco con-
demnei.
Apparece novamente a companhia solici-
tando do Sr. Mnoel Felizardo que reconsi-
derase a materia ; e o Ilustre estadista,
com a prudencia e alerto com que costuma
va resolver os negocios pendentes de sua
deiso, entendeu qu3 o que mais convinha
era mandar examinar os fundamentos da pre-
tenco. Com effeito, senhores, se esses
exames mostrassem a improcedencia de todo
o pedido, como demonstraram na parte re-
lativa a !,245:000)$, o Sr. Manoel Felizardo
e disparando-a para o sitio onde vio uma
nuvem de fumo.
Depois, sem tentar rertficar-se se ba-
via acertado ou nao, metteu esporas ao ca-
vallo, que parti galope, deixando aps
si, pelo meio da estrada um rastro aver-
melhado. A bala destinada ao cavalleiro
dra no pescoco do nobre animal, e por
baixo das espessas e sedosas crinas brotava
um jotro de sangue. O marquez, todava,
nao reparou n'isto, e, quando, ao cabo de
um quarto de hora, Djali. qoasi extenuado,
principioH a diminuir a rapidez da carreira,
s attribuio isso ao excesso de cansaco da
ncute passada, e continuou a esporea-lo,
porque desejava chegar um bosque ali
perto, que era o nico asylo um pouco se-
guro onde poderia acoitar-se. .
Djali pertencia essa raca de cavallos
qoe s a morta detm. Fe,z, pois, um su-
premo esforco, e prestou seu dono o ulti-
mo servido, levando-o at onde principia va
o arvoredo secular da floresta.
Mal ahi chegou, cahio para se nao tor-
nar a levantar. 0 sangue deixou de cor-
rer, e, depois de uma rpida convulsSo,
quedou-se immovel. Ento, e s ento,
que o marquez deu pelo desastre. O que
elle julgra simples effeito do cansaco, era'
j a agona : morrera o seu formoso ca-
vallo.
O marquez bateu com o p no chao, e
profeno uma espantosa blasphemia. Aquele
coraco de bronze nio derramou nem uma
lagrima sequer pelo seu fiel amigo : s se
lembrou de amaldicoar o co que Ih'o rou-
oava, quando mais preciso era. Qne sorte
o esperava agora, perdido no solido dos
bosques, e tendo que andar p mais de
vinte leguas para chegar ao castello de
Rahon ?
Nao era aquella certamente a melbor oc-
casio para se entreter em reOexes inuteis
e desconsoladoras. Se Medardo nao tives-
se ficado ferido pela bala qne. Saint Maixent
lhe. mandara com certew poria na, piti do
indeferiria a pretenco, nao smente vista
da letra do contrato, mas refutando todos
os argumentos apresentados para susten-
ta-la.
Dos exames, porm, nao resultou a im-
procedencia de todo o p'edido da compa-
nhia, us nicamente a da quantia que acabo
de indicar.
Pendente a questSo de taes exames, as-
sumio a direceo da reparlico dos negocios
da agriooltura, commercio e obras publicas
o Sr. Caosanso de Sinimb. Do que en-
to ponderou a companhia. e da deciso de
S. Exc. j dei noticia cmara.
Rjtirando-se do ministerio o Sr. Cansen-
so de Sinimb, teve a questo de ser con-
siderada pek) Sr. Bellegarde. Este,, dan-
do conta do- juzo manifestado pelo enge-
nheiro Viriato de Medeiros, incumbido de
confrontar os dous relatnos das commis-
soes de Londres e Pernambuco, declarou
que inclinava-se opinio daquelle enge-
nheiro ; dando milita forca a esta decla*ac3o
a circim.slancia da ser o Sr. Bellegarde au-
toridade competente em materia de sua pro-
fisso.
Quando se leve de dar o passo dec6ivo
para a soluco da questo, era ministro o
Sr. conselheiro Domiciano Leite Ribeiro.
Se at ento possivel duvidar do compro-
miso do governo, d'ahi em diante nao pode
ha ver mais dovida alguma. O Sr. conse-
lheiro Domiciano declarou categricamente
em aviso de 24 de fevereiro de 1864 o se-
grate :
Os estudos definitivos foram feitos, e
por elles conbecido qual o excesso de des-
peza.feita baa fide com as obras da estrada.
e era que proporco o capital primitiva-
mente garantido poda ser augmentado, re-
solveu o governo imperial conceder com-
nhia do estrada de ferro da provincia de Per-
nambuco um augmento da garanta na ra-
zo de '* 485,660.
Eis o formal compromisso do governo
impe ial de conceder companhia augmento
de garanta n razo de 3*485,660, garan-
ta que o projecto em discosso vai tornar
effectiva.
O Sr. Andrade Figueira :Nos termos
do final do aviso de 24 de junho de 1862.
O Sr. Coiwea: O final desse aviso sig-
nifica que a concesso nao deve ser feita
sem onus, sem novo accordo com a compa-
nhia, para a adopcao de clausulas que a !-
Co da experiencia aconselha como mais sa-
lutares para o bom resoltado da empreza,
e para resalvar os interesses dos accionistas
e os do estado.
E' este o pensamento que mais ou menoz
deterafinou a emenda do nobre depotado
pelo 3 districto da provincia do Rio de Ja-
neiro. Foi animado pek) mesmo pensa-
mento que o nobre ministro da agricultura
tomoo solemnemente o compromisso do
nao usar da autorisaco sem condicoes rela-
tivas formaco de um fundo de amorliza-
co, e o ajuste de outras questoes.
Se S. Exc. nao tivesse ao ntesmo tempo
declarado que julgava urgente a final deci-
so do projecto, porque a sua volta ao se-
nado prejudicaria o andamento da questo,
eu entendera, Sr. presidente, que nesta re-
soluco se deviam estabelecer clausulas para
a concesso da garanta ao capital addicio-
nal.
Continuarei a expr o que occorreu depois
do compromisso do Sr. conselheiro Domi-
ciano.
O Sr. Paula Souza nao deu andamento a
questSo, e assim continuou ella at a as-
censo do gabinete actual.
O compromisso do honrado ex-ministro
da agricultura nao pode ser desconocido a
cmara...
O Sr. Andrade Figueira .-Porque nao.
se a cmara nao sabe qual o aviso por elle
expedido ?
O Sr. Correa :O aviso consta da carta
que nosso ministro em Londres dirigi ao
presidente da directora.
O Sr. Andrade Figueira :Nao por um
modo authentico.
O Sr. Correa :Nao se pode duvidar da
authenticidade desde que o ministro brasi-
leiro em LoDdres d noticia delle, e desde
que o honrado ex-ministro da agricultura
declarou o anno passado nesta casa que na
carta do Sr. conselheiro Aras encontrava-
se o transumpto do aviso que lhe dirigir
em 7 de outubro de 1868.
' Nem posso de modo algum acreditar que
o Sr. conselheiro Aras, comraunicando
companhia instruccoes que recebara do go-
verno, as referisse sem inteira fidelidade.
(Continuar-se-haJ
i
fugitivo urna chusma de aldeos, anciosos
como elle de ganhar a cobrada recompensa.
Urgia, portanto, pr-se ao abrigo das pri-
meiras exploracoes, e encontrar algum sitio
seguro onde se oceultasse at a noute.
Saint-Maixent tirou as pistolas do arco,
porque apezar de assim descarregadas como
estavam s lhe servrem de estorvo, poda
encontrar algum cacador que lhe vendesse
munices. Instalou-as, pois, n'um cinto
improvisado com a cilha do avallo, e ti-
rou tambem as esporas, que haviam de in-
commoda-lo para andar entre sarsas e em
terreno escabroso. Tomadas estas precau-
Ces, olhou para traz, a ver se a campia
estava deserta, se ninguem o persegua, e
embrenhou-.;e resolutamente no sitio mais
espesso da malta.
Havia j meia hora que elle ia caminban-
do ao 'acaso, orientando-se conforme podia
para nao perder a linh* recta, que segundo
os seos clculos bavia de leva-lo aldeia de
Mauriac, quando paroo de repente estre-
mecendo desde os pos at cabeca, e es-
cotando ancioso. A brisa que docemente
corria, murmurando por entre a folbagem
dos alamos e dos salgueiros, levou-lhe aos
ouvidos o lgubre toque de rebate. Apelle
badalar, fraco primeiro e apenas percepti-
vel, foi crescendo e multiplicand-se gra-
dualmente. Em vez de se ouvir n'um s
ponto, ouvio-se em dous, depois em tres,
depois emMez, e afinal chegou a formar
como que um semi-circulo de ondas sonoras
atraz do fugitivo. O sinistro clamar das
linguas de bronze, correndo pelas abas da
montanha e ao longe das planicies, annnn-
ciava a presenca do inimigo no paiz. E
esse inimigo era elle, Luiz Segismundo,
marquet de Saint-Maixent,
fContinuar-se-ka.)
f* YP .00 0 AH1Q RA DUQUE Ofi CXlAs


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ELTOO04CL_LNYAGR INGEST_TIME 2013-09-19T22:44:48Z PACKAGE AA00011611_13080
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES