Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:13078


This item is only available as the following downloads:


Full Text
'
SNNO XLVI. NUMERO 148.
..i ---------------------
PABA A CAPITAL E LUGARES OVDS NAO SE .FAGA POETE.
Por tres raezes adiantados.............."...
*or s ,....................
Por um armo ideru..........,...........
Hada mumero avolso........'..........
TEBC* FEiRl 5 DE JULHO DE 1870.
PABA DEITOO E tOSA DA PBOVI3CIA.
65000
12(5000
244000
320
7V
Por tres- apzes adiantados
Por seis ditos idem.
Por no* ditos idem .
Por om: nano idea .

I
'
%
I
!i,
Propriedade de Manoel Figraira de Faria & Filhos.
-_______*-----------------------,------------:_____________:___________


A ACE^nfcS:
Os Srs. Gerardo Antonio Alves 4 Fhos, no Para ; Goncalves 4 Pinto, no Maranbao ; Joaquina Jos de Oiiveira, no Cear ; Anteo de Lemos Braga, no Aracaty ; Joao Mara Julio Chaves, no As ; Antonio Marques da Silva, no Natot; Jos Justino
Pereira d'Almeida, em Mamanguape; Antonio Alexandrino de Lima, na Parahyba ; Antonio Jos Gomes, Villa da Penba;. Belarminoibs Santos Balead, em Santo AntSo; Domingos Jos da Gosta Braga,
em Nazareth ; Francisco Tawes da Costa, em Ajagoas; Dr. Jos Martins Altana Bahia e Jos Ribeiro Gasparinho no Rio de Janeiro.
PARTE OmCIAL.
overa da provincia.
27 DE
B&iMCHO* DA PRESinF.NT.U OJ I
JUNHO DK 1871
Antonio Jenrayinn de Oiiveira. Tormnado o
praso legal seja aggragadn.
Sacare! Francisco Itoiniognea Ribeiro Vianna.
A* vita da inforimeo da secretaria, concda-
se a liceoc* requerida cora ordenado e na firma
da lei.
Joo Piolo Ai ves Mari?. Ioforme o Sr. inspec-
tor da ihesnuraria de fazenda.
Joo do Prado Martins Ribeiro.-J foi despacha-
do o requerimantn a que alinde.
Juio do Prato Martins Ribeiro. Goncedn-se a
jubilarlo requerida cora ordenado por mtoim nos
termos do art. 29 da lei n. 369 de 14 de maio de
4853.
Jos Augusto de Araujo.Volte ao Sr. engen-
liein chefe da repartirlo das obras publicas para
declarar >e a obra de que se (rata est compre-
faeodida na cnnslraccao das pautes do Anjo, Gyn-
dahy e Portado Pedras, cujo pagamento se man-
dou"sobrestar em virtud de requisicio da assem-
bla legislativa provincial.
Luiz Jos da Silva Guimarfios.De-se-lhe
Mana Antonia.De-se passagem de proa.
Maneel Felippe do Monte.Informe o Sr. com-
mendador director gural da instraccao publica.
Thomai Becerra de Andrade e Gleraentino Luiz
da Fonseea.Entregue se os documentoi mediante
recibo. '
Padre Vtenlo Ferreira de Sequeira Varejo.
Conceda-se a jubilacao requerida com ordenado
por inteira, na forma do art. 29 da lei n. 369 de
U de maio de 1855, flcando a gralificacao que
pede dependente de deliberaban da assembla le-
gislativa provincial.
PERNAIBUCO.
ASSEMBLA PROVINCIAL.
SESSAOORDINARIA EM 11 DE JUNHO
PRESIDENCIA DO SR. DR. AGUIAR
A meio da, feita a chamada, acham-se pre-
sente os Srs. Amaral, Ferreira de Aguiar, Bar-
ro Waoderlev, Mello Rgo, Oiiveira Fonceca, Ru-
fino de Almeida, Pedro Affonso, Henrique Mamede,
Nicolao Tiilenliuo. Felippe de Figueira, Anlonio
Paulino, Cnnha Cavalcaute, Barros Reg, Teixei-
ra de Si, Guedes Goodim, Firmino de Novaes,
Manoel Arthur, Goes Cavalcante, Ribeiro Vianna,
Goncalves Lima, Hermogenes, Pinto Jnior, Gus-
mo Lobo, G. Drummond, Vieira de Mello, Edu-
ardo d'OUveira, Cavalcante de Albuquerque, J. Ca-
valcaute, Ignacio Joaquim, C ti'Araujo, yieira
d'Ataujo, Miguel Pernambuco, Paes Brrelo, CMi-
veira Audrade.
Abre-se a sesso, 6 lida e approvada a acta da
Anterior.
O Sa. i.* secretario da conta o seguinte
EXPBblENTE.
Ura offlcio do secretario do governo, remetien-
do por capia o offlcio do gerente da companhia
Peraambucana o a portarla da presidencia, em
resposta da 1' e 2* parle do offlcio enviadojiela
asssmbla sob n. 7i.A' quem fez a requisicao.
Outro do mesmo, transmittindo para ser sub-
mettido a approvacae da assembla o contracto ce-
lebrado com Manoel Polycarpo Moreira d'Azevedo.
A' eommisso de legislaco.
Ootro do mesmo, remitendo 39 exemplaresdo
relatora da directcria geral da instrocco publica.
A' dertribuir.
Outro do reesmo, remllenlo por copia os offl-
chk do dssembargador provedor da Santa Gasa de
Misericordia desta cda le, relativamente a divida
do casal do brigadeiro Gaspar de Menezes Vascon-
cellos de Dl'ummon I, o bem assim o da presiden-
cia, em qne approva a pre|osta teita por Francis-
co Manoel de Sonza Oiiveira, acerca da referida
divida.A' coramissao de legislarlo.
Outro do mesmo, remiendo a copia do ultimo
mappa gerl dos inventario' remetlidos ao minis-
tril da justica para a estatistica judicial do impe-
rio.A' quem fez a requisito.
Urna peticao de Jos Fraucisco dos Santos, ex-
praca do corpo do polica, pedindo que marqe-
se na lei do orcamnto quota para pagamento de
ama gratiUcaco que se julga com ireilo. A'
coramissao de orcamnto provincial.
Sao approvadas as redacroes da resoluco nao
sanccionada subre o compromisso da irmandade
do Santissimo Sacramento da matriz de Jaboato e
dos projectos ns. 69,129 e 133 deste anno, e o se-
guile parecer : ^
Acommissao de fazenda c orcamnto, quem
.fot presente a peticao lente coronel Manoel Joa-
quim i o Reg e Albuquerque, precisa para dar o
seu parecer que pela presidencia da provincia le-
ja ouvidoso inspeetor e procurador fiscal da fa-
zenda provincial, e a directora das obras publicas,
pedindo-se-rtips as raz5es porque nao foi executa-
da a respeitodo ex-tbesonreiro Jos Marcelino Al-
ves da Fonceca a que determina o art. 61 da lei n.
2S6 de 17 de maio de 1830, e finalmente que in-
formen! a importancia do que Uoje esta a dever o
supplicante thessuraria provincial, por forca da
banca do precilado thesoureiro Alves da Fonceca.
Sala das comraissoes 9 de junho de 1870.G.
DrumnuMd.~J. Mello Reg.
L se e fiea adiado, por pedir a palavra o r.
Pedro Affonso, o seguinte parecer :
A commissao de peticoes, quem foi prsen-
le a de F. M Duprat. edictor e rodador principal
do peridico o Bituil agrcola, em que pede a es-
ta assembla um auxilio pecuniario, corresponden-
te a 600 asignaturas para o mesmo jornal, decli-
na a da peticao para a commissao de orcamento
provincial, como a mais competente para dar o
seu parecer.Sala das commissdes, li de junho de
1870.Henrtque Mamede.Barrot Reg.*
Q SR. G. DRUMMOND (pela ordem) reclama
contra a pubJicacao de om seu aparte publicado
no Diario de hontem, em um discurso pronun-
ciado ,nelo Sr. Vieira d'Araujo, no qual se lnao
pauso etsa le, quando o que disse foi : a le nao
foi sanccionada.
O SR. OLIVEIRA FONCECA (pela ondem dit
2ue tendea commissao de instrucc,o publica >on-
eccionao um projecto de reforma de ensino, veio
es-e trabalho projecto da typographia com bas-,
tantee erros, pelo que foi mandado reimprimir
mu que leao se demorado bastauMt, e estando'a
oaeluir-se os tratadnos, requa e mande deslri-
buir o projecto que se aeha na easa, erabora er-
rado, alm de ser dado para ordem do di, poden
do-se na discussao corngir os erros typographi-
COi.
(O SR. RUFINO D'ALMEIDA (pela ordem) insta
para que de novo se solicite a copia do rtlatorio
apresenlado pela coramissao qno no anno passado
examino os esubelecimenlos de caridade cargo
da ama Casa, por occasiao de terem sido tei.as
accosacoes i gerencia desses estabeleimentos-pe-
la ex-JepUd Lopes Machado, relatorid_ que loi
pedido a um tnez e qne at ao presante nao ro re-
mettido casa,
' OBDEM DO DA.
Y discussao das emendas offerecida3 em 3* a
projecto n 6 jest anno, qne er* tregttMia
Pesjaeira.
Sao approvadas as emenda.
art. 6o do ornamento provincial, e sao regeitadas
as eguintes :
Supprima-so -a verba de 4:0002 para o encana
meolOMO rio Taquara al a povoagao do Allioho.
Pedro .iflonso.
Supprima-sa a verba de 6:000 para a aber-
tura do canal da Boaviagem, e rednzam-se as se-
guintes verbasuara a cadeia de S. Benlo 5:000iS
era vez de 13:0003 ; pira a do Bonito 4,em vez
de 10 ; para a de Garanhuns 2 em vez de 3 ;
nara a de Gabrob 2 em vez de 8; para a de"
Itamb -"i em vez 15 ; para a do Villa Bella 2 era
vez de 8; e supprima-so a verba de 15:000S para
o i-mpedramento da estrada de Olinda. Pedro
iffonso. .
t Em vez de 6:O00J para um acude em Buique,
diga-se 2:0002 para a escavaco da laia do Bui-
que.A. Paulino.
Conlina a discussao da emenda empatadana
votacao na sessao anterior, que concede 2:()00#
para*as obras da igreja da Madre Deus.
O SR. G. DRUMMOND manifestase contra a
emenda.
OSR. F. DE FIGUEIRA fai algnroas conside-
races em sustentacao da emenda.
O SR. PEDRO AFFONSO combate algumas
emendas.
O SR. GUSMO LOBO urna vez que foi resolvi-
do condeder snbvencoes matrizes e capellas, le-
vantare para justificar a emenda que consigna
2:0002 irmandade de Sanl'Anna ereeta na igre-
ja da Madre de Deus.
Encerrada a discussao approvada a emenda.
Art. 7' Seguranpa publica
1 Forca policial............ 366:7602000
5 2" Fardamento, forragens, ca-
va Igaduras e armamento........ 40:0002o00
3* Empregados da casa de de-
tengo........................ 20:0542000
" 4" Expediente.............. 3002000
5 Illummaco............. 1:9002000
6 Aluguel de casa- para ca-
deas e quarteis fra da capital... 3:3472000
7" Illumioacao desta cidade,
inclusives os lampeoes existentes
e mais alguns que forem colloca-
dos at completar esta verba..... 110:0002000
S 8 Illuminaco de Onda com
101 lampeoes.................. 9:3112170
9o Dita de Goyanna com 30
ditos........................>, 3:1532600
Vo mesa e apoiam-se as seguintes emen-
das :
Ao 7o accrescente-se : nao incluindo a dif-
ferenca de cambio e c dlocando-se os lampeoes
nos lugares marcados pelo art. 891 de 25 de ju-
nho de 1869, e mais um no fimdt ra da Uoiao,
por traz do Gymoasio, e outro ua ra na Saudade
n. 1.Manoel do Seg.
Ao 7o accrescente-se ao final do as pala-
vrascomprehendida a illumioacao de toda a es-
trada do Recife Apipncos augmentando-se a ver-
ba com mais 5:0002000. PTam6ico Filht.
Tolentino de Carvalho.E. A. o"Oiiveira,Pinto
Jnior.Vieira de Araujo.Tevceira de S.A.
Qavalcante.Rufino d'Almeida.F. de Figueira.
Firmino de Notues.C. d"Araujo.Barrot Watt-
derlty.t
Encerrada a discussao, approvado o artigo e
emendas.
Art. 8. Soccorros de bnneficencia :
1. Auxilio a Santa Casa da
Misericordia, sendo 3:0002 para o
collegio dos orphos............. 40:0002000
2. Sustento e curativo dos
presos pobres.................. 50:0002000
1:0002000
1:0002000
1:0002000
4:0002000
I 2.* Religiosos capuobinhos...
Viif
1:0002000
mesae apoiase a seguinle- emenda :
< Em lugar de 1:0002 diga-se 1:2002--G.
Drumrtwni.
Encerrada a discussao, approvado o antgr>
com a emenda. .
O SR. PRESIDENTE, designa par a nommissio
qne tem de levar alguns actos sanee os Srs.
Manoel do Reg, Goes Cavalcante e Rufino de Al-
meida, e tembra aos Srs. depnlados a convenien-
cia de conipareeerem mais ofcdo as sessBes, ltenlo
o atrazo dos uabalbos, e mesmo porque nao se pro-
longue a sessoes at tao tarde, succedendo nao ha-
ver numero.
O SR. RUFINO DE ALMEIDA 0 remedio qne
t praticar-se besta casa em ontras sessoe,.quando
alguns Srs. depnlados se retiravam para nao ha-
ver nun aro para votar, foi fazer-se a chamada e
assignarem-se seus nomes na acta, e mesmo man-
da-la publicar no jornal.
O Su. Prbsidbntk :Eu nio possb propor isso
agora, porque nao ha casa, e nao o faco senao por
deliberacao da assembla. Em seguida e-Sr. pre-
sidente designa a ordem dodia e levanta-a sesso.

Uffl'a vez
demnisacoas
que pos so'
A corapanhi
deseja f.iz la
3. Recolbiraento de Olinda....
4." de Iguarassii............
5.* Dito de Goyanna........
6. Collegio de Papacaca....
i 7." Hospital de Misericordia de
Goyanna....................... 1:0002000
S 8." Casa de beneficencia de
Grvala....................... 1:000*000
8 9." Dita de Bezerros......... 1:0002000
i 10. Para libertar enancas do
sexo femenino.................. 20:0002000
Vo mesa e apoia-se as seguintes emendas :
t Ao S IoDespois das palavrasrollegios dos
orphos, diga-se, inclusive 13:3632277 para pa-
gamento do que est a mesma Santa Casa a de-
ver a Manoel Antonio de Jess.Tarares de Vas-
concellos.
t Ao 4 -Mais 5002 para o recolhimenlo de
Iguass.Amara/.
Ao 5oEm lugar de 1:0902 diga-se
1:5002 Oiiveira Andrade.
t Ao art. 8 supprima-se o 8.
c Ao mesmo artigo 9omais 1:0002 para a
casa de beneficencia de Bezerros. A. Paulino.
i Ao art. 8accrescente-se : U com a re-
messa de meninos cegos e surdos-mudos para o
Instituto do Rio do Janeiro 5:0002000.-Gsmao
Lobo.
Ao IoEm vez de 40:0002diga-se--------
50:0002 Rufino de Almeida.
Ao 8 3-Em lugar de l:0002000-diga-se
1:5002000.Cunna Cataleante.
O SR. ANTONIO PAULINO.Sr. presidente, eu
offereci urna emenda ao art. 8o, suppriJiindo a
verba de 1:0002, votada na lei do oicamento para
auxilio casa de caridade de Gravat. Tambem
ao mesmo artigo offereci outra emenda consignan-
do mais 1:3002000 para a casa de beneficencia
de Bezerros.
Qorre-me, porianlo, o dever de justificar essas
emendas, podendo parecer qne a ellas preside
urna injustica.
Proponho snppresso da quota votada para a
casa de. beneficencia de Gravat, porque nao me
consta "que nesse lugar exista semelhante institui-
co ; tenho passado e at me demorado muitas
horas em Gravat. que um pequeo povoado, e
nao sei que haja ahi urna casa de beneficencia.
Se existe, tao insignificante que nao merece as
honras de urna mencao, e muito menos a de um
auxilio por parte da provincia.
Entretanto, Sr. presidente, existe em Bezerros
um bello e elegante edificio, edificado custa de
esmolas e donativos por um virtuoso sacerdote
cuja vida urna serie nao interrompida de boas
aceftes.
O Sr. Teixeira de S :Quem *
O Sr. Antonio Paulino :E' o j)adra Ibiapina,
que em sua evanglica peregrinaeo petos centros
deata provincia, deixa sempre era si passagem
lembrancas a saudades que sa prendera a orna lon-
ga serie de actos de virtude.
Em Bezerros editicou elle urna oasa de benefi-
cencia, destinada a receber os enfermos pobres,
meninos engeitados. velhns, elo. Este eslabeleei-
niento est confiado aos desvellot e proteccao do
virtuosa a digno vigario Trajano de Figueiredo Li-
ma, qoe a melhor garanta da boa appliea^io
que vai ter a quota que te volar para auxilio
casa de beneficencia da Bezerros.
i Creio, Sr. presidente, ter feito conheeidas as ra-
zos que actuaran em meu espirito para pedir a
auppressao da quota destinada para a casa de be-
neficencia de Gravat, que nao existe, fazendo ap-
plicai;o dessa mesma verba a de Bezerros, qi
SESSAO ORDINARIA EM 15 DE JETN1O-.
PRESIDENCIA DO SR. DR. AGUIAR.
Ao meio dia feita a chamada acharam-se pre-
sentes os Srs. Firmino de Novaes, Amaral, Ferrei
ra de Agotar, Rufino de Almeida, Oiiveira Fonce-
ca, Cunna Cavalcante, Hermogenes, Nicolao To-
mino, Goncalves Lima, Manoel do Reg, Felippe
de Figueira, Pinto Juoior, Barros Reg, Tiixeira
de S, Antonio Paulino, Paes Barreta, Gaspar
Drummond, Goes Cavalcante, Manoel Artbor, Bar-
ros Wanderley, Pedro Affon Guedes Gondim, Vieira de Mello, Cavahante de
Albuquerque, Joo Cavalcante, Cunha e fflgueire-
do, Eduardo de Oiiveira, Miguel Pernambuco, Mel-
lo Reg, Vieira de Araujo, Henrique Mamede, Cor-
rea de Araujo, Antonio Cavalcante e Ignacio Joa-
quim.
Aberta a sesso, lida e approvada a aeu da
antecedente.
O Sa. Io Secretas d cenia do seguinle
expediente
Um offl :io do secretario do governo, remetiendo
informales e copia da policio da professra de
instruccao primaria Alexandrina de Lina e Albu-
querque, afim de serem interprtalas a* tais ns.
598 de 13 de maio de 1864 e 369 de 14 de maio
de 1856*.A commissao de peticoes.
Outro do mesmo, transmittindo quaree exera-
plares do relatar com que o Exm. Sr. ptaaiden-
te senador Frederieo de Almeida e Albtq*erque.
A' distribuir se.
Outro do mesmo, commumeando qoe Exm.
Sr. vice-presidente ao meto dia receber no pala-
cio do governo a commissao qne tem de aoresen-
tar alguns actos da assembla a sanegao. Intei-
rada.
Outro do mesmo, remetiendo por copia a por-
tara, pelo qual resolveu o Exm. Sr. viee-presi-
dente da provincia a prorogar por mais dez das
a presente sesso da assembla.Inteirada.
Urna pelic) da irmandade de S-. Sebastian da
cidade de Natareth, pedindo a appmvaeio dimeb'
compromisso.A' commissao de negocios eccle-
sias ticos.
ORDEM DO DL\.
1* discussao do projeelo n. 15 deste anno, que
determina que a corapianhia dos trunos urbanos
de Olinda nao possa construir estacoes seno nos
lugares determinados pelo contrato.
O SB, OLIVEIRA FONCECA pedo explieacoes
sobre o projecto, que Ihe sao dadas pelo Sr. Tei-
xei ra de S.
O SR. MANOEL DO REG (pela ordem) :-xComo
relator da commissao encarregada de apresentar
alguns actos a sanecao, declaro que o Sr. presi-
dente da provincia promelteu toma-Ios na devida
considerarlo.
Fica inteirada a casa.
O SR. J. MELLO REGO:-DFei prucas palavras
sobre e projecto, porque nao quero prolongar a
discussao, nao quero tomar muito lempo a casa,
quero apenas dar algumas explicaces ao nobre
deputdc, que me parece-----
O Sr. OuARinA Granca : Est prevenido con-
tra o projedo.
O Sr. Mllo Reso : E" o nobro depulado
quem o diz.
O nobre depulado me pareco estar mal infor-
mado, nao leu provavelmente o contiaelo ou nao
indagoii do que h-a sobre a questao.
(Ha um aparte.;
Pelo contracto a companhia devia enllocar a
estacau ou ao laJw do tbeatro, ou em qualquer
outro lugar que fossa designado pelo presidente.
Dispondo isto o contrato, a companhia requeren
presidencia para construir a esiacao ou neste
bairro ou na ra da Aurora ; a presidencia man-
dou ouvir a directora das obras publicas, e esta
informou em sentido contrario a collocacao da es-
la^ao neae ultimo logar. Sei particularmente que
a presidencia teve duvida em consentir que a
mesma eslacao fosse construida n'quella ra, e
por isto esteva a questo pendente por muito
tempo.
P3r canta disto appareceram reclama5es pela
imprensa, mas a opinio do presidenta nao mu-
dou. Nesse entrequant foi expedido um aviso
do governo, dispondo qu a designacTio. fosse feita
pela cmara municipal,' e esta nao soi por que
designou o local na ra d'Aurora, onde existe
actualmente a eslacao provisoria.
O Sr. Ou'veira FrANCA : Presumo que atien-
den, ao inleresse publico.
O. Sn. Mello Rbco. : Ao contrario entendo
que, se a estafan fosse marcada neste bairro, se
atlenderia muito mais ao interesse publica
A companhia, designado aauelle local, que nao
Ihe pareceu ma>, tratan logo de eomecar os
trabalhos provisorios da estaeao o nada mais pe-
dio.
Entretanto, para quem nao esliese prevenido,
como diz estar o nobre depulado facH de ver
que a estaca ali est ramita mal coltocada;que est
n,nma ra muito importante, de grande transito,
e que i eslacao o aquella loealidade prejudica-a
d'alguma fnna, tira-lhe urna certa importancia,
o que sem duvida inconveniente ; ao passo qne
ao lado ao thcatro, no canto de nraa praga, ende
nao ha ranita edifieacao, ncar a mesma eslarao
moito melhor enllocada, ficar em ponto mais
central, e comroodo aos passageiros.
OSn. F. di FrouwRoa : Adianta muito pouco
ser do lado de c ou de la.
O Sr. Mello Reg : A directora das obras
publicas oppoz-se faeiora da ponte muiio prxi-
ma de Santa Isabel-----
O Sr. F. de Figuera : nico lugar que ex-
iste.
O Sr. Mello Riego : A directora das obras,
publicas quera qne a ponte fosse collocada mais
diaute ; a companhia objeotava, parque tena de
dar urna curva multa grande a ponte, accreseen-
da a isto o inconveniente de ser- rauito estrena a
r'ja por onde deviam passar os trens ; mas a c-
mara cortn a questao antes de ser resolvlda pela
presidencia, determinando que fosse a estaeao na
Contina a votacao das etnendj^ oferec\*i,s a.o i | 1." tonjuiores
..a
est em condices muito differpntes, e presta-se ra d.r, Aurora.
perfeitamente aos misteres a qne destinada. O Sn. Teixbira de Sa : Anteriormente, unna
Creio |er assim justificado o meu vot, e espero aerado justas as reclama?oes teilas pelos morauo-
que as, emendas sejam aceitas. Tenho-bonclivido,
&urrada a discussao, approvado o ajrilgo
com. as emendas, exceptuada a que designa quota
emjpara pagamento de que deve a Santa Casaba *a-
noel'Antonio de Jess.
Art- 9''Culto publico
33:500*000
_ eollegas signaianos do projecto em
modiheaces de accordo com a com-
mod flccois cooslstem em ser per-
stac3o neste bairro, e cooeeder-se nra
_ a reraocao da que est previsoriamente
Erna d Aurora.
uiodifleaefies faremos na 2* discussao, se
jeeto |ia companhia est, concorda nisto, urna vez que
a altoraco ferta prejudicar os seus tra-
rac"\
Um SvDepl'Tai : Nao venha esse substitu-
tiv ser pfiudkial eos interesses da provincia.
O Sn. M*.lo R8J*> A companhia nao ped
intjainnisaw-
octra levanta-so aqni a idet de ra-
ra assombrar os nimos ; mas_ o
irer qne nio ha indemnisacao.
eseja a transferencia da eslacao ;
te bairro, e nao qur por isto in-
demisaea algoma
Passando o projeelo nos, na 2? discussao, o cor-
rigiremos, apresemaremos nm substitutivo, e a
easa ento resolver corao fr mais couvemente-
8io estas as #xplicac5es pue tenho a dar; se
nao Miisliierem o nobre depulado, terei disto pe-
sar, porpue muito desejo estr de accordo co.o as
suas optmdet, s qnaes-dou todo apreco e alten-
cao.
O SR. PEDifo AFFONSO fai algumas conside-
rac5e^ sobre projocto
OSR. F. D F1GUETROA faz algnmas conside
raeues onirf a idea do projecto, declarando que
Um prestar seu voto em r iscussO, vista to-
reo sua nfbres signatario* proraettido sub-ti-
int-lo oppnrttn.imente.
O SR. 6. DE DRUMMNDmanifesta-se a favor
do projecto.
Eneerrada a discussao,. oprojectn approvado,
e dispensado o intersticio a requerioieuto do Sr.
Mello Reg. \
Entra em discussao o oagaraenlo provincial..
Vo nasa e approvam-se as seguintes emen-
das :
> Ao 11 do art. 10 jccraacenle-ee : inclu-
sive a graiifieacio de 2002400 a continuo da ihe-
sooraria provincial pelos tervieos estranhos s
snas funecaes. Tnlentin dt Curtatko, = Per-
mmbuco Filko. Pinto Jutuot. >
Ao g 10Sendo 10 poi centa a porcenta-
gem.G. dt Drummond. <
Ao art 10inslusive a pofceetagem de mais
ura lancadcr que fica creado. G. de Drum-
ntand. I Mo Ragov-ufim (TAlnmda. >
Ao >*> aru 10Em Iniar de dous srrven-
te' diga-senm fervenfe.JoWiae deCarvulho.
t Ao % % do art. 10Em v de 3 e 3 quintos
por ceniq.djf-M 4 por ceniaGusmSo Lobo.
Kngno tmtid.SL -L fQvevna Pernambu-
co Filho,F. de Figuea.Pinto Juntar. Oii-
veira PrtmcA Goes. GoMttiate.A. Pauliop. o<
i Ao | 10 do art. 10aecrescente-se : perce-
beodo os reepeotives empregados as pereentagens-
marcadajf em leis anieriores. -^J .Mefh Reto. I.:
\.Liao.
OS8. fi( rOLEXTlNO-4i que pe*re a pala-
vra para*prsent*r urna emenda a 2 do art
6* que restabeleee a graflcaeio ansnal de M0#
ao eontinn da thesouraria provincial, procurando
d'este modo reparar- a injustica que commetlera
a nobre.eommisso de orcamnto ; e que para
mostrar i.casa qjue nenhuma razao e ser temja
suppressan dessa gratifteacao passa a fazer as se-
guintes e breves considerares. Em primetro
lugar o continuo da thesonraria eaerce ha ee#a
de seis annes as funecees de escrintarano, para
haver sempre afluencia de trabalho. pelo qo Ihe
tem sitio dada a referida graiiflcci>, exceptaari-
do-se apenas no anno de 1*61 ; notando-se qne
de maior vantagem S8r esse encarregado de ser-
vidos estranhos s suas funecoes e ter maie este
acersecimo em o seu ordenado, o qne crear-se
mais um lugar de eseripturario na replrucao,
que como se sabe aearret* mais onus para os
cofres da pwwnca. E* om empregado que de-
sempenha perfeitameote os seus deveres, como o
atlestam o inspector e contador da repartifao e
n'estas condifSes acredita que ninguem podera
contestar que tem elle direilo a urna relnbuicuo.
lfnBlmenle em segando lugar faz noiar a casa
qu supprimidaa gratitlcaeo como qun a illustre
eommisso pasear e continu a ter vencimentos
inferiores aos- do servante- da mesma repartido,
sendo o eu emprege de cathegona superior, e
ainda sobreearregado de serviros aiheios a snas
runec^s. Pelo que convencido da Justica que
enceK* a sua emenda, espera ser ella aoceita.
O SR. MJ3LLO REG: Ped a palavra para
fazer algivnas consderaeoes sobro duas emendas
que submtteu consieraeSo da easa o nobre *
Pl* por engao d* typograpWa que est con-
signado no 8 5do art. 1 e dous serventes, quanao
existe apenas nm na thesouraria. A tommissao
itinha urna emenda eorriginde esse engao, mas
como o nobre deputado se antecipon, accoaa a
sua emenda. ,. __
Qarato a gratifieatao que se conceda ao con-
tinuo qne faz o setve de eseripturario, gue o
nobre deputado estranho que a eommisso li -
vesss snpprimido.ella por raim vai dar as. razoes
porque assim proeedeu.
& cmiifiea^ies consignadas em las de or?a-
mento sao anonas, pode ocmtinnar ou nao, con-
forme delibere esta.assembla ; mas nio este o
meio regolar de melhorarem-se os vencmentos dos
TSCJSS1*? w po* '25
no erCanvto desposicoes que- nao diga respeto
a arrecadaco o t\scalisa?ao das rendas e ntonsa-
coes a peesidencia, caso em que nao esto os wn-
cimentoVdos empregados pnbW Por esta razao
a eommisso eniendeu que dev tirar dooroa-
menta toda as gratifleacoes que nao esiivessem
firmadas em leis especiaes, a o tez, nao saetn re-
lacao ao continuo da thesouraria, mas em relacen
a todos os empreg dos provinciaes qne tmham
pratifieacoes consignadas em leis de orcameoto.
O Sa N.Tolkntoo :-Entretanto nio podadei-
xar de reoonhecer que ha ahi mais oa menos in-
justica.
O Sr. Msllo Reg : Nao, njustifa nao ha.
Entretanto eu, se hoavesse tempo, tena aprsenla-
do' um projecto especial, ou qualquer outro 6r.
deputado o faria, firmando essasgratiucactes, para
seren enlao admittidas na le do orcamnto.
(Trocam-se apartes).
0 Sr.-MW.lo Reco :Nao fago. opposiQao ao re3-
tabelecimonto das gratiDcafde, Juslifico o proee-
dimento da eommisso, e a casa decidir corao en-
tender.
Mas uuanto ao que o nobre deputado disse de
ser o continua da thesouraria abrigado ao servico
de eseripturario. eu direi que elle propriamente
oonimuo, s tem obrigacao de exercer as funecoes
de continuo, nao se Ihe pode exigir outro servico.
O Sn, N. Ti.RNTiMo:O chefe da repartilo en-
tende que mais econmico dar urna gratficacao
no coDlhmo para exereer as funecoes de eseriptu-
rario do que crear um lugar de eseripturario
O Sr. Mello Reg:O que se segu d'ahi
que o lugar de continuo desnecessario ;. porianto
supprima-sa o lugar de continuo e cree-so um de
amanuense.
Um Sr. Deputado :Elle faz ambas as cousas.
O Sr. Mello Reg :Est empregado exclusiva-
mente em servico do escriptnracao.
J v o nobre deputado, qua a commissao nio teve
dessa na.
O Sr. Mello Regi. A mi impressap que me
causavii a collocacao da estacap na ra d Aurora, o
q que sabia sobre a ooneessao, me flzerara assig-
nar o p*)iecto. senj atlender a^ certas inodmea-. -ra"doua^0 ^^^ d8..^m
l^JS^'S" anlu^oncoWeomUregado, quix apena^regu.arisar o modo de
alguns
ober-se augmento de vencimentos aos mpwgados
pblicos.
Eis as razoes que teve a commissao.
Vk Sr; Depotudo : Aprsente um- projecto
marcando os vencimentos dos continuos, e*haendo
o escriptarario.
0r. TtoLEtraHO de Carvmj : Eo*aprsen-
taKi.
O Sr, Mello Reg :Acho at qne a inspector
da thesouraria nao deve dislrahir o eonlimio de
suas obrigacoes. Declaro, por.n, quanao me
oppoeho a emenda, desde qoe a casa queira resta-
betocer a-gratificaeo dessse empregado-e dos ou-
tros y. voto por todas as gratifieaf oes; mae se for
para um s nao.
Cceio que vem a proposita referir-me- a nma
observaeao do nobre deputado pelo 3* disinti,
qoe eu quiz responder inunediatamenle,.no o ta-
zendo para nao prolongar a discussao, porque a
casa eslava desejpsa e votar.
O^oobpe deputado fez acommissao a argneao de
naver ella procedido na disiribuifo da* rendas
com espirito de avareza.
f>Sr..Pedro Awonso:t-Fiz excepta*- do hon-
rado-depulado.
0>%tu Mello (teoo: Craqnanto eslejadwergen-
te dos meos eollegas da eommisso em alguns
pontos^ sou com ella solidario em todo o-reslo do
projecto do orcamnto, o-por isto possoassegnrar
que nao proeedeu cora espirito, de avareze, fcc-se
a distribuicae das rendas conforme a devl fa-
xeh. A.commissao procurou dar destino' aos di-
nholro da provincia, consultando a su\.ree*Ua, no
qne me parece proeedeu con criterio.
Portanto nao tem ragao o nobre deputado em
dizerque a eommisso foi avarenta.
Sr. Pedro- Avrooso : Tema a pelawa avara-
za muito ao p da tona.
O Sr. Mel- Reg :.\. eommisso. fafr o-ue era
prudente fazer, nao quiz propor despensa alm do
quantum da reeeita calculada. Nao importa que
eu-.divergisse; deste alvilre, nio poseo-aceviar este
procedimento como prova de avareza.
OSR. NICOLAO TOLEIflIO faz anda.algnmas
eonsiderac3es em jiistifteacao de sua emenda.
OSR.G. IRUMMOND manifestarse ooetra a
emenda oftereclda pelo Sr. Tolentino, e- jnstifica
< que mandn .mesa elevando a poBcentagem-
dos agentes do imposto de fumo ebebin espiri-
tuosas.
O SR. VIEIRA DB.ARAITJO: Sr. presiente, en
ao me achara prsenle qaando se eeeelou o de-
bate acerca de art. W entretanto vi qoe o honra-
de deputado pelo 3*- dislricto sa- oppte a emen
qne manda pagar ao ontinuo da- tnesouiraria pro-
vincial a gratrticaco Ai 2002, que Ihe tem sido
concedida em leis de reamente, anteriores.
En Ionvo muito o procedimento da eommiesao
em ter estabelecido que nio se lagassea gratifiea-
joes a empregado qne a nio vencessem po leis
especiaes, mas vejo no proprio orea monto que esta
regra ni foi segaida, e no art. 4J, para o qual o
nobre Ia secretarlo champ a aueneo do hoetado
memoro da commissao, se estahelere qoe fica pro-
hibido o pagamento^ das gratfteaeoes emprega-
dos pnlilr |)in<> nao forem decretadas- pon
lei especiaos em. espressantente novada as do
orcamnto. '
Nao pens com o honrado raembeo da, commis-
sao de orcamnto qoe seja mais conveniente urna
emenda geral restabetecendo toda as graficaooes
que o projeelo de orramefllo supprimio; acho que
exeellente a nin esiabelecida spprimindo as
gratifieacSes nao Secretadas .por leis especnes, nao
como regra absoluta, entendo que se decam reno-
var as gratificaeSes de empregados que embora as
nao vencara por leis especiaes tenham direto a
suas gratifiea$5es, mas por emendas tambem. es
poeiaes, porque sero discutidas e por. esse modo
se mostrar a sua conveniencia, nao se indo lerir
de surpma a esses empregados, extiognindo-se
ae gratmoaeoescomqneellasconlavam. E'verdade
que isto Bode ter applicacSb a todos aquclles que
percebem gratlficafoas, decretadas env leis de or
camento, aos empregados que a merecem e aos
que ao a merecem; mas estes ltimos nao tem
dreito- repaiaco algnma.
O empregado quem a emenda se refere ura
empregado de catagaria inferior, tem os seus ser-
vicos marcados no tegulnmento da repartleo, mas
na empregado que tara' mais habilttacSes do que
as qe se exige para o lugar que exerce, e por
r.fiTui.'foes que teahaprestadas mesmo, creio
que pelo inspector da thesouraria, deseropenha per-
feitamenle as suas funcroes e apreveitado em
servico extranho, no servico de eseripturario. Ora
de modo algura s poder dizer qoe omoregado
nestas eondicoes- pode recusar-se ao servico que
Ihe destinado, o- que mais natural que elle se
preste esse servico que Ihe exigido pelo chefe
da reparticao; o sendo assim ficar em pessimas
eondifoes desde que so Ihe tirar essa gratficacao,
que alias nao tao grande, nao remunera com
tanta generosidado os servico* que elle presta.
Por estas raides en voto pela emenda, e j decla-
r a os motivos porque nao votara pela emenda
qne tivesse per fim restabelecer todas asgrattfica-
coes supprimidas.
O SR. MELLO REG pedo a retirada dos addti-
vos qae offereceu ao art; 10, para setem apre-sen-
tados em occasiao opporiuna.
Consultada a casa, coasente na retirada dos
auditivos..
O SR. MELLO REG:Pedi a palavra pira dar
as razoes porque a coramissao psopz a creacao
de um lancador para o consulado provincial.
Os rotatorios dos ebefes daquella repartifaoe
inspector da thesouraria instam pela creacao
demais esse lugar como urna aecessidade indecli-
navel, isto pedem mais de ura empregado, mas
a commissao pcopdz apenas um. Allegara que
dous lanzadores que tem a repartifo nao podera
salisfazer as necessidades dos lancamentos dos im-
postos, pelo quo tem os mesmos lancamentos sido
prejudieados. muitas vezas. A commissao atten-
dendo a esta considerafao, que Ihe pareceu justa,
nao leve duvida em propor a creacao de mais um
laofador.
Encerrapa a discussao approvado o artigo com
as emendas, !, 3*, 4* e 5' sendo regeitadas as
tve 6."
Art, 11. Com aposentados e
jubilados..........777......... 3:1:427*000
E' approvado.
Art. 12. Divida de exercieios
flndos, segando o quadro apresen-
do pelo inspeetor da thosouraria
provincial menos os juros da es- _
trada de ferro..........'........ 52:9652271
Vam a mesa e apoiam-se as seguintes emen-
das : .
t Ao art 12augmente-se inclusiva a quantia
de 5:9082302, importe do qnadro addioional apo-
sentado pela thesouraria provincial a o pagamento
da 4272 a Manoel Bezerra dos Santos, 3252277 ao
Ihesoureiro da thesouraria provincial Thomaz Jos
da Silva Gusmo e 8002 ao padre Jos Parflno
Gomes J. Mello Rego.G. Dtumnond. >
t Ao art. 12-augmente-se 5:0002 para execu-
eao da lei n. 90C.-G. Drummond. ^.
O SR. G. DRUMMOND faz alguraaa consderaeoes
em justificaco das emendas.
Encerrada a discussao approvio o artigo com
as emendas.
Art. 13. PublicacSes e mpres-
s5es, inclusive as prestacees prove-
nientes da compra das obras de
que trata a lei n. 831, bem como o
alroahk segundo o art. 45 da le
O. 891....................... ll.7o.l20W
E/ approvado,
Art. 14. Restituicao inclusive a
de Jos Joode Amorim.......... 44:0O3tRnM
E'approvado.
Art. K>.. Eventnaes, inclusivo as
prestagoes das pontos conlralada
de Caxang e Pa=sagena da Mag-
dalena e Wnprestimo- de 5:000*
a cmara municipal ca-Victoria,
devendo ser a obra do cemiterio
contratada na thesouraria provin-
cial ____............_________ 70:060*000
Vam a mesa e apoiam-se as seguintes emen-
das: :
Artart 15augmente-see-e-pagamento das
ptestaoSes devidas ao oontratante_da eslatistica *
provineia e do ndice da leaislacao provineialJ.
MtUo-R.yfr1. Uao.Gi. Drummmd.
< 'Ao art 15accrescente-see a quanlia de
25:0068 para desaprepriaoao- do terreno, emqpe
deve ser edifieado o laereado publico da cidaoV d >
Recife, aagmentindo-se a. anota.Dr. Mtnteei rfo
peas-
a^Ao rt 15ao final' deste artigo aorescea-
te-se e C0O2 de gratilicaco ao escrivo do chefe
de polioia e delegado de policioRufino- de. V-
meid.
OSR: (i DltL'MMON! faz algama; consiiera-
eSes sobre as emendas.
& lida e apoiada a seguate emenda.
f. Ao art. 15. Subamenda. Accrafeente-se :
emqaanlo nao for pago pelos cofres genes, or-
denado e-gratficacao.Rufino a> Almeid.*.
O-SH.. A. PERNAMBUCO faz algumas conside-
racoes sobre as emendas.
0-Sft.G. DBUMMOND taz novas considaraeoes
em resposta ao precedente orador.
Bocanada a duottaso- approvado- a- artig >
bem. como as emendas,
(iGiaslinuar-^B)
REVISTA DIARIA.
ILIUMNACCA' QAZ'. PARA 0*I80A.-Foi
bentom assignado no palacio da presidencia da
provineia o contrato.pasa a illuminaaao, gaz da
oidaie de Olinda, com as- seguintes condiedes:
A Art. 1. \ illnminacocomprehender a ci-
dad de Olinda e os logares denominada Pisa e
Arrumbados.
* Art 1 No permetro ios logares indicados
no artigo precedente ser collocados .140" lam-
peoes distribuidos .pela* ras e pracasnas dis-
tancias indfcadas pelo goerno, pagando este pela
le. de cada comhuslor *300, moeda do paiz, du-
rante 180 horas por mea de trinta das.
Art 3.* Ficajn os- emprezarios obwgados a
augmentar esse numero eom os eombnstores qu--
o governo jnlgarnacessarios pela- mesma forma,
Baeeo e eondiQces oontratados para os 140.
< Arfa.'-Gada oomaustor fornecer, urna luz
equivalente em densidade do vellas- de sper
maceta, consumado cada urna dent equarentae
quatro graoa de spermneete por hora.
t Art AoOteina para a produceSo do gaz, a
eollocacao das maobinas, appawloos, canos e tod
:o mai 4*a for conceraenta a completa e eflira.
illuminaahr da dad, bem como o fomeeiraenti.
e costeataeOte dos cembnstores fias nas e praea
correr por conta Jos empresarios.
t Art. 6." O, emnrezanos obrigam-se igualmen-
te a llumnar os edifhiose estabetccimenics p-
blicos mediante o ajuste feito com o governo, na
razo do preco estabelecido.neste contrato, ten*
em vista as despeaas da collocacio dos combusio-
res e respeenvos Inbos de derivaoao. Igualmente
se obrigaroa oontratar com os particulares, mas
nunaa por maiorpreco do que o de 10 rs. por pe
t Art. T.a 0* eombnstores so coaservaro aca-
sos durante toda a parta escura das noutes, se-
gundo o termo medio seis horas- por nauta ua 18
por mez de trinta dia?..
c Art 8.- A illuminaco ser numerada. Cada
combustor tara o seu numero de metal estampa-
do no vklro do lampea, do maneira que saja vi-
sivel durante a nouta.
t. Art. 9. O governo ser ouvido na cssoina n
local para o estabeleeimfinta-.das offlenas. on p^-
ometros a collocacio e manmetros para indi-
car a.prossao sappbrtada pelo gaz e o limite, en-
tre os qiues pode ella variar.
t. Art 10. A illnminacio.s podera f jncioivar
depois de concluidos lodosos trabalhos da em-
preza, os quaessarao fiscalisados por v ag.n:
do governo. .
Art. 11. Os.empreaariosobrigam-sea dareo-
meco aos irabalhos respectivos no praio de ans-
raezes e conclu-los no de um a^no, para o que s
sugeitam a urna, multa de 3:0002 no caso de Tai-
ta de qualqujr dos dous prazos.
Art 12 Para garanta da condtcao antece-
dente os emprezarios obrigam-se a prestar fianc*
idnea.
c Ar:. 13. O conlrato e privilegie duraran por
trinta annos, a coatar da data em que comeiiar a
funecionar, e findo este prazo o governo provinT<
cial, caso nao seja renovado o^ contrato, pa
aos emprezerios o valor da empreza,
conforme a
conse-
aorrerao por cont:i
avaliaco feita por arbitros, e qoando esta nao nos
sa ser immediala e totalmente, paga, o governo o
far por annuidade, segundo as torca do co r
provincial, pagando um juro de 6 por santo d.
quanlia que restar, at a extraecao da d.vda
. Art Ti, O governo da provincia cbngase i
ceder por aforamento quaesqner trrenos devoto-
tos, ou de marrana, que sejam precisos para o e--
tabeleciinento da offleina, gazometros. e mais H-
P, Art.W15. As despezas feltas oom alteracoes ni
deslocaeo no material da iilummacoefo
quencia d trabalhos pblicos,
8Art6. O governo provincial obriga-se a s
licitar do governo geral a isenco de direUe; ....-
maehinismos, utoncilios, apparelhos MboMnA;
bustorese materias primas que torera precia
para a illuminaco, fixando os emprezarios a km -
co de materias primas annnalmente, perante .i
thesouraria de fazenda.
Art 17.-Por cada combnstor qoe se encon-
trar com luz amortecida pagario os nprezari.-s
*10 rs. por noute e o dobro por cada um que na i
^KJftE'il!** descontadas mensal-
mente na importancia do que tiverera da receber
os emprezarios da thesouraria, onde sen tam-
bera feitos raensalmonie os pagamentos d,s me>-
^Sr^No'casode paralisacio da illumm,-
eao oor culpa dos emprezarios, correr por coi.-
ta dos mesmos, os excessos de despeza* que o go-
verno fizer cora este servgo.
t Art 20. Os emprezanoa responderao pe*
prejuitos que resultarem a terceiro, provenientes
de omissao ou deleixo de seus empregados, ou pi
postas no servico da companhia.
Art 21O governo tara um ou mais ajen-
ie* incumbidos de examinar o estado do macn,-
nismo e canalisaco para evitar sinistros prestn-
dole os emprezarios a todas asraquisiciks.
Art 22. Fica reservado aos emprezarios o u-
reito de'transferirem a outrem o gw^gj;
to, approvando o governo provincial a w^Bro
cia Esta approvaco importar para os tran
rentes a sua intaira desobriga, Pssand>. ^a>
para o novo empreiario toda e cjonlquer reaponsa-
bilidadee vantagens ou privilegios derivados to
TatI'P- Os emprezarios extrahirao ojazda
sunnwc* que recoramenda o estado actn

MUTILADO


Diario de Pernambu
f>1
ciencia, par? i na luz brilhante, serena
e itioffensiva e na doracao dote
apetlt l i":ito ou
ek lieoMroaan: pos-
> r .veI no desempeuho
4dfo, iddeifft-. tiuicuto do governo.
Art. 'j T i'itadas acerca
do presen das sem n
su algn*, por adoa pelas par-
-s, 'i* quae< ti discordancia, nomearu
um desempata nSo convierem
npaudor jera efc nomeado pelo presidente do
ir:hun;i< do caminan
t E hmdo o coBtractante'William Richards acei-
tado as condol 's ac4ni:i esti;i ladas, e havendo
p>g.> n* recebad s\i de rendas iij'eiii is a quantia
V 3001, como ae 't di verba, lineada na guia
que se h" pasma e I-a archivada ra secretaria
d.Hf"..ID, mando'] ii mismo Exm. Sr. vce-pre-
sid>-iii) iavrar o pr -ente, tejrmo nm que assignoa
cmii i contratante, o Dr. procurador sral da the-
s uiaria provincial, o a* testeinunltas abaixo'as-
si fnad-ij.
que. M-crer ,ii,i ni! -rio lo go'erno, o liz csrrever
e accrescento, por urdein de S. Etc. o Sr. vca-
p tdeate, amis a ron,dic,5. sejuinte '..(no lira
pr..ti.b(fo tere roso f rmeiCimio de gaz aos
panir.'.lires durante o lempo la durado do pre-
vn> intrato. :. accnrdo com a parte contratnn-
le.Francisco de h&xit Pereira Rocha.CypriltM
Fmelon Gneies Alcoforuda. WiUiam Richards
BiM'-do injusto de (Hiveira.Dr. Manoel de Ft-
gtuun Furia.
PEHNA.IDO DE XORO.NHA. Por ordem da
prosfcVnefa da provincia, foi transferido para o
li i t> hi crrante a sahid, do vapor da compa-
nhi* Per latooneam, para, o presidile Fernando,
OOUS DE JLHO.Damos em seguida a acia
di sulemnidade celebrada na igra ja do Espirito-
Santn, no du J do frrente, pela sociedade bahia-
i d.*t-a renmnii
uiou nos oom am santar de um sen trabatho I Triuo Francisco Torres.
5. Mil. El-rel D. Luiz 1*} Antonio Pinto Gnimare*.
I Aatooio da Costa finges.
I FirWtoo Ferreira.
Antn o Ja d Jos Soares do Amaral.
le J. Moreira.
Antonio J. Marti os.
Rodflt nieto M
Jos da Costa Bi-
Zqf'iao Io-p" da CosW Maia.
lito A. S. M.
{Jos Qmnisfu.'s do Csrnio e Silva.
xeira fia-tos
Cario* di Silva Araujo.
Laureola Jo- de Frailas.
lofleslv.s.
Antonio ilves I.ebie.
P*wiino*Antonij Sonto Maier Rapos*
Antonio de AlDuqueriue R.
Sfoa-Uttn AntTiiu IVreir;1
\i.umM V. F.;r.eirGomes.
Jos dos Sanios Villana.
!"i-wjw liaMiaz. r ppiu .le Gonva.
Jos Carneir Pinto.
Manee! Ferreira Barbosa Junior.
ititnes PrHra'Brs.
G.inoives a Suya. Bnto.
lazem os pnrti'-ulares^le^rna-se i"..rfds oVilins ixfo'W'Vttitfiilmrn.
peior; onde ir elle pararfi sendo rd'eito, como e, Bernardo .u,,.;liaiio.
pHa empreza da liuipiia ? '" M-
Nao ser i-*to remediav^l ? Ser dwmmI que to J. iloM.deirns.
otrl.ar
Terqa feira. 5 de Julho de 1870.

e DPMaria I boyf.
O trabalh.1. qn um'melaihao ted
soaag''Us m haixo relevo, tem acabado e
n*"": as- honras- doapFero.pnbtiCo, a
quem JQni:iu'ndamos. Diversos e. di caya|1 i o conhecem, e tua
niao est 4e aeeor a nossa, e com o ojie
diz o Augreuse Je 17 de agosto d'WW n
guintes Dlavras:
< 0 Sr. Antonio luilio Mooteir, lsta di
to, offereceo sta lypograpbia urna niedalbj
gesjo represciiiaado. Suas MagesUdas o Sr. D.
Luit I e a Sra. D, ^ana Pia.
O trabalho quanto nos f xeeriante, p i?sla.
i';1* que mijitos ravalheiro do aais
d(u trra lm apreciado os primom-
Ihos do Sr. MontaiM, nai duvi lando ac
ama mdica e bn nterteWiP'offerta, -nwlta N*i-
branga do Sr. Monteiro. E' distincto o ani
disiincto qoem o codj*ra tao generosajnente.
OHP.AS PUULICAS.Chamamos, ctxu ins& atten^o do Sr. Dr. director da reparticao de Sras
K o Rtias FrWrcrico de Atmetlh o_Arhnq!icr- pnbricas para- rrntwto pnrqne se est re poro as
podras do calramento da cidade as ras onde
se est asseniMido o eocanamento da compaohia
da limpeza, da cidade,
O ca'cameiito de osas roas ja 6 por si Tnesrno'
dafeituoso; com as, alta/ajotes coni.mtes qaa I'ie
os pjrrfcrufares^fle Torna-se lifds btri
ti i
Aos d ius dias do mez do j;it!io do anno do
na .-.iit-nt i de Nosso S^nn ir Je-us Christo de
1870, nesta cidade do Hecife, capital -da provhnil
de Porns'iihuc>. Sa Ifi^eja do Divino E->:rito San
ti, onde a achav.im prssaatat o 14 n. o Es n. Sr.
dsembarg.tdor Francisco de A^si< Pereira Rocba
vic prwi lenta la provincia o Exm. Sr. vi.jarlo
eapii I r, i Exm. Br. g^iicrr-l Joa^nim Jos GM<
(aivcsPu i nandante la- ivrmafi da proin-
ca. capitode frisata Angnto Cesar Pires 'le Mi-
randa, barrio fle Utinga, m J r Jov Lniz Pweira,
rnito J s lo;\ jiiiin Oaetbo, Dr. [gyeio Aleibia
d t V-lloso, Dr. /. Augusto dos Santos Mello, Dr.
Ayres Gama, tenente coronel Pinto, padre Tne-tre
visa lor do cmvento do Carmo, Joao Martins dq
Rio, J.iiquim Gil$en6 de Mezquita. Dr. Pedro de
Ailuyle Lobo Mo--oso. oronel Rodolpho Joao Ba-
nta do Almeida, Dr. Bernardo Pereira de Carmo,
Virf-M'.-.n i Paflaaes, conjmlssio do Gabinete Por-
tiiKiicz de Leiturn. comniaSfo da Soetedade pman-
cipadora, lili do Club Popnlar, dita da Minerva
Pernanmuran?, dita da sociedad Vmte e oit de
Ja lio, c ironel DoiiKngos Altes Matheu, prosidpn-
14 ,) tu s lieaa l?, Manoel Pedro de Rianide Fi-
lh.., secretario da mesma, e bem assim a eominis-
se dir clora c grande numero de socios, alera de
umitas utras pesn distinctas, aflm de comme-
m rar o graod.vtli.i d i independencia da Bahia,
eeJeor u se B:na inis-'a solemne, c un nma pra-
ra anloga anaets pido Km. Sr. ;v:ire m-sire
J ido G-ego, linda a qual entregou a mesma socie-
dade, por MUatruuiu d> berdide, ai seg i les pr anca0, sendo II al-
foirial.i.s pe kiVma anefidba s urna pela il-
la-tro bahian.i a Exm. Sra. E Ignez Martins do
lo, !i;ua censorio do I!lm. Sr, Joao Martns do
Iti, en commemora > do 'glorioso diada sna
provincia naul,: *o as cranlas :
zaM, parda, naseida em junho de' 18SVtoap
-vi. ,i 31 dpjulfto do mesmo ano, na matriz da
Rja-vista, nma de I;moi-pnca, cscrr.va de Pedro
Osorio de Cerqueira ; Antonia, naseida a 12 fle
juah) do l8o"8, baptisadi a 18 de ago-to do nnes-
oanno na villa .!> Clbo. fih; d- Eolia, es-
cravi .1 J i. rn A''i;ni ln Cnsmo; lua, par-
da, ua-ci l.i a'7 do" J.-zumbro do 18f7. bapilsada a
15 .:.' atisil da 18JS, ni regjiexia de S. los, fllha
ue Gero.ira Maria Ja Conceiejio, escrava de Baria
i i de & o ilbnauerque ; Lniz, pardo, nasciflo a
19 Je ag:.sto de 1809, baptisado em ^niubrp^ do
raesmi) i.nwi. na freguezia >'.o S. Jos fi'no da par-
da Rosara escrava ae Henrimie da Silva Menezes,
mais as seguine>, .|p r^ceberam no dia de ho-
je aguas do bapUsmo : Manoel, semi-branco, Bas-
cado a :t denno de 860, rtlho Je Valeriana es-
crava d.1 MatliiM Grjnada Foncfic Pinto, icndo
pw padiinbu j Exm. Sr. g. iiial J. aquitn Jos
GmcalvesFonts ; e Mara, muala nasciia a 8
do aeze nbro d< 1869. fltha de Iddora, csrrafade
Aona il-iri i da Suva Braga, sando bOU |>adrinho n
coronel Di.ngos Aive- Matheu- ; Angoste, nas-
cid. a S de Janeiro do 1S70, par>, tubo de Virgi-
nia, esa*va" de Autonio Carneiro da Conha, foi
padrinlio o Sr. Joaquim dos Santos Azevedo ; Ma-
ra, nralat, naseida a 8 de dezembro de 1869, fl-
lha da parda Mari.', escrava de Jos Antonio Pe-
reira de Abren, sendo [adrinho o Sr. 5Jo- Ma-
itions Ferrcira ; Francisca, mulata, naseida a 7
de abril Je 1870, (Iba de Emiliana, escrava de
Manoel Martins de Carvalho, foi seu padnnho o
:.n. Sr. Dr. Ignacio AlcibiaJes Velloso ; Elpidia,
naseida a 23 de abril de 1870, i|ha da parda Lui-
sa, escrava de Herminia losepnina de Oliveira,
lendo |r padrinho > Sr. Victoriano Palhares;
Maria, parda, naseida a i de salembro de I8fi9,
Hu da crioul. M.'ria, escrava do Ulna. Sr. Juo
Martins do Rio, que gratuitamente a ofTeriara a so-
n Jade, sendo seo padrmhoo Illm. Sr. capitao de
fragata Augusto Cesar Pires de Miranda ; Am-
lirosiua, na-cida em setembro de 1869, parda, lilha
< Morberta, escrava de D, IzSbpl Agusta de S, e
Alhuquar^ue, e leve por padrinho o Exm. Sr. v-
presi L-nte desembargador Francisco de Assis
Pereira ll>cha.
c A sociylade patritica bahiana Dotis le Julho.
res/lvii q.ie na presento acta fosse mencionado
lo Livrameuto, pelo offereciment voluntario que
Ibe fez da quantia de 100000 para o augmento
do numero das creancas altorriadas; p ao Illm.
Sr. Jo io Martins do Rio e sua Exraa.senhora, pelo
acto de verdadeiro patriotismo e philantropia,
concedemto a liberdade, no da da independencia
da sna provincia, Maria, sua escrava, J men-
cionada n sta acta.
Em seguida forano pelos oradores das eom-
nu-uSes presentes recitados brilhantes discursos,
sendo por parte da sociedade Emancipadora o
l'lm. Sr. Dr. Gervasio Campello; por parte do
Cali P..pu!ar o Illm. Sr. Dr. Jos Pinto de Oli-
veira ; por parte do Gabinete Portuguez o Sr. Dr.
\iiioiii. Pinto da Silva ; por parte'da sociedade
Vinte e oiio de Julhoo Sr. Dr. Joao Vianna de
Mello ; por parte da Minerva Pernambucana o Sr.
Dr. Luiz Accioli Pereira Franco, e por parte desta
Miciedade era agredecimento os Srs. Dr?. Eduardo
r.ain is e Arislides Spin la.
t B'!is:mas poesas foram tambera recitadas
fe! is Srs. [)r*. Aot nio Pitaoga e Guimaraes Bap-
i, eiiHiprimentando em ultimo logar sociedade
> Sr. Paritio Valladares.
Prado o que, deu-.-e por concluido o referido
acto e para oonstar, eu Manoel Pedro de Kezen-
de Filho 2 secretario, lavrei a prese te acta,
que ser assigna'da por raim, pelos padrihhos, pe-
ios so-ios e mais pessoas presentes que a uso se
queiram prestar.
ANIVERSARIO.Gompletatam-se bontem 106
minos que se realisou a" independencia dos Esta-
dos Unidos da America do Norte.
COMPAA DO BEBIfHBB.-r4)s accionistas de-
v-iu reunir-te lioje ao meio dia, em as-embla
^ ral, aflm de deliberar sobre as contas do rano
liado, e apprwar o orcaaento vindouro.
PIANOS.Do Journal 0/flciet de .Bmpffg Fran-
jis tradnzimos o seguale:
Por oeeasao da recente condecorado, eom o
*rro de Civalleiro da LegiSu de Hmra, do Sr.
Kust, emprgado ha cerca de 50 annos as prin-
cijoes fabricas de pianos, e actualmente eontra-
mn>tre em casa dos Srs. PhHrpne Her, Sobrinlie
tt C, nra grande numero de artistas 'flssa indas-
iria, foi secretaria do ministerio' das Bellas Artes,
wdir ao respectivo minisfro, o Sr. Mauricio Ri-
rlurJ, serem admillidos presenta do Imperador,
i de agradecer-Ihe a honra concedida sea
Contra-mostr.
Tendo 3 M. acolhido favoravetmenle o pedido,
n.iiacoainissao de artistas foi ^presentida pelo
ministro das Bellas Artes ao Imperador e expri-
mi Ibe, pof meio do sen orador, o profunde re-
aciment e eterna gratidSb pela subida honra
iMiicedda.
t S. M., com a sua costumada affabidade,
coaversou largamante sobre a c.mstruccao do pia-
ses, imparlaucia dessa industria, e declarou lar
calido o habit de cavalleiro da Legiao de
Honra ao Sr. Kuust eom summa satijfac^o, e que
i sempre proraplo premiar o mrito, onde
r que elle se occulle.
TRABALHO ARTISTICO.-O Sr. Antonio Basilio
Monteiro, de quem ha lempos fallamos nejta re-
vista, noticiando a chegada Pernambuco, obse-
as bras ,.ubficaS nao tetina raeio para
es ernureiieiws do esigflto e limpsza reprem o
caitamente em seu primitivo estado I
N'esse andar, dentro de poneos nnnos, esse mal-
fadado .:a lea i liento, qte tantas renens de eobt
tem Piir-udo i provincia, a tantos rlMjatoa Ibe
tem dad i, o.-l.vr compl"tamen!e arrmnndnf
Pobre iirovincia I Has de soflror omqnanio fo-
ram cu:-.tetantes de las obras os prevegiadissi
mos rnijlr-.L-s! Ft-ii>rs''lioinen.sl
PROCLAMAS.Foram litios no domingo na ma
trii la frcgiifzia de Santo Antonio os proclamas
ioguintes:
1.* denunciarlo.
J.'suin') fos de Jess, com Maria .'hi-tina Leo-
poldina.
Pedro M irques da Silva, com Amelia Engema
.lo N.:si-i'oori!:i. .
Joaquim Jos de Sant'Atina, com Jaeintha Mana
de Panla.
Jeronymo Carneiro le A*tmquerqae Mar.anbao,
com Amella Leopoldina Ferr^-ira.
Antonio lonqnlm da Silva Lopes, com Llaudlna
Maria dos Santos.
2.' d?nnnriaco.
Joao Alves $* Aquuio Wandarley, com M^rla
Pnixo das Virg"n= Ranos.
Antonio Alves de Aranjo, com Aflna Jaeinlha
de Mittos.
Francisco Elias Ferrrira Osmim, com timbe! na
Maria ffo Bom -Parto. .
G'tullo V.l'riano i Ncrontra. com FtTomena
Maria iffl Jstts.
nOS'T.vL PSDP.0 II.0 movirpeuto Ae$
tabelecimenl Je 27 .'.o junho a '3 de julljo, alefn
de 233 doenles csistcn:es,entraram i'', sabiiam
.21, falleceram 6, exjstem 2i6, sendo i5^bom>ns,
e 91 mulheres.
Advertencia.
Foram visiuida* as enfermaras nesles das as
7, G l/t C i 2. C I :, 1/2, peto Dr. Ramos: ?
12,11 1/2, Jl i/2, !1, 10, *l% 9 lrf,.pf-V
Sarment.
, ,; Fa.Ueeidos.
ftabino ; cute ule cniMuica,
Manoel Liizd.1 Silva ; i::feeio purulenta.
Antuaip J i-e'll .rtjintj; ^jiohciaioato c.ot\!i-al.
Miguellaayi.juuJo ap.d.:ia. ,,.,
Igarz Mana da C Weicaq ;,iast flicteflsia. da.
vulas da rente.
Drj)iaua iJ,.n u,uu Zfatfj LE1LA.0.Hoo!js ,'i hora*, eia ponto,parle
da ra dalfinespo o priineio oranms quesarvi-
r de. transportar i Cunar rentes ao leiie da
Passagem Mandona, as 10 i/i oras, parte da
prac* ) Corp Sanio o sngaad, o qual nobm
as 2 1/3 horasda larde cam us meiaoa: itoncor-
r.oites.
P.ASSAGEIRO.Vtrtfl do R*e'8rahde do Sol
no brigite brasileiro PUmtea :
Manoel Jos Rodrigues.
LOTERA.A fie se acha
I i beneicia da matriz d.iEsca'
Jia 7 pelo novo'plano.
Amonio Miranda l.opes.
Mawel Joaquim burwm.
Jo- Panto da 'onc'r.a.
Agoslinho liuiE Alves de B.
(Coninilam s assignaturas.
JUSTO PEDIDO AO III.M. SB. CORONEL COll
DAN+K SUPERIOR.
Pei!.p-?e que S. S. mando reottier o?
qc;.!inVa<;a da f.oguez:a ii 31 Vista, pnis/onsia
que alrda e acha aberta para P8 ir e^Uwen'
us nomes dos que i;n de ser aecrutad/s' para o
qfl.artelr'ent'j do balalhao sii o cismando do
lenrite-coronel discplmador chafo de sol, e
OQtSrok abusos e crines, como cosame em dito
batallan, que ser tr.zido ao e^iriettmento do
publico ; rio
Pil
o? fivs da
*
UliCONUEfif:
ASSEMBLAj
inAa.
5 i EXCFX-
.VLNCIAL DE
deOlinda julia
parque no seminario
do iqnefles que Wm
i5o ciadaes exem-
.
a vetid a 182'v.
da.aqualcqrre ni" (irem'U'M
NOVO JUNCO DF. PERNAMBUCO
SALAJICETK Do foV D.VXCO DE PRNAMBDCO Eli UQUI
DAC/O, EM 30 DE JUNHO DE 1870.
Activo.
Letras protestadas........
Ttulos depositados.......
Despezas geraes.........
Caixa.Pelos seguintes valores :
Em ouro amoedado. 949JM0
Em notas dq thesouro
e da Caixa Filial do
33:'iO3iO0O
158*579
177-.71350V6
5:l3172
8r3,56:M)
Banco do Brasil
Emprata e cobre.
3V.3104I89
222:7175937
Ris. '
PasjJto.
Capital...........
Emisso..........
Conta correntes com iuros. .
Contas correntes simples. .
Fundo de rserva........ 112:7435766
81:5595008
7:7.)"03OO0
4:i63|188
5:6263084
Ttulos era caucao.
Massas fallidas a cargo do Banco
Dividendos..........
Lucros e perdas........
5:1985172
1:5533407
6003400
2303620
Res.
222:7173937
4
DEMONSTHACAO DA EMISSAO
notas do valor de 2005000
21 ditas
17 ditas
de
de
105000
505000
4:8005000
i: 100*000
8505000
7:7503000
IIOXIE.NAGF.il DE
LENTSIMA
T>KhNAM7trC.O.
0 rei'or dij seiriH)ario episc
de seo. ind- elinavl ,feer dar/n.-n publico tesle
muifflo de sna graflfllo asrlbla provincial dP
Peniambuc i. e a caa um de/etM illustre* mem-
oros >i lar -lo donativo de 4:O0O5O)'>
que- fivo'r'doS epirs imilm-genUB edifieln
do inesmo scmiplrio acaba e ser volado na le
do npcamrtito.
Esta s.Jcitudc J:s dign/is rfprescntantos da
provinca, ao roestm ter^ ne faz honra aos sens
Mbrn Mffi irM/odoxia faz Igu .lmcnt
SibresilHr oa patridHi
eOlntla se estilo nepl
de ser ministros da rol
Wares.
Receba, portanto, a r/memerita assmWa os
Veteas slrieeres tolds de-rf^ormecimntoe gtotid i
plo!h-*i^hal!ido. fvitr 'que acwham de fazer ao
tatirli'ininento q"e tenjio a honra di diriqlr.
SeiiMfft pprfi^tffWw esta oeeaiw-aCi "ftir'ttfrt 1^1 v.to eon1iHrim*nto,f srarf.'
aq Illm. e Rvdm. Sr: neg Francisco Jos Tav**
refnHa" filrrnt qne Mreseop o reqerimento
hVattWlM* ass-nlW?, e que'"aWhimstra-
'cSa'dio-ii'.-ta.que fio-ssWameMe'Md c rtoh-r fcxw. 'e KV,I.SrehK)-"tle teiu dignairente t-;yitinriado','i',ese,v'9TtfWtr *
f-IIClifi^e pilrnat, ii' o mesmn trvtfm. Sr. tai
ihpsamente hi..-pen^ade dqtldirw que hm
'dta'tW d^ aasiil.it/ .i igreja na aptfheliea ibisa.)
de (*hi.-.r e representar as nidias.
Aghella *1bre crpra^'>, e *se-Vcnernda
i rn:is urati vez nianife.-to os'uieus
nonios de justa' sratidSo
Olidv r.os i de'jtllh de 1870.
Dr irgnr-w Lpparrmi,
-i.,.
s l.

\-
S. E. e 0-.
O guarda livros
Francisco Joaquim Pereira Pinto
LON'DON & BRASILIAX BANK, (LIMITED.)
Capital do Banco 15,000 accoes
de & 100................. 13,333:3335330
Accoes emittdas 13,000...... i i,555;S6555o0
Capital pago a 45 por acooes. 5,200:0005000
BALANQO DA CAIXA FILIAL EM PERNAMBUCO KM 30 DE
JUNHO DE 1870.
Activo.
Letras descontadas.......... 1,498:012*000
(>edilosdiversos,outros bancos
e caixas filiaes........... 1,352:8143540
Caixa:
Em raoeda corrente......... 575:4593460
Rs.
3,426:2865000
Passwo.
Capital fornecido pela caixa
matriz...................
.. Depsitos:
Em eonta cor-
rente...... 358:7335650
Depsitos fixos
e por aviso. 1,125:303*539
Crditos diversos, outros ba-
aos e caixas Jiliaes......
R8,.......
888:888*890
1,484:0375170
1,053:3593940
3,4262/i65f)00
E. O.J.,
Pernambuco, 4 da julho de 1870.
T. Wilkinson,
Accouutant.
PUBIICACOES A PEfHBO.
,,,. ..-....,,. ........,....... |MM
O escnlptor Antonio Bazillo Monteiro vem por
este meio 'dar um pnblico te-temunho da sna gra-
tidlo e recohecimento para com os cavalheiros
que hooveam3feito a honra de Ihe aceitaren) a
sna obra em escultura, constando do baixo nievo
era gesso dos tratos do SS. MM. el-rei o Sr. D.
Luiz I e a rainha a Sr. D. Mam Pia de Saboya.
Exjns. Srs. :
Barao doXtvramento.
Candido Alfonso Moreira.
Comraendadr Lima.
Joaquim Antonio Carneiro.
Antonio Borges da Coila.
Manoel Francisco Pocas.
Francisco Antonio Mala.
Rufino da Costa Pint.
Jco Soares Monteiro.
Antonio Maia de Brito.
publico
montan ha e pari
um rato
.V Iin. c;-u).,ra municipal de Cimbres era Pe-
ojielra, oppi i a Jeiiiarca.;5o da propriedideCa
Jmg, rnqaerida pelo abaixo asignado e seus ir-
maos, envidauJo mdo gianftpndia surgir na men-
te do u advogaJo coisJi;uido ; linalmente, bor-
rou-se, isto den com es burros n'agua, na au-
diencia que razia o juiz municipal 6' supplente em
exerco, no sitio Barroca*, averbandd ao mesmo
juiz de suspeito, som aUender as formalidades le-
gaes para esso acto ; peto que nao foi atteuditlo,
o que deu lugar a um estupendo aggravo dirigi-
do por aquelle advogado ao juiz de direito ; ca
hio tambem e?se aggravo pela judiciosa sen'enga
dojaiz de direito, abasta ver um dos trechos
daquella judiciosa sentenja para ver-se e conbe-
cer-so da raiva e precjpit.cio com que obrou e
va obrando a illustrissima, no curso dessa de-
marcaejio: oise trecho que vou trapserever,
qual outra espada d- Alexandre ; cortando pela
raz a insipi.la chicar.a com que se pretenda I-
ludir e Jemorar a fallada demarcafo, ei-lo :
Nenlium aggravo fez o jmz aggravado nao re
conliecendo, de contormidade com o disposto no
aviso de 23 de junho de 1834, > suspeio pela n-
terlocut. ra de folhas, lirmanJo assim bem e leg-
timamente a sua competencia, teme outri cuusa nao que o poder legitimo que
teve de exercer a sua jurisdiccao sobre os auto-
res, e compel ir at por seu advogado a respon-
der peranle elle, para proseguir na causa, una
vez que foi a suspeicao, a toda luz,, opposta mal
ciosa, ille^al e incompetente, e como lal compre
hendida, como ensma Silva Caroat as pagina
98, nos termos da Ord. liv. 3 tomo 21. \% 25 e 26.
pague o sggravante as cusas io retardamento. O
^senvo desja os autos ao juiz quo. Villa do
Brejo, 23 de marco de 1870. Joo Aives Bereira
de Lyra.
Desmora Msada edoimora da om seos projectus,
a Illustrisirna, valcu-se de proclamar por seu
maravilloso edita!, forjado aos 11 do corrente
como nm dos seus ltimos arrancos ; e para que
o publico lea e sa iba-que nao vardade o qoe
dizquelle monstruoso e.dital, t abaixo assgnaJ..
vem raotrar a legalidade da demarcagao. porque
foi ella fetacora as formalidades da lei e por um
juiz competente ; competente, porque pesso
constituida por autorida.Je publica para adminis-
trar justiija, como diz Moraes Carvalho no cap. 4o
60 pag. 37 tomo Io, e as primeiras liohas % 10,
pois foi elle constituido juiz municipal 6o supplea
la pelo Exm. presidente da provincia, como coos
ta de sua nomeacao ; ainda competente o juiz
municipal 6o supplente, porque diz ainda Moraes
Carvalho capitulo e temo dito 61 pag. 38, o juiz
pode ser leico e continua no 62 pag. 61 o juiz
deve ser eidaJo brasileiro, cinttuijao art. 197
14; e o decreto de 31 de outubro de 1831, diz
que o juiz deve ter 21 annsde idade.
O juiz municipal 69 supplente foi nomeado pelo
Exm. presidente da provincia, jorque cidado
bracilero, maior de 21 annos, e poique nao pro
hibe a le que se.ara juizes os nao formados, e
ainda mais o juiz municipal 6 ssppleate, .com
ptente, lando-se o trecho da judiciosa seatenca
que esmsgou o aggravo ; dea pois provado que o
juiz municipal 6o supplente era juiz bem consti-
tuido quando fez a dcmar(5ao da propriedade
Cadrog, requerida pelo abaixo assignado e seus
tr'mSos, que o iriesmo juiz nao poma deixar de
assim obraf, visto como a lei pfotnbe aos jnles
de rebnsarera-se, demorar a aministracSo da jus-
tica e as providencias de seu offlcio que Ihe forera
reguerdas, Meraes Carvalho cap. e tmo do
g 69. p. .42, e 6" do art. 129 do coi crim.; por
tanto o juiz municipal 6 supplente nao poda dei-
xar, sob pena de responsabilidade, de despachar
peticlo dos demarcantes, que multo bem reque
eram demarcacao de sua propriedade, no sentido
mesmo da despacho do Exm. presidente da pro-
vincia, que mandou que os snppientes recorres-
sem ao poder judiclario : o qae joitameDla foi
pratieado, reqnerendo-se ao furo ao jntz nompe
teme para seraalbante acto.
J v* pois a Illustmgiraa, qne o ioii, embora
leigo, fot bem e legalmente constituido, e o ser in-
teiramente adaptado a vontade dos demarcantes
como diz a illoMmsiroa no seu famigerado ediul.
isso urna falsidade e aleivosia rtiha da peconha
dos que o assignaram; preciso que pro vera pan
convencer, do contrario passar, como de facto,
p. r brnxaria I...
Os demarcante lera ttulos legaet no veatre
dos antes, nao manos de qiiatro, em como Ibes
pertence o terreno que demarcaram, alm de dous
documentos forneeidos pela cmara e tirados do
mesmo archivo 11. e a Illustrissiraa actual, que
ta ter para"
smaicado ?
se chamar
Isto qne i
seniora
teo duas leguas de trras qne
patrl-
mtra para ralo-
documentos jnl
d'ssse terreno
Essa III i
(he Caraiii
mooio
res, quo se lornarem. dignjs o merecedores dessa
gr^ca I ; do sitio Rarrocas, ao nascente
para Pl ule, e d'ahi o
Quertiiad^?.
Ora, se V. Ext., Illastrissima, tem doas
do Ierras quadraUas e os demarcantes nao asi
a oetn as qi ta ttto ?
est satisfeUa anda a UlustrUsftna, em gosar da le
pnj Jesigoida para novos moradores?
Na> por ceflHpv qnq V. Exc. Illutrissitna^^l
saltado'por cima de tiido ; tem lraspa dos seus limite-, vindo poucar distancia1 de qm
se quatro liguas do sitio Barrocas, principio do
do -eu patrlmoni. para o lado do nascente ntTlri
gar Isabel Dias, aflorando all um t-.-rreuo a Joo
Gamillo9bciel..-. mnita-innocencia Loa f I
DigaHWs fustriasima Wxma, nma eoiwa,
que leguas faig i Flexeiras, ponto termi-
naote do- seu Pili itn.'.nio Inb:l Dias ? E qtnmttr
qu.'r me seja de Flexeiras a Barrocarf
A flustrissima taxa de tumultuosa a nossa de-
marcacao !... tumultuosamente tem pratieado a
JlltiMnsfima dando por paos e por peoras, pedin
do v -la i!a demrcelo antes della come^ar..pry-
e'lamahdb -por !Alif>?-- < representando ao F.xm.
pre-ioente Ja e y|> quo corro contra
o jmz m'n'ofnpal h sappente, com o (Itn de su*-^
peiie-lo do seu 1. gal axercwo, como se o dign
administrador Ja provincia estv ;ssa disposto a a-
tisfazer a s. Exe. Illastmeima, em lodos eae-
seiu desvanes I
^3e^n duvida nao foi a luUrissttna attendida.
porque felizm-nle foi concluida a^dmarcac" !
qui) falalijade para a Illustrissiraa f ..:. Permuta
que# aqi se estampe o xialoso anexim, tarde
piasies raen pinto nueilo !.,e queresdo, a Iflns-
trisiiiua, .por fas e por nefas, am terreno que Ihe
nao porlence, estranhando qne.os verdadeiros se-
nllores queiram vender ssse terreno depois de li-
quidado I Esia boa I
Se V. Exc. Illustrissima lera o direito impres-
crepiivel de dominio e posee nesse terreno, como
diz no seu afamado edtal, prove-o, e para isso a
aconseWw, qne espere e ni m aprovsil* da reti-
rada do jaiz mnniripal uDr. Jol Vieira de Aran
jo, poia umacorporacotao illnstre como estaan
lsra o era tem medo como cs pobres pelos
bens demarcantes /
Quem se julgar prejudteado em seu direito,
proteste perame a Illusirissima, para niio correr
algnina prescripoio, tio requeira a jais leigo ;
dwxedifiKar o Dr.ilofio Vieira de Araujo, por-
que -pelo qoe^i illastrissima, jaiz sem snp-
pientes Uto irriawiol..: r... e.-t...........
Agora Illustrissiraa, dixe-lhe mostrar que a
mesma escriptura de Oadrog' umacriptura le-
gal, um doclnnento atttlientico e um instrumen-
to pnblico, e ?e V. Exc. nao conneee ao capitn
Domingos, comprador a Ap/>linaria, tn au tenho
dfso cnlpa, e seo desejar couhecer, recorra aos
meninas'da Candinha. '"
Dock ment f avthentieos.
Ihostriseima, sao os eacrlptos por offlcial pu-
blico dbovaas-jteiiMiilAdes iegaes; osquaes se cha-
mam m*trBeTHnR, Moraes Carvallio tomo 2 cap.
19 tu. VtttA' 448 paiz. 69, potbier, tratado das
otorigafoes, tonro 2 n. 292. primeiras linhr.s, nula
4S0; anda d Mimes Carvalho rio capitulo e lomo
thto 462. n. 3U e ord. liv Io ag 78 $ 2 liv. O
l^.'25. 29 e 59 qne as eecripluras exirahidas
da nota do labelbao sao consideradas in>trumen-
fcis prblieosj; ora j v qute ptmeo importa' qne-Aeja
ou nao conheciJo o capitao Dotningos eonvpraA^r
a Apolrtwrla', ld'mais se V. Esc. arha quo Sisa
escriptura falsa, prove-o, a se nao 'sabe saiba,
q-.K' reg!a dBdfraito.
ine-posfli* urna 0116* na obrigado appro-
viurl^t m Ir* po-tWrtee^-'9'-s#'Te|tnai swhnr -n'
qna.'MO-^e iMaui|Tfarf-,' Manaes Car
vulhii, *(iilulot?' Wmo dit, 1390 pag. W, Berln
lorio de Jiris-prndancr.i o. 3, seganJaJinha*
rwv898-n'.sa es-
caiptwa spr.Mii.iJ da-falla de alguma f.wmalida-
dH ntat^le/dn^Mr de ser um verdad -ir instrn-
ment publico e anihentco, e uma escritJlni'a rer-
dadwh eH|ral!'l'plo qWensiua o me-m.y Moraes
Osrv.iltionofHpitiiiiOe toni# ditof 884 ermta 287".
tirimeiras nhas'not 4.;!'!Dr}reso porttiguei, to-
mo'4 n. 993.
As copias antigs, anda que distruidas de al-
gfsas formalidades, taibtitt: consiJsia antlga as
copias quando exeolom de 30 nu 40 annos; ora.
rendo escriptura defBadrbg 01 annes, ((ua foi
ada aos 33 de setembra de 1809, claro que
na i pode pa^sa:- por uma ose; iptura faisa como
qier a Illustrissima !
O que verdaJe que nem a IltustrisstaM e
neni qualquer que tenha bgodes retorcidos, d ea-
paz de contestar que n&o somos senh r.s de Ca
drdg e Sororoca, pois isto mais velho do que
S de Braga, e quem flzer nma dse iberia em con
trario, Ihe dou um doce I pelos nussos trabalhos
agrcolas, pelas nossae moradias, est provado
que uns morara e trabalbam em C.aJpg a outros
traiialham em Cadrog e! moram em Sororoca,
porque isso ? porque somos.seuhores de ambas
as prapriedades; e em quanto a Illustrissima se nao
digna pmvar o contrario est dito o que fu-a.
S. Exc. Illustrissima, nos ameaca com o recor-
rer para o tribunal superior, a que entreunto fi-
quem dessassombrados os seus amados foreiros,
to malos, cuitados, que um pobre que s gi-
gante em suas idea', porque sao livres e inabala-
veis; porque deseja o progresso e escarnece da
vara dura, ou de ferro dos oligarchicos de Cim-
nres, nico neceado, que era de foreiro do sitio
A^ac, foi expulsu daquelle sitio, mais como era
essa transferencia para um entro foreiro pai de
um dos membros da Illosirssima, nao se encher-
gou diante, nenhum obstculo O que queremos
que conheca do nosso direito os trbunaes supe-
riores, como bem seja o egregio tribunal da rea
Qo, qne dando a cada um o que seu na admi-
uistraqo da justica, nao considera a Illn-trissirna
mais do que a mini, que nada sou. Peca a illus-
trissima a Deus e agarre-se com bom santo, para
lha nao succeder cousa igual ao aggravo, que os
illntrea desembargadores sao todos formados em
direilo como o o juiz que julgou o celebre e me-
moria vel aggravo de eternas luminarias I...
Nao me diga a Illustrissima : vol, expressao do
sen Ilustre advegado, na audiencia de 10 de mar-
co, porque eu Ihe direi: tib. Em quanto ae mais
do que consta do singular edital de 11 do corren-
te, desprezo por banaes.
0 r.osso direito ser discutido opportnnamenle,
enlao ser tndo combinado e devidamente contes-
tado. Al o presente, isto ao fazer desta, nao
vi ainda a vantagem to resulta o das grandes pro-
messas, no semillo da se nao demarcar a nosia
propriedade, asseverando-se at, que essa demar
cacao nao corra, para que o governe a mandara
empatar I... umitas vontades se perdem nesse
inmenso espaco...; e por esse modo illndindo-se
aos credores foreiros; Analmente toda asa pata-
quada, todo esse estrondo, todo esse proposito de
se guerriar e trahir, nvertendo-se a verdade das
cousas e dos Tactos, den em zero; pois quando me-
nos se espera eis qe surge o ratinho tao atordoa-
do do eslrondo do seu nascimento......e pelo
tenrissimo de seus orgos morreu convulso !..
coiladinbo do ralinho !.. a trra Ihe seja leve!..
amen.
Cimbres em Genipapo 28 de abril de 1870.
Agora que me chega ao conheeimeuio a inte-
gra da celebre a virnlenta representacao, dirigida
pela IHastrisaraa ao Exm presidente provincia,
assignado pro presidente o e seu crean I..
que unta importancia merecen do Exm; admiras
trador da previncia, quo mandan lo ouvir ao jnir
lunicipai 6a supplente, sobra quera tambem, a-
.qneile Sr. pro, vomitn sua culera, nao .assigqon
esse despacho Stmitneu caro Sr. pr-ure6idente
da Illustrisaima, ,y. Exc. um campiao I porque
assignou uma representacao monstruosa e desti-
tuida de verdade, porque dh aellas alm de ou-
tras muas asneirts a empoopetios, qaeojuiz
municipal 6* anppiente s se sugeou a fazer a
desmarcaco requerida pelo abaixo assignado e
seus irraos de suas trras da propriedade Cadro-
g, coa interesa rus castas, que e rustas. Sr pr,
sao essas tao avultadas e desejadas ? J.que V.
Exc. sabe unto, diga-me aaanto'fSinhoH o-juiz?
Aposto que V. Exc. sera ver essaeonu, nao. dir
o nem calcular; por isso s disse aqutllo na
sua representacao, para insultar a dillamar, ei-
perapdo sem iluvjja, que o Exm. presidenta da
provincia o attedesse e nmodasse iaforcar ao juiz
municipal 6 suppleaw, antes que lizesse essa to
Callada demarcacao,. que, pelo que alardea va a
Illustrissima, impuoha e contava qua saqccioas.
se o Exm. presidenta ; mais .felizmente S. Exc. o
Sr. presidente da provincia jio.,mora era Pesqnei-
qoedu 'jf en Ihe digo Uaur
par apodefar-se do que nao proprio contra o
direito.
Agora perinitia-me nma pergunta, nos demar
irp4.)ores por" que reqm
dernurc im terreno, que nosso em vr
tuda de escripuira publicas o mais documeutos
dados memio pelo archivo da Illustrissima, e o
norte, pgrj. ,qoe erla Illot-sini.. vndv_smntura
a nem otttro qua^uer tloenmenlo, diz ter posse e
domini" )8 (ju;l M >egue um.
posse e domini co.
rao ella o ; se ignora, u Ihe p-rddo de todo o
c irago, e se nao ignora, me responda, por cari-
dade, qual deve ser o termo de qne eu e os mais
que sooberem disdo, devenios usar para qnaliftcar
a V. Exc, Hlaalrhsima I Se absolutamente me
Bao quizer dar o'lormo. au pe^o erogo aos aensa-
que m'odefll'para que eu tamb-nl tenha nm
iorainho apropriado ao proceJimento dessa Illus
irissiaia, parahamal-a um pagador de asnrpa
oN.res I A Illustrissima nao pJe dizer a verdade.
tratando da quMlao da- Ierras da propriedade Ca-
drog, por M^uSb quereudo estar callada, como
Ibe compria, ha de mentir e surrar, entendendu
que essa tosco e* repido seja capaz de persuadir
a aquel e* que sabem da verd .de e at.s que caram
a par della em vi?ta dos ttulos e documentos do
abaixo assignado propietario de CaJeog e Soro-
roca t No Sr. pro, nao crea nsso ; a verdade
! aja cun singeleza, pur isso que eila o
ornato
COMMERCIO.
mais bello dos que constituem o hornera
de bMn, e nao toe mcapada com lautos andrajos,
como Vr Exc, Sr. pi, a tem involvido, quando
trata de*MUaes e representares e da pena J
um hornera honesto, que se punge de praticar in-
dignida.ies, a que fogo de prestar-se a vuta'eBo ma-
nivelica, nunca sahio exprevdes filhas do"
cbo e destituidas de verdade, e de que mais ain-
da II. de falla de sciencia propria!... muito I...
Assim pois, j W o ir. pr.quenao soube otpte
'az e nem- o que disse, porque V. Exc. me conde-
ce-, e w rae nao quer couhecer, porque capri
ha b'isso, portanto nao devia procuraroflenJcr-me
e expor-mo pata com os que nao me conhecem ;
se fossem semeute suas palavras para aqni n usno termo de Cimbres, eu flao tomara o traba-
lho de responder, porque felizmente a 00393 ma
zellas sao bem conhecidas, e recebiamo* a devi.ia
justica ; ims como V. Exc, Sr. pro, pJe hcje.
comtudo at mesmo laxar precr ao miio que
vera ao mercado, ameacanJo com cadeia ao infeliz
que ousar vende-lo por mais do que V. Exc. llie
ordena; mandando presos de justica que se achara
a disposgao do juiz municipal, por sua. conta e
risco, para a capital sera a e rmpete ire guia do
qual juiz, ab... sim... agora ice leinbrn... o
jala municipal o 6 snpvleoie... verdade. nao
juiz municipal nra suppleute..., porJoc-me Sr.
pf, eu me nao recirtova d'es-a eircumstanca...;
pode vomitar sna colera sobre as autoridades re-
presentarMo conira e^las; mandando prender so-
guuda Tez, para recruta a um eiJado que. tend.
sido preso pdr V.-Exc. na qnalidade de 2- sup-
plente, supplente... do d; i-2-ido, bavia obtido
soltura por kabeas-corpus, sendo de notar que
essa segn la prisad foi canricln-a e violenta, que
foi arrancada a victima pela palmilla qno o prm-
dera alta noule, (on:e emeia horas) de dentro da
casa do advogado dos demarcantes, tiVfrngndo
assim o art. 209 Jo cod. Criminal e o 7* Jo art.
179 da constituidlo e 0 art. 187 do mesmo codig-;
o mais por Lsso se acha in-.nrso no art fS
do referido cdigo.
Euio o que me diz a essa ?
Felizmente V.'EXf. e 2 snppicnt?, e supplente
: ''"a.lo, por pie se o fos-e o juiz municipal...
a principalmente #'6 I?----- Virg-ni da Bont.
Hora I!... J:i: ha representado ao Exm. pre i
dente da provincia contra si jjroprio mas como
e snpplente, 2o supplente do delegado e nao
I'' do juiz municipal, transe Isvo>BV ser n.'.-to e justo, ou ser urna auto-
ridade de^qrip : marfa e -Dspoca ?
Para que tambem no pedo a S. Exc, o $r.
nesideute Ha provincia providencias contra ^sos
abusos pru icau s p r V. Exc. Sr. pro, na quali-
dade'de pro- pr-;.!,..,.3 ,]a niusfrissi 01, e como
V snppl.--n*e Jo ducado 1 ?ao estar a polica
f este tetmii'rf CimlireS o a rnunicipalidade no
caso de reprehendes ? Nao vai to mal executa-
d a lei por essas autoridades?
Agora combine esses factos praticados por V
Exc. Sr. pi, com o que tem feito o juiz munici-
pal 6 supplente; cujos ac tus tem s do sanccuna-
Jos por autoridades superiores, quando a ellas
lgum tem sido violento, prove-o
como cu provar i se quizer os seu*, que fieatn
estampados, e provavelmente laxando de usurpa-
dores aospJ;res proprietarios te Sororoca e' Ca-
drog, porque nao querera doar a lusirssima as
suas propriedades.
Nao sa feixe Sr. pi ; sendo sempre melhnr
dizer a verdade, todava a verdade tambera arra-
cha e machuca ? mas o que quer qua Ihe faga f
se aperar disso eu pre Uro dizer a verdade ?... te-
nha paciencia, j mi vio ?...
D:ga tambem de mira a vardade, embora me
maltrate, pois quem nao quer ser lobo nao Ihe
toma a prlle mas nao ma chame usurpador, so-
mente porque quero aquiilo que meu, m m me
faca tamanlia njustioa; enlao V. Exc. se reco-
iiheee habilidad a impedir-me da tratar do meu
direito ? Tib in manutst nefiatJ
V. Exc. Sr. Satyro, a me fizesse justiija, se me
considerarse um poucaxiio, nao viria to desapie-
dido me maltratar, cbamando-ine usurpador,
V. Exc. sabe que eu tive um bom principio de
fortuna, a qual tem deeKseido, entretanto, outros
que nao sao usurpadores, que uascaiam quasi
envi.i.,s com o p, esio arrotando grandezas I...
Ah Sr. Saiyro, V. Exc. est imitando aos Sa-
tyrus da mit.iologia, pois asa escarnecendo e
zon. bando da penle.
Tenba piedale de n', nao seja to deshuman.-;
veja que nos sernos pequeuinos ao passo que V
Exc grande, e alm disso pela posicio qne
oecupa na sociedade deve ser mais cavalhero
com os ent"s .lo povol... Vlete.
12 do m.io da 1870.
Pantnlrao de Siqueira Cavalcanti
PRAI'.A DOHEClFSl 4 DK JULHO.
. OE :
,.S .'{ 1/1 UOBAS DA TAKD*
Cambio sobre Londres 90 d/v 21 S8 d. por U,
banco.
JoMitipjW' Alfonso,
Presid'ntt.
Pelo secretario,
A. P. de Letnos.
Jf Rio de
Descoata letlras
Recebe dinhetro em conta corrente lita
lraso fixo.
5ua visu uu i -*so4oipe as ckladei
principat s da Europa, tera correspondentes
a Baha, Butcos-Ayros, Montevideo, Ne^fc
Ncw-Or'oans, e miite cartas de rdito,
jara os mesmos tacatas.
HUA DO COMMEUQO N. 36-
-Aneiro Limiteti
da prac-a taxa a cor>
\!.EA.NDEGa.
Jodia 1 a 2 .
de.m do dia i.....
73.ttWi8J6
&2U113
99;iOlAO(l!>
ra, e mais feliz ainda de nao couhecer discos-
turnes desta localidade, das. intrigas, deslealdades
e ambicoes, a que por isso ainda mandou ouvir ao
juiz municipal 6* supplente, que apezar de 6,
por aqu quem mais pique e faca.picar nesse
raaodaroenio! 1...
Disse mais na tai representacao, que os demar-
cantes sao usarpadnres I V. Exc. Sr. pro, sabe o
Cojlegio de S. Pedro de A'cantara, na ra
da Cadeia do Recife n. 2' sob a direc-
?ao de Joaquim Teiseira Peixoto Filho,
ailpmno da escola normal, ex professor
publico das provinuas de U-gdas e Pa-
rahyba com cio preparatorios na Fa-
coldade de ireilo e cora potentemente
autorisado pela directora de instrurro
publica.
Eslo fun^cicnando as aulas de nstruceao pri-
mara, secundarias e as i.oaturnas, desde o dia 6
de junho prximo passado.
A aula primaria limitada a 30 alumnos, e o
melbodo de ensino emprgado o du 3r. Dr Abi-
lio Cesar Borges, o qual nao admitte no ensino
palro.aloa.ias nos aluraims, e sim cousclhos e cis
tigos moraes, que promovam a emulacao e o gos-
to do estudo, estimulando os brios e a dgndade
da infancia ;. como diz com muito fundamento o
mu Uluttradj autor do melhodo.
O oullegio admitte em seu recinto externos e
raeios pensionistas de toda a idade, e at 30 alum-
nos internos menores de 16 annos.
Os pensionistas pagaro a meusalidade de qna-
reuta .m'rais, os meos peasouistas a de viute
mil res, e os externos a da cinco mil res pela
aula primaria e seis mil reispor cada preparato-
rio qne estudarem, sempre por trme.-tre aman-
tado.
DISTBIBUICAO DAS JATEKIAS.
MfflrTMENTX) DA AUflUDB&k
/olumos entndos co-i fazeudr-s
dem dem cora genero?
'olames sabidos coai fazendaf
dem dem cora gneros
3
iSf
------69
tO
83
----- 185
Descarrcgara noje 5 Je ji-.lbo,
Vapor in.u'lezSnp/ Brigue portuguez Laia Iraercado'ras.
rigue portuguezTriumphodem.
Brigue inglezCantrosdem.
Briguu inglez I) irabacaibao.
Barca ingleztFagasmercadorias.
Briguj inglez.Mai-.'Aomercaderas.
Imporlaco.
Patacho norte-ulltmmi Juliajuf, rinio de Ham-
burgo, consignado a Carvalho, Zeuha & C, mani-
feslou :
II caixas papel; .1 Bourgard & Baria.
7 Dtlas dito ; a Joao da Silva Paria i trmio.
0 Jilas iiiiu-lezas; a D. P. Wild. 1
i i diu chapeos ; a Joo Christiani.
1 dita drogas; a A. Caers.
1 dita espingardas ; A. 1). Carneiro Vianna.
2 ditas objtxn-K de barro e'ejpolelas ; a Ele-
van da Cunta Medeiios.
1 dita Bgnm Ae ionca ; a Joo Bamos.
36 ditas agua Florida, espoleta, cartas de jogar
e iVrra_ieus, lOOik. narras de ferro ; a Prente
Vianna & C.
23ugairaoes, 130 banicas, 500 frasqueiras e
121 caixas timbra ; a Ponseca & Santos.
8 fardos junco ; a 11. Xiomeyer.
'i0 ditos chumbo em lencJ"; a M-aron & ti.
:()0 d tos papel para embrulho, 150 caixas ge-
nebra, lt\ ditas rctragan vidros, drogas, miu-
dt zas, porcelanas, pliosphoros o quinquiihariaa; a
Qty B"bres. mmn.....
7 caixas rajml"zas e vdro:; a A. Lopes Rodri-
gue*.
200 ditas vinbA.aOQ dias *oarm9etl, 10 ditas
o lia, 3iH) k iralVw* e 400 frasqueiras genebra,
20 saceos iH'OBUIa, S7 tardos panul para embru-
ili 1. 22JO garra Bus v.-uii is ; x..z eunsigoatarios.
7i barrigas farinha do lrto ;. a C. A. Sodr da
Multa 4 C.
10 (Idas alpista, 50 saceos farello, 3P0 frasquei-
ras, !)o barricas e 2^ cixis genebra ; a Antonio
Jos !).......
rn ius. 00 garrafSes e iOO frasqueiras gene-
bra ; a J io I:'.naci da Costa.
030 part*5 do ferro, \ caixas ferragens e espo-
I las ; a Monhard, Metiler & C.
30 barricas, 100 caixas e 3W frasqueiras gene-
brt ; a Luiz Jos da Costa AmorimflcC
50) dita? e 150 caixas dita a Corsa Irraaos.
55 ditas dita- a Soares Primos &C.
l'O dita' a 50 rra*qnittB Jita, 10 caixas phis-
phorM a Magalbaes 4 tiorval.
(ECErRDOI'.IA m RBNDA8 INTERNAS GE-
BAESDE PF.RNAKBl'CO.
f>iW da 1 a 2 6:6264311
do dia *....... 5:048*881
11-.675419*
CONST-AfO
Rendimenlo do dia 1 a 2
dem do da 4 .
PROV'W.AL
18-G36JJM
9:889#2i6
28:4254884
mm
MOVIMENTO DO PORTO.
Director. Paiioto Filho.Ania primaria, das
horas da manha as 2 da tarde.
Professor, M. A. Mindello.Portuguez, das 9 as
10 horas da manha.
O mesmo.Laiira, das 10 as 12 horas da ma-
nha.
O mesmo.pbiiosopbia, das 10 as 11 Juras da
aannjia.
Dr. A. Gama.Franeez e geomelria, das 4 as 5
da tarde.
Dr. Jos Austragesilo.Rhe^riea, das 4 as 5 da
tarde.
Dr. E. Franco de S.Geograpbia e historia, das
5 as 6 da tarde.
Dr. C. Peregrino.Inglez, das 4 as 5 horas da
tarde. %
Aulas nocturnas.
Guilberme Rogers. Inglez, Jas 5 as 6 horas
da lar*.
Director, Peixpto Filho.Portuguez, das 6 as. 7
da nouta.
8 mesmo.Franeez, das 8 as 9* horas da nouta.
drico Cmara.Escripturacao mercantil por
partidas dobradas, das 6 as 9.
Recife, 1 de julbo de 1870.
Joaquim Ferreir Pemoto Filko.
Navios saludos no da 3.
Glasgou38 das, barca ingleza Tagus, de 247
toneladas, capitao Willlam Co'.k, equipagem 18,
carga carvo e outros gneros ; a Simpson
amburgn50 das patacho norte allemao Elerra
balito, de 150 tonelala?, capitao P. Popp, equi-
pagem 8, carga diflerentes gneros ; a Candido
A. Sodr da Mola.
Navio sabido no mesmo dia.
Narva (na Rnssia).Barca norneguense Capella
capitn Huberl, caYga algtdo.
Observagao.
Suspenden do laiuato para West Indies a
barca ingleza Norton Valle, capitao Weltshire
cora o mesmo lastro me trouxe de Sanios.
Navios entrados no da 4.
Playa Colorado (na Cakfooma) 38 das, lugar
nonealletnao Alerte, do l'.'S toneladas, capitao
\V. von Appen, equipagem 9, carpa la e outros
ganaros, a ordm; veio refrescar.
Liverpool^35 .lias, barca ingleza Minnie Gray,
de 348 toneladas, capitao I. F. Prowse, equipa-
gem 12. carga flereates gneros; a Mille La-
'tham 4 C.
Rio Grande do Sol27 dias, patacho brasileiro
Jurythy. de 178- toneladas, capitao Jos Ber-
nardo de Souza, equipagem 7, carga 13:314 ar-
robas de carne ; a Hezende 4 C
Ro Grande do Sal22 das, brigue brasileiro
Piincesa, de 188 toneladas, capitao Vslenqno
Jos Augusto de Farias, equipagem 9, carga
10:000 arrobas de carn; a Pereira Carneiro 4 C
Navios sabidos no mesmo dia.
Itio da Prata Patacho portuguez Sapho, ca-
pitao Amonio da Silva Pereira, carga a*sucar.
Lisboa Escuna portngueza Agma, captto An-
tonio de Carvalho Cotraho, carga assucar.
EDITAES.
Peraute a cmara municipal desta cidade es-
tar em praca nos dias 2, 4 e 6 de julho vindouro,
para sor arrematado por qunra maior preco offc-
recer, o aluzjjel de i*m taino existente no qpar-
teiru .lo lado do sul do acougue pnblico da ribei-
ra da fregueza de S. Jos.
us preteudentes devero se habilitar na forma,
da lei para poderera licitar nos mesmos talhos.
Paco da cmara municipal do Recife 30 de Ju-
nho de 1870.
Beato Jos da Costa Jnior,
Pro-presidente.
Augusto G. de Figueiredo,
QOlcul-maior servindo de secretario.
DECLARACOES.
Pela snbdelegacia de polica da fregueza do
S. Jos do Recife se faz publico que foi apprehen-
dido nm carneiro na ra das Cinco Ponas por nm
inspector de quarieirao, por ser encontrado sem
dono : quem se jolgar cora direito, provando Ihe-
ser entregue. Recife 4 de julho d 1870.
O subdelegado
Antonio Moreira de JUendonca.
Coiisetho de compras navaes
O conselho em 5 do corrente raes, vista de pro-
postas recebdas at as 11 horas da manha e sob
as condicoes do esiylo, promove a compra dos ob-
jectos do material da armada seguintes : 6 barras
de ac batido de popoca de 2 1|2 polegadas de lar-
go e 4|8 de grossu/a, 6 barras de ac batido de
2 I|8 polegadas de largo e 4|8 d grossura, 10
baldeadeiras de folha, 60 barras de ferro ingles

'4
.%


*
/
Di ario d ]Pemu nsbuoft
Terqa
ir* 5 deulkc
9
proprio par i grelli*. 10 lancee? de ferro de 1|4 de
grossura, la un 8 |
corapriaeotu e ti o 1 uculus de icauoe.
Sala das sessdes 4o eonselno de compras na vaos
! de Jnlho de 1870.
O secretario.
Alejandre Rodrigos dos Anjos.
COMPANHIA
DO
SSO convidados os Srs. accionistas desta
coitparrhia a rennir-se em assemblea geral
no dia 5 de julho vindouro, ao raeio (fia, n{
esriptorio da companhia, ruado Cabugn.
16, para, em curaprimento de seos estatu-
tos, deliberar sobre as contas no ;:nno finan-
^ceiro, e arpprovar o orcsmenlo vindooro.
Escriptorio da companhia do Beberlbe,
yo de junho de (870.
O secretario,
Dr. Prxedes G. de Souza Pitonga.
De ordem do lino. Sr. conseihetro inspector
publico que no dia 9 de jnlho prximo vindouro
irio praca, perante a jimia da mesma tjwcura-
ria, para erem arrematados por qnetn pflf menos
fizer, os reparos de que precisan) o pavilbo oecu
pado pela secretaria da capitana di porto e a co-
berta do ediQcio em que funnciona u tribunal da
relaeao, oreados o 1" em 1414900 e o^ J em
5J300, conforme os orcamentos que serio fran-
queados toa pretndeme* na se;retaria da dita
thesouraria.
Os licitante se deterao habilitar previamente,
mostrando-se ant'nucamente desembaracados e
quita, tanto coma faienda feral como coa a pro-
vincial.
Secretaria da thesourarig da faienda de Rernara-
buto 30 de junho de 18:0.
Servalo de official-maior,
Manoel los Pinto._______
SANTA C*SA DA M1SEKIGORD1A DO
RECIFE.
A Illm.a. junta administrativa da Santa Casa de
Misericordia do Rcclfe manda fazer publico qne
na sala de suas sessdes, no da 7 de julho, pelas
% horas da tarde, tem de ser arrematadas a queui
mais vanla;cn< offerecer. pelo tcmpo de um a tres
annos, as rendas dos predios em seguida declra-
los :
ESTABELECIMEMTO BE CARIDADE.
Rua do Padre Floriano.
Casa terrea n. 01.......177/000
Mera n. 47........171/000
Ra larga do Rosarlo.
2. dito do sobre*) n. 2i A. 400/000
Traversa de S. Pedro.
Sobrado de 2 andares n. 2. 6024000
lua de Santa Thereza.
C -terrea n. 4 1454O00
Ra do Amariro.
Casai terrea B. 16. ..,..,. 301/000
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
lina da Senzalla.
Sobrado de 2 andares n. 136 601/000
Hm P. 18........340/000
Rua do Rangel.
Casa terrea n. 58........ 360/000
Ra da Cacimba.
Ca-a trra n: 12.......147/000
Ra do Pilar.
Casa terrea n. 101 .*. 204/000
dem n. 104.......200/000
dem n 102-........2024000
dem n. 103........203/000
Casa terrea n 110...... 204/000
dem n. 93.........204/000
Rui da Gnia.
Casa terrea n. 27.......147/000
Sitio da Mfcueira D. 4......107/000
Os pretenderes devera) apresentar no acto da
arrematado das suas lianzas ou compareceris
acompanhados dos respectivos fiadores.
Secrataria da Santa Casa i: Misericordia do Re
cife, 2 de julho de 1870.
O escrivlo,
Pedro Rodrigues : Souza,
Va i de novo a praca na audiencia do Illin.
Sr. Dr. juii d> nrp'iaos, qumta-feira 7 do corrente.
depnU fa audiencia, e por arrendamento trienal
m sepnintes casas : rui larga do Rosario n. 1 po-
7004 quanto se achou na tiraba passada, roa do
II ispicij n. 6, traveasa. d i Mingueira n. 9, ra Ira
penal n. 32 e a loj i da trente do ssorado n. 29 da
rua do Imperador, e-la pelo precio constante do
ejcr:])ti> ed tal em man do porteiro: quem as
mesnias quiz?r lin;ar comparecam na reTerida
praei as horas di cost'ime.
MSSOS
MARTIMOS.
COMPANHIA PEBNAMMJCANi
Nuvegago coateirapor vapor
Goianna.
^W O vaper Parahyba, seguir para r
porto cima no da 6 do corrate.
WCmmt as 9 horas da noite.
Rooebe carga, eicommeodas, passageiros e dt
aheiro a rete do escriptorio do Porte do Hatto>
n. II______ /., ______
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DB
\'avegada9 cestelra por vapor.
Macei em direitara e Penedo.
O vapor Jaguaribe, comman-
dante Gni I heme, sentir para bs
portos aciisa no dia 8 do correte
as 4 horas da Urde. Recebe car-
ga ate o dia 7, eneommenda*
nheiro a frete at tu 2 horas da
escriptorio no Forte do
parcela i; ? JUf

i 4u> para al-
[3SE-<

X
passageiros e
tarde do dia da saluda
Maltos n. 12.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
Navegado costera por vapor
Mamanguape.
O vapor nacional Coruripe, commandante Sil-
va, seguir para Mamanguape n ata 12 dQr-Aor-
reete as 6 horas da lartte. Receba earfa, ampro-
mendas, passageiros ediriheiro'a frete ateas 3
her*Tdft larde do dia. da shlda, .-f*\escriptorio
da cemiiauhtn. Porte do Matey'n.-M.'
CVMi'A>HA fjfffiAMBCAA '
DB
aTcgafo costelra par vapor
Parahyba, Natal, Maco, Mossor, Arar
catj, Cebra, Mandaba, Auarac e
Grwtja.
vapoi Pkaptiina commaudanu
Azeyedo seguir para os porto
cima no dia 13 do corrate asShora
ia tarde. Recebe carga at o dia 14, encam
nendas, o passageiros e diaiieiro a frete at a;.
i horas da Urde do da da sahida no escripto-
rio do l'ortfldo Maltas n. 12.
Aracaty.
O palbabote GaribaUi. capitn Custodio Jos
Viauna : a tratar com Tasso Irmos & C.
Para o referido porto pretenoe seguir com pos-
si vel brevidade o p tacho portuguez Elephante por
ter alimina carga tratada, e para o que Ihe fa:h
trata se romo Cunslgpatarip Joaqnim JosGncal
ves Beltrao rua do Commercio n. 17.
I
Para o referido porto pretende seguir com bre-
vidade o patacho nacional Prolector, por ter a
maior parte da carga prompta ; e para o resto, a
(rete mdico, trala-se com o consignatario Ida-
quim oi Goncalves Beltrao, rua do Commercio
n. 17._____________________________'
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegando costeira por vapor,
O vapor Mandahu desta companhia, qus devia
sabir hontera ao meio dia para o presidio de Fer-
nando, deixoa de o fazer, por ser saa MQidf
transferida por crdein do xm. Sh presiden e da
provincia par amanliaa a o meio lia. Escriplorio
da companhia Pernambucma no Forte do Mattos
n. 12.
Porto por Lisboa.
A barca Vencedora devora seguir viagem em
poucos dias com a carga que tem : por i-so o;
Srs. carregdorM e passageiros qne qnlzerfm
aproveitaresta brevidade e 'ommodidade ntnpre
eos, pdem diriair se ao escriptorio de Sosres Pri
inos, rua do Vigarin n. 9.
NAVIO A VENDA
Vende-se o brigue portuguez S. Jos, de lota-
go de cerca de 1300 arrobar- ; os preieadentes
podero examina-la no nncoradouro : na volta d^
Forte do Mato, e tratar a respeito, com 8 capitac
.-. bordo, ou na praca do Corpo Sant8 n. 6, segun-
do andar.
descancos de facas, gartos de metal (d
, coihere, bandejas, trinchantes,
laboa e c*valele> paro engntnmado, flandres, ban-
deja, mesase Uemdecoiinha. (emmenU4p jar-
dim, e nmitos ouii stao pa-
tentes.
1IOJK
Na Paasagem da Magdalena, sobrado em frente da
chcara do Sr. commedador Manee! da Silva
Santos.
O agente Pinto, auteriado por urna familia qoe
retira-te para a Europa, levar *: leilo vis e mais objectos acioja de existentes
..r.tdo da Passagea da Magdalena em frente
do sobr.nhvdo Sr. oommendador Manoel da Silva
Saatu.
Os concorrentea aolelllo eneeotraiie 9 ho-
ras em ponto, mnibus na rna'dCre*(lP e -S 10
horas largo do Corpo SanffJ, para u-ansporU-los a
aquee lugar, Junde i-tfttaro as'duas o meta he-
ras da tarde.
O leiliU 'Oemeeari' a*1 dei e meia horas em
ponto.

Farinha de mandioca
O agente Puntual ven.ter em leilo por manda
do d*Illm. Sr. Dr. jun de>dreitp ip8ia*d com-
mercio, 130 saceos cora farinb de .mandioca.
No armazem alf^ndesrado do Exra. Sr. barao do
Livrameoto, no largo ieiu elegante -carriol on ea-
briolet franeez de nova In-
venfio.
Um elegante carrinho franeez de quatro rodas e
assentoS part dua e tres p"M*rt, de nova ih^'en-
Qo e com todo os pertencee pren-os para traba-
lliarcom tira ou dou's cavalios e com coberta ou
sem ella, et.. etc.
Qutafa-felra, 9 fle Julhi
Na rua do Imperador n. 16 ao m-io dia, por in-
tervencSo do agente Puntual.
de moves
NQ;ilola-f2lra, 7 do corrente
Augusto Seixas autorisado i>or urna familia, qne
retireu-FC para a Europa, fara L-ilo cm sen arma-
zem a ruado imperadorn. 16. por intervenco do
agente Poiitual de diversos movis de gosto, come
bem : 1 oottlia de jat-arandi a Lriz XV coin
tampos de podra mar.nore, 1 mesa para jamar, 1
piano franeez de armario obra nova e perita-
mente acabada, diversos quadros, 1 secretaria de
amarello, 1 mesa con>estirnte', 3'mezas para esetp-
ver, 1 cadeira de farro para rocreio, 2 estantes de
amarello. i guarda vestidos, 2 camas de fai.i para
meninos, 1 berso, i lavatorio de Jacaranda, 30
adeiras svulsaa para salla re juntar, diversos
- de lameros*, conlieiro- a gaz, compoteiras
e vidros, garrafa* paravinh', cipos, calibos, jarros
lignras de porcelana ; as.sjm eo.no diver-a-obras
ile ouro, como bem, pulseirs, anejes, relo^ios e
rnnitos outros ohjectos, que estar i patente aos
licitantes no dia do le.l >
iWA
aolio Pranefico de Lima San
modou-saa
ira a rua ao Iroperafsr^ 57, 2* andar
sobrado cojo arnazem conserva ajn-r
>je o nome de -iliana,- leBSa a-
[tirada, qoe pelo lado da ponte Sete
de Setembro, o meama numero 57, da
['frente. Ahi continuando o dito Dr. no
exercteio de sna proso de medica e
| a operador, pode ser pruenrado a
hora do dia e da nouie.
PBRFUMfi
VIL.
. Bamio.
m mnmm
a-se ao Sr, Hiearflo apewoa -que vio
Jos de Bfrras Prata. que- me offe-
snltar o preso Joao Benetftte pela
de 405 para pe-lo em liberdae, e lego
lew estas provastMa pete1 Su: eereoJ,
peitavel rmbftB saber, e foirametrte se
ac* Sr. Rteard* o i\M provar, qde- par* eu
sahrtt minha reputarn
para
i-qoero
as aquellas pessoas, nacionaes
m das artes, oa tivflfe
os de pbotographiavisi-
Forsm apprelwndidos ha dum Uws dona bois
que ya*vam sem pastor no sitio grande do Exm.
brigadeiro Joaqnim Bernardo, por traz do ceirte
en duna ahi os v buscar, que dando
sigtaes Ihe serae entregues, mediante a pag
orificios.
Convidamos
t estrangeiras
necessidade
terem o no:
aberto e s
horas da
Para
versas
inglezes^
Secre^H| pt Rosa.-Toma [ g^mra efficacia eoio tamoatro queo
iln.flBWS^^ S5? Igoalmente, ot^o destempeLl,
sobre o mesqt' IrMou 8 imagehs dlwrSaa e tom >gua, torna-se am fncio o l
8 soladas, e otra Me o a
j l|oalmente i-oladas, de
aeffiez
Ama.
Precisa-se d.nma ama para
n-n*------
cozinhar e com-
prar : a tratar
frunte da aifandega n.4.
Precisarse ie dous aoiassadores na padaria
a ruado R'auMn 9-
Os irmos, sobrinhiiieadibados da fallecida D.
Clara Clemoiuio Carktu de Brlio, >uramamente
penhorados para com avielias pessoas que & acora-
panharam ao cemiie ignificam deste
modo- aeus recoaheclmenjo?, 6 rqgam de novo sna
assi-t ucia < mi--as que no stimo dia, 8 do cor
rento moz di> jnlh >, se had celebrar no conven-
to do Carmo pela-i 8 huas da manIHu. |ior snffra-
gio de sua afina ; fl -ando' p >r soroelhahte facto
cada ve?.'maistrr
J. Femira Ftlela \
pesde o dia 7 de abril paseado acha-se aberto o i
itaJjeleometrte pretographie sito rua do j
18, rao dVpateo^ft matriz. Os traba-j
lbos que desde ento, tem sahido de nossa oficina l
tem geralmente agradado, sendo recebidos por'
alguns cora adrairacio pelo extraordinari pro-
gresso que ltimamente tem tidoa photigraphia,
e por ontros com alegra, por verem a provincia
dotada com um estabeleeimeato digno d ella, e in-
contestavel mean o prjmeiro qu nesse genero
hoje possue : tambemoo no poopamos em cousa
alguma para moula-lo no ji em que se acfaa, es-
perando que ,o puMiefc do Pernambueo gabera
apreciar jiossos esforflK Treeornpensar nossos sT- ;mo tempe omaTs estavel de todos OS per-
A MU AFAMADA
AGUA DE FLORIDA,
DE
ItRILtl' A LAVH.W.
He o mais delicado e mimoso e ao
i fumes, e encerra em ii Jno seu maior auge
de eweUencia, o proprjrj aroma das verda-
deiras flores; quando atada na sua flores-
ictmento,'que esteHwiftpre ceneja e fragancia natoral. Comoumnawo
jeo todos os dj*a desfla 3 7 ^^ e rapido allivtoODtr as dores de
JB^ap'bipaiaaiaatadi- < nervosidade, deWlidade, desmaios.
estaehares autree fr* tas, flatos, asam como contra todas as formas
uemae, jopo sejam : Lerebat at ordinarias de accidentes hystnricos; de
ftertnajt, Tbomi Ross. Vottlandw et ___.
&Tirecebemos*!res nbi ^"
12 imagen^
sorte que flg.
^Knuncio, comedoria, dis*rut*o de lavoora ??naL;5Qp.cla.rr!nea oP!0!!6"^" ?.bI4
e do wreado.e a*OJ jornal de um trabaihaur que"
es lee) cnidadu e noile. Se porm duraste as 48 horas da pnbli-
caco destH annnncio seu dono deixar e oj ir
buscar, seriio elles remettidos para o deposito pn-
blicoafim srem arrematados cbmn bet dea*en-ij
tos, e de seas productos iodemnisar-se o annnn-
ciante das desiezw fetas con taes aai
diver>aV eijola-
m em reen^s de
mos 8 difTeYaajai
a duzia e cartiM
a tos smente> ou
s
n
, Di?
BIJ
O agite Martina levar oovameote a leilo por
despachado l.ha. Sr. DT.Jaie opera! do com-
mereio as dividas activas da maesa fallida de
Antonia Joaquim Fernaades na importancia de
il:IC7i"50rs
Quinta-feira 7 do corrente.
Em seu escriptorio a rua da Cideia do Recite
ii. 9 as ti horas do dia.
- No iia sexta-f.iiru 8 docurrante mez oV- ju-
lho, por oc :aio .a missa do stimo dia, em suf-
fragio, celebrada pela fallecida D. Clara Clemenli-
tina Carlota A Brito, no couvinto do C>rmo, se
ho dedar-esme).v*de 14 :*da urna s pessoas
Decejsitdas.
---------------------------------------------
Convida-se ao:> reveread s saferdotes para
celehrarom rr.issas por alma da Ruada D. Clara
ntetnentioa Gntila Brito, no da 8 di corrente
oiez. no conv^uU do Carno. das I horas em dian-
te, corrraesportlade^l!^^
Ama
Precisase de non ama de boa conducta para
sasa le pouca familia ; a tratar uo largo da alfan-
3ega n. 7. _______. -___________
Offerece se urna perfeita crzinheira para
casa do homem soi'aird : a trst .r na rua da Ca-
deia do Recifo n. 20, 3* andar.
LE1LA0
De [um sitio no Mjcot > omb b ;ra da
2
WMPA^HIl
DAS
Mess geri'es imperiales.
Al o dia 10 ao corrente mez esperase dj Eu-
Topa o vapor franeez Amnzone, o qnal depois da
demora-u coslurae seguir para Buenos-Ayres,
i eaadfl na Babia. Rio a Janeiro e Montevideo.
I'ara coudiico'-s iraes e pas-sgaoa, trata-se
na agenrit. ruii do Cuaaraercio n. ).
At o dia 11 d> corrente mez espera-?e dos por-
tes do >ul o vapor francz Gironde, commandante
H. de Somer, o qnal depois da demora do costume
iva para Brdeos, llcando em Dakar (Gora) e
Lisboa.'
1'jra ojndiQSes, fretes e passagens, trata-se na
icia, rua do Commercio n. 9.
COMPAN'rlIA PERNAMBUCANA
DS
Xavcgaco cnstclra por Tapor.
Porto dt> Gajlinbas, Rio Fofmoso e
' Tamandar.
O vapor ParalfMba, seguir para os portos aci
uia no dia 10 do correte, meia noite. Recew
carga, encommendas, passageiros e dinbeiro a fri-
te o escriptorio do Forte d" Matt.'S d. 12^
es-
trada passando a pille, bcra plantado d*e coquei-
ros novos, Com viveiros e em situaclo amena, e
um terreno no mesmo lugar sem beneficio, com
frente para a estrada, e uo fundo a eserada de
ferro do S. Francisco.
5 do corrale
Por mandado do lilm. Sr. D:. -juiz da cutumercio
d'esta cidade a requerimento dos administradores
da massa fallida de Aotoow Maria O'Connel Jersey
o agente Oliveira fir leilo dos bns supraran-
cionados e pertenceotes dita massa
HOJE
ao meio dia em ponto, era sea escriptorio, a rua
da Cruz n, 53 1 andar.
Baha.
Sega9 cora brevidade para e porto cima o pa-
bebotc nacional Joven Arlhw, tem a maior parte
do sea carregamento engajado ; para o resto que
Ihe falta trata-se com os consignatarios Antonio
Luiz de Oliveira Azevedo & C, rua da Cruz n. 57,
Io andar.
De movis, louea e elsriaaes
SABER :
Um excellonte e forte piano (novo) da mais afa-
mado fabricante Pleyel, 1 mobilia de Jacaranda
com um sof, 1 mesa ova', 2 censlos. 2 cadeiras
de bracos, 18 ditas de guamico a Luiz XV, 2 ca-
deiras de balance, 4 quadros com finas gravuras,
1 relogio de peora, 4 jarros para fl u es, 2 esc^
radeiras, 6 tapetes, panos de croch e enleltes de
mesa,
Um toilet de jacarad, 1 cama franceza, 1 me-
sinh, 1 divaa, 1 co.stureira, 1 tapete, 1 orla-re-
logio, 1 commoda de Jacaranda, 6 cadeiras, 1
guarda vestido, 1 dito com espelbo, 1 lavatorio de
moeno, 2 guarniees para toilet, 1 cama de ferro,
2 halaios e 2 babus de Fiandres.
Urna mobilia de mad.ira branca com 1 sof, 1
mesa oval, 2 consolos com podras, 18 cadeiaas de
guarnlco, 2 cadeiras He abrir, 2 ditas de balanco,
1 relogio, 4 jarros para flores, t excellente secre-
taria, 1 tbear, 1 machina de costura (porfeita), 2
ca bids e 1 be reo.
Urna mesa grande, 1 guarda louca, 2 aparado-
res, 18 cadeiras, 4 quadros, i quariinheira, 1 ap-
Movis, louea e crystafs, e oro.1 cirro m
ric no com arreios e cavallos,
Sexta telra, 8 de julho de 1870.
Ka easu u S' s 34 do orto y
tiZssefre, oa Capnaga.
O aitefue Pi"to, encarregado por urna familia
que retira se dosla provincia, levar a eilo os
motis, louca, vidros, e mais objectes. abaixo do-
'lar.ul'j; existeates na cusa n. 331 34 do Porto do
Lasenv, onde se cffeetnar o Lila i uo dia acitaa
diigiudo, a sabor : um piano forte, urna mo-
bilia d fii com os tampos do pcJra, 4 pares d.1
jarros para flores, 2 lustees de g_az, 1 tapete, 1
enndieiro de gaz, 1 espelhi, 4 quadros. 2 figdras,
1 rica secretaria, 1 asanla, 1 re* gp>, 1 excellente
cama franceza. 1 gurdaroupa, 1 toilet, 1 e-p?-
Iho, 1 comanda, 1 lavatorio, 1 c.\bi ie, 4 estantes
de cantos, 1 costureira dech'ir.o 1 mesa elstk i.
1 aparador, 12 cadeiras, 1 mesa de jogo, 1 caixa
;cara tenias, l.q laninhra, lotea para jantar, dit.;
para cha, copo-, ciiri's. bafldejaj, garrafas, porta
qaeijo. 1 salva de prata, frqcteiras de viitro, gar-
ios, facas, calheres, tiein de cozinba, e outros oh-
jectos que estaro patentes sd exame dos concur-
rente.
O* concurrente* encintranio na estacas da Coa
de S. Foaneisco, as 8 e 50 miniaos, e !) 50 nifqa-
tos, tecos para transporta-los ; estac^q da Capua-
na, donde, voltario as 2 1^ e 3 1|2 horas da tarde,
on mais tarde, se bes convier.
AVISOS DIVERSOS.
AV OGAIA.
E O DR. JOAQUIM CORUEA DE ARAtJJO
[ tem o seU escriptorio rua do Imperador
i n. 67, onde p6de ser procurado das 9 ho-
ras da raanha s 3 da tardo.
Atencao
Precisa-se de urna ama para cozinhar : tratar
na rua do Brum n. 83, 2o and;.;-, ou tua da Cadeia
n. 53, 1" al lar
O dio de urna loj i ni modas na rua da
Imperatrla, pretandendo retirar-te parafra aflm
d tratar dff*ua t ande, a va le a^ dinbeiro ou a
prasg, sendo que a armne/i i tao el 'izante que
ple servir para quaiqui otttn estabelecimento.
segundi n-vootae d> pr< !: i n'e : I a'.a se n?,
rua n. 31.
-------------------------- r*~. ------------
A luga se
0 2" anda" do solo,,d) d'- re* iln ir .rio n.-5,
com boas commodos para familia, e cora agil po-
ta vol, e despejo para ngaas sojas : a tratar no
ermatecn da travesM do f>wpo Saato n. 2-S.
A^a i ""
Pncisa.sede urna ama : n:. rua do V.an'o n.
33,2o andar.
ama nica chapa at 8
(-das para cartSes de
um qnarto de hor.
j-pessoas que pegam
mais ou menos, coa os se
em grupo com ouvas.
Encarregamos-noyexclusisatnenle da direcelo
e feitura dos trabHfca-":fle pbotographia dei-
xando pericia e talentos do distinelo pintor
allemo, o Sr. ft A
-Jorge A.'Rbih
os trabalhos de pintura, a aquanela, a olea, e a
pastel.
O Sr. Rotli acha-se ligado a uossa empresa por
urna escriptura publica, e at o presente lera-se
desvenado na execoffio de seus tr.-ihalhi'S
Chamantes a attancao do respeittvel publico
para dou* retratos pistas na mu conheeida
B.iv.-aria fraaeeza
do Sr. De Lailhacar, os quaes sao productos do
hbil pincel do Sr. Roth sobro photographias
nussas. Os conhecedores vero nesses retratos a
deiicaesa e primor do pincel do Sr. Koth, e re-
commendamos-lhes especialment" o retrato colo-
rido a aquarela pela grande dilQouldadc em se
obter tal genero de pintura em semelbante pro-
porco e tao perfeite.
Esses retratos teodo de ser entregues sen do-
no apenas estero expertos at o dia 4 do cor
rente.
No noss-.ie>tabelei:imeuto aeham-se exposlos ou-
tros trabalhos importantes do Sr. Roth, tanto em
miniaturas a aquarella como olmi, re ratos
oleo, quadros'rocres e diversos otr Tomamos eik'ommendas de retratos oleo at o
tamnbfl naluri), assim como de qnadr.s sacros
:.va ornamentaco de i}rejas ou cap>llas. Tam-
oom aceitamos eucommendas de quadris histri-
cos.
Asseguramos que os preces dos diversos tra-
balhos danosefcasSao mu rasoaveis.
CARTOES DE VISITA NAO COLORIDOS 10100 A
DZI.V
CARTES DE VISITA COM O COLORDO AO NATU-
RAL 16O00A DUZIA
Retrates em miaiatm'a oleo ou aquarella de
16 203003 cada um, in lo convenientemente en-
caixiihado em inoMura.- dourada e regulando o
busto da pe-soa retratada de 3 4 pollegadas e
todo o qualro palmo e meio de tamaito
Julgaraos que bastar > os procos cima para
d:-rmos idea di baratesa dos trabalhos do -nosso
stabiecimento, quanto sua perfeico cada um
venha julgar por seus proprios olhos.
As inelhores horas para se tirarem retratos no
nosso estabeleeimeato sao das 8 b.oras da manha
1 da tarje; entretanto de urna hora s 5 da tarde
m casos especiaes pde-se tambem retratar qual-
quw pessoa.
Nos dias de chu'-'a, ou por lempo sombro po-
demos retratar, e assegurambs que cses dias s i
os mais favoraveis aos trabalhos de plntugraphia.
pela doQura e persistencia da luz, epr termos o
nosso terrec construido com taes proporcoes e
melhoramentos, que alada chovendo jorros ne-
nham iiiconvenienie ba para fazer-st bellos re-
Jose Jfiaqutm Simes Tei-
o seu eapinl earucros.
lima senil : tblitad fe oarorece
psra en'inar primeirasjeira- e toda a qnalidade
de costuras inclusive bordar a miro, dom tenV)
que F-j-. pnr.i fr i;i praca, .uen a pretendu
dirija-so a rua Dfi'eita n. 85. andar.
0> ahr.ix" assign.ido declarara ao re-oei'a
vel ptiblico e c osnejialdad! ao corpudo coin-
tnercio, que nesta data dissolyram amieavel-
men:e a sociedade que (rjfsva sobre a r.i-o so-
cial de T x ira 4 Irma >, n ac'ivA p paj-
sivo
o .tocio Ju
xeira;- pago aaCsJeito
Recite, 4 de jolh i de 1570.
Justo Jos 6jrf?"S Teixeira.
Jos Joaqnim Gome Teixeir.i.
O abaiN assig^uado sciutitiL-.i j q::on ime-
ressar possa que nao o,ut' r da publicafjo a
pedido con-, n titulo de Carta do -ineiro daigre-
ja dos soldados a sea compadre Ti bul. por ter
affazeres e melhor ewtrrpgo para seu dinheiro.
Recite 4 de jnlho de 187o.
SioipeioF.'nseca.
Uiasoaueilo e ooiedade
Jos Joaquim Gomes Teuejgra dissolveu amiga
velmente a sociedade que leve con seu mano Jus-
to Jos Gomes Teixora, no estalielecime.Mto sito
rua da-Penha n. 8 sobre a ra;x social de Tei-
xeira 4 Irtnao, Qcrido o flfo Itrsh) encrr^gadn do
activo e p-'.s-iyo da mesina firma e o aatxo as-
signado livre de. qoal^uer responsabilidjrde.
Recite, 3 de j ^70.
Jos Joqnlm Gomes Tehceira.
Imagem.
Troca-se nina bonita imagen do Mi
Precisa-se,fallar com o Sr. A. A. P. Aleoear, n? {eita em Lisboa : iu praca da iodepeadenKb,
rua do Vigario u. 12, a. negocio queja sefa!. ija.de calea4>.
tintos.
Io de junho de 1870.
ini
agradavel e excellente, ifio aos destes,
aquella alvura e aperoiadM apparenck tao
altainte apreciada e ilesejada pelas S-
nJioTas.
Como un retafldio ntra o mau balito
"da boca, depois de diluida em agua,
summamente asedente, faz remover neu-
tralizar todas as roatewas impuras qne se
criam roda dos detes e das gengivas,
tornando-as duras, sadias e d'uma linda cor
encarnada. Quinto a delicadeza, riqueza
e petmaoieiicia do su fragrant aroma, ella
por certer* nao tem igual: e a sua supe-
rioridade sem rival. Ella igualmente tor-
na-se unt raeio mui excellente, para faaer
remover de sobre a pelle do rosto, toda a
qualidada de brotoejas, ebolices, sardas,
pannos, manchas, impigens e espinhas.
Quando se queira sen ir della como reme-
dio para fazer desaparecer qualquer um
destes disfiguramentus, e que tanta desfei-
amasndas feicoes do bello sexo; devera-
se usal-a n'um estado de dilluicao, destem-
perando-a n'uma pouca d'agua ; porm no
tralamento de qualquer espinha, usar-se-ha
della. pura em toda a sua forca. Fal-
mente como mn admiravel meio de com-
municar as feiges trigueiras o rjallidas,
urna pelle macia e d'uma transparente al-
vura, dando-lhe urna linda cor de rosa :
para um tal fim, elTa leva a palma a-todos
os perfumes que se tcem inventado at ho-
je, e existe em plena soberana sem mal.
Bem entendido tudo isto .so refere rauca-
mente a Agca "e Floiua de Murrat dt
Lanman.
As imitaces que se tem feito na Franja,
Allemanlia, assim como em outras partes ;
sao inleiramente-imitis e invaliosas ; per-
ianto recommenda-se mui especialmente
s senhoras, que lenliam toda a precauco
e cuitlailo, de quando comprare*, estejam
certas que compram-
A GENtl.NA
AGUA DE FLORIDA
DE
MURRAY & LAs'MAN,
A qual preparada smente pelos nicos
Pfoprietarios.
LANM.ANN & feEMP, DE OVA YORK.
Acha-se a venda nos estabelecimentos de
A. Gaors, J. da C. Bravo, & C. P. Mau-
rer & C. A. A. Barbv.a Bartholomeu. Urna sennora offerece-se para cozinhar e eu-
goramar com toda pe IoqA) e limpera, por precn
mais commau i de qu? i n qnalqicr outra parte, e
tambsm o'riga-so a i.rnlar naa casas: quem
prelender dirija se ,-, Ra J; Snccg-> O- 35-
/, F mira Miela,
Ifc ia/cssa te roa
das Crazas n, % pri-
Bieiro andar, da-se di-
nheiro sobre penhores
| de caro, prata ebrhan-
es, seja qsa! for a pan-
^ ta. Na mesina casa cora-
pram-se os mesmos me-
(aes e peers.
mff
Irnandade acadmica
DE
N. 8. do Bom (joaselho.
A mesa administrativa da irmandade acadmi-
ca de R. S. dp B m Genselho, c nvida a to i
irmi para no dia 7 m H horas dls, se reuni
eem no consistorio da misma ir.iiiaadaJe, alia de
tratar-se de negocios tehflentesa mesma irman-
aadei^ :--.-
la irmandb acadmica aos 4 Je
O secretario,
tm TTi y ? -
Bil lanUtiyp jfc -cr;
praca da t.lcp'ii i.-mci
loja de raleado.
Precisa se ieoti p para feitor de
engeaho : na rua do Ap II' n. 10.____________
. Jm ,
Quem precisar de u.ui ..va, boaeoxi-
nlieir?., dirija-.-e rtia da M-lrir. n. 28, jm andar.
Sao convidados os senh-res memora* #? Ins-
tilad Pilial di Ordem <}> A lvo arto-, para n ss-
sao que lera lugar na linaria fora 6 do corrente,
na sala do jury, a 1 Imn da t;ir.1.____________
l'/eci-u-.-e de ora ealfeiro praticu para luja
de chapeo-: a tratar na rua da Cad -ia a- S3.
Refina^ \
Precisa-se de bated'ores : na raa de Hortas nu-
mero 7.__________________________'
Olerece-se urna' ; essoa habilitada paraen-
linar primcira* Wir^. ai;im cin.o einina mnsica,
piano, em qnalqner lafar desta provincia bu fra
della : a tratar na rua -o I i.p'ridor n. 8.______
-i. u.ua pessoa ljasli.fi:.' lisdiiitaJ i 6t offcr-ce
se eocarreear de algurna- cobrancas. tarto a^s-
ta cidade como fra del! i. por mdica pureenia-
gem, 0 quj! d fiador sua rmlueta a conteni
do?senhores qotf)QflaTem seus delitos; tu na
Bella c. 15. Esta meama, pessoa cha-.aa eaeir-
rpgaiia de tima cbbranca bascante importante Tora
da cidede.
a>
Aluga-se um primeiro n'l.iT de sebrai da rua
larga do Rosario n. S "ara escriptorio: a
tratar na loja do m>- 11
Precisarse de urna auu
de n. 51
na i tu da. S jleda-
- Em rasa do IlODORO OBUSTi
iNSEM, rua a Cfz u. !8, eflwntraia-tc.
.iBectiTOmentb t^lai as rualidade de euat
3>r BODA
DO
ma larga do
Eosario.
-f*tui
esquina
Este importante estabelecimento no sen genero, tem sOTipre m sartimento tm S^%
e venle por presos qne nenhnma otra casa pode vendar. ^ .
A vista da qua&dade e do p**?o das joias cada mn poder-se-ha oonveneer da ?erdB% w^
ftarante-se ser tudb d lei. Compra-se ouro, prata* e podras nas por presos mM \ fr
vados.
A loja estft timfa at &s 9 bpras da noHte.
Icario
/


Diario do Pemambuco Terqa feira 5-de Julho de 1870
0 Sr. Manoel De-Giovaami queira
mandar esta typographia pagar o impor-
te de publicares de anntmcios de espect-
culos, em somma superior cento e cin-
coenta mil res.

ESMERALDA


LOJA DE J01AS
te
J Je reir Yillela
PHOTOCIIAPIH k. IMPERIAL
(8RA BO GABCAt
A mirada plopatb'i d matriz.
Ostrabaaaos da reedifleacia desta pholcigr$Bia,
e qoe avvprolongaraa por tanto semao, actam-w
fekimeBle-termraados e ella aberU o sefvpjp ao
publico desde 7 de abril, passado.
O predio em que esta collocada esta puowgra-
phia acha-se muito augmentado, o s a parteSesti-
nada ao estabelecimento conla chico salas, cli-
sive as de-lauoratono. Todos os concert* e aug-
mento tendo sido fetos ex|iressaaente para se
montar convenientemente a photograpbta, pse
rodeado meuior modeloscoliier do que a PWo-
orafiiai^mialo Sr. lusley Pacte* do Rio de
liairo.e piimeiro puotographo do Brasil, eum do<
anmeirea do mondo, sqgtwdoa opinuo iloamais
abaleados mestreg, a no** pbotograpnia acha-se
dlsposia e reedificada pelo mesan plano da do Sr.
I Pacheco, a qual fot montada sob todas asregras
recommendadas pelos inais destinctos professores
de accordocoan as modifkadBes necessanasao
clima do Brasil, reconhecidas tfestudadas pelo na-
bilissimo e pratieo Sr. I. Pacheco.
Todo o agrior do predio em qae esta nossa
photograpbia foi mudado desde a solara da.torta da
ra at a coberta, ieudo-e demolido todas as pa-
redes ateriures para se fazerera as navas salas,
edicando-se m aovo terraeo envidrando mu
espacoso e elegante.
Como saban, Cuerno um viagem preasa
mente corte para examinarmos as rnelhtires pbo-
tographias all, e foi. do Sr. L Pacheco, a qae
melaor eorcespoudeu aos nossos desejos e aspira
cues, e da qual trouxemos os planos depois de
all estamos todo um toe* esludandoe apro-
veiunao ai licfles de lio dlslincu mestre. Pen-
samos que juntando os nossoeestudos e longa
pratica de 15 annos de pbotogrartia s tilsimas
lices ultiman ente recebidas io Sr. I. Pacheco,
lendo montado a nossa phoUgrapha como se
acha, podemos offerecer ao Ilustrado publico
d'esla cidade e aos nossos ntfi.erosos freguezes
trabalhos de paotograptaia lo perfeitos, ctimo se
poder desejar, e disto convencidos, esperamos
que contluuem a dispensarnos a mesma pro
teccao com que ha 15 anm* nos teln honrado e
ajudado.
PHARMACIA CEBTRAL
mperador n. 38
arope de lactucario d'Aubergier, e de
ihury dt bbadie recommeodados,
como' calmantes para os casos, em que se
ni pderoar do opio e de sens% prepara-
dos, e mu convenientes para as crianzas
nos espas
Este antigo estabelecimento, completa-
asnte reformado de novo, est as condi-
$oes de servir vantajosamente os seus fre-
guezes, visto que acha-se prvido com um
ixplendido sortimento de obras de ouro e
>rata de lei, assim como brilhantes e ou-
tras pedras preciosas, cujos prepos sao os
sais mdicos que se pode encontrar.
As joias compradas nesta casa recebem-
m em troca ou compram-se com pequeo
ibate. %
i. 5 RA DO CABUGA \ 5
Aos 20:0004000.
ra do Cabug n. J,
Bilhetes do Bio venda
vende VieiraA Rodrigues.
WIOFIHA
Bogase ao Illm. Sr. Ignacio V.eira de Mello, as-
crivao na cidade deKaiareth desta provincia, o
favor de vir a ra d Imperador n. 18 a oncluir
aquelle negocio que V. S. se omprometteu reali-
sar, pela terceira cliamada deste jornal, era -lins
de dezembro prximo passado, e depois para Ja-
neiro, passou a ferereiro e abril, e na la cumprio,
e por este motivo de novo chamado para dito
fim ; pois V. S. se deve lembrar que este negocio
de mais de oit annos, e quando o sonbor sea
ftlho se achava so espado nesta cidade.
DOR N..38.
Preparados d'alcatrto em capsulas, licor,
e xarope ferruginoso._________
:fimj sba-
dob n. 3a
Pillas de Vallet.
Pjlojas deBlancard.
Pilulas de Bland.
Xarope furruginoso de Blancard.
Coofeites de lactato de ferro.
Pilulas de carbonato de ferro, laclado de
ferro, iodureto de ferro com magnezia.
Ferro de Quevenne.
Assucar ferrrtgtnoso.
"*t
PHARMACIA CENTRAL RA DO MP
DOR N. 38.
Vinbo e xarope de pepsina e jdiarthare,
excellente tnica para auxiliar as digest5es
difliceis nos casos de debitidade do esto-
mago
PHARMACIA CENTRAL~RA DO 1MPERA-
" DOR N. 38.
Agua hemosthalica de Lechelle, mui re-
commendaia em qoalquer caso de hemor-
rhagia, e principalmente na thysica pulmo-
nar, e as hemorrhagias uterinas.
PHARMACIA DENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Xarope de rbano iodado excellente com-
binac5o do iodo com o sueco de plantas
ant-scorbulicas. .
Este xarope empregado com grande
soccorro contra as molestias da pelle, os
engorgitamentoa escrofulosos, o racbitismo-
cacbloroso.'
0 Vinbo iodado de joly, e oleo iodado de
Personne, s3o recemmendados para os mes-
mos casos, e encontram-se nesta pharma-
cia.
Criada
Precisa-se de urna criada line ou escraya,
que saiba bem eogoramar e tratar do sen-Ico in-
terno de urna' casa do pouca familia : a tratar o
Mangurauu, casa nova flos Srs Carpinleiros, ou
ao caes d'alfandega velha n. i escriptorio, paga-
mkmmm-mumtmm
' PRIMEIRO E ANTIGO CONSULTOBIO 8
HOMEOPATH1CO
ANDADO r: \BINO
HOJE DIRIGIDO
DB. SANTOS MELLO. m
43 Ra No^-a n.43
O Dr. Santos Mello de volta da Baha m
eontina a ser encontrad lodo os dias |
das 10 horas ao meio dia para consultas. !
Chamados a qualquer bora do dta on 8
da noute.
Gratis ao pobres.
43-Rua Nova n. 43.
mm
Parlaba de nandloea.
Da melbor qoalidade e mais barat do qoe em
outra qualquer parte : vendem Amaral, Moreira
4 C, no caes da alfandega n. 7. _______
COmPANHIA
TS1LE0S RBAHOS
DO
REC1FE JL9 OI,I\OA.
Por ordSni da directora so convidados
os Srs. accionistas pra, no praso de 10
dias contados do dia i." de jollio vindonro,
effectuaretn 10.a prestado de soas acr,oes
razo de iO %.
Para esse fim sera encontrado o Sr. tbe-
si\ui eiro, das i I horas da matibaa a i da
tarde de lodos os dias, no escriptorio da
companhia, ra Nova n. 35, ^ andar, en-
trada pela ra dos Flores n. t4.
Recife, Ti de junbo de 4870.
O.I.* secretario
Joo Jqaqmm Abes-
The Liverpool & Lop-
don & Globe Insu-
rance Company
Companhia iogleza de-seguros contra-fogo,
estabelecida em 1839.
Capital e fondos de reserva
K. 3&,88e:9SO.
Os agentes desta companhia tomam seguros so-
bre propnedades. gneros e faiendas armaienadas,
mobilias, etc., etc., e estao igualmente antorisados
a saldarem aqui quaesquer reclamacdes.
Saunders Brothers 4 C,
Praca do Corpo Santo n. 11.
AMA.
Preeisa-se de urna
urna casa de pouca
Hortas n. 88.
ama par* lodo o servico de
familia : a tratar na ra de
ULYSSES & IRMAO
13 Eua da Imperatrz 13
Os proprietarios deste bem coahecido e a creditado estabelecimento ayis5o aos
seus numerosos freguezes tanto desta praca como de fura, e especialmente ao Ilustrado
corpo ACADMICO, que ete eslabelecimento acha-se sempre bem prvido de todos os
artigo $ de -eu gneros abaixo mencionados e que vendemos por mdicos preces, tanto
avarejo como por atacado para negocio, para o que se podem derigir por carta a nossa
casa que sorao saptisfacloria mente servidos.
O Campos da ra do Imperador n. 28 aprsenla
eoneorrencia do re.peitvel publico os seguintes
gneros, que roput-os especialidades,.nao por
serem muito desejados, como pelo prego porque
est vendeudo ; nao s os qoe abaixo menciona,
como todos os mais que existem no seu armazera.
ESPGIALIDAUES :
Camaroes soceos.
Pescadas em salmoura.
Presuntos de Lamego:
Ditos para timbre.
Bap Paulo Cordeiro viajado e commum,
Velas p.ra carro.
Lata3 com legumes era coacerva.
Ditas coin guizados francezes,
Ditas com salmn e ostras.
Chocolate de diversas qua'idaies e precos.
CHARUTOS
superiores de Havana, Hamburgo, Babia,
das acreditadas marcas Regaba Britnica
Imperiaes A-.: do do Rio da bem conbecida
marca Opera e ouiras muilas feila3 aqui de-
safamados Beberibe e outros que se vendem
em porces.
Cigarros
de palha de S. Paulo, de 3^500 a 7ouOO,
o milheiro: verdadeiros do afamado Daniel
do Rio Novo, M3urly, Imperiaes Visconde
de Herval, Duque de Caxias, Gandon etc :
de papel, de fumo de Daniel, General
Osorio, Conde d'Eu, aromticos, ,e peit
raes, Rocambole, Radicaes, Acadmicos,
Machambomba, Montevideo, Orientaes, Bae-
pendy e nuitas oulras qualidades.
foios
afamados de B.\EPENDY em catxes de
20 libras 19400 rs. a libra, em pacotes
a 24, e em porc5o 4(5500 quarta a 640, e a 500 ris ; dito Daniel do
Bio Novo, do para de S. Paulo, Caporal,
e muilas oulras qual.dades.
FABRICA DE
VARIEDADES
PONTEIRAS de espuma finas para cha-
rutos a cigarros, completo sortimento.
CACHIMBOS de superior espuma, de ma-
deira (raizj de 3(5 at 3,500, ditos grandes
13,000, a duzia ditos finos diversas quali-
dades a varejo; dito p de gallinhas dos que
ha no mercado a 2,800 e 3,200 a duzia;
ditos de louca, gesso, barro, ete, etc.
BOLSAS para guardar fumo, de borracha,
e couro de diversos modelos e gostos.
CARTEIRAS de todos os. systemas para
cigarros.
PHOSPHOROS de cera, dos melhores que
ha, em caixas de 500 a 5,500 a duzia, em
caixas de 400 4,300 a duzia, em caixas
de 2,500 2,600 a duzia e umitas outras.
PAPEL de milbo de arroz, san-nom, Per-
san, pintado, e palha demilho, de Fernando,
e papel de linho.
CIGARROS.
Ama
Precia-se de urna ama para o servico iuierno e
externo de urna caa de familia de duas pessoas :
i tratar ra ra da Praia o. 47, 2o andar.
Precisa-se de urea ama de leite, preferindo-se
escrava sem filho : na ra larga do Rosario n. 12,
andar, junto a botica do Pinto.
O Dr, Sarment Filho ;
j^g mudou-se para a ra do Imperador n. 29, i
Consultas e operacoes todoi os dias das 2
J 10 horas ao meio dia.
Chamados por escripio a qualquer
2 hora.
Com promplidSo apromptamos qualquer encommenda dos afamados cigarros de seda,
Baependy, linho, e de outras qualidades da nessa bem conhecidafabrica, e bem attesta
a superioridade o nossos cigarros, numerosa freguezia de nosso estabelecimento.
13Eua da Imperatriz13
VEGETAL AMERICANO
E SALID ADE
BA RTHOLOM EO &C?
*ma can certa iu tMses infu reeutei, caUrrhM palmnar, aiikm; Um enln,
Srosebiat, n goral ewtn Uto m ioffrimeite$ dai th reipinuri.
DEPOSITO ERAL
SOTXCA JBS DBOOARIA
34, ROA UBGi DO B0ZARI0, M
PBRNAMBUGO
tanta
* tkenpentic* das divenat molestias do pito,de a abarrocite na mil da girgtnti at i tnbtrcolaclo
yolaour, piMando pelas diversu bronchites dUrrbaei
apkf ema *c*m de 1er toreqaecid* con mais
He aHcaBeHto, qae to*ire t primein ordem entre
Mdw aie boje conhecidoe. O xarope Vegetal imercno,
fetMMiodo puramente vegetal, alo contm em saa
saa*BcAo um s tomo de opio, fim aomente tnc-
de plantas iodigenu, cijas propriedades benficas
ata can dia molsliaa qne pertencem aoa orgaos jde res-
meta foram por nos btarradas per tengo lempo,
casa aptimos reauludoa cada ?ts mais cresceates; pele
ama aaa jalgamoe aatorisaoa a eamaer m xarope que
afara apratenumoi, a alance la aoa medico* e ao
(MBiiee. Pro'amo* com os attesudoi abaiio o M le-
vamos dito, e contamos qae o coaceito de qne ja gaea
i Vegeul Americano cresceH de dia a dia,
maite apos de ai teaas oe aaitenes em vega.
Illm. Sr. Berthalomeo IC-0 trepe Tegeul Ame-
seaae. preparado em aaa eeaceitaediaaima pbanaaeia.
san til remedio pan combeter A terntel estarna.
aqaelli
rcambetido osataqaesmeataeeeme liaba;estealme
litoitortiBV>e^ware*Wporldiu. ntei.
|aa aea milagroea xarope torneado apea tres
M. e ate o presente nle fm de am atacado Praae
mi
Ibe, poii os meas igrdecimentos per me ter aliviado Ai
Uo horritei mal. Com a mais signiacara gntidts
snbscieo-me deVmcs. affectooso e reconhecido criado
Steme Baere.-Soa Casa 14 de feverein da 1861
Illms Sn Bartbolomeo A C. Depoit de qnati tefa
metes de soffrimento com nma tosa incestante, fa.-tie
extraordinario, expectoncAo de om caurrho amarella.
io, e parda toul das torcas, qae o menor pajee*
me fatigara eompleumente, cansado de tomar mam os-
tros remedies sem resaludo tire a felicidade de saber a
Vmce. preparaiam e xarope Vegetal Americano, e com
elle, gneas a Deas, me sobo reetabelecido be mais *
dais meaos, a robusto como se nada timse soffnio. 4
Elidi me tarea a esta declarecte, qae poderte Vmes
ir o uso es qnixerem. Seo com estima de Vmci
liles respeiudor e criado. Antonio Jotyt* *
Csim e Silea. Recife 8 de ferereiro de 1861.
Atieste qae atei do xarope Vegeul Americano, 4.
eeeapesltte dos 8rt Bartbolomeo A C pan con de a
ferte deflixo qae me irone ama ronqodio, qae me a.
(axis edunder, ianammacio a dor na garganu, toa
grande falta derespincAo, e ttqaei compleumeale re-
ubeloeido com om ai ridro do mesmo xirope; peiv
qae Ibes protesto eterna gnlidie. Recife de Je
Mire de ll8. w- innSm ttnkn Arm*t*J**im. -
luto riroabaaiai.
Precisa-se de alugar urna escrava para
o servico de urna casa de pequea familia,
que saiba engommar e cosinhar: na ra
da Mangueira n. 3.
LUGA-SE
O prlmeiro e segundo andar com sotan do sobrado
da ra da Cadeia do Recife n. 60, com sufficienl"-
cnmmolos para familia, sendo era boa localidades e
muito fresco : a tratar no armszem do me*m .
Precisa se de urna ama para coiinbar e lavar
para casa oe pouca familia. Iivre ou escrava : na
ra de Hortas n. 30, sobrado.
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Variado sortimento de chocolate de ban-
Diiha, salepo-araruta, ferro, e de sade, da
acreditada officina de Menir.
Sabonetes d'alcalro, d'acido phenico, en-
xofre e camphora recommeodados para as
molestias de pe'.* como sarna, panos, em-
pingeus etc., sendo o ultimo de muiautili-
dade para o uzo do toilette, por preservar
a pelle de ser manchada das maculas, que
costumam accomettel-a.
PHARMACIAOTNTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Os melhores vermfugos para criancas,
Pastilhas de sancton'ma.
Ditas de Kemp.
Oleo vernifug-/.
Todo de melbor qaalidde.
PHARMACA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Variadsimo sortimento de fundas de
excellente qualidade.
FARMCU CEOTRL
lina do Imperador n. 3S.
Lamploughs Pyretic Saline.
A preparation of well known utelity to the En-
glisb Facullv. as a cooling and refreshiug boverage
iii ail cases "of f-ver. The frequent usejorNs sa
line preserves foreigners from many dif.LUes to
whicli they are leable before becoming acclima-
lised. May be oblained at the Pharmacea Central,
jua do Imperador n. 38.
PHAUMACIA CENTRAL RA
N. 38.
Pastilhas de balsamo de tol e de seiva
de pinho martimo, para as aUeccoes chro-
nicas dos pulmes.
Pastilhas de therydoeio e louro cerejo
para as tosses agudas, e de carcter nervo-
so, e para os vmitos durante o periodo da
gravidez, e qualquer alecco nervosa.
Pastilhas de bypophospheto de cal mu
uteis na thysica pulmonar.
Pastiihas de angico naf, e de Regoault,
de hortelia, pimenta, e de Viccley, de pe-
cacuanha e de Rermes.
PHARMACL\ CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Cha purgativo de Cbambard, excellente
laxativo, e refigerante, que se pode usar
repetidas vez s sem irritar os intestinos.
ATTENCAO
Deseja se saber se existem nesta cidade ou pro-
vincia os rs. Manool Jos Soares e Joao Jo> Soa-
res, naturae das libas dos Acores, os quaes, ou
quem delles tiver noticias, sao rogados compare-
ccrem ra do Brum n. 96, armaiera, a negocei
de inleresse._______________________
A ttenqo
Os antigos offlciaes do finado Francisco Pinto
Ozorio, eslabeleceram-se na mesma ra n. 6 de
fronte do neceo do Rosario, e na mesma alugam-se
e applicam se bichas de Hamburgo.
ATTENCAO ;
Previnese.ao Sr. Wanderley do engenho ba*-
quinho, que ha mais de d( us mezos mandou fallar
ao abaixo assignado para comprar um seu escra
vo de nome Benedicto Sapucaia ausente, e em seu
poder j ha dous mezes, que o dito escravo livre
e desembaracado, como consta das certidoes que
Ihe. foram remettidas pelo seu correspondente, a
quem mandou procuracao para effectuar a com-
pra. Roga o abaix assignado ao dito Sr. Wan-
derlev que responda a cjrta de seu dito corres-
pondente no sentido de ser remettido com seguran-
ca dito escravo ao abaixo as-ignado com os dias
de servigo, ou effectuar a compra quando assim o
nao quizesse fater.
Joaquim S. P. Siqoeira C^valcanti.
Dma pessoa habilitada propde-se a dar lices
de latim e primeira leltras em casas particula-
res nesta cidade, ou mesmo arrebaldes : traur
na roa Augusta, casa n. 18._____________________
CAVALLOS
FRTADOS.
l'uriarara do engenho Capianna do Portu Calvo,
no dia 7 do crreme, tres cavallos com os signaes
seguintes : nm castanho amarello, bom andador
baixo, dous ps calcados at o meio da canella, a
raao direita calcada at cima do peador, a mao
esquerda preta com urna sobre cannarpelo lado de
denlr j encobado a junt e j queimada, urna es-
trella na testa em forma de coracao, nma beta, e
da estrella da testa para a beta um signal a ma-
neiri de linha, cauda comprida, cimas meio apa-
radas e deiladas para a dirella, signal em baixo,
com o ferro seguinteSno lado direilo, est es-
camando para a ultima muda.
Outro castanho grande e comprido. facca, canos
pretos, canellas de viado, olbos grandes, grande
estrella na testa, urna grande tomadura na bechi-
ga, cauda, dina e tpete muito grandes, signa!
m baixo, bom esquipador e pouco carregador
haixo, igualou ha pouco. e tem no quarto direito
o ferro s-guinteS
Outro finalmente alasao. dous ps calcados at
o meio das canellas, cabera descarnada, olbos de
porco, anda baixo obrigado, cauda rimpada, fren-
te aberta e signal em baixo. Roga-?e a qoem os
apprehender ou delles souber, avisar ou manda-
Ios entregar no engenho a"ima dito io capitao An
tonio da Bocha Wanderley, que ser bem recom-
pensado. __________________^_________
Os Srs. Francisco Camallo de Paula Pacheco,
morador na villa do Cabo, e Pedro Duarte Rodri-
gues Franca, morador em Trombeta (Una), saa
rogadas a virem ra do Queimado n. 46, loja de
Goes & Bastos. _______
Precisase de urna escrava de meia idade
mesmo sem habilidades, para o servico interno de
urna casa de familia : na ra da'Conquista (Sole-
dades 0. 6.
Ama
Precisa-se de urna ama para comprar e cosi-
nhar : roa dos Pires n. 29.
O Sr. Felismino da Fouceca Gomes d'Araa-
jo deixou de ser caixeiro da loja de miudezas de
Manoel Jjs Lopes & Irma, desde o dia 2 do
crreme mez de julho de 1870, ra larga do Ro-
sario n. 38.
Oozinlieird
Na ra do Commercio n. 3 Io andar pre-
cisa-se de urna boa cozinheira para a^ casa
de tres mocos estrangeiros em Casa Forte.
Aiugd-se
O armazem da ra do Imperador n. 57, denomina-
do Allianca : a tralar na ra do Crespo n. 8, es-
quina._______________________________
Precisa-se de um cozinheiro: na ra da Con-
quista (Solednde) n. 6.____________________
AMA
O abaixo assignado como curador dos orphos
do finado Jos Xavier Rodrigues Caropello e como
advogado de um dos herdeiros do liuado Sebastio
Antonio do Reg Barros, faz sciente a quem con
vier, que a propriedade Paiva fita neste termo di
Cabo, nao pode ser vendida pelo Sr. Es'evu Jos
Paes Barreto, vLto ser dila propriedado foreira e
Jominio til ao diio finado Sebastin Antonio, p aeto judicial, em praca publica requerida pelo
ex-regente do hospital de S. Joo de Dos, sendo a
dominio directo da comarca de Olinda, hoje da co-
marca do Cabo, segundo o aviso em deciso do
ministro da fazenda d<> 27 de junho de 186o, tendo
apenas o Sr. Estevo Jos Paes Barreto o direilo
somente em 130*%, por quanto fui aforado aquelle
dominio til ao do hospital, como ludo coust
dos ttulos e inventario que se acha no ctrtorio do
escrivo Araujo. Cabo 1* de julho de 1870.
Jos Paulo do Reg Barreto.
SO Dr. Casanova pode ser procurado a
qualquer hora era seu consultorio espe-
Scial homeopathico, no largo da matriz de
Santo Antonio n. 2. Neste consultorio
tem sempre sortimentos dos acreditados
medicamentos de homeopathia de Weber
4 Catellaa em tinturas, e em glbulos, e
todo quanto -necessario para as petoas
que seguem este gysteroa.
Os pobres foram sempre e continuam
a ser tratados gratuitamente.
mwmn-mmmwmwmn
Os administradores da massa fallida de An-
tonio Gandolfl (hotel nacional), convidara a aeus
credores para no termo deoito dias, da publica-
cao deste, apresenrem seus crditos no escrip-
torio da casa n. 17 da ra do Corara jrcio, 1
andar, aftm de proceder-se a verifleaco e classi
fi cacao dos meamos crditos, o qne lera lugar
rindo o praso cima.
Bellrio Oliveira & C.

O Sr. Joaquim Salvador P. de Siqueira Ca-
valcante, nio pode vender o sen escravo Benedic-
to Sapucaia e nem ontro qnalqner.______________
Joao Antonio da Silva -socio da firma
Bastos & C participa ao publico e especialmente
a corpo do commercio, que tendo encontrado algu-
mas pessoas com igual orne, por Uso dea da-
ta em diante assignar-se-ha Joio Antonio da Silva
Bastos. _
Recife. 1 de jumo de 870. ___________
AMA
Precisa-se de urna ama par cozinhar e com-
prar para casa de pouca familia : a tratar na
ra do Crespo n. 18, 2* andar. ___
- XiROP H'YPNOTICO de CIILORAL.
Ochloral um agente therapeutico recen-
temente experimentado, mas cujos benefi-
cios vao sendu largamente aproveitados pe-
los praticos era quasi todas asaffeccoes ner-
vosas, calmante e somnfero poderoso, tile
sempre empregado com vantagem nos
casos de dores nervosas intensas, e as de
nsoainia, em que ee prodoz um somno
calmo e profondo.
Elle recuramendado as clicas, na cho-
rea, no telano, nos partos laboriosos, na
clampria, as quemaduras estensas, nos
accessos agudos de gotta, na asthma, na
tosse convulsa, e em maitos utros casos,
DOSE.Daas a.oito colheres de sopa
por dia, conforme o effeito que o medico
quer obter.
Encontra-se na Pharmacia CENTRAL ra
do Imperador n. 38.
VINHO DD QUININNO DE LABARRAQUE
Poderoso tnico hoje to aconselhado nos
gozos de jdebilidade eral, e moi usado
como antifebril.
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERADOR
N. 3.
Os sebores abaixo declarados queiram ap-
parecer ra da Cadeia n. 30, 1 andar, a nego-
cios de interesses.
Francisco Antonio ruro.
Marcelino de Souza Pereira de Brito.
Miguel Esteves Alves.
Antonio Caetano da Motta.
Manoel D. de Carvalho.
Alfredo Carlos da Silva.
Candido Rodrigues Miris._______________________
Escrava.
Na ra da Cadeia n. 7 precisa-se alugar nma
escrava para todo o servico de urna casa de pou-
ca familia.________________________________
Aluga-se urna escrava para todo servico de
urna casa de pooca familia, paga-se bem : a tra-
tar na ra Imperial sobrado n. 1, andar terreo.
Joo Jos de Carvalho Moraes, Lniz Alfredo de
Moraes, (auzente) Jos Candido de Moraes, Can-
dida Bosa de Moraes Barros, e Belarraino do
Reg Barros, compungidos da mais acerba dor
pela infausta nova do passamento de sua mui
presada irma e cunhada D. Lnsia Candida
de Moraes Campello fallecida no dia 6 do mez
prximo passado, (na cidade da Fortaleza, provin-
cia do Cear) mandam celebrar urna missa de r-
quiem e memento pelo eterno repouso da mesma.
no dia 6 do corrente, trfg simo de seu fallecimen-
to, e para este aclo que dever ter lugar na ma-
triz da Boa vista pelas 7 1|2 horas da manha, sao
convidados todos os seus prenles e amigos o ob-
sequio pelo qual protestan eterna gralida .______
*-mmmmrmmwmmimm*pmmBZtyatMmKi
Precisa-se de urna ama para servico de dontre-
e fra de casabe pouca familia, prefere-se f sera-
va e paga-se bem agradando : na ra Velha nu-
mero 66.____________________________^____
Desappareceu na noite de 29 para 30 de ju-
nho prximo pass.ido o menino livre de nome Joa-
quim, idad8 de 8 annos, pouco mais ou menos,
preto fulo, cabeca grande, pernas finas, olhos um
pouco grandes, e um pouco atoleimado, dei-eon-
lia-se que fosse seduiido para ser vendido como
escravo : a pessoa que dellfl der noticia ou leva-Io
Santo Amaro das Salinas, sitio confronte ao ce-
miterio inglez, do Barbosa, ser recompensado:
outro sim recummenda-se polica.
CASA DA FOBTEltt
Aos 8:000$
Bilho ees garantidos.
A ra do Crespo n.3 e casas do costme.
O abaixo assignado, tendo vendido alm de on-
iras sdrles, um meio n. 1263 com 8:000 da
lotera que se acabou de extrahir a beneficio
o recolhimenlo de Iguar.iss (151a) convida
aos po3suidores virem recebar na conformidade
do costume sem descont algum.
Acbam-se a venda os felizc-s bilhetes garan-
tidos da 6" parte da lotera beneficio da ma-
triz da Escada' (152'), que se extrahir quinia-
foira 7 do me- vindonro.
PRBCOS.
Bilhete inteiro* 105000
Meio bilhete 5VKH)
Quinto 2000
Em porcao de lOOOOO para cima.
' Bilhete inieiro OfiOOO
Meio bilhete 4*500 .
Quinto 1*800
Manoel Marlins Fima.
CRIADA
Precisa-3e de urna moca decente e branca par
o servigo da sala do hotel do Universo, preferin-
do-se urna ailema : na Praca do Commercio n. 2.
Paga-se bem.___________________________________
Padre Augusto Anto-
nio Teixeira
DISCURSO
De aeco de gracas pelo fausto successo do aea-
bamento da guerra, por occasio do solemnsimo
T-Deum, celebrado na Igreja de N. S., da Encar-
naco de Lisboa. A' venia as livrarias: Fran-
ceza, Acadmica e Encadernaco Parisiense.
DE
Cato & C.
Precisa-se de um
., Pfecisa-se de urna ama para o servicti ioter
no de ama casa de pequen familia, preferindo-se mandados e mais servico interno, na ra dt
escrava: na roa da Amttade n. 21, Capunga, ou parador n. 57, I* andar, escada pelo lado da
na ra do Vigario n. 5, 3* andar. I te Se de setembra
creado, qae sirva para
interno, na ra do Im-
pon-
Na praca da Independencia n. 33 se da di
heiro sobre penhores de ouro, prala e pedrai
reciosas, seja qual for a quantia ; e na mesma
asa se compra e vende objectos de ouro e prata.
i igualmente se fas toda e qualquer obra de en
sommenda, e todo e qualquer concert tendente
i mesma arte.
tinturara franceza
55-Rua da Imperatriz-55
Tinge, lava, limpa, lustra e achamalo-
tase, com a maior perreiclo, blendas em
B pecas e em obras de todas as qualidades;
como sejam : seda, la, algodo, linho,
> chapeos de feltro e da palha etc. etc.
Tira-se neloas e limpa-se a secco sem
I molhar os tecidos, conservando assim to-
a do o brilho da fazenda.
Tintura preta as tercas e sextas fei-
8
S
Precisase e urna ama para comprar e co-
zinhar para um casa de pouca familia : na roa
Imperial n. 130, casa com porfi de ierro ao
lado. _______
iNa ra do Mondego n. 18, casa di.hornera
solteiro, precisa-se de urna ama que "90"* c*
perfeicao do servico de cozmha ; agiadando pa-
gar-se-ha muito bem.
*- Precisa-se de urna criada oosinheira, na
roa do Imperador n. 57^se^dowdar, escada
pelo lado da ponte
Sete de Setembro.
N. 77 RA DA IMPERAT ZN. 77
Esforce-se muifo embora o facultativo laborioso,
empreguem-se as reaccoes mais fortes contra
qualquer affeccae, e tudo ser baldado, infructfe-
ro, o al omminoso se os combinados pharrtaceu-
ticos nao forero acrisolados, e oriundos dos medi-
camentos mais novos e puros.
Se a paidologa, a materia medica sao os dous
contribuales para apiompta extinc(,ao dos pade-
cimentos mrbidos, se do seu perfeito eonhecimeD-
to depende a vida as menores como mais graves
enfermidades, a pureza do medicamento, a sua
forca real e prompta acclo expelindo toda duvid
sobre sua efikaddade, em vez de sar a ultima so-
licitude a lomar o mais seguro garante da vida.
Esta pharmacia paro isso emprega todo o xelo,
mandando vir seas medicamentos dos principaes
fornecedores de Pars, Londres, Hamburgo, Lisboa
e America ; tendo tambera grande sortimento de
productos cbimicos, pharmaceuticos, tintas, pio-
ces e toda a qualidade de drogas, e preparado
especiaes desta pharmacia.
Avia receitas com pericia e promptidao, at as
10 horas da noite, aitendendo a qualquer receta
e a qualquer hora tambem da noite, por nm pos-
tigo, e s abrmdo a porta a fregueaes eonhecidos.
Avista disto convidamos < s moradores da Ire-
guetia da Boa-vista e ao pubbxo em geral a con-
correrem ao nosso estabelecimeoto, que nos en-
cootrarao sempre promptos a satisfaie-ms por
menos dez por cento do que em owra qnalqner
part__________________________.
Agencia em Pernambuoo
Do Dr. Ayer
Peitoral de Cereja
Cara a phthysica e todas as molestias do peito.
Nalsa parrllha
Cura ulceras e chagas antigs, impigens e dar-
^tros. i
Tnico
Conserva e limpa os cabellos.
Plalas eatbartlcas.
Puramente vegetaes e sem mercurio, cura se-
des, curam e purificam todo o systeroa hnmaso
Vende-se effeetivamente em casa de Samuel P
bostn & C, roa da Saualla Nova n. 41.


Diario de Pernambuco Terqn feira 5 de Julho de 1870.
K
mmwmmmmmmm mmmmmmmmmmmmmm
s
iwtiio mu i
Com este titulo acha-se aberto e inteiratoente transformado este antigo
eetabelecimeuto de joias, onde os' freguezes e amigos encontraran todo quante
a moda e o bom gosto tem inventado na arte de ourivjesaria, o Collar de duro
observar delicadeza no trato e senciridade e modecidada nos precos.
Espera que o respeitavel publico venba ver o que existe de melbor em
aderados de ruantes, esmeraldas, robios e perolas. meios aderecos, pul-
ceiras, brincos, alfinetes e anneis de todas as qualJdades, prata de lei faquei-
ros. colberes, paliteiros salvas e outros muitos objectos que seria enfadonho
mencionar.
Comprase ouro, prata, brilbantes e pedras finas, pcrmaior nreco do
que em outra qualquer parte, troca-se e concrta-se todo e qualquer objecto
pertencente a esta arte.
0 MAR4VILH0S0 REMEDIO DO
DR. CHAS DE GRATH
OLEO ELECTRIC
kIM. OF PAIN 0 RE DA DOR
PARA USO IvriiR.V 13 EXTERXO
Vura cholera c cholera m rbus,
AO ARMAZEM
VAPOR FRANCEZ
Furiaram do engenho Murohequinha no dia
de S.Pedro, 29 de junho do'esrrefie anno, um
qiurtio ruco de vermelho, grande, secco do corpo,
carnudo, aiuda no, tu lei r o, com daas fondas de
caDgalana costelias, a pootinha da reina ee-
querda aparada pur dente de oatro cavallo, com
marca de raladura as juntas das maos, e o ferro
1C mal queimado ero ambas as pernas : qaem
sonbr noticia dalle dirija-sa ao engenho cima
dito, a tratar com Manoe! Carneiro Leao, que ser
recompensado.
i
!7IB
-17
moda.
Diarrbea, fluxo de sangue, em dm da.
Dr de cabera, e dores de ouvido em
tres minlos.
Dor de dente, em um minato.
Neuralgia, em cinco minutos.
DesIocacQes, em vinte minutos.
Gargantas incbadas, em clez raicutos.
Clica e coLvtrlsoes, em cinco minutos.
Kbeumatismo, em um dia.
Febre e febre intermitente, em nm dia.
Dor as costas e nos lados, em dez mi-
nutos.
Tosses perigosas e refriados, em um dia.
Pleuresa, em nm dia.
Surdez e astbma.
Hemorrboidas e bronchitis.
lnflammacao nos rins.
Dyspepsia, erysipelas.
Molestias de ligado.
Palpitadlo de coraco.
Reserve sempre este remedio em sua familia
AS DOENgAS SE APRESENTAM, QUANDO MENOS SE ESPERAM.
OLEO ELCTRICO O KNG OF PA1N (O re da dor) aquieta e positivamente
dissipa mais de difidentes molestias e dores, e allivia maisossoUrimentos e produz um
mais perfeito equilibrio no sysiema bumano, o que nao se pode effectuar no raesmo
tempo, coai qualquer outru remedio medecinal
Este rauito popular remedio est agora usando-so geralmente, pela razo que
milhares de pessoas se tara curado gratis com o dito remedio peio Dr. Grath e outros
mais.
Este importante remedio nao se oflerece para curar todas as doencas, porem t3o
rnente para aquellas estipuladas as nossas direegoes.
Est operando nos principios da cbimica e da electricidade e por isso est ap-
plicavel para o curamento e para a restauraejio da accao natural dos orgos que soflrem
da irregular circulado dos fluxos dos principaes nenos. Oleo elctrico O o King of
Pain opera directamente nos absorventes, fazendo desapparecer as inchaces das gln-
dulas at em um tempo incrivel, breve sem perigo do seu use debaixo de qualquer cir-
cumstancia.
O remedio, urna medecina para o uso externo e interno, composto dos elemen-
tos curativos, raizes, hervas, e cascas, taes, como se tem usado dos nossos autepassa-
dos, e das quaes tem grande exislescia no mundo, para curar todas as molestias, so-
mente sai endo-se quaes ellas sao.
Foi um gionde e especial desejo da faculdade de medecina durante muitos annos
de experiencia para aprender os melhores nudos que se deviam adoptar para curar a?
seguintes doencas, e que proporces de medecina se devia usar.
UMICO DEPOSITO
EM PERNAMBUCO
NA PHARMACIA F DROGARA DE
BRTHOLOMEO & C
N.=34 Ra Larga do Rosario.N.
Acaba de chegar a este estabelecimento nova3 facturas com importante sortimento dos
artigos abaixo mencionados precos os mais resumidos que possivel
LDTAS DE PELLICA
Do afamado fabricante Jouvin.
Sortimento completo de brancas e de cores, maito boas de se escother, em qaanto estao bem
frescas e sortidas.
BOTINAS
Para enhoras e mealuas.
Botinas pretas, brancas e de muitas ontras cbem sortidas e bonitas, do ultimo gosto da
BOTINAS, BOTAS E PERWEIRAS
Para borneas e meninos.
Botinas de biierro, eordavao, lustro e pellica, botas russianai de buerro e de lustro, per-
nelras de lustro tanto para horaens como para meninos.
Sapatos
Sapatos de borracha para bomens, senboras e meninos, sapatos de invern para homens,
ditos de lustro com alto para homens, ditos de tapete aveludado, de casemira e de tranca fran-
cezes e portuguezes para bomens, para sentaras e para meninos.
PERFUMARAS
Finos extractos, banhas, leos, agna divina, de cologne, de lavande, e de florida tintura
para cabellos, pomada angroise para bigodes, pos de arroz e sabonetes.
Quinquilharias
Epelhos grandes e pequeos, leqaes, albuns e caixilhos para retratos, esterioscopes com
bellas vistas escolhida*, bengallas, chicotes, correntes de plaqu para relegios, grvalas, ocnlos,
lunetas, caixinhas de costura ornadas com msicas, pholographias. mgicas, coffreeinhos mgicos
para desapparecer anneis, ditos ditos para relogios, jogos de domin, bagatella, redetos, e outros
muitos joguinhos franeezes e allemaes, jarros com bonquets le flores de porcelanas para san-
tuarios, cestinhas diversas para braco de meninas, objectos de phantasia dourados para toiletes, ri-
cas escovas para cabello, para vestidos de senhora, para chapeos t para-barba, pontelras de espuma
para cigarros e para charutos, abat-jnr para candieiros a gaz e para lanternas de piano, caixinhas de
msica de darse corda, ps de vidro para pianos, realejos grandes e pequeos, accordions, cosmo-
rama3 com as mais importantes vista*, molduras douradas para quadros, bonitas estampas de pai-
zagens, de figuras e de santos, carrinhos de 3 e de 4 radas para eonduzir meninos a passeios, ma-
las e boleas para viagens, berros de rimes os mais commodos que ha para crianzas.
Para este prtigo nao ha espaco nem tempo para a massante leitura da inflnidade ds gene-
ros de brinquedes fabricados em diversos paizes da Enropa.
- Precisase alugar an>a escrava para cozinhar
e eogo-nmar : na roa do >>epo o. 23.
ATTENCAO
O dono deste estabelecimento pede ao publico em geral que continu a vistalo veri-
arando as qualidades e os precos baratas de ditos objectos por serem viudos em direitura e de
onta propria.
34
SI 9b1 ;' 8 DH HK %
""* tJ =3 O..Q O- C5
m
'Sai S-b jg
u o u
a g 2 r- Tan 3 # o *d -. ,, t r
- u ', ::
3*
o
B I*
. 2 M -
f c 2 S *
&-
2 *
o
&3
00
2
Q.S"
CD C
a> a.
Ig.||
3 O CD ft T. ~~
j Kii J^ KJi CD
ja Se S _.
BSST ?.B
S a-3 O g w
x e S o S
7* o o
o "
D
a, o
5 a,w
a o
* ffl 3. o
o -j, o
o o
oa
2
a 3
" sr
o o
O 3 m
>3 g
zr o a> o*
2- 5 = ja
Bt 6
>3
o."
M a> aa O u
GRANDES NOVIDADES
NA
TRIUMPHO
PARA SENHORAS. Ricas poupelioas de padres lindisMmos, e gosto nevo.
Cambraias bramas bordadas para vestidos. Poil d'chevre de lindos padroes por
jarato preco de 530 rs. o covado.
Grande sortimento de laas e alpacas de 320 rs. a 10500 o covado.
Saias bordadas, ditas lisasj feitas com barra de cor.
RARA MENINAS. Ricos vestidinhos de fustao enfeitados brancos e de cor.
Vestuaros de fusto para meninos.
PARA HMENS. Camisas inglezas e francezas, de linho bordadas e de pregas,
xm collarinbo e sem elle, ditas bordadas para noivas. Chapeos de sol de cabo de'
aarfim e de canna etc., etc., lavas de Jouvin para sentabas.
Grande sortimenti de cortinados para camas e janeas. Croxs para sof e ca
^diras de braco e guarnico. Tapetes para sof e cama, para pianos e portas.
Colxas de croch .para cama de noivas. Tapetes em pessa para forro de salas
O nico e especial sortimentos das verdaderas ESTEIRAS DA INDIA, so existe na
OITereco-se ama pes-oa para criado de urna
casa para compras e mandados: na ra da Roda
n. 40, laja.
11 -1 1 1
Preoisa-s lugar ama negrinha de 11 pura
12 anno: a /ratar na fu da Caraboa do Carmo
a. 2, taeran.___________________________
par sur
A casa que acacha annunciada pelo Diario para
ser vendida, defronte do sobrado do teueote-cro-
nei Manoel Joaquim do Retro Albuquerque, em
A togados; di sendo que tem 60 palmos para edifica
Cao, nao ha tal/por quanu estes terreos estao
aforados ao Sr. Francisco Siraoes da Silva Mafra,
como se v de urna escriptura publica pelo pro-
prietario da mesma.
Alnga-se urna preta escrava boa cozinheira:
a tratar na ra Duque de Caxias n. H, anliu do
Queimado, luja de faaendas.
COMPRAS.

O muzeo de joias
Na ra do Cabug n. & compra-se ouro, prata
pedras preciosas por presos mais vantajosos do
ine em outra qualquer parte.
Compram-se e vendan-se diariamente para mra
1 dentro da provincia escravos de todas as idades,
sores e sexos, com tanto que, sejam sadios : no
erceiro andar do sobrado n. 36, ra das Gnes,
teguezia de Santo Antonio.
Compram-se
Moedas de onro e de prata de todas as nac/es :
ra da Caaea do Recife n. 58, loja de azulejo.
na
Compra-se urna casa terrea boa, situada em
Santo Antonio ou Boa-vista : na ra da Florenti-
na n. 6.
Compra-se urna casa terrea, na freguezia de
Santo Antonio : tratar no arco da Conceicao nu-
mero 6.
Oom muito maior vantagem compram-se
onro, prata e pedras preciosas e a obras velhas: na
loja de joias do Co cacao de Ouro a. 2 D, ra do
Cabug.
Compra-se urna carrea e preparos para um
cavallo, sendo esta muito maneira e em maito
bom estado : na ra da Senzala-nova n. 30.
Attenpo
Compra se urna reflnacao de assucar : quem
liver annuncie para ser procurado
Compra se urna escrava de boa conduela,
que seja boa cozinheira e que engomme com per-
feicao : a tratar na ra da Cruz do Recito n. 63.
VrNDAS.
Vende-fe una negra de 16 annos, engem-
madeira, ou troca-e por urna que coriane e com-
pre : na roa de Sanln Amaro n. 6, 2o andar.
Ar teslo
Vndese urna casa de taipa cubera de telha,
no povoado dos Montes, na margem do rio Un tratar na ra Imperial n. 8.
Farinha de mandioca
da Baha.
No escriptorio du Jraqnim Geraldo de Bastos ;
ra do Vigario n. 16. primeiro andar, vende-se
fariona muito alva, fina o turrada] saceos de dous
alqueires, por menos do que em outra qualquer.
parte.
Klttr/opara veu'Jr
Vende se nm burro : na fabrica do paz.
Loja do Triumpho.
Ra Duqua e Caxias n. 7.
flHHKMMM
20 PAMR1A i RIJA DA MATRIZ 20
O pao que se fabrica neste estabeiicimen-
to, conhecido pelo pao de Samonda, vende-se
nnicamente neste estabelecimento, por con-
ceqnencia qualquer pao que se venda debai-
xo deste nome na ra, ou outro estabeleci-
mento falsificado, pelo que nao se responsa-
biliza.
O proprietirio, Ramonda.
GUSTAV
CABELLEIREIRO FRANCEZ
51^Ra da Cadeia do Eecife-----51
Chama a atiendo dos seus innmeros freguezes, e do respeitavel publico e
eral, para a seguinte tabella dos precos de sua casa, os quaes sao vinte por centi
mais barato do que em outra qualquer parte:
Cabelleiras para senhoras a 'lo,
300, 3U e......405000
Ditas para bomem a 355, 405 e 505000
Coques a (25, 155, 185, 205,
255, 305 e.....505000
Crescentes a 125,155,185,205,
255, 305 e.....325000
Cachos ou crespos a 35, 45, 55,
6& 75, 8*. 95 e. 105000
Tranca, de cabello para annel a
500 e....... 15000
Tranca para braceletes a 103,
Cadeias para relogio a 55, 65,
75, 8& 95, 125 e. ... ; 155001
Corte de cabello,..... 50i
Corte de cabello com frcelo. 501
Corte de cabello com lavagem a
champou...... 15001
Corte de cabello com limpez da
cabera pela machina elctri-
ca, nica em Pernambuco. 15001
Frisado ingieza ou franceza. 501
Barba......... 251
153, 205, 25 e 305000
ASSIGNATURAS MENSAES
Especialidade de penteados para casamento
Bailes e sotres
0 dono do estabelecimento previne s | Recommenda-se a superior TINTURA JA
Simas. Sras. e aos cavalheiros que ha um PONEZA para enegrecer os cabellos e bar
sallo para tintara dos cabellos e barba, as-iba> onica admittida na ExposicSo universal
como nlo prejudicial saude, por ser ven
Jim como um empregado gmente oeeupa lat!, analysada e approvada pelas acad*
do nesse servico. i mias de sciencias de PARS E LONDRES
PUARIACIA DO PINTO
RA LARGA DO ROSARIO M. lo
. + Jpnto ao quartel do corpo de polica.
(OUTR'ORA RA DOS QUARTEIS)
As especialidades desta pharmacia sin os acreditados medicamentos indgenas
compostos e propagados pelo sea proprietario. o qoal tem empregado os mais aturados
esfor?os. afim de desenvolver a tberapeutica brasileira*
Acham-98, pois, os referidos medicamentos, bem como muitos outros de origem
estrangeira proroptos para satisfazer as prescripcoes dos Srs. facultativos e acudir s
necessidades de todos os enfermos.
TOSSE E MOLESTIAS DO PEITO
Xarope de fedegoso, rabo de tat,agrilo, pb cardoso.iuc.mulnng, mutam-
ba etc,, etc.
RHEUMATISMO E MOLESTIAS SYPHILITICAS
Arrobe vegetal, xarope de salsaparrilba do Pari, pilulas, xarope de veame, tin-
tura e xarope de sicupira
' Doencas do fiyaiio e b&c, tmeinia, opilaoao eic.
Emplastro, oleo, pommada, tintura, pilulas, xarope e vinho da milagrosa Jara
beba.
SezSes ou febres intermitentes
Ai pilulas anti-penodicas do Pinto.
Vende se a padarin da ra da Guia n. 56,
por sea dono querer retirar-se por 5e adiar doente.
Yeude-se
Ua escravo pera, crioulo, preto, de idade 20 an-
ny : na ma da Pria n. 47, 1 andar.'
veode-se um bol e urna carroca de 4 rodas,
em bom estado : a tratar na ra da Roda n. 48,
das 6 as 9 horas da manilla.
Vende-se ou aluga-se urna canoa nova, toda
encavilhada de cobre, que pega 400 feix-s do ca-
pim : para ver e tratar na camba dos Remedios
com o capitn Delfim.
Santuario
Vende-se um em bom estado, por prego com-
modo : na rna Imperial n. 23.
Taxo de cobre
Veode-se um grande, por prego coinmodo : na
ra Imperial n. 23.
A ra do Duque de (Jaxis n 21
(AKTJGA RA DO QUEMADO)
Nao foi sera fundamento que a NOVA
ESPERANCA tem deixado de fazer os seus
annuncios, a razo simples, ella entende
que todo era demasa aborrece... por isso
como j tinoa dito e scienticado sua boa
freguezia o qae constantemente a receben-
do, oa tivesse feito muitas vezes, receiou
tornar-se massante, assim pois recolheo-se
am poeco ao silencio, mas nunca dentando
d'ei pregar os verdadeiros esforcos, j con-
tratando maior numero de correspondentes
na Europa, j descobrindo bjectjs do mais
apurado gosto e finalmente assignando o
Jornal das Familias, o quah vem sempre
ornado com figurinos, modernos moldes para
vestidos etc,. etc. para d servir a sua constante freguezia ; e com es-
pecialidade ao bello sexo, quem a NOVA
ESPERANCA ufana-se em offere&r-lhe
seus servicos, apressando-se desde j em
declarar que tem recebido ltimamente
entremeios e babadis bordados transparen-
tes e tapados, chaposinhos de setim para
baptisados.
Finas toucas de cambraia bordada para
o mesmo flm.
Meiasde seda e flo de c-scocia para enan-
cas.
Dedaes d'osso, marfim, ago e madrepe-
rola.
ptimas navalhas, afiadores e massa para
as mesmas.
Finas esponjas para o rosto e para ba-
nhos.
Ronitos sapatinbos com biqueira, sendo
com salto, para meninos e meninas de dois
a doze annos.
R6a& lentes com cinco melimetros, para
contar-se os Dos de qualquer fazenda.
Tesouras para frisar vestidos.
Carretas para tirar moldes de vestidos.
Mollas para segurar'costuras.
Bonitos linteiros de novos moldes,
Meias de lia para homens e senhoras.
Finas o bonitas ligas para meias.
Fil de linho e de seda, sendo preto e -
branco, liso e de salpicos, e outros muitos
objectos expostos a venda roa Duque
de Caxias n. 21, na NOVA ESPERANQA.
AabSo d'aleatro.
Vende-se na ma Duque de Caxias n. 21.
PARA LUTO.
Brincos, broches, vollas. pul eiras, fivel-
las, pentes, botoes para purhos e cadeias
para relogios.
A NOVA ESPERANCA. querendo satisfa-
zer sua freguezia, nlosmnte tm objectos
d'alegria ou de luxo, qiier lamben acom-
panhar aquellas, qn- inelizmerite perdendo
alguem de sua familia, ou a!tiem de sua
amizade, precisara de taes objectos, assim
pois a NOVA ESPERANCA, maniou vir o
que ha de melhor nesle genero, porque
sendo tacs objeelos de cor negra, sendo
de m qualidade, nao fomento tornam-w
tristes como al repugnantes, o que n3o
acontesce aos da NOVA ESPERANZA, por
que apenas exprime o sentimento pela cor
porem com que traz um lenitivo pelo gosto
e perfeifo com que tes objectos sao tra-
balhados.
JoaquimB.edriguesTa- ^
vare> de Mello,
0 '^raeja do Corno Santo i. 1 T&
0^ TKM PARA VENOiR :
3 Cal de Lisboa.
H Potassa p.iRussia.
0 Vinho Bordeaux.
g Farello (le Lisboa.
FarE^ha Sival sem segundo,
RA DUQUE DE CAXIA* I. 4
(Amiga ra do Oocimadoj
Vende-se por menos do que em qualquer
ontra parte 100 moinhos de pedra chegados lti-
mamente d lllin de S. Miguel : na ra do En-
cantamento n. 1 i, venda.
Vende-se em palmos acontento terreno mui-
to bom para edilicacao, sito na entrada da ra do
Principe, na estrada de Joo de Barro?, no bairro
da Boa-vista : qaem pretender dirija se ra da
Imperatriz, sobrad n. 13.
ATTENCAO
Vendem-se as trras da fazenda de criar gados,
denominada Nova Fazenda, sita na comarca de S.
Joao doe Cariris-velhos da Parahyba. ainda com
dous carnes e casa ordinaria, com bastantes ier-
ras, agua boa e permanente, e muio bons pastos,
dis'ante de:ta praca 30 legoas, vndese por com-
modo pre^o : quem pretender pode dirigir-se
ra do Rosario ila B )a-vista n. 24.
Vende-*i fej.i mulatinho- a 700 rs. a cuia :
na roa do Vipari" n. 12.
40
120
500
60
1(5000
60000
I
Farinha de mandioca de Santa
Catharina.
Da superior, vinda pelo patacho ingles Mary
Block j ha parte ensacada para commodidade dos
compradores, e vende-se nos armazens de Trsso
Irmos & (1, no caes do Apollo, e ra do Am rim
numero :t7.
A 2#0(>0
Finos cunes de chiu a2i000 :,na ra do Cres-
po n. i"-, luja da esquina.
Ca briol et
Na cocheira di Sr. Balthasar rna da Guia n.
1, vende-se um cabriolet de 4 rodas, om perfeito
estado e pnY preco commodo.__________
ATTENCAO
\i>aJe-se um grande itio em trras foreiras, no
logar denominado Arraial n. 48 K, o qual flea por
detraz do Moateiro, e muito perlo da estacao^ten-
do a casa 3 janellas e t porta de frente, salas e
l gabinete, 4 quartus, e coznha fra ; o si io alem
de diversas arvoras rractifesas, tem mata para ti-
rar lenha a tratar oa ra do Imperador n. 54,
livraria universal.
Veodt-je um preto de 20 anuos, offlcial de
marcineiro, bjnita ligura : na ra da Hartas nu-
mero 96.
ude-se um bonito caNtinba de 13 auno,
offlcial de fen"eiro, e tambem bolieiro : na ra
de Hortas n. 96. Na mesma casa ha outros es-
cravoje esjrivas para vender
Contina a vender tudo muito bom e
muito barato a gjber:
Quadernus de papel pequono a. ,
Libras de .-'reia pela irttiito boo. .
Tesonras fitas para i'.rihas a c til-
ia a.........
Papis de ayuias Eranceza a ba-
ilo a.........
Caixas cora seis ssbomjtea le [ruta
Libras de laa para bordar de todas
as cores a.......
Caivetes finos para aparar penas
lapis a 500, 1 e.....
Carriteis de linha Alexandre a. .
Frascos com azeite para machinas
Grvalas de cores rauito finas a .
Grozas de botSes madepersla fi-
nissiraos a.......
Pares de Invas de cores muito fi-
nas a '-20 e.......
Novello de linha de 400 jardas a.
Caixas com 100 envelopes muito
superiores a......
Pentes volteados para meninas a.
Tinteiros com bnia preta a80rs. e
Pecas de fita elstica rauito fita a
Lata cota superior banha a loo e.
Frascos de oleo Philocomo rauito
lino a.........
Ditos ditos dito grande a. .
Frascos de macag perola a. .
Frascos de extracto muiHi b hilos a
Duzia de saboneles muito fino. a.
Saboneles ingltzes a 600 rs. e. .
"Frasco com agna de colonia Piver a
Dito de oleo baboza a.....
Guas de lamparinas a. .
Saboneles a forma menino milito
superiores a. : .
cartnas da doutrina fazenda nova a
Libr.-s de linha sortidas de todos js
nmeros a.......1^800
Duzia de pomada do Porto muito
superior a.......
Babados do Porto, largos a 160 e
lapachos muito bonitos e grandes a
Carriteis de rctroz preto, com 2
oitavas a........
Agulheiros de osso enfeitados a, .
Libra de linha franceza superior
qualidade a.......2#400
Caixas de palito do gaz a. 20
Bonecas de cera muito bonitas de
500 rs. ........2100
Vendem-se 13 esclavos, sendo 3 pretos de 1K'
a 30 asno*, propNos para todo equalqutr servi^u
tanto de ca?a coran para agricultura, ssirn como
nm mulatinho de 17 annos, perfeito copeiro. 6 en-
era vas do 14 a 30 aanos. todas prendadas: na ra
esireila do Kosariu n. 43.
500
100
500
500
500
500
60
600
240
100
200
200
800
1,5000
240
500-
720
1,5200
500
800
40
240
400
280-
200-
700
640
240
v
Vende-se urna taberna no Caminho-novo n.
81 : qaem pretender dirjase a raa do Progressa
numero 16.


Diario de Pemambuco Tert;a feira 5 Rna
Caxiasn.
Duque
Na Toja da VERDADE continoa-se a ven-
er por baratissimos precos todos os arti-
gos de miudezas e perfumaras do seo
grande e variado sortimanto", garantindo aos
compradores toda a sinceridade.
Lindas bonecas de cera e massa por ba-
ratissimo preco.
Espelhos dourados para pendurar a
160 rs.
Agulhas de osso para crox a 200 rs.
Pentes finos para segurar cabello, a
320 rs.
Gravatas de seda preta de 400*800 rs.
Ditas de cro_e, brancas e de core* 1500 rs.
Dita de gorguro de cores a 800i*.
Ma verdade a roa Duque de Ca-
xfas n. 5&.
CABAP1NA
Vende-se um banco de car apia e nm temo de
ferruneoU para o mesmo : na roa da Goaeordia
nnroero 4._____________________________
Vendem se diversos ecravos pecas vindos
do Ceara, proprios para engenho, assim como
una cabroeha por 1:000i, de 18 aonos de idade,
bonita figura, est um pouco deseorada de frialda-
de, e diversas mulatas com habilidades: a tratar
na rna da Cruz n 53, 2o andar.
LOUCA
OURO
Chamins para gaz a 320 rs.
Garrafa com tinta alizarine a 10000.
Dita com agua florida a i#5C0.
Dita com arta dita a UQ.O.
Tnico de Jayme a 15500 o frasco.
Frasco comoleo expresso de babosa, de
240 a 640 rs.
Dito com agua de Colonia de 300 a 10000
Dito com extractos finos a 10000.
Dito com sndalo verdadeiro a 10200.
Latas com banha moito fina de 120 a
240 rs.
Sabonetes muito finos e diversas quali-
dades a 80,160, 240 e 320 rs.
Finas escovas para dentes de 320 e 500 rs.
Ditas para fado de 500, e600 rs.
Ditas para cabello a 500 rs.
Pentes para alisar com costa de metal a
320 rs.
Ditos ditos ditos de bfalo a 240 e 320.
Pentes para tirar piolho de 160 e 240 rs.
Pavios para gaz, dazia a 240 e 320 rs.
Brincos de cores, inteiramente modernos
de 160 e 240 rs.
Pennas caligraphicas muito finas a 10400.
Ditas de lanfa e mosinha a 800 rs.
Lindos babadinhos e enremeios de 500
e 10503.
Grosas de botoes de looga de 160 e
200 rs.
Ditos ditos para caifa a 240 rs.
Caixa com papel amizade a 700 rs.
Ditas com envelopes a 480 rs.
Ditas com obreias a 40 rs. \
Ditas com agalhas fundo dourado a
280 rs.
Thesoura para costara a 240 rs.
Linha de marca e^ixa a 280. rs.
Carriteis de linhas de Alexaodre de n. 70
a 200 a 10 rs.Q
Grampos muito finos, com passarinhos du-
ziaa 200 rs.
Cartas francezas para jogar duzia 30000
Ditas portuguezas, duzia 10400
J>apel almaco superior qualidade resma
40000.
Lam muito fina para bordar libra 60500
Fitas para debrum de sapato, pessa 160 rs
Ditas de lam para debrum de vestido peca
400 rs.
Caivetes gr-ndes com molla a 400 rs.
Ditos grandes com 2 folhas por 320 rs.
Rosetas pretas para luto, o par 100 rs.
Trancas de lam de caracol branca e de
CJ6S de 40 a 100 rs.
FiUs para cs, peca 480 rs.
Alfmeics de lato, carta 100 rs.
Saoatinhs de lam para creanca de 400
a 800 rs.
Calgadciras a 40 rs.
Grande armizen a ra da
inaperat j-z n.
Neste grande armaiem vende-ee lo*ca mgleza
tinas e ordinarias, apparelhos de porcelana para
jantar para cha, jarros para florea o mais boni-
tos e de gostos modernos ; assim como grande
tortimento de vidros finos e ordinarios, que tudo
se vender tanto a retalho como por tacado pelo
mais barato preeo que em outra pualqaer parte :
chamamos a attencao dos fregnezes, que saiao
convenientemente servidos unto nos commodos
precos como na boa nnalidade das Calendas.
Cigarros da imperial
fabrica de S. Joao
de Nictberoy.
nico deposito em Pernarabnco caes da alfan
dega velha n. J, 1* anda.____________.
Vende-se
Lojj
Sementes n:vas de hortalice?, garantidas, da socie-
dade de Horticultura Lisbonense, rna do Amorim,
deposito da fabrica de cervejas e espirites da ra
do Brnm.__________________________
Alta nevidade
NA
ja do paqo
Chegaram pelo ultimo vapor francez as rieas
chapelinas de palha de Italia, ultima novidade de
Paris, chapeos de telado e paisa tambem os te-
mos de muito gosto, poslilhoe e basquinas de gor-
guro preto rauito superior coro ricos laoo de
setim : na rna de Marco n. 7 A, loja do paco._
"Pe^hincba a 1$ e 9$
Vende-se calcado francez obra muito boa peto
diminuto preco de 7* e 9\ assim eme calcado
para crianzas a SiEOO, baratissimo: venhamael-
les antes que se acabem, nabem conheeida loja de
miudezas da ra da Gadeia n. SO A, confronte a
ra da Madre do Dos. _____
Grande estabelecimento de fazendas e rapas feitas e por medida, ra da Lui-
peratriz n. 52 junto a loja de ourives.
Neste esUbeleciatents-encontrarA o respeitavel publico um bonito sortimento da
roupas de todas as qaalldadea.
Palitot de alpaca preta e de cores a 30000. 30500 70000, ditos rairin preto
d7#00 at 25S000,.ditos de casemira de cores fiaas e ordinarias, de 60. 160000,
dito de panno finos de 65 80 100 e 2< 0000. sobrecasaco,d de 200 a 500030
Coaplet sortimento de calcas de brim pardo de 15600 60000, ditas brancas
de 2|, a lOjOQO o mais superior, ditas iaeia casemira. ditas casemira de 50, 120030,
ditas casemira preta d 60, a 1650?0 superior, dita de merino diversas qialidades para
luto. Assim orno nm bonito sortioainte de eolletes de brim de cores, ditos brancos,
ditos de caseaira de ciee-pre4_s, ditos de merino pan lata fazenda superior.
Sortimtnto completo de camisas francezas de algodo,'de 0300 30000, e de
linbo de 380000 a 700000 a duzia.
Sortimento completo de ceroulas francezas de algodo de 10600 a 20500,
ditasde bramante a 108O#k 200G 8000; de Haiaburgo, franelas, fazenda su-
perior de 250000 a 3fO idttza. SortWifntdecolannhJs de algodo e linho, etc.,
assim como, meias de algdlo para liomem de 30, a 100000 a dnzia, 'gravatas de mul-
tas qualidades.- Si roa Inaaeralitz ri. 52* loja do
Sortimente de chapos de sol de alpaca, e seda, ditos inglezes cabo de marfim.
Toalhas para rosto. Sortimento de mallas para viagem.
ATT8NC0.
Neste estabelecimento enearrega-se de mandar fazer qualquer obra por medida
e para esse fim tem habft rnestre encarregado da officina, que se encarrega do irabalbo
com perfeicao e pontualidade.
SORTIMENTO DE FAZENDAS.
Chitas 4e*2Jfcta. o covado ou 100000 a pessa com 42 covado6. ditas miudes
para camisas e tim5o de menino 260, e 280 rs., e outras rauitas qualidades de 320, 360
e 400 rs. o covado, neste-tiesmoestabelecimento chegaram, urnas bonitas chitas da
victoria com barra, a qnal paraflhis ecompetente enfeite para corpinho. Cam-
braia lisa de 30, 40,50 e 10000 a pessa, e outras muitas fazendas de todas as quali-
dades.
ALGODA0 E MADAPOLlO AVAIUADO.
A 40000 o alsodftov* 406OOo madapolSo, e tambem chita escora bfta 240 o
covado por ter grande por#*, na rea da Imperatm n. 52, loja com portaes encarnados,
intitulado
MACHWS PARA
COSTURA
Acabara de ebegar ao GRANDE BAZAb
UNIVERSAL, ra Nova n. 22carneiro
Pviannaum completo sortimento de ma-
chinas para costura, dos autores mais co-
ntiecidos, as quaes esto em exposiclo no
mesmo Bazar, garantindo-se a sua b6a aua-
lidade, e tambem ensina-se com perfeicSo
a todos os compradores. Estas machinas
sao iguaes no seu trabalho ao de 30 costu-
raras diariamente, e a soa perfei?lo tai
como da melbor costureira de Parts. Apre-
sentam-se trabalhos executados pojas mes-
mas, que muito deven agradar aos preten-
deates.
qo armazem de E. A. Burle & C. ra da
Crn n,48 o-tegninte;
\ioho Bordeaos -superior qual.dade, pre-
cos d 70500 a 200000.
Cognac fino, differenles precos.
Licores de diffei eotes qualidaflea e pre-
cos.
Frutas e conserva em frascos.
Azeite doce francez, em caixaa de 12
garrafas._____________________
Fariuha de maudioea
Acaba de chogar o brigue brasileiro OtMo, e
acba se tundeado em frente do trapiche Bario do
Llrranieoto, com fannha de mandioca nova t-boa,
de SanuGatharina, a granel ou ensaccada *-
tade dos compradores : seus consignatarios .Aaao-
1 rira Irmaos A C, ra da Crux n. 3.
MILHO
Officina e armazem de
No trapiche do Baro do Livramento, ha para
vender superior milbo chegadn ltimamente do
Rio de Janeiro : tratar cura Joaquim Jos Gon-
ijalves Beltrao em seu escciptorto : ra do Com-
merdo n. 17.
Milho e farinha
Veuderase saceos com milho novo a 55O0, e
saccoe eom farinha (Mcuias) a 6*500, no trapiche
da Companhia : a tratar no mesmo.
Lefio de Onro.
A 5^000.
Vendem-se botinas de cores para senhora pelo
diminuto preco de 5* o par, sao cores bonitas e
obra bem feila : venham ruada Codeia a. 50 A,
Inja de miudezas confronte a rna da Madn de
Peo?.__________________________________
Farinha de mandioca
igual a de Muribeca.
Em saceos de dons alqueires e de panno de
algodao, cuja medida corresponde de 5 a 8 0[0
mais do que a medida daqui e do Rio de Juneiro,
vndese a preco menor do que em qnalquer ou-
tra prtete : tratar com Joaquim Jos Gongal-
ves Beltrao, em seu esenptorio a ra do Commer-
cio n. 17. ___
LOJA DOS A
Sacpos de estopa
Vendem-se ptimos aaccos de estopa, proprios
para aturar, milho, farinha etc.: no armaiem de
Adam?on, Ilwie A C, ra do Comtmrrio n, 40.
maimore
Caes Vinte e deus de novembro n. 57,
(ootr'ora armazem allianca)
Ha para vender podras marmores de todos o .
tmannos e grasuras, tijolos de mno tt- VaI'qc p SnPrmstCPt,
manhos, soleires e saccadas, ass.m como solei- V ti.dft WS MjeiUIdLCl,
ras e saccadas de pedra de Lisboa. Tambem con- Verdadeiro amerieano cada unn caixa tnnu
trati-se e faz-se qnalquer obra, como monumeA- e cinco meias duzias de vellas, ou 210 vellas, por
tos, tmulos, estatuas, pias, lavatorios, mesa< e trlnta e cinco mil rei?. No armazem de Tasso Ir-
tndo o mais tendente mesma arte, por mdicos i macs A C. rna do Amorim._________________
pricos.______________________________1 ~
Farinha de niaail oca
i Vende-se farinha de mandioca chegada do Ma-
: ranhao no ultimo vapor do aorte, por menos pre-
50 do que em nutra qnalquer parte : a tratar no
escriptirio de Joaquim Gerardo de Bastos, ra
1 do Vigario n. 16, Io andar.________________

Vende-se
O engenho Bomir, provincia de Pernamhuco,
districto de Agua-Preta, distante da estacao de
Una quatro legoas, com bos trras, rooentee cr-
reme : tratar com Jos Joaquim Dias Pareies,
no povoado dos Montes, (Una) ou no engenhe ca-
pricho com Joaquim Jos de Aroa.
Ra do Crespo n. 20 A.
Alvaro Augusto d'Almeida ^ C.
Este estabelecimento de fazendas finas e grossas j bastante conbecido como
um dos mais bem sortidos desta cidade acaba de receber directamente de Paris alguns
artigos especiaes que passa a mencionar.
Ricos corte- de vestidos de blond para casamentos.
Cortes de vestidos de seda de cor, de gestos inteiramente novos.
Brochad, fazendas de lia e seda propria para vestido.
Foulard de seda de todas as cores, tambem para vestidos.
Fitas largas de seda para cintos, gostos escoceses e lisos.
Cbapelinas de seda e de palua d'Italia.
Basquinas de seda e gaipure.
Colchas de seda e de la e seda.
Cortinados de cambraia bordados moito ricos.
Pannos de verdadeiro croch para jardineiras, sof e cadeiras.
Toalhas de linbo de superior qualidade.
Bramantes, selicia, sgaies atoalhados.
Guardanapos, colchas, aaias bordadas camisas,
Caelie-nez, baKes, camUinbas, sombrinha.
Madapoies de varias qua'idades, saxos para viagem, mallas, tapetes, capa-
! chos, alcatifas e muitos outro? artigos que se vende por precos mdicos.
Tem tambem Cnstantemjnte um completo sortimento de ESTEIRAS DA IN-
DA para forrar salas.
m SAZ GAZ
Oiegon ao antigo deposito de Henry Forster
I ti, rna do Imperador, nm carregamento da ga
! de primeiraqnalidade;oqual se vende em partida
e a retalho por menos preco do que em outr* qoa
qner parte._____________________
Veude-se um urreno proprio, com 138 pal-
mos de frente e 160 de fundo, para o lado da es
trada de ferro, cuj') terreno tora al cerce feito pa-
ra cinco miradas de casa*, na rna de Motocolom-
b dos Afogalos : a t-atar na mesma ra, ou na
ra Direita dos Afogados n. 13.
BRACO DE 0110,
Ra do Imperador n. 26
O respeitavel publico encontrar neste
estabelecimento diariamente um completo
sortimento de pastelaria, bol-Ios inglezea
podios, pds-del, prgsentos dos ltimos
chegados ao mercado, salame de lion, bo-
linHos finos de todas as q'ialidades paracb,
amenioas onfeitadas, confetos, bomboins,
^astilhas, chocolate francez em Ibras, pas-
tiihas do mesmo .cartuxos e carteiraj con
seis charutos de cho oate cada orna, este
sortimento de chscolale do mais acredita-
Sahidas de baile.
1 Chegaram loja do paco as ricas sahida? de
baile, asim como os ricos enchovaes de cambraia 0 fabricante de Paris o o melbor qne at
bordados para enancas se baplisarcm, artiga este;. vnrtr> an mprcartn
o melhor que ha no mercado, assim como temos b0J. lfm V|nGi ao ercaoo.
gran'e sortimento de outras muitas fazendas de VinllOS portoguezes, fignetra muitO snpe:
go*tD e novidadns pir todos os vapores : na loja
do p$o rna 1 de Marco n- 7 A.___________
(.'antaria de Lisboa
Soleira?, hombreiras e capiteis para frentes de
casas, o que ha de melhor : venda no arma-
zem da travesea di Corpo Santo n. 25, de Joaquim
Lopes Machado & C.____________________
Vende-so urna casa de taipa, na baixa do
Zumbi, (Torre) era solo rendeiro : tratar na ra j
Imperial n. 233.
or. Os mais genuins e soperiores vinbo
do Porto, moscatel e Setobal, o Ilustrado
pubiieo encontrar neste estabelecimento
por commodos precos, fazendo-se abatiicen-
to a quem comprar em porco.
Os donos deste estabelecimecto nlo s
tem poupado a despeza* para melhor me-
recerem a acoadjuvafo do Ilustrado po-
jblico.
60RA DA IMPERATRIZ
DE
Ne ) estabelecimento encontrar o respeitavel publico, u u grande sortimento de faisndas, do mais apurado gosto assti como de todas as de primeira aecessidade que se Ibes promette vender por preces muito mais baratos do qat
r parte' visto que os novos socios desta firma adoptaram o systema de so vennderem DIXUEIflO ; para^ poderem vender pelo custo,_ li oitando-se apenas a ganharem o descont. As pessoas que negociam n menor escalla, Desta loj>
m outra qua'qu
e armazem podero fazer os seas sortimentos pelos mesmos precos que compram as casas estrangeiras.
derem escolher. ...
Organdy branco com listras
ALTAS NOVIDADES g
O PAVlO
BONITAS FAZENDAS PARA A FES-
TA DE
SANTO ANTONIO, S. JOO E S. PEDRO. 0
Vendem-se as mais linda poupsli-
nas de linho e seda com os gostos
mais novos que Um vindo a este
mercado, pelo barato preco de....
25000 o covado.
Sedas listradas, de furta cores, fa-
zendas e muita pbantasia a 2&000
o covado.
Sida bismark, larga fazenda muito
encorpada o covado a _$o00.
Bonitas laasinbas largas com palma
de seda, covado a 1)5000,
Lindas agraciando lavradas covado
a ttfGOO.
Alpacas lavradas de todas as co-
res, covado a 640, 800 e 4J00)
Bonitas 153siabas escossezas com
quadros e lttras de soda, covado a
560.
Finas alpacas lisas, sendo cor bis-
mark lyrio, verde, roxo, cinza, can-
na, azul etc., covado a6i0.
Ditas furta cores com as mais bo-
nita* c5res, covado 503 rs.
' Lindas baregs lisas, e com lista
di mtsma cor, fazenda inteiramen-
te nova, covado a 569 e 610 rs.
Bonitas laasinbas tapadas e trans-
parentes com grande diversidade, o
covado a 600 rs.
Laasinbas lustrosas com lindas co-
res emitac3o de seda, o covado a
320.
uindos cortes de anadine, sendo
fazenda nova e transparente e de
35 muita pbantasia, com 18 covados a
K 155000.
Finjssimos cortes de vestidos bran-
cos bordados com todos os enfeites
francezes a 125000.
Cortes de ganga indianos, fazenda
inteiramente nova a 75000;
Ditos chinezes com d.as saias a
100.
Ditos de 15a escosseza fazenda mai-
to bmiti com fios de seda a750.0
Finissiinos organdys com lista de
cor e salpico, sendo fazenda de
muita phantasia, o metro 10280.
*
com nstras lar-
gise quadrinhos, a vara a 15000.
Todas estas fazendas, sao inteira-
mente novas e se vendem rauito em
conta, ra da Imperatriz n. 60, %
loja e armazem de Silva e Figuei-
doAC. *
de 125000 rs. cada um, pecbincha.
CASEMIRAS ESCOSSEZAS.
O Pavo tem bonias casemiras escosse-
zas com quadros grados e midos e outras
lisas com listras ao lado, sendo fazendo
muito fina que se vende mais barato, por
haver grande porco.
CORTES DE CASEMIRA PRETA A 4:500,
O Pavo tem os superiores cortes de ca-
semiras pretas enfeitadas pelo barato preco
de 45500 rs. o cort,
CASEMIRAS RASPADAS A 800 RS. O CO-
VADO.
O PavSo veods excellente fazenda de para
la com as cores escaras muito propinas
para calcas, patots, eolletes e roupa para
meninos qne frequentam a escolla por ser
urna fazenda leve, escura e de imita dnra-
Co, pecbincha a 80) rs. o covado ou a
25300 o corte de calca para bomem.
FINAS BARGES A 6i0 RS O COVADO.
O Pavo tem as mais lindas bareges de
la sendo meias transparentes, com urna
so cor, tendo : lyrio, azul, rosa Bismarck,
roxo, etc., tendo muito boa largura e liqui-
da-se por 640 rs. o covado, por se ter fal-
to urna grande compra, assim como ditas
mais estreitas de urna so cor com listras
imitaco de seda a 560 rs. o covado, e pe-
chincha.
PECAS DE MADAPOLO A 35500.
0 Pavo vende pessas de muito bom
madapolo, tendo 12 jardas cada urna, pelo
barato preco de 35500.
PSGHIXCHA EM ALGODAO A _*e00 RS.
. O Pavo est vendendo pecas de algodo-
[ sinho francez, tendo 4 palmos de largura e
; com 11 metros cada peca, pelo barato pre-
de 41000 rs.
CERA DE CARNAUBA.
Vende-se snparior cera de carnauba em
; saccas, mais barato do que em outra qnal-
' quet parte, oa roa da Imperatri n. 60,
loja do Pavlo.
OS SETTNS PO PAVO
Vende-se es mais bonitos setins de cores
e mais eocorpados, proprios para vestidos
tendo de diversas cores.
Paramaior commodidade das Exmas. familias, de todas as fazendas se oos livros das amostras, ou se mandara levar em'-soas casas, para melhor p-
LAVRADAS A 640,
1,000 RES.
CROCHETS PARA CADEIRAS E SOFA'S.
O Pavo tem nm grande sortimento dos
mais bonitos crochs para cadeiras, sofs
mesas, alraofadas etc., proprios para' co-
brirpresntese vende-se mais barato do
que em outra qnalquer parte.
Aigo.o cafcsttdo.
Vende-se urna grande porco de algodo
sinho americano com 8 palmos de largura,
proprio para lences e toalhas, tendo liso e
trancado, que se vende por preco muito em
conta.
LAS ESC0SSEZA9
LAS ESCOSSEZAS
LAS ESCOSSEZAS
A 560 rs. o covado.
Chegou para a loja do Pavo, o mais
elegante sortimento das mais lindas laazi-
nhas escossezas com fios de seda, as quaes
fazem o mais delicado efTeito, para vestidos
de duas saos, e vendem-se pelo baraiissi-
rao preco de 560 rs. p covado.
SEDAS DE LISTA
SEDAS DT LISTA
SEDAS DE LISTA
a 25000 o covado.
Chegou para a 1 >ja do Pavo om grande
e bonito sortimento das mais lindas sedas
de listas com as mais delicadas cores, tendo
entre ellas algumas que servem para luto, e
vendem-se pelo barato preco de 25000 o
covalo, pechincba.
FAZENDAS PARA LUTO NA LOJA PAVO
Eacontra o respekaval publico oeste es-
tabelecimento am grande sortimento de fa-
zendas pretas, wmo sajan cassai france-
zas e inglezas, tbjlaf pretas de todas as
qualidades, fazeftdasf de laa de todas que
tem vindo, proprias para lato sido_lasi-
nhas alpacas lavradase lisas, cantt.'bom-
basinas, merinos, etc. que todo ae vende
por preco barato.
PARA BAPT1SADOS
Na loja do Pavo vende-se bonitos en-
chovaes para bapsados.
Cortes de casemira a 45000, cada om.
Vende-se bonitos cortes de caserairas
claras e escuras pelo barato preco de U,
ou a 25400 o covado, tendo duas largaras,
CORTINADOS PARA CAMAS E JANELLAS
de 84, 100, iU e 16^000.
Chegou para a loja do Pavo nm grande
sortimento dos bonitos e riew ortioados
bordados, proprios para camas e janellas,
que se vendem de 85000 o par. at o mais
rico que vem ao mercado, e vende-se mais
barato que em outra qualqoer parte.
GROSDENAPLE3 PRETOS DE 1*600 AT 7S000
Na loja do Pavo encontra o respeitavel
publico um grande sortimento degrosde
naples pretos de todas as largaras e qua-
lidades, tendo di 15300 0 covado at 75000
e 8500), que se vende por preco muito
em conta.
CASSAS FRANCFZAS. -
Chegaram para a loja do Pavo as mais
lindas cassas francezas com delicados pa-
dres, tendo para todos os precos e quali-
dades, dando-se todas amostras, sssim como
i um Bonito sortimento das mais lindas chi-
tas francezas escuras e alegres, que se ven-
dem muito em conta, e tambem se do
amstras.
CHITASA20RS.
Na. loja do Pavo vendem-se bonitas chi-
tas francezas claras e escuras e cresxas
240 rs. o covado, e pr-chincha.
LASINHAS A 320.
LA3INHAS A 320
LAASINHaS A 320.
Na loja do Pavo vendem-se elegante sor-
timento das mais lindas lasinhas lustrosas,
com listrinhas a iaitacSo. de poopelinas de
ssda.e com as c'es mais lindas que tem
vind ao mercado, sendo fazenda que vale
maito mais dinheiro, e liquidam-se a 320
rs. o covado, pechincba,
I*_ECIII_%CHA
EM CAMISAS DO PAVO A 45500 RS.
Vende-se am bonito sortimento de muito
finas e modernas camisas inglezas com pe'
to e coliarinhos da linho e pannos, pelo
baratissimo preco de 4550C rs. cada ama
e aos fireguezas que comprarem dazias se
Ihe far nm abatinnnto, garantindo-se que
fazenda que vale muito mais dinheiro,
liquida-se por este preco por se ter feito
ama grande compra: assim como se vende
800
ROUPAS PARA HOMENS PARA TODOS ALPACAS
OS PRECOS. I
N'este grande estabelicimento encontrar Chegou para este grande estabelicimentc
o respeitavel publico nm grande sortimento 10 mais bonito sortimento das mais moder-
de roupas, sendo palitos e sobrecasacos de' Das alpacas lavradas de todas as cores, panne preto e cazemira, calcas e coletes de' Se vendem a 15, 800 e 640 reis o covado.
brim branco e de cores, que tudo se vende assim como ora grande sortimento a ..s
mais barato do que era outra qualqufr parte; Cas lizas de todas as cores
assim como nm grande sortimento de ca-
mizas francezas e inglezas, e ceroulas tanto!
de linho como de algodao e abundante sor-
timento de meias croas.
VESTIDOS INDIANOS COM DUAS SAIAS.
grsndi porco de
Basquinas,
Chegaro as mais modernas
ou jaquetinhas de seda preta,
enfeitadas a viarilbo, tranca e setim preto
tendo de todos os modellos, os mais novo
basquina
ricamesti
indianos, tejido daas; saias e tendo bastante fazenda, com os gos-
tos mais novos qu tem viudo, e liquida-se
a 55000, tendo cada om seu competente
figurino.
CASEMIRAS MESCLADAS A 35 O COVADO
O Pavo tem para Vender bonitas case
cairas mescladas e bastante encorpada para'
roepa de homens e meninos pelo hara'.o
preco de 35'JOO cada covado ou 8000 o
corte de calca para hornera.
Roupa por medida.
Na loja do Pavo manda-se fazer qnalquer
peca de obra a vontade do freguez, para o
que tem um perito alfaiate, responsabelisan-
do-se os donos do estabelicimento por qual-
qoer (alta que pogsa haver, quer por de-
mora, qaer por quakjuer defeito na obra;
e para isto encontra o respeitavel publico'
am grande sortimento de todas as fazeodas
que desejar.
BRAMANTE A 1800.
Vende-se" superior bramante com 10 pal-
para todos os precos.
PANNO PARA SAIAS A 15000, 15280 e
15300 RS.
Vende-se bonitas fazendas (pfoprias para
saias sendo com bordados e pregas a um
lado, dando a largura da fazenda o compri-
mento da saia e vende-se pelo barato preco
de 15000,15280 e 11600, cada metro sen-
do preciso apenas 3 ou 3 1/2 metros para
cada saia pechincha.
Vellidos braaeos a lt4*4M> rs.
O Pavo vende finissimos cortea de ves-
t tidos de cambraia aranca, ricamente borda-
idas e com muita fazenda pelo batato preco
A loja do Pavo est, constantemente aberta,. das 6 horas da manilla s 9 da noute
O Pavo vende um
cortes de vastidos ,
muito razoaveis.
POI'FLLXAS DE SEDA
POUPRLINA8 DE SEDA
POUPELINAS DE SEDA
a 25000 o covado.
O Pavo acaba de receber o mais ele-
I gante sortimento das mais lindas veidadai-
" ras poupelinas de linho e seda com os pa-
dres mais delicados que tem vindo ao mer-
cado, tendo entre ellas cores proprias para
alliviar loto, e vende-se palo barato preco
de 25000 cada covado, pecbincha.
Cambraias brancas
Vende-se um grande sortimento das me-
lhores cambraias tanto victorias como traot-
parentes tendo de 35500 peca at a man
fina que vem ao mercado.
CAMBRAIAS BRANCAS A 4*000, A PECA.
S o Pavio vende pecas de cambra
branca transpare_tfc, tendo mais tle vara de
largura, com 10 jardas cada peca, fazenda
que sempre se vendeu a 75 e 85QO, liqui-
da-se pelo barato preco de 4$>0>.
FUSTE9 BRj-NCOB A, 640, 800 E i/SOa
Vende-se muito bonitos fastoes brSncoV
muito flexivel proprios para vestidos da
senhoras e roupa para meninos % ventle-ia
a 640, 800, IW0O rs. o covado.
Cassas a 940 rs.
0 Pavo est vendendo bonita cassas t
TBS-fixw a 46*,4*0 e 300 re. cotadd
Urilbantps lasinhas.
S o Pavo, 640. j.
Chegaram as mais birlbantes I ansiabas cofa
as mais lindas cores, com palminbas raiodi-
Dbas, assentadas as mais delicadas cores de
Na loja do Pavo vende-se um grande!rio, ^r ae canoa, cOr de ganga eranco,
sortimento dos mais,bonitos ^acbenee de'seodeeetasBe^a llaana- da nJ soa
pora la pfosrias para-slnhoras, vendWas-! qualidade, tendo laara d* alpaca Hfc-
a 65000 cada um, na roa da Imperatrix ae 460 re. o vmo. J_ ras da Imper.trix
n. 60. I. 60 loja do Pa*>.
am bonito sortimento de ditas tambem com qkis de largura, proprio para lences, daB-
peito de linho bordadas e ditas de algodo do a largura d'esta boa fazenda o compri-
mento do lencol, sendo preciso para cada
om apenas { e 1/2 metros ou 1 e 1/4 pe-
chincha pele preco.
ESPARTILHOS' A 5*000.
Vendo-se um bonito sortimeito dos me-
lhores e mais modernos espa-tilhos tendo
do barato preco de 55000 at 8000.
Cachenez.
i


Diario de Pernambuco
1 er(*a
feir
a o
de
Julho de 1870.
K

i
I
I
i
i
*
l
I
Esqu
a a, 133isr?BumiaB ftfi,
na u ruada Aurora, em Ofendo caf iuperatriz.
cui todas
jortodos-os* qSf "R;:!W !,mer*
*s de que d.spoe Ste estajee#to pava fjeo ?$E nu^ ^C
JCt
Agodo largo pira lences e toalhas do
odas as qualidades que cosluroa vr ao iner-
vado. "
Aipacas do todos oj padrues e qualidn-
es m variadas que se naapudenj descraver.
C<2>.
i cota listras de seda e flores, Cuen-
to isteirameiite nova para vestid de bai.'n.
(i.!'.iv,it.is p: ra teuhoras e homens, o mais
completo sortiraeoto -jue.se podo de*jar.
Guipare preto e braoco, diversas laroa-
MHnaMias para collocar retratos, ras e ditferentes Rostos.
seto para :ualq;:er pessoa de Golfas e pitnos bordados p3ra sonbons.
Guardanapos de liulio pequeos egrasi-
branco e des.
Gortru; o de seda prelo e de cores, i
Gwtdenaplea preto e de cores, bavea-
do diversas qua-dades e gostos.
Japonzes para seanoras, omcliior gos-
estas uosar-
IE I0UD.4K
Ojiando a AGUIA BRRNCA, taais precisa sefentirkar ao -respeitattl publico em
eral, o em particular a sea boa r la wnraensklade de objctos que ltimamen-
te teca recebido, jastaMMtyundo*dl monos o pode fazer e porque essa falta invo-
luntaria ella confia e espera na benevolencia de todos que Ih'a attendero e relevarn
continuando portanto a riiri'Tem-se a bem conhecida k ja da AGUIA BRANCA ra do
Queiraado n. 8, onde, sempre aeh3o abundancia era sortimenti de superioridade em
qualidades, modicidad' os e o sen nanea dcsmentUdo AGhADO E SINCERIDADIi
' -Do que acoa ttcaftlito se conheee que o terapo le que a AGUIA BRANC V pode
dispflr, emnregado apelar cusios no desempenho de bem servir a aquelles que a
bocram ptecarando prover-se ero dita !oja do quo nscessitam, entretanto sem ennnme-
rar os objectos que porsua oatareza sao oais conbecidos ali, ella resumidamente iudi-
Mra aquelles cuja importancia, elegancia e novidade os toruam recomrnendaveis. romi
)-m seja
:ott iM
fettado i
urna.
Ato.-iiU.id,) delinlio e
algo'ao,
le cores proprios para tc-aihas.
8as minas de so fa pretas-e mm'tb modar-
ws, bem como do crocbt, tu o de apurada
{oslo e f.'itio.
Balfea de rnusselina, madapolSo, brancos to. e azenda prowia,para as
t&S Se'i,,0ra ,6 ,"'linaS' nba!,Jt s a WwE a tarde.
aaregs.s de cures vanado sortimento. ^>
Babadmrm ou tiras bordadas em todas as, lazinhas de tedas as qualidades, coros
iSS!fi;Mi. ;e gostos,aufteando nada a desojar,'tal
S?, ta fti8' :,S COres' sorli!:" **** Para *>
olsas ua ta;!j|.?. Jra viagero, grande! Lencos, todo quanlo pode: avtr desda
nadado de {manbos e gostos. esguiao ao algpdao cojn&.
Bomoazina pre:a de todas as qualidades. Leques de madreperola e ...sso, o mais va-
Bramante de li.mo de 11 palmos de Jar- riado sorLimeno.
^J U)'h5'\ lT\: !s brei.unas ae rin.o eaigodao, grande sor- Lavas de Jouvin.chegsdas portajes os V3-
'tt2*,'j i- u v Pores semP" 11&v<> sorliuie:..io, quer em
anns do [infio branco e de cojrea, do mais peluca para hoaens e senhoras, quer em'fio
^mmodo ao mais caro em quadade, affiao- d'Escocia, brancas e de cores.
fanao o que aa de meiaor na especie. i *X2
Brins d'alg.odao completo sortimerto e Macja,polSp; ir:dc:J7Tptvcl o grande sor-
anedade de pre;os. ttoento que lia .-este genero, desde o mais
r,,e ,fl ^5. elevado prec ao menor, que se vende em
cascas de coros, o m:i:or sortimealo, pn- peca e retalho por menos do que em cu-
ap.ado pelo bom gesto e barateza, auentas Ira qualqaor parte.
*ii?!i!lla-das: i :'Janlas a blur"-: Pa nhas : o apurado
tardadas Ticamente entestados para Sras. ja para vestir e ornar urna noiva.
Camisas para horrens e meninos, to va- .Mantas pretas de blond.
nado sortiaveatoque vai do L'^ais ordinario fintas para,carros, co.rn lindas pinturas,
oaaapolao ao m;;is perfeito boz-dado de li- Mrips, preto-, transados e (sos.
Camjsas de raeia. de. ilanea, braaeas e rads padi oes.
le cores para homem. zs*
Gasemiras pretas e de cores, o melhor' Pa^os pretos e do cores, desde o mais
pe se pode imaginar, sendo d'isso a.me-^31"310^ mais superior, por prego muito
.Jwr prova o grande consummo dellas na c>>mmodo.
Gorpiabos de cambraia, primorosamente
enfeitados com fitas de setim e obras essas
cuja novidade de molde e perfeigSo de ador-
aos es tomam-aprociados.
Fitas mrd largas de diversas coces e qua-
lidades para cintos.
Leques i:e?se objecto mnito se poderia
dizer quereada descreve-los minaimsami
por suas quahdades, coreen desenbos, tal
o grande e variado sortimunto que acaba
da ehegar, mas para nao massar o preten-
deute se iiie aprestntar.i o que poder de
ielhor.
Entremeios em pecas iel'l-tiras.
Guipare branco e preto de diversas qua-
lidades o dSM&fiOA
Di'.os de algodSo com flores e lsosl
Capellas brancas para meninas.
Grandes sorticicuto de flores Anas.
Fil da seda, preto.
PERFUMARA
Grande e constaaije sertimento de dita,
serapre melhor. quajidade.
Lindos vasos cora p de arroz e pinseL
Gaixinhas com ditos aromticos.
BoniftjS/e modernos pentes dourados
para circular o coqi:e.
Bonitos brincos de plaquee.
Aderemos e brJucos de madreperolr.
Caivetes tinos para abrir atas.
Thesouras para irisar bapadiulios.
Aspas para balso.
.pos com 48 vista3, as
unes seo movidas por mn raachinismo
ra.
Veos de seda para ciapelinas e monta-'Blas sebstituem as outras
a. Vistas para stereoscopos.
Roaivs caixinhas de vidro enfeitados com
i podras.
Dilsde wr.dira nvernisada com vi^po-
;ras o com dosaiiis,
Bollas de borracha para brinquedo de
JLOJA *
DO
GALLO VIGILANTE
Una do (Crespo n. 9
Os proir!?rnrios desle bem eonhecido eslabel*-
cfmita, alrn (loa tn-iitos objectos qoe tinhain ex-
polos a a; do re?peitavel pi)iico, man-
darsm vir e acaNara do receber pelo ultimo vapor
da Europa ura cniupleto e vanado sortiniento de
''as e mu delicadas especialidades, as quaes es-
3SoIvidoa a vender, como de sen costumo,
Oflpprccns nitiito baralinhos e commodos para to-
jos, oom tanto que o Gallo....
Suito superiores luvas de pellica, pretas, brau-
cas e de mni lindas cores.
9 e bonitas golliubas e punhos para se-
-nlutra, oeste gonero o que ha de mais moderno.
Superiores pectes do' tartaruga para coques.
Lindos e riqusimos enfeites para cabeg.?s das
tilmas, senhor
Superiores trancas pretas e de cores eora vidr-
Iho e sem ei!es;; esta fazenda o que pode haver
de clhor e mais bonito.
isupariores e bonitos leqnes de madreperola,
tnrmn, sando e osso, senAo aquelles brancos
coa lindos desenhos, e estes pretos.
Muito supriores metas lio de Escossia para se-
nhoras, as qcaes sempre se venderam por 305000
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 20/,
aim tiestas, temos lambem grande sortimento de
outras qualidades, entre as quaes algumas muito
linas.
Boas beacajas de superior canna da India f
castao do m.-iriim cora lindas e encantadoras figu-
ra? do mesmo, n -! jenero o que de melhor s>
pode desejar ; e> tn dcstas temos tambera grandt
quantidado de outras qualidades, como sejam, mar
deirr '
3zr
Meias de seda para noivas.
Ditas bertas de Co de Escossia..
Costumes ou uniformes para meninos.
EKn*aes completes para bapisades.
Touquinhas de l, sapatinhos bordados crianzas.
a neis para ditos. Diversos objectos de porcelana, proprios
! para enfeites de mesa e "de lapinhas.
NOS GRANDES

,. 28Largo do Te?o.K; 33,
atOX 11
vificma da casa.
Gpellas de floj-es, para noivas e bailes,
Pannos de crochet, para cadeiras e sefs.
Ditas de casemira .muito fiuos para
iosde amis candi.ia ;;or delarangeiraat mc.sa
i msis interessanto batida. I Peitos bordados do linho, lisos e de I-
Chapelinhas no mulhor gosto.de todas as'godo para camisa.
-Ores boje preferidas peas senhoras de! Frincetas pretas e .^.e cores,
ais apurado rigor na moda. Popelina do seda e linho, com istias e
Chapeos pretos de velludo, para senhoras,, flores; fazenda lindissima.
Jitirao posto de Paris.
Chapeos de sol, para senhoras e homens,
de todos os pro ;oi c variados gostos.
Chaly com ricos padroos para vestidos.
Pelherinas para senhoras, do ulimo
g;osto.
Perfumaras; os mais finos extractos o
que de melhor e inais agradavel se pode
Chales de todas as qualidades, avultadu encontrar oeste genero, e de mais fragante
minero e nao menos variedade de gostos, e suave no oiphalo, tem o PAViLHO DA
Chitas,.3 impossiveldescreverosoitimen- AURORA, desdo a verdadeira agua Flori-
e variedade de padroes e novos gostos, da at o mais fino Bouquct i'Amour, final-
Cintos para senhoras o que se podo ima- dof de urna senhora de gosto.
aar de melhor.
1
'ai o ta,
PE
tLlia ~ lu
& FE1REIBA

Coques, o melhor no
.es, varios taman-hos.
gosto e nos entei-
Saias bordadas, brancas, lisas e de cores
com folhos e sen ellos, o melhor possivel,
Colchas de seda com borlas, o mais apu-j Sahids de baile, de todas as cores.
rado gosto e lavor. \ Sedas pretas, de quadros, lavradas, lisas.
Ditas de fustao branco e de cores por do listras de todas as cores e qualidadese
preces commodos. | o mais barato possivel.
Corpinhos de cambraia, ricamente borda-' Sareelim de todas as cores e qualidades.
los para senhoras. ^
Cortinados de cambraia bordados e de i Tapetes grandes, lindas pintoras para 8
U,o que de melhor se pode desejar. cadeiras, mais pequeos e de todos os ta-
Colarinhos de linho bordados e lisos, o manhos desejaveis, e em pe?a para co-
autor sortimento. i vados.
^_____-,. ,. ~2^ ... Toalhas de labvriutbo, do maior e mais
Damasco de aa de O palmos de largura nj10 trabalbo ao mais barato.
ondas cores e ricos padroes. Toalhas de ,nho e !god-a de todos os
d un. v j tanianhos, li--as e felpudas.
Espartuhos bramos e de cores, para se- Tarlatana branca cora palmas ede cores,
horas e meninas, e o meihor nesto genero ; fasenda muito nova, e gostos delicados pro-
lenhuma Sra. deixar por certo de muir nria para baile.
io de to precioso auxiliar perfei^o de
un corpo delicado.
Entremeios bordados.
Escomilha preta.
Eaeites para cabeca, uliima moda
Paris, receida no ultimo paquete.
Vistuarios bordados de fustao brancos e
de cores para meninos, de cambraia para
baptizados, o que do meihor tem vindo a
de este mercado.
Vestidos de la escoceza de 2 saias,
Esgui5o de linho, completo sortimento de novidade pelo padr5o, gosto e forma; ditos
todos os nmeros. j de |jnbo com barras de cores, e de catn-
3? i braia de cores com 2 saias, tudo intoira
Fitas largas escocesas para cintos, vari-' novidade, trazem os modellos juntos para
lade de gostos e liados padroes, mostrar a forma de os fazer.
Fishs de crochet, modernos com cintos! Veos de blond para noivas e pretos para
capas, o que ha de meihor. luto.
Fil de seda, linho e algodo, de todos l Vestidos de blond para noivas: podemos
o gostos e padroes. asseverar as nossas Exraas. freguezas, que
Fustao de todas as cores e qualidades somos os nicos em Pernambuco que pode-
grande sortimento. : mos offerecor ao Ilustrado publico, o mais
Flanella branca e de cores. -aparadogosto em semelbante materia, gra-
Ftares, 6 o que ha de mais rico, qoor cas ao bom gosto do nosso fornecedor em
tollas, quer em ramo3, tem o PAVILH4O Poris, podemos garantir que nioguem neste
DA .AURORA um permanente jardim a genero o possue melhor, nem mais em
iisposicSo das Exmas. familias. costa.
E* dispondOid to grande e variado sortimento qoe os proprietarios do PA-<
TILHlO.DA AURORA se apresentam ao publico declarando desde j que a sineerida-
4e e o bom gustoo movel nico de seus negocios.
Prvidos de tudo e promptos sempre a prover-se do que por ventura ihe
leja necessario, os proprietarios deste sumptuoso estabelecimento recommendam-se
tem roceio do serem coatradictos e protestam eaorcar-se por cootinaar a merecer
arotocao que se mes tem dispensado ; certas de que do sen estabelecimento nao sabira
i freguez descontente.
Contina sempre a ofScina do alfaiate dirigida por um dos mais habis artis-
**> jrorapto executar com promptidSo e bom gosto qualquor trabalbo que lhe seja
aft- ma modista esp^^lnaento oceupada nos trabalbos do PAVILHAO DV AU-
*ORA, dirige os que lbe sao ooncomeates, garante por sea apurado gosto e promptidSo
aa exacucao g a mais completa perfeicao no seas trabalhos.
A numerosa freguezia qao nos honra uma prova de que merecemos o con-
veli que se dispensa ao nosso estabelecimento, concoita que procuraremos firmar cada
'ex mais. Para facilitar anda a concecwjao do fim qoe nos propomos, temos no nosso
atabelecimeato os ltimos figuriaos do Paris, qao recebemos por todos 03 paquetes, os
faaot ooYiaremos para serem vistos, as lamilias nossas freguezas, afim do scolherem,
-om o padro da fazenda o gasto na forma.
Na oficina de alfaiate, junto ao estabeloeimento, ha igualmente os figorinos
jara homens que po* todos os vapores se recebem. ''
E' este o mado porque nos apresentamos pedkido a protecco do illustrado
pablico o com o mais profondo respeito convidamos s exeelleotissimas Sras. a visi-
arem o nosso esubelecimoato, cortas de encontrarem neile pelo menor proco possive-
do qoe podem desejar.
Mandaremos eaixeiros levar as fazendas e amostras onde forem pedidas, visto
lio podermos especificar todo quanto temos.
Joo Luiz, Sobrtnho & C.
Os proprietao's destos beti sortides armai ns participam aos seus ionomeres
ireguezes tanto dest pr;'c; ermo do ttretto qt* tendo^ feito ga;>dc diminuigao de pro-
ios as seas mercadorias esto por sso resolvidos a ende por menos de 40 e 30 i0,
do que ex putra qualquer parte, garantfdo-se portanto a s.peDior.;qua;dade de qual-
quer genero comprado t.estas dous estabelecimentos. Mencionamos alguns dos nessos
gneros e a vista destes s5t> comprehendidos os outros, porque eoadonno seria men-
cma-tos.
Se algusm duviflar vente-yer*
Gaz amerio.no marca Deves a 8^800 a
Vinagre branco mandado vir por conta
propna vindo de Lisboa, a 3-20 a garrafa e
480 o litro.
dem tinto Figueira, Lisboa e Porto a
320,280, 240 e 200 rs. a garrafa e 480 300
r?. o litro.
Vinho Figueira, Lisboa, Porto e Estreito
a 06O, 500 4S0 e 40b a garrafa litro a 840
760, 720 e 600.
Vicho branco puro de Lisboa ,a 640 560'
a garrafa, em porco ba abatimeato.
Vinho do Porto, engarrafado das melho-1
res e mais acretadas marcas a$)00 e 10200!
1,5500 e 2J a garrafa.
dem Bordeaux, Medoc e St. Julien a
7^500 e 605CO, a dnzia e 640 rs. a garifa.
Genebra de Hollanda e laranja doce aro-
mtica a 6^500,, 70, 11^500, a frasqoeira.
Scrveja Bass, Illers A Bell a 05800 du-
zia em porcSo ha grande abatimpnto.
dem marca II e T e outras marcas a
50500 e 60, a duzia e 500 rs. a garrafa.
Assim como ha outros muitos
Uta, 380 rs. a garrafa e 500 o 1 tro.
Azeite oee de Lisboa a 900 e 10iX)Oa
garrata-emporcaofaz-se grande abatimen-
to. *
Caf em caroco a 220, ,240 e 2? 0, a li-
bra o kilogrammo ^ 480, MO e 600, e
70000, 7&SG0 e 80800 arroba.
MHhoalpista 200 rs. a libra e 440 o ki-
logramma e 50800 a arroba, em porcao ha
abatimento.
Queijos frescos do ultimo vapot a 30200
e 30400 cada um.
Aletria, macarrao, talbafim a 500 rs. a
libra e 10100 o kilogrammo em caixao ha
ablimeoto.
Sabo massa de Ia e 2a qualidade a 220
e 240 rs. a libra em caixa ha abatimento
Toucinho de Lisboa muito alto a 400 rs.
a libra e 880 o kilogrammo, em arroba ha
grande differenca.
gneros, viaho em ancoretas, aze'tonas,
eir, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitas e airosos chicotinhos de cadeia e
do outras qualidades.
Lindas e snpriowau ligas do seda e borracha
para segurar m meias.
Boas meias de -oda para senhora e para meni-
nas de 1 a 12 anuos de idade.
favaihas cabo do taarfim e tai tarnga para fazer
barba; sao muito boa.i, e de mais a mais sao ga-
rantid;-, pelp fabricante, e nos por nossa vea tam-
bcu aseguraras sita qualidade e delicadeza.
Lindrs e bellas capellas para^noiva.
icriores agulhas para machina epara crox.
Linha muito boa de peso, frouxa, para eocher
labyrintho.
.:- l':.ra!v..s de cartas para voltarete, assim
como os tantos para o mesmo fim.
Grande e vanado sortimento das melhores per-
fumaras e dos melhores e mais conhecidos per-
tumisias.
CCL.RES DE ROER.
Elctricos magnticos contra a3 convu!soes. e
fs^itam a dentirao das innocentes enancas. So-
mos desde muito rceebedorcs destes prodigiosos
cuares, confinamos a/ucebe-!os por todos os
vapores, afim te que nunca faltan no mercado,
como j tem acontecido, assim pois poderao aquel-
\e delics precisarem, vir ao deposito do gallo
vjtjilunte, aiinde sempre encontraro destes verda-
deiros collares, e os quaes attendendo-se ao fim
pagjquo, tao aijplicados, se rendoro com nm mui
Regamos, pois, avista dos objectos que deixamos
declarados, aos uossos freguezes e amigos a virem
eowprr.r ror progos muito razoavois aloja do gallo
vigilante, rqa do Crespo n. 7.
SEBIENTO
O verdadeiro portland. S5 se vende n
ra da Madre do Deus n. 22, armazem d
Joo. Martins de Barros.
Rival sem segundo
RA DO DUQUE ;,K CAXlAS X. 49
Estau dlsposto a e a vend. r todaa
as miudezas polos haraiis-irnos pros
xo declarados, garantido ludo bom e
eos aomlrai
Paate com 26 lt<> de pa-
pe! amisade a. f. .
CaxascomSOcademospapi I paut
tado a........
CaJxas ton 50 txrello de linha
do gaz a. .......
Dozias do mei.-.s trucs superior
qualidade a. ..... .
Pegas de bibadinbos cena 10 va-
rasa.........
Pecas de tiras li., n 12
metros cada p <;a a MtOO e.
Ptcasde litas para cus de q '-
qutr largura cm 10 varas a.
Escovas para onlias fazenda lii.a a
Ditas para denles' a 240, .'120,
400 rs. e. \ .
Pegas de tranca lisas, brancas e
de coros a.....
Caixinhas de n aa alfiue-
tes f /.! ;. !,i SKp rii i" a. .
Duzia de iii.in frdxa para torda-
dos a ICO rs. e.....
Pares de meias .n:.i; para ni'/'
00
400
SOS
5(Ri
5

40(1

passas e figos, charutos fiaos de. diversas marcas, marmelada, bolachinbas de todas as
qualidades, perola, Francy-cracynel, a, b, c, Mdium, mixed, soda Fancy-nic-nac, pa-
lace da Varietes, combination, Britania, doce de goiaba fina, cnouricas, mantetgas finas
franceza e ingleza, banha de Baltmor, phosphoros de Sycuryt, Cognac, cha de diver-
sas qualidades, Canella, pimenta do reino, ervadoce, pomada, erxofre, bren, peixe
em latas de tedas as qualidades, farinha de mimo americana, grandes moihos de sebol-
!as, nestes dous armazens existe tambem grande sortimento de loucas propnas para ne-
gocio, que pelos seus commodos preco faz vantagem aos compradores.
9S
814 NOVA-5
B UMA PRENDA. Lindos objectos dounadosdedelicades gostos, proprios S
>^ para meninos, vndese no BAZARi DA MODA.
m BAPTISADOS. Ricos cha posinhos de setim brancos, lindas toqcas de fil ^f
e setim, sapatinhos etc. q
< GUIPURE. Ou croch em pessa, branco e preto, com lindas ramagons o
w qualidade muito superior.
PUNHOS. Para camisas de homens, faaenda superior com duas faces, o >.
W par G40 rs. (peebincha!)
PERFUMARAS. Finos extractos^>ara lencos, aguas do djversas, qualida-
des, sabonetas, olos, pomadas, pos, tnico etp.. etc.
PZUFUMES. Lindas aixinbas para luvas contando uma^eparatio em
qoe Ibes d um agradavel aroma, por i^OO.
Grvalas, cintos, llores, plomas coques, trancas, fitas, bornes, bicos e peo-
tes- etc., etc., e muitos outros artigas proprios dj escabelecimeato' veadendo-se
tudo por commodos pregos, no BAZAR DA MODA, ra Nova n. 50, esquina da
de S. Amaro.
Jos de Souza Soares & C.
Novas pechinchas
NA
Loja flor da Boa-vista
DE >
PanIoF.de H. Culmares.
Cbitas escaras e claras, a 2C0 e 4 o covado.
Lia com palminhas, 200 e 320 6 covado.
Seda pretas de listas moita e<-orpad4 a 2A idem.
Cortes de Uriui para caifa a 1280.
Fustea para rounas de. manaos a .800,0. cqvaijo.
Grande sortimento de roupas feitas, assim como
se fazein per rr.edida, precos multo commodos.
Na ra da Imperairiz n. 48, junto a padaria
frai)ci ____
MaiaLandeb no vende .saceos com winha de
mandica : na ra do Dnflue de CaJs, travessa
do.Bosano, on. 18 B.
Vidrosfftra Tidragas de lodosos tamaubos
o caixas, yeade Bartholomeu & C, em sua
pharmacia na roa larga do Rosario n. 34.
Vender
Palitos do faz a 330 rs. a dona de caixiahas, ba-
rato : na roa do-Raogel u. 39, taberna
Mais barato do que^n outra,,qualquer
parte.
Np porto da travessa 4w Q^Ujqs acha-se. cons-
untemento tjolo groaso e flno, tapamnto, tenas,
Aberto das 6 s 9 horas da noite.
^M sia'de-., _______
do sobrado do teen te-coronel Manoel /oa-'e grande por cao de area, que se vedem a vontade
)'q omprador por meaos.prega, de que em outra
iu| sessenta paliaos de terreno para edi- qualquer i*arte ; aasira eo^io se encarregam de.
fleasio, paito 4a estacao,,por prego cwmnodo : ^rnecermajeriaes para as obras, para o que h?
I tratar na roa Angosta o. 89. canoas e carrocas.
3 C0?deiro prevident?
EU:a iaa iuimado h. 10.
vSovo e vsriado sortnente de perfumaru
finas, e outros objectos.
Alem do completo sortimento de periv
manas, d9 que effectivamente est prvida
loja do Cortleiro Previdente, ella acaba
receber um outro sortimento que se torc
aotavel pela variedade de objectos, superior
dade, qualidades e commodidades de prt
sos; assim, pois, o Cordeiro Previdente peo
3 espera.continuar a merecer a apreciac?
do respeitavol publico em geral e de sl
boa freguezia em particular, n3o se afa
tando elle de sua bem conhecidamansid
j barateza. Em dita loja encontraro o
jpreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray & Lamman.
Dita de Cologne ingleza, americana, frai
jeza, todas dos melhores e mais acreditado
fabricantes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, o vilete para toat.
Elixir odontaigico para conservado i
- sseio da bocea.
Cosmetiques de superior qualidade e cha
res agrada veis.
Copos e latas, matares e menores, coi
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japoaeza, transparent'
a outras qualidades.
Finos extractos inglezes, americanos
franceses em irascos simples e enfeitados.
Essencia imperial do fino e agradavel cha
ro de violeta.
Outras concentradas e de cheiros igual
mente finas e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualidad;
com escolhidos cheiros, em frascos de difit
rentes tamanhos.
Sabonetas em barras,'matares e menor
para mos.
Ditos transparentes, redondos e em ftgi
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barb
Caixinhas com bonitos sabonetas imitand
fructas.
Ditas de madeira invernisada contando?
aas perfumaras, muito proprias para pn
eateo.
Dita3 de papeiao igualmente bonitas, tas
bem de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, o 4
moldes novos e elegantes, com p de arre
a boneca.
Opiata ingleza e. franceza para dental.
Pos de camphora e outras differeaW
qualidades tambem para dentes.
Tnico oriental de Kemp.
Alada malo coqcse*.
Um outro sortimento de coques do u
.vos o,bonitos moldes com. nHets de vidriic
^ alguns d'elles ornados de flores e U:
estao todos expostos apreciaco do qnos
os pretenda comprar.
GOLLINHAS E PUNJI03 BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeico.
Firellas e uta para ciato*.
Bello e variado sortimento dotaos objii
tas, ficando a boa escoiha ao gosto do coi
pr*dor.
Di s i s a. .
Duzias de (Beia :
finas pora senhora a. .
Pares de sapa tos de tr.-.rra do
Porto.......'.
Pares de si i tapete a. .
Livrr.s to tsf -. .
Dozias'de baralbofi para voltarete
Sylabarins porluguczes a. .
Redes cdffl tontas nr r.o boa q;ia-
Crlors e A:oiii;:duias para coi! le diversas
qualidades.......
Canas com pinna de seo. muito
boa de '.',20 a. .....
Duzia de liaba 200 jardas Alexan-
dre de 40 a OU e, .
Caixas com superiores oboes s a.
Dnzia oe agulha para machina a.
Libras do piegos fr.ncii.ts todos
es tamaiih' s a......
Talheres para meninos a. .
Pares de saoatos ce tranca pata
metiins a. .
320
xa
'000
1-5500
0
20
tieoo
,:ooo
S40
82U
UIII
20Ra da ruptratriz20
Far2 & B^essa.
Acaba 4a chfgar a >'sta noss* nova loja d< fa-
zendas f.aas um variad* surtimento de Cztntn de
laa e seja, jcoino sejam : yninadices do nUloiu
gosto, papelinas do urna ? ei r, i Ipaeas e II
nhas de ere?, o (uf la de mais roexfa roo, Kdn
por barasiics p'rrn -, I. ,/Je c* le-
cidos das indias, Eazenda Dova a iti I:to e ppr-
calia.baleide clioa liegudo pata de r etm lin-
das barras, fustoes pn s | ars vMtl i b Mopas
de mtnin. s agora gfaodes e :i...u:na -ris pwlnn
chas, u'uf brancas ci n liado* I; sa-J.s n ,, ti-
eos ce rp:ul>s bordados mui lo fini-sa?, La!5w
modernos de ;.ic. s i i3, ricas .
lcocboadas. sendo braneas e de r. .
Jt, cambraia vintirla Una a ."'. ditas trauspai b-
tes a:>&, 6 e 7jj3hitas Qnisniinas i scup 9 e clant
a 280, 300, ai e 3t0 o cuvado, cascas de coas a
240, Iuic s brancos de easa a 25J00, ditos chi
nezes a ."1S600 a onzia. nlapolSn :i a 6
(i500, e miiit sapero r a 7, 761-00 o S, n'gor
daozinhr. lartru pnifin. para lrtit'g ;. Ci( pii.no
de ai.odau braveo i'.i fadj pn i. | ai i .,sas
de mea a 16600 a vara, nramwite
200 e 35500, o que h; de melhor, espniao li-
DifMdlo a 22C0 e 2:JC a vara. MaadanKis i u
casas das Exmas. familias para mtlbor Boderein
escjlher. Tambem temos completo smjIii o;.:o de
perfura;.rias dos priraoiros fabncaoies francezes e
inglezes_;'ns pessoas que se dignarcn vir a esta
leja torio icca.-io de recoobeei-r a rtadade de
que annuuciamos para nos ju>:ilicar.
Ferro gaivanisado^
Vende-so em casa de Adamson, Hnwie & C na
ruado Comineicio n. 40, folhas da ferro gaivani-
sado de 6, 7 e 8 ps de ciinprimento.
* VeLde-s... a casa terrea n. li, tin chaos pro-
prios, sita em Olinda ra do largo do Ampara,
com 4 quartos, corredor ao meio e duas salas : a
ratar no 1* andar n. S ra da Cadeia do |t< cife.
Bichas hamburgnezas
. Neste novo deposito recebe-se por todos os pa
queles translanticos bichas de qualidade superior
e vendara se em caixa ou porcao mais peqilena,
e mais barato do qne em outra qualquer parte :
na na da Cadeia do Recife n. 51, {'andar.
Cabellos
Vendem se cabellos de todas as cores, qualquer
compriiuento, qualidade superior, em caixa ou
porcao mais pequea : na ra da Cadeia do Re-
cife o., Si, Io andar.
Atten$o
Vende-se a casa da roa da Conquista o. W : a
tratar na Estancia n. 18.
Fazendas b rata* com
t que de avaria.
f A' ra do Crespo a. 25.
Chita fusila de e< res a 160 rs. n e< va- jt
g do : na ra do Crespo u. SS, loja de Ma- 8
^S| noel Dias Xavier. H
hi mmmm.
QUE1I OUER VEXHA
NA
Loja ingleza
Passelo pubSIce n. 60.
Neste grande estabeltcimento encentrar o res-
pt itavtl publico um grande sortimento de azenJa-
de todas as qualidades e precos por menos do que
em ontra qualquer parte, como sejam :
Cbitas tanto escuras como de cores, muito fina*
a 240,260 e 280 o covado.
' Cassas de cares, padroes muito bonitos, a 280 e
320 o covado.
Cambraia branca transparente para vestid > a
4 a peca,
Laazinha para vestido a 3C0 o cavado.
Ditas para dilo com lisiras de seda a 800 rs.
Casemira preta para calca a 3i o corte.
Ditas de cores a 4 o covado.
Fustao de cores para calca a Uo corte.
Madapoles finos com pequeo toque de avaria
a e U.
AlgodSes brancos a 3j, 3#600 e 4* a peca.
Paetois, caifas e oolletea de todas as quaidade.
_________PASSEIO PUBLICO N. 60.
Farinha de lag
Vende-e em saceos grandes : no armazem d^
trave sa do Carioca n. 2, caes' do Ramos.
DOGE
De goiaba, laranja e banana ; na ra Dtreita n.
91, constantemente._______________________
Estamptlhas.
Vende-se na roa da Cadeia do Recife n. 58, loja
de azulejo.
Vende-se lfbellas comparativas de pre-
cos.de metros covados e vice-versa, mos-
trando primafacie o valor de qaalqcer
fazenda, em re|a.c3o s mencionadas medi-
das reciprocamente : em casa Lailacbar
& C., ra do Crespo n. 9.
500 rs.
ATTENCJIO
Vende-se urna casa com sitio, na roa do Gua-
dalupe em Olinda: tratar na ra dos Gatos a.
10, com-Liberato Rogero de Almeida.
I



n
Diario de Pernambuco Terqa feira 5 de Julho'de 1870
JSSEMBiEA GEM,
CMARA DOS DEPUTADOS.
(Continuado)
Mas o enthusiasmo entlo venceu tado ; a
assembla provincial foi convocada extraer-
.jiaariamenH a pretexto fie estragos da cnen
do rio Capib.Tibe,- e a idea foi apresentada
nflaia na alia administraco flo Estad > cosa
a insinuado de que nao prejudicana a pro-
vincia de Pernambuco, porque essa nova
garanta de ti 7. *ris t1 VAoi c ,rrM
/enes.
E foidosta maneira que essa garan w te
est?beleceo. e foi desta raaneira que so fez
pesar sobre a provincia de Pernambuco esta
despeza enorm? ora a qual nao poda.
0 Sr. Ajuncar Araripe : Tambera
nlo tem pago.
O Su. Souza Beis : E' per esta razio
me estou ocoupando me d-is circumstancias
que acabo de referir, tendo por flm justifi-
car essa falta da provincia. A n5o se at-
tender s considerarles expostas o proce-
dimento que tem tido a provincia de Per-
nambuco, mereca a censura do nohre de-
pnta lo pelo Io districlo da provincia do
Rio de Janeiro, n5o teria justilicago.
O Sr. Andrade Figueira : Nao 11)3 til
censura.
O Sr. Souza Rus : J disse UCO
justiga ao nobre deputado. reconheoendo
que elle nlo leve a menor intenclo de fazer
pespr todo o endito da censura sobre mi-
aba provincia: mas incontestavelmenta fez
urna censura, e tanto que lerabvou a idea
de que o governo procurasse fazer com que
esta divida fosse paga.embora por m^io de
melhoramentos materiaes na mesma pro-
vincia.
O Sr. Aorad?, Figueira : Sim. se-
nbor : um alvitre que lembrei: a somraa
que a provincia conta como divida pode
emprega-la em obras publicas.
O Sr. Souza Res : A provincia de
Pernambuco em *85i nao conta va com ren-
da superior a 700:0000 entretanto a ga-
ranta de 2 /0 a compromette-la em urna
daspeza annual de porto de 200:0005-
O Sr. Barros Barreto : Nao em
tanto. ,. ,
O Sr. Souza Res : N5o digo desde
entlo, mas logo que todo o capital fosse des-
pendido, o que se deu a mais de 6 annos ;
e desde essa poca essa despeza e de
perto do 300:0005 ou mais por ter sido
elevado o capital a S* 4,200.000. Entre-
tanto a assembla provincial nlo perda oc-
casilo de empregar os meios necessanos
para que fossem levados a effeito os me-
lhoramentos materiaes de oue Pernambuco
precisava mesrao em 48oi foi despendi-
da em obras publicas a quantia de.....
351:1905.
Na provincia de Pernambuco os melbo-
ramentos tem sido sempre altendidos em
todos os terapis, e de preferencia sao des-
pendidos o? dinberos pub icos com estra-
das, de modo que desde muitos annos ha
all estradas de rod'gem com differentes
direcces. as q aes hoje chegara a uma ex-
tensao nao rabrtor a cincoenta leguas; e
maitas pessoas que tem visitado aquella
provincia, que tem visto essas estradas e
outras milita obras publicas sao accordes
em dizer que seus dinbeiros sao bem gastos.
Sirva isto tarabem para responder ao
nobre deputa lo quando pretende que o
presidente daqnella provincia tenha instruc-
ces para qu taca app'.icar s estradas de
farro que se prendara do Recife ao Rio-
S. Francisco, tanto quanto fr possvel, an-
Dualmente, para ir araorsando a dmda
que pesa sobre os seus cofres para cora os
cofres geraes, al que seja ella paga.
Sr. presidente, embora sejlo as estradas
de ferro meliioramen'o de grande impor-
tancia, mesmo os que mais podem concor-
rer para a riqueza publica, curapre todava
examinar se as estradas de ferro de que
mais ple preciar a provincia de Pernam-
buco sao as que o nobre deputado lembra,
isto ramaes da estrada de ferro do Reci-
fe ao Rio S. Francisco.
O Sr. Andrade Figueira : Aponta-se
o ramal da Pimenteira como muito til
O Sr. Souza Res :- Essa a directo
que devo levar a estrada actual.
0 Sr. Andrade Figueira : Nao apoia-
do. ...
O Sr. Souza Res : Sem duvida, ou
muito prximamente. .
A zona assuca era do sut da provincia
apio eitise com grande vantagem da es-
trada deTriro actual em toda sua extenslo;
entretanto que as outras zonas tarabem as-
sucareras e que ficam para o norte e para
o oeste, n3o podem absolutamente aprove
tar-se dessa estrada, e nem os ramaes pata
ella seriara o meio de dar-lnes 13o vantajosa
va de commanicacld,' mas a construccJo
de miras lnhas, de que j se cuida; e
muito conveniente s*r que taos smprezas
sejam mimadas e bem atteadidas pelo go-
verno.
Estrato de ferro como a provincia pre-
cisa, nao podem ser feiUs por conta de sua
renda, porque acarretaram uma despeza
enoiini c\.m q-e a provncia nlo pd:
m3s a ass mb'.a autorisou subvenco a duas
que all eslo autorisauas e nlo deixara de
fdze-lo quanto a outras que emprehendam
utilmente. .
Se porm nao se fazem all estradas de
ferro "custa da provincia, contina a ser
applcada grande parte de suas rendas em
estradas de rodagem, como se ten feto
constantemente. ,
Assim, ha uma quasi irapossibilidade de
ser abracada a idea lerabr ida pelo nobre
deputado.
OSr. Andrade 'igehu: Estabelecam-
se impastos, ha loda a vantagem em faze-
lo urna vez que a appiicaco o pagamento
de uma divida ao Estado em obras pro-
vincaes.
O Sr. Souza Res: Eu ulo aconselha-
rei nunca que se eslabelecam ou augmen-
tem i npostoa; alli nao sao elles lalvez
menos pesados, do que os que ha em
outras provincias.
O Su Andrade Figueira : Nlo apoiado;
a provincia de Pernambuco est em 4.a ou
5." lugar com relacao aos impostos.
O Sr. Souza Res : Nao sei se ha muita
exactidlo no que diz o nobre deputado.
O Su. Andrade Figueira : Posso trazer
dados, .
O Sr. Souza Res : O que verdade e
que nao aconselharei a creaco ou augmen
lo de impostos, emquanto cora os recorsos
que a provincia tem, puder satiafazer
suas necessidades. Sr. presidente, a pro-
posito da garanta de que traU o projecto
em discusso, o nobre deputado disse que
a provincia de Pernambuco, com relajo
sua estrada de ferro, era amis favorecida.
O Sr. Andrade Figueira : Referi-me
comprabia da estrada de ferro, pelas con-
cesses que tem tdo.
O Sr. Souza Res : Sei que se refera
companbia da estrada de ferro: mas se
bo leve o nobre deputado em vista fallar
ae favores feitos provincia, nem por isso
deixa de affectar mesma provincia essa
qualificaco de mais favorecida.
OSr. Andrade Figueira :Nlo. senhqr;
referia-me s concesses feitas a companbia,
nao ( bstante seus desbaratos :
O Sr. Souza Res : Anda pens, Sr.
presidente, que o nobre deputado nlo teve
razo nosta parte, assim como n5o teve
razio em julgar justificadas as provincias do
Rio de Janeiro e de Minas Geraes, deixando
de concorrer com a garanta de jaros para
a estrada da ferro de D. Pedro II, desde
que esta estrada passou ao dominio do Es-
tado.
Sr. presidente, as provincias do Rio de
Janeiro e de Minas-Geraes se baviam com-
prometido a uma garanta de juros para a
esirada de D. Pedro il.
O Sr. Andrade Figueira : A de Minas
por S/0. Mas depois nao se pode tornar
elfectiva, porque a companhia encamp u se.
O Sr. Souza Res : O nobre deputado,
quando censurou a falta da provincia de
Pernambuco no pagamento dos juros, que
garanti companhia da estrada de ferro
do Recife ao rio S. Francisco, disse que a
provincia do Rio de Janeiro so deixou de
pagar os juros que garanti depois que a
estrada de D. Pedro II passou ao dominio
do Estado, a proposito de um aparte que
se Ihe deu, querendo concluir dahi o nohre
depotado que tinha desapparecido a obri-
gaglo da garanta, e que, portanto, a censu-
ra a respeito da provincia de Pernambuco
nao se poda applicar a respeito da provin-
cia do Rio de Janeiro.
Pens que o nobre deputado tambem
nao tem razo nesta parte, porque a estra-
da de ferro de D. Pedro II nao passou ao
dominio do Estado por titulo gratuito. Esta
estrada est custando ao Estado o premio
da quantia de sua importancia que
8,032:9075904- O nobre deputado s be
que esta quantia representada por apolices
da divida interna e externa, sendo estas na
importancia de 12,000:0005, e todas de
juros de )/o-
O nobre deputado sabe que ojMgaraen-
to dos juros do emprestimo levantado no
estrangeiro depende da variaclo do cambio,
o que tem feito sempre elevar esses jaros
a 7/o ou mais, e nem ser fcil consrva-
los a 6/,. .
Ora, pergunto eu, ama estrada qae esta
castrado o Estado mais de 6% de sea ca-
para
FOLHETISI
A \in DEPOIS DI H0B.TA
POR
Xavier de VIontpin.
pital, o que importa em perto de 2,00Q:0005;
tendo as provincias do Rio de Janeiro e
Minas-Geraes se compramettida a pagar
2% desse capital, quando foi ella empre-
hendida por umr companbia, pode-se dizer
que nao tem direito a esta garanta porque
passou ao dominio do Estado ? por vn
tura admissivel o desajpareciraento dessa
obrgacio das provincias do Rio de Janeiro
e de Minas-Geraes, por esse facto ?
Pens que nao ; e, portanto. se censara
cabe a provincia de Pernambuco por ter
deixado de pagar os juros que garanti em
favor da estrada do Reeife ao rio S. Fran-
cisco, a mesma censura cabe aquellas pro-
vincias desde que deixaram de pagar os
juros que tambem garantiram em favor da
estrada de Pedro II.
O Sr. F. Belisario :A do Rio de Janei-
ro est concorrendo.
OSr. Costa Pinto:A de S. Paulo nao
tem concorrido, pelo exemplo das ootras.
O Sr Souza Res :O que eu digo a res-
peito da provincia de Pernambuco se appli-
ca provincia de S. Paulo e da Baha,
que nao podem incorrer em censara sem
que tambem nella incorra a provincia do
Rio de Janeiro.
O Sr. Candido Torres Filho:A pro-
vincia do Rio de Janeiro pagava.
O Sr. Souza Res :E porque nao paga
mais a provincia do Rio de Janeiro ?
O Sr. Andrade Figueira .-Porque ees
sou o contrato.
O Sr. Souza Res:Gessou o contrato
com a companbia, mas n5o cessou a obrigacSo
para com o estado que adquiri a estrada
por ttulo oneroso, e paga juros que absor-
vera a renda. .
O Sr. Andrade Figceira :A provincia
do Ro de Janeiro anda agora deu 130:0005
para a 4* seccSo.
O Sr. Souza Res :Isso oatra cousa;
perde o nobre deputado ; eu trato da ga-
ranta de jaros : desde que a estrada pas
sou ao dominio do estado por meio de em-
prestimo qae levantou e do qual paga juros
qae absorvem a renda liquida da mesma es-
trada, nao podiam as provbcias do Rio de
Janeiro e de Minas-Geraes julgar-se eximi-
das da obrigaco de pagarem a garanta de
juros.
0 Sn. Candido Torres Filho :A pro-
vincia do Rio de Janeiro nem fo consul-
tada.
O Sr. Souza Res :Ea justifico a falta
era que tem cabido a provincia de Pernam-
buco nlo s pelas circumstancias qae pre-
cederam a autorisaclo da garanta a qae se
obrigou, como pela applicaclo qae faz de
suas rendas; assim como nlo censuro a
provincia do Rio de Janeiro e a de Minas-
Geraes por terem deixado de concorrer
com a garanta a qae se comprometteram,
porque vejo que ellas teem cuidado tam-
bem muito de eus melhoramentos mate
riaes; mas nlo posso admittir qae somonte
se olhe para a falta de Pernambuco, quan-
do o Rio de Janeiro e Minas a teem com-
mettido tambera.
O Sr, Andrade Figueira :A provincia
do Ri j de Janeiro pagou sempre at a en
camparlo da estrada.
O Sr. Souza Res :A questlo nlo
essa, a questlo se tem ou nlo a provin-
cia do Rio de Janeiro obrigaclo de pagar
ainda, depois mesmo que a estrada foi en-
campada. Me parece fra de davida qae
tem, porque o governo geral est pagand
premio do dinheiro que costn a estrada, o
esta Ihe devia ter passado com as garantas
e favores que tivesse.
E a proposito ainda de favores provin-
cia de Pernambuco, eu devo dizer que as
provincias do Rio de Janeiro e de Minas-
Geraes nao sao menos favorecidas pelos co-
fres geraes a respeito de estradas de ferro,
porque tambem sem concorrerem com a
mencionada garanta de juros, sao ellas as
que se esto apcoveitando quasi exclusiva-
mente da estrada de farro de D. Pedro II.
O Sn. Candid Torres Filho :Esto Ihe
dando lucros.
O Sr Souza Res : Sem davida, mas
sao ellas que se aproveitam dessa estrada ;
sua lavoura que anda melhores lucros
della aufere com sacrificio nlo pequen
ojestade.
Alm disto arad* em proveito dessas
duas provincias que se est appUcando a
renda da estrada de ferro de LV Pedro II,
ou antes o que se chama renda, mas qae o
nlo efectivamente; porque se se attender
s despezas de custeio e outras dessa es-
trada, ao lucro que obrigada a dar com-
panhia Unilo e Industria e ao premio que
o estado paga uelo emprestimo que contra-
hio para hava, n3o Picar lucro alg'im,
considerada a renda actual da estrada; en-
tretanto, que esse mesmo lucro que se julga
existir, porque nlo so faz a conta do pre-
mio que se paga do capital empregsdo,
applicado em beneficio dessas provincias,
porque com elle se est continuando a es -
trada era ambas.
A despeza da estrada de ferro de D- Pe-
dro H est calculada em 1,600:0005000 ;
a quota que aibe compmhia Unilo e In-
dustria de 300:000-5000; o juro de.....
28,000:0005000 que tem castado a estrada
sobe a pert> de 2,000:0005000, inclaindo
a dfferenca de cambio. Sommam estas ad-
dic5es a 3,900:000^000. A renda da estra-
da de ferro calculada em 3,800:0005000:
temos, portanto, que nao ha lucro.
Mas as obras da estrada contnuam ;
para ellas applteido o saldo, verificado
pela deduelo apenas das despezas proprias
da estrada e da qaota pertencente compa-
nhia Unilo e Industria; logo em proveito
immediato das provincias do Rio de Janeiro
e Minas animalmente applicada quantia
approximada a 2,000:0005 como lucro di
estrada, quando t3lvez mais pague o esta-
do de juros do capital que a mesma estrada
custou.
O Sr. F. Belisario :Mas o nobre de-
putado deve attender que a estrada tem
um trafego de nove railhes de arrobas
desde j.
O Sr. Souza Res :Sei que de grande
trafego a estrada e muito til ao paiz ; vo-
tarei sempre para que ella prosiga ; nlo
censuro que se gaste mesmo grandes som-
mas com ella, mas nao se falle em provin-
cias favorecidas pelos cofres geraes sem
primeiro se mencionar essas que immedia-
tamente se aproveitam da estrada de Pe-
dro II.
Era mea fim, Sr. presidente, justificar a
provincia de Pernambuco pela falta de pa-
gamento dos juros que garanti estrada
de ferro do Recife ao rio de S. Francisco, e
demonstrar que o nobre deputado nlo teve
razio quando censurou as provincias de
Pernambuco, Bahia e S. Paulo, pela falta
de pagamento dos juros que garantiram,
desde qae nlo estendea a censura s pro-
vincias do Rio de Janeiro e Minas-Geraes;
assim como qae nlo era a provincia de Per-
nambuco a mais favorecida no tocante es-
trada de ferro.
O Sr. Andrade Figueira d um aparte.
O Sr. Souza Res:J salvei a intenclo
do nobre deputado; nlo attribuo a V. Exc.
proposito na censura, nem motivo menos
digno de seu carcter no que disse sobre
essa falta das provincias de Pernambuco,
Babia e S. Paulo.
Sr. presidente, passarei agora a oceupar-
me do projecto em discusslo.
Devo dizer que a qaestlo da garanta de
juros, qae se debate, s pode ser conside-
rada como ligada aos nteresses de Pernam-
buco, aceitando-se o argumento produzido
PARTE
(I
pi&muiHi.
DE SAISHAinSI.
(Gontinnaco do n. 145;.
XIII
Djall.
O soldado fez parar Djali, apeioo, e en-
fiando no braco as rdeas do generoso
bruto, debracou-se para por a mo no pe-
to do marquez e averiguar se vivia ou era
am corpo inanimado. Saint-Maixent pre-
vira aquelle movimento, e j o esperava ;
levantou o braco como se fra impellido
por mola de ac, apertou o gatilho da
pi8tola,-e Andr, que recebea o tiro ao
meio da jbega, cahio instantneamente
morto, salpicando de sangue a cara e o
fato do que j tinha por sea prisioneiro.
Sanl-Maixent levantou-se de um pulo,
tirou do braco do cadver a rdea do ca-
vallo, e montando n'elle sem tocar sequer
nos estribos, retorceu o nervoso pescoco
de Djali, que trema de medo, e bradou :
Anda, meo fiel companheiro, meo for-
moso Djali, salva teu amo l
Dir-se-hia que o animal entender aquel-
las palavras, porque immediatamente, e sem
Ihe haver tocado a espora, tomn impe-
tuoso galope, imitando o vento na ligeiresa.
Com um cavallo d'aqoelles era totalmente
impossvel apanharem o fugitivo, qae d'es-
ta vez j poda considerar-se livre.
Dionizio Robustel e os seus homens ti-
nham visto loz de um relmpago cahir o
cavallo de Saint-Maixent e Andr atirar se ao
fidalgo estendido no chlo. Ouviram
na persuaslo de que o soldado
o tiro
fizera
fogo, o preboste espicacou a sua alimaa o
raais que pode, gritando com toda a torga :
Agarra-o vivo !... Nlo o mates l..
nlo o mates I..
Imag ne-se qual seria o seu espanto e a
sua raiva. quando, em lugar do marquez
de S int-M ixeot preso, encontrou o cada-
ver de Andr, cem o crneo esmigalhado
e nadando no proprio sangue.
A'n malvado infame assassino I
grtou o preboste com voz rouca. Safou-
se Atrvese a matar os soldados do
re! Agora, se o nlo tornamos a prender,
se nlo o levamos a Clermont amarrado so-
bre um cavallo, cahir sobre nos a des-
honra e a vergonha I
Seguio-se estas palavras om triste si-
lencio. Prender o fugitivo era fcil de di
zer, mas iquito dificil ds fazer. Levava j
muita dianteira ; como haviam de alcanca-
lo, montados n'aque les animaes extenua-
dos de cansaco ? E depois, que direcelo
teria tomado, para onde haviam de perse-
gui-lo ? Estas objecces nlo tioham res-
posta, e agora os obstculos eram insope-
raveis. Dionizio percebea o qae se passava
no animo dos seus subordinados, e nlo
quiz que os dominasse aquella sensaclo de
profundo abatimento.'
Oucam, proseguio o preboste, e c^m-
prehendam o que eu quero dizer. Bem sei
que se agora mesmo nos empenbassemos
em perseguir o mariola, nada conseguira-
mos". Gracas sua endiabrada cavalgadora
j estar bem longe d'aqui ; mas, por mui-
to vigoroso que o maldito cavallo seja,
afinal ha de cancar. Esta noote capaz
de tragar amas doze legoas... e at quin-
ze ; mas ao romper da aarora ha de preci-
sar descasco, quando nlo cae examine. Ora
m-ito bem ; temos que encerrar o fugitivo
n'um circulo d'oode elle nlo possa sabir ;
a melhor raaneira de o agarrar, disper-
sarmo-nos, indo cada qual para sea lado ;
os cavallos que forem precisos, p leva-Ios
d"oade os houver em nome de el-rei; dare-
mos rebate em todas as aldeas ; armare-
mos contra o moedeiro falso, contra o la-
drlo sacrilego, todos os campesinos da
pelo nobre ministro da agricultura, de que
com essa concesslo, feita companbia, vi-
rio em troco certas medidas que ha muito
slo reclamadas para que a estrada preste
provincia todas as suas vantagens. Nao li-
go, porm, importancia alguma questlo
com relaclo a.Peroambnco, desde que ella
se redoz a garantir o excesso de capital j
despendido, como se acha consignado no
projecto.
O Sr. A. Figueira :E' at fatal para
Pernambuco.
O Sr. Souza Res :Pens, pois, que se
esta qaestlo tem alguma importancia, con-
siderada somente pelo lado da concesslo
dessa garanta, porque, se tal concesso
for votada augmenta-se o onus que j pesa
sobre o estado, sem a esperanpa de ver
augmentada a rendada estrada, porque isto
somente se conseguira com muitos e novos
trabalhos e graiades melhoramentos de que
a estrada precisa, e que, por dependerem
de grandes despezas, a companhia nlo far
como nlo tem feito at boje, e como pro-
testa sempre n3o fazer.
A concesslo de garanta de juros, que
hoje se pretende dar, assegura companhia
o toflro de 7 por canto de todo o capital
despendido.
Oque tem isto com os mteresses d pro
vincia de Pernambuco ?
A companhia tem sna sede em Londres1;
seas accionistas pela mor parte slo estran-
geiros ; ella nle fica obrigada a condiebos
que assegurem todas as vantagens da estra-
da para o paiz, como alias a intenclo do
nobre ministro da agricultura ; onde est,
pois, a razio justificativa do projecto ?
(Ha algnns apartes).
Ainda bem, Sr. presidente, que o nobre
ministro da agricultura convm em qae as-
sim .
O Sn. Minisiro da Agricultura : Assim
o que ? ,
O Sr. Souza Res : Quo nlo poder
ser justificada a concesslo da grantia, des-
de que nao forem obtidas as vantagens es
peradas em beneficio da ostrada, vantagens
reclamadas pelas necessidades da agricul-
tura e do commercio.
O Sr. Araujo Liaa :Entlo acceite emen-
das.
O Sr. Souza Res. Estando nos concor-
das nisto, entendo que o projecto nlo deve
passar sem as condic3s ou bases, que cum-
pre estabelecer para se consagnlr essas van-
tagens.
Encarada a questlo debaixo deste ponto
de vista, ah vem como consequencia a ques-
tlo da confjanca. O nobre ministro deca-
rou que protege o projecto.
0 Sr. Carneiro da Cunha :0 projecto
do governo do paiz.
O Sr. Souza Res : O nobre ministro
declarou-nos qup, nlo o governo, mas elle
individualmente se interessava pela passa-
gm do projecto.
O Sr. Araujo Lima : Nem fez qnestao
de gabinete.
0 Sr. Souza Reis:--N3o sei que na his-
toria do parlamento haja exemplo de se-r
melhante maneira de apoiar um projecto
por parte do governo.
O Sr. Araripe :O governo nlo pode ser
obrigado a fazer questoe* de gabinete.
O Sn. Souza Res : Outro pronuncie-se
o nobre ministro como governo, ou deixe
correr a questlo e decidir-se a cmara como
Ihe parecer.
O Sr. Ministro da Agricultura :O que
est se fazendo seno isso ?
O Sn. Souza Res:O nobre ministro
decl'arou que o governo nlo?podia fazer disto
questlo de conflanga.
O Sr. Carneiro da Cunha:Mas a auto-
risaclo sempre confianca ao governo.
O Sr. Souza Res:Se o governo in-
tende qae o objecto nlo merece-lhe mover
guestoes de confianca: se o nobre ministro
da agricultura apenas se interressa indivi-
dualmente pela passagem do projecto, como
consente que a questao da confianca minis-
terial esteja servindo para se obter o voto
a favor ? Declare o governo francamente qae
quer um voto de confianca nesta questlo, e
o ter sem duvida desta cmara. (Apot'odoi.)
Mas pelo simples facto de declarar o nobre
ministro que se interessa pela passagem do
projecto.no me julgo obrigado a dar o voto.
O Sr. Ministro da Agricultura :Sinto
muito ; mas a cmara j coraecou a julgar.
(Apoiado.)
O S. Souza Res Declaro que tenho a
convicelo de que assim nlo vou de encon-
tr aos interesses de meu paiz nem con-
fianca que o ministerio merecerme.
Sr. Ministro da Agricultura :N5i fiz
questao de confianca ; a questlo meramen-
te administrativa: est increpando sem ra-
zio.
O Sr. Souza Res : Entlo a que vejo
a declaraclo de que se interessava indivi-
dualmente ?
O Sr. Ministro da Agricultura :Lem-
bro ao nobre deputado que membros muito
distinctos do gabinete, como os Srs. presi-
dente do conselho, bario de Categipe e ba-
ilo de Muritiba votaram pela resoluco, tal
qual no senado em sesslo do anno passado.
(Hi um aparte)
OSr. Souza Res:A circumstancia qui
a cabei de assignalar, com relaclo ques-
tlo de conlianca nesta materia, prende-se
sem duvida alguma a estar outra que o no-
bre ministro lembra.
Sobre este projecto nos pronunciamos
uma vez, e nao estavaraos entlo no poder.
Refiro-me ans nossos amigos que na situa-
CSo passada prolitrram nesta casa o projecto.
0 Sn. Ministroda Agricultura: En no-
me de quem'?
O Sr. Souza Res :E' preciso que nao
se quebrem, como disse o nobre deputado
comarca, e havemos de acossa-lo com foices
e toreados, como se fra um co damnado.
Um murmurio de approvaco acolheu este
discorso, pequeo mas enrgico.
Eia, pois, meus filhs I continuon o
preboste. Mas primeiro que todo, levan-
tem esse cavallo e ponham-lhc em cima o
cadver do nosso infeliz companheiro ; nlo
seria humano deixa-lo toda a noute exposto
s injurias do vendaval, e talvez aos ataques
dos lobos, attrahidos pelo cneiro do sangue.
Eu me encarrego de o conduzir S. Judas,
onde se enterrar em lugar sagrado, como
deve ser. Amanla s oito horas da noute
nos reuniremos todos na aldeia de Maoriac:
ahi o sitio designado para a nossa entre-
vista.
Uma hora depois entrava o preboste leo-
tamente e com a cabeca inclinada sobre o
peito no pateo da hospedara das Armas d$
Franca, levando pea rdea o cavallo car-
regado com o cadver.
Todos estavam levantados espera de
noticias. Ao ver o morto, qne de princi-
I pi tomoa pelo marquez, Julia estremecen
desde os bcos dos pos at cabega ;*mas,
assim que reconbeceu a verdade e quaodo
soube que o fugitivo eslava sao e salvo,
sentio grande alegra. A mocinha nlo to-
mn parte algama na geral indignaclo, por
que sea ver, nlo eram crimes nem a f-
gida do preso nem a morte do soldado.
Qoiz salvar-se, e conquistoa a sua l-
berdade! ponderava a rapariga l de si
para s. Atacaram-no e defendeu-se. Nada
mais Josto. Quem qae no seu lagar dei-
xaria de fazer o mesmo ?.. Disse-me qae
badevoltar poraqui... Nlo se esqae-
cer do promettido ?... Ve-lo-hei algum
dia?... Ah J qaer volte quer nlo, bem
presinto que nunca me esquecerei delle.
Fcilmente se comprehender o qae a
pobre meniaa sentira ao ouvir o preboste
ordenar que fossem accordar o sacristlo
para tocar rebate no campanario da igreja
sem mais perda de tempo, e ao oavir da
bocea do proprio Dionizio qae se ia por em
armas loda a provincia.
Ah I exclamava o preboste, cajo de
mais que o maroto do assassino faca, nao
nos ha de escapar. Tio Guilherme, preciso
de um bom cavallo, o melhor que houver
c na villa, e preciso d'elle qoantos antes.
Sabe de algum ?
Em casa do tio Antonio ha uma gua
sem igual em toda a comarca, respondeu o
estalajadeiro.
Pois v immediatamente casa do to
Antonio, e diga-'he que quero a gua, em
nome de el-rei.
Vou correndo.
O tio Guilherme sahio, e ao cabo de am
quarto de hora tornou a apparecer com a
gua. No tempo em que succediara os
fados que varaos referndo, o nome do rei
era ma varinha de condo, que assegurava
obediencia rpida e passiva. Dionizio en-
carregou o estalajadeiro de cuidar ho enter-
ro de Andr, e, montando em seguida ca-
vallo, parti galope.
O sino da igreja lancava ao ar as lgubres
e ameacadoras vibragens do toque de reba-
te. AtrovoaJaj ia longe, e as estrellas
principiavam novamente a brilhar no co.
Emquanto isto se passava na aldeia de S.
Judas, e emquanto os soldados do mare-
cbalato galopavam em differentes direcces,
o marquez de Saint-Maixent, deitado sobre
o pescogo do Djali, "ontinuava a carreira
frentica e desenfreada pelo meio do cam-
po, sem tratar de seguir os caminhos, sal-
tando fossos e vallados, correndo selvas e
planicie, atravessando rios e arrotos, ten-
pelo 4 distrkto do Rio de Janeiro esses la-
gos que devem prender as opn'fes sobre
questoes de alta importancia como esta.
O Sr. Minbtoo da Agricultura :En
nome de quem falla?
O Sr. Souza Res:Em nome dos con-
servadores.
O Sr. Mk"I!STROa Agrigulti:ra :Quaes
slo os orglo competentes do partido con-
servador Nestas e em outras quest&es de-
cidem as votacQes. As desta casa e do se-
nado slo contra a opinilo do nobae depata-
do. Fallem por si, e nlo como orglo do
partido queja semanifestoa pelas cmaras,
que slo as competentes para isso.
O Sr. Souza Res:Qoiz->e fazer acre-
ditar qflfe o procedimento dos nossos ami-
gos na^ituaglo passada tinha sido inspira-
do nicamente pelo espirito de opposico a
governo de entlo,
O Sn. Araujo Limr :Contra isto- j pro-
testei. i
O Sr. Socza Res :Nlo posso compre-
hender como se attribna ntencao desta or-
dena a membr s to distinctos do parlamen-
to. Podiam esses, que assim se oppozeram
ao projecto,. fazel-o, encarando a questlo
pelo lado da confianca, em qae foi posta
nessa casa, e nisto estavam no seu direito,
porque o governo de entlo nao Ihe mere.ia
confianca; mas que se queira justificar o
procedimento de hoje dizendose nicamen-
te que entlo se usava disto como um recor-
so do partido, porque entlo estava-se em
opposiclo ao governo, nlo posso admittir.
Q Sn. Ministro da Agricultura : Eu
nlo disse isto.
0 Sr. Souza Res :Mas houve qaem o
dissesse. Se alguma razio ha que justifique
a raudanca de opimlo, preciso que ella
seja manifestada, preciso que nos a conbe-
Camos, para que possam os que se pronun-
ciara contra o projecto mudar tambem de
opinilo.
E, Sr. presidente, parece que realmente
alguma razio ha ; o proprio nobre ministro
nos tem fallado de maneira a acreditar se
que existem compromissos.que existe algu-
ma cousa que faz com que o governo fi-
que mal collocado, se o projecto nlo passar.
O nobre ministro interpelado pelo nobre
deputado pelo 4 dstricto da provincia do
Rio de Janeiro sobre trabalhos que tenha
feito a respeito lo que espera da companhia
em compensaclo do favor que ella pede
nos disse: J providencie! neste sentido,
j se acha um agente nosso em Londres >
Entlo o nobre deputado replcou pergen-
iando que instrucglo dera a este agente; o
nobre ministro respondeu : E' segredo.
Senhores, nlo posso comprebender isto.
OSr. Ministro da Agricultura:Slo ne-
gociages pendentes com a ^companhia es-
trangeira. /
O Sr, Souza Res : Nio comprehendo
o segredo do nobre ministro; mas ainda
assim o nobre ministro tem meio e dar
conhecimento a esta angosta cmara das ra.
zes que hajim para esse interesse qae
toma pelo projecto, sem inconveniencia
para essas negociag5es pendentes; tem a
sesslo secreta.
O Sr. Ministro da Agricultura : Se
quer reqaeira.
O Sr. Souza Res :Ea nlo devo reque-
re-la, perdoe-me o nobre ministro ; o que
desejo que o nobre ministro me habilite
a dar o voto com toda a consciencia. Devo
satisfagao ao paiz, e nlo hei de dzer-lbe :
Dei o meu voto a favor deste projecto
porque o nobre ministro me declaren em
seu nome, interessado individualmente na
passagem deste projjdo, que tinha espe-
ranga de que as couzas se arranjassem de
um modo conveniente para o paiz.
O Sr. Ministro da Agricultor : Eu
nlo quero constrangir ao n^bre deputado
uuin a nenbum outro; deneguera a medida,
se assim o entenderem.
OSn. Souza Res :Portanto, Sr. presi-
dente nlo posso deixar de insistir e insistir
muito tenazmente por declaracoes mais po-
sitivas a respeito deste projecto, porque,
como cabo de dizer, ellas sao indispensaveis
para que se possa votar com toda conscien-
cia.
O S. Ministro da Agricultura :Ha 10
aBnos que se trata esta questao ; hoje es-
t-se repisando o qua se tem dito m I vezes.
(Continuar-sc-ha)
tosa e offegante; em sumraa, dous ou tres
vezes tropecou e estove ponto de cahir,
apezar da incoraparavel seguranca no an-
dar.
De todos estes indicios inferi o marquez
que era preciso dar um instante de repouso
ao seu fiel companheiro, se nlo quera ar-
riscarse a ficar sem elle. D'ahi, n'aquel-
las tres horas percorrera uma distancia
enorme, e por entlo nenhum perigo tinh i
a receiar. Por consequencia puchou as
rdeas ao Djali para o metter pas so, e
quando se enxugou o suor que Ihe escorria
por todo o eorpo, levou-o beira de um
arroio que deslisava as aguas lmpidas e
sussurrantes por baixo de uma fresca abo-
bada de folnagem. e ahi o deixoo beber
vontade. Djali, mal se fartou na comnte,
relinchn alegremente, como que para in-
dicar que Ihe vnitava toda a sua energa.
A aurora principiava a raiar, e j coloria
o horisonte com os seus rices matizes ; nlo
tardava a nascer o sol, n'um co transpa-
rente, em que nlo ficra nenhum vestigio
do passado vendaval. Saint-Maixent espraiou
a vista era derredor. Estava no meio de
uma verde campia, especie de natural am-
philheatro, rodeado por collinas cobertas
de tortuosa vegetaco, por traz das quaes
se destacavam, fechando o quadro, as gpra-
pas de algnmas serras, cheias de arvores
seculares.
Via-se ao longe, atravez dos bosques de
carvalhos e pinheiros, os campanarios de
do emfim por onica idea fixa o afastar-se oLmutas aldeas, e o fumo de algumas ca-
ntis possvel dos seus perseguidores.
Assim corrfl Djali pelo espaco de tres
horas, cada vez mais excitado pelas proprias
difficuldades, e sem se desanimar nem re
troceder ante nenhum dos obstculos que
ba n'um terreno to escabroso e accidentado
como o da Auvernia. Mas afinal, soccedea
o qae Dionizio previra. A energa do no-
bre animal nlo tinha limites, mas as torcas
qae os tioham, e acabaram por se esgo-
tar. como todo aqu lio de que se abusa
n'este mundo. As suas pernas, finas e
nervosas como as de am veado, entraram
a perder a elaslicidade ; todo elle era suor
sespero crescia era vez de diminuir ; por I das ochadas, ventas sabia aresplra?lo oas
baas oceultas na espessura, erguia-se em
ligeiras nuvemzinhas sobre o azul do co.
Por ultimo, aqu e acola, produziam o mais
bello effeito no fundo escuro da pay as casinhas brancas de alguma cajaana e o
esplendente luzir dos telhados.
O espectculo nlo poda ?er mais esplen-
dido nem mais encantador : mas facMmente
se percebe que o marquez, as especiaos
circumstancias em que eslava collocado,
nlo poda entreter-se a admirar a natureza:
O fidalgo nlo tinha n'aquelle momento oe-
nhuma disppsielo para corar dos attractivos
de urna campia pittoresca o risonha, que.
pareca inspirar alguna idylie pastoril,
Que sitio este ? perguntou o moco
entre m.
E como galopara por tres horas sem ru-
mo fixo, e como por outro lado mal conbe-
cia aquellas trras por ali, nlo pode res-
ponder pergunta. Era todava para elle
um ponto capital e da maor importancia o
orientarse, porque bem apreciava toda a
mpossibidade de continuar por mais tem-
po a vida vagabunda e aventureira que le-
vara durante alguns mezes.
Por uma especie de milagre conseguir
escapar das garras dos ses perseguidores ;
mas o milagre nao se repetira doas vezes,
e agora se se deixasse prender, arranjariam
as cousas de maneira que nlo podessefogir.
Portanto, s Ihe restava urna esperaDca,
que vmha a ser o ir acuitar se no castello
onde ni ora va seu primo o conde de Rabn,
e torca do embuste, de hypocrisa e de
astucia, persaadi-lo de qoe, apezar de todas
as apparencias o terem posto em situaclo
to precaria, nlo era bavido nem achado
em nenhum dos crimes que Ihe imputavam.
O conde de Rabn, tenente general dos
exercitos do rei, e o mais rico proprietario
da Auvernia, era om poderoso personagem.
Se o marquez conseguisse o elle recebe-lo
debaixo da sua protecelo, d'ali em diante
era s pedir por bocea, tudo ira s mil ma-
ravilhas, porque refugiado as posseses
do conde, poda zombar vontade vdo go-
vernador civil e de todas *as brigadas do
raarechalato. E depois, se chegasse a
nonvfncer da sua innocencia ao conde da
Rahon, este solicitara directamente do rei
o perdi para sea primo, e de tal crdito
gosava elle na corte, que cortamente o ob-
teria.
Por consegninte a grande questlo, a
questlo decisiva ert para b marquez de
Saint-Maixent chegar sem estorvo ao cas-
tello de Rahon. Mas que distancia esta-
ra d'elle, e como havia de percorrw essa
distancia ? Tal era o problema qe pre-
cisava de immediatam'rate ser resolvido.
(C TVP .DO D ahiq RA WJQt PE C*XIAS
i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EWR89E8F3_TRPWVQ INGEST_TIME 2013-09-19T19:57:52Z PACKAGE AA00011611_13078
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES