Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:13077


This item is only available as the following downloads:


Full Text

4\ '

i
/
4NN0 XLVI. NUMERO 147.
;---------------.--------------------,------------1------------------------------------,------:
FABA A CAPITAL E IGARSS OHCE NA SS PAGA PORTE.
Por tres mezes adiantados ................
Por seis ditos idem *...............
Poriim anno idem.....................
Cada mumero avulso...................
6*000
*2000
24,5800
360
SEHflM FEIW 4 DE JULHO DE 1870.
PABA &EITR0 E" FOtU DA PBOVIHCIA.
Por tres mezes adiaatados........ -......
Por seis ditos idem,'.................... if/Stn
Por now ditos idem................. XZ^i
Por cmanao idem................... zvouuir
\

Propriedade de Manoel Fg^teira de Faria & Filhos.
NAO ACEWTE-: >
Os Srs.,Gerardo Antonio Alves 4 Filhos, n* Para > Connives & Pinto, no Maranhao ; Joaqnr*Jos de Olivara, no Geni-;.Antonio de Leaos Braga, no-Arcea* ; Joao Mam Jalio Chav*. no ** ; Antonio Marida afr* no Nate; Jos uta
Pereira d'Almeida, em Mamanguape; Antonio Alexandr.no de Lima, na Parahyba ; Antonio Jos Gome, na Villa da Peana; Italini* Santos Bateao, em Santo Antt, &ommgos Jos da Gosta Braga,
em.Nu7.areth ; Francisco Tavares da Costa, em Alagoas ; Dr. Jos Afcrtins Alves, na Babia ; e Jos Ribeiro Gasparvnbo no Rio de Janeiro. ___________________
PARTE OFICIAL
Ciovcrno da provincia
LE N. 939.
O desembargador Francisco de Assis Pereira Rocha, vice-pre-
sio>nte da proviocia de Pernsmbuco : Faco saber a todos os seus
habitantes, que a assembla legislativa provincialdecretoa e eu sanc-
cionei a resolncao seguinte :
Art. 1." Fita creada nesta cidade do Recife, urna freguezia com
adenorainaco de ossa-Senhora da Graca da Capunga.
Art. 2." A nova freguezia liraitar-se-ha com a fregneiia do San-
tsimo Sacramento da Boa-Vista a partir da ponte da Passagem da
Magdalena, segurado pela estrada do Chora-Menino al a eneruzi-
pea estrada do Manguinho entrada do Camin
Novo",'donde procurando os beccos do" Padre Ingles e Boi. sahir na Vt^^.*t^^fS^l!^V^^ qUC 'h6 *
lida, e dain
Ha! que ahijas ii^^^wi pn^i'gM^i f"iPgo"do *
lod o Caraoo Grande Art. 3." O.vencimento diario das pra5?s de pret sera de 15200,
da Panell nao romprehendidos os 80 rs. que Ihe competem para fardamento.
Art. i." Os venclmentos do commandante e offlciaes regular-se-
Nossa Se.- h*0 P"'3 t-^hella em vigor. _
Art. 5. Fica autorisado o presidente da provincia a conceder
aos olnciaes que commandarem destacamentos no interior da pro-
_;..;, .., m.iir,.,,.;,, da inxrinn i 'KixiWi inpnsAcs contada des-
Estrada de Joao de Barros al a bomba e
at encontrar o Salgadinho, comprehendendo.
c im as freguezias de S. Pedro Mariyr de Olinda e Poco
pelos antigos limites da freguezia da Boa-Vista.
Art. 3." Ser a sede da freguezia a nova capella de
ahora da Graca.
nico. Emquantonao ficar concluida a referida capella, ser-
vir provisoriamente de matriz a capella de S. Jos do Manguinho.
Art. 4. Fica dividida a freguezia da Boa-Vista em dous distrle-
tos de paz. sendo a linha de separaeao entre ambas a estrada de fer-
ro da Apipncos, a partir do limite da freguezia da Graca da Capun-
ga em direccao cidade al a ra do Hospicio, e por esta praea
do Conde d5u, ra da matriz e pela da Ponte Velha a encontrar
o cae?.
Art. 5.* Ficam revogadas as disposijSos em contrario.
Mando, porlanto, todas as autoridades, quem o conhecimentn
e exeeuco d* presente resoluco periencer, que a cumpram e fa-
cam cumprir tal apiramente como nella se contm. O secretario
interino da presidencia desta provipeia a faca impsimir, publicar e
correr. Palacio da presidencia de Pernambuco, 22 de junho de 1870,
V>' Ja independencia e do imperio.
L S. Francisco de Assis Pereira Rocha.
Sallada e publicada a presente resolucao nesta secretaria da
presidencia de Pernambuco aos 22 de junho de 1870.
O secretario interino
Elias Frederico de Almeida e Albuquerque
LE N. 940.
O desembargador Francisco de Assis Pereira Rocha, vice pre-
sidente da provincia de Pernambuco: Fago saber a todos os seus
habitantes, que a assembla legislativa.provinctal decretou e eu sanc-
conei a resolucao seguinte : .
Art nico. A freguezia de Nossa Senhora da Coneeieao de Se-
rinhem se limitar com a de Nossa Senhora da Penha de Gamel-
leira, principiando das nascencas do rio-Araquaraas maltas do
.'ngenho Jerusalem, em llnha recta para o sul a encontrar o rio Se-
rinhem, entre a engeohos Burarema e Antas, ficando para Seri-
nivi-m os enpenlios Burarema, Cucah d'Agua, e de Campia, Ja-
znaro, Frecheiras, Cachoeira Grande, Engenho Novo, Pao Branco,
Sant'Anna e Brilhante.
Revogadas as disposicoes em contrario.
Mando, uorunto, todas as autoridades, a quem o eonhecimen-
to e execucao da presnte resolucao perlencer, que a cumpram e fa-
'ata cumprir lio mteiramente como nella se contm. O secretario
mtvrino da presidencia desta provincia a faca imprimir, publicar e
Art. U. NeDgajamerj(o de pracas para o corpo de polkia, se
rao preferidos, emigtwldade de coodicSes, os eidados qoe booveram
servido como voluntarios da palria, ou como- guardas natonaes na
guerra sustenta4a pelo imperio contra o gwerno da repblica do
Paraguay.
Art. 12. Eii.igualdade.de condic.8es ser- corneado* de prefe-
rencia para ofBcaas do corpo di plicu, os eidados que: como vo-
luntarios da patria, tenham prestado servicos-de ampanhav
Art. 18: As pracas do corno de polica ijue voltarar eocorpo-
radas ao batalho n. 53de voluntarios da patria e foter de'novo ad-
miltidas -servif),poder o presidente da provincia-conceder urna
gratifleaeo de SfiO-rs. diarios.
Ari/14. A gratifleacao do artigo antece&nt cessara P^m\-
lei n 611 de 2 de maio de 1865, apenas estiver organisado o cor- quer condemnaoio excedente a seis mezes de pwao, qae sotfram as
mesmis pracas- no foro civil ou militar.
Art. lo" Fieara revigadasas disposi^oes em contrario.
Maedo, portanto, todas as autoridades, quera o oonhecimen-
to e execucao da presente resolucao pert-mcer, que a cumprara e fa-
cam cumprir to mteiramente eomo nella se contm. Osecretario
interino da presidencia desta proviocia a faca imprimir, publicar e
correr. Palacio da presidencia de Pernambaeo, 22 de junho ch> 1870,
49" da independencia e do imperio.
L. Sr Francisco de Assis Pereira.-Bocho.
Sellada e pahlicoda a presente resolncao n^sta secreuria da
correr. Palacio da presidencia de Pernambuco, 2 de junho de 1870,
49* da independencia e do imperio.
i L. S. Francisco de Assis Pereira Bocha.
Sellada e publicada a presente resolucao nesta- secretaria da
presicencia de Pernambuco aos 22 de junho de 1870.
, .' O secretario interino
Elias Frederico de Almeida e-Mbuqwrqwj
LE N 941.
O dejembargador Francisco de Assis Pereira Rocha, vicepresi-
dente da provincia de Pernambuco : Fago saber a todos os seus ha-
bitantes, que a assemWa legislativa" provincial decretou e eu sanc-
cionei a resolucao seguinte :
Arl 1." Fica dissolvido o.corpo provisorio de polica, creado pe-
po effectivo.
Art. 2. A forra policial para o anno financeiro.de
1870 a 1871,
..da urna gratificasao de 10*000 a 20000 mensaes.eontada des
de o dia em que sabirera at aquello em que se recolheren ao quar-
tel, sera prejuizo da ajuda de cnsto que Ins competir.
Art. 6." Da forca mencionada no art. 2o, sero trezentas prac-as
destinadas ao servico da capital e suburbios, segundo.parecer conve-
niente ao presidente da provincia.
Art. 7." O presidente da provincia dispor da forca policial co-
mo convier as exigencias do servico publico, nao podendo ser cha-
mada a guarda nicional servio de qualquer ordem que seja, por
conla dos cofres flrovinciaes, depois de estar completo- o corpo de
policia.
Art. 8. O presidente da provincia Oca autorisado a aposentar,
depois de se justilicarem das faltas de que forara arguHos-pela corn^
miS'o que examinan o estado do corpo de policia :
I." Com todas os vencimentos, aos offlciaes que-se tenham in-
validado por ferimentos recebidos era combate na campanba do Pa-
raguay. > .
2.* Como sold, correspondente aos offlciaes que voliarem na
campanha, encorporados ao extinelo batalho n. 53 de voluntarios
da patria e quaesquer outros que tenham prestado servicos de cam-
panha at a sua terminaeao, e cojos servidos devam ser dispensa-
dos no corpo que vai ser organiado, urna vez que tenham servido
por vinte annos no corpo de polif ia ; guardada a disposiclo do art.
13 da lei n. 611 de 2- de maio de 1865.
3. Com tres quintas parles do sold correspondente, aos offl-
ciaes que as mesmas condi^rjes do paragrapho antecedente, conta-
rem qoinze annos de servico, guardada a disposicao do art. 13 da lei
precitada. .
Art. 9." Os offlciaes que regressaram da campanha encorpora-
dos ao extincto batalho n. 53 de voluntarios da patria, terodireito
todos os vencimentos que Ifies competem, desde o dia em que foi
dissolvido o mesmo corpo at aqnelle em que forem chamados
servico, aposentados ou dispensados.
Art. 10. As disposicoes dos dous artigos antecedentes corapre-
hendem as pracas de pret e inferiores promovidos em campanha,
aos qaaes se contar para a aposentadora todo o tempo em que
houverem servido como pracas.
orna Hjreja convenientemente preparada, de edifr^
cacao regular, larga,, espaeos-a o leudo tres portas
de'frente, em quantoa-igreja, que.se quereria
con-verter em matriz, nraa pequea capella qrn
nao reun nenhuma daqaella comeSes.
Extpareeendo qu se que?,-antes de lado, dar
essa pequea capeHaas honras de matriz. In-
frucuosa a priraaira tentativa pela impugnaco do
prelado, que nao poda convir nesta- remofo de-
sacoBselhada pelos g^ves ineresses-da adrainis-
tracsoesfiriliial, surga idea de creacode urna jugar de secretario.
tinctos coltegas de coraralsso ; sempre msr,-!n-
raos majto* de accordo, com toda a uniTinuiii*lt?
de vistas ooe- negocios que erara se jeitos- a nossa
apreeiacao. Win ligeiro ioeideate qu.' se deu aqui
.reiativaineDie a reforma da acta de rana das-
sessoes pass*d*s, nao era tambera morm> para,
qoe eu rae retirasse, taito raaie quanto a a<<-m-
bla du-meam prova de contonea (|ue e.i<^gra-
deci muito cwdkiraente. Portanto nao poiaiaa-
goar- me cora este tacto para pedir dispe:wa d*
presideaera de Pfcrnarabuco aos 21 de junho ae 1870-.
u O secretario interino
Bitas Frederico de Al^uida e AMmquerqtie.
LEI N. 941
C^iesembarjador Francisco de Assis Pereira Rocha, .vico-presi-
dente da provincia de Pernarabuc : Paco saber a todos-os seus ha-
bitantes, que a aasembla legislativa provincial decretou.e eu saoc-
conei a nesoluQlo seguinte : .
A\rt: I. Fica o presidente da provincia autorisado : _
& !. A coaoeder ao baiharel Manoel de Siqueira. Cavalcante,
empreado da secretaria do governo, at- um^auno de lioenra com
todos os seas *eaeimeatos, para tratar do sua saiiOe oade Ihe con-
vifir
8 2 A condader a Jo Cavalcante de Albaquerqna, eserip-
tarario do consulado provincial, ata ura anno de liceopa om tdo3
os seus wencimeatos, para tratar do sua sade onde-Iba conier.
8 3. A conceder a Joo Cesar Cavaicante de- Albuquerque, 2o
escripturario da thesiurana provincial, at seis mezes de lieenca
cora-todos os seos veocimeotos, para traur da sua sade- onde Ihe
COOVfT
8 4. a conaeder ao prfessor publico de Gamelleira^Joo Lan-
delino Dornellas Cmara, seis mezes de licenca com-todo*os seus
vencimentos, par tratar de sua sade onde Ihe convier.
Art 2 "> Fican revogadas as disposjgoes em,contrar.'
Mando, portanto, todas a* autoridades, quera .o eenheetmen-
to eex'MieV. da, presente r?solucao pertences, que a comprara e
facanvi n irir lio inleiramenle como nella se contm. Osecretario
interino presidencia desta provincia faca imprim*. pnWtrar e
correr. Palaeio'da presidencia de Pernambuco,.25 de junho de 1870,
49 da independencia e do imperio. -
L s Franexteo de Asau Ptretra Rocha.
Sellada e pnbfieada a preoanta resolucao nesta secretaria da
nresideaciade Parnambuco, 25 de jpDbo de 18/0.,
O secretario interino.
Elias FrediritD de Almeidt e- AOuquixtpe.
Repartir ao da polica.
2' seccao.Secretaria da policia de Pernambu-
co, 2 de julho de 1870.
N. 939.IUm. e Exm Sr.Levo, ao conheci
rrnto de V. Exc. que', segando consta das paro-
cipicoes receidas hoja aesta reparticao, forara
lio.-tem recolhidos casa do detencao, os segura-
te> individoos :
A ordem do subdelegado do Recife, Canuto
Marcadi, hespanhol, requisico do respectivo
cnsul.
A ordem do de Santo Antonio, Anna Francisca
de Mello Lima, e Maria Jos da Piedade por in-
9Ult06
Deus gaarde V. ExcIUm. Exm. Sr de-
sembargador Francisco de Assis Pereira Rocha,
vice-pre(dente da provincia. O chefe de po-
licia, Luiz Antonio Fernanda Pinheiro.
INTERIOR.
artigos do acto addieional: o 2 relativo re-
forma eleitoral; o 3. diz respeito instroccao pu-
blica ; e o 4o tara por fim regalarisar, ou antes
oraanisar o servico das juntas de sade.
Nao obstante a molesta do Sr. Nebias, trabalha
o Sr. Muritiba na reforma jedielaria, e brevemente,
levar cmara as ideas do governo sobre fio
importante materia.
E', pnis, opiniao gral que a actnat swsao as
cmara temporaria ser frtil era medidas.
Aqui esteve de. passagem, e seguio hoje para a
Europa a celebre Mme. Lincb, com quatro fi-
lhos. Nao desembarcoo, e conservou-se sem-
pre bordo do vapor que a trouxe de Montevi-
deo, o City of Limerik. Muitas pessoas, ipclu-
sive alguns deputados, forara ve-la. A' todos ella
fallou, e cora todos interssou-se instantemente
para que Ihe obtivessem urna audiencia do Impe-
rador, qnem, dizia, Qeseja muito conhecer, e
que informada de sua bondade, tinha cousas rn-
portantes (|ue dizer-llie, e mesmo que pedir-lhe.
E' escusado dizer d.ue tal audiencia nao obteve.
Presume-se que ella qneria apadrinhar-se com o
nosso governo, aflm de salvar os bens que Ihe
foram confiscados pelo governo provisorio do Pa-
raguay. Ha porm, quem pense que ella solici-
tava tal audiencia com o fim sinistro de figurar
um dia na historia, como urna segunda Carlota
Esta versao nao muito cnvel.
feita a um arrematante inloressamais ao pobliflo,' Art- f F.ca areada e-m a viHagEWajMira
que a boa divisao civil e ecclesiastica? ama freguezia desmembrada das de Ginabtas. S.
Um proiecto do nobre deputado, que lauto se Ben o e Brejo sob a invoeaf ^. "e San a Agoida a
oppoz- a. urgencia, foi em tres dias approvado e<; qual servir provisoriamente de matriz a reja de
todas a discussdes, sendo at ouviiia a aucloria- N. .S. Maudos liomt
dade ecclesiastiea, a Mquamanlo o ^ropno
autor.
O Su. G DnuMvosD :Ea requer antes da im-
Arxi A nova Iregaezia ter. por limites os
sesninS comeeando no rio tpojuca, ao ponto
em que desemboca o ciacbo salgado
abaixo da
. _JAna-Fra e subindo pelo rio buscar o nacho Li-
0 Sr' Oliveira Fonceca;O nobre deputado, 1 beral cora seus autdenles, Papagaio e outros at
que teve a satisfaco de ver o sen prriWseto conver- alcanzar os angis Itoiites de Cimbras, e donde,
lido em lei era lao curto espaco de lempo, nao no ponto ew que a estrada que vai para a povoa-
deve desejar. que este seja aemorado at o anno cao da Pedra encontrar os limites desia freguezia,
vindouro se procurar em linha recta para o norte a serra
Disse S. Exc. que a urgencia devia ser r&f|ue-! do Gavio e em seguida a pwwagem do no Pane-
rida antes de entrar em discusso o orejiraenlo. ma na estrada ao lado do poaote das caa> da ta-
Mas eu esperava que o projecto n. 6\ fosse dado, zenda Barra at encentrar a serra do braba, na
boj,e discusso, como se espera ha mitos dias. e, fazenda Catle, que- pertenceta a aova f
s perdi a esperanga quando entrou o orcamnto.' donde pelo p da serra
Eu prefera que o projecto passasse independente
desse reqnerimento; que liz muito contrariado,
quasi como um sacrificio.
0 projecto estabelece a transferencia da sede da
Correspondencia do Diarlo de
Pernambuco.
P.IO DE JANEIRO, 24 DE JUNHO.
! Cordav.
Disse-Ihe na passada que se esperava urna ter- Dos" Paraguayos que aqui se achara parece que
prora por que devia passar o ministerio, na apenas 0 famoso major Godoy, um das mais fero-
discnso do voto de gracas.
Effectivamente houve nma prova, nao no voto
de grabas, mas mi orcamento du ministerio da
iaslica, que precedeu daquelle. Ahi apresen-
tou-se o Sr. Jos de Alencar tomando a posigao
franca de opposicioni-ta, por entender que a con-
tinuaelo do actual gabineie uraa calamidade para
o partido conservador. ,
. O gabinete de 16 de julho j nao existe, dizia
elle em subsuncia, foi substituido pelo de 10 de
Janeiro ; naquellc era presidente do conselho o Sr.
Visconde de Itaborahy, este presidido pelo Sr.
Itiro de Coteglpe, o qual basta cerrar o sobr'olho
para expellir qualquer dos co'.legas que Ihe des-
agrade. Assim, o ministerio que ate 10 de j:"V*ro
era um ministerio forte, no qual se haviam dado
provas de cnergia e moralidade, de entao para
c passou a ser miosterio fraco, que nao offerece
garantas ao partido conservador, e cuja conti-
nuajo ser urna calamidade para o raesmo par-
tido.
Alosgando-se em diversos pormenores, para
juriacar o seu acert, referi certos fados inter-
uos, para concluir que existia a influencia do go-
vecno pessaal nos negocios da administra(;ao pu-
blica.
Fh ainda em ama das sessoes a nontp, que co-
moc,oa esta escatamuga O Sr. Cotegipe nao teye
tempM) para resoonder, mas prometteu que o tana
na sesso segu^te, que teve lugar na segunda-
"" Oe fado vtio S. Exc. tribuna e sua resposta
fui completa.
Replicn o Sr. Alencar mas, nao conseguio
destruir a impresso causada pelo seu contendor;
e a cmara, dando-se por satisfeita. encerrou no
dia immediato o'debate, votando o orcamento sem
modifleaco.
Assim que adiuirinio*o gabinete mais forca,
i medida que se procura enfraquece-lo, e sendo
fra de duvida que a situaco se acha firmada
obre bases seguras, paree; que o desanimo tem
abatido os meus desaffeetos, e_ por tal modo que,
entrando hontem em diSeussao a resposta a falla
do throno, encetou o debate, com^sorpreza geral,
o Sr. Gomes da Silva, deputado pelo Ri > Grande
do Norte, para tratar dos negocios de sua pro-
vincia, sob o*iraitado ponto de vista que offerecem
as questdes locaes. Segnio-se-Ihe o Sr. Perdigo
Malheiros, que pairoa em generalidades, as quaes
dea o Sr. Andradc Figueira, membro da commis-
so, ligeira resposta. Alguns outros deputados
qa se haviam inscripto, como o Sr. Pereira da
Silva e Benjamn), de Minas, retiraram-se_ antes
da hora, e assim outros, de modo que, nao ha-
vendo mais quem flzesse uso da palavra. flcou a
diseossao encerrada, procedendo-se, por falta oe
namero, vptaco, o qae amanhia deve ter lu-
gaT
Assim, posso assegurar-lhe que esto inteira-
meate desvanecidas as esperangas que alguns
notriam de ama mudanza ministerial. E o gabi-
nete sente-se to forte, que vai com todo o esforeo
empenhar-se na adopeo de importantes reformas.
Na prxima semana devem ser apresentados al-
guns dos qmv antes projectos, que o. k-
ministro do impej j tem preparados. Si,
me infojrmam, q 1* tem por fim interpretar car-^
zes instrumentos de Lpez, foi visita-la.
ASSEMBLA PROVINCIAL.
SESSO ORDINARIA EM 13 DE JUNHO.
(RESIDENCIA DO SR. DR. AGUAR.
(Contrauaco).
ORDEM DO DIA.
. discusso do projecto n. 125 deste anno que
autorisa o presidente a conceder a Joaquim Ma-
noel da Costa, a indemnisaco de 1:0063200 pelos
prejuizos que sofreu como arrematante da obra
da ponte da Massangana.E' approvado.
Continua a 2" discusso do art. 6' do orcamento
provincial. ,
O SR. OLIVEIRA FON CECA requer urgencia
para a discusso do projecto n. 6 deste anne.
O SR. G. DIUIMMOND manifesta-se contra a ur-
gencia. .
OSR. OLIVEIRA FONCECA:Procurare! con-
servar-me calmo, respondendo s considerarles
do nobre deputado, que rae precedeu.
Nao sou responsael pela perda de tempo re-
sultante desta questo de ordem, em prejuizo da
discusso do orcamento. Gasiarm-se 25 minutos
em impugnar a urgencia, que requer ;_em menos
tempo poderia encerrar-se a 3* discusso do pro-
jecto, do que se trata.
Havendo sido elle approvado em duas discussoes
foi addiadoat ser onvido o Exm. governador do
bispado, e depois voltou eom a informacao.
Sou o primeiro a lastimar que tenha havldo ne-
cessidade de urna prorogacao, e ainda mais que
ella seja iosuflciente para a concluso do orga
ment provincial; sinlo que a k> do orcamento
ainda nao esteja concluida, sem prejuizo, todava,
do cuidado e exame, com que deve ser discutida.
Anda ha pouco, Sr. presidente, antes de princi-
piar a sesso, manifest! V. Exc. este mea pa-
sar ; que j tinha feito ao Exm. Sr. -presidente
da provincia. Nao tenho de modo algum con-
corrido para o retardamento das discussoes.
Mas o projecto n. 6 foi, como este namero indi-
ca, om dos primeiros apresentados este anno, ten-
do' sido approvado eni duas discussoes; flcou ad-
diado at vfr o parecer da autoridada ecclesjasti-
ca; esse pareeer j veio ha IS dias, etodo esse
lempo temos esperado, que o projecto entre nova-
mente em discusso. I
Um Sn. Dbputado : Trata-se de ama medtjjft'
de salvacao pblica.
(Trocam-se outros apartes).
O Sr. Oliveirt Fosceca -.Aqui nao se te r 15_
cutido smente questdes de de salvacao piar ,ia
Tam-se tratado da objectos muito menos ira' jrtan.
tes do que esta. Hoje entrou em discussa 0 pro.
iecto, que concede um abate a um. arrema-
tante. > -
E' um favor, uraa questo df> \ffi regge jpar.
tlcolar, eraquaoto o projecto n. %, V?1 nicamente
por fim o inieressetpuuii'
(Ha um aparte).
O Sa- Ouitm. Fonceca : -* p,,j a concessao
freguezia de Cimbres para Pesqueii a, o Exm. go-
vernador do bispado do parecer que, em vez
disso, se devida a freguezia, segundo os limites por
elle apontados. Considero ustos os fundamentos
do parecer, e desejo que de conformidad^ com
elle seja presentado um substitutivo na 3" dis-
eoislo.
O Sr. Hknrique M.vmede : Eotendo qne a ha-
ver urgencia hoje, devia ser para o projecto dacom-
panbia de bombeiros
O Sr. Oliveira FokcbCa : V. Exc. p le retiae-
ro-la para esse lim.
Coacluo observando, que n.'nhum outro fim. pos-
so ter, seno evitar que a reasacao de urna idea
til seja, sem motivo algum, addada por um
anno.
O SR. MELLO REG faz algumas cpn&ide.rar-oes
em resposta ao Sr, Gaspar Drummond, manifes-
tando-se pela urgencia.
EncerVada a discusso a urgeocia posta a vo-
tos e adprovada.
3* discusso do projecto o. 6 deste anno que
transiere a sJe da freguezia de Cimbres para a
de Pesqueira.
O SR". VIEIRA DE ARAUJO : Sr. presidente,
nao quererei roubar a casa um tempo que. julr^o
muito precioso, tanto mais quaato for intecrorr.pi-
da a discusso do orcamento, para ser djBCUli'Jo o
projecto n. -6. Apenas Ifevei a informacao q-je foi
dada a meu requeriraento p-lo governjtdar do bis-
pado sobre o projecto, e de conformidada r,om essa
informacao um substitutivo que apeas', nto. eos I
addilivos no mesmo projecto. (L\
O substitutivo est concebido as. mesmas pal -
vras de que usa o governador div bispado, pelo,
que deixo de o ler.
era direeeo Pesqueira
cliegar at Pitangninha na estrada que sobe a
serra e por esta estrada ariraa at pouco adiaate
no primeiro tope d> serray onde descamba para a
data de 'Sant'Anni, e por esta dala cima, polos
limites do Aldeiaraento,. de modo que todo elle per-
troca com os sitios, que Ihe esto encravados e
s3o do patrimonio da cmara, nova Iregnezn.
at ao panto no rio Ipojuca, em que o aldeiaraen-
to mencionado, cima de Pao de assiiear toca o
mesmo rio Ipojuca i o dahi em rumo diroito e<-
.rada quo, passanda por Pao de Assucar segu
para o Aeahv, e par esta estrada arima. era direc-
eio ao Ciriri?, abrangend os amigos limites de
Cimbras al o alto da Balacea na estrada do Bre-
jo da Madre de Deas e desto ponto, cortando a
serra pitra o sul a encontrar aquello primeiro Dan-
to do no Ipojuca uo riacho Salgado abaixo da A-
gua-Fria. Paco da assemWa, 3.1 de maio de
1S70.Fiwro da Araujo.Ribeiro- Vianna.Rufi-
ao de Almeii'i.
Aru 3? Fica revogado o art. 6o da le n. oz
de 1G. ue maio de 1865, subsistiado quanW a fre-
guezia de Cimbres a divisao anterior em dous dis-
trictws de paz, Io de Cimbres e 2 de Olho da Agua
dos Bredos, e nuanto a de Pesqueira ura so dis-
tr.cto quo compfehenda toda freguezia
c ArL 4*.-0s limites do termo de Cimbre* sa,o
I os das freguezias que comprehen-le. Vteira de
Procurou-se, Sr. presiden!*,.!? xar limites os mais
naturaes, mas, mesmo pela, m -tureza ou frma do
terreno da freguezia de Cirjib/ ^9 nao ra possivel
que se eslabelecesse unicat ente |j(nites naturaes,
sendo urna freguezia mu* extensa e moito es-
treit ; mas o proiecto. si se affasta dos limites
naturaes quando isso.' mdiSpensavel.
'A nova fregueiia zf .ra ,ambem a divisao dos
districlos de paz, pep qUe apresento os additivos
sepuintes : (lL
Para evitar duxir-^ uma vez que se desmem-
brara terrenos da? fregaems de S. Bento e Brejo,
necessano r,ef a)ar a aiv-iso dos districtos de
Paze do termo e os |mites marcados sao os da
reguezia, na ra nao ler o termo limites diti-
rentes.
A lei de,' j865 creoa cnco districtos de paz, mas
soccede ae esse8 districtos se compSem de cir-
cunscri* ^gg rauil0 insignificantes, que nao passou
arranja paiilieo.
Arauj.Rufino dt>Almeida. Bibeiro Vianna
OSR. GUSUAO LOBO, por meihor amparado
quo repute o projecto, nao pdde deixar de trans-
mitir assemM.i a verdadera surpreza tjue por
mais de uraa razao Ihe troixe a apresenUfao do
substitutivo. ..".., u
Mais de urna vez tem o orador insislido era od-
iservacoes tocantes divisao ecclesiastica. Alera
I de que r-sti material por si importante para que
deva passar sem exame, sane-se que nestes reta-
Ihamentos de territorio podem andar intores-es
menos legtimos. Acreditando muito que esta rc-
fl"xo nao de nenhum modo.appiicaveI ao pro-
iecto, pois faz plena instiga a intencao dos seus
autores, o orador nao (dia assistir laoeiTerenle-
mente transforma) sbita que o orojecto sof-
Val explicar-se. O projecto primitivo atraves-
ou duas discosso\;s, consagrando a idea de remo-
ver para Pesqueira a sede da iregaezia de Cim-
bres Nao se conformando o governador do bis-
esta desconveniente remocao, tenta-se
fregneria.
Dir se-hia qae se fow por fim de coritas ver
realizadas as vistas qae inspirars me- projecto; e
estas s ter ama certa matriz-
_Em que pese aos aat>res-di> projeelo, c- orador
nao Ins promette o seu voto.
Vairaesaeapoia-seoseguinte reqperimento :
Bequeiro que o projecto v a commiseo de
divisao civil e>clesa*iea.6Mmr-fioto'-
O SR; EIRA DE ARAUJO :-0 nobre denotado
pelo districto, qne aoabou de fallar,, pareee que
o autor do rqueriweeto pedindo qne-y o pro-
jecto commissao de estatistiea o divisao civil e
eccfesiastlea. Eu son ero dos raembros- desea cora-
missao. e se nao fosse jniz .maiicipa do ternw de
Cimbres-, nada poderia dizer m retecao aos limi-
tes que traca o projeet subeliali\"o.
Um Sr; Dhputado :Pode iwe suceder o-mesmo
cora relaco aos outrw membros da eommssao.
O Sit TXETRA dr Sa:Ett jfni promoe)r"do
Brejo, e sou membro da commisso de estatistiea
O Sa; VtEiBA D8 Aum:O i noltre deputado,
foi promotor apenas om, dous oa tres meaos-, tal-
vei nanea-fosse fregaetia dCimbSi
Um Srv Dbpotado :E' qaaato baola.
O Sfc.VauaA na Aanoio :& inegavel qe nos
nao temos esses dados- ostalisteros para o caso, eu
ulves nao possa dizer qne a frisa .saja perfeitis-
sima, seja o mais conveniente,- conhecer, porm,
alguns dos limites mayados, descoohec outros.
mas fuodo-ne em infonnaede de pessoas- fidedig-
nas, e pens qne os Imites tracado sao o* mais
convenientes para a tregaeziin Alm-distovO pro-
jecto refere-se informacao d governador do his-
pido, que foi a mais-minuciosa possivel^pe#ece-me
que ainda aqm nao veio uraa.informacao o mi
nuciosa sobre divieo de uan fragueztav tragan
do-toe logo limites..
OSk.GosaiAO Loan:Dafdrraaqaeo- projecto
do governador do bispado-1
G Sa. Vobba de Abaujo :Sa governador do
bispado que dev dar a ultima.palav.na sobre a
creacao de ama freguezia.
O-Sa. Gcsmo Lona:Ma nao. se- ratava da
creago de urna Freguezia.
k Sa. Deput.v) :Isto nao e-lnformao, um
relatorio.
OSb.Vieira dbAramjocMeihor ; quando em
lagar de ama ioformacc- livewaos wa relatorio,
devemos ficar satisfeitos.
Ea pens que am projeeto sabstitcaiTO nao se
faa isenta a mesma idea consignada por oulra for-
ma, porque entao seria o ajesmoprojecto, nao se-
ria substitutivo; mas ainda assim entendo que
nao ha nada de estranho entre o projeeto e o subsii-
tutivo. E' qae se qaoria saasfazer necessidades
.urgentes, necossiddes especiaes oa viHa de Pe*;
queira, que desde 1836.tora essa eathegona, o
projecto consigna a idea da. divisao d- freguezia
de Cimbres, desmembrando poucos termos de ou/
Iras fregoeziaa lirailrophei, qoe nao vo desfalcar
essas fregueaias, por oonseguinte rao por essa for-
ma satisfazer essas necesidades reclamadas pela
populacao de Pesquaira; por isso julgo que mere-
ce ser approrado, porque nao estranha a
primitivo.
Nada ruis direi.
. Encerrada a discusso, approvado o projecto e
regeitad'O o requeriraento. do Sr. Gusmo Lobo.
Continua a 3* discusso do art. 6" do acmenlo
provincial.
Vai mesa e apoia-se a seguinte emeada:
t Para as orvas da igreja de Nossa Sonhora do
Terco conceda-se um cont de ris. .Gusnao
Lo&c ,.
O SR. GUSMO' LOBO faz algumas coasiden-
Cies. era justiHcaco da emenda que acaba de
offerecer. ,
0> SR. F. DE FIGUEIROA pede a retiraba da
emenda que offereeeu consignando cera contos do
r&i> para a reconstrueco do thsitro public-:, por
Ihe parecer que tero ella mais cabimento era outro
lugar da orcamento.
E' concedida a retirada.
O SR. RUFINO DE ALMEIDA pedo tambera a
retirada de urna emenda que apresentou consig-
nando um cont de ris para obras da capella da
Casa-Forte.
E' concedida a retirada da emenda.
' O SR. M. PERNAMBUCO justifica a emenda que
oifereceu ao art. 0." .
O SIL PEDRO AFFONSO faz largas considera-
Coes sobro o projecto. .
O SR. OLIVEIRA FON SECA diz que contina a
lastimar a protelaco da discasso do orcamento,
e que, se nao flzesse justiga ao nobre deputado,
que acaba do fallar, poderia attribuir-lhe o desojo
de concorrer para isse, demorando-se excesiva-
mente em minuciosidades sem importancia, e sobre
assumptos j debatidos.
0 orador nao oavio. todo o discurso do nobre
deputado que o precedeu, mas o que onvio o con-
vence, de que o mesmo nao est bem informado a
respeito. dos difforentes objectos de que se oceu-
pou.
Quanto necessidade da construecao e reparo
das cadeias acha o nobre deputado em melhores
disposicoes que quando de outra vez fallona esse
respeito negando a mesma necessidade; pos agora
O orador juga Inadmissivel o expediente de re-
duzr a esmo as verbas consigoadas no orcamento
para as differentes cadeias; redcelo.feita sem
exarao, sera base alguma, quasi cono ura meiode
tornar intil a con.-ignaco.
E' assim. que tendo sido consignada a quantia
da cadea de Ta-
pro-
Creio que ostae- palavrae-expfcran o meu>
oediraento.
Eheerrada a diusso approvado oat. 6"
oom as emcndaSf sendji rejeitada* as seguint*s :
Com os reparos-a obras de roafriwi, que wrar
atiirisadosue accoro cora o pretod* diocej'aBO
^:O0O000. Smmo Loto
#Augroentese 15:040J para obra* dSversa>.S.
ft.'Skmoel do Rlgn. S. Icai. S. Drummond.
Coma capella di- N. S. da Piedad* de Santo
Amaro em vez de :fl00*. diga-se 2:0004.-S. K.
blelh> ReQO.-ispttr Drummsndl
Em vaz de 3:QG9 para os com^rsca d-> agude
de Caroarr, diga.se loOO*.S. ffe Carrea dr.
AranjOLBarr* Wnnderley.-
Accrescente-se 1:0005 para- a capona' d* po-
vearo do Catanga^ e l:S00aV gara ae- obras da
igreja de "V. S. db>Livramento de Pfio-di'Alho.S.
R_ C-fAmujo A Paulino*
Ao an. 6o aosTesaonte-se. para- a igreja do
Dora Parlo de Olinda 00*.S. R;=C. i. Otn-ei-
roaF. Figueirot^Gusmao Lob. Qtirtii-a .ia-
rfiwaV. Amaral.61 fAraujht
A art. 6* 7" diga-se, 3:0091 para-a igreja da
Capuoga, e 2:009para a de Jaboalao.ei val de.
1:1)00*Dr. ManaeJ o Rego-.EiA\(ifiieia.
Ao art 6* 8-diga-se.em. lugar de 10:1)00*
i;000& para a estrada de Jaboaio Luz.Dr.
.\tonoef do Beo.
Ao art. 6 f 7* acerescente-se.2t000>S para as ^
obras da capella da. Casa-Forte, e 2:09i3. para asv
obras da Irraarrdade de Sant'Anna da Madnt de-
DU3.S. R.FT F$j*tra.Rufino Aimeidu.
Istcoeita de S.
Ao 7* afccresaohte-se.para a iswja dos Mar-
tirios desta cidade 5O0#, para a capella. do N. S.
da.Coneeco dos 'Milagros em OKsda. J500J.S.
Vc.Gn*mo A#r-F. Figwerii.
Ao art. 6 7 aeerescenle-se.-l-.300l* para as
obras da capella de Santa Rita desta cidade.1S.
Kirlfarto Cwtkai.
Ao art. 6o T^-^om a continuagio dr obars
da igreja do Livraaento d cidade do Rio For-
mozo 1:000$. S. R. BufiHo de Aitwiia.G.
Diummond.CStvetra Fonseca Btmno Wunde)-
ti/jCunha Ftjuomdo.
Aecrescente-se StOOOfi cora a compra do acude-
de Salgueiro.Sv R_ Rufino do 'Alnetn.
Aeerescente se eom os reparos da estrada da
Olinda 5:000-^-Sl R. Bufi*od Jmeia.;
Verificando-se ao haver namero licaa votaflio
addada. .
OSr. presidan desigua, a ordeas. do- da e le-
vanta a sesso.-.
REVISTA. DIARIA.
ASSEMBLA PROVINCIAL.Sabbad> a assem-
ba approvou, era 3' discusso, o prcjeeton. 112
deste anno. qjje passa par* os juites d direito des-
ta capital o conhecimento das cau-as da fazenda
provincial, depois de orar contra o Sr. A. Pernam-
buco ; e em ultima a emendo offorecida em 3'
ao projecto n. 63 desto anno, que em os lagares
de medicos.de polica. ,
Sao lidas e approvadas diversas redacrPns ; a
suspende-so a sasso s 2 horas e meia da larde.
Reunidos de novo os Srs. deparado-, Jo se e '
approvada a acta da presento sosso, declarando
o Sr. presidente encerrados os trabalhos d cor-
rente anno.
SOr:iEOADE PATRITICA tUHIANA. A
sociedad 2 de julho, composta dos nosso- patri-
cios da Heroica provincia da Baha, aqui residan-
es, fizsram a sua co-tuinarla rasta anie-lhWlaai,
na igreja do Collegia.
A igrej esta/a adornada com aparada b.m
gosto e riqueza, e. uai luiido e destinelo cjncurs
de eidados de todas as clasfes, mv qnaLse wn-
lavar.) os Exms. Srs.prcsideiile da provine i, com-
raan'lante das armas e governador do bispad >, en-
cola o templo litteramiente, .
Occupou a tribuna sagrada o Rna,.* b go,
e dirigi a orchastra o roaostro Colas Fitoo.
Poram baplisadas oito crianzas, CUjy
sao os segrales :
Manoel leado como paranympho o M\n* -
commandanto das armas-; Aagoato lena' orno
i. mes
de um
y* Sr. Depl-tado :Quando (o feito ?
Y Sr. Vikira de Abaujo :Em 1865.
m se restabelece que a fraguezia.de Labres
*" ,ara cem dous districtos de paz, porque o distr c-
a d'Olho d'agua. tica muito distante, e Pesqaeira
ficar smente reduzida a uoi districto de paz
comprehendendo tota a freguezia, porque a po-
pulacao aili maislensa, embora o eapacoaeja
menor, e um districto de paz satisfaz perfeMen*'
ts as necessidades. No sertao nao ha pessoal ha
bilitado para as tuneces do juizado de paz, e or-
dinariamente nesses povoados nem ao raenosi na
habilitadas para os logares de.eiori-
um da-
pessoas
V3G3
Julgo conveniente qoe exista smente
trido de paz em Pesqueira e dous oatros emLira-
"vaomesae apoiam-seosefainte projectosabs-
litutivo 8 addilivos;
pado. com
crear orna nova freguezia.
E' assim que o substitutivo faz-se um projecto
inteiramfjB novo que apenas lera cora a idea
primitiva ama relaco longraqua. Se nao _sem
razo que o regiment prescreve tres discussoes a
respeito de cada din projecto, faz-se clara a irre-
cularidade da pratica que agora se estabelece. Os
ub3titutivos devem conler a mesma idea do pro-
jecto mais ou menos modificada ; um e outro de-
vora tradozir o mesmo pensameoio.
O substitutivo, que a&ora offerecido, nao tem
aproximada relaco com o projecto que se propoz
modificar. Rapnover a sede de urna freguezia 6
cousa raaito flfferente da creacao de urna nova
freguezia.. Sao ideas distradas, muito distractas;
convenha-fe niso. J
E' esta ama das razoas, mas nao a umea pela
qual o odorto ple prestar o s#u voto ao subs-
' O orador deolara-se impressionado peja diligen-
cia com qae se abre caminho, travez de obsta-
calos de todo genero, idea do substitutivo. Pa-
rece-lhe estranho qne, pretendendo-se em princi-
pio remover a sede de urna fregama, uo de aro-
gadilho se queira agora crear*lima nova fregue-
gadilhu
Parece-lha tanto mais estranha esta verdadeira
insistencia quanto o orador se declara iuformado.
de rauita hoa fon(e, que a matriz, da frefttezia 6
de 2:000 para a reconstrueco da cao
carat, o que muito insulliciente, o nobre im-
pugnador asseverou, que a mesma reconstra.-c.ao
podia ser feita com 500*. PropZi que onde se diz
oito contos de ris, diga-sa quatro, onde se diz
qaalro diga-se doos, parece orna opposicaa syste-
matica, sem fundamento algum. ...
Diz"que, quaato a canalisacao do rio Joraao,
basta ponderar o s?guinte: era diversos orcamen-
tos foi consignada quota para essa obra, que ainaa
se nao fez por falla de estudos; depois urna le
permanente autorisou a presidencia a mandar ra-
zer a mesma obra: sendo preciso agora tornar a
marcar qtfota, por nao ter sido applicada a que ioi
consignada no orcamento vigente. E m e,n?;
ramento, cuja ulilidade ja foi reconhecido por
varias vezas. __ ,'
Conclae dizendo, qae, para nao concorrer tam-
bera para a protelaco, limita-se as consider-coes,
oue acaba de fazer^ .. _.
4 O SR, VIEIRA DE ARAUJO :-Sr. prwident,
nao devo deixar passar tem ligelro repare algu-
mas palavras que proferto o nobre deputado pera
3 districto cora relaco a um fado que se den
nesta casa meu respeito. Eu wa o meno t \er
sado nos eslylos desta asserablea, nao se i se por
oooasio da discusso do orcamenlo se podera
tratar de poltica ; eu nao. e faco.
Confirmo o qne j anteriormente expuz com re-
laco a minha retirada do lugar de'secretario
Nao ve outro motivo que na fosse ncommodos
desande paramo continuar como m*nbrci^da
, mesa. Nanea, houve motivo algum de esharmo-
nia. nem ppaia. h:iver, Bqtrfl mira e <* meas aiy-

I

ftamarnc; Franciscoparanympho o Sr.Dr. Vel-
loso ; Maria paranvmpho o Sr. Domingo, rer-
reira Alves ; Elpidia-^paranymp!>o o St. Msqn>tt .
e Mariaparanympno o Sr. Domingos Aires m-
tous.
Foram alforriadas, alm dessas mo. que n>rani
baplisadas, mais tres, todas expensas da patri-
tica sociedade. .
Depois da dupla fisla da religiao e 4a Baerime,
abrio-s9 um sarao luterano, em-que foram i-"-
nunciadoB belt6 o eloquentes discursos, ri.v.'i-
nent*'. ao aesumpto da festa, por diverso-, Sas, en-
tre os quaes : Dr. Gervasio Campello, Pin-
to de Oliveira, Pereira Franco, Antonio de S.-iza
Pinlo. Joo Vianna, Aristides Espinela, Ramns,
Parisio de Valladares, Eduardo Liadao. Gotma-
rfls Baptisla e Pitanga. <*
A'porta da igreja eno intervallo dosd:.or- -
toavam tres bandas de musioas marcial.
A festa fu tocante como costaraam s.-r .-i..
aquellas em que se revellaardnte o patr-Usmo
abracado com a liberdade, sagradas eamn);> ....
coraco, que se completara e aviveotam recpio-
CTslSciedade patritica demonslroa linda urna
vez quanto comprehende- "" "*J,JS*W^
dora, celebrando com um* fea de iberdade m
dos dias mais gloriosos da Baha, um dos rn.ii* n -
taveis aconteimentos da historia patria-
HOSPITAL PORTWGUEZ.-Est de semana n-s-
te esubelecimenlo o Sr. raordomo Eduardo Mu-
"iNCENDIO NO M-AR.^r No sibbado veio no la-
maro a italera ingleza nos Soule, em viaeem de
Liverpool pa?a aLlifornia, aflm de deixar o ea
to e 5 tnpolantes do brigue inglez.Pramr /.%?.
rfue ia doP Rio-Grande do Sul para Liverpool.com
arregamento de ossos, o qual se .ncendiou r^ da
13 de iuubo u t mo na lat. N. i i* e Iod?. u oe
Greenwch 28, salv,ndo-se ignM
n'um bote, dentro do qual se conservou .lo luras
quando fojreeeaida bordo da galera que atrou-
xe nossdporto.
LEILO.-Conforme est annunciadiutem lugar
araanhaoleUo de movis, lonca e crysue^na
'cTm que resida o Sr. Atevefl, .**:
da Maedalena, para onde partirlo as V e l n ras
do dia mnibus para transporttr os eoncurt t
ao mesmo leilao.
i^TFRIAA que *se acha* renda o a I-.,
S matriz da EscaoT,, qual corr; no
a 7 pelo novo plano.
PASSAGEIROS. O W*^*^
33=5LW3-2r;
Cesarto
Brando Cavalcante de Albuquerque t
ffSiKllSrt L^taQuBta Maciel, W~


t>iario de "PtMtaWo Segunda fera 4 e Julho de 1870.

I
'relino Pereira Lima, mandes de Araorim,
Hypolito Ja Silveira Las e i oscravo, uujor Tho-
uru Litis Caldas 1 criado, ea|Hian Joio Antonio
At/es da Silvia \ i-n.ilj, S>- Nicolao Ac-
cioli Linv Martmiauna Cerqucira.-de Azeveo
Carvauru varrj'>.
liSTARELEClHSNT* DE CARIDADB. Mov-
roeuto do hospital de Nossa Seniora da Conceicao
ilos .Lazaros, do l. ao uitimu de junho de
1870.
Exisjiam 13 niman e 13 ulheres, entraron 1
hiiniera, existan ii horneas a 13 mulheres.To
tal 27.
Advertencia.
Foi visitado o estabeleciraeuto polo respectivo
medico l lias segrate* : 5, 9, ti. ti, 18, 83 e 30. -
Cxistow empregados uesia estabolecimeato 8.
a sabir: capcUaoM, medico 1, rogeate 1, dita 1, bar-
feeiro 1, coziahQira 1, servente
i* mordom i de mez,
Dihz Ignacio P. dos Santos.
O regente,
.4. J. Gomes do Cmreio.
M.viaienta do hospicio de alienados na Mi-
sericordia dcOlindal do Io ao ultimo de iunbo de
1870.
Existan 28 horneas c 48 mulheres, entrarafn 3
hoiiiena e 2 nariheres, sabio 1 mulher, morreram
2 horneas e 4 mulheres, existen 29 horneas e 4o
ranlheras.-Total 74.
Existem 10 empregaos neste estabelecimcito, 7
homens o .'! mulheres, sendo: 1 regente, 1 medico,
1 capellio, porteiro e saehristo 1; 2 enfermeiros,
4 harbeiro, i eatermeirta >* 1 eosinheira.
Foi visitado o mesnio estabelccimento pelo res-
pectivo medico o Sr. Dr. Ignacio Firmo Xavier,
das: 8, M, 11. 18, 21, 2? 28 cO, as 10,
10 % ii, i i V e 12 horis da mauha.
Advertencia.
Entrara m :
X da 7, umhomem de nome loaq'iim Preira
da Silva, par*, solteiro, com aade do 38 annos
e Ntaral ili Pnrahvba.
No da 53, das l unen*, um de nome Feliciano
fai da franca, preto, viuvo, cim a ida Je de 23
a mos e natural do Xazareth ; eo outro de nome
Jo*', preto, com a idade de 40 anuos e natural da
frica,
S > dia 17, nai mulher da nome Alexantrina Pa-
ehord Rastna Antones, branca, solteira, cora a ida-
de >1i!2' minos o natural da Boa-Vista
Sa da 2,1, una mulher de nome Joaquina, pre-
ta, solteira, com .i idade d8 30 annos e natural da
AMc*.
Sihi:i :
Xo dia 9, urna mulher de nome Maris Rosa do
Rosario, branca, solteira, com a idad* de 20 annos
e natural do Recife. Entrn para i*te estabeleci
ment no dia 11) de fevereiro do correte aano.
Morreram :
No ilia 4,. doos horneo*, nm de nome Joaqaim
Policarpo Btndeira, preto1, solteiro, com 41 annos
de idade e natural do Recife, de molestia do inte-
rior ; e entrn para este cstabele-'imento a 22 de
.ir-siode 1863. lio mitro, de nome Manoel Pedro
da Silva, iiran ro, solteiro, cora 24 annos de idade
e natural da Una-Vista, de erysippela recomi-
da ; eatrou para e;te eslabcleclinenlo no da 17 de
mareo do nno linio.
fo dia 17, una mulher de nome Francisca Ma-
ra d'Assumpcin, branca, viuva, com 32 annos
de idade e natural do liedle, de pihysica pulm-
nar ; oiitrnu neste OsUbeleeimeoto a" 11 di outu-
Lro de 1864.
Xo dia 26, nata mnllier de nome Francisca
Maria da ConceicSa, pida, viuva.com 38 annos de
idade e natural de Pemambuco, de hydropesi;
(citrn i>..ra este estabelecimento a 23 de dezembro
de I8GG.
Xo di 18, Bernardina Maria da Conceic),
branca, solteira, coin 44 annos^de idade e natural
(lo Hio-Formoso, de pthysica pulmonar; entrn
p ira este e.-tabelecimonto na dia 26 de outubro de
lSSfi.
Xo dia 20, Francisca Rimana dos Martyrios,
preta, illeira, c natural do Revio, com 31 an-
nos- de idade. di estupor ; aalron para este estabe-
leciaieotoj II de agosto de 1863.
Bxiatera ueste estalialecimento, 74 alienados, 70
a e ista na caridade e 4 (jue pagara a casa.
Bospieio de alienados em Olin Ja, 30 de junho
de 1870. *
O merdomo de mez,
.1. J. Gomes do Correio.
O regeate,
Luiz do Reg Barros.
cao crime uappellante,o juizo; appellado, Antonio
Joaqaim Leite.
Ao Sr. deseinl/hrgador Souza Leao.Anpellacao
civel appellante, a Santa Casa da Misericordia ;
appeT1ado,.o'visco4de de Suassnna.
Do Sr. desembargaJ'or Rcgaeira Costa ao Sr.
desembargador Souza Leao. AppllacS) ciwl:
appellante, Manoel Jos^ de Lima; appellado, Joio
Marrano Falca- Sicupia. Appellacfaj crimes:
appellante o juizo; apptilado, Araanio, cscra-
yo. Appellante, o promotor; oppelladcs, Manoel
Manden-d Silva e outro.
Do Sr. desemhargador Sotoa Leao ao Sr- des-
embargador Gitirana.Appetlacaos civeis: ap-
rellaate-, Jos Lourenco da Silva; hopellado, Joao
Mauricio Cantoso. Appellan;e, Joo Vicente da Li-
ma treire; apiteUado, padre Estanislao Oarique
de Vasconcirllos.
iHua hora depois do raeo-dia encerrou-se a
fessao.
'KRONICA JlDlIARIA.
SESSAOEM 2S DEMINHO DE 1870
mBIKSCtt BO EXM. SR. CONSECIIEIRO CAETANO
SANTIAGO.
Secretario interino Dr. Virgilio Colho.
As 10 horas da manhaa, prsenles os Srs. desem-
bailadores Gitirana, Lourenco Santiago, Almeida
Alhajaerque, Motta, Daria. Domingues da Silva,
Regueira Costa e Souza Leao, faltando com causa
o Sr. desembargador Guerra procurador da cora,
abrio-se a sessao.
Passaos os feitos, deram-se os seguintes julga-
mentos:
Recurso c3imerciai,. Recrreme, Jos Ribeiro
da Costa' Guimaraes; recorrido, o juizo.Relator
i Sr. desembargador Domingues da Silva, sorlea-
do os Srs. desembargadores Almeida Albaqucr-
|oe, Gitirana e Regueira Costa. Improce-
dente.
Recurso crimb.Recorrente, o bacharel Manoel
da Canon Figueiredo; recorrido, o juizo.Relator
-. Sr. desembargador Duningues da Silva, sortea-
Uii os Srs. desembargadores Doria, Gitirana e
S una Leao.Nullo o processo.
Uabias conpus.Concederram ordem a Fran-
cisco lavares da Silva, para o dia 2 de julho, ou-
vda a autoridade competente, e negaram a ordem
pedidajK>r Manoel da Cruz Gomes.
DeuoENCU crime.Ao Exm. Sr. desembargador
prnmotor da justica: appellante, Domingos Gomes
d'AfOiar; appejada, a justica. Appellante, An-
tonio Barbosa do Reg; appellada, a justica.
Dvx.iub.nci\ crvrx.Ao Dr. curador geral: ap-
peitaute, Clemente Rodrignes Sobral; appellado.
Cscmiro de Medeiros Gav.ilcaate. Ao Exm. Sr.
''esembargador procurador da coroa : appellante,
.!> Carlos M. da Costa Rodrigues; appellado,Ma-
uoei da Silva Lopes.
Asstgaoa-ae dia para-julgamentados seguintes
eiCW:
AersLLAgoES civeis.Apnellante, Heariqnete
Clisa Banks; appellado. Jos Luiz de Souza Fer-
rehra. Appellante, Maria Ii:nacia da Conceicao ;
aitt*Hado, Manoel Ferreira Leite.
Oa dr apparecerAppellado. Domingos Soriano
il'AjevHdu; appellante, Manoel Francisco de Souza
Amorim.
PASSAGENS.
Do Sr. desembargador Gitirana ao Sr. desem-
hurgador Gnerra.Appellacoe; civeis: appeante,
VainH-l d'Azevedo Pontes; appellado, Joao de Dens
(iiimaraes. Appellante, .Maria dasXeves Miran-
da Oliveira; appellada. Rasa Maria da Concei-
cao. Appellante Jos Aff raso Ferreira; appellado,
Antonio Gomes de Macdo. t
Ao Sr. desembargador Lourenco Santiago.Ap-
pellacao eivel: appellante, Joao dlbo Basios; ap
pellada, a fazenda.
Do Sr. desembargador Almeida Albuquerque ao
Sr. desembargador Motta.AppelIcao civel: ap-
pellaute, a fatenda; appellado, Jos Marcellrao
Al ves da Fonseca.
Do Sr. desembargador Lourenco Santiago, ao
Sr. desembargador Almeida Albuquerque. Ap-
pcllacSes civeis: appellante, a fazenda; appellado,
Antouio da Silva Guerra. Appellante, padre Jos
i;jf.fs dos Reis Lima; appellado, padre Jos da
Assunip'jao Souza. Appellante, ieacia Mara da
ConceiQio; appellado, Alexaadre Nogueira de
Sihizi e outros. Appellante, Manoel Jos Bastos;
app> Hados, D. Urania Ramos Xeves e ios. Ap
pedante, Francisco Ferreira Martips; appellado,
Lanriano Olindino Torrio.
Do Sr. desembargador Motta ao Sr. desembarga-
dor Doria.Appellacdes crimes : appellante, o jui-
z-i; appellado, Manoel Vidal de Sogreiros. Appel-
lante, o juizo; appellado, Candido Rodrigues Be
zerra.
Ao Sr. desembargador Domingues da Sil-
va. Appe.llacai cvel: aanaUaote^ Joo Baptista
la Cosu Colbo; appeliados, Anna Igaacia e seus
li.lios.
Ao Sr. desembargador Gitirana. Appellacan
rival: appellaate, Antonio Bernardo das Neves;
appellada, a cmara municipal d'Aqulr*.
Do Sr. deserabarfador Doria ao Sr. desombar-
gador Domingues da Silva.Appellacao civel: ao
pellante, Alexandre Augusto de Fras Villar ; ap
Itellados, a ivaNaves & Cardoso. Appellacoes
crimes : appellante, Clemente, escravo; anpeUada,
a justica. Appellante, Jos Lourenco de Lima;
appellada, justica.
U j Sr. daaailcargador Domingues da Silva ao
Sr. dasambrgador Regueira Costa.Appellacao
: appellaate, Joaquina da Silva Costa; appel-
lado, Firmiaoo Jos Rodrigues Ferreira. Appella-
r!R5BUSA3, DO CO.HHBElCaO
VClA DA SESSAO ADMIXISTEATIVA DE 30 DE
JU.NHO DE 1870.
.'RSIDE.NClA DO EUi. Stt. DESEJIBARfiADoa AN8JLXO
' RAJJCtSCO PKRETTI.
As 10 horas da mSmaa, preseutes os Srs. depu-
iosa, Basto, Miranda L/eal ebarao deCrnan-
?y, S. Exc. o Sr. 'presidentadeclaruu aberta a
ssso.
i Foi lida e approvada a acta da sessio de 87
EXPt.Dii--.fm:.
Aviso do ministerio da justicn de 81 do expirante,
approvamto a mudanja deste tribunal para o edi-
lieio e:u qu funeciona por ser mais vasto do que
o qu8 dosifceapra, e nao liaver excesso da des-
peza.Inteirad i, e archive-se.
Aviso do meima ministerio e da meiroa data,
declarando, em solucio consulta ds 28 de feve-
reiro ultimo, que as liispusicoes do decreto n.
4.3J4 de 19 de julho de 1859 sao extensivas a to-
dos os Uihuaaes do commarcio; e qne ao minis-
terio Ja bzenda se iransmittia copia de dita con-
sulta para solucao da maleria que Ihe sujeita.
Accuse^e.
Visto o livro da corre-ponJ'racia, achou-se em
dia o registro e feito com regularidade.
A Srs. diputados f.iram disirihuidos os se-
(ruintes livrosDiario e Copiador de Cruz, No-
gueira & C.
DESPACHOS.
Requerimeato de Domingos Joaqun Ferreira
Cruz, Jiiaquim llaplisia Nogueira e Joaquim Fer-
reira Valente, submettendo registro o s*u con-
trato social.Vista ao Sr. desembargador liscal.
De Manoel da Casta Linn, pedindo que se Ihe
permita o uso do livro Diario que se acha sellado
e rubricado e anda nao escriplurado, visto lii lo
comprado a J>sc Joaquim da Silva Gomes.Homo
requer. ,
l)o Severrao Lyia, apresentando registro a
nomeaclo de seu caix'ro Silvino Manoel da Co>ta
Macha .lo.Registre-se.
Da D. Umbelina Rosa de Lima Pinho, no mes-
mo sentido quanto a do Joaquim Manoel de Cas-
tro Sanios caixeiro de sua pharmacia homoepaihi-
ca sita ra Nova n. 43.Regislre-se;
De Joaquim Luiz Gincalves Penna,' juntando o
documento exigido no despacho de 27 de maio
ultimo adra de ser registrado o seu patacho Es-
frega.Prestado o juramento, oomo requer.
Rehabilitacao de Joaquim Jos da Costa Fajozes
Jnior e Jos Laurentiuo de Azevedo.(Tendo-se,
no ulu'mo julgainento. averbado de suapeito o Sr.
deputado Miranda ,Leal, e declarando o meemo
Sr. continuar os motivrs, o tribunal vresoWeu que
fosse chamado o Sr. depuiado l. supplente S
Leito para tornar parte neste juramento e que
para es>a occasio so convide ao Sr. desembarga-
dor fiscal.)
Nada mais sendo stibraettirJo despacho, S.
Exc. o Sr. presidente encerrou a sessao s 11 ho-
ras e meia do dia.
Letras pagar.....
Ttulos em eaucao eder
psito........
Diversas contas.....
22:4924540
329:954,5820
357:937iJ5iO
2,932:426*620
x S. E. 0.
Pemambuco, 2 de julho de 1870.
St. de Pottere, Prt) Accoantant.
^^^"
p"
SESSAO
JUDCIAR1A KM 39 DE JUNHO DE
1870.
PRESIDENCIA do exm. sr. desbsibargadob a. r. PK-
IUETTL
Secretario, Julio Guimaraes.
Ao meio dia declarou-se aberta a sessao estando
reunidos os Srs. desembargadores Silva Guima-
raes, Reis e Silva e Aceioh. e os Srs. deputados
Rosa, Basto, Miranda Leal e bario de Cruaagy.
^Lida, foi approvada a acta da sessao anterior.
O Exm. Sr. presidente mandou descr para o
respectivo cartorio os antos viudos do supremo
tribunal de justica entre partas recorrentes e re-
corrido; simultneamente Joo Evangelista de S,
Joo Antonio Moroira e Jos Fernandos Gomes
membros da firma Sa, Gomas & C
IULO AMENTOS.
Jalao especial d) comraercio : appellante exe-
quente-J.)* Barlwsa de Carvalho, appellados exe-
cntados Barlrosa A- Souza ; juzps os Srs. Silva
Guimaraes, Reis e Silva, Rosa e Miranda Leal.
Foi reformada a sentenca appellada para se jul-
gar nulla a exequenda e a execuco que della
procede.
Juizo municipal e do commercio do Pilar, pro-
vincia de Al.-.goas : embargos de nullidade e in-
fringfntes do julgado ; embargantes exeeuladosos
administradores da massa fallida de Antonio Jos
de Figueirdo, embargado exequenle Antoam Pe-
reira de Carvalho ; juizes os Srs. Reis n Silva,
Accioli, Rosa e baro de Cruangy.Ordenou-se
urna doligencia.
Juizo municipal e do commercio de Goyanna :
appellante exequente Paulo Gaelphe, appellada
exciitada D. Luciana Gertrndes Clara da Silrei-
ra ; juizes os Srs. Reis e Silva, Accioli, Basto e
Miranda Leal.Foi reformada a senteaca appella-
da, para nao se admittir os embargos por virem
fra do tempo, cora o voto do Exm. Sr. presiden-
te, sendo vencidos os Srs, Accioli e Miranda Leal.
Emba'rganto Salvador de Hquira Cavalcante,
embargado Joaquim Salvador Pessoa de Siqueira
Cavalcante ; embargantes Jos Francisco Ribeiro
Machado o outros, embargado Amaro Jos dos
Prazeres; app>.-liantes Jos Barbosa de Carvalho e
Jos Alves Barbosa, appellado Antonio de Souza
Braz ; appellantes Tasso Irmaos, appellado Anto-
nio Moreira Reis ; appellante Jos Joaqaim Gomes
de Abrau, appellad.os a viuva e herdeiros de Jos
Antonio de Barros Wauderley.Adiados a pedido
dos Srs deputados.
O Sr. baro de Cruangy nao apre*entou o feito
adiado a seu pedido na sessao passada, entre par-
tes, appellante D. Maria Felismina do Reg Cosa
appellado Manoel Pereira Magalbae. #
PASSAGENS.
Do Sr. desembargador Res e Silva ao Sr. de-
sembargador Accioli : appellante Francisco Men-
des Martins, appellada D. Mari das Neves de Mi-
randa Oliveira.
Do Sr. desembargador Accioli ao Sr. desembar-
gador Silva Guimaraes: appellante Antonio Fran-
cisco de Oliveira, appellados Tasso Irmaos.
AGCRAVOS.
Juizo especial do commercio.: aggravante Fran-
cisco-Xavier dos Santos, aggravado Jos Martinia-
no da Silva.0 Exm. Sr. presidente negou provi-
mento.
Juizo especial do comraercio : aggravante Fran-
cisco Xavier de Sonza Ramos, aggravados Gomes
Leite & C, liquidatarios da firma de Jos Fernan-
das Gomes & CO Sr. desembagador Reis e Sil-
va negou provimento.
Encerrou-se a sessao s duas horas e um qaar-
lo da larde.
Hnglish Bank of Ro de Ja-
neiro Limited.
Capital do Banco em
50.000 aeces de & 20
cada urna...... 2 1,000.000
Capital realisado .... 500.000
Fundo de reserva. ... 120.505
Balanco da caixa filial em Pemambuco, em
30 de junho de 1870.
Activo.
Letras descontadas. 1,372:9574710
Emprestimos e contas
caucionadas..... 9:1944970
Letras receber. 24:2564530
Garantas e valores de-
positados....... 329:9544520
Mobilia etc. do Banco. 19:1454400
Diversas contas. .... 146:4724760
Caixa. \......... 1,080:4444730
2,982:4264620
Patsivo.
Contas correntes'sim-
ples. 697:1114640
Depsitos praso fixo,
com aviso e por le-
tras* 1,574:930(51410
2,272:0424050
PUBLISMES A PENDO.
Carta do slnehro da Igrej dos
soldados a seu compadre
Tabula.
Quero hoje, neu compadre,
Uae de bom grado e yontade
MeconCedi sem maldade
Por favor, sua attencao ;
Sendo eo sineiro aqn
Prornelto ir Ihe direodo
O qOe por c for eolnendo
De certa assocuca*.
Aos vinte e tres do corrate.
Para um baile convidado,
Foi este seu bom criado
J*os saldas tambem dancar,
E como gost.) de quem venx>
Apphcjir a vista a ludo
Vi Joao Flix passur canudo
->ia msica que foi toar.
'Antes perm, men compadre,
H' dever mea lh' informar
PYa que banda deve eswr
A casa do baile dado :
-Na ra que nao telha
Em casa da nio nova,
Vi pai Joao Congo dar prova.
De qu' eslava endinheirado.
As oito em pe oto, compadre,
No sali me apreseatei,
Guardui meu chapeo, lujuei
MeBmp assim meio enfiado...
Msica de pancadaria
Usadas pecas tocava,
Qa^ndo o' madamisma entraTa
No salao encortinad*'.
Feita assim a pescara
Das dunzeUas da cidade,
Perd de velho a maldade
E cahi entre ai meninas
Contrate! note quadrilhas,
Quatro walsas e nm lanceiro
Com um par bem fe'ttlceiro,
E corsinba de boninas....
Visto estar j arranjado,
r Tomei pnsse di carteira
E notei logb as asneiras
De um celebre Momicacap.
Deu-nie Irabalho, compadre,
Quasi nio don vencimento ; .
Mas descamando uin momento
Eis o que clhi da acclo.
ET um grande apaixonado
Da corzraha de canella,
E se for ella magria....
Isso fntSo costo inteiro !
Passeiando, enefecia
Sen coraca) amoroso,
Dizia ser desdi toso
Por nfo seribem feiticeiro
A dama Ihe responda :
Isto modestia, senhor,
Aqui faz muilo calor,
Leve-me para o toilette, i
Pots nao minha t*n amada....
Benha-se, sim ; logo embora...
Nao tenha muita demora,
Desejo dar-lho um bouquet.
E mais cousas, meu compadre,
Vi o be-talhii dizer.
E' mesmo p'rn se nao crer
Ha ver destes n'ura sao.
Vi maita easa a granel,
Vi m}Si6~Janjo Feliz
Todo a gosto de Pars ,
Na sata, em quadro a pincel.
Fui, depois, passar a vista
Em um quarto reservado,
Vi i por dentro guardados
Paios, vinho em garrafo,
Mui boa canoa era botijas,
Bolos, sones e cnorica...
Tambem vi murta Knguica
Espalbada pelo chao.
Depois vi um Ferrtirinho,
Bacharel (se Ibe faz favor),
No salo bem impostor
Probibiodo a amolacao!
Ora que tolo, compadre
Nao besta o tal doufor f
Pois, lizeram-no director,
Metieram-lhe cargo na man...
Tambem vi mora bonita,
Que por l p.m ;o dancou,
Diz ella, que se macou
S de olhar p'r' o Presidente t
Na verdade, meu compadre,
. Que bicho descoochavade I
Tem feicoes de., mal lavado
Vestido decentemente.
Na partida havia muitos
Zs, tanis e Carrocetrot,
Carnes seceos e Paaeiros,
Ourives e Imaginario...
Tud>> isso misturado;
Imagine o que faziam,
O que eiles nao diziara 1
So se vendo n'um Diario.
Hoave bom caf con leite,
Cb de mate e bom pudim ;
Tambem bouve mendubim,
Por ser e-pecialidade I...
Chicaras de servir o cha
Fabricadas no Barbalbo;
Tambem vi pao de Carvalho
No salao em quautidade.
Vi nosso Janjiio ministro
Dancando polka pulada,
Sendo sempre era destilada
Ao Morerra da fragata ;
Vi um tal major das Quintasr
E tambem Z Uigniulto,
Que dancava o Miudinho
Bem alereme frescata.
Vi madama Giria, bella,
Vestida com muilo gosto,
E pai Joao congo disposto,
Sentado n'uma cadeira
Lembrando-se lalvez do tempo.
Que delta bora gozo hoave;
Pois nao Ihe foi pdre couve
No tempo. dW/asolteira.
Tambem vi Almeta cravo,
EmpregaJo do Moaleiro,
Como amolador primeiro
E cheio de nranganguce,
Brincou sortes com as meninas,
Dancou com as Silotnaias,
Deu tambem multas patadas
Com toda a graca e meiguice...'
Houve vestidos de ganga,
Gassa-chita e merino,
Cambra i a, seda e fil,
Misturados no sali
Vi musa casacapona
Cohetes de bom setira ;
Vi tambera um borzeguim
Causticando um vendelnio.
A's qaatro e meia, compadre.
Findou se a tal brincadetra,
E en, que nao sou Perevra,
Esnare p'r'o resultado.
Inda mais approveitei...
Mamerba m> de vacca,
Pi de raimo de pataca
Que me pz empanturrado.
Recife, 28 de junho de 1870.

ELEIClO
DOS JDIJES, ESCWVES E M0RDSMOS, JQUE TgJ|
DE FESTEJAN O GLORIOSO S. JOO BAPTI3TA,
ERECTO NA HJnEJA DA CONCEl DOS MIU-
TARES, EM O ANNO DE 1871. "
a m k. Jui P"1- eleio-
O Illm.*Sr. Joao Antonio da Silva.
Juiz pof devocao.
5x,m- Sr- b>"'gadeiro Joaquim Rodrigues Coeflto
Iftiles.
' Juizes protectores.
O Rvm Sr. Antonio de Mello Albaqueroue.
O* liras. Srs : -
Rodrigue Pinto Moreira.
Libanio Lopes Moreira.
Jos Lope Machado,
n i Esc"vo por eleieK).
O Illm. Sr. capitao Adriana da Silva Faria.
... Escriies por devocao.
Os Illm: Srs.
Aodt de Adren Porto.
Flix de Figueiroa Faria.
Joao Alvas Pedfosa Filho.
Manoel Antonio Moreira.
Mo.-doraos.
Os Illms. Sr. :
Albino da Silva Leal. t
Antonio Eloy Rodrigues da Silva.
Adriano da Rocha Pereiaa.
loan Roi. igues Jos Miguel de Lyra.
Germano Pinto de Magalhaes. ,
Jraquim d Almeiria Pinto.
Tliomaz Ferreira de Cirvaiho.
Capitao Tiburcio Hilario da Silva Tavares.
Dr. Jos Cyrillo Leal.
, Jnlza por eieicao.
A Exma. Sra. D. Anna Moreira da Silva
, i Juiza por devocao.
A Exma. Sra. baroneza de Villa Bella.
^ Juizas protectoras.
As Exmas. Sras.:
D. Balbina Carolina Padilha. S
D. Izabel Maria da Trindade e Silva.
D. Maximina Vieira Pinto.
D. Maria da Cruz Santos.
Escriv.a por eleico.
A Exma. Sra. D. Adelaide Emelinda de Salles.
Escrivas por devouao.
As Exmas. Sras.:
D. Maria Amelia Marques.
P. Maria de Jess Lentos.
Baroneza de Nazarath.
Baroneza do Bom Fim.'
Mordomas.
As Exmas. Sras. :
D. Emiliana Maria do Patrocinio e S.
D, Clara Cleroentina Carlota de Brito.
I). Maria das Chagaa Pessa.
D. Rulina Maria de Uparas.
D. Rosa Juventina daAnuunjbiacao Pinto.
D. Umbelina Rosa Pires de Lima.
Procuradores.
Joao Jos Marques.
Luiz Francisco de Sallea.
Amonio dos Santos Lina:
Procurador geral.
Manoel Zeferioo de Salles.
Contlaloro da igreja de Nossa Senbora da Con-
eeiefo d Militares, em 24 de jnnho de 1870.
Conego vigario, -
Antonia Marques de Castilho.
afos Rufino de Aran jo e seas
iaimlgos.
AP3NT AMENTOS
PARA A HIST0B1A DOS SALTEADORES
m ALTO SERT.VO.
3." PARTE.
ttratogfima do Sr. Jos de Carvalho. Carta que
ote etutec-eu. Um protector de Jnsi Babosa.
Diligencias no termo de Floresta. Fado horri-
vel. Instancias imitis. Conselhos de um dele-
gado. A eieicao de 7 de stttmbro de 19(8.. Ve-
nko cidade do Recife. ,
Em mea artigo precedente descrevi a diligen-
cia feita em Paos Brancos, do'termo de fabrob,
onde se cautavam Jos Barbosa, Jos Luiz e
muitos outros Msassinos.
Emquanto se fazia a diligencia, o Sr. Jos de
Carvaiho, querendo nm pretexto para chamar es-
ses assassino? para sua companhia, mandou por
um escravo seu dar um tiro de bala contra a por-
ta de sua casa; e fingindo assim ter soTrido um
attentado, o attribuia mmha familia e ao velho
Joo Domingos pai do infeliz Orfano, victima de
Jos Barbosa.
Immediatamentft este criminoso, que de Paos
Braneosv acabavi de fugir, foi em companbia do
Sr. Manoel de Carvalho paracasa do Sr. Jo de
Carvalho ; que a pretexto de garantir-se, fez um
adjunto de mais de 80 horneas armados, entre
elles muitos assassinos ; e dizia, que quem tinha<
familia e governo rudo poda fazer.
Com esses Individuos pretenderam os Carvalhos
atacar minha familia, mas um prente deiles, o
Sr. Jaeintbo Gomes dos Santos, os dissuadio.
Quando tive noticia. do trama do Sr. Jos de
Carvalho, qniz obriga-lo a declarar positivamente
seus sentimentos a mea respefto. Escrevi Ihe nma
carra nesse sentido : tendo ouvido dizer^que elle
recebrfl ym tuv, e ignorando como isso podesse
acontecer, peiauntava-Ihe o que hara a esse res-
peito, e Ihe offereci os meus serviros
Eis a respos/a.. que obtive :
Illm. Sr. Jos Rufino de Araujo.-Crnz, 13 de
julho de 1868.a Recebi Saa Carta e respondo
Verdade que na nolte do dia 10 do Corrente a 7
Qras estando eu deitado era irimha Salla derome
h tiro que felismente por Maria Santlcima ser
minha Adevngada me tiao roubado minba"lzisten-
cia porem athe oprezente nao sei donde vio este
afolado pois por aqu na tenho Inimigo nem em
Outra parta So Sim tenho tido noticia que o Sr.
Joao Domingos a familia tem dito que em Co-
mendo amorte do fimo araim por eu Ser Padri-
nbo de Jos Barbosa e mesmo tenho noticia que
Vra e seos manos dizem omesmo que e son Cau-
sador dos raaus feiton' dille por eu ser patronato
delle. eu nanea fui Patronato de Acanino e nem
Com elle me em por ta podera oMatarera ou
prenderem pois eu Com esto me nao em porta
elle nio meu morador e nem fas aboio em mi-
nha Caza nem nunca preci zei delle Stm tenho
feito re paro Vm prender omeu Vaqueiro por Ser
mano delle pjrem Como l dis o Sapo pelas Abias
de S. Pedro por urna pago as Outras. eaSim eu e
minha familia Acarnos Sertos que Vm nao Cope-
ro para tal atentado Vis to oqae me dis em Saa
Carta eu oConsidero Serio Eu Ibe Sou eternamen-
te obligado pello Seu oferecimeno eslou abel
aprecizar dequal quer Amigo So Stm Ihe afirmo
que Sabendo donde Veio este tiro eu precigo athe o
fim deminha Vida, o que tenho a- dezer ares-
peito.
t Aqu fleo Como Sempre por Ser D E Vm
Amigo Serto e Criado (assignado) Jos Alves de
Carvalho e S.
Quanto Ongimeoto, quania insinoacao I
Sao quero-demorar-me em aualisar as propos-
c3ea desta carta, que o leitor bem comprehende,
intejrado como est das circunstancias, que a
preeederam e motivaram; apenas offereco especl-
almente sua benvola attencao a affirmacao-com
que elle conclue, e a reparo de ter sido preso o
irraio de Jos Barbosa.
Este mesmo assasino-.'gabava-se de possuir,
e publcamenfe moslrava cartas, em que o Sr. Ma-
noel de Carvalho Ihe mostrava amisade e protec-
cao, dando Ihe o tratamento do arrflgo.
Demais, campare-se a cartazo Sr. Dr. Antonio
Lopes de Barros, transcripta em. meu artigo an-
tecedente, com a doSr. Jos de Carvalho e a ver-
dada liear patente.
fl}io passarei a tratar das diligencia, que em onc-
nuacao flzemos em busca dos criralnbsos sem re-
(erii urna cirenmstancia hera significativa.
En tfma das primeiras diligencias foram appre-
henditios tres cavallos ferradas com o signal da
fazenda do Sr. Antonio Nunes de Barros, prente
do Sr. Jos de Carvalho e uro dos protectores de
Barbosa ; a quem dava agaaakvo, e empresta va
dinheiro ; assim como protega outros assassinos.
O Sr. Antonio Nunes mandou buscar dous dos
cavallos escrevendo-me urna carta; e nao o tercel
ro; tor^ua o hamo negoiado com Jos Bar-
bosa.
Se nao fosae a receto de ote tornar excessiva-
roeute prolixo, e de enfadar a^enevola e paciente
attenfto dos que se dignarenr de ler o meus es-
eriptea, eu publicaria, entre outros muitos docu-
mentas que con servo, a arta em que o Sr. Anto-
nio Nones procura justiflearse, negando ter con-
corrido para a mocie de meu irmo.
Coutinua-Jo a perseguir Jas Barbosa, que se
refugiava as casas dos Srs. Jos de Carvalho e
Manoel de Catvaibo.
Cootinuei tambera a pedir auxilio ao delegado
do Salgueiro major Raymundo de S e ao major
Alexandre; peai-Ihes que se enteadessem cora
seus prenles, para que se effectuasje a priso de
Jet Barbosa ; e com la ter:;
e oalqaerencas, que por amor delk- ippa-
recendo.
Kilos nada consigniram.
Meus irmaos Galdluo e Antonio foram ao termo
de Floresta em perseguido dos arnMaaans.
L S^ancontraram coja o delegado em exerci-
co (* wpplcqte) com uera estiveram dousdias
na Barra do Silva espira da gente que tiaha de
ir do Gariry.
Ao amanhnaar do aka 21 de jullio de 1868, ou-
viram umattaecat-gw d. lana da villa da Plo-
resta.
Dirigiraai-se logo mesma ajila e eouberaraque
o Laurindo tinba ido ataca-la par assassinar o
Antonio Mendes que eslava preso; o que realisara
assassinando tambora o seutinella da cadeiae sol-
tando todos as outros presos.
No mesmo dia dasse deplcaavel acoBtecnento,
o Sr. Antonio Swraflm, que estava no enmmando
superior da guarda nacional, sabio da villa conr40
borneas ero busca dos criminosos.
No dia 27 meus Irmaos, em companhia do Sr.
Pedrosa, delegado em exercicio, sabiram tambem
com algamagente
Das deligencias, que f.zeram, obteve-se a prisao
de alguns dos criminosos.
Enguanto isto se passava na Florestaconiinna-
va en ainslar com o Sr. Raynrttndo de ', para
que rae.pre.-tase aigum auxilio airo de seren
mais proficuos os exforcos desinteresados e patri-
ticos de minha familia.
Ja referi, que enteadendo me urna vez com o Sr.
Raymundo d Sa. elle me diss que pedia fazer na-
quella occasio; e~ escreveodo-lhe depois cum
maior instancia, elle respondeu que nada podia
fazer.
Pois bem, fiz um sacrificio, que certamente nao
faria se se tratasse de uaja pretencao de meu inte-
resse particular Apezir de conliecer que o Sr.
Raymundo -de S esquivando-se positivamente a
conrorrer de qnal.iuer modo para-a capturado
criminosi's, que infestavam o Salgueiro eos termos
visinhes; apezar da inutilidade de minha insis-
tencia, cpntinuei a insistir.
Recebi, porm, a segainte carta, que urna nova
edicao das respostas anteriores eno smente no-
va augmentada, mas tambem correcta, em razao
da subtileza com que foi feita. .
i Amigo eSr. Jos Rufino Salinas 21 de julho
de 68.
O meo estado pares-me que nao estar oculto
tanto assim j pacci-mode rae o pathia a lopatia e
huji inda estou deseomliado dos meos embornados.
Ora mormente com esta prega estes negocios todos
carecem calma e tempo orque pereisa-se ajuntar
gente e carniar ecoa tanto rapid! ucho nao ser
pocivel eude mira em quanto nao me res ta be Ii cer
nn .da saude para ver se poco ler mais alguns dias de
vido esta foi feita forjado.
Quanto a noticias por a qui o que corroe o
faemoroso Jos Barbosa tem sido risto em Vargem
de tiro j por 2 vezes, e julga estar por ah, eu
sinto muilo e mutoaciiar-ma neste estado, apesnr
de no cariri deser-ce ao contraria eu tenho pa-
ciencia para sofrer oda mais nao faco como judas
que desesperou-.da paciencia. Vou m' dar cha-
mar meu compadre l'ergentini e tico a esperado
Motta que anda no campo para ver se ojies querem
sfe incarregarem da deligencia V nao ignorar que
a qui conlo comtodos porem i eu na frente.
O mais para vista recado destj que se presa
serDE Vino. P. amigo e obrigadissi(assiguado)
Rut/mundo de S Araujo.
U0M60
Ordenado do procura -
fi. 59. 730*000
Dtf tmenlo n/5 a 6.......
Despezas juJiciaes a fl..
702.e703.............
Documentos de sua eonia
alk G6i..............
Dito n. 38 a fls. 7X....
Dito n. 38 a *. 71U......
Dito a. 3 a ua. ?3...... 388*0 1:061*100
Coota apresentada em 30 de----------^.i
julho de 1870..... 1:811*100
Sua 2- conta a.8Ma8ti.
Ordenado do procurador
As. 819............... 450*000
Docnmento n. & fls. 8JO,
831e832.............
Despezas judiciaes fls. 830
Doananent. n. t fls. 830. lOOjOOO
Dito a. 7 fls. 831.....:.... 247*850
Dito n. 8 lis. 833......... 106*240 45*00
la apresentada em 9 do--------------------__
rod 1867.....-,- 904*000
3* cunta a fls. ll)8(i a!088^
Ordenado do proenrador fls.
^1^6.................. .. 730*000
Documento n. 39 fls. 1126.
Bespezas jndiciaHs........ :t
Document n. 40......... 165J670
'ton.4l............... 372*880
Dito n. ......... 312*000
Dito n. 60............... 178*370 l:37*92tf
Conta apresentada em 3------------------------
de feveroirade 1869...... 1:787*320
Sua 1' "coau a fls. 639 a 664
Ordenado ao advogado as 11*. 966 a
000 ... .,
Documentos n. 1, 2.3**4___....... 1:3004000
Sua 2" conta a fls. 820 a 824.
Ordenado do advogado as fls. 854 828
Documento n. 1, 2. 3 e"4............ 1:300*000
Sua 3* conta a (1?. 1086 a 188
Ordenado do advogado fls. 1H2 a
1124............"...............
Docuuiemos ns. 33, 36 e 37........... 900*0011
Ordenado mais do advogado fls.123..
Documento n. 38................... 80000f>
Somma...... 4.400*000
S. E. 0.
Somma geral de advogado e sollicita-..
dor era 6 annos.................. 6:330000
Castas judiciaes conforme as contas... 2:533*110
Sororoa.......8:903*110
Recife 31 do dezembro do 1868.
Observaco. t Urna execucaa de sentenca
contra Joaquim FrancifCo d'Albuquerque San-
tiago, escrivo Motta, sobre a revendicaeo da
casa da ra Augusta n. 66.
Urna execuraoVbeuienca executrva da fzen
da nacional contra o casal do minha mai, sobre
servicos de Africanos livres era que men pai foi
fiador do diversos, e-crivo Almeida; valor tres
contos tantos.
Fepare o leitor na referencia que o autor da
caria fez ao que delle -a dizia no Cariry ; e na ra-
zio que elle deu de nao anxiliar as diligencias com
pessoas do lugar : aqai cont com todos porem
fu na frente.
Qando meus irmaos Caldillo e Antonio escre-
veram rae d- Floresta sobre as tactos all aconte-
cidos, e as diltoenria?, que faziam cera exceasivos
trabalbrts e privatjoes. de tudo isio de parte aoSr.
major Raynrandn de 8. Mas este oecreveo-me e
segainte carta, dissuadiido-me e lembrando ura
ptimo conselhu'que me havia dado :
Illra. Sr. Jas Rufino de Araujo.Salinas, 30
de julpo de 68.ocebi sua carta e fico siente do
que rae diz. Ouca la' o que lhb disse eu, se nao
BOA MELHOB VOLTAB AQUELLA TROPA DO QUB VCS.
entrarem nesta luta. Veja l que mczes fazem
que esperara por esta tomada de presos eagr.i
jfoi que voio ler lugar (refere-se a algumas prises,
que j setinham feito). Veja l Vmc. que lempo
este que os vveres esto maito caros e nao ha o
que cavallos comer como nao ignora Vmc. que
para esta purseguicao preciso muita geote e ro-
dos os lugares como se andar coro todita tropa
era tal tempo e como sabe Vmc. que 6 Laurino e'
HOMEJI QUE TEX FAMILIA E FAZ MUITO POVO 6 j es-
tes faetnorosos o tem servido como deixara elle
de fcrvir a elles, o meu concelho era o hilhok
como se ade lembrar Vmc. o que Ihe disse em
Boavista e o depois o que tornei a duer Ihe aqui
que era mehor dexar alguns dias o depo3 tornar-
raos convocando todas autoridades e darnos para
todo6 os cantos porem Dada convelo a Vrac. t* e
outros empregudus no uvera estarmo* con tropa
jnnta toda este tempo em bm s com nosso vista
mehor trataramos. Eu j vou indo com alguraa
melhora gracas a dos e conforme o fez aparecea-
do a Vemos ver o que faiemos aprsar de ss dessr
EM CABIRI_QB SOU F. UM BOS PBOTBCtOBSS Uit
cora reiacao as partes oficial que foi para o Barros
da hi como mande elle diser em seo o fisto julga
rao todos daqui protectores de tais assacinos po-
rem Dos me far ju^iL-a tudo suporto e a seu
respeito apenar de no nos acreditar logo que me
ade reslabelicido he i d< fazer o que puder. Suas
ordens ao seu amigo obrigado e criado (assignado)
Raymundo de S Acaujo.
Antes de receber esta carta j estav intoira-
menteconvencido deque das autorides pohciaes
do Salgueiro nada se devia esperar era favor da
Ordem publica.
Lego em seguida cliegou ao Salgueiro a noticia
de ter subido ao govorno o partid) conservador,
l'ossui-me de ura piasor inmenso, e a r;izili
principal desse santimeato efa a esperanca de
obter-se com a mudanca das autoridades petiriaes,
eo concurso do .vero da orovincia, a parifica-
?ao do alto sertao ; e a punicao, qqando nao de
todo?, que san mimerosfssiraos, ao menos dos prin-
cipis criminosos.
Em 7 deseterabro fez-se a eieicao primaria, a
primeira eieicao depois da madanca poltica. An-
da continuavam em exercicio no Salgueiro as au-
toridades progressistas assim como eram progres-
sistas todos os juizes de paz. Entreunto puz-me
fronte de minha familia e de meus amigo?, e
pleuiei a eieicao conseauindo o maior triunipho,
sera disturbia, sem cuniesUcao da especie aliuroa.
No dia 24 de seierabro sani em direccao a esta
capital, trazendo o resultad i da eleico; e viudo
determinado a pedir o auxilio indispensavel para
melhorar ao menos o estado do alio sertao; a na
ser possivel debellar completamente s quadrilhas
do salteadores que o infestavam.
Resta-me cootar o qae succedea d.ibi em diao-
te, e publicar documentos importantes, em respo*-
ta suuseraveis calumnias, com que no Liberal,
meus iniraigos teera procurado alacar-me a honra,
emquanto do serlao me nn rouham a yida.
Quanto ao Sr. Paulino Te>wira de Cabvalho,
qae presumo ser ura d. iforraantes du Liberal,
hei de mostrar qual foi o seu proeediment* no
Salgneiro, onde estove como delegado, depois do
assassinato de meu irmo.
Digo logo isto para que elle nao pense que o es-
queci. Esquecer-me do Sr. Paulino Teixeira de
Carvauio, capitao do corpa, de policial...
Recife, 25 de junho de 1870.
Jos Rufino de Araujo.
SER. CONVENIENTE QUE OS SRS. MAGISTRADOS,
AOTOGADOS E SOLLICTTADOTES LEIAM?! !
SEA' POR GERTO, ASSIM GIMO O PCBtICO,
EM GERAL.
, Reconsiderando o abaixo assignado as contas
abaixo transcriptas, extrabidss do ventre dos
autos da int^rdiccao da mi do mesmo abaixo
assignado, admire o publico como um casal apenas
com duas acjdes em juizo, tem consumido a
enorne quantia de rs. 8:903*110 cora advogado,
sollicitador e cusas, e o qne anda mais admira
gastanda-se pafa resnlverem.se estas duas ques-
tdos sem nunca se resolveren) ellas no longuis-i-
rao espaco de 6 annos I I quando o valor destas
duas questdes imporiam em menos do que as des-
pezas feita?.
Antonio da Cunha Soares Guimaraes.
Dos autos do inventario que se proceden pela
demencia de minha mi a Sra. D. Francisca
ThomGia da Concef?ao Cunha, consta das copias
aprese/riadas pelo curador Joao da Cunha
res Guimries as seajpfes verbas para despe-
zas judiciaes e ordenado do procarador, desde
saa 1* confa at a 3', sendo nomeado curador
ero 15 de dezembro de 1862, a fls. 519, em subs
tiluico a Ignacio Luiz de Brito.Taberda l
A saber :
Sua i* conta a fls. 639 a 664.
Collegio de S. Podro de A'cautara, na roa
da Cadeia do Recife n. 24, sol) a direc-
$o de Joaquim Teixeira. Feiioto Filbo,
alloroDO da escola normar, exproessor
publico das provincias de lagflas e Pa-
rahyba, com cinco preparatorios Da Fa-
culdade de Direito e compttenteinenle
3U!orisadu pela directora de iDstrncco
publica.
Ksiao funcionando as aulas de instruccaa pri-
maria, ecumarias e as uoeturnas, desda o dia 6
de junho prximo passado.
A aula primaria e limitada a 30 alumnos, e o
melbodo do en si no erapregado o do Sr. Dr- Abi-
lio Cesar Rorges, o qual nao adraille no eosino
palmatoadiis nos alumao*. e aira conselhos e cas-
tigos raoraes, que promovam a emularn e o gos-
to do estudo, estimulando os bros e a dignidade
da [abacia : cuino diz com muito fundamento o
mui Ilustrado autor do melbodo.
O collegio admitte em seu recinto externes e
meios pensionistas de toda a idade, e al 30 alum-
nos miera ja menores de 16 annos.
Os pensionistas pagarlo a mensalidade de qua-
renta fliil reis, os meios ^easiontas a > viole
mil reis, e os externos a de ciuco uia reis pela
aula primaria e seis mil reis por cada preparato-
rio qne estudarem, sempre por trimestre adan-
lado.
DISTRrBFCO DAS MATERIAS.
Director. Peixoto Filho.Aula primaria, das 9
horas da manhaa as 2 da tarde.
Professor, M. A. Mradello.Portugutz, das 9 as
10 horas da manhaa.
O mesmo Latirn, das 10 as 12 horas da ma-
nhaa.
O mesmo.philosophia, das 10 as 11 horas da
manhaa.
Dr. A'. Gama.Francez e geometra, das 4 as 5
da tarde. <
Dr. Jos Austragesilo.Rbetorica, das 4 as 5 da
tarde.
Dr. E. Franco de S.Geographia e historia, da*
5 as 6 da tarje.
Dr. C. Peregrino.Inglez, das 4 as 3 horas da
tarde.
Aulas nocturnas.
Cuilhermo Rogers. laglez, das 5 as C horas
da tarde.
Director, Peixoto FUI.Porluguez, das 6 as 7
da ooule.
O mesmo.Francez, das 8 as 9 horas da noole.
Olorico Cmara.Escripiuraco raarcanlil por
partidas dobradas, das 6 as 9.
Recife, 1 de julho de 1870.
Joaquim Ferreira Peixoto Filho.
Hr. ehefc d-eata^o de FreixelrUs
Vai anda hoje o portador buscar a baga-
gem que me foi remeliida bontem do Re-
cife.de tanta titiltdade para o dia de bon-
tem e hoje, cuja bagagem Vmc. deixou de
mardar-me por falta de reconhecimento, ten-
do eu Ihe escrlpto Que se houvesse
falta de conhecimento, em tdo caso maDdas-
se-me a bagagem, que era de argencia qu
mandasse-me copia do recibo para por elle
tnandar-lhe outro'boje como muita vezes me
fez o muilo digno ex-chefe Basta e outro
mais; sabendo prezar o seo carcter e que o*
daspessoas sensatas, o5o q duvidara fazer,
por isso adi3 que nao Ibe podera vir mal ai-
gum Vote, remetiendo me diia]bagage coa
copia do recibo para elle Ihe mandar outro
immediatamente, pois ach > que isto nao
privara de Vmc. prestar suas boas contas
e de ficar iuscluido de continuar como era-
pregado e de flear privado de recebar o seo
pingue ordenado que mensalmente recebe ;
por isso rogo-lhe que se vir que entregan-
do a bagagem sem a vista do conbeci ment
e sim com copia do recibo para Ihe mandar
outro por elle. n3o Ihe priva deste direrto.
faca-me o favor de mandar-me o que de
precLo.
No mais disponha de sea servo venerador
e obrigado.
Apreciem
O abaixo assignado, deparando boje com um
annuaciu publicado no Diarto a. 145 do 1* do cr-
reme, assignado por sua muilo presada mulher
do qnal (quei sorpr.eheadido 1 Dizer ella qoe-
estaya-se devorciando-se de seu marido e que
eslava depositada em puder da meu inimigo ca-
pital o Sr. Antonio Joaquim Machado |
Taas sao as cousas naste mondo 1 Sendo o Sr.
Machado a causa de toda, esta falsa alegaria as au-
toridades eclesisticas mandam fazer um deposiio-
d'uma senohora casada sem o conseolhnento do
marido, como disposto no direito cao., approvar
ou deixar de appovar este deposito no lugar qu
Ihe seja conveniente, se como diz...
Faze antes qae te fa;am. A candela que vai a
frente a que alumi* t
Basta que o publico faca-me justica e va depa-
rando cora o bello drama de nova coaipoeicao. e
que tambem aprecie as prevas de minha falsa
aecusacao.
Declaro que, desde qne a Sra. D. Josepha Roza
de Araujo Machado, veio de spu engenho para a
minha casa no mez de marco, nada honve entre
nos, e sim de miro: para com o Sr. Machado.
0 publico aprecie o digno proceder dessa digna
sentara, e lhes d o peso que merece ; o tempo
tudo mostrar, e a verdade se ha de verificar.
Recife, 1 de jaho de 1870.
Jos do Reg Sella.
a




Diario de Pemarubnco Segunda- fra 4 de Julho de 1870.
*
r.

Molestia Josrin ,
Julga-se que duas leicuo parles dos habitantes
civilizados do manda soffrem mais ou menos mo-
lestias dos ros e do flgado. Nao padece duvida
alguraa que as enfermidades dos rins, dnrantexes-
es iilumos and?,- teem-se tornado mais frequen-
tes e obstinadas, com especialidade nos paizes
qusntes. Nada ha que pareca produzir um to
pnaaneiado effaito, e que melhor as lubjugue
tamo seja justamente a jalsaparrilha de Bristol.
Quando os acrdos-uriens e lithicos se achara em
excesso na secrecgo onrinaria (e isto o ,que ex-
aclmenla acontece na maior parte das molestias
-em ifuesiao), as quatidades alcalinas da salsapar-
rilha. prontamente poem um tormo conlinua-
rudo,incommodn; emquanto que i sua opera-
r* tnica, fortifica os orgos relaxados e itstabe-
tece a sua acgo natural.
As pUula^ assuearadas de Bristol, deverao ser
tomadas conjinctainente com a salsaparrilha,
1>ara que o vontre possa melhor assistir os rius
i expedir para fora de si a materia viciada posta
mqrcn(,-ifo pala salsaparrilha.________
C0MMERCI0.
fHA:A DO RBCIFE 2 DE JULH.
DE 1870.
AS 3 i/9 HORAS DA TARD
Cambio sobre landres 90 d|v. 21 1|2 d. e 21
3(1 d. oor 1000 (hontem).
semblo soure Paris 90 djv. 438 rs. por franco
(hontem).
'Cambio sobre Portugal aagavel em Londres 90
djv. 21 3i fhralem).
Pelo presideute,
Mesquita Jnior.
Pelo secretario,
A. P. de Lemos.
engli nm
Of Rio de Janeiro Limited
Descont lettras da praca taxa a con-
twtcioQaf.
'lcete dinheiro em coota corrente bis
traso fixo.
Saca vista ou a preso sobre as ciclados
prlncipaes da Europa, tem correspondentes
?u Babia, Baenos-Ayres, Montevideo, New-
8 Kev.-Orleaos, e emite cartas da crdito,
para os taesmos lugares. .
WJA DO CO.a1MEP.CIO N. 36-
ALFANDESii.
sato do dia i.....
tt*& J. id i i .
41:837*788
30:261*108
75:098*890
:0 DA ALPAND2GA
los eem fazondas
i cora gneros
es3j$Mo* cora fazendas
a dem cora seeros
213
6"7i
887
91
457
-----oi8
ij.-'icarregam hoje 4 de julho
ir qscI-? S;ip/'ra=mercadoras.
Iri^ue portuguez Laia Imercaderas.
Brig'ie uortugiiezTriamphodem.
Barca traneezaSplirrtjuera.
I InglOXCaatroiidein.
TABELLA dos precos dos gehebos sieitos a di-
BEJTO DC EXPOBTACAO. SEMANA DE 4 A 9 DE
romo db 1870.
Merendonas: Unidades. Valor.!-.
ou men-
um
kilog.
urna
litro
.... kilog.
efarmentadas:
.... litr.
300
200
848
4*000
2*000
68
177
230
120
438
1*900
o*0O0
937
673
5za
102
3*430
193
300
330
300
337
600
300
660
kilog. 476
204
476
442
959
39
27
258
168
442
436
763
1*360
1*000
1*438
344
640
300
330
10*000
1*133
784
1*180
18*006
24*000
12*000
16*000

cento
kilog.
um
>
kilog.
>

duzia.
cento
kilog.


t"
%
Salsaparria.......
Sapatos do couro branco par
Sebo ou graxa em rama kilog.
dem em velas. ..... >
Sola e vaqueta.....}
Tapioca.........
Unhas de boi.......cento
Vassouras de carnauba duzia
dem de piassava.....
dem de imb. t
Alandega ae Pernabmbuco, 2 de jnlbode 1870
O 1. confereate. Danoei F. da Silva.
O 2." confereate Herculauo C. FUoni.
Approvo. A.lfandga 2 de julho de 1870. =
Paes de Andiade.
Conforme. Joaiuim Tertuliano de Medros.
;\EEBEDUK1A Dt RENDAS INTERNAS w-
RAES DE PERXAMBUCO.
leadimeBlodo da 1..... 2:934*013
l-lem do dia 1....... 3:672*266
Vi
ss
~80
340
, 476
1*200
204
380
708
1*200
960
6:616*311
CONSULADO PROyLNCAL~
Rendimento do dia 1..... 11:373 r.038
dem do dia J .< 7:162*916
18:536*61:
em 2
PRAGA DO RECIFE
de julho de 1870. as 3 horas da tardz.
REVISTA SEMANAL.
Cambios.Sobre Londres saecou o Banco-a 2 1l,
il. por 1*, e os particulares a 21 */: sommando u
valw dos saques elTeotuados nesta semana eui----
si. 80,000.
Algodo.Vendeu-se o de Pernambuco de 13
a 13*2C0 a arroba ou os 15 kiiogrammas.
Arroz.O pilado da India vendeu-se a 3*000
a arroba.
Azeite-doceO de Lisboa vendeu se de 3*200
a 3*400 galo, e o do fi-trejie 3*200.
Bacalhq.Em atacado vendeu-se a 15* a bar-
rica, e a retalho de 16 a 18*.
BATAT.vs.^Veudeu-se a 1^600 a arroba.
BoLAcmxnAS.Idi'in a 53 a barriquinhi.
Caf.dem de 3*600 a 6*200 a arroba.
Cu.dem do 2^200 a 2*800 a libra.
Ceuvfja.dem de 3*600 a 7*600 a duzia de
bfttijas ou garrafas.
Louqa.Vendeu-se a ingleza ordidaria cora 350
rs. por cento de premio sobre a factura.
Ma.tteiga. A .tagieta vendeu-se .a 1*230 a
libra, e a franceza a 6S0 rs.
Massas.Venderamse a 7*200 a caixa.
Oi-ao db uMiAgA.dem a 2*200 o galao.
Passas.dem a 11*500 a caixa. ^
Prssstos.dem a 18 a arroba.
QuEUOS.Os Qainengos venderam-se a 2*300
cada 'nm.
Sabao.Vendeu-se a 170 rs. a librado injlez.
Tly.iniio. VenJeu-seode Lisbade 12 13* a arroba.
Vikaobe. O de Portugal vendeu-se a 1305 a
P'l)a- ,j
Vumos.Os de Lisboa tratos venderam-se ce*
210* a 260*, e os de outros paizes a 183* por
pipa.
Vfla.As de composijao venderam-se a 560
o pacote de vea?.
Descont.O rebate de letras regulou de 10
a 11 por cento ao anno.
FnsTEs.Pelo algodao, carreganlo em nosso
porto para o ti Liverpool ) d. par libra e 5 %
Abasos.........duzia
Aigndao m carolo ._ kilos.
dem em rama ou em. laa.
f'arneiros vivos.....
'ores dem.......
Arroz eom casca. .
Jdem descascado ou pilado
.....
Jd?m mascavado. .
! (fc-m refinado.....
: lias .......
r'ajtagaios.....
Azeitede amendoim
dobim. ." .
!dem n de mamona. .
ltalas nlLnenticias.
iiaur.ilha ....
Bebidas espirituosas
Agurdenlo cachaba.
dem decanna......
dem geaebn......
restada......
........
enreja.......
'igi-e.......
dem faM-de caj......
(3 i'iacha lin&.c/imprehendidos os
teseoilvs.........
Idtn ordinaria, propria para.
embarque.......
bom......
5J"in escolha ou restolho
torrado ou moide.
Cal branca. ....,.
preta.......
"".arae secca (xarque ). .
larvao vegetal.......
Cera amarella.......
dem de carnauba em bruto. .
dem em velas.....
Coi..........
Okos seceos.......
Colla. -.....
Viiu-oa de boi, seces salgados,
dem idem espichados. .
*demjdem verdes.....
dem lo cabras cortidos .
idem de onca........
Doces em calda......
dem em gela ou raassa. '.
dem seceos.......
Espanadorer de pennas grndes .
dem pequeos......
fem de palha.......
ras de carnauba ....
dera propria para forro ou estiva
de navio........
ia nacional......
Parinha de araruta.....
:d'-:u de mandioca ...-,.
Feijo de qualquer qualidad^.
Kumo'charutos......centro
Ideal cigarros......
dem era folha boin kilog,
dem em folha, ordinario ou res-
tolho ........
dera em rolo e em latas bom
dem, ordinario ou restolho.
ip.........
'Jomma de mandioca, (polvljio).
peeacuanha ( raz ).....
Angico (toros)......duzia
iros ........um
Snxams .......
Frechaes........
Jacaranda (eouijoeiras) duzia
lia era actas......cento
dem em toros......
Linhas e estelos......um
?,our s (praachoes). \
Pao Brasil........kilog.
dem de jangada......um
Quiris ...... duzia
Viuhatico coatadrabo da M a 30
millimetros de grossura. um 16*000
em pranehdes de dous coala- ,
dos at 50 millimetros de gros-
sura .......
dem taboado de ajenos de 25
millimetros de grossura duzia
Taboado divano...... >
Tatajuba.......kilog.
Travs.........urna
Varas para pescar. .... duzia
dem para aguilbadas ... <
dem para canoas.....urna
avernas de saapira(em obra) *
lusos de cicupira para carro. par
Melaco.........kilog.
Mel deabelha.......
Milbo.......... *
os......
Pallia de carnauba ...... momos%
Pechory. ..... kilog.
Pedras da amolar '
dem do filtrar......
dem de rebollo >
Pennas de eraa. ......
...... molhos
Puntas ou cofres de novilho ou
"acea. ^ cento
Navios entrados no da 2.
luo-Fjrmofo Horas, vapor brasileiro Parahy
bu, de lOi toaeladis, comaiaadanta Oliv.'ira,
equioagein i i, em lastro ; a corajianhia l'er
nutnbucana. <
Miranhao o di:is, hiate brasileiro Emilia.de
163 toneladas, cadillo Manuel da Silva Lxftiiro,
cquipagem 10. carga fariaha de mandioca e ou-
tros geoe:'.>s: Leilao i\ Iruio.
Santos 13 das, barca ingleza I/>rtoa Valle, de
^99 toneladas, capita Hanry Weltsliire, equi-
pagem 10, em l-'s ro ; ordmn.
Rio (ranJe do Sul 19 das, brijue portusuez
Umao, de 187 toneladas, capitao Thomaz Anto-
nio Alvos da Cunha, equipagem 10, carga 927)
arrobas de carne ; Tliomaz de^qnino Punce-
ca & C.
TeiTA-Nova33 ia?, patacho inglez lluydee, de
153 tunelalas. capitao Samuel Furze, equipagem
9, carga 1774 barricas com bacalho ; Saan-
ders Brothers & C.
Terra-Nova32 dias, brigaa icrglez Dora, de 238
toneladas, capiao Giorge Debiix. equipagem 10,
carga 3300 barricas eom bacalho ; Sranders
Brothers 4 C.
Hamburg)io dia?, patacho norte^allemao Julia
ne, de 210 tonelada-1, capitao P. H. Kroger, equi
pagem 9, carga differentes gneros; Carvalho.
Zenha *. C.
Buenos Ayres22 dias, brigue francez Angeline,
de 255 toneladas, capitao Beven, equipagem 12,
carga farello : Amorim Irra >os.
Navios saludos no mesmo dia.
Rio Grande dJ SulPatacho brasileiro Bemfica,
capitao Manoel Vieira das Nevos, carga assnqar.
Terra-.VovaPatacho inglez Portia, capitau J. J.
Thop.ipson.
Navios saludos no da 8.
PortoPatacho portuguez Arago, capitao Mane el
J. Andr, em lastro.
Observacao.
Al meio dia nao houve entradas.
C0MP4MIA
SlS'convidados os Srs. accionistas desta
co do da ti de julho viodouro, ao meio dia, do
escriptorio da companhla, ra do Cabug n.
16, para, em cumprimenlo de seus estatu-
tos, deliberar sobre as cantas do anno fioan-
ceiro, e approvar o orca*nenlu viodouro.
Escriptorio da companbia do Beberibe,
30 de junho de 1870.
O secretario,
Dr. Prxedes G. de Souza Pitonga.
De ordem do Illm. Sr. eotoselheiro inspector
da thesouraria de fazenda desta provincia se taz
publico que no dia 9 de julho prximo vindouro
rao praca, perante a junta da mesma thesoura-
ria, para serem arrematados por qem por meno3
ilzer, os reparos de que precisara o pavilho oecu
pado pela secretaria da capitana do porto a co-
berta do edificio em que funeciona o tribunal da
relacao, oreados o Io em 141*900 e o_ 2o em
512*300. conforme os or-camentos que sarao fran-
queados aos pretenleales na secretaria da dita
thesouraria.
Os licitantes se deverao habiliur previamente,
mostrando-se autnticamente desembaracados e
quites, tanto com a fazenda geral como com pro-
vincial.
Secretaria da thesouraria da fazenda de Pernain-
Lum 30 de junho de 1870.
Servindo de official-maior,
Manoel Jos Pinto.
SANA
DO
EilTAES.
12*000
136
681
92
272
3*000
320
1*090
613
681
545
2*180
170
1*703
60*000
360
1*500
5*000
93*000
3*000
12*000
6*000
10*000
103
5*000
6*000
JUIZO DOS FEIT03 DA FAZENDA
NACIONAL.
0 Dr. Abilio Jos Tavares da Silva, oIBcial
da imperial Ordem da Rosa, juiz privati-
vo dos feitos da. fazenda nacional por S.
M. I. e C. o Sr. D. Pedro U a>quem
Deus guarde etc.
Faco saber a t:dos que este presente
edita! virem e delte tiverem conbecimento,
que se cha a concurso, com o praso de se-
tenta dias, a c otar da data deste, o prov-
ment definitivo do officio de xo tador.e
distribuidor do juizo dos feitos da fazenda,
creado por l-i provincial n. 928 de 28 de
maio do correte anno.
Os pretendentes ao mesmo officio, de-
ve'm, no referido praso, apresentar os seus
requeriments^penpetentemente instruidos,
de csnformidadVcom o artigo 14 do de-
creto,n.8I7 de_30>le agosto de 1851, e
do artigo n. 252 de 30 de dezenrbro de
1054.
E para que chegue ao conhecim-?nto de
todos mandei passar o presente edital que
ser afixado nos lugares do costme e pu-
blicado pela imprensa.
Dado e passado uesta cidade do Recife,
aos 27 de juaho de "1870.
E en Luiz Francisco Barreto de Almeid
escrivSo o subscrevo.
Abilio Jos Tavares da Silva.
casa da misericordia
RECIFE.
A Illm.a. junta administra! va da Santa Casa de
Misericordia do Recife manda fazer publico que
na sala de suas sessSes, no da 7 de julho, pelas
4 horas da tarde, tem de ser arrematadas a quem
mais vantagens offerecer, pelo tempo de um a tres
aonos, as renJas dos predios em seguida declara-
dos :
ESTABELECIMEMTO DE CAIDADE.
Ra do Padre Ploriauo.
Casa torrea n. 63...... 177*000
dem n. 47......- 71*000
Ba larga do Rosario.
2. dito do sobrado n. 24 A. 400*000
Travessa de S. Pedro.
Sobrado de laudares n. 2. 602*000
Ra de Sania Thereza.
Cisa terrea n. 4.......145*000
Raa do Amorim. '
Casa terrea n. 16........ 301*000
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Ra da Senzalla.
Sobrado de 2 andares n. 136 601*000
Iiem 1. 18........340*000
Ra do Rangel.
Casa terrea n. 58........ 360*000
Ra da Cacimba.
Casa trra n. 12.......147*000
Ra do Pilar.
Casa terrea n. 101......204*000
dem n. 104.......200*000
dem n. 102........202*000
Mem n. 103........203*000
Casa terrea h. 110...... 204*000
dem n. 93........'. 204*000
Ra da Guia.
Casa terrea n. 27.......1475000
Sitio da Mirueira n. 4.. : 107*000
Os pretendentes deverao apresentar no acto da
arrematado das suas liangas ou comparecerem
acompanhados dos respectivos fiadores.
Seeralaria da Santa Casa da Misericordia do Re-
cife, 2 de julho de 1870.
O escrivao,
____________Pedro Rodrigues de Souza.
Vai de novo praca na audieucia do Illm.
Sr. Dr. juiz de orphaos, quinta-f'ira 7 do correle,
depuis da audiencia, e por arrendamenlo. trienal
as seguintes casas : ra larga Jo Rosario n. 1 po-
7005 quanto se acboa na puaca passada, ra do
Hospicio o. 6, travessa da M_agudRi n. 9, ra Im-
perial n. 32, e a loja da frente do ssbrado n. 29 da
ra do Imperador, esta p*!o prego constante do
eicripto edilal em man do porteiro: quera as
mesmas quizar lanear comparegam na referida
praca as oras' do cosame.___________
taselho Je compras navaes
O conselho em 5 do corrate mez, vista de pro-
postas recebidas at as 11 horas da manliaa e sob
as condtcoei do estylo, proinove a compra dos ob-
jectos do material Ja armada seguintej : 6 barras
de ac batido de popoca de 2 l| pulegadas de lar
go e4|8i gro-sura, 6 barras de aoo batido oe
1 1|8 polegadas de largo e 4|8 de grossara, 10
baldeateiras te folha, 60 barras de ferro inglf-i
proprio para grelha, 20 lencon Je ferro de 1|4 de
grossura, 6 potes inglezes fendo cada nn 8 ps de
eomprimento e6 do-largo, e 2 ocnlos de Picanee.
Sala das sesses do conselho de compras navaef
1 de julho de 1870.
O secretario.
Alejandre Rodrigues dos Anjos.
Tribunal do com-
mercio.
Por esta secretaria se declara que ficam marca-
dos 13 dias, contados do presente, para serem pro-
curados na mesma secretaria os documentos aba:-
xo mencionados ; e que liudus os referidos dias,
serio dilos documentos remettidos thesouraria
de fazenda alini de serem cobrados ejecutivamen-
te, na conformidade do decreto n. 4355 de 24 de
abril do anno prximo passado.
Nota a pedido de Manoel Francisco
Marques
Dita dito de Bcnto Augusto da Silva
Dita dito de Joao Tavares 'Ordeiro
Di^i dito de Florencio Tertuliano do
Reg Costa
Contrato de sociedade de Leao 4 Reg
Dito de dita de Jos Ribeiro de Brito e
Leoncio Rodrigues Collado
Dita dito de Manoel .'os Martins da?
Nevfs 3-;:oe
Coni relor
Leal
Dito de dito dito de Dubuurcj Junktf
Dito da dito dito do agenta de leudes
Pestaa 1*440
Dito de dito dito de Pontnal Juntar 1*440
Dito de dito dito de Martins (2) 3*060
Dito de dito dito dp interprete Ferreira
da Suva 1*440
Sommario ex-offieio contra Bernardino
de Sennrda Silva Guimares 13*400
Secretaria do Tribunal do commercio' de Per
nambuco 30 de junho de 1870.
O racial-raaior,
Julio Guimares.
f
Pfi sb!
un o nurtii ^cima i;
AVISOS MARTIMOS.
mum BMSILEIRi
DE
Paquetes a vapor.
Dos portos do norte esparado
at o dia 9 do crreme o vapor
Cruzeiro do Sul, commandante J
P. Gnedes Alcoforado, o qual
_______depois da demora do costme se-
guir para os do sal.
Desde j recebem-se oassageiros e engaja-se i
arga que o vapor poder conduzir, a qoal deveri
jer embarcada no dia de suachegada. Encommen-
las e dinheiro a frete at as duas horas do dia di
Ana sahida.
Nao se recebem como encommendas senao ob-
lectos de pequeo valor e que nao excedam a i
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de mch-
elo.
Tudo que passar destes limites dever ser
ambareado como carga.
Previne-se aos Srs. passageiros que suas passa
aens s se recebem naagencia roa da Cruz n. 57
l* andar, escriptorio de Antoiio Luiz de Olivein
Azevdo A C.
coMNfliA mmmu
DE .
Paquetes a vapor.
Dos portos do sal esperado
at o dia 9 do correte o vapor
Gitar, commandante o capitao
lente Pedro II. Duafle, o qdal
depois da demora do costume
os portos do norte.
Desde ja recabein-se passageiros e engaja-se
;arga que o vapor poder conduzir, a qual dever;
ler ambareada no aiade suachegada. Encommen
las e dinheiro a frete at as 2 horas do dia da sus
sahida.
Nio se recebem como encommendas seno ob
{ectos de pequeo valor oque nao excedam a duat
arrobas de peso oa 8 palmos cbicos de medicao
rudo que passar destes limites dever ser embar
cado coino carga.
Previne-se ao3 senhores passageiros que' suas
passagensf se recebem na ageucia, ra da Cruz
n. 37, 1 andar, escriptorio de Antonio Luiz de
Oliveira Azevedo Ct C.
seguir
COMPAfflIlA
DAS
Messgerics ia^p?rales.
Al o dia 10 ropa o vapor francez Amasone, o qual depois da
demora do costura seguir para Bnenos Ayres,
tocando na Baha, Rio de Janeiro e Montevideo.
Para condueles, frates e pas^egens, trata-se
na agencie, ra do Commercio n. 9.
Al o da 12 do corrente mez espera-se dos por-
tos do sul o vapor francez Gironde, commandante
H. de Somer, o qual depon da. demora do costume
seguir para Brdeos, fleando em Dakar (Gora) e
Lisboa.
Para condicoes, fretes e passagens, trata-se na
agencia, rna do Commercio n 9.
COMPANH1A
i
20*000
144*000
W*000
33
6*000
2*400
6*000
1*000
3*900
16*000
50
320
68
16
1*000
817
31
18
34
4*79ft
160
Perante a cmara municipal desta cidade es-
tar em praga nos dias 2, A e 6 de julho vindonro.
[para ser arrematado por qaem maior prego offe-
recer, o arogual de nm talho existente no quar-
teiro do lado^do sul do acgugue publico da ribei-
ra da freguezi de S. Jo;.
os pretendentes deverao se habilitar na forma
da lei para poderem licitar nos mesraos talhos.
Paco da cmara municipal do Recife 30.de ju
nho de 1870.
Beato Jos da Coila Jnior,
Pro-presideote.
Augusto'G. de Figoeirtdo,
Ofluoal-miior servindo dasecretario.
1*500
2*040
lo'30
*
1*000
7*500
5*000
Distrato de sociedade de' Alfredo & Cunha 5*000
Dito de,dita de Flores & C.
Dito de dita de Reis & C-
Dito de dita de Manoel Joaquim Ramos
e Silva & Genro
Nomeagao de caixeiros de Francisco
Ribeiro Pinto Guimares
Dita^de ditos de Miguel Teixera da
Costa, e nota
Dita de ditos de Antonio Ignacio Bar-
bosa
Dita de ditos de Antonio Oato* Martins
Dita de ditos de Thornaz Antonio da
Costa' Piraentel
Dita de ditos
nes(2)
Dita do ditos
de Miranda (2)
Dita de ditos de Manoel Ferreira Pinto
Malheiro
Dita de ditos de Jos Firmino Ribeiro
Dita de ditos de Thomaz Teixeira Bastos
Dita de dos de Francisco Xavier de
Attayde (2
Dita de ditos
5*000
2*830
2*520
1*140
3*180
1*860
1*740
de Paulino Onofre Nu-
de Antonio Hermelindo
3*600
3*180
2*160
1*360
1*740
PEKNAMUGANA
DE
Savegacao coscira por vapor
Porto do Gallinaas. Rio Formoso e
Tumanrhir.
O vapor Parahijbu, seguir para os portos aci
ma i;) dia 10 do corren': mata noite. Recrb
carga, encommendas, passngeiros e dinheiro a lre
te no escriptorio do Forte do Mattos n. 12.
COMPANilIA. PSKNAjaaCANi'i""
D5
Navegacdn coste,irapor vapor
Goiann.i.
"O vaper Parah'jha, seguir para -
porto cima no dia 6 do corrente.
as 9 hora? da nuite.
S passageiros e -
nheiro a frote uo cyuripuirio Jo Forte do Mattos
q. 12.
COilPANIilA PEr.-NABUCANA
DF.
Savega^ costcJra por vapor.
Maceieindireitura e Penedo.
O vapor Jnguaribe, comman-
dante Guilherme, seguir para os
portos cima no dia 8 do Borrante
as 4 horas da tarde. Recebe caT-
ga at o dia 7, encommendas
passageiros e uraheiro a frete at as 2 horas da
tarde do dia da sahida : escriptorio no Forte do
Maltos n. 12.____________________
COMPANHL\ PERNAAIBUCANA
DS
avega^o eosiera por vapor.
Ma'maogoape.
O vapor nacional Coruripe, commandante Sil-
va, seguir para Mamanguapo nn dia 12 d> cor-
rente as 6 horas da tarde. Recebe carga, encum-
mendas, passageiros e dinheiro a ,frete at as 3
beras da tarde l'o dia da sabida, no escriptorio
da companhla, Forte do Matos c. 12.__________
CMPANHIA PERNAAIBUCANA '
Vavcga^o cosclra por vapor.
Parzfhyba, Natal, Maco, Alossor, Ara-
caty, Gear, Mandah,-Acarac e
Granja.
O vapor Pirapama comraandant
Azevedo seguir para os porto
cima no dia 15 d corrente as o hora
Recebe carga at o dia 14, encom
passageiros e dinheiro a frete at a:
2 horas da tarde do dia da sahida no escripto-
rio do Forte do Matos n. 12.
la tarde.
meadas,
3*120
1*740
No da 4 do eprmota,< depois da audiencia
Sr. Dr. juiz de ^rphaos, tem de ir em Braga
publica, perante ttoe3aio jaz, as bamfeitorias
existentes no terreffl) de marraba n-.t36 A, situado
ra Imperial, e a meiagao do oitao da Casa n.
233, pertencentes a beranga jacenta de Jos Mara
Plaido de Magalbias, por execocio do padre An-
tonio da Cunha Figaeiretlo, como Cessionarlo do
de Souxa Leao, toda ava-
de Antonio Duarte Ma-
hado
Dita de ditos de Hemeterio Vidal de
Negreiros
Dita de ditos de Ferreira 4 Irmao
Dita de ditos de Francisco dos Sanies
Moreira
Dita de dito9 de W. H. Chapman
Dita de dios de Sebastiao Marques do
Nascimento
Recibo de Gomes Leile C.
Proouracao da Manoel Antonio Mon-
teiro des Santos
Dita de Antonio FeroSBdes de Fignei-
rfedo Paiva
Dita de Octavio Opirtl TIls
Dita de Lima Lessa k C.
Dita de Joaquim Ferreira Diniz
Dita de Antonio da BHv Ferreira Jnior
Dita de Pereira Carneiro & C.
Carlidao a pedido de Manoel Duarte
Viera
Dita dito de Joaquim Gongalves .Cascao 1Q*000
Dita dito de Joao de Castro Redondo 1*000
Dita dito de Feliciano de Lyra 10*000
Dita dita de Antonio Joaquim Fernandas 10*000
Dita dito de Joaquim Antonio de Car-
valho O
Dita dito de Alfonso Moreira Temporal
Dita dito de Francisco de fcyra
1*800
1*500
1*260
1*560
)
1*2-0
2*700
5*820
6*520
6*360
3*580
3*540
2*260
6*720
10*000
Aracaty.
O palhabote Garibaldi. capitn Custodio Jos
Vianna : a tratar com Tasso Irmos w C.
m
Para o referido porto pretende segnir com pos-
sivel brevidade o patacho portuguez Elephantt por
ter algnma carga tratada, e para o que Ibe falta
trtase como consignatario Joaqoim Jos Gongal
ves Beltro ra do Commercio n. 17.
-" '' '
11 rcm ?. |
- AyiiKi
rata-so eum o-
consignaiarios E. R. Rabello & C., roa do Com
mercio n. 48^________________
Pono por LisbOa.
A barca Vencedora dever segnir viagem em
poueos dias com a carga que tem : por i-so os
Srs. carregadores e passageiros que quizerem
aproveitaresta brevidade e comraodidade nospre-
gos, pdem dirigirse ao escriptorio de Soares Pri-
mos, raa-do Yigario n. 9.
MVIO A VENDA-
Vende-se o brigue portuguez S. Jos, de Iota-
gao de cerca de 1500 arrobas ; os pretendentes
podero < xamj|-lo no ancoradouro : na voha do
Forte do Matt* tratar a respeito, com o capitao
a bordo, ou na pfaga do Corpo Santo q. 6, segun-
do andar.
PARA'
Pretende segnir com a possivel brevidade o pa-
tacho portuguez Jos, por ter a maior parte da
carga prompia, e para a pouca quelhe falta, a
frete commodo, trata-se com o consrgnaiario Joa-
quim Jos Gongalves BeltrSo, ra do Commer-
cio n. 17.
LEILOES.
DE UM BOTE
O agente Martiss far leilao por ordem do Wm.
Sr. Dr..Claudino de Araujo Guimares, cnsul de
Portugal, de um bote pertencente ao
subdito portuguez Joaquim Antonio.
HOJI3
No Caes do Ramos as 11 horas do dia.
de
espolio do
LEILAO
De gneros e diversas objectos
de mobilia.
Constando de cha, phosphoros da seguranea, tai-
xas com licores linos, ditas com velis de car-
nauba, ditas eoai cognac, ditas com vioho Br-
deaux, ancoretas com azeilonas. alfazema, bar-
ris e pipas com vinho da Figdeira, e assim mais,
carteiras, cadeiras. inarquez.i, bancos, ele.
HOJE
O agente Pesua far leilao por conta e risco
de quem pertencer, dos genoros e movis cima
mencionados, e ou'.ros que se acham nao paten-
tes no acl do lei'o, que ter lugar segnnda-feira
i do corrente,'8s II horas da manhaa no armazem
3ua,foi de Almeida Borges A C. : travessa da Ma-
re de Deus *
liahas
quaro caixas cora
(AVARIADAS.)
IBoje. 4 do corenle
O agente Pinto levar a leilao por conta e riseo
do quem pertencer qualro caixas marca A J A T
os. 15, 16, 32 e 34 cura linhas em novellos ava-
riadas a bordo do vapor inglez Cepler.
O leilao se cffectuar ao maio da de hojo 4 do
corrente : no escriptorio do referido agente, ra
da Crnz n. 38.
Para o referido porto pretende seguir com bre-
vidade o patacho nacional Protector, por ter
maior parte da carga prompta ; e fiara o resto, a
frete mdico, trata-se com o consignatario Joa-
quim Jos Gongalves Beltro, ruado Commercio
n. 17.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegagdo costeira por vapor,
Femando de Noronba.
O vapor tfandaau, commandante Julio, segui-
r para o porto cima no o 4 de julho. ao
meio dia. Recebe carga at o dia 3, encommen-''
das, passageiros e dinheiro a frete at as 10
horas da tarde do dia da sabida, a o eNiiptorio do
Forte do Mattts a. 12.
LEILAO
De [um sitio no M-icotoomb beira da es-
trada passando a p-nle, bem plantado de coquei-
ros novos, com viveiros e era situag'.o amena, e
um terreno no me*mo lugar sem beneficio, com
frente para a estrada, e no fundo a estrada de
ferro do S. Francisco.
5 do corrente
Por mandado do Iiln. Sr. Dr. juiz da commercio
d'esta cidade a requerimento dos administradores
da massa fallida de Antonio MariaO'Connel Jersey
o agente Oliveira far leilao dos b.-:is supramen-
donados e pertencentes dita massa
Terga-feira
ao meio dia em panu, em seu escriptorio, a ra
da Cruz n, 53 1 andar.
De move*s, losaea e c'jrisacs
A SABER :
Um excellentee forte piano (novo) do mais afa-
mado fabricante Pleyel^I mobilia de Jacaranda
com um sof. 1 mes ova, 2 consolos. 2 cadeiras
de bragos, 18 ditas de guaroig) a Luiz XV, 2 ca-
deras de baiango, 4 quadres com fins gravuras,
1 relogio de podra, 4 jar/03 para 11 ires,, 2 escar-
radeiras, 6 tapetes, panos de croch e enleites de
mesa.
Um toet de jacaradS, 1 cama franceza, 1 me-
sinha, 1 divn, 1 costureira, 1 tapete. 1 orlare-
logio, 1 commoda de Jacaranda, 6 cadeiras, 1
guardaivestido, 1 dito com espelho, I lavatorio de
mogao, 2 guarniroes para loilet, 1 cama de ferro,
2 balaros e 2 bahus de Flandres.
Urna mobilia de madeira branca com 1 sof, 1
raesa ovala 2 con.-o'os ctun pedras, 18 cadeitas de
guarnigao, 2 cadeiras de abrir, 2 ditas de baiango,
1 reloio, 4 jarros paral.res, 1 excellente secre-
taria, l ihoar, 1 machina de costura (perfeita), 2
cabidese 1 bergo.
Urna masa grande, 1 guarda louga, 2 aparado-
res, 18 cadeiras, 4 quadro<. I quariiuheira, i ap-
parelho de porcelana fiara jantar, 1 dito para al-
mogo, opos, clices, garrafas, 60garrafas com vi-
nho do Porto, compoteiras, 1 porta-queijo, 1 ma-
china para caf, 1 galheteiro, 1 porta-creme, 10
descangos de facas, garios de metal (de cbrysul(
tacas, colheres, bandejas, trinchante?, lavandas,
taboa e ovleles para engomraado, flandres, ban-
dejas, mesas e trem de cozinha, ferramenta de jar-
dira, e muitos outros objectos que estaro pa-
tentes.
Terca-feSra, S do corrate
Na Passagem da Magdalena, sobrado em frente da
chcara do Sr. commendador Manoel da Silva
Santos.
O agente Pinto, autorizado por ama familia que
retirase para a Europa, levar a leilao os mo-
vis e mais objectos cima descriptos, existentes
no sobrado da Passagem da Magdalena em frente
do sobrado do Sr. commendador Manoel da Silva
Santos.
Os concurrentes ao leilao encontrarlo as 9 ho-
ras em .ponto, mnibus na rna do Crespo e .3 10
horas largo do Corpo Santo, para transporta-tos a
aquelle lugar, donde vollarao as duas e meia ho-
ras da tarde.
O leilao comegar as dez e meia horas em
poni.
LEILAO
DE
Farinha de mandioca
O agente Pontual vender em leilao por manda
de do Illm. Sr. Dr. jniz de direito especial do com-
f mercio, 150 saceos com farinha de .mandioca.
Quara-feira 6 do corrate
No armazera alfandegado do Exm. Sr. baro do
Livramento, no largo da Assembla as 11 horas.
Ibar rom nm on dtmi cavallo* e com eoteria oa
:i,cf.T e!l\
4Jc3L:-a-e3i*a. 9 Se Jatli
5a i::.i dtrfmperador u. iii ao uieio dia, por n-
ter vai.gao do agente Pontual.
AVISOS DIVERSOS.1
i
O DR. JOAj'IM CORREA DE ARAUJO
tem o sen escriptorio roa do Imperador
. 67, onde pode ser procurado das 9 ho-
, da inaiihSa s 3 da Urde.
mmm
MUDANCA.
O Dr. Carolino Francisco de Lima San-
tos tnudon sna residencia e con-ultorio
para a rna do Imperador n. 57, 2 andar
do sobrado cujo armazn) con-erva an-
da lioie o orne de Aliinga, tendo a
entrada, que pelo lado da ponte Sete
de Setembro, o mesmo numero ,*>", da
freute. Ahi eontnuando o dito r. no
exercicio de sna profusa) de medico e
de operador, pede ser procurlo a qual-
quer hora do dia e da noute.

AMA
Na ra Direita n, 53 precisa-se da urna ama
para o servigo de duas ptssoas.
O Sr. Joaqnim Sal valor P. de aiquira t^a-
valcanle, nao ple vender o seu escravo Benedic-
to S'ipucaia e nem outro qualquer.
Os3dn>inistradores di massa fallida t- An-
tonio Gandold (hotel nacional), convidara a aeus
credoros para no termo d. uto dias, da publica-
gao deste, apresentarein mus crditos no escrip-
torio da ca.-a n. 17 da ra do Coima rcm, !
andar, aDm de proceder-so a verificacao e oJassir
fleagao dos mesmos cndiios, oque tora lugar
lindo o p.a.-o cima.
B-llriio Ovoira A C
O Barao de Una, Loi?. Antavel Dbourcq Jnior,
e sna mulher, agradecom :i todas as pessoaa que-
se dignaram assistir os nUimos sufragios e aoom-
panliaram o cemitcrie o e idaver de sna niui pre-
sada infla i, sngra e mai D. Igrhria Joaquina Lo-
pes da Silva com espvi.i! la le a Veneravcl Can-
fraria da Ordm Teteira .11 N. S. do Carm.'.

r
fe

loto Jos de Carvalho M iraas, Luiz Alfredo de
Moraes, (auzentc) Jo? Candido de Vanes, Caa-
dida llosa do inae- Barros, e Betamino do
llego Barro?, coinpungidi.s da mais acerba tWr
pela infamia novj do p 10 d^ sua rnui
presada Irmla e ennharta D. Lala, Gindida
de Miraos ('.impeli faiiocitlajM dia 6 d mez
prximo pausado, (na cid:-.! da F- rtal?z.i, provin-
cia doCearJ mandara mlrnrar ama inissa Je re-
quirale memento pelo oler i rep -uso da me-^ma,
no i!ia 6 do crreme, trig simo <1j sou falieeimen-
to, e para este aco que lievr tor lugar na ma-
triz da Boa vista peU 7 l|2 lloras d.i .n inhii, si
convidados todos os son- prenles e amigos o ob-
sequio peb qual prote-i.i:ii tierna gralit>.
s
Rufino iiz do Rogo Braga Josephina Narciso
deBra^'a Cuidas e Roviarfn da Silva Caldos, con-
fe-sondo-se sinceramente gratos a todas as pea-
soa< que se dignaram comparecer e acompauhar
ao eeraiteri > o cadver de seu presado pai e so-
gro Manoel Jo? Lop Braga, com IiumilJada
convidam a essas mesmas p'essoss. queirain dig-
nar so ouvir a missa do stimo dia, que tem de
celebrar-se ua matriz de Santo Antonio, segun-
da-ierra 4 dojullii, pela* 7 horas da manhaa;
pelo que desdo j confessam-se eternamente re-
conhecirtos
' ns?
tI#t/5
O abaixo a^signado como curador dos orphao
do finado Jo.- Sasier Ro r^u-.s Campeilo o como
advogado de um dos bordeims do fiuado Sebastiao
Antonio do Reg Barros, (ai setenta a quem con-
rier, que a propiieJade Paiva fita neste'termo do
Cabo, nao pdfe ser vendida polo Sr." Es'evo Jos
Paes Rarreto, vi.lo ser dita propriedale fireira e
dominio ulil ao djto finado Sobasli-i AnUrak), per
acto judicia!, em praga publica requerida pelo
ex-regente do hospit il de S. Joao de Leos, sendo o
dominio directo da comarca de Olinda, Ivje da co-
marca do Cabo, segundo o aviso c:n rte>-i5o do
ministro la (azenia do 27 d junho de I86o, tendo
ap'.nas o 5r. Etov..o Jos Paos Barreto o direito
sanente em 130, por quanto fui aforado a pielle
dominio un aodi.o b.s|iit.i!, como tudo consta
ios ttulos e invenan) qo; se acha no crtorio do
escrivao Arauj). Cabo Io de jnlho de 1870.
-JosPanh do Rogo Barreto.
Freeii-srf io
Augusta n. 43.
ui eiior portuguez
na ra
OlTo-rece--n^ma raog para ama casado fa-
milia para coziohar : quem precisar diriia-se a
ra Imperial n. 93.________________________
DE
Catao & C
DE
n elegaole carriaho ou
briolet fraacez de aoa
ea-
la-
Um elegante carrinho francez de qualro rodas e
assentos para duas e tres pessAas, de nova inven-
gao e com todos os pertences precisas para traba-
N. 77 RA DA HIPERAT ZN. 77
Esforce-se moifo embora u faculiativo laborioso,
empreguem-se as rosegue- mais fortes contra
qualquer affeccao, e luJo^ser baldado, infroctife-
ro, e at omminosu se os combinados phanxacen-
licos nao Jurera acrysoldo, o oriundjps dos medi-
camentas mais novos e puros.
Se a pathologia, a materia medicasao os dons
cootribuintes para apjoropta axtioCfSo dos pade-
cimentos mrbido?, se do seu perfeilo fonhecimen-
to depende a vida as menores como mais graves
enfermidades, a pureza do medicamento, a sua
forga real e prompta acg > oxpelrado toda duvida.
sobre sua elBcaduade, em vea do sar a ultima so
licitado a tomar ,o mais segnro garante da vida,
jlsta pnarmacia paro isso emprega todo o xelo,
mandando vlr seirs medicamentos dos principaes
fornecedores de Paris, Londres, Haraburgo, Lisboa
e America ; tendo tambero grande sortimento de
productos chimicos, phaTmaeeuticos, tintas, pin-
eeis e toda a quahdade de drogas, e preparados
espaciaes desta pharmscia.
Avia receitas com pericia e prompti'o, al as
10 horas da noile, attendesdo a qualquer rewita
e a qualquer hora tambem da noite, por nm pos-
tigo, e s abrrado a porta a freguezes conbeeidos.
Avista disto convidamos is moradores da tre-
guezia da Boa-vista e ao publico em geral a con-
correrem ao nosso estabelecimeoto, que bos en-
contraro sempre proraptos a satsfazs-los por
menos dez por cento do que em ontra qualqner
part. ,_________________ _
Ama
i Precisa-se de uma ama qde coziqhe sofrivel: na.
. ra da Florentioa q. 20,/abrica de eeryeja.
Precisa-se ce uma ama para comprar e eo-
zinhar para nma casa de pouca familia : na raa
Imperial n. 130, casa com portao de favo ao
lado-_______.____________^_______
Na ra do Mondego n. 18, casa de hoaaii
solteiro, precisa-se de nma ama que entenda com
{erfeigao do servigo de cozinha ; -agiadando pa-*
ir-se-ha muito. bem. *


Diario 0 Sr. Manoel De-Giovanni queira
mandar esta typographia pagar o impor-
te de publicares de annuncios de espect-
culos, em somma superior cento e cin-
coenta mil reis.
J Fe reir Vffila
PlffOTCiRAPHI i IIPKRIAL
48----RA DO CABULA----18
A entrada pelophte da matriz?
Os trabathos da reediftea^aa-dcta- poeloiwpbia,
e me se prolongaran] por tasto lempo, cham-se
felizmente ierminados e Ha abefta -ao-seraco do
publico desda 7 de abril pawado.
O predio em que'tsti cofloeadatesta photogra-
phia aena-se muuo augmentado, e so parte desti-
nada ao estabelecimento oonta oiaco salas, inclu-
sive as do laboratono. Todos os concertos e aug-
mentes tendo sido fetos expressamenie para se
montar convenientemente a phetogripbia, e nao se
podendp melhor modelo escolber do que a Photo-
arafiiamfenal do Sr. Iasley Pacheco do Rio de
Janeiro, o prtmeiro phatographo de Brasil, e um dos
pnmeiros do mundo, segundo a opiniao dos mais
abalisados mestres, a no*sa ptwtograpbia acha-se
dlsposta e reedificada pelomesmo plano da do Sr.
I. Pacheco, a qual (oi montada sob todas as regras
recoramendadas pelos mais^reslinctos professore
de accordo com as modificacoea necessarias ao
clima do Brasil, r'ecouhecidas e estudada pelo ha-
bilissimo e pratico Sr. I.-Pacheco.
Todo o interior do predio em qne esta a nossa
photographia foi mudado desde a soleira da porta da
ra al a coberta, tendo-se demolido todas as pa-
redes interiores para fe fazerem as novas salas,
edificando-se um novo terraco envidrando mu
espacoso e elegante
LOJA DE JOIAS
c

Este antigo estabelecimento, completa-
mente reformado de novo, est as condi-
ices de servir ventajosamente os seus fre-
jnezes, visto que acha-se prvido com um
esplendido sortimento de obras de ouro e
rata de lei, assim como brilhantes e ou-
aras pedas preciosas, oujos presos sao os
s&ais mdicos que se pode encontrar.
As joias compradas nesta casa recebem-
em troca ou compram-se com pequeo
ibate.
IIG1S
Como
mente acorte para ..
tographias all, e foi a do Sr. l. Pacheco, a que
melhor corresponden aos nossos desejos e aspira
ces, e da qual trouxemos os planos depois de
all estarmos todo m mez esiudandoe apro-
veitando ai licies de lo dlslinclo mestre. Pen-
samos que juntando os nossos estudos e longa
pratica de 15 annos de pl.otographia s utilissiraas
licoes ultiman ente recebidas do Sr. I. Pacheco,
tendo montado a nossa photographia como se
acha, podemos oflerecer ao Ilustrado publico
d'esta cidade e aos nossos nun.erosos freguezes
trabalhos de photographia to perfeitos, como so
poder desejar, e disto convencidos, esperamos
que contluuem a dispensar-nos a mesma pro-
teccao com qne ha 15 annos nos tein honrado e
ajudado.
pharmcia central
Ra do Imperador n. 38
Xarepa de lactucario ,d'Aubergieiy de
ihery decio TAbbade lecommeodados,
coate calmantes para os casos, em que se
aSa pode osar do opio e de seos>prepara-
dos, e moi convenientes para as*criancas
Bes espasmos e cotmtlses.
PHAKMAGIA CENTRAL RA D
DOR N. 38.
Preparados d'a!catr3o em capsulas, licor,
e xarope ferruginoso.
NTRAL RA DO IMF
, DOR N. 38.
Pillas de Vallet.
Pillas de Blancard.
Polas de Bland.
Xarope furroginoso de Blancard.
Coofeites de lactato de ferro.
Pilulas de carbonato de ferro, laclado de,
ferro, iodureto de ferro com magnezia
Ferro de Quevenne.
Assocar ferruginoso.
jggggiigi
PHARMACIA CENTRLRUA DO IMPERA
DOR N. 38.
Vinbo e xarope de pepsina e diarthare,
RA-
Um sacerdote se propSe a -eosoar l-
tiro e franoez, nao s'em casas particula-
res orno em algum engenho perto da
linha errea ; podf ndo ser procurado na
ra das Cinco Pontas n. 158, das 9 horas
as 3 da larde.
Criada
Precisa-se de orna criada livre on escrava,
que saiba bem ecgomraar e tratar do servico in-
terno de urna casa de ponca familia : a tratar no
Manguinho, casa nova dos Srs Carpinteros, t
ao caes d'alfandega
se bem.
velba a. 2 escriptorio, paga-
sabioo, fuemos urna viagem expressa- excellente tnico para auxiliar as digeslSes
te para examinamos as melhores pho- Hlir,;t nnc ,... ,u HohinHailn An estn-

Aos 20:000jrJ000.
ra do Cabug n. 1
Bilhetes do Rio venda
vende Vieira'A Rodrigues.
MOFINA
Roga-se ao Illm. Sr. Ignacio V.eira de Mello, es
crivao na cidade de Nazareth desta provincia, o
favor de vir a ra do Imperador n. 18 a oncluir
aqoelle negocio que V. S. se compromelteu reali-
sar, pela terceira chamada deste jornal,' em ftns
de dezembro prximo passado, e depois para Ja-
neiro, passou a fevereiro e abril, e naia cumprio,
e por este motivo de novo chamado para dito
lin ; pois V. S. se aeve lembrar que este negocio
de mais de oito annos, e quando o senhor seu
filho se achava no estudo neeta cidade.
difficeis nos casos
mago.
de debilidade do esto-
PRIMEIRO E ANTIGO CONSULTORIO
HOMEOPATHICO
FL.NDADO PELO DB. SABINO
HOJE DIRIGIDO
PKLft
DR. SANTOS MELLO.
43Ra Nova n.-r43
O Dr. Santos Mello de continua a ser encontrado todos os dias
das 10 horas ao meio da para consultas.
Chamados a qualquer hora do da ou
da nonte.
Gratis aos pobres.
43Ra Nova n. 43.
Fariuha de naadloea.
Da melhor qualidade e mais barata do que em
outra qualquer parte : vendem Amaral, Moreira
& C, no caes da alfandega n. 7.____________
-ir
LYSSES
13 Eua da Imperatrz
Os proprietarios deste bern coDhecido e a creditado estabelecimento aviso aos
sem numerosos freguezes tanto desta praca como de ora, e especialmente ao Ilustrado
eorpo ACALEMICO, que este estabelecimento acha-se sempre bem prvido de todos os
artigojde *eu gneros abai-so mencionados e que vendemos por mdicos presos, tanto
avarejo como por atacado para negocio, para o que se podem derigir por carta a nossa
casa que sero saptisfactoria mente -servidos.
11 AHITOS
eoperiores de Havana, Hamburgo, Babia,
das acreditadas. marcas Regala Britnica
Imperiaes &: do do Rio da bem conhecida
marca Opera -e outras muitas feitas aqui de-
safamados Beberibe e outros que se vendem
tcm porces.
Cigarros
depalha de S.Paulo, de 3^300 a 7*300,
o milheiro; verdadeiros do aamada Daniel
do Rio Novo, Maurily, Imperiaes Vtsconde
de Herval, Dwqae de Caxias, tandon etc ;
de papel, de fumo de Daniel, General
Osorio, Conde dEu, aromticos, e peito-
es, Bocarabole, Radicaes. Acadmicos,
Machamoomba, Mootevido, Orieataes, Bae
jpendy e muitas ouiras qualidades.
runos
Afamados de BAEPENDY em catxes de
20 libras i#100 rs. a libra, ew pacotes
24, e em porc3o 40500 dito era lata de
quarta .a 640, e a 500 ris ; dito Daniel do
Rio Novo, do para de S. Paulo, Caporal,
e muitas outras quahdades.
FABRICA DE
VARIEDADES
PONTElftAS de espuma finas para cha-
rutos e cigarros, completo sortimento.
CACHIMBOS de superior espuma, dema-
deira (raizj de 35 at 3,500, ditos grandes
a 13,000, a duzia ditos finos diversas quali-
dades varejo-, dito p de gallinhas dos que
ba no mercado a 2,800 e 3,208 a duzia;
ditos de louca, gesso, barro, ete, etc.
BOLSAS para guardar fumo, de borracha,
e *couro de diversos modelos e gostos.
CARTEIRAS de todos os systemas para
cigarros.
PHOSPIIOROS de cera, dos melhores que
ha, em caixas de 500 a 5,500 a duzia, em
aixas de 400 4,3oo a duzia, em caixas
de 2,500 2,600 a duzia e muitas outras.
PAPEL de milbo, de arroz, san-com, Per-
san, pintado, e palha de milbo, de Fernando,
e papel de linho.
CIGARROS.
Com promptida' apromptamos qualqaer eneommenda dos afamados cigarros de seda,
Baependy, linho, e de outras qualidades da nessa bem conhecida fabrica, e bem atiesta
superioridade o nossos cigarros, numerosa fregueaia de nosso estabelecimento.
, 1^Ra da Imperatriz13 ____
.~~fitt DOPINTtT
Rli LARGA DO ROSARIO \. 10
Janto ao quartel do eorpo d polica.
(OUTROM RA DOS QARTEIS)
As especialidades desta pbarmacia sao os acreditados medicamentos indgenas
compof tos e propagados pelo seu proprielario, o qual tem emppegado os mais aturados
esforcos, afim de deeenvolver a tberapeutica braseira-
Acbam-se, pois, os -referidos medicamentos, bem como matos outros de origem
estrangeira promptos para satisfazer as prescripcSes dos Srs. facultativos e acudir is
necesidades de todos os enfermos.
TOSSE E MOLESTIAS DO PETTO
Xarope de fedegoso, rabo de tat, agrio, pao cardoso, juca,mulung, awtam-
ba etc ele.
RHEUMATISMO E MOLESTIAS SYPHILITICAS
Arrobe vegetal, xarope de salsaparnlha do Para, pilulas, xarope de veame, un-
tura e xarope de skupira.
Doencas do figado e bago, anemia, opilaco etc.
Emplastro, oleo, pomraada, tintura', pilulas, xarWpe e vinbo da milagrosa Joru-
beba.
Sez6e$ ou febres intermitentes
As pillas anti-penodicas do Pinto.
O Campos da ra do Imperador tt. 28 aprsenla
cncorreticia do respeitavel publico os segnintes
gneros, que roputa-os especialidades, nao rpor
serem muito desejado?, como polo preco porque
est vendendo^, nao os que abaixo menciona,
como todos os maia que existem no seu armazem.
ERPfiCIALIDAES :
Camar3es seceos.
Pescadas em salmoura.
Presuntos de Lamego:
Ditos para fiambre.
liap Panlo Cordeiro viajado e contrnutn,
Velas pira carro.
Lata3 com legumes em concerva. ,
Ditas com guizados franceze?,
Ditas com salmn e ostras.
Chocnlale'de diversas quahdades e >reco>.
Jluita att uQao.
Acaba de chegar a eta cidade nm dos mis ha-
bis artistas na profissao de cabelleirciro, e a-han-
do-se prvido de todo o necessarie, propcese a fa-
zer qualquer encommenda pertencente mesma
arle ; assim como tem as mais elegantes modas,
como 9ejam, coques de tranca, cacftos de cabello
ultimas modas de Pars, tintura que torna o catel-
lo branco a seu natural ; offerece se para ir em
qualquer casa usar de sua arte ou tomar qualquer
encommenda, e precos os mais razoaveis posskeis:
na raade Sante Amaro n. A.
Paga-se bem
Precisa-se de um trabalhador Torro ou captivo
para o servico interna de um estabelecimento, pa-
ga-se bem agradando : a tratar na ra larga do
Rosario n. 8i. botica do Bactholomeu.
Precisa-se de urna ama de leite, preferindo-se
escrava sem filhD : na ra larga do Rosario n. ii.
2o andar, junto a botica do Pinto.
"ODr. J. de Campos da CosU de Me
^*^ deiros e Albuquerque, tendo urgente ne-
Q[_ cessidade de ir corte tratar de negocios
* qne alli o deterao por poucos dias, dcixa
2? encarregados de suas rausas.es seus col-
^ legas Drs. Jos Joaquim Tavares Belfort
2g"e Antonio Jos Rodrigues dos Cotias, Q-
cando este especialmente eniarregado de
^ seu escriptorio.
$
Precisa-se de alugar unia escrava para
o servico de urna casa de pequea familia,
que saiba engommar e cosinhar: na ra
da Mangueira n. 3.
Precisa-se de urna ama
de n. 31
na ra da Soleda
O Dr,. Sarment Filho
mudon-se para a ra do Imperador jt. 29,
2* andar.
CoesaK e operacoes todos os dias das
10 horas ao meio dia.
Chamados por escripto a qualqner
hora.
ALUGA-SE
O primeiro e segasdo andar com sotao do sobrado
da rea daCadeia do RedCe 60, com sufOoientes
comfflodos para familia, sendo em boa loealidade e
muite fresco : a tratar no armazem do mesmo.i
- X. B. Bloxnam lendo partido para Poropa
som haver podido despedip-se pessoalmente de te-
dos oo seus amig-w, pede-1 bes por este meio des-
culpa desta falta involuntaria, e ihes apreseotaas
snas despedidas.________________________
Precisa se de urna ama para cozinbar e lavar
para casa de pouca familia, livne ou escrava: na
ra de Hortas n. 30, obrao.
Urna Sr. bastante habilitada, se offerece precis-se de orna criada cosinbeira, na
para eosinar prime ras letrras e tola qualidade rna do Imperador n. 57, segundo andar, ecada
^e costuras inclusive bordar a ouro, com unto pe|0 |a(j0 j, pame gte de Setemtro.
que sja para fora da. praca, quem a pretender ,
irija-se roa Augusta o. 85, 2* andx.
Ama
TrecUa-ge de urna ama para o servico" interno e
externo de urna caa de familia de duas pessoas :
a tratar na ra da PraU n. i", 2* andar.
Joo Antonio 3a Silva ex-socio da lirma
Batios A C. partecipa a publico e especialmente
a corpo do eommerclo, quetndo encostrado atgu-
mas pewoas eom igual norae, por isso desu da-
la em .diatte ai-eignar-se-ba jojo Anwow .da Silva
Bastos.
| Bwi/e, i de ftlho de J870.
Os Srs. Francisco Ca,iiallo detJPaula Pacheco,
morador na illa do Cabo, e Pedro Ouarte Bcdrt-
gaes Franca, orador em Trorabeta (Una), ao
rogadas a virea ra do Quetraade a. 46, loja de
Goee Bastos. _________
O exprovioeial Fr. Alexndriao Jo< do Ro-
gario Figueiroa, religioso Carmjta da provine^
da Babia, rindo sta provincia na quaudade do
visitador do convenio de Oiinda, pertencente sua
ordem, faz sciente ao respeitavel pubiieo, que des-
de o dia ti da jonbo, dito eonvento ao reverendo padre FV. Joio do
Amor Divino por ordem de seu Rxro, prelado, <
previne desde ja ao metmo publico, que cerno
dito ex-prior ninguem transija em negdcio algnm
tendente aos bens do referido onventov sob peno
de nnllidade qqaJjoer contrato
PHAtMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. '38.
Agua hemostfalica de Lechelle, mui fe-
Rramendada em qualquer caso de hemor-
rhagia, e principalmente na thysica pulmo-
nar, e as hemorrhagiasuterinas.
PHARMACIA~DENTRL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Xarope de rbano iodado excellente com-
binacao do iodo com o sueco de plantas
anti-scorbuticas.
Este xarope empregado com grande
soccorro contra as molestias da pelle, os
engorgitamentos escrofulosos, o rachitismo-
cachloroso.
O vinho iodado' de joly, e oleo iodado de
Personne, sao recommendados para os mes-
mos casos, e encontram-se nesta pbarma-
cia.
HARMACIA CENTRA7RAD0 IMPERA-
DOR N. 38.
Variado sortimento de chocolate de ban-
nilha, salepo-araruw, ferro, e de sade, da
acreditada ofJicina de Menir.
Sabonetes d'alcatrao, d'acido phenico, en-
xofre e camphora recommendados para as
molestias de pel'.o como sarna, panos, em-
pingens etc., sendo o ultimo de muita util'i-
dade para o uzo do toilette, por preservar
a pelle de ser manchada das maculas, que
costumam accomettel-a.
PHARMACIA' ClTRArWA D6"MPERA-
DOR N. 38.
Os melhores vermfugos para crianzas,
Pastilhas de sanctonina.
Ditas de Kemp.
Oleo vernifugs.
Tudo de melbor qualidade.
PRMACU CENTRAL "R
DOR N. 38.
Variadissimo sortimento de fundas de
excellente qualidade.
FARMACIi CEffTRL .
Rna do Imperador a. SS.
Lamplodgbs Pyretic Saline.
A preparation of well known utelity U> the En-
glisb Faculty, as a cooling and refreshing beverage
in all cases bf fe ver. The frequent use'cf Ms sa-
line preserves foreigners from many dise-.-es to
which they are leable before becoming acclima-
tised. May be obuined at the Pharmacea Central,
jua do Imperador n. 38.
COMPANHIA
DOS
TRILHOS URBMOS
DO
RECKFE A9 OIJMIA.
Por ordun da directora sao convidados
os Srs. accionistas para, no praso de 10
dias contados do dia i. de jollio vindouro.
eHecluarem 10.a prestaclo de suas aceces
raxo de 10 %.
Para esse fim ser encontrado o Sr. the-
soui eiro, das 1 i horas da machia 2s 2 da
tarde ae lodos os dias, no esc/iptorio da
companhia, rna Nova p. 35, 1. andar, en-
trada pela ra dos Flores n. '4.
Recife, 27 de junho de 1870.
0 1.* secretario
Joo Joaqnim Alves-
AMA
Precisa-se de orna ama intelligente, livre
ou escrava. de muitos bons costumes, para
o servico Thierno de urna tasa de familia.
Dirigir-se ra Relia n. 37, sobrado de
dous audares.
The Liverpool & Lon-
don & Globe Insu-
rance Company.
Companhia ingleza de seguros contra-fogo,
estabelecida em 1830.
Capital e fundos de reserva
Rs. 35,S80:9S0.
Os agentes desta companhia tmam segaros so-
bre propriedades, gneros e fazendas armazenadas,
mobilias, etc., etc., e estao igualmente autorisados
a saldarem aqui quaesquer reclamacoes.
Saonders Brothers & C,
Praca do Corpo Santo n. II.
ATTENCAO
9
Desejase saber se existem nesta cidade ou pro-
vincia os Srs. Manoul Jos Soares e Joo Jo* Soa-
res, naturaei das Ilhas dos Acores, os quaes, ou
quem delles tiver noticias, sao rogados compare-
cerem ra do Brum n. 06, armazem, a negocei
de interesse.________
A ttenqo
Os antigos offlciaes do finado Francisco Pinto
Ozono, estabeleceram-se na mesma ra n. 6 de-
fronte do becco do Rosario, e namesmaalugam-se
e applicara se bichas de Hamburgo.______________
AMA.
PHARMACIA CENTBAL'RA DO IMPERADO
N. 38-
Pastilhas de balsamo de tol e de seiva
de pinho marilimo, para as affecces chro-
nicas dos pulmoes.
Pastilhas de therydocio e louro cerejo
para as tosses agudas, e de carcter nervo-
so, e para os vmitos durante o periodo da
gravidez, e qualquer affecco nervosa.
Pastilhas de bypophospheto de cal moi
uteis na thysica pulmonar.
pasiiihas de angico naf, e de Regnault,
de hortelaa, pimenta, e de Viccley, de pe-
cacuanha e de Rermes.
PHARMACIA CENTRAL RA DO IMPERA-
DOR N. 38.
Cha purgativo de Chambard, excellente
laxativo, e reflgerante, que se pode usar
repetidas vezs sem irritar os i n tes tipos.
XABOPEHYPNoficODE SE
Ochloral um agente therapeutico recen-
temente experimentado, mas cujos benefi
cios vo sendu largamente aproveitados pe-
los praticos em quasi todas as affecces ner-
vosas, calmante e somnfero poderoso, tile
sempre erapregado com vantagem nos
casos de dores nervosas intensas,, e as de
insomnia, em que elle produz um somno
calmo e profundo.
Elle rec*mmendado as clicas, nacho
rea, no ttano, nos partos laboriosos, na
clampria, as queimadutas extensas, nos
acbessos agudos de gotta, na asinina, na
tosse convulsa, e em rautos outros casos,
DOSE.Daes a oilo colheres de sopa
por dia, conforme o eileito que o medico
quer obter.
Encontra-se na Pharmacia CENTRAL ra
do Imperador n. 38.
VINHO DD QUININNO DE LARARRAQUE
Poderoso tnico boje to aconselhado nos
gozos de debilidade geral, e mui usado
como antifebril.
PHARMACIA CENTRAL BA DO IMPEBADOR
N. 38.
Os sehores abaixo declarados queiram ap-
parecer ra da Cadeia n. 30, 1 andar, a nego-
cies de interesses.
Francisco Antonio rturao.
Marcelino de Souza Pereira de Brito.
Miguel Estoves Alves.
Antonio Caeuno da Motta.
Manoel D. de Carvaiho.
Alfredo Carlos da Silva.
Candido Rodrigues Maris.
Precisa-se de urna escrava de mei* idade,
memo sem habilidades, para o servieo inkvno de
urna casa de familia : aa roa da Conquista (fele-
dade) s, 6. <
Escraya.
Xa ra da Cadeia n. 7 precisa-se alugar urna
escrava para todo o servico de ama casa (Je pou-
ca familia.
urna esarava para todo servico de
urna ?'*** de pouca familia, paga-se bem : a tra-
tar na iv Imperial sobrado n. andar terreo.
Praciaa-se de" nm creado, que sirva para
mandados fs mais sefvieo interno, na ra do Im-
perador n. 57, andar, Mead* pelo lado da pon-
te -Seje de sombro.
Precisa-se-de urna ama para todo o servico
na ra de
urna casa de pouca
Hortas n. 88.
familia : a tratar
de
Ama de leite.
Precisa-se de urna ama de leite : na ra do
Duque de Caxias n. 49, lo|a do Rival sem segundo.
Henrique & Azevedo veem pelo presente
scientilicar ao corpo do commercio e a quem mais
possa interessar, que do 1 de julho prximo vin-
douro em diante, sua casa commercial gyrara sob
a razao de Mendes, Azev^do A C, passando elles
a serem commanditarios nesta firma de conformi-
dae com o respectivo contrato registrado no me-
retissimo tribunal do commercio. Recife 30 de
junh) de 1870.________________________________
Urna peasoa habilitada propoe-^e a dar lices
de latim e primeiras letlras em casas particula-
res nesta cidade, ou mesmo arrebaldes : tratar
na ra Augusta, casa n. 12.
ATTENCAO
Previne se ao Sr. Wanderley do engenho Uba-
quinho, que ha mais de de us mezes mandn fallar
ao abaixo assignado para comprar um seu escra
vo de nome Benedicto Sapucaia ausente, e em seu
poder ja ha dous mezes, que o dito escravo livre
e desembarazado, como consta das certidSes que
Ihe foram remettidas pelo seu correspondente, a
quem mandou..procuracao para effeetnar a com-
Sra. Roga o abaix i assignado ao dito Sr. Wan-
erley que responda a carta de seu dito corrts-
pondente no sentido de ser reraettido cam seguran-
za dito escravo ao abaixo asignado com os dias
de servic.0, ou effectuar a compra quando assim o
nao quizesse fazer.
Joaqun) S. P. Siqueira Cavalcanti.
PULO
ROMNCETE
POR
F. de Borja.
^| A' venda
Na livraria franceza
Hi Xa Encadernaeao Parisense.
Preco lOOO.
mmmw&'MmMi
Um moco habilitado no portuguez e francez,
offerece-se p^ra ensinar em qualquer engenho
pertD desta cidade : qoem uizer se utilisar, deixe
carta fechada nesta tvpographia com a letra V.
AVISO.
O vapor La plato tendo levado para o Rio da
Prata a caixa contendo os jornaes da Franca e
Allemanha, sement poderemos entrega-Ios aos se-
hores assignantes, na voita do vapor em 28 de
julho prximo futuro.
Recife. 27 de junho de 1870.
Da Lailhacar & C.__________
Ama
Precisa-se de urna ama para comprar e cosi-
nhar : ra dos Pires n. 29.
A pessoa que annuociou dar 3:5005 a juros
sob hypotueca de bens de raiz, dirija se a ra Di-
reita n. 9.
AMA
Preciea-se de urna escrava ou ama forra para
cozinhar somente : na ra do Impeador n. 83,
3 andar.______________-________________
O Sr. Fesmino da Fonceca Gomes d'Araa-
jo deixoo de ser eaix*ro da loja de imudezas de
Manoel Jas Lopes & Irmao, desde o dia 2 do
crreme mez de julho de 1870, ra larga do Ro-
sario n. 38.
Cozinheira
Na*ua do Commercio n. 3 Io andar pre-
cisa-se de urna boa cozinheira para a casa
de tres mocos estrangeiros em Casa Forte.
Aluga-se
O armazem da ra do Imperador n. 57, denomina
do Allianca : a tratar na ra do Crespo n. 8, es-
quina.________^_____________________
Precisa-se de um cozioheiro: ua ra da Con-
quista (Soledad?) o. 6.__________________________
Arrenda-se a ola ra dos Coelhos n. 7, com
todos os utencilio?, em estado de perfeito trabalho,
ina8 duas canoas tacibem em bom estado para
conduco de barro : quem pretender dirija-se a
ra da matriz da Boa-vista n. 11.
Aluga-se em Sant'Aona de dentro urna casa
com bastantes commodos para familia : a tratar
com Joao Venancio Machado da Paz. ________
Ao publico e ao commercio scientiilca Fran-
cisco de Pao la Ramos, que assignar-seha d'ora
em dlante por Francisco'.Ramos.______________
Ama de leite.
Precisa-se de urna ama de lelle sem filho, a
Sal ae far boa paga, tendo as condicoes exigi-
5; traur na ra Augusta n. Vi, casa terrea
junto ao sobrado.
mmmmmm-mmmmmmm
...
TINTURARA franceza
55-Rua da Imperatriz-55
Ttoge, Jrta, limpa, lustra achamalo-
ta-se, coma maior perfeicao, fazendas em
pecas e em .obras de todas as qualidades;
,eoine .sejam: seda, la, algodao. lindo,
chapeo* de Mtro e dealba ete. etc.
Tira-s eioas e limpa-ee a secco sem
molharos tacideev Kiservando assim to-
do o brilho da fauula.
Tintura preta-aartercas eaeiil* *~
L9..
CAVALLOS
FRTADOS.
Fartarara do engenho Capianna do Port Calvo,
no dia 7 do corrente, tres cavallos com os signaes
seguinles: um castanho amarello, bom andador
baixo, dous ps calcados at o meio da canella.a
mao direita calcada at cima do peador, a mi
esquerda preta com urna sobre cannarpelo lado de
dentrj encostado a junta e j queimada, uma es-
trella na testa em forma de.coraeao, uma beta, e
da estrella da testa para a beta um signal a roa-
nein de linha, cauda comprida, dinas meio apa-
radas e deitadas para a direita, signal em baiao,
com o ferro seguinteSno lado direito, esl es-
camando para a ultima muda.
Outro casianho grande e comprido. facca, canos
pretos, canellas de viado, elhos grandes, grande
estrella na testa, uma grande tomadura na bechi-
ga, cauda, dina e tpete muito grandes, signal
em baixo, bom esquipador e poueo carregador
baixo, igualou ha pouco, e tem no quarto direito
o ferro* seguinioS
Outro finalmente alasao, dous ps calcados at
o meto das canellas, cabec descarnada, olhos de
porco, anda baixo obrigado, cauda rimpada, fren-
te aberta e signal em baixo. Roga-;e a qoem os
apprehender ou delles souber, avisar ou mnda-
los entregar no engenho cima dito ao capitn An-
tonio da Rocha Wanderley, que ser bem recom-
pensado. ^^^^_^__
ATTENCAO
o
Previne ao publico, especialmente a quem inte-
ressar possa, que separada de meu mo marido o
Sr. Jo- do Reg M-llo, contra o qual intento ac-
cao de divorcio perpetu, nao Ihe deixei procura-
do alguma para que podesse fazer qualquer tran-
saccio com os bens de meu casal, os quaes al..s
nao esto sujeitos dividas em face da eseriptura
antenupcial. Assim,, portanto, pra uue ninguem
se chame a ignorancia, previno a qualquer pessi ;i
que nao faca nenhuma transaccao tendente aos
bens de meu casal, dentre os quaes existem os.es-
cravos Bonifacio, crioulo, Narcisa preta, o Ben-
vinda parda, que se acham depositados peio juizo
eccloslastico. Por este meio faco siiente a todos
para evitar questoes futuras. Recife 30 de junho
de 1870.
Josepha Rosa de Anujo Machado.
AMA
Precisa-se de uma ama para servico de doutro
e fra de casa de pouca familia, prefere-se escra-
va e paga-se bem agradando : na ra Velha nu-
mero 66.____________^___________
Desappareceu na noite de 29 para 30 de ju-
nho prximo passado o menino livre de zuwie Joa-
quim. idade de 8 annos, pouco mais of menos,
preto fulo, cabeca grande, peroas finas, olhos u:n
pouco grandes, e um pjuco atoleimado, descon-
lia-so que fosse seduzido para ser vendido como
escravo: a pessoa que delle der noticia ou leva-Io
Santo Amaro das Salinas, sitio confronte ao ce-
miterio inglez, do Barbosa, ser recompensado :
ouiro sim recommenda-se polica.
CASA DA FORTUNA
Aos 8:000$
Billietes garantidos.
A rna do Crespo n. 23 e casas do costme.
O abaixo assignado, tendo vendido alm de ou-
iras sorles, um meio n. 12(53 cora 8:0004 da
lotera que se acabou de, extrahir a beneficio
do recolhimento de Iguarass (15 f) convida
aos possrudores virem receber na conformidade
do cosame sem descont aJgum.
Acham-se a venda os felizes bilhetes garan-
tidos da 6* parte da lotera beneficio da ma-
triz da Escada (132"), que se eitrahir quinta.
feira 7 do me vindouro.
PRECOS.
Bilhete nteiro TOiOOO
Meio bilhete 5*000
Quinto 2O0O
Em porco do 100*000 para eima.
Bilhete intairi) 9000
Meio bilhete 4*500
Quinto i&OO
Manoel Martins Fiuza.
CRIADA
Precisa-se de urna moga decente e branca para
o servico da sala'do hotel do Universo, preferm-
do-se uma ailemaa : na Praca doommercio n. .
Paga-se bem.__________________
Padre Augusto Anto-
noTeixeira
DISCURSO
De accio de gracas polo fansto siccesso do aca-
bamento da guerrai, por occaso do setemnissimo-
T-Deum, celebrado na Igreja de N. S. da Encar-
nacao de Lisboa1. A' venta as limriai: Fran-
ceza, Acadmica e Encadernaeao Parisiease.
JJ la accordance v#ith a requisition, notice is
herebv given.lhat special general raeeting of
Her majestys sobjeets and subscribeis to toe Bri-
lisb Hoapital in thls City, will be telde at ihis con-
slate to day at one p. m. for the parpse I ap-
pornting a TruSte W tbat Etablishroent.
British Cooshlate^Pemambuco, 4 de jnly der
Benlinck W. Dovle,
Cnsul.
I



..
t .
Oiario de Pernambaoo Segunda (eir- 4 de# Julho 3e 1870.
i

^n-ir: rr^rzzrs
PL3RlAD0CABiaN..i

O
3
os
s
Com este titulo acba-se aberto e inteirmente transformado este antigo
esUfeeleciraento de joias, onde os freguezes e amigos encontrarao tudo quanto
a oda e o bom gosto tem aventado na arle de ourivesaria, o Collar de Duro
observa^ delicadeza no trata e senciridade e modecidade nos precos.
Espera qae o respeitavl publico venha ver o que existe de mejor em.
aderacos-de brilhantes, esmeraldas, robins e perolas, meios aderecos, pul-
ceiras, brincos, alfinetes e armis de todas as qualidades, prata de lei faquei-
ros, colheres, paliteiros salvas, e outros muitos dbjectos que seria enfadonho
mencionar.
Compra-s ouro, prata, brilbante e pedras finas, pcrmaior preco# da
qae em outra qualqner parte, trcca-se eeoncerta-se todo e qualquer objecto
pertencente a esta-arte.
AO ARMAZEM
VAPOR FRANCEZ
0 M UILHOSO REMEDIO DO
DR. CHAS DE GRATH
OLEO ELCTRICO
kl\( F PAS 0 RE DA DOR
PARA USO I\TER\OE EXTERNO
Cura cholera e cholera m rbus,
Diarrbea, luxo de sangue, em um da.
Dr de cabera, e dores de ouvido em
tres minutos.
Dor de dente, em um minuto.
Neuralgia, em cinco minutos.
Destocares, em viole minutos.
Gargantas inehadas, em dez minutos.
Clica e coiiViilses, em cinco minutos.
Rbeumatismo, em um dia.
Febre e febre intermitente, em um dia.
Dor as costase nos lados, es dezmi-
nutos.
Tosses perigosas e refriados, em um dia.
Pleuresa, em um dia.
Surdez e asthma.
Hemorrhoidas e broncbilis.
Inflammacjjo nos rins.
Dyspepsia, erysipelas.
Molestias de figado.
PalpitagJ de corceo.
Acaba de cbegar a este estabelecimento novas facturas com importante sortimento dos
artigos abaixo mencionados precos o mais resumidos que possivl.
LUYAS DE PELUCA
Do afamado fabricante Jouvin.
Sortimento completo de brancas e de cores, milito boas de se escolher, en quanto estao bem
frescas e sortkias.
BOTI3AS
Para tenderas e Meninas.
Botinas pretas, brancas e de muitas outras cbem sortidas e bonitas, do ultimo gosto da
moda.
BOTISAS, BOTAS E PEBXEIBAS
, Para borneas e meninos.
Botinas de bizerro, cordavo, lustro e pellica, botas russianas de buerro e de* lustrOj per-
aeiras de lustro tanto para homens como para meninos.
BSCRAYQS
Compram-se e vendera-se diariamente para iora
(* dentro da provincia escravos -de todas as idades,
cores e sexos, com tanto que sejam sadios : no
lerceiro andar do sobrado n. 36, ra das Crines,
fregaeria a> Santo Antoojo.______________
Compram-se
Moedas de ouro e de prata de todas as nacoes : ua
ra da Cadea do Recife n. 58, toja de azulejo.
Sapatos
Sapatos de borracha para homens, senhoras e meninos, sapatos de invern para homens,
ditos de lustro com alto para homens, ditos de tapete aveludado, de casemira e de tranca fran-
:ezes e portuguezes para homens, para senhoras e para meninos.
PERFMAEIAS
Finos extractos, banhas, leos, agua divina, de cologne, de lavande, e de florida tintura
para cabellos, pomada angroise para bigodes, pos de arroz e sabonetes.
Quinquilharias
Reserve sempre este remedio em siia familia
AS DOENQAS SE APRESENTAM, QUANDO MENOS SE ESPERAM.
OLE ELCTRICO O KNG OF PA1N (O r'ei da dor) aquieta e positivamente
dissipa mais de differentes molestias e dores, e allivia mais os soffrimentos e produ'z um
mais perfeito equilibrio no systema humano, o que nao se pode effectuar no mesmo
tempo, com qualquer ouiro remedio medecinal
Este muilo popular remedio est agora usando-se geralmente, pela razo que
mimares de pessoas se tem curado gratis com o dito remedio peio Dr. Grath e outros
mais.
Este importante remedio nao se offerece para curar todas as doenejas, porem tao
tmente para aquellas estipuladas nasnossas direeces.
Est operando nos principios da chimica e da eleclricidade e por isso esl ap-
plicavel para o curamento e para a restaurarlo da aecao natural dos orgaos que soflrem
da irregular circulacSo dos fluxos dos principaes ervos. Oleo elctrico O King of
Pain i opera directamente nos absorventes, fazendo desapparecer as iocha^oes das gln-
dulas al em om tempo incrivel, breve sem prigo do seu bsg debaixo de qualquer cir-
cumstancia. *
O remedio, urna medecina para o uso externo e interno, composto dos elemen-
tos curativos, raizes, hervas, e cascas, taes, como se tem usado dos nossos antepassa-
dos, e das quaes tem grande exislencia no mondo, para curar todas as molestias, so-
mente sa!endo-se quaes ellas sao.
Foi um grande e especial desejo da faculdade de medecina durante muitos annos
de experiencia para aprender os raelliores nudos que se daviam adoptar para curar a?
seguintes doencas, e que propurcoes de m-rdecina se devia usar.
UMICO DEPOSITO
EM PERNAMBUCO
NA PHARMACIA F DROGARA DE '
BARTH010ME0 & G
N.34 Ra Larp-a do Rosario.N. 34
o
m
3 S"c &
3\g. ~~
r?*?K: i -. c fc
38= -
05 o
;is
22,
ai-
sis
3 _
E3
* ''<: 7:
XS w
O O _
|lr
o ? =
l. o
o _
v> 3 2

*1
- -a
-3
a
a
3 3^
i 5- < rf HL
i3
. t;
2 o =
a --
B O rS
--
V6
2 & z>
B.S.3 3 2* 1
5T 2 irf
o?
f
B
o
e-.o
co *
g>T3
3
O.ST
a.
-
tu u
-1
o
w
O
-I
a>
o_
5"
as
w
- -, O ?4 n
"^ v
3 -. r
3js So 3 -.
3 = 2" 03
3 a> .. .3
-2
M
O 35
g. 3 B
m S
-a-2 o
a n
9; 2.3 ..
g 5" o
H
2
~*
o
a
3 3
<" 5>
-.
II
O 3
3
CJ
u
ce
s
3 8 0
S 3 3 -
a, a <% -9
p.3 2.121
B >* 0> ">
w < = -2
2, S w
ff 3 -r
U-H II U S K
E-pelbos grandes e pequeos, leques, albuns e caixilhos para retratos, eslerioscopes com
bellas vistas escolhida*, bengal|as, chicotes, correles de plaqu para relegios, gravatas, oculos,
luneas, caixinhas de costura ornadas com msicas, photographias. mgicas, couesinhos mgicos
para desapparecer anneis, ditos ditos para relogios, jpgns de domin, bagalella, redetos, e outros
mnilos joguinhos francezes e allemaes, jarros com bnuqutts de flores de porcelanas para san-
tuarios, cestinhas diversas para bra^o de meninas, objectos de phantasia doarados para toiletes, ri-
cas escovas para cabello, para vestidos de senbora, para chapeos e para barba, ponteiras de espuma
para cigarros e para charutos, abat-jur para candieiros a gaz e para lanternas de piano, caixinhas de
msica de darse corda, ps de vidro para pianos, realejos grandes e pequeos, accordions, cosmo-
rama3 com as mais importantes vista-, molduras douradas para quadros, bonitas eslampas de pai-
zagens, de figuras e de sanios, carrinhos de 3 e de 4 radas para conduzir meninos a passeios, ma-
las e boleas para viagens, berros de vimes os mais commodos que ha para enancas.
iBiaaiaQoaiDQS vimm mmnm
Para este artigo nao ha espaco nem tempo para a massante leitura da inflnidade ds gene-
de brinquedos fabricados em diversos paizes da Europa.
ros
ATTENCAO
O dono deste estabelecimento pede ao pubjico em geral que continu a
Bcando as qualidades e os precos baratos de ditos ubjectos por serum viudos em
onta propria.
visita-lo veri-
direitura e de
GRANDES NOVIDADES
NA
LOJA DO TRIMPHO
PARA SENHORAS. Ricas poupeliuas de padroes lindissimos, e, gosto nevo.
Cambr.ias brao'as bordadas para vestidos. Poil d'chevre de lindos padrees por
jarato preco de 560 rs. o covado.
Grande sortimento de las e alpacas de 320 rs. a 1(5500 o covado.
Saias bordadas, ditas lisas j feitas com barra de cor.
PARA MENINAS. Ricos vestidinbo6 de fuslo enfeilados brancos e de cor.
Vestnar os de fuslo para meninos.
PARA HOMENS. Camisas nglezas e francezas, de lhho bordadas e de pregas,
.om collarinho e sem elle, ditas bordadas para noivas. Chapeos de sol de cabo de
marflm e de canna ele,, etc., luvas de Jouvin para senh' ras.
Grande sortiment > de cortinados para camas e janellas. Croxs para sof e ca
)liras de braco e guarnido. Tapetes para sof e cama, para pianos e portas.
Colxas de,croch para cama de noivas. Tapetes em pessa para forro de salas.
O nico e espacial sorlimentos das verdadeiras ESTEIRAS DA INDIA, so existe na
Loja do Triumpho.
Ra Duaue e Caxias n. 7.
20 PAD4RU A SHA DA MATRIZ 2(1
O pao que se fabrica nste estabelicimen-
to, conhecido pelo pao de Ramonda. vende-se
nicamente neste estabelecimento, por con-
cequencia qualquer pao que se venda debai-
xo deste nome na ra, ou outro estabeleci-
mento falsificado, pelo que nao se responsa-
biliza.
Oproprietorio, Ramonia.
DE FlfiADOa rRESCOS
D BACALHAO de

o i I. MAL'UER et C", em Pernamkuco; JOS DI
SII.VA LOPES, n Baha; FERMA ct
OLEO
m Porto .IcgrtM
nhao.
ALTA "IWYIDAM
^AIIIO A IaV'A
a linda polka para piano.
HIERVA
Composta pelo distinelo professor
Colas Fifto.
e offerecida por seu autor ao distinelo
orpo acadmico
da Faculdade do Recife.
Cada exemplar 10000. Vende-se na IMPRENSA NACIONAL DE MUSI-j
CA e grande armazem de pianos de Antonio Jos de Azvedo.
Continua venda a linda polka composta pelo insigne pianista
INNOCENCIO SMLTZ.
Ra No van. 11.
GUSTAVE
CABELLEIREIR FRANCEZ
51Ra da Cadera do Recife51
Chama a attenclo dos seus innmeros freguezes, e do respeitavl publico ei
eral, para a seguinle tabella dos precos de sna casa, os quaes sao vinte por cent
mais barato do que em outra qualquer parte:
Cabelleiras para senhoras a 25, Cadeias para relogio a 5, 64,
30a, 350 e......40OO0 U, U, M, IU e. .
Ditas para homem a 35, 403 e 500001
Coques a 1241, lU, iU, 20 ^^tikih'm.m, 5(*M;e depilo com frCtio. .
250, -300 e..... 320000,Corte de cabello com lavagem a
Gachos ou crespos a 30, 40, 50, I champen......
60,70, 80, 90 e. 100000, Crttde cabello com topeta da
Franca de cabello para annel a cabeca. Pela machina electri-
500 e....... 10OOOJ ca, nica em Pernambuco. .
franca para braceletes a 100, i Frisado ingieft ou franceza.
150, 200, 25 e.....300000- Barba. .....
SIGNATURAS MENSAES
Especialidade de penteados para casamento
Bailes e torees
O dono do estabelecimento previne sj Recommenda-se a superior TINTURA JA
Simas. Sras. e aos cavalheiros que ha um PONEZA para' enegrecer os cabellos e bu
jalao para tintara dos cabellos e barba,'- ba> unic/ a*i"i.da ,Da Exposic3o Universal
f como n3o prtiudicial saude, por ser voi
lim como n empregado sement (ccupa-|iatl, analysada e approvada pelas acade
lo oes servido. mias de sciemas de PARS E LONDRES
15000)
50i
501
1000
40001
501
2W
Cemento
' Na ra dt Sanio Amaro n. 28, vende-se o ver-
dadejrn cenipnto pnriland.
Vendem se tres lonei^de madtia ainarello
vinhatico, feitos em Lisboa, cada um composto de
a a 6 ripas : na ra nova de Santa Rita, ribcini
do peix* a. J!(.
I'reclsa-se alagar urna, escrava^iue saibaco-
sitrbar : na ra Du jue de Caxias n. 1, aatiga
ra do Qaeimido.
COMPRAS.
i
O muzeo de'jotas
N& ra do Cai'ug n. 4 ompra-se ouro, prat
pedraapreeios.'.j por presos mais vantajosos do
le em outra qualquer parte.
Comprase urna casa terrea boa, situada em
Santo Antonio ou Boa-vista : na ra da Florenti-
na n. 6.
Compra-se urna casa terrea, na (reguezia de
Santo Antonio : tratar no arco da Conceicao nu-
mero 6.
Com muito maior vantagem compram-se
ouro, prata e pedras preciosas en obras velliasrjia
l&ja de joias do Coracio de Ouro a. 2 D, ra do
Cabng.
Comprare nina carrea e preparas para nm
cavallo, seodo eta muito maneira e em inuito
bom eslado : na ra da Senzala nova n. 30.
VENDAS.
Vende-?e urna negra de 16 annos, engow-
madeira, ou troca-se por urna que coiiahe e com-
pre : na ra de Santo Amaro n. 6. 2o andar.
Vende-se
O engenbo Bomir, provincia de. Pernambuco,
djstricto de AguaPreta, disianto da esta^ao de
Una quatro legoas, com bois terra=, moente'e cr-
rente : tratar com Jos Joaquim Dias PareJes.
no povoado dos Montes, (Uoa^ou no engenha ca-
pricho com Joaquim Jos de Volla.
Pergunta-se ao Sr, Ricardo a pessoa que vio
en Agostinho Jos de Barras Prata. que ie otTe-
receu para soltar o preso Jlo Benedicto pela
quantia de 405 para po-lo em liberdade, e logo
assim quero estas provas dadas pelo Sr. Ricardo
para o respeitavl publico saber, e juntamente se
acaso o Sr. Ricardo o nao provar, que paraeu
salvar minha reputacao.
1
jr.
Vende-se um grande sitio em trras furc-iras, no
lugar denominado Arraial n. 48 A, o qnal (lea por
detraz do Mooteiro, e muito perto da estatu, ten-
do a casa 2 janellas e 1 porta de frente, 2 salas e
1 gabinete, 4 qnartos. e cozinba (ora ; o si io alem
de diversas arvores fructfera, ti'm mala para ti-
rar lenha a tratar na ra?. do. Imperador n. oi,
livraria universal.
Fariuha de mandioca
Acaba de chegar o brigno brasileiro Othelo. e
acba se fundeailo em frente do trapiche Raro do
Livramento, com farinha de mandioca nova e boa,
de Santa Catharina. a granel ou ensaccada a ?oo-
Jad.e dos compradores : seos consignatarios Amo-
rim Irmans & C." ra da Cruz n..'!.
Por 8OO3, e hnwnjiiiiiii7 vndese umser-
vo nreto, bonita lignra, d-40annus, coth um pe-
queo defeito em um braco : na ra de Hortas
6.
no armazem de E. A. Burle & C. na da
Cruz n. 48 o eguinte ;
^inho Bordeaos supesior qualidade, pre-
sos de 7^500 a 20->000.
Cognac fino, differentes precos.
Licores de dilTerentes qualidades
cts. ;
Frutas e conserva em frascos*
Azeite doce Crancez, em caixas de li
garrafas.
A ra do Duque de Jtixias n 21.
(ANTIGA RA fiO OEIHADO)
Nao foi sem fundameijt ESPERANZA lera deisado i!c IVzex os seus
annuncios, a razio simplis, ella emende
que tudo cm demasa aburtege... por iss*
como j tinta dito e scienlilirado ;i sua boa
freguezia o que constantemente a receben-
do, ou tivesse feitu mui!. receiou
toroar-se massante. ^ssim. pois recorhen-se
um poico ao silencio, mas r urca deixando
d'en-pregar os verdad' rc<, j:^ con-
tratando maior numero de correspondente*
oa Europa, j deseobrindo i-hje. tos domaii
purado gosto e finalmente assignando o
Jornal das Familias, o qua! vem sempre
ornado comigurinos, modernos moldes para
vestidos etc.. etc. para ilrsta forma melhor
servir a sua conslante freguezia; e com es-
pecialidade ao bello sexo, qiiem a NOVA
ESPERANCA ufanase 'em offerecei-lbe
seus servifus, apressamlo-.-e desde j em
declarar que tem receido uimamente
entremeios e bananos bordados transparen-
tes e tapados, chaposinhos de setim para
baptisados.
Finas toncas da cambraia bordada para
o mesmo Gm.
Meiasde seda e fio de escocia para enan-
cas.
Dedaes d'osso, marfira, aro e madrepe-
rola.
ptimas navalhas, afiadores e massa para
as mesmas.
Finas esponjas para o rosto e para ba-
nhos.
Bonitos sapatinhos com biqueira,, sendo
coin salto, para meninos e meninas de dois
a doze annos.
Boas lentes com cinco rcelimetros, para
conlar-se os fios de quaiftier fazenda.
Tesouras para frisar vestidos.
Carretas para tirar rjcoldes de vestidos.
Mollas para segurar csdra?.
Bonitos linteiros de novos moldes,
Meias de la para liomor.s o senhoras.
Finas e bonitas ligas cara nejas.
Fil de linho e de seda, sendo prelo e
braco, liso e de salpicOs, e outros muitos
objectos expostos a venda roa Duque -
de Caxias n. i>, na NOVA ESPERANCA.
Mabo d'alc'io.
Vende-se na nta Duque de Caxias u. 2.
PARA LUTO. ,
Brincos, broches, vollas, pul eiras, fivel-
las, (entes, boioes para putbos e cadeias
para relogios.
A NOVA ESPERANCA. querertio satisfa-
zcrua freguezia, njosmente ti objectos
d'alegria ou de luxo, quer lamben acom-
panbar'aque.llcs, t\x iflelizmenttperdendo
aigiietn e soaVamilia, oa a^uem de sua
aireado, precisam de ^es objectos, as;itn
pois a NOVA ESPEBANCA, mandn viro
que ha Oe melhor neste genero, porque
sendo laes objectos de cor negra, sendo
de m qualidade. nao somfofe lornam-sa
tristes como at. repugnantes, o que naa
acontesce aos da NOVA ESPERANCA. pi
que apenas exprime osentimento pela c6t
porem como que iraz i:m Icirillvopelo gosto
e perfeicao^com que laes ^bjectoa sao tra-
bajados.
pmmm -c $mm.
S JoaquimIIui- riu'sTa- |
S \m< fa )eio,
gPnwja do Cor;o Stttito n. 17
^ TEM PARA VENnER : >*K
' Cal a Lisboa.
g Potara pafiassift.
^ Viuho Bordeeux.
8 Farelia de Lisboa.
FariDiba de maudeoea.
e pre-
Atteucao
Vende-se una casa de t.tipa eoberta c telha,
no povoado dos Montes, na margena do rio Una : a
tratar na ra imivrial n. 8.
CAHAI'l.NA
Vende-se um banco de carapina e um terno do
ferramenta para o mesmo : na ra da Concordia
numero 1.
Farinha de mandioca
da Baha.
No eafcriptorio de Jnaquim Geraldo de Bastos ;
ra do Vigario n. 16, primeiro andar, vende-se
farinna muito alva, fln e torrada, saceos de dmis
alqueires, por menos dj que em outra qualquer.
parte.
Burro para veudi*
?Vende se nm burro : na fabrica do gaz.
Vende-se urna escrava moa com urna
filhinba de tres annos: e sabendo coser,
cosinhar e emgommar com pereico ; na
ra da cadeia n. 5.
Milho e arinha
Veudemse saceos com milho novo a 3 500, e
saceos com farinha (2 cuias) a 6o00. no trapiche
da Companbia : a listar no mesmn.
MILHOi
No trapiche do Bara do Livramento, ha para
vender superior milho. chegado ltimamente do
Rio de Janeiro : .i u-alar cora Joaquim Jo# Gru-
Calves Beltrao em seu enripiarlo ra do Goni-
mercio n. 17.
TIL JUIULUI
Vende-^e tabellas comparativas de pre-
cos de metros covados c vice-versa, mos-
trando primafacie o valor de qualqaer
fazenda. em relac3o s medidas reciproca-
mente : em casa do Lailacbar C, ra do
Crespo n. 9.____________________________
500 rs.
ATTENQftO
Veade-sa umj casa com sitio, na ma do Gua-
dalupe em Olinda : tratar na roa dos Gatos n.
!0, com Liberato Ropero de Almeida.
Vende-se
Ua escravo peca, crioulo, preto, dv dado 30 an-
ns : na ra da Pria n. 47, andar'
i eode-se um boi e urna carroca de 4 roda*,
em bom estado : a tratar na roa d Rola n. 48,
das 6 s 9 horas da manha.
1
encavilhada de cobre, qae pega 400 feix'* de ca-
pim : para ver e tratar na eamboi dos Remedios
com o capilo Delra.
1
I
Kivalr sem segundo,
RITA Ui;4|(L'l2DU CA*lA -\'. 4
(Amiga na do OveimadoJ
Contina a vender tudo mito bem e
muito b. r,:i i a saber:
Quadern-'S de papel peqtv.ni a. \b
Libras de area pata nielo boo. 120
Tesouras fitas para unlias e Mu-
ra a........ 500
Papis de agp'bas frju ezas c b_-
lo a......... 60
Caixas com seis sabonetes 3 .'ruta 1^000
Libras de lia para bardar t ods
as cores a....... ClTOO
Caivetes finos para aiiir^r p(n;is
lapis a SCO, id e..... i 500
Carriieis de liaba Alexandre a. too
Frascos com azeite para machinas 500
Gravatas de cores muito tinas a 500
Grozas de boioes madepersla li-
uissimos a ,..... 500
Pares de luvas de cores muito fi-
nas a 320 e........ 500
Novello de linha de 400 jardas a. (50
Caixas com 160 envfelupes mito '
superiores 'a '. OOO
Pentes volteados para meninas a. 240
Tinteiios com tinta prela a 80rs. e 400
Pecas de lita elstica muito lina a 200
Lata com superior banha a loO e, 200
lrascos de oleo Philocomo muilo
fino a......... 00
Ditos ditos dito grande a. l'^OOO
Frascos de macaca pero la a. 240
Frascos de extracto muito b nitos 500
Duzia de sabonetes mnio tinos a. 720
Sabonetes inglezes a 600 rs. e. 1)5200
Frasco com agua de colcnia Pivera 500
Dito deoleo baboza a. 560
Calas de lamparillas ;;. ... 40
Sabonetes a forma ineBino muito
superiores a....... 240
cartillias da doutrina fazenda nova a 400
Libras do linha sortidas de lodos js
nmeros a....... 10808
Duzia de pomada do Porto muito
superior a. *...... 280
Baados do Porto, largos a 160 e 200
Capachos muito bonitos e grandes a 700
Carriteis de retroz preto, com 2
-oitavas a. ,..... 640
Agulheiros de osso enfeilados a. 240
Libra de linha franceza superior
iwalidade a. >. 20400
Caixas de pauta do gaz a. 20
Bonecas de cera muito bonitas de >
500 rs. .i........y 2000
Vendem-so 13 escravos, sniii> o preKU do. |S
A 30 aune-, proprios para todo equalqmr >cr
tanto de rg?l como para agricultura, assim com
nm mulatinho de 17 annos, permito
cravas de 14 a 30 aono-, todas prendadas: ou ra
estreita do llosarin n.-43.__________________
Vender una taberna no Caminhp-uovo n.
81 : quem pretender dilija c a rea do Prog:
numero 16.
JJ
pfi


Diario de Feman^buco Segunda k eira. 4 de Julhct de 1870.
AVERDADE
Rna Duqae de Casias n. 55
Na loja da VERDADE continna-se a ven-
cer por baratsimos presos todos os arti-
gos de miudezas e perfumaras do sen
grande e variado sortimento, garantindo aos
compradores toda a sinceridade.
Lindas bonecas de cera e massa por ba-
ratissimo prego.
Espelhos dourados para pendurar a
460 rs. -
Agulhas de osso para croxe a 200. rs.
Pentes finos para segurar cabello, a
320 rs.
Chamins para gaza 320 rs.
Garrafa com tinta Rizarme a 4(5000.
Dita com agua florida a l5GO.
Dita com dita dita a 15010.
Tnico de Jayrae a 4 #500 o frasco.
Frasco com oleo expresso de tobosa, de
240 a 640 rs.
Dito com agua de Colonia de 300 a 4)5000
Dito com extractos finos a 4-5000.
Dito com sndalo verdadeiro a 4 200.
Latas com banba muito fina de 420 a
240 rs.
Sabonetes milito finos e diversas quali-
dades a 80, 460, 240 e 320" rs.
Finas escovas para dentes de 320 e 509 rs.
Ditas para facto de 500, e600 rs.
Ditas para cabello a 500 rs.
Pontes para a:isar com -costa de metal a
320 rs.
Ditos ditos ditos de bfalo a 240 e 320.
Pentes para tirar piolho de 460 e 240 rs.
Pavios para gaz, duzia a 240 e 320 rs.
Brincos de coree, inteiramente modernos
de 460 e 240 rs.
Pennas caligrficas muito finas a 45400.
Ditas de lauca e mosinha a 800 rs.
Lindos babadinbos e ntremelos de 500
e 4^500.
Grosas de botes de louca de 460 e
200 rs.
Ditos ditos-para caiga a 240 rs.
Caixa com papel amizado a 700 rs.
Ditas com envelopes a 480 rs.
Ditas com brelas a 40 rs.
Ditas com agulas fundo dourado a
2B0 rs.
Thesoura para costura a 240 rs.
Linha d marca e;dxa a 280. rs.
Carriteis do tahas de Alexandre de n. 70
a200alOrsq
Grampos muito finos, com passarinhos du-
ziaa 200 rs.
Cartas francezas para jogar dazia 35000
Ditas portuguezas, duzia 45400
Papel almaco superior qualidade resma
45DOO.
Lam muito fina para bordar libra 65500
Fitas para debrum de sapato, pessa 100 rs
Ditas de lam para debrum de vestido pega
400 rs.
Caivetes grndes com -molla a 400 rs.
Ditos grandes cora 2 folhas por 320 rs.
Rosetas pretas para luto, o par 400 rs.
Trancas de lam de caracol branca e de
C0(6S de 40 a 400 rs.
F Alfinetes de lato, carta 100 rs.
Sapatinhos de lam para creanca de 400
a 800 rs.
Calcadeiras a 40 rs.
Gravatas de seda preta de 400 e 800 rs.
Dius^le croxt, brancas e de cores 800 rs.
Dita de gorguro de cores a 800 rs.
Na Verdde roa Dnque te Ca-
llas a. &.
Farinha e milbo mais barate do qae em ontra
qaalquer parte : no trapicha Cunta__________
Vendem se.diverjuj cscravos pecas viudos
do Cear, proprios para engenho, ashn como
urna cabrocha por 1:0005, de 18 aonos de idade,
bonita figura, est ura pouro descorada de frialda-
de, e diversas mulatas com habilidades: a tratar
na ra da Cruz n 83, 2 andar._____________
LOUCA
Grande armazem na rna da
Imperati-Sz n. O
Neste grande armazem vende-se louca ingleza
tinas e ordinarias, apparelhos de porcelana para
jaatar e para cha, jarros para flores os mais boni-
tos e de gestos modernos; assim como grande
sortimento de vidros unos o orinarios, que ludo
se vender tanto a retalho como por atacado pelo
mais barato pre$o que em oulra (iialquer parte :
chamamos a atten{ao dos freguezes, que serao
convenientemente servidos tarto nos commodos
procos como na boa nnalidade das fazendas.
LE AO DE
Cigarros da imperial
fabrica de S. Joao
de Nictheroy.
Ubico deposito em Pernamboco caes da
depa velha n. 2, 1*
alfan
andn.
Vende-se
Sementes n:vas de hortaiiees, garantidas, da socie-
dade de Horticultura Lisbonense, ra do Amorim,
deposito da tabrica de cervejas e espiritas da ra
do Brnm.
Grande estabelecimento de fazendas e ronpas feitas e por medida, roa da Im-
peratriz n. 52 jacto a loja de ourives. '
Neste estabelecimento encontrar o respeitavel publico om bonito sortimento de
roupas de todas as qnafidades.
Palitot de alpaca preta e de cre a 3,5000. 35500 75000, ditos mirin preto
de 74000 at 253000, ditos- de casemira de c6r^s finas e ordinarias, do 6(5, 165000,
ditos de panno finos de -85 105 e 2G50O0. sobrerfasaco diio de 283 va 50*000
Completo'sorlimento dedicas debrim pardo de 1(5600 a 65000, ditas brancas
de 2i5, 40,5000 o mais superior, ditas meia casemira, ditas casemira de 5, 423000,
ditas casemira preta de 63, a 463000 superior, dita de merino diversas qnalidades para "
luto. Assim(como um boaito sortimento de colletes de brim de cores, ditos brancosi
ditos de caseuira de ceese pretas, ditos de merino-para Intofazeuda superior.
Sortimento completo de camisas francezas de algodo, de 43*500 33000, e de
linbo de 383000 a 700000 a dtlzia.
Sortimento completo de ceroulas fcancezas de algodo de 43600 a 23500,
ditasde bramante a 43800,-23500 e 35000 ditas de Jamburgo. franelas, fazenda su-
perior de 253000 a 353000 a dazia. Sornento de colarjahos de algodo e linho, etc.,
assim como naeias de algodo para homem de 33, a 403000 a duzia, gravatas de omi-
tas qualidades. -fia-ruada Imperatnz n. 52, lojaJflo
Sortimento de chapeos de sol de alpaca, < soda, ditos inglezes cabo de marfim.
Toalnas para rosto. Sortimento de mallas para viageni.
ATTE.NQAO.
Neste estabelecimento enearrega-se de mandar fazer qualqner obra por medida
e para esse fim tem hbil mestre encarrega'do da oficina, que se encarrega do trabalho
com perfeico e pontualidade.
SORTIMENTQDE FAZENDAS.
Chitas de 240 rs. o covado ou 403000 a pessa com 42 covados. ditas miudes
para camisas e timo de menino 260, e280 rs.. e outras muitas qnalidades de 320, 360
e-400 rs. o covado, neste mesmoestabelecimento chegaram, urnas bonitas chitas da
victoria com barra, a qnal para flhis ecompetente enfeile para corpinho. Cam-
braia lisa de 33, 43, 53 e 10300 a pessa, e oatras muitas fazendas de todas as quali-
dades.
Saceos de estopa
jfrki
fe
MACHINAS PARA
COSTURA
pura u
Adamson, Bowie & ( Commerj^^M^
Ylias de spermacet
Verdadeiro aroerteano cada urna caiia trinta
e cinco meias duzias de vella.% ou 210 vellas,por
trinta e e*co mil ris. No armazem de Tan Ir-
maos & ru 4o Amorim._______,
Grande pechncha
Na roa do Duque de Caxias, anliga roa do
Queimado n. 19, vendem-se alpaca de.tome as
cores e lavradas pelo prego de 800 rs.', chttts de
bens pannos a 540 rs. ; asim como 4em ^ieos
I cortes de cambraias bordadas de crese 7JQ00 o
! corte com 10 varas, baratissimo.
BRACO DE OUBO,
Ra do Imperador n. 26
O respeitavel publico encontrar neste
Acabam de chegar ao GRANDE BAZAft
UNIVERSAL, roa Nova n. 22carneiro
vunnaum completo sortimento de ma-J
chinas para costura, dos autores mais co-1
onecidos, as quaes esl3o em exposigo no
mesmo Bazar, garantindo-se a suab&a qua-
lidade, e tambem ensina-se com peTfeigo ,
a todos os compradores. Estas machinas| estabelecraento to^tojmcumkto
sao isuaes'no seu trabalho ao de 30 costu- sortimento de pastelana, boHos m#eie
Lsd imente, e a sua perfeigao tal (podins pads-delo, prgsentos dps ornos
como da melhor costureira de Pars. Apre- \ ebegados ao mercado.salame de hon bo-
sentam-se trabalhos esecutados pelas mes- hnhor finos de tod;^sasqaalri.^^'P^^
mas, que muito devem agradar aos preten- amenioas c.nfei adas. ^te'^. tamboms,
,"_,'^ 6 pastdhas, chocolate francez em bkras, pas-
ueu^------------------------------------- tilhas do mesmo ,c;n tuxos e carterras com
r\rs:Mn *. mnnnm Ats s8 UluClIla e armazeill UC sortimento de cbscolate do mais acredita-
ALGODO E MADAPOllO AVARXADO.
ma more
Caes Vinte e dous de noverabr,o
(outr'ora armazem allianca)
do fabricante de Paris'e o melhor que at
boje tem vindo ao mercado.
n. 57, j Vinhos portuguezes, guetra-muito sope-
i rior. Os mais genuinos e superiores vinboa
marmores" de todos os alta novidade .
KA.
Loja do paco
Chegaram pelo ultimo vapor francez as ricas
chapelinas de palha de Itstia, tima novidade de
Paris, chapeos de reludo e palf.a tambeni os te-
mos de muito gosto, postilhoes o basquina* de gnr-
gurao preto mnito superior com ricos tacna de
setim : na roa 1' de Marco n. 7 A, loja do pa?o._
Pechncha a 1% e 9$
Vende-se calcado franepz obra < muito boa pelo
diminuto precp"de7 e 9. asm cune calcado
para enancas a 2*500, baratissimo: venham a el
les antes que se acabem, na bm eonhecida loja de
miudezas da roa da Cadeia n. 30 A, confrente a
roa da Madre do Dos.
A 5$0.
Vendem-se bolinas de cores para senhora pelo
diminuto preco de Si o par, sao cores bonitas e
obra bem feita : venham ra da Codeia u. 50 A,
loja de miudezas confronte a ra da Madn de
Dos. ________________"______________
Farfolla de mandioca
igual a de Muribeca.
Em saceos de dous alqueires e de panno de
algodo, cuja medida corresponde de 5 a 8 00
mais do que a medida daqui e do Rio de Janeiro,
vende-se a preco menor do que em qualqner ou-
tra prtete : tratar com Joaquim Jos Goncal- |
ves Beltrao, em seu esenptorio a ra do Commer-,
ci n. 17.______________________________ .
Farinha de mandioca1
de Santa Catharina
ASOCIO o algoso .TWO o madaPol5o,e-tambem chita diver803 t- enconlrar ne?le esl
covado po ter grande porco, na- roa da Imperatnz n. S, loja com portac* encarnados.; raanh09> so,eiras e caceadas sira sole- J0P comrnodos precos, fazendo-se abatimea-
;*i;tnlirtn ras e saccadas de pedra de Lisboa. Tambem con-. y \ __^ v __^_...
intitulado
Leao de Ouro.
raz-?e qualquer'obra, "como naoaanea- lo a quem ;ompj;arem porcao.
. to?, tmulos, estatuas, pias, lavatorios, mesas e j Licores de tadas as qualidades, as mais
tudo o mais tendente mesina arte, por mdicos qQSj entre elles o afamado Aiapana^ este
pr ;,'..
Farinha de naand'oea
Vende-se farinha de mandioca ebegada do Ma-
anan no ultimo vaoor do norte, por menos pre-
go do que em nutra qualqner parte : a tratar no
escripnrio de Joaquim Gerardo de Bastos, ra
' do-VigSrin n. 16, i andar. ___________
O que se pode desejar de bom, a garr.ci ;v i
do do patacho inglez Marrj Block : i tratrif com
Tasso Irmaos & C. ra do AmBrtm n. 39.
Ra do Crespo n. 20 A.
Alvaro Angusto d'Almeida & C.
Este estabelecimento de fazendas finas e grossas j bastante conhecido como
am dos mais bem sortidos desta cidade acaba de receber directamente de Paris alguns
irtigos especiaes que passa a mencionar.
Ricos cortes de vestidos de blond para casamentos.
Cortes do vestidos de seda de cor, de gostos inteiramente novos.
Brochad, fazendas de laa e seda propria psra vestido.
Foulardde seda de todas as cores, tambem para vestidos.
Fitas largas de seda para cintos, gpstos escoceses e lisos.
Chapelinas de seda e de palha d'Itaa.
Basquinas de seda e guipare.
Colchas de seda e de la e seda. f
Cortinados de carabraia brdalos mmto ricos.
Pannos de verdadeiro croch para jardneira*, sof e cadeiras.
Toalbas- de linho de superior qualidade.
Bramantes, salidas, sguies atoalhados.
Guardanapos, colchas, aaias bordadas camisas,
tache-nez, baloes, cami.-inhas, sombrinha.
Madapoiesda-riaS' chos, alcatifas e mnitos otrtros artigos que ss vende por precos mdicos.
Tem tambem constantemente um completo sortimento de ESTE1RAS .DA IN-
DIA para forrar salas.
gaz m m
Chegon ao antigo deposito de Henry Forster 4
o., ra do Imperador, um cafrVegamento de ga;
de primeiraaualidade;oqual ge vende em para.'
e a retalho por menos preep do que em outr* qual
guer parte._____________________
Vende-se um terreno proprio. com 138 pal-
mos de frente e 160 de fundo, para o lado da es
trada de ferro, aojo terreno tera alcerce feito pa-
ra cinco moradas de casa^, na ra de Motocolom-
b dos Afogados : a tratar na mesma ra, ou na
ra Direita dos Afogad63 n. 13.______________
Saludas ile bnilr.
Chegaram loja do paco as ricas sahidas de
baila, assim como os ricos enchovaes de cambraia
bordados pira criancas se baijiisarem, artiga este
o melhor que ha no mercado, assim como temos
grane sorlimento de outras muitas fazendas de
go?to e novidades por todos os vapores : na loja
do n.ico rn^ Io de Marco n. 7 A.___________
antana de Lisboa
SoK-ira?, hombreiras e espitis para frentes de
casas, o que ha de melhor : venda no arma-
zem da travessa do Corpo Santo n. 25, da Joaquim
Lopes Machado & C.
Vende-se urna casa de taipa, na baixa do
Zombi, (Torre) em solo rendeiro : tratar na roa
Imperial n. 233.
licor o mais saboroso e superior, at
hoje conheoido. Xaropes de groselhe, rosa,
raaracuj, caja etc,, vtahos de Bordeaos de
todas as marcas, o mais superior que se
pode encontrar, champagne de Cbevernt
muito superior, os mais tines e- superiores
cognacs francezes, old-tom, de todas as be-
bidas alcoosas, este a mais salotar para
quem soffre do estomago,
Conservas de legnmes, portuguezas, fran-
cezas e inglezas, mlhos mostrada etc.,
fructas seccas cristalisadas e em calda, na-
cionacs e estrangeiras de todas as qnalida-
des, charutos dos mais acreditados fe-bri
cantes da Babia e Rio de Janeiro, cigarros
de S. Paolo e Rio de Janeiro, muito3 su-
periores, e finalmente tudo qnanto se dese-
jar tendente a este genero de negocio conv
prometemo-nos a satisfazer toda 'e qnal
quer encommenda com a maior promptidlo
e asseio : Como sejam para casamentos
baplisados bailes etc., tambem se recebem
encommendas de p3es de l ou bollos de
qualquer especie enfeitados e decorados,
bandeijas de bolinhos com armaco de as-
sucir, assim como de papel, pecas monta-
das, gellatinas de frncta-, airendoas, leite
etc..
Os donos deste estabelecimecto n3o s
tem poupado-a despezas para melhor me-
recerem a acoadjuvacSo do Ilustrado pu-
blico.
Jb
u ^B
RA DA IMPERATRIZ
DE
9 FIGUHniElDO t C^
isiaoto r,nri aetah7iwto~"-c>,tfar o respeitavel pubfico, u^grande sortimento de fazendas, do mais apurado gosto assim como de todas as de primeira necessidada que se Ihes promette vender por precos muito mais baratos do qat
alonar Darle visto que osfuovos socios cesta firma adoptaram o systema de so vennderem MX3I33IR ; para poderem vender pelo costo, li:ntando-se apenas a ganharem o descont. As pessoas que negociara em menor fescalla, neste loja
e armazem poderlo W os seas sortimentos pelos mesmos precos que comprara as casas estrangeiras.
m
derem e,scolher.
afASOVIDADES
1 DO PAVlO
& BONITAS FAZENDAS PARA A FES-
m TA DE
SANTO ANTONIO, S. JOO E S. PEDRO. "
Vendem-se as mais lindas poopeli-
nas de oho e seda com os gostos
mais novos que tm vindo a este
mercado, pelo barato preco de-----
2dl000o covado.
Sedas listradas, de furta ores, fa-
zendas de muila phantasia a 2(5000
o covado.
Seda bismark, larga fazenda muito 9
encorpada o covado a 23500.
Bonitas lasinhas largas com palma
de seda, covado a UOOO,
Lindas agraciando lavradas covado
a 15600. w
Alpacas lavradas de todas as co-
res, covado a 040, 800 e 1,1009
Bonitas lasinhas escossezas com
quadros e litras de seda, covado a
56D.
Finas alpacas lisas, sendo cor bis-
mark lyrio, verde, roxo, cinza, can-
oa, azul etc., covado a 610.
Ditas furta cores com as mais bo-
nitas cores, covado 509 rs.
Lindas barege lisas, e com lista
<\i mesma cor, fazenda inteiramen-
te nova, covado a 560 e 640 rs.
"Bonitas lasinhas tapadas e trans-
parentes com grande diversidade, o
covado a 600 rs.
L53sinbas lustrosas com lindas co-
res emitacJo de seda, o covado a
,320.
iJndos cortes do anadine, sendo
f.izenda nova o transparente e de
moita phantasia, com 18 covados a
15,5000.
Fioiss>mos cortes de vestidos bran-
cos bordados com* todos os enfeites
francezes a 120000.
Corles.de ganga indianos, fazenda
iateiramente nova a 7)9900'
Ditos chinezes com duas saias a
100.
Ditos de la escosseza fazenda mui-
to b mita com Sos de seda a 70;.0
Finisimos organdys com. lista de
cor e salpico, sendo fazenda de
a phantasia, o metro 10280.
Organdy branco cora listras lar-
ise quadrinhos, a vara a 1#000.
Todas estas fazendas, sao inteira-
mente novas e se vendem muito em
conta, ra da Imperatriz n. 60,
loja e armazem de Silva e Figuei-
do C
de 123000 rs. cada um, pechincha.
CASEMIRAS ESCOSSEZAS.
O Pavo tem bonitas casemiras escosse-
zas com quadros grados e muidos e outras
lisas com listras ao lado, sendo fazendo
mnito fina que se vende mais barato, por
haver grande porco.
CORTES DE CASEMIRA PRETA A 4:i00,
0 Pavo tem os superiores cortes de ca-
semiras pretas enfeitadas pelo barato preco
de 45500 rs. o cort,
CASEMIRAS RASPADAS A 800 RS. O CO-
VADO.
O Pavo vende excellente fazenda de pura
la com as cores escuras muito proprias
para calcas-, palitots, colletes e roupa para
meninos que frequentam a escolla por-ser
urna fazenda leve, escura e de moita dura-
co, pechincha a 80J- rs. o covado ou a
25800 o corte de calca para homem.
FINAS BARGES.A 640 RS. O 'OVADO.
O Pavo tem as mais lindas bareges de
la sendo meias transparentes, com orna
s cr.'tendo : lyrio, azul, rosa Bismarck,
roxo, etc., tendo muito boa. largura e liqtii-
da-se por 640 rs. o covado, por se ter fei-
to urna grande compra, assim como ditas
mais estreitas de urna s' cor com listras
imitaco de seda a 660 rs. o covado, e pe-
chincha.
PECAS DE MADAPOLAO A 35500..
O Pavo vende pessas de muite bom
madapolo, tendo 12 jardas cada urna, pelo
i barato preco de. 3#500.
P3CHINCOA EM ALGODO A 43000 RS.
0 Pavo est vendendo pecas de algodo-
! sinho francez, tendo 4 palmos de largura e
! com 11 metros cada peca, pelo barato pre-
de 40000 rs.
CERA DE CARNAUBA.
Vende-se superior cera do carnauba era
sacca3, mais barato do que era outr" qual-
quer parte, ca ra da Imperatriz n. 60,
loja do Pavo.
05SETINS DO PAVO
Vende-se es mais bonitos salios de cores
e mais encordados proprios para vestidos
tendo de diversas cores.
Para maior commodidade das Exmas. familias, de todas as fazendas se 45o os livros das amostras, ou se mandam levar emjsaas casas, para melhor po-
ALPACAS LAVRADAS A 640, 800 I
CROCHE'S PARA CADEIRAS E SOFA'S.
O Pavo tem um grande sortimento dos
mais bonitos crochs para cadeiras, sofs
mesas, almofadas etc., proprios para co-
brir presentes e vende-se mais barato do
que era outra qualquer parte.
Algo&lo entestado.
Vende-se urna grande porco de algodo
sinho americano com 8 palmos.de largura,
GROSDSNAPLES PRETOS DE 1600 AT 7^000
Na loja do Pavo enconlra o respeitavel i
publico um grande sortimento de grosde-
ROUPAS PARA HOMENS PARA TODOS
OS PRECOS.
N'este grande estabelicimento encontrar
e 8>00), que se vende por preco muito
era conta.
CASSAS FRANCFZAS.
Chegaram para a loja do Pavo as mais
lindas cassas francezas com delicados pa-
proprio para lences e toalhas, tendo liso e driieSj tendo para Mo$ os precos e quali-
trancado, que se vende por preco muito em dade/j daado.se todas amostras, assim como
C0Dta' 1 *icE-erfvi * LAAS ESCt jjs francezas escuras e alegres, qae se ven-
LAS ESCOSSEZAS
LAS ESCOSSEZAS
A 560 rs. o covado.
Chegou para a loja do Pavio, o mais
elegante sortimento das mais lindas lazi-
nhas escossezas com nos de seda, as quaes
fazem o mais delicado efeito, para vestidos
de dnas satas, e vendera-se pelo baratissi-
mo preco de 560 rs. o covado.
SEDAS DE LISTA
SEDAS DR LISTA
. SEDAS DE LISTA
a 25000 o covado.
Chegou para a 1 ja do Pavo um grande
e bonito sortimento das mais lindas sedas
de listas com as mais delicadas cores, tendo
ntre ellas algumas que servem para lato, e
vendem-se pelo bal-ato prego de 25000 o
covado, pechincha.
FAZENDAS PARA LUTO NA LOJA PAVO
Eocontra e respeitavel publico neste es-
tabelecimento um grande sortimento de fa-
zendas pretas, como sejam cassas france-
zas e inglezas, chitas pretas da, todas as
qualidades, fazendas de la de todas que
tem vindo, proprias para luto, sendo lasi-
nhas alpacas lavradas e lias, canto, bom-
basinas, merinos, etc. que tudo se vende
por preco barato.
PARA BAPT1SADOS
Na loja do Pavo venderse bonitos, en-
chovaes para baptisados.
Cortes de casemira a 45000, cada ura.
Vende-se bonitos cortes de casemiras
claras e escuras pelo barato preco de 45, ]
ou a 254OO o covado, tendo dnas larguras,
CORTINADOS PARA CAMAS E JANELLAS
de 85, 105,425 e 5000.,
Chegou para a loja do Pavo um grande
sortimento. dos bonitos e ricos cortinados
bordados, proprios para camas e janellas,
que se vendem de 85000 o par, at o mais
rico qae vem ao mercado, e vende-se mais
dem muito em conta, e tambem se do
amstras.
CUITAS A 240 RS.
Na loja do Pavo vendera-se bonitas chi-
tas francezas claras e escuras e cres'fixas
240 rs. o covado, e pechincha.
LASINHAS A 320.
LA9INHAS A 320
LASINHAS A 320.
Na loja do Pao vendem-se elegante sor-
timento das mais lindas lasinhas lustrosas,
com listrinhas a imiiaco de poupelinas de
seda e com as cores mais lindas que tem
vindo ao mercado, sendo fazenda que vale
maito'mais dinhiro, e liquidam-se a 320
rs. o covado, e pechincha,
T?ECIMOrCHA
EM CAMISAS DO PAVO A 44500 RS.
Vende-se nm bonito sortimento de muito
finas e modernas camisas inglezas com pei-
to e coliaririhos da linho e punhos, pelo
baratissimo prego de 45500 rs. cada ama
e aos freguezes que comprarem dazias se
Ihe far um abatiraento, garantindo-se que
fazenda que vale muito mais dinhiro,
liquida-se por este prego por se ter feito
urna grande^compra : assim como se vende
um bonito sortimento de ditas tambem com
naples pretos.de todas as larguras .e qaa-!.0 respeilavel publico um grande sortimento
0 de roupas, sendo palitos e sobrecasacos de
panne preto e cazemira, caigas e coletes de
brim branco e de cores, que tudo se vende
mais barato do que era outra qualquer parte ;
assim como um grande sortimento de ca-
rnizas francezas e inglezas, e ceroulas tanto
Lde linho como de algodo e abundante sor-
timento de meias cruas.
VESTIDOS INDIANOS COM DUAS' SAIAS.
O Pavo vende urna grande porgo de
cortes de vestidos indianos, tendo duas
saiaj e tendo bastante fazenda, com os gos-
tos mais novos qu tem* vindo, e liqoida-se
a 55000, tendo cada nm seu competente
figurino.
CASEMIRAS MESCLADAS A 35 O COVADO
O Pavo tem para vender bonitas case-
miras mescladas e bastante encorpada para
roupa de homens e meninos pelo barato
prego de 34000 cada covado ou 55000 o
corte de caiga para homem.
Roupa por medida.
Na loja do Pvo manda-se fazer qualqner
pega de obra a vontade do freguez, para o
qae tem um perito alfaiate, responsabesan-
do-se os donos do estabelicimento por qual-
quer (alta qae possa haver, quer por de-
mora, quer por qualquer defeito na obra;
e para isto encontra respeitaveLpablico
um grande sortimento de todas as fazendas
que desejar.
BRAMANTE A 1800.
Vende-se superior bramante com 10 pal-
mos de largura, proprio para lencdes, dan-
basquinas
ricamente
peito de linho bordadas e ditas de algodo do a largura d'esta boa 'fazenda o compri-
para todos os pregos.
PANNO PARA SAIAS A 14000, 13280 e
15600 RS.
Vende-se bonitas fazendas jproprias para
saias sendo com bordados e pregas a um
lado, dando a largura da fazenda o compri-
mento da saia e vende-se Dlo barato prego
de 14000, IH80 e 14600, dada metro sen-
do preciso apenas 3 ou 3 1/2 metros para
cada saia pechincha.
vestidos braaeos a 134000 rs.
O Pavo vende flnissimos cortes de ves-
tidos de carabraia oranca, ricamente borda-
das e com muita fazenda pelo barato prego
1,000 RES.
Chegou para este grande estabelicimento
o mais bonito sortimento das mais moder-
nas alpacas lavradas de todas as cores, que
se vsndem a 15, 800 e 640 reis o covado,
assim como um grande sortimento de pa-
cas lizas de todas as cores
Basquinas.
Chegaro as mais modernas
cu jaquetinhas de seda preta,
enfedadas a vidrilho, tranga e setim preto
tendo de todos os modellos, os mais nevos
que tem chegado e vendem-se per precos
muito' razoaveis.
POUPgLINAS DE SEDA
POUPELINAS DE SEDA
POUPELINAS DE SEDA
a 250OO o covado.
O Pavo acaba de receber o mais ele-
gante sortimento das mais lindas verdadei-
ras poupelinas de linbo e seda com os pa-
drees mais delicados que tem vindo ao mer-
cado, tendo entre ellas cores proprias para
alliviar lnto, e vende-se pela barato preco
de 25000 cada covado, pechincha.
Cambraias brancas
Vende-se um grande sortimento das me-
Ihores cambraias tanto victorias como tras-
parentes tendo de 34500 peca at a mate
fina uae vem ao mercado.
CAMBRAIAS BRANCAS A 4*000, A PECA.
S o Pavo vende pegas de oambraia
branca transparente, tendo mais de vara de
largura, com 10 jardas cada peca, fazenda
qae semprf se vendeu a 74 e 85000, liqui-
da-se pelo barato prego de 45000.
FUSTES BRaNCOS A 640, 800 E-ijm.
Vende-se mdito bonitos fustBesbrancos
multo flexivel proprios para vertidos dt
senboras e ronpa para meninos e vende-se
a 640, 800 e 15200 rs. o covado.
Cassas a 40 rs.
O Pavo est vendendo bonitas cassas Se
cores fixas a 240, 280 e 300 rs. o covado
Brilhantes lasinhas.
S o Pavo, 640.
. Chegaram as mais birlhantes lasinbas com
as mais lindas cores, cora palminbas mindi-
nhas, assentadas as mais delicadas cores da
Na loja do Pavao vende-se um grande lyrio, cor de caana, cOr de gaaga e .*ran>
sortimento dos mais bonitos cacbeaez de sendo estes twmttaniibis, de mi*> bos
ment do lencol, sendo preciso para cada
om apenas 1 e 1/2 metros ou 1 e 1/4 pe-
chincha pelo prego.
ESPARTILHOS A 5*000.
Vende-se nm bonito sortimento dos me-
mores e mais modernos cspartilhos tendo
do barato prego de 55000 at 8000.
Cachenez.
para la proprias para senboras, vndenle
a 64000 cada um, na ra da Imperatriz
n. 60.
. barato que em outra qaaqaV parte.
A loja do Pavo est constantemente aberta, das 6 horas da manhaa s 9 da noute
qualidade, tendo lapsura de alpaca e vende-
se 460 rs. o covado. ra da Imperatrix
b. 60lotedoPa*Jo.


Diario de .Prnambuco Segunda ierra 4 le Julho de-18701
7
f.

I .
*.
|
i"
K


A 23MJA 3&A-aaj^iSSKAflPBia'3U fc
Esquina da ra ua Aurora,era frente do caf Imperalriz.
m wm
rao as Exmas.
jos do ra*ls r^^Ko, como om todas
itoimo o somptuosoest;:^
i tudo quantan.iss;i(ndsejar,taDto
tt-BMftqua- i;,s,
... t-j~ A,fw^,l!h',arein P1"'1 Iror se enc S^J~ ^ P, !UOl,:S EuMp*' rec8h-em tfKtMf o que.em amara de inodae
lona aparado koso se encontra era Paris, o que wm'canda augmento* s propa/.
< deque disponte estabeleoimento para heio servir sua uqmerjsa/'i
^
;:r_ysa/reguezia.
:csa.
Algodo;iargo para lencee e toalhas de. dase com-listra de'seda* (lores, fazen-
Oas as quididades ijnd cosLnma vir ao mer- da meramente nova pana vesiidde baile.
"t*T* Orante para raboras e nait o mais
Alpacas de todos m padroes e qualida- completo sortimeoto que se poda desejar.
rts variada nao pedern descrevw. Guipare trelo e brinco, diversas larga-
Albuns para collocar retratos, ras e dilereotes gostos.
4dic.-!do presea^ para qualquer pessa de Gollas e ptialws bordados para senhoras.
*"!"?''.._ j Guardanapos de linho pequeos e grao-"
Atoaraado (fe inn'e" algodao, branco e des.
4e cores proprios para toalhas. Gorgurode seda preto ade cores.
_ fS3 Groshenaples preto e de cores, haven-
Bas jumas ue seda prefes e mudo rnoder- do. diversas quaidades e costos
as, bem como de crocbt, ludo de apurado <
fostae ff itio. Japonezes para seuhoras, o melhor gos-
Baloes de rausselma, madapol5o, braacos to, e fazemla propria para as estas dos ar-
t de cores, para senhora e meninas, rabaldes e passeios a tarde.
Bareges de cores variado sortimento. a^
Babadinhos ou tiras bordadas em todas as LSazinhas de todas as quaidades, cores
rguras. e gostws, nao u^iado nada- a desejar, tal
Belbntma de todas as cores. : o MrHimanls ^ua exbta para escollier.
Bolsas de tapete para viagem, grande Lencos, ulot quanto pode haver desde
ariadade de tamanhos e gostos, esguiLo ae algodao commum.
Bombazina preta de todas as quaidades. Leques de madreperoia c osso, o mais va-
Bramante de linbo de H: palmos de lar- riado sortimento.
jora, e todas as mais quaidades. Ligas de seda, bordadas, para senhora.
Bretanhas de linlso e algodao, grande sor- Lavas de Jouvb, chegadas por todos os va-
sraenlo. pores, sernpre novo sortimento, quer em
Bros de linho branco e de cores, do mais peluca para liomens e senhoras, quer mlfio
commodo ao mais caro em 'qualidade, affiao- 'Escocia, brancas e de cores.
lando o que ha de melhor na especie. i xa
Brins d'algodao completo sortimento e Madapolao; indescripiivel o grande sor-
wwdade.d pre;os. timento que fia neste genero, desde o mais
C3B elevado preco ao menor, que se vende em
Cassas de cores, o maiur sortimento, pri- peca e retaho por menos do que em ou-
aando pelo boa gosto e barateza, atientas tra qualquer parte.
u qaelidades. Maulas de blonde para ootftfa. o aunado
Caaibraias brancas, tapadas, e traesparen- gosto dos noss'os correspondentes e;n Pars
es de todas as quaidades e precos. habilita-nos a dizer que temos em nosso
Canrisinhas de cambra^ de linho e cassa estabelecitnento o que de melhor se dese-
aordadas ricamente enfeitados para Sras. ja para vestir e ornar urna no:va.
Camisas para horrens e meninos, to va- Mantas pretas de blond.
-nado sortimento que val do mais ordinario Mantas para carros, com lindas pinturas,
adapolao ao mais perfeito bordado de li-! Merinos pretos, trancados e lisos.
< e cambraia. t I Mosselina branca e de cores, lindos e va-
Camisas de meia, de flaoeila, brancas e; fiados padres.
le coces para hornera. 23
Casoia-as pretas e de cores, o melhor 'Pannos pretos e de cores, desde o mais
fue se pode imaginar, sendo d'isso a me-
or prova o grande consummo deltas na
fficina da casa.
Capailas do flores, papa noivas e bailes,
iesde a mais candida flor d larangmra at
a mais in^ressante griaaida.
Cnapelinlias no melhor gosto,de todas as
cores hoje preferidas pelas senhoras de
mais apurado rigor na moda.
Chapeos pretos de velludo, para senhoras,
flltimo gosto de Paris.
Chapeos de sol, para s?nhoras e horneas,
de todos os pre;os e variados gostos.
Chaly com ricos padroes para vestidos.
Quarwo V BHRNCA, mais prec Sc ao respeitavef publico em
geral, e em particular a sua i.oa fi atiede bjectos que utiOMmen-
te tem recebido, justart- nu/qa! leos o po4e fazer e pesque essa falta invo-
luntaria ella confia todos que Ih'a attendero e relevarSo,
continuando portaiito a dirigir i;em conhecide lf ja d AGUIA BftMfCA roa do
Qneim2do n. 8, onde > andancia ej sortimento de superioridade em
quaidades, modicidade em prejos e uica'desmenttido AGRADO E S1NCEP.FDADE.
Do que cima fica ditbse conhece que o tampo de qut a-AGUIA BR.\NCV pode
difepr, empregado apezar deseuscuitosnodesempenbo de bem servir a aquellos que a
houram procurando prover-se em dita loja do que necessitam, entretanto sem ennume-
rar os abiertos que por sua -natureza s">o mais- couhecidos aii, ella resumidamente indi-
car aquellas cuja importancia, elegancia e npvidade es toraam recommendaveis, como
bem seja :
DO
Corpinhos de cambraia, primorosamente-j
iiifeitados com fitas de setim eobras efftas
cuja novidade^o molde e perfeic5o de ador-
nos os tornara apreciados.
Fitas mni largas de diversas cores e qsa
lidades para cintos.
Leques uesse objecto milito sep
Capellas brancas, para meninas.
Grandes sortimento de flores finas.
Fil de seda, prefo. '
PERFUMARA
Gnffde e constante sortimento de dita,'
sempre melhor qnajidade.
Lindos vasos cora p de arroz e'-pinse!,
dizr querendo deseme-tat minucios^.ntc Caixi.nhas com ditos aromticos.
por suas qualidade*s, coreee dosonhos, Ud
o grande e variado sortimento que acaba
de cliegar, mas para nSo massar o pretn-
deme se Ihe apresentar o que poder de
mejhor.
Entremeios em pecas de 12 tiras. *
Guipure branco e preto de diversas qua-
idades e desenhos.
Ditos de algodao" com flores e lisos.
Bonitos e modernos pentes dourados
para circular o coque.
Eonitos brincos de plaqoe.
Aderecos e brincos>de madreperolr.
Caivetes finos para abrir latas.
Tiesouras'jartf frisar babadinhos.
Aspas par balo.
Novos stereoscopos com 48 vistas, as
quaes s3o movidas por um machinisrao
na.
Meias de seda para noivas.
Ditas abarlas de fio do Escossia.
Veos de seda paia chapeuas e monta- :Un"s s'ihstitnem-as outras.
a t Vistas para stereoscopos.
Bonitas cainhas de vidro enfeitados com
i pdras.
Ditas de rcadeira envernisada com vispo-
Gostumes ou uniformes para meamos. ras c ,^om dminos,
Enxovaes completos para baptisados. Bollas de borracha para brinquedo de
Touquinhas de fil, sapainhos bordados criancas.
e meis para ditos. Diversos objeclos de porcelana, proprios
Camisinhas bordadas para ditos. i para enfeiies de mesa e n lajipbas,

NOS GRANDES
KB SECCOS
]IEOI/HADOS
barato ao mais superior, por preco muito
commodo.
Pannos de crochet, para cadeiras e sofs.
Ditas de casemira muito finos para
Dl3Sa.
Paitos boj-dados de linho, Usos e de al-
godao para camisa. *
Princesas pretas e ^e cores.;
Popelina do seda e. linho, cm listras e
flores; fazenda lindissima.
Peiherinas para senhoras, do ultimo
gosto.
Perfumaras ; os mais fiaos extractos o
que de melhor e mais agradavel se pode
Chales de todas as quaidades, avultado' encontrar neste genero, e de mais fragante
aranero e nao menos variedad de gostos,; e suave no olpbato, tem o PAV1LHAO DA
Chitas, iinpossivel deserever o sortimen- AURORA, desde a verdadeira agua Flori-
so variedad de padroes e novos gosto*,
fea neste artigo tudo quanto se pode desejar.
Cintos pjara senhoras o que se pode ima-
finar de melhor.
Coques, o melhor no gosto e nos enfei-
ies, varios tamanhos.
Colchas de seda com borlas, o mais apu-
rado gosto e lavor.
Ditas de fustao branco e de cores por
precos coramodos.
Corpinhos de canftraia, ricamente borda-
dos para senhoras.
Cortinados de cambraia bordados e de
tl.o qoe de melhor se pode desejar.
da at O mais fino Boquet d'Amour, fiual-
mente tudo quanto deve oceupar o touca-
dor de urna senhora de gosto.
Saias bordadas, brancas, lisas e de cores
com foibos e sem elles.o melhor possivel,
Sabidas de baile, de todas as cores.
Sedas pretas, de quadros, lavradas, lisas.
de listras de todas a cores e quaidades e
o mais barato possivel.
Sargelim de todas as cores e quaidades.
Tapetes grandes, liadas pintaras para 8
cadeiras, mais pequeos e de todos os ta-
aior sortimento.
Colarinhos de linho bordados e Usos, o;manhos desejaveis, e era peca para co-
vados.
> Toalhas de labyrintho, do maior e mais
fino trabalho ao mais barato.
Toalhas de linho* e algodao de todos os
tamanhos, lisas e felpudas.
Tarlatana branca com palmas e de cores,
fasenda muito nova, e gostos delicados pro-
Damasco-de la de 9 palmos de largura
indas cores e ricos padroes.
&partilhosbran:os e de cores, para se-
nhoras e meninas, o melhor neste genero ;
aenhama Sia. deixar por certo de muir ipria para baile.
ie de *3o precioso auxiliar perfeicao de!
om corpo delicado.
ntremelos bordados.
Escorailha preta.
Enfeites para caoeca, ultima moda de
Paris, recebida no ultimo paquete.
Esguio de linho, completo sortimento de
todos os nmeros.
5*
^3f
Vistuarios bordados de fuslSo brancos e
de cores para meninos, de cambraia para
baptisados, o que de melhor tem vindo a
este mercado.
Vestidos da la escoceza de 2 saias,
novidade pelo padrio, gosto e forma; dRos
de linho com barras de cores, e de cam-
bfaia de cores com 2 saias, tudo inteira
Fitas largas escocesas para cintos, vari- novidade, trazem os modellos juntos para
iade de gostos e lindos padroes, mostrar a forma de os fazer.
Fishs de crochet, modernos com cintos i Veos de blond para noivas e pretos para
capas, o que lia de melhor. \ hito.
Fil de seda, linho e algodao, de todos Vestidos de blond para noivas: podemos
s gostos e padroes. j asseverar as nossas Exmas. reguezas, que
Fast3o de todas as cores e quaidades somos os nicos em Pernambuco que pode-
trande sortimento. j mos offerecer ao Ilustrado, publico, o mais
Flanella branca e de cores. apurado gosto em semelhante materia, gra-
Flores, o qae ha de mais rico, quer cas ao bom gosto do nosso fornecedor em
rilas, quer em ramo3, tem o PAVILHaO Paris, podemos garantir que ninguem neste
DA AURORA um permanente jardim a genero o possue melhor, nem mais em
*isposic5o das Exmas. ramifias. conta.
E' dispondo d Uto grande e variado sortimento que o? proprietarios do PA-
VBuHAO DA AURORA se apresentam ao publico declarando desde j que a sincerida-
e o bom gostoo movel nico de seus negocios.
Prvidos de todo e promptos sempre a prover-se do que por ventora lhe
jeja necessario, os. proprietarios deste sumptuoso estabelecimento recommendam-se
sen receto de sarem cootradictos e proteslam esfor?ar-se por continuar a merecer
protacao que se Ibes tem dispensado ; certas de que do seu estabelecimento nao sahira
freguez descontente.
i____Contina sempre a officina de alfaiate dirigida por om dos mais habis artis-
tas, prompto execntar conf promptidao e bom gosto qualquer trabalho que lhe seja
caafiadou Urna modista especialmente ocenpada nos trabalhos do PAVILHAO DI AU-
RORA, dirige (js que lhe s3o concernentes, garante por sen apurado gosto e promptidao
ai eiecusao e a mais completa perfeielo nos seus trabalhos.
A numerosa freguezia qae nos honra uma prova de que merecemos ocon-
aeftto qae se dispensa ao nosso estabelecimento, conceito que procuraremos firmar'cada
ex mais. Para feciltar anda a concecn?5o do fim que nos propomos, temos no nosso
tabelecimento os ltimos figurinos de Paris, qa8 recebemos por todos os paquetes, os
{MMenviaremosparrserem vistosas familias nossas freguezas, afim de escomerem,
mb o padrio da fazeoda o gesto na forma.
Na oficina tte alfaiate, junto ao estabelecimento, ha igualmente os figarinos
panhMDaas qae por todos os vapores se recebem.
B' te o awdo porque nos apresentamos pedindo a proteccao do Ilustrado
pobtteo como mais profundo respeito convidamos as excellentissimas Sras. a visj-
:mm* o.nosso estabekicunento, certas de eacoqtrarem nelle pelo menor preco possive-
todoqne poea desejar.
Mandaremos eaixeirot levar as fazendas e amostras onde forem pedidas, visto
lio podermos^especikar todo quanto temos.
JoSo Luiz, Sobrwho A C. t
Aberto das 6 s 9 horas da noite.
28Largo do Ter?o.H. 23.
, 10 Psd o da Perita 10
DE
SHTRS & FERREIRA.
Os proprietarios destes bem sortidos armazens participam aos seus innmeros
reguezas tanto desta praca cemo do mallo que tendo feito grande d;miauic3o de pre-
cos as suas mercaduras esto per isso resolvidos a vender por menos de O e 20 i0,
do que eo; outra qualquer parle, garantndo-se portanlo a s perior qualidade de qual-
quer genero comprado uestes tious estabelecimeutos. Mencionamos alguns dos nossus
gneros e a. vista destes-sao comprehendidos os outros, forque eufadonho seria men-
cina-los.
Se alguem duvidar venha ver.
Gaz americano marca Deves a 8)5SOO a
Vinagre branco mandado vir por conta
propria viudo de Lisboa, a 320 a garrafa e
480 o litro.
dem tinto Figueira, Lisboa e Porto a
320, -280, 240 e 200 rs. a garrafa-e 480 300
rs. o litro.
Vinho Figueira, Lisboa, Porto e Estreito
bta, 380 rs. a garrafa e 560 o litro.
Azeits doe de Lisboa a 900 e I/IOOO a
garrafa em porcao faz-se grande abatimen-
to.
Caf em caroco a-220, 240 e 2^0, a
GALLO VIGILANTE
Una o crespo a. 9
Os proprietarios dc-to bem eonhecido esiabele-
<-imen!<-', aira dos icilos objoctos que tjnham ex-
tavel puhlico, mati-
danun vir e acrl.am de receber pelo ultimo vapor
da Euro[>;i un fonipteto e vanado sortimento de
8 miii decad:is especialidades, quaese-
roresoiviJos a veedor, como de sea costume,
por prero* muito baratiutoos e commodos para to-
Bof, aun ;snt) que*o Gallo....
Me es luvas de pellica, pretas, brau-
cuodaumi liadas cores.
bonitas golnhas e punhos para se-
ubora, neste genero o que ha de mais moderno.
Superiores pentes de tartaruga^para coques.
Lindos e riquissimos enfeites para cabegas das
Exmas. senhoras.
Superiores trancas pretas e de cores com virl-
Ufbs e sem elles; esta fazenda o que pode haver
do melhor e mais bonito.
^Superiores e bonitos leques de madreperola,
tnarfim, sndalo e osso, sendo aquelles brancos
cem Iindiis desenhos, e estes pretos.
Muito superiores meias fio de Esrossia para se-
nhoras, as qnaes sempre se vender.im por 30000
a dara, entretanto que, nos as vendemos por 20,
aim destis,temos tarabem grande sortimento de
outrr.s quaidades, entre as quaes alguma3 muito
finas.
Boas bengalas de superior canna da India e
casto iie narliro com lindas e encantadoras figu-
ras do mosuio, neste genero o que de melhor s
pode desejar ; aicn destas temus tambem grand*
quantidade de outras quaidades, como sejam,ma-
deira, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos chicotinhos de cadeia e
de outras quaidades.
Lipdas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as rauias.
Boas meias de seda para senhora e para meni-
nas de i a i* annos de idade.
Barallaa cabo de marfim e tartaruga para fazer
baiia ; sao muilo boas,e de mais a mais sao ga-
rantida polo fabricante, e nos por nossa vez tam-
ben asscsuramfts sua qualidade e delicadeza.
I,inda" e bellas capellas para noiva.
Superiores agullias para machina e para crox.
Linha muo boa de peso, frouxa, para encher
labyrintho.
Bons buralhor de cartas- para voltarete, assim
como os lentos para o niesino m.
Granee e variado sortimento das melhores per-
fumaras 8 dos melhores e mais couhecidos per-
fumistas.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as couvuisoes, e
facilitan a denticao das innocentes criancas. So-
mos desde muito recebedores destes prodigiosos
collares, e continuamos a recebe-los por todos os
vapores, fkn de que nunca faltem no mercado,
tomo j tem acontecido, assim pois poderao aquel-
les que dc:es precisaren!, vir ao deposito do gallo
vigilante, aode sempre encontraro destes verda-.
deros coHares. e os quaes aitendendo-se ao fim
para que ;,3o applicados, se ienderao com um mui
diminuto lacro.
Rogamos, pois, avisto dos objectos que deixamos
declarado, aos nossos freguezes e amigos a virem
comprar por preces muito razoaveis loja do gallo
vigilante, ra do Crespo n. 7.
CEMENTO
O verdadeiro portland. se vende n
ra da Madre de Deus n. 22, armazpm d
Joo Martins de Barros.
$em
segundo
a 560, 500 480 400 a garrafa litro a 840 *"io kiogrammo a 480, 540 600, e
760, 720 e 600. 7(5000, 70500 e 8800 arroba.
"Vinho branco puro de Lisboa a 640 560. Milhoalpista 200 rs. a libra e
a garrafa, em porco ba abatimento.
Vinbo do Porto, engarrafado das melho-
res e maisacretadas marcas a i$000 e i#200
1)5500 e 2,5 a garrafa.
dem Bordeaux, Medoc e St. Julien a
7^500 e 65500, a duzia e 640 rs. a garafa.
Genebra de Hollanda e laranja doce aro-
mtica a 6<5500, 7)5, i i 500, a frasqueira.
Serveja Bass, Illers Bell a 95800 du-
zia em porco ha grande abatimento.
dem marca H e T e outras marcas a
5)5500 e 6, a duzia e 500 rs. a garrafa.
Assim como ha. outros muitos
logramma e 5800 a arroba, em porco ba
abatimento.
Queijos frescos do ultimo vapor a 35200
e 35400 cada um,
Aletria, macarro, talharim a 500 rs. a
libra e 15100 o kilogrammo^m caixo ha
abtimento.
Sabo massa de Ia e 2a qualidade a 220
e 240 rs. a libra em caixa ba abatimento
Toucinho da Lisboa muito alto a 400 rs.
a libra e 880 o kiiograramo, em arroba ha
grande differenca.
gneros, vinho em ancoretas, azeitonas,
passas e figos, charutos finos de diversas marcas, marmeiada, bolachinhas de todas as
quaidades, perola, Fraucy-cracynei, a, fy c, Mdium, mixed, soda Fancy-nic-nac, pa-
laie de Varietes, combination, Britania, doce de goiaba fina, chouricas, manteigas finas
franceza e ingleza, banha de Baltimor, phosphoros de Sycuryt, Cognac, cha de diver-
sas quaidades, Canella, pimenta do reino, ervadoce, pomada, enxofre, breu, peixe
em latas de todas as quaidades, ferraba de milho americana, grandes molhos de sebol-
las, uestes dous armazens existe tambem grande sortimeoto de oucas propnaa para ne-
gocio, que pelos seus commodos preco faz vantagem aos compradores.
BAZAR M MODA
-~8UA10VA-50
UMA PBENDA. Lindos objectos dourados de delicados gostos, proprios
para meninos, vende se no BAZAR DA MODA.
&t BAPTISADOS. Ricos chaposinhos de setim brancos, lindas toncas de fil
^ e setim, sapainhos etc.
0 GUIPURE. Ou croebe em pessa, branco e preto, com lindas ramagens e
g qualidade muito superior.
PUNHOS. Para camisas de homens, fazenda superior com d.uas faces, o
** par 640 rs. (pecbincha I)
PERFUMARLAS. Finos extractos para lencos, aguas de diversas quaida-
des, sabonetas, olos, pomadas, pos, tnico etc.. etc.
PERFUMES. Lindas caixinbas para luvas contando urna preparacSo em
que Ihes d um agradavel aroma, por 15500.
Gravatas, cintos, flores, plumas, coques, trancas, fitas, botoes, bicos e pen-
tes etc., etc., e muitos outros artigos proprios da estabelecimento' vendendo-se
tudo por commodos precos, no BAZAR DA MODA; ra Nova n. 50, esquina da
A de S. Amaro.
m Jos de Souza Soares.S, C.
Novas pechuielias
NA
Loja flor da Boa-vista
DE
PauloF.den. ulmares.
Chitos escuras e claras, a 2G0 e 210 o cunado.
Laa com palminhas, 200 e 320 o covado.
Seda pretas de listos muito eacorpada a 2, dem.
Cortes de brn para calca a 1280.
Fustoes partroupas de meninos a 800 o covado.
Grande sortimeoto de roupas feitas, assim como,
se fazem per medida, precos multo commodos.
Na ra da Imperatru n. 48, junto a nadara
francesa. ________________'
Vidros para vidracas de todos os tamanhos
e em caigas, vende Bartbolomeu <& C, em sua
pharmaci> n ro larg do Rosario 0. 34.
Vndese um casa aos Affogados, sita de-
fronte do sobrado do taant-coronel Manoel
quim do Reg e Albnqaerque, com chao proprio, dp comprador por raenoa nrco do qq# em outr*
sotoo e mais sessenta palmos de terreno para edi- qualquer parte ; assim coa se encarregam de
fica cao, pwio da estacao, por preco commodo : fonwojr mteme para as *bra, para o que b?
tratar na roa Augusta n. 69. canoas e carpeas.
MI FAimil
Maia Landolino vende mccos com farioha de
mandioca : na ra do Duque de Casias, travessa
do Rosario, loja n. 18 B
--------------------1 i------------------------------^. i i -------------------------------------------.
Yea Palitos do ga a 320 n. a duzia de caixinbas, ba-
rato : na roa do Rangel u. 39, taberna.
Mais barato do que em outra qualquer
parte.
, No porto da travessa dos Goethe acha-se oons-
tanlemonlq tijolo grosso, e flao, Upamente, lelhas,
e grande porcao de are, que se vedara a voatode
j cordeira previdentt
Ra do Novo e variado sortimento de perfuman*
finas, e outros objectos.
Alm do completo "sortimento de perli
alarias, de que efectivamnte est prvida
loja do Coreiro Previdente, ella acaba d
receber um OEtro. sortimento que se toro
aotavel pela variedade de dbj actos, superior
dade, quaidades e commodidades do pr-.
eos; assim,pois,oCordeiroPrevidente pe
e espera continuar a merecer a apreciac's
do respeitavel publico em geral e de sn
boa freguezia em particular, nao se afai
wndo elle de sua bem conhecidamansidi
e barateza. Em dita loja encontraro o
jpreciadores do bom:
Agua divina de E. Coudray.
Dita verdadeira de Murray Lamman,
Dita de Cotogne ingleza, americana, ira:
ceza, todas dos melhores e mais acreditado
.'abricantes.
Dita de flor de larangeiraa.
Dita dos Alpes, o violeto para toilet.
Elixir odontalgico para conservaeio i
isscio da bocea.
Gosmetiques de superior qualidade e che:
ros agradaveis.
Copos e latas, maiores e menores, coi
pomada fina para cabello.
Frascos com dita japonesa, transparente
a ostras quaidades.
Finos extractos inglezes, americanot
francezes em frascos simples e enfeitados.
Essencia imperial do fino e agradavel cha
ro de violeta.
Outras concentradas e de cheiros ignai
mente finas e agradaveis.
Oleo philocome verdadeiro.
Extracto d'oleo de superior qualidad
com escolhidos cheiros, em frascos de dife-
rentes tamanhos.
Sabonetas em barras, maiorss e menor
para muios.
Ditos transparentes, redondos e em Sgi
ras de meninos.
Ditos muito finos em caixinha para barbt
Caixinbas com bonitos sabonetas imitand
fructas.
Ditas de madeira invernisada contando t
as perfumaras, muito, proprias para prt
lentes.
Ditas de papelo igualmente bonitas, tal
bem de perfumaras finas.
Bonitos vasos de metal coloridos, e
moldes novos e elegantes, com p de airo1
e boneca.
Opiata ingleza e franceza para dentcs.
Pos de camphora e outras differenu
quaidades tarabem para denles.
Tnico oriental de Kemp.
Aluda mns coques.
Um outro sortimento de coques de nt
vos e bonitos moldes com filete de vidrilho -
a alguns d'elles ornados de flores e fita-
sstio todos expostos apreciaco de quer
os pretenda comprar.
vGOLLINHAS E PUNHOS BORDADOS.
Obras de muito gosto e perfeicao.
Fivellaa o filas para ciato*.
Bello o variado sortimento de taes obji
tos, ficando a boa escolha ao gosto do con
prador.
Rival i
P.A DO !
F.stou disposto a i
as miudezas pe
X'; declarados, garaolindo tu
eos admirados
Pacota rom ) qoadernos
pcl amiade a......
Cai.xas cora 0 papel paq-
tado a. .'.....
Caixa 0 iii.'veilos de 1.
do gaz a........
Dozias de meias croas superioi
qualidade a.......
Pecas deblbadmhCKj cuffl l> va-
rasa. .....
Perdis do liras Ok li
metros cada rfi \Q0 e.
Pecas de litas papa t de q al-
quer largura nm ',
JBxovas para upliasfaznda fina a
Dil.is para *edte.s a 250, 33,
400 rse.......
Pecas de tranca lisas, blancas e
de cores a......
i.'aixinli.'.s. de n',aucni cum alfne-
tfs fazenda superior a. .
Duzia de linha fixa para Lorda-
dos a 4'0 i. c.....
Pares de meias raa- para ni.''
rus diversos taaustilios a.
Duzias d; L.e:;,> |.,; ca muito
finas para wohora a. .
Pares de sapsi? de trenc do
, Porto........
Pares de sapatos di a. .
Livrr.s de mlssa a] s. .
Duzias de barains para vuitaet
Sylabarios porluytiezes a. .
Redes cora cuntas muito boa qna-
Cartes com cOtlxetas carreras a
ADoloaduias para colUt div
quaidades........
Caixas com penna de ac muito
LOa da 320 a......
Duzia de linha 200 [ardas Alexa:.-
dre de 40 a 200 e, -
Caixas com superiores obrei s a.
Duzia fie agullia para machina a.
Libras de p:egos irancezw .iodos
os tamanhos a.......
Talhtres para meninos a. .
Pares de sapatos de tranca pari
meninos a. I
700
2
40
400
500
3iO
laco
i 400
906
' 40
Mooo
Lili UU lilil3I
20Ra da f mptratriz20
Fair & S^i'ssa.
Acaba de chegar a esta mu! urna hija d# /-
sendas finas iuii variad' soflimento de fizvjuta i
laa o seda, cuniu BCjan : granadtses d i
gosto, popelinas de urna s coi. atpaeas c 12
nha< de coree, o i|u ha p mais modcrnOi '
por baralisiiiios pre?oj, brhantinas de eorc?, le-
cidos das indias, fazenda bou e uUicao d per-
ralia,bnlcsde clina Gofn i!.' s;ii;i cor omn I -
das barra;', fusiijs proprios para u'-im roe
de ineuincs ; agora grandes < 3 perh.n-
chas, saias brancas com indos frisaflo? a ft. ii-
o? ijorpiibos bordados muito iii.sa,"-;. ba
modernos de ir s a i, ricas calchas ;
alcocboadas. sendo brancas e de cor, a :>, (
li, cambraia virtnris Una a 5f,xdiUa iranspawii-
tes ajs, 6 e 74,clut ,as i scor t e clan -
a 280, 300, 320 e 3G0 o corado, nsw de co:
240, lencos brancos de cas-a a 2*i00, ditn? rhi
nexos a 3500 a duzia. maJapolSo 1 n a I
f"6500, e muit- superi-r a 7. 7f6O0 e P, % '-
daozinho largo proprio para b'iiees a l',. n
de algodao branca (raneaf pti>pri i par bu
de mesa a IjOOOa vara, nramanta par; b-pri
20O t 3fi00, o que hs lie iirtlfe
nissimo a 2200 e 2.';00 a vaVa. Kandamos lias
casas das Exmas. familias para melhor poderem
escolhcr. Tambem temos completo MMtUBHtM de
perfumarlas des primeiros fabricamos francezes o
inglezes; as pessuas que se dignarcn vir a esta
loja terao occasiao de recoobecer a rtalidade da
que annunciamos para nos justificar. **"
Bichas hamburgnezas
Neste novo deposito recebe-se por todos os pa
qaetes translanticos bichas de qualidade superior
e vendem-se em caixa ou porcao mais peqilena,
e mais barato do que em outra qualquer parta:
na ra da Cadeia do Recife n. SI, 1* andar.
Cabellos
Venderose caheBos de todas as corea, qualquer
comprimentc, qualidade superior, em caixa ou
porco mais pequea : na ra da Cadeia do Re-
fefe n. Si, i andar. _
Suprior vinb Bordoaix
St. Estepbe & SL Julien : na ra da Cadeia do
Recife numero 5.
Ferro gaivanisado
Vende-se em casa de Adamsen, Howle & C. na
ra do Commercio n. 40, folbas de ferro galva;:-
sado de 6, 7 e 8 ps de eomprimento.
Vende-se a casa taire* n. II, em chaos pro-
prios, sita em OJinda ra do largo do Ampar .
com 4 quartbs, corredor ao meio e duas salas : a
ratar no 1 andar n. 5 roa di Cadeia dn Iiecile.
Vndese a padaria Oa ra Aa tSuia n. 86,
por seu dono querer retirar-se por se achar doente.
>
m inn.
ATTENCAO
; Fazendas b rata com
t qu de avaria.
S A' ra do Crospo o. 35.
Chita fuslo de, cores a 160 rs. o cova-
do : na ra do Crespo n. 2o, loja de Ma-
noel Dias Xavier.
m
Fazendas barata.*, a ra do Ba-
bugn. 10.
Laa com listras de seda a 840 o covado.
Dita com ditas a 400 rs. h covado.
Chita de cores linas e bom panno a 320 o co-
vado.
Dita precales.lindos padroes 400 rs. o covado.
C lebas adamascadas de 2400 e 4800.
Cambraia para cortinados com 20 varas a peca,
fazenda fina a 12J00O.
Cam sas ingleza bordadas para homem.
Grande porcao de chales de ganga, um iSOO.
Dao-se amostras.
Attenco
Venderse a casa da ra da Conquisa n. 20 : a
tratar na Estancia n. <8. ,
QVEM QUER 1MHA
NA
Loja ingleza
Passeio publico n. 60.
Neste grande ostabelecimento encontrar o res-
peitavel publico um grande sortimento de iazendas
de tod^s as quaidades e pregas por menos do qux
em outra qualquer parte, com > sejam :
Chitas tanto escuras como de cores, muito fina*
a 240, 260 e 280 o cowado.
Cassas de caras, padroes muilo bonitos, a 280 e
320 o covado.
Cambraia branca trasparent para vestido a
44 a peca,
, Laazinha para vestido a 360 o covado.
Ditas para, dito com listras de seda a 800 rs.
Casemira preta para calca a 5-o corle-
Ditas de cores a 4 o covado.
Fustao de cores para calca alio corte.
MadapolSes finos com pequeo toque de varia
a 4 e 5*.
Algodqes brancos a 3, 3#500 e 4* a peca.
Paletots, calcas ecolleies de todas as quaidades.
PASSEIO PUBLICO N. 60.
Farfulla de Mag
Vende-se etn saceos grandes : no armatem da
trave sa do Carioca n. 2, caes do Ramos.
DOGE
De goiaba, laranja e banana ; na ra Direita n.
9 i. constaalemente.______________
Estamprlhas.
Vende-se na ra da Cadeia dp Recife n 8, loja
de azulejo.

';
i:


8
Diario de Pernambueo Segada, feir 4 de Julho de 1*70
ASSEHKLEi GERAL
CMARA, DOS DEBUTADOS
(Conliiuiac&o)
Nao pretendo, Sr. presidente, quo o go-
verno estivesse futoriMdo a dar essa giran-
tia.'embora a le de 3 de outubro do i853
Ihe dosse facnldado amrlissima para anxi
liar a conipanhia. fim levar a etffito h
consti-ucco da es'.r.uta que el'ft se vi.i un
oossibilitada de opcluir. Poderia o gowr-
o nesso ca empregar todos os meios para qo b rom-
paohia lev a effeiiua obra comprada: por
'tanto, posso conci-Hr a augmento i c -
, pital, como ja o fez o decreto de 11 de
agosto de 1855. Julgo. porm. desuecea.
sario empregar este argumento.
O ministro do imperi > de entao, o Sr.
Almeida Pereira, recnsoi in limine entrar
em neg :iaroes com ,a comoanha a s me-
thaivte respeito, firmado seguramente na dis
posicjh literal do contracto. Deve-se, po-
rm, notar que j ento existiam queixas
cauito fortes do ongenheiro fiscal da estrada^
sobre os esbanjaraentos bavidos na cons-
rucco da estrada, e i-to devia iollnr no
animo do ministro para repellir aquel!., pre-
tftncSo.
No anno seguate, em 1861, a companhia
vollou carga com o seu pedido. Era ento
ministro da agri. altara o Sr. Manoel Feli-
zardo. Este podM lambem repellir in li-
mas a pretenda) da companhia, bndaodo-
se na lettra do cotitr-eto.
Entretanto, julgou dever ouvir a opin ao
do consultor da sua secretaria, o qud re-
queren que fosse ouvido o presidente da
provincia de Pernainbuco e o respectiva en-
geoheiro fiscal, afim do governo imperial
resolver cotn parfeito conheciraeoto de cau-
sa subre assumplo tao importante.
As concluses dq,engenheiro fiscal, e com
as quaes concordou u presidente, foram
estas: Io. que s nomeasse urna commis-o
. para examinar atentamente as despeas
concernentes ao emprego do capital garan-
tido, entrando na apreciac3) de cada urna
das verbas; 2", que esta commjssSo indi-
casse as causas que deram lugar a extinc-
Co do capital garantido ; 3o, que, acolhida
favoravelmente a pretenc3o, a somma a que
se dever estender a garanta fosse filada
ulteriormente cancluso, entrega e reccbi-
mento das obras.
Foi tambem consultado o nosso ministro
esi Londres o Sr. baro de Penedo. o qual
opinoa que pareca inopportuno conceder-se
n'aquella oeoasi j augmento de capital ga-
rantido, estando entretanto, convencido de
que maislarde, depois de tera companhia
ciimprido as suas obrigacoes, o governo
devena a;ceder ao pedido, nao s por equi-
dade, mas tambara pelos interesses giraos
do paiz.
A' vista destes pareceres officiou, o Sr.
Manoel Felizardo ao presidente da provin-
cia de Pernambueo dizendo que, no deven-
do o governo tomar delberaco sobre a re-
presentando sera minuciosi exame do em
prego d capital, cumpria que o_ mesmo
presidente n..measse urna comm sso. Eis
;>s suas P'lavras: (L.)
Note bem a commiss3o que o Sr. Manoel
Felizardo diz que o exame tinha por fim
habilitar o g averno a resolver se devia ou
nao conceder o augmento de garanta. Ad-
rnittio, portanto. a possibilidade da conces-
ivo, quando pela lettra. da lei poda in li-
vuae repellir a preti-nco.
Ollicou anda o Sr. Manoel Felizardo a o
nos?o BUnistro dasse examinar as rontas da companhia,
[ara babitar-se o governo a resolver sobre
o conveniencia de concederse ou nao a ga-
ranta de juros requerida pela directora da
companhia.
Demoramb-se este exame e continuand >
os embarazos da companhia, instou ella
pela decisSo do govero, Appareceu en-
to o 'aviso-do Sr, Sin mb com data de 24
de julho de 18G-2. Peco cmara licen?a
para ler parte oeste aviso:
c A' vista das raz5e constantes desta sua
exposicjto, e as que me apresentou verbal
mente V. S. (o siverintendeote) na ultima
audiencia qu itevc deste ministerio, demons-
trando a conveniencia de obter em temp
de ser transmitida pelo \apor francez,
prestes a partir, a resposta da pergunta que
rae fez, ali n de ser communicada direc-
tora da estrada d^ ferro em Londres, co'r-
re-me 6 dev;r de declarar-llie que por este
raesmo vapor acaba o governo mperhl de
receber de Pernamoco o relitorio da cora-
misso encarrega'da de ex minar as coritas
da companhia. que, de posse desse relato-
rio, como ja o est do que foi fito em
Londres, o governo impenal val entrar no
exame geral deste negocio, e que, se o re-
sultado desse exame for satisfactorio, nao
duvidar este pizer companhia o favor
1 solictalo, etc., e*., etc.
Ueste a\iso se deduz, que o Sr. Sinimb
fez depender a oonce-so do favor nica-
mente lo resultado do* exames. Ora, o re-
sultado dos exames foi satisfactorio.
O Sr. ArauioLima :Nao apoiado. Pro-
vou depredacoes da companhia.
O Sa. Antonio Puado :As sommas pTo-
v.'iiierites dessas depredacoes foram ilumi-
nadas das comas aposentadas pela compa-
ntlta. Oresuliado do exame foi que a quan-
t a de a? 48.O0O foi b&na fiie empregada
na constinco/io ila estrada
hirnnto, para concessSo da garanta de
juros ao accressimo de capital elTeclivamente
ani|>rogidu, c que o q-ie cotista do pro-
jecto em dfscussft o resultado dos exames
oi satisfactorio.
Os ministros da agricultura que succede-
ram ao Sr. Siniob, os Sr'. Bellegarde B
Domiciano, tendo de -responder a novas re-
clamacoes da compaDhia, referirara-se ao
aviso do S. Sinimb que- prometleu resoli-
ver favoravelmente a questao no caso de
ser satisfactorio o ex .me da commissSo, mas
xque iam sujeitar a quest5o aO voto das c-
maras.
Neste estado da qo9Stao foi ella trazida
disenssao da cmara dos Srs. deputados
em 1861. Apresentada como additivo ao
orcameiUo do ministerio da agricultura, foi
approvada conjuntamente com esse orca-
mento e assim foi para o senado. No se-
nado foi separado o additivo do orcatnento
pa. a formar um proiecto especial Neste
interina oahio o ministerio presidido pe;o Sr.
Zacaria's, e succedeu ao Sr. Domiciano na
pasta da agricultura o finado Sr. Paula Soa-
za. O Sr. Paula Souza, que se havia ma-
nifestado ni inbona desta cmara contra o
projeoto, np procurou dar andamento
questao com grave prejuizo dos int-resses
ila companhia que exiga urna prompta de-
ciso pi ou contra, assim como do es-
tado.
Esta delonga motivou novas reclamacoes,
e foi apresent ido este projecto para ordem
do dia no senado em 1868, as vepras de
cahir o ultimo ministerio presidido pelo Sr.
Zacaras.
J v, poctanto. o nobre deputado pelo
Rio de Janeiro que nao foi exaclo quando
irnicamente declarou que ao actual governo
cabia a gloria de ter promovido a apreseo-
tacSo deste projecto no senado. Este pro-
jecto nos; foi legad) em ordem do diatio
senado, pela situaco passada. Approvado
pelo senado e remettido em fins da sess5o
do anno prximo passado para esta cmara,
foi aqui discutido, ficando adiada a sua 2a
discusso pelo encerramento da sesso le-
gislativa.
V, pois, a cambra que a concesso da
garanta de juros ao capital addicional da
estrada de ferro de Pernambueo j tem em
sen favor o voto das duas casas do parla-
mento. (Apoiados e qSo apoados)
Eotendo mesmo qua a discusso inop-
portuna qnanto concess5o dessa garanta
de juros, julgo que nos deveriamos limitar
nicamente adscuiiroadditamento do sena-
do, isto a resolverse a garanta de juros
deve datar da concluso das obras da es-
trada ou da resoluco.
(Ha diversos apartes.)
Estam estabelecdas as premssas da ar-
gumentoso com que sustento o projecto.
Destas premssas tram-se varLs conclus5es:
1.a Nenhnm direiio assistia -companhia
em vista dos seus r.ontractos quando fez as
prmeiras reclamai;es, porque eslava esta-
belecido que a garanta seria sempre a
mesma, q talquer que fosse a quantia em
que importassem as obras.
2.a O governo disistind > do direto de
repellir as reclamagos da companhia, fun
dado em disposices expressas do contac-
to, admit o o ex me da reclamaco, e esta
des leticia do governo motivou tambem a
desistencia-do direi o que a companhia tinha
de n3o admittir fiscal sacao oas despezas da
construeco da estrada. Houve, portanto,
desistencia de direto nao s por parte do
governo como da companhia.
Oka Voz : H >uve accordo.
O Su. Amonio Prado : Este accordo
nao podia ter em vista oulra cousa mais do
que um appello aos principios de equidade,
afim de ieso!ver-se por eiles o pedido da
companhia.
3.1 O governo tornou a co-cesso do fa-
vor nicamente dependente dos exames a
que mand u proceder ; ora, desses exames
resultou que a somma de libras 485,000
fo bona fide empregada na construccao da
estrada ; portanto, verificou-se o compro-
miso do governo.
/4.a Em virtde de tram-se os capitaes neces^arios, na f da
palavra do governo, salvando-se assim a
companhia.
F0LKET1HI
A VIVA DEP01S DE MORA
POR
Xavier de Montpin.
PARTE PIUUEHli.
0 M\RQIEZ DE SMMAIXEJT.
XII ,
A evaso.
(Gontinriao do n. 145;.
O marquez j n3o a ouva, porque sal-
tara para o outro lado da varanda e.dei-
xava-se cahir n'aquelle instante. Um se-
gundo depois encontroo-se sem novidade
no meio de um monte de palha, cinco ou
seis passos apenas das sentinelias, urna das
quaes acordou repentinamente, e levantan-
do-se sobro om cotovel o, balbuciou com
a lingaa entaramellada :
A modo que sent raecher... s tu,
Andr.?
Nao tenhas medo ; anda nao desam-
paramos o nosso posto, responden*Andr
abrindo om olho.
> Mesmo assim, nao seria mo fazerraos
urna ronda para ver.
Sempre s um pateta t 'Qae has de
tu ver com esta escundSo ? E demais a
mais est todo quieto : nao se meche nem
urna mosca.
Fez-se outra vez silancio. O marquez,
qae se conservara agachado e Immovel por
alguns segundos, contendo a respiraco,
f oi-se desusando poaco ponco, arras-
ando-se como a cobra por cima da palha,
O Sr. Andrade Figf.ira : Nao hiove
palavra alguma dada pelo governo.
O Sr. Antonio Prado:A companhia,
como a casa sabe, nao podia levar a effeilo
as obras, porque os primeiros'estudos tendo
sido mal feitos, o que n5o de estranhar,
visto ter sido esta a ptimeira empreza e-
traogeira deste genero no Brazil, kavia es-i
gotado o seu capital, e nao tinha meios de
levantar novos.
O Sa. Andrade Figueiba : Estava e-i
sacreditada por seus esbaojamantos. Eis a
razo por que n3o podia levantar capitaes.
O S. Antonio Prado : Nao podia a
Compaa levar a effeito as obras sem ac-
crescimo de capital. Este capital foi levan-
tado porque entendeu-se, e com fundamen-
to, que havia compromisso do governo, e
de facto n3o se podia dar outra interpre-
tado aos actos do governo a este respeito,
porque a companhia sabia perfeit miente
que o governo poda, pela Iettr3 do contrac-
to, repellir in limine as suas preteneSes, se
o quizesse fazer.
Esta questao, senhores, tem sido comple-
tamente deslocada, nao so pelo nobre de-
putado que encetou este debate em segun-
da discusso como t.mbem pelo nobre de
putado que acaboa de fallar.
Nao se trata de um direto da compa-
nhia, nao se trata tambem de um direto
do governo, tratare da applicicio dos
principios da equidade para resolver ama
questSo de alta importahea, nao s porque
o governo entende que de algum modo
est empeohada a sua palavra, como por-
que trata-se de dar vida a urna empreza
que muito deve contribuir para a prosperi-
dade de um provincia importante.
O nobre deputado que por ultimo fallou
nos disse que os principios de equidade
no podiam ter applicaco ao caso, porque
a leclamaco di companhia fundava-se no
erro dos profissiunaeS ; mas o nobre depu-
t do sabe perfeitamente qae o erro pode
at annullar .os contractos, e com maior torga
de razao pode autorisar raodideaces nelles.
( Ha diversos apartes.)
Se o nobre deputado reconhece que
houve estes erros, se conhece que na exe
cuc3o da estrada houve excesso na somma
.Jo capital fixado para sua constru:c5o, ha-
vendo boa f da pa.te da companhia, n'uma
somma determinada conforme se reconhe-
ceu pelo exame feito por parte do governo
as contas respecti 'as, n5o pode deixar de
applicar os principios de equidade para sol-
ver esta questao.
Mas n3o nicamente pelos principios
de equidade que nos devenios guiar para
esta solucao, devenios attender anda para
as conveniencias do paiz ; e estou mesmo
na convieco de que este o terreno mais
proprio para o assumplo de que se trata.
A casa sabe que a estrada de Trro de
Pernambueo foi a primeira empreza estran-
geira desto genero tentada no Brazil.
O Sr. Andrade Figeira : razao con-
traproducente.
O Sr. Antonio Prado:Havia entao
muita inexperienc a, e est i inexperiencia se
reconhece pelas modficacoes feitas as con-
dc5es do primitivo contracto de 1852. In-
contestavelmenle estas alteraces foram fei-
tas mais com vistas de favorecer a incorpo-
raco da companhia, do que para zelar es-
crupulosamente os interesses do governo ;
e com isto n5o pretendo fazer a menor cen-
sura ao Ilustrado mnistro do imperio da-
quella poca, o Sr. conselheiro Pedreira,
hoje bar5o do Bom-Retiro, antes pelo con-
trario pens que elle, attehdendo s cir-
cunstancias do paiz, comprehendeodo as
suas necessidades a respeito dos melhora-
mentos de. vias de communcac3o, cousa
nova naquelle' terapo, n3o podia proceder
com .aquelle rigorismo qae agora se quer
por em pratica.
f.cto jncontestavel, senhores, que nos
precisamos dos capitaes estrangeiros para
alimentar a nossa industria, para dar vida
a nosso commercio: temos capitaes no
aaiz, mas elles oo bastara para eiiprezas-
desta natureza. i
A provincia que tenho a honra de repre-
sentar tem nestes ltimos tempos dado gran
des provas de enthusiasrao pelos melhora-
mentos materiaes.
O Sr. Candido Torres : Hinra Ihe seja
feita.
O Sr. Antonio Prado:Com os seus
proprios recursos est construindo estradas
de ferro. Mas a conseguencia inevitavel
est sendo a falta de capitaes na provincia.
O prego do dinhero sobe todos os dias, e
talvez que a provincia se veja- tothida de
proseguir no caminho que com tanta galhar
da trilha, se porventura nao fr ajudada
pelos capitaes estrangeiros.
Isto, que se d hoje na provincia de S.
PjuIo, se ha da dar forcosimente em todo
o Imperio para todas as grandes emprezas,
e com muto maior forca de razao davase
fu-
naess pouco affejaos- a esta applicaco
gira n delta.
O Sr. Andrade Figchra : N5o apoiado.
O Sr. Antonio Prado : NSo tinham
confiaoca, por assim dizer...
O Sr. Andrade Figeira : NSo houve
falta d capitaes ; foi a abundancia delles
que nos'perdea.
O Sr. Antonio Prado : O gOWPO, que'
zelava dos interesses do paiz, devia neces-
sariamente entrar no terreno das concesso>?s,
dos favores, para arorocoar o levantamen-
to de capHaes estrangeiros quo viessem ter
applicaco no paiz.
O Su. Candido Torres : Anima-las por
todos os meios.
O Sr. Antonio Prado : J v, por-
tante, a cmara qae eu nao fago a menor
censura- ao honrado Sr. conselheiro Pedrei-
ra por hav feito as alteraces de 13 de
outubro de 186^ no contrato primitivo de
7 d agosto, e pelo contrari louvo-o muito
por este seu procedimento.
O Su. Andbade FtGUEiiu :Mudou com-
pletamente a natureza do coitrato ; a fisca-
lisaco tornava-se intil, superflua qianto
s despezas de constroccao.
O Sr. Antonio Prado ;V-se, pois, qae
nroutros que votamos por este projecto,
que acompanbamos o pensamento do go-
verno a este respeito, attendemos sobretu-
do para as razSes das conveniencias.
. Ser conveniente mostramos ama tena-
cidade a toda prova n proposito de nao
conceder favores alguns companhia da es-
trarla de ferro de Pernambueo ? Entendo
que nao ; s poderao d'ahi resultar incon-
venientes para 6 paiz.
O Sn. F. Belisario :Nao apoiado.
O Sr. Antoni Prado*: E, demais, o
governo, ao qual prestamos nosso apoio,
declarou terminantemente nesta tribuna que
precisava desta autorisacSo para solver con-
venientemente as questes com a compa-
nhia da estrada de ferro de Pernambueo.
Pois nos, qpe temos confianza no governo,
teremos necessidade de fazer o sacrificio de
nossas consciencias para dardhe a autorisa-
cSo que pede ? Entendo que nao, e por
isso que voto pelo projecto.
Antes de concluir, Sr. presidente, devo
pedir algumas informaces ao honrado Sr.
ministro da agricultura a respeito de alga-
mas quest5es qae se prendem solucao
desta materia.
Estabelecida a questao, como foi, no ter-
reno da equidade e das conveniencias, est
claro que nos vamos fazer qm favor com-
panhia, que delle precisa para subsistir. Se,
pois, vamos fazer-lhe um favor, temos o di-
reto tambem de estabelecer condices para
a sua concesso.
Desjo que o nobre ministro da agricul-
tura nos esclareca a raspeito das quest5es
pendentes com a companhia, para avaliar-
mos devidamente os beneficios resultidos
desta medida.
Algumas emendas foram apresentadas
casa no sentido de tornar-3e condicional a
concesso desta garanta.
Em parte, senhores, acompanho o pensa-
mento destas emendas; estou convencido
que o governo armado com as condices es-
tabelecdas pelo corpo legislativo mais fcil-
mente conseguir a acceitaejo de varias pro-
postas pslo mesmo governo apresentadas
companhia para a solucao das qnestes pen
dentes, e que nao teem sido at hoje accei-
tas por aquella companhia.
Lembrarei, por exemplo, a quastSo do
emprestimo de 150:0003003. Como o hon-
rado Sr. ministro da agricultura declara no
sea relatorio, a companhia nao est dispos-
ta a acceitar as condices apresentadas pelo
governo para que esta quantiaseja applicada
no augmeito do trem rodante, que se julga
indispensavel para o augmento do rend-
ment da estrada de ferro.
Entende o honrado Sr. ministro da agri-
cultura que sem a deliberado da cmara a
respeito destas condices poder conseguir
da companhia tanto como se tivesse em
sea favor a deliberarlo do corpo legisla-
tivo ?
Entendo que y do proprio interesse do
governo que tornemos por lei condicional
a concesso da garanta; todava, como de-
posito a.maior confianca no actual governo,
se o nobre ministro da agricultura nos dis-
ser qae ha inconveniencia em se votar por
estas emendas, qae tornam condicional a
concesso da garanta, como o nobre minis-
tro, estando ao facto das questes penden
tes, poder mais fcilmente ajuizar da con-
veniencia das emendas, eu na > votarei por
ellas; mas era todo o caso desejo que S.
Exc. esclareca a casa a respeito deste ponto
que me parece muito essencial.
Peco desculpa casa por ter oceupado
por tanto temp) a sua attencao : desejava
apenas manifestar o meu ando de pensar
sobre esta questao importante, porque em
naqoella poca, porque os capitaes naci- lempo opportaoo pretendo tratar de#algu-
bms questes. que se ligan a esta e qpe
eorrein pela-ptta da agricultura. (Mirto
bem).
OSa. Dbmo. Velho 0b*o da agricul-
tura) :A eon8derac3o- devida ao nobre
I deputado que acaboa de Ilustrar o debate
lr>lo tribuna afim de-dar as explicac&as
pedidas sobre a emenda oCferecida.
Pergontoo o> nobre depetado se a aulori-
sac3o concedido,' tal come ,acba-se no pro-
jecto v'mdo do senado. ttaWita o goveroo-a
solver as questes pendedfee, on se a emen-
da offereeida ter effeito- mais prompto-e
effieaz.
DecWra qua a solucao ckssasquestoesno
estado das races entre o .governo e a< di-
rectora da estrada de ferro de Pernambu-
eo- urgente, muto urgente.
Acceda por esta augusta cmara qual-
quer emeafla i resolucao- qpe se discute,,
consequenraa indeclinavel a devolucao ao
senado, e d'abi novas contingencias e infal^
lel retardamento.
Inquiri o nobre depotado particularmen-
te do pesameeto do governo a respeito-do
emprestimo de 150:000$- autorisado por lei
par augmento do material rodante.
Informa que a companhia nao faz questao
deste emprestimo.
O Sr SouzaReis :Rejeitou-o; V. Exc.
diz isto no seu relatorio.
O So. Ministro da Aawcui.TURA :Bca-
sou-o sob as condices propostas, equitati-
vas sem duvida em vista da lei que o facul-
ten, mais ainda assim onerosas quanto ao
juro...
O Sr. Cabido Torres :-^Qs accionistas
exprimiram-se em termos os mais speros
a respeito da proposta do Sr. SoDragy: de-
clararam que era absurda, ridicula, etc.
O Sr. Ministro da Agricultura :NIo
devemo-nos influenciar pelos ditos inconve-
nientes e apaixonados de alguns accionistas.
O certo que a companhia nSo fez questao
do emprestimo autorisado ; di-to firmado
em declaracao explcita do superintendente
da estrada, e noque se passou na ultima
reuoiao dos accionistas. A* directora foi
concedida a faculdade de levantar outro
emprestimo en Londres para augmentar o
material rodante.
Este incidente n3b entende, portanto. na
solucao do assampto qqe se debate.
As oatras questes pendentes s3o mais
ou menos importantes.
A do prolongamento da estrada para o
rio S. Franc seo n3o essencial. Se a
companhia n3o quizer continuar esta empre-
za, pode o g iverno commelt-la a quem
quizer. Outro tanto n3o succede com a li-
gac3o das Cinco-Pontas coia o porto : a
companhia julga isto Inherente ao sea pri-
vilegio ; mas nao tem feito esta obra. Ha
de se ebegar a accordo.
O estabelecimento ou creac3o de um fun-
do de amortisaco imprescindivel; o de
reserva tambem conveniente. Estes e
outros pontos controvertidos n3o teem im-
portancia t3o extraordinaria que devam ser
incluidos na resolucao que se discute. O
governo ha de solv-los do melhor modo.
E' compromisso tomado ; condicao indis-
pensavel para o augmento do capital garan-
tido.
0 governo espera corresponder con-
fianca desta augusta cmara trazendo ao seu
conhecimento, talvez antes de findarem os
trabalhos da presente sessao, a solucao das
questes referidas. Se elle, orador, reco-
nhecer que illudio-se, ser o primeiro a vr
pedir a revogaeie da autorisac3o, que espe-
ra seja concedida. (Muitos apoiados; muito
bem, muito bem).
O SR. SOUZA RES. Sr. presidente,
comprehendo o desgosto com que, talvez,
sta augusta cmara vai ouvir-me ( nao
apoiados), n3o s porque se acha bastante
adiantada a hora, como por rae terem pre-
cedido distinctos oradores, que Irataram
da materia cem proficiencia. Entretanto,
julgando-me na obrigac3o de oceupar a
attengo da casa, imploro sua benevo-
lencia.
Sr. presidente, o proecto que se discu-
te de summa importancia, j pelo obje-
to em si, porque trata-se de urna garantia
qae sujeita o estado a um sacrificio annual
de centenas de contos de ris, j pelo seu
fim, porque tende a animar e desenvolver
urna empreza que se dirige ao augmento
da riqueza publica, e j pofqae se acha pa-
trocinado por um dos ministros da cora?
pretendendo-se que a honra da naejo este-
ja comprometida. ,
O Sr. Ministro da Agricultura. : Nao
ha tal; eu nunca dsse isto. (Apoiados.)
O S.SouzaReis.:Jretendenlo-se. disse
en, e digo ainda, porque j ouvi nesta casa
essa opmiao, qu ;l nSo attribuo a V. Exc.
Alm disto, Sr. presidente, o projecto
prende-se a interesses reae? da provincia
que tenho a honra de representar, e por
at chegar ao chao ; l se orientod confor-
me pode, e dirigio-se muito devagariuho e
com rindes precanr.oas para o telheiro.
Eocontrou dentro d'elle sete cavallos
ajaezados. Qial era o seu ?
J se dispunha a procurado, apezar das
trev.s, quando Ihe pareceu que estavam
outra vez fallando no pateo. Era preciso
portanto apressar-se. N'isto de fgidas,
um intervallo de poneos seguidos decide
s vezes da salvaco oa da perda dd fugi-
tivo. O marquez bem o sabia, e por isso,
sem m3is escolha, desatoa da maDgedoura
dm cavallo qualquer, improvisou a rdea
passando-lhe urna correia pela bocea, aira-
vessou o pateo, abri a cancella, e, j en-
trando na horta, saltoa para cima do ani-
mal, cravou-lhe as esporas no ventre e
parti toda a brida para o lado da brecha
que um relmpago Ihe mostrou.
Entretanto, o choque das ferraduras as
pdras do pateo, raido era mais que suf-
ficiente para despertar as sentinedas. Jacob
e Andr ooviram cabr a cancella, violenta-
mente emparrada, depois om barolho fu-
rioso na horta, e n3o obstante os vapores
do alcool, perceberam que estava ucce-
dendo alguma cousa muito seria. Em me-
nos lempo do que se gasta a dize-lo, cor-
reram ambos ao telheiro e poderam notar
s apalpadellas' a falta de um cavallo. Acto
continuo, entraram a gritar com toda a
fora dos pulms:
A's armas I s armas I L foge o
preso !
O preboste, mal oovo aquella gritara,
saltn para fra da cama, e sem gastar mais
lempo que o necessario para accender urna
luz, foi-se varanda n'um vestuario dema
siadamente ligeiro, e poz-se a berrar des-
aforadamente :
A' elle, rapazes I Eia I Sos De-
pressa I Aviem-se I A' toda a brida !
Agarrem-uo, quando n3o mando-os] fuzilar
todos araanhaa de manhaa 1 Toca a mon-
tar, queeu ahi vou j 1 .
E, exasperado, furioso, o preboste voltou
para o quarto e vestio-se todaapressa.
Tinha acordado toda a gente na estalla-
gem ; foram-se abrindo successivamente as
portas do estalajadeiro. de Jua, de Colla-
Ca e de Jacobillo, e todos perguntavam em
altos berros qae era aquillo, e porque mo-
tivo se faza tamanha algazarra. A' essa
pergunta s a mocoi'a poderia responder, e
esensado dizer que o nao fez.
Ainda n3o se tinbam passado cinco minu-
tos, e j estavam todos os' solda'dos ca-
vallo e promptos p^ra darem ca^a ao fugi-
tivo, ainda que os assustava a danteira por
elle tomada. Essa dianteira, porm, nao
era tamanha cotao elles cuidavam, pelos
segaintes motivos:
Saint-Maixnt passava por excedente ca-
valleiro, e confiado na sua maravilhosa ha-
bHidade, deitoa, como dissemos, o cavallo
toda a brida, para o lado da abertura
tapada com vides e espinos, esperando
que de um salto vencSsse o obstacalo, que
nada tinha de formidavel ; mas o cavallo
era pesado, apezar de vigoroso, e o ansa-
co de tres dias tt>ns8cutivos dra-lhe cabo
dasforcas-
Duas veze3 se atiroa brecha, rinchando
com a dr das esporai, at que, vendo o
marquez tornarem-se imitis todos os es-
forcos, apeiou e prinaipidn a tirar as vides
e os espinhos um^por um, no que levou
bastante tempo.
Afinal licou livre a passagem, e Saint
Maixent, agulho'do pelos clamores qae se
ouviara na estallagem, vio-se j em pleno
campo e acreditou por instantes que deixar-
ria bem longe os sem perseguidores.
N3o obstante, a araara zpmboa outra.
vez da sua impaciencia. Em balda rasgou
tal modo se tem entendido- esta Bgac5o,
qae se tem tambem pretendido qae- votar
contra o projecto-e nio attender, aban-
donar, esquocer mesmo oe interesses da
provincia de Pernambueo r feto en neo po-
;dk fazer (apoiados); e, nao obstante, pro-
nunciei-me j contra o projecto...
O Sr. Barroca Barreta Eu tambem
proteste contra esse modo-de pensar.
O Sr. SouzaReis....e contra eUe ve-
nho pronunciar-me ainda, dando as razos
que tenho para o fazer. Taes s3o. portanto
os motivos que me levam a oceupar presen-
temente a attencao da-cas; e tratando de
projecto o considerare! defcaixo de todas
estas relaces.
Entretanto, peco liceee para, antes-de
oceupor-me do projecto, apreciar algumas
eonsideraces que nesta casa forana, feitas
[pelo nobre deputado- qae encelen b debato
ste anno, digno- representante do-*4:? dis- .
trido da provincia do Rio de Janeiro, por-
que neltas descobr alguma coosa de injus-
to com relaco minha- provincia.
Sr. presidente, a proposito da. garantia
do capital da estrada de ferro de Pernam-
bueo, o nobre deputado pelo 4. districto
da provincia do Rio d* Janeiro, fes<;assem-
bla provincial de Pernambueo ama cen-
sura, porque nao tem attendid > divida
em qae a provincia se acha para com o
estado peLj garantia dos 00 a.que ella
obrigra os cofres provinciaes.
Acredito, Sr. presidente, que com esta.-
censura o nobre deputado nao. quiz por
certo attnbuir proposito em n3o se atten-
der a essa divida; acredito' que elle n3o
qniz fazer saliente esta falta de obrigacao.
com o sentido de atacar o crdito da minha
provincia; roas nem por isso corre-me me-
nos o dever de attender assemb'.a provin-
cial de Pernambueo; e para que o faca te-
nho necessidade de remontadme aatori-
sac3o dessa garantia de juros; tenho noaos-
sdade de dizer a maneira porque ella., foi
sortida nao obstante ser incootestavel que
os recursos da provincia da Pernambueo,
ao tempo emque essa garantia foi autorisa-
da, nao podiam por certo comportar a des-
peza que resultara della. Isto urna cir-
cunstancia que deve attenoar a falla apor-
tada pelo nobre deputado, alm de nutras
qae antecederam a autori&ac3o e qae foram
justamente as que concorreram para que
ella tivesse lagar.
Sr. presidente em 4852 manifestoo-se
oeste paiz a idea dos caminhos de ferro, e
foi a provincia.de Pernambueo urna das
quo tiveram a fortuna de ser primeiro do-
tadas de um melhosaa>ento material t3o
importante.
No contrato que se fez para que se levas-
se a effeito a empreza, ficou estabelecido
que a companhia qua se organisasse para
este fim leria dos cofres do estado a garan-
tia de 5 % do capital convenckinado ; nao
se cogitou entao de outra garanta, n3o se
cogiten de intervenco alguma provincial.
Porm mais tarde, qnando outra provincia
concurra tambem com empreaa semelhante,
pareceu a quem curava dos interesses da
provincia de Pernamboco, no tocante a esse
melhoramento que esta concorrencia podia
matar a empreza de Pernambueo, porque a
provincia da Baha, qae esta ontra de que
trato, se lembrara de garantir com a % o
capital necessario para se levar a effeilo all
a estrada de ferro.
Insinnagoes foram feitas ento por pes-
soas que estavam na suprema administra-
rao publica, para que a provincia de Per-
nambueo fizesse o mesmo que a da Babia,
porque mais favorecido o capital que fosse
preciso para a estrada des>a provincia, se
tinha 'como certo que diflicl seria organi-
sar-se a companhia para realizar ? estrada
contratada para Pernambueo, sendo p* isto
indispensavel acompanhar a provincia da Ba-
ha nesse passo, garantindo' tambem 2 /'
por seus cofres.
Foi isto em 1854. 0 presidente da pro-
vincia acceitou a idea, e procurou faz/la
corrente.
Pessoas.que pensavam com moito criterio
sobre os negocios pblicos disseram ; Isto
urna illuso sem necessidades, concor-
rer para que a companhia que s organizar
tenha nm accrescimo de garantia, sacrifi-
cando-se a renda provincial; n3o ha motivo
algum para crer-se que o simples facto de
ter a provincia da Bahia concorrido cora
2 % Para garantir o. capital de sua estrada
embarece a realizac3o da de Pernamboco.
porque, era todo caso nao pode haver diffi-
culdade em incorporar-se no estrangeiro
urna companhia que deve cootar com o pre-
mio de 5 7o de sea capital.
(Contmuar-se-ha.)
- f
com as esporas as ilhargas do pobre ani-
mal ; por mais que fez, s alcancou um
galope varillante e pesado, um desses galo-
pes com que muiti custo se ven cem das
legua* por hora. Duasjiegaas Que sup-
plicio para um fugitivo que desejava ter
azas para se furtar aos que.o perseguan! 1
Ao marquez s restava urna esperanca.
Como o preboste e a sua gente nao sabiam
qae direccab elle tomara, haviam de perse-
guido ao acaso, e talvez por felicidade sua
tomassem o caminho opposto, affastaido
se delle em vez de se aproximarem,
Este raciocinio serenou momentneamen-
te a febrrT agitado do moco, cajas arterias
pulsavam com violencia, e que seotia o san-
gue a ferver no cerebro ; mas a hypothese
era falsa.
J dissemos que estavam 'postados dous
hmens na nica ra da aldeia ; ora, como
eiies nao tinham visto passar por ali Saint-
Maixent e seguir o caminho da alta Auver-
nia, era evidente qae tomara para as ban-
das do Velay.
Ao cabo de meia hora, ebegando o mar-
quez grimpa de ama encosta bastante
lmpinada, adquiri a crael, certeza de que
os ginets do preboste Ihe seguiam a pista,
moito de perto.
Urna ratoanada de vento Ihe tronxe aoe
ouvidos o galopar dos cavajlos que se
aproximavam por instantes.
Para cumulo de infelicidade, a cavalga-
dura do fidalgo, farejand os seas hab-
tuaes companheiros, entrn a relinchar fu-
riosamente como para os chamar. O mar-
quez enterrou-lhe as esporas e obrigpu-o
a lancar-se pela encosta abaixo todoo
galope, arriscando-se a Qcar feito pedacos
na ripada pendente que da plataforma con-
duzia urna vasta planicie.
Mal se vio s30 e salvo de t5o difficil des-
cida, sahio do caminho direto e pachou" o
cavallo para o meio do campo, na esperan-
Ca de que o preboste e a sua quadrilba
continoassem a vereda sem se demoraren,
deixando-o atraz de si ; estava, porm, es-
cripto que haviam de sabir frustrados to
dos os seus ca'culos. Apenas elle acabava
de faz?r a citada manobra, retjentou a tem-
pestada com dobrada furia ; os relmpagos,
fuzilaodo oas aps dos outros sem intervallo,
illuminaram ao Imge todo o campo, e os
seus perseguidores, que chegavam n'esse
comeos grimpa de que fallamos, pode-
rem avistar, como se fosse de dia, o fugi-
tivo a esporear intilmente o cavallo.
Mal o viram. soltaram lodos um grito de-
victoria, que soou aos ouvidos do marquez
como o lgubre dobrar de sinos, e logo um
dos perseguidores, aparlando-se repentina-
mente dos demai?, desceu- cora vertiginosa
rapidez a escarpada encosta do monte. O
cavallo do sollado nao corra, dava enor
mes saltos, ou para melh ir dizer voava
como se fra monstruosa ave nocturna, ar-
rebatada as azas do vendaval!
Esse cavaHeiro era Andr, o soldado mel>
bebado, cuja alimaria levara Saint Maixent
por engao... E o corcel phantaslico, a
devorar o espaco na sua carreira, j os
leitores torao reconhecido: era a nobre
besta de raca, rabe qae o marquez mon-
ta va no dia antecedente.
E' meu agarrei-o I Oa se entrega
ou dou-lbe um tiro regougava o soldado
com selvagem alegra.
A distancia que havia entre Andr e
Saint-Maixent era a de om tiro.de espin-
garda ; o soldado levava pelo menos qu-
nhentos passos de dianteira ao preboste e
aos outros camaradas. O fidalgo voJtou a
caneca, e o.claro de um relarapajjn mo*>
troa-lhe Djali, que era este o nome do 'seu
cavallo, galopando mais ligeiro qae ama
flecha, despedrado fogo pelas venta* incoa-
i
A
das e saendndo no ar as compridas crinas,
sedosas como os cabellos de ama mulner.
Saint-Maixent comprehendeu que a fuga era
j irapossivel, e que ia.estar, sozinhp esem
armas, em presenca de seis adversarios...
Estou perdido disse entre si ; per-
dido sem esperanca : ao menos, s levaro
o meu cadver... Hei de morrer a de-
fender-me como as fras, com unhas e
dentes Ah t qoe se eu aqui tivesse ama
espada, ou pelo menos nm punhal 1
Exactamente quando o marquez fazia todas,
estas relexes, o cavallo, offegante e e
tenuado, vacillou e cabio tao de chapuz, que
pareceu ferido por algum dos raios que se
cruzavam no ar cada instante. Arrastado
o lidalgo na impetuosa queda, aganrou-se
macbinalmente ao arc5o da sella, e a soa
mo eocontrou a colatra de nma pistolla.
O moco te ve de fazer om violento esforco
sobre si mesmo' para afogar um grito de
alegra que Ihe quiz fugir dos labios. Um
segundo antes considerava-sa perdido sem
remedio, como 6 nadador queaente as Tor-
gas esgotadas e se v arrastado para o
abysmo; agora, pela mais f ude mudanca'da
sorte. parecia-lhe a salvado nao so possi-
vel, mas at iodubitaval.
Saint-Maixent era bomem animoso e de
resolucao; agarrn urna pistolla em cada
m3o e conservou-se estendido e immovel
ilbarga do cavallo. que nio pareca dispos-
to alevantar-se. Ao velo d'aquelle feitio,
depois de ama violenta queda, toda a gen-
te ira julga-lo morto ou desmaiado, e foi
isso mesmo o que Andr suppoz, quando
chegou toda a brida e repetindo : .
E' meu I... agarrei-o !...
(Continuar-se-ha.)
tVp -PO D AiUU RA DUQUE PE CAXlA
i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E8EBUMZN2_K7XSDU INGEST_TIME 2013-09-19T21:07:48Z PACKAGE AA00011611_13077
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES