Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:13068


This item is only available as the following downloads:


Full Text
W FEIR 24 DE
CAPITA1 E LUGAWJS 0151
sntadoa......
**......
fe
ou ma
J DCTTBO E F01A DA

DIARIO DE
Propredade de Manoel Rgueira de Faria & Filhos.
.
* A
08 fes do Antonio Alves Filhos, no Para ; Goncalves Pinto, do Maranho ; ioaqaim Jos de Oliveira, no Gear ; ironlo da Lemoa Braga, no Aracaty ; Jlo Mara Julio Chavea, no Amo ; Antonio Marques da Silva, no Natal
' Pereira d'Almeida, em Mamangoape; Antonio Alezandrno de Urna, na Parahyba; Antonio Jos Gomes, na Tilla da Penba; Belarmino dos Santos Baldo, em Santo Antao; Domingos Jos da Costa Braca
*
omingoa
em Nazareth ; Antonio Ferreira de Agoiar, em Goyanna; Francino Tavares da Costa, em Alagoas ; Dr. Jos Martina Altes, na Babia ; e Jos Ribeiro Gasparinhe no Rio de Janeiro.
| PARTE OHTOL
GoTerao da propia
k.
M DI 1871.
j,rawl?e, de contar-
n. 51, de 3 de'.em-
prom-itor
, a Bamjttnim
Bel-
-t
iL
n
KrPBMENTS DO DI^
Actos:
O nresjdente da,
iBidaifc eom
b/e de 18'tl,
blico da eoi ^
trio de Alend
O presid trac.i, usanda da attrl-
buigao qu U da Ij n. 6l, dj
', de der.e: Baasaar" noraear para o
lugar de promotor pub'.iio da comarca da Boa-
vista o Flix Ribmrd de Omlao.
O presidente da provincia, attendendo as que
reqaereram os lnente; Antonio Jos Pereira dos
RMo, Chrindo Cfftreante do Albaqaerque, Deo-
dato Rolamb'rg de JBtroqtterque, e os atieres Ma-
noel Soaras de mrii|aerque e Adriai Rdrigaa*
de Araujo, oomeadoe por portarla de 28 de janho
rfiimo, para 0 batalrtt* n. 31 da guarda nacional
do municipio d 1 Boique, resolve despensar Ibes o
pio de lempo docorrido para tirarem as respecti-
vas patentes.
O presidente da provincia, resolte, de eon-
orrnidade com o disposto noart. 2* da le n. 5H de
18 de juoho de 4861, noraear cooego Hareolino
Pacheco do Aoural, para eiereer o lugar de cen-
jr do pymnislo-provincia!.
Kxpedira:n-sisas necesarias corarauoicagOes.
ttBeios :
Ao Exna. Sr. ministro da ju-ti^a, transmiMin-
do a earlidao de exercicio do contador o distribui-
dor dos ertos da rateada no termo dcsta capital,
iocquim (ornes Pessoa.
Ao Dr. chefe pra d-t ca a, inJlca.1.1 pe > d-Mgado di termo de
Tacaratti, para servir ds cadea naquella lociHda-
de, visto ser m lis vaotaj >sa a pro vi ocia esta me-
d Ji, di que continuar a ssr alugala alguma para
seraelhante flm, doeado porm, o contra ti ser
approvado pel.i prosidencia, e se for possivel por
rnaawd 1:303*.
Ao inspector da thesoonra provincial, para
que mande indemusar o ministerio da guerra da
ijuantia de 4:'>J8*i00, em que Importamos objec
tos constantes da relacao junta foroeeidos pelo ar-
senal de guerra ao corpo de polica durante o
mez de dezembro ultimo.
Fizerara-se as convenientes commnunicacSes.
Por essa thesouraria maniou-se pagar:
A Jos Ribeiro Ribas, ou ao sea procurad*!*, a
quanliade 171*80), despendida com sustento
dj3 presos pobres da cadea do termo do Bo-
nito.
A Thomaz de Carvaibo Soare- Brandao Sobri-
nl:o, a impor tancia da ultima prestagao da obras
da bomba das Ubaias.
Ao inspector do arsenal de manaba, recom-
aaaodMdo. de coof irmidade com o que determina
) aviso do ministerio da marioba de do corrate,
o autor cuidado e interese na nsiruccao dos
aarendizes raarinheiros daquelle arsenal.
Ao capitn do porto, man lando por em li-
herdade o refirma de raarinba Alquido Macario do
espirito Santo.
Ao promotor publico da comarca do Recife,
iraosmtttiodo copia la denuncia, dada a presiden-
cia pelo preso da rasa da detenj.lo, Silviao Ricar-
do Anuncio, conlr o. sentenciados viudos do pre-
sidio de Femando da Noroaha, Vicente Jos da
Aaonnaiago e Jos Antonio Domado, os quaes
'gundo' informa o Dr. chefe de polica, j foram
processados, sendo pronunciado somente o altimo
aiim de que proceda como entender conveniente
.ios interesaos da justica, vista do respectivo pro-
ces3o, que examinara.
Ao chefe da reparisto dis obras publicas,
declarando baver designado os engenheiros Ma-
noel Buarque de Macde e ChrySsolto Ferreira de
Castro Chaves, bem como os professores da escola
normal, baebarel Jorge Dornellas Ribeiro Pessoa,
'i Vicate de Moraes Mello, para examinarem no
onenrso que se vai proceder para pree.nchi-
mento da vaga de conductor dessa repartida \ os
dous primeiros as materia? tchnicas de geome-
tra, o 3 em francez o o 4* em grammatica porta
gueza.
Expeiliram-e as nece-sarias communicagoes.
Ao thesoureiro das loteras parafater correr
a parte de lotoria concedida pela lei do orcamento
vigente a favor das obras, da igreja de Nossa Se-
nhara da Solidada, nao prejudicauJo s que Ihe
levem preceder.
Ao jniz de paz mais votado da freguezia do
Uuique, declarando em resposta ao ottVio em que
I'articipou ter deixadq de convocar os eleitores
e supplentes para os ttabalhos da revisao da lista
geral de votantes no dia fixadopela lei, wn toa-
sequencia de achar-se doente,, e nao Ihe ter oc
corrido passar ao seu immedwo em votos o exer-
cicio das respectivas uncte, a tempo de affixa-
erase elitaes que tibrq^^^Hptiavel omissai
resolver depois de 1 cmara municipal res-
pectiva, efica dsigaada a 1 ;ira domioga do
mez de rearmo vindouro, para terem comeco as re
fendos trabalhos com as formaliJades legaes, que
observar* sob sna responsabiliale.
OfB -io'- ^nndo cmara municipal de
Buiqae.
Port
A camar.^Hfaicpal do R?eife, declarando
o na resposia ao sea cilicio de II do crrente, que
para o segniment) da illuminacao publica at Api-
pacos nao houve contrato especial com a respseti-
va companbia, e regaro geral cujas clausulas de-
vora ser observadas.
A de S.nlo Antao recommendo, oue era vis-
ta da requisicao do juiz muuielfal daquelle termo
promova, de conformidade com a lei provincial n.
123 de 2 de maio do 18ii, e autorisacao [da pre-
sidencia da 30 de agosto de 1869, o processo da
iideadiaacao pela desapropria^ao da casinha de
uipa elhoiro, de que traiam os seus oficios do
da agosto do mesmo de 1869.
-se ao jniz municipal.
Peixto de Alencar.Rquei-
Sr. inspector da
andar certificar.
portara como de
floorme o Sr. Dr.
daCoo
Iaforrae o
tor doari-
-*eji restituido a

chit
P^
Sr.
Law Blonnt.-
al da marioba.
Manoel Mara
liberdade.
Marta Augusta aa^^^Berido.
Thomaz de Carvaibo Soares Brandao Sobrinho.
Wnja-ae avbesouraiia provincial.
BiPB)iK.NTg do gacnrraMo.
OfBcios :
Ao naaral commaadante das armas, partici-
pando i ordem da presidencia para fazer
uoMttr ao sargento ajudanto do 9.a batalbao
^^LLuiz deAzevedo Cos-
oa verba instruc-
exercicio segundo in-
|enda, nio pode por ora
osal de cem mil rol;
Mpeto doprofonor da
ilb&o.
pviacial, com
:deocia, e para o
6ns convenientes, que segando consta de offlcio do
ebefe da repartilo das obras publicas, o emprei-
teiro do calgamento da cidade acha-se com direito
ao pagamento da quantia de 19:725*015 rs. por
ha ver feilo servic* nessa importancia, durante o
mez de dezembro altimo.
Circular n'. 6 5" Seecao. Rio de Janeiro, secre-
taria do Estado dos negocios da Agricultura, Coro-
morcio e Obras Publicas em 24 de Dezembro de
1870.
Illm. Exm. Sr.Passo s mios. de V. Exc. a.in-
clusa copia do contrato qne acabo de celebrar com
a casa commerciai de Macha! F.lho & C. e Gui-
llarme Hadffleld de Londres, para a introdcelo
no imperio de 5000 inmigrantes recomraendando
a V. Exc. que o faga transcrever naa gacetas de
maior circnlaclo dessa provincia, afina de que os
interessados tenham conheciroento das clausulas
respectivas, no caso de qn rerem contratar com as
empresarios colonos ou trabajadores agrcola pa-
ra o servigo de seus estabelecimentos rnraes.
Dens guarde a V, Exc. ioSo Alfredo Correia de
Oliveira. Sr. presidente da provincia de Pernam-
buco.Cumpra-se, palacio da presidencia de Per-
nambuco 11 de Janeiro de 1871.Dwgo Velho
Contracto celebrado entre o governo do Imperio
do Brasil e I. M. Machai Filho & C. e Guilherme
Hadfield de Londres, para iotrodnegao e eslabe-
lecimento de immigrantes earopens no mesmo
Imperio.
i* Maehsl Filhi & C e Guilherme Hadfleld obri-
gao-sc a importar annualmente n) imperio at
5000 imraigrantes europeus escolhidos entre agri-
cultores e irabalhadores ruraes bem morigerados,
em enndigdes de perfeita saude e nanea maiores
de 4o annos.
Esles immigrantes serio establecidos pelos
mesmos Machai Filho ox C. e Guilherme Hadlield
as ierras qne adquirireo no Imperio.
S.* U- inmigrantes que forem pelos empresa
rios cedidos a particulares dorante o orimeiro
anno da praso deste contracto serio computados
00 mnimo dos 2000 que se obrtgam a importar
annualmente segando a clausula 8
Neate caso, porm, os empresarios se obrigam a
nao cobrar dos particulares ueobumaoutra indem-
nisaglo addicional a qne Ibes d o governo impe-
rial pela clasnla 14a, senlo a importancia da des-
pesa de transporte qne realmente tizeram com os
immigrantes desde o lttoral da respectiva provin-
cia ate o estabelecimento a- que forem destinados.
3.a Comprebender-se-Hp no numero dos 5000
iramigrantes as mulhereilras cranga maiores de
dous annos que fizerem parladas familias.
4." E^te nn> ero, porm, "de immigraQtes ira-
portados, podara ser ampliado mediante accordo
com o governo imperial. '
5.a Salvo caso de forca maior, o numero de im-
migrantes importados annualmante nao sera infe-
rior e 2000, pagando oa mpresanor a quantia de
3*000 por iadiriduo_S" fallar para prtenchej
6.a Os iramigrantes importados pelos empreza-
rios, que excederem o mximo determinado na
clausula 1.a, "serlo incluidos 00 numero do3
que devera ser iatroduzidos no anuo seguinte, sal-
vo a hypjthese prevista na clausula 4.a
7.a Os empizanos obrigam-se a importar de
preferencia immigrantes allemes. de cuja naci-
nahdade deve couslar, pelo menos, metade dos que
por elles forem introduzidos annualmente no im-
perio.
8.a Serlo observadas pelos emprezarios, no
transporte dos immigrantes, as dsposigOes do de-
creto n. 2168 do 1.a de malo de 1858.
9.a Antes de embarcaren) para o Brasil os in-
migrantes assignarlo cada um de per si, ou em
coramum, perante o cnsul ou agente consular do
Brasil declararlo em duplicata de terem pleno co
qhecimente das condigoes dos seus contratos com
os emprezarios, especificndole nella a clausula
de que nao vem pira o Brasil por conta do gover-
no imperial, do qual nada poderlo reclamar em
tempo alguna.
10.a A' chegada de cada expsdigao no Brasil de-
vero os emprezarios por si ou por seus agen'.e-
00 imperio, apresentar pessoa designada pelo
governo imperial, alm de nm dos exemplares da
referida declaragao, attestado do cnsul ou agente
consular, 00 qual se mencione o nome, naturali-
dade, dade, proflssao, estado e religiao de cada um
dos immigrantes.
II.1 As despeas de desembarque, agasalho, sus-
tento e tratamento dos iramigrantes e da condne-
gao de suas bagagens, utensilios e machinas at o
lugar do seu destino, correrlo por conta dos em
prezarios e bem assm as do sea estabelecimento
onde convier aos emprezarios, salva a dispo3igao
da clausula 15.a
Serao, porm, livres de direitos da alfandega ou
scaes as bagabens, utensilios, instrumentos e ma-
chinas araonas pertencentes aos inmigrantes e
que comsigo tronxerem.
12.a As_trras publicas neeessarias empreza
ser-lhe-bao concedidas pelo governo mediante o
prego mnimo da lei n. 601 de 18 de setembro de
1850, isto meio real a braga quadrada ; corren-
do por conta dos emprezarios todas as despezas
Je medigao e demarcagao, excepto smente as qne
tiverem do ser feilas com a medicao do pe rime
tro.
Em cada um dos territorios destinados em-
preza ser reservado um espago at nkia legua
em quadro para o estabelecimento de ama povoa-
O prego desse terreno nlo ser levado em conta
as emprezarios.
Opportanamente, reservada a extensao necessa-
rla as ras, pracas, edificios e oatras servldes
publicas para a povoagao, ser o rstame dividido
pelo goveruo impsrial em lotes urbanos e cedidos
aos imraigrantes sob condigoes convenientes e equi-
tativas.
13.a A venda de trras publicas empreza de
que trata a clausula anterior, se effectuara em ter-
ritorios de duas leguas em qaadro erabora em lo-
calidades diversas, nao podeudo fealisar-se a ven-
da do segando territorio antes de ter a empreza
provado qne destribmo aos iramigrantes, pelo me-
aos, dous tercos da rea do primeiro ; nao com-
prehendendo mais de 250,000 bragas quadradas
cada um dos lotes destinados a familias, 62,500 ca-
da ura dos que se destribuirem a colonos soltei
ros.
Serlo, porm, reservadas as trras divorata
que a empreza designar ptra esubelecimento dos
iramigrantes que or importando.
14a Verificada a execuco das condigSes -ante-
cedentes o governo aaxiliar a empreza com o pa-
gamento da defferenga do prego da passagem, ae
razao de 70/000 para adulto e 301000 por menor
de 1 a 14 annos qne vier em companhia de seuK
pas.
' Os emprezarios receberao metade deste auxilio
na delegada do thesoaro em Londres, a vista do
attestado dos cnsules brasileiros nos portos^^H
sabirem as expediedas. A onlra melado Ihe
paga pela mesma dejagac oa no Brasil, 1 os emprezarios proveejy i| inmigrantesacbam
se desembarcados
18.a O governo
ganda a quantia de
eapaeo de tres ann
Londres por qaar
16.a Aos immigrantes ser prestada
gratuita por ama so ves, em todas as estrad
liabas icio pertencentes ao estado ou
17.a d^H o .. colas pu-
;wi.'eleciraeatos da empreza na propor-
jpeaa de propa
annualmei
[a delegaej^H
gao de ama escola para 50 meninos, de cada sexo,
menores de 10 annos, assim como de pastores ou
capellies na proporcao de ara anno para 200 fa-
milias oa mil Individuos.
18.a Os pagamento* a que se refere este contrato
serio feitos em moeda crranle do imperio, sem
nenbuma differenca de cambio.
19.a Mackai Filho & C e Guilherme Hadflel
obrigam-se a estabelecer no Rio de Janeiro e
outros portos do Brasil, onde for necessario
cias para o reeebraeolo, agasalho, sustento e es-
tabelecimento dos imraigrantes que importaren).
Tero tambera nos mesmos lagares nm repre
sentante com plenos poleres para tratar directa-
mente com o governo, devendo ser resolvidas no
Brasil, de conformidade con a respectiva legisla-
gao, quaesquer questes entre o governo e a em-
preza, ou entre esta.6 os particulares.
20.a As questoes que suscitarem-ee entre o go-
verno e a empreza, a respeito do seos direitos e
obrigagoes, e nao poderem ter resolvidas de cora-
mum accordo, serio decididas no Brasil por arbi-
tros.
Se as partes contratantes nao accordarem n'um
mesmo arbitro, nomear cada ama o seu ; e esles
comecarao os seas trabalhos, designando o lercei-
ro. ao qual, no cato de divergencia cabera voto
definitivo.
Se nao concordaren) sobre o terceiro, cada arbi-
tro escolber nm eonselheiro de estado, entre os
quaes a serte decidir.
21.a Os casos de forca maior serio justificados
perante o governo imperial qie decidir de sua
procedencia por decreto, ouvmdo previamente a
secgio respectiva de conselho de estado.
22.a Este contrato durar (res annos, podendo
ser prorogado se o governo imperial entender con-
veniente e comecar a ter vigor quando Guilher-
me Hadfleld apresentar em Londres ao ministro
brasileiro a ratiQcacio por parte de Mackai Filho
4 C, a qual deve realisar-se 4 roe es ao mais lar-
dar, depois de assignado o prsenle contrato, sob
pena de nnlldade.
Em f do que se lavrou o presente contrato, que
assignado pelo Illm. Sr. eonselheiro Joao Alfre-
do Corroa de Oliveira, ministro e secretario de es-
tado do imperio e interinamente da agricultura,
commercio e obras publicas.Por Guilherme Had-
fleld o por duas testeranohas, o Dr. Joaqutm Igna-
cio Alvares de Azevedo e Firmo Jos Soares da
Nobrega.Secretaria de estado dos negocios da
agricultura, commercio e obras publicas, em 17 de
dezembro de 1870.Joao Alfredo Correia de Oli-
veira.Guilherme Hadfleld.Dr. Joaquim Ignacio
Alvares de Azevedo.Firmo Jos Soares da No-
brega.O director geral. Jos Agoaonho Moreira
Guiraaries.Conforme, Moreira Guimaries.
Repafttfio
2." secgio.Secretaria de polica
dapoU*ia.
de Rtrnaiiibu.
eo, 21 de'janelro de 1871.
N. 96Illm. eExra..Sr. Levo ao eooheci-
meolo da V. Ese. que, stfia ftta das f>arti-
cipagoes recebidas hoje n'esta repartig.10, foram
hontem recolhidos casa de detengao os seguinles
individuos:
No da 21 do corrnte, ordem do subdelegado
do Recife, o martimo Pielro, requisigao do cn-
sul d'Austria.
A'ordem do de Sanie Antonio, Antonio Ray-
mono dos Santos, como indiciado em crime ae
furto.
A' ordem do de S. Jos, Amaro Jlo da Silva,
como indiciado em crime de oflansas physicas.
A'ordem do'do Peres, Francisco, escravo do
tenente-coronel Alexandrno Martins Cirreia de
Barros, por crime de roubo.
No dia 11, a ordem do subdelegado du S. Jos,
Jos, escravo de David Ferreira Ballhar, por sus-
peitas de andar fgido.
Era data de 12 desle mez, commumcou mo o
delegado do termo de Flores, que no dia 5 do cor-
rente, fora capturado e recolhido respectiva ca-
dea o celebre criminoso de diversas mortes e rou-
bos, Joao Nazario de Souza.
Segundo comraunicu rae o delegado de termo
d Escada, por ofllcio de 17 tambera desle mez,
as 11 horas da noule do da 13, em teTas do en-
genho PilS'S daquelle -termo, Paulino Francisco
de Barros, assassinou com diversas facadas a Ao-
Ionio Joaquim dos Santo?, eoehecido por Antonio
Caxinho, lgnorando-se anda que motivara seme
Ihante alternado: o delnqueme foi capturado no
dia segrate e est sendo processado.
Em data de 21 do corrante.participou-me o. sub-
delegado da Boa-Vista, qae pelas 9 horas da noote
do dia anterior, prximo a diaria do Amena), sila
no lugar Culaos daquei freguezia, Manoel Jos
da Silva, coubeiio por llaaoel Iguarass, espan-
tara a Guilherme Giogah'e* te Birrcs, declaran
do os facultativos que Qzaram a' vistona serem le-
ves as cffensas, e qie, nao obstante nao ter sido o
delinqueate preso em filtrante, todava ia proce-
der centra elle na firma da loi, em virtude de
queixa dada pela mulher do oflendid".
Por offlcio datado de hontem participou-me o
subdelegado da freguezia de S. Jos, qae na noule
do dia anterior o subdito portuguez Domiog)! Ce-
zariG Porto, morador ra Imperial daquella fie
guezia, tendo ido banhar-se na mar do lado da
via-ferrea; e sendo procurado pela familia, assus-
tada pela saa grande demora, nao fra encontrado.
qae deve ter lagar no sali da
to dia.
I que queiram, all eontparecam,
i Ass leiacao dirige um convite qae
tpirte deste jornal.
jatagem qne se]a a proposta qae
devidameate desanida : para
l todos o qae teem empenbo em
1 esse melboramento, oceorram ao
tcio.
CAPTURA. Pelo delegado do
foi capturado e reeolhido a ras-
o celebro criminoso Joj Nazario
de diversas mortes e roanos, e
bandos de malfeitores qae ha ai-
ite no alto sertio.
L- Em ierras do engenho Pdoes,
da, s 11 horas da noute de 43
lino Francisco de Barros assassi
Joaqnim dos Santos, eonhesido por
noraodo se o motivo qae dea la-
assassino foi preso e vae ser pro-
canto de Alboquerque, presidente da provincia.
O-chefe de pocia, Luiz Anfottio Remandes Pi-
nheiro.
reuniioi
Ass
Para qae
adiAMiw
se l M oa
E' data
foi. a ni
isto bem
ver ir per
convite
' IMPORTA
termo de
pee ti va ci
de Sonta,
chefe de um
gum tempo
ASS AS SIN]
do termo da
do correte,
noa a Antooi
Cachorrinho
gar ao crime.;
ceisado.
ESPANCAfl afO,As 9 hars da noote de 20
do correte, mu Coelhcs da fiegaezia da Boa vista,
Manoel Jos da Silva, cpnhecido por Iguarass,
espancoa i GHherme Gongalves de Barros, sendo
declarados leves es forimentos.
APFOGADO.-* nonte do 21 do correte, toa-
do ido baohar^e no ro Capibaribe, na ra Impe-
rial, do lado da via frrea, desapparoceu Domingos
Cezario Pinto, oiolenlo ainda] seu cadver sido
encontrado. .
INDEMNI5A3)ORA-Hoje, ao mel cha, deve rea-
oir-se a assenftlajteral dos accionistas da com-
panhia de segaros-martimos e terrestres Indem-
nisadora, para apreciar as contas do anno fiado, e
proceder a eleifio dos respecilvos fonecionarios.
No lugar coatfietente publicamos boje o relatorio
ejeontas do anno nodo.
POVOACAfjf.DE CAPOEIRAS. S. Exc o^Sr.
eonselheiro presdeme da provincia, em vista de
proposta do Sr. Dr. director geral da inslracgo
publica, autorison a abortara de ama escola noc-
turna na povoacao de Capoeiras, regida gratuita-
mente pelo professor publico da lecalidade.
LIJPEZA PUBCA.-Apezar do previo annun-
ci dos Srs. Iscaes das freguezias da cidade do
Recife, (do andes hontem na de Santo Amonio a
a carroca a reunir o lixo posto pelos moradores
as portas de snas casas, fijando mais essa quau-
tidade para exposigao. Um seraelhanie trabalho
deve ser fclto pela manhaa cedo e nio do meio dia
em diaoto. J
EXAME DE HABJLITACO-Terminou no sba-
do oexame deapacldadeprofiisional para o magis-
terio 00 sexo Hvnmao sendo Migadas habilitadas a
poder entraremjBBurso as sra?. DD. Mara Caro-
i> Alfonso VatjioB, Josepto Jovila Belmira de
Oliveira, Anija CleWiina-dec4iza Barros, Clan-
alna Mai i 4a ConcTgan, rhiuv^> pnlina da
Silva, Mara Magdalena da Natividade, Mana Leo-
poldina de Moura Besende," Marta Presciliana Vil-
lela dos Santos, e Alexandrina Utnbehna de Freitas
Ucboa. A primeira foi approvada com louvor.
LIMPEZA DA CIDADE.Na lei vigente do or-
gamento reuoicipal foi creado nm imposto de 300
rs. por andar de casa do Recife, com o flm de ser
o sea producto applieado a limpeza e aceio das
ras da cidade e bem assim a desobstrucglo dos
caes e reraogao das immundicias accnmuladas
n'un9 e n'oatros locaes.
l se principioa dar execugao cobranga
desse imposto, arrscadando-se o sea importe a
partir de outuhro do anno prximo Bndo. Entre-
tanto t muito depois d'isso que comern o ser-^j
vigo da limpoza e aceio das ras, continuando po-
rm os caes .i apresentarem o aspeeto repugnante
que al agora sempre mostraran) I
A Umpeza das reas, consistindo no varrimenlo
do pavimento e na remogao do lixo, feito as
horas de maicr movian-nto commerciai da cidade
e quanSo o calor mais abrazador, de sorle qae
o'essas ferrves horas o p levantado pelos var-
redores tornase mais ama fonte de supplicio para
aqnelles cojas occupagflei os obrigam estar na
ra on as lijas de commercio, entre 11 horas da
manfla a e 3 horas de tarde.
Porque.ratao nao seorganisa osse servir o por
outra forras e de modo evitar esse inconveniente,
centra o qual protesta o commercio?
Oatr'ora quando elle era feito pelos particulares,
estes procuravam cumprir a postura municipal
em horas de pouco ou nenhum movimonto com-
merciai e dt modo evitar o encommodo proprio
e o dos visinbos; porque nao se procede hoje
assim f
Porque tambera nao se tem corado da desobs-
trueg&o dos caes ? Pretender a Illma. cmara
coniervar as ia mundicias dos caes como flores
munieipaes ?
Aturada a nossa edilidade estas justas recla-
magtes, e esforce-se por beneficiar o municipio
que a ellegeu e que tem os olbos volvidos para
ella como para aqaelle de qayn espera um rasoa-
vbI injeresse pelo bem estar "publico e nio atrpe-
los edmbaragos ao livre exercicio das suas func-
goes ordinaria?.
CALCAMEXTO.E' incrivel o desconcert em
mas smente a .roupa que havia fleado junto ?a?fh?.. no?3$irao 'P3S-,0,Jue Igamen-
mar; pelo qae se suppSe ter elle morrido affo-
gado.
Deus guarde V. Exc.
Illra. e Exm. Sr. eonselheiro Digo Velho Caval
REVISTA DIARIA.
PROMOTOR PUBLICO Por portarla da presl^
dencia da provincia, de 19 do correte, foi exone-
rado de promotor publico da comarca da Boa-Vis-
ta, de conformidade com o art. 22 ia lei n. 261
de 3 de dezembro de 1841, Benjamn Beltrao de
Alencar ; e foi nomeado para esse cargo o Dr.
Flix Ribeiro da Carvaibo.
GUARDA NACIONALPor portara da presi-
dencia da provincia, de 19 do crreme, foi conce-
dida dispensa no lapso do tempo dcorrido para
tirarem as respectivas patentes, aos tenentes Jos
Pereira dosBemos.-Clarindo Cavalcante de Albu-
querqtre, Deodnto Rolemberg de Alboquerque, e
aos alferes Manoel Soare: de Albuqoerque e Adriao
Rodrigues de 'Araujo, Horneados, era 28 de junho
dp anno paitada, para o 31a baialhio de Inftntaria
do monicipio do Baique.
TELEGRAPHO.Hontem reanie-se no palacete
d'A3sociago Commerciai a coramissio incumbida
de indicar a melhor
pedido pelo gover
tre esta cid*'
Acflaram
da com
e Dr. BnarqO
o q del.ai
um emprestinyo ao governo, media
que foram tambera descatidas e
vea se que oeste sentido rtdigitte a
sea parecer, que seria apretentado
t) da cidade
Por toda a parte, onde chegou a mi da empre-
za Deeinagc Company, reinam somente destrogos ;
e ninguem olha para isso I
Porveniiira o contrato d'essa empreza deu Ihe
faculdade para levantar o calgiraento e nao Ibe
estakileceu a obrigagio de o repor em seu primi-
tivo1 alado ?
. O ealgaraeoto reposto pela empreza do limpeza
publica da ciiade aprsenla em todas as roas por
onde tem passado os canos da dranaige, ama rui-
na completa.
Ora mais baixo, ora mais alio que o resto do pa-
vimento das ras, a linha do calgamento reposto
tem at fainas em mu tos pontos; como na estrel-
la roa de S. Francisco.
Alm d'isso a empreza drainage deixa sempre
as mas atravessadas por ella ama crosta terrosa
do peior eBeito e aspecto para as mesmas ras.
Porque razio nio se obriga essa empreza me-
lhor cumprir as condigoes do tea contrato ?
Chamamos instantemente para isso a attengio
do Sr. Dr. director das obras publicas, e, se Unto
preciso, recommendamas tambem essa objeelo
solioitude do Exm. Sr. eonselheiro presidente da
provincia
FATAL1DADE.Na noute d* sabbado, quando
de Apipucos, s 9 i/2 Doras da uoute, des:ia o
trem, ura d seos erapcegados de nome Joao de
tal Figneirdo, na occasiio de sabir ao seo posto,
quando ) se achava era movimeoto o trem, per
deodo o equilibrio cahio, resultaodo da queda a'
oraco de nm braco. Foi, pelos compaohei-
Bdnzido a ama cwa amiga, onde o Sr. Dr.
prestoa-lheos primeiros cuidados cirurgjco*.
LAMAS. Foram Ildos no domingo 22 na
> freguezia de Santo Antonio os proclamas
1.' denonci.go.
de Alcntara Ramos, com Felippa Thereza
10 Theodnro Alves da Silva, com
America.
oliveira Antanatj
de Oliveira.
iim Cardoso de Agolar e Soota
^Eda Julia de Mello.
Mlnoel Eugenio dos Santos, com Senhorinha
Mara do Nascimenlo.
Joaqnim Alves, com Laurinda Silvia de Lima.
Francisco locrodes Alves da Silva, com Emilia
dos Santos Schilks.
Joio Baptisla de Castro e Silva Jnior, cora Car-
lota Leopoldina dos Sanios Bourgard.
Francisco Branao de Lima, eom Bernardina
Vieira Ramos.
Joio Francolino Domingnes Carneiro, com Mara
Severina da Silva.
1" dennnciacao.
Antonio Jos Pereira Braga, com Aona Mara
de Azevedo Santos.
Joaqun Jos de Oliveira, com cariota Olndina
de Oliveira.
Dr. Alvaro Uchda Cavalcante, eom Amelia Leo
poldin.iWanderley Lins.
Joio Machado Malheiro Braga, com Aguida Fer-
reira da Silva.
Geraldo Alves da Silva, com Donina Umbelina
Lenidas Simoes.
Mithias Jorge Luiz de Frang, com Mara da
Assumpcio de Souza:
Jos Rodrigues Vianna, com Isabel Julia Fer-
reira.
Joaquim Pedro da Costa Moreira, com Mara
Arcehna da Silva Araujo.
Joaquim Jos Gomes, com Candida Rosa Olndi-
na de Mello.
Joaquim da Silva Lopes, com Francisca Mara
de Assis Brandao.
Leoncio Luiz Pialo Ribeiro, eom Mara Idalina
oe Souza Flores.
Joaquim Fernandos Vianna, com rsula Amalia
de Carvaibo.
3.a dirauncigao.
Jos Rodrigues, eco Gailhermina Candida de
Lima.
Felippe Santiago d'Aquioo, com Josephioa The
reza dos Santos.
Duarte Borges da Silva Jnior, com Maria Igna-
ca da Silveira Avila.
Thomaz Colho de Gasmao Lima, com Joaquina
Anglica Ribeiro d'Agniar.
Flaviano Francisco Reges, com Leonida Franco-
lina da Paz.
Jos Francisco Xavier, com Maria Francisca dos
Sanies.
LOTERA. A que se acha venda a 180
dO;
beneficio da igreja do Senhor Bom Jetas
Martyrios, a qual se extrahlr no dia 27.
HOSPITAL PEDRO II.-0 movimeoto desse es-
tabelecimento de 16 a 22 de Janeiro de 1871 foi
de 247 existentes, entraram 31, sahiram 19, falle-
cern 4, existen) 255, sendo 167 homens e 88 mo-
Iheres.
Advertencia.
Foram visitadas as enfermarlas estes das as
10, 9, 9 i/2, 9 1/2, 9 1|2, pelo cirurgo Alves, no
impedimento do Dr. Ramos ; as 10 1/2, 10,10,9
1/2, 9,10, pelo Dr. Sarment.
_ Fallecidos.
Benedicto Amonio; myciuo.
Antonia Joaquina ; diarrhea coronice.
Thereza ; ttano traumtico.
Bariholomeu Fulgi ; febr-e amarella.
PASSAGEIROS Vindos do Rio Formoso no va-
por Parahyba :
Antonio 'Jos da Gunha. Jos de Amonm Paes
Brrelo, Luiz Rodrigues, Macario Jos da Cunba,
Bellarmino Jos Coelho.
CEMITERIO PUBLICO.- Obituario do dia 20
do crreme.
Theodora Maria da Conceigo, branca, Pernara-
buco, 72 annos, eolieira, S. Jos ; febre cerebral.
Jos Ignacio Barbosa, pardo, Pernambuco, 21
annos, solleiro, Recife ; fbre beliosa.
Manoel, branco, Portugal, 20 annos, solleiro
Santo Antonio ; febre amerella.
J)Bptista Braga, branco, Portugal, 27 an-
nos, solteiro, Boa-Vista ; febre amarella. Hospital
Portuguez.
Msuoel Cordeiro, branco, Portugal, 27 annos,
solleiro, Boa-Vista ; febre amarella. Hospital Por-
tu?uez.
Adelino Antonio Pereira, branco, Portugal, 20
annos, solleiro, Boa-Vista ; febre amarella.
Luiz Gonzaga de Alraeida Pessoa, branco, sol-
teiro, Poro ; phtysica.
ILurqe da Costa, prelo, frica, 45 annos, ca-
sado, S- Jos .ttano.
Qoirno Nunes da Slva, preto, Pernambuco, 40
annos, solteiro, Boa Vista ; tubrculos pulmona-
res. Hospital militar.
(AMARA MUNICIPAL.
SESSAO EXTRAORDINARIA AOS 11 DE JA-
NEIRO DE 1871.
PUESIDENfA DO SR. COSTA JNIOR CONTINUADA PELO
SR. DR. SOUZA LEAO.
Presentes os Srs. Pr. Lobo Moscoso, Costa Mo-
reira, Gameiro e Dr. Pilanga, abrio-se a sessio e
foi lida e approvada a acta da anteceente. '
Leu-se o seguate
EXPEDIENTE.
Um offlcio do flseal da freguezia do Poro, in-
formando a petigio de diversos marchantes da
mesma freguezia.=Que se ofJkie ao presdeme da
provincia.
O Sr. Dr. Mosceso apresentou o seguinte reque-
r ment :
Requeiro que o engenheiro cordeador infor-
me a esta cmara do resultado das diligencias
que fez a respeito da abertura da ra em coati-
nuagio da que, partindo da caixa d'agua, tem de
atravessar para'a Soledade.
* Pago da cmara municipal do Recife em 11
de Janeiro de 1871. Dr. Lobo Moscoso. > Ap-
provado. >
Oiro do Sr. vereador Gameiro, concebido n
seguimes termo) :
< Requeiro que o engenheiro cordeador levante
urna planta do pago municipal, que tem de ser
construido na praga do marquei do Herval..
c Pago da cmara municipal do Recife, 11 de
Janeiro de 1871.Gameiro. Approvado.
Despaeflaram-se as peligdes do D. abbade do
mosteiro de S. Beato, Amonio Jos Ptreira de Oli-
veira, Bernardo Marques da Silva, Braslian Slret
Roylisoa e Company Limited D. P. Wld, Hermina
Mara do Nasciraento, Heleodoro de Aquino Fon-
ceca, Feliciano Pinto d Vasconcellos, Henrique
Foster & C, Juvenei) Aureliano da Caoba Cesar,
Jos, de Azevedo Mata e Silva, Jos Luiz Pereira,
Joio Basilio dos Santos, Jos Gongalves Ferreira
Costa, Joio", BaplitU da Silva Prxedes, Justino
Boa-vista, Jos Pires da Crol, Jos Rufino da Sil-
va, Joaquim Pereira de Souza, Luiz Antonio Gon-
galves Pena C., Manoel da Cosa Pereira, Manoel
Albino Bezerra, Manad Jos de Oliveira Barros,
Manoel Moreira de Souza, Maria Clara Das, Mi-
guel Joaqa^^^Koela, e levaosoa-se a sessio.
Eu, Augusto Genuino de Figueiredo, offlcial-
maior servindo de secretario, a escrevi.
Ignacio Joaqinrn de Souza Lelo, pro-presi-
dente. Dr. Pedro d Aihayde Lobo Moscoso
Jos Maria Freir Gameiro. Caetano Cyriaco da
Costa Moreira.-Dr. Prxedes Gomes de Souza Pi-
langa.
laei
PR'MEIRA SES
PRKSIDKNGIi
_
T
lU'I
48DE JA-
Xo.
J^^Htt Moreira,
da antecedente.
axrtMorrB.
I Um olflcio do Exm. pretidelt da prtvitraa, ta-
tisfazendo o pedido desla cantan eooa a
das actas da apuragao da elet^o de 1
procedida nos collegios de Santo A Mi
Inteirada.
Outro do mesmo, reeoaroetMlaodo i otas 1
ra que mande pagar pela verba EviaOoiw -=
os vencimenios qae eompetirea ao carrate ar-
cio Candido de Sonta Miranda o Costo Jea>-
quim- Jos Bello na qaalidade de ipn ttiit.
primeiro nos lugares de amatipeatt e teetnro
segundo no logar de fiscal da frrgaena da AV-
gados, visto nio baver anota para
leijdo orgamento mnniripil Inlirida o M
ndor;
Ootro do mesmo, fazendo seotir i esai
a impossibilidade de te roaxiittiim ae
facultadas pela mesma cmara diversas
para o esiabelecimeoto de trilhoa de ferro 1
dos conduegao de gneros deoiro da 1
que competo assembla proTidaiai 1
bre a preferencia daa metoitr ; leafemdo a
mesmo tempo qae faeilitando-M atoia as feotafao
embaraga a organisago de qoaloaor etnpren te-
na para aqaelle Uro.Que te oaV-Je
Outro do juiz rr una pal da 2a vara,'
cando entrar 00 exercicio da 2a on do 1
criminal por impedimento do joix da mesma va-
radlo tei rada.
Ontre do mesmo, commnocaodo kaver cstoad
o impedimento do juiz da Ia van do direito cri-
minal, e haver reassnmido o exercicio da toa la-
gar.Inteirada.
Um reqaerimeoto da companhia brasieira Street
ao Exm. presidente da proviacia, petatea iecaca
para collocar temporariamente na desvio ai te-
trada real no lugar Caldeireiro, ao sal ataadaa
S. Exc. que esta cmara informaste. Ao eoat- .
nheiro.
Ootro da mesma companhia, podatdo a presi-
dente da provincia lieeoeajtan tazer nm cao ra-
mal, que d sabida s agoas pioviaes da estaca-
da praga do Capim, ao qual aMadoa S. Ese. qoe
e.ta cmara nformasse.Ao eaojeaheiro.
Ootro de Justino Jos de Soma Campos, pro-
pondo contratar eom esta cmara pela quantia d>
50:0001000 annaaes a limpeza desta cidade a
forma do regnlamento de 28 de mtreo de I8W
e edita! desta cmara, datado de 12 at ealaara
do anno prximo Ando, e estabelereodo at caadi-
g3es do contrato.A' commissio de peeia.
Um cfflclo do engenheiro cordeador, informando
iavoravelmente o requeriroento da eom tonara
Braslian Street,Coocedea se.
0 Sr. pro-presidene apresentou o tegniatt re-
qnermento:
c Requeiro qae seja novamenie oavio o eafe-
nheiro da cmara aceren do lerreoo qae te pre-
tende desapropnar, de Thom Rodrigues da Cu-
nb.
< Pago da cmara mnincipal do Recife, 18 de
Janeiro de 187L Souza Leao. > ApprovadV
Despacharam-se as peligoes de Aotoaie Goarat-
de Azevedo, Antonio Soares eras, Atiaii
Jos dos Santos, Amorlm A Irmio, Aattaio Car-
doso, Brasilan Street, Candido Thiago da Cotia
Mello, Domingos Jos Ferreira, Fraaeneo da Bar-
ros Carreiro, Francisco Amonio Darlo, Joao Ckrjs-
tiani, Joi D.mingues Maia, Joio ||fUiu da Sil-
va Prxedes, Jos Hilario Pae Brrelo, Jote An-
tonio Mendes, Joaquim de Almeidf. Joio Pinto de
Paula, Joaquim Pereira de Son, Jos Joaquina
Carneiro, Joio Marlins da Amorira, Jote Joaqnim
Pereira de Mendonca, Jote Peres da Croa, Jos
Rufino da Silva, Joaqnim Francisco de Araajo
Gmaries, Joa> Psdro Paulino dos Santos. Matar-
nuz Lenz, neginaldo Francisco das Chafas, o le-
vantonse a sestio.
En Lourengo Bezerrt Carneiro da Canna, se-
cretarle, o subscrevi. Delaro em lampo qoe,
sendo apresentados don pareceres dt eoruntissio
de edieagio acerca dos carriz para a conduegao
dos gneros, foram adiados.
Eu Lourengo Bezerra Carneiro da L'anna, o
escrev.
Ignacio Joaquim de Souza Lelo, pro-presi-
dente. Dr. Pedro de Aihayde L- Lo Moscoso.
Jos Maria Freir Gameiro. Caetano Cyriaco da
Costa Moreira. Ignacio Pessoa da Silva. Dr.
Prxedes Gomes de Souza Pilanga.

Couipanhia de Seguros lailn
nls>ra.
Srs. accionistas.Em obediencia ao preceito
dos estatutos d'e*ta assooiagio, vimos prejtar-vos
contas das operaejoes realisadas durante o anco
prximo Ando.
Aioda neste periodo ;i fortuna tratou nos com
bastante rigor, cansando-nos prejaizos qae ji fo-
ram pagos na avullada quantia de 91:2l3*i'".
Pela demonstragis circurasianciada (|ae era se-
guida damos, polereis bem avallar o
companhia, que nao obstante a cifra eleva la d ^
prejaizos soffridos anda se pede consid.'rir li
geira.
Seguros mentimos.
Premios respectivos 94:1991555'
Apolices......... 926*000
Menos Importancia
de externos.....
95:125*555
1:773*470
9J::ioi*Wi^
Seguros terrestres.
Premios respectivos 56:846*470
Apolices.......... 1:098*000
_57:9W*470
Menos a importan-
cia de extornos 25*000
Descontos i leras.
Renden esta verba
Saltado miritimos
Produzram......
57:1 IMW
26:117*314
1283*078
172:821*971
88*210
Esta somma teve a seguinte applieaeio :
Iudemnisarde* narimat
Avarias em marca-
dorias no vapor
Tocantins d'este
porto para o do
Maranho, apo-
lice n. 4619...
Perda de merca-
dorias na barca
portugueza &gu-
ranqa, de-la para
a cidade do Por-
to, apolices ns.
5251,5J62......
Avarias em merca-
dorias na barca
Joven Palmita,
d'este porto para
o de Montevideo,
apolice n.
37*616

51
dem dem no vapor
nacional Piropo-
ma,
para o d Acant-
ea, apolicot ns.


1HI
Afli tVnambc

**?
189*7i0
170/aM
le porto para o
do Rio da Prata,
plice n. 5567..
dem idem no. bri-
gue porlugutz
Flortnda, d este,
porto para o de |
Lisboa, apolices
na. 5158, 5174..
Valor do ca3co do
patacho Protec-
tor', naufragado
era viagem do
Para para este
porto, apoiice n.
80...........
Avams em merca-
gsarlas no vapor
Giqui, deste por-
to para o do Ara-
caj, apoiice n.
6139.......T...
dem idem no bri-
gue Aureliano,
d'este pono para
/ O 4o Rio Grau do -Sul, apoiice
B. 4897........
dem idem no va-
Sor Jnguribe,
'este pono para
0 da Cear, apo-
iice n. 5970.....
dem idem no va-
por Cruzeiro do
Sal, d'este pmo
para o do Mar-
nhio, apoiice n.
5534..........
Idea idem no na-
vio francez Sol-
d,ao Havre para
este pono, apo-
iice a.Ji6....
Indemnisacoes terrestres.
Prcjuizo p?lo incen-
dio do predio n.
1 da ra do Li-
ma, apoiice n,.
1838...........
Jdem em mercado-
ria* destruidas
pelo incendio 4o
predio n. 66 da
na da Crz, apo-
iice n. 1973....
da legisUcao vigente por ntUatel tmmtdia
itttritJ dscla!
otea os Julias de direito
ltrihuioSs* eridtt&ws
4*esles'a*ttrit;
--------------------- un
Ora nos diga o Si. Dr. Retorta, triar j ^Bj jugarem os empregado
i finamente, pe os qae esta
ifireilo raa'jbo dispralet bem oesiinguidat e explicados no av. do 27
'. Victorino eonsidorasse o dec. cit. ago>
iquen
ta
ira I
ta lo* j
18:000,5000
276J40
832*000
219*580
197*503
100*000- 39:070*837
3'500000
48:642*629 52:142*620
Total das indemni-
sacoes.........
Diversas verbas.
Despejas geraes... 5:809*676
Complementa do
fondo de reserva 27:463*974
V <*oramissao-e garan-
Ha da direceio 19:685*422
SSaSnecio na conta
4e segurados... 210*730
Dividendos do anno 24:000*000
-Saldo da conta de
lacros e perdis
91:215*457
11:438*712 88:609*511
179:821*971
.jypoihetB gratuitt
[voris que ospartituras e os poderes do Us-
ado se levantara oMta a escravidio, sera ; era
isw adaittiMe a maCMIo urna douirina peigosts-
Kmaeviolatoa la propriedade, as
que todavia'ptK ear S. S. como dene-
dado propagador 4a axnoccao do elemento ser-
vil, e quo cerno tal detrogava ex* tria t las *?.?, que a. meoes de leva se oppo
zessem a sufmuii Wutaaei ideal *- .ia.
Porm dizer o Sr. Dr. juiz de direito, tratando
Porm dizer o Sr. Dr. juiz de direito, tratando ciaes ew que os juizes de diretta figurarn como furia joga-io ao man com o m de o matar alio-
de furto de eslavos com o fim de o ladran Jicn' flizes^p ioste>^.8jTda erfccaaa eiin) te, pletar-se de cus servidos, mantendo-os ara duro
captiveiro, que aquelle dec etcatluco e que '

Aioda ni) foi jnlgado o primeiro o nnico pleito
|ue a companhia lera sustentado desde a sua ins-
tallacao, e que conforme se vos dise no rclatorio
anterior, nao foi possiVel evitar, porque tratava-
se de um estabelecimento incendiado em resulta-
do de um calculo immoral para defraudar a com-
panhia, entreunto temos plena eonihnca que nos
erftita ioteira instiga.
Na ausencia do Sr. Francisco Joo de Barros
foi chamado o primeiro supplente o Sr. Jote da
Silra Loyo, que tem exercido o cargo de director
desde 16 de noverabro prximo passado.
Taes sao, Srs. accionistas, os assumptos que
nbaettemos vossa esclarecida apreciarlo.
Se no desempenho do mandato que nos confias-
tes, nao tivemos a fortuna de corresponder vossa
expectativa, podemos assegurar-vos que nio foi v
4ior falta de zelo e dedicarla de nossa parte em oo
icol da companhia. Em concluso,
attarilbaco, 20 de Janeiro de 1871.
Joaoda Silca llegadas.
Antonio Jos Leal Res.
Jos da Silva Ixnjo.
ALlltCO DA COUPAimu 'DE SEGUROS MABITUIOS F.
TKBKSTHES, UlMMNISADOn.l, EM 31 DE DnZnMBRO
k DE 10/U. Activo:
300:000*000
1.900*000
Segurados raariii-
mos......... 50:214*450
Sefarados terres-
30 332,1540
167*600
25:245*072
Letras descontadas 237^060*667 -----------:------ 1,444:970*329 Passioo :
Tj^al.......... Fondo de reserva. 1000.000*000 100:000&00
f* Bivilerido....... Comntfssao e garanta da di- 24:000*000
8:316*517
Titulo? em liauida-
cao por. conta uadireccao.. JLocfsa e perdis..
mi&
----------------1,444:970-5329
t-?roambuco, 31 de dezembro de 1870.
Jcronymo da Costa Lima.
Guarda vi-js.
Sr*. accionistas.Em curprimento do dever
que pertence a commissao fiscal pelos ans. 30 e
31 dos estatutos desta companhia, e examinado a
esnriptaracao e ttulos em carteira, verificamos que
tnde se acha na jnellior ordem e regularidade, e
de aceordo com o balanco que se aprsenla ; pelo
i-> de louvir quum dirigi os negocios do
-ocud.
Recife, 21 de Janeiro de 1871
Joo Qairino de Agutlar,
Francisco Ferretra Bailar.
Luiz Jos da Costa Amortas.
27 de agosto de 1855.
Ia quesito.Enteedo que o crirae previste na 2*
parte do art.' 167 do cod. pen. nao de.respousa-
biiidade, nio s por que o art. 167 do citado cdi-
go nao e.l capitulado na epigrapbe deiirer/!/-
cacao, abusos e omissdes dos -evtpregados pblicos.
eomo foi destinguido e applicado no av. n. 245
de 27 de agosto de 1855, oais aioda poi> serem
idnticas a letra e peosaraeolo da 2* parte do 8*
e tambem 2" parla do art. 167 do mesmo cdigo.
Donde se deduz que o tribunal da rea 5o rejo-
oheceu pelas provas do processo que o escrivo
StestMios ou Juailia de Maman- Sm l?*"^".IDf*? D0J 8d9*rt.1l9' mas
sim no g 2 do art 167, isto e-, que nao tmha pra-
PUBL1CACQES A PEDIDO.
Parahylia.
6 unja ferfeila caduquice, auomalia e...... Di
ga o'lettor o rcslo.
Cromos que qualquer menino de esco'a dir que,
por-ir-so mesmo que os partie>atKes^e os 'poderes
do ^Estado selevautam contra a escravidio, que
e deve fiunir rigurdamente acuelle qu furti es
era vos para escravisa lus ; porque isto, mostra
levado grao de perversidsde, s peta mfraccao de
urna iei d vina (najwMnrt) copiada em todos
os cdigos de na cues civilisadas, como pela viola-
gao de oulra tai tamban divina, gravada nos cora
coes verdaderamente 'humanos, e que chamando
se at bem pono tempo enlrev nos adormecida,
boje locada pelo dedo da Providencia, dospertou
so vicosa e fioresceote, ja vai prodaziudo beneficio
eadocicado (rudos.
Pensar se o contrario disto, on nao raciocinar,
nao comprehender, ou proposito em torcera vtr-
dade para favorecep a um protegido feliz. E que
ladrau como seaaelbante dViutrina o juiz de direito
de ama comarca, nao icar haoilitaJo a fur-
lar all quantos escravos I he possain Cahir
dabaixo de suas garras ? E por ventura nao se
poder dizer que o Sr. Dr. Victorino antorisa esse
procedimeolo criminoso? Semduvida. Acaulel
lem-se por tanto os mamauguapeoeee, que pos-
suirera escravos; e ser pena si os Iadi4 principiirem por casa do Sr. Dr. juiz de direito,
que tambem us tem.
Rastava o que fica dito para por bem em relovo
a verdade de ludo quanlo avaocamos eos anterio-
res artigos, e flcar bem patente o quilate do des-
pacho do Sr. Dr. Victorino e a sua proteccao pro-
digaiisada cantaros.
Mas ha ontras circumstincias, que discrevem ao
vivo esse seu patroaato pera cota o advogado
Campado. Urna deilas que o Sr. Dr. Victorino
em .seu de'pacho apenas procurou distrnir com
argumentos da especio do cima dito, as provas
existentes nos autos, que mostravam ter Campello
arrugado si o dominio de escravos alheios.
Porm exislindo nos mesmos autos provas ple-
nas de qui o mesmo Compeli, ai^m de se ter
arrogado do dominio, tambem se arrogan do uso
dos mesmos escravos, uso que Un nio fura trans-
ferido (arl 259 do cod. criiu.) e imislindo tambem
ueste ponto tanto o Dr. promotor em sua'prowo-
cao, como o Dr. ju i municipal em suas tatito,
nem urna palavra acerca desse elementoo uso
nao transferido, deu o Sr. Dr. juiz de direito. em
seu direito despacho I Ser que o Sr. Dr. juiz de
direito tambem emende que est caduca tai dispo
sicio do cod., e quo t por anomala considera- se
aioda como furto a arrogacao do uso, que na)
concedido pelo dono da cousa ? Os particulares e
os poderes do estado se tero levautado favor do
furto t
Outro fado de patronato ter o Sr. Dr. juiz de
direito admiilido Campello, preso e pronunciado,
defender e acensar no jury I
O que cortamente rovoliou a todos que do (al
sooberam, quanto mais aos qae assistiram tal
scena.
Seria tambem em vnole de alguma caduqnice
de le, que o Sr. Dr. Victorino admittio um preso
proauDciado a defender no jury ?
Nao sabemos qual. foi o procedimento do Dr
promotor publico em presenca de semelbante acto
Jo Sr. Dr. jais de direito, vendo nra criminoso
sentar-se em sua cadeira donde acensa'elle os
criminosos. E desde j dizemos, que se nio pro
cedeu com toda energa. mnf<*> """, a qi
su jiJo eximir.
. diga-me agora a proprio o Sr.
Dr. Victorino : Pode S. S. continuar como juiz
em Mamaoguape, no meio do seus prente* e ami-
go?, que o levam proceder de ununodo tao con-
trario ao suum cuique tribuerel Nao lue-de a
coosciencia de estar sacrieaudo deste modo a
causa da justica?
Nao ibe diz o remorso que S. S. est matando os
direitos de ama populacao tao crescida a digna por
ceno de melhor sorief
Faca e Sr. Dr. Victorino do Reg Toscaoo Br-
relo i-xamo da conscieacia, desista da tare!, que
Ihe est embolando a alma, e v bem longe d'aili
expurgar os seus grandes peccados.
(Do Jornal da ParahybaJ.
licar?m delicio- ,im ^^^H
geni! das aatorilados plicias, bera eomo nao
podera esl.o proeessit'^aos ditos ialividaos par
crimes de aMribfciopec<(d.^as juizes de di-
rsilo, nem mosmo p-or ejiqjes sta, quando estes
lotera perpetrad** ooonexameate com os de res-
pousabiWaB proferaMoie dit.
Jera- jutsit .-^rce-aae-ierepi applieaeao
ao Ipreseni aj ligeiraa ONprvaroos, relati-
vae^ae jjfwedest, pw^uaute wprgeessw espe-
ciaes ew que os juizes de direito "
mmo o.rna*cha ajKciMes tormos dis art
396_gu 405 do regulamentode 31 do jineiro de
e sim
respo^M mn tuayJi conBe
comoT Bem de mao nome e>
irnos nue tem lidio, foi se retiran*
_ ter fallas comojilo Cilicio
sorpreza quando vio traicoeirarm
na do mesmo senhor, o iOt Chica/,!
l atn,1!!,e wd qae havU sid^flle mes-
quo UOavia diio todos os insaltos?
O pactepte* moco, repellin-o dizendo-me que a
renrttanjfcjqie nao o offendesse, e leve era ree-
posia di-||eChicao:-patife, esiou decidido
tirar-le aoje a vida; e com todo o furor de um
eondomnado parte para cima dt mesmo senhor e
consegua.4eKa-lo por ierra, isto bem beira do
". etatetrao grandes esforeos ple conseguir a
Ja Iei de 3 do dezambro de 4811.
Otarlo qnesito : Do oae ftv exposto de(rehei-
do que Pedro uo deve ser jnlgado por semelhan-
te procs, nem pera'nteo jury, nem perante o
juiz de direito, desde jue. o orime de que se (ra-
ta saio aa"coirrp-tent:ia' especiat deste e'passou
para a compeieocia geral das auloridadas propria-
menle policiaos, em cujisjuizos uo tendo sido
formada a culpa, aam decretada a pronuncia e
susleniagito, nao polo por isso saoir ao tribunal
do jury para ser ahi julgada, floran o podera, se
instruida tivesse sido por auloridada coaapetenle,
que tivesse para isso jurWdiccae iegai
E se ceno que a legiumiade de poder a
londicaii esseocial deile, segm-se rigorosamente
que, mudada como est a quauf eacaVdo delicie,
e considerado o conhecimeato, apreeiaeio e jul-
gamenio deste foro da competencia especial do juiz
da direito, todo o processado por elle insubsis-
tente e nuilo.
O accordo, pois, implcitamenteaaooHou o pro-
cesso : se elle tivesse sido relativo aejulgamento
deste, e-taria extinelo o debelo, e nao mais poder-
se-liia renovar o processo, porm, estando este apa
ns em grao do pronuncia, ua applicavel ao
caso o non bis tn idem.
Emendo que no juizo das execuOes crimes
(o municipal) devera aer mandadas extrahir as
copias ou traslados instructivos da culpa, e ahi
(oois que os juizes municipaes tem para isto at-
inbuicoes cnminaes) ou peranle o subdelega Jo ou
delegado de polica do termo, instaurarse o processo
ex oflkio ou a requeriraenlo da parte, como o caso
>. pedir, para qae siga a marcha regular dos pro-
cossfl pelo ernne de falsidade, deqne trata o arl.
167 g i.', visto e.'Ur julfido nao ser de responsa-
bilidaJe.
Oj que requcira o escrivo Pedro ao tribunal,
caso esteja preso ou afflancado, urna ordem de
habeas crpus p!a evidente uullidado do seu pro-
ceso ; visto que a anllilade do processo nao im-
porta a alisol'icao do rea (aviso da 3 de outobro
de 1833; e nao deve este flcar son a prensan vexa
toria.de nma pnsao, ou as dependencias e riscos
de ama Tunca al gne se queira instaurar-lhe novo
processo, o qual nao de rigor instaurarse por
eslar o primeiro evidentemente nullo.
E nma vet que nao admissivel no crima ama
peticao como embargos de deelatracao do julgado,
cujo peoiameoto outro nao poderia ter ido seno
o da nulhdade do proceso pela incompetencia ful-
minada na mudanca da qualificaco da pronun-
cia.
E' esta a humilde opinio de quem a sujeita
a censura e correc?ao dos doutos,
Recife, 2 de Janeiro de 1871
Z-~
i depressa
RESPO^TA
CONSULTA JOnmlCA, PUBLICADA NESTK DIA-
RIO, N. 1 DE SEGL'NDA-FEIRA 2 DO COR-
RENTE, SOB O TITILO DEUM PEDIDOE
CONCEBIDA NOS SEGUINTES TERMOS! _
Don&ulla.
Pedro, escrivo, foi processado e pronunciado
pelo juis de direito no arl. 129 % 8 do cod. doj
proc._ cnm. Inlerpoz recurso para o tribunal da
relacao, e obteve provirnento reformando-se a pro-
nuncia para o arl. 167, 2 do citad cdigo. >
Pergunla-se:
1." O crime, prerisio no art. 167/2" parte, ser
de responsabilidade (Aviso de 27 de agosto de
1855).
2.* Tem o juiz de direito competencia para jal -
gar os empregadoi pblicos nao privilegiados nos
crimes que nao forem de re^ponsabilidade f (Lei
de 3 de dezembro de 1851, art. 25 | o1).
3. Tera o jury competencia para julgar os pro-
cesaos em qae o juiz de direito figura como Juiz
de losiroccao, ou da orotacao da culpa. (Lei de
3 de dezembro, art 54).
4 Peraoie quem Pedro deve ser julgado? Qual
o recurso eabivel em fice do accordo proferida
em grao de recurso?Segoe-se o citado aviso d
cnapo.
Promettemos no nosso nltimo artigo mostrar e
taer oahecidos os fundamentos em que o Sr. Dr.
Victorino do Reno Toscano Barrate, juiz de direi-
to 4a comarca da Mamaeguape, Orraou-se para
desprenuociar como desproemcioo ao advogado
Jos Campello de Albuquerque Galvio.
Mas nao qoerendo nos eancarmos a paciencia
4os que oosJeem com orna atavia* de ra^es ba-
saos, eatada nos autos e filbas do patronato ou da
ignorancia, ou aioda de urna e oura cousa ao
licado o facto de que acensado com prevarica-
cA como empregado publica, e simeeni prevari-
caeao, como um simples particular, dos quaes eu-
giiou o | 2* do arL 167, para o quai reformon a
pronuncia:
2* quesfb.~-Bniendo tambera que es juizes de
direito nio lm competencia para julgarem os era-
pregadoe pblicos n previlegia4os nos crimes
que_ nao forem de reiposabilidade.
E' sabida qae, seguodo os principios 4o nosso
direito eriroini re-ultam das altribui^rej das an-
eno_tempo, visto como o patronato; aioda oua I toridades oreadas pela nossa. legislarlo doasenm'-
f^ao prpduz a Ignorancia, e aera pode ser mil peteneras dnmelas, isto ,; competencia ftrat e
##
Camella,basta-nos tranerever e aoalysar anu o
argameoto hercleo apreeentado pelo Sr. Dr. Vic-
orioo, o qual servir de medida do valor-de 14-
4aa as dema s de seu despacho, qae um veraa
monumenio archiologico e aun zorvr de
gloria do mesmo juiz.
H Ijmos iweirado ao publico de que foi preces--
Campello Galvio peto erime de furto^e es
I erime este q*e s1ef de 15 de outobro de
fosidera roobo, eapplica-lhe as ponas qae
erim. estio marcadas para ste-, sem dan-
22"rJ*D"dera5ei e B nao-podio e>capar a eipinlos calmos e reflwtiTi
*?TO?cPd^^ das ucoa*idades puWieas.
mJ^IS,0- Sr Dft"VVict<"-"o. pondo mar-
e- ie
MJ^^^.W'!!^*J*!Am> P"1 4WiCtos_:restrrlre, porm, aos^
eompeteneia especial.
Emqnaato aquella cafare eertos agentes 4a
autridade a atiriboigio mais ameda de procede-
rom nos termos da matar pacte-dos proeeasos Cri-
mea, esta restringe i ootres a aArttinMo de fuoe-
ctooateaittfeMmnite era certa o determiBados
casos esper4eada das lfif
E d'ist resuiu qae os juies" 4a competencia
gereU nao podem fuaeciotfar era preeewos privad*
voa de autoridades determinadas para ellos : nem
os jatees priratrrameale dolermitiadee per cerios
crimes podem mais araplsmente faceefoaar em
aioilos ontros processos.
A M ennldre aos suWeletjadd, delejradoj e cha-
fes de pofeia as aH^^^^^^^^H^^H
Sri. Reductores Como correspondente do Sr.
eonmendadur Joo Luiz dos R*ls, propneiario e
dono da mor parle do carregamento da barcaca
Trmphante, abairoada em 17 do crrante pelo
vapor Paraliyba da companhia Pernambucana, nao
posso deixar passar sem eontesiacio, e que pa
blicoa o Sr. gerente -dsssa emprezvna sua con-
ceiiuada revista da. ^do corren'^ mostrar ao
publico como se deu o-simstro.
Logo que se devuigou a noticia,' derigi-oe *
Sr. commandante do vapor aflnjle saber causa
2 o la I a'-nrit.-imooto, a peas iaf'orma(0'^ que rae
?ram ministrada, posto que mu contradictorias,
colligi que o vapor vinha sem pharol, a bavia
descuido da parte .da viga, estas suspeitas pas
saraar a realidade desde que aqui chegaram do
Porto de Pedras pessoas probas e conhecldas, que
esiiveram com os passagairos e ouvirara conlar
todos os pormenores.
Ao amaoheeer do dia 17 na altura mais ou me-
os da ilia Santo Aleixo, a barcaca avislou o va-
por qae vlnha sobra ella (era nnute de la) como
embareacio pequea, que demanda pouca agua,
o mostr arnbou, gritando ao vapor, porm quau
lo mais se griiava e ss aproxiraava da trra, o va
por coutinuava a 'derrota em direitara ao cami-
nho da barcaca at que dea na poupa lamanha
pancada, derrubalo immediatamenie o mastro
ganda, fazeodo ircmensos estragos, alirando ao
mar alguna horneas da tripolacao-
Em consecuencia do perigo os tri oolantes pe-
di ramsoccorro, eolio o commandante manion um
escalar que o levou para bordo, porm vendo o
mesire que podia-se salvar a barcaca a carga, of-
fereceu ao Sr. commandanle um cont de reis,
(dando como garanta o que se salvasse) pan lhe
dar reboque qualquer porto, visto se acharen)
perto de ierra, a resposu que receben f i que s
leria o reboque se afincese tres conlos de reis,
do contrario nao fazia mal, que se fosas acabando
com as chicacas de barcadas, maltratando cora
palavras iusullando nao s aos tripulantes, como
aos passagairos, o qqe se prova pelo coatedo da
carta abaixo transcripta dirigida ao Sr. Jos Ade-
lino F. Fradique pelo passageiro da dita barcaca,
Bernardino Souza Cunha, pessoa muilo idnea e
bem conbecida nesta cidade.
E' falso que antes do choque, e vapor ter pa-
rado o maohlnismo, assim como trazar o pharol
aceso, o que brevemente ser demonstrado e pro-
vado pelo Sr. commendader Reis.
Quanto ao mostr da barcaca posso afhocar
que tem bastante conhecimenlo da arla que pro-
fessa mais da oito anuos que navega toda costa
do sul com pericia e cuidado, e nao ter elle di-
rigido a entrada de Paraliyba na Barra Grande, o
que seria hoje desse vapor I
Por hoje Acarnos aqui. Recife, 21 de Janeiro
de 1871. Jo3quira Jos Rodrigues Costa.
Illra. Sr. Jos Anionio F. Fradique.Amigo e
Sr.Com profundo senlimento e ao mesmo lem-
po com prazer faco a presente afim de Ibe dr no-
ticias miabas onde outros dariam, se a provideo
ca divina nao nos acudisse, seriamos no dia 17
do corrente, pelas tres horas da madrugada en
tre o Cupe e o Porto de Galinbas victimas pelo
vapor Parakybat que assim nteodeu eu com-
maadanie de nos afuadar, por mais que dalle nos
livrasse, ele sempro pertinaz a nos fazer mal,
at que se realison seus intentos, pois sao inimf-
gos das pobres bananas, que sao desproiegidas,
e nao sastifeito com isto, quando chegaraos -bor-
do, fomos bastante maltratados de razoes, a ponto
que nem a mira me respeitaram na qualidadede
passageiro, me derigindo ao commandante dizao-
do-lhe que boba comraigo quantia avultada de di
nheiro por isto me desse am camarote, para des-
cansar as fadigas, e poder mudar a roupa que
eslava toda mothada, respoaieu-raa que ao tinha
camatota, qua fosae para pri, avista desie pro-
ceder grosseiro, uei da cala fique all sobra
um banco-o resto di noute, eu e maa lho de
menor iJade, de nome Vaidevino, elle comman-
dante se relrou para a cmara e foi dormir ;
quando se lai'auteu as 7 horas do dia, nada,mais
me dase, qua ma ttadasse, antes rao tratoa me-
Ihir, a |)oato qne quando foi almocar me convi-
dou, cceitei en atteneao mea fllho, que esla-
va com forae, eu apenas serv me de unja chave-
aa de da. No mais at breve que ahi chevarei.'
Reeife, 19 de jsneh* nVM'l. Da V. S. amigo
obrigado a criado.Bernardrab Sonta Cuaba.
Esta carta est sellada.
Devo 4M > djgua, aonltf j poneos insumes
ver .epdenin-
quo irazia cila,
. acabar de matar I I
. Jf. .:<*ndido depois de lar luctado bstame e ter
""'frfe agaaslpida, pode por misericor-
dia da Dus. fugir do poder da fra, a qual depois
-|ue vio a sua pre fugir e bradar por socconos,
parie WPd'J anda para cima do offendd>, dv-
rend'i-n5o -'corre, que te quero matar, quando
uaqietle mouwato o offaodi.k) vai se lavaotaodo
dentro d'agua, v vir correado a sua mulher que
se vai logo precipitando n'agua e gritando oue
aeudam ao sea mirido que o qaerem matar arti-
gado ; e logo chegando ao p da fra, pedio-lhe
que se aquietasse e que nio malasio seu ma-
rido..
Elle (arioso iaveste contra ella com nma faca
na na mi, e a empurra, deiando a por Ierra I
cora o amito de ver se anda poda conseguir
apaohar^ao seu marido, que por misericordia de
Deas j bavia ebegado em sua casa, qne Moa em
cima do coinoro da praia; logo depois o paciente
moco, v chegar sua mulher naquelle deplortvel
estado; sua mulher toda molhada e maltratada I
E*-para admirar que o'um lugar aonle lia ins-
pector se dem faetos d'esU ordem e fique a fera
passeaudo impune pela mesma po voa cao?
Consta-nos qae o offondido coatoa o tacto ao
inspector do lugar, e como este nao desse a me-
nor importancia relativamente ao occorrido; o o-
feuido dera peranla o respectivo delegado on sub-
delegado do lagar a sua competente queixa, e
pretende leva-lo barra di tribunal, am de ser
punido pelo crirat de tentativa de raorle.
Admira como al e ta data amda nao foi a fera
presa, viste ja ter o offondido dado a sua queix i;
porm Meamos ceno que o mea digno senhor sub
delegado do lugar, nao consentir qoe fl joe impune
lao oefaodo atlentado.
Consta-no qua o offsnlido natural d'essa ei-
dado e da ama familia respeitavel, portante com
melhor razio pedimos ao mui digna e jusliceiro
senhor subdelegado ou delegado, peranle quam
foi dada a queixa, que foca conhecer a fera qae
s a Deas peraiiitido tirar a existencia dos vi*
ventes, e desta fraia far jastica ao otfondido e
dar Cazar o que da C.zar e a Deus o que
de Deu.'
H. MI.AGUA DE FLORIDA DE MURRAY A
LANilAN.As senhoras que desejam e gosiam
de gyrar e mover n'uma almospherx radiante da
frescura e fragrancia, deverao sempre asar deste
rica e mimosa agua, nos seas loueadores. Urnas
poucas de golas deitedns no baoho, ou a'um < o-
po d'agua, no caso que se deseje dar' ama lava-
gem odi'riphera aos deates, achar-se-ha ser emi-
nentemente refrigerante e summ ament saudavel,
e para a boa couservaeao dos denles nao ha cou
sa melhor ; a mesma usada a'um -fino lenco de
canbrai pela oecaso do urna visita ou ao ir-se
a um baile, a delicada e deleitavel Iragraucia
qne se diffunie do lenco, attrahir si mais at-
tencao, do que o raro bordado do qae o mesmo
composte. Aquellas pessoas sugeitas verligeus e
dores violentas da cabeca, quando presentes em
grandes assemblas, achario um prompto alivio
no uso da Agua de Florida, a raesma-faz desappa
recer como por encanto loda "a oppressio do espi-
rito, restitnindo an mewiu urna doce o refrigeran-
te suavdade, aliviando as ideas, dando ao espiri-
to' urna brrThante elastieidade, e mente novo ali-
vio e vigor.
io Grar. $e
orgianff9'\\So haWtio F. daCanralho,
carga astear.
3allhmorir-^atacho americano Garoline, ci-
pitSo Mflt'Farland. carga assucar.
\ ATatios taidos no- dia 23.
Rio G rancio Stf-*-PaUcbobrasi!ero Cas-
silhas, cajtfUio Antonio dos Santos Valen-
te, carga assucar.
!e do SolBrigae brasileiro Ho-
pit5o Manoel da Silva Araujo,
carga assucar ..agurdente.
Obtervacao,
.N3 j boove entrada*.
EOITAES.
Pe'a recebedoria de rendas, internas geraes
se faz publico que oeste mez e no de feereire
prxima fataro, que os devedores da laxa de es-
cravos do exercicio corrente de 1870-71 teem de
paga-la livre da multa, e com esta depois do refe-
rido praso
Recebedoria d Pernambuco 10 de Janeiro de
1871.
O administrador,
_________Manoel Carneiro de Souta Lacerda.
Faosldade de direito
De ordem do Exrn. Sr. director e da conformi
dade com o art. 3* das ovas Instruccoes que bai-
xaram com o decreto n. 4430 de :t0 de oulnbro de
1869, faco publicar as listas dos inscriptos para
os exames de seieacias que devera comejar uo ilia
1* de fevereiro prximo vindouro.
2* seccao.Secretaria da presidencia de Per-
nambuco 23 de Janeiro de 1871.
Por esta secretaria se ceromunica aos Srs. Jos
Baisabino oacalves Urna, Jio Baplista Gomes
Pauna e bacharel Napoleo Silveno da Silva a
irera on mandarem reparticao do correio pagar
o parte dos offlcios dirigidos ao mioieterio da jas
tic-, afim de podarem ter conveniente deitino as
suas preteneots.
O secretario,
FliasFredarco de Almeida e Albaquerqae.
?por.
sal Cornripe.
aodHT Silva, seguir
L# pe{ cima no dia 28
corrente a cinco horas da
tardt
^HBli passageiros,
encommanflas, dlnlielro a flPete ale as 2 horas da
tarde do dia da sahida, no escripiorio 4o Forte
do Maltes n. 12. t___________________
FJA _
o
Aeha-se proposto o-btigae porteguez Stixas /,
pretende seguir com a posslvel brevidade : quem
no mesmo quizer earregar ou ir de pastagem di-
rija-se aos consignatarios Thumaz de Aqnina-Fnn-
seca & C. S^ccesse|ML a ra do Vigarjoj.,19.
C-WAJSimif*tWA3ll*CAjfAV "
NavegacdQ costarerpor vapor
Macei, escalas, Penedo e Aracaj.
O vapor Jaauaribe, eom-
mandante Guilherma,-seguir
para os portos cima no di
31 do torrente as 6 horas da
tarde.
Recebe carga at o dia 30, encommendas, pa*
sageiros e diahero a free, at s 2 horas da tar
de do da da sahida: no escripterio do Forte do
Mallo? n. 12.
DECLARACOES.
COMMERCIO.
A Gaixa Filial do Banco do Brasil em
liquidacao paga o 34 dividendo de suas
acgSes, inscriptas nesta caixa, a ra23o de
8?>00O: 'ra do Mrquez de Olinda
o, 4.
PHACA DO RECIFE 23 DE JANEIRO
DE 1871.
AS 3 1/2 HORAS DA TARDE.
Cotacoes oDciaes.
Algodio l'sorte5ii e858 rs.por UI.
Cambio sobre Portugalr-90 djv 122 0(0
fl. G. Stepple.
Presidente.
P. J. Pinto,
Secretarlo.
ALFANDEGA-
Rendiraento de dia 2 a 21. .
dem do dia 23 ..
591.632*787
38:832*823
630:465*610
Os riscaea das quatro fragarias deste cidade
fuera cente aos moradores das raesmas, que
d'ora era diaute as carrocaa percorroro as roas
das referidas fregaezias ires vezes por semana,
sendo as segundas, quarlas e sibbados, e que a
ninguem licito atirar cisco da inmundicia de
lualidade alguma as mas, sob pena de pagarem
as mallas marcadas ns posturas.
Declarara mais qae os ciscos devem ser deposi-
tados em vasilhas proprias para melhor i'aclidade
do transporte- Recife l).e Janeiro do 1871.
JoaoMan es Correia.
J laquim Francisco de Torres Gallindo.
Ernestino Cavalcanti de Albaquerque.
_________Jerooymo Joa Ferreira.____________
SSttta Casa de Misericordia do
Recife.
A Illma. junta da Santa Casa, contina a rece-
ber proposlas na sala das suas ses-Oes pelas 3
horas da tarda do dia 26, do corrente para lome-
cimento do pao que tiveram de consumir nos me-
zes de favereiro e Marc os eslabelecimentos pos
i sea cargo Inclusive o asylo, assim como os me-
dicamentos que durante o mesmo tempo bouver
de precisar o referido asylo.
Secretaria da Santa Ca* de Misericordia do Re-
cife, 21 de Janeiro de 1871.
O escrivo,
________________Pedro-Rodrigues de Souza.
SANTA GASA Qfi MISERIGOHIa DO
RECIFE,
A Illma. junta administrativa da Santa casa de
Misar-curda do Recife manda fazer publico que
oa sala de'suas 3ess5es.no dia 26 de Janeiro, pe-
las 3 horas da tarde, tem de ser arrematadas a
quem mais vantagens offerecer pelo tempo de aro
a tres anuos, as rendas dos predios em seguida
declarados:
ESTABELECIMENTOS DE CARIDADE.
Roa de Santa Rita.
Casa terrea n. 32.......161*000
Ra da Matriz da Boa-Vista.
Casa terrea n. 56.......202*000
PATRIMONIO DOS ORPHOS.
Roa de S. Jorgo (outr'ora Pilar)
Casa terrea n. 108................. 151*000
dem idem n. 99................... 368*000
Os pretendentes deverao apresentar no acto da
orrematacao as suas naneas, oa comparecer!
acompanbados dos respectivos fiadores.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re
cife, 16 de Janeiro de 1871.
O eserivo,
____ Pedro Rodrigues de Souza.
Aracdju'
Da Rabia espera-se a todo o momento o patach >
Tres Amigos, e depois de desearregar a carga que
traz para este porto, seguir para o Aracai
sem demora : por isso quera quizer aproveitar tao
boa occasio de embarcar carga, pode dirigir-se
ao cu asgnala rio Joaqun Jos Goocalvas Belo
ra do Commereio n. 17.
GOMPA.NHIA PERNAMBUCANA
DB
Navegando costara por vapor,
Parahyba, Natal, Mario, Mosaor, Ara-
caty, Cear, Mandaba, Acarac e
Granja.
O vapor Pirapama commandan-
te Azevedo, seguir para os por-
tee cima no dia 31 do corrate
aa 8 horas da tarde. Recebe ear-
' ga at o dia 30, eneommenda?
passageiro? dinheiro a (ret at as 2 horas -4a
tarde do dia 4a sahida : escripterio no Forte io
tfattosD.il
DE
Paquetes a Vapor
Do portos do norte esperado
at o da 3 de fevereiro o vapor
Paran commandante J. de P.
Guedes Alcoforado, o qual depoi-
da, demora do costme, Seguir
para os Sortee do sul.
Desd j recebera se passageiros e engaja-se a
carga noe-o vapor poder condazir, a qual devera
*er embarcada no oa de sua chegada, encom-
mendas e dinheiro a frete at as 2 horas da tarde
de sua sahida.
Nao se receben! eomo encommendas seno-ob-
j ocios de pequeo valor, e qne nao excedan a 2
arrobas de peso ou oito palmos cbicos de medi-
co. Tndo que passar destes limites devora ser
embarcado como earga& w
Previne-se aos Srs. paseageiros que snai pas-
ageos s se recebem na agencia, ra da Cruz n.
57, primeiro andar, escriptoiio de Antonio Lu?
le Oliveira Azevedo & C.
- COMPANHIA PERNAMBUCANA
DB
Xavegact eosteira por vapor.
Goysnna.
O vapor Parahyba seguir pa-
ra o porto cima no dia 26 do
corrente as 9 horas da nonte.
Recebe carea, encommendas,
. passageiros e dinheiro a frete no
ascriptono do Forte do Mattos n. 12.
Maranhfto.
HoTlmeaio da alfandega.
Voiames entrados com fazendas 41
com gneros 2*3
x'olames sabidos com fazendas 99
.'eom gneros 117
284
216
dMHMlor para promulgla, esqqeci
an1
nairo a
i tambem por
lio <
segnlntes: >
resp^^l
aqurlles
Hr V.i.
9PS nao ti ot particular co-
manicipae a allribuiqa
mes de resistencia, mq
cao: aos j

Senhores redactare-.Qaeiraai dar pubcidade
ao seguate lacio, pra licado no dia 19 do cor
te, na povoagao do Porto de Gallinhas, villa de
S. do O, em u familia honesta,
cMade e aqtri morador.
Ha vendo o nhor mandado
comprar p r urna escrava algum pexe, volt
n tradar nao I lie
dier qoe
Desearregam hoje 24 de Janeiro.
Rarca francesa Arche dalltance- carvo de
pedra.
Rirca inglezaBrightest Starvarios gneros,
Brigue oorte-allemoJfoaarfvarios gneros.
3arca inglezafidero/varios gneros.
Patacho norte-alternoAnua Snphiaidem. -
Patacho ioglezfnooiovarios gneros.
Brigue portugoezCateteidem.
Barca inglezaDelphimvarios gneros.
Despachos de exportacSo no dia 21 de
Janeiro
Na barca ingleza Kerelaw, para o Canal car-
regaram : Raba Schmetteau & C. 442 saccas com
31,583 kilos de algodio.
Na barca franceza Sant Andr, para o Havre
carregaram : E. a. Baria & C. 26 -saccas com
1,907 kilos de algodao.
Na barca porlugueza Clemenlina, para o
Porto carregaram : Prente Vianna & C. 26 sac-
cas cora 2,264 kilos de algodao.
No patacho argentino Thereza, para o Rio
da Prata carregaram : Pereira Carneiro & C. 100
barricas com 11,176 kilos de assucar branco.
No hiate poriuguez Elephante, para o Rio da
Praia carregaram : Pereira Carneiro & C. 10
barricas e 20 1|2 com 2,733 kiloa de assucar
branco.
Nj brigue bollaniez Jong Evat, para o Rio
da Prata carregaram ; Amorim Irmos A C, 100
barricas com 12,080 kilos de assucar masca vado,
1,400 barricas e 100 1|2 ditas eom 34,801 kilos de
dito branco.
RECEBEOOWA DE~RENDAS INTERNAS
GERAES DE PERNAMBJCO
fteodimaaio do dial a 21. Ul:006*l02
dem d dia 23 .... i 3:956*209
CO.NSUCADO PKOVINCIAL.
Por esta reparticao avisa-se aos respectivos con-
tribuales, que cora o mez de fevereiro prximo
comeca a correr o praso dos 30 das para o paga-
raeuto voluntario dos difiranles impostes provin-
ciaes, pertencentes ao anno flnaoceiro vigente de
1870-71, cuja arracadaeao incumbe esta estacao,
occorrenlo na multa de 6 0,0 aquellas dos con-
iribuintes, que o nao effectuarem no dito praso.
Consulado provincial 23 de janiiro de 1871.
O administrador,
A. C Machado Rios.-
Pela subdelegada de polica da freguezia de
S. Jas do Recife se faz publico, qae fra entre-
gue nesta subdelegada am cavallo com cangalha
e eacnaes e trez saceos com roupa, cujo animal
vagava pelas ras da freguezia : quem se julgar
com direito provaodo lhe ser eatregue.
Recife, 23 de Janeiro de 1871.
O subdelegado,
Antonio Morera da Mendonca.
THEATRO
Agalera portogoeza tNova Amizade
capitao Manoel Francisco dos Santos, segu no-
dia 25 do corrente para o indicado porto, e recebe
carga a frete : trata-se com Miguel Jos Alves.
ra da Cruz rj. 19.
Nll
I
Segu com breviJade para o porto cima o pa-
Ihabote porlogoez Santa Cruz, tem a maior parle
da carga tratada: para o resto qne lhe falta tra-
ta-se cora os consignatarios Antonio Luiz da Oli-
veira Azevedo A fl, rna da Croa n. 57, 1* andar.
LEILOES.
COMPANHIA
DR4I4TICA HACIOML
EMPREZA DE
JOO FEBRERA BASTOS
Recata extraordinaria
EM BENEFICIO r
QUARTA-PEIRA 26 DE JANEIRO DE 1874
Subir
drama em
-scena a muito
3 actos vestida a
applaudida
carcter :
comedia
54:961*311
CONSOLADO PROVINCIAL.
Rendimento de dia 2a 21. 97:30*K99
Idaa da dia 23 7:4454849
fo:948M"
ENTO DO PORTO.

ebtapetenr
E bem visto
pnneiT
brape
xfn*i sendo, c
prunuj no uta aa>
.ipor brasileiro /'l-
as, commandante
ju'pag-em li,; em lastro;
Conpanbia PenMua^oaani.
iWFa rfo,va---33 'titas, tarca ingleza Fan-
Episodio da guorra dos francezes a hespanhoes
no tempo do cardaal Recbilien.
Em seguida snbtr pela priraelra ver scena 1
a liodissima comedia em i acto :
As pra gas do capit&o
Finaliaar com a sempre apptaodidz e dwejada
comedia em 1 acta :
;"":* __
as 4 i [2 horas.
e rigor do direiio especio as Attriboisoes erimi-|zeie fazer pergnnus, dirigio-ss am wtro jan- guai, de 374 toneladas, capitSo tee, equi-
tito flas t
fsr
Camarotes de Ia ordem com 8 entradas
* (na fr-jnte) com 6 entradas
2* (aos lado.*) eom 8 entradas
deiras
8*000
12*000
10*000
2*000
1*000
ftVISOS MARTIMOS.
Ven-le-seopa ?aftr#a, qaeae
acha- fondeado ne aocoradonro da carne secea
magoifici mebilia, piano, loucas. am bello
faqaeiro de prata de iei, e ontros artigos
de casa decente, qoasi todos novos e do
melbor gosto e pereic3o, assim como de
am cabriolet de duas rodas (Dog. Cari,
com arreios e cavallo ensioado para o
mesmo
a 25 do corrente
O agente Oliveira far lei lio por ordem do Illra.
Sr. coronel Barros Palcaa, e por eoBla de nma fa-
milia recentemente retirada d'esta provincia, con-
sistindo em ama superlativa gnarnicao completa,
de Jacaranda para atta de visitas, nm lindo piano
novo de suavissiraas vozes, com cadeira e estante
para msica, perfeitos esperaos grandes de mol-
duras donradas, beMos tonctdor e lavatorio com
podra marmore a espetaos, estantes grande e pe-
quea para livros, cadeiras avulsas, mesapara
jogo, secreteria moderna e aparadores de rneHror
gosio, sendo estes artigos quasi todos de lacaran-
d, mesa elstica para jamar, s.-f, cadons di-
versas e de balancos, comandas, g^^^^Br* e
guarda-vestidos &em oonstraMp, ^^^H*r-
quezas e unrqmit&o, quartmteins e^^^Brru<
relio a maier parte, esirad-..,, i, 'i de cozicrha <
jarros para agua, garrafas eeposprvinho e
agua, um valioso appareiho de porcelana dourada
a ootre do cemaram para mes- jar-
ras, laatenai. canetaavo e s de
apurado gosto; inclusive uro foqn
com as pecas dK prata de ftf, e pe, ooirosartiies,
oa qnae aio.S-racil apprecerem d melltorer.
qualidadej:
Qhrla fir
pelas 10 horas da maamlar am asa nava sita no
caee do Caprnaribe n. ;.<
Adverle-se que ir mata em loilo d'este da, ao
caes do Cspibame, am elegante phaetea de cons-
trnecao franceza, para am e dous cavullos eotfer-
fekostedo, .sata arrewis.

ijuarenta
' QOirn
coritai
serio1
oa mais lotes
no estato'i
no dia aei
(.

i


i
V
k


f
A SABER :
'a^,trrft;pr.vws tepelr, fqroalbas,
.gara&MM sorlidoa, cadaados_.de lauo,
r* mam /errSJUo,.abi-
kibradica. d* latan, tuoiobos par
IfeirM^puiraiBrram..
QtaajrtaJfUi 5 da janalro as W#ras.
O agenta Pinto lavar a leifao por autorisagao
do cnsul de Franja, em presenca de ?eu chao-
celler, e por,coala risc de quem pertencer dif
ferenles volutaa cun^'fcrrigens ltimamente des-
*adw. istMiMo autor do eabrado da
i io-WfrrtoW B, \^xpo-
lio (te nnaio-F. BtiSariry.
O leitio principiar! as 10 horas do *a cima
dito no referido ae bruto.
AVI^^RSOS.
i MOE B (IKNIAPHI-
co mabijmo
Tewjo o Instituto Arcbeologico e Geogra-
phieo Pernambucano de celebrar o 9" aoni-
versaro da soa fundac5o no- dia 27 do cor-
reteJaneiro; pea i hora da tarde, no saiao
da bibliotbeca publica provincial, do con-
vento de Noisa Seibora do Carino, s5o con-
vidados para einilhante efleito en assem-
bla geral todos os socos que sacharem
no Recite,---effeetrvos, honorarios e corres-
pondentes.
Nao coqbeceod o Toslituto a sede das
diferentes a sociacoes Iliterarias, scientifi-
cas, artsticas e de beneficencia qoe existem
nesta cidade, tem a honra de convidar pelo
presente edital a cala orna de taes assoca-
<;oes a assisiir solemnidade do dia 27, on
a^fazer-se ahi representar. E para conbe-
ciraento das corporacoes oa pessoas que ti
\erem do ornar a 9ess3o com a soa palavra
utorisada, squi se transcreve a ultima par-
te do art. 28 do regiment do Instituto :
t Se na sala existem socios ou pessoas
entras qne desejaua ler algumas memorias
interessanies, partictpamno ao secretario
perpetuo, para este prevenir o presidente, o
qual d a palavra aos autores das memorias;
a ieiiura de cada urna das quaes nao pode
estender-se alm de meia hora. Porm ne-
nhoma memoria ou trabalho pede ser apre-
- sentado e lido em sesso publica, sem que
antes seja submeltid) a urna commissa'o'de
exame para isso nomeada, a qual tem voto
decisivo sobre a conveniencia ou inconve-
niencia da leitura.
Secretaria do Instituto, 17 de Janeiro
de *874.
J. Soares d'Azevedo
Secretario perpetuo.
m Foiographia imperial
E
CALERA 1)E PIVTlIll
DE
J. Ferrara Vlela
, Desde o dia 7 da abril panado acha-ae aberta c
wvo suwlecimento pootograpbico sito roa dt
ataga. n. 18, quina do patoo-la matriz. Oalraba-
boa tem feralmente agradado, sendo receidos por
ngana e0; Mrrtlo belo exirairtinari) pro-
jrosso que uliuauajite tem JiJo a phot grapfcir
i por ontros com alegra, por verera a provincia
Jotada com um estabelecimenlo digno d ella, e lo
jontestavelmeote o prjnjeiro que nesse genere
boje possne : tambero nao nos poupamos era consa
itgama para monta-to no n em qne se acha, es-
perando que o publico de Perjambued saben
r nossos esprcos o recompensar nossos sa-
W
No caf Imperairiz precisa-se de um criado
eseravo oa livre.
AMA
Na ra do Torres o. 16, 2' andar, precisa-se de
-ama ama qne ozinhe, compre e engomme para
urna pessna.________________________________________
Os abaixo asignados participan) ao publico
e especialmente ao corpa commercial, qne disol-
vern) amigavelmene e de commum aceordo com
seus credore, a sociedade qne linham na frejjue-
zia do Poco da Panella em nm estabelecimenlo de
molbadrs sob a firma de Maia & Mello, (kando a
cargo do socio Mello todo'o passivo e activo da
extincta firma, e ficando o socio Maia exonerado e
pago do sei capital. Peo da Panella 21 de Ja-
neiro de 1871.
Francisco Goncalves Maia.
_________________Marcelino Augusto Paesde Mello.
CASA DA FORTUNA
Aos 5:000$
Bilhetes garantidos*
A roa Primeiro de Marco (oatr'ora roa do
Crespo) n. 23 e casas do costme.
O abatxo assignado, tendo vendido nos seas fe-
lizes bilhetes um qaarto o. 3376 com 5:000*000,
um meio n. 2060 com 2004. um meio n. 1583 com
100, dous qaarlos n. 2326 com 1004000, um
quarto n. 1354 com 1001000, e ontras sortea de
404000 e 264000 da lotera qne se acaben de ex-
traer (179'), convida aos possuidores a virem re-
cebar na conformidade do costme sem'descon-
t algum.
Acham-se venda os bilhetes garantidos da
4. parte das loteras, a beneficio da igrej do
Senhor Bom Jesas dos Martyrios do Reclfe ((80.*)
qne se extrabira sexta-feira 27 do crrante mez.
PREQOS.
Bilhete inteiro 64000
Meio bilhete 84OOO
Qaarto 14300
Em porcao de 1004000 para cima.
Bilhete inteiro 84400
Meto btlbete 14700
Qaarto MH
Maneel Martin Finia.
N. 8PAEO DOPARA120N. 8.
virola partieftlar do ex fe-
menino
Anna de Qdeiroz e Alb'iquerque faz publico e
em particular scientifica aos pais de anas alnranas
qne mudou a sna resMencia para o pateo da igre-
ja do Paraizo, sobradis. 8, 2* andar, onde conti-
na no. ejercicio do sen magisterio. Aquellas
pessoas qffe, por flearem inais distantes da escola,
oa por outra qalqner cifcnmstancla, quizerem
que snae Albas venhtn de manba e Voltem as 6
a 7 horas. 4*.jtatde, .0 Dpdero r,. modiante
UCDt P^R*fffil wWajma^rojelsora afianca
o maisBalilnif|rli|noHaniiitalaento d
sus al&mawlonto ouetileit Jlihojo.
^r4lou|sRnaaaSsa *5apoB)fyrt~das
Crenlas *m( e^<*oitoV^roosV^aintal
murado Mistar na pa do yigafiajrn. 33, 1*
andar, o Jos daCnnbaLages.
'u.',rt^
Convidamos a tedti asraellas neoDas, aejomat
i estraugeiras que Eoetam das, artes, ou titereao
tarem o nosso atibelectraento, qu estar sempre
iberio e sua dtsposieio todos os das desde as' 7
lioras da manbia al aa 6 da tarde.
Para os tranalbos da photograpbia possuimos ai-
reas machinas dos memores autores' francezes,
nglezes e allmeroaes, como stara : Lerebonrs al
Secretan, Hermagis, Thomaz Rosa, Voigtlander et
SonheWulf. Uli
mente recebemos tres nova
Woasi sendo ur deltas propria para tomar
robre o mesmo vidro 4 ou 8 imagens diversas t
soladas, e outra de 6 a 12 imagens diversas e
Igualmente isoladas, de sorte que no caso de
grande concurrencia poderemos retratar sobre
ama nica chapa at 8 pessoas diversas elsola-
das para candes de visita, eassim em menas de
om quarto da hora despachamos 8 difireme?
pessoas que pe$am eada urna, urna dnzia de cartet
-nais oo manos, om os seos 'retratos somante, oo
am grupo com ontras.
Encarregamos-nos exclusivamente da direcc.ac
> feilura dos traballios de photographia dej-
ando i pericia e talentos do distincto pintoi
illemo, o Sr.
Jorge A. Roth
ps trabalhos de pintura, a aquarela, oleo, a a
pastel.
O Sr. Roth acha-se ligado a nossa empresa por
ama escriptura publica, e at o presente tem-i
iesvellado na execucSo de seus trabalhos.
No nosso estabelecimerto acham- se expostos ou-
iros trabalhos importanti s do Sr. Roth, tanto etn
niniatnras aquarella Como oleo, reiratos
)leo, qnadros sacros e diversos outros trabalhos.
Tomamos encommondas de retratos oleo at o
.amnho natural, assimeomo de quadros sacro.-
oara ornamenta^ao de igreias oa capellas. Tam-
bem aceitamos encommenaas de quadros histri-
cos.
Aseguramos que os precos dos diversos tra-
balbos da nossa easa sao mu rasoaveis.
cartSes OE VISITA NAO COLORIOS A lOjJOO A
DUZU
l\RTOES DE VISITA COM O COLORIDO AO NATO-
RAL A 160000 A DOZIA
Retrates em miniatura oleo oa aquarella de
16 204000 cada um, indo convenientemente en
aixilhado em moldara donrada e regulando c
busto da pessoa retratada de 3 4 pollegadas e
"odo o qoadro palmo e meio de tamanho.
Julgamos que bastaro os precos cima para
iarmos idea da baratesa dos trabalhos do nosse
istablecimento, quanto sua perfeicao cada nm
'enha julgar por seus proprios olbos.
As melhores horas para se tirarem retratos nc
aosso estabelecimenlo sao das 8 horas da manhaa i
I da tarde; entretanto de urna hora s 5 da tarde
jm casos especiaes pode-se lambem retratar qual-
]uer pessoa.
Nos dias de ebuva, on por lempo sombro po-
iemos retratar, e assegnramos que esses dias s<
>s mais favoraveis aos trabalhos de photographia
pela dotara e persistencia da luz, e pi r termos c
osso terraco construido com taes preporcSes e
nelhoramentos, qae anda chovendo ,orros-ne-
ahum inconveniente iba para fazer-se bellos re-
tratos.
J. Fmtira Vil tela
e iai
-familiar
apredsRla e desejitUf ttaso* JMem.
S, Francisco de Paula de Ca-
xag.
A fesla d'est caridsso sanio ter lagar uo dia 5
le fevereiro, com toda a pompa possivel.
Preceder a ella o levan amento da bao'.eira no
da 4 as 6 horas da tarde, entrando as 8 horas da
noute urca ladainha.
A festa entrar as 11 boras da manba e a la-
dainha as 7 horas da noute, orando ao evangelho
o Rvm. padre Lino do Monte Carmel lo.
A parte musical est confiada ao distincto pro*
fossor Prancelino que far executar urna das me-
lhores mtssas do maestro Santos Pinto cantando
um dos solos o IIIm. Sr. Joo Pereira Hab lio Bra-
ga que por devoco a isso se presta e antes a
Sra. D. Helena Saagles e varios artistas de m-
rito.
Ao subir a tribuna sagrada o Rvm. prejador o
distincto professor Prancelino far tocar urnas
variacoes sobre orna das melhores msicas co-
anenlas.
Finda a festa soltarse-ha ara grande balao e
durante a tarde se soltarlo outros.
A msica do distincto 9* batalho de linha toca-
r tanto na vespera orno no dia da festa as me-
lhores msicas de sea repertorio.
Pinalisar a festa aom um bonito fogo, feito por
hbil artista, queimado as 9 horas da noute.
CAXANGA'
Devendo ter logar no da 5 de fevereiro vin-
donro a grande fesla de S. Francisco de Paula
os empresarios dos mnibus previnem aos devotos
des?e Santo que faro-nartir da ra do Impera-
dor canto da do Crespo 3 mnibus de manhaa e
um a tarde, sendQ.de raanbaa as 6, G 1(2 e 7 ho-
ras, e a Urda as 4 eras, voltando um aa 6 horas
da tarde e os outros depois do fogo.
a casa da-C.pnaga na ra da Amizsde n. 21, coro
2 sajas,4 auaftos, botlnba (era, 1 qnarto atraz da
Tfwtnha. aniotel maile grande, porto do tado, a
Chave se'aeh Juato n. 19 : a tratar- na rea da
ltrfperairiz n. 74.
-oiq e> ao
---------
Precsa-se de nm m prra eozinbar e engom-
mar para e^s. d* ponda familia ; a tratar na es-
quina da ra da Madre de Dos o. 45.
------------i-----------------:-----------------------------.,,,. ,
Sibbado 21 Mo eorreme a; ma pobre mulher
roubaram na roa do Hospicio, a I aera da larde o
cavalte-, nnico bea que posania, e tana porclo de
wnpa ejne levava! para latar na Vanea. O ca-
Tralle' pedrea a marea n'ura dos qaartos. <4 roapa twasas ver-
sas mareas : quem apprehender o ladrao a oa ob-
jecios roubados Dde dar informaeoes na meema
ra dn Hospicio n. 22, no collecio # Saata Geno
veva junto ao qnartel, que aart traWicndo.
ENSBO PARTICULAR
Urna pessoa conpatente mente habilitada prc-
poe-se a leccionar latim, francez, rhetorlca e pri
meiras lettras em casas particular*?, ou em al-
gum cotlegio, podendo ser procurada ra 4o
Padre Ftorino fl 49 oo a ra' das Uraageiras
n. 19. Promette se assiduidade, desvello, adian-
tamento e odicidade nos precos.
.
Aluga-se
i- de urna ama qoe saiba coziohar e
-a de pona familia: a tratar
17, aalar da
EU eir^ti id -*,
iaVtore
a -niadeus de
HavQi uu-
NOVA AGOA
para o Toocador
POR RIGAD B Ch\
Manantas
S, hu TlTlrtoe,
- PARIZ -
BsUAgOiextr*:
dw flore*
Piros Jjponioa,
sua fiuavi Jade 71
^lliu propneda i
dea benefloaa.
excedeos oo-'|
metios msis belabres; u.ndo sido a-
doptada por todaO0edade elegante:
Deitada nos banhos,* d'am perftiip.e
delicioso, oonsolids as oarnes e fax de-
saparecer os eapinhu. oomiohP.es a ss el
etae da palto,
l'RECO
qsUdi
imKs

BlCllC.
9
llfTMM
AII
mu afamIdjE/TJt:^
AGUA DE FLORIDA,
m HHAl a* I>AlMffAX.
He o'mais delicado mimoso ao mes-
mo tmpo o mais estavdl de todos os; per-
ftimes, e encerr emsi, no sen mair ange
de tellencia, o proprio aroma das terda1
deiras flores^quando akla. m sua flores-
cencia e fracla.na^fi.lBoi
seguro e rafsa allv^NbMHs
cabeca, nervosidade, debilidade,
(latos, assim como contra todas ai
ordinarias de accidentes hysterii
summa eficacia e nlo tem oul
iguale. Igualmenio, quando desi
com agua, torna-so m dentifrici
agradavel e excelteite, dando
aquella alvuraeaperolada ap] rwda
altamente
o boras.
V f omo um refliaflio contra -fWKrtf'itito
da boca, depois de diluida em-.'signa,'
summamente exceHente, faz remover e*neo-
tralizar todas as materias impuras que se
criam roda dos -dentes e das gengivas,
tornando-as duras, sadias e d'uma linda cftr
encarnada. Quanto a delicadeza, riqofl
e permanencia do seu fragrant aroma,lla
por certo nao tm igual; e a sua spe-
rioridade sem rival. Ella igualmente tor-
na-se um
remover de sobre a pelle do rosto, toda a
quaiidade de brotoejas, ebuliooes, sardas,
pannos, manchas, impigens e espinhas.
Quando se queira eenir deba como reme-
dio para fazer desaparecer- qualquer um
destes disfigoramentos, e que tanto desfei-
am as lindas feices do bello sexo; devera-
se usal-a n'um estado de dilluico, destem-
perando-a n'uma pouca d'agua j porm no
ratamento de qualquer espinha, usar-se-ha
della pura em toda a sua Torca. Final-
mente como um admiravel meio de com-
mnicar as feices trigueiras e paludas,
urna pelle macia e d'uma transparente al-
vura, dando-me urna linda cor de rosa :
para um tal flm, ella leva a palma a todos
os perfumes que se teem inventado at ho-
jc, e existe em plena soberana sem rival.
Bem entendido tudo isto se refere nica-
mente a Agua tie Florida oe Murhat d
Lanman.
As imitaces que se tem feito na Franca,
Allemanha, assim como em outras partes ;
sao inleiramente inuteis e invaliosas ; por-
tanto recommenda-se mui especialmente
s senhoras, que tenham toda a precauco
e cuidado, de quando comprarem, estejam
certas que compram.
A G ENCINA
AGUA DE FLORIDA
DE
MURRAY LANMAN,
A qual preparada smente pelos unicof
Proprietarios,
LANMANN & KEMP, DE OVA YgRK.
Acha-se venda nos estabelecimentos de
P. Maurer & C, J. C Bravo ct C. A.
Caors, B. M. Barboza e Bartholomeo & C
Offerecerio ama mnlher cnn|uai*;j*r.
de homem rspJteiro para coambar e engomcaar :
qoem derla nfeetsar tfirija-se jor do AmorirB a.
Innaiide; ^"filinac: ak!lWk",i' ia-
Jjfl
DeijKSlataltflal,'
nanos da mesa que linda, como os qne leem de
fonceifmar na presente anno de 1871, i reonirem
se no ala 3S do oorrente mez, no respeetiro con-
sutorio as 2 horas a4QMa> afim de ter logar a
reerrta posse.
esta:
CIDAD DO
NOB
A immediata direccJo dos 8rs. bithirel Ayres de ArbrjqMrqne Gama t sen?
^rietario Joaqoim Teixira Peixofo FHbo, sendo este oirctdr
as auHsprimarias, e aqoelle tomando ao sen aa o e di-
_. J&36C&0 w stodos secundarios.
collegio acaba de mudarse prwimasnente para o vasto e bea wjadj-
IVfio hai do Duque o> Casias n. 6; on^e eontrnra receber s^omnos mterntnifrnx-
teH)os' para todas as materias pertencenies ao corso de introcf5o primaria e iaV
condoeta,
para easa
n. 49, ar-
*> Precisa -se da uraaanw para eaaa de familia qu
saiba cozinbari.nMoWairo, sitio o. 2i : a tratar
no caes da eaoJSJiaba n. 3 A.
Joa
fonfal-
ves lltrao
'Roa do Trapico n, 17, i* andar.
^KS^^rseSi^gsr*;
meio mu exceliente, para fazer- -fortugai s awiwr
Lisboa.
Porto.
Valen^a.
Gu una raes.
Goimbra.
Cnves.
Viseo.
Villa do Conde.
Arcos de Val de Vez.
Vianna do Castalio.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famehco.
Lamego.
Lao?.
Covilhaa.
Vasca! (Valpasso). "
Mirandella.
Beja.
Barcellos.
Capites de campo.
Na rnado Corredor do Bispo, sitio n. 31, pre-
cisa-8e fallar a algnm senhor capillo te campo
oestes ires das. Na mesma casa cima prensa-
se alugar nma escrava e um moleque de 12 a 14
annos, paga-se bem.
DA
Compendio elementar
L'It/IIl MhimW) VlA.l
Adoptado para as aulas de instrucc5es
primaria pelo Conselho Director de instruc-
q5o pobiiea e approvado pelo Exm. Sr.
presidente da provincia.
as principaes livrarias desta cidade a
I-Vico cada om volumentidamente impres-
so e cartonado. "
Preciaa-se de urna boa eozinheira para casa
estrangeira : a tratar no Corpo Santo n. 13.
Bartholomeu & C,
VlNHO, PlLULAS, XaROPB K TlNTUIU
db jurubeba 8imples i ferruginoso i
Oleo, Pomadas Emplastro da mibmi
planta preparados por
BARTHOLOMEO & V
Pharmaceuticos-Drouuistai
pkbuambuco
A iarnbebs : eti pUot boj* rsconhseidj
coma o mais pedeftso tnico, como o nulhei
desoteiruenle.ccomo ulppliesda nospadscinsstoi
o ligado e b{o, hepithes, dnraass, tamsrss inUr-
oos 8 especialmente de tro, hydropesias, erysl.
pellas, etc.; s sssociads ao ferro e sul nai pilliai
cores, chloroses e falta de menstrsacic-, dessma-
jos do estomago, etc., s o que diaemoa atlaiUi
iMomeraa caras isaporiaaies osudas sota aossot
preparados j bem counecidos s aaados peles u
distinetos mdicos do paii ParUfal. E tosns ss
aos o i depsitos diatriba irnos gratis folletos ssm
albor Usesa coahecex a Jarabebe seos ressiasie.
anolicacao.
AMA
Preesa-se de una ama para todo servjeo de
ama casa de duas passoas : i tratar' na ra da
Aurora, em Sent Amaro B>4*.
Precisa-se de urna pessoa BabiHaa para
ensinar em um engenho desta provincia, portu-
gus, latim, francez e moitaa, o angeab dis-
tante da viaferrea 5 legnas; fluem pretender di-
rija-se ra das Calcadas nt iO, que achara tom
qoem tratar._______________________ i
Precisase de um portuguez para empegado
de engenho : no nyte,aa ijrecoPfn
Precisa-se de urna coanawa
0. 45, 2* andar.
Precisa-se de urna ama para cosfahar : na ra
de Hortas n. 30, sobrad >.
MARTIMOS
CONTRI FOGO.
A companhia Indemnisadora, estabelecida
nesta praca, toma seguros martimos sobre
navios e seus carregamentos e contra fogo
em edificios, m.Tcador'S e mobilias: na
roa do Vigario n. 4, pavimento terreo.
JAROPE
PURATlV
BoD^GIBErf
MEMBRO DA ACADEMIAdeMEDICINA
Preparado por dcslauriers.ph.
Suc* de B0UTI6NY-DUHAIHEL
31 Ra d Clry Pai>is
O Xarope depurativo iodu rudo do Dou-
tor Gibert offerece, no seu emprego, um
resultado bom, certo e constante na aira
das imnigenS, escrfulas, molestiasdapelle,
vicio ao srmgue, abstr ucedes lymphatica:,
molestias contagiosas (syphjhticat), leves
tu inveteradas, e de todos os accidentes que
d'ellas depender.
A receita.deste Xarope foi pprovada
pela Academia imperial de Medicina de
, Parte. ;
Deposito as principie phacnacias do
Brasil. .
em Pemambco i ikmA e: G"! Joaqo
; -Martinho da Cruz Correia ; Jo&o da Cott-
cicxb BBavo e C; Augusto Caous ;
Bartholomeo e^C"; Alexandre Ribeiro;
. ABajuftEjRJJo|odaS"FARUelR*io.
*0)0O9C9p

Jos J< mata profunda e santa dor, pela marte de seu pre-
sado irmao Adelino Angusto Pereira, fallecido em
19 do correte, peda a leus amigos e da nnado,
a assiitirem a missa do stimo dia de passamenlo,
qae leri logar na qnarla-fira 25 do corrente as
7 boras da manbia, na igreja de S. Francisco ;
desde ja agradece a todas as pessoas qne assisti-
rem a este acto de religiao e caridade, proprio das
almas bem fazejas.
^Am ha
0. rJO,
r^do fiarlo.d Victoria outr'ora Nova.
"t,
braacos.
nmrs japon.a.
S e ur is as academias de
"Ciencia, r ashturta sat^ainc a teda qoe ten) ap-
1o al ihoje.-,JVmaito; principai roa da
, do itecife n. 54, avasidar, em tedas aaba
ticaa aasa^sata1haiaTO, ___________
tpbo Ja^'MnrdWAtffleitta mudou a
Hua residencia da ra das Trincheiras para a ra
Hua residencia da. rna, daa ]
le Hortas, sobrado n. 15-
SJirVst'
-oa soioejj ooj F
wn^tWMMia|
-anil-.- .SSSE?
V%%a>
X
Mui tas pessoas esto persuadidas de qoe a Frasea acha-se em estado de-nao po-
dfr esqoivar-se acclo de om inimigo que busca aniquila-la e qoe procura dar-lbe o
IMipo golpe.
Essas pessoas enganam-se, porm, porque a Franca fari heroicos esforcot para
vebeer o implacavel m-migo qoe s almeja sua ruina e enfraqoecimento t
O governo francez acaba de fazer am novo appello ao patriotismo do wm a.
chamou s armas todos os ci da daos at a idade de 40 asaos.
. Em vista dessa decisSo, o Sr. Dreyfus, negociante roa da Crozn. 20, resolvea
taaer todo*s swriflcios-para liquidir o mais depresa possivel o seo estatelecimeoto,
afim de poder partir para Franca sem demora e sem nenriam empecItarjP Para isso
elle redoao consideravelmente os precos dos objecios do seo commercio, dando assim
copia do seu interesse em verjde-los.
Basta ler os precos abaixo mencionados para ficar-se cooveneido de qoe os pb-
jectes sao antes dados do que vendidos.
Exemplos
'- Lencos de seda da India, grandes, de cores, para' tabaquistas, objecto geraMenta
vendido 53 por 3*.
Agua de Colonha superflna, qoe em toia parle costa ,500 por 700 rs.
Lodcos bordados de verdadeira cambraia fina de 1^500 para cima.
Collarnbos e punhos de linho fino e rendas, para senhora, por 2lX)3* ,
Franjas e galSes para guarnecer vestidos, cada peca de 5 e 6 metros por l 200.
Camisas de meia, finas, cada nma por i#70;
.Ditas.dita exlra-fina dita dita 2(5730.
Camisas de verdadeira fl -nella de sad-3, preparadas pelo Br. Bourdonuay, con>
tra a epidemia, cada orna por 3S900.
Ditas dita em forma de collete por 3r5l50O.
Ditas de madapollo forte com peito de linho fino e punhos e collarinbos de
dobras, cada orna por 30900.
Ditas ditas bordadas por 4?5400.
Grande sortimento de joias, taes como b incos, botoes de pnoho e collete, bro-
ches, cadeias para relogio e grampas, cada om ou cada par de 300 r3 para cima.
Porta charutos i$ e i#500. Este objecto vale o duplo.
Objectos d phantasia de esmalte fino, caixas para joias e caixinhas de p de
arrez de ,,5800 para cima.
Todos estes objectos slo garantidos por suas qnalidades superiores.
A venda s durar at principios de fevereiro prximo.
Poder-se-ha consoltar seo respeito os freguezes do Sr. Dreyfus, qoe todos se
moslram salisfeitoa com s compras feitas no seo estabelecimento da roa da Craz o. 20,
1 andar.
UOfreS de ferrO de diferentes Umanhos.
ricUSaS e ferr0 par, COpar carta8.
vllapaS de fepro gavaluisadae para telheiros.
laCIlOS de ferro paraassacar.
xliauOS americanos para varzea e ladeira.
? luaciiiiias vapor e de cortar famo<
VcUTlQIlOo de mo para saceos e atterros^
Venezianasparajane!Ias.
[Estes artigos acbam-se a venda DfllnTlpnQ
casa dos importadores Jj1HIIv*w decimaes e oatras.
Saw, Hawkes & c, Prtcr?.AC
ra da Cruz n. 4. *bUCB de.-forro.
Enxofre 6a\i[re> etc. ei


11EDALHA
,.OVfP 04-
FIGADOde BACALHAUIFIGADde bacalhau
DE BORRA
sMfflffiJ^
BRANCO E ESCURO
M |ilnfwtBaA o Oleo da Figado da Bacslhls,
o Senhor Chetrar dso s esta preciosa prepara
<4 Uierapeutics am chsiro e sabor agraiaei
qvaneihuma deauaavirtudeslhcliram.
Esta importante descoberta, que grangeoa a
seu autor urna Malha de honra, Tulgariaes*
ulode Oleo de Figado deBacalhio dssinfectado.
Os nfedicos o reeeitsni preferiTelmente* todos
os oulros, em todas,as moleiliss onda as em-
presa o Oleo de rigudo de'Bacslhio.
Ver pof mais pormenores os relatnos medi-
eaea quecomem i notieis que aecompania eada
nrsseo.
M*/arma*ia C*rJM-B, *
FERRUGINEO DE CBETRIER
O Senhor Cru-rier wmalatea s sus dssee-
barta sjohtsa-do isdurs de ferro so Ote d
Bacslhio desinfertads. Este Olea da rigsdo da
Bacalhio torrngiae* tssn tosas a pMpriedadss
do oteo t db ferrs\ digere-s facil-ieate s> ntrae
esuss priso de temrs. Portante 6 prafeAl
is mais preparstees IsTfugiaess (Pimas ou Ss-
rope), csnsem em todas as doencas onda se
emprega o ferro. Tsica: pulmonar, bronchitea,
racbitisnto, ssctofulss, impigens, gots. rhso-
matuaio -hroais, easarrtt aitjrs, djipso-
siis, coMalsscencias difficeis e fraqueiss a
conetitoica.
-ase sfaa J*aaa. Mrnmlmtmrtre
Rissmviiannaeiaacbao-ssoTISHO ELIXIR da CMA. woe leales prsjiaracaes toaleaa.
0 MFIXTAVUIJIERABlOeera ARH1CA para curar as cbafas, fer.dsa,eortadwas s eootuass.
Os 6RAHD10S de BISMUTH coanpostss eonus ss disnheu, djsenteria, dotes deestomago, etc.
DEP081T4B10, em Rio de Janeiro, DBPenCHBt.Ll et C". Babia-, MoMIBA UMAO et *
PernambMCo, P. Madre* et C\ ftlarar.hao, Ferreiiu et C1*. Porto Altgr,
F" Jos Bn.T.r. Prhfas, ATrtR*LiiT*8. .
Ama
Precisase de nma ama para coainhar : a tratar
wartMi^P
wrr f&luoe
N'ESTA ANTIGA E CREDITATA
FABRICA
DI
ppn-jniJoa xawoavni* t
iea ai oHiaavtiMA
(SU2t^lpa(S)Q S>3 3(>2a
ISCHTBa II CDKSTASTE11ST1 Hlll C0BPLK9 S01T1IEST8
CHAPEOS DE StLl
De todaa as qualidadea I
De todos os feitios f
De todas oa pregos t
RA DO CRESPO
r--*.-



4
acc Ten
f
L.
AOS 5:000^000
Esli a venda oa (lites blltietes da lotera da
Babia, na casa hl do arco da Coneeieio, loja de
ouritpo no Bedfe.__________ ____________
PundicAo dniiuivra.
.taboteoimeoto setoaem talxts de ferro
e as que vem
MK0
Para eviur qiMtJ se (az publico que os es-
cravcs H >oorato, E Maris, orioola, Amador,
erioulo, Cineinato^bn, Romo, cabra, Severino,
Angola, Benedicto, Angola, fOHmpi, crioula, to>
doa pertetceotes a Jos Luis; de Siqueira Caval-
oanii Jnior, en residente cora sea sogro Manoel
Ignacio de Siqueira Cavalcaoii no engenbo Santa
Gru de Barreiros, se aeham vendidos por nina
scriptura de hypotbeca de triplicado valor, ven
cid* seriado mas clansulas, como tado se pode
ver de dita estre lora lavrada no earlorio do ta-
JjellQp Almejda eq data de 12 de abril de 1863.
O Sr. Miguel Candido de Medeiros
Pinto rogado a vir a esta typograpbia.
PRENSA IRGLEZA
James Ryder Sf C.
Roa de Apollo numero *e.
SYSTEMA HYDUAUUCO III
Dorante esta safra James Ryder & C. teem re-
setvido enfardar algodlo i razio de 800 rs. por
arroba, inclusive capas, arcos e marcas.
Ra de Apollo n. 26, pronta hydrauliea
de James Rvder C
Na praca da Indopendencia n. 33 se da di
oheiro sobre penhores de ouro, prata e pedrai
oreciosas, seja qual for a quantia; e na mesmi
asa se compra e vende objectos de ouro e prata
igualmente se faz toda e qualquer obra de en
commenda, e todo e qualquer concert tendenv
mesma arte
os influentes do carnaval,
para os bailes.
Na rua*ostreita do Rosario aluga-se vestuarios
de principe bordados a ouro e a laa tudo de gos-
to e por preco commodo ; dminos bordados para
hornens e meninos, de todos os gustos e cores e
faz-se qualquer vestuario a gesto de seus donos,
per igurinos e a phantasia, irazendo seus donos
as fazendas e os enfeites : quem quizer mandar
fazer avise com tempo para fazer-se. Qualqaer
eufeite proprio para o carnaval, de flores para en
feltar vestidos e capacetes; tudo acha-se prompto
na rcesma ra n. 35, primeiro andar.
Ama
Na ra de S. Francisco n. 48 precisasa de urna
ama para todo o servico de urna s pessoa.

Au belsexe
COLD CREAM OF ROSES.
Gette Creme dalieieuse, universellement rpao
due en Anglelerre, oii les femmes sent si renom-
mees par la beaut et la iransparence de leur
teint, doit sa rputation aux lments balsamiques
et onctueux qui la composent, ainsi qu' sa cons
tanie efflcacil pour adcucir la peau, la rendre
plus blancbe, et contribuer ainsi la sant et a la
oeaut, qui, toujours, sont inseparables.
On la recommande centre les rritations de
I piderme, telles que Boutons, phlides, Ta-
ches DE RoSSEUR, RoUGEURS DE LA FlUUIlE, et
ontre les taches patriques et les L'fflorescen-
^es. Cette Crme convient spcialement aux fem-
mes enceiDtes pour prevenir LE MASQUE, auquel
tiles sont sujettes.On s'en sert encor pour em-
pcber la figure de se blcr par le froid ou la trop
grade chaleur.
, Prix 1:800 reis
Sel" dept au magasin Basar de la ModeSO
Ru do Barao da Victoria.
Na raressa da raa
das Crazes n, 2, pri-
meiro andar, da-se di-
oheiro sobre penhores
de ouro, prata e brilhan-
tes, seja qeal for a pan-
lia. Na niesma casa com-
pram-se os niesmos me-.
taes e pedras.
CHAPEOS DE SOL
DA
Ra do Barao da-Victoria, esquina da Camba, do Carmo, n. 23 (Inga Ba Noy*)
Temoi honra de participar a nosso numerosos fregaeies 900 com a chegada de om des socios da Europa snorio-se a
casa com om completo sortimento de chapeos de sol de todas as qoahdades como larubem, de todos es materiaes para 09 meamos
fabrico, como sejam armac5es de todas as qualidades, sedas, rairins, alpacas e pannos, assim como de especial cotbikria armas
para caca.cbombeiros e polvariohos. Oa chapeos de aolterlo abathnento de 12, 18 e 25 por cinto, comprando dinnesro.
Na ra estrella do Rosario b. 35 prepar;
bandeijas de b s, casamento e I
Usados, fasem-se -tea para noivas, de mullo
I"oslo, para qualquer offeria, fazem-se doces finos
B semedo e de ovo pera presentes, ppdins, bo-
los e pees-de l afeitados, flores de todas as qua-
lidades, capellas ramos para senboras e meni-
nas, enfeitamse velas eora todo gosto para bap-
Usadoa.__________________________________
Precisa-se de un hornera de reeonhecida ca-
pacidade, que ssiba 1er, escrever, e entend de
tutaniento de capim e gado, e que queira admi-
nistrar um sitio perto desta praca : quem estiver
nestas cireumstanelae (sendo soltelro nelhor), dan-
do garanta de sua conduca, apotren na raa do
Queimado, i* andar por cima da loja do Lavra.
Este antigo estabelecimento, acha-se hoje montado n'uma
escala de poder servir vantajosamente os seus freguezes, atien-
to o grande sortimento de joias d'ouro, prata brilhantes, qne
sempre tem e recebem mensalmente das principaes fabricas da
Europa- cujos presos sao em competiveis e as obras garantidas
de lei
nOllKIKA HITARTE .
Tem a sansfaco de participar aos seus numerosos freguezes, que em vista de ser-Ibes mais commodo, tem
estabelecido urna nova fabrica de cbapos de sol, na ra da Cadeia do Recife n. 9, boje ra do Mrquez de Olinda,
onde acharSo es pretendentes, muilo avultado sortimento de cbapos de sol de todos os precos, qualidades e por pro-
cos mas commodos do que comporta o nosso mercado : convidara especialmente aos Srs. compradores por atacado 3g|
darem, sendo possivel suas encommendas, pois podero assim seren mais bem servidos, visto poderem escolher as ar- a
magoes as tazendas que a demora da fabricac5o bem diminuta, macSes
41 -111 DO MllO DA VICTORIA 41
Agencia em Pernambuco
Do- Dr. Ayer
Peitoral de Cereja
Cora a phthysica e todas as molestias do pelto
afsa parrllha
Cora ulceras e cbagas antigs, impigens e dar-
tros.
Tnico
Conserva e llmpa os cabellos.
rillas cathartleas.
Puramente vegetaes sem mercurio ; cura se-
Boas, purgao e purificara todo o systema humano.
Vende-se efectivamente em casa de Samuel P.
Jobnston & C ra da Senzalla Nova n. 45.
Neste novo armazem tem um
variado sortimento de fazendas
froncozafl. igglezas, allemiaa e to-
das todas* se vendem por precos
mdicos, aflm da acreditar a este
novo armazem,
Gasemiras Dglezas,
francezas, de tedas as
qualidades, brins de
cores e brancos, colei-
ritihos modernos, cha-
peos de sol de seda,
Qnos.
RA
Baro da victoria
DE
ARRUDA IRMAOS.
antija na
NOVA
COLIMO
DE
S. Francisco de Paula
TRAVESSA DAS BARREIRAS N. 2
(Cidade do Reo*}
DIRIGIDO PELO BACHAMX
FRANaSGO JOS' RABELLO.
Estao abenas as aulas deste estabelecimento,
ende comida a receber-se alumnos internos, meios
pensionistas e externos.
O benigno aeolbimento, que no anuo findo rece-
ben do illnstrado publico pernambueane, animou
sobre maneira o director deste estabelecimento,
.qne por isso mesmo procurar corresponder por
todos modos a connanca daquelles que o honra-
ren) Ibe eommettendo a educacio de ajos fllhos.
COMPANHIA
DOS
TRILHOS URBAJOS
DO
RECIFE A* OhMVI V.
Comprase dormentes para a companbia,
de sicupira, oiticica e cedro, e outras ma-
doiras de conhecida durado, que tenbam
comprimento, 10 polegadas, largura 8 pote-
s, grossura 3 1/2, para taes construo
-e propostas no escriptorio da
nta, de 6'horas da machas as
6 da tardados ps dias no telheiro da roa
da A
'e Janeiro- do 1871.
O superintendente.
'>reu Porto.
N. 41.
Assim como tem ama grande
officina de alfaiate, montada com
todos os preparos que ha de melbor,
dirigida por habis artistas, que
pela sua promptido e perfeiejo
nada deixam a desejar.
Roupa de todos os
amanbos para homens
meninos.
Por todos os paqne
tes recebem-se as me-
mores e mais moder-
nas casemiras que ha
na Europa.
RA
IK
Barao da victoria
*
aag raa
VOVA
N. 41. !
Este estabelecimento acaba de soffrer moa reforma radical em acceio, artistas e commodos, e m pontoalidade as encom-
mendas, finalmente em tado aflm de melbor servir os seus numerosos freguezes deixa-se de annunciar todas as fazendas, para
n3o se tornar massante
Companhia Allian^a
DE
seguros martimos estabelecida
na Babia em 15 de Janeiro
de r870.
CAPITAL..Rs. 5,000:000*000.
Toma seguro da mercadonas e dinheiro a risco
martimo em navios de relia e vapores para den-
tro e fra do Imperio. Agenci i i ra do Com-
mercio n 17, escriptorio de Joaqnim Jos Gon-
calves Beltrio.
iJerguntas innocentes.
Pergunta-se ao Retehild dos marchanUs o se-
guinte :
Poder o Sr. Rotchild comprar carne i 8*000
por arroba, e vender 6*, 3*, i* e 3* sem pre-
judicar os seus crederes ?
Poderlo os couros que o Sr. tira lndemnlsar a
baixa, que di no preco da carne ?
3
Sabe V. S. qual a classidcaclo que tem o nego-
ciante que compra por oito e vende por seis, pre-
co inferior ao da praca, e taita depois aos seus
pagamentos ? -
4
Os seus credores saberlo deste sen modo de
negociar I
S
Ser licito um millonario furlar-se ao paga-
mento de seus dbitos, allegando prescripc^o
credores incautos ?
.
Nio lhe aproveitou a licio, que lbe deu o gato
montes ?
Alerta I (azendeiros, Rotcbild tem intenc5es si-
nstras I
Alerta I Fuiam da bancarrota I
camu ae
Methodo Castilho.
Secnndino Jos de Faria Simoes, professor par-
ticular de inslruccSe elementar pelo methodo
Castilho, avisa ao respeitavel publico, e com espe-
ciaiidade aos pas de sens alumnos, que no dia 16
do correte est aberta a sua aula na rna da Pe-
nha n. 25, primeiro andar, onde recebe pensio-
nistas por preco commodo : o mesmo professor
promette moito se esmerar pelo adiamntenlo de
seus alumnos.
AMA
Precisa-se de urna para pouca fa-
milia : ua ra do Caldeireiro n. 68
Estrada do Chacn para o Foco.
Aluga-s^ urna meia-goa com quintal, tanque
para-tomar banho, cacimba com boa agua, muito
propria para passar-e o vero, e alera disto flea
muito perto da estago Chacn ou Casa Forte :
quem a pretender dirjale ao sobrado do Caldei-
reiro em (rente a ra da Mangoelra, que achara
com quem tratrar. _______/
Aula particular de primeiras
letras.
Joanna e Siqueira Silva, autorisada pela direc-
tora geral da instruccio publica e despacho do
Exai. Sr. presidente da provincia, participa aos se-
nbores pas de familias qne tem aberto sua aula
particular de instruccio primaria na freguezia de
S. Jos desta cidade, no largo da Ribeira, sobrado
n. 19, onde espera satisfazer aos pais de familia
que lhe confiaren) suas Albas, tanto as materias
que constiioem asobredicta instruccio, como tam-
bero em que for concemente as habilidades de
agulha, como sejam bordado de ouro, lia, linba e
crox, etc.; desde j protesta pelo multo cuidado
e boa educacao de suas alumnas.__________
O Sr. Rraz Fernandos Feij, subdito hespa
nbol, deixou de ser criado d> abaixo assighado
pesde o dia 18 do correte.
Antonio Jos Ferreira Alves.
Ama.
Na praca da Independencia n3. i e 3 precisa-se^
de nma ama para andar com um menino.
Ama.
Precisa-se de urna ama que lave e engomme
com perfeicao : na raa dos. Pires, taberna n. 64.
AU
tria da ra da
i as tercas o sextas-
Guia n. 56.
PRIMEIRO E ANTIGO CONSULTORIO
HOMEOPATfflCO
Dirigid* pelo Dr.
SANTOS MELLO
Os habitantes do interior podem-no
consultar por escripto, no que serlo sa-
tisfeitos com promptido.
Presta-se tambera a chamados para o
interior, preco modieo.
Consullas, no consultorio das 10 horas
ao meio dia.
Chamados, a qualquer lora.
Aos pobres gratis.
43Roa do BarSo da Victoria43
(Antiga ra Non).
(i MMMK
MOFINA
Roga-se ao Illm. Sr. Ignacio V.eira de Mello, i,
crivo na cidade de Nazareth desta provincia,
favor de vir a rna do Imperador n. 8 a concluir
aquello negocio que Y. S. se eomprometteu reali-
sar, pela terceira chamada deste jornal, em fus
de dezembro prximo passado, e depois para Ja-
neiro, passou a fevereiroe abril, e nada enmpric,
e por este motivo de novo chamado para dito
fira ; pois V. S. se deve lembrar qne este negocio
de mais de oito annos, e quando o senhor sen
filho se acbava no estndo nesta cidade.
Alnga-se urna casinha na freguezia da Var-4
zea, sita ra do Fogo,, timbeen se vende : queio '
pretender dirjase ao pateo do Carmo,' sobrado
que bota a fente para a ra de liarlas o. i, pr-
meiro andar.
CIDADE DO RECIFE
SOB A VALIOSA PROTECgXO
DE
$ s%\Tni\in: po ix.
DIRECTOR E PR0PR1ETARI0
BERN1RD0 PEREIRA DO CARMO JNIOR.
Este aiUgo esUbeleciroento de educacao e intfueelo achando-se actualmente no espa-
coso, claro e bem v. ntilado edificio da praca do Conde d'Eu n. 32, para onde foi remo-
vido, contina a receber alumnos internos, sim'internos e externos.
Os boas resultados que nao colhioo e exibldo os amitos alumnos que tem tido
este estabelecimento, devem servir de garante e animacao aos paes de familias qne de-
sojaran ter ahi seus Albos.
Nos estatutos do collegio, qne esto a disposicao de quem os quizer 1er, se
aeham consignadas as condicc9es de entrada.
DYVETOT
HUua Eslreita do Rosario-11
Compra e vende roupa feita
nova e elha, objectos de
cosinha e de mesa, e
tudo que perten-
ce ao uso do-
m estico.
""CASA
Aluga-se a casa de sobrado n. 20 em Santo A-
maro, a qual tem excellentes commodos para gran-
de familia, e se acha prompta com as segnintes
commodidades: pintada hafouco tempo, gaz e
agua encanada, bem como tambera cano de esgo-
to : os prt tendentes podem dirisir-se rna da
Aurora n. 24, ou rna Nova n. 22, que acbaro
com quem tratar.____________________________
Indemnisadora.
A direcc2o da Companhia Indemnisadora
convida aos Srs. accionistas a reunirern-se
em assemblea geral no escriptorio da mefma
companbia ao meio dia de 24 do correte,
am de serem apreciadas as contas relati-
vas ao anno findo e proceder-se elei(3o
dos respectivos funecionarios.
Recife, 20 de Janeiro de 1871.
Os directores,
Joo da Silva Regadas.
Jos da Silva Layo.
Antonio Jos Leal Reis.
ccnle de Pernankeo
Estando terminados oa Ifirhaifcot da coatraissio
nomesda para propor melbor mei de auxiliar o
govsrno na construecio do lelegratho electieo. n-
tre este capital e a corte do Imperio, a directora
da assoeiaSo commercial benoflrttte de Pernam-
buco convida a todos os socios da mesma asso-
ela;io, e as pessoas de sodas as elassee ojm so
interessam por aque le melhoramento i compare-
cerera na casa da assocbeio no dia SS do corra-
te ao mel) dia, sflm de oovirem ler o deliberar
sobre a propoeta apresentada pela referida eom-
missao em deferepenbo do sna tarefa.
Sala da directora 23 de Janeiro oe 1871.
Jos da Silva Loto,
Presido fe.
J. H. Triodade,
Seerotaro.
Procisa-so i um menino portoguos eon
pratica de molhados para urna casino serijo :
Jnom quizer aceiur file negocio dirija-so rus
o Livramento n. 30. ________
V'
0

. Jos Joaquira Sooza da, Motta teado receido de
Manoel Joaqaira Souta da Motia dau letras om
pagamento na ((oantiade 404^000 aceitas por Lou-
renco Justiniano da Silva, morador do engenbo
itainba dos Aojos, j vencidas no dia 26 do passa-
do, cujas letras foram perdidas no da 17 do cor-
rento do mesmo engeaho al o engenbo Lsges,
por isso qne Jos Joaqnim Sooza da Motta faz
seiente ao respeitavel pobiieo que (Icario sem
effeito algum as ditas letras.
AO OllCIO
A sociedade qne nesta praca gvroa sob a razio
de Carvalbo Zenba di C dissolveu se amigarei-
mente em 9 do correte, fleando em liquidadlo
desde o referido dia, smente por conta e a cargo
dos ex-socios Antonio Ferreira de Carvalho e Jos
Salgado Zenba, os quaes sao tambem re-ponsa-
veis pelo passivo, e a soeia D. Mara do Rosario
da Fonseca Malneiros paga e satisfeita de seu ca-
pital e lucros.
Tendo na manhaa do dia 23 voado do sobra-
do n. 50 da rna de S. Borja, um papagaio grande,
levando a correte ee p. e qne de suppr ter
cabido por algum dos quintaos da visinnanca,
pede-se a quera o tiver apanbado de o levar na
mencionada casa, que ser recompensado, pois
que nao presumivel hever por all algum mo-
rador de coosciencia elstica.
AMA
Precisa-se de urna ama para o servico internoe
externo de urna casa de peqneda familia : a tratar
na ra de Pedro Alfonso, ontr'ora ra da Praia n.
47, 2 andar.________________________________
ENGENHO
Arrenda-se ou vende se o engenho S. Boa ven-
tura junto estaclo da via-ferrea de Bibeiro,
tratar com o propnetario no mesmo engenho, eu
na rna do Livramenlo n. 19, 2 andar, ou loja n.
14 ; outro siro, traspassa-se o arrendamento de
um grande engenho d'agna, distante 4 leguas da
estago de Una, vendondo-se a safra fundada para
2,000 pies.
Alienado.
Na ra estreila do Rosario n. 35 prepara-se al-
moco, jamare ceia para c-aixeiros e enlodantes, e
qualquer pessoa que queira tudo cera asseio
preco commodo.
A margena do rio do Pofo da
Panella.
Aluga-se por festa ou por anno urna casa com
solTriveis accommodaeftes, teodo um jardim ao
lado, arvores fructferas e dando fructo, como sa-
poiiz'iro?, mangueiras, larangeiras, goiabejras, pi-
pheiras, ligueiras e fructa-pao, etc., cacimba de'
agua de beber, porto e grade de ferro no frente
da mesma casa, e um dito no fundo do mesmo
sitio, cujo olba para a igreja de N. S. da Saude :
quem a pretender dirija-se ao Becife na alfandega
a tratar c m o despachante Jeznino F. da Silva,
ou no lugar do Caldeireiro onde reside.
Precisase alagar nma ama, qne cosinhe, com-
pre, e engomme, para casa de familia, compos-
ta de duas pessoas, dando-'se preferencia a unta
mulher de meia idade ; qner seja forra on es-
crava : quem estiver nestas cirenmstancias, diri-
ja-se a esta typographia a fallar que achara com
quem tratar.
CONFEITARIA
O Sr. Francisco Ferreira de Novaes
desde o dia 15 do corrente, nada mais tem
com os negocios da casa de Alves & G.
Recife, 20 de Janeiro de 1871.
Alves c C.
cisa-se de nma ama fiel e de bous costi
Precisa-
costumes
para o servico interno de nma casa de familia :
Dirija-se a ra Bella, sobrado da dous andares,
n. 37.______________________________________
Tasso rnosos & C. precisara fallar ao
Sr. Joaquim Dias de Aimeida Costa nego-
cio de seo interesse.
ROB LAFFECTEUR
Approvado em Franela, Rosna, Austria e Blgica. O arrobe vegetal Laffecteor sa antho- I
' e de salseparrilha. Do fcil
mente sean aerearla, ao
nlceraa, sarna ;- J
erada, escorbuto, e os accidentes provendos dos partos, da idale critica, o daacri-
monis hereditaria dos humores.
O arrobe he espealmerite reeommendada contra u doencu lyphiliticas recentes, invete-
radas on rebeldes ao mercurio e ao ioduro do potassio.
Deposito geral do verdadeiro ROB LAFFECTEUR, om casa do dooter GHIADEAD DEJ
SA1NT-GERVA1S, rna Richor, 12, 4 Pars.
Venbo protestar contra o capcioso annuncio
qne o Sr. Joo Baptisla Teixeira Cavalcanti publi-
con no Diario de 20 do correte mee acerca xs
partes qne en e meu irmo temos no engenbo
Novo, por quanto nao ha sentenca passada em jnl-
gado que nos condemne; e pende por appellaeio
a senlenca injusta que contra ns-preferio o juz
municipal de Iguarass ; nao existe penhora, em-
bargo nem ostro qualquer embarace em ditas
partes ; nem o Sr. Joo Baptista Teixeira Caval-
canti pode estabelece-lo de propria autoridade.
Iguarass 23 de Janeiro de 1871.
Js Teixeira da Motta Cavalcanti.
(RA DO IMPERADOR N. 26.
O proprielario deste estabelecimento avisa aos
seus numerosos e bons freguezes, que acaba de
preparar um- grande sortimento des melhores g-
neros do mercado para rechear ae despensas da-
quelles que tiverem bom paladar e disposicao pa-
ra gastar os cobres, no tempo da festa do Natal.
Ahi encontraran excellentes presentes de fiambre,
vinnos, licores e eognac de todos os fabricantes,
boa cerveja, marmelada portngueza, ameixas em
caixinhas. conservas francezas e portuguezas, do-
ces de todas as qualidades seceos o em calda:
Tambem encontraro bolinhos para cha de todas
as qualidades, bolos francezes e inglezes, pc-de-l,
pudins, tortas, amendoas confeitadas, e quandado
do outros objectos que seria enfadonho enumerar.
Ama
Precisa-so fl una znin
loja de-chapeos.
na ra DireiU n. 61,
Precisa-se de urna ama de leite, paga se
bem : na ra Direita n. 427.
Aluga-se um grande telheiro nosCoelhos
proprio para qualquer officina : tratar na ra
do Queimado o. 13, 1* andar.
CASA DO orno
Ra do Bar&o da
Victoria n. 63
( Outr'ora ra Nova, y
Bllhete* garaatidoa da pro*
?lacla.
O abaixo assignado acaba do vender entre os
seos muito felizcs bilbetes a sorte do 5.000*000 em
dous quartos do n. 3376, a de M0 em um meio
de o. 2001, a sorte de 2004 em uat meio de n.
2060, a sorte de 100J em entro meio de n. 1583,
o otra sorto de 1G0J em dons quartos de n. 2326,
e mais tres quartos do n. 1364 com ooira sorte de
100*, alem de ouiras senes menores de 40| e 20*
da lotera (179) que se acaboa de extrahir, poden-
do seus possuidores virem receber, que prompta-
mente serio pagos.
O mesmo abaixo assignado convida ao respei-
tavel publico para vir no seu estabelecimento
comprar os feHzes bilhetes garantidos, que nao
deixar de tirar qualquer premio como prova polos
meamos annuneios.
Acham-se venda os muito felizes bilhetes ga-
rantidos em beneficio da igreja de 8. Bom Jeras
di s Martvrios do Recife, que* ser exlrablda sex-
ta-feira
V
Covida-se
urna senbora de idade media .e de bons cotup>es
para fazer.companbia a orna outra selagenaria,
aflancandose bom iratamsnto :. a fallar na loja
da ra do Daqne e Caxias d. 55.
do corrate mei
PRESOS.
Inttro 6*000!
Meio 3*000'
Qarto 1*500 '
De 4004000 para cito*.
Inteiro 5*400
MeI5 1*700
Quarto J*3S0
Joo Josanlm da Costa Leite.
_*_____,________..__________;____ -
Preclfa-.se de C pira casa do tromem 7Be
de Caxias d 10.

I


g*H! H
W#'r5"h/,*j!
1RRRJ
I

s?
i

T'
I ir'

Ci* !>Wi!'3J'Qi * o Armaien. do Va
MT Fraaeez, rna
doB,
ra (outr'or
ra) n. 9.
Ao irmatem do va-
Sor Franeez, ra
o Darlo da Victo-
ria (outr'ora rna
Nora) n. 9.
n
(Reci
Ribeirq de Sonta, prqfessor particular de nitrnecio primaria,
l5
6
difcipolos e a qaem mais poss* toteressr, que i
de 1871 prximo futuro, ha
Perfumaras, quinquilharias e brinquedos
para meninos
w*o_^ "^.6 ^"j?1" n2VM tkWn> tCm taponante ortimento dos artigos abaixo mencionados
Wfle man res anido qoi poisivel.
CALCADO
Botinas para senhoras^-Airaqae branco,
preto
de ostras moitaLcrM ascoihidaa do ultimo gos
io da moda.
Bolinas para meninas igual sortiment.
Sapatianos de salt pare senboradaraque pre-
to, braoeo da cores, e de conro de lastro.
Botiniui para enancas, propraa de baptisa-
dos.
Botinas de diversas qaalldades para homem.
Botai rnssianas para montara, tanta ioglezas
de conro da Russia para viagem, como francezas
de MeMer, bezerro floo, para passeios.
Meas perneiras para meninos de 10 a 16 an-
uos.
Sapato de brira branco para bomens.
Sapatos de vaqueta de lastro cora sola de ma<
Mira, proprios para banhos.
Sapatos de borracha para bomens e seohoras.
Sapatos/abotinados, de differentes modelos, mui-
lo boas e fortes para meninos e meninas.
Sapatos de pete, avelludados, Charlo t, casi-
mira preta, de tranca portnguezes, para bomens,
lennoras e meninas.
Perfumaras.
Extractos finos, banhas, cosmticos, leos, opia-
tas, agaas de Cotogne em garrafas de crystal para
prsenles, agua divina, agua florida, dentifrice la
vande, agua de toilet, tintara para barba e cabel-
los, panada hongroise para bigodes, pos de arroz
aaMoetes, todo isto de primeira qoalidade, dos
fabricantes Coadray, Piver e Labio.
Quinquilharias
Lavas de pellica brancas-Joavin.
Espelbos grandes dearados para salas, quarlos
gabinetes. /
Letrtes para senhoras e meninas.
Joias de oaro, brincos, transelins, pulseiras, K J0f,s ae aomin? aa $m*> '
ootoes de panhos, de abertura, correntes e chaves bi*iUb outros jogos allemaes.
Ricos artigos de pbaotasia necesario* para toi-
Ihetes e proprios de presentes.
Jarros e boqaets de porcelana par santua-
rios.
Registros da papel fino mui delicados.
Quadros proraptos para coliocar vistas.
Moldaras donradas para quairos.
Estampas de bellas paysageos de cidades, de
figuras e de sanios.
Espadadores de penas e de palha.
Carteiras para notas e para dinheiro.
Caixinna de msica de darse corda,
Ponteiras de espuma para cigarros e charutos
Grvalas de seda pretas e de cores.
Bengalas de cana cora castdes de marfim.
Bitas de baleia, janeo e de mnitas qualidades.
Pentes finos de marfim para caspas.
Eseovas para facto, para cabello e para denles.
Lonetas ou penclnei de prata dourada.
Ditos de tartaruga e de ac.
Oculos de prata dourada e de ac.
Reverbero transparente para eandieiros.
Ditos para lanternas de pianos.
Cotos econmicos para vellas de spermacete.
Gordas para violao.
Port-pratos para mesa.
Gaixiohas de diversos modelos e preces.
bjectos novos de mgicas o melh'or possivel,
para divertir meninos.
Halas, saceos e boleas para viagens.
Estojos de viagens, completos com navalhas.
Esporas de metal branco para saltos.
Chicotes fortes com raarteflo para viagem.
Ditos de muiles modelos, de junco e de baleias.
Luvas de fio de Escocia brancas, e do cores.
Ditas de camotea amarellas.
Machinas para lazer caf.
Globos de papel de cores para illuroinacoes de
feslas campestres.
Baldes de c6res, de subir ao ar fcilmente.
Jogos de domin, da gloria, visporas, rodetes,
Jos FraO
scientiflea aos Ilustres pas de ana
abertura de sua aula lera lagar no dia 9 de Janeiro
casa onde mesma fauceioaa ka tras aonos, na roa do Commercio "a, 5.
Tem resoivido admittir om certa e determinado numero de alumnos, os
quaes serio leccionados por habis professores.
A anla concar em lodos os das uteis as 9 horas da maihaa e terminar as
doas horas da tarde,
P4e como especial favor aoa iateresaados, de examinarem o acceio, ordem,
methodo da casino e dedieacio do* reapeetivoa profeaaores.
Recife, 59 de dazembro de 187a
2
X
-de rtlogio, tudo de ouro bom de iei. _
Brincos de plaqu imitacao de oro.
Correntes para relogio.
Abctoaduras para colletes e para pnaos.
Albuns de velludo e marroquim para retratos.
Mammadeiras de *idro para enancas.
Caixinbas de costara, novos modelos com ma-
rica, proprias para presentes. -
Quadrinoos dourados para retratos.
Toncas e aprranos de la para enancas.
Capellas para noivas e para pastoras de pre-
tepios
Caixinhas cem vidros de aogmeito para ver-
se em ponto grande a photographia dos retratos.
Ps de yidro para pianos.
Thesourinhas para eos ura e unhas.
Bolcinhas de seda e de velado.
Cestmfaas para braco de menina?.
Balaies para costara.
d'arame pratiado para frutas e pao a
Esterioscopos com as mais bonitas vistas,
figuras destacadas e grupos de familias.
Armnicos ou accordbm de todos os tamanhos
e novos modelos com trmulos.
Realejos pequeos com novas msicas.
Cosmoramas de varios tamanhos, com difieren-
tes vistas mui pitorescas.
Mascaras para o carnaval.
Borracha Una para limas.
Brinquedos
O maior sortiment que se pode desejar de toda
sorte de brinquedos fabricados em diversos paizes
da Europa para eotretemento das enancas.
MO DE OURO
Nova loja de joias
RA DOiCABUGA' N.9 A.
DE
Manoel da Cunha Saldanha & C.
Acaba de abri-se este estabelecimento de joias, o qaa! tem grande -orti-
mento de todas as joias de ultimo gosto, as quaes vender ornis barato pos-
sivel. *
"Sedas as joias serao garantidas ooro de lei, pois os seus donos tendo m
vista -so adquirir freguezia nao olvidarSo, vender bom e por precos os mais
_ razoaveis possiveis.
Gonvida-se o publico a vir a este estabelecimento, certo de qae ficar
satisfsito.
A' MAO DE OORRDA DO* CABUC N. 9 A
GRANDE ARMAZEM
DE
LODCA, PORtELAM, TUSOS
CHRYSTAES
DE
PEREIRA, I RM AOS
Ra Primeiro de martjo n. 15, outr'ora ma do'Crespo a. 15.
Ao respeitave publico em geral e particularmente aos seus numerosos amigos
iartlcipam Manoel Joaquim Pereira e Manoel Jos da Gos'a Pereira, que acaban de
andar um ro e swaptneso armazem de tosca, porcelana, vidros e cbystaes roa
Primeiro de Maceo, outr'ora ra do Crespo n. 15, sob a mi sociad Pereira &
armaos.
A loaga pratica o coahecimentos de qae dispoem os -amunciaoles neste ramo
de .commercio, a que, ba muitos annos, se dedicam, os tem habilitado a satisfazer aa
necessidades da populaSo deota provincia e anas limitrophes, ofereoesdo aos cooss-
midores maiores vantagenS do que qualquer outro estabelecimento deste genero.
O respeitavel publico, dignando se de visitar este novo -estsbeleoiaieotoj com-
mercial, verificar por si raesmo o que os annunciantes vem de dizer.
3
QB

QB
PHARMACIA AMERICANA
DE
FERREIRA MATA H: C.
RA BO SIUQUfi BE CAXIAS ^. 59
( Antiga ra do Quemado )
Acaba de ser reaberta a antiga pbarmacia da roa do Queimado, pertententeao
Sr, Jos Alejandre Ribeiro, sob o titulo de Pbarmacia Americana.
Tendo sofrido grande modieaco esta pbarmacia reha-se hoje montada com
gosto e asseio, eesta certeza nos anima a convidar os Srs. mdicos, e o respeitavel
publico a visita-la.
A mesma pbarmacia presta-se aviar qualquer receita que larde da noute^the
aeja dirigida.-
GRANDE SaRTIMENTO DE MSICAS
DE
NO
PIAMOS
DE IHISICAS
8Ali4#
Kua da Imperatriz n. 14 loja
.Para flauta, clarinetta, rabeca de pequea e gnnde orchestra, para banda
miMUr e harmonio, to propro para este tempo de festas e para augmentar a solemni-
dade dos actos religiosos.
Todo pedido-das proviacias ou' dointerior serlo promptamente attendidos.
IMPERIAL INSTITUTO

MUITO VANTAJOSO
MIJITO ECONMICO
Substituido de obras tenas
por nova, mediante urna
'pequea quantta.
O Jayme dirige-e mui especialmente s Exm." Sr."
Substituir qualquer ohjecto de cabellos, de cor difireme ex fra do ufo, por om
outro moderno, e combiaavel a cor natural, sendo que com isto se despende pouco di-
nheiro, E' MUITO VANTAJOSO I
Deixar de despender 20, 30, 40 e' 50*9000 em um coque crescente oh tranca mo-
derna, para orne: lispor de 3, 5, 8 e 10^00 (no mximo) E' MUITO ECONMICO !
lis.
DIRIGIDO PELO BACHAREL
AntonioColumbano Serfico de Assis
Carvalho.
Na dia 9 do coweate mtn teca lagar a abertura das aulas de instraceSo
primaria e sesundaria dacte Instituto.
Efe
A
- .iHJjJ,
SflaX
Cliumbo e eijj|iaho
velho.
Compra-aeem sraodes e pequeas poredes ; na
roa Nova a. ] I.
Bk>


azeite de coco aun
mazem Compan
Mallos.
altjuw quantidada: qo ar-
la Peraarabucana, no Forte do
VENDAS.
LA PLATA.
Garx da melbor qaalidade a 7JS60.
Parinba de maodioea propria de mea a 61000
o sacco.
Dita de millio a 6*000, cim peto de 100 li-
bras cada Dacca.
Qaeljs flateogos do nllimo vapor a S#800.
BiicoDlos tai caixiDhas de coofiguraedes diver-
sas proprias para Testas as criaocas.
Velas siearioaa a 640 rs. a libra.
Chocolate de 11 a 1*800 a libra.
Especial tranteiga inglez e franceza.
Horialices para sopas deoomioadas Julieonc, qae
sabetitu perfeitameote as mais frescas ervas.
A veradeira farinha americana vnda de conta
propria a 320 rs. o ma^o de urna libra.
Bolacbinhas de lodas as qualidades e dos me-
Ihores fabricantes.
Queijo da liba especial a 880 rs. a libra, e mu-
ios oairos gneros que se encontnm por precos
razoaveis e de Ia qaalidade : na roa do Duque
de Caxias o. 42, armazem de
MARMORE
Portland de primeira qualidade. chegado no
ultimo navio e pelo menis preco de que em ontra
qualquer parle, fazendo-se maior diftoenQa no
pr*co se for em porc.ao: s nos armazeus do Can-
dido Alberto Sodr da Molla & C, na travssfa da
Madre de Dos n. 14. _
la I de Lisboa v
Vende Manoel Joaquim Gomes Braga, largo da
escadinba n. 3, por menos quo em ouira qualquer
parte.
ATTENCO
5
No armazem da ra do Bium n. 92, tem par
vender precos commodos, o seguinte :
Parioba de mandioca de Porto Alegre em sac-
eos grandes.
Vinho flno do P rto, em caixa?.
Bolinetes de balianco para biates e barcaca?.
Bacas de louca para cozioha.
Lencos de labyrintho.
Veade-se na ra da Cadeia do Recife n 7, em
casa de Chalaca & Neves, bonitos lencos de laby-
rintho feitosiJDO Aracaty.
MlilC,
Tem venda em seus armjtzens, alm de outro?
artigos de sea neg io regalar, os seguinte?, que
vendem por precos mais mdicos qae em ou-
Ira qualquer psrte :
PORTAS de pinho alraofadadas.
GRADES de ferro para cerca.
ESTEIRAS da India para cama e forrar salas.
CANOS de barro francez para c?goto.
GESSO superior em porcOas e a contento.
CEMENTO de todas as qualidade?.
MACHINAS de descamar algodao.
LONAS e brinzoes da Russia.
OLEADOS americanos para forro de carros.
FOGOES americanos muito bons e econmicos.
VINHO de Bordeaux.
COGNAC superior de Gautier Freres.
FARELLO em saceos grandes a 3*500.
AGUA florida legitima.
SURI A LIE
aovas msicas para piano.
Danse des negrea do maestro Ciaalberc.
Margarida, linda schoitisch.
Urna folia a Roma, qoadrilba
LUND8
Dansas paraguayas.
I* Habanera,
* Loa negros.
Ia Noites de Laque.
i* Palomita paraguaya.
Tamben recebeu as segumtes :|
v opera tiuarany, e os menores adeos
da mesma para piano e piano-e canto.
Qnadrilbas '
WalMS
E polkac
Quadrilbas:
usettei
iatan.
lardim das Fadas.
heroica.
Capenga, Gareca A C.
rlomens do mar.
uveniude Commrcial.
locambole.
Ponte do Diabo.
Tenente do Diabo.
'mperial marinheiro.
V sultana como linda.
Independencia das senhoras.
0 Club X.
egresso do conde d'Ea.
Camiobo de ferro,
uarany.
Walsas: '.
ionbo da virgem. '
Voluvel. '
)ansa d'amor.
Jltimas walsas de um doido-
Vnjo da meia noite.
Carnavalesca,
ioarany. '
Polkas :
Cabr3o.
}orgeio do sabia,
inlicosa. v
Gapenga n3o forma. x_
Querida por todos. ,
i rival.
Por todos querida,
s Trz.
Palomita paraguaya.
3i.>mark.
toreninha.
5urpreza.
Chora pitanga.
Jloria.
Juarany.
venda no armazem de pianos e mus-
as doAzevedo, rea Nova n. II, boje ra
lo Bario da Victoria.

Jfopelinas baratas
na loja da Turqueza, ra do Barao da Victoria'
n. 9 (antiga ra nova}
Albacas e las barates
na laja da Turqueza ra do Barao da Victoria
o. 9, (antiga ra nova)
Saias bordadas
Completo^ortimento, na loja da Turquea, rus
do Barao da Victoria n. 9, (antiga ra nova)
Corpinhos
De combraias de aparado gosto, na loja da Tur-
queza, ra do Barao da Victoria n. 9 (antiga ra
nova).
ATTENQSO
Vende-se as asas segflintes nos Affogados, uto
por querer o actual proprietario retirar-M para
fora :
Ra da Paz ns. 30, 30 a, 30 Ra do Motocclomb n 31," ,
Ra de S. Miguel o. 31.
A tratar na ra larga do Rosario
Para agua.
CaDns de ferro galvanisados por (Ora a
a venda por preco conm.
da Travessa do corpo SanK,
CASA CAVJM m
Aos bahu eiros
Existe um pequeo numero de ca-xas de pinbo
vasias : vende-se barato na fabrica do g;z
Aproveitem
Vende-se um carro novo para trabalhar ni al-
andega : a tratar na travessa das Cruzes n. 14
2 andar, das 7 s 10 horas da manhaa.
Cemento de boa qualidade
Cada barrica pe*ando para mais de 10 arroba?,
preco de 10 a barrica : no caes 22 de Novem-
bro, armazem n. ti______________________
Vende-se um bom silho quasi novo: na
taberna n. 36 da roa das Crazas.
por dentro.
ou armazem
n. n.
Mel.
Voude-se 24 pipas de superior mel ei i
de 4* e de 5 por preco razoavel : ua rna do
gario n. 14. _______
Vende-se as segainies obras, em om s vo-
lunte :
Flores singdas por Paes de AnJrade, ultimas pa-
pas prr Pedro de Calasans, illrjsoes perdida? pw
Cesano do Azevtdo por 5#.
Bourgsin 2 tomos eocadernado por o.
Clela franceza encadernada 3j.
Vida de D. J;ao de Castro idem 2*.
Cdigo do Bom t-m idem lodO.
Methodo de ju'anno 8.
Methodo de solphejoj para pianno 8.
A traur no andar desu lypographia.
Attenpao
Pbarmaoeulioo privilegiado
ucceeor
Boulerard Sebastopol, BS PARS.
:H0AS ESPECIALIDADES A. MARINlEfi
^TtUftltiUs i Academia de Scienciai o Instlalo Franca,
_
1I.IFHAJ Soh for.mi de. PJs'U'. iciokli e dosMj para
JI*a#aVUHV raaer de mouicutff ama johi.'co
rrUtt ciTillri dai OUITUS COUTiGlOSAS.
Bazar universal
Ra Nova n. 91
Acaba de chegar a este estabelecimento om ri-
quissimo sortimenio dos segointes artigos : trans-
parentes de madeira com paisagens e simples para
portal e janelias, venusianas pintadas de verde,
camas de ferro de todos os tamanhos e qualidades,
grande e variado scriimento de machinas de eos
tura de todos os autores, ditas pira lavar ronpa,
ditas para fazer manteiga, ditas para fazer eaf,
ditas para moer, miibo, ditas para descarocar algo-
dao ; bem como outros muitos artigos que deve-
rio agradar a todus as pessoas qae vierem visitar
este estabeleoJmcDto, o qnal se acha aberto desde
as 6 boras da maniaa at as .9 da noite : na ra
Nova n. 22, loja de Caroeiro Viaana.
do Tolome fe oro rcigio, seniido da
PHII.TBO c SEniNGA scm o
fratii iacoavaoiaaUi da fragilidade.
COI-I-.Y3B3O Contra as affeccois da pateebraa.
araparado b a mesina roma. ,
BARIHOLOMEO 4 f
Exra.a* ^
. toaroento
que (ar;o
qae t
Qnra de
ert.'Ui qae vos confesse qae amioba divisa nao tem sido s o aaion-
timr> lambem, e sobretodo em adquirir a gloria pelo conceito a
por aCso tenbo cabido em algum desagrado, a razo por-
ra petil'JcSo no sexo beiic a qoem presentemente (enho a
^Hjs qne continuando a merecer vossa Ilimitada conflanga,
ossos adornos de cabellos ao bem co.nbeeido estabeleci-
em das grandes van-
gratido de qne ser
Depoiitarioa geral para e MatASIL e POBTUGAA.
34, tMa larp do Roaario. PB3RNAMBTJOO.
VERDADEIRAS
Calcado barato
Borzegoins para homem a 4!.
Ditos para senhora a U.
Vende-se na praca da Independencia n.
39, loja de Porto & Bastos.
Vende-se dons sitios na Estrada-nova confronte
ao Sr. Jeronymo de Hollanda Cavalcante, logo
adiante do sobrado grande, tendo om seis casas e
outro com urna boa casa de vivenda e frucleiras :
a tratar nos mesmos, ou para ioformacoes na tra-
vessa do Duqne de Caxias (antiga travesa do
Qneiroado) n. 9.
VENDE-SE"
coro grande abatimento orna hypotbeca de om so-
brado e cinco moradas de casas terreas simada*
as principaes ras da cidade de C linda, algumaa
perio do banno, na importancia de 7.000f com os
juros veneidos : quera pretender dirija se rna
do Coronel Soassnna, outr'ora dos Martvhcs n.
4,2* andar, de meio dia s 4 boras da tarde, que
melhor expor este negocio.
Agua de Seltz natn-
ral
V Vende-scy
superior cemento Portland por preco eommodo
no armazwn da Companhii PernamboeaDa.
P1LULAS de BLANCARD
era iooureto do pirro iraltcravel
APPROVADAS PKLA ACADEMIA DI MEDICINA DE PARS, ETC.
'Oitlno aa propriedades do Iodo et do arr eonvem especialmente nai Amcca
xftSL&EnS^l*" W* PMaKAoniSOBM o sanouk seja para restituir
m *-'ATlywy*M.bBI>dwc o*. ou P Provocar a regular o seueuiwperodrco;
___ iia tai
ita. Como prora de parata de anthencdade das rmmdtittuB ri-
\fm mauatwM, deye-ae axiair oesao an* *( reaatlra e
i ma, ioi retrodazida, va te cha aa paria jaBrior da na
"i! ara*. Dere-M desconfiar daa fafiificacot.
Vende-se uma-barcaja em bom estado de 20
cafxas, com todos os seus perlences para nave-
lar : quem pretender dirija se em Fra de Portas
ra dos Gaar. rapes n. 12, qae achara coro
qoem tratar.
Potassa da Russia
[nova, chegada ltimamente e nica existente no
^aereado : vendo-se na ra do Brom n 80. No
mesmo arn azem vende se cal nova de Lisboa.
Aa furjc'icao da Aurora venda-se por preco
razoavel, quanlidade de lijlo de logo (flre briki)
Vende-se
milhoadloOOo sacco e farinua de mandioca a
7*000 : no armazem do Aunes defronte da alfane
Superiores batatas
Em gigos finczos
m5os & C.
inglezasa
nos armazens de Tasso Ir-
Coffre de ferro
Aenflo,
Vende-e a tib.rna sita i roa Imperial n. J7
cora alguns raudos e extraordinarias commcdlda-
des : a tratar no largo da Hibeira da S. Jo nu-
mero 7.
UVA PERA
..
lenta c< ffre de i
O Campes da roa r!<
desua viagem i
*9^*
. ir*' <*f W' i&m"-.


L
mMk WIMPERATRIZ-60
f ERE IR A DA SILVA k C.

nm grandee variado sortimento de .faeoda* do mais
s do que a-outra qoalqoer parta, visto que os ho-
k L -------- -- -
Nesta impc rtante eetabelecimento encontrar o reseeitavel p
golo e todas' de prlmeira necessidade, qu w vemieui jnais
i gsnb arena o descont ; as peisoas qoe negociam em pequea escala, netta loja earmaxem podero fazer os seos sortmeotos
pelos mesmos atecas que oompram oas casas .inglesas, (importadoras) -ara maior commodidade das Exroas, familia se darao
aaestras da iodae ae fatendas, eu lhes leum esa anas caaacfera eseoiaarem.
ttMRS | GR09DENAPLES PRETOS i
Cheffon para o Bazar o Pavao 6 mais Chegon para o Bazar do PavJo nm grau-
slegante sortimento de tapetes grandes, pa- de sortimento dos mel ores grosdeoaples
ra Sitfs, com 4 cadeiris, ditos mais peque- pretos qoe tem vindo ao mercado, que sel
nos, para* doas cadeiras, ditos para
pianos, camas; portas ; etc. veode-se por
menos do que em ootra qualquer parte.
ROUPA PARA HOMENS
No accreditadc Batar do Pavao encootra-
'i o re-peitavel publico om grande sorti-
opoio de ronpas para bomeos tanto bran-
cas como de cores, a saber:
Camisas coa peitos d'algodao e de linho,
para todos os procos e qualidades.
Cero, las de linho e algodio.
Meias cortas fraocezas e ioglezas.
Palitos sobrecasaco3 de panoo preto e
asemira.
Calcas de brim branco* e de cores
Dita* de casemira? pretas e de cores, com
Golletes ipuaes
De tolas estas ronpas ha para todos os
precus e qualidades, e tem de mais mais
am .eri'o
ALFAIATE
Por quera se manda fizer com prestesa
s acpii qnalqoer ppcade obra a capricho
ou goto do freguez, tendo n'este impgrtao
Ce esutb lecimento todas as qualidades de
panoq. fino, as moiore e mais moder-
aascastniras,assim comoos melhores brios,
per tinocos, qur de cor; e qoanio qual-
quer obra na"o ficar. ioleiramente ao gosto
dos 'Ye^uezes fiea por conta do estabeleci
Uie-it
r-U^ES.^E COR E BRANCOS
V? ule o-se brrait is fusles brancas e de
cores, roprios para vestidos e rcupas de
meninos, sendo de cores a 800 ris o cova-
dq. e francos, a 400 e 640 ris, pe-
cajnoh*, no Bazar do Pavo roa da Impe-
ratriz u. tO
CHITAS BARATAS
a 00 ris.
s a 200 res.
a 200 rers.
v>n^m-3e chitas largas com moito bons
pnrm"s e coresflxas, pelo barat) preco de
200 iis o covado ; cortes das mesnas com
10 novados a 25000, pechincha, no Bazar
io Pavjo.
AS CASSAS DO PAVO
Covado 200 ris.
a 200 reis.
a 200 ris,
fendvn-se bunias cissas de cores miu-
i-'a- pelo barato preco de 200 ris oca-
vado, no armazem do Pavo j ra da Im-
per;)H o 60.
PANNOS PARA SA1AS A 1*000, O METRO.
No Bazar do Pavao veode-se bonita fa-
xen a branca encorpada para salas, sendo
com hadados e pregas de na lado, dando
* lar/un da fazeuda o compritneoto da
sai, a quale Die fazer com 3 ou 3 1)2
Mro h vende-se a i3>, 14280 e 10600;
' arum como tambern no mesmo estabeleci-
bihmi se vende bonitis saias brancas bor-
da-la, u-n io ijuaro pannos cada urna, ditas
de 19a de cores j promntas, amas com
berras .fferentes damesma fazenda 45000,
s oo'ras com barras bordadas 65 e 70000,
>od isto moderno ebarato.
CARNAUBA.
Vende-se caroaoba em saceos, na roa da
nneratnz n. 60. Bazar do Pavao.
ARLATANAS L1STRADAS CORTE A 63500
Ce?* u para o Bazar do Pavo om bonito
soni'oento de tarlatanas listradas, sendo
verdes, cor de rosa, lirio, tendo esta bo-
nit\' finenda umita phantasia, e liquida-se
c l corte a 65500, pechincha ; na roa
da loi eralriz n. 60.
veodem de 15600 at 55000 o cavado ;
sao todos muito em conta.
ESPARTILHO.
No Bazar do Pavo recebeo-m om elegan-
te sortimento dos mais modernos e memo-
res espartilbos, qoe se veodem por preco
moito em conta.
PANNOS DE CROCH PARA CADEIRAS
O Bazar do Pavo recebeu 'om grande
sortiaeoto dos melbores pannos de croch,
proprios para cadeiras de balanco sofs,
"pianos, tamboretes e at ptoprios para cu-
brir almofadas e pratos;' vendendo-se por
menos do qne em qoalqoer parte.
PARA LENCOES
No Bazar do Pavo vende-se snjerior
bramante d'algodao com 10 palmos d lar*
gara a 15800 e metro, dito de linho com a
mesma' largura a 24800 cada metro, pannos
ds linhpdo portocom 3 i/2 palmos de largura
de 70 at 15 a vara, assim como umgrande
sortimento de H-mburgo ou creguellaj de
todos os nmeros, presos ou qualidades,
qoe se veodem mais barato do que em oo-
tra qnslqner pirta; aproveitem-
"ATOALHADOS
No Baz3r do Pavo veirie-se snperipr
atoalhada trangaio, com 8 palmos de larga-
ra a 15600 o metro, dito do linho adamas-
cado o melhcr que tem vindo ao mercado a
35500 o metro ; todo isto muito barato.
FAZENAS PARA LUTO
No Bazar do Pavo veode-se constante-
mente o melhor sortimento de fazendas
pretas para luto, como sejam :
Lasinhas ; retas lisas.
Cassas pretas de la.
Cassas pretas, francezas e inglezas, lisas
e com salpico?.
Chitas pretas de todas as qualidades.
Alpacas pretas lisas.
Ditas lavradas com branco.
Merinos, caotes, bombazioas, qoe so
veodem mais barat) do que em outra qaal-
quer parte.
CACHE-NEZ A 65000.
No Bazar do Pavo vendem.se bonitos e
grandes cachi-nez de pura la,' pelo bara-
to preco de 65000 cada um.
PEHICNCIIA EM CAMBJUIAS VICTORIAS, A 55,
65, 75 850CO.
Vende-se um expandido sortimento do
flnissimas cambraias victorias, por precos
mais baratas do que em outra qualquer
parte, tendo cada peca 10 jarda a 55, 65,
65500 e 75000, flnissimas a 855O0 ; todas
ostas cambraias valem muito mais dfnbeiro
e liquidam-se por este preco em relaco a
ama grande compra qoe se fez do Bazar
do Pavo.
BABAD1NB)S
No Bazar do Pavo vende-se om grande
sortimento dos mais finos babadinhos borda-
dos tapados e transparentes, assim como
urna grande porco de entremeios largos e
estreitos, que para acabar se vende moito
em conta e mais barato do que em ootra
qualquer parte.
SETINS DE CORES E GROSDENAPLES.
No Bazar do Pavo vende-se um sortimen-
to completo dos melhores setios e grosde-
oaples de todas as cores, que se vendem
muito em conta.
CASEMIRAS A 75000
Veodem-se cortes de casemira ingleza de
cores para calcas sendo fazenda que vale
muito mais dioheiro e liquida-se a 75000
corte de calca, no Bazar do Pavo a roa
da Imperatiiz n. 60.
_
lorln^ delfe (AMWpKE sajsM pra> R diosamente contkla
!o MFa vfMHl*#flm de compraren! aquil-
lp qoe precisarem para preparos de vestidos* toi-
jbte ou locadores, e raesmo qualquer objeclo para
faaer algnm preiDte...|pois que sin Nova Bspe-i
rata** SBlWeorj, Ji pela qoxliiade e pre-
ces razMves, raesmo por qua a Nova Ssparan-
Qa umk.s ei alo u inaptctealar eot dar a es-
colher os objecto, pasando-se..com o agrido
esm que costuma receber a tooe, afim de que
saibam om o firme prorprtH /de vollartm ou
mandarem a mesma toja; logenme pretisem de
auriqaer artfO aoraranano qaaMja.
UIVAiJiPELLICA.
Rcete* as 4eU>baaNeva Esperanza par*
horneas, seahora e meninos, sendo brancas e dei
ooree.
JWlffiADB.
Bico de anmnre pretonm bnneo, a Nova Ks-

Bu de nupre preio com braae
DeraaaUl^dQbem leaiWT XT
l" CCaixas.
A Ndft Raanca reM&eo'tis calas de sn-
dalo para gpjftlar joias.^ '
; FWs lajeas Itera jrintos.
Receban as de hrakas qualidades a Nova Espe-
. gara extinguir psnos-ou sardas.
k NO* EjfMrara,. lemleitede ros
Para tingir cabellos.
lera teite de rosas brancas,
a verdadeira tidta in-
Tem-jrova Esperanza
- Para, refriscar a pelle aaformozia-la.
A Nova EsperaBoa ra Duque de Caxias n. 63,
vende verdadeita albina branca de Lais.
Perfumaras
As melbore, e do mais eonbecido atabrieaate,
tanto fniocez como inglez, est expostas venda
na roa'.auqae de Caxias n. 63, na Nova Espe-
ranza.
Extracto?, banha, oleo, sabooetes, agoas de co-
lonia, de laranja, florida e de lavande, ele, etc.,
todo de superior qualid?de : veade-se na Nova
Esperarla ra Duque de Caxias a. 63.
1 !
A Nova E^perancs, a rda Duque de Caxias nJ
63, recobeu um liado sorlimeoto de laa para bor-
dar, vindo as cores mars procuradas, branca, pre-
ta, escarate etc. ele. a ella antes que se acabo t
Aos cigarreiros.
A Nova E^peraoea vende papel para cigarros
(Mais) a 4'i00 a caixinha barato I
Agora sim
o
Kua dalmperatrii60.
LINDAS JAPONESAS PARA STIDOS A
A, 500; BS.
Chgovj oa elegante sortimento dajbs-
inhaj do Japio, com pairoes da seda e de
multo boa qnalitide, que sa-vendem a
500 rs. o- covado. pechincha, no Bazar
do Pavao, roa da Imperairiz n. 60.
POOTOJNAS DO JAPAO A 15600 O COTUDO.
Cbegoo om elegante sortimento da lin-
dissimas poopelinas /aponezas, com os
mais delicados gostos, tendo muito lustro
e com listrinhas de seda, sendo esta aova
fazenda quasi da largura da chita rance-
za e vende-se pelo barato preco de 15600
cada aovado, no Bazar do Pa*9o.
AS POPELINAS 00 PAVO A 25000, O COVAaO
Chegoa para o Bazar do Pavo um bo-
nito sortirxento das mais modernas e ele-
gantes poopelinas de linho e seda, qne se
vendem pelo baratsimo preco de 25000
cada um covado, assim como ditas com
po-tos escossezes a 25400, pechiucha no
Bazrr do Pavo.
besas a 2500O
Chegoa uu elegante sortimento de boni-
tas sedaa de listriobas, com as cores mais no
vas qua tem vindo ao mercado e veodem-se
a 25000 o covado, na roa da Imperatriz
Bazar do Pavo.
CRETONE FORTE A 25000 O METRO
So no Bazar do Pavo.
Chegou o verdadeiro cretone francez pro-
prio para lencoes tendo 10 pa'mos de lar-
gura, e moito encorpado, sendo preciso ape-
nas para cada lencol 1 '/i ou 1'/metros, alm
d'esta applicaco tambsm esta larga e en-
corpada fazenda propria para toalhas, saias,
cerclas, etc. e liquida-se pelo barato pre-
co de 25000 cada metro.
CASEMIRAS A 25500 CADA COV\D0
No Bazar do Pavo vende-se om grande
sortimento de bonitas casemiras de urna
cor, sendo asul, lirio, mesclada, sendo de
duas larguras, proprias para calcas, palitos,
e ronpas para menino, e vondenvse pelo
barato prego de 25500 o covado, i roa da
Imperatriz n. 60.
BONITAS LASINHAS A 500 RS. O COVADO,
Vende-se delicadas lasinhas com dife-
rentes gosto pelo barato preco'de 500 rs:
o covado, no Bazar do Pavlo.
ALPACAS BRANCAS.
Vende-se um bonito sortimento de flnis-
simas alpacas brancas lavradas 'imitaco
de seda, proprias para vestidos de baile ou
pasamentos no Bazar do Pavo.
ALPACAS LAVRADAS A 400, 560 B- 640 RS.
Vende-se om grande sortimento de lin-
das alpacas lavradas de todas as cores para
vestidos e vendem-se a 400, 550 e 610
e at mil e tantos res o_covado, no Bazar
do Pavo.
BAREGKa DE QADRiNHOS A 600 RS. O COVADO
Vende-se as mais lindas e moderdas lia- [
siohas 00 bsregea de qoadriohos, proprios | deposito da roa larga d Rosarlo a 34, botica.
para vestidos, tendo quasi largara de chita
frsnceza. e liqoida-se a 640 ra. o covado,
no Bazar do Pavo.
MERINOS DE CORES RARA VESTIDOS.
Vende-se bonitos merinos de urna s
cor com cores multo proprios para vestido
e reupas para creancas por ser orna fazen-
da de pora ISa e moito leve, vende-se a 15
o covado, no Bazar do Pavo
41
essa falta
?ertl,
te tem recebtdo, justamentefqnando ella menos o pode fazer e
-!lu*?la confia.e espera na benevolencia de todos que
sMMm^np a dfrigirem^e a bem conhecida lojaj|
mado n sempre acharo abundancia em sorffi)
ufdes, modicidaie em precos e o sea nunca desmenttido
a x ^W&W ^ca dit0 o**^ 9* o tmpo dispr, empregadb apezar de seos costos no desempenho de bem seiMr
honram procurando prover-se em dita loja do que necessitam, entretanto sem .
rar os objectos que boj ana natureza sao mais coabecidos ali, aUa resumidamente indi-
car aquellas cuja importancia, elegancia e novidada os tc|Tiiia]recommepdaveis, ce
bem seja
Corpinhos de cambraia,ipdmorosameate
enfejtados com fitas., de setim e obras essas
8fljWH!Wl W1"Wde '& perfeicjio de ador-
nos os toraam apreciados.
Capailas beancu para meninas.
Grande sortimento da flores final. --.
^aftstfapMtoti jyl
PERFUMARA
Fitas mni largas da divecaaaJMMUHIH [I Goank consunta sortisnento de dita,
I^equea ueas objecto muito se poderla
dizer querendo descreve-los minuciosamente
por soas qualidades, corea e desenhoa, tal
4 o grande e variado aortimento que acaba
de chegar, mas para olo massar o pretn-
deme se me apresentar o que poder de
melhor.
Entrnelos en pecas de 12 tiras.
Goipure branco e preto de diversas qua-
lidades e desenhos.
Ditos de algodio com flores e lisos.
Veos de aeda para chapelinas e monta-
ra.
Meias da seda pera norvas.
Ditas abortas de fio de Escossia.
Costomes ou uniformes para meninos.
Enxovaes completos para baptisados.
Touquinbaa de fil* sapatinhos bordados
e meis para ditos.
Camisinbas bordadas para ditos.
1IACHIMS PARA
COSTIRA
Acabara de chegar ao GRANDE BAZAR
UNIVERSAL, ra Nova n. 22carneiro
viannaum completo sortimento de ma-
chinas para costara, dos autores mais co-
nhecidos, as quaes estao em exposico no
mesmo Bazar, garaotindos-e a- sua boa qua-
lidade, e tambero ensina-se com perfeieo
a tod^s os compradores. Estas machinas
sAJgaaas ao sen trabalho ao de 30 costu-
reiras diariamente, e a sua perfeieo 6 tal
como da melhor costoreira de Pars. Apre-
sentam-se trabalhos executados pelas mes-
mas, que muito devem agradar aos preten-
dentes;
Ganiieiros e gaz eco-
nmico
Acaba de ebegar nova remessa dos to desda-
dos eaodieiros todo de porcolana os quaes muito
se acommodam pela seguranza, aeceio e eeooomia,
e anda pela excellente lu preferivel mil vezes ao
kerosene: venham antes que se acaben), nico
Bazar, do Pavao sito a ra da Imperatriz n. 60, esta1 constantemente aberto
das 6 horas da manha as 9 da noate.
Vende-se
Ps de roselras de varas qualidades,
a=sim como de sapoti, abacate, figueiras,
aranja cravo< e pinbeira, por preco rasoa-
ve : a tratar na Ba-Vista a roa do Visconde
le Goyanoa n. 51 (outr'ora do Mondego.
*"~t
nu luga se os arn>aren, casas e terrenos no flra
U roa d;i praia nova da Santa Rita, que foram do
Sr tente corenol Franca, coto espeeo eediflea-
c8 > proprias para se estabelecer qualqner. fabri-
% rrn embarque e desembarque para o mar : a
triff.r eom o commendalor Tsso.
- ralbas muito finas para fazer
barba a.................... ,5000
Cauta de linha branc do gaz a.. 500
Vara de franjas de lidho para toa*
lhas...................... l$o
Gaixas com peonas d'aco de Perry
soperlores................. 800
Lencos de eassa braneos e pinta-
dos...................... 101
Caixas com 20 cuadernos de papel ".
pautado ....... 700
Caixas com 50 novellos de Linha
do gaz a. ...... 400
Duzias de meias croas superior
qualidade a...... 36O0
Pecas de tiras bordadascom 12
metros cada peca a 44300 e. 2000
Pecas de fitas para cs de qbal- ,
querlargura com 10 varase. 500
brancas e
Os acredha-
par'a padSrla', IPe^8 d.e traDa sas
venda no arma-
zem da travessa
do Corpo Santo
n. 25.
de cores a.
6AZ GAZGAZ
Caegoa ao aatf o deposito de Henry Fonur a
L, roa do Imperador, nm carregamento da tai
i prmeira qualidade; o qual se vende am partidas
i a retalho por ineng pre$o do qo.t. am oatraqnal
fti*r oari'
se sement de cocnjro e alface moito
j roa da Gula n. 7, taberna.
Eival sem segundo^
DO DUQUE DE CAXIAS N. 49
osto a continuar a vender todas
osbaratissimos precos abaj-
ado tudo bom a pre-
aeguranca a....
seguranca caita
za moito fino.
arroz o me*
1^0
320
m
320'
Dozia de linha frja para borda-
dos a 400 rs. e. .
Pares de meias cruas para me^*
nos diversos tamanhos a. .
I Duzias de meias brancas moito
finas para senhora a. .
Pares de sapa tos de tranca do
Porto.......
Pares de sapatos de tapete a. .
Duzias de baratos para vultarete
Sylabarios pertuguezes a. .
Cartoes com colxetes carreras a
Abotoaduras para collete diversas
qualidades.......
Cajas com penna de ac moito
oa de 320 a.....
Caixas com superiores brelas a.
Dozia de agolha para macbina a.
Libras de pregos francezas todos
oa tamanhos a......
Pacote de papel com 20 quader-
nos...........
Ref ma de papel pautado superior
R-suia de papel liso muitp supe-
rior a...........
40
500
320
4^00
2^000
IiWPO
30000
400
20
400'
Z
2000
lO
400
4,5000
8|W0
Farlnha de Manth i atharina
Vende-*oa hriaba de Saata Catbarioa, onsir
cada : para tratar no escriptorio de Jos Vieiri-
no de Resude A C, roa do Mrquez de linda,
outr'ra da Gadeia n. 52.
lifttmmiii
S* Grande pechindia
Lindas barges de la e seda lisas",'
com listas e com flores pelo ha-
r tissimo preco de 400 rs. 6#
vado, fazenda que se tem ven-
dido por muito maior preco
de Mar^o (outroradp Grapo)
I Antonio Correa de Vaconcellos.
Mam.
r A bordo do palbabote Garibaldi
com Tasso Irmos & C
Veode te nm sitio na Capone, roa da
Aventura, todo morado, coa portad do ferro, ea-
cimba de podra e cal eom boa agua de beber, e
moitos arroredos qne dao frnctos : os pretenden-
tes dirijam-se i Soindade, raa de Pernandes Vtei'-
ra n. 64 : a tratar eom Francisca Thertza da Oli-
veira de oupm tero osplicacoes precisas
CEMENTO DE PORTLAflD
O nico-ffesco e bom--que 4a ao marca-
do : vende-se no araszem de
Tasso Irmos C.
nt praca do caes de Apollo.
CAFE PURGATIVO
A' ESCAMONEA
De B,M Barral
l*harmacentIco-Cb Imteo
A uiilidade des purgantes .nao soffre deraons-
tracao algnma ; a preseripeSo* diaria qoe delles
fazen os mdicos-e o oso aindamis freqaente
feto pelo publico sao pbvas irrefragaveig tanto
como a quantidade innumeravel deste genero. S
falta aperfsicoar cada vei mais o modo de admi-
Distracao, de maneira qpe conservando a sua ac-
(o, elle poasam ser tomados sem repugnancia
nem a Muitos purgantes afamados s devem este bom
Mito ao- geu affeito intenso # exceseivo. D'ahi o
perigo, porque irrilacoes de estomago, inflamma-
c5es de entranhas sio inevitavelmente o resulta-
do do-seu-empregfc "Nada alsso tem-st de recear
eem a caM pumlivo.
"Tsdos ctmbecwn -por etperfencla o aroma saa-
re o o efleite ligeiramente tnico e excitante d
caf. Elle o oaeibor auxiliar dos purgantes dos
qiaas dlsTarH.'j gheiru o sabor e ijada a aeco
"soHicitando vagarosamente os movimentos peris-
Jlicoe e intestino, e preveoindo o sea effeito
dito menso sebre o estomago. Misturado com
escamonea, facilita as evacoaqes com prompttdio
e sem clicas, e tornase um porgante brando.
ceno, ftcita tohwr'e'preferlvel a todas oe outros
ana iodioaca peoitl da- cmal medico
beodade do caf purgativo permttte de
rjato-lo em todos es casos simptes. Desper-
|Ha4ona do intestino e activando secre-
^o dest, destroe a dureza de venjre. as vento-
sidades, as flatuodades e excita o appetite. Em-
pregado mais Itjriudo, convennnte ^jara eva
enar com vag&t*bilis a os huma, ss viscosos e
i a fax dessa maneira desapparecer a enxaquaoa,
a tratar "" ^^ ^W1 e W os a^oes d* saacne
as pessoas qn a Mes sao predbpostts.
MOBO DE EMPREGO.
E' tao simples como beil. O cat purgativo
deve ser tomado trio, poro on misturado eom nm
pouco de leite fri assucarado, on agua assnca
rada. O vidro inleiro a dos ordinaria para
nrfi adulto ; doas eolbsres de caf bastam pan
as senioras e para toda e qoatqner pessoa que se
par fcilmente. 9^-^BmBK.
- *r* as criancas de 8 10 annos, a metade do
vidro enfficienle ; de S a'S annos, anta colfter
de caf, e a qnarta parte do vidro tmente aJbai-
xo dastt idado rnjim ,| yimi.
i_P por isso-TTWFinSM!fislraci6-,ailirBi
v Aon do -qae es biscontos, chocolates oa botos
purgativos. ,,
Da-se iatfnedhumKitd gepoi
sncarado oo-caldo leve, e'tluai
de cb pHo- oa de tilia.
nico Vposito "na pbarmaeia e drVJgarta a]
Barholomeu i^iiiiiiiin niiBi
m ^
sempramelborqnalidade.
Lindos vasos cen.aoa d4 araof a piaaal.
ra cirenlar o coque.'
Bonitos brineoe plaqueo.
Aderemos e brincos de madreptro/
Caivetes finos para abrir Utas.
Tbesooras para irisar bahanhoi.
Aspas- para bal3o.
Novos stereoscopos com 48 vJiUl, a
quaes sao movidaa por uro. marrn j
urnas substituem as outras.
Vistas para stareascopos.
Bonitas caiilnhas de vidro enfeHidoi co
podras.
Ditas de raadeira envernisada eom viapa-
ras e com domines,
Bollas de borracha para brinqoedo
criancas.
Diversos objectos da porcelana, proprlot
para enfeites de mesa e de lapinhas.
0 COLLAR
i N. 3 A RLA DO CABUGA N. 3=A.
I AGOSTINM IfflOS '
Com este titulo acha-se aberto e inteiramente transformado este antigo
estabeleeimento de joias, onde os freguezes e amigos encontrarlo tudo qnanto
a moda e o bom gosto tem inventado na arte de ourivesaria, o Collar de Ouro
observar delicadeza no trato e senciridade e modecidade nos precos.
Espera que o respeitavel publico venba ver o que existe de melhor ea
aderocos de brilbantes, esmeraldas, robins e perolas, meios adereeos, pul-
ceiras, brincos, alfinetes e anneis de todas as qualidades, prata de lei faquei-
ros, colheres, palileiros salvas e outros muitos objectos que seria enfadonho
mencionar.
Compra-se ouro, prata, brilbantes e pedras finas, pormaior preco do
qud em outra qualquer parte, troca-se e coneerta-se todo e qualquer objecto
pertencente a esta arte.
DO
TRIUMPHO
7 Eua do Queimado 7
DE
HOBEIBA & BASTOS
E' chegado a este novo estabeleeimento o majs bello sortimento de fazenda
teas, sendo sua especialidade enxovaes para noivado.
Vestidos de blond de ,sda ricamente bordados.
Gorgurao de seda branco para vestido.
Colchas de seda pura, para cama com ricos desenhos.
Ditas de 13a e seda, dem idem.
Ditas de crox, idem idem.
Cortinados ricamente bordados para cama e janellas.
Croxs.para cadeiras e sofs.
Vestidos de cambraia branca bordados.
Popelines de lindos gostos.
Lias de diversas qoalidades, lindos gostos a modernas.
Ricos buornus para passeio, com listras de setim.
Sabidas de baile o que ha de mais rico.
Crotones para vestidos com lindos desenhos./
Carnizas bordadas e sem bordados para senhoras.
Camisas bordadas moito finas para homens.
Ditas ingrezas par* homens e meninos.
Seroulas de linho, e om grande sortimento d roopas feitaa a da (aseadas tika
i enfadonho mencionar. #
Luvas frescas de Juyin
Sortimento de tapetes para guarnieses de salas, alcatifas para forro de sala, e a
?rande aortimento das acreditadas e verdadeiras
Esteiras da India
.?
4_______
Bom ebarato.
Oomiogos da- Costa PerrMra tem para Tender
ot melbores charuto da H.ihm. r>-
propria de fabricantes ai e
uawouj vaataf em ao comprad
dirija-se a raa da Cruz n
contra sempre sortimento
de melhor.
I##*enteas.
af ot tras'chavemu
NOVO SORTIMENTO DE MtlSICAS
NO
DE PIANOS E DE .
Kua da Imperatriz n. 14 l(a
conten :
MSICAS PARA PIANO das mais facis at s mais difficeis, toda dos autores mait
modernos as melbores ediedes da Europa e do Rio.
NOVIDADES quadrilbas, polkas, walsas.
TANGOS, Habaneros, modinhas, cancoes brasileiras e hespanholai romances franczes,
arias e cavatinas. j
Operas inteiras proprias para presentes
tudo para piano e para canto da opera
GUARANY

Em breve se principiar a dar um catalogo do grandissmo sortimento deste es-
tabeleeimento. Encarrega-se de encadernacSes etc.
NOTICIA
" ueste genero i
. ravessa da
donrados e piof asios
t H3,
alas, gubi'
e para torro da qnal
Utni, ti.
AMarnos,
VeiQ i
Tinta para escrever.
mm
^^
m


^



y
t
\ *
}

i
L


oM i pr
' U II. Jl( I 3 I vi
nambaco Tenja eira 24 de Janeiro de 1871.
> *
=?
> A. u AO BOU TOM.
Acaba-se de abrir este importante estabelecimento de miudezas superiores, artigos de laxo e da moda para homens e se-
nhora* ; esplendido sortimento de perfumaras dos mais aflamados fabricantes de Pars e Londres, como sejam Piver, Lubin, Cou-
dray, Regand, Pinaod.Chonneaux, Monpelas, societ bygienique, Gosne!, Remmil e Prese Lubin, etc. etc.
0 Bazar da Moda receben novo sortimen-
to de fazendas do nltimo gosto para vesti-
dos, assim como chapeosinhos, casacos,
bomas, coques, camisinbas, etc, etc.
Continua sempre o grande e afamado sor
tinento de miudezas e perfumaras ver da-
deiras, que tudo se vende por baratissimos
presos.
Dam-se amostras e manda-so em casa das
Exmas. familias o que desejarem, roa do
Bario da Victoria, outr'ora Nova.
TRIUMPHO
DA
Boa-Vista
N. tO-RUA DA IMPERATRIZ-N. 10
FARIA 4 LESSA
EsU loia ile fazendas finas bem eoohecid* do
respeitavel publico por seo systema de burato,
sem qne outros possam competir em precos, aca-
ba de receber ricos cortes de vestido brancos
bordados hogindo roapoes, varado sortroent') de
basquinas de seda, grosdeoapte preto, popelinas
de seda, ditas de lia, variadsimo sortimento de
alpacas lavradas, lisa e outras qualidades, cain-
braias brancas bordadas para vestidos, cassas de
salpico9 de cr, organdy braceo e de Ves, com-
pleto sortimento de laziobas de cores, grande
vartedade em chitas, niadapoles e algoda. zinlios,
bramante de lioho para lences, panno trancado
proprio para toalna de mesa, grosdenaple preto
a Ij&O e eovado,- corpinbos e camisinhas borda-
das a 3*300 e 4 000, toalbas felpudas a 9JO00
a duzia, madspolao tino proprio para saia a i'ii
a peca, algodoslnho largo proprio para lences
a &* e 6*500, chitas filias a t80 e 320, e fiois-
siraas a 360 e 400 rs. o eovado, eolias de festio
branca para cama a ij, peca de cambraia Vic-
toria fina a 5f, finissima a 6*008 e 6/300 ; assim
como moitos artigos que nao mencionamos, tudo
o mais barato possivel.
Venle-se pedras de marmore cem circuios de
flores em alto relevo para se abrir inscripoBes pa-
ra serem collocadas em catacumbas e mansuleus,
assim cerno caponas tambem de marmore no mes-
rao genere : na roa das Cruces, boje Duque de
Caxias, loja de Gamito o. 1L
to de babadinhos e entremeios tapados e
transparentes, e de ricos e modernos espar-
tilbos de 4) a l.-> cada um.
Musen Elegante
recebe por todos os vapores linas de pelli-
ca da piimeira fabrica de Lisboa, assim como
encontrar as Exm.as familias ueste impor-
tante estabelecimento cm grande sortimento
de artigos para casamento, como sejam ri
cas grinaldas, Gnissimas meias trancas de
seda, ligas, luvas brancas, leqes finos,
franja branca de seda, fazenda superior,
trancas, galoes, botes, bicos de blond, fi
tas de grosdenaples e de selim de n. i a
80, dita de velludo, bicos -de"crochet bran-
co e preto, verdadeiro bico valcncienne, ba-
leias para vestidos, cambraia franceza preta
e branca para forro.
Cntilaria do Museu
Elegante
Navalbas muo lisas, cabo de tartaruga,
marfim e bfalo, do aflamado fabric nte
Rodger, caivetes superfinos com cabo de
madreporola, tartaruga, marfim. tesouras
Grande novidade.
0 MUSEU ELEGANTE
vende ricas camisas de foalar de seda para
os joveos do bom tom, finissimas camisas
de lioho bordadas de 5t a 120$ a duzia,
lindos pannos de crochet para sof e cadei
ras por menos preco do que em oulra'qoal
quer parte, superiores camisas de meia, len
eos de foular da China, ditos de foular de
Lion, ditos superfinos de foular da India
proprios para os amantes de boa pilada,
lencos de lioho bordados para senbora por
precos que admiram, ricas cadeias de pla-
qu com alfinete imperan iz para senlu ras,
ditas de metal arlistiqoe systema Luis XV,
bellos aderemos de tartaruga e de madrepe-
rola, e muito finos pretos de crystal, casso-
ltas para cadeias de relogio, ditas do pra
la dourada para retratos, as mais lindas ca-
deias de p aqu para homens, bengalas de
canna com c-stao de marfim e de osso, chi-
cotes de baleia com castao de marfim e de
unicornio, completo sortimento de espelbos
de columna e de moldura dourada para sa-
las, liados collernhos e puchos de liobo
bordados para snbora, grande sortimento de
puuhos e colleiinhospara bomens a Oxford,tinas para unhas, costura e cabello, tatheres
Refleman, Puebla, Exqoie'ito, Napolitano e>para mesa e para doce, de diversos precos
Vera-Cruz, as mais lindas e modernas gra |e quididades, ditos muito fios cora cabo de
vatas para bomens, orna infmidade de ricos marfim, superiores garfos de metal branco,
botes para punhos e collernhos e d entre
lies os desejados botes arlistiques e a imi-
tacao de ooyx para punhos.
Musen Elegante
acha-se prvido de um lindissimo sortimon-
grande sortimento de colberes para cha,
e sepa de metal muito fino, trinchantes com
cabo de marte por barato preco.
Musen Elegante
vende chapeos de sol commerciaes a 20800,
ATTENCAO
f "w^flH84^lftBi
proprios para as pessoas que esl3o passan-
do a fesla irem ao banho, e tambem vened
ricos albuns para retratos por baratissimo
preco.
No Musen Elegante
encontrar} as pessoas faltas de vista um
completo sortimento de ocolos de aro de
tartaruga, bofalo e ac, e tambem pencinz
de tartaruga, bfalo, ac e prata dourada,
com vidros de cores.
Lamparinas do gaz
Vende-se no Museo Elegante a 200 rs. a
caixa.
Aos cabellos brancos
MUSEU ELEGANTE
vende a muito acreditada tintura ingleza
(a qeal rqostra o seo bom Quilo pouco-de-
pois de applicada) e o sublime liquido repa-
rador da cor dos cabellos (colorigenio -Ri-
gatrd) que em menos deoilo das da aos ca-
bellos a sua cor e brilhe primitivo, e depois.
Jes te tempe bastar usar de otto emoito
das para conservar o matiz adoptado.
Exposiqo de lencos
MUSEU ELEGANTE
vende lencos brancos finos a I g7M, 2#70O
e j abanhados a 3900 a doz'-a, muito-
finos -deesguiao tambem abastados a 60500,.'
7->, '05 12* a ttezia.
Previne-se aos apreciadores do superfino e delicioso perfume, que apenas precisaren desse artigo ser bastante virm* ou
mandarem seus portadores, que serio fielmente despachados, pois os proprietarios deste novo estabeteciment trabalham ni oica-
mente para servtrem bem aos compradores, tanto na superior qualidade de suas ercadorias, c mo nos baratissimos precos. per
quatto estao resolvidos a vender.
NO MUSEU ELEGANTE
N. 1 Ra Estreita do Rosario N. 1.
ATTENCAO

LOJA DO PAPAGAIO
RA DA IMPERATRIZ N. 40
Esquina do beco dos Ferreiros
DE
MENDES ft CARVALHO.
Os dotos proprietarios deste bem conhecido estabeleeimeoto fazera sciente ao respeitavel
publico desta cidade e fura delta, e com especialidade s Exmas. tarailias da capital, amigas da eco-
noma domestica, que este estabelecimento se acha as melhores condiyoes de poder servir bem a
qaem o procurar, e por menos preco que qoalqaer oatro, e para isso solacha bem montado com
um grande, bonito e elegante sortimento de fazendas de lia, seda, linbo e algodo, todas modernas
e ltimamente ebegadas.
Os proprietarios limitam-se a vender pelo costo, ganhando descont, o s ae vende a di-
nbeiro on 60 das, a quem us convier.
Chapeos de sol de seda de 8 at 20.
Ditos de merino e alpaca de 3*500 a .'000.
Poopelioas de iaa e seda, e de linbo e seda.
Alpacas de cores de Iaa, e de seda.
Saltanas para vestidos.
Lias de listra de seda.
Garfuroes de Iaa.
Poli de cbevre de diflerentes cualidades e goi
toa.
fiarejes mescladas e de listras de seda.
Alpacas usas de todas as cores.
Alpacas trancadas ([vences).
Alpacas de flores..
Laas escocers de quadros largos.
Lias lisas de todas as cures.
Alpacas brancas, lavradas e de cordao.
Gambraias brancas, tapadas e transparentes, in-
gleas e suisas, da largura de tarlataaa.
Gambraias de cores graudas e miadas, a lodo
preco.
Metira da India de dnas qaalidades.
Cambraia para sai as, bordadas e com pregas.
Cassas indianas, fioissimas.
Cassa lisa de differenles qualidades.
Cassas de qaadro e adamascada para cortina-
dos.
Fil de linbo liso e de salpico branco e preto.
Tarlatanas de core?, as mais bonita.
Toalbas de linbo e de algodo de 500 rs. para
cima.
Guardaoapos de linbo de 2*000 a dnzia para
cima.
Colcha de fustao branco de differentes tama-
nhpa.
Ditas da fustao de cor com franjas.
Cobertores de lia finos com listras largas.
Ditas br*Bcos e encarnados,
Dito brancos de algodo.
Cobertas de chita chioeza.
Ditas de chita encarnada adamascada.
Bramantes de lioho e algodo de differentes
precM,
Atoalbados de linbo e algodo trancado e ada-
mascado de diversos precos.
Panaos de lioho e de Uamburgo.
Sileeias de lioho e bretanhas
Franelias lisas e de quadros de toda as cores.
Mussulinas e brilhantioas brancas.
FnstSes de cures para vestidos.
Pannos da costa para cobrir masas.
Dito de qaadros, encamado e largo.
arfettos francuw e mtese i todas as cores.
- CirnjfcaatiM bsrittdn d eabniarvaaparen-
le.
I baaeo, cblnezes, de cambraia, da litroo,
e de breUnha, havendo mniu itver-
lild4*s, gosto e frecoe.
_j seda' cor, para ooomim e seaborai.
PaM para ca misas, ha de algodio e de linho.
liso, fcordados e d> pregas para todo o preeo.
Gcnaua, rirniiit* MUaMto, -{ de c6
res, 4veda a Mtio etfto mo'. e btanea borda-
das.
Groadenaple,preto e brai^
Setns de crea. Bh^.
L ito.
e de algodio
traW fl >da-
cores para
Casaquinhos de seda dos mais modernos e ri-
camente enfeitados.
Chales de merino, pretos bordados e lisos com
vidrilhos.
Tapetes aveludados de diversos lmannos, tanto
para porta como para soff.
Cortes de cassa bordada e de salpico.
Ditos de fil liso muito baratos.
BalSes de mussalina branca e de lia de cores
com anquinha.
Redes de panno proprio, para dormir.
Orsandys brancos e de cores.
Punhos de linho e colarinbos bordados e lisos,
de linbo e de algodio.
Camisas brancas, fraocezas e ingieras, de linho
e algodo, com peito liso de pregas, e bordadas.
Lona para camas, parda e branca.
Pe^as de algoosinho de 8*800 o 6.
Algodio infestado, liso e trancado.
Madapoldes de 24 jardas, de 4*300 at 10*000
a peca.
Ditos franeezes muito largos de 34 e 45 varas
eada peca.
Reulbo de chitas, lias e carabraias, que se
vendem por preeo barato.
Chitas de 240 rs. at as mais finas que ha no
mercado.
Brins pardos e de cores, lisos, trancados e de
listras.
Bnns branco de linho do mais barato at o
mais superior.
Fusioes brancos e de cores para roopas.
Merino preto, verio, trancado e de cordao.
Merino verio azul.
Bombazinas, prtneezas, canto, liazinaas, cas*
sas pretas, chitas, alpacas pretas e pintadas, ten-
do um grande sortimento de fazeadas de todas as
qualidades que sio procuradas para loto.
fetas na loja do
Roupas
Mo
papagaio.
Um magnifico sortimento de roupas feitas de
todas as qualidades tanto para horneo como para
menino, um bonito sortimento de casemiras de
quadros de listra e lisas proprlas para calca?,
paletots e eoletes, corte de gargnro do seda
para coletos, preto e de coros, panno preto,
azues, cor de cat o casemiras.
Paletots de easemira de cores, pretos, azues,
cOr de caf, alpacas preta* e de cre, de -tartai
branco, brira pardo, gangas, brins de cores, ete.
Coletea do easemira o de toda as qaalidades.
Calcas, ba tio variado aortimanto,-qa*-de
qualqaor fazenda propr.a se achato feitas, o por
precos cemmodo?.
Sobreeasacos de panno fino de 15# at 40*.
geronlas franeetas de linho da algodio.
- Ratu prapria para aaaJias, do todas as oaNH
Estamenha a 160 rs. o eovado, muito larga.
Roupa por medida na loja do
papagaio.
Mandase fazer qualquer qnalidade de roupa,
com presteza e esmero, tanto para h)men> como
para meninos, por menos preco qtfa qnabjaer
ottr. oflfclna. qtto paraMaao o eitaWoimaato
acha-se manido do um bom mostr alfaiate e
aconlecendo a obra nio flear gosto dos fregue-
aea recahir a responsabilidade sobre o propro-
etanos.
-Diovse a amostras a que ai etiga?, M-maa-
i horas da maia^^^H|
Boato.
primeiro introductor dos pocos tubulares dilbys-
sinie, em Pernambnco.
Participa ao respeitavel pobHco fjuf nHJmfiwrtte.
tena recebido a quarta remeisa dos dito* poifon. e
os perocas completos e aperfeicoados para a nllo-
cacSo d'eiles em pouco lempo, taoto- aterrono mtle
como em torra de barro, masiap
As vantsgens que cUercco este ij&iets* de ad-
quirir agaa sobro qualquer cuiro, t5o ktm sa;
serviado dSo smeoie as condices cima.nnneo-
rudas, como tambt m Das caeiubas j ei-as, i nde
ainda n3o ttm bimba* to agua lo pwa, p"a
elle esto munidas deum filuo que co deiaa iu-
ti ar impui idades, \anlag m que u9o tem os > utn s.
Alm disso, a grande qoaiiiidade o'^aua quo
elles deitam de 5 8 pij^s por l^ra mAnrre o
dimetro dos tubos, a facilidade com que lo.- fui c-
cioDm, sicip'icidade, peife cao e u lidei-. coa-
binada com a elegar ca de sua fotm, qic para itr
appreciada basta ver-se.
0 annunciante tem urna pesoa especiota ente habi-
lilada, tanto na coliccacao d'elle, como i csto'ha
do terreno ou lugar mais preprio, qoe se eniarn-ga
de ti es Eervicos por preco commodo ; e, \\l< > cam-
bio ser mais avoravel, vende-se alie por prcos
mais modelados, recebendu-se a irept riso- ia > flft-
pois de collocado e funcionando a salisfcSo do com-
prador.
Para encommendas e mais es-
cTarecimentcs a respeitp tratase
na loja do Sr. F. J(iermfUvruu
Nova n. 21 e na offi iaa de-aneta-
es do Sr. Paulo Jos da Silva Frei-
le, largo da Concordia n. 7.
S
Sportas n. 53, ra Direita, 3 para* n. tt,.*ntiya .
loja do. Braga
*
O abaixo assignado, dono deste amigo estabelecimento, tendo era vista apresentar o
eompleto sortimento de ferragens, raindezae o cotileria, tem resolvido mandar buscar em
diversos pontos da Europa os melhores objecloe de seu estabeleoimento dos fabricantes
mais condecidos; pelo que convida ao respeitavel publico e a seus nnmerosos regneies,
i virem se xervir dos objectos de sua carencia, aende encontraro ppr menes 10 0(0 .ow
em outra qualquer parte, um sortimento- completo, de machinas .para descarocar alpodao,
do bom conhecido fabricante Cottorr Gin A-a, ditas para costara, motores para animaes
-ditos para fego, moinhos pira caf de todos os tamanho, i fabrioa do iapi, spingardas e
don canos ede um, Unto inglezas como franceas, louca da. porcaiana^ca*^.garlos
de diversas qualidades e precos, bandejas chinelas, salitre,' bren,. barpaate encofre, papel e
limalha de ierro, ac, e agulha para fogueteiro ; assim orno eocontrarao con?tano-
meate grande porcao de fogo do ar, e recebe-se encommenda de fogos de isla, alem de ura
cem numero de objectos, que se tornarla enfadonho numera-Uw : venbaro ra Dirita n
t, loja de Lenidas Tito Loureiro, antiga loja do Braga.
1
i
COFRES DE FERRO
Prov de fogo
*Em casa de Shaw, Haukes & 0. ra da Cruz n. 4.

LOJ1
DO
Nanea se vio um processo mais perfeito e que attinja de tal forma a satisfazer as
exigencias mais severas da escriplnracio.
A sua cor lindissima e nc precisa de cuidado algum pera se conservar no
tinteiro sempre com a mesma cor, sem borra, crsla, bolr ou sem todas essas mazel-
las inherentes todas as tintas at agora cocheadas, aioda mesmo dos melhores autores
estrangeiros
Sobretude, este estimavel producto nSo ataca as pennas de ac, antes pelo con-
trario, a penna adqure um esmalte dourado que, sendo intressante, asss proveitoso.
Esta tinta, nao sendo especialmente para copiar, d comtudo dnas, tres ou mais
copias nm mez depois de escripia; preciso, porm, deixar-lhe o papel bemmolhado
sem o enxrgar com o malta- borr5o, porque nio ba o risco de borrar. Para se tirar
mais de -orna copia, nao, se agglomeram tantas -foihas quantas copias se querem tirar,
mas vae-se com o original tirando urna orna tantas quaetas se desejam, sem qne o
original fique prejudcado pelas extraccSes.
Occorreaqui dizer qne, para copiar importa muita iotelligencia o habilidade, sem
o que a molbor tinta alo satisfaz, e o defeito recae sempre sobre a tinta, qoe muitas
vezes quem menos culpa tem.
A dupla qoalidade desta tinta extremamente apreciavel, pois que evita que
em qualquer escriptorio baja mais do que urna tinta para os diversos misteres.
Emquanto sua durabilidade, nao ba a oppr a menor da vid a, pois qoe esta tinta
depois de escripia soffre -o choque de cidos fortissimos, sem se decompr; ora, se os
cidos nao-tem aeco sobre ella, muito menos a ac^lo do terapo a pode destruir: isto
plausivel.
Mo s a o ommercio qoe este mea producto veio ser ot; os professores dos
collegios, investigando todos os meios para o adiantameoto dos seos discpulos, tem
aproveitado esta tmta, que com razo a acharam apta para desenvolver o gosto nos
educandos, em cooseqoencia da belleza da cor e facilidade de correr aa penna pela sua
liquidez. Ha exemplos de enancas qne havia muito tempo tinham orna repugnancia
extrema-para a escripia, logo que foi ndmiuida e6ta tinta no collegto, apoderou-se dolas
a cacioaidae eo gosto, e pouco tempo depois o seu adiantameoto era jnaai/esto.
EaU tinta, i par de taataa vaotagens, tem omenico inconveniente, d
ao coatacto de oatra qoalqaer; convm pois t-I em tinteiros iseotoe do\
bre de outw tinta, e evitar escrever com a penna saja de orna preparaeSOf diffareatee
iicompativel; verificaado isto, nio ha razio para se osar de tinta queafe injaa VIOLE-
TA t\TKA-FlNA DE MONTE1RO.
Observapa.
Ditersas falsificacoes e semelhaneas tem apparecido, coja durabilidade davidosa.
Os Srs. compradores podem evitar o engaao dirigindo-se i casas circumspecs, e pedia-
do a tintar A. C Monteiro.
:'%i /" lr% IW-
FftEBCO
HAO d
1 FIGADO FRESCOS
*H^Q_ DE
ARIS
H0661
_______________ nhteo: OSE BELLO, m
^^^^^^Lh>; 1 tRUf I
GLL0,VIGILANTE
Roa do Crespo n. T
Os proprietarios deste bem conhecido estabel*-
cimente, alm dos muitos objectos que tinham ei-
Sostos a apreciacao de /espeitavel publico, man-
aran] vir e acabam de.receber pelo nltimo vapoi
da Europa uin completo e vanado sortimento di
finas e mui delicadas especialidades, as qnaes es-
tao resolvido a vender, como de seu costnm.
por presos muito baratinhes e commodos para
dos, com tanto que o Gallo....
Muito superieres lavas de pellica, pretas, brau
cas e de mui lindas cores.
Mui boas e bonitas gollinhas e punhos para s-
nhora, neste genero o que ha de mais moderno.
Superiores pentes de tartaruga para coques.
Lindos e riquissimos enfeites para eabecas da>
Exmas. senioras.
Superiores trancas pretas e de cores com vidri-
lhos e sem elles; esta fazenda o que pode havw
de melhor e mais bonito.
Superiores e bonitos leques de madreperola.
marfim, sndalo e osso, sendo aquellos brancoi
com lindos desenhos, e estes pretos.
Multo superiores meias fio de Eseossia para se-
nhoras, as quaes sempre se venderam por 30J0OI
a duzia, entretanto que nos as vendemos por 20
alm destas, tomos tambem grande sortimento d
outras qualidades, entre as quaes algumas muik
finas.
Boas bengalas de superior canna da India
castao de marfim com lindas e encantadoras figo
ras do mesmo, neste genero o que de melhor j
pode desojar ; alm destas temos tambem grandt
quanudade de outras qaalidades, como sejam, ma
deira, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos chicotnhos de cadeia
de outras qualidades.
Lindas e superiores ligas de seda e borracha
para segurar as meias:
Boas meias de seda para senhora e para meni
as de 1 a 1S annos de idade.
Navalbas cabo de marfim e tartaruga para faz)
barba; sao muito boas, e de mais a mais lo p
rantidas pelo fabricante, e eos por nossa vez tam
bou asseguramws sua qualidade e delicadeza.
Lindas e bellas capellas para noiva.
Superiores agalhas para machina e para eroxi
Liaba muito boa de peso, frouxa, para enea)
labjrrintho.
Bons' baralbos do cartas para voltarete, assi
como os tentos para o mesmo fim.
Grande e vanado sortimento das melhores per
fumarias do memores e mais conhecido per
fumiau.
COLARES DE ROER.
Elctricos magnticos contra as convulso,
faeilitam a denticlo das innocentes criancas. S -o
mos desde muito recebedore destes prodigiosa
collares, o continuamos a recebe-los por toaeaoi
vapores, aflm de que nunca faltem no mercado,
como j tem acontecido, assim pois poderlo aquel-
Mi que debes precisaren), vir ao deposito do gaib
-a, aonde sempre encontrarlo destes**
coBarea, e os quaes attendendo-se ao fin
fna si appikado, se venderlo com um mu
uto lucro.
jamos, pena, arista do objeeto que deixamoi
deolarado, aosaosaoafregueMs amigos a vina
doraprar por preco muito ramavei loja do gafii
vigaate, ra do Creapo n. 7._____________
Rival sem segundo,
RA BUQUE DE CASIA ft.-**
(Antiga roa do Sueimad)
Contina a vender tudo muito bom e
muito barato a saber:
Libras de areia preta muito boo. .
Tesouras finas para unhas e cot tu-
ra a.........
Papis de agulbas francezas a ba-
lso a.........
Gaixas com seis sabonetes de fruta
Libras de Iaa para bordar de todas
as cores a .......
Carriteis de liaba Alexandre a. .
Frascos com azeite para machinas
Gravatas de cores muito finas a .
Grozas de botes madepersla fi-
nissimos a.......
Novello de linha de 400 jardas a.
Caixas com 100 envelopes muito
superiores a......
Pentes volteados para meninas a.
Tinteiros com tinta preta a80rs. e
Pecas de fila elstica muito fina a
Lata com superior biaba a 100 e.
Frascos de oleo I'bilocomo mu i lo
fino a.........
Frascos de macaca parola a. .
Frascos de extracto muito bonitos a
Duzia de sabonetes matto finos a.
Sabonetes inglezes a 600 re. e. .
Frasco com agua de colonia Piver a
Dito de oleo babeza a.....
Caixas de lamparinas a. .
Sabonetes a forma menino muito
superiores a...... .
Cartilhas da doctrina fazenda nova a
Libras de linha sortidas de todos os
nmeros a.......
Capachos muito bonitos e grandes a
Carriteis de retroz preto com 2
oitavas a........
Agulheiros de osso enfeitados a, .
Libra de linha franceza superior
qualidade a. ..... 24i0
Ricas touquinhas de fil para me-
ninos a
Botinas de couro para meninos a
Caixas com agalhas de fundo
dourado a
Pecas de tiras bordadas muito fi-
a 500, COO, 800 e

50*
0
16000
85000
too
500
500
. BOO
60
600
240
100
200
200
500
240
500
720
1*200
500
DOO
*0
246
400
15800
700
640
240
20
2d50t
246
15060
O verdadeiro portland: s se vende Ba
roa da Madre de Dos n.
JoSo Martina de Barros.
22, armazem de
Attenpo
Vende se a taberna do pateo da Penba n. 12,
bem ida para a trra : a traiar na
mesma.
ant
Remedioi
ttea at boje o ais
fyA^j
toa que sua afleacia as enl
tugue pela bocea, bronchitea, aovas e
no flattovatarabu*) e nalerta Vagado, i
^TOTTfltT^ABAPU^^
macia e drogara de Bartho
K5'
'Grandes a
se na roa da
MHPSfjpiai
psito na roa larga do Rosarlo B- W
Eax oau oa XHfBfDOB'i 1
SEN, roa da Cruz n. 18, e
effectivamsote todas as qaalidadt-*
Brrdeaox, Boorgogae e do Rfd .
Piano
Vende-se um piano por 139^000 l da
Queimado a.|t7, loja.


8
Diario de Pemamfcuc Tere feira 24 d Jati
ciru
mi
JDRISPBDENGfA.
> ... -m....... '
LGMfcTO DO DR. JOS VIEIR\
H, NO JURY DE LISBOA.
DE
---------
i
A
Ci.t
MsOBfeSOS BE ACCCSACO E DEFKZA PKI.OS
D*X LC7. DA COSTA DE AZEMCDO COUTIMIO
(MlNISTEMO PUBLICO), ErtXBSTO ADOi.PHO DE
prbitas (accusador particular), e iayue
constantino ob f(lkitis' moniz (ockkn-
sob).
(Continuacao)
O-homem qae so intelligencia pode tai-
vez acbar para si a explicaba de todas as
maravilhas, que venus ni creac5o, dentro
dessas maravilhas mesmas. O homem qu
s intelligencia e valor pie talvez adiar
para si o a existencia sobre a trra, a p xpli-
cac3o das pequeas alegras e das gran les
deres deste mando. E' porm difli;il que
urna imaginadlo poderosa, servida por urna
sensibilizado extraordinaria, orno a de
Vieira de Castro, acceite semelbantes s )!u-
;ees para af solemnes pergontas, que o
espirito faa sobre *taes assaraptos em nome
do grandes principios da causaldale e da
ja*lic.
Edefeilo, nSo as acceitou nanea. E atraz
_ Sfg. jurados, isto de' inlrepertar assim as
snas palavras. O R.acredita qoeDeus existe
que o termo do desuno do bomem u8o a
jnorte; que esla e- ama roudanca de oram
apenas, no que d respeito vida physica,
o m livramento no que se refere vida
moral.
N.'iima das phrases diz o R. que a alma
morrea: na outra diz queduas almas exis-
ten, encerradas em dois tmulos. Oestes
dois nudos de diaer, quai o que serve ao
nobre advogado para o determinar no juizo
que faz das ereacas4e R. ? Leu com ta-
raaoho cuidado os escriptos de Viera de
Castro, citen Unto, e s esquecea o que se
encentra a pag. fl8 da, biograpbia de Ca-
millo Castello Braoco I O homem que
trilhou sempre por urna* senda de espinos,
e n3o podendo por flmcom o peso da vida
na. provaco da dor extrema espedacou o
crneo eom urna bala, deixa na trra o ca-
dver de um precito, mas levanta para o
cea urna alma que vai l rebaptisar-se da
culpa ne.;se ocano de amor que se cha-
ma Deus.
Pobre R. desgracado de ti s nSo acredi-
tases na spiritoalidade da alma, na sin
inmortalidad, em Deus, emfim f H >je
mesmo, quando todo em redor de ti tre-
v, boje mesmo ep, sei qae a luz d'es as
crencas, e das outras, que Ihe s5o correlati-
vas,, ajuaii esclarece o tea animo, deixan-
dq-te ver sobas as esperanzas perdidas na
trra a. fe ganh para o co I
Mais se quiz provar que que o R. con-
sumir-antecpadamente o capital das legi-
timas, que haviam de pertencer a sua es-
posa 6i:i2,jl663 ris f E-a todo o di-
otaairo recebido, dioheiro fraco, eotehde-se
(e foi necessario que assim o declarasse o
ministerio publico), sem fallarmbs nos cam-
bios enormes, que cintavam as remessas
d'este dhbeiro.
G' pouco para os faustos qae se allegara !
Cmo consaraio o R. este diaheiro T Onde
estao os bares, as testas, as despeaos mal
cabidas ?
puvimos aqui s.testemunhaa, e diz-nos
elle a'uma carta, tambera, qae tolos os
meios recebidos djfc familia de sua esposa
erara pira ella.* Acaso o R. gastou na de-
vossidao, no? praz^res proprios o dinlje'io
de sua mollier ? Todas as testemunus ju
ram o contrario. Todas as suas cartas sao
i'oncludente? a este respeito.
Vmo-lo detrayendo para a tamil a da
prSKirfiT'- p iind0 9U9 le '*cwa'
rande a e xraomia. YOroo-lo at, conforma
aqui ratou a'-teatemunha Miranda, cedido
ante a'paixSwda se ver eteito representante
do povo s porque, para alcancar o mm-
datft terii de nao poupar despezas; e do
dioheiro de sua esposa, diiia ella, nao
havia direito a galar comsigo um real,
alem do que fosse absolutamente neeessa-
rh. N ibre e digno procedimento, to pa-
tente no tribunal, e o esqoecido da ac:u-
scIo F,nquanto isto se passava com elle,
emquaolu'elle proprio mal cuidava de si,
tudo ram carinaos, todo erm satisfaco;s
para os appetites legtimos de sua esposa. [
nao se poupando a despender "
cea o corpo lrea lo da actusacSo, ex-
oslo de mo anda os valentes.
Aqu. iQ^BPn! is forcas; aqui fot o
mais aocwo di bataloa. Foi horrendo o
quero**?!
< Qit depois da morte do sogw o R.,
bem ceito de que nada tinha que Inceber
di lgiiim de sua mulher, antesera jaVde-
vedpr de maito, s entao fallou em gaobar
dinltciro pe'o seu kaballio, e de Moreira,
oolese aciiava, escreveu A. que tinha va
ros projectis sobre o seo foturo, mas qou
so da capital lbe poda asseverar o quj de-
finitivamente resolvdsse. Que veio com sua
mulhor para Lisboa, indo com ella morar no
segn lo andar da casa da ra das Flores
e abi poz em obra o projecto, assassinando
sua esposa na madrugada do da 9 de maio
usando de cloroformo, para que neobum
vestigio ticasse. ^
O R. raatiu sua mulh?r s porque j ti-
nha recebilo edissipado a legitima paterna
d'ella Brs. jura-Ios, qua perversSo que
istosappoe. A hediondez de >a tal pro-
cedimento oxigeprova wmpleti e cabal;
reqner demonstrafa > plena, clarissima, v-
sivel a todos. Urna airocidade d'esti ordem
suppe urna longa vida de crimes. N5 se
cbeg< a orna roina moral d'esta especie,
sem om grande "tirocinio no vicio. E' o
desmor.mamento de todas as qualidales do
homem, a snbs ituico d'essas qualidades
pelo instincto da fra.
Eis-aqui porqae o advogado da parte poz
tamanho esforco para nos demonstrar que o
R. um hornera sem principios, sem mo-
ral, sem virtud); un ingrato, um perver-
so, umdevasso. Felizmente nao logrou o
sou intento na3 premissas; n5oo ha de lo-
grar tambera na consequencia. NSo tem
provas uara as pri neiras, nao as tem para
a ultima.
I-to horroroso, isto incrivel, isto
arrastar um homem aiala, abafio das con-
dices dos raa.s perversos de que fallam as
estatislicas criminaos. Como se oasa dizer
isto aqui ? Como se demonstra ? Onde es
o indicio deste facto aitribuido ao R ? Onde
est. n3o direi aprova, mas a verosimilban-
ca de urna tal accusacSo ? NSo bavi direilo
para suppor tu lo isto. A nalnrez humana
sagrada, e deve estar ao abrigo de tSo
tremendas suscitas. Hi accasac>> raais
desenfrea la ? Ha aecusacio mais atwarda ?
Vede bem. Porque o R. dissipoo legi
tima de sua esposa comraette om assaseinio,
creando-se urna sitoa^ao infernal par se
ver livre do dilFiculdades monetarios qoe
nao foram provadas e qae nao exista. O
seu projecto est esta lado de ba omito
lempo, e elle cuida quo o ct>lorofcrm;o
apenas destapado prximo do nari?, rosta.
Suppoe que o veneno o3o deixa vestigio,
nao o tem em casa, ignora tudo q/sc diz
respailo a instrumento do seu cima. Pode
abandonar a esposa, entrega-la a so mu,
mas s a morte lbe serve.
Deseja qae n3o fiquem vestigios a> sea
crime, mas deixi-os claros e evdt*'3,
mas nao para quando v que essa evidencia
se vaj tornar manifesta.
Pofs R. inventou o facto do do alta; inr
ventou a car'.a de Garrett ? Pois esto facto,
que explica naturalmente o ootro. deoappa-
rece para surgir em seu logar um ra*tivo
de espicalacao, um calculo, que a intelli-
gencia mais mediocre rejaa por, absordo ?
Pois pelo contrario, a existencia da Sfta. D.
Claudiaa n3o era um meo de connoar a
obter os meios, que elle mcebia da saa fa-
milia ? Nao recebia della urna mesada de
100 libras de tres em tros rjeres f Nemeu
quero dizer, Srs. jurados, oque ooi horoem.
perverso, na situaba do R,, faria. se tossa
movido peto intento do lacro t- Nao. o qaer
dizer ? Tenho obrigaco de o declarar aqu.
O bomem sem bros, pordiiio, corrapto, es^
tragda, nao raatava saa riolier r Oh! Srs.
jurados, isto borrWei. mas pteciso diae-
lo I Especulava com ella junto de saa faaat-
la I Negocia va a dsshonra dela e a sua!
(\pplausos) Com. aquella desgfac-ada carta
om urna mo e a esposa pea otvtra, okri-
garia a familia Gaimuraes a salvar a rjotesa
do seu oome costa do seo dioheiro Faz
tremer s d? suppo-lo : mas era assim que
devia proceder o R., sa por desgraca a sua
natureza correspondesse- descripca qae
della fez o advogado da parte.
N3o, Srs. ja-ados 1 Qaando oR. tetegra-
gr.;ssassom-|pliou a seo irmao, padindo-lhe qaa viesse
E' um lypo depravado, i om ideal de fe-
rocidad, q je n3o existe, que para honra d
hamanilade talvez nunca existsse. i'\/;-
plausos).
Onde estao aqui os seotimentos de cari-
dad?, de amor, de verdade que era licito
soppor nos rigoristas, qae sobre urna phrase
ebegam a duvidar das crencas doR. ? Aqu
n5o hi, nem sequer, longes do amor do
proxi.no
RasSo, justifi, verdade, s Je aqui por
nos, &tie pela causa da bumanidale. Nlo
veleii a vossa imagem I
Un O R. apregoiva-se contra a pena
de morte. at quera ver banila a palavra
execotor *. Mas a origem que a defeza, era
nome da rerdade, dao facto que arrasla
o R. perante este tribunal n3o e a'dmissi-
rel, diz a aecusacao; porque o R. escreven
o que se encontra pa;?.....porqae o epi
tapbio que tile maodoo gravar no tomlo
de sua espesa diz assim : Aqui ja/. D.
Claudias Adelaida Garmaraes Vieira do Cas-
tro, que falleceu em 9 do mato de 1870.
O R. escreveu contra a pena de morte,
verdade, n5o podia deisar "do eswever. O
espectculo da sociedade arvoraodo o pa(a-
bulo -e matando reQectidameate^ rapog-
aante e concita' contra si a opioif t
todos os bforaen de coracao. Bar direito
de punir no pnle j agora coosiderar-se
esta pena como urna" uocessidadu sotrtl.
cima de tudo irreparavel. Por fim
vida do hornea pertence exclusivwieilte a
Deas.
O R. npnifesfoa-se m imprensa e na ar-
mara contra a pena de morte E' versado.
Que ba neste procedtmeQfo que possa servir
aos seos aecusadores ?' Q'.re- argumentos: se
deduzem daqai ? Que outra- consequencia
pode a smceridado derivar do sea modo de
ver, seno qoe o homem que assim pensav
e assrm escrevia que atada boje 3o reneg
essa dontriaaj a sango fri era' incapaz de
praticar o facto por odeboje^tao-CToelmen--
te o acrosam ? Nao isa*mais coocloden-
te i NaV isto mais lgico ?' Nao- istj
mais sincero ?
Se o R., em vez de ler combatido apena
de morte, a boutesse defendido, segatado
o exemplo de crirainalisfis llostres, prova-
veuente aaconsa?9o coioogava a oontar-lhe
desde esse tempo a premelilaco. (Ris*.)
Citam-se pafhw* a pagina*-da biograpfcia
do Sr. Camil'o Casteho Braoco. Ottanvae
pagaias- c pagina desse liwo, relativa
aconLJmenlos- sobre os quo a justi
rsse a sua ultime palavra, Usados com
vida dnosso mm filustre roanacista, ib
um lo primeir.' bomens di-latirs dfr
aosso pe>z; Matare direilos *ae-a aecusa-
cao ten>adefeza. PO ainda assiaainlo ei>
uar' na vida particular de.n*nguem, ero
seqoer paaa valer qaelie desgraead. Nao,
3rs. jurado*, a-de(ea n5o por*' o pe na
scada alBia para devassar o que se passa
U dentro om casa, aproveitando-<> en seu
:beneficio. Nao -tatatratar asekn'-as dores
a as lagrioaas dosifalijes qoa*naereeem o
aosso respeito.
Os trechos lulo nasceram do-saaftaento
|ompassivo que rog eaatra a persaguiQao
lintensa e coatinuaa, sempre tajuela, seja
'qual for a causa, qpo nlo discutimos, que
estamos prohibidee- de discutir aqui. Guar-
dara o sentido da-saa origen* N*> teem
|rutra sigaiacacoi _,
Admittaata, poceaa, por mmmmto?
por um instante sv aaas sean es coceder-
mos, mas sem*.re damentos deste capitulo de aconsacb>. Ad-
mitamos qae defeolen o qna-boja eeoaura.
No fundo desta atotaca ba ama canvarsao
para melhor.
(Dirigind-M-a miniater pubca.)
O ilustre represaotaole doaiinislerio pu-
blico toma nota? Nao aponte.-
Estoo-me- referiado medanoa. deopinilo
em si e nao ootras circamstaaatas. Im-
porta nao alterar a hypotbese para nao dar
cor diversa .As miabas palavras. PBo queira
atiribair a si-urna responsabiliade que.nao
tem. Se- o Ilustre representante da socie-
dade esiwesae convencido de que estas pa-. J.
ginas eram um argumento contra o R-, ts-
las-ia juntado ao feu libello teria usado
dallas "largamente, como fea a accosaclo
particular para aggravar, a culpa e tonur.
mais rigorosa a decs3o do jiar.
idadt
lerarfl, Oas nlo dalle.- A responsabil
cabe a quem as.escrevej. Pode com ella
Por a n appafece aanbena como elemen
to de aecusaco o epitapalSque o R. man-
dn gravar no turnlo da sua esposa :
Aqui faz D. ChnMt piidt Gurntres
Vieira de Castro/^^Ebeett em 9 de mato
de 1870. Cbega isto a Mr un argumento I
Foge a rasSo espavorida dilate deste acervo
de cruezas.
Entrames no estudo da parle vital da
questao. De joelhos me pedio o R., qqe
poupasse a memoria de quem morreu, qoe
be nlo despedacasse a elle o coracao, de-
morando-me sobre a aoalyse do facto, que
foi origem da sua inmensa desgraca.
Deus sabe quanto eu Ihe ped me inspi-
rasse, sobretodo paroste momento, ve-
lando sobre a minha palavra. afim de que
ella nao faltasse ao respeito davido aos
morios, nem de longe fosse aggravar a si
tuac3o dolorosissiroa do infeliz, que defendo.
AHi (apuntando para o R.), digan o qae
quizerem, ha tima semibilidade extraordina-
ria, ba um grandissimo respeito pOT essa
memo'ia', h) urna grandsima dor, h* urna
immensa saudade.
{,0 orador datra signaestk estar fatigado )
/. Se o alvogado carece dealguos mo
mentes de deKaaso, o tribunal nao tem de
certo duvida em iVos concedsr.
(Pausa.)
O orador :: Prostam-me as impressjas
e os seniinentos nafuraes n'umt dtscusso
dosta ordam: Son vencido* por Mes, n5o
pelo traba!! da dernai, .
Lineemos mi rpidamente daquella carta
qi est no processo. Pala saa poc5o, o
advogado da parte declara qoe naa deve
acreditar nella ? registenv e>ta dectaancao.
Ontaislerio puWtao, pelo- eoolrario, caofes-
sa qoe ela do ponbo a qie lodos a atlri-
Ibuemv e s jiretnde invsdar as coase-
jquenctas que a defeza-d'alli' deriva.
Urna s phrase me bastar de guanta o
amor prohibido larroo nesse- documeuR):
Soffro- lrirrivehne&e quand'pemo que m
urna rea
nao ee FF; "T"'' r conw-li sba por amor .da honra, annunciava o assim, fosse,. se o a. perdoava a curp es-
mas, Pr.Wenrt todos bs consu > m(nQ da SQa dor> e9te ou^ tranhaj Se escrevia, em lettras_doaradas-se
E depoja, Srs. jurados,, qaando todOj
assim, fosse,. se o *. perdoava a culpa es-
mia e dissipava as legitimas, era miara!
qae das suas dissipaces enstissem tactos e
memorias. Onde existem ?
(Bausa.) ...
Ainda nao estou a meio do meu camiono
Srs. jurados, e sinto a minha saude perdi-
da, e as niinhas torcas prostradas; com-
tudo necessario proseguir.
Sab-e oscapitutos de accusac3o ja reba-
tios, sobre estesnegroi alicwcea, appara-
J v -------------
verdadeiro motivo
foi a causa da sua loocura, e esta foi depois
a causa do S6U delicio.
Nao Srs. jurados I Nunca I O homem que,
no zlo do seu dever, o meu nobre collega
descrevo neste papal e desenhoQ na aecu-
sacao, nao aqaelle que alli est sentado.
O bomem, gue a inteligencia do patrono da
parte aqai ligaron, nS Jos Cardoso
Vieira de Castro.
FOLHtTilH
4 vivv sBPes BE mu
POB
Xavier de Montpin. :^_
perdSo, baria tambem perdoado a colpa* qoe
o feria, se na apreciadlo della estivesse a
sangue fri e no aso da rasao.
Ah ficam essas pagims. Na sincertdade
com que elle as estreveu, v-:e a pureza
das snas inteacoss. A alma assim inclinada
aperdoarscondemBase arasolh^fallece,
e ha t re vas onde antes foi luz. .
Ahi 'ficam as saas paginas. Outras se
tm podtrios ter engentado
Neste grito de dar revela-se qne tadh-
quanto havia de mai caro e demait santo.
tade* se deva contra e-voto Tpresso da
consaiencia.
Nesse gnle de dor est deseripta a si-
toacSo borriael'da qiieaabaveoaVcooeedido
tanto pensa qoe pede ter sido victima de
um engaa f
1 Examinar bem, Srs. arados, essas pa-
lavras, cuja analye n3edeve reterme nm
iastante. V>1e bem a rma e o- sentido
desta axcUmafao. Na se diz:: qaando
pens que t&viaa pes encaar, -i -nao ha
a possibibkoa- de emenfiar o erra', ia-se :
Soffro horrivelmente qoaodo pense- qa tu
me poleriaauer eoganado'
Porque, me aVsvio eav Srs. iuradaa, em
demonstrar-vos a qae tandas pop eerto,
qaando tu m est aaooselhando a qae
passe por a8jarrapidara*ate?.Para a da facto. de mai est'dkoootfibnoal.
GertameB6e Sea. jarado,- ainda nao es-
queeestes a caria em qae- o seu aaator diz
qpaato baste- pava- dateamiaar a evidencia
oeste triste asaeoapto. 'Mfo dissinalo que
esta recusa na perde pera<*empre- na opi-
ata das pessone benrada-.
CartamsntavSre. jurado*.- nio esqueeestes
> saa cooaeawo ttfttaaamma aoaalho:
Reneco que fia-a Vieira de Castro a su-
prema afronta con bo ajoe o feri'joo sen-
timenlo maisv sagrado >. Gertamaate, Srs.
mfadosr nao aBqoecestes-o depoimaoto das
testemnabas^ aJoncara apaixonada de que
elle fallaran,, a dec aracao da naioreza e
alcance deskas- relatoes- f^as palo amigo
mais intimo daquelle que foi causa desta
catastropbe,. as vistan acatadas, escondidas,
a estada dos-dous.n'oaaquirto fachado por
dentro, ckaw!
Paro aqai. O R. ao seu interrogatorio
'ectaroa qye n5o se defenda etle proprio,
porque para se defeader precisava de acen-
sar. Tana^ym eu n quero laaf ar as ni-
nfeas acetttaijes sobre o tiimtito, queelle
retpeita.
Nest tribunal disse um testemunha,
respeitavei pela sua intelligoacia e pala sua
probidad* : O tt. matan por clone e s
por cierne, mas tenho a certeza de que ac-
certarilr atisfeito- a saa oond empalio se
acaso o C9nvea6sera da ianoceocia de sua
esposa.
Nobre rapraeeotante daministeEto" publi-
co I Demonstra'* esta iaodcens, e vos tam
bem advogado. da partel Desamar a.defe
za;-dai tioora daquell bomem essa gran-
de alegra dai-lhe ao coracSo a grandissima
dor^qaa^ lbe deveadvaVtir do sen erra, di-
monsirai'qae elle se enganou, demanstrai
que errou, e depois. ped, oh f- pedi, reqne-
rei tolas- as penas centra elle (Appkmso&)
iN5o I Jl grande offonsa fetia i honra de
s Cirdo?o Vieira de Castd (l
lidada.
Figurai agora, Srs. jurados, o estado de-
espirito de.'le infeliz, quando elle sentir
caliir-le de improviio sobre a eabeca o
peso de tamanho infortunio, seguido do cor
tejo qae usa acompaoha-lo, deide a idea
da familia perdida, ate a lmibrava do es
carneo social... Ipil podesse eu aar pala-
vras a cada urna das suas dores intensas,
phrases a cada um dos tormentos qae lbe
laceraram o oracao, discurso a todas as.
agonas Ja sua alma I Seriis tomados de
Qvencivl dor / Trerae o animo s da pen-
sar o que'loi toda essa tempestad^ que l
dentro no seu espirito a deshonra levaetoo,
a imaginaoao poderos) acrescentou, e a sen-
sibilidade extraordinaria ajndoo com o* fu-
rores e as Mucnras. da paixao.
Os que me outrs; os que tendes urna fa-
milia, que adoraos ; o^ que pmaes abov>
ra ; os ijue morreriei pela companheira de
vosso's das, se pwcso fosse ; os que vedes
nella a vossa felicMatie, a vo?sa Mea flxa,
a vossa luz, o objecto de todos os vossos
cuidados, de iodos o vos?os carinos, de
todos os vossos disveos, a vossa estrella,
a suprema inepiracSo da vossa vida ; vede
a horrenda sutaeJo doTf.;: dai-vos p r m
instante conleplac3o da- sua negra des-
graca lde Ja borrivel semenc;* arrojada
pela deshonra so*re o seu destino, escript
pela mao que elle beijava, c cbn''essai que
n3o ha dor qae se eqoipare a' esta, torca
que Ihe resista, cor-avo que afiO' se lbe do-
Sbre, razio que nSo-se desvie e se'aao perca
do seo cammho.
Tudo perdido Perdida a alegra f Per
dWa a esperaoca f Perdido oTuairo-f Per-
dida a honrar Perdida para serapr* a es-
posa que elle adorava.e^elleesfreroeeia!
Tuda perdido*F (Applaosea)
E como elle aamava f Depoique me
caseir dlzia-me oo sea careare, nunaa-mais
honve para miro moiher qe igiiMasse'me-
tade cS perfeicoa da minil; nem active
sentimonto, amor, paix3o, ia, que bSo
fosse par ella e para ella I >
Desgrarado
Triste latalidade te acompsahoo neste
amor! Desde ospr+meiros lempos do teu
iconsercior como qoe afi>rtUna coroecou pw
ii a desandar, at qu> veio a abrir logar ao
errivel epitogo, causada toa dasdita, das-
taas dores a das toas Bagrimas!'
E' em freate deste ialeliz, horrendo, es-
eorecid > estado de espirito, qae o ministe-
rio publico, qne a accuaaeSo partreolar ac-
o R de' haver mora a esposa, corn-
consUte no designio matado^refleclido, aj-
eniado e formado antas da aefao d intentar
contra a vida de D. GUodtaa Adelaida C>
mar5e?. E ainda este ante em al:
paisas interpretado meaos, rotricianante
do qoe entre eos. Segando o eoa| I do
Brasil, o designio dera antecipar-se aa de-
udo o lempo de vinte a qaatro horas.
Mas o crime, a premeditacSo calposa,
aggravaote, de que se vos falla, suppe a
reflexao, snppde o designio; a 8|mpotao3o,_
suppe que o ageste conhece a existencia
do dever qoe vai ferir, compreheade, labe
que o facto que vai praticar infringe esse
dever, emfim suppe Btelligencia e a li-
berdade no agente.
Que era Ceito da me- do R ? que era
fetto do seu livre alvedrio, aesses da de
horrorosa memoria, das de fatalidade, cuia
historia aqui temos ouvido com magua pro-
funda f
Na razio d) R- existia urna rJa lixa qoe
o dominara e venca, a idea fixt en que
ella se perda, a idea do sen amor rabido I
Ita sua sensibilidade havia urna patlSo,
que o senlimento vigorava, que robustei^
a par*3o da sua honra offeudida I
Ta sua" imagoacao appareeia, reappareta,.
consenava-se, persista urna s imagen)- a
imagom1 do seu infortunio; ejoe eila dea-*
nhava cada vez maie terrivel a medonboaT
Na sua fiberdade, na su vorade...-
;Em taes rindiQes nao ba liaerdade nem'
vontad". (.^pplausos.)
Asseveram-me que to tere? neta de de-
monstrar o estado de espihto enf qne a
deezi se baseia.
O mais procedente de todos o argumen-
tos, a mais coDclodehle de todas ae provas
em favor de Vieira de Castro./ese,- supe-
rior a todas as dovidas, no 'conbacimaato
da soa eompleicab espiritual e sensrvel', no
effeitc-facil do cilcnlar, que sobre elle a-
via predozr o ctame, .qoatido ntatiwaa>
pela certeza da desboara I
O amor, a colera, a dor, paix3o, ode*-
lirio, reunidos em tooeelho dentro da'ums
espirito t* Em laes ercomsiaacias, Sr. ju-
rados, nieto, nao pode haver crime r NaV
ha, n3o pide baver a premediacSo de que
argem o R.
Agora, Srs. jurado-, chamo ay vossa at*-
tenc3o paraba natureza" efeitoe-tJociuoM^
qnaes os daserevem os- tratadistas^ qoe vou.,
lar. Nao a-minha, maaa sua voaaatrisa--.
ida deve coeveacer-vo.-
i Diz Esquirol:
O hornera coj* dalirta tempor prin
otaio a paisao-ealtada,.nosent now. V^.
aietlendo o ertase com a-rircomstaneia ag- 00e, mas estas impressSes n30 ebegam ao
gravante da prameditacae. I oentroda seasibilidade oespiriio aaoreage
B^k) contrario a defeza allega
tristws'mo acoatacimenlo Je den
iU iateiramente privado d uso da razo,
pelo profundo desgost> dse ver trahido,
o peta sentimeato exagerad da sua honra
oiSindida. .
Accaiio os fados em sk como consSam do
processo e aqui foram retatdos-- pete mi-
nisterio publico. Seria inuli referi-fos se-
gunda ver, serio doloroso faaer passatves-
tas-tristes memorias perante o coracao da
Si. A confisse de Jos Cardoso Vieira
de Castro foram eplicitas. S importa ave-
riguar qoal a eapiicagao mais verosmil,'
a origeiomais oataral desses fados, maie
a harmona coro as condices orgaaica
do-lU aqoi demoaslradas pelas testomu-
nbaa-aw-a evidencia!
Respoodei-me, Srs. jurados!
Podemos licitamente descanhecer para
oste jo^amento a excepcional orgaalsecaO
de Jos Cardoso Vieira de Castro ?
Podamos esqeeeer licitamente a sua ima
ginacSo poderoetesiraa, forca plasti ;a sera-
limites, que devia.avivar inferaalmenta os
terrores do R., abollando e eaaegresendo
cada vez mais com o lempo oa horrores da
tremenda sitoac|o 1*
cjee este ^^n ellas. O- homem apakonaa parten-.
estando o -w 4 ^^ qw 0 aDservo, que ft-amsta,
rjjpe o colloe3>6ra de si;: f\iio qoe 3o
perteace sanie das idea, das afTeffjes qoe
earacterisan asna pcelo, emite para
elle ; ao paseo* qa todo a que Iba- pro-
hibido est de coatmue presente aoeeu es-
pirita. Aqu, a paixaodonina a rarfd, mo-
difica as ideas, provoca as determina-
E o aDtor contina asaewando,- que de
tedas as paroiee, o amor a a rellmmo s3o
aa que leen sobre o bonam.. ums.imperio
arats absolata-e mais-gema, por iese que
actaam aimulteoeameate sabr o espirito e
sobre a cornao.
Iescureteeereve, anoagioas 169>do tom>.
'L da sua Medicina 3a Patdt*, 0. se-
gatate:
Feliz om infeliz,, a amor complica se-
is on monos com o cime; senlimento
exclusivo, qoe envenena muita vezes a af-
flaic3o a qaas devita servir ao alimento.
* Natural no cora?So do seragem, como
ao do homem clviaaado, o ciusae segu to-
tas as.pbaees do amor,, e como elle.^ mo-
dificare segundo oeacler do*- indtv^uos,
rtfUu&oSo
Podemos licitameite por de parte a, su que o sentem.
sensibiUdade extraordiaarr,'.dwla, depai Q
O A
part: terceto a
A IrfflMBtt BE
(CxitiauacSo don
XL1V
Ma qnlnta
Lazare, disse o aarquei em voz mu-
'to'M, mas que nSo obaUnte chagou
ouvidos do preboste. NSo^
convm este sitio ?.
i;
aos
acbas que nos
At parece
replicou Lauras
As ao'
Maixent; o
bir a dar
despropsito,
s, prosegaio Saint
essa bao A a^
taes i:aHMa
abobada de cas-
itraro.
po ? balbuciou o cria-
aegpro, que denoteva
prmeiro qoe tudo ap-
ali;a con cra de
roabo
lm^ o perpetrado-
vamos.paraClermont
ima-
Palerma I
Saiat-IAuW-e Lzaro voltarara para traz
e nao tardn em se perder ao longe o ruido
dos seus passos.
Diooizio Robustel, com o semblante cheio
de alegria por baixo das largas abas do
chapeo dealdeo, sabio do seu escondrijo,
saltou outra vez pelo muro, encaminbouse
para um bosquezinho onde tinha deixado o
cavallo, e voltou Clermont.
Apeiou-s em casa dogovernador civil.
Seahor, disse elle, amanha noute
ha de verificar-.se o crime. 0 que tem suc-
ceddo isto.
E contou o que acabava. de se passar.
Parfeitamente! replicn ogovernador
civil depois de ter ouvido Dionizio; vou
mandar prender qnanto antes o marquez de
Sainl-Maixent.
Peco-Ibe que n3o faca tal, senbor,
bradou o preboste.
Como! quer deixar probabilidades de
bon exi > ao mais infame crime qoe se tem
imagDaflo ?
uero ajuobar o criminoso em lia-
grante delido; de modo que seja mpossivel
qualqoer negativa da sua parte.
tas... e se chegar urde da mais ?
Eu respondo por tudo. Sou bomem
honrado. Pois bam; se se mallograr a
miona tentativa, conaioto era entregar a a-
bacaaoverdu 5o reclamar*, porque
ser morte.marcida...
- Roto^eji assim, ^confio W na.or;
faaqnj lbe. parecer
se irrepender.
rjjgsej^ ii
conde
de tocada por tamanho infortanio, de va
irromper tomullosos, enrgicos, frvidos os-
seotimentos maie encontrados,, tornaado-o
vitirma de nma Iota, contra a qual-exsi-
ram, n3o podiam existir torcas no sea-i es-
DfitO? ...-*
Podamos licitamente olvidar os tete* de
[qm elle rodeava a esposa pelo.minino mo-
tivo ?
Dizei me ; se o nais.teve posto, a mais
indifferente aecao de sna esposa o eocadea-
va, prenda e sobjagava, origmando ciomes
sobre ciums, de qae natureza de*ia ser a
tempestad, a tormenta qpa o combatea e
futainou perante a rmmensa catastropbe
que para sempre o perdea ?-
Em taes ireomstancias admissivel o
crime; a premeditaco com. a aatureza, as
cores o os effeilos qu Ihe d a aecusa-
cao ?
Para a noss hypotbese a premeditacSo
estimule qoe os evita a mu'.ti^icar cuida-
dos e temara para.captivaro ohjecto am*-
do ; n ouiros urna paixao soaaria^ feroz,
que roeba ao qae d'ella esl"DO?sui4o, ate
os ltimos ciares- da raslo; emfim, para
muitisaifflos horneas, f*lsos^ mas desespera-
dos de se vereca esquecidos pela molber
que >3o amaro, este senlimento redaz-se ao
arooc proprio liumilhado. A ar- tan,
tyranBo ou eicravu o ciement {ncnlerja-
se alom de todos bs limites: ou suppliea
sen dignidad As soppositoes mais es-
Uraobas agitam-lbe qna. sempre o cerebro
doente : d^est^ modo pira elle, nao ha re-
pens : as sospciias, o reeeios, parse-
gnem-o at; em.sonhoi. Ha nos seus ges-
f les, na ..featiirude, no seu olhar priocjpal-
men'e algnma chusa, da. sioisiro, que ins-
pira o temor, e que daatroo toda a lympi-
tia petos soffrimentaa que padece.
=
era melbor esperar ?
sei...
ler.
ja de mim algn
Agora mesmo. Tenciono partir esta
noite pira a Quinta do Ydu,
Von servi-lo.
Poucos minutos depois, despedio-se Dio-
n'zia do governador civil, levando eomsigo
a carta que deseja va.
Por votta das duas horas da madrugada
poz-se i caminno com qualro ageatee eie
e animosos, porqae quera chegar ao ama-
nhecer, sem qne a saa presenca fosse, no-
tada.
Deixoa os agentes no bosquezinho onde
no dia antecedente havia occoltado o cvallo,
e foi bater porta do palacio.
Eolregoe esta carta ao Sr. conde, dis-
se ao criado que o recebe, e diga-lhe que
a portador espera as toas ordens.
Auoibal rasgou o sobrescripto, sellado em
lacre vermelho cora as armas -da Aoveaia,
e, no pouco admirado, ten as aeguiates
inhas:
i Sr. conde.Sup'co lbe que conceda
rabsoluta coniauc, sam Bmltes nem restric-
c8S, ao honrado homem que Iba entregara
est? cria. Acredite-em toda que elle Ihe
disser ; faca cegamente o que elle acoase-
mar. Trata-se da sua vida e da da condes-
sa de Rabn.
Sagaiam-se as wrtbalas de respeitosa cor-
teria, e assiguava o governador civil;'
Est ahi a pessoa que trooxe, Isla?
perguntou Annibal com viveza.
asta, sim, Sr. ende.
Mande o entrar, aqoi o espero,
'alli pouco deboxou-se nobumbralda
a a ^fijufa enplFtigada e angulosa do
, sempre disfarcado de aldeio.
soldado fax a continencia mi-
"Sabft o con leu lo
guntou o
desta
s*
Mi
lanatei
dados do marecbalato, para ter a honra e a
fsatiafacSo de seavir o Sr-. conde, se n'algu-
ma cousa for possivel.
Acompanhou estas palavras outra conti-
nencia militar.
Pois bem, preboste, esteu disposto a
conceder-lbe a minha confianza, prosegoio
Annibal. Que tem a dizer^me ?
Teaho a dizer-lhe;' Sr. conde, que
esta noute bao de assassina-lo ao seobor e
Sra. coodessa.
O Sr. de Rabn fez um brusco moviman-
to de assbmbro.
Assassiaar-me r!. repatio elle ; que
du?
A aerdade pura.
Devo acraita-lo t
Dou-lbe de^conselbo que sin, no seu
proprio interesse, Sr. conde ; porque, do
contrario, eo nada podara responder.
Mas cano qae sabe...
Ha tres das qae estoa espiando o aa*
sassino. latrodoiioee bontem no parque
desta quinta com o seo conphce, para esco-
Iber o sitio conveniente. Eo linba entrado
prinairo do que ellas, e o o vi o que disse
ram.
E sabe o nome do assatetao *
Sei, sim, Sr. conde.
Cono se chamad
O marquez da Saint-MiixenL
O Sr. de Rhoo fez-se mais paludo do
qae un cadver, a levanten as mSoa e oa
olbos para o cao.
Saint-Maixent, balbuc oa.. Eltel alte..
Oh! meu Daos I
Bem sei, eootiauoo Diooizio, que lbe
paga bem mal o trabalho qoe o Sr.
te ve em fazer com q
^^^BnmT
boorada do "
assim as
(oniintHtr~88*ha.)
Mas, proseguio Annibal com affligi-
dra enlonaco, qae interesse o arrasta, qne
intuito o impelle a eommetter esse infame
crime ?
Como I pois nio adevinha, Sr. conde ?
Von dizer-lh'o qoem o impelle a $ra.
marqueza de Chavigny, que se diz sna es-
pora, e deseja enviuvar.
Tambem ella murmnrou o Sr. de
Rahon. Vamos, o plano completo !
Doraste alguns nrnutos. conervoo-se'
Annibal silencioso, coro a testa enrugada, o
olhar sombro e inclinaos a eabeca sob o
peso dos tristes pensamientos que o acoca-
vam.
-* Qae he de faxer? pergantou depois
com vob lenta.
N3o alterar em nada os seus costumes,
respondeu Diooizio. Costuma passeiar de
noute pelo parque com a Sra. coodessa ?
Costoso
Pois bam, esta sonta faea o mesmo,
cono se.aada sou bes se.
Mas nlo havera perigo ?
j Tem mdo f
Por mim, nao, Deus o sabe I Mas e-
nbo pela coodessa.
A Sra. coodessa nada tem a receiar ;
o perigo nlo existir, perqae eu estarei
com os meus.
Que bomens.
Quatro ageotes do governador civil, todos
robustos e decididos como apurados para o
caso.
Onde esto ? "
Aqui maito perto, e pedirai licenea ao
Sr. conde paira os intr anella do
cmplice se introduzlram o
pera um quartro de hora, offeij
braco a Sra, condessa. e siga
mente por esta alameda onde ee^j
respondo pelo mais.
Assim^^^fl
nienxri
acerfi
,+
1
r
:
ri
mingos, um anl'tgossnidor, que possa toda
a minha conGanca, Ibes levar da comer.
Nao' Ihe parece, que seria bom nSo dizer
nada condessa do qoe vai sneceder esta
noute ?
Nao me atrev a acoaselwr ao Sr.
conde; mas pprovo-
Estas ultimas palavras foram trocadas,
em quanto Annibal e o preboste se ancami-
nhavam para a janella do parqar>, segurado,
por orna alameda que davam. sombraMMaa
fileiras de giganteas aore e, que atravas-
sava o parque em toda a sua longitude.if
E' este o -sitio escomido pelos assaasi-
nos. disse o preboste- parando ao pf da
moita, onde no dia anterior se .tintan oecul-
tado. Consente, Sr. conde, que Ihe indique
o carainho que deve seguir, e que, segundo
me parece, dar infallive) resaltado t
Supplico-lh'o.
Aqoi ouvem-sa de noute o gritos das
corujas ?
Nunca.
A's mil maravillas. Pois bem, boje,
nal que anoutecer, plaste um pouco de
atteoeo e ouvir doa gritos de coraja,
pare o avisar da qne Saiat>^fMfi> t>.,u


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E6MWJGFOX_U16DK6 INGEST_TIME 2013-09-19T20:51:51Z PACKAGE AA00011611_13068
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES