Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:13062


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AMO XLVII. HUMERO 13
**
K
i
. *
;*
V
>'
|V

* .
rv
LCAKS OIDE UO SE PAGA *
Tortim armo
fcdaaLannH
a1,
jsj
OE JANEIRO DE 1871
ftO I Mil DA PB07IICIA.
Os Srs. Gerardo Antonio Alves & FHhos, no Para ; Gongalves 4 Pinto
Pereira d'Almeida, em Mamangaape; An
', .'."Sil
0 Manoel Figueifta de Faria & Flhog.
I
SAO A4JEMTKI
Am Nazareth ; Aotonio Ferreira de A
s do OHvein, no Cetra" ; Aataifojb Lomos Braja, no Araoaty ; Jlo Mara Jolio Charos, no Ass ; Antonio Marqoes da Sra, no Natal; Jos
Lima, na Parahyba ; Antonio Jos Gomos, na Via da Penha; Belarmino dos Sontos Baldo, em Santo AntSo; Domingos Jos da Costa Braga,
i em Goyanna; Fraacin Tavarw da Costa, em Alagoas j>. Jos Mantas Alvos, na Babia ; Jos Ribeiro Oasftrinbo no Ro de
PArtfneiAL
=S=
GoTerao i
DO UM 1- DK JANEIRO DI 1871.
EXPEOIK.1TE
Acio :
O presidente di provincia, de conformidade
cora o disposto no. art. 37 do repulaniento n. 738
d 95 do novemhro de 1850, rcolve nomear se-
crelario do iribunal do commercio o depatado do
rrsmo, Antonio Gome? de Miranda Leal que ser-
vira duraoio o lempo do sua eleigio.
Communicau-se ao respectivo presidenio.
fBclos :
= Ao Exm. presidente da Parahyba, remetien-
do, era virlude de sna reqoisicis quatro tubo* ca-
peares, e austro paree de laminas com fluido vac-
cinieo. -
Ao general eootmandante das armas, trans-
miltimlo copia do aviso de 9 de dezembro ultimo,
era que o Exm. Sr. .miuistro da guerra reeommea-
di providencias, noasentido de nao se reproducir o
abo de serem rtmettldos das provincias, como
recrutas, individuos asenso* legalmenfe do exer-
citi, nao obstante esbibirem seus ttulos de bai-
xa.Idnticos ao Dr chefe de polica e coinman
dante do crpo de pelicia.
A) provedir da Sania Casa de Misericordia,
remetiendo, em virlude di sea pedido, um involu-
cro, cometido quatro tubos canillaras e quatro pa-
res de laminas com II li lo vaccnico, am dejer
applicado as educandas do cojlegio das-orphjias.
sr"'i Dr. chfe de polica, ditendo que, loiei-
radrtde quinto partocipou, relativamente aos dis-
turbios que itvera-n lagar no districto do Al inho
entre petaos* do povo e pracas da destacamento
volante do alto serto. informe qne providencias
e^pedio, e d o sen parecer a respelo do que ex-
poe o capitao eommandanie do destacamento cin-
tra subdelegado daquelle districto.
Ao promotor publico da comarca de Caruaru
recommeudou se que, transportndose ae mencio-
nado districto, requerir as diligencias precisas ao
conheci ment da verdade, qaanto aos disturbios
havidus entre os soldados e pessoas do povo, e
promova o processo crirae contra os culpados,
dando unta do resultado.
Ao mestno, enviando um eovolucre, eonten-
do quatro latios cap liare-, e quatro pares de la-
minas com fljido vaccinieo, que sollieitou para
sor applicado aos indigentes accoraraetdos da va-
rila no termo d'Agua preta.
Ao iospsetor da thesouraria de fazeoda, re-
metiendo copia do aviso de 88 de dezambro ulti-
mo, em que o Exm. Sr. ministro da guerra deter-
mina, pelos iiKli vos consta ales do mesmo aviso,
nao sejam altendidas pela presidencia as reclama-
cues tendentes ao pagamento do premio de...
3004000, qne forem dirigidas por ex-voluntarios
4 patria, qae apreeotarera escasas paseadas na
provincia de Malto-Grosso.
Ao BMuao, eomnranicando que, sganlo
< insta de aviso do ministerio da justica de 30 de
dezembro dad fui sollieilado o da fazenda para
habilitar essa ibesouraria com a quantia de 300*,
afira de occorrer ao pagamento da ajada de casto,
arbitrada para transpone e estsbelecimento do ba-
cbarel Candido Alves Machado, juiz municipal no-
meado para o termo de Forminas, na provincia de
Minaf-Geraes.
Ao mesmo, transrailtindo, para os devidos
i le i tos, oito exemplares impressos "do decreto n.
':6i4, de 14 de dezembro paseado, ampliando as
ailribuicdes dos presidentes de provincias e ins-
pectores das theiourarias, na solucao de negocios
a cargo do ministerio da fazenda.
Ao mesmo, enviando, para os Has conve-
nientes, seis ordens, sendo cinco do the*ouro na-
cional 808 ng. 258 S6J, e urna do aiiai guerra, .datada de 2 do correte.
Ao mesmo para que, era cumprimento do
aviso do ministerio da mariha de 4 de dezem-
bro ultimo, informe com t possivel brevidade se
ja foram tomadas as eontas do official de Uzeada
da corapanhia de aprendizss martoheiros desta
provincia, relalivos aos exercicios de 1868-1869 e
18691870, eno caso afirmativo quaes os alcan-
ces reconhecidos, o so estes esli ou nao pagos.
Por essa thesouraria mandou-se pagar :
A' Joao Bsplista dos Guimares Peixoto os ven-
cimenlos relativos aos mezes de outubro dezem-
bro do aano passado, do lente commandaote do
destacamento de guardas uacionaes existentes na
villa de Garantaos.
A' pessoa competente, a importancia dos
vencimentos,. correspondentes ao trimestre de ou-
tubro dezembro do anno findo, dos cornetas,
clarins- e tambores, empregados nos corpos da
gurrda nacional desle municipio.
Expediram-se a necessarias communcacoes.
Ao iuspector da tnesouraaia provincial, man-
dando por em hosta publica o 1* lan^i da estrada
de Trombelas Capoelras, servindo de base as
clausulas e ornamento, juntos por copia, na. ira
portancia de 20:790*.
Communicou-se ao chefe das obras publicas.
Ao mesmo para pagar ao propietario Fran-
cisco Aria Campo-bello a quantia de 75*, relati-
va ao aluguel vencido no trimestre de outubro
dezembro do aouo passado, da oasa qae serve de
cadeia oo tera-o da Escada, atteodendo ao mesmo
tempo a reelaradejio que faz o Ur. chefe de poli-
ca, quanto a serem realisados pela collectoria
daquelle municipio os pagamentos futuros de se-
melhaafe aluguel.
Intairou-ae ao chefe.
Ao inspector do arsenal de marioha, para
ha del* 'de dezembro ultimo, faca construir
n'esM arsenal viole e quatm escaleres para o ser-
vico dos navios da armada com as demeosdes de-
claradas na nota jauta por copia, corto de que
taes escaleres serao remanidos a corte a propor-
cio qo se forem acabttdb, para o que oppor-
tuoamente so expedirlo as convenientes or-
den*,
Ao mesmo, reeoraraeudando que preste as
ioformacSes, exigidas pelo Exm. Sr. ministro da
raarinha, em aviso de 31 di) dezembro ultimo, ro-
tativamente a conveniencia de haver aqu as na-
vio para servir de qaartel a companhia de apren-
dizes marioheiros.
Idnticos mulata muUmd ao capitao do
porta
Ao director geral interino da iastrucclo pu-
blica, designando a professora publica da 2a ca-
rtuira da fregueiia de Santo Antonio desta cidade,
Therjia Jesephma di Caoba Salle, para examinar
m onrai de agulha as coeeorrentes ao extme de
Itabiliucjo 4 qae se vi proceder.
~ Ao eemsflajsjsjai| risr da
cional do -
Ao ro-nmandaote do corpo de pollsia, anlo-
ri-and i o engajamento dos paisanos Jos Maris
Ribeiro e Tertuliano de Souza Paeeco, se forem
idneos.
Ao engenheiro encarregados das obras mili-
tares, determinando que mando execntar de era-'
formidade com o re-pectiso orcamento, os eoncer-
tos de i|ue precisa a coberta do quario em que se
guardam s pilanwntar uo f.ia ue P- Ama^sMMr
visto que em aviso do ministerio da guerra de 30
de dezembro ultimo, foi autorisada essa dtospeza
na importancia de 197*660.
Communicou-se a inesouraria de fazenda.
Ao mesmo, dizendo que pira poder a nrtSK
Ldoncia salisfazer a exigencia, contida em avi ministerio da guerra de 29 de dezembro rindo, re-
meta com urgeocia a planta do qofftel de arti-
Iharia, sito ra do Bom Sjccesso da cidade d-
Olinda, acomp'nhada da discripflo de soa coos-
truccao, e do estado de ruina em que actualmente
se acha, fimanio ao mesmo lempo se esse edi
flcio proprio nacional, e se cwivem u nao repa-
ra lo para aquarlelar tropa, enviando no caso af-
flrmativo o respectivo orcamento.
Ao juiz municipal da 1* vara deMa cidade,
transmudlo urna guia, que remetteu o general
commandaote das armas, para verificar se o sen-
tenciado ioaquim Silverio, de que trata o seu offl-
cio de 30 dezembro ultimo.
A o jaiz municipal do termo de Goysnna, re-
metiendo-para o* devidos fias, copia do decreto,
pelo qual foi commulaa em um niez de pritao
simples e huilla correspondente a melado do lem-
po, a pena'de dous meze* de prisio, que, por cri-
me do ti arias verbaes, foi imposta a Abdome Go-
mes Ciroeiro.
Despachos:
AniooiaXana Magdalena.Informe o.Sr. Dr.
chefe de polica.
Antonio Goncaives de Oliveira Ap Sr. ins-
pector da thosouraria provincial para infor-
mar.
Horacio de Guarni CoeJho.Joforme o Sr. ins-
pector da thesouraria de fazeoda.
Jo- da Silva Loyo, BellaroMoo do Reg Barros,
Francisco Ferreira Bailar e Jos Joaquina Aotu-
nes.Informe o Sr. inspector da thesouraria de
fazenda.
Raymuodo Felippe de Santiago Braganca.Ia-
forme o-Sr. capitao do Pofe.
Ulysses Cochlco Cavalcante da Mello.Informe o
Sr. inspector da thesouraria provincial.
Vicente d'Aununciaco. J provideneiou-se a
respeito da soslentagao do suppltcaole, que so
tem direito s diarias pelos cofres gerae< at 7 de
aovembro ultimo, conforme as infonoaeoee.
Vicente Machado Freir Pereira da Silva.In-
forme o Sr. inspector da thesouraria provin-
cial.
iJTERM.
PAR V.
BELM, 8 DE JANEIRO DE 1871.
. O Sr. Dr. Porlella.
No paquete americanj South America, hoolem
ancorado em oosso porto, chegou o Exm. Sr. Dr.
Joaquina Pires Machado Porlella, presidente no-
meado para esta provincia. Saa Exc. fot visitado
a bordo por mnitos cavalheiros distioctos, e muitos
ootros o esperaram oa ponte da guardamoria, on-
de o.curaprimemaram.
Grande numero de cidadaos alm listo, de todas
as classes, al o foram. saudar em seu deiembar
que, que foi muito concorrido. E' que o bom no-
mo de S. Exc, a fama de suas grandes virtudes
cvicas o precederam, e incitaram em todos o de-
sejo de conhec3rlo pessoalmente.
Certo, anda ninguem mereceu raelhor n respei-
to e a eslima de seus concidadaos. Polilieo de
ideas assentadas, mas sera exageradlo, tao Ilus-
trado como modesto, o distincto cidado, rjue aca-
ba de ser ooraeado presidente desta provincia,
rene ainda um senlimento de justica rauit pro-
nuociado, que Ihe tem particularmente graogea
do o conceito, da que oralmente gosa um soa
provincia, como a eonfianQa do goverao imperial
Se a confiaoga que pela segunda vez mereceu
ao governo imperial, muito deve penhorar S.
Exc, nos enche a nos de justo orgulho o esforcj
empregado pelo gabinete de 23 de setembro para
conseguir de S. Exc. o sacrificio de acceitar a pre-
sidencia desta provincia. E' que a provincia do
Para j comeca a ser olhada pelo governo imperial
com o criterio conveniente aos altos destinos que
Ihe prepara Providencia.
Fos.e semprc So escrupuloso o governo do im-
perador na escolha dos oossos presidentes, e o Pa-
ra seria j boje o otro : com os elementos naturaes
de progresso e desenvolvimento que possuimos,, jjeilgeranles, quera obteve em
estaramos boje rivalisaodo com as primeiras pro- "
vincias do imperio, se nao tivessemos tido muilas
vejes oceasiaode lutar centra a inaptidao de cor-
tos goveroadores, que, exagerando os defoitos de
nossa organisacao adminisiraliva, tem posto-o seo
esmero era pear o desenvolvimento de oosso com
mercio e industria.
Desde que, por tanto, nos cabe a felicidade de
registrar urna escolha como a do Sr. Machado
Portella, oosso dever, em qaanto nos congratu-
lamos cora os oossos coocidadaos, dirigir um voto
de reconhecimen o ao governo imperial pelo em-
penho que poz em acertar com um cidado to na
altura de dirigir os desliaos de urna grande pro-
vincia.
Felicitando a S. Exc. e sua Exma. familia, pela
feliz viajen, resta-nos noticiar aos oossos leitores
que S. Re. toraoo hontem posse da administraco
da provincia perante a cmara municipal, onde
presin a juramento do o.-tyio no mel de grande
concurso de cidadaos.
Em quanto, porra, auguramos urna boa admi-
nistraco a S. Exc. o Sr. Machado Portella, devo-
raos am cumprimento a S. Exc. o Sr. Siqueira
Mendes, pelo beta qae administron a provincia,
em qualidade de seu priroeiro vice-presidente.
Soa Exc deve estar orgulho?o de se Ihe ter pro-
porcionado mais ama occasio de prestar to neos
servicns sua provincia, que tambera a uossa e
qae todos desejamos florescente e prospera.
( Do Diario de Beln.)
informe
n. 44 de iafi
de qae trata
pela designacao do duque de Glocksbargo, h'-je
Chrislvano XtX, como successor do- rei de eoiaj.
Sob a f dessa ga/anlia e para neulralisar o
progresso de germanismo, o gaoinete de Cope-
nhague, om noVembro de 1863. lomou medidas
lendeotes a approximar o Schleswig das oulras
provincias de reino. A Prasaia aehou meto de
por esse facto tAItomanna i segunda ooer-
buiu iiS mu in
cionalidsde allcmii
marca, e que os scnaswig holsleineoeds revendi-
cavavam para se ^^lencia natural, o duqoe
de AngustemliiMHpSBdo a intervencao da pa-
tria allornaa.
A morle de Frederico VII, sr brevnda esse
lempo, pareca dever ar toda a fosea e vigor ao
tratado de Londres, ehe oessa previsao; mas a
Pru-sia recusou-se i isso, declarando que a falta
da assixnatura do representante da dieta de Franc-
fort nesse doenroeato importava a *oa nulida-
de, e qae de mais o duque de Glocksbargo nao
era o legitimo herdeiro da corda ducal.
A Allemanba eolio agitoa-se enormemente o a
Europa foi lestemunha das interminaveis .penden-
cias sobrevindae petas ambleSes da Prussia.
A exeeugo federal complelou-se no Holstein oo
comego de 18*4, e os prossanos oecuparam o
Schleswig comopeohor de soberana, e invadiram ponto delicado.
a Juihlandia, sea duvida como refeos do peohor.
Ofioaoceocias de Londres o Sr. de Biamark
linha-se a presentado como defensor dos direitos da
dieta gormaaican da f dos tratados. O candidato
por quem elle pngoava, de accordo com a Austria
e a dieta de FraneforLera o principe hereditario do
Schleswig-Hohtein-SanderbflrfO-AugastemboTgo,
como declarou-se no protdeotlo n. 0 da conferen-
cia.
Mas as opinies humanas mudara, e o Sr. do Bis-
mark den provas disso, descobriodo um novo can-
didato corda, um outro herdeiro legitimo da co-
ra ducal do Etna, oa pessoa do daque de Oldem-
iHHia
Oaando, porem, o rei da Dinamarca, Christiaoo
XIX, pela paz de Vienna de 30 de outubro de
1664, ceden dos seus diraos sobre o Seblaswig e
o Holstein as grandes potencias allemaes, o Sr. ds
Bismarkteve a simplieidude de declarar que era
com effeto o rei da Dinamarca o legitimo herdei-
ro da corda ducal.
As pretenedes da dieta de Francfort pelo duque
guarda na-
ra de que
Lbatllbio
ileaotq,
12 de
a gala,
em qae
motivo
recrata dema-
commeo-
ou na-
de Gastein,, de agosto de 186S, e a Austria e a
Prnssia reservaaam-se o direito de reguiarem en
tre si a sorte definitiva dos ducado!, que, pelas
ambicies de ambas as potencias allemaes. pare-,
ciara nao poderem constituir essa uoiao do Scli-
ieswg-HolstciD com que tinha sonhado a dieta de
Francfort.
Alguns mezes depols dessea acontecimentos e
Sr. de Bismark impedio formalmente ao duque de
Angdsterabnrgo a entrada no Hhlei, e mo.imiu-1
se despeitado contra a Austria, da quera tiniia (jat. o
w om instrumento de fliM1 IrtffldJ, Bm flm
"eocorporar osdueaflosnaPlsla, como foi des-
de logo corrrprovado com actos hosts Austria.
A habilidade do Sr. de Bismark conseguio iso-
lar a Austria e comprornelter o gabinete de Vien-
na, dando em conseqaencta a Ercpa o espectcu-
lo dessa campanba de (866 que ameacou o equi-
librio eoropeu.
Antes de Sadowa dizia-se que os tratados de
1815 nao tioham mais existencia inteira, e que era
preciso acabar com os seos restos ; a batalha
de 3 de jolito de 1866 eocarregoa se de destru-
los.
Aquesilo dos ducados do Elba liaba sido a
verdadeira causa da guerra eotre a Austria e a
Prussia; devia, pois, regalar essa questaoo traa-
do de Praga que pz termo Iota.
Nesse tratado reconheceu-se : a reuoiaode Ve-
neza Italia, a dissoluc,o da aotiga eenfederd^ao
germaoica, urna nova organisacao .da AJIemanha
sem i parlicipacao da Austria, e o urajelo de
urna uoilo federal ao norte da linha do Meno, sob
a direccao da Prussia ; o o imperador francisco
Jos declarou nelle que ceda dos direitos me Ihe
davam os tratados de Vieooa sobre os ducados do
Elba em favor da Prussia.
Eis os resultados da guerra de 1866. So a
Prussia Dcou desde eolio em campo disputaodo o
Schleswig Dinamarca.
Pelos tratados de Praga, porra, ella nao ficou
senhora absoluta do Schleswig; por qae o art. 5*
desse tratado estipulou que as poptlafles in Sch
lestcig do norte ficariam perlencenio Dinamarca,
se, por um voto livre, ellas manifestassem a von-
taie de se Ihe querer unir.
Essa condicao nao foi obra da Austria, nao ;
foi ama potencia estrangera que determinou sua
ioclusao no tratado ; foi a Franca quem a conse-
guio em prol do direito de oaciopalidade do Sch-
leswig ; foi a Franca, medianeira^ntre os estados
ielligerantes, quera a obteve em prol dos direitos
da Dinamarca.
O que fez entretant) o governo de Berln f
Prevaleceodose da omissl^ da data, para a ve-
taco do Schleswig, oo tratado de Praga, foi adian-
do sem praso certo a solucao dessa questao, foi
procrastinando a clausula 5* do tratado de Praga,
e anda hoje traz o Schleswig do norte esmagado
pela sua forja, e procura lodo transe gerraaoi-
sar o seu povo, que essencialmente scaodinavo.
A Dinamarca, nio obstante liso, nao descurou
de reclamar pelo seu direito, e as potencias signa-
tarias dos tratados de 18S2 e de 1866 tem recla-
mado tambera o cumprimento das clausulas que
se referem ao Schleswig, e este por seu lado tem
demonstrado o seu desejo de unir-se Dinamar-
ca, no proprio seto do parlamento prussiano, onde
so tem achado os deputados qae a Prussia obrl-
gou-o a eleger, os qaes se proounciaram franea-
meote pelos direitos concalcados de seus oommit-
tentes e pela nacionalidade do povo scaodinavo do
Schleswig.
A' ira vez dessa qnetlSo v-se bem desenliada a
m f da Prnssia, que, pugnando como diz, pelo
direito de nacionalidades, em cajo nome tem feito
suas conquistas desde 1866, nao re curva esse
mesmo direito qne ella preconisa s para si, e es-
tigma ti sa a liberdade da Dinamarca, segregando
da eommuohao scaodioava urna parle de seu
poo.
Urna prova disso a pressao com que a Prus-
sia procura iutroduzir a lingos e os coslomes al
o art. 5 db Irrtado de Praga, e assegurou qae se
a Dmamarea tivtsse acqateseido i base da neg-
caclo proposta pela Pruss'a, ba ds Hahia GjenoSr ao norte de Fleosburgo, a exe-
cucao do tratado seria j om faeto consummado.
Disie mais mis deixarsn discutir a questao de Doppel e Al-
ien.
Dui'pw mb Arieu *^|sws^vfEesirv HMrwfe-iio
abandono de urna parle doSchtesvvig i Allemanba
da Norle.
Nao, esse abandono a Dinamarca Dio quer-pra
ticar. Ella qner que o SeWeswig scaodinavo se'
proenome todo, por rseio 4esa votacio deque
falla o tratado de Praga, e esli no seu direito.
A discussao d'este negocio passoa da cmara
dioamarqueza para a prensa, e oeeopoo larga-
mente a alinelo publica. Entretanto a Prnssia
coninunu a procrastinar a clausula 5.a do tratado
de Praga, e, quando rsmperam As hostilidades
entre a Alleraanha e a Franei, promet*a i Dina-
marca solver a sua grande questao em troca da
soa neutralidade oa lula.
Por fin forma' quiz a Prussia dar o caobo de
am favor ao que seberamente era om dsver de
soa parte.
A questao do Schleiwig acht-se, pois, n'esse
E qnerer a Prnssia camprir essa saa promessa ?
f? rsideso ; tanto maisdnvidiso,qnaot> nio
leve valor par ella a elauslta 5.* do tratado de
Praga, qaaoto nao ten tido oenhum valor para
ella os seus compromissj3 de bonra.
Para a Prnssiaf dos tratados, honra e brio
polticaaada valem perauto a saa ambicio, pe-
raB4e-*seu srroganle direito de eooquista.
No tratado de paz cum a Fraoe.t, bem possivel
que.essa quostio do Schleswig teja resolvida con-
tra a Dinamarca ; mas, se o nao fr, a Dinamarca
nada deve esperar da poltica prnssiaoa, que bem
pode qoerer reduzi la pefcu armas a eeder-lhe
litivamenle os seas direitos ao ducado do
rartf.
vera talvea um meio de oppor ama barreira
Prussia as suas veleidades do conquista das
proviauias seandinavas. Esse meio era a forma-
cao de um grande imaetio scaodinavo, pela liga-
fio iotimt e profunis de todos os pavos d'essa
raea.
A Pruaaia e a Russia sera duvida se opponam
de Augustemburgo respondeu-se com a convenci essa poJilica, nimiamente necessaria ao equilibrio
arqoez, na sesaau ue o uo
rra denftjssionaiio explicou
tr*da, dizeodo d.Uffa parvo
eoccacao das Indias Occi-
Retr
(Continuara
DINA MARCA.
Ao comer
Geodia a alteAcio
_^Bad>
nava e
des a
do Bu Kamad
do Elba, o t fazia
coofederacio germanici. sendo como daque o re
da Dioamal^H^^HBie sempre tora scao-
dinavo, mas o a influencia germ-
nica.
O tratado de Londres, de 1831, assigoado pelas
grandes poteneias europeas, leve por tira evitar as
des prusianas na Dinamarca, garantindo-se
ooliei'solemoeineDla a inlegridade da monarchia
jsjssnraaaisjsaiii. e reguland) ae a successao real,
os depu
de
o modo por qu a cmara
tlr tres vetes saeeessivas
povo, que sempre foram re-
a prepotencia daPrasjia,e sem-
uvir a mesma liuguagem enrgica
i de data no tratado de Prsgs, omis-
ella so tem prevalecido, ai oda um
poltica capciosa do Sr. de Bismark, e
^Haja-a m l da Prussia a a sua
do Schleswig, legado dol iroso de
i ainda no prximo Bndo a maxi-
[a Dinamarca, onde trouxe os nimos
^^^rco e prlocipos de abril, ella oe-
do rigsiag da Diaaraarca, quan-
tia o orcamento &a marinha, visto
Eiiidos pelo governo e desuna-
o de defeza da capital e aug-
mento da esquadra,demonsiraram os recatos de um
ataque por parte da Prussia, cujos vasos de guer-
ra encouracados itispravam serias apprehensftes
Dinamarca.
Um Jornal oficial de Berln aecusou a Dinamar-
ca de, com esees roeeios, naerer provocar asa
guerra avopa para torear ai PM*J|^^^B
eoropeu ; mas um congresso das graodes poleo
eiaa podara resolver esse probloma vital para a
attonoraia da candnavis.
Se a Dinamarca se. ocenp u no anno (Indo com
aaua magna questao do Schleswig, prestaodo-lhe
urna attencio cuidadosa ; nao se descuidon tara-
besa de proseguir na scena de liberdade qae irilha
deae alguns anaos, e, na sua poltica interna, um
motimeoto sempre auspicioso foi um iodiois seguro
de que os inamarquexes se querem conservar ao
Vl''"' r'''''HKsMtfisjMssti ~ ifci
Km abril o mrnistSaWfi^Berquei s.dreu urna
modifleacio com a retirada7s Sr. Baasloff, minis-
tro da guerra, ficaodo ^Incumbido ioierioamnie
d'essa pasta o presidente do-conselho, o Sr. Fryjs
No volktJime dioamsrqwc, na sesaao deJfcSMI
mal* o ministro da guerra
os motivos da sua rt-tt
acliva qae lomara na negociacao
denteos cem o governo dos Estados-Unidos, e a
sua declaracio previa ao presidente do conselho
qaer se retirara do poder, caso <> tratado nao
fosse ratlieado pela Unl Americana, levaram-
o'o a dar esse passo, depois de sabida a nao sene-
cio do seu acto pt los Estados-Unidos.
A camars approvou as despozss felas pelo Sr.
RaaslolT, oa sua vagem a? Estados Unidos para
os (os da celebraqo do tratado, e ficou salisfeila
com as suas explieacoes.
Poneos di.is depois d'este aconteeimcolo o mi-
nisterio pedio a sua demisso, em cooseqoeoeia
d* opposico qne encontrn na cmara relativa-
mente algumas medidas que solicitara sobre or-
ganisacao militar.
A cmara, negando essas medidas, poz o ministe-
rio em crisc, a qual foi resolvida no sentido de
organisacao de um nova gabinete liberal.
Foi incumbido da orgaoisacao d'esse gabinete o
Sr. de Holstein Holstemberg, que leon com a pre-
sidencia, oceupando a pasta de ostraogeiros o Sr.
Roseooerce-Leho,. aa da guerra e marioha o Sr.
Hafiier, a do interior o Sr. Foanesbech, a da jus-
liga o Sr. Kieger, a da fazeoda o SrFeuger e a
dos cultos o Sr. Hall.
Esse gabioete, que cootinha elemeotos liberaos
e uacionaes, declarou qne, se o parlamento o
apoiasse, cooperaria para a realiaeca* de impor-
tantes projectos qoe nteressavam o futuro poltico
do paiz, e disse qoe ira continuador da polilica li-
b ral do seu antecessor-
A eaanra receben ministerio sb a iRflueoea
de um raovimeoto sympathicn, e as declarares do
gabinete foram receidas com agrado.
Quando a noticia da derlaracao da guerra entre
a Allemanba e a Franca rbegou Copenhague, o
espirites se agitaram e a Dinamarca rmense para
as oveotualidade? de urna guerra possivel. Mas
essa potencia, nio tendo vantagem nenhnma em
lancar-se o'uma guerra de que so lh? pode.riam
provir desgostos e reveses, absteve-se mu sensa
lamente de demoustracSes basts, e declarou se
neara na lata, animada tambem pela promessa
da Pruuia de cumprir o art. 8. do tratado de
Praga.
A' 8 de agosto chigou Copenhague o duque
de Cadora, incumbido de nina missao do governo
francez. N'e*se mesmo dia confereneiou com o m-
oslro dos negocios estrangeiros, e, tendo concluido
sua missio, segoio para a Suecla com o mesmo
fim.
Os jornaes dinamarqaezes oeeapsram-se com
essa missio, que nao passon desapercebida i ira
prensa altoma, e Qneram-se conjectaras sobre
ama intervencao armada da Dinamarca, em favor
da Fraoca, na guerra fraoco prussiapa.
Esses boatos, porm, fbrara mais tarde desmen
tidos pelo procedimeoto da Dinamarca, qae nao
sahio dos limites da sua neutralidade espectaote.
o da 7 de ontobro as cmaras se reoniram, e
o re, ao abrir a sessio, pronuncbu um discurso,
em qoe se felkitou por ter podido guardar a mais
stricta neutralidade m grande lula de doas das
mores poleociss da Eoropa, declarando que foi
por cansa d'essa sabis poltica que a Dinamarca
escapou grandes deSBracas. O rei exprimi sua
eooflanca em ver resolvida a questio do
Schleswig depois da gnerra, solucao que, disse S
M., ue le assegurar a indaswdasigia do paiz e
consolidar as boas relacoes com a ptpnda sua vi-
sinha. *
A cmara oecupou-se desde eotao nos seus
misteres annuaes, e la oeenparse eom a reforma
de algumas leis, do sentido de dar mais garaotias a
liberdade do ejdadio, qur civil, qur religiosa-
mente.
olicias dSo a Dinamarca em com-
assm todas as suas possess5es,
as costas da Groelandia,
lslandi e as ilhas Fraroe,
a aeco protectora dg um
dos interesses da com-
formara a pennsula, acoosefhou aljramss refor-
mas c urna modujx-ag) oo pacto de uoiao dos
relbos.
Ambas as cmaras da dieta encetaram o sea
labor, e, depois de votadas a leis annuaes, entra-
ram na discussio deroTnrn
1870 i cmaras appro-
^B^BsJsj. um
1836, e oa qual o ministro
geiros do czar den andn une a Russia
gava mais obligada a manter a etanenii
Udo qne se referia i oentralisacio do mwr\
A nota do pssocipe de Gortsenakof
pois, de snbdfio a questio do Orien.e.
Remonta ao lempo de Otiomaa I a i
mquieudora questio, srae polo ni ir Hat ME s-
rias complieacoes europeas, destruir delata *
)i bem moribundo equilibrio.
Oitoman, que foi o primeira iasparaor dea Sar-
cos e depois saro, cemraandaads).
asiticas oceupou muilas das arai
Menor e tontn a faodacao de asa smpero qjaa se-
minaria espeeialmeole os povos grrfos.
Desde a tomada de ConstanliaopJa, qae aastsjaa-
lou o e-tabelecimento dos turcos aa Eareaa, asn-
een o i m menso antagonismo qne teas i
pre entre o imperio russo e o imperio i
Desse antagonismo uisceu a gaerra
qae pz termo o tratado de 1854, esa
Sirtes contratantes : por um lado,
nssla, e por outro lad, o tsaaerador I
zes, a rainha do reino noido da Gria-
Irlauda, o rei da Sardenha eo saiala.
Esse tratado eontoi iriota e aaalro
sendo as snas priocipaes dMDOSicdos aa
les :
c Os territorios oeeapadot par i
serio reciprocameote evacnados. A !
ga Kars : os adiados eotregam
klava. Kamieseb, Kinburn e oulras |
< Turqais admittida
e colloeada sob a garanta geral. |
pimento entre a Porta e
aaciiatda.
que pearva toare es cidadaos que seguiara rei-
gioes diversas da do tirado. N'essa lei declarou-se
que os ehrslios dissidenies e bora assim os israe-
litas desde eotao erara elegiveis como membros
dieta, e qoe erim admisslveis todos os erapreg
pablieos, excepto todava aos cargos de ministro.
Essa reforma ni foi completamente liberal, por
isso que nao estabeleeea a igusldade perfeita de
todos os cidadaos perante a lei. Era apoto da ex-
cepcio Coosignada na sua letra nio se poder tal -
voz achar urna razio justificativa, que a exima
da pecha de incompleta. Todava convm con-
fessar que ella implica orna garanta para a li-
berdade ds consciencia estabelecida em prol do
povo meeo, e portanto cumpre recebe-la como
am reforma mni liberal.
Essavexensio de direitos polticos, concedida
pela dista e anectonada p?lo rei, foi perfeitamen-
te acolhida pela populacao, que em sua mxima
parte tem ideas polticas algum tanto adiantadas.
Mas nao foi so essa reforma que merecen as
honras de ama apromcao da dieta. Urna ootra
lei foi votada oo sentido de dar mais liberdade i
imprensa, a outra foi aprovada modificando a lei
vigme sobre a mesma imprensa.
A le porra;qne distenda a liberdade de impren-
t deixou de ser saneelonada pelo rei, com mawfes- oalras 0,^,, m9 etansaaas
to desgojto de patz, que espera que na sessio isa- 8tu m^o ,, ^
mediata as cmaras ae oceupem novamente dells. 0 sal|^ Mmnmniei ^J
JSu"*^0* d "C?rdS C0m "2^55; flue outorgou aos subditos enristsa ara
lo da corda, addiar a revisio do pacto da uniio 'en-0
da Suecia com a Noruega para ootra sessio, al- v q mar Ne|[ro ncntriHiadt. iaarrdklaaa <
tendeodo assim i repugoancia e oposcio que re- barcaces de anerra de todas aa ulinrfar. i
nava nosie ultimo paiz contra essa revsao.
Um projeclo de lei a presenta do por um mera-
bro da segunda cmara, contendo urna reforma da
lei eleitoral, foi regeitado em ambas as cmaras,
nio pelo fsto de ser mais liberal do que a que
regia a materia, mas por motivos de opportn-
nidade, vista ser ainda nova a actual e nao
ter-se ainda bastante experiencia della para saber-
se quaes os pontos que deviam ser reformados.
Essa regeicio importen por eonseqoencia em
um adamenlo, e de neuhum modo quiz dizer
qne a cmara nio desejava reformas na togislaoio
eleitoral.
Alm dessas reformas de carcter poHlico, a
dieta oeeupeu-se com oulras sobre agricultura,
commercio e industria ; e ao termiosr os seos
trabamos liaba impresso um novo cunho mais li-
beral certas molas da adminisircio, orgaoisan-
do igualmente suas flaaocas, cojo estado era sa-
oisfactorio uta Jo,anno de 1870.
Em virtud* de deslntalgeocits entre os minis-
tros, desorganisou--se o gabinete em juabo com a
sabida dos ministros da jufffca, dos curtos e da
fazendn. Formou se um novo gabinete com a en-
trada dos Sr?. Adjekerente para a justica, uergs-
troem para a fazenda, e Woneraberg para os
cata.
A poltica do novo ministerio em nada modifl-
cou a do sea antecessor, o o chefe do gabinete
d cironse sectario dosmesmos principios polti-
cos que tinhim at eotio prevalecido no go-
veToo.
A Snecia e Noruega declararam-so neutraes no
cooflicto franco-prussiano, e para garantir a sua
neutralidade pozeram em p de guerra os seus
exercitos.
As ultimas noticias dos dous reinos Unidos dani-
o'os em estado de paz e progrediodo sempre i
sombra de snas Inslitulcoes,
RUSSIA.
Como em todos os paizes que coostitaem o velbo
continenle, o movimento liberal oo se desearon
de fazer sentir sua influencia oo raagestoso impe-
rio que se estende desde a Europa at a Alia, sob
o titulo de imperio da Russia.
E' admiravel, soberanamente admravel como,
no imperto aulhocrala, onde, ha apenas 10 annos,
ludo era servilismo e esraagadora eompressao, se
vio ergneodo os d reilos dos povos ao nivel da
civilisacao do seclo.
Mas o que mais admiravel, o que immensa-
mente credor de um estudo e apreciacio especial
o modo porque o movimento liberal"tem obra-
do sobre o espirito do povo mbscovita, parlindo
do alto do torono do imperador Alexaodic.
E' verdale que em todas as suas cinco graodes
divisos- Russia da-Europa, Polonia, grao-ducado
de Finlandia, lugarteoencia do Cancaso, Servia
e Asia Centralo espirito liberal se tem mani-
festado n'estes ltimos anuos sera outra influencia
qae flio essa aspirado constante dos povos em
melhorar de condicSes de exsteocia, sera 'outro
incentivo mais do que esse ar vivificador que o
secuto XIX lera derramado por toda a parle, des-
de aue a Franca se cjIIocou na vanguarda dos
povos, accenando-lhe com o seu escudo de lberda-
des; mas tambem iocootostavel que para esse
msvimento muito tora concorrido o grande czar
Alexandre II, cujas viagens aos paizes mais cultos
da Europa modificaran) o espirito do seu governo
authocratico, tornando-o cmplice dessa aspira gao
de liberdade. ^^
Nos ltimos anuos aweriores 1870, a libertario
dos servo?, i rrrinjf jwnjlilinr' do Jury e oulras
garantas e direito dados aos cidadaos do imperio
moscovita, foram um testemuoho irrecusavel dos
progressos que elle la tazeodo na senda brillante
da liberdade dos poves. Todas essa reformas o
czar introduzia, abrindo mo de seus dlreit03 om-
nipotentes, depois que regressava de alguraa va-
gem, em que sen espirito se illustrava cora as lu-
zes da eivilisaco moderna.
E' disso anda um irrecusavel testemunho o
ukase dos dos do anno passado, no qual se esta-
beleeea a igualdade das e|asses perante a lei, nao
essa igaaldada que nio admilte privilegios, mas
urna igualdade relativa, que era todo caso um
progresso real para a Rnssia.
lo ao commereio livre.
t As dnas potencias limltropaas
sales nos seas portas. Ni) e^aservasa ae
arsenal algnm militar maritiaw.
< O Danubio entra it rabea aa danta
peu, e a sua navegacio dadaraJa Irnr,
do os principios establecidos pasa
Vienna.
Os principados danubianoi
beraoia da Porta. As poieacias
collectivaasente a eonUnuaeJb dos
gios. v3 r
Emassa convenci aaaaxa i casa
sagraste novaraente a principio le
da entrada dos Dai daoellos e da I
vios as guerra de todas as naeira.
venci eompromertou-se a Russia a
aeoboma fortificacio ana ilhas de Abad.
Cooheeidas as disposie5es da Rnssia, saMda ex
preparativos beMeos que ella Usa IHso aVrdV f
mee-i do anno, j armsaaaa asadera* o.sen rx r
Cito, i reedificando e artsaaoaa suas Lrauaavrc
fortaleza', ja finalmente appsnlaassij a roav:-
com a nota do principe de ItoWnKk'a^e p*
piritis mais atilados aaataraaaraai asan aara-
mentonm passo pira Consuniaopla, i-toe, o:r
nova goerra do Oriente, mais terrivd s parvea:. -
ra man assembrosa do que a que tsrsstaia peto
tratado de Paris.
Essaaltitodc da Russia ao coatiaeal, sar. a !
este se acbava brac.03 com a guerra Iraara-ara*-
siana, qnaodose resolvan) as que.s aLcn
italiana, qoaodo a llespaoba se orgaaisava i. ti
nitivamenle pela elecio de om re, esaaa .
qaeslao ibrica oceupava urna parta da P**|^
atlencio e a Austria e a Dinamarca te rreeesV
varo da prepotencia da Prusia ; essa ailada da
Russia, dizemos, foi um gJpe ernet pata a Enta-
pa, que a reeebeu alarmada e eMopefaeta.
O que quiz dizer essa itiilule la Rasan esa >
pengosa situacio da Eoropa ?
O que qoii dizer a denuocaQic aVsse trlado da
Paris, que se refere ao Oriento ?
Essa altitude, essa denuncia^', tase r...d $>
generis de atacar um c o rento solidario afra
co poteucias, nio exprime >o nio que a
est armada at os denles e aspatidi. para
Iota
nao

A.
lacia e Noruega, no
iram na sua abra de
iniroduccao de refor
O dous reino
cotrer do anno
i
mi
Nos Sos de 1869 a dieta, reunjda em Stoeko'
foi aberu pete relaflor X? eoa um q
patrioHoo am qne o sdlWsnq deifeas pai
os sub-
r parle
r segun-
xarada
StOB, dos
os privi-
enthusiasmo sem
demonstrac3es sym-
Idre pelo sen eepiri-
reforraa que fes o
Iagem Prussia, val
amor pela militarisa-
; anuos, ocenpa a saa
ia ella de marcar
Alexandre da
_abrir no-
Tia, facal
do paiz,
eatreito da
i djo actual,
dar oito era
exercito da
em que se
imbices que
na ola que
poteneias sig-
ua anrceae.
na gigant-, que ella nin quer talvtz addar, aar-
ao deixar passar a pportnaidada aae tte Sasr?-
OB'-
ce o estado tetual da Eoropa.
E' verdade que as ultimas ndelas
tratava-sc de resolver as diincaMaias ae
lo por meio de um congresso eareaea,
proposta de algumas potencias, j liaba
a Russia; mas, alm de que essa aonata ale a.
ser confirmada, aecresee que aem posavr! aja-
o imperio de Alexandre nao se qoera >*f*>ur **
deiiberaces dt-sse congresso, qae sem laiHaara
ferir de frente as suas pretenedes ao OrieaSe.
Como quer qne seje essa magna nerta <-
bra todas as regi5js polticas do e:aMawiif f*v*~
pea, e tem servido para teraar mase di:* *
probabilidades de urna paz p.* 40a sed- asa-
ram.
Ji ao eocerrar-se o anno de 1889 a Ear p
presuma qae de om momento para ea'r e *
questao viria i lela da diseos- >, aes> S. Petersbargo, por oecao da jaMea aeaan*
mlitr de 8. Jorge, o imperador Atosasjiaa 1
eiou sen o, o re Guilbenae da hernia.
commenda de i' elasse, e o rei Gaaa>sa>*ar 1
turno brindou o czar, sea to, eses a n
mrito da Prussia.
N*essa mntna ptova de aortaria a
chergon a conflrmaeio e aa saetaj
soberanos, e d'abi dedasw eaaorari'
para a paz.
Os dous soberanos, porem, aao
essa reciprocidado de eoad>asra$oas, aa 1
ciproco de placas coberta da sassaasw; aa,
trocaram lelegramoaa. oaie al
em termos qaasi Idealteea
grande rpoca em que os
ram por urna cauta faerada tar
mHm. .,
Essa apoca, foi 1813; essa easaa aagran, f i
guerra esotra srfraaca I
Mas nao ficoo o'isso a iaijaaata 1 asa
asa
>
quele, qoe lava lugar asa aVrlal aar esaaat1
o mininistro da Rusea a 8r *Oaarii, dssra r
insistencia que a retifcfflsusia
decoraela apa loe ^SjuHiana-
siaosa aaaa paaisr saa lasa a
soberanos, m ana* powstmJm
Todo essa aaparafo tie
tao simples, coosa ecr
c5ea; todas
entre os aos
prehensoas da Bnroaa sobre a,
mudo secreto eatre oe afjai
depois se disse aao exi-tr,
sa falla na Europa,
raovea a Aliemanha a desejar a
nanea, e como ana las
Rassia com ref^roocia
Assim, pois, deele o
essa jaeslio do Oriente trama a
sa; mas nio foi sem maanan |
quasi repenlioamento mr
lado do Oriente a o rale ]
restos do eqailibrw 1
A Rnssia eontinoou aa aa
gressos na Asia Occidental BIS
margeos do mar Caspie a da iajaAa^B
ella desejava tar livre saces;
as costas meridtor
Ornar Caspio mirgead
isaaai


.*

I?,
11.
doaonodf
Tersa, O favotos m Taomn Mi I
fl^fcci nha consentido que a
m sen* parto d'etrt marj
do anuo pmMp). tatordi
mar Caspio rora*
fiiteodBlo U 4evi4a, leliunente Vessa
*, ^Hp ,d*riah*' -m"sira a J,plotni"
ca russa. Ella servio para Consolidar as conquis
la* do imperio moscovitaJias regioes friticas^,.
Ein S. Petersborgo o a Moma a polkia rSM
iimoariri urna consprelo en marro, e frustrou
o* aleaos dos conspirador
euro os papis apprehendidos aos contptrado-
res do S. Pelersbaroi, *n.e ora opaitaM aio-
ayaw, onde se estabeteeia un garalielo era extre-
mo hsbil, entre a situado d Ru-sia e a daPradba
em 1789. fetse escrinto o goverao Jo Imperador
XioMo era cooperado ao de Luiz XIV, o d Ate-
xaare i( ao de Lniz XV, e o do futuro imperador
Alexandre IR sua esposa Dagmar, ao do Luto & Bsc.
iromettendo-se. aos futuros soberanos a serte
de Lttiz XVI e de Varia Anloiaette.
O opsculo tertniosva com esus palavras:
A revolucio rassa, ba de ser multo mais tei -

tttjk da Pernambuco w. Terca felfa 4? de Janeiro da 1811
diroomr
,1 e aja-
do pait,
eoasja**
rival a saoguiaulaou du que a Nveluc,o (raneen
de (789, porqoe o despotismo do ciar muilo
mais iasupporiivel que o era o do rei dos Fran-
cotes, e porque a sociedade russa muito renos
-warigerada, t tniii ou^nroiiu e mi mu a
francesa.
Esta (olhele chegou casualmente es maos da fa-
milia imperial, sendo a toa leitura sobremodo
aJBictiva pela irreverencia com que aili se aoha-
van descriptos o vi ver e o fado da corte im
4rttt:
ilica fe tu u i tas priSes por eaua da cons-
&>sse lempo o eommereio russo soffreu al-
guna entraves oa Chas, par parte de algumas
autoridades choetas, no rio Saogari.
^"ministro de estrangeiros apressou-se era
mandar urna nota ao governo chinez,quexaado-se
contra esse proced ment.
Goai) sabido, (oi a Ru*sa a priraeira poten-
cia qe celebrou um tratado de comraerclo e na-
vegar/) coas o J.ipio, concedenJj-se naquelle
acia ntenuciual todas as vantagens handeira
rasca, ea\ pposi$j aos demais tratados conclui-
dos com as demais potencias da Europa,
A' Russia apoderou-se da liba de Soghalen, ao
norte da Iba de Yeso, da qual separada pelo es-
trello de Perouse, mandando para all urna esqua-
dra.com tropas do desembarque, as quae?, expul-
sando da iiha a guarnicao j.iponeza, tomaram pos
e delta emjnome do ciar, e procuraran) fortifica la.
Esu insistencia eom que a Russia procurava es-
leader a sua influencia preponderante suba o Ja-
pao, causou senas apprebensocs entre as potencias
da Euiopa e especialmente Inglaterra, que tem
trauaeces coraraerciaes avulladissiraas n'essas
parageas.
Apeiar de ter entrado em urna senda liberal,
o governo do czar continen, no anno nodo, a ex
ercer urna alroz perseguiejio na Poloma Russa,
contra a religiao caibolica, e contra lodos os res
tos da amiga autonoma polaca.
O partido panslavista, que exerce urna inluen
cia muito preponderante nos conselh-is do impe-
rio, empregou grandes osforcoi para anaquiUr
all a religiao caiholica, que fui denunciada como
una coos|nrauo permanente contra a aolondade
.-upreiua do czar.
O authocatra publlcou um tikau, no qual se
maadou empregar a lingua russa no culto calho-
lico da Polonia, sempre que a raunicipaldade o
reclauusse, deaccordo eoin a autoridalo ecclesi-
asitca.
O flm desta medida foi preparar o eaminho para
o presoliiismo da orlhodoxia russa, para a qual
os agentes do governo excitavara por todos os mo-
dos as municipalidades a assignarem peliQes
favor da introdcelo da lingua russa no rito ca-
tbolico,
O clero caibolico na Polonia, salvas alguraas
. pocas de desanimacao e desalent, desenvolveu
sempre taino valor como energa para maliugrar
as intrigas da propaganda moscovita, e est resis-
i "icia do clero calhoTiJO toi classilicada de rebellia
pelas autoridades locaes.
Desie ultimo (acto resultou que muiUfSmjrela-
dos (oraiu presos e mandados desde logo para a
Sitiera, seni que se Ibes teuha insuuradoo menor
prosesso. Foieste o yjtema stmpre seguido pela
Itussia, em o proposito de exterminar o elemento
polaco que existe no paiz.
O resgaie dos servos, em inaio, eslava muito adi-
antado e ia proseguindo, sendo de esperar que os
ltimos di.is do anno de 1870 vsem n'o iirmi-
nado.
O governo russo, constiluindo-se intermediario
entre os ser vos e os seus senhores foi ijuem fez os
resgate, seutlo de B68 TnilhownB rnbtuj a divida
hypolhecada d'aquelles.
Os proprelarios reeeberam em dinheiro, em bi
Hieles do banco, eem inscripc5es de renda, o im-
posto das suas ebrigacoes bypothecarias, tendo
pago o governo al 13 de abril 1,800:000 rublos
en dinluiro, 103,800:000 rublos em renda de
i 0/0, o'8,H)0:000 rublos em certificados deiVes-
afr.
A paya de 235 milhSes de rublos reprsenla a
divida din proprelarios para com as antigs ins
liluicous dexredilo do imperio.
Esta grande operaco publica, social e flnancei
ia Miii seta duvida urna das obras de maior im-
portancia do reinado-do imperador Alexandre.
.No n io de todos os aconteciment s poltico* so-
ciaej da Russia, e oh proseguir 0 180 nts raelhoramentos mate-
rie ciicetados o comecar novo?, melhorando por-
los, con.-tro indo dcas e estradas de ferro, de ro
dagoiii u canaes, e iraprimindo a actividade na in-
dustria e desenvolvimento na agricultura.
As suas Anangas lodos sabem que nao se achara
em bom pe, e o augmento do exercito, que o ul-
timo iikase determinou, sem duvida contribuir
para ;lllgi-las anda inais.
Entretanto, o governo moscovita ia se pronun-
ciando pela economa, e espurava poder equilibrar
o augmento de despezas com o exercito, por meio
de bem pensados cortes dos difmenlos dos ou-
tros ramos da aJministraQo.
As ultimas noticias do imperio russo fallaram de
um ukase que leve por flm supprirair o cargo de
g)vernadorgeral de Riga, (cando a Estancia anne-
xada a provincia de S Pelersbnrgo e a Livonia' e
a C.arlandia provincia de WiIq.
lisse ukase nao foi mais de quo a continnacao
da poltica russa no sentido da unificacao gerat do
imperio.
Arrancados Polonia os ltimos restos de sna
autonoma, as vistas do governo do czar volveram-
se para os povos rnssos de origem allemla no Bl-
tico, aos qoaes sempre foi respeitada a autonoma
administrativa pelos antecessores do imperador
Alexandro.
Apoltica moscovita continua va pos, aeraug-
mento de uberdade aos cidaiaos do imperio e uni-
ficacao da Russia, embora pelo esmagamenio do
principio aatoaomico d s povos.
Fatal e contradictoria poltica essa da Russia!
As ultimas noticias anda ditera que a imperio
coatiniiava em grande escala o armamento de
suas pracas (orles de todo o litoral do. mares Ne-
gro e Batuco. icolaeiT, Kertchs, Sebastopol, Crons-
tadt e outros j se acbam quasi promptos.
Por ouiro lado os seus armameotos para o ex-
ercito eram accelerados oom energa, e bem dei-
xavam ver que a questa; do Dneote nao seria
ti) (acilmenlo adiada como sunnuuham em geral
o? governos que representaraa) ceir a nota do
principe d,fisrtcb*kui(,
((tjMtftMtW'.s^iaJ-
So^lr^'M
nbavsl desvao c
bue* tile jusiMca-por
periacasSona Inapram
sua illnstratio e o ara
hu ajnpar
pemMriJ^H
sacio d t^H
riosaa dea^H
dosHeJ1
cero asno
sao oatr
iosar* coraada
contar
merita Associacao Commcrci
ca de Peraambuco nao ser segaramen
rente lio patritico designio.
Ao Exm. Sr. conselheiro Joao Alfredo oa jato
de grMidi em uume daprovlnctn.
ASSOCIACAO COMMKRCIAL BEMEPfCENTR
Esu corporaco convoca para qalnla-fetra (19)
urna- sepa.) da asseaaia feral das Mus, aaaisM
tas, altr de deliberarse sobre o auxilio a dar ao
goarno para o estabi-leeimenio de ama lina* le
legrapbica entre Pernambaeo e a corte do impe
rio; loeaubna provincia>da aiagaas, d* Sergi,
da Babia e do Espirito Santo. |
Para asta reuniio, em v*ta dos termo dool
ci d Exm. Sr. ministro oa agricultura, dirigido
Assocacio Comraercal, sao convidados por at.ta
corporacao todos os proprietrlos, capitalistas,
commerciantes, agricultores e otis pessoas de
posses da provincia.
ASSASSINATOS. HoBtem, pelas 10 horas da
manhaa, Uidro Professor Risp e Antonio Das
dos Sanios, pracas do corpo de aiperiae* mari-
nheiro, iravaram-se de raides, o largo dos Vo-
luntarios da Patria, em Co Agrcola, dando o segando ama ponhalada
in primeiro, que fallecen paseos momentos ds-
pois. O assassino logrou evadir- e.
Ane-honiem no trern que descia as 8 hora
da noute, da liuha de Apipucos, deu-se no-vagoo
da 2" classe enlre as eslaces do Chacn e San-
t'Aona, urna pequea canteada entre doua pa&sa-
geiro?, M.moel Ignacio do Coulo a Jos Dionisio
Vietra de Barros, que lora acalmada pelo respec-
tivo conductor; pormao parar olrem oa ultima
das eslaedea, recebera este urna punbalada no
centro d > peit, que o fez pouoos instantes mais
suecumbir; tratando aquello de evadir-se qu fe
lizmenie nao conseguio por ter, na occasi de
pular do mesmo irem, sido agarrado por urna per
na que o fez cahir.
Impossibtlitado, pois, de conseguir o sm inttnto
por quinto (Ora immediatamente cercado de aovo,
iratou de ngir-se morir, em cujo estado foi pre
so e amarrado at que chegasse a polica, e sem
comtudo mover nm so de seus raembros.
FERIMENTOSGRAVHL-Km das do mar de de
zembro, no dislr-icto de Tarjo: retinga, Joo Igna-
cio da Fonceca ferio gravemente com nm tiro
Mannoet Pmheiro, sendo preso em flagrante,
Nu da 8 do crrante, no logar Calinitas, do
2 districto do Bom Jardim, Antonio Ferreira Viaa-
na ferio gravemente Loiz Pereira do Santo.',
sendo preso am flagrante.
PRONUNCIA. Pelo delegado do termo de S.
Rento foi pronunciad Antonio Campeflo Goima-
raes, como incurso as penas do art. 50-5 do c-
digo ciiminal.
TENTATIVA DE ASSASSIN^TO.-Nj da 6 do
corrate, no lugar Sapo, do termo de Linweiro,
Joio Francisco Aives lentou assassinar a Aotocio
Pereira, pelo que (oi preso era flagrante.
BXAME DE IIABILlTAi;AO.(Vwieoon hontem
o exame de capacidade prfessional para oroagis
terio primario, sendo a eommissao- examinadora
composta dos Sr.*. Br. director geral, Dr. Franco
de Si. e professor, Vioent de Morae Mello. As
examinaadaa sao : D Ciaudina Maris da Con
ceico, Phlomena Paulina da Silva, Maris Leopol-
diaa de Monra Reseode, Alcxandrina Umbslina de
FreiUe Hcnoa, Mara Magjalena da Navi-lade,
Julia Mara Dornella?, Mara Candida Theodora
Alves, Anna Clemeniina de Soma Barros, Jossphi-
na Jovia Beimira de Olveira, Mara Carolina Af-
fonso Valenca, alaria Prese liana Vilella das San-
ios.
Hontem deram apenas a proVa escripia d gua nnoioaal.
ORDEM DO SANTO SEPULCHRO. O nosso
amigo o Sr. Dr. Francisco Leopoldino de Gusmao
Lho, foi agraciado oom o grao da eommundudor
da ordem da Santo Sepalchro de Jerusalem, por
aiiencao aos emnentea servidos prstanos a causa
catholica na redaccSo do jornal religioso que (un-
dou e nuateve(durante i anuos.
Felicitamos o nosso amigo por esta merecida
distinccao.
DINHEIRO.-O vapor braslero Paran Irouxe
para a nossa praca para:
Caixa Filial do Saneo do Brasil
Eduardo Turpin
Jos Rodrigue de Souza
Antonio Gomes Netto
Miguel Ferreira Pinto
Para o norte .irouxe esse vapor :
Cear
Maranbio
Para
tnvM .*.)'
" ~~ "m* Jos a Atm

.
^^o Ai bareoJoB pulmo-
ii Sevenno; luberculos paUtonaros.
PASSAGEIROS. O vapor Ipejuw levan pjra o
nrle o* segointes :
Delpliaa Ferreira. Cosa, Cas res Pataraan,
FmncsaaParnandes Usaa, Biu Jas'Velho Lima,
Wancisaa Jde de Mdeiro, Fraajetsco Vlaira Psr-
diglo, Dr. Jbio Rodrignas Cuaves, Francisco Ilde-
foiU9,BtG|ina, Antonio ornas Laat, D. Joaanim
Jos d'Almeida e um porudor, Porfirio Mach ido,
Januario 4aerra jMontenamo, Beato
Antones. DoojinRo Manoel Mirlins, Ja-
de Mederos, Bernardo Pinto Brandan,
ata} Franca e Inglaten
da
que II,
ga^gawoim-
o-
l^Beo- 01
|aVK e
fie diffunde
icarra-
IfiMldrlno Jafl.d'Aiira4e.Francisaa anioniu daiT .NyJf^AGA MJ'LPRJM JlE .MRBAY *
Silva, Fr. David da Natlvidade, Fr. Coptuntlno LAJiMA^-- Em coaseqoanca da sua grande e
de N. S. dos Aojos, Firmna Mara Uapafa; tg^Mgililii'Ie e jutU
Gervanio Gomes de Souza, Joao Acacio V. Barca,
40:000000
87400O
8001000
*00#00O
PEENAIHfflXX
REVaSTA.JSaIAaU4-
TRIBUNAli DO C(aMUasWIO^J>or portara di'
presidencia da provinaja, da U do>oamnta, foi Ho-
rneado secretario do tribual do cosameapo,-a Sr.
deputado do meamo Antonio Gomes da Miranda
Leal
JUNTES DE QUALlHClt^4t:-Comecaram no
domingo a funecionar as Janlas de qualiflcacio
rganiudaa:
S. Prt Hito Goncm-hs^ Pedro das N.
ves, presidente ; fes* da StW Ijoyo Jonior, Jala'
da Cunha NagalhesJanior, Ghrwievam Januario
Vieira de B irros, e Manoel J )i juira da 8.Iva Ros,
mezero?.
S. Jote.Manoel Antonio Bibeiro, presidente ;
Jiio Soares da Poneeea VaHos, Paulino Hereali'-
-ir*ck>j Sfcreobno Aotonio Al Vea d*
Brito, Dak loa Santo, metanos.
UNHA TELEGRAPIIHA.-Chegttanie-honiem
no vapor Para Scbuli
de C
a ii
boe
rain e*iteni
i Iberas.
6:oOO#OOQ
33:600#fl0e
I3:390#W
VILLA DO CABO.No dia 19 do crreme, tem
lugar a benao da imagem de Santo Antonio, pa-
droeiroda villa do Cabo, eda bandeira de S. Se-
basiao, a qual ser hasteada n'esse mesmo dia ;
comecaodo as novenas no segufnle.
BARCA ISABEL Este navio que se soppnnha
terse snbmergido na altura de Santa enharina,
licava no porto da Baha, tenJo apenas fleado des-
maslreada.
IHtfiSIDENTE DO CEARA'.A' bordo do Para-
n, veio da corle o Exm. Sr. Dr. Jos Francisco
da Costa Pereira, presidente nomeado para a pro-
vincia, do Cear. S. Exc. esleve hospedado em
casa do Sr. Jos Moreira da Silva, a roa Eslreita
do Rosario.
Hontem ao voltar para bordo S. Exo. receben
as honras do eslyllo.
NOVO MEDICO. Acaba dacheear do Rio oe
Janeiro, onde complelou o curso na Faeldade de
Medicina, o Sr. Dr. Augusto Trajino de Hollanda
Chacn, toado sempre all gosado dos foros de
alumno estudioso e applicado, de joven de talen
lo vigoroso. O dislincto medico presin valiosos
servcos nos hospilaes de sangue no Paraguay, que
Ihe valeram as honras de eaprtao, concedidas pelo
governo imperial.
BOM DEPUTADO.-O deputado, mea marido,
dzia urna senhora, anda muito Cansado. Chega
da cmara em um estado i amanta ve!.
Mas nao me consta qne lenba Tillado,
menos nunca I i discorsoa dalla.
Nao per fallar que elle es canea.
Botio f
E' por dizer apoiado e volar. Acha que
OBCO f
DESFORRA.-Urna linda moco tmha de ir a nm
baile, uiandou pedir a um amiga, que ara feia,
as suas joias emprestadas, mas leudo esta tambem
de ir ao mesms baile mandou-Jhe em respoHa
que nao poda. Com o qne disse a oqtra despei-
tdi:
-r- Com urna cara daqueltas pode ella-dispensar
as jolas, que nenhuma harta* aae faja e mliagre
de faze-la mais bonita.
Sabendo a ootra deste aWBVdlssen a primeira
ves que a enconlrou em umalVeunio :
Ja que Moto Ihe agradam i
facarnos um negacio. eeda-n
ihe', faco prsenoid l|adaV as asia
mello-ihe que emquanto o pofsuir
Ao
Bernardo Lindo Goncalves Maodonca, D. Maria
Barbosa Men.lona, Manoel Jos Pereira, Rento
Augnsto da Silva, Eugenio Telles da Silva Fontes,
Lebino Menelo P. Chsves e 1 Atoa-, Dr. Tiburclo
R. P. Tavares, David-FUoh, Antonio Franciico
Souzi, 1 irmaa e 9 alhados.
CBMITBRIO PUBUCO.- Obituario do dia 13 de
Janeiro :
Mara J. da Annuneiacao, pa 18 armo, solteira, S. Jos; tebre parnlciosa.
Scbastiad, eteravo, preto, 1 anno, Grana ; inte-
nte.
Manoel, braneo, 7 dia?, Boa-vista ; espasmo.
- 14 -
Sercio, escravo, pardo, Peraambuco, 3 annos,
Boa-vista- colite.
Clara Maria da Conoeieao, parda, Pernambaeo,
33 annos, sOitaira, Santo Aotonio ; phljsiea pul-
monar.
Joaquim, preto, Afnca, 40 annos, solleiro, 8.
Jos-; humaieunuze.
Manoel, braneo, Portugal, 11 annos, soltefro,
Boa-vista ; f-bre amare la.
Gnilhennina Maria d'4enceigo, preta, Pemam-
buco, iSannoj, solieira, Boavisti, anazarca ; hos-
pital Podro H.-
Mari i Isidora da Cweeicao. branc, Pernambu-
c 60 annos, solleira, 8. Jos ; molestia do tero.
Maria, parda, 3 maies, S.Joi; dyarrea.
Bento Jos da Costa, braneo, PemafmbMco, 73
anno, casado, Boavista ; apoplexia.
Manoel Ferreira Montairo, pardo, Pernambaeo,
71 annos, casado, S. Jos ; paralysia.
M noel Nones Vianna, braneo, Pernamboco, 70
annos, casado, Boa-vista ; gastro interite.
PBLICACOES A PEDIDO.
i-------------.------------------------------------------------------..........
Antes tarde que nuoca.
Srs. ^redactores. Son forcado a vir im-
mprensa deffender-me de ama aecusacao cavilo
sa injusta que se me ta no Diario da 26 de de
zembro prximo flndo em um commnnicado sobre
os negocios do inventario do D. Anna Deiphina
Paea Barrete.
Gomo avaiiador dos bens inventariados, nomaa-
do-per parle da fasaad^, tive de proceder, coma
era de mea aever.ns respectivas avaliaedes, a co'
mo nao me sugeitei ao que se pretenda exigir de
mim, langain-re sobra o pobre perito com mate ga-
na que o salteador sobre sua victima.
Miaba defena consiste no-histrico, que resumi-
damente farei, dos factos que se prendera ao pon-
to da aecusacao.
No dia 8 de novembro do armo paasado, tive de
ir ao eogenho Garap com o jniz, asorivio etc.,
para proceder-so as avaliacSes, qne netas dia nao
p 'deram (loar concluida?.
No da segrate condonamos, mas nao pode se
dar por acabado o trabalho, tendo o* avalladores
voltado do logar 4 4 horas da tarda e exisliado
sinda bens que nao foram apresentados._,
Ontro sim. o juiz asaWia nessa occasiao a urna
visioria em.o eogenho Rosario, e o escriv) do
inventario eslava na capital.
(B de qne outros bens davam por avahar tenho
documento qae se for misler farei pablielr.)
No dia 10 tcat^i de oroseguir na minb* ,ar<^ft,
qne anda entao na< pfida m eenelaida, e no oa
11 remetti ao escrivo nma ola contando a< ava-
liacoes que eu da va ao< bens qae pela jnventarian-
te rae foram apresenlado?.
Indo ler com aquello funecionario no dia 12, vi
em seu cartorio am termo de avaliacao no qual
se meneionava cousas que nao me foram presen-
tes e nem avahadas por mim, bem como deixava
de mencionar alguma cuma que eu avahara, o
que se pro va cotejando o termo de avaliaco com a
nota que forneci ao escrivo para confeetao d'a-
quelle termo, e que felizmente esl nos autos.
Em taes- condcoes nao me era licito ter outeo
precedimanto seno o que adoptei : recusei-Dea
asignar um termo de avaiiagao falso em sen con
lexto, o lesivo a fazenda publica.
Dahi a grita, dahi os ladridos que, qoaes eses
dnmuados, esto levantando contra mim I
Merc de Deus nunca padi me sugeitar a ser
instrumento da ioteressos srdidos de quem quer
que seja ; o termo como fo lavrado nao poderla
ser aesigoado por mim sem incorrer em porjario
e fraude que, Deus louvado, nao eslou como esl
muita gente que cunbeco, acostumado a prati-
car.
Julgo ter taiio o r*cu dever; outros tem a
conseen :a mais elstica e sabem fazer a guerra
a quem nao conseguera sujeitar a seo capricho a
a sua paixo : nao Ibes invejo o padro do glo-
ra I
Conhe^o muitos prevaricadores qae eampeam
impunes o altivos, tenho visto e son vendo, muia
gente que sabe urdir com elicidade e geito as
mais leeivas trapassas : da ordinario esses sic oi
qne mais alto gritara contra as ladroeiras, ellas of
mais finos ladroes I
Pensara bem I Ckamam antes qm se o cha'
me
Em coociosio : oo me arrependo era n en-
vergonho do que fiz : aasuino toda a responsabiii
dude civil e criminal qne entendam me caber.
Tranquillo ees minhu conscieoca, oada receio,
o tenho alma, para perdbar a quem me procara in-
famar.
Villa do Caco 6 de Janeiro de 1871.
las Nicolao Vieira Paz.
seu del
urna ad
se evapora
:>, elle parean iM)r-eV
pez maii as dobras do lenco,
i incorjorado am ca la urna
kcdo. Dinolaida
preparacjso,,
ca, scrviaoode preservada
giva?, danda-am exeelajgWl
paladar depois dse baver fi
teman un admiravel meio
riuojki da. palle depois de se
fa^H
tic
pe dar Moraes e Silva; 4 ireib ou mndarem 4 d fH
mraistraao do correio pagar os respectivos portel I Un
! raquenraenioa para podaren ser etcarai- 0
nhadoi ao governp imperial.
O secretario,
treta
20 do corraaga^ Mk^MaT
ir esta pro-
inenci; Bxms.
inde da Boa viaU, coetida
com a ultima parte do art. 83 da
agosto de 1846, apa cidadios
BE
ao mesmo
Dfll
A cama
meadero
atase ~
tocia, em
arquez
' otmr
387
quite
Paco da
m
r a mesnu parada,
nlcipal do Recite, 12 de ja-
Qor
gran
celebridade em todos
os mercados da America do Sal e das Anlilhas,
oeate pali. Rordm, presenteraenie o artigo original
foi introdneido, e em virtods do mtto aprateaUr
a disunctiva marca commercial dos proprelarios,
pona fcilmente ser distinguida- pala sua apparon-
cia exterior deesas outras simuladas fraudulen-
tas composIjSes. Os signaes 'miarnos de perfeita
genuidade sao muilo menos fcil de engao, por-
quanto aAgua de Florida de Marray A Lanman
lem e desenvolvi aroma proprio das frescas e
llorescentes flores e plantas do trpico, das quaes
ella deriva a sua bella e exquisita composco, e a
exposcao ao ar, em logar de diminuir, augmenta
a delicadeza do sea fino aroma, em lugar de pro-
duzir urna emanago a:re ou urna certa effluvia
desagradavel, como acontece pem>eases perfumes
e aguas de cheiro, s quaes sao preparadas c com-
poslas com leos baratos e fortissiraos de essen-
oias.
SAN BASA DE MISERICORDIA DO RECIPE.
A na. junta da Santa Casa de Misericordia
i aia das suas seasdes, palas S horas
da Urd t dra 19 do correte, recebe proposlas
para o forneclmenio do pao e bolachas, que tlve-
rera de consumir os estabelecimenlos pios 4 sea
carg inclusive o Aylo de Mendieidade, nos me-
zes de fevereiro e marco prximos vindouros.
Secretaria da Sania Casa de Misericordia do Re-
cite, 16 de Janeiro de 1671.
O eacrivio,
Pedro Rodrigues de Souza.
abiuete prtagnes deleitara.
Designado peto artigo Si- dos estattoos.o dia 5
do correte para urna das sessdas ordinarias do
coneelho deliberativo ; pergunla-ae ao zeloso pre
sident&psra quando adlou a convocarlo da mes
ma. Ser esta falta davida ao director nao ler-
Ihe remeltldo o relatorio irimeosal at o ultimo
de dezembro, prostergando assira o 22 do artig
68 dos estataloa? I I.,, Tanto a lempo que es
lio na direeeao (reeleita) qae ji um e oolro cor-
po esqaecem a cnxnprinnnto da Jai t I O regu-
laaenio inierno approvado i re, anos jas na
ignorancia das trovas, o al quaodo ?
O eoapriraaMa da lei.
COMMERCiO.
frtACA DO RECIFE 16 DE JANEIRO
DB 1871.
AS 3 1/2 HORAS DA TABDI.
Gota^Oos officiaes.
Assucar raascavado regular21656 por 15 kil.
Assucar Canal2*180 por 15 kils.
Cambio sobre Londres 90 d/v 21 5(8 d. e 23
1|2 d. por U.
H. Q. Stepple.
Presidente.
P. J. Pinta,
Secretarla
ALFANDEGA-
ftendiraenio de dia 2 a 14. .
Mem do dia 16 .
340:108*212
43:834*284
383:9121*96
Movimento da alfandega
Volumes entrados com fazeddas 33
< < com eneros 149
Volumes saludos com fatendas 61
> com gneros 158
182
219
mi
GASAfiXTO^Pergu^H
a raijo nurque aio luvi
', responded elle,
Osajnftcu
BABRACADO RAClOGHMO Um w>laad* aa voltar a urna campaBlia; oanuvi qu i
nata foms, a#ara um suecas iaa)ia aaailftj
r.na campo, oada ganasaen dacnui.
aronaatuales mostraado-se detnas4sda barrerisadoi, perguotou ee i
Mas da qn**-h)raori4a>
E' poa, de laces dra* uaaagjga
Eis ah como s que
morrein dea itni re* imnala, a
toda.o mando-se bea^gft^gft^gft^HB^gft^gft^B
LOTERA,
honeflcio da mi
20.
HOSPITAL
Theatro Sanio Antoijio,
Soba boje i scaoa o muito lindo e sempre ap
plaudido drama em quairo actos, do eximio es-
critor nacional, o Exm. Sr. conselheiro Alentar,
intituladoMi.
Desde j convidamos todos os pas de familias e
amigos da moral a corrern) ao theatro, aflra de
.verem este moralissimo drama qi*3 tantos appiau-
sos le n merecido, qur do ooo Ilustrado pu-
blico, qur do do Rio de Janeiro.
A insigne actriz Isabel M. Candida, represen-
tando a prioiogoaisia d*eete drarooMu, mai npi
vez revella a sua alia inteUigencia ; pas, quem a,
vio desempeahar o difflcimo panea de Augusta,
no bello drajn de Camiilo,Castalio Brancp-^Abon-
caadas lagrima, nao deixar daajuitar do miuto
que a meso vlrt poiera fazer neate importan-
tissimo WbalbA i
A.camoanb. 4a que diceclor o Sr. J. P. Bas-
tos, tem ariisu* de sabido mani, taes. oomao
SJ Sereg/i, Aegtisto, gloriado aPedn A agua
jo etc. etCH P*f isaonajiines eftftoa de40a a pn>
blieo peroarabncano nao dwxar* de prategar aja
so os. artisiy, jjMno d, mesmo amnrezari,,iaBJe
veio esta < darte a custa de grande dispendio,
,daKa]jtflaia>, ooiUs da distraGcao no-iheatro 8*t.
Sertoiios.
Descarregam boje 17 de Janeiro.
Sirca ingieraGladiolusvarios gneros.
Patacho portuguezS/aros /varios gneros.
34rca ingierafieiftreastvarios gneros.
Patacho ingtezEndoiovarios gneros.
Brigue inglezBrtAavarios gneros.
Rama iaglMContlanacbdciltl.
Barca suecaFojrrfamlertaboaao.
Patacho inglezOourobaealbo.
Brigue o irte-allemaoHeliasfarinha de trigo.
Despachos de exportacSo no dia i 4 de
Janeiro
. Na barca sueca Fosterland, para o Caual
carregarara : Kellerdc C. 184 saecas com 13,963
kilos oe algodao.
barca inglesa Helena Finlayson, para Li
verpool earregaeam : Adamson Howie & C. 190
saecas cora 13,280 kilos de algodao.
No brigue mglez Sea Bkd, para o Rio da
Prala carregaram Heoiqae Forster fc.C. 792
barricas e 400 raeias ditas com 123,002 kilos de
assucar braneo e 108 barricas com i 1,176 kilos
de dito masaavado.
No patacho nacional America Carolina, para
Baltimore carregaram : Raba Chamethean A C.
1,300 saceos cora 97,500 kilaa de assucar masca-
vado.
No navio norte-americano CAowon, para Bal-
timore carregaram : Jos' da Silva Loyo & Filho
2,200 saceos com 165,000 kilos de assucar mas-
cavado.
No navio norte-allemo Helias, para New-
York, carregaram : Henriqne Forster 4 C. 4,000
saecas oom 300,000 kilos de assucar mascavado.
HECEBEDORtt DB RENDAS INTERNAS
GERAES DE PERNAMBtCO
Reniliraenio do dia 2 a 14. 40:638*590
dem do dia 16 4.733*026
Joaqum d SUza Ledo,
Pr-presidente.
Loureni;o Bezerra Carneiro da Cnnha
Secretario.
DECtARACOES.
SAMA CASA DB MISERICORDIA DO RECIPE
A lima, junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Reeife, na sala das suas sessoes,
pela 3 horas da larde do da do correte, recebe
proposlas para fornacimeoto dos medieameosee
qae tiver de consumir o Asylo de Mendieidade
nos metes de Janeiro margo deste anno, os quae
constara do annnocio publicado no Diario de 13
dedetembro de 1870.
lacretaria da Sania Casa de Misericordia do Re-
cite/16 de Janeiro de 1871.
O escrivio,
Pedro Rodrigue de Souza.
SANTA CASA DE MISERICORDIA DO rtEQFE
O Illm. Sr. thesooreiro interino, lenente-coronel
Justino Pereira de Parias, far pagamento s amas
que se acham encarregadas da cria cao dos expos-
tos, do trimestre vencido de ootubro i dezembro
flndo, no salo lo respectivo estabelecirrento, pe-
las 9 horas da manbaa do dia 23 do corrento, dei-
xando, porm, de tat-lo aquellas que nao trouxe-
rem as crianzas qne Ihes foram confiadas.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recite, 9 de Janeiro de 1871.
O escrivo,
^____________Pedro Rodrigues de Souza.______
SANTA CASA DE MISERICORDIA DO
RECIFE,
A (lima, junta administrativa da Sania* casa de
Misenc rdia do Reeife manda fazer publico' qaf
na tala de suas ses*des,no dia 19 de Janeiro, pe-
las 3 horas da tarde, tem de ser arrematadas
quem mais vantagens offerecer pelo lempo de am
a tros annos, as rendas dos predios em seguida
declarados:
ESTABELECIMEiNTOS DE CARIDADB.
Roa de Santa Rita.
Casa terrea a. 32......161*000
Rtn da Matriz da Boa-Vista.
Casa terrea n. 56.......202*000
PATRIMONIO DOS ORPHOS.
Ra do S. Jorge (outr'ora Pilar)
Casa tema n. Ib................. 151*000
Ideraidemn. 99................... 365*000
Os pretendootes deverio apresentar no acto ds
orreraatacao as snas flaneas, oa comparecerero
acompanhados dos respectivos, fiadores.
Secretaria da- Santa Casa de Misericordia do Re-
eife, 16 de Janeiro de 1871.
O escrivo,
Pedro Rodrigues de Souza.
Vaisegn
ontro p
tttta; partir
tratarse oam
2a\epae
MaranhAo.
Galera portogetn tkm
Maranbio, e recebe carga avi
Migoel Jos Alves roa taCrat n. 1
.--------------,"; 1
'ara
Para o indicado porto
escuna a Hernia G\
passagsiros : traur
Croza. 7.
Para Lisboa
Recebe carga a frota _
guez Pensamento : a traur na raa do
.! andar:
A escuna Gtorgi
com Tasjo Irmaos A C.
COMPANHU PERNAMBUCAIH
1)1
WeTegaei* eeetefra papr
Porto de Galimbas, Rio Vi
Tanuodar.
O vaper Paraba* 1
portes cima a asa
_ aaseiaaoite.
Recebe carga, 1
oheiro a ffate.: ao
toa n. 12. m
2L
LKS.
43:371*616
CONSULADO PROVINCIAL.
ttendiraento da dia 2 a 14. 76.832*772
dem de dia 16 ... 3:937*847
80:790*619
De ordem do lllra. Sr. conselheiro inspector
da thesouraria de fazenda desta provincia se faz
Dubifttpart eoaheelmento dos inieressados qne o
tribunal do thesouw ana-ordem n 28 de 26 de
dezembro prximo flndo auteriioo o pagamento
de dividas de exercScros- frndos, cojos eredores sie
os seguintes:
D. Maria Valerida de Panla Barros.
Joio Cesar dt Lima.
DrQuiteria Philalelphia de Souza.
Olegario Martins Torres Barbosa.
Seerelana da ihesouraria de fatenda de Pernam-
baeo 13 de Janeiro de 1870.
Servindo de oflkial-maior,
Manoel Jos Pinto.
Pela subdelegada do dwtricto dos Alaga-
dos se declara que se acham legalmente deposita-
dos quatro cavallos que foram apprebendidos co-
mo furlados, -endu ora casianho grande, um ala-
so, am esslanho escoro e nm pedret : quem pos
se jnlgar eom direlto a ellos se apresante peranle
este juito dentro do praao de 30 das, a contar da
data deste, manido de seos documentos, qae Ihes
serie entregaos.
Subdelegada do 1* districto dos A togados 14 de
Janeiro de 1871.
O subdelegado supplenle,
'________Manoel Gomes Pereira Guerra.
Pela subdelegada do 1* districto dos Afoga-
dos se declara qae foi achado em ierras do eoge-
nho S. Paulo do mesmo districto um habito com-
Sleto, que se suppoe pertencer ao convento do
armo desta cidade ou ordem lerceira do mesmo
convento : quem pois se julgar com direto a dito
habito se aprsente perante este juizo dentro do
praso de 30 dias, a contar da dala deste, qae Ihe
ser entregue.
Subdelegada do districto djs Afogados 14 de
Janeiro de 1871.
O subdelegado supplenle,
Manoel Gomes Pereira Guerra.
LEUAO
DE
Cofres de ferro patente in-
glez
a 17 do cor ente,
O agente Olveira far leilo de vatios eo*ee da
ferro de differentes lamaahos, do atis alai
bricaoie Miloer, os qaaas sendo Htiva a> I
tornara muito necessartos como iadupaanm
casos de incendios, qoal o biaarHaae
mele occorrido roa Nova, ca oseado
re fcilmente pode evitar qualqneT 1
estabeleeimeolo mercantil, anadea
despeza, assaz coraneoiada ceaa a
dos cuidados e afflk{6as int iranias AI
dencia :
s 11 horas da manbaa am ponas, a
Ptiipps Brothers, roa do Apollo a. 2 B.
alAf
Urna mobiha de Jacaranda a Leda XV anea 12
cadeiras da guarnicao, 2 da braca*, 2 da
1 sof a 2 consolos com podra, I dita da
eom as mesmas pecas, 1
palmos, 1 apparador, t eofre
roupa, 1 secretaria, i eomoieda, 2
mesas para eserever eem dnaa ga
ros, 2 carleiras para esrripterie, 1
com moldara dourada, 1
1 cama para casal, 3 nu
caranda, 4 pares de consolas, 1 bai
raa rqnozas, 2 sotas, 36 cadeiras a I
relio, 2 mesas de piaba, rodona, i M nraira, par-
cao de chicaras e prea do poreaaaaa, tmtkitm a
gat e mnkoe 00tros objeelea
IIOJE
pelo agente Pootoal
ra do ltperadar a. I*.
em ponte.
No armatem
da
horas
II
DB
FAZENBAS
HOJE
MOVIMENTO DO PORTO.
Theatro
Hoja soba scena.no
magniBco drama do fixo, _
^asat^Cbaroamfi,. peis,
d'esu cidade para. s>
apreciado. Vai tambeipa
caUtllaa, que, segundo n{
afeo do repertorio *
iVartot tetradot no dia 16.
Terra-iofa25 dias, patacho mglez Douro, de
103 toneladas, capitn Alexandre Taylor, equi-
pagera 11, carga 3,100 barricas com bacalho;
a Johnslon Paier & C.
Liverpool43 dias, nauebo inglez Eudoia, de
138 tooalalas, capilao L W. Tumor, equipagem
8, carga difiranles generas ; e Johnslon Pater
4 C
Glasgow40das, barca ingleza Deinkim, de>279
toonladas, capilao William H. Beshop, equipa-
gem 10, carga diversos genaros; a Simpsoa
Hamburgo-36 dias, barea iaglasa BrtgMest Slar,
de 384- tonelada*, capilao Burkell, equipagem 12,
1 aarga fatendas a mercadorias ; a Candido A.
Sodr da Molla,
Sw*naaar-d8 dias, barca inaleja Annie Worrall,
de 493 toneladas, capilao H. B. Jones, equipa-
gara 11, canga carvao ; ordem.
Nvio tahido no mimt aja.
PolUtt.dd/Borte-Vapor bntmn Smo, com-
1 nymmUoMeohnia, earga carne seeea e
tros genaros.
Observacaa
Suspenden do lamero para, Falmouth
ingJas Ida, oapilao Sulivau, carga a
LfpinednMaeei
Correio geral,
Rel3?3o da cartas registradas, procedentes
do sul e norte do imperio, existentes na
repartiejo do correio em, 14 do Janeiro
de 1871.
Antonio Jo< de Araujo Braga, Antonio da Costa
Bibeiro, CesarTereira da Silva, Cesarte Manoel
Francisco dos Prazeses, Candido de Aranjo Al-
meida, Francisco Martins Baposo, Francisco Amo
ni o Corroa Mieiel, Francisca Maria de Jezos, Hon
riqueta Mar do Sacramento, Henriqne Jos Ma-
Salhos Salles, Joaquim Francisco das Chaga e
Iva, Joao Jos Pinto Jnior, Joio Mara -Seve,
Joanna Maria Seve Navarro, Joio da Cunha Neves,
Jos Rufloo de-Araujo, Porfirio de Olveira Macha-
do, Thereza Rosa de Jezos e Souza
O encarregado do registro,
Manoel dos Passos Miraaj|a
THEATBO
smo mm.
COMPANH1A' DRAMTICA NACIONAL
EHPIE2A DI JOO FERREIRA BASTOS
TBR<>FEIHA 47 DE JANEIRO DE 187-1
Subir seeanela primeira vez neste theatro
o sublime e seolpr appladido drama em 4 actos
oeigtfathrMilaka do.
ggaj

19 dejaaefr*
Augusto C. do Abren contal
de fazendas ingleza, por oler
Pinto, hoje 17 do correla, s 11
em ponte, em seu armazem 4 n
Ollnda._________________ '
LEILiO
DR
17 barril cen loocinlio
Quarbi-frira
18 do corrate
O agente Pestaa far leilo por .coala a
de quem pertencer, de 17 barris eom Met"
quaes serio vendidos em 1 00 asis astea i
de dos compradrrej, 00 dia qaarta Mal
correle pelas 11 oras da manbaa, ao al
do Annes, defronte da alfandega.
LEILiO
v
DIVIDAS
da
usar eom a prHrleWreprbsbnucio da Ira-
comedia eib'ttMer ornada de mostea,
N. Eduardo Coeltao;
mas fallada de aovo, FHhos dr C,
importancia d* %4W72oW res
0i7TAniIR\ 19 DO CORaWat
, O agente Pioid levar i WHo, i
dos administradora #. (aan 5a
,jP|"fcosAt, e pa ]
mbibiim mim ajkpeial do camaserem, as dividaa
gaasa, na importancia da 49.072***) r
oles da relacSa exaueate em poder ^^
atonto, o a o son aeeriptOcte
n. 38, onde so eflactoari o MHo, as
dlaaeima-dMa.
Imn
"HnMeceiso
IS Tff
% publico que nesle qi e ao
'fowro,.qQftosoXvodorej da_
erawi dp ewrctefo corrente de 1870-71
'{wnd livre de malta,o com esta depois do
. 2e*o*,rla de Pernambaeo 10 de jaueiro de
O adraiiiistraBor,
Manoel Carneiro de Souza Lact
tuteante,
.ana senbores,
Frmino Casado
as 11 1(1 horas o espeeucnlo esl consloido.
T s 81 \i horas.
PRECOS
Camartes de l* ordem com 5 entradas 8J0OO-
Ditos de 2' (na frent ) com 8 entradas 12J60Q
de 2' (nos lado-) cora 5 abitadas lOlOOO'
Cadeiras 210OO'
Geral 1*000
vitos MABiTmars:
-------------------------------------------------------------
Seguir para o Rio Grande d Sol, a
rota,, otao-
llSru
farinha da trif*
toque aJM
19 do c
4 11 horas da
Bario do Livraaaaade, ao



V"*.
^^B ^gm^MBSI
i <

15 '
:W:fS
rfBlA
3
nos
RSCTFE A' OMVHA
pn-w (tormentos para a cobos
diDM de wrtodtta diarte**, qae tenhaail
wwmawto 10 poiesadtt. tifora .fijo!*,
gaita, grossora 3 1/1, para Ues QOTeWae-
c6es recbese propostas no escriptorio da
sapeTrntendenera, de 6 horas da mauMh as
6 da tarde todos os das ao tefhafro da roa
da Aurora.
ateeafe, 43 de Junte de-|ri.
; A: toaaait^eiaafcaN\attHBft.
___;,, ^^Wrffral-,
- A QstM Filiat do taerlo Snail
Hqrtdace paira o 3f diaMendo de tais
acedes, inscriptas nesta caixa, a raiS de
000: va 4o Marapas e Otfodfe
n. 49.
Jos Soafcs FAzevedo
rafaaaor de liogoa e litluratnra nacional no
tymoeWb^i twitotiei io>Itecie, test atarlo
em soa casa, mVietti n. 37, corsos espe-
eiaes de tadt ana das disciplinas cima
aociooadaa. Os alomaos que quizerem
freqaanUr quttqtier aula dasias, podem di-
rigir-se i iedfeada rwtdencta, para se infer-
marem da* bofa e coTrqiffies.________^^_
fmeisk-flB-de oh caainaeira na roa Nova
y. MI, wtr. _____________________
Preetsa-se de un feiler eosi pfatie* de plan
lCoes : a-tratar'Boesertpiorra do'escrio Motta
n. (7 ma^tstreiya do Ruaarto. __________
Preeiaaae d* ama ama para casa de fami-
lia : na na atiroafedu toaatio a. tt
Eecifeao Apipucos.
Pede-se aos Srs. passageirs que renham
trocar as tabellas das partidas .dos irens,
visto que foi aopprmido o treta que parte
de Apipflcs a9.5 e oHeerfe a Wio.
Escriptorio da companhia, 46 de Janeiro
de 1871.
William Ratrtmton.
Gerente.
acola asoatau-ai da frgnezla
de Saaia Antonia do Recife.
Situada a na da Detentad tf. 41 ; esta escola se
soba aborte e. rnnooietteado. daae o dia 7 do cor-
rale mez. O abaixo aestfgado. ^professor enear-
regailo da escola cima, convida neis quelles in-
dmioos que por seos afaavrea garios nao podem
(requemar oulras aulas, a' virem matricular-se,
prevenindo o de qne o flm de semelnante crea
$lo nao tao semiente instruir aos completamente
aaalphabekis e ignorantes, mas oda aperteieoar
aoa que j alguma coosa sabem, em leitura. es-
cripia, conubilidade, grammalica, ele, etc. Pre-
viae ruis que, por leis geraes, os individuos ma-
triculados era aulas publicas e que as frequentam
cam assiduidade o aproveitaraenlo, esli lsentos
nao s do reerntamento como tamben) do servico
Activa da gaarda acienal. Recife 18 de Janeiro
de 1871.
___________________Joao los Rodrigues.________
ftegtinda escola publica prima
ra da frgnezla de Santo An-
tmm.
O abaixo assignado, professor da escola cima,
aliada ra da Deteocao o. 41, previne ao res-
pellavel publico e com esaecialidade aos pas dos
seas alumnos, que desde o dia 7 d t crreme se
acfaa ella aberla e funecipnando, como de lei ; e
e qae todo aquello que oella se quizer matricular,
deve apresenter-se munido da respectiva guia do
delegado litierario, o Sr. Dr. Olyrapjo Marques da
Silva, residente ra do Imperador n. 45. O mes-
an professor cenlioua em suas oras vagas a ha-
bilitar senboras para o professorado, candidatos
aasempregog pblicos, e a leceonar por casas
orticulares as pritaeiras ielras, o latim, o franeez,
etc., obrigando-sea en-inar a fallar e eterever esta
ultima liogoa.
- Joao Jos Redrignes.
ATTENCAO
Tendo sido bonlem varejada a minha casa pelo
Sr. jobrtegado da fregueiia da Boa-vista, fazen-
do-me em seguida o mesmo Sr. subdelegado per-
guntas : se em minha ea~a eateve nm tal Gezuino
Batalha, ou se com elle tiuha algumas relaces de
amizade, tleclarei por ser *erdade qae apenas co-
nhecia por estar sete das junio na easa de deten-
cao em marco do anno findo, e o qual quando eu
sabi da casa de detencao a 7 le aaarco do sdoo
da 1870 nunca mais o vi e nem sei te elle est
sollo oa preso ; portante falso o que diz an-
nuncio no Diario de Pernambvco de.12 de Janeiro
e 1871, qae me'nao despreta responder por nao
ter declinad) o mea nome. Recife 13 de Janeiro
de 1871.
________________Francisco Vidal Alves.
Aluga-se a luja da roa Direita a. 11 : a tra-
tar na ra das Trincharas n. 27.
Cozinheiro.
Precisa-se de ato cozfletro -qae cozinhe com
asseio e perfeicio, estrangolro ou nacional; pa-
ga-se bem, agradando : a tratar na roa Nova, casa
vj*:_______________________________^_
Vndese nm cavallo caslanbo bom andador:
ra ver na cocheira da ra do Apollo, e tratar
na roa do Progresso o. l(k____________
I
Precisa-sede nfra'ama qae saiba engommare
rozinhar com-perfeicio para casa da poucajami-
li, agradando nao eeolrm a preso : no sano do
cabelleireir Barreiros i ra de Santo Amaro.
Associacjfto Commercial Bene-
fice^ite
A directora da A'soejacao Commercial ReneQ-
ceate tendo reoebido do Exm. Sr. ministro da
agrinltnra cornrhereio e abras publicas um offlcio
era qae participaolo adettbaco tomada pelo
fovorooinaperialt cowtruirnm telegrapho elec-
trien, fBe Bortido desta provincia tai ter corte
do itioeiio, tocawto em Atafoai. Sergtpe, Babia e
Xsairik Sonto, qiaea a coostraisoao oe qaol peite o
aoaflioideo eaoilaotai draaMreBrmeo; aorlootaoi
nslajajBI pesjoos ie posaes iia prn*Bcia, re
aortoetja,aiasma: dirootaria eonvoar, aono ptm
fromtitei, a todos oseapHastas, eonunsrt i ao-
tes, agricolioMa.^ nflataai\> iaaaroaadaa no na*
iaoraaMauo maierial.oV. paii/|arra toe sodfdH
eamparocer m a seosio qujB, cwaa
re^ptito. lera laiari^BBtaaa^BBBBBBl BaBBBBBBBBBBBBaV
meio dia, na ca
Associacao Ceramai nam-
bnco 16 deatWn
Precisa-se de nma ama forra ou escrava qne
saiba coziahar tom aartcjta odiarlo de ama casa
de pouca fajnjf^^^^BLtjp jlwficio o. 2J.
viso ao respeitavel
publico.
BBBBBBa^L^L^L^L^L^L^L^L^L^KP w* encader-
|i roa das Tfinth>-iru a. 5 para a na do
de S. Pran
^^^^^^^K fregu
os em
knoo eooto ei e dls-
f 3 t bbbbbbI K
BVIt

\J\lT
ALF. LABABRaQUI AtT
ArW0 9U* kCktmm MCOICIH OC MRI2
f
TRILHOS URBANOS
DO
GrntidSo ao ment.
0 abaixo assignado faltara um dos mais sa-
grados deveres de gratidao, se deixasse da publi-
car os immensos beneficios que recebeu do lllm.
Sr eomueBdador Josd Joaqulm de Farias Macha-,
do, lenho consclencia que o Sr. comraendador nao
precisa de minhas pobres n.igalhas para o seo
eagraa^ecimento, porque todo o publico est
par do seu ceneroso coracao, sendo hornera pro-
bo, digno dos mais puros elogio-. Appelko para
Dos, este Ihe saber recompensar, ssndo estes be-
neficios, que de Y, S. tenho recebido, gravados
em minha memoria, em quanto Deus rao conce
der a existencia ; assim como peco & Daos qae
guie seu* brbbcs, onde qner que soja seu destino.
Receba, Sr. cramendador, estas me.-quinhas pal-
vras que sao nacidas de raeupnro coraoao, desle
que'cones^a ser de V. 3. humilde servo.
Recife, 17 de janei-o de 1871.
Antonio Thomaz Silva Inior.
COLLEGI
DE
S. Francisco de Paula
TRAVESSA DAS BARREIRAS N. 2
(Cidade do Recife)
DiniGIDO PELO BACHAKBL
FRANCISCO JOS" RABELLO.
Estao abenas as aulas desle estabelecimenlo,
ende contia a reeeber-se alutnBos internos, roeios
pensionistas e externos.
O benigno acolhimento,-<)ue no anno findo rece-
ben do ilustrado puhlico'iwraambacaoo, animo
sobre maneira o director deste estabelecimento,'
que por iao mesmo procurar corresponder por
todos modos a conuaoca daqnelles que o honra
rern Ihe commettendo a ednr.acao de seus filhos.
O Sr. Offleial do corpo de polloia, qne na
leja da roa larga do Rosario n. 38, tomou um
peca de fita verde e amarello de chamalote, e co-
mo ja vao doos annos e nao tenha querido pagar
a quaotia de oOOOO, tenha a bondade de vir pa-
gar do contrario ter-o dis?abor de ver o seu no-
me neste ou em ontro qu.ilquer jornal; no mais,
Soa de V. S. servo e criado,
Netto do meu av6.
Desappareceu
Desapparecea desde o dia 5 docorrente o criou-
linho livre Laurentino, com 12 annoff de idade,
cor fula, cabellos corlados, ps bem feitos, corpo
reforcado, um poueo magro e pallido, com nm
calombo no bei^o superior do 'ado esquerdo, levou
camisa e calca bastante velha, acredita se que
elle se perdes-e por ser do mato, quera delle der
noticia, recebar boa gratificacao, na ra da Pal-
ma n. 71. ,
Ama.
Na ra da Imperatriz n. 58 precisase de ama
ama.
Os abaixo assignados fazera sciente, ao res-
peitavel publico e com espeeialidade ao carpo com-
mercial, que derana fociedade em ra loja, sita
de Duque -de Gaxm n. 95, aos seus cai-
xeiros Albino Domingos Mereira e Rodrig Lopes
de Oliveira.
Recife, 14 de Janeiro de 1871.
Ferreira Guimares & G.
0 %m!* LaWrri^v^, I um
Tinho eminerilemente toniet e Wfrrttij*-qe deve
ser preferido 4#d> as outras >reptrac5es de
quina. .^
Os vinhos de quina ordinariamente emprea-
dos na medicina preparara-se com cascas de
quina cuja riqueza em principios actiws extre-
al X vA
mmente variavel; partedisso, emraai>de seu
modo de preparacao, estes vinhos contem ape-
nas vestigios de principios activos, e em propor-
coes sempre vartaveis.
0 QuIniiM LabarraqRC, approvado
pela Academia de medicina, constue peio con-
trario um medicamento de composico deter-
minada, rica em principios activos, e com o
fhal os mdicos e 08 doeote
contar. ^
0 Qulnlum Labarraqve preseripto
com grande xito s pessoas Iracas, deiibitadaf,
seja por diversas causas d'esgotamento, seja por
antigs molestias; aos adultos fatigados por rana
rpida crescenca, s meninas qui tem difficuldade
em se formar e desenvolver; s mulheres depois
dos partos; aos velaos enflaquecidos pela idade
ou doenca.
No cazo de chlorosis, anemia, cSres plidas,
este vinho um poderoso auxiliar dos ferrogi-
nosos. Tomado junto, por exemplo, com as pun-
as de Vallet, produz effeitos maravilhosos, pela
sua rpida accao.
Deposito em Pars, L. FRERE, ru Jacob, 19
Rio Janeiro, Daponchelle % Chevolot.
Pemambuco, P. IHkairep j C^.
Bahia, llapwe y C". _.^^H|
Ouro-Preto, Candido Wcllonaon.
Maranhao, Ferreira y f.
'Pelotas, Antoiro Lelvaua.
Maceio, Falce Das. 4
Porte Alegre, Francisco om B

0 MARAVILHOSO REMEDIO DO
DR. CHAS. DE GRATH .
OLEO ELCTRICO
KIKG OF PAIjV O RE DA DOR
PA.R.A. USO I NTER. NO E EXTERNO
CURA CHOLERA E CHOLERA MORBUS,
I IMPERIAL INSTITUTO
& DE af
i 1100 BOM COSME 1
y2 DIRIGIDO PELO BACHAREL V'J
Antonio Columbano Serfico de Assii p*
Carvalho. g
& ^'a ^ ^ c01*1"6"16 mez tor^ 'n'ar a sbertnra das aulas d'instriie^o ^
*9> primaria e secundaria deste Instituto.
alendes & Almeida, partecipam ao pablico qne
tendo aberto nm hotel do grande sobrado con-
fronte a malrii no Poco, conVidam para farerem
seos lanches, onde acharao todas as commoida-
des e-bom tratamento e como tambem quartos
para alngar por presos commodo? :, qnem qoiier
dirjase ao raennO hotel qae achara com qnem
tratar.
----------------w^-----------------------------------------

_ tfe'Oima mjtr'or nia a
P'predlsase de orna arta para cosi-
- Aluga-se nm eseravo e um moleqne para
aTUaljjaer servica : na rna da Imperador n. 80.,
- freeisa'-s de iim caixeiro de 14 a 16.annos
deHde, qne tenha pratlca Je taberna, qne d
Bauor a sm conduca : na roa do llangel n. 8.
J fj _____, i
S. Sebasto.
Villa do Cabe.
Quinta-feira 19 docorrente, as 4 hora da tar-
de, er Infar a ben^ao d; bandetra do GLORIO-
SO MARTYR S. SE8ASTIA0 e da mgsm de San-
io Antonio, padneiro awfrejfneiia, ido bastea-
da abandriira do GL 3 SKIASTlAO as 7
horas da nulte, prinripiando no flia seguin i
novenas com toda a pompa e brilhai
do missa na madrugada do dia ?0 r.eon
de lindas e esco'tii las i ei;as de miisica
pur ser o pr.>prio din : tocarn em t
os actos as In-igneg musitas da 2' batalhao d n |
iantaria da guar
a villa.
jde su
deiri
png'
Diarrlie, fluio de ungne, era nm dia.
Dor de cabeija, e dona de oavido a
tres minutoi.
Dor de dent, em nm minuto.
Heuxtlgia, em cinco minutoi.
Deilooacoos, em vinto minuto.
Oorgastu inehada, em des minutoi.
Colic o eonvulief, em ciaeo minutoi.
Khoumatismo, em um dia.
Febro o febre intermhonte, em nm dia.
Dor as oootas e nos lados, em der mi.
natos.
Toases perigosas o refriados, em nm dia.
Pleureiia, em nm dia.
Burdei e asthma.
Eemorrhoidaa e broaoaitia
Inflammaeio nos ria.
Dyipepsia, eryaipolas.
Xolestiaa de figdo.
Palpitacao de esracto.
RiSERVE SEMPRE ESTE REMEDIO EM SUA FAMILIA
AS DOEUCAS SR APRESENTAM, QUAHIH) HENOS SE ESEERAM.
OLEO ELECTBJCO O "KINQ OF, PAIN" (O rol da dor) aquieta epoilttvammte harpamato de dia*eroaMB
molestia o dows, e afll va mali oe SonMasato* e protus m mais perMto equilibrio no ijswma humaao, a que nao se
pode effectaar no ntotmo tempo, oo qaafqaer ou tro remedio tncdeclaal.
Ete multo popular remedio esU agora usando-ae gcralsiente, pela ao qua milhareade ptasoa etem curada
rratlB com o dtto remedie poto Dr. erah% antros mala, [ M
Ete Importante remedio nao se oflereee fiara anta/ tedae albdaencaa, porem tao somonte para aquella eitlpntadas
pai noneaadireoooe. ?n! > i > Jt S Wii*
Est operando nos principios da eblmloa e da electiolJa.le e por laso, esta applicavel para o euramento e para a
restura elctrico O Klng of Paln)kotfk o|ro|sajiafeoe HJfe mttafa) f'VPFV*! Mlnchaooei da glndulas atd
a nm tempo lncrlrel, t*^'lfll%|afO|li| m Jl||4|j|qualotiaf ar)apt|n|l4 v *
O remedio, urna medecina parao moexUruo e ioern,eesipatodoi elameoto ouraTOS, ralie, horras, e ei
tees, oomo teten uaado dos notaos antapactado, do* quaes tem grande existencia no mundo, para onrar
molestias, somente sahendo-se quaet ellas sao.
Foi um grande ^jsapiatal daMp qaawsldade aiaafeMfc tff TiTMP#"|iirlaoaMara aprender as
Hora modos nasa destam aioatar para cura as safrMnMt deuf asfV 4** #op ^tf&moSH&tK derla usar.
OSITO
u PEUJAMtoco
N-v Pharmacia e dhooaria i>e
BABTHOLOMEO & Q
Sr.34 Ra Larga do Rosarlo.IV. 34.
i .....'
VERDADEIRAS
BUNCARD
?oi im erdida-
Nj dia 18
L
Cai toauftCTO oo t*o mainnaviL
ATTROTADAS PEU ACADEMIA DE MEDICINA DE PARS, TTC
-urdo as propriedades do iffA at torra, HiTam wpactolmente nat Ameeois
fdciinrVLOSAS, a Tsica no prtnrtpeo.a ftMUvH tomperwneneo a tsmhem ama flM la
Falta m cok, AMB**oaanKa.tai ajw arrisaanucrn soasrt o bahcub seja para restituir
Ihe a soa riqueza e anundaseb aawaait ata para prwroear a rehilar seu curso periodiaa.
l. n. O m 'ro de farro mpasa aa artw >" **, yfj
>a de pasa a usaaojinaiea r*. /fl/L^.
i>. da Bienra, Vre-te exifW aaj___ ____
travessa da roa
Cruzes n, 2, pri-
meire andar, da-se di-
nhelro sobre penhores
k Otro, prala e brilhan-
tes, seja qsa! foraqoan-
tia. Na mesnia casa com-
pras-se os mismos me-
l#e ejMdras.
All
RO
DYVETOT
14--Bna Estrcta do Rosarit-4.
Compra e rende roopa feta
ora e \elha, objectoa de
cosinha e de me?a,e
tudoqeperte-
ce acuso do-
mestico.
*- Precisa fe aloajar aaaa
Mf omaaar e enadanur a roopa aaa i
doaos: ao Cbora-meeian na aM
lado da igreja.
*% alao de pianore di
nndpu-ae da rna Nota n. 88, V andar, para a
Imperatriz n. <4, loja,
le contina recommeadando-se ao lllm. pn-
6. Werlhelmer.
Jos HenrlqO'5 da Silva Gt
de nni bolielro qw1 wja de brnn
B CB
notas da manha-
bo pal|
qne despedid
enjaretado Ttcan
eM
*ar
insadv
BBMmmmaiBBSBBJ
-
rkir da as
~ i TiraiTafi
a Banapar!; V>,
liHiari' |inri-r
nentn:
aiBaaraV iara
P^Hjte o seu
i o dir.
Convida se ara senkora a>
bons roMnrre e i odida, para asi
panhi a urna 11 >, d.-vea*>
traa ment : a tallar na ru VmVfu da Car
mero 85.
Ama.
Precisa-?Me ama aaja ir" 'aaaa
eoai perfeifflo : ha rna dos nras, aa
Arremla se a paVia do Chora mtia
tratar :, aa
da tem milh
MAB
e engomma

TSI
UXuiaj 80 rs.
400f3.
a
$m^&t"'-'&W''rt,'-t^.'v;u*
M
Ha




Diario de Prnatobuco
4* Jan*
I'
AOS 5;
Estioai
Babia, na I
urives do.
del
lotera da
flo arco da onceifo, loja de
jtfto da Aurora.
ledmento se vendem ufas de ferro
im construidas do que as qne veffi
[rs. a libra ; sortimento completo.
TTEMJAG
cravo
dos
anli
riUr queatSes se faz publico que i*3*"
irato, cabra, Maria, crioula, Ammr,
Bnalo, cabra, Romo, cabra, Seremo,
lelo, Angola, e Olimpia, crioula, to-
les Jos Lnis; de Siqaeira Caval-
; era residente com sea sogro Manoel
Siqaeira CavalcaathMBHMho Sosia
irreiros, se aeham f^Htoe por nina
de hypotbeca de ttfiflHBroV, .rea-
o suas clausulas. BMIo Hdo se pode
eseriptnra tarrada o cartorio do ta-
de ItSoafci
por,
i era dala
iril de 1868.
Miguel Gandido de Medeiros
Pintd^rogado a vir a esta typographia.
DE
Santa Genoveva.
A
la do Hospicio catas di. 22 28
e24.
tonio Marques d'Amorim avisa
essoas quem possa interessar I
as aolas d'este estabelecimenlo H
r-se-bo segunda (eir 9 do cor- i
te. O maior 'desvello pela educa- i
Ci moral e intelleclual de seus S
m alomnos promettido por sea di- g
I rector, coadiavdo per professores 1
( de reconhecido mrito e probidade. M|
m mmmmmm imii i
-^Sao rogados a comparecer casa de
Alfredo & Barbosa Jnior, os Srs. abaixo
a vegocio que nao podemigoorar :
Francisco Marques da Fonceca Pilla.
Gamelleira.
Joaquim Cavalcanli de Albuquerque.
Engenho Canda-Grande.
Aostricliano Scrates de Moura Poggi.
Barreiros.
Heliodoro Accacio Rangel. Gamelleira,
PRENSA INGLEZA
James Ryder Sf C.
Rna de Apollo numero SO.
SYSTEMA HYDRAULICO 111
Dorante esta safra James Ryder 4 C. teem re-
solvido enfardar algodo razao de 500 rs. por
arroba, inclusive capas, arcos e marcas.
Rna de Apollo n. 26, prensa bydranlica
de James Rvder & C
Na praca da Independencia n. 33 se da di
aheiro sobre penhores de ouro, prata e pedra:
treciosas, seja qual for a quantia ; e na raesni
i use compra e vende objectos de onro e prata
igualmente se faz toda e qualquer obra de en
eommenda, e todo e qualquer concert tendent'
a mesma arte
Joaquim Jos Gontjal-
ves Beltro
Roa do Trapiche n, 17, 1" andar.
Sacca por todos os paquetes sobre o banco de
Minti, em Rraga, e sobre os seguintes lugares en
Portugal :
Lisboa.
Porto.
Valenca.
Guimaraes. *
Coimbr.i.
Chaves.
Viseo.
Villa do Conde.
Arcos de Val de Vea.
Vianna do Castello.
Ponte do Lima.
Villa Real.
Villa-Nova de Famelicio.
Lamego.
Lupa.
Covilhaa.
Vascal (Valpasso).
Mirandella.
Reja.
Barcellos.
lula particular em Olinda
O abaixo assignado, professor particular provi-
sicnado pela directora geral da inslrucco publi-
ca, da principio aes seus trabaIhos lectivos no dia
16 do corrente ; portanto offereee aos senhores
pais, tutores, curadores, etc., o disvello de sua
misso para com os seus alumnos. Os senhores
que quizerem utilisar-se deseu trabalho, dirijam
se ladeira da ribeira no andar do sobrado
onde funeciona a secretaria do 9" batalhao da
suarda nacional ; advertiodo, porm, que os tra-
lialhos principiaro as 8 1|2 horas da manhaa e
terminarao as 2 da tarde.
Joo Francisco Pessoa de Vasconcellos.
Precisa se de urna ama para coser e entorn-
illar em nma casa de ponca familia : a tratar na
roa Velha o. 8. Prefere-se a que more fra.
Precisase de urna ama livre ou escrava : a
tratar na rna da Seozala-velha n. 110, i* andar.
Attenpao
Troca-fe nm Cruxificado de marflm no calvario,
obra de mnito gosto : na ra da Madre de Dos
n. 34, i* andar.
Precisase de urna ama para casa de pouca
familia ; na ra do Cabug n.J, toja_______
Aos influentes do carnaval,
para os bailes.
Na ra estreita do Rosario aluga-se vestuarios
de principe bordados a onro e a laa tudo de gos-
to e por preco commodo ; dminos bordados para
horneas e menino?, de todos os gostos cores e
fu-se qualquer vestuario a gosto de seus donos,
per flgurinos e a pbantasia, irazendo seus donos
as fazendas e as eofeites.: qnem qoizer mandar
fazer avise com tempo para faier-se. Qualquer
afeite proprio para o carnaval, de flores para en
feitar vestidos e capacetes ; toda acha-se prompto
na mesma
CHAPEO
Ra do Barao da Victoria,
Temos 4 honra de participar"*a*
da Ca
numerosos fregueses qne com a ebegada de um des socios da Europ
casa com um completo sortimento de chapeos de sol de todas as qoalidades como lambem, de todos os materiaes pa
fabrico, como sejam armac5es de todas as qoalidades, sedas, mirins, alpacas e pannos, assim como de especial cot
para caca, cbnmbeiroa e polvarinhos. Os chapeos de sol terlo abaiimenlo de 12, 15 e 25 por cento, comprando
A
S-fiA'J
a^
fe
S
t
; pudins, bo-
todas as qua-
iras e moui-
para bap-
raasar
bandejas de
.
de icsaelo
dades,
as, enfel
Usados.
j^rsttsa-s*
e ea^B^
tittmeWruVWpia a fado, e que
asiaustsssL
garanta de toa ooadncu, appareca na _
leintadn, 1? andar por cima da l Perguntas inndoentes-.
Pergunta-se ao Retchlld des marchantes o se-
Mnte :
Podar o Sr. Rolchild comprar carne 8i000
por arroba, a vender 6*. 5*, 4* e 3* sem pre-
judicar os seus crederes?
Podero os cedros que Sr. tira ndemslsar a
baixi, que di no preco da carne T
3
Sabe V. S. qual a classicaco que tem o nego-
ciante que compra por im a vende por seis, pre-
co inferior ao da praca, a falta depois aos seas
pagamentos t
Os seos credores saberlo deste sen modo de
negociar I
t
Sera licito un- milionario fortar-se ao paga-
mento de seus dbitos, allegando prescripgio
credores incautos ?
6
Nao Ihe aproveiton a Helo, que lbe den o gato
montea ?
Alerta I fazendeiros, Rotchild tem inten^oes si-
nstras I
Alerta I Fniam da bancarrota I ________.
Praciaa-se de um menino de 11 a 14 annos
para caixeiro : ns padaria da ra do Rangel nu-
mero 9.
Este antigo estabelecimento, acha-se hoje montado n urna
escala de poder servir vantajosamente os seus freguezes, atien-
to o grande sortimento de joias d'onro, prata 6 brilhantes, qne
sempre tem e recebem mensalmente das principaes fabricas da
Europa- cujos presos sao em competiveis e as obras garantidas
de lei.
no IIUEIIA IIHARTE .
MANUEL <5(C.
Tem a sausfagao de participar aos seos numerosos freguezes, qne em vista de ser-Ibes mais commodo, tem
eslabelecido ama nova fabrica de chapeos de sol, na roa la Cadeia do Recife n. 9, be je rna do Mrquez de Olinda,
onde acbaro os pretendentes, mnito avoltado sortimento de chapeos de sol de todos os precos, qoalidades e por pro-
cos mas commods do qne comporta o nosso mercado : cenvidam especialmente aos Srs. compradores por atacado
darem, sendo possivel suas encommendas, pois poderlo assim serem mais bem servidos, visto poderem escolher as ar-
mares as tazendas que a demora da fabrica?3o bem diminuta.
41 RU4 DO BARIO DA VICTORIA 41
Nesle novo armazem tem um
variado sortimento de fazendas
francezas, inglezas, allem5as e to-
das todas se vendem por precos
mdicos, afim de' acreditar a este
novo armazem.
Gasemiras inglezas,
francezas, de todas as
qualidades, brins de
cores e brancos, coli-
rihos modernos, cha-
peos de sol de seda,
finos.
DE
ARRUDA IRMAOS.
RA
Baro da Victoria
antiga rna
NOVA
N. 41.
Assim como tem nma grande
oficina de alfaiate, montada com
todos os prepares que ha de melhor,
dirigida por habis artistas, qne
pela sua promptidao e perfeico
nada deixam a desojar.
Roupa de todos os
amanhos para homens
meninos.
Por todos os paque
tes recebem-se as me-
Ihores e mais moder-
nas casemiras qu ha
na Enropa.
anear
M*a
Se one
sciencia,
parecido al
3adau do ft
ticas a casa da
LbbbbV*-*'
Na roa estreita
moca, jadiar 1 ie%

RA DO IMPERADOR
ns. 9 e 11.
Estabekciniento de carros f-
nebres,
Agr A G. scientifleam aes seus amigos e ao pu-
blico em geral, qne nao podem de forma alguma
continuar no sistema de fazer enterros fiados, pois
grande parte das despezas sao pagas bocea do
cofre ; os enterros de hoje em diante serio feitos
na mesma conformidade, (recebendo tambem
bocea do cofre) para nao nos vermos em apuros
em satisfazermos esta obrigaclo, o que fazemos
sciente para conhecimento de todos. A elimitada
coofianca e censideracao qne nos tem dispensado
o publico e os nessos amigo?, nos poem na obri
gacSo de darmos um voto de gratldo a todos, cen-
fessando-nos eternamente reconhecido?.
Arrenda-se um sitio c im baixa de capim na
Torre : a tratar na rna do Imperador n. 57, en-
trada pelo caes 22 de Novembro
RA
DW .
BarSo da] Vctor ln
antiga rna
NOVA

N. 41.
i rna n. 35, prjytro ndar
Luiz Nenhaus etfrere
ReloJoaHa solftfa
Tem a honra de participar ao respeitavel publi- ,
eo que abriram na rna Baro da Victoria (antiga
roa Nov) n. 67,'tima loja aonde se vende e con-
certa-se todas as qualidades de relogios, tanto de
algibeira como de parede. Nesse deposito de re-
logios esto dos melbores fabricantes da Europa, e
ha um esplendido sortimento de trancellns, cadas,
chaves, ele., de onro e de prata : as pessoas que
quizerem honrar-nos com a sua confanos, podem
flear ceos que sero servidos da melbor forma,
porqae garantimos as obras que vendernos, e
qualquer concert feito por nos.
Este estabelecimento acaba de soflrer nma reforma radical em acceio, artistas e commodos, e m pontualidade as encom-
mendas, finalmente em tudo afim de melhor servir os seus numerosos fregoezes deixa-se de annonciar todas- as fazendas, para
a5o se tornar massante_______
Companhia Allianca
DE
seguros martimos estabelecida
na Bahiaem 15 de Janeiro
de 1870.
CAPITAL..Rs. *,000:000*000.
Toma seguro da mercaderas a dinneiro a risco
martimo em navios de relia a vapores para den-
tro e fra do Imperio. Agenei i i ra do Com-
mereio n 17, escriptorio da Joaquim Jos Gon-
ealvea Beltrio. ____________________
Aluga-se urna casa na 1lna da Bemfica com
sete qnartos, quintal murado, cacimba, etc., por
commodo aluguel: a tratar no escriptorio do es-
crivio Motta, n. 17, primeiro andar da roa estrei-
ta do Rosario.
Methodo Castilho.
Secundino Jos de Faria Simdes, professor par-
ticular de inslruecae elementar pelo methodo
Castilho, avisa ao respeitavel publico, e com espe-
cialidade aos pais de seus alumnos, que no dia 16
do corrente est aberla a sua aula na ra da Pe-
ana n. 25, primeiro andar, onde recebe pensio-
nistas por preco commodo : o mesmo professor
prometi muito se esmerar pelo adianlamento de
seas alumnos.________________________________
Miguel Augusto d'c liveira vai Lisboa, e
nao Ihe sendo possivel, por encommodos de saude,
despedir-se pessoalmente de todos es seus amigos,
serve-se do presente meio para faz-lo, podindo-
lhes desculpa dessa falta involuntaria, e olLreccn-
do-lhes seos servidos u'aqnella cidade
Recife, 10 de Janeiro de 1871.
Agencia em Pernambuco
Do Dr. Ayer
Peitoral de Cereja
Cura a phthysica e todas as molestias do peito
s*alsa parrilha
Cura ulceras e cbagas antigs, impigens e dar-
los.
Tnico
Conserva e limpa os cabellos.
Pllnlau catbartlcas.
Puramente vegetaes sem mercurio; cura se
ioes, purgan e purificara todo o systema humano.
Vende-se efieclivamente em casa de Samuel P.
i'ohnston dt C. ra da Senzalla Nova n. 42.
AMA
Precisase de urna para pouca fa-
milia : na ra do Caldeireiro n. 63
Companhia
DE
Santa Thereza.
De ordem do eon.elho de direccao sao convida-
dos os senhores accionistas a realisarem at o dia
20do corrente a segunda entrada do capital sebs-
cripto, raio de 10 0,0, no escriptorio do direc-
tor caixa o Exm. Sr. Baro da Soledade, praca do
Corpo Sano.
Recife 9 de janoiro de 1871.
O gerente,
Justino J. de S. Campos.
*!
oes, bolinhos de di farsas i
nfeitadas so ultimo gosta c
e dsticos de car ; aisi coaw praaaraavsa taina
as qualidades de bolos fraacez, uaftex, aajassw,
po del e as de mais iguarias, keoqenes da ara-
vos para casameato*, praparaas-sar praaaataa a
fiambres e todas ai qajatHaaai de aaaadae. faas-
bem e dio todos asas preparoa a araaa, daada-M
bons fladorea. Garsate-sa a partaHia a aaaata par
preco commodo.
A auargeasi lo rio alo sFoco ala
Pasaolla.
Aioga-sa por feau on por aaao ata
soffriveis aeeommodatdaa, taade
lado, arvores fructferas a daado
potiziiro, maogoairas, Uraagairaa,
afeeiraa, fignalraa a (imeta-aao, aie- aaaiaaaa da
agua de beber, portad a grada da farra a ftnaaa
da mesma casa, a tus dito ao faada do
sitio, cojo oiba para a igraja de It 8. da
quem a pretender dirija se ao Radas ao
a tratar era o despachante Jesuino F.
ou no lugar do Caldeireiro onda raaiaV.
Precisi-se alngar ama ama, qa aosWw, eosa-
pre, e engomme, pars casa de familia, eaaapaa-
ta de duas pessoas, daado-se prefiraaOa a oa
mnlher de meia idade ; qaer saja farra oa es-
crava : quem esliver nesUs drenasttariaa, aW-
ja-se a esta typograpbia a fallar que adiara caaa
quem tratar.
Para urna famasa aaV-
mla da duas
cisa-se de nana
(a para comprar a finar
o mais servico da caaa :
no largo da matriz da Pas-
to Antonio o. 4, l andar.
AMA!
PROTESTO.
Tendo eu abaixo assignado Joio Tenorio Parti-
r de aloraes, acceitado ama ledra da enana
de dous contos o tre-entos mil re?, caceada palo
Sr. capi'o Antonio Manoel Gaio, atondar aa
Vicencia, comarca de Nazareth, aeha-sa dita te-
tra paga ; porque tendo nma planta de cansas ao
eogenbo Barra, comarca de Narsreth, do traal ara
rendeiro, o Sr. capito Antonio Manoel Gailo pro-
poz-me flear con a safra das canoas pela paga
dos 2:3004000, consumes da mencionada lettra.
e annuindo entreguei-lhe as eannas e receben-as.
Essas eannas eram da safra do anno passado
(1870).
Achando-se o Sr. Gailo pago e satisfaito, a es-
tando anda a letra em sea poder e alo lando
ninguem vida a sua dispoico, e qoereado o
abaixo assignado livrar-se de complicardes fain-
ras para s e sua familia, vem protestar contra
qualquer transaeco que se fuer com a diU letra
visto est ella paga, e ter cessado a obrigaeao
desde o dia do contrato das eannas a aprasimenlo
das partes.
Espera o abaixo assignado que dentro do praso
de sessenta dias o mais tardar, seja-lne entregue
a propalada letra.
Re:ife, i de Janeiro de 1171.
____________Joao Tenorio Pereira de Morase.
CONFEITARIA
- Estrada do Cbacoo para o Futo.
Alnga-s-1 urna meia-agua com quintal, lauque
para tomar banho, cacimba com boa agua, mnito
propria para passar-se o verlo, e alm disto fica
muito peno da estacjto Chacn ou Casa Porte :
ouem a pretender dirija-se ao sobrado do Caldei-
reiro em frente a roa da Mangaelra, que acbar
com quem tratrar.
Ensino particular em
Olinda
Jos C da S. Pessoa, professor publico do Cu-
rato da S de Olinda, partecipa aos Srs. paes de
familias que se propSe a eosinar s Urdes por
casas particulares, tanto as materias que consti-
loa a instruccao primaria orno lingna nacional
e ariihmetica na casa de bu residencia, e bem
assim a habiur para o magisterio, qualquer se-
ahora que para ul fim se digne escolheio, gk-
raotindo o maior disvello e assuidade no campri-
aai
-
PRIMEIRO BAWKO CONSULTORIO
HOMBOPATHICO
Dlrlcldo pelo Dr.
SANTOS IKLLO
Os habitantes do interior podem-no
consultar por escriplo, no que serio sa-
tisfeitos com promptidao.
Presta-se tambem a chamados paca o
interior, a preco medico.
Consultas, no consultorio das 10 horas
ao meio dia.
Chamados, a qualquer hora.
' Aos pobres gratis.
43Ra do Bar3o da Victoria43
(Antiga roa Nova).
MOFINA
ao IIb. Sr. Ignacj
r a na
Boga-sea fpnacio V.eira de Mello,
crivao na cidadjf^H|aretb desu provincia,
favor de v perador n. 18 a concluir
aquelle negocio que V. S. se comprometteu reali-
zar,-pela tercer* chamada deste jornal, em fins
de dezembro prximo passado, .e dp^ois para ja
neiro, passoa a f
KST AH IIC ll>0
-NA
CIDADE DO RECIFE
SOB A VALIOSA PROTECCAO
DE
S. S lYTI VIII. PI IX.
DIRECTOR E PROPRIETARIO
(Baisaaaaa. im fMmmmi asa
BERNARDO PEREIRA DO CARMO JNIOR.
Este aaligo estabelecimenlo de edueacao e intruccao achando-se actualmente no espa-
coso, claro e bam v. otilado edificio da pracji do Conde d'Eu o. 33, para onde foi remo-
vido, contina a recebar alumnos internos, sim'internos e externo*.
-------- que bao colbido a exibido os mnitos alumnos que tem tide
rir de
Os bons resaltados que naqxonmio a exmwo os muios alumnos qu
este esubelecimenio, devem servir de garanta e auimacao aos paes de familias que de-
sejarem ter ah seus Albos.
Nos estatutos do collegio, que esto a
acharo consignadas as condiooes de entrada.
disposiclo de quem os quizer 1er, se
Aula partculr de primeiras
letras.
Joanna de Siqueira Silva, autorisada pela direc-
tora geral da instruccao publica e despacho do
Exm. Sr. presidente da provincia, participa aos se-
nhores pas de familias que tem aberto sua aula
particular de instruccao primaria na freguezia de
S. Jos desu cidade, no largo da Ribeira, sobrado
n. 19, onle espera satisbzer aos pais de familia
que Ihe confiaren) suas Alnas, unto as materias
que consliiuem asobredicta instruccao, como tam-
bem em que for conceruente as habilidades de
agulna, como sejam bordado de ouro, la, linba e
crox, etc. ; desde j protesU pelo multo-cuidado
e boa educapo de suas alumnas.
a vii'li fnirttil*
ROB LAFFEGTEUR
Approvado em Franela, Roana, Austria e Blgica. O arrobe vegetal Laffecteur sa autho-
rizado, he mu superior aos tarops de cuisiniar, de Larrev a de salseparrilha.__Da fta
digastao, adagraved ao paladar, e ao alato, abe ara radicalmente aeaai astercarloi as
aflecoes da palle, Implgoma. alporoaa. twanareo. ulceraua, tama de*-
erada, eacor bu lo, a os accidentes proveudas dos partos, da idale critica, e da acri-
monia hereditaria dos humores.
O arrube lie especialmente recwnmendada contra as doencas syphilica recentes, invete-
radas ou rebeldes ao merenrio e ao ioduro de patassio.
Ama
Precisa-se de ama ama para casa de pousa fa-
milia : na roa da Cadeia o. SI.
ATTENCAO
Precisa-aa de um menino brasleiro, de 13 a 14
annos de idade, que tenha ou nao pralica de Uber-
na : na rea dos Pescadores n. 43.
A sociedade que nesla praca gyrava debaiio
da firma dei .Meados & CoeStio, acha-se em liqui-
daco desde 31 de dezembro prximo passado, por
mutuo e amigavel aecrdo entre os socios, conti-
nuando a casa com o mesmo negocio, debaixo da
firma e responsabilidade do socio Joao Jos Rodri-
gues Mondes.
. I RA DO IMPERADOR N. M.
O proprietario deste estabelecimenlo avisa aos
seas numerosos e bons freguezes, qae acaba da
preparar um grande sortimento des memores g-
neros do mercado para reebear ae despensas da-
quelles que tiverem bom paladar e disposiclo pa-
ra gastar os cobres, no tempo da fesU do Natal.
Ah encontrarlo expelientes presentes de fiambre,
vinbos, licores e cognac de todos os fabricantes,
boa cerveja, mar melada portogueza, ameixas em
caixinbas, conservas francezas e poriuguezas, do-
ces de todas as qualidades seceos e em calda.
Tambem encontrarlo bolinhos para cb de todas
as qualidades, bolos francezes e oglezes, pac-de-lc,
pudras, tortas, amendoas eonfeiladas, e quantidada
do ouiros objectos que seria enfadonbo enumerar.
3**$* ***** ****
O bacharel Manoel Barbosa de Aranjo
contina a receber na casa de saa resi-
dencia, roa da Saudade o. 35, alumnos
pensijDistas, meio pensionisus e externos
^ JaTNK/wTPN 7aX^r\ ^aX^a\^r^w^o<
CASA DA FORTUNA
Aos 5:0001
Billietes garantidos.
A roa Primeiro de Marco (otr'ora roa
Crespo) d. 23 e casas do coatome.
O abaixo assignado, tendo vendido nos seos fe-
lizesbilhetesdous quaito o. 1397 com 900*000,
dous quartos o. 61S com 400*000, um quarto a.
3394 com 100*000, um quarto n. 1361 com 100*.
um quarto n. 689 com 100*, um quarto a. It3s
com 100* e oulras aortas de 40*000 a M*000 da
lotera qne se acabou de- extrabir (178*), eoarrida
aos possuidores a virem recebar na roaitaraaida
fdo costme sem descont algom.
Acham-se i venda oa binlas garaaMpa da
i.* parta das loterias, a beoefleio da mapiz da
Taearat (179.'), que se extrahiri sexu-flra 90
do corrente raez.
PBECO&
BUhele inteiro 6*000
Meio bilbete 3*000
Quarto 1*800
Em porcio de 100*000 para cima.
BUbeteialeiro 8*400
Meio bilhetc 1*700
Quarto 1*360
Manoel Martas Finia.
Ama
Precisi-se de urna ama escrava que engomme e
faca o mais servico de casa de familia : na ra do
Visconde de Pelotas (AragV) n. 37.
Olinda.
Deseja-se comprar on alugar alguma casa qne
tenha sitio oa quintal grande do lar o do Amparo
al o Rom-successo : informa-se na ra do Am-
paro, venda de Pedro Marques da P
ATTENCAO
A abaixo assignada professora pailicular da
instruccao primaria, a roa da Florentina n. I,
abre a sua aula ao dia 16 do correle, e continua
a dar licSes de sen magisterio, bem como eosiaa
a bordar, tanto em lia como em ouro; para o que
so acba habilitada competentemente.
Recife, 13 d Janeiro de 1871.
Rosalin* de Miranda Henrique Teixrint.
O antigo i otim
da Silva tem al fran-
cs fl'linpua n: xler
nos e pensionistas : na B ra do Jasmin
Um rico faqueiro de Egc-
tro-!late
Acha-se venda n.
de louca d > faqy aoyo-
plate. cont
que neeaajaj
aaaaaaaaal
aaaaaaaal


II
I .

HMUSB
ubuco
F
ffinm
1JL
Bl
of
I
arnaiem do va-
taV-%*, rna
do BarSo da vleto-
arta (o-trora rua
Hora) I.
; hvjo
% armaiem do Va-
por Francez. roa
do BarSo da
Ma (ontr'ora rila
!*H>va) n. .
^iMBHyRHR9
RUA DO 1IUQUC2 _____________
( Antiga rua do Queimado ) 03
Ataba de ser reberla a antiga pharmala da roa do Qoeimado, perlencenleao
Sr. Jos Alexindre Ribeiro, sob o iKulo de Pharmacia Ameridfka. a 4 j'
Tfldo sofrido grande _odificar;5o esta pharmacia ; chaye hoja, mont|da |n
gost e asseio, e esta certeza nos anima a convidar os Srs. ttticos,/- o rjppeiiivel
publico a vitlu-Ia.
A ONima pbKmacia presta-se aviar qualquer receita que larde da ooutefitbe
seja dirigida.
F^HHHrrial
flALKftl t DE *I\TI
Perfumaras, quinquilharias e brinquedos
para meninos.
Este estabelecimento acaba de receber pelos nltimos vapores navios de veiia eaefs_os a
Europa todas as soas encommendas do grande sortimento de festa, eflorece ao publico em geral, por
preeos resamidos o raais possi vel, os artigas segrales:
Ricos artigos de pbanUsia necessartos para toi-
Ibetes e proprios de presentes.
Jarros e booquets de porcelana para santua-
rios.
Registros de papel flno mnt JeJIesn?.
Quadros promptos para collocar vistas.
Molduras dooradas para qaalros.
Estampas de bellas paysagens de cidades, de
figuras e de santos.
Espanadores de penas e de palha.
Carteiras para notas e para dinheiro.
Caixinha de msica de darse curda.
Pooteiras de es pama para cigarros e charutos
Gravatas de seda pretas e de cores.
Bengalas de cana com eastes de marflm.
Ditas de baleia, junco e de umitas quahdades.
Pentes Onos de marfim para caspas.
Escovas para (acto, para cabello e para denles.
Lunetas ou penclnez de prala dourada.
Ditos de tartaruga e de ac.
Oculos de prata dourada e de ac.
Reverbero transparente para candieiros.
Ditos para lanternas de pianos.
Cotos econmicos para vellas de spermacete.
Gordas para violao.
Port-pratos para mesa.
Caixinhas de diversos modelos e preeos.
bjectos novos de mgicas o meltor possivel,
para divertir meninos.
Malas, saceos e boleas para viagens.
Estojos de viagens, completos com naralhas.
Esporas de metal branco para saltos.
Chicotes fortes com martello para viagem.
Ditos de muilos modelos, de junco e de baleias.
Lavas de fio 4e Escocia brancas, e de cores.
Ditas de camurca amarellas.
Machinas para fazer caf.
Globos de papel de cores para illuminacSes de
festas campestres.
Baldes de cores, de subir ao ar fcilmente.
Jogos de domin, da gloria, visporas, rodetes,
bagatela e outros jogos allemaes.
Esterioscopos com as mais bonitas vistas, de
figuras destacadas e grupos de familias.
Armnicos ou accordions de todos os tamanhos
e novos modelos com trmulos.
Realejos pequeos com novas msicas.
Cosmoramas de varios tamanhos, com difieren-
tes vistas mui pitorescas.
Para lapinhas.
Presepios completo com todas as pecas e sorti-
mentos avulsos de flgurinbas, animaes, casas, jar-
dios, etc.
.C_-A0
Botinas para senhoras^-duraque branco, preto
e de ouiras muitas cores escomidas do nltimo gos-
to ia oda.
Botaas para meninas igual sortimento.
Sapatinhos de salto para senboraduraque pre-
10, branco e de coree, e de couro de lastro.
Botabas para criancas, propinas de baptisa-
dos.
Botinas de diversas qnalidades para homem.
Botas rnssiauas para montara, tanto inglezas
de couro da Russia para viagem, como francezas
de Melier, bezerro flno, para passeios.
Meias perneiras para meamos de 10 a 16 an-
nos.
Sapatos de brim branco para bemens.
Sapatos de vaqueta de lustro com sola de rna-
deira, proprios para banhos.
Sapatos de borracha para homens e senhoras.
Sapatos abotinados, de differentes modelos, mal-
eo bons e fortes pan meninos e meninas.
Sapatos de tapete, avelludados, Charlot, casi-
mira preta, de tranca portuguezes, para bomens,
senhoras e meninas.
Perfumaras.
Extractos finos, banhas, cosmticos, leos, opia-
tas, aguas de Cologne em garrafas de crystal para
presentes, agua divina, agua florida, dentfrico la
vande, agua de toilet, tintura para barba e cabel-
los, pomada aongroise para bigodes, pos de arroz
e sabonetes, ludo isto de primera qualidade, dos
fabricantes Coudray, Piver e Lubin.
Quinquilharias
Lavas de pellica brancasJoavin.
Espelhos grandes deurados para salas, quartos
gabinetes.
Leques para senhoras e meninas.
Joias de ouro, brincos, transelins, pulseiras,
ootoes de pannos, de abertura, correales e chaves
de relogio, tudo de ouro bom de lei.
Brincos de plaqu i imitacao de ouro.
Correntes para relogio.
Abctoaduras para colletes e para punhos.
Albuns de velludo e marroquim para retratos.
Mammadeiras de /aro para enancas.
r>i^nhaa de costura, novos modelos com mn-
sica, proprias para presentes.
Quadrinhos doaradds para retratos.
Toacas e sapatiohos de lia para enancas.
Gapellas para noivas e para pastoras de pre-
sepios
Caixinhas com vidros de augmeito para ver-
e em ponto grande a photographia dos retratos.
Ps de vidro para pianos.
Thesonrinhas para eos ara e nnhas.
Bolcinhas de seda e de velado.
Cestinhas para braco de meninas.
Balaios para costura.
Cosos d'arame pratiado para frotas e pao a
mesa.
Attenpo
-Todos os artigos mencionados neste annuncio
vendem-se muito baratos, nao s pelos abatimen-
tos obtidos dos fabricantes em attencio as gran-
des e repetidas compras, como pelo bom systema
de vender muito anda mesmo -com diminatissimo
lacro.
>
NO
rio
SAJbAO E PIAUO
Ba da Imper
Para flauU, clarinetta, rabeca de _
militare harmonio, to proprio para este tem
dade dos actos religiosos.
Todo pedido das provincias oaf dointerior serio prompUuneata attendidos.
grande YcbesA para banda
festas e para augmentar a solemtii-
ATTENCO
LOJA DO PAPAGAIO
RUA DA IMPERATBIZ N. 40
Esquina do beco dos Ferreiros
DE
MENDES ft CARVALHO.
Os novos proprietarios deste bem eonhecido estabelecimento fazem sciente ao respeitavel
publico desta cidade e fra della, e cora espeeialidade s Exmas. familias da capital, amigas da eco-
noma domestica, rjoe este estabelecimento se acha as melhores eondiedes de peder servir bem a
quem o procurar, e por menos preco que qaalquer ootro, e para Isso sejachi bem montado com
um grande, bonito e elegante sortimento de fazeadas de lia, seda, linho e algodio, todas modernas
e ltimamente ebegadas.
Os proprietarios limitam-se a vender pelo casto, ganhando descont, e s se vende a di-
nheiro ou 60 dias, a quem nos convier.
Chapeos de sol de seda de 81 al 20*.
Ditos de merino e alpaca de 3*500 a 34000.
Pcuptlinas de laa e seda, e de linho e seda.
Alpacas de cores de lia, e de seda.
Saltanas para vestidos.
Lias de listra de seda.
Gorguroes de lia.
Poil de chevre de diffarentes qnalidades e gos
tos.
Barejes mescladas e de listras de seda. *
Alpacas lisas de todas as cores.
Alpacas trancadas (Irences).
Alpacas de flores..
Las escocers de quadros largos.
Lias lisas de todas as cores.
Alpacas brancas, lavradas e de cordao.
Cambraias brancas, tapadas e transparentes, in-
glezas e suissa?, da largura de tarlatana.
Cambraias de cores grandas e miadas, a todo
prego.
Metim da India de duas qualidades.
Cambraia para saias, bordadas e com pregas.
Cassas indiana?, finissimas.
Cassa lisa de-differentes qualidades.
Cassas de quadro e adamascada para cortina-
do. .
Fil de linho liso e de salpico branco e preto.
Tarlatanas de cores, as mais bonita.
Toalhas de linho e de algodio de 500 rs. para
cima.
Gaardanapos de linho de 24000 a dnzia para
cima.
Colchas de fuslio branco de differentes tama-
nhos.
Ditas de fuslio de cor com franjas.
Cobertores de lia fiaos com listras largas.
Ditos brancos e encarnados.
Ditos brancos de algodio.
Cuberas de chita chineza.
Ditas de chita encarnada adamascada.
Bramantes de linho e algodio de differentes
preeos.
Atoalhados de linho, e algodio trancado e ada-
mascado de diversos preeos.
Pannos de linho e de Hamburgo.
Silecias de linho e bretaohas
Franellas lisas e de quadros de todas as cores.
Mussulinas e brilhaatinas brancas.
Fustes de cores para vestidos. *
Pannos da costa para cobrir masas.
Ditos de quadros, encarnado e largo.
Sargelins fraocezes e inglezes de todas as cores.
Camisinhas bordadas de cambraias transparen-
tes.
Lencos bancos, chinezes, de caobraja, de linho,
de esguiio e de bretauha, havendo muia diver-
sidade em quaildades, gostos e preeos.
Ditos bordados, branco e fino;/
Ditos de seda de cor, para homens e senhoraj.
Peitos para camba?, ha de algodio e de linho.
lisos, bordados e de pregas para todo o preco. ,
Gravatas, completo sortimento, preta e de co-
res, de seda e setim com mola, e brancas borda-
das.
Grosdenaple preto e branco.
Sellns de cores.
Espartilbos de linho finos e baratos.
Esguiio de linho e de algodio.
Luvas de seda, braucis e de o.* res e de algodio
Ccrtes de colote de gurguris de seda.
Vestuarios de fustao braneo e de cores para
meninos de 2, 3 e 4 anuos.
Fumos de seda elsticos.
Chales de chita, de inetim e de merino liso.
Ditos estampados de 4 at 10*.
Cpelas para noivas e veos de blonde.
M0DE0UR0
Nova loja de joias
RUA DOiCABUGV N.9 A.
DE
Manoel da Cunha Saldauha & C.
Gasa-qainhoa de seda dos mais modernos e ri-
camente enfeilados.
Chales de merino, pretos bordados e lisos com
vidrilbos.
Tapetes aveludados- de diversos tamanhos, tanto
para porta como para soff.
Cortes de cassa bordada e de salpico.
Ditos de fil liso muito baratos.
Baldes de mnssulina brinca e de lia de cores
com anquinha.
Redes de panno proprio, para dormir.
Orpandys brancos e de cores.
Punhos de linho e colarinhos bordados e lisos,
de linho e de algodio.
Camisas brancas, francezas e inglezas, de linho
e algodio, com peito liso de pregas, e bordadas.
Lona para camas, parda e branca.
Pe^as de algcdaosinho de 21800 o 64.
Algodio infestado, liso e trancado.
Madapoloes de 24 jardas, de 4*500 at 10*000
a peca.
Ditos fraocezes muito largos de 34 e 45 varas
cada peca.
ReUlbos de chitas, lias e cambraias, que se
vejdem por preco barato.
Chitas de 240 rs. at as mais finas que ha no
mercado,
' Bros pardos e de cores, Usos, trangados e de
listras.
Bros brancos de linho do mais barato at o
mais superior.
Fostdes brancos e de cores para roupas.
Merino preto, verlo, trancado e de cordio.
Merino verio azul.
Bombazioas. princezas, cantio, liazinbas, cas-
sas pretas, chitas, alpacas pretas e pintadas, ten-
do um grande sortimento de fazendas de todas as
qualidades que so procuradas para luto.
Roupas fetas na loja do
papagaio.
Um magnifico sortimento de roupas feilas de
todas as qualidades tanto para homem como para
menino, um bonito sortimento de casemiras de
quadros de listras e lisas proprias para calca?,
paletots e coietes, corles de gurgurio de seda
para coietes, pretos e de cores, pannos pretos,
azues, cor de cal e casemiras.
Paletots de casemira de cores, pretos, aznes,
cor de caf, alpacas pretas e de core, de brim
branco, brim pardo, gaDgas, brins de eres, etc.
Coietes de casemira e de todas as qualidades.
Calcas, ha tio variado sortimento, que de
qualquer fazenda propr.a se achara feitas, e por
preeos comraodos.
Sobrecasacos de panno fino de 15* at 40*.
Seroulas fraNexas de linho e de algodio.
Raetas proprias para baohos, de todas as cores.
Eslamenha a 160 rs. o covado, muito larga.
lio upa por medida na loja do
papagaio.
Mandase fazer qualquer qualidade de. roupa,
com presteza e esmero, tanto para homens como
para menino?, por menos preco que qualquer
ontra offleina. que para isso o estabelecimento
acna-se munido de um bom mostr alfaiate e
acontecendo a obra nao ficar gosto dos fregue-
zes recahii a responsabihdade sobre os proprie-
elarios.
Dio-se ai amostras a quem as exigir, ou man
dam-se levar pelos caixeiros.
Acha-se aberta das 6 horas da mannaa s 9 da
nonte.
Pbarmaocmtlco privilegiado
successor
CASA CAUVIN A "un
w IV Boolentrd Sbaatopol, US. PARS.
NOVAS ESPECIALIDADES A. MARINIER
ApKMjadM t Academia te Scieaeiu e to kistitaM Se Frasea.
U irnniA Sobl forma Se Paslina, deredida e doseada para faser Se
INJ ECCAO MMtto uu oioeeao rniTOTm i evnva MOLESTIAS CONTAGIOSAS
ITJirPTAD DDIIfOA do V0,UIB de ni relogio, servindo.
lllJIillIuRlIllaJlI" de Philtbo e Seringa em os
Gravee inconvenientes de fragiliaade.
Coa a ferma, e do volume de u
TOUO trat;
Porte-Moeda eoMendo
TO.
fj abri-se este estabelecimento de joias, o qual tem grande sortt-
' de todas as joias de ultimo gosto, as quaes vender o mais barato pos-
rao garantidas onro de lei, pois os sens donos tendo em
regaezia n5o olvidarSo, vender bom e por preces as mais
a este estabelecimento, certo de qae fcar
ESTOJOS
COLLYHIO Contra as affeccois o^ipslpebras, preparado sob a metma forma.
TiinrorfAY nHrn Depositario geral para o BRASIL e PORTUGAL
BAR 1 HULUltU a L 3v *do Rosar io:- pernambuoo.
INSTRUCCAO
quaes
Rua do Commercio n, 5
(Itecife)
Francisco ftibeiro de Souza, professor particular de inslrucco primaria,
s Ilustres pas de'seas diseipolos e- quem mai^ possa interessar, que a
3 sna aula tera lugar no dia D ds Janeiro de 1871 prximo futuro, na
nde mesma funeciona ha ir* anuos, -na rua do Commercio n. 8.
Tem 11 ti cerlo e determinado numero de alumnos, os
liabais pr
a todos os das litis as 9 horas da machia e terminara as
!e exaisltarem o aceeio, o

J. Fetrwtk Vd\a Ik^
Desde o (fia 7 de a
lovo estsb^eciment') pbotographic sito-a re
Cabag n. 18, esquina do pateo enlio, |em sfMo de nossa o
te agrando,* Ando rccAdo
HuniconT admirai;ao pelKxtraordttarij
gresso que AltimamsBte tenVlido a pflbri gil
por outros com alegra, por verem a'proV
dotada com na estabeleeimeoto digno d ella, e in-
sntestavelmente o primeiro que nesse genere
fiojepossue : umbemnio nos poupamosem cousa
lgdraa pira moota-lo no p em que se acha, es
perando que o pulHico de Pernambnco saher
ipreciar noseos slbrcos o recompensar nc*sos sa-
crificios.
Convidamos a todas aquellas pessoas, nacionaet
i eetrangeiras que gestam da^ artes, ou tiverem
necmiido de trabalhos de pholographia a v4M-
tarem o nosso estabelecimento, que estar senrpre
iberio e a sua disposicio lodos os das desde as 1
horas da mannaa at as 6 da urde.
Pan os trabalhos de \ hotographia possntmos di-
versas machinas des melheres autores francezes,
nglezes allmemMs, como aejam : Lertbonrs el
Secretan, Hermagis, Thomax Hgss, Voigtlander tt
Sonh eWulf. ltimamente recebemos tres novas
aehinasi sendo urna deltas propria para tomar
robre o mesmo vidro 4 ou 8 imagens diversas e
isoladas, e o*utra do 6 a 12 imageus diversas s
igualmente isoladas, de sorte que ao caso de
grande concurrencia poderemos retratar sobre
ama nica chapa at 8 pessoas diversas e isola-
das para cartdes de visita, e assim em mens de
um qnarto de hora despacbarmos 8 differenie
pessoas que pecam cada urna, urna duzia de cartoe;
mais ou menos, com os seas retratos smentc, oo
jm grupo com ontras.
Encarregamos-nos exclusivamente da direccic
s fetura dos trabalhos de photographia aei-
rando pencia e talentos do distinti pintor
allomio, o Sr.
\ Jorge A. Roth
a trabalhos de pintura, a aquarela, a oleo, e a
pastel
O Sr. Roth acha-se ligado a nossa empresa por
ama escriptura poblica, e at o presente tem-se
desvedado na execucao de seus trabalhos.
No nosso eslabelecimeoto acham-se exposlos ou-
tros trabalhos im|iortanus do Sr. Roth, tanto em
miniaturas aquarella como i oleo, reiratos i
oleo, quadros sacros e diversos outros trabalhos.
Tomamos encommendas de retratos oleo at o
tamnho natural, assim como de quadros sacros
Sara ornamentadlo de igrejas en capellas. Tam-
sm aceitamos encommendas de quadros histri-
cos.
Asseguramos que os preeos dos diversos tra-
balhos da nossa casa sio mu rasoaveis.
CARTES DE VISITA NAO COLORIDOS A 1000 A
DUZIA
CART5ES DE VISITA COM O COLORDO AO NATU-
RAL A 160000 A DUZIA
Retrates em miniatura oleo ou i aquarella de
16 i 20*000 cada um, indo convenientemente en-
aixilhado em moldura dourada e regulando c
basto da pessoa retratada de 3 4 pollegadas t
todo o quadro palmo e meio de tamanho.
Julgamos qae bsstario os presos cima para
larmos idea da baratera dos trabalhos do nosso
istablecimento, quanlo sua perfeico cada un
.enha julgar por seus proprios olhos.
As melhores horas para se tirarem retratos nc
nosso estabelecimento sio das 8 horas da manhia
I da tarde; entretanto de urna hora s 5 da tarde
em casos especiaos pode-se tambem retratar qual-
iuer pessoa.
Nos dias de chava, ou por tempo sombro po-
lemos retratar, e asseguramos que esses dias sao
>s mais favoraveis aos trabalhos de photographia
pela docura e persistencia da luz, e per termos o
aosso terrajo construido com taes proporcoes e
melhoramenlos, qae amda chovendo jorros ne-
ahum inconveniente 'ha para fazer-se bellos re-
tratos.
J. Fmtira Vil lela
ii m an
arm*
CU DO 010
Rua do Bai'o da
Victoria n. 63
( Outr'om rua Nova. )
BUhetes garantidos da pro-
vincia.
O abaixo assignado acaba de vender entre os
seas muito felizes bilhetes a sorte de 900*000 em
um qnarto de n. 1397, a sorte de 4O0# em. dous
quartos de n. 622, a de 200* em um quarto de
n. 3324, a sorte de 100* em tres quartos de n.
1361, e outra de 100* em dous quartos de n. 689,
e tres quartos de n. 2632 com a sorte de 10-j,
alem de outras senes menores da latera (178) que
se aeabou de extrahir, podendo seus possuidores
virem receber, que promptamenle serio pagos.
mesmo abaixo assignado convida ao respei-
tavel publico para virem no seu estabelecimento
comprar os felizes bilhetes garantidos, que nio
deixar de tirar qaalquer premio como prova pelos
mesmo? annnncios.
Acbam-se venda os muito felizes bilhetes ga-
rantidos da 1' parte da lotera em benellcio da
matriz de Tacarat (179) qne ser extrahida sex-
ta- feira 20 do correle mez
. jPRECOS.
fnteiro 6*000]
Meio 3*000
Quarto 1*800
De 100r5000 para cima.
Inteiro 5*400
Meio 2*700
Qnarto 1*350
Joao Joaquim da Costa Leite. -
Au belsexe
COLD CREAM OF ROSES.
Cette Creme delicense, universellement rpao-
due en Anglelerre, o les femmes sent si renom-
mes par la beanl et la transparenee de leur
teint, doit sa rputation anx lmenls balsamiques
et onctuenx qui la composent, ainsi qu' sa cons-
tante efflcacit pour adoucir la peau, la rendre
plus blanche, et conlribner ainsi la sant et a la
beaut, qui, loujours, sonl inseparables.
On la recommaBde eontre les irritations de
I piderme, telles qne Boutors, Epblidbs, Ta-
ches na Rousskur, Rodgbvbs db la Picure, el
eontre les taches patriques et les fiioresc8N-
cbs. Cette Crme convient spcialement anx fem-
mes encerotes pour prevenir LE MASQUE, anquel
siles sont sujettes.On s'en sert encor pour era-
pecber la figure de se bler par le froid ou la trop
grasde cbalear.
Prix 1:500 res
Seal dept an magasin Basar dla Mode50
Ru do Bario da Victoria.
Preeisa-se fallar aos. Srj. Antonio AveUa
de Aranjo Maura, Francisco Antonio de Ma'ga-
Ihaes, Joaquim Jos de Souza Lima : na rua do
Vigario n. 19.
"^^^"a ni i mu
COMPRAS.
Chumbo e estanho
velho.
Comprase em grandes e pequeas porctdes; na
roa Nova n. 11.
azeite de coco em qualquer quantiadti: no ar-
mazem da Compauhia l'ernarabucana,no Fortu do
Mallos.
Litar!
G.iz da melhor qunlidide a 7*^00.
Farinha de mandiuea propria de mesa a 6*000
re m o peto -fle 100 li-
do ltimo vaoor a 2*800.
em eaixitihas uwflguraces diver-
sas prept-iM para fesiaj a enancas.
Velas siearinas a 640 rs. a libra.
Chocolate de I* a 1*800 a libra.
Especial manteipa ingiera e franceza.
Honaliees atra sopa* deoomiosda* Julkne, qne
sobstitue pennamente as mais rreseas ervas.
A verdadeira farinha americana vinera de coma
propria a 320 rs. p maco'de urna libra.
Boladiinhss de (odas as quafidadei e dos me-
lhores fabricante
Queijo da iiha espeeial a 880 rs. a libra, emol-
ios outros gneros qne se eocoatrfi por preeos
razoaveis e de Ia qualidade : na rua do Duque
de Csxias n. 42, armazem de

MURMURE
13 A Raa da Imperatriz 13 A
DE
JOAQUIM BEZEUR PESSA C.
Os proprietarios deste novo estabelecimento de
fazendas vem de novo parlecioar ao respeitavel
publico, e com espeeialidade aos apreciadores do
bom e barato, que nesta data tmi recebido pelos
ltimos paquetes da Europa, un esplendiJo scrti-
meato ae fazendas. Especialmente para a qua-
resm* ; como bem srjam grosdenaple pretos, sor-
tmenlo completo para lodos os drctjss; raoireanti-
ques pretos, fazenda inteiramenie nova e omito
barata ; bombazinas ; las pret.i lisas ; setim da
Chin, e militas outras fazendas pn-prlas para a-
te fim a preeos mdicos ; afim de dar crdito ao
estabelecimento e apurar dinheiio 1 1
E para a testa dn> Foco til
E' para esta festa que a Flor da moda recebeu
grande quantidade de alpakas lavradas e lisas do
todas as rres, preeos e qualidades 100 rs., 500,
600 e 1*000 o covado para acabar.
Lindissimo e bem escoluide scrtimenlo de lias
de variados gestos, admira os piucos a vista da fa-
zenda200, 300, 400 e SCO rs. > covado, na Flor
da moda, na da Imperatriz n. 13 A.
Quem gusta de cachina* 4* e 5*000 v rua
da Imperatriz n. 13 A, que encuniraia d<; indas as
cores; e tambem vamisinhas brancas e decores
para sdntmra ; manguil>s, golmha-, punhos, e as
rr-ais modernas gravatinbs de diversos modelos e
cores lindas; tudo barato para acabar*
A Flor da moda tambem vende para os cava-
Iheiros os mais modernos colerinho^ piinbcs,
gravatas tinas e mantas com lacoa inleiramente
modernas; tudo barato e quc-ui duvidar veoha
ver 1
Chapeos de sol inglezes de seda e alpaka 13*
e 18*006 ; ditos de iVIlro do diversos modelos;
cambraias brancas de ledas as qualidades, trans-
parentes e tapadas para-3*. 4*, 5*, *, 7* at
10* pega com 10 jardas; chitas finas, percales,
creloncs e outras qualidades ; madapolo:s e algo-
d8e?, e outros muitoscbjecUs quesera enfadonho
mencionar.
Viva a fulia A Flor da Moda
Do Carnaval O perfume exhala
Mi larda o dia Veoham, freguezes,.
Delle chegar. Yeuham visita-la.
Para o carnaval!
Lindas fazendas para vestuarios, e no mesmo
estabelecimento enconlrarao os vestuarios promp-
tos venda e para fe alogarem ; dio-se as amos-
tras do todas as fazendas e mandam-se levar s
casas das Exmas. familias que nos obseqowrem
com seus pedidos, para o que temos um pessoal
habilitado para este fim.
O estabelecimento acha-so aberio das 6 s 9 ho-
ras d noite, as ordena do respeilavel publico.
N. 13 A RUA DA IMPERATRIZ N. 13 A
Vende-se
superior cemento Porliand por precio commodo :
no armazem da Companhia Pernambacana.
liuir
Chitas e?cos?ezas de lindos padiSes e cores fl-
ua, uzeada de 380 rsv vende-se por '.60 rs. o
covado.
Chitas escuras finas de 370. vende-se a 320 rs.
Chitas clar?s muito finas a 360 rs. o covado.
Lias com listras de seda a 3E0 r?. o covado :
na loja do Gaspar A. V. Guirsraes, la do Duque
de Caxias n. 13 e antiga do Queimado n. 1.
.Na fundido da Aurora vein!e-so por prec;o
razoavel. quantidade de lijlo de tpo (fire brik-)
CHARUTOS
DE
Chegounova remessa pelo ultimo vapor ameri-
cano, rua da Cruz n. 55.
Bjnheiro superior com pertcoces, vende-se
um novo anda encaixotado, ejque se pode remo-
ver de urna para outra casa, sem inconvoniente
no armarem da Companhia Peroambucana.
Lencos de labyrintho.
Vende-se na rua da Cadeia do Recite n. 7, em
casado Chalaca & Neves, bonitos lencos de laby-
rintho feilos no Aracaty. ____
(Jal de Lisboa
Vende Manoel Joaquim Giraos Braga, largo da
escadinha n. 3, pobmenos qae em outra qaalquer
parte._______________________________ -
Vende-se o deposito de massas, sito ao becco
de 8. Pedro ; a tratar mesmo.______________
Vende-se urna casa de taipa as Areias, es-
trada de Jaboaiao. principio, lalo esquerdo : a
tratar na roa de S. Bom lezus da Crenlas n. II.
VfijVDE-SI-i
o hotel central, ms nfejovoado dos Montes, esta-
;io do Una. mi da fJtleordia n. 10, e o motivo
de se vender porqin o dono quer mudar de
precedente : a tratar na roa Direita n. 13, on com
o dono no mesmo hotel.
Attenpao
Vende-se o hotel da roa da Senzala nova n. 16 :
quera o preteggfr dirija-se ao mesmo, qne achara
com quem tratar. ___________________
Bom e barato.
Domingos da Costa Ferreira tem para vender
os melhores charutos di Babia, recebe de conta
propria de fabricantes acreditados nesta praca, e
offerece vanlagem ao comprador : qaem pretender
dirija-se a rila da Cruz n. 44, andir, onde en-
contra sempre sortimento, o cae ha cwe genero
de melhor. _____
':. Venie-soum sii!
Porto daMadir
urna casa terrf
de frente e 6V de fuii
fra, fl^H^H__a_____M_____HI
lendo o sitio 160

& s. a8>&K
B_B____|
ilililill


*f^ij^j^M'i^*^S'*s^"i!iJ* JSs Hign
......I ..,...,,- .- ,i V.S- ,-
Diario' d Penianibuco
'V.
rea e ir a 17
Janeiie

i
B
Ifft
ide<
[ sua.ele aueia^
M* SS
itoeamente
60-RA DA IMPERATRIZ-60
mj 3X
i na Nov
Loa
^^pei Nova Esperad
*a>
er oa oajeeio, preitoarta-ie eoai '
jaMqrMieaWfTH iipfca-mUni ot fi
rtni
Hasta inocrtaote eatabaeolE BiraTi o f vi qoalqQer artigo
i nharem o descont ; as pessoas qoe negocian em pequea esca'*, oesta toja araran poderlo ^ tiortnaeatos
oslas me*mos Meas ue abarata oa. cmm m&m*. (mftum* ees aa*or a iBiil tas Eraw. tanto -*
ras da tedas tazendaa, oo mes taaam em suas casas para escomers*.
geral, e a ajrtafalar a a boa fres*** awasas,
18 t^a^Ba^Ham^Bm^Bm^H
wMtooaw!o px i drrigireipeje *4"36Bi eotmeddl
WMew, modkidajto emproco e o atomma desme
IVHMbm V
&nn
<*."";?
FEBEIRA DA SILVA 4 C.
TAWTES
Cbegoo pin o Bazar do Patio o mais
elegante sortmeoto da pete grandes, pa-
ra asas, com 4 eedeiras, dito mais peque-
o, para doa cadeiras ditos para
pianos, camas, portas; le. veode-ae por
meaos do qa Ura .ualqoer parte.
ROf AS *ARA HOMENS
No accreditado Ratar doPavao encontra
GROSDENAPLES PRETOS |
Cbegoo para Bazar do Pava tua gran-
de sortimento do aaHares apassDapie
aratos qoe tem viudo ae mercado, que ae
vendem de 4#600 at 85000 o corado ;
lo todoa muilo ea conu.
ESPARTILHO.
Na Baxar do Pavlo reeebeo-ee nmeiefae-
te ortimento dos mais moderno meho-
Novar
U&P
recebes boas ealxas de aaa-
a Nova Espe-
ra o respeitavel pabiieo am grande sor- res espartitbos, que te venden por preso
ment de roopas para bomens tanto bran-iaooam conu.
cas como de cores, a saber
Camisas coa pertosd*algo3o t deMnho,
para todos os precos a qualidade.
Geroulas de linbo e algodSo.
Usas cortas franoezas e ingieras.
Mitos sobrecasacos de panno preto e
casemira.
Calcas de brim branco e de cores
Ditas de casemif as pretas e de cores, com
oolletes iguaes
De todas estas j-oupas ha para todos os
procos e qualidades, e tem de mais mais
am perito
ALFA1ATE
Por quera se manda fazer com prestes
e aceio qaalqow peca de obra a capricho
oa gosto do fregaez, tendo n'este importan-
te estabelecimento todas as qualidade de
panno flno, as melhores e mais moder-
nas caserairas, assim como os melbores brins,
qnr brancos, qnr de cor ; e quando qnal-
qner obra n3o ficar ioteirameoto ao gosto
dos fregnezes fica por conta do estabeieci-
meoto.
FUST^ES DE COR E BRANCOS
Vendem-se bunit as fustes brancas e de
cores, proprios para vestidos e roopas de
meninos, sendo de cores a 800 ris o cova-
do e brancos, a 400 e 640 ris, ~ pe-
chincha, no Bazar do Pavo ra da Impe-
ra triz n. 60
CHITAS BARATAS
a 200 ris.
a 200 reis.
a 200 re'rs.
Vendem-sa chitas largas com mnito bons
pannos e cores fixa?, pelo barat > preco de
00 ris o covado ; cortes das raosmas com
10 covados a 25000, e pechincha, no Bazar
do Pavlo.
AS CASSAS DO PAVAO
Covado 200 ris.
a 200 reis.
a 200 ris,
endera-se bunitas cassas de cores miu-
dinbas pelo barato orecode 200 ris oci-
vado, no araiazem do Pavo roa da Im-
pera triz n 60.
PANNOS PARA SA1AS A 1*000, O METRO.
No Bazar do Pav5o veodese bonita fa-
zenda branca encorpada para saias, sendo
com babados e pregas de un lado, dando
a lar un da fazeoda o comprinento da
sai, a qual se ple fazer com 3on 3 1|2
metros e vende-se a 1^, 13280 e 1800;
assirrj como tambem no mesmo estabeieci-
meni i se vende bonitas saias brancas bof-
iada, ten lo qnatro pannos cada urna, ditas
ie laa de cores j promptas, amas com
barras differentes da mesma fazenda 45000,
e oulra com barras borda a 6$ e 7^000,
i.id i isto moderno e barato.
CARNAUBA.
Vende-se caroaaba em saceos, na roa da
mperatriz n. 60, Bazar do Pav5o.
FSRLATANASLISTRADAS CORTE A 63500
Cbegou para o Bazar do Pavlo nm bonito
sortimento de tarlataoas listradas, sendo
verdes, c5r de rosa, lirio, tendo esta bo-
nita fazenda maita phantasia. e liquida-se
cada corte a 60500, pechincha ; na roa
da Imperatriz n. 60.
PANNOS DE CROCH PARA CADHRAS
O Bazar do Pavlo recebeu om grande
sortimento do melbores paooes de croch, mh" J IaP3o[. Jm
proprto para cadeitas de balance son, m
piano, tamboretes e at preprfos paran-
brir almofadas e pratos; vendendo-se par
menos do que em qaalqaer parte.
PARA LENCOES
No Bazar do Pavo vende-se sajeriof
bramante d'algdlo com f 0 palmo de lar-
gura a 1(5800 o metro, dito de linho com
mesma largara a 2(5800 cada metro, pannos
ds linhodo portocom 3 1/2 palmos defargora
de 7O at 1)5 a vara, assim como umg ande
sortimento de H burgo oo eragoellai ie
todos os nomeros, presos ou qaaHdades,
qoe se vendem mais barato do que em ou-
tra qnalqner parte aproveiteav
ATOALHAUOS
No Bazar do Pavlo vende-se superior
atoalhado trancado, com 8 palmos de largu-
ra a 1,5600 o metro, dito de linho adamas-
cado o melhor que tem viodo ao mercado a
3)5500 o metro ; todo isto muito barato.
FAZENDAS PARA LUTO
No Bazar do Pavlo veode-se constante-
mente o melhor sortmeoto de azendas
pretas para luto, como sejam :
Lasinbas retas lisas.
Cassas pretas de laa.
Cassas pretas, fraocezas e inglezas, lisas
e com salpico?.
Chitas pretas de todas as qaalidades.
Alpacas pretas lisas.
Ditas iavradas com branco.
Merinos, caotoes, bombazinas, qae 83
vendem mais barat.; do que em outra qual-
quer parte.
CACHE-NEZ A 6,5000.
- No Bazar do Pavlo vendem.se bonito e
grandes cacbi-nez de pura 13a, peto bara-
to preco iie 6000 cada am
PEHICNCHA EM CAMBRAIAS VICTORIAS, A 5|J,
6,5, 7,5 85000.
Vende-se um explendiJo sortimento de
finissimas cambraias victorias, por precos
mais baratas do que em. ootra qualquer
parte, tendo cada peca 10 jardas a 50, 6,5,
65500 e 7001,0, finissimas a 8,5500 ; todas
estas cambraias valem muito mais diuheiro
e li juidam-se por este prego em relacao a
urna grande compra qua se fez no Bazar
do Pavlo.
BABADINDS
No Bazar do Pavlo vende-se am grande
sortimento dos mais finos babadinbos borda-
dos tapados e transparentes, assim como
urna gran le porgo de entr .maios largos e
estreitos, que para acabar se vende mnito
em conta e mais barato do que em outra
qualqner parte.
SET1NSDE CORES E GROSDENAPLES.
No Bazar do Pavlo vende-se am sortimen-
to completo dos melbores setios e grosdo-
aaples de todas a cores, que se vendem
muito em conta.
CASEMIRAS A 70000
Teodem-se corte de casemira ingleza de
cores para caifas sendo fazenda que vale
muito mais diaheiro e liquida-se a 70000
o corte de calca, no Bazar do Pavlo a roa
da Imperatriz n. 60.
rjflrug iA)HMnM para VESTIDOS-i
A 500 BS.
Cbegoo om elegantf; xati4Bie m mH-
que se vendem a
500 rs. o covado. pechincha, no^aza*
do Pavlo, raa da Imperairiz n. 60.
POUPKUNAS DO IAP0 A 10600 O COVADO.
Qbeppu osa eteavate ortrmanto de n-
Asstm feoplinaa Japopens, somos
aaia aplicados otos. tando nato lustro
e com Ustiinkai da seda, sen4o asta no
faienda auasi da largara da chita Iranee-
za e vende-se peto hrato precjp de |600
cadacovadoDO,Bazar-do -Halo.
fas eaUtgrtr pana m sartas.
faaaaa taavMaagasHa anaeu.
Para tiopr oasMltos.
Tem a Movs Kapenag 'afSaMta, nu ln^
llett.
escar a peine aunhiuiA-U.
raa Doqoe de Caxia3 n. 63,
branca de Lais.
faal '*
BBBBBBBBBBB m objetos m par soa afn
cara aqoelle caja importancia, elasana a
ban eja :
Corpmho de camara, prianoroaanajite
eofeitados com fitas le an e obrs apa
coja nevidade de molde a parfeiclo 14 ador-
aos aa tornam apreadoe.
ifarw cftfea i
Laooea Wse objecto omito M
dizer qoerendo descreve-lo
rir toas qoalidade, coreee deseoho, tal
a raBd s variado sorUaeato uta ataba1
da Mgar, vas para filo mas o pretn-
dante se me apresentari o qoe podar de
aetoor.
Eotrameios esa psoa e I Oras.
Oapwo branco epreto d diversas qna-
lidadss t
?".
ece qoa e lempo de qoe *4_-_]
lag amiaajjauJio da JsajaUfaTal
I
i eaaiiDFoTtornm recoaiaeadatas, cea
nnde ertnenia do floras fina.
a i mam n^aaiii di Qi

4tsssat
* J- Perfumaras
As melbores, e do mais eonhecido fabricante,
taato francez como inglez, eslo expostas venda
na raa Duque de Caxias n. 63, na Nova Espe
naca.
Eiswotts, DVa. oleo, fatoaMes, sjgWB de eo
lonia, da langa, florida e ido tavaose, ale, etc.,
tudo de Sjpatior quald#e : andexe aa Ntva
Esperariflt ra Duque le Carias a. ti.
Agora sim 1
A lava aaranca, a roa Daque de Caxias n.
63, jccebea> um liadu SDrliainta fe laa para bor-
* pnimpriN*.^ mo *^ftdOO o mtnR dar, indaai'Cras mais p'ocaiaas, branca, pre-
,ADO- ta, escarate etc. etc. a ella antes que se acabe !
Cheg-.-u para o Bazar do Pavo um be-
nito 'sartiaeBto das mais moderna e ele-
gantes pataeinas;de liofao e seda, que e
vende ao bartiisimo preco de z^OOO
cada um covado, assim como ditas com
goft-js escossezes a 200, pechiucha no
Bazrr do Pavio.
SIDA A 2*000
Chegoo tm-etogautd sortimento de boni-
tas sedas de listriahas, com as cores mais no
vas qua tem viodo as mercado e veudem-se
a 2)5000 o ovado, na roa da Imperatriz
Bazar do Pavo.
CRETONE FORTE A 2,5000 O METRO
So no Bazar do Pavia.
Cbegoo o verdadeiro creteoe fraaces pro-
prio para tencoes tendo 10 pa'mos de lar-
gura, e moito encorpado, sendo precisa ape-
nas para cada lencol I '/* ou 1V metras, alm
d'esta applicacao tambem esta larga e en-
corpada fazenda propria para toalhas, saias
ceroulas, etc. e liquifla-se pelo barato pre-
go da 21000 cada metro.
CASEMIRAS A 80800 CADA COWDO
No Bazar do Pavo vende-se utn grande
sortimento de bonitas casemiras de urna ;
cor, eeodo asul, lirio, nusclada, sendo de
duas larguras, proprias para calcas, palitos,
e roaoas para menino, e vendem s3 pelo
barato preco de iS'QO o covado, a roa da
Imperatriz n. 60.
BONITA LAASINHAS A 800 S9. O COVAO,!
Vende-se delicadas lasinbas com dilfe^.
rentes gosto pelo barato preco de 500 $.
e covado, oo Bazar do fiavao.
ALPACAS BRANCAS.
Vende-se um bonito sortmeoto de finis-
simas alpacas brancas -lavradaF, anitacao
de seda, proprias para vestidos de baile 011
casamento no Bazar do Pavas.
ALPACAS LAVAADAS A 400, 500 E 640 RS.
Yende-se am grande sortimento de lin-
das alpacas lavraas de todas a sores para
vestidos e vendem>se a 400, 550 e 64p
e at mil e tantos rets o covado, no Bazar
do Pavlo.
BAREGES DE QUADR1NH0S A 600 BS. 0 COVADO
Veode-se as mais linda e moderdas la-
sinbas on bareges de qoaJrinhos, proprios
para vestidos, tendo qnasi largara de chita
frsnceza. e bquida-se a 640 ra. o covado,
no Bazar do Pavo.
MERINOS DE CORES QARA VESTIDOS.
Vende-se bonitos merinos de orna s
cor com cores muito proprios para vestido
e roupas para creancas por ser urna fazen-
da de pora 13a e moito leve, vende-se a 1)5
o covado, no Bazar do Pavao.*1
Dito e algodlo com llores e hsoa.
Veo de seda para cbapelina a asota-
na.
Meias de seda para Boiras.
Dita aborta de fio de Escoasia,
Cstrales ou uniformes para meninos.
Eniovaes completos para baptitadoa.
Toaqoinhas de fil, sapatinhos bordados
e meis para ditos.
Camisinhas bardadas para ditos.
juasos com p d arras a pineal
com ditos aromatices.
Bonitos e modernos peales donados pa
ta ireolar o coque.
Bsetes arinco de plaqao.
Adereco e brincos demadrspsro
'"nattati.
48
ThesptBW paral
Aspas para baBo.
Novo stereoacopos com
quaes ata viaa por
taui stmftituem as ontraj.
Vistas para stereescopo.
Bonitas caixinhaa de vidro eotUdocaa
pedraa.
Ditas de madeira envernisada com TUpa
ras e com dminos.
Bollas da borracha pan asaaqaaas *
crian cas.
Diversos objectos de porcelana, praprioi
para enfeitos de mease de lapinha.
(
Aos cigarreiros.
A Kova Effleraota vnda papel para cigarros
(Mais) a 4^tO a cantinha barato I_________
MACHINAS PARA
COSTURA
Acabam de ebegar ao GRANDE BAZAR
UNIVERSAL, raa Nova n. 22carneiro
viatwaom completo sortimento de ma-
chi aas para costura, dos aatores maisco-
nhecidos, as quaes estio era exposicao no
memo Bazar, garantisdos-e a sua boa qua-
lidade, e tambem ensina-se com perfeicSo
a todos os compradores. Estas machinas
s5o iguaes no sea trabalho ao de 30 costu-
reiras diariamente, e a sua perfeico 6 tal
como da melhor costnreira de Parts. Apre-
sentam-se trabalhos executados pelas mes-
mas, que muito devem agradar aos preten-
dentes
Canlleiros e gaz eco-
nmico
Acaba de chegjr nova remessa dos to daeja-
dos candieiroa todo de porcolana os qaae* muito
se acommqdam pela eguranca, accaio e economa,
a anda pela excelleclelnz preferivol mil veie^ ar
kerosene: venham antes que se acabem, nico
deposito da rna larga do.Rosario n. 31, bitica.
CEMENTO DE PORTLAND
O nico fresco e bom qae ba no merca-
do :'vende-se no armazem de
Tasso
na praca do caes de Apollo.
c.
Bazar, do Pavo sito a ra da Imperatriz n. 60, esta' constantemente aberto
das 6 horas da manha as 9 da noute.
Vende-se
Pos de roseiras de varias qua'idades,
assim como de sapoti, abacate, figueiras,
laranja cravo, e piabeira,- por preco rasoa-
vel: a tratar na Boa-Vista a ra do Viscoude
de Goyanoa n. $1 (outr'ora do Moodego.
ou aluga-se os armazenf, casas* terrenos no flm
da ra da praia nova de Santa Rila, que foram do
Sr. tenente corenot Franca.com especo ee^iflea-
?5es proprias para se establecer quaiqner SjSri-
ca com embarque e desembarque para o mar : a
trafar com o eommendaior Tasso.

.albas muito Gnas para fazer
barba a....................
Caixa de linha brano do gas a..
Vara de franjas de lidho para toa-
lhas .......................
Caixas com pennas d'aco de Perry
superiores.................
Lencos de cassa brancos e pinta-
dos......................
Caixas com 20 quaderno de papel
pautado .......
Caixas com 50 novellos de linha
do gaza....... .
Dnzias de meias cruas superior
qualidadea.......30600
Pecas de tiras bordadascom 12'
metros cada peca a 14500 e.
Pecas de fitas para eos de qnal-
qoer largara com iO varas a.
Pecas de tranca lisas, brancas e
de cores a. ..... .
Os acredifa-
cylindros
pa'daria;
venda no arma-
zem da travessa
do Corpo Santo Duzia de linha frfixa para borda-
4000
500
160
800
100
700
400
24000
500
i ^| ^
aaKa2aflattttaai
-W^WW*JsV*^R*j
Joaquim Rodrigues Ta-1
vares de Mello, S
TEM PARA VENDER *
em seu escriptorio, praca do Corpo Sania
n. 17:
Fumo em folha.
de i* e 4* quatidade, e vende um ou mais
fardos a vontade dos compradores.
Cal d Lisboa
ultima ebegada.
PotassadaRussiB.
l FaHaaa tei spdis*a
Vmho Bordeaux.
1 de 1* qualidade. Tudo de vead> nais
barato do qua a tafia qoakiaar parta
n. 25.
m m m
se Hsjaf Forstar
carregsaanto da
Ohegou ao antifo
i, roa do im
Pa
>r, om earreajaaBto d tai
< primeira qualidade; o qual se vende m partida*
i a ret&lho por meao preoo o que aa outra quah
iiw parte.
Garrafas ratt uuvas de eunu.
se em gigos 30S eda um de 10 dtiziae, no ar-
uuzcmda Companhia Pi-rnainharana.
fiiyal sem segundo
RA DO DUQOBDE CAXIAS N. 49
Estoa d i continuar a vender todas
as na imo3 precos abai-
xo di rasado tudo bom e pre-
cos adn
gra 320
Frascos com I leobaboaa tsuito tioo t
do a 400 rs. e.
Pares de meias croas para me.,"
nos diversos tamanbos a. .
Dnzias de meias brancas muito
finas parasenhora a. .
Pares de sapatoa de tranca do
Porte........
Pares e spatos de tBpete a. .
Dtiyas de barallios para vultarete
Sylabarios portuguezes a. .
rreras a
ladnras para colkte diversas
40
500
320
"40500
24000
14500
34000
400
Vende-se
Borracha nuito nova mais barato do qne
parte: na ra da Liugueta n. 1
CAFE PURGATIVO
A' ESCAMONEA
De BIN Barral
Pharanaceutieo-Cblaiico
A ulilidads das purgantes nao soffre demons-
tra ;ao alguna; a prescripcao diaria qae dalles
faiem os mdicos e o uso anda mais frequente
feilo pelo publico ai pro vas irrefragaveis Unto
como a qnanlidade innumeravel deste genero. S
falta aperfeicoar cada vet mais o modo de adtni
nistracao, de nuneira que conservando a sua ac
cao, tiles poesan ser tomados sem repugnancia
aem asco e sobretuio sem receio neni perigo.
. Muitos purgantes afamados s devem este bom
xito ao seu effeitu intenso e excessivo. D'ahi o
perigo, porque irritares de estomago, inflamma-
cbas de eniranhas t&o inevitavelmente o resulta-
do do seu emprego. Nada disso tem-se de recear
com o caf purgativo.
Todos conhecem por experiencia o aroma aaa-
ve e o efleito ligeiramente tnico e excitante do
caf. Elle o meibr auxiliar dos purgante dos
quaes disfarea o eheiro o sabor e ajuda a aotao
sollicitando vagarosamente os movimentos peris-
tlticos de intestino, e preveaindo o sea effeito
muilo intenso sobre o estomago.. Misturado core
escamonea, facilita as evacuare eora promplidao
e sera clicas, e tornase um purgante brando,
corto, bcil a tomar e prefer vela todas o* outros
salvo urna iadicacao especial da qual o medico
o nico juif.
A it)nAfi)i emprega-lo em todos es casos simples. Desper-

P3i
ais
agr
-Ais deesa m;
as dores de
E' to sim
devii ser tom;
wt
um adulto
Mil
Grande pechincha [ j;
lindas liareges de 13a e seda lisas, j !
com listas e tom flores pelo ba-1
ratissimo preco de 400 rs. o co-
vado, fazenda qae se tem ven- 1
dido por moito maior preco
Na lote dea Colomaas, raa Primewo S
de Mar r do Crespo) a. 13, Se I
Antonio Correa d VascooceBca Bj
mv mmumwB nii
S^OWRvacaaai aataat"a^wi^i^ ^^a^aars*aas/^r\i
i de ac mi
boa a; .....
i ores obrei.TS a.
para m
a todos

)
Garibaldi : a tratar
^0 quader-
400
abe |
40
2|00)' A bordo do palhaboto
j com Taaeo Irmaoa & C.
240 Vend- se om sil na Capuoga. ra da
Aventara, todo morado, com purtao de ferro, ca-
4O0! cimba de pedra e cal com boa agua de beber, e
*AVu .rvoredos que dio fructos os pretenden
,'>ul* wdaaV, na de fmtutie Vte-
:>.. 64 : a tratar com Praneiaca Therj-a de 0!
eirattoqaam terao eHpJisajxa areosu.
e ativaado a
clta:
ra eva
os e
ueca,
sangue
cat purgativo
misturado com nm
o, oa agua assuca
, raoa. n xioro wmrw-w a do** ordinaria par*
oihires de caf baatam para
je paratatia e qulqoar pesaos que se
. ara ai enancas de 8 10 annos, a metade dr
vidro snfflciente ; de J a 8 annos, ama colber
caf, e a osara parle do vidro sement abai-
xo desta idade contra a gosma.
E* por isso d'uma adtb'inistracSo mnito mais
fcil do que es biscoutos, chocolates ou bolos
purgativos.
Da-s immediatamente depois leite quente as
Lracarado on caldo leve, e duas ou tres chavenas
de che preto ou de i
nico deposito na pharmacia'e drogara de
Bartholomeu & C. : raa larga ..do Rosario n. 34.
IVA PURA
O Campos da roa. do Imperador n. 28, de volta
ide ina viagem Portugal um vinho
qne s denomina VIXHO DA BAIRRADA, pr
para a estacao catrn feasaodo,
e para que cljegue a TODOS tem resolvido ven-
fle-b a W"0_ rs. a garrafa, n esrao porque i
moito difflcil beber do-tai nictar, nma ou duas
Raria barateza como pela sua
tidide a> eatnriK
iiiSa | i,
Grandes a 140 rs peqzecaa a S4o ra.: tcade-
te aa raa a Sanzaita Nova a. 30,
l 8 COLLAR BE
N.3ARE\D0ClBUGiN.3:i
1 mmi mm i
Com este titulo acba-se aberto inteiramente transformado este ango
estabelecimento de jotas, onde os fregnezes e amigos encontrarlo todo quanto
a moda e o bom gosto tem iovantado aa arte de ouriveaaria, o Collar de Oure
observar delicadeza no trato e senciridade e modecidade nos precos.
Espera que o respeitavel publico veoha ver o qoe existe de melhor em
aderecos de brilhantes, esmeralda, robins e perolas, meios aderecos, pal-
ceiras, brincos, alnetes e anneis de todas as qaalidades, prata de lei aqaei-
ros, colheres, paliteiros salvas e ontros moitos objectos qae seria enfadonho
mencionar.
Compra-se onro, prata, brilhantes e pedras finas, pormaior preco 4o
qae em oatra qualquer parte, troca-se e concerta-ae todo s qaalqoer objscto
pertencente a esta arte.
NOVIDADES
DO
TRIUMPHO
7 Ra do Queimado 7
DE
MIRA & BASTOS
E' ebegado a este novo estabelecimento o mais bello sortimento de fazenda
Inai, sendo sua especialidade enxovacs para noivado.
Vestidos de blond de.sda ricamente bordados.
Gorgorlo de seda branco para vestido.
Colchas de seda pura, para cama com ricos desenos.
Ditas de lia e seda, idtm idem.
Ditas de crox, idem idem.
Cortinados ricamente bordados para cama e janellas.
Crox para cadeiras e sofs.
Vestidos de cambraia branca bordados.
Popelines de lindos gostos.
L5as de diversas qaalidades, lindos gostos e modernas.
Ricos b.iurnns para passeio, com listras de setitb.
Sabidas de baile o qne ha de mais rico.
Crotones para vestidos com lindos desenhos.
Carnizas bordadas e sem bordados para senhoras.
Camisas bordadas mnito Unas para bomens.
Ditas mglezas para bomens e meninos.
Seroulas de linbo, e am grande sortimento d roupas feitas e de fazenda qae
i enfadonho mencionar.
Luvas frescas de Jouvin
Sortimento de tapetes para guarnieses de salas, alcatifa para forro de ala, e o
Esteiras da India ^
NOVO SORTIWTO DE MSICAS
NO
SaliO DE PIANOS E DE MSICAS
i, < Ra da Imperatriz n. 14 loja
contem :
MSICAS PARA PIANO das mais facis at s mais lifficeis, teda dos aatores mais
modernos as melbores edices da Europa e do alio.
NOVEDADES qnadrilbaa*j)olkas, valsas.
TATUOS, Habaneros, modinbas, cances brasileiras e hespanhola, romances francezes,
arias e cavatinas.
Operas inteiras proprja para presentes
todo para piano para canto da opera
v
GUARANY
Em breve se principiar a dar nm catalogo do grandissimo sortimento deste es-
tabelecimento. Encarrega-se de encadernaeOes etc.

BBHBaBBBMI
BS


Diarj
11 ue Janeiro ce io/i
m
1

I
fc
I'

inda .-< p-.-r |
De, V 3W
l
ende-< (jrandi'5 cora irtfitw pelo bara-
ta puna4i0WI*a*y* iwtrapn* '.titilo.
Vendo-se por barato preco proprieJade na
camba do* Remedios, que fui do, Joo Aoastaclo
Camello Pesaos, cora ama randa uUria do pe-
dra e cal, que laura 10,000 lijlos, e furno que
omporia 15,000, eom excedente barro para toda
e quaiqaer obra, oom dous excellootus viveiros e
nru grande acude d'agua da.'s, tend ama casa de
sobrado de nm andar u>olo; as pessoas qae pre-
tenderem, dirijamse a refunda pinpriedade a en-
leuder-se com oca.<\:n Dolfln > Lina Cvalcante
Pessoa, consenhor da mesan propriedade.
para limas
Vende se da melbor qnaliiladc e par menos pre-
co do q te em ouira qual-jour parte : na loja de
aiiadetas da ra do Crespo o. 3.
Vende se urna taberna na Capunga, fu po
I.asserrp n. I : quem .prelf n-ler dirija se a ninsm.
Attenpo.
A' ra do Coramercio n. 10, cm casa de Jos
Joaqaim da Cosa Haia. ha para vender alvaiade
e zneo em inass a to a libra.
e engenbo Gamelleira na p;>voscao da Lapa, hoja
pertenceote nova comarca de Ilamb, ingenho
todo de tiji lo e pedra, rendo da urna so coberla
casas de engeolio, caldtira, purgar eeneanamen-
tu, lora e>ln baria, s-uzala, asa de farioha, des-
lila cao, boas ierras para cultura de eanna e roca,
milho e fijao, tem tres quaitos de leg a de fundo
e roeia leg a de la-gura : qem o prvtendfr pode
dirigir-se ao proprietario no engenbo Diamante
em (uviiina. oh o.bi Lea.1 4 Irtrao .oo-IUcife.
Vinkos

Chegaram os dreirr.os encapados de vicho supe-
rior, e a engarrafado Lgrimas do Donro, alm
destes contina a hsver vinhos de differentcs qua-
lidae?, lano em banis- de il e ancoren.", como
engarrafado, por precos cuiiMiuwkwt : no armasen)
de Cnnha lrmus & C, ra da Madre de Daos nu-
mero '\.
__--------.-------------------_____-------------
Para agua.
Canos de ferro gdvnisados por fura a
por dentro, a ve-da por preco commodo,
nu armazem da Travessa do corpo Santo*
n. 25.
ATTENCAO
o
Xo armaiem da ra do Bram'n. 95, tem para
vender preces commodos, o srguinte :
Parai de mandioca de Korto Alegra em sac-
os^randa.
Vmho ii_) do P rto, era caixa'.
Botinetes de bllanco para niales e barcacas.
Bacas de louca para cuzioha.
Ven o-9e pedras de marmoxe com circuios de
floras em alto relavo para se abrir inscriprSes pa-
ra serem collccadas em catacumbas e mausuleu?,
assim como capellas tambem de marmore no mes-,
mo genero: na~rua das Crozes, buje Duque de
Caxias, loja de Gamito n. II.
Ol JAPQM
""' NOVA AGOA
para o Toncador
UBOHMM
POR RIOAUD | O
nm natal
8, ama vivteaa*, 8
- PAfllZ -
Esta. Agn extra-
- bids das flores do
I .Pirus aponioa,
i bu Euavidida
^luaa propneda-
dee benfica,
exoeda o oot-
meeocmsig celabres; teado sido a-
doptad por todaasoeiedada elegante.]
Deitdano6 banhoi.d'um perfume
delioioao. oonsolida as carnea a fas de-ij
aparecer as espionas. oomiohBea a u'eSloMaoen-
ai&s da palle,
prego ^mo.
uaUnico deposito no Bazar da Moda n. 50:
r do Bario da Victoria outr'ors Nova.
130
io ri guiar os stgaiMWi <|ue
ecos mata, Caratos que en ou-
de pinho almofadadas.
n saceos grandes a 300.
jRADES de ferro para, cercados.
i AS da In cama e forrar salas.
CANOS de barro B^^^B'a esgoto.
5BSSO soperior em barricas e ai arrobas.
CEMENTO de toda madades i baixo
MACHINAS doj^^^Bjr algodao.
3ARftlS grandes*)peixe da Sueeia.
a brinaes da Rsala.
americanos para forro de carros.
_ameraiio8 ,ailo bon aacooonMos.
J'de Bordeaox em caixas.
CX5GNAC superior de Gaader Freret
ifILHO de Fernando a'lf o sacco.
AGUA florida;
3ARRIS de carne slgala, de porco ede vacoa
aovas msicas para piano.
Danse des negrea do maestro Cazalbore.
Margarida, linda sebottiseb.
lima folia a Roma, quadrlhi
LUNDS
Dansas paraguayas.
Habanera.
Io$ negros.
Noites de Luqoe.
Palomita paraguaya.
Tambem receben as segutntes :|
l opera Guaran), e os melhores , da mesma para piano e piano e canto.
Quadrilbas
Walsas
E polkas
Quadrilbas:
tisette.
iatan.
ardim das Fadas.
eroica.
Capen'ga, Careca & C.
^omen8 do mar.
uventude Commercial.
locambole. .
onte do Diabo.
Tenente do Diabo.
imperial marinheiro.
V sultana como linda.
Independencia das senhoras.
} Clnb X.
legresso do conde d'Ea.
Caminho de ferro,
larany.
Walsas:
ionbo da virgem.
/oluvel.
)ansa d'araor.
jltimas walsas de um doido.
jo da meia noite.
Carnavalesca.
tw_ny.
Polkas :
Cabriao.
Jorgeio do sabia,
iulicosa.
Capenga n3o forma.
)uerida por todos.
{ rival.
>or toflos querida.
lis Trz.
Palomita paraguaya,
tsmark.
VIoreninha.
iurpreza.
Chora pitanga.
jloria.
luarany.
venda no armazem de pianos e must-
ias do Azevedo, ra Nova n. II, hojerua
lo Barao da Victoria.
Z*po;((un. 5'3an(4 weita* 3 p rtas n. SZ',anliga\
foja do Braga
O abaixo assignado, dcj dest antigo estabeleciraento, tendo em vista apresentar i n.;
completo sortimenlp de ferragea, miudeas e coOleria, ten revolvido mandar buscar em
diversos pon'.os da Europa os malnorcs objectos de sea esubeledmento dos, (abracantes-
mais conhecidas; pelo que convida ao respcitavel publico < e a scus numerosos freguezes,:
i viretn te aervir dos objectos de fba carencia, aende eucontrarlo pormenes 10|0 do que
[ em ontra qualquer parte, um sortimento completo de machinas para descrVear algodao,
o bem canhecido fatricaate Coltorr Gin di C, dita* pera oslara,, motores para aniraaes,
tos para ego, mninhos jp.-.ra ca da tdo3 os wroaabos, da fabrka do Japi, espingardas de
r dous cabos' e de "um, tanto inglesas corao francesas, louca de porcelana, facas e garios
de diversas qualidades e preces, bandejas chineas, salitre, oren, barbante, enxofire, papel e
limalha de ferro ac, e ttgolua para- fogoeteir'e ; assim como cneontrarSo constante-
mente grande pon^o de togo do ar, e recebe-se eneommenda de fogos de vista, alam de um
cem ntrmero ae objectos, 83, loja de Lenidas "Hto Loureiro,, antiga leja do Braga.
CHRYSTAES
DE
Ra
PEREIRA, I R M AO S
n. 15, outr'ora ra Jo Crespo n. 15.
geral e parlicularmtnte aos seus^ numerosos amigos
Primeiro de margo
Ao respeitavel publico em
participan! Manoel Joaquim l'ereira e Mauoel Ju's da Gos a Pereira, que ac ha m de
fundar um rico e sumptuoso airoazem d* louva, porcelart, vidros e chystaes ra
Primeiro de Marco, outr'ora la do Crespo n. to, sob a razo social Pereira
Irni3o9.
A longa praea e conbetimeclos do que dispoem os annunciantas Mf-te ramo
de commercio, a que, hamuitos anuos, se dedteam, os tem habilitado a tatisfazer as
necessidades da populacho desta provincia e suas bmitrophes, offerec-eodo aos consu-
midores maiores vantagens do qua qualqer outro estabelecimcnlo desle gnero.
O respeitavel publico, dignndose de visitar esie novo estabelecimenio com-
mercial, verificar por si mesmo o que os annunciautes vem de dizer.
IIOMTEIRO
Veio operar urna completa revoluto no artigo
Tinta para escrever.
"' i---------:* a i '---------------,--------_^------------ m ,, ------------
Vfndm-se dous bonitos bnrros (jumento^ de
raga hespanbola, chegados ltimamente da'Bnfo-
pa : para ver na cocheira da roa do Apollo n. 3,
e para tratar no escriptorto da roa da Cruz nu-
mero 3.
- ------------
Panno de algodao da
Baha
de diversrs fabricas e das melho-es qualidades :
vendara, A'morim Ira aos & C, ra da Cruz nu-
mero 3.
I III ffl ULMBSB.
2S&S
O Bazar da Moda recebes novo sortimen-
o de faiendas do ultimo gosto para vest
ios, assim como chapeosinuos, casacos,
borns, coques, camisinbas, etc, etc.
Conlinua sempre o grande e afamado sor
.imento de mindezas e perfumaras verda*-
teiras, que ludo se vende por baratissimos
oreos.
Dam-se amostras e maada-so em casa das
Simas, familias o que. desejarem, i ra do
3ar3rr da Victoria, outr^ora'Nova. *~
Mel.
Veudese 2i pipas de superior mel em barris
de 4* e de 5 pbl"preeo razoavel : na ra do Vi-
gario n. 14.
Vende-se Is'wguintes obras, em um so vo-
ume :
Flores singelas por Paes e Andrade, oltiraas pa-
ginas ppr Pedro de Calasans, illusoes perdidas por
Cesarloe Azevedo por 51.
BAi^aWl'temes ehadeNfadb por Sf.
Celeu fraoceza encadernatfa 3*.
Vida- de D. Joao de Castro dem *#.
Cdigo do Bom lomidem 1<5C0.
^Sdo de |4at>Do ;.
Methodo d solplrejes para pianno1 $1.
A tratard 1 andar des typagrafSi..
0 verdadiro portlatd: so se vende na
rti da'Madre de Deus n. 22, armazem de
JoSb MarHrn^de Barros".
Vende-se tres pipas vazias arqueadas de ferro
iaa para' deposito de lquidos-, na rea do
a.ra da Cade!
u qualqer ora do ta.
a riS^ ritw na o
V
Nunca se vio um processo mais perfeito e que aitinja de tal forma a satis'azer as
exigencias mais severas da e ser i plora cao.
A sua cor lindissima e n5o precisa de cuidado algum para se conservar no
tinteiro sempre com a mesma cor, sem borra, crsta, bolr cu sem todas essas mazel-
las inherentes tudas as Untas at agora conhecidas, ainda mesmo dos melhores autores
estaaogeiro!
Sobretudo, este esltmavel producto n5o ataca as pennas de ac, antes pelo con-
trario, a peona adquire um esmalte dourado que, sendo interessante, ass proveitoao.
Esta tinta, nSo sendo especialmente para copiar, d cornudo duas, tres ou mais
copias um mez depois de escripia ; precise, porm, deixar-lhe o papel bm molhado
sem o enxrgar com o malla.borraorv porque nao ba o risco de borrar. Para- se tirar
maisujp urna copia, nap se aggloroeram tantas folnas quantas copias se querem tirar,
mas vae-se com o original tirando una a urna lanas quantas se desejam, sem que-o
original fique prejudicado pelas extracefiea.
Occorre aqui dizer que, para copiar importa nanita intlligencia e babilidae, sem
oque a melbor tiutn u3o saliifaz, e o deleito recae sempre sobre a tinta, que moitas
vezes qoem menos culpa tem.
A dupla qoalidade desta- Unta e extremamente apreeiivel, neis que evita que
ea qualqer e^criptorio baja-iOaais do que urna bota gara o* diversos mistares.
Emquautoa sua dcratlilidide, nio ba a oppr a menor duvida^ pe qee esta tinU
de-esaipta effre-o cboqie de cidos fetissimos, sem ae deceapr ; ora, se o
a tem acc3e sobre ea, mullo menee aeeie do tempe a pode tetlreir : isto
piusNel.
Nao s ao coramercio que este meu producto %m ser til; os professores dos
collegios, investigando todos os aeiog para o adiantamento dos seas discpulos, tem
aproveitado esta Unta, que cem razan a acharan apta para desenvolver o gosto nes
dcapdos, exn roos'equenei da belleza da cor etadade decwrer na penna pela sua
liquidez. Ha exemplqs de criangas que bavia Bwito tempo ttnbam urna repugnancia
extrema para a escripia, logo que fui ndmiUida esto tinta no collegio, apodorou-se delas
a curoEdade t poseo lempo depois o seo adiantamento era manifest.
^^Hfetantas vantagens, temumnico incenveniente, deteriora-se
po& t-la em Unteiro isenlos do menor v.slum-
com peni a aja de urna prepara<3o di ffrenle e
ha raz5prl se osar de tinta que nao sejaa VIOLE
uooorvaiTao,
Os Srs. compradores podei
do a tinta que eu fabrica
_ durabUidade i duvidosa.
i ca*^fcupeaa8, e pedia-
A. p. fonttiro.
p: iraeiro ifltrdcluctoirws pocos tubulares d- Abys-
:iui;, em Pernmbiux).
Participa ao respeitavel publico que ltimamente
Um rerebido a quaria remersa dos ditos goco?, e
o peib'ncs corop: ipeifj coados para a oollo-
cacSo d'elles em po. v,w, tano como em Ierra de barro, maf sap
As varita ge r (fferece e:le .M'stema de ad-
quir: aotfr qoalqoer (orm, ;5o inmersas;
serviodo nSo smente as cordifocc cima mtnco-
narfae, cerno tambem ras ftcinfns ja fritas, onde
ainda nio trm b< robas fu a acua cSo pera, pns
elles eso murJldfs deum filtro que nSo deixa en-
trar impotidades, tantagim qtc t,3o fm*s < trtr.
Alem disso, a gratide qturtdade dVg'ua'que
piles dfilam de S i 8 pips perrina confrunte o
dimetro dos tufb*, a facilidade'iom que elles fi:cc-
cionam, a siupicidade, PfJcto e. s> lidez. com-
binada com a elfga cia de"roa ftvnr, qtepara ser
sp rociada basta ver-se.
O antocciante tem uro a pessoa erpeeialrcenle habi-
litada. Unto na collt cacao ifec, como na escolha
do terreno ou luuiar mais prr prir>, qr.ij se emarrega
de ues er\ c> s por pieco coatt < do : e, \isto o cam-
bio ter.mais favotavel, venr)e-:e tiles por presos
raa's moderados, rrcehend-e a uipi riantia t de-.
piis de collccado e UDcionando a saiisfii5o dd com-
prador.
rara erconimendase mais es-
claiecimenrs a re?peito trrta-se
ca loja do Sr* F. J. Germaiiii. ra
Nova d. 21 e na offi ina d -! meta-
es do Sr. Paulo Jos da Silva Frei-
e, largo da Concordia n. 7.
28
Cofres deferr
Prensas
de dilTerentes tamanhos.
fumo.
de ferro para cortar caitas.
v/lcipaS Q ferr0 gavalnisadas para telheiros.
Xctl/HUo e ferro paraassucar.
xli ctUUb americanos para varzea e ladeira.
lUclClllIaS a vap0r e ,jfl co Ur
varrinilOS 6 m$0 para saccos e auerros.
Venezianas para j,nci,iis.
alanCaS decmaes e outras.
Fogoes de ferf0
EnXOfre :saiilre> etcelcJ
|Esles artigos acbam-se a ven !a
casa dos importadores
Saw, HawkEs C,
ni'A da Cruz n. 4.
COFRES DE FERR
Prov de fogo
Em casa de Shaw, Haukes & C. a ruft da Cruz n. 4.
IiOJA
DO
GALLO VIGILANTE
Una do Crespo n. 9
Os propnetarios deste bem conhecido estabel-
citnente, alm dos rauitos objectos que tinham ex-
postos a apreciadlo do respeitavel publico, man-
daram vir e acabam de receber pelo ultimo vapoi
da Europa um completo e vanado sortimento d
finas e mui delicadas especialidades, as quaes es-
to resolvidos a vender, como de seu eostonii
Sor precos muito baratinhes e commodos para
os, eom tanto que o Gallo....
Muito Superiores luvas de' pellica, pretas, brac
cas b de mni lindas cores.
Hui boas e bonitas gollinhas e punhos par s-
nhora, neste genero o que ha de mais moderno.
Superiores pentes de tartaruga para coques.
Lindos e riquissimos enfeites para eabecas da>
Exmas. senhorasi
Superiores trancas pretas e de cores com vidri-
Ihos e sem elles; esta fazenda o que pode hava
de melbor e mais bonito.
Superiores e bonitos leques de madreperola.
marflm, sndalo e -eeso, sendo aquellos braneo
com lindos desenhos, e estes pretos.
Muito superiores meias fio de Escossia para s-
nheraa, as quaes sempre se venderam por 30f00(
a' duzla, entretanto que nos as vendemos por 80*
alm destas, temos tambem grande sortimento d
oatras" qualidades, entre as quaes algumas mnitt
toas.
Boas bengalas de superior canna da india
castao-de marfim com lindas e encantadoras figu
ras do mesmo, neste f enero o que de melhor >i
pode desejar ; alm destas temos tambem grand
Iuantidade de outras qualidades, como sejam, ma-
ira, baleia, osso, borracha, etc. etc. etc.
Finos, bonitos e airosos chicotinhos de cadeia
de outras qualidades.
Lindas e snperioras ligas de seda e borrach
para segurar as meiaa.
Boas meias de seda para senhora e para mem
as de i a tz annos de idade.
' Navalhas cabo de marflm e tartaruga para axer
barba; sa amito boas,e de mais a mais ao ga
rantidas pelo fabricante, e nos por nossa ves ta
bem assegurames sua qualidade e delicadeu.
Lindas e bellas capellas para noiva.
Superiores aguraas para machina e para trox
Linha multo l>oa de peso, frouxa, paraenchti
labyrintao.
Bens baralhoa de cartas para voltarete, assu
como os tentos para o mesmo flm.
Grande e vanado sortimento das melhores per
fumarias e do memores e mais conhecido pw
axmieUe.'
GOLABESDEROEB.
Electrices magnticos contra as convulsoes,
fa>,aitam a denti^ao das Innocentes criancas. S-o
mes desde multo reeebedores destes prodlgioso
collares, e continuamos a recebe-tos por todas o
vaporee, a8m de qae nunca faltan no mercado
como j tem acontecido, assim pois poderlo aquel-
es que dalles precisaren), vir ao deposito do gau<
vkiante, aonde sempre'eneontrario destes venta
airos collares, os quaes attendeno-s* ae fl
part qe sao applicados, se Teaderao eom mn mu
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista dos objectos que deixamo
declarados, aoe nossos fregwezes e aaaige a vine*
comprar per preces samito raioaveisi lo)a o gafi.
vigHante, roa do Crespo n. 7.
Rival sem segundo,
RA DUQUE DI2 CA3ILI.Il \. 49
(Antigaroa do Qoeimado)
Contina a vender todo muito bom e
muito barato a saber:
Libras de areia prela muito boo. .
Tesouras linas para unhas e costu-
ra a.........
Papis de agulbas rancezas a ba-
lso a.........
Caixas com sen sbemeles de frua
Libras de 15a para bordar de todas
as cores a......'.
Carriteis de linha Alejandre a. .
Frascos com azeite para machinas
Grvalas de cores muito mas a .
Grozas de botdes madepersla -
mssimos a.......
Novello de linha de 400 jardas a.
Caixas com 100 envelopes muito
superiores a......
Pentes volteados para, meninas a.
Tinteiros com tinta prela a 80 rs. e
Pecas de 64a elstica muite fina a
Lata co soperior banba a 100 e.
Frascos de oleo Philocomo muito
fino a.........
Frascos de macaca perola a. -.
Frascos de extracto muito bonitos a
Duzia de sabouetes muito fios a.
Sabonetes inglezes 600 rs. e. .
Frasco com agua de colonia Piver a
Dito de oleo babaza a.....
Caixas de lamparinas a. .
Sabonetes a forma menino muito
superiores a....... 24fe
Lartilhasda doutrina fazenda nova a
Libras dt-lioba sortidas de todos d
nmeros a;......
Capachos muito bonitos e grandes a
Carriteis de retroz preto, com 2
oitavas a........
Agulheiros de osso eneitadee a, .
Libra de linha francs superior
qualidade a.......244*0
Ricas touquinhas de fil para me,
ntaos a 20^
Botinas de couro pan meninos a 2)>6#ei
Caixas com agutba dt> faudo
dourado a
Pecas de tiras bordadas muito fi-
a 600, 000, 800 e
12
50H
60
1(J000
86000
100
500
500
500
60
600
240
100
200
200
500
240
500
720
1*200
500
500
40
400
11880
780
640-
24*
244)
1,5000
Latas com tomeira
L11MA INfENGAO,
Qoem comprar do gas nessas latas nao precisa
pasa-lo para garrafas ou deposito, pois que pode
Hrar pat* os-ctiaielKw todas as vetes qne preci-
efletflfi
a11 ll"i....... fon-: timmu nu d,,-^m,
no armaxe do Joio Rosa, travessa da Madre de (
Dos n. 8.
~'-- THiUe sement de coentro e alfac mult
ar sederaiaar on perder urna gota-: veaste-se
ovas: na ra da Guia a, 7, taberna.
Ro^te^eiuB*ttoo,
Rme#t isIIiiisUiwi lili n as*dflres rfceana-
tlcas at4kof*e saasi eoaaaeiio pelos sene man*
XAROPfi D AGRIAO.& um dos medieameo-
tos qne stfa eflkaela as eafcrmidades, hse e
saaga* pela bocea, bro^ebUeSi dores e ttalpHta
ao peito, escrobnto e molestias de figado, que me-
nNTfl^fflUlUrejiili-: A eetakr* Mu-
d marapuama. cuja ene* e efca*ia as pifi-
lysias, iMeeeimemo, ete. eaa. ntrito se reaesa-
aatnda.
T<* *wTflpirtiitjaiaacisira a* paar-
maeiaei
psito n i
VeaBe-st-sJaii* pet^lfWOefr
Queimado n. 17, loja.


a ng >**. I
>m
perr*
GUERRA FR^
O governo da del
dirigi a o gene r;
nicagao 1
t General aquerido presidei
das eilamos coravosco pelo
nesse campo de baialha g
decidem os destinos da
mos crapartihar dos v
xandu-vus a gloria,
de haver prepa;ado
vossa abiu gacao a i
exercito.
t Ni iigue ni aielhor.
lo a estar orgulhoso
fazer mais dignamen1
tos as mos vos es que'
sublrahir-vos 1 acclamac2j dos vos
panheiros d'annas, electrisados pl
exemplo.
t Ter-noshia s'ulo gralo juntar aV
nossas; permi ti ao menos o exprimir-vos
toda a gratidSo e todo ^ffecio que o nosso
corarlo abr-.ga para pSvosco. Diz;
valente general Ducrot, aos vossos ef%iaes
tao addictus, aos vossos valoroso; sida
que os admiramos. A Frauda repubi ca
reconliece nelles o herosmo nobra^^H
que j a salvou. Eila sabe agora que i
por nelles e em vos a esperanza
salvacSo.
t os, co'.legas vossos, iniciados nos vos-
sos pensamentos, saudamos com jubilo es-
sas (.Tinosas e grandes jornadas em que vos
re velaste s todo inteiro, e que, estamos is*
so profundamente convencidos, sao o prin-
cipio da nossa libertado.
Recebei, etc.(Seguem-se as assigna-
turas dos membros do governo).

O corpo diplomtico, que acompanbava o
governo francez ao transterir-se de Tours
para Bordeo?, era composto dos seguintes
personagens :
Lcrd Lyons, embaiador de Inglaterra, o
principe de Melteroicb, fmbaixador d'Aus-
tria ; Djemil-Pach, embaixador da Torqnia;
o nuncio, Sr. Cnigi; ocavalheiro Nigra, mi-
nistro dd Italia ; o visconde de Seisal, mi-
nistro de Portugal; o Sr. Pbocion Reques,
ministro da Grecia, e o Sr. O'Konner, en-
carregado de negocios da Russia.
a Lorena,
de e os Alpes
A Patrie pubici a segointe carta, quej
diz ter recebido o ministro dos negocios es-
trangeiros da defensa nacional:
Paris, 3 de dezembro. Sr. ministro.
Tenho a honra de levar ao vosso cnnhe-
cimenlo os seguintes facios, occorridos lion-
avancadas immediatas a Champigny.
Urna scelo das ambulancias da impren-
sa, autorisada pelo general Ducrot, dirigi-
se para o indicado ponto, onde nos tinham
manda Jo dizer que fossemos levantar fti-
dos e dar sepultura aos cadveres
Designado como parlamentario junto d<>
inimigo, dirgi-me a cavado para o logarci-
tado, em companhia de umporta-estanlarte
e de um corneta, que o general Ducrot poz
s miiihas ordens.
O pessoal medico e os irmos das esco-
las christas ficaram esperando a certa dis-
tancia.
Tendose oovilo varios tiros, o comman-
danterfrancez mandou tocar a alto o fago,
ordem que foi executada instantneamen-
te ; completo silencio reinou em toda a
linha.
Aprpveitei este momento de silencio para
mandar fazer os quatro' toques de clarim
com que se annuociam os parlamentarios, e
para desdobrr paluda luz da Jua a ban-
deira de Genebra.
Temendo que os toques nio tivessem sido
orjvidos, avancei para as lionas ininvgas
com o fim de o* repetir ; mas em vez da
resposta que sempre obtem os parlamenta
rios entre naces civitsadas, lomos receb-
dos com ama t^rrivel desetrga de fusi-
lara.
Recebei, Sr. ministro, a seguranca da mi-
nha distincta consideracao.Marte Remar
Raner, prolonotario apostlico, esmoler t-m
chefe das ambulancias da imprensa. E vam presentes e ass'gaaram esta communi-
cac3o : o Dr. Demarquay, membro da com-
missao; Sr. Armaod Gouzien, secretario da
comm ss5o; os cirurgies das ambulancias
da imprensa, Wcelker.Barlemont.Legeault,
Lavras, Vermerscb, Urba, Le Daaois; o
porta-estandarte, o Sr. Raymond; os esta-
fetas, Srs. Bower, pai e filbo, e Sr. Austio,
correspondente do Tiine$.
Strasbnrgo e a Alsacla ioteira teeistem a
ser prussianos. Eis o que daqoiHa praca
escrevem com data de 28 de novembro :
c Desde o dia da capitulacSo, temos alo-
jado em nossas casas os Prossianos, e pe-i
zar de quererem ser exigentes, em geral
tratamo los como elles merecem.
Pelos peridicos lera visto a attitude
que a populacio tomou a respejto dos veu-
cedores; nao ha proyocacSes em insultos,
apezar de tolas as excitares ; mas os ha-
bitantes nlo fallam nem se tratam com a
gaarnico.
c Alguns das na semana tocain as ban-
das de msica, mas nenhum Strasburguez
vai ouvt-Us, Muitas familias teem emigrad*;
UMado ronta da tenta-
da Prussia por um
ios agora a no*-
^^^^vmenoes, que
>5 luz. Diz as-
^H d'; nde os ti-
ia festejar
principe
em Ver-
mpWwh. Janlar de
para 80talheres; baile
m litare* at s i I na
|)PPfbgos d'aguas em presenta do rei,
[principe de Wurtemberg e de Badn, prin-
cipe real Fiiz, a p, junto de sen pai, o ge-
neral Mnltke da treno, e nns vinto generaos
seguidos pelo seu slado-maior.
t Esta nova odicao das festas e regpzijoa
j^HtUV e dos sens successores, tmttaj
^^^K parece, esqnentado o Cerebro di
da prussia, que no da segointe Quh rl
^Hassci nio pelos pitorescos aill
adrin entre Louvencienese Bou-
Vraava-se rodeado por ama pequea
escolta, (amando, a muita distancia dos ca-
nlioos doflOHte Valeriano, quando de re-
pente ?a i:m tiro e silva urna tala, que
roca pela ore}) do rei, e que o obliga a
encostarse ao braco da pessoa que ia ao
seu lado.
Naquelle instante, alguns dos seos ser-
vidores se arremessam obre um soldado
bavaro, de ornar altivo e sereno, que linha
na mSo a c ir*bin*.ahda quente.
t O velho rei Guliherme encari naquelle
liomem, e sem Ibe dirigir a palavra, fazum
signjrl que foi interpretado pelo seu acora
panhanftnio.
Dous minjts depois, e lgahs pas-
sos de distancKu5mesmo vista do rei, re-
cebia o soldado bavaro quatro balas no cr-
neo.

Gambetta escreveu orna carta esposa do
general Sjuis. que Ihe pergunlava pela sor-
tc de seu marido, disendo no paragrapho
principal :
O general Souis foi ferido na sexta-
(eir tarde ; deposilou se no palacio de
Villepion. ao norte de Palay, a cima de Or-
leans. Durante a noite seguinte, isto a
noite da sexta para sabbado, por volla de
I hora chegou ordem de recnar^ sobre
\ Patay.
f Todas as aldeas ardiam em fugo e os
Prossianos continuavam a lancar granadas.
Duaa ezes a ambulancia dirigida pelo Sr.
de Vd'eneuve, tentn ir ao palacio deVille-
pion p3ra trazer o general, mas n5o o pode
conseguir, fijando aqaelle em poder dos
Prossianos.
O Sr. Villeneuvc traa de levantar ere-
collier os feridos: se poder haver o gene-
ral, as?im o far, e terei o gosto de vo4o
eomm:nicar immediatamen'e.
de Masn
ddi. essegl
o seclo, esl a toda a hora, dia e noite,
a vista fia^O mappa. ealcolsnd
^Bmentos das suas tropXs e procurando
^Rlisar os do inimigo.
.*.
Com relacJo i guerra franco allemSa.
encontra se no jornal que se pobfiea em
Londres, F.urope financier,
^^nHcados por lodos os
enlo em que somos
Irelo. deixam-nos fi-J
So que a Franca est
^^Bsforra noiavel que
pt jbjeclo dos nossos
querer^
armado
ni8o a respe
que aquellos despa-
gulho e de alegra,
am plenamente con-
nifestarmos i
das consequenciaa dflnl
franceza, recewndo que osante
nio venham aioda forcar-nos t mo-
-1 de oito dias todoeatar dito.
e enio poderemos tirar dos facloa consum-
mados todas as illaces que comportafem."]
* No enlretaolo, nada nos impede de
mostrar que urna desforrada Franca, sera
um graade instrumento as- m3os da Ingla-
terra, porque eniad haveria a probabHidide
ds ver a Russia aproveltar pressurosa a dc-
casiSo que lhe ofereceu lord Granville te
modificar as suas preteoc5e..
A Hespanhae a Italia aiperimentariam
tambero o resudado da victoria franceza e
poderiam menos llvremenle talvez isolaf-se
pela soa allian^a de familia do aecordo eu-
ropeu.
* Todo hto^ repetimos'nos, esl sojeilo
ao succesao oo insuccesso das aamas de
Franca. IF-necessario pois esperar ades
ile emittir nata npiniau.
* Em todc- o caso, ^os nossos desejos
aanto necessidade' de prender maia a
llianca do povo francez e do povo ioglez,
am de se re*tabelecerem os negocios, n3o
pode deixar a menor duvid a resnetto do
alcance, como da direccio desses nossos de-
sejos. i
dez ofBciaes ran ezes quero eu eslava
curando.
As aeeoas de desolaco e carnicera de
que um d'elles testemunha, inspirara os
sentimentos mais dolorosos.
J tempo de por termo erusao
d'essas torrentes de singue. Toda a exis-
tencia coriadi agora n'esta Iuta nm cri-
ne. >
falla de relatorios ofBciaes a respeito
dos combales que tiveram logar em frente
de Pars, extrahimos das correspondencias
militares do Times os seguintes pormeno-
res :
Versailles, 4 de dezembro.
O ataque de Mandhuys, que leve lugar
no da 30 de novemorp, leve por p'imeiro
effeito dar aos Francezes a posse de Bon-
neuil de Vdliers, e de ChampigBy sur Mar-
ne. povoacio situada no camioho de Join-
ville-lo-Pont, a seis ratinas e meia ao norte
de Brissy-Siint Leger.
Os Allemaes oppuzeram urna resister>
cia desesperada ao enrgico ataque dos
Francezes para consegurem retomar Cham-
pigny, mas os Francezes ficaram senhores
desta posigao, assim como de Bonneuil e
de Yilliers.
t Na noite do Io de dezembro foi decidi-
do, n'ura conselho de guerra que leve la-
gar na prefeilura, que Champigny fosse re-
tomado. Foi a opiniSo do general von
Moltke, que arrastou a decisaodo conseibo,
por isso que os outros generaes erara de
upiniSo que n3o mereca a pena; lm disso
manifestaram a opiniio de que as perdas
n3o senam compensadas pelas van'agens
duvidosas de um boro resultado naquelle
poito. -" -
t Durante o armisticio concedido para
enterrar os morios e recolber os feridos, na
i de dezembro, os Francezes fortificaram-
se em Champigny, levantando barricadas, e
outras obras de trra, e collocando arlilha-
ria na colima de Mesly.
t Foi aos Wurtemberguezes que se man-
dou ordem para retornaren! Coampigny
bayoneta. Os Francezes. que esperavam
este movimento, repeniram-u'o vigorosa-
mente. Foi urna Iota encarnigada, na qoal
os Francezes tiveram a vantagem da$osieao,
e lem disso eslavam cobertos pelo fogo
das canhoneiras e dos fortes.
t A primeira brigada soffreu muilo. O
principe Hermano, de Saxe-Weimar, -mao
do principe Eduardo de Saxe-Weimar que
rectbeu neste combate o baptismo
rail
da
ad
uim orna c
irurgiSo m
los nos primeiros
__ ilS.
mente, e den
o esperfencia ser
lima direegRo estratej
obter brilhantes
Tendo carrega
te os nossos. mej^l
lieos, moslraram que
A noute de i para
ei que se
rn dextra-
de campanlia.
terriveis. Cota
il, poderiam
ayoneta e defren-
rguezes e ansea-
sabem o exereioo
3 passei-aLCom uns
O Start, peridico ingle?, emrUe nm axio-
ma incontestavel. dizendo que para vencer
as guerras, as aalavras sao de mais, mas
nao as cousas, das quaes sao necesarias
quatro : bons afeneraes, solida infantaria,
numerosa artilbifia e boa civallaria.
A Gironie da> Brdeos, que appella para
esta axioma, atrescenta que s fallara ago-
ra desta ultima porque julga acertar dwen-
do que todos u militares experimeolados
reconbecem a dablidade da cavallaria fran-
ceza. t Cada dia, act rescenta aquella folha,
so poem em flwVelia batalboes de movis
ou raobilisados, regimntos completos, mas
se a infantaria numerosa, n8o se v caval-
laria. Esta arma- nao obstante indbpen-
savel para que um exercito se previos de
longe, evite as surprezas, d, em casos ne-
cessarios, o ultimo apxilio tropas fatiga-
das, e col ha os fugitivos depois de urna der-
rota. A historia da, grandes guerras do
primeira imperio-assim o manifest.
Em Marengo, urna carga feliz de Kailer-
man decidi a victoria, indecisa al entio ;
em Austerlilz, Jena e Wagram, a cavallaria
tomou ji parle mais principal no xito
d'aquellasimmorleesjornadas; emEylau im-
pedio ella que as raassas russas esmagas-
sem as francezas r era Moskow os cobra-
ceiros tomaram reductos; em Hespanha o<
dragues frankezes, os lanceiros polacos e os
cacadores cavaJlo dispersavara as bisonhas
tropas nos plaiaos de Castelja e Aragl);
pela falta della^ os loiros de Lutzen O de
Bautzen forana esteris, e em toda a parte
a cavallaria fez um papel importenlis-
simo.
Referndo todos estes acontecimentos, o
peridico traneez chga a declarar que os
exercitos com que conlam n3o teera-para op-
pr cavallaria prussiana cavallaiia propria,
e que deve anidarse muito disto, porque
se fcil faaer um bu soldado de infan-
taria em potteos dias, muito difiicil for-
mar um de cavallaria em mudos.
Bazaine coahece toda a soa responsabili
dde, e sent o peso dos odios que se ac-
cumulam sobrn a s.ia cabeca. e por conse-
guate prwende defender o seu procedi-
mento.
Publicoo elle agora em Caesel nm novo
manifest, aro que, depois de dizer que
le conserva all por causa da> enfermidade
da sua ioteressante esposa, enfermidade
que Ibe linha impedido o passar para
Aqougiaro, a residencia por ell escolhida.
accrescenta que nao pode sopporUr por
mis largo tempo em silench as aecusag5es
calumniosas de Gambetta e sen parciaes.
De priecipio so opppz o despreno a in-
sultos e injurias; mas quando o accHsam de
ter vendMo a Franga, pretsa de protestar
muilo alto, declarando que loin codos os
documentos necessarios para demooslrar,
com assignaturas de todos os generaos que
commania-var o exercito do Rueo, quo s
fez o que O exercito poda fazer, e que
depois de 49 anuos de.servigos patna,
era incapaz de coma alguraa que nio fosse
a sua glorie.
Appellar- para a primeira assemWi
franceza qa* se reanir, para ludo se-por
claro como a roa do dia.
..
E* singular que a Prussia victoriosa en-
contr ditScaldaile era collocar um empras-
tmo, e que r Fran?, vencida, nao faitea
auxilios em nenhum mercado.
' No da 2# principioo a offerecer-sa
bolsa de Londres o novo emprestimo de
guerra allema- pala< qwantia de tres mi,hoes
de libras slerllnas a 1)6 por 400 e 5 por
100 de joro.
O emprestimo era garantido pela Confe-
derag3o da Ailemanba do Norte, e ser
emitlido emobrigagoe* dolhesouro reen>
bolsaveis ao par em ai neo annos, mas as-
subscripc5eesca8seavam muito.
A reaposla dada pe|(> general Trocho
carta que lhe dirigi- o conde de Moltke a
respeito da derrota d'Orleaos, diz assim :
*. Pars, '.de dezembro. Emenden V.
Exc. que poda ser-rae til a informago
que se digoou de me dirigir, annunciando-
me que o exercito do Loire foi derrotado
prximo de Orleans, e que esta cidadetor-
nou a ser occupadi petas tropas alternas : e
eu tenho a> honra de Ibe dizer, depois de
acensar a recepc5o do seu officio, que n5o
julgo dever aceitar os meios que V. Exc.
me propoe para investigar esto acontec-
ment.
Recebei, me general, a expressao da-
alta consideradlo com que tenbo a honra
de ser seu muito humilde e muilo obedien-
te servidor. ^
i O governador de ParH, general Tro.
chti.
tilas vtctorm
oada iga.
lofitem o nosso exerc
moa Ham depois de nm r
Saint-Quentin est,
pelas "nossas
Na marg
vamos todas as
duque de Meckli
Freieval, mas
immedialameiite.
Na margem
principe Frederico
do M
i ral
perder ar i ai;
ram tomada pelo
Urna com
por Gambetta.
o inimigo que
cipitago, pare
orgas mais ce;
Havre.
Os prussbnos
belecer um campo
lea peio
tero eaaau
CODQDI
o int
Lore-
primeira, a de Nai
conde de Bismark as
I.* Neotralh ________
na, e constituicao da un estado indepen-
deote, de urna aapeei infla que
servira da dique entre a Germama e a
Gailia j
c 2.a Urna avultada contribuico de guerra;
* 3.a Reuoiao de urna coastitunte fra
da aegao dos Gambettas e companhia ;
4.a Eleiglo da um priacepe da Orieaoe,
antes do de Aumale que do conde %
Paris.
' At agora o qtto parece ikgr^Spro
babilidadas de xito a reslHB ua-
peria ista, porque, lisongeia mt amor
proprio do rei Gui.lusnne e b conde de

Affiraw
.%
provisoriamente, e esperam na Suissa
Todas as mulheres vestem de
da desforra,
loto.
t Est prohibido passeiar pelas roas des-
de as 11 horas da noite, sob peaa de cada,
e especialmente prohibidof llar das victo-
rias que os qossos soldados alcangam. Ha
dias appareceram algnns pasquios manos-
cripios, e os donos das casas aonde se ti-
nham affixado oram presos, e annuDciou-
se oficialmente que a mesma providencia
se tomara sempre que seraelhanle acto se
repetisse.
c A Alsacia est mais faosa do
nunca, e os Allemaes, qne o sabem, esto
tambera furiosos.
c Temos arada a esperanoa^de que a
As desaripcoej de como esta os arredo
res de Paris, e especialmente, os riqusi-
mos campos que o Loire banbava, partera
a alma. O fogo e a destruigao por toda a
parte Os lindos templos da Franga servio-
do de hosptaes, e at "os altares serviodo
para alimentar as fogueiras as terriveis noi-
tes do gelado dezembro. Que recordaces
de odios n3o vai deixar esta Iota entre a
Allemanha e a Frao;a t
.A proposito desles sentimentos que se
legam de geragSo em geragao, o correspon
denle, em Versailles, de nm periodico-1n-
glez conta que em Bougival foi atojado no
palacio de urna marqueza franceza muito
distincta um capito prussiano com parte
dos soldados, pertencente ao corpo de Po-
merajiia recerttemeote ebegado de M tz.
Contra o geral nos officiaes allemSes, esle
ssignalou a soa estada com os mais duros
I
caladores n3o tinta, depois da lut^^^^Hgramentos e insolencias. DevasUndo
dooa ofBciaes capazes de servir i 8a passagem, fez se servir n'um
t A 30, os Wurleaibergueses foram fl s melhores vinhns e manjares
queados por urna bngsda ia tinham fiado na propriedade, e
exercito, sustentada pela ^ao do 2* isto pelos proprios criados da marquesa,
corpo, emquauto que osSarrios (l*0 cor- A' sobremesa, e j nm tanto elaclrisado,
Franga nao nos entregara Praaaft;esa''deroao auxilio, apezar da sua exteoso.
crificar para no-
nos sacrificamos para oararmos
dea.
c Malditos sejam os barbaros, qne nos
arruioaram di a incendiado bair-
ros iateiros e stm moite em todas as
famii
^^^^^^^^^HHa^^^^^^l
po)"eslavam sua (Arena. Mas a 2 de de-
zembro, tiveram de atacar a-inha de frente,
o pouco tempo depois entraram em Cham-
pigny ; mas um fogo lerrivel dos fortes e
das trincheiras sahio sobre elles, eroquanto
que a infantaria franceza, sahindo em mas-
irmes da cidade, pareca resolvida a
apoderar-se da villa a todo o costo.
c As obras pralicadas em face de Nogen't,
e de la Fairaadine serviram lhe de um po
ate que os Wurtemberguezes as-
nera retirada ; os carros e carruagens
do estado-maior estavm em face de Le Pe-
pie prximos a partir. No numero dellas
encontrava-se a carrulgem de vlagem do ge-
neral Dacrot dadsj de presente ao principe
Hermaou, que voita** para Stotlgard, afim
de vigiar os tiO^H ^B estao conQados
aos seus cuidadaf^H
Um oflieiai ebegado vffyoa refere que Au
de d'Augato. est disposta
facanbai-que se teem
Jho Cesar, asrdeos
Os garibaldino
mdveis de Aveiron, os francos aeradores
os departmentos, especial'
exigi que a propna marqueza fosse ao sa-
lan do festino. Como lhe dissessemqne a
senhora eslava enferma e de cama; ameacou
toda a gente, e despedacando portas, diri-
go-se para o gabinete da dama.
Afinal, apparaceu aquella senhora, idosa
e de nobre presenga, com os olhos ebeios
de lagrimas, no lmiar do seu quarto. Ao
vl-a e ouvir as suas pbrases dignas e sen-
tidas,ro capitao deteve-se, e poucos instan-
tes depois, pedio-lhe quasi perdi das suas
insolencias premiditadas.
Filbo de um general prassiano, morto
pelo marquez pai desta senhora, na batalba-
d) lena, depois dessa derrot, causaia por
Napoleo I, a soa casa de campo traba sido
saqueada, e sua mii, ponco anuos depois,
tinba morrido de pezar. Sobre o tomlo
linha jurado viogar-se na familia de que
foi causa da ruina de sua familia, e tinha-o
os sent
O jornalo Temps- de 11 de dezembro
publica urna coramunicag5o do governo cpie
mosira mais ama vez o procedmento dos
prussianos :
mformaces offiwiae?. Tres horas,
No dia 12 de noverabro ultimo, o balo
Daguerre sahido de Paris,^ cahio em. Fer-
rires em poder dos prossianos.
Este balo levava um certo numero
de pombos dos qoaes a maor parta- ficou
em poder dos prussianos.
No dia de dezembro, s 5 horas da
tarde, nm d'estes pombos voltava ao. pom-
bal que pertence. Era portador de um
despacho deitado de Hu3o em 7 de dezem-
bro que reprodujimos mais abaive.
No mesmo dia 9 dezembro,.s 7 horas
e meia da noote, um segundo pombo
voltava ao mesmo pombal, portador de um
despaego datado de Tours, 8 da dezembro,
reproduzido tambem mais abaixo.
< Nao exisje a mais pequea duvida
acercada identidade dos dona pombos re-
coloides com a dos pombos tomados em
Ferrres pelos prossianos.
Os-doas despachos eslavam atados por
um modo dfferente do empregado pelos
As seguintes noticias de Pars,
mesma folha :
O aereonauta qoe condnzio
cabido em Honfleor, eslava em
no dua 17 de tarde.
as noticias que a*w, nao se
cao de neobuma operaaae militar.
smeiMe a nobre sobreescitacSo do patrio-
tismo parisiense, quando- soube dos nossos
reveze diante de Orleaw, e o pedido dos
goardas nacionaes, movis e soldados da
marcha eontra o inimigov Assevera tam-
bem que as medidas tomadas para a racao
dos vi vetes asseguraram o aprovjsionamen-
to de todos os gneros por um texpo
muito maior do que se poda esperar.
Eis os dous documentos Irazides pelo
balo que nos foram communicados :
f Mr. Dro, secretario do governo da
defeza nacional de Paris, escreve a seguin-
te caria ao prefeito da Mayenne :
< Pars, 6 de dezembro de 1870.
t Meu charo amigo.
* Acabamos de imprimir e afitxar a car-
ta do general Moltke, na qnal elle nos n-
nuocia a derrota do exercitojlo Loire e da
retomada de Orleans. *
c Este nove-golpe da nossa iofelcdade
deixa-nos firmes e decididos. A popula-
Cao admiraveh
< Respondemos a tao m noticia cora
esta tnica palavra, combater, e a* ppala-
gao responde-nos ja esia noote :
Sin, combatamos.
t Tornamos a pasear o Mame por pru-
dencia, depois de ter dado ama tosa va-
lente aos nosso ioimigos; estamos a pre-
parar-nos para os atacar do oolro-lado.
c Coragem, pois, ajudai-nos, que nos
tambem vus ajudaremos, e consgatremos o
nosso fim.A. Breo. *
Um soldado allemo qu tomen parte
nos combales prximos de Dijon* refere
n'uma carta a seos pais o seguioie- mteres-
sante episodio:
< Depois da aossa entrada era> Dijon,
fui destinado para o servigo de sanidade, e
tve de revistar o campo de batalba com
a minba gente. Quando cuidbanos ter
levantado todos os feridos, e nos- dispunha -
mos a voltar cidade, vi no meio do
campo um caeador francez ferido, de tal
modo enterrado- na lama, que mal o dis-
tingua. Appro*imei-mo d'elle,. e com
grande sorpreza minha ouvi-o fallar em
allemo.
Peosei-o o melhor que pude, e o fe-
rido apertou-ma-as maos em signal de agr-
decimento, dizendo-me :
Camarada, p5e-me orna pedra de-
baixo da cabeca.
t Assim fia* e entramos a conversar.
Quando Ibe falte da tossa aldeia, vi-o mui-
to commovido, e em breve omprehendi a
causa.
Contou-ime que tinha oascido tambem
em Lahr (Badn), onde sa educara at
idade de II annos, eqoe seus pais trabara
m.-rrido l.
t Para me aflirmar d-j verdade das suas
palavras, perguntei lhe os notnes de aguns;
dos seus eondiscipelos. Deu-ma ento
muitos pormenores do ceilegio, o que me
oncueu do- assombro, citando-me entre
outros nomes, como o mais querido dos
seus condicipulos, um. tal Gustavo D. (o
autor da carta.)
Imaginem a minlu. commogao, queri-
dos pais r Dei me a sonhecer, e urna tor-
rente do lagrimas inundou as nossas faces.
Era Adolpho Chevallwr 1
Como era natural, fiz todo o possivel
Bismark, a sero
razoes para qoe
da Ft^H
ral Trocha.
t Nao dj
Ses Jois
de ama
poderosas
do dasti-
do gene-
a realisav-ae am
rque isso depen-
de circunstancias;
. ^. raas posse segurar ue existem realnsote
faz raen- .,j.,. J2k:___". 0____j. _u.w..
< A origern prussiana dos dous despa
chos pois incontestavel.
< 0*goveroo, resolutamente decid:
communicar populagao todas
que a enteressam, nao jalgoudevi
panhar de. nenhum commentario a
doccao dei despachos prussianos, el
to segne ?
RoSo, 7 de dezembro.
\o governo Paris Rolo occopado
por prossianos, que marchara sobre Caer-
burgo. A populaclo rural chama-lhes libe-
raos. Orleans for retomada por estes dia-
bosBoorges e Toara /esto amoscados.
O exercito do Loira completamente desfeito.
A resistencia j ajo offerece a mas peque-
a esperanoa de liilvaco. A. Lavertajon.
< Toan, 8 de dezembro.
t Redactor do Fgaro, Paris, qoe de-
sastres I Orleans retomado, prussianos
doas leguas de Tours e Bourges, Gambetta
parti para Brdeos; RoSo rendeu-se ;
Chrburgo aroeaeoo! O exercito do Loi-
re j nao existe, lados fogem e sa-
gida ; connt-
estas dnas combinaee*. Segundo a miaba
opiniio, sa de paz, e se as
cousas contmuam como ie quinze dias a
esta parte, muito provavel que o anso de
1870 veja terminad* a triste e sangrala ,
epopeia que se dusenvoire ba cerca de seis
mezes em Fraoga.
Estas linbo? q5o precisam de commen-
taros ; damo-las- s orno soasa curiosa.*
Lomos n'uma correspondencia de Lyon- r
Um prente que te.nbo- no corpo de
suevos pontificioj,. escreve-me de Po-tiera :
* S entrn em icgio o priweiro bala-
Ihao. Vottaram apenas 180 soldados ; os
domis ficaram no ampo da honra. De 1T
officiaes, s tres voltaram saos e salvos, e
de seis primeiros sargentos s1 um ficou.
No momento da arroia da- tropa de
liaba*e dos movis o general Soais pre-
cipitou-fe para os zuavos, e disse ao Sr. de
de CSorretle :
Coronel, estamos perdidos ranSo
reanimamos imraediafcmente o espirito das
tropas. Queris encetx a carga comiso ?
Meus valemos, viva a FrahcmI'res-
pondea-o Sr. ChaireHe.-
E os zuavos arremegaram-se sobra o
inimigo) atravessaram om esp co da 400
metros, debaixo d'uma chuta de grasadas,
e alacaram os prussianos bayoneta a
carnificina foi terrivol, e o inimigo leve
de recoar..
Nao-obstante, os aoavos estivaavss,
nenhum- ontro regmenao-os tinha seguido.
Os prussianos refugiaram-se por traz das
metralbadoras.
c Charrelte cabio do avallo ; em tono
d'elle jaaiam quatorze dos sens officiaes* e '
os zuavos-que sobreviviaaofizeram escoda-lo
cora os seus cerpos.
Relirem-se, meus- filbos, disseMbes
elle, retirem se para os seas postos. Viva
a Franca !*0 sen coronel est perdido. Dei-
xem-no...
< Derramou-se al!i o mais puro saogue
francez.
BONPEDER^O LATINA. Lemas o
seguinte do Sikie :
< Com- o titulo da nossa epigrapbe sabio
em Madrid, no dia 1. deste mea, um novo
jornal, redigido em bespanhol e francos, ai -
vorando abrodera da>alliaoca offensiva o
defensiva das ragas latinas contra o espirito
de iovaso de certos estados do norte. <
Qualser, perguata a aova folha. o resal-
tado desta guerra cruenta, que o povo fran-
cez supporta com herosmo dnno da-sua
anliga fama, apezar. da soperio; idade de nu-
mero do inimigo, em arlilbaria e cavallaria,
aoezar dos orros e sobretodo das toaiedes
de toda a serte que- entrega ram ao iaimigo
mais de 300:000 bravos soldados, apezar
do isolamento cm que o deixam as-testas
coroadas da EnrojM?"
Com firme convic-cao de qoe a iovasao
do norte em 1870- ser repellida aomd o
foram antigamente as invasbes dos vndalos,
dos hoqos, dos-godos, dos visigodos e ou-
tros povos, cujos barbaros meios d guerra
receberam a justa censura da historia^ ad-
mitte a alteroativa>da qoeda definitiva ah
Franga. Entlo, Oh ella, preeifo que o
saibam bem, se a Franga viesse a faltar
Hespanha e Italia, estes dous pases vi-
zinhos e amigos do povo francez-, nao lar-
dariara em recebar, alies tambem, a fune-
para raelhorar a sitoag5o do qoe era qusL-bre visita da aguia de duas cabegas.
meu concidadao.
Napoleo celebrou a seu modo o 2 de
dezembro ; veodeu nesse da ao governo
italiano por 650r000 francos os celebres
jardins de Faroesjo qoe oceupam o monte
Palatino.-Jj*v
O ex-imperador linha comprado aqul
agentes francezes. Por outro lado denut pr0priedad8 ao re de aples, e com ella
eiavam a sua origem germnica tara B|aBB
estylo eomo pela forma da letra.
gastaba todos os annos muito diobeiro para
fazer escavagoes as ruinas do palacio
Cesares.
Copiamos as atletas de urna
ra de Rerlin, cripa por pes-
to distincta com
queiam ; poi
f\encia pr
C'da.
progredind '
Era toda;^--------
ma asi
cumprido. Mas despertando-se
memos de- fidalgoia no seo coragao, de
aba-se quando ia inflingir o mais ter
BVL__
Nao de temer qoe asiira como os proa-1 ido -so com i 00 concie
sisaos guardaran at agora a recordacio de Pujol ou Pup
de lena, e as humilbasoei do Berln, gaar-I l
est can-
(gem
izes
ira que os par-
nao a Franga.
ir-se. (Assignatura
Creo'que m^nao engao annunciando- A Franca, a Hespanha, a Italia,
gica e Portug1
de habitantes.
ibes urna prxima paz. Sim, era breve ha-
ver urna solucSo definitiva.
t As combioagci daas i urna im-
perialista, e outr; vista. Eis no que
consiste a primeira
t O governo-prtfssiano ajustiria a pas
com o imperador Napoleo directamente, e
este cedera Allemanha toda a Abacia
ora urna indemoisacio de guerra
avallada e pagavel por annudades. Em
corapensag5o o conde de Bismark consen
tiria que os 350:000 francezes prisioneiros
na Allemanha se concentrassem immediata-
mente na froneira franceza^ e Napoleo
HI por se-hia afrente d'elles e entrara em
Franga para restabelecer o imperio auto-
ritario e pessoal de 1852. A Pussia com-
prometter-se-hia a restituir as armas aos
soldados'de Napole3ee a deixar em Franga
ara exercito de occupag2o que soaao reti-
raria depois da completa e solida restao-
racfo imperial.
c Talvez me digam que este projocto
irapossivel, chimerico e at insensato. Nio
o neg ; mas o certo que existe, que
objecio d a erjtre Ver-
iteJI
se infloe.*-----------------
t Maos ~obra, pois, para organisar a
confederago Usina. Accrescentemos que s.
os principios republicanos podam servir de
base a esta allianga intima entre povos "que*
se aproximara por alBnidades de ragas, der
lingua, decrenga religiosa e portanto da inr
teresses communs, de relacoes contioaaSv
e rnica veis.
Republicano antes daqaeda doimpasio.
^^Brnal, agora o mais do que nance,
depois que admira os prodigios de valor e
dedicago de que o governo da defeaa- na-
cional da Franga d exemplo ao moado in-
teiro.
c No seu primeiro numero, a Confsera-
co Latina est belece assim as suas fereas .-
gica e Portugal conlam juntos %>nlhoes
Estes paizes teem por alliados n^taraes
a Hollanda, a Saissa, a Austria e a Grecia
com 46 milhoos de habitantes, o que forma
nm total de carca de 14-1 mhSas.
0 adversario de*j> .foafederacio, a
AUemanba com a Wti. com-
prebendendo juntas 110 i dehomens.
A allianca prusso-rt^^Mpca a logia-
trra, a Dinamarca, a Noruega, a Suecia e
a Turqua comprebendendo 70 milhoes da
habitantes, os quaes fariara sem a mai
quena duvida cansa corara
deragao latina n'ama guerra contra a Russia
apoiada pela Prussia.
Nesta eventnalidade, a popaf"""
Europa representar-se-ba com
Allianca da Russia e da A
manha
Allianca do resto da Europa.
< Difiereaca.
tCom seraelhan:
a Europa i n I'
de con

I
>
fc -


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E3KFC0KDK_PXP2WA INGEST_TIME 2013-09-19T20:11:42Z PACKAGE AA00011611_13062
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES