Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:13053


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO XLVII. NUMERO 4
UTA FEIRA 5 DE
-T
! .

tfor ir
Por seia
PoF
Cada
CAPITAL E LI6A1B OH IAO SE PACA iqm.

PAIA. BUHO E FOSA DA POVIICIA.
24JDQO
330
seia dito dem. .
oeie ditos idem .
im no idem .
571
'ko
*7#QC0
Prc^priedade de Manoel Vignei ba de Faria & Klhos.
Os Srt. Gerardo Antonio Ahes & Filbot, do Paras Goocalres 4 Piolo, do Maraohlo ; Joaqaim Jos do Otivetra, j Ceeri ;
Partir d'Almeida, em Mamaogoape; Antonio Alexandrino de Lima, na Parahyba ; Antonio Jos Goowa,
ern Natareln ; Antonio Ferreira de A/?oar, em Goyaona; Franno lavares da Coola, em
PAUTE OFnCIAl.
G vprno t provine!*
KXMSMNTB DO MA 29 DE DKZSMBRO.
Actos:
O presidite da provincia, atteddeudo a alta
racSo que soffrerarn os limitas 'dos districtos da
subdelegada da fregueiia do Cimbres cjm a crea-
cao da de Santa Aguid, qae eoioprehende terre-
ca dosmsmbrado* daqoalta, resolve. da cnnfor
roldada com a proposta do doator chafe da polica
era cfflaia n. !70i da 9S do oorroate, crear errf di-
Us fregaezi*s, arabas d) termo da Cimbres, os tres
seguate* districtos :
de Santa Ag-iMa na fregaezia deste nome com
o* limites da mssm.i, segando a le provincial n.
958 de lo da jnlho proxim) passado.
E os de Cimbras e Oiho d'Agna dos Bredos na
freguezia do Cimbre* oom os limites tracados aos
dons julgados do paz de iguaes deooralnaepM.
O presiJente da provincia, de conformidad
com a proposta do doator clWo de polica, em
offlaio n. 1702 de 13 do corrente, resolve nomaar
para o cargo de subdelegado do distrieto t Olbo
d'Agaa dos Bro.iis, sanado da freguezia do termo
da Cimbres o eidadao Candido Jos de Si lueira, e
para os dos respectivos suplientes os cldadios se-
guales, na ordem do sna colloeacio :
Anguaio Cavalcanle de Albuqnerqua.
Verissimo Jos do Cinto.
Francisco Lite de Siqueira.
Antonio Lei le do Siqueira.
Joto Cordeiro liego.
Aotonio Ferreira Duarte Velloso.
O pre-Ueste da provincia, de conformidada
com a proposta da dnutor chef de polica, e:n offl
ci o. 1701 de 13 do correnta, resol va noraear
Rara 0 cargo de subdelegado do dis-.ricto de Santa
Aguida, do termo de Cimbres, o eidadao Aleixo
Oamaeono de L1ns, e para os dos respectivos sup-
penles os cidadaos seguimos aa ordem da eolio-
cacao :
Joo Leodegario de Faria Barbosa.
Alcibiades Aogu-ilo dos Santos.
Manoel Vicente Ferreira Canato.
Jos Ferreira de Mello.
Antonio Beflto Comes de Almeida.
Marcos Marcoliai Jos de Oliveira.
O presidente da provincia, cooformando-se
-com a proposta do doator chefe de polica, em ofi-
cio n. 1702 de 23 do corrate, resolve nomear
para o cargo de subdelegad > do distrieto de Cim-
bres da fregaezia e te-rm i do raesrao nome o ea-
pitao Joaquim Pereira da Silva Dutra, e para es
dos respectivos suplientes os cidadaos seguiotes,
Ha ordem em qae vio eollocados:
Joao da Cosa Monlei ro.
Joaqaim Francisco Torres Gallindo.
Vasco M*rinho. de Espindola. -
Antonio Cordeiro Manso.
Clemente da Silva Reg.
Domingos Severiano da Costa.
Commanieou-se ao chele.
O presidente da provincia, altendenlo ao qu-
requeren o coronel honorario do ejercito Alexan-
dre de Barros e Albao.ae.rqaa, ex-eomraandinte
do corno de polica, e Informou o in-pector da
thesouraria provincial, era oficio n. 814 de 11 des-
te mez, resolve, de conformidsdo cora o disposio
no artigo 8. 2. da lei provincial n. 9il de 21
de junno prximo passad >, conceder aposentado-
ra, com sold correspondente, ao dito coronel, con-
tando-se-lhe o tempo at esta data, segando o,dis-
posto no artigo 9 da citada lei.
Gommunicou-se a tbesouraria provincial.
O presidente da provincia, era compriraenlo
do aviso do ministerio do imperio de 26 de no-
vorabro utlimo, resolve nomear nraa commissio,
camposta dos douores Jos Joaqaim .do Moraes
Sarment, cono presidente, Joaqaim de Aqaino
Fonceca, Pedro de Athayde Lobo Mocoso, Este
vio Cavalcante de Albuiaerqaee commissario
vaccihador Ernesto Faleeiano da Silva 'Cavares,
para proceder as experiencias necessaras e dar
parecer sobre o melhor meio de obter no Brasil a
vaccina originaria da vacca (eow-pox).
Expediram-se as necessaras communcar;o?s.
O presidente da provincia, tondo em vista o
que representou o inspector da thesouraria pro-
vincial, em offl:io de 16 do crrante, sob n. 838,
resolve, bera do servico publico, demitiir Belar-
mino Gomes de Oliveira, do lagar de escrivio da
collectoria do municipio de Itamb.
O presidente da provincia, conformando-se
com a proposta do fiscal da collectoria do muni-
cipio de Itamb, qae se refere o offlcio-do ins-
pector da thesouraria provincial n. 838 de 26 do
corrente, resolve nomear o eidadao Joaqaim Ma-
noel Bezerra Campello, para o lugar de escrivio
da mencionada collealorfa.
Offleios:
Ao general commandante das arma?, recom-
mendando a expedicao de suas ordens, aflm de
fazerem-se as honras devidas ao presidente no-
meada para o Para, Dr. Joaqaim Pires Machado
Portella, qae segu para aquella provincia, no va-
per americano esperado dos portos do sal.
Ao inspector da thesouraria de fazenda, au-
tarisando-o a mandar abonar Olavo Correa Cres-
po, a qnantia de 1001000 reis, como compensado
de sea trabalbo e retribuicio dos medicamentos
que prestou, na qaalidade de eacarregado do tra-
tamento das pessoas indigentes accomraettidas de
Ubre amarella na villa da Bom Conselho, a contar
de 13 de marco a 19 de abril deste anno.
Ao mesmo concedendo, depois de pagos os
direitos devilos a lcen^a, qae solicita Jos Jaco-
me Tasso, para transferir o dominio atildo* ter-
renos de marinha, onde eslao situados o armazens
da roa da Praia, qae pretende vender a Laiz Jas
da Costa Amorira.
Ao mesm, mandando aiustar contas e passar
gua de soccorrimento o alferes Alberto Soares
4e Aievedo, qqe %ajzu3 para Sergype, a rennir-se
a respectiva corapanhia flxa, na qual foi classd-
cado.
Ao gerente da companhia Pernambacana expe-
dio-se portara para dar transporte ao menciona-
do alfares at Macelo.
Ao inspector da thesouraria provincial d-
itio qae mande pagar o qae poder, dentro dos
cretitos votados no aclaal exercicio, da prestacio
da obra da ponte do Caxanga, fleando o excesso
dependente da decio da assembla legislativa
provincial, visto nao poder se tonslderar como
eventual semelbante despeza.
Ao mesmo, determinando qae sejara pagos
ao lente honorario do exerclto, Jos Carlos Vi-
tal, os seas veaciraentos, a contar do 1.* a 14 de
agosto ultimo, como ofOcial addido ao extincto cor-
po provisorio de polica.
Ao mesnw,' declarando qae era tempo se
pedir crdito i'm assembla legislativa provincial
Sara pagamento da 1* preslacao do acude da el-
ida da Victoria, visto alo pider ser elassifteaia
essa despeza como evaetoal.
Ao commandante superior da guarda nacio-
nal do municipio 4* Reeife, para informar qnal
a falta commeuida pelo guarda do I* batalhio de
artilhara Crescencio Lafclao do Espirito Santo,
M tSto guarda tinha orden de prisao qaando del-
xoa o referido batalhio e foi engajar-se oo corpo
que, querendo entregar
lhe foi recasada
- :' '* W* primeira
t aaHino ao reernu
torisando-o de eanf >rmidade com a sua informa-
cao, a mandar fornecer ao professor da escola
nocturna da freguesa do Bacife, Antonio Rafino
de Andrade Lana, os quairo eaadieiros 4 gaz
ama lanterna, que soleiton para o servioo da
Tnesma escola. Comraunicou-se a tbesouraria
provincial.
Ao promotor publico da comarca de Ilamb,
recominendando que denuncie e promova os ler- cho de V. Exc, laucado no offkio do Dr.
raos da ac.usacio contra Bellarraiao Gomes de
Oliveira, nesta data exonerada do cargo de escri-
vao da collectoria do municipio daqaeila denomi-
nagao, nela facto de ter-se apropriao de patrie
das rendas da mesma collectoria', segundo os do
turnemos qae sao remettidos. Communiceu-se
ihesourari* provincial.
Ao commandante do corpo de polica, dizon-
da qae continua em vigor a ordem da presidencia
ie 17 de oulubro de 1863, fondada so art. 137
do regulamonto de 1 de dezembro de 1853, de
poder esse comraando enviar para o servico do
exerclto ou armada aquellas pracas, qae se boa-
verera tornado incorogiveis; mas sempre qoe
della mar, log participar mesma presidencia,
especulando os fados determinativos do sea pro-
cedimeoto.
Ao mesmo, autorisando o engajamento dos
paisanos Antonio Al ves de Almeida e Manool An-
tonio de Andrade, se f rem idneos.
Ao juiz de' orphSos e anuentes do termo do
Reeife, traosmittindo, acompaahado de copias dos
offleios do inspector d alfandega dasta capital e
consol garal do Brasil em Portugal, o auto de in-
ventario do expolio deixado por Theodoro de Car-
valho Cavalcante, fallecido em Lisboa, aflm de que
proceda de conformidade com a lei, quanio ao
referido exaolio.
Ao juiz de paz mas votado da fregaezia do
Poco da Paoella, declarando era resposta ao officio
em que partieipon nao haver anda afflxado edi-
taes da convocarao dos eleitore9 e sapplentes pan
a installacan da respectiva junta de- Jaualiflacio
na 3* dominga do mez de Janeiro vindouro, por
acliar-se preso e processado o escrivao desse
juizo, e nao ter tomada posse o nomeado interina-
mente, qae nlo proceden regularmente deixando'
de observar o disposto no art. 30 da lei n. 387 de
19 de agosto de 1861, que em taes casos manda
requisitaro escrivao da subdelegada, e na falta
desle, nomear a juramentar quem sirva. exclusi-
vamente nos trabalhos da qnalifleacao ; e qae,
esperando nao se repitam oimssdes semelbantes,
designa a 2* dominga do mez de fevereiro fataro
para eomer^arem os referidos trabalhos, preceden
do os competantes editaes e mais deligeocias re-
oamraendadas por le.Commonicou-se cmara*
municipal do Recite.
Portara :
Ao conselho de compras navaes, approvando
o contrato que celebroo com diversas pessoas para
o fornecimento de fardaraento ao pessoal dos na-
vios da armada e da ebjectos necessaras aos es
tabateeimeotos da marinha no trimestre de Ja-
neiro a marco de i871.-*Con*taunicou-se a thesou-
raria de fawoda.
Despachos :
Anacilo Publio de Morae9 Carvalho.Eotre-
goem se em termos.
Alexandnna Theresa de Jezns.Jnforme o 8r.
Dr. chefe de policia.
Antonio Ruoo da Andrade Luna.Dirija-a ao
Sr. director geral interino da iusiruecao publica.
Coronel Alexandre de Barros Albuqaerqae
Passe portara aposentando o snpplicante nos ter-
mos da lei.
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C Infor-
me o Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
Bellarraino do Reg Barros.Informe o Sr. en-
geoheiro ebefe da repartilo das obras publicas.
Capito Gamillo Augusto Ferreira da Silva.
Indeferido vista das raformac5es.
Bacharel Francisco Odelon Tavares Liraa.: Junte
publica forma da sua carta de bacharel.
Dr. Francisco Pinto Pe?sa J expedio-se or-
dem para o pagamento que requer.
Ivo Pinto de Miranda.Instraa a 9ua pelico
na lorma da lei.
JosJFelippe Santiago.Informe o Sr. comann-
datedo corpo de policiasobre as circumstanctas do
supplicaote para se poder arbitrar a gratifkacao.
Jos Bellsario Marinho Falcao.Concedo.
Jos Carlos Vital.Dirja-se thesouraria pro*
vineial.
Commendador Jos JcomfrTasso.Ao Sr. ins-
pector da thesouraria de fazenda com offlci) desta
data
Luiz Cyriaco da Silva. Informe o Sr. Dr. di-
rector geral da instruccao publica.
Manoel Firmino Ferreira Remetta se io Sr.
inspector da tbesouraria de fazenla para flra re-
querido, pagos os direilos.
Manoel Antonio de' Jeius.Pagos 03 direitos
como requer. Remella se ao Sr. inspector da the-
souraria de fazen la para os fias convenientes.
Manoel Gonc'lves da Silva.D-se.
Bacharel Miguel dot Anjos Barro?.Nao tem
lugar o que requer vista do aviso do ministerio
da fazenda de 10 de nverabro prximo Sudo.
Manee! Ferreira da Costa.S ha ama 'cerlidao
de casamento que sera entregue mediante recibo.
Olavo Correia Crespo.A' tbesouraria de fazen-
da cora offlcio desta data. _
Raymundo Feppe de Santiago Braganca.En-
treguera-se os documentos em termos.
da provincia.
Fernande Fi-
cante de Albuqaerqae, presidente
O chefe de polica, Lmiz Antonio
ttkeifft.
Copia.
N. HO. Qaartei do eommando superior iqteriora
di guarda nacional do municipio do Reeife, 17 de
dezerabro de 1870.
Illra. e Exm. Sr.Era enmprimenw aodespa-
i Lemoa Brajja, do Aracaty ; Jlo Mvi Mo Chavea, do AaaA ; Antonio Marques da Silva, do Natal; Joa Joatito'
Penha; Belarmino dos Seotoe Blelo, em Santo Antlo; Domingos Jos da Costa Braga,
jr. Jos Martins Altea, na Babia ; e Jos Ribeiro Gaaparmbo do Rio de Janeiro.
chefe
V.
qae
a
de policia, que tenhb a hotira de devolver
Exc, de 3 do crrante mez, tenho a dizaf,
p le ler lagar o qoe Brepoe o chefe de pe
cer 13. de ser pMi&Ma depois do signal da i__
Iher anlarem as mnsicas doseorpos de goarrja
nacional tocando pelas roas da cidade, se V. Exc.
assim ordenar.
Deus guarde V. Exc.
Ilkn. Exm. Sr. conselheiro Diogo Velho Ca-
valcante de Albuqueique, presidente da provincia.
Domingos Aflotuo Noy Rrreira, commandante
superier interino.
ConformeFrancisco LucU de Castro.
Copia.
Ia secjio.Secretaria do policia de ?ernat>-
co em 2 do dezembro de 1870.
N. 78tlQ. Transmiti Vmc. o cfflco junto do
narechal commandante das armas, accompanrr-
4o de ais papis relativos ao individuo de nome
Manoel Coelho de Brilo, qae se apresenra ao
mesmo marechal corno sargento do 8* batalhio de
infanUria, declarando ora ser desertor do dito ba-
talhio, a ora nao ser praea e ter escasa do serv-
co," aflm de qae por essa delegada, se proceda con-
tra o mesmo individuo, que se acha reeoihido
casa de detencao, i sua disposicio como fdr da
diraito.
Deus guarde i Vmc.
O chefe de policia Lvtz Antonio Ferninies Pi-
nhiro.St. Dr. delegado 4a capital.
DIARIO DE PERWftMBUCO
Re(ropr-t polUIro do aune
de 18 9.
(Continuado)
Copia, n. 1730.Seccao 1'.Secretaria da poli-
licia de Pernambuco, em 30 de dezembro de
1870.Illra. e Exm. Sr.Tendo o peridico Libe-
ral de 27 e 28 do crreme acensado o subdelega-
pe da freguezia lo Poco da Panella, por ter posto
era liberdade a ura ladrao de eavaljos, de norae
Francisco Soares Lopos,. pedido de urna terceira
pessoa, submetto k consideragao de V. Exc. a co-
pia da nota do assentamento de prisao do referido
individuo, por ande se v qae o ladrao de caval-
los de que trata aqaelle peridico, nao foi solt,
mas sim est preso, e sendo proeeapdo.
Daus guarde a V. Excfilm, e^xn. Sr. Diogo
Velbo Cavalcante de Altiuquerqae, presidente da
provincia.. O chefe de polica.. Antonio Fer-
nandas Pinheiro.
Copia. Nota do assentamento de prisao do
preso Francisco Soares Lope!. Francisco Soares
Lopes, pardo escaro, idade de vinte anuos, soltei-
ro, natural de Pao d'Alho, proflsso pedreiro, fl-
Iho de Joo Lopes da Fonceca e Mara Jos da Sil-
va, estatura de 5 pse V pollegadas, cabellos pre-
tos e crespos, rosto eomprido, olhos pretos, nariz
grosso, bocea grande com lodos os dente na frai-
le, pouca barba, corno regalar e analpbabeti.
Reeoihido no da 3 de oulubro de 1870, A ordem
do subdelegado do poco, era proeesso por furto
de cavllos. Em 6 e 10 de outubro de 1870, foi
presenca do subdelegado do Poi;o da Panella
para se ver processar e voltou i casa de detencao
a 29 de dezembro de 1870 Conforme. O escri-
vao Hermeliado Luiz de Carvalho.Conforme
O secretario Eduardo de Barros Falcao de Ls-
earda.
I.1 seceso.N. !5*Ji.Secretaria de polieia de
Pernambuco, 3 de dezembro de 1870.
Illm. e Exm. Sr.De conformidade coro o que
em offlcio d'esta data requisita o subdelegado da
freguezia da B >avista, rogo a V. Exc qae se digne
expedir anas ordens, no sentido de ser prohibido,
depois do signal de racolher, andarern as msicas
dos batalhSes da linha, aqni existentes e beta as-
old guarda nadonaes, tocando pelas mas,
evitar-se conflictos,
as guarde i V. i
a. e Exm. Sr. c -IhCaYal-
- SISSA.
A Confedaracao Helvtica no anno pro zimo An-
do proseguio na sua obra de reformas liberaes,
entregndose cora afania ao see- estino, que"
marchar sempre. na vanguarda dos povos mais
livres.
No meio da agitaco geral da Europa, limitaa-
do-se com piizea onde se debateram e estio deba-
tendo os maiores aconteeimentos polticos do anno,
a Suissa vveu calma e tranqniliamente sua vida
de liberdade no inaio das suas ubrrimas monta
unas, eesforcou-se por raanter urna rigorosa neu-
tralidade, que o sea bellicoso povo compreh'adea
e praticou sioceramsntr.
As lata ittestiaafl da Italia lancarara oo sen ter-
ritorio algnos handu de revoltosos, que o gover-
aa helvtico mandn que fossem tratados com todo
o rigor da lei. coraolhe prejerevia a sna neutrali-
dade e Ihe fot lembrado pol governo italiano, que
ame&cou-o de formar ras suas frontiras um vig j
roso cordo militar, se se renovassem os faetos
contra os quaes reclamava.
Noticias de Berne, do mez de maio, dizem que
o rgimen plebiscitario, que j existi em alguns
cantOas primitivos sob a forma dos landsgemeinde,
tomaram alli grande incremento pelo referendum
(voto das communas para a auopeo ou regeicio
das leis voladas pelos legisladores) em algaus dos
grandes cantSas. Foi a-sim qae o cantao de Ber-
ne adoptou ama lei muito liberal sobre o ensino
primario, lei que subtraho o professor autorida-
de exclusiva da igreja, e qae, pela mesma forma,
o povo de Zurich, depois de regeitar ama lei qae
limilava o trabalbo as manafaetnras, aloptou
duasoulras disposr6es votadas pelo grande-con-
selho, ama para a regularisacao de suas delibera-
bas, e outra para a introdcelo do imposto pro-
gressivo. >
A questio grandemente discutida e controvert
da da adraisso das mulheres frequeacia e be-
nefli'io dos estudos superiores e obtencij de ttu-
los .scieniificos, acha-se em va de solacio na
Saissa por meio de estados praticos. Q-iatcTza
senhoras inscreverara-se no anno nodo na facnl
dade de medicina de Zurich e seguirm os corsos
com lisongeiro aproveitaraento. J em 186) duas
senhoras, urna russa e outra ingleza. tinham pres-
tado exames e recebido o titulo de doutoras em
medicina.
A questo da separar) completa da igreja e do
estado teve ura coraeco de solucao na Suirsa, no
cantao de Neuehatel. O grande cooselbo, por JJ*
votos contra 31, pronundou-se em favor da sepa-
rao absoluta.
No da 4 de jalho abriram as cmaras da Confe-
deracao Helvtica sua sesso de esto, em cujo
programma de trabalhos figurou a sanecao do
contrato celebrado cora a Italia e a Prussia para
a onstruccio de ura caminho de ferro, que, li-
gando estes dous paizes, passasse pela Saissa,
atravessaado sob um tonel o monte Saint-Gjthard,
e bem assim a discussao de varios projectos da lei
de nteresse immediato para a eonfederaco. O par-
lamento helvtico eumprio sua missao satisfacto-
riamente e com plena acquiescencia do paiz.
O povo suisso '.lo feliz, sob sua forma de go-
verno, e por seos costumes, fecuodiiade da sea
slo, grandeza de sea eommerco e progresse de
sua iutus,tria, que, no anno fiado, vio-se alli o qae
at enlo s se tinha visto no principado de Mo-
naco : o governo cantonal de Sch.fThouse propoz
ao grande conseiba, vista do estado fl irescedte
desasa financas, a nao percepg) de impostas ao
exercicio de 1870 a 1871 II
Qaando rebentou a oalfadada guerra entre a
Franca e a All-maoba, a Suissa tomou todas as
preeaucoes necessaras para garantir a oeutrali-
dade que Ihe cumpria, e que ella declarou querer
guardar n'esaa Iota. Cora esse intento o grande
eonselbo conceden ao governo os necessarios meios
iara armar o paiz, e este, poz-se em estado de de-
pza para qualqoer eventualidade.
Logo qae as peripecias da guerra afastaram-se
de suas fronteiras, o cdaseiho-federal licencedn
duas das divisos que foram postas era p de gtferra
para os fias da neutralidade, recommenaando to-
davia aos governos cantonaes que estivessem aler-
para qae as influencias externas nao viessam
a comprometter essa mesma neutralidade.
Quando foi proclamada a repblica franceza, a
Suissa regosijou-se as suas montanhas palo acon-
lecimento, e apressoo-se em reeonhecer a nova
forma de governo da Franca.
Ao encerrar-se o anuo, lodos os negocios da
eonfederaejo seeuiam son caminho sem entraves,
e 6 povo helvtico contmaava a ser feliz.
rtARCA
Depois do unattie consultus de setembro de
1869, a Franca entrn em ama phase algum unto
liberal, tratando o imperador da se aprovdtar das
manifestaedea do paiz n'esse sentido, como meio,
sem duvida, de facilitar seo fllho a ascencao do
ihrono.
Cbeio de enfermedades e alquebrado pelo peso
do aceptro da Franga, qae elle empunbava com
valor, usando e abasando do aeu poder discri-
oionario ; imperador Napoieio IU via approxi-
mar-se o flm do sea reinado, c pelo astado dos
nimos em Franca, j-aigou que a ascencao de sen
^^o seria das'Venore campanhaa que teria
ro reservado aun dynaslia, e, das
ladas as regidas polticas, procu-
prlncipios malficos, fazendo-os
Causa, adrada modificada no sentido
atoe
MVi
roo
arvirj
libara.
Nao I
par*L_
Ngar neFrluca. StH
Miltir oou perversidade inaudita no hornera qae,
fir tanteo annos tivera as mos os destinos da
ranea o qaie da Europa, e que por tantos annos
JPpui*
o .eu paiz sb um
alde tentn mais
jago de ferro, i
de urna vez sub-
vel bu-car outra explicacao rasoavel
UDaBfi>jM^BjJa^Uan tirexam, d^alTarsarias anciarados, mas tamben nlo ato
i se nlo qneira ad- ?irmsd por am gos, a a prova est en qw.-qoan-
do se traten de substituir os tres vico-presidentes
da cmara, que entraran para o poder, a dreita
parlamentar eonsegui eleger dous oV seos repre-
sentantes, desamorando assim o candMato prefe-
rido do centro esqnerdo, Mr. d'Andelarre.
E' verdade que o minisjerio tinha bastante foaca
para poder conseguir a dissolncao da cmara,
eteita em coodicoes diversas das qae iriltaava o
imperio nesse lempo; mas nao menos- verdadei
ronque nao de boa poltica renovar as asaemblas
cada movimeoto da opinio. Por issoo ministe
rio preferio buscar alliaocas na mesma cmara, a
ir consultar o paiz, creando-se urna sitoacao em
appareocia mais simples pelo appello ao paiz, mas
na realidade mais perigosa e difflcil, sobre ludo
as condieSes de vida publica creadas pelo suffra-
gio universal.
DesJe a sua asconeao o gabinete de 2 de jane!
ro compenetrou-se a sua missao, a entrn fran
camente em urna poltica liberal e de econo
ma. Foi p >r isso que Mr. Haussmann, prefeito da
departamento do Sena, foi exonerado desse cargo,
para o qnal era nCbmpativel na nova ordem de
cousas e instituices que dominava em Franca; foi
anda por isso que deixoa de ser denunciado o Ira
tado de commerc o com a Inglaterra, contra o qnal
clamavam os proteccionistas, aastaade-se da li-
berdade commercial, de qae Mr. Olivier era deci-
dido partidario.
Mr. Louvet declarou no senado qne esse trata-
do nao devia ser denunciado. Restava o que ae
chamava faculdade de adraisso temporaria, isto
, o direiio da introduair em Franca certas mate-
ras primas, como os tecidos e o ferro fundido
como carga de reexportacio. Mas pouco depbis
essa mesma difflcaldade fd cortada pela publica
ci de um decreto em que se snpprimia a admis
io temporaria para os tecidos, eonservando-se
todava para o ferro rundido.
Batas medidas foram discutidas com franqueza,
e nao faltn quem quizesse enxergar no decreto
de Mr. Louvet ama tendencia commercial pouco
em harmona com a liberdade de qne o ministerio
era fiel representante.
Essas diseussdes e nutras, j na imprensa, j na
tribuna parlamentar, foram-se azedando, at torna-
rem-senum pavoroso desencandeiamento de m-
preeaijes, declamaijes e injurias, que nao ponpa-
va a nioflgkm. Esaos qne assim proeediam eram
os apqstohr e os inMkdda em urna nova aeita, de
qne efles tiabam ama sociedade e um povo sen
e caja liberdade era o reito de fazer o que altes
uizessem, sera se Inqnfetarem com a liberdade
os ou tros, e de dobrar o paii tyrannia dos seds
caprichos; se dles o podessem fazer.
Depois que a novar ordem de consa da Franca
de todos a diraito de fallar livreraenlo, os apos-
tlos deesa nova liberdade sorviam-se Ma contra
a propria liberdade e de dia dia avancaram at
urna eapecie de incandescencia furiosa, at orna
verdadelra febre de^spirito, contra a qual nio
rece que nlo hoove perversidade em
ao poder os horaens liberaes da Franca,
quilla-Ios pela poltica impefial ; nao,
a causa motora d'esse mbvimentp, que
1869, (o o sincero desej > de Napo-
segurar i aeu Rlh> a corda da Franca,
a querer fugir no momento da ser
Ja ao principe herdeiro"
phase poltica, em que n'esse tempo en-
ea, assumio nos fins de 1869 ama po
m\ no parlamento, pind o ministerio
crse.vA' 28 de dezembro o impera-
unfa caria ao Sr. E. Olivier, incum
da orgamaacao de um ivo ministerio, e
crrO foi resolvida no sentido libera', organlsan-
do aqoefle Br. nra gabinete assim composto : Olf-
vier* Jtalja ; Conde Darn, eslrangeiros ; Chevan-
dieri Faidrrae, interior ; Lniz Buffet, ti nangas;
generaljLelwBuf, guerra ; Rigault de Genonilly,
marinha; legris, i^uccio publica; T*!houi,
obras pee icas; Loribei. commercio ; Vaillant,
easa do imperador e Richard, bellas artes.
Esse gabinete, qae foi chamado de 2 de Janeiro,
data dos Secretos de sna nonieacao, merecen os
applausosda maioria da imprensa do paiz e espe-
cialmente'*e Pars, qne vio n'elle encarnado
do refh*B liberal e garantas serias para a nova
ordem'de cousas esiabeiecidas deade- o senatus-
consutlus de setembro.
Esta oonflanc no chefe do gabinete, no antigo
depntado qae tanto pugnara pela liberdade, uva
desde logo um facto em sea apoio; foi o direito de
venda as ras publicas, conce lid i lodos os
jornaea.
O cele Daru, quando receben e corpo diplo-
marlo, (laclaron Ihe qne o gabinete continuarla
na poltica de nio inervenco as questSes inter-
nas das ou tras potencias, e o imperador, por oc-
eaaiio das feiieitaces do anno novo, declarou
Ihe igulmente qu no correr de 1870 consol!-
Hl-ia o eomranm accordo para a sustentadlo da
paz e da elrillaacao.
E ana resposta ao corpo legislativo, disse o
imperador qae nanea fora mato.necessario o e-
eordOjda qne depon das novaa circuinsuneias
que aajjoventaram as prerogalivas do corpo legis-
lativo, sem diroinuiren a autoridade que o impe-
rador tinha recebido da naca
Creamente o que se onzava entao, era de pro -
hjado -inieress para a Fringa a para a Europa,
qt/e segua >a marcha doi Bigocios franeezes com
um fjfnar sTryetwfulidoo attonto.
Tontava-ao entao urna experiencia qae, se fosse
bem cooduzida o levada ibim fin, seria urna re-
voluto muito mais siria, muito mais decisiva do
que todas as que a preceder ae, por isso que repre- haviam argumentos possl veis.
de pelejar no fim dos seos dia?.
Bstanle intelligSute e pers|
-deicorii-
sealava urna victoria da torea moral daopiniao
sobre, a forca material das insnrreicoee ou das
reaccSee.
A Franca entrara visivelraente era um periodo
de emoces publicas e de latas em qae os' inci-
dentes nasciam sera serem esperados, e em qne
era preciso cada instante dsaonvolver, firmar e
defender urna obra poltica entregue todas as
contestaras ; mas, urna vez franqueado o passo
difflcil, e tendo entrado em pleno mar, iratava-se
de bera dirigir o navio, eerio de qne a liberdade
linha suas eondicoos laboriosas, e s vezes tanto
mais perigosas e dilflceis quaotonem sempre se
senhor da tudo o que acontece.
,- E nitiva de um rgimen novo, o no exaltamento de
um ministerio, qu vio a luz no principio de um
anno nevo.
E' verdade que o novo gabinete dea algum
trabalho i ser erfanisadn, tere dfflcuUades era
nascer, visto como foi smente depois de grandes
esforcos que chegoa-se .a fundir, n'uraa mesma
combioaeao, diversos matizas politlcos. Mas isso
mesma prova todo o intersse que reclamava a
sitaacao e qae os horaens polticos da Franca Ihe
deram, occupandi-se seriamente della.
O ministerio forrmu-se a primeira vez e decora-
pz-se em seguida, antes de ter existencia offl-ial,
eporcaasa do cratro e;querdo, que Mr. Magae que-
ra que fosa representado no governo. Foi s
depois dessa diploraacia intima de alguns dias que
sahio defflnitivamente o'rganisado o ministerio Oli-
vier, com todas as anas garantas de reintJgracao
do rgimen parlamentar, e sendo representado o
centro esqurdo na pasta qae precedentemente
ocenpra Mr. Magna.
Esse minister o de fusao dos dous contros, ex-
pressao fiel di allianca das torcas liberaos e mode-
radas, por cujo intermedio se ia verificando a re
volucao que guava a Franca ao rgimen consti-
tucional, foi acolhido por modos diversos no seio
do parlamento, e os Srs. Raspail e Rochefort che-
garam a crr que elle nao era serio. Mas, pondo
de parte as considerarse -, e apreciacoes saspeitas,
nao duvidoso qne o novo ministerio tenha obiid >
ara movimeoto sympathieo de eonfianca na opiniao
publica daFranca. Osespiritos foram instinctivamen
ie levados aorepousopela eonfianca queiaspiravara
os dez merabros desse gabinete, todos animados dos
meihores deaejos de trabalhar de accordo para rea-
iisarem nm programma de progresso sem violen-
cia ede liberdade sem revolucao.
A. torca do gabinete resida na allianca dos dous
grupos liberaes, que se foroaaram no selo do par-
lamento desde o sea eoraeon; mas ahi tambem re
sidia a sua fraqueza, visto cpnu talo dependa da
duraco da uaiao entre os dous grupos, isto ,
entre Mr. Olivier e os Srs. de Darn, Buffet e Se-
flfla
Mr. Olvier era o horaem indicado pelas ciream
tancias desse tempo para organisacSo do gabine-
te, e nesse ponto a poltica 4o imperador foi essen-
cialmenle parlamentar. O qiie se pasaava em 1870
Mr. Olivier tinha previsto doze annoa antea, quando
lie antrou pela vez primeira para o parlamento,
no momete de prestarjuramento ae imperio. Nesse
lempo escrevia elle ao pai o seguate : Nio i pro
eavel que o imperador faca o si* tet aidicional,
mas tambem nao i imposswel Se elle persistir no
ten despotismo, minia conducta ser faeilima ; te
elle, porm, u transformar, eu serei obrigado a
ajuda-lo, aada quando ornen auxilio uniste
ra consolidar esse throno que te eramu o meio
noesas imprecares. EU at onde me leva o
juramento, e, enmo eu tuto me detenho humo em
meto caminho, eis at onde irei s* entrar no corpo
legislativo e te u verificar a Kupttkete figurada.
Desde entao Mr. Olivier trilbo a mesma senda,
cora J*a^^Hna no mesmo ponto,Vesse lira, al
mejado atosas com ing-nuidade, mas do ordina-
rio com indabiuvel lealdade e eom talento ovato-
rio sempre crescente, elle alcancon pondo-se
testa do movmento de tansformacao poliea da
Franca em 1870. Era elle, pois, o homem talla-
do para as cireomatancias, e o imperador ehaaan-
do-o segaio i riaeflb rgimen qua-aeJ||fc impoa-
to da aagui'
Maa o ministerio achou-se desde snaasratMiD
a ex-anha suoafio, veado-se ea presHea.
de ama assembla caja maioria, pouco anti, nao
nutria aantimeatos "
matortt nao exista mais, na. occaeiaO, pois qne
liaha-se dissoivido ao sopro dea acontec raen tos ;
mas ella continfca anda um ncleo bastante pode-
roso para creer difflculdades, e a esse ncleo o
miBiaterio appavecia como nraa hureHhaco para
a antifa maioria. Esse ncleo nao se compunha
Foi disao ama dolorosa prova o triste e deplorar
vel acontecimento de Auteuil, o fatdico assasaina
lo de nm joven, joraalista por am principe da fa-
milia imperial.
O principe Podro Napoieio Bonaparte, primo do
imperador, dirigi urna carta Roebefort, lancan-
do-lbe em rosto nave-lo este insultado pessoalmen-
te pela pena de seus sicarios.
No dia 9 dirigirn) -se a caa do principe os Srs.
Vctor Noir, e lrich Fouvielle, como padnnhos
de Pascal Grousset, autor do artigo publicado na
Uarselheza.
Sendo introduzdos na sala, o principe Pedro
Bonapare pergantoa-lhes se eram os mariolas
(manauvres) de Itochefort. Vietor Noirjesbofeteou
violentamente o principe, e Fouvielle, pretendo
que o principe repellira a aggressao, tirou da al-
gbeira um revolver. A' vista dasta aggressao, o
principe, tirando rpidamente urna pistola de um
trophu que enfeitava a parede da sala, fez fogo
contra Noir, que fagio ferido para a escada e, depois
de disce-la, cahio raorlo.
O roioisiio da justica mandou unmediatamente
prendero principe Pedro Bonaparte.
O jornal oflicial publicou um decreto convocan-
de o alto tribunal de justica para jalgar o crime
da homicidio imputado Pedro Bonaparte. O mi-
nistro da justica deu ordem para que a prisao se
effeetuasse, mas j esse tempo Bonaparte se ti
nha voluntariamente entregue prisao, sendo
conduzilo Gonciergerie.
O alto tribunal da justica que foi establecido pela
conslitaicao de 1832, sem appellacao, mas at
entao nao tinha sido convocado. Compunha-se
de conselheiroa do supremo tribunal de justica, e
julgava dos attentados contra o presidente da rep-
blica, e contra a seguranca interna e externa da
naci; entretanto o ebefe do estado poda designar
os casos estranbos qaelles em que e alto tribunal
linaa de entender.
Rochefort perguntou ao ministro da justiga se,
entregando Pedro Bonaparte ao alto tribunal de
justica, tencionava conceder a irapunidade am
prncipe qae assassinoa um filho-do povo.
Rochefort comparoa a familia Bonaparte fa-
milia Borgia. O presidente ehamou Rochefort a
ordem. \
O ministro da justica responden:
t A jasliga e o direito do governo que ultrajou,
< pedem que os'escule cora silencio, porque nao
t o bao de ultrajar. O aecusado merece sempre
t respello; o principe Pedro pedio um tribunal
t ordinario, mas em presenca dalettra da consti-
tuicao, era necessario convocar o alto tribuaal
da justic, i. Trataremos de ver seu tempo *e
t necessario abolir aquella lei excepcional; mas
< at agora o supremo tribunal de justica tem
c dado garantas de imparcialidade ao julgar cr-
mes comraetiidos por altos personagens. Esta
t nova occasiao provar que ninguem escapa
< juslica do paiz.
O ministro lamentou a exeitacio popular, e que
se desvainase o espirito publico com ideas san-
guinarias.
t Filemos o qoe se passa, disse o ministro, sem
c temor, porque somos o direitd*e a justica, e se
c a tanto nos obrigarera, seremos a fur^a.
Depois de algunos palavras de Raspail, termi-
nou o acdente.
Entretanto a obra da revolucio pacifica se-
{uia o sea curso como qae prometiendo arrancar
Franca dos eos eonvulconaraenios peridicos,
e eollocando a poltica de progresso regular e de
liberdade legal em face da poltica da agitacio
da violencia.
Foram essas pelo menos as duas polticas em
Kasenca em quasi todo o correr do anno de
70.
Foram ellas que deram logar aos espectacnlus
qae se representaran) em Paria por occasiao do_
assassiuato j referido. Fez-ae guerra sem tre-
guas sem eacanco, aproveijae-ae. do ensejo de
am deploravel acontecimento para orgaoisar manv
featacSes qae acaba ram por imprecacoes impoten
teaTeat hottveram espWfca uctaosos qae cele
maa com banquetes o anniveraario da execacao
Se essas Epimenedes de 1793, que aniao ae la-
vaniaram, tivesiem violo alguns anifta
Nrea ae nao tvessem eriganado na data, e tivr
pouco anaBfk nao voa ae nao uiowwu w|hw
Sena duvtd>. essa l razio da ser, at certo poni, visto eomo.se v
pronunciado contra 0 rgimen absolotov Ma*
vindo fra de tempo, quando o paiz entrava en*
vas liberaes, quando un novo espirito dominava
o governo, e a reforma das instituicSes e das lei
era proseguida com affinco ; foi esse nm anec-
iado da tal nova liberdade contra a liberdade es-
tabeleeida.
O ministerio couprehenden desda logo que o
maior perigo para si e quic para a sitparao era o
equivoco, e par isso as deelaraepes de Mr. Olivier.
renovadas constantemente ao senado e no corpo*
legislativo, foram sempre dars e precisas, e sig-
nificaran! que o goveroo sentia-se responsavel pe
la revolucao pacifica de ojn era o maoda'arij
no poder, e qne por tanto, sem deixar do desen
volver-lha as consecuencias serias, necessaras a
legitimas, eslava promp'.o a> defende-la contra as
tentativas revolucionarias. Elle lez mais anda ;
eonfirmou suas palavras com actos na mesma oc-
casiao.
O governo Uoha pedido aulorisacao cmara
para processar Mr. Rochefort por crime de abuso
de liberdade de imprensa. Depois de um longo a
violento debate sobre poltica, foiuconcedida esa.
autorisacao, e a 22 de Janeiro eslava Mr. Roche-
fort condemnado i 6 mezes d prisao, e bem as-
sim Mrs. Paschal Grousset, Mugo e Barbieox.
A borrasca imprevista, resultante do asssasaina-
to de Auteuil, tinha prodnsdo scenas violenta".
que linda na occasiao do enterro d> Vctor Noir
se'tinham manifestado, pretendendo cerca de...
100,000 pessoas que assisliram s exequias, qae o
fretro airavessasse Paris, contra a vontade dt>-
parentes da victima. Todo, porm, se aealmou e
passou na melhor ordem, em face da attitude enr-
gica que tomou o governo, concentrando em Pa-
rs um exercito de 80,000 horaens ao mando le
tres generaes ; e desde entao nio mais so falln
em novas jornadas, e Mr. Ledra Rellin colloeou-ee *"
n'ama magestosa reserva especiante. Entretanto,
a causa real desse apasignamento relativo nao fot
tanto a accio enrgica do governo, manto a
existencia de urna nova poltica, pratieada eran o
fim de internar a paiz em snas legitimas a*pira-
edea, nio regateando nem as garantas nem as con-
dicoes de um rgimen francamente liberal, e rea-
Usando com evidente sincendadeindo quanto pr>-
mettia.
A boa vontade reanimou a eonfianca publica.
por taso mesmo reduzio ao isolamento as paixe
insarreedonaes.
Entretanto os negocios commerciaes e indus-
triaos passavam por urna calorosa discussao no
parlamento, qne, final votou favoravelmenle a*
medidas de Mr. Louvet, declarando que se nio de.-
nunciasse tratado eom a Inglaterra.
W verdade qae a induslria poderia soffrer, mas
os seus soffriraentos provioham de muitas entras
causas, amas accldentaes e passageiras, e onlra
profundas e serias.
Entre essas causas figuraran sem duvida as grt-
tet, que pozerem evidentemente muitos entrave
ao desenvolvmento do trabalho e que foram mni
perlgosas pelas ideas qne as geraram.
N'ura dos maiores esiabelecimtintos indujti iaes
da Franca e da Europa, qne occapa 10,000 ope-
rarios, naa magestosas offldnas de Creasot, deela-
rou-se urna grve. Sem qae isso fosse esperado,
todos os traDalhadores cessaram tfum s dia os
seus traWlhos. Porque foi isso T Faluram-lho
por ventara os propretarios com os desvelos e so-
licitude com que sempre os trataran), creando urna
cidade, fandando escolas, hjspilaes e estabeleci-
mentos de soccorros e previdencias ? Seria a sna
causa a gestao da caixa de soccorros, que era fri-
ta pelos propretarios, e que os operarios queriam
dirigir ?
Nao, abseluiamente nio ; a forma de tratamen-
to doa directores e propretarios nio foi modifica-
da, e a caixa de soccorros ia ser entreguo aos
operarios. A causa da grce foi muito outra, e.
indicou apenas o resultado de urna tentativa polti-
ca para captar a alinelo da populacao de nm
centro industrial que at enlio tinha estado ao
abrigo das agitaces.
Essa grct, porm, desapparecou em face da at-
titude calma do director, o Sr. S:hneider, presfden-
| te do corpo legislativo, e tambera pela presenca
de ara corpo de exercito de tres mil horneas, en-
viado para garantir a liberdade dos operario?,
qae se accommodarara fcilmente, depois di exal-
tacio que foram levados por espiritos ub-eed n
as c.nstantes lutas da poltica.
Pouco tempo depois desse acontecimento, Paris
teve anda urna vez suas efervescencias noctur-
nas e seas tumultos de roas, como um irritante
etiiste intermedio na evqfnoao liberal que se
fazia.
Depois da condemnacio de Mr. Rochefort, iratou-
se de prendf-lo, o que foi effectuado s 9 ho-
ras da noute de 7 de fevereiro, sem resistencia si-
guia de sua parte, e pelo contrario dizendo ello :
Socego, cidadaos, brevemente nio tereis naa
vossas reunies.i
O commissario de policia e os seus agentes lib-
rara sabir Rochefort para urna carroagem e o e-
varam para a prisao de Sainte Plagie.
- Depois da prisio pachn Gastave Flourons ror
ura revolvere desembainbando nm esloras gri-
tn : E' precise soltar Rochefort.
Pela vdta das 10 horas e meia houve tenta'vis
de barricadas no Ttemplo e ao p doquaru-l de
L'Omine.
Foram voltaaos alguns mnibus, mas bastou a
presenca des agentes de policia para dispersar o
amotinadores.
A' mesma hora era construida em Belleville umi
grande barricada para o qne se voltaram seis oni
oibus. A' urna horada madragada marchara v pa
ra Belleville torcas de infaataria e de cavallana :
havia essa hora grande animaeao nos b rale-
vards, mas nio havia desordena.
De madrugada fd a barricada de Belleville to-
mada i bayoneta, faxejuln-se grande numero de
prisdes ;elevou-se a 600 o numero de presjs.
Calculou-se em 180 o numero] de morios, sendo
mnito mais consideravel o numero dos fendos.
Os amotinados saquearam a fabrica d'armas de
Lefhcheux, apoderando-se de 40 espingardas e do
300. revolvers. -
Os grupos do povo insultaran) os depntados.
Foi restabdecido o soeego. Olivier impedio que
as tropas fizessem nao de artilhara contra o
povo.
Dorante lgumas nontas, nos^fundos de am su-
burbio da grande cidade batalbou-se, griton-se
muito, viron-se alguns carros e levantaran)-se bar-
ricadas, Nao deviam os agitadores tentar urna pe-
quea revolucio para impedir ou celebrar o apri-
siname* de Mr. Rochefort, depois sua coo
demnacio 1 Os agitadores eeganaram-se, porm.
suppondo qne o governo nlo ousaria dominar a>
ameacas de sua colera, e que a lei curvarse tua
ante ana magestade.
Certametiie esses movmentos foram tristes* pe-
las sa consequeneaa, maa nio indicarara de ru-
do algara ama revolta popular. Todava en-
verara nma tal ou qual sigaikacfo o de al;
forma manifestaran, o desejo de fun Jar
locracia em Bslleviile cu em La Villela, ero
iraposicio da omnpotacTa das Tulberias, qu
nie qoeria, e que ji tlhba cedMo parante acni-
niao publica.
Em quanto se davaoa esses acor
roas, no corpo legislativo a discasa
porepes seras pela attitude an<
depntados. Mr. Joles Ferr* .onentava i
sidade de apparecer e
cousa, eaforcando-se em vjfljfjor ergot
lento ao nivel de suas uattoik ie oa
4b

Wn> I
J<


irlo di Iferuambucc

ift 5 de Janeiro de 1871
y...s.

--.-

I
tumultos ersm o resultaJo
teriaes, e acci
dissolver ana
violar o a
*tinh-sc
tsuas u|
Mr. Ordiatfeytttti" j
perneara as
descaona de asen
Ostra o governo a eavjj
Mr. Garnier-Pa;
lerrivel. traiii
Olivier, prop
os bumens qn '
As interpeiiadB^
sua marcha ou
los, e o mrautcrio\|
chequeim
U oa nece!
a cmara,
todas os das, depois do ter
lessa medida
-Dorante o ann
arre
Jnia
as resistindo um Un
do e que*o co'.loca-lchaio jo ii
so ou de dissoiver (da nstruc
erares retwmeavaoaUaaAlle
tomado um carcter outras seroethantes.
que prendfli
momento, j F
variados a
eram a r
como na
lipRl ff*J
tolo'
1
pacifico no da anterior. Todos se explica vara, di
reita,eqy3rdaegvern); e, Qnaldecontar,opaiz
que segua esse e.=peclacul3 com sorpresa, veio
a Bear mais imprntalo jua d'antes, sampte.pra-
curando saber o qae su quera Cazere como faze-lo.
Quasi que tud.) ficon acclarado no dia em que o
oude'Darn, incit.ida pelo Sr. Julio FaVre e fal-
lando ero nortada* sen oollegas, defini-coro ele
vado bom sansa a poltica do governo. Nesse dia
houve urna eent-vao geral de pnaur e attivw ao
ouvir-se essa aalavra seria, Armo e ^incera, que
teve urna justa repercurso ;'e o corpo legisla** *
quasi t-jdo deixuu-sa levar por essa lioguagem,
qoe-attestou a twraogeaerdade, o liberalismo e a
resolucJo do niiuisUirio. Tolo* suppDieram-so. fl-
xados depois disso ; a dlssolaco parec'eu removida,
tiuha-se um governo liberal, e poJia e devia se,
caramba r.
Na dia scuuiale, Davas-perploxidades,novasma-
nifesiaQi)es-iniiii>tfcriaca,apparcerain proposito da3
candidaturas uHkiaea. Desu vez fui Mr. Olivier o
altrauldo tribuna pejos Srs. Ernesto Picard e
Grevy, e iutervei o no debate por urna de*Ura{a>
que nao coofradizia seni duviJa a lingaagein do
ministro dos, negucios eatrangeiros, que a comple-
tiva mesmo e precisava-a em um ponto especial.
mas que em toda caso lava por eff'ito immediato.
deixar entrever aiuia una vez a questao ministe-
rial, desaparecida na ve.-pera por um vol do eu-
* tbusiawuo.
Em um dia o cuide Daru tinha ligado o corpo
legislativo qua^i todo, salva a frac$ao ma9 extre-
ma da esquerua ; no dia subsequento Mr. Olivier
ligou tqda a e-querda com os centros conlra a
a Iracc mais tintinada da direita, que pugna va
em prol da candidatura ulfljkl.
A interpeilacio do Sr. Julio Fa,vre sobre pe lilica
interna ievelu;ar 2t~. de favereiro, e o illunro
depilado dissa quo se sent humilhado quando re-
eonhecia fl:ie as coacassoes liberaos erara o effeiio
de um unatus-cunaultus, n afCrmou que a'marcba
do governo inda revellava a existencia do poder
pessoal, testen peladissolucao da cmara, e podio
a aboico das candidaturas olciaes.
O conde Daru, que Ihe rospoodau, leu o sea dis-
curso, qaeobievo nao obstante pleno trlumphu
pelas cuasideracoes justa, sensatas e liberae*
que eoniioha.' Fot approvada por 238 votus con-
tra 18, a segualo ordem do dia : Era, presen-
< ci das declaraooas tai precisas e leaes do mi
isterio, que asegurara em Franca a-ordem e a
liberdade, a cmara passa, chela de confaaca,
i ordem do dia.
Nos das-23 e i renovou-se a discussao, sobre
as candidatura.* offlciaes, e o ministro ida juslj{a.
Mr. Olivier, recoaliecend-i em principij o diret i
os seus candidato, daclarou quenco osara desse
diroito nemas eleicSes parciaes, oem nasgerae?.
Esta deelaraeo, que approxiraou o gabinete da es
querda, oi vivamente combatida peloj Sr*- Gra-
vier de Cassagnac e Pinard, que propozeram urna
ordem do dia, motivada e sssignada por iO nwra-
' bros da direita. Fui, porm, approvada a ordem
do da pura e simples, por 185 votos contra ;
senda-.regeitada a proposta pola direita da .c-
mara.
Esla volaco Ivi rouito significativa. Entre os
qae,approvarao a orilempura a simples, contaram-
se os Sr?. Tliiers, &eiuieux. Esqoros, Jules Fa-
vre, Jules Simn, Jutea Ferry, Gambclia, Er-
nest Picard, G.irni(,eags, Glais Buoin e Ordi-
naire.
A direita da cmara, depois do cheque por que
passon, precuMu com: iuar w meios Ce atacar es
ministros e promover a sua queda.
Em confoi-midado com as declara9es feilas na
cmara, o miniara do ioieiior litigio um* circu-
lar aos pr feitos dos-departamentos, dandolhes a
conbecer o pnsamento do govern, sobre a com-
plota e absi lula liberdade dp suuragio un.versal
as futuras eleiroas.
E" claro, p reto, como iaterpretaram Mr. Picard
e Chevandier do Valdrprae, que iaso sesio po3ia
referir possibi ade de ter um ministerio q.ual-
- quer os seus candidatos preferidos, visto como,
Foi no meio dessas spprehensdes em
pirito publico se debati, que im atil__
previdente poltica foi stWflWcar a9 cousas e defi-
nir a sikia^ao. F(H-mo ihh -e#fla -dirigida pelo
imperador ao guarda dos sellos, em 21 de marco,
na qual sua maj
preparar um no
do i nado nah r
buices d
sobre os
i autor a
J com o applauso
Ivefi
bril, S^H
nlio, 4^H
o m w

gradavel,
rao en,
da a
dade pela]
timentol
__
Mais a
amado o
lado vr
Pacienci
labor de
UM.
_ Quanto
loroiogiodo tiQcaiade-
Oi> SCI
policia. aobn fue i presi
?euiente io efl&c-
ide o segando e me-
que f. Ex onMlheiro
presidentt teband-se' s molhores
como
A r.'' re.
IGAM
rtinwtrte'ha).
so todos os partidos podiim ter os seus, nao,ora ra-
soavel que i'osse -*6 o ministerio -privado de os
ter.
Demais, rasoavelmeote nao se pode dizer que um
geverno nao iom candidatos, visto como a sua in-
tervencio as eleicoes, anda que nao seja se nao
para reprimir os abu*)3 e garantir a lib#fdade
eleitoral, sempre interpretada no sentido das can-
didaturas (.ill :ia Quem quer ter elccSes livrep, deve tratar pri-
metro de Lni ar co.- turnes livres em um rgimen
tambem livre, e eleico livre nao quer diter nem
implica a abstencao do.governo em ter sea" cao-
didatos preferidos.
O governo nao pode nem dave fazer eleicoes
coico trata da admioislragap, nao tem o direito de
por em movimento a machina que tem sob a na>.
nem de servir-se dos recursos de que'dispOe, para
aexiliar a-elcicaodo um deputado ; elle nao (leve
nem suspender a le nem abusar de seu poder
para auxiliar um candidato ; mas isso de modo
algum implica a uegativa dos candidalss de prefe-
rencia do governo.
Astfim, pois, sea abstencao completa, preconisa-
da por Mr. Julio Fauk e pelos Srs. Grevy e
Picard, nao possiverTambem nao o a uentrali-
dade absoluta adimltida pelo Sr. Olivier. Tiuha,
pois, razio o Sr. thovaodier de Valdrome, quando
dis.-eque as candidaturas oCDciaes tinbam desap-
parecido com n rgimen de 1832, mas que o go-
verno nan poJia ra*Oiiciar o direito.deqnanitestar
fuas | rei'eroneias, de mostrar .qoies os seus
aUgov^_^
Em quanto estas e ostras diseussde9 do parla-
m.uto traziain os espirites apprehensivos, a impren-i
s* eoQUmiaviiflo seu papel atrabiliario, e o gover-
no era obligado a instaura^processos .de policia
correccional contra varios jornallas e joraae^, e
era ni conemnados Deleseluse, Fourens e Fou\ille
algunsjnezes de p
Enlreaaio nao repousava a'pbra darecomkac-
cao poltica ilo imperio sobre bases liberaes, e,
quer na impreMa, quer na ibuna, prosegua ac-
tivamente a discas-o dos mais insUBle meio de
levar cabo ;is reforma- prio eoaseUiode
ininislros agitivam so praves qnesles, como a di
Ar;; ida, inaoda-*a que cada
nm dNlDs tres departamentos iegesse um do-
pntad*0T& corpo legislativo.
Essa qnestj.o da frica ba berotempo qu^pesa
Sobre a Frauda, e lora sido objoeto 4e coa
estados. SoQro ella tem governo, fojto" varios
nenutiHCC.isuUut, emwitos-BolHtotwi wllibdp !(
ou menos intnressanti s. No corpo tegisiativ
ras discussOes tierain lugar sea proposii
conde de Le I ion occujpoa-.se d.'ela, como komem
que do aoao aoterior examinou a eonsoieneteea-,
mente.
Mr. Julio Favre deenoeu com eleo^ao.
cansa d Ajeria, o Mr Olivier rapreseMou
verno na discu a ulliaia aaatyse, pareceu
insufflciente tows o rgimen militar da^fr.ica,
t iilojadmiUirai
e a id;i de devolver a Algrrja. e direit
tinha em 18i8, C,
legislativo, roer
BJSTISTJIDIAIIIA.
CORPO DE POLI'QU. Por portaria da proci-
dencia da provincia de 29 do prximo passado, foi
reformado, de conformidade co:n r> disposto no art
8 % i' la lei provincial n. &11 de 2) de junno ul
timo, com o sold correspondiente, e canuade-se-
Ibe todo o lempo at a preseatff data, ao coronel
honorario do exercito Alexandre de Barros Albu-
querque, ex-eommandanle do corpo de policia.
VACGfNA.Por portara da presidencia da pro-
vincia, de 29 do paisa lo, foi nomeada ama com-
missao composla dos Sr. Dr- Jos Joaqun) de Mo
raes Sarment, Joaqulm de Aqnino Fooceca, Pe-
dro de AlhayJe Lobo Moscosa, KstsvSo Cavalcante
de Albuquer'qne e- Felieiano da Stlva Ta-
rare-, para proceder i experiencias e dar pare-
eer sobre o raelhor meio para seobler co Brasil
a vaccina originaria da racen.
COLLECTOMA P.'.QVIXCILPor portara da
presidencia da provincia, de 29 do passado, fui o-
meado Joaquim Mauoel Bezerra Campello, escrl
vo da collectora de (tamb.
PRONUNCIA. Pelo subdelegado do.curato da
S de Olioda fra pronunciado coaio incurso as
penas do art. 193 do cdigo criminal, combinado
com o art. 34 do mesmo cdigo, o alfares Joo Ca-
vaicaBle de Albuquerque.
JIZ i DE ORPHAOS. Tendo o- Sr. Dr. Soares
Brandio completado o sen quatriennio, acha-se no
exereieio de jniz de orphios da comarca do Reci-
fe, o Sr. Dr. Jacobina.
FAtLECHSNTO. Deu boatem alma ao Crea-
dor o>Sr. Castillos, tenor da cotnpanhia zarzaella
hespanhola, que trabalba no paviibao Santa Isa-
bel.
.COMPANHIA LYltlCA ITALIANA. Tivemo*
occasiao doouvir algnns das artistas italianos que
se cbam entre .n e que estao dando espectcu-
los lricos no tlie.ttro de Sauo Antonio.
Nao.jo cantores de primaira aidem, nem Tora
licito suppo-1 j ; mas nao multo regularos para o
nosso.iheatro o merecelu sera dvida a publica
alten cao.
O lencr e o naijionoajo vozesacima.de ot
eres, teein bom tinbre.-e,. s.vc'calisam puooem
compensacao sao melifluas e doces ao ouvid
A priiua dona.soprano fraquinha como voz. _
mas bera agraavel o seu canto, que as v3ias,d
bom modulada e. tem txjiresiio.
A prima-dona contralto lera voz um nauco as-
pera ; mas tem alguma belleza as olas graves.
Esses artistas tem cantado ajguus.. pe'daeot de
operas, visto camo .nao Ihes possivel ea-lajs.in-
teiras ; nos actos de operas, que tem anaonciado
cantarera, tem,sido oorigadas a corlar muilas sce-
nas por nao poderem preiutncne-las com o peque-
no, pessoal de que dispo#n>.
O que^elle canlam, bzem sampre cam.djesejo
de agradar o publico.o os teus esfoicos enjmui-
tas ccioes t-m sido coroados por felici'ssimes
resultados, tirando-se ellas perfeilamonto do des
empenbo das partes e merecando appJauHos dos
espectadores.
Recommeudaode-os a atleocao dos diUtantit,,]
prestamosJiomenagem verdade, dizendo perderlo o sea lempo indo "vi^tf-.,
NAZARETU.Dessa lcalidada nos revem
em data de t do eerrenie o seguinte :
a Summamente auspicioso para Nazareth prio-
cipiou o anno de 1871, duas festas de grande im-
portancia eflectuaram-se cesta cidade hoatem e
hoje, urna paramente religiosa, outraHittrai
ambas do grande Inteencia sobre a nossa socie-
dade.
Cima pompa compalvel cora a brevidade do
lempo e exiguidade dos recursos de que se pie
dispor, festejou-se hontem a Immaenlada Concei-
cao de Maria.
* Ha longos annos que Nizaretb naovia ama
Sjamindado religiosa, e acbava-se rodozida sua
missa parochial. Affastando-me da doatrina dos,
espiritualistas, que negam a necessidade do culto
externo,, reeonheco suas vantagons, sua nr^essi Ja-
do mesmo, pela iucor.iestavul e heneca. iduencia
que eaerce sobre o espirito do povo
E' por isso que, Doticiando-Jhe a fes'ta da nos-
sa padroeira, dou sinceros parabeos sociedade
nazarena pela nova era que acaba de abrir-se pa-
ra ella.
< Sob a invocaeao de S. I.uiz Gocaaga, inaagn-
rounse hoje-um estabeleeimento de instruecao pri-
maria o secundaria. Alm da aesKteaeia do nu-
meroso concurso de pessoas gradas, aehon-se pre-
sente o Exm. Sr. conselbeia* presidente da pro-
vincia, de passagara por eta ciJade, que de boa
voalado jrestou-sea fr a sua astignalura na ap-
ta da nauguracao do collegio de S. Lniz Gon-
*g\x
Neasa occAsiao .prowiDiaram bellas ;discor-
sos os Drs. Pelinca e Canalho Coulo. e o talento-
so padre Jos do Coato Amaral recitou a poesa
abatxo.
Sao BirectoBS a lentes do' aovo collegio os
Srs. Drs. Pelinca, Couto e Poniual. Com.taes di-
rect. res o collegio de S. Lniz anxaga inspira des-
de logo a maior confianQa, seado prora disto o es-
lareiu j msoripo vinte aliunnos Interno:
a Faco sinceros votos pela prosperidade de um
ostabaloctmeuto, quo lo ojil promelte ser co-
marca de Nazareth.
< A iniciativa e esforcos do nosso digno paro-
dio o illustre Dr. Nobre -Pelinca. quo t*do isoi
se dve. Os Nazarenos nao so engaaran! quando
regusijaram-se com a nonu-aeio do-Dr. Pelinca,
em cuja illustracao e immiaejnte3 quadadss mui-
Ttu-aeDlIam.
de 13
Sobro Hambnrg poseas transaccas
O vier de aos uredos de 870, 880 1990 rs. or m"
tivo. t*f^^||WXiRA$>T^WoJe).l70
fizeram-se descont? de lettras, tan. nos bucos
como na* mandos a^^e^ra^s orfcoel
a 13 por cento aa anno no mez de Janeiro, de 10
a 15 em favererro, ole tt a 13 em mares, de 9 a
a abril, de, 8 a 12 em mam, de 8 a 9 em ju-
bh'>, de 8 a II eift flh>. de 7 a 10 em agosto, de
lio a 11 era setembro, de 8 a 12 erajmtnbro. de
8 a 11 em nevembro, e t'e 8 a 12 em aezembro.
FESTIVrDADF, RELIGIOSA.- Doming (8 do
corrate) ceitara-se, 04a matriz dos Afogados, a
fe.-ta do orago da freguezia, oran lo aoAfangrlh
o a m. frti Joaquim do Espirito San^V ao Te-
Deum o Rvm. Esteves Vlanna.
fBBHE AMAUELLA,-0 Sr. inspector da sade
do parto dirigi, em 30 do passado, o segu oto of-
(icio da presidencia da provincia.
l!l;n. e Exm Sr. Tendo-se propalado a no-
ticia de que, bordo de afgnns navios ancorados
no porto desta ci Jade, fxisliam dointes -de (ebre
amareUa, U alei verillcar o facto, e no d_ 27 do
correle visite os navios quo se me havia indica-
do como infeccionad'
c Eii'i um h.-.vo inglez apresenlaram-me dous
(lenles, como solTrendo de feb^e .araare!la,-e di-
zendo se que outros liaviam ido para o hospital
ingle/, solfrondo da mesma molestia; a em om
tutro navio da mesma nacionalidade-vL oatros
dous dtales ; poim nebhum dos quairo ti-
nha ebre, nem indicio algum de n^djmeuto
serio.
Em muilas outros onda pudo observar, por
que nenbum doente havia.
' No dia 28 visite o hospital porluguez, onde
tambem constava naverem muito? doentes de e-
bre auiarella ; e apenas encontrei um que, entrado em ulceras, achava se com es olhos ama-
rellos e deilaodo alguma agua de sa&gue pelas
< L'ma taudagao aos jopeus do collegio de S. Lua
enzuQa.
IM ama idea luminosa bnlha
algore, que derrama a fluz _
lida nob'e, grandiosa, anta,
flue enanca a? troya drrartaado a luz
ma festa celebrando hpie
jrnmaDsa festa, que de to 1
Sp.a nos suWima^qao nos leva i glnri,
{na'anima as eenjas e afervora a f.
E ludo folga oeste almo dia,
Ostenta ierra <* encantos mil,
Oue em nada ceden s franjadas nuvens
Que se espregaica,m sob um ca de
E lodos carrera
geogivas, mas andava de p, e infoimaram-me dicidade.
recom
sas br
T^dim
Qaertl
sentir,
e afflictiva:
t Estes
trabaltio.
Tfir
o Ni
llTERIO PUBLICO. -Obtuario do da

FfandBt Antonio de Oliveira, pardo, Cear, 50
annos, solteiro, S. Jos; ttano.
: JttSernuno -Ao Sppudto Santo, prwo, Per-
namboco, 50 anno?, casado, S. Jos ; pneumona
Julio, branco, Pernambnco, 4 mezes, Santo An-
tqojo; enurte.
Generosa da Rosa, parda, Pernambnco, 33 an-
nos, solleira, Santo Antonio ; infla moncho.
Joannj, bTanca, Peroambaco, 4 annos, Recife ;
febre aroarella.
Maria, parda, Pernambuco,! anno, S. Jos ; he-
patita.
Francisco, branco, Portugal, 11 anuos,Boa- Vis-
ta Dre.prraiciosa.
Ursuh, psrda, Pernambaco, i meies, Santd Au-
to aio ; esoasmo.
Joo, parti, Pernambuco, 3 annos, Capupga ;
vermes.
Jo&,branco, 19 mezes, Santo Antonio; eonvnl-
Brique, branco, Pernambueo 7 metes ; co-
queluche.
Arminia, pard, Pernambaco,' 11 mezes, Graca;
vermes.
Jos, branco, Pernambaco, 8 mezes, fc Jos,;
hepatiie aguda.
Joao, branco, Pernambaco, 18 mexes, %U> Au
Ionio ; convulsoes.
Julia, branca, Pernambuco, 1 asno, S. Jos;
convulsoes.
Alejandrina Maria dos Santos, branca, 52 an-
B08, viuva. Sanio Antonio ; tubrculos palmo-
ares..
Candida Maria da Concacao, cabocola, Pernam-
baco, 33 anuos, solleira, Recito; caebexla ypbi-
itica.
F. W. Qeiater, branco, allemia,23 aoaps, sol-
leiro, Recife ;. typho.
Jos Felisbino Bandeira, frica, 60 annos, via
vo, Boa-TisU; toUno traumatco. Asylo de Men-
tir
que litia sido aucado de febre no dia
Soube qiu tutham ahi sido tratados dota, doentes
de febre amarelia, dos quaes falleceram tres que
ealraram em estado muilo adiantado de padeci-
menlo.
Hontem yisitei o hospital (inglez) aa estrada
de Sanio Amaro, ond* tambem se dizia que ha-
viam muilas doaaies da mesma febre; e-ahlea-
contrei dous dos que eu havia observado bordo,
e n ra um iudieio apiWniavara de soOrerom dessa
grave molestia, lnformaram-me que tora sido ra
vv lUBwanpi miuiiufliAiU'Mio t|uc tviH owv a m~ #uaj iidULUiu iiou, ^aiui', viuatuvu^wj "
bids dez,deentes de febre, um dis quaes falla- annos, solteiro, Boa-Vista ; tubrculos pakBoaa-
Lia t .> fl -1 Anlm.,1 -v nm fniil* i>k nxl*il i n As n r* fT>r>. I n^.,l_n TT k *
cei
ceu, tcado entrada a.moito rao estado, o os ea-
tros em dous 011'tres dias flcara'm bons.
< Acho mulo lisongejro o numero do morios
em rola^a ^os carados par* acreditar juo todos buco, 90-anm-s,
esses dueBles tinham s.frido de toare aaiarella, ryugja.
os ijuaes cbiervei bardo e pareciam-me nao
senao kves e nassageiros eocoiamodos; o que
parece confirmar o seu pr unpto restabtlecnisato.
t DouSjf aarde V. Exc. por muitos anuos.
Illm. e Exm. Sr. consoloeiro Diogo Veiho Caval-
cante de Albuqutrque, presidewe da proviocia.
O inspector r. Ptfco de. thayfo Lobo Hoscoso.
INDIO DO JAfiARIBE.-A BtpubUca, jornal
que se publica no Hio de Janeiro, diz o seguinte,
sobre os Inos do Jagumibe, romance' pelo Sr.
Dr. Joo Franklin da Sdveira Tavora :
c Cora este ululo publicou o Sr. Franklin Ta-
vora o pnuieiro volumu da una romanee brasileiro,
interessanie sob lodos os podios de vista.
0 O estvlo Blilbauto -florido, a lingotgero.'ora
pomposa a arrojada, ora simples e cha,-mas sera-
pro alegante, nao sa os allimcs ttulos com
que estd livro se recommenda a connderayao pu-
blica.
ila em-todo esse trab.iilm, troelo de urna ima-
ginacao britlMBle e 'fecunda, bellezas de sabido
qutale, em cuja eaumeraco circumstanciada nao
uosso intuito entrar, mesmo porque tanto nao
nos permitiera os acaubados limites deum breve
juiza critico.
Seja-iios comiuda eito a simples mencao dos
trechos mais apreciaveL-'.-'
A accao do romaace quo parece desenvol rer-
se leda em trras do Brasil, localisao o autor
neste volume as pitlorescas mirgens do ro Ja-
guaribo.
A diseripcao dorio, de suas verdejanles mar
gans, e da imponente e loxuriosa natureza que o
crea, ara quadro de pintura que encanta a vis
la, e qne arrouba-nos a alma em xtasis de mella
re e doco oontemplacao.
O romancista disuado revela-se perfailodese
chista.
< Os menores accidentes de luz, os mais leves
toques, de sombra pao escaparan) ao hbil pincel,
que parece affeiio a elernisat na lela a magestosa
riqueza da inoxcedivel vegetacao com que approu-
vo Providencia doar aterra da Cruz.
Incidentemente leva-nos o autor Ierras de
Europa.
< Faz-nos ahi asistir aos preparativos, de partida
de uiaa caravana de aveutureiros que veta ao
Brasil com a maula da poca, isio com o intuito
de descobrir as famosas minas aurferas que
causaran o pesadelo do Eldorado ama imagina
ca exaltada.
1 O antor mostra-nos Sova, justo motivo da
(esvaoeiimeulo para 03 Hespanlioos, a virgera das
Hespanhas que enamora se da prepria imagem
reflectida as aguas da Guadalquivir placida
clisuima de um potico luar, ou aos raios vividos
do sol ardente dique!las plagas.
Hoaetramos na calhedral, ossu prodigioso ar-
tefacto abi o autor faz,-nos asssu-tir a honras ceremoniosas
consagradas memoria do sublime visionario que
lave a ousadia de cealjsar a obuq im#ossiyel da
descollara de um mundo. Abi hristovo Co-
lombo iccebe emoyc|o po,-.iliiime tarda a.s de-
BV4istra(;oes calorosas e enihu.-iaslis da gralidao
doiiim povo, ojio Ihe caspia uas fases o escafiBeo
e o insulto, ficlo3 disiorraes do funda.kaonieia
e eslulU iucradulidade. '
. Estas doa discripedes pareen>-nos ssr as
que dao mais reaWe ao trabalho doSr.'Praklin
Maria, preu, Pernambuco, 30 annos, solteira,
Santo Antonio ; tubrculos pulmonares.
I Antonio Alves de Oliveira, branco, Portugal, 1
annos, solteiro, Recife; febre amarelia.
Veneranda Maria da Conceicao, parda, Pernam-
buco, 38 annos, solteir, Boa-Vista ; anaxarca.
HeapfcrrHrtrw Hv -
.Jos Anteoip iqarle. *ranco, Portugal, 50; au-
nas, casado, je* tal Pedro II.
Joao Francisco Ramos,, pardo, Peroambuco, i
res. Hospital Pedro H?
3
Francisco das Chagas Olireira, pardo, Pernam-
solteiro, Boa-Vista ; pthysica la-
Rec'i
Braulina,pirda, Pernambuco, 17:'mezes,
fe; pneumona.
Antonio Thoba!do. branco, Portugal, 22 annos,
solteiro, Boa-Vista ; febre amarelia.
Domingos Fructuoso Rodrigues, branco, Portu-
gal, 23, idos, solteiro, Boa-Vista ; febre ama
relia.
Francisco Antonio Colas, branco, Portugal, IB
annos. viuvo, Santo Antonio ; marasmo.
Jos Damingues Goncalves Lessa, pardo, Per
ambuco, 44 annos, casado, S. Jos ; febre per-
niciosa.
NOVO BANCO DE PERNAMBUCO
BjOHOITK dojqvo banco de pernambuco em uqui-
DACAO, EM 31 t>E DEZEMBRO Dfi 1870.
Activo.
Letras protestadas........150:0275670
Desposas geraes......... 9:763:5170
Caka.Pelos seguintes valores
Tavora.
Muilas
seria longo ini
E,-ei>tt
ga, c icteirojl lia Bao?
(alvez tiiefnPA sea
anda exlsiern, mas
m
arrasada o lon-
as vezes p-jr toeMearts
nvolvj-
01:
Mr. Favr.'
i1--: a ncdjl| -JTrazfoda a fesla.iiida i
na ib lber} les da j A mor Jade val teci
. infancia canta, acudiudn
i'jiu iagleza-, o Canad e a Australia!
meato ., as beli'
cam que s^osteotam esies.mesraos incidetUM, Si
safDc O trabTbo sf* rpecrpleto, a seria Impru-
dencia e pi a parte emktSr BflfB
opmiao
. ex'avMigio das nossas idea-
A'; -i Sizer al-
w do prlm*fo
la
i val

:am depnt
a 9n
Ah t lado grande, sabliiTM
ie hoje slet(ra-
;u*rra conti
E a patria
Doixa os r

Em ouro. amoodado.
Em aotas do thesouro
e da Caixa Filial do
Banco do Brasil .
Em prata e cobre, .
709*080
; 163*000
159*996
Ris. .
?3:03?*076
182:8241916
PastM.
Capital.......TV. 68:166*008
EaBsIo............ 7:400*000
Contas correales com juros. 3:429*999
Fundo Massas fallidas a cargo do Banco 1:533*407
Dividendos........... 600*400
Lucros e pardas......... 230*620
Ris. 185:824*916
DBlONSTBAClO DA BMISSAO
ti notas do valor de 200*000
20 ditas
16 ditas
de
de
100*000
.50*000
Ris. .
4:600*000
2:000*000
800*000
7:400*000
S. E. e O.
O guarda livros
Francisco Joaqun Pereira Pinto
PUBLICACOES A PENDO.
------_-------- '---:---------------_.------------------
O Liberal e o Dr, chefedepo
licia
A' proposito de ttm olDclo da presidencia ao Sr.
VDr. ebefe de policia relativaraante aos disturbios
que se dao por occaiao da percorrerera msicas
s ras da cidade, As a liberal de hoja, depois de
iransereve-lo do Diario ie Pertambueo, ende foi
publicado:
c Poit do-se ditlurbiot tao frequentts nos ras
da cidade, em menoscabo a forca publica; e ao
patio que putrat, avieriadcs dtio cmhecimenlo
4'i$to a presidencia, ehtfe de pMitia qmen de
nada quer saber, e menos informar, sendo mesmo
necessario que a presidencia o adeirta ?>
ta, sc, e serio as acousae&es formula-
das pelo Liberal cealra o actual cfcefo.de policia I
ucia de niativos, qoe exnliquem e josti-
fiqam, depois de tintos elegios, utr'ora dispensa-
dos, & guerra atera 'este dJsMocio moceionario
desde a puelicacao de um offlcio da subdetegaeia
o P. a, snbro certa reeurrencia
que s n dos mais dis-
'tinelos e oca, apega'-se o fct*rdJ
ii-iBrtlt ietpettot, e sede ie vinganca, i varda-
deiras futilidades, e sem mais exame e criterio,
vaifomandV casteos de aecasae:
Gen orgo Liberal,' me, sera o
pensd^^nrai pre-stando nm grande s-rvieo ao
Sr. Dr Pinfceiro.
N'e a geito explorado,. Bao ha,
como parece a-*tajfre arlieflela; ama adver-
tencia da anteridadff soperier.
FnfCMOirios da tempera do actual crtefedej
policia, era quen', nao be multo, o proprio Liberal
va o tvpo do v*rdadeira>M3|itrado, ehelo de pro-
bidade, o de iodepeadeni*; -05fre olvidara nuoca
deseustleveres, para-'qaa ejam advfrtjdo*.
Scio ha palo cofltrario, ara tastemunho
zavel do telo, ijedeMlngae o actual chele
lbe
par trra aa seus (sof-
rito, cla-
se deca-
os porte pitDT a natnreza %5alidine do
uAqce jaJcha i venda &a 178*, a enmo, em que incorrra, saiba o Liberal, que
xteuw#lfW Safara dftfantf'Httl l'IWW' tendo-se apresenladd ao Exm. Sr.
VttWSfmUT3 WlJW t3aUMcdBamandante das armas, como sargento
, jg do 8.* batalhao de infantaria, declarando, ora, sr
ilAflftBlrttf' ^* ^i>* J. MM^^ n jj Miiin- J l.
mmmtmwvtj vi m uaw DOI |n vyV) U 1UI (JMvTWtl CXCtH/TT,
por outros actos anda, desconangas do sarxi i
minoso, pelo que foi pelo Exm. Sr. coramandante
das armas remeilido 4 presidencia, e. por esta ao
Sr. Dr. chafe de pone i a, que inmediatamente pas-
sou-o disposi{aa da. delegaeia, oaoftanJo-lh,
pelo offlew abaixo pnbllcado, sob o. 3, que ,woce-
desse a resneito. como tone de direito.
O que qnwia o Liberal que mease o Dr. chefe
de policia 7
Que pozesse mmedatamenlo em liberdade a
asta individuo deseoohecido, a sabr quera reca-
hiam graves suspeiris de ser criminoso Til
A atBrmativa seria urna irrisao I
Prosiga o Liberal no seu systema de aecujaedes
vagas contra o actual chele de policia I
Prosiga mesmo ao insulto e na calumnia, de
qne, em sea desespero se' tem servido, eerto do
que, se as aceasaaoes por infundadas, em nada
prejudiesra a repoiacao d'esle distinelo magistra-
do, os insallos a a calomnia vio raorrer aos seas
p.
Rece, 3 de janeico de 1870.
Imperial iastitnto de N. S. do
Bom Conselho.
DIRIGIDO PEIO BAOHAREL ANTONIO COLUMBANO
SBRAPHICO D'ASSIS CARVALHO.
Neste iaslato se habililaram as lioguasla
tina, franceza, iagleza, nacional, e foram approva-
dos nos respectivos exames no anno prxima pas-
sado os alumnos segrales:
Labra.
Jos Maria Corroa das .\eves, approvado com ds-
Ungao.
Francisco Albino Correa de Arauja, dem idem.'
Albino Gongalves Meira de Vasconcellas, appro-
vado.
Aotonio Pereira da Cmara Lima, idam.
Andr Cavalcante de Albuquerque Arco-Verde,
dem.
Antonio Euclides da Silveira, idem..
Anido Abertino da Cmara lima, idem.
Cyprianno Velloso Vianna, idem.
Ffederico Ferreira Frasea, idem.
Joao Viaira da Cuaba, dem.
Joo do Maraes Viaira da Guana, idem.
Joaquim Fernandos de Camino, idsm.
Joaquim Joronymo Forosndes da Cnnha, idem.
Jos Cordeiro Alvim e Silva, idem.
Mauoel do Naacimento Vieira da Cuaba, idam.
Pedro Goncalves Carnairo Leao, idem.
Raymunda Jos da Souza, idem.
Francez. -
Jos, Maria Correa das Naves, approvado com dis-
tioaao.
Alfredo Saldanha, dem idem.
Albino Goncalvas Meira da Vasconcellos, appro-
vado.
Antonio Pereira da Cmara Lima. idam.
Andr Cavalcante da Albuquerque Arco-Verde,
idem.
Gypnaoo Velloso Vianna, ideui.
Frederico Ferreira Franca, idem.
Francisco Altino Correa de Aran jo, approvado.
Joao .Viaira da Cunha, idam.
Joaquim Fernandas de Camino, dem.
Joaquim Jeronymo Fernandes da Cunba, idem.
Luii de Albaquerque Pires de Carvallo, dem.
Manoel do Nascimeoto Vieira da Cunha idem.
Inglez,
Albino Gongalves Meira d# Vasconcellos, appro-
vado.
Alfredo Saldanha, idem.
Francisco de Castro de S Barreto, idam.
Joaquim Oly rapio de Paiva, idem.
Cypriano Velloso Vianna, idem.
Manoel de Souza Bandeira, dem.
Joaquim Jeronymo Fernandes da Cunba, idem.
Luiz de Albuqaerque Pires da Carvalbo, idem.
Liogua nacional.
Albino Goncalves Meira de Vasconcellos, appro-
vado.
Alfonso Octaviano Gqimaraes, idem.
Francisco Altino Correa -de araojo, dem.
Jos. Cordeiro Alvim e Silva, idem.
Jos Joaquim de Freilas Henriques, idem.
Henrique Hermelo Marlins, Idem.'
Manoel Jos Fernandes de Barros, idem.

__I a
se avls-
Lde demais.
de hoje se-
phlbyiice.
idade me-
mao,
atlas
no een
a sade
tiveLU
asmo
qnando a enfermidi.de pulauJ^H MHcixado
impressos as faces seus febriaflBHPw, o con-
vertido o corpo era ama sombra. aiinaist mes-
rao, nao ba que desesperar. Suas proprleiades
curativas e re^Uuradj^H^BP subjuiar ajno-
lesta at mesmo qu^ bera. Fotfm,
tenba-se em lembtanca, qne nioba.ao mundo nm
remedio lio goralnente adulterado, como o gene-
ral qne da aadiaaiio- sa ^aa)4ieoni o neme ce ole
de O'gado ^e bacalho.
Veja-se,. polv sesealcanga o epecifleo paro,
fabricado pela casa de Lanman4 Kemp, dos flga-
dea mais frescos, e cuja conservacio'em todos os
climas :e garante.
N. 197.=AfiUAJ
LANHAN.T- Atravf
desda o^JrJHiBUtaxi
Ihaes, esto pe fuma lid* e oo
agua aromtica- a m
nhortas he^iiaffnola, nao
y e
hola
o de Maga-
ado orno a
.i. As se-
della fazerh oso como
o mais delicioso perfora? ; mas sira tambera habi-
tnalmente o usara n'uma forma de diiaicao como
um excellenta meto.i^MU'a alrejar a .conservar as
denles e dar um aaave o agudavel gotto ao pala-
dar. Servindo de modesta e agradad adverten-
cia, recemmendaroos aaa seahores, que a mesma
usada debaxo d'esia mesma forma, e havendo
salpicado seu fado, isio dipota de haverem gosada
as deleiosas fumacaf dtabeVo abarato de.Ha-
vana, os torna presenlavais na preseiica a soeie-
dade do bello sexo. Aquellos do sexo barbudo, e
qne tera urna palle delicada, acharao cun o maior
prazar qne es.a agua 4 urna verdadeira laxara
usada depois de haverem fetto a barba, pois qoe
alia faz dissipar toda a arencia do rosto.
COMMERCIO.
ALfANDEGA-
Rendiraento da dia 2 a 3
ldera do dia 4 c
MavhaeHto da alfandega.
Soraento por consideracao ao publico, a para
qae uao passem desapercebidas insinuacSes ma-
lignas afeitas sob a capa do anonymo, se declara
qae os rendimentos particulares do finado com-
mendador Thomaz u'Aquino Fonceca erara consu-
midos as despezas domesticas, em erapresliraos
e adianlanjento?, do que exislem ttulos, os quaes
sarao devidameoie descriptos ; que nem todos es-
tes renditnentos erara de protopto arrecadado?, e
axistem cansideraveis dbitos, nos quaes figurara
alguns dos herdeirostpor qaaotias avuliadas, por
nao haverem ^ago as rendas das casas qae oceu-
pam; que do balanco que foi dado, e pode ser
visto por qualqoer dos interessados, e qae para
asse lira foram notificados, e visto qual o capital
do fioado, e em que representado ; que finalmen-
te no inventario se farad as devidas deelara{5es/
assim como que na liquidacao da sociedade, a
que se est procedeado na eenformidade da lei, se
daio as icforqiagoes a.esclarecimentos, que fo-
lem razoavelmanie exigidos, e lem-se* conanca
de que serio desalojados os embustes que se
tem .recorrido par lins que a ninguem escapam.
Ueeife, 2 de, Janeiro de 1871.
Corbiniano de Aqnino Fonceca,
iuvenlariaate.
Volnmes entrados cora fazendas
i > t com gneros
Volamos sabidos com fazendas
com gneros
5f:044*6is
18:483*68*
73:498*198
515
1-4
491
259
157-
Wi
MOF1NA.
Na ca'sa da residencia do finado commendador
Thomaz d'Aqaino Fonceca, fpram encontrados
apenas seis mil atts km.sedulas, dous quahtos
DB.PATACAO, DMA M08OA SE DUZENTOS RIS B QU1
NHEKVOS B VINTB BBiS BM C0BRB I II......
Na casa commercial ( sbhouvb cuidado com o
fooo) se deve encontrar mais ........
ttulos de dividas, hypothecas (inclusive as quo fo-
ra<# encontradas na casa de residencia), accoes
de cempanhias, que talcez fossem somonte o capi-
tal do finado J : ousbmbo............
A casa contina como S'antes f
Que duvida; se o que all existir, querem que
teja roupa da ftawtez para carpos bem laihados,
cu antes para os dependentes do Boi & Pilota,
i ua iioore estirpe!
Policia aiorla
le arpbios........
O publico e os iribuaaes pasmarlo com o reato
ue ter patente I..............
0 neto da Pilota,
QQul'-? Ovfl.lr tjS Qil
r oeea>iSo'de sahirem
V o Liberal quao infel
foV proposito d'este offl
urbi-j qoa api
N. 39I.-OLKO PERO MEDFJ\"AL DE TOA-
OS LANMAN & KEMP-
Tosse afc^^^^^Be. A tosse o sigal pre
Sa para k|ge nio se atama,
mais f^^^^^^H^BftVel,
Con, n especifica precioso para os
pahnde HThados e-abalattos pela tasse. Este o
olea de flgado de bacalho. Form este remedio
naa-deve contar minora .algoma. Pergunlareis
de se ppder encontrar, neste saclo
ite?
mas sim a da faeolda-
de rgado de baralhsn,
>3 lipadoa fre=cos
u aorae, ,
alea
T19S quaiio.^
^^Kzera
Descarregara hoje 5 de Janeiro.
Barca inglezaGladiolusvarios gneros.
Barca ingtaaSolver Craigvarios gneros.
Navio sueco2V/r/andrtabeado.
Patacho americanoCarolina/ariuha de trigo.
Brigue n rte-allemaoHeliasvarios gneros.
Patacho ingles Oatorior-carvio.
Despachos de exportando no iia 3 de
Janeiro i
No vapor inglez Amazon. para Liverpoo
earregarara : Augusto Frederico de Oliveira
10Q saccas com 7,359 kilos de algodao.
Na sumaca hespanhola Maria, para Barcal-
lona (jarregaram : Pereira Carneiro A C. 78 saa-
cas enra 5,751 kilos de algodao.
No brigue inglez Seo Bird, para o Rio da
PraU carrsgaram : Henrique Forster & C. 409
saccas coro 47,463 kilos de algodao.
No brigue ingiez Ismena, para Baltlmore
earregarara : Jos da Silva Lo yo <& C. 256 saccas
com 18,730. kilos de ssucar mscavado.,
RECEBEDORiA DEPRENDAS INTERNAS
GERAES DE HERNAMBUCO
Rendirocnto do dia 2 a 3 .' 6:72*4*
dem do dia 4 .... 1:3866M
8:Ht*790
COPULADO
Rendimento de dia 2 a 3
dem do 81a 4 .
PROVINCIAL.
. 17:413*112
. 7:715*783.
23:128*W5
MOVIMIENTO DO PORTO.
"fafo entrados no dia 4.
As?ti 11 dias patasbn brasileiro Leopoldina, de
207 tonelidas, capitio Francisco Jos Prales,
onlpagetn 11, carga fal e paraa : a Arr.orim Ir-
mao.
Liverpool 44 dias, barca iogleza Rod breas!, de
. 311 lonoladas, capito A. Walsh, equipagem 12,
carga varios gneros : Baba Scjiameitaa C.
S. Migue! dos Camous 0 djas, hiate brasllaje
Sania Sosa, de 32 toneladas, eapito Jos f.
de Atevedo, equipagem 5, carga lenba : a Fer-
nandes /mSo.
Navios sahidos no mesmo dia.
Parahyba escona ingleza Mary Anmng, cap-
tao Murphy, ea lastro
Rio Grande do Norte barca iogleza Olinda, ca-
pitn Pewef, m lastro. ^
Rio de Jaaeiro barcaJpglexa Talismn, capitae
Black-fcrd, carpa partjf a que trouxe de
York-
ter-
EolTAK.
ia ordem do Sr.
elaga se fa^ puWi.m
lunes arrui
raez,
daaUan-
aa
fia i do co^^H
^^aotes no dia
a 187f.
undo
rnz. i
ultimo qnaifro a apothose brilhante parque
i liberdade sobre a prepotencia, anta 1 qtj^^l
-Jo*.
ndanies
superior da gu
i W*>m t1
ilCl
Hb ma

N. 20tV-AGA DE FLORIDA DE MURRAY E
LANMAN.Na verdade coasa exiranha o para
admirar qae este delicado e precioso perfume,
tendo sido manufacturado i mala de vinte ansas,
exclusivamente para es mercados d'America do
Sol, a das Aatilhas, o estimado por toda a popla-
cao d'America hspaubola*m preferencia a todas
as mais es-eneias e agnas de ebeiro, l ponco
viesse ser finalmente inirodundo pata vex pri-
meira neste paiz depois'de ta largos airaos de
existencia I O afflnco e loavavei praaptidao qne
as nossas bellas patricias mostraran na adopcao
da mesma, prova qoe as senhoras bespanholas, as
3uaes a preferera propria Eau t Cotoane, nio
ao mais qae um jnlo apreco i delicada pureza
do artigo.
ERRATA.
No ariio de hontem, onde ea l (4. periodo).
andarn) justfcairalete*eeaauaaram a aulon-
dade justiceira.
13.* perioda :Nio acredilamosleia-seNao
o acreditamos.
24.* parlado :Oulro faci, qne servio de pre-
texto a audacialeia-seontro tacto qne ssrvio de
pMexo accosago.
PlACA DO RECIFE 3 DE JANEIRO
DE 1471.
AS 3 1/2 HORAS da tarde.
CotagSes offieiaes.
Algodao 1* sorte544 rs. por til.
Algodao de Mace 1* orle588 rs. por kil. posto*
a bordo, frete de 7)8 e 5 OO por lib. (hontem).
Apul.ces da divida publica95 0|0
Cambio sobre Londres 90 d/v 23 3(4 d. e 24 d.
por 1*000.
H. G. Stepple.
Presidente.
P. J. Pinto,
Secretario.
I



.A
\

;Jpgp df Pernambjico uinta e le Janeiro de J&7I
que Ihes fique c
tos test venda.

Da de,
la-,' sera
os eflei-
n
kC
i.MMMttciii vm-
avre na kart fianotc JoM, tnik en
oo a 1870, caascgnadt E, A. Borle
Ideaifea, & 10*44. Urna dita ideo, Urna,
5.#
franca fona V Mm-
tem, consignada B. H.
Idata
,
Nfar
dem, Uea, ni 99, 10, i.Tre tas, Meo,
Mtaal dem, eatrada. en II dem, den, idea.
Idsm triangulo H-l, a. 278. Uma dita Meen,
idem, dem, idtm^ Mea*' dem, idea.
dem E A B dr C, o. -O*} -Uma dita viada
do Havre oa barca francesa Solid, dem, dem,
idem, consignada i & A. Burle &
Me qaadrad H L, 96. DoatdHas
viada deHawe nar barca transen Uovu dttten-
tei. entrada em< idea*M'd*18W,e<>Mgoaa
H. Lifer.
dem Jlo Qsirioo Agoitar k C, se nume-
ro.VM totuiDe vlddde'Nt1rorlt D-b*re in-
e^>9ran* satta a ooasia taafc. -
Idea MlBce Jos de Cotd, era nnmerc.m
velme idem. idem, idem, idem, dem, idem : nao
onsta a eonsigaacao,
dem diamante o: Idi.[Tai mbrnlbo tindo
de Souihampten no vapor ingles Dovro, entrado
es 2* de abril da 1870, consignad i Joo Darte.
Hem-S eE A Doranly k a, n.060.Umm-
bralho viudo de Li verpW oo-vapor ingles JtWr,
entrado em 28 de abril de 1.
Idem-quadrad B, n. 1 If 156. 2 caixa de
cha, viadas de Sonthampton o vapor ingles 7>u-
ro, entrado m- 85 tle tlMt de11*70 consignado
Thomaz d'Aqoino Fonoeca A G.
dem F., o. I. Omt'liWt'vmda de Hambnrgo
no patacho norte-aaataoCWo, entrado em 4 de
roaio de 1870,- consitJBado i Antonio L. Oliverra
Ate ve do.
dem C M C P, a. 34t. lima dita vinda do Ha-
vre na birea'fraiweM'/o*) Baptista, entrada1 em
4 de malo del870, consignada- Francisco Gon-
ilves de Oliveira Sobrloho.
dem D R A, a. 301.Uma dit, vinda de Ham-
bnrgo no patae-h \og\tz Magdalena Ann, entrada
em 5 de maio de 1870; nao canela a consignarlo.
dem P. H. T., sem numero.Um volume, dem,
idem, ilem,- idem; idem, dem, eonsigaado aPa<-
rente Vianna.
Idem M E C A C., n. l|50.-Uma eaixa vinda
de Liverpool na barca inglesa Herrielte, dem,
dem, idem : nao consta a cootfgoacao.
dem diamante T. Jeffertes & G., m 81)00. Um
embrnlho iiem, idem, Mom. idem, idem, idem.
dem J J B S A F, n. 734:233. Daas eaixae
viadas de Havre na barca fraoom. Jai Baptista,
idem, idem, idem, idem : consignado Jos Jea-
juim B. da Silva.
dem CMC. n. 346,347,348.Tres ditas dem,
idem, inera, idem, idem, idem, consignadas Fran
cisco Gome* de Oliveira Sobrinho."
Armatem n. 6.
Marca Martina Darval30 caixas vindas do
Havre na barca fraucoza Coligni, entrada em 10
de ago=to de 1690, consignada a. Roben Rotten-
burg.
dem idem10 barris idem idem .idem idem
idem idem.
Alfandega d Pernambuoo, 3 da Janeiro de 1871.
O inspector interino -
__________________L. d C. Paes de Andrade.
Pela inspeccao da alfandega se fas publico
quo no dia 7 do crreme, depois do meio da. ser
arrematado em hasta publica o segrate : ~
Marca C J & C. n. 138 Uma caixa contendo
12 kils. de cada reo de algodao avadado o kil. em
21166, total 25I992.
26 kils. de dito com a vari a, avallado em 14083 o
kil., total 28158.
Alfandega de Pemambuco 3 de Janeiro de 1871.
O inspector interino,
Luiz de Carvalho Paes de Andrade.
qael
Pl
a bar
h deve sal
mesma.
sa ruj,
praeal
UMDQ K VARIADO ESPECTCULO
Dividido-em 4 partes.
Pmneir* paitei
O deseSe ao 4'acto da magnifica epen
DTrovatore
Segunda parta
Aoto S* da opera
LaTraviata
ara Lisboa
33B
Recebe carga a frele mdica o
guez Pentamento : a tratar na
1. I- aadar. ^^^B
EH
NKW9Q* eottalra por vapor.
Gayanna.
O vapor Parakyba segnjr pa
ri ^ P*H* acima no dlaOxdc
bem da>Mi.
DECDftSACOES.
Qafrta'ivir,
0 multe lindo e applaudido ultimo acto da imf
mortal opera-
HTfOTOftore
Acna-se em. ensate para sabbado, penltimo
espeCtacnto da oompantua, um brilbante e varUu-
do espectculo constando dos mal -celebres ap-
plandHos peda'fies das operas Luisa Miller, Lom-
bardos, un baile in masebera e outraa. qoe muito
agradarao ao illustrado publico desta capital?
PRESOS:
Camarotes de 2' ordem (na frente) 16*000
Uilos de a- ordem (nos lado) 12*000
Ditos de ordem 10*000
CadelrM 2*0D0
n. B. Depols dos Bspectacntmi dasta companhia
haver nm trem especial do Recife Aplpncos,
tocando em todos os pontos.
Principiar s 8 horas.
THEATRO
1 NH
Sabir poneos dias depois de sua _
aste porlo por ter parte da carga prompta
portuguez Cotite, o qnal esperado da
todo o momento; parcarga tratase >
signatarios E. R. Rajello & C, ra do
numero 48._______^j___________
COMPANHIA PERNAMB
DI
VaTegafSo cittelra
Porto de Gallinas, Rio
Twandar.
*S|hr O vapor Parakyba
/JM portos acima no da
(* a meia miie.
Recebe carga, encommendas, passageiros e di -
nbeiro a frete: no escriptorio do Forte do Mattos
n.12.______________ _
COMPANHIArPERNAMBCANA
DI
Navegando costetrapor vapo
Macelo, escala- Penedo e Aracaj.V -
O vapor Mandak, coW ~j~
mandante Julio, seguir para p
os portos acima no da 14 do
corwau as 5 Jwrai da-tarde.
* RMebe oaftjkaat o ala 13,
encommendas, passageiros e
dinbejro a frete atae 2 horas da Urda da sa-
h19a : no escriptorio do Fort do Hartos n. f.
m
AanelianodePi.i n
truecao prirnotUM
icnlai
Imintei
uto de Santo!
ro de padarla,
lia n. 63,'on
Aitiaai-u>
saa-velha n. 41
lo)a.
Precisa se de um ca*8wi^vTe^J^B
1: ni rea estreita do Matria a. 4, drogaraasa-
eopathica.
Arrenda-se um riti coa baixa de caiaa aa
Torre : a tratar na roa do Imperador b. 5T, 16-
>npoaiar_
t em
fM
.&*H*-
subrado da ratria
n raesoa rat.
COMPANHU DRAMTICA
BJffRMAOJQOFEIlRBfRABW
5exta-eira 6 de Janeiro.
Subir scena pela primeira vez o sublime e
moralis?imo drama em 3 actos, original portn-
gnez do illustiad esoriptor-Caalo Castello Bran-
co :
Abenpoadas lagrimas
Finalisar com a linda comedia em um aeto :
0 marido victima das moda*
Sabbado 7 de Janeiro
Subir scena pela primeira ves o escolente
drama em 4 actos, origical brasleiro do Exm.
Sr. conselheiro Alencar :
MAI
Santa Casa de Misericordia
do Recife. '
A lllma. junta administrativa da santa casa de
miseriordia do Recife contina a receber propos-
tas para o fornecimento do assncar qoe trVarem
de consumir todos os estabeleeimentos pios a sen
cargo inclusive o asylo de mendicidade no trimes-
tre de Janeiro a marco vindouro, aa sala de sua?
sessoes, pelas 3 horas da tarde do dia da Janeiro
corrente.
Secretaria da Santa Casa di Misericordia do
Recifs 2 de Janeiro de 1870.
O escrivao,
Pedro Rodrigues de Soma,
SANT GASA DB MISERICORDIA DO
RECIFE,
A lllma. junta amiaiatraliva da Santa casa de
Misericordia do Recife manda fazer publico que
na sala de suas sessdes.no dia 5 de Janeiro, pe-
las 3 horas da tarde, tem de ser arrematadas a,
quem mais vantagensoflerecer palo tempo de na
a tres anuos, as renda dos predios em segnida
declarados:
ESTABELECIMHNT08 DE CARIDADB.
Ra de Santa Rita.
Casa terrea n. 32.......161*000
Rna da Matriz da Boa-Vista.
Casa terrea a 56.......202*000
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Boa de S. Jorge (outr'ora Pilar)
Casa terrea n. 105................. 151*000
dem idem n. 99................... 365*009
Os pretendemos deverao apresentar no acto da
orrematagao as suas flaneas, on eomparecereni
aeeeapanhados dos respectivos fiadores.
Secretara da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife, 30 de novembro de 1870.
O eserivio,
Pedro ftodrlgnes de Souza.
tribunal d commemo.
A secretarla do tribunal do commerrio de Per-
nambuco eonvida os senbdres eommereames,
abaixo indicados qneimandem receber na mesma
secretaria os livros em branca que ant deixaram
sem uaver pago o respectivo sello, rubrica e ter-
mos :
tezerra A Temporal, diario, apresentado' ern^l
de agosto de 1870.
Joaqnim da Silva- Lopes k C, diario, aprsenla-
do em 13 de julhtr de 1870,
ADtonio Jorquim Tertuliano de Meti, diario a
copiador, apresentado em 5 de'outnbro de 1870.
Gomes Silva k C, fiario, apreseado em 26 d
dezembro de 170.
S. P. Johnstcm A C, copiador, apre?entado em
29 de ieiembr%ivmO.
Secretaria de triaI do ommereio de Per*
nambuco 4 de Janeiro de 1171.
ui Guimares.
De ordem do IBm. Sr. consellieiro inspoeier
da thesouraria de fazenda desta provincia se faz
publico que nao tenflo comparecido licitantes
arrematado da1 ca terrean. M sita roa de Si
Sebaetio da v^a, dalfaacaaii,*vaiiada ea XAf,
fe i a mesma arramataco transteaida para o dia
4 de Janeiro proXinn vindouro, as 2 horas da
tarde.
Secretara da thesouraria de lawnda de Pernam-
nuco 30 de dezembro* de 1870.
Servndo de offlcial-maior,
Manoel Jos Pinto.
Cofrei ^ralc
Re!ac5o das carias registradas, procedentes
do 8ul e norte do imperio, existentes na
reparticfo do correio em 1 de Janeiro
Antonio io* de Aranjo Braps, Auna Thereza de
L
ga, fc-rnesto de A quino n^^^^H^^^^^B
?anego, F
tins Bapaal
no d Arai
Finalisar cora uma linda comedia.
Tomam parte nastes espeetalos os Srs. Peregri-
no, Augusto Cesar, Braga, Floriado, ,Pedro Aur
gusto, Taurino, D. Isabel Mara Candida e E. Do-
rotbea Mara Candida.
Nos joraaes de amanhaa ser publicado o -pro-
gramma deste espectaculoe.>-
Finalisar com a linda comedia em um acto.
A viuva das Camelias
Os bilbetes aobaot-se a venda na estaco do
Recife e no eseriptorio do theatro.
No ra do espectculo haver um trem especial
para o Recifd pelo preco de 1* Ida e volta.
Principiar as 8 horas.
C0MPAHH1A PERWAMBGVNA
.DE
3av$ga&h costetra^ pot^yapot
Parahyba, Nata!, Maco, Mosor, Ara-
catjr, Ciar, Mandaba, Acantea e
Granja.
O vapor Pirapatita comm andan
iscasso sobre os preparativos
esla do anniversario.
Secretiria do iastot*.
a'1871.-
J. Soam#*no
____________ Secretario perpetno.
fM<#^ pi1 pwtrt|u5
Pfaaoliff naeal.
De ordem de Sr presidente si6 convidados o
senbares raerabros este conaellio para a setaao
nllitipa qoe-dispOeo S lc d art. 32 dosesutu-
tos, e que dever terlngar nos salSes do Gabinete
Portnguez de Leifura, no dia terca-feira 10 do cor-
no
A* OLI\H 1.
ordem da direaj^via convida os Srsi
para, no praso de 8 dias contal
a 2 de Janeiro prximo futuro at
do mesmo, rwilisarem a tarceir
de seas acocas (2a emissSo) n
10 /.
le fim, o Sftdhesonreiro, ser eof
o escriptori^aa companbia, -nu
5 Io andar.
30 de dezembro de 1870.
JoOo Joaqnim Altes,
Io secretario.
O padre' VTcn't FTde S Varejio abre \
o da 10 do corrento-a sua escola par^
Icnlar na travessa dos Quarteis n. 2V.
pessoas que quitarem approveitr-se
sua longa e proverws pratica, pedera
para all mandar seus filhos ou pupillos,
qoe serao desvenados e proveitosamente
Inslrnidos e educados. O mesmo padre
eleccin*,* tarde, tamo na sua resi-
dencia eme*-pfir-tasa-particulares a
^crammatlca nacional, como a aritlime-
[fle; o orapara caedidatas para o magis-
terio publico primario ; as?im como as-"
ntrantaiaoaemprago pblicos.
te Azevedo, seguir para os por- J rente, as 6 1|2 horas da tarde.
tos acima no dia 14 do crtente
as 5 horas da tarde. Receb car-
' ga at o (fia 13, encommendas
passageiros dinhairo a frete at as 2 horas da
tarde do dia da sahida : escrinloAo no Forte da J
Manos n. 12.
COMPANHIA PERrtXMB|IC.\NA-
DI
iaTega^ao (ostalri pn> v:ipM-
Mamangaape.
O vapbr nacional Coruripe,
eommandante Silva, seguir
paca o porto cima na dia 12
do crtente as seis horas da
tarde.
Recebe carga passageiros-,
encommendas, e dinheiro a frete at as 2 horas da
tarde do dia da sahida, no escriptorio do Forte
do Maltes n. 12.
UILOES.
<.RV\IH
LEILO
DB.
m > 3 ^-
AVISOS MfflITfMOS,
COMPANBIA BRASIUIRA
DB
Paquetes a vapor.
^.i^X ^8 Prlos ^0 sn' e esperado
L at o dia- 8 do corrente o vapor
Paran, eommandante J. da Sil-
va Mbraos, o qual depois da de-
mora do costme seguir para os
do norte.
Desde j recebem-se passageiros e engaja-se a
jarga que o vapor poder conduzir, a qual dever
w embarcada no dia de suachegada, Encommen
laso dinheiro a frete at as 2 horas do dia da sai
lahida.
Nio se recebem como encommendas seno-ob
ledos de pequeo valor e que nao excedam a dnai
arrobas de peso ou 8 palmos cbicos de medico
rudo que passar dester limites dever ser embar
xo como carga.
Previne-se aos senhores passageiros que suai
passagens s se recebem na agencia, rna da Crui
a. 57 primeiroandar, eaeripsoro de Antonio Luli
de Oliveira Aievedo A C.
m$IM 8RM1L1IM
DB
Paquetea a Vapor
Dos porto do norte esperad*
at o dia 10 de dexembro vapor
Toeemtmi. eommandante Jos Ma-
ra Ferrern Franco, o qnal de?
pois da demora do costme se>
ttra para os portos do sul.
Desde j recebera se passageiros e engaja-se a
carga qw-o vapor poder condtizir, a qual dever
ser embarcada no da de sua chegada, encom-
mendas e dinheiro a frete at as 2 horas da tard*
de sua sahida.
Nao se recebem como encommendas senio ob-
ectos de pequeo valer, e que nlo eicedam a 2
arrobas de peso on oito palmos cbicos de med-
c^TndtMae penar deates lmiiea dever ser
eoabarcado cont oarga.
a aa Srs.-paaaageiros que suaupas-
reoebera a-agaama, rJ*i]ruz n.
jfcwerlo do A^^^^H
& C.
Urna rica victoria, movis,
chrystefis elou$L
No silio do filado Sr. Jos Moreira Lopes.
Uma rica mobilia de Jacaranda com marmore,
4 grandes espelbos, figuras de porcelana, jardi-
neras, mesa de marmore, mesas para jogo, qua-
dros com gravuras, secretarias, toilets de jacarea-
da e mogno, lavatorios com marmore, mesa ;elas-
tica para jantar, mesas redondas com marmore,
cadeiras de guarnico de raogoo, apparadores de
mogno e amarello, guarda ionca, relogio Me pare-
de, garrafeira de ferro, mesas de pinho, quartinhei-
ras, cabidos, mesas e cadeiras de ferro, jogos de
mesas de cbaro, mesas de cbaro, cadeiras de
gonco, vasos de louca e vidro, estantes para canto
de sala, camas de Jacaranda, amarello e lona, ca-
deiras de Jacaranda (bragos) bidet, 1 grande guar-
da-vestidos, meza de mogno com abas, 1 silhio,
armarios, 1 rica vietona com todo os arreios
fiara um ou dous* cavallos, apnarelhos de porce-
ana para jamar e cha, gtrraaa, campoteiras, co-
pos, clices e galheiteiro de chrystal, 202 garrafas
de vinho de porto antiguissimo, 93 ditas com
agurdente de cana superior, 1 piano, 1 mobilia
de jacaj-and e 1 relogio dourado para cinta de
mesa.
O agente Pontoal, vender em letlao os objectos
cima mencionados, por autorisac. do liba. Sr.
Dr. juiz de orphaos requerimento do inventaran
te dos bens deixados pelo finado Sr. Jos Moreira
Lopes.
iioji:
No sitio de Ponte d'Uchoa n. 27 as 10 e meia
horas.
coMPAsrmA
DA
Messegeries maritpi
At o dia 11 do corrente raez osa^^^KEu-
ropa o vapor francez Amatone o nial depois da
demora do eostume seguir pMM^Hfaos-Ayres
tocando na Baha, Rio de Janeii ntevido.
Para conducSes, frete e pasagens, trata-se
na agencia, ra do Coramercio n. 9.
No dia 11 da> correte
Secrela do ceaseiho fiscal do Monte Pie Por-
tngow em Peraaar-boco 4 de )wirod 1871.
Antonio Baptista Negueira,
Ia Secretario.
tos* prajrtterahtr.
Mara Generasa de#mwmdo competantemenle
hawfitada peloMrrecrorla geral4a iastruecSo pu-
blica, deetara ao Srs. pas da f*miHa, que abre
sua aulalje^dia 9 4e Janeiro, na-roa do CoteveHo
n. 3t'; pato que, prometiendo .etmdtr aceorado
esforao e desvelo era sea magisterio, afira de que
se (ligoem conllar-llie siras filnas, dispde-se a re-
ceber lnmnas internas, externas e seminternas.
'---* i t .iij r i j
O Dr. Joaqnim de Aquioo Fonseca voltoo ao
exercicio de sua profisso.
Paga-se bem
Precisa-se de uma ama para andar com nma
menina de paito : a tratar na cidade de Olind,-
obrado janto a igreja de B >mfim.
Imperial Instituto de Nossa Sadbora do
Bom Consellio, dirigido pelo bacbarel
Antonio Cotambano Serapbico de Asis
Carvalho.
No dia 9 do corren la mez lera lugar a aber ta-
ra das ^ra)a-d -nstrnecao primaria secunda-
ria deste instituto.
Attencao
Na roa estreita do Rosario n. 35 preparam se
bamleijas de bolos para baile?, casameotos e bap-
gosto, e para *ialqer offerta, fazem-ge doce fios
de siimedo e de ovo para presentas, podios, bo -
los e pes-de-l enfeitado, flores de todas as qua-
lidades, eapellas e ramos paravsenhoras e meni-
nas, enfeitam-se velas com iodo gosto para bap-
tisados.
Attengdh
Na ra estreita do Rosario n. 38 prepara-so al-
moco, jantar e ceia para oaixeiros e estudanles, e
qualquer pessoa que queira tudo com asseio e
preco commodo.
de 151 rolos de salsaparrilha marca A R. quinta-
feira 5 do comente.
O gente Pesua far leilo por eonta e risco
de qnem perteocer, de 251 rolos de salsaparrilha,
os quaes -serlo vendidos em um on maii lotes,
quinta-feira 5 do corrente s 11 horas da maafaaa,
no trapiche Baro do Livratienio. .
LEUAf)
(EM LOTES)
da armoqo, gneros e perten,-
ces Jda taberna da travessa
Duque de Caxias n. 3.
O agente Martlns far leilao por mandado do
IHm. Sr. Dr. juiz especial do commereio daJaber-
na aeima (emJotes, yontado dos compradores),
tH?d Joaquim_Fernandes de Owirvpar. u.Wlaa-e de n
fi^BBai 1I3 Trxti imnmir fl m.n^BT precisa SO ue a
LtrJa J^oa da Toata Amorim *C. e outrehl
Segunda-fe.ira 9 do Corrmte
s ll horas- do dia, na mesma 'taberna.
ME MOV***
lout*, vidros-, eryste^, e i_
i rentes livros, a saber:
Ama
Na roa do Thom de Souza (antiga roa da Lin-
goeta) n. 1, precisase de uma ama para eozinhac
e comprar para rapaz soiteiro.
CASA DA WRTlA
Aos 5:0001
BilhetS garantidos.
A roa Primeiro de Marco (outr'ora roa dt
Crespo) n. 23 e casas do costme.
O abaixo assignado, tendo vendido noa seos fe-
lixes bilhetes um maio-n. 1539 com 5:000*000, tres
quartos n. 2605 com 4000000, um quarto n. (966
com 100*000, qitatro quartos n. 100 com 100*
e outras sortes de 40*000 e 20*000 da lotera, que
se acabou do extrahir (177*), convida aoa possni-
dores a virem-feeefeer na- cimferinidado- do coa
turne sem descont algura.
Acbam-sa venda os bilbetes garanbdos.da
2. parte da* loteras, a beneficio da igreja de
Noss Senhora do Terco (178.*), que se extrahlr
quinta-feira 12 do corrente mez.
PRECOS.
Bitbete-inteiro 6*000
Meio bilhete 3*000
Qoarto ijafiQO
Eaj porco i 100*006 para cima.
Bilhete inuiro 5400
Meio bilhets -* lit
Qaarto i*350
Manoel Mfrtins Finia.
Peridata qne n^ offend.
i d i
m
Ama
Precisa-se de uma a'aa para comprar, cozinhar
e fazer o mais servico de uma pessoa. so|teir : na
ra das Trincbiirjs n. 44, sobrado.
Joao Christiani, eummamente grato a toda*
as pessoas que procuraram prestar-lhe obsequiosos
servieos, por occasio do fatal incendio, que redu-
lio a cinzas o seu Obrado da roa Novan. 44,
vem por este meto confessar-lbes e en reconhe-
ciraeoto, com espeeialidade aos cavalbeiros que
ennsegoirara salva lo do furor das chammas.
D t e declinar nomes para nao ferir suscep-
libilidade; mas assegora que no intimo de sua
;iima vota eterna gratidfo acuelles, que to gene-
rowimj^ooteeiiilram-salvar-lhe a vida.
Oatraaitv roga; pessoas com, auern tera rela-
Q9'Comraerciae o obsequio de o procuraren) no
esta be leci meato dos Srs. Carvalho A Monra, ra
Nova n. 46, onde ser encontrado das 9 horas da
manhia em diante.
Aproveila tambera a occasio para pedir todos
os eu ra, o obsequio de virem saldar seus dbitos, o que
espera elles faro como o tem feito moitas pes-
soas, com o que se tornaram dignos d03. maiores
elogios pela maneira delicada < beequiadora com
i|ue prncederaoi.
Recife, 31 de dezembro de 1870.
Vai a quem toca
Pede-se ao navioAntonia que noa declare
quanto ganharam na sua quesio, os conseibeiroa
Julintio e'. Maoezinbo, e se os seus servieos foram
gratis, ea pagamento do primeirofazer das suas
escotilhas trinebeiras para suas apaixonadas, e o
segundo pelas passagens gratis que teve para o
porto de Valentinas.
O piloto
Eduardo.
Ao* Srs. capitaes de campo, precisa-se fallar
negocio de seus interesses: na ra das Cruzes
n. 2, primeiro andar, das 10 horas do manhia s 2
da tarde.
Ama.
Precisa-se de uma ama de leite sera fllho : a
tratar na ra estreita do Rosario n. 3, drogara
bomeopatbica.
.PROFESSOR.
Um Dr. francez deseja encontrar um engenho
para leccionar francez, portuguez, etc., etc., piano
e canto : deizar carta fechada na ra estreita do
Rosario n. 14. ____________ -
Preeisa-se de uma ama para casa de um s
hornero, preferndo se escrava, que eoeinhe e com-
pre : em Santo Amaro era seguimento a ra da
Aurora n. 4i, 1* andar.
O Sr. Miguel
Pinto rogado vir
Candido de Mwfeirofi
a esta typograpbia.
Ama e cozinheiro
Precisa,- de uma ama que engomme bem e de
um cozinheiro forro ou escravo para casa de pe-
quena familia : a tratar na ra do Commereio,
(outr'ora Trapiche) n. 48, aadar, das 9 as 4 bo
rae da tarde, e fra desta hora na Capnnga, ra
da AmUade n. 18, casa que tem portao verde.
tpajMt-
tfatflonrdio
i^tponioa,]
. suartdidf e
prped-|
excede oseon-
meojrtnfc larer. tn|o sido -
dopud por tod*edd9lante.]
Deitada nos banhoa^d um perftime
dalioiOBo, ooMoiid a ornes e tu de-
pawoer a MpiohM, oomiohoes e asi
ota dt pella.
PRECO lSOO.
nico deposito no Bazar da Moda n. 50,
roa do Baria da Victoria ortr'ora Novt.
Nutrimento
MEDICINA!
Precisa-se ^le dous trabalhadores forros ou cap-
(-tlvos para o servico interno de um estabelecimen-
la : a tratar.na ra larga do Rosario n. 34, botica
de Bartbolomeo & C.
nth qne
O CapinJ pode ser subdel
nw-deteja saber o sen irmao
kdo da freguazia T |
Badre.
Precisa-se fallar a negocio que nao Ign
com o Sr. Augusto Cesar da Conha, no pateo do]
^trni^, T4 WrV *iir ~^^
res, qne teem comas, W mais de anuo, venhara 1
ou mandem loge paga-las al o fim de mareo do 1
corrente arnio ; pote que Ando o praso indfcado]
serao chamados a juizo para judicialmente salda-'
tem s4ie* bitos.
Recife, 3 de Janeiro de 1871.
prar:
na rna Nora
Casi na Boa-viagem
Aloga-s uma excellenle casa na Boa-viagem
tra banjios de. mar, cora excellentes. coramedos,
salas, 5 quartas, cazinba e todos os pertences,
at, cora uma grande palhoga para banhos com
le chave, per commodo preco : na ma do
cujSo^^^^1
DE
Sapt^iGwwrea.
Dicio casas ns. 2i 23
e.%,
Anjonia Marques d'Amorim ayisa
t*mm ^qw posanlereuar
que as aulas d'ete estabelecimento
a#hvee-bao segunda feir 9 do cor-
ajaior dftsyejio peU edaoa-
raoral e irrtellectual de* seos
{^otjjjoaaetUdp poj seo di-
de reconhecido
:r prafessores
afeada,
Maranho.
HP73
Nn
Ami?
marqi
para i
illa de Jacaranda, 13
candelabro, 4 cas-
"rt-gat.
- guarda-
^^m com modas de jacareada 3-
sziDbas, 1 berco, 1 can de ferri
ra, 1 estante eLvidracada, 1
plecisa-sa de,uma
i para ca da
H^Bp.______
l'\ fflM OerWtaVsi-
Inappas e diSamnles livros.
espe-
rta lie
pata de fal^H
CORRE^
Manoel Joi*
taguez, rfp'S saade.
deixando P^H^^H
de seas negocio etB I
Borges, m
> os Sfs. Machado
i ama casa da pone
'ha a. 8. Prafcre o i
| Precisa-se d ata ama para o servico de por-
tas para dentro, que saina cosinhar e engoramar :
na rna Bella n, 1
aixeiro
.Precisa-sc .- nm Je 11
de idade cor
HHtorna :
^^Ploso.
Deseja-i
da Cruz
ina
Bibeiro, Dtro
i Escad.L Mu
-'goria^^H
iza i'oatea.
mor? s. Balduino
de Barro* Wanderley (que
Joaquim Perora At-
inne de Oiveira, Miguel Xa-
luga se o 2* a 3o andar do sobrado i
da Moeda, Forte do Mallo, com mulos_eo_m-
aapara grande familia, aa chav ^Aar ; a fallar aa roa dai^^^H
aalin nn
Picparadoapor
Lanman -Kenap
para tsica e toda
qualidanta dfedo-
encas, quer seja
na garganta, pai-
to ou bofes.
Expre8a-
rcente scolliido
dos melhoresfi-
gados dos quaes
se extrae o
oleo, no banco
da Terra Nova,
purificado chi-
niicalmente, e
suas
propriedades
conservadas
com todo o cui-
dado, em todo o .
frasco, se garan-
te perfeitamen-'
te puro.
Este oleo tem
sido submettidQ
a um exame
muitosevero, pelos chrmieos de mais tale-n
ot, do governo hespanhol em Cubajoi de-
vulgado por elle e conten
MAIOR PORCAO D'IODINA
do qoe oulro qualquer oleo, que elle tem
examinado
IODINO E'UM PODER SALVADOR
Em todo o oleo de ligado de bacalho,
e naquelle no qual conten a maior porfo
d'esta inyaluavel propriedade o nico
meio para curar todas as doencas de
GARGANTA, PEITO, BOFES.FIGADO,
Tsica, bronchites, asma, catarrho, tosse,/
resfriamentos.etc.
' Uns poucos frascos d carnes ao muito
magro que seja, clarea a uista,e d vigor a
todo o corpo. Nenhum oatro artigo co-
nhecido na medicina ou sciencia, d tanto
nutrimento ao systema e encommodando
quasLnada o estomago
As pessoas cuja organisafo tem sido
destruida pelas affeccoes das
ESCRFULAS OU RHEUMATISMO
e todas aquellas cujadigostSo seacha com-
pletamente desarranjada,devem tomar
O OLEO DE FIGADO DE BACALflAO
DE
Lanman fc B^emp.
Acha-se a venda nos estabeleeimentos de
A. Caors, l da a Bravo, & C. P. Mao-
rer Em casa de THEODORO CHBISTUN
SEN, roa da Croa n. 18, encor>tram-8e
efoctivamsnte todas as qaalidades de vinho
Bordeanx, Bourgogae e da Rbeno.
I
tn

MLHA
fimiMA-
mmi

SJ


Diario do Pernambco Quinta (eir 5 de Janeiro de lft'l


V
\
HMMHMMi
U1IE1
HOMKOPATHICO
Dirigido pelo Dr.
SANTOS MELLO
Os habientes do tatorior podem*o
consultar por escripto, no que serie sa-
sfeito coto prempdao.
Presta-s* umbem a chamados pan o
Uerior, a prego mdica
Consullas, o consultorio das 10 horas
I ao mato dia.
-Chamados, a qoalqaer hora.
Aos pobres gratis.
43Ra do Bario da Victoria43
(Antiga roa San).
iwmwmmum
l C.
O salao de pianos e de
nraflioas
saudou-se da roa Nova n. 58, 1* andar, par a
ruada
Imperalriz n. 14, I^ju
onde contina reeommendande-sa ao Illm. pu-
blico. .
6. Werthelmer.
AOS SKKWtSOOO
Estio venda os felizes bilhetes da lotera da
Babia, na casa/elix do arco da Conceico, loja de
ouriTes no Tleelfe.
Cozinheiro
Preoisa-se de um eozinheiro para grande cozi-
cha : i informar no armazem do Campos roa do
Imperador n. 18. ..________
GRANITO.
Ao Sr. Manoel Meados de Fl-
gnelredo.
Sendo dacorrido um anno depois que encarre
gnei Vmc. da eebranca de 1:0214220 constante de
urna letra e de um papel de trato, e nao ha ven do
at boje reeebido noticia alguma acerca dessa co-
r.ranca apesar das repetidas cartas qne Ihe tenho
dirigido e que todas tem flcado sem respost, vou
rogar Vmc. queira mandarme a importancia do
que houver reeebido oh restituir-me os meas do
cumentos no caso de qne nao tenha realisado a
cobranca. Vmc. doscnlpar o use desle meio, ama
vez que nao tem querido responder as minhas
cartas. Recife 27 de dezembro de 1870.
Jos Doarte Pereira.
CHAPEOS DE SOL
DA
Ra do Barao da Victoria, esquina da Camba, do Carino, n. 2S (Antiga Ra NoVfrt
Temos i boora de participar a nossos riomerososlregoezes que eon. a ebegada de ornees socioe da Europa, soprio-se
casa com om completo sortimento de chapeos de sol de todas as qaalidades como tambera, de todos es a temes para os, meamos
fabrico, como aejam armafoes de todas as qualidades, sedas, mirins, alpacas e pannos, assim como drwpeeiai cotbiUria, armas
para caca,ejtatairog polnrinbos. Os caapes de salterio abaUmento de 43, 15 t W por cente, comprando i diabaro.
Offerece se para hotel ou eollegio um par
portugueze?, sendo o hornera para comprar e co-
zinbar e a mulher para engommadeira e copeira :
quem pretender contrata-Ios dirija-se a roa do
Amorim n. 13, taberna, para deizarem escripto
onde deve ser procurado._____________________
Precisa se de urna senbora de meia idade
para fazer companbia a ama ouira sexagenaria,
mediante vantagens : a fallar na ra do Duque de
Caxiasn. 5o.____________________________
Fundido da Aurora.
Neste estabelecimento se vendem taixas de ferro
batido mais bem construidas do que as que vem
4e fera a 240 rs. a libra ; sortlmento completo.
Precisase de urna, escrava oa li-
vre: na roa do Caldeireiro n. 68
AMA
Previnc-se ao Sr. Ihesoureiro das loteras
que nao pague o meio bilbete de n. 939 da 2* par-
te das loteras da matriz de Serinhem d. 177*
senio ao abaixo assignado, visto ler sido desenca-
minhado do poder do mesrno.
Manoel Jos Correia.
Ensino em casas particu-
lares.
Aos senhores pas de familis econmicos
nos dirigimos.
Leceiena-se pessoas de ambos os sexos as
etguintes materias : lingaa nacional, francez, la-
tim e geographia, todos os das atis, excepto as
luiotas-feiras. Garantem-se as habilitares, me-
tnorfo faeilimo, adiantamento rpido, e muita assl-
i!u.i!a!o. Os professores sao dous mocos que es-
tudam nesta praca e multo conhecidos ; a tratar
na ra da Cadeia do Recife n. 24, ou nesta typo-
(:raphia, devendo os pretendemos deixarem seas
(ornes e moradia, Isto das 8 horas s 4 da tarde.
8orstelmann;4 C. fazem sciente ao commercio
desta praca qoe por mutuo accordo o Sr. C Rud
Frake deixou de ser socio de saas casas commer
< nes, tinto desta praca como das de Macelo e
Liverpool, desde o dia 31 de dezembro prximo
passado, entrando como socio em todas ellas o Sr.
Wm. Otto. Recife 1 de Janeiro de 1870._______
E lucaqao primaria e secun-
daria.
Jerenymo Pereira Villar faz sciente ae respeiti-
vel publico e ce m especialidade aos Illms. pas de
seas alumnos qoe as antas estarlo abertas a 9 do
vigente, prometiendo interessar-se no progresso
de seus alumnos : no Mawruinbo, entrada dos
Afilelos n. 37.
AM
Precisa-se de nma ama para comprar e eozinbar
m casa de homens solteiros: na ra do Bario da
Victoria n. 60, loja.
Precis-se
alagar ama easa em qualquer dos arrabaldes mais
prximos d'esta cidade : quem tiver dirija-se a
ra do Commercio n. 36, tratar com o gerente
do English Bank of Rio de Janeiro Limited.
A professsora particular, autorisada pelo
Exm. presidente da provincia e pela directora
geral d'esta cidade, Joaquina Lourenca de Sena,
mudou-se da roa de Hortas para o lagar do Re-
medio, e ahi continua com sua aula, recebendo
alumnas externas e tambem pensionistas; assim
pede s pessoas que se quizrem utilisar do sen
presumo, quelram comparecer em sua casa que
acharao cora quem tratar, e desde j protesta peto
omito cuidado, amor, delicadesa e boa edueacio
de snas alumnas, como sabido. Tambem ensilla-
se msica e piano, sendo professor d'esta o padre
Candido Ferrara da Cnnha._________________
6'aixeiro.
Precisa se de nm eaixeiro de 14 a 16 annos,
com algnma pratca de taberna : tratar na tra-
vesa do Livramento n. 38.
AVISO
Joo Jos Pedro Gonsalves declara quem in-
teressar posea que desta dala em diante se assie-
nar Joao de Souza Goncalves, pbr haver outro de
igual nome.
Recife, 2 de Janeiro de 1871.
Mara Joaquina da Cruz Celestina participa
aos pan de suas alumnas e aos pas de familia qne
quizrem confiar o ensino de snas ulnas que a
ana aula est aberta do dia 9 em diante, no so-
brado d. 18 da travessa dos Expogtos (atrai da
matriz de Santo Anin._________
Na praca da Independencia n. 33 se da di-
aheiro sobre penhores de onro, prata e podra;
ociosas, seja qual for a quantia; e na mesm
if ase compra e vende objectos de onro e prata.
igualmente se faz toda e qualquer -obra de en
eommenda, e todo a qualquer concert tendent
masma arte !
Ao d&tnmcrcio
Os abaixo assignados Undo M^Hfcao dissoi
ver sua sociedade eeramercial ate o'da 31 de dL
zembro prximo passado peJera os credores de
sua firma, quer de conta. ds lijro qner de letra,
^Bam a boudade de apreseotaf^eu^ ttulos at
o-dia 10 i seu esert ua do
1871.
erra & Temporal*

tS
3
US
i^^^^^Biiiiiiiiiiiin un ninii "
^^^tra exames
vionada
J |
jveallng
i manhia as 1 da tarde, na
traveesa da roa Bella n. 10.
Aula porticular de prmieiras
letras,
Amia Theodora Simoee, autorisada pelo Exm.
Sr. presidente da provincia ao magisterio prima-
rio scientiflea ao senhores pas de snas alumnas e
ao resneitavel publico que se achara aberta ana
aula particular de insiraccio priiiaria no dia 9
do correte na roa Traveesa dos Ixpostos, easa
n. 16, i* andar, onde espera satisfazer os senhores
pas de familia, qne Ibe eontarem saas fllhas,
tanto as materias que constitaem a sobredita ini-
trueco, como tambem en msica vjacal, e no que
for concemanta as triiililaas dft agniha.
Este antgo estabelecimento, acha-se hoje montado n'uma
escala de poder servir vantajosamente os seas freguezes, atten
to o grande sortimento de joias d'onro, prata brilhantes, qne
sempre tem e reeebem mensalmente das principaes fabricas da
Europa- enjos presos sao em competiris e as obras garantidas
de le.
MOREIRA I1UARTE .
m
m
MANUEL & C.
jaiisfacSo de participar aos seos numerosos freerjezes, qoe em vista de ser-ibes mais
Tem a sansfaclo de participar aos seas numerosos freguezes, que em vista de ser-Ibes mais commodo, tem
estabelecido ama nova fabrica de chapeos de sol, na roa da Cadeia do Recife n. 9, hoje roa do Margaez de Olinda,
onde acharao es pretendentes, muilo avultado sortimento de chapeos de sol de todos os precos, qaalidades e por pro-
cos mas commodos do que comporta o nosso mercado : convidam especialmente aos Srs. compradores por .atacado
darem, sendo possivel suas encommendas, pois poderlo assim serem mais bem servidos, visto poderem escolher as ar-
15^ maodes as tazendas qne a demora da fabricacao bem diminuta.
41 -MA DO tlliODA VICTORIA -41
Neste novo armazem tem um
variado sortimento de fazendas
francezas, inglesas, allemlas e to
das todas se vendem por precos
mdicos, afm de acreditar a este
novo armazem. -
Gasemiras inglezas,
francezas, de todas as
qualidades, brins i de
cores e brancos, colei-
riuhos modernos, cha-
peos de sol de seda,
finos.
DE
ARRDA IRMiOS.
RA
Bario da victoria
antiga roa
1VOVA
N. 41.
Assim como tem ama grande
oficina de alfaiate, montada com
todos os preparas que ha de melhor,
dirigida por habis artistas, que
pela soa promptid5o e perfeico
nada deixam a desojar.
Roopa de todos os
amanhos para homens
meninos.
Por todos os paque
tes recebem-se as me-
lhores e mais moder-
nas casemiras que ba
na Europa.
Pertebee i raesma o btlhete n. 8W e meio B.
3132 da 310 lotera da Corte.
F. X. Ferreira,
Secretario.
Frestem* attencao
Aloga-se oa vende-se um sitio na Crac de Al
mas n. 10 junto a estacao de Parnameirim, com
muijos commodos para grande familia, por preco
commodo. Vende se a taberna n. 68 do pateo do
Terco, com poneos fundo*, afregnezada para o
mato, propria para principiante, tambem troea-se
por algnma propriedaie nesta praca : qnam pre-
tender algum destes negecios dirija-se a mesma
taberna, qne achaii com qnea tratar.__________
Antonio Jos dos Reis, estabelecido com loja
de fazendas no caes13 de novembro, ontr'ora
Pasiejo Publico, faz sciente ao respeitavel publico,
especialmente ao corno do commercio, que desde
o 1. do cerrente den sociedade em seu es abele-
cimento aos seus caixeiros Pedro Alves Ferreira
Jnior e Jos-Joaquim Harrocos Pereira, conti-
nuando a gyrar o mesma Arma de
Antonio Jos dos Reis.
Friraeiras letras
* Jos Bittencoort Amarante eordialmente agrade-
ce aos senhores pas de seas alumnos que Ih'os
confiaran) para os instruir as materias quanto
diz respeito as primeiras letras ; participa tambem
aos mais senhores em geral que lhe quizrem dar
a mesma honra, fleando certos que tara o esforco
possivel, sssim como o tem feito, para que ellas
obtenham os fins desojados. Nao admitte decu-
ri5es em leitura ; suppre esta falta com suas edu
candas qoe para isso esto habilitadas. Sua es-
cola estar aberta do dia 9 em diante, na ra da
matriz da Boa-Vista n. 16.
UFE PURGATIVO
A' ESC Aj|^B2
De Barfal
Pharai*eeaile*-Chlai<
A nulidad* M pwgbites aa scffre demons-
trac3o algoma ; a pre*ripc> liara que dalles
fazem os mdicos e'o nao alada mais freqnente
ka pelo paMteD alo prora irreragaveia unto
como a qoantldade laotuaaravel tu genero. S
falta aperfaiQoar cada ve* mais o modo da admi-
ietraeM, de maneira (f aoaservando a sua ac-
cio, eUee poaum ser tomados fem repugnancia
nem asco e sobrttudo sem receio nem pengo.
. Maitos purgantes afamados s de vem eilebom
xito ao seu effeilo lenas e excessivo. D'abi o
pongo, porque irrHacfie de-estomago, inllamma-
coes de entranbas sao inevIUvelmente o resalu-
do do aen emprego. Nada diaao tem-se de recear
com o caf purgativo.
Tdos conbecem por experiencia o aroma na-
ve a aefleito UgeiraaeatB' tnico a excitante da
caf. Blle o melhor auxiliar dos purgante Aos
qaaea disarca o ebeira.* sabor e ajada a aeeio
sollieiUndo vagarosament oa movimento peris-
tltico 4e mustia, e preveaiode o aeu effeito
nmito intenso sabr o estomago. Misturado eem
escaasoaea, facilita aa evacate** com pronptido
e 'sem clicas, e tornase nm purgante brando,
ceno, fcil a tomar e prefertvel a todas oa ontros
salvo ama indicacio espedal da qual o medico
o nico juiz.
A innocuidad* do caf purgativo permute de
emprega-lo em todo casos simples. Desper-
tando a atona da intestino e activando a secre-
cao desle, destre a dureza de venlre, as vento-
sidades, as flatuosidadse e exciu o appetile. Em-
pregado mais miado, conveniente para eva-
cuar com vagar a bil e os hamfe. es viscosos o
e faz dessa' maneira deaappareeer a enxaqueca,
as dores de cabeca a prev os ataques da sangne
as pessoas que a este alo predispostas.
MODO DE EMPREGO.
' tio simples como fcil. O cal purgativo
deve ser tomado fro, pura oa' misturado com um
pouco de leite fri assaerado, ou agua assuca-
rada. O vidro inteiro a dos ordinaria para
um adulto ; duas colhsrea de caf bastara para
as senhoras e para toda e qualquer pessoa que se
par fcilmente.
. ara as criancas de 8 i 10 annos, a metade do
vidro suficiente ; de 5 a 8 annos, urna colher
de caf, a a quaru parto do vidro smente abai-
xo desta dade contra a gosma.
E' por isso ,d'uma admioistracao muilo mais
fcil do que es biseoutos, chocolates ou bolos
purgativos.
Dase immediaUmente depois leite quente u-
sucarado ou caldo leve, e duas ou tres chavenas
de chi preto ou de tilia.
nico deposito na pharmacia e drogara de
Barlholomeu & C. : ra -larga do Rosario n. 34.
MOFINA
Roga-se ao Illm. Sr. Ignacio V.era de Mello, -
crivao na cidade de Nazareth desta provincia,
favor de vr a roa do Imperador n. 18 a concluir
aquello negocio que V- S. se coroprometteu reali-
sar, pela terceira chamada deste jornal, em fins
de dezembro prximo passado, e depois para Ja-
neiro, passou a fevereiro e abril, e na 1a eamprio,
e por este motivo de novo chamado para dito
fim ; pois V. S. se deve lembrar que este negocio
de mais de oito annos, e quando o senhor sen
fllho se acbava no retodo nesta cidade._________
Aluga-se a loja n. 53 da ra de Agoas-veries
(boje Lomas Valentinas) de 18 mensaes : para
ver, a chave esto na casa de junto, e para tratar
na thesourana das loteras.____________
~~PADTRIA,
Aluga-se a padaria allema em Santo Amaro e
as condiefes sao favoraveis: a tratar cem seu do-
na na roa da Guia n. 56.
MVA PAMIU
americana ra dos Pires n. 50, contina a fazer
pao e bolacha de farinha especial de Ia sorte para
melhor agradar a seus freguezes.
RA
De
BarodaVictorla
antiga na
NOVA
N. 41.
Primeiras letras.
Mara Bartholeza da Conceico agradece aos
senhores pas de snas alumnas qne Ih'as confla-
ram para as instruir no quanto diz respeito is
primeiras letras, assim como participa aos mais
sanhores era geral que lhe quizrem dar a mesma
honra, cerb s de que far todo o esforco, como o
tem feito, para que ellas obtenham os fins que se
tfeseja. Sua aula estar aberla do dia 9 em
diante. _______'__________-
Lava-se u eugomma-se com perfeiQip roupa
de senhoras e de homens: na ra do Livramento
n. 23, 1" andar.
Nio ha Maala cabellos brancos.
Tintura japne a.
S e nica approvada pelas as academias de
sciencia, reconhecida superior a toda que tem ap-
parecido at hoje. Deposito principal roa da
Cadeia do Recife n. 51, andar, era todas as bo-
licas e casa de cabelleireiro._______.
Collegio d Santa Ma.
Para educado de meninas, estabelecido na
roa Formosa.
A directora deste collegio, abaixo asignada, faz
sciente nao s aos pas de saas alumnas como
aos de mais que quizrem confiar-lhe a educaco
de suas fllhas, que no dia 9 do correte cotoecam
os trabalhos deste estabelecimento, no qual se en-
sina com asseio e perfeicae a ler, escrever, lingua
nacional, francez, arythmetica, systema mtrico,
geographia, msica vocal, piano, danca e dosenbo,
por professores competentemente habilitados. A
directora nao iulga mais necessario afiancir aos
pas de suas alumnas o ao publico em geral a de-
dicaco, relio e interesse qoe toma pela educaco
e ensino de as alumnas, porque basta o longo
espacode 11 anuos em que tem sabido maoter o
bom nome e crdito deste estabelecimento ; agr-
decendo em extremo a oonQanca com que a hon-
rara os senhores pais de familias, conuando-lhe a
educaco de saas innoconles Binas. Boa-vista 3
de jaoeiro de 1871.
rsula Alexandrina de Barro,
Directora.
Este estabelecimento acaba de soffrer ama reforma radical em aeeeio, artistas e commodos, e em pontoalidade as encom-
mendas, finalmente em todo afim de melhor servir os seas numerosos freguezes deixa-se de annunciar todas as fazendas, para
q5o se tornar massante
Ha Iravcssa da ra
das Grues n, 2, pri-
meir andar, da-sc di-
nhelro sobre penhores
de ovo, pata e brilhan-
tes, seja qial for a quan-
tia. Ha mesma casa com-
pram-se os mesmos me-
taos epedras.
imwmw m wstMM
HOTEL
a
-1- FALQUE
i^'ESTA ANTIGA E CREDITA.TA
FABRICA
DI
(3ia^&a()Q aa -3&
Bilhar. hoapcdagem, baabea.
Os proprietarios do grande hotel do Monteiro
tem aberto ao aprasivel arrabalde de Reberibs um
hotel preparado cora todo o esmero e asseio. Re-
cebe .hospedes para o que tem to las as commodi-
dades exigiveis, e espera que os concorrentes qne
08 honjajeh em ludo serao saHsfeitos.
wa-se de um offlcial de
boas costoreiras : na roa estrena d'
i i.
CtRSTlITIIIRU IDI Cllrlllo I01TIIIRT0
CHAPEOS HE SOL:
De todas as
Be todos os
qualidades I
feitios I
De todas oa precos!
DO CRESPO fi* 4
IVIN a. iamiie, phMB*Tutcc * Benlersurd SbMtopol, 80. PARI8.
NOVAS ESPECIALIDADES A. MARINIER
AdmmMu a AeaJenit de Sdeiciu < t InMitulo de Franci.
Irmanda(Je de Nosaa Senhora
(la BoaTagem.
Sao convidados todOs os irmos para compare
cerem no consistorio da irmandade: no domingo 8
do correte, s 9 horas da raanha, afim de, em
mesa geral, procedt-r-se eleicao da mesa rege-
djjra.
Boa-viagem, 3 de Janeiro de 1871.
O juiz. .
_______Joaqnim Jos da Fonseca
Au belsexe
COLD CREAM OF ROSES.
Cette Greme delieieuse, universellement rpan-
Jue en Angleterre, o les fcmmes sent si renora-
mes par la beaut et la transparente de leur
teint, doit sa rpuUtloa aux lmenu balsamiques
el onctueux qni la composent, aiusi qu' sa cons-
tante efflcacit ponr adoucir la pean, la rendre
plua blanche, et contribner ains la sant et a la
beaut, qui, toujours, sont inseparables.
On la recommaede centre les irritalions de
l piderme, tenes que Boutons, Ephbudbs, Ta-
CHKS DI ROUSSPXR, ROUGBURS DI LA FlGUBB, et
contre les taches patriquks et les .Efflorescen-
cbs. Cette reme convient spcialement aux fem-
mes enceintes pour prevenir LE MASQUE, auquel
siles sont sujeues.On s'en sert encor ponr em-
pcher la Agor de se bler par le, froid ou la trop
grande chaleur.
Prix 1:800 reis
Sel dept au magasin Basar de la Mode 50
Roe do Bario da Victoria.
llllCPPn Sobi fordePtiiitlt, devdid e dosid i
JHlICbbAU momento umi wUco ntCTMnVi C!
MOLESTIAS CONTAGIOSAS
ira fuer i
liTIVi dii
IHJECTOR-PHILTIO
Grave
io volume de um reloeio. servindo
de Piiiltro e Seinga sem os
inconvenientes ds fragilmadc.
David.'Flach A Julio Puerstemberg declarara
ao publico e ao commercio, que teem dissolvido
amigavelmente a socieajade que tinham nesta pra-
ca sob a Arma Fnerstenberg Hach A C, fleando
o socio David Hach encarregado da liquida cao da
mesma sociedade. achando-se neste accordo o so-
cio ausente, para com quem tambem ficou ex-
tincta a sociedade. 0 liquidatario pode ser pro-
curado lodos os das uteis, na ra do Crespo n.
16, primeiro andar.
Pernambco. I* de Janeiro de 1871.
__________________Foerstenberg Flach & C.
Gasa no Monteiro
Aluga-se nma casa no Monteiro, perto do Xis-
to, baixa do rio : a tratar na ra Primeiro -de
Margo,antiga ra do Crespn. 17, loja.
Precisa-se alugar urna preta boa cozinueira :
na ra do Rngel n. 9. Pagase bem.
USADO
Rua do Baro da
Victoria n. 63
( Outr'ora rua Nova. )
Bilhetes garantidos dapro-
\ Tela.
O abaixo assignado acaba de vender entre os
seos muito felizes bilhetes a sorte de 900/000 em
um meio de n. 2117 e a de 4004 em um quarto
de n. 2805, a sorte de 200/ em nm bilbete inteiro
de n. 166 e nm quarto de n. 1986 com a sorte de
100J, alem de outros premios menores da lotera
(177) qne se acabou de extrahir, podendo seus
possoidores virem reeeber, que promptamente
serio pagos.
O mesmo abaixo assignado convida ao respei-
tavel publico para virem no sen estabelecimento
comprar os felizes bilhetes garantidos, que nao
deixar de tirar qualquer premio como prova pelos
mesmo* annnncios.
Aeham-se i venda os multo felizes bilhetes ga-
rantidos da 2' parte da lotera em beneficio da
igreja de N. S. do Terco (178) que ser extrabida
qointa-feira 12 de Janeiro correte.
jPRECOS.
Inteiro 64000;
Meio 34000
Quarto 14S00
De 100*000 para ciua.
Inteiro B44O0
Meio 24700
Quarto 14550
Joio Joaqnim da Costa Leite.
MARTIMOS
E
COSTRA FOGO
A companbia Iudemnisadora, estabelecida
nesta praca, toma seguros martimos sobre
navios e seos carregaraentos e contra fogo
em edificios, mercadorias e mobilias: na
rua do Vigario n. 4, pavimento terreo.
Ama
Precisa-ie de ama ama para todo o servco de
urna casa de pequea familia: a tratar na rua das
Flores n. 37, andar.
Ama
Precisa-se de urna ama que
saiba cetinhar e
engommar para casa de familia de dnas pessoa
na rua do Apollo n. SI, 1* andar-
Com 1 ten, e do voliuno de nm l'orte-Moed* tontenilo
TODO. TRATAMENTO.
ide
-sej
Rftao.

ama ama que ce
pouca familia : u rua
n.
Nova!
Wr ESTOJOS
I >I_,Ij"\1IO Contra as affeccois da palpebras, preparado Ktb a mesn
ITB'mAT AWl?i1l 9 I13 Depositarios geral para o BRASIL e PORTL'GAL
MvlilfUiJV CC U 3i, m larga do Rosario. PEITA]BTJCO.
nstruequo primari.
Eseola particular do sexo femenino.
Aona de Quelror e Albuqaerque scientiflea aos
pai de snas alumnas qne do dia 9 do corrente
mea de Janeiro em diante estar berta a sua es-
cola na rua Martillo Dias a. 129, 2* andar, onde
contina i disposicao daquelles senhores qua a
quizrem honrar cora a soa conflaufa, entregan-
do lhe sua :'-- 'Habi-
litada pela directora geral da instrucylo publica
em conseqneucia do sea exame, e animada pelo
coatinuad e pratca adqoerl-
da; tudo istp offerece ella como* garanta, e bera
assim a mais devotada dedicado e es for
Bel deaeoptfnho
preco ocmmodo
nnipa de horneo por
Da rua do Cotovello n, 6.
Irmandade
do mm. saeraaaeao do oaroehla
dos Afogados.
A mesa regadora convida a todos os seas irmaos
otra as*istirem a fasta do Orago, que se tem de
celebrar no dia 8 do corrente.
O escrivio,
,______________Manoel Gomes de S.
Ajudante de cozmha.
No Restauran! de Pars ma das Larangeira)
n. 4, precisa-se de nm ajudante de cozioha.______
CAIXEIRO.
Quem precisar de um eaixeiro co.n pratica de
taberna e mesmo para tomar conta por balanco
nesta praca oa fra delta, deixe carta fechada nes-
ta typographia com as iniciaos H. P. S.
Os amigos do finado Dr. Urbano Sabino Pessoa
de Mello, e os que o honraram i:om a sua estima
e araitade, -i,, rogados a com' lo dia 7 do
seu pisaamento, pelas 7
horas rem a (M missa pelo re-
a alma, d Antonio.
ms'
lanoel Soares
Ac-
i.'jolecimento de
ito U. 28.
Recife, 31 de ae zembro de 1870.

<



piano d Pernambuco Quinta eira 5 de Janeiro de 1871.
T"*
NOTOS SOMRTOS
A IIMIUM 4 V|
por Frwwi, ras
do Bario 4a victo-
ra Cartr'orai roa
Nora) b. f.
At-imun va-
Kr Fraaeez, ram
Baria da victo-
ria (oatr'ara raa
Kora) a. 9.
Perfomarias, qninquilharias e brinquedos
para meninos.
Este estabelecimento acaba de recebar pelos ultimo Taparea e Batios de valla cbegados 4a
Europa todas as saaa aacomraeodas do grande sortiownlo de lesa, offerece o publico em feral, per
preeoa resumidos o naais possivef, os artigas seguales:
eiLClDO
Botinas para senhoras=-duraqae braneo, preto
e de oatras maitas cores eacolhidas do ultimo ges-
to da moda.
Botinas para meninas igual sortimento.
Sapatinhes de salto pra aeataoraduraqne pre-
to, braneo e de cores, e de cooro de lastro.
Bonhas para enancas, proprias de baptisa-
flos.
Botinas de diversas qualidades para hornera.
Botas russianas para montara, tanto ingieras
de coito da Rosita para viagera, como francezas
de MdUer, beaerr* fino, para passeios.
Maias perneitas para meninos de. 10 a 16 an-
nos.
Sapatos de brira braneo para torneos.
Sapatos de vaqueta de lustro cora soia de ma-
deira, proprios para baaos.
Sapatos de borracha para horneas e seahoras.
Sapatos abotinados, de diferentes modelos, mal*
to bons e fortes para meninos e manteas.
Zapatos de pete, aveltadados, ftarlot, casi-
mira preta, da traeca portuguezes, para bomens,
eonoras e meninas.
Perfomarias.
Extractos finos, banbas, cosmticos, leos, opia-
tas, aguas de Cologne em garrafas de crystal para
presentes, agua divina, agua florida, denufrice la
vanea, agua de toet, Motara para barba e cabel-
los, pomada hongroise para bigodes, pos de arrc
e sabonetes, tudo isto de primeira qualidade, dos
abrBautes Coudray, Piver e Lubin.
Qninquilharias
Lavas de pellica brancasiouvin.
Espelhos grandes deurados para salas, quartes
abinetes.
.eques para senhoras e meninas.
Jolas de ooro, brincos, trnsenos, puteeiras,
otdes de puados, de abertera, correles e ctoaves
Brincos de plaqu imitacao de ouro.
Correles para relogio.
Abctoaduras para colletes e para punhos.
Albuns de velludo e marroquin para retratos.
Mammadeiras de /idro para enancas.
Caixinhas de costura, no vos modelos cem m-
sica, proprias para presentes.
Quadriohos dourados para retratos.
Toncas e sapatinhbs de la para enancas.
Capailas para noivas e para pastoras de pre-
sepios
Caixinhas com vidres de augrae to para ver-
4e em ponto grande a photographia dos retratos.
Ps de vidro para pianos.
Thesourinhas para eos ara e unhas.
Bolcinhas de seda e de veludo.
Cestinhas para braco de meninas.
Balaios para costura.
Casos d'arame pratiado para frotas e pao a
mesa.
Le
Ricos artigos da, phantasia neeessarios para toi-
Ihetes e proprios de presentes.
Jarros e bonqoets da porcelana para santua-
rios.
Registros de papel flao mu delicados.
Quadros promptos para collocar vistas.
Moldaras douradas para qualros.
Estampas de bellas paysagens de eidades, de
figuras e de santos. ,
Espanadoras de penas e de pilha.
Carteiras para notas a para dinheiro.
Caixinha de msica de darse corda.
Pooteiras de espuma para cigarros a charutos
Grvalas da seda pretas e de cores.
Bengalas de cana com castfies de fflarQm.
Ditas de bateia, junco e de ailas qualidades.
Pentes finos de marfim para caspas.
Escovas para facto, pura cabello a para denles.
Lunetas on pencinez de prata dourada'.
Ditos de tartaruga e de ac.
Oculos de prata dourada e de ac.
Reverbero transparente para candieiros.
Dito3 para linternas de pianos.
Cotos econmicos para vellas de spermacete.
Cerdas para violao. v
Port-pratos para mesa.
Caixinhas de diversos modelo? e procos.
bjeclos novos de magreas o melhor possivel,
paTa divertir meninos.
Malas, saceos e boleas para viageus.
Estojos de viagens, completos com navalhas.
Esporas de metal braneo para saltos.
Chicotes fortes com raartello para viagem.
Ditos de nraito8 modelos, de junco e je baleias.
Luvas de fio de Escocia brancas, e de cores.
Ditas de camurca amarillas.
Machinas para fater caf.
Globos de papel de cores para illuminacoes de
festas campestres.
Baldes de cores, de subir ao ar fcilmente.
Jogos de domin, da gloria, vlsporas, rodetes,
bagatela e outros jogos alienaos.
EsterioscopoB com as man bonitas vistas, de
figuras destacadas e grupos de familias.
Armnicos ou accordions de todos os tamanhos
e novos modelos com trmulos.
Realejos pequeos com novas msicas.
Cosmoramas de varios tamanhos, com difieren-
tes vistas mui pitorescas.
Para lapinhas.
Presepios completo com todas as pecas e sorli-
mentes avulsos de Agarrabas, animaes, casas, jar-
dina, -etc.
GRANDESORTIftpODEMSICAS I LJi pyiTA
SAlAO PIAMOS E DE MSICA S
Ana da Imperatrfe n. 14 loja
Para flauta, clarroetta, rabeen' de peque orchettri, par banda
militar e harmonio, to proprio para esta tempo de festaa e para augmentar a solemni-
dad* dos actos religiosos.
Todo pedido, das provincias oaf dointerior serlo promptamente atendidos.
PRIMARIA!
Sna do Commercio n, 6
(Recite)
Jos Francieeo Ribeiro de Soma, profeaor particuJar de instruccio primaria,
seientiflea aoa illustres pais de sen diaeipnlos o a quem -mal pos interessar, qne a<
abertura da ana aula tara logar no dia 9 de Janeiro da 1871 prximo futuro, na
casa onde mesma funecioaa na (ral annoa, na rna do Commercio a. 5. "
Tera resollido admittir um certo a determinado numero de alumnos, os
qnaes serio leccionadoa por habis profeasoraa. v >
A aula eomecari em .todos os dias nteis u9 horas* da manSfa e termraia as
duas horas da urde,
Pede como especial fWrar aos intemstdos, 4e axaminarera o aceai, ordem,
mtttaodo de ensino a dedicaeJ dos respectivo profeasores.
Reeife, 29 de detemlro de 1870.
PHARMACIA AMERICANA
Farinha de mandioca propria de mesa a o#000
u do miko a 64000, ecm $ pelo de 10
bras cade aa
Qneijos Qaroengos do ultimo vapor a i*O0.
Biscontos cm caixinhas de conflgiirae.o* diver-
sas proprias para follas as enancas.
Velas steariaas'a 640 r. a libra. -
Chocolate de II a 1*800 a libra.
Especial nanteiga ingleza e franecza.
Horuliees para sopas denominadas Julienne, qut
substilue pereilameom as mais frescas er
A verdadeira farinha americana vmda de coca
propria a 320 rs. o maco de orna libra.
Bolachinbas da tedas aa qualidades e do me-
Ibores fabricantes.
Queijo da (Iba especial a 880 r a libra, e mni-
to outros gneros qne se enconlr; m por procos
ratoavei e do i* qualidade : na ra do Doqoe
de Caxias n. i2, armazem de
HMRMORE
Competencia
Bival semusegundo,
mui lo bom e
l
500
60
1*000
DE
\
FERREIRA MAIA ft C.
ra no ann; de caxias t. a
( Antiga rna do Queimado )
Acaba de ser reaberta a antiga pharmacia da roa do Qneimado, pertencente ao
Sr. Jos Alexandre Ribeiro, sob o titulo de Pharmacia Americana.
Tendo sofrido grande modifleacao esta pharmacia ;cba;se boje mentada com
gosto e asseio, e esta certeza nos anima a convidar os Srs. mdicos, e o respeitavel
publico a visita-la.
A -mesma pharmacia presta-se aviar qualqoer receita que tarde da noute.tne
seja dirigida.
Sa
ESTABELECIDO
NA
CIDADE DO RECIFE
SOB A VALIOSA PROTCCO
DE
SANTIDADES PI IX.
DIRECTOR E PROPRIETARIO'
0
Attenpo
Todos os artigos mencionados nene annuncio
veodem-se muito "baratos, nao s pelos batimen-
tos ottidos dos fabricantes em attencao as gran-
des o repetidas compras, como pelo bom systema
de vender muito anda mesmo com dimtnutissimo
lucro.
na

03
CD
en
CD

o
9S-S
g ^S'-g'ae' < o
a 55 p 0 o

CD 0^1 Ul
-! O).
0
P
SP>
Cu
3

msmm BERNARDO PEREIRA 00 CARMO JNIOR.
Este amigo estabelecimento de edueacao e intruecao achaodo-se actualmente no espa-
coso, claro e bem t vido, contina a receber alumnos internos, sim'internos e externos.
Os bons resultados que bao colhido e exibido os muilos alumnos que tem tido
este estabelecimento, devem servir de garante e animacao aos paes de familias que de-
sejarem ter abi sens fllhos.
Ros estatutos do collegio, qne estao a disposicao de quem os quixer ler, se
acham consignadas as condicoSes de entrada.
Estamos na semana em qne sa deve recbeiar
as dispensas (tanta em grande como em pequea
escala) de bons e escolhacs gneros proprios par
os grandes dias de festa. Por esse motivo o CAM
POS da rna do Imperador n. 18, tem por meio
desle annuncio avisar sao t aos numerosos fre
gue;es e amigos, como tambem ao publico em pe-
dal qne entra em competencia com os seus C( lle-
ga, no fornecimenta dos genero alimenticios pro-
rrios a taes dispensas.
O CAMPOS espera que seu armaiem seja prefe-
rido para os fornecimentns.
POR QUE NELLE
Encootrar-se-ba continuadamente ura escolhi-
do sortitnenlo de garantidos alimentos a diversos
acipipes Unto para mesa como para brindes.
PO QUE NELLE
Encontrar-se-ha muitas sisudei nos tratos.
POR QUE NELLE
Ha sempre a disposicao dos compradores, um
portador seguro para a conduciao dos gneros 1
sen destinos, dentro da cidade e estarces dos ca
minhos de ferro.
Neste estabelecimento encarrrga-se de mandar
apromptar presamos e outros quaosquer manjares.
^^\^S^^a S^Xs^K ^^^BK^BK ^K^(^^a\^^^^ ? 9 AOS PINTORES.
Alvaiade de zinco superior 11(5000
a arroba. 0
Tintas superfinas de todas as co- gt
res, e oleo de iinbaca per preco JJ
' menor que em outra qualquer parle;
w na pbatmacia centralRa do Impe- \
& rador n. 38.
0 $$*$$$;*$$*
Os acredia-
dos cyiindros
para padaiia;
venda no aima-
zem da travessa
do Corpo Santo
n. 25.
Rob-ante-rheumb tico.
Remedio eficacsimo contra as dores rheuma-
ticas at hoje o mais conheeido pelos seus mar-
vilhosos resultados.
XAROPE DE AGRIAO. um dos medicamen-
tos que sua eficacia as eofermidades, tosse e
sangue pela bocea, bronchites, dores e fraque
no peito, escrobuto e molestias de ligado, que me-
lhor tenf aprevado.
TINTURA DE HARAPUAMA.- A celebre rali
de marapuama, cuja energa e efflcfcia as para-
lysias, interpecimento, etc. etc. muito se recom-
menda.
Todos esses preparados se enconiram ca phar-
macia e drogara de Bariholomeu & C, nico de-
posito na roa larga do Rosario n. 34.__________
JV.4
(Aligama tid Qneiinaoj
Contina a vender^^E*' muilo *"
muito barato a sal
Libras de traja preta muito boo. .
Tesouras finas para atibas fi coftu-
I ra a...... .
Papis de aglbas francezas -1 ba-
lso a. .....
Caias com seis saboaetes de fruta
Libras da tSa -para bordar de todas
as cores a.......8(5000
Carriteis de lioba Aleandro a, 100
frascos com azeite pura machinas 500
Grvalas de coresmuito finas a 500
Grozas de boi5e3r madepersla fi-
nisslmos a ... 500
Novello de linba de 400 jardas a. 0
Caixas cm 100 nvelopes moito
superiores a ...... 600
Pentes volteados para meninas a. 240
Tinteiros com bota preta a 80 rs. e 100
Pecas de D elstica moito fina a 200
Lata com superior bauba a 100 e. 200
Frascos de oleo Philocomo muito
fino a......* 500
Frascos de macaca perola a. 240
Frascos de extracto muito b Ditos a iiOO
Duzia de sabonetas muito finos a. 720
Sabonetes inglezes a 600 rs. e. 1)5200
Frasco com agua de colcaia Piver a 500
Dito de oleo babaza a..... 500
Caixas de lamparinas a. 40
Sabonetes a forma menino muito
superiores a....... 240
Lartifhas da doutrina fazenda nova a 400
Libras de linba sortidas.de todos os
nmeros a. ..... 10800
Capachos mallo bonitos e grandes a 700
Carriteis de retroz preto, cem 2
oitavas a. ....... 640
Agalbeiros de osso enfeitados a, 240
Libra de Imha franceza superior
qualidade a.......2/5420
Ricas touquinhas de fil para me-
n5nos a 200
Botinas de couro para meninos a 2)5500
Caixas com .-gulbas de fundo
dourndo a 240
Pecas de tiras bordadas muito fi-
a500, CQO, 800 e 1,5000

AU
DYVETOT
M-lia Eslreita do Resario-14
Compfa e vende roupa feita
nova e v-elha, objectos de
eos i n ha e de mesa, e
tudo-que pertea-
ee ao uso do-
mestfeo.
Ao commercio.
Augusto Marques Ribeiro & C. declarara que
desde 31 de dezembro do anno prximo passado
effeciuaram a compra do estabelecimento de mo-
Ihados sito a travessa do Livramento n. 28 per-
tencente ao Sr. Manoel Soares Pinheiro, sendo di-
ta compra realisada sem outro compromisso mais
do qne o pagamento de 9954000 de qne se flie-
ram responsaveis para os credores da mesma
Soares Pinheiro. Se algiem se julgar com direi-
to a impugnar esta trausaccao, queira apparecer
no estabelecimento citado no praso de tres dias,
a costar da data do presente, finio os quaes nao
ser aitendida reclamacao alguma.
ReciTe, 4 de Janeiro de 1871.
Anguilo Marques Pinheiro & C.
o
Anda est para aer-vendida a armaco e per-
lences da taberna do pateo do Terco-n. 41, muito
propria .para qualquer principiante -e tambem
para quem quizer collocs r um estabelecimeoto bem
montado por ter a casa commodidades para isso,
a qual tem quintal e cacimba, e o sen alugnei
razoavel, cedendo-se ao comprador a residencia do
sobrado de um andar por cima da mesma, urna
vei que precise delle paca sna habitaeio : a tra-
tar .ao mesmo sobrado.
Furtarara na noite de 23 para 24 do corren-
te da euitenho Muribequinha da freguezia de Mu-
ribeca 4 cava los de sella com as cores e signaos
segoiotes : um mellado quasl agemado, baa.flgu-
ra, bem fefc), anea nm poseo corta, urna iistra
branca na Usa e no meio deetaumt pinta -da cor
do corpo, anda bem baixo largo, ardigo, cas-
trado tem os ps e as mos cabeUndas : o >
rodado preto com pintas de pedrez, nma mancha
escora afcxo do p esquerdo, com 6 polegadas
mais on menos de comprido, anda da baixo a
meio, est magro e intelro ; o 3o castanho fo-
veira, grande, bem faifa, da-boa idade, castrado,
tem nm dos qunrtos bem pontado, na borgada
direita um papo, e os cascos das aos lascado, e
ferroRecaeiopor extenso, o passo baralhado,
tem a frente aberta -e ardige ; o 4* castanho es-
curo, pequero, nota as .armas a esajnerda, no pd
da qual tem urna msela de cabellas raneo, an-
da a pasto e earrega de taixo a meio, pollro :
J gratifica-se generosamente a quem der noticia
carta.
HAO DE OORO
Nova loja de joias
RA D01CABUGA' N.9A.
DB
Manoel da Cunha Saldanha & C.
Acaba de abri-se este estabelecimento de joias, o qual tem grande sorti-
mento de todas as joias de ultimo gosto, as quaes vender o mais barato pos*
nivel.
Todas as jotas serlo garantidas ooro de lei, pos os seas donos tendo em
vista so adquirir freguezia irlo olvidarlo, vender bom e por precos os mais
razoaveis possiveis.
onvida-se o publico a vir a este estabelecimento, certo de-qee ficar
MtWtO.
A' MAO DE OORRA DO CABCA N- 9 A
PRENSA INCLEZA.
James Ryder $ C.
Rata de Apollo numero SA.
SYSTEMA HYDRAUUCO 111
Durante esta safra James Ryder de C. teem re-
solvido enfardar algodao razo de 800 rs. por
arroba, iBcioaive capas, arcos e marcas.
Ra 4e Apollo n. 26, prensa bydrauliea
de-James Ryder & C.
Henrique Antonio Francisco Dornellas, pro-
fessor particular do magisterio primario, provisio-
nado pela directora geral da instruccio publica
por despacho da presidencia, e j conheeido pelos
pais de familias que Ibe tem condado sens fllhos e
adiantamento que d aos discpulos, participa aos
chafes de -familia que quizerem sens pequeos
instruido a desenvolvidos em poneos annos na
instruccao primaria e com espectalidade em gram-
matica portugueza, anthmeiiea e em systema m-
trico, acbarlo no dia 9 do corrente mez a sna anla
aberta na rna 4a Palma a. 41, i razio de 5J men-
saes, pagos adiaaUdos. O mesmo profesor ensi-
na de mannaa e de tarde em casas particnlares,
a de nafta em sna anta, razio de 10JI mentae ;
e recebe pensionistas. >
AMA
Precisase de nma ama para comprar a cosi-
nkar para homem aotteira : na praca da Indepen-
dencia n. 4 a 6.
Aluga-aa nm moteqne para aervieo-de casa
na ra do Rangei n. 7,
de familia: i tratar
baraa.
ta-
CompanhiaAllian?a
DE
seguros mantioios estabeleeida
11a Baha em 15 de Janeiro
de 1870.
CAPITAL..Rs. /MO:O0O#O00
'Toma seguro d merendonas e dinneiro a risco
aiaritimo ana navios de vella e taporas para denJ
tro a fon dMwerio. Ageoci i rna do Com-
mercio n !?; JTiptorio de Joaquito Jos Gen-
?alves CeltrSo.
Agencia em reraamtaco
Do l>r. Ayer
Petoral de Cereja.
Cura a pbthysa e tedas as molestias i:
aisa parrilha
Cura cceras e c impigens e dar
\toe.
Tnico _
Consarva e
Punan cathartleas.
Paran ara se
na humano.
-ament em casa da Sajnnel P-
.'obnstoB Q rol da Sanialla No>-a o. 41.
------
COMPRAS.
Chumbo e estanho
velho.
Compra-e ata grandes a pequeas porefes ; na
rna Neta B..<|.
AttenpSo .
Compra-te nma casa ierran em qualquer dos
bairros dasta cidade. que tenba commodos para
familia, quintal e cacimba : a tratar no pateo do
Carino n. 13, sobrado.
--Coaipra-se urna morada de casa napovoa-
S" dos Afosado* : a fallar aa rna do Duque de
xias n. 5.1
Predio
Vende-se ou permulase duas casas 1.a poueo
edificadas, eni eb5o proprio, cem 50 palmos de
frente e 300 de fundo, sobre o qual tem mais seis
casinhas, com porlo independenle, dando urna
erend de 76f ifteus: e.", na rna do Progres.o (on-
tr'ora Caminho' Novo), margem da estrada de
ferro, por um silio na freguezia da Boavi>ta, j
plantado : a tratar no Forte do Matto o. 21, ira-
abe, d
CEMENTO DE PORTLAND
O nico fresco e bm que ha no merca-
do : vende-se no arrmzira de
Tasso Irmos k G.
na praca do caes de Apollo.______^^^^
ou aluga-se os armazens, casas e terrenos no fim
da ra da praia nova de Santa Rita, que_foram do
Sr. tenenle corenol Franca, com especo e edifica-
res proprias para se estabelecer qualquer fabri-
ca enm embarque e desembarque para o mar : a
trafar com o commeBdador Tasso. _______
ATTENCAO
d
No armazem da rna do Brum n. 92, tem para
vender preces commodos, o seguinte :
Farinha de mandioca de Porto Alegre em sac-
eos grandes.
Vinho fino do Porto, em caixas.
Bolinetes de ballanco para hiales e barcacas.
Bacias de louca para cozinba.
Ac^es da companbla Bebe-
rlbe.
Vende-se 34 acedes da companhia de Beberibe :
na ra da Cruz n. 26, armazem.
Yende-se
Um boi de carroca com a mesma quasi nova
tratar na Perla d Agua, junto casa do Sr. en
genbeiro Caroeiro Monteiro.
ATTENCAO
Vende-se urna taberna sita, na ra Imperial n
(7, com poneos fundos e amitos commodos:
tratar no pateo da Ribeira da S. Jos n. 7.
Cimento supericr
Vende-se no armasem da companhia Prnam-
bueana.
COMPRASE
Bilhtes rea do Reeife
Apipucos, send um pequeo descont :
quem tiver^^^^^^H
VENDAS.
Aventura, todj
cimba de pedi
muito?
diri^^H
ta n. 6
yejfi de (jneq} terao
. a intuir w
^^Hpuoga, rna da
^Hft> de ferro, ca-
^l de beber, e
pretendenr
Fernande?
P'
. Garrafas relas novas e de -
eonfa.
Vendem se em gigo a 30*000 cada um d 10
d*zas: no armazem da companhia Pernambu-
eana.
Banhelro aaperler com per-
tenecs.
Vende-se nm novo anda encaixotado e que se
pode remover de urna para outra casa sem incon-
veniente : no armazem da companhia Ternambu-
cana.
Vndese umcavallo rodado, novo e sem
axaque?: moito go: !nr de baixo a meio,
na melhor forma : na ra. do Cotuvllo n. 23.

P!
w
q U><
S > x
3 j
50 >. m


3 2 D &a w
i -. o' 15 S
= 25^2.5
c = -
2 M o. 5
r-Coi B
S 5 *
o
-i cu
-i a,
-i
re
O
/-
ig ? a !"
CD
s ?
1
O
a>
5
O
320
320
320
3000
500
160
Vende-se
Vende-se biWietes de passagem da va-ferrear
do Reeife a Apipucos, sendo de dez mil res para
cima cora des porcino de .-batimento : quem
qnizer ann!
npr prego
Cutilarias ftaas l '
que em ouira qualquer
Bival sem seguno
RA DO DUQUE DE CAXIAS N. 49
Eston disposto a continuar a vender '.odaa
as mindezas pelos baratissirros pregos abai-
xo declarados, garaotindo tudo bom e pre-
sos admirados.
Dozias' de palitos 8t'guran?a a
Duzia de palitos seguranfa caixa
grande a...................
Frascos cem < lcobabozamuiono.
Pacote. com p's de arfbz o me-
lhor que ba a...............
\'a\ albas muito Hcas para fazer
barba a....................
Caixa de linha braui' do gaz a.:
Jara de-franjas de lidho para toa-
lbas .,......................
Caixas com peonas d'aco de Ferry
superiores................. 800
Lencos da cassa brancoa epinti-
dosa...................... *00
Caixas com 20 quademos de papel
pautado ....... ^
Caixas com 50 novellos de linha
do gaz a..... *^
Duzias de meias cruas superior
qoalidado a. : 3t6C>0
Pecas de tiras bordadascom 12
metros cada peca a 1500 e.
Pecas de fitas para cs de qia!-
quer largura com 10 varas a.
Pecas de tranca lisas, brancas e
de cores'a. ':.....
Duzia de linba frxa para borda-
dos a 4C0 rs. e. .
Pares de meias cruas para me.'
nos diversos tamanhos a. .
Duzias de meias brancas muito
finas parasenhora a. .
Pares de sapatos de tranca do
Porto........
Pares de sapatos de tapete a. .
Duzias de baralbos para vultarete
Sylabarios porttiguetes a. .
Cartoes com colxetes 2 carreras a
Abotoaduras para collete diversas
qualidades.......
Caixas com penna de ac muito
boa de 320 a......
Caixas com superiores obrias a.
Duzia de agulba para machina a.
Libras de prego* francezes todos
os tamanhos a. .
Pacote de papel com 20 quader-
nos ...........
Refma de papel pautado super'or
Resma da papel liso muito supe-
rior a ...........
24000
600
40
500
320
4*500
2,5000
14500
3*000
400
20
400
500
40
24000
240
400
44000
mais baixos
343GO
um sebrado do tros andares :m
res ru.'s deslacidado : a tratar na
a na ra da 61>ria n. 66, das
otro e :.lface muito
taberna.
>


6
j
de Periiambuco
Quinta feira
Ociado a
6Q-RUA DA BmffllMG
RE IR 4 DA SIL Y
Ueste imocru3j^^Hciaieiito encontrar o respeit: ira gratde e
parado gosto e todas essidade, que se vendern mai aratas do que
ros socios desta firma, ad a de sOYeodsVesi DINHEIRO ;, para poterna vender" pek
i ganharem o descorito ; as pessoas que negoeiam em pequea esca'a, nesta toja e armazem poderlo
pelos me&mos procos que compram cas casas inglezas, (importadoras) e para ma ajttdidade das
imostras de todas a.s fazendas, ou Ibes levam em saas c
Chegou para o Bazar do Pavita o mais Chegon para o Bizardo Pavlcum grao-
alegante sortimeat<> de tapetes grandes, pa- de sortimento dos meiores grosdoniple
ra sofs, com 4 cadeiras, ditos mais peque- pretos qoe tem vindo ao menudo, que so i
aos, para doas cadeiras, ditos pira vendem de 10600 at i;?000 o covado ;'
pianos, camas, portas ; etc. vende-se por sao todos muito em conu.
menos do qne em ontra qaalquer parte. ESPARTILHO.
ROUPAS PARA HOMENS No Basar do Pavlo reoubeu-se um elegan-
No accreditado Baxaf do Pava encentra te sortimento dos mais triodertM* e memo-
ra o respeitavel pablico nm grande sortl- res espartilhos, qoe se veodem por proco
ment de roapas para homens tanto bran-! muito em conta.

Osto,_
fazer os reos
Exmas. faariUsA
i Esperan
ido branca
cas Como do cores, a saber:
Camisas com peitos d'algodlo e delioho,
?ara todos os procos e quadadesv
Gerolas de lioho e algodao.
Meias cartas francezas e irjglezas.
Palitos sobracasacos de paono preto e
-asentir.
Calcas de brim branco o de cores
Ditas de casemiras pretal e de'cores, com
olletes iguaes
De todas estas roupas ba para todos os
precos e qualidades, e tem de mais a mais
am perito
ALFAIATE
Por quem se manda fazer com prestesa
e aceio qaalquer peca de obra a capricho
ou gosto do freguez, tendo n'este importan-
te estabelecimento todas as qualidades de
panno fino, as melhores e mais moder-
nas casemiras, assim como os melhores brins,
qur brancos, qnr de cor; e quando qaal-
quer obra nao car inleiramente ao gosto
dos fregnezes rica por conta do estabeleci-
mento.
FUSILES DE COR E BRANCOS
Vendem-se bunitos fustoes brancos e de
sores, proprios para vestidos e rcrjpas de
manios, sendo de cores a 800 ris o cova-
do e brancos, a 400 e 640 ris, pe-
chincha, no Bazar do Pavlo roa da Impe-
ratriz n. 60
CHITAS BARATAS
a 200 ris.
a 200 reis.
a 200 rers.
Vendem-se chitas largas com muito bons
pannos e cores fizas, pelo barato proco de
200 ris o covado ; cortes das mesmas com
10 covados a 20000, pechincha, no Basar
do Pavo.
AS CASSAS DO PAVO
Covado 200 ris.
a 200 reis.
a 200 ris,
rndem-se bonitas cassas de cores miu-
dinhas pelo barato preco de 20Q ris o co
vado, no armazem do Pavad g ra da Im-
pera tr i z n 60.
PANNOS PARA SA1AS A IfOOO, O METRO.
No Bazar do Pavad vende-se bonita fa-
tenda branca encorpada para saias, .sendo
com babados e pregas de um lado, dando
a largura da fazenda o comprinento da
saia, a qnal se pode fazer com 3 ou 3 i[2
metros e vende-se a U, 19280 e 10600;
assim como tambem no mesmo estabeleci-
raent > se vende bonitas saias brancas bor-
dadas, tendo quatro pannos cada urna, ditas
de la de cores j promptas, urnas com
barras differeues da mera a fazeoda 44000,
e outras com barras bordadas 60 e 70000,
todo isto moderno e barato.
CARNAUBA.
Vende-se carnauba em saceos, na rrja da
mperatriz n. 60, Bazar do Pavo.
TARLATANASLISTRADAS CORTE A 65500
Chegou para o Bazar do Pavao nm bonito
sortimento de tarlataoas listradas, sendo
verdes, cor de rosa, lirio, tendo esta bo-
nita fazenda moita phantasia, e liqaida-se
cada corte a 60^00, pechincha ; na roa
da Imperatrit n. 60.
Ba da Imperatriz 60.
Para vender depressa
LINDAS JAPfMZAS
fhed atn eleg*
dat
, A

pera jOias.
^MK) boas caifas de san-
^^^K'para cintos.
las qualidattes NovaSfgH
CapeU
a meninas.
de flores finas.
o covado.
do Pavlo, ra aVI
P00P8UNAS DO iM
PANNOS D& CROCH PARA CADEIRAS
O Bazar do Pavlo reeebea um grande .
sortimento dos melboros pannos de croch, "#* po Jafad cp
proprios para cadeiras de balance sofai, moito boa qnalidade.
pianos, tambpretes e at proprfo1 para cu- *
brir almofadas e pratos; vendendo-se por
menos do que em qualqter parte.
PARALEN^OES
No Bazar do Pavad veBdeee rojeror
bramaot d'algodlo com topbaos de lar- ma,s delicados sios, lando. marte luto)
gara a 40800 o metro, dito de Mano com a e u>m \Mm%zsM^m*kim1m* ++H
faseada ouasi da largaia-ili.chita > raeoe*
za e vende-se pelo barato preco de 40OOO
cadacovadov no Basan do fa*.
RecebTO |
A Nova EsfMTOf tero teite de-rosas b raneas.
Para tingir cabellos.
Ten a Nova Baparasea a verdadeira tinta la*
Para refrescar a pelle e aformozia-la.
----------.6*
r^W JO
aqueNs oUjs
pem seja :
Corpinhos de
enfeitados com I
cuja nevidaded
nos os torna'
gau
objecto" mono
dizer querendo irnnr lni uii[pniinaa| r C^^H|om _
por snas qualidades, coree ides! Bonitos e modernos pentes douradoi pa
o grande e vanado sorUmonto que .acaba ra ciwalaT o coqne.
Adereces e brincos uVmadrepero
s. fibegoi'*n>^eaat'jorJimegto^dJin-
^mm*fa&m*WMiStei*, 4Mls
aesma largura a 20800 cada metro, pannos
ds liobodo porto com 3 4/2 palmos dote-gara
de 720 al 10 a vara, assim como umfeiaede
sortimento de H^mborgo ou cregue'las e
todos os nmeros, precos ou qulidsfds,
que se vendem mais barato do qoe eoi on-
tra qnalqner parta; aproveitem-
ATOALHADOS
No Bazar do Pavad vende-se snporior
atoalhado trancado, com 8 palmos de largu-
ra a 10600 o metro, dito de linho adamas-
cado o melhor que tem vindo ao mercado a
30500 o metro ; todo isto muito barato.
FAZENDASPARA LOTO
No Bazar do Pavad vende-se constante-
mente o melhor sortimento de fazendas
pretas para lato, como sejam :
Lasinhas pretas lisas.
Cassas pretas de 13a.
Cassas pretas, francezas e inglezas, lisas
e com salpico.
Chitas pretas de todas as qualidades. .
Alpacas pretas lisas.
Ditas lavradas com branco.
Merinos, cantees, bombazinas, que so
vendem maia barata do que em ontra qaal-
quer parte.
. CACHE-NEZ A 60000.
No Bazar do Pavad vendem.se bonitos e
grandes cachi-nez de pura lia, pelo bar
to preco de 60000 cada nm
PEHICNCHA EM CAMBRAIAS VICTORIAS, A 50,
60, 70 80060.
Vende-se um esplendido sortimento de
finissimas cambraias victorias, por precos
mais baratas do que em outra qaalquer
parte, tendo cada peca 10 jardas a 50, 60,
60500 e 70000, finissimas a 80500 ; todas
estas cambraias valem muito mais diobeiro
o liquidam-se por este preco em retacad a
orna gralde compra qoe se fez no Bazar
do Pavad.
BABADINH )S
No Bazar do Pavlo vende-se nm grande
sortimento dos mais finos babadinhos borda-
dos tapados e transparentes, assim como
urna grande porcSo de ntremelos largos o
estreitos, qoe para acabar se renda moito
em conta e mais barato do que em ostra
qualqoer parte.
SET1NS DE* CORES E GROSDENAPLES.
No Bazar do Pavlo vende-se um sortimen-
to completo dos melhores setins e grosde
oaptes de todas as cores, que se vendem
muito em conta.
CASEMIRAS A 70000
Vendem-se cortes fle casemira ingleza de
cores para calcas sendo fazenda que vale
muito mais diaheiro e liquida-se a 70000
o corte de caifa, no Bazar do Pavlo a roa
da Imperatriz n. 60.
!B
i:Xfc
As melborej, e do mais conhecido fabricante,
M ItaltC sTSo expostas venda
e-Gxl* t. 63, na Nova E-pe*
r.rior qualidfde : vende-se na Nova
rui Doaiae de Clxias n. 63.
ora sim !
A Nova Bsperaofaii* roa. Uoqvw de Cxias. n.
03, recebe um Iib4o sortimento de- la para bor-
fipaofta ^dosmoi
o que poder de
dechegar,
dente se lbe apresentari
melhOT.
Etremeios em pecas d 12 tiras.
Gaipore actaeo o preto de diversas qua
lidades e desenbos.
Ditos de algodao com flores e lii
Grande*' e
arroz e pinte!
ditos aromtico.
^r
Caivetes finos para abrir latas.
Thesoaisaiaa Kof.
Aspa paraJbattsir
Notos storeoseipor co 4
quaes s5o movidas por um
Veos de seda pm okapeias e moats- ^.^t^^ --------------------------------
Meias de seda para npiyw.
DiUs abortas de. fio de Escossia.
Costumes ou uniformes par meninos.
Enxovaes completos pira baptisados.
Touqumbaj de fll6\ saptintlos bordadas
e meis para ditos,
loa bordada* pan dito
Aos cigarreiros.
A Nova Esperanza vende papel para cigarros
Mais) a 4*i
Cheg u para o Bazar do Pavd om bo
riito sortiBEomo das mais modernas e ele-
gantes poopelinas de' lioho e sejja, qoe se
vendem pelo baratissima preco de 20000
cada um covado, assim como ditas coa
gonos escossezes a 2$I00, 'pecbiucba no
Bazrr do Pava*
sidas a 20000
Chegou nuelefante ortftneito d*boni-
tas 8odu de lrtrib,as, eonandrelmais as
vas qua tem vindo ao mersado e veadm*e
a 2)>000 o covado, na ra da tajperalfia
Bazar do PavSo. ..
CRETONE FORTfA.20OqoOMETBO
S do Daar'dO'Pa'vad'.
Chegou o verdadeiro crefnefrance pror
prio para lencoe.s tsndo 10 palmos de lar-
gura, e muUoencofpadi^eriiO'preciso ape^
as para cada let,col 1V* ou 1 */s mala, atm
d'esta applicacSo tambem esta larga e en-
corpada fazendrpropria para toaftaw, saia*,
ceroolas, etc. e liquida-se pelobaratd pre-
co de 20000 cada metro.
CASEMIRAS A 20500 CADA COV\D0
No Bazar do Pavo venda-so utb grande
sortimento de bonitas casemiras de tima fd
cor, sendo asol, lirio, mustiada, sendo de
duas largura?, proprias para calcas, palitos,
e rondas para menioo, e vendem-se pelo
barato preco de 20500 o covado, roa da
Imperatriz n. 60.
BONITAS LASINHAS A 500 RS. 0 COVADO,
Vende-se delicadas lasinhas com diffe-
rentes gosto peto- barato < preco de 500 rs.
o covado, no Bazar do Pavio.
ALPAGAS BRANCAS.
Vende-se um bonito sortimento de finis-
simas alpacas brancas lavradas, rmitacao
de seda, proprias para vestido^ de baile ou
casamento no Bazar do Pavao.
ALPAGAS LAVRADAS A 400, 800 E 640 RS.
Vende-se um grande sortimento de lin-
das alpacas lavradas de todas as cores para
vestidos e vendem-se a 400, 560 e 640
e at mil e tantos res o covado, no Bazar
do Pavo.
BABEGES DE QUADUNB08 A 600 RS. O COVADO
Vende-se as mais liiriasunoderdas 15a-
sinbtl ob baregssde quadTiaaes, aroprios
para vestidos, tendo quasi largura de chita
frsncela. e liqaida-se a 640 ra. o covado,
QO'Bzar downo. *
MERINOS Di OORKS BABA VESTIDOS.
Vende-^e bonitos merinos de ama s
cor com cores moito proprios para vestido
e roupas para creancas por-ser orna fazen-
da de pura 15a e muito leve, vende-se a 10
o covado i na' Datar do Pavio.
Bazar, do Pavita sito a ra da Imperatriz n, GO,. esta? (wwtaatemente aberto
das 6 horas da manlifta as 9 da noute..
FALSIFICARES
dasPILULASdeBLANCARD
DOLM)
(CAVE
A nossa correspondencia do BrazH nos fax
saber que as pracas d'este paix acho-se
actualmente inundadas por uma'multiddo de
falficaces vis dos nossosproductos (textual.
Para garantir-se contra estas composicos
mais on Beos perigosas, que escondem-se
d'essa maneira por detrai das noseas marcas
de fabrica e mesmo da nossa firma, rogamos
aqu com instancia aos mdicos e.aos do-
entes de assegurar-se sempre da erigem das
PriULAim -arem o nosso nome, appellamio,
entre oulros meios prcticos, pela boa f dos
nossos collegas, os pharraaceuticos. Nao de
duvidar que n'uma queate que interesa* tao
seriamente a saude publica e a moralidade do
commercie, estes
nao se aaostrem di
freguezes; nao
honrados inter
nos da (
e duvidaV guamente que
A4Ao-m m
repudiando toda solaridade com os alcifi-
cadores e os seas cumplices, eltes nao se fa- |
cao um dever d'or* em diante de procurar
as verdadeiras Piluus M Biancuu) em
origens certas, enderecando-se, quer a nos-
mearaos em Paria, quer indirectamente aos
nossos principaea corresfoadeotes, ouento
as casas as mais recom-
mendaTeis da Franca
Vi do sea pait. t
hmnacentux, naBonaparte.lr,
principa*! Phnna*oi.
JoaquimKodrigues J
T^eSf, de Helio.
imifARA VftVg|t
sea eseripWrto, prc> ddfJorpo Santo'
Fumo em folha
de i* e .
fardos a von
c,
aftiaa rAfada.
Potagsa da Rusta
Farlaiba d BtUiMUaHMi
Viiiho 'BordlMttt.-
de Ia qaalidade. Tado de vende
a eaixinha barato I
Vista para
Bonitas caixinbas devidro etlflotco
p^draji.
DiUatde aadeira eaversisada fiSLv9
ra e com dminos,
Bollas de borrteh pira briDqqe*) *
criancas.
Diversos objectos de ijrBijif, pcepri
para esfitee de mesa e f

0 COLLAR 1

5?
MACMS PARA
Aeabam de chegar ao GRANDE BAZAR
UNIVERSAL, m Nova n. 22carneiho
viannaom completo sortinsento de ma-
chi ms para costara, dos antores maisco-
iiecidos, as quaes estao em exposicSo no
mesmo Bazar, garantindos-e a sua boa qna-
lidade, e tambem ensina-se com perfeicSe
a todos. os compradores. Estas machinas
s3o iguaes no seu trabalho ao de 30 costo-
reiras diariamente^ e a sua perfeiciSo 6 tal
como da melhor costureira de Pars. Apre^
sentam-se trabalhos execotado pelas mes-
mas, qne maito devem agradar aos preten
deates *
Caiiilhoi
Vende-se 14 pareltat de caixilhos de amarello
em bom estado, com vMro s na roa' Augosta nu-
mero 78.
Canleiros e gaz eco-
nmico
Acaba de ebegar nava raraessa dos to deseja-
dos eaodieiros todo de porcolaoa os quae< milito
se acommodam pela legaranca, acceio e economa,
e anda pela excellenle loa prefervcl mil vezes ao
kerosene: venham antes qne se acabem, nico
deposito da ra larga do Rosario n. 34, botica.
para limas
Vende-se da melhor qaalidade e por menos do
i em ontra qnalqner parte : naJoja ni Lealda-
roa da imperatriz n. 70.
Vende-se um sobrado de tres andares em
ama das memores roas desta cidade : a tratar na
rna da Lapa n. 8, ou na roa da Gloria o. M> das
as 6 horas da tarde.
P3
Mtmk 1RMMS

r>
Com este titulo acba-se aberto 6. inteiramente transformado este aatigo
estabelecimento de joias, onde os fregnezes e amigos encontrarSo todo qoasto
a moda e o bom gosto tem inventado na arte de onrrvesaria, o Collar de Onro
observar delicadeza io trato e seociridade e modecidade nos precos.
Espera qne o respeitavet publico venha ver o qne existe de meor m
aderocos de brilhantes, esmeraldas, robins e perolas, meios aderecos, pal-
ceiras, brincos, alfinetes.e asneis de todas as qualidades, prata de le faqnei-
ros, colheres, pateiros salvas e outros muitos objectos que seria enadonho
mencionar.
Compra-se onro, prata, brilhantes e podras finas, pormet preoo lo
qne. em entra qnalqner parte, troca-se e concerta-se todo e qualqner objete
pertencente a esta arte.
Vende-se ama taberna na Capnnga, roa po
J^aagami n. 1: qnem prelender dirija-se a mesmi.
Vende-se
nm on mais
ipradores.
boa
mais
MEDALBA
rv\ h
fj
^^p^r,
lVlfc"sirsHg MTUTsWlsl m t%i i a
m m m fjp i mmmmMMM
ESTnMSOTARTSTY
Hff-tt
Gran
Pee' de roseiras de varias' qualidades,
assim orno de sapoti, abaeate, Oguetras,
Jaranja cravo, e pinheira, por prego rasoa-
vel: a tratar na B6a-Vista a ra do Visconde
de Goyaane o. 5i (outr'ora do Mondego.
Bartholomen ft C,

CHANCO E ESetO
PXlfcelmlo' ____-, de Baestti,
>sa prepara-
0 Snhor Cheorier df

'iraia.
i, em toM t

m a
oo
medi-
.;aocoiapanba esda
mm de ckTEvniE
0 Smhor Cherir iimpl-
beie ajnulan-do iod
^^
do oleo e r
caaea
t a>ai> pr
i reges de lia _
com listas a com flor
>'a \ '..it Columna,
Antonio Cor re deWH
NOVIDADES
TRIUMPHO
7 Eua doftueimado 7
DB
JHOREIRA & BASTS
E' chegado a este novo estabelecimento o mais bello sortimento de fazendas
Inas, sendo sua especialidade enxovaes para noivado.
Vestidos de blond de.sda ricamente bordados.
Gorgarao de seda branco para vestido.
Colchaa de seda pura, para cama com ricos desenbos.
Ditas de lia e seda, dem dem.
Ditas de crox, dem idem.
Cortinados ricamente bordados para cama e janellas.
Groxs para cadeiras e sofs.
Vestidos de cambraia branca bordados.
Popelines de lindos gostos.
LSas de diversas qualidades, lindos gostos e modernas.
Ricos bonrnus para passeio, com ultras de setim.
. Sahidas de baile o, que ha de mais rico.
Crotones, para vestidos com Jindos desenbos.
Carnizas bordadas e sem bordados para senhoras.
Camisas bordadas muito final para borneas.
Ditas inglezas para bomense mema.
Seroulas de linho, e om grande sortimento de roapas fritas de I
< enadonho mencionar.
Luyas frescas de Joiiyin |
Sortimento de tapetes para guarnieses de salas, alcatifo* pora ierro
rrande sortimento das acreditadas e verdadeiras
Esleirs da India
**
>
mn SORTIMENTO DE MSICAS
NO
SlfcAfl DE PIMOS E DE MSICAS
Ra da Imperatriz n. ]4 loja
contera :
MUSICA9 PAffll PTANO das mais facis at s mais difficeis, toda do autores
modernos as melhores edicSes da Eoropa e do Rio.
mais
no;
T,
luadrilbas, polkas, \

pim inteiras proprias para presentes
tudo para piano e pan canto da opera
abas, canches brasileiraa e hespanhola, remenees francezes,
GUARANY
Em breve se principiar a dar nm catalogo do graodissimo
tabelecimento. Eocarreg-se de encaderna(5es etc.
mmmsjHiH
Olso
PLAN
;i en
BARTH
Phak
TAI
WODhlidi
Ib
r.POSiTARio, em A
Piirnombuc, t.
F" JVSK BEtU.
em uucre ^i
garttg
1a Nove n.
Cal d

^Hwioi
k twa tttmlu



I

Diario de Pernambuco Quinta eira 5 de Janeiro de 1871
i .
.
i '
'

TASS MI
Taro i
irtoos de
eawootendeB*
POBTAS da rv&lw ilm-fci,
FABBL*.
QRABE3
B8TBI1 lia par* cama c forrar sala.
GANOS da barro frasrc?. para' e.r;oi GESSO superior <.m bar arrobas.
CEMENTO de todas i baixos
srecos.
ACHINAS do descsrccsr algodao.
BARRIS grandes oon peixe da Suecia.
LONAS e brinzjfes da Ras*'a.
OLEADOS americanos pata forro de carros.
TOGOES americanos muito boa e econmicos.
VHHO le Bordeaos rw caites.
COGNAC superior de Gautier Freres.
M1LH0 de Fernando a 'i o-aacco.
AGUA florida;
8ARRIS de carn salfjnda de porto e de va cea
Dllfli
Xpo> tas n. 53, ra Direito, 3 p rtas n. 53, a.
hja do Braga
O abati assignado, idc.3 deste anttgo eslabelccimento, tendo em v
sorlimento da erragens, nudezas e.cotilcria, tem r-
3 pernos da Europa otw objeclos descu eslabeh
mais coobeeldes; pelo que convida ao roapeitavel pofeco
m se fervir dos objeclos de su* carencia, aeade encontrar*
em ouira qaaiwer parte, am sortimedlo complot cantear a'
do bem conheado fabricante Coftorr Gic <5 i 3ra costo
ditos para fago, rjKiiolio psrs efefu* iodos os da fabrica*:
doas canos e de am, tanto inglezas cont Irancta,' lenca de porcelat,
de diversas quaudafes e presos, bandejas ciiinozas, salitre, breu, barbaste, i-uxofre, i
limalba de ferro, ac, a agnlba para Jogueleiro ; a
Onto grande porejio do fogo do ar, e recebe-se encommenda de f
cem uamero de objeetos, que se tornarla enfadonbo numera-los: venbarn ra
4W, toja de Lenidas Tito Looreiro, autiga toja' de Braga.
3P
ti
novas muskas para piano.
Danso des negrea do maestro Gazalbore.
Margsrida, linda schoUiscli.
Urna folia a Roma, quadrilba
LNDS
Dansas paraguayas.
i1 Habanera.
V Los negros.
31 Noites de Loque.
4* Palomita paraguaya.
rambem recebeu as seguintes:}
k opera Guarany, o os melbores pedamos
da mesma para piano o piano e*canto.
Quadrilbas
Walsas $
E polkas
Quadrilhas:
Risetto.
Satn.
Jardim da3 Fadas.
Heroica.
Capenga, Careca d- C.
Horneas do mar.
Javeotode Commercial.
Roeambole.
Ponte >> Oiabo.
Tenente do Diabo.
Imperial marinheiro.
k sultana como. linda.
Independencia das senhoras.
O Club X.
Regresso do conde d'Eo.
Caminbo de ferro.
Guarany.
falsas:
Sonho da virgem.
Voluvel.
Dansa d'amor.
Ultimas walsas de um doide.
Anjo da meia noite.
Carnavalesca.
Guarany.
Polkas :
Cajjriao.
Gqrgeio do sabia.
Bulicosa.
Capenga nao forma.
Querida por todos.
k rival.
Por todos querida.
Zas Trz.
Palomita paraguaya.
Bismark.
Moren i nh a.
Surpreza.
Chora pitanga.
Gloria.
Guarany.
A venda no armazem de pianos e msi-
cas doAzevedo, ra Nove n. II, hojorua
do Bar3o da Victoria.
CHRYSTAES
DE
PER EIRA, 1RMADS
Ra Priraeirode margo n. 15, outi'ora ra do (Vespo n. 15.
Ao respeitavel publico em geral e partidla rmente aos seus numerosos amigos
partlcipam Maeoel Joaqoim Pereira e Manuel Jos da Cos a Pereira, que acabara de
fundar um rico e sumptuoso armazem de louca,. porcelana, vid-os e chystaes ra
Primeiro de Marco, outr'ora tua do Crespo n. 45, sob a razo social Pereira i
Irmaos.
A longa pratjc3 e-coabecimectos de que disprjem os annunciantes neste ramo
de commercio, a que; ha^muitos anuos^se dedicara, os tem habilitado a Httisfazer as
necessidades da populacao desta provincia e suas lnmtrophes, offereeendo aos consu-
mideres aiores vantagens do que qualquer outro estabeleeknento dcste genero.
O respeitavel publico, dignando se de visitar este novo estabelecimento com-
mercial, verificar por si mesmo o que os nnuncisrites vem de dizer.
.
Veio operar urna completa revoluto no artigo
Tinta para escrever.
Itre tordas pocos tubulares diAbys-
iuii*, em PiHibmbieo.
Psricira co resptitavl public que uliimamente
tem iccebido a Quaila itmwsa dos ditos pocoj, e,
ei l-1 c s*Ciiiu Itjlos e ape fdicoados para a collu-
cemo em trra do bi-rro, nuKap6>
As vail.gti]S que (fferece este systea de ad-
quirir a e qualquer cuiro, s5o immecsas;
tenimlo nao Saente as condigoe.s cima menco-
; s, (i-mo ttnbtm as cacimbas j felias, aonde
inda nao hm bn:ias cu aagus t5o pura,
les t5o nuciJig deum filtro qae co deixa en-
trar Inpuiid; > nSo lem os i utres.
A'tm ds, s dade 'pgoa que
el c* > 8 pip per bora. anfdrme o
, eiro rio tults, a aciiiade com quo e'les fuxe-
ti.mra, a s;n.p icidide, terfe3> e solidez, com-
Ivrida com a ciega cia de siia foim1, que para ser
i redada basta \e-se.
O aununcianie lem urna pessoa especialmente habi-
, bnlo n coltecSQ d'elle, como na esco!ha
o terreno ou logar maig proprio, qne ?e encarrega
bio ser isas fVive!, vende-e elles por prscos
rr.j s mofordos, r rfl end ,-$e a importancia t de-
pxli de iqUcho e fnccionDdo a satisfcSo do com-
prador.
Faia ej.commeudsse m&is es-
\. cl^ecira^nt'y a respeito tr^ta-s^
i=a loja do Sr. F. J. Grmanu, run
Roya ii. 21 e ua ofi q di> mfeta-
l*es do Sr. PUh) Jos da Silva Fr-ei-
{ -e, lamo a^i ovdian. 7.
lema rcsoK-du por Mr igollot com o rtiais feliz resultado na composicao deste
paro! foi i..nsfrvar molanla todas as suas propric.lades, ohtondo em poneos instables,
e com lnciftude uui etfcil decisTO cow a menor ^uanlidade possivel fc^iAI-*
de nedicainetoos. (A lluuchnrdat *Aunuaire de therajieutiqut* de IS8 rft&** Eligir a 'si^ualuru no IkIo. por que ha ralcincdorea. A ^f
PARS, Hue YwUt-du-Temple, fi. "^
MES DE
Prava de fogo
Em taa de ShaAv, Haukes & C. a ra da Cruz n. 4
O Bazar da Moda recebeu novo sortimen-
to de fazendas do ultimo gosto para vesti-
dos, assim como chapeosinbos, casacos,
borns, coques, camisinbas, etc. etc.
Continua sempre o grande e afamado sor
timento de miadezas e perfumaras verda-
deiras, que ludo se vende por baratissimos
precos.
Dam-se amostras e manda-so emasa das
Eimas. familias o que dosejarem, roa do>
Barao da Victoria, outr'ora Nova.
az m m
&egoa ao aatigo deposito de Heary Vontar i
&, ra do Imperador, um carregamento da tas
primeira qaalidade; o qnal se vende am parda
i a retalho per menos pre^o do qne am otrfra rroal<
laer parte.
- Vende-se as~sfguinie obras, em om s vo-.
lame: '
Flores singlas por Paes de AnJrade, ultimas pa-
tinas per Pedro de Calasane, illusoos perdidas por.
Gesario de Aievedo por 5.
BourgainS tomos enradernado porSjJ.
Celera francez neadernada 3.
Vida de D. Joao d Castro io>m #.
Cdigo do Bom lom idem f*00.
ifethodo de pisnno 8*.
ffethodd de solphejos para planno Si.
A tratar no 1* andar de-la typagrapbia.
Latas com tornera

ULTIMA
Qoem comprar do gaz n.--
passa-Io para garrafas ou dr,
- Urar para os c todas as vezes que preci-
sar sem derramar ou perder urna gota : vende-se
no armazem do Joao Rosa, travess* da Madre de
Dos n. 8.
ALCATRAO II 6DT0T
LIC6B CMCCNTUDO I TITULaD
O Sfir Guyot ebegou a tirar ao alcatro a
sua acrimonia e o seu amargor insup por lavis,
o que o torna mais soturet. Aproveilando essa
feliz descocerla, elle prepara um licor con-
centrado dealcaMo, o qual, sob ura pequeo
Tolume, cantea urna grande proporcao de
principios actives.
colher de caf n'um copo d'agua para obter
logo um copo de excellente agua de alcatrio
sem gosto desacradavel. Cada qual pode
d'essa maneira proparar a sua agua de al-
catrio quando d'ella precisa, o que oflrece
economia de tempo, l'acilidadc evitao mancjo;.io des ::!r3o.
O AlcBtrfto de mjot (Goudron d* O AUrao ,tc C,:; ..c >HUu com
Cuyot) poseue por conaequencia tedas asvar^ .{yaatafjem mnita n menos
tagens da agua le alcatr5o ordinaria, sem ter pwrtes, nos casi de delt. m onchites,
os inconvenientes. Basta deilar d'elle urna | lesees, catarruos.
O HcMrtoit tyo empregado cora o uaaior xito as molestia ^uinMa :
ES BEBIDA. Vma celher de caf para um cepo d'ayuu i>u do* cdhertt dt
$opap*ra mita garufa :
BRONCHITES
CATARRHO OE BEXIGA
DEFLUXOS
TOSSE PERNiTAZ
IRRITAf;AO OE PEITO
TOSSE CONVULSA
EH FOHEfiTACES. Licor puro oueoavmpmtco daga:
affec56es da felle
comchOes
molestias 00 couro cabelludo
i)
Nunca se vio um processo mais perfeito e que ettinja de tal forma a satis'zer as
exigencias mais severas da escripturaco.
A sua cor lindjssima e n3 precisa de cuidado algum para se conservar no
linteiro-sempre com a mesma cor, sem borra, crsla, bolr ou sam todas essas .azel
las inherentes todas as tintas at agora conbecidas, anda mesmo dos memores autores
estrangeiros
Sobretudo, este estimavel producto n5o ataca as pennas de ac, antes pelo con
trario, a perma adquire um esmalte dourado que, sendo interessante, asss proveitoso.
Esta tinta, nao sendo especialmente para copiar, d contado doas.tres ou mais
copias om mez depois. de escripia; preciso, porm, deiiar-lhe o papel bemmolhado
sem o enxrgar com o malla-borr5o, porque nao ha o risco'de btrrar. Para se tirar
mais de urna copia, nao 8P agglomeram tantas foihas quantas copias se querem tirat,
mas vae-se com o original tirando uma urna tantas qoantas se desejam, semque-o
original fique prejudicadp pelas extraccoes.
Occorre aqu dizer qne, para copiar importa muita ialeHigencia e babilidade, sota
o que melhor tinta nao satisfaz, e o deleito recae sempre sobre Miaja, que nanitas
vezes qoem menos culpa tem.
A dupla.qualidade desta tinta exirenauuinte apreciavel, -pmi que evita que
em qualquer escriptorio baja mus do que urna tinta para os diversos mfeteres..
Emquantosua durabilidade, nao ba a oppr a menor duvida^pois, que esta tinta
depois de escripia soffre o choque de cidos fortissimos, sem se decompr ; ora, se os
cidos nao tem aegao sobro ella, muito monos a accSo do tempaj^ j destruir: isto
plausivel.
NSo s ao commeroio que este *reu produc*
collegios, investigando todos os meios para o adiar;ta
aproveitado esta tinta, que com raora a^bAra
BacBxdos, em conseqoencia da beJJeuacla cor efa
liquidez. Ha exempke de enancas que navia mnilo tempo tiab
extrema para a escwpta, logo que foi Ddmili&esta tinta no-coitegi'
acariosidadeeo gosto, e pouco tempo depois o seu adiaotomen"
Esta tinta, ^par de tantas TanH>gen8, tem um tnico Mon
aocohtacto deoutra qualquer; convm pois,l-la em tinteiraei^nj
bre de ouira Unta, e evitar eserever com a.-peana suja de urna
mpativel; verificando isto, naoba razo para se usar de^H
^Ktra-fina demontsiro.
EM ISJSGCOES. Vmaprtede Hcrequatrod'aguaitma*,iiatirimu
FLUXOS ANTROS OU RECENTES
CATARRHO DA BEXIGA
O Alcatrao e Gnyot foi exrKfrimentMfa tom un lerdodeiro xito no
principaes hosnitaet de Franca, da Blgica e ia Espanha. foi reconhecido
que, vara os lempos de calor, elle eonslilue a bebida a rrni *9pemca, e $0-
oretudo durante os tempos de epidemia. Urna intrucfoauompanhacada vidro.
\Veiid.-se na^liarmacia e diogaria de P. Mau-
1 or & (3omp.,nia Barao da Vifooria n, n
professores dos
discpulos, tem
costo oes
pna pela sur
d!SWt
.iiO TIC!
MI.34
mu n qoerodB owdar a p nt nos oflereeeram. os qu baiio
rzemoi publicar aoaairesl
Observado.
prio para pr
anudo Ujramente
i colHp
::|
-> Diversas fatoificacoes e iiniWiftni tem apfreci<
Os Srs. compradores podem evitar o engao dirigiado-
do a tinta que eu fabrico
A. p. Montero.
HMBim procurar meaudos pan aeredrUr
aaiMlimwipjrat rWWHliMHi applicac** oa
Mnadoa obtmos pelas pNicu qu a* djgoaramaccaiu-
Ui, Uiaa deam credU von ; porqna lio empra M
MHtadoi auaklarwloi grattiio a ? *ua i" Ua
pmroconce j qu. tem mere-
^^^p*p*- ~ a*ta*laM* C.
m a maU tbida
latoaaa, o!o oaite a
lita acuno ai i, a lie
irTrtfl|H^^^^^Bde lodo me
Lraiubeleci
I feeonliocrB: etamo, v.
Haaoel Ahtonio Vlega Jnior,
fabril de 1868.
nims. Srs. Bartholomeo A C. Penhcradissiraotom
fa?r qw BM tuonm de acoosaliiar o asa do ttropa
MltO
qaaai
nanireato a
Vegetal Americano, de na eomposicSo, qiaaAa bm
acnvi aaataaua daanU da ama constipaclo, aw tu
tornon omplaUBenta rooco t qne trooxa bou forU
toase, emt imp.'ssibilltoa de comprir os neot drrw
exa Ijrica^ vou agradecer-Ihaa a*K
oblive com na a* Vrt
ler reconido i ita
__oomo aa lajean**
te tea tarop ptri se vera aliviado* da, lia larri"
iBcommodo, ti ftttl nene ptir.. Com malor coajie-
raclo conno a aer de Tt. 8a. aliento, voaaraMr*
lllms Srs Bartholomeo tC-0 sanpa V*|tal ktu
rietno qne V. Ss. Um expoato I taMa do loaa afl-
cachi para canuto d'aslhmt, eaarorme obaorvoi af
pUctad aeoor Al faaU*
exeedeat* a*oa*a*a kaTit resistido a oilrat xaroftf
do grande Momeada^ Qneiram poia Vv. So. accear a
Ipreasa attamsate sincera de atea rtconbeciajotio *t
ritorio arrien Ia* ln pratUrtm eom o lukaa
unto'eobrlpMo. AatSM^d* Meadosf*, -
Bteif* a dt aattast l M68.
:as de r '- '
do aqnol.o hxsmc**
,.i pan -

la? m
GALLO YfGtLAm
Ilun da trei.ro 7
Os propneiarios desta Ma r*Bh cido Mlsdi
oiieatf-, aJm das maitos objeetc <|e iMavs tu-
postos a aprceiacao do ro^peitaval pe:
daram vir e acabam d> rece). :.a*'
da Enropa uro '* **
finas e mni delicadas especialidades, as ajoava a**
tao resotvido a vender, coi -o i da sao eosaim
Sor precos muito Laratinhcs ) t*tma* pava
os, com tanto que o Ga;
Muito superiores lavas de pellica, pretas, ara
ca a de mui linda* crea.
Mu boas e bonitas goBinas e paaboa para i*-
nhera, neste genero o quo lu de aaais niosrtv
Superiorespentes de Urtfruya par:
- Lindos e rirfuhsircos etfeies para caberas t:.
Eiraas. senhoras. N
Saporjaras tranca* pretas de rrea ec iJir.-
Ihos e seni ellos; osla ta de mellior c ma
Superiores e
niarfim, sndalo e eaeo, n
com lindos desenos* e este:
Muito superiores i
nhoras, as qaes sempre
a duzia, entretanto qric t;
aten) destas, temos tambem i
ouUas qualidades, onlro as q
finas.
Boas bengalas de seperi. r'canea da Ii4a<
casto de ntarflm cv.v lie
ras do ntesmo, ueste ;.-
podo dtisejar'; alen-, deelas t.
Juantidade de outras qua.'-.
eir, buk-
Pinos, Uniros e airosos ciiicoriont da eaCata *
de onVras qushdades.
Lindas e superiores ligas Al seda botracst
para segurar as meias.
Boas meias do seda para euh ^ra e p?ja mu*
as de 1 a 12 annos de id:
* Kavalhas cabo de marflm c tamrug-n pin
barba; sao uiuito bous.e de lois a mh ai ?-.
rantidas pelo fabricante, e nos por <.. !.<* vea lar
bem asseguranus sua qualidaiic e icidaaa.
Lindas e bellas capeas para noi
Superiores aguihas para mneuma r r
Linha muito boa 'de peso, frouxa, pan aMkav
labyrintho.
Bons barnlhos de cartas pora voltaicte^ uhm
como os tontos para o mi
Grande e variado sortiraeni tas r-ar
fumarias a dos melbores e mais conhectios par
tumislas.
COIARES DE iOillt.
- Elctricos magnticos contra a ,os,
facilitam a donliqio- das innocente; af-
inos desde limito recebedore* deste? prr-iitu):-*
collares, e.continuamos a recue-les r :->,
vapores, aliiu de qjjo nunca fallero lio mer
como ja tem acontecido, assim poli poderlo
los que delles precisaren], vir ao Mposilo do gaJx
vigilante, aonde sempre ena-ulne dcslts rere
deiros collares, e os quaes attendcao-se ao fia
para que .ao applicados, se venderio coa om a
diminuto lucro.
Rogamos, pois, avista dos objeclos que asme*
declarados, aos nossos frefuexea e aaaigoa a varea
comprar por procos muito razoaveu toja ato galle
vigilante, ra
Punas assiiearadas de BrisIsL
NAO dONTEM NEM CALOMELANOS ^F'I NEIH
OL'TUO MINERAL.
A grande necessidade irfalla de nrn ..-
thartico'ou de urna medicina panjaiiva,
muito que tem sido sentida, tanto pelo ^ -
vo, como mesmo por nu io da faculdade
medica, o por isso, iniiriito c o gosto e
prazer que sentimos, em pdennos com
toda a confianca* segundarle, recommerular
as piktlas vegetaes azucaradas de Brutal,
como urna excellente medicina purgativa, a
qual encerra em si todas as partes e mai*
ingredientes essenciaes, tornando-.-* em um
perfeito, seguro e agradavol cathartico de
familia. Este remedio nao composto
dessas drogas ordinariamente usadas na
composicao dessas pululas, que por ah ae
vendem, mas sim, s3o preparadas con u
mais finas e superiores qnaiidades re railes
medicinaes, hervas e plantas, depois de se
oaver chimicamente extrahido c separado,
os principios activos, ou aquellas partes
que contem o verdadeiro valor medkni!,
daquellas porcoes fibrosas inertes e ag,
les inteirainente destituidas da menor virtn
de. Entre esses agentes activos oo ingre-
dientes especficos, podemos nomear >
dophgtn, a qual segundo a experien a
mm demonstrado, possue um poder o mais
^aravhoso possivel 6obre as regies do
Jigado, assim como sobre todas as secre-
tees biliosas. Isto de combinaco com o
leptandrin, e mais alguns extractos vege-
taes e drogas altamente valiosas, con
tuem e formam urna pirula purgati\a, tor-
nando-se por isso muitissimo superior,
qualquer urna ouira medicina da mesma
natureza, que jamis fora apresenlado ao
publico. As plalas vegetan assucaraias
de Brtol, achar-se-h5o sempre nm remi-
di prompto, seguro e eminentemente efi-
caz, para a cura de molestias, taes comr*
sejam as seguintes.
Hydropesia dosmem-
bros ou do corpo,
ou indi-
Dspepsia,
gesto,
dAstringencia, ou..
pris3o do ventre
habitual,
Azia do estomago e
flatulencia,
Parda do apetite,
Edtomago sujo,
Affeccoes do figado.
Ictericia,
Hemonodias,
Man hlito, e irregu-
laridades do sexc
femenino,
Dores de cabeca.
Em todas as molestias que derivan >
sua origem da massa do sangne: a salta
parrilha de Bristol esse melhor de todos
os purificadores deve ser tomado conjun
lamente com as pillas, pois que estas
suas medicinas, tendo sido expressameMe
preparadas para obrarem de barmonia ma
com a outm, quando fielmente assim se faz.
nSo nos resta a menor duvida em d&r.
que nomaior numero dos casos, podem>
affiancar n2o smn agrande alivio, como
tambem umacura prompta e radical, tc
est bem visto, quando o tente n
ache n'um astado muito alem dos recurso?
humanos.
Yfnda de eagenr-os
Vende-se os engenhos Santo; Mendos eTiaa<'.
sitos na fregoeiia de Tracanbaem, c reare
Naiarelh, eom muito boas matas e rbitas vai
proprias para ettona.'ato-'visriiaos : a tratar s
mesroo engenbos coa o'pnfrietari LaanMtt'
Gome da umha Perarra BelIraVx
Para agua.
Canos d# fwro galvani** ^or fra a
por dentro, a veada por prec
no armazem da Travesa do orp Saa*.
| A roa Imperial: a tratar a

i


Diario de PefnifeCG Quinta eird d l
de. 1871
'I
j
i
;:rra FRANCO-PA
eezes eom quena cooveraei, sena
n3o slo seos amigos
os simples sida i
dadetraa creancas, coja op ni5
portancii akama. Slo daqu
soaberem levar. Actulment>
alliciados por agites da faa
mas islo nlo pessivel setio otile c,
rem separado dos seas ofli
entre estas olfioiaes, a fanal
nlo tera partidarios. Lmitam se adec
que ordena deve ser edibelecida em Fiaa-
ca por ra3i firme. Os insultos- que os
pri9ioneiws de Metz feram expostos di
parte do p.jvo, e*pecialmimto ao passarem
em Naucy, desespararamnos. O prximo
futoro da Franca causMoj ama dolorosa
irapressio, qaando oppomos a atlitudo do
exercilo raocez que se acha aqui, com a do
poro francez qae se acha ao loogd.
Domingo de tirde, os marechaes e ge-
neraos passearam coaa o ex impera lor. Es
iva ura dia explendidamente th)nito, e o
.parque de Wilhelmshohe explanis eom toda
a sua belleza. Os generaos vestiam a nai
. zana, e esperavam na porta contral, nS^"fil-
iando lmbem grande numero de paeseanies
viados de Casse'.
O que mais incommoda Nipolelo, e nlo
saber cono que intenco o olham. e se
cumprimentar ou nio. Disseram-me
a pvtfhpio saudava quaoto3,:n,ontrava, mas
conBWem sempro fosse correspondido dei-
xoa de o fazer. Quando algoem o senda,
inclina se com as mais evidentes provas de
satisfago. ,
-Alguns que teem conversado cora
affirmam que contina a asseverar que fez
a gnerra contw^aa vontade*'e que nio dei-
xava de ter conhecimento verdadeiro da
realidade dis cousas.
E um engae acreditar que Napotelo
pense era tornar a sabir ao tbronol quando
ebegar tal occasio, abdicar por certo em
seu fllho, confessando os erros proprioa, e
solicitando a indulgencia da Franca, da Al
lemic!ia e do mundo jnteiro.
rdar.oael!.
-ora peri.
poca em qu
las f
A' direita entra
no centro ha
lanternas e refl-i-1
jacta.n urna lu]
amirello do ci
lam grandes s*
silencio, apeo
neo ;
As
toras pro-
o t
. e l pateo r ina o
' -rompido pelo apilo
corre i
nmeros de
Entre as mnitas scenas singulares e ha
poneos mezes inesperadas que h -j9 se pe-
seneoiam na capital da Franca, figura a
partida dos globo?, anico mel de comniu-
ncaclo .com as provino is qu* conservara
agora os parisienses, em subsliiuigao das
innmeras linbas de caminbos de ferro que
alli se reuniam orno rede emmiranhada ..
Eis como ama carta de Paris descreve
com o gracejo proprio dos francezes a par-
tida do globo general Ulrich:
Os que nio tem assistido a essa espe-
cie de espectculo nocturno nio podarlo
imaginar o qae tem de triste, commovedor
e verdaJdrametite formeso, no meio da sua
propria simpleza.
Eramos ana pocos de privilegiados. Ac-
tualmente nao se annuncia t partida dos
' globos correibs oomo dantes, porque o ini-
migo, regularmente informado com algumas
horas de antecipaclo, costumava deitar con-
tra T)s globos fgaetos incendiarios, que
expham os aereonautas aos mai Tes pe-
rigoj. Per este motivo, faz-se agora a par-
tida com moito sigilo e mysterio, com o
que se augmentam eonsideravelmente as
commo$es daviagem.
Sao atez boras. .
Cocbeiro f Estaclo do Norte f /'
O automedonte olba para rxim -estpe-
melo :-
Um passageiro para nota estaco I
A'i I A estaclo est oferta, sombra. Nlo
Lnge d'uma velba Jocoraotoro a^ra cano.nm
guarda com a-sna lanteroa na mo parece
Acaba de colgar i
regalo do nustos de c
,q.ite em b veremos conter
massos! Desafio o mais feroz estadista a
fazer-o.se calculo..
A'- direitaas cartas de P\ris para as
provincia i, a esquerde os meioY de trans
porte paraessas cartas. Cinco cestos gaio-
las com trinia e seis preciosos pombos pre-
tos, braoeos, doorados, que se pnvooeiam
como se coraprehendessoara grande impor-
tancia que adqo'iriram com os acontecimen-
t05. Cada um d'aquelles anfmaliinbosr tera
seu norae Gladiador, Vermoul/I,. Filho do
nr. Os que se interessam por'esses iate-.
ligantesmensageirose quet actualmente'
nao os olba com interesse ? ale^raT-se-
lilo com saber que ha om Paris nJis de
1:000, perfeitamente eusinados e promptos
para sustontarem-as relapoas at que ter-
mine o cerco.
N'uma das g io'a* eio estas palavras,
iracartas n'ama tira de jpppef:
Ponfos para seare hmediatamente ex-
pedido* pxtra Orleans e Ibiffv,
O proprietario d*ponrt>fl4 declara que
ainda possse mais de croeoeata- borrachos,'
que vender de hora grado; aos ulotBes \
que preferem1 carne depombo d^carallo,
qae a da ultima moda.
Um grito de horror percorre o auditorio.
Comer pombos'.' fKi todava rnna cirrams-
tancia attenoanle.- Aquellos animiesmbos
sSo ainda mproprws para o oficio de w-
reios
O Sr. Rempoot esfrega as mes no- mee>
do grupo. D'esta v*% ole- verao-oa pro-
sianos um palmo adianto do nariz. One-'
voeiro oceultar o g!ob, e o vento levar
Appareea a
explica bastan; t'qoal
vamos dar
Trata-se da
Londres por mu l
ooagem q
os marecbaes
dos msoejo's b 1 8r. Reg
um propriotar rancez, ^begarem
os Prussianos curta distancia das soas
propriedades, refugiou-se com a familia em
aterra, oode desembarcara no dia 31 de
A imperatriz sahio de Pars no dia 4 de
setembro, e po dia 11 chegou e-fiasiings.
No da I* o Sr. Regnier escrevea 3ra.
Lebreton, leitora da imperatris, urna carta
em que Ibe rogara commanicasse a S M. a
inlencSo de fazer propostas ac impe^^H
para o restabelecimento da dyoawlia ioM
rial.
A prmeira deetas propostas consista era
aconselbar regente que voltasse ao ^H
lorio francez, embareairdo ae a bordo da es-
quadra.
A Sra. Lebreton teve msse intuito ua
entrevisti com o Sr,-Regnier no batel db
Vfarioba, e pr.rticipoo-lbe que a imparatrix
estima va aja js o> interessee Franca do
que os da soa dyoastia, e n5o' qseria por
mod > algoa suscitar a guerra em.
O Sr. ftegter ecreveo segtindo carta
Sra. Lebretoa; mas nos officiaes- dar man-
aba deram-lheers resposta qne S. 9. nao
quera tratar daqnelle assumfrtoi
O raesmo seDbor fez.entao- ama- propsia
arriscad?. Pedio* qae o principe imperial
pozesse por beio d'omas pSotograplih,
dencia
paitada
Algu
vista a
le lacio
es pro-
so dar a conbe
Jaiivamente a ce-
tez que sao res-
I egol.'ffio dyontstieo
Ibe jgiea ; ai
i qae ua'.i ;; :. era
!::: do paiz, das ti laa
da fome illei oes um
bm pedaco. e erara oito horas quando me
eparei de S. M., que tinha o jantar na
mesa desdis sete boras.
da famosa entre-
_^^H^K Sr' Renier tomoo
snoark, e manilesloa-
de ir a Setz e Strasborgo
para conferenciar com os coremandantes de
cada ama deasas pneas e decidi-los a entre-
garem-n'as s em nona do imperador
O dMncelier respoasa :
A torte esti laaceda ; insistir pela sua
parte nesse ponto, seria* dar prora-de ce-
goeira. 5S) nos dado mudar o eaisiente.
_^V> n5o o btante o qo poderde para
aitrabir ao rosso partido a poderes para tratar comnosco, e prestareis
um grade ser&t ao vosso'poiz". Vod er-
denar orne vos ettregnem um salvo-condw;-
to goraf, que vo permita o atrjrressar lo*
os estado* da Allemanba e lodo os lugares
occopados pelas DMSts tropas. Um tele*- h\l-y p 1e censervar-se por murta' lempo m
gramraa vo* preceierjr em Metz 0 ros fac- differente se1 que se passa na nessa patra>.
9J,0UU
no qwl 1,900
itm
1 pnlMt
TMp*-
Urna das cartas levada por um dos d
receiitemenle colbidp pelos Prossiao^
dog
vernd* provisorio, 0 ta dirigida ao preeito
da Charente-Ioferieur. Nella se l o se
guite :
A Franca amia m&. e depols da
Tlente resistencia d"e- tbuf, Cbateaudao'e
Strasborgo, espero etla maie alguma coosa
que om desespere passrro. Pela nossa
parfe estamos resolvides a consmnir at ao
ultimo carincho e nltim pSo. Indobitavel*
mele na.mnita miseria em Pars, mas-n3o
ba fome, nem desespefatfa' a sitoacao.
Temos prorisoes para jgbra' lempo, e
todo est redbaido a ter de comer carne de
cavallo, fue n3o to m como dizem, na
minha opioio. Cada dia qr pissa, me-
Ibora a nossa* sitOafo, porque a Europa
do pBnbo eleltio do principe, qt dizlam
assira:
Que'ido pap'.-PBetto-lbe eas vis-
tas d'lfestiogs, qae espero Ibe agradwo.r
Lttiz Napoietto. y
A imueratriz, por intermedio do Sr.-Fl-
lon, diss ao Sr. Regnier qae o sea prejecto
eraperigseo, e rogqjMme qpe renunciaeaea
os viajantes para Orleans. O direetOr dos- >po-Io por bra ; ma-o Sr. Regnier na> fea
correios deita om olbar satisfeito ao pom-
bos e aosj despachos.. 'aereonauta dos-1
Srs. Joo e Dartois -chama** Lemoine. As
uuvcoi conhecemnoe osot comprimenta-o
quando elh passa. Na saa companhm vai
um adestrador de porabos dbus peraona-
geris que desejam conservar o incognit.
A's dez chega um ajudaote de campo,
meio sutlocado pela carreira, egriando :
v Um despacho do gwernadort
O olfici fechado passa a o:cnpar um Ju-
gar preferen'.e no carregamente do globo.
T-Amarrem a barqoinlia, lirgtum' tUU
grita uma voz.
E lenta, magestosamente ele*a-3e o gh-
bo, at se perder as trevas.
Mal passou o tecto de cristal da estaclo,
logo o perdem is de vista. Ourtamos, no^
obstante, os gritos dos aoimosos viajantes
quo occultos pelo nevoeiro se deepediam
de nos.
D'esta vez cliegarSo *s nossas cartas a
porto e salvamento, pelo menos se o bailo
nio fr esbarrar com alguma estrella.
O lempo ludo descobre, costuma dizer-
se, e nunca se vio esse adagio to justifica-
do como na actual poca de poblicidade,
em que toda a gente aoode imprensa para
aclarar os fados que em maior ou menor
escala teem preoccopade a alinelo publica,
o obter justicia ou approvaclo desse joiz
geralmente imparcial e acatado. Multas
cousas ha ainda por conhecer na guerra ac-
FOLHETIM
ORIGim DO DIARIO DE PERMITO
H1IMHA OliS 1
Summahio.Fins de 10 e principio de 71.
Umhurra em f sustinido Os lti-
mos logros do unno velho.Urna care-
ta. -^Francezes e Allem&es. Cousas de
incendio.Outro logro de ISIO.Civa-
cos e escuridio.A companhi italiana.
A reunido explendorosa do Club do
Monteiro.Ainda o me." dom de ubi-
quitade.A festajio'Bom fimem Olinda.
As ruinas de Palmyra.O fogode
artificio do Monteiro.Urna reunido in-
tima em ?. Um presepioA festa
>de Nazareth no dia l-
Finaffnente ei-lo distante de nos esse
fatdico 1870 I
Sim, longe e bem longe, e sem dejar-
me saudades.
Estamos em 1871, e a fallar a verdade
nao -voo achando no novo anno nenhum at-
tractivo.
Quer-me parecer que o recem-nascido
ainda est sentrado os ressabios dos beijos
do velho anno, visto como prmcipiou o seu
corso no meio de muitas enfermedades, e,
o que raais triste, vendo morrer e en-
terrar gante I .
Eu i-heguet a acreditar que o primeiro
anno da oitav dezena do seclo- XIX sur-
gira dos setos da eternidade isento do erb
me de homicidio I
Mas, qoal I o novo anno ah est acom-
panbado do mesmo cortejo de males que
atormenta a humanidade desde que o mon-
do mando, e a gente contina a morrer.
Entretanto doro declarar qde elle nlo
me a parecen sob muito mos auspicios,
porque vi-o nascer sentado na mesa de um
festim, onde os meus companbeiros sauda
ram-n'o com om fbrmidavel hurra entoado
em f sustinido e acompanhado pelos sons
de algumas chicaras que se entrecbocavam
entornando lagrimas de cha da India.
Um anno qde comeca entre um bolinbo
de raiva e um gole de cha deve ser um
anno bom. Por isso roo dando tempo ao
tempo at qae chegaem os dias felizes do
anno novo.
..
O velho anno acaboa pregando varias
pecas nio s mim como muita gente.
No dia 29 de dezembro, quando j elle
agonisava, fez ama tremenda careta
francezes e aoa aUemles d'esta ter
Tem-se procurado sal
fogo ao sol
Nova ; nao,
Victoria ( mais moden
mesma noate roM^^^^^^^^^M
litar a entredi nessa-praca.
Btsfarcado 0 munido- do salvo-ccoducto,
entiroa o Sr. Rdgnier em>etz ao di 28-de
setembro. e aprweniouMe ao marechol Ba-
zaineque a prraeipio Ibe flilluu da, sr ex-
cedente 8itoac5oe da esperanca que liotaa
de se sustentar dorante moilo lempo ser
a sai vanguarda (fannperio. Has depoi a mo-
que para" esse fim comprara,"urna'dedcate- rtou de tem, e disae qae- se>poderia resietir
ra a seu- pai. [at 18 db-outubro,-o muito, eislo susten-
. Wo dia i7 de setembro, o Sr. Regaer bando-so aom a cate dos eaMallos de o*
receben as pboUgrapWas com dsas retrae^ciaes.
caso desta*advertencia, e o dia 20 de se-
tembro, o mesmo em que se effectowaa
entrevista da Jfaho Fvre cem o conde a>
Rtsmark, o ebanceller prusamsv conceda-
lbe orna audiencia.
Eis como e> Sr. Rfegwer a refere :
Venbo, Sr. conde, pedir-vos vm
salvo-conducto para ir i^WiHelmahohe es-
tregar esas pbotograpbae ao-imperador.
llsm-rk altenteo em ao> por instanta,
e aftoal disse :
Q119 podis offeraeer^aasv
Com-Ojuem podemos- tratar?" BesoKeme-j
aprereilar a silna0e< presente para evitar
d'aqpi em diante, pormuito- tempe, novoe>f
conBieto com Franea, e neeee iatuito a-
indtspeasavel oat reotrnoaeSe-dae-frOBteira*
francesws-. Por ovtroJada, veme-aos em4
preseoca de don governoe, oa de fado
e ouirode direito. Nem ees--dad mudar,
esta sitoaco, nepodemts tratar-com 1
gom deilesi
c A impera tria, regente sabio- dO-territ
rio francez, e desde entlo nao dft signal
vida. Depois da eapUolaco de Sedan da-
va ter eocetado Bagoeiafoest-e^algamas'pa*
lavras qae so'.lei n'uma entrevista, qaaa-
assisliam qs Srs. fiasleloa e Pietri, teria
podida iniciar outsas- contereacias- mais ser-
nas ; mas oa no* as enteaderam ou na-
quizecam enteoae-tas.
c O governo da defensa n8b> ooer ou nie
pode acctlr a coadico eVoma eedencia* de
territorio. Propuz um armisticio ao intuito
x da do principe imperial a ji meeorono-
senhorTf da pheaogBaphia, para que o sonde Bemark
visee ejM Sr. Ragaer tallara em nome d
morecbatJ
No dk> 28 de oatobro o Sr. Regular foi
ter outoa res con o> ebanceller prusskmov o
qaal nao-o tonsidferaedo cor* podares sufi-
cientes, rao qaiz eecetorinegeeiacSes, a^n-
vieu amtotegramm*a Bazaine ergantande-
ibe*se aotorava e-Sc. Regnier para tratar
da rendios de Mbta*
< Nfc-possa responder aftlimativamento
a essas gergontas^ responden omarecbal.
J disse a Sr. Regnier que na posso &-
ar da apitalacao eMtz. r
Ao cbeggr aqui todos os plaaos de Reg-
nier abertaram comptetamente. J?oi aCbis-
fehurst no dia 4 de outubro, e achou qoe
Bourbaffi nao tinha teito nada ao assumpto
que Ibe confiara.
O autor acaba daata maneiKk-:
Tuda foi inutik NSo pude raodiSear
a opioio da imperairiz. Tema qae a pos-
teridad* viste na sua, concessio ura acto de
Loucura I Quem incendiou o predio,
quera roubou o consulado foi o anno de
1870.
Pois o maganlo bavia de se ir embora
sem pregar um logro ambos os povos
que se devorara l pela velba Europa ?l
Os francezes/tiveram aqui o sea Sedan;
o consulado rendeu-se ao exercito dos in-
dustriosos de longue vue.
Os allemaes tiveram tambem a sua r-
leles : um honrado negociante foi desalo-
jado por um incendio da posico que cons
quistara com o seu labor incansavel.
Ambos.os factos foram tristes, como fo-
ram os resultados das doas batalbas fer-
elas em Sedan e em rleles I
E' que pavor que derramoo o incendio I
A ra Nova encheu-se de um extremo ao
outro por uma populaclo immensa, que
devorava com os os olhos o incendio, era
quanto este ia devorando um bello predio.
E nao lhe valorara as lagrimas que muita
gente cborou, era lio pouco as gotas
d agua que, depois de duas boras de seca-
ra, laucaram < s e.^grJichadores das bombas.
Nao, o incendio d^evo,rau tudo e mais devo-
rara se nao fosse a-Providencia, que l do
alto prohibi que as chammas (ossem
alnv
E' doloroso assistir s scenas de um in-
cendio n'esta trra. Todo mundo grita ;
todos mandara ; todos querem salvar os
movis do edificio incendiado, alirando pia-
nos e 'candelabros pelas janellas i ra;
um Deus nos acuda !
No meio de ludo isso ba uma cousa bem
real e verdadera : que njnguem anda
pens o seriamente em organisar meios de
salvaterio para essas occasioes. Todos se
lembram de umaxompanhude bombeiros,
em quanto lavra o incendra. Depois...
depois... on se ballade sur l'affaire, et,
voi-la tout I

Mas nao foi s ao cansuiado francez e ao
Sr. Cbristiani que o velho, anao pregou um
logro, nlo.
Tambem eu e muitas ontras pessoas
fomos victimas de ootra careta do anno
de 1870.
teava, ainda inoro, a
lyrtca italiac o San-
Cantava-se um ped-
^^Be, no melbor da festa-^-Zas-
gou-se o gaz, ficou o theatro s esc
Nao Ihea parece que foi ama peca bem
e sim, porque, se todos deram
ive muilo com qu
tica da
Fui ao theatro Santo Antonio e oavi
. meu gosto o artistas lricos italianos.
Nao desgoste d'olles; mas larca can-
fessar que nio to neobomae agoias, nem
tao pouco descobririam a,plvora, sepela
ainda fosse detconbeeidav
O tenor uma voz bastante sympatbica
e de fcil manejo para aqoelle que a,pos-
sue, cojo orgio vocal presta-se bom s
modulacoes ao canto.
O bartono pareceu-ae bem regular. So-
tei-lhe, porfem, algum tremor na voz. quan-
do esta se distenda.
A contralto nao" ca. D alguna graves
cora mestria, mas nos agudos martyrsa-
dora.
A soprano uma voz fraquisskaa embora
melodiosa e doce.
Os artistas sao todos de igual forca e-
harmonisam-se bem. Ahi qae est o qpe
de melbor elles tem.
Nada digo por agora do baixo, pela sim-
ples razio de que ainda o alo ouvi.
No sabbado bou ve resallo no ckib do
Monteiro.
O club rehabiltou-se. A reunilo foi ex-
plendida.
Mais de cincoenta ssnboras o um sem
numero de cavalheiros encheram. os saloes
do potico palacete da fralda da colina do
Monteiro.
A graga, a belleza, o espirito e a ele-
gancia deram-se as mos n'essa noote para
illuminarem o club.
Quem l esleve transpoz as portas del
om novo Edn, oode felizmente nlo este-
ve o espirito do mal.
Dancou-se at duas boras e meia da ma-
nba do primeiro da-do armo de 1871.
Quando deo meia boato dancava-se uma
walsa de Schubert, e e espirito do 01
tro adejou pelo sallo, recomend ao seo as
notas dispersas das suas divinas melodas.
Ha na walsa um qer qaeseja de aobre
natural e phantasi ue excita a \ mais
ommoclo, Itrolo era quem a dan-
0 em quem a v dam o son
eu s quem sent easa impresslo ; muitas
pessoas me tem dito o mesmo.
Na reun ao do clab houve ama cousa
que me agradou sobremodo : foi a sfmpli-
cidade dos toltles.
uplicidade e elegancia slo duas folhas
dizem bem no pednculo
oaocidade.
indo se
itis Ir
ouvir os
t tediara
rodia.
1 moito.
r.ed
O roawchal, aerreseent o*3r. Regnier,
ewvio coa evidente 83ti>faco" a propost
Ibe fix em norae do Sr. de ttismark de
deixar paseagem ireoea a elle e ao seo
ewtO'CogPbandeiraef artlbariar moni-
Cdet, etc., atrarz das liabas inimiga, uma
vez qoe empenbasse a aoa palara de nlo
combatir os JMlemSes dorante o-resto da
campanha, e aecompiomettasse previamen-
te cajajgo a par* a suas trepas lspeeicao
das cmaras e- gaearno taferial. Ir islo
o qae-* generadBu-baki* devia explicar
impaaatriz,' e cm este fio> sabio deBfatz ;
mas-, segando parece, tmi ae vio fra da
prar;ar noe tere man pezar qoe o b**d4a
abandeaado, e todoeasconoidaracoes-oede-
ram diaate desta>u+trma.
Mas venba o que vier, temos 2W000 sot'-
dad)s e moveie-,- comrgOO pecas, prompto
la*carem se o campo e a combaterem
Gomo valentes so-dtdns. A lingoage'm" da
iuTzrensa parisiense 'datestavel, nao o pos-
so negar. Exceptuando o Journat des-D#-
balsea Opinin e o'iYo/ewa/, nenhum ou-
tro pen'odrco deix? d atacar o goverao.
- Cad dia se espalha- assira a dnvidae o.
desaleato, e appareeeo'ja; e mostrase sem
reboso so partido, que adroga a reacgaO e
a paz a iodo o custo. Mis estamos reeol-
vdos a eseeotar o nsso programma 00a
perecer m demanda. Tfoobn tem om ca-
rcter romano na soa grandeza. O Paris de
brje capaz de fazer Rente a um mlhUe
le Prussiano. Rochefbrt desamparon-nc;
stinlo-o por elle e por nos. Estoo com
qae sonband, a n'um soabo me parece te-
rm-se passao os ultimes dous mezes. *
Lemos n'oma carta dbDyon> a seguinte
piadosa notict:
No santuario de Nossa Seabora de
Foorriere ce?ebrto-se, porordem do gene-
ra) TTochu, ama ussa de rogos pela victo-
ria da armas (rancezas. folgo ter dados
para-essegurar qne goal encargo se fez aos
mais^aomeados santuarios da- Saotssima
eaicadaa, addo a |
bficas. O
com perdss c
?>refeito
ao aabem
rtbeoay um Iwtamfc do 38, ama
e ex ploradores e om rxieaTaO
de lanceiros, eutrncbeiradba por tras 4a
valla do camnbo de ferro, mlaima *
hoaeos ao inimgo, aea perdae pete
parte.
Em Chateaoga-rttard, ald&zWka
eotre Arthenay e Toar y, as Proaiano tV
nhm eoafiado am awaraadm os aaaae
soldadodorante a noito a mnli ilhi tiiim
bateras octolias por traz demooioe dbaa-
a-ume. Ce regiment da zuavos canagoa
inimigo i bayoneU, a ^^l-
tirar deisaado- em poder dbO
do duas prfae e ama
No combate sustentado am Bots
raun, onde ci eegairara oa mmea va
uma completa victoria, abandi aoa o
v,;ras pecas, drizando as
lodo : as soldados______
da hontem em tiraMa- do lodacaH
c Fai aprisioriadeina ajudaatra
do priocipe FrederieoCarloi. OAramld
l&oiret afihma qoe esto militar esftra aedn
39 nos armazens de pwraaa da
O conde Pater, raorto no
Newile, era o ultimo-
das familias mais distmeta da
AHamanba. *
O SrcMgner daspedio-s. dd mewcbal m^wmeaaos samuanos aa- aaauesima
Bizaiar maenox*SnsiOBtora DOFba> V"8- Dsseram-me que aparte do ge-
rf^f^KKff "S'CT^?Zzl. neral Trocha en dirigida ao prefeilo do
As toilktes foram to simples e pareci-
das, que descripte ama, estao descripla* as
ontras.
Mas, para qoe* descreve-las ? Voa.dei
xa-las- tranquillas ; nlo qoero que esses
longos vestidinnos se quehem de alguma
indiscripcao, nem que me censuren, como
sacrilego por locar-Ibes na fimbria, que as
brisas da madrugada betjaram amorosa-
mente. ,. -
Permitlam elles, porm, que eo.d'aqui
Ibes envi ana. torn adeus cheio de sauda-
des, e om saspiroso anhelo por vellos oo-
toa vez no clab.
*
Vai parecer estranbo .muita genle como-
Ipassei o dia de anno bem ; mes affirmo
't "de foibetinista qae real r> que ron le-
ilatar.
Passei dia de anno bom un peu par
tout.
Estive- em Olinda, estiva no Moatoiro,
estive b **, e estivo em Nazareth.
Notive onlro remedio se nlo soccor-
rer-ma ao meu dom de ubiquidad, para
poder estar igualmente em todos esses
pontos.
Em Olinda assisti pela madrugada ao
baoho das nyades as espumosas vagas
que se quebrara e se ezpraiara as atvas
areias da praja do Carmo.
As-dez horas do dia o sol eslava entre
nnvens e o dia tornon se mais fresco. Fui
ver em companhi de varias pessoas as
bellas reinas de Palmyra (valgo barreins
do mosto), e nlo me fartei de admirar o
poder da natureza que se ostenta all so-
berna de encantos e de bellezas.
As ruinas de Palmyra sao magestosas
gratas e escavacas naturaes do slo em
um terreno argjto.
Para bem v-Jas, pda-se eaeolber diver-
sos pontos de vista ; mas o melbor ap-
proxnaar-8e d'llas e olbar das cryplas das
escavaces epois desear por .algum
suave decliu-, -.'.U: o seu interior, para po-
der adawar a belleza d'aquelles cortos
oaturaeaJ^^Ka planicie d'aqoellas roas
e travs os cortes da mon
tanha e a ftre laclo d'aquel as
gratas, ec s penetram os raies
do sol da meio di
E' um bello espectculo o das ruinas de
Palmyra. Bi o alo vio,' deve
ir v-lo por rde o seo tempo.
Nao gaat
excors
Boito fwj
fazer reab.
oee a P^HB*
rosto clai
A reimiSo de tabbado d
lado soberanamente bom ; m
laxo,
odia fui para a igreja do
jassistl festa.
^^^^^v0 I* estive, contemplando
pelo pequeo pateo da
lemble doqoadro,
iris e pavilhoes
e os multcores
trajo dos :.. '-..-.-- da festa.
A eoaoorraacia foi immensa, e todos os
na a aoa fita; qne presea-
Irosos foram conebegar aos pVda santa
dirigida ao prefeilo
Rhne; mas esto, sendo come livre pen-
sador; tomou eousa por greeejo. Nio
obsiaot, a orden eumprio-eav Era omacto
de f simples e dbsprovido di ostontaclo,
qoe bem merece coosgnar-se n'um paiz que
nlo soabe anda obrar-se debaixo da mo
de Dem. *
Os peridicos francezes principiara a dar
pormeneres dos combates que o telegrapho
nos temennonciad. N'uma dessas folhas
acharaos a seguinte resenta:
t fcVeenperamtn- IdOntoire, Bess, Saint-
Calais^MOndoubleau, Bron e Nbgant-le Ro-
tru nossa esquerda ; Monsargis nossa
direita;:tambem tornamos a oceupar Cha-
teaudoa. Vendme- fica ao abrigo de um
golpe da mo do inimigo, que parece pro-
nunctor-se em retirada por esto lado.
t AtBrma-se que bouve om. combate fa-
voraeibssimo entre Vendme- e Cbateaure-
naula,
Ha alguna dfa que os Prussianos en-
Na* meio de Halas repattees
qoe a> desgraca da giwrra aetoal tem
nado, no meio de tantos gri
qoe com a capitatacao de
odio db seos compatriota,
urna Qjora immaeotada, nacaosarvel i
peila, e cajas autorisadas patarras
aguardada e solicitadas por toda a
para se Armar jaiza acerca dotrtrs 1
lecimennos em qoe iatoneio.
figura, o general Oaaogarnier, aariJea77
annos, cervado pela idade e patas
nentos, emittio j asaaopiaiaa-i
ferencia eom o correspoadaat a
IHegrapa,: -
Eis como este ultim' a refera:
' Encontrei o geanral n'
modesta. A'aua idade paraca asa* dPama 77
aaaos, e o tempo e oa- aervieas-
teem deixado n'elle profaados
Ebt corcovado e anda leatimieta a a
casto.
Depois das naturaes comprime al aa a
certozia, pergontoi ao general aa anmaaj
treicio no casada capialaClu da Mata.
Nlo responda); Paitan ala a
venden ; nlo tinha necesaidade da dmAara,
e e que elle fez est aamt tonga- da ser
orna traiclo. Sabe Deas qne o; ai bao-
ve traclo : esdeu i nwaaiidaoa.
Qaal a suaopiaiaO a rasmna da
capacidade militar de Bsame ?
Ah responden o geanral; iaaa
oatra cousa, Bazaine-era incapaz de caaa-
raaodar tamaobo exercito O amara ata-
raolava-o; nao sabia coa oa taa mar-
char a todos: embaraeavam-a'e aa masa
frcas. NIO den proraraam da
nem de previsio. Devo acera'candar
Ibaaine era om egosta, qoe nlo
a-honra do san paiz, mas a
lloria.
(
')-
horas cap
imagem do Senbor do Bomfinv para adqui-
rir virtudes proprias cura-de certas en-,
fermidades.
No largo do-Bomfim estive at 10
da noote.
" Mas n3o fique* s ah :
A essa naesma hora aebei-me no Moa*
teiro, no centro do largo e de orna popula-.
Ci ruidosa, e numero issiraa, qae, vida
de fastas, estodava eom ura prazer iadsi-
ve as curvas caprichosas descriptas pelas
faiscaa des foguetes e dM buscaps, presos.
as pecas-de om pequeo fogo de aatificio,
qne all se oueiraava em honra ao novo
anno.
Nlo sei. de onde sahio tanto po*o. Em
Olinda n3o estiveram menos de cinco mil
pessoas e ao Monteiro. nlo se acbaram mo-
nos de dez mil I
Oa trens de ambas as emprezas frreas
para os dous lugares transportaran! cerca
devinto cinco mil pessoas.
Qoe avidez de prazeres I
Entretanto eu tambem estive n'essa mes-
ma noate n'uma pacifica e intima renniio
na oode se dancou e tocou, e eotre
cujos ornamentos componentes pissei o
mais agradaveknente possivel uma grande
parte da noute, indo passar ontra parto
n'um presepio nlo longo da casa hospitalei-
ra cujo tocto me abrigara.
Quem que nlo sabe qoe cousa a um
presepio f
Meia duzia de raparigotas* que, quasi
sempre couleur mire, dangam e reqoe-
bram-se em frente do ama lapinba, onde
repausa um Menino Deas ; eis o que am
presepio.
A lapinba e o Menino Dos sao um pre-
texto. Abi nlo ba sombra de devocio,
nem se quar ba respeito para com a vene-
randa imagem do Verbo incarnado.
O que se pretende, a fim do presepio
divertir as raparigotas desatles cortos, ca-
pella de larangeiras, fachas do seda e pan-
deiros ornados de fitas, e mais ainda fi-gar
algumas esmulas dos concurrentes para, em
nome do Deas Menino, passar-se algumas
horas alegres no seio de ama pequea or*
gia de familia.
No tal presep:o, onde estive, dancavam
seis, das taes raparigas, pretinhas e feias
como orna noute tempestuosa,
O recinto da sala onde se ergua a lapa*
aba mil continua as danzarinas e um insa-
portavel velho que, como comparsa do dra-
ma, faiia tregeitos e contorses-Tidiculas,
espirrando como om nosseso.
Os espectadores estavam grimpados no
quintal da casa, para onde abria-se em toda
i sua largara a peqaenina sala da lapinba.
Golloquei-me entre elles e ri-me bom
ir causa das peripecias da dance
Ompanhada doa cantos e do cbiado dos
! das pastoras, mas tambem pelas
pilherias qde de todos os pontos parUam,
saltitantos de espirito a graca,
. V
da
Entre os espectadoras aotoi im
ara nariz pius reckereki fu'um t
chato como am prato,.e baba duas
azes de assar da orna vez todas e*
alli esta vamos.
Sahi do tal presepio depois da aaeto
trazendo como lucro orna faraav^
paci que me pz tonto por dan daaa.
Mas, alo foi s aos tras bagarn, i
me tenno referido qoe estiva, alo.
Nataretb tambem rio
correntos da sua festa da
Janeiro.
A festa. era da Neasa
co. as vesperaa cario.
Peliace, om bello discurso, ondeo
orador religiosa mostrou a
ere van do as gracaa da Bamba des Aaeos
o seo immenso poder na corto
No dia da festa foi um anata ar
tutinbas ataviadas com ai
mingaeiras, procurare
igreja para oarreaa a dtscon da
Amarak
A' tarde a sceoa toraoa-sa mai
da. Houve procisaio, om foi
corrida, e acompaaboa-a a guarda
do lugar, qae primoa pelo sen galbo
litar.
Notoi qae tres 3ngiobos
qae extraviados peto cidada,
cisslo.
Notoi mais om ofbcial de
de grosso cordao de ooro
acompaobara a procissJo,
ouvi pergonaar-se pela cidada :
Notaste o correntio da
p?
- Notoi atada uma eoMeofle d
sor?eteiras ( chapeos da poeto da
antigo), digna por certo da
curiosidades do losttato
Em Nazareth j aa fas sonata f
um grande progrnsao.
Nazareth tea tras igmjas : a
Nossa Senhora da Coiicanjao, asa
S. Sebastiio, qoe a matriz atasen]
Bom Jesos, cafoHiaba.
Dena harer cavalhadas ao dut da
mas nio houve, com
packdermes que
e com multo '
tiobana preparadas a? Baa pan
argolinbas dos cavalleiros
neio.
Depois das fastas fui
Paysand ao ciarlo da loa a em
as asas da minha
zar d
devia ur tajar do ana
E, or boj.
Aaraanannm
de
ftr.
- I
TYP- )0d
anV^i
AOj
HCI1
.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E7IVS759L_29719G INGEST_TIME 2013-09-19T22:09:01Z PACKAGE AA00011611_13053
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES