<%BANNER%>

Diario de Pernambuco ( Wednesday, September 10, 1873 )

Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/AA00011611/13032

Material Information

Title: Diario de Pernambuco
Physical Description: Newspaper
Language: Portuguese
Publication Date: Wednesday, September 10, 1873

Subjects

Genre: newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage: Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract: The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding: Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation: Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities: Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution: University of Florida
Holding Location: UF Latin American Collections
Rights Management: Applicable rights reserved.
Resource Identifier: aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID: AA00011611:13032

Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/AA00011611/13032

Material Information

Title: Diario de Pernambuco
Physical Description: Newspaper
Language: Portuguese
Publication Date: Wednesday, September 10, 1873

Subjects

Genre: newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage: Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract: The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding: Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation: Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities: Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution: University of Florida
Holding Location: UF Latin American Collections
Rights Management: Applicable rights reserved.
Resource Identifier: aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID: AA00011611:13032

Full Text

AMVO XIL\. NUMER 207
rARA A CAPITAL B LCCARES OXBB SAO PACA FOBTff.
Por tres tneut adiautados ................ kOOO
Por seis ditos ioW.................. 13*00*
Por uro anuo dem.................. 14*000
Cada numero avuteo..................

eiARTA FEIHA iO DE SEEMBRO DE 1873
I I 9
PASA lHf TBO B BOBA BA PBOVIWCA.
Por traa meas* untados................. 69710
Por sois ditos idem................ .
Por doto ditos idem ....................
Por um ano idem. ..,,,,...,....'> $7*000
M

^.
-



PR0PRIEDADE DE MAN0EL PICEIROA DE FARIA A FILH0S.

'* n^mM^i
II II
Os Sr. Gerardo Antonio Alvos ios, no Para; Goncalves Pinto, no Maranhio; Joaqoim Jos de Oliwira d FHoo, no Cetra i Antonio do I.eu Braja, no Aracaty ; Joto aria Julio Chafes, no Ass; Antonia Marques da Silra.no toaJ Jos Justia
Pereira d'Almeida, em Mamanguape ; Augusto Gomes da Silva, na Parahvba ; Antonio Jos Gomes, na Villa da Penba; Be'armino dos Santos Bulco, em Santo Antio ; Domingos Jos da Costa Braga, em Ifazareth;
Antonio Ferreira de Aginar, era Goyanna ; Joio Antonio Maobaee, no Pilar das Alago*?: AWes C, na Baha ; e Leite, Cerquinho C. no Rio de Janeiro.
PARTE OFFICIAL
Min*i>i'lu Pjr despacho 4c 27 de agosto oram noraca-
floaj
OiiDaM \ lt..s\ -OfJUnL'. Mantel Morera Ta-
varas, pelos relevantes nervino* prestado? a instru!-
o a putilica.
Cuvalieiro. -John P. Pralit, commaiidante da
liatca americana Crown of ScJtield, peto relevante
servioo que presten, salvando no dia l> de piaho
itftiii nu pjrto K i* di tingue narioiul himmi.
tnb;.M dk Chuisto. -C acalle iro Padre Rento
Pvwca, pelo; ivlovaute* servicos prestados ao Ba-
lado. ,
Km-se raere:
Do titulo d Bara i J.; luviiitieiiiia ao chefe de
diYisio Francisca Pereira Piolo.
Fot cour.edi.la a s-guile puiis.ii, dependente de
aporutariil da asseinblca geral!
~l)e frO r*. din-ios, ao 1 sargento re ornado di
Corpo de voluntario* da patria Amereo Ploren-
Uuo de Albuqueique, o qual, em couseqticneia de
teri neuio receido -ni combate, licou iiiipossihili-
i ido de procurar mete de snosistnnria
A' presidencia da provincia da Rubia fui Ji-
rijrid o segu ote aviso :
< Itio de Janeiro, col 30 de agosto de 1X7-1.
lile;. Exm. Sr. Em solueo da duvida apresentada
por V. Etc. em olliciu de I de jolln ultimo, sobre
a (ratamente i|ue compete .10 brigadeiru honorario
do exercilo U nningos Rodr.gues Sexas, e llie deve
ser dado peo coroa I cominand.uite superior da
guarda nacional do municipio de Maragogpe, des-
s* proviucia, e pelos demais nlBciaes da guarda
n iciutial, manda Sua Magestade o Imperador de-
clarar i|ue, na correspondencia e trato reciproco,
compele a dito brigadeir o tralaniento de excel-
encia, em vinude da diapoaieao do decreto n.
i.77'1 >le 10 de abril de 1861, combina>la com a d >
arl. 6 i da le n. 602 de 19 de setembro de 1830.
J>eu* guarde a V. Exc Joo Alfredo Corra de
tMireira.
Foi dirigido ao presidente da provincia de S
Pedro o segrale olkio :
a Rio de Janeiro, em 30 de agosto de 1873. -
Hii e Exm. Sr. Declaro a V. Exc, em solacio
do oflttcio o. 79o" de 5 do corrente mez. que foi
apuro vado o aclo pelo qual V Exc. anuiiliou os
ti abalaos da juuta de '|ualilicacao de votante da
fr >g uezia de Nossa Senliora do Livrameuto das Pe-
i4i*s-Brancas, reuiiiila u uiez prximo passado, e
desiguou a t' doiuiuga de seteoibro pro\imo para
a reuuiao de nova juuta, vislo constar da acta an-
n.-xa ao dito o'licio por copia que, nao leudo com-
parecido um' - eleitor para o acto da fono; ?ao da
jo il.i, o cidadao Mauoel Alvts de Medciros. um
u..- im.uedialos do juiz de paz mais retado, elege-
r.i, nesta qualidade, os niembros da t* turma, e
< i.mo supplente de eleitor e nico prsenle no-
uiera os loanibriM da i quaudo Jevia considerar-
ve impelid i para o exercicio das funecoes de sup-
(iii-ii:--, non U'i m > do g 2' do aviso n. 195 de 3 de
agiint d: UH. Den* guarde a V. ExcJoao Al-
frti Conia de. Uliveira.
%lini*it Pr deerHos e ttulos de 27 de agosto foram
u-im -.id is para a airandega de Serpa, ni provincia
do Amazouas:
lospaetor em conunissao. o i escriptur.irio da
Uieworaria do Para, Joao Antonio da Silva Egues.
2* conferenle, o ofBcial de descarga da do Rio
(irand lo Noria Felinto Xavier Pereira de Brillo.
Io escripiiiririo, o ex-ainaniu-nse da respectiva
lliMOuraru, Domo de Figueiredo Trnreiro Araaha.
2' escripturario, o pralicante da do Maranho Jo-
W Mauricio da Silva.
lliiMtei*u lajuaiticit
Por decretos de 30 de agosto, foram recon-
iluzdos no lugar de juiz municipal e de or-
l'iiaus :
0 baabaral DeraelrUi Jos Teixeira do termo de
Ctraveitaa, na provincia da Balita.
'i bacbarel Antonio Ribeirn Pacheco de Avila
do termo de Chique-Chique, na mesina provin-
cia.
Foram Qomeados juues niunicip.iei e de or-
phaos :
O bacliarel Joao Othoo do Amaral Henriques,
d Umim do lp, na provincia do Cear.
O bacliarel Ignacio da Silva Coelho, no termo de
Aiig'n Nova, na proviucia da Parihyba.
O aoliarel Francisco de Moncorvii Lima e Sil-
va, .ni termo de Jaguaribe, na provincia da Ba-
ha.
O bacliarel Adelo Jos dos Santos, dos termos
reunido* de Benevente e Uuarapary, ua provincia
do E-puito->anto.
Foi, a seu pedido, reformado oo posto de coronel
o i-oiMitc-corone! da guarda nacional da provincia
i Amazonas, Joo Wi k-u- de Malt >.-.
Pecas tuerce da serventa vitalicia do oflfieio de
egaado tibelbo e escrivo ile orpbaos, chine, ci-
ve o niais annexos do teroM de Cascavel, na pro-
voicia do Ceara, a Joujuim Gomes da Silva, no-
ueado pelo respectivo presidente p\ra servir pro-
visoriamente ua f ria da le.
Por decretos de 27 de agosto, foram creados
os lugares de juizes municipaes e de orphaos nos
l<-rm>s de Alagoa Nova, ua provincia da Parahyba,
e lis A Joao Baplista do <".ami piaui, na provincia
di S. Pedo do Rio-Grande do Bol.
Hnaanltiill se seceo de jusli;a do conselho
de estad o. seudo relator o viscon le de Nitberoey,
e i.li 'i i do presidente da provincia do Para de 15
de maio ultimo, e mais papis, alim de me a mes-
oa seccio consulie sobre a applioafo do hibeis
c-irpus no caso de priso de um guarda nacional,
em vinude de ilesobediencia a seus ^superiores e
(altas eoSMattidas no servico :|e bem assira a'erca
2. 33 de 20 de setembro de 1871, uos casos con
rorrete*.
Foi expedido o aviso soguinle :
< Segunda scc-.ao.Minuten.) dos negocios da
-j i-tica Rio de Janeiro, 28 de agosto de 1873.
lito, e Exm. SrConsulton o supplente do juiz
Municipal e de orpbaos do lermu de S. Matheu.- a
usa presidencia; primeiro, se, em vista da le pro
vincial u 22 de 2 de novemiro do anno passado,
HJe desanuexou oofflcio de escrivo de orpbios do
A* primeiro tabellio do publico judicial e nota
daquelle termo e o reuni ande segundo tabellio,
<1 -viaui lodos os autos e mais papis lindos e pen
mente os papis e autos peudeules posteriores
jiromulgacao da lei; segundo, se, lijando os autos
nudos em poder do primeiro taheRio, a elle cora-
futa dar as buscas e passar as cerlidee que) as
parles requeresaem. I)eci lio V. Exc. que todos
t>< aii'.>s o inlis p|ieis lindos ependentes, coucer-
o-iiii.. ..o liiiuo de oipliaos paasavam para o se-
guudo cariorio, a que fra annexada a escrivania,
compet ndo ao respectivo servenluaro os emolu-
nieuti- das buscas e certiddes. S. M. o Impura
d >r, a cuja presenca levei aquella consulta, bouve
por bem approvar a decisio dada por V. Exc: o
que Ibe co.niuuuico para sua intelbgencia, e em
resposta ao offlco n. 59 de 21 de jalho ultno.
Deus guarde a V. Exc. Matoti Antonio Duarte
de Azetdo.Sr. presidente da provincia do Espi-
rito-Santo. d\
Ministerl* das guerra.
Por decretos de 27 de agosto:
Foi Humeado segundo cirurgiao.do crpo de
san le ilo exercilo o Dr. em medicina Joa juim Lo-
pes dos Reis.
Eiu attenca .ios relevantes serviros prestados
ns guerra do Paraguay pelo capitn reformado de
animara do erte Jos Maria de Ponteara Pal-
meiro, Mramlhe concedidas as honras do poste
de mamr do mesino exercilo.
Do confonnidade com o art. 291 do regulamen-
to dos ananaes de guerra, approvado pelo decreto
n. 5,118 de 19 de outubro do anno proxi no passa-
do, conceden so aposentadoria com o ordenado
por nteiro ao apuntador do arsenal de guerra da
provincia da Rabia, Joo de Ges e Burgos, visto
contar in.is de 30 annos de servia, e achar-se,
por motivo de molestia imposibilitado de conti-
nuar a exerc r, o seu emprego.
De confonmd ule com o paragraplio terceiro do
plano ojie baixou com o decreto de II de dezem-
bro de 181 . concedeu *e reforma com o respecti-
vo so do por inleiro ao primeiro sargento do IV-
batilhai de infamara Salustiano Rindeira de M;l
lo, visto achar-se impossibibtado para o servido do
exercilo em eonsequencia de ferimentos recebidos
em combate.
Por portarlas de 25 foram nomeados :
Pedro Asoslo da Cunta, coadiuvante de es-
cripia da (Mentara do commando geral de arti-
Iharia.
O capillo honorario d exercilo Vicente Lopes
de Medeiros Chave, encarregado do deposito de
artigo* bellicos da provincia de Sergipe.
Foram transferidos do 4 para o 12* batilho de
infantina, o lenle Sstevo Hbeiro dos Sanios
Monteiro. e desse pira ajueile o lenle Olegario
Antonio de Sampiio por troca entre si.
Teve hceuca para residir na provincia de S. Pe
dro do Rio Grande do Sal o lente coronel re
formado do exercit Jos de Silva Pinheiro.
Por portara de 25 foram transferidos :
1)0 4* para O II* de infamara, o alferes Joao
Paulo de Agolar.
Do 8 para o 15- dito, o alferes Ihra'um Gomes
Ferreira. e deste para aquelle o alferes Pedro Lu-
dovico de Almeida Jnior, por troca entre si.
Em 27 foram transferidos:
Do 8- para o 5 bata'ho de infamara, o alferes
anual da Caoba Morera.
Do 11'para n' V dito, o alferes Joe Leoncio
Bastea. g
D) V para o li- dito, o alteres Fenelon da An-
nunciao Firmo.
Do 8- dar o l.'i dito, n lente Alfredo da Cos-
a Weine.
Do i5 para o 8- dito, o lente CarlosJMaiioel F.
ae Aranjn.
ConcediMi-se licenfa para residimm :
Na provincia do Cear, o soldado relormado Gui-
UteruM Francisco de Albuquerque, devendo ser
pago do sillo e de sua p mso pela thes mraria
de fazeuda da dita provincia.
Ministtcrio la agricultura.
Por decreto de 29 de agosto foi nomeado o
bacharel Antonio Augusto Fernandes Pinheiro pa-
ra o cargo de 1" engenheiroda estrada de ferro D.
Pedro H.
Por portara de igual data, foi nomeado o en
genheiro Francisco Lobo Leite Pereira, chefe de
secQio da commi-so enearregada dos estudos de-
finitivos para o prolongamento da estrada de ferro
de S. Paulo.
- Por igual ululo da mesma data, foi demitlido
Joo Antonio Vieira do lugar de guarda das caixas
da Carioca.
Fui concedido a Casimiro Manoel Teixeira
privilegio por 8 anuos para usar de urna machina
de sua inveneao, destinada pequea navegado e
especialmente fluvial.
Por. decreto de 6 de agosto foi concedido a
Francisco Eugenio Simonar e Francisco Toussaint
Fertin, privilegio por 10 annos para introduzir,
fabricar c vender no imperio um apparclho de sua
avnete destinado exlrahir as aris aurferas,
e o c iscallio diamantino dos leitos dos ros.
Slhisicrio i!u i-i ii'iiii.i.
- Por aviso de 23 de agosto foi mineado o che-
fe de esquadra baro de Ignatemy para o coin-
niando cui chefe das forjas navaes brasileiras es-
tacionadas no Paraguay e em Matto Gr-oss, snbs-
ttuiudo no mesmo commamlo ao chefe de diviso
Francisco Pereira Pinto.
llriistei'io dos estrangeiro.
Foi recebido em audiencia publica de apre-
senlacao no dia 30 do mez lindo s 6 1/2 horas da
tarde, no pago de S. Christovo, o Sr. Dr. D. Car-
los Maria Ramrez, enviado extraordinario e minis-
tro lenipotencaro da repblica Oriental do Uru-
guay.
Ao entregar a sua credencial proferto o Sr. Ra-
mrez o seguinte discurso:
Teuio a honra de apresentara V. M. Imperial
a carta pela qual o presidente da repblica Orien-
tal do Uruguay aeredita-me na qu-ilidade de en-
viado extraordinario e ministro plenipotenciario
junto ao governo de V. M. Imperial.
Ao enmprir to honroso dever -ine grato as-
segurar a Vossa Magestade que o objeclo da^ mis-
sao que me traz a esta corte nao oulro seno es-
tretar e consolidar os vnculos de unio e de ami-
zade que felizmente ligam o dous governos e os
dous paizes.
Nutrindo a esperanza de conse;uir no desem-
penho de minha misso a alta beiievolencia de V.
M. Imperial, aproveito com prazer esta occasiao
para saudar respeitosament ao povo livro brasi-
leiro na pessoa augusta do monharcha, cujos ele-
vados dotes de sabedoria e Justina reconhece e es-
tima todo o mundo civilisado.
Sua Magestade respondeu :
Agradeco muito a meu bom amigo o presiden-
te da repblica Oriental do Uruguay esta nova
provade sua e-lima; e espero, Sr. .ministro, que
concorrereis para estrellar as rela?des de mutuo
inleresse que fel emente ligam nossas nacoes.
0 Sr. Julio Constancio Villeneuve pedio e ob
teve exonerado do cargo de ministro residente do
Brasil na Suissa.
INTERIOR.
Os felos de que a autordade tivera noticia fo-
ram conll miados pela mulli'T - filhos de Torle-
rolli; enia i dclorminou a iiv-ma autoridade fosse
preso, e reuielieu-o para o xadrez da policia, re-
i|uisitaudo-se em seguida do Sr. pjovedor da San-
ta Casa que seja esse infeliz lecolhido ao hospicio
dos alienados.
- 3(1
A cmara dos deputados hoiitem adoplou em 3*
discusso o projecte u. 2i"> de 1871, que eoncede
aos alumnos da escola de pharmacia da provincia
de Minas as vantagens de que otara os da facol-
dade de medicina da edite, com diversas meods.
sendo rejeiuda a do Sr. Martinho Caingoit, e li-
can-io preiudicada a do Sr. Pinheiro (Toiinacen.
Depois oceupon-se com a contimiaclo da 2* dis-
cusso do projecto n. 160 deste anno, que eonce-
de urna subvencio e ontres favores a companhia
de Navegaco Paulista.
Oraran) os Srs. Rodrigo Silva e Heleoduro Silva,
fleando a discusso adiada.
Foi apresent ida a seguinte eiiieu la :
E' o governo autorisado a conceder aos rapo-
res da companhia de Navegad1) Paulista o privi-
legio de paquetes para qualquer parte do imperio.
Heliodoro Silra.
Em seguida, entrando em 2* discusso i projec-
to da commissao de obras pubhcas acerca de ar
razamento dos morros do Caslello e Sinte Antonio
llcou esta encerrada, nao se volandi por uad. ha-
ver numero legal.
Por ultimo trat/iu a eamara da I" discusso do
projecto n. 121 Ae 1871, relativo ao ahastminen-
to d'agna desta capital.
Oraram os Srs. Martinho Campos, ministro da
agricultura e Duque-Estrada Teixeira, Usando a
discusso adiada.
Do Rio da Prata temos folhas at Sido arcle
pelos vapores Galatn e Montevideo, entrados non-
lem
As de Buenos-Ayres publicara o olllcio em nue
e Dr. Avellaneda, declarando se candidato nresi-
dencia da repblica, podio a sua exoneracao do
cargo de ministro da Justina, alim de que seno
dissessem em lempo algum que elle se servir da
sua alta posicao ofBcial para influir as efcjccs.
Obtida a sua exoneracao o ministro demMfnnario
oflereceu um banquete an presidente e aoi seus
ex-collegas do gabinete.
N*o se publicara ainda a noraearao do aoceesor
na pasta vaga.
- 31 -
Na cmara dos deputados, hontem. sn*:itoit-se
urna questii de ordem acerca da eleicao do depu-
tado pelo 7* distrelo da provincia de Minas-Geraes.
enjo reconhecimento pende ain la de deejsao.
Tomaram parte|ua dic.usso osSrs. Ignacio Martins.
Cruz Machado, Martinho Camp ii>, Freitas Henri-
que-i, Gomes de Castro, Leandro Hezerra i Joao
y en es. sendo remettidos mesa doua requer-
ment, que devem ser apreciados ni occasiao op-
porluna.
Approvou depois a cmara, em 2' diseu sloo
projecto n. 502. de*le auno, relativo ao arrasamen-
lo dos morros do Casiello e Santo Antonio; e sendo
dispensado o intersticio a reqneri'nenU ikiSr Cruz
Machado, entrou o mesmo immediatami!te era 3"
discusso.
Oraram os Srs. Ignacio Martins, Ferreira Vian -
na, Araujo Lima e ministro do im|ierio, candi a
discusso encerrada.
Foram presentadas as segii'Mej emendas:
Arl. !. Fica approva la a c mcessao consun-
ta do decrete n. 5,337 de 16 de julho de 1873, na
parte em que depende da sanceo legislativa, com
as alteracoes seguintes:
l. Que seja applieada s lesapropriacOBS para
execugo das obras de que trata a reenda couces-
so. a lei n. 816 de 10 de julhi do l!<55.
S 2. 0 arl. 2' do projecto.
a S 3." O art. 3o do projecto.
4. O art. 4 do projecto.
Art. 2." Rovogam se as dispoMcoes cm coulra-
rio.
Paco da camara dos deputados em 30 de agos-
to de 1873. -Dr. Campos de Medeirot.
Sulistitua-se o art 1* pelo seguinte:
Fica approvada, na parte que depende do po-
der legislativo o decreto n. 5,337 de 16 de julho de
18,3, applicanlo se a lei n. 816 de 10 de julho de
1835 s desapropriacScs para execncodas obras e
trabaltios constanles do mesmo decreto. Fer-
reira Vi'inna.n
v Artigo uni^o. Fica approvado o decreto n.
5,337 em todas as suas parles.
Era 30 de agosto de 1873. -Leandr Bezerr.f
Foram nomiados, para a commisso que tem de
pedir a s M. o Imperador a designaco do da
borae lugar era que deve ter lugar o encerraraen-
to da actual S' sso legislativa, os Srs. Correa, So-
bral Pinto, Carlosda Luz, Leandro Bezerra, Flores,
Menezes Prado, Oveira Borges. Freita3 Henri-
ques, Jnelho de Almeida, Teixeira da Rocha, Sa-
lalhiel, Ignacio Martins, Paulino N.gneira, Miran-
da Osorio, Carnero da Caoba, Cunba Leito, Gus-
mo Lobo, Melle Reg, flollanda Cavalcante, Ba-
ro de Penaiva, Deliran Cintra, Cardoso Jnior e
Cicero Dantas.
Do Ri da Prata temos toliias al 24 docorreu-
te pelo paquete inglez Chimborazo, Ja liana do
Pa cinco.
Mais urna vez teve de desmentir-se novo boa-
to de rompimenio das uegociacoes entre a repbli-
ca Argentina e o Paraguay.
Sobre a revelucao de Entre Ries nenhuma noti-
cia encontramos alm da costumada.quando faltara
outras, isto , que era grande a desercte entre as
forcas rebeldes.
Nova invaso de indios affligia a proviucia de S.
Lui*.
Nao .e proven ainda a pasta da jtistica no ga-
bine argentino, e j se fallava na retirada prova-
vel ao Dr. Tejedor do inioisterio de estrangeiros.
para a praia fronleira ao largo de Moura.
O palnaboie Dous Amigos de propriedade de
Manoel Antonio da Silva, de itajaliy. -e vinha con-
signado a casa de Francisco Antonio Morera.
desta praca ; a qual inandou fainas para salvar a
carga da mesma etnbarcago, que consiste em
agurdente, cal e algum a O Oaw Amigos esia seguro na companhia Inte-
grr >de.
I.* DT SMKIBHO.
Dos qiiadros organisados pola directora geni
de estatislica. relativaii'enle a populaco do muni-
cipio da corte, v se que ella distribue-se pelas 19
parochias, que compem o mesmo municipio, do
seguidle modo :
fopalariio hvie. Sanl'Anna .T1.746 habitantes,
Santa Hita :i,057. Sacramento 22.927, Gloria...
17,960, S. Jos 17,378, iauto Antonio 16,756, En-
genho Velh<> 12,412, Espirito-Santo 12,097. Laga
l'),894, S. Christovo 8,787, Candelaria 8162, Cam-
po Grande 6,931, inbama 6,128. Guaratba 5,864,
Jscarepagu 5,617, Iraj 4,471, Santa Cruz 2,68o
liba do Goveroador 2,233, Paquete 903.
PapnlarAa racrxeo. Sanl'Anna 5.157, Santa Ri-
ta 4,778. Glori. 4,St, Saciamento 4,130, Santo
Antonio 3,937, Ennenho Velho 3,344. S, Jos 2,901,
Campo Grande 2,8l6, l>aga 2,7:2, Jacarepagu
2.51M S Chrisuivo 2,174. Espirito-Sanio 2.03U.
Candelaria 1,843. Guaratba 1,763, Iraj 1,439.
Inbama 1,36, liba do Goveroador Gu3, Paquete
506 e Sania-Cruz :8.

Hunlem, na eamara dos deputados, ap* a leitu-
ra do expediente, o Sr. Rodrigo Silva, oblendo a
palavra pela ordem, requeren que fosse levantada
a sesso em testoraunho de pezar pelo passamenlo
do baro de S. Joo do Rio Claro, deputado pelo
.1* district i rieit iral da provincia de S. Paulo, fal-
lecido pelas 6 horas da manh de aDte-bontem.
Sendo approvado este requerimenio, o Sr. presi-
dente d-u para orlem do dia de hoje a mesma
anteriormente designada, cMMOaodd pela votaco
do projecto n. 50!. cuja discusso tb-ou encerrada
na |>entiltima sesso.
Pelo paquete franeez Eryman'he e pelo inglez
G ihlio recebemos hontem. toldas do Rio da Prata
t 27 do passado.
Relativamente a revulucao de Entre-Rios apenas
mencionara ulguus reconir s do partidas pequeas,
tornando a dizer-se que Lpez Jordn eoncentrava
as suas forcas sobre o Paran.
A' ieterpttaro do congresso sobre o estado das
provinuias, de pie j fllanos, o governo argenti-
no limitou-se a resp mder por scriptn e um pouco
evasivamente, a legan-Jo falta do lempo p:ra
prompiar as lafonuacoes pedidas e a ausencia do
ministro d i guerra, por cuja reparlicao tbiham
sido Puadas a maior parte'das medidas, sobre as
qoaae se exigaui esclarecimentos. O congresso re-
solveu i'i-i-tir, marrando ivo da para o ministe-
rio comparecer.
K u Buenos.\yres houve um atleutedo contra a
vida lo presidente Sarniento. Na noute de 21
para 24 passava esle ua sua earruagein, quaudo
de tres individuos postados na ra parti urna de**
carga de bacam irle- que felizmente iienbuin mal
Ihe ciuso'j, apezar de urna lala penotr.ir no v i-
culo.
Dos assassinus uta logrn escapar, mas foram
presos os outros dous, um dos quaes tinha o bra-
co esmigtlhaqo psla arma que loe rebentara na
mo ao disparar. Erain ambos italianos e jovens
de trinta e tanto? anuos.
Ao principio tu lo negaram, mas depois cotifes-
saram que tm homem delles desconhecdo Ihes
olTorocera 10,0-KJ patacoes para niatarem o prn-
dente, dando-lhps logo 200 por cenia. Os presos
o irmos n chamam-se Francisco e Pe 1ro Guer-
n. O caso assiin mais miudamenle referido :
Em um domingo achava-se n'uraa (averna Fran-
cisco Guerr, marinheiro da Patitn,-surta na Boc-
ea do Riaenuete. Uui Jiomeni desconhecido cha-
mando-o de parte, pergiinlou-lhe se liaba eompa-
nheiros, ao que elle resoondcii que dous. Ento
o deseonhecid. fe-Ios reunir e otereceu-lhes...
10,01)0 patacoes para- malarem o presidente da re-
publica, boinein rao, de quera quera vingar-se
pelo milito que havia soffrido. Aceita a proposta
rureberam os tres 20) patacoes para beberera um
copo de viane.
Passaram se duas semanas, durante as quavS
es assassiaos recebiaui diariamente 2'i0 e 3 sos cada, um, at que chegou a noute de 23. O
desconhecido reuni os n'uma casa da ra Maipu,
disiribuio Ihes bacamaries, punbaes e pstelas, e
passando o Sr. Sarmiento n'uma carruagem disse
Ibes iue fizessem fogo sobre quem ia dentro.
Francisco Guerri ia adiante, logo atraz seu ir-
inte Pedro, e o fgido um pouco mais longe. O
primeiro apona por urna portinhola da sege, mas
como se a Providencia quizesse puni-lp, o baca-
marte rebenta-l .e, quebra-lhe um braco e falo
cahir sobre Pedro. Este procura sustenta lo em-
quanlo o terceiro desappareee. O mandante deste
nefando cr.rae uo fra mais visto desde que mos-
trara a carruajera em que vinha o presidente.
Tal resumidamente a narraco da imprensa,
conservando se ainda o processo em segredo da
justica.
0 presidente foi alvo das fclieitac,oes de toda a
cdade por baver escapado a to abamnavel atten-
lado.
nio de .milito
29 DE AGOSTO DE 1873.
Francisco Torterolli, bem conhecido pelos actos
de insania que praticou na casa de eorreccao, on-
de estove preso, e que, leudo sido julgado ante-
hontem pelo jury, foi absolvdo, hontem pelas 3
horas da madrugada teve um accesso de loucura
durante o qual tentou matar sua mu er e filhis,
moradores a ra da Lapa.
0 desgracado comecou por matar um cao e
quantas gallinhas e outras aves domesticas encon-
trn na casa ; em seguida condu'io a mulher para
um quarto, e, depois de all encerrarse com ella,
declarou-lhe que ia dar-lhe cabo da vida; a po-
bre senliora, aproveilando um momento de distra-
ccao do marido, saltou por ama janella do quarto
para o quintal, e dabi para a casa contigua. Tor-
terolli ento voltou se contra os filhos, que feliz-
mente conseguirn! tambem, fugindo evitar a mor-
te com que eram ameacados.
Tendo noticia desies tactos o Sr. subdelegado da
Gloria, corapareceu na referida casa da ra da La
Cma commisso composta dos Srs. conde da Es-
trella, baro do Rio-B miio e Manoel Antonio Gen-
calves Roque, em norae dos amigos que cunta no
Rio de Janeiro o Sr. Dr. Daniel da Silva Rilieiro,
encarregado do consulado. porluguez, ofereceu
boolem ao mesmo senhor a venera do grao de
commendador da ordem da Rosa, com que foi o
Dr. Daniel ltimamente agraciado pelo governo
imperial. A comuienda cravejada de brilhantes'
irabalho de ourivesaria que bnnra as officinas
do Sr. Luiz de Rezende, onde foi felo.
Entrou hontem no nosso porto, procedente de
Itajahy, o palhabote Dous Amigos, raestre Jos Ma-
ra Batalha.
Depois de visitado segua o palhabote para o an
coradouro de descarga, e j se achava ao largo e
fronteiro a ponte das barcas Fluminen-'t. quando
da mesma ponte largou a barca Santa Mtrii, que
ia tasar a viagem das 2 l|4 horas da tarde para
Nitberoy.
Vendo a gente do palhabote que a barca vinha
com direccAu ao ponto onde elle se achava, orcou
quanto pode para evitar o embale, mas debalde;
a barca foi sobre elle, e com a panc.da levou Ihe
toda a roda de proa.
Afondara o barco em pouco tempe se o Sr. Car-
los GouUrte, empregado da companhia Pluminen-
u, aproveilando a barca Corte, que chegara de Ni-
Iheroy, nao se dirigisse logo ao logar do abalroa-
mento e iratasse de rebocar o palhabote ; mas por
_ J tres vezes partiram-se os cabos de reboque. Entio
(ia, e depois de trocar com TorteroUi algumas pa- o Sr. Goularte foi buscar o vapor Gama, queeata-
avras, conheceu que o infeliz se aehava em esta-1 va atracado na praia das Manon*, com o sea
do de alieaaco meuui. I auxilio, coasegato rebocar o palHMte, ja a nado,
Os accionistas da companhia de seguros Fideli-
dade, reunidos houltm em assembla g?ral sob a
presidencia do Sr. Pedro Augusto Vieira, servrado
de secretarios os Srs. iM. de Maltes Souza Souto e
J. L. da Costa Morera, approvarara unauiraeineo-
te o seguinte parecer da sua commisso de exame
de c iotas :
. Srs. accionistas.A commisso eleita em as-
sembla geral d i 28 de julho ultimo, tendo adqui-
rido a certeza de que os Srs. Joaquim Bernardino
Guimares e" Jos Pereira da Silva Braga, designa-
dos pela sorle para a auxitiarem era seu trabalho,
ouforrae determina o art. 27 dos estatutos, estao
ausentes do iinperi , resolveu funecionar em sua
maioria de accordo com o que estatu o mesmo
artigo em seu pe iodo final.
c A commisso examinou cuidadosamente os
livros e todos os documentos comprovadores das
transaccds efectuadas pela directora da compa-
nhia Fnlelidade, no exereicio do seu mandato.
A cscriptnracio est feita com toda a exacti-
dio e nitidez, e o saldo das diversas comas canfe
rem com os do bataneo.
A commisso adopta como suas as informa-
c8es ministradas pela directora, s quaes nada
tem que accrescentar, senio que os directores des-
la e de outras companhias de seguros reconhecc-
ram mais urna vez a conveniencia de restauraren),
com as alleracSes que a pratica tem aconselliado,
a tabella geral de premios que vigorou durante
alguns meces.
< A commisso observou com prazer que a ins-
tituico de tres novas c mpanbias seguraradoras,
todas hbilmente dir gidas, nao influio snnsivel-
mente na receita da companhia Fidelidade ; e que
os enormes prejuizos qne seffrea durante o anno
social, b**m eomo as despezas extnordinarias in-
herentes liquidado de alguns sinistros, uo so
deixaram intactos os seus crditos, mas tambera
nao obstaram a que fosse augmentad* o fundo de
reserva, disiribuindo no segundo semestre um di-
videndo na razio de 8 '/ ao anno.
Concitando, a commisso de parecer :
1.' Qne sejam approvadas as cont is da direc-
tora, referentes ao anno de 1872 -1873.
el* Que se d una voto de lovor aos Srs. di-
rectores e a todos os empregados da, companhia,
especialisande o Sr. Guilberme Frederico de Sam-
paio.
Rio de Janeiro, 23 de agosto de 1873. Ma-
nuel Jet de Faria.Luiz de Rezende. -Manoel
e Miranda Castro.
- 3 -
A camara dos deputados approvou hontem a
seguinte emenda substitutiva do projecto n. 502
deste auno, acerca do arrasamenlo dos morros do
Casiello e de Santo Antonio, licando prejudicadas
as que foram offereeidas pelos Srs. Ferreira Van-1
na e Leandro Bezerra :
t Art. 1." Fica approvada a concesso constan-
te do decreto n. 5337 de 16 de julho de 1873, na
parte em que depende de sanceo legislativa, com
as alteracoes seguintes :
< 8 1 Quo seja applicada s desapropriaeoes
para execu>;o das obras de que trata a referida
concesso, a lei n. 816 de 10 de julho de 1855.
I * 0 art. 2.* do projecto.
S 3. O arl. 3.*'do projecto.
I 4.* 0 art. 4 do projecto.
Art. 2" Revogam-se as disposices em con-
trario.
Paco da cmara dos deputados, em 30 de
agosto de 1873. Campos de Medeiros. o
Tendo em seguida a cmara de votar o parecer
da commisso de constituco e poderes, reconhe
cendo deputado pelo 7.- dislricto eleiteral da pro-
viucia de Miuas-Geraes o Dr. Joaquim Pedro de
Mello, foram apresentados os dous seguintes re-
queriinentos :
Requeire que o parecer sobre a elcico do
um deputado, leita uliimamenie no 7. dislricto de
Muas, voiie a commisso com a reclamado apo-
sentada cmara pelo Dr. Theophilo Olteni.
Ignacio Martins.
t Reqi.eno que os papis relativos eleico do
7.* districto de Minas voltem commisso de
constituirn e poderes com a reclamado do Sr.
Dr. Theophilo Oltoui deveiido-se annunciar novo
da para apreseutaco de reclamado dos inte-
ressados. Gomes de Castro.
Oraram os Srs. Freitas Henriquas. Luiz Carlos,
Gomes de Castro, Ignacio Martins, Pinheiro Gui
maraes e Sdveira Martins.
Sujeto votaco o requerimento do Sr. Gomes
de Castro, por ter sido retirado o primeiro, a pe-
dido do seu autor, foi rejeitado, sendo approvado
o parecer em todas as suas conclusoes, e declara-
do deputado pelo 7." districto da provincia de Mi-
nas o Sr. Dr. Joa |iiiin Pedro de Mello.
Depois oceupou-se a cmara com a 1.a discus-
so do projecto ii. 528, deste auno, que approva a
pensi de i mensaes concedida a D. Maria Ca-
rolina Rosa de Druminond, viuva do major de en-
geaheiros Monleiro de Druratnond, a qual flcou
encerrada.
Em seguida continttou a 2 discusso do pro-
jecto n. 460, cencedendo diversos favores a com-
panhia de Navegado Paulista.
Oraram Os Srs. Biltencourl Cotrm, Rodrigo Sil-
va, ministro da agricultura e Correa, licando a
discusso encerrada
Tendo o Sr. Campos de Medeiros pedido dis-
liensa de impresso, foi approvada a seguale re-
daceao :
A assembla geral resolve :
Art. l.# a escola de pharmacia da provincia
do Miuas-Geraes ter o mesmo numero do cadei-
ras que o curso de pharmasia das faculdade de
medicina do imperio ; sendo ellas preenchidas
por concurso feto peranle a congregado do Rio
de Janeiro.
t Arl. 2. Os alumnos nao poderao ser admitti-
dos matricula, sera se mostrarem habilitados
com os mesuios preparatorios exigidos para os
alumnos do curso de pharmacia das ditas facili-
dades.
t Art. 3. Os diplomas de pliannaceutico, pas-
sados pela escola de que Irata o art l.", aos alum-
nos approvados as materias do curso, sero vali-
do; era todo o imperio
a Art. 4." As escolas de pharmacia que forera
creadas polas assemblas legislativas das outras
provincias, com as mesmas cadeiras dos cursos
Je pharmacia das faculdades de medicina, e com
pessoal docente habilitado peranle estas, gozaro
de favores idnticos aos concedidos escola de
pharmacia da provincia de Minas-Genes.
Art. 5.* Ficam rovogadas as dsposic.ocs em
contraro.
w Sala das cofnrais-oes, era 30 de agosto de
1873. Cunha Figueiredo Jnior. Fausto de
Ayuiur.
4 -
Hontem a cmara dos deputados approvou cm
1." discussiio o projecto n. 548 deste anuo, que
concede a pensoe de it mensaes viuva do ma-
jor de engenheiros Antonio Pedro Monteiro de
Druminond, e em 2.* dita o projecto n. 460, tam-
bera de 1873, que faz varias concessoes compa-
nhia de navegad0 a vapor Paulista, cora as se-
guintes emendas, sendo rejeitado o addlivo do
Sr. Joo Mendos.
a E' o governo autorisado a cemeeder aos va-
pores da companhia de navegado Paulista o pri-
vilegio de paquetes para qualquer porto do im-
perio. lleleodoro Silva.
Offereeemos como emenda o seguinte pro-
jecto. Biltencourl Cotrim. -Carlos da Luz.
j A assembla geral resolve :
Ar:. 1. Fica o governo autorisado a conce-
der compiuhia de navegadp a vapor Cathari-
nense, por espaco de 15 annos, a subvend0 aQ-
nual de 12:000*000.
t Arl. 2.' Ficam revogadas as disposcoes em
contrario.
o Sala dos commissoes, em 23 de agosto de
1873. Amito di Carvalho, Augusto Leal de
Menezes.
Era seguida, depois de orar o Sr. R.)drigo Silva
e de algumas observacoes dos Srs. ministro do
imperio e Eufrasio Correa, approvou a cmara
em 2." e 3." discusso o projecto n. 407 de 1873,
que concede dous annos de lcnca ao Dr. Pedro
Americo, professor da academia das bellas artes,
para piular na Europa .um quadro de assmnpto
de historia patria, sendo s um com ordenado ; r
e tambem a seguinte emenda :
i Fica o governo igualmente autorisado para
couceder ao senador Firraino Rodrigues Silva,"
desembargada da relad0 da corte, um anno de
licen;a com o respectivo ordenado, para tratar de
sua sade onde Iho convier.Pniifino de Souza.o
Occupou se depois com a 2." discusso do pro-
jecto n. 522 de 1873, nue manda pertencer ao
collegio da cidade da Cnristina, do 3.a dUtrcto
da provincia de Minas, os eleilores das parochias
de Santa enharina e da Virginia.
Orou o Sr. Ignacio Martins, li.-ando a discusso
adiada.
Foi apresentada a seguinte emenda :
> rt. I.* Fica creado um collegio elettoral no
municipio de S. Jos do Panizo, comporto dos
elehores das freguezias do mesmo municipio.
Art 2." Este collegio far parte do 5 dis-
lricto de Minas Genes.
Sala das sessoes, 29 de agosto de 1873. -Bal-
bino di Cunha.
Por ultimo a eamara oecupoa-se com a eonti-
nuacao da 1.a discusso do proiecto n. 421 de
1873, acerca .do abastecimento d agua nesta ca-
pital
Oraram os Srs. Correa e Ferreira Vianoa, li-
cando a discusso encerrada.
DIARIO DE PERIUMBTJCO
RECIPE, 10 DE SETEMBRO DB 1873.
\oticiu do aial do imperio.
Hontem s 11 horas do dia fundcou no tamao
o vapor franeez Erymanlhe, trazendo dalas : de
Goyaz 27 de julho, do Rio da Prata 27, da Moas
Geraes 24, de S. Paulo 31, do Espirito Sanio 24
do passado, do nio de Janeiro 4 e da Babia 6 do
corrente.
Alem do que damos sob as rubricas Parte Op-
ctal e Interiur, encontramos nos jomaos o que
segu :
GOVA/.
Foi sanecionada pelo presidente da provincia
a resoluco .da respectiva assembia, creando ama
repartido de instruedo publica.
No da 1 de julho, anu versarte da sagrado
do hispo diocesano, celebrou-se raissa de tuanh
na catiiedral, om assislencia do presidente da
provincia.
Ficava aberla a trceira escola da capital.
Foi enlhusiasticamente recebido ai a capital o
balalho 20a de volta do Paraguay.
MI.NA8-CKRAB.
No dia 20 chegou a Ouro Preto e entrou no
exereicio do cargo de chefe de policia o Dr. Ce-
sarlo Jos Chavantes.
Escrevem de Januaria ao Maris de Minas, em
dala de I i do passado :
Pelas ras desta cidade costuma passear um
rapigo de nome Jos Chrispim, um pouco surdo,
um pouco ceg, mas perfeilamente robusto e bem
desempeado ; senlindo, sobretudo e sempre, um
terrivel prurido de lingua, que o faz dar a tra-
mela a torio e i direito
Refeie com a maior minuciosidade factos oc-
corridos durante o seculo passado, nos bellos lem-
pos dos capitaes mores ; coota como e quando
foram aneados os alicerces da primeira casa
aqui edificada, etc., etc.
Annuria-se-lhj, porcm, o semblante toda a
vez que se lembra que em 1624, sob o frivolo pre-
texto de avancada idade, nao consenliram que
elle tomasse parte na expedid0 militar aqui or-
ganisada para bater as forcas do caudilho cea-
rense, coronel Filgueiras.
K' o caso que, haveudo nascido em 1752, Jos
i'.lirispim, conta boje rento e vinte e um annos te
CH1LK.
O presidente da repblica 'apresentou ao eon-
gresso um projecto efe lei augmentando os hono-
rarios dos magistrados.
Por este decreto ticavam vencendo :
O presidente do supremo tribunal 14:000 an-
uuaes ; e cada um dos menibros do tribunal...
13:000*.
O presidente de cada umadas relacfies 13:000*;
e cada membro dellas 12:0001*
Os juizes letlrados de Santiago, Valparaso, Se-
rena e Coneeteao, 10:000i annuaes.
Os outros diversos magistrados 9:000*, os das
capitaes das provincias, e 8:('O0* us das outras
differentes comarcas.
s PAULO.
O Exm. Sr. bhpo seguio para Itu', onde pre-
tenda demorar-se alguns das.
L-se na Gazeta dt Campias de 28 :
Trata-se de crear nesta provincia, sb a de-
nominado Unio dos Faiendeiros, urna associa-
do, entre os fazendeiros mais respeitaveis, para
0 lira de cstabelecer em Santos urna casa, onde
se veadam, sob os proprios auspicios e liscalisa-
d, o? seus cafs e demais gneros de exporta-
do Ter a casa gerente e administradores da
escolha dos associados, e as porcenlagens oa
rendimentOs das vendas sero pagas aos accionis-
tas com juros e dividendos correspondentes s
suas entradas.*
Foram capturados no dia 29, para as bandas
do Pary, dous gales que nesse mesmo dia se ha-
viam evadido da cadeia da capital, na occasiao
em que faziara a limpeza do quartel da guaruico.
Consta va, por pessoa fidedigna, no dizerdo
Crrelo Paulistan; que as 20:0O acc.5es emitti-
das para o ptolongamento da estrada de Campi-
as ao Rio Claro acbam-se passadas tendo to-
mado as ultimas, que restavam no escriplorio da
companhia, o Sr. Baro de Iguape.
Esta estrada o prolongamento da de Jundiahy
a Campias.
Escreveram da cidade de Campias :
t Tendo o escravo Francisco enmprido a pena
a quo fira condemnado na ultima sesso do jury
desta cidade, no dia 28 do corrente, ao descer
enxova o olBcial de justica Joio Francisco de Ca-
mafgo, para tira-lo da priso o entrega-lo a seu
senhor, o rnesmo escravo accommelleu-o com
urna faca que conservava oceultamente, travan-
do-se urna terrivel lula, da qual resultou ficar o
ofBcial de justica gravemente offendido por di-
versos golpes que recebeu.
c Comquanlo estivesse presente urna praga do
destacamento e diversas outras se conservassem
porta da euxovia, fra de duvida que Joo
Francisco teria suecumbido ao ataque feroz do
seu aggressor, se outros presos nao tivessem
acudido em seu auxilio. Em seguida o Sr. dele-
gado de policia, que se achava presente, fez en-
trar naquella priso tres pracas com intuito de
desarmar e obrigar subordinado o preso, qne
com a faca em punho protestava morrer ou matar
todo aquelle que prelendesse locar-lbe. E efleeti-
vament, ao ver que as pracas se Ibe aproxima-
vam, tentou primeramente suicidar-se, dando
um golpe com a propria arma, e, acto continuo,
atirou-se sobre os guardas, que, felizmente, con-
seguiram subjuga-lo e desarma-lo, sem dar-lhe
terapo para a perpetrado de novas offeusas.
Procedeu-se a corpo de delicio no offendido,
que, segundo consta, acba-se em estado muito
melindroso.
No mesmo dia e na mesma cidade, Jos Das
da Silva, qu dado ao vicio da embriaguez,
achando-se forteraente alcoolsado, dsparouum
tiro de pistola sobre saa lia Escolstica Mana
de Jess, mulher de avancada idade causndo-
le offensas, qne nao oram reputa as mortaes
pelos peritos que fizeram o corpo de delicio.
Refere a Tnfcwia do Amparo, em data de 28 :
Tendo sido encontrado, em a noute de 23 para
24, margena do rio Camandocaia, o cadver
da menor Egydia, filha de Miquelina Maria Fran-
cisca, foi esta denunciada como autora de In-
fanticidio. O auto de corpo de delicio verfncou
que a mort) foi cansada pela asphyxia por
submersao.
Fallecera em Campias o cidadao norte-ame-
ricano Dr. Jos C Reinbordt, ha muito domicado
all.
Declara a Gazeo de Campias, de 31 do
passado :
a Inf irmam-nos que um individuo descoonecioo,
depois de se apresentar a certo negeeiante desta
cidade pedindo Ihe pousada, que Ihe foi recusada,
como era natural, diriglra-se era seguida i casa
do delegado de policia eew a mesma pretenco ;
e perguouudo-lhe esle quem era, rVspoudeu ser
urna das pessoas da Sanlissima Trindade. A esta
1 explicado, dada por um homem que nio tem re-
I tideneia arta, o Sr. delegado replieou laeooica-
I mente : . ., w
V passar a noite na cadeia, que eu amanna ta
esure para verificar se o senhor a Padre oa o
Pi'Oko ou o Espirito-Santo.
E o santo homem achou o que procarava,
perooilou no grande hotel do Sr. *#> Rodri-
gues.
.:
-i


3

4


- .-*.X.*-
\Uttt *> Pmambuco Qu^ta feira l(*de Setembro de 187?.
.....JljW* '>' '..'.'g 1.-----------1_ ____________________


Entrara nq
uera naci!
MU bol do O
cotnmissionai
*9*o do p a
KSP!RtTO SASTO.
> .guerra Ai aguara, levando a
i de fragata Metto Tamborn,
i goveruo de determinar a pu-
t at narra daquellacapital, exa-
ina lo o sondar a barrinlia do no da Costa.
Fallecer a 16, na capital, o commendador Luiz
4a Silva Alvcs Jo Jmmv}* Snuo, a 'dld? do
I amws.
Rcferem as flM* da hpit* da -pravinfla do
spirito Santo:
a Palleceti r* < y-ABipIrCa Mariae lesus,
Ja freguezia d4 &^o-'4 4o tem annos da tlade.
Nesle goj<* alala temos urna m"ta dinia neta
eidade, juo se M|am' do.-ternm cernido qud] >.<
Y Minas ') W tead.i ara I %
MO I'S j\nh?.o
A a-smbla ge legislativa T> prorogada
at 10 do crreme.
No senado prosegua a diseussio do projecto
coneedendo favores ao Banco do Brasil.
Na sesso do da i.* do corrento foi I ido, e ada
4a por fer pedido a pnlavra o Sr. Leitaoda CunUa,
o guinte requermeHto do Sr. Candido Men-
jies :
Requeiro : I.*, que a mesa do. senado exami-
aepia a disposicau do att. 47 A, indique os meios
de lua-exccuco de m modo clara e elllo*:.
2.*, quo se solicite do govecno informaedes
acerca dos moiivos qao leve para manSar esta-
cionar no Para o corpo fie artilharia de liuha, que
te aeava na Baha.
3', que entro tanto se faca a respeitoda missao
jue se diz mandara 'Roma para tratar da questae-
erooisa.
fa sesso do 1 foi spprovada em 3.* mettsaao
reinettido a saneeo o projecto mr.ndando cons
truir urna estrada do farro no Rio Grande do
Sal.
Snti mi. 13*8 adata de2.>4.agostnfo sane-
tionwdo o prpjocio :da assembia geral, fixando n
ie OS excrcieios de 16*3 f7t e "1874 1873.
Foi prorogada por 30 das, com meio ordena
do, a ruen concedida ao juz de direito da-ca-
marca de "Ouricury, em Pernambuco. bachar-l
IQauocl Caldos iiarreto.
_\ .i o forani agracia* :
Caimro Airguto Inopes, condenmado em 20
do oea-imbre de iSM, a pena de seta armes c 40
dias de gafes para a ifha de Fernando, e a multa
correspondente melado do tempo, pela relaco
da cune, por -rime de moeda falsa enumerado
em siembro de 1863.
ltax.imi.-ino de -"oum Lima cui-lemrtido em 23
de agosto de 1867 pena de 10 annos de priso
com traba-ho, em virlude de daejsao do jury do
termo ite Sania l/.al>-l de Parapss, ra provincia
da Ba*iia, por crinre de homicidio cornmeUiJo em
3 d rnlo de IHrtfi.
~ Pelo ministerio da marinha 'Jeterminou-se
presidencia dn Pernatnbuco que faca construir
n'i ctpertivo arenal una bsleeira d i remos,
para o serrico di", visitas d saede o polica d
pwio, coufofuid requiiituti o miaiiterio do im-
perio. m
-Pelo miniilcrio do imperio eommunicou->e ao
presidan ci; p.-nvineia de PiTHambuco quo Sal-
vador Heorique do Albuqtu-rqce fi)i dispensada
das provas da capaeidade prefissional, alim so-
acato )ninscrewr-se para o concurso i caJeira
i grammatlea c lingua aaeionl do curso de
: p.iratorios annexo facildade de direito da
ecife.
Eis a; nocias commerciaes da ultima
datn :
i i) mera do de cambio iH a-t.vii e nuii .s rme do q* hoMom. A taxa de
Sii-i liaileario sobre l.nidres loi reduzida para
7 (r"d e'o papel da uraca oi negociado a 8S 1/8
J. S'!: Frin.a p.^-aram s som.nas insigni-
dtfis r:'!ii i--., por franco.
&ttmaa ser-poaeo activo o movinicnio das
>|iit; .-. :--ii's de Oii/i, que apenas alcMearan)
h -j>- .-.* |tV'c i.4 d- i.QSS e l:0i7 a dialwiro.
i) mercado de aceites apresentou p.mca ncti-
Ti!: ais si-guiutes pre.'.is: llano) dt Brasil
?->.: por aecJio, paganmito o entrega n pt'milli-
ni > m.i le Irnsfereneia; Raneo Itnral e Hypoth*-
cari'i tV> a dinlieiro ; banco nacional 524 ; cum-
pal:ia das Mina< da Cappava 5" ; ronmanhia
dis doras de I). II a294000.
' As vendas de caf eifeeluadas boje forani pe
faenas e as de assoear regalaros para consum >.
Sanlratn tambem para consumo cerca de
fi.rtOi arrobas de carne secca.
r l-'ri-t.ram-se dous navios, sendo um para
JTim;rto:ii Hoads ordem, caf, a J2 s. 6 d. o
unid jura Nova-York ou Baltimore, dito, a 30 s.,
a-r-liusciiin .") 0/0 de capa.
A alfan l-g i da corte renden no mez 43
agosto 3,73i:ISlKKB
>MIIA.
Cegaran lujar sueco Britnnnin, conduzindo
261 eolon-d para a colunia M>niz, em Cmnman-
Ittaba, i->n::i mieindo o e invnindaate desse na-
rio j i- :n a! na de '.?, 35' d- lat. >?, e I, 18'
de lunj,'., f i ion navio c'iaoiad < < falla pela fraga-
ta azfea /// ispesr.
A fragita ia Je Londres pan ta*cMaod
Arribara o bngae aHemi > Rilphin, que ia dn
Buenos- Ayivs para S flomat
f.e;nos no Correio :
En razao anda das ultimas aotioias rccebi-
d.\' <-ibre a c'io'-'ra imrbits, que invadi algumas
ridadoa dos listad i is-Unidos, pelo goverin de>ta
provincia f.ram dadas as seguintes lrovidencias.
CIBiiou-se ao proprintario da fazenda II >m-
Despaclio, costa do Mar (i mJe, para declarar
si a cede, caso o goverao preciso dola, e sob que
ronh.^oes o faz.
A' cmara municipal e ao Dr. chefe de polica
Sara providenciaren sobre o asseio da eidade,
el exeeaeaa das pasturas manieipaes.
Ao Dr. chefe de polica, aos cnrnmandanla^
das armas c do orpo policid, ao inspector da ar-
senal de marinlia, aoi directores do arsenal de
guerra e do hospital militar, ao proradnr da Sania
Casa de Misericordia, e a S. Exc. Revma., reeom-
mendando a restricta observancia dos preceitos
tiyicnicos, as prisde*, hospiUes, quinis, asylo
de nMadJeidade, hospital da caridade o seminarios
e calamento dos respectivos edilicios.
No bu de agosto renderaui: a alfandega
6!)i:2lij490; e o correio 4:724*705.
aufragou na barra de Gaunavieiras, o pata-
chjalleinio Anna Mura, que d'ajui sabio com
^ermisso do governo para carregar madeiras.
salvmse felizmente a tripolacaa do navio e o
guara d'alfaodefja que nell-i ia; ehegaado todos
ao porto desta capital na lancha Co*cei$ao de Ma-
ra, procedente de Commaadatuba.
No dia .2 do correnta, s 10 horas da noute,
entre o cabo do destacamento da casa da plvora
e dous soldados do raesmo destacamento, travou-
e um e> nilicto le quo resultoo ser assa referido cabo, pondo se em fuga os dous soldados,
Jogo que foi perpetrado o erime.
Tendo -ciencia do facto o Sr. Dr. eliefe de poli
a, ofnViou im'ncdiatameute ao Bxm. Sr. brigadei-
ro commandante das armas, communieaaio-lhe tal
uceurrencia, para sobre ella providenciar na for-
ma 4e direito. -
Ha povoaco da Estiva, no lia 22 do mez fin-
do. fui assassinado, con u;n tiro, o cnoulo Andr
"Ferreira Vidal ; seado encontrado o sea cadver
ao dia immediato, dentro de urna gamboa, couhe-
cida por Sanbue, jauto a canoa em que tinha sahi-
do liara a pesca, e tactos todos os objectos que
linlu levado para tal Um. -
O subdelegado rwpelivj procedeu a corpo
de delicio e tinha feit) is diligencias policiaes ne-
ees'arias para a instaurafi do processo contra o
autor do eiiuie, que aijuda nao era descoberto.
^0 -t. Or. chufe du polica ofljciou ao delegado
4^ Jiguaripe, recomineiidindo loo que empregas-
ae a< in iis eiwcgicas e aceitadas providencias afina
4e ser conhecido e puAlo o assassino. n
O cambia sogulva sobro Londres 26 d. baa
cario e particular.
nal da t do abril fliina niil/^lfjujtl_
pieza o direito exclusivo de lazer as descaigas dos
navios.
Bronco. Sr. pre*idcBi da pruviiwtn de Perna.ni;
buco.
' t Pnbl1que-si\ Palacio da presidencia de Per-
namhuco em 9 de setembro de 1873. Lucena.
PrisAn e pruve.ssit. Por ordem do E
Sr. commendidpr presidonto da itortacia foi
dado reaoiber fortileza do Burai-o e met'
conelho da inveetlgaco o Sr teueute*
Alcxanre Auguatode Fras Villar, cuminaadMlo
do 2 batalhao do infantana do oxercilo, por ter-s>
reculado a tomar parto no crtelo que, ante i eli-
gi de S.II. o Imperador, se celebrafa no da 7
do corrate, ordenando aos seus subordinados fl-
zessem mitro tanto, bem como por nao' ler feito a
devHa cantinencia primeira autoridade da pro-
vincia, (piando atropa destRou em friStitedtrpitia
ci da presidencia.
Arreuiatnvbcs lnovUo4ai-s. Vao a
{iraca, perante a jauta da ihosourarla provincial :
ainanh, os re|ros da ponte sobre o rio Govanna,
oreados wn & 1444900; no da -b-*ronte,
o sitio dos Remedios, adjudicado fazenda, por
3:750*500, e osroparos da ponle do Desterro, or-
eados em 1:5044229.
Vapores a sahir. A 12 do crrante, o
Cururip* para Mainanguape e o Parahyba para
G-oyanna ; a 15, o GequiA para o Aracajn, Pencdo
c Mac.M, o Pirapamn para a Granja o escalas, e
o P-rrrhyla para Tamandar o Ri Fornwau.
Vapores spcrailos. Hojc ou anunbi,
obrasileiro Ponido snldo^mperto> de 12 a 14 do
corrate, os nglezes Mageitan de Calho e osalas.
e Britoiita da Europa.
Impostas proviaciaes. Termina ao
dia 27 do convine , (trazo marcado para o paga
monto, no consulado respectivo, nlos imuostos |i.-o
vaciaes correspoudeales ao anuo linanoaira de
172 1873. Fimbiesse"pra) sero ellos cabra-
dos judicialmente cem a multa de 9 / o as cus-
tas Iluiioo ComiHercial. Dove raean-se
boje, ao niek> dia, na sie do banco Gommercial
de IVraambuco, na na do Vigario n. I nJar
terreo, a reuniao da assmnbla geral dosneeionis
las respectivos para ouvrem a leitura do rotatoria
a do balancodo anno findo em 30 de junho -ul-
timo.
Si-rvir mortnnrio. Ammih c o dia
designado para a rerepea e al tortura das propos-
las para <* contrato oW servco itiortnaro Ha cida-
Jc do WeoiTo, mediaitte o pnvHepie por 20 znnos,
sub as clausulas da le provineaUn. 1.121 n ss qne
a junta administrativada Santa Jasa de Misericor-
dia do ISecife formnlon. A sesean dessa^orpora-
rao, perante a qnal tem lugar a lietac.ao, 8omRa
is 3 horas da tarde.
Vapor Para.A saluda deste vapor da
companha hrsstieira do Rio dr Janeiro para o nor-
te do imperio foi adiada para 10 do corrente,
Waprrmai Tribunal sessao de :t0 do agosto, deMa tribunal, foi jaldada
a mri de l'eniambiico. Itecorrente Damazo Miranila de
Souzi Cmitfl. recorrida a jastica. Juizes, relator,
o Sr. Majnni; revisores, os Srs. Simoes da Silva
o Mosslas de l.eao. Helatad.i a causa, nao toma-
ra m soatnoirnaato por ter sido man testada a re-
vista lora ida prazo legal; uoaniniemanta,
Nessa inesina sesso o conselieiro Rarbosa i)e
Oliveira expozos da revista crime n. 2.140 (do
acordaos da rela-.-iio de Pernainbu'vi). -Itecorren
tes Antonio Feitoea de Mel o. Luiz Jos da Silvera
o Jos Ferreira da >ilva Chaves, recorrida a jnsti-
ea- Feita a exposiqao, passon os autos ao seu in-
mediato o Sr eoiiselheiro Villares.
4*:(cta Jurdica. -O n. 31 deste jornal
TT.niin :
Gaxeta Jurdica : O ania itralic-i, introdtizido
petan-firm/adJeiana>de.oppar a suspeicao ao
presidente do jury, u:ni oppreasao impa, que
f-supprime tola a garanta dada ai r'j no ulga-
inonioda causa. -Juriidcnu dril: l', fallencia
nao "A meio i,i oxtingair a lianea; 2a, bens de; ii :-
dar rosponsavol lazen la, segundo os principios
gomes da direito, Sean ilesdo a assignatura da
ian.M, tacitatnante hypotiiecada< at a oxtineeso
daobrigaoao. Procurador nao podo siibstabelaoor
pajeras, que Hie foram coaliadi, aQm do obter
quita .a >, em sen proveiti. do manante.Contra-
tus entre malos, por quaatia excjdente da aleada
da le, nao careetm, para a prova, de escriptura
publica.Os meios da accao ordinaria nao podein
ser soppridos, sob pena de subversao da ordem
creada pela lei, em materia de demanda. -Merlo o
mandante, o mandatario nao adiniltido em juizo
a demandar cousa alguina contra os interossados
da ]iielle, sem que pr metro preste a estes as cou-
tas de sin administraQao ou gerencia. J*rsdct;
comtnerci *l : Prescripca i anda nao vencida, in-
terrompe se pelo fado da ciiinparecimeuto do cro-
dor fallencia do devedor, e recebimeuto dos res-
pectivos dividendos.-Iterdeiros podem oppr em-
bargos do 3o na execucao contra o cabeca do casal,
som que esta opposicao seja singular c quante
quola p rte de cada uui-(continuacao de pag. 238.)
Aggraoe : Do despacho sobre embargos decisai
que declara aherla a fallencia de um negociante,
st3 se d aggravo ou embargos, mas nao app.dlac.1o.
-Jurisdicyj criminal: i', Conotrrendo tres cir-
cumstaucias attenuantes e urna aggravante, devo
a pana ser imposta no mnimo; 2, Sunerioridade
em sea sexo para ser considerada .circainstancia
aggravante, necessario a condicao de nao poder-
a offendida defonder-se cooi pepbabilidada de re-
pellr a olfensa. Appellago, nao interposta no
prazo legal, nao se p ciso em procesas de rcsponsabiidade contra o
jni/. que primitivamente assim decidi. -Cuullicto
de jurisdieco entre o juie de direito da comarca
de Mamanguape e o juiz manieipal do termo do
mesmo nome (cdntiuuaqao de pag.)
In.Hiruouo publica.Por edita! da di-
rectora geral de liontem datado, foi transiendo o
exame de verilicacio de capaeidade professional
.para o magisterio primario do sexo emiuino, para
o dia 2 de ourubro prximo viudouro, pelas 11 ho-
ras da manh
A inscripcao para o predito exame termina no
dia 1. do referido mez.
I-otcria do Rio de Janeiro. Damos
era seguida a lista dos premios da 2i" lotera eon-
celida beneficio das casas de detencao, extrahida
na provincia do Rio de Jaueiro, a t do corrente :
N. 874............'--------- 2 :aO4000
CarLis de
Monis M
Sr. Dr. dj
gratalar
impottai
0 Sr.
n aquella
inoliili
chiaf[
outros
t) parochial por ta
N. 1248..,
N. 1874...
N. 3454 ................
Na. 3712 5775.........
Ns.2329 -8050-3377-aOaJ
Ns. 107 2U4- 544-816 -
886-1526 -218-3390-
4032-5810.............
Ns. 69 286 5i9 -583-690
1786-2192-27572961
3084 3135-3238-3657
400t 4357-5150 -5392
5612-5764 5791.......
Ns. 62, 150, 258, 334, 43:{,
492, 663, 69J, 778, 848,
896, 910, 912, 1008, 1252,
128S, 1359, 1331, 1113,
1525, 1675, 1707,
2016, 2176, 2244,
2497, 2606, 2i09,
2771,
2974,
10:00'000
4:' 90*000
2:000000
1:001*000
800*000
200*000
1004000
tara.
A primeira tenio comparec lo nina briflinte
|4ailaU|,uMa'iuD(rlla4e acadmica, alm de outra*
os,ciHt>i'lfjp|las no Ciiinin rciii hi
ipatiorde ledras, 'nioii-e diana
ib- toda'irarrerrafc. Alm do discur.o qa*'rr>-
ftrtrf'#'pislMIellilBld conselho parochial, fallar^m
tuals os disliuctos acadmicos Campos Carvalho,
' "a, Ruvuredo Barros, o professor
aowfllio seperiar o o
msifuevio publica, on-
!ibPP
or.
do Rejo.tmiJo Bdiftcada
pr'-'P'.'ameole a
respectivo i-oiJdlio paro-
. Tala#), alera de mallos
heridos, Cothcam o *>r. Reg cima de
qualtar elogia quo aplha poda faaer.
No povoadfr*) Ga*Bg esteve tarobam o acto
n altura do dia e da idea que ello representara.
Follaram la o. lmate o Sr. viee-prosdie do rea-
pertvocoasclbfiparoehial ; o Sr. professor Mo-
raes Mello po<- parte* do conselho snperior e o Sr.
Ur. di-tr eral da iuur-uccao publica.
Ah a antuencia do senhoras muito coucor-
reu para o bejibautisao da ceremonia.
Desia escola professor o Sr. Jao Hermene-
gildo Xavier de Sales, - ;oofero um discurso adequado ao obiecto da
fesia. r
tyavo parlhcnoia. -No sabbado (6) reu-
aie-sc e.-ta sociedade em sesso ordinaria, sob a
presidencia do Sr. Thomaz Chaves.
O Sr. 2." socretario leu as actas das aataiai dos
; flias 20 e 27 do moa paasado, as quaes foram, scin
discusso, approvadas.
Passandose primeira parte da ordem-do dia.
0 Sr. Se.abra innior, desenvolveu a-2." parte da
tlese : Qnal o *ie*cnvotvmcnto i* j)hes*pkia du-
rante o secta* XVII e KVUl f O orador c cum-
priincaiado pitr diversos senhoras socios.
Orou o 9r. Bperidtao Fillw.
Ningucm pedindo a palavra, foi acerrada a
disrussao.
Passaade 2' parto da ordem do dia, veril!,
con-sc estar ausente o Sr. >meneo de Carvalho,
sorteado para defender a tbese. Quaes os indig-
nas meios e fnv los prefacios de qm se servem os
falsos colholicos conjurte* contra n aiitoridtie
do Papa ? A casa atteadeu falta do mesmo se-
nhnr, por ser ella jasta.
Kntrandosc-na 3 parte, o Sr. lacintho deHen-
lonca, requer ve.rlatmeate o adamento da these
Mguinte Srr Vctor Hugo a-1." cabera Jo seclo f
Foi approva.lo o rcqueritnenb.
Km seguida foram sorteados os Srs. Hlvecio
Lopes e Marques da Silva. O primeira cscolbeu
a these eguinte : Podr kawr cntnplic.i'iie sem
auluna respiMumet feo segundo esta : Qual o
pipil de A' pitltia l perante a historiad
Ficuu assnn procedido o sorteib.
\ ida mab tovendo a tratar, o Sr. presidente,
depois de designar a ordem do dia para a sesso
viiidunra, levaaton a sesso s 6 horas da tarde,
llavera sessio na quart eira, s horas e no lugar
du costume.
Eleieo cnomcipnl.- A que se procedeu
ltimamente na freguezta de Murbeca para ve-^
readores da nova villa de Jaboatao leve o seguinle
resaltado:
llarao de Morenos.
Tmente-coronel Jus Thomaz Pires Machado Por-
tella.
Dr. Ha noel do Reg Barros Souza Loao.
Capitn Antonio de S e Albuquerque.
Majos Naaoel de Souza Leo.
Teneote Fdnardo Carueiro -Leio.
Tenente Ignacio Francisco Cabral Cantanil.
Jos Frinci-co do Rogo Barros.
C;ipilio Joo Pereirn dos Santos Alvarenga.
Tenente Jo" Fersandes Monteiro.
Dr. los Joaqnim l'e/eira dos Santos.
Capiti Joaqnim Pedro do Reg Hrrelo
Alteres Luiz ilal Coelho dos Santes.
Fraicisc.t .lo Holanda Garateante.
Alteras Manuel dos Sintos de Oliveira Gunaraes.
i'a^adnria da tbesouraria de Per-
naniSueo. Pagam-so hojo as segnintes Ib-
Ihas: hospital militare todos os denais funeciona-
riojs que recebeni por meio de recibos, o tambem
os que deixaram de receber nos dias quo Ihes
furam marcados.
Conflicto e ferimontos.No lugar Re- [)a
tronco do termo de Ouricury, Vieenle de Souza
Barboza o F ancisco Pereira'dos Santos, Ira van-
do m de razoes no dia 16 do mez ultimo, passa-
rain a vias de ficto resillando tlcar gravemente
feridn o primeira e levemente o segundo, que foi
mandado recolher priso.
Prisa rimi resistencia.-Tendo do ef-
fecluar-se em (luricury no dia 19 do mez findo a
do escrav o Victoria ni," pronunciado no termo da
ina Vista como inenrso as penas do art. 192 do
cdigo criminal, oppot-aa elle a |>ris.ao resislindo
ten izmenle, do que resuliou sahirem levemente
ferdos u delnqueme e um dos soldados da palm-
illa pie realisou a diligencia.
Lotera.A' que M acha a venda a 66* a
benelicit ra groja do Livramento de Pao d'Alho,
quo corre no da 15.
Hospital Poi'tu^uex da Beneliccn
el; ..M >vimentn das enfermaras do mesmo na
semana de 31 de agosto a 6 de setembro :
Existiam 40, entraram 7, saniram curados 9,
failecrram 3 fteam exitlindo 35.
Rst de semana o Sr. mirdomo Jos Pereira
Via n na.
Casa ile detenco.M-ivimento do dia
S de selembro de 1873 .-
Existiam presos 319, entraram 5, sabirara.2,
adatan 322.
A sabor :
Nacionaes 221, mulheres 13, strangeiros 44
e-scravos 40, escravas 4.Total 322.
Alimentados a cusa dos cofres pblicos 266
Movimento da enfermara do dia de se-
tembro do 1873.
Tve alta:
Folix Civalcante de Albuquerque.
casada, S. Jos
Iph i Je Lomos I ah',,,^-,
(R inn.-,< .,.! ". WlfWMl
annos, w
non
>'.
_ico, Pt-rnam-
et', .tifeb Antonio ; tuborcu-
m-tpi MarK da r^-dcSb. paf\la, Pernambu-
unos, S. los ; de P^te.
TjtSOURARLV DE FAZENDA
jOflt^Bpresilenoia, mandando pacar a Luiz
VajicMao-Vieira de Lima a qaanli de........
Rfiraf^icnto-i :
Do B'm 'os db Nasciment) Wandcrley.
De jW*cio Aureltoao da Guoha F*zar.
De#re*rico lysses de Atmeida Albuquerque.
De Joao Rodolpho Gomes.
i Foram (gaalraenla remettidus ao Sr. pagador pa-
ra o mesmo fim.
- -Raquerimentes:
Do maipr Joo JLanoel Pereira de Almoida.
l>e Anlio Feraandeada Costa.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
narabuco, 0 de setembro de IW3.
O secretario da junta,
Jcsuino todrfues Cardeso.
' Podlro, por grarn le Dos o
uiiauime accIamacAo lis |o-
vos. Imperador constitucional
e iloleiiwor nerpetao do Itrn-
sll.
r*a-.u> saber aos quo esta minha carta virem que,
atteiidendo ao qu me requereu a companhia de
seguros Indentnisaiora, estabelecida na eidade do
Porto, no raino de Portugal e devidaraente repre-
sentadau na confonnidade da minha innnediata
resolujo de 2 do corrente mez, tomada sobre o
parecer da seccao dos negocios do imperio do
conselho de estado, exarado cm consalta de 14 do
agosto prximo (Indo, liei por bem conceder- Ihe a
noctwsana autorisaso para eslender suas
ojierai^es ac Imperio, creando urna agencia na ei-
dade do Recife, capital d provincia de Pernani-
buco, sob as clausulas do decreto n. 5111
desta data. E, para firmeza de tudo Iheman-
dei passar a prsente carta, por mim assigna-
da-e sellada com o sello das armas imprtaos.
Dala no palacio do Rio de Janeiro, em 9 de outu-
bro de 1872, quinquagesimo primeiro da inde-
pendencia do imperio. Imperador. Francisco do
Reg Barros Brrelo. Esiava impressoo sinete
das armas imperaes de que usa o ministerio da
agricultura. Carta pela qual Vossa Magostado
imperial ha por bem conceder autorisacao com-
panhia de seguros Indimnisadora, 'estabelecida na
eidade do lorio, no reino de Portugal, para es-
tender suas operacoes ao imperio, creando urna
agencia na capital da provincia de Pernambucoi
como cima se declara. Para Vossa Magestade
Imperja!. ver. Por decreto numero 5,111 de 9 de
onlutro de 1872. Gmlherme Candido Bellegarde
a fez.Numero quarlorze.Sessenta mil reis.
I'agou sessenta mil reis de sello. Rccebedora do
Rio de "Janeiro,.! 7 de autabro de 1872. -V. Gui-
maraes. -M. Sayo.-Oito ceatos e cincoenta e
um. Sessenta mil reis. Pagua sessenta mil reis
de emolumentas iio de Janeiro, 17 de outubro de
1872.Guimares Carneiro -Registrada afumas
101 do livro de cartas inperiaes. -Segunda sec-
i;ao da secretaria de estado dos negocios da agri
cultura, c mim-reio e obras publicas em 21 de ou-
tubro de 1872. Gustavo A uguslo de Almeida
Gama. Est conforme ao proprio original, ao qual
me reporto, dou f. Cidade do Recife de Pernam-
buco 9 de novembro de 1872. Subscrevo, e as-igno.
Recife, 19 de novembro de 1872. Em testemunho
de verdade, o labelliao publico, Francisco Baptista
de Almeida.
Estatutos da compauliia de segu-
ros Indeinuisadora.
,ub?9blN -M^nuag bmcoirada caiajiatMa ao prazo do tunpo pie
for indicado pela direccao, com' as qnanlias que
pela-mesma-forem exigidas* dentro-do limites da-
rcstKtiisaliilidada dos ac-ionisUs.
nico, o praso a que se refere este artigo,
para qualqur entrada do capital social, excep-"
tuando a primeira designada no { nico do art
3.*, nao peder ser menor de 30 das.
Art. 10. A propriedade de cada ace>o indi-
visvel com relneio companhia, que nao reco-
nhece para ella sa nao um unin proprietarto.
Art. Id. As 4eoet, dapois de rcalsada a en-
trada de dez por cont do seu nominal, sao trans-
misMveis por endosso ou por qualqur outro
meio jurdico de troasmissao de propriedade ;
mas para que a transmisao seja reconhecida pe-
la companhia e cesse a respnnsabili lade do accio-
nista cedeote, indispeasavel que o cesssionario
tenha sido approvado pela companhia segando o
disposto no art 12 e que se tenha effeciuado o
averbamento da transmisso no respectivo livro de
registro das aerfies..
Art. l. A approvaeao da transmisso de ac-
g5es a que se refere o artigo antecedente, per-
tence drrecco da companhia conjunumente
com os seus substitutos, e ter lugar pela forma
seguinte :
5j 1.* Reunidos es directores o seus substitu-
tos, pelo menos em numero total de 4 e com pre-
vio conhecimento do nome do individuo prono-
lo ou cessionano sobre que tem do volar, cada
um daquelles declarar se se acha ou nao habili-
tado para votar, no caso em que algum declare
nao estar habilitado, aprazar-se-ha nova reuniao
para outro dia; no caso contrara proceder-se-
ria immediatamente volacao, por escrutiuio se-
creto e sem discussao aUuma previa.
8 3. Pam 3 uvnnnil ,1 ___.,
S0C1EDADE ANNIMA RESPONSABILIDADE
LIMITADA
CAITULO I
denominacao, sede, objecto e oryanisaco da
companhia.
Esta companhia denonrina-seIndem-
sociedade anonyma de rcsposabilidade
e tem por emblema a figura da Espe-
t'iO,
232,
2:t00,
2752,
2941,
3199,
4*71,
4842,
i61,
M8C,
2810, 2926,
3097, 3114,
:t7ti0, 4129, 4:164,
4341, 4707, 4708,
4924, 4940, 003,
5134, 5194, 5275,
5717, 5914, 5927,
4983................... 4J4U0
Soeledade Patritica Uoze de Se-
tembro. No dia 12 do correte as ti % horas
Passageiros -Vieram dos portos doaul no
vapur franca Erynanike :
Angelo Calufiere, Raymundo Gomes de Souza S
Albuquerque, Augusto Eyras, Luiz Maggola.
Seguram para a Eurqpa no mesino vapor:
Mine. Barbe de Ga^tol, Joaiuhn F. Valente, Eu-
gene de Bast, Leonardo Kuhn, Guglielmino Car-
neiro, Gindi'-e 'inceozo, Gindice Gabreli, Calabrie
Micela Antonio, Marlinn Guiseppe.
Cemiterio publico.Obituario do dia G
Jo correte :
Manuel, pardo, Peruambuco, 1 dia, Santo Anto-
nio ; esitasmo.
Felisinina, parda, Pernambuco, 15 mezes, Ai)-
gados ; verme.
Ajina Josephina da Silva, parda, Pernambuco,
30 anuos, casada, Roa-Vista ; tubrculos pulmo-
nares.
Antonio, pardo, Pernambuco, 4 annos, Boa-Vis-
ta ; bepalle.
Maiioel Ramos dj Amparo, branco, Pernambuco,
32 annos, casado, S. Jos ; phtysica pulmonar.
Joaquina do Mente, parda Alagoas, 40 annos,
viuva. Boa-Vista ; varilas.
Jos, branco, Pernambuco, 3 mezes, Recife; coa-
vulsoes.
Joo, pardo, Pemnijibuco, 2 annos, S. Jos ; va-
rilas.
Joo, branco, Pernambuco, 9 dias, S. Jos : es-
pasmo.
Mara Rosa Bertan, branca, Pernambuco, 31 an-
nos, casada, S. Jo^ : varilas.
Mara, branca, Pernambuco, 6 dias, Santo An-
tonio ; ignorare a molestia.
Antonia Mara daConceicao, parda, Pornambu-
co. y() aiaios, viuva, Boa-Visu ; enferite chro-
lugar no Stao do I" andar do predio a 12 a ra
da Imp-ratriz.
1MMBC0.
pp
da tanle faz esta soeledade urna sesso magna paral n^a*
solemnisar o seu 4- anoiversario. Eu sesso *>r |. Joaquina MarcqlinaGuimares, branca, Pernam-
buco, 20 auoos, solteira, Graja ; pbijsica mezea-
terica.
REVISTA DIARIA.
Ministerio da fazenda. A presiden-
cia da provincia roeebou hwileru o seguinte a'viso :
Ministerio dos uegoeios da fazenda. llo de
Janeiro, > de agosto de 1873. -I'lm. e Exm. Sr
Uecljro a V. Kxe. que nenhura fundameato tem o
req ii-rimentu que acymp;.nli.iu o seu ofll.-io n. 126,
4e 17 do junho proXoi" pagado, no qual Manuel
Jos D,ntaa A Fillio t D. Isabel Mara da Fuiceea
Soarea, po-M.idons de alvaragas empregadas no
Ira'.
oe navios.r-presentamcontra o fioal da i' p.ne
aiOtaraci feiu na quinta r do COOtrato
oieprado pelo govarn i imperial c 4acaniaz.a da alfn -n.-=n, e p.-dem
^u rao < u aquella ,,a. ., ,3 Wupreza-
sm a obrigaca.) de comprar-Ibes ai suas al varen- ... ., *
jas pelo valor real; visto ^ae o wntn.to addicio-j de alm da simplicidaJa com qu
Consta-nai quo ser feit com todo o esplendor.
IVavio de guerra. -Achava-se na Babia,
em viagein para o msao porto, a canhoucira Ara-
gu ya, do crmiuiando do J. teneote Eliezer. Anda
TMcionando ou phares da costa.
ropufradora da Iiistrucco l*r
bliea. Nao pasiu a esta sociedade de-aper-
cebidoo dia da nossa independencia- poltica ; ao
eoMirario ella o sokiuaisou de um modo digno a
lodo os rtapeitoa.
Compenetrada de qu o homem spile ler in-
dependencia instruindo-se, o fiel ao seu prpgram-
ma realwou aaquvllii diapela* 10 Upras da ma-
nila a insiallacao le urna escola diurna uq povj.i-
do de (tedra Mulle, parcobendo a bencp du edifi-
cio o mw^eia pelo respectivo vigario ua freguazia
o presidindo o acto o Sr. presidalo do consellm
liaroehial do Poco da l'anella Dr. Paulo Jo de
Oliveira ;es 7 horas da noite a installaolo de
urna escola norturna ao povoado do Caxang, fre-
guesa da Vaizea, proddiudo o acto o Sr. vice-
presiilente do rospeetivo conselho parochial Fran-
cisco Augusto de Ai'meida.
Em ambas as localidades foram taes solemnida-
,e se as projee-i
Mara, braaca, Pernaaibuco', 7 mezea.Boa-Vrst;
gaslrp hepajjte.
Barbara Mara do Espirito-Santo, parda, Per-
aambuco, 52 annos, vi uva, Boa-VisU ; waVilas.
Paula Sacfirdotaa lispo, parda, Pernambuco, 21
aunos, solteira, Boa-v,ta; varilas.
Flix Francisco, preto, frica, 90 aooM. viuvp.
Boa-ViiU ; varilas.
Manoel, preto, Peraambuco, meia hora, Bsa-Vis-
ta ; fraqueza congeniu.
Mana, p'rela, Pernambuco, meia hora. Boa-Vis-
ta ; fraqueza ingnita.
- 8
Franeisca MaM Ja ahcctcjio, preta, Perna
bueo, 9 annos, Boa-Vi>t ; bexiga.
Manoel Felippe de Oliveira, pardo, Pernamtju-
oo, 20 anuos, solteiro, Bo-Visla, hospital Pedio
II; vanlas confluentes.
Justina, esc/aya, preta, Pernambuco, 20 nnoa,
soljeira, Boa-Vista ; tubrculos pulmonares.
Costa Arruda e Mejio/lraoco, Ig-
Art. I
nisadora
limitada
raneo.
Sua sede na cidade do Porto, podendo ter de-
legados, ou correspondentes aondo julgar conve-
niente a >ew interesses.
Art. 2. O objecto desta companlri i tomar se
guros contra fugo e risco martimo, lluvial, ou de
viaco terrestre e de alugueres de casas, a pre-
mio coovencionado ; indemnisandi os seus segu-
rados dos prejuizos que, eui confonnidade com 0
contrato estipulado as suas aplleos, foreai devi-
damente comprovados.
!. Os riscos maritimos sobre navio, carga e
frete, em cada visgem, nao podero exceder a
tres por cento do capital da companhia.
i." Os riscos de figo sobre cada predio, n-
cluinlo gneros, mobdia e aluguer da casa uo
excederao a cinco por cento.
i 3. 0 risco sobre vinhos arniazeuados ou fa-
zendas existentes na alfandega, podero olevar-se
a dez por cenlo.
Art. 3.* O capital da companhia e que consti-
tue a garanta de suas operacoes, de.......
l.U0:00O000 representado por mil accoes no-
minativas, de i:1 0!)*000 cada urna.
uuico. Ligo que a companhia se ache cons-
tituida, dez por 'cento deste capital ( comprehen-
didos os cinco por cento realisados uo acto da
subscripcao das acedes ) daro entrada no seu co-
fre : o r^sto do capital permanecer na mo dos
accionistas, para ser chamado segundo as pres-
crip';desdo estatuto, quando assim se torne ne-
cessario.
Art. 4," Os dez por cento do' fuudo social rea-
hsado, a que se refere o artigo antecedente,. cons-
tituirlo um /tinao tfe gerencia destinado a assegu-
rar pela sua renda as despezas de ad inistracito
da companhia, e a proverde prompo ao pagamento
dos sinistros ou prejuizos que a companhia tenha
de satisfazer a seus segurados.
_ i.' Este fundo de gerencia na > dever nunca
exceder a cen contos do reis, nem permanecer
inferiora sessenta ; para o que se chamarao novas
ntradas do capital social, quando assim so turne
necessario.
2.* Metade do fundo de gerencia ser empre-
gado em ttulos de divida publica consolidada, na-
cional ou estrangeir, obrigacoes prediaes, ou ac-
5 cado. A nutra metade ser depositada em tonta
corrente, ordem da direccao, em algum dos es-
Ubelecimentos de crdito desla cidade, ou empre-
gada em promisorias dos meamos a prazos fixos,
ou em bilhetes do thesooro publico, que eonst-
tU'-m a divida Quemante do estado.
Art. 5. Haver tambem um fundo de reserva
destinado a auxiliar ou reeompor o fundo de ge-
rencia, quando as>im se torne uecossario -ou con-
veniente, era conspquencia de prejuizos que te-
nbam occorrido, e assegurar aos accionistas um
dividendo regular nos maos annos da companhia.
S !* 0 fundo de reserva nao dever exceder a
100:0004000 e ser formado por urna porcenta
gera nao Inferior a cinco nem superior a vinte por
ceuto dos lucros'lquidos annuaes a dividir pelos
accionistas.
8 ! 0 capital do fundo de reserva medida
que se for realisando, ser representado por titu-
les da nalureza dos que ficam indicados no 2-*
do art. 4.a para Oniprego do fundo de gerencia.
Art A o poder superior da companhia reside
aa sua assetbla geral sem outros limites que ps
proscriptos nos presentes estatutos e as leis o
reino: e perdetegacao da assembia geral serlo
os negocios da companhia geridos e administradas
por urna direccao e flsealisades por um conselho
liscaL Fra da sede da Companhia, os seus dte-
gados o correspondentes, admnistraro os nego-
cios desta ob as tris.rnccbes
da direefo.
CAPrrutq n
Dos Art. 7. Todo o possidpr de nina ou ruis ac-
coes, compttenternebtje averbalas no resp. ctivo
livro da companhia, tV accionista; por este faci
aceita e sulmielte ao estatuto, da companhia, na
sua qualidaded accipnista, cumprindo os encar-
gos1 que el a Ihe Impde, tem direito parte respec-
tiva do fundo e Irrrqs soelaes, e a todas as raais
VanlageHS e prer ga'vas ronslgnadas nos est to-
ta* e regulamentos da cohpnuhla, on que em
i.raccoes e ofdens immediatas
Para a approvaeao do proposto ou ees-
sionario, sao neeessarios pelo menos 4 votos ou
espheras do approvaeao.
3.* Quando a transferencia for de mais de
urna accao para o mesmo individuo e este tiver si-
do rejeitado, proceder-se-ha a nova votaeao com
relayo ao numero immediato o inferior d acedes :
o assim successivamente, no caso de rejcieio, at
o de urna s accao.
S 4.* Smente tendo decorrido um anno quo
poder ser novainente proposto para accionista o
individuo que tiver sido rejeitado.
5. Para esto objecto, haver um livro (Pac-
tas, no qual ser nicamente hincado o resultado
da votaeao, sendo as actas firmadas pelos niem-
bros_present.es : este livro ser guardado pela di-
reccao e prohibido dar delle certmao ou vista
sem expressa resolucao da assembia geral.
Art. 13. Todo o accionista tem direito a exa-
minar na poca e em ooformidadn com o dispos-
to no n. 9 do art. 3o, os livros da escripturacao da
companhia, mas nao Uto ser pernu-ttido tirar ex-
tracto dellss ; e somento poder, em toda e qual-
qur occasiao, requerer certidao de qualqur fac-
i quo nelles se ache consignado, a qual Ihe ser
concedida pela direce, o se nisso nao houver incon-
veniente para a companhia.
Art. 14. i) accionista perde os diretos de socio
e deixa de ser accionista nos seguintcs casos :
I.* Quando dentro do prazo de 8 dias depois de
pedida, deixe de pagar a primeira entrada a que
se refere o nico do art. 3.: e nesta caso aban-
dona tambem a favor da companhia o deposito ou
garanta de sua subscripcao.
2.* Quando a falla de puntual papamente diga
respeito a qualqur das outras entradas ou pres-
Ueoes e dentro de 30 dias consecutivos ao ultimo
do vencimenlo Jdestas, o accionista retardatario
nao tenha pago a sua divida e urna multa de 10
por cento sobre a mesma, como juro pela mora e
indemnisacao de prejuizos ale aquella data causa-
dos companhia.
3." No caso de fallecimento ou fallencia so os
no vos possuidores das accoes dentro do prazo de
O dias nao habilitaren) devidamente perante a
companhia era confonnidade do art. i 2" do estba-
lo, pessoa que reprseme as mesmas aegiles e por
ellas responda.
S !.' Em qualqur dos casos indicados nos ns.
2 e 3 deste artigo, as respectivas accoes scro
(Mistas venda em leilo publico e ahi vendidas
ua presenta da direccao com a assistencia de um
agente coininercial da praca do Porto annuncian-
do->e pelos jomaos esla arrematacao com antec-
paco de lo das.
2. O producto liquido das accoes arremata-
das ser levado cunta dos respectivos accionistas
denu'ssionarios, e havendo saldo a seu favor Ibes
sera entregue ou a quem de direito os represente.
Porm se o producto das mesmas nao chegar para
cobrr odebite, ou nao houver quem tome as ac-
Soes senao com urna indemnisacao pela responsa-
ilidade que contrahe o novo acciouista, o saldo
em divida, seus respectivos juros e a quantia abo-
nada ao novo tomador da accao ou acedes sero
exigidas do devedor ou devedores, empreando a
direccao os meios judiciaes para no mas curto
prazo de tempo se cobrar, o respectivo debito,
"sem prejuizo de qualqur outra quota que por-
veiiinra Ihe seja exigida em quanio durar a sua
respousabilidade.
-i.' Em quanto os arrematantes nao forem ap-
provados em conformida le com o art. 12., vigora
plenamente a respousabilidade do accionisla ne-
nian e das respectivas herancas mu massas para
com a companhia.
Art. 15.* As acc.oes comprehendidas nos casos
eferidos no arligo anterior deverd ser por seus
posuidores entregues a companhia, mas quando
o nao sejam, a direci;o far passar outras novas
com os inesmos nmeros e resalva, fazendo pu-
blico pela foli a oflicial e outras, de que aquella*
ficam sem validade ; e laucando no registro de
acedes a devida uta.
nico. Semelhantemente se praticar para
com as acedes que se extraviaren! ou destruirem.
CAPITULO 111.
Da assembl* geral.
Art. 16.* E' membro da assembia geral e tem
um vote todo o accionista possuidor de urna ou
mais accoes competentemente averbadas nos li
vros da companhia tres mezes antes da reuniao
daquella.
Art. 17.* O accionista ausente ou impossibihta-
do de comparecer, pode fazer-se representar na
assembia geral por procurador, urna vez que
este seja tambem accionista ; mas a procuraco
deve conter poderes ampios para o procurador
discutir e votar como entender : nao admissivel
procuraco para votar de certo e determinado
m -do, ou com qualqur outra restrieeao.
'." Nenhnm procurador poder ao mesmo
tempo represeatar mais de um accionista consti-
lunie.
j 2." A procuraco apresenLada era urna assem-
bia cons-idera-se em vigor para as seguintes em
quanto nao fdr substituida por outra nova, ou por
panieipacao escripia do accionisia, ou por com-
parencia deste n'uma sesso posterior da assem-
bia.
Art. 18." Podem tambem ser representados na
assembia geral, independeulemente de procuraco
e nos termos de direito, a mulher por seu marido,
urna firma social pelo socio gerente, ou sendo
mais do que utii por aquello que a firma designar,
e ftualmente nina corporaco pelo seu legitimo re-
pre>entaiite.
Art. 19. A convocacao da assembia geral per-
tence ao seu presidente ou a quem suas vetes fi-
zer, e ter lugar por cartas dirigidas aos accionis-
tas que leuham declarado ma morada, e por ao
nuncios nos peridicos com 15 dias de antecipacao
ao da reuniao, designando se o local, dia e hora
da reuniao e o objecto (testa.
i nico. Quando a aasemliia geral Kouver de
prolongar sua se-sao por mais de um da, para os
ouiros poder presciadir-se ( para os annuacios )
da aoiecipacto das 15 baa.
Art 20. Para que a assembia geral possa
coastituir-se e fuaocioaar, raJpensavel, que,
tendo precedido o eompeteute aviso convocatorio,
no local, dia a boca designadiis para a reuniao, se
se achera presentes pelo menos 30 accionistas. E
se passada urna hora depois da marcada para a
reuniao, se nao achar presante o indicado numero
de accionistas, a reuniao ser addiada para outro
dia, procedendo-so a nova eonvoeavo em que se
menciono esta circunstancia; podendo entao a
assembia constituir se com o numero de accionis-
tas que se apresentarem ; mas sendo este inferior
a 30, nao po-ier deliberar seo&o sobre o objecto
para que ti er sido expressaoiente convocada.
Art. tt. Os trabalfios da assembia geral serio
dirigidos e regulados pela sua mesa, Compotua de
um presidente ou vite-presidente e de um I. e
um 2.* secretario, eleitos pela assembia geral.
l. .\a falta, ou impedimento do presidente,
fhri suas vezes o vce-presidento, na fal'a do vice-
presidente o |. secretario, e na deste o 2.
2.' A falla ou impedimento de 1. secretanio
er sopprida pelo ., e a deste por tu* dos aceto-
ente?, a*" o^caaorarntt'ontraro designadt
te tem o di-
to na acta, n na
por esjrutioio
alar e motivar
que jugue de ati-
lda a pafavra so-
a, sem que a s-
dmitlido, e o pre-
discusso podem
eonfirmidd com o mesmos peda assembia ge- nist.is pres-ntes dnsighadn pelo presidente,
labrera f*# Art. 21 i ne da assembia geral -Wtiri
i o os accio-lpor tempo de .1 ana i eleita por maiora
Francisco da Costa Arruda e Mello, bradeo, la- nlstas respusavels smente pelo valor nominal I relativa de votes em
u.r.i-se a naluralidade, 70 aBn'os, yiuyo gi p^ das que Ibes pertenrarn. o anda assim, s nos ler- los ranms.
Martyr; repeiuuiamante. v mus tlxad"S oestes eta/nto. t .tiid8
^ Javeiitmorranciseo-Lelte, pardq, Ppfqambnce. B nico. Mejibnm accionista poder* nnssnii re- refnaayh
3);innossolteiro, SJ.s ;congestio cerebral. mais de vlnte aecSea. \rt. 3 a> leliberaeJes da assembia geral
Fiancelma Mana Chaves, branca, Peraa lista de 4 nomos designando
a reeeicao, mas ps
Ibs designadamente :
! Elcger ou demitlir o seu presidente, tcl-
presideute, secretarios, conselho fiscal, dirmao
qualqur commissao especial que julgue aett.-
sarii.
2. Discutir e volar o regulamento interno \
companhia, com lauto que nenhuma do suos dis-
posn.oes contrari as leis do remo, au o que -r
acha disposto nestes estatatos.
3.* Volar o quadro e venciracnto dos emprga-
dos da companhia, e dos sens delegados on corres-
pondentes.
y Discutir c votar o parecer lo conselho fis-
cal sobre o rotatorio, balando e contas anndWs -
a perccnlagem para o fundo de reserva o divi-
uendo-ou fiuaesqner pr,ipostas que devidamoni*
lite sojam apresenladas : e bem assim auterisar a
transferencia de qualqur quantia do fondo de
reserva para a tonta de dividendos, ou para o
fundo de gerencia.
3. Deliberar sobro o augmento do fundo so-
cial sobre as alteracoes do estatuto sobre a dis-
soluco e liquidatao da sociedade e geraluie'nle
sobre todos os casos nao previstos us pre-eoies
estatutos, com tanto que suas resolucoes nao "Con-
trariem estes ou as leis do paiz.
Art. 29. A resolncoes da assembia ;eral to-
madas em confonnidade dos estatuios tbiigm
todos os accionistas, anda mesmo ausentes ou
dissidenles.
Art 30. As copias ou extractos dss actas da
assembia geral sol despacio do presidente pelo I. secretario cortilicadas de conformes ai s
onginaes, privara pan com terceiros s delibe-
racies da assembia.
capitulo rv.
Do conselho fiscnl e consulticn.
Art. 31. O conselho fiscal c consultivo urna
delegaeao da assembia geral junto da diiec.-.. ;
ser composto de 3 accionistas cl'tos em assem-
bia genljior materia relativa de votos. Igual-
mente serao eleitos 3 substitutos que servir--no
impedimento dos cffectivos pela ordem de sua
maior votaco, e no caso de empate pela do raaior
numero de actoes ou da maior idade.
S 1.* O conselho (leal renova-se sal indo no fim
de cana anno um de seus membros por i rdem
de autiguidade, c procedendose a eleicao de
outro.
>5 .'. .Vos primeros dous annos aMaaastabe-
lecer a ordem da anligui lade, designar a nrta
qual dos membros do conselho deva sabir.
3.- As disposifdes do antecedentes sm ap-
phoaveis os subslilutes do conselho.
3 4." E' permittida a reeeicao tanto par os
membros do conselho como pan os seos subs-
titutos, mas os reeieos podem recusarse a acei-
ta la.
Arl. 32. Sao altritaiedea do conselho Tiscal e
consnltiva :
1 Assistir s sendas da direccao sempreijue o
julgue conveniente ou quando pela direccao Ihe
seja requerido, pedindo o seu parecer. O voto d
conselho nnieameate consultivo, mas a sua opi-
niao ser consignada na acia da sesso.
2. Examinar no fim do cada semestre e smpre
Jue o julgue conveniente a escripturacao e livr-ts
a companhia, e verificar todos os valores.
3. Dar pan cer sobre o bataneo, comas e rea-
torio animal, e sobre quaesquer propostas da di-
reccao que lenham de ser presentes assembia
geral.
4." Reqnerer a convocacao da assembia geral
quando por unanimidad assim o julgue neces-
sario.
5. Fiscalisar teda a administrae.ao da compa-
nhia o velar pela estricta execucao dos estatutos e
das res'-lucdes da assembia geral.
capitulo y.
Da direccao e dos empregados snbatternes.
Art. 33. A direc>;ao da comranhia coinpda-se
de tres directores accionistas eleitos em assembia
geral por materia absoluta dos votos presente?.
Sirvir por tempo de tres anno-, podendo ser
reeleila, e um de seus membros o ser impreteri-
velmente se as comas da gerencia tiverera sido
approvadas.
I I.* So no primeiro escrutinio nao houver
maioria absoluta p_ara todos ou algum don mem-
bros da direccio, ser suficiente no segando a
maioria relativa sobre os dous nomes mais ota-
dos no primeiro escrutmi > para cada um dos lu-
gares ne director em que nao houve maioria.
2. Nao podero Mr conjuntamente membros
da direccao os socios da mesma Arma commercial,
ou os prenles at segundo grao contados por di-
reito civil.
Art. 31. Em escrutinio separado sero tambem
eleitos tres substitutos que, por ordem de maior
vota co e no caso de empate pela do maior nu-
mero do aceites, sero chamados para servrem
na ausencia ou impedimento temporario de qnal-
qner dos directores, ou mesmo em sua falta al
esta ser preenehida pela primeira assembia ge-
ral. Isto alera do servco que Ibes incumbido
pelo art 12 destes estatntos.
nnieo. Para a eleicao dos substituios proee-
der-sedia de modo anlogo ao que no artigo an-
tecedente se estabelece para a eleicao dos directo-
res.
Art.' 31. A direccao representa a companhia na-
gesiao e expediente dos negocios, ou as seas re-
lacdes com terceiros e om juizo com autora ou
re ; tudo era conformidade rom as disnosiedes dos
estatutos, do regulamento interno e das elibera-
Cdesj da assembia geral : e toma snas res"toc8es
por maioria de votos, oilvdo o eonsemo fiscal con-
sultivo em todos s negocios importantes. Com-
pre-the designadamente :
I.* Ctnfeccionar o regulamente interno da com-
panhia e flxar o quadro e verrrimeotos dos empre-
gados, delegados e correspondentes, o que rudo de-
ver ser ubmettido approvaeao da assembia
geral.
t> Prever i nome*$a ou demisso dos empre-
gados da companhia em. ronRrmidade do re sporti-
vo qnadro, e bem assim dos delegados e corres-
pon Jentes, ouvido previamente conselho fiscal
cnnnlltvo.
3 Ter a escriptnrafSo da companhia com ela-
reza e em da. e facultara sen exame ao cousetho
fiscal sempre que elle 0 exija, e aos acci.miatas
quando issb Ihe seja permimdo pelo estatuto ou
pela assembia gera I.
fc* Asslguar (an menos) por dous directores a
arrees, as apoliees do-segro, as actas e eontw a
todos os mai documentes que prensera da asig-
natura da direccao.
5. Ter a tai xa depositajl meo oo com- -
panhia bHneartle*t4 eMarf.' ,
6. Par aos dinku!fo*a mois --alorrs da orrfna-

TWPI? ii s scrao fciras por signan
conveacioHni1 e;sourente por bscrotink seervto
as rk-i.o, r>as.quest6ea' powfr-aes, ou qnaado-ai
assembia gc/ai ;m>uu o ruKa tob propoiHn de
algum de seus membros.
Art. 25. Todo o accionista |
4to de faaer oonsigt
vea que a voueo o|te
secreto : e bent a aK o
vcrbalmente qualqiier proj
iidade para a companhia.
i 1.* A ningucm ser
bre a proposta assim apret
sembira previaaieale $ lea
sidente a declare em diset
( 2.* A proposta admit
aer discutida e volada na mesau ou em Jiierente
sesso, com ou sem parecer de commissao para
isso nomeada, segundo sua importancia e natoreza.
Arl. 26. As sessdes da assembia geral sao or-
dinarias o extraordinarias.
S 1 As ordinarias tero Jugar ao diaJ5 Je
fevereiro de cada anno, ou, sendo este impedido,
no primeiiii livro que le seguir ; e tem por ob-
jecto :
!. Discutir e votar o parecer do coaaelho fi?-
cal sobre o relatorio annual, contas o raars pro-
postas da direccao.
2.' Effeciuar as cleifdes a que tenha deproee-
der-se para quilpier dos cargts da oeiedad.
3. Discutir e votar qualqur ontra proposu qne
offerecida por algum accionista deva *ec conside-
rada.
g 2.* As sesdes extraordinarias rilo lugar
3uando com ciu=a motivada forem requrJas pela
ireepo, peb c para se tratar de assumpto cuja resoln.ao na
possa tem prejuiz: ser adiada al a es/sao ordi-
naria.
S 3. Has assBes extraordinarias sntfte m
traiar do objecto para quo tiverem sido expressa-
mento convocadas.
Art. 27. A convoracSo para sess'o extraordi-
naria devidamente re411 crida, ter improteriael-
mente lugar dentro do prazo de 6 diV : o presi-
dente ou rnicm suis vezes lizer que dentr. deste
prazo a nao effeciuar, tornase responsavel por
todo o prejuizo resultante dessa omrs-o.
Art. 28. A assembia geral legalraente coastw
luida snpp-rntende e flscalisa em nlma instan*
ca a administra:!) e governo da companhia, re '
presenta a tstalidade dos accionistas, o rene to-
dos os direitoa saciaos que exeTce em conformida-
de destes estatutos e das leis do paiz. Compete-
A
1
i


^



Dfi&l a Jtawuftrtieo Qaatta bi> 10 l^ltmb^'iv.
w-*Ai*-f-
i
oendo ig&idiMiWAlcfcar a _
o dos tulus era que tem de ser representado o
afwr A*i mesmos ttulos apando assim so torna
tAeeejaarii ; ott prepl* as^eiRka coral a transfe-
rencia de ijuaquer quantia do fundo de reserva
. #W o ae ffoflcfa bu-para Cunta' de-dividendos
anasdo assua -o julgue conveniente.
/.** R(iresaar awbfstlho fiscal no fita do'pti-
meiro pcmesjre da cada anno mn batanete dj ac-
ftvoi fe passivo, precdjbndo aerante o conselho
verificara dos valores da companla.
8 Confeccionar o Im de cada anno nm rola-
lorie da siluaeAo cominercial, inanceira e econ-
mica da fcoinprfnlii chai o balauoo do activo o
yassivo, pioposlas de dividendo c da porecntagem
liara o Tuflde de ro^-erva ou qualquer outra que
julgue, conveniente : o que tudo cotn o respectivo
parejeado eonselho fiscal, dsver ser apreientado
a>seuiila geral na sua prxima sesso ordinaria.
9/Tfairtar popii dorelatorio, bakimjo e pare-
*er do consclho fiscal, a que se refere o numero
aolednte, a cada nm dos accionistas, pelo me-
aos 13 das antes da reuniao da assembla geral
aa que aquellestem do ser discutidos : e ter, du-
rante esse tempo, patentes no cscriptorios os livro9
documentos coinprvbativos, para poderem ser
> examinados pelos acoionisas, guardada a restric-
to estabecida uo do art. 12.
10. Publicar, no diario oulcial do governo o ba-
lando do activo passivo da companhia, o relato-
rio ua direccao e parecer do cousellio fiscal, de-
pois da appruvados pela assouibla cal-e depo-
silar/ao cartvriodo tribunal du commercio desta
eidade a lista -dos accionistas, e urna copia do ha-
Unce da companhia, danois de approvados pela
a-sseaolila geral o auihenticados polo seu primeire
secretario,
Art. 36. Cada un dos directores vencer an-
- anaUwolo a grtiflago de 600*000, e o subst-
luttfHMixeroicio pelo, lempo que servir, a parte
tituido, o qu.il so eniende a abandona para tal
flm.
Ar..J7. Os mcrabros da directo e seus substi-
tuto*, tuaudo exercendo a funegoes de directo-
res, s*o solidariamente respousaveis para com a
assembla geral pela exeeugo do seu mandato em
- Mnformula lo das dsposicoes da lei de 22 de ju-
oho de 1847. Esta respouabilidade smente pu-
tei restar paca qualquer dos directores e com
relaca* ;i corto e detei minado acto, quaudo nao
roaeorJando com os seus cullegas a respailo d -lie,
protestar peante elles o doutro de tres d>as re-
querer a convocago do consolho fiscal e a da as-
acusana gorai, se este a julgar necessaria, para
lomaren! conhecimeulo do ponto discordado.
,^ Art. 38. Os empreados subalternos da compa-
nhia e sena delegados ou correspondeules, sao
rasaeaaaiteis pan com a direccao por seus actos e
consequeneia dentro dos limites prescriptos pelos
regutui'ials da companhia.
At 39. Os empregauo- a que se refere o artigo
antecedente e que tiveremresponsabilidade pecu-
niaria inmediata, autos de entrarem em exercicio
tire-taran lianza iJ-iina, ou faro o competente de-
psito de val 'es que devaiu caucionar a respou-
sabilidade que Ibes toca.
CAPITULO VI
Dt dmra^ao, dissotueo e UquUa^ao da compa-
- nliia
Ar. 40. A companhia durar por tempo inde-
terminado, e smente ser dissolvida dos casos de-
terminados na lei orgnica deslas sociedades ou
quinilo a assembla geral assim o determinar.
5 nico. Se a companhia liver perdis que
fciouiem :i metade -de capital social, a direccao
ohriguda a convocar a assembla geral para deli-
brar unce a conveniencia da liquidaco, oucon-
tinuaco Ja companhia.
Art. 41. Para .-e resolver a dissoluta i da com-
auliia, uceessario que a delmrai;o oa ass> ra-
lea geral soja vencida pur ii.iu- ter^p* dos votos
pre.seatrs, e que estes (us vulos |ireseiites ) repre-
sente pelo ii mi is di ns (erees do capital social .
aalvaadposico do nico do art. li da.Ici de
ii Oejuulio de 18^7.
Aru 42 Hesolvido que a comrjiuhia sej;i dissol-
vida proceder-so-ha a liquidaba i pelo modo que
.* .i>v-.ihln.\i fecal tluterminar, e em conl'urinidade
come citada lei de 22 de junho de 1867. Sendo
agprovado que continu, os accionistas vencidos
aai* Uwui din-ito a fazer liquidar e retirar a sua
! paite da comp.mhia mas antes a sua responsa-
liili laJe continua integra nos .tormos consignados
seles esiatut<.
uni-n. Durante a liquidac i i social a assem-
t'le.i geral immo-i'va anida os mesutos poderes que
aaterionoenlri tiuha, inais nicamente para os et-
l'oitos da aualiquidaco.
CAUTLO VI'.
Ditposifes gentes.
Art kJ. O auu econmico da compaaliia eobi-
eide oora o anno civil.
Art . Todo o dividendo cujo pagamento uao
.t i ver si do redomado nos primeiros cinco anuos de-
pois que fr exigivel, presr.iove a favor da cjm-
panlii.i.
Art. il Os herdeiios ou credores de qualquer
accionista, a io pederao, son qualquer pretexto que
saja, fizcrare-t i, enpargo ou penhora, partilha oa
liquidar > nos bns e valores da rompan ia, nem
Mreaielterse por forma alguma na sua adiuiui..-
traco.
Art. i6. As eoutestacoes e pleitos relativos ao
iate.-esse ger;d ou collectivo da >ociedade nao po-
serio ser dirigidos contra a direccao, conseibo lis-
il, mesa da assembla geral, ou algum dos mem-
bros d'esias, sen io em noue dos accionistas em
geral e em vulude de deliberacAo da assembla
geral.
9 l O accionista que quior suscitar urna que.-Uo
desta oriemewr Jecl,.ra-lo ao presidente da as-
MiniMa geral pelo menos i. das autesda reuuio
eaU asseuMriu, a qual o presidente nao poder
rf'isar de submetter a propusla motilada, teudo
t previamente dado dola conhecimento aos aecusa-
dos.
2. Se a assemiila rejeitar a proposia uenhum
aeciomsla poier em seu nome e interesse indivi-
dual propur aceo em juizo sobre o niesmo objeelo.
Se a prop'i-ta for approvada, a assembla nomea-
i'ium ou uiais comniissarios para a repr sentar
eui juizo ou fradelle, e requerer c executar todo
e aeoessario para se alcancar cumprimeuto de
jMtica.
Art. 47. Qualquer contestaQao ou pleito que haja
d'j ter lugar entre os associados sobre a execucao
dos presentes esatutos, ou sobre qualquer acto
social, .-era decidido na sedo da companhia pela
iirisdiccao dos tribunaes coinmerciaes do Porto e
asba, que competentes foivm, e nao por outra,
Hile por elles associados para senipre renunciada.
Art. 48. l'm regnlamenlo interno econmico ad-
ministrativo, dar a estes estatutos o ne<^ssario
il senvolvim uto, regulando a scriptjracao e mais
ervico, 3-latuiudo as obrigacoes dos diversos em-
bregados e determinando as condiees e modo de
exeeuco das operacoes da companhia.
Art 49. Os presentes estatutos po lero ser alte-
rados e modificados em a^e.mbla geral, mas para
isso ter lugar, a respectiva proposta spienti deve-
la ser volada em sosso subsequente aquella em
que tiver sido apreseutada ; e para o seu venci-
inenlo exigein-se dous tercos dos votos dos accio-
nistas presentes.
3 nico. As alteraeoes do estatuto assim efTec-
tuada-, somanto t-rao validade e execueo depois
d reduzidas a escriptura publica, registradas no
tribunal d > c j;nn tcio Jesta ciiade e publicadas no
diario oflkial do governo.
capitulo vui.
Disposifoei Iratuiturias.
Ait. SO. 0 prnneiro auno econoiuici da eompa
una coala-e desda a ana installac^o at .odia 31
le dezeiabro de 1872 ca nrimeira assembla ge-
r.ordinaria ter lugar a 15 de fevereiro de 1873.
Art 31. Depois de approvados os estatutos da
<- .'iupaiibia pela assembla geral preparatoria, pro-j
ceder esta eleico da mesa definitiva da. assem-
Wa geral. do conselho fiscal, e da direccao da
*""THhm''''' e dos respectivos substitutos.
Arti 5. A' direcQi lela incumbe fazerredi-
zir o estatuto apprpvado a escriplura publica e
-aroceder a todos os tois actos preparatorios que
as leis cxig.'m para qua a companhia se d por
constituida, e pos&a quaulo antes dar principio, a
*a eiierapoS.
Approvados em sesso da assembla-geralpre-
traioria, no Porjo,.a It e 12 de outuhrode 1871.
Animo Fei-reirii-.itMteedo a/e,
lUpsideuteda assembla geral.
Antonio Jbaquim de Lima,
liseereUrio
nUnm Gomes it Honra,
*. seereurio.
i de eernamqueo, #1 de novembro
Francisco Augusto de Almeida.
Os presentes estatutoe mi i a carta uvj
i autorisa^o vao ser publicados no tnrU
umbuco, a asta dos iaterwsados decn-.|,
' com o dispostu>na ^rt.;lVdosdc/eBMi.) i
ee,j3 do setemhrede 1873.-Tor#eiJ, ofial-maior
interiuo.
A' faendj nacrnat ciheomil frs, parmw flsea l
mil rM. Lancadn cinco mil ris, seado qoe mli
rit j foram receidos pelo Exm. Sr- deseartwf-
Sador fiscal, Secretaria dV tribunal do commercio
ePernambace.6 de solewbro de 1873.-Tonr*i,
~f Cruz.
?UBCACOES PEDIDO
/'o boneb, sahbade..
Dito iaVhTto -i 9frdrr. M Irt -i' por
bote*
Leal Seve
Peto prrsidenW.
J. j\ desmos
Pele* secretario.
rlShr. I DL^ Ja?!S**,,W>VmtAE
*:077iew
C:10/S89
*
(ttAteento do da
dem do du 9 .
la
A o Exm. e Rvnt. M*f, ato Exm.
presidcHtci da provincia e ao
felfeo.
Meu eorac>o de pai amargurado peto brbaro
espancamento feito em meu caro filho Angelo Fe-
lisardo de Souza, por Caetano, liberto e fmulo de
vigario Antonio Joaqun* Soares a mandado de*te
peio torpe motivo de cime de ama escrava do
mes i no vigario, nao pede deixar de soltar un lira-,
do da justa iudignacao, brado que coar bera
longe e ser como que unitivo minha dr.
Meu filho geme em seu Itito de dores, e feli-
seroi eu se o nao perder, a vista dos mortaes {ori-
nientos que soffreu.
A polica est proseguindo o devido inquerito, e
se tem mostrado desvelada no cumprimento de
seus daveres.
lerrivel instrumento, urna aclia de arueira,
foi adiado, com vestigios de saugue, em a casa do
vigario quando se deu a competente busca.
AIem de tres grandes brechas na cabeca, contn-
soes pelo corpo, foi meu lho, com terrivel gana,
mordido pelo vil instrumento dojvigario, na nariz
que ficou quasi decepado.
Eis o crime narrado em toda sna nndez. S.
Exc. Hvm S. Exc. o Sr. presidente e o publico
se horrorisarao como se borrorisaram todos os
habitantes desta villa.
Ao Exm diocesano em tempo se far conhecer
o lobo, que ora vez de pastor est a frente do re-
banho dsta fregneiia, e as carnes de S. Exc. se.
arrvpiario com a sciencia das devassidoes, seno-
mias e tudo quanto de horroroso ha. Basta por
ora.
A' populacao em peso desta villa meus sinceros
agradecimentos pela geral reprovacao que mos-
truu. Ao digno delegado de polica meus louvo-
res pelas acertadas providencias que deuembora
nao se conseguisse a prisao do sicario.
Agora resta-me pedir a Deu* que conforte meu
espirito atribulado. Tranquillo espero a devida
jusiica.
Villa do Salgueiro, lo de julbo de 1873.
Joaquim Fehsardo de Souza.
ftojmsm
2KK5J748
Oescarresjam hoja 10 de setembro de 1873
Patacho MnmlmTutde (atracado) mercadorias
para alfaudaga.
Lugar inglez Navigator raachinismo para o
trapiche Vmceico.para despachar.
Brigue sueco 0/a*s mercadorias para o tra-
piche Coneeieo, para despachar.
Barca iugleza Dolpkm car vao j despachado
para o cae* do Apollo, e roacbintsmo
para o trapiche Coneeieo, para despa-
char..
des-
A publico.
Srs. Redactores. as maos do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia acha-se a certido da denun-
cia, promoejio, interrogatorio, auto de qualifica-
co, despronuncia e sustentadlo final da pronun-
cia do processo ex-offlcio que foi instaurado so-
mente contra o mandatario Caetano Soares Brasi
lense, pelo brbaro espancamento na pessoa de
meu presado irmao Angelo Felisardo de Souza, em
a noite de 9 para 10 de jnlho prximo passado,
Arando inclume o mandante, o Itvm. vigario An-
tonio Joaquim Soares.
A formaco de to importantes pecas do proces-
so, descortina a proteceao altamente escandalosa
que o juii formador da culpa prestou ao mandan-
te e ao mandatario, por esta razo que submette
apreciicao do Exm. Sr. presidente, para que em
tempo se digno dar as providencias que forera de
justca,
Salgueiro, 26 de agosto de 1873.
Vicente Felisardo de Souza-
Infeliz es victimas lo rlieiima-
tisnao elironioo.
Porque soffrois tantas dores, e porque gas-
taes intilmente vosso dinbeiro em medi-
camento incapazesde vos curar?
Vossa melestia nao tem outra origetn se-
nio no sangue viciado.
l'uailicai o sangue com a salsaparrilha
Ayer. Se vfls tomardes esto remedio com
regularidad o constancia, ficareis cu ra-
dos.
Experimentai.
!?fMMErr
Banco Commercial de Per-
nambuco.
A direetoria do Banco Commercial de
i'ornambuco convida os Srs. accionistas a
reunir se em assembla geral, no dia 10 de
selTiibro vindnuro, ao -meio dia. na casa do
Banco, ra do Vigario n. 1, para seren
presentados o relatorio e balando relativos
ao periodo lindo em 30 de junho prximo
passado.
Recife, 28 de julbo de 1873.
>:
Os directores,
.Iodo da Sil na negada.
A nlonio Jos. Leal liis.
Francisco Ferrara Bailar
Seguro
THE LIVERPOOL
Capital.
Fundo
colra-fogo
& LONDON GLOB
COMPANY
Agentes
SAUNDERS BilOTIlEllS C.
11Corpo Santo11
SEiN.
20,000:U0!N)0(/
8,000:0003*000
Agentes,
Latha.ni & C.
Escuna ingieraGeorp
para fandega.
Barca ingle*Blaney Brothergcuiia jn
uachado para o 2?.ponfo.
Barca nacional S. Jos -xarrjoe j descachado
para trra.
IiufMrtu.ca.
(Mas 7,S Rio tirando de Sul, barca btifUw*. Mam-in-
guape, consignada a Bailar Oliveira C, mapi-
festou :
Couros seceos 80, graixa 68 pipas e li/2 ditas,
dita em bexiga l'i.ll kilos, sebo em rama 3S3
kilos, xarque 201,133 kilos, aos con*griala^os.
Rio Grande do SulPatacho portuguei flicaf,
consignado a Silva 4;Ca*oio, manifeston :
Couros seceos 20, eolia 10 cestos ei.saceos,
graixa 2 pipas-, sebo 2) barra, xarque 21,082 ki-
los aos consignatarios
Aracaj, vapor nacional Mand-ihn, consignado
companhia peruambacana, manifestou :
Garras de couros seceos e farraeos de sola;
3,2.) kilos, a ordera.
. ^___ fta DiALNAGE.
Handlmento do da 6 .
IdcmaodU......
MOVIMCNW PO POUTS?
flavio entrado no dia 8.
Rio Grtude do Sal17 dias brigue escuna
nacional Cysne, de Wl toneladas, capi-
to Jos Aboteiro do Almside, equipagem
40, carga 12,800 arrobas do carne ; a
Amorim Irmao & O,
Navio sabido-, no vtisntu dia.
carga aguar-
- Kio tirando do Sul, brigue brasileiro Santelmo,
consignado a Amorim Innos 5 C, manifestou :
Couros seceos 60, graixa 33; pipas, dita em be-
xiga 8:378 kilos. Sebo 7 harria. Xarque 207,115
kilos a BaltarOliveira 4 C.
Hamburgo, patacho allemo Tritd, consignado
a tion>;alves Beltrao & Filho, manifestou :
Alvaiadn 20 barris a F. M Silva. Amostras 1
caiga a J A. I', i C, {a Silva Neves, 1 aos con-
signatarios, 1 a Duarte & rmeos, 1 -a J. Cosa, 1
a Mendos Azovedo &< C, t dita e i pacote a Costa
Amorim & C. 2 caixas a Tinoco de Souza. Alpis-
te 40 barris ao msamo.
Bonecas 1 caixa a Sil,va Naves. Botoes 1 ca-
xa,a Prente Vianna&C, i a J. Antonio do Aran-
jo d C, 1 a Silva Neves. Bezerro 1 caixa a P-
rente Vianna & C. Barbante 1 caixa a J. Antonio
de AraujoiC.
Canella 10 caixas. aos consignatarios, 5 a Tino-
co de Sou/a. Cevadinha 50 garrafoes ordera
Cimento 50 barris a Costa Amoriin-4 C, 200 aos
consignatarios. Cerveja 50 caixas a J. F. dqs San-
tos Jnior. Cartas de jogar 1 caixa a Silva Neves,
10 a Prente Vianna A C Chapeos 1 caixa
ordera, 3 a Arminio Carvo de podra ti toneladas egS'barris a Fer-
reira & C entelara 1 caixa a Silva Neves. Ca-
deiras para armazem 101 a P. J. Gomes & Ch-
inaco. Camphora 1 lata a Ferreira Maia & C.
Estandarte 1 aos consignatarios.
Ferragem i caixa" a lluaite & Irmaos, 2 a J.
Anionio Araujo & C. Fitas de seda i caixa o 1
pacote a Silva Neves. Frascos va*ios 2'caixas-a
Armmie A Moreira, 6 a Ferreira & C. Flele 1
caixa aos consignatarios.
GenebraiOO frasqueras,- <60 caixas eoO garra
fr'< a ordem, 25<) frasqueiras a J. Costa, 100 a J.
Alvos. 300 ditas e 150 garrafoes a Co-ta Amorini
&C. t.OOOfrasqueira*. 623 caixas, tCO barricas
e 500 garrafoes aos consignatarios, 100 frasquei-
ras, 210 caixas, 100 garrafoes a Tinoco da Silva-
Garrafas vasias 24 caitas a Ferreira le C. Gram-
pos 1 caixa ordem, Garrafoes vasios 505 aos
consignatarios,
Louca t caixa a Costa Soares, 1 barrica a Fer-
reira dos Santos. Linha I caixas Silva Neves.
Machiuas de costura 11 caixas a Carvalho Mo-
raes, I a Francisco llamos. Movis 5 caixas a
Pacheco & Azevedo. Marmore em chapas 2 ca
xa* aos niesraos. Meias l caixa a Duarte & Ir-
maos, t a Prenle V. & C, l a Araujo & C. Miu-
dezas 11 caixas a J. Araujo & C, la Prente V.
Dwrtfc-vaiic* -gneros .rjq Grande do SulPalbaboto nocional
Rpzila, crplto Talcntim,
denle mel.
Navios entrud-is no dia 9.
TBe*tet--7 das, brigne noruegucue Jkr-
giiot-, de 26 tnnelaJnss cepitito E. S.
' Mirrig, eguipag.tn-lt; carga 3,009bar-
ripa^com fapinjia de.trjgo ; a Johnslon
Pater <& C.
Rio de Janeiro Babia5 das ilo 1.* por-
to,-2 do 2., vjpor francej Erymanthe,
de 1,343 toneladas, commaiidanto Bou-
be, equipagem 90^ carga ditferentes g-
neros ; a'Hirismandy & Labille.
Conceio do Uruguay40 dias, sumaca
hqsp/nbola Ahita, de 129 tonelridhs, ca-
pitS'ila'n CeuHetl, equipagem 11, carga
3,655 quintae? bespanhoes de carne ; a
Joaquim Jos Gonjalvcs Beltro & Fi-
lho.
Buenos-AyresJ9 dias, barca sueca C. D.
W., de 280 toneladas, capito Jbn Hel-
lyzreu, equipagem 12, carga ferro: a
Luir Costa.
Navtos sahktos omesmo din.
Bahia--Patacho inglez iVancy, capito M.
Brid, carga parto da que trouxe do
New-York.
Bordeaux e portos intermediosVapor fran-
cez Erymanthe, comisan, lantc Rpubo,
carga a mesina que trouse das portos do
sul.
T.
Dito
Perten-
S.S k
Perfu-
Tranca^
de
reserva.
Mills
RIJA DA CRL'ZiN. 38.
COMPANHIA
Phenix Pernambucana.
Toma riscos maritimos em mercadorias,
fretes, dinbeiro a risco e finalmente de qual-
quer natureza, em vapores, navios vela ou
barcacas, a premios muito mdicos.
BA DO COMMERCIO N. 3i.
COMPANHIA ALLIANCA
seguros maritimos e terres-
tres-estabelecida na Bahia
em 15 d Janeiro em 1870.
CAPITAL 4,0Ofi:OOOM00.
Toma seguro de mercadorias e dinheiro a
.co martimo em navio de vela e vapores
para dentro e fra do imperio, assim como
eontra fogo sobre predios, gneros e fa-
rondas.
. Agente : Joaquim Jos Gon^ahes Beltro.
ra do Commercio n. 5, Io andar.
SEGUROS
JIlItlTIIKIS
bjectn do vidro 5 caixas a M. J. Martms.
de ac 6 caixas a J. A. Araujo 4 C.
Pimcnta 10 saceos a Tinoco de Sauza.
Phosforos 10 caixas a 5. Amanal t C., 12 a Ma-
galhi-s ic Irmao, to a Fernandes k Irmio, 10 aos
consignatarios. 26 a Tinoco de Soua, 10 a J. Lei
to, 5 a Jos M. Palmeira. Papel 300 fardos a Ti-
noco de Souza, 20 ordem. Potassa 5 barrisca
Jos M. Palmeira, 30 a D. A. Mamtbeus.
cas para machinas 1 caixa e 1 pacote a
C. Palhiaha 3 Nrdos a Prente V. C;
maria 1 caixa a Silva Neves.
Retro! i: caixa a Prente ^V. & C.
Taimas de pinho 80 a Ferreira 4 C.
2 caixas a Silva Xeves.
Velas stearinas iO caixas a Tinoco de Souza,
100 a J. Cosa, 2110 a Costa Amorim & (1, 00 es
consignatarios. Vmho 40 caixas ata consignata-
rios.
Rio Grande do Sul, brigpe escuna Cysne, con-
signado a Amorim Irmaos & C, manifestou :
Fumo em fodia 50 fardos, sebo em rama T.Vt
kilos e xarque 188136 kilos; aos consignatarios
Coneeieo de Uruguay, sumaca hespanhola
Anniti, consignada a Gongalves Beltro & Filho,
manifestou :
Xarque 3,655 quintaes aos consignatarios.
Trieste, brigu norneguensc Berlmt, consigna-
do a Johnslon Pater A'C, manifestou :
Fannha de trigo 3,000 barricas, aos consigna-
tarios.
JKSPACHOS DE EXPORTACOA NO DIA 6 DE
SETEMBRO D 1873.
Para os portos do exterior
No navio francez Coligny, para o Havre,
carregaram : Hausmouily & Labille 745 couro^
salgados com 9,0iO. kifos e 30 barricas com !,800
ditos de sebo.
Na barca ingle-a Hale, para Liverpool, car-
reparara: M: bathan * C. 1,000-saceos com
75,000 kilos de assucar mascavado.
N barca brasileira Amizade. para o Rio da
Prata, carreem : H. B. Oliveira Jnior 350 bar-
ricas cpra 40,397 kilos de assucar branco.
No brigue porluguez Unido, para. o Porto,
carrearam B. Oliveira A C. 300 couros salgados
com 3.60.) kilos.
Para os portos do interior.
Para o Rio Grande do Sul, no palhafiote na-
cional Rosita, carregaram: B. Oliveira & C. 1
pjpa e 10 barris com 1,440 litros de agurdente e
alcool; J. B. de Carvalho 3 barricas com 216 kilos
de assucar branco.
f-CITAS.-
L.APATAZIA DA ALFANDEGA
Reudimento do dia 1 a 6 5:236i:l
dem do dia 9...... 7864'.
Santa Casa de ^Xisericordia
do Recife.
De ordam do Illin.. Sr. l)r. proveJor interino da
Santa Casado Misericordia do Recite, taco saber
3ue em cumprimento da h'i n. 1120 de 17 de junho
o correute anno est berta concurrencia para,
se contratar o scrvfct) mortuario e de carros f-
nebres, do conformiaade com as dis|)osicocs da
mesma lei, recebendo-se proposlas nesta secretaria
al o dia 11 de setembro s i lunas di tarde,
para serera abertas na sessao da junta uesse
dia.
Os proponentos tero de submetter-se s dispo-
si<;des da citada lei e 'mais s condiges ijue vao
abaixo transcriptas; devendu versar a? propo-tas
nicamente sobre uin abate na totalidade dos
procos consignados como base as tabellas abaixo
tambera publicadas ; sendo preferido a.iuelle pro-
onenle que maior abate oiTerecer em ditos pre-
ces.
Secretaria da Santa i*a.-a de Misericordia do Re-
cife, 18 de agosto do 1873.
O escrivo,
Pedra Rodrigues de Souza.
LEI Ni lil
O hachare! llunrique Pereira de Lucena, com-
mendador da imperial ordem da Rosa, cavalheiro
da de Chri-to, juiz de direilo presidente da pro-
vincia de Perninibuco :
Faco Bator a Indos Meaos habitantes pie a as-
semana legislativi praviaekl deeraioa e eu saue-
cionei a resolueio segnnte :
Art. 1.* Ficasoba direccao da Santa Casa de
Misericordia o servi.o inunuario e do carros Tune
bres desta ciilude.
Art. 2." A mesma Santa Casa poder contratar
com os que actualmenle fazemeste -ervico ou com
quera melhorcs vantagens offereecr o referido ser-
vi?, sob as seguiutes bases :
l.J Prazo nuijca maior de ?0 annos para o con-
trato.
2." Obrigaco de inJemnisar o contratante aos
detnafo cstabclecimentus de carros fuuebres exis-
tentes nesta eidade. ,
3.a Doacao nunca menor de vinle o finco cotilos
de reis auauaes, por parte do contratante, para
o lira de sorem aapfleadda s obras dos estabele-
cimentos da mesma Saula Casa e especialoienle
ao asylo de alieuados.
4." Procos de carros fnebres laxados em urna
tabella, qye dever ser revista de 5em 5 annos.
5.* Rcspeito total e completo das laxas cobiadas
actualmente pela municipalidad!'.
6." Obriga^.o restricta de, lindo o contrao, en-
tregar o eontralinte - mesma Santa Casa todo o
material dos setrs estabelecimentos em perfeito es-
ta io de conservaco e sen) nenhuma indemni-
safo.
Art. 3." O contrato de que se trata no art. ante-
cedente ser submeltido approvai'o do prest-
dente da provincia, aquem fi igualmente incum-
bida a reviaio das tabellas do prepos dos carros
fun.bres.
Art. 4. Finio > contrato a Santa Casa conti-
nuar a faier o servigo nelle estipulado, respei
lando sempre as taxas municipaes e revendo as
tabellas no sentido de baratear o prego dessa ser-
vico.
Art. 5." Ficam revogadas as disposigocs em
contrario.
Mando, portaalo, a todas as autoridades a quem
o connecimento e eaupajn da presente resolufo
pertencer, que a cuuipram e facam cumprir tao
inteiramenle como nella se conten.
O secretario interino da presidencia desta pro-
vincia a faga imprimir, pubiiear e correr.
Palacio da presidencia de Pernambuco, 17 de
unho de 1873, 52.* da independencia e de im-
perio.
L.S.
Hrnrique Pereira de Lucena.
Sellada c publicada a presente resolugo nesta
secretaria da presidencia de Pernambuco, aos 17
de junho de 1873.
O secretario interino,
Adolplio Lamenha Lins.
CONWQKS PAB.A O GONTKATO 00 SERVIQO MORTUAlllOJ
K US C*RROSfUNRUIiKS.
L* Durago do contrato por vinte annos. Prados
os quaes dever o contratuiite entregar Santa
Casi, semiinl.'moisa.i de natureza alguma, lodo
o material empregado
no servigo mortuario e de
perfeito estado de couser-
6:022*611

COSTRA O FOdft
A-oouiQAnbia lndeum8adora, estabelecida
nesta. praca, toma seguros martimos sobre
a^vis e seus carregamentos e contra fgq
;e*i.pdlbios, mercadorias e mobiJias: na
[ ||^a do Vigario n. 4, pavimento terreo.
i
w-
PRAGA DO REC1FE 9 DE SETEMBRO
DE 1873.
A 3 1/2 HURAS DA TARO*.
714 de 19de aeaeaalveae ihaft- ee-etar^a'| Canat^ea ofHcia)a.
amUnimo trihcnaliao coatateoio deiPnraambu-1 Cambio sobre Londres a 90 djv.144. per 1/,
VOLUMES SAHIDOS
So dia 1 a 6......
Pnmeira porta no da 9 .
segunda porta.....
TPfceira porta.....
Trapiche Conceigao .
SERVIGO aiARITlMO
Alvarengas descarregadas no trapiche
da alfandega no na i'a 6 .
Ditas ditas no dia O ......
Navios atracados no trap. da alfandeg-
Arvarengas .. ., .
So trapiche Conceici .
10,462
1
J
16
1
1
i
RhCEBEDOttlA DE RgSDAS INTERNAS QE"
RAES' DE PJifiN.AHJffiC
Reaioientodotditio.*-. ,. {164387
ioen:O'ta'. 4*M***6i
i ~*
8t3Mi
carros fnebres, em
vago.
! Obrigaco de serem p lo contratante indem-
nisailos todos os estahelccimenios de carros fne-
bres existentes nesta eidade.
3. Satisfaco da doacao animal de irinta con-
t de res realisada a do I. anno integralmente
no acto da celebrar m do contrato e as dqs anno-*
siguiles em prestayoes trimensaes pagas adan-
t4das.
.4/ OJereciinento de flanea idnea no valor da
dita doacao.
5.* Obrigaco de submetter-se o contratante ao
.pagamento das taxas actualmente cubra Jas pela
jnuQicipalidde.
62 Irapa*icao de multa, que nao ser menor
q ia0*OQO, nem maior de UKa|n>). sobre o coa-
t alante nos casos de insuffeieucia de material ro-
d aje, de anm*esv.de pessoal, em.siimma de tud&J
Lo oie for neeessari para qoe o servieo contra-
t dd se laga com. prainpiiuao, orJem e lim
A multas sero impostas pelo membro da junta
di ^anla Casa encarregado da fiscalisag.o doss
s rtifo havendo recurso para a junta, e da deci-
s emesia para o presidente da provincia,
7.a A imposig de mais de df z multas dentro
flfe uro aojjuj, -tp| qualdiiar ai dns metiyos ex-
J) isios dirUtkaTJjeiaaa da ojitraio rerertendo
l do o valor da 8anca prestada em beneficio da
ta Cas*^ a <|ual fan novo untnOD^uirealisa-.
* por si meiau. e resneeavo i Mrv.0!*, cunforate
r aliar.
8.a Enf qualquer dos cas*e car a Santa Casa
Msde o mbmento da rescb'1, na posn -de to^o o
material e accessorios respectivos, por tempo nun-
ca, superwr. a sei mezes, parando a titule deata-
ai.ela-Ta **?. a(ai110'aue for arbitrado ; e no caso de re-
B solver fazer esse servieo por si mesma, proceder
a aequisigao da dito material, se poder chegar a
uin aecordo com o ex-conratante sobre o seu
i:/14*571 valor. <-2i
9.^ O ontraunte fica obligado a transportar
gianilamente, fornocendo atades de6.dass^ o'
4;864*871 eadaveres das pcesoas desvalidas e das (roe mor-
roreiW quer nos estabelecimentos da caridade si-
tuados nesta eidade o seus suborbios, quer fora
dalles.
TABELLAA
CO*n*0CCO DK CADAVEHJS.
Adultos.
Ia classe.-Carro puchado a quatro cavallos de-
centemente ajaesados e eobertos de mantas de pan-
no preto orladas de galo e franjas; caixo co-
berto com un grande panno de velludo preto com
borlas as ponas e orlado de galo e franjas de
ottro. O carro ter cpula e cornija snpporlada
por lumnas de nma das treserdens de archttee-
tura (jonhsa, corinthia ou composila) eom relevos e
dmirados, iOOiOOO.
2' classe.-Carro puchado a dous cavallos de-
ceniemente ajaesados, coberios do mantas de pan-
no preto, caixo coberlo com panno de velludo
preto orlado de galo com borlas de prata. f> car-
ro ser mais simples do que o de 1" classe nos-re
levos e dourados, com cpola, cornija e columnas
da ordera drica ou jnica, oiOOO.
W classe(Jarro puchado a dous cavallos o cai-
xo fobertn de panno de velbutina com galo ou \
frao/a de palheta falsa e borlas da mesma quali
dade. O carro ser semelhante ao da 2a classe e
matado de preto sem dourados, 30OOO.
4a classe.-Carro simples puchado a dous ca-
vallos e eano coberlo com nm panno preto de
, tendo somonte urna cruz branca no raeio.....
10*000.
Atm dessa classes, ha ver carro de luxo a
aprazimenh das partes, r cujo prego nao poder
exceder de *0*i0, incluindoo aluguel do panno;
e carro do caridade, cuja armaco poder S4r em
forma de urna pintada de preto.
Os carros para donzellas sero guaes na for-
ma e no prego, variando smente as cores c or-
nato?.
Prvulas.
Ia efcisse.Carro semelhante ao de ! classe
para adultos, sendo o caixo coberlo de velludo e
galao de ouro e forrado de selim, tudo de cores
apropriadas, 50*000.
i' classe. -Carro semelhante aos da 3a classe
para adnltos, com cores apropriadas, sendo o cai-
xo coberlo de velbutina e forrado de setim de
qualidade inferior ao de 1* classe, tudo com as
cores apropriadas. Os raixoes desta e da Ia classe
poderao ser pintados e dourados ou prateados, se
as partes nisso convierem, 3 '*00i>.
3 ckisse Cirro simples semelhante aos da 4*
classe para adultos, pintado de cor apropriada, e
bem assim o caixo, 10*000.
Alm destas tres classes, haver tambera carro
de luxo, cujo prego nao poder exceder de....
100*000.
O carro de luxo e o do Ia classe, tanto para
adultos, como para prvulo-, tero holceiro c cria-
dos, vestindo rica libr..
O prego da conduccSo c vestuario dos cadve-
res, que se acharen) fra das freguezias de Santo
Antonio, Recite, S. Jes e Roa-Vista, ser augmen-
tada com S 0/0 por cada kilmetro, a partir do
largo de Pedro II.
TABELLA R
ARMACAO DB ECAS.
1* classe.Eca com tres estrados, cpula, 6gu-
ras, emblemas, guarnifo de velludo, panno lih",
galdea de ouro ou prata entrefinos, trina*, borda-
dos a ouro e enfeites dourados ou prati-adus, ou
creps, penachos, 160*000.
2" classe. -Ega com tres estrados, figuras, em-
blemas, guarnigo de velludo, panno tino, ga-
loes de ouro ou de prata entrelios, trinas, creps,
SOOOO.
3* clas*e. Ega com dous estrados guarnigo
do veibntina, f;izenda de l, galoes de palneta, tri
as, velante, 40*0000.
4' classe. Ega com um estrado guarnecido de
baet.i, volantes, galoes de baixo prego, 10*000.
Alm dessas classes poder o contratante, a
apr ziraento das partes, armar egas ou cenola-
phios de maior prego.
TABELLA C
ARMAgAO DB lilKJAS.
1' classe.
.1." -Guarnigo de velludo, panno fino e galoes
emblemas, franjas de miro e prata entrefinos em
cada altar lateral, I8000.
2.aDita as capellas mores 21*000.
3.a Hita em cada p.Tta 6*000.
4.a Dita em cada tribuna e pulpito, inclusive
colcha '.'*000.
3." Dita no coro por cada colcha 3*000.
O forro das paredes de igreja-*, ser feito pelo
pre?o que o encarregado do fuueral ajustar Com o
contratante atienta a nalureza c quantidade da
telia que se houver de applicar.
2' classe.
1.a Gitaruico do velbutina, fazenda de l, ga-
loes e e.obleinas em rada altar lateral, 12*000.
2.a-Dita as capellas mores 1600.
3.*-Uiu em cada porta 4*0^0.
4.aDita em cada tribuna e pulpito, inclusive
colcha, 6*000.
5.*-Dita no conro cada colcha 2*000.
TALELI.A D
VESTUARIOS DOS CADVERES.
Adultos.
Habito de alpaca fina das diversas ordena reli
giosas 16*000
dem de alpaca de qualidade inferior 12*(00.
dem de dita mais ordinaria 9*000.
dem de metim 7*000.
Vestuario da Coneeieo ou da Soledade, feito de
seda com galoes e rendas entrefinas 60*000.
dem de setim papel com galoes e rendas de pa-
lheta 25*000.
dem de cambraia cora galoes de palheta....
16*000.
Habito de morim branco 7*000.
Prvulos.
Vestuario rico de S. Miguel ou Santo Urbano
6 000.
Dito de S. Jos ou S Joo 30*(00.
Dito do Menino Deus 20*000
Os raesmos vestuarios, senJo de qualidade infe-
rior por metade dos ditos pregos, e sendo de setim
ordinario cotn galo de palheta falsa pela terga
parte dos mesmos (Srego?.
TABELLA -E
ATADES.
1." classe.-Porro de panno fino preto guarne
cido de bordados de metal dourado ou prateado
de galio entrefino eom emblemas inortuanos.....
80*000.
2/ classe. Tudo como na primeira classe, n
de qualidade inferior 60i000.
3.* classe. Forro do panno preto guarnecido
de galSes de palheta simples ornatos 40*000.
4.a clase. Forro de alpaca preta e galoes ordi
narios 20*0"0.
5.' classe. Forro de metim loaOOO.
& dasse.Simples madeira com os seguintes
tamanhos:
De 0-.50 a 0-,8" 3*000.
De 0-90 a 1-.30 4*000.
De 1-.40 a 1,-80 6*000.
Os atades de qualquer das ditas elasses nao
sero pregados, e lero dobradigas e urna aldraba
e tranquis.
O aluguel dos caixies para condcelo dos ca-
dveres a iii para o cern terio ou depostalos
em igrejas, ser de 4*000 a 16*000 para adnlUs,
conforme a ornamentacao, e para prvulos de 2*
a 8*ii00.
11 r-----
i tres prsfacoW- icune, t
eorfepdn-
reallsado em
deudo cada nma a terga parte* da obra.
Para tudo mais que m char pecificaao na
presentes clausulas se ensenar'o rtgulamento de 31 de jnlho de 1860.
O oIBciil-niaier,
MiguBi ABumo Ferreira.
, De ordem do film Sr. inspector da tlteiuu
raria de fazenda- se Ht pnMieo qne em vista da
deliberago da presidencia da provincia, couda
em offlcio de a do correnle, ir novamenle pra-
ca no dia 11 de outuhro, para ser arrematado por
quem maior tengo oiTerecer, o proprio nacion-j
denominado Calabougo, silo ra i ffresmo ne-
me, servindo de base a arreinaiacae o areoe da
2:780*000. *^
Secretaria da thesouraria de fizenda d Pfer-
nambuco, em 9 de setembro de 1873.
O secretario da junta
Jezuino' Rodrigues Cardo.
O Illm Sr. inspector da thesouraria pro-
vincial em curaprim.nio da ordem do Exm. Sr.
presidente da provincia, de 30 de julbo prximo
passado, manda fazer. publico que no dia 11 de
setembro prximo vindouro, perante a junta da
fazenda da mesna thesouraria vaera a praga paca
ser arrematada por quem por menos fuer os re-
paros de que precisa a lente sobre o rio Goyan-
na, orgados em 3: i6*0t)0 o sobre as clausulas
especiaes ;,baixo transcriptas
^s pessoas que se propozerem a essa arroma
vago cnnpaseoam ua-sala das sessa da referi-
da junta, no * cima meneiooado peto meo da
; competenteiHeiiM liabileas.
E para constar sa niaudou publicar e presente
pelo jornal.
. Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, i i de agosto de '873..
CU usutas especia**.
Os reparos exponte sobre o rio GOyanna sero
ejecutados de .eoaformidade con o orcamento e
planta approvades pelo Exm. Sr. presidente da
provincia, na importancia de 6.126*000.
i.*
praw
i O,arrematante daca cameco. as obras-ao
dp- alas as eoitcluirao de,4 mezes.
*a
O pnpiaanouda ifa-ycliiitoa, da inialan.&dr
0ECLAR160IS
H'I,
Sociedade benefieente 1d>
brasileira.
A directora desta. soeiedadu, desejando con a>
maior brevldade a realisa.o da inicia gao daqaef-
les candklatos j approvados, resew traaserenr
para conhecimenlo dos raesmos, o art. 11 dos nos-
sos estatutos.
Art. 11. Aqnelle candidato qucrt-Yr si ln .tp-
pruvado para socio e nao pagar a respectiva \m
na prazo deires mezes, a contar da dar 'la par
ticipacao, considerar-se-ha derifjtath iftli soew.
dalle.
Outro sim pede-se aos socios em^afiauo a pe-
rem-se quites com a-caixa, visto as yraodos ies-
pezas que a sociedade tem tdo, nao s com as
obras da nova casa da seMe social, assfcn como
com as beneficencias aos socios indigentes.
Para conhecimento dos mesmos socios face
sciente que se acha reali-aia a rmida<;a da so-
ciedade para a ra do Imperador n. 3; assin
como para facilitar a eobranga de Joias e mensa-
lidades, acha-se alera do ! procurador, ncmeado
o consocio Antonio da Silva Santos de Moracs,
que se encarregar- de fazer a cobranga aos so-
cios residentes as freguezias de Santo Antonio e
S. Jos.
Secretaria da sociedade boneficente laso-brasi-
leira, 5 de setembro de 1873.
O 1" secretario da directora
_______.___________Souza Myra._____
CONSELHO DE COMPRAS 1)0 ARSENAL
DE MARI MA.
O conselho no dia 13 do correte niez, visl
de proposlas recebidas at as H horas da manh,
contrata sob as condicoes do estylo, o fornecimento
de viveres.dielas e outros objectos do consumo aos
navios na "armada e estabelm imentos de marinea,
no trimestre prximo vindouro de outuhro a de-
zembro.
Objectos.
Assucar branco grosso, assucar branco refina-
do, arroz do Maranho, agurdente de 20 grce,
azeite doce de Lisboa, aletria, aramia, bolacha,
bolachinha americana, hacalho, btalas, bois
vivos e pasto para os mesmos, cafe em grao, caf
moido, carne verde, carne secca do Bio Grande-
do Sul, cha ysson, cevfldinha, carnauba em velas,
conserva preparada, ceblas, doce, feijio, farinha
de mandioca da trra, farinha de milho, gallinhas,
lenha, raatte, manteiga ingleza, manteiga france-
za, pao, sal, >abo-massa, stearina em velas, stea-
rina em velas de 8 em libra, proprias para lanter-
iia, taucinho de Lisboa, tapioca, tijolos de alvena-
ria grossa telhas, Trabe de Lisboa e vinagre de
Lis oa.
Saladas sessoes do fcon-elho de compras de
marinha de fernambuco, 9 de setembro de 1873.
O secretario
___________Alexandre Rodrigues..los Anjos.
Sociedade patritica Doze de
Setembro.
Sao convidados todos os socios desta so-
ciedade a assisrem a sesso magna quo
ter lugar no dia i > do correte as 6 1/2
horas da tarde, ra da Imperatriz n. 12,
para solcmnisar o seu 4." anniversario.
Secretaria da sociedade Doze de Setem-
bro, 5 jle setembro de 1873.
A. Lamenha Lins
_^_______________l* secretario.
- Pela thesouraria provincial se faz publico
que foram transferidas para o dia 18 do corrente
as arrematacoes segrate:
Sitio dos Remedios 3:7*'0500
Reparos da ponte do Desterro 1:504*229
Secretaria da thesouraria iiiovincial de Pernam-
buco, 5 de setembro de 1873.
O offlcial maio.-
____________________M. A. Ferreira._____
O administrador da reeebedoria de rendas
internas geraes faz sciente eos senhores de aten-
ras que anda os nao deram matricala especial,
que podem e devem faze-lo durante o corrente
mez de setembro, son pona de serem considerados
vres, como declara o artigo 19 do regulameato
n. 4835 de 1 de dezembm de 1871.
Reeebedoria de Pernambuco. 4 de setembro de
1*7.1.
______ Manoel Carneiro de Souza Lacerda.
Estrada de Ferro Pa-
raense, no Para.
Tendo a assembla geral dos accionistas d*
Companhia Urbano da Estrada de Ferro i araense,
antorisad a venda desta empieza, a commissao
eleita para esle fin recebera propostas para a
compra da mesma al o dia 10 de novembro pr-
ximo, no Para, pudendo os proponentes obter des-
de j as circulares e examinaren) os estatuios,
bem como os relatorios da compan ia de 1870,
1871 e 1872, no escriptorio do English Bank el
Rio de Janeiro Limited.
Gabinete -loi-tiigiiex de lelilu'at.
em Pernambuco
Assembla geral.
Do ordem do III n. Sr. pesidnte do ccn.-ili.
convido aos senhores socios efectivos do gabineU;
portiiijuez de leitura, a re'unireiu se em aweuibia
geral no dia 8 do corrente, as 11 horas da maulla,
na sala das respectiva^ ses.-oos. aiim de eleg i etn
0 novo consol-.o e commissa.> de exame de coatas,
seguudo as disposicoes do artigo dos estataita.
Secretaria do gabinete purtuguez di le.tuta v
Pernambuco, 4 de setembro de 1873.
B. R. de Amorim
_______________________1* secretario._____
Sahhndo C do corrente, fhuia a audiencia de
Sr. Dr. juiz de Uireito da 2* vara, vio epi pra..i
para serem arrematados por quem mais der, *
movis seguiutes : I duzta de radeiras de guar-
nigo, i ditas de brago, 1 sof, i par de consoles,
1 mesa de meio do sala, l esnaUva grande de pa
rede com trem e com t.impo de pedra, 1 rcligio'
grande de parede com caixa, i candelabro ana
ires luzes e 1 par de lanlernas com eaiti ai s de
bronze; sendo que dita mobilia de. madeira de
Jacaranda, e todos estes objectos foram avahado*
em 1 'it, por execugo qua move Joainua eve-
riano Nogueir* a Antonio Gongalves da Sirr?.
Sociedad^ BeaeUcente Mon-
te^Pio Santo Amaro.
Do ordem da junta administrativa desta socie-
dade, era esso de 4 da corrente uiet, fago scien-
te a toos os Srs. seaios, para o sou eiitendi-
raento, que se acha transferida a sesso em as-
'iembla geral do dia 7 para odia 4, domingo,
s 10 horas da manh.
' Sala das seses do Monje-Po Santo Amaro, 4
de setembro de 1W3.
0 I.* secretario,
____________ Isaias G. de Melle._____
Consulado provincial.'
Foco sciente aos differentes contribainte da im
|*te* proviaciaes, relativo*.ao auto finuo d
1872 -73, que fechase delinitivaneato no da 27
db corrente o recebiiueBio nesu ropa nica" da
iiotas anda nao satrsfeitas dos mesmos impostos;
(\ terminado esta praae,, sari a cobranga effc.-.
tuaila oor via judicial cao)-a omita de 9 Ojf) e
a nldi;4o das respectiva- rustas.
nsulado proviaoial, 8 de-se^mhro d4 1873.


.
A. Cuwi.
2aV

A
\



Diario de Pernambuoo Quarta feira 10 de Seiembro de 1873.


i
Santa casa da misericordia
do Recife
Forneemento deMOOOi ananaes.
A junU administrativa da santa cas da miso-
ricordia do Recife precisa owteMar o foroeoiinea-
(o dos Roeros abalxo declarados, que tin de
coiiurar to a os eslabejecimealos pios a seu
caigo, no trimestre de outubro a dszerabro do
crrante anno. Recebe propostas na sala de cuas
seasBes, polas 3 hura* da tarda do da 13 d -
>or-
Agurdente, itfo.
Azote doce, idei: ..
Arfc d MifanhMi dem.
Bacallao, kitogtaramo.
Bani ** porco, Idetn.
Batatas, idern.
Cbi bysson, ide/m.
Caf em gro, ideui.
Carae seeca. dem.
Ceblas, cento.
Farinha de mandioca da Ierra, litro.
Feijio mulatinho, tdeoi.
Farello, sacco.
Fumo Rio, kilogramrao.
Gas, lata.
Milbo, saco.
Maateiga fraacea, kilogrammo.
Pottssa, dem.
RapVidem.
Sabio, dem.
Sal, litro.
Tapioca, kilogrammo.
Teucioho, dem.
Velas de carnauba, dem.
Vinagre, litro.
Vinlio tinto de Lisboa, idem.
Vinbo branco, dem.
Velas stearinas, kilogrammo.
Foraecimcnto de 38:0004 annuaes
A junta administrativa da santa casa da mise-
ricordia do Hecife precisa contratar o ornecimen-
to de po, bolacha assucar que houver de con-
sumir os atabe ecimentos pos a seu cargo no
trimeslro de outubn> a dezembro do correte an-
no. Recebe propostns na sala das snas sessSes,
pelas 3 horas da tarde do dia 18 do correnle.
Foruecimento de 32:0001 annuaes.
A junta admiuistraiiva da mesma santa casa
contrata o forneciinento de carne verde que non
ver de consumir os estabelecimentoi pios a su
cargo, no trimestre de outubro a dezembro. Re-
cebe impostas n- sala das suas sessoes, pelas 3
horas da tarde do dia 18 do correnle.
Secretara da santa casa da misericordia do
Recife, 9 de setembro de 1873.
O escrivSo,
Pedro Rodrigues de Souza.
-I
THEATRO "
IMWI0 DRAMTICO
ESPU3CA k P,N\NT
QUARTA-FEIRA 10 DOCORRENTE
Beneficio do gerente regente da
orchestra.
Logo que a orchestra ti ver execntado urna
brilhante symphonia, subir scena o muito ap-
plaudido drama em 5 acto?, original portuguez
do Exro. conselhciro Jos da Silva Mendes Leal
Jnior, intitulado :
Terminai o espectculo aun a muito fren-
ticamente ariplaudida scena cmica representada
pelo Sr. Fl.vio : ,
0 SB. DOMINGOS FDBA DD SEflIO
Ao publico.
Tendo a empreza muitos ptdidos e encornmen-
das de bilhete?, resolven-se a representar pela se-
gunda vez, na quinla-feira 11 do crreme $ bem
aceito drama, esenpto pelo Si. r. Villela :
BRASIL E NB.MAI
Santo Antonio
EMPREZ
Quarta-feira 10 de setembro
nica representacao da magnifica comedia dra-
ma, em cinco actos:
A CIGAHA CE PARS
O artista Baha, desempenhar o papel de
Montrichard.
A peca vai ser remontada rom todo o esmero e
capricho.
Dar lira o espectculo a comedia em 1 acto :
os ds sidos,
Principiar s 8 l|2 horas.
SANTO ANTONIO,
Por justos motivos dea transferido para quan-
de for annunciado n espectculo que deva ter
lugar no dia 11 do correte, em benelicio do ar-
tista Joaquim Infante da Cmara.
O benehciado pede desculpa a todos os seus
convidados por e?ta transferencia contraria a seus
desejos. o roga a todas as pessoas que por qual-
quer motivo nao* poderem ou quizerem Bear com
os bilhetes, o obzequio de os remetterem casa
da sua residencia, a ra de S. Francisco n. 27.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
ttavegaetto eo*)i>ra a vapor,
NAMa.ncam:.
O vapor Coruript, toas-
Jaaa**.u# Silva, seguir par*
u porto cima no dia i di
corrente, as 5 horas da tarde-
Recebe carga, encommen-
das, oassagens e dinheiroa
frete at ae 2 huras da tarde do dia da sabida
escriptoro no Forte do Mattos n. U.
9 transparentes laos, casaveque d* |||aei enfc|Sd^;ra fo Hnk
. ..a soobora, camomilas de eambraia bordadas,
gollas eom manguitos; sinloe de setim, manlhas
pretas, 270 eovadns de granadino com listras de
seda, 15 libras de retroa de diversas cores, urna
porfo de tacos para buhares, e outros mnitos
objeetoe avub-os, quarta-feira r0 do correarte anea
s II horas da inania no armazem ra do Vi-
gario n- >
tiOMPASUIA PERNAMBUCANA
DE
~!%'avcgacao coatteiraa vapor.
HIO rORMOSO etamanpar.
O v.-qior fioakybii,
coinmaudante lYdru, so-
gnir para o portos
cima no dia 15 do cor-
rente, as 9 horas da nou-
te. Recebe carga, encom-
mendas, passageiros e di-
nheiro a frete : escriptoro no Forte do Mattos
n. 11 _________________________________
COMPANBIA PERNAMBUCANA
DE
Navegacfto eosteira a vapor.
MACE1, PENEDO E ARACAJ'.
O vapor Giaut',
commandante Felppe
seguir para os por
tos cima no do corrente, s fi
horas da tarde.
Recebe carga at o dia 13 doeorrente, encom -
mendas, passageiros e dinheiro a frete at as 2 ho-
ras da larde do dia da saluda : escriptoro no
Forte do Mattos n. 12._________________________
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegaeao eosteira a vapor.
ARAHYBA, NATAL, MACO, MOSSORO', ARACx
TY, CEARA,MANDAUU' ACARAC' E GRANJA.
(i vapor Pirapama,
commandante Felppe,
seguir para e* por-
tos cima no da 15
do corrente, s 5 no
ras ila tarde.
Recebe carga at o da 13 do corrente, encom -
mendas, pas geos e dinheiro a frete ate as 2 ho-
ras da tarde do dia da saluda : escriptoro no
Forte do Mattos n. 12
Gabinete Portuguez de
Leiira
O ultivw concert
DE
Hugo Bussmeyer
est transferido para terc,a-
feira 16 do cerrente.
"AVISO!MARTIMOS'
Para a Bahia.
Pretende seguir com mnita brevidade o palha-
bote nacional Joven Arthur, tein parte de seu
earregamento engajado, e para o resto que lin-
fa! ta tratase com os seus consignatarios Antonio
Lniz de Oliveira Azevedo A C. no seu escriptoro
rna do Bom Jesns n. 57
ara Lisboa
pretende soguir.com ponea demora a escuna por
Ingueza Chrislina, de 1* ela-->se, eapitao Loureiro
por ter a maior parte de seu carr. garoento enga-
jado; e para o resto qi.e Ihe falta tratase com o>
ca neignatanos Joaquim Jos Gon?alves BeltrSo A
Filbo, ra do Commereio n. 5.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navcgacito costeira a vapor.
COYANNA.
O vapor Par hyba,
commandante Pedro,
seguir para o porto
cima no da 12 do
corrente, s 9 horas
da nmiip.
Recebe carga, cncommendas, passageiros e di-
nheiro a frete : escriptoro no Forte do Mattos
n. 12.
PACIFIC STEAM NWIC1T1 COM
I.inha qiiinzenal
O PAQUETE
esperase da Europa ateo dia 14 di i corrente.
e desos da demora do costme seguir para o sul
do imperio, Ri<> da Piala e co>ta do Pacilico, para
onde receber passageiros, encornmendas e dinhei
ro a frete.
OS AGENTES
Wilson Rowe A GR*
.1'HUA DO COMMERCIOli
Pacific Slcaii Savigali n Compaij
liinlia (iiinzenal
O PAQUETE
MAGELLAN
espera se do sul at o dia 12 do corrente, e de-
pois da demora do costume, seguir para Li<
verpool, via Lisboa, para onde receber passa
geiros e carga.
OS AGENTES
Wilson Rowe A C.
14RA UO COMMER.IO14
COMPANHIA
DE
XAVEGACAO BRASILEIRA.
Portos lo al.
O vapor nacional Paran, commandante Pam
pinna, esperado dos portos do norte at 13. se-
guir para os do sul depois da demora do eos
turne.
Para caraa, encornmendas, valores e passagei
ros, dirijara-se ao escriptoro da agencia, ra do
Vigario n. 7.
Pereira Vianna A C.
Agentes.
Para o Porto.
Aeha-se propnsto para seguir com a maior bre-
vidade o brigue portuguez Unido, para o que re
cebe carga, e trata-se com os consignatarios T. de
Aquino Foncoea A C. successores, na ra do Vi
gario n. iD, I.- andar.
Para o Rio-Grande do Sul.
PretenJe seguir com multa brevidade e palha
bote osita, por ter alguma carga tratada e para
a que Ihe falta trata-se com os consignataris
Joaquini Jos Goncalves Beltro & Filho : ra
do Commereio n. 5
LEiLOES.
LEILAO
DE
-0 caitas com macas marca G B
Quarta-feira 1 do corrate
AS 10 HORAS EM PONTO.
O preposto do agenta Pestaa far leilao por
conta e risco de quem pf-rtencer, de 20 caixas
com maca-, marca G B, vindas de Lisboa pelo va
por inglez Rio Grande, na mesma occasilo vende-
r 50 canastros com al os, hoje 10 do crtente, s
10 horas em ponto.
- No armazem do Annes, defronte d'alfand^ga.
DE
laucas, vidros i pisns de Jacaranda o
njuitos outros artigos.
Hoje
O preposto do agente Pestaa, far leilao- por
conta e risco de quem pertercr, de diversos tras-
tee avulsos. Na mesir.a-occasiao vender 60 cha-
potinhos para meninos, 20 espedios de moldii-
/a dourados de diversos lmannos, 0 ditos de raiz,
Grande
LEILAO
DE
- jiiiiiios iiovos e usjhIos ,
|i.arn liqtiidaeito
ao correr do marteo.
Hoje
Sendo:
9 elegantes pianos novos de armario dos mais
afamados fabricantes de Paris, 1 dito de meia
cauda do celebre fabricante Pleyel, 3 ditas de
armario usados.
Antonio Jos de Azevedo, querendo acabar Com
o deposito de pianos, far leilao ao correr do
inartello, por intervengan do agente Martins, de
todos os pianos novos e usados, existentes em seu
armazem de deposito.
A' ra do Bario da Victoria n. 12, entrada
pelo sobrado n. 14.
Principiar leilao s 11 horas do dia.
c%?
.Boa casa para aliigas-,
Alupa-se tima boa-eata no Poco da Vanella 1
qa do Rid n. W, r f salas 4 .pir (,s e CQ^
ara, quinial mu.ado e Jpe^ j,a f,vift mui,f
proprn para passar a fcs^.*,^ ^ prox|ma do
banho, tao apreciav^,^, k ^ eommodo:
a tral
_. t^rao, .
na *T\m da Madre-de Dos n. 18.
todas as morcadorias e accessorios da loja
denominada La Menagre, sita ra da
Impcratriz n. 17.
OUINTA-FEIRA li DOCORRENTE
A'-* I luris O agente Pinho Borges achando-se autorisado,
vender os referidos artigo., constando de : cha-
laras, grelhas, cangeroes estanhados, casaarolas,
fornalhas, vassouras, porta-flores de rame, v-
dros para cosmorama, garrafas com mostea, lan-
terna ungir, papel branco e ds cores, I relogio.
armaco, cadeins e infinidades deobjectoa para
o uso domestico, que se arbarao patentes no dia
do leilao.
cortes de vestidos de eambraia, elgodo
azul, chitas decores, madapoln, cami-
sas para hornees, hamburgo, chapeos de
sol. ditos do Chile, duzias de botinas va-
riados' para senboras, e nutras fazondxs
mais.
Quinta-feira 11 de agosto
A's flO i| horas.
O agente Pinhe Borges far o leilao cima ao
correr do inartello, ra da Imperatnz n. 17.
LEILAO
DE
movis, louijas e outros arti-
gos
SfXta-feira 12 deai/n&to
A'S 11 HORAS DA MANHA
Na ra do Rom Jess n. SO.
SENDO:
"!l piano, i in-..Lilia de mogno contendo : 18 ea-
deras de guamicao, 2 contlos com lampo de pe-
dra, I sof e 2 cadeiras de bracos 1 mesa elasti-
ci, aparadores, guardas loncas, guarda-vestidos,
cama fram-ea, maniuezao de amarello, cadeiras
avulsas, quadros, jarros para flores, calonga*, pa-
res de laniernas e outros nimios artigos de gosto,
ludo em perfeito estado, os quaes foram transpor-
tados para o referido predio.
Por ordem di) Sr. Jos Ferreira Guimares
agente Pinho Burgos far o leilao acama declarado.
O Dr. R. Vinna.
i .Hfd!.-*o nperndor partcli*.
FrccialMades.0|terac/ies e raolesiias
d vas geuito ourinarias.
Opera os eitreit;impntos da nrrthra
r|i r*'a eleetncidade p*r uin processo intei- iW
M raiiienl'.- novo sem dr, g.-irantindo a cu- ;rj
SS ra radical ero |Mtfcm Jls. ^g
r.'iisiili:is.---do niiio da s 2 horas *tt
(gratis s pohros) "
Clamado*.Por escripto a qualquer
hora.
Boa do Vigario n. I, segundo andar.
S mssm mm msmiSi
Salines para l idas ascidades c
villas de P rln^il.
Camino Nogueira, saccam sobre o
banco cornmercial de Viaima, e suas agen-
cias em todas as cidades o villas de Portu-
gal, qusiquer quantia i vista uu a prazo e
por todos os paquetes; ra do Apollo
n. 20.
CASADO OKO
Aoa :OOOcOOO
Bilhetes garantidos
Itua do taro da Victoria (outr'ora Nova]
n. 63, e casa do costume,
O abaixo assignado acaba de vender nos seus
muito felizes bilhetes a sorte de ."i:l>K)*o(io em
quatro quartos de n. 1614, e quatro qitartos de n.
2140 com a sorte de 8-O*, e dous meios de n.
2890 com a sorte de 3001, alem de outras sortes
menores de 40<000 e i" ai'00 da lotera que se ac
bou de extrahir (65*. ; e c-nvida aos possuido-
res a virem receber, que promptamente serio
pagos na forma do eostmne.
0 mesmo abaixo atsiguado convida ao respela-
vel pnblico para vir ao seu estabelecimento com
prar os muitu felizes bilhetes que nao deixaro de
tirar qualquer remio, como prova pelos mesmos
annuni-.ius.
Aciiaiu-se venda os muilo feli es bilhetes ga
ranlidos da 3 parte da lotera a beneficio da
da igreja do Livramento de Pao d'Alho, que se
extrahir no da 15 do corrente mez.
Procos
Inteiro 64000
veio 3000
Quarto 1*500
De IOO9OOO para clnaa.
Inteiro 5*500
Meio 2*750
Quarto 1*375
Piocife. 6 de setembro de 1873
Jni> Jii'ujuitn 't'i Costa fjiile
Multa atten^ao
Anda continua o armazem de lonca de barro
em liquidacao, nos fundos da loja da ra da Im-
pcratriz n. 51, entrada pela escada___________ _
(SOS DVPRSOS
CASA D\ FIIIOA;
AOS 5:000^000.
BILHETES GARANTIDOS.
i' ra Primeiro de largo (oulr ora ra d
Crespo) n. 23 9 casas do costume.
Aeham-se venda 08 felir.es bilhetes garantido.*
la 3* parte das loteras a beneficio da igreja do
Livramento de Pao d'Alho (60'), que se extrahiri
na segunda-feira, lo do corrente xez.
PRBCOS
Bilhete inteiro 6*1110
Meio bilhete 3*00
Quarto 1*50(1
.U PORQO DE 1003000 PARA CIMA.
Bilhete inteiro o*50
Meio bilhete 2*7o0
Quarto 1*375
.1/ 'iwel 'larlins Finta
Aluea-se o gabinete do sobrado da ra do
Rangel n. 7 : a tratar na taverna do mesmo so
brado.
Desappareeeram do engenho JaguaribeSim, o
cabra, de idade de '-"i annos, cabellos de cabaorl
a to, ro>to comprido, olhos grandes, tejido as pal
peers superiores un pouco dotadas, nariz chato,
orelhas grandes, bocea regular, beieos flnos,tem
na face direila urna peiioena marca e na esqueiao
abaixo do olho un ligeiro talho; pos e maos bem
f itos e grandes, ledos os denles, sendo limado? os
de cima, lilho do Plane e foi all escravo de
Manuel Roque da Fonceca, morador ea villa de
Misericordia, sendo que foi tamhem de um tal Lo-
pinho, que all tambem morador ; tem barba
somente na ponta do queixo, e um ligeiro bigode.
Herculano, cabra alo, de iriuta anuos, silteir.
com principio de cozinheiro, lho da provincia da
Parahyba, no lugar GareaO, foi escr:ivo do Dr. Sa-
lustino Gomes da Silve.ira, (|ue all mora, e aqni
fei de Jos Alves da Cruz; 1 em feilo de ps e maos,
rosto oval e descarnado, usa barba, a Cavaignac
olho s pretus, regulares e expresivo-, cabellos puu-
co carapinhjs, nariz grosso e venias largas, buc
ea pequea, e tem todos os dentes.
Luurenco, lilho do lugar Urub, ahaixo do Bui
que, foi escravo de Antonio de Araujo, que o ven-
deu a Ba-tos Thenorio Bezerra Cavalcante, mora-
dor em Barrera, lambem da comarca do Buique,
foi aqui vendido por Arcebiades; cabellos carapi-
nhos, ps e inos grandes e bem feitos, olhos gran-
des, barbado, beieos grossos, nariz grosso e meio
afilado.
Pede-se a todas as antoridadei pohriaes, a ap-
prehenso deile, assim como ?raiitica-se bem a
qualquer particular qne os levar na mesmo enge-
nho ou no Recife, ra Nova . 8.
IOitS>000 iX*XS vxx^
i-l........-......>- '- ^l
9
>i i horas da tarde.
O
Garanhiins.
Na ra do Bario da Victoria n. 36, precita-ae
fallar aos Sra. Pedro d Reg Chaves Peixoto e
Jos Paes da Silva, a negocio de paiticular ote-
resse.
AtteriQao
100^000.
Gratifica-se cum esta qu ntia qual iuer pessoa
que agarrar una mulata de nome Balbina, baixa,
liea do corpo, cabell >s c.ichea sido cortados ha lempos, e proenleiiienle amarra,
rosto curto, com urna pequea cicatriz em urna
das sobraucelhas e mitra un urna as ms pela
parte -de dentro que nao oude bem abri la, e
ion 0. sido amasiada com um soldad do 2a, foi
presa na fortaleza das Cinco foutas. e andou f-
gida em Go\anna, lguaras- e Itamarac com o
noine de Mara : quem a pe^ar leve-a ao i'.annn u
Novo, em casa do Si. Joaquim Luiz Goncalves
Penna, ou roa do Wconde de Goyamia n. 89
Ao publico.
Domingos Mara Goncalves, cnsul portuguez
de 2- ca se e encarregado que foi do consulado
de Portugal em Pernamhuco ns ltimos treze
inezes, pai licipa aos seus amigos, troto nacionaes
c iiuo poituguezes, que tem o seu escriptoro na"
ra Primeiro de aren n. 23, \* andar, antita
ra do Crespo, onde pode ser primado todos os
'l:a- nao "antilieados, da '.' horas da manh s 4
da tare.
Feilor.
Cma peasoachegada uliimameute de Portugal,
ollerece-se para feilor em qualquer sitio ou para
outi o qualqm r servico : a tratar na rna da Ma
dre de De > n. 3't, escriptoro de Cunha Irmos
& Conipaniiia.
Paria, 36~Bna Vivienne, D'
ih:ms,m kdwdi spi:i\l
D% PHKI'UM'
0EPURAT.IF
da SANG
PLUS DE
COPAHU
S l>RS HF.JI AE3, AS .'."FECfOl
LTIimCOra DO 8AHG0E.
: 1,000 curas iIs impln-
ien>,pstulas, he 1 pe,
rna, comiioet, acri-
nonia, e ulleroes, vi-
_< tosas dn snngue, vi-
ra. a..e o a .. tujue (Xarope vegetal
sem mercurio). Bnpnratlvaa Tr|r|nci
lMI* MIKEKAK8 tonidO-SC tlOUS por
semana, si-guinda o tracumemo Depurativo :
froni-eiiartn n"i mesm moleslias.
I Este Xarope Citracto de
I "erro ile CHA llt.K, cura
inmidiatanipnie qiial-
|(ier purgacao. rela-
\cufao, debilidad,
e iMMiuicuie o j'Ua.0. e flores brancas das
mulheres. Esta iujeccao beugn empregasse
eom o Xarope de Citraeto de ferro.
<-Biarr*ldaa>PoniiidaqueiiscuraemSds.
POMADA ANTIHERPETICA
Contra as a/lrccoesrulaneas e romiroet.
PILUL4S VEGEiAES DEPURATIVAS
do > chabir, cada frasco vrai accuuipabado
de um folbelo.
AVISO AOS SRS. MDICOS.
I Cura catarrhoi, oitei
coqueluches rrxtii(6ei
nervosas tal dos bron-
chios todas ai doeneal
I do peilo; tia.'ta ao doenta
ama colhe rehdea dete xarop D' Forgbt.
J)r. CMfii em Part, rea itieane, a3.
Sirop du
DrFORGET
- Precisa um casal alugar melade de urna ca
sa de familia, que nao exceda de 101 mentaes :
na rna da Palma n. 65.
ATOL
Km c nsoqueucia de nao lercm satisfeilo
as'uas eutrails os Srs. que aceitaran! ac-
eSu'para assignatiiia da Illustraco Per-
namuca^, (a excepcao du tres) deixadt! ter
andamento com a 65 a ollera dada aos mes-
mos ficando por tanto prejudicados os mes
mos, bilhetes que sero novamonte substi-
tualos por outros.
Quer-fe arrumar um menino do 13 a 14
annos, du boa conducta, promplo em primeiraa
ieltras, em qualquer loja de fazcoda, pagando-se a
despeza que flzer em quanto nio liver pratica : a
tratar na ra estreita do Rosario n. 17, i* andar,
sala de detraz.
Deptisito em casa de Augusto Caors n. 22]
ra ila Cruz.
Escrava fgida.
F gio da casa de seu senhur, no dia 21 de agos-
to prximo passad , a escrava Joanna, crioula, de
28 anuos de idade, lilha do Brejo da Madre de
Dos, com o- signa' s seguintes :' baixa, cheia do
corpo, pernas grossas, com eicatrizes de queima
dura no braco e no peilo, levuQ vesiilo escuro,
julga-se que est occnlta |ielo Monteiro, Apipucos
ou Caxang: quem a pegar ou* della der nuticia
exacta ser generosamente recompensado, levan-
do-a na Torre, aiti-t de E. Adour.
U abaixo assigoado, lancailor da ceeebedoria
desta provincia, passa nesta data a proceder na
reguezia do P050 da Pineila ao lancamento dos
imposto* ger es, sendo pes-oal, industrias e pro-
lls^ies, e dcima dos predios das rorporaedes de
mao mora ; e por bao as pessoas que < ecupain
predios em diu Iregaeda devem, em cumpriinen-
lo ila lei, a presenta ros respectivo recibos e con-,
tratos, atim de ser marcada a taxa Com nue tem
de contribuir no prsenle exercicio, relalivamenie
aquelles iuipostos.
Recebedoria de Pernamhuco, 9 deset.mbro de
1873,
O iancador
Manoel Jos So..res de Avallar.
Xe^ocios de Portugal e Hes-
COMPANHIA
DOS
panha.
Domingos Maria Goncalves participa qne se eo
arrega promover o bom andamento de qutesque
luesies judiciaea nos dous paize cima uxucio
nados, para o que est habilitado eom um pensoal
eompetentissimo de correspondentes. Escriptofio
ra Primeiro do Marc n. 23, laiitiga do (jss|io)
A pessoa que annuncion neste Diario para
entrar de socir ti alguma taverna ou padaria,
deixe carta fert..\ ji nesia lypographia cota as ini-
ciaes A V para str procurado.
TRILH0S URBANOS
DO
Recife (liiiiila.
Tendo o governo aimritj approvado.
por decreto n. 5,150 de 27 de novembro do
anno proxi.no passado a reforma dos esta-
tutos desta comp mhia, de ordem da directo-
ra sao convidados os Srs. accionistas para
se reunirem no dia 16 do corrente s 10 ho-
ras da manila no escriptoro da companhia,
afim de proceder-s a eleico da nova direc-
tora e mais funecionaros, nos termos do
1." do art. 13 dosmes'nos estatutos.
Provine-se, outro sim, aos Sis. accionistas
que no escriptoro se distrbuem os novos es-
tatutos.
Escriptoro da companhia, 5 de setembro
de 1874.
Joo Joaquim Alvos,
1.* secretario.
ESCRIPTORO
COMMERCIAL.
.99, liiia da hala, 2.
1AS1UVV
Luiz Felppe Leile \ Irm's
Executam por commisso quaes mor ordens das
provincias do reino, ilhas e provincias ultrama-
rinas, bem como do Brasil e outros paizes estran-
geiros.
Recebem consignaco gneros nacionaes. co-
loniaes, hespanhes, francezes, ingleze, allemaes
e do Brasil, ou niesn o de outros paizes, para se-
ren vendidos no reino ou fra delle
Executam ordens para compra e venda de fun
dos pblicos, nacionaes e estrangeiros. Tratam
da cobranca dos respectivos dividend is.
Promoveiu no mesmo escriptoro, inventarios,
quidacoes, causas civeis e cominerciaes, appel
lacees e recurso de re.vi.-ta.
Tein os roelhores advogados na capital.
Para os negocios de natureza especial, como
causas forenses, administraeAo de bens, etc., que-
rendo-se, pode proceder accordo previo conforme
a natureza do negocio.
Solictam-se dispensas matrimoniaes e qnaes-
quer outros breves apostolices concedidos em Ro-
ma ou pela Nunciatura em Lisboa, annullaco
de ordens, e quaesquer outras dependencias dos
tribunaes da Santa S.
Tratam da arrecdacao de iiraneas e adminis-
tracao de bens no continente do reino.
Obtem documeiilos de qualquer docese, distric
to admiui>tralivo, conselho, ou fregueza do rtino,
ilhas e provincias ultramarinas.
Fa e o adiamantemos sobro coasignaci il
luacsquer gneros que tenham prompta sabida
nos mercados inglezes ou allein' Tumbn) com-
pran) aquelles que se offerecerem em eondicSes
vantajosas.
Fazem transares por consignaf.ao ou compra
sobre minerios, taes como de cobre, chumbo
pliosphatos, ou outros quaesquer, se convierem as
condii;oes de qualidade e presos.
Dose boas refereneias em Lisboa e no Porto.
Esta ca a tem correspondencias senas em todos
os pontos do reino, em Paris, Inglaterra e Ham-
burgo, aa frica portugueza, em Maco (China)
reino da Sio, ilhas dos Acores e Cabo-Verde,
e aceita as propostas que do imperio do Brasil
Ihe lorem feitas por correspondencia effectiva ou
eventual.
Na modicidade de suas commissoes, na exacti
do de suas cuntas e no crdito longamente esta
belecido faz consislir toda a garanta de bom aco-
Ihimento.
Tem correspondentes em Sevilha e outras pra
cas de Hespanha.
N. B. As commissoes sao reguladas pela praxe
desta praca
* DENTISTA DE PARS
19 RA NOVA-10
J. M. Leroux, cirur-
gio dentista, succes-
sor de F. Gautier, es-
pera continuar a me-
recer a confianza dos
clientes da casa, e do
respeitavel publico em
geral.
ia
m
m*m^mmmmmm
Alugase urna casa na ra de Mathias Ferrei-
ra, com quintal e cacimba : a tratar ra do
Amorm n. 37.
ALUGA-SK
e segundo andar do sobrado da-rua da Guia n
62, caiado e piutado de novo : na ra da Sen
zalla Nova n. 1.
Casa no bairro do Recife.
Aluga-se por preco eommodo o 2" andar do
sobrado n 14 da ra do Torres : a tratar no I*
andar da meinia casa, ou ra do Imperador nu-
mero 57
PR0GRAMMA
DA
Festa do dorios* (9. Sebasti&o
que me> venera na matriz de !%.
N. d Paz, em Afolados.
Domingo 14 do corrente II horas da manh
entrara a festa com a pompa e brithantismo cos-
tumadoa.
A' tarde saldr em procissao a veneranda ima-
gem, que percorrer as principaes rnaa da fre-
gueza.
A's 7 horas da noute entrar o Te-deum, final:-
sando toda a festa com um pequea fogo artifl
eial. _____________________________j
- Precaa-e .de um caixero de 10 a i? aunos:
Jtie tenba pratica de taverna : a tratar na re-
naci do Monteiro.
PARA TODOS
Paula & Mafra, com casa
mortuaria no pateo do Pa-
raizo ns. 10 e 12, declaraui
ao publico que apesar das ta-
bellas publicadas pela Sarda
Casa de Misericordia,- conti-
nuam a incumbir-Be de en-
teiTamentos, e lnaib officios
fnebres, como costumam,
isto , com sinceridade pon-
tualidade e commodidade
em pregos.
,\ l'l lll.lUt
Quem iiiais coiiiui do < Acrece ?
Incontestavelmente a loja de calcadoj-estrange.-
ro que mais eommodo offerece em geral, com espe-
cial idade ao bello sex*,o PaRIS NA AMERICA
ra Duque de Caxias n. .19, primeiro andar Can-
tiga do Queima lo) e a razao? a raza simples :
um eavalheiro (amante do chique) p<>r certo tu
ni :ommoiia quando, para comprar uin par de bo-
tinas, v-se forcado a experimenta-la sobre un>
pequeo i; imeroso pedaco de tapete (sysiema ma-
carrnico) nao pudendo desta forma conheeer se
a botina Ihe fica boa, pois. nao tem espaco para
experimenta-la, ao menos que nao a elragi>H dan-
do apenas um passo, que clu-gar lugo ao immuii-
do latbilho ; o qne nao acontece no Pars na
Americn, onde pode se passear vmitade itesia
forma conhecer-se se lies l>um o calvado i para o
bello sexo, enlo quasi imp< ssivel. |ue urna se-
nhora (do bom toml queira snjeiiar-se a experi-
mentar calcado ao lado de um balean, onde en-
tra quem quer, anda mesmo para comurar : o
Paris na America nao resonte.-se desta falta ; tein
nm bem preparado gabinete reservadlo, para as
Exmas. que all podero estar em perfeito eommo-
do para a esculla do calcado.
Nao terminam a i as vantajsens ou commodos
do Paris na Atnerim ra Duque de Caxias n.
39, primeiro andar, consiste tan bem no bom sor-
timento de bolinas para homens, dos nodhure* e
mais afamados tabricantes da Europa, como Me-
lis. Suser, Polak, etc., elc.egrande varedade de
chinellos e -;ipalos, assim famheni um limlo gor-
tmento de bolinas para senbra, e sapatinhos de
muitas qnalid.ules iue podero satisfazer a eaeo-
lia da mais capichosa senhora (do liom guoto) ;
pido que lici expendido, tala claro que a luja de
calcado eslrangeiro, que mais vantagens offerece,
o Paris na Americ", rna Duque de Caxias o.
39, primeiro andar, antiga rna do Queimado
Offerece-se para
llier de boa conducta :
de Caxias, 3/ andar,
ama de c-izinh i, urna ma-
a tratar na ra do Duque
n. i\.
Ao publico
Lendo no Diarfo de 4 do correute, uin annun-
co com risos Je protesto, assignado por Luiz de
Franca So .res, em que diz nao poder eu di.
por do man terreno silo na estrada nova d*A?ua-
Fria, por ter em meu poder uOfOOO delle rece-
bilo per conta da venda desse terreno, declaro
que falsa essa asseveracao do Sr. Luiz de
Franca, rwlo como ao mesmo Sr. devo apenas
aquella quantia com a garanlia de una leilra que
aceitei em data de 23 Je agosto do corrente an-
no a uin mez, sem mais compromisso a'gum, de
modo que posso or livremente de meus bens,
as quaes nao podem ser embarazados pelo Sr.
Luiz de Franca, com aquello seu annuncio, as-
sim como nao tenho outros compromissos que
perturhem o meu direito.
Recife, 6 de setembro de 1871
Domingos Rodrigues da Costa.
Cezario Auroliano Ventura e Ma-
ria da Exaltago Ventara enire
lagrimas e solucos pelo golpe que
acabam do passar com o fallci-
mento do sna estimada e sempre
lembrada espoaa e mi Francehna
Mara Chaves Ventura, e faltariam
a um dever de. gratido se do alto da inipn-nsa
nao dessem um publico testemuuho do seu eterna
recnhecimnii o onraria do Senlior Bom Jess
da Via-sacra da igreja da Santa i.ruz, com muita
especialidade ao prestimoso Sr. lente Manoel
Domingos da Silva, provedor actual, e loesoureiro
Domingos Jos Ja Silva Nogueira, estes dous ca-
valheiros qne lanto se esforcaram para suavisar a
inmensa dor que nos martvrisava.
Manoel Das avier.
Umbolina do Reg Machado Xavier, acaba de
receber a iri lado marido Manoel Das Xavier, fallecido na ci-
liado do Porto a 13 de agosto prximo passado :
repastada da mais prof inda dr, pede aos seus
prenles e amigt s do tinado o caridoso tbzequio
de assisiirem as exequias, que pelo eterno repou-
so de sua alma manda celebrar no dia i3 Jo cor-
rente, na matriz da freguezia de Santo Antonio,
principiando o acto s dez horas da inanba. Con-
fiando que todos correspondoro a este acto de
caridade, anlecipa se desde j, era agradecer mu
corlialoiiote esta inequvoca prova, que sera
guardada no intimo de sua alma.
mk%wmmkm%%%%mk%,\%m%wkmmwmk%tmmk,%%m%mm
Aluga-se
o segundo an lar do sobrado da travessa do Cor-
po Sanio u. So, com commodos para pequea fa-
milia : a tratar n > .to.izpio do mesmo.________
Ksitjivo fgido
Ausentoorse hontem, 8.do airrentn, da casa de
S senil >r n abaixo asMgnailo, o escravo Manoel,
crioi.lo, nla.Ie de .,0 aoitus, p- uro mais on nieuo*
altara boa, olhos vt-sgoa, barbado, eoaluma em-
biragar se ,r cujo escravo qu;utdo anda ausente
eii'prega->e no des autoridades p.li,ia<> ompn a sua
prigSo e sor I' vado ra estreita Rosario n. 34,
1.* andar, que se gratificar
Recife, de setembro de i873.
Antonio Francisco d AJbuqneqne Saalu
_A
-T
i


\,




Diario de Pemambuco Quarta feira 10 de Setembro de 1873.
<- ssx

I
'-



I
p
=
ViYii *Pfi5a-?e pe nina ama para ensalmar
-vina, o (ngiima para ca-.i,I lniifi,
tratar na pr.iipM>- hJr:pr"'*ttia 9- f- t i
i recis.-i-dMu ai aiii osera*.- a-ra cnu-,
nhar e ensaboar : na ra da Peuna o. 23.
k M A
16, i.* andar.
Precisa-* de urna ama para
trrico de duas pessoas: atrai
qaartel.de polica, sobrado n
Paraizo n.
:>Rlti\-SE de urna
que .aiba cozinhnr para
urna familia de lu.is
pessoaa: no pateo do
l.'e 2.a andares.
A mar A Precisa-se
ti casa de
duas peisoas
Precisa-se de ama ama pa-
Interno de ama
casa de familia composta de
na roa da Cadeia-nova n. 11.
AMA
Precisarse de
Uoiao d. 47.
urna : na ra da
Precisa w de urna para todo
o servido de ama Camilla de duac
pes-*aa: na roa do Commereio,
AMA
scriptorie do telearapho submarino.
Germano Pinto de Magarhe* scientifiea aos
sen* fregueie* e ao pn tilico em feral qae mu-
don o >eu pstabelaciniento de carros de passeio
da rea das Plores para a do Imperador a. 27,
ende continua a servir m promptido e asfeio
aos seo fregueses c >mo sempre tem feto.
Luja
do Rub.
Ra estreita do Rosario n. 15
Herminn Ferr, -a da Silva seientiflca a aeos
mig-w e artigos rreauews, que se acha actual
mente na sua antiga toja e ourves, situada a ra
treita *ii Rosario n. 1 >, denominada Rub :
onde espera continuar a merecer a me-ma con-
fianza dantas.________________________
Bom local.
A loj d predio da roa MarcHio Das n. 120
confronte lamben para a de Lomas Valentinas,
presta-s* qniA^uer negocio d fatendas, row-
dezas-ea momatis, era grande e pequea e-ral i
A safra*)" assucar esta prxima, indubitavel
0 b eommolciolngufl e tambein se Taz arrendamiento
como mclh.ir coovier, tem gaz, agua e apparelho
p Orainagc, e nada deve de imposto* : a tratar
na do impi-rador n. 8t.
Est fugi-lc desde o dia 36 de agosto e escravo
de nome Ge'iiiniano que foi escravo do lllm. Sr.
-capiao Fmnino em Maneota ; o escravo tem os
signaos segundes : mo.lato,-siatura regular, cheio
-4o curan, falta de deales na frente, tem no bra-
co direito ura corarn o as iniciaes A. M. C, sahio
eom roupa preta e chapeo de Manilha, descon-
fia-se que aada pelo bairro do Reeife ou em Ma-
neota : quem o aprehender tenha a bondade
de o levar ra Urga -do Rosari > n. 22, loja, que
-ser gratificado.
Escravo fgido.
Auzentna-se tra sexte-feira, S9 de agosto prxi-
mo passado, da caza de seu sennor, o escravo Ro
Sue, da dada de 18 anuos pouco mais ou nienos,
e cor preta, com os siguaes seguintes: cobellos
carapinhos osrtado Tente, estatura regular, secco
do corpo, olhos gr-ndes, teta larga, nariz chato,
ps e inos fcem feitos : con nao tem conheei-
mento do mato de crer que m acbe mesino na
cidade ou seos arrabaldes, e ja tem sido visto em
Beherrbe: pe-Ie-se por tanto as autoridades, cap
lies de campo ou qualquer pessoa que o agarrar o
favor de o levar ra do Vigorio Tenorio n. 3 S*
andar, que ser bem gratificada.
Reeife, 1 de setemhro de 1873.
Joaquina Jos Goncalves
Beltrao.
Ra do (miHi-r.-i n. , i . andar
Sacca por todos os paquetes sobre o banco
do Minho, em Braga, e sobre us segointes
ulgares de Portugal:
Amarante.
Arco de Val de Vez.
Baroellos.
Beja.
Chaves.
Coimbra.
Covilh.
Faro.
Guarda.
Guimares.
Lamgo.
Lisboa.
Mirandella.
Moncao.
Ponte de Lima.
Porto.
Tavira. /
Valpassos.
Vianna do|Castello.
Villa do Conde.
Villa Nova de Famalicao
Villa Nova do Portimo.
Villa Real.
Vizeu.
Valonea.
Figueira.
\
15
Escravo fgido.
de gratificacao.
AuseRtou-se desde o dia 13 de main de 1872, o
preto de nome Alfredo, de trinta e tantos annos.
crioulo e bastante ladino; este preto perfeito
eozinheiro, estatura alta, magro olho grandes, i
esteve no engenho do Sr. Lul de Caiar| em S.
Lourenco da Malta, onde consta er prenles, foi
escravo dos Srs. Adriano a Castro, e do Sr, Jos
Joaquina Goncalves Bastos, negociantes ilesta pa-
ca ; de todos estes senheres foi cozinheiro, tem
sido visto por pessoas que o conherem dizendo
que est forro, assim tera podido escapar de si r
prezo. Pede-se a todas as autoridades e capites
campe que o pegando leve-c ma do Duque de
Caxlas n. 91, loja de miudezas do Rival sem se-
gundo que receber a gratificacao cima decla-
rada.
Aluga-se o 3* andar do obrado da ra do
Vigario Tenorio n. 20 : tratase na ra do Araorim
n. 37, com Jorge Tasso.
Consultorio medico
DO 7
Dr. Murillo. %
RA DA CRUZ N. 26,1. ANDAR. J
Recem-chegado da Etirepa, onde fre-
qnentou os bospitaes de r*ri e Londres j
pode ser procurado a qnalquer hora do O
da ou da noute para objeto de sua pro- r
fisso. r
Consultas do meio dia as dnas horas m
da tarde. /
Gratis aos pobres. 'w
Especvtlid-'des^Molestias da pelle, de j
crian.a e de mulher. O
i- mprega no tratamento das molestias Q
de sua especialidade as uchot friat e
banha.% a vapor, para os ifiues tronxe
os apparelhos ma* modemarner.le em
Jf, pregados na Kuropa.
JT Tamben applica com grande proveito
'f, no tra lamento das mole>tias do tero a
electricidade, pelo proresso do f)r. Tre-
pier. Cura por um processo inteiramente
Wi ^novo as bfnnorrrugia- e sobre ludo a
O(goi''* "'lit-ir) dispensando as iajeccoes
\ttencao
Josepha Henil m"' de iraada Barros avisa a
alguiH senbores de ^gennos, que se acha nes-
U praca e olleraea se J e"^nar em,,a,n,m en'
inah.. qae nao seja mujto ?'.Wf ^f* '>*9..we
tem bastante pratca : quem ry^tor dirija se
ra de Santa Rita, casa o. 99.
1
VAPOH FHANCEZ
ItUA DO BARAO DA VICTORIA
. 7Outr'ora NovaN. 7
Calcado
fraocez.
MOFINA
lista encoura^ado !! I
Uog_a-s.i..v lllm. Sr. Ignacio Vicira de Mell>.
mtvvo ti ciibitt de .Nazareih ifc.-ia provincia, <
fave- >1 vir ra limiuo de Caxlas u. 36, con-
cluir aquullb uugocio que S. S. m comprometteu a
realisar, pela terceira chamada au> jornal, em
fina de deaembro de 1871, e depois para Janeiro,
passou fevereiro e abril de 187S,e nada cumprio.
e por este motivo de novo chamado para dit<
Ara, pois S. S. se deve lembrar que este negocio t
de mais de silo annos, e quitado o-Sr. sen albo
achava nesta eidade
Para homena.
BOTINAS de beterro, cordavao, pellica, lustre e'
de duraqae com biqueira, dos melhores
fabricantes.
SAPATOES de bCierro, de cordavao e de case-
mira.
S > PATOS de lastre com salto.
SAPATOES atamancados eom sola de pao, pro-
prios para banhos, sitios e jardins.
SAPA TOS de tapete, charlot, castor e de tranca
franceses e portugueses.
Para senhora.
BOTINAS pretas, brancas e de cores differentes,
lisas, enfeitadas e bordadas.
'APaTINHOS de phantasia com salto, brancos,
pretos e de cores differentes, bordados.
SAPATOS de tapete, cbarlot, castor e de tranca.
Para meninas.
BOTINAS pretas, brancas e de cures differentes,
lisas, enfeitadas e bordadas.
ABOTINADOS de diversas qualidades.
SAPATOS de tranca portuguezes.
Para meninos.
BOTINAS de bezerro, lustre c de cordavio.
ABOTINADOS e sapatoes de bezerro, de diversas
qualidades.
SAPATO> de tranca franceses e portugueses.
Botas de montara.
Rotas a Napoleao e a Guilherme; perneiras <
Yneias perneiras para homen-, e meias perneiras
para meninos.
No armazem do vapor franco, ra do Bario
da Victoria n. 7.
Mobilia de vimes.
Cadeiras de halanco, de brajo, de goernifoes,
ofsjjardrnciras, mezas, conversaderras ecostu-
reiras, tndo hito muito bom por serem fn-tes e
leves, e s mais proprios movs para aleu e ga
binetes de*ecreos.
No armazem do vapor fraacez, ra do Bario
da Victorn n. 7, outr'ora Nova.
PIANOS.
Acabam de chegar muito Tjons pianos fortes c
de elegantes modelo1, do mais notaveis e bem
conhecidos fabricantes; como sjara : Alphonse
Bldonel, Henry Hers e Pleyel WolT a C.: no
vapor francer, ra -do Bario da Victoria, ou-
tr'ora Nova n. 7, a preces muito commodos.
Perfumaras.
Finos extractos, banhas, leos, opiata e pos den-
trirtee, agua de flor de laranja, agua de toilete,
divina, florida, lavande, pos de arroz, jabonetes,1]
eos Blicos, nimios artigos delicados em perfuma-
ra para presents com frascos de extractos, cai-
xinhas surtidas e garrafas de differentes taa-
nnos d'agua de cologne, tudo de primeira quali
dade dos bem conhecidos fabricantes Piver e Cou-
dray.
No armazem do vapor francez, ra do Bario
da Victo%i?, outr'ora Nova n. 7.
Quinquilharias.
Artigos de differentes gostos e
pliantax^as.
Espelhos douradis para salas e gabinetes.
Legues para senhoras e para meninas.
Luvas de Jouvin, de fin de Escocia e de camurca
Caixinhas de costura ornada com msica.
Albuns e quadrinhos para retratos.
Caixin' as com vidro de augmentar retratos.
Diversas obras de ouro bom de lei garantido.
Correles de plaqu muito fconitas para reto-
gi.
Driuiyus o iinit n'ju a hnwo da punhns Hf pa'
qu
Bolsinhas e cofres de seda, de velludo e de cou-
rinho de cores.
No vos objectos de phantazia para cima de mesa
e toilette.
Pinrinez de cores, de prat donrado, de ac e
de tartaruga.
Orulos.de aro fino e de todas as guarnieres.
Bengalas de luxo, canna, com castoes de mar-
fim.
Rengabas diversas horneas e meninos.
Chicotinhos de baleia e de muitas qualidades
diverjas.
E.s|ioras de tarracha para saltos de botas.
Ponteiras de espuma para charutos e cjgarros.
Pentes de tartaruga para desembaraear e para
barba.
Ditos de marim muito finos, para limpar ca-
bera.
Escovas para roupa, cabellos, unhas e para den-
tes.
Carteirinhas de medreperola para din eiro.
Meias para homens e para meninos.
Grvalas brancas e de seda preta para homens
e meninos.
Campainoas de mola para ch mar criados.
Joos da gloria, de dama, de bagatell&s, de do-
min e outro muitos differentes joguinhos alle-
mes e franceses.
Malas, bol as e **ecos de viagem de mar e ca-
minhos de ferro.
Argolinhas de marfim para as criancas raorde-
rem, bom para oe dentes.
Bereos de vimes para embalar criancas.
Centallas de vimes para braco de meninas.
Carrinhos de quatro roda?, para passeios de
criancas.
Veueiianas transparentes para portas e janellas
Reverberos transparentes para c&ndieiros de
gaz.
Esterescopos e cosmoramas com escnlhidas
vista*.
Lanternas mgicas com ricas vistas de cores em
vidros.
Vidros avulsos para cosmorama.
Globos de papel de cores para illuminacOes de
feftas.
Raloes aereostalicos de papel de seda mu fcil
de subir.
Machinas de varios systemas para caf. 38
Espanadores de palh e de pennas
Tesotirinhas e caivetes Unos.
Tapetes cora vidrilhos para mangas e lanternas.
Tinteiro de loura branca, modelo bonito e bom.
Tiras de molduras douradas e pretas para
qnalros.
Quadros j proroptos cora paysagens e phanta-
zia.
Estampas avuleas de santos, paysagens e phan-
tazias.
Objectos de mgicas para divertimentos era fa-
milia.
Realejos pequeos de veio com lindas pecas.
Realejos l armnicos ou accordions de todos os
amanlios, e outros muitos artigos de quinquilha-
rias difliceis de mencionar se. No armazem do
vapor francez, ra do Bario da Victoria, outr'ora
Nova n. 7.
Brinquedos para meninos.
A maior variedade que se pode desejar de toaos
os brinquedos fabricados em differentes partes
da Europa para entretnimento das criancas tudo
s precos mais resumidos que e possivel: no ar-
mazem do vapor francez, roa do Bario da Vic-
toria, outr'ora ra Nova n. 7.
as para e: slura
Grande ortimento de bonitos modelos che^ados
ao armazem do vapor iranrez, ca do Ba-ao da
Victoria (outr'ora Nova) n 7.
Oleados
OnVrec.! se urna sentara tvirtngneza recente-
mente chegada para unslnar menmas em algum
engenho, ou u-sta ridade, ensillando instruccio
primaria, bordados de todas as qualidades. flores,
etc. : qiu-m precisar dirija-se a ria da lutpera-
\x'\?. n. 3, |oa.__________
Aviso
Acha-se abena urna loja de pintor e imaginario
disp. .sicao dos Srs. Avguezes, offert-cendo-se para
contratar quanta obra appare^a ao seu cstabele-
cimento, com a maior vantagem que possivel, e
de aarnirar pela baratera, cono sejam : doura-
ment de igrejas ou capellas, e imagens de todos
os tamanhos, cyrius e cruz para irmandades, ban-
qu para alian-s, e tudo g.ie fr de seu oftlcio
e de-admirar tanto pela perfeicio como pelo preco,
do mais moder-m e mellior goste que possivel.
Quem qniar dirija-se para vina d Bezerros que
I encontrar Manoel Adolplio Silva Ramos,, que
os leceber com todo agrado.
Aspessoi< que tem pretendido estabelecer-
se no terreno devoluto que tica nos fundos das
casas ns. 18 e 20 da na da Florentina, onle exis-
te a fabrii-a de serveja, en jo terreno limita-se at
ra de Santo Amaro, oodem entenderse com o
droprntario na ra do Hospicio n. 35.________
Offereee se mn feitor para eneenho, com
prattea : a tratar na roa-da Roda n. 48.
I CONSULTORIO %
lUEDICO-CIRDRGICO
W DO
0, Dr. S. H. Curio 0
M Ba do Mrquez de Olinda n. Vi, pri- A
metro andar. y*
9 Consulta das 9 horas as II da maxrha. t9.
0 Chamad a qnalquer hora 0
^****** ***
Lines de piano.
Urna senhora portugue a, chegada ltimamente
de Lisb >a, offerecese para dai hedes de piano era
casas de familia e por pre.-o razoavel : podendo
dirigirse ruada Aurora n 5, primeire andar.
Loci^o de sik
Alugase um terreno, com casa de moradia
que tem duas salas, cotinha fra, e quatro quar-
tos arejados,na ra de Paysandii, estrada da Mag-
dalena, defmnte da estrada que. vai para o hospi
tal purtugtiez : xias n. >(), primeiro andar, das H) huras da ma-
nila s 3 da tarde.
Jos Corr"ia Braga vai Lisboa, levando em
j-sua companhia sua senhora e urna filba menor.
baratos.
Oleado bonitos e muito barates, pira cima de
ajeza : no armasen do vapr francez, ma do Ba-
rio da Victoria outr'ora >iova n. 7.
Js Correia liraga lerxly de seguir'viagem
no primeiro vapor para Lisboa, d^ixa por seas
procuradores em I* lugar o* Sr. Tasso IrmJus &
C, em * o Sr. Praneisco Gaedes de Araujo e em
13 Antonio Lopes Braga,
hil)lici!<:;)ii jurdica.
Apontainentos sobre a enndico
los es era vos libertos ao Brasil,
contendo as p-meipaes quesles relativa-, essa
especie, com as decises proferidas a respeito pe-
los trbanaes superiores e do poder execulivo,
bem coran toda a legislacao patria, autiga e mo-
de nissima acerca de cada uuia deltas e os ndices
alpbanetieos desta ultima ; pelo Dr. An'onio de
Va-concellos Menezes de Drummond. lente cathe-
dratico da I.* cadeira do 4.' anno (direito civil)
da faculdade do Reeife e advojtado neste foro.
AsstgBa-Ee livraria do Sr. Nogueira, no arco de
Santo Antonio, e nesta t> popraphia.
Aluga-se o 3o e i* andares do sobrado da ra
do Amorim n. 17: a tratar na mesmarua n. 37, no
escriptorio de Tasso Irmaos k C
Na ra larga do Rosario n. 31 precisa-se de
urna ama que saiba comprar e coziobar Na mes-
ma casa precisa de urna mulher portugueza
para tomar conta do servico interno de urna casa
le familia.
Precisase de nma ama para cozinhar ero
caa de pequea familia : a tratar'no armazem de
moveis^a ra do Duque de Caxias n. J9
*
0 Consultorio homeopa-
0
0
thico
Do
da
- Urna mulher livre de homem, e uuizer ala-
gar fim guari, dirija-se i ra estrella do Rosario
n. .0, que achara com quem trstar.
* ***********
*
*
0
0
0
0
0
0
0
a
DE 10 PALMOS
E D'AHl PABA BAIXO
S'poii-.iros muito lonilos eeapoteiroi em gran
de quantidade e preco commodo.
Alin dest.is. as plantas de ornae> p 1e fructo se
intes:
Dr. Santos Mello
41------Ra do Impera lor------41
Consultas todos os dias das 11 I
tarde.
Gratis aos pobres.
Residencia ra Nova n. 7, segundo
andar, onde di consultas das & s 9 da
manl e das 3 as i' da larde.
Chamados a qualquer hora.
Alinate
Mei-rim
Aiiticmn p
Canella
'. ra.o da India
'.iirolina do principe
Kigneira
ouboyant
Pruflta-psV
G< liaba- branca
E oiitcs pbnla? 'amb ni por preep
in Capunga, ra da Ventura rt SO.
Jabotic.iba
Laranja cravo
Lima da Persia
de umbigo
Limao francez
Oi'y cor')
Palmeira imperial
Parreira
Piiln iras .
Roinanzeiras
Cultlll -lo
XAaOPE CE HTPrHCiPHITO DE SODA i
y.onne Hv?c";:osr::!'"j o1: c*l
HWUS Of rtlPPHJSPimS l QU ,IW
nnOPE JE i.il Pn.orrill Dt FERRO
MWU de Nvpr":uto nt "i.-uhesia I
PAiTILrlfiS PEOJOMES 00 0' CHU'CHtLL
E'!!. ..ala MRqMi t> /TUCO q*i)it40
o n '., mrtdtn ^ i. J:b.-w.i..4 o i
.D' CSl'Ht HU.I,. B >, I t-rr uwrr
de hl.rir. .1* iib.rmtois aWaHIf, 1t, nit i
CtutigKoni. PAKIS. {
nico deposito, aonde se acha a venda na
casa de P. Maurer & C.
MEURON&C.
t
aos compradores do bem conhecido e acreditado rap
REA PREFA, que reparem nos botes e meios botes,
pois que os ha de rap de outra fabrica e nome diver-
so, e com papel da mesma cor, cujo desenhc se pode
confundir com o d'aquelles.
Os apreciadores qne qaizerem do verdadeiro REA
PRETA, devem para nao serem engaados ver que
os botes tragam o nome de MEURON & C, e a desig-
naqo de REA PRETA.
MEUIION a c.
PUNDIOAO-DO BOWMAN
RUADO BRUJ N. 52
(Passando o chafariz)
PEDEM AOS enhores de eng oho e outros agrtcnliores, e en: pregado rea de m ft tantSfB.
uitiamo o favor de tima visita a sea estabelecimeoto, para verem o bovo aortimeoto 10 Consultas de < hora as 3 da tarde,
oaolet' que ahuera; ae celo peso >al pode -se verificar.
ESi'ECIAL ATTtNCAO AO NUMERO E LUGAR DE SUA FUNDIQO
JftY\r\i>a vriHaa Alarnfk d(l8 nQais mo erD08 y!'tenias eetn ta
VapOrO^ 9 ruUaa U ogua maohos convenientes para as diversas
iroomslancias dos senhorea propretanu* e p-ira deacarocar aigodlo.
oendas de canna %S 8 mm**t aslmelbore8 qne ,qDi
aodas dentadas i*^i"'*-
&ixas te ferro fundido, batido e de cobre.
lUmbiqnes o fondos de alambiques.
Vachiaismos
lombas
para mandioca e algodio.j
e pata !>err?r madeira.
Podeniio Unios
ser mo''i'1os a mo
por agna, vapor,
de pateite, Karantidas........ loa animaes.
Todas as machinas e pe?as de qne *Citoma preci8,r .
Faz qnalquer concert de m>chii8mo aPre moi re8Dniid0-
PVlJ'T.ia fA fel*F<1 tctD a8 me,hore8 e nDa'9 baratas existentes no mer-
**T\f* \mmflTl i<5 locumbe-se de mandar vir qnalquer mach'nismo von-
U\j JilliUOli iS. ta(je ,j08 clientes, lembr.-.ndo-!bes a vatitagem defazerm
*s compras por intermedio de pessoa entendida, e qne em qnalqoer necessidade pode
><* prestar auxilio.
Arados americanas eiD*tran)en'08 ?rico!-
RA DO BRUM N. 52
PASSANDO O
0 &$0tt0&#tt*tf*0
Consultorio medico cirurgico tt
t> DO 0%
0 Dr. Americo Vespucio. ^ft
9 da (ni/, ii. SU. f andar *K
i
Gratis ao? pobres.
9 Especialidades : 't>
Mj Partos e molestias da urelra. eperaeao :>%
S "los estreilamentos pelos prceessos os *
mais modernos. S?
Aluga-se
FUNDICAO DE FERRO
4' roa da Baro di) Trinmptio (ra il: Bnini) ns. 100a 10.
GARBOSO k IRMAO
RECEBERAM de Inglaterra completo- sortimento de ferragens e machinas para cn-
genhos, as mais modernas e melhor obra que tem vindo ao mercado.
Vapores de forca de 4, 6, 8e 10 cavallos.
L UlOOlTlS de sobresalente para vapores.
AlOendaS nteirOS e meias motadas, obra como .iunca aqui veio.
LaiXlS tUnulflaS e batidas, dos melhores fabricantes.
tOQ-S U agua cora cubaje de ferro, fortes e bem acabada?.
tlOQaS uOntaQaS de todos os tamanhos e qualidades.
RelogOSeapitOS para vapores.
jOniOaS de ferro, derepucho.
AraQOS de diversas qualidades.
r OrmaS para aSSUCar grandes e pequeas.
DonPfrtOS ^^^^^ com promptido qualquer obra ou machina, para o que teem
sua fabrica bem montada, com grande e bom pessoal.
EnCODimendaS mandam vir Por encommtndada Europa, qualquer machinismo,
para o que se corresponden! com urna respcitavel casa de Londres
e com um dos melhores engenheiros de Inglaterra ; incumbem-se de mandar assentar
litas machinas, e se responsabilisam pelo bom trabalbo das mesmas.
RuadoBaro do Triumpho (ra do Brum) ns. 100 a 104
FUNDICAO DE CARDO SO d IRMAO.
Para os banhos salgados urna boa e espacosa
casa terrea ra de S Bcnto em Olinda muito
fresca, com terraco atraz, porto ao lado, cuna
gaz e agua : a tratar ra do Amorim n. 37.
@#&@@
Cnsul.!!'.!) medie cirargie-..
&$ DO "
Wi\ Ferretra. Z
y& Antigo gabinete de seu pai, ra larga X*
jk do Rosario n. 20. pL\
3^ Gura de hydrncelles sem njeccao
com punecao cap I lar
Abertura de alicessos e extraegao de
derramainento serojos, pelo aspirador *jv
de Putain. VJp
a.** e 9
le' limita uioroidade. .
Ha mais de vinto dias que jaz na thcsour.iria
de fazeoda um requeriment remettido da (ires-
dencia, para ser informado, e at esta data anda
nao o foi I
Pedimos ao digno Sr. inspector haja de dar al-
guma providencia no sentido de fazer desapare-
cer, semelhante demora em infonnacoes, que alm
de prejudiear a parte nU-ressada,'. parece tjlher
um d|reito concedido por lei, visto que desta for-
ma nao ha quem queira recorrer, para esperar
um, dus e mais nieges.
Reeife, 4 de selembro de 1873.
G. 4. Schiiorbuscli.
Os melhores charutos da
Bahia.
Regala Britnica.
Regala Imperial.
Regala Ri-al.
Riarhu-Hlos.
Demcratas.
Suspiros.
Conchas.
Operas.
Principe de Bismarck.
Trabucos
Bahas.
Deposito em Pemambuco no armazem de Cunha
& Manta, ru| do Mrquez de Olin>?a n. 23.
Constando que tem apparecid'i no mercad- latas
de izaz contendo 4 1|2 galries. Henry Forster 4'
C derlaram que nos seus depsitos us. alie 28 aa
ma do Brum, so venden! caixas com duas laUs,
contendo cada lata cinco galaes, e pesam 16 kilos
bruto.
Preeisa-se
de dous moleques de 12 a 13 annos para um tra-
balho muito leve : a tratar no hotel de Bordeax,
ra Primeiro de Marco n. 7 A, !. andar.
Capellao.
Carros de luxo.
E' inquestionavel qne a cocheira da ra do Botn
Jess n.15, de Joa iuim Paes Pereira da Silva, a
que tem as melhores berlindas, calecas, meias ca-
lecas e victorias d? luxo, proprias para qualquer f'
noivado, visitas de etiqueta, Bailes e artos da ara- fr*
deuia, sendo os mesmos ajaezados de excellent- s WM
par- Ihas de animar-., urreos luxuos,is e boleeiros ^^
com fardamentos do ultimo g"sto, para o qne se
convida ao .publico a vir por si ni 'smo scienti-
car-se da verdade do que d ixamos dito, certos de.
que pao encontrar.) puntada, e sirn realiJade e
c-im modos presos.
- A familia honesta que precisar de umamo- j v
ca para costurar, dirija-se ma Velha n. ivj qua /jv
Bchar cern onem tratar. j vr
^ast^ s H
#$ n # #
MEDICO. I
9
0;
(raiile .edi'W:h
Las oscossezas a 280
rs. o covado
Ruad*.Crespo u. O
?

Augusto Trajanti de Hollanda Cha-
con, dontor em medicina pela Facul-
dade do Rio de Janeiru, chegado ha
pouco da Europa, .*nde nos melhores
hospitaes dedicou-se aos estados de
sua proflssao e com esperialidade s
operavSe-' e s molestias dos olhos, tem
o seu escriptorio na rasa de sua resi-
dencia s ma Duque de Casias, antiga
das Cruzes n. 9, 2. andar.
Consultas das 7 as 9 horas da ma- ,
nhi. '
Gratis aos pobres. -,
Pince-nez
PerJea-se um pince nez de curo, para homem,
da ra doCapibarbe para a ra da Aurora, -
quna da do Conde da Boa Vista : quem o tiver
acbado, querendo resiitui-lo, tenha a bondade de
leva k ra da Capibarlbe n. 40, .onda se grati-
ficar o trabalbo.
A Ordem Terceira de S. Francisco, deseja con-
tratar um capellso para celebrar as missa< nos
domingos e das antjs na casa de detencii: a
tratar com o irmo ministro no consistorio di
mesma ordem.
Costureira,
Precsa-se de urna senhora habilitada em cos-
turas e bordados: a tratar na ra Nova n. 31,
loja.
E esla a qnanlia destinada pessoa que prender
e trouxer ra da Cadeia u i3, o eseravo Anto-
nio, qne fngiida propriedade do Sr .Joaqaim Mon-
des Ferreira, aa cidade do Penedo provincia das
Alagoas, cuj.is signaes passo a demonstra los es-
tatura regular, mulato, rosto meio comando u
bastante descarnado, e o s o de ler o dito escravo o dedo polegal 'a mito
lireila sem movimenio ; e constando w .->ia
trabalhndo ahi..na estrada de ierro de S. Francis-
co, por is>o nao muito custoso a qualquer pea-
soa, amanta dos cobres, agarrar, e trazelo.
SERVENTE
De botica.
Precisa se da um com pratca : na pharmaea
Torres, roa de Marsilio Dias n. 138.
1
-

' U' I







-
o
-
Dfad dfeRarfcambtfco Qaa^^eiffc, 10 do Setoil*0d# LM&
.. -.-
IcoiKe.
iljf afreguezado ajon
' com balean de pedra
-gue Jo pato. I
ttaruior* o qnal tem cio. tatitos, bulanca "e pe-
los :4iiar na raa d) Crespo, loja do Passu
* 7, |un(u ao urc.i de Santo Antonio.
'MORES
Na travessa da ra
dasCruzes n. 2, pri-
meiro andar, d-se
dnheiro sobre pe-"
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual fora quantia.
Na mesma casa
v (Miipra-se os mes*
mus metaesepedras.
a-
Pregase de umi ca d-comprare Cizinhar, forra ou es-
era: u rita Duque- de Caxias n. i?, i andar.
" v-isa>e de um ou dmus trabaTliadoreT:
ma roa .las Floras n. 2?i, tiaUraria.
Sjisiuj |> riuul r
DA
Ll PORTMZA
Salvador Hi-nrique de Albnqiiprq:ic, ensina e
prepara as sen oras qie M quizereiii habilitar
para os r.oirursoss cadeiras de instroegao pn
m'ina; pi estae a ensiuarpir casas c collegios
particulares n'-ta cidade e seus suburbios a mes
na dis.iplina e todas as materias do eusino ele
menur a alumnos de um e outro sexo. Tamboui
todas as tardes ein *ua casa leceioua aos esludan-
tes de iTeprator.os que precisaren! de habilitar
par ao ex a me de prtuguz. Ensina igualmen
le ariUnneliea e geometra con Indo desenvol
viiueiit i e a.iplicaca-s. Larg do Para izo u. 8,
egundu andar, das quairo horas da tarde em
lana
llRHY 1NA~
(VLV.IO DE QUINQUINA HYGIENICO
7&EPAKAIKJ COM OS MKLHOKES VINHOS DE UFS-
MMM DA FIRMA
CALVARACA.G. C, DESEV1LHA
pob.nkdfdor da su a macfstabk a baikha
d'hrspaniu.
POR
THMERET GELIS
1'hitrnincciitico
KX-1NTKKKO DOS UOSPtTAES DE PARS
O SUEHHY-KINA. o vinho.le Quinquina
que I)-iji; preferem a maior parte Jos mdi-
cos u-. 'j-opitaes, dos lentes da faculdade e
dos membree da academia de medicina.
Tera esta preferencia a sua explicagao Disto
4; offerece todas as garantas que debalde
11 nos productos desso genero em
-I I iS VE/.F.S SE SACRIFICAS AS QUALIDA-
1. S r\'i i.Ss;:.NCIAES QUEH DO VINHO, QUER
! isa 'as vezes de ambos) aos lu-
1 MM.'.ri.\gAO (Ver Guia das Aguas
Hiium's. lio Dr. CO.NSTANkN JAMES,
C0 DEI'OSITO
NA
i AiiMACUE DROGARA
HE
F\RTII0L0MEU A C.
Eu
Nao duvidem
S na rila do do
20, loja de Gi
C. que se pod
as azendas abaixo, pelos
preoos seguint^s:
Lasinhas escuceaaa a 2i0 o eovado
Ditas de listras padrees nevos a 280 o covado
Ditas com listras de seda 1 400 rs. o covado.
Alpacas com listras a 500 rs o corados
Marin aasetinado para roupas a 3(0 a o a*
Chape de sol de seda eom cabo de es jo a 64.
Algndao de listras americano com pequeo de-
leito a 3?0 rs. o corado.
Brins pardos e d.- cores a 400 e 440 rs o covado.
Brim branco lona a 146OO a vara.
- Cambraia prela coro listras e fl.ires braceas,
pmpriaa para luto, a 24" rs o cotado.
Dita finas de cores a S><0 rs. o covado.
Cretone para camisas e vestidos a 44* r*-a-e-
vado. ,
Chitos roxas e de cures a 200 e 240 r& 0^
vado.
Gr-sd-naples preU de cordao a 2400 o covado.
Colchas adamascadas a 3 .tf) e 4/.
Di^s de croch a 5i.
Cebertas de chita adamascada a 8J50O.
Cobertores de la escur* a ti.
Leles de braviante a 2.
Ditos de algod a l*40i.
Toalhas alcochoadas a 84 a duzia.
Lruoos ue casva rom barras a if duzia.
Pilos ditos de abanihados a ti a duzia.
Ditos de esguiao a M >O0 a duzia.
Cambraia lis a Dita victuria tina a 3.i800.
ortes de ca A toa I ado a 2 a vara.
Camisas inglezas Currada?, com peito de linho,
pelo diminuto precu de 38000 a duzia e 34500
cada una.
S na loja de Guilherme & C, ra do Croa-
po n. 20.
Nova remesa de cha, fumo
e rap.
Joaquim % Jo Ooncalves
Beltrao i-FRhos
par*Reidor |eron eseriptrio raid*
Ce*mercid|. 5, d* segninte :
ARDBtfE de ca(d: oaiga de 12 garrafa*
1 de laranja, Htm dem,
COS do pao para barril,
Hiendaior
_ de Lisboa, recen (em
AP05 de jol, para
de niaruiH e
ehegada.
e senhor;
brica do commen-
LINHA de roru.
de palneta.
le algodao da Bahia, da fabrica do
mendador Pedrozo.
de todas as qualidades, das fabricas de
Teres e Eduardo Hilito.
U!.*6 proprias para botica.
lAPARRILHA do Para.
ELA5 de cera de todos os tamanhos.
VLN'HO engarrafado do Porto, eaixas de 12 gajt^
Ato Moscatel do Douro, idera dem,
dito Setubal, eaixas de 1 e 2 duzias.
da Italia engarrafado, eaixas de 6 gaj-
de Corlares sapcrlor, em ncqretas.
da cajd,. caixaeidei t*iar alai.
Mal vasta do Douro, cajxai com 12 g*r-
CaTcreltes, tdfira dem.
Clii|)os para senlioms
Amaval Nbuco -C/rw-eberam um complete
aortimento de chapeos de. palha de Italia, seda
evolhldo, pret,aara luto, e de cir$ enfeiuos
cora bonitas flores e fita : vendem no Bazar \1c
toria, a ra da .Bario, da A ictoria a. 2, amiga ana
Nova,
Insignias uneosirK.
Amaral Nabaco & C vendem iosignas maco-
nicas, rao 3, I8j J7, 30 e 33 i po Bazar \1c-
tona n. 2, antiga ra Nova.
Amaral, Nabuco & C. vendem cha preto e ver-
le, fumo ingle/, para cigarro e cachimba, e rap
francez e nacional : no Bazar Victoria i ra da]
Baro Ja Victoria n 2._____
\rende-se
trastes de Jacaranda e atnarello convpeuco usa,
em pnrtiito estado, e tanibeni. um meio apparelio
de louca para jautar c um dito de poreelana, fino,
branco. para almoco Vende, se por ter o dono de
se retirar para Europa : ua roa Ja. Imperatcii
n. 51 A.
Garitos funres.
& C receberam nm coi
lias fnebres com divers;
1 por commodo preco: no Ba-
ilo Baro da Victoria n. 2, ao-
Amaral Nabuco & C receberam nm completo
sajrtimento de capellas fnebres com diversas ias
cnpcoes e vendem
zar Victoria, ra
tiga ra Nova.
BAZAR NACIONAL
Ra da Impicratru n. 72
DE
tourenco Pereira lfeftfos4^itH-te
o mais barato qne for poaaivd,
I'
lUEAir lili f lili SIL
Ra do Bari da Victoria n. 22.
DE
Anclas It'gilifflos;
flVendeee em casa de Okel Bindloas 4 C na
roa do Bom Jess*. 11, os verdadeicos angolas
(|ye foram da casados .^rt T. Jefges C
VENDE-SE
no estado em que s>' acha o sillo existente na re-
guezia dos Afogados n. 21, boje boceo da travessa
do* Hemedios n 18, em chao proprios : quera o
pretender emendare com o sen propiietario na
ra de S. Francisco de ta cidade, como quem vai
para ra liclh, sobrado n lo.
Larga do Rosario n. 34.
Aviso.
Em lempo declaro a-; pessoas que aceitaram b-
Ihrli da rifa de uma mobilia, a correr com ft lo-
Mraa tr. que a dita rifa est sem eiTeito, vis-
to al.: esta data s ter distribuido metade dos
bilhct.s o. deMee s nove estSo pages : a pes-
|U0 issiin fireram d:vem qu;.nto antes pro-
el"".i ;. nportaoeia.
Re>;ife, S de seteron de 1873.
O distribuidor T B.
E' de graca a 500 rs. o co-
vado.
Vendc-se superiores las a 5iX) rs. o covado,
urna verdadcJra peehincha, por ser fazonda de
mnilo boa qualidade c muito arga e padres da
ultima moda : s se encontra na ra Duque de
Caxias n. 88, loja de Rastos Irmaos.
Aproveilein!
Aproxima -se o mez de dezembro, em que a
Nuvi '"
te
ue tam dito esta-
a moda e phan-
teta E-peranv'a, a ra do Duque de Caxias n. 63,
em de dar o si-ii balance ; e como sabido o
grande deposito di' iniudezas, q
tielecimento, nao s de artigos d
tasia, como tamb m do obje-to de lei; e como
realmente condecido que muito mais massan-
te o contar so.niiudez;. do que contar-se o cobre,
a Nova Ksperanca tem resolvido vender por me-
nos 10 L do que o preco do costume, para desta
forma minorar o trabalho du balanco : por esta
razio os apreciadores do boiu aproveiteai e ve-
nham ver como se vende bom, buuit e barato.
Hesn>riflina
Verdadeiro tiitt-r hesperidina, superior e acre-
ditado : a venda no armazem de Tasso Irmaos A
U ra do Amorim n. 37.
>\S4.
Al- i i-se a rasa n. 70 da ra de Santa Rita :
tratar no ileeifu ra da-Cadela n. 3.
Precisa-so de um homem portuguez para
Ir. halhar em um sitio e lomar cunta delle na au-
. i i d dono, que saiba tratar de capta e hor-
. a Biix< rlar arvuredos, dando conhecimento da
ii capacidades na rna do Barai da Victoria
, se dita quem precisa.

COMrilS:
Vastes. |
r.i se e vendc-se trastes novos <.
: w < armazem da ra do I ni- J?
ii o. 48. vf^


).
VENDAS.
Chegaram para a predilecta
As veidadciras lavas de pellica de diversas co-
res, do 'abneaute Jouwn, vindas no ultimo pa
tpjete d'Europa ; assim como, recebeu extracto
iteiiomi ado Fiordo Baiie, que o mais bem acei-
i. no mundo elegante : ra du C.abugn 1 A.
WRiEO
DE .
f
Caim k dumli)
ron
0500
Para eneanamonto de az oo agaa: a casa
americana, ra do Impera'lor n. 43.
As nicas verdadeiras
Bichas hamburguesas qne vem a este mercado
na ra dojtarqmz do.ulinda n. 31.
No armazem n. 16, ra do Vigario, ven-
de-se o neguinle :
Plvora ingleza .(Je superior qnaUdade
Chumb > de muirlo.
Folha de Flandres.
Estanho em verguinha.
Palhinha preparada.
Oleo.de linhaca.
Goaunalaca.
Cola da Bahia.
Retroi-de superior qualidade.
Pelles de couro de lustre.
Ditas de Bezerro.
Cera em vellas de Lisboa.
D las bogias.
Cadeiras bamburguezas.
Ditas de balauoo.
Ditas para cria'nca.
VENDER
Bons t^'i-renos.
Vndese barato, tern-nos proprios, em.lotes o
vontade dos compradores, junto e as cirenmfe-
rencias da eatacio da Boa-Viagem, lugar saudavel
e bastante concorrida, muito proprio para edilica-
cacoes, por ter era seu favor nao so o vapor da
manlia e a tarde, como o privilegio que isenta de
pagar passapem por dez annos a quem edificar, e
o estabelecJfflenlo dos bouds que se proiecta : os
prelenueotes tntendam-se na thesourana das lo-
teras.
Vndese uma esrrava- coainlieira, de 46
annos : a tratar na botica popular, e para ver na
casa de det.-n iio.
Vende-se uma cscrava de t8 annos, que co-
sioha bi-m o bario, lava perfeitamente e engorama
solfrivel : na ra Augusta n. 204, Io andar.
Para a festa da collocacjo da
pedra fundamental doasy-
lo de alienados no dia 9
deste mez.
Ha na ra do Imperador n. 73, primeiro andar,
um bello snrtimcnto de traballios de agulha de
senhnra, proprios para offerecer como prendas
para o leila que se ha de fazer nesle dia, como
s;io : altnofadas bordadas, tapetes, chinellas, gor-
ros e i.utros (bjectos, os quaes se vendem por
preco motlico.
barns coro cune de vaeca e de-porto, jalgada,
para manttmentos de navios : no armazem de Tas-
so Irmaui. S C. ra do Amorim n. 37.
Vendc-se o sobrado de um andarrstoT7ua
Imperial, canto da travessa do Lima prximo ao
cbafariz, oqnal est situado -m lugar muito apro-
priado para estabelecimento commercial, a qn tem sempre prestado, tem bom quintai e cacimba
etc., e lambem se arrenda : a tratar na ra do
Hospicio n. 35, das 7 s 11 horas do dia, e das 3
s 6 da tarde
Luvas deiJouvin.
Mttito frescas, chegadas no ultimo paquete : na
loja do Passo, ra Primeiro de Marco n. 7 A,
antiga do Crespo.
TOALHAS
C$000 a duzia
a o#uu a
Toalhas felpudas e alcochoadas pelo diminuto
preco de 6O0O a duzia. Sao grandes, na ra do
Queimado n. 43 em frente a Pracjnha.
(Hila rk
Garneiro Viainia.
mtf este grande estabelecimento tom ebe-
gado um bom sortimonto de macbiuas para
costura, de todos os autores mais acredita-
dos ltimamente na Europa, cujas machinas
sao garant das por um anuo, o tendo um
pereito artista para ensinar as raesmas, em
qualquer parte desta cidade, como bem as-
sim concerta-las pelo tempo tambem d'um
anno aem despendi algum do comprador.
Neste estabelecimento tmbem ha pertengas
^ara as mesmas machinas e so supprc qual-
quer pega que seja necessario. Estas ma-
chinas trabalham com toda a perfeiicAo de
umedous pospontos, fraiKto c" borde toda
qualquer coatura por fina que s-ja, seus
preQOSs3oda segnintequali lado : pira tra-
balhar a mao de 305000, 402*000. V5J000
e 50JSQ0O, para trabalhar com o \> sao de
80&000, 900OO, 100W)l>0, II0JW00,
1209000, 130JW00, 150P000, 20031000 e
250JSOOO, emquanto aos autores nao Ita al-
teraicip da pregos. e os compradores podero
visitar este estabelecimento, que muito de-
verao gostar pe variedade de objectos que
ha sempre para vender, como sejam : cadei-
ras para viagom, malas para viagum, cadei-
ras para salas, ditas de balanco, ditas para
crianca (altas), dita para escolas, costurei-
ras riqusimas, para senhora, despensaveis
para criangas, de totlae as qualidades, camas
le ferro para homem e criangas, capachos,
spelhos dourados para sala, grandes e pe-
queos, appareinos de metal para cha, fa-
3ueiros com cabo de metal e de marfim,
itosavulsos, colheres-de metal fin ireondiei-
ros- para sala, jarros-, guarda-comidos de
rame, tampas para cobrir pratos, esteiras
para forrar salas, lavatorios completos, ditos
HJwplm, objectos par toilette, e outros mut-
tos artigos qne muito dnvemagradar a lodos
qiw visitarem este grande estabelecimento
quo se acha aberto de-de as 6 horas da ma-
nila- at as 9 horas da noute
Ra do Baro da Victoria n.-
____________22;____________
l\k lia litis cabellos
Ihwos. i
Declara a seus freguezes que tem resolvido vender
sajer:
CHITAS A 160 E 200 RS. O COVADO.
.Vende-sc chitas francezas largas com to-
que de a varia, a 160 e 200 o covado. Di-
tai limpas a 240, 280 e 8i0 rs, o covado;
CASSAS FRANQEZAS A 820 RS.
| Vende-sc cassas francezas a 320 e 360 rs.
O ovado.
LASIMIAS A 200 RS.
Vendo-se4asinha5 de cores para vestidos,
a 200, 380, 400 e 500 rs; o covado.
ALPACAS A400RS.
Vende-se alpacas para vestidos a 400, 500,
640 e 800 rs. o covado.
COBERTAS DE CHITAS A 1&600.
Vende-se cobertas do chitas de ceres, a
1$600 e 29000. Ditas do pello a 19400.
Col xas de cores a l?20b, 2J&O e 49500.
CHALES DE LA A 800 RS.
CORTES DE BRIMfcE CORES A 1#50C
Vende-se cortea dbr4m" d oerea-pae
caiga, a 19500 eflt006v
BOHIrAS*0#0.#
Vnde-se botiffspara senhras, a 800C
39500, a ellas antes qnp-se-eeabe-.
ROUPA PETA NACIONAL
Vende-se camisas brancas;', a i00; 29
2950O,'3#0O 4900ff.
Gdl?s.de C4semiras.de cor, .a*9, W "
79000.
PalHts de caseraha, a 49, 09 e 89000
Seroulas a le 19600.
BRIM DECORES A 440 RS.
Veade-se brim de -todas- as. cores 44
rs. o corado'.
LENCOS BRAPQOS A-S900O A"J)UZIA.
Vende-so a dnzja^-, dp lefccof.bfaBjpos,
Vende-se chales de l de quadros a 800! 29000. Ditos eem*Trasdco*rS900e
de cordao imperial,
oriental de Kemp,
TitmiRARU JAPONEZA. .
Sc nica upprovada pelas academias de
scienuias, rcconliecida superior a toda que
tem. appaiwidii at boje. Deposito princi-
pa! ra da Cadei do Recife, hoje Mar- vu^^a'
quez de Olinda, n. 51, 1." andar, e em "Hii
dem dem beira lisa, a 29200.
rs. e 19000.
Ditos de merino a 29, 39, 49 e 59000.
CAMBRAIA BRANCA A 39000. f
Vende-se pegas de cambraia branca trans-
parentes e tapada, a 39, 39500, 49, 49500,
59 e 69000.
SAIAS BRANCAS A 29000.
Vende-se saias brancas e de cores, para
senhoras, a 29000 e 29500.
BONETS A 500 RS.
Vende-se bonets pretos de seda para bo-
mens, a 500 rs. Chapeos de patba, pello e
massa, a 29, 29500, 39000 e 49000.
MADAPOLO A 39000.
Vende-se pegas de madapolo entestado a
390 OO. Ditos mglozes para os precos de
49, 49500, 59, 69000 e 79000.
ALGODAO A 39500.
Vende-se pegas de algodo, a 39500, 49,
e 59000.
BRAMANTE A 19600.
Vende-se bramante com 10 palmos de
largura para lengol, a 19600, 29 e 29500 o
metro.
GRANDE LrQUIDAgODE SABONETES 880 RS.
Vende-se uma grande porgo de sabone-
tes ingieres, a 200 rs. Ditos francezes com
cheiro a 320 e 500 rs.
Agua de colonia, a200, 320 e 500 rs. o
frasco para liquidar, e outros extractos
muito barato.
Ditos-de linho a 5j00ft.
TeAUMe-A-tMe-].-
Vande-ae toaftas para rosto, t 80Q rs. .
19000.
GRAVITAS DE SEDA PRETA A 500 Rfe
Vende-se grvalas do seda preta, t &M
rs. cada uma.
CHITAS PARACOBEBTA 280 RS.
Vende-se chita para coberta, a 280 e 82*
rs. o covado.
BONETS PARA MENINOS A 19&00.
Vonde-60 bsete* pera-meninos, a 1950*
ESPARTUH09 PARA SENHORA A 8950
Vende-se esparlilbos para senbora.
39500.
A 800RS.O COVADO.
Vende-se graoadines cot listras de se* I a
para vestidos d sonlaora, a 800 rs. e 49009
o covado.
COLCHAS DECROCHT A 6900Q.
Vende -se ricas colchaede crochet para c* -
masa 09000.
PANNOS DE CROCHET A 19500.
Vende-se pannosde crochet para cadeiras
a 10500 e 290O0.
CASSAS PARA CORTISADOS.
Vendc-se t com 20 varas, a 109000 e 129000, eoutra
muitas fazendas.em liquida.(9e.
GRANDE REDCCAO EM PRECOS
Attenco. Attenco.
Nalojade Soares LeiteIrmaos, aguado Sarao da
Victoria n. 28.
Caixa de liaba de marca, a 200 rs. dem idem de pos cbinez, muito bom,
Garrafa de agua florida-verdadeira a 19200 500 rs. e 19000.
Abotoaduras para collete, de todos os Duzia de sabonetes de araendoa, a 2950t-
gostos, a 200 rs. 'e 3it)00.
Lampurnns gat, ..u.i,. uma luz muito' l'rasco com opiata muito boa, a 19000
boa,a 19000.
Garrafa d'agua japoniza, a 19000.
dem idem divina, a 19000.
Duzia de pegas
240 rs.
Frasco com inico
19000.
Duzia de baralhos francezes, canto doura-'
quez
todas
rtu.
as boticas e casas de cabellui-
BICHAS DE HAMBRGO
Asmis recentes-e melhores.
Vendem-se na paarmnciu e drogara deBar
tholomeu & C, ra Larga dosario o Ro. 34.
SEliREDO ECONOMA E CELERIDADE.
Obtera^e com o uso
DA
INJECCiO. SHOST
nica, hygieaica.radicakeinfallival. nacu-
re das gonorheas, flores brancas e fimos de
borzejrninrdf lindas cores, para senhoraev*'ndft toda especie, reeentes ou chronicas; e que
a OO o par, todos vendem a 7 : s naloia-da. eflorece como garanta de-salutares resultados
roa da Imperatria n 56, loja de 4 parias. Ja continuada applicago que sempre com a
Superiores sedas de cdrc&rai,,r n^'<*m M tem feit0 de,la nos hos-
t CA 1 D,ta''S dp '*"*
a 1^.500 o covado.
. Ghegou a occasio de se fater um bojn TeitiJo
por pouco dnheiro, co nprando-se superiores se-
das de cores a to00 o covado : s na ra Ba-
que de Caxias n. 88, roja de Bastos Irmaos se en-
contra desta peehincha.
\ ende se a laverna da ra larga do Rosario
a. 31 : tr.iiase na mesma.
Vende-se a laverna sita ra do Forte n.
1S>, 'oto piucos fundos, proprla para um princi-
pame : a tratar na mesma.
1
Vcnd- si- um excellente sitio em Beberibe de
Baixo, untii p.ta*;o de Pu'ndao, murado na
frenti cura portao d ferro, com uma bonita casa
de pedra c cal. tendo 4 quartos, i sala?, 1 gran-
de sotan, rozinaa fra, com 400 palmas de frente
e 4.X00 de fundo, sendo de tmvta, com excellente
cacimba, avua de beber : quem o pretender diri-
ja-.-e i ra do Pedro Affon?o, antiga ra da Praia
n. i/.
Vi u'l' -se unta
trata-e na ra do
patalea.
uuasl nova com caixa o arco :
Imperador n. 41, botica horneo-
16*000 a libra.
de retro* do Poto'de da J. A. Muraira Das, n seu armazem ra do
Bom Jeaun a. t.________
Lencos de labyrintrio,
rVa I ij i dos Apeos ra Pri'i.eiro de Mar
Vi A, -vende-se moito bons 'lencos de
do A-ncly
arco D.
labyr'ntho
Vende se uma armario a?m arello envidraga-
da, com halc.to a tratar na roa do Crespo n. O
Vende-se
ou aluga-se um pequen- sitio bem plantado-e casa
moito fresca e bem conservada, com cacimba e
baalieiro, por prego t-oininodo, no lugar denomi-
nado Fundi, em Beberibe, ra da Esperabca: a
traiar na ra do Cabug n. 6, loja da conquista

CURA
Ra do Cabug n., 11 A.
Vndese um escrav^.mvgn proprio paraenge-
nho ou padaria,por prejo muito era cont*.,
Vende-se
nm excellente cavallo novo proprio para,cabrloIet
e s^lla, or prego moito.m conta : a tratar e ver
na roa do Brum n. 76.
Vende-se dous esoaavos pardos,
i a
1.7 annos, 6 bonitas negras de.!*> a ti annos, com
annos de idade, cozinheiros,
de
inoleques
2i*7
de 10 a
habilidades, Tiern c oa'rua de Hurtas n. 96.
sao
,
habilidades :
.piano usado,
Reate do Matt<
Vende-se
ue e Boa asqjttsicjio.
\?$r sc U1"*#a* ^eMa s"i^ da Punlfli
de UchCa, entre o sitios dos Srs Dr. lento Costa
iM-ades, garanundo m eujda da utra parte
-pelo respecuvo co-proprieTario : a tratar na roa
-tPrimeiro de marea, lAaqte, eatriplvto.
iao, qi
is n. 7,
armazem de algodo.
no
= Vende sod hotel da ru# du Bous m.
wo> as perada,-, ^m quiaetlatl.
ujesroo hotel a tratar com o proprio dono.
com
i ao
Vemle-se a laverna da ra Imperial 107,
com poacos fondas, reprla iiara prMpiate.
uma das raetheres o fwgar ." quem preteber -
rijase ao mesao attabefeime||a'qne ^artrAib
flmiui tratar.
MOLESTIAS
ESCROFULOSAS.
As Mtlestlai
DA PBLLB:
Ernp^oei,
nioMu,
Mancr.r.t,
Etc.
A*
DOENCAS
Que fhc esusadw
Pela Iufeci-iio
Tenera.
E.1TSIPBLA,
/ft\RRlLHA
pitat
l!uic<> deposito para o Brasil, Bartholomeu
d-'C, raa Larga do Rosario n. 34.
Xarope d'agriao do Para
Antigoe conceituado medicamento para
cura das molestias dos orgos respiratorios,
como a phtysica, broehites, asthma, etc.,
applicado ainda com ptimos resultados no
escorbuto.
Bous terrenos.
No lugar denominado Salgadinhoye junto
a estagao da estrada de ferro de Olinda,
vendem-se bons terrenos em lotes ou peda-
gos a vontade dos compradores, com a fren-
te para a mesma estrada e os lados para
outras, e bem assim urna pequea casa de
tatpa neltes situada.
Estes terrenos tem differentes arvores de
fructo e sao ptimos deplantago e ven
dem-se por pregos baratissireos. Os pre-
tendentes entendam-sc na tbesouraria das
loteras.
oleo Oriza verdadeiro, a
osso para caiga, a
beira dourada,
Frasco com
19000.
Caixa de botdes de
200 rs.
Caixa de papel amisade,
a 800 rs
Idem idem idem lisa, a 600 rs.
dem idem idem, a-400 rs.
Caixa de enveloppes forrados, a 700 rs.
Luvas de pellica com pequeo toque,
a 320 rs.
Duzia de carreteis de linba, 200 jardas, a
700 rs.
19500.
Duzia de sabonetes de anjinho transpim-n
tes, a 29200.
Idem idem com flores, a 19500.
Duzia de pegas de trangas caracol branc
a 400 rs.
dem idem lisas, a 200 rs.
Sabonetes Gly-cerino transparentes, .
800 rs.
Caixa de pennas Perry, a 800 rs.
dem idem, a 400 rs.
Caixa do enveloppes tarjados-, a 500 rs
Leques de osso e sndalo para seoboras,
I a- 29000, 4JP00U e 69000.
Fita de velludo de todas as cores e largi.
ras.
dem idem de sarja idem idem.
Chapeos para senhoras e meninas.
Entromeios e babados transparentes 11*
pados.
Botinas para senhoras, a 49000.
Retroz preto e de odr, em carr*
tel.
Idem idem 60 jardas, a 300 rs.
Duzia de talheres cabe branco, 2 B., a' Lindas e elegantes caixinbas dos pert.
59000 mistas E. Codray, Gell Ferese Rieger
Mago de fita chineza, a 800 rs. Iete- etc-
Caixa de linha com 0 n-vellos, a 500 rs | Quadros com santos e estampas separa
Resma de papel pautado, a 29800, 4900O das.
e59800. Espelhos- de moldura dourada, de todos-
Idem idem liso, a29000> 39500 e 590OO. os tamanbos-.e pregos.
Coques modernos, a39O00. Garrafa de tinta roa extra-fina a 1900o
Caria de papara dentes, a 200 rs. Microsaopios (sem vista) a 29000.
B0NEC4S.
BQnecas de cera (Je todos os tamanhos, com camisolas encmente vestidas cad
ama em sua caixa, boneeas de borracha e bolas de.todos os tamashos, candieiros a ga,
objectos de porcellana, gaiollas de rame, molduras para quadros, machieas para cos-
tura, transparentes para janellas c um completoe variado sortimente de miudezas, quw
se tornasia longo mencionar.
Roa do Baro da Victoria ti. 28,
MtETAHADO l-ELO
Dr. J. C. AYER Jb , dr l.weU.
Kst.idos TTnldoe.
EM FRASCOS PEQUEOS.
W. B. QAMEL8 k (h.f Agentes Qeraes nQ.i;a,
GRANDE,
Peehincha
Saceos com mnh depostalo no trapiche da
cerapannia pernambatagay 3y.
f^Bt-0>MM3ttlt
Vorniz do gaz.
Para- vender na ra do Vigario n. 13, e na na
do Amorim n. l',,a retamo, o em barris. A
companhia do gaz de Olinda tem estabelecido seos
depsitos para venda de veroiz do gaz, nos luga-
res cima indicados, muito prximo ao embarque
no Hecife.
: TASSO IRMAOS 4 C.
Em seus armazens ra do Amorim
n. 37 e caes do Apollo n. 47,
tem para vender por pregos commodo
Tijolos encarnados sexta vos para ladrillio.
Canos de barro para esgoto.
Cimento Portland.
Ca.
do Rio de Janeiro : vende-se ra de Vigario, ar
mazem n. 16.
iro.
%$*^^^*m*^:*i^ ^
J. 0. C. Doyle.
Tem para vender :
Cognac de flennessy, superior c verdadei
Vinho Xeres das memores qualidades.
Bilters de Angostura. |.#
Whisky
Cita preto em latas de 10 libras.
Toflas as prepararles cmicas do Dr. Ayer: no
armazem da roa, do Commereio n 38.________
- Vende-se uma casa terrea na ra de Luiz do
das Saiftas ; a tratar na
Cimento Hydranlicc.
Machinas de desearogar algodao.
Maohinaa de padaria.
Potassa da Hussia em barril.
Phospnoros de cera
Saga em garrafoes.
Sevadinha em garrafoe.
Lentiihas em garrafSes.
Rhum da aJmaca.
Vinho do Porto velho engarrafado,
Vihhqdo Portp superior, dio.
Vinho de Bordean, dito.
Vinho de Scherry.
Vifaho da Madeira.
Pojes com linguas e dobradas ingleza.
Lieeres finos,sortidos.
ac Gaulhier Pyerei
de, toucinho inglei-
com repolbo em nimbara
A DWHEffiO,
A< pechincbas eslaoTse araiandu, na hua n 43
da ra da Cadeia do Becife, onde tem nata ban-
di'irola rom o titulo cima : qum quizar sortir-se
de fazqndas paraxaaa par. manos qm a ontra
qualquer parte, nao perca tempo pota restara pen-
cas.
Papis {Mte.
para forrar salas e outros qnaesqner aposeait*.
s'ortnent) completo ; vndese par menos, do que
era outra quajrmer parte : i- roa do Ififirl* rn-
mero 10.
J3 Wfc-
dfc
A, Rosa Branca.
recebennm'sortimento de c> vedenflo'a 5|500, com cabo branc* e. ponteira da em ch o p
^afe tfe. cciartJjB); na ra a Rapefatilin. tra^r com
Vende-se nma linda
naife* propria para qna
ver fe jtrawr na ma de'
via$it*a.anas
>*
de ama-
e ___ '*


i


)
i
a'



Diario 1
V
- ?,
i
-*
wiriwrros
LEITE, IRHA0S
NrCOS AGENTES
Ra do Bario k Victoria n. 28
V.3 mais simples, as mais baratas e as memores do mundo!
Na expsito de Pars, era 1867, oi concedido a
EHts Howe Jnior, a medalha de ouro e a condecora-
rlo da LogiSo de Honra, por^erem os machinas mais per.
felas,do inundo.
A raedha de ouro, conferida a E. Howe Jnior, nos
MGILIQ DttS N. ti.
i \ n
Isaac::
S*
os inais
mercado.
n servir aos seus fregaezps e
tem procurada provr-se do
da ultima mofla nos mrca-
r-Jfti* esped* aqu - venda, 'cer-
tos de que osiwt artigos sero bem apreciados
Mea ajnajues dp bom 'batato ; passa a ennu
8lestobjfi Jlico ara mm^U) iwtbmvM+tio-miuilifjs, calcado frauoaz, ciupos e.ajutoqsii 1 hartos a
>r jf-ta omorauujfnh da Huropa e Amrica, vem dar DuhludaiJe da alguns artigos por cojos
rogos bem se pode avaliaros procos do outros mditos que so tornaria enfadoiiho nu-
ilicar. *
MItifeEZAS.
L para burdar1, 'da incior '-hifalidado, .
ibra por SffOO. | Botdes de satina pretos e de dores, a 800
Agulhas francezas, fundo dourado, a tai- " e ^OO a duzia-
rinha com 4 papis a (JO rs'.J 20 --. Franjas trancar deseda de todas as lar-
Voltas-de Hlaflo Veltu 1 om iindoslco- a*.9 s,W0Oe 19*00'o mello.
:ay.dcs firigiodo"rftaurperdta, a SOO rs. i Ditos dercoreaepretasa 800 rs.e 19000 o
Voltas para o pesclo, flngmdo camafeu, m^9.'
cor.panhadas cora 1 par do brincos sene- alos pretos de seda, de muilogosto de
baute, ludo por 2^500. 800 rs- '-1*000 o metra.
T ni,* f**nn* Ir, tifia *v,
Para a boaeonserraca
fSSIrfflBELLO
MIUDEZAS.
-Brincas ditode,dHo-por 2JS500.
Estados-Unidos
tura.
por ser o inventor da machina de cos-
A medalha de ouro na exposico de Londres acreditam
estas machinas.
Liaba branca de'200 jarifas em carriteis,
propria para costura de macbiha, a 800 rs.
i duzia.
Dito de dita de Alexandce, numeradlo a
$osto do freguez, a 1#100 a'dzia.
i Diademas dourados de tjpSOO a 3JO00.
Ditos de tartaruga com'flores a 25000.
Ditos com borbofetas a'l>500.
Brincas encarnados 1 par por 300 rs.
Ditos da plaqut de 300 rs. a 2gOOO.
A
Ditos dourados, duzia de pares, a ij00,5
CALCADO PRANGEZ.
Botinas pretas gaapcadas, para senhora, a
i^SQOamr.
Ditas ditas de duraque, gaspeadas, canno
alto, a 48600.
i Ditas pretas "eiifauailae, ultima moda, a
68000.
Ditas1 dst*idb cores, onnno alto, afeitadas,
a 58500,
Ditas' pera.menmoa, pretase de cores, a
Cabernos o devor d atmunciar que a companhia das macbnas de Howe de Nova- j
tork, estabttleoeu uesta eilade ra do Bario da Victoria n. 28, um deposito e agencia'
leral par em Pernambuco o mais provincias se venderem as afumadas machinas de cos-
tura de>Howo. Estas machines stio justamente apreciadas pela perfeicao de seu trabalho, I
mprgando urna agulha mais curta com a mesma qualidade de linha que qualquer outra,;
pela intcoduccio dos majs aperfeicoados apparelhos, estamos actualmente habilitados a i
kffereeer o exame publico as melhores machinas do mundo. ,
As vantagensdestasmachinas sao as segundes:
Primeira.0 publico sabe que ellas sao duradouras, para isto prova ncontestavel, a
rourastancia de nunca terem apparecido no mercado machinas d Howe em segun-
da mo.
Segunda.Contera o material preciso para reparar qualquer desarranjo.
Terceira.Ha nellas menor fncco entre as diversas per;as, e menos rpido estrago
Quarta.Formara o ponto como se fra feto m3o.
Quinta.Permitte que se examine o trabalho de ambos os os, o que se nao consegu.-
u outras.
Sexta.Faaem ponto miudo em casemira, atravessando o fio de um outro lado,
* logo em seguida, sem modificar-so a tenso da linha, cozera a fazenda mais
Sna.
Stima.O compressfir levantado com a maiorfacilidade, quando se tem de muda
te agulha ao ,curaoc,ar nova costura.
Oitaya.Muitas companhias de machinas de costura, tm tido pocas de grandeza e
decadencia. Machinas outr'ora populares, sao hoje quasi desconhocidas, outras soffreram
nudangas radicaos parapoderem substituir : entretanto a companhia das machinas de Howe
doptando a opinto de Elias Howe, mestre em artes mvchauicas, tem constantemente
lugmentado o seu fabrico, e hoje nao attende a procura, posto que faca 600 machinas
oor da.
Cada maohina acompanha livretos com instrucQes em portuguez.
A 90^000 A 90*000
SOARES LEITE, IRMAOS
A'
do Baro da Victoria n. 28.
a 28000.
Voltas do aljofares cora brincos', a 28500. |
Ditas de ditos om coragoes a 18000.
Ditas de ditos de contas com cssoletas, a!
300 rs.
losetas* de plnquct a 15 e 15500 o par. i
tlravatas de seda para S'Jnhbras de 1^200!
22>0U0.
Completoisortimeito de encado de case-
mira, fihorlijt,-tapete e tranga, -mais barato
l0 */o do que em outra qualquer parte.
CHAPEOS.
Rico*chapos d polha d Itaa, para se-
ntara, a 118000.
:Dttisiliti'spaliha escura, da-ultima moda,
a 168000.
"arures cora 2 loros para caheca e peitoj' 'Coanpletosortwnontoilecbapeciinliospara
38 e 48000. j meninas o enhoras, de 2884)0 a VrOOO.
ntremeios c babadihhos bordados de 360 tAapos da sol-cU- seda, inglczus, cabo de
ti. a 28i00 a peca. aarfa a R-500ft.
balos de seda' brancos e de cores de! Ditos dito de merino, cabo de metal mui-
18500 a 25500 a pega. to bonito a 555QQ..
ffltos de algodao e seda, i pega. madeira, a 8000.
Ditas dito jcafode marfim a taO0O.
IHVKKSOS AHTIOS.
Granadine pata vestidos, fazenda da ulti-
ma moda, com listras de seda, a 650 o.co-
I vado.
Pannee'docroclft para cadeiras, a 18800
e 2800O.
Dito¶'8frt, a 39e 48000.
, Toalbas delinho para rosto, a 18300 cada
urna.
Ditas, d ^goitao alcoxoados, a 640 rs.
Cola!as'de crochet para cama de casal, a
68000.
Ditos de algodao, a 100 e 500 rs. a pega.
Trancinhas de cores, a 100 e 500 rs. a
pega.
Loques de marfiin a >5 e 88000.
Ditos de sndalo a 48500.
Ditos de madeira imitando, a 28000.
Ditos de papelldesa 18800.
Coques para senuora, a 35, 38500 e 48.
Aderegos fingindo coral, compondo-sfl de
ilfinete e brincos por 28000.
Dito dito pretos por 25500.
Ditos de plaqut, compondo-se de alfitete
i brinco, sendo de muitu gosto, por 580100.
MKrj- /#*'.
PRODUCTOS de J^P. LAROZ
PHARMACBUTICe,J, lE DES UBNS-sinrr-MUL, TPArtl?.
XAROPE DEPURATIVO
DE CASCAS DE LAR AN JAS AM ARG.VS
Com lODUItP.TO de POTAS9IO
O lodareu de potossio om vfriladeiro alterante, um depurador de iocODtestavel elfi-
oacia; comhinado com o zarope de oascaa de laranjaa amargas, e aturado
sem i'friurcav'l alguina pelos temperamentos o roa jrcos, sem nilerar as'fuuccSes
do es! de reccim-o
para todas as compheacees naa affeccAea eacrouia**, AoJaeruasesaa, oauaoe-
rosas e nos accidentes intermitientes tercetro* al d'isso, 4
ngenle o mais poderoso contra as deeacas rheumaticas.
XAROPE TNICO ANTI-NERV0S0
de cascas da laraujais tunarsas.
35 annos de suceessos aitestio a sus effi-
caeia para corar: as doenfas nervosas,
agudas ou rhrumcas, ss gaitrites, gastral-
gias; e facilitar a digettio.
JAROPE FERRUGINOSO
d* c ase as de laranjas e quassla amara;.
E' sob foraia linnida-que rnaia faoilmen-
te se assirjila o urro; o'esta forma prefe-
rivel as [ilutase pasulhasen lodosos caaos
em que slo proscriptos os ferroginoaos.
DENTIFR1CIOS LAROZE
QUIMA. PTRBTIIRO K GAIACO
COM
Zliir dentifrieie, para a alsra e eoa-
servaco dn ienies, curando as dores
causadas pea caria ou produiidu pelo
contado do ealor ou do fro
Deposito em Ra dt Janeiro, B. CfeS*let; em Pernambuco, P. Bfanrere c; em Mareio,
ralee Das; em Piletas, Antera Lefctae; em Baha, es Reeaa; em Porto Altar; Jes
Selle; rui Marunhio Ferrrlra C*| em Ouro Prtio, c. s. V tVelersea \ em 5mia Catha-
ria. S. Srnntrl i em MonterMea O. Imkei \ em' titanos-Afret, Blefceeaii'eHei'Sa.
Vs deasifaisia, com base de magnesia
para a arvnra e conservacSo dos denles,
provenindo a descarnadura, provocando o
trtaro de que empede a reproducio.
como sejatn
ricos quo tem vinde a est<-
com capas de madreperla.
liriMB*, marlm, velludo e chagrn.
ADEREMOS [ii-etos e Voltas pi-oprias para luto ;*
> asim ci mo, um bonito sortimento de
ditus de plaqu, obra fina e inulto bem
acabada.
BOTORS para prmlmi", o que w pJe desojar de
mt'llh>r em plaqu,, tartaruga, madre-
perola, marlim e osso.
BOLQAS de yelludo.^seda, palla e chagrn,
ha de mais moderno e 1 ndas.
BJCOS de seda e de algodao, tanto brinco como
preto, de-variados desenlias
CASSOLETAS pretas de meul e de madrepe-
rula.
CAIXJNHAS para costura, muito ricas e de di-
versos form tos, com msica e sem
ella.
COQUES a imitarlo, o que pode haver de mal-
bonito e bom gosto.
UEADEMAS, neste genero a Predilecta apre-
sfHta um grande e lindo sortimento
capaz de satifazcr os caprichos de
qualquer euhora. por mais exigente
qtie seja.
ORT-BOQL'ET de madreperets, roarlm e dsso,
este um objeeto indispeosavel as se-
nhoras do bom totn, atitn do aspirar
o aroma das flores sem o inconvenien-
te de noUoarem as uvas, ou mancha-
rem'as delicadas mitos.
PENTES de rartarnga, de marlim c de bfalo, pa-
ra alisar os cabellos e tirar bichos.
PERFUMARAS. E' sabido do publico que a Pre-
dilecta sempre conserva um importan-
te sortimento de perfumaras de fino
odor dos mais afamados fabricantes,
i.nbin, Pirer, sociedade hygienica, Con-
diay, Gsnes e Uiuiel, que incum-
bido, da focolha accitos pela sociedailc elegante da
Europa, e por fants, acham-se ca
pos?ibilid.i(l) de bem servir aos aman-
tes dos |K)iftunes.
A PREDILECTA deixa de enumerar urna im-
meusdade de artigo, afim de nao mas-
sar aos Icitores c se pedo a benevo-
lencia do rcspeitavel publico era di-
rigir-se nra do i abng n. I A, pa-
Ta conyencer- o que bom e barato, assim como:
FACHAS ricas e modernas de tuquim e curgurac'
se la
IMENSVETTOS. Ricos yestimentos para meninos,
por baratissiiNO preco.
FLORES. A Predilecta prima em conservar nm
- bello sortimento de llores ao alcance
de qualquer bul-.a anda que nao es-
bem repb cta de dinheiro.

FITAS.
teja
E Ja bem sabido do publico que so na
Predilecta que poden encontrar um
gratule sortimento de fitas de setim,
tafet, velludo, Unho e de algodao, por
comiuodo preco.
GRAMP0S de tartaruga, imitaao destes, pre-
tos e (Je cores, o que se pode desejar
de mais moderno e bonito.
GRAVATAS de seda e de cambraia para senbora,
layo e goliiilias de bonitas cores, tam-
bera tem um bom sortimento de gr-
valas e recatas para homem.
JARROS de porcelana e de vidro muito bonitos
Sara ornatos de sala,
lei s de seda, de la e de algodao, pa-
ra senhora, meninas e homem.
LEQUES. Ricos leques de madreperola, tartaruga,
marlim e de osso, os mais modernos e
por barato preco.
LUYAS de pellica, de seda e do algodao, para
homem e senhora.
LIVBOS para missa a Predilecta aprsente es-,
colha do rcspeitavel publico um bello
sortimento destes hvros com capas de
madreperola. tartaruga, marflm, sso.
velludo e chagrn, por precos mai
razoaves.
Elle um preventivo seguro e cerlo ebutrav
a calvice.
Elle d e restaura fore> e sntdtflc ptdle dm
cabera.
Elle de prompto fez eossar a queda prema-
tura dos cabelles.
F lie d grande riqueza de lustre aos ca-
bellos.
Elle doma o faz preservar os 6*Mte, or
qualquer forma ou pos^ao que se ileso-
je, n'um cstudo fonposo, lisfi emacto.
Elle faz crescer os cabellos bastos o ewsiiprr-
dos.
F.lle conserva a pello e o casco da c;>Ne;a>
limpo o livre de toda< a especie deoaspa.
Elle previne os cabellos de se tornarein bran-
cos.
Elle conserva a cabera n'um estado de fres-
cura refrigerante e agradavel.
Elle nao demasiadamente oleoso, gordu-
rento ou pegadizo.
Elle'nao dcixa o menor cheiro desagrada-
vel.
Elle o melhor artigo para os cabellos da*
uiaiiras.
Elle o melhor e o ma aprasivel artig> .
para a ba conservarlo o arranjo doa ca-
bellos tas sen horas.
Elle o nico artigo pnaprio para o pintea-
do dos cabellos e-iiarbns dos s< nhores.
NENHL'M TOl'CADOR. DE StMIORA SS
PODE CONSIDERAR CONO COM-
PLETO SEM O
TOMCO OlIE^TAL
o qual preserva, limpa, fortilhn eformse
O CABELLO.
Acha-se vendav nos estabulct-imcntos >ie
H. Forstcr & C, agentes. E em todas as
principaes lujas do perfumaras e boticas.
Trinmpho da
mm MEDICA!
tk -> u bri-
i-
LS-.
nico deposito, a onde se acha avenda na
.Ra to barSo da V
casa de P. .Maarer & C.
56
aRa do Mrquez de Olinda 56 a
(outr'ora ra da Cadcia)
DE
LOJA DE MACHINAS I ! FINAS
COMO SAO LIADOS!!
Os leques todos de madreperola,. brancos e de
cores e que trastm o disticoUNIO em lettras
tambem de madreperola em alto relevo, tor-
nando-se. por isto apropriados para noivas, a NO-
VA E^PERANQA a roa tmqne de Caxias n. 63.
Armazem do fumo
Ra da Madre de Deus n. 10 A.
Jos Domiugues do (larmo e Silva participa aos
seus fregueres e amigos que no seu armazem a
ra da Madre de Deus n. 10 A, se acha um com-
Sileto sortimento de fuinoem fardos de patente I.",
!.* e 3." sortes, dos melhores fabricantes da Sabia,
e bem assim a flor de todos os finos de corda
em rulos, pacotcs, latas grandes e pequeas, tam-
bem dos imii acreditados fabricantes Torres 4
Araujo, Liiaur, Adolpho Schindt & C, Liraur
Schmidt & C, Veigas i Araujo, Trindade & Ave-
lar, Teixeira Pinto & Portella (garantido pelos
mesmos) e de outros alnde nao conheciJos pelo
publico desta capital. O annuneiante declara que
todo fumo que for vendido em sua casa ser pelo
seu justo valor, e que quando garantir a respecti-
va qualidade, seta sincero, mui particularmente
com as pessoas que pouco entendam da materia ;
pois para bem servir a todos, tem o annuneiante
s tonga pratica de 15 annos desta commercio.
Em tem pos modernos nenbum
ment opeucomaior revolueo no nodo c
curar anteriormente em voga duque o
rWIUli I UM1HTA i
TANTO NO TKATAMENTU
Tosse,
Asthma,
Rnuqtiido,
DA
s>

u
Sendo este antigo estbelecimento assaz conhecido como principal e recommen-1 RlJA PRIME1RODEMARCOJI.7A
dado pelos grandes depsitos e bons sortimentos com que sempre prima em ter das1 E esta casa, sem duvida, urna da uuehida pode (annga "Trj' ?*
melhores, mais acreditadas e verdadeiras macUiua* Lneriaua. ara *^SS?3SS Z^S-Z. . Sa0 ^ tarUmiQa
nao, dese 10 d 60 serras, e havendo em todos os tamanhos diversidades de syste- grande />>/fe,asim ctimo para o uso ordinario de
mas e melhoramenlos para perfeito e rpido descarocamento ; tornam-se dignas de ias dasses e por presos vanujosos para os
serem vistas e apreciadas pelos Srs. agricultores; os quaes, alm disto, encontraro cemfradl,re8.-
tambem mais :
Apurados vapores locomoveis, deforma
de 2'/i e Z*% cavallos com todos pertencas
precisos para trabalbarem 4 machinas para
algodao, ou para outro qualquer mister.
Machinas para lavar roupa.
Arados americanos para varzea o ladei-
ra.
Carros de mo para atterros.
Tinas de madeiras.
Baldes de dita.
Ditos de ferro estanhado.
Ditos com viilvula para lavatorios.
Ditos de.madeira para compras.
Apparelhos parajardins.
('uards-comidas.
Tampas para cobrir pratos.
Tarrachasipara lazer paraiuzos d ferro.
Dita dita ditos de madeiras.
Temos de bandeijas finas.
Correntes para arrastar madeira. .
Cylindros americanos para padarias.
Pertenras avulsos para machinas.
Salitre refinado.
Breu superior.
Moinhos de diversos fabricantes para mi-
lho e caf.
Debulhadores para milho.
Ararte de spermacete para machinas.
Camas de ferro.
Bombas de Japy.
Ditas americanas.
Cofres de ferro patente.
Cannos de ferro esmaltados.
Ditos de dito estanhado.
Ditos de chumbo.
Ditos de borracha.
Folies para ferreiros.
Trens para GQzinba.
Ejfim mijitos .totros artigos,, que soavista e neste estabereomoderaoentp
-osaminado-
"i o
Smmel Power jfohus-
toa &Q.
Ruii do Apoll ii. 38 e 40
Passavcieots ms 4*jb fo,ti#iea qae tsem
mudado o seu epostto de tns^pipas a va-
por, rooendas e tazas da milito acreditada
fabrica fc'LfiwKoor para ras do*Apoiltii.
98 s tB.oitde rjutiBU/T* a (rr o mar-ano sor-
t;mento do eodtnme.
Pajym.scieB^ tambemqcs team fsfto pm
fJVi iTnaf (Kn Jiiui$o ^eri!, pe'o /;ue po-
V dem offflrscar-w para asaentar etalquer
macMab-mo smssnio garaati lo.
Al*rolbo para abricar assocar, da tjsUm
__ DHjCERTMKrl ,aL
fnMCr-g sgfilte? .:u f
Para trs'ar em .'na escr n Os pri-pristtrios da Juadioao jaral fasem
scienies aos senhores de engenho afuau
pessoas, que teem esjsbeleeido orna Inndi-
c3o de f'To e brouze a roa do Brom, jun-
to a Ntacfo dos bnutn, -<1s-aproolfliiD
qtaiquer obra de eiieou, rosad com. petfo-
5o promniido.
0/ meamos rogam as pessoas apa qoei-
raro Btlisar se de seus servidos de dsfia-
Mm as wommendas m casa dos Srs. S^t-
mnai Po^rar Johnstoo A C a roa do Apol-
lo o. e -i *", ouds ai'.iiirao psssoa habili-
i atenlar-sa.
Os donos deste importante estabelecimenta eon-
vidam ao respeitavel publico e particularmente
aos seus frageles a darem um passeio por seu
estabelei'imento, a afim de verificarem a veraeida-
de de seus aaouocios, 6 com vantagem supurirem-
se dos artigos que Ibes forera mister, da cujos
fazem umpequem resumo.
Mandam fazendas as casas dos pretendsntes,
para o une tem o pessual uecessaru u uio anos-
tras mediante penhor.
SEDAS
Cortes de seda de lijas cores, grosdenaples de
todas as cores.
Gorguro branco e preto.
Setim Maco,preto e de cores.
Velludo preto.
Grosdenaples pretos e de cores.
Granadkeile'seda prsta e cun tistras e.alma* de
cores, Imdisaiioos padrous e ifateada de ultima
.moda. !
Fil de seda brance tf>reto.
Ricas hasi|uinas de seda.
iColxas deseda-paranoiros.
Mantas brasileiras.
; Cortes de cambraias braoca con)aios bordados.
Capeilas e inanias para noivas.
Poupelinas de lindes padrees.
Reiiuisstm* sonimento de lis cora fatrar de seda.
i Cambraias de cores, ditas, mariposas bruteas a de
cores.
Naasucii de lindos nadroes.
Baptistas de padrdes muidetteados.
PereaKnas le qoadrot pfeteae brancos.
, Brins de linuo de cores pronrias para. Tetiteioi
Fus loes de andas cores.
, Casaojinhos de las de cres^axa senhprjs.
Saias bordadas para senhoras.
Vestoarins para meninos.
Ditos para baptisadss.
] Chapeos para ditos.
.Toalbas de cambraia de. buho com lindos bor
da'los.
; Prbtthas bordadas.
CoixasxtelB.
| Cortinados bordados.
! Carnisas borddas para borneas.
(Meiasi de ores para homens e mentos.
, Chapeos com castio delmarfim para homens.
Ditos para senhoras.
Merino de coras para vestidos.
. Ditos preto>
Casemiras, 'hita, madapoISes, cambraias etc. etc.
na faja do Passo rna Primeiro de Marco ^7 A,
acliga do Crespo.
DE
Ccrdciro SimScs ti .
Os brincos, broches, meios aderemos, cruzes,
coracoee e cassoletas, que esto axpostas boa
escolha'das Ex mas.-(amantes do chique) vende-se
na NOva-fispeanca, rua Duque de Caxias
n. 63.
lAos meninos
A Nova-Esperanca fu Duque de Caxias n.
63, acabaa*r!ber 'nm lindo sortimento de bc-
necas de- bumJb qualidades, vindo entre ellas as
engrapadas bonecas de borracha, assim tambem
urna pequea quantidade de bonecas pretas que
se'torfKtm apreciadas pala sua aoVldade.
Ebem uitt
A Nova Espetanca a ra Doque -de Caxias n.
63, tecebeu Verdadeiro cimento inglez, prepara
cao para concertar porcelana bem til.
Vestido perdido
Muitas vezes um vestido torna-so ii
feio, .smente por estar nal enfeitado : Nova Es-
peranza ama1 fmme- Caxias- n:"W, remove
este mal; porque est bem provida dos melhores
galoes d-fcaaHW-dekxiis as cwes/:ide pode es-
col her-se i vontade sobrenaiUnd same estas as
modernas franjas mesaicas, qae pela $ua varieda-
de de cores, M'bem em-qimsi todas as fazeodas.
A ella-alMiepsaisaiasabeat.
Bolas, de borracha
"Vndem-se ds todos os tamanhos 'rua Duque
de Caxias- n.'; na Nova Esperanza.
CabWos(breos s!tem quem
ouer
A Nova'Esperauc ra1 tonqu"-v Caxias n.
63, acata ds-nwwfcw *riade*stiijra de Des-
nous nara. tingiros sbWk, o qnthm consegue
(empci(|ajidAa)4aio\ruil JcWaJaye por este
motivo, cabellos brancos s tem quem quer.
JEstanamoda
Os cintarca, d* -ouro, proprws, para* senhoras,
ane recaben, a,%y* Baperanfla spa,. Duque de
Uxiao n 63, estjo, sirn, senhora, eso na moda I
Se qoere'a ler oa preparar tim">ama!hete de
cheirosos era vos brancos para o vosso casamento,
ou para outro flu, ppopriado, uecessario ir a
Nova Esperanca ra Duque de Caxias n. 63,
que all encontrareis os melbores aprs Cuquis
que se pode desejar.
He8peredina a 16$.
Vende-se em caixas com 12 frascos, no arma-
tornado inteiramenteT*DI'Jdel*:rw,C0 da Gunha & C, a-roa. da Moeda
Na ra estreita do Rosario n. 35, sobrado de
um andar, prep:iram-se bandeijas com holinhos,
de todo gosto, para casamentos e bailes, enfeitara-
se pao-de los, pudins e bolo inglez para presentes,
tem bouqiiets para vender se, de todas as uuali
dades de flores, para offertas, com fitas bordadas
ou qualquer letreiro que queiram, e para casa-
mento, de cravos naturaes com fitas bordadas a
ouro, bouquets de flores artifieiaes, de todo gofto ;
preparam-se velas para" baptisados. ricas, por pre-
co coaamod. Do dia 15 de setembro em diante
3ualquer pessoa tanto de dentro da cidade como
e fra, que todos os annos comprara capellas
para finado, podero procurar que acharan de
todo o modo que precisar, de cravos, de saudades,
de perpetua e de rosas, para anjos, domellas e
defunto, eotn os letreiros dizendo saudade e em-
branca de meu esposo, de minha esposa, de minha
mi. de meu pai, de meu filho e fllha, irm e ir
mao, av e av : qualquer pessoa que qneira,
poderimandar ver indo por muito barato preco
de 1A> , i e 3>, de flores rosas brancas.
Ra da Santa Cruz n. 42.
Vtnda-se esta propriedade em chaos proprios "
a tratar na ra do Duque de Caxias n. 73, 3
andar.
n. 47.
Superior chocolate nacional
dos Srs. Brito & Carneiro,
$0 Rio de Janeiro.
Igual em sabor e qualidade s melbores marcas
estrangelras : vande-s nicamente em Pernam
buco-enreasa dfrBeltrao Oltvtlra & C. ruai do
Commercio n. 10.
Einpreza Vicente, Santo An-
tonio
Por sua bondade roga-se o obsequia de, no (be-
neficio do bil etairoaontros resordar o protoeo
da Crinolina.
rs. o corado !II
. BaffM> de quadrtnaos, Uaeait .lateiramunte
nova no mercado. neJo diminuto preco de ,'leo rs.
o covado; pechincha : na roa do Quemado n.
43 em. frente a praciiiha. Do-se amostras..
- Vende.;a,.flu.jtrpasa norfCflpe%da divida
'^olica^geral ou provincial, duas .inoradas de
a terrea, ns. 14 ejl4 A, siras i roa do Pro-
eresso (Soledade) as quaes teem um terreno com
100 palmos de fundo : a traur' ao caes -2! de
Novembro n. 34, armazem.
Metirn de cores
A 80 res o c-.vado.
Metas.de cores, padrdes bonitos, pneprio para
vestidos, pelo diminuto pre^o de SO rite, so na
ru* M Queimad- n. 43, era frente Pracihha
luja deCnerra Fernandes
Vepdo-se um fogio de farro
com fornos para assate dikey|
ente, obra de ei
Crupo,
Thisica,
Rosln.Tuentos.
Bronchites,
Tosse Convulsa,
Dores de l'eito,
ExpccturacAo do Sangua.
Como om toda a' grande sene de ei.fcrni-
dades da Garguntn, do I'eils e dos
Orgitos sla respirarfio, qu tanto
atormentam e fazem solfrer a humanidadflh,
A maneira antiga de curar eoniatia geral-
mente na applica^o de fyiartowos, san-
gras sarjar ou applicar exteriorineir..' un-
gentos fortissimos compostos de substan-
cias vesicantes, afim de produzirempnihas ;
cujos differentes modos de curar, nao laziaro
seno enfraquecer e diminuir as forras dt>
pobre doente, contrilioiriilo por esta forma
(Turna maneira mais fcil e certa para a eu-
fennidade a destruido inivitaiel de sua
victima I Quam differente pois o effeito
admiravel do
PEH0B1L BE aHACaSUIIa!
Em vez de irritar, mortilicar e cauzar inau-
ditos soflrimentos'ao doente,
Calma, modifica e suavisa a dor,
Allivia a irritado,
Desenvolve o entendimento,
Fortifica o corpo
e faz com que o sistema
desaloje d'uma maneira prompta e rapiya
ate o ultimo vestigio da enfermitla-lc.
melhores votoS'em medicina da Europa,,^
entes dos collegios de medicina de Berlim}
testificam serem exactas e ver.ladeit as estas
rela^es analgicas, e alm disso a expe-
riencia de milhares de pessoas da America
Hespanhola, as quaes foram Miradas com
este maaxilli060 remdio,o.inaisqucufli-
cientea para sostenUrem a opMiiao do
PEITORAL DE ANACAIII 1TA r
Dve-se notar que este rtu> dio se acha
inteiramente sent de venenos,-tanto mine-
raes, como vegeta, emquanto que alguns
destes ltimos, e particularmente aquellos
que sao dados sob a forma de opio, e aci-
do hydroeianico, formam a base da maior
parte das Xaropes, com os quaes to f-
cilmente, se engaa a erwftrtHade do pu-
blico. A oomposiedo de anacahiiita peito-
ral acha-se linda e curiosamente engarrafad*
em frascos da medida de cerca de meio
quartilho cada um, e como" a dso que se
toma s d'uma colher pequea, basta
geralmeutd applica$io d'um ou dous fras-
cos para a effectuagao de,quali1o.'i- cura.
Acha-se a venda em todas es b ticas.
H. Frosters & C, agentes.
L
.

Aproveileni.

batido,
aua
Porto ha poucos das": o roa doApoll
'ao, r
Vende'a a taveraa e um bolequim partencenta
a mesma, na ra de Mariz e Barros n. 4, con
poucos fondo!: a tratarna nttsiua.
Vende-s urna taberna siruaJa em nm dos
pontos melhores da ra Imperial, tanto para
mato como pira a trra, oa dase sociedad* a
quera ti ver algom capital oa own*OHnitito pra o
malo : a tratar na ra de Sant Bvarexa a 30.
Folha. de Flandtes
Estanfeo-emverguinha
Fiele para baodt; ras-
en asa da SilvaBarroeaAtC, rea da Cadefa
'n. 17, *^
--..-


8
Diarjo de Pernambuco Quarta feira 10 de Seteni^o de 1873.
riIhet4ata
sio croiiuras muito de
Ja regra tom
r.#nei, em
^^H nflD fltlD~
I
Os
minha s
eicepdo, j.
sitial de agrttH
thisar.
O porque leu-rae
ferias por um domingo |- l.e^H e bilhe-
te e melhor entenderte: q. factiflj
Houveem miulia jiioAladeJiem
que votei a Thi;t>crit>-fllyiitS*s horas vag8S.
Gostava um extremo da simplicidade, com
que o poeta grego pinteva os mais temos
sentimentos t Tague tambera humilde
tributo a esse doliendo generoo idylio
vigosri e candido como a assucena. Achando
acisado o proceder primeiro deMry, nun-
ca dexe, que esses particulares entreteni-
mentos, voassera para longe da intimidade.
Se tenho presentemente a lembranga de en-
viar-lhe un dalles, que, nio podando sa-
bor quem eu sou, poder era seu folhetiin
aprovaiUr-se do que nunca servio-me e in-
tilmente conservo entre velos papis.
Nada mais continba o bilhete, que acora
panhava o seguin e ;
MARIA EPEDRO.
{Idylio-pastoril)
Le feuillaee a frmi. Queque robe logre...
C'est.elle !. mes regas ayaz aoin de vous taire
(Audre Choier, Idylle VI.)
Quasi ao pender da tardinh,
Ainda quando ha luz clara
E doces temos queisumes
O caboclinho nao para ;
QuaS ao voltar do rebanho,
Ainda quando vem perto
Do pastor a liada estrella,
Que deve avfsa-Io ao certo ;
Ouasi ao cahir do sereno,
Ainda quando possivel
Desfructar virgens bellezas
De panorama aprazivel ;
Deitado em leito re voso,
Alheio ao sol, que morria,
De tudo... ludo esquecido,
Pensava Pedro em Maria ;
Quaudo esta joven serrana,
Vencendo trajecto extenso,
Ahi ebegou-se, trazida
as azas de amor immenso I
Nao por fallar... a nev
Nao cabe mais alva na serra,
Nem jurutys melindrosas
Mais subtis pousam na trra I
Maria
Dormes ses a, meu anjo ?
Nao cuidas de vigiar
u As ovelhiiihas, que fogem,
Como nuvens pelo ar ?...
Sou to mal correspondida
Nos zelns, em que me abraso ?
Vivo sompre em ti pensando
E tu... dormindo ?.. nem caso ?
Sem levemente mover-se,
Sem descobrir a cabe<;a,
Occulta em lengo de chita,
Somque escuta-la pareja ;
So Pedro deitado eslava,
Deitado tambein (icou,
Apenas do magro peito
Un ai Jess I... arrancou.
Maria sentou-se logo
Junto dalle, e, commovida.
Do um ai to triste I... os effeitos
Mostrava na voz tremida.
Maria
Nao tens ceitil de juizo,
Pareces mesmo um menino,
v Nunca evitas de pancadas
Teu corpo infeliz, franzino.
E's orpho, s como escravo
De perverso saiauaz,
, a De cruel, que te maltrata,
Sem reflectr no queiaz.
Deves guardar-lhe as ovelhas,
xc Sabes disso, e dormes s I
Ai de ti? se eu nSo vivesse....
Hoje... apanhavassem dl...
Apanbavas... vi teu amo,
Como esfaimado leo ;
O rio, enchendo, levou-lhe
a Quasi ( la a plantado.
Quando noutinha voltasses,
a Em casa dsses por falta
De duas ovelhas gordas,
Deesimarao a mais alta.
Veras, como o malvado,
u Sem nada mais indagar,
Dar-te-hia muito... muito...
Acauir... mesmo amatar.
a Aqu esli ellas, levanta
Teu lindo rosto, meu bem ;
V as malditas... balavam
Ha quasi urna legua alio.
a D-me um beijo .. anda depressa,
Nio tenho tempo, que perca;
Se era casa papa i me espera
E sobre a demora alterca...
Que, responder s perguntas
Que elle me faz todo o di ?...
Nio sei se vio, se disseram,
Mas creio, que desconfa...
Anda a scismar que te adoro,
Resolveu mudar-se em breva,
Suppde, que amor estreitado
E' folha, que o vento leve...
Como se engaa t... descansa,'
Que, aonde fr, te amarei,
a Minha mi, se tu quizeres,
Inda tua preoderei.
< Ah I... nio fallas... me desprezas.
Finges mesmo estar dormindo I
Donoe I., adeus I.. quando acordares
Vai ver as aguas cahiodo...
O ferver da cacuoeira,
Que da ponte consultaste,
Antes da vez recelosa,
Em que a chorar me beijaste.

Adeus, Pedro I... aquellas Mas,
Hio, de lavar-mo do peito
As manchas de meu desgosto !
irun^jy
ibrar-me de um caso,
i fasta de-greja,
ojjfoYe-da tilla,
Ahfaa santa e beinfazeja.
Ao termnalo, notando
A commocSo dos
-------- -----:
rthacT n n 11 *.
a ni v
iue vtmd
sevTram
s se privem ;
L muito mo, ser monstro,
E' echr-se dor alheia.
E' ser fogo, que minando,
Tudo lavra e tudo ateta
Bem que ao ser mo asististe I..
Nao qUores ao padre ouvir...
Dorme, adeus 1.. hornera descrate..!
Sinto somno... eu vou dormir l
Maria correr tentara,
Mostrou-se exange, era um gelo,
Mas Pedro ergueu-se, prendeu-lhe
O corpo esbelto. um modelo I
Tomou-lhc o braco; aterrado'
Presentir de repente.
Que a serrana amargurada,
Irreflectida, demente,
Pretenda arremessar-se
Da ponte ao valle cavado,
Onda emfim da cacboeira
Bramia o salto elevado. '
Pedro
las matar-te ?... nio sabes,
Que azul futuro, Maria,
Como o dos anjos, espero,
Que inda ters algum dia ?
a E's seductora, mimosa,
E's um composto de encantos,
a Tens coracobom, sensivel,
Teus attractivos sio tantos I...
Tantos I., tantos I que nio faltara
Pastores, que te namorera,
Que lodo instante le espreitera,
Roguem muito e muito chorem.
Em breve, mais que as estrellas,
Sob outro co bril hars ;
Quem feliz faca-te a vida,
Ahi depressa acharas.
Conhogo o sitio escolhido
a Por teu pai. que me despreaa ;
E' bem milagroso I... d'elle,
Que esta crenca antiga reza :
Quem fr chefo, povoa-lo
Com familia numerosa,
Descanse em Deus, ricamente
Casa a filha a mais formosa.
Sei de pastor, que ahi mora,
Joven, rico e at prendado ;
J vejo-te a seus carinhos
O pensamento inclinado... >
Maria
Ingrato, se nao me prendes,
t Eslaria agora mesmo
Morta I... livre de escutar-te
O que vsdizendo a esmo...
Pedro
las matar-te ?... fugias
Das irms a quem ie ligas ?...
Dos angii'hos quo nao dormem
Sem escutar-to as cantigas ?...
Morrer ?l... s eu, que nao faco
Leve f.Wtu ueste mundo,
Onde sou to desgranado,
Como uo vejo segundo.
Repara, como teimosa,
Vai a f i milita ovelhinha
Larabendo a relva crescida
Naquella estreita quadrinha ;
Seroi a relva, o desgosto
A ovelhinha ser ;
Impassivel, cruelmente,
Aos poucos me acabar.
Maria
E's um matyr I... soffres muito I.,
Eu nao .. nem posso queixar-me,
S eu, por mais que padeca,
Hei de, solTrendo, alegrar-me...
Pedro
Perdi meus pais ; eram pobres
E me deixaram pequeo,
Sem parentes, sem telbado,
Exposto chava, ao sereno.
A' caridade exquisita
De alguem, que si me chamou,
Que deu-'me tecto, alimento,
A' morte ento me comprou.
Sabes quem foi ?.. foi meu amo,
Que considera-rae escravo,
c Que me castiga sem regra,
a Sem remisso, nem aggravo.
Foi esse rico avarenlo,
Semfilbos, sem leve amor
Por nada mais, que nio saja
Enriquecer como fr.
Se chove, que tem com isso ?
Sendo interesse, hei de estar,
Mol liando o peito, a cabece,
Aonde o mo me ordenar.
Hei do attender-lhe aos caprichos,
Sou-lbe aos olhos pobre ci,
Nunca se de do que sinto,
O vil nio tem corado.
Quer que zle ao mesmo tempo,
Sem que nioguem me auxilie,
Casa, plantas, o rebanho,
Tudo que a luz allumie I...
Maria
S paciente, resiste,
Coiilia e.ii Deus, que acredito
Pagar-te as dores em beijos,
Que te da re, meu bonito...
Pedro'
A' noute, depois que vejo,
Nao tenho mais que fazer,
Que poucas horas me restam
Para dormir, nio morrer ;
Entro era meu quarto acanhado
Deito o corpo, quasi morto,
c Rezo baixo, apago a vela,
a Busco no somno um conforto.
Nio posso dormir I. Nio posso,
Sou assim desde crianca;
Havendoluz... toirao toa,
Esta fronte nao descanta.
Sabes a luz, que rae iropede
( DeadortDecer.w urna vet...
ti A luz, ute v|i>ias trevas,
Que vla enagate?...
Ai I... nem me fitas de eheio,
a Peis cega-me at de dia
Easa luz, que tem teas olhos...
Ai t... coiao duoe, Maria I
i Allumiado por ella,
Melhor que tul aclarando
Vailes, montea, rios,lagos
t E tudo que vai pastando.
Enxergo distinctameote
c O quadro da f'licidade :
Vejo um sitio, uns verdes campos,
lima casinha, a cidade...
Pi to rosca, povoada
De canoros passariohos,
De brancas, mansas ovelhas,
De mira, de ti... bem sozinbos I
Vejo-rae em vida celeste,
Que passaria comtigo,
Se teu pai ludo approvasse,
Fosse raeu pai, meu amigo I
Vejo-rae, emfim, abracado
a Ao teu eolio perfumoso ;
Siuto-me livre, esquecido
De meu viver desditoso I
a Mas... fazer vaos caatullos,
E' planajar impossiveis,
At que fallece, os dias
Ser-me-ho negros, terriveis.
Se queres saber, no cutanto,
Do que astou bem convencido,
Do q-ie, sem mentir-te," allirmo,
Como allirmo haver nascido :
E' que Deus, quando formou-te,
Fez-te um rio de belleza ;
Nao procuras leito e margeos...
Sou eu... sou eu... com certeza I
E minha... nao sers nunca 1
E morrerei... sem beijar-te !
Sem n-ssa extrema agona
Oh despedida abracar-te...
Ai ?... se assim morro, meu anjo,
Morro... tao cheio de magoas,
Mais afflicto, que afiogado
as fundas, marinas aguas.
Que Deus, sentido, occuliando
A face em sombro veo,
Negar-rae-he sania entrada
Onde elle mora... no co I
V, que tormento I... Soffrer
Em vida transes crueis
E depois... depois de morto...
Nem reunir-me aos fiis I t...
Outro, uioeu, que te adoro,
Gozar-te-ha dos carinhos ;
" Torturante, atroz ciume
Crava-mej seus espinhos...
Vai-te, lyrio, evita o pranto,
Que vou verter... 4 funesto;
Mais que o sol, pode crestar-te
O rosto infantil, modesto...
HARU
Deixei-te largas queixa,
Desafrontaste tua alma ;
a E's to injusto I... que s vezas
Cbego a perder toda a calma.
Teu mu io, infiel despreso
Poz-me douda, sem juizo...
Mas dou-te perdi completo,
Quero em paga... um teu sorriso
Quero que tires da idea
que receias de mira.
Que nunca mais te amotines,
Que nio me trates assim...
Pois juro-te, Pedro, juro
Que, aonde fr, te amarei,
Guardando ovelhas comtigo
Nio muito tarde estarei...
Pedro
Nio sou injusto, antes fosse...
O coragfio te adivnho,
u Sei quanto s boa, quizeras
Mudar-me o viver damninho.
Sei qiepor ti c da trra
Me livraria dos males,
Mas .. teu desejo baldado ..
Nao me desmintas... nio falles 1
<( Sei que a teu pai de joelhos
Pediste, que consentisse
Em te casares commigo,
Que a essa grace. annuisse ;
Sei que ao pedido imprudente,
Franzindo-te horrivel testa,
Batedo-te o p, raivoso
Sei que a resposta? foi esta:
Casar-te TI... com desgranado
Visto por todos de esguelha,
Sem ter onde caia morto,
Sem ter familia, umaovelha? I..:
Casar-te ? I... com pregugow,
Que ao protector desespera,
Por isso apanba de rijo
Passa a vida a mais severa ?..
Nunca I... nunca I... nio meforces
A romper n'um desatino I...
Vou mudar-me, irs commigo,
So nio me atiendes... ensino...
Ensino a> vil n'um momento
O que se faz aos perdidos,
Onde encontra-Io .. palavra I
Dou-lhe um tiro nos ouvidos I
Sei mais ainda que, ouvindo
O responder de ton pai, *
Dissesto :obedejo a tudo
Sera dar um gemido, um ai!
Maria
Assim fallei, foi sement
Para poupar-te da morte
E, tu vi vendo, a esperanza
Me consolar, ser meu norte... t
Pedr*
Foi de manhi, que de chofre
Taes novas rae rodearam
E desdi ant|o mil faadas
O peito mo atravessaram.
Tantas lagrimas contive,
Devorei tanta afOicco,
Que so busca va um retiro,
Onde abrir meu corado."
Leinbrei-rue destas coitadas,
De conduzi-las ao monte, '
De lastimar me iaa4ado,
Descantando o corpo, a fronte.
Topei meu amo em caflajuho,
Pareca um temporal,
Quando vem de longo, horrendo,
Aiiieafando um morud .
Toma cuidado I... hoje mesmo
Dou-te sem cunta, vadio.
Se me das outro desfalque
Depois do que deu-me o rio.-
Aqu deitado, chorando
w A ininlw i inmensa desgrata,
Vi as ovelhas fugiudo,
Lembrui-ine dessa ameaya.
Resolv... nao ir busca-la.-.!...
a Seta ellas me recolher,
Apandar, curando dores,
At cahir .. l morrer I
Foste um anjo!... prevensle
Que lio vilmente uu morresse !...
Vieste do co trazer-m'as
Para que mais eu vivesse...
Vivirei.. eu te obudeco.
Nao te demores... adeus I
Se morrer... foi a saudade
Quera cortou-me os dias meus !
( Diario do Rio j
RIQUEZAS ANTIGS DE PORTUGAL.
A embaixada e requissimos presentes,
que el-rei D. Manuel mandn ao papa Leao
X, um dos factis mais admiraveis da his-
toria portuguesa, a que produuo virdadei-
ro assomlii-o na Europa.
O puntille destiuou o dia l de marco
de 1514 pura a cerinionia da recepto. As
2 horas da tarde sabio com a maor magnifi-
cencia a comitiva porlugueza do palacio do
cardeal Adriano, onde eslava alojada. Via-
se na frente grande numero de msicos
trombetas, charamelas, pfanos, e atabales,
todos montados em sonerbos cavalios. Sa-
guiani-si: 300 azeinolas, cobertas de ricos
pannos de seda de varias cores, conduzidas
redea por outro- tantos homeuscom visto-
sas libres. Depois o re de armas Portugal,
vestido da panno do ouro, com as armas
do reino, coroadas e cercadas de parolas e
rubios.
Seguiam-sc para cima de 50 nobres, ves-
tidos de ricas telas e brocados, com cha-
peos ornados de aljofares e perolas, levando
a tiracollo preciosos collares de ouro e pe
drarias, e montando em briosos ginetes,
cora os eolios, peitoraes e arreos de oiro
macisso, .esmaltados de podras de gratule
valor.
Entre tanta grandeza mtava-seum es-
pitante indio, sobre o qual ia um panno te-
cido de ouro com as armas renes de Portu-
gal que nio s cobria o cofre, mas tambein
o elepbaute, al arrastar palo chao. Via-se
mais um cavallo persa, que o ra de Or-
muz mandara a l). Manoel, e urna formosa
onje dirigida por um catador persa.
Sahiram a receber e a acompauhar a em-
baixada porlugueza os embaixadores da
Austria, Frauta, Castella, Polonia, Veneza,
Lucca e Bolonha, grande numero de cava-
lheiros, prelados e mais nobres de Roma
cora as'suas familias o que tornou oacom-
panharaento extieinamonte luzido. A mul-
tidio do povo que concrreu a ver esta ce-
rimonia era tanta, que nao s cubra as
ras, pracas ajauellas, mas at os telbados
das casas.
Assim que o cortejo chegou ao castalio doj
Santo Angelo, onde estava Leo X para re-
ceber a eiubaixada, acornpanhado de todos
os cardeaes, deu tres salvas a artilharia do
castello, cujoestrondo junto coraosom bel-
lico das trombetas, charamelas e atabales, e
os vivas estrepitosos que geralmente se da-
vam a Portugal, tudo fazia um effeitO ma-
ravilhosoc
Logo que o elepbaute avistou o papa,
obedecendo ao nayre que o diriga, ajoe-
Ihou tres vezes, e tomando na tromba urna
porto de agua de chairo, que para este
efleilo j a de prevenco, rociou com ella
o pontfice, cardeaes a mais pessoas que o
acompanhavam.
A onca domestica tambein causou ge-
ralmente admiraca i por suas habilidades.
Consta va o presente oflerecido pelo re de
Portugal ao papa, de um pontifical inteiro
de brocado necido de riquissimas preda ras, de rosas de
ouro macisso, cujos bagos eram rubins, de
grande numero de flores, todas formadas de
diamantes, ametistas, saphiras, esmeraldas,
rubins, perolas, etc. Havia tambe n mi-
tras, bculo, aunis, cruzes, clices e thu-
ribulos, tudo de ouro, ornado de podras
preciosas de grande valor, e juntamente
grande numero de moedas de ouro de 500
cruzados cada urna.
Leo X recebeu a embaixada portugueza
com as maiores honras, eouvio urna larga
orado que Diogo Pacheco Ibe fez em latim,
qual respondeu na mesraa lingua prodiga-
lisando rautos louvores a D. Manoel e
naci portugueza. Finda a ceremonia, o
pontifico dirigio-se para o seu gabinete,
sondo acompanhado pelo embaixador ex-
traordinario de Portugal, TristiodaCunha,
apelos maiscavalleiros portugueses.
Por rautos annos durou no mundo a me-
moria e admirado desta solemne embaixa-
da. O ministro da Austria na corte de
Roma, escrevendo ao imperador Maximi-
liano dizia*: ma, aconteceu mandaren) os principes cliris-
tios os seus embaixadores a Roma com to
magnifico apparato, e qu a nenhum papa
foram apresentados lio ricos e to famosos
ornamentos.
fundo, raaddando um dia seu filho cavar
tambera mais para o lado. O rapaz, po-
rm, houna-se raal nesse trabalho. e ntao
o pai, tomando a enchada, principtou a
abrir a trra. Tinha apenas dado alguraas
onchadadas, quando vio reluzir um grande
crvstal; licou imotovel de emodo, nio ou-
saitdo certifb^r-se se .aquillo era realmente
um (liamattle. Afinal pegou na podra, ven-
doque era um diainantoe a sua uriunaoahio
sem sentidos, sendo em seguida levado para
casa, onde estove dois dias sem comer nem
bebr. A podra recebeu o nona de Se-
wart.
UM SKBASTIAMSTA.Habitava nobair-
ro do Salpitire um ratio por appellido
Rossignol, puntando j os seus sessenta e
cinco janeiros, cotilleado pela alcunba do
pai imperador, que ganhara por ser estur-
t-adissimo partidario de Napoleio III
Como havia mais de um dia nao fra
visto sabir de casa, o commissario de polica
procedeu ao arrumba monto da porta.
0 pai imperador tinlia-se enforcado,
deixaudo um bilhete escripto, no qual dizia :
Alhoje duvidava da morte de Napo-
leio III ; agora, que d'ella tenho a certeza,
vou junlar-me elle... Viva Mr. Claude I
viva a polica I
O pobre Sebastian3u foi victima da sua
monomana Napolenica.
Os sebastiauistas portuguezes foram muilo
pertinazes na sua duvida sobre a morte de
D Scbasliao, e nao reza a historia qut* al-
gum se enforcassH, no momouto de conven-
cer-se de que o seu rei Uvesse perecido nos
campos d'Alcacer quivir.
CONSORCIO.Segundo um jornal que
sepubcaam Bclfort, est annunciado em
Moulbeliard o prximo casamento do Sr.
Gainbetta com mademotsolle Deufert.
UTTERATURi
GRANDE DIAMANTE.Eutre as curiosi-
dades da expsito de Vienna nota-M.o dia-
mante monstro encontrado ha lempos no
Cabo e que no estado bruto em que se acha
pesa 280 quilates, o que o colloca na quar-
ta classe dos Jamteles celebres. Eis co-
mo ellH fui descoberto:
Um explorador de diamantes, por no-
me Antonio, comprara por 30 libras sterli-
nas um pe Jaco de terreno onde at ahi nio
ve tiohara encontrado senio diamantes mi-
nsculos. Poz-se a xavar usa. pouco raais
LUIZ FRANCISCO DA VEIGA.
IJII'KKSSOKS DE UMA LF.ITRA.
I
Nunca pense que mil circumstancias im-
previstas e loreosas levassem-me um dia a
externar meus pensamentos sobre as concep-
tes de um espirko masculo, a dar o meu
voto singlo de enanca inexnerietite a des-
pretenciosa sobre um livro firmado por um
nome suflicientamenle conhecido na ltte-
ratura palria.
Tendosmente em vista o progresso mo-
ral a intallactual da mulhor ; almajan lo ar-
dentemente v-la oceupar o logar de honra
a que tem incontestaveis direitos na socioda
de brasileira, na sociedade americana, te-
nho sempra acolhido co n indifferenta os
murmurios, que se elavam da Ierra, estra-
nhos a essa anhelo de minha alma: com o
olb r perdido no vago do iuliiiito, com o
ouvido atiento msica mysteriosa das es-
pheras, que a phantasia de Pvthagoras con
cebera, busco descobrir as dobras mais re-
cnditas da faixa sideral o astro fulgurante,
a columna de fo$o quo nos conduzir atra-
vez das Irevas profundas de urna actualida-
de inglpria, conquista de um futuro da
luzes,o hyrnno heio de magia, que resoa-
r aos ouvidos da mulher, mumilicada p<'la
ignorancia, con a mesma irresistivel harmo-
na com que resoou junto ao cadver de L-
zaro da Escriptura o verbo piadoso do Chris-
to ;Surge el ambulal
Mas por muito estoico que pareca, qual
o ente que depois de ter sacrificado no altar
da poesa as suas mais santas chimaras, os
seus mais formosos ideaes ; que depois de
ter engastado na clamyde fluctuante da Musa
a lagrima arrancada pela derradeira dosillu-
so, e dasfolhado s suas plantas as flores p-
lidas que sa Ihe desabrocharam n'alma ao
influxo de urna ultima primavera, pode con-
servarle impassivel i voz dos sacerdotes quo
entoam loas e exaltara hy ranos em honrada
peregrina divindade?...
Quando a lyra vibrada por maos varonis
possue accordes ilulcssiinos e hy ranos en-
thusiasticos; quando o talento do escriptor
iinpelle brandamente a mo do menestrel, e
a estropbe apaixonada ou dolorosa trabo a
firmeza de carcter do humera ou as fluctua-
coes do coraco do poeta, asalmas quo o mer-
cantilismo da poca nao conseguo ainda ener-
var, esquecem os cuidados da existencia real,
e aseendem suavemente as espiraes harm-
nicas para as regies encantadas do idealis-
mo. A ouda do enthusiasmo brota ento
espontanea e opulenta do corato juvenil,
a arrebatados por ella varaos, rauitas vezes,
arramessar-nos no turbilho da imprensa,
como a nave que se eraballava descuidosa
as melodas do canto da sereia, colhida
as nulnas irresisiiveis das correutes subma-
rinas, ia desapparecer na garganta escanca-
rada do Melstrom I
E que ha de estranho nisso ?
Nio a poesa, esse luzeiro de todos os
tetnpos, que fornece os raos que incen-
detain o cerebro da mocidade generosa ou
galvanisam o cadver inanimado das socie-
dades pol lulas?
Nio a poesa a mais sublime expresso
de tudo quanto-ha de tiobre e de immortal
na alma do horaem, de tudo quanto hade
bullo e artstico na alma immensa de um
povo ?
E de onde parti a primeira balbucalo
desse verbo divino que-enlaja a huraanida-
de no mais eslreito elo ?
De que mundo, de quo astro desprendeu-
se essa sagrada, scentelna do fogo celeste,
que devia animar a estatua de barro do ho-
mem, elvalo, divinisa-lo ao altar da pa-
tria?
Do um fragmento de torra, ponto vi-
sivel apenas na geographia universal; mas
que continha cm si mundos de aspirages
grandiosas I Do seio daquella plaga formo-
sa, patria da mociedade, da belleza, da l-
berdade e da iutelligencia, que acariciando
a fronte febril do artistaamante, exallava
com cantos patriticos o bellico ardor de seus
tilbos hroes:da Grecia.
Sun ; foi do consorcio sublime do sol pu-
ris g> mea da harmona ,quenasceu o crea-
dor de toda a poesao semi-DeusHo-
mero I
II
No claro obscuro dos lempos, sobre os
destrocos informes da'civilisacao asitica, no
extremo limite onde a historia pode ebegar
para salvar do olvido as tradiccoes das ra-
tas que desappareceram desta camse em
pleno esplendora lllyada e a Olyssa, fon-
tes da poesa primitiva, onde o genio pi-
co dos vates antgos ia saciar-se de inspira-
toes.
A' epopeia, que reproduzia os cost mes
e as ideas da poca, segue-se o lyrismo, que
o refluxo das sonsacos que agitara a alma
da humanidade.
Homero cedeu o logar a Sapho, que des-
viou-ae por sua vez, quando Escbylo e Sa-
pliocles aperfa^oaram o drama, creado por
Cheriiu.
Como cor lespoodeole os (eneros picos.
cultvavam os prosadores a historia, a phi
losophia e a eloqnencia.
Tocou ento a litteratura grega o grao do
extremo esplendor ; sua declinado devia,
pos, ser rpida e fetal.
A alavanca dos sopbystaa comec/tu a obra
destruidora; o romanea aasignalou a deca-
dencia progressiva, e alfuns seculos mais
ter xando aos latinos esses modelos inimitaveis
qoe foram o desespero das literaturas sub-
sequentes.
Coube Roma a tarefa de Peoelope, diz
Bentw : do drama retrocedau ao lyrismo, do
lyrismo. a anopsia. Porm Plauto ficou in-
ferior a Saphucles, Horacio Pyndaro, Vir-
gilio Homaro.
Quem podara descrever a sangrenta ca-.
lastropio que destruio logo depois a capital
do mundo ?
Raigas dosc-mhecidas invadiatn o Lalium ;
as Irevas, surgindo de u>los os pontos, en-
lulavam o firmamento, e o spro do chris-
tianisnio, paasaudo sobre a face de univer-
so, lauceva por torra os templos faustosos
das diviudades pagis, mulilava a multido
pbantaslica de. estatuas e destrua as concep-
i;6'-s artsticas do ,{>nio cntbusasta dos po-
VOS ucllailOS.
As tribus nmades, surgirn) com suas
tradicci's seculares; os scandinavos com
a epopeia de seu passado heroicoo Edila ;
os saxomos, com u Cundun; os godos com
o saus .\iebelungen: os rabes cornos can-
tos das MU e urna ISouUs : e a raga saltica,
calcada pela planta do germano, desappare-
ceu, legando nina elega sua naci-
nalidade morta, oa poemas de Os-
sian.
As legendas, as tradiccoes religiosas das
novas gerates, confund rara-se cora os res-
tos das civilisates antigs, com as lamenta-
tas dos hebreos e com os cnticos dos
chnsto todos impregnados da individuali-
dada de Jehovah.
Da desordem dessa litteratura, da lusa.) de
todos esses diversos elementos, surgi bella
e radiante a renascenc,a das lettras mo-
dernas.
A biblia despedacaudo as barreiras esta-
blecidas por Moyss, percorreu U>do o uni-
verso.
Os povos habituados s trovas, sentiram-
se fascinados pala poesa evanglica ; os es-
pritus libertos do jugo do bello plstico, im-
posto pelo paganismo, tentaran) por urna
reacto poderosa escalar o infinito.
A Italia, sentindo escapar-se-lha dos brac-
eos a imagem voluptuosa, das diviudades
gregas, depois de sacrificar os pnmeiros
apostlos das novas doutrinas. concebeu a
epopeta christ, e produzio urna trindade im-
ponente :
A Divina Comedia, O Orlando e a Jeru-
salem Liberata.
Inspirando-so no Christianismo contem-
plativo, Dante retroeedeu at Virgilio, e ati-
rou face do mundo o anathema contra a
theocracia pontifical; A rosto e Tasso, acom-
panhan *o a tendencia militante da socieda-
de, immorlalisarara s crusadas e propheti-
sarara acontecimentos que a historia nao
pode registrar.
Se estes ltimos poemas nio possuem o
arrojo da concepeo e a grandiosidade so-
lemne da Divina Comedia, tem o mrito de
prenderen em delicioso lo todas as aspira-
toas da poca em que lloresceram seus au-
tores, avantajando-se s epopeias anteriores
na perfeicio artstica da forma.
A influencia do maravilhoso chnsto es-
tendou-se depois de todas as literaturas. 0
Oberon da Wieland, A Messiada de Klopstok
0 Paradisi Lost do Milln, a Henriade de
Voltaire e a Amtmpgo de S. Carlos, foram
apparecendo successivamente.
Mas se o Oberon e a Henriade, filiados a
escola sacular, conseguem captar os espirito*
pelo movimento da acgo e pelos episodios
interessantes que s enriquecem, nao acon-
tece o mesmo com o Paradise Lost: o poeta
forgado a c.nservar-se em perenne contem-
plai;o da divindada, tenia por vezes sabir
desse circulo mcioso por meio de absurdos
que a razio repelle, como, por exe nplo, o
combate dos espiritos.
A Messiada e a Axsump(o, cheias de
acabrunbadora uniformidade, recommen-
dain-se pela suavidade do lyrismo e pelo
culto fervoroso que prestam natureza os
seus autores.
Ao passo que a Italia nacionalisava a epo-
peia, a Hespanha, depois de ter tentado to-
dos os gneros e produzido orCid,crea va
o drama catholico. 0 genio de Lope de
Vaga, quebrando o molde estrelo da tra-
gedia grega, expandio-se com toda a sua
possante originalidade ; para elle diz Beu-
fcew, a unidade de logar foi o mundo, a
unidade de tempo, a elernidade I O carc-
ter apa i xonado e a venturoso dest: hornera,
alternativamente soldado, embaixador e fa-
miliar do Santo O/Jicio: sua lnguagem fi-
gurada e fluente, sua vasta erudicc,o, e a
experieneia de longas vagens, communica-
ram a esto genero litterario arrojos desco-
nhecidns. A Europa prestou tranca horae-
nagara s suas sublimes conceptes, e o
povo appellidou-o graciosamente elphenix
de los ingenios.
Fechado o eyelo litterario da Hespanha, a
Inglaterra idiantou>se para receber a he-
ranta de sua civilisagio decadente, e surgi
cora Sschaskpeare.
Onde asylava-se a epopa, banida assim
de todas as literaturas?
Expirava em Portugal cora o cantor
dos Luziadas, que para dar vida ao mara-
vilhoso, recorreu ao eccletistno.
E' que a medida que a philosophia foi
desenvulven lo a razio e fortificando o ra-
ciocinio ; que o sot da setencia, aquecendo
os cerebros, funda as carnadas supersticio-
sas que seculos de oppresso e de barbaris-
rao tinham formado no espirito da huma-
nidade, a imaginado colbeudo pouco a pou-
co s azas, auspndeu os idos de eon-
dor, e roc.ou pela torra como a audori-
oha.
A prova do que avanzamos d-nos. Gcethe,
prefarindo para o mais .bello vte do seu
Faust coinpust*o que abraca todos oa g-
neros litterario, a prosa philosophia poe-
sa.
E nie verdade qoe este helio verso de
Cames :
Porm j cinco ses erara passados,
perde todo o prestigio unto ao eloquentc
E pur si muovt /de Gilileu?...
(Cont\*uar*at-ha).
4
les-
t!
1
\~
TYP. DO D1AWU -flt'A DQHI DKCAX1a"s
- a*
/

l

l
\



,
>7 -
\
-
V
A