Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:13022


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AMO XLIX. MUERO 497
9JLUA A CAPITAL E LUGARES O DE SAO SE PAGA PORTE.
Por tras mezes adiantados................ 69000
Por seis ditos ideu.................. 139000
Por uro auno dem.................. 149000
Cada numero arulso.................--." jgo
OUnm^TEIM "28. DE AGOSTO DE 1873
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------*-----------------------------------------------------------------------
PAMA DK\TBO E IOBA DA PBOVIKCIA.
Por Ira naeaet dnUdos................
Et* mu ditos idem...................
Por ora ditos dem............-......
Por un timo idem...................

W750
19500
tttPAM
S79000

PR0PRIEDADE DE MANUEL
DE FAMA & FILHOS.
-
Os Srs. Gorardo Antonio Al ves di Filhos.no Para; Goncalvcs & Pinto, no Maranho; Joaquim Jos de Oliveira & Filho, no Cear; Antonio.de Len* Braga, no Aracaty ; Joo aria Julio Chaves, no Ass; Antonio Marques da Silva, no Natal; Jos
Pereira d'Alraeida, em Mamanguape ; Augusto Gomes da Silva, na Paralaba ; Antonio Jos Gomes, na Villa da Penha; Belarmino dos Santos Bulco, em Santo Anto ; Domingos Jos da Costa Braga, emNazareth;
Antonio Ferreira de Aguiar, em Goyanna; Joo Antonio Machaco, no Pilar das Alagoas; Alves d C, na Baha; e Leite, Cerquinho & C. no Rio,'de Janeiro.
Justio
1


PARTE OFFICIAL.
X. 70. u< prasMlas estatutos eon o decreto de sua aparovacas
i'nrain conferidos con a copia dallos oxtrahida nos tormos do art. 14
do decido ii. 1711 d: 19 il dozemro ile 186), e adiados aera coli-
sa que divida faca, e vil da eonformidado com o disposta uo t i.
I sitado artigo, sor publicado no Diario de Pern-nnbaco por profe-
roicia cusa d >< iiitores-ad .
Secretaria do merelissimo iriunal do eeramerei > de Pernambu-
... 47 de agosto de H;.. -Torres, uffleial maior interino. -A' fazen-
da nacin il pagmt cinco mil ris de emolumento-, eaiSr. desenliar.
iralur fiscal mil rK I. meado -meo mil ruis, sen Jo que mil ris
tsrma reedid.is polo F.xni. -r. desembargador liscal. -Secretaria do
tribunal d> e ouiuercio do Pcrnamhubo, 27 do agosto de 1873. -F.
Cruz:Torres.
Doui Podro, por ifa$a do Heos o unnime aeolamae'o dui no-
vis. Imperador eousiliueional e defensor perpetuo do Brasil, faeo sa-
tter MM que c.-ta nimba carta vreui, que, attendendo ao que me re-
queren a entapan ia Trunos Urbanos le Olinda c Beberbe. devida-
menta nmresuoUda e de eonformidado con a miuha inmediata re-
olitco de viute do corrente mez, tonada sobre o parecer da scelo
dj negocios do imperio lo cniselho Jo Estado, exarado em consul-
ta de vinti! e novo de ootabro ultrau, hei por bem approvar a re-
forma de seus estatutos, votada em assembla* geraes dos respecti-
va* accionistas, com as modificantes que baixaram eon o decreto
. >i'o de 27 de iiuvumbro Je 1871
Biiara firmeza lie indo Ihe mande! passar a presente caria, por
m in assign-ida e tieHada cora o sello das armas Inperiaes.
Dada no palacio do Hio de Janeiro, em 27 de novembro de
IS72, quin (tiajtesino primeiro di independencia o do imperio. -IM-
PERADOR PEDRO. Francisco do Heg.i turrn Brrelo.
Ca ti pela qual V. M. Imperial lia por be:n approvar a reforma
das estatutos da eonpaDliia -Trilhos Urbanos do dunda e Beberbe,
MMM a cima se declara.
lliiiiwtero du agricultura.
dhciirto x. siso m 27 i> xovnmo 1872
Approva a reforma dos Matulos la companhia Tnllios Urbanos do
Olinda a Beberbe
Alten lenJi m pe rae requeren a companhia dos Trilbos Ur-
banos de Oiin la a Beberbe, devidaraente repraMntada, e ile confor-
tnidade eom a miulia inmediata resoluto de 20 do crrenle mas, toma-
da sobre o parecer da MVi d a negoci is do imperio do eoaselho de
odtadit, exara 11 em AMunlh de 29 '>, outubro Dltimo: Hoi por bem
approvar a roforma d.) seus esUtUtos, votada em assemblas fieraes
4os respectivos acci.oiisias, com a modilieac.oes que com este bat-
an, assiimiias por Fraila seo do Rogo Barros Brrelo, do nieu cou-
solho, senador do imperio, ministro o secretario de estado dos nejo-
ios da agricultura, comoiercio e obras publica*, que assim o tenha
entendido e faea aseeotar. -Palacio do Hio de Janeiro, em 27
.de iioveinbro de 1872, quui |uagetin > primeiro da independencia e
do imperio.
Con a rubrica de Su.i Magytada o Inperador.
Francso) do Reg Huiros Birreh.
Mi Ufe tflet a '/< se rrfere o atento n. 'i d? 21 de nocembro
de 1#1>.
I.
O art. i- fici assim redigido : As chanadas do capital serao
na raza > de 5 a 10 "/., proporf.ii que as necessidades da corapa-
nliia o exigirn, com o iutervallo de :i0 dias, pelo menos entre um e
oiitro. e liados para a entrada os dias, os quaes serao commuuica-
M p>r carta aos accionistas ou annuiiciados por iros ou mais rases
DOS foritaes raiis lidis do lugar da sede da eoinpauhia
II.
No art. 13,J V, onde diz: -modificar em qualquer sentido al-
gunas disposicoes dos presente* estatutos, suppnmam-se as palavras
em qualquer seutidu -e accresconte-se no fim :sujeitando ap-
provagao do governo imperial qualquer noliflcaeio ou reforma, antes
de Ihe dar execuc.lo.
III.
No art. li preciso seeraseentar-se realizado -ao termo-ca-
pital.
IV.
Ni art 19ondeae diz:-\ /, da ronJa bruta -diga-se: 10
J i nada liquida.
Palaci < do Itio de Janeiro, e:u 27 .te n-ivembro de 1872. -Frtncis-
ro ds -ijo B irrot Burret >.
Estatutos da eouajianhia dos TriHson Urbanos uo
lleeire a Ollnia, a ajue se refere o deuretu n
Sl.l>de 7 da nv.Mii).M de m;.
O.i cDinpanhi'i.
rtl. Pwa-organizada na cidaJe do Reeia urna eonpannia
.que se denominara -Ciinpauhia dos Trillus Urbanos d,. Kecife a
Olinda o Bebenbe, e seu foi a c instracei do transporte de carga
e passageiros pelas lint) is de Irilhos ja estabelecidas para Ohn-
d i e Beberbe.
Art. 2.- .v e\ upan'lia nertmaen lodos os direitos o privilegios
qas ao contratante AuJr di Abren Porto coneedeu o governo mi
turna das leis pr.iviDciaos n. !7 de 21 de abril de 185:, a. 737 je
17 d: unlw de l7 e n. 8'J1 de 2 de m.ii 1 de 18:>8, segando o con-
tri! ccliibra 1) o:n o 11 --n 1 governo provincial em 22 de julbo de
1858, a irausferid pelo dito Andr Porto mediante ISO accoes que
ja ihe (irn entregues.
Art. 3. 1) capital da c impanhia 6 presentemente representado
p.r 1,50) sce/les d 1 valor ead i ana lo 2000 >0.
ja elevado a 1,0 0:.l!0.'.0!)0 pala e.nissao de m
igoal valor, distribuida! de preferencia pelos aetuaes accionistas
Art. 1. As cha.nadas dj capital serao eToctaadas razio do 5
a 1)'/., e a propongo que as necessidados da companhia o exi-
giren, devendo darse sempra entre ellas o iuervallo pelo m-
nos de 30 dias.
Art. o. A companhia durar o lempo que Ihe marca o privile-
gio concedido pelo art. 3- da lei provincial a. 8)1 segundo consta do
art. 23 do j:i citado contrato Je 22 d-: julbo de 18 D s accionistas.
Art. E' accionista toda pessoa, mrporaeio, associacao ou en-
tidade que possuir nina ou mais acedes, competentemente emit-
t.das, e cujas prestscdS vencidas se acharan devidaiiiento pagas.
Art. 7.* 0 accionista que uto realizar a importancia das presta-
coas nos prazos determinados, na formado art. 4, perder cm favor
da eonpanhia as prastaedes anteriormente realizadas, exceptuando
porem os casos extraordinarios de (orea maior evidentemente prova-
dos iterante a directora.
rt. 8. Ha vendo accionistas com firmas sociaes
os socios, que as representara, assistir c discutir
t 1 assembla geral, mas so um Votar e
legante:
Art. 9.- A* orden da votaeio a seguinte :
De o a 2o acedes um voto por cada ciuco accoes. Aos accio-
nistas porem de maior numero de aecoes conlar-se ha um voto por
cada 2*i ac;oo; ale 1) votos que ser o mximo.
Dtt assemblra geral.
Ar. 10 A assembla geral formada da reuniio dos
/.
l Fica^porc.n desde
ais 2,00 aecoes de
i prova-
poder.io todos
as reunios
nos tetinas do artigo
tas por si ou seus procuradores na forma do art. 13, e eulender so-
ba legalineulo constituida para deliberar quaudo estiverera pre-
sentes accionistas que represeutein pelo menos metade do capital
realizado.
Art. I i. Nao se remirado o numere marcado no artigo antece-
dente o 110 dia litado, far-se-ha segunda convocarlo o a assembla
se julgar constituida cora qualquer numero de accionistas que com-
parecer, e suas decisoes obrigarao a toda a companhia.
Art. i2. A assembla geral reunirse ha ordinariamente urna vez
em cada mez de abril e outubro, e extraordinariamente todas as ve-
zes que a direcluria julga-lo indispensavel ou tur requerido nos ter-
mos do art. 14, devendo em todo caso preceder corivoca.io por mei
de annuncios nos jornaes mais lidos da provincia, e pe.) menos oito
dial antes do desiguado para a reunio.
Art. 13. A' assembla geral compele :
% {.' Eleger a directora nos termos do art. l, c bem assim
un presidente e un secretario para a assembla geral, e una com-
misso fiscal cranosla de tres inembios, ser.indo todos por tres
anuos.
i 2.* Approvar as cuntas apresentadas pela directora.
3." Deliberar sobre qualquer ponto ou questao submelliJa
pela directora, ou requerida nos termos do artigo antecdeme, e
que nao es ti ver cabalmente rasolrida por estes estatuios.
8 4 Modificar en fsslfssr sentido algumas disposicoes dos
presentes estatuios.
5. Resolver o augmento do capital ua forma do art. 3', e da
liaba, assim como a venda ou cessao de toda ou parte"della.
g ti. Resolver a dissoluen da compauhia por venda ou qual
quer caso fortuito e inevitavel e nesse caso determinar o modo por-
que dever ser feila a liquida<;o.
Art. 14. A assembla geral poder ser convocada exlraordina-
liaraente seora que o exigir um numero tal de accionistas que re-
preseoten pelo menos um quinto do capital da companhia, especi-
ticando-se nos annuncios de que trata o art. 12 em termos claros e
precisos o lira da reunio.
Art. 15. O accionista que nao comparecer assembla geral
podara designar procurador qualquer outro accionista, salvo a
excepeo do | 12 do art. 2- da lei n. 1,083 de i: de agosto do 1861.
Da directora.
Art. 10. A companhia ser administrada por una directora
composta de tres membros.
Art. 17. Cada membro da directora dever depositar nos co
fres da companhia viuto e cinco aecoes, as quaes nao podero se
transferidas enguanto elle servir.
Paragrapho uuico. As aeces de que traa este artigo devem
achar-se pagas, ou pelo menos satisfeas as prestacoes vencidas.
Art. 18. A directora nomer entre si ura pre-ilcnte, um ta -
soureiro e um secretario.
Arl. 19. A directora perceber animalmente 4 "/ da renda bru-
ta da companhia, caliendo 2 /> ao presidente, l 1/2 / 'o thosou-
reiro e 1/2 '/ ao secretario.
Art. 20. Sao allnbuicoes da directora :
5 I.J Assiguar, emittir e substituir as aecoes da companhia.
assim cono arrecadar as respectivas quila;6es as pocas e pela for-
ma qae jnlgar mais conveniente.
5 2.* Determinar os dividendos dos lucros na forma di art. K
0 o modo da emisso das n jvas acgOes.
i 3. Contratar o supprmento de ofllcnas, machinas, tren ro-
dante e mais pefteacas necessarias ao estabeleciinento da linha.
4." Contrabir, quando for necessario, os emprestimos que
julgar convenientes al a imporlancia total das prestarles anda nao
recebidas.
Apresentar aunualmenle um relatorio da marcha dos ne-
gocios da companhia, assim como submetter s reunioes da assem-
bla geral ordinarias as contas e escripturacao da companhia, ba-
taneo, etc.
.' Aulorisar o deposito em algtrm estabeleciinealo bancaro
e a conversan em apolces da companhia, os dinheiros JisponiveLs
especialmente dos que tin de constituir o fundo de rastra.
7. Reunir-se ordinariamente urna vez por semana, e ex-
traordinariamente todas as vezes que os uieresses da companhia
o exigiren, registrndose em livro especial as actas de suas sessoos.
A directora funecionar validamente com dous de seus membros.
5 8." Representar a companhia porania o governo imperial 011
provincial e tribuuaes do paiz ou fra dada, assim como decidir quaes-
quer quesies que nao foreni da privativa competencia da assem-
bla geral, urna vez que se ufio opponham aos estatutos da compa-
nhia, devendo esta recorrer reforma dojles quaudo houver laiuna
ou necessidade de emenda.
Art. 21. A gerencia da companhia Picar cargo do presidente
da directora, e nessa qualidade couipete-lhe exclusivamente :
1." Nomear e dmittir todos os enpragados da companhia.
2.* Communicar em sesso da directora o eslado das obras,
effectoar compra de todos os objectos neeesstTios s mesnas e ao
trafago, lisealisa-las quer sejain ellas executadas por contrato quer
por adminstraco.
3.* Expedir iustruccOes para inachiiiistas, trafego, taiifas o
de mais enpragados.
4." Contratar a acqu-icaoe desappropriaco de terrenos.
o." Fiscalisar e dirigir finalmente todo o servico, expediente e
mais inovimento da companhia.
Art 22. Na amencia ou impeJimento do director gerente ser
substituido pelo th-.'sourero c esle pelo secretario.
Da commisso fiscal.
Art. 23. Compete a coinmisso fiscal :
Examinar escrupulosamente a escripturacao da compauhia, ba-
lando e djfumentos, acias, caita e mais livros, correspondencia,
execucao dada aos estatutos e decisoes da assembla geral, inter-
pondo acerca de tudo seu parecer, de manera a ser inserido nos
relatnos da directora antes da convocarlo da assembla geral.
Diiposices gentes.
Art. 21. No caso de fallecimento, ausencia participada por mais
de trinta dias ou renuncia de um dos membros da directora, cha-
mar esta um accionista que servir como substituto.
Arl. 2o. Das lucros liquides do operacoes etectvainente con-
cluidas em cada semestre se deduziro 10 '/o Para fundo de reserva,
e do resto se far dividendo pelos accionistas em Janeiro e julbo. 0
fundo de reserva especialmente destinado a fazer face s perdas
do capital ou para substitui-lo. Nao se far distrbuicao de dividen-
dos emquanto fundo social, desfalcado em virtude de perdas, nao
for integralmente restabelecido.
Art. 26. No caso de dissolucao da socirdade o fundo de reserva
que houver ser aecumulado ao capital e dividido proporcioualmeu-
te pelos accionistas.
Art. 27. A companhia jnlgar-seha inhabilitada para continuar
e conseguiutemente ser dissolvida ( G. art. 13) desde que houver
soffrido prejuizos no valor de dous tercos do capital. Alm deste
caso a dissolucao se verificar nos outros especificados nos arts. 3.'
e seguintes do decreto n. 2,711 de 19 do dezembro de 1860.
Art. 28. Os accionistas sao responsaveis pelo valor das aecoes
que Ihes forera distribuidas, pudendo livreinente transfer-las na for-
ma Jo art. 17 do citado decreto.n. 2,711
(Seguem-so as assignaturas.)
accionn-
Govorua da provincia.
KTPB9IHIT! U) BIS 9 UK Jt.'NHO DE 1873.
1." sen-i i.
i'.linos :
Aobrigadeiro nonnandante das armas.De-
teiruinando o aviso do ministerio di guerra, de 28
de maio ultimo, que parase resolver acerca do re-
querimeuto em que o leres honorario do exerei-
lo, Joaiuim Xanes do
da presidencia do Rio Graudo do
te de ordeus
N irte.
Ao mesmo.-Transmiti a V. Exc. para os
mis convenientes a inclusa guia de soccorriraento
do sida lo do 9' batalbao de inrantaria, Antonio
Joaquim de Souza, a qual me foi onvada pelo
Exm. presidente do Cear.
Ao mesmo.Para que se possa resolver so-
bre o requerhnento em que Clorindo Jos Soares
dencia remedido pelo vapor Cruzeiro do Sul com
dstino a ossa capitana, os obje:Uis requisitados
para o p arol de liuda ; assim o comuunico a
V. S. para seu couhecimento.
Ao director do arjnal de guerra. Trans-
miti a Vmc a inclusa nota, organisada na repar-
tilo do quarlel-mcstre genera', ali n d>; nos ter-
mos do aviso do ministerio da guerra, de 29 de
maio lindo, (unto por copia, mandar foruecer por
esse arsenal secretaria do eommando das armas
desta provincia os movis constantes da mencio-
nada nota.
Ao commandante do presidio de Fernando de
Noronha. -Para seu couhecimenlo con.munico-lhe
que para esso presidio ser remettido escoltado
por du.is pragas de polica da provincia do Far,
rcquisic4o do puesideute da do Amazonas, o reo de
nome Andr, que tcm de cumprir a pena de ga-
los perpetuas. r
2.
Aclis :
tteeflo.
Valle, allegando servicos
prestados na campano* do Paraguay, pede que pede ao governo imperial .pagamento do premio
se Ihe conceda urna con lecoiaQao, d V Ex?, as de 300OOJ, por tr marchado para a guerra do
suas ordens alim de que seja exlrahida do archivo Pariguay como guarda nacional designado, conv.n
do axlineto 33corpode voluutariosda patria a cer- que V. Exe expeca suas ordens. alim de que soja
tidao de assenlamentos do supplcanto. reiueltda secretaria desta presidencia a escusa
Ao me rao. -Transmuto a V. Exc, para ser em original do supplicantft, alim de se cumprir o
eotragoa.ao aoidadodoV* uatalho de infamara Mu f" determinado em aviso do ministerio da
Joaquim Pereira de Souza, o incluso documento que guerra, do 30 de maio ultimo. _
me foi remettido pola presidencia das Alagoas em Ao mesmo. Communico a V. Exc, para
satisfac^o ao que pedio aquella prara ao requer- seu couhecimenlo que, segundo cousia de-a viso do
ineuto iine-devoIvQ, aunexo aoseu otllcii u\'17 de ministerio da guerra de 29 do maio ultimo, se
abril ultimo sob n. 405. mandou fornecer pelo arsenal de guerra dejta pro-
- Ao ne-i;; '.-Auiorso V. Exc. a mandar dar vlncia, o pedido de movis para a secretaria deese 0 presidente da provincia, sob proposU
bauu do servico do exerciio, e por em bberd ide, coinmando de armas, constante da nota junta por do Dr. chefe de polica interino em oficio de 8
o recruta em deposito Jos Thomaz do Araujo, copia, organisada na reparticao do quarlel-mestre do crreme n. 1,050, rjsolve, a bem do servico pu-
vislo Mr pn.vado isencio legal. general. blico, exonerar do cargo de subdelegado do dis-
Ao mesmo.- Mande V. Exc. por em li- Ao inspector do arsenal de marinna.Man- trido de CMho d'Agua dos Bredos, do termo de
toerdade, visto ter sido migado incapaz do serrijo do V. 3., logo que este receber, callocar junto a Cimbres, a Virissimo Jos o Grato.
do exereito, como consta do termu de inspeejao rampa do campo das Princezas urna lancha, afim O presidente da provincia, sob proposta do
aunexo ao seu offlcio de 7 do correnle sob n. 589, de conduzir para a agencia da companhia de na-. Dr. chefe de polica interino em offlcie de 4 do
o rocruta Joaquim Jos da Silva. vegacao brasileira, 10 caix5es contend elementos corrente n. 1,043, resolve, a bem do servico publi
ao mesmo. -Pasto as roaos de V. Exc. a in- onginaes do recenseamento e que teem do seguir co, exonerar do cargo de f supplente do subdele-
clusa relacao em duplcala das alterares occorr- para a corte. gado do f districto do termo do Bonito a Francis-
aas durante o mez de maio uilimojcom o tenente i Ao capillo do porto.ConslandoJ de partici- co Tibnrcio Paulino de Mello e Siiva.
do T batalhao de infamara Frsneiieo Ignacio de paci da secretaria de estado dos negocios da na-1' O presidente da provincia, sob proposta do
Lima, que serve interinamente o lugar de ajudan-, rinna, do 26 de maio ultimo, ter a respectiva inten- Dr. chefe de polica interino em offlcio 'de 4 do
correnle n. I,(lio, resolve nomear para o cargo de
1 supplente do subdelegado do I' districto do ter-
mo do Bonito o alteres Adelino Rodrigues da
Silva.
O presidente da provincia, sob proposla
do Dr. chefe de polica interino em olllco de 4 do
correan n. 1,04o, resolve, a bem do servico pu-
blico, erauerar Jos Pedro de Albuquerpje do
cargo de subdelegado do districto de Cabelleira,
do termo d i Botuto.
O presidente da provincia, sob proposta do
Dr. chefe de polica interino em olllco de 4 do
correntn. 1,04o, resolve nomear o cidado Ma-
noel Thomaz de Aquino para o cargo do subdele-
gado do d..-trido de Cabelleira, do termo do Bo-
nito.
O presidente da provincia, sob proposla do
Dr chefe de polica interino, em ulicio de 4 do
correute u. 1048, resolve a exonerado do maior
Jos Bellarmino Pereira de Mello e teneute Jos
G.en-'s Cabral dos cargos de 2.- e 3.a supplentes
do delegad,) do termo do Bonito, por nao terem
aocctfado as nonieacoes.
O presidente da provincia, sob proposta do
Dr. chefd tiu polica interino em oili -io de 4 do cor-
reute ii. IOio, resolve nomear para os cargos de
2 e supplentes do delegado do termo do Bonito
os cidatloj seguidle* na orden em que vio ool-
locartoSr nsjor Js Honorato Chaves, (WMo fria-
iiio Lin? de Albuquerque.
OIDeios :
Ao consellieiro presidente do tribunal da
relacao. -Sirvarse V. Exc. da informar acerca do
ucluso reqiutrimento do menor Joaquim Moreira,
que, tendo sido conleuraadoa 7 anuos de priso,
e appeflado para esse tribunal, al boje ueiibuuia
dccisao leve dessa appellaiao.
Ao Dr. chefe de |hi!cia. Remeta V. S.,
oin urgencia, ao delegad.) de polica de Gara-
uliuns, tenente-ceroiiei Anlonio Vctor Correa, a
caixa que esle aeonrpan'ia.couleiido inedic:uiieulos
homaspailiicoso tubos cora tu vaccinieo, para se-
ren entregues c >iiimisso mmieada para nessa
localidade distribuir soccorros aos indigentes, que
forera accomniettidos de varila, da .qual faz elle
parlo.
Ao mesmo. -T.-ndo de .-er remettido para o
presidio de Femando de Noronha pelo presidente
do Para, requisieao do da provincia do Amazo-
nas, o ru de nome Audr, que lera de cumprir
a pena de gales perpetuas, recoin nen lo a V. S.
suas ordeas, alim de que as 2 praeas de polica que
o esco tain regressem na 1." opportuudade
Ao me.-mo.Fleo de posse do offlcio de V.
S., de 5 do correnle, n. 1.051, que veio acoinpa-
libado dos oilicios por copia, de 3 e 4 deste mez,
ilo delegado do termo do Cabo e do (subdelegado
do l-lricto do mesmo termo: Respondeudo
aquellc teulio a dizer que importunamente alten-
dere ao que uliciuira aquellas autoridades em seus
citados fics.
Ao coinmandaiile superior de S. Anlo e Es
cada. -Accusando o reeeliiraeato do ofllcio de V.
S, de 17 do mez prximo lindo, acomp.inhadu de
una proposla de ofleiSes para o preeuehimento
das vagas existentes no batalh i n. 23 de infanta-
ra da guarda "''' '"'' auB o seu coraraando su-
perior, inclusa dei'olvo a inesina proposta, para
que man le coirigu-llie as irregularidades de que
e resente, pois o aderes Tiburtino Pinto de Al-
meida, pelo laclo de ler silo Horneado tenente ho-
norario doexercito, nao deixou vago o seu posto,
e Pedro Secundino Barboza da Silva ainda nao
fui aggrcgadj ai balalbo, porquanlo nao sao de-
corriJos os li metes da le, depojs trae obteve
guia do municipio da Escada para o de S. Antao
Ao juiz de direito do 1* districto criminal.
Para os lns convenientes a V. S. incluso re-
mello por copia o oQicio de 6 do corrente, n. 583.
do brigadeiro coniniandan\e das ai ni..s, acerca do
crinie pralicado ua fregueza de S. Frei Pedro Gon-
ial\es do Recife pilo soldado da conipaiiba de
cavailaria Luizde Franca Res contra o paisano
de nome Mauuel Fraucisco Borges.
ao adjunto do promotor publico do Recife.
Em res posta eousulta conslaule de seu oill-
cio de boje datado, leuho a dizer-llie que, Q&r,
obstante entrar no exercicio do cargo de promo-
tor publico o respectivo funeconaro, deve Vine,
continuar a fazer parle da juuta emancipadora
desta capital.
Ao cuiiuuadante do corpo de policaEx-
pe\-a Vmc. suas ordens, afim de ser augmentado
com 2 praeas do corpo sob seu eommando o des
tacanean de polica exi-tente uo distrelo deste
termo, como solicita o Dr. chefe de polica era of-
flcio de 7 do Crrente n. 1,064.
3.' seccao.
Acto:
O presidente da provincia resolve nomear
Silvestre Rodrigues Pereira cobrador da collecto
ria provincial do municipio da Escada, e bem as-
sim a Joo Carolino de Ges da de S. Anlo.
lllcios :
Ao inspector da thesouraria de fazenda.
Auiorso V. S. a mandar relevar a Francisco Tito
Xavier de Lima da mulla em que incurren, por
nao haver communicado a inorte da ingenua Ma
thildes lilba de sua escrava Benedicta, e sobre
que versou sua informarjio de 6 do corrente sob
n. 94 serie D.
Ao mesmo. Achaudose concluido o enca-
canameuto d'agua para a fortaleza do Brum, or-
eado na quantia de 492/, e sendo encarregado
desse trabalho o La rao do Livramenlo, recoin-
commendo a V. S que mande pagar ao mesmo
bario metade daquella quantia, isto 2464 con-
forme foi autorisade por esta presidencia a 21 de
maio deste auno, como se v do ofllcio do enge-
nhero das obras mililares, da 3 do correnle junto
por copia.
Ao mesmo. Transmiti a V. S. as dez in-
clusas ordens, sendo nove do thesouro naciooal,
sob o. 85 a e urna do ministerio da guerra da-
tada de 27 de maio lindo.
Ao mesmo.Transmillo a V. S. para 09
lias convenientes a inclusa guia organisada pela
coutadoria de marmita, e relativas comignaco
que deixa nesta provincia o 1* lenle Antonio
Luz Cavalcante de Oliveira, a* qual me foi en-
viada com cilicio da directora geral' da repar-
lifao dos negocios da marraba, datada de 28 de
maio ultimo.
Ao mesmo. -Transmiti a V. S. os indas is
ttulos, declarando de serventa vitalicia os pro-
vimentos do padre Flix Brrelo de Vasconcellos
na cadeira de latiiu, e Carlos Adolpbo de Avcllar
AlchoiTie na cadeira de iugiez do curso prepara-
torio annexo faculdade de direito de-la cidade,
e prurogundo por igual lempo a licenca de um
anno que, por portara d 8 de maio do anno
passado, foi concedida ao conego- da calhedral
desta diocese, Joo BaptisU Pereira de Mello, afim
de torera entregues a quera se mostrar competen-
temente autorisado para recebe los, depiis do pa-
gos os direitos dvidos.
Ao mesmo*. -Constando do ofllcio de 5 do
correute n. 626 do commandante superior deste
municipio, qae o 3* batalhao de infaularia da
guarda nacional despedio do seu servico o tambor
Joo Mauricio Jos dos Santos, assim o communico
a V. S., afim de mandar Ibe dar a conveniente
baixa.
A mesmo. Communico a V. S. para os
devdos flnt que, segundo consta de aviso do mi.
nisterio do imperio, de 27 de maio lindo, foi ap-
provada a despeza na importancia de 150J>, auto
risada sob a respon'sabilidade desta presidencia, e
proveniente do aluguel de jangadas empregadas
em soecorrer os habitantes de Apipucos e lagares
visiahos por occaaJSo da eachente do rio Capi-
baribe em narco ultimo.
Ao inspeci r da thesouraria provincial.
luteiraaadi quanto informa V. S. em oflicio di3 do
crreme sob n. 223, relalivanienleexecucod.c n
tracto do fallecido pharmaceutico Joaquim de Al
meida Pinto, contradantc da unpresso do diuciona
rio de Boiauica Brasileira, e do qual successor
seu irmo o bacharel Zeferno de Almeida Pinto,
tenbo a dizer-lhe que nesta data olficio ao men-
cionado bacharel, alim deque seja fielmente cum-
plida a disposco da clausula segunda do refeudo
coniracto, na parle relativa ao numero de ex-
emplare que deve remetiera cssa reparticao;
nao dependo, portanto, V. S. exonerar o seu fiador
emquanto o mesmo conlraclanlc nao salislizer
o seu coniproimss'.
Ao me mo. Transmitto a V. S. as inclusas
contas que me renetteo o Dr. chefe de polica
com ofllcio de 6 do correnle sob n. 1,030, alim
de que mande pagar ao delegado do termo de
Villa Bella ou a seu procurador a quantia de
342800, provciiciiie, nao so da despeza feita cora
o sustento dos presos pobres da cadeia daquelle
lerrao nos mezes do jiiuho de 187-I a maio do 1872,
mas tambera das dianas abonadas ao criminosos
ltimamente viudos d'alli.
Ao mesmo. Em vista da inclusa conta que
rae foi reraeUida pelo Dr. chelo de polica com u
ofllcio de*6 do correnle sob n. 1,0*5!, mando V. 8.
pagar a qnanlia de 8730, proveniente do forue i-
menio da luz e agua ao quartel do destacamento
da guarda nacional do termo de Iguarass, no mez
de maio ultimo, como se v da referida conta.
Ao nesno.Antojado ao que solciou_o Dr.
chefe de polica en ofllcio de 6 do correute sob n.
1,058, autoriso V. S. a mandar pagar ao tliesoq-
teiro interino daquella repartietO, Candido Aulran
Ja Malta e Albuquerque, vista da inclusa conla,
a quanlia.de 3I20, despendida com as diarias
abonadas o criiniui-so Dionisio Antonio da Cimba,
que seguo para o termo de Tacarais, afim de ser
all subinetdo i conselhode julgamento.
Ao niisni). Recommenlo n V. S. que, vis-
ta das inclusas contas a que se refere sua nfor-
manto de 6 do correnle sob u 227, mande pagar a
Rufino Mauoel da Cruz Cousseiroe a Francisco Te-
xeira Barbosa, a esta a quant a de 32*000, aquello
a de llOtOOU, provenientes de objectos fornecidos
reparlicao da instrueco publica e dos reparos dos
respectivos movis, conforme deelarou-rae o direc-
tor geral da inesina reparticao em olllco de 8 de
maio ultimo sob n. 132.
Ao mesmo. Providencie V. S. no sentido de
ser pago ao forneeedor Jus J taqnim de Sant'Anna
ou a seu procurador, vista da reuni e contas
jumas, conforme solicilou o Dr. chefe de polica em
oflicio de 7 do correute sob n. 1,067, a quantia de
I3U00*, despendida durante o mez de maio ulti-
mo cora o sustento d.is presos pobres da cadeia do
lerrao de Caruan, segundo tabean aquellos docu-
mentos.
Ao mesmo. Tendo nesta dala antorisado o
engenheiro chele da reparticao das obras publicas
a mandar receber definitivamente a obra da ponte
sobre o rio Pirapama, da qual arrematante Tho-
maz Jos da Silva usmo, logo que se acha con-
clni'l) o euro.'lianieoto das .apatas dos muros de
encost, deduziudo-sc no pagamento a diiferen.-a da
obra que deixou de ser execulada, assim o declaro
a V. S. para seu conhecimenlo e fins contenien-
tes.
Ao mesmo. Communico a V. S. para os fins
convenientes que por portara desta data foi exo-
nerado o bacharel Benjamn Soares de Azezedo
do lugar de repetidor do gymnasio provincial.
.- seccao.
Oili. ios:
A' directora da Associacao Coininercial Be-
nelicente.Acenso recebido o ollicio da directora
da Associacao Commercial Benelicente desta pro-
vincia, de li do corrente, communicando haver n-i-
uieado diversas conimisses para promoverem do-
nativos em anxilio coustrueco do asylo de alie-
nados, e remetiendo um titulo de deposito no En-
elisb Bank of Ro de Janeiro pela quantia de ....
10:710*000, obtida por subscripeo no bairro do
Becife pela connissao noraead> pela incsina as-
sociaciio. Em resposla, lenho a dizer que louvo e
agradece esse avultado donativo, qrfe, ainda esta
vez, vera provar os senlimenlos generosos de pb
lanlropia e patriotismo, que animara lo dsliucla
assocavao.
A' mesmaAccusando recebido o olllco de
Vv. Ss., de liontem datado, em que me communi-
cam a delibe.aci lomada por cssa respeilavel as-
sociacao de Ciiiifeiirnie o diploma de seu socio
honorario, cabe-mo agradecer-llies lo significati-
va prova de apreco iniuha pessoa e aos servi-
dos que dizem ter eu prestado a es;e importante
ramo da adminstraco, em cojo desempenho ja-
mis cessarci de inpregar tuda a iniuha solci-
lude.
Ao Dr. Zeerino de Almeida Piolo -Accusan-
do recebido o seu ofllcio de 12 de abril ultimo, em
que me communca achar-se desempenhado para
com a provincia do corapromisso contrahido por
seu fallecido rmo, o pharmaceutico Joaquim de
Almeida Pinto, de fazer imprimir o diccionario de
Botnica Brasileira, para cuja impresso contribuio
a provincia com a quantia de 4:000000, lenho a
dizer-lhe que, em vista da segunda clausula do
respectivo contracto e nforauedes juutas por co-
pia, ver V. S. que se acha estipulado numero cer-
to e determinado dos exemplares que devem ser
remettdos .thesouraria provincial, afim de terem
o competente destine; o que ludo scieutifico a V.
S. para seu coiihecimentos e devida execuco.
Ao engenheiro chefe da reparticao das obras
publicas. Auiorso Vmc. a mandar receber defi-
nitivamente a obra da ponte sobre o ro Pirapama,
da qual arrematante Thomaz Jos da Silva Gus-
mo, logo que se adiar concluido o eiiroclamen-
tos das sapata? dos muros de encost, como pro-
pde em sua informado de 30 de maio ultimo, sob
n. 226, deduzindo-se no pagamento a dillerenei da
obra que deixou de ser execulada.
Ao mesmo. Approvo a antorisaei) por
Vine, concedida ao craduetor interino do 4o dis-
tricto para supprmir a bomba projectada no per-
fil u. 54 do 3' laoee da estrada de Goyanna a Pe-
Fogo, bem como para a construrc > do um peque-
no arco de avenara uo perfil n. 139 do me-m
lan.-o, mediante a dedueco da quantia de 213tl06,
diderenga para menos no respectivo oreamento,
como tudo solcitou Vmc. em seu olllco de 6 do
correte sob n. 237.
Poruas:
Os Srs. agentes da companhia de naveacao
brasileira mandem dar transporte para a corto,
por conta do ministerio da marrana, no vapor pro
cedente dos porlos do norte, ao caplo teuente da
armada, Manuel Lopes da Cruz.
Os Srs. agentes da companhia de navegacaa
brasileira mandem dar transporte para a corte
por conta do ministerio da guerra, no vapor Cru-
zeiro do Sul, ao segundo cadele Manoei Wander-
ley Navarro Lns, que vai reunir-se ao batalhao 1
de infaularia, a que pertence.
Os Srs. agentes da companhia de na vegacao
brasildra mandem dar transporte at a Para .iba
no vapor Paran, por conta do ministerio da guer-
ra, ao desertor da companhia fixa d'aquella pro-
vincia, Felppe Santiago do Nascimento.
Os Srs. agentes da companhia de raavegacao
brasileira mandem dar transporte para a corte por
conta do ministerio da marraba, no vapor Cruzeiro
do Snl, ao recruta Joo Luiz do Nascimento.
EXPKDI8NTE DO SECRETARIO
". seccao.
Offlcio :
Ao brigadoiro canuuaudaate das armas.
S Exc. o Sr presidente da provincia manda de-
clarar a V. Exc, em resposla aos seus offlcio de
boje sob ns. 590 e 593, que licam expedidas as
convenientes ordens no sentido de seren trans-
portad"- a seus destinos o segundo cadete Manoei
Wanderley Navarro Lins e o desertor da compa-
nhia de mntana lixa da Parabyba, Felippe San-
tiago do Nas'-imenio, de que tratara os seus cita-
dos oflicios.
Ao caplo do porto.De ordein de 3. Exc.
o Sr. presidente da provincia, declaro a V. S. em
resposla ao seu offlcio desta dala sob n. 122, que
Tica expedida a orden! necessaria para o transpor-
te para a corte ao recruta Joao Luiz do Nasci-
mento.
Ao commandante do vapor de guerra Recife.
De ordem de S. Exc. o Sr. presidente da pro-
vincia, declaro a V. S, em resposla ao seu offlcio-
desta dala sob n. 411, que fica excedida a conve-
niente ordem para o transporte, para a corte, do
capitao-tenentc d'annada Manoei Lopes da Cruz.
Ao engenheiro das obras militares. S. Exc.
o Sr. presidente da provincia manda declarar a V.
S. que nesta data utorisou a thesouraria de fa-
zenda a pagar ao barao do Livramenlo metade da
quanlia de que trata o seu offlcio de 3 do cr-
renle.
if.* eseafa,
Offlcios :
Ao Dr. chefe le pohcia.-O Exm. Sr. presr-
dente da provincia manda transmitlir a V. S. o
tilulos juntos de minearn do segundo o tercei-
ro supplentes do delegado do termo do Bonito, i-
do subdelegado do V districio do mesmo terme, e
do subdelegado do districto de Cabelleira, do re-
ferido torno, do sonformidade com o seu offlcio n.
IOio de 4 do corrente.
Ao niesni).-0 Exm. Sr. pie.-idente da pio-
vincia manda declarar a V. s. que nesta data ex-
pedio ordem thesouraria provincial uo sentido
de serum pagas todas as despezas, de que tratara
os sana offlcios de 6 deste mez, sob ns. 1056, 2058
e 1002.
Ao mesmo. S. Exc. n Sr. presidente da
provincia manda declarar a V. S. que expedio or-
dem thesouraria provincial no sentido de ser
paga ao forneeedor Jos Joaquim de Sant'Anua,
ou a sin procurador, quantia do que trata o seu
oflicio de 7 do correnle sob n. 10G7.
Ao mesmo.O Exm. Sr. presidente da pro-
vincia manda communicar a V. S. que nesta data
foi exonerado do cargo da subdelegado do distric-
to do Olho d'Agua dos Bredos do termo de Cim-
bre, Virissimo Jos do Couto, Je conformidade
com a propala de V. S. em ofllcio de 3 do corren-
te sob n. 1050.
Aojuiz de direito da comarca do Rio-For-
inoso.O Exm. Sr. presidente da provincia, man-
da acensar o recebimenlo do offlcio do V S.. de 29
do mez prximo fiado, communicando que no dia
antecedente fo eieerrada asegunda sesso ordi-
naria do jury do termo do Rio-Formoso.
3.' seccao.
Offlcio:
Ao inspector da thesouraria provincial. O
Exm. Sr. presidente da provincia manda commu-
nicar a V. S. para seu conhecimenlo que nesta
dala resolveii nomear Silvestre Rodrigues Pereira
cobrador da collectoria provincial do municipio da
Escada, e bem assim a Joao Carolino Ges da de S.
Antao.
.' seccao.
Offlcios :
Aos agentes da companhia de navogacio
brasileira. O Exm. Sr. presidente da provincia
maulaaecusar a RCepctO do offlcio de Vv. Ss., no
qual parlcipam que o vapor Cruzeiro do Sul, che-
gado nesta dala dos porto.; do norte, seguir para
o Ro de Janeiro e escala amanh i s 4 horas da
tarde.
Ao pratcaute da secretaria da presidencia,
Joo Candido Gomes da Silva. Inteirado do con-
tedo do seu offlcio de hoje datado, declaro-lhe
que, a bem do servico, convm Vmc. desanciar-st
c comparecer reparticao.
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DE 20 DE AGOSTO DB
1873.
Tenente-coronel Alexandre Augusto de Fras
Villar.Forneca-se.
Antonio de Pinho Borges.Sira.
Antonio da Silva Loyo Sim.
Companhia Recife Drainage-Inf rme o Sr. ins-
pector da thesouraria provincial.
Galdino Gomes da Silva.O supplcanto tem de
ser julgado na l' sesso do jury.
Isabel Mara da Coiieeicjio.Informe o Sr. Dr.
chefe de polica.
Jos Luiz Innocenco Poggi.-Sim.
Jos Alves da Silva Maranho. Informe o Sr.
director do arsenal de guerra.
Teuente-coronel Joaquim Cmlcaute de Albu-
querque Bello. Forneca-se.
Jos Victorino D.-lgado de Mello.-Requera pe-
los canaes competentes.
Joo Rufino de Souza Magalhles Informe o Sr.
inspector da thesouraria de fazenda.
Miguel dos Anjos Alvares dos Prazeres.Sim.
Manoei Ferreira Barbosa. Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria de fazenda.
Mara Florentina Seraphico de Assis Carvalho.
-Passe portara concedendo a prorogaco pe-
dida.
Manoei Barbosa Pereira de Lucena. -Indefendo,
em conscouecia de nao haver vaga.
Panlaleao Jorge da Fonceca Bastos. Como re-
quer.
Rosa Seuhorinha de Deus. -Seja posto em l-
benla le
Sebastian Antonio do Reg Barros.Informe o
Sr. inspector da thesouraria provincial.
Secretaria da presidencia de Pernahibuco, 27 de
agosto de 873.
O porteiro,
Silvino A. Rodrigues.
Comuando dos armas.
QUARTEL GENERAL DO COMMANDO DAS ARMAS
DE PIRNAMBUCO, EM 26 DE AGOSTO DE
1873.
Ordem do dia n. 754
O brigadeiro commandante das armas declara,
para os fins convenientes, que, nos t-jrraos da im-
perial proviso de 11 de Janeiro de 1853, contra-
tou tiesta data para servir por tras annos na ban-
da de msica do 9" batalhao de infamara, ao m-
sico paisaoo Anselmo Francisco de Albuquerque,
julgado apto em nspeccao de saude, o qual por
sobre os vencmentos que por le Ihe corppetirem,
perceber o premio de 150J1 de confumidade c id
o quo se acha estabelecdo.
(Assignado.) Mjn.el da Cunha Wanderley
Lins.
Conforme.-0 major./os B. d'S Sautjs Mrr-
gulliao, ajudanle de orden encarregado do de-
talhe.
I&epurticd da polica.
t." seccao. Secretaria da polica de Peratubucc,
27 de agosto de 1873.
N. 1501.Illm. eExm. Sr.Participo a V. Exc.
que, das communicacoe recebidas hoje, consta
qua fsran hontem recolhidos cata de delencao
os individuos seguintes :
A' ttlnha ordem, Maria Joaquina do Espirito
Sanio, escrava de D. Rosa de Jess Gonjalves, por
andar fgida.
A' ordjm do Dr. juU de direito do commarpt0>


ET81

tjl\ii*KEt)b)dz Pernambuco Quj*nta feira 28 de Agosto de 1873.,
Albino Martin* da Silva Borges, como jmw
e-nrt. 26.1 do cqdywbymmcictn).
A' ordem do mi! Migado to r. dtstritto 'ele S.
Jos, Mereneio, WwifcVIe Jacinuio Uaes. dc.Men-
4onca, requer*teste,
O subdelegsdanVI|elj/rie commnniroume, por
nido de IH deste mez, (i
Hielo de IH'dese meVtrccebido aoj) que rt*ni(t
ten ao Dr. ju7. do directo da comarca o inquerito
a que proceder
Oritto e Francia
crime de erimenti
Finalmente, a
alo nolfreram al
O qne ludo ci
compre.
Deus guarde a
raendador Drjksn
aissimo pressljgfe
poli.' ia, A nio
amignoa o tratado
.usirianrfepo
Sr.eotv
eena. dip-
cuef Jo
l/j. ,
EXTEBIOR.
. .Hrlailalntomsnm pronos!) wfavirtnvtum **>. Na embocadura daqwfie rio v.j se Thif
(hornada esjroto, applicaJo cidada do Lisb ida .pelos richcdos que coram a*
eo*stte naformar*) de miomas* impsrmUveWi i**ft*1i**,'illc1wliitcllad.\ pejos fia
no uh-s>lo,.;;inio :ms edificios, osa m listqs ; chamius respiratorios c(afinasr-speriaes. ;V'(jiWl''1 ''"'"' Preshourg, oteada
i Annexo, esla o ptojecto'das pipas quo* dOVeui os '3,$}ii l'al''l:i'
frahfr os esgotos. das cisternas, para os fTinveiii-,'eT5rffl cMrhdW e*V*is da 1
entes depsitos, os quaes deyem ser removidos
par o miro 1.4* do Tft--,Yai-f er .engajado pri
meiramente na cidade biixa,
Coustliuio-sc ultimamentiRima' sociedade and;
nynta, intitulada-TAe.tfonj/rs i'-n campan >j-qar
fez a aequisico, da importante* mina de. ferro d
Serr dos Mongtt, no canillo de Monto-!!r. Ntf
districta de Bcja( Alemttjo ). orna das ni
mais poderosa? de Portugal : T*>is n'um pra
dow annos fornceen ooi.mo toneladas de mi-
nerlo.'
A jontade oteas, pubiu-a.3 ja den o seinajC86&
Thvoravel acerca do projeeto, de um quebra-mar
fluctuanto para abrigla*, uputes. da^alfanjega
de Lisboa, organisado *rl# ngflnliiiloAnstAlor
naval, Julio de VascJMMrm. -tormlrelmtiMinn-
jMu consultar o. capadlio e jiatolSa do arsenal
sobre punios capilaes de it^|p>^'f i-J Vae erriga, Jos Lui lungcneio Poggi e Ardo
, som ralbar aos partidos "ossa forei e"
que lhe< vftn da lnjBigejfcidvdt; o ce-
* verdade, como o alTlK^VJ
sorio de 1868
em e;
4'^rrc*p JPeriinmbiico.
POMTCGAL.
LISBOA, 13 D8 AGOSTO DI 1873.
Est de luto o nosso hUJoriador Alexan Jrc
Hereulano pelo fallorimento do Bita sagra a seriho-
ra D. Hara Eugenia do Carino Mein.
Diziam hontem os jornaes do Lisboa ine o
Sr. Aluno l,i Campos na qualidade de procurador
Ai Sr. John Ragale, liara. do H 10 la, apreserttou
baruca) no mini-torio das oleas publicas ana re-
auei ini'Mitj em (pie pedo ao governo a necessaria
coasesso pira levara eff.-ito nina iiiporMnlo em-
presa, qusJ o acaliamunto do aterro at a Torro
de lielem, destmando-se o erren i c mqni-tado ao
Tejo para a coaslfticco do docas, fabricas, arrna-
zens, m Tcad is, boulevards e do um bairro rom
fieaeSes baratas. A eonstrofic projectada de
urna muralha em fitina resta, para evitar os as
Boriamenlos do rio a partir do ai venal ate a Torre
de Deii'm. ralcu'and i que o espajo aterrado sera
de i,C8;0J0 metros juadrados. reqaercnto po
do ao giveriiu a eesso dos terrenos conquista!..
ao Tejo, a iseneij |or 10 annos de contrilmifies
para os predio* e.instruidos, e de QireitOS de al-
audeg para os materia! importidos. Propio s.;
o Sr. tiara i le ljela a org.injsar non companhia
para lovar eseeD0) estas obras, ..brign do-se a
te las ivnelui las no pr.izo de 8 annoi al Cor-
duna, 2 annos dep lis at a Torre de lielem. Pr-
ximo deste local projecla-se a cobstruejao de um
liaiiro para hanhi-tas. .
K' ea la ve/, toaii r o pedido de conques de ca-
mmlios do forro americanos (tr.:mwags) as es-
- (radas inacadami-adas.
Dentro e:n pon o paiz licar lodo em cotnma-
nicacao coni as grandes arterias dos ferros car
ris
Cli.'jraram a!iti-lr>!item a Lisboa os emigra-
d m U' s a di >e*gneral 'ierra l, Lodostlorregu t-
ro c caronel Linaeern e o advogado Castro, '.he-
garaui na corveta O Ilenriqi", uuc os recebeu
ni b.iliia le Sagres fi vapor LyiKi: da fi-ealisaea-i
aduaii.-ira da costa do Algara. O Lynce tinha'os
roeebida de um hiato, a qnal por sea tnrn) seo-
i ti u i alto mar de um barco j sem airua nein
maatiiitentj-.
O ..'overno dar pusaportes para o estrangeiro
:jii'Ilas notabilid \> s ravoloci'inariai, da insur-
r.';.ai federal c.nt.nal e socialista da ineao vi-
sio'ia.
firaude uomera de familias be-pan hilas se
ae a o cir Lisba, rerugndas. Algunas difficit-
KWBla poderam salvar as vidas.
Eoi lampos disse o ipe coastava acerca do :n-
nucriti feno ni dir."cao geral dos eorrcios em
vii'jl'de urna extensa representifo de um c:n-
i>rcado sahaltorne dj neima reuarticlo eamado
Mengo.
Cerminon o inquerito. em reinita lo do (pial foi
allii J.;i|ui
,da lluiigria, w{MwrT), q-iu o desacord in.inlTCS].Tnriio s.-io ih>
Hungra, c na qual so* partido liperal nao toque a essd afcto coinpromis-
indicar de passa-
, ao fajar es, J
le dJMioM
Bastarnos-lila
questao
o politiiyji^se
cheles m ppii
de marinba
- L.
suspenso mis empreados c demittiJ is dot?; Fen
|Kf !!5, mandados ao procurad r reglo junto a
rol .aode Lisboa, o depoimCnto das testdmonbas,
andas n> mquerito, e nhis documente*, afim de
y depon dodevili exama, se possam instaurar
i".- c luyenicnl a proeessos, ou quo o roiullado .)
js^ier 11 sejajuuto ai processu criminal inftau-
raJo.
Tevo lugar um l'onnidavel Incendio em tres
prees da ra Je S. I,azaro, em Lisboa Estivo
rain em perigq, ni is de 2U pessoas. DeacoDlia-
so que o fogo fol deUa lo por mairadez. O h wpi -
tal do S. Jos, coniiyno aos predios ineenfliado!,
corr u gran le risco de arder tamben.
Tronxe :) o bmeo d: l'oitugal, o vapor Luzitania.
I'arlioh iiitom para Hertie, o con-eilieiro Lcs-a,
director gi-ral dos correas o p i-t is do reim. Vai
representar Portugal na conferencia postal que tem
de reunir-se naqiKe eantao.
Poi concedida a rollocco dos productos culo
unes pjtugue7.es em Vienua lima distinccio a
peciaL
Ji:i>
pate.
D; Macan lie cad i ver. mais deploraveis as
no;i-ia- p.-la decadencia a que vai cliegar o seu
commrito, pela activa pcrsegmeSo que ogoverno
e. Uta faz a is navios que condptera colonos i mi-
grantos ou coolis. Os correlorea sfio logo deea-
pila IOS : OS n.vi IS queioiad.'S.
A pupaganla eominrcJal. que outraeoosase
i|i nao p ide chamar, qae-osr. Hendes Leal, quan-
lo ministro Jos ngocios estrangeiros, estabelecou
n .s mercados curopeus, ior nieio dos consulados
portug'.i.zes nos mflerantcs paizes, tem produzido
resultados ckacissimos, qianto ais nosgOS vi-
nes. Poi um meto de se descobrirem as vergo-
nzosas borlas que enlao se faziam. Tccm ultiina-
mate sido inuito procurados alguns dos mais afa-
mados rinos.
L", de corto, novo impulso para a nossa agri-
cultura.
Sua alteza o Sr. infante D. Alfonso Ilenrique,
Ijwaae do Porto, alistou se cotilo soldado do regi-
me lo il arli-Iiaria n. I, no dia 31 de julho pr-
ximo lindo, ten anniversario natalicio. Nao me
record se j Ibes tinha dito isto.
Em alguns noptos da provincia do Minlio, tem-
e sentul i alalos de tena
Proseguom ainda as commissoes de exames
.'.' iaslraceao secundaria na sua tercia espinbosa.
Foi |nil,| e.-ido na fi.lhaofflrial o decreto, creando
ton o iva e.tliegoria de talegrammas particulares
nacioaaes po se denominar IHegrammas urgen-
i'.-- c que permiUic ao publico a. expedicSo "com
preferencia a todos es domis despachos particu-
lares, qiii! nao lenbam aquella nota. Os expedi-
dores : agam o dobrodas respectiva? laxas.
O gororn) (ranea offereceu ao capitio do navio
portaln Diogeio's, Santos Uibeiiv un binculo
magnifico, por ter salvado na altura dos Acore*,
nove bomens de que se compnnlta a tripolaeao do
navio fran.-ez Eliza, que se, perde.i no alto mar.
O binculo tem gravado, de um Lidia, o nome do
eapllia, o do outro ; Ministerio dt mtrinha e
das coloni.t. A cai\3 des,nada a servir-lite le
s'. 'jo, de. magnifica m.vlcira polidh, tendo na
parte superior gravado em ni'tal, um attestado da
grande acg.io do miente nutico.
Comec.ou no dia 11 do coi rente, em Lsboa, na
respectiva auditoria militar no castello da S. Jore
o julgamenlo militar duj mplieud'is no processo
da revulta.
Sao mem ros do conseibo de guerra, um gene-
ral de brigada Tlala, seto coronis, e o respectivo
auditor.
Tem havido preces solemnes, com pratieas, por
-um dos melhores oradores de Lisboa, na groja de
S. Vieonte de Fura, com o lim de implorar a mi-
- tereordia Divina sobro as ncesslfladea da greja
catholica. Tem assistido o patriareba de Lisboa e
o cabido, o clero das diversas parochias, c colla-
giados.
Descobriose nm roubo importante no monte
pi geral de Lisboa. Um empregado subalterno,
ji preso, abusando da eonfianca que nelle era de-
po.-itado, falSificQU alguns termos de penhores j
-resgatados, cautelas de avaliacSo, e assignaturas
de oatrc*8 empregados da mesma instiluica ; re-
ebendo obre penhores insignificantes so emas
avultadas. Est-se procedendo a um balanco ge-
rel era que teera do ser examinados mais de...
4V,' 0>termos de desplieados.
Foiapprovada a ponte mixta ( podra, ferro, e
niadeiraque se Heve lancar sobre o rio Sorraia
( Sul do Tejo Samora ). O orcamento importa na
quantia de *Cr.433iO0O.
Fez-se n'ura-dos prximos pa3sados dias,na offic i-
na de caldeiras do arsenal de marinha de Lisboa,
a experiencia de urna machia* de fazer arrebites.,
A montagent o as compeieutos ir.m.imissoes foram
reajisadas pelo engenbeiro maellirtista portuguez,
Piuti Ferreira. O irabalho fez-se i>m rapidez e
perfelcao, sondo executad na preienca do rospee-
livo superintendente.
Vao(tomandti notavel desenvolvimento, os traba-
Hio das linhaa farreas americanas, no interior da
eidada ue Lisboa, o que' far desapparecer (is
MuieiM e ckarabanes incora nodos, com parelhs
imposslveis, srdidamente arrantadas e ponfa ba-
ratas.
Correspoiideiicia particular do
Diario le 1'enauibuco.
VIENNA n'AUSTRIA, 26 DF. JULHO DK 1873.
Cada vez mais me conv.-neo de que ne.ib im
te upo nio sobrar, em quant durar a eXpOsle*o,
para esereyer-lhe cartas minuciosas e com 4odos
os caracteristicos do correspondencia, para um
jornal (o importante cono o seu. O trabalbo que
sobro miin deixa para adubar as notas que esmo vou ti-
mando.
Por essa razan espero que, ainda desta vez, me
desculpar o de aso, alean;, ndo dos sous leitores
a grande copia de indulgencia* de qu caroc quem
se sent culpado, mas de culpa involuntaria.
r-Desmentcm-se os boatos deque o shah di
Porsia nao visitara a exposifo, regressando de
Genova para a sua patria.
Despachos offleiaes acab.un de cliegf aniuin-
cian lo a chegada deste soberano na prxima se-
gunda ou terpafeira.
I).'stina-se-llio o palacio imperial do Luxem-
barg, para a sua re.ideucia e da su corte.
Parece que o rei dos persas mostrou receios d i
vir a esta cidade em razo dos boatos, quo cor-
ran! de estar reinando nella o chilera-morbo ; e
que smente (ixouo dia de sua chegada, depoN
que o seu medico fum doutur inglez) aqni vel, o
Ibecommuiiicou o bom estado sanitario em que
nos acharaos. D'ahi os boatos de que Iho dei no-
ticia.
Preparam-se gran Jes festasem boira desto por-
sonagem, que lio festejado foi em Lmires e em
Pars.
Morrea ante-honlem tuna Jas maiores cele-
bridades ioanreiras d'Austria, o cavalheiro Picrre
de Miinnan.
O lo.ido oecapoo por inultos annos o cargo de
director Ao banco nacional, e depois, at a sr.a
morie. o de director do -amin'io do ferro do Nor-
t. Foi mu dos promotores da fundaco di esco-
la snperior do commer-ej >, en|o plano d'estudos
eollaborou com os Srs. Diaae.bc e Ilornbo;tcl.
Palleceu em N^waldegg, prximo desta ddado ; o
sen funeral se far luje na grej Kvangelica de
Dorolhcrgasse.
A pii junto a relaevi nomin i1, com todo- os
titul is, dos personagens que acompaaham o shah
da Persia em sua viagem :
S A. 'tidji-Mii7.a-llu-sei;ilChin ; grao visir o
ministro da guerra.
S. A. Real o principe AbJus-Samed Mirzi, irmio
d.shah.
S. A. R. Ali-Kou-.Mirza, apoio da realeza (Ele-
lad-es-Seltaiihi ministro da instrnceo publica,
lii) de r.lii-Ali-Sehal, to do actual shah.
S. A. R. Siiltan-Mur.id-Mirza, sabr da realeza
(ilssam-et Seitanh) givernaor de Kharassan,
i.o do fhah.
S. A. B. Firouz Mima (Nosfat-ond-Dowlek) vie-
loria do imperio, lio do shah. amiga ministro da
guerra.
S. A. R Imn Koiili Mirza (Emad-oud-Dowlek)
snstentaeuln do imperio, lio do shah, antigogover
nador de Kermaochrh.
S. Exc. Jahya-Klun ( Motimed-oud-Moulkt)
bomem de cnlianca do reino, ministro da corte,
irmio do grao-visir: 6 casado com urna i-ma do
shah
S. Exe. Allah-K iiili-Koan (llkliani) quer dzer,
chefe da tribu d is Radiar, que pertence o shah,
antigo governador de Kazwin-.
S. Exe. Mohao'.m '1 Ibrahim Khan (Aburad d e.v-
lh) elevaeao do imperio, grao-mestre de ceremo-
nias.
S. Exc. Hassan Ali Khan, ministro d3_- trabalbOJ
pblicos, antigo ministro da Persia na Frasca, e
dep >i-= em Confitanttnopla.
S. Exc. Mirza-Maleom-Khan (."vazioi-oiid-Moiilk)
organisador do reina, director do ministerio dos
o ,r '-ios estrangeiros e ministro da Persia na In-
glaterra
S. Exe. Reza Khan (Azad-oud-Mulk) braco d
reino, guarda do sello privado, prente do Soab.
D ictor Toleran, medico do shah.
Hirza-Ali-Ilonebii-Honzour, redactor, seeretario
particular d. shah.
Mirza-Ali-Vego (Hak'm-nud-Mem.abk) medio
do reino, ajudante das ceremonias.
Mohammed-Ilissan Khan, ajudante de ceremo-
nias.
Mirza-Reza Khan, da comitiva pessoal do shah.
Slirca Alimed Khan dn shah, ajudante de campo
di grao visir.
fita Mohammel Kan Icninikhalvet) homem
da con'anea do shah. nich Khedmet, ou gentil-
homem da cmara.
Uohammede Ali Kan (mines tehaneeb) homem
da conancada corte, gentil homem da camera
Ag Reza, photographo em chcfo, gentil homem.
Guian llinsein khan dem.
Mididi Konb Khan, prente do shah.
Aga Yedjih principe, i dem.
Sultn Hussoin Mirzi, dem.
Sultn Ovis Mirza (ihtichanond-dowlb) res-'
paito do imperio, sertip (general d-j brigada) de
I.' olasse.
Ari-Kor-.li-K'an (monkhbir oud dowlh)
informante do imperio, director dos telegraphos
persas, sertip de 1.a classo
ll.issanAli Kan -sertip de 2.1 classe.
Nensoan Khan, sertip.
Mol unraeRarquir-cdehan (chonjaons sellanh)
o bravo do reino, sertip de 3." cUsso.
Ibrabim Hban esendeiro.
Aga-Ibrahim (Emini sultn) hornera da con-
llanca do soberan, escuieiro e trinchante das
iguarias.
Siadji Mohamm^t Khan, ebefo dos criados, c
que aprsenla o cat e o Calion (eaximbo persa.)
General Gasteiger, cngenheiro austraco ao ser-
vil;. da Persia.
MirzaMikailKhan, drogman (interprete.)
Un. Dutoncha, secretario francez.
Djafer-Konli Khan, chefe dos pagons, e dos
criado?.
Jn//w 30.
Vofi fazer urna ligeira descripcao da excinsiio
feta capital da Hungra, pelos merabros do jury
Internacional da exp'SQSo, a convite da commis-
Sio directora da mesma.
A's7 horas da manha, tres vapores da compa-
nhia da navegaco do canal do Danubio, atracad s
ponto da eslacyo, recebiam a seu bordo es con-
vidados e suas familias, em numero superisr a
100 pessoas. a manha era bella, lempo claro,
temperatura branda: a alegra, o contentamente
divisava-te eintodusos semblantes.
. Urna commissao de cavalheiros hngaros esme-
ra va-se era proporcionar accoatmodacoes aos seus,
convidados, que erara recebidos com summa cor-
tezia e delicadeza.
A's 7 lio-as e mcia largaram os tres vapores
aguas abaixo.
No poni em <|ue linda o canal e eomeca o cur-
so natural do Danubio, passaram-se os convivas
para dous grandes easseiados vapores hngaros,
o Iris o o Franciico /otd, que, tmbandeirados em
arco, all os agnardava.
As 9 horas largaram os lous garbosos barcos
em demanda da heroica capital da Hungra, Iluda
l'eslh, iodo na frente o va;nr Franciseo, Jos que
levava a sea bordo o almirante
O panorama que se desenrolou aos nossos olhos
foi lindissimo em toda esta agradavol viagem
de 12 horas, pelo Dauubio abaixo.
A! esquerda passamos pela ilha de Loban. A'
i vinws a cidaJinlia de Schwecliat, poqto.
1 lepois da libertacao de Vienna o imperador'
Leopoldo fui eueontrar-se com Sobieski, seu lber
tiidor. V-se alli o castello edificado no terreno
e i que eutr'ora existi a cidade Romana Csrjut-
situada na juneco do rio Waag com o Danuoio
Ksta cidadj tornoii-so nolavn na rSvoTTa" htflga"
ra, em 1818. L'ma r^ruW .ihftrbiresrs d e,m-
municai.-a) entre as margens dos diiis rhs. Aili
ha tres estacis de caminlio de ferro, a saber : a
db Camioho de ferro que val Vienna por Raab,
a do eaininlio de ferro de Uud.i Praguehof, e a
do que liga Nen-Zsony Ruda.
Na margeui direita, mcia hora de viagem de
Komom, est a cidade de Gran, de 9,000 almas,
residencia de Santo Esteva-), o muito notavel na
historia da Hungra, o d'onde parti o-primeiro
ensino do Evangellio aos pavos barbaref daquelle
paiz.
Na-o-pltnala le um rochedo que domina a ci-
dade, vimos um bello templo, de gosto italiano,
coreado por um zi.nborio, com um lindo prtico
de .'18 columnas e zi pilastras. E' a catuedral,
comecada em ISI p.elo primaz Rudnay, o con-
chuda pelo primaz Sjytowiskv em 1861. O va-
por pissou costeando o rochedo distancia que a
olhos n--, lomos o dsticoQun sursum sunt
qamrte\\'o, exista sobeo a porta principal.
Parto da ealhedral est o palacio do ansebispa.
Er.un cinco horas o meia datirde quaado en-
frentamos com esta cidade.
Paseamos por pequeas po'/oacoes, o, sGho-
rai esta vamos em fronte a Watuen, edificada na
margem esipierdi de io, com Lt.JO habiUintes,
e possuind) urna calh'dial notavel, e urna gran-
de casa de correccio construida em 1836: tica
margem dorio, o pai**ce ter >id> construida, se-
gundo as regras quo a experiencia tem trafdrf
para estabelecioienlos desta orJem.
Un pouco ant. s de cbegar deserevi! una grande curva, toma a direcfo'snl,
divi.io se em d.ius bracos, f rmando una grande
ilha chamada, ilhi de Santo Andi.
Neste ponto veto ao nosso encontr, ,is fi 3/1 da
lardoyAungfande vapor (ngaro cF,:,me em-
b.ui^<'ir.ido >''iii aren, e quo fiU'mdo allarg:-., pro-
longou->e por este-bordo do Francisco Jos, e do
Iris, que por sua voz tinham parad i, o so tinham
posto paralcllos um ao outro. Um estrodoso
HrroA parti denordo do raeem;hogado e foi,
com o me.-ino enthu=iasmo e forea, respondi-
dos pelos pa>sageroj do* outr^s dous. cumpri-
meolo assfm correspondido, partia de urna esco-
Ihida sociedade de hngaros (homens o senhoras)
que, com o bourgomestre da cidade de Buda-
Pe-t i frente, vinia ao nosso encontr.
A musita que vinh.i a bordo do Francisco Jos,
e a que vinha no Fiume, tocaram o hymno nacio-
nal bngalo, ao Andar o qual, ivos Vivas atna-
rain os ares.
Trocados esees tai cor laos .'umprimentos, pro-
segoiram os vapores a sua marcha, passando por
Telliy, Santo Andr, Neu-l'estii e, pela formoss ilha
Margarila, notavel pelos seus jnrdins e oicellentes
h inbos thenii.'ies, at que foram fon lear ao lougo
do caes, que borda a cidade de Pe -:h, no p,mt i
das barcas, em frente ao Lotel Ilungaria.
a ci la le estar p ireitameule llu oinada : o
povo piiehia es caes, pracas e ras Ijaeentes:
tres msicas militares teeavm os hymuos d.' va-
rias nacOQS,<0 alas de soldados em grandes galas
abriam camiuho aos convidados, que recebidos -por
urna comiiii-so da mnnicpairdade de uda-Pesth,
erara condolidos t dtfiicrontos botis, que Ibes ti-
nham sido deslinados.
Os hotei- i-r.i-n o Hungara, o Fronner, o Natio-
nal eo Intel da Europa, grandes cJiiieios muito
bem iir.' tarados. Ncllei tomirara aposento mais
de COO pe-soas.
Grande nnmero do earraagetij de prioeira or
deui fur.ini potas gra'utamente disposico dos
hospedas: M >s hotois neahasan deepeta foi cobra-
da, eorrend) todas- pir cunta d.i commissio hun
gara.
O raesno sacuden a bordo dos vapores, nos
quaes se pnpirciniou n4as os commodos aos
passagefros, servindote as 2 horas nm hora almo-
po, e as s hora* da tarde escolente j.intar.
A eomni-sfio hau ai-a nio p>uio-i esor^os para
(ornar o mais agradavol possivel esta viagem, j
por si ? (o aprarivel.
Era para nnravilhar e eneant.tr ver a cordial i-
dado eom que homam do nacionalidades to di fo
rentes, de crencas to diversa, de ideas to op
postas, te apertavam as mos, e em araplexo fra
ternal procuraran! transmittir un* aos ontros os
sentmen'oi e seus cora;oes.
No meto desta sociedade to heterognea, l-cs-
lava o tira-sil representado as pessoas de brasi-
loiras c II brasHciros, que deixaram agradabilissi
ma impresso nos nimos -dos hngaros. Eram
i'Mcs:
hio evideptorneqte a dominio da
em hoje din Valor pratioo.
. ao Sr. Joaqimu Nabui, e a todus
os nf*w* cortto'es que seutafn reservados ao par-
tido ilberal|fdj|ndes destinos a reali-ar,- a desliar-
uiniiii i* a 'coa'ii-ia i de klcs so.iieje omdia os
caracteres diinctivos uo partido que se acelama
do moviinntaae do a vaneo.
E-te doloroso syniptoraa r?.l deeaJrWpcia de um
anido constitucional transuarece dfstincto das
ras di> Sr. J. Nfcaco.-fV rajsqoe as sou-
esa.- agttM u joven escriptor com hbil precau-
cao do e _Nao oeisaremos sem-reparirmw rara anTrnia-
ao aasSr. J. Mabaco.
Se c-m\ irnos em que a reforma eleitoral a pri
raera das reformas, e nos accrescentamos -aquel-
la de que em grande parto depende a regenera-
cao do systeraa representativo ; se nisto estamos
por accordo quanto balalhamos na tribuna, na
impronaa pela verdade do systema que presido r.o
inechansiBo de nossas instttuge?, nao podemos
ceder ao Sr. Joaqum .Sabuco, ou a quem quer
que seja, que se institua o orgo exclusivo Ja as
piraco nacional para dize-la manifestada pela
eleieao directa.
Autos que os orgis legiliraos da opinio se tc-
nham pronunciado por iimou outro dos systemas
que oeste momento ajustam preferencia, nao ha
senio um meio de aferr das tendencias do espin-
iopnblico : o perscrular o movimonto da opi-
niao pelas inconfidencias do jornal, do livro c da
tribuna.
Mas a tribuna como o livro c o jornal nao se
concertaram em favor de um do; systemas elei-
toraes deifianeira a firmar decisiva preferencia
da um sobre outro.
Qual pos, a mysteriosa medida a que se soc-
corre o espirito do Sr. Joaquim Nabuco para ver
na elei.o directa una aspirado nacional ?
Aquillo de diclhdura com que conclueoSr.
Joaquim Nabuco urna palavra vasia de senlido,
um verdadeiro lugar cotnmum, que, em honra de
ambos os partidos eonstitucionaes, devia ser lia
nido de noscas discussocs.
Si sob nina dictadura que vivemos neste mo-
mento, soh una dictadura que temos vivido em
todos os lempos e com a cumplicidado de todos os
parlidrs e do todos os sous homens Itastrca.
A' uipa semelhante dictadura tem servido por
vezes o Sr. cons-lheiro Nabuco de Arauio.
(SacaoJ
nio de l'iin.o Borges, est tcnonte e aquello cap
to .1) 1" baialh) de astilharia da municipio, do
l'.e-fo.
Man-lou-se aggreg.ir ao I" batalbao ie nfanla-
rfa do rmmiepio do Reclfe, a -eu pedido, a Par.t..-
leio Jorge da Fonceea Bastos, lente da 3* com-
panhia do 12 batalbao de iufautaria do Rio Gran-
I4ti do Norte.
..j Foi transferido, para a 2* comoanhia do frie-
liberaf: Liso quadrao de cavallaria do inunkipio de Santo An

Dr. Regs de Olivcira, secretario interino da !cga-
cao do Rrasil, e sua senhera ;
Dr Joaquim Monleiro Caminho e sua sen'mra ;
Dr. Roano de Almelda, sua seihora e ilha ;
Dr. Joaquim I. da Franca e sua sonhnra :
Dr. Miguel Antonio da Silva, sua senhora eseu fi-
Iho ;
Dr. Luiz Alvares dos Santos e seu filho :
Dr. Joo Joaquim Pizarro;
Dr. Antonio Gabriel de Paula Fonceea ;
Dr. Osear le Bulhocs Ribeiro.
A's lu horas da noute foi servida urna esplendi-
da cela em nm riquissima sali d> palacio deno-
minado La Reante. Orna masiva tocara esco-
lladas pecas dos mais afamados maestros allemes
e italianos.
A' meia noute o silencio comecou a fazer-se na
eidade, o es s.ms hospedes satisfeitose alegres pro
eoravam descancar Jas fadigas do da.
(Continuarse ha).
INTERIOR,
Elio, 9 lo agosto de ISS'3.
A PROPOSITO DE UM LIVRO DE ACTUAI.IDADE.
Comeci a circular, e urna larga circulacao'
tem direita, o novo livro com que o Sr. Tavares
Bastos revela o generoso intento de auxiliar a so-
luco de quesos que se lizeram em nosso tem-
po a preoceupacao dos partidos polticos.
O autor io estimavel estudo que se eonhece ao
nome de Provincia, com osla oulra publicacao
que o paiz fica a dever ao seu genio laborioso e
paciente, conquista um novo titulo de recommen-
dacjio ao seu elevado espirito.
Einquanto oraras se afadigam napugna arden-
te da poi i tica e pelejam as avanzadas dos parti-
dos nasas lulas do todas as manhs, que nao sao
sem influencia para a elabora-ao das ideas, o Sr:
Tavares Bastos recolhe e disciplina as suas ener-
gas, e, iraprimindo-lhes mais segnra direccao,
procura dia por da retemperar pelo estado as
suas convieees.
Itoservando-nos para dizer de espato o nosso
jalao sobre o opsculo do distincto publicista !
nio podemos calar reflexoes que nos sao
be ral
a:
ha
tum destruida por Atila Do mesmo Jado est
cidade llairaburg, do '4,300 almas, a onde h
urna fabrica de tabaco, ua qual se empregam 1,000
operararios.
Nesta altura, um pouco cima da cidade, ario1]
Marck. confluente do Danubio, estabelece a dLvwSo
a Austria cora a Hungra.
siisciindas pela aurecia.ao que Ino cbnsagrou o
Sr. Joaqum Nabuco.
Se o joven escrptor se limitara auma critica
desapaixonada, e a Azora de sua propria autori-
dad.', seguramente nao o porturba'riamos no exer-
oicio dj um diroilo. que lhe reconheeemos. Mas
oSr. Joaquim Nabuco, declarando fallar m nome
de um partid i, iomou a si urna lesponsabilidade
de que por nossa parte o nao polemos des'oDrigar.
Primeira afDrmac..io do Sr. loaquim Nabuco,
que nao podemos deixar correr sem dslincta
mencao, que, se ha quertjes em quo o partido
liberal se son te por accordo, e estas constituem 0
roto rumprimis-o de 1808, entra-; ha ora que a
opinio liberal sn divije.
Esii conflssao de mmens.i pjrco no* lampo
que atravesann--. .
Convimos de tiOa mente que estas grnSe or-
ganisaces que se chamara partidos,polticos, oo
podara ter jdas iuvariavmente aceitas sobre
t.J isns onestues. que se agjtamna socJiale. Eu:
tendidlj de p.uljrp modo, o individuo,abdiciria o di.
redo do eiauc ao alistar ae, ora uflj dos.parM'ji.'
Mas ha sabia.mente tae&,a'uitlptps, en q*
um parlidj regalar nao pode rcsigna'r-se- an tu-
pe que b Sr. Joaquim Nabuco destieaaopartwd
de que e fez int3rp*ete. Justificavel em nuestasI
dd oriam secundaria, aquella 'divergencia nao p' I
REVISTA DIARIA.
Asylo.de alienados.Em eguida publi-
camos novos offerecimentos feitos presidencia da
provincia para as obras do novo edificio para o
asylo de alienados :
. Illm. e Exm. Sr. commendador |irosidente da
provincia. Engeuho Sant'Anna, 19 de agos;o de
1873.-Incluso remeti a V. Exc. a quantia de
cera mil ris, |ara ser applicada em favor do hos-
picio d is alienados, que pretende V. Exc. fazer
construir nesta provincia.
i Agradcc.0 a leinbranea que te ve de procurar-
me para cora este bolo c.uicorrer para una obra
tao necessaria e otil a esta mesma provincia qne
nis vio nascer. Aproveto a oecasi .o para reite-
rar a V. Exc. os meas protestos de alta estima e
dslincta considerar.}. Do V. Exc. atiento, ve-
nerador, criado e amigo obligado. Francolino
Carneiro dr. Lacada.
Gabidete da presidencia do Pernambuco, em
22 de agosto de 1873.-Illm Sr. Fraucelino Car-
neiro do Lacerda. Em respusu carta de V. S.,
de 19 do orrente, qual acompnhm a qoantia
de cem mil ris para as obras do asylo de aliena-
dos, tenho a dizer-lbc que, agradecendo-lhe a of-
ferta, o loqvo por esto acto que revela sentimen
tos do patriotismo e carida le. De V. 5. ltenlo
venerador e criado. Benriqne Pcreira de Lu-
cem,
Illm. e Exm. Sr. A sociedade benefloenle
Regeneraco, pondo em pratca mais nina vez os
lias humanitarios a que. so impoz, deliberen en-
viar a '. Exc. a quantia de 2005 qne tara decli-
nado para auxilio da mndapaa do hospicio dos
alienados nesta cidade Na qnalidade do secre-
tario daquclla corporaco, tenho a honra de pas-
sar s mos de V. Exc. a referida importancia.
Deu- guarde a V. Exc. felizmente. Secretaria da
socielade beneficente Regen-raco, 21 de ai.-osto
de 1871.-Illm. e Exm. Sr. c.uiimendador Ilenri-
que Poreira de Lucena, digaissimo pre*ideutedt
provincia. Vicente de Maraes Mell, secretario.
a Gabinete da presidencia do Pernambtwo em
22 de agosto de 1873. Illm. Sr. Vicent i de Mo
rae3 Mello. Accuso recebida a earta de V. S., de
hontem datada, remetiendo a quantia de duzen-
tos mil ris para as obras do asylo dos alinalos,
offerecida pela sociedade beneficente Regenerado
da qual secretario. Em resposta cabe-rae ro-
gar a V. S. que traninitta mesma sociedade os
meu? agrad'eiineiitos por esta offerta, <|ue mais
urna vez veio patentear os sentimenlos de philan-
tropia nue a caracterisa. De V. S. amigo ltenlo,
venerador o criado. Benriqne Pcreira de Lu-
cena.
Illm. e Exm. Sr. Dr Henrique Pereira do Lu
cenaRecebi a presadissiraa carta de V. Exc,
eommumeando-me o granda desejo que tem de
edificar um asylo de alienados nosla provincia, e
desojando eu concorrer com aquills que minhas
fracas fercas permittem, junto remetto a V. Exc.
a quantia de duzentos rail ris. Louvando a hu-
manitaria idea de V. Exc, resta-me pedr-lhe des-
culpa de niiiiha insgnilicanle ollera. Sou com e
maior espeflo o alta consideracao. De V. Exc.
atiento venerador e obrigado cralo -Jos Gemi-
niano de Araujo Pinheiro.
Gabinete da presidencia de Pernambuco, em
23 de agosto de 1873. Illm. Sr. Jos Geminiano
de Araujo Pinheiro,Accuso recebida a carta de
V. S. de 20 do correnle. remetiendo a quantia de
dutentos mil ris para as obras do asylo de alie-
nados. Agradecendo a V. S., este donativo, o Ion-
vo pelos seiitiinenljs de patriotismo e d3 carida-
de que elle revela. De V. S amigo ltenlo, ve-
nerador e criado Henrique Pereira de Lucena.
Recife, x de agosto de 1871. llbn. a Exm.
Sr. < Acompanhando o generoso sentiraentj, de
piedade que detorminou a V. Exc. a recorrer a
caridade publi ja para a fuhdacao de um hospicio
de alienados na cidade do Recife, tomo a liborla-
de de offerecer a Insignificante quantia de trinta
mil ris, que a esta acempanha Pego a V. Exc.
desculpa de minha pequea offerta, pois, na ac-
tuilidade d o que permute minha mesqinha po-
sif,o. Sou com a mais subida estima o distincta
consideragio. De V. Exc. criado e obrigado -
4iiro Jos da Prizeres.
Gabinete da presidencia de Pernambuc, 23
de agosto de 1873. Illm. Sr. Anaro Jos dos
Prazere?. Accuso recebida a carta de V. S.,
de 8 do correte, remetiendo a quantia de trin-
ta rail ris para as obras do a-ylo de aliena-
dos. Agaadecendo a V. S. esta- offerta, o louvo
pelos sentimentos de patriotismo o de caridade
aue ella revela. De V. S. amigo atiento, venera-
dor e criadoHe naque Pereira de Lucena. a
Illm. e Exm. Sr. commendador Henrique "Pe-
reira de Lucena. Em resposta carta que V.
Exc. me fez a honra do dirigrir, convidando-me
a contribuir para a construeco de um novo hos-
picio do alienados, tenho a responder-lhe, remet-
tendo-lhe a quantia de cem mil ris para o dito
fin, desejando que V. Exc. consiga a raasaoae
de to grandiosa idea. Teolio a honra de assig-
nar me. Da V. Exc. muito atlencioso, venerador
a criado Joaquim Rodrigues Duarte. Recife, 22
de agosto de 1873.
Gabinete da presidencia de Pernambuco, 53
de agosto de 873. Illm. Sr. Joaquim Rodrigues
Duarte. Accuso recebida a carta de V. S, de
hontem datada, remetiendo a quantia de cem mil
ris para as ebras do asylo dos alienados Agra-
decendo a V. S. esta donativo, o louvo por esse
.igfl'qjM revela.'santimedtos de patriotismo o ca-
ridade. D V. S-'a-nigo tleato, venerador e cria-
do Henrique Pereira de Lucena.
CollectOrias provlncjaes. .- Por por-
taras da presidencia da provincia, de 26 do corre-
te, foj creada urna colleetoria provincial no mu-
nicipjo |Je Flofes, e no eados : fised, o promotor
tahlieq hachare* Graclliano Augusto Cezar \Vn-
Brej j.collec^eivBepodiclo Hortenoio de Siquoi-
ra-Campos; eacrj*5", gaaejo Ribeiro Leite.
Guarda nari>aal Por portarlas da
presi-jencia da provincia, de 2C d crreme .
Foram transferidos, sen pedide. para o serv-
fo da reserva, fica ndo aggregados ao 2o batalbSo
iao, o eapito da 2' companhia do 13 batalbao de
ufanlara desse municipio, Miguel dos Anjos Alva-
res dos Prazeres.
Diuhelro. O vapor JVoai, levou para :
Babia 10:9734? 30
Rio de Janeiro 4<3:872(7280
Sendo que de^a ultima, i00:000 perlencem ao
thesouro nacional.
' vapor Vandalia tronxe para :
Pereira Carneiro & C. i:3ii000
Tasso Irmos $ C. < 700O)f)
- Miguel Jos Aives 600*000
Tele^raulio sulmiarlnlio custciro.
Segiindo"noficias de LoTes. pelo ultiino v;| ir
choiado da Europa, vapor inglez Great Northern
devia largar daquelle porto para o do Para, com a
parte do cabo submarinbo que deve ligar a cidade
deBelm com a faz do rio Amazonas, no dia 8 do
.'crrente. Nesles poucos dias deve chegar aquel-
te vapor ao porte do ?eu destino.
Xavioscticiiutiados Pelo patacho in-
glez Hio, eutrado hojilcm neste porto, f.ii noticiado
pele respectivo eapito baver communicado :
A 17 de agosto, ua lat. 6. O' N. loiig. 19." 17'
de Greeuwicli, com brigne inglez Reto el, proce-
dente de Wiieiohaven, com destino ao Rio Grande
do Sul.
A 22 do correnle, na lat, 4,' i'i' 5., Inng. 30'
32' de Greeuwicli, o brigue allcnio Ruhordef
Eduard, que de Ilamburgo, contava 42 dias de
viagem o se diriga Baha.
Ainlios estjs navios iam sera novidade.
Escriptoriu de euaiinisscs.-No lu-
gar competente publicairos hoje um annuncio do
escriptorio cotnmcrcial dos Srs. Luiz Felippe Lei-
te 4 Irino eitabeleeido em Lisboa, ra da Piala
n. 199, segundo andar, para o qual chamamos a
alleucao dos leitorfS, asegurando a utcircza o
a prouiplido no cuniprimeiito dai ordea recebi-
das por aquellos nossos amigos, j Bmaoacredita-
dos uesse ramo de negocio, que exercem ha al-
guns annos a contento das partes
ilustrar hesn:inliol c aiurri
cana.Acaba de chegar o n. 27 deste jornal
iiiadrilono, trazendo : cono gravaras a retrato du
ex-miufetro da fazenda D. Coiistaniino Aroanai,
vistas da praca M;iyor em Madrid, de um restau-
rante russo, das rales da praca do Santo Anto-
nio em Araujuez, da reeepcao da ex-rainha de
Ilespanba por S. santidad.; Pi IX,o visita do shah
da Persia Inglaterra. Contina a assignar-se
na ra do Cemineitcio n. 18 prim iro andar.
Tourada. llavera una em Olinda, no lar-
go do Carino, pela tarde do prximo domingo, 31
do crrente mez.
Fariulia. Pedem-nos que chamemos aat-
lencjio das autoridades co npetentes para os atra-
vessadoros desse genero di- primeira necessidade,
visto como anda hontem a queappareceu no mer-
cado foi por aquellos abarcada c vendida depois
ao povo por preco superior.
Culto s letiras. Recebemos o 4* n.
desse peridico c agradecemos Ilustro redaeco
tal cortezia.
Bibliothcca de algrlbetr*. O Sr. II.
L. Garnier, editor livrero do Rio de Janeiro, aca-
ba de encelar a pubcaejo de urna serie de ro
mancas, em pouueao. formato, que denominou
Btbliotheca de lgeiva, ao prego de IjIUO o vo-
lurae, no propisito de e>palhar o mais possivel a
leitura de boas obras, satisfazendo assim una
palpitanto uecessidado publica, sc:n grande grva-
me para a bolsa das cla-ses menos abastadas.
as livianas desta eidad acbam se venda
cerca de quarenta valames de diversos autores,
entre os quaes wn eatameult t tirar c chapeo,
A' Cica de um botnalo, por Fausto, O nariz do
lab'Uido, par E. About, A vida infernal, por E.
Gab iriau., e L'w marido por KM p di meio, chis-
t,so Irabalho de Kok filio.
Via frrea Paracnsc. No escriptorio
do English Bank of Hio d: Janeiro, ra doCom-
mercio, recebem-sc proposlas para a venda da
companhia urbana dt estrada de ferro Paraeose,
na cidade do Uelm, na capital do Para, mandada
fazer por orJeni da asjenibla geral dos accionis-
tas. Aos concurrentes serio flanqueadas as cir-
culares, esiatut is o relatnos dos aanos de 1870,
1871 o 1872. 0 prato para rceebimcnto das pro-
postaj termina a 10 de novembro prximo, no
Para.
Va)iu- Hiiitdahii. Cbfigon houtem pela
inanh de Sergipo c Alagas o vapor brasileiro
Mandha, trazendo datas do Araeaj al 'il e de
Macoi ate 26 do correal
Do Jorn { d Araeaj tr.uiserevemos:
No da 8 do|carrei)le, pe as i horas da manh,
um cscravo de nomo Deshieria, que se acba reco-
Ihdo casa de prisao i!.i capital, tentou suicidar-
se, sendo felizmente obstado pido propiio instru-
meato de que servio aa; era orna pequea (ac
sem ponta e sem corle de que osara alguns presos
para a factura de trabalhis d pallia, de que alli
se enearregam.
Este cscravo veo entregar-se pisio, decla-
rando h iver assassinado una sua rrm na villa
do Lagarto, em vista do que a polieia procede as
avefigoariSos necessaria*, para os dovidos ef-
feitos.
In lagando-sc o quo o ievr.i a pretender sai-
cidar-se, disse que por lhe constar que teria de
voltar ao pod r do seu sennor. Parase, em vista
dslo, simulado o aasassinato do quo so aecusa o
referiJo escravo.e que elle prefore, portanto, ser
punido como criminoso, a soflrer as consequencias
do capveiro.
No da 16 tevo lugar no palacio do governo a
reoniao, convocada por S. Exe. o Sr. Dr. Galvo,
doljomicio e do instituto agrcola, afim de tratar-
seda promoeo dos meios do mclhorar a nossa
laVoura, cs-a primeira industria que coostltie
quasi que exclusivamente a nossa riqueza provin-
cial.
As duas a--sociales foram representadas pe-
los seus dignos presidentes, comparecendo ura
reaeido numero de socios da primeira. S. Ex \
enunciando e;n urna eloquento expoetejk) o lim
da reunio, peJio a.s illu.-tres reprsseniantes da
agricultura narp Ha conferencia que aprsenlas-
sem as suas ideas em ordem a resolver-so o pro-
blema do pr igresso da industria agrcola na pro-
vincia, e o ainda mais intrincado da substituir-se
o trabalbo escravo que, pela le de i< de selem-
bro de 18*1 eaminhava sua prxima extinefao,
uiferecciido o Ilustrado administrador nessa occa-
sio o concurso protector do governo geral e pro-
vincial, disposto, com o lera demonstrado, a
apoiar a iniciativa individua1, de que qppendem
pri.icipalmente os suecessjs e o futuro da noss/
lavoura.
o Fallaram differentes senhoras agncu'torcs so
bre as duas theses, concluindo-se por tomarse o-
alrtrc de nomear-se, por parte das referidas as
aoetaefies c do Exm. Sr. presidente da provincia,
commissoes de lavradores, que, estudando as duas
qae.'toe, em dia que posteriormente lhes fosse de-
signado apresentassem os seus pareceres, para,
discutidos o approvados, tomarse as medidas ten-
dentes realisace de suas con:!usoc3.
E'com jubilo muito especiul que damos aos
nossos leitores conta da reunio havida, e que,
ebeios de eonfianca no moviincnto progressivo em
favor da agricultura, que pede aos poderos pbli-
cos a animaej e apoio de quo precisa as proxi-
midades de urna crise jamis supportada, con-
signamos um merecido elogio ao administrador
quo de tanto se oceupa, -e solicitamos dos nobres
agricultores da provincia os seus desvelos e esfor-
cos en prol da grande causa da nossaprosperida-
de.
Comarca da Victoria.-Lemos no Cr-
relo de Santo Antao:
M itricularam se na colleetoria da Victoria
at o dia 12 do agosto do crrenlo anno 3 35 es-
cravos, sendo o anno nassado 3396, e este auno
239.
Hontem (22) noite o subdelegado desta ci-
dade o alferes Joo Francisco da Silva Castro e o
delegado, do tormo dirigiram-se ponte e ahi va
rejaram urna poreo de ranchos, apprehendendo
algumas facas de ponta, c amarrando a um indi-
viduo desconhecido, o qual vai hoje para a capital
com destino ao exicilo, visto se ler verificado fa-
zer elle parte da quadrilha de ladrees de cavallo.
Sabbado, 16 do correte, no engenho Serra
Grande, deste termo, o escravo Francisco, crioulo,
assassinou sua mulher cora urna facada no ver
tre.
Francisco pretenda roobar a vida do todos
os filbos, e pondo termo tambem sua era ulti-
mo lugar, em c.insequencia de ter sabido que o
seuhor. o capilo Manoel Gomes do lego, quera
vend los.
a infeliz companheira de Francisco foi vis-
torlada pelo subdelegado do primeir i. disiricto, o
eBe reiolhido prisao publica .
t:asrtnfsf "tna:*-aau-^i-'nn cerr
dencia dq Fanfutla conta m>- molo a ee-
remonia:reKKt>'i. pode chamar,
que ultimameaie I ha-o lugar w>- 'airo, poroccasiw
da l'eira animal deBoiniiift.la -Jo IVopbeta :
Sahindo du Ciiro pola nova esl/ada de Bou-
lacq, encontra-se una vasta planicie, no centro
da qual se erguem as (ondas do gra.ide imn, do
governador, do preftlto lejsdlew o4H outrus fuac-
eionarios.
Defrente desta ultiimr"lere de arracas ha nm
camio o placo, sobre qaal se pa>sain as secnas
quo vamos narrar.
Um grande nuinev da fellahs, lodos de m*o
dadas, eiilraui no lo.'al, a Correr, viudo actmipa-
nhados pelos derviche, alguns doa quaes agilam
liastocs e outi'ot trazem bandeiras ou locura nos
lamboj'ini.s.
Aquello* deegraedos berrn a aglam-se co-
mo possessos, e, ii'hi re aneenr de olhos, dispoem-
se n'uma fdera, lanzara-so por trra cmn os ros-
tos veltados para o sol e apertam se ana cuitra
os outros, fonnaiido desla forma urna especie de
enliiiisii lapclu ; eatinUnto as derviche-' andam do
um lado para o ouiro, agarrando-os pela* pernas
para alindar a hcrivel ala ou agitando os seu*
manteos para lhes darem una puuca de frescura,
visto acharein-se prostrados sobre aqnefla Ierra
iiiflaiiimada pelo sol
Pouco d pois cinco ou seis outros derric
desateos, atraveatam a correr este tatwte vtente:
a vanguarda.
A multklao agita-so e os gritos dos assisientes
sueei deni-se sem de-canso ; m'o um inagniftro
cavallo le puro sangue, guiado pr uous criad,.
que o segoram pelo freip, o conduzlndu o oinrfc
sunlo, avanca, pousando as patas, ndifferoojtnvm-
te, sobre os crneos, sobre os rins mi sobro as [ter-
nas denles inseraves. Apenas o cavallo passa.
levanta-se um tumulto indescrptivu! iodo o mun-
do quer locar os foridos e os seus prente* vaci-
se obrigados a conquistar os seus curios fon.a
de muiros ou de bengaludas.
Etitretaniii o grande chefe continua o seu pas-
seio a cavallo. Sao cerca de mil os fanticos que
alli se vem estendidos, licando mais de cera fori-
llos.
Chegado ao termo lo seu horrivel tiiump!:o, o
grande sanio Toha se pira a mullida), aliene -a
e entra para a sua tenda, para orar.
Ministros martimos. A drecco de
Burean Ycrilus publica a regulle o.-lalisliea dos
siistrs martimos queso doram donata o mas
de junho:
Navios de vela completamente perdidos 8".
sendo 47 inglezes 12 frahcezes, 7 alleinaes. 7
americanos, i italianos. r nomegaes, 2 Mslria-
cos. I russo, 1 lurco, 1 dnamarquez, t sueco, I
grego e I de que se ignora a nacionalidade.
a Neste numero estn comprehendidos 18 navios
que se snpnbe completamente perdidos por falla de
noticias driles.
Vapores totalmente perdido* 12-, tendo 7 in-
glezes, 3 russos, I alleoi, 1 'francez e 1 hespa-
nbol. i
Catustroplics. N'um dos primeiros dias
de agosto, no valle d'Aure (Franca) toda; as casas
em numero de quarenta e nove, existentes iiaiucl-
le poni, foram destrtidas pelo derrocamento
d'uma montanha, o que acontecen aps um tufo,
qoe calilo napndla regia). De.'ern ter sido m ai-
las as victimas ; purera as noticias que a tal res-
pailo encontramos nao trazem pormenores.
- No da 3, c.nta um telegranuna de Digne,
inanif.'slou-se um tcrrivel incendio em Fousiers,
districto de Harcelnnnctce (Baxos Alpes) ; sendo
pasto das ehammas dezenove casas, orrasionando
este sinstro o ficareni sem abrigo cincoenta bow-
lias e em completo tesaniparo. O figo Mvrava
ainda no da 4, porm estova j circumscripio a
determinada ospaeo.
O governo francez havia enviado mil Irneae
para acudir is prmeiras necessidades daquelie*
infelizes.
Ilesastre n'utu caminlio de ferro
Diz o Uailg Neivs que o terrivel sinislro-ncpr i -
rilo na linba London and Norlh Western rJer>e
a I hora da manh de sabbado 2 do correle.
O expresso para a Esc ocia, cmpralo de 2 loco
motivas, 22 carruagens de passagems e i do ba-
gagens, parti da estacan Eus'.on s 8 horas d
noite de sexta feira.
Foi bem al se aproximar da eslaco do Wi-
gan, onde ehegou com l? minutos de atrazo. A
semapbora prxima es'.acao moslrava tndot"
e por emqusnlo nao se pode culpar o encarna-
do dos sgnaos.
O siiiblroafonteceu perto d'umas .ignlhas qae
servein para ligara buha geral oulra Ihtha pe-
quea. As dnas l.'conielivas qi\o iam frente <>>
comboio c 17 ou 18 das canuagens passamm
sillo das fegulhas mencionadas 30 passD cnstama-
do de 38 al 38 niilhas inglezas cada hora ; mas,
por algunia causa que nr.o pode ser anda expli-
cada, ou 6 carruagens da retaguarda co \vr.
do guarda du comboio foram lanc?.d..s fura dos
carris, cor rendo c>m temivel velocidade eonlra as
paradas da estacan, morrendo 11 per-s i.is e s md 1
30 feridas.
Vssussinios. .Vio menos de 0 penoas
ficain para ser proressadas pelo crime de assassi.-
nio no circulo de Yorkshro.
O jniz Muneyman, na sua falla ao jury, reparn
sobro o rugmetito de crraes no districto.
O pretendente Tichliornc. No dia
21 de fnlho, foi a 57" audiencia do julgamcnto da
celebre cansa Tiehbornc no tribunal Qurrn's Ben-
ch de Londres. Comecou o seu discurso o advo-
gado dn reo o Dr. Kenealy, que j falln oitjodias.
No dia 31 de julho foi i 60' audiencia, o julga-
mcnto foi adiado at de agosto por declarafar
um jurado que eslava doente e prorisava de al-
gnni descaoco.
O defensor ainda vai nn principio do seu discur-
so, e prometi inqnerir 200 testemunbas.
O juiz presidente declarou qne o julgamcnto lle-
vo terminar, al 2 de novembro, em que eomeca a
segrate poca judicial.
laecndiiirios. Encontramos referido n'um
jornal francez que na cidade de Dreux (departa-
mento de Euro et L ir) os habrtanles vivera em
grande sobresalto, porrausa dos numerosos incen-
dios #jue se succedem, sera se saber ao corto qual
a cama del les.
N'nm mesmo domingo apnareceu, por tres ve-
zes, fogo n'um grande estabelecimcnlo mnnu-
factor
No da inmediato, apprecia na oseada de um
predio, habitado por varios moradores, urna caixa
cheia de trapos o papis meio-queimados ; deno-
tando isto nao ter continuado a coinbustao por
falta de ar.
A polica procurava descobrir os scelorados que
em to infame o cruel obra poderaru ser autores
ou cmplice-.
Philartc Cliasles.Noticiamos ha dias
ter tnorrldo de hexigas esto distinelo ewriptnr
francez. Em nina follia eslrangeira cncontramr*
seu respeilo os seguinles apontamentos biogra-
phicos:
Sr. Pbilarte Chashs morreo no dia 18 de
julho em Vneta, no hotel Victoria. Foi urna-
grande nerda para as letiras francoza, que con-
tavam n'elle um critico (ao brilbante como erudito.
Tin ha 7o annos de dado.
Nascera em Naivillicrs, prximo de Chartres
(Franca), e.m 1798; sim pai, antigo professordo
rhetorica, era um ardente partidario das ideas re-
volucionaras. Como conseqoencia das ideas pa-
ternas, p joven Philarte l'oi educado segundo of
principios de J. J. Rousseau, isto na idaav de IS
airaos o anlgo commissarlo da convenco collo-
cou-o como aprendiz em casa de ura modestn ryp"-
grapho da ra do Daupliine, velho repubhcane
que ficara fiel s suas coiiviceoes.
t Ura anno depois, em '814, a polieia da restau-
rarlo, que va conspirates por toda a parte, pren-
den o raestre e ao aprendiz sob pretexto de cons-
piraren! contra a seguranea do estado. A crianca
de 16 annos soffreu dons" metes de prisao, sendo
solt, gracas a protoetjao de Chateaubriand. Parlm
para Inglaterra, onde durante sete annos dirigi
na typographia de Velpy a reimpressao dos riassi-
eos gregos e latinos. Compartilhou em 1817 com
o Sr. Saint-Marc-Girardin o premio de elequenel
prnposto pela academia franceza para a meihor
obra sobre a marcha dos proeessos da Hngna e d*
litleratura franceza desde o comee ido XVI secute
at 1610.
a Depois dslo enlrou pura o Joi-%oA,dos Deba-
tes. Em IK'17 foi nomeado conservador da biblio-
theca Mezarni; em 1840 iccebeu o grao de dou-
tor era ledras e ura auno mais larde ioi chamada
a oceupar urna cadeira no collegio de Franca.
Urna circunstancia pouco conhecida e que noe c-
eorre : una das publieacons. mais originaes de
1*30, os Cantes brunt, pai une Tete tctmra, a
em parto devida Pailnrle, que ueste livra,
hq raro, leve por collaboradores Balaac 9 Garh
Rnbou.
Titulo lionorifleo. O shah da Persia,
antes de partir de Pars, a?eitou o litlo da'grande
protector do instituto do Progresso, liga anti s-
noriti (^azonMive. O fia
testa sociedade, eom o indica o art 1. dos

r
/:
i
. ,
-i


f
.1
4



DiMo:-dcf i^eiMUisbiioo- Qifckia feira1^^ Igtw'^h^d.
fneto eoskictih; ekdrM
*
Jo.u,nm,s || Poaaalftueo,
K3n 0 prcs-idenl' honorario
ao'Ututo do Pregresso e grande inimigo de
todaf as strpfwti^e.
Tremores de terra.-No dia 19 de faino,
as "8"h(jtas e 40 minutos da manh, st ntio-se nm
violento tremor de trra desde Votilte a Privas
(Ardohc), as,ia como em Mouttlmart, Chteau-
noiH-du-Rhone o Donzro (Dromo)
Ew-'Montlmiart as oscRtoffe, posto que multo
sensiveis, no oceasionaram grandes esiragos.
s Algumas ehamins demasiado elevadas cahiram,
'ram 1 i. nltran^ movis, as campamhas
toefam ; trtdo I mitn a istb.
Poron em Chate:-i-neni-du-Rhonc, sitnado
oito kilortietns de Mmtllmart, foram violent-
simos os abalo?. Urnas quinze casas estilo em
mirra' e n? moradores despejaram-so o dormem
a) retento, be;n como a man-r parte dus habitan-
i fS df'nrlcia.
A igreja ficou de tal modo abala.la, que o paro-
dio, reeei.ando i] h ella desabe, celebra os olllcif;s
divinos ai ar Hvre. A agua de urna fonte, de or-
dinario jwrreitmrcme lmpida, tornou-sc comple-
tamente torva.
Em Dorure, taraboui fbram muito violentos ps
atiBs: Hia casia velln, situada Junto ao castolh,
desabou; nina o tal.agem antiga, situada na estra-
da real d Pars Marselha, ameaca ruina c so
forea (fe estiras que* tem deixado de cair.
Unidos pilares da ponto Viviera; sjbre o Rhoda-
no; est rendido.
As aldeas de Une, Alian, les Granges, Gontar-
-des.Prr'rdatlo, senir'am especial os effeitos d'este
tremar de trra e em cada nina destas localidades
se aponfn alguma parede ou algum tocto tendido-
Oh theutros na Persia. L-se o se-
grate na Frene* ;
c Vimos Mpncaro mntivoda admirarlo do
shan pea rprosenlacao de gala da Opera e por
todas quantas Ihe tem sido dada-
Os per-as nao conhi'cem os theatros propra-
mente ditos, ou, po^outra, eJilicios construidos de
proposito para se'Marem nelles represontacoes;
nio levam scona sen.o asstimptos religiosos, on-
de apparecem sem cessar os lh >sde Ali. urna es-
pecio de mysterios muito semelhantes aos que se
representaram entre nos durante a idade media.
Estes mysteri is exhibem-se nos bazares, sobro to-
n?is ou gigos c ib?rtos de um tablado.
O fundo desta scena primitiva figurado por
urna grande cortina Je lustrina azul. Como do-
cora mduram-se as paredes armas, pel-
los de animaos, cachimbos e tudo qnanto pode pa-
r-cer no<"o ao publico .habitual.
O mais insignificante dos nossos rasos teria
alli um lugar de Uonra.
Osas.-Fien'es considerrnosla* representacOes
como urna solemnidaie religiosa, dand isso causa
ao fanatismo e a xtasis communs todos os po-
vos dd Orien:e. llepetidas acclama-;des acolhem
os actores, ouvindo-se a cada passo gritos estri-
dentes de khoule, Alt 'khoiile (muito bem, muito
bem).
t Estas palmas sao timbcm profer las pelo
shah e as pessoas que na Opera Ihe estavam pr-
ximas ouvirarri-Ih'as muitas vezes.
IVviifsviglo. Annuii'-ia-se o naufragio de
um grande vapor nglez o Ncgritia, que partir
drt Londres rom sommas cVmsideraveK armamen-
tos e material de guerra destinados expcdieo
coutra os ashenties.
O navio, em consecuencia de nm nevoeiro cs-
pesso, dora de encontr nina'rocha de Carpcn-
ter, no momento em que passava por defronte da
Serra Lcoa, as costas de G.iin, e, nbrindo logo
agua, perdeo-se completamente.
A tripola^n e os passageiros. entre os quacs se
achavam nmifos sabios da soeiedade Geographica
Alloma, poderam salvar-se.
V etyismlo^ia do titulo de czar. -
Cma fulha francoza publica o foguinte :
O stiah da l'ersia, ao que parece, sa! o alauma
eoqsa de philologia, .->gun lo os jomaos ruSsos, o
soberano ori-nl.il leve ha ;>ouco eom alsnns saliios
urna tanga discusso sobre a civaiologia do ttulo
do imperador da Kssia, czar.
< A Opinan de .\assar-Eddin que esta pala-
vra nao deriva de Cezar, como se ere geralmente,
mas sim le shuh.
i brgai
7 anno'
!>0
::an!o Antonio^
Antonia Mara da'Coneeeao, prela, frica,
anoos, nlteira, Boa-V4sta ; Telhice.
Clara Mara da Coneeieao, parda, Pernambuco,
31 aanos, solteira, S. Jos plenriz.
- 85 -
Maaoel Urbano (b Espirito Santo, proto, Per-
nambnco, 51 anno, casado, Boa-Vista ; parv
I y ia.
Maiielmo Caetano Barbosa,, preto, fto do, Janc|-
ro, 13 auDos, sultairo, ^ Josa; tubtroufos palma-
nares.
Anaa, branca, (ignora-se a nacionalidade) 80
roeies, Santo Antonio ; combuatao.
.Manoel Francisco de Souza, pardo, Pernambuco,
2J aunos, solteiro, Boa-Vista; tubrculos pulmo*
nares.
Eslophania, branca, Pernambuco, 16 das, S. Jo-
si; espasmo.
Hennqucta Mara da Paz, branca. Peruambuco,
43 anaos, solteira, Boa-Vista, Hospital Pedro II;
deiinUria chronica.
Luiz, branco, Pernambuco, 33 dias, Boa-Vista ;
espasmo.
Juao Nepomuceno Das Barreto; branco, Per-
nambuco, 20 annos, solteiro, Grapa; tubrculos
pulmonares.
Olympia Chaves de Lvra, parda, Pernambuco,
17 annos, solteira^ S. Pedro Martyr; bexigas.
Umbelino da Silva Santos, pardo, Pernambuco,
30 anms, solleiro, S. Jos; anemia.
-26 -
Francolino Alves de Mendonja, pardo, (ignora-
se a natnralidade), 13 annos, solteiro, Santo Anto-
nio; thisica.
cantes provado
ida aaeiaMldalcr aVetU"!: nomeado.
Do Unta
caixeiros
Silva Ma,nta
-Na forma
ovaram .
Iros.
De S Leilao ^Coimbra, dem, sendo O* calxoi-
)rma pedida, snd*rrae os snVplicailes nao
provaram a allegada uacionadadu ce seus cai
xeiros.
ros nooieados Joo Teixeira Bastos a*MamJ*I Li-
bamo Teixeira fastos.-Como pelnf'os snppli-
cintes, que nao provaram a nacionalilade allega-
da dos caixeiros nomeados.
pe Adolpho Teixeira -topas dem, sendo que os
caixeiros que nomeou rhamam-se Augusto Ti-
xeira Lopes o Francisco Moreira Netto. Como re-
quer, sen lo que se os caweiro; noifados sao bra-
sileiros, como allega o supplicante, wto n3o o pro-
vou de modo algum.
Pa cumpanhia ViMcMpublica, declarando
me tendo obU^a a cTfo patento muta da presi-
dencia da provincia, cnsdierapdo-a constituida,
reqaer edital.-procedase como no caso do JewLondon
and Brasilian Bank Lnajted.
Da compannia indtza Uoion Marini, replicando
ao despacho do trmuaal jal I do correte, para
que se reconsidere este e se mande registrar os
seus estatutos.Diga a secretaria,'declarando se
' proenrapiies que em cajos, idnticos teem
Vfh
op^'fmtt iifki tantos
ra cadeira prosidenciat), dedicando S.
Bxc. todas as suas foms intclle.'tuaes e ntoraes
ao bem pubncp, emdBnho.cnlio se tora mostrada
cxfrenuoliijador?
?Lps Wihciorcs *j jornal oposicionista otuam
negar i qu tu loa vent!
' Vm&a, o s3u cpales, quaivjo folqua ela
provinoa>va, um a^imfradur, que'n. mo
espaco do a ueies lu^.-se pin bpuM dcl|a uun.
lo que o Ex ni Sr. oiipmeudador Lucena lein pra-
ticad".
Toraam-se.ite*a/y,h;Toi jv/ u falt!1 fe'jo
um i as
Mara, escrava, prela, (ignorase a nacionalida-
sido-exhibidas no tribunal,- veirf sempre especial
mente declarada a autorisaeao para fazer-se o re-
gistro.
De Jos Gonpalves 1*menta, registro do contra-
to celebrado com Jos Antonio de Castro Porto.
de) 36 annos, solteira, Santo Antonio; molestia do
coradlo.
Guilhermina Maria do Espirito Santo, preta (igno-
ra-se a naturalidade) 2o annos, solteira, Santo An-
tonio ; de parto.
Manoel, pardo, Pernambuco, 8 mezes, Santo An-
tonio ; dentico.
Antonio Jos Mathias, preto, pernambnc, 36
annos, solteiro, S. Jos ; varilas.
Paulino Ferreira da Costa, branco, Portugal, 40
annos, casado, Boa-Vista ; cislite aguda.
Capitalina, parda, Pernambuco, 40 annos, sol-
teira, Boa-Vista, Hospital Pedro II; eachechia sy-
philitici.
Maria Delfina, preta, Pernambuco, 40 annos,
solteira, Boa-Vista; hepatite.
Bernardo do Souza Reis, preto, Pernambuco,
33 annos, evado, Boa-Vista; pneumona.
Para nm homem que se diz o rei dos reis po-
(Ura ede decidir a que.-t o de outro mudo ?
t Nao do hojo que a etymologia da palavra
czar tem sido- assnmpto do discursees Alguns
'
ipto do discursees Alguns
e.Teetivamente a identiflcam com a terminacaa dos
nomos dos anfigo reis da Aseyrfa, taes como Pha-''
lassar, .N.iholassar, etc. ; outrs. ao contraro, ad-
mittem que ella do-va do ('car.
At ao XVI scale dava-se geralmente o titu-
lo de gnn-duque aos governadores das diversas
provincias nis.-as. Foi o gran-duqno Wassily Iwa-
no-Aiicli q^ie iisou o primeiro titulo de sanutr-
i oa autcrata, era 1303, e Ivaa II, Wassillo-
witch, o cruel, fui coroado czar em 1547.
Desdo e.-ta poca os monarchas russus insli
f lularam-se czars de Moscow, c, depois da con-
quista da eqnena Bpssia e do Smolensk, denomi-
naram-se czars de todas as Rnssias.
Ao litlo di czar, Pedro 1 juntou o de mpe-
rior e o novo rasso emprega-a frequentemente
o Wm1 Gtssttdar, que se poier tradtizr por
hospedar, oa para melhor ns fazermos comprc-
h >:i lor teiihor, em vez de czar.
t Qinnt) no shab poderla, se ss> Ihe conviese,
mndnr i ?eu titulo e usar do de khan, que nao
tjiii provavelmente outraorigem satiaona palavra
ingle kmij (re:), em saxorno cyning, em saos-
Crpio adfanniM, (pai).
Expcrienia interessnnte Conta
rma Iha estrsngeira que ^e fez ha das no hos-
pital ger.il de Milao una experiencia muito inte-
rossnnto.
Tratase da Irnnoisle do sangne execntada
sobre om infeliz ataca lo de hvdrophOBia. E' a
vez me se tanta tal rtedicato contra es-
ta terrivel molestia.
Os resultados da experiencia anda nao eram
Mohecidos.
Nava epidemia. L-se o segunte no
Globe:
, a Acaba de declarar-te em Venna urna epide-
mia de nova especie. Sen ser tao tena que faca
perder aos viajantes o gosto pela viagem, com
tuilo bastele ineimnoda.
, De alguns das esta parto os passcianles ex-
perimentam nopinadamente a sonsacan lesagra-
iivel de nina picadella como a da abellia, mas me-
nos grave.
c Verilicu-se que ella provino* de nm inseto,
Quja especie pertenee ao territorio persa. Sup-
poe-se mo os ovos se achavam nos volunte* da
exposi.;ao persa, c que o calor fez sahir os
gerraeas. .
Lotera.A que se acha venda a 64.*, a
henellrio Ja irm mi ido de Sant'Anna da Madre de
Deus, a i|;ial extrahir-se-hn no dia 36 do cor-
rente.
Casa de detnneo.Movimento do du
K de agosto de 1873 :
^xistiam presos :i, entraran! 3, sahiram
i'xistem 3-48.
A saber : .
Nacionaes 247, mlheres 10, estrangeiros
oaeravos 42, eteravac 3.Total 348.
Alimentados a custa dos cofres pblicos 292.
.Moviin-iUj da enfefmaria do dia 26 do asoslo
da 1373:
Te ve baixa :
Antonio Fulorencio de Paixaoplsnrodvnia.
Tiveram alta:
Manoei Nery Teixira Borba.
Manoel da Mocha.
PuHKa^eiros. Sahiram
barca portugueza Despique ] :
.Domingos Jos Rodrigues, Joaquim Monteiro,
Jol Alvcs Fian'isco Perera Pega?.
Samaos para os portos sul no vapor bra-
sileire M'Wqutz de Gaxiat:
PlacidoH.de Olveira,'Daniel Hormelindo Ri-
bairo, Vicente A Gomes, Vietorno R. Pacheco,
Manoel Joaqovn de Maltis, Ronifacio A. de Brito
Nicolao Pugetore, Frederico Peones, Jacinlbo !
i^ite, 3 pr.oas de polica e l sargento.
Entrados dos portos do sul no vapor Man-
dahu :
Candido S. de Mello, 1 sargento, 1 praca de
Solida, 1 mulheT, Francisco Antonio O. Osorio,
aturnino A. de Mattos. Algernoa Ozanne, D. Pau-
la dos Santosi,ainoi. ( Ulnas menores, D. Libo-
rala dos Saint}*; Francesco Maria, Frei Jos Ma
ra Colanceta, Miguel ferreira la Costa e Francis-
coLopes, Julias Fraenkel.
em*tri pntittco. -Obituario do dia'84.
Amelia/parda, Pernambuco, 7 dia?, S.lo; es-
pasmo.
Franci-co Gomes da Monezes, pardo, Pernam-
beca, il anuos, wltoira, Boa-Yisu; varilas.
Maria da Con -dclu), preta, frica, 33 anuos,
olteira, Boa-VMa ; hernia estrangulada.
Mareolino Joaquim Soares, pardo, Perna*uco,
38 annos, casado, flon-Vijla, ii#pitai Pedro II;
rtscrofulosa.
HROMCAJlilDIAKIl.
Tribimnl do coniiucrcic.
ACTA DA SESSAO ADMINISTRATIVA DE 21 DE
AGOSTO DE 187.1.
PBHSIDENCIA DO KXM. S. CONSKLHEinO ANSRLMO
KI1A.VCISC0 P8RETTI.
A's 10 horas da manha, presentes os Srs. de-
putados secretario Olnto Bastos, Lopes Machado e
os Srs. snpplentcs S Leitao e Alves Guerra,
S. Kxc. o Sr. conselheiro presidente declarou
aberla a sessao.
Foi lida e approvada a acta da precedente
sessao.
EXPEDIENTE.
OITicio da presidencia da provincia, eommuni-
cando ter dispensado companhia Utilidade Pu-
blica o intersticio de sessenta dias da le para po-
der proseguir em suas operacoes.-O tribunal fl-
eon scente, o rcsolvcu nada a respeito mais de-
clarar, urna vez qne sobro facto idntico ja ex-
pn-ssou com toda a clareza o sen modo de pensar.
Respusta de Antonio Joaquim de Vasconcelos,
ilada sobre a reclamaeao de Franeiseo da Rocha
Pa^sos Lina, que se oppoe sna moratoria. O tri-
bunal resolveu que se remeltesss com officio ao
Sr. r. juiz de direito especial do commercio.
Oflicio do Dr. juiz de direito especial do com-
mercio Mandou-se com vista ao Sr. desendiarsa-
dor fiscal.
Foram distribuidos dous lvros, eajiiador e ap-
pcmdicc de diario do Souza Moulinho & C.
DESPACHOS.
Requer lientos :
De Manoel Perera Lomos, para certificarse Ihe
se sea lillio Jo> Perera Lemos tem nomeacao re-
gistrada como caxeiro do supplicante. Certifique
se o que constar.
De Bernardo Jos da Costa Valento, para certl-
ficar-se-lhe tambera se Joaquim Jos da Costa Va-
lente cu nao s;u caxeiro.Certifique-so o que
constar.
De Manoel da Costa Rbeiro, igualmente para
certilicar-se-lhe a nomea^o de su caxeiro Jos
Tuinas de Albuqnerque Cunha.Pasae-se cerlido
do que constar.
De Domingos Jos Ferreira & C.. anda para
que certifiqese -ser ou nao seu caixeiro Jos de
Almeida Res.D-so certido do que constar.
De Jos Pinto Rbeiro, dem quanto a Guillierme
Goiiralves dos Santos.-Passe-se certido do que
constar.
Do Joao Barbosa de Luna, pedindo baixa na
nomeacao de seu caixeiro Felizardo da Silva Fia-
ga.Deferido.
Pe Joaquini Geminiano do Anuda, para dar-so-
Ihe coi lidio dos registros ns. 2,798, 3,7- 6 e 3,7)7
seus caixeiros. Como re-
<-, ,,.,.. v_*in i,ir><- /tlHlflIlli UD I
Vista ao Sr drsembargador fiscal.
De Manoel Pedro Alvares o Manoel Ferreira da
Costa, registro do sea contrato. Vista ao Sr. des-
embarcador fiscal
_ Informa^o da secretaria, requisitand i urna co-
pia dos estatutos da companhia dos trilhos urba-
nos do Recite a Oln>e Beberibo.-Deferido, em
conformidado da infbrmacao.
COM O P.iBsCKR FISCAL.
Pctipoes : _^^^
De Paulo Jos Gomes e Manoel Joaquim Lobato,
registro do contrato social por elles celebrado.
Nitisfaeam os snpph'cantes a exigencia do parecer
fiscal.
De Joaqaim Jos Ja Silva Gumaraes c Antonio
Martins Moreira, dem de seu distrato. Como re-
querera.
Do Clementhio de Farias lavares e Justino Po-
reir de Paras, dem de sou contrato. Regstre-
se na forma do decreto n. 4,394.
De Marcelino Goncalvcs do Azevedo e Francis-
co de Souza Guerra, registro do di-:lrato da firma
Marcelino & C. -Soja registrado segundo o dspus-
lo no decreto n. 4,394.
De Francisco da Rocha Passos Lins,' apresen-
tando d cumentos para provar s-er credor de An-
tonio Joaquim de Vasconcellos, impetranlo'de mo-
ratoria.Foi entregue ao Sr. deputado SteUo,
tnico membro que se ar.ha presente d'enlre os
que teem de deeir it'mdafijrra.
Summario exofBcio contra o corretorStepple,
Por -fugmento de corretagem. -Fie,a marcado o
da 23 dj corrent para o julgamnto, "sendo con-
vidado o Sr. de-embargador fiscal para assistir a*
mesmo julgamnto.
Summario instaurado contra o corretor Silveira,
po/ falla de cotacoes. -Fica designado o dia 28 do
corrent para o julgamnto, sendo convidado o
ir. dcssembargador fiscal.
Ao meio dia foi levantada a sessao para eotrar
a judiciaria, e sendo de novo abena una hora
da larde, S. Exc. o Sr. conselheiro presidente en-
cerrou-a s duas horas, por nao haver mais o que
despachar.
17,
H
para o Porto na
br*#ca,':ternmbaico, 39 anpos. casada, &rm\
molestia de peito.
das nomea.oes do"
qurr.
De Parral & Perera, idem, sendo o caixeiro
Liiiz de Franca Vianna.Xa forma requerida.
De Charles Pluyn, idem -de seu caixeiro e qual
o seu nome.-Sim.
De Agoslinho Rbeiro da Silva, idem se era ou-
tubro de 1871 lora registrada a nomeacao de seu
caixeiro, o qual u seu nomo.-Xa forma reque-
rida.
De Antonio Pereira Dias, idem se em novembro
do 871 idem idem.-Cerlifique-se.
De Tarares & C, idem se em iulho de 1871
idem idem. -Sim. '
De Francisco Gomes de Oliveira Sobrnho, certi-
do das nomeaces .lo Francisco de Pinho Borges
Sobrnho e Antonio Florencio Goncalves Braga,
sendo a nomcago deste ultimo agora apreeata-
da.Pa-sese a certido requerida. Em lempo
devolvase ao supplicante a nomeagao junta,
que nao se refere a presente noticio, alim de que
com a msina nomeacao requeirar os supplicanies
o que Ihes for a bem.
De Pinto da Silva V Cascao, certid.-So das no-
mearoes de seus caixeiros Alfredo Fiuza do Oli-
veira e Antonio Jos do Souto, sendo tambem a
nomeacao do ultimo agora apresentada.--se
aos supplicantts a certido requerida, devolrond-
se-Ibes o documento iunt), de que nao trata a
presente peticio, afim de que com elles os mesmos
supplicantes requeiram o que entenderem conve-
niente.
De Lapa Primos dem, sendo o caixeiro Jos
Trajan de Oliveira, cuja nomeacao s agora apro-
sentam.Passe-se a certido requerida, entregan-
do-se aos snpplicant a nomeaeio junta, sobre a
qnal nula requereram na presente petieo.
Do Francisco Jos d-is Passos Guimaro1', idem,
chamndose o caixeiro Francisco de Paula Fer-
nandas Moreira. Passe-se a certido do que
constar.
De Americo & Irmos, idem se Clandino Fran-
cisco (Jarcia 6 ou nao seu caixeiro. Como
pedem.
De Ago jo Cesar ou nao seu caixeiro.-Sim.
Do Joo Remigio do Albuquerque, submettendo
a registro a nomeacao de seu caixeiro Jos Bento
s Souza.Registre-se a nomeacao junta pelo sup-
plicante, que nao provou a allegada nacionalidade
do caixeiro nomeado.
De Joo Barbosa da Silva, solicitando seja regis-
trada a nomeacao junta de seu caixeiro Ismael
Rodrigues V'ieira.- Registre-se a nomeacao apre-
sentada pelo supplicante que allegou, mas nao
provou ser brasileiro o caixeiro nomeado.
Do Moraes & Pinto, apresentando a registro a
nomeacao do caixeiro concedida a Alipio Ferreira
Antune?.Proceda-so ao registro pedido.
De Manoel Gardo Ayres, trazendo a registro a
nomeacao de Ignacio Jacques da Costa Guimares,
cuja naeinnalidado j foi provada.Sim, ?endo
como allega.
De Alvares Qnental 4- C, snjeitando a registro
a nomeacao que derara a Theotonio Pereira de
Macedo Bastos. Seja registrada a nomeacao apre-
sentada pelo supplicantes, que nao provaram a
allegada nacionalidade dos seus caixeiros.
Pe Domingo Manoel Martins, tambera pedindo
o registro da nomeacao que deu a Pedro Affonso
de Hoitanda Chacn. Registre-se"a nomeacao
offerecida pelo supplicante, que nSo provou ser
brasilero, como allega, o caixeiro nr/meado.
De Joao Jos Rodrigues Mendes, idem, sendo os
nemes dos caixeiros Jos Francisco Xavier de
Mello, Tertuliano Estanislao da Costa e Manoel
Estanislao da Costa Jnior.-Como requero up-
prtcarrte, que nao juntou prova alguma da allega-'
da nadonilidade de seus caixrt.
De Fernandas 4 Sexis, idem, efi'amando-se o
SESSAO JUDICIARIA EM 13 DE AGOSTO
DE 1873.
PRESIDENCIA DO E\.\l. Sil. r.OXSELHEmO ANSELUu
KRA.NCIoCO PKIIKTTI.
Secretario interino, o offkial Torres.
inte e cinco minutos depois de meio dia, re-
unidos os Srs. desembarsadores-, Silva Guuna-
raes. Reis e Silva e Accioli, os Srs. deputados
Olinto Bastos e Lopes Machado, e os Srs. sup-
penles S Leto e Guerra, S. Exc. o Sr con-
selheiro presidente abri a sessao.
Foi lida e approvada a acta da precedento
sessao.
Presentes os livros dos registros dos protestos
de letras, verificou-se que o do escrivao Albu-
querque tinha o ultimo protesto o n. 2,914 em 23
do corrent, e o do escrivao Alves de Brto o i.
2,8o 1 em 19 do mesmo mez.
ACCOBDAO.
Foram asignados depois de ldos os que havam
sido proferidos na prxima passada sessao nos
feilos entre partes :
Apnellante Antonio Duarte Carneiro Vianna, ap-
pellados Joo Baptista Gomes Penna e Antonio
Cnmaco Moreira Temporal, como admuistrador
de sua mullier, e outros; appellantes embargan
tes S Amorim & ., appellado embargado Safas-
llano Severiano Mauricio de Hollanda.
ADIAMENT0S.
Sendo propostos os feitos que se seguem, dexa-
rara de ser julgados em consequencia de adia-
mentos offereciJos pelos respectivos juizes c 'in-
morciantcs.
" Appellantes Braga Irmo & C, appellado Fran-
cisco Bezerra Borges ; appellante Francisco Ftr-
reir Bailar, appellados os admini.-tradores da
massa fallida do v'agalhes t\ Irmio ; appellante
Jos Pereira le Sampaio Guimares, appellados
os administradores da massa fallida de Mar pies,
Barros & C. ; appellante embargante e embarga
do Manoel Xunes Parreira, appellados embarca
dos e embargantes Corga & Irmo ; appellantes
aevenano Irmo & C, appellado Francisco Pinto
de Souza Xeves.
C 'iiliua adiado o feito em que sao parles ;
Appellante a companhia The Liverpool and In-
surance Company, appellado Josu Materno de
Azevedo Santos.
E sobre a mesa, espera que compareca o Sr.
de-embargador Doria, oem que s-) :
Appel'anle Jacob Cah, boje seas herdeiros, ap-
pellada D. Del lina Telles de Menezes.
&ASSAQKNS.
Do Sr. desembargador Reis e Silva ao Sr. des-
embargador Accioli. Embargos infringentes.
Embargante Joo Chrstiani, embargados Carlos
Pinto de Lemos (1
Do Sr. desembargador Accioli ao Sr. desembar-
gador Sdva Guimares. Appellante Joaquim
lneas Gomes da Silva, appellados Jeronymo Del-
suce D rsu a Carolina d Rocha Miranda.
sspEjfXo.
Em consequeucia de se terera a verba lo de sus-
pedos os Srs. desembargadores Beis e Silva e Ac-
cioli, S. Exc. o Sr. conselheiro presidente requis-
tou do Exm. Sr. conselheiro presidente da relaco
a providencia legal para continuarse na revisio
do feito entre parles:
Appellante o major Jos Guedes Nogueira, ap-
pellado Epaminondas d\ Rocha Veira. te.-iamen-
teiro, e herdelro de Firmino Teixeira de Moura.
ACCRAVO.
sempre lembrado conde di' Bija -Vista, squeeiJos
de que as,se legaodario paTUiibucano . Steiqaan!?ai* soffreL' da '"ll c 'ucida op|)osieo
liberal. Pots nao se lembram dos mcetinni dos
pamplelos iujur^saf d'aiiielles lempos?!
Nao estove .segi-u coado. ja Bo,u\'i te seu govorno %WdVofsfe'8a 'diAiha-o e dos
doestos ? I
AUf nislo lia pon de contacto entr as duas
o que semoreToram : egostas" fiemT^io
proinovm|^, Uo dorpa quaado esli na poder,
nem sresignan a quo outros o f.aeam.
Eaganam-se os Srs. da Plootncia, quando pen
sam que sao de encommenda as dolosas quo faze- J
nios a aotual administrau. So tjea enojiniaen-
das eilivcram era moda nos bom torapos do pro-
gresso.S. Exc. o Sr. coinmendaloi*Lucena nio
tem necossillado nrt' teria x m inspira?io de
querer imitar queJIe-, cujos exemplos repelle
do alto de sua dignidada possoal.
. Defendendo a adminislr,\cfc) dos ataques inso-
lentes 0 acrmioni sos da mis desleal opposIcSo, o
partido conservador cumpre exponlaneamente um
dever de honra, ao mesmo tempo en que exerce
um direito, qpe nio Ihe podo ser contentado.
f-. Exc. o( Sr. cjuiraimdadr Lucena asta sempre
em guaada aoi golpes da pposi..-o, e. fal-o por s
de modo. airos do seus actos adniiuslraiivm. I^a a pposiyaa o
expediente do -overo i ; pegue a esmo o de qual-
quor da, e ahi encontrar rososla cabal, digna
de um cavalhiro dislinuto, aos seus ataques e in-
fundadas accusa;ocs.
Atarefad cii os inei ir.wnentos mateiines da
provincia, S. Exc. no.deixa em abandono a parte
adminLslratva que maj* se prende aos interesses
locaes, e as gar unas individuaos de seus gover-
nados, nem iiiesmo quanlo par isto incorra no
desagrado de seus proprios correligionarios.
Xao avaneamos proposico que nao prevemos;
e seos estadistas da Provino i quereui um spe-
cimen da vindicta que S. Exc. costuma lomar da
to desqommuna'es agrsses, euconlral-o-iJo no
seguinte odlcio, publicado no expediente do Diario
de 20 do correute:
2.' seccilo.
Ofljcios : .
Ao Dr.chee de polica. Constan lo da in-
t'ormajfijo do juiz de direito da comarca de Cim-
bres, qual acimipanhuu o ofliijio de V, S. de 2
do corrent, que a aecusaco feita pe) jornal
PrgeiacUi, de lodo abril ultimo, ao subdelegado
de ditrcto de Ollio d.'Agua dos Brodos, em
parle procedente, visto como assegura que os
crimiooios indicados pelo dito jornal sao prote-
gidos por um irmo do mesun subdelegado, qu-
por isto os tem aoixa'o de persegnlr convin que
V. S. proponba a nedi la que julgir conveniente,
porquantoaquellaautoridade nio devo enitinuar
a exercer o cargo, de que so adha revestido.
Aipieltes ipie nio Irrram torgas para governar
assim, nao li direito aspirar do novo ser gober-
n, e muito menos a querer macular a roputa.-ao
do quera su bu ier a energa e louvavel disposi;Jo
de nao onhecer lei mais imperiosa do que a do
cumprinieato do dever.
Era q-ic- Mirabuau nao tinha meta da liberdade.
como os liberaos da Provincia.
G. do Mohnari, convencido da verdade de suas
ideas, ele 'a hymnos liberdade, e diz que succede
cora as nstiluicoes, o quo saccodo com as machi-
uas ; quando as novas sio erdadeiraniente supe-
riores as antigs, quando constltuem um progres-
'P realrcllas iiiipueiii-se pela (orea das coasas, e,
iquer pela propaganda directa da verdade, quoi-
Beto seu naim-al lampejo, o progresso se e.xecuta.
Molinari detesto a torea o declara pertencer es-
f. persuasaj, ff que ello fvl coqu.uica em
-Mas ideas, o por isto, ai ;nvez tos libara da
provincia, eno IM tem niado da liberdade.
Perapte estes dos typos como se rebaxam u
lllieraes daPrai>iHcia,9i liberaesquetem nielo iuu
rejan) da liberdade ? I" que, sera duvid, elles
n) tee.n coufiaiieaen suas ideas, ou enlaonao
teem couliain;.L en s I Em qualquer dos casos,
nao estoremus em ii>*k) direity, d;aunciando-os
ao aiz ?
Liles s.j engauaiH I
deutes sem dr; elles que dissiniulain a dor
qoescnteui pelo (lentes queso I lies arrancara.
Nos procuramos arrancar
que
FOGOS FATUOS.
Iiicontjruenciti.
Os uossos costuraos polticas, quo viciara as
urnas, ni, sao do povo brasileiw. Diga-so quo
sao os costamos do1 govorno da raonarcha e ter-
se-la dito a verdad.
Eis ahi a coherencia dos mjnarcniatos da Pro-
vincia i Dizcm-s'o amigos do systema, e a ello at-
tnbuem osdeleterios co.-tames, que viciara as ur-
nas eleitoraes.
A degenerac) do systema representativo, as
fraudes e violencias eleitoraes tem sido falsamente
attn buidas, segundo a opiniao dos lioinens.da Pro-
ctncia, aos nossos costuraos poltico-, conforme
anda este anno foi allega lo, na falla do throno.
Ora se os lberaes alllrmam que esses costumes
que deturpamas cleic-5es, sao filhis do govorno da
uonarcnia, e propugnam com f robusta, pela re-
toruia e depuragio dos mesmos .co.stames, clsr*
que desojara ao mesrai leifepo extinguir a causa
que os tem pro luzido, destruindo a monarebia.
ixemlu que duvidar da exaetid'i) do um tal ra-
ciocinio quando os proprios liberaos aeresceutam :
Abra-so a^ historia e ella ensillar quito poderosa
tumes pblicos; abrase a historia e ella dir
tT quo monarchas corrompidos a corruptores,
prodigjs, dissolutos fazeui os povos corrompidos,
dissipa tos e imprevideatos. -
E ne.n se diga que os lberaes da Provincia,
quando assim se exprimein, nao se referera ao rao-
nareln ou anioiiarchia, pois que elles nio fazem
islinceao de gocemos -Umfraco rct faz [raen a
forte gente.
Cuino se v a allusio nao podo ser nem niai-
clara, nem tarja pungente.
A co prto dos lilioraes do Sr de Villa Bella nao
respeita pos-io, sexo, dado, fi erapenlu de fenr
a monarebia e o seu uviol vel chefe, nao medem
expreosoos por mais arrojada que seiam :
Xascem de cima os exemplos da corrupeo;
tanto podem os exemplos fio. vera do alto
Lberaes moiiarehistas da Provincia, nao podis
occuitar os vossos iuUiitos. Vos sois os humeas
de todas as"pocas. Estaes promptos a abracar o
a bajular a monarebia, quando estaes no poder, e
entao usaes e abasaos; apenas apeados do poder,
quecomprometais e desacredites, nio duvidaes
attrbuir ao systema, os vicios e a corrupeo que
e obra vo.-sa, exclusivamente vosea.
Aggravanle Aridr* de Abren Porto.'aggravados
Ferreira & Marti; s.
O Exm. Sr. conselheiro presidente negou pro vi-
niente.
Encerrou-se a sessao 1 hora e 10 minu-
tos da tarde.
' i i-'"'
PART POLTICA
ia de
aceitara
caixeiro Antonio Ferreira da Luz.-Omo pedem
Warcribea do Xascimepto So^ra Ourmaraes, os stmph'cantes, qne nao'provaram como alie-
1MRTIDO C01iERVAnUR
RECtFE, 28 DE AGOSTO DE 1873.
A verdade como a ilha do Calipso para os
que a tocam no intuito dedeturpa-la : nao o fazem
impunemente Ap6s os sobresaltos de conscienefa;
vem o izo severo da opiniarj publica, juizo tnexo-
ravel, do qual nao ha appelto nem aggriivo
A verdade dos factos impde-se, nao preciij
demonstraco; ai daquelleS qne nao
tal sual
Por mais que Se esforcem s carpidoras da
opposico no tacanho proposito de atira taiVos
prestimosa admimstracao do Exm. Sr. commenda-
dorLarona; por mais que projectera iuntra a
pessoa do distincto pernamhucano as sellas saiui-
radas de odio e de rancor, marcha a adriTinistra-
co desassombrada no cminhe glorioso dos mag-
nos coinineltimentos, cahindo sobre a pessoa do
illustrado administrador as heneaos da grande,
raaioria da provincia, que v em sTExc. o nitelli-
gente, honesto o bem intaacicoado iniciador de
seus mais importantes elhoramentos,
Quem nao se expande em justas emeoiWe
praz-r ante o movimento songetro e- nspietoso
,em que vao os aie/berM interawas 'dh provincia,
sob o impulso beneiico de S.lxe.. qua nao se
poupa ura niomento ao-bum^t'sempefl'ho da' arlia,
o, que Ihe foi conffla? "
?am, srem hrasileiros os caixeiros Vlotrrefdos.
i; Jos Luiz Gonrsives Ferreira &<;, idehr,
Quem nao admira, tnesjrov Jj^j'^dlsapegi.Mos-
Os HMM-.Mg o osauteuii
X.io nosso intento dar li;i*ies de liberdade aos
collegas da Provincia, por.n q aua nos parce-' in-
contestavel que elles nao vo bem com o libera-
tismo que addptaram e com o qual uretendem con-
tinuar, pois apresentam-se como inimigos do seu
proario programma,u o programla de um partido
nao i un bruq edo de eiean.a o antes ura coni-
pro.msso seno peranto o paiz.
Altcndeado asta ooaai toraco, em artigo ante-
rior, denuncia nos o partido I beral aulc a opiata)
publica de faltar, j de bem odo, s suas pime-
sas e apresevilar se con medo da liberdade. A' pata
censura apressaram se era responder os collegas
la Provincia (1.1)8), dicen lo que, com quanto nao
os tivessemos insultado, todava, cairo D. Juan
Xoguer, procuravamos arrancar dentes sem dor.
\utcs tle tudo convm dizer qne nao eserevomos
para insultar, e se afanas escrlptor.es do Diario
tem sid severos, nao tem feui maU do quo de-
volver a lama iwm que nos tem pretendido mi-
mosear. Nem, como pretende, d a Provincia
prova de rao leraco chamando-nos de hislnoes,
man ando-nos procurar oparoe perguulando-us
peto salario. Q lejaudas aceusagoe nj nos alean-
gam.
Deixaudo este incidente de parto, pizoramos
ver o partido liberal tomar iris condicoes actuaos
a posicao que lliocampte, que tora silo tomada
e;n idnticasconjincluras pelo partido liberal de
outras nacoes, o quo entretanto foi to vergonho-
sameiite desertada pelos Srs. Nabuco o Zacharias,
com laprovacio nao menos vwgonhosa d)s lio-
inenss da Provincia. Foi-estoAaccasigio que fiza-
mos ea resposta (iuc se nos deu foi ama emenda
to boa, se nao petar do que o soneto.
Bem diziamos que o Ilustre escriptor do u. 97
da Provincia fallava sem orcr no que dizia. Ag i-
ra elle proprio quem o vem confe.-sar. Elle diz
que nos bem sabemos que elle nio tem medo da
Itberdaile Sim.' Nos sabemos mais; sabemos
que o articulista clama por tod- parto favor da
liberdade de cultos, na maread o na tribuna, en-
tretanto passamos pela triste dreepeo de vermo-
lo faltar s suas crencas para defender o Sr. a
buc ', que tem medo, e o Sr. Zacharias, que fez-so
cap to de ultramontanas. Fot urna qa;da ver-
goui.osa I
- OJ lberaes nao tem mido, diz a Provincia ;
do que se arrxeiam,p,r bem mesmo da liberdade,
que se vejam de u* di* para vutro obrigados
re agir contra as exager res jesuticas sem o com-
promisso reciproco dus ie'is actttaes.-~
PeifeitaiiieulaJ Ellos ja nao t:n mido, o a'm
rectio; nao serlo porm medo o recelo palavras
synoninas qaaado se trata d-! liberdade ? Talvez
receto seja um medo menor, us era todo caso
mulato nomine de ill fbula nnrratnr. Os lbe-
raes tem reeoio da liberdade; logo, nao acreditara
na sua eilicacia ; logo, nao sao verdaleiros lbe-
raes, nem niereoem surtidos como taes. Nilo se
esqueccra .i do por bem da liberdade; mas atc-
tica ti) desasada que nao emba;a ninguem.
Te.> ti, com effeito, os liberaes nimio nielo dos
jesuiias I No a. 97, dizia a Provincia : livre-nos
De js do jesuta de rdea sola era trras do Bra-
sil I No n. 98, diz que o jesuta cora as manilas
que Jem, vai corromper as consciencas das massas
fanticas! Es todo recelo que ibes inspira a li-
berdade": arreceiam se de que os jesutas lvres
de rodeas .venham usar della, e por isto prefercm
ser cocheiros de jesutas para podereui domna-los
e enlo pbderem proclamar as suas ideas.
De surto que as idas liberaos s podem vingar
sq osjefuias forera de antemorefreados; dosorte
que us lberaes recoiiheceiiisc mais raeos do que
os jesutas; do sorte quo as ideas iiberaes so po-
dpm caminhar com a forcaphysica; de sorte que
os liberaes desconfiando de si, desconfiara ao mes-
mo lempo da forja moral das ideas das quaes se
dizni propugnadores. Nao ser isto ter n*rito da
liberdade, bem da liberdade, na phraso da JVo-
tiaaiapaato^ por rado dos jesutas, sopitar al-
berdadof
lo trbuitiil da i'clucao.
Para es-e egregio tribunal seguio, ha algn:
das, urna appellac*o interpona pelo Dr. juiz de
direito do [tamb, e bem Asim pela parte aecusa-
d'ira no proces-o que por furto de escravo .se for-
jou no Itamb conira o abaixo assgnado Virginio
Horacio ileFreitas, a quem inimigos rancorosos por
to los os meios ao alcance da maldado humana,
procurara ver, se o podem perder na upniao pu-
blica.
E' triste, sira! desanimador, ver os proprios
liberaes repudiaren! a liberdade!
Se as ideas lberaes sao verdaderas porque ra-
zio ter mdoluBjeliiitas ? A vorda-le leo) urna
for^a propiia, que convence, anniquila o lova de
rojo todo .o .qualquor obltacMlo quo s aatollia ;
nao se ft le tiaer a siu mor porque ella foi fa-
jada para Viver e pan mor/er.
Os liberaes da Provincia ou So sao liberaes,
ou sao liberaos degenerados. E' mister ter mais
confianza mqajjxraMas.g mistar ao editor na
farpa motad 8a vBrdd. A f^trea rrtiysdca'rtao d
triuinpho glorioso; s o erro que carece da for-
ca pl^sica- paraimparar'e dominar. '
Mireni so os,lib9ra&da Prptinciapm Mirabeau,
mirem-so em 6, de ililiriari, doiis jfpoi^de ver-
dadeiros flbraS, e'fejam' 'como io' lquenuos,
pelas>|a>a^|^t{jbsteW fm|f-Jb>n-
des llQeps acreditaram, jue anda
vfVe aitredlta no poder' irjencivl ia verdade, e
nejluuu.delles igve mdo da liberdade.
vi denunciando a h'uinanitlafle os BTrbs
e'!^nKd|^aeWiglto!tr e de Lav.iter, n'So pe
4C2 "MQTJoai dilos o a'nt
MwmodTa verdade que defenda, 'exciiiUw
t/s&s te? Km :"
bem aipielles que os daiticiaii Weeb WaomHL
parque repugna dizar que'eTJe^ sj chates f (,
O abaixo assgnado respeito as conviertes do Dr.
juiz de direito Joo Francisco da Silva'-raga, que
Ihcdiclaram a interpisi.) desse recurso ; mas
tem carencia de dizer, que, conforme fo mostrado
e demonstrado no jury durante adefeza do abaixo
assgnado, aseas eonvfegSes de 3. S. baseara-se no
falso supposto, que podo trazera espiritos despre-
venidos-urna prava calculadamente preparada com
depoimentos de lestemunhas indignas de credit i, p
vena.-eis, como se demon trou no processo do
abaixo assgnado.
Certomente, sendo S. S. residente nesta comar-
ca de poucosdias para c, nio tem a inesma razad
que tiveram os juizes do faeto, para emittir um
juizo seguro sobre esw monstruoso processo, que
se acha boje em anpellaco.
Sendo o tribunal do jury eenstitaido para dizer
sobre a existencia do neto, compondo so elle de
homens residentes no termo, que esQo, por asa! n
dizer, em constante contacto cora os seus conterr-
neos, teem mais que suficiente razio para coahe-
cor os hbitos e costamos daquelles de seus vs-
nhos que silo arristados ap tribunal, j como reos,
j como '.estoHiunhas.
Foi justamente por este eoubecimeoto de todas
as pessoas que figuraram no processo do abaixo
assgnado, qne d zo homens de probidade nunca
desmentida, se pronuneiaram unnimemente pela
absolvici i do abaixo assgnado ; e certomente, a
esso romeito, mais fcil haver erro na maneira
de, ver do digno jniz appellante, do que ao modo
porque se pronuneiaram doze homens.
Parece ao abaixo assgnado, que s!o dev pezar
gravemente no animo do egregio tribunal, para
quem se appellou, principalmente desde que, com
os olhos da illustra o, que o caracterisa, elle va o
interrogatorio tjue na defeza se jurftou ; inierogv
torio feito ao escravo Severiao, cujas deelaracoes
mostrara bem claramente o bem concertado plano
dos perseguidores do abaixo assgnado : desde
que vir os documentos pelos quaes se provou que
os queixosos nao se podiam dizer senhores desses
homens, que considerara seus esclavos; desde
que vir finalmente o ludo desse monstruoso pro-
cesso.
A causa de una seriedade a toda prova, nolla
so envolve importantes dirctos de um cilad),
que sempre mereceu excedente conceito, e cuja re-
putadlo se procumu alassalhar por meio de urna
corabina',-io negra, na qual figura como principa!
instrumento Mano.d Antonio Homena, que vendeu-
se para depr falsamente contra o abaixo assgna-
do, como nos debates mostrou a loda evidencia
o adyogalo de nimba defeza.
Nao e muito, portanto, qne o abaixo assgnado
rogjie e supplique ao muito egregio tribunal dar
ia-.-ao toda sua costumada altoaco para ..sses au-
tos que j de vem estar affectos ao seu eonhecmen
to, nao dei.xando passar desapercebida urna s pega
delles, alim de-que na sna decisao a justica seja
completa.
Nao nm pedido de comraiseraco que faz o
abaixo assgnado ; porque nao sua nteneao que
era seu julgamnto intervenha a piedade, nao :
elle s quer justica, porm nao quer a justica fa-
rizaica, quo ia-se levantando contra ello no Itam
b, e qaa felizmente eneontrou a nsuperavel bar-
reir na inslitui.o do jury, esse alalaia dos direi-
to individuaos.
Nao se oceupa o abaixo assgnado cm dizer cou-
sa alguma sobre a appellaco particular, porque
est certo qne o egregio tribunal, logo primeira
vista ver a futihdade do motivo era quo Daseou
essa appo'laco.
Ladrao de escravos o abaixo as-dgnado !
Essa assercao de urna monstruo-idade tal quo
bem mostra o requiote da porversidade na al.na
dos mesquinhos perseguidores de um homem, que
o nico mal que Ihe tem feito viver exclusiva-
memo entregue vida acre do mais rigoroso Ira-
ballio, para cora o suor do se.; rosto colher os
meios tendentes subsistencia de sua numerosa
familia.
Mas Deus Ihe* perdoar, porque elles nao sa-
bem o que fazeo I
O abaixo a'*sfgirado alada pede a aftencao desse
egregio tribunal, para o interrogatorio qc se llu
fez no tribunal do jury,, no qual assignala as cau-
sas que lavanlarara a san^a de tros iuinigus to
raqcorosos e- talvez mais projudiciaes do (jue os
tres Ini'migoa d'ahna, que praaa aos ceos nao se-
jai os vuigadoresdo abaixo asaigoado em elacao
a esses monstros que nio trasabido nlhar conside-
raco par raais sagrada que seja, para recuarem
no cauioho de tontoj devos a que se tem atraJo.
_ Mais-tarde talvez ter o abaixo assgnado proci-
so de escrever a' historia desse monstruoso pro-
cesso, pondo cm relevo a, hediondez de cortos ca-
iractores que so ostenla/m no ipeio da soeiedade,
quereodQ-se-lha imp&r cheios de urna probidale
que n;
Affnartln! o atoafto assgnado calma'e resignar'.a-
mente a. deciM .lesscs recursos, que, certamento
jao se Taca af erar- com a devida justica.
Engento L'age.3,12 de agosto de 1873
Ttrginiofforocio de tretas.
Illm eltvm. Sr. Frei Caelainw-Xe abaixo as-
signadus, possuidos do mais ardento jubilo poto-
grandioso beneficio que acabis da prestar
igreja malnz desta villa, prestes a desabar, exci-
tando os asimos dos fins e deseavotvendo o est-
mulo e amor ao trabalho a ponto de cobrir-e a>
novo a-mesma igreja, rcalcar-se o throno, azer-J
dous altores lateraes e outras repares necessariosv
vimos sinceraiuente exbibir-vo ama prova Ao
homonagem, graidSo reconieeiment pelo nosw
nlerosc e deu)caQo'an beia-estar.ddsto ioealida-
de, que se orgullia de vos ter recebido prasen-
leira e lamenta prufuailamaolii vossa. partida, qu
a ser mais demorada ira mi auda nnuaieraa Iw-
mificios.
O servico, que acabis de prestar, era por no*
esperado, desde que aqu chegastos, porque ja
corrhcemos a alta e santa mis.o de vossa ordeni.
que pula sua ineifavc-l bondadu nao cessa cada
da de prodigalisar euehentes de grajjaa ocie la-
dado brasileira I
E qnal o motivo, de tto8WtTt.procedineuto f
Sem duwda o amor pela rehgiao ojie- fl-tu^ p
cria a virlude, nico titulo, de que pode o h inte
justo gloriarse.
Com effeito, a religio a base de todo o edilic
social
Sem ella debalde os legisladores procurara fazer
Mal leis ; debalde os.grandes, pslaqistas pretendo-
rao vencer os obstculos uppoatus -ao desenvolvi-
mento do estado social. A inesma soeiedade civil
desabara, seno estiver sob sna egide; por que na
phrasa' d'um escriptor nbderu-i, a religio o
bello pharol da intelligenoia, a doce luz da liber-
dade e a grande mestrados.co.-tqmus. .
Se, poi* vesseis dar impulso aos senumentn
religiosos dos habitantes desta villa, qne esta* n
arrefecidos, sois incontostavelraentc -i gn Jos
maiores elogios e syiupaihias do povo i|n i loca-
lidade, que nSo cossar de apontar vos r.;uio im
dos apostlos dedicados do chrisliani-iu >.
O que nos resta pois ?
ar-vos um Mamo adeus de de?|>edida e rogar
ao Altissmo pela conservacu do vossa pleciosa
saude, fazeado votos pe i vossa prospera viageu
ao AJtinho, onde iris de novo, cumprir a santo
mi--o, que la o dignamente deseinpenbais
Villa de Garanhuns, !. de Janeiro do 167;j.
Antonio Manc-el de MeuViros Furlado.
O vigaro encommendado Francisco Pe-
reira Ferraz.
Manoel Lopes da Cainita i'aciel.
Antonio Vctor Correa
Antonio Baptista de Mello '.'rata.
Joo Correa Brasil.
Pedro Jo Reg Chaves.
Jos da Costo Douiado.
Jos Boberlo da Cunha -ales.
Manoel Thomaz de Villa-Nova.
Manoel Joaquim Pereira Nello.
Ignacio de, (Jodoy Vasconcellos.
Manoel Correa de Santiago Villela.
Jos Paz da Silva.
Antonio Ferreira de Mello Santiago.
Joio Correa dos Santos Rocha Gilo.
Joo Baplista Chaves Peixoto.
Jos Peixoto de Mullo CajU.
Jos Paulino da Silva Burgos.
Joaquim Firmo da Silva Vianna.
Joo Goncalves da Silva Vianna.
Francisco Pereira da Rocha.
Eulaiio Ephig-nio do Frei tas Villela.
Jos Pacneco Leile.
Zacaras de Santa I-abel.
Antonio Cosario da Si va Brasileiro.
Joaquim Canda Brasil Juuicr.
Joaquim Barhalho doBoinlim.
Antonio Paes de Lyra Jnior.
Manoel de Oliveira Hacha lev
Francisco Ignacio de l'aiva Jani.r.
Gorgono Jos Vianna.
Maniaho Avelino d'Albuquerquo.
DISSERAM Al-C.LNS MDICOS
Todos os remedios do Dr. Ayeu sao
excelentes, mas o Peitohal de Gereja
ailiuiravel, nao conheceuios remedio me-
lhor para tosse e defluxos.
-
(H.
PUACA DO RECIFE 27 DE AGOSTO
DE 1873.
, AS 3 1/2 HORAS A TAUDB.
Cotacoes oillcncs.
Algododo 1J sorte 8700 por lo kilos, hoateul.
Algourio de Mamanguapo i' sorte 835U por t >
klos, hoje.
Cambio sobro Londres a 90 d|V. 2" 7S c 2i
d. Dor U< >('(), hontem.
Dito sobre dito a 90 d|. 2G d. e 2-i 3|i d. por
IiS'jOO, do banco, hoje.
Dito-sobre dito a* 90 d|v. 3|i d. por 1, do"
bauco, noje.
Cambio-sobro. Pars a 3 d;v. 372 rs. por franco,
do banco, boje.
l'UDonrcq
Presideule.
Leal r'ati
?l!o secretario.
4LFANDEGA
'.-rudimento do dia 1 a 2G. .
dera do da 27. .
M)2:6i9*008
22:381 861
835:030*8631
Deeearregam hojA 28 de apata de 1873
Basca ingleza = Uolphim mercadorias para al-
fandega.-
Barca portugueza Nova Sgmp.lhia merca-
dorias para alfandega.
Barca franeeza llaotil mercadorias para alfan-
dega.
Barca dinamarqueza Dorthea varios genero
para o trapiche Cenceicao, para despa-
char.
Lugar inglez Navegatorinachinisnio para o tra-
piche Couccic >, para despachar.
Barca ingleza -Ducliess of Suthertand machi-
nism-) j despacha lo para o caes" do
Apollo.
IiuportacAo.
Cardiir.patachcr nglez Rio, coiisgnado ao mes-
mo capito, manifestou :
Carvo de pedra 428 toneladas' a Saunders Bro-
thers & C.
Aracaj, vapor nacional Maiulilt, consignada
a ccrapanhia Pcrnambucana, ma ai festn :
Algodio 130 sacas a M. P. da Costa.
Couro iO a Goncalves Torres. -
Oleo de ricino 50 caixas ordem.
)E5PACB03 DE EXPOUTACA NO DI A 26 DE
JULI10 DE 1873.
Para os surtos do exterior
No navio alternan Mina, para Liverpool, car-
regaram : Oliveira Filhos i C 2 barricas (mm
l'o 1|2 tilos de assusar branco e2eaixas com "
ditos de doce.
No navio francez Coligny. para o Haviv,
carrecaram : Harismon ly & Labille 500 oaaraa
salgados cora t.ooo kilos.
Na barca portugueza Vencedora paraLi-
carregaram : (1 A. Barbosa 101 saceos cora -,8s
kilos de gomma ; Dr. C. A. Vazde Oliveira 1 ca-
xa cora 50 ditos de farinha de muulioca.
Para os portos do interior.
Para o Rio Orando do Sul, na patacho d.t
cional Rio Grande, earregou : J. 6. Feneia
42i barricas com i3,726 ii2 kilos de aaaocar
brinco e 10 ditas cora 1,273 d tos ^lo dito masca-
vado.
.Para o Rio de Janeiro, na barca brasileira
Claudia, carrego-a i J. G. Ferreira Seve 8.0 saccis
com 60,000 kilos de assucar branco.
Para o Rio do Jaaeiro, no vapor nacional
Baha, earregou : A. F. das Cha gas 2,L'0O cocos
(fructa).
Para Mamangnaoe, so vapor nacional Cn-
nin'pc. earregaram : Silva ^ Irmo 2barris eom
192 litros de agurdeme.
Para Mamanguape, na bareaca ldalina, earre-
garam: B. Gomes c C. 1 barril com 96 litros- >
agurdente e barricas cora 130 kilos do a-suear
tranco.
Para Mosioro, na barcac;i- Vernica ra, earregaram : Silva & Irmo 5- pipas oo:u
3,400 litros de agurdente.
Para Maco, na barcaca T>- li-wa. earre-
gou : J. F. Moreira 2 pipa coa 960 litros do
agurdente.
Para Alagoas, na bircaca /entino, ca
garara ; Neves Irmo 4 C. 1 barrica com 60 Kilo*
de assucar refinado.
, uAPATAZtA DA ALFANDEliA
ftepdi monto o -la 1 a 2S. 21:9t0*l
do dia 27. .. ": 771*55
i
r-


i
Diario de Pernambuco Quinta, feira. 28 de Agosto de 1873.
VOLDMES SAHID08
No di i i 26.......
Pnrnoira porta no di* 17. .
Segunda porta.....
Terceira porta.....
Trapiche Goneeico ...
SEnVICO MARTIMO
Alvarengas descarriadas no trapiche
da alfcndega no a i a *6. .
Ditas ditas no da 27. .
Navios atracados no trap. da alfandega
Alvarengas........
No trapiche Concedi.....
3i,309
C'J
i
70
e qne ser havido o credor que nao comparecer,
como adherente as resoluces que tomar a maio-
ria dos votos dos que eoropareccrem.
E para qne chrgue ao couhecimento de todos,
mandci passar o presente, que ser publicado pela
imprensa'e affixado nos lagares do costme.
Cidade do Recife de Pernambuco, 35 de agoto
de 873.
Eu, Manocl Mara Rodrihues dotasclmento, es-
crivio, os'ibscrevi.
Ileifc, 20 de agosto de 1873.
SettatiAq di Reg Barros de Laceran.
Ao sello 300 res.-V. S. S. ex cansa. Barro*
Je Lcenla.
BCEBEDORLA DE RENDAS INTERNAS GE
RAES DE PERNAMBUCO
Rendimento do dia 1 a 26 .11:8614362
dem do da 27...... 1:1704712
3.032*074
CONSULADO PROVINCIAL
flenpimenlo do dia I a 26. 60:331*267
dem do dia 27. ..... 1:805*270
62:136*537
RECIPE DRAINAGE.
Rendimento do da 25. .
dem do lia 27......
8:086*059
392*580
~8~4784639
MOVIMENTC D8 PORTO
flavioi entrados no dia 27.
Aracaj o portos interine los 5 das, vapor
nacional Mandah, de 222 toneladas,
commandante Silva, equipagem 1(5, carga
varios gneros ; conipanhia Pemamliu-
cana.
CardilT4-7 das, patacho inglez Rio, de 425
toneladas, capilo C M. Donald, equipa-
gem 9, carga carvao ; ao mesmo capi-
llo.
Cardiff 00 dias, barca ingleza Mara
Needham, de 353 toneladas, capitao E. A.
Trevis. equipagecn 10, carga carvao; n
Adamson Ilowie (fe C.
Navios saludos no mes no dia.
Portos doSulVapor brasileiro Bahia, com-
mandante capitao-tcnente Texeira, carga
varios gneros.
HavreEscuna allem Anua Gesina, capi-
lo S. Scbodtt, carga algodo e outros
gneros.
Obser vacuo.
Suspendeu do lamaro para a Bahia o
patacho austraco .\cord, capitao Vedulecb,
com a mesrna carga que trouxe de Trieste.
ELiTAtS,
0 Dr. Jos Nicolao Tolentino do Carvalho,
juiz substituto de orphos e ausentes do
termo do Recife, por S. M. i, a quem
Deus guarde etc.
Faco saber aos qne o presente edital virem e
delle noticia liverem, que no dia sexta-feira 29 do
corrente, ao meio lia, depois de finda a respectiva
audiencia, tem de ser arrematado cm praca pu-
blica deste juizo, os bens seguintes, existentes no
palecete n. 2 da na da Praca e oertencente ao Ti-
nado Joao das Neves.
36 pernas de cortinados com varas de pao por
20*, urna caixa c-m ronpa para mascaras ornis
urna porcao velha por 150j, urna commoda enver-
nisada de preto por 25j, urna commoda de ama-
relio 20*. 2 armario* de pinho com banco por
204, 1 armario do pinho 103, urna porcao de ca-
bido 5/, I man quebrada 14, I toncaJor 104, I
toucador pequeo 74, 1 sof de Jacaranda 25, 13
cadeiras de palliinha 394, 2 cadeiras de balanco
com lastro de pao 84, 1 par de consolos de ama
relio 16 1 par de consolos envt misado de preto
12*, 1 lavatorio com hacia e jarro 101, urna ban-
quinha quadrada 6j, I mesa redonda 6, 1 car-
teira pequea com banco I0, i banqumha pe-
quena 3*, 29 cadeiras de pao 58*, i cama france-
za com cupola 15*, 1 marquezao 20|, 1 marque-
za de palha 8*, 1 marquen com lastro de sola
5*, 1 colxao 8*. 2 espedios grandes 80*. 1 espe-
lho pequeo 8*, 4 bandejas 6*, 1 cama de ferro
6*, 1 mesa grande de amarello 16*, 1 par de jar-
ros, com duas bolas 1*, 1 par de figuras de por-
celana 5.4, ura outro par de calungas 5*, 3 calnn
Sas de louca 3*, I trandiero de bronzo 5*, 1 can-
ieiro 3*, 3 frascos com tintas de cores 4*. 1 pa-
lrteiro e cesta I 4500 i cortinado de cama por
8*, 2 escarradeiras 2*, um grupo de passaros
cheios I i, i lustre de bronzeeom seis luzes por
16*, 4 candeiros a gaz, sem p, 6*, 15 ditos 15*,
3 candieiros para escada 6*, 2 ditos envidracados
10*, 4 ditos menores 21*, 6 ditos ditos pequeos
15*, 2 carrancas de ferro com duas pas idem
20*, 1 aparador 8*, 6 cadeiras velbas 2i, 1 caixao
com facas, garfos e colheres 2*, 1 dito com louca
4*, 1 fogao de ferro, velho, 6*, 1 bacia de latao
8*, 1 bomba velha 4*, 2 lavatorios de ferro 5*,
4 camas de vento 4*. 1 mesa grande de pinho 6*,
1 dita pintada 3*, I dita pequea 2*, varios prc-
paros ds cozinha l'*t, 1 mesa de cozinha 23, 5
beos pequeos 3*, 6 ditos grandes i2*, 2 quar-
tinheiras 2*, 1 casco de cagado 1*, I guarda-rou-
pa de pinho desmanchado 4*, 1 alavanca de ferro
1*, 13 quadros velhos 4*, varios caixilhos velhos
2*, 2 trophos d'armas brasileiras e poituguezas
6*, 4 quadros de generaes portugueses 10, 10 di
tos con figuras 3*, 4 quadros grandes com figu-
ras 10*, 4 paos para bandeiras 2*, 16 ditos pe
quenos idem idem 2*50t>, 1 mesa grande de pinho
o*. 2 ditas de cozinha 2*. i jarrros 5**1 tapete
1*500, reposteiros 20*, 2 escarradeiras de bra-
lo 5*, 2 escadas de mao 2*, 2 bois de louca 2,
cancell 3*, 10 quadros compridos com figuras
8*, 1 eolher de sopa, saca rol ha e parlo de sala-
deira i*, cujus bens van praca per ordem deste
juizo e a requerimento do Dr. curador geral de
ausentes.
Dado e passado nesta' cidade do Recife de l"er-
nambuco, aos 25 de agosto de 1873.
Eu, Domingos Nunes Ferreira, escrivao, o es
Jos Nicolao Tolentino de Carvalho.
O illm. Sr. Dr. inspector da thesouraria de
fazenda desta provincia faz publico para conhe-
cimento de quem ntdressar que, de conformi-
dade com os avisos do ministerio da guerra de
30 e 31 de junho ultimo, e offlcios da presiden-
cia ns. 116 e 121 de 12 e t6 da corrente mez,
acha se marcado o da 27 de setembro vindouro,
pelas 3 horas da tarde, para, em sessao da junta
desta mesma thesouraria, ter lugar por meio de
contrato a arrematado das obras que se tem de
azer nos ed (icios da 'ortaleza do Buraco desta
cidade, o quartel de 1' linha, e bem assim a pin-
tura externa do pharoleto da mesma fortalaza,
dando se preferencia a qnem maiores vantage'ns
offerecer aos interesses da fazenda nacional.
As pessoas, perianto, que desejarem proporse
referida arrematacao, poderao comparecer a
qualquer dia, nesta secretaria, duraute as horas
do expediente, afim de lhes serem presentes os
reamemos e plantas das mencionadas obras, e
apresentar as suas propostas em cartas fechadas
devidamente selladas e declarando a resid ecni
nomes dos seus fiadores.
Secretaria da thesouraria de lazenda do Rio
Grande do Norte, 22 de agosto de 1873.
Servindo de secretario
_______________Jos Tlwpkilo Burboza.
O Dr. Sebastio do Reg Barros de Lacerda,
jujz de direito especial do commercio da
cidade do Recife de Pernambuco, por S.
M. o Imperador, a quem Deus guarde,
etc,
Faco saber qne no dia 25 de outubro prximo
futuro, as 11 horas da raaah, na sala das audien-
cias, dever ter lugar a reunido dos credo-
res da maesa fallida de Mendos Carvalho, para
se veriucarem os ereditos, formar-se o contrato
de uniao e nomear-se administradores dita mas-
sa, certos os eredores de que na) serio admittidos
por procarador, em que este exhiba procuracao
especial, a qnal nao podera ser conferida deve-
flor dos fallidos, nio podondo outrosim nm so in-
dividuo representar por dous diversos eredores,

Edital n. U.
Pela inspectoria da alfandega do Tornambuco
se faz pBblico que as U horas do dia 2S do cor-
rente se ha de arrematar porta desta reparticao,
livres de direitos, 52 chapeos de pelle de lebre
abatido, quo faziam parte-da caixa sem numero
de marca J S M, vinda do Porto na barca portu-
guea Vencedora, entrada em 16 de julho passado,
e abandonados aos mesmos direitos por Joaquim
de Souza Maia, no valor offlcial de 173*333:
Alfandga de Pernambuco, 25 de agosto de
1873.
O inspector,
Fabio A. de Carvalho Res.
Edital n. 45.
Pela inspectora da alfandega se faz publico que
tica tran ferida para o dia 29 do corrente, porta
desta reparticao, por falta de concurrencia ao valor
offlcial, a venda de urna caixa marca L V n. 10,
vinda do Havre no vapor francez Ville de Rio de
Janeiro, entrado a 22 de julho findo, contendo3l
ps de botinas de couro de mais de 23 cent., ava-
hados por 98*; 8 ps de botinas de couro at 22
cent, avahados por 8*430, abandonados aos direi-
tos por Lyra 4 Vianna, annunciado pjr edital
n. 40.
Alfandega, 26 de agosto de 1873.
Fabio A. de Carvalho Rcis.
Edital n. 48.
Pela inspectoria da alfandega s faz publico que
as 11 horas da manht do da 30 do corrente,
porta dcs'.a reparticao, se ho de arrematar, livres
de direitos, tres escaleres, dous pertencentes
guardamoria e que se achain inulilisados, e um
abandonado aos direitos por Candido Joao Amo-
nio, avaliados por 5*.
Alfandega de Pernambuco, 26 de agosto de 1873.
O inspector
Fabio A. d Carvalho Ruis.
Edital n. 46.
Pela inspectora da alfandega se faz publico qua
s 11 horas da manh do dia 27 se ha de arrema-
tar livres de direitos, porta desta reparticao, 15
caixas com frnctas, marca A P, descarregadas do
vapor francez Ville de Rio de Janeiro, abandona
das por Antonio Gomjs Pires, visto nao te las des
pachado no prazo de tres dias que lhc fui indi-
cado.
Alfandega de Perambueo, 26 de agosto de
1873.
O inspector
__________Fabio A. de Carvalho Res.
"Edital n. 47
Pela inspectoria da alfandega se faz publico que
no dia 29 do crreme, porta desta repaitico, se
ha de arrematar, livre de direitos, marca estrella,
50 cinarras com albos, pesando 960 kilos, avaha-
das por 159*360, vindas de Lisboa no navio por-
tuguez Noca Sympathia, entrado em 11 deste mez,
e abandonadas aos direitos por Francisco Guedes
de Arauio.
Alfandeua de Pernaiiibuco, 27 de agosto de 1873.
______Fobto A. de Carvalho Reis.
0 Dr. Sebastio do Rogo Barros do Lacer-
da, juz de direito especial do commer-
cio, nesta cidade do Recife de Pernam-
buco, por S. M. I., etc. -
Paco saber aos que o presente edital virem e
delle noticia tiverem que no dia 28 de acost do
corrente anno se ha de arrematar por venda a
quem mais der em praca publica deste juizo de-
pois da respectiva audiencia v seguinte :
O engenlio denominado Meguaipe de Cima, com
siu capella, tendo as bemfeitorias seguintes :
Casa do engenho, feita sobre pilares de pedra e
cal, e coberta de tenas.
Casa de caldera, tambem construida sobre pi-
lares de pedra e cal, achando-se dita coberta em
mao estado, onde tem assentamento de cinco U-
xas e mais duas para bater o assucar, todas Ta-
chadas, havendo na mesma casa os andaimes ne-
cessarios para 90 formas para purgar-se o assu-
car, das quaes apenas 10 se acham interas, com
nm pequeo telheira contiguo, onde existem duas
laxas servindo de alambique para distillar aguar-
dent1*, sem casa para bagaco e nem encaxotamen-
to, tem estufa; com suas competentes trras com-
postas de ladeiras e mattas, avahado por 12:000*,
Tora a machina vapor.
Casa de vivenJa de taipa, com djias salas, 7
quartos e cozinha fora, avahada por 500*.
Casa para administrador, tambem de taipa, com
1 sala, 3 quartos e cozinha dentro, avahada por
300*000.
Senzalla Jamban de taipa com accommodacoes
para seis pretos, avahadas por 200*. Importando
ludo em 13:00*.
O qual foi penhorado por execocao de Oliveira,
Filhos 4 C, contra Jos Carlos Teixeira.
E nio havendo lanzador que cubra o prego da
avaliaco, a arremata'co ser feita pelo preco da
adjudicado na forma da le.
l para que chegue ao conhecimento de todos
mandei passar o presente que ser publicado pela
imprensa e afflxados nos lugares do costume.
Cidade do Recife, 31 de julho de 1873.
Ku, Manoel Maria Rodrigues do Nascimento, es-
criva, o subscrevi.
Sebastio do Reg Barres de Lacerda.
DtCLARACOES.
foreiro) avahada em 600* para pagamento da
execucSo contra Silvestre Loorenco do Espirito
Santo.
dem n. 3, da rita j0e S. Francisco em Caxang,
com 39 palmos de frente, 40 de fundo. 3 salas, 3
quartos, cozinha fora, quintal em aserto, cons-
truida de taipi, em terreno foreiro, avahada por
400*, para pagamento da exeeuro contra Vicente
Ferreira da Costa Miranda.
dem n. 33, da travessa da prala do Forte, com
16 e meio palmos de frente e 33 de fnndo, i sala,
3 peqnenos quartos, cozinha interna, .em mao es-
tado, avahada por 600*, para pagamento da exe-
curio contra Mara Jt, a quina do Nascimeeto Bar-
bosa.
Re;ife, 26 de ag<*to de 1873.
O diriudor da fazenda pruvineb I, J. Firmino
Correa de Aran jo.
DO
BEBERIBE
Os Sis. accionistas desta companhia,' que
desejarem apreciar os relatnos e mais pe-
as a elle appensas, relativos ao biennio que
terminot. era 30 de abril ultimo, dirijam-se
secretaria da referida companhia, ra do
Cabug n. 16, que lhSs serio forneci-
dos.
Escriptorio da companhia do Bebcribe,
21 de agosto de 1873.
O secretario,
Lmx Manoel Rodrigues Valenc-a.
O administrador da recebedoria de redas
internas geraes, em virtude da regra 3" do art. 33
do decreto n. 3486 de 39 de setembro de 1859
do art 74 do regulamento 2251 de 17 de marco
de 1860, avisa as pessoas abalxo mencionadas, mo-
radoras as freguezias de fora da cid..de e em lu-
gares ignorados, e que foram multadas por infrac-
ta o do regulamento n. 4833 de 1 de dezembro de
1871, que lhes fie a marcado o prazo de 30 dias,
contado do da puhlicacao deste para virem efec-
tuar o pagamento das referidas mullas, sob pena
de se proceder a cobrauca exeeutiva, a saber :
Joao Hulino de Souza Magalhes, mo-
rador na freguezia da Varzea, mul-
tado em 100*000
Jos Ferreira da Silva, na de Jaboa-
tao em 100*000
Mariano Pereira Cabral, morad r em
Agua-Fra em 10*000
Joaquim Narciso da Silva A C (ignora-se
a residencia), em 10*0 0
Bacharel Christovo Xavier Lopes (ig-
nora-se a residencia), em 10*OM
O Dr. Flix Moreno Brandao (ignora-se a
residencia), em 10*000
Joaquim Domingues da Costa (ignora se
a residencia), em 10*f 00
Rccebedona de Pernambuco, 11 de agosto de
1873.
Man el Carneiro de Souza Lacerda.
Imperial sociedade dos artis-
tas mechanicos e liberaes.
O abaixo assijtnado, por ordem do director, con-
vida a? todos os socios effectivos comparecerem
na sede da sociedade no dia 29 do corrente, pelas
6 l|2 horas da Urde, afim de em sessao extraor-
dinaria tratar-se de interesses socaes.
Recife, 27 de agosto de 1873.
O secretario
__________________P. P. dos Santos.
Sociedade de beneficencia
martima commercio e ar-
tes.
Por ordem do presidente sao convidados todos
os socios da mesma para comparecerem em reu-
nio de assemblea geral em 31 do corrente, s 10
horas da manh, para se tratar de negocios ten-
dentes a mesma, de conformidade com o artigo
53 n. 8 dos nos os estatutos.
Sala das sessdes da sociedade de beneficencia
martima commercio e artes, 28 d? agosto de 1873.
O secretario
Romo Jos de Fontes Ferraz.
SANTO ANTONIO."
EMPREZA
Sabbado
AS 8 HORAS EM PONTO.
Definitivamente
lillas |MtHSF\TACIFS
DO
\m da m\ ni
Aviso.
Depois do espectculo de sabbado haver 'rem
para Apipuoos e pontos intermedios.
TvTsTs-^RifTMO
PUCHE STEAM NAVIGAT10H COM-
PA
Linha quincenal
O PAQUETE
ILLlMA^t
esperase da Europa at/) da 31 do corrente,
e depois da demora do costume seguir para o sul
do imperio, Rio da Prata e costa do Pacifico, para
onde receber passageiros, encommendas e dinhei
ro a frete.
OS AGENTES
WilsonlRowp A C.
14RA DO COMMERCIO14
COMPANHIA PERNAMBCANA
DE
luvcgaco costeira a vapor.
FERNANDO DE NORONHA.
O vapor Giqu)i,cof
mandante Martins.
seguir para o porto
cima no dia 3 de
setembro, s 11 horas
da manha.
Recebe carga, enjonimendas e dinheiro a fre-
e at a vespera da sahida, e paaaageiros at as
10 horas : no es:riptorio no Forte do Mattos
n. 12.
pretende soguiraoom pouea demora a escuna por-
tuguesa Christina, de 1' elasse, capitao Loureiro,
por ter a maior parte de seo carrtgamento enga-
jado; e para o resto qne lhc falta trata-se com os
co asignatarios Joaquim Jos Concalves Beltro A
Ribo, roa do 'lomiiereio n 5.
Lisboa e Porto
Va i sahir com brevidade a barca portngneta
Despique II, recebe carga e passageiros : a tra-
tar com o consignatario Tito Livio Soares, ra
do Vigario n. 17________________________
Para o Porto.
Acba-se proposto para seguir com a maior bre-
vidade o brigue portuguez Uniao, para o que re-
cebe carga, e trata-se com os consignatarios T. da
Aquinu Ponceca & C. succcssorcs, na rna do Vi-
gario n. 19, 1.* andar.
LEILOES
LEILAO
DO
sobrado de 1 andar com commodo bastante
para duas familias, no pateo do Carino,
n cidade de Olinla, corn grando sitio,
em chao proprio
Hoje
Ao meio dia
Por nterveneao e no escriptorio do agente Pin-
to, ra do Rom Jess n. 43.
LEILAO
COMPANHIA PERNAMBLCANA
DE
Havegacao costeira a vapor.
MACET, RUDO E ARACAJ'.
O vapor Manduk,
c< seguir para os por-
tos cima no dia 30
do corrente, s 5
horas da tarde.
Recebe carga at o dia 28, encommendas at
o dia 29, passagens e dinheiro a frete at as 2 ho-
ras da tarde do dia da sahida : escriptorio no
Forte ao Maltos n. 12.
Companhia de seguros Uti-
lidade Publica
A directora convida aos Srs. accionistas a se
reunirem em seu escrtptorio a ra do Vigario The-
norio o. 6, segunda fe ra 1 de setembro a urna
hora da tarde, afim do elegerem a coramissao de
exame de contas.
Recife, 27 de agosto de 1873.
Candido C. G. Aleoforalo.________
Consulado de IN>r(ti Por este consulado sao chamados os eredores
do espolio do fallecido subdito portuguez Miguel
Ferreira Carreiro, para receberem seus crditos,
segundo o rateio procedido.
u ax r*^* MMW
THEATRO
Gil
SANTA CASA DA MISERICORDIA P0
RECITE.
A Rima, junta administrativa da santa casa da
Misericordia do Recife, manda fazer publico que
na sala de suas sessdes, no dia 28 de agosto, pelas
I horas da tarde, tem de ser arrematadas a quero
mais vantagens offerecer, pelo tempo de um a
tr s anuos, ns rendas dos predios em seguida
declarados.
ESTABELECIVIENTOS DE CARIDADE
Becco do Abreu;
Ssbrado de 4 andares n. 1 480*000
Ra larga do Rosario.
Terceiro andar n. 24......250*000
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Ra de Gervazio Pires.
Casa terrea n. 2 ...... 136*000
Ra da Sen;ala-velha.
Casa terrea n. 16...... 209*006
Becco das Boias.
Sobrado n. 18......421*000
Ra da Cruz.
Sobrado n. 14.......1:000*000
Os pretendentes deveno apresenlar no acto da
irrematacao as suas flaneas, ou comparecerem
MWH panhados dos respectivos fiadores, devendo
pagar aiem da renda, o premio da quantia em
que for seguro c predio que contiver estabeleci-
monto commercial, ascim como o sorvico da lim-
peza e prceps dos apparelhos.
Secretaria da santa casa da misericordia do Re-
cife, 27 de agosto de 1873.
O escrivao
_________ Pedro Rodrigues de Sauz o.
Estrada de Ferro Pa-
raense, no Para.
Tendo a assemblea geral dos accionistas da
Companhia Urbana da Estrada de Ferro Paraense,
autorisad a venda desta empreza, a eommissio
eleita para este fim recebera propostas para a
compra da mesma at o dia 10 de novembro pr-
ximo, no Para, podendo os proponentes obter des-
de j as circulares, e examinarem Os estatutos,
bem como os relatorios da companMa de 1870,
1871 e 1872, no escriptorio do Englisb Bank of
Rio de Janeiro Limited.
Juizo dos feitos da fazenda.
(Escrivao Bandera.)
Sexti-feira 12 de setembro prximo futuro, de-
pois da respectiva audiencia, s 11 horas do dia,
ir praca por venda o seguinte :
A casa terrea n. 116 da ra Imperial, com 33
palmos de frente e 83 ditos de fondo, 2 salas, 3
quartos, cozinha ifitanw, quintal em aberto (solo
ESTOCA & P,N\1XT1.
Sexta-feira 29 de agosto.
Beneficio a obras da groja de
Santo Amaro de JabeataO.
Bepresentar-se-hao drama em 5 actos immen-
samente applaudido :
Terminar o espectculo com a scena-eomica
composicao do art' Ui Penante, ornada de msica:
0adir noeamariin.
Principiar s 8 1|2 horas.
Deixa de haver espectculo na quima-feira por
ser esse dia o da recita da sociedade Gremio Dra-
mtico, qual esta empreza guarda todas as con-
sideracoes.
Previne-se que est em ensaios para subir
scena no dia 7 de setembro o drama em 1 prologo
e 4 actos, do dstincto escriptor Carneiro Villela :
o iiiMiL y mm\
Aviso
A empreza e o autor do drama Brtsil e Pa-
raguay previnem e pedem ao publico qne nio
confundam este drama com o qtie se annnncia
para o theatro Santo Antonio e que se intitula -
Os Sold dos Brasiteiros.
THEATRO
GV\ASI DRAMTICO
EMPREZA
ESPIUCA PKH.IHTK.
Domingo 31 de agosto
A's 6 horas da tarde.
Recita na favor de
xnm\z nsnviA
O programma ser annunciado circumstancia-
damente na sexta e sabbado.
O Espmea pede aos seus amigos e frequentada-
res dos espectculos da tarde desculpa de nio
ir pessoalmente convida-los para esta recita por-
que os seos incommodos e auzeres ostorvam-rhe
este prazer.
Entreunto deede Ja se declara grato as pessoas
que adherirem ao sen eonvite.
DE
6 duzias do pelles preparadas e 2 pe^as de
flanella paraselleiros, com avaria.
Hoje
A's O 1|< horan.
Por intervenc.ao do agente Finio
NA RIJA DO ROM JESS N. 43
LEILAO
DO
sobrado amarello de 3 andares e soto 'la
ra da Imperatriz n. 88, e em frento da
matriz da Boa-Vista.
"c
AO MEIO DIA.
Por intervenco do agente Pinto.
Ra do Bom-Jesus n. 43.
rico para jsntar com 96 pecas, 1 dito- para cha,
completo, 2 estantes de panela pintadas pare dia-
les, garrafa*, copo, clices de champagne, de vi-
nlio do Porto, Chciy, verdee para licores, carrafas
lapidadas, grandes o |iequenas, conchas de crys
tal, (tratos para frnctas ditos para conservas, sa-
leiras, descancos para facas, iijrllas para assue;,r,
copos, clices e enfeites pira flores.
Quarto de. enancas.
Camas de fer KhWifadaR, I sof
.rande. I Biilel, Lfl ^N espelho, 1 guar-
da roupa, porla-iu|iP<'^t: e>pe|ho.
Sala e qwafii ^ rriaUtis.
I guarda loara, ir.es,i redonda, ca leirx. Jarra,
filtros, bacas grandes, candieiros, camas de firru-
co m colxoes, inexinhas lavator). e p>pelhos.
Quarto de engoOMnar e despeiica.
I m china para lavar c engnirunar, taboas o
mesas, escadas americanas, lanlcruas para kzeit'.
gaz, ditas para polica, machina para llmpar meas,
escovas, armaru s, banheiros e armacio para ies-
pencas.
Cozinha.
Fogao americano, mesas o bancas de prono,
guarda comida de rame trem de cozinha, linas,
candieiros e moinhos.
Jardim.
Carrinhos de maderra, utencilios para jariim,
grades e porta de ferro.
SEXTA-FEIRA 29 DO CORRENTE
Tendo de seguir para a Europa a familia 4o Sr.
F. B. Bloxham, por sua ordem far leilo o agen-
te Pinho Dorges, dos movis e mais objectos exis-
tentes na casa em qne reside Torre.
Os referidos objectos sao roeommendaveis por
serem de gosto e pouro usados.
As 10 }i horas da manh partir da estacao do
arco de Santo Antonio um trem expresso que
servir do condueco gratis aos concurrentes.
O leilAo principiar asi lt hora.
r
LISBOA I- PORTO
A barca Vencedora, capitao Oliveira. segu via
gem por todo o mez de agosto.
Recebp carga e passageiros : a tratar com o
uonsignatario Tito Livo Soares, ra do Vigari"
3 17.

Aracaty com escala por Macau, sahe ne^s
oito das o novo o superior hiato lenilla da Cruz,
capitao e pratico Caetano da Costa, tem seu car-
regamento quasi completo, para o rest i tratase
com o consignatario Antonio Alberto de bouza
Aguiar, ra do commercio n. 60.
Para o Rio-Grande do Sul.
Pretende seguir com rauita brevidade o palha-
bote Rosita, por. ter alguma carga tratada e para
a que Ihe falta trata-se com os consignatarios
Joaquim Jos Goncalves Beltro & Filho : ra
do Commercio n. 5______________
COMPANHIA PERNAMBLCANA
DE
IVavegaeao costeira a vapor.
ARXnYBA, NATAL, MACAO, MOSSORO', ARACa
TY, CEARX, MANDAHU' E ACARACO*.
0 vapor Ipojaca,
commandante Moura,
seguir para os por-
tes cima no da 30
do corrento, s 5 ho
ras da tarde.
Recebe carga at o dia 28 do corrente, encom-
mendas, at o dia 29, pasiagens e dinheiro a frete
at as 2 horas da tarde do dia da sahida : escrip-
torio no Forte do Mattos n. 12.
Pacific Steaiii Sarigali n Oinpan)
Linlia miinzenal
O PAQUETE
SORATA
espera se do sul at o dia 29 do corrente, e de-
pois da demora do costume, seguir para Li-
verpool, via Lisboa, para onde recebera passa-
geiros, encommendas e carga a frete.
OS AGENTES
Wilson Roe A C.
14ra DO COMMERCIO14
Real companhia de paquetes
inglezes a vapor.
No dia 28 do corrente espera-se dos portos de
sul o vapor inglez Douro, commandante Thwakes,
o qual depois da demora do costume, seguir para
Southampton, tocando nos portos de S. Vicente e
Lisooa.
Para (retes, passagens etc., trata-so na agencia.
roa do Commercio n. 40. _________^____
Aracaty.
Segu para o referido porto com pouea demo-
ra o hiate Oftmfa por ter a maior parte de seu
carregamento engajado e para o resto que Ihe
falta, tratase com os consignatarios, Joaquim
Jote Goncalves Beltrio & Filho ra do l.om-
roersio n. 5
Para a Bahia.
Pretende seguir com muita brevidade o pal ha-
bote nacional Joven Arthur, tem parte de seu
carregamento engajado, e Dar o resto que Ihe
falta trata-se com os seus consignatarios Antonio
Luis de Oliveira Azevedo di C, ao seu escriptorio
ra do Bom Jess n. 87.
LEILO
DE
fazendas avariadas
SEXTA-FEIRA 29 DO CORRENTE
s 11 horas
Por intervenglo do agente Pinto, ra da Bom
Jess n. 43. ____________ _________
Leilo
DE
calcados francezes, pretos e de cores, para
senhorss e meninas
(A V A RIA D O S.)
SEXTA-FEIRA 29 DE AGOSTO
s 10 t|2 horas.
O agente Pinto levar a leilo, por autorisaqSo
do consulado de Franca, em presenta do sen chan-.
celler, e por conta e risco de quem pertencer,
2 caixas marca M A A C ns. 3,355 o 3,364 com
calcados avariados a bordo da barca franceza Jem
Baptiste ; o leilao ser effectuado as 10 i/2 he-
ras do dia cima dito, ni escriptorio do referido
agente, ra do Bom Jess n. 43._____________
3
1 atlas geo-
2 globos para estudo de geographia,
graphio, diccionarios de geograp'ia, 1 jogode
diccionarios da academia franceza. I dito da lin-
gua nortugueza, por Parias, urna historia do
Brasil por Roberto Suthey, 1 archivo pittoresco,
i diccionario de medicina, por Chernovis, 1 for-
mulario, urna porcao de romances em portu-
guez dos grandes escriptores modernos, como
Alexahdre Herculano, Camillo Casteilo Branco
e muitos outros, os quaes serio vendidos
ao correr do marteUo.
Na mesma occasiSo serio vendidos diversos mo-
vis, tambem ao correr do martello.
Sexta-feira 29 de agosto
Pelo agente Martina.
No armazem da ra do Imperador n. 48.
Tendo principio o leilo de movis s 11 horas
em ponto, e o de livros ao meio dia.___________
Grande
LEILAO
DE
bons movis, crystaes, louca de porcelana,
objectos de electro-plate, e outros muitos
objectos em perfeito estado.
O SEGUINTE:
Sala de visitas.
Um piano de Pleyel, 1 mobila estufada, con-
tendo 1 sof, I cadeira do bracos para senhora, 1
dita de ditos para hemem, 12 ditas de guarnico,
1 dita para piano, 1 mesa oval, 1 dita pequea ro-
diziada coberta de marrjquim, I dita dita com 3
ps, 1 espreguicadeira, 1 cadeira de bracos cober-
ta do marroquim, Buean, I estante para musir,
1 mesa de costuras, 2 espelhos com molduras
douradas, sobre concolo, com lampos de marmore,
2 etageres de mogno, 2 ditas pequeas, vasos para
flores, eandieiros a gaz do 2 pavios, estatuas de
jaspe, 1 coberta de l para mesa, pinturas em
quadros com molduras douradas, jarros de crys-
tal. capachos de pele de carneiro tinturados, I al
mofada para sof, 2 banquinhas, 1 espelho oval,
1 tinteiro em prato dourado.
Gabinete.
Urna escrivania cora estantes para livros, 1 es
tante para livros, 1 cadeira de bracos, 1 dita
de bataneo, de ferro, 2 ditas com assenio de tapete,
1 mesa de mogno de abrir e fechar, 1 dita peque-
a, jogos para criancas.
Sala de entrada.
Um porta-chapeos, 2 cadeiras de carvalho, 1
capacho grande e 1 tapete.
Quarto principal.}
Camas de ferro, coleho, travesseiros, almofa-
das, mesas de mogno, commodas, guarda -ronpa,
guarda-vestidos, sof de ferro com coleho de
molla, cadeira de ferro, jardineiras com lampos
de marmore, cadeira de vime, estantes para bolas,
cadeiras, tapetes, frascos para extractos, prten-
las de lavaoris o casticaes com mangas.
Sala de jantar.
Urna mesa elstica de rosca, 2 cadeiras cobertas
de marroquim, 1 rico guarda-louc,a (grande) 2
aparadores de mogno (obra do afamado Remigio),
I candieiro com globo pintado, 2 ditos de crystal
para 2 pavios, 3 pinturas, i mesa redonda com
lampo de marmore, 1 relogio inglez de parede,
capachos, venezianas, t machina de costuras em
perfeito estado, 1 coberta de l para mesa els-
tica.
Ob;ectos prateados.
Um servico para cha contendo 2 bules, 2 cafe-
teilas, 2 leiteiras, 1 astucarero, 1 estante dourada
para paos, 1 galheteira, 1 mosUrdeira, salvas,
casticaes, conchas pan sopa, ditas para molho,
12 ditas, 18 ditas para sopa, 18 ditas para cha,
6 ditas para o- os, 6 ditas para sal, t dita para
mostarda, 24 garfos grandes, 18 ditos pequeos,
12 facas para peixe, 3 pares de trinchantes, 24 fa-
cas, 18 ditas pequeas, 1 porta-biscootos, 1 ser-
LEILO
DA
armacao, bulco e faaendas da luja da n.a
da Imperatriz n. 40.
TERCA-FEIRA 2 DE SETEMBRO
s 11 horas.
O agente Pinto cumprindo o mandado do Illm.
Sr. Dr. juiz especial do commercio, levar leilo
no dia c hora cima ditos, as mercad- ras que
eonslituem a assa fallida de Mendos & Carva-
lho, existentes na luja da ra da Imperatiiz n. 40,
onde se effectuar o leilo.
Os pretendentes podero desde j examinar o
inventario que se acha em poder do mesmo agen
te, e na vespera e dia do leilao as fazendas e mais
bens, na mesma loja.
AVISO.
O leilo de fazendas e caTcados annunciado por
intervenco do agente Pinto para hoje, fica transfe-
rido para amanh 29, por nao terem sabido da al-
fandega ditas caixas.
ftVlSQVrRSOS
Arendase, ra da Aurora n. 65, a pronrie-
dade Barra de Serinhem, sita no litoral da
freguezia deste nomo, teira-mar e beira-rio; cer-
cada de bastantes coqueiros, com rendas do solo
a cobrar ; milito propria para plantacoes, pesca-
ras, c para estabelecimento ds seceos e molha-
dos.______ '__________^_____________
Arrenda-se, ra da Aurora n. 65, o enge-
nho S Gaspar freguezia de Serinhem, com
partidos de massap e pal, mui prximos da
moenda, com madeiras e mangues bastantes, pes-
te do embarque, dando-se para esse arrendamento
alguns annos de fogo morto._________________
Na ra do Mondego n. 111 precisa-se de um
feitor.
AVISO
Convido a todos os Srs. socios da ociedade R
Terpsichore, a reuniram- se no recinto da mesma
no dia 3 i do corrente pelas 7 horas da noute
afim de se tratar definitivamente da dissolueao
della, que j por vezes se tem annun -iado.
Secretaria da Sociedade R. Terpsichore, 27 le
agosto de 1873.
Leopoldo Marina,
Vicepresidente.
Ao publico.
Srs. redactores. O mais sagrado dever para
mim o da gratidao, e por isso vetiho testemn-
nliar, dj alto da impreota, a in-peclor Belcbior
Miguel dos Santos, pelos relevantes servicos que
prestou-me e minlia lamilla, por occasiao do
principio de incendio que se declaron na caa do
minha residencia, ra Vinle e quatro de Maio,
(antiga praia do Caldeirero), os meus sinceros
ugradecimentos, fazendo votos para que a polica
lan.-e mao para seas agentes, de homens prestrno-
sos e activos como aquello.
Receba, pois. os mesmos agradecimentos o Sr.
Belcbior e fique rerto que jamis esquecerei os
serv jos que prestou-me em transes tao crticos
como o em que fui acudido por S. S.
Recife, 27 de agosto de 1873.
Manet da Silva GuimarSes.
Attenc,o
Xa ra e>treita do Ro?ario n. 35, sobrado de um
andar, preparam-se bandejas com belinhos de todo
gosto para casamento< o bailes, enfeitara-se pao de
l, pudms e bolo inglez para presentes, enfetados,
tem bouquets para venderse, de todas as qualt-
dades, de flores para ofTertas cora fitas bordadas
ou qualquer letreiro que.queiram, e para casamen-
to, de cravos naturaes c >m fitas bordadas a ouro,
bouquets de flores artificaes de todo gosto, prepa-
ram-se ricas velas para baptisados por procos com-
modos; do dia 15 de setembro em diante qualquer
pessoa tanto de dentro da cidade como de fora,
que todos os annos compram rapellas para finados
podero procurar, que acliarao de todo o n otlo
que precisarem, de cravos, de saudades, de perpe-
tuas e do rosas para anta, d mellas, adultos, com
os letreiros dizendo, saudades e lembrancas de
met esposo, do minha esposa, de minha mae, de
meu pai, de meu filho e filha, irm e irmo,
a vi, avy: qualquer pessda que quera poder man-
dar ver tudo por muito barato preco de 64, de 7 J,
de 54 o do 34, de flores rxas e brancas._______
Arrcoailacao de dividas.
Antonio Jos Goncalves de Azevedo, arrematan-
te legal e judicialmente pelo Illm. Sr. jniz especial
do commercio, da massa fallida de Araujo Cam -
pos A. C, ra do Mrquez de Olinda n. 50, ou-
tr'ora Cadeia, roga a todos os senhores qne
tiveram transaccoes com a referida firma d'ora
em diante virem realisar ditos dbitos rus
do Livraraento n. 31, isto sem perda de tempo,
do contrario serio chamados pessoalmente pelos
jornaes mais lidos desta cidade, e finalmente pelo
juizo competente.
TODOS % DIAS
A QUALQUER HORA
Coneja gelada t (miras bebidas
VIANDAS
E DOCES PARA LANCHES
NA CONFEITAKIA DO
CAMPOS
2*4. Ra do Imperador 24
Caixeiro.
Oflerece-se um caixeiro com as habilitaeoes
precisas para o commercio, em relacSo a servico
de ballo. Tem bastante pratica de padaria e
armazem : a tfatar na roa de Hortas n. 8.
Caixeiro.
Ha leja da Casa Forte precisa-se de um menino
para praticar em hiendas : a tratar na asesina,
defronte do Corre a roda.
T
'
1
,1.
\>


Diario de Peraambuco Quinta feira 28 de Agosto de 1873.
. 5
i


MEURON&C.
aos compradores do bem conhecido e acreditado rapa
REA FRETA, que reparem nos botes e meios botes,
pois que os ha de rap de ontra fabrica e nome diver-
so, e com papel da mesma cor, cujo desenhc se pode
confundir com o d'aquelles.
Os apreciadores que quizerem do verdadeiro REA
FRETA, devem para nao serem engaados ver que
os botes tragam o nome de MEURON & C, e a desig-
nado de REA PRETA.
MEURON ft C.
FUNDICAO DO BOWJAN
RUADO BRffl N. 52
(Paseando o chafariz)
PEDEM AOS senhores de engenho e ontros agricahores, em pregado res de m
ttinismo o favor de orna visita a seo estabelecimento, para verem o aovo sortimeoto
omplet) que ah tem; sendo todo soperior em qualidade e fortidSo; o qoecom a ios
peccSo pessoal pode-se verificar.
ESPECIAL ATTENCO AO NUMERO E LUGAR DE SA FUNDICAO
VannrAa A mana ri'fl.P'na dos umais mo1erD08 8ystema9 e.?m ta
apuros O I Wuao u ag ua manilos coDveDieotes para as diversas
rcnmstancias dos senhores propietarios e para descarocar algodo.
Koendas de canna 22! 8 iamanb08'as:me,bore8 qoe ,qoi
Rodas dentadas p" a"e*apr
Taixas le ferro fundido, batido e de cobre.
Alambiques e fundos de alambiques.
BlaChiniSmOS P*M0."
Bombas
Todas as machinas
Faz qualquer concert de machiisrao' pre ******
s?ni*maa Ha fAWfi tem as melbor^s e mais baratas existentes no mer-
9nAnmman<1aa Incnmbe-se de mandar vr qaalqoer macbinismo i von-
XbnCOmmOUUiiS* tade dos clientes, lembnrido-lbes a vantagem de faxerem
mu compras por intermedio de pessoa entendida, e qoe ena qnalqaer necessidade pode
Jies prestar auxilio.
Arados americanos m* ***-
RA DO BRUM N. 52
PASSANDO O CHAFARIZ
e para errar maddira.
de patente, garantidas
Podendo'todos
ser movidos a m5o
por agoa, vapor,
on animaes.
e pecas de qoe se costoma precisar.
Para os pais de familia
Fortunata Puntea, moradora no 2* andar do so-
brado u. 16 da ra doCabug, faz lembrar qoe
ahi continua eom saa aula de instruccao prima-
ria para o sexo feminino, onde com muito gosto
e delieadesa ensina a ler, escrever, contar e gram-
'malica nacional, e tambem os frabalhos ie agulha
je bordados de tedas as qualidadas, os quaes julga
dispcnsavel numen-Ios; ensina tambem fazer flo-
res com maito gusto, pois tem di-to muita pratica.
Tambem ensina msica, piano e francez aquellas
meninas que seus pais Ib. qaeiram dar mais
completa educado. Acceita alumnas externas e
internas, afflangando bom tratamento e prego
mais commods que em outra qualquer parte. Na
mesma casa trabalha-se para lora em flores tanto
finas como ?rossas, e tambem bordados a oiro de
l de alto relevo, e croch ; tudo com gosto e por
barato preco. _______________
MORADIA OU
ASSISTENCH
Precisase de um primeiro andar ou segundo
na ra do Imperador ou suas immediacoes, pelo
qual se permuta um segundo andar no principal
ponto da ma do Imperador, cujo alugnel nao
excede a 500*, e serve nao s para moradia como
para cartorio ou escriptorio : a entender se na
confeitaria do Campos n. 2i, ra do imperador.
Aluga-se a casa terrea n. 4 da travessa da
ra do Calabouco Velho : a fallar na ra do Im-
perador n. 4i, botica do Sr. Ribeiro, ou ra das
Cinco-Pontas n. 31. aj
Aluga-se
o terceiro andar da ra do Vigario Tenorio n. 20
atratr na do Amorim n. 37._____________
As pesso;is que tem pretendido estabelecer-
se no terreno devoluto que tica nos fundos das
casas ns. 18 e 20 da ra da Florentina, onie exis-
te a fabrica de serveja, cujo terreno limia-se at
ra de Santo Amaro, podem entender-se com o
droprietario na ra do Hospicio n. 35.
o publico.
IMPORTANT SALE
To the Inhabitantes of Peraambuco.
GREAT BANKRPT SALE
OF
DRAPERY.
Owing to tbe late disturbance in Europe, caused by the Franco-Prussian War, the well-known
Firm of Messrs. Wilson, Dance & Co. of Mancbester, England, Bemg Bankrupt, Messrs. H. W.
Appleton f{ C". will dispose of by Prvate Sale, a large prtion of the Stock belonging to the late
Firm, consisting of
UTESTf 1NG1AND BROAU "AND NARROW
______________cuyms.__________
ENGLISH MELTONS, BEAVERS
Scolehtweeds, Cheviots, Frenc Clolhs, Cassimeres, & C.
Tharo will also be otTered a larso Stock of
ENGLISH PRINTS, CALICES WELSH FLANNEL, LADIES' KID BOOTS AND
SLIPPERS.
To which the assignees would respectfully cali the attention of the Public to the following -
LOW PRICES, viz : -
A Large quantity of English Prints which will be offered at id. per yard.
i of English Calices.................... id.
of Welsh Flannel..................... lid.
c Kid Boots............................ 6*. per pair.
Kid Slippers......................... ts.M
< c English Kicking..................... 6 per yard.
.Y fl.We wonld also cali particular attention to the larg lot of FREM'.H and PAISLEY
SHAWLS of the Latkst Dbsigns and Finfat Qualities, which wil be offered at a Oreat Sacrifico ;
a large assortiment of FRENCH and ITALIA.X SILES ; also, IRISH POPLIN DRESSES manufactu-
rad by the celebrated Prim. Bros, of Dublin.
A LARGE QUANTITY OF REMANTS OF ENGLISH AND FRENCH BROAD CLOTHS.
Hrltonfi, Beavers. Tweeds, (assiinrres, etc., which wll be Bold In Iota
to snit Prvate Famlles, at considerable.
BELOY MANUFACTURERS PRICES.
N. B.The Assignees have engaged the servicos of Twenty'Salesmen, who will offer for in9pec,
tion and sale, portions of the above Goods and frora the low prices at which they will be oflered
thev feel confident of a speedy clearance. Onb Price will be charged from which No Abatrmen-
will be roade.
The Above Gooda Can be Meen at 99, roa do Imperador
From A. M. To 0. pm
FOR A FEW DAYO ONLY,
H. W. APPLETON & Co. Assignees.
Domingos Mara Goncalves, cnsul portuguei
de 2* classe e en "arrogado que foi do consulado
de Portugal cm Pernambuco nos ltimos treze me-
zes, participa aos seus amigos, tanto nacionaes
como portuguezes, que tem o seu escriptorio na
ra Primeiro de Marco n. 23, i* andar, antiga roa
do Crespo onde pode ser procurado todos os
das nao santificados, das 9 horas da manha as 4
da tarde.
Troca se um sobrado de dona andares e
sotan, chao proprio, por um de um andar, ou mes-
mo por casas terreas que seiam em boas ras e
que nao estejam desconcertadas : a pessoa que
Ihe convier o dito negocio dirija-se ao pateo do
Carino, sobrado n 16, segundo andar, que achara
com quem tratar o dito negocio.______________
Mobilias de aluguel
Aluga-se constantemente mobilias completas e
qualquer traste separado : na ra do Barao da
victoria, armazens de mobilia de Antonio Domin
gues Pinto na. 57 e 58. _________
LUIZ.
Olinda.
Attenco.
Precisase fallar ao Sr. alferes Justino Lopes
Cardim: roa do Lima em Santo Amaro n. 10.
Aluga-se urna casa na roa do Mathias Perrei-
ra, eom quintal e cacimba : a tratar roa do
Amorim a. 37. I-------- -------------------------
________________- __________:_______I Candido Ursuiino de barros declara a todos
Na roa da Cruz n. Vi, 1* aadar, precisa-so' os seus credores que mudou saa fabrica de eigar-
de urna criada roe soja boa ogoramadeira, para ros do becco de Jos Caetano ir. 2 para a n do
eaa do pequea familia, paga se bem. Lima n. 6, em Same Amaro.
No dia 9 de agosto do corrente anno desappa-
receu do engenho Mega de Baixo, na freguozia
de S. l.ourenco de Tejucupapo, comarca de Goyan-
na, o mulato Luiz, natural da Parahyha, que re-
presenta ter 25 annos pouco mais ou menos, eujo
mulato tem ma o um irmlo moradores no Reci-
te e tem os signaes seguintes : ps grandes, ca-
bellos meios carapinhos, urna costura de um ta-
Iho n'um braQO e o signal bem visivel do dedo
pollegar da mi esquerda cortado quasi ao meio,
proveniente de um golpe de foice descacando um
coco. Elle sabe ler al,mma cousa Presmese
que dito rn lato ande pela cidade do Recife. A
quem o apprehender e condozir ao referido en-
genho ou ra da Cruz n. 30, se gratificar ge-
nerosamente.
* Consultorio medico cirurgico
00
Dr. Americo Vespucio.
Roa do Bom Jess, antiga
da Crnz n. *B 1 andar
Chamados a qualquer hora, e para
fora da eidade.
Consultas do 1 hora as 3 da tarde.
Gratis aos pobres.
Especialidades :
Partos e molestias da uretra, operacao
2 ^s estreitaraentos pelos precessos os
9t mais modernos.
00* ( 9
Precisa-se de bons offlciaes de barbeiro
roa da Cadea do Recife a 51, I* andar.
*
4
*
*
*

1
na
ATTEMAO
Com sorpreza I i no Di'im de 26 do mez pas-
sado, um communicado de meu mano Joaquim
Carneiro de Andrade, dizendo qoe ficava son ef-
feito qualquer transaccao feita por Jalo, como
urna lettra aceita polo Sr. capillo Thomaz Alvos
Maciel Jnior, da quantia do um cont do res,
de que seo saeador ; em tempe provarei que mou
mano nada tem com a referida lettra em razio de
urna transaccao entre nos existente, qoe o mes-
mo se tem recusado ao ajuste do contas, a qual
nao temos ultimado, porque a "isto so tem recu-
sado mou mano, nao obstante as instancias mi-
nbas e do amigos meas.
Villa de Palmaros 22 do agosto do 1873.
Amaro Jos Poreira.
Cozinheira,
Papisa-te do nm anu que seja perfeita
servido oametenha boa .cimlucia : tratar em
Santo Amaro um secuineuto ra d'Aurorn n.
I TI. _____________________
rTvck-i e i!.- urna urna Mi<: - na rlia h IVnli.-i r. i.:, |-,"iiti.ir, _________*.
ArilH," ,',uc'!"a '''''' nun ana, ."..i mucicia,
iiLiua para Cafa ,ju (,ei|Uena fainilis, prefe e-*
esrrava : na rna da Uniu n. 49.
l'r cisa se de iluas amas,
sndn uiua para engonimar
e faier ouiros scrvico* do-
msticos, e outra para co
ziohar e lavar, em casa de
pequea familia : na ra do Capibarihe n. W.
AMA
16,1.* andar.
Precisa-se de urna ama para
o servieo de duas pessoas: atraz
do quartel de polica, sobrado n.
Ama de leite
Precisa-se de urna ama de leite : na ra do
Bario da Victoria n. 38.
PRECISA-SE de uma
que saiba cozinhar para
uma familia de auas
pessoas : no pateo do
Paraizon. 88, l.'e 2. andares._________
A TTlfl, Pree>sa"se > urna ama forra ou es-
xx-inoi cjyj para casa je familia : a tratar na
roa Duque de Caxias n. 111.
ATTENCO.
Do dia 23 do corrente mez de agosto era diante,
haver venda leite puro pelo preco de 400 rs.
a garrafa, todos os dias as 8 horas da manha, no
becco do bilhar dos arco?, junto a botica hemeepa
thica na raa do Imperador.
Garante se a qualidade.
O administrad! r da massa fallida de Rostron
Rot'ker & C. avisa aos Srs. abaixo mencionados
para virem receber seus dividendo* : banco Novo,
thesouraria de fazenda, Monhard & C, Augusto
F. de Oliveira, Jeaquim JosSilve.ra & C.,^ Rodri-
gues da Costa Carvalho, John Ridehough,James Con-
r>, Matson & Stark, William Richardson e Sons
W. W. Ronnie. Iones & Richard.-on, Geo Burndt
a. C. e Broce Gunston & C
RA DO COMMERCIO N. 46.
ALUGASE
o segundo andar do sobrado da ra da Guia n.
62, grande, caiado o [untado de novo : na ra da
Senzalla Nova n. t.
COHPANHIA
DOS
TRILHOS URBANOS
DO
Recife Olinda.
Esta cora panha recebe at ofim do mez
d'agosto, proposta para a collocac,3o d'uma
linha telegraphica, da estaco d'Aurora at
a do Varadouro, em Olinda, e da Encru-
zilbada at Beberibe. Para infurmaro se
entendero os proponentes com a respectiva
gerencia.
0 gerente interino,
Laurentino Jos de Miranda.
k come^ar do mez de setembro, haver
nos domingos e dias santificados, para Be-
beribe, um trem s 10 horas da manha, at
que a concurrencia de passageiros prove essa
necessidade : regressar ao meio dia.
O gerente interino,
L. J. de Miranda.
Feitor
Precisa-se de um feitor que entenda de servieo
de Hurta e jardira : no collegio da Conceicao'a
roa de S. Francisco n. 72.
Pince-nez
Perdeu-se um pince nez de ouro, para homem,
da ra do Capibarihe para a roa da Aurora, es-
quna da da Conde da Boa-Vista : quem o tiver
achado, querendo restitui-lo, tenha a bondade de
leva lo ra do Capibaribe n. 40, onde se grati-
ficar o trabalho.
Licpes de piano.
Uma senhora portuguesa, chegada ltimamente
de Lifbia, ofTerece-se para dar ligos de piano em
casas de familia e por preco razoavel : podendo
dirgir-se a ruada Aurora n. 5, primeiro andar.
ESCRIPTORIO
COMMERCUL.
\n, Kiia da Prala, 2.
IAS1HVV
Luiz Felippe Leile lrnios
Executam por commissao quaesquer ordens das
provincias do reino, ilbas e provincias ultrama-
rinas, bem como do Brasil o outros paizes estran-
geiros.
Recebem consignago gneros, nacionaes, co-
loniaes, hespanhes, franceses, inglezes, allemaes
e do Brasil, ou mesmo de outros paizes, para se-
rem vendidos no reino ou fra delle.
Executam ordens para compra e venda de fun-
dos pblicos, nacionaes e estrangeiros. Tratan)
da eobranca dos respectivos dividendos.
Promovein no mesmo escriptorio, inventarios,
liquidacoes, causas civeis o commerciaes, appel-
lacoes e recurso de revista.
Tem os melhores advogados na capital.
Para os negocios de natureza especial, como
causas forenses, administraco de bens, etc., que-
rendo-se, pode proceder accordo previo conforme
a natureza do negocio.
Solicitam-se dispensas matrimoniaes e quaes-
quer outros breves apostlicos concedidos em Ro-
ma ou pela Nunciatura em Lisboa, annullagao
de ordens, e quaesquer outras dependencias dos
tribuuacs da Sania S.
Tratara da arrecadagio de herancas e admims-
tracao de bens no continente do reino.
Obtem documentos de qualquer diocese, dislrc-
to administrativo, conselho, ou freguezia do reino,
ilhas e provincias ultramarinas.
Fa.-em adiantamentos sobre consignagoes de
quaesquer gneros que tenham prompta salada
nos mercados inglezes ou allemaes. Tambem com-
prara aquelles que se offerecerem em condigoes
vanlajosas.
Fazem transacSes por consignago ou compra,
sobre mnenos, taes como de cobre, chumbo,
pbosphat, ou outros quaesquer, se convierem as
condi<;5es de qualidade e prejos.
Dao-se boas refereneias em Lisboa e no Porto.
Esta ca-a tem correspondencias serias em todos
os pontos do reino, em Pars, Inglaterra e Mam-
burgo, na frica portugueza, em Maro (China)
reinada Siio, ilnas dos Acores e Cabo-Verde,
e aceita as propostas que do imperio do Brasil
Ihe forera feitas por correspondencia eAVctiva ou
eventual.
Na modicidade do suas commrssdes. na exact-
do de suas cuntas e no crdito tongamente esta-
belecido faz consistir toda a garanta de bom ac-
Ihlmento.
Tem correspondentes em Sevilha e outras pra-
cas de Hespanha.
N. B. -As commissdos sao reguladas pela praxe
desta praca_________________________
Previne-so a quemlnteressar possa, que no
ongeaho Pedreiras, situado na cidade de Goyan-
na, existe ama hypolheca do nove a 10 contos
d ris, pelo que n:o pode seu proprietaro ven-
de lo sem qoe pruneramento nao se ache desem-
baragado daquella hypotheca, o que se declara
para em tempo oeobom allegar-se ignorancia.
Attenco
JoSo BaptiLa Castanha conviila aos credores de
souirmao Antonio Bapiisia Caslanha, fal ocido rui
Una no dia 3 do rotrenie, a .-.iricnt.-ir >ua- eol-
ias na roa da MaJn* de D.'os i. '4 u de!
V.nh- Ir ii^ - Al::g.- >v ::i. .-.i 'i~"a".-i:."-r.:.".!..". 7 '
-1 i :'.:l:i '> i -. inhl Rn >. i I-r. r v i
p tl'.l<-ik! Siliuqglli; .ilfcU:na> filrl.-ii :s, r..ri"iul<:i C
lamine {>aia hahho : "jiiem pp-tcinK-la ilirfji M :i
oiaria do Avilla, na traversa ilo ItfBiojlio.
Saques.
Cunha Irmaos & C ra da Madre de Dos n.
34, sacara sobre o Porto.
Para O Sr. Antonio Marcelino Alve>. ila Co>ta
existe uma carta na thesouraria das loteras.
Manoel Francisco Ponies, iiosruido na inaior
dor convida a todos seus prenles c amigos, para
assistirem s missas que no sabbado 30 do cr-
rente s 7 1|1 horas da manhi, manda celebrar
na matriz do Corpo Santo, por alma de seu ex-
tremoso pai Jos Francisco Lopes, fallecido em
Portugal no dia 31 de julho prximo passado, an-
tecipando desde j seus sinceros agradecimentos
p >r to caridoso obsequio.
- tuHtmm__flB_d____M_i___!M|____
Hospital portuguez.
A .junta administrativa do hospital portuguez
de beneficencia em Pernambuco, temi de man-
dar celeurar no sabbado 30 do corrente s 7 ho-
ras da manda, na oratorio do mesmo hospital
uma raissa de rquiem pela alma do fallecido be-
nemrito visconde de Loores, convida para o re-
ferido acto de religiao, lodos os so&os oeste hos-
pital, os prente e amigos do momo tinado.
Hospital portuguez de beneficencia em Pernam-
bnco, 26 de agosto de 1873.
Luiz Duprat,
Secretario,
Os Srs. Dnarte Jnior 4 C. queiram ler'a bon-
dade de apparecrr roa do Imperador n. 22
(dregarja) ailm de receberera uma carta de im-
portancia que existe para os mesmos senhores,
vinda da Baha.
Boa acquisi^o
Traspassa-se uma loja, ptima para qualquer
genero de negocio, pois que tem a noeossaria ar-
maguo, na ra da linperatriz u. 7 : quera a pre-
tender dinja-se a ra do Coramerco n. 12, no
ot el da Europa.
Precisa-se de um caixeiro com bastante pra-
tica de moldados e que d fiador sua c-ndueta :
a tratar na ra estreta do Rosario n. 5-7.
Aluga-se a casa da Capunga com commodos
para familia : a tratar no rac.-mo lugar, ra das
Crioulas n. 25.
Garanhuns.
Na roa do Barao da Victoria n. 36, precisa-e
fallar aos Srs. Pedro dn Reg Chaves Peixoto c
Jos Paes da Silva, a negocio de particular inte
resse.
COMPRAS
Comprase um escravo que saiba trabalhar
de tanoeiro, preferese que nao seja mogo : a tra-
tar n praca da Independencia ns. 19 e 21.
fB S '-& E5 JL 1 diSli^iS 4|
f Compra se e vende-se trastes novos ^
^?' e usados : no armazem da ra do Im- f
A arador n. 48. A
VrNDAS.
Luvas de Jouviii.
Muito frescas, chegadas no ultimo paquete : na
loja do Passo, roa Primeiro de Mareo n. 7 A,
antiga do Crespo._______________________
Por 400OOO vende se um preto, mogo, ro-
busto, com um pequeo defeito nos ps que ser
patente ao comprador, barato : na ra do Hor
tas n. 96. Na mesma casa ba outros escravos
para vender-se. ,
Potassa
nova da Russia, desembarcada ltimamente e em
me03 barris : vendera Cunha Irmaos & C. ra
da Madre de Dos n, 34.________________
Vende-se
um escravo com excellentes habilitages, tanto
para copeiro como para cozinhar e comprar, as-
sim como tambera se vende uma escrava que co-
zinha e engomma com toda perfeicao : a tratar na
roa da Cadeia do Recife n. 30, 2' andar.
= Vende-se uma escriva boa cozinheira, en-
gommadeira e costureira (em casa particular) : a
tratar na ra do Coronel Suassuna n. 86.______
= Vende-se um terreno na ma do Rangel : a
tratar na ra do Coronel Suassuna n. 86.
Papis piulados.
para forrar salas e outros quaesquer aposentos,
sortiment) completo ; vende-se por menos do que
em outra qualquer parte : ra do Vigario nu'
mero 16.______________________________
Peixc secco e em salaionra
das melhores qualdales que ha as ilhas por
tuguezas, vendera cm porgio e a retalho, p*>
gas A C, a ra estreila do Rosario n. 9._______
Aglhas e oleo para machi-
nas de costura.
A agina branca ra Du ue de Caxias n. 50,
recebeu novo sormento de aglhas americanas
para machinas de costura dos aut Tes Backer, Wi-
son e Singer, e oleo retinado para as ditas.
s *
a_
o S
!
s

*-8 l
B ^^ 2
MO

Wr
n1
Nao du v dem
S na ra do do Crespo n.
20, Ion ' c <{': ^(' pudein vender
as iazrmhts'abiixo, pelos
preces seguinies:
l.asinbas e.'cocczas a 240 o,cov.ido
Ditas de hstra< padrocenovo a 280 o covadi
Ditas ci.in letras de seda *400 r<. o covado.
Alpacas rom li>lras a 500 rs o covado.
Merir assetinado para roupas a 360 rs. o eo-
vailo.
Chapeos d sul do eila com cabo de ossoo 8.
Alguilao de ristras americano com pc;]ueni) do-
feito a .'i;0 rs. o eovail'.
Mas par.los e de coros a 400 e 440 rs o covado.
Brini br.inco lona a 1*600 a vara.
Cambraia pixta com titra.s c H res branca.-',
proprias para lulo, a 2io rs o covado.
Dita* finas de cures a 290 rs. o covado.
Crelone par? camisas e vestidos a 440 rs. o co-
vado.
Chitas roxl e de, cures a 200 c 240 rs. o ca-
vado.
Grosdenaples preto de cordao a 2*400 o covado.
Colchas adamascadas a .!*'(0 e 4.
Ditas de croch a 5*.
Cohcrtas i'e chita adamascada a 3*500.
Cobertarel de la escara a 2j.
Lenges de bramante a 2*.
Ditos do algod' a 1*400.
Toalhas alcochoadas a 64 a dnzia.
Lencos de eaa rom barras a I i duzia.
Ditos ditos de abninliados a 54 a duzia.
Ditos de osgniao a 34MI0 a duzia.
Cainluaia lisa a :t e iSOl) a pega.
Dita Victoria lina a 3800.
Cortes de casomira fina a o*.
Atoal .ado a 2 a vara,
Can.isns inglezas fui radas, com peito de linho,
pelo ditniouto prego i!c 38*000 a duzia e 3400
cada una.
S na loja de Guillieriiie 4. C, ra do Cros-
po n. SO. ______________
L vai pcciiiiidia.
Eu j vi.
A rosa branca reCroen ura lindo sortimenta
de- cortes de vi-stids do cambraia bordados, mul-
lo liims e vendo por 10 ; venta- antes que se
acabem.
A rosa branca vende meias cruas para hornera
a 4*S00 a duzia, muito boas'; tambem vende len-
eoi de cores para meninos a l a duzia.
J chesrou
a rosa branca as cambraias de salpicos e vende
por a pega.
Ser possivel?
A rosa branca vende chapeos de sol de seda
muito fina a f05, im-ia canna, seda trancada, os
mais modernos do mercado a I3S, e de calo de
marfim muito tirulos e de lina seda por I4000 :
quem duvidar venta ver.
Aproveitem.
A rosa branca vende chitas finas e limpas, de
cures seguras a 240 e 280,rs. Sapalos de tra'nga,
marca Chaves a '.*'i00. _________________
veIde-seH
a annagao e merca dorias da fabrica de cigarros e
charutos a ra do Rosario n. 16 : a tratar na mes-
ma, ou ra do Queiraado cora Flix Pereira de
Souza.
"Caf-
do Rio de Janeiro : vende-se ra de Vigario, ar-
mazem n. 16.
No armazem n. 16, ra do Vigario, ve-
de-se o eguintc :
Plvora ingleza de superior qualidade.
Chunib de inuiiivo.
Folha de Flar.d.es.
Estanlio cm vergunlia.
Palhinha preparada.
Oleo de linbaga
i i.; r, na laca.
Cola a ifahia.
Relroz de superior qualidade.
Pe les de couro de lustre.
Ditas de Bezerro.
Cera em vellas de Lisboa.
D tas bogias.
Cadeiras liamburguezas.
Ditas de tatauro.
Ditas para ciranca._____________________
Azeite de coco
Vende-sc em harris d 5', de superior quali-
dade, por prego em conta ; ni rna do Bm esus
(oatt'on da Cruz) n. 7 Io andar.
Armaco de taverna.
9
Vende se a arma gao da inverna sita travessa
das Cruzes n. 6 : a tratar cora Pocas \ C, ra
cstreita do Rosario n. 9*
DINHE1R0,
As pechinchas eslao-se acallando, na loja n 43
da ra da Cadeia do Recife, onde tem uma ban-
deirola com o titulo cima : quem quizer sortirse
de fazendas para ra-a por menos que em outra
qual pier parte, nao perca tempo pois restam pon-
cas.
Petoral de Cereja
do Dr. Ayer.
i*
Par* Molestias da Garganta, Feito,
Pulmes, taes como Toesea,
Constipaces, Defluzoa, Coque
luche, Bronohitis, Anthma, Con
sumpoao ou Tsica pulmonar, 4 c
Antes de apparecer o PEI^RAL nnnea a historia da
medicina vira prepanujo algiima que Ho univereale profun-
damente ganhasse a confianca do genero humano, como este
exceltentisslmo remedio para informidades pulmonares. Do-
rante tonga serie de annos, entre quasi todas as racas doa
homens val gozando cada vez de mais alta reputscio e re-
nome, como o melhor protector contra estas molestias.
Ao passo que se adapta perfeitamente s formas mais bran-
das das molestias, e as criancas e meninos, ao mesmo
tempo, o remedio mais fficaz que se pode produzir para im-
pedir o progresso da TtHtm Incipiente e todas as perigosas
affecces do peito e pulmes. Como antidoto contra alfaques
repentinos de Croup, todas as familias devem o ter em suas
cazas ; e em geral, como todos sao sujeites a constipaoSes a
tosses bom estar-ae sempre prevenido com tam poderoso
remedio.
Posto-que a TUiem Dilmr*** e tida como sem cura,
ha portanto grande numero de casos em que esta molestia
pareca ser declarada, mas que se tlm curado radicalmente
pelo uso d'este PETORAL DE CEREJA.
Mimares de casos de MotmHa im 9mromnt e pulmes
que tinham baldado todas as expedientes da pereca bumauo,
teem cedido k influencia do PETORAL DE CEREJA.
Os Cantor* e os Orador acharao o Petoral um ez-
cellente protector contra molestias, e de grande serventa
para ajudar a voz.
Sempre allivia a Anhma, frequentamente a faz desap-
parecer inteiramente.
Em doses pequeas e repetidas, regularmente cura a
BnnehUU.
Para ctuHpaett e ton*, nio possivel encontrar-te
milhor remedio. Toma-se em doses pequeas trez veaea
por da, e k note um escalda pt, ate se curar a molestia. -
Para os Defiuxot, quando eectam a garganta, deve-ea
fazer o mesmo.
Para a lteae-eapwus on c+guttueh*, da-ae em pequenaa
doses tres ou quatro vezes por ala.
Para o Croup, doses grandes e repetidas, at se vencer a
molestia.
Eflectvamente nemhuma familia oVre passar sem o PBJ-
TORAL, para se defender contra os attaques repentinos
das molestias cima menoionadas. O seu emprego com tem-
po. muilas veaea poapart ao inferno multos solrlmentos e
perigoe que oocorrertfco se Uvesse da esperar para outro aux-
ilio. Paes e mees, coneerooes retoadlo sempre em casa.
Vidas preciosas se vea podem salvar.
As vStndes d'eate preparaeto tm aa tornado tam tbI-
garmenfticonhecldas, qao nos dispensamos de publicar aqu
atteitados de algumas de naas grandes curas, e noe Umitamos
assegurar ao publico que estas virtudes que ora pcasua
sempre se conservaro.
raarsatoo roa ,
J. a Ayer & C*., Lowell, Miu. E.U.
VEHDB 8K POR
i
.-i^tuStSltt.!^-'-


Diario de PernaSnbeo QiMa fcira 28 de Agosto de 1873.

*\T
GRANDEv
Era fazendas
yj
NA
de gosto
LOJA E ARMAZEM DO PAVAO
N. 60 Ruadalmperatriz N. 60
de
KREIRA DA SILVA & GUIMARM
Os propietarios deste importante estabelocimento, participam ao respeitavel pblico
desta eida le e aos seus numerosos freguezes que acabam de recebor pelos ltimos vapo-!
res de Europa, um grande sortimento das mais lindas e mais modernas fazendas de gosto
e milita pliantasia para vestidos de senhoras e meninos, assim como tambem um grande
sortimento das melhores fazendas de lei, que se vendem por pregos muito em cohta, s
com o li.n de apurar dinheiro.
As peamos que negociara era pequea escala, neste estabeleciraento podero fazer
os seus sorti.ncntos, porque se Ihes Tender pelos presos que corapram as casas estran-
geiras ; de todas as fazendas se do amostras, deixando penhor, ou mandam-se levar em
casa das Exmas. familias pelos caxeiros.
Este estabelecimento est constantemente aberto das 6 horas da manh s 9 da noute
Aisil/ m\ envai rc ip 1:ih!i:k' burnous a 169000.
AlfcUU ..III ClHdlLS UedSIIUIilS, O Pavao recebeu pelo ultimo vapora
300 TS. Europa, burnoos dos mais lindos gostos
que at hoje sao conhecidos e em relaco i
sua excessiva barateza, convidam-se as
Exmas. Sras. para verem o que ha de mais
novidade neste artigo.
BRAMANTES PARA LENCOES.
O Pavo vendo superior bramante de al-
dasmais lindas lzinhas para vestido deja- godo,tendo 10 palmos de largura, queso
nhoras e de meninas, com delicados padres Prec'sa de 1 J/i vara para um lela
miados e grados, que vende pelo baratissi- *5?000 o metro bu 19800 a vara,
mo prego de 300 rs. o covado, por haver ^lo de "nbo fino superior e muito en-
grando poivao. E* pechincha, na ra da corP*do, com a mesma largura a 29400 s
Iroperatril n. 60, loja do Pavo. vara-
NO\US VESTIDOS A'2 DE JLHO POR Ditos francezes muito finos a 29500 e
129000. 3?5000-
O Pavo recebeu um elegante sortimento PeSas ^e Hamburgo e panno de linho, ten-
dos mais lin los e modernos cortes de cam-| do c m 20 e 30 varas para todos os presos
brota para vestidos, sendo a uso da corto o e qualidades.
'2 de jullv), com os mais bonitos enlates, o I. t!XS Jo brctanha de puro linho, tendo 30
ten lo tostante fazemla : assim como baba- ja/das, pelos pregos mais baratos que Se tem
dos, roo las, recifliz e entremeos, sufficien- visto.
tes para as guarnieres, e vende pelo bara-l Pechinchas de finissimo esguio ou silzia
lo preco de 129000 cada corto. Na luja com 6 jardas a 79000.
Pesas de finsima silezia cora 30 jardas
n 35?000.
Atoalhado adamascado com 8 palmos de
largura a 25000 a vara.
'alcas de caancinira.
Na loja do Pavao.
LAZI.NAS A 300 RS.
LAZLNHAS A300RS.
UZIMUASA300RS.
O Pavo roceben um grande sortimento
como s\o limos\ \
Os lequcs todos de madreperla,, brancas e de
cores e qne trazem o disticoUMAO em letiras
tambem de madreperla em alto relevo, tor-
naodo-se por isto apropriados para noivas, a NO- i
VA ESPERANZA ra Duque de Caxias a. 63
(aotiga do Queimado) quem os tem.
Sao de tartaruga
Os brincos, broches, meios adereces, cni
coraedes e eassoletas, que eslao oxpestas __
esccJha das Exmas. (amantes do chique)-vtide^
na Nova Esperanca, ra Duqne de Carias
a.-*3. "
Aos nienims
A Nova Esperanca rna Dnquc de Casias n.
63, acaba ae receber um Hndo sortifnentiyle bo-
lecas de minias qualidades, vindo entrf ellas-as
etograc-adas bonecas de borraeb, aestm tainbtn
tima pequea quantidade de bonet pretas que
se tornam apreciadas pela sua novidade.
E bem til
A Nova Esperanca i. roa Duq
A3, receben yerdadeiro ciment
c5o para concertar, parcelaba
Yedo per
' Mu tas vezes um-testkto: trnalo'InteiraoieiHe
ftio, rnente por estar mal enfeitado : a Nova s-
peranfa ra Puque de 'Caxias n. B5, reraoW
"este mal;'pOrqdc'est bent prvida dos'melhores
Ba e .franjas de todas as core?, onde pode'es-'
oolher-se vontade ebresabin*)-entre estasas
modernas franjas masaieas, t]ue>pela stta varieda-
A ella antes qu" Se acbete.
Bolas de borracha
Vendm-se'de'tidOs os tamahhos rua DuqHft
de Caxias n. 63, na Nova Esperanca:
Cabeos breos s tem qiwm
^
O Pai
do Pavo i ra da Imperatriz n. 00.
LZlNliAS BQRBADASA 400 RS.
O COVADO.
o recebeu um elegante sortimento
das mais lindas lziuins transparentes com
loriabas, bordadas, tendo do todas as cores
inclusivfl rocha propria para viuva, o ven-
de pelo baratissimo prego de 100 rs. o co-
vado. K' pechincha, na toja do Pavao ra
da Imperatriz n. 00.
LAS HOpERNAS.
O Pavao vende um'bonito sortimento de
lzinhas listradas sondo das mais modernas
que tem \in lo ao mercado, peloba-atissimo
prego do 3>0 o 000 o rs. o covado. E' pe-
chiricha, n;i loja do Pavo ra da Impe-
ratriz O. to.
ALI'A \S !.AVR\!)VSA6i0IlS.OC0VAD0.
Chegoii para a loja do 'avo um elegante
das mais lindas alpacas lavradas
i lo as Odres mais modernas que
lo para vestidos, e vende-sepelo ba-
preot) de 040 rs, o covado. E'
i, na loja do Pavao.
IANCEZAS A b EGioRS. O
-METRO.
0 avo recebeu um magnifico sortimen-
to ^lini.is eassas IVau czas, de cOr,
m is bonitos ilesenh s midos e
i :i lo p.lrocsoscuros e outros que
: -. rao para luto, e vendo a 600 e 6V0 rs.
o r) )tro ou :J0 o 400 rs. o covado.
LZINHAS MODERNAS COM LISTRA DE
SEDA A tiO rs. e 1^200.
O Pavo recaheu um elegante sortimento
de las c jm bistres de seda assetinada, sendo
as mi" m9 lernas que tem vindo ao merca-
dee coa as miis delicadas cores, e vende
petos baratos prec/js de 40 rs e 1?200.
issim como jutras muito bonitas com listras
3cm ser de seda, que vende a 500,<40 o 800
rs., todas estas las sao moai.'.aissimas. E'
pechincha, na loja do Pavao.
Dbitaa 'it&9 SO, 3 a 3 rs.
O Pavo receben um grande sortimento de
i .ixi, ((no en 'o pelos bara-
tos prec, s le 20 e 280 rs. o covado. Ditas
escuras fazendt muito superior, com novos
psriroes a 320 c 3(30 rs. o covado.
Ditas niiit i Cuas padroos claros.em teei-
dos de perqatfs, com barra de cor ao lado e
sera ella.a :j>0 e 400 rs.
Ditas p etascom tecidode entone, fazen-
i eriur a 3-0 e 400 rs. o co-
i
)res, miudinhas, proprias para
1 crianzas a 360 rs. o covado. E'
ra loja do Pavo.
a -)) rs. o covado.
0 piv*>rickbfi\ um elegante sortimento
.'>; mais modernas ftaptistas_ do c6res com
pailr niu in'ios c gra los sendo proprios
para idos-e rnupa de criaii'ja, pelo bara-
ss no preo de fOO rs. o cova'do, afTian^an-
d > ; t gran lo pechincha I
Corles i!e esuiabralss, uULun no-
!
1 i
vi:!,3
a 5-TOC3.
O Pavo raoebOH ^lo ultimo vapor de
Eornpa, cortes de cambraia branca com ba-
boanhos no monto bordados, tendo fazenda
r sofficiente para vestido de qualquer modelo,
estws vestidos sao os mais modernos que tem
vindo a> <:\. rcado, e pela sua excessiva ba-
rateza tornam-se recommendaveis s senho-
ras de boin gosto.
Dilos com babados de cor, tendo 20 me-
tros de babad s a 0^000. E* grande pe-
chincha, i> Bazar do Pavo ra da Impe-
ratriz n. o3.
CORTS DE CAMBRAIA BORDADOS.
O 'avo recebeu os mais ricos cortes de
cambraia branca bordados para vestido, que
vende pelo burato pre^o de 203 e 30?>O00.
CORTES DE CAMBRAIA BRANCA.
O I'avao recebeu um lindo corte de cam-
braia branca co.n listras assetinadass que
vende pelo baiato pre^o de 6$000.
Ditos c va listras de cores, tendo 8 varas a
4#e 53?000. E' pechincha.
ESPVRTIf.nOS.
O Pavo recebeu um grande sortimento
d espart I h os twitopara senhora orno p^rn
menina, que vende pelo barato pre.o de
33O00.
Ditos muito finos a 43 a 53000. Sao dos
mais mo torios que tem vinlo ao mir-
ado.
CAMBIUIS ABERTAS A 93 E 103000
O Pavo recebeu um elegante sortimento
das* Tn's Unas '(Tambraids brancas aberttis,
itorda las pira vestido, que vendo pelo barato
prego de 03 c 103000 o corte, tendo fazen la
bastante para vestid
do
sUnte para vestid \ E'_ pechincha, na ldi
Pavo ftia'da ImperatH* b;eo.
0 Pavo tem um grande sortimento de
calcas _de casemira, assim como cortes os
mais modernos que tem vindo nos ltimos
figulinos e em fazenda, dos mais finos e
mais novos que tem vindo ao mercado, e
vonde-se por barato pre^o para apurar di-
nheiro, assim como caigas de brim branco e
de cores, por pregos muito razoaveis.
LENCOS ABAINIIADOS A 13800 E 23000.
O Pavo vende duzias de tongos brncos
abatollados, sendo fazenda muito boa, pelo
barato prego de 23000 a duzia.
Ditos tambem abainhados, com beira de
cor a 13800.
Dit s grandes, fazenda muito fina, sendo
todos brancos a 33000,
Dito de cambraia branca, sendo em peca
a oGO
MEIAS CRUAS A 43 E 53000 A DUZIA.
0 'avo vende duzias de meiascruas, ia-
glezas pelo barato prego de 43000 e 53000.
Assim como ditas muito finas e muito en-
corpadosa 6JH)00, 73000,83000 e 103000,
e um grande sortimento de meias inglezas e
francezas, para senhoras, que se vende por
prego muito commodo.
MADAPOLO FRANCEZ a 63000 E 73000.
0 Pavo vende pegas de madapolo fran-
ecz, que semprc se vendeu por muito mais
dinheiro e liquida-se peto baratissimo prego
63000 e 73000, por ter feito urna grand
compra. E' pechincha.
Afgodiioziuho a -3OOO.
0 Pavo vende pegas de algodozinho,
muito boa fazenda, pelo barato prego de
43 e 53000.
Dito largo muito encorpado, proprio para
toalhas e lenges a 63000 e 7300.
CAMBRA I AS.
O Pavo vende cortes de cambraia trans-
parente propria para vestidos a 23500
33000.
Pegas de dita muito fina, com 0 jarda,
tapada como transparente a 43, 53 e 63000s
at a mais fina que vem ao mercado.
PASNOS DE CROCHET PARA CADEIRAS.
0 Pavo tem um grande sortimento de
pannos de crochet proprios para cadeira de
balango, para ditas deguarnigo e para so
f, que se vendem muito em conta.
COLXAS DE CROCHET A 63 E 83000.
O Pavo vende colxas de crochet proprias
para cama de casal, peto baratissimo prego
de 63 e 83000.
t Ditas de fusto acohoadas, sendo de co-
res e brancas, pelo barato prego de 46000.
E grande sortimento de ditas de damasco,
cretone e de chita, que vende por pregos
muito razoaveis.
CORTES Dt PERCALLES COM DAS SAIAS
a 43000.
O Pavo vende bonitos cortes de percalles
com duas saias, sendo fazenda de muito gos-
to a 43OOO. E' pechincha na loja do Pa-
vo ra da Imperatriz n. 60.
BOTINAS PARA SENHORA, A 53000.
Na toja do Pavo ra da Imperatriz n. 60.
Pereira da Silva & Guimares feceberam
pelo ultimo vapor de Europa um elegante
sortimento de botinas pretas e com delicado
enfeites de cor, proprias para senbora, garan-
tindo-se screm das mais modernas que ha
no mercado, assim como a boa qualidade,
por terem sido remettidas por um dos:iK
Ihores fabricantes de Paris, e vende-se pei0
barato prego d 63, na loja do Pavo.
SAUS BORDADAS A 83, 60 e 83000.
O Pavo vende saias ricamente bordadas
de 4 pannos cada urna, pelos baratsimos
pregos de 53, 63 e 83000.
Ditas de um panno s e com muita rodas
guarnecida de pregas, pelos baratos preco,
de 13000 623500.
Ditas com guarnigo de pregas e borda-
dos a 33500.
Algodfto enfriado a 13OO a
vara.
O P*tlo vende algnda antemano Ates-
tado e milito encorpado,' "peoj rio paratoa-
Iha-e-Umges, pelo baraloJfttgo4e 13Qj08 a
vara.
quer
A Nova Bspen?a a roa Duque (te Canias n.
63, caha de receber a verdadera tintara de D*s-
noas para Ungir os cabellos, o que se eonsgue
(empreando ) entn muita TiciHdade,* por este
motivo, CafeHIrtS brancos ? tem qnem quer.
Estonamoda
Os cintur5es de couro. proprios para senhoras,
qne receben a Nova E^emca' fu Duque de
Caxias n. 63, estao,* sim, senhora, etib na moda I
Se querew ter ou' preparar um ranialhete.de
cheirosos cravos brancos para o vosso casamento,
ou para outro fim apropriado, necesario ir a
Nova Esperanza roa Duque de Gaxias n. 63,
que all encontrareis os ntltirts ports bcuqucls
que se pode desejar.
Agua florida, de Guislain,
parafazeros cabellos pre-
tos.
A aguia bramra, ra Duque de Cantts n. 50,
acaba de receber nova remsna da apreciavel agua
Horida para fazer os cabellos j>retos. O bom re-
sultado colhido por quem tem fcito uso dessa
inoffensiva preparacao a tem altamente conceitua-
do, e por isso apenas se fai lembrar a quem no-
vamente della precise equeira se aproveitar de
sua utilidade. Tambem veio agua do topasio e
oleo florido para o mesrao uso, o to acreditados
como aquella.
Yoltas e brincos de grossos
aljofares de cores.
A aguia branca, ra do Duque d Caxias 9.
50, recebeu novas e bonitas voltas e brincos de
grossos .- Ijofares de cores, e como sempre conti-
nua a vende-las por prego commodo.
Novos diademas dourados e
com pedras.
A aguia branra, ra do Duque de Caxias n.
50, recebeu novo sortimento de bonitos diade-
mas dourados e com pedras, tanto para meninas
como para senhoras.
CollecQes de traslados ou
normas para escrever-se.
A aguia branca, ra Duque de Caxias n. 50,
receben novas collecgoes ou normas para as crian-
gas aprenderem a escrever por si mesmo, hoje tilo
usadas as aulas e coHe^ios; e como sempre ven-
de-as por pre.o commudo.
Meias cruas finas para meni-
nas eSenhoras
A loja d'aguia branca, ra Duque de Caxias
n. 50, recebeu novo sortimento da curadas meias Cruas para senhora, vindo igual-
mente para meninas, e contina a vende las por
pregos cominodos.
Veos ou mantinhas pretas.
A loja_da aguia branca, i ra do Duque de Ca-
xias n. 00, recebeu benitos veos ou'mantinhas
pretas de seda com flores, e outras a imitagao de
croch, e vende as pelos baratos precos de 3J,
i e 6000. A farenda boa e est m per'eito
estado, pelo que etmtina a ter prompta extrac-
go
Perfeita novidade.
Grampos com btbletas, bezouros e gafa-
nhotos doradOs e coloridos.
A loja da aguia branca, ra do Duque de
Caxias n. 50, recebeu novos grampos combor-
boletas, bezouros e gafanhotos. o que de certo
perfeita novid de. A quantidade
por isso em breve se acabar.
BAZAR NACIONAL
Ra da Imperatriz n. 72
Lourenco Pereira .lleudes Guimares
Declara a seus freguezes que tem resol vido vender o mais barato que for possivel,
Ra d Bardo da Victoria n. 22.
DE
AJ este grande estabelecimento tem che-
gado um bom sortimento de machinas para
costura, de todos os autores mais acredita-
dos 'ultima ment ta Euhina, cujas machinas
sao garantidas por um anno, e tendo um
perfeho artista para ensillar as mesmas, em
qualqupr parte desta cidade, como bem as-
sim coflCCrta-las pelo tempo tambem d'um
anno sean despendi algum do comprador.
Jioste ostabelecimento t mbem ha pertengas
para asniesmas machinas c se suppre qual-
quer pe^a quo seja nccessai o. Kstas ma-
chinas trabalham com toda a perfL'icOo de
um* dous pwpontos, frauzo e borde toda
qualquer costura por fina que s> i, seus
pre$oss5oda segnintequalil ido : p .ra tra-
balhar a mo de 305*000, I0v>00* io^OOO
o 5(>?J000, para trubalhar cmn o pe sao do
805*000, 905000, 1005.000, I IOJ)000,
120000, 13O5000, loOCOO, 80019008 o
230S000, emqnanto aos aufores n3o ha al-
terago de presos, eos compradores po lerao
visitar este estabelecimento, que muito do-
verio gostar pela variedade de olijecWs que
ha sempre para vender, como ejam : cadei-
ras para vingem, m.das para viagem, cailei-
ms para salas, ditas de bulando, ditas para
crianza {altas}, ditas para escolas, costurei-
ras nqnissrmas, para senhora, dospensaveis
para crian5:is, de todas as qualidades, camas
do ferro para hnmem e criancas, capachos,
espelhos dourados para sala, grandes e pe-
queos, apparelhos de metal para cha, fa-
queirOs com cabo de metal e do marfim,
c itosavulsos, colleres de metal fini.condiei-
ros para sala, jarros, guarda-comidas ile
rame, tampas para cubrir pratos, esteiras
para forrar jalas,' lavatorios completos, ditos
simples, objeelos para toilette, futres mui-
tos artigos que muito devem agradar a todos
que visitarem este grainlo estabelecimento
que seacha aborto de-de as 6 horas da ma-
nh at as 9 horas da noute
Ra do Barao da Victoria n.
22.
saber
CHITAS A 160 E200 RS. O COTADO.
Vende-sc chitas francezas largas com to-
que de avaria, a 160 e 200 o covado. Di-
tas limpas a 240, 280 e 320 rs. o covado.
CASSAS FRANCEZAS A 320 RS.
Vende-se eassas francezas a 320 e 360 rs.
o covado.
LSINUAS A 200 RS.
Vendo-se lsinhas de cores para vestidos,
a 200, 360, 400 o 500 rs. o covado.
ALPACAS A 400 RS.
Vende-sc alpacas para vestidos a 400, 500,
640 e800 rs. o covado.
C0BERTAS DE CHITAS A 1S600.
Vende-so cobertas do chitas de cores, a
155600 e 2JS000. Ditas de pello a 18400.
Colxas d.- cores a I?200, 2&500 e 49500.
CHALES DE LA A 800 RS.
Vende-se chales de l de quadros a 800
rs. e 15)000.
Ditos de merino a 20, 3#, 45 e 65000.
CAMBRAIA BRANCA A 35000.
Vende-se pegas do cambraia branca trans-
parentes e tapada, a 35, 35500, 45, 45500,
55 e 05000.
SAIAS BRANCAS A 25000.
Vende-se saias brancas o de cores, para
senhoras, a 25000 e 25500.
BONETS A 500 RS.
Vende-se bonets pretos de soda para ho-
mens, a 500 rs. Chapeos de palha, pello e
massa, a 25, 25500, 35000 e 45000.
MADAPOLO A 35000.
Vende-se pegas de madapolo enfestado a
35000. Ditos inglezes para os pregos de
45, 45500, 55, C5000 e 75000.
ALGODAO A 35500.
Vende-se pegas do algodo, a 35500, 45,
e 55000.
BRAMANTE A 15600.
Vende-se bramante com 10 palmos de
largura para lengol, a 15600, 25 e 25500 o
metro.
GRANDE LIQIDAgO DE SABONETES 280 RS.
Vende-se urna grande porgao de sabone-
tes inglezes, a 200 rs. Ditos francezes com
cheiro a 320 e 500 rs.
Agua de colonia, a 200, 320 o 500 rs. o
frasco para liquidar, e outros extractos
muito barato.
CORTES D BRIM;DE CORES A 1550.
Vende-se cortes de brim de cores fir
caiga, a 15500 o 25000.
BOTINAS A 35000.
Vende-se botinas para senhoras, a 35000
35500, a ellas antes qne se acabem.
R0UPA FEITA NACIONAL.
Vende-se camisas brancas, a 15600, 2*
2550O, 35000 e 45000.
Caigas de casemiras de cores, a 55, 65
75000.
Palitts do casemira, a'45,'65 e'BOOO.
Seroulas i Ha 15600.
BRIM DE CORES A 440 RS.
Vnde-se brim de todas as coree a 44*
rs. o corado.
LENCOS BRANCOS A 25000 A DUZIA.
Vende-se a duzia de lengos brancO,
25000. Ditos com barras flfl cores a 35600
Ditos de linho a 55000.
TOALHAS A 800 RS.
Vonde-se toalhas para rosto, a 800 rs.
15000.
GRAVATAS DE SEDA PRETA A 500 RS
Vende-s grvatas de seda preta, a 60
rs. cada urna.
CHITAS PARA COBERTA A 280 RS.
Vende-se chita para coberta, a 280 e 32fr
rs. o covado.
BONETS PARA MENINOS A 15500.
Vende-se bonetes para meninos, a 1580
ESPARTILHOS PARA SENHORA A 35B0O
Vendo-se espartilhos para senhora,
35500.>
mwm
A 800 RS. 0 COVADO.
Vende-se granadlnes com listras de seda,
para vestidos de senhora, a B69 rs. c 15000
o covado.
COLCHAS DE CROCHT-65000.
Vende-se ricas colchas do crochet para ca-
mas a 65000.
PANNOS DE CROCIT A 15500.
Vende-sc pannos de crochet para cadeiras,
a lflbOOe 25000.
CASSAS PARA CORTINADOS.
Vende-se pegas de eassas para cortinados,
com 20 varas, a 105000 e 125000, e outras
muitas fazendas em liquidando.
pepuena, e
Nao ha mais cabellos
brancos.
TINTURARA JSPflEZI.
S e nica approvada pelas academias de
sciencias, rreonhfc da superior a toda que
tem apparecido at hoje. Deposito princi-
pal ra da Cadria do Recile, hoje .Mr-
quez de Olinda, 11:51, 1." andar, e em
todas as boticas e casas de cabellei-
rcjro.
BICHAS DE HMBURGO
As mais recentes e melhores.
Vendem-se ntrpharmacia e drogara de Bar
tholomeu & C, rus Larga dosario o Un. 34.
SKCREDO ECONOMA E CEI.LTUDAU.
OLtem-se com o uso
\$m\ shost
nica, hygieniea, radical e infallivol na cu-
ra das gonorheas, flores brancas e fluxos de
GRANDE REDUCCAO EM PREQOS
Atten^o. Atteneo.
Na loja de Soares Le te Irmos, ra do Barao da
' Victoria n.28.
Caixa de linha de marca, a 200 rs. dem idem de pos chinez, muito bom,
Garrafa de agua florida vordadeira a 15200 500 rs. e 15000.

toda especie, recentes ou chronicas; e que
Novas STOllinhaS OriiadaS COm n,rec.e como garanta desalutares resultados
~~lT,~;. *_i a continuada applicac,o que sempre com
pelucia ou arminho
A loja d'aguia branca "rua Dnue de Caxias
- 30, recebeu urna pequea quantidade de boni-
s e novas gollinhas, trabalho ao ti e seda, on-
neitadas com rminho, obras estas de muito gosto
e inteiramente novas.
Grampos, brincos e rozetas
dourados.
A loja da aguia branca, ra do Duque
Caxias n. SO, recebeu novamente bonitos grara
pos, brincos e rozetas dourados ; assim como
novos diademas de ajo, e com.sempre conti-
na a vende-los por pregos razoaveis
Caixinlias com pos dourados
e prateados, para cabellos.
Vende-se na loja da Aguia Branca ra do Dn-
que de Caxias n. 50.
Luvas de pellica pretas e de
outras cores.
A loja da Aguia Branca, ra Duque de Ca-
xias n. 80, recebeu novo sortimento de luvas de
pellica, pretas e de nutras cores._____________
Chapeos para seoras.
Amaral Nabuco & C. receberam um completo
sortimento de chapeos de palha de Itulia, seda
e vollndo, pretos para luto, e de cores enfeitados
com bonitas flores -e fita : venden nd Baiar Vic- i
toria, ra do Barao da Victoria n. J, antiga rna vendem-se bous lerrenos em lotos ou peda-
Nova. cu$ a vontade dos compradores, com a fren-
te para a mesma estrada
outras, e bem assim urna
tipa nlles situada
"-fetes terrenofrtem dtfferenles arvores de
fucto e sio ptimos de platac'Se e ven-
dem-se por pregos baratissimos. Os pre-
tendctitcs enteridam-se na thesouraria das
loteras.
maior vantagm se tem feito della nos bos-
pitaes de Paris.
nico deposito pifrao Brasil,-Bartholomeu
& C, rual.argadm Rosario 11. 3i._________
Bom negocio.
Vende-se o engenhr Camcvozinho, copeiro e Dom
raoedor; distante da estafSo do Agua-Preta tres
legoas, pode safrejar de 3 a 4.0Q0 paes de assivar
e com boas matas de exeellentes madeiras : a
tatar no mesmo, ou nc-ta ridade ra Duque de
Caxias n. 40, cun Joaquim da Sirva Costa.
Xarope d'agrio do Para
Antigoe conceituado medicamento para
cura das molestias dos orgaos respiratorios,
como a phtysica, bronchites, asthma, etc.,
applicdo anda com ptimos resultados no
escorbuto.
Vrdadeiras bixas hambur-
guesas.
As nicas che^adas nest ultimo vapor francez:-
na' ra da Cadeia da Recifo 11. 51, primeiro an-
dar-
Abotoaduras para collcte, do todos os
gostos, a 200 rs.
Lamparinas gaz, dando urna luz muito
boa, a 13P000.
Garrafa d'agua japoneza, a 1->000.
dem idem divina, a 1^000.
Du^ia de pegas de cordao imperial, a
2i0 rs.
Frasco com tnico oriental de Kemp, a
19000.
Duzia de baralhos francezes, canto doura-
do.a 3?000.
(dom idem beira lisa, a 29200.
Frasco com oleo Oriza verdadeiro, a
19000.'
Caixa de botOes de osso para caiga, a
200 rs.
Caixa de papel amisade, boira dourada,
a 800 rs
Idem idem idem lisa, a 600 rs.
dem idem idem, a iOO rs.
Caixa de enveloppcs forrados, a 700 rs.
Luvas de pellica com pequeo toque,
a 320 rs.
Duzia de carreteis de linha, 200 jardas, a
Duzil de sabonetes de amendoa, a 29500
e 39000.
j Frasco com opiata muito boa, a 19000 >
49500.
Duzia de sabonetes de anjinho transparen
tes, a 2-5200.
Idem idem com Adres, a 19500.
Duzia de pegas de trancas caracol branca
a iOO rs.
Idem idem lisas, a 200 rs.
Saboriete* Glveerino transparente*,
800 rs.
Caixa de pennas Perry, a 860 rs.
dem idem, a 400 rs.
Caixa de enveloppcs tarjados, a 500 rs.
Leques de osso o sndalo para senhoras.
a 29000, 49000 e 69000.
Fita de velludo de todas as cores e largu-
ras.
dem dem de sarja idem idem.
Chapeos para senhoras e meninas.
Entrcmeios e babados transparentes e ta-
pados.
Botinas para senhoras, a 49000.
Retroz preto o de cor, em carre-
700 rs.
Idem idem 60 jardas, a 300 rs.
Duzia de talheres cabe branco, 2 B., a
59000
Hago de fita chineza, a 800 rs.
Caixa de linha com 40 novellos, a 500 rs.
Resma de papel pautado, a 29800, 49000 das.
o 59800. Espelhos de moldura dourada,
dem idem liso, a29600, 39500e 59000. os tamanhos e pregos.
Coques modernos, a 39000. 'arrafa de tinta roxa extra-fina a 19000
Caixa de pos para dentes, a 200 rs. | Microscopios (sem vista) a 29000.
tel.
Lindas e elegantes caixinhas dos perfu-
mistas E. Codray, Gell Frrese Hieger.
etc., etc.
Quadros com santos e estampas separa-
de to
dos
ONECAS.
Bonecas de cera de todos os tamanhos, com camisolas e ricamente veMidas otth
ama era sua caixa, bonecas de borracha e bolas do todos os tamanhos, candieiros a gaz,
objeetos de porcellana, gaiollas de rame, molduras para quadros, machinas para cos-
tura, transparentes para janellas, e um completo e variado sortimento do miudezas, que
e tornara longo mencionar.
Rna do Bardo da Victoria n. 28.
;;| Bons terrenos.
No lugar denominado Salgadinho, o junto
a estago da estrada de ferro de Olinda,
Insignias HMkjftnim.
Amaral N:.buco & C. vendem telgoas
cas, grrs 3, 18, 17, 30 e 33 : no ftazai
toria n. 2,-antiga ra Nva.
Canallas fnebres.
e os lados para
pequea casa de
Amaral Nabuco & C. receberam um completo
[sOrtimento de capellas mnebres com diversas ins-
cripepes e vendem por^ commodo preco : no Ba-
Di* ftantf Sendo tratcao o nmitO en- r Victoria, ra do Barao da Victoria d. 2, sa-
L._-j. i.ja itika.raa Nova.
'Formas para purgar assuqar.
corpad, pelo baratsimo prego de i9*80 o;
metro.
tasenirs ^^OtM e- TfOOO. Vtede.se pnToaa dp_tia*~Hawkes ft C.
(y.rsm rende ttes di psif?Wrtote- a dBom Jess'n. 4.
za^ Ktlo|fazendai'taoto:st|p^i pree^endju por mais dh-oiroj pi- Dee8 FUetese'flePeS.
S^Smn^^16, '^nuda Crui.n 6lam rpr todos es dju
fos ttZmQ. T- uti3j sorvte aas UfitJrks em'O&ue.
Verniz do gaz.
Para veuder na roa do Vigario n. 13, e na ra
do 'Atttorira n. W, a relalho, ou em barris. A
com^aflhia do gaz ifc Olinda tem estabelecido seus
depsitos para venda de vemiz Oo gaz, no luga-
res sehtMi'iiifeados, mait'proxirno ao embarque
no Beclfe.

Yene-i
ki?;
se
TASSO IRMOS 4 C.
Em seus arm&zens ra do Amorim
n. 37 caes do Apollo n. 47,
tem para vender por pregos commodos
Tijto8 encarnados sextavos para ladrilbo.
Canos de barro para esgoto.
Cimento Portland.
Cimento Hvdraulicc.
Machinas de descarogar algodao.
Maobinas de padaria.
Putassa da Hussia em barril.
' Phosphoros de cera.
Sag em garra/oes.
Sevadinha em earraKes.
Lemiibas em garraks.
Rhum da aJmaica.
Vinho do Porto velho engarrafado.
Vinho do Porto superior, dio.
Vinho de Bordeaux, dito.
Vinho de Scherry.
Vinho da-Madeira.
Potes com linguas e dobradas ingieras.
t Licores fiBos sortidos.
Cognac Gaulhier Freres.
Latas de toucinho ioglez.
Barris com repolho em salmoura.
Mais val tarde do que
nunc .
Aviso i;pGrlairle.
Avisa se aos amantes or apreciadores dos
50NIIOS
acepipe delicioso qne se praparava jmtigamenta
NA CONFE1TARIA DO CAMPOS
que os proprietarios daqeello cstateleoiinento re-
solveram de novo fabricar lio dvliekso manjar.
naos para satttfazer alpnnas'enrtiaimnilas, eo-
no para criar novos foof-utmni'urea.
E dual ser a familia 'que nu
mandar buscar alli, ao imnm
urna duzia de
SOXHOS
para a sua sobremeza ?....
i l__I '.; .tinij' -ijYT
*Hespcridlm
Yende-se.
urna casa terrea tfa estrada de Jo3o de Barros
n. 17,' e um terreno, na ra do Principe, com 8
taVern da ra Impc-! palmos de frente e 10 de fundo
fariz. > ra da Soledade n. 54.
Verdwleirohiter tiespcridina, superior e acre-
ditado : venda no armazem de Tasso Irmios A
C ra do Amorim B. 37
Vende-se 60 palmo da ikrrtno em Relm
6 cideir; s e uroa banquinha de Jacaranda :
de Cliri'tovlo 6oloinbo ni li.
rnade
)ao.
)


i
1!
Vende-se o hotel-da ru* larga-M Ktoasto'D. 3*.
a tratar na prlmen-oindar: '-*(%Hr na w^Wfltlo "Ro-
sario n. 2 A,


K ...

lA
Diario de Pernambuco Qmili feira-,2ftfHbii^oik)<4o;ii873.
7
SOARES LEI'E, MOS
(IIGOS ACENTES
A"
llua do Bario da Victoria n. 28
As mais simples, as mas baratas e as melhores do mundo!
Na 'exposigo de Taris, em 1867, fo concedido a
Elias Howe Jnior, a medalha de ouro e a condeeora-
ro da Legio de Honra, por serem as machinas mais per.
feilas do mundo.
A medalha de ouro, conferida a E. Howe Jnior, nos
Estados-Unidos por ser o invontor da machina de cos-
tura.
A medalha de ouro na ex-posicSo de Londres acreditam
estas madrinas.
A 90S000
Cabe-nos o dever (e annunciar quo a companhia das machinas de Howe de Nova-
!ork, estabcleceu nesta cidade ra do Raro da Victoria n. 28, um deposito e agencia
geral, para em Pornambuco e mais provincias so vendercm as afamadas machinas de cos-
tura de Howe. Estas machinas sao justamente apreciadas pela perfeicao de seu trabalho,
empreando urna agulha mais curta com a mesma qualidaric de linlia que qualquer outra,
e pela introducto dos mais aperfeicoados apparelhos, estamos actualmente habilitados a
offerecer ao came publico as melhores machinas do mundo.
As vantagens destas machinas sao as seguintes:
Primeira.0 publico sabe que ellas s3o duradouras, para isto prova incontestavel, a
eiroumstancta de nunca turem apparecido no mercado machinas d Howe em segun-
da mao.
Segunda.Contem o material preciso para reparar qnalquer desarranjo.
Terceira.Ha nellas menor frieco entre as diversas pec,as, e menos rpido estrago
do que as outras.
Quarta.Formam o ponto como se fra feto mao.
Quinta.Permitte que se examine o trabalho de ambos os fios, o que se nao consegu
aas outras.
Sexta.Fazem ponto miudo em casemira, atravessando o fio de um outro lado,
* logo cm seguida, sem modilicar-so a tenso da linha, cozem a fazenda mais
ina.
Stima.0 eompressr levantado com a maior facilidade, quando se tem de mudar
de agulha ao comec,ar nova costura.
Oitaya.Muitas companhias de machinas de costura, tm tido pocas de grandeza c
decadencia. Machinas outr'ora populares, sao boje quasi desconhecidas, outras soffreram
mudaneas radicaos parapoderem substituir : entretanto a companhia das machinas de Howe
idoptando a opiniao de Elias Howe, mestre em artes mechanicas, tem constantemente
augmentado o seu fabrico, e hoje ue attende a procura, posto que faca 600 machinas
oor dia.
Cada machina acompanha livretos com instrucroes em portuguez.
A 9>000 A 90^000
SOARES LEITE, IRMOS
A'
do Baro da Victoria n. 2 8.
Economa doneslica
Loj
Nenhuma machina
Singer 6 legitima se
nao levar esta marca
fixa no brago da ma-
china,
Para evitar contra-
faeqoes notem-se bem

todos osdetalhes da
marca.
DE COSiUM
HIA
DE
SINGER JWANFACTUBiNC CQMPANY
S^WAlSi TU1US.1VU\?8TE
Machinas vendidas em 1871.. 181,260!
E\eess:; sjbre todas as m\m ej.npanliias. 52,731
De certo os nossos lcitores h.'io de porguntar se isto nao jactancia e ostentaeo.
A isso responderemos que estes algarismos i; os dados abaixo sao recompilados sob jura-
mento, pois forarn lirados dos relatorios oiliciacs dos diversos fabricantes de machinas de
costura nos Estados-Unidos.
Em 187U vendeua Singer Sluiiiifucliif-iug ('onipany.
126, 67 machinas mais do que a companhia Tarhom.
BAZAR DA RA DIBB1TA
H0.1
MAMLIQ DAS N. SI.
Este estabolocimento sempre solicito cm offerecer a concurrencia do rcspeitavel pu-
dco um ampete sortiinento de miarflM, calcado -ancez, chapeos e quinquilharias a
?Tinn os nak r'/oaveis possiveis, para o que recebe quasi todos os seus artigos de pro-
r>ria cncomrn i,.ia da Europa e America, vem dar oablieidadc de alguns artigos por cujos
pravas bem se pode avaharos precos de outros maitus que se tornara enfadonho pu-
blicar.
MIUDEZA8. M1UDEZAS.
Li para bordar, da melhor qualidade, 1 Brincos dito de dito por 25500.
libm por 557500. Botos de setim prctos e decores, a 800
Agulhas francezas, fundo dourado, a cai- rs- e UM)00 aduzia.
xinha com i papis a 60 rs., 2iO -.-.. Franjas brancas de seda de todas as lar-
Voltas de fita de reliad, com lindos co- 6uras. a 1^000 e 1?400 o metro.
r59es fingindo madreperola, a 500 rs. Dltas ^ cores e pretas a 800 rs. e ^J>000 o
Voltas para o pescoco, fingindo camafcu, metro.
eorxpanhadas com 1 par de brincos seme-
Ihante, tudo por 29500.
Linha branca de 200 jardas em carriteis,
propria para costura de machina, a 800 rs.
duzia.
Dito de dita de Alexandre, numerado a
gosto do freguez, a lf>100 a duzia.
Diademas dourados de l?f500 a 39000.
Ditos de tartaruga com flores a 29000.
Ditos com borboletas a 13500.
Brinos encarnados 1 par por 500 rs.
Ditos de plaqut de 500 rs. a 29000.
Ditos dourados, duzia de pares, a 19500
e 29000.
Voltas de aljofares c.om brincos, a 29500.
Ditas do ditos com coraces a 19000.
Ditas de ditos de contas com cassoletas, a
800 rs.
Rosetas de plaqut a 19 e 19500 o par.
Gravatas de seda para senhoras de 19200
a 2000.
"arures com 2 lagos para cabega e peito
t 39 e 49000*.
ntremelos e babadinhos bordados de 360
ts, 29V00 a pega.
"aloes de seda brancos e de cores, de
19500 a 29500 a peca.
Ditos de algodao e seda, de 19 a 19400
a peca.
Ditos de algodao, a 100 e 500 rs. a pega.
Tranciohas de cores, a 100 e 500 rs. a
pega.
Leques de marflm a 59 e 89000..
Ditos de sndalo a 49500.
Ditos de madeira imitando, a 29000.
Ditos de papellesa 19800.
Coques para senhora, a 39, 39500 c 49.
Vleregos fingindo coral, eompondo-se de
Itinete e brincos por 29000.
Dito dito pretos por 29500.
Ditos de paqnt, compondo-se de alfinete
e brinco, sendo de muito gosto, por 59000.
Galos pretos de seda, de muito gosto do
800 rs. a 19000 o metro.
CALCADO FRAHCEZ.
Botinas pretas gaspeadas, para senhora, a
49500 o par.
Ditas ditas de duraque, gaspeadas, canno
alto, a 59000.
Ditas pretas enfaitadas, ultima moda, a
69000.
Ditas dita de cores, canno alto.enfcitadas,
a 59500,
Ditas para meninos, pretas e de cores, a
39 e 49000.
Completo sortimento de calgado de case-
mira, Charlt, tapete e tranga, mais barato
10 % d CHAPEOS.
Ricos chapeos de palha d'Italia, para se-
nhora, a 119000.
Ditos ditos palha escura, da ultima moda,
a 169000.
Completo sortimento de chapeosinhos para
meninas e senhoras, de 29800 a 59000.
Chapeos de sol de seda, inglezes, cabo de
marfim a 169000.
Ditos dito de merino, cabo de metal mui-
to bonito a 59500.
Ditos dito de seda para senhora, cabo de
madeira, a 69000.
Ditas dito cabo de marfim a 99000.
DIVERSOS ARTIGOS.
Granadine para vestidos, fazenda da ulti-
ma moda, com listras de seda, a 650 o co-
rado.
Pannos de crochet para cadeiras, a 19800
e 29000 cada um.
Ditos par sof, a 39 e 4900a.
Toalhas de linho para rosto, a 19300 cada
urna.
Ditas de algodSo alcoxeados, a 640 rs.
Collas de crochet para cama de casal, a
69000.
125,413 Finlile elvon.
124/273 < Duas machinas imprtaos.
122,027 <( Aclna.
18,921 << Gol 1 Modal.
113,260 X American Bulton hole.
110,173 u Florenee.
98,831 k Wilcot & tiibbs'.
9,831 Wwri.
70,i3l Grovcr & Bakir.
52,677 Howe.
44,625 < Wneeler & Wilson.
Os algarismos qie acida apreseiltamosmostram d primeira vista o maravilhoso
cr.-v monto da Sngrr Maiiufacturing Company, e mostr.i que tolos os sus rivaes fica-
ram muito atraz dalles, e que a fama e popularidad? destas machinas vai sempre cres-
cendo e estendendo se mais a mais.
JfJNao possivel negar que esta superioridade as vendas devida superioridade in-
contestavel destas machinas, poique o publico, o juiz mais imparcial nesta materia, sabe
logo discernir a machina superior das inferiores e riasimltaces.
Ningucm recusou a estas machinas urna grande superioridade, porm- muitas casas
de machinas tiuham por costme dizer que estas s serviam para fabricas e quo no eram
proprias para costuras do familia. E' um erro manifest : Singer, Manufacturing &C,
fabrican) mais de Tinte qualidades de machinas, desde a machina quo trabalha a mao e a
p at aquella que serve para o mais forto trabalho de selleiro e correeiro.
A machina de costura dt> familia ten sido o maior triumphoe a extraegio destas foi
to grande quo Rojo \cndem-se ellas por 809000, quasi a metadodo prego por quo forarn
vendidas o anuo pasando.
Hoje a Siuger Manufacturing Companj fabrica 3,000 machinas por semana, e ,
gragas o esta grande fabricarlo, que ella p le boje satisfazer as importantes cncommen-
das que Ihe sao dirigidas do todas as partes do mundo. No Brasil existem numerosas
agencias que a ella s constitue um importantissimo ramo de negocio.
rXICA AGENCIA
EM
A CASA AMERICANA
45 RA 1)0 IMPERADOR" 45
A COROA W BRILIIANTB
iloj\ \m mts
Esquina da ra do Cabug n. 11
CONFRONTE AO PATEO DA MATRIZ DE SANTO ANTONIO.
Este importante estabelccimento, tendo grande sortimento dejoias de ouro de lei,
resolvcu vender muito barato 20 / menos que em outra qualquer parte, as seguintes
joias:
Aderegos de brilhantes, de modernos e delicados gestos.
Ditos com rubins, esmeraldas e perolas:
Voltas de bonitas perolas e cruzes de brilhantes para noivas.
Medalhoes de coral.
A Cora Brilliante contina a ter grande sortimento de madalhdes de coral, camafeu
e nix com bouquets de perolas e diamantes, cassoletas de ouro e podras pretas com lettras,
de 129 a 209000.
Cadeiaspara r elogios.
A Cora Brilhante recebe sempre quantidade de cadeias de ouro, de lai, para homens,
8 69400 aoitava, e tambem para senhoras.
CassoletaS para senhoras, com lettras, a 69 e 123000.
Brincos de variados gostos, para senhoras e moninas, de 59 a 209006 etc.
Anneis de amethysta com lettras de diamantes, de 69 a 89000.
Pince-nezs e trancelins emeaixinhas de velludo, para presentes.
Medalhas milagrosas.
A Cora Brilhante tem medalhas milagrosas das Dores, de ouro a 79000, e prata
dourada a 19060.' Tambemtemsortimentode pmce-nez-eoculosdeago fino erattaruga,
chegados recentemente, e por pregosmui commodos.
Convida-seasExmas. familias i visitarem a loja da Cora Brilhante, na ruado Cabu-
g n. 11, a qual continuar aberta noite at-8 horaaw
Garante-se o ouro e pedras preciosas.
Casa em Sant'Anna.
Vndese ou aluga-fe a c?sa da fero forrada
de feftr6 e maieira, junta eom o (erretio, situada
em Sant'Anna, perto da esUjio a etr.ida de fer-
ro : trata e com Shaw Ilawkes & C, n. 4, ra'
do Bom Jtsus, armazem.
Nova remessa de cha, fumo
e rap.
Amar!, Nabuco & C. veniiejn eh preto e ver-
de, fumo in^lej para eifrarro 0 cachimbo, rap
franeez e nacional : no Barar Victorta ra do,
Bario i* Victoria n. 2.
Ynho verde de Bastos,
superior
Em ancoratas e caixas de urna duzia, tem para
vender a prego eemmodo, Joauuim Jos Gongal-
A'es Heltrao A.Filho : no escriptorio, ra do
Comniercio n. 5.
Vende-se nma mobia de Jacaranda, bem
coh?i'rvada, .coraposta de 2 codiIos, mesa redon-
da cxn lampo da mesma madeira; dnas cadeiras
de brago, duas ditas de balanpe e doie de guar-
nigio ; tudo por prego bem razoavel : a tratar
no rrimeiro andar do sobrado n. 131. sito roa
de S. Jorge, em Fra de Portas.
GRANDE DESCOSERA
NA
ja do barateiro, ra Io de
Marc.0 n. 1, defronte do ar-
co de Santo Antonio.
Agrostlnho Fcrreira da Silva Leal
A Coiupanhta.
Lizinbas escoscas, fazenda Cna e bonitos gos-
tos, a 80, 400, 440 e 48" rs. o covado.
Ditas com listras de seda, fazenda fina, que sem-
pre custou 11 a 500 rs o covado.
Baptistes com barra modernas a 460, 480 e 500
rs. o covado.
Cotias escuras e clara), boa qiialiJade e bonitos
pardea, a 260, 2-0 e 300 rs. o covado.
MadapoUo franeez muito fino a 7500, e senpre
vendeu por9j.
Toalhas alcuchoadas a 6 a duzia.
Ditas felpudas a 8 e 8;>00.
Chapeos de sol inglezes de seda iran.ada (Pa-
ragon) por 8 e 9.
Len;o- cen barra a 1 e 2j a duzia.
Ditos do linho branco9 abanhados a 3S04 e 4
a duzia.
Itrins de cores e p;.r'lo trancad liso, proprio
para cal^a.e paletot, tanto para nomem como para
meninos a 4!>0, 40 c 500 r-^ o covado.
Cambra! tron-pirjntes Victoria a 3J500,
3800, i, .-i c7a pea.
Esparlilhos para seu hora bordados, que sempre
stavam 6j, a 3S500 !fl
Alem destes outro- nioitos artigos que deixamos
inenctanar por julgannos desnecessario.
Joaquim Jos Gonc,alves
Beltrao & Futios
Teem para vesder no seu escriptorio ra do
Commercio n. 5, o seguinte :
AGURDENTE de caj : caixa de 12 garrafas.
de laran'a, dem idem,
ARCOS de pao para barril.
CAL de Limo, recentemente chegada.
CHAPEOS de sol, para hornea e senhora, cabo
de marliiH e sso.
FEIXES de ferro, para pona.
FIO de algodao da baliia, da fabrica do commen-
mendador Podozo.
LINHA de roriz.
03RAS de pa'! eta.
PANNO de algudao da Rabia, da fabrica do com
meiidadur Pedrizo.
RETROZ de lo.la- as qualidades, das fabricas de
Peres e Eduardo Miliio.
ROLHAS proprias jiara b inca.
SALSAPARRILHA do Para,
v EL A ^ de cera de lodosos taannos.
YINHO engarrafado do Porto, caixa de 12 gar-
rafas.
dito Moscatel do Douro, idem idem.
dito Setubal, caixas de 1 e 2 duzias.
da Italia engarrafado, caixas de 6 gar-
rafas,
< de Collares superior, em ancoretas.
a de cajii, caixas de 12 gar afas.
Malvasia do Douro, caixas com 12 gar-
rafas,
t Carcavellos, idem idem.
A Predilecta,
no eiupenlio de'bem servir aos seus freguezes e
ao publico em geral tem procurado \ rover-se do
que ha de melhor e da ultima moda nos merca-
dos de Europa para expo-lo aqui venda, cer-
toe de que os seus artigos serao bem apreciados
pelos amantes do bom e barato ; passa a ennu
merar alguns d'entre elles, como sejara :
ALBU-SS, os mais ricos que tem vinda a este
mercado, com capas de madreperola,
tartaruga, marliui, velludo e chagrn.
ADERECOS pretos e voltas proprias para luto ;
assim cnio, um bonto sortimento de
ditos de plaqu, obra lina e muito bem
acabada.
BOTES para punlws, o que se pJe desojar de
melhor em plaqu,, tartaruga, madre-
perola, martim e sso.
BOLCAS de velludo, seda, palfia e chagrn,
ha de mais moderno e 1 ndas.
BICOS de seda c de algodao, tanto branco como
preto, de variados desenhos
CASSOLETAS pretas de metal e de madrepe-
rola.
CAIXINHAS para costura, muito ricas e de di-
versos form los, com msica e sem
ella.
COQUES a imilacao, o que pode haver de mais
bonito e bom gosto.
DEADEMAS, neste genero a Predilecta apre-
senta um grande e lindo sortimento
capaz de satisfazer os caprichos de
qoalqner scuhora por mu exigente
que saja.
?ORT BOUQUET de mndrepcroh, nianlm c 6sso,
(:sle un objeclo udi.'peLsavel s se-
nhoras do b-oin tom, afim do aspirar
o aroma das Qorcs sem o inconvenien-
te de nodoarera as luvas, ou mancha-
ren) as delicadas mao?.
PENTES de tartaruga, de inarlim e de bfalo, pa-
ra alisar os cabellos c tirar bichos.
PERFUMARAS. E' sabido do publico que a Pre-
dilecta sempre conserva um importan-
te sortimento de perfumaras de fino
odor dos mais afamadas fabricantes,
Lubin, Piver, sociedade hygienic, Cou-
dray, Gosnes o Rimel, que incum-
bido da escolla dos aromas mais bem
aceitos pela sociedade elegante da
Europa, e por tanto, acbam-se ta
possibilidado de bem servir aos aman-
tes dos perfumes.
A PREDILECTA deixa du enumerar urna im-
raeusidade de artigos, afim de nao mas-
sar aos leitores e se pedo a benevo-
lencia do rcspeitavel publico em di-
rigir-se ra do abug n. 1 A, pa-
ra couvencer-se aonde pode comprar
o que bom e barato, assim como:_
FACHAS ricas e modernas de tuquim e nurgurao
se la
1MENSVETTOS. Ricos vestimentos para meninos,
por baratissimo prero.
FLORES. A Predilecta prima em conservar nm
bello sortimento de flores ao alcance
de qualquer bol.a anda que nao es-
teja bem repcela de dinheiro.
FITAS. ja bem sabido do publico que s na
Predilecta que podem encontrar um
grande sortimento de filas de setim,
tafet, velludo, linho e de algotiao, por
commodo X~
GUAMPOS de tartaruga, a mitacao destes, pre-
tos e e cores, o que so pode desojar
de mais moderno e bonito.
GRAVATAS de seda e de cambraia para senhora,
lagos e golinhas de bonitas cores, tam-
bem tem um bom sortimeat de gra-
vatas e regalas para homem.
JARROS de porcelana e de vidro muito bonitos
para ornatos de sala.
Mei s de seda, de la e de algodao, pa-
ra senhora, meninas e homem.
LEQUES. Rieo9 leques de madreperola, tartaruga,
marfim e de sso, os mais modernos e
por barato prego.
LUYAS, de pellica, de seda e de algodao, para
___ homem e senhora.
LTVROS para missa a Predilecta'apresenta i es-,
eolha do respeilavel publico nm bek>
sortimento destes livros com capas de
madreperola, tartaruga, marfim, sso.
velludo e chagrn, por precos mu
razoaveis.
Composto do manac anti-rheumatico e depurativo
pelo
E' preparado este xarope de manac e mais alguraas plantas indgenas do Amajonas,
nSo contm preparado algum mercurial. Cura cora rapidez rheuwatiamo dores nos
ossos, crupges syphiliticas e daitrosas, escrfula e todas as molestias que-dependerecn
desses virus. A sita composicio foi approvada pela |unta central de hygione pu-
blica.
A cada garrafa acompanha urna eiplicgao para a foMMi, -dgi&ar I'rogo da cada
urna 3000.'
nico deposito nesta provincia ra do Bar3o > V&cVwiai n^ 38 chapellaria^de
Monteiro & Silva.
Arinazeiii do fumo
Ra da Madre de Deus n. 10 A.
Jut iJumingues do Carmo e Silva participa aoj
seus freguezes e amigos que no seu armazem
ra da Madre de Deus n. 10 A, se acba um com-
pleto sortimento defamo em ftrdos de patente I.',
t.r e 3.* sorles.dos melhores faDrirantes da ?ahia,
e bem assim a flor de todos os fumos de cerda
em rolos, pacotes, latas grandes e pequen, tam-
bem dos mu acreditados fabricsnles Torres &
Araujo. Lizaur, Adolpho Schmdt 4 C, Lizaur
Schmiot & C, Veigas a Arauio, Trindade 4 Av.--
lar, Tixelra Pinto 4 Portella (garantido pelos
mesmos) e de outros ainde nao conhecidoa pelo
poblioo desta casita). 0 annunciante declara que
ta4oifomo que for vendido em sua casa ser pelo
sen justo valor, e que quando garantir a respecti
va qualidade, sera sincero, mu particularmente
com as pessoas qqe poueo enteodam da materia ;
pois para bem servir a todos, tem o annunciante
a loriga pratica de 15 anuos deste commercio.
DE
RA I'HIMEIRO DE MAKCON. 7 A
E' esta casa,sem duvda, urna da's qne li.Jo pode
com priuiazia apresentar aos seus Jrcguezo um
vaiiadissimo sortimeto de /azeudas linas pafa
gr;mde fo/tf,as.sim como para rmso orduiano de
todas as classes e por precos tannjotoa para os
compradores.
Os dons deste importante etUbelecimeato cou-
vidam ao rcspeitavel publico e particulai iente
aos seus freguezes a darcm um passeio por seu
estabeleciinento, a afim de verificaren) a ve. acida-
de de seus anunncios, c- com vantagem supurirem-
se los artigos que lties foreni misur, u cuios
fazom um pequeo resumo.
Mandan) fazendas s casas dos prelendentes,
para o aue tem o pessoal necessario e do amos-
lias mediante penhor.
SEDAS
Cortes do seda de lidas cores, groedenapls da
todas as cores.
Gorguro branco e preto.
Setim Mae preto e de cores.
Velludo preto.
Grosd.uaples pretos e de cores.
Granadinede seda preta e com listras e il n u de
cares, lindissimos padres e fazenda de idtima
moda.
Fil de seda branco c preto.
Hitas basquinas de seda. i
Colxas de seda para noivos.
Mantas brasileiras.
Corles de caiiibraias branca com linios berdadt*.
Capetiat e mantas para noivas.
Poupi'liuas de lindo-' padroi-s.
iequissime sortimento de las com listras de Mida.
Cambrabtt de cores, ditas mariposas brancas e de
cores.
NaHsuck de lindos padres.
\\\ listas de padri's mui delicados.
Percalinas de quadros pretos e brancos.
Itrios de linho de cores proprios para vestidos.
Fustoes di: lindas cores.
Casaquinta de las de cores para senhoras.
Saias Imidadas para senhoras.
Vestuarios para metrinos.
Ditos para baptlsadot.
Chapeos para ditos.
Toalhas de eaxubraia de liuio cjm lindos bor-
dados.
Froulias bordadas.
Colxas de la.
Cortinados bordados.
Camisas bordadas para huinens.
Mi'ias de cores para h iiul-us e niemii' i.
Chapeos com casio de inarfim para hurof u;.
hitos para senhoras.-
Mcria de c:es para vestidos.
Ditos pretos
Caseuuras, rhitas, madapoles, eaniLmia- etc. etc.
na luja do Passo roa Primeiro de Margo n. 7 A,
a.tiga do Crespo.
DE
Cordoii'o Nimd<*K iV CJ.
13,
Ra do Queimado, em fren-
te pracinha.
V: 1 ualo !!
Madapolao fino, largo, com pequeo sajo, a 1-
4S500 e 34 a peca.
Alpaca de cores finas a 400 ris o c^v. rio
Lencos abanhados, brancos. a 1460 a
liiWioj de bonitos padres a 280 t- ;,i-j ris
covado.
Chitas de cores a iO ris o covado.
S o n. 41 ra do Queimado, leja de C.'j^i
t Fernandes. ___________________^_
Attenco
Vende-se urna partida de 88 lencos de !a-J
byrintho, de muito gesto e urtn traniiba: M
roa do Mrquez da Olinda n. 39, prinuaro a:.la/,
escri|ilorio de Luiz Goiifalves da Silva & 1
Vndese tres hypothecas de peoui noa valles
cm predios nesla cidade, todas vencidas e dupla-
mente garantidas: a tratar na roado Bangel nur
mero 37. _____
Aiig.las kjifiHrS.
*!Vende-se em Casa de Okel Riadlocs i C, na
roa do Bom Jess n. 11, os verdaderos agolas,
que forarn da casa dos Srs. T. Jeffurief & C.
UH R0LQ
DE
Canno de chumbo
POR
4#500
Para encanamento de gaz ou ama : a ca.:
americana, ra do Imperadot- n. 43.________
As nicas verdadeiras
Bichas hamburiiuezas qne vem a e-temrcalo:
na roa do Mrquez de uliada n Bl.
A dinheiro
Aos senhores fabricantes
cigarros.
Papel de cores, resmas grandes, tortidas :
Dito de dito ditas, asselinado e muito en
9,000.
Dito de.seda (mais conhecido por seda lo i i-
Iho) do ve'rdadeiro, franeez, a 2*6 0 < v.nac -de
lli.li i) niorlalhas.
Dito de linho lino de Barcellona, GMfta > rtel-
lo, 44000.
Dito de dito dito, marca balanza, 3430'1 a r- sma.
Dito de trigo, resmas grandes, do verdad :o de
Barcellona, y4 a resma.
No armazem de Jos Domnguez d > Crino e.
Silva, ruada Aladre de Dos n. iO A. rinazi m o
fumo.
Aos senhores fabricantes de
charutos.
Fumos em folhas, muito velho, rlicir so ,e forte,
para fumar-se, da safra velha, e dos melhnree la-
gares de S. Flix, Nacarelh, da provincia da Ba-
ha,-sao vendidos a dinheiro vista po/ prejos
muito reduzidos.
No armazem de Jos Domiognes do Carmo e
Silva, ra da Madre de Dos n. 10 A, armazem. do
romo.
Alhos a 40 rs. mounca e-gaz
a 5^800 a lata.
No armazem de Jos Domiogues do Carmo
Silva, ra da Madre de Dos n. 10 A. armazem
do fumo._______________________ ...
J. 0, C. Bqle.
Tem para vender :
Cognac de Heonessy, superior e verdadeiro.
Vinho Xeres das melbares qualidades.
Bitiers de Angostura.
Wrtrty
Cli preto em lattas- *>W -linfas.
Todas as pre|ara;5es-ch'mieas do Dr. Ayer : uo
armazem da ra do Oimraenciof n 38.
Grande offieina de alaiate
Ra do Mrquez .de Olinda
Actualmente dirigida pelo bem conhecido e in
telligenle artist brasileiro
PADILHA.
Completo sortimento para offieina de pannos,
casemiras modernas, merinos, (rorgurdes, Mn
braocos e de cores superiores, e eu &
lenrfas nropri.s da esta.'o.
Ra do Marquea de Olinda a. 40, loja de Fseda-
rico Pinto & C.





Diario de Pernambuco Quinfa feira 28 de Agosto de 1873.
LTTS6ATURA.
JOO D THOMMlllAY.
Julio Sondean.
(Conclusa).
To los estovara promplos para os grandes
sacrificios; urna cerrentede herosmo atra-
vessara todos os corar
J os homuns vulavan ivas triucheira*. As
sequares, os jard.ii pubiicos eslavara trans-
formados em pirques de arfilhiria, as pra-
- as en) campo du manobra onde os cdados
tornad'is soldados uxercila'wem se-uu m-tfiejo
da espingarda, tudas as classos mistura las
e confundidas forraavam apunas urna alma,
a alma da patria. Os tambores rufavam
e os clarins resoavam sobro as ribaneeiras
do rio. Canlioes o metrnlhadoras, nrrasta-
dos sobre as carretas, abalavam os caes e os
passeios. Atmados cora o seu raio de guer-
ra, as canhoneiras sulcavam- o Sena. Os
destrozos dos nossos exereitos mutilados
traziam ao servigo fia defesa o derradeiro
sanguo da Fringa guerreira. Batalbes na-
vaes atravessavam acidado para ire-u oeeu-
paros fortes; os guardas movis dos de-
partamentos, arcudindo do uudojle suas
provincias, acampavain aqui e atfHcbaivo
do ten las improvisadas.
A par destes espectculos fortalecedores
outros bavia de pungente realidada o que
marcavam a cada momento o progresso da
nvaso. Aperlados sobre a capital pela ap-
proximago das armas inimigas, os campos
circumvisinbos refugiavam-se no seu recin-
to. Por toda parto havia longas filas de
carros earrogados do movis e de utensilios
do casa reunidos precipitadan.onte. Vi mi-
sera gente atreiada carreta que transpor-
ta va. toda a ui riqueza e sem saber onde
iria dormir noute; outros toca va m adian-
to do si os rcbaulios de seus estabu-
103.
Por ura desses contrastes cora que a na-
tureza parece folgar, um eco esplendido, um
risonbo sol de outomno allumiuavam ess.s
Nenas de desolarn.
Entrara eu na cidade bavia urna semana.
Nesscs dios de febricitante espera em que
ningeia ficava em casa, eu viva na iua,
attrahiilo por todos os rumores, mettendo-
me em todos os grupos, recolliendo todas as
noticias.
Urna manh, no caes Vultair?, entre a
Ponte Real e a ponte dos Santos Padres,
encontrei-me faco face com Joo.
Ora muito bem disse-lhe aproxi-
mando-me, licou, fez muito bem.
Sim, tquet, respondftu-me ; tiuba de
liquidar miaba fortuna. Hoje isso est le
to. Todas as miabas providencias estn to-
madas : parlo osla nouto para ir viver fra.
i Parte I exclamei; pois c quando a
patria agonisa que o senbor pensa em dei-
xa-la 1
Ora a patria, senbor! 0 homem avi-
sado leva-a. comsigo para toda parto. E o
senbor mesmo o que faz aqui ?
Nao ntro na cidade para sabir ago-
ra. J nao valho grande coma ; mas foi
aqui que conheci os bous o os mos dias.
Parts fe/, do mira o pouco que sou. Quero
associar-me aos seus perigos, anda que
soja apenas com a minba presenta. Hei
de viver das suas craoQoes, bei de comparti-
ibar as suas angustias, e, setein de suppor-
lar fome, teiei bonra em soffrer com elle;
mas o senhur, Joo de Thora noray, o so-
nhor 1 Conbeciao muito enfermo, mas nao
ponsava que houvesse deseido tanto.
A patria est invadida, c o senhor,
mogo, em vez de alirar-se a urna espulgar
da,' atira-se sua carteira A fortuna da
Franca est prestes a naufragar, e o enhor
s pensa em salvar os seus baveres 1 Ama-
nb o inimigo estar s nossas portas, c o
senbor fecha "as suas malas e foge cobarde-
menlo 1 Nao bastava haver morgulhado
sua familia no luto e na desesperarn : in-
flinge-lhe esta vergonha 1
Vivo rubor subi Ibe s faces, brilhou-llie
0 relmpago nos oihos.
Plerdlo, senbor, perdo Parece-me
que isto nao passa de palavroes. 0 senbor
muito mogo e eu muito velbo, para que
nos possamos entender. Nao fujo, vou- rae
embora. Oque se est passwido nao me
pode doler. Pouco me imp'orta Pars. Se
for castigad), ser apenas um acto de jus-
tica. (Juanto i/mha familia, estacoberta
das devastacoes da guerra, o nao vejo por-
que razoscr-me-ba prohibido ir procurar
por minha conta, quer em Bruxellas, quer
em Londres, quer em Elorenga, a paz e a
seguranca de que continuar a gozar na
Bretanba.
Senta o eoracio immerso c:n pezar. la
atastar-me quando de sbito Joao estreine-
ceu.
Ouga I disse.
Preslei ouvidos o ouvi urna oiusica cstra-
hha, cyjos accentos, a principio vagos o
quasi indistinctos, augmentavam e pareca
que dirigan!-se para nos. Eu olhava ao
mismo tompo que escutava ; vi diante da
ponte de Solferino urna massa confusa que
adiantava-se cantando. Era um cntico
lento e grave, de carcter quasi religioso, e
que nada tinha de commum com a gri-
ta descompassada a que estovamos habitua-
dos.
Joao apoiava os cotovellos no parapeito.
Eu observava-o, o moco estova muito pal-
udo. No entonto a massa cada vez menos
confusa aproximava-se mais e mais. Re-
conheci c.ufim um cntico da Bretanha o o
som do biniou : os guardas movis de Fi-
nisterra davam entrada en Pars. Com o
arminho nos bonets, vestidos de brim par-
do, com a mochila s costas, avangavam
com paseo cadente e firme, marchando em
pelotes e occ.upando toda a largura do
caes.
Na frente, a cavallo, o commandante do
batalho ; atraz delle o capello o dous ca-
piles. A testa da columna estava apenas
a dous passos de nos.
Por minha vez havia eu estremecido.
01 hei para Joo : a sua rao procurou a mi-
nha.
Meu pai I. meus dousrmos I disse
o mogo com roz surda.
| E Joo vio passarera diante de si, sob as
suas formas mais palpitantes, as eternas ver-
dades que por tonto tempo desprezara: Deus,
patria, dever, familia. Todo o cortejo de
sua juveutude honrada desfilava cantando
sua vista.
Desferi o ultimo golpe. Em urna das sa-
cadas do cuas acabava de eu ver sua
raa.
Malaventurado I exclamei, ha pouco
dizia queja nao havia mulherus. Olhe, all
est urna, coobece-a?
A Sra de Thorameray agitava o lenco,
mandante do batalho, com a cortesa do Ora estos liberdades, #nceramente_ pratica-
velho fdalgo, ingJinava-se sobre o cavallo e das, sao a base da verdadeira constituigo
sjudava-a com Tespuda. de um estado livre. (133)
Nudo, inmvil, com os olhos parados e Mas, o acto addicional fez deste paiz o que
as palpebras seccas, Joo pareca trans- era a antiga Grecia, segundo um modernis-
mudado em pedir; deiiei-o merca de simo escriptor (134) : urna grande fam-
Deus. lia disseminada, envolvendo e religando
No da segrate, no pateo do Leuvre, o "pela unidade da lingua urna multidio de
commandante de Thom moray assistia cha- estados completos. A vida municipal
mada" do' batalho. Terminada a cha- foi quasi suppriraida.
mada percorrias as ilciras, quando um mo- Mas, cumpre confessa-lo, o legislador em
vol sanio deltas e disse-lhe : 1828, assim como em 1834, tomou o pulso
Commaudante, esquecerau -se de cha- ao elemento local, e vio que, sem urna certa
mar um dos vossos homeus. tutela, o municipio nao poderia adquirir a
Como se chama ? forga uecessaria para realizar mais tarde a
Chamo-me Joo, responden o movel, sua misso constitucional. Agora, porm
abaixando os olhos.
Quem vem a ser ?
Um homem que te ve* m vida.
E o que quer T
Morrer bem.
E' rico ou pobre ?
depois de approvada e promulgada a lei,
[condigan vital, para que se forme o verdei-
ro espirito poltico, que a municipalidade
| reentre na constituido ; essoncial, em
{summa, i|ue o individualismo, encoutrando
. na propria localidade o interesse que s-
Houtem anda eu possuia urna rique- mentea autonoma municipal poder4 excitar,
za mal adquirida; despojei-me della vo- habitese aggn-gacSo e ao rgimen para
luntariamente. Hoje tenho apenas a minha' a lula eleiloral.
espingarda ea minha mocliila. I Nao ba melhor autoridade neste assurnp-
Est bem I to do que a do Ilustre principo, o conde de
E com um gesto fe-Io entrar na Gla. iChambord, a quem se attrtbue planos du
llouve longo silencio. O commandante,restaurado do velho rgimen em Frauda ;
viera postar-se fenle do batalho.
Joo de Tbommeray 1 bradou.
Urna \o mascula responden :
' Piorapto I
[Trad. pur Salvador de Meado/u,a..
> !! I _|__||_|___________________
ASSEMBtEUAL
escrevia elle em 14 de novembro de 18G2 :
Sobre o terreno social e poltico a des-
rentralisarao nao prodozra menos preciosos
tractos. Com elfeito, esse e me.o mais
po toroso, o mais eui harmona com os nos
sos costuraos e com os factos contempor-
neos, para estabelecer no futuro, entre nos,
urna hierarcRia natural, mobil adaptado,
portauto, ao espirito do igualdade, isto de
Justina distributiva, que tao uecessaria
manutenro da-lberdade quanto direccu
dos negocios pblicos. A descentra I isaco
nao menos ndispensavel para firmar sobre
solidos fundamentos o rgimen representati-
vo, justo objocto dos votos da naoan. O en-
CVMAllA DOS EPUTADOS
Parear da comwisso especial e projecto
da reforma ckitoral.
( Contnuaco. )
Sob o nllnxo de tao dtetenos principios,
em vioi se far urna boa lei eleitoral; nao saioque se fez desse rgimen na poca em
protnzir todos os fructos desejados. Mon- quoa Franca quiz confiar do uovo os seus
destinos familia de seus amigos res, au
tesqueu bem (icomprebendeu : Os costu-
raos de um povo esorawj sao urna parte de
sua servido, os do um povo livre sao urna
parte de sua liberdade. (127)
A iustruccao certameute de um tal va-
lor para o exercicio do voto, que rnuitos
leve xito por um motivo muito simples : o
paiz a quem se quera dar representacao nao
estava orgausado seno para ser adminis-
trado. Smente a descentra I isaco ser ca -
paz de dar-lhe, coma conscieucia refleciida
polticos eescriptores nao duvidam nega lo ,je suas necessidades, urna vida cheia, activa,
aos analphetos. No meo do nosso estado
social, poltico e econmico, o homem que
nao sabe ler nom escrever nao tem corta-
mente a plenitudc da existencia ; desde que
elle nao pode commnnicar-so com seus se-
melhanles seno por meo da patavra falla-
regular, e do pormittir que o governo repre-
sentativo soja urna verdade. S ella, outro-
sim, peder crear os costuraos polticos,
sem os quaes as molhores instituiges se de-
gradara e cabera em ruinas. Compare-se
esse quadro com o que faz da centralisago
Ja, nao conhecendo a linguagem figurada Ul 0UvI poltico (135), o ver-se-ba que
pela escriptora e pela imprensa, as suas fa- L organisaco municipal em verdade urna
cuidados essonciaes nao tem luz o espaco.
(128) Mas, soja licito observar que a instruc-
go nao sutliciente, se nao dominada
pela moral; o que equivale dizer que in-
prescindivel distribuir e espalhar juntamen
te urna e outra. Uraa boa legislago e a
vigilancia de governos esclarecidos, que
souberom comprehender a sua misso civi-
lisadora e providencial, esforcem-se inces-
sauteineiito por crear esses costumes pbli-
cos que torna n fcil a todos os cdados a
pratica do dever. (129) Ora, no rgimen
constitucional representativo, o governo
deve inspirar-so ni voto popular ; as situa-
rles polticas nao podora ter outra origera :
das muitas necessidades que a lei nova im-
por.
Se a tutela do municipio foi julgada indis-
pensavel em 1828, e mais anda em 1834,
nao o actualmente. O que foi verdadeiro
hontera hoje falso ; a poltica deve ser
mobil, e, em verdade, sujeita a evoluces ;
por sso e a proposito desta asserco um es
criptor modernissimo diz com muito espiri-
to : A primeira regra para o homem de
estado pssuir relogio que regule bem.
,136.)
Nao necessario reclamar, como medida
secundaria, mas auxiliar, a reforma da po-
lica odajustiga, porque essa reforma j
a lei eleitoral cncerra portanto em seus ie (l37) e outrosm, acommissao seabs-
preceitos os destinos da naco. A instruc-
go e a moralisago do povo sao, conse-
guintemente, necessidades capitaes, e que
tora de tratar do recrutaraento e da guarda
nacional, porque para a sua completa refor-
ma pendo deapprovajo do senado projectos
convem dar satisfaco, sob pena de serem approvados pea" cmara dos Srs. deputodos.
sacrificadas a ordem ou a liberdade. Seria inpossvel conceder mais s exigencias
Sao considerares vulgares, ueste sentido |a liberdade individual, sem que a socieda-
que todos as (gzom ; mas corto que, tra-je se desarmasse completamente,
tan I j-se do uraa lei eleitoral, sob coudicoes x com.nisso julga dever parar aqui, por
novas e cora processo no*o, a ausencia de^o que esle pa,ecer j vai longo,
urna espalhada instruccao dominada pela Demonstrada a necessidade da reforma
moral nao podara deixar de ser sentida pe- eleitoral, por sso que o systema vigente
*os que desojara sinceramente que a reforma 0 rCgraen j0 predominio da maioria, o qual
triumphe dos preconceitos.
So nao ha nstrucgo sufficintomente es-
palhada, (.', sobre tu lo,*se nao ha educa-
gao poltica, o elemento local nao se alento-
impede a simultanea manifestago- e acgo
de todos os direitos, de todos os interesses,
de todas os elementos e torgas sociaes (138),
maioria que nao o seno facticiamente e
r, e, pois, a reforma nao pr iduzir tod is que portanto tem apenas a autoridade que
os seus fruclos: reproduzr-se-ho as ovo- i|ie ja a fC5ao iegai (139) B- cumpre
apressar a deliberago e a deciso legisla-
tiva.
A commissao acredita ter curaprido, tanto
quanto lh'o fermttiram as suas forgas e ha-
lagos etoitoraes j oouhecidas. Reforman-
do as leis, iniispensavel preparar os ho-
inens.
E' o quet governo, felizmente, ha com-
preheodido ; e a commissao o sabe, pela bilitages, a espinhosa misso que a cmara
leitura dos relatnos do ministerio do im- duS Srs. deputodos se dignou impr-lhe.
peno. Se a soluco do problema da instruc-1 Nao ser um trabalho sufficieute para a elu-
go e da educago for adiada, em vez da cidago do gravssmo problema da reforma
paz que a nova le asseguraria, continuar eleitoral: porm, a expresso sincera
provavelinente a guerra que divide a ordem dos sentimentos da commissao sobre o as-
ea liberdade ; e essa guerra, segundo, ura surnpto.'
notavel publicista, nao seno o governo e, conclundo de parecer que o projec-
dos interesses em luta com a rebelbo dos t0 entre na ordem dos trrbalhos, com as
espritus (130). Somonte a instruego com emendas offerecidas para serem considera-
a condigo de desenvolvor-se sob o mfluxo das na segunda discusso.
da moral, podor ser um dique perma- Sala das cornmissoes, 4 de agosto do 1873-
nencia dos actuaos costumes polticos. j0a0 .Vendes de Almeida.A. J. Henri-
Ha, cert.imenteute, na uatureza moral do ques.Dr. Antonio Candido da CunhaLei-
omomnobres tnstinctos; no vicio, predo- to.HerachlodeAlencastro PereiraGra-
mina o egois.no; na virtude, predomi-
nara a abnegago, o devotamento, o civis-
mo (131).
Isto nao importa tanto feliz execugo da
nova lei eleitoral, seno porque, dada a ex-
panso indispensavel ao espirito poltico, o chiaes sero oletas pelos eeitores e suppe-
ndividualismo procurar reunir-se e con-'tes com cdulas contendo um s nome;
subslanciar-se na familia, na paroebia, na'os quatro mais votados sero declarados
(a.Joao Capislrano Bandeira de Mello.
EMENDAS DA COMMISSAO.
CAPITULO I.
Da quali/icago de votantes.
Art. 2." (Substitua-se) : As juntas paro-
municipalidado, na provincia, na nago ;
ser o instincto de conservago e de sociabi-
lidade, concretisando os individuos at ele-
vados mxima potencia poltica, lima
hyerarcha, urna coorlenago de forgas,
membros da junta. O presidente ser elei-
to inmediatamente depois, correndo espe-
cial escrutinio, por maioria de votos.
Esto eleigo ser presidida pelo juiz de
paz mais votado, tres dias antes do designa-
uma solidariedade geral uniro todos os ci-! do para o comego dos trabalhos.
dados. Convidados os eleitos, e constituida a jun-
Na nossa lei fundamental, reconhece-se a ta, o juiz de paz entregar ao respectivo pre-
autonomia do municipio ; mas a verdade sidente um reltorio dos trabalhos prepara-
que esta instituigo entre nos quasi nomi- torios que a lei lhe incumbe, acorapanhado
nal nao s por effeito da le do 1." de outu- das listas parciaes de districtos e dosdemais
bro de 1828, seno principalmente por \documentos e esclareciraentos ordenados
plano da le constitucional de 12 de agosto pela mesma lei.
de 1834 [acto addicional). Quanto s, Nao ha vendo dous eteitores e dous sup-
municipalidades, nao as temos dignas desse penles pelo menos, quema acto da convo-
nome. Ficaram as cmaras muncipaes, cac0, por morto, mudanga, ou ausencia
peto acto addicional, mais peadas que antes ; fra da provincia, quer no acto da organi-
e tutela em que estovara dos presidentes sago da junta, por morte, mudanga ou au-
do provincia accresceu a 1 gorosissima das sencia superveniente, ou por nao oompare-
assemblas provinciaes. cimento, justificado ou nao, o juiz de paz
Os autores do acto addicional crearam
o cntico breto dobrava de fervor, e o cora-) scs.
lisaram o municipal. As cmaras rauoici- Brasil
paes sao meras pupillas. O acto addicional (133) Ventura de Raulica, Le ponvoir
matott as liberdades muncipaes. (131) penique chrtien. ^
(127) Mntesquieu, obra citada. i (134) E. Boutney, Pbilosophie de l'archi
(128) Audiganne, Les ouvrirs d' pre- tecture em Grce.
seut et \&m nouvelle economie du tra- (135) Odillon Barrot, La centralisation et
vail. seseffetes.
(129) P. Foissac, Hygiene philosophe que (136)Cberbuliez, L'Allemagne politique
de l'me. depuislapaix deirague (18661870).
(130] Matteu, De l'influenco des moanrs (137) Lei n. 8,03.3 de 20 desetembro
sur les lois et de. I'influonce dos los sur les de 1871.
maiurs. l (138) Th. Har, obra citada.
(|3I) Frgier, Des classes dan^ereu- (139) Visconde de Maumigny, La refor-
me lectorale et les principes de 89.
completar aquelle numero convqcando ou
convidando juizes de paz, e, na falta, cda-
dos com as qualidades de etitor, em nu-
mer sufficiente; e todos promiscuamente
faro a eleigo. De ignal modo se proce-
der as parochias, cujo uuraero de eteito-
res for inferior a quatoo.
$ i.' (Substitua-se) : Se a paroebia nao
tver eteitores e supplentes por ter sido an-
nullada a eleiglo dos da legis atura crrante,
sero convocados os da legislatura ante-
rior. .. ->
Na falta absoluta de eleiloras e supplentes
da legislatura anterior, por qualquer moti-
vo, o juiz de paz recorrer lista das vota-
dos para juizes* de paz du quati i junio cor-
rente ; e, anda, tambera na falta destes, re-
correr a quatro eidadoscom as qualidades
de elelor.
as parochias novaraeute creadas sero
convocados os oloitores e supplentes que ah
resdirom desde adata do prvimento can-
nico, com o complemento indispensavel at
perfazei' o numero de quatro, se aquelles nao
atlingirem ou nao excederem este numero.
2.' [Substitua-se assim o final) :. E de
dous membros eleitos pelos vereadores da
cmara, cora cudulas contendo ura s nome.
No mesmo acto-sero eleitos dous substitu-
tos. 0 presidente da junta municipal, nos
municipios queuoso termos, o supplen-
le do juiz municipal, segundo a ordem da
substituir.).
^ 3. (Supprima-se o periodo final. Na
falla de un, etc. ) E accresceule-se : Subs-
titua-se tambera por eleigo da mesa o pre-
sidente da junta, na falta do efl'eclivo o do
substituto.
4. (Supprima-se oseguinte: II. Con-
sideram-sc como tondo renda legal conheci-
da, salvo prava em contrario ; e siga-se a
nomerago at 12: III passa a sor II).
III n. 3. (Accrescente-se palavra contra-
to o sogiiinle: tratucripto no livro de no-
tas. )
6." (Aceiescentp se de modo que o pri-
tneiro periodo la-se assim: As juntas
paro biaes trabalbaro desde as 10 horas da
manh durante (i horas consecutivas era cada
dia. )
8. f Accresceu le-so palavra remet i-
doso adverbioimmetliataiiientu. )
tO. (Substitua-se o tiual pelo seguintu :
para se recomegar no oiyvsimo dia que
ser annunciado pelos molos de publicidade
j indicados. )
ll. II. (Supprima-so a palavra. ci-
vil.)
12. ( Em vez dedararo 6 horas
diga-se: e duraro desde as 10 horas da
manh at ds 4 da tarde, etc. )
14 (Accrescente se) : -Perante a junta
municipal servir de escrvo o secretario da
cmara municipal.
15. (Accrescente-se) : Ou de nullidaie.
18. (Accresceute-se) :No coso de an-
nullago, o presidente do tribunal da rolago
enviar iraraediataraciite ^ao presidente ra
respectiva provincia copia do nccVdo, alira
de que sejam dadas proraptns providencias
para nova qualificago.
Servir peante o juiz de dreto e escrivao
do jury.
19. Era vez de poderdo diga-se
acuerdo.
Supprima-se a palavraprimeira.
24. (Substitua-se) : A qualificago pelo
processo ordinario ser feita de dous em dous
anuos.
25. Depois dejuizes muncipaes
accresceuto-seou juizes substitutos.
27.1. Era vez de a junta diga-se
a organisaco da junta.
111. Em vez da palavrajjroprietario
diga-sesupplentes.
$ 29. II. [Supprima-se a palavrapro-
prietarios.)
30. Em vez de ou pudessem ser
diga-se ou por ella houverem sido.
( Accrescente.se) : Os recursos sobro uul-
lidades e irregularidades sero mterpostos
perante o secretario da cmara munici-
pal, dentro de 30 dias, depois de linda a
qualificago.
CAPITULO II.
DOS ELE1T0RES.
Art. 3. 7. (Supprimam-se os ns. 1
e 2.)
8/ (Substitua-se pelo segaiote] : Ins-
tallada a assembla paroebial, comegar a
chamada dos votantes, cada um dos quaes
depositar na urna duas ce lulas fechadas de
todos os lados, contendo cada urna o norae
de ura cdado elegvel da parochia, com os
respectivos sobrescriptos.Para eleitor ou
para supplenle.
A apurago das codulas para supplentes
ser feita inmediatamente dapos da das
cdulas para eeitores, lavrando-se acta es-
pecial.
O supplenle, que houver sido eleto ao
mesmo tempo eleitor, dexa o lugar ao im-
mediato em votos ; o essa circumstancia de-
ver constar da acta.
11. (Accresconte-se). Do igual modo
se proceder, se a essa hora estirar comegada
a chamada dos cdados qualificados de um
quarteiro.
13. Detois da palavraeleitoraccres-
cente-see ao supplenle.
14. Depois da palavra eleitonsdi-
ga-se supplentes.
17. (Subslitua se no segundo membro as
pajavresou principaespropietarios de que
falla o art. 2apelas seguintosou de tres
cdados aptos para legerem as mesas.)
CAPITULO 111.
Da eleico para deputados a assembla
geral, e membros das assemblas le-
gislativas provinciaes.
(Accrescento-se) :No caso do art. 29
da constitugo poltica do imperio, basta
que o ministro obtenha na reelego o mes-
mo numero de votos obtidos na eleigo. Nos
mais casos de vaga prevalecer a maioria en-
tra os votados.'
CAPITULO IV.
bro):
nulla a eleico, se verificar qua deu-se al-i
gum dos casos, que lhe forem applicaveis,|
do art. 2* 27 desta lei, ou que houvu
fraude plenamente provada, a qual prejud-
que o resultado da eleigo ; e far intimar o
seu despacho por carta do escrivao do jury
nao s cmara municipal como a cada ura
dos membros da mesa parochial, e por edi-
ta 1 aos iuteressados.
Accrescente-se no lira do segn lo mem-
recurso necessario su$]>eisivo.
8. (Supprima-se o primeiro periodo.)
E coraece-se assim: O juiz de direito dever
proferir, etc.
9.' (addilvo: 0 presidente do tribunal
da relago enviar ao presidente da respec;
tiva provincia copia doaccrdo, devendo
proceder se inmediatamente a.outra eleigo.
10 (addilvo) ; Os vereadores e os juizes
do paz do quatrieunio anterior sao obriga
dos a servir em quanto os no vos eleitos nao
forem empossados.
CAPITULO Vi.
DAS INCOMPATIBILIDADES.
AnL 7o Vil. (Suppriuiam-se as palavras
os do juizo ecelesiaste os de capella e
residuos. )
4. (Substilua-se pela disposrgo das ins-
truegoes citadas no projecto.)
Art. 8." Depois da palavra -legislatura
accrescente-see seis mezes depois
Em vez de-=cmiregos retribuidos pelo es-
tado e de nomcacao do poder exdcutioo i-
ga seempregos ou cornmissoes retribuidas
de nomeaco don governos geral e provin-
cial, e bem assim a concesso de privilegios,
contratos, arrematares de rendas, obras ou
fornecimeatos publico*.
Em vez deuccessos legues que Ihes com-
pelireindiga-se accasos por escala de an-
tigaidade ou por lei.
(Accrescenle-se,
, o cargo rio
his-
po. .
CVPITULOVll.
disi'05k;ijks pnaks.
Art. 9."
i.
III. Depois do assembla parncihal
accresceute-se.e bem assim o juiz de paz
mais votado.
CAPITULO VIH
D1SP0SICES GERAES.
Art. 12. (Supprimam-se as palavras:
maiores proprietarios.)
(Supprima-se o segundo membro deste
artigo).
Sala das cornmissoes, 4 de agosto de 1873.
Joo Menes de Almeida.A. J. Henri-
r/ire.Dr. Antonio Candido da Cunka
Leilo.lleraclito de Aleiu:aslro Pereira du
(iraca Joao Capislrano Durilcira de
Mello.
A assembla geral resol ve :
Art. T A lei n. 387 de 19 de agosto de
1846 e os decretos legislativos ns. 499, 565,
842, e 1,082 de 9 de agosto de 18'8, 10
dejulhode 1850, 19 de setembro de 1855 e
18 de agosto de 1800, sero observados com
as seguintes alterages:
CAPITULO I.
DA QUALIFICAGO DE VOTANTES
Art. 2 As juntas parochiaes de qualifi-
cago sero compostas : do juiz de paz mais
votado do districto da matriz, como presi-
dente ; de dous membros eleitos pelos eei-
tores da parochia, e de dous outros eleitos
pelos dez maiores proprietarios da parochia,
que como taes tenham sido qualiticado pelo
juiz municipal ou substitua do juiz de di-
reito mediante o processo que ser eslabele-
cdo era regulamento.
Nao fica privado do seu direito como
maior propretario o cidado que fr lamben
eleitor. *
.1." Se a parochia nao livor eeitores,
por ter sido annullada a eleigo dos da legis-
latura corrate, sero convocados os da le-
gislatura anterior ; e tanto aquelles, como
estes, era caso de impedimento, sero subs-
tituidos pelos respectivos supplentes. Os
proprietarios que nao comparecerom sero
suostituidos pelos inmediatos na ordem da
qualificago,
2.' Para verificar e a ornar os trabalhos
das juntas parochiaes constiluir-se-hanasdo
trados do registro de tommercio j
.Os proprietarios e administrado-
res do fuaeudas ruraes de fabricas e de olfi-
cinas.
N. 8.Os capitafc de navios mercantes,
e os respectivos pilotos que tivarem carta
de exame ;
HI.*-Admitte-se como prava de renda
legal ;
N. 1.Justificago judicial, dada peran-
te o juiz municipal ou substituto do jiz
de direito, e em que se pravo que o justifi-
cante tem pelos seus beus de raz, industria,
commorcio o emprego, a renda annual de
2009, deduzidos os gastos da produego ;
N. 2.Documento de estogo publica,
pelo qual o cidado mostr receber dos co-
fres geraes, provinciaes ou muncipaes ven-
cimento, sold ou penso de 2009, pelo
raen s, ou pagar o imposto pessoal ou ou-
tros na importancia de 6$ animalmente ;
N. 3.Exbibigo de contrato pelo qual
prove o cid.ido que rendeiro ou locata-
rio, por prazo nao inferior a tres airaos, de
terrenos que cultiva, e pelos quaes paga 20$
ou mais por anno ;
N. 4.Titulo de proprigdade immovel,
cujo valor locativo nao seja inferior a
2005.
Ficain elevados: a trnta dias o prazo
de 19 de agosto de 1846.
No ultimo ou viran as juntos parochiaes
as queixas, denuncias e reclamares que
llies forem fetas, e roduzindo-as a termo
assignado pelo queixoso, denunciante ou
reclamante., erattiro sobro etlas a opnio
que tiverain com todos os meios de escla-
reciinento ; mas s podero deliberar sobre
a inclusao de noraes que teniara sido om-
tlidos.
6. As juntas parochiaes trabalharo
durante seis horas em cada dia ; suas sessoes
sero publicas, c as deliberages sero lo-
madas por maioria de votos.
Todos os iotareasados podero requorer
vorbalinente ou porescripto o quejulgarem
a bera de seu direito o da verdade da quali-
ficago, dando-se-lhes, um prazo razoavel,
at cinco dias, para apresentarem as pro-
vas de suas allegages.
Das oceurreucias de cada da se lavrar
uraa acta, a qual ser assignada pelos
membros da junta e pelos cdados presen-
tes que o quizerem.
7." Organizada no primeiro prazo de
que trata o 5 a lista geral dos votantes
da parochia com todas as inJicages do
4* r; com as observages convenientes para
esclareciraentos e deciso da juuta munici-
pal, ser publicada pela forma determinada
do art. 21 da lei de 19 de agosto de 1846,
e tambera pela impreusa, se a houver no
municipio.
Do mesmo modo se proceder cora a lis-
ta supplementar depois do segundo prazo.
8 o Concluidos os trabalhos da junto
parochial e remettidos ao juiz municipal ou
ao substituto do juiz de direito, este convo-
car, cora antecedencia de 10 dias, os ve-
readoecs e cdados que liverein de eleger
os outros dois membros da junta do muni-
cipio, para que no da e hora designados
comparegam 110 pago da cmara munici-
pal, ou era nutro edificio que offerega raais
comnioddade.
Alii prsenles em acto publico se effectua-
r a eleigo cora as formalidades, no que
for applii'avel, que estn establecidas para
a composigo das juntas de qualificago e
mesas parochiaes pela legislago vigente ;
e de ludo se levrar urna acto circurastan-
ciada, a qual ser assignada pelas pessoas
que interverein 110 acto e por aquelles dos
cdados presentes que o quizeren.
9. Installada a junta municipal, o
presidente distribuir pelos membros della
as listos parochiaes, para que as exauiueo,
e mandar aununciar por editaes e pela
impreusa, onde a houver, o dia o hora em
que devero coraegar as sessoes ordinarias
para a verilicago e apuramento de cada
urna das referidas listas, principiando pelas
das parochias mais distantes.
10. Esta reuoio da junta municipal,
de cada municipio urna junta municipal' fue dever coraegar trnta dias depois de
cranosla do juiz municipal ou substituto
do juiz de direito como presidente, e de dous
membros, ura eleito pelos vereadores da c-
mara e oulro pelos dez maiores proprietarios
do municipio.
3o Para substituiros membros das jun-
tos parochiaes o muncipaes impedidos, seio
eleitos ua raesina occasio era que o forera
aquolles, do mesmo modo e pelas mesinas
turmas, tu tros tantos supplentes. Na falta
de uns o outros far-se-ha a substitugo, con-
forme a origera dos substituidos, pelas raais
votados dos eeitores ou vereadores, e pelos
proprietarios segundo a ordem era que tve-
rcm sido qualificados.
4.* As listas geraes que as juntas paro-
chiaes deve-m organisar, contero, alera dos
noraes dos cdados qualificados, a idade, o
estado, a profisso, a declarago de saber ou
nao ler e escrever, a filago, o domicilio e
a renda conhecida, provada ou presumida,
devendo as juntas, no ultimo caso, declarar
os motivos de sua presumpgo, e as fontes
de informago a que tiverem recorrido.
I. Tem renda legal conhecida :
N. 1.Os ofliciaes do exercito e da arma-
da e os dos corpos policiaes, da guarda na-
conal'eda exliucta 2" linha, comprehendi-
dos os activos, da reserva, reformados e ho-
norarios.
N. 2.Os cdados que pagarain annual-
monto 65 ou raais de raposiges e taxas ge-
raes, provinciaes e muncipaes.
N. 3.Os que pagarera o imposta pes-
soal estabolecdo pela le n 1,507 de 26
de setembro de 1867.
DA ELElC.lO DE SENADORES.
Art. 5o 2.. (Substitua-se) : Procoder-
se-bs eleigo primaria, ou secundaria se
aquella estver fela, dentro do prazo de
tres mezes contad js do da em que os presi-
dentes de provincia houverem recebdo a
coramunicago do presidente do senado ou
do governo, ou tiverem noticia certa da va-
ga ; devendo ser registrada no correio urna e
outra coramunicago. Entre a eleigo pri-
maria e a secundaria mediar o mesmo tem-
po marcado no Io do art. 4.*
CAPITULO V.
DA ILEigiO nE VEREADORES E JUIZES DE PAZ.
Art. 6." $ 7. (Substtua-se) : 0 juiz de di-
reito o unecionario competente para co-
nheco" da validadeou da nullidade da elei-
go ; mas nao podor fazo-lo seno provoca-
do por via de reclamago, que dever se*
apresentoda dentro do prazo 'de 30 dias,
contados do dia da apurago. Declarar
N. 4.Era geraIT os cdados que a ti-
tulo de subsidia, sold, venc menta ou per-
so receberera dos cofres geraes, provinciaes
ou muncipaes 200$ ou mais por anno.
II. Consideram-se como ten Jo renda le-
gal conhecida, salvo prava era contrario :
. N. 1.Os advogados e sol taladores, os
mdicos, cirurgiOes e pharmaceuticos, os
que tiverem qualquer ttulo conferido ou
approvado pelas faculdades, academias, es-
colas e institutos de ensino publico secun-
dario, superior e especial do imperio ;
N. 2. Os que exercerem o magisterio
particular como directores e professqres de
collegos ou escolas, que sejam frequenta-
das por dez ou mais alumnos ;
N. 8. -Os clrigos seculares de ordens
sacras ;
N. 4.Os titulares do imperio, os ofli-
ciaes e fidalgos da casa imperial, e os cria-
dos desta que nao forem de gato branco ;
N. 5.Os negociantes matriculados, os
corredores e os agentes de leiles ;
. N. 6.Osguardas-livros e caxeirosde ca-
sas commerciaes que tiverem 2003J ou mais
de ordenado, o cujos ttulos esliverem regis-
eucerrados os trabalhos das juntas paro-
chiaos, ou antes, se fr possivel, durar
o lempo que fr necessario, cnmtanto que
nao exceda de ura mez ; e poder ser nter-
rompido depois de quinze das, se houver
muito alflueiicia de trabalho, para se reco-
megar era da quesera annunciado pelos
metOS de publicidade j indicados.
11. A' junta municipal compete :
I. Apurar e organizar definitivamente,
por parochias, districtos de paz e quarlei-
roes, a listo geral dos votantes rio munici-
pio, cora a declarago dos que sao elegiveis
para eeitores, servindo-se para este fim :
dos trabalhos das juntas parochiaes ; das
iuformages que devera prestar-lho os agen-
tes Ciscaos das rendas geraes, provinciaes e
municipaes, bem como todas as autoridades
e chefes do ropartiges administrativas, ju-
dciaras, policiaes, civis, militaros e eccle-
siastcas, analmente de todos os esclareci-
raentos e raeos do prava necesarios para a
verificago da existencia dos cdados alista-
dos e das qualidades com que o devem
ser;
II. Incluir na qualificago os cdados
cujos noraes tiverem sido omittidos, pelo
conheci ment que delles tenba a junto, ou
polas pravas que derera do sua capacidade
civil e poltica ;
III- Excluir os que tiverem sido inde-
vidaraeute qualificados pelas juntos paro-
chiaes, devendo neste caso notificados por
editaes aflixados nos lugares mais pblicos,
ou pela iinpronsa para allegarem e sustenta-
rom u seu direito ;
IV. Ouvir e decidir, com recurso neces-
sario para o juiz de direito, todas as quei-
xas, denuncias e reclaraages que versarera
sobre a regularidade dos trabalboe das jun-
tas parochiaes; assim como tomar conhoci-
inento ex-o/jicio, e cora o mesmo recurso,
de qlaesquer irregularidades, vicios ou
nulldades que descobnrera no processo dos
trabalhos das juntas parochiaes.
12. As sessoes da junto municipal se-
ro publicas o dur.ro seis horas em cada
dia ; suas delberages .sero tomadas por
maioria de votos.
Tolos os interessaJs podero requerar
verbalmente ou porescripto o qup jnlgarem
a bera de seu direito e da verdade da qua-
lificago, e tero um prazo rosoavel, at
cinco das, para apresentarem as provas de
suas allegages.
Das oceurronciasde cida dia se lavrar
urna acta, a qual ser assignada pelos
membros da junta e pelos cdados presea-
tes que o quizerem.
Continuar-se-ha.

<.' /
.-;
?




\
w
TYP. DO DIARIO -RA DUQUE DE CASIAS


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EKFOVLG9L_T44MH5 INGEST_TIME 2013-09-19T22:56:46Z PACKAGE AA00011611_13022
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES