Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12984


This item is only available as the following downloads:


Full Text


AMO ALIA. MUERO ISO

PARA A CAPITAL B LUGABES OME arlo SE PAGA PORTE.
Por tres motes adiantadoa................ 69000
Por seis dito dem .................... 1SJJ000
Por ura anno idem ................. 2i5>000
Cada uurnero avulso.................. 320
SEGL'AOA FEIR.W4 DE JlinO DE 1873
PARA lKVTH PORA DA PROVINCIA.
Por tret mezes adiantados.................
Por seis ditos idem......"..........'....
Por nore ditos idem..................
For um anuo idem. .'....'...........'. .
t
19600
20*850
T#M>0
IODEP
PROPRIEDADE DE HANOEL FICUEIROA DE PARIA & FILHOS.
Oo Srs. Gerardo Antonio Alves 4 Filhos, no Para; Goncalves & Pinto, no Maranho; Joaquim Jos de Oliveira dt Filho, no Cear; Antonio de Leiuu* Braga, no Aracaty ; Joan aria Julio Chaves, no Assd; Antonia Marques da Sita, no Ifatal; Jote
Pereira d'Almeida, em Mamanguape ; Augusto Gomes da Silva, aa Parahvba ; Antonio Jos Gomes, na ViMdaPenha; Belaimino dos Santos Bulcao, em Santo Anto ; Domingos Jos da Costa Braga, ein Hazareth;
x Antonio Ferreira de Aguiar, em Goyanna; Francino Tavares da Costa, em Allgas; Alves d C, na Bahia ; e Leite, Cerquinho d C. no Rio ;de Janeiro.
Ijfii
PARTE OFHCIAL
3=
Gaverno la provincia.
KXPUMFNTK DO DA 5 DK MAIO DE 1873.
I.1 seclo.
Offlcio:
An engenhejro encarrega.-lo Baa obraa mili-
tares. Mande Vine, proceder, de conformidade com
o orcamento na importancia de 191 i'tG annexo
ao sea alalo de lu de marco prximo lindo, aos
rncenos de q e precisa o oilao do hospital mili-
lar, onde existe urna fenda de alto a baixo.
2." serene.
Actos:
O presiden'e da provincia, de conformidade
com a proposla do Dr. chele de polica em ollicio
de i do correte, n. 83.5. resolve exonerar dos car-
gos de 1, 2o, i", 5' e 6 supplentes do subdelega
do do districto de S. Vicente, do termo de Itamb,
03 ciiis.lao< segtlintes :
Manjel do Reg Canteante de Albuqucrque.
Luiz Guedes Aleof irado.
Joo Francisco de Moora.
Manoel Cabra! de. M. lio Jui.ior.
Jos Joaquim do Espirito Santo.
0 presidente da provincia, de conformidade
oto a proposla do Dr. chefe de polica em o ticio
la 2 do corrente, n. 8').', resolta nonie >r para os
'argos de 1*, 2 e 3o supplentes do subdelegado do
districto de S. Vicente, do termo de bamba, os c-
dadios seguidles na orlem em que vio enlloca-
dos:
Luiz Guedes Alcofurado.
Joio do liego Cavaicaute.
Joaquim Camello de Andrade Lima.
OiHcios :
Ao Dr. chefe de polica. A' vista da infor-
ma cao de V. S. em officio de 2 do correule, n. 829,
acerca da peticao do preso Manoel He/erra da Sil-
va, (eoho de dizer I lie em resposla que aguardo as
informacoes pjr V. S. exigidas do delegado e do
mu municipal do termo de Cimbre-, a respeilo do
referido preso.
Ao mesmo. Devolvo a V. S a peticao de Vi-
rissimo Be/erra dos Pa sos, careen iro da cadeia
da Escala, deitaodo de eneaminha-la assemblea
legislativa provincial, como solicita em seu ofllcio
da 3 do corrente, sol n. 838, por nie ser da com-
petencia da mesma assemblea o que pede o refe-
rido carcereiro.
Ao juiz de direito do 6* disiricto criminal.
Hemetto inclusos os papis relativos ao exaiue feilo
no livro das acias da eleico de venadores e juizes
de paz da parochia dos Afogados, solicitados por
V. S. em offlcim de 56 de marro ultimo, para dar
enmprimento ao aviso do ministerio do imperio de
22 de fevereiro deste ann .
Ao commandanie do carpo de polica. -Sen-
do aptos para o servieo militar os paisanos, Anto-
nio Jos de Santa Anna, Manoel Antonio de Figuei-
rdo e Jos Rodrigues do Amaral, pode Vmc en-
aja-loa no eerpo sob o seu cominaiido, como so-
licita em olllcios d.; 1 e 2 do corrente, sob ns. 243
245.
3.' secrao.
Ofllcio*:
Ao inspector da thesouraria de fazenda.
fondo nesta data, de conformidade com a sua in-
formacao de 2 do corrente, s ib n. 714, serie C,au-
lorisado o engenheiro das obras militares a man-
dar fazer pela quantia de MH-5'ioii. em que foram
arcados, os conrertos precisos no oilao do hospital
militar, onde exi-te urna fenda de alto a baixo ;
assim o communico a V. S. para os fins conve-
nientes. .
Ao inspector da thesouraria provincial An-
nuindo ao que so icitoi o proceder da Sania Casa
de Misericordia em ofllcio de 3 de abril ultimo sob
n. 355, a que se refere sua informaran de 2 do
corrente, n. 159, autoriso V. S. a maular entregar
aa thesourero daquella Sania "asa, major Lau-
rentino Jos de Miranda, a quantia de 4860X),
proveniente das despezas Tedas no trimestre de. Ja-
neiro a marco deste anno com os flhos dos volun-
tarios da patria, existente nos collegios de orphaos
a cargo da mesma, como se v da inclusa conta.
Ao mesmo. Transmiti a V. S. as retacees e
coalas juntas que me remetteu o Dr. chefe de po-
lica com offl i i de 2 do corrente, sob n. 832, afim
de que mande pagar a Ricardo Caduf ou a seus
procuradores Moreira 4 Braga a' importancia de
715<620, despendida com o sustento dos preso;
pobres da cadeia la villa de Cimbres, durante os
tnezes de novembro do auno passado a fevereiro
deste, conforme demonstram as mencionadas re-
lacoes e conlas.
Ao mesmo.Recommendo a V. S. que, A vis-
ta das conlas documentadas annexas ao incluso re-
querimento, mande pagar, estando em termos, a
quantia de li:713*080, ein que importen o gaz
consumido durante os mezes de fevereiro e marco
deste anno com a illuminacao publica desta cidade,
devendo esse pagamento ser effe:tuado aos res-
pectivas empresarios.
Ao mesmo.Expeca V. S. suas ordens afim
de que sija paga ao padre Jos Modesto Pereira
de Brito ou a seu procurador a quantia de 1251,
constante do documento junto e proveniente dos
alugutis de a mezes, vencidos em marco ultimo,
das duas casas que no termo do Ex servem de
cadeia e quartel ao respectivo destacamento, con-
formo solicitou o Dr. chefe de polica em olBcio de
2 do corrente, sob n. 833.
Ao mesmo.A Flix Pacheco de Menezes ou
a seu procurador mande V. S. pagar, vista das
inclusas relacocseootas, conforme solicitou o Dr.
chefe de polica em ofllcio de 2 do corrente, sob
n. 831, a quantia de 356*'00, proveniente da des-
pan feita nos mezes de Janeiro a marco ultimo
com o sustento dos presos pobres da cadeia do
termo de Serintem, segu do indican; aquelles do-
cumentos.
Ao mesmo.Mande V. S entregar ao thesou-
reiro da rapa tifia da obras publicas a quantia
de 10:040*000, conslante do pedido incluso em du-
plcala que me fui remettdo pelo respectivo chefe,
para occorrer s despezas com as oVras a cargo
da mesma reprtiro no corrente inez.
Ao mes.iio.Providencie V. S. no sentido de
ser paga ao capiao Jos Firmo Pereira do Lago,
vista da retacan contas juntas que me remet-
teu o Dr. chefe de polica r*m ofllcio de 2 do cr-
rente, sob n. 83, a quantia de 1671400, despendi-
da no mex de marco ultimo com sustento dos
presos pobres da cadeia do termo de Onricury.
Ao mesmo. Tendo o Dr. chefe de.polica a
i do corrente exonerado, a pedido, o guarda da
Casa de Deteiicao Manoel Francisco da Silva, e na
mesma data nomeado para substitu lo a Isidoro
de Olinda Campello ; assim o communico a V. S.
para os fms convenientes.
4.' secta*.
Acto :
O presidente da provincia, attendendo ao que
reauereu Olympio Francisco Honorato, professor
publico de nstruccao primaria da 2 cadeira da
vidade da Victoria e regente da escela nocturna
da mesma cidade, resolve conceder Ihe 30 das de
licenca, cora vencmentos na forma da le, para
tratar de sua sade.
Offlcios:
Ao Exm. e Rvni. Sr. bispo diocesano. Sr-
va-se V. Exc. Rvma. de emittir o seu parecer so-
bre o incluso projecto n. 48 deste anno, que crea
nina nova freguezia no municipio de Panellas, afim
de poder satisfacer ao que resolveu a assemblea
legislativa provincial, e consta de officio do res-
pectivo secretario, de 3 corrente, sob n. 48.
Ao Dr. director gerai interino da instruccio
publica.Em respeta ao officio de V. S.,de30
de abril ultimo, tenho a dizer-lhe que designo
os Drs. Joaquim de Aquino Fouceca e Joio Mara
Seve para inspeccionaros professores, padres Fran-
cisco Scabra de Andrade Luna e Jos Procopio
Pereira.
Ao Dr. commendadof Joaquim de Aquino
Fouceca. Communico *a V. fc. que nesta data
desiguei-o para cen o Dr. Joao Mara Seve inspec-
cionar na directora geral di instruccio publica
os professores deustraccio primaria, padres Fian-
cisco Seabra do Andrade Luna e Jos Procopio
Pereira. esperando que V. S. n*o se recusar a
prestar aiais este servido causa publica.
Ao Dr. Jo id Mara Seve. Communico a V.
S. que nesia data desgnelo para com o Dr. Joa-
quim de Aquino Fonceca inspeccionar na directo-
ra geral da nstruccao publica os professoro de
instrucc/io primaria, padres Francisco Seabra de
Andrade Luna e los Procopio Pereira.
KXMMMIT! DO SKCHETABIO.
Oilkios :
2." itudo.
Ao Dr. chefe de pjlicia. O Exm. Sr. pre-
siden!? da provincia manda tr.iusmiitir a V. S.
ns Malos dos suppienles do subdelegado do dis-
tricto de S. Vicente, do termo de Itatnb, de con-
fonnidade com a proposla de V S, de 2 do cor-
rente, n. 833.
Ao mesmo.O Exm. Sr presidente da pro-
vincia manda declarar a V. S. que nesta data
expedio as necessarias ordens thesouraria pro-
vincial n i sentido de serem pagas as despulas de
que iralain os seus olllcios de ns. 83J a 833 de
2 do corrate mes.
Olllcios:
4.' secrao.
Ao Dr. Jo.i |iiui Correa de Araujo, 1* ;ecre-
tario da assemblea legislativa provincial.N. 117.
De ordem de S. Exc. o ;r. presidente da pro
riada, passo s maos. de V. S., afim de ser levado
ao coohecimento dessa Ilustre assemblea, o ofll-
cio por copia ocioso, em que a Illnu. cmara
municipal dj Radi declara haver marcado a
quantia anuual de 500 para pagamento dos ser-
vicos que prestar o advogado d s presos pobres.
Ao uies no. -N. 118.De rdem de s Exc.
o Sr. presidente da provincia, passo s maos de
V. S aiim de seren presentes a cssa Ilustre as-
seuibla, nao so o projecto de posturas da cmara
municipal do Recite, a que se refere o seu ollicio
de 23 do mea lindo sob n. 45, mas tambem as
copias das iufonuagoes que em vrlude de des-
pachos d) mesmo Sxm. Sr. foram prestadas pela
referida cmara e engenheirj chefe da reparlicao
das obras publicas. Fica assim salisfeta a reso-
icao oa mesma assemblea, constante do citado
ofllcio de V. S.
Ao pruveJor da Santa Casa da Misericordia.
S. Exc o Sr. presidente da provincia manda
declarar a V. S. que nesta data expedio ordem
thesouraria provincial no sentido de ser entre-
gue ao thesourero dessa Santa Casa, major Lau-
rentmo Jos de Miranda, a quantia constante da
COOta que veio annexo ao seu ofllcio de 3 Fabril
ultimo sob n. 355.
A' cam ira municipal da cidade da Victoria.
De ordem de S. Exc. o Sr. presidente da pro-
vincia, remello cmara municipal da cidade da
Victoria "a inclusa copia do officio da presi-
dencia, de 28" de setemhio de 1859, como solici-
tou essa cmara um dala de 29 de abril ullimo-
5." secrao.
Oflkio :
Ao engenheiro chefe da repart;ao das obras
publicas. O Exm. Sr. presidente da provincia
manda declarar a V. S., em re-posta ao seu
ollki i de 2 do corrente sob 0.183, que licam
expedidas nesta dala as convenientes ordens
thesouraria provincial no sentido de ser en-
tregue ao thesourero dessa reparticao a quantia
por Vmc. solicitada em seu citado officio.
SfEMiOm 00 DA 6 D MAIO DE 1873.
/." teccio
Offlcios :
Ao brigadoiro commandanie das armas. -
Mande V. Exc. por e;n liberdade, visto ter sido
julgado incapaz do servieo do exercito, segundo
consta do termo de iuspec.o que veio annexo
ao seu officio le 3 do corrente sob n. 463, o re-
cruta Jos Thomaa de Souza.
Ao mesmo. Mande V. Exc. por em liber-
dade os recrutas Jos Joaquim Antonio dos San-
Ios e Jo-e Francisco da Silva, os qttaes foram jul-
gado* iacapasAl do servieo do exercito, como se
v dos termos de inspecQao annexos ao seu oul-
cio de hoiitem datado sob n. 474.
Ao mesmo. Rosaondendo ai officio que V.
Exc. me dirigi em 3 do corrente sob n. 461,
tonho a ili/.er llie que para o lim nelle indicado
posso dispen ar 25 praeas do corpo de polica,
as quaes Ihe serao remecidas quando por V. Exc.
forem requisitadas. Devolvo o officio do briga-
deiro inspector das tropas, o qual veio annexo
ao de V. Exc.
Ao director interino do arsenal de guerra.
Transmiti a Vmc, afim de ser satisfeito, o in-
cluso pedido do 2* batalhao de infamara, que
para sso foi remelldoj'pelo brigadeiro comman-
danie das armas com ollicio de nontem datado,
sob n. 473.
Ao mesmo. Mande Vmc fornecer ao almo-
xarifado do hospital militar os objeetos constantes
do pedido junto em duplcala, que me foi re-
mettdo pelo brigadeiro commaudantc das armas
com officio de 3 do corrente sob n. 467.
Ao capitn do porto. Mande Vmc por em
liberdade o recruta Jos Moreno da Silva, visto
ter sido julgado incapaz do s-rvico da armada,
segundo ci lista di seu officio de 5 do corrente
sfb n. 102.
2.* sergiio.
AcDs :
0 presidente da provincia, atlendendo ao
que requeren Joao Baptista Tcixeira Cavalcanti,
e-crivao de orphaos da comarca de Iguarass,
resolve conceder-lhe seis mezes de licenca para
tratar de su saude n'esta cidade.
O presidente da provincia, alennendo ao que
reqner u o bacharel Augusto figydo de Castro
Jess, juz municipal e de orphaos do termo de
Serinhaem, resolve prorogar por 15 dias a li-
cenca. que Ihe foi concedida a 5 do mez prximo
passado para tratar de sua saule.
Offlcios:
Ao presidente do tribunal do commercio.
Communico a V. Exc. para os lins convenientes que.
atlendendo ao que requeren o New l/mdon and
Brasilian llank Limited, resolv n'esta dala decla-
rar constituido o mesmo banco para o lim de es-
labelecer urna agencia n'esta capital. termos
dos arls. 15 e V> do decreto n. 2711 de 19 de de-
zembro de 1860.
Ao Dr. chefe de polica. Expela V. S. as
suas ordens para que sejam recebidos e eonser-
vados na casa de lelenco os sentenciados, Julio
Osar Guanaes de Alfa, Domingos Goncalves Va-
lentn, Joao, eseravo, Jeronymo Ramos Cantil,
Christovio; eseravo, Jos Francisco, Joaquim Fran-
cisco, Claudio, eseravo, e Modesto, tambera esera-
vo, os quaes acabara de chegar da provincia da
Bahia a bordo do brigue escuna Tonelero, com
destino ao presidio de Fernando de Noronha.
Oonvm declarar a V. S, para os lins convenien-
tes que a despeza com alimentaban d'estes sen-
tenciados de ve correr por conta do ministerio da
justica.
A" commandinte superior de Santo Antao
e Escada.- Sendo de urgente nesessidade o pre-
enchimento das vagas existentes no batalhao 23
de infantaria da guarda nacional sob o sea cora-
mando superior, como informa em officio de 27
do inez prximo passado, expeca V. S. suas
ordens para que o actual coiuiandante do ba'a
Ihao, major ouilhermino Paes Brrelo, organise a
respectiva proposla como solicita em seu citado
officio.
- Ao juz de direito das execuc/Jes criminaes.
Transmillo a V. S: para os fins convenientes aa
inclusas guias, que me remetteu o presidente da
provincia da Baha, com ollicio de 14 de abril uL-J
timo, dos sentenciados, Julio Cesar Guanaes de'
Alia, Domingos Goncalves Valentim, Joo, eseravo,
Jeronymo Ramos Cantil, Christovo, esi:ravo, Jos
Francisco, Joaquim Francisco, Claudio, eseravo, a
Modesto, tambera eseravo, os quaes, tendo viudo
d'aquella provincia com destino ao presidio de
Fernando de Noronha, achara se recolhidos casa
de detonlo dispoa$aa d'esse juizo.
Ao commaiidante do corptr de uolicia. -Ex-
Santa Casa, concedo autorsaco para effeclnar a
yenda da casa n. 72 da ra da Soledade pela quan-
tia de 2:t.(IOi, olTerecida pelo Dr. Ermiro Cesar
Coutnhu.
- Ao mesmo. Em resposla ao officio de V. S.
de 2 do correte, sob a. 410, tenbo a dizer-lhe
ijue, tendo em vista o que pondera a junla admi-
nistrativa dessa Santa Casa, autoriso a a deferir a
cao de Prenle Vianna a (^, que devolvo, ef-
etuaiido com elles o contracto do arrendamento
casas ns. 57 c 59 da ra do Marqiuz de Olin-
pela quantia e clausulas inenciouadas no offl-
J'' ta presidencia, de 19 de abril ultimo, menos
que -e refere V. S. no seu illudidu ollieiu.
Ao inspector da sade publica.Em respis
ao officio de V. S. de hontem datado, tenho a
r-Ute que, si appaiccereni ni casa dp deten-
novos caaos de beriberi, me'ddsso conheci-
alent", propondo as providencias que enleuJer
qual participa ter dado principio medicao da
sesmaria oceupada pelo ex ti neto aldeiamento de
Barreiros.
pega Vmc suas ordens para que o commandanie I convenientes, para que o mal nio se propague,
do destacamento de Caruar seja substituido pelo Ao juiz de paz oais votado da freguezia de
lenle do corpo sob seu commando, Jos Carlos S. Vicente.Em resposla ao officio de Vmc. de 22
Vital. de abril ultimo, tenho a dizer-lhe que designo a
3.' serrao. torcuira dominga le junho viudouro para ter lugar
Jclo: a reunan da junta de qualillca.-.io dessa fre-
0 presidente da provincia, tendo em vista o goezia.
ornamento que veio annexo nforrav.- do inJ Portarla :
pector da thesouraria de fazenda, de hontem,
u. 768 serie C, resolve, nos termos do decrete
n. 288i. do l.de fevereiro .le I8G2, art 5. 7\
aalorisar sob a responsabiiidade da mesma pre-
sidencia um crdito suppleuieiiiar na importan-
cia de 6:8135265, afim de poder aquella thesou-
raria occorrer no exeroico de 1872 a 1873, nao
s ao pagamento da dilferen.a dos vencimeuto
que, em vrlude do decreto n. 2223 de 5 de abril
ultimo, compete aos lentes e mais empregados da
faculdade de direito desta capital, mas tambem
aos professores do curso de preparatorios a ella
annexo, visto nao ter baixado anda do Ihesouro
nacional a competente ordem para tal paga-
mento.
Olllcios :
Ao inspector da thesouraria de fazenda.
Para os lins convenientes couimuuico a V. S. que
por portara d'sta lata foi prorogada por 15 diai
a licoOfia concedida a o do inez prximo passado,
para tratar de sua saude, ao hachare! Augusto
Egydio de Castro leaos, juiz municipal e de or-
phaos do termo de Seriuh iem.
Ao mesmo. Para os fins conveniente^ com-
raunicj a V. S. que a 17 do raez prximo passado
foi nomeado o baeharel Gaspar de Menezes Vas-
concellos de Driimmond promotor publico uterino
da comarca do Rio Formse.
Ao mesmo. Annuindo ao que solicitou o
conimandante do brigue escuna Tonelero em offl
ci de hoje, autoriso V. S. a mandar pagar, ein
vista da competente folha e pret, o que se estver
a dever aos ofTicaes e pravas da guarnicao
d aquelle brigue, proveniente de seus venciinjutos.
Ao mesmo. Em vista das contas em dupl-
cala annexas ao incluso requeriinento.mande V. &.
pagar a Fieldeu Brothers a quantia de 814 500,
proveniente do gaz consumido durante os mezes
de Janeiro a margo d'este anno com a illuminacao
dos quarteis de cavallara, Hospicio, Cinco (tontas
e Soledad'', segundo demonstrara as mencionadas
contas.
Ao racimo.Constando de officio do briga-
deiro commandanie das armas, de 3 do corrente
sob n. 466, ter sido approvada pelo director do
hospital militar, na forma do respectivo regula-
ment, a proiosta feita pelo almoxarife do alferes
honorario Francisco Malinas Pereira Diniz para o
lupar de porleiro e fiel de fardamentos d'aquelle
eslabele ment em substituieao de Joao do Prado
da Cmara Santiago, que foi a seu pedido exone-
rado dos referido lugares ; assim o communico a
V. S. para os fins conveniente*.
Ao mesmo Transmuto a V. as inclusas
contas em duplcala que me foram ram-tlidas
pelo director interino do arsenal de guerra com
ofllcio de 3 do correule sob n 41", afim de que
mande pagar a quantia de 151*700, proveniente
do gaz comsumdo no trimestre de Janeiro a
marco deste anno com a illuminacao da compa-
nhia dos menores e operarios militares do mesmo
arsenal.
Ao mesmo. Tomando em consideracao o
que expoz Vicente Braga da Costa no incluso
requeriniento, sobre que versou sua nf rma de 4 de abril ultimo, sob n. 458 serie C, resolv
considerar de nenhum effeito a multa imposta ao
supplicante pela recebedoria de rendas por nao
ter elle no lempo competente declarado o fallec-
ment de seu eseravo Leandro, de menor idade.
Ao mesmo. Com a portara unta por
copia, pela qual resolv no* termos do decreto n.
2884 do 1. de fevereiro de 1862, art. 5. % 7.*,
autorisar sob a responsabidadc da presidencia
um crdito supplementar na importancia de.....
6:833*265, fica V. S. habilitado a mandar pagar
ne exercicio de 1872 a 1873 a dilTerenca dos
vencmentos que, em vrlude do decreto n. 2223 de
5 de abrd ultimo, compete nao s aos. lentes e
raais empregados da faculd;dc de direito, mas
tambera aos professores do curso de preparatorios
annexo mesma faculdade.
Ao inspector da thesouraria provincial.
Providencie V. S. no sentido de ser paga ao sub-
delegado do districto de Beberibe ou a seu pro-
curador, vista do incluso recibo que me remet-
teu o Dr. chefe de polica com officio de hontem
sob n. 852, a quanlia de 30*0<>0, despendida nos
mezes de marco e abril ltimos cora o aluguel
da casa que n'aquelle districto serve de quartel ao
respectivo destacamento.
Ao mesmo. -Ao delegado do termo de Igua-
rass ou a seu procurador mande V. S. pagar,
vista da inclusa conta e.n duplcala, conforme
solicitou o Dr. chefe de pdicia em ollicio de hon-
tem, sob n. 853, a quanlia de 33*800, em que
importou o forneciraen'o de luz e agua durante
os mezes de Janeiro a margo leste anno ao quar-
tel do respective destacamento, segundo indicara
as mencionadas conlas.
Ao mesmo. Communico a V. S. que a com-
panbja Santa Thereza concluio no da 3 do cor-
rente as obras de encanlenlo para abastecimenlo
d'agua potavel da cidade de OlinJa comecando
nessa data a ser contado o praso de quarenia an-
nos de seu privilegio, na forma do respeclivj con-
tracto.
Ao mesmo.Iuforme V. S. cora urgencia si
o lenle coronel Thomaz le Aquino Cavalcanti,
arrematante das obras da cadeia de Buique, j se
acha quite para com essa repartirlo.
4.' sereno.
Act) :
O presidente da provincia, altendendo ao que
propoz o director cecal interino da InstruccJo pu-
blica em officio da 3 de abril ultimo, sob n 121,
resolve crear mas tima delegarii Iliteraria na
freguezia da Boa-Vista, comprehendendo a pri-
raeira toda a rregnezia, com excepcao de Santo
Amaro das ."alias, que constituir a segunda, sen-
do os seus limites os dos respectivos dstrictos po-
liciaes, e bem assim nomear para delegado Ilite-
rario do segundo, Francisco Pacheco Soares.
Offlcios
Ao Exm. Sr. presidente da provincia da
Bahia. Opportunainente sern remedidos ao pre-
sidio do Fernando de Noronha os sentenciados,
cujas gulas acompaoliaram o officio de V. Exc. de
14 de abril ultimo, sob n. 379, o qual fica assim
jespondido.
Ao provedor da Santa Casa de Misericordia.
Em resposta ao officio de V. S. de 2 do corren-
te, sob n. 9, tenho a dizer-lhe que, tendo em con-
sideracao o parecer da junta admiaistraliva dessa
A'cmara municipal da villa de llezefros.
Em resposta ao officio da cmara municipal da
Kierros, de 28 de abril ultimo, tenho a dizer que,
para conceder a aulorisao solicitada, cumpre
que essa cmara remella um oroamento aproxi-
mado das despezas e o valor dos objeetos especi-
ficados no dito officio.
S.' necean.
Acto: ^
O presidente da provincia, attendendo ao que
requeren o New Loudon and Brasilian Bank li-
mited, resolve, na conformidade dos arts. 15 e 46
do decreto n. 2711 de 19 de dszembro de IS60,
declarar constituida nesla praca urna agencia do
mesmo Banco.
Oftlcios :
Ao director geral dos indios. -Remllenlo
a V. S. copia do oflick do Dr. chefe de polica, de
5 do corrente, ir 587, acouipanludo de oulro do
delegado do termo de Aguas Bellas, tenho por Gra
reciimmendar-lhe que providencie no sentido de
evitar a reprodcelo ds lacios a que allude o re-
ferido delegado.
Ao Dr. Joaquim de Aquino Fonceca, -Se-
gralo informa o engenheiro chefe da repart.ao
da* obras publicas em ofllcio de 3 do crreme,
nao existeio na mesma repartict as plantas que
V. S. solicitou em 26 de abril para u.ellior desera-
penho ilo exame dos apparelhos da corapanhja
Recite Drainage, as quaes, ein vi>ia da informa;ao
do respectivo gerent interino, a quera o nv-smo
ouvio. siipiie-se terem sido levadas para o Rio de
Janeiro pelo engenheiro gerente Henry Law. Por-
tante, no caso de serem imprescndiveis as ditas
plaas, couvm aguardar a chegada do mesmo
para informar a respailo.
Ao engenheiro da companha de tullios or-
lan do Recife a Olinda e Beberibe. Nesla data,
ein vista de sua ii.funn i.o de 3 do corrente, sob
u. 34, negue proviineulo ao recurso interpostn
pelo presidente da directora dessa companha da
multa que Ihe fi imposta por Vuw ; o que Ibe
communico para seu conheeimeoto e para ipu in-
time a referida enmpanhia no sentida de recolher
a respeclva importa icia.
KXPKDIKNTK DO SKCRKTARIO.
/.* secco.
Olllcios:
Ao brigadeiro commandanie das armas.S.
Exc. o Sr presidente da provincia manda declarar
a V. Exe., em resposta ao seu officio de 3 do cor-
rente, sob n. 467, que nesta data se mandn sa-
lisfazer o pedido em duplcala, anuexo ao citado
ollicio
Ao mesmo. De ordem de S. Exc. o Sr. pre-
sidente da provincia, restituo a V. Exc, como so
licita no final do seu ollicio de 3do corrente. sob
n. i66, os papis que vieram a elle annexos, relati-
vos exonerarn do porleiro do hospital inlilar a
prupasta para provimento desse emprego.
Ao mesmo. Nesta data se mandn satisfa-
zer o pedido que veio annexo ao seu officio de
huiiieiii datado, sob n. 473 ; o que declaro a V
Exc, de ordem de S. Exc. o Sr. presidente da pro-
viucia e era resposla ao cilade irtlivio.
Ao commandanie do brigue escuna Toit-
lero.-S. Exc. o Sr. presidente da provincia man-
da declarar a V. S. que desta data expedio ordem
thesouraria de fazsnda no sentido de serem pa-
gos os vencinienlos dos ofilciaes e guarnicao de
que trata o seu ollicio de hoje datado.
Ao director interino do arsenal de guerra.
O Exm. Sr. presideute da provincia manda com-
municar a V. S. que expedio ordem thesouraria
de fazenda no sentido de ser paga a despe?a de
que trata o seu officio de 3 deste mez, sob n. 410
.1 seccao.
O.coi:
Ao Dr. chefe de polica. -O Exm. Sr. presi-
dente da provincia manda declarar a V. S. que
nesta data expedio ordem thesouraria provincial
no sentido de ser paga ao delegado do termo de
Iguarass ou a seu procurador a quanlia de que
trata o seu oilicio de hontem, sob n. 853.
Ao mesmo.S. Exc o Sr. presidente da pro-
vincia manda declarar a V. S. que a thesouraria
provincial lera ordem para pag r ao subdelegado
do districto de Belieribe ou a seu procurador a
quantia deque trata o seu officio de hontem, sob
n. 852.
Ao juz de direito interino do Rio Formoso
O Exm. Sr. presidente da provincia manda ac-
cusar o recebimento do offlcia de V. S., de 17 do
corrente, participando ter naquella data uomeado o
baeharel Gaspar de Menezes Vasconcellos de
Drniumond para exercer interinamente o cargo de
promotor p iblico d'essa comarca.
Ao juiz de direito da comarca de Caruard.
O Exm. Sr. presidente da provincia manda acen-
sar reeebimente do ofllcio de V S., de lo do mez
prximo lindo, participando ter nomea4o a Migiml
Archanjode Mendonca Filho para exercer interina
mente o ofnVio de escrivao do jury do termo de
Caruar.
4.' seccao.
Offlcios :
Ao director geral interino da nstruccao pu-
blica.S. Exc o Sr. presidente da provincia man-
da declarar a V. S. para seu conhecimento e fin
convenientes qne por acto desta data, e em vista
de m* pr posta de 30 de abril lindo, sob n 121,
resolveu crear mais urna delegacia luterana na
freguezia da Boa-Vista desta ei lade, comprehenden-
do : a I.* toda a freguezia, com excepcao de Santo
Amaro das Salinas, qne constituir a i.'; sendo os
seus limites os dos respectivos dstrictos polciaes,
e bem assim nomear para delegado luterano di
segunda Francisco Padieco Soares, cojo titulo Ihe
remetto para ter o conveniente destino.
5." seccao.
Officio :
Ao engenheiro che/e da reparticao das obras
publicas.- O Exm. Sr. presidente da provincia
manda aceu<>ar receido o olflcie de V. S., de 3 do
corrente, sh n. 185, cobrindo otro por copia, da
mesma dala, em que a gerente-da companha San-
ta Thereza participa terem sido conclu las as obras
do eucaiiimeuio (tara abostecmeolo d'agua pota-
vel na cidade de Olinda dentro da praso Ja proro
Sacio que Ihe foi concedida, e comecou naquella
ata o praso de 40 annos de son privilegio.
Ao engenheiro Lniz Jos da Silva.O Exm.
Sr. presidente da provincia manda aecusar o re-
obimeato do otcio de V. &, do.! do corrente, no
[>BSi'ACHOS DA PRKSIDBNCIA DE 10 DK JULIIO DE
1873.
Antonio da Cimba Ferreira Baltar e outros.
Satisfacam os supplieautes o disposio nos arts. 27,
28 e 30 do decreto n. 722, de 28 de outubro de
l*"i.i v art. 22 do decreto n. 1,354, de 6 de abril de
1854.
Anua Elisa Percha Dutra.Passe portara pro-
rogando por mais- dous mezes a licenca que re-
quer a supplicante, ora inetade de seu ordenado.
Adelinu Celestino de Mendonca. D-se a guia
que pede.
Anua Bezerra Ca'aleante da Silva Costa.Junte
a supplicante attestados mdicos, e n que se de-
clare a enfermidade que c-l sefTrendo.
Custodio Moreira Das. Como requer, fioasdo
aggregado ao 2.* batalhao de reserva.
Domingos de Souza Ledo do Rogo Barro?.Pode
entrar no exercicio de seu emprego.
Daniel Sarniento de Gusraao Guabiraba. Passe
portara concedendo a licenca pedida, cornos ven-
cmentos a que liver direito.
Demetrio re Azevedo Aniorim. Junte o sup-
plicante a fe de ofllcio, na forma do art. 11 do de-
creto n. 3,496, de 8 de junho de 1865.
Emilia Julia dos Santos.Sira. cora recibo.
Fausto Ladislao Freir.Sim.
Francisco Bernardo de Carvalho. Satisfata o
supplicante a exigencia da thesouraria de fazen-
da.
* Goncalo Rodrigues de Almeida Leite. Informe
o Sr. uspector da thesouraria de fazenda.
O mesmo. dem.
Joao dos Santos Ferreira Barro'. Deferido com
officio desla data thesouraria provincial.
Jos Menrique de Mend nica.Sim.
Mauobl Mara Freir'.-D se a guia que pede.
Melchiades Antuees de Almeida.Deferido com
ollicio desta data thesouraria provincial.
Melanio dos Res Pereira do Lago. Indefe-
rido.
Osear Destibeaux. Informe o Sr. dir'tor da
reparticao das obras publicas.
Vindiraial Ribeiro Soares. -Passe parlara re-
raoveodo o supplicante para a cadeira desunci-
rs lettras da p ivoacao de Nova Cruz.
Secretaria da presidencia de Pernambuco, 11 de
julho de 1873. i'
Padre Albino de Carvalho Lessa. Informe o
Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
Antonio de Menezes Cysneiro Bandeira de Mello.
- Declare qual a molestia que soffre.
Charles Bachelerg. Bemetlido ao Sr. Dr. di
rector geral interino da instruccio publica para
.atender ai supplicante nos termos da sua infor-
raaco de 7 do corrente sob n. 195.
Francisco de Novaes Pimenll. Indeferido era
visla da informacao.
Ignacio Francisco Martius. Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria de fazenda.
Ignacio Tolentino Bezerra de Mello. Informe
o Sr. provedor da Santa Casa de Misericordia
Jeronymo Silveira Mariins. Passe.
Jos Ferreira.Remetti lo ao Sr. director geral
interino da instruego publica para altender ao
supplicante ni s termos do sua informacao de 7
do corrente sob n. 198.
Joaquina Maria dos Prazcres. Seja posto era
liberdade.
Dr. Laurindo Feij do ^Mello. CcrtiOque-se o
que conslar.
Leonina de Barros Cvale nte Lins a outras
Ao Sr. Dr. director geral interino da instrucciia
publica para deferir a peticao das supplic rales. .
Paulo Jos de Oliveira.Informe j Sr. inspector
da thesouraria de fazenda.
Rosa Maria Bandeira. Informe o Sr. inspector
do arsenal de marrana.
Secretaria da presidencia de Pernambuco 12 do
julho de :873. O porleiro,
Silvino A. Rodrigues.
Reparticlo la polica.
!.' seccao. Secretaria da polica de Pernambuco.
12 de julho de 1873.
N. 1224.Illra. e Exm. SrParticipo a V. Exc.
que das cominunicacoes recebidas hoje, consta que
foram recolhidos hontem detenco os individuos
segrales :
A' minlia ordem. Pedro Jos Humayl Caninana,
vindo de Floresta, como sentenciado.
A' ordem do subdelegado do Recife, e subdi;o
inglez Isac Iacaerdm, requisicao do respectivo
cnsul.
A' ordem do de \nto Antonio, Antonia. escra
va de Manoel de tal, por suspeitas de audar fu
gida.
Finalmente, a ordem e tranquillidade publica
nao solTreram alteraco.
Deus guarde a V. ExcIllm. e Exm. Sr. com-
mendador Dr. Henrique Pereira de Lacena, dig
nissimo presidente desta provincia.O chefe de
polica, Antonio Francisco Correa de Araujo.
DIARLO DE PEft.UMXi
RECIFE, 13 DE JULHO DE 1873.
Itecui'tto piara coru.
Associando-nos de cora?o aos generlos e sobre
modo dignos e elevados sentimentos da mecdade
acadmica desta cidade e das mais dislinclas se-
nboras que aqu habitara, entre as quaes se contara
as alumnas da escola normal para o sexo femi-
nino, era proi do Infeliz soldado Joao Rayraun-
do, condemnado pena de raorle ; para aqui
trasladamos as suas peticOes enderezadas S.
M. o Imperador e S. M. a Imperatriz, solicitan-
do dos Ilustres principes ura raio da luz de cle-
mencia imperial para a infeliz victima da lei bar-
bara, que arranca vida aquelles que eahera sob
a sua aceo.
Dizendo lei barbara, eremos nao desloar do
concito geral, que parthamos, do que seraelhante
disposicao deve desappirecer da nossa legislacao
criminal, purificando se assim o nisso cdigo dessa
mancha que Ibe impriiniram as ideas dos lempos
idos.
Felizmente para a sociedade moderna, poucos
sao hoje os espiritos que se attem em louvar essa
lei iniqua e desmoralisaora ; e anda, para glora
do seclo XIX, con vera repetir at a saciedade que
os costumes e a ndole da actual geracao nao se
podem mais coadunar cora semelhantes e incom-
prelleilsiveis les.
Nao de hoje gue temos a conviccao da neces-
cidade de urna reforma do nosso cdigo penal, M
pecialmante no que concerne pena de morto ; o,
se man de urna vez j temos manifestado os nos
so; sentimentos, nao isso razio para que dexe-
nios passar a occaso que nos oflerece tudo o que
ba de mais generoso e nobre nesta trra, a nwei-
dade estudiosa e intelligenle e ama pleiade de dis-
tinclissmas senhoras, supplicando a clemencia do
Imperador para o soldado Joao Raymundo.
Praza ao co que o Ilustre principe que tio
dignamente preside aos destinas do paiz ceiba
com a sua proverbial bonhomia aa peiicoes per-
uainbueanas, e que fique isenta esta cidade de
assistir ao afflictissimo espectculo de ama murte
coiisumada em nome da sociedade e da lei.
Apoiamos de coraco, repetimo-lo, o esforcado
empenho que se levanta em prol do desgranado
soldado; e, se a wmmutacao da pena em que elle'
i rcorreu vier coroar esse empenho tao nobre quao
I magestoso, a luz que irradia o throno brasileiro
adquirir novo brilho, e esse brilho teremos todos
o orgulho de dizer que ihe foi dado pelo esplendor
i das senhoras e da mocidade acadmica do Per-
nambuco
Eisas peti^ocs :
Senhor. --Somos a mocidade ac leroica da
Faculdade de Direito do Recife : a mocidade, que
no Brasil, como em todos os tempes e lugares,
falla mais com o coraco do que com a caneca,
motivo para confianca que nao para desconfianza,
que muitos velhos Ilustres,-desses cujas almas
nao envelheeeram, ahi esto era p na historia di-
zendo-nos que o coraco o primeiro mestre da
vida do espirito, como o principal foco da vida
do aitpiK As paredes catados, de que fallava S.
Paulo, sao as almas dos que nao leeui coraco.
Acatamos devidamenle, Senhor, o aviso do
ministerio da guerra de 21 de junho prximo pas-
sado, mandando execular o soldado Joao Raymun-
do, do 9. batalhao de infantaria ; e acatamos
gualmente os antecedentes desse aviso.
Ma<, Imperial Senhor, vemos ah a lettra fra
. da lei a enregelarnos a alma, e venios mais alto.
| sobrero espaldar do Vosss throno, o astro fulgen-
I te do penlao, foco do ura calor benfico, de una
luz divina.
Em nome de Dens, em nome da humanidad*.
Magnnimo Imperador do Brasil, nos Vos pedimos
ura raio de luz desse sol que. pausando pela Vossa
fronte, ha de Iluminar todo o Imperio da Sania
Cruz.
Conuedei a vid ao soldado Joo Raymundo.
Senhor I Deus a tirar no da e na hora I
< A huinaiiidade. Vos o abis, Senhor, que
Vos honrain generosos arrojos para o nobre e ca-
ricioso progresso do sculo XIX, a liumanidade ja
nao solfre limnons tirando a vida a homens, om
nome de Jis feitas por homens : a vida de
Deus !
< Enforquem embota em Roma Tognetti e Mon
ti... Fuzile e quilholrae aos centos o governo le-
gal do Versalhes, porque a communa Ilegal de
Pars fuzilou aos centos... Sustentem a pena de
inerte fulhas chamadas catholcas, o que mais p.i-
rscem de Ho.na de ero, guando os cornos dos
ebrisi j.- eram lampeocs da illuminacao publica.....
Quo importa I A raorte hade ser sempre urna
cousa iremeuda, um lance de Deus, que fez no
Harto pocejar sangue o corpo de Jess, que fez
medo so colossal S. Paulo I O dedo de Deus est
ah; e a lei ha de commeller o mesmo crime de
Joao Raymundo, sempre que levantar tno sacri-
lega contra a vida !
E a cidade do Recife, Senhor, o coraco do
heroico Perna nbuco, a patria de Roma, Caneca,
Theotouio. Mariins, Nicolao, Agostinho e taotos...
a cidade do Recife quer esquerer, quer abencoar
o futuro, levantando as maldicoes do passado '
Apiedai-vos, Senhor I Um pobre soldado no
tunco de uraa masraorra, e Deus no alto do co,
que Ihe ha de tomar conlas no da e na dora....
Queni ousa inlerpor-se I?
Perdoai, Senhor I Nos Vol pedimos, em
iioine do futuro da patria, em norae do nosso fu-
tuio!
Ha inuilos annos disto, Senhor cercava-se o
cemitero do Recife, anda nao eslava acabado, e
entrava por elle, pedia urna cova, o cadver de
um soldado fuzilado. Hoje, que corre urna qua-
dra canicular para aquelle campo de repouso,
eis que appareee o risco de outro fuzilado ir dei-
tar.-se ao lado do primeiro____ Em Roma paga
seria um mo agouro ..
. Perdoai, Senhor I O que um preso de mas
no imperio da Santa Cruz ? Mas, urna vida de
menos, arrancada violentamente (que na hypc
Ihese a lei da crealura uraa violenta contra a
lei do Creador), um crime contra Deus e
pelos criines pagara individuos e nacoes.
Perdoai, Senhor 1
t E a mocidade acadmica da Fa-uldade de Di-
reito do Recife contar como um dia feliz, este em
que se dirige a Vos, dia que ir sendo por ella
sempre confiado aos echos lo futuro da patria.
E uestes termos, com o raais profundo res-
pailo. Senhor,
b Pedimos a V. M. Imperial deferimento, e re-
eeberemos a raerc feita a Joo Raymundo, a
nos, patria e humanidaie.
a Senhora.Cora toda a reverencia nos approxi-
mamos ao throno de V. M. I. para pedir-Vos uira
graca.
De sbito corren pelos nossos lares, qne ia
ser fuzil.uln um hornera, um soldado do 9* bata-
lhao de infantaria, por nome Joao Baymundo. Fi-
catnos mortalmenle apavoradas, transidas de pas-
mo, de horror e de pena, Imperial Senhora I As
que somos filhas, i bamos para nossos pas. As que
somos esposas olhamos para nossos maridos 1 As
que somos irraas olhamos para nossos irmaos I As
que somos mies, corremos a esconder nos seios as
caberas dos nossos filhos, a levantar com os nossos
coros urna barreira junto aos bercos dos rece-
nascidos I.. E todas qne somos cbrislas, volvemos
os olhos chorosos para a Cruz I
a Quiz Deus, Senhora, e esle o principal dia-
dema do nosso sexo, que nlo houvesse no mnndo
ura hoinem tao desgranado, pelo qual nao balesse
um coraco de mulher; urna mi, urna esposa, urna
fiilia, urna irma, urna noiva, urna santa velha que
o tivesse alimentado ao seio, ai do homem, ao qual
de todo em todo faltassem estas encarnacoes do
amor sob a forma da mulher! Seria urna rarida-
de monstruosa I
Por esse Joo Raymundo ha de bator um co-
raco de mulher, que a- cruzes da desgraca mun-
dana nunca faltara cyrineus femininos; e o fuzila-
do, mais cruelmente do que Joo Raymundo, sera
um coraco de mulher 1
< Nos, Senhora, as lilhas da risonha Veneza ame-
ricana, que \ irnos defiuhar-se, isolada e triste, por
longuissimos annos, a viuva de Domingos Theote-
iii". na companha de nma orpba, a fllha do sun-
pliciado, sent-i os estalarse nos de dr o coraco,
quando se ik s falla ein condemnados morle I
a Que viva o homem do nosso coracio, nosso fi-
lho. nosso esposo, nosso pai, nosso irmo, que viva,
seja como for, e com elle viver-nos-ho as esperan-
cas da alma 1
Que Deus o lira, e mor re nos matado do en-
rafAo, mas vem o balsamo da adorado vontade
de Deus!
a Mas, que outros bomens no-lo arrebatein para
sempre, e o nosso desvario, o nosso supplicio ser
perpetuo I
Cromos, Senhora, na grande clemencia de Vos-
so Augusto Esposo; preferimos, perm, depositar
em Vossas maos a no mulher sabe 1er todas as lettras, oestes asumpt<-
que se demonstrara com orennos do curaca) di
mulher ; o homem s nao orre a cada liona qnan-
do a demonstracao Ihe feita por nma espo-, por
urna mi, por nina fllha, por ama imi.
Fallai p r nos, Imperial Senhora, ao Vosso Au-
gusto Esposo.
a Em Vosso norae, ora nosso nome, em aome*
de todas as mulheres, suppiicai-l >ea vida do sol
dado Joo Raymundo I
Dizei Ihe, que a greca nao s para o infol
condemnado e sim principalmente para todas aos,
que temos filhos, maridos, pas e i raos I
Aponta-lhe para esse Crucificado do Calvario,
que tera os bracos abertos para todos I
Elle ha do ouvr-Vos, Imperial Senhora, quo
um grande coraco, como o seu, sabe dar proco
palavra de urna santa esposa, como Vos.
Ha de ouvir- Vo, Senhora I
a E nos perpetuamente agradeoidas, por nos.
pela geraco que i aosaa, c pela geraicao q,u ha



ST8I 1< (liJIl.
^'->p.
e porvir fio no?, havemos fie rogar pcrennei
ao Fho Den* c MKHanttoima,. pela caridosa.
Thereza, pelo magnu^o} Pedio, e por su a des-
cendencia I Qimot
Schar! fMgHa.5s raais ardentes vot s
pela Vossa felcidaW^fc'SippIicanies -
Pedem a e-sa Augusta intereessao pelo sol-
dado hit) ftaymund
patria receberao a ti
Exm. Sr presiden
as da escola norm,
a idea de (fue
lev ntn iufeiiz
raattiae*.
Respetamos;
-des^racado a
Hoje, que
ignorancia, h<
livre, essa execacao'
obscurecer as tradicc&es gloriosas da nossa bella
palria. Afsfen, ilutadas de uin sentimentalismo
!orte e generoso, ns nao podemos ser insensivels
aos gemida da patria, cjne de certo os soltara
Ut&^jmii*\M$'*
Itl Hei
' Dr.
:,s ge
r-sse
iicsse' ffnR'hlIo dia."
Ajudai-nos, Exm. Sr.,
Fr
Dr. Jttaaiiii Corn'-.. Je Ara uj>.
Antoita.y.uia de Miranda Heve,
leaqlfcataetano de Sonta Conssciro.
Jos Joaquim da fi.va Gniuaros.
A Togados.
Jos G n;alves de Albuquerque.
Jos Bernardino Pereira de Brito.
que |Du Wllto Biirgcs da FonseCa"
Vanea.
Manoel Francisco d>; Cirvalho Paes** 3>drad>.
fciboatao.
Antonio Pereira da Cmara Lima.
vos vimos pedir a evi-
tar ejsea gemidos, fazendo chegar nossa humilde
|w?ic*o aii irqno imperial.
Deas'vos recompnsala !
l fiejlilhode 1873.
Jomutd'Tiburtim.
'Senhor, Socios algumas ipernainbucanas, almo-
nas da'escola normal do senhoras, furnla no
Reeife jicla patritica s >- rfiade Propagadora da
osfriieeao, -que nos" aproximamos toda a
reverencian V."V. Imperial, plenamente con-
tiafias no r.ivalleirismo da vossa magnanimdudc,
i'Varleiriftno de que -ti historia -wgi*tra tantos
tafgos na vida fins necios antepasados: os h-
meos esnio Vos nos .pacos ou liasrlroirpanas, roai
as prior eres ou fea as aldeas si i -sempre os
mesm-is eavalleiros. E', pois, cnrn.t da a confian--
ca, repetimos, quo nos aproximamos, >cnhor,
Afra fazer-vos m*. sujpliea, com todas as Wras
d.i alma da mullir, .piando a nmtempo s lhc
ostremecem toda*, as libras do corarlo.
5o ha muito? ann..s; Senhor, lona a cidade do
'HeeWe, tomouof scin mar< ricos vetidos de Te-ta,e
Vos transitaste- por entre flores e lirados tTalegrfa,
- corno que r ' -hyinnosdas rct< sinceras aeclama oes. Tufio vistes,
e estes o galarJa do Vosso aprejo a -essas espon-
taneidades convencidas e amoresas: mais do que
cora os tosms gestos agradecidos, Vos o ilenun-
riastes na grande commocao, que se na face.
Tambem fomos d'essa grande fesla, Senhor,
tambem a+.i estiveram nossas inacs, nossas irma<,
nossas amigas de infancia; e quasi que em delirio
rrocavanios, appla odiamos, coinmunicavamos os
BOSS04 MltilOS.
E hoje, Senhor, corre pla cidafie, veio assom-
bracnos em nossos lares, qtte'nn soldado do .
batalhao d'iofantaria, de nome Joao Raymando,
vai ser fosilado, p rqtie o m*m Imperador que
aqiii andamos, corto Un syirttiolo de mulla paz",
de muita caridad ', Sil omita serena gran loza, nao
-se'havia apiojado d'elle!
Imp.issivrl! hradamos ns, e c mtinuamos a
bradar Impussivel! O vallo fln magnnimo Im-
inrador. que nos d-ixou imuiorrcburas recor-
dacos de RriW, de ris.-is, de festas, de raridad.',
le heneaos, le longanirnldaJe, o vulto do nosso
Imperador, gravado em nossa memoria, lmpido e
seren, n.o se cottVtertcn nonca para nos uj sentta
catTegMO c I irvo. de qnem nao perdooa, e con-
seniio que um h iineui fo.se exei'iado. Impos-
SlVel '
ih ho.mens andam a di er-nos, que sim, que
j voliastes o rosto ; e nos a dizermos ans biimens,
que nao fui nem ser comedies dizem I
H;imildes o reverentes, Senlior, em nome das
fi-ias de I8S9, em nome d. nossos risos d'entc,
em dome das llores que <*snargmos sobre ^Vos c
Vossa Augusta Esposa, em nome da immensa
sympathia que por Vos c por Ella -guardamos m
n.i ricana se vista de luto, que a populadlo que vos
siu lou se arroje horrorisada para um pavoroso
espectculo, em que entrar o Vosso nome! 5ao
consintis que os nossos coraeees estremecen ao
Iroar das espingarda* de um pelotao, que far
fi go. porque lli'o cons mistes, sobre um infeliz,
crja vida pertence a Deas, come a Je lodos nos!
Somos as descendentes ais pernambucanas, que
sabiam o que morrer pela patria : vivemos entre
as lillias, as milis, as irrs, as esposas, as noiva*
de -.oluotanos da patria, que l ficaram nos ermos
do Paraguay... Era o dever, era a gloria, era a
honra, e,embira chirand.i, soubemose saberemns
eompreliender e sentir a mageslade da honra, da
gloria e .lo dever. Mas, Senhor, quando ha car-
crea e ferroihos; quando, por infelicidade dos ho-
mens, ha a hypothese da regeneradlo at a ulti-
ma hora, e quando a ultima hora c de Rets...
interp irem-se horneas, dizenlo a um homeina
tua hora ehegou !.. Ol, Senhor possivel, que
fisto amJa se tonlem explicacoes em contenas,
racio ina las de ha uens n< is, era nome de tojas
as nnHieres (oasamos dizel-ol, afnnamos que a
mu er nanea ha de entender essas coniendas, e
aera u-e ha de oppor um reto irresistivel, o do sen
coratao.
Perdoai. Senhor!
Ojiando a noticia do perdi se espaldar pola c-
dade, ser menos estnenitesa a festa do que em
ISj'.l, ponen nao sera aienos rica de galas e risos.
Em todas as memorias se reaviraro as imagens
dos Augustos Vi-ilantes, aureoladas anda mais
cem essa irradia? io de bonda le, cuj encanto per-
aneoe e permaaeeetti entre nos.
Perdoai, Senhor I
E nos, entre iafrfnas e risos de ointentaminto-
ajoelharem w aos pi da Cruz, rogando ao Crucifi-
cado, ao Deas do perdfn, vos cubra de benrns, e
a toda a vossa descendencia.
Nossos termos, Senhor, c cora a mxima reve-
rencia as supplicantes
Piidem a Vosa MagestaJe Imperial d-feri ment,
o rom o infeliz sentenciado recebero merce".
tpivacto doNascrmrrito Goncatves.Tla Luz.
iqt
Jiutd (raqcisqp Aptuqes.. .
francisco Augusto de Araujo.
T3e lfow'Jose TaVars.
Dr, Miguel Jos da Costa:
Joaqun) Ju ancio da Silva. .
Dr. Estevao Cavalcante de Albuquerque.
#*V
Heuri,
[Ue Eduardo d.a,
lim Antonio
de Paula (ii
Crnanibuco gegmijfi.u feira 14 de Julho de 1873.
k
1581 iWi:W-1/ ./!!/ i"

Em todo o caso, porm, aqu deivamos ma
VtfzjiKlaunl vqP **$* lera a redac;'u difi_
ciiaioatlifos que saupublicados .-oba mW-icav-
Pit'ji'-'arufx pt-Uanu outras. o tia-editorit/K^
' 'RA*fwilil.ii;rJcs1 jwciais'Miasiiui'qitO.ittvolve.n materia que possa
ser tomada como injuriosa ou calumniosa; e o Sr.
Da
ven fu
[Mein
qttem sa-
que, qo:<
onsavei
1 (Jone.
I'ortant >
taxar-nwide
Nessa sessao devom ser julgados os reos que se
aeliam aOlanvaflos e ausentes, pronunciados em
Jcritie que admitteui Ranea, a saber : I.* Francisco
}h<.k Correa Marques, LoureffCA de Frcifas Gnima-
ries, Manoel Rodrigues Fernandes Leal; t." quiKino Fiauf-io de Paula; 3. Jos Pan'> 00
Espirito Santo ; i. Alejandre J#s ^a Saya ; 5.'
Joventino Oilon Tavares de LyVa;'6* loo'Jos
*-.- Aranjo.
i}ursli i-I-is:s. O Exm. 9r. desem-
baigailorFrancisco Domingues da Silva, procura-
dor da cora, faiend* e soberana nacional, dis-
cordando do modii de ver da presidencia Ha qtics-
tao religiosa, acaba de solicitar e oblor exonera-
10:6:)' 1310
3-.2I215H0
2:ii3l() i0
1:2001'tO
1:0001000
8231000
7011000
6831l70
600*000
|irnposito da
REVISTA DIARIA.
da pre
Guarda nacional. Por portara
sidencia da provincia, de II do enrrente :
Foram nomeadoB para o batalhao de intan-
taria, do municipio do Reeife : alferes secretario
o guarda Jos de Oliveira Uao, alferes porta-es-
tandarte AnY-usode Albuquerque Martin* Pereira.
Foi norteado o guarda Miguel Lopes Guimaraea
alfero da S'ompaHMa do 4" batalhao de infan-
Uria do miinieipio d-> Reeife.
V !(,.->,lii,lrs tili<-i:es.-l',H portaras
da pn-sid^n -ia da provincia, de II docerrente, fo-
ram nomeado j
Jos Alfas cMSes 3' suppteate do aMelega-
do.fo dislricio 4e S. Pedro, do termo de Ouri-
cury :
Raamundo Leoaei de Aleocar o Benjaraia Bel-
-tro Kodovalho de Henear, f e 2* supplentes do
-delicado do tormo d., Ouricury.
I'ruiioloi' publico.Por poruria da pre-
sidencia da provincia, de 11 do correte, foi Bo-
rneado o #>aehare! Geroacio de Arrnda Falco pro-
motor pulilico da comarea do Buijne. em saisli-
tuico do liacharel (lald-ao Eudaciu> de Brito, que
nao lOoRoa dito cargo.
Jury do Reeife.Cmneon Bo da 26 do
so rente a quarta sessao juciaiiada eoiuareajdo
BeeWe, paraaqual forarn esrteados .os eguintes
juizes de faelo :
S. Frei Podro Goacalve*.
Jos Franciscc de S Leitao.
Dr. Antonio Goncalves Ferreira.
Franci-co Jos James Gal vio.
Antonio Jou da CwU e S.
Ismael i]esar Duarte Ribeiro.
Joao Baplista de Oliveira.
Francisco Joao de Barros Jnior.
Luiz Amonio Gooealves Penna.
Jo'fzidoro Pereira dos Reis.
Manoel Jos Goncalves dos Santos.
Santo Antonio.
Dr. Joaquim Pontes de Miranda.
Jos Candido Vieras.
Antonio > Ifonso Ferreira.
Thnmaz Lins Caldas.
Dr. Antonio Jos da Costa Ribeiro.
Jos Gncatvee Pereira.
Dr. Celso Tertuliano Femandes Qaintella.
Dr. Joaquim Goncalves Aleix.
Francisco Pacific-do-Amara!.
Autonip Fraiwico Pereira de Lvra.
S. Jos.
JoqMn A'lves Machado.
Joaquim B.ulj^a do- heis.
JoS Cesar 'Garateante dV Albuquorqite.
Boa-Vista.
Dr. Manoel Ferreira da Silva.
Thomaz C rneiro da Cunha.
Francisco de Carcho 9oare Brandao.
' :did>j. Casimiro Gocdes Alcofirado.
jGjrslovao Santiago de Oliveira.
cao daqiu'lle carct, para o qual foi noineado pelo
Sr. pre-idente do tribunal da ralacao, o Sr. deseni-
Danzador Beruariu Mai'hado da Costa Doria.
Vapor Linda. -De Macei chegoQ hortera
pela maulla o vapor inglez Linda, -fi'uraa das h-
anas de Liverpool, aflni de tomaf carga.
.\rribada. No sahbado tarde arribou ao
nesso porto a barca allem JHinma, q^ue. sabio do
aosso porto pera o de Macei -no dia 2 de maiq
tilinto, tendo por conseguirte 71 das de viagem,
que gastou ejitre o nosso porto e a lat N. 5 da
i.nde oliou' para fazer aguada e tomar manli-
mentos para poder .seu'r a scu desuno.
Vapores esperados. A' todo o momento
o brasileiro Gtmr, do norte do imperio; o ame-
ricano (hUntio, de New York e escalas ; de 18 a
2', o inglez lohn Eider de Calho e escalas, o
inglez Garoiuie e francez Ville de Santo*, da Eu-
ropa.
Sedulas falsas. Tendo concluido os exa-
mes, dl'igencias e inqueritos relativos ao criine
de moetla falsa, de que j nos ocenpamos, o Sr.
/. cliefe do polica rometCen sabhado todo o pro
ces-ado ao r. Dr. juiz de din-Do do 3o districto
da capital, afim de que e-te, nos termos da lei,
prosiga como for de justrea.
Iinnii^racao. Informam-nos que dentro
de mucos ilias Jeve chegar ao nosso porto o va-
por brasileiro Lidador, expressamente constrnieo
para o transporte de immigrantes para o Brasil
p:r conta do contrato celebrado polo governo im-^
perial com tima sociedad-: di llia de Janeiro. Esse"
vapor devia ter sabido do porto de Liverpool em
fin* do raet de junho, com destino s ilhas dos
Afores e ao nosso porto, em viagem par o sul
Un imperio.
Consta nos quevoni asen bordi um agente da
corapaiihia eacarregado fie re alisar contratos de
locado deserviros nesta provincia.
Dinliciro. Os vrpores G'^ui e Mnndahu'
Trouxeram para :
Ferreira de Alraehla & C.
Aniorini IniAos & C.
Tasso [raos & C.
Lehmann rres
Po.-as 4 C.
losi: Pinto da Cunha
Joao Francisco da Silva
P M. Maury
Alexandro A. de Caldas Pa-Iiliia
Bmiils de Aromados
noticia, que sob a epigraphe desfa. inserimos nesta
Revista, sexta-feira ultima diHfio-nos o Sr. Gus-
tavo Ailolph) Schmidt, gerente da companhia fer-
ro-carril de Pernambacn, as lionas abaixo.
Agradeccnto a attenejio que mreceram ao Sr.
Sclimult as nossas observai.oes, confiamos em que
S. S. continuar a empregar os meios enrgicos de
que falla em sua carta para o Om de conseguir a
melhor regularidade no servigo da empreza e to-
da a urbanidade da parte dos seus empregados
para com os passapeiros. Vai nisto nao s interesse
para o publico como o crdito da empreza.
Eis a carta do Sr. Schmidt.
t Escritorio da Compnuhia Ferro Carril de
Pernambuco. Reeife 11 de julho de 1873.
' Illms Srs. redictores do Diario de Pernnm-
bur. Tendo deparado hoje na Revista Di tria de
sua conceituada folha com um aviso, chamando a
minha attenco para a irregnlari.lade as horas
de partida dos carros no extremo e nos cmza-
meiilos da liaba de Afogadus, e tambem na falta
de atleneao dos bolieiros e conductores para com
os passageiros, cumjire me declarar a Vv. Ss.
que os regulanipntos de>ta empreza prohibem ex-
pressamente se.iielhanies faltas, c que esta geren-
cia, no intuito de corrigi-las, tem craprezado os
meios ao suu alcance, como pode demonstrar
ne?te cscrptorio pelo registro diario da multas,
suspenses e demisses de seus empregados que
faltara ao cumpriinento de seus deveres. Sou
com subida consideratao, de Va. Ss. mnilo ltenlo
venerador e criado, Gustavo Adofpho Schmidt, ge-
rente.
Fernando de Xttronha.Escrevem-nos
desie presidio em 10 do correrte :
a Na norte de 5 o sentenciado militar Francis-
co Neves dos Santos assassinon com urna punlia-
lada o sentenciado de polica, da provincia de Per
nambuco, JosFraucisio de Lima,c ferio levemen-
te ao sentenciado militar Manoel Henrques dos
Heis, por motivos reprovados.
Tendo aqu arribad i com agua aberta, no dia
2o de maio, o brigue italiano Antonino, que ia do
Montevideo para Cork, foram Ihe prestados todos
os socorros, seguindo elle a 1S de junho seu
destino, depos de reparadas as araras.
4 Eui urna das nortes de demora desse navio
neste porto, os sentenciados Jos' Francisco de
Paula e Telesphoro Francisco Gomes, de combina-
cao com os sentenciados Vicente de Annunciacio,
Estev.io Palacios, Amonio Ferreira da Cunha, Ber
nardo Viera da Silva, Franci>co Jos > Freilas,
Jos Vieira da Silva, Vicente Ferreira Santiago e
Thcotonjo da Silva VVanderley, tentaram evadir-sc,
apoderaudo-se de um bote e de una lancha per-
tencentes ao filio brge, e que se acharam a elle
amarrados. Foram, porm, infelizes, porque, quan-
do j tinhain curtado os cabs de amai-rarao, fo-
ram presentidos lautos de bordo com do fortim
de Santo /ntonio.
< l-'alleoeram ltimamente ueste presidio : Bosa
Hara de Lima, da provincia de Pernambuco, gas-
tro hepatlte ; Antonio Marcolino. dem, varilas ;
Jos Francisco de Lima, dem, facada; Claodino Jos
de Miraos,' dem, diarrhea ; Emygdio, cscravo dos
herdmros de Roberto ornes avaga, dem, idem ;
Francisco Antonio Mariaoo, de S. Paulo, dem ;
Pedro, eseravo de Francisca Annuneiacao Dubois,
do Rio de Janeiro ; Joao da Malta Vrgem, do Per-
nambuco, dirrha ; Caetano Goncalves dos Santo?,
dem, varila ; Patricio Jos Bispo, do Maranhfw,
lebre amarella ; Miguel, eteravo de Jos Carneiro
da Silva Lobo, de S. Parto; Thomaz Francisco
de Gees, de Pernambuco ; Manoel Podro olas,
da Baha, beriberi ; Pedro, escravo, do Rio do
Janeiro, diarrhea ; Jos Fraaeisco de Paulo, do
Rio Grande do iNorle, varila. *
Municipio de lpojuea. Pelo comman-i
do superior da guarda nacional desto municipio
sao chamad is dentro do prazo de 30 das os se-
grate* offiriaes do it. batalhao de infartarn.
que se acham ausentes, aos quaes se formar
eon'selao de invesfcsgaco depoifi de findo aquello
prazo, deonformidade com o art. !.* do deerto
n. 3,5i5de25 de noveiiibro di 1863: alteres
Jote Luiz de Siqueira Cavalcante c Joao da Silva
Pessoa de 8ijueira Cavalcante, auseirtes ha 10
annos eada tmi; alferes Jos Henrqnes de S..lles
Abreu, ha 4 anuos ; tenerte Joao Manoel Pereira
de Abreu, ha % annos; aKeres Joao Bapfeta de
?ouza Cou-seiro, faa 10 ancos, e tenente Alexandre
ereirade Frei'as, 'a2anaos.
Norte americana. Com graade afluen-
cia de expeetadures estreoa antes de honteni
aoute fssa companhia O trbalo,: exhibido nao
corresponden em parte aos adazas mandados
affcar em diversas roas pela, companhia. To-
dava, podemos di/er qute os 'ces desenvolvera-se
Anda o Sr lar. Ituartfic de HaM-
do. Vofton a responder-nos o Sr. Dr. Buarqae
de Mcele e aindaamsua respaila manifestou.se
injusn o aggressive.
Nao nos (piadrandn de modo aenhtim disenssoes
sobre indiviiiualidadea, permiUa-no o Sr. Dr.
Buarque que ins remetamos ao silencio, mesmo
porque nio rale a pena enjarraos a repi-ar u ;jue
os metos
sem dnviJa,
(e ni menos
ode canecer os res
pie iS iaa uo scu
ao pon o da
desses escria-
do enfur
nniveuiqsou nitores
os, i nusjfli*. esKinianeamente.leo)os,co:uo j'o
Isenios ver, tmitn ki i(Hrt5o faMrAel a- Sr. Dr.
iiaTqTie,"Tni marsiJe-^fi occsslio.
Quanto ao que dissemos sob a rubrica desta no-
wa'nfi'ii'jiso numero saxfc-feira, fiqne o Sr.
Or. Buir pie ejrio ile ype iiq xpJtjntos traz,
assim como deve estar certo de que para ser claro
nao carece esse escripto de nenhurrra ontra expli-
ca fio. m m
Banco C dividendo na razao de 2#3d0 par, cada aecao.
Bdi Americano.Com a suspensio des-
te peridico os asignantes .da Uvraria Fran-
cesa, Xad i fwri/Mi 1
Dos 21 nmeros, 23 48, fiistribuirara-so 16,
de 25 a 1.
Os assignattos podem desde ja receber a quan-
tii de liOSO, equivalente aos 8 nmeros ii a 48
ainda devidos o que nao foram publicados, fci-
craria Francezn.
Iiistittato Histrico c PMkosophico.
Hi/e reunc-ssta sciedade s "J !r horas da
tarde, rara se tratar de objectos importantes, no
lugar do costume.
Proclamas. Foram lidos na matriz de
Santo -rtonio no dia 13 do cerrente, os' se-
gu ntcs :
i* dcnnnriaeao.
Thoniaz Balbino da Conceieai, cora Mara do
Rosario de Sant'Anna.
J.s Antonio Gomes Baha,com Francisca Mara
da Conceico.
Manoel Rodrigues dos "SantdsMoura, com Ca-
rolina Adelaide Borges.
Jos Marque- da Silva, corr Francisca da Glora
do Rosario.
Luiz Demetrio Colho, com Joaquina Donllia
Ferreira da Silva.
Henriqne Sanno Pereira, com Josepha Alexan-
drina, Santiago Ferreira.
Andr de S o Albuquerque, com D. Niomisia
Zuflna d'Albnquerrrae PedYota.
Joaquim Demetrio d'Almeida Cavalcante, com
D. Josephma Goncalves Riiaas
Samuel Daniel Colho Brando, com Olindina
Philadeloha da costa Ramos.
Miguel Francisco Torres, cem Anna Mara.
Alfredo Lniz Pires, cora Antonia Francisca Col-
lares.
Manoel Jos d'Olivera, com D Anna Rita Go-
mes -algneiro
Eslevao Brrelo Pues Castflo Branco, com D.
Mara Leopoldina Buarque dos Res.
Joaquim Pacheco de MeJeiros, com Virglia
Mara de Sena.
2' dcnuncie/io.
Joaquim Prauci-ico de S'oza, cora Hosa Amelia
de-Sant Anna.
Jos Pedro de Medeiros, com Antonia Thereza
de lesus.
Hcrmillo Jos de Alcntara, com Mara Fran-
cisca Alvos da Silva.
Alfredo Alves da Silva Fre, com D. Mara Ray-
munda da Rix-ha.
k-wat -App 'liante
Mfl iRp-jlla la a justi.-a.
ule Vctor Frene
ao' ri
.ir-
Manoel Theodoro Marqnes, com Joanna de Brilo
Corria.
Antonio Luiz fia Silva Jnior, com Davina Theo-
mila Marques da Silva.
Jos Praiieuco da Cosa, com Seraphina Capito-
lina da Silva Amaral.
3- demjnciai,'5o.
Jo.lo Jos OlWa, com Bernardina Theotonia
Monteiro.
Antimio Vieira de Barros, com Amalia Mara
dos Sanios Hamos.
Joao Dias Martin*, com MSria Anglica Filguei-
ras.
Ernesto Luiz da Silva, com Josepha Carolina
de Barros.
Antonio Pereira da Cunha, com Mara Ame-
lia do Passo.
Higino Rodrigues Pereira e Silva, com Mara
Francisca d->s Santos Colho.
Jos Rayin nulo deSouto, com Alfa Maria de
Lima.
Lotera. A que se acha a Venda a 58.', a
beneficio da matriz de Cibrob, que corro no dia
Cuso de detcncao: Morimento do din
11 de )Wbo de 1873 :
Existiam presos 338, cntraram o, saliram 18,
exstem 323. A saiber :
Nacionaes 213, ranlhcres 7, estrangeiros 44,
escravos 47, escravas 1J.Total 313.
Alimentados acusta dos cofres pnbliros 263.
Movimento da enfermara do dia 1 i do iulho
de 1873:
Teve baxa :
Maria, alienada, sinoepe.
T vera ra alia :
Felisinina Joanna Baplista da Concecao.
Jos Roberto da Silva.
Passnseirds.-Entrados fia il'a de Fer-
nando no vapor brasileiro Gequi :
Antonio Ferreira de Almeida, Aveh'no Conrado
da Costa, Gtirana, Antonio G. Serra, alferes
Franklin Ferreira de Moraes, sua senhora, 2 filhos
menores e 1 criada, 1 alf'-res, 1 cadete, pracas,
23 sentenciados, 4 mulheres, sargento Jos Jerony-
rao de Carvalho, sua sentiora e i filhos, soldado
Hermino Correia da Silva.
Sabidos para o sul no vapor Danteu :
Jos Fernandos Mello, Raymundo Laiz dos San-
tos G-imveia, Joaquim Caetano il'Aqnina e Silva,
Manoel Ma.lns Fernandes, Manoel V. do Espirito
Santo, Antonio Maria da Rosa. Jlo Theodonio
Macel.
Cemlterio publico.-Obituario do dia 11
de julho:
Ceeilia.'parda, Pernambuco, 8 mezes, Boa-Vista;
menegte.
Joao, branco, Pernambuco, 7 das, S. Jos ; es-
pasmo.
Amelia, branca, Pernambaeo, 5 inees, Santo
Antonio ; intlammacao.
Maria, preta, Pernambaeo, 7 das, Boa-Vista ;
ttano.
Margarida, eserava, preta, Pernambuco, 21 an-
nos, solleira, S. Jos* j ph'.ysica pulmonar.
Urna mulher, ignora-se o aone, a naturalidad
o estado, Boa-Vista, hospital Pedro II ; congesto
cerebral
Manoel, pardo, Pernammico, i fias, S. Jos ;
oonvuisdes.
Viecncia Mara do Sacramento, parda, Pernam-
buco, 23 annos, solleira, S. Jos phtysica.
Joao, relo, Pernambuco, das, S. Jos
pasmo.
Va
valho, *jjpeuaa.i a jusu.-a.
(Ja Prtale/, i. -Appell.uile Joip Uo. GoesWogu
ra, apoBlTa la a jusiica.
Jjt^JatSr. fise nturgailor Alm.-iJa Alhoquerque ao
Sr. Ilesoiubarga-ior Doria
Do S. Joao. -Appellautii padre Paulino Villar
Jos Santos Barbosa, apoelladjs os l.ber'o- Maria,
Liluaaroutros.
Dojorv fie Serinh-eai. Appellante Bernarda
Nferiade Senat app.illada ajusffea.
O Anifliota'Ai j-arisdio.-ai entre os juizes d) or-
phaoa de S. Bento u (arauhBBs.
L* Si', deserabargador orfa ao Sr. doaembar-
gador AraBaJorge :
Do jury JoTlecife. -App.'liante JoSo Baptstado
NasciineutJj^iellaJa Maria Ernestina de Castro
Azeved o.
- Do Sr. dcserhbargador Domingwsi-Silva ao Sr.
deserabargador Araujo Jorge:
AppeHaCoes civeis.
Do Reeife. -Ajpiilla:ile T/istao Fraaeisco Tor-
res, appellada D. Senhorinha Germana do Espiri-
to Santo.
Do Cabo. -Appellante D. Maria do O' de Jess
Barrete, appeHaJa 1). Mara da Paz Teixeira e
seus filhos.
Oilgencia crime.
Ao Sr. deserabargador promotor da justiea :
De Cangn.iretama.Appdlanico juizo, appella-
do Joao Cocino da Costa.
Da Imperitriz. Appellante Claudino Jo's da
Costa Agr, appellada a justica.
Dj Bonito. vppellanle o juizo, appellado Ma-
noel Joaquina Ifororo.
DO Cabo. -Appellante Francisco Caetano Ribei-
ro, aopellada a justica.
Assjgnou-se da para julgamento dos feilos
seguintes:
AppellaeOes civeis.
DeCamaragibe. -App.'liante Joaquim Jos Al-
vim, appellad i Jos Cyriaco da Silva.
Do Reeife. App.rtartes R ibert iCiroll e outros,
appella los Joao Ciroll e outro ; appellante o pre-
to Doniingis, por seu curador, appellado Manuel
Joaquim Rodrigues de Souza_
De Garuar Appellante Jo i Antonio Gomes,
appellado Manoel Alves Pereira.
Appella.des crimes.
Do Reeife.Appellante Jos de Freitas Barbosa,
appellado u corone! Jo.io Vieira de Mello.
De, Caj izeras. -Appellante o juizo, appellado
Jos Maria de Jess.
Do Bilique. Appellante Joan Bezerra Dias
Amancio, appellada a jusiica.
Encorrou-se a sessao ai II tnraseiemi.
certam rale nao
l'Oasi sem,ire iaa!l;l>
Tribunal do couiniorcio.
SBSS JUDiCIARIA EM 10 DE JULHO
DE 1873.
pmsbmsncia d-j exm. sh. co.nsklhkiro anselmo
:.\m;ioi:o pkrktti.
Secretario interino, o oficial Torres.
Ao maio dia o O minutos, presentes os Srs fies-
embar-iadores Silva Giumaraes. Reis e Silva, Ac-
cioli, e os Sis. deputa-lo lintoBasms esupplenles
S Leitao c Pereira Cascao, tallando com partid-
pac5>o Sr. Candido Aleoforado, S. Exc. o Sr.
conselbeiro presdeme abri a sessao.
Lda, foi anprovada a acia da sessao de 7, com
declaracao de ler sido omittido o sorteio do Sr.
supidenle S Leitao em substitu(jo do .sr. Perei-
ra Cascao que so dora por suspito para o julga-
mento do feito entre partes appellantes appella-
dos o barao do Livrainento e Jos Antonio de
Brito Bastos.
O Sr. desembarga lo- Reis e Silva, trazendo ao
coiiliecimenlo dos Sis. juizes que em sessao de 3
di) crrante ulgaram os embargos quo pendiam do
feito entre partes -appellante embrgame Manoel
Nunes Parreira, appellados embargados Corga A
Irlnao, a peli.-ao do emltirganle que foi bda em
sessao de 7, pedio como relator do feito pie fosse
nesta sessao deliberado sobre a materia do inci-
dente que se apresentava, ora ordem a que nao
soffressem as partes rom a demora na deciso
d'elle ; porquanto o Sr. dcpntado Candido Ajeo*
forado, urn dos juizes que julgaram ditos erauar-
gos, nao so achava no IribunaC c estando sua au-
sencia determinada por d ras mezes, sena incon-
veniente esperar o comparecimento do dito Sr.
depulado para enlo ser elle decidido.
E depois oe ter sido discutida a conveniencia
de ser tomada em considerado a petico do em-
bargante, decido-se cora os votos dos Sis. desem-
bargador Accol e deputado linto Basto contra o
voto do Sr. desembargador Res e Silva, qne se
procedesse ao sorteio d um juiz commerciante
em substituieao do Sr Candido Aleoforado, com
o qual fosse completado o numero dos quatro
juizes que funecionaram no julgamento a que se
allude, para entao ser averiguado o erro em que
se diz laborar'o accordao em questao ; c foi sor-
teado o Sr. supplente Pereira Cascao, que pedio
osse adiado o julgamento, fu-ando os autos era
seu poder.
DIA PARA JLGAMRNTO.
Sendo marcado o dia de boje para ser ju'gado
o feito entre partes -appellantes embargantes
Luiz Ribeiro da Cunha & Sobrroh, appellada
fmhargada D. Thereza Julia Bolelho, sorteados os
Srs. supplcntes S Leitao e Pereira Cascao, foi
adiado a pedido de um dos ditos senhores.
Proposto o feito entre partosappellantes em-
bargantes Mendcs, Azevedo t C, appellados em-
bargados os administradores da massa fallida dn
Fernando Stepple da Silva, nao pode ser julgado
por ter sido pedido o afijamente por parte de um
dos Srs. juizes commercianles.
rr nao estar completo o tribunal com os qua-
tro Srs. juizes comraerciantttS, nao pode ser sub-
mettida a julgamento a revisan entre partes :
Recrreme a companhia de seguros Garanta, re-
corrido Joaquim Pereira de Fara.
Cottlrraam ad ados os seguintes autos :
Appellante embargante Maria Adelina de Mello,
appellados embargados os administradores da mas
sa fallida de Antonio Pedro de Mello ; appellantes
appellados viuva e berdeiros de Manoel Goncalves
da Silva ; appellante Joaquim Eneas Cavalcanti
de Albuquerque, appellado Amferico Cesar Caval-
canti de Albuquerque: (Aclirti-se em poder dos
respectivos juizes eommerciartes.) Appellante em-
bargante Jacob Calui, hoje seus berdeiros, appel-
lada embargada D. Delfina Telles de Menezes.
(Acham-se sobre a mesa espera que compareca
o Sr. desembargador Doria.
PASSAGKNS.
Do Sr. desembargador Silva Guimares ao Sr.
d-sembargador Heis e Silva. -Appellante embar-
gante Bernardno Jos da Silva, appellados embar-
gados os curadores liscaes da massa fallida de Ma-
noel Jos Lopes 4 Irmao ; appellantes embarga-
dos Jos Marcelino da Rosa 4 Filho ; appellados
embargantes os 'administradores da massa fallida
de Antonio Pedro de Mello.'
n,fer4ensa-ad,pai, q,
po le acToJilajr na liuguugera
0 vacillanle dos ncss'inistas.
Quiii 11 notaveis homns publics nao prezam a
venia.le dos fados, e nao amara a leal Jad;, quo
deve reiuar uas rela;.oes sooaes, a grandeza moral
do seu palz converte se o.u um problema de dilli
cil realisaco.
1 O homein pi!ic i ais qiae iutro tom o rigoroso
dev -r d i sincrldale de suas ac^jjs e de sua pa-
lavra, de outro raudo ludo se per verle o se cor-
foinpe.
Parqu a QBposicib nao tar.i n:n dia urna pala-
Tra para apoiar um acto recoohecidamente bom do
governo ? I
E se julga Bar ura interosso de rail entendida
poltica, que n\o deve applaudir acto algu n do ad-
versario, porque nao guarda ao raoj a honrosa
conveniencia Jo silencio ?
Oppj-i;5es que nao se fundara en serios moti-
vos, a nosso ver se desnaturara e proJu/.em os
aborrecidos cfTeitJs d'um barulli), que incotnrao-
dara os ouvidos
Nao coraprehendem isto o adversarios do gabi-
nete 7 de mareo, lo amestrados n i linguagem da
constante depreciaoao de ludo e de todos.
A diguidade humana deve ser o cunho assignali
dor de nossas accoes as muliplas relaces da vida
social
A dssimulacao, o odio e i intolerancia nao sao
armas ligua- d um verdadoiropartido pilitico.
Com seindhautes armas nj se lira o prestigio
e a for.-a mu-al de um gove no, que se apoia na
opimao nacional.
Felizmente toJos os brasleros coraprehendem
que esas oppo-ices syslema ticas sao a ravariavel
norrai de coudacta, o prograrama jurado daquel-
les que nio profossam as crenjas polticas domi-
nantes na presente situac.o.
l nao sira he n essas voluraosas doelamaedes,
esses dissimulados assomos cora que a oppo-ic, o
liberal procura desprestigiar o actual gabinete,
que pelos seus actos de indiscutivcl merecraenlo
teih conquistado as mais decididas adhesoes, as
mais acrisoladas sympatlnasdos brasileros que
amara o engrandecimento e felcidade do seu
paiz.
O ganinete de 7 de marco lera nnunuraveis ti-
tules veneracao publica.
A human taria lei de 28 de setembro, cm virlu-
de la qoal j n;to n i novissij.a reforma ju-lclaria firman lo cora mais
araplido o habeasorpus, e por militas uutras de
suas dsnosicfies garantin lo as liberda tes publicas,
sao factos pie altamente fallara gratidao naci
nal.
O gabinete 7 de margo, legtimo interprete das
aspiracoes s ciaes, cem inaxiuia sabedoria c pa-
tri iiis.n-i ai'ordou as forcas vitos do n so pan nos
diversos ramos da aciividale individual, de modo
que actualmente p,lo-se dizer que o Brasil c.iuii-
nha com vigoroso empeuho para as grandes con
qu-tas do Irabalho e da civilisa.3), que sao as
na s nobres ambicoes de um povo vardadeira-
raente livie.
O B'hinete 7 de mareo, despertando a iniciativa
individual, esse poderoso agente de nossa prespe-
rida le futura, lera p ir outro lado imprimido urna
nova face ao progresso moral e inteliectual do nos
so paiz.
Em quasi todas as provincias do imperio sur-
geni importantes eraprezas para a realisacao de
grandes e benficos ser vicos, alc.itadis pelo pro
ter tur inluxo d) governo.
Os materiacs dos caininhos de forro j nio es-
lo s ibrecarregados de pesadissimos mpostos que
didlcultain a construcrjAo desses importantissmos
meios de transporte.
Em um paiz vasto como o nosso a forca do go-
verno nio se pode fazer sentir prompta e efflcaz-
mente em todos os seus pontos, entretanto estamos
em um grao de idiantamerto admiravel.
A' incansavel actividade e dedicaco do niuito
illnslrad-, Sr. ministro do imperio se deve essas
hera meditadas resolu.oes em vlrtnde das quaes
ltimamente vai se de-envolvendo a instruc o pu-
blica.
O gabinete 7 de marco eomprehende perfeila-
mente que a instruccao publica ura dos raais po-
derosos elementos da grandeza moral do npsso
paiz.
Nao procure, pois, a opposcao iibcrl embaraar
o governo, cujas vistas sao empregar tjdos os
meios aumentes ao bera estar da nossa patria.
Por uin ceg amor de intereses particulares de
partido nao sacrifique a opposieio os grandes inte-
resses da causa piiDlca.
Scjamos mais amigos do paiz do que de nos
mesuios.
O ridadao deve ser antes brasileiro do que poli-
tico extremado e intolerante.
O actual gabinete 7 de margo vai satisfazendo
as ambicies legitimas do paiz, e se nesse grandio-
so empenho tem commettido algumas Taitas, se-
jara ellas censuradas conforme exigein as conve-
niencias da causa publica, c s por amor a essas
mesmas conveniencias.
Nao -e coiidemne os seus actos s porque fo-
ram praticados por adversarios polticos.
A op osicao que assim procede d forja ao go-
verno, e se enfraquece o arruina.
E' por isio que vemos os chefes do partido libe-
ral se diviJirem pelas mais desencontradas opi-
nioes, que infelizmente originarara dcsagradaves
incidentes para estadistas que prezam a reputacio
dos seus elevados nomes.
O actual gabinete, inspirado na consciencia do
dever e no amor do paiz, eaminha resoluto e forte
por entre os sinceros applausos das legitimas ma-
niftstai.res da opiniio nacional
A sabia e milito salutar deciso com que o go-
verno resolveu a grave e melndrosissiraa questao
religiosa veio ainda consolidar mais o elevado con
ceito. que com justa causa forma o paiz dos altos
merecimentos dos distractos estadistas, que com-
poe o gabinete 7 do mareo.
O espirito calmo e tolerante que meditar sobre
essa importante deciso ver que ahi foram sabia-
mente salva-guardados os mutuos c verdadeiros
interesses da igreja e dj estado, e que par da
justica dos sous motivos ressumbra essa ave-
niente prudencia e reflox.-in, que sio as maiores
vrtude> dos governos, cuios actos se inspirara nos
verdadeiros sentiraeutos da razio e da justica.
Araujo. cpra seus respectivos adherentes e a m..i-
re.qn-eiiva nid'a de mMuquos. <)s humeas seno-.
graves,hoHtslm; orJeiros,eitav.ua lili figurada
p.'l is ni:sm<>s josoi-deir.ndos das lii! 16 de miio.
o q ia Unten fiiz a l'ropinch i. 81 bein a sorrel-
fa, justificando a reuniao. Ma- como nao podesse
ter lugar a procssl-j, a procsso segundo o p'ano
coralttajido, c-ria agir peiidw a ame enra.ai-
nli)B-se para o Club Popnlar, onla para fiiiKir-s'
divergencia entre a l'rotiuaa e O Liberal os o-
signatarios do imprrs.it) sem asiljmi'i'a. depnze-
rara o Exm. Sr. sena-I ir Zacliarfn de (i -es e Va- -
concellos como ultramontano, cotabiiiando-si- ctw
lieasse ainda o clubista pofular'Dr. Jos Antonio
do Figueiredo, outro nltnimoittanot'. mo furada,
para dar lugar a nova farca em teaipo fpr.iza I'
Ha nada mais ridVulo c calvo do que essa farca.
dos fermelhos voluntario de 18'8 Unto 4 Gvn-
panhia ?
Ha nada mais risivel do que essa nova tramoia
da Provincia e Liberal combinados n reprodu -
cao textual d is mesmas visagens tru moscas *d w
dias 1 e 16 de maio ? _^^^
E ainda mais quando 3,000 bolelins do Jora I
to Rec'fe, 4,000 do Diario de Pernam'nico, liii
dos nmeros dssus diario-, haviain scientificado
p ipulaco fio resultado do coaselho de esta io ?
Perderam, pois, o seu latiui os desoda.ros da
tarde de 20 do junho, como_ o perderam os mes-
nios clubistas nos dias 1' e 16 de maio, permane-
ciendo apenas da representa.o grutesca os son-
das gargalhadas flnmens.is que o publico mita a
espatos custa do club dosirmos Rr.to Marta
ni de Aranjo, Corte Real da Cos" e S I
A administraco, a uuem o club dos irmws ino-
ra vios pretenda crear dfllrulfiades \isiveis, apen.i-
diiiouse de le retirar os olnos elieios o> cmnpa-
xao por lanta inepcia, lana frioleira. tarta IW-
Use I
O publico, porm, Ilustres e grotescos irmios
da Mnravia nrasilahra, reclama, pede, mata, para
que o novo t ealro da ra Estreita do Rosario lh-*s
d nova tarea em scena, quando mesmo seja ttn
um s acto.
O defeQsor eloquente do syslema territ rial do
Sr. de Muribeca, o fulmina-I.ir das inepeias do Sr.
baria de Villa-Helia, o patrono dos frades e do ul-
iramontanisnio o l)r Jos A. de Fjgue.redo nao
adiHilte mais Mongas e requer a sua croa,quan-
do mesmo de pao !
E entretanto as verdades aos montn de dia oro
dia va> torn in lo mais robusta a a Irainisrraeio fio
honrado pernambucano Dr. P. de Lucena : o a-y-
lo dos alienados esse primordial melhoraracntu po-
pular cresce e avulla em donativos caridosos : o
asylo de mendiridadc, essa obra prima da rari la-
de surge cora raais araplitude ao amparo da d-
iniuislracao ; as reformas provinciaes exeoutam-
so cora tino e proveito puDcos ; a instruccao dif-
funde-se : a viacao dilata se ; a agricultura a-
plia-sc, o commercio cre-ce e rrtbuslwe-se ; a afi-
ninislraeao avigorase alimentada por la ingen-
tes Causas.
Srs. da Provincia e do Liberal, fosteis talhad**
pela providencia, pt-las vossas incessantes inep-
cias, pelas vossas risiveis farras, pelas vossa- eepe-
enlaeSes truaneseas, pelas vossas criancada< 8
parvoices----apenas para servirdes de rarrasco*
densa, de qne vos presums defensores !
Quando tereis lino e juiz i '
(Juando cessareis de servirdes de instrumento*
de lautas cabu.as perdida* t
Quando seris hoinoaa e nao criancas, dipi. i
e nao fareantes, liberae-e nao especuladores 7
Y.
MlinplcKi pcrgiintu.
Pergurta-se ao. Sr. fuperinlendente da linha
frrea do Reeife ao Sao Francisco, se lia algiim
arligo no regulamento que rege este trafego, que,
se faculta a alguui dos empregados e srvenles
d'esla cidade a nao pagaran o qu" comprara fiado ?
Porque, piando se cobra dizem que esto garan-
tidos, alim de nada soffrerem. Ouiro sim ; sendo
que o Sr. superintendente, queira saber quem
elles sao pdese declarar seos nomes
Escada, 13 de julho de 1873.
Um caixeiro.
es-
t HKU.MI i 3nmmsL
I llllt! MI DA, llllilio
SEtSAO UE 12 DE JULH DE 1873.
HISI9ICNCIA IM EV.M. Sfi. COKSEUlBiKO CNSTAN
. SANTIAGO.
v &ario r. Virgilio Coelko.
As 10 horas da maulij presertes os grs. des-
erabargadores Ijrarenco Santiago, Almeida Albu^
querque, Dona, Dminaues Silva, procurador da
cora e Araujo Jorge, faltando os Srs. desembar-
gadores Regueira CosU e Nev3, por presidirera o
jury de Iguarass e Olinda, aario-se a sessao.
. fULCAPUReS. ,
Carta teslerauuliavel.
De Iguarass.-Aggravaute Jaao FrneiseoCar
neiro da Cunha. Juizes oe Srs, dereinLargadores
Araujo Jorge .Loureoco Santiago DwnWttes
Silva. Deu-se proijimerto.,
Appellacoes civeis.
De Cangnarelapw. AppeUan'tes Jos Cunaey'
de Albuquerque Galvo e ortms, appellados F-
lix Ribeiro da Fonceea e outro. Denprezaram us
embargos.
Da Imperatrit-Apaaiaaie Jas ViiradeAraa-
f Peixoto, appellafio Manoel da Costa Pinneiro. -
Recebidos os embargos.
4, p apellado De-. m*fa 4*L Jjganm
procedenie a appafigao o be mandnieoot*ariio
tormos do inventario
Do. Rmfe.-Appe laate Jos da'Silva ft^go,Bra-
ga, appellado Lua da Suva Ferrara.-eceboran
os .embargos.
DISTKIBUICAO
S. Exc. o Sr. conselheiro presidente fez as se-
guintes distribu.Ses:
Ao Sr. desembargador Silva Guimares.-Ap-
pellante a companhia The Liverpool A London
and Olob Insurance Company, representada por
seus agentes nesta cdale, Saunders Hrothers A
C, appellado Josu Materno de Azevedo Santos.
Ae Sr. desembargador Reis e Silva. Appellan-
te Antonio Buarte Carneiro Vianna, appellados
Joao Kaptista Gomes Penna e Antonio Climaco
Moreira Temporal, como administrador de sua
mulher
Ao- Sr. desembargador Accioli. Appellante
Jayme Eneas Gomes da Silva, appellados Jeronymo
Delsuc e D. rsula Cordolina da Rocha Almeida.
A00BAV0.
S. Exc. o Sr. conselheiro presilente negou pro-
rimento ao aggravo vindo do juizo especial do
rommercie, entre partes :
Aggravante o major Jos Paulo do Bego Barros,
Bggravado Jos Moreira da Silva.
Autos devjvidos ao supremo tribunal de jas-
tica.Reeorreote Lourenco t-raH -isco d" Sampaio,
recorridos Fonceea Irmo.O mesmo Exm. Sr,
conselbeiro mandou que descessem para ores-
lectivo cartono.
As duas horas menos 0 minutos da tarde foi
encerrada a sessao.
UBU0A00ES A PEOIDO
Una Importante quemlAo para
os docntes!
Esla questao vital, que envolve a sade e bem
eslar de milhare? e milhares de pessoas, vai ser
submeltida a tod s que soffrem de dyspepsia, pri-
so do ventre, febres biliosas, debil lade eral, oa
qualquer uraa outra enfermidade procedida do es-
tomago, do ligado ou ds intestinos. Queris por
ventura persistir em usar de purgantes drsticos
raineraes, os quaes s f.izem enfraqnecer, atormen-
tar e de-trur o syslema intero ; ou queris antes
aceitar um allivio certo, seguro e permanente pelo
feliz intermedio das pillas assucaradas de Brisio!,
um cathartco vegetal, o qual subju.'a a molestia
sem reduzir a foi\%a phyalea. absolutamente bran-
do e suavissimo na sua operaco, e que actual-
mente [i upa a uecessitii.de de urna continuad a
jiurgacao ; era quanto que a mesma producida e
aggravada por meio desees purgantes violeuWs e
evacuante! 1 Se quen-is pois goiar da ventura de
um bom appetitc, urna robusta dijiesto, um ligado
lio, evaruares regulares, e a paz do espirito re-
sultante desta reumo de salmueras cundieres, a*
pilulas assucaradas de Brislol realisarao o vosso
desojo Experimenta-as e podis licar certos que
na > vos haveis de arrepender. O excedente acoo-
di,-i inamenio das pilul is dentro de vidrinos ga-
rante a sua durablidade era todos os climas. Em
todos os rasos aggravados ou provenientes de impu-
reza do sangue a saUaparrilha de Brislol deve
ser usada conjunclamente com as pilulas.
OOMMIRCl
ja !-j:n >s dito.
PASiAOEN.
Do r. deseraareadoi; Lt^epe^ gaatu ao
Sr. desemljarador Mneida.4ti9>aeBae. *
o.jui^ des.. Joao. --(p#a>Ble o iuzo, appej'-'
lados Manoel de Arauio hamo a antro,, ^ ,
De Campia. AppaJIaatc o juiio,a>ptieildo 89-
J vaao Pereira da Silva.
jabinete 9 de m irr e o
pas.
i X''l 'l 1_- .
. OartuaJ.gabmtle prest (Jido pe|o eiBinente a*u-
ditta o Exm- $r. visconde do Bio-Brauco, cada da
se ennobrece mais aos olhos do paiz, que evidente-
mert presu-lhe o mais franco e docididp apoio.
Se o inleresse eo amor ao poder n o apaixonasse
tanto o partido opposiciooista, por certo ua i lea-
mos o despTazer da..r como os mais generosos e
elevados a fus, do governo sao cavilosa e violoat-
mente depreciaflos.
Ajoppoicao dave fazer justi^ aos adversarios,
Senao por.a-nor jn Jde que tambora aspira consllluir-so por sua vea?
governo.
Essas oppo;o;s yilenrtltc.is se "'rtfiaqaecem
Louvores aos cstudantes de
l*ernafnbiico
Lendo o Diario do 11 do correrte mez, vemos
que se traa de nstallar nesta capital urna socie-
dade, destinada, segundo nos consta, a auxiliar
aquelles que infelizmente forera entregues ao aban-
dono da fortuna, e desejarem matricularse as
faculdades do imperio.
Desde logo saudemos ao honrado estudante au-
tor de tao humanitaria e gigantesca idea, e a todos
os estudanles fia Veneza americana, cujos lempos
passados e mesmo o actual estao commemorados
por urna serie de trabalhos que sao coras de glo-
rias para esta distincta classe, e desejamos urna
eterna existencia de llores tal irtituicio.
Banco Commercial de Per-
nambuco.
Sacca contra Londres, Lisboa e Porto
por todos os paquetes.
Segura i'aiili'a-rig.i
COMPANHIA
[NORTHERN.
Capital..... 2O,O0O:OOO6OC
Fundo de reserva. 8,000:0003000
Agentes,
Mills .athtim & C.
RA DA CRUZ N. 88.
A adminiaiti'acffo do Sr. Dr. Pe-
reira le Lucelia, a opposicSo
e s verdades aos montdes.
Anda mais de urna vez a Provincia, orgo bem
classificado pelo digno Sr. Correia do Brito, de
um grup i olygarchisado com a tacanha e ante so-
cial mtssfto de contribuir ainda que sorrelfa pa-
ra que sombra do oficialismo tenham medrar
planos tendentes a consolidaren a influencia de
cerlas e determinadas familias ; acaba de revelar
quanto anda febril, desa-ada, ncoaveaiente e illo-
ica, atacada erafim de dissoluco eminente
O Sr. Floriano de Brito, que tao relevante ser-
vico acabava de prestar causa da ordem, quando
em seu manifest fez patente o lim capital, a que
se diriga a Pivvincia e sua chefanca -Ssnza Leo
-l'menfio a queda de sua popuiaridade e as ira*j
os correligionarios, sorrelfa ligouso aquelles
m a tentativa de crear difficuldades adrainirtra-
co.
Desta vez, porm, a denuncia na part) do ebe-
fe do -Club Popular-parti da Provincia ns. 81
e 82, como represalias ao voluntario n. 48 -se-
gundo alfirma a N'icao c conGroiain alguns liae-
raes de recente dala.
,4 Prou(nota n. 81 reprofiuiiexlualmente. o; mes-
mos manejos fios dias U e 16 de maio, com irapa-
gavel singeleza.
A Provincia n. 81, diz em sua ehronjea, sob a
epigraphe O vSr. Lceua provecando : % So
dia 90 da junho baise ajas esquinas das princi-
pis ras testa cidade um convite impressn e sem
nssignatura, convocande o mivo a reunir-se s 4
horas fia tarde na prapa fio Conde d'KB, para o
fin de ler a recente deciso fio governo e consulta
do eoB-elho de estado.
i A' hora marcada pelo impresto sem ussiyn.it*ra
ippareceu, e celebre, com os respectivos assigr
Batanes Dr Mariano, Costa e Sa, Corlo Real, Fio-
riauo fie Brito e outto voluntario do 48 o tenente
SEGUROS
IIIRITIIIOS

CONTRA O FOGO.
A companhia Indemnisadora, estabefteerdo
nesta praca, toma seguros martimos sdbrv
navios e seus carregamoutos e contra ogo
em edificios, mercaduras e mobiUas: no
ra do Vigario n. 4, pavimento terreo.
companhia" alliamca
seguros martimos e terres-
tres estabelecida na Bahia
em 15 de Janeiro em 1870.
CAPITAL A.-oeDTOKXHWOO.
Toma seguro de mercadorias e dinheiro a
(co martimo cm navio de vela a vaporas
para dentro e fra do imperio, assim como
contrajfogo sobre predios, gneros e la-
rondas.
Agente : Joaquim Jos Goncalves BeUnfc)^
roa do Commercio n. 5, 1 andar.
Banco Cojimiercial de hrum-
() banco paga o.prinaeiro div^eado Kr
2>500 por ac^ao, relato ao period* fiani
em 30 do jtih4 prefino pftnwto.
L tfK



>
.

.d^wio.r^.PefnM^i^o, Sobanda* fcira, lide .J.uDio de?4|f3.
m.\\.\
fW.kZK DO RECIPE 12 DE
nortearlo ba
hon
Algodao -de
posl
posto
hoje. .
Cambio obr Lonfi
UOOOJ bao*,
hoje.
Ujte sobre dito a 90 djv. 26 por U000, boje.
Descont -da letras 10 OO ao aano.
Leal Seve
Pelo presidente.
A. P. de Lomos
Peto secretario
edo I' sorteWOWI por 13 kilo
^ro 4 bMji % *> 0|,
2 Jarte 8*800
bordo a frete de
ir/i i
res a 90 d,v. 53 7|6 por
feo e particular, lioutem e
pr HHkaV,
7|8 e5 0|0,
1(2 kilos de assucar
lio
wc
as:
dito mascavad
de Campo),
h C. 1 barrica com
Pira Alagnaa, niarcaja Flor
carregaram : F. I. F.'Qbrdeiro
100 kilos.de assucar rollaado.
ftra Sossot, na barcada' P iraguassu', car-
regaram : J. Bruno 6 barricas com 393 kilos de
asBucar refinado ; B. F. Guinaries I dita, cora 65
ditos de dito branco,
Para Meroi, na barcada Divina Providencia,
carregou : B. P. Guimaraes 2 barrica; com 130
kilos do assucar branco.
Para o Rio Grande do Norte, nabarcaca Joo
Valle, carregaram : J, C. P. Barrete 3 pipas com
1,440 litros de agurdente; Barros Jnior A C.
6 ditas qom 2,88:) ditos de dita, e 2 barricas com
190 kilos de asquear refinado.
no titJ V' *s noras ''a inaB^' Ppr?a desta
repariic"0*""
mercadorla.-
direitospor lt'
3 kilogramflM!, p*t H^ real'(l'&* par^
sammamm
matar. Uvi* itojlireo*. a toda a. uual.unjr *ue.pr
nouM |bapf i^dlM PaJyW*b jfTd)tu
ii*. 6. -. r dever%lonVJrie*i3o d
creado do
fabricacao. d llores, av.h~
dos
raziara paite lo coitraaaB Gk
Aafdrati
9BSk
4LFA.NDEGA
ttondimento do dial a II. .
J4/)iu do dia 12. .
3V>:iil2v7
60:J74/0
42l:6'l2o73
fceeeairregam hojl4de julho d 1873
"Brigue <\g\eiArgos(atracado) diversos gene-
ra nara a ponte da alfandega.
Mate nacional I). Luiza diversos gneros na-
ciooaes para o caes da companhia.
AI.TKRAQO NA PAUTA DOS PRRCOS DOS GNEROS
tKKlTUS DIRITOS DK RXMRTACAO, .NA SEMANA
OK 14 19 DK JIM.HO K 1873.
Algodaoem rama oh la 583 rs. o kilo.
Acucar -mascavado'l17 rs. o kilo.
roWosde boi seceos salgados 344 rs. o kilo.
Car-vio de pedia de <'ardil?, tonelada mtrica
341488.
Algodao em ca/oc. 29 rs. o kilo..
ittfaikte$)d Pecffiunhco, 12 de julho di 1873.
O conferento-A. C. de Pinho Borges.
O eonferente -M.' A". 11. Pinheiro.
Approvo.Alfandega 12 de iulho de 1873.
o inspector da alfandega
Fabio Aexandrino dt Cartalho Res.
Importbalo.
Hamburgo, brigue inglez Argos, consignado a
Tasso Irmao & C, manifestou :
Amostras 1 caixa a Silva Barroca < Filhos, 1
aos consignatarios, 1 a Prente V. 4 C. t a R.
Silva, 1 a Palmeira, 1 i Costa Amoriin 4 C, 1 a
C & Manta, l a S L. 4 Coimbra, laC Moraes,
1 a Ferreira de Carvalbo. AJpiste 30 barricas a
H A. Barboza. Agulhas 2 caixas a S. Leilao A
Coimbra. Agua mineral 3 caixas a Denker.
Barbante 2 caixas a J. A. de Araujo C, 1 a
Parete V. 4 G., 1 a Bartbolomeu 4 C. Boto 1
caixa a Prente V. quedo i caixa a Carvalho Guimaraes. Balanzas
2.caixas a S. Leito 4 Coimbra. Bonecas 1 caixa
Ae A C, I a P. SimSes & C.
Ccrveja 130 caixas aos consignatarios, 100 a M.
Rocha & C, 2'i .i D. A. Matheus, 30 a Silva Neves.
Cevada 13 garrafoes a Foneeca & Successores, 20
a Guedes de Araujo, Cevadinha 10 garrafoes a F.
de Paul i Ramo?. Cimento 400 barricas aos con-
signatarios, 9 a B. A. Barbos. Canella 10 caixas
a I.ebre & Reis, 10 aos consignatarios. Cominho
10 g.irrafes a Guedes de Araujo. Couros 1 fardo
a Cunlia 4 Manta, I a S. Castro 4 C. Chumbo
de munido 30 DrrM a S. Leito 4 Coimbra. Dito
em lamina 18 caixas a Mearon 4 C. Chapeos 6
caixas a Vaz 4 Leal I a Silva 4 Noves, i a J.
Christiani. Cabos de linho 84 rolos a Beltrao 4
Filho. Cachimb s 2 caixas a S. e S 4 C.
Drogas e medicamentos 2 caixas a A. Caors, 4
a Bartholon eu 4 C.
Espelhos 10 caixas a Vaz 4 Leal, I a S. LeitJo
A Coimbra. Espadas 1 caixa a S. e S 4 C. Ev
pingardas 1 caixa a Vaz Jnior 4 C. Ervilhas 2i
garrafas a Paula Ramos. Estampas 1 caixa a Sil-
va Gaiinaries. Espirito 1 caixa a Stobzback. Es-
poletas I -aixa a Prente V. 4-C.
Farello 118 sacras a B. A. Barhnza. Farinha de
trigo 100 barricas a Ferreira de Carral' o. Ferra-
gem 1 caixa a S L. 4 Coimbra, 2 a Otto Bohres,
1 barrica a Leinos Gucrinean. Fita 1 caixa a
OMo Bohres, 2 a Basto Oliveira 4 C. Fio de al-
godo 1 fardo a S. Leito 4 Coimbra. Feno 30
fardos consignados.
Garrafoes vasios 10) a Paula Ramos, 100 a
Correia Braga, 3 0a Monteiro Rocha & C Gene-
bra. 30n caixas e 30 barris a Correia Braga, 1,900
ditas e 5o ditos aos consignatarios. Gomma lacre
6 cajxas a Araujo .v C, 2 ordem, 2 a Farias 4
Jr.no. Garrafas razias 3 gigos ordem.
Impressos 1 caixa a A. Prisco Barboza. Instru-
mentos de msica 1 caixa a S. e S 4 C.
Linlia alcaH-oada 11 fardos a Bell rao 4 Filho.
Lona 4 fardos aos mesmos, 1 a Otto Bohres. Len-
tilhas 16 garrafoes a Paula Ramos. Louca 3 cai-
xas a S L. 4 Coimbra, 7 a F. Monteiro. Livros
4 caixa? ais mesmos. Limas 2 caixas a Prente
Y. 4 C. Lpulo I caixa a Foneeca A Successo-
res. Lousas 3 caixas a J. A. de Araujo 4 C.
Machinas de costura 7 caixas a V. Preale. Miu-
dus 2 caixas a Otto Bohres, 2 a D. A. Matheus,
14. a Araujo 4 C, 1 a M mliard 4 C, 3 a Silva
Guimaraes, I a S. e S A C, 2 a P. Simos & C,
10 a 3 L. A Coimbra, 2 a D. T. Bastos. Meias
de algodao 2 caixas a S L. 4 Coimbra, 1 a M.
llalliday, 1 a J. Araujo A C. Mobilia 1 caixa a J.
l'.amts, 3 a M. Monteiro, 7 a Vaz Jnior 4 C, 2 a
S. e S *v C, 4 ordem. Milho 200 saecos aos
consignatarios.
Objectos de lytographia 3 volumes a Carneiro
da Canda, II a Caris, Jilos do carpinteiro i caixa
a S. P. Johnstoo, dito de barro I caixa ao mesmo,
1 a Martins das Neves.
Phosphoros 10 caixas a Rosas 4 Filhos, 33 aos
consignatarios, 1 a Correia Braga, 6 a Araujo 4
1) a P. da Cunna 4 Irmos. Palhinha 2 fardos a
Won Sehosten A C, 3 a Prenlo V. 4 C, 7 a Pa-
checo A Aaeredo. Perfumara 2 caixas a Vaz-4
Leal, 2 a S Leitlo 4 Coimbra, 3 a Araujo 4 C,
2 a Silva Neves, I a Otto B.hres. Podras de fogo
10 barris a Araujo Jnior A C. Papel 100 lardos
a M. Roefia 4 C, 100 a Correia Braga, 1.200 aos
cin-ignatarios. Pimenta 23 caixas aos consigna
tarios, 10 a Pereira da Cunba. Pregos 52 barri-
cas a M. Ha liday.
Routim I fard a Monhard A C.
Sagii 3 fardos a Guedes de Araujo.
Tinta 123 latas a Beitro 4 Filho, 2 a Dartho-
loneu 4 C. Tecido 10 volumes a Keller 4 C.
Vellas 5i caixas a Carvalhn Moraes, 4 a Ferrei-
ra de Carvalbo, 30 a Palmeira, 100 a Costa Amo-
rra, 30 a C. 4 Martins, 10 a P. da Cunta 4 Ir-
mao, 8) a B A. Barboza, 40 a Rosas 4 Fillio Vi-
dros 4 caixas ordem, 12 a S. L. 4 Coimbra, 7
a Bartholomcu A C, ditos para Yidraca 53 caixas
a Otto Bihres 4 C. Verniz 1 caixa a Caris. Vinho
23 quintos aos consignatarios, 23 garrafSes a B.
A. Barboza. Vveres 18 volumes a Denker. 19
a Lenz.
Mvo, Mate nacional D. Luiza, consignado a
G. de Mattos 4 C, manifestou :
G MHN 318 saccas,
Palha de carnauba 200 molhos. Pipas vasias 20.
Sal 300 atqncircs, tudo ordena.
L.APATAZ1A
Hendimento ao da
1 a
DA ALFANDEGA
11. .' 7:602>207
6io?72
8:247^179
VOLUMES SAHID08 No dial a 11. Pruneira porta no dia 12 Segunda porta Terceira porta Trapiche Conceiijio - It.HS 1$ 3 68 102
Ujlq
SVPn.'473, vinda de Bodiaox; >." vaporl'ancez
Mendosa, entrado em 7 do eorrenl* m Alfandega de Pernambuco, H de Jalho de 1873.
O inspector
__________________Ffbio A. di Carvallio} JIWs
O lllm. Sr inspuctor da thesouran pro>m
cial, era cumprimento da ordem 4oKttnl. ar, pre-
sidente da provincia, de 5 do corrate, manda fa-
zer publico que vai novamente praca no dia Ui
do mesmo mez. para ser arrematado a quera nuils
der, o siliudos.Rotaadios ad.udicail > a razenda
provincJa_l.'iM*i'vjudo de baso alafromatae^u a- quap,-
Screlarja d tpcsurari prjviicial Je l'er-
nambaco 9 do jlhb de 1873.
O olllrial-maior
Miguel Adonso Farroira.
mesmo Icrnio, pelo que se convida a
releada o referido cargi
o se presente nes^e
ItdJi a abilitacao, que
._ine/dcsurftciencia,
follia corrida, cerlidi* de idade, r dt quaesquar
remetrer ao Ex-n Sr presidente da provincia af
respectivas pelkdes, assim documentadas.
E para qse cheguc o conhecmeato a todos que
tefeisar|psi, mand^ passar/o freseato, e afll-
* nomo
Villa
o Vi l''
jilo* do 1871.
profncla de Perntuiibiico^ aos 3 dias do mez de
8fl /
Eu, Flix da Cunta Macedo Franca, escrjvad,
o subscreri.
SERVIO MARTIMO
Uva .ragas descarrtwadas no trapiche
da alfandega no dia la II. .
Ditas ditas no dia 12.....
Navios atracados no trap. da alfandega
Alvarengas........
No trapiche Conceco.....
II
GE-
HKCEbEDOUlA DE RENDAS INTERNAS
RAES Di? PERNAMBUCO
rtendimento do dia 1 a 11. 18:375*133
(dein do dia 12...... 441 299
18:816.1432
CONSULADO PROVINCIAL
Kendimento do dia la 11.
dem do dia 12. .
83:1401051
3:2984014
O.Dr. Sbasliao do Reg Barras de- Lacerda, Jai*
de direito es[neial do coraiiisrcio da cHladde<
Recire de Pernambuco, por S. M I., ele.
Fajo saber pelo presente, que no dja 9 de se-
lembr desto corrente anho, as II horas da ma-
nha, na sala das audiencias, dever ter lugar a
reunio dos credores da massa fallida de Antonio
Jos dos Reis para se verificar os crditos e delibe-
rar se acerca da- concordata, ou formar se o con-
trato de uniao, e nomear-se aduniatradores dita
massa, certo os credores de qae nilo serao admit-
idos por procarador sena ejoe est erhifca procu-
l^r ra.;o ospecial. a qual nao poder ser conferida a
devedor do fallido, nao podendo outro sira un so-
hrdividuo representar por dous diversos credores,
c qae ser havido o rredoi* que n'o comparecer,
como adhereMo as resoluc3es que femar a nwi-
ria de votos' dos credores que comparecerem, com'
tanto que para-ser valida a concordata,. neces-l
sarkt que seja concedida por um numero tal de
credores que represente pelo menos a maioria
destas em numero e dous tercos ns" valor-de todos
os crditos sujeos aos elTeitos da conrordata.
E para que chage ao conhecimeiiio de todos
mandei fazer o presente edital, que ser afllxado
nos lugares do cosijme e publicado pela im
prensa
Dado e passado ueste aidade do Rec:fe d- Per-
nambuco, aos 8 de iulho de 1873.
Eu. Ernesto Machado Freir Pereira da Silva,
escrivo, o subscrevi.
Sebastiiio do Reg Barros de Lacerda.
)ito da ra di Cruz.
Dilo da ra tl Brum.
Dito do Forte de Mattos. 19:650?W)00
BAIRBO DE SANTO ANTONIO.
n hihriz do largo do Cnrmo.
Dito do largo do l'aroiso.
Dito de largo (laJ%.lro II.
DilodA ru do. Sol.
, Dito da rua da Concordia.
Escriptorio da companhia
lOdejulhdo 1873.
0 secretarlo,
Luiz Mauocl Rodrigues Valenda.
25:000:000
do Bebcribe,
---------- *'r4N\
<:0MI'AM!1A I'KKNAMHcw '
\uvea;rrto oomIcrn m % |MN*
iAOEI'Sl^Ljfli..gEjkljf EARACAJL .
,1.1 VP"T J*>*dk,
1 iAJuiandanlB Mte
bfrecer
porqaemmejwr preci
ribelra '
86:438003
M8YiMEHT DO PORTO
Navios entrados no dia 12.
Ilha de Fernando 52 horas, vapor nacional Gi-
qu', de 223 toneladas, commandante Martins,
equipagem 23, carga varios gneros ; cumpa
nhia pernainbucana.
Hamburgo 45 dias, brigue inglez Argos, de 289
toneladas, capito Bowen, equipagem 10, carga
differentes gneros ; a Tasso Irmao 4 C.
Movios sahidos no mesmo dia.
Canal -Logro inglez Flower O. Moray, capito
William Lambie, carga assucar.
Antilhaslalacho inglez Gcnde, capito Downey,
era lastro.
Navio entrado no dia 13
Maceio -17 horas, vapor inglez Linda, de 88 to-
neladas, commandante Greffllh, equipagem 24,
carga assucar e algodao ; a Simpson 4 C.
Navios saludos no mesmo dia.
MarsellaSumaca i espanhola Paca, capillo F.
Orta, carga as mear.
Marsolha -Sumaca hespanhola Marina, capito J.
Alcina, carga assucar.
Lisboa Brigue portnguez Soberano, capito Ma-
nuel Bernardo Bunginganga, carga assucar e
outros gneros.
Observacao.
Arribou e fundeou no lamaro em consequen-
cia de nao poder tomar o porto do seu distino a
barca alienta Mina, que tinha sabido deste porto
para o de Macei no dia 2 de maio.
. os reparos fia ribelr da freguezia da
Boa-Vista oreados em OflOOO*. As pesoas, que
pretenderen arrematar, ramparefam no. paco m^
Dicipal em os referidos ,m,. uiWMdos,flo m^.
, Pftg da cmara mumciiial do Recite, 10 de julho
MnnoelJoaqnim do Reg e 'Albuqikrme,
Presnfepte.
Ptdra de AJbnqm-i-qtH Animo,
..,.' terciario.
se
Pela bispectorii
faz publico/ejjfe^
Edita! ri. 9.
andega de
no-se- as

Pernambuco
mercaduras
- De ordtun do lllm. Sr. Inspector da thesou-
rana de fatepd, se faz publico que, em virtnde
do avisado ministerio do*negocios da razenda de
21 do junlw ultimo, val em hasta publica, no dia
30 do correte mez, pela i horas da lar Je, pe-
raua a juuU da meraa lliesouraria, para ser ven-
dido a nuam maiur vauUigem oflerecer, o barra-
Vo que em, Santo Amaro das Salinas, servia de
quartej a conivanhia de cavallaria, avallado pelo i
juio do feitos da fazenda eui dous contos e oil-
centos mil ris.
9i prelendentes deverio apresenUr a suas pro-
postas em cartas fechadas, competentemente sel-
ladas, ate una hora do supracitado dia.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco, 9 de julho de 1873.
O secretario da junta,
, Jeoino Rodrigues Cardoso.
EOTAES,
DESPA-.H S DE EXPOimCAO M1) l\ 11 DK
JCLHO DE 1871.
Para os torios do exterior
Na barca norueguense Wunchobitke*, para o
Radico, carregaram : G. Necsen 4 i'. 176 saccas
cara 13,241 kilos de algod;1o.
No navio frrmroz Fci-idiini, para o Havre,
cirregaram : E. A. Burle A C. 87 saccas om
(i.7Bl kilos de algodao, 540 couros salgados cem
7,48) kilos, e 20 ditos rde com 4,200 ditos.
No-idapr perlufiieji Julio, para Lisboa, car-
rearii: Oliveira- FilIo?. 7,500 kilos de assucar branco ; L. J. S. Gulma-
ri'.s 100 ditos com 7.300 ditos de dito mascavado.
Para os portas do interior.
Para o Cear, no vapor brasileiro Pimpina,
carregaram : J. F. .Santos Bastes 30 barricas com
1.794 kife de aseomar retinado ; I. J. da Costa 40
ditas cora 2.3T2 ditos ds dito ; A. 8. de Almeida
I dita c mi 103 ditos de dio. Para o Acarac,
BiOlivsira 4G. U Hwri com 1,820 litros le
agurdente ; Barros JuuWr 4 C. 10 ditos com 960
ditos de dita, 1 barrica eom 118 kilos de a'sucar
refinado, e para Granja. 10 ditas com 844 ditos-de
dito branco. Para Maco, Silva 4 Casco 1 barril
cora 96 litros de niel, e 2 garrafoes com 'i ditos
do agurdente.
Para o>Aracaty, no liiate nacional Dto& te
4ue, carregou : J Bruno 34 barricas com 9,936
Jeitos de assucar branco..
,. Para o,BJo Grande do Sul, no lugar brasi-
leiro Francisco I, carregaram : Silva 4 Cascp 100
Wricas com 12,349 1^2 kilos de assucar branco.
Para o Rio Grande do Sul, na escuna na
cionil Georgiana^ carregou : L, J. Silva Cuima-
Hes ISO saceos com 11,280 kilos de assucar
branco.
Para o Bara, na patacho portuguez Rocha,
carregaram: Araorim Irmos 4 C. 539 barricas
O tenente coronel Antero Vieira da Cnnha, com-
mandante superior interino da guarda nacional
dos municipios do Cabo e Ipojuca, por S. M. o
Imperador a quem Dos guarde etc.
Faro MtVer aos senhores ofBciaes do batalhao n.
41 da guarda nacional de Ipojuca, seguintes :
Alferes da 8* companhia los Luiz de Siqueira
Cavalcante, que se aclia ausente do batalbo ha
10 annos; alferes da 7- companhia Joo da Silva
Pessoa de Siqueira Cavalcante, ausente ha 10 an
nos; alferes da 6' c nnpanhia Jos Henrique de
Salles Abreu, ausente ha 4 annos ; tenente da
mesma companhia Joo Manoel Pereira de Abreu,
ausente ha mais do 8 anuos ; alferes da 4' com-
panhia Joan Rapti-ta de Souza Cousseiro, ausente
na mais de 10 annos; e tenente da 1* companhia
Alexandre Pereira de Freitas, au-ente ha dous
annos: e a todos aquellos que poderem e quize-
rem fazer chegar aos seos conhecimentos, que
pelo presente edital sao chamados a comparece-
rem no quartel da residencia do comraando supe-
rior, dentro do prazo de 30 dias, a contar da data
do presente edital, e nao o fazendo durante es tempo, ser nomeado o conselho de investigago
para verificar a ausencia nos termos do art 2o do
decreto n. 3333 de 25 de novembro ds 1865, por
nao terem-se aprosentado no batalhao nos prazos
cima declarados, como communieou o respectivo
commandan'e em offlcio de 31 de maio prximo
findo.
Quartel do comraaudo superior da guarda na-
cional dos municipios do Cabo e Ipojuca, em 7 de
julho de 1873.
Assignado Antero Vieira da Cunha, tenente
coronel commandante superior interino.
50*250
9O;OO0
252666
48/000
20000
GiOOO
Edital n. 10.
Pela inspectora da alfandega se faz publico que
no dia lias II horas da manh se ha de arre-
matar, livres de direitos, porta desta reparticao,
ao mercaderas abaixo declaradas, abandonadas
aos mesmos direitos por Joo de Oliveira Le te e
Souza.
Marca J ORS. n. 38-Urna caixa, vinda deBor-
deaux no vapor franeez Rio Grande, entrado em 6
de Janeiro do corrente anno, contendo o seguinte :
27 killogrammos do carneira branca
avallada por
60 ditos de couro de poreo avaliados
por
10 ditos de pelucia de .algodao avalia-
dos por
24 briddes cora endites e guarnicoes
de casquinho avaliados por
30 pares de estribos de terro para se-
llas de banda avaliados por
1,300 gratnmos de fivellas de cobre e
suas ligas prateadas nos lados e ava
liadoe por
Aifaudega de Pernambuco, 10 de julho de 1873.
O inspector,
___________ Fabio A. de Carvalho Reis.
De ordem do lllm. Sr. inspector da lliesou-
raria de f.i/.--ii la fe iz publico que se acham
venda na mesma reparticao as seguintes collecrocs
de leis e decisoes do governo.
Imperians i esolucoes d i consultas da seccSo de
fazenda do conscltio di estado era seis volumes,
sendo o priraeiro |xir 7/000, e os outros por
2/ cada um.
Collecoes de leis e decisoes do governo
de 1866 por 7600
Ditas idem dem de 1867 a 1869, cada
urna a 000 18000
Ditas de ditas ditas do 1870 por 75 0
Ditas ditas de 187 por 7,mi i.
Iinperiaes resolu.oes sobre negocios ec-
clesiastcos em 3 volumes, 3 cada um 90 0
Regulamento do sello do anno de 1870 100
Manual do empregado de fazenda em 7
volumes, sendo o Io por 2, o 2o e
5 "por 3 cada ano, o 3. e 4.# por
2500 cada um e o 6. e 7.' a 3 ca-
da um 19000
ndice alphabetico a 5*000
Vendem-se os volumes separados a quera assim
os quizer comprar.
Secretara da thesouraria de fazenda de Pernam-
buco, 11 de julho de 1873.
O 2. esciipturario,
_________ Jesuino Rodrigues Cardoso.
contidas nos volumes abaixo mencionados no cai
so dfrserem'aTiemnfada para cunswlM, *o.- ten
mas do cap. ti." do-til. 3,'Ou reguUuwulo do 19
de setembro de 1860rpsseu donos ou consigna-
anos deverilo despacba-las no prazo de 30 das,
sol pena de, findo eTb. sereni vendlJai pbr sua
euntajsem que Hies f>-|a eoiapetimte alfcgar oon-
ira os effmlw dula vendi til
Trapicbe Baib is;i.
Marca E R R =Tres pipas vindas de Lisboa no
navio inglez Cmsader, consignadas a Jos Tavares
Cmdeiro.
dem S B. -lana pipo viada de Lisboa no navio
inglez Ariei, cousijuuda a Saunders Bro'.ber*
dem IS PJ.-Urna pipa vinda de Lisboa no
nav i V.ind'i, consignada a Jaquim Jos Goncal-
ves Bultro. i ;i-
Idum P C C.-l'ma pipa vinda de Barcelona no
navio licipanhol S. Mmano, consignada a Souza
Bastos C'
dem idem Um barril de W idera idem, con-
signado a Pereira Garneiroi 4 C.
Idera idem. Dez caixas dem dem ijom idem.
Alfandega de- Pernambuci. 10 de julho de 1873.
'inspector,
*"___ Fabio A. defirvalko Reis.
vapor
lamlaate
srguiri para os por-
tes cima no dia 15
do terfaato, As 3
horas da tarde.
Recebe carga aM lato It, encommeadas ate
a dia 14, passagenp ediheiro a frete at aa I hu-
ras da tarde do da da sabida : rvriptofio
Porte do Mattos o. 12.
LUVimilR PKBiiiilBWia
INB
\n\o-uo& eoieteisn a vofaor.
POtlTO DE fiALIin^, 1110 I OtlloSO t TAMAMi Vl.h
0 vapor fardaba, com
maudaiite Pedro Notase...
secim para os piii
cima rio dia 13 ilo ew-
rente, s 9 horas da
le. Recebe carga, i
mendas, paageiros t di-
nheiro a frele : escriptorio no Forte do Malte*
n. 12.
Seccad'4' Secretaria da pre ideucla de Per-
iiambuco, 10de julho de 1873.
Por esta acerenria se fas publico para os dev-
dos fins o de conformidade com o dsposto no art.
2 do decreto n. 4 6 u8 de 3 de Janeiro de 1871,
o edital abaixo transcripto do Ju municipal e de
orphos do termo de Barreiros, pondo a concurso
a serventa vlali ia dos ollcos do 2 tabeliiio,
escrivo do civd e mais annexos do d.to termo,
devendo 03 interessados apresentar no prazo em
dito edital marcado, as suas peti^oes dcvidamcnie
instruidas.
dolpho Lameuha Lias,
Secretario interino.
utlARACES.
O Dr. Sebastio do Rogo Barros de Lacer-
da, juiz de direito ospecial do cotnmer-
cio da cicla le do Rccife de Pernambuco,
por Sua Magcslade Imperial, qu Deus
guarde, etc.
Faco saber aos que o presente edital virera, que
no dia ti do mez de setentas prximo futuro, as
11 horas da manh. na sala das audiencias, devo-
ra ter lugar a reunio dos credores da massa fal-
lida de Magalhes, Menlcs 4 C, para se veriflea-
rem os credit, deliberar-se acerca da concorda-
ta ou formar-so o contrato de nnio c nomear-se
administradores a dita missa, certos os credores
de que nao sero adnuttidos por procurador, sem
qus exhiba prociracao especial, a qual nao poda-
r ser conferida a devedor dos fallidos, nao poden-
do outrosm nm so individua representar por dous
diversos credores, c que ser havido o credor
que nao comparecer, como adherenie s resolu-
caes que tomar a maioria de votos dos crecteres
que comparecerem, com tanto que para ser valida
a concordata uecessario que seja concedida por
um numero tal de credores, quo represente pelo
menos a maioria destes, em numero, e.dous tarcos
no valor de todos os crditos ujeilos aos elTeitos
da concordata.
E para que cliegue ao conhecimonto de
todos, mandei passar o presente edital, que
ser aixailo nos lugares do eostume e pur
Ducado pela imprensa.
Cdade do Recife de Pernambuco, 11 de iulho dej
1873.
Eu Manoel Mara Rodrigues do Nascimento, es-
crivo o subscrevi. Recite, 11 do julio de 1873.
Sebtislip do Reyo Barro*, de Lacerda.
Edil I D. II.
Pela inspectora da alfandega se faz publieo qne
nai tendo sido arrematada a mercadoria abaixo
mencionada, annunciada a leilao por editaos ns. 3
7, por falta de licitantes, se transfer-a: mesma
arremataco para s 11 horas do dia 14 do cor-
rente, porta desta reparticao.
Armazem n. 4,
Um espelbo inteiraraente quebrado, com mol-
dura armada de madeira ordinaria, avallado por
51 200 rs., quo fazia parte do cooteudo da aixa
de marca V J C F, a. 326, vinda do Havre na
barca franceza f;', uno prximo passado e abandonada aos direitos
por Vaz A Leal.
Alfandega,de. Pernambuco, 11 de julho de 873;
O inspector
______________Fabio A. de Carvalho Reis.
. Edital n. 12.
Pela inspectora da alfandega se Caz pablico que
A cmara municipal do Recite, querendo
testemunhar do Ro de Janeiro que nao mi de-
balde que solicitou desta municipalidado seu au-
xilio na remessa dos escriptos nacessarios para
formar-se e enriquecer a bibliothera municipal
que tri'a de lunccianar no palacio iniinicip.il da
corte, pelo presente convida a todos os seus mu-
nicipes a remetter esta cmara todos os escrip-
os com que entenderem dever aux lia-la nesse
cao patriolii'o.quo grandioso empenho certa de
que os seus municipes nao deixaro de acudir a
esse appello e desse modo participar da gloria da
rerenda publicado
Pago da cmara municipal do Recire, 4 de ju-
nho de 1873.
Mauoel Joaquim do Reg e Albuquerque.
Pro presidente.
Pedro de Albuquerque Autran.
Secretario.
Edital n.8.
Pela inspectora da alfandega de Pernambuco
se faz putlico que, achando-se as mercadorias
contidas nos volumes abaixo mencionados no ca-
so de seren arrematadas para consumo, nos ter-
mos do cap. 6. do til. 3." do regulamento de 19
de setembro de 1860, os eus donos ou consigna-
tarios deverAo de sob pena de, lindo elle, seren vendidas por sua
ronta, sem que Ibes fique competndo allegar con-
tra os elTeitos desta venda :
Marca V Vsem numero. Urna mea p pa de
vinho viuda de Rarcpkma no navio bespuahol Jo-
ven Adele, entrada a i5 de maio do 1872, e con-
signada a Souza Bastos 4 '.:.
dem A C B sem numerj. Sete meias pipas
de vinho vindas de Barcelona no navio nespanhol
Themoteo, entradas em 4 de novembro de 1872,
consignadas a Joaquim Felippe da i osla.
dem. A J G sem numero. -Nove pipas devn-
nho vindas de Lisboa no navio portuguez Lnza,
entradas e*i 3 de novembro de 1872, consignadas
a Joaquim Jos Goncalve Beitro.
idem dem sem numero.Cinco barris de 3.
idem idera idem.
dem P L sem numero.-limapipa idem idera
idem idem.
Idem idem sem numero. dem idem dem dem
idem.
JJallele n. I.-Dcz pipas de vinho vindas de
MaTselha no-navio franeez Hara Celina, .entrar
das a 9 de de embro de 1871 e consignada? a
Tasso Irmao 4-C.
dem idem n. *.-Cento e noventa e qualrobari
is de 5. idem idem idem.
dem dem n. 1.-Setenta e dons barris de 10.
idem idem idem.
Marca EDPRIVATEAGDKsem numer
ro. Vinte e sois pipas de vinho idem idem, eijtrai-
das a 12 de dezembro de 1872, consignadas a tasi
so Irmao 4 C.
dem idem sem numero. Cauto e cincosnta
barris de 8.* idem idem idem.
Idejn jdepi sam nuwiero. -Trcznitus o 10 bteris
de 10. idem idem idem.
Alfandega de PernaorbuJb, 9 de julho de JMl
O -inspector,
Ffibio A. de Caroow fleta.
O Dr. Joo Carlos de Mendonca. Yxsceneelloe, juia
municipal do termo da villa ao Barreiros da co-
marca do mesmo nome, provincia de Peroam-
buco, por Sua Magestade o Imperador, qoe
Deus guarde, etc.'
Faco saber aos que o presente edital viren ou
d*elle noticia tiverew, qne aca^se aberte-nesta
villa, com o prazo de se*senla.(Uas> a. contar da
data da afflxaco do presente, o concurso do offl-
cio de Justina de 1 tateUio d pnblieo, rodirial
e otas e escrivo das xecac.Oes- eivei e crimes
deste termo e comaria, creado pe deweto de 31
de Janeiro de I8j34. que se acoa. vago desjle i.
ns
santa ca8.v da miskkicokdia do
hkcifi;.
Pela secretaria da santa casa se fa publico que
o senhor thesoureiro, no salo da casa dos expos
tos, pelas 9 horas da manh do dia 14 do corren
te, tara pagamento das mentalidades relativas ao
trimes re de abril a junho lindo, is amas quo se
apresentarcm com as enanca- que Ibes foram con-
fiadas.
Secretaria da santa casa da misericordia do
Recire, 5 de julho de 1873.
O escrivo
_________________Peiro Rodrigues de Souza
Santa casa da misericordia
do Recife.
Pela secretaria da santa casa da misericordia do
Recire sao convidados os prenles das educandas
do eollegio das orphs em seguida declaradas, as
quaes ja completaran! a sua educac9o, para que
requeiram ao Kxm. presidente da provincia a sua
entrega, em vista do qae resolveu a junta admi-
nistrativa, de conroroiidade com o que dispoo o"
3- art. 48 do respectivo regnlaniento.
Candida das Chagas Coelho e Dionizia das Cha-
gas Coelho, libias de Vital das Chagas Coelho.
Mara Emilia.
Ignacia Rbero, liha de Leandro Jos Ribeiro.
Maiia Ignez de Mello, filha de Joo Bezerra de
Mello.
Mirla Magdalena de Mello, filha de Jos Tava-
res de Mello.
Valeriana dos Sanios, fillia de Vicente Ferreira
dos Santos.
Eudocia.
Felippa.
Thereza dos antos Torres lilha de Jos dos San-
tos Tor es.
Perge dina, protegida de Mara Hernieiiegilda
Machado.
Sopbia Mara da Conceifo, exposta.
Maria da Paixo Siqueira, lilha de Raymundn
Jo; de Siqueira.
Secretaria da santa casa da misericordia do Re
cite, 27 de unho de 1873.
O escrivo
_________ Pedro Rodrigues de Souza.
Santa Casa de Misericordia
do Recife.
A junta administrativa desta Santa Casa, aron.
dous terrenos que possue no lugar dos Arrumba-
dos, hoje Duirte Coelho, sob ns. 39 e 40 tende
aquelle 390 palmos e este 309 de Trente e ambos
de fundos at a baxa mar.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia d(
Recife, 7 de abril de 1873.
O escrivo,
_________________Pedro Rodrigues de Souza..
Santa casa da misericordia
do Recife
De conformidade cjin o que resolveu a junta
administrativa desta santa casa em sesso do dia
26 do corrento vai a praca tudo o predio
da ra do Imperador n. 81, lomaudo-se por base
a quantia de I:60l500u, maior proco ofterecido.
Os interessados poderao comparecer para o ftm
indicado na sala das sessdes da mesma junta pe-
las 3 horas da tarje do dia 3 do mez de julho, de-
vendo ikar ecientes de que alaj da renda, lerdo
de pagar a iniportaucia el) pivmio.do seguro, e a
dos apparelhos e aunuidadades da companhia ds
limpeza publica.
Secretaria da sania casa da misericordia do
Recife, 30 de junuo de 1870.
O escrivo,
Pedl-o Rodrigues de couza.
SANTA CASA DA MISERICORDIA DO
RECIFE.
A Hlma. junta admiuistrativa da santa casa da
Vispricorcfia do Racffe, manda fazer publico que
na sala de suas sessSes, no dia 17 de julho, pelas
3 horas da tarde, lera de ser arrematadas a quem
mais vantagens offerecer, pelo tempo de um a
tr s annos, as rendas dos predios em seguida
declarados.'
ESTABELEGIUENTCW DE C.VRIDADE
Ra larga do Rosario.
Tereeiro andar n. 24......232*000
Ra do Padre Floriano.
Casa tertea n. 45......200fttto
Ra das Cacadas.
Casa terrta n. 30...... 22000u
Ideffti. 32......... 134IOOO
Ruado Senhor Bom Jess das Crionlas
Casa terrea n. 8.......243*000
PATRIMONIO DOS ORPHOS.
Roa de Cervario Pires.
Casa terrea n. 2 .-..-.. 1304000
Hua das Cinco Ponas.
Casa terrea n. 94 ....... 300*000
Ra da Sen? ala-ve! ha.
Casa terrea n. 16 ; 209IOOC
. Becco das Boias.
Sobrado n. 18 ." 4215000
Ra da Cruz.
Sobrado n. 14.......1:400*000
Ra de S. Jorge (Pilar).
Casa terrea n. 103...... 206*000
Os pretendentes dever-p apresenlar no acto da
arxemalricao as suas flaneas, ou comparecerem
aco-i patibados dos respectivos fiadores, devendo
pagar alem da renda, o premio da quantia em
que for seguro o predio que contiver estabeleci-
ment commercial, assim como o servido da lim-
peza e precos dos apparelhos.
Secretana da santa casa da misericordia do Re-
cife, 21 de jmnho de 1873.
O escrivo
_____^________Pedro Rodrigues de Souza.______
TKIBUNAL DO COMMF.RCIO DE PER-
NAMBUCO.
Pela secretaria do meretissimo tribunal do com-
mercio de Pernambuco se Taz constar ter sido na
data infra registrada competentemente a escrip-
tura ante-nupcial celebrada entre Jos Antonio
de Souza Bastos e D. Amelia da Conceicao Oliveira
Azevedn, cora assistencia de seu pai Antonio Luiz
de Oliveira Azevedo ; tendo sido estabelecido : Io
que nao haver ommunho de bens entre os con-
juges, quer a respeite dos bens com que entram
para a vida conjugal, quer a respeito dos que
forem adquiridos na constancia do matrimonio;
2o que os filhos sero os herdeiros dos bens de
cada um dos conjnges, salva a llvre disposicao da
terca; nao os havendo, e nem existindo ascen-
dentes ao tempo de sua morte podero dispr l-
vremente de seus respectivos bens e se nao o li-
zerem sero devolvidos pela successo dos legti-
mos herdeiros; 3 qne caso de fallecimento de
alguin dos conjuges sem prole, o sobrevivente
haver do espolio do finado a quantia de 20:0004
a titulo demekeo.
Secretaria do tribunal do commercio de Per-
nambuco, 8 de julho de 1873.
O omcial-maior interino
_______Innocencio Antones de Farias Torres
I.NSPKCCAO DO ARSENAL DE
MAHINHA.
Fat-se publico que a co.nniisso de peritos, exa-
minando na Trma determinada no regulamento
annexo ao decreto n. 1324, de 5 de fevereiro de
1834, os cascos, machinas, caldeiras, apparelhos,
maslreacdes, velames, amarras v ancoras dos va-
pores Pirapima, Parahyba e Cmuripe da com-
panhia pernambucana de navegacao costeira, c
Imperador da companhia vigilante de reboque,
acbou todos rsses objectos em estado de poden ni
os vapores continuar no servico em que se erc-
pregara.
Inspeccao do arsenal de marraba de Pernam-
buco, II de julho de 1873.
hancisco Romano Strpple da Silva
Inspector.
(iiviUsEins nE!\is.
iii|i nhia Franceza de \ivega-
C:) a vapor '
Znha mensai vntre o
Havre, Lisboa, IVrnatulKM-, lUkin.
Rio de Janeiro c Santos
Ate o dia 22 do cocrwile, espcna-M de Europa
um dos vapores da lin^a, provavvlinate o Yilh r
tantos, qee segufr Jepois lj dmina precita, pa
ra os pollos do sil.
RefStlvanfpnrt a Treles, n<* .mrfleniMs, pa*agei-
ros, para os quaes lera etcellentes aeommodacor*
por precos reduzidos : a tratar com os coasigna
tarios Augusto F. de Olivrtia & C,'a rfli do Com-
mercio n. 42. entrada pela rea do Ti
Rio-Grande do Sul.
Para o referido porto segu em poneos dias o
patacho nespanhol Themoteo, por ter a mai< r
parte da carga engajada : para o resto que Ib.-
lalta trata-se com os e n>ignatarios tmqaiin Jos
Goncal ves Beitro 4 Fill, ra do Commercio
n. 5
Para Lisboa
Seguir com toda a brevidado o pnlhabete bot-
tuguez A'oro S. Lourenro : queui no mema sjui
zer carregar ou ir d passagera dirija-se aos eosi-
signataiios Ihomaz d'Aquino Foneeca 4 C. sc-
cessoros: ra do Vigario n. l.
.
Paciic Slcam \n\\i\[\ \\ (icinpaiy
J.inlia (|iiiiisiial
O PAQI'F.TK
John Eldr.
Espera-se dos poriosdo sul al o dia 18 do cor-
rente, e depois da demora do cos:unie --guiri pan
Liverpool, va Lisboa, para MptofUrtoa recebe pas-
sageiros e carga.
. B. Este paquete, da mesma sortc qne o t7<.-
licia, esperado at o da 1 do prximo m.%z d.>
agosto, locaro ambos em Rirdcaux (par ordem
da companhia) nara onde lambrn ra tata pas-
sageiros, havendo lugar a lindo
Os agentes Wilson Rowe A C, ra do Conuner-
cio l. 14.
Esperase da Europa at o dia 20 do corrente,
depois da demora do eostume seguir para aBanu,
Rio de Janeiro, Rio da Pula e Nasa do Parifico,
para onde* recbela passageiros e dinheiro a frete
Os agentes Wilson Rowe A C, ra do Cominer-
ci n 14.
m
DO
R
Nao setenio anda concluido a arremata*
cao do.^ ohaarize, a^uuncimla para o da )
to crrenle, por seren diminutas asoTertns
tenientes aos chafarizes do bairro do Recife
uto Antonio, de novo reso'veu a admi-
nisljsc^o adia-1'ft para o dia 22 do corrente,
pelas 12 horas.
Con.iil.i, portante, a jpJos as pessoas, que
se propuzerea a contratar a apresentarem
proposts que sejam rpais rz'avisi
As'propostas, como j aiilecedeptemejite
ficou determinado, p< dem ser feitas, quer
englobada mente a respeito aos bairros, quer
por cada chafari/.: qnantp a >s tairros en-
globadameole, serviro s bazes j anuncia.-
das, a saber:
Bases sobr.e as auaes se deve laneqr,
BAIUtO DO RECtF^..
Chafariz'e bicu do caes do, ^pofto. '
THEATRO
Ao publico
Em consequencia de nao poder a companhia
i'-abalbar com o barulho de msica e vozerias do
circo, deixam de haver hoje e amanb os espec-
tculos annunciados.
Recife, 12 de julho de 1873.
Pede-fe aoS.. tenentecoronel Manoel Joa-
quim do Reg e Albuquerque, o ravor do vir ou
mandar ra do Coronel Suassuna n. 4, a nego-
cio que lhe diz re.-peito.
COMPANHIA PKRNA.MRIT.VNV
M
.\avf-,sst,lo ciwlcir a vapor.
.'AKAHYBA, NATAL, MACO, MOSSORO', IsUC*. *
TY, OKAK.V, AC.VIUC' K HUMA.
*. o vapor Wrapu
eoiiiinainlanle IMppe
>eguir para os por-
to- ai-ima no dia 15
do Corrente, as 5 ho-
ras da larde.
I', eiirniiiinendas. alA
Hele at as 2 horas la
. Recebe carga at o da
11, passagens e dinheiro a
tardo do dia da sabida :
Mattos a. 12.
escripturio no Forte do
AVISO
A carga que eslava i bordo di Gro/- a Rabia fui transferida para o (lanhuidi. qoe i .
seguir em poyos dias ; e para o ttio Grande d
Sul fica i carga o Georyi na : tratase na ra il
Amorim n. .'(7. cot Tasso Irmios a C.
Rio de Janeiro
Brigue nacional Victoria.
Sahir para o porto cima at '."' as r rrenl t
para o resto da carga trata se com Pcieia Vi
fe C, ra do Vigaiio n 7.
m$u martimos.
L5LC.S
LEIUO
Companhia amerfeina e lirasileira
k paqucles a \mt.
At o dia lo do corrente esperado de New-
Vork e S. Tliomaz, o vapor americano Ontario,
ommandante Geo P. Slociim, o qual depois da
demora do eostume, seguir para os p Ttos do sul
Para fretes c passagens trata-se com os agen-
tes Henrv Forster i (1
Para Lisboa pea Ilha de S
Miguel.
0 palhahote portuguez. AlvoiS, Laurenco. pre-
tende sBhlr coia toda a orevidade : quem no
mesmo quiaer carreas ou. ir de passagem, trato
com os cirtiMjrnalariiis T. d Aquino Foneeca A-C
successiarsii, ra do Vigario n. 19, primeiro an-
dar.
DE
litlip c frysaes
Sendo : 1 piano, I mobilia de mogno. I cania
Iranceza de amarello. I giiarda-mapa, I Machi-
na de costuras, marquezrs de amarello, I
torios, 1 cabide, marquezas de amarello, cadei-
rasavulsas* tsotreiaria de aifrello, eonr.b.
cadeiras de bahtici, 1 liMliero do cbov'i
com bomba\ 1 rewolvar.- Setenio americ
lanternas, jarros, serpentinas, ioucas, trrm
cozinba, e niut .s outros artgos de va d rayv-
tico, que estarn patentes no dia di leHSo
Mije
s 11 hons
naannazem da praca do Corpo Sardo u. 8.
. O agente Pinho Borges p.ir ordem deumila-
niila que se rtiron para fr da provincia, e '
civersoa, vender em leilao os movis cima de-
aradosd.
0
Rio-Grande do Sul.
Pretende seguir para o porto cima com muita
brevidade o brigue nacional Amelia, lera parte
de sftn carregamento prompto ; para o resto que
Ibe (alta trata-sc cora os seas codsigtutatios An-
te" o Luiz de Oliveira Azevedo C, roa do
om Jess n. 57.
Leilao
DE
FAr/EM)AS
madapolo, algoddo, chita, cassas de cores,
cortes de eslidoi()***'daraia bordada.
(avariadoj) chip deaoljwra hornens e
senhoras, o nutras tazuulis.
O agente Pinho Borges lar i leiiio das razenda*
cima, por conla e |iM( quem pertouoer, ata-
do : cbjitas cora BMMto teaae de avaria a as
|slopo3as
pan fechimite d I




Diario "de Pernambuco Segunda feira 'Tt*flT Julho de 18TB.
fr
o rriiap-m do largo 4o Carpo Santo n. 48,
*r2 hora* da manha do dia M do corrente.
10
LEILO
DE
um esplendido sortimento de
miudezas.
Tcrv feira 15 lo corrate.
ASM HORAS UA MANH.
0 agente Finito Borges competentemente auto-
risado por Huirle A Irma, e'por conU c risco de
nuem pertenrer, levar a leilo o seguinte : litas
de m*U, largas e estreitas para cinto?, pecas de
seliui de cores, ditas de crochet, envelopes, co-
ques, lionas de 100 jardas, extractos linos, tran-
cas, chapos para enanca?, quadros para retrato,
spelhos, botoVs para pan' o, calcas e camisas,
caivetes, dminos, guiaos, llores artiflciaes, brin-
cos, meios ad reces, collares, lamparillas, estam-
pas, galoes, liicos dourados, caixas para rap,
ralos eom aros de metal, metas para horaens e
senhoras, chapellinas, bao has, eosmetiques, botfies
para palitots, pentes cscovas para dentes, pos para
ditos, Tazos eom pos de arroz, agulhas finas, li-
ntel para marcas, lyvas tos de Escocia, leques,
lencos de linho e de chita, espanadores, e outros
nmilos artigo ; ns- seu escripiorio, ra do Bom
Jess n. Si, primeiro andar.
Leilo
DA
av.;ni.i do patea de S. Pedro n. i, perten-
cente massa fallida de Joaquim de Bri-
to Vasconceflos.
OUARTA-FEIRA 16 DO CBRENTE
O agente liartins far leilo por mandado do
lllm. Sr. Dr. juiz especial de cnmmerrir-, da arma-
c4o, genero* e miis pertencas da taverna cima.
pertencente massi fallida de Joaquim de Brito
Vaseoncellos.
A's H horas do dia cima na mesma taverna.
Ultimo leilo
DA
liarea portuguesa Dctpique II, de 293 to-
neladas e 45,000 arrobas de carga, for-
rada de metal, encavilhadn de pao e co-
bre, eom o sen rnassanie e apparelho
completo, e os mais arligos existeutes na
inesina barca.
TERC.4-FEIRA 15 DO CBRENTE
As 10 3[4 da manh
Na sala da entrada da associac,ao com-
mercial
O agsute PinhoBorges por mandado do lllm. Sr.
Dr. juiz de direito especial do commercio, e a re-
querimento dos curadores liscaes da massa fallida
deFerreira k Loureiro, e precedida as formali-
dades legaes, vender a supradita barca rom as
pertcncas da mesma, a qual se aclia em frente do
trapiche Omita, exposta-a exame dos roneurfen-
as.________ _________________________
iirmk e mirlante leilo
DE
movis, luoga, crystaes e vi-
dros.
Quutlu-feira 16 clocorrente
RO
armazem da ra do Vjgirio n. 11.
l'ma rica mobilia de Jacaranda a Luiz XV, com-
pasa de i sof. 12 cadeiras razas, 8 ditas de bra-
cos, 2 ditas de balanco 2 concebs e 1 jardineira
eom lampos de pedra marmore, 1 dita do amarel-
lo asmesmas condicoes, t guardalouca, 1 guar-
da-vestidos, 1 toilette de jacarando, diversos apa-
radores, machinas de costura, cadeiras avulsas,
ronclos, jardineira*, camas franceas, marque-
/.'<. estantes, marquetas, lavatorios, cofres de
forro. 1 magnilico sanctuuno eom itnagens, me-
sas elsticas, secretaria?, quadros eom finas gra-
vuras, espelhos ovaes e quadrados, candieims a
g.u, cabidos, qnartinbeiras, copos, garrafas, appa-
reibos para cita e juntar, c muitos outros objec-
tos queso ac a rao patentes aoexame dos concur-
ivnt ;s.
Joaquim M.Tximiano P.'slatia, preposto do antigo
agente de leudes Jos*Hara Pestaa, far Hlao
dos objectos cima mencionados, as II horas em
ponto, no referido armazem.
Carros e cavaJlos.
A SABKR:
17.0 piano forte, I mobilia do Jacaranda a Luiz
XV, 1 conversadera, 2 espelhos grandes doura-
dos, ditos ovaes, 4 jarros .grandes para flores
Viandas douradas, coi tinados e reposteiros de
sida e damasco, tapeja* para forro desalase
quartos, 1 divn e 8xaie1ras de charao.
Una mobilia de charao, 2 lindas >ecretars de
n.aduira embutida, 4 cadeiras de abrir e 8 qiu-
drts eom linas gravtiras.
L'ma mobilia de faia branca I dita de junco, I
can lelabro Je 6 Inzes, 4 ettagers e 4 ligara*
Dous solas de ferro. 4 cadeiras ae balanco de
forjo, 4 ditas americanas, 4 quadros, 2 mesas de
jogo e nilTorcntcs quadros.
Dina mesa clstica demogno, 1 guarda-louca
envidracado, 2 aparadores de faia coui pedras. }
ettagers, 12 cadeiras de guarnirlo, louca para cha
e jatttar, copos, clices, garrafas, compoteiras e
fructeiras de fino erystM, porta-fructa* de mar-
moro, roberas de metal, garlbs, facas e colheres.
Dous guardas-vestido eom espelhos, 2 guardas-
roupa, I cama franceza de Jacaranda, 1 dita de
ferro, toilettes, lavatorios, mesas de cama, eora-
modas, camas para meninos, 2 costureiras de
charao, I machina de costura (perfeita), quadros,
tapetes, 1 excedente secretaria de Jacaranda, 1 so
f de mogno e 12 cadeiras pretas.
Um carmino e t cavado de molla para menino
e muitos outros objectos que eatiro patentes ao
exame dos concurrentes:
assim como
Urna victoria forte e em ptimo estado, 1 ca-
briolet (do geart) arreios, 1 cabriolet amerijan)
de 4 rodas para loa S cavados. 2 cavados para
carro e um de sella.
Terca-feira 219 do correte.
Na ra do Visconde de Goyanua, c acara n
177.
Eduardo A. Burle, tendo do fazer urna viagein
Europa eom sua familia, levar a leilo por in-
tervenido do agente Pinto, os movis e mais ebjec-
tos existentes em casa de sua residencia ra do
Visconde de Goyanna n. 177, a qual tica perto da
lin a dos bonds para a Passagem da Magdalena.
As ID .. 11 \ horas da manh partir da estacao
da ra do Bruin um bond que servir de conduc-
an gratis aos concurren es ao leilo.
OltHan principiar s 10 |2 horas.
O
AVtSb VtRSQS
AttencSo
Quem precisar de boa amas seccas e de leite,
afflancadas ; assirn como de copeiros e jardin'eiros
dirjase ao pateo de S. Pedro n 3, loja.
Aluga se o armazem na ra da Ponte-Velha
n. I, profiri para qualquer estaltelecimento ;
qurm pretender diiija-se a ra Duque de Caxias
loja n. 18, (anliga ra da< Cruzes) ou na ra do
Rangel n. iQ.____________________
Na padaria da ra do Bangel precisa-se ae
um pequeo de 10 nnnos para fachina
L

L
Fazeiid
i O
as avariitilas
DE
OCJINTA-PEIRA 7 DE JULHO
Por intervenco do agente Pinto '
Em seu escriptorio, ra do Bom Jess n. 43.
rande e iiiipurlante lelsVi
DO
hotel da Jaqueira
SKOINDA-FEIRA 21 DO CBRENTE
A'S 11 HORAS DA MANH
O agente Pidio Borges autorisado pelo proprie-
torio, vender o muito conhecido hotel denomi-
nado 'aifueira, situado em um dos mclhores ar-
rebaldes d"?ta ctdade, cem todas as suas perten-
cas e aecessorios, buhares e bemfeitorias ltima-
mente feilas, garantindo se tambem o arrenda-
mento do predio. Para mclhores informacoes os
Srs pretendenfes podemse dirigir ao mesmo ho-
tel, onde pc.-soa competente Ih as dar, c onde tu-
do se acha patente para fer previamente exami-
nado, e o leilo ser eectuado no seu escriptorio,
a ra do Bom Jess n. 5t, primeiro andar.
Assorinctte portiiguez de be-
ucilceitcia dos enipre^adoN
no commercio e industria
Ignorando so as moradas dos abaixo
mencionados, queseacham inscriptos como
socios d'esln asjociac.au, sao pelo presente
rogados a darera as suas mitradas ra da
Imperatriz n. 60, ou ra Primeiro do Marco
n. 17, no prazo de oito dias, depois los
quaes serao eliminados. O que fac pu-
blico para que cheguo ao conliecimento d
todos os Srs:
Manoel dos Santos Maia.
Antonio de Oliveira Gomos.
Jos Maria da Silva.
Joaquim Jos da Silva Junior.
Jacintho Manoel dos Santos.
Jos Francisco da Silva.
Jos da Silva Baptista de Alinoida
Joaquim de Oliveira Maia.
Joaquim Gomes de Oliveira.
Manoel dos Santos Aleixo.
Jos Joaquim Rodrigues Brajt.
Jos Luiz Marlins.
Manoel Moreira do Mattos.
Prapcifco Joaquim Gomes da Silva.
Recil, 9 le julho de 1872.
o 1." secretario, ,
i. j. Alfonso Guimarles.
Aluga-se
um excellenie a*tio eom boa casa, no arrabalde
Chacn : a tratar* no armazem n. i8 ra do
Marques de Oiinda.
GRANDES NOVIDADEo
Em faz^ndas de gosto
'NA
LOJA E ARMAZEM DO PAVO
N. 60 Ra da Imperatriz N. 60
MR
PEREIRA DA SILVA & GUIMARAES
Os propnetarios deste importante estabelecimento, participam ao respeitavel publico
desta cidade e os seus numerosos freguezes que acabam de reveber pelos ltimos Yapo-
res de Lurupa, un grande sortimento das mais lindas e mais modernas fazendas de gosto
e muita pantasia para vestidos de senhoras e meninos, assim como tambem um grande
sortimento das melbores fazendas de le, que se vendem por presos muito em conta, s
eom o lim de apurar dinneiro.
As pessoasque uegociam em pequea escala, ueste estabelecimento podero fazer
os seus sortimentos, porque se Ihes \ender pelosprecos que compram nas casasestran-
geiras ; de todas as fazendas se do amostras, deixando penhor, ou mandam-se levar em
casa das l'xmas. familias pelos caxeiros.
Este estabelecimento est constantemente aberto das 6 horas da manha s 9 da noute.
(RiXABWES n p.. BUR3"8 a t6woo.
.-,. --. u Pavao recebeu pelo ummo vapor de
A 1^500, W200, 800 e 640 rs. Europa, burnoos dos mais lindos gostos
O Parto recebeu um brdhante sortimento que t boje sao conhecidos e em relaco
das mais lindas granadmes preU eom del- sua excessiva barateza, convidam-se as
cadas ustrasde cores e pretas, que vende pelo Exmas. Sras. para verem o que ha de mais
barato pr.'co de 19500 o c vad >. Ditas te- novidade neste artigo.
das de cores eom listras miudinhas em urna
s cor a 19200 c 19000 o covado. Ditas
pretas eom listras de seda roas a 800 rs. Di-
tas pretas cun listras brancas, azues e ver-
des a 640 rs. o c vado. Assim como boni-
tas herejes le seda para vestidos eom as
mais liiidas cores a 19000.
ua luja do Pavo.
POL'PIXINAS A19600 E 29000OC0VADO.
O Pavo recebeu um elegante sortimento
das mais lindas poupelmas de seda eom os
mais lindos desenhos e mais bonitas cores,
que vende a 19600 e 29000.
SEDAS DK COBES A 29500 BS.
BBAMANTS PABA LENCOES.
0 Pavo vende superior bramante de al-
godo, tendo 10 palmos de largura, queso
precisa de 1 1/4 vara para um lencol a
19600 o metro ou 19800 a vara.
Dito de linho fino superior e muito en-
t pechmcha, corpado, eom a mesma largura a 29400 a
vara.
Ditos francezes muito finos a 29500 e
39000.
Pecas de Hamburgo e panno de linho, ten-
do c m 20 e 30 varas para todos os precos
e qualidades.
Ditas de bretanha de puro linho, tendo 30
bonito sortimento jardas> j,* pre?os ma& baratos que w tem
Alagase una boa casa na p jvoaeoo da Var-
zea; a tratar na roa da Saudade n. 12.
i !> j^"jii 'mil
D. Maria Jos de l.eao Aieveoo. viuva do con-
sellieiro Antonio Ignacio de Aeevedo, manda rezar
algumas missas por sua alma no stimo dia de
seu fallecimento, segnnda-i'eira li do corrente ;
sendo no eemiterio s 7 horas, e na matriz oa
Boa-Vista s 8 l|2 horas da manh d'aquelle dia;
e para csse acto de caridade convida aos amigos
e collegas de sen prezado marido, aos quaes pro
testa desde j o seu reconheeiineut).
Manoel da Silva Amorim.
das mais lindas sedinhas de urna s cor eom
delicados deseuhoi miudinhos, que vende a
29500 o c vado. Ditas eom listrinhas, mui-
to boa fazenda a 29000. E' pechmcha, na
na loja do Pavo.
CAMBBAiS ABEBTAS A 99 E 109000
O Pavo recebeu um elegante sortimento
das mais linas camhraias brancas abertas,
bordadas para vestido, que vende pelo barato
prec,o de 99 e 109000 o corte, tendo fazenda
bastante para vestid >. E' pechincha, na loja
do Pavo ra da Imperatriz n. 00.
LAZSHAS BOBHADASA 400 BS.
O COVADO.
0 Pato recebeu um elegnnto sortimento
das mais lindas lazulitas transparentes eom
florinhas, bordadas, tendo de todas as cores
inclusivel rocha propria para viuva, e ven-
de pelo baratissimo preco de 00 rs. o co-
vado. E' pechincha, na luja do Pavo ra
da Imperatriz n. 60.
LAS MODEBNAS.
0 Pavo vende um bonito sort ment de
lzinhas listradas sendo das mais modernas
que tem vindo ao mercado, pelo baratissimo
prego de 560 e 600 o rs. o covado. E' pe-
chiucha, na loja do Pavo ra da Impe-
ratriz n. 60.
AI.I'A AS I.AVRUUSA 640BS. U COVADO.
Chegou para a loja do Pavo um elefante
so-iiiiu'iiiu das mais lindas alpacas lavradas
de cores sendo as cores mais modernas que
tem viudo para vestidos, o vnde-se pelo ba-
ratissimo pr^co de OVO rs. o covado. E'
pechincha, na loja do Pavo.
CASSAS FUANCEZAS A 600 E 640 RS. 0
HETBO.
0 Pavo receben um magnifico sortimen-
to das mais lindas i assas fran ezas, de cor,
eom os mais bonitos desenh s midds e
grados, tendo padroes oscuros e outros que
serven! pura lulo, e vende a 600 e 640 rs.
o metro ou 360 e 400 rs. o covado.
LZINHAS MODEBNAS COM LISTBA DE
SEDA A 640 rs. e LT200.
duas tercas partes de um sobrado e de um
terreno.
SEGUNDA-FEIBA 21 DO COBBENTE
s 11 horas.
O agente Pinbo Borger far leilo, por cont e
risco de quem perteneer, das duas teryas partes
do obrado de 2 andares e solo, em chao forei-
ro, eom commodidade para grande familia, sito
no largo do Paraizo n. 26, e de um terreno na
Torre, ra do ftio, eom 200 palmos de frente e
800 de fund, eom 4 quartos de pedra e cal, gran-
de poco deexcellente agua, etc., etc., cujas es-
cripturas podem ser examin idas no escriptorio
do referido agente, ra da Bom Jess n. 53,
primeiro andar, onde ter lugar o leilo
LEILO
DE
um sitio na Torre, ra do Bio n. 6, onde
reside o Sr. Bloxham.
8EGUNDA-FEIBA 21 DO COBBENTE
A'f I I horas (1-. manh.
O agente Pinho Borge* "competentemente uto-
aisado far leilo do sitio cima mencionado, eom
100 palmos de frente e 1.200 de fundo (chao fo-
retroj, eom casa muito bem construida, c->oi solo,
coxeira e estribara para 4 eavalles, quartos para
criados, gal mheiro, casa para banho eom tanqne,
outros muito* accessorios indi^pensaveis qne se-
ria enfadonbo ennumerar.
O reierido sitio alm de er em um arrebalde
iwrtoda ri 'ade, est bem plantado de fructeiras
le diversas qualidades, jardim feito eom gosto e
esmero, 2 baixas de capim, etc., efcr.
Em ^eu escriptorio, ra do Boa Jess n. 53,
i-rimeiro anlar.
F DII A ^ recer a confian9a ^os
LtlLAU I clientes da easa, edo
de iS respeitavel publico em
movis, louca e fn^Ummmmmi
Os irmaos, cunhado e sobrinhos
do finado Manoel da Silva Amorim,
agradecen! cordialmente s irman-
d 'des e de mais pessoas que acom-
pauharam o corpo at o eemiterio ;
c de novo convida nos para assisti-
rem as missas que mandam resar
pelas 7 horas da manh de sogunda-feira II do
crrante, na matriz da Boa-Vista. Aproveitam
ainda a occasio para manifestaren! seu reeonhe-
cimento a aquellas irmandades e pessoas que at
a ultima -orada prestaram ao finado os seus bons
ollieios do amizade.
GASA DO OUttO "
Aos .v.ooo-ooo
Bilhetes garantidos
Hua do liarao da Victoria (outr'ora Nova}
n. 63, e casa do coslume.
O abaixo assignado acaba de vender nos seu9
muito felizes bilhetes a sorte de 5:0004000 em
um bilhete inteiro de n. 748 e qualro quartos de
n. 367 cora a sorte de 8'Mt, alem do outras sortes
menores de 40*000 e 20*000 da lotera que se
acabou de exirahir (57'; ; e convida aos possuido-
res a virem receber, que promptamente sero
pagos na forma do costume.
O mesmo abaixo assignado convida ao respeita-
vel publico para vir ao seu estabelecimento com-
prar os muito felizes bilhetes.que nao deixaro de
tirar qualquer remio, como prova pelos mesmos
annuncios.
Acham-se a venda os muito feliies bilhetes ga-
rantidos da 2* parte da lol'-ria a beneficio da igreia
matriz de Cabrcb, que se extrabir no dia 15 do
corrente mez.
IVecog
Inteiro 6*000
Meio 3*000
Quarto 1*500
De IOO-TOOO para cima.
Inteiro 5*500
Meio 2*750
Quarto 1*378
Recife, 6 de junho de 1873.
Joo Jottqutm da Cosa Leite.
DENTISTA DE PAHIS I
19-BA NOVA19 S
J. M. Leroux, cirur- 3
gio dentista, succes- *
sor de F. Gautier, es- 3S
g pera continuar ame- 2
0 l'avo recebeu um elegante sortimento


de las eom listras de seda assetinada, sendo
asmis modernas que tem vindo ao merca-
do e eom as mais delicadas cores, e vende
pelos baratos precos de OVO rs e 13J200.
Assim como outras muito bonitas eom listras
sem ser de seda, que vende a 500, 6U) e 800
rs., todas estas las sao modernsimas. E'
pechincha, na loja do Pavo.
Chitas 2IO. 3SO,390c3BO rs.
0 Pavo recebeu um grande sortimento de
chitas de cores fixas, que ven !e pelos bara-
tos prec. s de 240 e 280 rs. o covaJo. Ditas
escuras fazenda muito superior, eom novos
padres a 320 e 3G0 rs. o covado.
Ditas muit'i linas padres claros em teci-
dos de percales, eom barra de cor ao lado e
*em ella a 360 e 400 rs.
Ditas pretas eom tecido de crctone, fazen-
da muito superior a 3.0 e 400 rs. o co-
vado.
Ditas de cores, miudinhas, proprias para
roupa de crianzas a 300 rs. o covado. E'
pechincha, na loja do Pavo.
Baptistas a 500 rs. o covado
O Pavo recebeu um elegante sortimento
das mais modernas baptistas de cores eom
padres miudinhos e grados sendo proprios
para vostidos e roupa de crianca, pelo bara-
tissimo precede 500 rs. o corado, ffianc^n-
do ser grande pechincha I
Cortes de eambrala. ultima no
vidade, a JcOOO.
O Pavo recebeu pelo ultimo vapor de
Europa, cortes de cambraia branca eom b-
badinhos ricamente bordados, tendo fazenda
sufiicientc para vestido de qualquer modelo,
estes vestidos sao os mais modernos que tem
vindo ao mercado, e pela sua excessiva ba-
rateza tornam-se recommendaveis s senho-
ras de bom gosto.
Ditos eom babados de cor, tendo 20 me-
tros de babad s a 93JOOO. E' grande pe-
chincha, no Bazar do Pavo i ra da Impe-
ratriz n. 60
COBTES DE CAMBRAIA BORDADOS.
0 Pavo recebeu os mais ricos cortes de
cambraia branca bordados para vestido, que
vende pelo barato preco de 209 e 309000.
COBTES DE CAMBBAIA BBANCA.
O Pavo recebeu um lindo corte de cam-
braia branca, eom listras assetinadass que
vende pelo baiato preyo de 69000.
, Ditos cim listras de cores, tendo 8 veras a
49 e59000. E'pechincha.
ESPABTILHOS.
0 Pavo recebeu um grande sortimento
de espartilhos tanto para senhora como para
menina, que vende pelo barato pre.o de
33HJOO.
Ritos muito fios a 49 e 59000. Sao dos
mais moderos qu e tem rindo ao mer-
cado.
visto.
Pechinchas de fnissimo esguio ou silzia
eom 6 jardas a 7C000.
IVras de fini&ima silezia eom 30 jardas
a 35JT000.
Atoalhado adamascado eom 8 palmos Je
largura a 2v000 a vara.
Calcas de casemira.
0 Pavao tem um grande sortimento de
caigas de casemira, assim como cortes os
mais modernos que tem vindo nos ltimos
figurinas e em fazenda, dos mais finos e
mais novos que tem vindo ao mercado, e
vonde-se por barato preco para apurar di-
nheiro, assim como caigas de brim branco e
de cores, por pregos muito razoaveis.
LENCOS ABAINIIADOS A 19800 E 29000.
O Pavo vende duzias de lengos brancos
abainhados, sendo fazenda muito boa, pelo
barato prego de 53>000 a duzia.
Ditos tambem abainhados, eom beira de
cor a 13)800.
Dit s grandes, fazenda muito lina, sendo
todos brancos a 3^000,
Dito de cambraia branca, sendo em pega
a 33600
MEIAS (.BAS A 49 E 55000 A DUZIA.
O l'avo vende duzias de meiascruas, iu-
gluzas pelo barato prego de 49000 e 59000.
Assim como ditas muito finas e muito en-
curpadosa 6?000, 73000,8J5000 e 109000,
e um grande sortimento de meias inglezas e
liancezas, para senhoras, que se-vende por
prego muito commodo.
MADAPOLO PRANCEZa 69000-E 79000.
0 l'avo vende pegas le madanolo fran-
cez, que sempre se vendeu por muito mais
diulieiro e liquida-se pelo baratissimo prego
GiJOOO e 7-5000, por lar feito una grande
compra. E' pechincha.
Algodaozlnbo a 4-TOOO.
0 Pavao vende pegas de ajgodloziuho,
muito boa fazenda, pelo barato prego de
49 e 59000.
Dito largo muito encornado, proprio para
toalhas o lenges a 63000 e 79000.
CAMBBAIAS.
0 Pavo vende cortes de cambraia trans-
parente propria para vestidos a 29500
33000.
Pegas de dita muito fina, eom 10 jarda,
tapada como transparente r49, 59 e 69000s
at a mais fina que vem ao mercado.
PANNOS DE CROCHET PABA CADEIBAS.
O Pavo tem um grande sortimento de
pannos de crochet proprios para cadeira de
balango, para ditas de giiarmgo e para so
f, que se vendem muito em conta.
COLXAS DE CROCHET A 69 E 83000.
O Pavo vende colxas de crochet proprias
para cama de casal, pelo baratissimo prego
de 69 e 89000.
Ditas de fusto acolxoadas, sendo de co-
res e brancas, pelo barato prego de 46000.
E grande sortimento de ditas de damasco,
eretone e de chita, que vende por pregos
muito razoaveis.
COBTES DE PEBCALLES COM DUAS SAIAS
a 49000.
0 Pavo vende bonitos cortes de percalles
eom duas saias, sendo fazenda de muito gos-
to a 43000. E' pechincha na loja do Pa-
vo A ra da Imperatriz n. 60.
BOTINAS PABA SENHOBA, A 59000.
Na loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60.
Pereira da Silva & Guimares receberam
pelo ultimo vapor de Europa um elegante
sortimento de botinas pretas e eom delicados i
enfeites de cor, proprias para senhora, garan-
tindo-se seren das mais modernas que ha
no mercado, assim como a boa qualida le,
por terem sido remettidas por um dosmr
Inores fabricantes de Paris, e vende-se peto
barato prego de 63, na loja do Pavo.
SAIAS BOBDADAS A 53, 66 e 89000.
O Pavo vende saias ricamente bordadas
de 4 pannos cada urna, pelos baratissimos
pregos de 59, 69 e 89000.
Ditas de um panno s e eom muita rodas
guarnecida de pregas, pelos baratos prego,
de 29000 e 29300.
Ditas eom guarnirlo de pregas e borda-
dos a 39500.
ALgodao enf'estado a 1900Q a
vara.
O Pavo vende algodo americano enfes-
tado e muito encorpado, proprio para toa-
lha e lenges, pelo barato prego de 19000 a
vara.
Dit i francez sendo trangado e muito en-
corpado, pelo baratissimo prego de 19280 o
metro.
Casenairas a 9000 e 93000.
O Pavo vende cortes de casemira france-
za, sendo fazenda muito superior que sem-
pr se .venden por mais diuheiro, e liqui-
dati-se a 79000 o crte.f
Mtosa 69000.
FlfflDlCO DE FERRO E BROHZE
FABRICA DE MACHINAS
l roa (i Bari ih Triii!ii|ilii (ra d>Brni) ns. 100a M
CAtDOSO IRMAO
AV1SAM aos-Srs. deengcuhos e ao publico em geral, que receberam. da Rurej*
fraude sortimento de fenagens para i'iigenbos e para lavnura,e quaesquer outrot bss
a misteres da industria agrcola, o que ludo vendem por pregos razoaveis.
V aporeS horisontaes de 4, 6, 8 e 10 cavallos, os mclhores que vem ao mercado.
JiOendaS completas, obra forte o bem acabada.
JieaS mOenQaS para assemtarem grades de madeira.
TaixaS de ferro ,U!,n<'" e batido, de todos os tamanhos c, ilos mclhores Mtri-
g^cantes.
RodaS d'agUa de di versos Tamanhos.
lOClaS UentaaaS Je diversostamanhosequalidades.
Arad0S americanos de diversas qualidades.
bOrmaS para aSSUCa* grandes, pintadas e galvanisadas.
ConcertOS concertam com promptidao qualquer obra ou machina, para o que leer
sua fabrica bem montada, com grande e bom pessoal.
EnCOmmendaS ^an(am v'r Pnr encomimnda da Europa, qualquer machinismo,
para o que se corresponden! com urna respeitavel casa de Londres
a com um dos melbores engenheiros de Inglaterra ; ncumbem-se de mandar assentar
as litas machinas, e se responsabilisam pelo bom trabalho das mesmas.
RuadoBarao do Triumpho (ra do Brum) ns. 100 a 104
FUNDIf.AO DE CABDOSO d IRMAO.
ida do mmm 11
ESPECIALIDADE
EM
Tinta Violeta a 13^000 a duzia, de botijas.
Esta tinta torna-se recommendavel para escripturago mercantil por ser superior a
todas estrangeiras at boje conlieci las, e ha muito experimentada, nao s no Bio Grande
do Norte, donde o autor, como na Parahyba, Mossor, e mais provincias para o norl"
do imperio, para onde ten sido exportada, e tem adiado ptima acquisigo: a sua inagsi-
tude, nao s consiste na sua itwlteravel cor por ser s com posta de puros vegetaes, como
por ter a propriodaJe de conservar as penses de ago sempre em bom estado, que por
isso se toma digna de procura, em casa do Gomes iV, Cerdoso. Ba do Livra-
mento n. 4.
HOTEL
Kestaurant de Bordeaux
A' ra Primeiro de Marco n. 7 A, 1. andar.
Lacoste, perito cozinheiro francez, 20 anuos de pratica, acaba de montar um sump-
tuoso hotel na ra cima denominada, sonde o respeitavel publico desta liella trra da
Santa Cruz encontrar lodos os dias urna comida deliciosa.
Vinho de todas as qualidades.
Conservas idem dem.
Ccrveja dem idem.
Licores id^m idem.
UVAA* VMHHUHA
Toma-sc as signaturas.
Aberto desde as 6 horas ,' manh at as 10 da noite.
CASA DA FORTiA.
AOS 5:000^000.
BILHETES GARANTIDOS.
i' ra Primeiro le Marco outr'ora ra
Crespo) n. 23 e rasas do rostumi.
0 abaixo assignadn tendo vendido nos sus fe-
es bilhetes. um meio n. 839 com :'00i, quatro
quartos n. 307 com 1005, tres quartos n. 2306
com 1004, o outras sortes de i0/ e 20 da lotera
que se acaben de extrahir (37 ), convida aos pos-
suidores a virsm receber na cenformidade do eos-
tome sem descont alguui.
Acham-sc venda oa felizes brinetes garantido*
la 2' parte dai loteras a beneficio da igre,a ma-
triz de Cabrub (8), qnc. >c sxtrahlri terca-feira
15 do corrente mez.
pp.e;os
Oilhcta inteiro 600
Meio bilhete 3000
Quarto UoOO
em poagAo de 100?PO00 para cima.
Bilhete inteiro ooOO
Meio bilhete 21750
Quarto 1*375
Manuel Martins Fiuza
Escravo fgido
.Vi lia 8 do jullta de 1903.
Manoel da Malta, crioulo, alto, magro, eanella?
linas, pes grandes e eompridos, barba branca, tai-
vez tenlia raspado, cabera preta, tem um 'igual
bem vizivel sm pcilos, de duas co'tinas atrave-
V Isadas, eimi ida-Sede Clannos, tem um filho qn
* alforriuu-se por nonio Marrelino, foi csrravo J
engenho farniiinado d'Agua, do finado Henri |u
Pop|ie Gir.io. d > enmarca de Iguarass, e por taso
1) tu eonhecido na comarca; ja efteve fgido no
Centro da provincia da Paranyta, dVnde veto
pre^o ; tem conlteeimcnto dos iugaics do centro
desta provincia porque fazia viagens. Kugio la-
zendo um furt de dinheiro pie levon. s por iso
protesti se contra quem o liv.-r .iyla.l'>, co-tunu
iiitilular-se de forro, Ih'.-ii ex.ihecidu na fregue-
zia da lia Vita no lenle, auaJe venda agU4,
asando do urna pequeua patrona; deve ter ar-
gido para o mato: rego polica e mais pessoas
que pri ndam ette negro, !tn endo radeia, que
pagarai to lo < c|uaiqucr trabalho : quem der no-
ticia, precure ra do Mond-go, na Boa-VI$tar
: otarla do portao n. 63, ou no sitio do senhr, no
.Arraial.
Marcelino Jos I/>pes.
AlICIII'lll.
Irecisa se do um fettor para engenho, sendo Urna pessoa com as pre.-i?as habilila--oes par
prefenvel portuguez : quem pretender dirija-se contratar qualquer obra de podreiro, cnhecedor
a rita da Penha n. 9, que achara com quem tratar, das regras desta arte, s olTerece para contratar
Troca-se i sanetuario a nuderna e enverni- o administrar qualquer trabilho; di fiador sua
sado, com tres imagens todas apparelhadas de pra- pessoa e seus cunliecmientos do aflata ; e pode
ta, sendo una do S nlior Crucificado, una do S. scr. procurado ra dos Pires n. 27, ao pe da,
Jos e outra de Nutsa Senhora da Conceieao, lo- caixa d'agua.
das muito delicadas : a tratar no largo do Carino 0jKfifl 3K Sr ? SO S^S 2i tt
"!''to"lll0"r-------i-----* advogado m
i.^ I ^llVltP BAOIAREL *
J^ VJUll VllC. Joo GonzagaBacellar
Os senhores abaixo declarados, sao encarecida- Jar. Villa da Cali W
mente rogados virem ra do Imperalor n. 28, 0 RUA mQm M (-AX,AS N f| m
Ao publico.
Domingos Mara Gonralves, cnsul portoguet
de 2' classe e en -arregado que foi do consalado
de Portugal em Peruamltuco nos ltimos trete me-
zcs, participa aos seus amgi, Untt naciooa*
como porluguez(!S, que tem o seu escriptorio oa
ra Duque de Taxias n. 41, 1* anlar, antiga rn
das Cruzes, onde pinle >*r procurado tolo* os
dias nao santificados, das 9 horas da manh as i
da larde. -
a tratarem de npgocioj particulares que Ihes di
zem respeito :
Antonio Anacleto dos Santos
Antonio Alfonso Mereira.
Antonio Pinto dos Santos.
Anfonio Jos da Silva.
Antonio Jos Itibeiro de Moraes.
Benjamim do armo Lopes.
Domingas M. de Barros Monteiro.
Dcoclecio de Brito.
Ur. Francis o Pinto Pessoa.
Ebom Wistig.
Emilio Jos de Moraes.
Fernandes de Azevedo.
Francisco Altes de Mello Tico.
Francisco de Paula Borges.
Francisco Jos Carneiro.
Joaquim Guedes da Costa.
Joaquim Jos Mara da Penha.
Jos de Brito Mello.
Jos Paulino da Silva.
Jos Joaquim da josta.
Jos Goncaives da Silva.
Jos da Silva Rodrigues.
. Manoel Antonio dos Nascimento.
Manoel Jo- Antunes Gnrnaraes.
Manotl Silvino de Barros Falco.
Paulino Joaquim tavares.
Theotonio de Barros t Silva.
William Hawlinson.
AttenQo.
Manoel Alves da Silva Caldas, para evitar du-
vidas, pede que pessoa alguma faca tr*nsaccao
com a letra que se acha em mo de Antonio Ro-
drigues de Moura, aceita por Antonio Quintino da
Cruz, visto estar dita letra embargada pelo an-
nunciante para seu pagamento. Escada, 18 de Ex-afinador
julho de 1873.______________________ ,
Os abaixo assignados tendo contratado a
compra da taverna sita ra do Bario de S. Bor-
ja n. 13, eom o Sr. Carneiro da Costa, pelo pre-
sente faz sciente ao respeitavel corpo do commer-
cio. Ootro sim, pede que ha vendo alguem que a
isso so opponha declare no prazo de tres dias, a
contar desta data.
Recife, II de julho de 187o.
Oliveira k C
Precisa-se de 5001 a juros de I l| por een
to sobre hypothcca em urna propriedade jue val >
duplo : a tratar no pateo da ribeira de S. Jos
numero 9.______________________________
i llura escrava precisa de 400* para completo
de sua liberdade, e quem quizer empresta lo, de-
clare por este jornal sua residencia para ser pro-
: curado e di i Aluga-se o i.* andar do sobrado junto a
igreja dos Martyrios, cooeertado e putadado de
novo: a tratar na ra Seto de Setambro, casa
n. 15.
At vir.
O Sr. Jos Pereira Lomos peta segunda ves
rogado i vir i ra do Imperador n. a negoea
de seu mteresse. _
J. Dhibaul de Pars
Canstractar e aflnadar de pisa*
- Urna escrava precisa de 500* para comple-
tar a sua liberdade, offerecendo os seus servicos
at terminar dito pagamento, dando preferencia a
se encarregar do tralamento de menino : a tratar
na roa do Imperador a. S2, botica,
das antigs e afamadas casas
Pleyel e Hertt
e antigo director das oficinas da casa,
Alfonso Blondel
33Ra do Imperador33
Tem a honra de declarar a > respritarel pobha>
desta cidade, que tem aberto sua casa de eoaeor-
tos e aflnaces de pianos, qualquer qne teja o es-
tado d instrumento : i roa do liananaar
B.J3.__________________________
Na ra da Imperatriz n. 1 precisa-se da as>
perito eopeiro.
Preetaa-e de reiudorea
'enaln. 7.
no largo do Ar-

-
"
'



NP
.

Diario de Pernambueo Segunda feira 14 de Julho de 1873.
PIANOS E MSICAS
JTffOTnO JOS IfcE JXKVEIM
Rua do Barfio da Victoria d, 11, armasem, e 12 1. andar,, antiga ra Nova
nonde o publico em geral encontr, hempre o maior e mais esplend 1o sortimcnto depuxuos de
Pianos, msicas e instrumentos de msicas para banda militar
6 orchestra.
Acaba d* abrir no primeiro andar do (obrado n. 11 confronte
tica Maurtr, una grande sali onda esli exporto* os magnficos
PIADOS de amaro, de PleyeL
-------- de meia canda, do mestno antor.
-------- de H. Henri. ,
de Amede Tbibont.
Onieo agente nesta eidade, dos eelebres afanados
PIANOS DE AUCHER FRSRES
ramiados em diversas exposi;5ss oro ti medalbas de onro e prata.
Sao os onicos pianos qna aqni veo da Europa, perfeilamente afina
a, faltos com tlegan ia e solidet.
D'aqui eaigdiante continuar a annnneiar todas as publicares qne
Tambera reeeben grande sor i ment de mu'ieas p;r piano, piano
canto e entre arlas as lindas eomposicoea do muito sympatbieo maestro
F. 8 % VT1AI
A SABER :
Voc me qner Walsa.
Olga Manika.
La Separacin! Para canto.
A Las eleetrica, grande Walsa.
Franco Brasilero Polka.
Tomada i Valleta GMnpe.
Joaninba Walsa.
A Libertadora Po'ka.
A Primeira espada Wala.
A Mraha Lyra Walsa.
A Natalicia P ka
Stadiente Po'ka.
I 1 limas publica cea
Fettas as offlcinu de mnsieaa
do annoncianle.
Emilia, polka ~or I. Smolti.
Circaciaoa, sctaotch, por Smolts.
Jardim do Campo das Priceza-,
qadrilba, por J. Popne.
Oh uva de Rosas, Walsa, por H. Al
bfrtairi.
se forem friendo as snas offlcinM de msicas.
MERON&
/%, WI A
*>i"
aos compradores do bem conhecido e acreditado rap
ARE. PRETA, qne reparem nos botes e meios botes,
pois que os ha de rap de outra fabrica e nome diver-
so, e com papel da mesma cor, cujo desenho se pode
confundir com o d'aquelles.
Os apreciadores que quieerem do verdadeiro REA
PRETA, devem para nao serem engaados ver que
os botes tragam o nome de MEURON & C, e a desig-
nado de REA PRETA.
MEURON a
Aluga-se por 234000 a casa n. 6, sita roa
do Lima em Santo Amaro, estrada ja coacertada
de novo : a tratar na rua da Restaurado n. 5i,
tiutr ora Guia.
Aluga-se um moleque
nue de Caxias n. 14, toja.
a tratar na rua Du-
Fugio.
Fugo da casa do seu senhor, o escravo de no-
me Paulo, com os signaes seguintes : bem preto,
alto, ceceo, ps grandes, tem no rosto bastantes
espinhas, foi estravo do Sr. Joio Valentim Villela,
em cujo tei n[io trabalbava no ofBcio de pedreiro.
Pede-*e pois as autoridades policiaee e c m espe-
cialidad as da freguezia de N. S. da Graca e
B ja- Vista que o queiram apprehender e levar
rua das .Trincheiras n. 16, no hotel ResUurant du
Louvre.
Boa gratificaco.
Criado
Si loja do Pao, rua Io de Marco u. 7 A (antiga
do Crespo) precisa-se de um criado, prefere-se
escrava
Sociedade Monte-Pio Santo
Amaro.
Aviso ao commercio.
Joaquim Maximiano Pestaia, presposto di?
seu
Fago scionte a todos os senhores convidados pa-
ra a sessao solemne de installacao. que deve ter
lugar no dia 13, que de conformidade com delibe-
rado da assemblca geral em sessao de 9 do cor
pai o antigo agente de "leiles esta praca Jos Ma- rente> ^^ de haver a missa cantada, comecan
ria Pestaa, que por enfermidade seria, por ora se > 5essai? de, insU!,aci? a* l^Ti% do dia- .
acha mpossibililado do dedicar-se de qnalquer Secretaria da sociedade B M. Po S. Amaro, K
modo aos trabalhos de sua profi'sao, faz publico "e Ju'no de 1873.
ao respeitavel corpo commercial desta praca, que! ^eretano
se acha habilitado pelo meretissimo tribunal do ______________________Sebastiao I yrrho.
commercio, para substitu lo em seu justo impe- Aluga-se a casa da rua de Hortas n. 77 : a
dimento, podendo para esse fim ser encostrado no tratar na praca da In lependencia ns. 18 e 20."
escriptorio do referido seu pai, rua doVlgario: ...
n. 11. Solicita dos amigos e freguezes de seu en- fl (fi| / Py {} (C& \ (21 *\ J5 ^
fermo pai a mesma proteccS que sempre genero-1
smente Ihes dispensaran), ceno de que, encon-
trar.V i de sua parte, o maior zelo e probidade no'
cuniprimento de seus deveres, assim como toda a'
pontualidade no cumprimento e execueao de suas
Promette se urna boa gratificaban a quem des- -
cobrir o Jadrao, que furlou na noite de terca para! Qra'ns.
quarta-iVira da semana prxima passada, do en-1 A pessoa qae precisar de urna ama de lette
genhe Mataatruma, do Baro de Utinga, tres ca- moca, sadia e sem tiliios, dirjase rua do Coro-
vallos, cujos signaes v.io abaixo declarados, indi-1 nel Suassuna, outr'ora Martyrios, n. 152, que
cando, ao mesao lempo, com certeza ; o lugar em achara com quem tratar.
que se acitara, ou foram vendidos es referidos-----------------------7.
cavallos: 1* rodado, grande, ferrado do lado di- AVISO.
rreito, ferro murto visivel, anca lea, doos ps me-
nos brancos no peador ; rudado, chato, peque-
ro e eslava muito gordo ; 3* rudado, tem um ca-
tojo no meio da eaoella, e tem urna pelladura na
rara de um lado e do outro.
Consultorio medico cirurgico $
i
Urna familia compoata de quatro pessoas,
sendo que duas sao pequeas, precisa to-
m n para pttt, e >\i: b'Mis costurrips, e que H al ono
i- .sua cori'hicl i ; quem pois qui/.er api neca
no 3. amlar desta typographi.i. pai tra-
tar.
Traspassa-se o restauran! francez da Magdalena,
sito na entrada dos Remedios : a tratar na mes-
macasa.________________________________
Precisa-se de um caixeiro para tavenia, de
14 a 15 annos da idade, portuguez ou nacional:
na rua dos Guararapes n. 10.
Si- 9
-^'Cnsollorio iiiedico-cirurgico S
DE j
A. B. da Silva Maia. m
Rua do Visconde de Albuquerque n.
11, outr'ora rua da matriz da Boa-Vista
n. II.
m
DO
Dr. Ferreira
A ni i jo gabinete de seu pai, rua larga
hr insania n. 20.
Cura de hydrc celes sera injec^ao,
eom puncco-capillar.
Abertura de abeessos e extraccao de
derramamen serosos, peto aspirador
de Potain


$.M
Chamados : a qnalquer hora.
Consultas: Aos pobres gratis, das 2 as
4 horas da tarde.
Precisa-se d'um bolieiro, que sirva tambem
de copeiro : no armazem n. 3, da rua do Vigario,
no Recife
Aluga-se a casa n 10 A da ilba de Bemflca,
na Passagem da Magdalena, com banlw do Cap-
| baribe na frente, de excellenles ares, e d pre$o
de 2O0 annuaes, tnda commodos pzra familia: naja de pprebende-Ios e levar rua de Paysandd
a tratar na rua estrella do Rosario o. 17,1
escriptorio,
jj
andar,
O abaixo assignado roga a todas as pessoas que
Ihe sao devedoras de con tas de sua extinta loja
de fazendas, que teve a denominaban de Pavilhao
da Aurora, rua da Imperatriz n. 2, de Ihe man-
daren! saldar seus dbitos at p dia 20 do corren-
te mez, depois nao Qquem zangados por ver seus
nomes pelos jornaes chamados a virem pagar os
mesmos seus dbitos, rua da Santa Cruz n. 10,
Recife, 5 de Julho de 1873.
Joao Luiz Ferreira Ribeiro.
Furtarara da estrada de Belera, sitio de Mar-
celino da Silva Mindello, urna vacca parida, ficando
a cria con) 2 metes; a vacca tem os signaes se-
grales : preta eom o lombo vennelho, dous ps
calcados, cauda branca, tendo a barriga branca
at o ubre, ponas cerradas, e nova ; gratifica-
re com CO a quem der noticias no mesmo sitie,
ouera Olinda, no Varadouro,em casa do Amorlm.
Roga-se a qualquer pessoa a quem for ofle-
recido por compra duas voltas de trancelim eonv
uma-medalha e -um par de brincos a balao com
sen rubina cada um. todos estes objectos de ouro,
B. 33 C,-que ser generosamente gratificado, on
indicar sua morada para ser procurado.
A. /. Ileogh, como reprtsen 1;.nte
casa dos Srs _[>. Up|K'iihciiBer & C, (Je Lod-
Ircs, olTerenc as squhoirs Ingestas dePer-
lambuco um complcto'sorlimenlo do amo-
trasilo tn'iiisas fazendas, f'-rr-igons. soins,
s:ipal"#, arri.'ins, miu.l'z;:s, il.:., 'le ; pi-
dn il<>-9 cMkiuJr ixn u oxsiuu stmliur, t.i
KUA nOCOMMKRCION. -W,
ktVXMSL
OSr.OlympioFrancis-
cisco de Mello, artista fogue-
teiro, rogado a apparecer
nesta typographia a negocio
que nao ignora.
MOPINA
Est encourajado! 1!
Roga-se ao Illm. Sr. Ignacio Vieira de Mello.
escrivao na eidade de Nazareth desta provincia, o
favor de vir i roa Duque de Caxias n. 36, con-
cluir aquelle negocio que S. S. se comprometteu a
realisar, pela terceira chamada deste jornal, em
flns de dezembro de 1871, e depois para Janeiro,
passou fevereiro e abril de 1872, e nada cumprio;
e por este motivo de doto chamado para dito
fim, pois S. S. se deve lembrar que este negocio
de mais de eito annos, e quando o Sr. sen ttlho se
acbava nesta eidade.
O Sr. Octavio Pereira
da Cunha, estudantedo 5.
anno da faculdade de direito,
queira appareoer nesta typo-
graphia a cumprir o que pro-
metteu.

Consultorio medico
DO
Dr. Murlllo.
RUA DA CRUZ N. 26, 2.. ANDAR.
Recem-chegado da Eurepa, onde fre-
quentou os hospitaes de Pars e Londres
gpode ser procurado a qnalquer hora do
_ da ouda noute para objecto de sua pro-
fissao.
Consultas do meio dia s duas horas
da tarde.
Gratis aos pobres.
Especia lid des.^-- Molestias da pe le, de
crian.a e de mulher.
Kmprega no tratamento das molestias
de sua especialidade as duchas frias e
biinhs a vapor, para os quaes trouxe
os apparelhos mais modernamente era-
pregados na Enrona.
Tambera applica com grande proveito
no traumento das molestias do tero a
H electricidade.pelo processo do Dr. Trepier.
Espiritismo.
(inferencias espiriticas offerece a confeitaria
do Campos aos seus innmeros freguezes, por es-
turnios no mez de Sanf Anna, e haver a mesma
confeitaria conseguido fazer um bazar completo
do necessario para regalo e distraerlo de quem
tem gusto pelo que bom.
Recommenda o grande Alen Kardek que neste
mez se d preferencia aos alimentos em q' predo-
mina a fcula da mandioca (vulgo, bolo de mandio
ca), para divertimento os fogos de artificio e as
decantadas sorprezas e sortes fuImHiantes, o que
tudo isso se acha na
Confeitaria do Campos.
E para constar pois que os proprietarios da
confeitaria do Campos chamara a altenco de to-
dos e de todas para o preonisado caf em p ver-
dadeiro de Java, e txilachinha era latas denomi-
nada Sugar Waffers t anella ; especialidades para
dietas, quanto mus para quem est de perfeita
sade.
Em vista do referido espera o dita Campos que
ninguem, para pedidos de taes objectos, se diri
jara, sen o Confeitaria do Campos, rua do Im
perador
Lampeao na porta.
Pracisa-se de urna ama : na rua do Viscon
de de Govannun. 161.
I'recisa-se de urna ama para
-;i de pouca familia
da Per.ha n. 12, sobr
\
t\
\ casa de pouca familia : no largo
AMA
Precisase de urna ama para o -er
vico de urna pessoa : na rua estreita
do Rosario n. 12, 1* andar.
A Af >\ Precisa-se de urna ama forra ou es-
**"-** crava, para cozint ar e comprar : na
rua da Soledade n. 29.
Na rua do Rangel n. 9, precisa se de urna
ama para cozinhar pagase 2 (000 men^aes.
Attengo
Urna pessoa que tem de rendirr.ento certo por
mez 150a, necessita de tomar a juro 600, pa-
gando mensalmeute 8)i : e iescontando logo do
cap tal o competente juro que se i onveneionar :
quem, pois, quizer fazer este negocio, deixe carta
fechada com as iuiciaes n. G., no escriptorio deste
Diario.
Roubo
Roubaram do estaJeiro do Saraiva, em Santo
Amaro das Salinas, na noite de segunda para ter-
ca-feira 7 para 8 do cor rente, tres taboas costa
neiras, sendo duas de verin-iuva, com 40 palmos
de comprimento, e urna de jathohi, com 42 palmos:
roga-se o favor a quem ditas taboas for offerecidas,
de as aprehender e annenciar por este jo nal para
serem procuradas.
Um moco ac ando-se habilitado para ensi
nar primeiras lettras fra da eidade, offerece-se a
qnalquer senhor de engenho, o qual querendo
utilisar-se de seus prestimos, dirija-se a esta ty-
pographia, deixando carta fechada com as iniciaes
D D. V. M._____________________________
- Precisa-se de um criado para copeiro, de 10
a lo annos : na rua da Imperatriz n. 24, primeiro
andar.
O abaixo assignado, cnsul portuguez e en-
earregado que foi do consulado de Portugal em
Pernambueo nos ultimo- 13 meses, participa aos
seus amigos, tanto nacionaes como portuguezes,
qhe tem o seu escriptorio na rua Duque de Caxias
n. 41, 1* andar (antiga rua das Cruzes) onde pede
ser procurado todos os dias n'o santificados.
' Domingos Mara Gonc. Ivs.
Deseja-se saber onde residera as Sras. D.
Pita Candida de Almeida a D. Mana Cecilia de
Alraeida Gamboa, a primeira viuva de Joao de
Almeida Brillo, e a segunda filba do casal, aflm
de se Ihe informar de negocio relativo a herau-
ca que Ihes deixara o mesmo finado : a enten-
der-se ma do Crespo n. 18, I.' andar.
_ Aluga-se o sitio em Bemflca n. 8 (Passagem da
Magdalena) a raargera do rio Capibaribe, e passan-
do na frente os trilhos dos bonds, cora casa e so-
tad de grandes commodos para numerosa familia,
precisando apenas de um pequeo concert; a
tratar na rua do Apollo n. 36, segund) andar,
ou a ladeira do Varadouro, casa n. 22, era
Olinda._______________________________
Joaquim Cavalcante de Albuquerque, senhor
do engenbo Qujtunde, da comarca de Camaragihe,
provincia das Alagoas, attendendo haver Unto
nesta como naquella provincia multas pessoas de
igual nome, faz arieate ao publico e as pessoas
com quem tem rlae8es, que d'ora em diant.- as
signa se Joaquim Machado da Cunha Cavalcante.
Recife, IMcJulho de 1873.
AO WniAZIM
1^0
VAPOR FrMNCEZ
lll'A DO UAHAO DA VICTORIA
N. 7Outr'ora NovaN. 7
Calcado
T.oga-sc possnj que achou um pln.ine,
que lima senhora ai apearle da boud nu Alw
rio forrditc, dcfionte do mfnri Ja I!
ral.io-llio, e iiouv.- HM-ni ioe rin scnlior .
nlia-l''. f!'' Ii'va-ki .10 (jirrr-litr i!i !ii n 7 1
-f gr..lii- : >":: r-nvi
.::" rri.-'d 1 lUllll"! 1' '
i-- I.l p.'C.I .-': il- -'
Para lio me-111.
ROTINAS de bezerro, cordasao, pellica, lustre e
de diiraque com biqueira, dos melhores
fabricantes.
SAPATORS de be-erro, de eoravao e de case-
mira. '
S 'PATOS de lustre com salto.
SAPATOES atamancados com sola de pao, pro-
prios para banhos, sitios c jardn*.
SAPATOS de tapete, charlot, castor e de franca
franceses e portuguezes.
Para senhora.
ROTINAS pretas, brancas e de cores differentes,
lisas, enfeitadas e bordadas.
SAPaTINHOS de phantasia com salto, brancos,
prctos e de cores differentes, bordados.
SAPATOS de lapete, charlot, castor e de tranca.
Para menSuam.
ROTINAS pretas, brancas e de cures differentes,
(isas, enfeitadas e bordadas.
AROTINADOS de divi-rsas qualdades.
SAPATOS de tranca portuguezes.
Para meninos.
BOTINAS de bezerro, lustre e de corda vio.
ABOTINADOS e sapaioes de bezerro, de diversas
^ qualdades.
SAPATO' de tranca francezes e pnrtuguzes.
Botas de montara.
Potas a Napnteio e a Guilherme, perneiras e
meias perneiras para homen, e meias perneiras
para meninos.
No armazem do vapor francer, rua do Bario
da Victoria n. 7.
Mobilia de vimes.
Cadeiras de halanco, de braco, de gueTni-.oes,
sofs, jardineiras, mezas, conversadeiras e costu-
reras, tudo isto muito bom por serem fortes e
leves, e 1 s mais proprios movis para saletas e ga
bneles de rerreios.
No armazem do vapor francer, rua do Barao
da Victoria n. 7, outr'ora Nova.
PIANOS.
Arabam de chegar muito bons pianos fortes e
de elegantes modelo*, dos mais notaveis e bem
cnhecidns fabricantes ; como scjain : Alphonse
Blondel, Henry Hers e Pleyel Wolff A C.: no
vapor francez, rua do Barao da Victoria, ou-
tr'ora Nova n. 7, a precos muito commodos.
Perfumaras.
Finos extractos, banhas, leos, opiata c pos den-
trifice, agua de flor de laranja, agua de toilete,
divina, florida, lavande, pos de arroz, sabonetes,
cosneticos, muitos artigos delicados em perfuma-
ra para Bresentes com frascos de extractos, cai-
xinhas sortidas e garrafas de differentes fama-
nhos d'agua de cologne, tudo de primeira quali
dade dos bem conhecidos fabricantes Piver e Cou-
dray.
No armazem do vapor francez, rua do Barao
da Victori,-, outr'ora Nova n. 7.
Quinquilharas.
Artigos de differentes gostos e
pliantazias.
Espelhos dourados para salas e gabinetes.
Leqnes para senhoras e para meninas.
Luvas de Jouvin.de fio de Escoca c de camurca.
Caixinhas de costura ornada com msica.
Albuns c quadrinhos para retratos.
Caixinfias com vidro de augmentar retratos.
Diversas obras de ouro bom de lei garantido.
Correntes de plaqu muito bonitas para relo-
gios.
Brincos a imticao e botes do pnnhos de pa
qu
Rolsinlias e cofres de seda, de velludo c de con-
rnbo de cores.
Notos objectos de phantazia para cima de mesa
c toilette.
Pincinez de cores, do prata dourado, de ac c
de tartaruga.
Oeulos do ac fino e de todas as guaraiedea.
Bengalas de Itixo, ranna, com castres de mar
fin.
Bengalias diversas (m grande sortimcnto para
homens e meninos.
Chicotinhos de baleia c de muitas qnalidades
diversas.
Esporas de tarracha para saltos de botas.
Ponteiras de espuma para charutos e cigarros.
Pontos de tartaruga para desembaraear e para
barba.
Ditos de, marfim muito finos, para limpar ca
befa.
Escovas para roupa, cabellos, unhas e para den
tes.
Carteirinhas de medreperola para dinveiro.
Meias para homens e para meninos. ^
Grvalas brancas e de seda preta para homens
e meninos.
Cnmpainhas do mola para cli mai criados.
Jogos da gloria, de dama, de bagaicllas, de do-
min e outros muitos differentes joguinhos allc-
maes c francezes.
Malas, bol.as e saceos de viagem de mar e ca
minhos de ferro.
Argolnbas do marfim para as enancas morde-
rem, bom para os denles.
Bereos de vimes para embalar rriancas.
Ce-tinhas de vimes para braco de meninas.
Carrinhos de quatro rodas, para passeios de
enancas.
Venezanas transparentes para portas e janellas.
Reverberos transparentes-para candieiros de
gaz.
Esterescopos e cosmoramas com escolhidas
vistas.
Lanternas mgicas com ricas vistas de cores em
vdros.
Vidros avulsos para cosmorama.
Globos de papel de cores para illuminacoes de
festas.
Balftes aereostatcos de papel de seda mui fcil
de subir.
Machinas de varios systemas para caf.
Espanadores de palh e de peonas.
Tesourinhas e caivete finos.
Tapetes com vidrilhos para mangas e lantejas.
Tinteiros de louca branca, modelo bonito e bom.
Tiras de molduras douradas' e pretas para
quadros.
Quadros j promptos com pay?agens e phanta-
zia.
Estampas avuisas de santos, paysagens tazia*.
Objectos de mgicas para divertmentos em fa-
milia.
Realejos pequeos do veio com lindas pecas.
Realejos f armnicos ou accordions de todos os
lmannos, e outros muitos artigos de quinquilha-
ras difHceis de mencionar se. No armazem do
vapor francez, rua do Barao da Victoria, outr'ora
Nova n. 7.
Brinquedos para meninos.
A maior variedade que se pode desejar de todos
os brinquedos fabricados em differentes partes
da Kuropa para entretenimento das enancas tudo
a pre os mais resumidos que possivel: no ar-
mazem do vapor francez, rua do Bario da Vic-
toria, o'ttr'ora rua Nova n. 7.
Cesinhas para costura
Grande sortimento de bonitos modelos chegados
ao armazem do vapor francez, rua do Barao da
Victoria (outr'ora Nova) n 7.
Oleados
baratos.-
Oleados bonitas e mnito baratos, pan oima de
meza : no armazem do vapor francez, rua do Ba-
rao da Victoria ootr'ora Nova n. 7.
A!ll!>a-SC
mu.1 e...-.: nu Saulo Ai aro das Salina* n. I."!, cora
3 qntrtos, 2 salas, cozmha (&ri.eofar e quintal
murado; a incsiua casa csfiiada, e torna-**
rccommemlavf I por passar a linha dos koadi : a
tratar no n. 19.
Attenco
Continua-se a fomecer romedorias para tora
por prec/ s mais m conia do que em outra qnal-
quer parte : quem precisar dirja-se ao sobrad>i
da rua estreita do i'osarin n. 35.
Por ordeui da mesa regedora da irmandaie
da Senhora *an!'Atina erecta na igreja da adre
de Dos desta eidade, envido todos os nosms ir-
maos para se reunir em mesa geral no din 15
00 correnfe mez, 6 Was da tarde, aflm de *e-
rein resnlvidos negocios de interesse da
iiinandadc Recife, 12 de julho d 1873.
U eserivao,
Manuel de Azevedn Ponte*.
Quem estar devendo!
Os abaixo assignado previnein a seus devedores
que venham pagar seus dbitos al o fim do pre-
sente mez, se n o querem yer seus nomes neste
Diario Como nao arertaa com a casa para ,-
gar, anda na rua Augusta n. 238 Recife, I i
de julho de 1873. *
Joaquim Pervira a> Asevedo Ramos.
Joio Rapfista Ai ves da Silva
COMPRAS.
URGENTE
Compra-se o IHrio de Pernnmlniro, de 5
de agosto do 18i, nesta U|>ograilii.
Compra-se alcunus ca*as terreas ou sobra-
dos nesta eidade : a tratar na loja da ma Duque
de Caxias n. 44.
Compra-se Diaria* de fu numbnm IV)
rs. a libra : nan.a d-i CoruiK I >iias-,iia n. I.
1 ompra-sc
urna casa terrea que ten a bons coininodos par
familii, e bom juntil, no bairro da loa-Tifia, 1
algnm sitio proxlano 1 linha d.s I. iils.ou da raa
cbainbiiinlia : a Intar na rua 1" ou andar. '________
Compra-se
apolices geraes da livida pul lien : na tna Daque
de Caxias n. 87, loja.
Compra-se o Jm-mmi m Hfr o> II den
vembro de D'6\ e os numen s do Cnirei" do he-
cife em que vem os ariigos ocriptos pelo Sr. Dr.
Joaquina de Aquino Ponseca, a rwpeilo do* nego-
cios da crmpanlia Recife Drainnge : quem os li-
vor para vender procure o Dr. Lolm Moscoao.
r*m
vam
*$
1..
n\
PRAIA DO LUCEN A
Vende seo sitio Camacary. na*pmia la Lucen;,
provincia da l'arahxha. prci.i niliilo coiumoJo a
tralar com Tassn Irma-is.
Casa lema.
Yendc-.se una OMt
terrea, em una boa rua. ?.
tratar na rua da IrapenUrz
n. 8, loja.
Pm do sphp !.
Acha se as Ierras e sel tas-(WM de Ui
semanas s i i horas da atanhi, a renn bm m -
guintes casas : pailai a rua da G.na n 'ii. .1
ta venia do Sr Lapa 110 aitao da Bifunlesja, a 1 .
do Itrnm n. C'i nu laponho d 1 Sr. Pira n 1 i-
22 de Nov 'mbro, < na do Sr Porto na d.i i-
peratrii 11. 23.
Alcnco.
Vende se um excellente sitio M nnnvtt'
denominada Cavaco, a n.ea legua da pnvoaca. a
Lonjea dos Galo?, o qual tem una legua de f.
e meia de largura, com nuiilas frucleirns de di-
ver as qualdades e mais de cen ps de caf que
j do fructo. alni de outros nuilos que se acbam
prestes a botarera. E' de mulla fertlidade para
todo genero de agricultura, banhado por d.m?
riachos e no centro por dous olhos d'agua peren-
nes ; lera casa de fazer farinha e mais quatro
ditas para moradia. Onroprietarfe onanhtii 1
parte dellc vontade do cumpradur, e a razo
de dita venda se esclarecer a quem pretender,
que pode dirigir-se ao mesmo sitio : a tratar Bfn
seu proprielario Joaquim Ivs Rezerra.
Vende-se una euttrcoao eompiela da I*
lacao provincial, encaderoada em diuen-ntes v -
lumes, e a consolidar)) dis leis iivi, tudo p r
precn mdico : rua da Imperatriz 11. 78.
Muito barato
vende-se urna armacan e gneros de molln 1 *,
por 2i0, no barro, freguezia dos Afogadvs. lugar
da praca do Capim : a tratar na mesma.
Cassas avariadas a 240 rs.
o covado.
O Pavo vende finissmas cassas francezas do
ctircs com os mais delicados padrAes, por terern
um pequeo loque de avaria de agua doce, pele
barato pre<;o do dore vintens o covado. perhin-
cha : na loja do Pavo, a rua da Imperatriz n.
0.____________________________________
Yende-sc.
nos de pedra jaspe para calcar botinas, e urna
frasqueira arqueada de ferro, coa fechador de
segredo, e arranjos para viagem : na rua da Sen-
zalla, defronte do beceo do Campello sobrado n.
124, primeiro andar : na mesma casa vende-se
200 frascos vasios, que foram de genebra, e algu-
mas garrafas.
Eu adaixo ssigua lo declaro ao respeitavel
publico que at o presente tenhu sido conhecido
Sor Manoel Joaquim da Cosa Perroira, e desta
ata em diante flcarei assignando-me por Manoel
Jaiquira ie^Oiiveira.
Vende-se um sitio em chioproprio, noli
do Fundi, em Beberibe de baixo, com casa non-
tro, tendo lO palmus de frente e 00 de fundo :
quem pretender dirija se rua do Rangel n. 18.
Vende-se corea de urna ter^a parte do
sobrado de 3 andares e grande soao, sito
rua da Imperatriz n. 53, na razio do fa-
voravel preco ou a prazo: a tratar com o respectivo con-
senbor rua do Sol n. 21.
Lazinuas escossezas
Ultimo gosto a 280 rs.: s o 3 da rua do Quoi-
mado, em frente a pracinha.
O 43 em liquidacao.
Ba lo QueimuiU ean frealr m
pracinha.
Chitas finas, bonito- padrees, a 240 e 280 rs.
Cambraias de cores a 2V0 rs.
Poupelinas de seda a 1*200. -
Cambraia transparente fina a 3#.
E outros muitos artigos, lodos por metade de
seu valor para acabar : > o 43, rua do Queimao
em frente a pracinha.
Fumo da-trra.
E.xollbiite pilada 4 U600 a libra : no boceo
das Carvalhas n. 1, esquina da rua da Assump*
o.________________________*__________
1 Vende-se na loja da na Doqoe de Caxia* .
18, escenta e qnatro taboas de amareUo, por
muito barato projo.




6
DtflHo'doPoniatibaeo Seg4a fcira it'ifa Jk*ltio do l 78.
=

FUNDICAO DO BWMANEsoi!BE!
fvvy i W\/\ l\niTU W IX "% cures c que Irazem o di IIAO rm lcU
RA DO BRUM H. 52
(Passando o ckafariz) n n *
PEDEM AOS seohores de engibo e ontros agricultores, e mpregadore ie m
vnismo o favor de orna visita a seu estabelecimento, para verem -o aovo wrtimento
ximtlet' que abitem; eado todo superior #m 4oaldadVe-To*HUo;'fiqi copa a. qs,
jecgio pess al podaiae verificar. .
ESPECIAL ATTENgAO AO NUMERO E LUGAR DE SUA FBUHUti*
V Urpurus O IUUH.S U agud maDbos cooveQieotes para as diversas
rcrjTbstanoiaa dos seabores proprietarios e pra desearotjar i*tgjpdab. a
M"09nda3 de CHIia d*.todos og tao>ann0s "Imelbores qae :
existero.
para soiaaei,
agua e vapor.
Rodas dentadas
Taixss -io ferro fandida, batido e de cobre.
limbiques o fondos de alamMqnes.
MTfl.pIliniVmn^ pa" mandioca e algodao,! PodendoJ todos
iU.ai'ilial9IUUo eparaEerrarmadeira. f ser movidos a mi
Rnmrma l>Pr w> ^p01"-
JUiuaa de palete, garantida"........ |oa anmaos.
Todas as machinas e pe?as deqDfl coixm*precl8,r-
Paz qualqner concert de mach80W' >w *****&
da
que Irazem o uiswro i?HAU rm leUras
tambem de madreperla ora alto relevo, tor-
nando -se por isio apropfiadoa para nolvas, a NO-
VA ESPERANZA i roa Duque de Caxias n. 3
(amiga dft'Queimado) t quam os tea.
Sao de tartaruga
Os brineosj broches, meias aderaos, erares, i
coragSes e cassoletns, que esto oxpostas boa j
^colha (J43 jfxioae.. (piRaqtf*. dp chiqjle) vende-se I
na ?Ova Esperan, ra uqu'de Canias,'
, o$: meninos.
A Nriva EJperanfi roa Duque de Cnxia? n.
63, acaba de receber u 9 lindo sQrtiiiH'UUi da b<\-
alidaanvin*)' ftf eHa .as,
assim lambrib'i
retas que)
e.
63,jee^)eu_,'vfdi
ero cim
Encammendas.
cado.
Incurrir.-se de mandar vir qoalquer macbiDJeroo von-
tade u..s clientes, lem brando-Ibes a vantagem de faz'efem
cas compras por intei medio de pessoa entendida, e qne em qualqaer necessklade pode
bes prestar auxilio.
Ardos americanos e ins,roa)eDl08 rlcolM-
N. 52
RA DO BRUM
PASSANDO O _______
GRANDE REDUCCO EM PREQOS
AUeneao. AUeneao.
Na loja de Soares Leite Irmos, ra do Barao da
Yictorian.28.
dem idemlisa de cores, a 280 rs.
,e df Caxias n
rifo' inglez, prepara)
ara concertar pefcel^aaeSeWiW.
Vestido perdi
Multas vozes uro vest* torna-sc irrtelramente
fele1/smente por Staf mal- nfeltdo r a Nova Es-
Jranca na Pt_ue de Carlas n. 63, remove
l* mal; porm5'M'*ienVprovfaV do* mettiores
j5ef rafija* d#ltfla:Bs cores, onde- ptde es-
f'colW-se vonwde- 9etirsrftido entre estas as
modernas frftjas irtiHOt&s; qaP pela sua varieda-
de de cores, flea bem ern quasl Wdas as fazentas.
A. ella anes que se a^a^epi.
Bola$ 'devotfcteha
' VemJem-s de toii o' tAmaebos i rW Doqa
n/rfufins' Mrinrn^AiPW Vrt/PIYl ^t, >h todos os actores msis acredita-
ijaovuQb uruncob boiem quern ^vAfmmu{fJm^0Stat qujs machias
Q116Y sao garantida por uro anho, e tendo um
'AtovaftT)eranVajva^nqoe de C^tias-^.' perfeito artista par ensinar as mesmas, em
63, acaba de receber a verdadeira tintura qe Pes- qjmlquer parto de9ta cidade, "como bem as-
nous para tingir os cabellos, o que1 s' ens^tie sim concerta-las pelo tempo tambem d'um
auno sem despendi algqm do comprador.
Ueste estabelecimento t mbem lia pertengas
f!aixa de linha com 40 novellos, a S00 rs.
Uarrufa de ugua florida verdadeira a 1$200
Idemkananga do Japo, a lfi200.
dem divina, a 1JJ000 e 19200.
Abotoaduras para collete, de todos os
gostos', a 200 rs.
Lamparinas gaz, dando urna luz muito
00a,a 15000.
Duzia de pegas de cordo imperial, a
280 rs.
Frasco com tnico oriental Je Kemp, a
UP000.
Uem Je oleo Oriza verdadeiro, a 19000.
Duzia de baralhos fraueezes cunto doura-
do.a 33400.
' lom dem beira lisa, a 29400.
iarrafa Je tinta roxa extra-lina, a 1^000.
i'MXti I Botos ile osso para caiga, ;<
!00 rs.
foqiy'j moler/ios, a 39500.
O.ixa c pos para dentes, a -200 rs.
dem dem de
300 rs. e 9000.
Duzia de sabouetes de amendoa, a 2J5500
89000.
Opiata intiito boa. a 19, 19500 e 2-000
1 fraseo.
Duzia da sabouetes de anjinlio traosparon-
t-s, a 29200.
* dem ideal com flores, a 19500.
Duzia Ifi coUariobos bor,adus pura ho-
mem, a89000.
Resma de.papel pautado, a 29800, 49000
e 69000.
dem idem liso, a29600, 39500e'59000.
Caixa de papel amisade-, bcra dourada,
a 800 rs
dem idem idem lisa, a 000 rs.
Idom idem idem, a 400 rs.
Caixa de envelopes forrados, a TOO rs.
[.uvas de pellica com toque, a 500
ris.
Duzia de talheres cabe branco, 2 B., a
59000
Mago de fita chineza, a 800 rs.
Extractos muito Irnos e baratos.
Duzia de carros de linha, 200 jardas, a
700 rs.
dem idem 60 jardas, a 820 rs.
Fita de velludo de todas as cores e largu-
ra.
Iden idem de sarja idem idem.
Sabouetes Glycerino transparentes, a
s cbinez, muito bom, a 800 rs.
Chapos para senhoras e meninas.
Caixa de pennas Perry, a 800 fs.
dem idem, a 400 rs.
Caixa de envelopes tarjados, a 500 rs.
Loques para senboras, a 29000, 49000 e
69000.
ivrospara notas, a 320.
Redes afeitadas com fitas,' a 29400.
Duzia Je collarinbos lisos para hornera, a
69000.
Duzia de pegas de trancas caracol branca,
400 rs.
Id'.m ideal lisas br.uicas.a 200 rs.
Lindas c elegantes caixinhas com perfu-
mes do autor E. C.udray e Cell Frrcs, pro-
prias para presentes.
Bpnocas de'cera de todos os lmannos, cora camisolas o ricamente vestidas cada
urna em sua caixa, boljocas de borracha e bolas do to los os lmannos, candieiros a gaz,
tos de ^mediana, espelhos de todos os lmannos com jn >I dura dourada e rosa,
pviolas (i.: rame, muldurao estampas para quadros etc., etc., erauitos object.s que se
l roa long 1 mencionar.
/v
LCATRAO DE 6DT0T
LICOR CONCENTRADO E 1 HULADO
O Sr Cuyot chegou a tirar ao alcatrSo a
sua acrimonia e o seu amargor insupportaveis,
e que o lerna mais soluvej. Aproveitando essa
feliz dcscoberta, elle prepara um licor con-
centrlo de nlcMrao. o qual, sob um peipieno
voliMne, conten urna grande proporcao de
principias activos.
O aieatrto de Cayot (Goudron- de
Cuyot) possue por consequencia todas as van-
lagen* da agua de alcalrao ordinaria, semter
os inconvenientes. Basta deitr d'elle urna
colher de caf n'um copo d'agua para obter
logo um cepo de excellente agua de alcatrio
sem gosto desagradavel. Cada qual pede
d'essa maneira preparar a sua agua de al-
calrao quindo d'ella precisa, o que offwece
economa de lempo, facilidade de *ansforte
e evita o manejo to desagradavel do alcatrao.
O AlcalrAo de 4>u;*l substitue com
vantagem muitas tisanas mais ou menos
inertes, nos casos de defluxos, broneaites,
laMM, cataiTbos.
O Alcatrao de Carai empregado com o maior xito as molestias seguinte ;
EH BEBIDA, Una colher de caf para um copo d'agua ou dua colhcre$ da
topa para urna garafa :
-BRONCHITES
CATARRHO DE BEXIGA
DEFLUXOS
T09SE PERNITAZ
IRRITACAO DE PEITO
TOSSE CONVULSA
El F0aOTA(0ES. Hcdr puro ou com umpoucod'agu.-
AFFEC5ES DA PELLE
COMICHES
MOLESTIAS DO COURO
CABELLUDO
iJefnlfcl.)
E1B IKJECfjulS. Urna parte Je licor equatro d'agua (ttiomeimM
FLUXOS ANTIGOS OU RECENTES
CATARRHO DA BEXIGA
O Alc*tr*o de Gayot fox experimentado com um verdadeiro exto um
principan hospitais de Franca, da Blgica e da Espanha. Foi reeonkeeidt
que, pava ot tempo d calor, elle eotulitue a bebida a mais hygienica, e to-
breludo durmti* ot tempos de epidemia. Urna intruceSo accompanho cada vldro.
^L_ Ora.
epoell* |er*J M
te Unwtu, ^beltoi Oiea*M.
PMweo, *. |(irw e P*.
Biiu. Hmh el P> -.
Orao-Puro, ftiJii WeDenn
.' .____________________
L. rEE, i, m *
IltiMUO, Ferrelr et *
FKOTii, Aatelre L*i>.
toa, r*tooJMiM.
Pon aun

ecas de muHas qu
engracclas bonecas de
urna peqneniqujnfd"
se tornara afecJas ie
A f ota;
np
Ra do Bardo da victoria n. 22.
DE
Garneiro Vismu.
A' este grande estabelecimento tem cho-
ga/lcTt uin bon sprtimento de machinas para
m
rarTeltos branffos ?5 tem quem tjuer.
Mto Os cinturocs de couw.,propros para senho
para as mesmas machinas o se suppre qual-
,.ofas> nuer pega que seja necessario. Estas ma-
g\ie recebeu a %*& ^Esparaofa-a ra Duque^de | c"}jnas lrabalham com toda a perieigao de
Se'u^rS Tof p'rSaS^SlheTdi | ^ P-Pontos, ranze e borde
cheirqsos cravqs brancos para o vosso casamento, qualquer costtfra por una que seja
upara outro Um proprtado, e pertssafio Ir pregosao da eguintequalidade :
"Nova Esp'er'anW.'a' fa fiVqne de Caxbs/n. 6,
que aTTi etconirarels' os 'raefti'ores 'ports ^cuqwli
ue se pode desejar.
lgua florida, de Guislain,
parafazei* os cabellos pr*
tos.
A agula branca, roa Dnquo de Canias n. 50.
acaba de receber nova remessa da apreciavel agu
florida para fazer os cabellos ptetos. O bom re-
sultado colhdo porqtoem tem felto uso dessa
inoffensiva preparagao a tem altamente 'coneeitna'
do, e por isso apenas se faz lembrar a qurnn no-
vaiueijte della precise e queira se' aproveitar de
sua utilidade. Tambem* veio: agua de tfnan e
oleo florida nara o niesmo uto, c tao aertitados
como aquella.
Voltas e brincos d grossos
aljofares de cores.
A aguia branca, ra do Duque di Caxias a
5, recebeu novas c bonitas voltas c brincos de
grossos aljofares de cores, c como sempre couli-
nua a vende-ls por pregp commodo. '
Novos diademas dourados e f mp,f'objecl0 pa^ ?nfe* 7,ur^?':
tos artigos que muito devem agradar a todos
estabelecimento
toda
seus
tara 1ra-
balhar a mao de 300000, 40900.', 459000
e5O90O, para trabalhar com o | sao de
809000, OJ3000, 009000, 1109000,
1209000, 1309000, 1509000,2009000 o
2509000, cmquanto.aos autores nao ha al-
terago de pregos e os compradores podero
visitar este estabelecimento, que muito de-
vero gostar pela variedado de objectos que
ha sempre para vender, como sejain : cadei-
ras para viagem, malas para viagem, cadei-
ras para salas, ditas de balango, ditas para
crianca (altas), ditas para escolas, costurei-
ras riquissimas, para senhora, despensa veis
para criangas, detodasasqualidades, camas
de ferro para homem e criangas, capachos,
espelhos dourados para sala, grandes e pe-
queos, apparelhos de metal para cha, fa-
queiros com cabo de metal e de marfim,
ditosvulsos, colheres de metal fin-, condiei-
ros para sala, jarros, guarda-comidas de
rame, lampas para cobrir pratos, esteiras
para forrar salas, lavatorios completos, ditos
com pedras.
rtigos qi
que visitarem
este grande
A aguia branca, ra do Duque de Caxias n.
SO, recebeu no9 sortimento de bonitos dade-
mas dourados e com pedras, tanto para meninas Rua ^ g^^ ^ V|ctoria D.
que se acha aberto de-de as 6 horas da ma-
nhS at as 9 horas da noute
m*
Pharoiacia de r. Maurer A- C*
como para senhoras.
Colleccoes de traslados ou
normas para escrever-se.
A aguia branca, ra Duque de Caxias n. 59,
recebeu novas ci Ilecg5es ou normas para as crian-
gas aprenderem a escrever por si mesmo, hoje Wf>
usadas as aulas e collegios; e como sempre ven-
de-as por preco commodo.
Mias^cruas finas para meni-
nas esenhoras
A leja d'agnia branca, rna Pnqne de Caxias
n. 50, recelieu novo sortimento daquellas tao pro-
curadas meias oreas para senhora, vindo igual-
mente para meninas, e contina a vend-las por
preces cominodos.
Veos ou mantinhas pretas.
A lija da aguia branca, roa do Duque de Ca-
xias n. 50, roebeu bonitos veos ou mantinhas
pretas de seda com flores, e outra a mitagao de
croch, e vende as pelos baratos precos de 3,
i e 6J00O. A fazenda boa e est em perfeito
estado, pelo que contina a ter prompta extrac-
cao
Perfeita novidade.
Grampos com torbolctas, betn ros e gafa-
nhotos dourados e coloridos.
A toja da aguia branca, ra do Duque de
Caxias n. 50, rceebeu novas gra*mos com bor-
boletas, bezouros e gafan hotos, o qne de certo
perfeita novid de. A quanUdade pepuena, e
por isso em breve se acabara.
Novas gollinhas ornadas com
pelucia ou arminho
A 1. ja T juia branca ra Juque de Caxias
- 50, recebeu urna pequea qnantidade de boni-
s e novas gotlinbas, irabalho de la e seda, en-
neitadas com arminho, obras estas de muito gofito
e inteiramentc novas.
Grampos, brincos e rozetas
dourados.
A loja da aguia branca, ra do Duque
Caxias n. 50, recebeu novamente bonitos gram-
pos, brincos e rozetas dourados ; assim como
novos diademas de ac, e eomo.sempra conti-
na a vende-lo por pregos razoveis *.
Caixinhas com pos dourados
e prateados, para cabellos.
Vende-se na loja da Aguia Branca ra do Du-
que de L ax as n. 50.
Luvas de pellica pretas e de
outras cores.
A loja da Aguia Branca, ra Duque de Ca-
xias n, 50, recebeu novo sortimento de luvas de
pellica', pretas e de outras Core?.
22,
SHERRY KINA
(V1NHO DE QUINQUINA HIGINICO
PREPARADO COM OS MELUORES Vl^HOS DE 11FS-
PANIIA DA FIRMA
CALVJURAC A. G. C. DESEVILHA
RullNECEDoR
J
DA BOA MACKSTADB
DIIKSPA.MIA.
POR
A nAINIlA
THOMMERET GELIS
ft*lanriiiaceutco
RX-INTERSO DOS HOSP1TAES DE PARS
OSHERUY-KINA o vinho de Quinquina
que- hoje preferem a maior parte dos mdi-
cos de hospitaes, dos lentes da fa'euldade e
dos siembros da academia de medicina.
Tem esta preferencia a sua explicago nisto
que efferece todas as garantas que debalde
se procurara nos productos desse genero em
que nuiTAS vezes se sacrifican as cualida-
des 7.V0 ESSENCIAES QUER DO ?iMO, QUER
do QuwyuNA (as vezes de ambos) aos lu-
cros ba especltacao (Ver Giit'a das Aguas
Mineraes. Do Dr. CONSTANTIN JAMES,
7.a edigo.
NICO DEPOSITO
NA
PHARMACIA E DROGARA
DE
BARTKOLOMEU & C.
Ra Larga do Rosario n. 34.
VERDADEIRO LE ROY
EM LIQUIDO OU MLULAS
|Rue de Seine, 51, ^ PAI'JSJ
M
Cobertas de chita adamascada a 34*00.
Lengoes de bramante a 2.
Ditos de algodaO de duas larguras a 1/200.
Cobertores de la escros a i.
Colchas adamascadas a 4 i.
Toallas alohaadas a 0 a*duzia.
Na ra do Cre po n. 2o, ltfa de Guilherme 4c
Companhia.'
Qrosdeples
Crosdenaplep eto a i/800 o covado.
Dito pretu de cordo a 2 2<)0 e 2*i00.
>S na ra do Crespo n 20, loja de (iuilherme &
Companhia.
Ctetone
Cretona, YmAot padroes, alO rs. o catado.
Na ra do Oespa 4. 40, h*> do Guilherme
Companhia.
- Vende-e o *0xi8tetite na travessa
do Remetlb. ft^t etia dos Afogadosn. 21^
boje Beco i& Travessa dt> Remedio*). 18,J
iem chaos proprios -quon jrotender autn-
tla-ae om o 8* proofidluto o* roa do 8.
Franciscb, ^est fya&j^.
MhmM
Em cada garrafa, ra, entre a rulha e papel azW
Jjue leva o meu ineie, um rotulo impresso en aiiw-
elle com mo sello S1GHOCET. PAl;l Bocarnadi
obre fundo negro.
N. B. Renelteado-se ama leltra de 500 franLO
obre Paris, recebe-se 725 Trancos de medicamentos
DtpojiU principal
lio leglUmo Le Roy
Mi Om 4 aoeso
leo ifentt peU>
Iraill a Sinoa de
jceuu m Babia.
^NACIONAL
Ra da Imperatriz n. 72
DE
Lourcuc-o Percha HiendesGui.maraes
iMaislsMato que Lor possivel,
*fB,
Decan a seus frr-ueses^^Menl resol\ mo i'etifcr
saber:
r ;
* fB/ftS A 110 E 20t) RS. CO
Vndte-s citas francezas
que de a varia, a 160 e 200 o aovad
tas limpas a 240, IWe 320 rs.
QASSAS FRANCEZAS A $2 RS,
Vende-so cassas francezas a tko e 360 rs.
o aovado. y |
I.ASINRAS A 3.00 RS.
Yendo-se lasinhas de cores para vestidos,
a 200, 360, 400 e 500 rs. o corado.
ALPACAS A 40 RS.
Vende-sc alpacas para vestidoaa, 400,500,
640 e 800 rs. o covado.
COBERTAS DE CHITAS A 1J600.
Vende-se cobertas de chitas de cares, a
IJ&600 e 255000. Ditas de pello a 1JJ4O0.
Colxas de cores a 1&200, 2#500 e 49500.
CHALES DE LA A 800 RS.
Vende-se chales de l de quadros a 800!
nico deposito, apode se acta a venda na
tasa de IV Maurer & .
rs. e 19000.
Ditos de merino a 2$, 3JJ, 49 e 5?W00.
CAMBRAIA BRANCA A 30o0.
Vende-se pegas de cambraia branca trans-
parentes e tapada, a 39, 3950Q, 49, 49500,
59 e 69000.
SAIAS BRANCAS A 29000.
Vende-se salas brancas o de cores, paVa
senhoras, a 2900O e 29500.
BONETS A 500 RS.
Vende-se bonets pretos de seda para ho-
mens, a 500 rs. Chapeos de palha, pello e
massn, a 29, 29500, 9000 e 49000.
MADArOLO A 39800.
Vende-sc pegas de madapolo enfestado a
39000. Ditos inglezes para os pregos de
49, 43?500, 59, C9000 e 7^000.
ALGODAO A 39500.
Vende-se pegas de algodio, a 39500, 49,
e 59000.
BRAMANTE A 19600.
Vende-se bramanto com 10 palmos de
largura para lengol, a 15600, 29 e 29500 o
metro.
GRANDE LIQUIDACAO DE SABONETES 280 RS.
Vende-se urna grande porgio de saboue-
tes inglezes, a 200 rs. Ditos francezos om
cheiro a 320 e 500 rs.
Agua de colonia, a200, 320 e 500 rs. o
frasco para liquidar, e outros extractos
muito barato.
TES DE BRIMDECORESA 15500.
le-se cortes de brim de cores para
e 29000.
TINAS A 39000.
Vende-se bolina* para senhorasva 39000 e
39500, a ellas antes que se acabern.
ROUPA FE1TA NACIONAL.
Vende-se camisas brancas, a 19*00, 25.
25500, 38000e 49000.
Caicas de caseflHas'di corps, a 69, 6* c
79000.
Coletos de caseraira, a 29, 29500, 39 e
40O0.
Palitts de caseraira, a 49, 69 e 89000.
Seroulas a i& e 19600.
RRI.M BE COR ES A1 4*0 RS.
Vende-se brim de todas as cores a 440
rs, o c vado.
LENCOS BRANCOS A 25000 A DUZIA.
VendO-sd'a'duzia de lencos brancos, a
29000. Ditos com barras de cores a 39000
Ditos de linlio a 59000.
TOVLHAS A 800 RS.
Vondft-se toajhas para rosto, a 800 rs. e
15000.
GRAVATAS DE SEDA PRETA A 800 #S.
"Tend-s gfavataS de seda preta, a 500
rs. cada urna.
CHITAS PARA COBERTA A 280 RS.
Vende-so chita para coberta, a 280 a 310
rs. o covado.
BUNETS PARA MENINOS A 195*0.
Vofjfb-se boHtesBara meninos, a 19500.
KSI'ARTII IIOS I'AfcU SENHORA A 3*5.
Vende se aspartilfcos para senhora, a
39500.
PENTEU 320 RS.
Vende-se pentes d- alisar, a 240, 820 e
400 rs.
POS DE ARROZ A 240 RS.
Vende-se pos de arroz em caixa, a 240
rs., paraliquidar.
ESPELHOS A 240 RS.
Vende-se espelhos de diversos lmannos.
a240 e 320 rs.
TESOURAS A 320 RS.
Vende-se tesourasde diversos tamanhos.
a 320 e 500 rs., para liquidar, e ouirt
muitos artigos que se vende barato para li-
quidagao de facturas.
ES5EEE^25E?S:
TNICO E FEBRFUGO
PIEHI.DO POR I.A ACADEMIA BE lUtll.VA, BE PARI->
Hedallia Fgf I i^ If'^1 ^rem,
.6,000 r*
ELIXIR TNICO, FEBRFUGO, FORTIFICANTE E REPARADOR.
uperlor > Vlahoa e xmrr<' de ulna.
Experimentada com pleno successo nos bospltset, k Qouu Liaocaa (ou Extracto compUt<\
de Quina) urna preparacao excepcional, por ser privada do amargo da Quina. Agrada po
oonseguinte as pessoas as mal intolerantes e aos paladares os mais delicados, pols nem
muito doce nem muilo viscosa, sendo de urna limpidez constante. Emprega-se com muito
proveito nos casos de : gastralgia, dyspepcia, nevralgia, anemia, marasmo, cachixias,
magma, fastio tem causa apparente, convalttcencas demorada. Morse e ttcropludas.
E 0 ESPECIFICO DAS MOLESTIAS FEBR1S.
QUINA LAROCHE FERRUGINOSA em pariz,
R.uniBda todas ai propriedades do Ferro et da Quina. 15, ru Drouol.
VERDADE1RAS
. PILULAS de BLANCARD
COM I0DURET0 DE FERRO IN<ERAVEL
APPROVADAS PELA ACADEJIA DE MEDICINA DE PARS, ETC.
Posmindo as propriedades do iodo e do ferro, ellas convem especialmente nai Aptec-
c5es escropolosas, a Tsica no principio, a fraqutza de temperamento e tambem nos casos
de Palta de c6r, amehorrhea, em que necessario reagir sobre o sangoe seja para lbe
restituir a sua riqueza e abundancia normaes, ou para provocar e regular o seu curso peri-
dico.
N. B. O lodurtto de (erro Impuro ou iltrrado um RKiliumcato infiel,
irritante. Como prora de puren t autlirnlicidadc da> verdadclras
Pllulaa de lllancard, dere-se exigir rosso ello de prata rcac-.
ela e nossa Irn, aqu reprodtua, que se acha na parte inferior
de um rota lo verde. Deve-ie desconfiar das faUifica^dca.
aeao-e em todaa aa filiarmaelaa 'luirmaceutico, ra Bonaparle, 40, Paria.

EMCONS$iXANTE
DO D_R DELOR
Preparado por H. BEZIER, Th"> da Eschola de Parta*.
O VUTHO OPOftATIVO SO DOOTOB BElOn no Resma I
t 'm;in ipiq pnrlflra o saiifiil iTuiim maiiaira oovjfct nao o altura e lbe j
lanjlsjliva/aua tonicidado primitiva.. '"
Tal i o raumo dos uuiueiusus atMMutlai eadeaccados a Doutav DKLOR ;
drpuis di os|HTeivoas fcilas pelas i-riiKipavs Mdicos da r'raata, at Italia
(I; ItUssla, i!.; AI'ih.ului o Jj BV'gibi.
OVitrba iMpuralivo ilp l* tiEGOR o imito prodWJIo';qe, uasl
eiUiji liooaii^ui; id.Iihi.h |M,ncpos iiiorbiiiosqueo'aTferad, como
IrjahKm fhc co:i.''rv:i i jn i mrga p a sua cniniiUraO primitiva.
K por uso a\\t os Mi'iUi:'>s aaiw-ario -M de j|i|i|r*|iiraf io I
llfViti|KiilT do Drfuwrr htM)h.
O Vmlio IK-piiiaiivo do I)' DKhllt ilnis loiige a-V as pinarrifos inlilnlatlas
..................... ..... i.........i- .....
BnPS i dfuin..i tas iiu i|artaraui'',j(t p fc. "i"< iiV.mii oui, 'cujj ^a^iliis-iAinllslli
nutro da O*
^. Ut}\Hf I
ucitWla'^! i.i
'i Viaau (!i'iui alivo do D' DF.UJR i empreado cuoi fiiiocumru as Hsci-ofutai,
'*/i*";"j|j. OnVi'.Ji F.--ilift u'ivro.n, T^nnortn, Ahceies, l'otktmat,
ileiftf'tftiii'Mflc^, I' '/ayi- ".. /.'.' il, ni-lie, i-, ii H mvv v.iIImiV-tIo rbnirDis ftalrs omu- :
nUa^tpvttiu*. H:ii>h'iiuiiii, ttyilmttl, lSi*o-
'. : ida f.y ji'Au po .cmeriiucaai faWaila
r- ', -f "T*
?
PAtttt Imi'AUli) 1 i^
r-vt. 'OH AII'AUAIW : I,
tk
it^B nicas vti^wieita^ -
Bianas bamburueas g l-lenieBM
'na ra do Marques de ulioaVtt.5L ..*" 1
4
M.V
) deposito, a onde se ah avenda na
Ra da bario da Y
. Ka.ci,]..'
aBJULfUlaAlaa M ffBn
a de P. Mmrw *.




\s
y

r\
==*=
Diario de Praambido SgttAvfofra 'l^'^Wflb'416^1W.
*
le ie, daos
UNIGOS AGENTES
A'
Ra do llai'io da Victoria n. 28
As mais simples, as mais baratas e as melhores do mundo!
Na.,,exposcSo de Paris, em 1867, foi concedido a
Elias Howe Jnior, a medalha dcburo e a condecora-
do da Legiao de Honra, por sercm as machinas mais per.
feitas do mundo.
A medalha de ouro, conferida & E. Ilowe Jnior, nos
*
Estados-Unidos por ser o inventor da machina de cos-
tura.
A medalha de ouro na expsito de Londres acreditam
estas machinas.
A 908000
Cabc-nns odcv'er de'annuneiar que a companhia das machinas do Howe de Nova-
York," estabeleceu nesta cidade' ra do BaTo da Victoria! n. 28, um deposito e agencia
geral, para em Peruambuco e mais provincias se vonderem as afamadas machinas de cos-
tura de Howe. Estas machinas so justamente apreciadas pela perfeicao de seu trabalho
cmpregando urna agalha mais curta com a mcsma qualidadedelinhaquequalquer outra,
c pota mtrodcco dos mais tperfcrcoados apparelhos, estamos actualmente habilitados a
offerecer ao exathe'publico as melhores machinas do mundo.
As vaitfagensdstas machinas sao as seguintes:
Primeira.O publico sabe que ellas sao duradouras, para isto prova incontestavel, a
eireumstancia de nunca terem apparecido no mercado machinas d Howe em segun-
da mo.
Segunda.Coutem. o material preciso para reparar qualquer desarranjo.
Tencha.Ha nellas menor Trienio entre as diversas pee, as, e menos rpido estrago
do que as outras.
Qu ira.Formam o ponto como se fra feto mSo.
Quinta.Permute que se examine o trabalho do ambos os fios, o que se nao consegu
as outras.
Sexta.Fnzcm ponto miudo em casemira, atravessando o fio de um outro lado,
e logo em seguida, sem modilicar-so a tensao da linha, cozem a fazenda mais
fina.
Stima.O compressr levantado com a maior facilidade, quando se tem d mudar
de aguiha ao comecar nova costura.
itava. .Muitas companhias de machinas de costura, tm tido pocas de grandeza e
decadencia. Machinas outr'ora populares, sao hoje quasi desconhecidas, outras soffreram
mudanzas radicaos parapoderem substituir : entretanto a companhia das machinas de Howe
adoptando a opinio de Elias Howo, mestre em artes mechanicas, tem constantemente
augmentado o seu fabrico, e hoje ne attende a procura, posto que faca 600 machinas
por dia.
Cada machina apornpanha livretps com rtsrrucc.oes em portuguez.
A 9h000 A 90>000
SOARES LEITE, IRMAOS
A'
do Barao da Victoria n. 28.
-Ra do CabugN.
DE
imiltON *k I II.IIO
Achando-se completamente reformado este esthbelccimeot, e
tendo os seus prprietarios feito urna importante acquisicfio de
joias as mais modernas viudas ao mercado, e de qualidadcs superio-
res, convidam ao respeitavel publico a fazer ama visita ao seu os-
tabelecimento, afim de apreciar e comprar urna joia de gosto por
proco razoavel.
M^& W& StiS S*SE TC-S2 Mi
ffliw^\t& i*3r >t^ ^*i5r ^b'isY ^mSr %'2kw%
No araiaMia de Joaqirim lopcs Machado 41
Travessa do Corpo
Santo N. 25.
i ftttl
Vapores locomoveis de forja de 2 a i cavallos.
CorrOiis para machinas.
Tolins de diverso! tamanhos.
vaquetas para cobertos de carro*
Solas de lustro para guarda lama.
tonlas de langa para carro.
Chicotes para carro.
Galoes largo e estreito para carro.
pregos com caber de marfim, idein.

BAZAR DA RA DIREITA
HOJE
DAS
N. Si
Este estabolecimento sempre solicito em offerecer a concurrencia do respeitavel pu-
blico um completo sortimento de miudezas, calcado francez, chapeos e quinquilharias a
precos os mais razoaveis possives, para o que recebo quasi todos os seus artigos de pro-
pria encommenda da Europa c America, vem dar publicidade de alguns artigos por cujos
presos bem se pode avahar os procos de outros mitus que so tornara enfadonho pu-
blicar.
MIUDEZAS.
Brincos dito de dito por 23JSOO.
BotOes de setim pretos e de cores, a 800
rs. e 13000 aduzia.
Franjas brancas de seda de todas as lar-
Mi l'DEZAS.
1.5 para bordar, da melhor qualidade, 1
libra por 5JJ500.
Agulhas francezns, fundo dourado, a cai-
rinha com i papis a 00 rs., 240
Voltas de lita de vellu-l. com lindos co- gus, a 15000 e 15400 o metro,
raoes fingindo ma reperol a, a 500 rs. I Ditas de cores e P^as a 800 rs. e 1*000 o
Voltas para o pescoco, fingindo camafeu, nietro.
companhadas com l par de brincos seme- Cales pretos de seda, de muito gosto de
liante, tudo por 2j?300.
Linha bralica de 2 >; jardas em carriteis,
propria para costura ile machina, a 800 rs.
a duzia.
Dito de dita de'Alejandre, numerado a
gosto do freguez, a IfJlOO a duzia.
Diademas dourados de 15500 a 35000.
Ditos de tartaruga cOm flores a 25000.
Ditos com borboletas a ijJoOO.
BHncos encarnados 1 par por 500 rs.
Ditos de plaqut de 500 rs. a 25000.
Ditos dourados, duzia de pares, a 15500
e 25000.
800 rs. a 15000 o metro.
CALCADO FRANCEZ.
Botinas pretas gaspeadas, para senhora, a
45500 o par.
Ditas ditas do duraque, gaspeadas, canno
alto, a 55000.
Ditas pretas enfoitadas, ultima moda, a
65000.
Ditas dita de cores, canno alto, enfeitadas,
a 55300,
Ditas para meninos, pretas e de cores, a
35 e 45000.
Completo sortimento de calcado de case-
Voltas do aljofares com brincos, a 25300.' mr> Charlt, tapete o tranca, mais barato
Ditas de ditos om-coroides a 15000. 7o do que em outra qualquer parte.
CHAPEOS.
Rios chapeos de palha d*Italia, para se-
Ditas de ditos de contas com cassoletas, a
890 rs.
Rosetas de plaqut a H5 e 15500 o par. nhdra, a 115000
Gravatas de seda para senhoras de 15200
a 25000.
Parures corh 2' lacs para cebera e peito
a 35 c 45000.
Entrefneios ebabadinhos bordados de 360
rs. a 25500 a pega..
GalOCs d seda broncos e de cores, de
15500 a 21*00 a'peca.
Ditos d algodao e'sda, de 15 a 15400
a pe^a.
Ditos d lgodo, a l'OO 500 rs. a pega.
Trancinhas de cores, a 100 e'500 rs. a
pega.
Lequos de maYfim a'55 e 850*00.
Ditos de sndalo a 45500.
Ditos def rtdiro imitando, a 25000.
Ditos de papel loes a ?8&.
Coques para serth'ora, a 35', 3#f)0 e 45.
' Aderecos fingindo coral, cbmpondo-se de
dfincte c brincos por 25001).
Dito dito pretos ptt'40900.
Ditos de plaqut; cortifjrjndo-se dealfinete
c brinco, sendo de muito gostb; prir'55000.
Ditos ditos palha escuro, da ultima moda,
a 165000.
Completo sortimento de chapeosinhos para
mehinas e senhoras, de 25800 a 55000.
Chapeos de sol de seda, inglezes, cabo de
marfim a 165000.
Ditos dito de merino, cabo de metal mui-
to bonito a 55500.
Ditos dito de seda para senhora, cabo de
madeira, a 65000.
Ditas dito cabo de marfim a 95000.
DIVERSOS ARTIGOS.
Granadino pata vestidos, fazenda da ulti-
ma moda, com listros de seda, a 650 o co-
vado.
Pandos de crochet para cadeiras, a 15800
e 25000 cada um.
Ditos para sof, a 35 e 45000.
Toalhas de linho para rosto, a 15300 cada
tona.
Ditas de algodo lcoieados, a 640 rs.
Golxas de crochet para cama de casal,, a
65000.
No escriptrio da ra "do Commercio n. 32, de Joo Jos de Carvalho
Moraes, vende-se o segrle :
Caf do Bio de Janeiro.
Cimento de Porfan!.
Palhinha preparada.
Cera em velas.
Oleo de'Iihhca. \
Coiiro d lustre.
* Bezerros.
j Chumbo de munico.
Gomma-laca, superior qualidade.
Cadeiras hamburguezas.
Ditas de balando. ,
Ditas para crianjas.

56 aRa do Mrquez de Oliuda 56 a
( LOJA DE MACHINAS
Sendo este antigo estabolecimento assaz conhecido como principal o reeoromen-
dado pelos grandes depsitos e bous sortimontpSi com que sempre prima em ter das
melhores, mais acreditadas e verdadeiras lunohinas anieri-auow para algo*
da, desde 10 A 60 erra, c ha vendo em todos os tamanhos diversidades de siste-
mas e melhoramentos para perfeito e rpido descarocamento ; tornam-se dignas de
seren vistas e apreciadas pelos Srs. agricultores; os quaes, alm disto, encontraro
tamhem mais :
Apurados vapores locomoveis, deforma
de 2' i c tifa cavallos com todos pertoityas
precisos para trabalharem 4 maeiiinns- para '
algodo, ou para outro qualquer mister.
Machinas para lavar roupa.
Arados americanos para varzea e ladei-
ra.
Carros de mo pata atierros.
Tinas de madeiras.
Baldes do dita.
Ditos de ferro estanhado.
Ditos m vlvula para lavatorios.
Ditos de madeira para compras.
Apparelhos para jardins.
Guards-comidas.
Tampas para cobrir pratos.
Tarrachas para fazer parafuzos de ferro.
Dita dita ditos de madeiras.
Trens paro cozinha.
Emlim muitos outros artigos, que savista-eueste estebeleomoderoentp si o
examinados.
Temos de bandijas finas.
Correiites para arraStar madeira.
Cilindros americanos para padarias.
Perten^as vulsos para mnnhinwi
Salitre refintido.
Bfu superior.
Moinhos de diversos fabricantes para mi-
lho e caf.
DebidhadoFes para miiho.
Azdite de spermscete para machinas.
Camas de ferro.
Bombas de Japy.
Ditas americanas.
Cofres de- ferro patente.
Camios de ferro esmaltados.
Dkos de dito estaahado.
Ditos de chumbo.
Ditos d& borracha.
Folies para fereme.
LOJA DO l'ASSO
RuaPrimero de Marco
n. 7 A,
outraora do Crespo.
- prprietarios actualmente deste kHpu.,
estabelecimento, tendo proced'nb a urna wtopleta' ^-u, l* u
r forma em preeitado estabelecimenlo, e eoasciosj Suw^ Wh l'oria-
Joaemim Jos Gon^alves
fieltfo & Filhos
i TWm par~+eaderim *e elriptrH) ra l.. .Ounmcrc. &, o aeeurute :
j AGURDENTE;de c^ui: c^ixa de 18 gairaas.
de Taran idem idem,
"ARCOS deipo'p^rra batvil.
'CAL d' Lisboa,'receiiieinWto dfcfegtfa.
Os prprietarios actualmente desfe "rttipoftante'CHAPE0S ?,90<. P" fcoram esCnhor/eabo
da uml'm a 0s>o.
FIO fle MOSZoVl
mente em artigos de moda e alta novidaJe, peuem '. m**fW'doT'
t empeuho de'bem servir,'aes ^cs freguezes a
ae pttilieo em geral tem procurad frover-e do
que h* de melhor e da ultima moda nos mu o-
dos de Europa para expo-lo aqui vendaj cu-
tos de que os seus artigo serao bom apreciad
pelos amantes do bom e barato ; passa a eunu
aerar algn d'oatre elle, como sejam :
ALBUaS, m mais ricos que tem viada a este
mercado, com capa,do madreperuh,
tartaruga, niarlim, velludo e cliagriii!
ADEREMOS pretos e voltas proprias para luto ;
assiin c, ino, um bonito sortimento de
ditos de plaqu, obra lina e muito bem
acabada.
BOTOES liara piuiho?, o que so pode desojar de
melhor em plaque,, tartaruga, madre-
perola, marflm e s*o.
ROLDAS de velludo, seda, pallia e chagrn,
ha de mais moderno e 1 ndas.
B1COS de seda e de algodao, tanto branco como
preto,' de variados desenhos
CASSOLETAS pretas de metal e de madrepe-
rola.
CAIXI.NHAS para costura, muito ricas e de di-
versos form tos, com msica e sem
ella.
COQUES a imitafo, o que pode haver de mais
bonito e bom gosto.
DEADEMAS, neste genero a Predilecta apre-
senta um grande e lindo sortimculp
capar de satisfazer os caprichos de
qualquer souhora por mais exigeute
que seja.
PORT-BOUQUET do madreperola, marfim e osso,
este um objecto indispensavel as se-
nhoras do bum tiim, afim do aspirar
o aroma das flores sem o inconvenien-
te de nudoarem as lavas, ou mancha
rem as delicadas maos.
PEKTES de tartaruga, de niailim c de bufal, pa-
ra alisar os cabellos e tirar bichos.
PERFUMARAS. E' sabido do publico qfle a Pre-
dilecta sempre conserva um impiirian-
te surtimeuto de perfumarias de lino
odor dos mais afamados fabricantes,
Lubin, Piver, sociedade tiygienica, Ou-
dray, Gosncs e Riracl, que incum-
bido da esculla dos aromas mais bem
aceito pela sociedade elegante da
Euroia, c por tanto, acham-se a
possil):dado de bem servir aos aman-
tes dos perfumes.
A PREDILECTA doixa do enumerar urna ira-
mensidade de artigos, aiiin de nao mas-
sar aos leitores e se pede a benevo-
lencia di respeitavel publico em di-
rigir-se roa do i abug n. i A, pa-
ra convencer-so aonde pode comprar
o que bom e barato, assim como:
FACHAS ricas e modernas de tuquim e lurguio
se la
IMEN'SVETTOS. Ricos vestimeutos para meninos,
por baratissimo preco.
FLORES. A Predilecta prima em conservar um
bello sortimento de flores ao alcance
de qualquer bol a anda que nao es-
teja bem replecta dedinheiro.
FITAS. ja bem sabido do publico que s na
Predilecta que podem encontrar um
grande sortimento de fila* de setim,
tafel, velludo, linho e de algodao, por
com modo prego.
GRAMPOS de tartaruga, imitacao destes, pre-
tos c Oe cores, o que se pode desejar
de mais moderno e bonito.
GRAVATAS de seda e de cambraia para senbora,
lagos e golinhas de bonitas cores, tam-
bem tem um bom sortimento de gra
valas e regalas para human.
JARROS de porcelana e de vidro muito bonitos
para ornatos de sala.
Mei s de seda, de la e de algodo, pa-
ra 8enhoraf meninas e homem.
LEQUES. Ricos loques de madreperola, tartaruga,
marfim e de sso, os mais moderaos e
por barato preco.
LUYAS de pellica, de seda e de algodio, para
homem e senhora.
LIYROS para missa a Predilecta^apresenta es-,
colha do respeitavel publico um bello
sortimento destes livros com capas de
madreperola, tartaruga, marfim, osso,
velludo e chagrn, por precos mni
razoaveis.
Novidade.
A1 Predilecta, ra do Cabug* n. 1 A, acaba
de re -eber pelo ultimo paquete chegado da Eu-
ropa, um bello sortimento de corpinhos de cam-
braia bordados para senhoras e meninas, golli-
nnas e punhos tambem bordados e de phantazia,
saias"t*ordadas, ditas com entremeios para senho-
ras, bonitas calcinhas de diversos tapadinhos
e transparentes para meninas, que udo vende
por barato preco.
TASSO IRMAOS i G,
Em seus armazens ra do Amorim
n. 37 e caes do Apollo n. 47,
tem para vender por precos commodos
Tijolos encarnados sextaves para ladrilho.
Canos de barro para esgoto.
Cimento Portland.
Cimento Hydraulicc.
Machinas de descansar algodSo.
Machinas de padaria.
Potassa da Russia em barril.
Phosphoros de cera. _
Sag em garrafones.
Sevadinha em garrames.
Lentiihas em garrafdes.
Rhum da aJmaca.
Vinho do Porto velho engarrafado.
Vinho do Porto superior, di o.
Vinho de Bordeaax, dito.
Tinho de Scherry.
Vinho da Madeira.
Potes eom lnguas e dobradas inglezas.
Licores finos sortidos.
Cognac Ganlhier'Freres.
Latas de toucmho inglez.
Barris com repolho em salmoura.__________
de ser elle um dos mais bem sortidos
LINHA de rariz.
Baha, da fabrica do commen-
Pdroio.
ao respeitavel publico e em particular aos'sns' SJel i11'
numerosos freguez.s a bondade de eon(imar*ii a> ?M5*l8f*?W*,-a-..
depositar em sua confianza, garantindo serera bem PAS*10 de ^ga servidos e por precos nimiamente barato. > I _,, nlendaBor PedroZo.
nhampois todos comprar-novas e'HdM ^e+ RtTR0Z ae todas ^qiialidades, das fabricas de
das, de cujas damos/um pequeo resumo nari' 'er?s Eduardo niirtao.
que vista delle possam apreciar. (Q^&XSfflf; lr bclica-
Velludo preto, stm macao preto e braocorgor- SALSA1 Alil
gurao de seda, grosdensple preto e de linds'c-
res.JScom listras de seda, cambr*ia':martpozaj
nansok de lindos padroes, carnizas bardada fmi
homem, vestuarios | para criaacas, ch.apo* para
baptisados, manas brasileiras. meias de cores pa-
ra homem e meninos, peos de c*o de marfim
ara sol, granadme?, filb de Wa.-rcas' bastjtritta
e seda, fil de linho, bramante, oambraias, 'cM-
tas, caaserairas, etc.: na loja do Passo, wa- Fn-
mreode v argo n. 7 A.
Setim maeao de eflres.
Saias bordadas para senhora.
C res de vestidos brartcos bordado para se-
nhora.
Merino preto e de cores.
Capllas e mantas para noivn.
Ricos'cortes de seda d-eflres.
Vistaarle' para* baptsados.
Chapdosi para laptisados.
Cojuas de seda pata nojvas.
Ditas de 15. i
Toafhas bbrdadas de aftlbraia de ilmho lpa
'baptisado, com flus mb^nta.
Na loja do Passo ra Ptimeiro de Mar^o, anli*
gawente Crespo, n. 7,^, ________
VEM-SE
urna mulatinba cm, to5as as habilidades e opti
ma mucama : nSUla mo sobrado.
HesperdiM
o hiw Hespridloa, superior e bcre-
enda ao armozem. de Tasso Iraio A
Amorim t. 37.
'LAS de cera de todo os tamanhos.
tlIfflO 'tagatrfac' do Porto; eafxas do:lt gar-
>mm.
dito Moscatel do Domo, idea dem.
ditb Setubal, caixas de 1 e 2 duzia.
a d'.'Italia engarrafado, caixas de '6 gar-
Mis,
< .dsfolln upBjioPyiaHTanewetes.
de caj, caixas de i? gar a&.
a Malvasia do Douxo, caixas com 12 gar-
rafas.
^ (artnwello; -iem (deoi.
Grande e elegante casa de
ieampo,lpara resideneia de
..graade iamilia.
!D/Wtf>MsepMba Ra>wtt|oat(|ue agM^se adha
em smw& edu pai-fiwlhsaibe fluotil oi'Saato
wiW n graudo sobrado uo Poco da Pa-
caa sir : quem pretfcader dicij se proprie-
aria J. Rawlinson, ou seupai o Sr. (tai-
me reside actualmente
a, #dtta>torn*'se<^mieWav pela t6a
foeiHile-, Wnvtrefaoi ser edificado em cto
mropric Gantiguo aftnf ri Jtferade tem Bina
bonita CMfcaova de Jsilhnr
e bnhiro
taria Mar
iWrnwPuHtlI. tuftitf^4hna .i, ^anh Amaro,
e para informado, na loja do Sr. JoajpHm fiaptiftta
ida Araujorrua do Mrquez a oliuda a. 'i, ou-
tr'ora nua da Cadeja
Chite.
Cbifas
na ra i
\ UJB Guimerme''.
9EGKEDO ECONOMA E CELEIUDADE.
Obtem-se com o uso
DA
INJECCO SHOST
nica, brygienica, radical e infallivol na cu-
ra das gonorlieas, llores brancas e fluxos de
toda especie, recentes ou chronicas; e que
offerece como garanta de salutares resultados
a continuada applicaco que sempro com a
maior vantagem se tem feito dalla nos hos-
pitaes de Paris.
nico deposito para o Brasil, Bartholomeu
d C, ra Larga do Rosario n. 34.
Xarope d'agriao do Para
Antigo e conceituado medicamento para
cura das molestias dos orgaos respiratorios,
como a phtysica, bronchites, astbma, etc.,
pplicado anda com ptimos resultados no
escorbuto.
Vende-se na pbarmacia e drogara de Bar-
tbolomeu & C, ra Larga do Rosario n. 34.
>.to lia mais cabellos
broncos.
TIHlRMIlk JSPitZ.
8ie UBkaapi^rOfida ^las aoad'>mies de.
f^deneia, rweonheeida sperior alada -que
tem apparecido 'at hoje. 'Departo primen
palera da Batela do Reaife, hojdMr-
quez de Olinda, n. 61, andtr, e am im* CndaCttaha^Q.
todas 'as boticas casas de cabellei-
reiro.
i Vate-se urna rmacSo nova e envic.
Vendem-seDapharmaciaedrogariadeBar propria para qualquer negocio; a tratar iia'rtu
tholomeu C, ra Larga otario o Rn. 34. a Cr)spo i. 20. -
:-:
V EGETAES
BRISTOL
Uns bofes sados e saos
Urna digestao vigorosa,
L'm excellente appctite,
sao alguns dos beneficios que so podem de-
rivar, fa/eudo se um uso regular das
PiluluM vegeiaes Je Itri.stul.
Urna cura certa e ellicaz dos intestinos,
Um remedio -admravej para os rins,
Um tnico poderoso para o estomago,
Sao as inaprecaveis qualidades medicas
que se podom encontrar, usando-se das
Pitillas vcgetncw lo Itrivlol.
Urna medicina que n3 prodiz dores nem
clicas.
L'm purgante que n$o debilita nem en-
fraquece.
Lm lajeante que nao causa a menor
nausea,
Formam urna das muas virtudes que
possuem a s
Plula vegetnoi tic Rrtslo!.
Um medicnineuto suave e favoravel para
0 bello sexo. ,
Um correctivo seguro' dos desarraigos do
sjstema.
L'm remedio completo e seguro para as ir-
regularidades.
Sao os effeitos sem falta, resultantes do
uso e emiiiego das
Piila vcgetacM de Brifctol.
Urna compleicao clara, alva e trauspareute,
Uina pelle macia e delicada e um
Hlito doce e agradavel.
Sao os resultados cortos eiufalli veis, de-
pois de se
haver tomado algumas dses deste
melhor dos
Remedios as
Pitilla., vegetae le rstol.
Em todos os casode molestias Turna na-
tureza escrofulosa, ulcerosa cu syplililica ;
ou quando a inassa do senguc se baja tor-
nado turva ou viciada pelo uso de ferro,
mercurio, ou por outra qualquer substancia
mineral a
fSalsapari'ilha de Bristol.
dever srr usada de conjuncto com as pilu-
las, e assim obrando-so, em restricta con-
formdade com as direcc,oes inscriptas uo
envolto; os doentes podern l car certos que,
urna vez usada conjunctamente urna com a
outra, nenliuma enfermidade ou molestia,
por mais severa ou arraigada que se acn,
uo poder resistir ao combina poder se-
cretorio e sanitario destes dous
GRANDES, [ INCOMPABAVEIS
ll 111 IMO
Ambis estas medicinas acham-se v.enda
em todas as prncpaes boticas c
lajas de drogas.
Acha-se a venda em todas as boticas.
H. Forster & C.
____________AGENTES._____________
Tem sido ajeniada iajOlfo
Durante o espat;o
DE
4 0 A.NX S.
SVI.SVVVRRll.llV
DE
RB1ST0L
** i i
$)
O
CLRA OS CASOS MAIS DESESPERADOS!
A SAI'SAPARRILHA DE BRISTOL puri-
fica a massa dosangue, expelle para fura
todas as materias o fezes viciosas e impuras,
regula todas as seerecoes, d vitalidade e
energa a todos os orgaos o d torca e vi-
gor ao systeiua alim de poder melhor resis-
tir a todos os ataques da enfermidade. E"
pois este um remedio constitucional. Elle
nunca dstroe alim de poder curar ; porm
constantemente muste a nutureza. l'ortanto
em todas as doencas constituciomm e em to-
das as molestias locaes depende ni.1 d'um es-
tado vicioso e imperfeto do syskma em ge-
ral, achar-se-ha que a Salsapakiulua de
Bristol um remedio seguro e elicassssi-
mo, possuindo inestimaveis e iacoilestawMS
virtudes.
As curas milagrosas^de
Bscrofalas,
Ulceran,
< ha mma autigas,
ENFERMIDAES SYPHILITICAS
ERISIPELAS,
RHEUUATISMO,
M.VKAl.t.lAS.
ESCORBUTO,
ETC., ETC., ETC.,
que tem grangeado e dado o alto renome
S^ilsaparrilha de Bristol
por todas as partes do universo, sao to 80-
mente devidas
BN1CA LEGITIMA t MUGWAl
SahapatrUha de Bristol
H. Fenler i C.
AGENTES.
iNA, PHARMACIA CENTRAL_______
L&xinhaa escossezaa a *40 e
*M> rs. cavado
20.-Ra do Crespo n.20.
Laxinhaa eseossezas, padrdes intoiramente nvs,
pelo diminuto preco de SSO'fs. o covado.
Ditas de qna tros raradmlios a 140 ri. o covaio.
.' pechineha, e dao-se amostras na loja
de
aUherate & C.
zinhas escocesas a 280
rs. o' covado.
Rua do Gre^K) n. 20.
UWnhas escoeexas, ^nerdes inteiramente ao-
^s, aloa1inirteprecae'280r8. a covado,
pecnateka e aao-ie amostras na loja de Guiloer-
Matetiaes.
" Ba gempre para vender-se por rommndo preco,
- Vende-sejiedras de amolar: no armaiem ttb l0,0 *> ahwiaria sroaift, dito de diu bitiWai-
Motte, da companhia pernambacana.
BICHAS DE HAMBRGO
As mais recentes e melhores. 4
em qualquer lugar : a ver e tratar na olar ; da
ra a Viaconde de GOJanna, antiga do Mondado
a 65.
>'-'


8
Diario de Peraambuoo Seguuda feira 14 de Jullio de 1873.
ASSEMBLEA fiERAL
. ----------------------------i-----------------------------------
SENADO.
Sessdn em 17 de mal de 1873.
NEGOCIOS BOCEARA.
(Conelusio.)
O Sr. Pompeu : De que subdelegado
esse officio ?
O Sr. Visco.M):: do llio Branco (presi-
dente do eonsolho):E* do chefe do polica.
O Sr. Pompeu :Rcfere-se a um sub-
delegado.
O Si;. Visconde W> Rio Branco (presi-
dente do conselho): F.is aqui um officio
do delegado de polica da villa do Assar,
datado ein 16 de janoiro (lendo):
Cumpre eornmunicar V. S. as oceur-
rencias desagradaveis que se tem dado noste
termo e o estado de anarchia que tai appa-
recendo, aconselbada pelo partido da oppo-
sico. Como comrauniquei, remetti dous
recrutas dosta villa para a do Saboeiro,
escoltados pelo destacamento quo aqu se
acha comniandado polo 2.' sargento Jos
Umbelino, e em paminho, ao chogar aquella
villa, foi a escolta atacada por um grupo
numeroso de hoinons armados, que, for-
rando a escolta, tomarara os referidos, re-
crutas. Vou remetlor ao Dr. juiz municipal
d'aquella villa o inquerito feito escolta o
mis diligencias, para que proced o mosmo
ao competente processo administrativo.
Consta ter sido assassinado hii individuo
de nome Andr no lugar Nova Oltuda. Vou
entrar as indagares policiaes.
No districto do Brejo (Irn le (Cariri) deu-
se urna tentativa de morte, sendo autor An-
tonio de Abreu, que est sendo processado
n'aquelle asesino ilistricto.
Houvcram muitos espancamentos duraute
as festas, e nada providencie! por falta de
torga, j tendo sido tomados vario.? presos
do poder do subdelegado, e o povo contina
no criminoso uso de armas, sendo tudo isto
com direccao de pessoas, que se oppem ao
no lugar Macei, do
governo.
Antes de hontem
districto desta villa, tres perversos penetra-
ran! na casa de um pobre pai de familia,
arrestaran! tres filbinhas menores, que estu-
praran!, deixando-as depois de tio brbaro
acto.
Desde hontem despachei a tropa de poli-
ca procura do captural-os e serei solicito
na procura de taes malvados.
A' vista de semelhante estado, cumpre-me
de novo requisitar para este termo um des-
tacamento, ou m.iis pravas do polica para
reforgarem o existente, que mal chega para
a guarnicao da priso publica, por serem
somente inco pracas e um sargento.
Na m'esma data 22 de Janeiro communi-
cava o chefe de polica (leudo):
Satisfazendo a-exigencia de V. Exc,
constanto do officio n. 453 de 30 de dezem-
bro prximo findo, relativamente publi-
eago do Pedro II de 29 do mesmo mez,
sob a epigraplic Vaiidalismo, transmitto a
V. Exc. a copia do officio com que o sub-
delegado do polica da Pacatuba acaba de
informar-m.e a este respeito. E' mais urna
aecusago som fundamento adrede fabricada
contra a polica local. E' o menos que se
pede esperar na falta de materia para sanar
aecusago em urna localidade, onde F.....,
poltico* odiento, foi o maior protogonista no
derramamento do sanguequealli houve na
vespera das elcicoes de 18 de agosto do
anno prximo passado, e nao perde occasio
de incommo'ar seus adversarios.
Tenbo aqui o officio do subdelegado, em
que declara quo os factos de vandalismo
referidos pelo Pedro II, eram imaginarios
quant s pedradas quo tinbam sido atira-
das sobre as casas dos Srs. Estevo Jos de
Almeida e outros.
0 Sr. Pompeu:0 Sr. Estevo Jos de
Almeida chefe do partido conservador.
O Sr. Jaguaribe:Porque nao diz di-
sidente 1
O Su. Visdonde do Rio Branco (presi-
dente do conselho) -.0 Cear ainda soffre
os effetos da liga eleitoral, e o nobre sena-
dor julga que o scu aparte destroe o valor
das informarles officiaes.
Passo a lr o officio do subdelegado de
polica da Pacatuba; e em seguida dous
outros do chefe de polica, do subdelegado
e do delegado do Sobral (lendo):
Em cumprimento s ordens de V. S.
em sen officio datado de i do corrente, no
qual sou interrogado sobre o contedo de
um artigo do jornal Pedro II, tendo por
epgraphe Vandulismo, tenho a responder
o seguinte:
Esta subdelegacia iguora o facto do
apedrejamento da casa de Estevo Jos de
Almeida, morador nesta villa. E' verdade
que, alguns das depois, contou-se que no
dia 24 do mez passado cahiram algumas
^,dras sobre a casa d'aquello senbor, assim
como tambem sobre a casa vizinba, per-
tencente ao importante agricultor Antonio
Cabral de Mello, gcralmente estimado n'este
districto. Comquanto fosse um facto raui
simples, todava tratou-se de indagar (visto
que nao recebi queixa) se bou ve proposito
e qual o autor e nada pude obter de
positivo.
Attribuo, portanto, esse procedimonto, ou
a um grupo de meninos quen'aquella noite
percorreram as ras d'esta villa, dando
vivas a grados e a midos, e ao proprio
Sr. Estevo, com ardil e plano, para depois
ter o mo gosto de attribuil-o a mim e aos
iiieus supplentes, que nos presumimos de
bomens prudentes e honestos.
Quanto ao recrutamento e processos injus-
tos, de que acensada esta subdelegacia,
nada mais errneo, porquanto ura ou outro
recruta, que temos remettido para essa ca-
pital, tero voltado por bondade de V. S. e
do Exm. presidente da provincia, visto que
nao tem allegado seno isenges que pro-
cura m arranjar, e so nao tem esta subde-
legacia contrariado taes documentos, so-
mente porque nao ha de minha parte m
vontade e sim o zelo de iuteirar o numero
de recrutas quo foi imposto a este districto.
0 recruta caxeiro da bodega de Jeo Al-
meida, foi solt por V. S. sob a falsa isen-
go de ser caixeiro nico de urna casa com-
mercal, e, no entanto, este estabelecimento
nao passa de urna bodega ou quitanda.
No entanto, esse mogo atrevidamente lau-
gou face de meu digno supplente em
exercicio um cbapo velho, que havia ven-
dido a um freguez inexperiente, dizendo
ser novo, senda sollo o recruta ; esta sub-
delegacia puder laucar mo do recurso de
um processo de ..desobediencia na pessoa
d'elle, mas nao o fez somente para nao
parecer represalia ou perseguido.
Daqui se v muito bem que nao ha, uem
jamis houve processo nenhum injusto. Pos*
sa affirmar a V. S. que este districto nunca
gozou tanto socego publico como actual-
mente, o se por ventura apparece assa grita- deute do conselho) : (Lendo) :
ria do correspondente dessa .villa para 0 Teudo o juiz de direito do Ipii feito
Pedro II,' tsso um plano de pessimo gosto expedir umm ordena de habeae-corpus em
do Sr- Estevo do Almeida, afina de que favor do recruta OJorieo da Silva Cedeu,
voltera aquelles bellos tempos .tempos em que jase achava de praga assentada, acon-
que elle tMa este districto em urna perfetta teceu que o escrivlo incumbido da execu-
coflagrago. co de referida ordeta, oe occajlfco de in-
Offido do chefe de polica. tima-la, portou-se por tal forma para com
Rog) a V. Exe. quo so ligue tomar em e delegado recrutador, que este julgou se
considerago o que me communioa o dele- abrigado adar-lhe voz de priso. Logran-
gado donolicia do termo de Sobral no offi- doevadir-se o escriv refugiou-se era casa
ci, junto por copia, e levar ao conheci- do juiz le direito, que o aoolheu e teatou
ment do goveruo imperial os continuos frustar a ordem de prisio, fechando as por-
embaragbs que vo trazendo aeco poli' taf e recusaodo entregar o desobediente,
cial alguns juizes de direito, que na provin* 0 procedoento estranhavel do juiz de
ca esquecem-se dos sentimeutos de impar- direito provocou o nao menos incoo venieu
cialidade e justiga para,obrarem,por inspi- te do recrutador, que nao se demorouem
rages p liticas, desanimando assim os bons cercar a casa daquelle magistrado, alim de
funecionarius e concorrendo para que os levar a efTcito sua ordem ; o que ubteve,
odios o intrigas continuem a alterar a or- sondo pouco depois solt o escrivo em vir-
dem publica, tude de habeas-corpus concedido pelo juiz
No Crato e Ip esses graves iuconveuien de direito que Ihe dera asylo.
tes se fazem sentir em grade escala como Quaudo [me chegou a noticia dessa oc-
no ignora essa presidencia. currencia, j se achava destituido o inajor
Officio do delegado do policia. Caldas do cargo de delegado de polica, por
V. S. sabe, por lhe ha ver cornmunica- Dio ter sido sactisfutorio seu procedimento
do, que o destacamento desta cidade com- anterior, e expedidas as ordeiis precisas para
punha-se do 18 pracas da guarda nacional a substituirn do destacamento de linha por
inclusive um inferior, sendo sete pracas pa- urna forra de policia sob o comman lo do
gas pelos cofres provineiaes e 11 fazendo o um offictal, a quein invest da delegada.
servigo gratuitamente, mutaveis de tres em Quanto ao recruta, teado allegado e pro-
tres dias. Assim encontrei o servico quan- vado isengo legal perante esta presidencia,
do tomei posse e entre om exercicio do mandei po-Io -m liberdade.
cargo de delegado a29dejulho do anno Com a remoeo, ltimamente decretada,
prximo passado. do juiz de direito, bacharel Leocadio de
Em consequoncia do grande numero de Audrade Pe criminosos quo havia na cadeia, subindo Samuel Pelippe de Souza lchoa, de espo-
lie 50 presos, e das proximidades das elci- rar que se restabeleca o imperio da lei e o
eOes de 18 de agosto, ondea ordem publica respeito autoridade na comarca do Ip.
araeaceva ser transtoruada pelos prepara- Sr. presidente, o juiz de direito, como se
tvos com que se ameaceva, os boatos ater- vi, nao foi prudente ; o recrutador por sua
radores que corriam da parte do comman- vez descomedio-se, e seria exonerado por
dante superior, Jo: para poder cu mprir o meu dever, no dial quaudo a noticia chegou ao conhecimento
do mez de agosto urna forga sufliciente, que do presidente da provincia,
pudesse, sendo necess;iro, garantir a *rdem O senado ha do permttir que eu lea
e a vida dos cidados. ainda outro trecho do ufficio do ra^srao pre-
V. S. em officio do 13 do mesmo mez sidente, ondeo nobre autor do requermen-
dignou-se fesponder-me que por ordem da to encontrar confirmadas, algumas das
presidencia", tiuha sido mandado augmentar observarles com que tenbo procurado de-
o destacamento com oito pracas da guarda mover S. Exc. do demasiado crdito que
nacional, viudo assim a ticar com 26 pra- deposita era seus informantes. (Leudo) :
gas. I Em officio de 27 de margo prximo
O commandante superior, no dia de findo partcpou-me o recrutador da cidade
setembro mandou-me a presentar o to pr. sendo tres doentes de sezes o um cabo de gao do juiz de direito, bacharel Luiz de
que nao havia necessidale. aquellos deca- Albuquerque Martins Pereira, e a dispensa
rando-me que nao poda fazer servigo, e do exercicio do coronel commandante su-
era visivel, e este dizendo-me que nao vi- perior da guarda nacional Antonio Luiz
nha fazer o servigo de soldado e sim de ca- Alvos Pequeo Jnior, estes fuuccionarios
bo ; j nao se achava nesta cidade o cora-^exacerbaram-se por tal forma que protesta-
mandante superior, estava fra. (ram langar mo de todos os meios para
Em consequencia da urgencia do servigo impedir o servico do recrutamento, e para
e tendo-se-me apresentado quatro guardas logo, o juiz de direito fez expedir ordem de
nacionaes, voluntariamente dos que j ti- hubeas-corpus em favor le dous recrutas,
nham feito servigo, offerecendo-se-me para queja se achavam de praga assentada, nao
destacar, em lugar daquelles, aceitei-os. obstante ter sciencia desta circumstancia
No dia 6, porm, me foram aposentados, pelas informages que lhe foram tuinistra-
por ordem do commandante superior, cinco d*s.
guardas para eu os por em lugar dos quatro O recrutador, sabendo que o coronel
que eu aceitei, e que voluntariamente se Alves Pequeo, reunir de antemo, em
prestaram ao servigo, e sem nenhuma re- sua casa propria, grande numero de ho-
clamago, e um para p r em lug r de um mens armados, alim de fazer cumprir, viva
dos outros quatro quo me havia remettido, forga, a ordem de habeas-corpus, e julgan-
dizendoque era do outro batalho. doprudente evitar um conflicto em que o
Ao mesmo tempo raaudou retirar os on- derramamento de sangue seria inevitavel,
ze guardas nacionaes, que faziam com ou- resolveu soltar os recrutas, que retraram-
tros o servigo, nao querendo dar outros, de se para suas casas.
sorte que em vez do destacamento ficar, Fiel ao seu systema de nverter os factos,
comoera de ordemsuperior.com 26 pracas, o jornal Cearense narrou o de que se trata,
vinha a ficar com 15, menor quo o de 18, | ao sabor dos interesses que defende, e nessa
que se havia mandado augmentar I Nao occasio deu noticia de urna morte que diz
era possivd o servigo assim. Ento fazen-' ter havido a que presumo ser a mesma a
do-lhe ver isto, nao pude dispensar os qua-que se refere o promotor publico em 27 de
tro guardas que voluntariamente destaca-'margo.
rain, ficaudo-me com os cinco que man- Informages que me foram ministradas
dar em conta dos onze que d-via mandar, particularmente, mas de fonte insuspeita,
repuisitando-lhe o resto que falta va, seis, induzem-me a crer que a morte noticiada
o que nao me salisfez. i pelo Cearense, nenhuma ligago leve com a
Em consequencia, como tudo j partici-' occurrencia a que Iludo ; entretanto aguar-
pei a V. S. contando com o juiz de direito, ,do esclarecimentos mais circunstanciados,
pelos efle tos da coaligo, deu urna denuncia, que exig do Dr. chefe de polica e do juiz de
perante este do mim. que acaba de pronun- direito ltimamente nomeado para a comar-
ciar-ine no a*t. 139 do cdigo criminal,'ca do Crato, bacharel Joaquim Coelho Cor-
depois de cinco raezos I Achando-me as-!deiro Cintra, queja seguio seu destino.
sim fora do exercicio de delegado, em vir- O Sr. Pompeu : O presidente to
de direito da'parcial, que vai logo priori justificando
sentindo que este facto.
O Sr. Visconde do Rio-Branco (presi-
dente do conselho) : Estas palavras to
prudentes e to naturaes da parte do pre-
sidente da provincia do Cear, que v todos
os dias comprovada a falsidade ou exagera-
estou sendo processado pelo'gao dos factos que se imputara mesm<
mesmo juiz, por causa do recruta que re-! presidencia e aos outros agentes do poder
metti no dia fdeste corrente mez, Antonio publico, nao podem ser acojinadas de par-
Francisco do Nascimento, que nao tinha cialidade, como quer o nobre senador,
isongo, mas a quera o juiz deu habeos-1 O presidente diz que o Cearense falla de
corpus j estando em caminho, quaudo um homicidio, que suppunha nao ter esse
mandou-me dar o motivo da priso. Por facto relngo com o dos recrutas, mas que
tude da justiga do Dr. juiz
comarca, o participo a V. S.
nao tcnbam havido providencias pela des-
obediencia do commandante supe-ior or-
dem da presidencia, dirainuindo emvezde
augmentar o destacamento o que talvez
dsse lugar a esse resultado.
Tambero
urna portara classilicou no art. 154 do c-
digo penal o outros, qm quo me possa
achar incurso no correr do processo.
Ora, sendo essas as circunstancias da
provincia do Cear, admira como o nobre
senador nao v seno abusos da parle das
autoridades, e ao passo que pede providen-
cias efficazes em favor da seguranga indi-
vidual e de propriedade, S. Exc. estranha
exigir informages circunstanciadas, e que
as esperava do chefe de policia e do novo
juiz ile direito da comarca do Crato. Ora-
em presumir o presidente que a morte no,
ticiada pelo Cearense nao tiuha connexo
com o facto dos recrutas, due depoi; de ha-
verem assentado praga obtiveram, nao obs-
tante, ordena de habeas-corpus do ex-juiz
de direito da comarca do Crato, em manifes-
queo presidente da provincia expedase des- tar esse juizo nao eeu o presidente da pro-
tacamentos para alguns pon os do interior, vincia o menor indicio de parcialidade.
Eu posso desde j responder ao nobre O juizo a respeito do pouco escrpulo
senador quanto ao facto que constitne o com que sao aecusadas as autoridades do
objecto do primeiro quesito do seu reque-
rimento, equeS. Exc. qualificou de atten-
tado pratcado na comarca do Ip pelo de-
legado militar, major Honorato Candido
Ferreira Caldas, contra o juiz de direito
Leocadio de Andrade Pessoa.
Sr. presidente, houve com effeito a oc-
currencia a que referio-se o nobre senador ;
o-recrutador, que ento era o Sr. major
Caldas, oSicial Tilias muito distincto, ura
dos benemritos da
guay...
Cear est confirmado por muitos fac-
tos...
O Sr. Figueira de Mello : Apoiado.
O Sr.- Viscos de do Rio-Branco (pre-
sidente do conselho) :.. .e o presidente
convencido pela sua experiencia de que sao
innmeras as inexactides da imprensa op-
posicionista, acaso mostra-se apaixonado,
incapaz de bem cumprir a sua raisso,
quando diz que o Cearense, fiel ao seu
campanha do Para- systema de nverter os f-ctos, narrou o de
j que se trata ao sabor dos interesses que de-
0 Sr. Jaguaribe : Apoiado.
O Sr. Visconde do Ro-Branco (presi-
dente do conselho) : ... em conflicto
fnde ? Seguramente nao.
O nobre senador referi outro facto a
que lgou grande importancia dizendo-nos :
com o juiz de direito Leocadio Pessoa, exce- O juiz de direito de Baturit, o Sr. Dr.
deu-se ; mas este juiz tambera se traba ex-Umbelino Ferreira Cato, foi ameagado pe-
cedido. O nobre senador fez carga ao ma- lo delegado de pol.cia.
jor do exercito, ao recrutador, mas nada Sr. presidente, o facto real, mas ain-
soube que podesse desabonar o proced-.da aqui noto que o nobre senador, to
ment daquelle juiz I bem informado das cousas do Cear, nio
Vou 1er a V. Exc. a informago imparcial soubesse ao mesmo tempo que o digno pre-
que desse facto deu o presidente da pro va-, sidente da provincia, logo que, averiguadas
ca em officio de 22 de abril. as circunstancias desse facto, se coovenceu
O Sr. Pompeu : V. Exc. so se funda de que o delegado cora effeito se exceder,
em suas peg s officiaes. fazendo ameagas ao juiz de direito, apres-
0 Sr. Visconde do Rio-Branco (presi-' sou-se a destitui-lo.
dente do conselho) : Se elle o merece! O Sr. Pompeo -Agora que sei dessa
por sua posigo e por seu carcter, se nao destituigo.
movido por interesses nem paixo,como; O Sr. Visconde do Rio-Branco ( presi-
quer o nobre serTador que os seus intor- dente do conselho) :^-Nio s o delegado
mants valham mais ? foi .nmedatamente destituido, como tam-
0 Sr. Figlkira de Mello : Apoiado. bem ficou averiguado qje o caso .nao pas-
0 Sr. Pompee : Que anjo I | sara de ameagas, nio terMo o juiz de direi-
0 Sr. Viscwde do Rio-Bramo (pres-!to soffrido coac^So algumino ixercicio de
suas attribuiges.
Sr. presidente, quem assim procede,
urna autoridade que nao hesita em dei-
tir agentes da sua confiunga, logo quo se
convence de que elles nao eram os' mais
aptos para exarcer o mandato que Ibes foi
confiado, um presidente desta ordem, um
presidente que procede segundo taes normas,
devia, pelo menos, merecer algo, as pala-
vras de tolerancia do nobre sonador pela
provincia do Cear; mas S. Exc, ten lo
sempre pafcvras atenuantes,, adiando sum-
prexplicago!S satisfactorias para todos os
faetbs que se imputara a seus co-religiona-
rios, pelo que raspeila ao presidente da
provincia, que o nobre senador conhece
pessoalmente, nio lhe ouvimos seno pala-
vras da mais annrga censura.
O Sr. Pompeu iNao o aecuse ; pelo
contrario resalvc seinpre suas boas inten-*"
ges.
O Se. Visconde do Rio Branco (pre-
sidente do c.mselho) :Como o nobro se-
nador nos l aqui umitas vezes jornaes co-
mo documentos de suas observages e cen-
suras., ha de permittir que eu cite tambera
o que li em correspondencia do Cear, pu-
blicada no diario i tiaco de 13 do cor-
rente.
O Sr. Pompeu:Ah?
O Sr. Visconde do ilio Branco (pre-
sidente do conselho) :Vejamos o quoalli
se refere (lendo):
Depois que o Exm. Sr. Oliveira Maciel
assumio a adiniiistrago da provincia, de-
mittio 39 autoridades do partido conserva-
dor, por serem contemporneas das elei-
ges ; pela forga publica sua disposigo
foram capturados 32 criminosos de homi-
cidio ; 10 de tentativa de morte ; 18 de fe-
rimentos graves; 3 de ditos leves; 3 de
moeda falsa ; 1 de infanticido ; 1 de rou-
b i; 5 de furto ; 1 de peculaio, etc.
Quera colhe resultados to lisongeiros,
em prol dos governados, nao se desprestigia
e pouco se importa com as ridiculas aecusa-
ges de tyramiia e outras quijandas.
Nu Ip, o major Caldas, delegado de po-
licia, excitado e provocado ao ultimo ponto,
cercou a casa do juiz de direito, Dr. Leo
cadio de Andrade Pessoa, de triste Hornea-
da, afirn de prender um criminoso que l
se havia homisiado.
O Dr. Leocadio, creando em sua casa
asylo para criminosos, tendo de conceder-
Ibes depois habeas-corpus, com o unicO
prosposito de impedir a acgo da justiga e
de desprestigiar a actual administrago, nao
se conduzia avisadamente, dando lugar a
que alinal a paciencia humana se esgotas-
se ; compartilhou assim a audacia do cri-
minoso e provocou o procedimento do de-
lagado.
Houve manifest desatino da parte do
juiz de direito, o q e nSo era novidade pa-
ra os ipuenses, que virara o mesmo Dr.
Leocadiu uvolvido at em processos cri-
mes I
O Exm. Sr. Oliveira Maciel, porm, ze-
loso do prestigio da autoridade, do que o
Dr. Leocadio se achava revestid ; exonerou
inmediatamente o delegado, quo teve or-
dem de recolher-se a seu corpo.
Pensa que S. Exc. teve por isto urna s
palavra amavel da opposigo ?
Qual I foi insultado atrozmente por ella,
em recompensa de ter procurado salvar o
fraco prestigio do Dr. Leocadio de Andrade
Pessoa I
Sao cousas deste mundo I
Aos olhos, porm, da verdadera opinio
publica, nada escapa,* a sabia administra-
gao de S. Exc. geralmeute reconhecida
digna de louvores e respeilada, malgr tout
ce qu'on dit em sentido contrario.
Dois Unos das nomeagos feitas pelo
Exm. Sr. Oliveira teera recahido sobre ad-
versarios do goveruo; c rao ento que o
presidente intolerante e exclusivista ?
Eleicao do Aracaty.Consta-rao que
S. Exc. depois de aproundado estudo e de
muitas averiguages resolveu-se a appro-
var a eleigo leita pelos conservadores sob
a presidencia do 1* juiz de paz com seu es-
crivo c quasi a totalidade do eleitorado e
de votantes, em urna ou outra igreja da ci-
dade do Aracaty, que nao ha matriz, por
star rsta transformada em acampamento
militar, cercada por pegas raiadas e donde
partiain tiros, ameagas e indisiveis trope-
las I
E' o ultimo ponto a que um partido pode
chegar, como tambem a prova mais cabal
de sua nullidade I
E podia ser approvada urna eleigo feita
com artilhana ?
Talvez se tivessemos algum presidente
desabusado, como os houve aqui no tempo
do liberalismo e do progresso; mas nao
agora, quando felizmente temos um presi-
dente dos antecedentes honrosos Jo Exm.
Sr. Oliveira Maciel.
Eram as duas melhores eleiges libe-
raos da provincia, dizem nos todos os
dias o Cearense e o Pedro II no meio de
mil improperios : faga idea do que sero as
outras 1
Rompeu o Pedro II, jornal do grupo
rmudb, alliado dos liberaos, tomando por
pretexto a approvago da eleigo da Ba-
Viagem ; ora veja se o pretexto prod-
ceme.
Presentes a S. Exc. as actas de las elei
ges relativas a que doveria ter sido feita
era Boa-Viagem a 7 de setembro ultimo pa-
ra vereadorese juizes de paz, S. Exc, de-
pois de maduro exarae, approvou a que lhe
parecen mais regular.
Ora, a presidencia nestes casos procede
as condiges de um juiz, que obrigado
a julgar pelo allegado e pro vado, e o al-
legado e pro vado era em favor da eleigo
conservadora, que, alm de tudo, tinha
por si a quasi totalidade da populago,
nio se conhecendo mesmo all um outro
partido com probabiiidade alguraa de ob-
ter urna victoria regular; all como em
muitas outras localidades, .eraos um outro
adversario, rari nautes m guryile vasto.
Tio lhongeiro resultado devido nao
smente a antipathia que sobre si attrai-
ram os ligueiros, corao tambem a sabia d-
recgo que teem levado os negocios pbli-
cos com applausos do povo, descrente das
grandes proraessas dos liberaos e seus aUia-
dos, de modo que a este respeito o povo
formou j um proverbio; quando alguem
promette muitas cousas, responde-se-lhe :
palavnado de chimango.
.................................
O recruta nenio tem sido procedido na
provincia inteira com toda mederagio e
calma.
Em geral os recrutadores s mandara
prender aquelles individuos designados pe-
la voz publica.
E' urna lei muito dura, na verdade; mas,
emquanto nto or retogada, 4iraa lei,
que deve ser cumprida, principalmente
sendo o recrutamento a fonte principal
da forga publica.
Assim, porm, nao tena eutiandido o juiz
de direito de Sobral, Dr. Vvente Alves de
Paula Pessoa, u outros magistrados*1be-
raes, que s por opposigo ao goveruo,
concedem a torio e a diroju? orJoi% de i)a-
beas-co:pu* ao mais digno de ser recruta lo,
abusando assim de urna grande preroga-
tiva.
Era impossivel deste modo um recru-
ta eft Sobral, Ip. Crato, etc., cora seus
celebres juizes de direito, cujo fun pareca
ser somente armar a todo momento eraue
ciliios autoridade constituida.
Nessa mesma correspondencia o nobre se-
nador ver muitas outras aecusages de S.
Exc. respondidas cabalmente.
O nobre senador que boje fallou a pro-
posito de um novo requerimento sobre os
factos do Cear, j explicou a nosso Ilus-
trado collega, autor deste requerimento ora
em discusso, que estatistieas como as apr-
senla S. Exc. nada pr,ovam. Para mustiar-
nos que hoje no Cear se commettem mais
rri mus do que se com niel tiamhadous, quatro
ou cinco anuos, devia o nobre senador apre-
ciar as causas c comparar os factos dos dous
periodos...
O Sr. Pompee :J li aqui o relatorio do
presidente.
O Sr. Visconde do Rio Branco (presiden-
te do conselho):...maso senado vio que
o nobre senador teve o cuidado de nao
passardoanno de 186*.
O Sr. Figueira de Mello :Apoiado.
O Sr. Poupeu :Nem cheguei a elle.
O Sr. Visconde do Rio Branco (presi-
den do conselho :Nem mesmo chegou a
esse anno. Tal era o receio quo o nobre
senador tinha de locar nesso 2. periolo.
que nem chegou ao anno de I86i. Verdade
quo S. Exc. podia remetter-nos para os
discursos que proferio no senado uas ses-
ses de 186i o 1868.
De que serve apresentar os factos de um
cerlo periodo som poder assignalar as cau-
sas, a identidade ou difTerenga das circuns-
tancias, e sem comparar os factos de um
periodo con os de outros? Para .provar
que hoje lu menos seguranga publica no
Cear, que esta seguranga se tem eufraque-
cdo de tempos a esta parte, era mistr que
o nobre senador confrontasse o numero, na-
tureza e circumstancias dos factos, occorri-
dos no periodo quo loinou para suas obser-
vages, com os do periodo anterior ; e cu
creio que, se o nobre senador tizesse esta
confroutagio...
O Sr. Pompeu :Talvez o satisfaga.
O Sr. Visconde do Rio Branco (presi-
dente do conselho): ... nao chegaria s
consequencias que lirou em detrimento do
crdito de sua provincia.
Seja, porm, como fr, o ceilo que o
actual presidente lera sob esse ponto de vista
prestado relevantes servigos (anotados], ser-
vigos to notorios, to palpaveis, que o no-
bre senador nao pode desconbece-los. Elle
tem empregado o zelo das autoridades e a
forga policial o a de linha na perseguigo
dos criminosos, havendo conseguido j re-
sultados muito vantajosos a bem da morali-
dade publica, da seguranga individual e de
propriedade naquella provincia. (Apoia-
dos.j
Disse-nos o nobre senador que a comarca
de Maranguape fra declarada de 3.a en-
trela para remocao do Sr. Jou Salom
de Queiroga.que estava na comarca do Ser-
r, provincia de Minas lleraes, remogio ne-
cessaria alim de realisar-se a do juiz de di-
reito do Ip, o Sr. Leocadio Pessoa.
Sr. presidente, ha no senado quem co-
nliega as condiges da comarca de Maran-
guape.
O Sr. Jaguariue :Apoiado ; comarca
imporlante.
O Sr. Visconde do Rio Branco (presi-
dente do coiisellio): Assim como ha infor-
mages nao s do Sr. Wilkens de Mattos,
ex-presidente, se nao tambem to actual pre-
sidente, dizendo que Maranguape, que foi
desmembrada da capital, donde dista tres
leguas u inda, pela importancia da sua in-
dustria agrcola, numero e riqueza de sua
populago, por todas as condiges necessa-
rias, nao poda deixar de ser comarca de
3.' eutraucia. (Apoiados.) Logo, a classifi-
cago do Maranguape e nao foi, como injus-
tamente suppoz o nobre senador, um meio
de remover o Sr. Leocadio Pessoa, do Ip
para a provincia de Minas Geraes.
Tendo j respondido ao primeiro quesito
do requerimento do nobre senador.pelo que
toca falta imputada ao major Honorato Candi-
do Ferreira Caldas, recrutador; tendo j
ponderado ao nobre senador que eslava re-
couhecido por discussoes anteriores que o
nobro ex-ministro da guana, nosso collega
o Sr. Jaguaribe, havia expedido aviso auto-
risando os recrutadores a assentarem logo
praga aos recrutados : estando tambem ma-
nifest que o pensamento desse aviso uo
era a violago da lei, mas o seu cumpri-
mento o mais piuiaptamente possivd, no
intuito de cortar, quanto podesse ser, o abu-
so que praticavam alguns juizes de direito,
dominados polas paixes locaes, soltando
recrutas que nao tinhain isenges legaes ou
que nao as haviara allegado, por meio de
ordem de Itabeas-corpus ; tendo ao mesmo
tempo apreciado as observages geraes com
que o nobre senador nos quiz descrever a
provincia do Cear em circunstancias muito
criticas, langando toda a responsabilidado de
taes circumstaneas sobro o presidente da
provincia e seus delegados, eu creio que es-
t completa a resposta que devia ao nobre
senador.
Nao preciso accresceutar considerando
a ultima parte do requerimento, que nao
foi revogado o decreto u. 2171 do 1. de
maio de 1858, que marca um prazo rasoa-
vol.para que os recrutas pussam allegar e
comprovar suas isenges. J est dito, a
proposito do aviso que tanta discusso lo-
vantou nesta casa, que o govorno nao aca-
bou cora asdisposigessalutares desse regu-
lamento de 18o8; que smente teve por
fim evitar que se demorasse o alistameuto
de recrutas e seu assentamento de praga
quando nao tivossem allegado isenges ou
nao as comprovassom. Neste caso permit-
tio-se ao recrutador que assentasse praga
aquelles que fossom recrutados, as proprias
localidades em que lles se achassem, urna
vez que a garanta legal fosse observada, sto
urna vez que elles nao se mostrassem iseu
tos, evitando-se por esse modo que entre o
recrutamento o a ebegada do recruta ca-
pital da provincia, se pudessem erapregar
tolas essas manobras, a que tenho alludido,
rbusando-se da salutar faculdade do haheas-
corptu, para contrariar a primeira autori-
dadefla provincia e o governo- geral no em-
penbo^egal e*inieclinatel de completar a
forga necessaria ao" servigo militar do es-
tado.
Pego, pois, ao iMjbre senador pela pro-
vincia do Ceari que, quando- apresentar os
seus requerimentos, quando se fizer eco das
queixas de seus amigos, adopte para si o
conselho que uo cetsa de dar-nos : ni *
aceite como.verlade tudo quanto lbe disse-
rem Jo Cear, nao lomeo Pedro II e o
Ceaaeiise como orculos da verdade e da
justiga, nao suppoiiha que o presidente da
proviiicn o todas as outras autoridades do
Ceir somente sao movid -s por odio, paxo
ou motivos reprovados. Reconhega o nobre
senador que imputages to absolutas,to in-
justas e to freqoentes, nao podem dar em
resultado seno entibiar o zelo daquelles
quo procurara bem servir no iuteresse da
causa publica...
O Sr. Figueira de Mello Apoiado.
O Sr. Visconde do Rio Branco (presi-
dente do conselho,:.... aeorogoar as resis-
tencias illegaes, autorisar as paixes extre-
mas (apoiados); que nio s comprometiera
os crditos dos partidos, como causara
grande darano sociedade brasilea. (Apoia-
dos).
Reco minen de o nobre senador aos seus
amigos prudencia ; respeito le. e i auto-
ridade. Elles nio teem o direito de dizer
que o presidente da provincia, erabora ex-
ercendo urna faculdade que (lie d a lei,
nao podia approvar a eleigo de tal cmara
municipal o que.portanto.noselsse posse
aos novos eleilos : dev'em respeitar as deci-
soes de autoridade competente. Se tem
motivos para representar "contra taes deci-
ses que o fagam pelos raeios que a consti-
tuigo o as leis Ibes facultara, mas nao se
pouham em resistencia illegal, nao preguem
a anarchia, o desacato a ludo que se cha-
ma autoridade publica.
E, depois de todos esses factos, nao ve-
nha o nobre senador interpr a mfiuonda
de sua palavra e de sua alta posigo para
dizer-nos: o presidente da provincia do
Cear e seus agentes uo fazwn seno injus-
tigas e excessos ; os queixos s teem de seu
lado tola razo e direito, sao victimas inno-
centes da autoridade e de seus adversarios
da localidade. Procedendo assim, o no-
bre senador nao d autoridade publirt o
concurso de que ella carece, para quo seja
respeitada antes pela forga moral, pelo aca-
tamento que se deve tributar ao principio
legal, do que pelos meios materiaes.
Eu recouhogo com o nobre senador que
as cireuinstancias da provincia do Cear re-
clamara milita attengo do governo e do
seu delegado, mas nao pelo motivo a que
o nobre senador attribuiu esse estado de
cousas, o sim pela eflervecencia das paixes
que o nobre senador, assim como o gover-
no, deve esforgar-so para que arrefegam.
Tenho concluido minha resposta ao nobre
senador pelo Cear.
O Sr. Pompeu :Sinto nao ter mais a
palavra.
V-1
VARIEDADE
A luullier.
E' um facto histricamente bem fundado
que o respeiio e a considerago para com a
mulher tem augmentado medida que se
eleva o nivel da instiucgo geral dos bois
costumes. Igualinentose observa que a po-
sigo actual da mulher tanto mais consi-
deravel em urna nagio, quanto mais esta se
eleva no fastigio da cmlisago, ao passo
que, entre os |tovos selvagens, a mulher
preenche ainda a funegio nfima de sera-
va, e de animal de carga do sexo forte. Era
esse o papel que lhe estava geralmente desti-
nado no comego da civiiisago, e ainda hoje
entre os potos serai-civilisados, os do Orien-
te por exemplo, em que a posigo da mu-
lher apnas um pouco melhorada, ella
urna semi-escrava.
Por si sos esses factos bastariain para indi-
car-nos por que meio se melhorar a posi-
go da mulher no futuro, e qual o modo
como deve atnr-se era face da mulher todo e
qualquer hometn que pertence uraa nago
civilisada ou que tem essa pretengo. Nos
outros, homens, du Iladenhausen, devenios
acostumar a considerar e a tratar a metade
feminina da humanidade, nao como objecto
de utihdade e de prazer, mas corao o igual
da outra metade.
Nao ha, portanto, a menor razo para que
o principio d* igualdade, dos direitos, hoje
to geralmente reconhecido nao seja tamben
applicado metade feminina do genero hu-
mano.
Cora effeito os deveres eos trabalhos, que
pertencem mulher no organismo social,
nao sao somenos aos do homem era em im-
portancia nem em difficuldade; e esta ta-
refa se poderia augmentar ainda considera-
velmente, se se lhe concedesse um campo
mais vasto e mais livre.
Admittindo mesao, como muitos preten-
dem, que, em geral. a mulher nao pode
luiar com o hornera pela forca, e pela ele-
vago das obras; isto urna razo de mais
para que se lhe dilate a faculdade de con-
correr, e para qu* se lhe faculte os meios
de entrar na rivalidade geral, da vida, ainda
maisdo que Ih'o perraittio a natureza.
Esta concurrencia pira a vida offerecer
tanto menos perigo, quanto a mulher, logo
que fossem desmoronadas todas as barreiras,
nao saberia atravessar os limites assignados
pela natureza sua actividade, e o poder
dos costumes seria roelhor observado do que
os regulamentos de policia a atestar a mu-
lher delicada das cousas e dos dominios para
as quaes ella nao foi feita e nem creada.
Sabe-se, entretanto, que, pelo numero dos
ramos da actividade humana, a mulher
vale santo, seno mais que o homem, por
exemplo, para a agricultura, a creagao do
gado, para a horticultura, a relojoaria, a
arte do tecelo, o bordado etc., etc., para
a composigotypographica, o servigo do cor-
reio, etc. As artes e mesmo as sciencias de
toda a sorte, o professorado, a medicina, o
cuidado dos pobres e dos doentes, a educago
dos meninos ; de tudo isto ainda as nume-
ras se oceupam por vezes pela maneira a
mais distincta.
Se ellas nao desempenhara todos esses tra-
balhos exactaineute como os homens, e
tambem como elles, nao se deve imputar
isso somente fraqueza de sua natureza, i
sua pobre capacidadu; mas tambem m-
perfeigio de sua educago e oppresso so-
cial que pesa sobre ellas. Livre-se a mu-
lher dessa oppresso, d-se-lhe a educago
e instruego necessrias, e ver-se-ha o que
ella poder fazer urna vez que se a torne
poltica e socialmente igual ao hornera.
jContinuat*-se~ha}.
TYP D~DL\O^~F.UA" DUQUE DK C iv
L



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EV474KOP2_8JMRN5 INGEST_TIME 2013-09-19T20:50:05Z PACKAGE AA00011611_12984
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES