Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12971


This item is only available as the following downloads:


Full Text

AMO XLLY. MUERO 146
I
~
PARA A CAPITAL K LIGARES OXIE SAO SE PAGA PORTE.
Por tres rauzes adiantados...............'. 69000
Por seis ditos dem................... 12JSO00
Por ura armo dem...........,...... JiWOO
Cada uuiuero avulso.................. 320
SABBAO 28 DE JIMIO DE 1875
NI
PARA K\TBO E FURA DA PBOVLMCIA.
Por tres, mezes adiantados.........
Por seis ditos idom.
Por hoto ditos idera
Por un anuo dem.
TM

RMMBUCO.
PROPRIEDADE DE MANUEL FIGUEIROA DE PARIA & FILHOS.
,tr
O* Srs. Gerardo Antonio Ai ves & Filhos, no Para; Goncalves d Pinto, no Maranuo; Joaquim Jos de Oliveira & Filho, no Cear; Aiiajuiu de Leim* Braga, no Ararat)- j Joo rio Julio Chaves, no" Ass; Antonio Marques da Silva, no Xatal; i M Jotto
Pereira d'Almeda, em Mamanguape ; Augusto Gomes da Silva, na Paralaba ; Antonio Jos Gomes, na Villa da Peuha ; Belarmino dor Santos Buido, em Santo Auto ; Domingos Jos da Costa Braga, em N'azareth;
Antonio Ferreira de Aguiar, em Goyanna; Franciuo Tarares da Costa, em Alagdasj Aires 4C, ua Baha ; e Leite, Cerquinho d C. no Rio de Janeiro.
PARTE OFFICIAL.
llinlateri lo iiititcrio.
Por despacho de 18 du crrente foram nomea-
dos :
Onlem da Rosa. Comiiiendadores. Dr. D. Juan
J. Selaya, cid idao peruano ; c o tenenle-coronel
Manuel Jos Cardoso, (>elos relevantes servicos que
presten na provincia do Rio de Janeiro construc-
(3o da linha telegraphica do sul.
Offlciaes. Radiareis Francisco do Assis Bezer-
ra de Menezes, Manuel da Silva llego e Alfredo da
Costa Weine, pelos servicos prestados au estado.
na provincia do Cear.
Cavalleiro.-Antonio Pacs de Barros, pelos ser-
vidos prestados ua provincia de S. Paulo, em re-
la./o guerra coin a repblica do Paraguay.
Fez-se aere :
Do titulo de eonselho. ao desembargador apo-
sentado coin as-honras de ministro do supremo tri-
bunal de ju-tica, Theophilo Ililtoiro de Itezcnde.
De foro de lidalgo eavallieiro- da casa imperial
ao tenente coronel Antonio Juvvurk) Pires Falc.j.
Concdcram-se :
Ao bacliarel Joaquim Pires Machado Portella a
exoneraro que pedio do cargo de presidente da
provincia da Bahia.
A Jos Francisco Halhout, professor de franeez
no extern:ito e intema'o do imperial eollegio de
Pedro II. e ao Dr. Jo- da Silva Lisboa, prole-sor
de sciencias naluraes no extrnalo do mesmo eol-
legio, a gralifieacao extraordinaria de 'JrjOOCO a
cada um, correspondente 5 parte dos respecti-
vos venciment'is, na conforinidade do art. 28 do
regulamento, que baixou como decreto n. 1.33<
A de 17 de feveiro lia I8>'j, e art. 30 do regula-
men'o annexo a* de n. 2,0'Jo" do 24 de outubro
de 1857.
As seguinies pcnsScs :
De 60 j meus es igual ao sold da patente de
capillo, a I). Helmira de S.i Sanchos, lilha do ca-
billo de voluntarios da patria Antonio Uellarmiao
Ribeiro Sancl.es, fallecido de cholera-uiorbus na
campanha do Paraguay.
De 36 mensaes, igual ao si Ido da patente de
al/eres, a I). rsula Perra do Ctinargo Aguiar,
ii ii do alferes di voluntario da patria Luiz Anto-
nio da Costa Aguiar, fal.ecido ni Paraguay so)
eonsequeueia Je ferimeut.-s recebidos em com-
bate.
De (00 rs. diarios, aos soldados do i I" hatalhao
dv. infantaria, Mala |iiias Jas de Antojo : do 12*,
Jos Antonio das Virgens ; e os de voluntarios da
patria, Lino Lopes e Manuel Francisco do Nasei-
mento, os quaes, em eonseqneaeia dos ferimentos
recebidos em combate, licaram iinpossibililados de
procurar meios de subsistencia.
Deus guarde a V. Exc.Manoel Antonio Duar-
te de Azevedo.Sr. presidente da provincia da Pa-
rahvba.
Rio de Janeiro, 18 de junho de 1873. Illm. e
Exm. Sr. Dos esolarecimentos prestados por V.
Exc. em offlcio ile 28 de dezembro do auno pasca-
do acerca da elei;o feita em setembro para ve-
readores da cunara municipal da cidade de San-
tos e jui es de paz da respectiva parochia, e es-
pecificadamente dos que se referem ao computo
dos votos apurados, verifica-s, e a competente
acta o confirma, que nao houve excesso de cdu-
las em rolaoao ao numero dos cidados qualifiea
do?, que menna eleicao concorreram, ficanJo
deste modo sera valor a nformacan dala pelo an-
tecessor de V. Exc. no olllcio de 19 de novembro
do dito anno, bascada na que, por eugano, Itie
transmittira a cmara municipal do quatriennio
lindo em data de 6 do mesmo mez.
{Costa excesso que, a ser real, invalidara a elei-
eio, altcrando-llie o resultado de modo notavel,
undou-se o aviso expedido a essa presidencia em
12 de dezembro do referido auno, em virlule do
qual foi a niesma eleifdo airaullada.
E, jiois, attendondo a este motivo, resolveu o go-
yerno imperial, lvida a seeeic dos negocios do
imperio do eonselho de estado que prevalecesse a
mencionada eleien, (cande sem elTeito a disposi-
ro daquelle aviso ; e oulrosim que sejam conta-
dos na apuraco geral os votos tomados cm sepa-
rado, de que trata a consulta da cmara munici-
pal, exarada em otlicio de 20 de setembro, visto
que os factos de apresenlareni algnmas das cdu-
las que os continiam rtulos trocados, e outras
trej oomes raucamente, nao podem de per si sos
ser altribuidos mi fe, mas a simples engao- 0
que declaro a V. Exc. para sua intelligencia e
lias legaes
Deus guarde a V. Exc. Joo Alfredo Correa
Paulo.
Rio de Janeiro, em 18 de junho de 1873.lllm.
e Exm. Sr O governo imperial, sustentando o
acto dessa presidencia :erca das duas eleiofies
effectuadas em setembro do anno Masado na villa
de S. Francisco para voleadores da cmara mu-
nicipal respectiva e juizes de paz do districto da
mesma villa e do le Sania Cruz, resolveu appro-
v.u a que se procedeu na matriz, coto observan-
cia das formalidades legaes sol) a presidencia do Io
juiz de paz Antonio Januario Barreto e annullar a
que sob a do 2" juiz de paz Francisco Bento de
Araujo se elTectuou na casa da cmara, setn moti-
vo provado que juslilicasse sua realisacao fra
do lo;al designado pela lei.
que declaro a V. Exc. para os devidos effei-
un e em solucao do offlcio n. 8 de 17 de marco
ultimo.
Deus guarde a V. Exc. Joo Alfredo Correa
tte Oliveira. Sr. presidente da provincia do
Ceara.
Ministerio da fnzundu.
Pw despacho de 17 do corrente foi conce-
dida ao bacharel Jos Mondes Pereira do Vas-
concellos a demisso que pedio do'-lug.ir de 3* es-
cripturario da alfandega de Pernambuco.
Por decretos de 14 do corrente foraui Ho-
rneados :
Lancador da recebedoiia do Rio de Janeiro,
Jos Urozinibo de Oliveira Jacques.
Foi concedida a Joai Antonio Koilrigues Martins
a demissio que pidi, do lugar do lancador da
recobedoria ilo Rio de Janeiro.
Foi aposentado o porteiro administrador das ca-
pa tazias da alfandega de Aracajd, Leopoldo Jos
Martins Guaran.
Por ttulos de 19 do corrente foram nomea-
dos praticanles da Ihesouraria do Cear Ray-
mundo Nonato Lopes Menezes e Francisco Fouta-
neile de Bizerril.
Miuiaiteri lu juntica
t." secfioMinisterio dos negocios da jusliea. -
ftio de Janeiro, 13 de junho de 1873.
Wm. e Exm. Sr.O juiz de direilo da comarca
da capital dessa provincia consultou a V. Exc,
como consta de seu oflicio n. 120 de 3 de dezem-
Jjro do anno pasaado, acerca das seguintes duvi-
das : Se do despacho do juiz municipal, que tan-
car o queixoso da accio em ci ime particular,
fiancavel e de julgaraento do jury, porque o
mesmo queixoso ou as testemunhas nao compare-
ceram audiencia na hora designada, admissivel
recurso do art. 17 do i f da lei n. 2,033 de 20
de setembro de 1871.-Sed lancamento do quei-
xoso pelo juiz municipal, nos casos em que Ihe
compete o ulgamento final, cabe aquelle recurso
ou ppellacao. Declaro a V. Exc, em resposla ao
citado offlcio, que nao devem taes questoes fazer
objecto de consulu ao governo j cumprindo que
os juizes as decidam pela appcacao da lei aos
casos occurreales.
Ministerio da guerra.
Por decretos de 18 do correlo :
Concodeu-se ao tenente pharmaceutieo do eor-
po de saude do exercito, Manoel Francisco de Oli-
veira, a demissao que pedio do servicp do mesmo
exercito
F i nomoado cscrivao chefe do escriplorio do
ajudaule da directora do arsenal de guerra da
provincia do Pernambuco o escrivao da i fflei-
as do mesmo arseual Manoel Jos Pereira Bray-
ner.
Concedeu-se reforma, venrendo sold dobrado
de voluntario da patria, na conformidad.' das dis-
posiedes da ultima parte do art. 10 do decreto n.
3,371 de 7 do Janeiro de 1865, visto achar-se inu-
lilisado pan o servil^) do exercito, em consequen-
cia de feriinenlo recebido em combate, ao cabo de
esquadra do 40 corpo de voluntarios da patria
Manoel Podra Francisco da Luz.
Por portara* :
De 13 do corrente :
Foi transferido para o !> hatalhao de artilharia
a p o 2' lente do 5 da mesma arma Candido
Leopoldo Estoves.
De 14 do corrente:
Concedeu-se transferencia do Ifi* batalhao de
infamara para o 11 da mesma arma ao alferes
Cypriano Aristides dos Sanios Lima.
Foi BOOMdo para o lugar de escripturario da
secretaria da escola central o amanuense da mes-
ma secretaria, tenenle-coronel honorario do exer-
cito Carlos Augusto da Cunha.
De 1G do correle :
Foram transferidos :
Para o 10o batalhi do infantaria o tenente
do 2" batalhao da mesma arma, Basilio Jos de
Barros.
Para o 20' batalho do infantaria o tenente do
2- dito, Melanio dos Res Pereira do Lago..
Para o 2' batalhao de infantaria o tenente do 20
dito, Jos Caetauo de Souza Couceiro.
Concodeuse ai alferes reformado do exercito,
Jeronymo Nunes Martins de Mendon.a, licencia
para residir na provincia de Mallo-Grosso.
De 17 do.corrento:
Foi nomoado Joo Fellnto de Oliveira para o
lugar do .marnense da secretaria da escola
central.
Concederam-se dt*us mezes de ucanca, con or-
denado, ao eoadjuvaoM do cur.-o preparatorio da
escola militar Antonio Alfredo Fleury de Barros,
para tratar de su saude fra da corto.-
Do 18 do corrente :
Foram classilieados nos batalhdVs de artilharia
abati mencionados os seguintes offlciaes subal-
ternos, que por decreto de 11 do corrente foram
promovidos para a dita arma.
I* batalhao. -1 tenente Antiocho dos Santos
Faure, 2' dito Wdeslino Augusto de Assis Mar-
tins.
2 batalhao.-2 tenente Constancio da Franca
Amaral.
3 batalhao. -i" teuente Antonio Guilhermmo de
Lacerda llittencourt.
4 batalhao.2 tenante Henrique Valladares.
5* bataiho.-2'lenles Antonio Vicente K-
beiro Gumaraes, Diogo Felicio dos Santos e Alfre-
do Joaquim Correa da Silva.
Foi transferido para o t batalhao de artilharia
a p o 2o tenente do 2* batalhao da mesma arma
Aristides Francisco Garnier.
Concedoram-se tres mozes de licenca ao capito
do 18 bataiho de infantaria FirminoJos Espinla,
para tratar de sua saude na provincia de Santa
Calharina.
Por portaras de 18 do corrente foram nomea-
dos :
O capitn hoiorario do exercito Jos Franklin
de Alinear para o lugar de ajudante de ordens da
presidencia da provincia do Cear.
Olympio Pereira da Malla para o lugar de pro-
fessor de desenlio, arithmetica e geometra da
conipanliia de aprendzes artfices do arsenal de
guerra da provincia da Bahia.
Concedeu-se a Carlos Rodrigues Gamboa a exo-
nerai.-ao.que pedio do lugar de 3" escripturario da
repartieo fiscal annexa secretaria de estado dos
negocios da guerra.
De 19 do corronte :
Conceden se licenca ao alferes aggregado ar-
m* de infantaria, Candido Gaya Pecanha, para
aguardar na provincia do Espirito-Santo o resul-
tado de sua reforma.
Concedeu-se licenca s seguintes pracas refor-
madas para residirem nos lugares abaixo mencio-
nados, por onde devem ser pagas dos respectivos
vencimentos.
Na corle. -2o sargento Carlos Joaquim Domin-
gos de Lamda, sonados Joo Baptisla da Rosa e
Demetrio Manoel da Silva.
Na provincia da Bahia.Anspecada Maximan
Theodi lo do Espirito Santo.
Na provincia da l'arahyba.Soldado Amaro da
Silva e Sotua.
Na provincia do Cear.Anspecada Casimiro
Francisco Ignacio.
Na provincia do Maranho.Soldado Joao Gual-
berto Piuheiro.
Na provincia de Malto-Grosso.Soldado Jos
Eugenio da Silva.
Ministerio da agricultura.
Foi approvado por decreto n. 5,300 de 11
do corrente o contrato celebrado entre o director
geral dos correios o a companhia de navegacao
Paulista para o servco da linha de Santos.
Os vapores empregados nessa carreira devero
fazer a vagem entre os porlos do Bio de Janeiro
e Santos dentro do mximo prazo de 24 horas, e
as vagos sero pelo menos seis mensalmente.
Por decreto n. 5,305 de 11 do corrente foi
.Miicedido privilegio por 10 anuos a Prosper Cha-
tn para o uso e venda de um apparelho de sua
invencao, destina lo lavagem de trras e aras
ouriferas.
Foi autorisado a nova.ao do contrato cele-
brado coin a companhia l'razilian Coffee SI ules
para a introduce^, e es abelecimento de imini-
grantes.
Segundo as clausulas annexas ao decreto que
autorisou a novacao, a companhia obnga-se a es-
tar definitivamente organisada dentro do prazo de
um auno, contado do da 6 de setembro ultimo,
coin o-caplal de 200,000 pelo menos, para im-
portar e Cflabelecer no Brasil unmigrantes euro-
peus.
A companhia Importar dentro do prazo mximo
de quatro anno:, contados de 30 de junho do cor-
rente anno, 5,000 immigrantes, a saber : at o lim
do 18/3 nunca menos de 750 inmigrantes, at o
lim de 1874 dem dem de 1,000, at o m de 1875
dem dem de 1,250 al o fim.de 1876 idem dem
de 2,000.
A companhia poder augmentar a importacao de
i inmigrantes em cada um deses annos, porque o
governo imperial nao sera obligado a pagar-i lie
as respectivas subvencoes senao na proporcao
cima estabelecida.
Os immigrantes sero escolhidos dentre os agri-
cultores e trabajadores ruraes do norte da Eu-
ropa, que tiverem moralidade, habito de trabalho,
perfeito estado de saude, e idade nunca superior a
45 annos, salvo se forem cheles de familia, prefe-
rindo-se sempre os que possuirem algum capital.
Bio de Jaaetro; em 19 de juaho de 1873.-Su
magestade o Imperador ha por bem suspender do
cargo de v< reador e mandar que sejam responsa-
bihsados os cidadaos lente coronel Antonio Bar-
rozo Pereira, Dr. Adolpho Bezerra de Menezes, Dr.
Joao Fortunato Saldauha da Gama, commendador
Manoel Das da Cruz, inajor Antonio Jos dos San-
tos, bacharel Andr Cordoiro de Araujo Lima, e
teneule-coronel Joo Chrysosloino Monteiro, os
quaes, em se^so da illustrissima cmara muni-
cipal de 13 do corrente deliberaram, como se ve-
rifica do olllcio dessa data, nao dar cuinprimeuto
s portaras de 9 e 27 do maio ultimo, ennjtre foi
ordenado mesma illustrissima cmara que, nao
Ihe compolindo fazer concessio de linhas de carris
de ferro para transporta de cargas e passageiros
dentro da respectiva circuinscripcao territorial, e
sm nicamente informar as oro(iostas que para
esse lim I o fessein apresentada* directamente ou
remottidas pela secretaria de estado dos negocios
da agricultura, cominercio eobras publicas, e bem
assim dar licenca para assentameiito de trifilos
provisorios destinados a facilitar trabalhos do u-
tere.-se geral ou particular, mas sem poderem ser-
vir industria de transporte de passageiros e car-
gas, devia observar o que nessa conformidade lbe
era proceituado, remetiendo coin urgencia refe-
rida secretaria d estado para os devidos elTeitos
as propostas acerca das quaes houvesse resolv-
do, fazeudo*as acompan ar das copias dos res-
pectivos actos e contratos e da.' informacoes que
julgasso cenveniecntes. -Jos Fernandez dn Cosa
Panuro Jnior. -
Ministerio ila Mnrinlia.
Rio de Janeiro, 14 de junho de 1873.De ac-
corlo coin o parecer de eonselho naval, declaro a
V. S. pata os devidos effeitos, i|ue aos capellites
contratado^ para o servico da armada snieute ca-
be como nico veneimedlo, a gratillcacao desig-^
nada na tabella n. 5 annexa ao decreto n. 4,885
de 5 de feverero do 1872.Deus guarde a V. S.
Joaquim Delfiuo Ribeiro da Luz.Sr. contador
da marinha.
Por portara do 19 do corrente mez foi no-
meado o capito de mar e guerra Pedro An-
tonio Luiz Ferreira para o lugar de assistente do
ajudante-genoral da armada.
Circular.-3J sjcco.-N. 1,092.Ministerio dos
negocios da marinha. -Rio de Janeiro, 5de junho
de 1873.
lllm. e Exm. Sr. -Coavindo ao servico publico
que a repartieo de marinha possua um documento
ollicial, de que circuinslaiiciadameiito conste a
descripcao de todos os porto*, barras, cnseaJas e
aneoradouros da costa do Brasil, mais ou menos
accessiveis navegacao em geral, determine V.
Exc. capitana do porto dessa provincia que'
naquelle sentido e com referencia parto do li
toral sob sua jurisdicc.io, organiso uin trabalho
o mais perfeito possivel, j com nlacao hydro-
graphia e condicoes naluraes de cada una das
localidades, j no que diz respailo estatistica
para o conhecimenio dos recursos de quo ellas
disponhain quanto ao pessoal empregado na na-
vegnco, na pesca e nos diversos servicos de
conslruc;'3p e fabrico dos navios.
Aos cominandanies dos districto.s navaes orde-
na-sa pelo quarlel-gcneral, que conveniente-
mente concorram para se levar efeito o refe-
rido trabalho, o qual tanto mais necessario que
nem mesmo dos roteiros de melhor ora pode
ser deduzido com a exactiio e clareza iudispen-
saveis.
Para auxiliar as capitanas na incumbencia que
Ihes commettida, remeti a V. Exc. um exem-
plar itnpresso da' relaco dos portos do imperio,
organisada pelo 1' tenute Josa Mara do Nasci-
mento Jnior ; lcando, porem, V. Exc. preve-
nido de que, egundo depara o mesmo offlcial,
deve ser rectificado e cuidadosaniente augnien-
lado o esbogo que fez para indicar apenas um
systema quo possa ser seguido.
Deus guarde a V. Exc. Joanuim Delfim Ri-
beiro da Luz. Sr. presidente da provincia de....
3' seceao. N. 1,092 A.Ministerio dos ne-
gocios da marinha.-Rio de Janeiro, 5 do jonhu
de 1873.
Bemelto a V. S. copia da circular dirigida aos
presidentes das provincias martimas, no intuito
de organisar-se una relacao circumstanciada de
lodos 09 portos, barras, onseadas e aneoradouros
da costa do Brasil.
De accordo coin as ideas enunciadas na mesma
circular, compre que V. S. d ais" commandan-
les dos districto? navaes as instruccoes necessa-
rias para que auxilien to importante trabalho,
completando-o de sua parle com os esclarec men-
tes pralieos e scientificWquo forera obtidos de-
pois de minuciosos exames e oslados.
Pelo regulamento dos districlos navaes os oftl-
ciaes de armada sao obrigados ao desempeo
do incumbencia em muitos pontos igual de que
ora trato.
Quaesquer que sejam os motivos que tenham
obstado exccu;ao do regulamento nessa parte,
nao pode mais ser permiltido um adiamento, desde
que o servico prejudicado o apresenta-se urna
opportunidado para bem desempenha-lo com o
concurso das capitanas dos portos. Y. S remet-
iera a esta secretaria de estado copia das ins-
truccoes que organisar em virtudo do que ihe
tica deter.ninado.
Deus guarde a V. S. -Joaquim Del fino Ribeiro
da Luz.ir. Barao de Iguatewy.
Animan lo-ni' a invocar desde j. e respetosa-
mente, essa preciosa iKMiov.ilencia, fogo-vos, se-
nhnr, queir au aceitaros ni'Mis sinceros votos pela
felidade de V. M. Inmortal a da sua augusta casa,
e pela prosoordade e eiigrandecuiiilo do paiz e
da nae* brasilena, que a AUrlria-Hungria, seu
ilustre soberano e que.ii teio a li mra de repro-
senta-k, nao eosaara de kcmnpinbar com a sua
mais viva sympalhia.
S. M. o Imperador, dignoii se responder :
E'-ine iniiiio sensivel esta, no va prova de anu-
lado tientan querido e presado irmo o primo o
imperador d"Austria-llungria.
a A eseolha que fez da vo sa pe>aoa para seu
ministro a melhor garant* para a continuante
das retaedes lo amigaveis que sempre lui oxis-
tido enln! e governo brasileiro e o do vosso pait
Covern BKsiaciios n.\ p.iksiokncia m 26 dr hj.xho i>k
1873.
Abaixo nssigiia>kH, empregados do consulado
pruviifcial. Indetiro o recurso, que nao tem
lunJatkeni em face da lei do orc.vnento vigente:
porqnaito a arrecadaco do sello do heraii.%1
sempro se faz em juizo e no volnn'ariaiiienle
como aller mi, tanto m.iH .piando o consulado em
nada omcorro i ara a arrecadai.a'i de tal imposto.
Antonio Angust de Figueiredo Seabra. -Con-
cedo :t0 das de licenca c un veocimeutoi na for-
ma da lei.
Rern.irdu htm dos Sanios.Ind.'ferdo.
Har i deb'tinga. -l'eferido com oflicio desta
dala Ihesouraria de faienda.
Espjn'di i Gome* O'Araujo. O snpplcanto re-
queira *r Intermedio do commaiubnte superiur
respeclivi, nomo de lei.
Bacharel Fiel Vivir Tirres Grangeiro. -Infor-
me o Sr. nspoclor da fiesouraria de fazenda.
Fielden Br.ith.T*. D-feiido com oflicio desta
dala ao Sr. inspect ir da thesoiiraria provincial.
Fiellen Brothers. lK-ferdo com offlcio desta
data ahesouraria de lateada.
Galind Go e da Silva. Informe o Sr. juiz
do direilo chele do p-lici i
Luiz Envidio Rodrigues Viaitna.Informe o
Sr. inspector da thesiuraria provincial.
Capito do mar o guerra idgero de Salles Ol-
veri.Deferido com olllcio dosli dala ihesou-
raria de fazenda.
Manoel Gomes Loaren o. Informo o Sr. ins-
pector da thesiiiiraria provincial.
Mara Cuntida de Figueiredo. -P.isse portara
Ciucedendo tres mezes d i pror.iguco, a contar
Je.-ta data.
Miguel Be/.erc N-ry de Arruda Cmara Tra
vassos. -Indeferi 11, em vista da inforiiiaco do Sr.
commandaiiti: do coroo de polica.
Mara Francisca das M-rres. -Sej i posto em
liberdade.
Olyni|o Cirnero d-Miran la H'iri|iies. In-
deferido.
Itabo Sehmellau Ji C. ImVr.r.e o Sr. inspec-
tor da Ihesoiirar provincil.
S cedad-,- Amor < Benelichcij dos lalhadores
de emes verde*. Deferido ftwi oflicio tiesta da
ta \ lll:i>. cmara municipal do Recife.
Secretaria la preshlencia de Pernimbuco, 27
de junho de 1873.
O pnrleiro,
Siliino A. Rodrigues.
dos pete governo do Sr. Sarmiento, est ainda o
do "Paraguay privado de receber aquellos recursos
do que tanto caroca para armar a sua gente e ter-
minar com a revoliira.-.
t Tal o quadro, nada kMMwriro, da and
publica, e que deve rrrofiinieinUr-sr a aMeora.
reilecUda do hvisUdur, chiio un pniMnaa, <1
cuja solucao est., pendente* us aun vitar iMr
noHepubhci vieramdepaisagem para Comen-, r,.-., do paiz, e de que d-pnade fuiwi.ii Mt
t o afamado Lirillo A Rivaro Penando, Ue-, mente sua organisarao tnwmn, asa oarrli*
tao Iturbur e outros 4 o estes nao faziam mys-, indepondente o seu boa ui mi iloriar r m
terio dos planos que mantiahain e da qnanlidade exterior
de artigo oellicas que conduzia a goleU !.. o poder execuliv. nos prapie ua m
O governo paraguayo nao trepidou um momen- presumo para saldar dficit dea* aaao. Ib* tr-
io em levar lodo o occorrido ao conbecimento do.crso esl jiistiticado pela aUrtiva drobracM*.
general Mitre, chamando sua allencu para esse erario pubii.-o, por una ne.-esilde abwduu, fM
facto c invocanda a nentralidade de sua adiada. a nica causa lambern que pode iu-tifera U. O
Esle. com o proposito de sempre, asseverou-lhe ,iS d,, crdito um ineio lanl le ilver as diffl-
que la tomar todas as providencias para que essos cuidados do da, |>r*n por i-so nw^mn unfu a
lacios nao se reproduzam ; entretanto as armas e mais periBosas allurinacdw. Sucrv*! qe, Ma-
mis municocs foram desembarcadas om Corrien- do julga.....s it doioiiiado a cris, nao tramo fas
mitra rousa senao apraur ilimVnlaoe ae a
aprsenla mais tarde r..... mu* aUnaaate ea-
legaes e rebeldes, e at boje nao houve victoria racter.
completa. |)evo notar que as censura aeeria< ffiu< pi
O sr. Dr. Benigno Ferreira, ministro do interior, governo actual ao Sr. G.Hensor. *M, 11
seguio para a campanha a tomar o cominando om
chefe de todas as t reas esl em Paraguay com
2,500 liomens, mil completamente armados, e o
demais desarmados, aguardando a chegada do ar-
mamento de Buenos Ayres.
O governo teme quede um a outro inomenlios
revoltosos so apnxiiuoni, e mesmo entrera Berta
capital, e i>or isso pede recurso aos alliados.
Estes se retiniram e ordenaram aos seus gene-
raes que anxiliassem em tu-lo ao governo, c tra-
tassom pur todos (,s meios, de
dos revoltosos na capital.
........ liuuii.,^9 Itlldlll li* >( IlllMI l .,'l,l> Ulll MlllllU-
tes, e dalli passaram para o territorio paraguayo !
Varios encoiitros lm havido entre as forcas
as quo i.'ste presiente fez a adimm~trri> de fe-
neral Batlle, do inodo uue mal detioariad*
urna enfennidads chMnira. de daril can,
qual os h.miens de estado deste paiz j e am**-
maram.
Parce, entretantu, ini|>.isivet me em ama re-
publca em que se blasona lant > de prabiaai p
litica. semellunles escndalos se perpetoem, ai
correctivo.
O poder legislativo esl aqi.i nmii" alais* dr
iiapoilir a entrada sua n.is-o, for.;a confesa-k. A> MHikmye* *
parlamento sao nullas.
lmmediatamente foram tomadas todas as previ- q, miiorta nina voUcao contraria
delicias nesse sentido, e a cidade esta garant Ja e nuer acto do miai*l.-rio, se enle e pi*le
livre de qualquer aggresso desses especula- no poder todo o leinio que seja do agrade pn-
dores. sideMe *
As negocacoes diplomticas entre os plonipo-, Assim, sem liscalisacio tonciarios argentino e paraguayo eslo paralysa- orcamenins, sem moralidad* do p-ler exeeatin.
''as- as de*(ieca<, a fazenda puMiea da a dii n-aaM-
Assevetam que o general Mitro nao tratar em uha-se para a baocarda.
quanto nao livor corteza do resultado da Iut;i Bk reu as geiaes o poverao f Whm ipoairti
oleloral e da revoluco paraguaya.
As noticias chegadas da campanha
ment >o favoraveis ao governo. : qulro millides p me > mais ou m tr d" gal.. K
Assevera se que boje ou amanh sero atacados um def., permaneiile de dons oiilliiv* e mt+> a
os revoltosos pelas toreas ao mando do Sr. Being-. ires niilhoos por anii.i. que anniialuimle ^e ewv
no Ferreira. 'om novos emprestimos. I'ara > -,rM.il-i-
Finalso a prsenle promettendodhe voltar novo* empre (-prompto sua presenta, notciando-lhe o que fr 600,0: X) pesos que licani. dej>..i d paga* ttas
occorrendo de mais importante nosta infeliz Ierra, despezas dos outros enipreslinv*.
Sor anno cerca de &/*) |^-. e urna arreea-
aco de mais de tn-s mlhoes, para f.z- r ftre a
Ministerio dos estrangeiros.
Foi recebido em audiencia publica de apre-
sentaco, sabbado 11 do corrente, s 6 1|2 horas
da larde, no paco de S. Chnsloro, S. Exc. o Sr.
Baro de Sonnloithner, enviado extraordinario o
ministro plenipotenciario de S. M. I. o II. Apost-
lica.
Ao entregar sua credencial o Sr. Baro pro-
nunciau o seguiile discurso :
Senhor Tonho a honra de depositar as
mos de V. M. Imperial a caria revocatoria do
meu honrado predecessor, o Sr. Conde Ludolf,
e bem assim aquella pela qual o imperador e rei,
meu'angusto soberano, me acredita junto do Y. M.
Imperial na qualdade de seu enviado extraordina-
rio e ministro plenipotenciario.
a Concedendo me a insigne honra de exercer
essas funeeiies junto de Vossa Magostado e do go-
verno imperial, dou-me o meu augusto soberano
a mais alia prova da sua benevolencia, e satisfez
as miiihas mais gratas aspiracoes.
S. M. o Imperador e rei recommendou-me
especialmente que testemunhasse om toda occasio
a V. M. Imperial os seus senlinienlos, inspirados
pela mais sincera auiizade, assim como pelos lacus
do mais prximo parentesco, e que vos manifes-
tasse, senhor, os votos que elle nao cessa de fa-
zer pela augusta pessoa de Vossa Magestade, por
toda a familia imperial e pela ventura e prosperi-
dade do Brasil.
o Profundamente compenetrado dos deveres
que dahi me provem, dignai-vos, senhor, acredi-
tar que envidarei todos os meus esforcos para
coutribuir por minha parte, incessantemente, para
manter e estrellar as relacoes de intima amizade
e de interesse reciproco, que lo felizmente exis-
tem entre as duas Ilustres cortes e os dons go ver-
nos nnperiaes.
< Se, no cumprimeuto desse dever, en conse-
!;uir merecer de novo a alta e inesgotavel benevo-
encia com a qual outr'ora Vossa Magestade dig-
nou-se favorecer-me, e cujos innmeros testorau-
nhos enebem-me de eterna gratidio, toda a minha
ambicio fleai satueiu.
Ilcjnul ci! ta |licia.
i.* secci). Secretaria da polica do l'ernambuco:
27 de iunho de 1873.
N ll.illllm. e Exm. Sr.Participo a V. Exc.
qiie das e.,imiiuiiii:a.;oes recebidas lujo nesta re-
pjtrtifio, consta que foram houtem recolhidos
casa "de delonco, miniu oideju, Joo Evange-
lista de Castro, Ant .nio Martina de Carvalho c
Lui escravode Jos.- Joadtm da Cunha, cono in-
diciados ..'mcrime demoeda falsa.
Km dita de lu.ntein declarou me a subdelega-
do dos Aiogados que i emoliera ao Dr juiz de di-
ttito do respectivo di>tricto criminal o mqnerilo
policial a que proceder contra Emigdio Manoel
dos Sanios, pelj ferinilo fjito na pessoa do Ja-
linlli.i Pacheco.
Finalmente a orJem e tranquilli lado publica
nao soffreram alu-ra.-.o.
Deus guardo a V. Exc. lllm. e Exm. Sr. coni-
mendador Dr. Houriiue Pereira de Lucena, dig-
nsimo presiileuti desta provincia.O chefe de
polica, Antonio Franc:.co Correa de Aroujo.
EXTERIOR.
llepuklica to Paraguay.
ASsiMi>g\o, 24 de maio dr 1873.
Ames do dar-lhe eonta dol successos desta in-
feliz ierra, |ioqo Ihe desculpi do meu silencio. Mo-
tivos alheios minha vontade me tm privado do
pra/.er do continuar a remeller-lhe niinlias cor-
respondencias. \
Como deve saber, rebentou nesta repblica, no
da 22 de marea prximo pastado, urna revoluco
encabezada por Candido Bareiro, Bernardino Ca-
ballero, Serrano, Godoy e outroS.
O seu lim nao so derr.car o actual governo.
c juio lambein annex r o Paraguay Repblica
Argentina I
Os revoltosos tm a sua sede na cidade de Cor-
rientes, e dalli fuera passar para o Paraguay ar-
mamento, mnni..oes, cavados, vveres, o finalmen-
te, ludo quanto precisaui para siras forcas; estas
se conipoom, eni sua maor parte, de correntinos,
a i|uem pagam urna enea de ouro ao mez, e
quera prometiera muto, no caso de bom xito.
O actual governo lera eito todo o possivel para
debellalos.
Cliamou s armas todos os cidadaos da repbli-
ca de 16 a 60 annos, e j cuita em campanha
com tres mil e lautos horneas das dilfereules ar-
mas. Mas M por um lado elle faz os maiores e.-
fon/os para garantir a paz, por outro hoslilisa-
do polos proprios agentes da repblica vizinha,
pois di/.era que o Sr. Dr. Gallego*, cnsul dessa
naeo, o fuc-totum dos revoltoaos.
Nao deixo de acreditar ne>la verso, porque o
Sr. Dr. Gallegos, inimigo acrrimo do Brasil, sem
pre fot uo Paraguay um pescador do aguas tur-
vas. Por muito lempo rodigio o jornal La Voz
tlet Pueblo, que muito nos hoslilisou, e tambein ao
nosso digno representan*; o Sr. viacondo do Rio-
Branco.
Ha potiro ainda se deram dous lacios por do-
mis escandaloso, o que prova exuaeraulemente
o que veuho de expr.
Um delles quo o paquete argentino Repblica,
de propriedade dos srs. Lanus e Lezica, que se
em prega na linha de Buenos Ayres a Assumpcao
com escalas pelos portus daquela repblica, rece-
beu a reboque, na ilha de Martin Garca, urna go-
leta quo couduzio Corrientes carregada de potr-
enos bellicos para os revoltosos.
Um outro nio menos escandaloso o seguinte :
o (ornecedor do governo, Ricardo A. Mendes Gon-
calves, foi a Buenos Ayres commissionado e com-
KstentomonU) autorisado pelo governo desta repu-
lica para receber o producto do emprestimo rea-
lisado em Londres, e da compra de armamento e
de outros artigo* bellicos, mu o governo da Re-
publica Argentina nio Ihe perra;ttio por muitos
das que embarcasse para e Paraguay os potr-
enos de guerra comprados, allegando que receia-
va qne eles fossem appreoendidos pelos revolto-
sos de Entre Ros, por causa djs embaracos crea
digna do melhor sorte.
Rcpuhlic-a Oriental
ilONTViDliO, li DK JUXIIO DK 1873.
A crse commercial por que nesie momento
atravessa a pracade Buenos-Ayres, aflecta sens-
velraente a nossa praca, que se acha com ella to
intimamente ligada.
A especulaco em fundos pblicos e em Ierras,
na qual se linham aventurado imprudentemente
militas casas allomas, e outras de dlferenles na-
cionalidades em menor escala, soffre agora una
liqnidacio prejudicialissima, lendo baixado ti dos
estes ttulos de nina raaneira extraordinaria.
>jmto poder vencer este pah > rendas pira
seu orcamenio ordinario .
Os usuraras teera Ihe feito a' hoj.^ api
mos ruinosos, mas ha de i-h-gar w^a-i* em ;
lelles moiiis fechem a bolsa, e entio a t>mran4a
I ser nevtavel.
1 Nao so calcula nosle iik-doiibo futuro. ToJu *-
Ita embriagados na pr.ispendade presea!- que e
1 ficticia, | que mais preer.iria tornara r.m
e abuso da liberdade om toda- is sua- ppiiaca-
gOes.
i As mais eslravaganles ideas -urgetu .k-t-
tro de nvdadi s At ja >e rot cada w-
; divido o direilo le fazer papel muda a ua von-
- ......u~. ..^ n no ni un li" i iini'Miiiiiiia. _
Os da divida inlerna, 2.' serie, que sen funda- ude> Man mspeccao da autor*!* EsitreUa
monto plausivel chegaram a colar-se no principio "ne<">" 'l"e sustem 4e e;tp,< rrinrtp>.-
do marco a 71 e 72. boje, no mez de dividendos "''"' '", partwaenlo .. din-il f Muar cm.-
no valem mais do iio, o que corresponde a 51 ou i10 8i'ern"' l"r,r"' Vuhl* l-^f^ i**" > "'
52, difforanca 20 "/, immed'atamente da s. oermi i n.vi aal. ambo* s>
"s meihores flimnn mil I njiMliiiiil iBitil lC!*!f"^ lM,v' lp* ?**
dados para dominar a situaco. 0 descmto oscilla' u,,. "** de ri de 18 a 2i /., e ainda a esie preco, a este sacrili-1 'varan, longo.
ci, o dinheiro raro. S o Ned agora conduz I >r- ,r *WP* >^ '" ''!' I* ,'5ga>>
para a Europa 2HO.0OO libras esterlinas I ('uc a f,;l"',, -* f'" iarto !.. a Trasd Pa-
A haportacao exoassiva que receliemos constan-1 ret'e, 'l"e l'r''"'"!' -*>->"tinr ao actual medv
temente, quadrupla em valor exporlu-o, havia C d" I""'1"- 'lUl' l,,r "*' .,,x,,'*f 1"? to*1
iwr forca de eonduzir ap fado da sabida do me-! emf""' ^e ^f">"f'- > *t mj> *-
lallico, que agora se cslranha. O saldo contra ,rc.n,e Pu,'',c"" 'llo,"m "ll: J1 ;'''",," r"mn "
nossa praca. e desde que os producios sao iosuffl- lal "o'Irab.'iidi "cenles para paga-lo, o recurso o numerario. A ',non da "2 "*** lwra lrTn- A* ""^
esta le econmica nao ha como fugir. Alin de 'I1"' rlH,a w" :i; "*?" :
serem pobres os productos para fazer face a con- i U,u> ** **">'". f"n" '"' "' 1"-*?*>
sumo, que immenso, pelo luxo desenvolvido em 's ""rca.Mnas sejam ventiiad.L*. c nanas*--
todas as classes da sociedade, accresco quo ellos ''/'""'''' fumigados,
nao encontram aclualmenle sabida nos mercados' H"Je
da Europa, e esta eslagnaco do rominercio veio
anda mais precaria tornar a situacao geral
So a sociedade se acha nestes apuros, nao
mais lsongeira a situacao do governo, conforme o
seguinte parecer da commissao de fazenda da c-
mara de representantes.
a A nota do poder execulivo que aeompanha o
projecto de recursos verJadeiramonte esmaga-
dora. Ella culpa a administracao anterior de ha-
ver compromettido anlecipadamente urna gr?nde
parte das rendas geraes da alfandega, nao deixan-
do ao governo actual s nao urna parcella das ren-
das que pruduzin n os mezes de novembro c de-
zembro prximos.
< Culpo tambem aquella administracao de ha-
ver disputo da quantia de 660,000 pesos do em-
prestimo de pacificaro, 1.* serie, distrahindo estes
undos do objecto que a lei os destinava expressa-
mente. A culpa, por ultimo, e isto mais grave
ainda, de ter contrahido a obngacAoem H de fe-
vereiro bltimo, ultimo Un do jroverno cessante,
de descontar quatro ordens gyradas contra a con-
tadoria geral da alfandega, a vencer cm 3 de ju-
Ibo, 31 de agosto, 30 de setembro e 31 de outu-
bro, por valor de 45.1,300 peso?, inclinado nel-
las as mensalidades a receber em fins de maio e
junho.
A situacao critica em que aquellas operacoes
cul.ocaran o poder execulivo, o induziram por
sua parte a contrahir um emprestimo de quinhrn-
tos e vinle mil pesos a t/i / de juros mensaes
descontados logo, reembolsavel .tambem coin as
rendas geraes da alfandega, nos mezes de julho a
outubro inclusive.
A coinmissio de fazenda nao pode prescindir
de assignalar vossa eonsideracio estes periodos
da nota do poder execulivo, que aecusam um do-
ploravel extravio, e um desconhecimento das mais
obvias uocoes de boa administracao.
i As tabellas que acompanham a mensagem do
poder executivo demonstran! com a eloquencia
numrica a magmtude dos gastos a que faz fren-
te a nagu. O calculo das despezas civis nos lti-
mos dez mozos do eorrente anno se. eleva a pesos
2,108,328. 0 calculo aproximado do que importa-
rain os ornamentos da lista militar durante os ines-
mos lo mezes eleva-se somina de 1.535,119,60
cenlesiinos. 0 orcamento dos ministerios nesse pe-
riodo de 428,529,73 centesimos. Os differenles
crditos estabelecidos sobre as rendas geraes da
alfandega sobem a 2012,011,21 centesimos.
a As r, odas geraes da alfandega nos ltimos 10
mezes deste auno nao produziram, segundo o cal-
culo feito pela contadoria geral, mais de 1320,000
pesos. Desta quantia smenie 500,000 prxima-
mente licaram livres de applicacdes antecipadas.
Os crditos exigiveis contra o' estado que bao de
pagar se pela Ihesouraria geral neste anno, mn-
tala somma de 707,908,51 centesimos. Os orca-
nientos anteriores a marco abonados pela admi-
nistracio actual, compSem a somma de 313,748,64
centesimos. Em resumo, a totalidade das eroga-
coas do thesouro publico at m de dezembro ser
de 7.106,145 com 69 centesimos. 0 calculo de re-
cursos de 4.676,855,73 centesimos.
Resulta, pois, um dficit de 14X9,289,96 cen-
tesimos, que unido ao de 1.089,746,57 centesimos
que procede do producto liquido do emprestimo
uruguayo, autorisado pela I si de 4 de maio de
1870 e destinado conversio du notas bancarias
a cargo do estado, formam a quantidade 3.519,03$
pesos.
os Coiinn-^ario*
dos para o ajuste sanitario. Riles tomar en.
sideracao esta e outras medida-.
IVIBHIn
rio i: jv\*:iat0
16 de jniiliu de IK73
A oITleialidade do 3- balal o de inf.nlana de It-
alia, que se acha estacionado em Jaguar), dfcre-
ceu ao Sr. conselheiro Junqueira um deticado l-
bum, doliendo os retratos do coronel e Hnnuadaa
te, inajor. e mais olliea do dilo batalb.Mi. era BU
mero de 24. como signal de reconhecimenlo pppK
servicos prestados classe militar pea- Sr. aaa-
tro da guerra.
17
A cmara dos depul.ido- lmi-m. depots da ex
dediente rejeitoii um reqiierimento vernal de OT-
gencia, apremiado pelo Sr. Letmlro Bezerra, rtaa
de inlerpellar o governo ior nao ter atada rtdn
publicado o parecer do cooseluo de Faade pkao
acerca do conflicto ha* id" era Pernaulmee ealre
algum as irniandades c O respeclirj dwresaae
Approvnu depois :
Em 3* discuss.to a propnsta do goverao ae lia
a forca de teirt para 1874 a 1875.
Em una nica discussao a emenda do semado 0
resolu.ao da cmara que isciila de direilo as pero*
3ue devem formar o raoniimento &'minenmraave
o foilo naval de Kiarhii-bi.
Em 2* dita o projtvlo n. 243, que r.ocede igual
favor s emprezas de Iluminante a,caz e agua po-
ta vel das cidades de Maceio \rac:q. T
immedialamenle em 3* discutan, a reqn
do Sr. Teixeira da Rocha, orara os Srs.
do Menezes, Teixeira da Ilcita e Peretra dat Sea
los, fleando a di Foram apresentada* a M'gutnle eraeadi :
t Conreda-se o tavor da I* parle du asi. I* a
emprezas de caiulisara de agua e gas para aa ci-
dades de Olinda, ftsaaOM e Victoria, aa pruvlaaa
de Pernambuco. Gtumo Tf>dw.- .%aje lata
Maraes e Silca.Ferrtrn 4e Afmmr. -Jaajaa
l'orletla.-Theodoro di Siir*.-liaMaaai Caaaf-
cunt.
Supprimara-se as palavra. aasia eaaw o
restituir aos contraanles, on t-us caaaawrt, a
direitos que por ventura toaba ni papa aaUa da
presente coneesnao. a/rnste Carra*.
E' o governo igualmente aulartaad* a eeare-
der igual favor empresa que se iacorpaier par*
o mesmo lim na ci.l.id do Desterra, rpita! da
provincia de Santa Calharina. auleriadv prta le
provincial n. 682 de II de anio d aaas araaaa
passado.-iJ/t/eMaNri Colrm.-F. C. da Ltt;. *
c Conceda te tarabea wiapii de diraawasara-
chinas e utensilios que forera aaportada na pro-
vincia do Cear para as fabricas de terinas do al-
Jodo, que all tem de ser embrteciai par Una-
ido Franklin do Atoara! e oraras, flaaw Ajm-
rai.
Por ultimo oceupou-se a cansara coa a oaag-
nuacao da discussao do parecer da eaarawaa do
constituicio e poderes aagaodo ao dopsaado o aV
reito de renunciar o. naaaaaa. Oraraai oa Srs.
Paulino Nogueira e Fluroatii de Aaram, e toan a
discussao adiada.
Foi apresaatada pela respectiva earaadwa* o se-
guinte rowtaeio proropnio o oq
A iwwnMl feral retalve.



"l,/'! ftario de Pernambuco gibado 28 de Juirtio.de 1873.
i.^i(.-trTifv^rrv......
HEBt9T.
o Artigo nico. A resoluoao I jgislarva n SWH"
de 12 de Janeiro ifrOSatio passado, relativa ;i re-
ceila o dcspoza d<> -*> semestre do exorcico de
1872 a 187;, tora vigor uo irimo-slro de (873 a
I87J, era quanto nao fr promulgada- a lei de oi>
caipcirto deste exereeto vogadas as dsposiooes eni contrario.
Sala das commissoes d* cmara dos depula-_
dos, em (f> .lo junho dts I87X.1. J. Hentiques. -
Cunh'i Figtteiredo Juntr. -Joto Mi des. Araujo
Ges Jnnior. Pereira franeo. H Unir*. <
Fallecen no lugar Vrgom Grande, districlo e
S. Joao Nopomueerio do Rta Kbvo (provincia i<:
Minas), na a vaneada, idade ae -'to anuos, Mana
Joan, estando no gozo peffeifn de suas faeuldp-
des iuto'lcctuaaj at antes da euferotalaje que a
prostroti. Cuta umita .bem sera oculos e-andava
a pe porcasa des vizinnos." ~
Por vojla das o lloras da tarde de hontem trava-
ram se de NaSes a tordo da barca alloma Pepita,
que se acl atracada ao trapiche Man, o contra -
mostr (nUhermeltamlre c o ratoto Cartas-Joan-
son, da mesma lian-a. Das razSes paisaram elles
bem depressa luta, e emito o contra-mestre lin-
eando wao de nina taca, cora ella torio o piloto na
cabera.
Aos gritos de soccorro, que puriiam do bordo,
acudi urna piara de '"orpo de urbanas, que ron-
scguta-ellecluar a pris.io do coalraincstre elvalo
7" estacao. Dalle forain o mesura contra mestro
e o piloto levados presenca do Dr. 3" delegado,
que procedeu a corpa de delicio e mandn tavrar
o auto de flagrante.
18
A cmara dos depu lados nonJem, depois do ex-
pediente, approvou ein 3' discusso o projeclo n.
#*.'! do i87J, que isenta dedireilos o material im-
portado pelas emprezas de illuintaaeo a gaz c
abastecimiento de agua potavel para as cidades de
Maceta e Aracaj:i, i'oui diversas emendas, sendo
rejeilada a do sr. Eufrazio Correa.
Approvou tanibem eai una s discusso os pro-
vectos n. 420, i2 e ti, concedendo ponses
viuva e titilas d outro*.
Em 2* e 31 ditas o projeclo n. 411, que eleva o
vencimeuto de alguns empregadusda cmara mu-
nicipal da eMa
H"jeitou "oii seguida etn 3* dseussio o projeclo
n. 30i, mandando isentar de direitos os livros im-
nroaa oin paisas ostrangeirus, por autores brasi-
leos, depois de algumas observantes dos Srs.Joo
Mondes, Hcnriqaes e Eufrasio Correa. __
Oerupou-sc depois cora a eoiiliuua-.ao da di
ousso do parecer da coinmiseo do constluiclo c
poderos, nefando ao depulado o direito de renun-
ciar u mandato Tendo orado os 'Srs. Aleucar
Aranpe, (ornes de Castro, 'fbeodoro da Silva e
Duque-Eslrada Teixeiin, llcou a discusso encer-
rada.
Fui apresentada a "segrate encola :
A cmara, reoonherendo-so competente para
aceitar ou nio a renuncia do mandato legislativo,
nao aceita a renuncia do Sr. Bario de Man.So*
tnes de Castro.
l'.ir ultimo a cmara tratou eui 3-' discusso dos
projectos ns. 406, 417 e 242, o priineiro dos quaes
approva a aiiosenladoria do inspector geraI do tus-
lilulo vaccinieo, Joao Francisco do Souza ; o se-
nudo concede um anuo de liceii'.-a ao Dr. Ale
xandie Alfonso de Carvallio, lente "opositor da
escola medica da L'ahia ; e o tarceiro autorisa O
avante a mandar gravar e imprimir a parle con-
cluida da tarja arelnieetuial da eida le do llio de
Janeiro, licaiido todos tres encerrados
ToufcMI lionlem assento na cmara o Sr. Augus-
to Hyiiijiio (tunes de Catiro, depulado eleilo pelo
' diatricto elctoral da provincia do Maranhao.
- 19 -
A cmara dos depoisdo* lionteni, depois do ex*
pedtonto, approvou a -eguinl emenda substitutiva
da couclusao ilo parecor da oonmrssita de custi
luic.i.i o poderes que nagava ao deputado o direi-
tade reauneiaf o mandato Bcrnido projudieadoa o
ji ir) -.'i' e a emend i d Sr. Corroa :
t A cmara, reoifnecendo-so compelenlc para
aceitar oit nao a renuncia do mandato legislativo,
nao aceita a renuncia do Sr. bario de Mau. Go-
mes 4 Cattro.
Approvou em '!' discusso os projectos: 406 de
187!, que concede a aposenTaUorta a Joao Fran-
cisco deSouza pu lugar de in-pecter gera I do ins-
tituto vaccinieo, como ordenado de hilOj, an-
uacs ; 417 de 1873, que autorisa a concessao de
um aino de.licenca com ordenado, para tratar da
sos sadde, ao Dr. A exandre Alfonso do Carvalho,
late opposilor di facuidade de medicina da Ba-
ha ;e 242 d 1873, que manda gravar e impri-
mir a parte concluida da carta architcctoral d.
'idade do Rio de Janeiro.
Em seguida oee ipou-se com a primeira discos
sao do projeclo que prnroga o ornamento geral do
imperio at aolim do I trimestre de 1873 a '.871.
Oraraai os 9rs. Leandro Dezrrra, Duqne-Estra-
da Teixeira, ministro di imperio. Ferrara Van-
os, Henriques e Kartmbo Campos, Besado a dis-
rus.-a > adiada pela i oca.
(i iTrcamcnto vif??n!'> nti' o I
innocuo de 1873 a 1*71.
Tendo orado os Sis. Swqiih liento c Angelo
dvi Amarjl, fui oneorntdVh discu-sao a ludido do
Sr. Honriquos.oapprovado o projeclo.
Entrando iinmediataraente em discusso, por
lee sido dispensado o intersticio, a requerimeuto
do Sr. Heuriques, oraram os Srs. Ferreira Vianda
e Mattinlio Campos, llcando a discusso adiada
pela hot.
i'Hnffilre fli'aflnn'fr- aerrado i ros claros de ontro aslro que sumio-se,
t uiittiinli^uio- ii
Pto paquete argentino
fol as do Rio da Prata ate
De Entrpitas no ha
a sr.'.iacao dos partidos
La Pamp recebem >-
II do corren te.
noticia pie modifique
ein guerra civil naqnetla
provin :1a. I'a !ava-se apenas de un reeonheei-
mento feito pela guarntgSe da calado de Paran, e
numor >so assasskiatos perpetrados em diversas
partes.
Em Boenos-Ayres taran prorojadas por um
me/, as sessBss do eongnsso
A iniioias do Paraguay ebegaram a 30 do
passado e segundo ollas conlinuava o estado de re-
volucao sem osperainjas de breve termo, izia-se
que o general Cabaero com 4.0C0 homens prepa-
rava-se para atacar a oapilal, onde se trabalbava
aHisamante em alistar a guarda nacional e man-
dar reforeos ao exercito em campaulia, para o
anal marchara Oeamps com 400 hpmens.
Entretanto as foreas do governo permanooiam
in.. -uvas, deixando as columnas revolucionarias
pereornr os departamentos. Era as immedia-
e5es de Car.ip'gu nue estes se faziam sentir
m mai ir nuiuoro, commandadas pelo coronel Sor-
rano.
O genera! Caballero, dizia-se estar em Capli Ve-
vinliu, a dez leguas de Tebiquary.
- 20 -
A cmara dos depu'.ados hontem, depois do ex-
pediento oceupou-se com a conlinuaeio da 1.
discussai do projeclo u. 432, nue proroga o or;a-
m nto gcral do imperio at ao"tirado 1 trimestre
Jo anuo fmanceiro de 1873 a 1874.
Oraram os Srs. Balotan da Cunda, Silveira Mar-
tin5, Ignacio Marlins, Pereira da silva, Pinhciro
jiuiariles, Heuri |ues e (lardoso Jnior, ticando
a di'Ctissao adiada pela hora.
Do Rio da Prata entrn o paquete inglez Neva,
dalinha de Southampton, com follias at lo do
eorrentc.
Na la adianUra as noticias relativamente guer-
t.i civil na provincia de Entre-Ros. Na margem
do Paran as fur.as do governo conservara se a
cidade do mesmo nome, sitiada pe s rebeldes ;
sobre a do Uruguay eslava acampado o coronel
Campos com o que commandava de tropas nacio-
uaes. A respoito do cerco da Conceicao nada en-
contramos. A Concordia eslava guarnecida por
forras do governo, mas os rebeldes faziam-se sen-
tir nos arredores.
O governo ile Buenos-Ayres creou um servico
espacial de emfeateaedss miada para guarda dos
ros e revista de eniharcaeoe que se dingissem
a portas argentinos.
Urna carta do Paraguay, declarando a revota-
cao no niosmo p ainda eni que linham deixadoasl
Refero o M-rcinlU de Pelropolis, em 18 do cr-
lenle :
Alera dos aviiltados diaativos com quo S.M.
o Imperador lem concorrido para diversas insti-.
tuiedes de caridado desla cidade, o dos constan-
tes 'soccorros prestadas ai pesseas .di^avoreci-
das da fortuna, niandou-ainda, ao rotirar-se,.par
a o*p. que o Sr.^npertatfflidente edlresps -e-
nosso vig.rio a quajilia de t:420J, para ser distri
buida uelas pessoas mals iflsoessitada* aestadwa
lidade. 4, 2Q
31
Ha enmara ds depulado, hontem, -taps* ^k
expediente fiindamentou o Sr. Angelo do Amaral
o segutale rAquerimentn, que ficou adiado por ler
pedido a palavra p -v'r. Marlinho Campos :
Reaueiro qc" se peca ao governo, per inter-
medio do ministerio da agricultura, copia do aviso
de 26 de -finta, que mandn oumpflr o laudo-div
eonsclheire do estado duque de CnXias sobre as re-
d macees de Angelo T. do
Ainarai.
Km seguida o Sr Pinheiro Guiniaraes unida-*,
mentn tambera o segante requefincnto, que li-
rn adiado por ler pedido a palavra o Sr. Carlos
PaUta :
Heqaeiro que so fiera ao governo copia dos
avisos que no dia 6 do corren te dirigi o ministe-
rio da marrana ao quarlel-general, ordenando em
um. que se precedesse a um severo inquerito para
verificarla se tinha fundamento a aceusacao feila
nesta casa, de infligir o commandanle gera I do
cirpo de imperiaes marinheiros castigos- barbaros
ifi pracas; era outro, que se exigisso docoraraan-
dante do corpo de imperiaes marinheiros. expli-
cacoas sobre o mappa a. 8, appenso ao relatorio
apresenlado na prsenle sessao por aquelle minis-
terio.
Iteqtieiro inais que- se aprsenle UMnbem, por
copia, nao so a coinmunicacao feita peta chefe lo
quartel-generai, dando conla do resultado de in
querito a que, em viriude daquelle aviso, se pro-
ceden, como tambera das explicaces fornecidas
pelo commandanle do corpo de imperiaes mari-
nheiros, que acaba de ser demittido, acerca do
mappa n. 8, de que trata o segundo aviso a qu
me r-eferi cima.
Sala da cmara dos depQtados, 21 de junho
de 1873. Pinlieiro Gnimm?s.
Passando depois a ocenpar-se a cmara com a
J. i discusso do projeclo n. 432 de 1873, que pro-
roga o oreamento vigente at ao lira do 1" trimes-
tre do aniio taanceiro de 1873 a 1874, a pedido
do Sr. Campos de Hedeiros foi encerrada, capprn-
vado o prfijecto para passar 3.* discusso. na
qual entrn immediata nenie, por ler sido dispen-
sado o intersiicio, a roqueriinenlo do niosmo se-
nhor.
Oraram o Srs. Martinbo Campos, Angelo do
Amaral, minislro da agricultura e Ferreira Vianna,
linii'lo a discusso adiada pela hura.
A mortadade da cidade do Rio de Janeiro
dnrant; a quinzena de I a lo de junho corrate
foi, segundo o boletim organsad pelo Sr. conse-
llieir.i Dr. Jof Pereira Reg, presidente da junta
central de bygiene, a seguRle :
Causas de morh: Febre amaroMa, 51 ; ditas re-
mitientes e interinillentes, lil ; varila, 38; lyin-
phalites (erysiplas ), 4 ; diarrhas, ; bronchi-
tes e pneumona, 21 ; caUrrho sulocaule, ii ; tu-
brculos pulmonares. 58 ; oaugeatfies pulmonares,
3; pbloginasias cerebro-esplnliaes, r>; congesla?
cerebral e apoplexias, 10: leanos dos recemnas-
eidns, *l ; convulsoes, 19 ; leses orgnicas do co-
rae.o, 21; affeeodes lo ligado, 17 : desastres t ;
suicidio, 1 ; morios de nascimento, 2o; nutras
causas. 20.
Nocionalidade. Xaconaes. 299 ; esjxangeiros.
200 ; ignorada, 7.
C-udicao. Livre, 437; escravos, 57 ; ignora-
da, 2.
Sea 'i. -Masculino, 314 ; femnino, IS2.
idad -At 7 anuas 134 ; de 7 a 2, 97 ; de
Ktecliyaincnle o sonulor Nahuo npparece na
IrilitfnS ; a sin liniiUag'in lirnio, poiiu, suas
UlMriaS loni han-mii-am-se cora as do'Sr. Za-
chari-is, iKHii .panden) para as do Sr. Silveira Mar-
tins e para as da Reforma.
c era o respeitojleau c sera anal)se zoSylla-
" re. O pa-
o atoo termo
al um das
Sr. aotiselhei-
izas*
ra
do
clatiano
lifestbu-:
(arecila
uliti
uencia deriva*
ms n;n liratot
sa.
astun como
TI'tilH.
coa-
a 40, 107 ; de 40 a 55*. 63; inais de 55, 59
2o
ignorada 31.
botaliiaill.Domleilia?, 300 ; hospilaes milita-
res, II ; civis, 179.
a esta eslalistica accrescenta o Sr. conselieiro
Reg as soguntes observai.oes.
Do exame desta estatistica conhece se :
I." Que a mortadade eral tcui progressiva-
nii.'iile diminuido aproximando-so j da ordinaria,
regulando a inedia diaria 33.
" 2. Que a da febre amarella commVia em tle-
clinacao, regulando a media diaria 3, i.
3. Que o mesmo succedo com as das nutras ta-
bres, (lando-se a media de 4, sendo de notar que
as do forma typhoide decrescem de proporcao, por
que de entre 61 falleeimentos causados por estas
affeccoes, s 23 p.irtcncem classe indicada.
." Que a varila parece augmentar de fre-
quencia. occorrendo inais casos de morle por ella
determinada do que as quatro quinzenas anle-
riore?.
5 Finalmente, que a mortadade devida s
molestias dos apparelbos, digestivo, respiratorio e
ccrebro-espinhal, nao oiiereceu differenca seusvel
da oecorrida na quinzeaa anterior.
A temperatura baixou sensivelmente at o da
6 do mez, oscillando entre 77/ mximo, e 70." ra-
nimo ; mas desse dia at 10 foi o calor milito senr-
sivel, elevando-se os graos thermomelricos de 79
a 82, para tornar a descer at o dia 15, variando
entre 68.", mnimo, no dia 15, e 74., mximo.
t Hotive apenas lies das d chuva, marcando o
pluvimetro pela sua totalidade 9, 10"' dando se
esta quasi seaipre para a noute.
Sendo as chavas par'ciaes. e predominando s
sesea, em sectas lugares de preferencia a outros,
como acceden no dia 15, em que apraas aqu se
sentiram algnns clum'soos, no emtanto que em
alguns arrabaldes da cidade eahiram fortes ; gua-
ceiros, como as Laranjoiras. Rio c.imprido e ou-
tros pantos, deve-se calcular que foi muito maior
a quantidade das aguas do que a ndica la no plu-
vimetro do observatorio. E tanlo islo exacto,
que tas observa jes meteorolgicas do dia 15. ne-
nhuma mencta se faz de c uva ou de xbuviscos.
Houve um s dia de S 0 para tardo : foi o dia
1. Nos outros sopraram os ventos commnns, sen-
do as chuvas, de ordinario, tocadas do guadranle
de s E.
O da de maior mortandade foi o da 2, era o
qual houve 47 faflecimeotos, dos quaes 18 deter-
minados pelas diversas formas de pyrexias, e o de.
menor, o dia 24, em que s oceorreram 7 a ellas
dovidos.
ln, neiT"a i
rtcer di| n '
na yuestflo.
DepoS d
vultos p
ro Francisco
S. Exc,
da de i
a 'i'a CondemMit ae ir.
demnmi WSr. Siti*iri
Cuu vista aes vellws funatteos, mandou aquel-
es EleannlBaj>al:rrra* Ni :% utoeidade fiio>4
deleito |iara nenhuaia las H'andcs diseussiVs so-
ciaes e rodigiosas, Clirislo nao ctfegii a Idade dof
abeltas hraaeoa I
E para us moios fogosos Valhou este lindo tre-
cho : <- A jt*-
Antes de concluir ouso dar um conselho. Nao
nos deixemos rfrrastur do terreno da vordade. Pa-
ra combater a escola romana que amesquinha o
oatbojicrsinn redurindo-o a amaseita brahminica,
liritu lo,'ico nao lia myster de oscurecer os
Amaral. A. do gandes ervicoi prestadM- ervHisaco e liber-
dade pelo cathi di cismo e polo pontificado. Se nosl
orguliiamiis do n ssa historia civil, |orquo rene-
garemos as brilhantes paginas da historia da nos-
sa igroja uos-seculo passados ? K vede que era
Castellar, nem Mazxtai, esSes inesmos, nao commet-
teram semelhanta erro.
A democracia deve mulo religiao de Cbris-
to. O padre Ventura dzia bem na orarn fne-
bre de O' Connel: A igroja offron'.ar esta he-
rona selvagom e Ihe restituir o Chrisio o a co-
rda.
Porm, e que cert, o que ninguem contesta-
r, que aera o Sr. senador Nabuco, na tribuna,
nem o Sr. senador Octaviano, na imprensa, tira-
rain bem a tanpo o pensaraeuto do partiBo libera
no incidente religioso.
Pelo contrario ticam agora em voga tres prin-
cipios antagnicos.
O do Sr. Zacharias.
O do Sr. Sitvoira Martinse da Reforma.
O dos Srs. Nabuco e Oclaviano.
Qual dos tres est de pereite ectordo con) a
raaioria do partido!
E' o que resta provar.
Aimla algumas ob>ervacOes :
A Reforma re!erindo-se hontem ao discurso do
Sr. Nabuco. expoz quo :
Todos queriam ouvir o vellio chefe do partido
liberal ; os liberaos ara adiar forjas para a lu-
la mis palacras de seu general; o governo, po-
rm, que ia ouvir por juizp nsuspeito a coadera-
naeao ou apota da doutriiia em que se estriba,
para julgar os recursos das irmandades; fiaalinen-
te os proprios ultramontanos sinceros, porqnc sa-
liom que n clufe liberal atara de catholico mul-
lo accenlua lo, um canonista de torga, um gran-
de doulor da igreja.
Osenador Nabuco, porm, nao vola pelasepara-
cao da igreja e do estado, nem palo casamento ci-
vil. Entretanto a igreja'livre no estado livre, o
casamento civi, etc., p as formulas absolulas,
unirs aivetavois c adoptavets pelo partido liberal,
uo conceito do Sr. Silveira llantas.
E como a mesma Reforma, noticiando o dis ur
so em que. o depulado rio-grandense pregoc na
cmara temporaria, aquella doutrina, accresuen-
lou nao ha mu tos dias :
O Sr. Silveira Marlins foi interprete das aspira-
<;oes do partido, cuja liandeira lecantuu t
A contradicho raanifesta.
Ura nico ponto looou a Reforma bem salionts
e foi o seguinte : que o Sr. cotiselheiro ZaelHrias
de Ges Vascoiicellosj nao. c cliefe do partido
M ibera I. -
Saibapi todos. O velho propheta teve o seu dia.
Resta-llie una gloria : cabio hitando.
Onde c quando se levantar elle ?-..
Quanto, porm, ao essenrial, qnanto ao modo
polo ual o indicado partido cucara a qOAstito, na-
da se adiaiilou aps o discurso do Srv' Jfahucu e
a manifestarlo do Sr. Octaviano.
Ilojecotn hontem, o pan labirana inco.rleza.'
Vigorara, presentemente, entre as lileiras de
nossos adversarios tres opinioes distioctas !
A do Sr. Silveira Martins.
A do Sr. Zacharias.
A do Sr. Nabuco.
A qual das tres adhere a Reforma, em nome
do partido liberal ?
'Risa questao collocada em seu verdadoiro p.
Eis o que o paiz necessita saber
O SR. ZACHARIAS.... DESPEDIDO.
Diz a Reforma de domingo que a questao da
llherdade do. cultos nio c religiosa, eminente-
mente poltica, e o primare do dogma do parti-
do liberal, pois nao pode pertenwr a elle (refere-
se a fi/Wrai'i ao partido liberal e nao ao dogma)
ua pude icrtence.- a elle quera nega as priraelras
das liberdad, as do pensamcato e da cou*cien-
cia n
Desse podacito do ouro conclue-se :
1. Que o principio da tolerancia religiosa i a
nogacfto da liberdade io pensante nto e da liberdade
de mnsciencia!
Primeira e pasmosa consecuencia I...
2." Que o Sr. Zacharias, nao admitlindo o prin-
cipio de liberdade e cultos, priraeiro dogma do
partido liberal. nao pode pertencer a este partido,
e deve, portaran, ir fazer verao em outras para-
gens.
Medite Sr. conselheiro Zacharias I Quem dina
quo o Sr. Silveira Martins eslava destinado para
arrebatar o bastan de chefe das mios do velho fa-
natico qut f aproxiun di tmulo ? .'
CSacao.)
eslava y0 escriplorio dn mesmo 8r. lins ,ind*
coiiU da sua vuigera aquella cidade, quando fp
peufiiataente cahio morio, victima J'j tuna byper-
iropliiarilo coracao, molestia que jsolfria." Era
ura jrhprega lo honesto c laborioso. -
Km S. Gduiel appaivcra uusto em sua caga
um italiano, victima de um ataque. Era conhe-
cido pelo nome de. Passo. ^^^
smefJMlfnos no fio Gruiente mais estas
dira era
guinta:
.Jo
niios em
acdjessobreo charlatao, conhecido vulgar-
?me que serve de titulo a esta ao-
omquanto ha de seguro sobre o re-
" irmaccs polieiaes a que proce-
do o Dr. hef de polica, ose-
Rio, 13 le jiiiiho da 1893.
MAIS SAMBA A.
Ca la vez mais se entenebrecem os borisontes do
partido liberal !
Os ltimos incidentes religiosos mal explorados
pelo orgao do mesmo partido ; a attilude assuini-
da na cmara vitalicia pelo Sr. conselheiro Zacha-
rias de Ges e Vsconcellos, e na cmara tempo-
raria pelo Sr. Silveira Martins'; a preferencia da-
da opinio do ullimo sobre o parecer do primei-
ro que, entretanto, era al poneo tempo conoide
rado como chefe do partido, lulo islo tornava du-
bia a posifso do elemento liberal, em presenca da
questao snscitadaen're os dous poderes civil e ec-
clesiastico.
A eformu saudava jubilosa ao Sr. Silveira Mar-
ultima' noticias, desereve cora negras cores a tris- lins, mas retrahia-se completamente dimito do'
te condicao do paiz. Os assassinatos e roubos
multiplicavarase as imraediacoes c mesmo no
centro da capital, onde a seguraea era nenhiima
Os juizes do eivel e crime apresentaram se ao v-
ce-presideute da renubliea ueixando-se das injus-
tieas e arbitrariedades do presidente do tribunal,
um tal Soza, qae diziam serem taes que nonhum
homeni de honra podia tomar parle na administra-
rlo da jtitica. Sabendo disto expedio Soza man-
dado de prisao contra os queixosos : informado
cumprisse a ordem.
A cmara dos deputados tambera atropellava to-
dos votando por exemplo urna lei para serem se-
uueslrados os bens dos rebeldes, apezar da pena
de conuaeo estar abolida pela eonsiituieo.
Refere se o se.uinte caso : O ministro da josti-
caque esta em Paraguiry cora o exercWo, man-
dou a deseeberla do.inimigo unta partida de 4"
prajas, que caiiram todas e;n poder do general
OMIero. Esta vaado que o nnfe reHio dos seos
ptMionoirosmal taria 14 annos, devolveu-os ao mi-
nislro cora umacartamuilo attenciosa emqne Hie
pedia-tonas-se sob'sua proteecao aquella criancas,
nao o.pndendo fazer elle mesmo por nao ter sna
disposicao nonhum recolimento de orphaos.
21 -
A cmara dos depurados hontem depois do es-
pediente, oceupou-se com a continuajao-iia I" dis-
eossao do projeclo a. 432 deste anno-, que proroga
vnlto do Sr. Zacharias.
D8clarava : aquelle falla em nome do paftido.
Mas nao se atreva a dizer : este contra a as as-
piradles liberaos.
Interrogada, prorocada a urna explicacao franca
o ealhogoriea, a Reforma nunca ulgnu prudente^
quebrar o silencio em ponto que alis-nem se quer
admitliria meias palavra?.
Perguntando-se-lhe :
Quai dos dous advoga as ideas do partido ?
qual dos dous dirige a ac;ac, e cinge as insignias
do commando ?
Nada de respeta.
W'mpre o mesmo reoeio ; sempre a mesma abs-
teario___ ^
Esta va quasi perdida a esperanca de ver o or-
5o liboral delinir-M-elaramente, quando 'um bra
o srrden'e repercut* eitedas as vasto earopo em que se-dobnie-a topirfiao.
Val fallar, ni senado, o >Br. cmsetheiro Jo-' sujeito embueado, que flrieoolreoiita ser -um tal
Tbernas Habuco de Afamo. Ahneida.sapateire, residente vaa-Sete de Setem-'
Vai ser feita a luz-bnreuw'jvamos liberaos.
-ai seaselarecer o piiz sobre as idea do partido
liberal,repeta o publico.
E' o novo chefe que (er, naturalmente de ftr |
mar doutrina certa sobra os'-dcstroeos do ttko fa-
mtieo que a esta-hora j ira a ensto sublndo *
Roeh fogosos, que vio cobertos de distinecoes, encher
espaco em torno do astro que surge por entre os
confsssou que so, faziam reu-
asa, mas que essas reunifles nao
tinhsm Itas-oeeollns, lendo por objeelivo a inter-
pretaco da Biblia. Era todas s suas respostas
wslou-sa O'horamir atiasi idiota, ou pelo menos
i.ositivameute K/hSco. Pesjguniado se sua mu-
llier safia[cr*, aisie que nsabia at o momento
- uesev illuminada peta-ospirlto divino ; lesde en-
tao, purin, l lettra impressa. (1)
laurer proco ra livrar-se pessoalmente de to-
da a responsabilidad!', comprometiendo com isso
sua innlher, que parees desempenhar o papel
mais importante.
Perguntado porque nao*comparecer a dti
sua'mulber pecante a autoridade, respondeu Mau-
rer que ella nao polla vir antes do dia ii de mata,
porquo at l (nAa de acontecer muita cousa (o
mallogrado lira do mundo). O Dr. chefe de poli-
ca a man lar buscara inulher, man lando carro
para e.o lini.
t Maurer nega haver prohib o aos seus adhe-
ronles a i'reqiienc.ia deigrejas e escoias, e ha ver
nomeado apostatas. Os dcpoimcntas dotestemu-
nlias, porm, provam exuberan'emente que taes
abusos se doran).
f)r. chefe de polica leve occasfio de inter-
rogar um dos apostlos om pessoa, e justamente
aquelle a quem cotillera o panel de Juilas. E'
um cunhado do propheta, morador no l'ortio, que
declarou haver recebido o postulado das maos
de Maurer, sendo agora Judas. Dora proveito
Ihe faca.
E" quanto nos communicam possoas fidedig-
nas de S. Leopoldo
Sobre a supposta cumplcdade de um ex-pa-
dre protestante, de nomo Klein, de quo tratou a
Reforma, nada nos consta, nem eremos que sejam
exactas as uformaees da folha liberal a e-te res-
peito, porque e individuo em questao intelligen-
le de mais para participar de sememantes asnei-
ras. Entretanto possivel: agiiardarenios nfur-
macoes mais detalhadas.
L-se no Commeixial do Ri-GranJe :
Um grande crime acaba de dar-se no termo
de Sant"Anua do Mattos. Tiburcl Valeriano da
Silva lavaros, desojando conlrahir matrimonio
com rana moca sua vizinha, de quem se havia
apaixonado, e nao podendo realisar o seu intento
por ser casado, resolveu matar sua mulher, o que
eoosoguio, estrangulaiuta-a. Felizm-nte a polica,
tendo inmediatamente c inliociinoiito 4esse br-
baro a neniado, pode preader o assassino, i|ue
confesaua e vut crtaie peante diverjas pessoas.
Oiitro crimo nao menos horroroso teve lugar
na villa do Jardim. Manoel Marinho dn Nasci-
meato Guarila, e sua mulher Esraeria Maria de
Jess assassiliaran), por ineio de subinersao, a
urna sua sobrinha e lillia de criacilo, que viva em
sua conipanlia, para obstar que esta casasse cora
um fillio dessns dous entos desnaturad )s, que a
tiuba deflorado.
MINAS-OEnAES.
SSo de 12 do corrcnle os dalas.
L-se no Diario de Minas :
a Comraunicaram-nos de S. Joao Nepomuceno
em 29 d > mez lindo o seguinte:
t De viageni do Rio Novo para o ur> do Mar
-de Ilespanha. os Drs. Tobas Tollendal juiz de di-
reito inlerino'c promotor publico Peixoto de Mello,
eneontraraui em caminho, j era territorio deste
ultimo municipio, o criminoso Francisco Jos da
Silva Uarceilas, pronunciado no Ro-Novo no ar.
2tll i* do oodigo criminal, o qual foi, apezar de
grande carreira por mattos espinbosos, desarmado
e preso pessoalmente por esses dignos funeciuna-
rios, que couduziram no para a cadeia de Mar de
Ilespanha, onde acha se recolhido, gracas ener-
ga e forja de vonlado Ja judias autoridades,
quera nito*c antepoe obstculos nem coosidera-
cSes de qualquer (rdeni quando lera era vista eum-
prir a le
No dia 11 do crrente falleceu e ante-hontem
foi sepultada a esposa do Sr. Jos Rodrigues Met-
ra, residente na freguezia de Antonio Dias, desla
capital.
A fallecida foi vctima de um desastre provo-
cado pelo araollecimeiHo cerebral, de que j ha
lempos soflria.
' A's 8 horas da note daquelle dia.quando todos
j repousavam c se achavain fechadas as portas, le-
vanta-se ella cautelosamente, e sem que algucm
preseutisse, lenta ganliar a ra saltando por una
janella, tendo nlravessado o lelhado dos fundos da
casa, que de sobrado. Falta-ihe enl'io o equilibrio,
qaebram-se diversas tenas, e ella precipita-se no
lerraco, era urna altura de 12 metros mais ou me-
nos.
a Em a I Ii! i o uto noticia que demos sobre
es factas criminosos ltimamente praticadas por
diversos italianos no districto da Conceicao do
Turvo, termo doPiranga, accrescentamos hoje que
o cidado Joao Cnrysustamo Fernn Jes, prmeiro
snpplente do subdelegado de polica J'aquelle dis-
trelo, falleceu s 9 horas da nianh.i do dia -i do
correntc, em consecuencia dos forimenios que re-
cebea dos ditos italianos, quando estes o espan-
cavam na estrada, para saberein se cstavara sen-
do processados pela tentativa de homicidio, que
anteriormente haviam commetlido na pessoa de
Remigio de tal.
Esses italianos sao Matl)9Ui Vgorito, Domin-
gos Vigrito, Antonio Tampasco, Joao Durso, l'.is-
choal Nicqlu, los Gamaiano, Sebastin, Jos Vi-
grito, Jos Durso e Raphael.
Constando que os mesraos pretenden) se diri-
gir para a corto, cora o fin de embarearein para a
Europa, o Sr. Dr. chefe de polica temou to-
das as providencias, afiui de serem elles captura-
dos.
s. PAULO.
Vao at 19 do corrcnle as dalas :
JH') bairro dos l'iuheiros, freguezia da Consola-
cao, (na capital) reunram-se alguns moradores
dalli, jogadures do truque, Jos do Recco, here
da banca, jogaudo com fc-liidade e esperleza, tru-
cou multas vezes, levando de vencida seu pareci-
ro o i orluguez Antonio, por antonomasia l'atusco,
o qual desesperado com tanto caiporsmo UWse a
Jos do Boceo que nao Ihe pagara o dinheiro per-
dido.
Depois de rana altercaco bastante animada, um
dos assistenles empreslou a Patusco o dujheiro
preciso para pagar a divida que contratara, e os
dous jogadores satinan para lados oppostos da es-
trada. En lo Jos do Boceo, que homem de ge-
nio irrascivel, annou-se de urna garrucha, foi en-
contrar Plfluso, e^ie, distrnhtdo oom a tirageia de
um burro de urna carroca, vio-se inosper-idamen-
to aggredido, e nao pode escapar ao tiro que o
off-ndeu gravemente
O i'elinajMnle conseguio evadir-so na direccao
de Santo Amaro.
Tendo chegado ao conhecimento do subdelegado
era exercicioda freguezia da Su, (lambein da ca-
pital), achar-se fechado e exhalando mao ebeiro,
um quarto debaixo do sobrado de Gullherrae Ba-
silem na travesa do Quarlel, para all dirigise
e, mandando proceder a arrombanieata peante
teatcinunhas, encontrn morto o mendigo de nome
Antonio de tal. Procodumto-se ao competente au-*
to de corpo havia sido produzida-por urna hemoniagia pul-
monar.
Na villa da Penha, diz o ndepandente de Mogy
mirim, saicdra-se, enforcando se, ura escravo de
Joa Henrique Vieira, que fra absolvido peta jury
daquela cidade do enme-de tentativa de homici
dio, pelo qual era aocusado.
Foram capturados: pelo delegado de Sanios, na
paragem Bugre, districto de S. Vicente, dous indi-
viduos, que u-se seren irmaos toaverem as-
sassinado o pai ,em itajahy ; pelo delegado de
Botucatu- mais dous individuos que se achavam
pronunciados cerno autores do conflicto que hou-
ve na noite de tj para 13 da abril do carrete an-
no, na chcara do capitn Joao Vieira da Silva,
nos.saborbiu8Ldaa)Ba!S|la, e do qaal tosattou,
Blem -da- espencaKentos, a moste de Joao Raivo;
aifle|les,.'PraociBBtaritonio da Caaha e Antonio
Bernardo. Tan o ns anloridades do logar como o
Dr. chefe de polica conltauaru a oaxidar esforcos
e temnrara* providencias atouiotaito de aereas
jiro,deo-lhopordetmaum-eoero na abvJt.a,'letilan-J tamben) capturados os criminosos de nomos Ma
dopuc arafacal- O 8r, Ealm-i, sagvaiia.afWW noel Paulino da Cliuha o Jos da.-unha, qu
de sorpresa, -raajjaa. Iguae pa^see, ^ftimatotl Igoalaiense se aaham oroouaaiaaee ipelo >nwsiuo
uiii-revolwr, ta-caaOfar os cs*ardva)ualii amk-< crime.
gis eus se .miiteram 'de -^trmeio, sonsejjUiBdol Rofereo Corre io de Taubat de 8 :
uo iraliB.aqeHa eonteuda. > 0 juiz municipal aupplente, o Sr. Uarnab
OSr. Anguto Francisco detUmay empraaade Faireira deiAbreu e:Costa, depois de torinquirid
da^ tres reslemunhas, ordenou que.flcaasa presa Anna
tenuo chegado de Pelotas no vapor S, Goncalo, Joaquina de Oliveira, conbecida por Anua Cara
nun, sobro Iruwii ,,, ms vehemertel IQ
lucios de Urassas.-iuaJo, |> r i,i -io de ucsadjo a
sbina Mara WJesu>. Para este acto de tito
revollanle barl.ai i I ule, originado por chimes da
Anua Carauh, o Ur. promotor publico pode na
denuncia aouico da recusada uo grao mximo
do arL 192 do cdigo criminal: pena do mor
He. a
Escrevcram de Ifitaeliiinga que no dia I do cor-
rele hornera no bairro do Faxinal, municipio
daquela cidade, um duello a faca.entre dous pri-
mos, Anl nio Marianno o Jos (alvao, morrendo
o priineiro e ficando jnortalmciite ferido o ae-
guudo. -
| No bairro do Itimtriin, termo do Iguape, tai are
so polo respeetivo inspector do quarteir.o no dia
,28 do mez prximo ando, o crtai noso Jos Per
standes Franca, ironanciado no termo do Xi-
rlrica como iiicuwe no artiga 191 do cdigo cri-
minal.
. L*-se no DUuq ie Sontos de lo :
< 0 brigne .allemao Buugi+aster Stiuxt, em via-
gem do Rio de Janeiro para Canana, ha poucas
uiilbas do seu deslino, apanhando ura forte tem-
poral, repentinamente adornou. DesprendenJo-sc
nessa occasiib a amarra, foi'ao mar, na carreira
que leva va, lacando a perna do cirpiuleiro James
Aseende, que separou-a do corpo do paciente
Nao i avendo recursos mdicos a bordo, nem era
Canafla, c egada do navio foi o infeliz trans-
portado para bordo do vapor Galgo que eslava a
partir, para ser conduzdo a este porto, alta) de
receber soccorros da arta,
A' forle impressao produzida por um laco que
pssaram ao redor da perna com o lira de foier
parar a iioinonhagin, e doman apparelbo que
applicaram as partea dilaceradas, deve o pactante
ter chegado ao nosso porto com gangrena at ao
joelbo. a
Fallecer emlTauliato o Sr. Henrique Correia
de Toledo, e ernSaiitos o carcereiro da cadeia da
quella cidade, Antonio Joaqum de (Mivoira Na-
zarelh.
nio UE JANEIRO.
No senado proseguiam as discusses do orca-
uieuta geral do imperio e do voto de gracas.
Em 11 do corrente foi prorogada por um
anno a lcen.a cora que se acha na Europa A.
R. o Sr. almirante daquo de Saxe.
Eis as noticias coinnerciaes da ultima data :
O mercado de imporlacao, no decurso desta
quinzena, teve nmviuieiiio regular, sera que, com-
tudo, se nolasse grande alteracao nos precos.
No de exporiacao a inovinfento foi regular.
Venderara-se cerca de f6,000 suecas de caf, sen-
do hoje a existencia deste gonerj, calculada cm
cerca de lO'i.OOO saccas. Comecou nesla quinze-
na a enlraralgum caf da nova colheita, mas, por
emquanta, cm quantidade mu to diminuto O de
sorra cima, que s recebeu, faz acreditar que
taremos este anuo caf de exoellenle qualidade..
De .seira abaixo tambera se recebeu muilo pouco
ca novo.
as mes-as circumstaaotas ach se o alRodfia
de.-la colheita. Existiain no mercado cerca de C0*J
fardos, cuja libra resistente e a ausencia de crn-
eos e cascas, animaran) os exportadores, apezar
das noticias deslavara veis recetadas da Europa, a
compra-Ios ao pajae de 96 por arroba.
t No mercado de cambio tivemos nesla quinze-
na i notar muita linneza, era graade parte moti-
vada pela falla de dinheiro que se scnlio geral
menlo. A taxa naneara sobre Londres fechou bo-
je a io 3/4 d. e o papel da praca foi negociado a
26, 26 1/8 e 26 1/i d.
ElTectuou-se una operago regular em cam-
bio bancario sobre Londres a 26 d., pagamento
cora alguns dias de prazo. Sommam as apara*
ces desla quinzena : sobre Londres corea do i
750,0:>0 ; sobro Franca cerca de frs. 2.200,000 e
sobre Hamburgo aerea d" marcos o0,00:).
i Os soberanos coiiservaram-se firmes, tendo
seus precos subido al 9*620 ; boje, |Kirm, o
mercado fechou a 9io6J a dinheiro,
a O ouro nacional obteve ;i 0/0 de premio.
O niviraento dos fundos pnb icos liutou so
venda de una partida de apoliecs do enipresti-
iii-i nacional 1H68 a i:09) a dinheiro.
a C intinuou nesla quinzena o nosso mercado de
acooes a mostrar muita apatha e paralysai.ao. As
do banco do Brasil lecbaram-se a 2'>300 a di-
nheiro.
Sentio-se nesla quinzena muita difficuldade de
deicontos, em grande parle motivada pola recusa
formal de alguns estabolecirncntos, em ellecluar o
descont mesmo de letras do primeira ordem. O
dinheiro aluminio aos cofres dos bancos de onde
dlUelmente sania, otaaou serias diffieuldades ao
commercta oexerceu gran lo preilla ao mercado
geral.
As laxas dos descomes na praca regularam
de 8 a 10 0,0 ao anno.
A alfandega arrecJoa de l a 21 do cnenle
2,672:ti40Ao70.
HAHIA.
O resultado dos collegos conhecidos, na elei.o
para preeiichinieuto de una vaga de deputadj
assembla geral, pelo o" dstriot, era :
Desembargador Henrique Jorge V0
Dr. Rozemlo Muniz 171
O cambio regulava sobre : Londres 26 a 2
3/8 d., sobre Parts 36o rs., sobre Portugal tn5 0,0.
busca, eucnntraram varios rnari > Itoatafc
las de MdfttN e ama p^lraliW|rafMra mra tr
chapas abortas cwno |a a aravora \*WH*>
chamadas d'acua.
Isto passou so un .!ii M a tarde.
No dia 27, |>ol iiianh, tendo tarvmli a Wa ca-
sa debaixo de cerco, deu-se aova Na mais enriiiilnniai Miras padree aav rha|i*s aher-
tas para o fabrico das xtaiodilas Wulas, alpia
papal em bra neo |roprio para o arietes, e. mlarra-
do debaixo do foglo na enzutha, nn raisi ew
toado tetra, e, ao fundo ado, satl nutra iwrr
das sedlas, ja deterioradas im-Io toaipu a pala M-
mtaade.
Oduao.dacas, o Sr. Jlo BvajBfi<-ii-t.i <
de Castro tai pr*o logo no dia M, c, msc da n
no subsoquente, foi interr toda a diuyencia os compatentos aut'C J tiuxs..
appreliensao, ole. el.-.
Alem dessa casa foram mais cercada e varga
das hontem: a (averna le portuguez de nw
Daniel, socio de orar., contiendo por Ant-mw la-
haeao, na ra do Kosam da Ro -Vwtt, a raM a
It da ra do (jpibiriiH'. onde na KIN
graphica o alleinao Jacd. lo Kick o mt ais
casa da ra do Camiiihn Novo, bota chamad- *
(mde da Boa- Vita.
()s iaterTugal os foitosaosapn-o.ii:i.h
mais curiosos quo se |n dn imagin.-u il lea
a crer que a ellos se nolimila o m.ln-t:i.M. n.
de ganliar tartanas
Aehax-so |i|,.. i,-. Joiio K\ai-e'-: I ikiiii.- 0
C-islro ; Jos loaquim da iaiiiha, < v-le-
do nome Luiz c (tlvmpio ; o libm %i.
reir da Silva sa ahnaas Jarot le K--k. J. F.-!,t
pe Kopp. e Kopp l'inihi Rila Sania lasa* >
llanos, e os pnrlngu.ve- Auteajta Mvrtiirs 4<
valho Azevedoi \ulgo taUacao > o Daiml Ta-
Coelho.
A polica pnisegue aciivamente aaa aja defc-
geucas. Hdoquoii-o,-,- rivn-l .T.-ii. md r^k-
la aos nossos loiiores.
Nao concJuiremos, i >li a mm tr
butir um vota do Usier as 4ptoS r. elieir >
polica e >ubdelegado da R a \ Ma, 'o-
dos o inlelligcnte di rochan se deve
acludo. I'rosigam arali >- o todas i
toiidades coui decidido enip*libo oa lija
losa emproza, e oremos que h.rai. *
de pe iiioiosos olenienlos quo o sooiu s rvir d -
traga-la.
Xio a prtaioira vez quo.lta indui-irtasa *m-
proza descoberla entre uo-, luliimm de raa-
lo ; mas, tar^a tambera r uiies-ar, pi. s *rm
lire houvo'sem autoridades zetazas o activa, am-
ias liligran.is ler-v- hiam di-e.>lrio.
CuiU|>anhM Uo Br;-rllr.!. u:
hontem a a-seinbJa geral dos acetan i-la- totl
coinpanhia. para pro oler rleiri" da alfM-
meiiibros da dasaosoria em aoearam os aw ti n
-i.it...
PBRHilirafl
PIARLO EHEKNAliiBD-.JO
RECIFE, t DE JL.NHO DE 1873.
\ticai to m Hn itnperio.
C egou hontem o vapor francez Rio Grande,
trazendo datas : do Rio da Rrata 15, do Rio de Ja-
neiro 22 e da Baha 23 Alm do que damos sob as rubricas Parre Of-
ficial, Exterior Inferior, s encontramos nos jor-
naes o que segno.:
. nueeBLiCAS do pacii ico.
Telegrammas de Valparaizo datados de 5 an-
nunciam a abertura decongresso chileno. O pre-
sidente Erraguris na sua mensagem referinio-se
qnestlo da parte austral do continente sul ameri
cano, disse que propnzera Repblica Argentina
dividir ao meta o territorio contestado, e que nao
tendo sido aceito este alvitre, propuzera atada re-
correr ao arbitramento previsto no tratado de
1856, aguardando agora a respesta do governo de
Buenos-Ayres.
RIO GRANDE DO SUL.
Alcanoam a 12 do corrente as ultimas dalas.
Em viriude de antorisacao do presidente da
provincia tam recebei-se propnstas para a cons-
trucclo de um caos no litoral da cidade do Rio
Grande, projectado pela reparticao dae obras pu-
blicas.
Correr em S. Gabriel a noticia de ter fallecido
em sua estancia o Sr. conde de Porto-AJegre. Fe-
Ii mente verllcou-se pouco depois ser ella inexac-
ta, vista de una communieacao Mo Sr. Adolpho
l).ii*K l'echa, fuita ao Constitucional. S. Exc. fra aeom
metido de unta pneumona aguda, mas j se acha
va livre de perigo
A caiilmneira Mearm, que arribara com avaria
na machina, tentara sabir a 9, e de novo arribara
no mesmo dia 8, era oonseqoeneia de mo lempo.
Escrevcram de Petlas, em data de 3, ao Echo
do ful:
Hontem nonio o Pr Joaqum Esiiraa ia sen-
do victima de nm atroz atlentado premeditido e
posto em pratica pelo Sr. Fernaades da Cunta e
mais dous eu tres Apangas. Eis orno o caso se
passou: *
Saha o Sr. Estima da toja Artista, quardo
ao ohersr praca da Igreja.ino mameatoem que
prinoipiava a queimar-se o fogo, aprosrimouoie a
elle o 8r. Cunha, pedindo para dizer-lhe duas pa
lavras etn parlvutaT. O Sr. tima, atteectaso e"j
civil como tere a imprudencia de acceder ao
podido, porque, realmente nio podia enppr que]
no meta de mais de-mu pewoas t*Qnm6A*m
u::i riHie.
-i dnnowaiuo em que se:rwrrw*ra9 aovo, tray
REVISTA DIARIA.
Casa de lcten^ao. Por porlana da
presidencia da provincia, de 26 do corrente. foi
nomeado o bacharel Pedro Gaudiano do llats e
Silva, para exereer interinamente o lugar de ad-
ministrador da casa de detenclo, durante o impe-
dimento do electivo.
Cmuarea de Caruar. Por poruria
da presidencia da provincia, de 26 do corrente.
foi nomeado Jos I-idoro Concalves da Cruz, ad-
junto do promotor publico da comarca de Carua-
r uo termo de Panellas.
Arv.Miiutaeiu-s prui iieiaes. l'e-
rante a junta da Ihesouraria provincial foram ar-
rematados na quinta loara (2(>) os pedagias das
seguimos barrearas :
Caxang 6:034>|000
Gequia 6:803ftaH)
Motoeolorab 1:!)'.)000
Ponte dos Can-albos 76140(K)
Manguinlio o Capunga :122Oki
Jaboalao :la0000
Morenos l:60l*((Xl
Tapacur lWJM
Os precos do auoo passado foram :
1."
2."
3.'
4.'
5.
6."
7/
8.'
i:275*10O
.":983670
1:5684515
7624850
2:30A.140
i: 7054680
1.5824130
i.4i54'-<75
Para a Europa. Com 16 recetados em
nosso porto, levou o vapor francez Rio Grande 6i
passageiros.
Hospital 'portuguez Era sessao da
junta, de quinta feira (26), foi nomeado regente do
hospital portuguez o Rvm. Frei Nicolao do Bomlim,
religioso franciscano.
Sueiedade Catholica. Nao tendo sido
ainda approvado pelo Exm. Sr. commendad >r
presidente da provincia os estatutos da socedade
Unido Catholica Orthodoxa Pcrnunbucana, deixa
de ter araanha logar a sua solemne installacao
lliurio de Pernainliueo. Se ebegar
hoje o vapor inglez^ Neva, do Sul do imperio, dis-
tribuiremos amantia nosso numero de segunda-
feira.
Importantes diligenciaK e deseo
briiuento de sedulas falsas.-A polica
acaba de prestar mais nm relevantsimo servtao
causa publica, apprehendendo diversos indivi-
duos suspelados e meio convencidos de fabrica-
dores e passadores de moeda falsa, e bem assim
cerca de 83:0004000 em notas falsas do governo,
do valor de OJO K), alem de varias pedras com
gravuras e chapas para os?e fabrico, e outros
utensis. "
Deseobrio-se a meada do seguinte modo : nm
moleque, escravo de Jos Joaquim da Cunha drri-
gio-se com rana nota de 5> $000 um foguoteiro,
e cempron amnlher deste cerca de 3>0ui de fi>-
gos, trocando a refer Ja nota. 0 foguoteiro, apena*
examinou a nota, reconheceu-a por falsa e dan o
sigjitti.de'alaran.
O digno anMalefado da Boa-Vista, em cuta dis
Iricto se dea o tacto, aprisionou o referido mole
Sue a intaerogou-o ; e, indigitando este aum preto
e nome Geraldo, como tendo sido qnem me dar
a ola, tai este preso mmbem interrogado. De-
le multas lergiversacoes, descobriram elles
ual que na caaa n. tS da raa do Viscondedo He-
llas ( ulica do Araflo ) bavia grande capia da-
quellas notas.
S*m perda de tempe-para jilli ^oram inferido
subdelegado o Sr Jos "Candido de Morsas e o Dr.
Cheto depolicia, os -quaes, obtida a precisa venia
do dono da casa, penetraran) nella, e, dando urna
nao
guinle :
Presidente, o -omine:,dador i.uiz fiema!* da
Silva, om 122 voto.
Aiijunlo, Ivlu.inli AlexaiMlro lluile, emi: M,
Mas.
Dito, Anl uno Kranci-e i los >1.i| -. ooi.i C
votos.
Coniini ci de .VI lli',i. eo n 1(9 votos.
Via-ferrea de Oliuda. Trve eHerL.-
nienlu lugar a sessao .tiiuuif i.ida para b.tew,
alai afeita a nova direct >ria, que ii-..u H- i-
eomp sta :
Directores. Juan Joaquim A Ivs.
Luii Jos*- Piulo ila i'-osta
Angolo Rapti>ia do NaarinMut
l.aiii-nlmI Jo-.- do Miratl-li
!>*. Cstovo CaaaJCMM..... \
Villa Bella No dia i dn ninaajfc- ra-
corrou-.-e a |- nossao do jur\ deM.- ler ion, ma %m*.
nd i apresoulados e subiiioiiidos pilgaraeaie t
processos compre endeudo iflerente* ro.s. tarara S
absolv dos o 2 eondemnadi a gal< perj>rt.u -
Joao Flix d.i Cruz e "'lorencta Vioira 4a t>i...
Prisao. Nesso mesmo I- nm i"i hu .-
'Denle preso e n-colludo a r->s|ieaM*a caitaia, < rn-
minoso Je morte Isidoro, eseravo do David B1 r-
nardino.
Jury. Acha-se convo*ada a 2- sessi. 4v
jury daquelle iuoshio .Tino para IH ite ngoeCvi
vindi.uro.
t iMi-jresso HUeraro. Na uuiaU feam
26 do corren te i rounio-se esta soriciate presidencia do Sr Chaves Jnnior
E* lida o approvada a arta da -osta aov-t--
donto.
0 Sr. 1- secretario da c.nta do seguinte esft-
d i en le :
l'm olllcio do N-. BoiieviaVs, partaii.au! xnt
poder comparecer. Inlcirada.
Outro no mesmo sentido do Sr. IV Ettiteaiiia.
Varias firuposUs para socio-; o(T. cure
coniiins-.n, re.-|iectiv,i.
lira parecor da co rMaaia do sviuljeanti -' '<
urna proposiade socios h Horario*. Anpro.al"
Achaudo-se na amo-sala ue Sr> : lirratei
Souza e Bozorra Juntar, sao eeavnd"1 a tasnar
assento o felicitados pota adjunto d asador, a
quem reanendem agr 1 orondo
l'ass.indo a I- parlo da ortein do ha. :
da llieso sobro a sem n lumlaoo i* :
os Srs. Dias Vieira, Mor-ira Alve, l'aul I'- -
Vieira da Silva.
Achando-se a hora bstente adiaatada f aci-
do ainda cora a palavra diversos anata*, adiada
a discusso da raosma Ibes* para a asnean viada
ra. (cando inscripto; os ra, Moreira Alvos, Vieira da Man, Itazerr Jiuhm
Assis Silva, Paula IVssoa. Carvalho c Soasa, Cha
vos Jnior c Silva Marques.
Em seguida o Sr. prndente de*ira* a ardasa
do da da prxima, e levanta a sessao.
Institu Historien e Phllwsr.pi>i.
Amanh.i rounir-so-ha esta iiociedade, ar b-ira- >
lugar do costme.
Pa d'.Vllio. Escrevea-aoe dtssa nb.
Por mais que a mpiedade levanto
tiv i culta para oiifraquecor obliterar do ttr+i*
verdaderanerite catliulico o sentnK-olo do inteacL
amor, profundo respoito, eterna gralida. smoerst
lioiiienagein. merecidos e niultiidos kiuvores I aaV-
i a.ts que devenios a airelsa i o rcdealor. a>
genero humanoMara Santissima. sempr*
sempre immaculada, jamis pod-ra i- porque suas arlnanhas. sasM arJis, sou taaco er-
gulho e sua ousadia irlo vergoal osameosc qjas--
brar-se de rojo aos pos da Virgem. quaes iio;-'
ladas ondas do magno ocano vio iolumerid;* r
orgulliosas rebeutar seo furor s suas margt-w
onde o dedo de IVus circumscrovoii os |in
Para pro ar o que vimos de dizer nao t-niisa aa
que essa mullid lo de liis ita antaos sexw. dr
todas as idadrs, de todas as i-oiidi-;o><. -pa, apezar
dos ascosos gritos da irreligil.
ronder cultos a Mai de Deus. como lucran
te o mez maria no nesla villa.
c Eram 7 horas da noute, do dia 3t do alri.'
prximo passado, quando, entro o trt.ar de inna-
meras girndulas, o sonar alegre dos sacro* braei-
zos e o concert lu luoiiioso dus insiriiinealoe aaa-
sieaos. foi ceniluzid i do altar e r.illui ida era au-
i'u-iii i a iinagem do Si. i"..relo de Maria.
i A|his esla ceremonia seguiram-se os
apropnados a abertura dos santos exorcfctos
rimaa, depois do qne orn o Rvm. rruego Martin-
lazondo seus ouvintes ronhorerera a ntilidacte r
nocessidade da devoclo Mora Sanlisi*aa, lene
nardo-so com a benrln do SS. Sacramento
Dn-ante o mez, cujos actos fnram feito> con-
tada regular idade e decencia, sobresahia n vervnr
e constanoia d s fiis qne nao Jriuvam ir a>-
por en todas as madrugadas nos regacm da San>
lissima \ irgem os preciosos perfumes de sua* oa-
efios, o"Terecer-mcs neos humaos de tonnir
Muitas pessoas foram no tribonarda penitra-
cia reronciliar-se com a Maeestailc Prrteac foru
lcar-so no sagrado binquele eiicharieSie. Nre
tros ltimos dias 30 e 31, alm dea neto? sV
mez mariano, pela manha, oave pelas 7 hars da
noute actos de desaggravo i Maria Sanossisna aja
eor.rttvam de meiUacSes t enzffas -i j
ainhas, tota pulchra, bencio do SS.
e hvmnos
.' No dia !. da carrea, aato asatraanaa, loa
tas diversas medita;lsu ai
Maria, cetebraa-sa a
sa, dais da qual tai >
outro toruno adreda |
arar, a imcaem do Unci ae
< Duas alas i
te vestidos cirenJavaai a i
o a janente recatar aaafJat <
exceam rainha do i
versas h-iamue, na a que, -
do SS Ceraeao da atia,
basteada no mato de granas inlnnti
dostpassjarhaaam i
IMjeMai-casaadia,
que osan o Kvan. riaaje ajasalai Al
T9MKtoaV> ue aatova asalto asaeaaajda
te houve TV-Dcuhi, el
Asean as pacscatona a man da a
esta noticia nio poJeaaos daixar
os devotos que ctmcornnm para



. m"" i--------------------~~-


Digain, %Per^%pfcn-,^*to 2^, de, Jouba? de 187


-'
Al? arlos do mez niariano nssta villa, ao digno
lo, i>M BiO M ;n>U4i iii.l.i i
ionliSro cargo para que foi
Jigno e encomios.
_. *E*gr#rcin-nas dessa loca-
lidade: t aa a *
Mo aia 8 oTMjojVegte, aelabrmfe na igroja do
osario desta f* aaria ein eenewswflios eiwririns -marranos que,
f *rineira;vez e <;ijm deeuacia siplieidad e
g*s!7aqt fbram feitos,' O'ncrot o Rvm. vicario
Baslica, e orou ae evafigelbo o Rvm. conego.Mar-
tins, vigario de atoad Iho.
A* aeute hoava ladainaa em que offlciou, o vi-
cario Martiiis e orou R na. couagoDr. Peliaca.
0vi do acto quemou-se um pequeiio, ua-
fAm agraavel e-g de artificio. Emtodos os das
twuve grande ownrroncia e respeitb. O templo
eslava decentemente adornado. A orebeslra das-
enipeuhou louvavelmunle e ama banda de msica
raaeiat exaetrteu durante o dia, llecas escomidas,
al Kvm. padre Manoel Pereira, instituidor do santo
mei mariano nesta povoaeo, empregoa todos os
esforcos e todos o* meos ao seu alcance para so-
itemoisar com esplendor os actos do santo mez ma-
riano, consagrado as glorias de Mam.
E digno, pois, o IIvm. Pereira, de repetidos
neomios; continu o Sr. padre Pereira, e seus
Srabalhos e fadigas nao sero sem recompensa an-
te o tribunal divino que sabe premiar aquellos que
jaor suas bellas qualidades e virtudes iornam-se
merecedores de galardao.
Crazcta jurdica.O n. de 8 de junho
Torrente conten:
Gazeta Jurdica : O marido o administrador
legal do casal; mas, por effbto de contrato anie-
apcial, a mulhw pode conservar a administraran
los proprios bens, na constancia do matrimonio.
Consulta : Quando e come sao expedidas as roga-
torias s Justinas estrangeiras, para cumprimento
de diligencias necesarias em causas propostas no
imperio ? ~JnrisdiccSo civil: 1* liberdade, confe-
rida rondicao, nao eomprehende servwos supe-
trioroa s fon.* do libertando, que os pode fazer,
estim.ir < pagar ; 2 liln-nlade nao pode ser revo-
cada, por sei repugnante aos preceitos da consti-
tui;o do imperio. -Trazer eollacao manda a 1
lei, maniendo a igualdade entre os descendentes,
tudo quanto houverem estes recebido- d seus
nats, ou delles procedesse. Contrato de casamen-
to pode tirar ao marido a adinitiistreeao dos beng
da uiulher. InierpielacSo contraria ao sentido
litteral das palavras, en testamento, importa vio-
ladlo exnregsa. da ulti a vonlade, qual o direito
presta antorijade e forra de lei.Na penhM
xecutiva o devedor pode ser depositario do objec-
to penliorado, e tica sujeito a pana de prisao, no
caso de o nao entregar. Jurisdiogao Commercial:
Hrciu de exeouco, com sentenca apparelhada,
transfere-sc por virtude de escriptura de cessao.
Jurisiiccm Criminal : Questo jnridico-prati-
eo-eriipinal subre o despacho que pronuncia o
rea jui crime afllancavel e do qual se nao inter-
nos recurso. Direito Civil : Os escravos de urna
iierauea jacente devem ser arrematados, para,
:n o producto da arrematacao, serem pagas di-
vidas da mesma arranca?-Reforma Jndiciaria :
Jurisdiceao Civil dos juizes de direito nss contar-
casgeraBs (eaotiaoafo da pa. 175).
Aiva va terrea.Com o prazo de 30
dia, contados de 27 do crreme, acha-se aberta
a concurrencia para o contrato da construcc,ao de
urna via ferrea entre a cidade de oyanna e a po-
voaijao do Tiinbaba. As propostas devem ser
fritas de accordo coma lei n. 1,115 de 17 do eor-
rente, e .-(presentadas na secretaria do governo no
da designado.
i,t>terla. A que se ada venda a 56.\ a
tiene/icio da igreja de S. Pedro Martyr de Olinda,
a oual corre no dia 30.
Leiloes.Iloje, 28, effectda o agente Pinto a
venda da (averna da ra da lmperatriz n. 80.
En cotinuacao, s |i e meia horas, o leilo das
lvidas da massa fallida de Joo Antonio For-
itira.
No dia 2 da jullno deve ter lugar o leilio de
-.11 .veis e predios na Capunga, devenlo partir s
10 e inoia lloras o trein expresso, confjrinc est
aumcoeialo.
Casa t'i de junho de 1873 :
Hxistiain presos 366, entraram 3, sahiram 11,
existen] 3<6. A saber .
Nacionaes 239, mulheres 8, estrangeiros 39,
scravos O, escravas 12.Total 358.
Alimentados a rusta dos cofres pblicos 282.
Movimeuto da enfermara do dia 26 de junho
de 1873.
Tiveram baixa :
Seralim llezerra dos Santos, liemorrhoidas.
Aiitjnio Sjares dos Santos, abeesso.
Tieveram alta:
i.ourenco Pinto Teixeira.
ioaquim Alves de Oliveira.
Pizarru das Nes'es.
J"s Hartins Gomes da Silva.
Passaffeiros.Viados de Mamanguape, no
vapor Cnraripe :
Joo P.-.ulo de Souza, Jos Justo, Manoel F.
endonca, Olinto Pompillo de Mello e 1 lilho, Joo
Antonio, Antonio 15. K. Santos, Juo Antonio, Jos
M das Naves.
Viudos ilos portos do snl, no paquete fran-
et H'O Grande :
l)r. Fiancisc; Sizenando i Avelino Pinho, Ma-
ri* Solena Leuho Pinho e 2 criados.
Sabidos para o sul, no mesmo vapor :
Virginia Falque, Augusto Caor, Cherubino Ba-
il ri, padre Jos Vaz Quiterres, Gaetano Brando,
ProU Daminieo, Giordano Giusepe e 1 lilho me-
t ir, Fiorenzano Giovano Angelo. Biagio Fioren-
7.1H i. Antonia Pntala, Folgo" Giusepe e sua mu-
iher, Joan Des-veemor e sua niullier, Biase Fini-
zola.
Sabidos para o sul, no paquete inglez Boyne :
Jos Joaquiui Jordio, Haphaol B. da Costa, Agos-
ttnbo ('< unes da Silva, C. de Ca-lro e Silva, Ur.
Joao I!. P. da Silva, Fausto feriado), Pedro M. Mau-
ry e su.i inullier, Augusto Bernet.
ri-utorio publico.Obituario do dia 26
de iunho :
Manoel Vieira da Costa, branco, l'entainbuco,
52 anuo<, solleiro, Bua-Vi.-ta, hospital Pedro II ;
amoleci monto cerebral.
Francolina Maria da Conceicio, parda, Paraliy-
ba, 25 anuos, viuva, Boa-Vista, hospital Pedro II ;
hypouuia intertropical.
Joanua, parda, Pernambuco, 7 dias, Recife ; t-
tano dos recemnascidos.
Candida li isa da Fonceca, branca, Pernambuco,
ij aafMfc, solUira, Boa-Vista ; dyarrhea aguda.
Augusto, pardo, Pernambuco, 11 anuos, S.
Jos ; desvnteria.
Eufrasia Caetana Ja Silva Passos, parda. Per-
nambuco, 23 anuos, risada, Santo Autonio ; febre
typhoide.
Bmigdie Francisco das Ch gas, caboclo, Per-
nambuco, 21 anuos, solteiro, Boa-Vista i pliiy-

Antonio Pereira Baymundo, branco, Portugal,
20 annos, solteiro, Ba-Vista, hospital PeJroll ;
amarella.
Iguacia Maria do Sacramento, branca, Pernam-
iiuco, 1U> annos, viuva, S. Jos ; enterile.
Uta receuiBascido encontrado na pjrtaria de S.
Francisco, branco, Pernambuco, Santo Antonio.
JBCACOES A PEDiDC
reunio, andar pala ra at depois de 2
H taad*o,o indafat ujMi%aj|p
rio saber dos earteiesfbrt>g|fcffc
cousa ilifticil de atunteoerB # iet ari
Passr pelo lugar inlicade |ra- rei._.
grupos e fojjga armada, cons^ar a mesma in>
(Sflteroiifa, np indagar cousa tjguma, e seguir sed
caminlii), nio djS cario, natural que aconteca.
Vi-se bem'qne esti inelilTerenca c estranheza i.
de tudp, io tata o ouoho da fideJidaile, A re-
curso para escapar soldarledade que os factos
do ao partido liberal em todos- os ltimos acn-
It'c.imenios.
lecimenies.
Coafronto-sc agora esta siqgeleza do Sr. Villa
Bolla, coi o o inaaiftsta, a qe elle se remelle
como pura expressao da verdade, e ver-se-ha que
em sua carta nao presu a verdade.
O manifest entre martas inexactidoes que cot*
tem, consignen as alaivosias de ter havido brbaro
acut I amento do povo, e havorem as cabyttfc
lirado tintas de sangne.
Mas o Sr. Bario de Villa Bella, cara toa)a
tleugma de um bom inglez, passou p^Io lirgai'
que foi theatro dos aconteoiiniHoa, e nao ,vio mti-
gue pelas Minadas, neii o rumor sardo'o'rrra'caa
dos grupos, como se acontecar depois de scentia
do compressao o horror.
Eis, pois, o Sr. Villa Bella, signatario do mani-
fest, o desmentido formalmente, ao mestno lenta
que appella para elle !
E asstra renega o manifest quanda Iba falta
o egosmo e a idea da defeza propria -Iho oc^
corre, e.o accaSto-quando o scu r&Mot. titira.
Sr. l)r. Lucena se exercerba I
Portante, deUemos que em reiasao ao dia K,
hite o Sr. Villa Bella rom a sua conscienca e
com o manifest.
Neste ponto nao pre-isamos oppor-lhe contes-,
taeo.
24 do junbo.
Serius.

Buda-Pest

Eltsabeth.......
Panonia..........
Arpad...........
Louisa........
Blum..........
Fabrisksnof.....
Cylndro........ t
\lieius cotumerciaea.
Precos das fortunas de Trieste em 4 de jutiho, crJ
Mitigado pelos Srs. W. H. Offensandt.
0/1 C CC CCC
Concordia.i...... Est. 8i/ 52/3 50/6 46/3
P/l ABC
t 55/ 52/6 JO/k 47/
(-l/O 0/1 = SSSF
Virtoria........ 35/6 / 46/
0/1
53/
4/
53/6
34/
53/3
5V
54/6
N. 0 SSSF
Moinho de Trieste .46/ 42/
Fontana........ N. 0 superfino 44/9
........ N. 1 fme 41/6
0/1 AAAA -SSSF SSSF
E
Econmica...... 50/3 47/3 44/3 41/3
Os pregos tem-se mantido muito firmes e snbiram
um pouco principalmente para as qnalidades do
Pest, aos quaes militas transaccOcs foram feitas
para o Brasil, como wro pela lista das sahidas o
navios em carga que dou junto ; os raoinhos con-
tintiam a comprar o trigo da Russia por falta do.
do Paiz. O tenpo durante o inez paado nao foi
to favoravel como costnma ser em malo, temos ti-
llo cltuva e ventos frios, e at saraiva bem gros-
sa, solTrendo o trigo em aiguns districtos, muito
com Uto, do surte que predomina agora a opinio
que a colheita vindonra nao ser tao grande
como se esperava.
Os procos das farinhas de Pest posto bordo
em Hamhurgo, saham corea 3/6 a 4/ est. (14500)
por barrica mais caro; isto porm, quasi com-
pensado pelos frotes que sao aauito mais baratos de
li do que daqui para o Brasil.
O vapor inglez wmonaue qu sabio no dia 23
de majo para Para, Cear e Maranhao em escalla
por Liverpool, levou 1,398 barricas de farnba.
Os fretes continuam altos com pouco navios no
porto: 2 navios acharam carga durante otnez
passado, Pernambuo ou Baha Orleans 50/ a
52/6 e 5 0/0 ; 2 para o Rio de Janeiro em dircitu-
ra a 50/ e 5 0/0, e 3 para o Rio Grande do Sul a
60/ o 62/6 e 5 0/0. Os navios de poquena tonela-
gem sao ajada muito escassos. Pelos vapores da-
qui, via de Liverpool, rom conhecimentos em di-
reitura, embarcase farinhas para os portes do
norte a 60/ e 63/ e 10 0/0; para Pernambuco de
75/ a 80/ e 10 0/0 tudo por tonelada ingleza, e fre-
te devendo ser pago a;]ui. senao a primagam de
20 0/0. De Ilaniburgo os fretes regulara de 35/ a
40/ e 15 0/0 por tonelada de 80 ps cbicos ham-
burguezes, calculando-so : 40 ps cbicos ham-
burguezes sao iguaes 3,240 libras inglezas ou
urna tonelada.
Sahiram para Pemamtuco os navios :
Brigue hollandez Catltarina, a 8, com 2,488 bar-
ricas econmica.
Patacho sueco Nordbon, a lo, com 540 Fontana,
'"H) Panonia, 20J Victoria, 600 Buda-Pest, 60)
on cordia, e 30! moinho de Trieste.
Brigue inglez Northern Croma, a 23, com 1,314
Panonia e 1,200 Concordia.
Barca ingleza Maranhao, a 26, com 8J6 Pano-
nia, 1,030 Fontana, 626 Concordia.
Patache austraco JV S., a 29, com 2,068 Fon-
tana.
Nao ha nenlmm navio carga para Pernam-
buco.
PKACA DO RECIFE 27 DE JUNHO
DE 1873.
AS 3 1/2 HORAS DA TARl>E.
CotacSes oflciaes.
Aceo -da cumpanhia ndenin sadora 3i0j> cada
urna.
Cambio sobre Londres a 90 drv. 25 3[4 d. e 2
7|8 d. por iO'iO, hontem.
Dito sobre dito a 90 d|v. 25 7|8 d. e 26 d. por
lOOO, hoje.
Cambio -sobre Lisboa a 90 div. 110 0[0, do banco
Cambio-sobre o Porto a 3 d|v. lio OO.
Leal ?eve
Pelo presidente.
Antonio Leonardo Rodrigues.
Pelo secretario.
VOLUMES SAHIDOS
Nodiala26. ....-, H
Pnmeira porta no dialT. .| .
Segunda porta
Tercaira porta .
Trapicho Conceicio
f Secretaria do tribunal do rommerrio de Per-
jniK^ceBctp Antones dr. Farias Torras.
50 & O Illra. Sr\ h.^detor x Inesouraria prSSh-
6,267
SBftVICO MARTIMO
Vlvarengas descarregadas no trapiche
da alfaudaea no dia 2 a 26. .
tklas ditas ao dia 27
Savios atracados no trap. da alfandega
souraria^para ser arrematado qc?i..' ''""
s itt, o foraecimento *dos objecto pt^-?*-*
o trapiche 6mcaieao .

ftECSSfiDORIA DB RBidAS INIERIUS
ftABS BE RNAMBUD)"
BenBmantodoiiiila 26. IWWBI.
Mem doi ala 27...... 4:*278&
44:334*61
coaglllj aainaarpu 1AI,
i*4:203*85>
-

^OVWtWTO PC POTC
Navios entrados no dt i.
Bn por frandet Ah Grande, d *,*30 teaetea*,
eomniandante Geest, carga varios genero, a
Tisset.Frres. Seguto a tarde para o portnn da
Europa, com a mfana carga que trente dos
portee, o sul.
Itemaagnape -18 horas, vapor brasilera Cururi-
pe, de 122 toneladas, oommandaHte 1 H. da Sil-
va, eqatpagem 47, carga asgucar e algodao ;
agencia da companhia Pernambueana.
JtVmiw- snttdo no mmm W.
MossorIhate brasileiro Adcfmo os Anjos, ca-
nilao Castro, carga differentes gneros.
que
julho praatM.vtadtaWo, pVai*T ^^Igg
Primeira represenlacao do excellent dra-
ma em l prologo e 5 actos, traducido do italiano -.
ipediente das repfflcoes provinciaes duront.* .*
ejercicio* de 1873 a 1876; servindo deba.a
iJ jp-ematacao o anafe de 5 0|0 Do preco das respaC
Os pretenfloDlIfl ^Mirt'rTBWa|ilo compare
cam na sala Jas Se&jwswaiefcrida ^ttnta no dia
cima mencianado.pelo meio dia, c competante-
tp.ente habilitados.
E para constar s mandou publicar o presenta
palo ionnl
' Secfataria da tlwsauraria provinuial de Pr
nmbuco27 de iunlio de 1873 ^tT
, fr oftkjal-tnaior
Kilguer Alfonso rifelra.
a mm m mi
nistribulcao.
PERSONAGENS DO PROLOGO.
Mara A beneficiada.
Perpetua I). Joanna.
0 conde Paulo'.de Santa Rosa Sr. Santos
Luciano David Sr. Vicente,
m medico Sr. Santos Silva.
Santa Casa do Recife.
A junta1 admiiiistratiTa destb Salta Casa, afora
dons terrenos que possbe no lugar dos Arromba'
dos, hoje Unirte Ceelno, sob ns. 39 e 46 tendo
aqnelle 390 atetos' e este-309 de frente atrAos
de fundos at a baixa--mar.
Secretaria da Santa Gasa de Misericordia do
Reeife, 7 de abril de" 187.
I O esrrivid,
i Pudro Rodrigues de Souza.
Consulado provincial.
Do primero d junho vindouro cbinasa correr
ara pagamento do 2." semestre do
o prazo
linanrei
ma u
0/|
anno
Edltal n. 144.
Pela inspectora da alfandega so fas publico qna
nao tendo sido arrematada a plvora, abaxo de-
clarada, aimuneiada a leHd por edilal n. 143, p r
faltada licitantes, se iransfere a mesma arremata
ao para s 11 horas do da 28 do corrente,
porta desta reparticao.
Marca P F B n. 73 -300 barrts viudos deLon-
dres no navio inglez Gloria, entrado neste porto
em 26 do mez passado, com 3,442 kilos de plvo-
ra avariada, avahados pir 3:786*200, e abando-
nados aos direitos por Saunders Brothers 4 C.
Alfandega de Pernambuco, 26 de" junho de 1873.
O iuspecter
Fabio A. de Carvallio Res.
Juizo dos feitos da azenda
nacional.
O Dr. Jos Manoel de Barros-Wanderley, juiz
substituto dos feitos da fazenda nafcional, etc.
Faco saber'a to'dos q'u^ esfc lerem, que no dia
H de julho prximo vindouro se veWler em pra-
ra publica deste jnizo, na sala das audiencias,
pelas 11 horas da manha, urna casa terrea do
taipa, coberta detelha, sita no lugar de Beber!be,
penhorada'a Rita Mara dos Anjos para pagamento
do que deve a fazenda nacional, valiad por 60i>*.
E para qne chegue a noticia de todos mandei
passar o presente,, que ser publicado pela im-
prensa.
Dado e passado nesta cidade do Hecife aos 21
de junho de 1873. Eu Jos Francisco do ttego
Barros, escrvo subscrevi. Pagar alinal 200 rs.
de sello.R. Barros.
Barros Wanderley.
O Dr. Quinlmo Jos de Miranda, juiz de direito da
i" vara do civel e substituto reciaroco do de di-
r;to privativo de orphos atseates da cidade
do Itecife e seu termo, poKS. o Imperador,
?ue Dos guarde, etc.
ac saber a quem o conhecimento deste che
iiar, que por este juizo, c a reqnerimento do Dr.
curador geral Jos Joaouim de Oliveira Fonseca,
para proceder-so a exame de sanidade n pessoa
de Joaquim Maria de Carvallio, faite o que, subi-
ntra os autos minha concluso, nos quaes doi o
profer a sentenca do theor seguinte :
Sentenca.
a Verificado, como est, pelo exame de folha 4
verso, qne o snpplicado Joaquim Mara de Carva-
Iho se acha no estado de nao administrar a sua
pessoa e bens, hei por procedente o allegado na
petieo e folhas; e assim julgado, nomeio curador
do interdicto ao seu fillio Dr. Joaquim Elviro de
Moraes Carvalho, o que se observe no3 termos do
direito. Recife 41 de junho de 1873. = Quintino
Jos de Miranda. >
E para que ninguem faca negocio algura com o
precitado interdicto Joaquim Maria de Carvalho,
se nao por intermedio de seu curador o Dr. Joa
quim Elviro de Carvalho Moraes rom previa au-
torisacao deste juizo, mandei passar o presente
aue ser aflixado aos luyares do costume e publi-
cado pela niprensa.
Dado e passado sob esse signa!, c sello ou vallta
sem sello ex-causa. nesta cidade do Racife de Per-
nambuco, ao 23 de junho de 1873.
Eu Floriano Correa de Brito, escrivao, o ftz es-
crever e subscrevo.
Qnintino Jos de Miranda.
O *i-. Dartto de Villa-Bella
II
Apreciemos hoje o modo porque o Ilustre Sr.
Harao de Villa-Bolla, em sua carta, tratou dos
acontecimentos do dia 16 de maio.
f!m conlraposi^o ao modo extenso porque re-
ferio os do da li, cajtou como gato por brasa*, so-^
t re aqueles acontecimentos I
Nao Va de esperar isto, em vista do rebulico
t- brivatas do directorio liberal, e do desregra-
mento do seu furibundo manifest.
Nao obstante o Sr Bario s destiunu a esses
aconlecraentos tres pequeos periodos de sua ex-
tensa carta, escriptos ein luiguagem pouco frisante
Oestes tres periodos, copiamos o seguinte :
t No dio 16 peta muh, vieram dizer-me que
a tarde savia oulra re ti nuca no Campo das Prin-
vras. sem que ma sonbessem designar quem a
Diomovia. nem o seu fin.
Nao dei crdito noticia, e tendo ajustado
como Buarque (ligura obrigada em tudo) dar pe-
carnes a um amigo commuin, sahimis a carro, e
:ao atravessarmoa por aqnelle campo, eausounos
xpectaci i ve-I j cejo de grupos ; ao tenannos
a ra d > fanpwooc, vimos em forma pracas de
cataaria^ commandadas pelo capitia -"kiellio, e
todas de^snadas desembainhadas. Conjectureutos
que a reunio abortara sem incidente notavel, e
maguimos o nosso destino.
O reste da carta destinado a deprimir a todos
os respeilos do ftfm. Sr. Dr. Lucena.
Deste modo le entrar em materia, nao podemos
iWJW f reparar em itma especie de nversi-
rnSHlrJmc qne contrasta muito com a simplicidade
ifhe ostenta o Sr. Barao,
*Fm f-hefc de prH'4o f*r aviso de se tentar on,tra
ALFAN1>EA
Aendimunto dodia2a26. .'
dem do dia 27.....
636:0035576
22:414>594
678:418/170
Descarregam hojt 28 d,i junho de 18W
Brigue inglez -fobert Anderson mercadorias
para alfandega.
Lugar portuguez Juliofardo e mais gneros
para o trapiche Conceicio, para despa-
char.
Lugar inglezFlewer O' Morayfarinha de trigo
ja despchala para o caes do Apollo.
Impoi-lucao.
Portos do sul, vapor francez Rio Grande, con-
signado a Tsset I-Yero, manifestou :
Amostra 1 volunte ordem.
Livros 1 caixa a I.ailltacar.
Mercadorias i caixa agencia.
Queijo 1 dita mesma.
OESPAJFKS DE EXPORTACAO NO DIA 26 DE
MAIO DE 1873.
Para os tartos do exterior
.Va baraa franceza K7/e Bernard, para Li-
ver|i,''I. carregaram : G. Neesen & C. 26 fardos
com 5,066 kilos de algodao.
Na barca russa Frederia, para o Bltico,
carregaram : 6.
ft>,i44 kilos de algodao.
No vapor francez Rio Grande, para Bor-
deatix, carregou : J. L. Rodrigues Jnior 3 caixas
cora 90 kilos de caf e 3 barris com 100 litros de
agurdente.
No brigue portuguez Soterano, para Lisboa,
carregaram : Silva & Alves 100 couros salgados
com 1,200 kilos.
Pora os portos do intertor.
para o Rio Grande do Sul, fio lugar brasi-
leiro Rio Branco, carregaram : P. Vianna & C. 100
barricas com 7,424 kilos de assucar branco.
Para Acarac, no vapor -hrasileiro Ipojuca,
carregou : J. B. de Carvalho 2 barricas com 20)
kilos de assucar refinado.
Para o Rio Grande do Norte, na bareaca
Mstica Cidade, carregou : F. J Lima 2 barriqni
nhas com W kilos de assucar refinado.
Secco 5.-Secretaria da presidencia de Por
nambuco, em 27 de junho de 1873,
Por esta secretaria se fai .publieo que tendo o
Exm. Sr. presidente da provincia de dar xecugo
ao !. do artiga 31, abanto transcripto, da lei
provincial n. 1,115 de i" dejnnho deste anno,
eoHvtd a quem quizer contratar a construccao de
urna estrada de fnro de Goyanna a Timbanba a
apresentar suas propostas n prazj de 30 das, a
contar da prezente data.
O secretario interino,
Adolpho L'tmenha Lins
Le provincial H. 1,115 de 17 de junho de 1873.
Art. 31. Fica o presidente da provincia auto-
risado :
| 1. A conceder privilegio, ruja duragao nSo
exceda de 60 annos, a qualquer companhia ou pes-
soas que offerecerem-se com melhores garantas c
maiores vantagens publicas a construir urna es-
trada de ferro* de Goyanna a Timbatiba e nutras
econmicas que. partindo das villas e cdades lit-
teraes, ou da zona da estrada de ferro de S. Fran-
cisco, as ponha em eommuuicaco cora esta cida-
de e o interior da provincia.
jere
nio foi
]Tdnda seu au-
scripfeis .nressarios para
n Jrlbtiotbeca municipal
t no palacio municipal da
rida' a'lodos os seus mu-
. cajpirsa todos os escrip-
dtever auxJia-la nosse
as*, empotaho. certa de
I* yrixar de acudir a
modo participar da gloria da
municipal iki Bodfe, 4 do ja-
ego Albuquerq*.'.
te. jS_~
e Antn.
!#f|-8(f*l'* crrenlo, DeRis f horas, do
dia, t^lp^fti^tilcrvwtncril uo oserfa-
toriaVScoilp a anemUais* m daa'arMwa btcas por
bairros, nao se mlmittinilo propostas que
tonipn'U'.n'li^LJlials ik; uqj bairro e aVam
' "r oajfeo inakir 1" unanlo.. s Srs.
itantes poilem couipacqcer,. com scuarfia
res ou tleci*a'rnr;o ros'rr^Mnos no medaio
ik> dia, dovendoser as-propostas-ni
hada, ou antesiw eicriptiio ondo m
ilorao infonnar-se da% e0ndjjies do
to- 'arrematado. Deidaja-sa aos
licitantes que o pagamento sera* feilo'ertPse-
jkilas.
. Base sobro fist/fineswdifvolunfar.
BAtUHODOljtKiUI-i:.
Cbafaiiz e bica do caes do Ap>>lio.
Dito da ra da Cruz. ,
Rito da la do Brtn.
Mto do Poxte do Mallos lJhfioOStOO
t\nnio He santo avYno.
Chafariz do latfgf) d*artOo.
Wto do largo do Paraizo.
fcto do largo de Podro II.
Dito d roa do Sol.
Dito da rita da Concordia 25:00053ftOO
alONlt-fROi.
Chafari/. dessa povoa^t). 1S05D0
KsiTijBtbfio drt Ct.mparnhi do Beberibe,
26dejirtoouVl73.-
O secretario,
Jos Honorio f. dt'."fHteses.
O Fiscal da freautafa do R.
fax sciente que se acha r
Soeti-i Kefler
Fernanda
PERSONAGENS DO DRAMA.
A beneficiada.
D. Olvmpia.
I). Emilia.
D. Josepaina.
D. Bernardina.
D. Joanna.
Sr. Sintos
3r. VicaUe.
Sr. Canard.
Sr. Berna rNw.
Sr. P. Augusto.
Sri, Emiliano.
Sr. Flavio.
Sr. Mximo.
Sr. Pliil-idelpho.
Sr. Julio.
Porpetua
O conde Paul."1 de Santa Rosa
no. David
rqez AntSla.'* Casta-
iiolaa .
iel Adrani
tea i
r
Anselmo
iacH
uel Hoffer
criado do Resiaurant
scaradsj priados, etc.
accl pa's-se n'uma cidade da Italia, na
Sa actual.
So prologo ao drama decorrem dous annos.
-enano do 4* acto representando cm
Brilllrfte Jardlin tllmninado
0 do ft aelq, que ligura
O ttiitcrio de Sanl l.lnm
sao ambos novos a devidos ao pincel do Sr. Lcon
Chapelin.
A, msica da cango do 1.* acto
Terminar o espectculo com a 1.* represenla-
;aa da comedia em 1 acto :
REDE PARA NOIVOS.
S da Gfca,
i'rn deposito um i-avilo,
rtlsso'nftgro^ qun fbr sen dono lhe ser nwfn-
gOe pagando as, despezas. "
Freguezia de N. S. da Graca, 2 de juiah[ de
*3.
Oflscal,
Jos Miguel de Souza Magalhaea.
rn
i

OBRAS PLBLICAS.
De conforrnidade edro as o-dens de S. Ese. o
Sr. presidente da provincia, a commisso incum-
bida da desapropriaeao dos terrenos beneficiados
que se acham comprehendidos na rea destinada
para o passeio publico convida aos respectivos
proprietarios a comparceBrem nesta reparticao no-
dia 2 de julho prximo vindouro, ao meio dia,
afim de realisar-se a compra dos ditos terrenos.
Repart'o das obras publicas, 27 de junho a
1873.
.0 secretario
Feliciano Rodrigues da SBva.
O deposite de recrutas precisa contratar para
Neesen 4 C. :88 saccas com 1 o rancho das pracas de prt, no semestre vindou-
ro, os gneros seguintes : arroz pilado, assucar
mascavo refinado, aaeite doce, bacalno, eaf em
caroco, carne seeea, carne verde, farinha de man-
dioca e feao, lenha, manteiga francea, pes de
60, dito de 4(0, toucinho de Lisboa e vinagre ; as
pessoas que quiaerem fornecer ditos gneros, que
devorao ser de primeira qualidade, aprsenla lao
suas propostas, faites pele sistema mtrico, at 6
dia 30 do corrate, s 10 Horas da manti, na se-
cretaria do referido deposito, no quarlel da Sola-'
Quarlel da Soledade rm Pernambuco, 27 de ju-
nho de 1873. .
- O alferes secretario
Damiao Lopes Pereira Guimaraes^
gAPATAZlA DA ALFANDEGA
ReudrllPnto do dia 2 a 12:7491018
Idw, do dia 27...... 298JJ333
M\m BRAM4TIC0
Sabbado 28.
As 11 horns em punto.
Oitava e ultima representaeao do drama
13:047*351
TRIBUNAL DO COMMERCtO lK PEll-
ftAMBCO.
Por esta 8cf otaria se faz imbUco que foi ins-
cripto no iivro de matricula dos cominercantea o
nome do Sr. Manoel do Nasoimento Cesar Burla-
maque, de dado de 29 annos, cslabele'cido '
do RarAo da Victoria n. S2, cttm sua <- S.rta
compos^ g'
Personagens.
Polycarpo
Jayme da Fonceca
Antonio da Fonceca
Manuel
Mathilde
Emilia
Mafalda >
Josepha
A scena passase nos arredores de Lisboa.
Principiar s 8 Ij2 horas.

Sr. Flavio.
Sr. Vicente.
Sr. Emiliano.
Sr. Mencze<.
. Jcsephina.
fi. Olvmpia.
D. Rernardina.
D. Emilia.
Aviso.
Neste espectculo haver um tren extraordi-
nario at Apipucos.
Domingo 29 de junho.
O mestno espectculo s 8 horas era ponte.
VISOS martimos
iinmiuA
DE
NAVEIACAO BAHNA
Paro Macelo, Pncdo, Arcaj
e Balita.
E' esperado dns portos do sul at o da 3 a t
de julho o vapor Dantas, commandanle Peres o
qual seguir no dia seguinte ao de sua chegada
para os portos cima.
Recebe carga, passageiros e dnheiro a frete : a
tratar com os seus agentes Antonio Luiz de Oli-
veira Azevedo & C, ra do Rom Jess n. 37.
COMPVMIA PKRSAMBITASA
DE
\avr-ncas esatetra a \t
Mxctl, ESCALAS, PUEDO I AaUr.AJV'.
m T
O vap
r mmmi lie Ma.
I stgulB aara as par-
la rorrea**., aa
tiaras da tareV.
Recebe rarga at odia aassafeas. eanaa-
RMaMlas 0 dinlieiru a frete a* as 2 Heos da tara.
Jo dia da sabida : csrriplorio ao Paras a Ma
tes n. 12. _____________
COMPANHIA PtR.YAIRCAAA
OB
avegarata caaielra a vaamr.
MAM ANO VAFE.
O fapr Contripe. omi-
iiiaadtnM Silva, seguir arx
o parlo cima no dia 2* *
rorrenle, as 5 hora i
Mfrelir carga. r\
tas, pasugetts, f
frete al a* 1 htra* da tari- da da a
oscriptorio no rertc d. atU* n. II________
Rio de Janeiro
Sabir em poucos dtas o lirigu
loria : para catg trata-* com rVmra
C, na rui do Vigario n. 7, I* aviar.

Baha.
A escuna nacional Georatama Um i i
seu carregamento prompto e t*' aaa mmtm
dias para a Babia : a tratar coni Tasso Ira**
*_C._______________________________-
COMPANHIA IT.BNAMBLCANA
m
Anicftariio rasieiaraa %mfmr.
FERXAMK) *K Soao.MIA.
O vapor Gieiia.ema-
mandaiiN' Marttns. ~-
guiri |ara parte
.-rmia no da I d<-
julio prximo via-
d ttirii, ao nii-i'i (ka
Recebo carga at o dia 3, ene nimcndav paaa-
geiros c dinheirn Ir'te at 10 liora do diada
sabida : no escriptorio, no Eort" do Mal s a. It
LISBOA
Para o referido porto pretende tguir r svel lirevidade o patacho portuguez Lre par ter
a maior parte de sen carrrgameute engajada, r
para o reste que lhe falta, que meaba a lrce faaa-
niodo, tratase cent ns consignauras Joaaaa Jaw
Goncalves Bellro, rita doCo:nmer Rio Grande do Sul
Para o roferiilo porto prclond> seguir >
a possivelbreviilatia u patacho Curiu, por
ter a maior part!- |a M carn-gataento ea-
gajado, e para o rostn que IIm- falta irata-
sc com os cinisi^nalariiis Jnaquim J--
(H>nrnlves Bellro A Fillio, ra rio inm-
mcrcio n. 5.
LKIOES.
Companhia a.iierirana e iirasileira
(te paquetes a Viji-r.
At o dia Io de jullto| esperado dos pama
do sul o vapor americano South America, comnian-
daute Tonklepanzh, o qual depois da demora do
costume seguir para os portos do norte,
Para fretes e passageiis, trata M com os agentes
Henrv Forster c G, ra do commercio n. 8
DAS
dividas activas da massa fallida de Joa.
Aiitniiio Kerreira. M importancia de ...
-2,!l-2lr50O.
Hoje
a ti i|* haftt aa*
Na (aventada ra da un, >t unz n. a
O ageale Pinto larar U"i nenie a leilio *-
vidas activas da massa (aHi a da Ma \ni m .
Fetreiri na imp-irtam-ia ib-2.921 a-Tno, da-qaae-
exslem dicumcnlos, os i|uar> pollera -
naihisat a vespera d > Ico no .-rri|*irte *> i
rldo agente ra do Rom Ji';. n. U e ao *u-
leilao, na taverna da roa da iuMteratru a.* <-
de se effectuar o leilao. ________________
Lcili'iii
B
BOMlNfift
' S o HORAS >Vi ONTO.
AS
ilhereh i mmn
e a scena cmica do actor Penante :
O
Jesiiila na garganta.
TUTO
SANTO ANTONIO,
EMPREZA
.....
Pacific Sleam NavigiDi Otapi
Royal Mail SteaMfB.
I.nlta qiiiuzcnal
O PAQUETE
ILLIMA1SI,
Espera-se dos portos do sul at a dia 4 de ju-
lho a depois da demora do costume seguir para
Liverpool, via Lisboa, para onde recebe passagei-
ros e carga. .
N. R. Os- tambera passageiros para Rordeaux, por mais
5 para classel A,m dopreco da pas-
3.10 2" ha(rem de Liverpool.
2 J 1 .
Os passageiros de Rordeaux pmlem desembar-
car em Lisboa ou Liverpool e .a companhia obri-
ga-se a pagar-lhes as passagens de qualquer des-
tes portos para Bordeaux.
As despezas porm, em Lisboa ou Liverpool,
durante o lempo da espera, serlo feitas a cusa
dos passageiros.
De Liverpool para Bordeaux, sabe um vapor
todas as quartas-feiras, o qual atraca aos vapores
desta companhia para receber passageiros e ba-
gagens. ,
Os passageiros :juo desta sorte scguirem para
Rordeaux, tem a vantagem d'alli nao fazerem qua-
rentena : os agentes Wilson Rowe 4 C, ra do
Commercio n. 14.
O PAQUETE
COTOPAXI.
E' esperado da Europa at o da 6 de julho, a
depois da demora do costume seguir para o sul
do imperio, Rio da Pratae portes do Pacifico para
onde receber passageiros e dnheiro a frele.
Os agentes Wilson Rowe 4 C, ra do Commer-
cio n. 14. ______
DA
lvi roa da ma da Imixiotri/. n. Htl,
toncente a massa fall la 'I" .1'aquim
reir l.olto.
lije
li 11 lloras.
O agente Pinte levar novaaaajas a peia n*Hi .*
vez a leilao. :. arniaca -. u i '
existentes na tiveina di ra >U lm|-rai.
servindo de liase a inaaT olterta ot.lid ;art-
n leil.io. sendo, que naqiiHI>
tuar a venda eom anem N Hit. r \-i! +
de c^nlorniiilad'- ni o i!-- ciii J.' lil i > II
jui' de diriil" cspec.al do co.nnvrri : .>:. 4a
nfoiinaco do rura I Mt;m Aa irte
ri la mam : I .-!-tn*,.a 11 aata
d" dia cima Mi i na r_____
73 caivas com , \2i <
e 100 mtias -lilas i"it dita riBaVa -
Lisboa jm-Iii paipi't.' iantle gado em 13 de jambo.
*ds> earrraoa-
\ nui) dia
O agente Pinito Borg* leva |
ta e riso ae quem perteaee aa fi-ni
che Liniceii.o, 1 -inaii.
consulado de S. M. Bnl iniea, a M-gutatr :
K t, c H."> eaisa* coa*
li.'i dll i-
MSG 100 4aan
M J O
i 100 a* i* L_
viinlas de LisUia pelo [ia-aMi iaftea a>awr .le-
gado elll 2-' v ('MMentes nj|lli'lle
PARA'
Para o referido porto pretende seguir com pou-
ca demora o patacho poringuei Olinda, por ter
a maior parte da carga engajada, para o resto
que lne falta tratase com as consignatarios Joa
quim Jos Goncalves Beltrao 4 Pilho : ra do
Commercio n. 5.__________________^^^
Para o Porto
rMtfferit prompto. Recebe a carga qna me fal-
a pn eos mdicos, e tambera ^^cutis Para
,s quaes tem oplimas accommoda?oes tratt-se
eom Tito iJn^res_rna_di Vlgar n- 7.
Pfra a Bahia,
AACTJUZ
sr?^4^,r3|iauuet, Luecj 'Oliveifa
. Pretende .seguir com mu .to b rendado o ,h
bote nacional W Mkur, ten par Id aV ^ Mr.
regaiente prompto, para o :reste ,h ft|ta
tata-, c<&^&P"..os Antonio Luiz
le OliVeird Ateveflo. i rW o Qm Jesu3 57,
LEILAO
PE
woxs e prcdis
aVaafcri
Bons e differentes movis, I piaa, fca-.a, i
cnvslaes, quadros com finas gravaras, oBiaNaa V
electro-phte, e p-uito. oatros oajaaa> a> asa 4e
familia.
Im cabriulet americano c I varaeaa etta
Tt*rf M-rrira f aV Jataaa
a Capunga,
casa n. ... da ra das U.rioulaN
William (cirge Feoiielh, toado de fazer ar-u
vlagarn Eur.tpa. levara a lc>\ o narfajerranc 1
do agente Pinte, os movis e mais antera per
tencantes e axiateates ernoua 4e saa raaaaari'i
na Capuaga, ra das Crioulas n. ...
As 10 i|i horas eat pnate artir aa eu <
da arco de aalo Antonio um tro eapafa< aae
servir de condMcco grati-i para o ca
ao leilao.
O l'.-rl*, pib viasaar a* II
Em continnai^ao
0 as duas liora* da MaJ*
^jder o faom agraas aan
com frente para a aaijaia
como urna nutra aa
para a estrada, seaiiaBi
2o daIfuado, cora Jraadr
us arvores de rurtos g**"*8 jraaaa.
caaboaagua ecasas de baano
*-


Diario de Pernambuco Sabbado 28 de Junho de 1873.
As ditas casas tornau-se recomiendadas por
serem novas, moderna, commodos para grande
familia, perto da cidade, por onde tem de passar
t linha dos bonds (segundo dizem).
LEILAO
* cana DE
aliws marca + C f e 200 ditas
marca X.
TERCA-I K1RA I DE JULIIO
s 11 horas
No armazcm do Annes, defronte da alfandega.
Por intervengan do asente Pinho
Bordes
Regente.
Precisa-se de urna senhora para a regencia de
casa de familia, e que saina ler c escrever, costu-
rar e cortar vestidos : a tratar na Praca de Pedro
II n. 81,4* e 3 andares, das 6 s 8 horas da ma-
nila, ou das 3 s 7 da Urde ; ou na prac.a do
Corpo Santo n. 17, anxhr, em das utes, a
qualquec hora.
AS
LEILAO
DE
miudezas
() duzias de luvas de jouvin de cores e
brincas, ditas de botinas para serdioras,
ditas para meninas, o outros arligos.
Quarta-feira 3 de julho.
A'S 11 HORAS DA MANHA
O agente Pinlio iorges vendar eni leilao um
-cmpleto sortimento de miudezas sendo : guarn-
coes para camisas, ditas de diversas qualidades,
1 catea com papel aknaco, borracha de seda e de
aigoJo, trancas de caracol, linlias de meiadas,
peales para coco, pulseiras, agulbas francezas, e
muitos arligos que se acharo patentes no dia do
leilao.
Em 3eu escriptorio, ra do Bom Jess n. 53,
lrimciro anJar.
LEILAO
DE
candieiros, sobresalcntes para os mesmos,
figuras de bronze, moinhos, porta-cha-
pos deso, barmetros, thermometros,
tmpanos, cobertas para palos, e muitos
objectos que estaro ao exame dos con-
currentes.
No arniazem da ra do Impe-
rador n. 45.
POR.
liquidaco
l'INTA-l'KIRA 3 DE JULHO
A's lO Iiorns.
Por interven<;o do agente Pinto
Novo leilao
DA
barca portugueza Despique II, de 293 to--
neladas e 25,000 arrobas de carga, for-
rada de metal, encavilliada de pao e co-
bre, com o seu massame o apparelho
completo, eos'mais artigos existentes na
mesma barca.
SABBAD0 5 DE JULHO
Na sala da entrada da associacao com-
mercial
s 11 horas
O agente Pinho Borges por mandado do Illm.
Sr. juiz de direito especial do cornmercio, e a re-
querimento dos curadores fiscaes da massa fallida
de Ferreira & Loureiro, e precedidas as formali-
dades legaes, vender a supradita barca com as
pertenvas da mesma, a qual se acha em frente do
trapiche Cimha, cxposla a exame dos concurren-
tes.
PENHORES
Na travessa da ra
dasCruzes n. 2, pri-
meiro andar, d-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual fora quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaesepedras-
*-***-
0
*
MEDICO-aHURGICO
?n.
IK)
J. H. Carie
m
*
ft
*
&
CAZA DA FORTUNA
RA t. DE MARgO OOTl'ORA BO CRESPO K. 83
Aos 20:()00$000.
O abaixo assignado tem sempre exposlo i venda
os felizes bilhetes do Rio de Janeiro, pagando
promptamente, como costuma, at o premio
i:000.
Prccos.
Inteiro.......24*000
Meio........12*000
Quarto....... 6*000
Manuel Martins Fiuza.
#/@
CONSULTORIO
MEDICO ClfiUTi&ICS
DO
Dr. Mallos Guerra.
Especialidades : molestias das mu-
lleres, das enancas, molestias venreas
e syphiliticas.
Consultas das 8 s 10 horas da ma-
nh.
Chamados qualquer hora do da e
da noute.
Gratis aos pobres.
Ra da Imperatriz n. 36, primeiro, ,v
andar. 'SSt
Terrenos baratos de 3$ a
nos Aflietos, e 3$ no Sal-
gadinho.
Antonio Jos Rodrigues de Souza vende-
terrenos de seus sitios de trras proprias, aos
palmos, em a nova ra quafi em frente a
igreja dos Afiiictos ; e do Salgadinho com
a frente para a estrada de ferr de
Olinda e oito para outra estrada ao lado do
mesmo sitio ; a tralar com o Sr. Tristao
Francisco Torres, na tbesouraria das lote-
ras.
Kua do Marque* do OlIn.U n. 53, pr.
ineiro andar. ;
'..insulta ilas 9 hura* as-J i da luauna. W
Chamad *s a.qualiper hora, fk
ATTENSAQ.
O Sr. Antn Orlando Fetreira de Souza dei-
xo ile ser caixoiro de Jos da Silva Layo Sobri-
ntw, desde 24 do currente. _________
Terrenos -e casa na cidade
ilha de S. Miguel.
Se fu todo neitoc o j i^nnuta-w |xr predta
nesla cidade : i|um os etntqiKltr dirija-se roa
Direita n. Sil, faverga. ,
Evadi.s# ii,. dia 19 d abril do crrenle
anno, o escravo crioulo, de iMiie Tertuliano, co-
nhecidn {feralmente por Teut, ir arela, ucun 40
annos di" dade, estatura regular, sein barita, rom
falta de denles do lado de eima, leudo rnenle
um na frente, tralralhou como oAlcial <1e sn putei rn
em casado Sr. .Mximo, a iha da Cruz d llecife,
esquina lo hocen da I.ingueta ; li*mn venido ca-
misa de eliita pre.ta e ralea de casemira escura
com listra preta ao la*), e uno carrejase com
maia roe**, de tipixir que fmiha rondado, cos-
tumava andar cal ado : ,|in'in prendar leveo-o
asen senhor em r. a IinuiTialn. IM, 'jue ser
gralitlcado. .
Fugio,
Fugio da casa do seu senhor no dia 39 de abril
do crrante anno, a esorava de nome Raymunda,
com os sigoei seguintes : bem prela, cxa, urna
cicatriz na testa, Talla muito e tem por habito di-
xer que livre : quem apprehender nucir levar
ra de Santa Rita n. 5. entrada |>efa ra nova
0- de Santa Rita. Constando ao seu senhor que al-
guem usufrueo trabalho da ditaescrava, elle de-
clra qne ha de proceder judicialmente contra
quem qunr que seja.
m
JoAo Francisco Ferreira lunior
convida as pssoas que o tem ob-
sequiado rom suas amizades na
ciliado de Caruard, para assistiiem
urna nissa que manda resar por
alma de seu tio Joaquim Ferreira
Loureiro, na matriz da referida ci-
dade, as 8 horas da maohi do da 5 de jnlho, tri-
gsimo de seu passamento. Pelo comparecimento
a um acto do verdadeira rebgrio, desde ja se an-
tecipa emagradecer Ihes.

MISOS DVEBSOS
J onze lustros contava
Na tena rom paz e amor,
Velo a morte roubar-nos
Para leva-la ao Creador.
D. Clara Maria lVreira da Rocha, nao morreu !
e sim deu um pequeo vo separando-w dos seus
prenles para depor ao Creador aquella bonda^e,
aquelle doce bem que t.nlia a seus filhos, e mes-
mo a (ualquer estranho.
Foi sempre (el esp iza o c.i-inliosa mai, a todos
eonsoUva com palavras e rogos, e outras vezes,
pela caridade aliandonava a casa, para soccorrer
aos pobres que imploravam sua proleccjto; seu co-
racSo de bondade c sua mao bemfazeja, com a
vida animava e amparava as necessidades de quem
a buscasse; mas, boje somente me resta dizer
qne j nao existe, seu corpo repouza para sem-
pre.
Ao seu neotisoiavel esposo e mais prenles dou
os meus psames.
llecife, 27 de junho de 1873.
___________________ R. S,
Precisa-se de um liouieni para couductor de
carraca : a tratar na ra do Baro'de S. Borja n.
8, antiga ra do Sebo.
Para S. Kxc. o Sr. presidente da
provincia mandar indagar, ou o
r. inspector da ilha de Fernan-
do. Tres perguntas :
i." Qual o fim que leve o paiol de farinha. cons-
truido em Santo Antonio, de amarello c outras
madeiras ?
2.* Foram as madeiras recolhidas ao almoxari-
fado, ou que lim liveram ?
3." Se foram recolhidas, por quem e em que
tempo ?
O Sr. inspeetor indague por isto que tem cousa
boa a saber-se, mxime, quando estas madeiras
foram apresentadas por peauM encarngada na
ilha.
Recite, 26 de junho de 1873.
Um que sabe da pepineira.
O abaixo asignado faz sciente ao corpo do
pmmercio, que deu nesta data sociedade na sua
taverna que tem sita no becco dos Martyrios n.
8, ao Sr. ('andido Jos, daCunha, cuja firma so-
cial gyrara de hoje em diante Silva & Cunha,
como se v do balando dado nesta data.
Recife 6 de junhn de 1873.
Menoel Carlos da Silva Jorge.
Attenco
Fugio do engenho Goiabeira, freguezia de Ja-
boato, no dia 23 do r.orrente, o escravo Joao
Comedor, preto fula, cabellos e barbas cor de fogo,
olhos amarellos, alto, possante, representa le 35
annos pouco mais ou menos ; levou camisa bran-
ca, eaica de casemira escura o chapeo de conro:
desconfia-se que ande a trabalhar no carvao, ou
no algodo, ou entao que ande para as bandas da
Esirada-Nova, onde tem urna irm : quem o pe-
gar leve-o ao pateo do Carino n. 1, onde ser re-
compensado.
Joaquim Jos Gongalves
Beltro.
Ra do Coiuinereio n. S, 1. andar.
Sacca por todos os paquetes sobre o banco
do Minho, em Braga, e sobre os seguintes
ulgares de Portugal:
Amarante.
Arco ile Val de Vez.
Barcellos.
Beja.
Chaves.
Coimbra.
Covilh.
Faro.
Guarda.
Guimares.
I.amgo.
Lisboa.
Mirandella.
Mongo.
Ponte de I.ima.
Porto.
Tavira.
Valpassos.
Vianna dofCastello.
Villa do Conde.
Villa Nova de Famalicao
Villa Nova do Portimao.
Villa Real.
Vizeu.
Valenc;a.
Figueira.
II. BBlard.
H. B. Blard, architecto constructor, offerece os
seus servicos aos habitantes desta cidade para
executar qualquer obra de sua proflssio como
plantas ou modelos de casas particulares na cida-
de ou no campo, planos e desenlio? de lindos jar-
dins, tudo segundo > gosto francez. Encarrega-
se da direcfo e execucao destas obras. Offe-
rece-se igualmente para assentar os modernos
1 adrilhos de mozaico francez ou inglez com toda
nipeza e perfeicao. Podo ser procurado ra da
Matriz da Boa-vista n. 28, andar terreo.
DE PARS
19- RA NOVA19
J. M. Leroux, cirur-
gio dentista, succes-
sor de F. Gautier, es-
pera continuar ame-
recera confianza dos
clientes da casa, edo
f respeitavel publico em
geral.
mmwmnmmimwmm
Chaves perdidas.
Roca- ^ a I"* acb,?u um Tni< de 8 cha"
p-

i
-fe-
Ht

,bJs,o favor de as entregar no caes da
Alfandega n. ?." a*wra deJsaralhao, qne muito
se agradecer, e
mente.
recompeusaBdo-Re geDerasa-
O Dr. Jos dosAnjo^Vieira
de Amorim.
O barharel Miguel Bernardo Vieira de Amorim,
capitao Jos Daeiaoo Vieira de Amorim, Manoel
Augusto Vieira de Amorim, Hortencio Eneas Viei-
ra de Amonm, Adelaide Candida de Amorim
liurlamaque, Mariana Augusto Dia de Amorim,
capitao Manoel do Nascimento Cesar Burlamaque
e majores Miguel Bernardo Quinteiro e Antonio
Bernardo Quinteiro, acradecem cordialmente aos
seus amigos a caridade que flzeram de acompa-
nhar os restos mortae de seu prezado pai, sogro
e irraao o Dr. Jos dos Aojos Vieira de Amorim,
ao cemiteno publico, e de novo os convida para
anda fazerem a masma caridade, comparecendo
a igreja de N, _S. do Carmo no dia 28 pelas 7
doras da manh para ouvirem urna roissa de r-
quiem por sua alma.
O bacharel Miguel Bernardo Vieira de Amorim,
seus. manos, tos e cunhados, particularmente
agradecem aos Illms. Srs. tenentc-coronel Anto-
nio Carneiro Machado Hios e professor Simplicio
da Cruz Ribeiro, os ltimos offlcios de bons ami-
gos que prestaram ao seu pai, Irmao e sogro Dr.
los dos Anjos Vieira de Amorim depdis de seu
passamento.
i,. --imr^^wi&fmsmmsmm
Jos Ignacio Pereira da Rocha,
Manoel Ferreira da Cruz, Jos Ig-
nacio Pereira da Rocha Jnior, Joa-
quina Pereira da Rocha. Ignacia
Pereira da Rocha, Clara Pereira
da Hocha, e Carolina Pereira da
Rocha, feridos da mais acerba dor
pelo passamento de sua espoza, sogra e mai D.
Clara Maria Pereira da Rocha, agradecem a todas
as pessoas qne acompanharam ao cemiterio pu-
blico no dia 24 do crrante os restos mortaes da
mesma finada, e de novo os convidam aos parantes
e amigos dos mesmos para assislirem a algumas
tnissas no dia 30 do crrante na igreja matriz da
freguezia do Poco da Panella s 8 horas da ma-
nh, e desde j se confessam eternamente agr
decidos por este acto de religio e caridade.
Radical para
| Escbofdlab, Chacas Artigas, Ulceras,
Fkiidai Ulcerosas
TUMORES, ABCESSOS
[POSTHEMAS, ERUPgOS, HERPES
Implnfen, Lcprn, Tinbn
e todas as Molestias da Pella
RADICALMENTE TODAS as MOLESTIAS
SYPHILITICAS
Poderoso Preservativo
CONTRA
As molestias Syphiliticas
Fehres amar ella eTyphoide
TBATA1HEITO
PELO
VINHO
DEPURATIVO e RECONSTITUINTE
De D" DELOB, de Pars
DEPOSITO 4, btulexard St-Martin. Pars
Agentes Geraes para o Brazo..
F. RODDE (ao grande mgico), ra do
Ouvor, 118, Ro di Janeiro.
"*"
~f
Pana, 36, Kua Vivieone, D*
IH:M:M MDECI\ SPfllL
n*s nmailiii'l ns srxiaes, as AFFBC901
i:i\v ALTR'lACOFS DO S*^ODE.
l\000cnras dasimpitf
I ini.'.pus'ulas,herpes,
[ mina, comixoee, acri-
monia, '' ullir/oes.vi-
\cinsas do mingue, vi-
riu, t cuit..., ut u. aiujue ;Xaropc vegetal
seiu iiicrcui-Ki). Vepuratfvaa cfctaei
UM ni\KRtt:< ti m.io-'f dous por
semana, so guindo n iraeunMnio Depurativo : t
emprepailn lina mrsman iikiIcsi;is.
I Este Xaropo Gitracto de
erro de CHA BLE, eori
mindiaumente qnal-
|uer pwgurao, rela-
I xurao, e debilidade,
e igualmente o> j.urus e /lores brancas das
mulhere.- Esta iujeccao benigna empregass*
com o Xarope de Citracto de ferro.
rmarralaai* Pom;ida que lis cura ems dius.
POMADA ANTIHERPETICA
Contra: ntsafeccoescutneas 1 comixoes.
PILULAS VEGEfAES DEPURATIVAS
do Cha ale, cada frasco vrai accompahad*
i* un folheto.
AVISO AOS SRS. MDICOS.
I Cara eafarrkes, iouei
coqueluches, irritafits
nervosas sos dos orn
cilios e todas as aoemfm
1 do peilo: basta ao dotla
urna colhe rchdea deele xarope D' Fokget.
Dr. Chabu a Parli, roa vhkaae, M-
DEPURATJF
du.SAIVG
PLUS--p&.
COPAHU
Sirop du
DrFORGET
^HaEIjHI^
DE.YAUOUEUN
Resulta das obserracoea colhid.-u pelas snoinii-
dades medicas dos liospitse- de Par, que o Xarope
peitoral balsmico do distinerc e illustie proSua
Viyi'LiM smpragkdo com soccesso empre igual
para curar
i n.iiur.uEs dos BMicHiss i tmcfiu 10 POTO
coiinecidaa pela nonae de
BRONCHITES AGUDAS OU CHRONICAfi
ISTHMltS, OrPRFSSES, CATARI1H1V5
PeHuxos, Tosas* rebeldes, Eatinrro da vos.
iHIASSA,pelotea usofacileagradavelskbor, pracioto" Wdicainento para as pcasoasuue viajara, o*
seo ubriuoilat ". //'<"' muito. Pars, Pharmacia
VADOBLIH)ri6Lrt;RlERS. roa deClerj-, 31.
Us**tm sin Mrkuat>tl a. ".
Joo Francisco Pardelha.
A ?ociedade Beneficenle Luso-
Brasileiro manda celebrar urna mis-
M s 7 horas da manh de 28 do
corrente mea, pelo repouso tierno
de seu infeliz consocio Jiao Fran-
cisco Pardelha: a 'amilia do finado,
seus amigos e aos socios desta so-
ciedade convida-se a comparecerem a este acto
dp piedade e devocao que ter lugar na igreja do
Curpo Santo.
Secretaria da Sociedade Beneflcente Luso-Bra-
ileira, 26 de junho de 1873.
0 1. secretario,
Souza Mira.
ttengo
0 Exm. Sr. desembargador Gue*ra contina a
ter a mesma carta ra do Baro da Victoria n.
69._____________
Avisa-se
a quem der noticia da escrava Guilhermina que
foi do lente-coronel Feliciano Joaquim dos San-
tos, e aepois comprada ao Baro de Nazareth.
representa ter 25 annos, tem falta de denles Ba
frente e as maos com cicalrizes de queimadura
de gaz, secca do corno e muilo regrista, que des
appareccu da casa de sobrado n. 26, da ra do?
Coelhos, que ser generosamente recompensa/lo.
Ferdeu-se, ao saltar urna senhora do carro
no thcatro Gymnasio, urna cassoleta grande de
ouro, tea em cima pela parte superior um releve
de flores de ouro, tendo no centro urna turqueza
dividida en quatro partes, e a parte inferior lisa,
. tem dentro urna chapa de marflm de um lado com
I urna inscripta; feita de cabelle e da outra banda
um rctraio colorido : quem a achou e a queira
, restituir pode entrega-la na secretaria da presi-
deneia ao'porteiro que gratificar generosamente.
Ha para lugar.
Um terrena com urna vasta plantado de capim,
no Camtnho Novo (Soledade); a tratar na ra da
Cruz n. 3.
AO PUBLICO
Qneiu iiiais comtifido dtareee ?
Incontestavelmente a loja de calcado estrangei-
ro que mais commodo offerece em geral, com espe-
cialidade ao bello sexs, o PaBIS NA AMEBICA
ra Duque de Caxias n. 39, primeiro andar (an-
tiga do Queimado) e a razo ? a razo simples :
um cavalneiro (amante do chique) por certo se
in.'ommoda quando, para comprar um par de bo-
tinas, v-se forjado a experimenta-la sobre ara
pequeo e pueroso pedaco de tapete (systerna ma-
carrnico) nao podend aesta forma conheeer se
a botina he fica boa, pois, nao tem espaco para
experimenta-la, ao menos que nao a estrague dan-
do apenas um passo, que chegarlogo ao immun-
do ladrllho ; o que nao acontece no Paris na
America, onde pode se passear vontade e desla
forma conhecer-se se fita bom o calcado : para o
bello sexo, entao quasi mpcssivel, que uiua se-
nhora (do bom tom) queira sujeilar-se a experi-
mentar calcado ao lado de um balco, onde en-
\ ira quem quer, anda mesmo para comprar : p
Pars na America nao resente-se desta falta ; tem
nm bem preparado gabinete reservado, para as
Exinns. que all poderao estar em perfeito commo-
do para a escolha do calcado.
Nao terminam ai-i as vantagens. ou commodos
do Parit na America ra Duque de Caxias n.
39, primeiro andar, consiste tan bem no bom sor-
limento de botinas para homens, dos melhores e
mais afamados fabricantes da Europa, como Me-
lies, Suser, Polak, etc., etc., e grande variedade de
chinellos e sapatos, assim tambem um lindo sor-
limento de botinas para senhora, e sapatinhos de
muitns qualidades que poderao satisfazer a esco-
lha da mais capichosa senhora ^do bom gosto);
pelo que fica expendido, est claro que a loja de
calcado estrangeiro, que mais vantagens offerece,
o Parit na America, ra. Duque de Caxias n.
59, primeiro andar, antiga ra do Queimado
Era nome do governador da napo de Congo,
aviso aos subditos da mesma que a licenca dada
pelo Illm. Sr. Dr. cnefe de polica, foi smente
para se reunirem no largo da casa de detencao,
e nao na casa de qualquer subdito ; isto se avisa
para que em tempo algum alleguem ignorancia.
Joaquim d'Aqnino Fonceca,
Governador geral.
Antonio da Silva Bravo,
I. secretario.
FBDICAO DE FERRO E BRONZE
FABRICA DE MACHINAS
l ra do Baro do Triiimpho (na do Bnmi) ns. IM i (M
CARDOSO AlBMAO
A.VISAM aos Srs. do engenhos e ao publico em geral. que.rofeberam da Eurnp*
granito sortimento de ferragens [tara engenta e para lavoura, e quaesqiKT nitro v*m
s misteres da industria agrieola, o que tudo veudera por presos raioareu.
VapOreS horisontaes de 4, 6, 8 e 10 cavallos, os melhores que rem ao mercado.
MOendaS completas, obra forte e bem acabada.
M.eiaS moenaaS pnra assentar em grades de madeira.
TaxaS de feTO ,",llIi,," e batido, de todos os tamanhos o -los mdhnres Bh-
cautes.
CVOdaS Q aglia dc diversos tamanhos.
COaaS deiltaCla8 dc diversos ttmanhose qualidades.
Arados americanos de diversas qualidades.
Formas para aSSUCar grandes, pintadas e galranisadas.
CoCertOS concertam com'promptido qualquer obra ou machina, para o que testa,
sua fabrica bem montada, com grande ebom pessoal.
EnCOmmendaS Man(lnm vir Pr encomim-nda da Kuropa, qualquer machinismo,
para o que so correspondem com urna rcspf-iuvef casa de Londres
e com um dos melhores engenheiros de Inglaterra ; incumbem-se de mandar assenUr
as ditas machinas, e se responsabilisam pelo bom trabalho das mesmas.
RuadoBarao do Triumpho (ra do Brum) ns. 100 a 104
FUND C O DE CA RDOSO & IRMA O.
HOTEL
Restauran! de Bordean x
A' ra Primeiro de Marco n. 7 A, 1." andar.
Lacoste, perito cozinlieiro francez, 20 annos de pratica, acriba de montar um sump-
tuoso hotel na ra cima denominada, aonde o respeitavel publico desta bolla twr* da
Santa Cruz encontrar todos os dias urna comida deliciosa.
Vinho de todas as qualidades.
Conservas iderd dem.
Cerveja dem idem.
Licores idem idem.
GFXO TOttOOlHY
Toma-se assignaturas.
Aberto desde as 6 horas -'t manha at as 10 da noite.
FOGO ARTIFICIAL PARA SALES
PARA OS FESTFJOS DE
S. ANTONIO, S. JOO E S. PEDRO
NO
ARMAZEM DO VAPORFRANCEZ
7 RIJA DO RlillO II VICTORIA 7
(OUTR'ORA RI % OVA)
Cbegaram grandes facturas destes lindos e apreciados foguinhos artificiaes japn-,
zes, francezes e allemes, de vistas muito bonitas, e espetialmente fabricados para snbo-
ras e meninos poderem soltar sem medo algum de serem < (Tendidos, e a presos baratos-
nao s a retalho, como e;n caixinhas sortidas. Alm destes foguinhos ha muitas pistolas,
craveiros e rodinhas, fabricados por um dos mais afamados artistas desta cidade, e tam-
bem tem grande porc,o de traques chinezes, que se vciulom em cartas e em ca ixinhas ra
teiras.
BALOES AERBOSTATHXW
Pequeos bales de 8 a 10 palmos, ile papel de cores bouitos e lao'is de
solta-los das janellas e varandas.
Estas novas e interessantes sortes, alm da loitura agradavel, contcm d.mtro
diversos objectos de divertimentos que fazem augmentar mais a alegra entre as lami-
lias, as noites de Santo Antonio, S. Joo e S. Pedro.
GLOBOS PARA ILLUMINACES
Globos de papel de cores para as illuminages destes festejos, e que muit
realram nos pateos e nos jardins.
PAPEL PAPA ENFEITAR BOLOS
DEPOSITO EERAL
Estes papis rendados para enfeitar bolos
vendidos em duzias.
sao muito baratos e principalmente
Botinas dos melhores fabricantes para Iiomens, senhoras, meninos e meninas.
Quinquilharias de fantasa,
1 I\ i* PERFUMARAS
E
Brinquedos para meninos
Todos estes irtigos vendem-se baratos por serem recebidos em direitura a
pelos abatimentos obtidos dos fabricantes em attenco s grandes e repetidas enco
mendas.
All^NCAO
Tambem recebe e vende muito em conta excellentes pianos, tanto do fabo-
cante Blondel, como dc H. llers e de Pleyel; assim como mobilias de faia e da
vimes, e cadeiras avulsas de brago e le balanco.
7 armazem do vapor francez. 7
Aluga-se a casa do Cae do Capibarbe, con-
fronte a serrarla, com os seguintes commodos : 2
salas, S quartos, cozinha Tora, quarto p?ra escla-
vos, entrada indenendente, tem agua potaveLe com
bom banheiro, um grande quintal tendo no mes-
mo ama grande casa de madeira e tambem um
bom chiqaeiro para gallinhas; muitos e difiran-
les alvoredos de fructo como sejam, saputiieiros,
goiabeiras, rnmeiras, figueiras, pinheiras, inaraoei-
ros, e 3 grandos parreiraes; tem tambem muitas e
diversas qualidades de flores plantadas em jarros e
i"cVrjteiro : na mesma se dir quem alluga. ____
I QueiiT *nannciou urna padara para vender
Pharmciade P. MaurergiaBl^T^.fi^tS'ff "?
Eugio
Aluga-se
No dia 14 de maio do corrente anno, fugio des-
te engenho o escravo Marcelino, preto fulo, bai-
xo e secco, rosto descamado, nemas e bracos fi -
nos, falla baixo, sem nenhum defeito. Represen-
ta ter 30 annos e tem alqumas marcas antigs de
reino. Este escravo pertencen ao Sr. Manoel An-
tunes de Queiroz Barros, do engenho Ronca do
Cabo, e consta achar se para os lados da cidade
de Nazareth, onde tem pai e irmos forros, ou
em Goyanna e N. S. outras vezes j tem sido pegado quando ponen-
cia ao dito Sr. Autunes. Roga-se s autoridades
policiae9 e capitaes de campo a sua a pprehensao
e conduzi-lo a este engenho, ou no-Recife aos Srs.
Cunha Irmos 4 C, ra da Madre de Dos n. 34,
que se gratificar generosamente.
Engenho Dotis Mundos l de iunho de tan.
Manoel Heraclilo o> Albuquerque,
Na roa do Imperador
nm escravo para ajadantn
bem.
Lijas para atajar.
A do sobrado do pateo Tureo n. 17,
moradia ; o a da ra DimU a. I'
Ubelecimento, para o qne ta
pa e ontras comtnodladw :
Imperador n. 81.
a rma
Diihfireji
Precisa-se de 30 contns de ris a
se como garanta da referida
des, rujo valor excede a noval
pretender pode deixar nesta tyaograpMa a sea a-
me para ser procurada


Diario de Pernambueo Sabbado 28 de Junho de 1873.
(


\LTA MOIIUADE
PIANOS E MSICAS
A* TO\IO JOS I*E AZEVEDO
Ra do Barao da Victoria b, 11, armasen!, e 12 1. andar, antiga ra Nova
aonie o publico erh geral encontr, hempre o maior e mais esplendido sertimento de piauos de
Pianos, msicas e instrumentos de msicas para banda militar
e orchestra.
Acaba da abrir no primeiro andar do sobrado n. 12 confronta
tica Maurer, uro grande sali onde esli expostos os magnficos
av JXJsV j^^J de armario, de Pleyel.
-------- de meia eanda, do mesmo antor.
-------- de H. Henrr.
de Amedfl Thibont
nieo agente nesta cidade, dos celebres afamados
PIANOS DE AUCHER FRRES
remiados en diversas exposicdss om 14 medalbas de onro e prala.
Sao os nicos pianos qne aqai vem da Europa, perfeitamente afina-
es, fetos com elegan :ia e solidez.
D'aqni emCdiante oontmnar a annnnciar todas as pnblicacSes que se forera friendo as snas officinss de msicas.
Tambera receben grande .ortimento de msicas pira piano, piano
canto e entre ellas as lindas composicfes do multo srmpathico maestro
f. s.twonr
A SABER :
Voc me quer Walsa.
Olga Mazurka.
La Separacioni Pra eanto.
A Lu eleetrica, grande Walsa.
Prnco Brasileiro Polka.
Tomada da Vllela GMope.
Joaoinha Walsa.
A Libertadora Polka.
A Prmeira espada Walsa.
A Minha Lvra Walsa.
A Natalicia Polka
Studleote Polka.
i'I limas pnblleae5es
Feilas as offleinas de mnsicas
do annunciante.
Emilia, polka por I. SmolU.
Circaciana, scbotcb, por Smoln.
Jardim do Campo das PricM',
quadrilba, por J. Popoe.
Chuva de Rosas, Walsa, por H. Al
bertazzi.
CATE
AWMSAHM
.nos compradores do bem conhecdo e acre litado rap
REA PRETA, que reparem nos botes e moios botes,
pois que os ha de rap de outra fabrica e nome diver-
so, e com papel da mesma cor, cujo desenlio se pode
9L
confundir com o d'aquelle
Os apreciadores que quizerem do verdadeiro REA
PRETA, devem para nao serem engaados ver que
os botes tragam o nomo de MEURON & ft, e a desig-
ualo de REA PRETA.
meuron a c.
7*'& f&'&ffK V & fa
A quem interessar
J. Ramos & Machado mudaram sea escriptorio
de commissoos e deposito de movis para o arma-
lin n. 10 da ra do Vigario.
Est fgida a escrava de nome Bernarda, de
idade 2o anuos, piuco mais ou menos, levou saia
de ganga e camisa de algodao. tein marca de fujo
na na perna direita, e tem os otoos grandes e abo-
toados: roga-se as autoridades policiaes e capi-
taes de campo o obsequio de pega-la e leva-la
seu eenhor, no Carainho Novo n. 110, sitio, ou na
ra da Cacimba n. I, que serio generosamente
recompensados._____________^^_______
Companhia Recife
Drainage.
Esta, companhia faz puWico que os apparelbos
eollocadoa as casas abaixo declaradas, esto
promptos para fUnctioaar ; os inquilinos, porm,
nao poder.o fazer uso dos mesmos em quanto nao
receoerem tun carto que os autorise para isso.
Ra da Iraperatrz de 1 a 39.
Dita da Coceicao de i a 49.
Dita do Rosario de 1 a II.
Becco do lamba de 2 a 32.
Quartel da roa do Hospicio.
Hospital militar.
O gerente interino
Rowland Hrotherhood Jnior.
=
DE
Jos M0OOM de Araujo, advogado dos au-
ditorio* dos comarcas do Cabo, Victoria, Palma-
res, Ria-Formoso, e Barreiros, encarrega-sc de
qualquer cobranca amigare!, ou judicial para es-
tas comarcas e seus termos .-.quem quizer se uti-
Jisar do seu prestimo pode dirigir-se ra da
Concordia n. 63.________________________
Aluga-se urna escrava para todo o-servico :
na ra da Gloria n. 140.
tanmuclt rano, is, iotuvibb Hamuaiu.
E8TAQA0 DOS BAHHOB.
Ihtiiabelemento de Vichy, um do milho-
re* da Europa, aehar-te-ha Banhos e Embroco
ft* de toda a$orUpara acuradas doencatdo
MtMMf*t do *w*: da teeilga, arelas,
alaketla tata, eaaaref alealaaaa,
OH Miras rias, tic
C*i BU,maMlS M Miotn II di tirrmio:
T*Urt f Ceaeartaa m Caab. Mides ao r>rq.
Salla a latar. ala* tama pan m Sachan*.
Bal 6** la tafea. toar amata Minar.
Tstss os gammas nM un a ran.
Daaatito a Prnumhu, TStT r~.-*. tOM
CABELLEIREIRO
Ra do Imperador n. 38 L* andar.
O artista Andrade, antigo acreditado offioial da casa de Delsuc, participa .as xa>a&.
fatalias eao respeitavel publico desta capital, queseaba de abrir este novo saldo, aonde
se aprompta com perfeigo toda e qualquer encomoienda tendente sa arte.
, Prepara-se pentendeados o postigos, pentea-se coques, cabelleiras e cache-peignes,
concerta-se todae qualquer obra em cabellos e faz-se com perfeic^o toda obra de eabeUei-
reiroaobre enconamenda ;tudo lOjor cento mais barato do que em outra qualquer
parte.
Alm desta grande vantagem eompromette-se em servir com pontualidade, peefei-
^ao e asscio, para o que tem habilissitnos artistas.
Outro sim, avisa as mesmas Exmas. familias que em seu grande salo, ha continua-
damente sortimente eompleto de coques, eache-peignes e topetes, tudo de modernissimos
COMPANHIA
DOS
TRILHOS URRANOS
< I
IK)

Hfiiff a Olinda c Beherlhe.
Temi esta companhia abandonado i al-
fandega desta cidade certa pori;ao de bi I le-
les de suas paasagons, e or l'.nando esta que
fossera all mesmo inutilisados. succede
que alguns passageiros tcnba-se apresentado
eom alguns destes bilhotes: para que baja
sciencia deste engao, previne-se a quem
interessar possa que ditos 6ilhetes sao todos
amarellos com um risco cor de rosa as
costas e de 100 rs. e outros todos cor de rosa
eom dous riscos pretos e de 200 rs.
O gerente interino,
Laurentino Jos de Miranda.
Cch
orro
Desappareceu do 1.* andar da travessa
dos Expostos n. 18, urna cachorrinha de
raca ingteza com dous mezes de idade de
cor pretn com urna malha escura no focinho,
a pessoa que a achou queira dirigir-se a
mesma casa que ser generosamente gra-
tificada.
OSr.OlympioFraiicis-
cisco teiro, rogado a apparecer
nesta typographia a negocio
que nao ignora.
Precisa-se de nma coiinheira, escrava, ou
forra : na ra da Penha n. 23, primeiro e segun-
do andares.
A. J. Reogh, como representante da
casa dos Srs. D. Oppenbeimer d C, de Lon-
dres, offerece aos senhores logistas de Per-
nambueo um completo sortimento de amos-
tras de todas as fazendas, ferragens, sellius,
sapatos, arreios, miudezas, etc., etc ; po-
den do-se entender com o mesmo senhor, n*
RA DOCOMMERCION. 38,
ARMAZ EM.
MOFINA
Est encourac,ado I !
Roga-se ao Hlm. Sr. Ignacio Vieira de Mello,
escrivao na cidade de Nazareth desta provincia, o
favor de vir ra Duque de Caxias n. 36, con-
cluir aquelle negocio que S. S. se comprometteu a
realisar, pela terceira chamada deste jornal, em
Hns de dezembro de 1871, e depois para Janeiro,
passou fevereiro e abril de 1872, e nada cumprio;
e por este motivo de novo chamado para dito
fim, pois S. S. se deve lembrar qne este negocio
de mais de oito annos, e quando o Sr. seu tilho se
achava nesu cidade.
Arrenda-se um sitio perto da estacio do Caxan-
c, com boa casa e carimba de agua de beber :
quem pretender dirija-se ao engenho Poeta a tra
tar com o seu proprietario._________
Escravo fgido.
1 Auzcntou-se do poder dos abaixo asfignadi< f
sen pseravo do nome JnaqusM, rr prcia e de
ii,n;."io. Traja innitu l!inn. ma ,i:-.,.,, (. ,-.A ,|,.
r.:l)r|los onij;! dos. 'ni i'i :i.l i faziT !i i:i ..Ins.
Sebe .-nzi] sr, tteenparito .-. qu<: uV Quando falla se condece ser rx-gro africano.
Hoga-se a apun-liei-cao de dito isci\v.i, enja
captura se gratificar ton.
Recife, 9 .le juulfj de 873.
"**_______Jos da Silva l/ya & Filho.
Filor.
Est fgida
Fgio em 17 de marco prximo ftassado a *-
crava Matilde, de 32 anuos, prela, eriuu, c.Uilu
ra regular, cheia do corpo, pernas finas, tem uns
carocos no rosto que parece espinhas, falta de
denles na frente, falla muilo manso que as SSjm
desafia a compaixao, boa soziohcira e engmnnia-
deira, lilha do Para, fui comprada a sogra do
Sr. commendador Luccna, inuito cunliecioa |kt
ter estado alugada em ca^a do Manoel, inspector,
no Monteiro, ella inlitula-se de forra, e tem sido
vista no Poco da Panella, Monteiro, Caxaiift, Mag-
dalena e aqu no Recife : pedese encarecidamen-
te a todas as autoridades policiaes e capitaes di^
campo a su a appreh ncao ; assim como se pe. le a
quem tenha amas qne verifique nesias que dizem
ser forras, pois consta estar ella de ama qne Rao
sahe ra, e que se gratificara a quem a truuxcr
ra do Livramento n. 1 a Antonio de Paiva Kn -
reir.
De 10 palmes.
Sapotiseiros e sapoteiros, e dahi para baixo, ii-
nheiras, fructa-po, oiti-cor, aritienm-a-p, aba-
cate, laranja-cravo, flanboyant ou brilhaute, pal-
meira imperial, roseiras de qualidade, RlMraMi
parreiras corarn- da india, romeiras e outra.
tantas : na Capunga, ra da Ventura numero 20
lVf A '>rec'sa'se ^e Ullla nara co::inhar e fa-
x\.l_/x KT mas ajg,,m gerrlen Ji casa de fa-
milia, no Corredor do Bisno n. '6.
ilfi Precisa-se de urna ama que saiba
\ \l\ r\ cozml,ar e engoimnar, para casa de
I ifin familia : a tratar na praca do Corpo
Santo n. 17, 3o andar.
Ama cozinheira,
Precisa-se de urna para casa de pouca fapiilia.
paga-se bem agradando : ra de Hospicio, etsa
de bolas amareilas, n. G. ou Queimado n. 70.
loja.
Attii "a rna ^fi "om 'csus n ** an JA.lU.ai precisa se de urna ama para cozinhar e
outra para engommar._____________________
Precisa-se de urna ama i uarua Direita nu-
mero 61. ___________________
Precisase de urna ama que seiba lavar e
engommar, e mais servico de casa : na ra .Nova
numero 28. _______^_________
Preeba-se de urna ama
secca, forra ou captiva, c sen-
do boa nao se, nlha a pn po
a tratar no bazar da ra Direita n. 31.
AMA
Precisa-se de urna ama para cozinhar, es-
crava ou forra : na ra da Penha n. 23, l* andar.
Precisa-se de urna ama de leitc que nao te-
nha fllho : na ra da Penha n. 21, l andar.
AMA
com urna menina.
Si ra d'Alegria n. 4<, preci-
sa-se de urna ama de niela id de
e bem comportada para andar
Precisa-se urna ama para cozinhar em casa
de familia : ra de Pedro Affdnso n. 53, pri
meiro andar.
AMA
rna da cadeia.
Precisa-se de urna ama pa
ra cozinhar : na ra do Mar
quez de Olinda n. 22, antiga
goatos.
Ra do Imperador n. 38 L andar.
Escravo fgido.
Escravo fgido.
50#000 de gratificado. 150#000 de gratificacm
Ausentou-se do engenho Victoria no termo de
Barreiros, o mulato semi-branco Saturniano, de
20 annos de idade, baixo, gordo e meio corcunda,
cabellos amarellos e crespos, rosto largo, olhos
castanhos, nariz regular, lera um signal nos peitos,'
proveniente de urna espinha, pernas e ps>
grosso3 e mal feitos : quem o pegar, ou delle der'
noticias leve ao sen senhor Dacio Ferreira da Sil-
va Mello, no referido engenho, ou na praca do
Corpo Santo n. 7, Io andar, que ser recompensa-
do generosamente.
ATTEMAO
Precisa-so de 4;000#; a iufos sobre hypotheca
em casa na freguezia de Santo Antonio : quem
quizer dirija-se a esta typographia em carta fe-
chada com as iniciaes A. B., dizendo sua moradia
para ser procurado.
. Philip F. Needham, socio gerente da casa
commerciai de Saunders Brothers & C, tendo de'
retirar-se para Europa, deixa na gerencia da casa
ao Sr. Thomaz M. Connan, e no impedimento deste,!
em 1* lugar ao Sr. Pereira, M- Wrhjht, e em 2* o i
Sr. Hocart Hutchinson,
Ausentou-se desdo o dia 13 de maio de 1872, o
prelo de nome Alfredo, de trinta e tantos annos,
crionlo e bastaste ladino; este nreto perfeito
eozinheiro, estatura alta, magro elhos grandes, i
estave no engenho do Sr. Lul de Caiar, em S.
Lourenco da Matta, onde consta ter parentes, foi
escravo dos Srs. Adriano & Castro, e do Sr, Jos
Joaquim Goncalves Bastos, negociantes desta pra-
ca ; de lodos estes senhores foi eozinheiro, tem
sido visto por pessoas que o conbeeem dizendo
que est forro, assim tem podido escapar de ser
prezo. Pede-se a todas as autoridades e capitaes
campo que o pegando leve-o ra do Duque de
Caxias n. 91, loja de miudezas da Rival sem se-
gundo que receber a gratificacio cima decla-
rada.
Sexta-feira 26 do crrente ausentou-se da
rna da Santa Cruz n. 56 a escrava Viceooia, ene-
Sada no mez prximo passado, da Russia (sertio
o Cear) tem os signaes seguidles : bem preta,
altura e corpo regulares, dentes peritos, cabellos
carapinhos e avermelhados, lerou saia com pal-
mas encarnadas, cabeceo braneo e rosario ao pes-
cogo : pede-se aos capitaes de campo a ca.'ura
da mesma, a quem se gratifica generosamente. 1
Pcrdeu se na noute de 24 para a de 25 do cor
rente urna rozeta de camafeu com tres pinjen-
tes de coral : quem achar e quizer restituir, en-
tregue na ra do Cabug n. 7 A, que ser grati-
ficada_________________________^_^___
Attencilo
Engomma-se com perfeigo reupa para
bomem, ra do Forte n. 9.
O Sr. Octavio Pereira
da Cunha, estudantedo 5.
anuo da faculdade de direito,
queira apparecer nesta typo-
graphia a cumprir o que pro-
metteu.
Mine. Amelia Blard.
Mine. Amelia Blard, habilitada com proviso
pela academia de Pars, offerece-se ao publico des-
ta cidade para dar lieoes por casas particulares
de escriptura, calculo, lingua franceza, histeria e
geotp-aphia .e trabalhos de agulha.
Pode ser procurada ra da Matriz da Boa-
Vista n. 28, andar terreo.
Cousullorro medico
M DO
Dr. Murillo.
RA DA CRUZ N. 26, 2.. ANDAR.
Recem-chegado da Eurepa, onde fre-
quentou os hospitaes de Pars e Londres
pode ser procurado a qualquer hora do
da ou da noute para objecto de sua pro-
fissao.
Consultas do meio dia s duas horas
da urde.
Gratis aos pobres.
spcc(afid"&s.=Molestias da pelle, de
crianca e de mulher.
Emprega no trataroento das molestias
de sua especialidade as duchas fras e
banhos a vapor, para os quaes trouxe
os apparelhos mais modernamente em-
pnegados na Europa.
lambem applica eom grande proveto
, no trata ment das molestias do tero a ^
gg electricidade,pelo processo do Dr. Trepier.W
NOITES
DE
Santo Antonio, S. Joao eS.
Pedro.
livros de sortea. .
O Advinhador 2, Amalthea la. Cartas Fatdi-
cas iS, Carteira de Castro Urso 14. Cartoes de
amor la, Cartoes Sybillinos li, Cigana la, Dados
da fortuna lafOO, sphinge 2a. Fado 1*280, Jogo
da Conversacao 31, Jogo de disparates amatorios
21, Livros do destino i a, Mademoi-eile Lenor-
ftnaod la, Mgico apparente 2i500, Mata Horas
aborrecidas 2i, Novo orculo de amor i i, Mgico
Flumioense 4/, Oraculn das mocas l*28i>, Oracu-
o de Delphos \l, Pacotilha Potica II. Revelacoes
do Cigano I a, Roda do destino 21, Segredos do
eiticeiro Buchique la, sortea avulsas, dados e
artas.
Livraria franceza
Aluga-se
a casa terrea da ra do Coronel Suassuna, ou-
tr'ora Augusta : a tratar i rui do Amorim n. 37.
1
1
aar Precisase de urna ama pa-
A I ^L ra cozinhar e outra para en
xm.i-TJL xm. gommado : a tratar na ra
larga do Rosario n. 22. segundo andar._______
AMA:
Precsase de urna ama que
cozinhe : na ra da CyueorJi
149.
.No bol-'I d< VpieTW, pwflM-ay 4,. -., f.
para tratar i?e i ii
- I ;
l V.
I i
;> ;..
COMPRAS
Compra-se algimias casa* fctrra nm
dos nesta ridade : a tratar na k>ia da roa l*iq*.
de Caxias n Vi.
Compra-.st'
Matta a ."(Vrt .i swati : a rna brga
Rosario 14, tohrica de ru*n
UlMIi'Hd.
I
Ka ra de Tliom d< Souu, ol.rado n, I"
tr'ora da l.inpnrta. compn-sr mm erraTa 4r 2"
M raWM la i kia, fH saitia r. mhar e
mar : c igiiah'ien'e |> I- .-* -.-nlii
ton-s ipil-livi i'-in akiiina itn as .
na es|rf>rif %ada<, piriram I rj.'ir-c a
e casa j mcurionaJa.
t Trastes.
0%
o
Compra I HMli ti e usados : no .nua/i-m 'U roa I eradoi n. is.
9
Comprase j n a- >\t }'
rs. a libra : mi na do (>iron<-t n '
rKD*$
Vndese
una iiiolnli.i dr aman \U. i, i pmsitMM
l.uiz JtV, carapaata 4 refirirrle p -
ras fe fuicas, 2 d4a de anaSaa a arra larrM in
ras aiirri'-.viia-. t; '1 ..' ',' 'o
(13 An! nio llei.i i<] i -
vt.__________________ ___.
Vende-s1 nina carrofa para valk c r m
arreii.s : a tratar na na llini'a n t"
PtCHIMH\S
CHEGARaM m;.i las de cc-s a 3*1 r-
vado.
SAPATOS DE TRASCA sayrisrss
patacas.
CAMILAS WiRlVXDA5. |-i
oAlaiO
COBKRTORKS fiK ALUOll .'> a ti.
CAMISAS i'ANi.l'./. \S. V h"'-, 4a m
que vem ao mercado, a 3 POPiiLIriAS ItC SEDA a U. <'
que <5o as mais nn>dernas. e a Rosa HnsK* aa)4"
pelo baratsimo pn-ro de H c.*ln
111 A DA IMPKRATRI7. N SC
osa Br .ii; a.
Precisase de urna ama para comprar e co-
zinhar : na ra do Coronel Suassuna n. 1, paga-
se bem.____________________________
Precisa-se de urna ama para
servico interno e externo de
urna casa de pequea familia
a tratar na ra de Pedro Af-
fonso n. 47, 2* andar, antiga ra da Praia._____
A M A:
Attenc,ao
Precisa-se de urna ama para casa de horneui
solteiro, que saiba cozinhar com limpeza e asseio, e
comprar: na ra de Pedro Alfonso n. 7,antiga ra
da Praia.
Precisa-se de urna ama forra ou escrava,
de meia idade, para casa de ponea familia : na
ra de Hurtas n. 72.
URGENCIA.
Ama de leite.
Predsa-se re uma ama de leite, quer seja
forra ou captiva, porm sem filho, e que te-
nha bom e abuniante leite, paga-se bem : a
tratar no 3." andar desta typographia.
II t Prcrisa-so de una para todo o
\ 'VI A servico de uma s pi-ssoa : na
[\ lTA rl ra de S Fraucisco n. 39.
! ajuiji'etk:
Vledico-cirurgico
Rl'A DO IMPERADOR N. 73, f ANDAR
0 DR. NNES DA GOSTA
MEDICO OPERADOR E PAPTFIRO.
ESI'ECI Ur'A)ES.
MoKstus e ftpVragfea de olhos.
Onr* ladicsl e LStaut?nea dos
eslreitamentoa da uretra.
Consultas: D*s 7 4sfOhoras
da maiiba.
Cbainadfts : A qualquer hora.
^^fACi-^tX- "r^&
Coziuheiro
Precisa-se d um bom eozinheiro para um bom
hotel: a tratar na ra do Imperador n. 51, arma-
zem uniao e commercio.
Feilor.
Grande e elegante tasa -ic
campo para residencia <1"
grande familia.
D. Maria laftf' na Ra lin-m que (rt se a.
em casa de seu pai rniiTme I'.ir I i
' maro, vende si I M rae U
nella. asi qne raaMr a<-tualiienl- Rr Dr **Ta-
flco, o nal tnma-e rerommi
boa loeaMaa naMracaj, t t cdriM-ad.
chao pnipno. Contiguo *> r-f rni ir..
una liointi caa nova li- billiar
cimba e banheii o : i\u-;\\ pre|eialT d
nroprieUria Maria J. R.iw!;p-.ii, oo sen t
Sr. fJSoAanM Pun-ell. ra da Lima n._ 30. *.. .:
Amaro, e para infurmaiao. m loja >\>i Sr Joaasia*
Rapista de Arauio. ru m Varqne; de .'I, outr ora rna da Ca lea.
Q( Pechincha.
0 NA RI'V ROCRVm V 10 ?
Madapol.i, ;l 2, || IK) r \i. a
Alirrwi.i.inl... In. ., aMM T a 'J'I a ^.
Algodaosinho largo marca T a 1-
8 pora
gt Cluta< de c 0
0
1
Precisa-se de um bom feitor, casado : a tratar
na rna do Viseonde de Goyanna n 157.
Ao commercio.
Offerece-se um moco portugus de 30 annos,
fazendo escripta por partidas dobradas, on ca-
xeiro de cobranca, por pequea retribuicao, ten-
do pessoas que afancam o sea bom comporta-
ment ; quem precisir do sen prestimo ter a
bondade de remetter caria redaccSo deste jor-
nal, eom as iniciaes M. F S.
Alaga-se o pavimento (arreo do predio da
travessa do Livramento n. 10 e a casa da ra de
Hortas n. 77 ; a tratar praca da Independencia
ps. 18 e 20.
Sociedade uuio catholicaor-
thodoxa pernambucana
De ordem do Sr. presidente provisorio da socie-
dade uniao catholica orthodoxa pernambucana,
faco publico que nio pode ter lugar a inauguraran
solemne no dia 29 do corrente, nao s porque
ainda pende do Exm. Sr. presidente da provincia
a approvacao dos respectivos estatutos, como por
ser aquelle dia o ero que se ha de celebrar a gran-
de festa do Principe dos Apostlos, om cuja igreja
deveria ter lugar a solemnidad* da inaugurarn,
a qtial ficar assim adiada para quando for annn-
ciada. Recife, 27 d junho de 1873..
O 1 secretario
^________Jos H. B. de Menezes
Madama Virginia Falque, seguindo para a
Europa, ni francez Rio-Grandi; a procurar alli-
vio sua ande, bastante deteriorada, deixa en-
carregados de seus negocios aos Srs. Francisco
Xavier Ferreira, G. de Lailhacar e Antonio Ma-
chado Gomes da Silva, com quem so podero en-
teider todas as pessoas que tireni transaeces
relativas a sua fabrica de chapeos de sol, da ra
Primeiro de Marco n. i. ______
Oome-
gue se pode evilar'e curar a eavpet, ss mal to
feio e que tanto damno causa o cabello?
Apphcando o rtoin no ABru-o.
a 2'.
Camliraias de BM a 2iO r- (
Q barra a 2S0 rs. o rovad >.
Grosdenaple preto a l* largo a 3 amo e 3iW.
Vestuarios d tu-t." para mtiiinas, a
lar.
Chales de c.kvs a U. 1*200 e t*:*
(angas de Irnho do rres a|:rM n.of !
Algodm azul mcr>m< para roupa 4e
esrrayns a 32i rs. o rovalo
Meias par nieriin "S de "
manilos a iiia d'iaia
Irrito inri.
itlgodao aiul ank-r;cano com ae<|ue.i deritn _
320 rs. o evado : na ra do Crespo n. 20, 1- ja
do Guilherme.
Nidip lh.
Madapolao com pequeo toque d< varia a -l
a peca : M ra do Cresjio n 2<'. loja 4o OnaticT-
nie.
(..iHvas ik Iri...
Gangas de lindo para r upa d<- memaas a :>
rs. o corado: na ra do re|io a. 20. loja 4o Gui-
lherme
Cobertore< i"e la. eenrn. a 24 nm : na rea !?
Crespo n. 20, loja do Guilherme
Ci'i'lrraiis.
Cambraias transparentes Tinas a tf, e i*"''
peca.
Ditas Victoria a .1*801.
Na ra J. Crespo n. 20. loja 4n Gnbeme
Lene/.* de psjiii.
Lencos de esguo a 3*->'>0 a doiia : aa
ra do Crespo n. 20, loja do Guilli. rme.
Corles df cisfuiira.
Corles de easemira lina, a e 5* : aa roa 4>>
Crespo n. 20, loja do GuiHieraae
(.MSrJfMpifS.
Grosdenaple preto de cordio a I >80n, 2*20) e
2*400 o corado : so na rna 4o Crespo a. 20, h ia
do Guilherme.
Casa para vender.
Vcnde-se a casa de ferro e m*4eira. afta mi
Sanl'Anna perto da estacio dos iriRtat raaan;
E' fresca, bem consiraida a Ierro t aatcra, e
o chao de cimento PorUaa4. As darrat esta-
em poder do guarda da mesan aataaia 4r Saan'
Amia : para traUi e ver a piaau, 4iriia-M i roa
do Bom Jess n. I armare.
Arado* para lanar a
Camas de ferro.
Cofres de ferro, prora de fof*.
Fogoes amei icanos.
Prego* americano*.
Balancas e pesos.
Chapas de (erro galraaiaa4o para eaarir
Taxos de ferro wtanhado
Machinas para doscaracar abrada*
Machinas de cortar tamo.
Macabas a rarwr.torra 4c t 1(2 e K
Km casa de Shaw Ha frite* C.,
Jess n. 4.
SB,
*< R
a^-


6
DiaiO-4e-.,Porittwbiw r% S^batto 2S *> judio de 1&7'3.
Para aboaconservacao
DG
YOSSO CABELLO
SEGREDO ECONOMA E CELERIDADE.
Obtem-ae com o uso
DA
Ello un preventivo seguro e certo contra
a calvice.
Elle entoga.
Elie de prompto faz eessar. a queda prema-
tura dos cabelles.
Elle d grande riqueza de lustre aos ca-
bellos.
Ule doma e faz preservar os cabellos, em
qualquer forma ou pstelo que se dese-
j, n uno estado formoso, liso e macio.
Elle faz crescer os cabellos bastos e compri-
dos.
Elle conserva a pelle e o casco da cabeca
limpo o livre de toda a especie de caspa.
Elle previne 08cabellos de se toruarem bran-
cos.
Ule conserva a cabera n'um estado de fres-
cura refrigerante e agradavol.
Ule nao demusiadamente oleoso, gordu-
rent) on pegadico.
Ello nao doixa o menor clieiro desagrada-
vel.
File o mellior artigo para os cabellos das
enancas.
Elie o melhor e o mais aprasivel artgi
para a boa conservago e arranjo dos ca-
bellos das senlioras.
Elle o unten artigo proprio para o pentea-
do dos cabellos e barbas dos senhores.
NENDUM TOUCAOOB DE SENHORA SE
, PODE CONSIDERAR COMO COM-
PLETO SE M O
TOXICO oriental
o qual preserva, limpa, fortifica e aformosea
O CABELLO.
Aeha-se venda nos estabelecimentos de
!' Forstar & C, agentes. E em todas as
principan lujas do perfumaras e boticas.
INJECCaO SHOST
nica, hygionica,radical e infallival nca-
ra das gonorheas, flores brancas e fluxos de
toda especie, recentes ou ebronicas; e que
offerece como garanta de salutares resultados
a continuada applicaco que sempre com a
maior vantagem se tem feito della nos hos-
pkaes de PariSj
nico deposito parao Brasil, Barthilomeu
& C, ra Larga do Rosario n. JH.
Xarope d'agrio do Para
Antigo e conceituado medicamento para
cura das molestias dos orgos respiratorios,
como a phtysica, Li cuchites, astbma, etc.,
applicado anda con ptimos resoltados no
escorbuto.
Vende-se na pharmacia e drogara de Bar-
tholomeu & C, ra Larga do Rosario n. 34.
BICHAS DE HAHBURG8
As mais recentes e melhoresv
Vendem-se na pharmacia e drogara de Ba>
tholomeu & C, ra Larga dosaro o Rn. 84.
Cassas avariadas a 240 rs.
o cavado.
0 Pavlo vende flnissinias eassas francezas de
cores com os mais delicado* padroes, por terem
Qm pequeo toque de avaria de agua doce, pele
barato pre<;o do dozc vintens o covado. E peeftin-
cha : na loja do Pavao, ra da Imperatrlz n.
0. .......,_,
Tri amplio da
mi'MW 1EDKA!


c ir
I
pos modernos nenhnm dcscubri-
maior revolucffo no modo de
le em voga do que o
u mmm \
TANTO NO TRATAMENTO
T se,
na,
Uouquido,
i\
Cropo,
Thisica,
Resfriameutos.
Broncbites,
Tossc Convulsa,
Dores de l'eiio,
I i durarn de Sangue.
Com n toda a grande serie de enformi-
!a arganta, do Vilocdos
r,
Bandeijas
Amaral, fabuco 4 C. vendem bandeijas de me-
tal envernisadas, c de verdadeiro charao. de todos
os lmannos, para c'i, copos, bolos, etc., etc., e
um completo sortimento de balaios, cabazesj etc.,
de vime, e rotim para llores, cataras, pao, etc.,
etc. : no bazar victoria, ra do Barao da Victoria
numero 2.
Merino preto a 800 rs. o co-
vado.
Merino preto a 800 rs. o covado, proprio para
vestido serve para lulo, por ser sem lastro, na loja
das 6 portas em frente do Livramento.
ntremelos, tiras e bicos a
500 rs.apega.
. Vendse entremeios, tiras e bicos bordados a
retroz, proprios para enfeitar vestidos, e roupi-
nhas de crinca, pelo baratsimo preco de 500 r.
a peca na loja das 6 portas em frente do Livra-
mento, dio se pecas a mostracom penhof.
Lazinhas escocezas a 280
rs. o covado.
Rua do Crespo n. 20.
Lazinhas escocezas, padroes interamente no-
vos, pelo diminuto preco de 281 r*. o covado,
pechincha e do-se amostras ni !>ja Jo Guilher-
me C. da Cunha & C._________________.
Nilo ha mais cuellos
HOWE
LEITE. IR1A0S
Rua ifo Ramo da Victoria n. 28
As mais snples, as mais baratas e as melhores do mundo!
fl \ NdJ exposidao de Pars, era 1807, fb concedido a
Elias llowe Jinior, a ledalha de ouro e a condecora-
fcio da iego" de Honra, por serena a* machinas mais per.
<*** ando.
A edaiha de uuro, conferida a E. Howe Jnior, nos
Estados-nHos por ser o inventor da machina de eos-
A medalha < de ouro na exposicao de Londres acreditam
esa*s machinas.
A 9W000
Pede obter em pouco umpo con o oto do melbor dos lieoreaa intasada
HESPEItllUNA -
Faz oito arjnos qne condecido rale precioso tnico, e difficil adiar una paeafr
qoe, tendo experimentado pessoalmente, nao (alie em aen favor, j cono boa toaaac
a apetitador, tomando om calix delta antes de jamar, oo coco facilitador da difeata*
t'.criando--8e depoia.
A BASE
da HESPERID1NA a LARANJA AMARGA, nJo ha om a habitante do BRASIL (a terr.
especial das iaraujas) qne nao conbec.a as proprieades medicinaes da doorsda I .*.;
ora btm, a *
lilaila AHABCA
em sea estado natoral tem em goeto penco agradavel, e o nerito da Heeperidina eo-
siste em reter soas boas propriedades, e ao mesmo lempo apreseula-la como
EXQUISITO LICOE
A HESPERIDINA como NOSTRIA NAOONAL olo tem nada qee ivear *
melhores importaces europeas de calbegoria semelhante. Estai, qoaodo bo, v
ser gostosas, porm a Hesperidiaa a combinacio perfeila do
AGRADAVEL E SADAVEL
Para pro va de qoe om artigo no qoal pde-se ter ioteira confianca. por ter por*
e innocente, basta dizer-se qoe foi plenanaente approvada e atatorieada pela
JUNTA DE HYGIENE
v) +
TINTURARA JAPQNEZA.
S e nica approvada pelas academias de
sciencias, reconhecida superior a toda que
tem apparecido at boje. Deposito princi-
pal rua da Cadeia do Recfo, boje Mr-
quez de Olnda, n.51, 1. andar, e em
todas as boticas e casas de cabellei-
Cabe-nos o dever d dnnuneiar qu *eompanhia das machinas de Howe de Nova-
York, estabeleceu nesta" cidade rua do Barato da Victoria n. 28, um deposito e agencia
geral, para em Pernambueo e mais provincias se venderem as afamadas machinas de cos-
tura de Howe. Estas machinas s* josteente apreciadas pela perfejao de seu trabalho,
empreando urna agulha mais aurta com a mesma qualidade de linha que qualquer outra,
e pela introdueco dos mais aperfei^oados apparelhos, estamos actualmente habilitados a
offerecer ac exame publico as melhores machinas do mundo.
As vmtagem destas machinas sao as seguintes:
Primerfa/.-M) publico sabe que ellas sao duradoura, para ato prova ncontestavel,
croumstancia dfe mrica trera" apparecido no mercado machinas d Howe em segun-
da mi.
Segunda.^Contem o material preciso para reparar qualquer desarranjo.
Terceira.Ha nellas menor frieco entre as diversas pegas, menos rpido estrago
do que as outras.-
Quarta. Quinta.'Pertaitte que se examine o trabalho de ambos os fios, o que se u3o consega
as outras.
Sexta.Fazem ponto miudo em easemira, atravessando o fio de um nutro lado,
e logo em. seguida, sem mocSIicar-so a tensan- da linha, cozem a fazeuda mais
fina.
Stima.O compressr levantado com a maior facilidade, quando se tem de mudar
de agulha ao comegar nova costura.
Oitava.Mukas companhis de machinas de costura, tem tido pocas de grandeza e
decadencia. Machinas outr'ora populares, sao hoje quasi desconhecidas, outras soffreram
mudanzas radicaesparapoderem substituir: entretanto a companha das machinas de Howe
adoptando a- opini de Elias Howe, mestre em artes mechanicas, tem constantemente
augmentado o seu fabrico, e hoje n&'attende a procura, posto que faga 600 machinas
por dia.
Cada machina acompanha livretos com instrucgfies em portuguez.
A9>000 A 90^000
SOARES LEITE, IRMAOS
A"
do Barao da Victoria n. 28.

reiro.
; .-
'
a rN|irn<;5o. que tanto
., e fazem soffror a humanidade.
A maneira antig de curar consista geraP
mente na applicagu de vesicatorios, san-
irjar ou applcar exterormente un-
ssimos compostos de substan-
i i i acantos, aftm de produr cmpolhas ;
ites ino los de turar, nao faziam
ifr [uec ir o diminuir as lonjas do
pobro doeiite, contrbundo por esta forma
ii".i na mu ira mais fcil o corla para a en-
... la le a destruico invitavel de sua
v ma Quam differente pois o cToito
flEL DE AKAUfiZIAI
1 voz de irritar, mortificar cauzar inau-
ditos soflrimentos ao doente,
! lina, modifica c suavisa a dor,
Alliviaa irritacao,
Desenvolve o enlendimento,
Fortifica o corpo
e ii/ com que osystema
Joaqp.im F. dos Santos Coimbra Guimaraes,
vendo era seu escritorio rua do Mrquez de
Olinda n. 3 1." andar :
Laf do Rio
Cha empatas de 1 libra
Fumo em latas
Farinl.a iln mandioca
Vinho de Thoniar, em decimos-
HesjHTidiiin
Verdadeiro bter hesperidina, superior e acre-
ditado : venda no arraazcm de Tasso Irmao> &
C, rua do Amorim n. 37
Ih
i
i:1
Manteiga ingleza a 1$000
e 800 rs.
Vcnde-se no armazem de molhados Concordia
o Ovninercio a piara do Mrquez do Herval
n- 2
BAZAR DA RUA DIREITA
HOJE
MARCILI0 DAS N. 51.
Este estabelecimento sompre solicito om offerecer a concurrencia do respeita^vel pu-
blico um completo sertimerrto de miudezas, ealgado francez, chapeos o quinquilliarias a
pregos os mais razoaveis possWeis/ para o que recebe quasi todos os seus artigos de pro-
pria encommenda da Europa e America, vem dar oublicidade dealguns artigos por cujos
pregos bem so pode avahar os pregos d outros muitus que se tornara enfadonho pu-
blicar.
d-aWl ijo
d'uma maneira prompta e rpida
atte o ultimo vestigio da enfermidade. Os
. votos e;n medicina da Europa, (os
illegins de meli'ina de lierlim)
r, setera exactas e verdadeiras estas
! igicas, e alm disso a expe-
:. le mlharos de peseoas da America
tuli >la, as quaes foram curadas com
( inaraxilhoso remedio, san mais que sufi-
i es para susteotarem a opinao do
PEITQRAI DE AN'Af.AIHTl'A I
eve-so untar que este remedio se ncha
inteiraim nte sent de venenos, tanto mine-
raes, com i fegeteB, einquanto quo alguns
(1 s es ltimos, e particularmente aquelles
que si i dados sob a forma de opio, e aci-
do li\ ln -i-micn, formam a base da maior
par'n/ los aropes, com os quaes to f-
cilmente se engaa a credulidade do pu-
blico. A composigao de anacahuita peito-
ra! acha-so linda e curiosamente engarrafada
em frascos da medida do cerca de meio
auartilho cade um, c como dsc que se
toma so" d'uma collier pequea, basta
geralmeote applicago d'um ou dous fras-
es para a tl-ituagau de qualquer cura.
Acha-ae a venda om todas as b iticas.
II. Prosters ct C,
agentes.
Fog
:os.
Lindissimos focos de vista proprios para meni-
nos queimaren dentro de cosa, e <\uf foi feito na
China. Vende-se a ret lio da menor qnantidade,
a vontade do comprador, e a preco baratssimo :
no largo da alfanega n. 7, e aos domingos na rua
da MaJre de Dos n. 3C, no 3o andar.
O.-" mesmos fogos, as mesma* eondifoes, ven-
de-se tambeiu na rua do Imperador, casa de Ber-
nardo da Silva <:. ampds, e na na do Mrquez
de Olinda, ca*a de Braga Gome* & C.
Saxe-Uhrn
\Dde-eum
Larangeiras n.
rfeitamenle bom : na rua das
Para os bollos de S. Joo e
S. Pedro. .
Manteiga tarima a 15000, 801 rs. e 6i0, dita
franceza a 6i<', 720 e 80 rs., queijos do ultimo
vapor a 2S00, vinho Figueira, garrafa 500 rs.
e caada 380O, o mellior que se pode desejar
neste genero, e outros muitos gneros que se tem
vista : chegueui que c pechincha, tndo dinhei-
a vista : rua de Sanio Amaro n. 8.___________
GRANDE NOYIDDE
Santo Antonio, S. Joo e S.
Pedro.
PROFECAS ILLUSTRADAS
Celleeooes de novas sorles infalliveis, contendo
cada coleccao 6i cartas, onde se achara estampa-
das cari'aturas engranadas e espirituosas sortes
destinadas aos divertmentos das noites de Santo
Antonio S. Joao e S. Pedro. A cada colleceao
acompanham urna tabella e urna exnlcago para
o jogo. Acham-se venda pelo diminuto preco
de 25 as seguintes casas : livrarias franceza,
universal, oeonomk, industrial e acadmica ; rua
Nova ns. 23, 39 c 63 ; rua do Imperador n. 71 ;
rua do Crespo n. 23 ; arco da ConceicSo n. 2, a
caes 22 de Novembro, armazom do Pires.
TASSO IRMOS k C.
Em seus armazens rua do Amorim
n. 37 e caes do Apollo n. 47,
tem pora vender por pregos. commodos
Tijolos encarnados sextavo para ladrilho.
Canos de barro pafa esgoto.
Cimento Portland.
Cimento Hvdraulicc.
Machinas de descarogar algodao.
Machinas de nadara.
Potassa da Russia em barril.
Phosphoros de cera.
Sagd em garrafSes.
Sevadinha em garrafoes.
Lentilhas em garrafSes.
Rhum da aJmaca.
Vinho do Porto velho engairafado.
Vinho do Porto superior, o.
Vinho de Bordeaos, dito.
Vinho de Scherry.
Vinho .da Madeira.
Potes 'om linpuas e dohradas ingiezas.
Licores finos sortidos.
Cognac GMilhier Freres.
Latas "de toucinho inglez.
Barris com repolh em salmonra-
MIBDLZAS.
La para bordar, da melhor quali libra por 5o00. I
Agulhas fr^nceaas, fundo dourado, a cai-
xinha com i papis a 60 rs., 2W>- -s,
Voltas de fita de velhr! oom lindos cb-
ragoes fingindo nideperola, a 500 rs.
Voltas para o pescogo, fingindo camafeu,
companhadas coi* i par de brincos seme-
lhante, tudo por -2JP500.
Linha branca de 200 jardas em carriteis,
propria para costura de machina, a 800 rs.
a duzia.
Dito do dita de Alexandre, numeiago a
gesto do freguez, a l#!0 a duzia.
Diademas dourados de 1^300 a 39000.
Ditos do tartaruga com flores a 2JM)0n.
Ditos com borboletas a l$o00.
Brincos encarnados i par por oOO rs.
Ditos de plaqut de 500 rs. a 2S>000.^
Ditos dourado, duzia de pares, a 19500
e 2000.
Voltas de aljofares com brincos, a 2*500.
Ditas de ditos cjm corages a 1*000.
Ditas de ditos de contas com cassoletas, a
800 rs.
Rosetas de plaqut a 1J5 e 1*500 o par.
Grvalas de seda para sonhoras de 1*200
a 2*000.
Parures com 2 lagos para cabeg e peito
a3*e 4*000.
Entremeios e babadinhos bordados de 3G0
rs. a 2*400 poja.
Gales de seda braheos e de cores, de
13>500a2*500apeca,*\
Ditos de algodao e seda, de 1* a 1*400
a pega.
Ditos de algodao, a 100 e 500 rs. a pega.
TrancinhaS de cores, a 100 e 500 rs. a
pega. -
LequeS do mnrflm a 5* e 8*000.
Ditos de sndalo a 4*500.
Ditos de madeira imitando, a 2*000.
Ditos de papelles a 1*800.
Coques para senhora, a 8*, 8*500 e 4*.
Aderemos fingindo coral, compohdo-se de
alfinete e brincos por 2*000.
Dito dito jtoefos' f^or 2*500.
Ditos de plaqut, compondo-se de alfinete
e brinco, sendo dV muitO'^ssto, por 5*000.
MIUDEZAS.
Brincos dito de dito por 2*500.
Botes de setim pretos e de cores, a 800
rs. o 1*000 a duzia.
Etanjas brancas de seda de* todas as lar-
guras, a 1*000 e 1*400 o metro.
Ditas de cores c prctas a 800 rs. e 1*M)00 o
metro.
Gales pretos de seda, de muito gosto de
800 rs. a 1*000 o metro.
CALCADO FRANCEZ.
Botinas prctas gaspeadas, para senhora, a
4*500 o par.
Ditas ditas de duraque, gaspeadas, canno
alto, a 5*000.
Ditas prctas enfoitadas, ultima moda, a
6*000.
Ditas dita de cores, canno alto,enfeitadas,
a 5*500,
Ditas para meninos, pretas e de cores, a
3*e 4*000.
Completo sortimento de calgado de case-
mira, Charlt, tapete c tranca, mais barato
10 '0 do que um outra qualquer parte.
CHAPEOS.
Ricos chapeos de palha d'Italia, pora se-
nhora, a 11*000.
Ditos ditos palha escura, da ultima moda,
a 16*000.
Completo sortimento de chapeosinhos para
meninas e senlioras, de 2*800 a 5*000.
Cbapos de sol de soda, inglezes, cabo de
marfim a 16*000.
Ditos dito de merino, cabo de metal mui-
to bonito a 5*500.
' Ditos dito de seda para senhora, cabo de
madeira, a 6*000.
Ditas dito cabo de marfim a 9*000.
DIVERSOS ARTIGOS.
Granadine para vestidos, fazenda da ulti-
ma moda, cora listfas de seda, a 650 o co-
vado.
Pannos dectocht para caderas, a 1*800
e 2*000 cada um.
Dlos para sof, a 3* e 4*000.
Toalhas de linbo para rosto, a 1*300 cada
orna.
Ditas de algodao alcoxeados, a C40 rs.
Colxas de crochet para cama de casal, a
6*000.
Yende-se
^.
urna escrava preta, excellente cozinheira e lava-
deira, sabendo tambem eogonimar, com urna filha
de 9 annos de idade. tambem preta, vinda recep-
emente do Maranhao : quem pretender compra-
as, diriia-se rua da Imperatrlz Q. 36.

Mofes lando
Em seu esCrintoro rua da Mfcdre Deus
n. 5, 1. anow, Al p^ra vend%por prego
coramodo :
rmho do. Porto superior ertgarraftdo.
Gerveja ass.
CM torde miadinho deuperkir ouli-
dt!'te- ...-----.......-,., ..-g-
J chegram os Biairayillipsoa focos artiQ;
ajar-
pre-
ciaes da China, para serenueHos nos saloei
dlns: caftfnltorom varlSfi 5*yrdmeMO e1
eos desde 0 ae 50fi fcaa calta : t armaienr] crpiant-!. ni
H do eaw alranSe; nrmetoa.
Fogos artificiaes
Aonza A Gehnaraes, rua Nova n. 39, avisam ao
seus freguezes qne receberam um bonito sorti-
mento de fogos chinen* propios para salloe;
asshncomo tambtem tem um cempfei sortimento
de fogos nacionaes dos melhores fabricantes desta
cawtal oara os festejos de Santo Antonio, S. Joio
e" S. Pe*b, awtm coni baralhos de eorte* com
VENDER
a taverna com poneos fundos,
nauta do Leu Corowo n
ia para prin-
f ; a tratar
_
do Rio de Janeiro, permittindo soa livre elaberacio no imperio; ootra
HO.-l PKOV %
a acceitag3o geral qne tem em todas as pr.rtes onde apreaentadz. Eb 1864 t;.i:.
lecea-se a primeira fabrica em Buenos-Ayres; em 1869 a senada en Moototidtt;
no dia da ebegada de S. M. 0 IMPERADOR inaogoroo-ae a fabrica qoe KtoalaeMt
trabalba na corte. Em Valparaizo e em toda a costa de Pacifico tea boa acceitaclo
tanto que rara a casa que considera completo seo aparador sem orna ganad de
HESPERIDINA
O bomem velho toma Heaperidioa para obter
VIGOR
O bomem doente toma Hesperidiaa para obter
SAIIDE
O bomem dbil toma Hesperidina para obter____
Ncs bailes as donzellas e os mogos lomam a Hesperidini para L.>;e; cU
animagio dorante oa loucos gyros da
BARROS JNIOR & C.,*a roa do Vigario Tenorio i. 7, 1 andar, recei,- m>
grande especifico, e venoem-no nos depsitos seguate:
Joaquina Ferreira Lobo, rua da Imperalrix.
Zeferino Carneiro, roa do Commercio.
Marcelino Jos Gongalves da Fonie, rua da Cadeia o. S.
Aotonio Gomes Pires & C, roa da Cadeia.
Antonio Gomes Pires 4 C., caes 22 de Novembro.
Gomes & Irmo hotel da Passagem.
arjiazcm de Jonquim Lepes Mh ki
Travessa do Corpo
Santo N. 25.
Vapores locomoveis de forra de 2 a 4 cavallo*.
Correias para machinas.
Polias de diversos tamanhos.
^aquetas par cobertos de carro?.
Solas de lustro para guarda lama.
tontas de lanca para carro.
iliicotes para carro.
aloes largo e eslreito para carro.
wegos com cabera de niariim, idera.
y
Aderucos de bra-
mantes, esmeraldas
rubins e perolas,
voltas de perolas.
r........
Obras de miro e
(Tata de tullas as \
qualidades.
SAPHEA
NO YA- LOJA DE JOIAS
N. 2 ARua do CabugK 2 A
DE
ititilo* d I II lio
Achandc-se completamente reformado este estabeleeimi*nti., e
tendo os seus propnetarios feito urna importante acquis^o de
ioias as mais modernas vindaS ao mercado, e de qualidades superio-
res, convidam ao respeitavel publico a fazer urna visita ao s>-u >-
tabelecimento, afim de apreciar e comprar urna joia de gosto por
preco razoavel.
S2
No escriptorio da rua do Commercio
n. 32, de Joao Jos do Carvalbo > oraes,
vende-se o seguintc:
Caf do Rio de Janeiro.
Cimento.de Portland.
Palhinha preparada.
Cera em velas.
Oleo de linhaca.
Couro de lustre.
Bezerros.
Chumbo de muiih,io.
Gomma-laca, superior qualidade.
Cadeiras hamburguezas.
Ditas de balanco.
Ditas para crianzas.

Fogo, fogo
e o meilior de todos os fogos s se obiem com
a limalha de ac, de ferrro, de neo, e cobre e
de agttlba, qee se vend* por menos na phar-
macia e drogarl de Bartholomeu & C, n. 34
rua larga do Hosario.
VENDE-SE
una casa terrea, l-em run>lniHla. enm
nellas de frente, entrada polo *k\ quwfcil
Sueno o carimba, om terreno profrio. na na
ympliaS rom a frente para o nax'enle, *^
remiendo 16*000 mensaes.
Una dita pequea na estrada de h$o dr to-
ros, send > o terreno em que eai liMMMa. JJ p*'
mes de frente o 160 de fundo : tem a toNe per
o poente, ne. mesmo lerreno rumem toma* >
coqueiros que dio fnietos, e e4 ronVo l->i
lu terreno proprio eroprio |nira timm-m.
com a frente para o sal. sito ninufc rhnrme
Tem 8 palmos do frente, a mema ertta
extrema ifo lad) oppo^i". 110 pahm^ de rn^ijii,
ment, extremando neto lado do aateeaf* M
Osnretei
leda*
roes, eCon*pn#f>na> f4B>re o
hora mmaafl
a*
ifnutiriim
ra bulos de s. rMW.
nate* de
a Iftrt
t^"H|.d|-
a alto
Por 500* vende-se um bom preto ganhador para bolos
> 40 annos muito romisto e baralissimo e mais j -,--------
tres benitas crkmlas de 18 M amm, dou!imo- Qeat)*aHll3 fnMIOeWUI' COal
Iequeide8ai0 asnos, e urna raalatiMia de 10. ^
annos : na rua de Hortas n. 9. ______I fQ & \jfQty\)
cada arroba
Nattia da ItiperatW Hrlaja'iii
Superior fumo de Minas era rolos peq*oo, es-
* W^Fc*^
colhido a vontade do comprador
rim, armaieni n. 60,
ns rus do Amo. 88, tA una grfldc
fregojfces atra a Un*.
^rsr


'ja-

Diario de Pernambnco gambado 28 FNDICAO 1)0 BOWMAN
BOA DO BRM N. 52
(Passando o chafariz)
PEt>M AOS enbores de engento e ontros agricultores, eeopfegad>refi de tn
ibiDismo o favor de nma vitita a seu etabeledmenta, para verem o novo lOrlimeDto
competa que a tu teaa* secdo todo soperior em qaaidade e fortidio; o one com a ios
aaccao peseoal pode-se verificar.
ESPECIAL ATTENCAO AO NUMERO E LUGAR DE SJJA FUNDICO
VaDOr8 B rodas d'aO-na dos m"8 0W!,erD08 ystemas eem ta
* *w*i*M v* Hgun manos convenientes para as diversas
MrCurastancias dos senhorea proprielarios ,e para descansar algodJo. H
M'OOIlddS dO C&HItfL de.,odos os ,n,aDho! 'melnores qne aqai
Rodas dentadas pa^68-^^^. -
Taixas ie ferro fundido, batido e de cobre.
Alambiques e fundos de alambiques.
SftChi Til SITIOS Panhraand'0Cae !godSo,l Podendolj todos
citvuA&iAoiiiua e para ferrar raadeira. f ser movidos a m5o
Rombas J ipor agaa* vaPr'
wUvb*a ^8 patete, garantidas........ |ou animaes.
Todas as machinas e pecas de que 8e cosloraa precSr-
Faz qualquer concert de machiiiismo' aPrcco moi re8nmido-
Por^lS d* fflrrO tflm 3S me'dores e ma*8 baratas existentes no mer-
^rPITTITnPTl "* <1 m IncuBQbe-ee da mandar vir qoalqner macb'nisroo von-
~UOUiiiLuC311Ua.9* i3,je (j.,8 clientes, iembraDdo-lhes a vantagem de fazerem
mas compras por intermedio de pessoa entendida, e qne em qualquer necessidade pode
nea prestar auxilio.
Arados amsricaiKS e ns,rnmeD,8 ^tko]M-
RA DO BRUM N. 52
PASSANDO O CHAFARIZ
GRANDE REDCQAOEMPRECOS
Attenco. Attenco.
Nalojade Soares Leite Irmos, ra do Baro da
Victoria n. 28.
Caixa de linha com 40 novellos, a 500>s.
dem idem de marca, a 200 rs.
Garrafa de agua florida verdadeira al$2O0
dem kananga do Japo, a 1$200.
dem divina, a 1300 e 1J>200.
Abotoaduras para collete, de todos os
gostos, a 200 rs.
Lampa rias gaz, dando urna luz muito
ooa, a 1J000.
Duzia de pecas de cordo imperial, a
280 rs.
Frasco com tnico oriental do Kemp, a
I5PO00.
dem de oleo Oriza verdadeiro, a 1JM)00.
Duzia de baralhos fraucezes canto doura-
do, a 315400.
dem idem beira lisa, a 2SJ400.
Carrafa de tinta roxa extra-fina, a $000.
Caixa de botes de osso para caica, a
200 rs.
Coques modernos, a 3JJ500.
Caixa de pos para dentes, a 200 rs.
dem idem de pos cbinez, muito bom, a
500 rs. e 15000.
Duzia de sabonetes de amendoa, a 215500
? 3-5G00.
Opiata muito boa, a 19, 15500 c 29000
o frasco.
Duzia de sabonetes de anjinho transparen-
tes, a 2C200.
dem idem com flores, a 19500.
Doa de collarinhos bordados para ho-
mem, a 85000.
Duzia de pecas de traigas caracol branca,
> *00 rs.
Mem idetn lisas brancas,a 200 rs.
COMO SlO LNBOS'!"! **W* *** Go^alves
Os leques todos de madrcperea..braucos v Teem para vender no-sen escritorio ra do
cores e que traan o rt.Mico-U.NIAO em ledras Comniereio n."5, o sgivinte :
tambem de niadreperoia em alto relevo, top- /fiUAftDRNTE de eajCH .eaua e 13 garrafas.
nando-sc por isto aprnpnados para noiras, a .*0 de larui'a iduiu idem
VAjBMfeA ra |.QmVe Caxias n/cS A,u:0s *iIo ^rX *'
(amiga do ptic.mado) qnem os-tem. ,:u i, LbCa,rooonlemcnte chegada.
OCIO 06 taiiaruaa l,A,,l*> de I, para hnnem e senhora, cabo
,'*' de marlim sto.
Os brincos, broches, mems adere*, tnm, pFIXES de ferro, para porta.
eoracoes e rassoletas, que eso oxnosias a Ik FIO Ib algodo da ahia, da faJtrica do commen-
eseolha das Bxmas. (amantes do chicrue) vrit#M mendador Pedroio
na Nova Fsperanca, ra Duque de Caxias rjXHJ ,lo rnriz
n-63- ,* ''HAS .ie pUera.
-AOS Wl&Tl'inOS PANNO de algodao ida B!iia, da fabrka do eou>-
A Nova Esperrnca ra Duque de Oaxiasn.'nEXRoz ^ffi! % Scs, das fabricas de
W, acaba de receuer um lindo sortunento de bo- Peres e Kdiardo Mililao
ecas de. muilas qualidute, vindo entre ellas as RCLHAS proprias para botica,
engrasadas bonecas de borracha, assun lanAem SAI.SAPARHILHA do Para
urna pequea quantidad-: de bonecas pretas que VELAS de cera do lodosos lamaobos.
se tornam apreciadas pela ua novIAde. vi.NHO engarrafado do Porto, cabua de 12 gar-
E bem til
igarr
rafas.
dito Moscatel-do Douro, idem idem.
dito Se tabal, caisas de i e i duiias.
da Italia engarrafado, eaixas de 6 gar-
rafas,
de Collares superior, em aneoretas.
de caj, eaixas A*. 12 gar ah.
Malvasia do Douro, eaiis com 12 gar-
rafas,
ilairavellos, idem idem._______
VENDE-SE
Insignias fnica.
dem idemlisa de cores, a 280 rs.
Resma de papel pautado, a 2?800, 49000
e5000.
dem idem liso, a29600, 3?500e 59000.
.Caixa de papel amisade, beira dourada,
a 800 rs.
dem idem idem usa-, a 600 rs.
dem idem idem, a 400 rs.
Caixa de envelopes forrados, a 700 rs.
Luvas de pellica com toque, a S00
ruis.
Duzia de talberes cabG braoco, 2 B., a
59000
Mago de fita chineza, a 800 rs.
Extractos muito finos e baratos.
Duzia de carros de liaba, 200 jardas, a
70O rs.
dem idem 60 jardas, a 320 rs.
Fita de velludo de todas as cores e largu-
ras.
dem idem de sarja-idem idem.
Sabonetes Glycerino transparentes, a
800 rs.
Chapeos para senhoras e meninas.
Caixa de pennas Perry, a 800 rs.
dem idem, a 4O0 rs.
Caixa de envelopes tarjados, a 500 rs.
Leques para senboras, a 29000, 49000
63JOOO.
'. ivros para notas, a 320.
Kedes (afeitadas com fitas, a 2#400,.
Duzia de collarinhos lisos para homem, a
j 65000.
Lindas e elegantes caixinhas com perfu-
i mes do autor E. Cudray e Gell Frres, pro-
prias para presentes.
prompttpiente restituido 4 aade.
As affeoes e tsordoot, pjrT-
das pela contamina^o escrofulosa,
t proluzirem dore mortificantes,
tm sido tam radical a taja geralroento curada* por elle, em
todos os pontos do Imperio, que o publico mal precisa de ser
rorraaao d
EX-1NTERNO D06 HOSPITAESDE PARS
O SIII.RRV-K1NA o vicho de Quinquina
que hoje preferem a mior parto dos mdi-
cos de hospitaes, dos lentes da faculdado e
["dos membrOS da academia de medicina, j : ormaodassuaavdeaedoniedodeuaal-.
Tem esta preferencia asua explicaco nistoi OveMnoesorofatosoaunidosmais destruidores inimigos
cr t i i i i da raca humana, uro, sennorea-se occujta e tmicoeir.imcnte
que Olerece todas AS GARANTAS que debalde do nosso orgaolsmoe deixa-o fracoe inerme conuia molestia
Se procuram nos productos desse enero em fate5- 0r^ patentei>cc4odeque corrompen o oorpo
r e entao, em momento opportuno, lavra rpidamente sob aleu-
que MUITAS VEZES SE SACRII H;AM AS 0.1 ALIBA- na de suas hediondas formas, ja na cotia j nos orpims
DES TAO ESSENCIAES QUER 00 VINHO, QER i I.t??J1_,e ullimo, caa0 *P?ta-muita*.ef. tubrculo
BOMAS.
Bonecas de cera de todos os tamanhos, com camisolas e ricamente vestidas cada
ama em sua caixa, bonecas de borracha e bolas de todos os tamanhos, candieiros a gaz,
bjectos de porcellana, espelhos de todos os tamanhos com moldura dourada e rosa,
gaiolas de rame, muldurae estampas para quadros etc., etc., emuitos objectos que se
torna longo mencionar.
28 lina ilii Bar da Victoria 28
FAZENDAS PARA ACABAR
Na ra do Cresptt n. 20.
LOJA DE
Guilherme Carneire da Cunha & 6.a
A Nova Esperanca ra Duque 'do Caxias a.
63, eceheu verdadeiro cimento inglez, prepara
cao para concertar porcelana bem til.
Vestido perdido
Muas vezes um vestido torna-so inteiramente
Teio, somente por estar mal enfeitado : a Nova Es-
peranca roa Cuque de Caxia.s n. 63, remove,.
este mal; porque est bem provida dos meltjores
galoes e franjas de todas as cores, onde pode es-.
colher-se vontade sobresahlndo entre eslaa as i
modernas franjas mesaicas, quo pela sua varieda-
de de cores, liea bem em quasi todas as fazendas.: um moleque de 17 anns de dado* pedreiro e
A ella antes que se acabem. enpeiro, robusto : quem prole ider compra-lo di-
TiolOlS de borVClchCL rlj-* a n da Imperntiiz n. 36, prtmeiro andar.
Vendem-se de todos os tamanhos ra Duque.
de Caxias n. 6.1, na Nova Esperanca.
Cabellos brumos s tem queml Amafi
C11IPT qiH!c>iao supprido de filas UJftCOnieas da diverso
2MC' 'graos para os que quizerem'assistir a grande fes-
A Nova Esperanza ra Duque de Caxias a. ta que cstuma se fazer a S. Jiao. padroeiro
63, acata de receber a verdadeira tintura de Di*- das ivsp< lavis tojas maronieas nodia 2i de ju
nous para tingir os cabellos, o (pie se consegue nho.
(emprecandoa) com muita facililade, e por este,------------------^r-----J----------------------------
motivo, cabellos brancos s tem qnem quer. \ CI1U6-SG
EstO yittinOda, "m moleque de 17 aai'S de dada, pedreiro e co-
Os cinturocs de couro, proprios para senhoras, ["'i'--mbus.o : qnem preteoder dirija se a ra da
que recebeu a Nova Esperanza. ra Duque de.
Caxias n. 6.'!. estao, sim, senhora, eslo na muda I '
Se queris ter ou picnarar um ramalhete de
cheirosos cravos brancos para o vosso casamento,
ou para outro fim apropriado, necessario ir idade, bom a.reguezada ; lambern se admitte urna
Nova Esperanca i ra Duipie du Caxias ti. 63, pessoa para socio, entrando coja algum capital,
que all encontrareis os melhorcs poits biuqiuls mas que tenha pratica do raesmn esUdielecunento:
que -c |x')de desejar. quem estivor nosias rondi'/es ou a pretender an-
nuncie |>ara ser procurado.
Imporatriz n. 36 ndar.
Padaria
Vende se urna das inclhores padarias tiesta ci-
SIIERRY KINA
(VINHO DE QUINQUINA HYG1ENICO
PREPARADO COM OS MELHORES V1NIIOS DE HFS-
PAM1A DA'FIRMA
CALVAIRACA. G. C. DESEVILHA
roltNECEDOR DA
M
sua mackstauk
d'hespanha.
POR
A RAIKIIA
TH0HERET GELIS
Pliarinacciitico
As nicas verdadeiras
Bichas hamburguezas qne vem a e-tc mercado:
na ra do Marquoz de oliflda n. il.
Salsaparrilha de Ayer
PARA PURIFICAR O SANOCB.
O renome de ana goza esto x-
cellente remedio devido a milaa-
res de curas qne tem operado, mu-
ltas das qaaes sao Terdadeiramen
maravilnosas. Innmeros sao os
casos em que o systhema^ parecen-
do saturado da odrido de enfer-
midades escrofulosas, tem sido
Titaes.
. nos pulms. no ligado, no cofacto, etc., quando nao se man-
DO QLIXQCtNA (as.vezes il ambOS] OS UI- ifestaem .t. des, tumores, etc.
cros da espec.ui.aoAo [Vor Guia dae gmm
A inn^" t... i^vrigoso e tam prfido nunca se deve dar
U nemes. Do Dr. CONSTANTIN JAMES,.
7.a edicto.
NICO DEPOSITO
PHARMACIA E DROGARA
DE
BARTHOLOME & C. -
Ra Larga do Rosario n. 34.
Vende-se urna taverna, a ra Imperial,
urna das melhores e mais bonitas na freguezia de
S. Jos e muito afreguezada para a trra e matto,
o motivo da venda se dir ao comprador e trata-
as na mesma ra n. 9i.
fi A' vender por causa de 9
A viagem,
S Um exccllente piano da fabrica Buis-
fjf. selot, em perfeito estado.
Cr aratissimo 7605OOO.
(jSl A tratar na ra do Bom Jess n. 35,
Q armazem.
i
Kirida, e D.-1T1L sim, antes -r. recerem os proprios lympthomai activos,
o uaiis.i/.N., ''.. uRUHA. BE A.XEK podera vitar
resurtidos Ainestos. .
As pessaa que 6oflrm de Kryip^u, Fgo 4 8. An-
tonio, Dar tro, Kmptgens, BAeumatUmo, Tuitoret,
Ilcerat, e sensiLilldade dolorosa nos ouvi.los. ollio, 4c;
dr nos oesos; Dytpt^Ua ou ImUgtUmt Ilydroptmim,
ttlestta do Coracao e do Pinado, Epylepiia, Xev-
ralgla e de varias outras afeccSes do systbema muscular e
nervoso, acharo seguro alvio.asando deMa saj.sa.PAM-
JtII.UA DE JLTEB.
A Syphuu oh jfelaatfcM Ytnrm sio curadas com o
seu uso, posto que saja necessario mais dilitao espaco de
tempo para subjugar tam impertinentes enfermidades.
A Leueorrha, ou Ploro Branca, as ulceraces uteri-
nas e em geral as molestias das malheres sao tambem allivia-
das e ulteriormente curadas por sea effeito purificador e
vigerativa
O KhoumatUma e a Gatlq, quando causados por aecu-
malacts de materias extranhas ao sangue, cetlem-lhe fcil-
mente, de raesmo modo o. JTol do Simado, Cogftao ou
Inflammacao do Migado, Ittericia, quando sao oriundas
de maus residuos no sangue.
? Enlif lilil um exeelleote restaurador da
forest e vigor do syetbema.
Aesim, iodos os que soffrerem languor, Phlegma, Dcs-
tnaio, Znooamu e que sao incommodados com Ammrt
fcensees e Tetnore* Xorvooo n qualquer outra sffeccko
provenieate de DebtHdade, acharto do seu poder renovador
o mais seguro expediente de prompta con.
PREPARADA POR
J. C. Ayr & Ca., Lowell, Mass., R U.
Chimieo Practico! e Analytiooi.
VKNDB BK POR
FNIVFI18M, [.( l5S
^
>S
rtv
t
V
Vl*QlO SXC^
P
XAROPE PEITORAL JAMES
EME
PTIMO EMEDIO CONTRA
'I
eneaiado e approvado nos hospitaes de Lisboa,
legaUpente auctoriwdo (pelo ConsdHro- de *Sattth3 Publica,
Actoaa^4> que se aclu tecohecid pelo
Cnsul geral do Imperio do Braz.il.
NICO DEPOSITO E9I PER\AHD1JC0
Xstna. larg-fi do Hoacadrlo
CUSS'
\ijliK.i
QUIHIUI LABARRlfDI
PPRO'.'AOO PELA UCAOtMiA DE MEDICI** OE PABII
0 QuiuiHU Ealiarraque,
um vinho eminentemente t-
nico e febrfugo que deve ser
perferido todas as oufras pre-
paraedes de quina.
Os vinbos de quina ordinaria-
mente emprogados na .medicina
preparam-s* com casca de quina
cuja riqueza era principios acti-
vos extremamente varivcl ;.
parte disso, em rstzo de seu
modo de preparacao, estes vio-'
hos contem apenas vesftgiiM de
principios activos, et port;oes sempre variavais.
0 Quiniiui EnMriraftiic,
af|iR0A'udo pclo-Acadamiii de ae
dicifia, coriitilae pelo controrio
um medienmento de comp'.si-
.50'AetenuiitatUi, rio. cui^jin-
cipios acli-vos, e com o i
<|M>rt.e> ca Parla, L. PUIRE,
mdicos e os docnt&s podem
sempre coatar.
0 QuiHiisn LnlJarraque
prescripto com grande xito s
pessoas fracas, debilitadas, seja
por diwrsas causas mento, seja por anligas moles-
tias; aos atiltes fistigarlos por
urna-repul ^wesGenra, s meiii-
as (jui tem difficitlade em se
formar e.li'sawwj\ii- s^jmIIu;-
res deptiiattaarpanliM :' ibas
ertfiDfjuecWo? pola idiitle ou
doenta.
I*f>c#zo 'te clWit*is,-arhHTfi,
.cjjros .piiUdiis, *s,te, vuJjo. um
^ri.'IdiiwJ*>i]unti par^eseuipu),
0 ^Pi vCiuiJpSiJlWWUIhAp^, pola4*
rapitk actw>.


i
BAZAR NACIONAL
Ra da Impcratriz n. 72
DE
Luiimicii Pereira Mendcsiuimaries
Declara a seus freguezes que tem resolvido vender
saber:
o mais barato que or |-
CHITAS A 160 E 200 RS. O C0VAD0.
Vende-sc chitas franeczas largas com to-
que de avaria, a 1 (i o 200 o covado. Di-
tas li.mpas a 210, 280 e 320 rs. o covado.
CASSAS FHANCEZAS A 320 RS.
Yende-se cassas francezas a 320 e 360 rs.
o covado.
LASffiHAS A 200 RS.
Vendo-.se lsinlias de coros para vestidos,
a 200, 3, 400 e 500 rs. o covado.
ALPACAS A 400 RS.
Vende-se alpacas para vestidos a 400, 500,
640 e 800 rs. o covado.
CODERTAS DE CHITAS A i600.
Vende-se cobertas de chitas de cares, a
l$600 c 2$000. Ditas de pello a 10*00.
Colxas de cores a 10200, 29500 e 40500.
OALES DE LA A 800 RS.
Vende-se chales de la de quadros a 800
rs. e 19000.
Ditos de merino a 20, 30, 'O e 50000.
CA.MIJHA1A15UANCA A 30000.
Vende-se pegas de camurnia branca trans-
parentes e tapada, a 119, 395O0, 40, 40500,
50 e 60000.
S.UAS BRANCAS A 20000.
Yonde-se asas brancas e de cores, para
ieniuias, a 20000 o 20OO.
HONETS A 500 RS.
Vende-so bonets pretos de swla para ho-
mens, a 50D rs. Chapos de palha, (sello o
massa, a 20, 20500, 0000 e 40000.
MADAPOLAO A 30000.
Vende-se (tecas de madapolo enfestado a
30000. Ditos inglezes para os prec1 s de
4, 40500, o, OO00 e7O000.
ALGOD.VO A 39300.
Yende-se pegas de algodo, a 30500, 40,
e 590U0.
BRAMANTE A 10600.
Wnde-se bramante com 10 palmos de
largura para lencol, a 10600, 29 e 29500 o
metro.
GRANDE LIQIDACO DEtSABONETES 280 RS.
Vende-se urna grande porco de sabone-
tes inglezes, a 200 rs. Ditos francezes era
cheiro a 320 e 500 rs.
Agua de colonia,[a200, 320 e 500rs. o
fiasco para liquidar, c outros extractos
muito barato.
A Predilecta,
no empenho du'bem servir aos seus freguezes e
ao publico em geral tem procurado rrover-se do
iiue ha de melhor e da ultima moda nos morca-
dos de Europa para expo-lo aqui venda, cer-
tos de que os seus artigos scro bem apreciados
pelos amantes do bom e barato ; passa a ennu
morar alguns d'ontre ellos, como sojam :
ALB.VS, os mais ricos que tem vindo a oste
mercado, com capas te madroperola,
tartaruga, martiui, velludo c chagrn.
ADERETOS pretos e voltas proprias para luto ;
assim cerno, um hon to sortimonto de
ditas de plaqu, obra Una e muito bem
acabada.
DOTOES para punlios, o que se pode desojar de
melhor em plaqu^ tartaruga, inadre-
perola, marlim e sso.
BOLCAS de velludo, seda, pallia e chagrn,
ha de mais moderno e 1 ndas.
BICOS de seq> e de algodio, tanto branco como
preto, de variados desonhos
CASSOLETAS pretas de metal e de madrope-
rola.
CAIXINHAS para costura, muito ricas e de di-
versos orm tos, cora msica e sem
ella.
COQUES a imitai.-So, p que pode haver de mais
bonito e bom gosto.
DEADEMAS, neste genero a Predilecta apr-
senla um grande e lindo mrtmenta
capaz de satisfazer os caprichos de
qualquer seohora por mais exigente'
que seja.
PORT-BOrQET de madroperola, marflm e tan,
este um objeclo mdisponsavel s se-
nhoras do bom tuin, aiim do aspirar
o aroma das flores sem o inconvenien-
te de nodoarem as luvas, ou mancha-
rom as delicadas man-.
PENTES de tartaruga, de marlim e de bfalo, pa-
ra, alisar os cabellos e tirar bichos.
PERFUMARAS. E" sabido do publico qne a Pre-
CORTrSDBBR INDI: CORES A |-
Vende-sc cortos de brim do cr- pi'i
ral.,3, a 19500 e 29000.
BOTINAS A 39000.
Vende-se botinas para MhwN, a Wf*#
30500, a ellas antes que .v cl
ROUI'A FEITA NAt.ON.M .
Vende-se camisas bramas, i I
29500, 3SO00 I 40000.
Calcas de casemiras de cores, 99, W
79000.
Coletos de caseinira, a 2?, _'" ;:
4000.
I'alitts de casemira, a 40, 60
Scroulas a 14 o 1OO00.
BRIM Di; COtl S A 440 >
Vende-se brim lo tudas as (MW n .^
rs. o c vado.
LENCOS BRANCOS A i
Vende-se a duzia de lis.ms li. .
20000. Dito com barras*!'' or
Ditos de linho a 59000.
TOA LAS A 800 -.
V.iude-M toalhas para ru>io, a W6
19000.
GRAVATAS DE SEDA l'RETA \ 00 M
Vi n le-se gravatas '!< aada prcta,
rs. cada nina.
CHITAS PARAt.tmERTV A
Vondc se chita para eobt'ita, a 2- i
rs. o covailo.
RONETS PARA IE.NINOS \ ir
Vende so lont'tes para iiM-ninn .
ESP A R TIL 1108 PARA SEffOKA \ -
Vende se eapartOhoa para
30500-.
PENTES A 320 RS.
Vcit.lo-!^ pento^ lo alisar, a 2io. ^ i
400 rs.
PO'S DE ARROZ A it II
Vendo-so ()Os lo arroz em c:nvt, i
rs., para liquidar.
KSPELMOS A IM li>.
Vende-se espelhos de div a240e 320 rs.
TESOURA8 A tSt R.
Vende-se tesouras a .120 e 500 rs., para liquidar, e
mudos artigos que se vende !mi ,
quida;o le facturas.
Vasos de crystal para :
t uia R anca, rna do Duqu
Casas n. 50, r foluMi tutnit.ts pan
tal em par mm raiaafnm >l ci-
prias para Mata do MAM, lo.
Anneis e colares ele ';'
A toja d'aguia branra a rita la |
n.'W, n'rbou nova pt!. -1 h* i '
nois L'nlan's i'l"i-':n -. vtin'ri r- '
iiions.ilnionte, p-t<> quo
taes objooii'S
Diademas doura
A loja d'aguia branca i ra RMM i
SO, receben nitvamente bi iiir>< ls'ir -l .-
e enfeit.idi" co pedra< aljofaro. I
loe ptiauusia. Tambem ri-( l .mi i
proii's i>n alttootcs com n\rs [i. i
Leques com bouqueU e
tros ehinezes.
A loja d'aguia branca na 1>
n. 30, rooobou urna fH'quwia quantui '
bonitos loques rom l-ouqu is r mili
Cold reme para reiresci
amaeiar a pello
A loja d'aguia branca a nu Duqm V Ca -,
n. 50, recebeu cold crome ota aanuoi"- .'
tes Lubtn, l.ojrrat e Condray.
Diademas e grampos (h
ac.
A loja i'a agnia branca, rus 1 Dur
Caxias u. '0, ro.-oh.u novaimn'.c i -i
mas e gran p.-s do .n.o.
Bicos de seda pretos tira
flores de cores.
A loja da agnia branca, ma '*
dilecta sempre conserva um importan-' Caxias receben, como novidado b ni' -
te sortimonto de perfumaras de tino seda (irelos com flores do c<>os, **nta*hini a- '-
odor dos mais afamados fabricantes,; les o preto cora encunado, o t Lubin, Piver, sociodade hygienica, Cou-! para barras e outros eafcile e imh-I"- f v
dray, Gosnes e Rimel, que incum- i nadine, ou medraa, e outras fazendas n-r>|"''.-
bido da eseolha dos aromas mais bem tes. Pela commodid.ide do probos o- -
aceitos pela sociedade elegante da nam-se mai commodo, e pola novidaib- V fMMv
Europa,'. e por tanto, acham-se na
possibilidada de bem servir aos aman-
tes dos perl iiines.
A PREDE.ECTA deixa de enumerar urna im-
measidade de artigos, afim de nao mas-
sar aos leitores e se pede a benevo-
leacia do respcilavel publico em di-
rigir-se ra do i abug n. 1 A, pa-
ra convencer-se aonde pode comprar
o que bom e barato, assim como:
FACHAS rwas e modernas do tuquim e gurguro
sala
1MENSVETT0S. Ricqs vestimentas para meninos,
por baratlssimo proco.
FLORES. A Predilecta prima em conservar uro
bello sortimento de flores ao alcance
de qualquer bol .a anda que nao es-
teja bem raplecla do dinheiro.
FITAS. ja bem sabido do publico que s na
Predilecta e que pocem encontrar nm
grande sortimento de lilas de stira,
tafet, velludo, linho e de algodo, por
commodo prego.
GRAMPOS de tartaruga, mtae5o destos, pre-
tos e de cores, o que se pode desejar
de mais moderno e bonito.
GRAVATAS de seda e de cambraia para senhora,
lcos e golinhas de bonitas cores, tam-
bem tem um bom sortimento do gra-
vatas e regatas para homem.
JARROS de porcelana o de tidro muito bonitos
Kki ornatos de sala.
s de seda, de la e de algodio, pa-
ra senhora, meninas e bomem.
LEQUES1. Frico?reqtiesde madreperola, tartaruga,
raarfim e de (teto, os.mais modernos e
p&r barato preep.
LUVAS de pellica, de sede e de algodo, para
Homem $ senhora.
LITROS para mfssa'Ia Predilectrjapreswta es-,
eolha do respeitavel publico nm bello
aortimeTito dest litros cam oapas de
madceperola,-tartaruga, marflm, osso,
veTtado e chagrn, por preces mu'
razoaveis. <
|ktV
proferiveis a quaesquer outros MM
Veos ou mantinhas pi
A loja da agnir. branca, ma doltin .' "-
lias n. SO, reeelD bimitos v-
pretas de seda com flores, e nutras a ao da
croch, e vende as polos barato* m m 31,
44 e 6*000. A fazonda boa e ct
estado, pelo qne continua a lorpr.ii
oan.
Perfeita novidado.
Grampos com borbolctas, bezoi.n -
nbotos dourados o e I
A loja da agnia branca, i rna I > Iti so Vi
Caxias n. 50, receh*ii imvos pi.-.uiix- rasa km-
boletas, becouro6 e gafanholos i a .- itra *
perfeita no vid de. A quantidadc c 'pneaa, o
por isso em breve so acabar.
Novas golliuhasorna pelucia ou arminl-o
A loja dapuia branca roa Duque 80, receben urna pequeaa quatidadr de a*sn-
s e novas gollinhas, trabamo de 14 s-da. aa-
nojtadas com arminho, obras Mas de maii m*>
e inteiramente aovas.
Grampos, brincos e rosetas
dourados.
A loja da aguas branca, a ra do Dmmml
Caxias n. '>0, receben novanveate boai'os
pos, brincos e rozetas dofiradee ; as* tas
novos diadamas da ac, a
da a voade-laspor precos
e.
Pharmaciade'
Maurer & .
A "Predilecta, i roa rteCabirg* n. 1 A. acaba
de ra 'ber pelo ultimo paquete chegado da En-
' Wtpa, nm betlo sortimento de oorpiOhos de cam-
braia bordados para senhoras e meninas, golli-
nhas e punhos tambem bordados e de phantazia,
saias bordadas, ditas com entremeios para senho-
'ras, bonitas caleinhas de diversos tapadinhos
transparentes para meninas, qne tudo vende
1 per barato preco.
Caixinhas com pos dourados
e prateados, para cabellos.
Venae-sa na loja da Afina Brama rna do B-
que do eaiias n. 80.
Luvas dp^>elliea preta.se do
outras cores.
A leja da Airaia Rranca, raa Dafne de
lias n. 80, redeb! novo .ortimeoU e '
pellica, pretus e de outras cores.
Vende-se
a padaria nana do CmMm Aatow : mm -. 71.
em Santo Amaro das Salinas, p
retirar-se para Portugal a tratar fe i


8
Diario de Pernambuco Sabbado 28 de Junko de 1873.
ASSEMBLEA GERAL
CMARA DOS DEPUTADOS.
DISCURSO PROFERIDO NA SESS.lO DE 30. DE
HAIQ DE 1873.
O SR. J. DE ALENCAR : -( Attengo.)
Acudo ein defeza do meu partido o das
minhas ideas, acudo ii defeza da ver-
dade.
O paiz conlicce a posigo quo tomei na
poltica ; militas vezes a tenho defendida
nesta casa. lista posigo se me impoe o
arduo dever de fa/.cr a!;,'umas exprobages
ao meu partido, nom pur isso me sola
dille, nao nao divorcia de miulias crengas ;
nao me separa da opinio conservadora,'
sombra da qual tenho prestado alguns ser-
vgos ao meu paiz. (Apoiados).
Serapre que fr atacado o partido conser-
vador era suas tradigoes, em seus princi-
pios, bao de mo eucontrar uesta tribuna e
quando nao tiver accesso a ella, bao de me
encontrar na imprensa, para defende-lo.
( Muito bem, apoiados. )
0 ataque feito nao s ao partido conser-
vador como aos dois partidos governaeu-
taes do paiz, parti de quem nao tinba este
direito, porque loriga de estar collocado cm
urna posigo sobranceira e Lnparcal, adia-
se inteiramonte identificado com un dessos
partido liberal que elle acaba do abaler al
o p. ( Apoia lo).
Nao se concebe, senhores, que um mem-
bro do partido liberal, son orgo na tribu-
na, onde falla como representante do suas
ideas e em nomo de seus correligionarios,
sustentado na imprensa pelo jorn 1 de sua
cor poltica, nio se concebe que um dipu-
tado neslas condices venba aqui.abatero
seu proprio partido, desacreditado no con-
ceito publico, indo at o ponto de conside-
rar que chogou ao pessimo na poltica do
paiz 1
0 Sil. SiLVEIRA MARTINS :CoiflO O
partido conservador chegou a peior.
0 Su. J. de Alencar:Com que titulo p-
di este partido aspirar mais ao poder "? Nao
comprelieiideu o nobre deputa lo que assim
tirava a seu partido a forga moral para
aceitar o governo e exerce lo quando tocar-
lite a vez ? ( Muito bem. )
Entendo, seuliores, que nos g vernos
pai lamentaros os partidos se devem, como
os cavalliuiros, mutuo respeito (muitos
apoiados), sao ambos os instrumentos da
govornago do paiz : o que est boje em
Opposico ara.inia sir governo.
Estas anuas que foram h'-jo brandidas
aqu tiesta casa sao perigosas, sao armas de
dois gumes, que tatito ferem o adversario
como aquello que as empunba. (Muito
bem. )
E, scohoros, nao sai os gabinetes, ou
liberaos ou conservadores, as victimas" na
lula que se trava com semelbantes armas ;
o que ellas ferem e no amago o systema
representativo, que devemos manter, a
irebia que juramos defender.
O Si;. Silveira Martins :Dou-lho os
parabens ; nao I he conbecia tanto amor.
O Sr. Ralbino da Cu.nha :- Isto que
fallare \erdade ao paiz, tudo mais sao fi-
transformados em armas de opposigo, que E' de certo grande honra para o Sr. Tbiers
mais tarde tero de forir os proprios que ser vencido em to boa camaradagem. Pelo
as manejam insuflando os paixdes popula- seu lado as grandes inteligencias, escriptores
res. 0 contrasto nao poda ser mais per- dislinctissimos, sabios conbecidosein toda a
feto. Europa.; do lado contrario os nobres, o cor-
0 Sr. Silveira Martins :E' a poltica tejo de todos os thronos, os que na mxima
das reconvengoes. parte se julgam isentos de estudar, de pen-
0 Sr. J. be Alemcar :-rCttaram-se sar, de trabalhar, porque herdaram de inui
exemplos da Bolgca pu-a justificar a nter-1 tos avs as trras que outros grangearn, para
pellaco ou pelo menos a posigo tomada'nunca serem perturbados no seu doke fur
pelo orador a qaefn respondo. Mas po--\niente.
que em vez desse facto, quo nenbuma par- Na assombla ha de tudo, como em todos
dado tem nao procuramos exemplos na cul- os parlamentos. L ppareceu logo depois
ta Inglaterra, do systema representativo, da queda do Sr. Thiers um membro da as-
ondeos acharemos to fri-queutes e com- sembla, que sempre votara com o governo,
rnnis? Quando no parlamento inglez so. a fallar contra o Sr. Thiers, oque suscitou
vio interpelar um ministro de repente da parto de um membro da esquerda este
sobreacoutecimentos de que anda elle nao aparte engracado :Amicus Plato, sed mn-
tcm noticia ou sobre, factos deque ogover- gis rnica potistas.
no nao recejjeu informages ? (Apoiados). Outro incidente curioso foi o do presiden-
Quaudo, Senbores, no parlamento inglez, te Buffet, que tinba entrado no plano de der-
por causa de urna reuniao e.-n Londres, on- ribar o governo de Tbiers, querer hypocri-
de as ha to numerosas, se provocou um tarnente lastimar a demisso deste; mas a
gabinete a urna discusso, cujo nico fim esquerda nao deixou progredir aquellecy-
tirarao governo a forra moral para man- nico, orignando-se um tumulto que o nao
ter a ordem e a seguranga publica ? (Apoia- deixou continuar a fallar,
dos. ) Em summa, mais urna vez uina maioria,
Se a reuniao pacifica dos cidados um intellectualmente inuilo inferior minora,
direito reconhecidu e nao contestado, as'- mas superior emnninero, deu um passo,ru-
siui como os abusos commettidos no exer- jas consequencias nSo sao facis de prever,
cicio desse diroito sao factos ordinarios da mis cuja intengo a de derribar a repu-
vi la publica, cabera as attribuiges do blica que q Sr. Thiers jnlgava ter ehegado o
poler executivo que se presume nao deixa- momento opporluno Je solidificar. O plo-
ra de cu.nprir deveres tao triviaes. beu, elevado pelos seus talento e grande ex-
No caso porm.de motrar se elle negligen- periencia dos negocios", foi derribado pelos
te ou arbitrario, i opposico lica o direito cortezos da monarchia : no lugar do bo-
de accusa-lo nos debates, assim como a mem quealvoua Franca foi collucada urna
maioria de ibe negar a confianza sem a espada I Isto, porui, provisoriamente em-
qual nao pode vi er. (\poiados-) quanto se uo canta o rei cheg&it.
E' desta forma que se realisa o governo
urna verdadoira espinheta, com cobertura !e urna mulher que estata de hospeda cho*
Af)i)ni nXn M.u. ni___________? .______ __.l_ ti .__* ___i'._.. ... .._____ L.-
parlamentar. Pela discusso ou pelo voto
cohibem-seos abusos commettidos polo ga-
0 PRETENDERTE TICHBRSE^-Conti-
' na em Londres o ji/lgamento (Xa- celebre
bnete, mas o parlamento nao tem o direito causa Tichbome no tribunal Queevf&lknch.
de entrar na investigago dos detalhes da At ao da 27 de maio conta 26 ausencias.
aduiinistrago. Nao pode quando lhe pa-. Fallou o advogado aecusador, leronv-se os
ropa submetter um ministro a interroga- interrogatorios do reo na causa civil, eesto
torio sobre o exercicio de attribuiges me- sendo perguntadas as teslemunhas de-aecu-
ra nente executvas. Porque nao prev
niste ? Porque nao pediste informacoes?
Forque nao nomeaste T Porque nao de-
mi tliste?
dem.
sac,ao.
Na audiencia do dia 23 de maio deposo
capito Tbomaz (Jatos, que ia a bordb'do
E outras minudencias desta nr-' Helia, que naufragou, e em que embajcixi
Rogero Tichborne, no Rio, em abril ib
Asscguro ao nobre deputado, asseguro 1854.
cmara, que eu nao sena ministro em taes
condices e duvido que um homem de brios
sujeite-se a to humilhanto posigo. (Mui-
tos apoiados.)
Outra a igo que nos d o parlamento
da Inglaterra. Quando os factos sao pela
sua gravidade de natureza a sobresaltar a
opinio, pedem-se explicaces ao gabinete
nao com o fim do crear-lho difficuldades,
massim de serenar os nimos.
(Ha um aparte.)
A opposigao tem, e unguem lhe contesta,
Esta testomunha dcscreveu o embarque db
Rogero Tichborne, e perguntado se o reo t'
nha alguma seuielhangacun elle, responden
que nao tinha nenhuma.
ordinaria e ps curvos. E urna preciosa re-
liquia que ser bem appetecida pelos ama-
dores.
CANTORES NEGROS.Acaba de chegar
a Londres urna sociedadede cantores uegros,
a qual se intitula Cantores do jubilen. Com-
pe-se de sute senhoras e quatro homens, to-
dos escravos emancipados. Receberam a
sua educago musical na universidade de
Fisk, um dos sele estabelecinenioe creados
nos Estados-Unidos pela Sociedade Misiona-
ra, osquaesteem por fin crear professores
que sao enviados s Indias Occidentaes e
frica para propagaren! os conliecimentos da
msica.
INCENDIO DE LM TIIEATRO.Refere
um telegramma de Malta que fra re,duzdo
a cinzas na noite de -16 do maio o theatro
Real do barro Valrtte. Pelas 2 horas, du-
rante a representaeo de ama nova opera in-
titulada A Virginie del Cuslello, pegou fogo
a om bastidor e dentro de algnns minutos
lodo o mlerior do ediicro- estava em cham-
mas* Motive grande pan'Krr entre os habi-
tarrles, que fugiram aos mnaves da cidade,
julgahlo que as proximidades do titea tro
incendiado baria grandes depsitos de pl-
vora. Felizmente, nao morreo ningaera.
As autoridades eivis, navaese militares-, bern
como a tfipolag*> da fragata austraca Am-
dolo, concofrerarn activamente paa a ettne-
5/S0 do incendio'.
0 SHAII IVA l'EUSIA.L-se ps*guinte
010 una folln estrangeira ;
w Acha-se '$t em' Sv Petersburgo Nosar
Kdd?H, shah da Prsia e q.urto soberbio da
dyuastta kbadyar,. qnedtesde o secuta pas-
sado reina nrqueHii1 noci da Asia. Este
monarrha, que conta-apenas- t3 annos'v- su-
bi ao ihrono doseu pai em 18i8 ejuata-
mente com o seu gran-vzir Togi-Shkau snu-
be crear a administnagao- e organisar Jm
venladeiro exercito na- l'ersia. Hoje, tra-
quiltos os-seus estado^-, rwaiisa o sonho da
sua vida, que era urna viagem pela Europa,
principiando pela crtr do seu poderoso vi-
sinho o czar de todas as-Russias-,- que o re-
cebeuesplndidamente. Almde tresdassuas
mada Mara, sentirn) que o aggressor cha-
mado Santos, aguadeiro.e que vivia tambem
como hospede, se levantava da cama, diri-
gindo-se ;i porta da escada, e fechando-a
chave por dentro.
Feito-isto, armou-se de urna navalha das
chamadas gallegas, do curtas dmensoes, e
arremetteu com as mulheres, que estavam
todas juntas a cozer n'um quarto.
A dona da casa, Marcollina, admoestou
Santos edisselhe que fechasse a arma ; mas
elle, em vez ilefnzer caso,' assuntou-lhe duas
tacadas.
Mara quiz tolbe-lo de continuar, o reco-
beu tambem algumas focadas, por fortuna
leves.
Urna rapariga de 13 annos, sobrinba de
Marcellina, agarrou Santos pela jaqueta, cui-
dando que assim poderla salvar as mais da
furia do assassino.
Na Iota parece que cabio ao chao o can-
deiro, Picando ludo s escoras.
As mulheres entraran ento a gritar,
acudiram muitos vizinhos, aos quaes o ag-
gressor ia tirando quanto i.-ucontraia a mo,
por forma tal quo tiveram de retirar se os
que aeudiam.
Entretanto < nantos procurotr na escuri-
dao as suas victimas, e encontraiidi s a des
gracada Marcellina, crivou a de piii*haladas
na cara, cabega, perua direitai pcito e
ventre.
As mais ssconderam-se debaixo ifa' mesa,
at que os vizinhos, arropihando nina jatiel-
l de grades, poderarm por a salvo a-3-orian-
*;as.
Durante csi lempo linbam chegdb-os
janenlas, que Nspararan1 alguns tiros ile re-
wo!>ver sobre o aggressor,. tiros a que este
responda ai-rerosss'ando ^uautos trastes-en-
coiift'sva mo. Acudirn* os voluntarios,
e durante o fogo aahionicrto o guarda d*
ordem> publica.
Umdes?es guariJesj-vendo-irabiro compa
nheiro; fc.'z-se forte por traz Ve om colchan
.e dspaiiou um.rowolver contra Santos, que
atrou unta garrafa agua:dn>, cahindo este
ao chao enm urna forte contusa'* no joelho
direito.
O'fogo durou aindff'muito tempo, assim
s escuras^- a anciedade pelo desenlace era
esposa?, acofltpanbarn-o-shah nesto viagem entre o povofeo que ssajuntar.
de quatro mezes, na qual' se propoe visitar
iBorlim, Londres, Pars e-Venna, o-gran-vj-
zir, os ministtos da guerra; fazenda e us-
Irueelo publica, que todo*- usam do titulo
ligr as.
U Sk. J. de Alkncar :Seuliores, res-
peito o partido que combato o entendo que
esse respeito deveser observado mutuamen-
te como urna regra invariavel de proceder
entre os partidos governanientaes. Es'.
bou) longe da minha iutengao la/icar qual-
quer imptaCaO menos airosa, qualquer
aecusago olunsiva ao partido liberal, ou
antes a esse partido que dominou na situa-
jo la.-sada, o cuja denominago ser um
problema para a historia. ( Muitos apoia-
dos.)
Tenho na devida consi leragao o partido
libera!, do queja dei provas na tribuna e
oa imprensa, estimo os seus chefes e pego
aos seus representantes nesta casa que nao
tornera as palavras que me possam escapar
como aggresso ao seu partido, quando nao
sao mais do que una justa defeza.
Soja, pois, perraittdo dizer que a histo-
ria da situago conservadora nao pode, por
furnia alguma, adnrittir o paralello com a
historia da situago liberal.. (Muitos
B| iados. j
0 Sr. Silveiia Mautins:-Nao pode;
Qca mnito abaixo. ( Reclamagoes e apar-
te,. ,
O Srs. Ei.NAPio Deiro' e Silveira Mar-
TIM6 do apartes e o Sr. presidente reclama
attciigo.
0 Su. J.'de Ale.ncar :(com irona) Seja
o nobre deputado generoso; tenho a voz fraca
nao me queira tolher por esse raeio o uso
da palavra.
0 Su. Silveira Martins :Eu referi-me
ao governo do paiz de 18 a 22 at agora.
OSr.GosmaO Loro:De 1840 paraca
disse V. Exc.
O Sr. J. de Alescar : A situago libe-
ral esti julgada e condemnada pelos mais
distinctos liberaes, com termos severos que
eu nao repetire. A fuso que se operou
com a assengo do partido conservador m
curto espago de urna noite, esta fuso pro-
duzida pela irrtagao da perda do poder e
tal vez pela esperanga fallaz de recobra-lo,
nao lavou aquella formal conderaiago dos
cheles liberaes. ( Muitos apoiados.)
0 Sr. Silveira Martins :- Censuro o
progressismo liberal, como censuro o pro-
gresaismo conservador.
0 Sr. J. de Alencar :Escuso de alon-
gar-me repassando a bistorii desse periodo
progressista que est bem vivo na memoria
de todos. Recordarei apenas um facto
anlogo ao incidente que provocou esta dis-
cusso. (Apoiados.)
Houve na mesma provincia de Pemam-
bco durante o dominio liberal urna oc-
currencia semelbante a que servio de pre-
texto presente interpellago.
Um Sr. Deputado :Dous factos.
0 Sr. J. de Alencar :Qual foi a attitu-
de do partido conservador nesta emergen-
cia ? A attitude nobre e digna de um par-
tido governamental como so mostrou sem-
pre na adversidade, nao favorecendo pai-
xdes populares, ainda quando dahi surgis-
se difficuldades serias ao governo. Recor-
do-me perfeitamente do que se passou a
proposito da occurcencia de Pernambuco.
Na imprensa algumas publicagoes talvez
appareceram com espirito de opposgo ;
porque nao possivel manir,no jornalsmo
harmona na manfestagol|o pensamento
do partido ; mas na tribuna o" partido con-
servador poriou-se como deyla com a gene-
rosidade e nobreza que Tranca desmentio
na adversidade. ( Apoiados. )
Uma Voz :Foi um digno conservador
que escreveu um importante protesto a esse
respeito.
0 Sr. J. de Alencar :-^Entretanto, se-
nltores, os menores faetgs sSo actualmente
o direito ampio de uiscutir ; mas nao tem o ,se r Que havia 20 annos tivera reraees com
direito de exigir do ministerio informacoes Arthur Orton, e que passeou1 murtas vezes
immediatas sobre oceurreneias das quaes com elle, que depois elle fni para a America
nao est elle no pleno conhecimento, como. e para a Australia d'onde lhe escrevia ; que
succede com esta, motivou o requerimento e vio badeus annos no tribunal civil, e que
do nobre deputado pelo municipio neutro, logo que oouvio fallar o reconbeceu imme-
mcu honrado amigo, que primeiro fallou. diatamente pela voz; e que notinha ame-
Quc cabimento tem esta discusso acerca; or duvida sobre a identidade- o reo e de
dos factos que nao esto provados e por Arthur Orton, que a mesnm-pessoa.
Mr. Uakcs viveu en* Uobart Town, e co-jde principe, e outros seis grandes persona-
nheceu alli o reo como cacuieeiro e com o'gens da corte bem como 40 generas, gen-
nomo do Arthur Orton.
Mr. Fettit Smith conhece o reo em Wagga-
Wagga com o nomo de Tbomaz Castro, e de-
clarou, que este lhe bava toq^ie aprende-
r a carmeeiro em Londres.
No da 25 depoz Mary Ana Loder, e dis-
ora apenas constam de noticias de gazetas
polticas sempre to exageradas e parciaes ?
(Apoiados.)
0 Sil. DlOO de Vasconcellos :Do fo-
Ihelins.
0 Sr. J. de Alencar : Emquanto o
governo nao estiver habilitado com os dados
Depozeram mais 5 testemuiihasy todas re-
sidentes em Wapping, e conaecerara- toda a
familia de Arthur Orton, e este desde peque-
no, e todas aftirmaram que Ibes pareen ser o
reo.
No dia 27 reconheceo-se por um emprea-
do iro registro martimo, que Arthur Orton
olficiaos e nao disposor de exactas informa- embfercra para Valparaizo em, 184S, voltra
gcs, nao lia cortamente base para urna seria .era 1851, e sahio para a Australia.em 1852.
e proficua discusso. (Apoiados.) Este depoimento combinoacompletaraen-
0 nobre ministro do iu.perio, em relago te com o de Mary Ann Loder..
a quem nao soifsuspeito, porque lhe tenho j Deposerara mais 12 testomunhas, que co-
feito opposigo e nao renuncio a esse di- nheceram toda a familia Orton. Abjuraas
reito quando julgue conveniente exerce-lo,! deHas reconheceram sem a menor duvida o
o nobre ministro do imperio se apressou era reo como* Arthur Orton, outras affirmaram-
dar sobre as oceurreneias de Pernambuco n'o com menos certeza, dizeudo* que lhe pa-
as informages que tinha de momento: recia ser efte, fzendo diflrenga por se te-
declarando que a ser exacta a verso dos,rera passado muitos annos. depois. q*ie em-
factos qual anegara a seu conhecimento, barcou.
nao duvidava tomar a responsabilidade dos No dia 29 foi a 28.* audiencia. Est
actos do presidente, em quem depositava quasi terminada ainquiric,aodas.testenunhas
plena contianga. moradoras em Wapping, bairro prximo das
O Sr. Paulino Nogueira : 0 que .dokas de Londres, onde vivia a familia do
muito o honra. 'carniceiro Arthur Orton, eque cooaeceram
0 Su. J. de Alencar : Sinceramente esto desde pequeo.
acompanho o nobre ministro do imperio na
confianga que lhe inspiram a prudencia,
Quasi todos reconheceram o reo. como -Ar-
thw Orton.
circumspecco e altos dotes do Ilustrado Seguera-so os depoimenlos de alguns mem-
cidado que exerce o cargo de presidente da bros da familia Tichborne,. quo devem ser
muito importantes.
Depois ho de ser inqueridos 12 ofliciaes
que serviram com o verdadeiro Rogero Tich-
provmcia" de Pernambuco. (Muitos apoia-
dos.)
Depois da declaragao muito explcita do
nobre ministro do imperio, que podia exi- [borne no regiment de carabineros. Tam-
mr-so de a dar de prorapto ; nao havia bem teem de depor testemuahas que conbe-
que rephear em instituir urna discusso ceram Rogero Tichborne no collegio de
tora de todo o proposito. 0 que resta va Stonyhurst, em Lancaster, o melhor estabe-
era aguardarcm-se ulteriores informages ;' lecimento catholico de instrucgo em Ingla
trra, mdicos e ronrtas outras testeraunhas,
Cacula-se que o inqueritodas testeraunias.
anda levar 5 ou & semanas, e s ento fal-
lar o Dr. Kenealy defensor do reo.
RAPTO DE MULHERES.Em Cof.po-
e vista do procedimento do governo era
relagio a seus agentes, accusa-lo se nao
cumprir com os deveres do poder executivo,
incumbido de tornar effectiva a le e ga-
rantir a orden e seguranga publica, a c-
mara se pronunciara por um voto de repro-
vago ou de adheso acerca do procedmea- voagio de alguma importancia na Thessaua,
to do gabinete. foram raptadas por urna quadrilha de ban-
Agora, porra, depois de ouvida a palavra didos todas as mulheres emquanto seus na-
do governo, nada raas havia que discutir, ridos ou pais se empregavam nos trabamos
do campo. Nao contentes com essa. repeti-
gio do antigo rapto das Sabinas os. ladroe,
impozeram ao povo urna grande somm
como resgate. Reunio-se a quantia pedida,
nao sem grandes esforgos, porra multas das
mulheres e tilbas roubadas connuaram a
(Continuar-se-haj
VARIEDADE
OS NOBRES EM FRANCA.E' curiosa a
de estado.
Contra o Sr. Thiers votaram :
Principe.
Duques .
Marqueze6,
Condes ,
Viscondes ,
Bares.....13
A favor do Sr. Thiers votaram apenas:'
Mrquez. 1 1
Condes .... 5
1
8
25
37
11
relago dos raerabros da as^erabla franceza ficarem poder dos bandidos. Ajustigatur-
que votaram pro a contra o governo do Sr., ca j tomou conhecimento do facto.
Thiers na recente batalha que por 16 votos'
de maioriaderrubou ste eminente homem 1 TRAFICO DE CARNE HUMANA. Um
' trafico vergonhoso, refero um periodico.es-
I trangeiro, tem lugar na Europa, em pleno
1 scalo XIX, o trafico que se verifica na Tran-
'silvania. Alguns mercadores percorrem o
\ paiz e compram as jovens que se Ibes apre-
sentam, as quaes sao lego conduzidas para a
1 Moldavia e para outras regios da Asia. 0
prego dcada urna regula de 8 a 10 duca-
dos, segundo a sua formosura e outras qua-
lidades pessoaes.
I ltimamente 143 destas desgragadas foram
Do todos estes fidaigos, -domados at este arrancadas das mos de seus miseraveis tra-
momento pela inexcodivel habilidade do Sr. ficantes pelo director da alfandegade Otjoi.
Thiers, poucos sao os conhecidos pelos seus Estes obstculos, porra, a os perigos ou ns-
talentos,* dous delles (o principe de Join- eos a que expoemasua fortuna nao demo-
ville e o duque de Aumale) teem sangue vera os traficantes, que para enriquecer-se
real, apezar de nao muito poro. proUuram outros cammhos, alguns extravia-
Entre os plebeus que sustenlaram o Sr. dos, que conduzem Moldavia. Algumas
Thiers, e ftguram nesta votago, ha notbi- das infelizes podem is yezes fugir, porm as
lidadesbem conhecidas no mundo poltico, fadigasmoraes e materiaes de todo o genero
scentfico e litterario. Citaremos por exera- prostram murtas dellas de tal modo que suc-
pl0 cumbem antes de chogarera ao seu destino.
Arago, Barthelemy St. Hilaire, LuizBlanc, '~nm u .
Esquirosl Julio Favre, Gambotta, Uboulaye, 0 P*, DE SCHUBERT.-Acaba de ser
Lefranc,Littr, Henri Martin, Pelletan, Pey- expost na expoaigao da Vienna o piano que
rat. Picard, Pressens, Edgar Quinet, Julio pertenceu Francisco gehubert. Diz urna
Simn, Tardieu, Tocqueville, Vacherot/ ele. folha da localidade que asse mstrol^anto i idade, otrtra de treze annos, sobnnha sua
aiv
As festas da'capital da-Russia anrres-
ponlera em tudc importante visita qje re-
cebe o seu soberao, e a BU*' viagam desde
Astrakan at Mose&v e de Mwseow a Sv Pe-
tersfergo foi unviH.-ontuiua ovago.
A imprensa ouropcia te* desorpl os
trages orientaes dshah da Pfcrsia, coberos
de pedraras, e os presentes d brilhantes,
rub* e saphiras, se-vallos, armas encrusta-
das de petlras preciosas, feitos-pelo sobeonao
asitwo ao imperador Alexandre. E' sabido
que os- soberanos t! Persia foraai os heodei-
ros (logran Moger-e que sensores de um
pod*ro> imperio, que nao tem divida-a*
gura,, e possuidores-de thesos incalcuki-
veis e-de urna qu&ntidade de diumantes-s-
periores a quantos lu no resto do mundo,
considara-se o shaheorao o nuis rico dos
soberanos da Asia e da Europa^ Durante a
ausencia dos seus estados, a k'er-sia govev>
nada por seu tio Forbad Mita o seu Gibo
Kamraii Mir/a, como regentes ba Inglaterra est j p/eporado o pa-
lacio d.> raiiiha paca>reeeber o -sJi.tli, devoo-
do bavt-r tambem -hi sua homa urna revis-
ta ei Windsor e grandes uaauobras aa-
vaes^
Antes d sahir de S. Petersburgo,. do
dia S9 de maio, fes--.orna visita, acompanha-
do do^eu primeiro ministro,.ao principe de
Gortscbvikoff, com o qual te*e urna den>o-
rada conferencia. Em Berln, onde devia
chegar no dia 31,. preparava-se-lhe urna
grande recepgo. Em Potsdlam ir recebe-lo
o imperador da Alieiianha, .os jirincipos im-
periaes e os da caM.real, o chanceller do
imperio e numeremos gsMcraes do exer-
CtOv.
ftograiiili! janl^rqpe leve lugar no pala-
cio.de Invern, cm.S. Petersburgo, o shah
da.Persia fez um brinde em resposta.a ou-
tro. do imperador,, dizeudo em francez-.
. Bebo sadede S. M. o imperador de
todas as Russiass Como a religio que
professa nolhe-permtt beber vi nao, o shah
fez a sade com. agua aasucarada. A' nout o
shah foi ao theatro Miguel, 011 U> assistio a
nma represiiitago. de magia e prestidigita-
cao. No dia seguinto visitou os~ membros^
da familia impprial n principa* de Gorts^
cbakoff, chanceller do imperio..
NOVO SYSTEMA DE REFLECTORESv
L-se o seguinle na Frdnce :
A adruustraeo de gaz 'az adaptar,- es-
te momento a todos os reverberos dos bec-
cos de Pasis um novo systema de reflecto-
res, que,, augmentando a olaridade dacham-
ma, di minu e consumo do gaz. 0 bico
actual dividido em tres, bastes separadas e
redondas, por detraz das quaes se colloca o
novo eftector, construido, em, Srroa de pris-
ma, mas com urna concavidad^ no centro
de cada face. As experiencias especiaes
feitas anteriormente pela administrago do
gaz deram o melhor resultado.. Se a appli-
cago actual surtir o raesrao effeito, todos
osbicos indistinctamente sero mudados do
novo apparelbo, o que produzir para a ci-
dade urna grande economa. 0 bico modi-
ficado, nao sendo composto sendo de tres
quartos do bico ordinario, offereco urna eco-
noma de modo a ser o consumo actual re-
duzido um quarto.
DRAMA HORROROSO.Na noite do 3
do correte foi theatro de um sangrento dra-
ma a ra del Lobo, em Madrid.
Por volta das deze meia ouvirara-segritos
de socorro, que partirara de urna agua
furtada da casa n. 9. Acudiram tres guar-
das civis, que ao entrar no quarto donde se
gritava, levara-n cora varios objectos que de
um canto lhes arremessava um homem.
Pouco depois acudiram forgas de volunta-
rios, de guardas da ordem publica e do mu-
nicipio, que principiaram nutrido fogo, fi-
cand.o raorto o aggressor.
Terminado o fogo pode entrar-se no apo-
sento, porta do qual estava estendido o ag-
gressor, e mais dentro urna guarda, morlo
por urna bala. 0 que tinba succedido refe-
ra-so succintamente deste modo :
Cerca das dez horas as mulheres que v-
viam naqttfe agua-furtada, que eram Mar-
cellina Vital, com duas meninas de curta
Lejnbrarwn-se de fazor- dois buracos, um
no telhado, otiiro n'um'tabique- Por um
desses-vira:: Santos escondido no seu re-
cauto ; dispaMVMvHM alguns ticos, e ao
encnmiiihar-?epra a porta para fcgir, ca-
hii>morlo d urna bala ne-peito.
As duas nvdhervs e as diangas foram cu-
rar^se casa de succorro mais prjima, e
os cada veres snwa para o hospital.
O-diaros liaspanhoes uio- dizan cousa
alguma do qiie ieterminn Santo*-a eom-
metw o crme..
A OLAQLE W38 TRIBUN.U-S;Cco to-
dos osseus confrndtes, tinha o diiector do
Grantt theatre de Lyon claryte e ebefe da
mesDiti: Este empregado era retribuido
com bhetes de entrada, os qaaes elle ven-
da prego redWda aos sugeto qjue se
compiomettess seu enthusiasmo pelas operas e pelos artis-
tas, erabora nao tivssem em conseieneia do
que faziam.
No njez de fevereiim ultimo o-ompresario,
l por motivos qse-eUe sabia, JeliUeroosup-
prr o logar de chefe de claque, desse lem-
po octpodo por um. lal Carlos, qiae por so-
brenoraeno perea^
O uomem rebcHPttOO contra o etnpreza-
rio e eiton-o anteo tribunal civil,, aira de
lhe garantir o \vyt durante aquella aoca
theatral. Seguiu- a. ilcmanda odlufaflH'
perdeiu
Ainda suspetaado do seu bs>R>. direito,
ou aconselhado por.algnm desses^dvogados
dos quaes falla Miguel doCoutoaos-seusepi-
grammas, interpon, recurso para. a relago
do d^lricto
Nesto tribunal receben o recrvente nova
ligo.,.. pordeu aba taraban a demanda.
A sentenga da prueira instancia, foi con-
firmada, fundamentando o tribunal o seu
accoFeo pelo modo que va i ler-so.
Dia assim :
*.< Considerando epae a forca. almgatcria
de toda a convuncao, que oeompromisso
seja-contrabido. por um motivoitiridicamen-
te licito ; quo se nao pode ailmillr como
ccmpativel com.o n*speito da ia moral urna
esiipnlaco, cajo fim expresso provocar de-J
monstrages 8 applausos mentirosos, pagos,
a dinheiro ; quo taes comprotnissos, repro-
vados pela conscieucia o pola moral, sao por
igual contrarios ordem publica, pois que
tendera a impeVlir a liberdade de apreoiauo
ilos espectadores; que a pedido de Carlos
de..., teiuro por 1'undainen.o a execugio do
um contrato,, que nao pede ter existencia
legal, nio. pode occasionar urna accloutil
perante- a. justiga.
Por esto accordo licaaam os diujimus
equiparados aos que exercem misteres im-
moraes o illicitos.
CM-MtS SOBRE CRIMF.S.Era. Duken-
fildumferreiro chamado EtcheWeseommet-
te dois assassinios. Tomando um martel-
loi do seu ofiicio, descarregou uus poucos de
golpes na cabega de sua mulber, que esta-
va na carta e dormindo ; depois pela mes-
ma sorte matou um filho.
A mulher ficou com o crneo esmigalba-
lhado ; mas viveu ainda algumas horas.
0 malvado teodo praticado aquelles cri-
mes, abalou do casa, o n'um logar prximo
se enforcou n'uma arvorc.
Era homem de "mo comportamento o at
consta que na America tinha j comraettido
um homicidio,
VOAR O: NAO V0AR|?Vemos as
folbas cstrangeiras, que se falla agora muito
no homem voador, que se propoe fazer ma-
nobrar um aerstato, no qual so observa um
apparelbo que contm modificages ainda
nao conhecidas, n'aquolla especialidad.
A primoira experiencia se realisar era
Bruxellas. 0 tenonto Vangeriine, repetidor
de mechanica na escola militar da dita ci-
dade, escreveu um relatorio, sendo consul-
tado pelo governo belga, para sabor so deve-
ria ou nao consentir na solicitada experien-
cia. Esse documento contm opinio pro-
picia ao invento e ao inventor.
Segundo diz Mr. Vangeriine, o apparelbo
se corapoe de duas azas articuladas num
eixo, movendo-se por raeio de alavancas ;
alm d'ist, uina cauda, similhante a de um
passaro, serve para dar direceo e equilibrio.
0 todo da superficie das azas eda cauda,
nede aproximadamente quinze metros eoi-
tenta centmetros quadrados.
l'm para-quedas de quatro metros de di-
metro, que forma parte.do systema, basta
para a seguranga da descida, e todava a su-
perficinde similliaute apparelbo naoraaio
de U, "56 quadrados.
Alm d'iaso, o espago que ico catre os
azas e a cauda suffickrate poro a paoaapM
do ar comprimido e substitue o abertura >*i
perior indispensavel para que ua pra-qae-
das baixe sera bruscas osdllacde.
Creio que o apparelbo, diz oSr. Vif tri-
mc, abandonado a si taimo e levando um
homem, descera com urna vetocode atoas
moilerado^e sera tumbar, pur quanto, < era-
tro de gravidade de todo o systema eil
quasi a 2 metros abaixo das azas, quanJ*> o
operador est no son lagar; aaaa como o
azas podem bater o ar com rstroma enorfw,
c conseguiiilctnente augmentar eenavleravl'
mente a resistencia do centro em que Hla>
esto collocada, o perigo ivsultaate d'maa
descida pode ser considerado coran nullo.
conservando-se o api>nrollra iniarUr.
Tratando das probabilidades de alprnma
roptura, dizoSr. Vangeriii';i-, que evanii
nou cuidadosa e ininm-iosamente o *-
riaes empreados por Mr. de tiroutf, e evsc
came Ibe levou a ivhivci^o de que H(e em-
pregou as precauges neevsaarias attiin.im
a qae a sua machina sej de eitrenu s>
ldez.
A t ordas, os cordeis e o staotioos alli em
prcfa'U* foram a cxpericocM, om ame se
exiga muito maior resistencia que aquella
que no aerstata lhes pedido1-
A respeito da-* azas, sao feila* de ac\; r
como o peso lotid ^ue tero a lastftar: !<
113 kiloammmmv nao ha ver ame nina
rasopas avamoaam 70 ^rammat- por deri-
melro quai'Aidn de pufi po|ei- ser a-decuplo- O esqueletado tala"
eito de j 11 ac e comW iguabosakr iuui
slido.
Ein resumo,, concluc- Sr. Vanaprmv-e
que a projectada experioacia nao oSi>PPr..ra
outro perigo maior 1I0 que o pie pode utf- -
recer a descensao n'um pora quedas.
A vista de urna inlonnrea* tio lis;jeri.
o governo belga nao hesiftm em conaetitir
na eip*-rencia, quenada balitar as tea
tativas por tantas, vezes veriucadas por ooOruJ
madores, to ou-*dos rom'Mr. d (1.^ e'i
CONDEMNACO' MORU^-O ImViamJ
t r>iwtiiuidn em Anaapolis, capital toitO de Aun iramM, no e*ido de Mar*-
laivJ, rondemnou -nairte na turra un rha
111 vlw- Tilomas llollobaii, qu cwubiiia^^
coir> .los Nicholso*. assassiinran a ora
d'esoj aJiui de lhe lawbarem icd"> duren I- -
doUars.
Os malieitores aproneitaram >
que o maculo da vinam esta % a
pan jjvui casa, *pracareiri
criiaes- de que erara acensados.
Conta o roubo era troca-las por outra dirmais peqaaaa ralnr,
e foi por ubi que se descobriu quem tinhaiu
sido os ladrees, pois -pan estes |eraratu es-
caj:ai-sc sera serem istoa, aps c come.
3a -audiencia, o r- >Uolohan qoiaawir o-
individuos que o linhain >icnunciado ju-
tica. ppM;urando baler-.U*es na cabam com
un pndago de ferro, pie trazia rarultit 111
manga-da camisa.
Essa audacia prod grande t Jtaarinh <
no tnibuuak. Lma pa^suaclieKou amda a ser
ferida pelo malvado porm OOH mOamama
ipontados contra o POm> do malLitor <> it
zeram tornar oIhIitiaia, seinki-lbe langa
doo taraos aos pamoa.
Oc.r<> de Hollokaa,em atteiK a t-i
conSessodo o crme o da ajada que prestara
jiislii;.!.. Coi mandado 'Mb^r por oaUnjnn.
em bariooiiia com .-.lev>tW> paiz jaraei
tratado rom menor stia-nJadu.
ao
11
Uieatrt
grav--
ESfiCtr^VO. O'siaistro Kocb ammii
Bao iiovaaieiitu.
Em t."> de abril fsa caademnadL>, em jul
gameuto t-om juradora pena de ^aorte, Au
Ionio Coaturier, de 53 auno* de idate.
f l jni-_i, no fim .la audteiu ia, ama redi
g'v!o a linnado um pedido de rammutog.
u pet immclxiiaiaetae infetiar, pnrr
lo: .desatendido.
'A t tainiH-ii.. inttrpoT. reca; paw ^
triwuaa) de cassago, anas o recalH'le fe.
kilciulero.
Ein cousequ*.aii* J'iso, c damrat,:
HTilu a cabega.:>a lualnigada de 1*. saml
decepada pelo ammmma que iraa? a,re
publica de Mr. Tbiers nao tem sidc.uM
emprego ocios.,,, urna sinecura.
'i-sta fiia.o vulto siuistri de Ruktt.-r .
aconipaiibado.por uco ajumantes.
Algumas coutfiaubias de guardas .t
ris, e esqualrasdeguanlas omm, tutmaaam
iu prai.a da Uoqueltu, ajtuk ra j lot..
destinado eascurio.
0 povo asbreava-se por wr leoa aamr <
cabega do lesgragado, porm a oi>,a pul-i 1
ca otorvawi-lhe esse dep'.mavel pfaavr.
A's quatro huras e uan da moami, a
autoridades nmipetentes, levanJg am ai
companhia 9 capelUo, respeitavtfl ct-letia'-
tico, cbomado Cruze, oatraram aa r*llui
0 desgraejMlo cnmpn-hondea k-aa a a
niticagu d'aqoella >wta. Por akjam tam
po ti coa s com o pairo capelUu.
Entregue o condemnado aa carrasca mf
este tralim de lhe vostir o liurubre tra]o d*"
suuplicia I-.
entro em pouco. o turrivol prstilo mta.-.
a caminho.
Vu abiir-se da par em par a porta prn-
eipal da prisao, nuvio-m am ramee sard
Conturier langou anciaoo os oiboo sao..
a multido o pareceu procurar anlre < pwv<
determinada pessoa. O condamnado mma
amparado polo capelln, e pelo carr
Chegai.d ao cadafalso abragoa o
dote c a crucfixo. Logo doas
do executor o agarraram om mepal e o -
zeram descer para a uboa corralica r.
n'um abrir e fechar do otaos, eslava a ca-
bega do dosgragado separada dh traaeo.
0 pov.i que to pressuroso fra em tomar
os melhoret lugares pora presoacoor o fe
nebre espetaculo, retirava-se vagar ammOr.
como quem tinba pena de ter sido too he-
ve ; tornando-so necossarm que a Mama
intimasse a dispersaO.
MAC-MAHON.- 0 marotaal Noc-Mama,.
duque de Magenta, actual prasidaate da re-
pblica franceza, nasceu a II dojasma 1808 ; consegu intrnente esti por dio* a
completar v3 anuos.
CONTRABANDO DE TAJm\CO.~-Im aaa
rinbeiro do v^por Aeordamn **>do femado
para trra urna porgoo do moaco, feoiod-v
aos diroitos, foi condemnado ||a dea |r>
bunaes inglezes a pagar a
ou na alternativa de nao paga, amia
do priso.
Por toda a parto as leis
contrabando de tabaco sao
vos do
TYP DO DIARIO ROA


.......


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EBR2NBR9R_SSUYE1 INGEST_TIME 2013-09-19T20:43:24Z PACKAGE AA00011611_12971
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES