Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12957


This item is only available as the following downloads:


Full Text
**
tmm
mmmm
AM0X11X. NUMERO 152
*
n
I
\
.

*
>
1MIIA A ClAlAL E LCGABES OSDE A'AO SE PAGA PORTE*
Por tres mozes adiantados................ 69000
Por seis ditos dem................. 13JS000
Por um auno iden .........*........ 845O00
Cada numero avuiso.................. 320
TERCA FEIRA 10 DE JIMIO DE 1875.
PABA WE.\TBO E FBA D1PBOFIICU. ..
Por tre* meras adiantados................
Por seis dito* dem.................."
Por nove ditos dem..................
Por um auno idem............'....... I7JHH
NAMBUC0.
'PROPRIEDADE DE MANUEL FIGUEIRA DE FARIA & FILH0S.
Os Srs. Gerardo Antonio Alvos & Filhos, no Para; Goncalves Pinto, no Maraubo; Joaquim Jos de Oliveira & Filho, no Cear; Antonio
Pereira d'Almeida, em Mamanguape ; Augusto Gomes da Silva, na Paralaba ; Antonio Jos Gomes, na Villa da Penha;
Antonio Ferreira de Aguiar, em Goyanna; Franciuo Tavares da Costa, em Alagas; Alv
hiua Braga, no Aracaty ; Jlo ria Julio Chaves, no Ass; Antonio Marques da Silva, nolaUl; Jote Ji
mino dos Santos Bulcao, em Santo Anto ; Domingos Jos da Costa Braga, em Naxareth;
., na Babia; e Leite, Cerquinho & C. no Rio de Janeiro.
PARTE OFFICIAL
Govorai I jn* aVloy!*,
DXSHACHOS V rBRSHMtMCIA DI 7 DB JU.VIIO i-K
187:.
Ahaixo assignados, prupiieaiios na ra do Com-
niercio.J foi providenciado no sentido em que
requeren! os supplicanio.-.
Antonio Cario* de 1'inhn Borges.Encaminlic-se.
Engenlieim Erne>to de Carvalho Paos de Andra-
do fazenda.
Gustavo Ad.dpho Sehmidt.Inforuie coni ur-
gencia o sr. inspector da thosouraria da fazenda
provincial.
Joaquim gripino Furtal > Je Uendonca. -Fieam
expedida* as neeessarias ordens no sei.tido do que
requer n supplieante.
i-apila-) Jos J.ia.iuira Cuello). Forne/S-se,
Ladislao Gomes do Rugo, lufonne o Sr. inspec-
tor da thosou caria ile fazenda.
Luduem de Salles e oliveira. Informe o Sr.
inspector da tbesourarij da fazenda.
Manuel Antonio iie Jess.Informe o Sr. ins-
pector da lliesouiaria de fa/onda.
Uarediiio Rodrigues Pereira. -Sia), nao haven-
Secretaria da presidencia de Pertiainbuco. 9
de ji.'.-ilio de 1873.
O pori.-iro, .
Sittino .1. Rodrigues.
EXTERIOR.
i': r-sjHiE3tJ<'ii:-a do Diario lo
Pei'iiamhiicu.
PORTUGAL'
usii>.\, 27 dk MAR) di; 1873.
Primeiro que ludo e j jpianio antes ao famoso
procesa) la revolt.i. Fjcaram absolvaos e soltos
lodos na reos rivis t-n paisanos.
.Vii deyo d-ixar pissar sen menea, espacial a
publieacV da notavel caria do Sr. Alexanra Her-
C'iNm sobre a suppress.io das conferencias do
Casino em 1871. Esta carta sa io no volunto ul-
tnn mi Tile publicad i pe. Sr. A. Il.-ivulano. 0
Jornal do Comm-rrin roprodnzindoos leu-lhes
d,do maior vega. Beeoiiiiuendolhes a leitura
deste eseripto.
Por noticias que hoje Uve, constou-me -a malloyado, p>r nra,o sapprimenlo de um mi-
lliio e.sti-rlinn contratado enire o gnverno e una
vasa linaiieeira de Pars, de primeira ordem, em
conseqnencia da c.-ise linaneial de Vienna d'Aas-
tri i. q io Um si.l i cania de tantas desgranas pes-
snaea, e d'nm notavel desequilibrio monetario. A
Tapida e propressiva subida do descont no banco
<] Inglaterra impossibilita a casa linanceira a quo
me retiro, de sustentar as con lices que proviso-
riamente havia estipulado com o gnverno de Por-
tugal. F," do i-rer que esta eireumstancia impre-
visl i determine o governo porluauez a mais pr-
xima oonsolidacao da divida flueluante, como
p-ojeetara, e provisoriamente tratar com aquella
'tasa, logo que o estado do mercado de fundos o
permita.
Os nossos, externos, ficaram a'il em Londres.
Fora:u apivMintadas (impostas ao nosso go-
ver; por una casa ngtnza para a navegarn di-
recta pira os portos da costa d'frica Oriental
(pos!\sMVi portiisaezas^ nu pato cabo da Boa Es-
peraDCA ":1 pcloi'tlimo de Suez, s v pores se-
rio irt grande lotaclo ; o ponto di partida ?er,
por em planto, de Inglaterra, tocando em Lisboa.
Pedefll mu subsidio razoavel. E' realmente in-
4is|MHliavel que <\- transportes regulares par os productos COm-
nwciaea da provineii de focainbique para Por-
tugal, e dos nosso* para aquello mercado, succe-
cede que os franci'zes ipifl esto alar/ando o seu
com memo por via de Marselba e caJa vez mais
taaouelle liitonl.
U Diario Popular bontem dava a seguinte
noticia :
Foi ni sexta feira proferido .ccorJai no tri-
tiunal da relacio do Porto, o qual revogou a MO-
tiTi.adi primara instan.-ia na appellaclo em que
appe.'lante a Sra. Mello e Alvellos appellaiw
era
imperador, sendo annullado o processo desde o
seu principio o condemnado o referido reo as
cusas.
Est concluido o p'ano gigantesco e o res-
pectivo orcamento da cobertura de ferro e vidro
-com que --e preleode resguardar as earreiras de
COfiMrarcau do arsenal de marinha de Lisboa.
Falla-se na condemnaco da canboncira
Mjiiin Anu; pori|ue as reparacocs que carece
sao multo superiores ao valor da sua conserva.o,
alem de que consom 12 a 14 toneladas de carvo
para dar ii milbas de andamento por hora.
- Foram modificados os uniformes das pracas
Appareceu na alfandega grande de Lisboa
urna nota falsa de |i>5l) do bao de Portugal.
Era feita penoa,e nao eslava bemdisfanada.
Chegou a Lisboa o general inglez Briton.
Vei de Cadix no vapor Bnlanaia.
O conde de Brandenbourg, ministro da ma-
rinha em Lisboa, den um jantar ao harn de Herb-
ner, embaixador d'Aostria em Paris durante a
guerra ultima, edepois embaixador em Roma. Fo-
ram tambem olvidados algnns diplmalas, entre
lies o ministro da Austria marquez de Fronteira,
C'jfi.' da Torre, etc.
- Deu igualmente um jantar ao mesmo dipl-
mala o ministro de Inelalerra, para o ipial foram
-convidados varios inembros do corpo diplomtico,
< o ministerio portugne?.
Fez-se a ex|erir,ncia do vaur Indii. Largou
a boia do porto de Lisboa |M horas o i5 mi-
nutos. A' urna hora estai[[^prtnite de urna es-
tacan a 3') milbas, prximamente, do local da
partida. Andoi, pois, u nxs 10 milbas po- Nora.
- Constituindose em Berlim urna commissao
internacional, com o fin de uwarar a erec;ao de
una estatua a memoria do MHtt chimico Justino
I.i'tji.'. ltimamente fallecid^^iran convidados
para fazer parto da commiSr m chimicos por-
tngwnes Antonio Augusto de Aguiar e Dr. Agost-
as i \'cente Lourcnco.
Houve, como Ibes disse, n'um dos prximos
das, iima.jfunio de agricultores viniateims,
para tratffem >la formarito da coinpanhia-de vi-
nhos da Bairrada.
- Diz-se que o Sr. Fernandez de los Ros nao
<' reintegrado no cargo de ministro de Hespanba
em Portupaj, mas que vem Lisboa para lizeriT
entrega da legavao hespanhola a seu smressor.
Foi demittido o rommissario dos estudos e
redor do lyceu de Lisboa, Vlariam Gleira, emeon-
se i'iencia do resaltado d > celeoiHkmcesso crimi
nal, de que Ibes dei conta, e nomHo em seu lu-
gar o lente da escola oolytechnia, Augusto Jos
da Cunta. Este funecionario no dia 24 convocou
o conselho do lyceu e djujursou por espaco de
urna hora soore a iinha Seonducta que intenta
seguir. Apreseniou4e con! extrema cortezia e
affabilida.de.' Arompllnha*o a repolajao de ho-
mein de bem Como lente de mathematica tem
feto boa figura na escola polvtechnica.
Progridem com grande actividades obras
destinadas a defender a cidade de CoimbV das in-
vasoes do ro Mondego.
O^ Sr. Rodrigues Braga, socio fundador da
exposicao do Rio de Janeiro, teve a feliz inspira-
do de propor ads seos companheiros de viagem
no Boyne, urna subscrpciio a favor dos asylos de
Lisboa e Porto, e auxiliado pelos Srs. Marcelino
Barbosa,comnieulador Leonardo do Araujo e Mi-
guel A. Alfas, obteve dos Dassageiros portuguezes
una avultada souinia que ter a devida appli
cacao.
Chegou de Inglaterra pelo vapor D. Luiz,
importante material e mais una locomotiva, e 3
carruagens para o caminlio do ferro outrainwey
de Lisboa Cintra iLannanjat.i
Sob a presidenei? de S. M. a rain'ia a Sra.
D. Maria Pa, inslallou-se no paco d'Ajuda, o con-
selho de direc ao da< casas d"asylo de Lisboa.
Teve lugar o encerramento da exposicao de
plantas, feita na malta d'associaejio dagricultu-
ra portugue a junto do Roco. O expositor Brey-
ner apresentou um grupo admiravel de llores
cortadas que ollereeou as senhoras que estavam
presentes ao encerrar do gracioso certamen
Espera-se em Lisboa urna embaucada japo-
noza, ,-eucarregada de negociai.oes comuierciaes
com os dillerentes governos da Europa
O vapor hespanhol Miguel Sana trouxe de
Tnger para Lisboa 100 bois vivos. Vm engor-
dar para em seguida se re exportaren.
Vai fundar se em Lisboa urna sociedaJe de
socorro mutuo denominada asocaciu dos fabri-
cantes de cortumes de Lisboa.
| Os emprogados pblicos da capital esto tra-
tamlo lambeui de formar uiua caixa de crdito
que os livre das garras aduncas da usura. E*
una santa instiluico esta com a qual ir embir-
rar muiisinio a agiotagein que Ibes suga o san-
gue.
ltealisiju se o deposito dos ."> por cento. exi-
gidos pela lei, do capital da companbia de Sacio
ue algodo de Thoiuar, no banco Lusitano. J
est lirada a certidVi para se fazerem as eserip-
turas de sociedade, qif! hao do ser asignadas
cun brevidade. Parti para Tboniar o director
fabril e o respectivo engeulieiro, para procedereui
ao levantamento de plantas para a compra e as-
scntametito dos machinisiiios
Acaban} de sor dOerecidos bibliotlie -a da uni-
versiuade de Coimbra dous excellentes inppas
da cidade de Lisboa, tirados em Itio >.
Alguna peridicos hespaiihoes dos mais lidos e
Ilustrados continiiam a assevSrar que tem viudo
dinheiro do reino vizinho para promover agita-
gao iii Portugal. Agila;ao que felizmente nin-
guem v seno na phaniazia. escandecida das uo-
velltiros d'almGuadiana.
Houve ha dias no ministerio da guerra urna
reunan presidida pelo respectivo ministro, e
qual assistiram varios getioraes e olliciaes supe-
riores dos corpos de cavallaria, afnn de darem
seu parecer acerca das prop-stas que foram diri-
gidas ao govoruo para o forne'cimento de ca val los
para o exercito. Tolas, foram rejeitadas unani-
ineinente. Foi aberta nova pra^a no quarlel ge-
neral de I.* divisas militar em Lisboa. O governo
precisa de 047 cavados para milentas.
Foi arrematada por 2:010000, e:n lanca
do riseonde da Abriga.la, a barca franceza Fe-
diii'ind que no porto de Lisboa fora condemnada
por inavegavel.
O imperador Guillierme, d' vllemanha, acaba de
agraciar com a commenda da ordem da Cora,
daquelle imperio, o consolbeiro Eduardo Lessa,
que f.i, na qualidade de director geral dos nossos
corroios a Berlim, negociar a convengo postal en-
tro os dous paizes. ^ fia^^
Foi preso ha dias, em Lisboa.^tn" individuo, a
requisico do governo in.ulez. ste sujeito 6 ac-
cusado de haver falsificado letlras n'uma impor-
tancia avultada, senuo pelos jornaes inglezes ole-
recidas .*i0 & a quem o apturassn. Um destes
jornaes chegou a Lisboa com o retrato do acen-
sada D'ento em diante a polica f posta em
campo, e o lioniem foi encontrado. Da confron-
tacau d'elle com o retrato resulten o convenciiuen-
to da dentidade de pessoa, apesar da mudanca de
faci e barba. U preso Thoinaz Gordon," hc-
inein dos seus k aunas. 'No respectivo cousula-
do confesin que o retrato era d'elle, e que sabia
o erime que llie era attribudo Est em Lisboa
d'esile fevereiro. Fi conduzido acadeia do Li-
tnoeito por ordem do ministro do reino.
Est fechada a suoseiipcao da companbia
para a abertura la sumptuosa" fabrica de iaoao
da cidade de Tbomar.
O general de arliliiiria, Sobral, foi a Iba da
Madeira inspeccionar o balalhao de eaeadres 12.
O rei da Suecia in.iudm a el-rei U. Luiz a
banda da ordem de Santo Olavo.
A curte lomou luto por 20 dias, em conse-
qnencia da morte da raina de Wuripmberg.
- A cmara municipal de Lisboa vai construir
no local do antigo matadouro, a S. Lzaro, um
edificio para 4 escolas de instrucclo primaria. O
orcamento da obra sobe a 12:245^400, incluindo
as casas para habitai.ao dos professores. Esta des-
peza subsidiada pelo estado com 2:500j000, e
com igual quantia por um particular.
O actual- director technico da casa da moeda
de Portugal, o Sr. Jos de Saldanha de Oliveira e
Souza recebeu dos seus empregados, na occasio
em que regressou de urna viagem que fez pro-
vincia, ama medalba de cobre bronzeado, aberta e
cunhada pelo gravador Casimiro da Cunha. E'
um trabalbo delicado, modesto e ao mesmo tem-
po elegante.
O banco I.uzitano vai estabelecer una agen-
cia na tilia, de S. Miguel (Afores). Para all parti-
ran j os empregados necessarius para eslabele-
cer-se a succursal do banco.
Na sala do risco do arsenal da marinha, ve-
rillcou-se no dia il do correte, a sesso annual
da sociedade das casando asylo de infancia desva-
lida, sociedade creada por sua magostado impe-
rial a fallecida duqueza de Braganra. Ochefe do
estado e sua esposa assistiram festa. Proceden-
do-se leic io dos corpos gerentes, foram todos os
meinbros reeleilos, bavendo, enManto, um impor-
tante lugar vago o de presidente exercido pela
viuva do imperador. A assembla, deu o seu suf-
fragio a sua magestade a rainha D. Maria Pia.
A Imrca Murlinho de Mello parti para Car-
dilT a carregar carvo.
Est, outra vez, muito incoinmedado, o Sr.
Joaquim Antonio de Aguiar, provecto ministro de
D. Pedro IV. Tem sido visitado por el-rei D. Luiz
varias vetes'.
O governo tem mandado dar granie desen-
volvimcnto todas as obras de vaco publica
Est f. miada urna companbia ingleza para a
construc.o do caminhe de ferro de Lourenco
Marques a Pretoria.
Foi posta a concurso, pelo espaco de 30 dias,
a navegarn a vapor, entre portes do Algave e Lis-
ba com subsidio do governo.
* E" tal a influencia de passageiros que dos
portos das torras de Santa Cruz, veem visitar Por-
tugal, qjieyo lazareto nao tem j a capacidade
precisaHim os receher, sendo posto disposicao
daquella casa de ileteiifo sanitaria, o vaporde
guerra Mindella. E^io actualmente all, mais de
800 passageiros, devendo chegar brevemente a
1,000. *
Em Braga (capital do Minho) festejou-se com
notavel esplendor o 81* annversario do Summo
Pontfice Po IX.
Parti para Hespanha o director dos cami
nhos de ferro do sul, afun de fazer acquf"
novas machinas para aquellas vas.
0 governo prtuguez, comprou um vapoi
para as obras da doka de Ponta Delgada (S. Mi
guel). Era SpeculoJor e fica-se chamando Agr.
A cmara municipal de Lisboa resol ve pro
por companbia dos caminhos americanos de Lis-
ba, urna operaco finaacetra^com o tu de con-
cluir o aterro da Boa-Vista, tomando por l>3-e da
operaco, as soinmas que a cmara annuabnente
destina para aquella importante obra. Tambem se
falla na construccao de um tunnel que parlindo do
largo do Pelourin'io, em frente da ra dos Capel-
listas v desembocar ao Corpo Santo. Parece que
aquella companhia est prompta a fazer a obra,
sem subsidio algum, urna vez que seja paga por-
agem pelos" vehculos. A referida cmara, vai
tambem contribuir em oOOiOOO para o aterro, a
construir entre o camiulw de ferro e a alfandega
de Lisboa ; devendo tambem cmistruir-se urna do-
ka para abrigo de embarcacoVs petiuenas na Ri-
beira Velha. _.
Vai ser posto em praca, para o dia 23 de ju-
nho prximo, o fornecimento de papel para sellar,
das fabricas nacionaes, que fr necossaro no'trien
nio, que principia em 1 de oiuubro do enrrente
anno^e termina em 3 i de setembro de 876. Isto
em consequencia da nova lei do sello.
Foi reformado o almirante Rodoval o, capitn
do porto de Lisboa, sendo substituido pelo capitn
de mar e guerra Cecilio Kol
Parte brevemente para Timor o capitn de
cavallaria Hugo Goodair de Lcenla, governador
daquella possessfio portugueza.
O olllcial de marinha portugueza Cosa Ca-
bral, filho do Sr. conde de Tbomar. foi agraciado
pelo governo francex, co.n urna modalha de ouao,
de I- classe, pelos trrico- que prestou a um na-
vio francez as altura? de Bolain i.
-' Foi nomeado represntame em Portugal da
companhia Telegraphicu Universal 0 Sr Luiz Tei-
xeira de Sampaio. A companhia tem a sua sede
em Londres, e suecursaes em Madrid, Barcelona,
Cdiz, Gibraltar, Lisboa, Paris, Boma, Rokiein,
ele. A empreza vai comeoar os seus trabalhos
com liabas terrestres e cabos submarinos.
Comecou a publicarse una folia I sema-
nal, intitulada a Independencia, orgo das ideas
republicanas.
() conde de Linhares, director das conslruc-
coes navaes de Portugal, est rscando urna canho-
neira de maior lotaoo da que as do typo ltima-
mente adoptado, afnn de ser ventajosamente em-
pregada as estacos de Moeaubique e de Macan
O visconde da Praia Grande, actual jlirectnr
geral da marinha, trata de faier introdnzir os tor-
no* de reverbero a bordo dos navios da marinha
militar portugueza; alim de que as equipagens*
possaui comer pao em lugar de bolacha.
Por estes dias deve ser approvadu o projecto
definitivo da conslrucgu do caininho de ferro do
DoB.ro, entre o entroncamento no cam nho de fer-
ro do Minho, e Penaliel. Vai comecar com a
maior brevidade.
Foram para ,- acadenpa das bellas arles de Lis-
boa os bordados de duUS pendes da iiiquisn.o
de Lisboa, eque estavam sob a guarda de um por-
teo do tiiesouro.
Tem continuado na sociedade das (ciencias
medicas a discussao sobre a hygiene municipal.
Tem tomado parte no debate aiguns soc os, que
igualmente sao rereadoref, os quaes desejam des-
aggravar a administraco municipal de algiimas
censuras que, a proposito do saneamento de Lis-
boa, Ibe loom sido fetas.
A rainha, viuva la Suecia e Noruega, como
herdeira de sua fallecida irma a imperatriz do
Brasil, fez um dkcellente donativo academia real
da, bellas arles de Lisboa. Foi : duas caixa*
cantead > medalha* Ue ge*so com retratos de Ito-
Ttlens celebres; seis medalhas de prata, de ou">,
e de cobre, premios conferidos na exposicao de
industria do Brasil de 18(51 ; cinco sintes do ufo
de S. .\y e mais pito differentes, um dos quaes
uou o imperador ; os retratos em tamanho na-
tural de D. Pedro IV, D. Maria II, e principe Au-
gusto, e mais 19 em ponto pequeo tambeni a
oleo, e photographins de pessoas, das familias reaes
do Brasil e Portugal. Urna estatua equestre, em
gesso, do imperador do Brasil, modelo que a falle-
cida imperatriz mandara vir da Alleinanha com
desejos de a ver executar na praca de D. Pedro
IV ; una medaiha comniemorativa da inangur*-
rio da estatua eques're do mesmo imperador no
Porto.
A galera do paco da Ajuda foi henriqucl'i-
da c un mais um bom'quadro de Luini. Foi dada
a el-rei pela rainha Josephina, da Suecia.
Foi inven Ada, por um artista da casa da
moeda, urna machina de fabricar estampillas do
enrreio que, no seu genero urna das melhores e
mais engenhosas invencoes.
Tem feito em Lisboa ha dias urna calma
abrazadora. Comecam muitas familia a desertar
para o campo. Cintra dentro^em poucas sema-
nas, estar ao alcance de todas as fortunas, logo
que funccionem os comboios Larmanjat. Susten-
tan! mais que Cintra perder muito do seu valor;
outros dizem que um bem o democratisar-se
completamente. O que parece certo porm,
que dos poucos jardins, parques e quintas que
actualmente ainda estao patentes a toda a gente,
menos o sero depois; e que em lugar disso que
gracioso e hospialeirn haver muito chirquilho
e grande numero de retiros com o seu ramo de
louro aporta para ospicfos e envergonh 'dos !
ou cousa que o
mas de um col
nuras como
de urna viag
tempesta, o
a ver e ab
era a espe
prepara va p
achou-se em
2o sobre os
valh.i, homem de casca grossa,
~j sensivel e abundante de ter-
roprio Bellini) quando, depois
que affrontou il furor de li
ilba pela qual estremeca, pois
seu futuro e o encanto que
s vel os e caneados dias ....
o I
OBtecimentos do dia IG na cidade
seja como for ; para quem tiver amigos ou
relacoes em certa roda, nunca as vivendas elegan-
tes se Ibe recusado. Para os que nao as tiverem
ou que'forem forasteiros, mas de boa sociedade,
esses que se facam npresentar, e que o povo se
divirta la a sua moda potco importa.
jus canil- lor
.MU de n^
m vapor? o
< <>s:'sjtinl'iHa
Periiambuco. o
mMU) DR JANEIRO.
CorO*81 de maio de 1873.
Pelo vapor americano escrev-lhe ligeiramente,
noticiando a impresso que aqu havia causado a
noticia das tristes oceurrencias que alii se haviam
dado no dia. 14, e de que tivemos conhecimento
por um telcgramma do Sr. Lucena, transmittido
por intermedio do presidente de Alagoas.
Mal pensavamos ento, que novas reuuioes e de
peor carcter anda teriam lugar para alimento
do prurido de discussao, que, em todos os tem-
pos como em lodos os lugares, mais prejudica do
que aproyeita causa a que os oradores preten-
den servir ; pois certo que a excita^-o produ-
zila as massas pela rhetonca tribunicia conduz
a excessos desgranados, que a autoridade nao pode
deixar de reprimir, seno previnir.
Veio, porem, o iV'a, tirar-nos toda e qualquer
illuso a esse respeito, trazendo-nos cartas e jor-
naes, que referem o quo nesta capital ocoerreu
novamenle no da 16 Para aquelles que em tildo
tobara ou buscara motivos de aecusacoes actual
siluaco poltica, para cuja demolicaa nio esco-
Ihera meios, foi isto um grande adiado.
Tendo esse vapor chegado hontem pela dnh,
hontem mesmo apressou-se o Ilustre poeta, dra
malurgo e general honorario Pinheire Gumaries,
recente representante do municipio neutro, em
formular um requerimeuto interpellando e gover-
: Io sobre o faeto revelado pelos jornaes de
verem as irmas de caridade do collegio da*
nceigo, em Bota-fogo, subtrahldo ao poder p
terno urna menina, que all fora posta para* ser
educada, e que as ditas rias induziram a fsofes
do Becife, onde o cidadao ndefezo e exercoiido o
mais legitimo dos direitos, foi espahleirado e pisa-
do palas de ravallo !
Com esses deue\4hema< fcil imaginar al on-
de chegariam o arroubos da iraaginaco do poe-
ta. E preciso confessarque houve momentos em
que o orador esteva verdaderamente pathelico.
Ha scenas em sen discurso le um sentimentalis-
mo sublime. Aquelle em que Costa, qual Dido,
vga utuLtndo>'tm derredor do somurio edificio
onde elle proprio fora depositar, para ser roubado
o mais querido Ihesourn do seu coraeao, foi real-
mente deum elleito indescriptivel..
Os estudaiites de medicina e da escola central,
que cnchiam as galeras licaram sinceramente com-
movidissimos, o que alias se explica, pois preci-
amente na dado delles, que o amor paterno mais
profundas raizes tem no coraeao humano. Dor
de pai ninguem tora como elles.
Ao Sr. Pmheiro Guimares respondeu de prum-
pto o Sr. ministro do imperio, dizendo, quanto ao
primeiro facto constante dos jornaes, que decla-
rando estes que a pessoa que se julga ofendida
recorreu autoridade, a qual est lomando conhe-
cimento do mesmo facto, conveniente esperar
que a verdade seja condecida, licando o orador na
certeza de que se abuso houve elle ser punido ;
mas que nao pela simples noticia de jomaos que
se ha do por era movimento o governo contra as
irins de caridade, quando facto nao contestado
que as familias mais dislinctas do Bio de Janeiro
mandara para fquelle collegio suas Dinas, que
e tem educado e san hoje consideradas typjs
de verdadeiras mais de familia.
Quanto aos factos de Pernambuco S. Exc. de-
clarou que at aquelle momento nio Iinha rece-
bido toda a sua correspondencia ofllcial, mas visto
que o orador havia se referido a noticias de jor-
naes, observa que da leitura que acabara de fazer
de outros va que os facos nao se haviam pasta-
do como o orador os referir.
Narrando o quo sabe, concine diado que, se
ns factos sao coran acaba de expor, nao tem a me-
nor duvida em tomar a responsabilidade delles,
porque faria oque Tez o presidente de Pernambu-
&',fle cuja illustraco faz tan alto conceilo, que a
priori e antes de proras em contrario nao hesita
em asso.-iar-se ao seu proredimento.
Tocn a palavra ao Sr. Silvcira Martins, o qual
connva dizendo que com quanto faca ao nobre
ministro a justica de declarar, que S. xc. sempre
que toma a palavra sabe iuanter-.e na altura do
post: que oceupa. deve dizer que desla vez nao
se portn cora o costumado criterio; porque se
Ibe faltav.im as participacoes olliciaes, melhor fa-
ria ter esperado poi ellas e adiar a resposta.do que
contestar ao seu amigo Pinheire. Guimares. e as-
sumir a responsabilidade dos actos do Sr Lucena,
0 qual "est inhabilitado pa;a continuar a ser pre-
sidente de urna provincia altiva como a de Per-
nambuco.
Depois de explanar-se ne-se terreno, fallou por
sdaco de hora e nula, oee upando se j com a po-
ltica, j com areligiao, as irmas do caridade, os
apos, os papas, etc., e finalmente apreciando a
organisacao poltica dos Estados Unidos, onde nao
la religiao do e-tado, aproveitou o ensejo ara
qualilicar de sopbismas os argumentos do Sr. Jos
de *lenear, que apresentara tres dias antes um
projecto determinandi que os decretos do concilio
trident.no, que dispoem sobre artigos de f, vigo-
rein no Brasil, indepeiidente de le, e acuinpanhan-J
do-o de um n ItaVel discurso, em quo tratando das
qui-stos religiosas, mostrou a inutilidade da lula
travada entre a maconaria e os Pispos, visto que
orticamente entre nos aquella, nos seus lins, nao
prejudica a igreja, o vicc-versa ; notando todava,
que a maconaria como seciedade secreta nao pode
tor existencia no paiz vista das disposices do
nosso cdigo criminal, o qual nao permute associa-
eoes-com lins oecullos, misterios e segredos que
nao pnssam ser devastados pela autoridade.
Fallando do jesuitismo, expresso que por una
Injustica da historia tem-se tornado odiosa, acres-
centou, que a companhia de Jess foi ama das
nslituiees mais gloriosas da anligudade ; a ella
devem-se os primeiros fundamentos de importan-
tes conquistas liberaos.
Quanto aos Estados Unidos, disse que ha no
progresso daquelle paiz, que todos admiram e ga-
bam, alguma cousa de assustador que nao deve
escapar ao observador perspicaz, e que tal vea, al-
gum da seja .. causa da ruina e perda dessa
grandeza que muitos invejam, mas que elle Alen-
car nao desoja que seja a do seu paiz.
Foi por causa desse discurso de que nao pos-
sivjjl dar idea desenvolvida, que Sr. Silveira
Martins julgou dever chumar- a terreiro o Ilustre
depulado cearense, quando o ubjecto da discussao
versava nicamente sobre os negocios de Pernam-
buco e a pobte fiihiniia do martimo Costa, que
nao deve ser confundido com costa martima.
Ninguem esperava, porm, que o Sr. Alencar,
abatido e acabrunhado como anda por una cruel
enfermidade que lite vai minando a existencia, e
para quera a tribuna o maior dos sacrificios, pois
soffre da larynge, acudisse tilo de prompto pro-
vocacaa que'lhe era feita, e subisse tribuna ebeio
da animacao e vigor que s pdem proyir das
crencas sinceras e pnras. Aos acentos d'aquelisj
voz mura sahida de um corpo dbil, era cujo pal
1 ido rosto viamse os traeos de um grave soff rimen
to, restabeleCeu-se o mais profundo silencio.
Sou conservador, diz o orador ; a minha posi-
cao especial nesta casa, que, me separa dos meus
amigos polticos, nao me desliga do met partido ;
e sempre que este fr atacado, hei de defende-
lo.
.Nao tendo lempo para^dar-lhe urna noticia exac-
ta, ainda que resumida aesse discurso, recommen-
do-lhe que aguarde a sua publicarlo e leia-o.
Poucas vezes tem-se visto no nosso parlamento um
tao grande triumpho na tribuna.
A .Y,aco3, qne nao suspeta, assim se exprime,
noticiando hontem a noute o occorrido na cmara :
cujo collegio tem feito educar suas filias, queren- dera ao respeitavel e estimado deao, tiveram
do saber por si mismo o que houve a respeito da it..n lrnro proporcional e r|da OVsMTa.
menina subtrahida, foi hoje pela inanh a polir.ia,
onde o negocio j se acha convenientemente escla-
recido, e l achou una certido de idade, que elle
levou para a cmara para mostrar aos outros dc-
putados, da qual se v que essa menina, que uns
dizem ser fillia natural, e outros, anillada do refe-
rido cidadao Costa, que alias nao mostrava gran-
des extremos por ella, e poucas vezes a procurava
ver, tem apenas 21 onnos de idade. Verificou ain-
da aquelle representante de Sergipe, pelas infor-
Xa tardo de anlo-h niiiin houve duas
fosta;oes, dous pensatnentos. dius ari-tioi,
distinclas r ditlcenles. Ambas erra VtenMads
(tela mesma causao odio ao despotismo tkeorra-
tico, as originalidadese extravagancias episcopales,
as insolencias dos jesutas amias etprmmm a
reaccio que, ha muito tenspo. fervia lai.-ie, prea-
tes a irroinper c a le*'ar Indo d' rojo
Exporeaios bgeiraiiif-nte i> arunlms
(juanto a primeira : ri-unm-^e, tal
*
irac
mac.es colliidaspelo chefe de policia.' (|ue a dita nnunce ronvitos, "."p ovo7di?nad.'i a'|iraca i
menina, quepargee ter tido oducaaao, regular, vi- ,,],. Fil e dahl e.nilt W|| r,..p,..lvH fir^,
veudo enrffrrHiWpm, d'alb sabio e foi ler com a !,., ,,;ira ^mll,i, alim I -ni lar o >r I*, pa-
nilla superiora do collegio de Botafogo, pedindo: ,jri, parja 'deeretando-lh.- urna "ir'i p piiaar.
ah abrigo, que ella retribua ajudando as irmas ,jnwra P tn.-recida, como roprov.ie;W. profsmdi-
nas oceupacoes do collegio.
Passados teinpns resolveu ella ir para Montevi-
deo, alim de all leccionar eui um collegio de me-
ninas ; e como nao Iinha a irma su|ierora ne-
rihum direito de contrariar o seu intente, seguio
para aquella cidade, onde elTectivamente urna
das professoras do referido collegio, vi vendo muito
satisfeila e conienle de si, como se v das cartas
que tem para ca escripto s irmas de caridade, e
que foram apresenladas policia.
Conhecido agora o raso da menina subtrahida,
realmente para lamentar que nao possam ser apro-
veitados os uivos estremecidos do cidadao Costa,
iiem os thesouros de sensibilida le despendidos pe-
I-'S estudantes.
\ iiiipreussa liheritl e os* acoiite-
ciiueiituss le l'eriiiuiihiico.
Dous factos distinctos sao de lamentar na triste
historia dos acontecimenlos de Pernambuco.
J us eonhe:e o publico
A primeira reuaiin popular verlicarj-se no da
14 de maio. Ojuixo da imprensa liberal sobre os
graves attenlados desse dia de lio ciuol rocorda*
cao nos fastos do um povo civilisadj digno de
chamar a altencae de todos os caracteres honestos,
que sacrificain a ineonfessaveis suggestoes de nina
p-laica bastardeada amor da verdade e da jus-
tica.
I
A Verdade, orgo da maconaria, de que prin-
cipal redactor u Sr. Frankliin Tavora, ex-deputado
provincial e ex-direclor da instruccao publica, no
periodo liberal, descreve por este implos lamen
lavis acontecimeiilos do dia 14 :
.1 manife.-tacao do poco. Para cima de 4,000
pessoas dirigiram-se para o gymnasio pronvineial
com o lint de dar una publica denionsiraco de
apreco ao deo suspenso, Dr. Joaquim Francisco
de Faria.
Tendo alii chegado na melhor ordem a grande
maesa de povo, diversos oradores Ibe dirigirn a
palavra, das janellas do edificio, e foram os Srs.
Floriano de lrito, e Drs. Aprigio Guimares e Jniio
Teixeira, que foram ouvidos com lodo o iiiteresse
e applaudidos com calor. O Dr. Faria, ao dirigir-
Ihe em ame do |ovo a palavra, o primeiro dos
oradores, respondeu cun expressoes assaz signi-
ficativas, que inereceraui a mais geral appra-
vacao.
Terminada a manifestado comecou o povo a
dividirse para se dispersar, sagumdo parle pela
ponte de Seie de Seteuibro, parte pela roa da Au-
rora o i utra pela do.ltiaeteelHsJhMie vai ter-
minar defronte 'docollegin
Esla forte columna soJlando'*fyguett^s e dando
vivas, ao dar cora os oihOS no collegio, invadio-o
inopinadamente ; e dentro em minutos de quanto*
muris e outros objerfo existiam tanto no pavi-
eomn reprov.ii-h>
incite significativa de que era urna violencia, wa
insulto, um altenlado ao acto do bispn ejar se-
pendera, assim rom ora grand'- o rck-vairiisMSS*
servico o que elle deao prestara, esrrevfwdo as
famosas e inimilaveis cartas contra i* jrwsiU.
publicadas no J mal do Henfe
A" frento do prestito vinha o vf-n-randn cida-
dao Antonio Caraeiro Machado Box,* patrtnla
que em IHJ4 expoz sua vida \*U* lber lad<~ psi-
bliras, escapando do muitas bala* miirn fan-
mentos que retalharain-lin- coqHi Omm n*r
cidadao. limpo e hourado, era tojo o ma aessa-
paniamento.
t) lr. Joan Francisco Ti-ixeira. o ird-ni assrs-
trado na direc.ao de ta~* reun-'-- p-polares,
liberal querido do povo |iernauibiiiMii i-r > rimt-
mandante desta jornada.
A onda raininliav.i pela ra da Aunes, urda
e overa, no manir sileneo. impooli n"*f)rtts a
todos : vii votante exprima a cifra d.
3,<'01 aaoNas,
" Chegado o prestiio ao g\mna-i..... -idil
Fl iiiacno (jtrroa de Brit-i. Di>. tnngM J i'linwo
da Silva (uimari's e Joan Francix-o Tnsesra.
cooimisso n mieada para a uvac.i mmpnrasa sita
missao. Trocaram-se di"uis... O Vi respon-
deu dignamente, revelando a intellig. n-1 >. din-
traca e prudencia exiroma que em tuda a sua vida. Xo tim ergueram- .ilgua-
vivas
Esta linda a primira parte
Tudo corren pacifica e maravilh xm
Quanto a segunda ^Mi a ma pnen
lar do |mna riam e manifestavam de alravessarem a tis*v r
irem ttpographia 1o Jornal > Heo/e airad
ao proprietario Jos dr \a-c.^ie.||.-- n>-.-raipi
rom dedicaran presUdo* caua adversa a #Vt
esnitisaso, protegido peta |i \ital.
Fa Itava. porm. ainda Wrar m 4tl*m ds as-
sulto e adule dirigido* a BmiaVart* ' na : o por outr lado a rxacei: |Msfaa
tra os jesutas era iminensa, pro hu la pds TT"
do episcopado, alimentada por t>la a asa*****, da
provincia, que Unios os dias profliga va arlo da
curia.
Ao chegar a rada popular a |mnh> > Saala
Isabel, algumas vnzes disserain ai n>H (anta |
As pesss* mais distmeta*. entre ** quass
Sr. Dr. Teixeira, insistiam para seonirea para
Jornal do Her/e, e atrave>*aram a punir arna*'-
Ihavam ans que ili-s tstavam proj ai
ioaseea, c eoncluissem o acto romo haviam -mar-
cado,. Foi debalde e tard- A visrs rmaram
elctricamente em todu s earaalas, a <>nda wat-
veloz que o relmpago, galg- as nas e trav..av
rlioga, arroja-se contra a< grade* de rrr, d
hi-'K, penetra no rollegiu. cund rmfulruqi<
Ihe resista no impelo : tudo SVi espejar**'
. estillas foL'eui. abrLMiii-' na aiH-lla n-% brmn*
mci.:o inferior como nd sflper.or, iuo restavan. M J ^^ Afll,f ..<|N^urnl.. das ,geSV
sar na sua
pa;6*
(Joaquim
m e fizeram seguir para
e o incauto e desventurai
i, seu nomo, capitao i^ navio.
a Foi, por ventura, o dia mais feliz da vida par-
lamentar do imraiuenle brasleiro
Aujalavra do dUtin o orador tomou urna sen-
tida vwac-io; a physionomia illuminou-se-lhe ao
influxo de convicodes profundas, nobreraeute apiti-
xonadas, a iraduzrem-se em urna eloquencia mas
cula e de una raro vigor.
a Pronunciado movimento as galeras saudou
o oradsr ao eixar cahir em suas ultimas patavras
os acentos de urna grande alma, estremecida em
seus mais ntimos e puros aflctos pelo rude ata-
que do Sr. SilveirlTMartins grande iustituicao
que se chama religiao do estado.
Depois do Sr. Alencar, oraram ainda os Srs. Pi-
nheiro Guimares e Araripe, mais aquelle repisan-
do o que i tinha dito, e este defendendo o proce-
dimento dirgoverna na questo religiosa, e o do
Sr. Lucena, como presidente de Pernambuco.
A discussao ficou adiada pela hora, e hoje nao
progredio, nem foi encerrada, porque nao houve
sesso, por estar o dia chuvoso.
Devo terminar, porque sao horas de mandar es-
> correio.
rei dizendoHMue o Sr. Leandro Bezer-
ieerrima defQMwfVts irmas de caridaJe, em
nao matis fragmentos e estithaeus, que enchiam
a ra. Foram, porem, respeitados is altares e
qoadros da capella, valha a verdade. Ficarara in-
tactas "as imagens.
i Como muito bem diz o Jornal doRecife, nin-
guem Ifenderum phvsicameiile, segundo una ver-
san, nij tendo apparecj lo nenhum d s reverendos
padres : outros, porem, dizem que dous delles
leudo sido descobertjs no interior da chcara foram
maltratados.
Quando isto se passava no collegio, a columna
que seguir do gymnasio em freute da ra da Au-
rora, onde eslava estabelecida a typographia da
Unido, orgo olllcial do hispo e dos jesutas, j ha-
via pjr sua vez invadido o escriplorioe a olcina
e reduzid. tudo expresso mais simples. As pri
niciras caixetas foram laucadas ao rio ; o prelo
em minutos tirara inutilisado e outros objeclos,
jornaes, resmas de papel, etc., ardiam em duasfo-
yueiras no tneio da ra, como em um lenice! auto
de fe inesperado e rpido como s o sabe fazer o
povo profundamente resentido e menoscabado.
0 A esse lempo a forcea publica percorria as ras
e cessava a manifestacao de desaggravo, de sorte
que, quando a multidu em massa se diriga ao
palacio da Soledade, sem duvida com vistas de
significar a sua reprovaco ao prelado, j a torca
publica protega este, tendo tomado as duas entra-
das que vio ter ao edificio. 0 povo dispersou-se
logo que o Sr. general commatulante das armas e
outros briosos militares Ihe dirigiram a palavra,
no sentido de acalmal-o. >
Desta cruel exposicao, tantas vezes nsuspeita
aos autores dos attenlados sem nomo, da noite de
14 de maio, deduzem-se os seguintes corollarios :
1 0 gymnasio provincial, estabelerintento publi-
co de educaedo e instrueco, 'foi o ponto escolhido
para una tal demonstracio;
Ii A l'oiva publica nao iuterveio seno no mo-
mento em que a pratica inopinada de attentados
ue nada fazia prever, trazia em perigna ordem
ublica;
Il I- O commandante o outros briusos militares,
em face de urna multdo que acabava de coni-
metter crimes gravissiraos, nao a carregaram
punta de bayoueta, nao a aeculilaram, nem a dis-
persaram com violencia ; dirigiram-lke a palavra
para acalma-la I .
0 que daqui se conclue em boa raso, que o
boaraJo presidente da provincia de Pernambuco
nao pode ser suspeilado da pratica de violencias,
por fazer manter a ordem e acautelar os graves
Mareases que sua sombra repousatn.
V-se bem por este documento que, em quanto
as reunies populares revelavam se inspiradas no
pensamenlo de manifestacoes pacificas e honradas
inanteiido-se o povo no exereicio de um sagrado
direito, nao procurou a autoridade arremessar-se
lula travada no dominio das Meas,
To prudente e t sua interveiicau que urna coluraua de perturba-
dores, destacando-so da grande massa do povo,
pude cahir com o imprevisto do erime sobre urna
casa de educado e sobre um estabelecimento ty-
pograpbico.
II
Nao menos suspeito que o jornal uiaeoiiieu, o
Liberal Pemambucano. '
0espirito com que este campean da imprensa
se atira ua lula, transluz distiuctamente da rubri-
ca sinistra: prompta desforra.
Eis como se exprime o orgo da democracia em
Pernambuco :
PromMa desforra.0 insulto que recebeu o
ilustre kr. Joaquim Francisco de Faria com
a suspens^Bk-in^ormafa conscientia teve heotem
a tarde, IM maio de 1873, a reparaoao digna
decente e ptjKfka, que era de esperar, dos brios e
dignidade do povo Ilustrado desla capital.
a 0 insulto, a desfeita que S. Exc., o Sr. prest-
dente da provind fes o Sr. bispo, burlando-lhe
com a referida afvencao as ecucas que aquelle
da cruz, -\mbol-. do verdadeiro catholiei-mn, ars-
appireccm os jesutas, a onda r-lara nin inimHn
iinmediatauenti' relrahe-x'e vi a t\|H.gra|aia
|ds quelira o gue encontr, laura "< fjipx rim.
e do resto faz mmi foguena. que ludo iMHniit.
onde idealmente lica inmolado o dt-qi-disiau taro-
craiico.
Tudo eslava acabado : e s<-m|re assim a -
defectivel ju-to.a do povo |
Aplacada a justa ira p .pillar, ha mu !-
po comprimida o neniada por tiwla a imim-asa. ar-
cordou o paiz aanaL S a neu oaa l*ra 4r m-
fantes e cavallaria a defender o arrei palan
episcopal. Esteooiitra-moviiii.nl. i u naaa pv-
attrabio o p. vo a Soledade, Ja a nada engnisaada
oin seto a oito mil homens se estmdia pai ra
e travessas, rom una enormis-ima gitona.. uja ra-
bera tarde allmgia a re-id-ncia de D Vital rs*a-
cou de novo ao brilbo das bay.U(las salirr da
cavallaria, e sobre todo ante i. manen- delira
das e fallos attenciosas do Sr. cuminamtaale das
armas.
Tambem a destarra ja eslava tirad. no ira
lano ; tambem o Sr. presidente trunque Pereim
ile Lucena j estara um poueo dasajaravasv, e
eremos que bailante satisfeilo. '.
Tal e a linguagem do orgo liberal tas aedssa-
da, como os factos que relata.
O que desla monstruosa d<-criprao resulta r
que, longo de queixar-se de falta dr l'beraaV
(lnham-na usado e deshonrado') atr ama certa
censura ageitada para assignalar o momealo Ur-
di da intcrvencao da autoridade.
Os promotores da reuma. ousavan ssiunar sjor
ella tinha, como um de seus fins, vmgar > sasulu.
e a desfeita irrogados pelo diocesano ao pressasaSr
da provincia Tanlo Ibes mereca att; rntio o ia-
tegro administrador 1 Tamaita conlianra laesias-
pirava a autoridade !
O brioso miliiar pie comminda as armas aa
pmvincia. en apuntado o elogiad. pelas manriras
delicadas e fallas altencmsas com qnr r dmgira
mullida., e que sobre da tinhsm exrrcidn
influencia que o brilho dos sabresr bayoaeUs.
Dous dias apenas decorridos, como a I
de interven! no momento era que o poso, i
pela imprensa, comerava a sr-lo pela palavra
eonheeidos tierturliad >rrs da ordem pnhra,
c efe militar da pnvincia,de altencinsn r drtican
transforma-se em energmeno, e u Ilustre piraam-
bucano que dirige os destinos da provincia r i
parado a Sen contemplando o incendio dr
. .......-
Os homens honestos, qur os ha em todos ee par-
tidos, faro justi a aos que a mercela.
DA ( LO TTE k ER .M nd?X>
BECJFE, 10 DE JCNHO DE I87X
\otfias) I m ii
No domingo as 9 horas da maaai I
nosso porto o vapor brasleiro Paran, W
dataffda Baha at o e das Alagoas at 7
rente.
aio DK JAMBiaO.
Pelo ministerio da aaanaaa foi
segrate aviso :
3.' seecio -N. 975MsatsSerio da
cios da marinha.Rio de Jaaeiro, U de
1873.
Para regular a escriatoracl do
aprendizes artfices dos arseaaei de
Baha Pernambuco e Para, de i
instxaccM d i de Janeiro attiao esa *


-----------1-------------------------------------------- .. ------------ w ------- ----------------------------------------
Diario de Pernambuco : Terga feira 10 de Junho de 1873.
//
ja se praiicou nesto corte em virtude da ordem d, entrama^ 7o cora lastro, 3 com gneros nacionaes
wcrctona d^Hgdo, torio as thesonrarias. de fa- e estrangci r

renda as sefTjIntes meambene
I." Inventariarascadernetos exigente" e men-
ciona-las pelos respectivos nmeros nos assenla-
mentes dos aprendires a que pertencerm.
2.* Distribuir pelos mesmos apreadites as
quantias inferiores a rail ris, com quo houver
cada um contribuido, e que se acharem deposita-
das nos cofres das rompanhias.
Esta distribuican ser feita vista de relscoes
argansadas pelos offlciaes de fazenda, e assigna-
das por estes e pelos rommandanlcs; devendo a*
ditas relardes servir de resalva aos responsaves,
depois de lancadas as convenientes notas tanto
nellas como nos livroi de soccorros.
Comas mesmas formalidades scro recqlh-
das aos cofres das thesourarias afim do -e I lies dar
4} destino legal as quantias referentes a contribua-
les que luuverem tido baixa ou fallecido.
O que a V. S. eommunico para os devidos
effeitos, na parte que llie toca.
f Deus guarde a V. S. Joaquim Del fino Ribeiro
da Luz. Sr. contador da marraba.
Por esse ministerio, em 19 de maio, foi re-
mettido ao conselho naval para' consultar com sea
parecer nao s o requerimento era que o escrivao
da associacao dos rtaalic is da barra e porto de
Pernambuco Gon.alo Rodrigues de Almeida Leite
pede que seus veneimentos sejara igualados aos
que percebem o% 2- praticns, mas tambera as n-
formacoes prestadas sobre esta pretendo.
Por portaras desse ministerio, de 26 de maio,
foram nomeailos :
O capito tenente Antonio Pompcu de. Albuqner-
que Cavalcanic para commandar o transporte Mu-
deira, qae est era eonstraccao em Inglaterra.
O capitn tenente Manuel Lopes da Cruz para o
transporte Wemeck.
O capito tenente Joaquim Xola-cn da Fentoura
Percira da Cimba para a corveta R-r'fe.
l'tenenie Manoel Augusto de Castro Me lezes
interinamente para o transporte Bonifacio.
i' lente Paulo do Bumsiiccesso Galhardo, in-
terinamente para o briguc escuna Tonelero.
Km 30 de maio declarou-se, pelo ministerio
do imperio, ao director da faculdade de direito do
Recife, era solucio do efflcio de 28 de abril, que
curaprindo ser liclinenre observado o aviso leste
ministerio de 27 de setembro de i870, oqual mar-
cou as pocas que podem sor feitos'os exames de
defeza de theses dos candidatos ao grao de dootor,
devem os bacbareis que se tiverem inscripto para
o dito ex..me, ser attondidos em occasiao oppor-
tuna, e tora assim que a directora da faculdade,
quando recetor, durante as ferias, qnaluuer re-
querimento para o mesmo fim, deve reunir a con-
prefacio logo que se abra a faculdade, no dia 2 de
fevereiro, alim de designar o dia da aprestando
das theses, assim como Doear a commisso que
as tenha de examinar e approvar, marcando-se o
prazo dr art. 81 dos estatutos, de modo que o exa-
ine possa effectaar-e antes da abertura das aulas,
rumo ilispde o rilado aviso.
foi publicada a seguinte le da assembla
geral :
-Art. i" As toreas de trra para o anno finan-
ceiro de mil oitocentos setenta e tres a mil Oto-
eentos sbrala e qnatro constaran :
1 Dos offlciaes das dillerentes classes do
quadro do excrcito.
i i' De 16,000 pracas de pret em rrrnmstan-
rias ordinarias, e de -'2, 00 em circiinistancias ex-
traordinarias
Eslas fir.as ser) completadas por alistair.cn-
to voluntario, nn pelo rccrntamenlo, nos termos
das lspostrdes vigentes. Na nsuflicioivia destes
netos as fincas extraordinarias |>oderao ser preen-
chillas por corpos destacados da guarda nacio-
nal.
8.* Das cnmpanhlas de deposito e de apren-
dizes artilbeiros, nao excedendo de 1,00) pracas.
Art. 2. A sendo do serrino militar ser re-
gatada pela le n. 1220 de 20 de jullio de I86i, em
seu art. :i., s. .).
.Art. 3.' E" desde j;i antorisadn o gove'DO :
I." Para reformar os corpos de cn.-enheros e
do estado maior de primeira dasse, reduzindo
aquelle e ampliando este, de. mudo que nao seja
augmentado o numero de offlciaes que enmnSen
actualmente os don* quadro*, devendo ser elimi
Badas do qaadro d > estado maior de primeira
classe os offlciaes que nao tiverem o curso com-
pleto da arma, os qnaes MriV) transferidos para os
carpos que o governo designar, eoniorme as hab-
toees dos mesmos nfDciaes.
2. Para -alterar o plano da organisacj) das
tres armas do excrcito com data de 12 de agosto
de 1870, na parte relativa artilharia, Picando ele-
vados ao numero de tres os regimentos daquella
arma, e sendo composlos de quatro bateras de
anta pecas os dous oovamenle creados.
<( A elevaeo se tari, reduzindo a qnatro os bi-
talhes de artilharia a p, co n seis conipanhias
cada um, e supprimindo dous ten-ntes coronis do
estado maior de artillada, ton como o ms-mo
posto no primeiro regiment dessa arma.
'). Para reformar o reglamento orgnico das
escolas militar e central, alim de completar na-
quella os estados ne-pssarios engenharia militar
e a col'acao do grao de baeharel em mathematicas
e sriencias physicas, e de pasear a escola central
para o ministerio do imperio, sem que sejam aug-
mentados o veneimentos dos lentes e mais em-
pregados das ditas esco'as.
i." Para restabeiecer a e Grande do Sul, addicionanlo ao seu curso urna
aulajle hippialriea.
a." Para dar nova organisa?So repartido
ecclesiastica, ampliando o seu (piadro. e creando o
lugar decapello-mr do excrcito .
6. Para dar novo plano e organisar,o aos
presidios e colonias militares, supprimindo ou
creando os qne julgar convenientes.
Art. 1. Picara revogadas as disposicSes em
contrario >
No supremo tribunal de justica, na sessao de
28 de maio, foi distribuida a seguinte revista :
N. 2,120.Da provincia de Pernambuco. Re-
crreme, Urc-sino Xavier de Castro Magalhaes ;
recorridos, Manoel da Frota de Maria, e a justica.
Ao Sr. conselheiro Messias de Le.io.
Foram julgadas:
Revista civel n. 8,317, da relacao dePernaml.u
co.Recrreme, Manoel Martins de Araujo Cas-
tro ; recorridos, a rondes-a da Boa-Vista e outros.
laglezes 90, brasileiros 58, porltiguzCS 28,1
antericanos 20, allemas 20, hespanhoes 7, hol nn-
dezes i, norue^uezes 3, fraucezes 3,'suecos 2, ita-
liano 1, argentino i.
Hoavo mais 49 vapores da companhia brasilcira
de paquetes e 18 navios de guerra.
D'estes sahiram 3 para poros estrangeiros,
sendo 1 allemao, 1 francez, e 1 bespanhol, e 15
para portas do imperio, sendo 1! nacionaes, 2 fran-
ceses, 1 inglez e i hespanhol.
Fallecer, com oitenta e nove annos de ida-
de, vmte dos quaes passou como abbadessa do
convento de Santa Clara do Desterro, a madre
Anna Constanca do Corado de Maria.
No'coliegio dos Lendes, pertencenle ao 5"
districto da provincia, l'oi votado com setenta e
cinco vot-is (unanimidade) o candidato offlcial Dr.
Roeendo Muui/..
Sob o n. 1311 foi sanecionado e publicado
como Ici da provincia o seguinte proiecto da as-
sembla :
Art. I." Ficam creadas as seguintes comar-
cas :
1. A de Taperoa, que constar dos ter-
mos de Tapero, Cayrd, Santarem e Nova Hu-
pba.
2 o A de Cannavieiras, que constar dos
termos de Cannavieiras e Belmente, tirando anne-
xadas aquello os districtos de Commandatuba e
de Una.
i.' A de Camiso, que constar dos termos
do Camisao e de Monte-Alegre, desmembrados da
comarca de Feira de Sant'Anna,
a i Vo A de Gerenviabo, qne constituir ou se
c mpor do termo deste nome, desmembradj da
de Monte Santo.
5.' A da Victoria, q.ie se compor do termo
deste nome e do de Santo Antonio da Barra, des-
membrado este da de Caetit, e aquelle da de
Maracas.
< Art. 2. As comarcas alteradas em virtude
da presente resoluriio ficam constituidas do modo
seguinte :
1." A actual comarca da Feira de Sant'An-
na se compor do tenin de-te nome, e do da Pu-
rificado ; separando este da comarca do Inham-
bupe.
5 2.*,A de Maracas se compor do Jermo des-
te nome, do do Brejo (rande, desmembrada este
da de Minas do Rio de Coatas.
3." A de Caetit se. constituir do termo des-
te nome e do de Monte Alto.
4." A de Monte Santo se compor do termo
do mesmo nome c do de Tucano, desmembrado
este da de kapicur, tirando assim separados os
termos de Pombal e Jo Tucano.
S -"i.0 A actual comarca de Monte-Alto passa-
Foram juizes, relator, o Sr. conselheiro Villares;
revisores, os Srs. conselheiros Valdetaro e Albn-
querque.-Belatado o feito, foi debatida|a questao
pelos Srs. Valdetaro. Messias de Leao e Coito, ne-
^ando-se afinal a revista, contra os votos dos Srs.
Valdetaro e Villares, que a concediam.
Revista crime n. 2,119. Da provincia do Mara-
nhao.Recrreme, o tenente coronel Joo Vieira
Chaves ; recorrido, Fiel, escravo de Antoniu Amaro
Lima.-Foram juizes, os Srs conselheiro* Albu-
querque, relator, Coito e Veiga revisores.Rela-
tado o ferto, foi negada a revista, unnimemente ;
subsistindo accordo da relacio do Maranhao
3ue absolver o recorrido, reformando a sentenca
o juiz a quo, que era o de direito da comarca de
Caxias, que f condemnra a acoiles por crime de
furto de gado.
BUHA.
Prosegua em seus traballios a assembla
provincial.
A cmara municipal da capital, em sessao de
S9 de maio approvou unnimemente a seguinte
proposta :
Propomos que a cmara solicite da assembla
provincial autorisacio para contrahir um empres-
timo at a quantia de to0:000J, quesera destinada
eonstruccao de pracas de mercauo, sendo a pri-
meira no largo do Theatro, e a desapropria.ao
das que j existem, ou alguma d'ellas, conforme
julgar conveniente aos interesses do municipio.
o Tal quantia ser adquirida, ou por empresti-
mo feito iwr capitalistas ou estabelecimentos ban-
carios, ou por emissao de apolices, ttulos ou b
Ihetes do valor de 10 cada, um, que vencero
o premio annual nunca maior de 8 por cento, ga-
rantido pela cmara ao portador, e vencido por
semestre.-S, R.Baha, em cmara aos 29 de
maio de 1873. ( Assignados. )-F. A. de Fre-
tas.-Justiniano de Araujo.-Frederico Lisboa.
No mez de maio renderam as seguintes re-
partieses :
Alfandfga
Mesa de rendas provinciaes
Correio
Recebedoria de rendas
Do relatorio da associacao commercial extra
himos o seguinte:
Os navios sabidos do nosso porta desde o de
outubro de 1871 at 30 de setembro de 182 fo-
ram 715, com 263,846 toneladas e 10,078 hfmens
de equipagem.
D'e ses foram para portas estrangeiros 462, sen-
do 409 com gneros diversos, 37 com amesma
carga com que eotraram e 25 com lastro.
Ingleze.- 2o7, allemes 69, francezes 39, portu-
gnezes 34, brasileiros 13, suecos 12, americanos 10,
Jarneguezes 10, italianas 7, austracos 6. hollan-
feaes 4, hespanhoes 4, dinamarquezes 3,'argenti-
os 2, austro-hngaro I, peruano 1.
Para portas do imperio 177, sendo 53 com ge-
ros do paiz, 42 com a raesma carga eom qne
r a denominar-se de Caiinbanba, constituida pe-
los termos de Carinhanlia e do Rio das Eguas.
Art. 3." Revogam-se as dispusides em con-
trario.
Lemos no Jornal:
Ilontem (2) una hora da inaiiba urna tor-
ca da coiiipanbia de urbanos dirigida pelo alferes
Maia, coiiimandanle interino da mesina comparada,
por ordein do Sr. Dr. chele de polica, deu sobre
um candombU no lugar denominado Bate-Fo-
Iba--, no segundo distrcto, ah apprebendeu di-
veraos ohjeelos, que servan tal fetta, e prendeu
dezoito pessi'as, que foram reeolhidas guarda
da estado central, de onde tiveram destino.
o Nao admira que os ignorantes lilhos da fri-
ca insistan em sua perniciosa crenca> quando a
inaioria dos presos s.io lilhos deste paiz, e que 6
mais, quando a taes focos de immoralidade con-
.orrein at nessa,! que deveram ser as priraeras
a condoinna los
No sabbailn s sete horas da noute, tendo o
Sr. Dr. chefe de polica noticia de que na Cruz
das Almas, froguezia de Brotas, funecionava um
r iiilomhlr em que estova sendo victima dos mais
barbaros tratos o desassisado Haymundo Nonato,
de cu o rorpo estavam os feiticeiros tirando Meftot,
itvtntura e Irinla diabos rnatmades, mandn
para all incontinente nina (brea da guarda urba-
na -ob as ordena do alf-res Maia, o qual, pondo
em cerco o sitio, prenden e trouxe meia nonte
presenca do chefe oito individuos, entre os quaes
o infeliz Raymun io, ebeio de feridas e queimadu-
ras por onde os seus curnndeiros llie diziam que
haviam de sabir os raaos espirites e a desventura
que o perseguan..
0- supersticiosos ou traficantes tiveram o con-
veniente destinn, e a elle se resignaran, nao obs-
tante a forra dos feitiros.
MCMBVL
Temos datas at 20 de maio.
Falleceu o pharmaceutico Marcelino Jos Jorge.
Na cidade de Larangeiras incendiou-se parte do
alambique- Lemos.
menas.
Na noute de 24 de maio realisou-se, em casa
do cominendador Serapio, um baile oirerecido por
diver-is amigos ao Exra. presidente da provincia
Dr. Peres de Moreno.
Sebastiana de tal, mulher" casada, moradora
em trras do engenho Pratagy-fande, den a luz,
no dia 2(1 do mez findo, a quatro enancas todas
do sexo masculino.
Correu regu.rmente o parto das tres primeiras,
que nasce/ara vivas, foram baptsadas e esli se
creando, porm, a ultima, na-ceu mora, fallecen-
do tambein a parturiente.
Lemos no Jornql :
Somos informados que a ultima inlerropco
>la linha telegraphica loi pmdu da pe. ruptura
do fio as maltas do engenln Multo Grosso; ao or-'
te da villa de Porto Calvo ; fez-se o concert
promptamente. Em seguida e j de volla a tur-
ma de conserva.io encontrou novamenle quebra-
do o lio no Taboleii o do Broto (Passo de Ganara-
gibe.)
i Executou honlem um Yeparo provisorio e a
lnha funeconou logo. Accrescante-se a sso as
inundares e cheias dos ros, cujas aguas Beata
estaco invernosa tornam-se llucluantes e teremos
a causa da demora do restabelecmento da com-
inunicagao telegraphica
A administraco da lnha sente-se sem meios
de fazer o policiamento da extensao de mais de
ijuarenta leguas testa capital ao Recri ; solci-
ta, quanto cabe em suas torcas, em praticar com
a celeridade possivel os reparos e a conservaQao
da linha, do que depende o bom estado delta ;
mas deve ser coadjuvada para inteiro cuniprimen-
to destes deveres por todos aquellos que represen-
tan urna parte do poder publico.
re fallar ao pemafnento, o scnlimcnto desperta-se
como que se inspira nesgas aagnificeneias.
Ail S83te-su tora o nosso Brasil.
Adeus. Gozamos sade. Con exceptan de
qnatro trabalbidores do ntes, piule dMT-se qiie o
estado sanitario n exceHunli;. Seu amigo.- lien-
jamin Franklin.*
a Ante-houtem (21) ao meio dia fundeou em
nosso porto, procedente do de Santo Antonio, rio
Madetra, o \aimr inglez htktcf EAinburgh da
Bolivian Navegaton Compamt.-O Duke of Edin-
burglt sabio de Santo AntoiH LS 8 hora- da noute
do 12 do corrente ; s 8 liojs da manh seguinte
atracn no Humayt, onde 1 itmtrou ancorado o
vapor Jo'ln Augusto, depois daKhoras de demora
para embarcar combustivel, denerrou as 5 horas
da tarde e duas horas depois passava pelo vapor
Manos, em frente ilh da Pirahyba ; no dia 14
naveapu todo o da sem parar em parte alguma ;
s 8 hora da manha de 15 atracou no porto de
Nazareth, d'onde sabio meia hora depois; as 2
1/2 horas da tarde desse dia encontrn o vapor
Madeira, no Paran Miry da Trindadc o una hora
depois deitava anrora em Serpa.
De Serpa saliio o Duke alEdinburgh s 4 ho-
ras e 30 minutos da tarde de" 15 ; as 5 horas e 20
minutos passou pelo vapor Jamary na bocea de
cima do Paran-Mry de Serpa; s II horas e 20
minutos da noute atracn no porto da Capaila,
dondo deserrou s 3 horas e 15 minutos da ma-
nha de Ifi ; s 1 horas da tard encontrou o va-
por Augusto em frente ilha' Santa Bita e tres e
meia horas depois ancorado era Obldos, em cujo
porto eslava fondeado o vapor- Soure. Sahindo
de liidos I hora da madrugada de 17, foi atra-
car s 3 horas o 15 minutos n'um porto do Par-
n-Mry abaixo de Oaidos, e depois de2 horas alo
minutos de derrata suspendeu, chegando a Santa-
rem < 2 obras da larde ; 2 hars depois segua
viagem, o v; por que as 8 oras lia noute passava
pelo Pescador na osla das > aieiras. A's horas
e'*0 minutos da tarde de 18fccouem Boa-Vista,
na costa de Gurupa, liara retster lenlia ; deste
porto sabio s 11 horas da nonte e s 2 horas da
madrugada de <9 chegava talla com o Belm,
que sabia do Furo do Limo para Ituquara. No
da 20 passou por um vapor e por urna escuna,
cujos nomos nao pude reconhecer e s '2 horas e
23 minutos da tarde dava fundo em nosso porto,
com una viagem feliz, cujo itinerario ah deixa-
raos de-cripto, gracas amabHidade com que o
digno comman tant o Sr. Pomerav forneceu-nos
elementos para a desrripeao.
Sao boas as noticias lo Madeira. Proseguera
os trabalhos da via frrea, e os operarios vAo-se
j acc.matando no paiz eujas bellezas e recursos
aprecian agora melhori
Comecava na regiio das cachoeiras a boa
estaco e de^rerque as importantes obras dafor-
midavel empieza que tanta influencia deve exer-
eer nos destinos futuros do valle do Amazonas
receban agora novo impulso. Apezar da fre-
quencia com que all ehegam vapores-procedentes
do .nosso porto anda felizmente, nao apparecera
a varila no Alto Madeira.
Foram enterrados na nno de 1872 nos di-
versos cemlrrios desta cidade 1,095 cadveres,
senda nacionaes 776224 adultos do sexo mas-
culino e 188 do feminino, 193 menores do mascu-
lino e 169 do feminino ; 206 estrangeires1>3
adultos da atxo masculino ; 19 do feminino e4
menores do sexo masculino, e 113 escravos44
adultos do sexo masculino e 48 do feminino, 14
menores do masculino e 7 do feminino.
MARANHAO.
Prosegua em seus trebalhos a assembla pro-
vincial.
Falleceu o negociante Justino Jos Pereira.
Foi Horneado inspector geral da instruedo
publica o Dr. Antonio dos Santos Jacntho.
Em V anna falleceu o abastado la vrador co-
ronel Manoel Justino Maia, commandante superior
da guarda nacional desse municipio
O Sr. Alfredo Hall foi autorisado pelo go-
verno da provincia a lazer experiencia de um re-
medio que diz ser elllcaz contra a beriberi eur
dous presos da cadeia publica atacados desse mal,
sob a inspeccao de nina cemimssao meJica, com-
posta dos D-s. Jauflret, S. Jacntho e C. Mar-
ques.
No dia 17 de maio, legua e meia de dis-
tancia da villa da Chapadinha, foi brbaramente
assassinado Domingos Antonio Vieira por Galdi-
no de tal, a mandado de Manoel Francisco da Sil-
va, como all wz publica.
Evadirn) se ambos os crimmoos, mas procura-
se realisar a captura delles ; procedeu-se a corpo
ce delicio, e ao respectivo inquerto.
A alfandega rendeu no mei de maio.....
216:977 #454.
Pedro de Abrcu Pereira.
Beceberam o subdiaconato :
J"ao Aueliano Corr
Soln Garca Pedreir" (Baha.)
O disconaco : ,
Francisco Rodrigues Monteiro.
Jos Alves Bezerra.
Joaqun Theodoro de Araujo.
Laurino Justiniano Douetes.
Modesto Theophilo Ribeiro.
A 1 hora da madrugada do da 30 do passado
esta captol despertou ao toque de rebate Um
pavoroso incendio se i-avia manifestado no estabe
lecimento Centro Commercial, ra Fonnosa n.
75, de propriedade dos portiguezes Antonio Gon-
calves dos Santos e Joao Uonralves dos Santos.
Quando chegaram os primoros soccorros j
e togolayrava com ntensidade horrvel, tendo se
communicado casa contigua, onde reside a na-
va Hastas, que felizmente se achava tora,
o Nada salvou se do estabelecimento. A viura
mudo soffreu, o que bavia no soto foi presa das
chamas, podendo-se apenas saltar urna caixa com
algum dinhelro e lettras.
Tratouse ento de dominar o fugo, que bus-
cava communicar-se s outras caas, cujos mora-
dores srffreram seus prejuizos, com a mudanza
rpida que foram obrigados a fazer, para se p>
rem em boa guarda.
Em quanto o povo prestava es seus servcos,
os soldados do 14 saqueavam a loja do Sr. loa-
quim Barbosa, que teve consideraveis prejuizo-;
sendo anda apanhado ronhando um dos larapios
de farda, que foi entregue pelo capito Fouceca
ao respectivo commandante, que o inandou reco-
I er preso.
A polica foi a ultima a rhegar, como sen-
pre. O Sr. Silva Reg comparecen s 6 horas,
quando de ludo s restova um moiitao de ruinas ;
e era nteres-ante velo a manobrar, dando or-
dens a lim de que o fogo nao se ateasse s casas
circumvizinhas.
No corpo de polica exista apenas o soldado
faz a quem mais precisa, aos pobres embregado s
pnblicos provinciaes.
Cdnsta-ne que a segunda prestado da divi-
da do hancodo Brasil j foi re irt.ia a que se
promove com artividade a cobran ;a da divida acti-
va, que te:n a provincia, e qne se fosse reals.ida a
esta sohrariam recursos para emprchender al-
guns melhoramentos de que carece.
>*?-.
804:950858
107:51a324
5:3085400
44:3394i 1
noticias do norte do iiupcrio.
Hmtcm amanheceu em nosso porto a vapor
brasleiro Couzeiro do Sul trazendo datas : Para
31 de maio, Maranhao 3. Ceari 5, Ro Grande 7 e
Parahyba 8 do corrente :
p.\n.
Foi exonerado, a seu pedido, de promotor pu-
blico da comarca da Caehonira, o bacnarel Pedro
Regalado Epiphanio Baptsta.
Fallecer o secretario da inspectora do ar-
senal de marinha Ignacio Jos Ferreira de Men-
donca.
A alfandega rendeu no mez de maio___
390:684*383.
Lemos no Diario do Gram-Par :
A um collega nosso escreveu o Sr. Dr. Ben-
jamn Frankliu_ de Albuqnerque Lima, mera
bro da commissao* nomeada pelo governo impe-
rial para estabelecer commi?s5es entre o Tocantins
e o Araguaya, a seguinte carta, com interessantes
noticias dos nossos sertoes :
S. Jdo d'Araguaya, 30 de abril de 1873.
a Meu Ilustre amigo.
Aqui estamos desde o da 18.
Subimos o rande rio. A enchente tornara-o
esplendido e acalmara um pouco o arruido das
corredeiras.
Sessenta e cinco das de viagem foram preci-
sos para subir at ao Itacaid, em Malta Grosso, e
descer de novo a S Joo. Alguns perigos na Ca-
choeira Grande, alguns das de monotona por
desarranjos na machina e a viagem. toda foi urna
continua satsfaca-
O ponto de maior belleza Santa Maria. D'a-
hi em dianle acabase a aniformidade da vegeta-
do ; a paysagem outra : campos planos ou do-
cemente racimados, sobre os quaes estende-se um
lencol do verde grama interrompido por arvores
raen ticas.
Pode-se mesmo dzer que a monotona termi-
na na Caehofiira Grande.As aguas rumorejam
por toda parte, que em toda parte encontrara ellas
um obstculo sua franca passagem.
Na dsposicao das rochas que all enistem en-
contrara o gelogo assnmpt de interesse para a
sc enca.
ACachoera Grande o nico obstculo
seno do rio Araguaya. PaSsado essf_entrave, a
mudez do quietismo immensa, o
fundo.
Oselvagem construe seus hiva
immensas. S elle quebra esse a
cora seu grito agudo.
Ha nesto grandeza um sentinento que oppn-
me, sobretndo quando o eo tactnrno. Quando,
porm, irrompe a manha e a natnreta Jada pare-
pro-
nas praias
to silencio
I
runrr.
Lemos no Pianliy :
De volta da cidade da Parnahyba, o hbil en-
genheiro Dr. Newton Cesar Burlamaque, commu-
nica-nos a conclusao final de todos os trabalhos
relativos a importante commisso que eonliou-lhe
o ministerio da marinha por aviso de 13 de junho
to anno passado.
A collocado de um pharol de ferro no Ifigar
cima denominado, e a eonstruccao de urna casa
de pedra e cal para morada dos pharoleiros faziam
o objecto da mencionada commisso, cujo cabal
desempenho nao se fez esperar.
Ficou assim a nossa pequea costa de posse
de urna imoortant-sina obra, que muito importa
navegaci) martima,e a arovinca com um mc-
llioramento que muito nos ha de servir para a so-
laclo favoravel das nossas questdes de limites
com as provincias viznhas.
Cabe aqui umapalavra de louvor ao Sr. mi-
nistro da marinha pelo nteresse que sabe ligar
na gesto dos altos negocios a seu cargo, ao pro-
gresso material das provincias, ainda quando se
trate de urna pequea, e ao Sr. engenheiro, Dr.
Newton Burlamaque, pelos valentes estorbos e
solicitado cora que cumprio os seus deveres, da-
seniuciihando-os em lugar deserto e absolutamente
falto de todas os recursos; honrando assim de um
modo pleno a eonflaaca do governo imperial.
Ophirol de 4" orden. Est collocado I
mais de 80 palmos cima do nivel das aguas me-
dias do mar, tem luz branca, fixa e scintillante, e
aleanca urna distancia de 10 a 12 milhas de qual
quer direcd-i que seja visto. J funeciona regu
larmente desden mez passado.
Lmos na Imprmsa :
Escrevem-nos de Principe Imperial que no
dia 31 de marco ultimo o rio Puty soffrera urna
enchente igual a de 1839, chegando a invadir to-
das as ras da bera do rio e do bairro denomina
doBarrado -cujas casas ficaram bastante ar-
rumadas, cahindo outras, as de Domingos Proco-
pio do Nasciraento, Manoel Vieira da Silva e de
. franca.
Os habitantes dessas ras, logo que presenti-
r m o crescimento das aguas tratoram de retirar-
se para as ras de cima, viznhas igreja matriz,
e nesta, que fica* em um ponto mais elevado, abri-
garam-se duas familias, ah conservndose at a
evacuado das aguas. -
Felizmente nao tvemos a lamentar perda al-
guma nessa occaso, e somonte no domingo de
paschoa, a de um individuo de nome Angelo, o
qual sean loas bastante embriagado, e tentando
atravessar o rio Puty para o outro lado, to victi-
ma de sua imprudencia; quatro das depois foi
encontrado morto, preso a urnas moutas no rio,
bastante estragada dos peixes. n
A' esforcos do distincto alferes honorario do
exercto e delegado de polica da Independencia,
nosso amigo, Vianoel Jos Couto, acaba de ser pre
so o celebre criminoso de morte Francisco Jos
Thomas conhecido por Pavella.
Favella, um dos barbaros assassnos dos rafe-
lizes padre Ignacio Ribeisp Mello, seu irmao Se-
hastiao Ribeiro Mello e Fran isco Bezerra Passa-
rinho, tem conseguido, pela escandalosa proteceo
de que ha gozado, escapar accao da justica.
CHARA.
Foi nomeado promotor publico da comarca
da Barbalha, hachare) Cassiano Candido Tarares
Bastos.
Lomos no Cearense :
t S. Exc. Rvm.* conferir ordens na capella da
Conceicao da Praa, no dia 3 do corrente^os se-
guintes seminaristas : w
Subliaconato aes Srs:
Francisco Rodrigues Monteiro.
Jos Alves Bozerra.
Joaquim Theodoro de Araujo.
Laurino Justiniano Douetes.
Modesto Theophilo Ribeiro.
No dia 7 receberam o tonsurato os Srs.:
Antonio de Lyra Pessoa.
Francisco Lopes Atoth.
Joao Cordeiro da Crnz Saldanha.
Joao Florentino Cavalcanti.
Joaquim Ferreira de Castro.
Luiz Francisco Lelao.
Manoel Flix de Moura.
Primenio FreWe das Vii%ens.
a Menores ;
Antonio Augusto de Vasconcellos.
Bellarmino Jos de Sonta.
Bruno Rodrigues Figueiredp.
Jos Slvino Ferreira LimiP
Luiz Beierra da Rocha.
da sentinella e este mesmo dorma somno solt .
a bomba de incendio appareceu quando nada mais
bavia a fazer. E' um objecto interamente inutil
]ue nao prestou ainda o menor servco.
Convm aqu mencionar os nones daquella-
pessoas que mais dedicadas se mostraram. O Sr.
alferes do '5 de nfantaria A II. da Fonseca J-
nior portou-se com urna coragem e sangue fro
admraveis e foi urna das primeiras pessoas que
se acharan no lugar do sinistro, assim como o
Sr. Frederico Severo, que primeira deu o sgnal
de alarma ; o uncial de fazenda Martiniano Jos
Cantoso, o guardio da companhia de aprendizes
marin eiros compareceram com alguns menores,
trazend) unas mangueras, o que concorreu
grandemente para a dominado do incendio ; os
Srs. capilaes Jo< Fosceca e Guilhenne Bocha, l-
enle Felippe de A. Sampaio, Manod Bocha, ioao
Villar, Joo Rodrigues Samico, Joaquim Francisco
Bomteinpo e Marcolino Teixeira de Souza, lOttas
essas pessoas prest iran muit bous servidos.
A opmao publica j esto formada a respeto
desse acontecimento. Os livros e toda escriptura-
do, a b irra, todo dinheiro, assim cuno as fazen-
das linas, voz geral, que foi ludo baldeado de
ve Palm ud cautellam, devdo essa precaucao a al-
gn presentnnento la I vez..
< a occasiao do incendio o fumo tinba un
cheiro pronunciado dealcalrio, e a este combus-
tivel sem duvida alimentou o fogo, que tomou r-
pidamente tan grandes proporpics.
Parecer escusado accresce.ntar que o asta-
belecimcnto estova seguro na quantia de 50:000i.
O gerente e caucho d casa foram interro-
gados e consta-nos une suas deelaraces sao com-
promettedoras, nada porm sabemos de positivo.
A alfandega rendeu no mez de maio.......
i- '".- .i. 0
O vapor inglez Ambroze conduzo para Li-
verpool : v9i,235 kilos de algodao, 59,190 de ca-
f. 260,520 de eonroi salgados, 200.0 K) de netos e
67,o80 de gonna de mandioca, ao todo i,58,305
kilos.
BIO filtANDK.
Em 7 do corrente escreve nosso con espon-
dentada captol :
Sao de alguma importancia e gravidade os
acontecmentos que se doran nesta provincia de-
pois da partida do ultimo paquete.
t Nesto capital Canuto Ildefonso Emerenciano
Jnior, snrrou brbaramente a un seu fmulo de
nome Joao dos Santos, lilho do preso do justid
Antonio dos Santos, pai da infeliz Maria, menor de
8 annos, a mesna que segundo j llie noticiei fra
ha mezes brutalmente dufiorada por um tal Pedro
Maritacaca.
O fmulo Joao dos Sanios tamben menor de
14 anuos.
Aoresentou-se perante repartido da poli-
ca impbrando a protaccau. di le para seu desag-
gravo.
t O Sr. Dr. chefe de polica, aHendendo mise-
rabibdade do oflenddo, mandou proceder a corpo
de delicio e a inquerto policial, alim de se instau
rar proeesso contra o otfensor, a respeito de quem
vo apparecendo nesta idade algumas verses
bem dsfavoraveis tanto em relad'1 esse facto,
como acerca de outros, que se achavaui incu-
bailos.
Na cidade do Principe, Angelo Bodrigues da
Silva, deu urna facada em Bonifacio Jos do Nasci-
mento, de que Ihe resltou uoi leve ferimeato, se-
gundo se veri(icou do auto de corpo de delicio, a
que se procedeu.
O delnqueme foi preso em flagrante, e sendo
recolhido reepectira cadeia, d'alli se evadir
por um arroinbamcnio, que uella j exista.
A sua fuga, Jizetn cartas escripias daquella
localidade, fora protegida por um dos guardas na-
cionaes, que vigiavam a prsao, o qual, estando"de
sentinella, abandonara seu posio e fugra com o cri-
minoso.
Este, das depois, apresenton-se ao Dr. juiz
municipal do termo, e prestou fianca pata tratar
de seu livramenlo.
O guarda nacional, porm, ainda nao appa-
receu.
a Contra elle instaurou-se o devdo proeesso.
Na raesma cidade deram-se lainbem os fac-
los seguintes :
Felippe Raphael ferio gravemente com urna
facada Joiquim Jos da Trio Ja le, cuja vida (ca-
ra en perigo, a seren c-xaclas as noticias rece-
bdas.
Um menor de 12 annos, iilho de um tal Jos
Roberto, morador na fazenda Pedra do Sino,
disparou urna arma de fogo sobre um outro me-
nor de 7 annos, produzindo-lhe a morte instant-
neamente.
Esse infeliz menino era filho do colleclor de
rendas geraes Manoel Scveriano de Brito.
O facto, segundo se diz, fra todo casual.
Fosse ou nao casual, o Sr. Dr chefe de poli-
ca, interessado no descobrrarnto da verdade,
nandou pelo seu delegado proceder s diligencias
recommendadas na lei^
Mais serias e graves foram as oceurrencias
que no dia Io do mez passado tiveram lugar no
distrcto do Patd, termo da cidade da Imperatriz.
A forc,a publica do atole do Rocha, provin-
cia da Parahyba, reunio-se a um gruji de paisa-
nos, e sem autorisacio legal, invadi o territorio
de.-ta provincia, entrando dscrecionariamente no
distrcto de Pat, e ah a pretexto de prender cri-
minosos, assassinou barbora e atrozmente a Lucio
Alves Xavier, pobre pai de familia, que se acha-
va tranquillamente empregado nos trabalhos'de
sua prefissao.
< Aquelle infeliz, bem quieto no lugar, ainda
moco e uento de crimes, pagou com a viva a tre-
menda vinganca, que a familia Limaozinho vota
a todos os membros da familia Alves, a que elle
pertencia.
Foi um faci horroroso I
A forca publica do Catle do Rocha prestar
severas emitas de seu abusivo e criminoso pro-
cedimento.
O Exm. Sr. presidente da Parahyba e o res-
pectivo Dr. chefe de polica, nao deixario por
certo, de tomar as providen ias, que a semelhan-
te respeito devem ser. pedidas pelas autoridades
superiores desta provincia.
Acredta-se que a lei ficar completamente
desaggravada.
Acaba de ser capturado em S. Jos de Mipib
a r Isabel Maria da Conceic&o, pronunciada em
crime de ferimentos graves.
MMM.
Em 8 do corrente escreve nosso correspon-
dentada capital :
nada de importante tem occorrido depois da
qae lhe esc revi pelo costiro ; alm do facto de
ter a presidencia resolvido mandar cessar e des-
cont de cinco por cento dos veneimentos dos em-
preados provinciaes, de laxa transitoria consig-
nada na lei do orcamento de 1871, que se acha em
vigor, relativamente crise tinanceira da provrn-
ftla.
rf^Bste acto tem sido applaudido geralmente ;
poffle o thesouro, se esteve em crise, devend a
quantia de 250:000, mas tendo tuna divida acti-
va sCberior a 700:000, pode hoje prescindir da
migalhnque Um resulta daquelle-sieorito, que se
REVISTA DIARIA.
Vssonibl: provincial".Hhonlem func-
Mouou com 23 sennores deputodos.
Aporovada a arto da sessao anterior, o Sr. ("ro-
mes Prente solicitou a nomeacao de um membro
para a cDmmisso de redaedo dasleis, c o Sr. pre-
sidente noineou o Sr. Ratis e Silva.
O Sr. Io secretorio, obtenJo a palavra pela or-
dein, propoz para o lugar de 2" offlcial da secre-
taria da assembla, vago pelo fallecimento do que
o exercia, ao 3 dito sebastiio Manoel do Reg
Barros, e para o lugar de 3o offlcial ao collabora-
dor Elias Agricio de Ratis e Silva, cuja proposta
foi approvada.
O >r. presidente nomeiou para levar as diurnas
resolucoes sanc-;ao os Srs. Ernesto Vieira, Frei-
r Gameiro e Lacerda.
Em seguida o Sr. 1- secretario leu dous pare-
ceres, acerca da lei do ornamento de 1871 1872,
sobre o qual fallaram os ?rs. Mello llego e Novaes,
sendo ahnal votado tanto o parecer como a vol
em separado, nominalmente e resolvido a requer-
ment do Sr. Mello Reg, sern elles publicados
no jornal da casa.
Foi aceito e approvado por unanimidade devo-
tos o seguintii requerimento:
Requeremos quo esta assemMa por meio de
seu presidente, nomeie urna commisso compo de representantes desta provincia, alim de lelici-
tar a S. Exc. o Sr. conselheiro Joo Alfredo Cr-
rela de Oliveira, quem este assembla applaude
e louva como um cidadao Ilustre e benemrito,
pelos incessantes e retevantissinas servicos pres-
tados ao estado e a esta provincia, inirando e se-
cundando as sabias e importantes reformas com
que o patnotio gabinete actual lew procurado
dotar o paiz. Gonralves Ferreira, Ji.o Vieira,
Mello Bego, A. Araujo, padre Tito, Albuqnerque
Lacerda, U. Cavalcante, FigueirOa, Gomes Prente,
Amaral e Gameiro.
E a requerimento dos Srs. Ges Cavalcante, Joo
Vieira e Mello Reg, foi tambem resolvido que eonsignasse na acta um voto de louvor ao Sr. Dr.
Agniar, presid-nte da assembla/pelo modo digno,
justo o imparcial com que dirigi assessoes do ac-
tual biennio.
Foram approvadas as re-lar'rW dos pr.qectos
ns. 54 e 70 d.-> 1872; 2, 38, 40, 5 51, 61 e 70 do
corrente anno.
I'ass.indo orden dia foram approvadas em 2"
discussao as emendas apresentadas en 3* aos p:-
iectos ns. 62 e 69 deste anuo, e bem assim os pro-
jectos.
O Sr.presid.'lite suspendeu | irrisn em quanto
se redigiram os pr-.jectos e a acto.
Continuando depois a sessao, o Sr. secretario
leu as redaccoes dos supra-ditos project-isns. 62 e
-9, osquaes foram approvados
E nao haveado mais nada a tratar e lend ---.
h'do c approvado a acta, o Sr. presidente deetaroa
encerrada a presente sessao legislativa.
Ciyiimasio provincial. Por portara da
presidencia da provincia,de 5 do corrente, foi exo-
nerado, seu pedido, de censor do gymnasio pro-
vincial o Rvm. Herculan i Marques da" Silva.
Pi-ofcssora publica.Por portari i da pre-
sidencia da provincia, de 5 do correte, foi remo-
vida, seu pedido, a professora publica Anna g-
nea da Silva Ramo*, da cadeira de S Jos de In-
gazeira para a Je P..nellas.
Autoridades paliciaes.P >r portaras
la presidencia da provincia, de 6 e 7 do corrente,
foram Horneados : 2>- e 3 snpplentes do subdele-
gado do 2- disiricto da termo de Agua-Prta, An-
tonio de Vasconcelos Lins e los da Silva Lns,
Teixeira; subdelegado, 1'e 3o snpplentes do 1*
ostricto do termo de Agua-Preta, Domingos Af-
fonso Ferreira, Antonio Bezerra Teixeira Caval-
cante e Ulympio Frmno Teixeira Cavabas*;
subdelegado e I supplente do Io di-tricto do ter-
mo de Barreiros, Joo Marinho de Barros e Joao
Flix de Albuquerque.
Kuarda nacionalPor portara da pre-
sidencia da provincia, de 6 do corrente, mandon-
se ter effeetividade na 1" companhia do o" nato-
Hilo de infantoria, do municipio de Agua-Preta,
o capitn aggregado Jos Bezerra Cavalcante Ma-
ciel.
Vicario geral e provisor. -I'r titulo
de 7 do corrente, foi nomeado por S. Exc. Rvm.
vigario geral e provisor do hispado o Rvm. Sr.
Joaquim Graciano de Araujo ; sendo tases data
exonerado, a seu pedi lo, o Rvm. conego Joao Chry-
sostomo de Paiva Torres.
Fcsta religiosa. Na sexla-feira 13 do
corrente, celebra-se a festividad-! de Santo Anto-
nio, padroeiro desta provincia, na igreja das reli-
giosos franciscanos desta cidade.
Prega na missa solemne o Rvm. frei Ignacio de
Santa Umbebaa Medeiros, e nj TeD.um, u Rvm.
frei Joo de Santa Thoreza de Jess.
Honrosa manifestacao. Ilontem, na
hora do expediente, e na assembla provincial,
foi aprssentado o seguinte requerimento, o qual
foi approvado pela unanimidade dos votos pre-
sentes.
Requeremos que esto assembla, por meio
do seu digno presidente, nomeie urna commisso
composta de representsntcs desta provincia, afim
de felicitar a s. Exc. o Sr. consdheiro Joo Al-
fredo Correa de Oliveira, quem esto assembla
applaude e admira, como um cidadao Ilustre e
benemrito, pelos incessantes e relevantsimos
servidos prestados ao Estado e esta provincia,
iuiciando e secundando as sabias e importantes re-
formas eom que o patritico gabinete actual tem
procurado dotar o paiz S. R. Goncalces Fer-
reira, Joiio Vieira, Joaqun Mello Reg, Antonio
Correa de Araujo, padre Tifo de Barros, Albu-
querque Luerda, Aburo Ucha Cavalcante, V. ib
Figueirti, Gana Prente, Amaral, Gameiro
E' este, por sem duvida, um bem merecido e
honrosissimo testemunho de apreso, que com
grande satisfac registramos, associando-nns da
melhor ontade aos votos da illu provincial, que, ao encerrar os seus trabalhos do
corrente anno, nao poda esqueeer os relevanlis-
smos servicos prestados ao paiz pelo conspicuo
cidadao, que; honrando o alto posto que oceupa
nos conseihos da coroa, honra por igual o non-:
pernanbucaoo.
Attencao.-A' attendo dos nossas leitores
reconmendamos a nossa correspondencia do Ro
de Janeiro, que vai sob a rubrica Interior, e na
pial se acha relatado com minucosidade, o que
se passou na caara temporaria por occasi > de
seren all recebidas as noticias detolhadas dos
acontecimentos de 14 e 16 de maio.
Tambem sob a mesma rubrica Interior", vai
publicado um artigo do josnal Sardo, apreciando
aquelles acontecmentos em face das noticias idas
d'aqui.
Justa sutisfacao. Em satisfado ao
que lhe foi requerido, e tendo em visto o estado
mrbido do Sr. Jos Maria Ribeiro, preso na casa
de detendo, o Sr. Dr. chefe de polica interina
consentio em que fosse elle tratado no hospital
portuguez de beneficencia, da alienado mental de
que se acha atacado.
Constamos que esse individuo antes* de enlou-
quecer interpoz recurso da pronuncia que contra
elle lavrou o Dr. juiz de direito do 2.* distriew
criminal. Esse recurso, segundo nos dizcm, deve
ser hoje julgado no tribunal da relago.
Viajantes Ilustres.Acham-se bordo
do Cruzeiro do Sul, em viagem para a corte, a Sr.
Dr. Augusto Olympio Gomes de Castro, deoutadi
as-embla geral, e o arcedigo da S do Mara-
nhao, o Rvm. Manoel Tavares da Silva
Dinheiro.0 vapor Paran trouxe para:
I -I.
Was da nc
'"'V^^^mt'i* rusntala.
Pernamhuraii. Ihnmm Jarean" e IrtSJS MTh
calares maio, foi aln-rta a se**Tdr m*
e approvada a acto da de 4alaraa, Sr
sident dru posse aos destos para as sana
lentes cargos.
Oraran os Srs.: Thomas Chavos,
Adriano Neres, orador da casa ; Dtasnea
orador do rongresso Iliterario, Bertinv > Vtm
da, orador de Club Acadmico ; Manua* MadP
orador do Instituto Philosophiro Pernasataacas ;
Cymejro, orador da Harmona Juvenil ; a nasa
nos Lins Themndo, Ameriro de '"aft.-imo. Carita
Sobrinho, Medeiros Corrria. Ilvgino MeS>
Pimentel c Reg Barros Jnior.
Obtendo a palavra ainda oraram n
lins de fnnsnn. Custodio dos Santas,
Olymiio. Moreira Alves Marrrlino
Rosa, v'ieia da Si'va, Frcderirr Rorgas, Mi dr
Miranda e Dr. Alfredo Brandan : estes dos sdk-
mos reritaram duas linda |K>esias.
Durante os ntervallos de um a nsW
urna banda de msica tocara vanadas
roi nina linda festa ar.ideimra
ertodM as |,>ias da mocidad.-
Do semblante de todos Iraniaarrrii a atagria *
o contentamento e a mais completo paa saonsaiia
remol entre fod is.
As 1(1 horas da noute, nao havoixla
quizesse uslr da palavra, o Sr.
ton i sassi i
Chefe ile pulirla Devr pre-Lo- hojp jn-
rauenio e entrar em exereWa t|pt^ rarg..
Hr. Amonio Franrisro Correii de Vratijn.
Futra ni em rxrreirl T-Tid
cerrado hontem ,- trabalhos da tss<-mlira
vincial. auinem boje os .-\ resrins
Adi'lpbo l.aaienha Lins, de sseretari i
governo ; Dr. Joaqaiaa Jo*r de OMvesra
de promotor publico da mnM ; Dr Frtippr *
Figueiaoi Kan.:, d ajudantedo engeafetSM fevad
da estrada de ferro do S. Frann-.o Dr. HgnH
Jos de Almeida Pernambuco. de ajn da ar-
pr carador Bseal da Ibeaenrarla pr- vimial. Dr-.
Joaquim Correa d Araujo e Jo io Jo-. Frnvera 4r
Aginar, de lentes da faruldadr dr SrHSa.
Cru/.eiro ilo Sul Este vapor qne toif-
largar para os portos do sul, j nm i-ii4" lHi-
etass i dtanir, so rnceber os w> pre-cind nn de tal coinmolo.
Chora Menino e Cajueiru. Ser Khbi
que por essas localidades lacan sanan**? alta-
mas rondas nocturnas, alim snvvr-wsadSJSBBn
de darse por all a-desordena e confhetos na
rontinuameiite se repeirm.
Com a munit-ipaliilarie Pcdnni-n
publrcacfio rio segrate :
Chama se a att-nco da cmara muir
Berife para urna offiVina de ferrei-" r nuiralii ir
culioc.i |.i por baixo do sobrado da roa da Ponte-
Velba n. l.^ji mh o hV.-il, nlo distante avtaad.,
enhorna providearia i-m tomado, de iiKk. a n--
sar ese rn-ommodo. u > s prejudicial ao nt
dor di sobrado, romo a toda a vismhan;a. Pede-
se arovulenrias para qu.- nao rontmac ial
nia\aK-b;iv,.|| lo posturas daramaii atd
to, que iii-li am os lugares para isas apr.41ri.1-
dos.
Insto pr-dlilo R.-m>tteram-ims o rgnirrlr
Pedo-se ao digno subdelegado da fera-Vista, qoc
P'-r caridule acabe cmi urna Manta >ic mi lequ-s
ipi- t.nl .s ns dxmingos r das santos w ajonUia
no pateo da Santa Crai e roa VHIia. n|Mnan*n
papagaios. qie nao s juebrain os t-ih 11 .-
pedradas que -lio. c un tambem inomaalaas a
familias ewn as palavra las SJM tUsesi e a a'f--
zarra SJM hsasn.
Com a eamara municipal Morad -
res da ra do B.r de >. Borja. p.-drta-na que
chamemos a attencao da ranura rMim-pal para
o pessimo estado em que ella se aca, rs*
em ce-tos pontos, com aguas eslagnadas t
etc., etc
Cumprdo n no-si dever, o resto I o a a Nimi.
miinicipa'idol.'.
Caes -('.laman geralmente contra aal'u\t-.
de caes, que infesta:;i actualun-nl .--ta rilad--.
Ilm'em um delles atcalo do mal p.' em alar-
ma o ateo da Penha e mas adjacentes. e r
nenlmni se teve a lamentar desta vei. nao e si-
gile que de outra o mesmo acontera. A' visto do
ex posto, hol'i rom ellrs.
Carne porlre Pelo fiscal la S. BSallsf
hratern mandador botar fra 143 kilo dr rarae
verde c-iiiipletamente deteriorada, e qne estara
exposta venia no mercado pubbo.
Asylo ile alienadas I nportann.a
rinida do beneficio om favor do asUode asiens-
ilos. ja publirada
J.MoJos Rodrigues Mendos, ca-
na rote
Tasso Irmao, dem
Kerroff. ondatra
Adriano Je Castro. dem
Craminer Frey< 4 C, dem '
Wil 4 (".., idrm
H Lgor, dem
Vieinr Grandin, dem
Shaw Hawe< 4 C, idrm
Ferreira 4 C, ideai
Armnio 4 C, dem
Dr. Joao Jos Pinto Jnior, id -m
CarlisE. Mulilert, dem
3:Sl3** tan)
instn'
toam
lOfMI
K)*">'
:.* :I'.
IfJJN
!'.*-
: 1
34St:
refe
resul-
Br. I
I6:ti:i6if;t9
10:6301000
2:100000
300400)
SOOUOO
Sul trouxe para:
2:000i000
Pinto Barbosa C.
A. Hyvernat 4 C.
Jos Rodrigues de Souza
Antonio de Moura Rohm 4 C.
Joaquim Augusto de Almeida
Jos da Conceicao de O. Figueiredo
O vapor Cruzeiro do
Francisco G. Bastos e S.
A. Hyvernat 4 C 1:950*000
Domingos Ferreira Maia l: 189160
Jos da Silva Loyo 4 Filho 1:132*000
Barros Jnior 4 C. 1:000*000
Joao Bamos 4 Machado 1:000*000
Jos Bodrigues de Souza 800*00 <
Manoel da Silva Sampaio 800*000
Domthgos Alves Matheus 750 000
J. O. C. Doyle 900*000
Armimo 4 Moreira 339*000
Manoel dos Santos Villaca 261*000
Novo Parthenon-Xoda 7 do corrente
reunio-sc era sesso solemne esto sociedade para
dar posse aos diversos membros eleitos para a di-
reccao delta.
Irmanilnde do Sanlissmo
ment da inatrls ale Santo Al
Procedendo-se honlem eleicao da 1
lora que tem de funrrionar no anno 1
-al de 1873 a 1871, deu ella o seguale
todo :
Juiz -Jase Bufiao (Jimaco da Silva.
Escrivao -Alexandre Americo de Caldas
do.
Thesonrero-Jos dr Azcvedo Maia e Silva.
Procurador geraltaldiao Antn o Ahes Fer-
reira.
Pr.iruradores- Antonio AflonsoFerreira,Mar.
Jos Barbosa Guimaraes, Graciliano O. da Crna.
Martins e Joao Baptista Pereira Lata.
DelinidoresMiguel Arrhanjo Madefio, Fran
risco de Souza Res Monteiro, Joaqnim Aatosd
Cameiro, Jos Joaquim dos Santos, Jos Alnaa-
dre Ribeiro, Manoel Jos de Bastos Mello, Aag*-
(o Fernando do Bego, Jos Bartmaa do M-aa**.
Santiago, Franrisro Antonio de Brito, Jo de Ale-
ve,lo Andrade. Torquato Henriques da Silva, a-
noel Antonio Viegas Jnior.
Reetifleaeo. No relatorio do EaaVt-
Bank of Rio de Janeiro Limited, 1 oatem 1
sob a rubricaPernambuco deu-se svaS7* l
o seguinte engaocambio de 13 % aae
ler-se cambio de 21 ,".
Vapores transattlaatlco*. Escreve
rios-o correspondenle de Lisboa:
Ficam annnorados para 8 de junho araarmo
o (Hierom: de Liverpool ; a 10, o MafHlm ; a 13.
Hoyue; a 23, outro de Bordeas ; a 2k, Cafaaaai.
E' possivel pie anda haja mais alguns.*
Repnbliea francesa. O novo presides)-
te, successor de Thiers, o general Mar-Manon tea
65 annos, o general escol ido peda partidarias da
governo de rombales para surceder aa Sr. Ttawrs.
Descende d'uuu amiga familia catbonea srlsnv
deza que se associou aos de-linos dos Sisarte, a
filho d'um par de Franca que foi amina aassaai
de arlos X.
Depois de freqnsnur a escola de San-Orr, tai
para Argel, voltea i Europa, assistn aa earsa de-
Antuerpia, tornouaara a frica, e
ah no assalto de Constanlna, em 1837.
Quando rebentou puerra da Crisaa tai aa-
raeado general d'iima divisan de iofaataria, aira-
te da qual teve a pnricosa 1 oara de tesaar de as-
salto as obras da slak.off, que eraai a ctaaan da
Sebastopol. A gri-eruz da Legiae de tasara a
nomeacao de senador foram a
brilhante feito de armas
Em 1836 tomou parir na ei|
kabilas, conseguo desaljalos _
difDeeis e foi nomeado roiaasaaisTantff M 1
torcas de trra e mar de Argel.
A campanha de Italia troase-o asvasasali- Ea-
rop.i. Nomeado commaadaate da t*
i :7.'51*001 xercito dos Alpes,
na victoria de Magenta,
campo de batolha duque de Magasts e
de rranca-
0 mareclialjanresentou a Franca na caranain
de GuilhermaJM, re da Prasaia, a vasta de sar-
lim substituto o inarechal Casrataart na 1
do 3* corpo de eurctlo, e l
nomeado governador feral de Argel.
E conhecido o paffjl lio valorse qoaato pansa
afortunado que raprflnton a dnsjna ,de Hsfanta
na guerra com a Ailemaaaa. A sua anJi mira-
da depois da accao de Wasrtb (ai on dea Usa
mais roemoraveis daquella caasaantaa,
0 valor indonavei de que den prova asa I
em quasto Baxaiae sapilulava cea
smente e Ducrot regreauva
rotado, grangeoo-lse o tsnli
oiaV
Cnmmlsss\o.-Por portara

(
a Pnria, viva a dar-
> da Hartas ara-

Ida provincia, de 5 do corrente, tai



fc
-*-w
I
"*^ *4
*r
*m
*em



<-
i

Diario d Pernambuco Tercja feira 10 de Juuho de 1873.
- I
r
c itattMssdo, eimpost do Srs. tenente-coronol Se-
bastan'Jo l'yrrho. capitaes Tiburcio Hi-
lan i .la nI Tarares a Chrysolito Ferreira lit-
ro Chayes, para examinar e dar seu parecer
ea da oualidade do calgado ltimamente vindo
orte e distribuido ao 2' batalbao de infamara
de linha.
! Gazeta Jurdica.Acaba de chegar o
numero deste jornal, do i. do eorrente, que traz
0 seguate :
Gazeta Jurdica : Pa classificacn do crime :
ila justeza depende a regularidade do pncesso, e
romo eonsequencia, a estabdidade dos julgamentos
Consulta : -su recurso de aggravo ou de ap-
pellacao, nos julgamentos fnaes dos embargos ao
a resto comniercial *Jurisdiccao Civil : Credor,
nos casos de fallencia ou de iusolvabilidade, consi-
dera-so habilitado para o concurso simplesmente
cota o sen titulo inscripto, segundo a reforma hy-
pothecaria. -Emjappellaco nao se reforma senton-
es de r." instancia, fundada em prova dos autos,
por motivo de faci posterior a ella.A doaco
propter nupcias nao est ein uso entre nos ; 2.,
contrato dota I, que nao declara que o doto se na
de resrvelo direito commui, constitue a com-
munieacao do dote.Nao sao vnculos, nein as ca-
pellas anministradas por corporacoes de mo mora
e nem a< canellas nao vinculad.Jurisdiccao
Commercial: Bens ficain penhorados por nomea-
o feta conforme o art 508 do regulameutj n.
737 de i830 ; e se o exequente nao a impugna
logo, d o seu assentimento tcito que tanto vale,
no caso, ao expresso. Reforma Jadietara : Juris-
diccao civil dosjuizesde direito as comarcas ge-
raes.Direito Criminal: Perante o cdigo crimi-
nal a injuria em caria nao crme.Bibliogrj-
phia.
Systema mtrico decimal.-Somente
at o tira do eorrente mez ser tolerado o uso do
antigo systema de pezos e medidas ; comecando do
1 do mez vindouro a ter execuco a le n. ii57
de 2t de junho de 1862 que substituio em todo o
imperio o actual systema mtrico decimal.
Proelamas.-Foram Iidos no dia 8 do cor-
rente na matriz de Santo Antonio:
i' denunciacao.
Claudino Tcixeira de Carvalho, com Joaquina
Mara da Conceico.
Luiz Ceciliano Antero, com Amelia Mara da Con-
e.eico.
Thomaz de Souza Mafra, com Jesuina Cassimira
de Macedo.
Jos Rodri juos Baixa, com Claudina Maria da
.'.once^o.
fot Pacfico Nunes Correia, comBcinvinda Ma-
ria da Paz
Manoel Marliniano de Araujo, com Mara Barbo-
sa da Coaeeicao.
Manoel Rulino de Moracs com, Mtfia Francisca
Pereira dos Sanio?.
Alferes Joaqum Villela de Castro Mariz, com D.
Maria Amelia da Concedi.
Liberato Tiburtino de Miranda Macie!, com D
Delmta Eulalia de Oliveira Lima.
i-'ranrelino Domingues da Silva, com Leocadia
i -reza dos Reis.
Etelvino Daniel de Araujo Machado, com Jesuina
Vina de Lemos.
2' denunciaban.
Antonio Pires da Silvcira, com Clarinda Maria
Francisco Luiz Cavaleante, com Felicia Theodo-
ra de Barros deis.
luaoeeiieio Joaquim de Sant'Aaaa, com I). Ma-
ria do Espirito Santo Oliveira.
Janearte Nunes da Silva Lins, com Rila Maria
da Coneeico.
Veriato Severiano Gomes de Castro, com D. Ma-
ria Amelia da osta Monteiro.
Aaestinlio Vrela dos Santos, com Lucinda Ma-
ra da GMGStyto.
Jos Antonio de Souza Bastos, com D. Amelia da
('oneoicao de 01 veira Azevedo.
3' denunciacao.
Antonio Joaquim Das, com D. Anna da Concci-
cio torbosa.
Francisco Manoel da Luz, com Julia Theren
Bitasncourt.
Climerii Airas do Farias Pedroso, com Maria da
Coaeeicao Oireira Figueiredo.
Lotera. -A que se acha venda e a Si*, a
Ji-meficio da matriz do Cabo, a qual corro no
dia ti.
Casa de letenon. Movimento do dia
8 de junho de 1873 :
Existiam presos 332, entraram 6, sahiram 3,
existem 355. ,
A saber :
Narionaes 36, mulheres 13, estrangeiros 41,
osoravos -i-2, eseravas 13.Total 35S.
Alimentados a casta dos cofres pblicos 2s"0.
Movimento da enfermara do dia 8 de junho
de 1873.
Teveram baixa:
Manoel Jeroaymo da Silva ; darthos.
Iota Theodoru Pinto ; erysipella.
PjUMatreta: -Viudos d a Europa no va-
por franeez IVo Grande :
Orlando, Guerraud lirhel, Rafaelo Paulo Boll,
lmnaf Francesco, Gennari Ipenni, Ouriel Grego,
Bonnali Gioseppe, Barletti Augusto, Gallolti F. An-
tonio, Ambrosio Nimia, Galutti Emmanuel, Ge-
naro Stephano, Aches Petro, Aches Mirtino,
Mllme. de Gastold, Jos Rodrigues de Soasa, Mar-
o-dio de S. Campos, M. Luiz da Silva, Thomaz F.
de Salles Rosa, Jos Lopes de Oliveira, A. de
I reir e i fiios, Joaqjim Jos da Fonceca, Milu.
Florinda de Jesus, Caricelupor e i lho.
Vindon do norte no vapor brasileiro Cruzeiro
tfo Su i :
Laurindo Antonio Apolnario, Benevenuto S. de
Jess, Jlo GilB Lopes, Jos G. Braga, J. Pedro da
Silva, D. Anna C de Oliveira, l). Emilia C. de OI-
v ra e 1 escrav.i, D Philomena A. Goncalvcs e 1
iva, Jos Antonio Guncalves e i escravo, Ur.
Segismundo v Goncalves e I aobrinhos, 1 escravo
a entregar, Auna Soares Cavalcant!, (".alisto G. dos
SaalOS, Horacio Albino Pexoto, Joai Evangelista
da Silva, V. Jos Raposo, Jos Antonio de Figuei-
redo. Jos de Meira Lima Sobrmho, suasenhora c
1 dlh.0 e i criada, M. Gomes Pereira de- Vascon-
celos, Jos Bartholomeu; Samuel Monteiro de Li-
ma Portella, i preso de Justina; 2 pravas de poli-
ca e i do exercito.
Em transito :
Tenente Colatiao Candido Tupinaml, Leonardo
Antonio M., Antonio Jos Pereira, Flix Vallada-
res, Joo G. de S. Bento, Antonio J. de Mello, Joan
J. de Mello, Lourenco F. Ja Cunta, Elisia Mana
di Carmo, A. Jos Marques, conego Manoel T. da
Suva. Dr. Augusto O. Gomes de Castro, Dr. Jos
M. Ribeiro, Joao Baplisla P., C. Augusto Pereira.
o 14 batalh.io de infantaria, alferes Napoleo da
Costa Rosa, alferes Pedro Pompeu Tavares de
Mello, Joaquim Lopes Guimares e sua senhora,
Dr. Pedro Borges Leilo, Joao Manoel de Figuei-
redo, Francisco G. da Costa, Jos M. Maciel, Joao
Jacintho Botelho e sua senhora, M. Jos Francisco,
Balbina da Silva Goiabeira, Maria A. da Conce-
ci, Josepha Maria Magdalena, P. Jos Dantas, J.
Cirolino Dantas, 2 pravas do excreto, 6 da arma-
da. 13 escravos a entregar.
Vindos do sul no vapor brasileiro Paran :
Giovani Gagliard. Pasale Valorio, Paladino Ca-
iildo, Bernardino Pereira da Cunha Jnior, Jos
F. Fidalgo, Antonio Moreira, Olof Kuitenberg, An-
ton) Osear T. da Costa, major Joao Jos de Bruce,
Cristian L, cadete Pedro Wanderley Jacques, 6
prafas da armada, 8 ditas do exercito, Dr. Jos
Flix da C. Mem-zes e i criado, F. Jos dos Passos,
capitio-tenente Joaqum Nolasco Pereira da Cu-
nha, sua familia e 3 criadas, Francisco Pereira P.,
Maria Jovina dos Reis, 1 praca da armada, Rav-
inundo Lino Santos Gouveia, major J. GuedesNo-
gaeira, Goucalo A. Soares Lete, Evaristo H. Oli-
veira, sua mnlher e I filha, Phili>mena de Olivei
ra Coelho, ta M. Baptista, Jos C. Sonto, Tacia-
n i da Silva Reg e \ criado, Jos de Souza Bran-
dan, padrerfe#ro Barros Bezerra e 1 creado, M.
Pinto de Mosquita, Michelo Ferrari, Antonio J. Fa-
ria, Severiano P. Viveiro?, Francisco F. Porto Au-
?uto Pacheco, B. Vieira Garajeante; Frederico
ierre, Cherubino Bandeira, Manoel Branco, Jos
Pereira dos Sanios, D. G. Simpson, major Jos Pe-
dro Carneiro da Cunha, Jos A. Novaes, G. NVu-
Em transito : _
Alferes Jos F. da Silva Castro, Antonio de
Souia, Thomaz L. da Silva Casiro Jnior, Jos V.
Raposo, Antonio G. da Justa Araujo, Candido F. do
Amaral, alferes Levino Cavalcante de Bulhoes, te-
nente Tneodoro M. Ramos, pesemos a entregar,
Dr. Rodrigo Aprigio de Carralhal, Ladislao Nunes
Sarment, Dr. Miguel Calmon du Ptn Almeida,
ua senhora, 2 ftlhas e 3 erados.
Cernterio pvblico. OWtuario do dia 7
de Junho :
Alexandrina Maria dos Prazeres, parda, Per-
nambuco, 25 annos, solteira, Boa-Vista ; hidrope-
ricarda.
Antonia Maria da Conceigao, parda, Pernam-
buco, 35 annos, casada, Santo Antonio ; ignorase
o dia e hora do falecimento.
Ezeqoiel, escravo, preto, Pernambuco, 70 annos,
silleiro, Boa-Vista ; marasmo.
Clemencia Thereza de Jesus, parda, Pernambuco*
30 annos, viuva, S. Jos ; hydropesia.
Jorge Gagm, branco. Austria. 34 annn?, soltei-
ro, Boa-Visia, hospiul Pedro II : febre amarelia.
Jos Florentino Meira, pardo, Parahyba, 18 an-
nos, solteiro, Santo Antonio, casa de detenclo ;
tubrculos pulmonares.
Adolpho, branco, Pernambuco, 6 mezes, Boa-
Vista ; Tonvulses.
Jos Andr Meller, branco, Pernambuco, 2G an-
nos, solteiro, Recife ; scirrore no ligado.
Amaro, branco, Pernambuco, 3 mezes Boa-Vista;
entero eolito.
Joanna Rosa do Sacramento Silva, branca, Per-
nambuco, 76 annos, viuva, Boa-Vista ; diarrhea.
AMNICA Jl 1>H IARIL
Tribunal lo commerco.
ACTA DA SESSAO ADMINISTRATIVA DE o DE
JUNHO DE 1873.
PRKS1DEXCI.V DO K\M. SR. CONSELHEIDO ANSELMO
FRANCISCO l'ERETTI.
A's 10 horas da manha, presentes os Srs. do-
putados, secretario Olinlo Bastos, Candido Alcofo-
rado e supplentes S Leirlo o Pedro Goncalves
Pereira Casco, a quem foi deferido o juramento
do estylo, S. Exe. o Sr. conselheiro presidente de-
clarou abena a sosso.
Foi lida e approvada a acta da sessao do
29 de mao.
EXPEIENTK.
Offlcio do presidente e secretario da junta dos
corretores, remettndo o boletini das cotaroes
officiaes da semana de 26 a 31 de maio prximo
passado.-Para o archivo.
Jornal otllcial de ns. 114 a 119. Para o ar-
chivo.
Assignou-se e foi expedida a carta de rehabili-
tado passada a favor de Fonceca & Santos.
O protocollo do escrivao de protestos Jos Ma-
rianno de Aibuquerque tem o n. 2,8u8 em data de
30 d; maio, e o do escrivao Alves de Brito
tem o n. 2,731, em o 4 do eorrente.
Distribuiiam-se os seguintos livros .
Diario e copiador de Antonio Annes Jacome,
copiador de Antonio Pereira de Miranda, dito de
Jos Antonio de Macedo L 'pes, dito de Isidoro
Bastos & C. em liquidacao, e diario de Paula k
Mafra.
despachos.
Requeriraentos :
De Miguel Ferreira Pinto, para passar-se Ihe
por certidao a nomeacao do seu caxeiro.Pas-
se-se.
De Bastos c Marlins, para cerlillcar-se-lhes se
Laurentino Cavalcanti de Aibuquerque e Lizardo
Borges dos Anjos sao e continuam a ser seus cai-
xeiros. -Passe-se do que constar.
De Firmino Pereira da Cunha, registro da pro-
curado que aprsenla. -Registre-se.
De Pereira da Cunha Irmaos, dem de dito. -
Seja registrada.
Be Luiz Jos da Silva Guimares, idem dita. -
Como requer.
Do baro de Campo-Verde, offerecendo a no-
meacao de seus caixeiros Ignacio P. dos Santos
e Sales e Hermino F. da Costa e S, aliiu de ser
registrada. Deferido.
De Moreira Baplisla >fy C. idem de Julio Pires
Lobo e Getuho Xavier Correa Lima, para ser
tainbem registrado. Registre-se a nomeacao
apresentada pelos snpplieantes, que disseram, mas
nao provaram que sao brasileiros os caixeiros
nomeados.
De Vaz Jnior & C, idem de Joao Tcixeira de
Souza e Joao Cardos Ayres.Registre-se a Ho-
rneado, nao tendo os supplicantes pro vado com o
necessario diicumeuto serem brasileiros os cai-
xeiros nomeados.
De Antonio Luiz dos Santos, idem de Bernardo
Jos de Carvalho. -,eja registrada a nomeacao,
nao loado, porin, provado o supplicante ser bra-
sileiro, como allega, o caixeiro nomeado.
De Jos Francisco do Reg Mello, idem de Cos-
me Damio Montenegro.Como pede.
De Bastos Si Martina idem de Miguel Correia
do Amaral -Na forma requerda,teodo-se os stop-
plisantes limitado a dizer que brasileiro otai-
xciro nomeado o que nao provaram.
De Francisco Gurgel do Amaral e 0. Mana de
Castro Almeida, subineliendo a registro o contrato
da firma Gurgel do Amaral 4 C. Completem o
sello do contrato e juntem 3* exemplar delle que
deveri vircom a competente declaracao da rece-
bedoria.
De Francisco Autnio de Carvalho. trazendo a
registro o distracto da sociedade da lirma Oliveira
& Carvalho. Sellada a procuracao e junto o Io
axemplar do distracto, volte querendo.
De Antonia Jos de Azevedo e Guiseppe Cini,
comprimi o que foi ordenado para o registro de
seu contrato.-Regisire-se nos termos do decreto
n. 4,3'.'4.
De Joao da Silva liuimares & C, salisfazendo
o que foi ordenado para poder ser o seu contrato
registrado. -Seja registrado o contrato dos sup-
plicanles na forma do decreto n. 4,394.
De Theotonio Lopes Pereira e Jo Francisco
Gomes, registro do distracto de sua sociedade.
Vista ao Sr. desembargador fiscal.
De Bernardino Jos Monteiro, pedindo transfe-
rencia dos livros diario e copiador da Urina Mon
teiro & Itibeiro pira a sua individual. -Sim, sen-
do os livros de que irata o supplicinte trazidos
secretaria para se azerem as devidasdeelaracoes.
INFOR.MAgoES Da SfCRETAUlA
Cobrindo a petieio di? kell Rindloss 4 C. e
declarando que n ida enconlrou em seu archivo
com relaciono conteudo da mesma peticao. In-
forme novamente a secretaria se na collecco dos
usos e eslylos commeraaes da praca de Pernam-
buco, declarados como verdadeiros pelo tribunal,
existe o de que tratam os supplicantes.
Apresenlando consideracoes que julga necessa-
rias para poder dar cuinpriineul-j ao vener.indo
despacho que mandou registrar os estatuto* da
eompaabja de seguros [ademnisadora.Quanio a
i* parte da duvida da secretaria deve. o official
maior fazer smente aquilla que a lei determina,
e quanto a 2' parte nao se podem considerar co-
mo authenticos os estatutos apresentados em du-
plcala, eumprindo entretanto que a secretaria in-
forme se e n caaos idealices tem sido aseitos es-
tatutos como esses que esto juntos por parte da
companhia d8 que se faz mencr.3.
Appensando a peti^ao de E. R. Rabello & C
os papis coneernenies ao protesto de urna letra
feito em 186o ea que se referi a inforuia.o do
escrivao Jo< M.irianno. Adiado a espera de um
esclarocimento que tem anda de prestar o Sr. es-
crivao Jos Marianno.
Com parecer do fiscal
Peticoes:
De Adriano Augusto de Almeida Jordn e Joo
de Castro Guimares, registro do documento jun-
to.Soja registrado o distrato junto no livro
avulso, urna vez que nao vem declarado o capi-
tal com que se retira da sociedade o supplicante
Joo de Castro Guimares.
De Souza Bastos A C. salisfazendo a exigencia
da secretaria relativa o sedo da procuracao que
juntou sua pretenpo de registro do seu contra-
to. -Cumpra-se o despacho de 19 de maio prxi-
mo passado una vez que acha-se satisfeita a exi-
gencia deste tribunal.
De Jeronyino da Costa Lima e Heliodoro Fer-
nandas da Cruz, registro do distrato social da
firma Luna & Cru .=Seja registrado o distrato
em conformidade com o decreto u. 4,394.
De Joaquim Alves da Silva 4 C. registro do
distrato da sociedade que liuhara sob essa firma.
-Mostreo) os snpplieantes que foram selladas as
lettras de iue faz menco o seu distrato.
De Antonio Alves da Silva, matricula do com-
merciante. -Como requer.
De Jos Alexandre Pereira, matricula de cora-
merciante. Na forma requerida.
Informaco da secretaria dada sobre a preten-
fo da comoanhia Utilidade Publica, anecionada
pelo parecer fiscal. -Procede a duvida da secreta-
ria que o desembargador fiscal achou fundada.
Processos.
Summario instaurado ex-olcio contra o cor-
retor Henrique Guilherme Stepple. -Adiado.
dem contra o corretor -Francisco Jos Silveira.
Adiado.
Autos de rehabilitarn de Bemvenuto Cavalcan-
ti Buarque de Aibuquerque.O tribunal resolveu
que visto ter o Sr. deputado Candido Alcoforado
sido credor do re-habilitndo e ticar incompleto o
mesm) tribunal cora o impedimento desse Sr. de-
putado, fosse convidado para o julgamento o Sr.
baro de Nazareth sendo tambera convidado o
r. desembargador fiscal para a sesso d dia 9
que nos autos foi designado para esse julgamento.
Sendo 2 horas da tarde e nada restando a des-
pachar, S. Exc o Sr. conselheiro presidente cn-
eerrou a esso.
ubcacoes mm
A Provincia e ns bataneas pu-
blicas
" A Provincia, antes de ser publicado "e conhecido
os termos do artigo additivo lei do orcamento,
que acaba do ser votada pela assembla provincial,
entenden de bom aviso levantar nm brado contra
a providencia nelle contida.
Esta ssffreguido, revella bem o empenho que
tem o patrono, nao da associaco commercial, mas
de especuladores apadrinhados por ella, em des-
pertar prevenefles mal cabidas em relacao a medi-
das que cunvem sejam adoptadas para regularisar
o eoimnercio do algodo, o amparar a agricultura
da fraude e vexames que tanto atrofiara o progres-
so e desenvelvimento de urna dessa tao importan-
te coln: a.
Mas como o extorcado patrono carecesse dar
arrhas de fidehdade aos seus amigos politicos, que
nao podem ver com bons olhos os altos e baixo do
seu proceder, dizendo-se adverso ao administrador,
do qual se aproxima, sempre ameno, dcil e com
geitos de possivel; valeu-se do ensejo, para ao
abrigo do anonymo, atirar-se descomunal e atrevi-
damente ao Exm. Sr. Dr. Lncena, que nada tem
qne ver com as deliberacdes da assembla.
Admira, porm, que a Provincia, orgo do par-
tido que votou tres leis, em sentido todas d remo-
ver os vicios e defeitos do commercio do algodo ;
abra suas columnas espcculaco do patrono de
especuladores, para nellas derramar a mentira e
o insulto era desproveito de urna idea em que os
dous partidos existentes na provincia foram con-
formes em proceder.
E' triste esta contradicio. O que fez a assem-
bla progressista com empenho e insistencia, nao
podiam os seos adversarios, manter eom modifica-
(joos ?
Mas como nSo >n de ser assim, se a Provincia,
na plenitude dos seus apregoados foros de orgo
das verdadeiras ideas liberaes, eondemna as leis
n. 607 e 710, feitas asombra dessas ideas, porque
nao foram sanecionadas de accordo com o parecer
do conselho do Estado I
Quando todos reconhecem e proclamara a neces-
sidade de dar-s as provincias mais franqueza de
aeco, e mais independencia administrativa ; o or-
go do partido liberal de Pernambuco, quer metter
sob o taco do conselho de Estado as assemblas
orovinciaes, e assim reduzilas a corporales intei-
ramente millas 1
O acto addicional deferio e trnenu a esphera de
aeco das mesmas assemblas. Dentro della, o
sed direito pleno, nao tem subordinaco a ne-
nhum outro poder.
Caso, porm, exhorbite, na propria lei da sua
crea^o, est estabelecido o correctivo.
Em neo huma hypothese o conselho de Estado
pode influir ou embaracar a sua ac;o. Pdem as
assemblas provinciaes aceitar, como raeio de bom
aviso, pareceres e opinioes daquelle conselho, e
at arsto dos tribunaes; mas o far por acto pro-
prio, por querer, seu e nao por coaeco, ou su-
bordinaco.
Desde" que o voto da assembla nao for em con-
trario constituico, nenhum poder ter^o direito
de embargar-lhe a sanelo, porque se nao a der
o presidente da provincia, ella a dar por si.
E o effeito de suas leis, s podem os poderes ge-
raes sustar, ou revogar, dada a circumstancia de
inconstitucionalidade.
Ora, sendo esta a verdadeira doutrina, que obs-
tculo poder haver em serem executadas as lis
sobre balanzas publicas ?
A autoriJade que se compenetrar do seu dever
e responsabilidade, e nao quizer, por um arbitrio
inqualificavel e criminoso, infringir a le, nao dei-
xar de tomar em considerado as resolucoes vo-
tadas pela assembla e pelo poder competente sane-
cionadas.
A lei sobre balanzas publicas inconstitucional?
Nao. A assembla provincial procede conforme
as suas attribuicoes, sempre que legisla em apoio
e pro'.ecco das industrias, em proveito da fiscali-
sarao e arrecadacao das rendas, e para crear as
medidas de polica administrativa, quando seja ne-
cessario.
O peso official, por taes motivos, decretado em
relacao a qualquer mercadoria, nao offende cons-
tituido ; e nem pJe como tal ser considerado.
A Provincia, pois, iliude a questao, e cahe im-
pensadamente no absurdo, asseverando, como as-
severa, serem as bataneas publicas providencia
oflensiva da constituicao.
i) peso official nao restringe a liberdade do com-
mercio, parque nao laxa nraeos ; nao prohibe a
livre troca ou venda do algodo, evita e prohibe
nicamente a defraudado que ora soffre o produc-
tor pela m f do peso particular.
Nao se falle, pois, na liberdade do commercio,
esta nao nem pode ser a liberdade da fraude!
Admiitaraos, porm, por hypothese que a provi-
dencia de que se trata, affecta de qualquer modo
a liberdade das transacedes ; mas esto principio
o absoluto, soffre restric;oes praticas e neces-
sarias em relacao prtlteccao que se deve prestar
crear-ao, intoducro, o animacao a qualquer
industria.
De semelhante restriecao resulta o svstema
adoptado em relacao aos privilegios, que conceden)
os governos de todos os paizes, ainda mesmo
aquelles que aceitan) os mais ampios principios
do commercio livre.
Na Inglaterra, que o typo do goyerno livre a
todos os respeilos, a concessao de privilegios ainda
nao foi banida.
Nos Estados-Unidos, o paiz que em mais curto
espaco tem progredido de node assombroso, o sys-
tema prolector constitue a sua mais poderosa aU-
vanca de grandeza e prosperidade.
Se no estado de adiantamento da civilisaco e
prosperidade em que se aeham taes paizes, o sys-
tema protector aceito e empregado, porque nao
0 dever ser entre nos, que ainda somos um povo
atrazado a muitos respeitos, c que sem grande
vanlagein latamos para libertarnos do espirito de
rolina que tanto infeza as industrias e a pro-
ducto?
Porque razo nesta provincia, ein'quc a falta de
viaco e a diniinui.o dos bracos, constituem era-
barago serio ao de-eiivolviueiito das fontes de pro-
dueeo agrenla, nao se ha de remover o motivo
de desalent que aJQige a do algodo, victima
da fraude e abuso que se d no respectivo com-
mercio 9
A^recie-se, pois, a questao pela sua verdadeira
face, e ninguem contestar a necessidade e pro-
veito do emprego de meios officiaes, cohercitivos
dos abusos e fraude as transares do algodo,
tanto era relacao ao productor, quanto ao fisco.
Neste terruo, n) merecer attenco a buiha
e alarido que tem feito a Assoriago Commercial
contra as leis que trata da creaco de taes meios.
A A-sociaco procede conform a instigacao da-
quelles qu'e usam e abusara do commercio do
algodo.
Alera de que, nao pode ser tolerada a pretenco,
por parte da Associaco Commercial, de sobre
por-se assembla provincial, e inutilisar os seus
actos.
Entretanto, em outra oc-aso ficou a toda a
evidencia provado, que as proporcoes que tem a
Associaco Commercial dado questao nao alean
caro muilo longe.
Em seus reclamos, ella nao representa os sen-
timentos da praca, apenas echo de urna pe-
quena fraeco des seus associados.
A prova e esta. Entre mais de 303 socios, e
apezar de todo o esforco que Tez, nao .consegu
mais de 96 assignaturas contra o peso otllcial,
sendo que muitos desses signatarios nao perten-
ciain aquella associaco.
Quiz reunir a assembla geral dos socios, nao
conseguio fazo-lo no primeiro dia, e no segundo
apenas comparecern) 36. E' visto que os 403
e ttraitos que faltaran), nao eram contrarios s
balanzas publicas.
Ao contrario disto, mullas representa;oes fo-
ram feitas em favor das referidas balancas ; com-
mercianles de tora da cidade, agricultores, e 85
negociantes desta praca, inclusive exportadores e
ex directores da mesma associaco, que serviram
na dlreecao anterior actual.
Este factos, pois, provam que dos que se pro-
nunciaran) contra e a favor da idea, senp est
o maior numero a favor, as torcas equilibram-se ;
prova tambem que a grande maioria absteve-se
da questao, apezar de andarem os agentes da as-
sociaco de porta era porta a convidar gente para
a reunio da assembla geral, e para assignar as
representacoes.
Neste p as cousas, que valor 'podem merecer
as imbecilidades que a Provincia aceitou e pu-
blicou ?
Acaso pretender dar-lhes torca om a decla-
racao de que a imprensa moralisada coinbateu o
acto do Sr. r. Faria Lemos ?
Rao sabemos o porque a Provincia e o Jornnl
do Recife devem monopolisar os crditos de im-
prensa moralisada, m prejuizo de outros jornaes
que existem nesta cidade.
o ha jornal que nao receba tanto o trabalho
do espirito serio, como o escripto do mercenario.
Pelo facto de um individuo, a quemes contra-
tempos politicos, e outros de mera espeenlacao,
tem tornado trefego e atrabiliario, escrever elle
s no Jornal do Recife e na Provincia artigos en-
commendados, nao iiea a estes dous jornaes o di-
reito de tomarem a tnica de moralisados, e dize
rem que sao thos da opinio publica.
Qualquer individuo ou corporacio, que* se
prrpozer a fazer despezas de publicacoes, e lo
1 mar advogados de diversas especies, poder fa
ter muila. br Ih.-i na Impr.'nsa, mas nao conse
guir impiugir que essa bulla signifiqueopi-
nio publica.
A morahdade nao est no jornal, estao es-
criptor : A follia de papel recebe tulo quanto
os typos conten.
Portante, pin ser os referidos jornaes consi-
derados moralisados, em relacao ao; que teem
publicado sodta) as balanzas publicas, cunjpre
averiguar antes, de ludo so moralizada e licita a
causa que defeade.
Isto_ posto, declaramos que nao merece consi-
derago a insistencia de attribuir falsieaco lei
n. 963. Esta insistencia o effeito do cynismo, e
da abjeceo de om carcter cynieo o abjeclo ;
tal falsillcaco no existi, nm invento, que nem
a Associaco Commercial, em sua representaco
se atreveu a dr como certa.
Tratemos agora, em poucos palavras, do modo
porquo procedeu o Exm. Sr. Dr. Lncena, em re-
lacao ao acto do seu antecessor.
Quando S Exc. assumio as redeas da adminis-
traen eslava a questao das balancas publicas em
p de ser definitivamente resolvida. Era ella urna
questao nova para- S. Exc, curapria ser prudente
e meditado.
S. Exc. careifla, pois, estala-la e entfaremaveri-
guacoes minuciosas.
Se o seu estado recahisse nicamente sobre
os papis e informaces que exista era sua secre-
taria, cortamente o acto do seu autecessor deve-
ria ticar subsistiado ; mas a Associaco Commer-
cial allegara em sua representaco a inexequibi-
lidade da medida, entraves e accrescini) de des-
pezas ao commercio.
Convinha, por sio, levar mais adianto as in-
* eslgac5es, para tor a questao soluiio de accordo
cura a convicQj (jue della forraasse S. Exc.
Levado por este pensar foi S. Exc. obrigado
a revogar a portara do seu antecessor, a qual
nao poderia ser guardada indeterminadamente
sera grave rregularidade.
Assim, ou S. Exc. dava os devidos effeilos
referida portara, ou revogaxa-a : linha mo-
tivos para nao deixa-la em vigor, revogou-a.
u acto d S. Exc. louvavel pelo seu acert
e criterio, e a tu. impremz moralisada, o ap-
plaudio.
Revogada a portara, S. Exc. tentou por nter
medio das repartieres (lscaes, averiguar o syste
ma empregado no sonta) material do peso do
algodo, a regularidade como que era feito, e a
pralicabilidaie da centralisar.ao do metalo peso.
Aproxiniou-se, purera, a instal'.aco da assem-
bla provincial, e S. Exc. mui acertadamente'
subraelteu-lhe a deciso final da quesio.
Pelo proceder aquella eorporacio no podo
ser S. Bate, responsavel: fez de sua parte o quanto
poderiajfazer ura espirito meditado e iflustrado_ ;
nao quiz resolver precipitadamente- urna questao
da qual nao linha conheciuieiito exacto.
Censurar S. Exc. por tal motivo, cousa que
revolta. O presidente nao p.dia por si revogar
a lei, e matar a questao; qualquer que fosse
a sua deciso, a assembla provincial poda re-
formar ou alterar.
Xio importa que injustamente'o oggiida quem
quer que seja, e mxime aquelles que nem dos
seus proprios amigos raerecendo confianca, en-
tendera conquista-la pela ousadia de insultos
atirados, de emboscada, contra os mesmos, a
qumn tera feito cortejos e mesuras.
Era balde o rafero canea de ladrar la, o
seu brillio nao se e:npanna* a sua face conserva-
se sempre lmpida e serena.
\Lidia
Paco da cmara municipal d cidade da Forta-
leza, 3 de junho de 1873. -A cmara municipal da
cidade da Fortaleza cipital do Cetra, conscia do
merermiento do Illra. Sr. tenente coronel Joo
T>-eodro Pereira de Mello, resolveu dar por s e
em nome dos seus municipes, um testomuiiho de
apreco s maneirts dign?s e patriticas cora que,
durante sua estada nesta mesma provincia, se por-
tou S. S. no cumulando do 14 batabo do infan-
taria.
Verdadeiro sustentculo da orden) ; zeloso da
disciplina dos seus comraandados ; observador fiel
da lei e das ordens superiores, mostrou-se sempre
aquello honrado militar, sobranceiro s exigen-
cas do capricho e da paroialdade, dando provas
bem pronunciadas de muila dignidade e dedica-
rn prosperidade publica.
Firmando cada vez mais o alto conceilo de que
j goza a oeialidade do exercito brasileiro, o
Illni. Sr. tenente coronel Pereira de Mello, por seus
brios o affaveis nianeiras, tornou-se credor da es-
tima publica, que jamis pode ser abatida pela
paixo, filha do egosmo ou de pretencoes desar-
razoadas.
Agora, pois, que S. S. val retirar-te desta pro-
vincia, em obediencia ordem do governo, esta c-
mara, em abono da verdade, cumpre o dever de
registrar fielmente neste documento o honroso
procediniento de S. S., prestando-lhe um teslemu-
nho iinparcial e justo da sua conducta.digna de su-
bido apreco.
Antonio Gomjalves da Justa.
Jos Francisco da Silva AI bao.
Manoel de Mora Rouliin.
Jos Antonio Martics.
Joo da 3mta Bastos.
Vicente Alves Maia.
Francisco iilhorta Fonceca Jnior.
Raymundo Coelho Barbosa.
Jos Ferreira Gomes.
Antonio Domingues dos Santos Silva.
Ignacio F. Pereira.
Jos Antonio Maria.
Pedro Theophilo Gaspar de Olver.). #
Frederico Nunes de Moura.
Bacharel Jos Piauliylino Mendes Magalhes.
Jos Gancalves Yalenfe.
A. Bezerra de Menezes.
Odorco Romualdo de Hollanda.
Jos Alexandre Nunes de Mello.
Jos Soares Monteiro.
Rufino Jos de^ouva.
Manoel Leandro de Moraes.
Joaquim Teixeira Leite.
Joo Nepomuceno Siqueira Souto.
Rufina Guncalves de Souza Siqueira.
Martniano Theodorico da Costa.
Francisco Luiz de Vasconcelos.
Jos de Castro Barbosa.
Martiniano Jos de Faria.
Sinfronio Jos da Silva
Antonio C de Farias.
Raymundo Antonio de Frailas
Joo Ribeiro de Carvalho.
Os abaixo as-signados residentes na capital do
Cear. presenciando o modo regular e digno de
apreco cora quikse portou nesta provincia o Illm.
Sr, lente-coronel Joao Thcodoro Pereira de Mel-
lo, que no commando do 14" batalbao de infante-
ra, onde se mostrou sempre solicito na manuten-
an da disciplina e zelo na exe-ucjio das leis e
ordens superiores, quer como simples ddado, por
sua affaliilidade e maneiras sempre attenciosas
kom que penhorou a todos os bons ceareuses ami-
gos da ordem e da prosperidade do paiz, vera dar
ura lestcmunlio em prol da sua verdadeira dediea-
Qo ao servco publico, e principalmente causer-
vago da tra'u luillidade, onde S. S. nunca des-
mentio o subido conceilo de que sao credores os
briosos officiaes do exercito brasileiro.
.Agora, pois, que todistincto e honrado cava-
Iheiro se acha prestes a relirar-se do solocearen-
se em curaprraento de ordens superiores, agora
que nenhuma suspeita pode haver de lisonja para
atlrahir a benevolencia ou favores de S. S., os abai-
xo assguados se desvanecem de aproveitar este3
ensejo para demonstrar o seu reconhecimento aos
servQos reas prestados a esta provincia pelo Illm.
Sr. tenenie-coronel Joo Theodoro Pereira de Mel-
lo, c a nobreza de sentimen-os oem que se distin-
gua durante sua estada entre nos
Ao deixar-nos como a todos os mais cearenses
sananamente penhorados e possuidos de verdadei-
ra saudade, aceite S. S. esta espontanea declara-
do era prova de muila estima e consideraco e
prestada sol. os sentimentos da mais pura justica
e rigor-isa imparciahdade.
Cidade da Fortaleza. 2 de junho de 1873.
Joaquim da Cunrfa Freir.
Antonio Guncalves da Justa.
Jos Francisco da Silva Albano.
Vicente Alves Maia.
Joo da Costa Bastos.
Manoel Soares da Si va Bruno.
Manoei de Moura Rolim.
Antonio dos Santos Neves.
Jos Feij de Mello.
Elias Ferreira Gomes.
Vicente Baptista Alves Maia.
Manoel do N. Alves Linhares,
Joaquim Jos Alves Linhares.
Luiz Gomes de Lima.
Paulino Fex Bezerra.
Jos Augusto de Hollanda.
Francisco Gmcalves da Justa.
Antonio Francisco Alves da Mello.
Justino Francisco Xavier. .
Anlonio Moreira de Souza.
Jos Antonio Martins.
Vtnnato Jos C. Medeiros.
Candido Jos Pacheco.
Porfirio Rufo Alves Reboucas.
Pedro da Costa e Silva.
Jos Frankln de Alencar Lima
Pedro Nogeira Borges da Fonceca.
Jos Joaquim Carneiro.
Francisco de Paula Oliveira Lima.
Joaquim Feliciod-1 Oliveira Lima.
Fortunato .L. G.V'ianna.
Joaquim Alvaro Garca.
Luiz de Seixa3 Correia.
Bernardo Jos Pereira da Cuuha. .
Francisco Jos de Oliveira.
Octaviano Ccero-de Alencar Araripe
Antonio da Rocha Pontes.
Antonio Ribeiro da Cunha.
Florentino de Araujo Salles.
Joo Anlonio Coelho.
Joo Nogueira do Nascimento.
Honorato Ferreira dos Santos.
Antonio Joaquim Pereira Facundo.
Bernardo Pinto Coelho,
Jos Barros.
Mafaldo J. de Mello. *
Raymundo Goncalves de Souza Siqueira.
Gaudioso Senaa de Castro Ges.
Sebe scena (hoje ) terca-feira 10 do cor-
rente no ttieatm Santo Antonio, em beneficio da
distincta e simpathica artista dramtica a Illraa.
exma. Sra. Olympia de Valladas ; a bellsi-
ma eomposico do festejado escriptor franeez Pau-
lo do Kock A Cigana de Pars.
Escolhendo a Sra. D. Olympia um drama em
que o seu mrito artstico reconheridamente ap-
plaudido, j pelo talento e grande estudo, como
tambera pela gr.-r.--i e naturalidad- de que do-
tada ; de esperar que ser mais um tropho
que se prepara para a sna gloria artstica.
O papel que dignamente a Sra. D. Olympia to-
ma si na Cigana de Pars, importaniissimo e
de ura effeito extraordinario, e quasi podemos
dizer que foi nicamente escripto por Paulo de
Kocli para ser representado por aquella artista que
o sabe "interpretar da forma mais elegante pos-
sivel.
E' de esperar bom acolhmentn, porque os per-
nanibacanos sabem cubrir de louros os bellos ta-
lentos.
Um novo c interessante follirto n-
tidamente irapresMo em \'.
Sahio a luz o Deseieis de .Vn>, poemeto em ver:
so. O da 16 de mao teve o seu poema, est
cantada a facanha I O verso tine come a espa-
da da cavallaria sobre as costas do cidadao. .mo
ha uniformizado, ha variedade no metro e nos
personagens desde o grito at a gargalhada es-
tridente.
Livraria Franceza. Prcco mdico.
Oleo puro iiit-iliriuitl le iiga.d
le baenlho de l.atmiaii t\
Kcmp.
No curativo das enfermidades de qualquer que
seja a sua natureza, quas tudo depende dos agen-
tes medicinaes que se empregam. As_ molestias
dos pulmoes, mortaes por natureza, sao diaria-
mente curadas c.im o oleo medicinal de figado de
bacalho, de Lanman 4 Kemp. Isto nao urna
mera asserco, mas sim, ura facto estabelecido.
Pergunte-se nos hospitaes, aos medico?, a lodos
que teera usado desta raaravilhosa e superior pre-
paraco, c responder-vos-ho ser a pura verdad-.
Nao lia, pois, egoisrao em proclmalo, porque o
agente curativo um dom da natureza. Tudo o
que Lanman & Kemp, s fazera, apresenta-lo .ao
publico n'un estado de elaborada perfeico a pu-
reza, tal qual se extrahe dos ligados Uredos do
peixe o.mais frescale sao, a debaixo d'uiiia Hnaa
que desalia as vcissitude dos cljmas. Daqui,
pois, que provm a sua extraordinaria reputa-
focom auliuoto, nos casos de tysica, febre pul-
monar, anginas agudas e chronicas, asthma, tosse
heptica, dor das costas e debildade, aconipanha-
da de grande emaciag.to.
Encontra-se de venda em todas as partes do
mundo, as prncipaes lojas de drogas e bo-
ticas.
%$iia Florida de l.aimian <&
Kemp.
Com quasi toda a certeza pdese vida se as mil e una variaveis flores que
adornavan e derraraavara to dolicoso perfu-
me sob o verdescente jardim do paraizo espi-
Ibavara urna fragrancia mais pora e delicada na
atmosphera, do que aquella que se diffunde e en-
che o gabinete de vestir ou boudor, no qual se
haja aberto um frasco dessa odorfera e deleita-
vel agua do cheiro Comparada com o passageiro
e voltil cheiro dessas essencias ordinarias, o seu
mimoso e delicioso aroma pode-se chamar inex-
tinguivel, inapagavel, emquanto que par oulro la-
do a verdadeira quinta essencia em seu genero,
que d'uma mancira a mais viva, nos faz agreda-
velmente recordar, Irazendo-nos mente o delei-
lavel e genuino perfume das aromticas e Boots*
centes flores ; n'uma palavra nella existe e llo-
resce a belleza e o encantamento. O volunie do
delicado aroma espargido de algumas gotas derra-
madas sob o lenco, verdaderamente aunvinVita
e deleilavel ; e como um agradavel raeio de res-
tabeleCer desinaios, vertigens e dores de cabera,
assim como servind'i de odorfero adorno ptttM
e ao paladar, quando usada era diluico como um
enxagoamento de bocea ou cosmtico, ella por etrto
nao tem seu igual entre todas as mais aguas
cheirosas imtUrtadas.
cuMMIRClOo
Baneo Comniercial de Per-
nambuco.
0 banco sacca por tolos os piqueta! so-
re as pr.-ras de Lisboa e Porto.
PRACA DO RECIFE DE Jl'XHO
DE 1873.
AS 3 1/2 HORAS DA TARDE
CotacSes offleiaes.
Assucar-Canal ioOO por 15 kilo*.
yaDourcrj
Presidente.
i,eal Seve
Secretano.
ALFANDBGA
rendimenlo do dia 2a". .
Idem do dia 9.....
217:450 J52I
:j0:080tii
2".::mji2o
Descarregam hoje 10 de junho de 1873
larca ingleza-Fusi/iVimercadorias para alfan-
dega e ditas j despachadas para a ra
da Aurora.
>rigne portuguez Seranovarios gneros pa-
ra o trapiche Coneeijo, para despachar
P.tacho inglez Gloria dirraentes para o tra-
piche Conccio, para conferir,
arca inglesa Gazclle machinismo j despa-
chado para e caes do Apollo.
Importai'o.
Ro Grande do Sul. patacho brasileiro Probida-
de, onsgnado a Silva A Casco, manifestou :
Couros 70.
Graxa era bexiga 8,578 kilos.
Xarque 19,o85 kilos aos donsignatarios.
Portes do sul, vapor nacional Paran, consig
nado a Pereira A C, manifestou :
Cigarros 2 caxas a J. B. dos Reis, 15 barricas
a D. A. Matheus, 2 a J. J. Azevedo. 15 a Beltro
A Filho, 24 caxas aos mesmos. Charutos 2 ca-
xas a P. M. Maury.
Fumo 7 caxas a J. Ramos A Machado, I a Bour-
gard A C, 20 rolos a Magalhes & Irmo. 30 di-
tos e 6 caixas a J. M Palmeira. Farinha de rai-
Iho 4 caxas a B. S. Campos.
Retrato a oleo 1 caixa a Loyo j Filho.
Portos oo norte, vapor brasileiro Cruzeiro do
Sul, consignado a Pereira & C, manifestou :
Chapeos de Chile 2 fardos a Amorim Irmo
AC.
OESPACH S DE EXPORTACAO NO DU 7 DE
MAJO DE 1873.
Para os portos do exterior
No vapor inglez Student, para Liverpool, car-
regaram : J. Pater A C. 229 saccas com 16,063
kilos de algodo ; C. A. M. de Carvalho 842 ditas
com 36,086 ditos de dte.
No vapor inglez Cuzco, para Liverpool, car-
regaranwi. Neesen 4 C. 1 sacca com 24 kilos de
IfSarca portugneu Japioa, para Liverpool,
carregrem : G. Neetaa 4 G 50 fardos com
8,739 kilos de aJgodo.
Na barra frnmw m 6rm4t, tan Nt-
vre, carrogarem : E. A. Burle 4 C M aatota*
com 4.362 <|24ilos de sJgoda.
Pora os portm mUrmr
Para o Rio GratMle do Sal, ,
tugues Virginia, canagaraia : J. S.
517 barricas com 5U,1 kilos te _
Para o Rio Grande do Sul, m brigsn Wa
sileiro Ingratiiiio, carregon L. J. SNreOaiaa-
res 29<) barnqninhai com SO.W7 kilos te asn-
car branco, e 5 barricas con l,3W Uto te tote
mascavado. %
Para o Rio Grande do ul, i
leiro S. Ifartholomm, rarregaram :
& C. 125 barricas rom 7,100 Mha)
mascavado e 120 ditas cos 10,397
branco
Para o Para, no brigne brasitefra
regou : J. A. C. Siqueira 5". bairixiaJakas
686 kilos de assucar refinado.
Para .o Para, no vapor brasitetm fsrmm.
carrregaram B. OliveiraA C. 3 raix r-im IIK
kilos de doce Para o*Mtranhao, :13 barriras rom
2,485 kilo- da assucar branco ; B.rots Jum.* 4
C 30ditas rom l,lS ditos de dito ; T. Oirlte-
sen 50 ditas com 2.995 ditos dr dito orneas*
25 ditas com 5,614 ditos de dito maseavadn
^\PATAZIA DA ALKA.NDRi.A
Rendimento do da 2 a 7 4.355VliO
Idem do dia 9...... 743*87
SJtotaMto
VOLUMES SAHIDOS
No dia 2 a 7......
Pnmi'ira porta no dia 9 .
Segunda p Tercena porta ....
Trapiche Conceicio .
SBRVICO MARTIMO
Alvarengas descarrepadas no trapich-
da alfandega no dia 9 .
Bitas dilas no dia 9......
Navios atracados mi trap. da alfandrfa
Alvarengas ........
No trapiche Conceicii.....
-.7
i
K),44R
t
t
S
RECEBEDORIA HE RENDAS IMHICIAS OC
RAES DE PERNAMBn.
Rendimento do da 2 a 7 .* t*I.V
Idem do dia 9...... 1844*831
II
COXSn.ADO PROVINiUAL
Rendimento do da 2 a 7
dcn do dia 9 .
*: 55**4 n
4 87*7
25216*148
MViMENTu DO >uRT8.
Sacios entrados no dia S.
Rio Grande do Sul -28 dia-. patacho brasileiro
Proiidade, de 190 tonelada-, capitn Virjiao La-
cas de Mattos, equipaprin 9. carga l.'i.iOD arro-
bas ilc carne; a Man-n-l d.i Silva Maia 4 C.
Portos 1i sul7 dias, v.i|inr hrailciro P nand. V*
850 toneladas, commandafH Pampl -na. juiaa-
gem 59, carga vanos giwro; a Pereira V iaa-
na A C.
lito de Janeiro 7 dias. potara hespanhota Jotepk*.
' do M toiic|.-i.l.i<. rapitin Joan M;irutoay, ^qm-
pagcni 13, Cin lastro ; a i-rdeni.
(Hwr'icn.
Nao houve sabidas.
Sanos entrnd'is n > Im .'.
Portos do non.I da-, ratan* breeMn Craztn
d> Sal, de l.ltl i-.ii.lal.lv -viiiinuadatMe rl-
ente Guilherme Wa-Mingt-m. * carga varias gneros a l' r--ra Vianna 4 C
Rio de Jan-iroI da-, l-ri-ju- .ni-triaro Pktr*.
da :ifi- icneladi-. capitM ivirata, rqoitiafem 8.
em lastro ; ordem.
Montevideo-25 das sumaca h -pinliota Ininrt*.
de 100 loaelada*. rapi li-ulbrrnw aWtttwt.
eipiipagem 8. raiy i 2..V quinUos de cara-
Baltaar Oliveira 4 C.
Saiins o/i ,' l M Hftmo a,
Port-is do norteVapor bra-ilnro P rnnd. ctta-
mandante Pampl na. carpa variix grm-ros.
Havre-Lugre fraurc* Ras raash, rapitae Vial
la, carga couros alg-xlo e nitr-H gaatrai.
Obserrnro.
Fnndeou no lamarai urna" galrra inglesa na*-!
nao teve commnni vi > rom a Ierra.
EEITAFl
O rapilin \1 tn i i J <\ ioi:n F.-rr.-ira F.-i-'v.-. ra-
valheiro da imperial r 11 -I.i II i, juiz >l sar
|irillieiro v-oli I -. i :i -i / .i de J--sd-i IV
Clf". era vnile di I-i. --I-
Faro saber ao- i|iie o ; ; lital
delle noticia liverein. em -omio Lil < < '
Ribeiro me fea tor Mripta a-ii..io lnn>
theof si'giimlr :
Illm. Sr. juiz de par. -I i ftvgo J"^
Dil l.iliamo Candido Ril qu.-ien-l *^d-i
dar tos berdt'ir de Antonio \l
Qa o pagain-nt id ;
h" era di've-l -i i' :1 I
ja os uieio- cuncillatorio-i
lece que um -lir li-'l' l.-.r que
nai;o de Ftont acha > teptr it
e nao saludo. A' vi-l. I ,
te a V. S. tirra-M n l-adtoal-
li-ln a jusliliear a aiiei do dito Iwrdi'iro aa
lugar iiiceilo n. sal- I
fim da e hora, para ajo aa* *-atfra s
jn-lilicacio w pasM car! i 30 dias."na forma da lei e d..-Mil -. ata i
dilo herdeiro c-nciliar-sc
liarle que Ihe cabo 11 n teritte teM icimsm. i
dous reprcsentanies di u nula mi I>. I
Moreira de Mendonra. irnn d-i#primitrt >**
pena de reveli.i se
prosrgnir-e nos lerm c ni-nci.*<. PesV a V
S. dcferiin.-nlo tE R. M. Rttdh, I" de. mate V
iSTl.-C.iino procurador. Luiz Francisco te IMte
Tavares.
E mais se nao eontinlia i ; -'T
lielinenle copiada, a qil .1 -eltada c nas'
tenlemeiile.
Km tetina apr.-coiili. dei o detacteS i
Como requer. e d--i^n i I da 21 --I
para a inquirirn di. lestcnunhas. Firgaetaa V
S. Jos do II w e, r.i Je ni, Ferrttra
Etteata.
E mais nenio rontiatm em diln dBaartei a
copiado, por terp do qual o ja
suas lestemunhas e snliindo-mc
sao tata profer a seutenca do aVor i
fistos estas aotos,ele. Julgo |u-:i:i-a4a a
sencia e incerlea il-i iln-ni-il.odo s-ippVate A-I ,
pho AattJktarto d* l'.-ria. om ttete A*i
das lestemunhas de fia. e lis. ; pelo pten
passe carta de edil.s rom i pra.
ser citado o meso -i;, "lirado, para o flm i
rido na pelico a lis i o rustas. Frrf urzia dr
Jos" do Recife. 28 de maio de 1873.
Joaquim Ferreira E-icve-
E mais se nao continha em dita
lielnieiite copiada, |< ir f-nra da jnal a
que esta escreven mtatat passar a
ta de editoi com o pra te 39 Mas, pala <
theor se chama, cita r hei por rilado
Adolpho Apolnario de Faria. para o I
na peti.o cima Innscnpta, ata te ja* i
r lugar imniediata* depois de lindo o dte
Pelo que loda e qualquer pe****, parral
gos ou eon'i I I. dito ipi-cado [
fazer irioate do que acuna fica exposta,
teiro de-tc juio o afllxar aos logares te f
e publicara pela impren-a.
Dade e passado nesta fregoetia te S. Jote te
Rerife. ao< 29 de maio de I
Eu. Jos Gimcalves de S, esrriva) de paa.a-
Manoel Jo iqnm Frrrmrm ftf#0lt.
CECLARACffS.

mixm
DO
BEBERIBE
Sao novameott contidados os
Distas para se reuoiram m
*
i m uta


>y
/ '
Diario de Pernambuco Terca feira 10 de Junho de 1873.
no dia 10 do correte mez ao meio dia no
escriptorio respectivo ra do Cabug n. 16,
visto nao ter compaeecido numero legal para
que tivesso effectividade no dia'29 d mez
fiado, para, deconfortnidade cornos 1 e 7
dos artigos 29 e-ii dos estatutos, delibera-
ren! sobre as contas do anuo fiuanceiro des-
ta companhia, approvar o ornamento vin-
douro, o eleger nova administracao, de-
vendo nesta occasio ser lido o relat rio do
Sr. vico-director que ser apresentado,
irado mostrando o estado da companhia no
anuo fndo em 30 d'abril ultimo. Os Srs.
accionistas sao prevenidos de que nessedia
(10 de junho), a assmbla geral ser instal-
lada com o numero de socios que compare-
cerem, como dispoe o artigo 23 dos estatu-
tos.
Escriptorio da companhia, 6 de junho
de 1873.
O secretario,
___________Jos H. i. de Menezes.
Obras militares.
Se contratar com quem melhores vantagens of-
ferecer fazenda a construeco da coberta, que
tem de ser feita na casa de msica do quartel da
Soledade ; servico oreado em 305*800 : quem se
quizer propor aprsente seus landos em carta fe-
chada, 10 do corrente ao meio dia, na repart-
cao das obras publicas, onde se acha o orcamento.
Pernambuco, 4 de junho de 1873.
' O engenheiro,
Chrysoto F. de Castro Chaves.
Santa Casa de Misericordia
do Recife.
A junta administrativa desta Santa Casa, afora
dous terrenos que possue no lugar dos Arrumba-
dos, hoje Duirte Cocino, sob ns. 39 c 46 tendo
aquelle 390 palmos e este 309 de frente e ambos
de fundos at a baixa mar.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife, 7 de abril de 1871.
O escrivo,
Pedro Rodrigues de Souza.
Pela thesonraria provincial se faz pnbllco
que foram transferidas para odia 11 do corrente
as arrematacoes dos impostos provinciaes, iuclus-i-
ve o do dizimo, as comarcas abaixo mencionadas:
Tacaratd; por anno 2:3071800
Flores, idem 3:67017(10
Villa Bella, idem 3:670*700
Cabrob, idem 1:646*678
Boa Vista, idem 823*339
Ouricury, idem 823*339
Outro sim, se faz publicp, que no dia 9 do mes-
mo corrente mez llavera sesso extraordinaria da
junta de fazenda para que se possam habilitar os
pretendentes estas arrematacoes.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 5 de junho de 1873.
O offlcial-maior,
M. A. Ferreira.
Pela thesouraria provincial se faz publico que
O transferida para o dia ti do corrente a arre
mat:i/ > do f irnecinicnto e ataen precisos en-
erniara da casi de detentan pnr tempn de nm
anno. a contar do 1 do jaldo prximo vindouro.
Secretaria da Ihjaoararu provincial de Pernam-
buco, C. de junio de. 1873.
O olflcial-mnior,
M. A. Ferreira.
THEATRO
SANTO ANTONIO-
.Sociedade particular
Gremio Dramtico.
Recita offerecida pelos socios desta so
ciedade a Sociedade Benelicente Luso-Brasileira.
Quarta-feira 11 de junho.
Depois quo a orchestra "egida pelo maestro Co-
las tocar urna de suas simphonias, subir a ce-
na o drama em 3 actos :
LICCIl niDIER
Finalisar o espectculo com urna linda come-
dia.
A bolsa e o cachimbo.
Os blhetes para este espectculo sao passados
pela directora da Sociedade Luso-Brasilera.
Urna commissao da mesma sociede agradecer
em um dos intervallos a aquellas pessoas que se
dignarem concorrer com seu bolo para o thro-
no da caridade.
Principiar s 8 1|2 horas.
PARA'
Para o referido porto i*etende seguir mi pon-
ca demora o patafho portugnez Otinda, por ter
i maior parte da carga engajada, para o resto
que l"e falta tratase con os consignatarios Joa
duim Jos Goncalves Bellro & Filio : ra do
Commercio n. 5.
O
Rio Grande do Sul
sahir em poucos das o lugar nacional Rio Rran-
i, : para alguma carca afrete" trata-se na ra
do \ igano u 7, 1 andar.
SANTO ANTONIO,
EMPREZA
Terga-feira 10 de junho.
Recita em beneficio da actriz
OLYMVU \\LIAH\S
Representarse lia a sempre applaudida comedia
drama cm o actos, ornada de msica :
A CHUNA DE PARS
original do escriptor francez
Fado de Kock.
Toma parte toda a companhia.
o espectculo com a graciosa scena
Terminar
cmica
0 bekrro
desempenhada pelo actor Cmara, em obzequo
beneficiada.
Principiar s 8 1|2 horas.
A beneficiada confia na benevalente proteccao
do publico e agradece cordialmente com especia-
lidade s pessoas que se dignaran) acceitar-lhe
bilhetes.
SANTA CASA DE MISERICORDIA DO
RECIFE.
Fornecimentn de 28:000-3 annuaes
A junta administrativa da santa casa da mise-
ricordia do Recife precisa contratar o fornecimen-
to d'is gneros abaixo declarados, qae lm de con
sumir .oilas os estabeteeimentos pios seu cargo,
no trimestre de julho setembro do corrente
anno. Recebe propostas na sala de suas sssSes,
petas 3 horas da tarde do dia 13 do corrente.
Aletria, kilogrammo.
Agurdente, litro.
Azeite doce, idem.
Arroz ilo Sfarahno, idem.
Baealbo. kilogrammo.
Banha de porco, dem.
Batatas, idem.
Cha hysson, idem.
Caf em grao, idem.
Carne secca, idem.
Ceblas, cento.
Parraba de mandioca da trra, trt.
Feijao mulatinho, idem
Farello, saeca.
Fumo do Rio, kilogrammo.
Gaz, lata.
Milho, sacco.
Manteiga franceza, kilogrammo.
Potassa. idem.
Rap, idem.
Sabao. idem.
Sal, litro.
Tapioca, kilogrammo.
Toucinho, idem.
Velas de carnauba, idem.
Vinagre, litro.
Vinho tinto de Lisboa, idem.
Vinho branca, idem.
Velas stearinas, kilogrammo. _________
TANTA CASA DA MISERICORDIA DO~
RECIFE.
Fornecimento de 38:000* annuaes
A junta administrativa da santa casa da miseri
cordia do Recife precisa contratar o fornecimento
de pao, bolacha c assucar que houver de consu-
mir os estabelecimenios pios seu cargo no tri-
mestre de julho setembro do correte anno.
Recebe propostas na sala das suas sessoes, pelas 3
horas da tarde do dia 13 da corrente.
VISOS MARTIMOS
Rio Grande do Sul'
Para o referido porto pretende seguir com pou-
;a demora o lindo e veleiro lugar portuguez Jos
tistevo, de 1* classe, por ter a maior parte da
carga engajada,^ para o resto que lite falta trata-
se com os consignatarios Juaqnim Jos (on.-alves
Beltrao & Filho, ra do Commercio n. o..
COM PANHIA PERNAMBLCANA
DE
Vi\ iranio costcii'u a \ tpor.
MAMANGUAPE.
O vapor Coiuripe, com-
mandante Silva, seguir para
o porto cima no dia 12 do
correte, s h horas da tarde.
Recebo carga, eu-ommen-
das, passagens, e dinheiro a
frete at as 2 horas da tarde do
Para o Rio Grande do Sul
pretende seguir com muita brevidade e patacno
nacional Mara Etmlii, tem parte de seu carre-
ga-nento engajado, e para o resto que Ihe falta,
tratase com o seu consignatario Antonio Luizde
Olivoira Azevedo, no seq escript-wio, ra do Bom
Jess n. 57.
Yende-se
o veleiro patacho pertuguez Lia de 185 tonela-
das, demandando depois de carregado 10 ps de
agua, forrado de metal e classificado 5/6 A 1-1,
com duas andainas de panno e bastantes sobre-
salientes, prompto a navegar para qualquer par-
te : quem pois, o pretender, pode mandar exa-
mina-lo no ancoradouro da descarga da carne
secca, e para tratar com os seus consignatarios
Joaquim Jos Goncalves Beltrao & "
do Commercio n. 5, aonde se acha
loutja, crystaes, espelhos, epre-
guiqadeiras, cadeiras para es-
criptorio e piano, berqos para
cnaoqas, transparentes para
portas, tapetes, relogios dealgi-
beira, 1 grande carteira horooe-
patica de tin'urare innmeros
objectos do uso domestico. .
Ma mesma occasio se ven-
der urna cama det;ina edifica-
da na LevHtiftt o Monteiro, a
qual rende 14$ meusaes.
Quarta feira 11 do corrente
NA'
FEIRA SEMANAL
16ra do Imperador n.16.
Armazem.
FUNDIGO DE FERRO E BRORZE
,. FABRICA DE MACHINAS
A ra d > Ito i d \ Triii!ii|h i (rna to Bram) es. 109 a 114
* IR1IA0
Filho, ra
o inventario.
LEILOES.
LEILAO
PARA
liquidago
No
armazem
do
oscriptorio no Forte, do
dia da sabida
Mattos n. 12.
COMI'A.MIIA PERNAMBLCANA
DE
!\!avegactto costeiraa vapor.
PORTO DE GAUCHA, RIO FORMOSO E TA.MANDAR
O vapor Parakyba, com-
mandante Pedro Nolasco,
seguir para os portos
cima no dia 15 do cor-
rente, s 9 horas da nou-
te. Recebe carga, encom-
nheiro
n. 12.
mendas, passageiros e di-
a frete : escriptorio no Forte do Mattos
uaui, com-
J. Martins,
Fornecimento de 30:0003 por anno.
A junta administrativa da santa casa da mise-
ricordia do Recife precisa contratar o fornecimen-
to da carno verde que houver de consumir os
estabelecimentos seu#cargo no trimestre de julho
setembro do corrente anno. Recebe propostas
na sala das suas sessoes, i elas'3 horas da tarde do
dia 13 do corrente.
Secretaria da santa casa da misericordia do Re-
cife, 6 de junho de 1873.
O escrivio
PeAro Rodrigues de Souza,
Pela subdelegada do t" di tricto da fregue-
zia dos Afogados se declara que se acham legal-
mente depositados tres cavallos, sendo dous cas
lanhos e um russo ; cujos cavallos foram appre-
hendidos como furtados: quem pois, se julgar
com direito ao< ditos cavallos se apreseatem neste
juizo, munido de seus documentos que lhe sero
entregues.
Afogados 7 de junho de 1871.
O subdelegado,
_________Joao Chrysostomo de Albuquerque.
abaixo assignado, lancador da recebedori
desta provincia proegue no lancamento dos im-
postos geraes, sendo de industrias e profissoes,
pessoal e da decima das corporacoes de mo mor-
a, as ras, travessas e beccos do bairro de S.
Fre Pedro Goncalves, a saber : ra de D Maria
Cesar, de Domingos Martins e travessa da mes-
ma, ra da Restauraco, becco Largo, de Luiz
Goncalves, de Jos Pereira, da Campello, do an-
tigo Porto e travessa do Hom Jess ; devendo em
cumplimento da lei ser exhibido pelos senhores
inquillinos e locatarios os respec/ivos recibos e
contractos dos predios que i ecupam.
Recebedori 'de Pernambuco, 7 de junho de
1873, ,
O lancador,
Manoel Jos Soares de Avellar.
ADVDNISTRACAO DOS CORREIOS DE PER.VAM-
BL'O 10 DE JUNHO HE 1873.
Malas pelo vapor Cruzeiro do Sul da companhia
brasiieira.
A correspondencia que tem de ser expedida
hoje (10) pelo vapor cima mencionado para os
portos do sul, ser recebida pela maneira se-
guint- :
Macos de joraaes, mpressos de qualquer natn-
reza e cartas a registrar, at S horas da tarde,
cartas ordinarias at 3 horas, e estas at 3 I [2,
pagando porte duplo.
As cartas e jornaes que se dirigirem ao Rio da
Prata, pagarao previamente, aquellas a laxa de
300 rs. por l.Tgrammas ou fraeco de 15 gram-
mas, e estes a de 40 Te, por 40 grammas ou trc-
elo de 40 grammas, na progressao estabeleci4a
na tabellasC e D -annexa s instruc;5es do 1*
4fe dezeabro de 1866.
O administrador interino
Vicente Ferreira d Porcjuncpla.
COMPANHIA PKKNAMBICANA
DE
avegacffo costeira a vapor.
MACEI, ESCALAS, PENEDO E ARACAJu'.
O vapor Gi
mandante
seguir para os por-
tos cima no dia 14
do corrente, s 5
horas da tarde.
Recebe carga at o dia 12, cncommendas at
o dia 13, dinheiro a frete e passagens at as 2 ho-
ras da tarde do dia da sabida : escriptorio noForte
do Mattos n. 12.
COMPANHIA PERNAMBLCANA
DE
\"\ esiioio costeira a vapor.
.'ARAHYBA, NATAL, MACO, MOSSORO', ARAC\
TY, CEARA, ACARAC'E GRANJA.
O vapor Pirapama,
commandanto Felippe,
seguir para es por
tos cima no dia 14
do corrente, s 5 ho
ras da tarde.
Recebe carga at o dia 12, encommendas at
o dia 13, passagens e dinheiro a frete at as 2 ho-
ras da tarde do dia da sahida : escriptorio no
Forte do Mattos n. 12.
da rna
Imperador n. 45.
lie candieiro a i;a?, de bro:i-
ze e ervstal, araudellas, chrfa-
rizes, ivatorn s, porta-chapea?,
bomba para jarlim, mesa de
ferro, tubos* fogireiros, mangas
de vidr.*, barmetros, lampara
as, esta'ua de bronze, ferro -
porcelana e muitos outros ob-
jectos que estarao ao exama
Jos concurrntes
lloje
A'S 10 1|2 HORAS DA MANHA.
Por intervenQo do agente Pinto.
No armazem da ra do Impe-
rador n. 45.
Leil
ao
DE
movis
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
lvecacSo costeira a vapor.
GOYANNA.
O vapor Parakyba,
commandante Pedro,
seguir para o porto
cima no dia 12 do
corrente, s 9 horas
da noute.
Recebe carga, encommendas, passageiros e di-
nheiro a frete no escriptorio no Forte do Mattos
n. 11____________________________
Para o Porto
pretende sahir muito breve a galera portuguez'a
Voca Fama II por ter grande parte do seu car-
regamento prompto. Recebe a carga que lhe fal-
la a pteos mdicos, e tambem passageiros, para
os quaes tem ptimas Bccammodaces : trata-se
;om Tito Livio Soares, rna d Vig irio n. 17.
loip e crystaes
HOJE
A's 11 horas da manh.
NosobraJo da ra do Crespo n. 17, pri-
meiro e segundo andares.
O agente Pinho Borges ven
derpor corita de ama familia
que mudou de residencia os se
guinles objectos a -aber :
Urna mobilia de Jacaranda
com lampos l piano de arma io de 3 cordas,
1 -ecretnri de moano, 2 can-
dieiros u g z, I candelabro de
metal, i guarda roupa grande
de amareilo, una toilette de
aniarelio, guarda com mina*
aparadores, anuarios parads-
peosas, rspt-lhos duurados, I
mobilia de jacaian go. I machina de costura, lan-
ttrnas rom mangd?, lavatorio?,
I burra de ffrro ('cofre), l cama
francez jac ran espre-
gui;adeiras, cad-iras de balan-
qo, copos, cauces. I apparelho
de louqapara jantar. I dito pira
almoc/\ I resfriadeira de barro,
tapetes, com modas dejacand
e ang'co, c.tbides, quartinhei-
ra e outro^ muitos artigos do
uso domestico, que esta o pa
tentesno releri o dia
Terca-feir 10 de junh \
RA DO t KESI'O N. 17.
Peo agente Pinho Borgps.
LEILAO
DE
FAZENDAS
LIMPAS E A VARIADAS
Sexta-feira 13 do corrente
s 11 horas.
O agente Pinho Borges vender em leo pr
conta e risco de quem pertencer, chales de cores,
madapoloes, las do cores, I uvas de algodo, petas
de tranca de caracol, fusto branco, proprio para
vestido, duzias de sapa tos para senhoras, borze-
guins para homens, linhas de carritel, guarnicoes
para camisas e muitos outros artigos que estarn
flatentes no dia do leilo, no armazem n. 58 do
argo do Corpo Santo.
AVISOS DVFRSOS
CASA DA FORTIA.
AOS 5:1
BILHETES GARANTIDOS.
1- ra Primsiro de Marfo (outr'ora ra do
Crespo) n. 23 e casas do costume.
O abaixo assignado tendo vendido nos seus fe-
llzes bilhetes, dous meios n. 299 com 300, um
meio n. oi7 com MOOOO, e outras sones de
40*000 e 20*000 da lotera que se acabou de ex-
trahir (53.*), convida aos possuidores a viram re-
ceber na conformidade do costume sem descont
algum.
Acham-se venda os felizes bilhetes garantidos
da 1* parte das loteras a beneficio da matriz do
Cabo (54') que se extrahir no sabbado 14 do cor-
rente mez.
PREgOS.
Bilhete inteiro 6*000
Meio bilhete 3*000
Quarto 1*500
EM PORgAODE 1005000 PARA CIMA.
Bilhete inteiro 5*500
Meio bilhete 2*750
Quarto 1*375
Manoel Martins Fiuza
= Perdeu-se na noite de quatro para cinco do
corrente, nm tranceln) de ouro com 5 oitavas e
meia, assim como um pencinez de ouro, por isso
roga-se o obsequio, a pessoa que quizer restituir
ditos objectos, diriia-se ra do Imperador n. 14,
que sera gratificado, e se o ti ver comprado rece-
ber a importancia e a'em disso ser gratificado.
Olferece urna ama para engommar e conzi-
nhar para casa de pouca familia, perfeita em sea
trabalho, alianca-se a conducta ; a tratar na ra
da Concordia n. 36.
AVISA.M aos Srs. mude sort.mtiitu de fernupus para eiigeiiUus e para Uvoura.e quwsquer uuUtM mm
a misteresda industria agrcola, o quetudo vendem por precos nwoaw.
Vapores horiaonUH de 4, 6, 8e 10 cavallos, os melhores que ven o mercad.
MOenaS completas, obra forte e bem acabada.
MeiaS mOendaS para mmtmwm^m de madeirt.
TaxaS de ferro "** e batido, de todos os tam..nhos e dos melhores fabri-
cantes.
RodaS d aglia de diversos tamanhos.
KodaS dentadas de diversos tamanhos equalidades.
Arados americanos de diversas qu.ud.des.
Formas para assucar grandCs, pnud i g.ivanis^.s.
ConcertOS concertam com promptido qualquer obra ou machina, para o que tmn
sua fabrica bem montada, com grande'e bom pessoal.
EnCOmmendaS Mandam vir Pr encommenda da Europa, qualqim marhinismo,
para o que se corresponden) com una respeitavel rasa de tandrm
e com um dos melhores engenheiros de Inglaterra ; inciimbem-se de mandar assentar
as ditas machinas, e se responsabilisam pelo bom trabalho das mesmas.
RuadoBaro do Triumpho (ra do Brum) ns. 100 a 104
FUNDICO DE CARDOSO & IRMA O.
FAZEMDAS PARA ACABAR
Na
ra do Crespo n.
LOJA DE
Guilherme Carneiro da Cunha & 6.*
20.


| BOC6, phanaaceutieo, *,r. de CaMlflioae, Pmr, m
DE
PEPSINA
*
IJUlIfJM
DE
HOGG
1* Pilas alimentosas de Hogg com pepsina acidula, proprias pa
gstricas dyspepticas, etc., e nos casos de digesto difficil on impoisTel.
2o Pilulas de Hogg com pepsina unida ao ferro reduzido pelo hydrogeiMo, 1
para molestias chronicas e as doencaa qae das mesmas resultio (escommentos, fluxot-braocas,
I menstruacOes dfficeis) e para restabelecer as saudes debilitadas.
Pilulas de Hogg com pepsina e proto-ioduro frreo inalteravel, para
escrofulosas, lymphaticas e sjphrliticaa, para a sica, a carhexia chlorotica e para aa i
atnicas geraes do corpo.
Em, frascos triangulares de 100 et 60 pilulas; precos indicados sobre os frascos.
Deposito em Pernambuco. A. REGORD, e as principara pbarmacias.
w*
flill
Precisa-se de urna prela escrava para todo
ervico : quem tiver e quizer alugar dirija-se
na
V
ra Velha de Sanu Rita n. 17.
Arrenda-se, ou vndese o engenho Trombe
ta, sito margem do rio Una, do lado opposto da
estacao do mesmo nome, tem meia legua qua
drada de terreno frtil e de mattas, e tao perto
da estacao, que paga-se por cada carga 100 rs.
Vende-se tambem cinco escravos, 30 animaes de
roda e 12 bois mansos, e a safra criada. Quem o
pretender, diriia-se ao proprietario Joaquim Jus-
tino de Almeida, no mesmo engenho.
.= Aluga se urna casa nova, na Capunga, nos
Quatro (antos : a tratar cora Joo Jos da Cunha
Lages, rna do Vigario n. 33, I.* andar.________
SEGUROS
MARTIMOS
CONTRA O FOGO.
A companhia Indemnisadora, estabelecida
nesta praca, toma seguros martimos sobre
navios e seus carregamentos e contra fogq
em edificios, mercadorias e mobilias:
ra do Vigario n. 4, pavimento terreo.
Attenco
Engomma-se com perfeico reupa para
homem, ra do Forte n. 9.___________ OITerece-se nm homem para administrar un
Precisa-se de um preto para alugar, que sir- nffenho. .** qualquer emirato i irai
va para todo servico : a tratar na ra velna de 0,n serviros e mais tres ewrvas d- *tt
Santa Rita n. 17. "e C'-""00- amanea suacmiducu, para inf.cmac>
' no pateo do Carino n. 9. e para tratar no eafmt*
Por ultima vez
Pedem os abaixo assignados a todos es seus
devedores de contas antigs, o especial obsequio
de as virem salisfazer uo improrogavel prazo de
15 dias, cerlos de (jue, lindo este prazo, usaro
dos meios judiciaes para sea embolso. Ra do
Mrquez de Olinda n-. 40, loja de
Frederica Pinto 4 C.
Recite, 6 de junho de 1873.______________
Sobrado alugar.
Aluga-se o primeiro andar do sobrado da rna
Imperial n. 126, com muitos bons commodos :
tratar na ra do Imperador n. 83, primeiro andar
Caxoeira Lisa, em (amcllcira.
Precisa-se de um homem para citor de om
engenho qne tenha pratira de sorviro, qoe nao e-
nlia vii-ios e de llanca sua conducta ; i *nirm-
der-se cmn o Sr. Rernardino Puntual, rna da Ma-
dre de Deu n. 36.____________
Escrave fn^e
50^000 de "ratificara*>.
a mira
i
ni
NAVEGACAO BAHNA
Para Macelo, Penedo, Araeaj
e Baha.
E" esperado dos portos do sul at o dia 13 ou
14 o vapor Gasto de Orleans, o qual segu para
os portos cima.
Recebe carga, passageiros e diBheiro a frete a
tratar com os seus agen les Antonio Lniz de Oli-
velra Azevedo A C, ra do Rom Jeaus n. 87.
Para
m
O brgue Raio recebe a frete o recto da carga
que falta angajar para o referido porto : a wttar
com satis naignatarios ABWriro Irmos A C. "i
LEILAO
DE
bons movis
quarta-feira 11 de junho
NA
i i:iiia i:n t\ u.
16-Ria do lmperador--16
iVlnb lias cuniplrtas dejaa-
randd com tanipos de pedra
marmore, bonitos guardas lou-
qa, carteiras pira escriptorio, I
burra (prova de fogo), reJogios
de pared?, 1 mobilia de ama-
relio com tarapo de pedra, lin-
dos aparadores, commoJas de
niogoo com tampos de pedra
marmore, 1 piano de 3 cordas,
lantt-rnas, candelabros, camas
francezas de Jacaranda e? ama-
relio, guarda roupa, guarda ves-
tidos, m^a elstica, de 6ta-
O abaixo assignado, tendo de seguir para
Europa no primeiro paquete, por motivo de mo-
lestia de sua senhora, deixa encarregado de seus
negocio particulares ao Sr. Manoel Jos Carnei-
ro, socio da firma commercial Carneiro A Noguei-
ra. Quanto aos negocios que dizem respetto a
sua prossao de solicitador, deixa encarregado ao
seu amigo e companheiro o Sr. Francelino Augus-
to de Hollanda Chacn, e seu ajudante Antonio
Machado Dias, que podero ser procurados na ra
do Imperador n 15, escriptorio do Sr. Dr. Olim-
pio Marques da Silva e na sala das audiencias. O
abaixo assignado desde j pede desculpa aos seus
amigos e clientes que por ventura deixou de se
despedir, fallando por este meio com o seu dever
de visita-Ios, pela presteza da viagem, e offerece o
seu presumo na cidade de Lisboa, onde pretende
Atar sua residencia provisoria.
^___________Joo Caetano de Abren.
Tendo no dia 6 do corrente mez sabido de
sua casa, em S. Lourenco da Malta, a parda clara,
de nome Henriqueta, trazendo eomsigo sua lillii-
nba de nome Flori, idade pouco mais de ti me-
zes, a titulo de vir visitar sua irm de nome -Ma-
ra da Conceicao.e que se acha aqui no Recife %m
casa de urna familia moradora ra Bella, e como
at agora nio se tenha noticia certa do lugar onde
ella se ache, roga-se a pessoa que souber, o favor
declarar ou ensina-lhe a ra Bella, casa da Sra. D.
anna, que muito se agradecer. A mesma mu-
lher livre e casada, c o marido participa a ella
que sua mi acha-se qnasi louca, por causa de
sua sahida, e sem que ella soubesse, nem mesmo
do marido.
^^ Admira
SIM, ADMIRA A MIRA DOS PROPR1ETARIOS DA
CONbEITARIA DO CAMPOS.
Prevendo a concurrencia de encommendas de
bolos e sortes que lhe ho de fazer os habitantes
de3ta cidade, e seus suburbios, estao prevenidos
de cem mil sortes, Ilustradas e chistosas, e pre-
tenden) lazer reunir em sua bem montada fa-
brica.
Vinte mil ovos! I...1
j*~
para bolos.
Ausentou-sc do engonho Victoria, m Itmo 4r
Rarreiros, o mulato sciiii-braiico. >aliiniiam, 4>
20 annos de idade, baixo, gordo e meio >orcnnda.
cabellos amarellos c crespos, rosto largo, olho
caslanhos, nariz regular, tem nm signal 11. pei-
tos proveniente de urna espinha. |rna< pea
grossos e mal (etos : quem o pegar ou delie der
noticia leve ao seu senhor Daro Ferreira da Silr
Mello no referido engenho, ou na praca do Cafp
Santo n. 7, t* andar, que sera recompensad i f-
nerosamenle.___________________________
Precisase de um menino para raixeir.) : aa
na do Coronel Suassuna. casa n. 1._______
Attenco
Os Srs. quo estio ilevendo alugueis A" ros na cocheira do Pinto na ra te Sanio
Amaro ti. 1, tenham a mmmmhm de virem sal-
dar seus dbitos quanto antes, afim de nao
Os proprietarios da CONFEITAHIA DO CAMPOS
nao querem com Isso faier urna crise avaha, nio,
somente para que nao deixem de ser satisfeitns
todos os seus numerosos l'reguezes e principal-
mente aquelles que j p anno passado as horas seren chamados por sen proprio nome.
mais aperladas, recorrero .ao vantajosp stabeleci-
mento de confeitaria sito a ra do Imperador n. 2i,
sob a denominacao de
Confeitaria do Campos.
Xo commercio.
Na ra da Cruz n. 13. 3.* andar, aluga-se na
grande sala e um quarto muito proprio para i
escriptorio.
Caixeiro.
Francisco Manoel Marinho Falco pede a
pessoa a quem for oftereclda urna nota promissoria
de quatro contos oito ceios e tantos mil ris, ven-
cida em Janeiro ou marco de 1862, assignada por
elle em favor de M. Barbalho de Gusmao Ucha,
que nao faca negocio algum com a mesma nota
promissoria,visto como achando-se j paga em qna-
si sna totalidade, pois resta 500, por isso a pes-
soa que a negociar ter de receber somente esta
quantia.
Annel
A pessoa que achon um annel no Campo das
Princetas, junto ao trilho dos bonds em frente a
roa da Florentina, queira ter a bondade de vir
entrega-Io ra da lmperatriz n. 83, 2 andar,
que ser gratificado. Avisa-se outro sim, aos se-
nnores ourives e donos de casas de penhores, que
nio facam transaccao alguma com o dito annel,
que era de brilhante.
Precisa-se de mu caixeiro de idade de 12 a 18
annos. com praticu de inolhados, para a villa da
Escada : a tratar no pateo do Terco n. 23, cm
casa dos Srs. Simao dos Santos & C.___________
Aluga-se urna casa em Santo Amaro d;is
Salinas, na estrada de Onda n. 13, torna-se re-
commendavel porque passa a linlia dos bonds : a
tralar no n. 19, lavemt.
Os senhores abaixo declarados queiram ter
a bondade de apparecer cu mandaren) ra do
Imperador n. 28, a negocio de suas conveniencias:
Manoel Silvino de Barros Falco.
Francisco Manoel de Almeida.
Francisco Jos Carneiro.
Dr. Francisco Pinto Pessoa.
Jos Pereira Lentos.______________________
Urna pessoa de conduela aliancada tendo de
ir Villa da Penha, Ligua Nova e Caicar cobrar
algumas dividas, otlerece-se as pessoas que nesses
lugares tiverem algumas contas ou letras co-
brar, que o encontraran no bazar universal ra
Nova n. 22.
Gaiveiro
I B.
Precisa-si- um de 12 a Ik anno, que tenha ara-
tica de ta venia e que neja portugnez: a tratar
na ra da. Calcadas n. 1__________________
- Aiiseniou-sc de casa de sua senhora, na dia
6 de maio, o nilalo Malheus, e tem os itaan
sefutates : alto, ps e m*os grandes, ei* de laraa-
ja, bons denles, fa la mansa e nm pone laa,
barba um punco branca, cabellos rrespos t re-
prsenla ter W> annos : pede se a qnetn o a>are-
hender de leva-lo ra do Hospicio a. I, ew
sera gratificado.
- Os abaixo assignados faxem scienle aa ivrp
do commercio que dissolveram amigavetoeale a
sociedade que ubam nos estabelecimeaios taver-
na e padaria, sitos i ra do Visconde de Goxaaaa.
n. 97, que gyrava com a firma social de Braar-
do lUlrijues \ C.; tirando afargo 4o sorii Aa-
tooio Goncolves todo o activo e paastve, a e socie
Rernardn Fernandes, pago e satisfeo de see ca-
pital e lucro : quem se julgar credor
sua conta no prazo de tres dias. Recife
nho de 1873. A rogo de Bernardo Fe
Joio Gil
Anloao Gcalves.
Constaotino.
Pede-se a este senhor qne veio no ulliaw^rtpar
iruDMM
costeiro do norte, liara indicar onde
Da-se de gratificacao a quantia de 10* a quem do, ou apparecer Nova Bsparaaea
tiver adiado e entregar ao eu dono um leque de de Caxis n 63
madreperola, que foi perdido no sabbado ultimo, ~---------':-----------:----;-------^-,
em urna das ras da Princeza Isabel, Aurora e Casa para eStabeleCimeDU).
Formosa : quem o achou, querendo restitni-lo, __ r ..
! inahei n nn nn ,,' Traspassase a chae da k>ja siU a nu ai iaa-
Offerece-se um homem para feitor de
engenho com as qecessarias habilitarles, e
afliahga sua conducta, para informagdes no
pateo do Carino n. 9, e para tratar, no en-
boag, otjectog de ouro e prata,'genho Caixoeira La em Gamelleira.
leve-o ra "da Princeza Isabel n. 8, ou no arma- Traspassase a chae da loja l^
zem do Sr. Pires junio ao arco de Santo Antonio. Pe"tm n. .12, com urna cxceJelc y*
---------------r^--------------------------------. amarello, toda envidrarada e proana para aai-
GratlfiCa^O ('uer "abelecimento : a tratar
Gratiflca-se Dem a quom descubrir tres pran-
choes de amarello, marca J F M, furtados da ser-
rara a v-por do caes do Capibaribe, sendo dons'
furtados em maio e um na norte passada.
Sebastio Marques do Nascimento tendo em-
barcado para Lisboa e nao podendo despedir se I
das pessoas que tanto se prestaram durante a sna i
molestia, pede desculpa desta falta involuntaria, e
offereca o seu diminuto presumo.
Caixeiro
Precisa-se de um caixeiro com pratica de taver-
na de 14 a 16 annos de idade : a tratar na Cam-
bo do Carmo n. 1



T
f:

Diario de Pemambuco Terca feira 10 de Junho de 1873.
l
w
i
m<
n-
vW%
F0G0 ARTIFICIAL PARA SLOES
PARA OS FESTFJOS DE
S. ANTONIO, S. JOAO E S. PEDRO
yo
ARMAZEM DO VAPOR FMNCEZ
7 RllA DOMO DA VICTORIA I
(O Til OH A III 1 NOVA)
Chegaram grandes facturas destes lindos e apreciados foguinhos artificiaes japone-
zes, francezes e allemes, de vistas muito bonitas, e especialmente fabricados para senho-
ras e meninos podefem soltar sem medo algum de serem offendidos, e a presos baratos,
nao s a retalbo, como em caixinhas sortidas. Alm destes foguinhos ha muitas pistolas,
craveiros e rodinhas, fabricados por um dos mais famados artistas desta cidade, e tam-
bem tem grande porco de traques chinezes, que se vendem em cartas e em caixinhas in-
tetras.
BALOES AEREOSTATICOS
Pequeos baldes de 8 a 10 palmos, de papel de cores bonitos e facis de
solta-los das janellas e varandas.
Estas novas e interessantes sortes, alm da leitura agradavel, contem dentro
diversos objectos de divertimentos que fazem augmentar mais a alegra entre as fami-
lias, as noites de Santo Antonio, S. Joao e S. Pedro.
GLOBOS PARA ILLUUAgES
Globos de papel de cores para as illuminac/tes destes festejos, e que muito
realijam nos pateos q nos jardins.
PAPEL PAMA ENFEITAR BOLOS
Estes papis rendados para enfeitar bolos sao muito baratos e principalmente
vendidos em duzias.
Botinas dos melhores fabricantes para homens, senhoras, meninos e meninas.
Quinquilharias de fantasa,-
I I Vi* PERFUMARAS
E
Brinquedos para meninos
Todos estes artigos vendem-se baratos por serem recebidos em direitura e
pelos abatimentos obtidos dos fabricantes em attencio s grandes e repetidas encom-
mendas.
ATTENCAO
o
Tambem recebe e vende muito em conta excellentes pianos, tanto do fabri-
cante Blondel, como de H. Hers e de Pleyel; assim como mobilias de faia e de
vimes, e cadciras avulsas de braco e de balanco.
7 armazemdo vapor francez 7
BAZAR NACIONAL
Ra da Imperatriz n. 72
DE
Loureoco Pereira lleudesGuimariies
Declara a seus freguezes que tem resolvido vender o mais barato que for possivel, a
saber:
CHITAS A 160 E 200 RS. O COVADO.
Vende-sc chitas francezas largas com to-
que de avaria, a 160 e 200 o covado. Di-
tas limpas a 240, 280 e 320 rs. o covado.
CASSAS FRANCEZAS A 320 RS.
Vende-se cassas francezas a 320 e 360 rs.
o covado.
LiSINHAS A 200 RS.
Vendo-se lsinhas de cores para vestidos,
a 200, 360, 400 e 500 rs. o covado.
ALPACAS A400RS.
Vende-se alpacas para vestidos a 400, 500,
640 e 800 rs. o covado.
COBERTAS DE CHITAS A 1JJ600.
Vendo-se cobertas de chitas de cores, a
19600 e 29000. Ditas de pello a 19400.
Colxas de cores a 19200, 29500 e 49500.
CHALES DE LA A 800 RS.
Vende-se chales de la de quadros a 800
rs. e 19000.
Ditos de merino a 29, 39, 49 e 59000.
CAMBRAIA BRANCA A 39000.
Vende-se pecas de cambraia branca trans-
parentes e tapada, a 39, 39500, 49, 49500,
59 e 69000.
SAI AS BRANCAS A 29000.
Vende-se saias brancas e de cores, para
senhoras, a 29000 e 29500.
BONETS A 500 RS.
Vende-se bonets pretos de seda para ho-
mens, a 500 rs. Chapeos de palba, pello o
massa, a 29, 29500, 9000 e 49000.
MADAPOLO A 39000.
Vende-se pecas de madapolo enfestado a
39000.. itos inglezes para os presos de
49, 49500, 59, 69000 e 79000.
ALGODAO A 39500.
Vende-se pecas de algodo, a 39500, 49,
e 59000.
BRAMANTE A 19600.
Vende-se bramante com 10 palmos de
largura para lencol, a 19600, 29 e 29500 o
metro.
GRANDE UQUIDACO DE SABONETES 280 RS.
Vende-se urna grande porco de sabone-
tas inglezes, a 200 rs. Ditos francezes cjm
cheiro a 320 e 500 rs.
Agua de colonia, Ja 200, 320 e 500 rs. o
irasco para liquidar, e outros extractos
muito barato.
CORTES DE BRIM DE CORES A 19500.
Vende-se cortes de brim de cores para
calca, a 19500 e 25000. ,
BOTINAS A 39000.
Vende-se botinas para senhoras, a 39000 e
39500, a ellas antes que se acabem.
ROUPA FEITA NACIONAL.
Vende-se camisas brancas, a 19600, 29,
29500, 39000 e 49000.
Calcas de casemiras de cores, a 59, 69 e
79000.
Coletes de casemira, a 29, 29500, 39 e
44000.
Palitts de casemira, a 49, 69 e 89000.
Seroulas al" 19600.
BRIM DE CORES A 440 RS.
Vende-se brim de todas as cores a 440
rs. o envado.
LENCOS BRANCOS A 29000 A DUZIA.
Vende-se a duzia de lencos brancos, a
29000. Ditos com barras de cores a 39000.
Ditos de linho a 59000.
TOALHAS A 800 RS.
Vande-se toalhas para rosto, a 800 rs. e
19000.
GRAVATAS DE SEDA PRETA A 500 RS.
Vende-se gravatas de seda preta, a 500
rs. cada urna.
CHITAS PARA COBERTA A 280 RS.
Vende-se chita para coberta, a 280 e 320
rs. o covado.
BONETS PARA MENINOS A 19500.
Vcnde-se Donetes para meninos, a 19500.
ESPARTILHOS PARA SENHORA A 39500.
. Vende se csparlhos para senhora, a
39500.
PENTES A 320 RS.
Vende-se pentes de alisar, a 240, 320 e
400 rs.
POS DE ARROZ A 240 RS.
Vende-se pos de arroz em caixa, a 240
rs., para liquidar.
ESPELHOS A 240 RS.
Vende-se espelhos de diversos tamanhos,
a240 e 320 rs.
TESOURAS A 320 RS.
Vende-se tesouras de diversos tamanbos,
a 320 e 500 rs., para liquidar, e outros
muitos artigos que se vende barato para li-
quidaco de facturas.
Engenho
Arrenda-semi vende se p.-irte de ilon* sapeado*
"tus 11,1 tii^'iie/u iIi Ip.jnc.'i, sendo 11111 ui'iviilii
por uiiiiiacf i' iiiiiiu umvmu a a^ua, boni obrada-,
do ptimos terrenos, e com pronor.-oes para salre-
jar de tres a qualro mil pes, distando do porto
de embarque apenas urna legoa, e da estrada de
ferro tres legoas : quem pretender dirjase ra
do Apollo n. So, 2- andar, que achara noni quem
tratar.
Publicacao jurdica
Apontamentos sobre a condico dos escra-
vos e libertos no, Brasil,
contendo as principaes questoes relativas essa
especie, com as decisoes proferidas a respeito pe-
los tribunaes superiores e do poder executivo,
bem como toda a legislacao patria, antiga e mo-
dernissima acerca de cada urna deltas ; pelo Dr.
Antonio de Vasconcellos Menezes de Drummond,
lente cathedratico da !. cadeira do 4. anno (direi-
to civil) da faculdade do Recife e ad-vogado oeste
foro. Assigna-se livraria franceza e livraria do
Sr. Nogueira, no arco de Santo Antonio.
Cozinheiro
Precisa-se d i um bom cozinheiro para um bom
hotel: a tratar na ra do Imperador n. SI, arma-
zem uniao e commercio.
1008
Aluga-se por 25* a casa n. 6 na roa do Li-' Precisa-se de l:000j a juros, dando-se por
ma, em Santo Amaro, estando j concertada de hypotheca am predio livre e desembaracado sito
aovo : a tratar na na da Restauracao n. 54, 011- > nesta cidade : quem quizer dar dita quantia, diri-
tr'ora Guia. ja-ge a esta typograpnia a fallar com o adminis-
trador.
Preeisa-se de um homem para botar (anudo
a am sitio: a tratar na roa do Coronel Suassuna
JL l.
Aluga-se barato, urnas metas aguas, novas :
na travessa das Barreiras (neceo do Aquino): a
tratar na ra do Cotovello n. 25.
Est ausente desde o dia 3 de abril do crreme
anno o escravo Miguel, com os signaes seguintes :
cabra, cabellos carapinhos, rosto liso, sem barba,
altura e corno regulares, ps e maos bem feitos,
falla muito de-caneada, est descorado, tem marca
de um talho na palma da mi direita, foi das Ala-
goas, j o possuo ha quatro anno-, fez urna fgida
ha um anno e foi preso em Bai xa-Verde : quem o
pegar leve ao sen senhor Antonio Carneiro Rodri-
gues Campello, no engenho Canzanza, que ter a
quantia cima.
AMA Precisa-se de urna para cozinhar e fa-
-xlVLl. zer mas a|gUm servico de casa de fa-
milia, no Corredor do Hispo n. 5.
Ama de leite.
Precisa-se de urna ama de leite que nao tenha
filho : na ra do Mar juez de Olinda h. 40, pri-
meiro andar.
- Precisase de urna ama para casa de fami-
lia de duas pessoas : na ra do Cabug n. 1, loja.
Precisa-se de urna ama que saib-
cozinhar e engommar, para casa -e
familia : a tratar na praca do Corpo
Santo n. 17, 3 andar.____________________
Ama Prccisa-se de urna ama para comprar
"*' e cozinhar para casa de familia : na ra
do Passeio, lja n. 58.
Preisa-se de urna ama pa<
/% 'vi /m ra ('l)znhar e comprar : "na
Carvalho.
ra Bella n. 23, hoje IIha do
AMA
lferece-se urna ama de
leite sem filho : no becco das
Barreiras n. 9.
URGENCIA.
Ama de leite..
R Precisa-se de urna ama de leite, quer seja
forra ou captiva, porm sem filho, e que te-
nha bom e abundante leite, paga-se bem : a
tratar no 3. andar dcsta typograpbia.
Precisa-se de urna ama para comprar e co
zinhar : na ra do Corono! Suassuna n 1.
Precisa-se de urna ama que
saiba cozinhar e comprar para
casa de homem solteiro : na ra
de Pedro Affonso n. 13 e 15, antiga ra da Praia.
AMA
)
!

1
p
\

MOMA
Est encouracado!! !
Roga-se ao Illm. Sr. Ignacio Vieira de Mello,
escrivao na cidade de Nazareth desta provincia, o
favor de vir ra Duque de Caxias n. 36, con-
cluir aquelle negocio que S. S. se comprometteu a
reajisar, pela terceira chamada deste jornal, em
fin? de dezembro de 1871, e depois para Janeiro,
passou fevereiro e abril de 187z, e nada cumprio;
e por este motivo de novo chamado para dito
flm, pqis S. S. se deve lembrar que este negocio
de mais de oo annos, e quando o Sr. seu filho r&
achava nesta eidade.
U VISTETE
. Medico-cirurgico
I RA DO IMPERADOR K. 73, ANDAR '}
0 DR. NNES DA 60STA
MEDICO OPERADOR PARTEIRO.
ESPECIALIDADES.
Molestias e opera^es de olhos.
Cora radical e icstantanea dos
estreitamritos fia uretra.
Consoltas : Das 7 s 10 boras
da manba.
3 Chamados : A quaiqoer hora.
Dentista de Pars
19 RA NOVA 19
FREDERICO GAUTIER, agradecendo ao respei-
tavel publico em geral e em particular aos seus
amigos e numerosos clientes, os favores e a confi-
am;a que lhe dispensaram durante os quinze annos
de suaresidencia nesta linda cidade, tem a honra de
lhe participar que cedeu o seu gabinete[de cirurgio
dentista-ao seu sobrinho e discpulo J. M. Leroux
o qual cchando-se hamais de dez annos na sua
companhia, est de sobejo habilitado para merecer
toda a sua confianza e executar os trabalhos os
mais difflceis e delicados da profisssao
O inesmo aproveita a occasio para pedir s
pessoas que lhe sao devedoras o especial favor
de manda-ls pagar quanto antes, pois retira-
se muito breve para Paris, aonde se achara sem-
pre prompto para o que puder prestar.
Troca-se
a moradia de urna casa muito fresca e nova, na
Boa-Vista, com quintal, agua, gaz, banheiro, etc.,
etc., por urna pouco mais ou menos em iguaes
condicoes, na ra da Camba, Concordia, Santo
Amaro, etc., etc., sendo perto da ra Nova : tra-
ta-se na ra Nova n. 36.
Terrenos baratos de 3$ a 6$
nos Afflietos, e 3$ no Sal-
gad inho.
Antonio Josc Ilolripnsdi: Soii/.a ven.Ir-
terrenos de seus sitios lo Ierras proprias, ao
palmos, cin a nova run quai em frente *
igreja dos Afliictos ; o do Salgadinho com
a frente para a estrada de ferro de
Olinda e oito para nutra estrada ao lado do
mesmo sitio ; a tralar com o Sr. Tristo
Francisco Torres, na thesouraria das lot-
rias. \
Est fgida a escrava de nome Bernarda, de
idade S5 annos, pouco mais ou menos, levou saia
de ganga e camisa de algodo lera marca de fujo
na na perna direita, e tem os olhos grandes e aho-
rnados : roga-se as autoridades policiaes e capi-
tes de campo o obsequio de pega-la e leva-la
seu senbor, no Caminho Novo n. 110, sitio, ou na
ra da Cacimba n. 1, que sero generosamente
recompensados.
AVISO
O abaixo assignado avisa aos seus devedores
que venham pagar seus dbitos at o m do cor-
rente, do contrario passaro pelo dissabor de ve-
rem seus ames e quantias por este Diario.
Becife, 6 de junho de <873.
Antonio Gomes de Hendonc.
CASA DO OUKO
Aos 5:OOOrO
Bilhetee garantidos
Ra do Bardo da Victoria (outr'ora Nova)
*. 63, e casa do costume.
O abaixo assignado acaba de vender nos seus
muito felizes bilhetes a sorte de 5:000*000 em
bilhete inteiro de n. 1403, a sorto de 100*600 em
quatro quartos de n. 49, alem de outr-is sortes
menores de 40*000 e 20*000 da lotera que se
acabou de extrahi (53ai; e convida aos possuido-
res a virem receber, qne promptamente serlo
pagos na forma do costume.
O mesmo abaixo assignado convida ao respeita-
vel publico para vi ao seu estabelecimento com-
prar os muito felizes bilhetes.que nao deixaro de
tirar qualquer pernio, como prova pelos mesmos
annun ios.
Acham-se a venda os muito felizes bilhetes ga-
rantidos da I* parte da lotera a beneficio da igreja
matriz do Cabo, que se extrahir no dia 14 do
correrte mez.
Procos
Inteiro 6*000
Meio 3*000
Quarto 1*500
De 1009000 para cima.
Inteiro 5*500
Meio 2*750
Quarto 1*375
Becife, 6 de junho de 1873.
______________Jof Joaquim da Costa Leite.
Sr. Jos Firmino Bibero, professor publico
de Pedra Tapada. Seu pai Jos Joaquim Bibeiro
o manda de novo chamar, para no prazo de oito
dias vir tirar urna conta corrente da gerencia de
sua casa commerciai ra do Socego n. 31, as-
sim como conta das rendas das casas, dos annos
de 1861 a 1872, em cuja administracao elle este-
ve de posse desde aqulla data. Se o chamo pela
imprensa porque ja o tendo feto por cartas, elle
nao tem aecudido ao meu chamado.
' Na ra do Senhor Bomjgsus das Creoulas
n. 44, precisa-se alagar urna peta de meia idade
e que seja fiel, para vender.
O padre Jos Marcelino Pereira da Cunta,
tendo de retirar-se para a Europa, e nao podendo
despedir-se pessoalmente de todas as pessoas que
o honraram com sua amizade, o faz pelo presente
annuncio.
S-3

2.-
58 .Q a < < 2-o o
< c M E.S>S.5J| 3 5
ra *"
. c
C
I
ar S a -, o, C, nao.
85 o 11J e 1 < t
1 3 3*3
ro O'
v
ojSw
O
O ft>
c = C
i?
M
jo
c o m S>
3, o "
kllil'
Lili
"ag- p 5=5-o.i.3
le
r s; n c -c= .
I B-8 2 5 2.g'wop.
PB t | p O p w S,
3&
Avisa-se
a quem der noticia da escrava Guilhermina que
foi do tenente-coronel Feliciano Joaquim dos Sao-
tos, e aepois comprada ao Barao de Nazareth,
representa ter 25 annos, tem falta de denles na
frente e as mos com cicatrizes de queimadura
de gaz, secea do corpo e muito regrista, que des-
appareceu da casa de sobrado n. 26, da ra do<
Coelhos, que ser generosamente recompensado
<> -sosos
i CONSULTO! o
MEDICO-CIRURGICO
W DO W
q, Dr. J. U. Cario 0
0 Ba do Mrquez de Olinda n. 25, pri- Q*
meiro andar. X
W Consulta das 9 horas s 11 da manha. ^
& Chamad.)* a qualquer hora JjK
O OOOOOO 0&&
Esta s de jesuta !
O Sr. J. C. A. de F. nao* quer ainda attender
aos reclamos da pobre viuva que exige os alu-
queis e ehaves de sua casa, montando j os ala-
guis at 38 de abril a 320*000 ; o que sobre
tudo se torna revoltante o inquilino ter a casa
fechada ha mais de seis mezes, e nem chaves e
nem alugueis.
O @ S
COXSULTORIO
| MEDICO CHUMO |
Dr. Nados Guerra.
zj Especialidades : molestias das mu- *.
SW lheres, das criancas, molestias venreas V
e syphiliticas. a
_' Consultas das 8 s 10 horas da ma-
i& Chamados qualquer hora do dia e '5B?'
Ao comfhercio.
Manoel Lopes Fencira de Andiade, declara ao
respeitavel carpo commerciai qne tem contratado
a compra da taverna pertmeento ao Sr. Manm-I
Gnmpf n Parla, *m na Am DiLiraraom n. II,
lir t iliM.-.i!i.u...-.|,|;i. i- ,|-,..... M*Jit*l iMlli -
li'lti .1 :i,:;i 1.,,..;,.^ ijiiii,., r.iiii^.n.i-i'i II" |H.ii'i
de lies das.
BecKe, 10 de junho le 18;.'!. '
'-*T7JQ
Jos Mara da Paixao.
Antonio Fcrreira B-aga. ogro do tinado Jos
Maria da Paixo, agradece i pessoas que acom-
panliaram o eoipo do mesmo ao ceini'.erio e de
novo os convida para assistrem a algiunas missas
i|ue manda dizer na Ordcm Terceini do i armo s
7 horas da manila do dia 10 do crrente.
Joaquim Ferreira Loureiro.
Jos Carlos Ferreira, Joao Ferreira Loureiro,
Lenidas Tito Loureiro, Eufrozina Francisca Fer-
reira, Anna Candida Loureiro, Arpemira Fran-
cisca Loureiro, Mara da Fontoura Wanderley
Loureiro e Leobino Baplista Loureiro, flhos,
genros e oras, convidam aos seus amigos p-
renlos para assistrem os ltimos sufTragios que
pela alma de seu pai e sogro Joaquim Ferreira
Loureiro, mandam celebrar na Ordem Terceira do
Carino, no dia 11 do corrente pelas 8 horas da
manha, aos quaes desde j agratlecrm_________
VIH BKffflB BBEHBI *kV
D. Joanna Rasa S. Silva.
Jayme E. Gomes da Silva
e sua familia agradecen! do
fundo d'alma a todas as pes-
soas que se dignaram acora-
panhar os restos mortaes
de sua presada mai I). Joan-
na Bosa S. Silva, ao ceiniterio publico, ropando de
novo a todas estas pessoas, e igualmente a seus
amigos, para assistrem as missas que mandara
resar na matriz da Boa-Vista no dia 13 do cor-
rente pelas 7 e meia horas Qa manha 7. do pas-
samemto da mesma finada.
AVISO.
Hoje 3 de junho de 1873 fugio deste engenho
Calif rnia, em Serinhem, o escravo Gregorio,
com os signaes seguintes : crioulo, com pouco
mais de 20 annos de idade, mediana estatura, cor
preta, secco do corpo, testa saliente, olhos vivos,
com falla de dentes na frente, ps regulares e os
dedos iguaes, tem urna marca de queimadura na
barriga, e varas marcas de castigo que tem sof-
frido, tanto as costas como as nadegas,' por ser
muito fujio, costuma mudar de nome e inculcar-
se forro, muito fallante, cantador e cachimbeiro.
e tem as duas orelhas Turadas : roga-se as lllmas.
autoridades policiaes ou senhores capites de cam-
po que o hajatn de encontrar, o facam capturar e
remetter a este engenho, ou na praca, ra de
Pedro Affonso ao Sr. Joao Florentino Cavalcante
Jnior, que alem de Ihes pagar o seu trabaiho
lhes ser obrigadissimo o propretario Joao Flo-
rentino Cavalcante de Albuquer |ue.
Escravo fgido.
Auzentou-se do poder dos abaixo assignados o
seu escravo de nome Joaquim, edr preta e de
naran. Traja muito limpo, anda calcado e usa do
cabellos compridos, querendofazermeiacabelleira.
Sebe cozinhar, oceupacao a que se dedicava.
Quando falla se conhece ser negro africano.
Boga-se a apprehenco de dito escravo, cuja
captura se gratificar bem.
Becife, 9 de junho de 1873.
Jos da Silva Love Filho.
Fugio hoje 6 do corrente, do sitio do
Sr. Jos Antonio Pinto, em Ponto de UchGa,
um cao do Rio da Prata, branco com ma-
lhas cor de caf com leite; pede-se a quem
o tiver encontrado o favor de levar ou
mandar levar no referido sitio, qui- ser
recompensado.
Aluga-se um moleque; tratar na ra do
Duque de Caxias, loja n. 44.____________
COMPRAS,
B Compra-se algumas casas terreas ou sobra-
dos nesta cidade : a tratar na loja da ra Duque
de Caxias n. 44.
VENDAS.
No escriptorio da ra do Commercio
n. 32, de Joao Jos de Carvalho Moraes,
vende-se o seguinte :
Caf do Rio de Janeiro.
Cimento de Portland.
Palhinha preparada.
Cera em velas.
Oleo de linhaca.
Couro de lustre.
Bezerros.
Chumbo de municao.
Gomma-laca, superior qualidade.
Cadeiras bamburguezas.
Ditas de balando.
Ditas para criancas.
da noute.

Bua da Imperatriz n. 36, primeiro, A
andar. ?
Vi, Gratis aos pobres.
Ba
andar.
A quem interessar.
J. Bamos 4 Machado mudaram seu escriptorio
de commissoes e deposito de movis para o ar-
mazem n. 10 da ra do Vigario.
CRIADO
Precisa-se de um para tratar de um cavallo e
mais algum servico, na ra da .Cadeia do Becife
n. 50.
Ao commercio.
Os abaixo assignados tendo contrafado a com-
pra da armacao da loja de louca, sita ra Di-
reita n. 75, perteneento ao Sr. Jos Pires de Car-
valho, vem pelo presente avisar a todo aquelte qne,
se julgar credor, queira apresentar-se como tal,
dentro do prazo de tres dias, a contar desta data, j
ficando os abaixo assignados sem responsabildade
algum a, Becife, 6 de junho de 1873.
Mello & Macedo.
Um amigo do digno professor de Pedra Ta-
pada, tendo liao no Diario de 7 do corrente um
annuncio do pai do mesmo professor cbamando-o
para do prazo de oito dias vir prestar-lhe contas
e chimeneas contas, pede ao publico e especial-
mente aos collegas de dito professor que por ora
suspendan! qualquer julio a respeito do mesmo,
pois tal chamado tem outro flm muito diflereste.
ESTABELECIMENTO THERMAL.
'rauca, MputODUto do aiimti
POailttDI Oi ESTlOO FAkctZ
AmuutmcIo i FAR1Z, 1, muTt Momuim.
KSTAgiO DOS BAHHOS.
Noestabtltcimeniode Vichy, um do* m/ho*
rtt da Europa, arhltr^t-ha Banhot e Embroca.
cBtt de toda a sorte par a cura das doeneas do
((, do Se***, da fcexlca, arU,
dlaheiU tata, eaaereeae aalealaaaa,
OH aearaa i aarlaaa, lc.
Cas* m,bmdbM di Maioati U si brmnio:
TtMr OaMartot m Caria. Marica a* Parqo*.
Sallo 4a latan. Sallo rtaarvaao para aa iMborai.
- SalOu aa tom (OTTanaalo a Minar,
M tthiiaH m fiMW uh *tem.
Sortes de amendoas
Para os divertimentos de Santo Antonio, S. Joao
e S. Pedro, pelo baratissimo preco de 3 o cento,
na ra do Hospicio n. 61, taverna. Na mesma
casa recebe-se encommendas de diversas quali-
dades.______________________________________
Terreno.
Vende-se meio moio de terreno na illa de S.
Miguel c tambem permuta-se por predios nesta
cidade: i tratar na ra Direita n. 99._______^^
YENDE-SE
urna casa terrea, bem construida, com duas ja-
nellas de frente, entrada pelo oitao, quintal pe-
queo e cacimba, em terreno proprio, na ra das
Nymphas. com a frente para o nascente, c esta
rendendo 164000 mensaes.
Urna dita peqnena na estrada de Joao de Bar-
ros, sendo o terreno em que est situada, 33 pal-
mos de frente e 160 de fundo ; tem a frente para
o poente, no mesmo terreno existem dous ps de
coqueiros que dio fnietos, e est rendendo 151.
Um terreno proprio eroprio para edificar-se ;
com a frente para o sul, sito na ra do Principe.
Tem 1*8 palmos de frente, a mesma extenso na
extroma do lado opposto, 140 palmos de compri-
menlo, extremando pelo lado do nascente com
a nova ra do cemiterio.
Os pretendentes podem dirigir-sc a ra da So-
ledade n. 54, onde receberao quaesquer explica-
c8es, e convencionarao sobre o preco, das 6 s 8
horas da manb.
Vende-se urna taverna, na ra Imperial,
urna das melhores e mais bonitas na freguezia de
S. Jos e muito afreguezada para a trra e matto,
o motivo da venda se dir ao comprador e trata-
se na mesma ra n. 94.
Fogos.
Lindissimos fogos de vista proprios para meni-
nos queimarem dentro de cosa, e que foi feito na
China. Vende-se a retalho da menor quantilide,
a vontade do comprador, e a preco baratissimo :
no largo da alfandega n. 7, e aos domingos na ra
da Madre de Dos n. 36, no 3* andar.
Os mesmos fogos, as mesmas condicoes, ven-
de-se tambem na ra do Imperador, casa de Ber-
nardo da Silva C. Campos, e na ra do Mrquez
de Olinda, casa de Braga Gomes & C.
Terre
\ loja da America recebeu
lindos Ituiirnous de li e seda t icnii por omo-
modo prec.-o.
Espartilhos tinquea.
H irrla.|.i- a iv'i.i/ >5.i !
l.-t /. ,il !.....a,.|Hli.i ii<- .11 -1:i I j,uf
MM rMi:itc IJOc ftfK
A (^QOO a peca
ite inailap la" Iranci' iiiiu duas Ui guras e tos.
ra do Cabuga n. 10.
I'alunezas m rasnda k di
lirelis a 40$ ultimo gosto e iirament" enfoilad i- qrr ioOM
vendem |x>r &'a000, na ra da Iinn-rMnz %
56, luja da Bosa Branca._____________________
UOlVXMBlLV
%o mnnio livro pora ten
lo Sonta IntoMio. N. JoAW
O H. Prtlra.
Acalia de ser put>lirad-> o livro cima, o qaai
contem urna linda rollcccio de bonitas, mterea-
santes c chistosas surtes, e iguakneoas una col-
leccao de recitativos cuiiipiK'os por gran les a-
famados pMBfl de-ta poca.
Creinos OM este livrn um m mHhores iatre-
leniuieiilos para as nuimx-s lamiliarrs das lio fes-
tejada' 6 apreriaveis noutes cima dita*.
Arha-se a venda a 11<* o na livraria Ec-inomi-
ca ao p do arco de Sanio Autniin e mu Joaquim F. d< s Santos Cuimlira Guiuiarr*.
vende em seu cscriptor.o a na do MirpMt O
Olinda n. 4 1.* andar :
Lafi do Bio
i ha t em latas de I libra
Fumo em htoa
Farinlia de mandioca
Viiihu de Tlioinar. em decireOT
Orculos delpbiros.
Sol esle lilnlo aeaham de -*t iinpri'*?- ni-
coenta nergonta e ii-p> uta | ara i'i;tn't>'nimoio
de reunioes laimli.iii > lias noules de Santo AaW-
nio, S. Joao e Pedro.
Essas |M'rgiintas e respmta". infirament* noTat,
sao inleressantes e ihvcitilas. sem qneonVa"
conveniencias m Kgra< .. de In* s rieJaoV.
serem propriann-nle <> que entre im c*
sortes, tratara ile de-ven lar ni)-tiri'
ntimos pensamenlis fnlurxr- *tn-<
pre adequadas as n>s|iosta< expressar*
vezes aquillo ser era brinco, scrvindn o olliar ou o modo de di-
zer de dar-lhe< lorca ncci-ssana jora aquetoi a
quera sao dirig dos!
Cada baralliinho cnsti I."1*' e aeham-4 Vf*.
da na livrana K'-onunna H p" 'I nM de Saak
Antonio e ouiras.
TASSO 1RMA0S&C.
Em seus arinazeus a rua Jo Amm
n. 37 o. cues Id Apollo n. 47,
tem para vender por precos n Tijolus encarnados sextavos para ladrilho.
Canos de barro para esguto.
Cimento Portland.
Cimento llvdraiilii'c.
Machinas de di -'-ar^ar alendan.
Machinas de padaria.'
Potassa da looli em barril.
Ihospliorus de cera.
Sag em garrafes.
Sevadinha em frra>.
Leniihas em garrafiVs.
Itliuui da aJm.
Vinlio do Porto velho engarralado.
Vinho do Porto superior, di.o.
Vinho de Hordeaux, dito.
Vinho de Srherry.
Vinho da Vadeira.
Potes com lingnas e dohrada> inglezas.
Licores Inoa aortidns.
Cognac Gaulhier Freres.
Latas de toucinho inpl.-r
Han is com repolho em salnvMir
As nicas verdadeiras
bichas bamburguezas que vem a este mercatW
se vendem na ra do Mrquez de Olinda n. l, i *
andar.__________________________________^^
SHERRY KINA
(VIMIO N QU1HQU!U BTUOBO
PHF.PAHADO COM OS MEI.HORF.S VIMIOS IF. 1EV
ClLilBcttlSEtHll
FORKGCKDtJR DA SI V MMisT*DK A >
DHKs-PAMU.
POR
THOEHERET GELIS
j IMiiiriiutceiilioo
EX-INTF.RNO POS HOSHTAFS l>F T\RI*
O SHKURY-kINA c ovinhofleOuinquin*
que hojo preferem a jiaio* parte dos iao-
cos de hoipitaes. dos lentes da faculdade t
dos membros da academia de medicina
Tem esta preferencia a sua explicarlo nisto
que offerec; tolas as garantas que debakit
se procuram nos productos desee peero eit
que MUTAS VEZES SE SACRIFICA* AS o| AI.IPA-
DES TAO ESSENCIAES Qll.R DO VIBO, OaVR
do QiiNuriNA (m vezes de ambos, aos c-
enos da i:specui.ac\o (Ver Guta das Aguas
Minerac*. Do Dr. CONSTA.NTI5 JAME?
7." edicao.
NICO DEro&ITO
NA
PIIAHMACIAEHROCARIA

BARTHOLOIED C.
Ra Larga do Rosario n. 34.
Nao ha mais cabellos
brancos.
TINTURARA JAPONEZA.
S e nica approvada pelas arad^onos da
sciencias, reeonheckia superior a toda oo*
tem apparecido at hoje. Deposito
pal ra da ('.mina do Becife, boje 1
quez de Olinda, n. 51, 1.' andar, e
todas as boticas e casas da
reiro. ,
no.

Pechincha
Calcado barato
Borzeguins de beaerro e coriavio, para
homem a
Ditos pretos gaspiados, para seobara a
Ditos de duraque preto e de core* a
Ditos de menino e meninas a
Botinzinhos de couro, de eotai, para
menino a
Sapatos de tranca para aooiesi e *.
nhora a
Dito* e tapete para homem e Matara a
Ve de se na (traca da \
de Porto Bastos.
Vende-se um magnifico terreno situado no ame-
no lugar Chacn ao lado direito do ro, lagar
que nao chegam as chelas, eom 90 palmos d
frente e 400 de fundo e alicerce para urna cata
com 40-palmos de frente : tem bondosos arvore-
dos e muitas fructeiras: a tratar na roa do
quez de Olinda n. 40.
Muita attenco.
No progresso do patea o Caro a. ?,
se manteiga flor nropra para tatas 4
Antonio, pelos pr*r* segokilss : ic
600,800, li e li'iUO, itaaVaoson i
rs. a libra E" pechioraa seo
Vende* urna
anno de idade, perita
escasa: narui aa'

e lai
n.

L 1
^-*


*
-^t
is
Diario de Pernambuco Terca feira 10 de Jimho de 1873.
NUTRIMENTO
M E l. [ CI-N A
Preparado

por
.anman Kemp
thisica e
a qualiJade
loengas', quer
si'ja na garganta,
peito ou bofes.
Expressamente
escolhidodosme-
lliores ligados dos
quaes se extrahe
o oleo no banco
da Terra Nova
purificado chimi-
I cal ment-, e suas
Jvaluaveispropri-
" edades conserva-
das cem todo o
cuidado, cm todo
o frasco sega ran-
teperfeitamen-
te puro.
Este oleo tem
sido subinettido
aumexamemui-
to severo, pelo
chimico de mais
talento, do go-
verno hespanhol
em Cuba e foi
pronunciado por
h elle a conter
MAIOR PORCAO D'IODINA
do qujp outro qualquer oleo, que elle tem
examinado
IODINO UM PODER SALVADOR.
Em todo o oleo de figado de bacalho, e na-
quelle no qual contm a maior porco desta
invaluavcl propriedade, o nico meio para
curar todas as duendas de
GARGANTA, PEITO, BOFES, FIGADO,
Phtysica% bronchistes, asthma, catbarrbo,
tosse, resfriawontos, etc.
Uns poneos frascos d carnes ao muito
magro que soja, clarea a vista.
a todo o corpo. Nenhum outro artigo co-
nhocdo na medicina ou sciencia, d tanto
nutimento aosystema e incommodando quasi
nada o estomago.
As pessoas cuja organisagao tem sido des-
truida pelas aflea oes das
ESCRFULAS 01) RHEUMATISMO
tenlas aquellas, cuja digesto se acha com-
pletamente desarrancada, devem turnar
O OLEO DE FIGADO DE BACALHO
HE
LAMHAN & KKJil
Se que desejam vor-se livres e isentas de
enfermidades.
Aiha-se venda em todas as boticas e
drogaras. II. Forsler A C, agentes.
0 LNEXTINGUIVEL
PERFOME


celebre
Florida
HIRIIW
Agua
BE
& YWMAV
a pura distilIai;o das mais raras flo-
- ios trpicos. Contm, para assim di-
to quasi o odor odorfero das flores do
trapico da America, esua fragancia quasi
ihaust ainda mesmo por continuada
evaporaco e diiusao. N'este respeito
incorapara.vel a qualquer outro perfume
qne lia de venda para :
DESMAOS, ATAQUES .NERVOSOS, DOR
DE CABET.A, DEBILIDADE E
HISTRICOS.
3'- um certo e ligeiro allivio. Com o bom
ton, tem conservado sua inlluencia para
cima do viut" c cinco anuos sobre todos os
["fumes, as Indias Oueidenlaes, Cuba,
Mxico, America Central, o do Sul e nos
m toda a conSanea o recommendamos
( mo um artigo, pelo seu aroma muito de-
licado-, riqueza de odor e permanencia, nao
pode ser igualado. Tambem faz remover
da pe'.le :
ASPEREZAS, EXPOLAS,
QUE!MADURAS DO SOL,
SARDAS E BORBIT.HAS.
Sendo reduzida com agua, se torna urna
Alent mistura para banhar a pelle,
dando u.ii aroseado e cor clara a complei-
go nblala, sendo applicada depois de
barbear, evita a irritacao que geralmente
Te, assim como tambem gargantendo-
se, o cheiro do cigarro desapparece, e ine-
l'oura a inndiro dos denles e gengivas.
Como lia muitas imitages, as quaes nao
possuem nenbumas d'estas propriedades,
deve-se to'oar cuidado e contar smentc o
o tunoso perfume e cosmtico do sul da
. res, i hamado :
ifilA FLORIDA
DE
HL3UMY tt L1\N1\.
Se acha venda em todos os droguistas
e pe1 as da moda.
Li
enda
rvros a v
Aos Srs. acadmicos
Vende-se as seguintes obras de direito, historia
e litteratura, por commodos pregos :
Pardessus:Droii Commercial.
Villiaun:Revolution francaise.
Louiz Blanc:Histoire de dix anas.
Vattel Droit des gens.
Ventura :Le Pouvoir public.
Porters: Cours de droit naturel.
Kluber :-Droit des gens.
Rogron : Code de conunerce.
Nesta typographia acharan essas obras para se-
r em vendidas.
SE'GREDO
ECONOMA E CELERIDADE.
Obtem-se com o uso
DA
INJECCAO SHOST
nica, hygienica, radical einfallival na cu-
ra das gonorheas, flores brancas e fluxos de
toda especie, recentes ou cb ron i cas; e que
offerece como garanta de salutares resultados
a continuada applicago que sempre com
maior vantagem se tem feito della nos bos-
pitaes de Paris.
nica deposito para o Brasil, Bartbolomeu
iC, ra Larga do Rosario n. 34.
Xarope d'agrio do Para
Antigo e conceituado medicamento para
cura das molestias dos orgios respiratorios,
como a phtysica, bronchites, athma, etc.,
applicado ainda com ptimos resultados no
escorbuto.
Vende-se na pbarmacia e drogara de Bar-
tbolomeu & C, ra Larga do Rosario n. 34.
K baralissimo
' Basquinas e casaquinhos de seda ricamente en-
feitados e em muito bom estado, para sonhoras e
meninas a 7U0 >.
Pechinchas.
Chape-linas e chapos de palha, velludo e seda
para senioras e meninas, por prepos baratissimos
de 2i, i e .
Anda pechincha.
Baltfns em perfeito estado para senhoras e me-
ninas a Ijuoo.
' Para acabar.
de
Riqusimos cmto9 cora lagos e sera elle e
gostos muito chiques a 40O e 5 0 rs.
Entremeios c babadinhos a 400 e 500 rs. a peca
Saias de la para senhora, l|.
Estas pechinchas s se encontram na loja do
Passo, ra t. de Mar;o n. 7 A, antiga do Crespo.
Rival soai segundo.
Che? rain agulhas pan machinas, do fabricante
Crower A Baker. Duzia por SjOOO.
BICHAS DE HAMBURGO
As mais recentes e melbores.
Vendem-sena pbarmacia e drogara de Bar-
tbolomeu & C, ra Larga dosario o Rn. 34.
Moraes & Irmao
Em seu escriptorio ra da Madre Deus
n. 5, I. andar, tem para vender por prego
com modo :
Vinho do Porto superior engarrafado.
Cerveja Bass.
Cb verde miudinbo de superior quali-
dade.
GRANDES NOVIDADES
Em fazendas de gosto
NA
LOJA E ARMAZEM DO PAVO
N. 60 'Ra da Imperatriz N. 60
DE
PEREIRA DA SILVA & GUMARES
Os proprietanos deste importante estabelecimento, participam ao respeitavel publico
desta cidade e aos seus numerosos freguezes que acabam de resaber pelos ltimos vapo-
res de Europa, um grande sortimento das mais lindas e mais modernas fazendas de gosto
e muita phantasia para vestidos de senhoras e meninos, assim como tambem um grande
sortimento das melbores fazendas de lei, que se vcudem por precos muito em conta, s
com o fim de apurar dinheiro.
As pesseas que negociam em pequea escala, neste estabelecimento poderao fazer
os seus sortimeutos, porque se Ihes tender pelos presos que compram as casas estran-
geiras ; de todas as fazendas se d3o amostras, deixando penhor, ou mandam-se levar em
casa das Exmas. familias pelos caxeiros.
Este estabelecimento est constantemente aberto das 6 horas da manh s 9 da noute.
(illWililMS BRNOS A-169000.
.,.. 2L onn O Pavao recebeu pelo ultimo vapor de
A lo00, 1*200, 800 e-640rs. Europa, bumoos dos mais lindos gostos
O Pavao recebeu um brilhante sortimento que at boje sao conhecidos e em relaco
das mais lindas granadines preta com del- sua excessiva barateza, convidam-se as
cadas hstrasde cores e pretas, que vende pelo Exmas. Sras. para verem o que ha de mais
barato preco do 19500 o c-jvado. Ditas to- novidade neste artigo,
das de cores com Hstras miudinhas em urna | BRAMANTES PAR\ LENCOES
s cor a 19200 e 19000 o covado. Ditas! o Pavao'vende superior bramante de al-
pretas com listras de seda roxas a 800 rs. Di- godao, tendo 10 palmos de largura, queso
tas pretas com listras brancas, azues ever- precisa de 1 1/4 vara para um lciicol
des a 640 rs. o ovado. Assim como boni- 1JSG00 o metro ou 19800 a vara,
tas barejes de seda para vestidos com as Dito de linho fino superior e muito en-
raais lindas cores a 19000. E' pechincha, corpado, com a mesma largura a 29400 a
na loja do Pavo. 'vara
POUPELINAS A19600 E 29000 O COVADO. i Ditos francezes muito finos a 29300 e
0 Pavo recebeu um elegante sortimento TSQQB.
E' pechincha, na
Na raa da Imperatriz n. 6,
loja ne louca de Sebastio Marques do Nasci-
meuto, vende-se em porgues graudes ou a reta-
tho todo loura existente na menina, per precos
muito diminutos por ter o misino proprietario
de fazer urna viagem a Europa a tratar de sua
sade; portanto, todos os freguezes que precisar
de se sortir destes artigos, apresentem-se quanto
antes.
Ai'Iiicial
Valdivino da plvora, no sen armazem de sal
ra imperial n. 207, faz sciente ao respeitavel pu-
blico desta cidade, que su acha satisfactoriamente
Sirevenido de todo o fogo que mister para os
estejos de Santo Antonio, S. Joio e S. Pedro
assim como um excellente sortimento de fogo do
ar, bomba real e pistolas de quatro a seis balas,
ditas de doas e tres balas, unido a urna bella
cotleccao de outros foguinhos para brinquedos de
vri.ui.as que cosluniam divertir-se com as mara-
cilhosas rodinhas de salas.
Hesperiiliia
Laziiiims escoeczas a 280
rs. o covado.
Ra do Crespo n. 20.
UAhas .--cocozas, padrees inteiramente no-
peia diminuto prepo de 280 rs. 3 covado,
peelttnc lio-se amostra* na loja de Guiher-
me C. da Cunha & C.
Verdadeiro biter hesperidina, superior e acre-
ditado : venda no armazem de Tasso Irmao
C, ra do Amorim n. 37.
Cassas avadadas a 240 rs.
o covado.
O Pavao vende flnissimas cassas francezas do
cores com os mais delicados padroes, por terein
um pequeo toque de avaria de agua doce, pele
barato preco do doze. vintens o covado. pechin-
cha : na loja do Pavao, ra da Imperatriz n.
i).
Bandeijas
Amoral, NabUco & C. vendem bandeijas de me-
tal cnviTnisadas, e de verdadeiro charao. de todos
os tamanhos, para c, copos, bolos, etc., etc., e
um completo sortimenti de balaios, cabazes, etc.,
de vime, e rotim para llores, costuras, pao, etc.,
etc. : no bazar victoria, ruado Barao da Victoria
numero 2. .
J chegaram os maravillosos fogos artifi-
ciaes da China, para serem sollos nos saldes e jar-
dios :. caixinhas com variado sortimento e a pre-
cos desde 20 at 30i cada caixa : no armazem
n. I do caes da alfandega.
Taverna.
Vende-se a da roa nrefta n. 72, tem poucos
fundos, e bem afreguezada : a tratar na mes-
ma.
VeuJo-M a casa de sota da travessa da
Bomba n. H. com 3 i|uarts, 4 salas, cozinha fura
a quintal c un cacimba, com 3 portas de frente
ora baizo e 3 jmellas em cima, e por preco com-
mvdu .- na ra Duque de Casias (amigamente das
Crazas) n. 2'i m 'lira qnem vende.
\. 51
Ftjo barato.
-Ra da Imperatriz51.
Armazem de louca de barro.
Existe orna grande porfo de pistolas boas e
baratas, gara.itmdo-se a qualidade dellas, por pre-
ros menuies do qile era outra qualquer parte, on-
de existe tambem urna grande porcao de alguida-
res francez.-s. barias panellas, papeiros e outros
muitos artigot por prefo muito em conta, visto
estar se liquidando aiim de se acabar.
Vende-se
urna escrava preta, exeellenle cozinheira e I
deir, sabundi. tambem eogoramar, com urna fi
de !> finn# de iilade. tambem preta, vinda re
tement do Matanhio : quem pretender coi
la, dtnj- la mperatrU n. 36.
Itepolhoa 400 rs. a libra : ra da Guia
fl.,54. '
Fogo de salo e artificial.
Em caixas sortidas, chegadas ultimamente'de
Hamburgo : vende-se ra do Mrquez d Olin-
da o, 21, l. andar.
Merino preto a 800 rs. o co-
vado.
Merino preto a 800 rs. o covado, proprio para
vestido serve para luto, por ser sem.lustro.na loja
das 6 portas em frente do Livramentb.
Entremeios, tiras e bicos a
500 rs.apega.
Vende-se entremeios, tiras e bicos bordados a
retroz, preprios para enfeitar vestidos, e roupi-
nhas de crianza, pelo baratis^imo preco de 300 rs.
a peca na,loja das 6 portas em frente do Livra-
ment, dose pecas a mostra com penhor.
das mais lindas poupehnas de seda com os
mais lindos desenhos e mais bonitas cores,
que vende a 19600 e 29000.
SEDAS DE CORES A 29500 RS.
O Pavo recebeu um bonito sortimento
das mais lindas sedinhas de urna s cor com
delicados desenhos miudinhos, que vende a
29500 o c vado. Ditas com listrinhas, mui-
to'ba fazenda a 29000.
na loja do Pavo.
CAMBRAIS ABERTAS A 99 E 109000
O Pavo recebeu um elegante sortimento
das mais finas cambraias brancas abertas,
bordadas para vestido, que vende pelo barato
preco de 99 e 109000 o corte, tendo fazenda
bastante para vestida. E' pechincha, na loja
do Pavo ra dnmperatriz n. 60.
LAZINHAS BORBADASA 400 RS.
O COVADO.
O Pavo recebeu um elegante sortimento
das mais lindas lzinhas transparentes com
florinhas, bordadas, tendo de todas as cores
inclusivel rocha propria para viuva, e ven-
de pelo baratissimo prego de 400 rs. o co-
vado. E' pechincha, na loja do Pavo ra
da Imperatriz n. 60.
LAS MODERNAS.
O Pavo vende um bonito sortimento de
lzinhas listradas sendo das mais modernas
que tem vindo ao mercado, pelo baratissimo
prego de 560 e C00 o rs. o covado. E' pe-
chincha, na loja do Pavo ra da Impe-
ratriz n. 60.
ALPACAS LAVRADAS A 640RS. O COVADO.
Chegou para a loja do Pavo um elegante
sortimento das mais lindas alpacas lavradas
de cores sendo as cores mais modernas que
tem vindo para vestidos, e vende-se pelo ba-
ratissimo prego de 640 rs. o covado. E'
pechincha, tw loja do Pavo.
CASSAS FRANCEZAS A 600 E 640 RS. O
METRO.
0 Pavo recebeu um magnifico sortimen-
to das mais lindas cassas fran e/.as, de cor,
cornos mais bonitos desenh'S mdos e
grados, tendo padres escuros e outros que
servem para luto, e vende a 000 e 640 rs.
o metro ou 300 e 400 rs. o covado.
LZINHAS MODERNAS COM LISTRA DF.
SEDA A 640 rs. e 19200.
0 Pavo recebeu um elegante sortimento
de las com listras de seda assetinada, sendo
as mais modernas que tem vindo ao merca-
do e com as mais delicadas cores, e vende
pelos baratos rirecos de 640 rs c 19200.
Assim como triiras muito bonitas com listras
sem ser de sed.^ue vende a 500, 640 e 800
rs., todas estas las sao modernissimas. E'
pechincha, na loja do Pavo.
Chitas a CO, *SO,3*Oe3GO rs.
0 Pavo recebeu um grande sortimento de
chitas de cores fixas, que ven le pelos bara-
tos pregos de 240 e 280 rs. o covado. Ditas
escuras fazenda muito superior, comnovos
padres a 320 e 360 rs. o covado.
Ditas muit'i finas padres claros em teci-
dos de percales, com barra de cor ao lado e
sem ella a 360 e 400 rs.
Ditas pretas com tecido de crctone, fazen-
da muito superior a 30 e 400 rs. o co-
vado.
Ditas de cores, miudinhas, proprias para
roupa de criangas 360 rs. o covado. E'
pechiocha, na loja do Pavao.
Baptistas a 500 rs. o covado.
O Pavo Tocebeu um elegante sortimento
das mais modernas baptistas de cores com
padres miudinhos e grados sendo proprios
para vestidos e roupa de crianga, pelo bara-
tissimo prego de 500 rs. o covado, affiangan-
do ser grande pechincha I
Cortes ilc cambraa. ultima no-
vidade, a 99000.
0 Pavo recebeu pelo ultimo vapor de
Europa, cortes de cambraia branca com ba-
badinhos ricamente bordados, tendo fazenda
sufficiente para vestido de qualquer modelo,
estes vestidos sao os mais modernos que tem
vindo ao mercado, e pela sua excessiva ba-
rateza tornam-se recommendaveis s senho-
ras de bom gosto.
Ditos com babados de cor, tendo 20 me-
tros de babad s a 99000. E' grande pe-
ch/'cha, no Bazar do Pavo rua da Impe-
rat. z n. 60.
'O
rande pechincha.
lina de seda a 1$
covado
o
Sao |6stos muito bonitos e muito boa fezenda
e nao tem deleito algnm ; nao jnlguem que por
ser barato fazenda ordinaria : quem qflizer po-
de mandar buscar as amostras, mandando penhor:
na ra dalmperalru n. 66, loja da Rosa Branca.
CORTES BE CAMBRAIA BORDADOS.
O Pavo recebeu os mais ricos cortes de
cambraia branca bordados para vestido, que
vende peto barito prego de 209 e 309000.
CORTtS DE CAMBRAIA BRANCA.
O Pavlo reoibcu m lindo corte de cam-
braia branca com listras assetinadass qne
?ende pelo batato preyo de 69000.
Dito com listras de crea, tendo 8 *aras a
49 e 59000. E' pechincha.
ESPARTILBOS.
O Pit* recebe wm gande sortimento
de espartilhos tanto para setthora cofno pnra
menina, que veade pelo barato preco de
39000.
Ditos muito finos a 49 e 59000. Sao dos
mais modernos jaie tem vindo ao mer-
cado.
Pegas de Hamburgo e panno de linho, ten-
do c >m 20 e 30 varas para todos os precos
e qualidades.
Ditas de bretanha de puro linho, tendo 30
jardas, pelos pregos mais baratos 'que se tem
visto.
Pechinchas de finissimo esgui i ou silzia
com 6 jardas a 79000.
Pegas de finiisima silezia com o0 jardas
a 359000.
Atoalhado adamascado com 8 palmos de
largura a 29000 a vara.
Calcas de casemira.
O Pavao tem um grande sortimento de
caigas de casemira, assim como cortes os
mais modernos que tem vindo nos ltimos
fjgurinos e em fazenda, dos mais finos e
mais novos que tem vindo ao mercado, e
vonde-se por barato prego para apurar di-
nheiro, assim como caigas de brim branco e
de cores, por pregos muito razoaveis.
LENCOS ABAINUADOS A 19800 E 29000.
O Pavo vende duzias de lencos brancos
abainhados, sendo fazenda muito boa, pelo
barato prego de 29000 a duzia.
Ditos tambem abainhados, com beira de
cor a 19800.
Ditos grandes, fazenda muito fina, sendo
todos brancos a 39000,
Dito de cambraia branca, sendo em pega
a 33*300
MEIAS CRUAS A 49 E 59000 A DUZIA.
O Pavo vende duzias de meias cruas, h-
glezas pelo barato prego de 49000 e 59000.
Assim como ditas muito finas e muito en-
corpadosa 69000, 79000,89000 c 109000,
e um grande sortimento de meias inglezas e
francezas, para senhoras, que se vende por
prego muito commodo.
MADAPOLO FRANCEZ a 69000 E 79000.
O Pavao vende pegas de madapoln fran-
cez, que somprese vendeu por muito mais
dinheiro e liquida-se pelo baratissimo prego
G^OOO e 79000, por ter feito urna grande
compra. E* pechincha.
Algodttoziiilio a IrOOO.
O Pavao vende pegas de algodozinho,
muito boa fazenda, pelo barato prego de
49* e 59000.
Dito largo muito encorpado, proprio para
toalhas e lenges a G5000 e 79000.
CAMBRAIAS.
O Pavo vende cortes de cambraia trans-
parente propria para vestidos a 29500
39000.
l'egas do dita muito fina, com 10 jarda,
tapada como transparente a 49, 59 e C9000s
at alnais fina que vem ao mercado.
PANHOS.DE CROCHET PARA CADEIRAS.
O Pavo tem um grande sortimento de
pannos de crochet proprios para cadeira de
balango, para ditas de guarnigo e para so
f, que se vendem muito em conta.
COI.XAS DE CROCHET A 69 E 89000.
O Pavo vende colxas de crochet proprias
para cama de casal, pelo baratissimo prego
de 69 e 89000.
Ditas de fustao acolxoadas, sendo de co-
res e brancas, pelo barato prego de 46000.
E grande sortimento de ditas de damasco,
crctone e de chita, que vende por pregos
muito razoaveis.
CORTES DE PERCALI.ES COM DUAS SAIAS
a 49000.
O Pavao vende bonitos cortes do percalles
com duis saias, sendo fazenda de muito gos-
to a 49000. E' pechincha na loja do Pa-
vo ra da Imperatriz n. 60.
BOTINAS PARA SENHORA, A 59000.
Na loja do Pavo ra da Imperatriz n. 60.
Pereira da Silva & Guimares receberam
pelo ultimo vapor de Europa um elegante
sortimento de botinas pretas e com delicados
enfeites decr, proprias para senhora, garan-
tindo-se serem das mais modernas que ha
no mercado, assim como a boa qualidade,
por terem sido remettidas por um dos.nr
hores fabricantes de Paris, e vende-se peto
barato prego de 69, na loja do Bavo.
SAIAS BORDADAS A 59, 6 e 89000.
O Pavo vende saias ricamente bordadas
de 4 pannos cada urna, pelos baratissimos
pregos de 59, 69 e 89000.
Ditas de um panno s e com muita rodas
guarnecida de pregas, pelos baratos prego,
de 29000 e 29500.
Ditas com guarnigo de pregas e borda-
dos a 39500.
Algodito enfestadq a f-rOOO a
Vera.
O Pavo vende algodo americano onfes-
tado e muito encorpado, proprio para toa^
lfta e lenges, pelo barato prego de 19000 a
vira.
Dito francez sendo trancado e muito en-
osrpado, pelo baratissimo prego de 19280 o
rttetro.
Casemiras a 09000 e J-OOO.
O Pavo vende crtes de casamira fnnee-
zt, sendo fazenda muito superior que sem-
pife se vendeu por mais dinheiro, e liqui-
d"|m-se a 79000 o crte.f
Ditosa 69000.
56 aRa do Mrquez de Olinda 56 a
(outr'ora raa m 1 adela)
LOJA DE MACHINAS
Sendo este antigo estabelecimento assaz conbecido como principal e
dado pelos grandes depsitos e bons sortimeutos com que sempre prima em ter
melhores, mais acreditadas e verdadeiras machina* aaterieaaan para
dito, desde 10 60 serras, e havendo em todos os tamanhos diversidades de siste-
mas e melhoramentos para perfeito e rpido descarocamento ; tornam-se dignas d>-
serem vistas e apreciadas pelos Srs. agricultores; os quaes, alm disto, encontrar*,
tambem mais :
das
Apurados vapores locomoveis, de forga
de 2'/ e 3'/s cavallos com todos pertengas
precisos para trabalharem 4 machinas para
algodo, ou para outro qualquer mister.
Machinas para lavar roupa.
Arados americanos para varzea e ladea-
ra.
Carros de mo para atterros.
Tinas de madeiras.
Baldes de dita.
Ditos de ferro cstanhado.
Ditos com vlvula para lavatorios.
Ditos de madeira para compras.
Apparelhos para jardins.
Guards-comidas.
Tampas para cobrir pratos.
Tarrachas para fazer parafuzos de ferro.
Dita dita ditos de madeiras.
Trens para cozinha.
Temos de bandeijas finas.
Correntes para arrastar madeira.
Cylindros americanos para padanas.
Pertengas avulsos para machinas.
Salitre refinado.
Breu superior.
Muinlos de diversos fabricantes para rw-
lho e caf.
Debulhadores para milho.
Azaito de spermacete para machinas.
Camas de ferro.
Bombas de Japy.
Ditas americanas.
Cofres de ferro patente.
Cannos de ferro esmaltados.
Ditos de dito cstanhado.
Ditos de chumbo.
Ditos de borracha.
Folies para ferreiros.
Emfim muitos outros artigos, que s avista e ueste estabelecimento poderlo s
examinados.
f
Pode obter em pouco lempo com o oso do melbor dos
IB I
licoresa jamada
HESPERIDINA
Faz oito 3doos qne conbecido este precioso tnico, e difficil acbar orna pesa-,
qne, tendo experimentado peseoalmeote, nao falle em sen favor, ja como bom Mt tuca
a apetisador, tomando om calix della antes de jantar, oo como facilitador d digettftt
tomando-se depois.
A BASE
da HESPERIDINA a LARANJA AMARGA, nao ba nm s habitante do BRASIL (a terr.
especial das araojas) qae iio conbeca as propriedades medicinaes da honrada frnct
ora bem, a
em sea estado natural tem nm gosto pooco igradavel, e o mrito da Hesperidina
sisle em reter snas boas propriedadis, e ao masmo trropo apresenta-ia como
EXQUISITO LICOR
A HESPERIDINA como INDUSTRIA NACIONAL nao tem nada |M dm' s>
melbores imporlacoes europeas de catbegcria seroe'.hsnte. Estas, qoaftdo mnilo. : lea
sor gostosas, porm a Hesperidina a co-ubinaglo perfcHi lo
GHADVEL e sdvel
# Para prova de que om artigo no qnal prie-sf terinteisconSanga. por m:',u>
e innocente, basta dizer-se que foi pliwwplt api retad* e autorUada pea
JUNTA DE HYGIENE
do Rio de Janero, permiltindo sua livre elaborago no imperio ; ontra
BOA PltOVA
a acceitagab geral que tem em tudas as partes onde apreaenda. EaD ISM efttf*
lecen-se a primeira fabrica em Bnenos-Avres ; em 1860 a segooda em aloLletido
no dia trabaiha na corte. Em Vaiparaizo e em toda a colla do Parfico tem boa actitacift
tanto qne rara a casa qne considera completo sea aparador sem ama garrafi de
oiiiulUlIlA
O homem velho toma Hesperidina para obter
VIGOR
O homem doente toma Hesperidina para obter
SAIIDE
O bomem dbil toma Hesperidina para oLler
Ncs bailes as donzellas e os mogos tomam a Hesperidina para ubiar boa or
animagao durante os loucos gvros da
BARROS JNIOR 4 C, roa do Vigano Tenorio n. 7, t* indar, receban tm
grande especifico, e venoem-no nos ftYpmtoe seguinte:
Joaquim Ferreira Lobo, roa da Imperatriz.
Zeferino CarneT., ra do Coiaiercio.
Marcelino Jos Gongalves da Fonie, ra da Csdeta n. 1.
Antonio Gomes Pires 4 C., raa da Cadea.
Antonio Gomes Pires d C., caes %i de Novembro.
Gomes d Irmao hotel da Passagem. '
< i;ythifi <;o
Acaba de ser eiperimentado no engenho Fragozo o apparelbo para aprom|^arjD
sacar pelo. sy;tema Centrifugo. .
0 PROCESSO
E' moito simples.
Tirase a mehdora das tazas de coser bot-^a-se dentro de qnalqoer
:oalbar.
Logo qae esteja coalbado passa-se pira o appireiho ea partidas de 3
de cada vez.
Send) a?sm cheio e posti em movimento, dentro de 5 m cotos tafi
orempto e em estado de ser logo remettido para ser vencido.
0 resultado
Foi 3zer-se de 4 I/i pes de resecar l arrobas do somenai I.1 sorta.
axirabido pelo apparelho tendo sido em nada prejodicado pelo proceuo qoe I
aindo mel d'engenbo e n5) mel de furo, prestoo-se a ser novatreate cosido,
apparelho assouar de qualidade e pouco inferior ao do 1.a processo, dando
mesmo as formas t3o bom resaltado como se fosse passado logo dis taire pan re Mh
Has, aproveitando-se assim mais metade doreei do qo coa o amigo svUnm.
Sendo Uo evidente re vantagens prodaiidis por *eaelfciote ippareft, o irae fa-
jera ser verificado pelos proprios senbores dVngeabo, esperam os iifojiiialMin d i
pparlho, depois do risco que cirrerma com semeibcte experiencia, reeficmre i cr-
ecgSo dos illastrados senbores d'engenbo.
O


r*^nv
mmmmmm
m
T'
v
.

?
2
\<,
Diario de Peruambuco Terca feira 10 de Junho de 1673.
r
FWDIflAO DO B'OWMAN
RA DO BRffl N. 52
(Passando chafariz)
PEDEM AOS Beohores de engenho e ontros agricultores, eempregadjres de m
coiusmo o favor de nma visita a seu estabelecimento, para verem o novo sortirnento
coooletj que ah tem; sendo todo superior era qoalidade e fortidUo: o que com a ios
oeccao pese >al pode-se verificar.
ESPECIAL ATTENCO AO NUMERO E LUGAR DE SA FUNDICO
VaDOre8 6 rodaS d'ae'aft dns mais roo1ernos *y*temas eem ta
* O ^** tnaobos convenientes para as diversas
ctrcuautaociag dos senborea propietarios e para descarriar algjdao. [J
X06IldaS dd Cftlina de_ lodos 9 tamanhos, as^meloores qae aqoi
Rodas dentadas paraanimae8'a8,iaevaPor-
Taixas de ferro fundido, batido e de cobre.
Alambiques 9 fundos de alambiques.
Maehinismos
Bombas
CO TURA
HOWP
SOARES LEIIE, IRBFOS
para mandioca e algodo.J
e para serrar mideira.
Podendo]todos
ser mondos a m8o
por agua, vapor,
de patele, garantidas........ |ou animaos.
Todas as machinas e pecss de q,ie 8e cos,Dma nrecisar-
Faz qualquer concert de machiismo'a pfer'0 mni resumido.
FormaS lf1 f!flFFO tem as me"10res e ymx% ba"las existentes do mer-
CallO.
lTIPflTTlTnPTlHQQ Incumbe-so de mandar vir qoalqoer macbinismo von-
iau/wiinuouuoo. Md6 dos C|entes% iembrn'J)-lhe8 a vantagem de fazerem
oas compras por intermedio de pessoa entendida, e qoe em qoalquer necessidade pode
bes prestar auxilio.
Arados americanos e MtraB,en,oi i*"
RA' DO BRM N. 52
MIUDEZAS.
40
Soares Leite & Irmaos, pedem as Exmas familias desta cidade, para virem sortir-se
de um completo sortimento de miudezas e perfumarias, por precos baratissimos, a
aber:
Caixa de pennas Perry, a 800 rs.
dem idem, a 400 rs.
Caixa de envelopes trajados de preto, a
500 rs.
Loques para senhoras, a 25000 e 45000.
dem idem do osso, a 69000 e8jj00.
lndispcnsaveis de couro da Russia, a
103000.
Tivros pora notas, a 320.
Redes fiufeiladas, a 15300.
Duzia de collarinbos borjados para ho-
mem, a 89000.
dem idem lisos, a 63000.
PERFUMARAS. -
Garrafa de agua florida verdadeira a 19300
Idem kananga do Japo, a 1(2200.
dem divina, a 15000 e 19200.
dem idem Magdalena (novidade) a 15500.
Frasco com tnico oriental a 15000.
dem de oleo Oriza verdadeiro, a 15000.
dem idem antique muito b un, a 400 rs.
Opiata muito boa, a 19, 13500 e 29000
o frasco.
Caixa de pos para dentes, a 200 rs.
dem idem de pos chinez, muito bom, a
Caixa de linha branca muito boa com
oovellos, a 500 rs.
dem idem de marca, a 200 rs.
Maco de fita chineza, a 900 rs.
Duzia de pegas de cordo imperial, a
t80rs.
dem em carritel de linha branca, a 320
rs.
dem idem carritel 200 jardas, a 19000.
Lamparinas gaz, dando urna luz muito
boa, a 19000.
Abotoaduras para colleteA(so baratas), a
200 rs.
Duzia de pegas de trancas caracol branca,
400 rs.
dem idem lisas, a 200 rs.
Fita de velludo de todas as cores e largu-
ras,
dem idem do sarja idem idem.
Talheres cabe de viado (imitaco) a 39000
duzia.
Duzia de baralhos francezes canto doura-1
do, a 35600.
dem idem beira lisa, a 29500.
Grinaldas para casamento,' a 25 e55000. '
A'
Ra do Barao da Victoria n. 28
As mais simples, as mais baratas e as melhores do mundo!
Na exposicao d Paris, em 1867, foi concedido a
Elias Howe Jnior, a medalha de ouro e a condecora-
gao da Legio de Ilonra, por serem as machinas mais per.
feitas do mundo.
A medalha de ouro, conferida a E. Howe Jnior, nos
Estados-Unidos por sur o inventor da machina de cos-
tura.
A medalha de ouro na expsito de Londres acreditara
estas machinas.
A.
Garrafa de tinta roxa extra-fina, a 15000.
Caixa de botes de osso para caiga, a
200 rs.
Coques modernos, a 35500.
Mago de trsnga lisa de cores,
Espelhos-toucadores, a 23000.
Resma de papel pautado o liso,
43800, 33500, 45000 e 65000.
Caixa de papel amisade, a 600 rs.
500 rs. e 13000.
Mago de sabonetes inglezes muito supe-
riores, a 600 rs.
Duzia de sabonetes de amendoa, a 23500
a 240 rs. e 33G00.
dem de sabonetes de anjinho transparen-
a 25600, tes, a 25200.
dem de sabonetes com flores, a 15500.
Lindas e elegantes caixinhas com perfu-
Idem idem idem beira dourada, a 800 rs. mes do autor E. Cudray e Gell Frres, pro-
Caixa de envelopes forrados, a 700 rs. prias para presentes.
Luvas de pellica com pequeo toque, a Sabonetes Glycerino transparentes, 15
500 rs. e 13000. Chapeos para senhoras e meninas.
BOLLAS DE BORRACHA
Grande sortimento de boHas de borracha e calungas por baratissimo prego, e mui-
k objectos que se tornara longo mencionar.
28 Ra do Barao da Victoria 28
LIQUIDAGO PARA ACABAR
DE
ROUPAS FEITAS E FAZENDAS
Barao
DO
da Victoria
ANTIGA RA NOVA.
n.
24
Cbe-nos o dever de annunciar que a companhia das machinas de llowe de Nva-
York, estabeleceu nesta cidade ra do Baro da Victoria n. 28, um deposito e agencia
geral, para em Pernambuco o mais provincias se Tendereta as afamadas machinas de cos-
tura de Howc. Estas machinas sao justamente apreciadas pela perfeigao de seu trabalho,
empregando urna agulha mais curta com a mesma qualidado de linha que qualquer outra,
e pela introduego dos mais aperfeigoados apparelhos, estamos actualmente habilitados a
ofl'erecer ao exame pifblico as melhores machinas do mundo.
As vantagens destas machinas sao as seguintes:
Primeira.O publico sabe que ellas sao duradouras, para isto prova incontestavel, a
circumstancia de nunca terem apparecido no mercado machinas d Howe em segun-
da mo.
Segunda.Contem o material preciso para reparar qualquer desarranjo.
Terccira.Ha nellas menor friego entre as diversas pegas, e menos rpido estrago
do que as outras.
Quarta.Formam o ponto como se fra feto mo.
Quinta.Permitte que se examine o trabalho de ambos os fios, o que se nao consegu -
as outras.
Sexta.Fazem ponto miudo em casemira, atravessando o fio de um outro lado,
logo em seguida, sem modilicar-se a tenso da linha, cozem a fazenda mais
fina.
Stima.O compressr levantado com a maiorfacilidade, quando se tem de mudar
de agulha ao comegar nova costura.
Oitava.Muitas companhias de machinas de costura, tm tido pocas de grandeza e
decadencia. Machinas outr'ora populares, sao hoje quasi dcsconhec^as, outras soffreram
mudancas radicaes parapoderem substituir : entretanto a companhia dfs machinas de Howe
adoptando a opinio de Elias Howe, mestre em artes mechanicas, tem constantemente
augmentado o seu fabrico, e hoje na attende a procura, posto que faga 600 machinas
por dia.

Cada* machina acompanha livretos com instrueges em portuguez.
A 90^000 A 90^000
SOARES LEITE, IRMAOS
A'
do Barao da Victoria n. 28.
COMO SAO LINDOS!!!
O loques todos de madreperola.. bra.ir i t cures e que trazem o dsticol'NIAO em letlras
tamben) de madreperla em alto relevo, tor-
nando-se por isto apropriados para noivas, a NO
VA ESPERANZA a ra duque de Caxias o. 63
(antiga do Que'iiiado) quem os tem.
Sao de tartaruga
Os brincos, broches, meios aderecos, erares,
coracoes e cazoletas, que estiio oxpostas ba
escolta das Exmas. (amantes do chique) vende-se
na Nova Esperanca, ra Duque de Caxia*
n. 63.
Aos meninos
A Nova Esperanca ra Duque de Caxias n.
63, acaba de recebor nm lindo sortimento de bo-
necas de muilas qualidades, vir.do entre ellas as
engranadas bonecas de borracha, assini lambem
urna pequea, quantidade de bonecas pretas que
se toruam apreciabas pela .-ua novidade.
bem ut
A Nova Esperanca ra Duque de Caxias n.
63, lecebcu verdadeiro cimento inglez. prepara
(lo para concertar porcelana bem til.
Vestido perdido
Muitas veies um vestido toma-se meramente
feio, somonte por estar mal enfeitado : a Xova Es-
peran;* ra nuque de -Caxias n. 6.1. remove
este mal; porque est bem provida dos melhores
galdes e franjas de todas as cores, onde pode es
colher-se vontade sobresal indo entre estas as
modernas franjas musaicas, que pela sua varh-da-
de de cores, liea bem em quasi todas as faiendas.
A ella antes que se* acabem.
Bolas de borracha
Vendem-se de todos os tarnanlio; ra Duque
de Caxias n. 63. na Nova Esperanca.
Cabellos breos s tem quem
quer
A Xova Especanra ra Cuque de Caxias n
63, aca!>a de resaber a verdadeira lintura d Des-
nous para tingir os cabellos, o que se consegne
(emprecandoa) com umita farilulade. e por 8tfl*l
motivo, cabellos tamos s len quen quer.
Esto na moda
Os cintures de couro, pnqirios para senhoras.
qne recebcu a Nova Esperanca a ra Duque de
Caxias n 63. eslo, sim, senhora. eslona moda !
Se queris ler ou pieparar um ramalhele de
Cheirosos cravos brancos para o VoMl calamento,
ou para outro lim apropriado. n'ccs>ario r
Nova Esperanca a ra Duque de Caxias n. 63,
que all encontrarais os niel iONf "Mili l> MMli
que se pode de sajar.
Talagarca
A NOVA ESPERANCA ra Duque le Caxia
n. 63, vende talagarca "para bordar sj de todas as
grossuras
itoiiet
.^.l-
Bspr a>
bK'i?
>
BAZAR DA RA DIREITA
HOJE
MARCILIO DAS N. 51.
Este cstabelecimento sempre solicito em offerecer a concurrencia do respeitavel pu-
blico um completo sortimento de miudezas, calgado fraocez, chapeos o quinquilharias a
pregos os mais razoaveis possiveis, para o que recebe quasi todos os seus artigas de pro-
pria encoinmenda da Europa o America, vem dar^blicidade de alguns artigos por cuios
pregos bem se pode avahar os pregos de outros muitos que se tornara enfadonho pu-
blicar.
MIUDEZAS. I MIUDEZAS.
L para bordar, da melhor qualidadt* 1 Brincos dito de dito por 2500.
libra por 5?500. Botoes de setim pretos e decores, a 800
Agulhas francezas, fundo dourado, a eai-
xinha com 4 papis a 60 rs.. ?'''
Voltas de fita de ve-1
o.ii nudos co-
g. ^ M-?<\A nT^^XA ^JT^SA fots<\AiJ xTT. < 6s^uk wj^l
I>jK* Aderecos de bri- f jr Obras de ouro e
IITjc? Inantes, esmera das ____ f _, A ,j.
B^ rubia? e perolas.l ^ i> prat* d/ todas M
MS voltas de perolas. m / [fj quahdades.
SAPHIRA
g HQU L0JA DE J0IAS
SK N. 2 ARa do CabucrN. 2 A
N.
Ra
do CabugN. 2 A
DE
BARROS Ct FIL.RO
Achando-se completamente reformado este ostabelecimento, e
tendo os seus proprietarios feito urna importante acquisigo de
joias as mais modernas vindas ao mercado, o de qualidades superio-
res, convidara ao respeitavel publico a fazer urna visita ao seu es-
tabelecimento, afim de apreciar e comprar urna joia de gosto por
prego razoave.
rages lingindn ...,)oroia, a S00 rs.
Voltas para opescogo, fingindo camafeu,
companhadas com 1 par de brincos seme-
Ihante, tudo por 25500.
Linha branca de 200 jardas em carriteis,
propria para costura de machina, a 800 rs.
a duzia.
Dito de dita de Alexandre, nutnerago a
gosto do freguez, a f5l0 a duzia.
Diademas dourados de I3J500 a 35J000.
Ditos de tartaruga com flores a 2-5000.
Ditos com borboletas a l#o00.
Brincos encarnados 1 par por 500 rs.
Ditos de plaqut de 500 rs. a 25O00.
Ditos dourados, duzia de pares, a 15500
e 25000. f
Voltas de aljofares com brincos, a 25500.
Ditas de ditos com corages a 15000.
Ditas de ditos de contas cora cassoletas, a
800 rs.
Rosetas de plaqut a 15 e 15500 o par.
Gravatas de seda para sonhoras de 15200
a 25000.
Parures cora 2 lagos para cabega e peito
a 35 e 45000.
Entremeios e babadinhos bordados de 360
rs. a 25400 a pega.
GalOes de seda brancos e de cores, de
15500 a 25500 a pega.
Ditos de algodo e seda, de 15 a 15400
a pega.
Ditos de algodo, a 100 e 500 rs. a pega.
Trancinhas de cores, a 100 e 500 rs. a
pega.
Loques de raarfim a 55 e 85000.
Ditos do sndalo a 45500.
Ditos do madeira imitando, a 25000.
Ditos de papelles a 15800.
Coques para senhora, a 39, 35500 e 45-
Aderegos fingindo coral, compondo-se de
alfinete e brincos por 25000.
Dito dito pretos por 2550 J.
Ditos de plaqut, compondo-se dtalfinete
e brinco, sendo de muito gosto, por 59000.
Vende-se
a casa terrea n. i, na povoacao de Apipucos, na
ra que dea por etraz da igreja : a tratar no
armazem da roa do Imperador n. 48.
VENDE-SE
A casa n. 27 da ra da Conceicao na Boa-Vista,
que se est reedificando, forelra aos herdeiros de
Joo Henriques da Silva, da UtOO por ano : a
tratar no escriptorio de Manoel Alvos Pereira & C
na ra do Vigario n. 3, 3.* andar.
rs. e 19000 a duzia.
Franjas brancas de seda de todas as lar-
guras, a 15000 e 19400 o metro.
. Ditas de cores e pretas a 800 rs. o 15000 o
metro.
Cales pretos de seda, de muito gosto de
800 rs. a 15000 o metro.
CALCADO FRANCEZ.
Botinas pretas gaspeadas, para senhora, a
45500 o par.
Ditas ditas de duraque, gaspeadas, canno
alto, a 55O00.
Ditas pretas enfoitadas, ultima moda, a
69000.
Ditas dita de cores, canno alto, enfeitadas,
a 55500,
'Ditas para meninos, pretas e de cores, a
35 e 45000.
Completo sortimento de calgado de case-
mira, Charlt, tapete e tranca, mais barato
10 / d 1ue em outra qualquer parte.
CHAPEOS.
Ricos chapeos de palha d'Italia, para se-
nhora, a 119000.
Ditos ditos palha escura, da ultima moda,
a 16900O.
Completo sortimento de chapeosinhos para
meninas e senhoras, de 29800 a 59000.
Chapeos de sol de soda, inglezes, cabo de
marfim a 169000.
Ditos dito de meriixi, cabo de metal mui-
to bonito a 59500.
Ditos dito de seda para senhora, cabo de
madeira, a 69000.
Ditas dito cabo de marfim a 99000.
DIVERSOS ARTIGOS.
Granadme para vestidos, fazenda da ulti-
ma moda, com listras de seda, a 650 o co-
vade.
Pannos de crochet para eadeiras, a 19800
e 29000 cada um.
Ditos para sof, a 39 e 490O0.
Toalhas de linho para rosto, a 19300 cada
urna.
Ditas de algodo alcoxeados, a 640 rs.
Colxas de crochet para cama de casal, a
69000.
Farinlia de miltio.
Vende-se farraha de milito morda a vapor, dia-
riamenie, pelos precos seguales ; grossa para
migunra a uO ri., diu pera anf pinto e passv
rinkos a (00 rs., paca caogica e pao de provenga
a 1*0 rs., e para cuics a 140 rs, em arroaa
mais barato : na ru do Cotovello n. 55.
0
CASA.
Vende-se um sobrado em urna, oca ru
ar na ra da Imperatrii a 8, loja.
A Predilecta,
no empenho de'bem servir aos seus fapMM <
ao publico em geral tem procurado |>rover-se d<>
que ha de melhor e da ultima moda nos merca-
dos de Europa para expo-lo aqui venda, rer-
tos de que os seus artigos seo bem apreciados
pelos amantes do bom e barato ; passa a ennu
merar alguns d'eiitre elles, romo sejam :
ALBOS, os mais ricos que Unn vind a este
mercado, com capas de mairepinla,
tartaruga, mar mi, velludo e chagrn.
ADERECOS pretos e mitas proprtu para luto ;
assim cuino, um bun>tn sortimento de
ditos de plaqu, obra fina e muito bem
acabada.
BOTOES para punnos, o qne se pele tosejar de
melhor em plaqu,, tartaruga, madre-
perola, marhin e osso.
BOLCAS de velludo, seda, pallia e chagrn,
ha de mais moderno e I ndas.
BICOS de seda e de algodo, tanto brinco romo
preto, de variados desenhos
CASSOLETAS pretas de metal e de madrepe-
rola.
CAIXLVIIAS para costura, muito ricas e de di-
versos form tos, com msica e sem
ella.
COQUES a imitado, o que pode haver de mais
bonito e bom gosto.
DEADEMAS, nesle genero a Predilecta apr-
senla nm grande e lindo sortimenu
capaz de satisfazer os caprichos de
qualquer senhora por mais exigente
que seja.
POBT-BOUQUET de madreperola, marfim e sso,
este um objecto indispensavel s se-
nhoras do bom tom, afim do aspirar
o aroma das dores sem o inconvenien-
te de nodoarem as luvas, ou mancha-
rem as delicadas mos.
l'ENTES de tartaruga, de marfim e de bfalo, pa-
ra alisar os cabellos e tirar bichos.
PERFUMARAS. E' sabido do publico que a Pre-
dilecta sempre conserva um importan-
te sortimento de perfumaras de fino
odor dos mais afamados fabricantes,
Lubin, Piver, sociedade hygienica, Ou-
dray, Gosnes e Rknel, que incum-
bido da escolha dos aromas mais bem
aeeitos pela sociedade elegante da
Europa, e por tanto, acham-se ia
possibilidada de bem servir aos aman-
tes dos perfumes.
A PREDILECTA deixa de enumerar urna im-
mensidade de artigos, alim de nao mas-
sar aos leitores e se pede a benevo-
lencia do respeitavel publico em di-
rigir-se ra do i abug n. 1 A, pa-
ra convencer-se aonde pode comprar
o que bom e barato, assim como:
FACHAS ricas e modernas de tuquim e gurguro
se la
IMENSVETTOS. Ricos vestimentas para meninos,
por baratissimo prece.
FLORES. A Predilecta prima em conservar um
bello sortimento de flores ao alcance
de qualquer bol a ainda qne nao es-
. teja bem replecta de dinheiro.
FITAS. E ja bem sabido do publico que s na
Predilecta que podem encontrar um
grande sortimento de filas de setim,
tafet, velludo, linho e de algodo, por
com modo preeo.
GRAHP0S de tartaruga imitacao destes, pre-
tos e i}e cores, o que se pode desejar
de mais moderno e bonito.
GRAVATAS de seda e de cambraia para senhora,
lagos e golinhas de bonitas cores, tam-
ben tem um bom sortimento de gra-
vatas e regatas para homem.
JARROS de porcelana e de vidro muito bonitos
para ornatos de sala
Mei s de seda, de l e de algodio, pa-
ra senhora, meninas e homem.
LEQUES. Reos leques de madreperola, tartaruga,
marfim e de sso, os mais modernos e
por barato preco.
LUVAS de pellica, de seda e de algodo, para
homem eenhora.
LIVROS para missa, a Predilecta aprsenla i es-
colha do respeitavel publico nm bello
sortimento destes livros com capas de
madreperola, tartaruga, marfim, 6sso,
veltndo e chagrn, por precos mni
razoaveis.
Novidade.
Vasos de crystal pan
Caxias n.!, r cehea komus prrai
prias para amajei de tu*, *c,
Anneise colares 0
A lo a "jgua tiranea i roa ttm^m 4 Carias
o. SO, unten nova renvwn e fnmtmum-
uois e colates deeOiros, e emttmk a nrt
mensilmenie, pelo que |re esaart pnm
taes objecto
DiaRinas dourados
A loja d'aguia branca ru Duoor e i
30, receben novaiiM-nle bel "
t aaMMBl un pedra- e
lo e phantasu. TuiiiUm recH>m m
pretos ou alllnetes em Aeres para "a
Leques com bouquels e ou-
tros chiuczes.
A loja d'aguia branca na Du.pie V
n. 50, recebcu urna peajnen jsaaaii
bonitos leques com Moejaal
Cold crome para refrescare
amaciar a pe le
A loja d'aguia branca a roa Dnrp-* de Cana*
n. .'0, recebcu < 1,1 rsasn d tes l.uliin, Le^ran e ( otnlraj
Diademas e grampos de
at;<.
A loja da agina branca, ru DaejjM e
Caxias n. 0, iWrf-u n
mas c gra }hi< d- a,o.
Bicos de seda pretl
flores de con
A loja da aguia 1 r.iura, ma
Cutas r< el'.mi. romo iwntn I
,iivl .- i- ni II
hfs o pri'tu coiu i-nc.ii ii..J. | Imla
para baria e nntro< rufsiaa d* I
uadnii', u iH'iliua. c iiuti.i
tes. Pela cumioiMlidaile d
n;iii!-c na < .un:'
priTcrivci* a ojMMaaner >-.
Veos ou maniuhai-. pretal.
A I'ja da apuia biaiir.-i ) i>- Ca-
xias n. .Vi. n-cU-u UhiiVis i ii^mii
M r mt rom llores, r oatras a twmcjmt
croch, < rende as prlo l^ra* \,. > de 31.
ii 6000. A han ti I c ^n. i-t'*
ostado, iK-lo qne contina a ter pi r..*'Urar-
cao
Perfcila novidade.
(iraiiHKjs cun'.xirlulletas, \> < '
nhotiis iloiiradiis MlM !
A loja da apuia branca, ra ia .! jar a>
Caxias n. JW. rvcclx-u novo fr.->m|- cm !<-
boletas, bezouros e gafar I rrr>'
fHTfeiia nvid o.'. A qnantKlaeV pifiiei, *
por smi em breve s- icular.
Novas gollinhas (: i
pelucia ou armii
A loja d'apuia branca a ra lit; - 30. receben nina ('quena qna'iln'adp 4" t*a-
s e novas g||jnha. tnballio
neitada.- com armioho. <>bra> estas ti hnmi fw4*
e iiiteirameute nova
Grampos, brincos e rozetas
dourados.
A loja da apuia br;inca. a na >\ l>u|e *
Caxia< n. HkMastMi MMft hsftM gnan-
pos, Intu e tm0m d ni 4 m enut
ii.ivon diadema^ de a -n, < ou' 4-m| na a vende-lo> por \i:<-~ im..iv. i-
Caixinhas com pos <1 uradon
e pralcado>,para cabcl1
Vende-se na loja da Aguia Branca a ir- 4 la
que d a> i as n .Vi.
Luvas de pellica prel de
outras cores.
A lija da Agnia Branca, na Dainr e --
xias n. SO. reeetei Uva. e>
pellica, pretas r de outra" corea.
Joaquim Jos Gou<;<\<
Beltrao & FIIh*
Teem para ve ador no sen e.rrif*nri i roa de
Cnmmerrio n. ". a AGURDENTE de caj : tataa oV II garrato.
de laran a. idem idem.
ARCOS de pao para barril.
CAL de UaMt, recenteniente ch.-r.id
aiAPOS de sol, para homem .hco. cato
de marfim e rwo
FF.IXES de ferro, para parta.
FIO de algodo da Itahia, da fabrica O- ribumb-
mendador Pedrum.
LIXHA de rorz.
09RAS de paBeta.
PANNO de algodo da Baha, da tabrra 4n
mendador l'edr. BX
RETROZ de IoIh as qaalidades. dai I
Peres e Eduardo Mi Mi.
ROI.HAS propria* para botica.
SALSAPARRILIIA do Para.
vEI.AS de cera de todos os tamanhos.
VINHO engarrafado do Porto, caixa- d t- ,
rafas.
dito Moscatel do Donro, idem ideaa.
dito Setubal, caixas de l e 5 dorias.
da Italia engarrafado, caixas de t far
rafas.
de Odiares superior, em anrereta.
de caj, caixas dr II par aw.
a Malvasia do Donro, caixa* rosa IS r.-
rafas.
Carcavelk, ideas idea.____________
Sanio liidinio. S. J(
e S. Pedro.
Amaral, Nabuco k C veadeta s-mes para u
vertmenlD e fe-tejos das nontes de aolo AnioaM,
S. Joao e S Pedro, svstema Tourbehoa Qu*-
belet etc. Si as mais engracadas qu> i- hi viaia
ao mercado e proprias para salan ; a*nn ceaaa
caixas de confaitoe boaibom e hak'N de papal
proprios para lljminacoes campe te.:
na ra do Bario da llrtnria n i, iaaar Via
Insignias macontas.
nifi
Amaral, Nabuco & C. avisam aos
queestao snpprdos de otas mayiirai
graos para os que quizerem asaiafer a g -i.de fe-
ta que costunu se a (aura S. I> uanm
das respeitaveis lujas maconicas ao da de )
nho.
Rap!
A Predilecta, ra do Cabug n. 1 A, acaba
de re.'eber pelo ultimo paquete chegado da Eu-
ropa, um bello sortimento de corpinhos de cam-
braia bordados para senhoras e meninas, golli-
nhas e pnnhos tambem bordados e de phantazia,
saias bordadas, ditas com entremeios para senho-
ras, bonitas calcinhas de diversos tapadinhos
e transparentes para meninas, qne tudo vende
per barato preco.
Princeza !
Roda !
Massa batida.
Vende-se massa batida de 1' qualidade para
ogos artificiaos a 610 rs. a libra, diu de rolvora
a variada a 200 rs. : no armazem de Sal da ma
mperial n. 807, de Valdivino da palvora.
\Fogo, fog
e fmeihor de todos os fogos so se ol
a Isaalna de ac, de ferrro, de lineo, de
deapriha, que se vende por menea
macla e drogara de Bartholomeu &
roa larga do Rosario.
O rap pnaceaa fabricad por Jeal
da Rocha no Rio de Janeiro ka para vJer a
deposito ra do Vigario a. 7, I.* andar.
VENDE-SE
nnaaaleqna de
copeiro, robnsk-:
rijase anuda
' vender por causa da
viagem,
piaa da banca
r
m

1
"
-


-"V--r'yw
------ jmm >.
"
8
Diario de Pernambuco Terqa feira 10 de Junho de 1873.
n
I
/
me n-
nem mu-
ASSEMBLEA GEML
Discurso proferido pelo &r. Dr.
GusniAo Lobo, na scssfto de 1*
de maio de 1*53.
(Continu
Pego aos distincios c
terrompem, que nao desnato
tilem o meu pensamento.
Citando este facto nao o invoco por mo-
delo de utn bom rgimen eleitoral ; eu nao
o quereria ver transportado para o nosso
paiz em que alias a renda nao iudifferento,
quer ao direito de votar, quer ao de ser vo-
tado.
Recomiramos que a populacho inactiva,
nSo participando da vida publica pelo direito
deeleger representantes, nao pode offerecer
a base nica dessa proporgo que nos pre
occupa.
Por mais sonoras palavras com que so
tente attribuir populacho que se cnnveio
chamar inactiva, o direito de azer-se re-
presentar, ainda que falta de capacidade
eleitoral nao participe da escolha do repre-
sentante, e por mais que esta tbeoria encer-
r de verdade, nao o menos que aquellas
que teem que perder, aquellos que pelo im-
posto demonstram a renda, e por tal modo
contribnem directamente para os encargos do
astado, foram sempre reputados como os
mais interessados as cvolugcs da vida po-
ltica. E>ta doutrina nao poder parecer
estranha n'um tempo em qae se alienta con-
tra a lei fundamental do. imperio para,
sombra da liberdade, restringir o direito do
voto.
O Su. Florencio de Aiuieu d um a-
* parte.
O Sr. Gismao l.ono : Contesta-me o no-
bre deputado? A eleigo directa censitaria.
\ #quese annuncia um programma liberal, nao
teria por um de seus pnmeiros effeitos esbu-
lhar talvez a urna terca parte dos cidados
brasileiros de um direito que exercitam ha
50 anuos ininterruptos?
O Sr. Sioveira Menes:A muito mais
da terga parte.
O Su. Florencio de Aikec :Defendo a
eleigo directa, mas nao como V. Esc. sup-
pde. 'Ha outros apartes).
O Sr. Presidente : Attengo ; queni
tem a palavra o Sr. Gusmao Lobo.
O Sr. Gismao Lobo :Deixei um tanto
demonstrado, Sr. presidente, que nao de
nenhum modo opportuno fixar desde j urna
regra para distribuir a representago, e que
esta regra nao deve tomar a populago por
nica bose. l'aizes adiantados na pratica
das instituiges lrres nao chegaram a Bxar
ueste assumpto medidas certas e intransmu-
daveis. De um a outro, e segundo as cir-
cumstancias peculiares a cada um, varia e
modifica-se singularmente esta relagao pro-
porcional que nao temos ainda base para es-
tabelecer.
A Inglaterra, cujas orticas todos os sin-
ceros amigos do systema representativo pre-
conisam, onde a extenso do suffragio faz
avanzos, e a vida politira resume o conden-
sa as lutas pacificas da liberdade, mas da li-
berdade industriosa, intelligente, mnralisa-
da e fecunda, a Inglaterra, cujos exemplos
sao todos os das invocados, tem um repre-
sentante por 134,000 habitantes...
Sr. Piniieiro Guimaraes : Ha engao
da parte de V. Exc.
USk. Gismao Loco:... um represen-
tante por 44,500 habitantes; mas nao se
persuada o nobre deputado que esta regra
inflexivel e que cada grupo de 44,500 sub-
ditos britannicos teem o direito de fazer-se
representar por um mandatario 'cruzam-se
muitos apartes).
Ha no rgimen inglez corporages, como
sao algumas universidades, que tem o direi-
to de eleger por si s representantes. Con-
sjante idea de Stuart Mili, nao somente a
riqueza, mas tambem a instrucgo, eierce
por este modo inmediata influencia sobre a
representago da Gr-Bretanha. (Cruzam-se
os apartes).
Em franca, sob o ultimo rgimen, a pro
porgo era calculada em um mandatario
para 134,500 habitantes.
0 Sr. I'i.nukiro Guimaraes : Nao a-
poiado.
O Sr. GusmAo Lobo :Sao dados extra-
bidos da Europa Poltica e Social de Mau-
ricio Block, edigo de 1800. Garanto a
oxactido.
O Sr. Pnheiro Guimaraes ;723 depu-
tados sobre 3(,000 e'alguns ceios.
0 Sr. GusmAo Lobo :Nao confunda o
nobre deputado eleitores com habitantes.
Em 1809 havia em Franga 292 deputados,
sendo a proporgo de 1 para 35,000 elei-
tores.
Na Austria a proporgo de 1 deputado
para 83,500 habitantes, na Italia de 1 para
54,500, na Hespanha, sob o rgimen deca-
hido, de 1 para 45,000.
Esta proporgo variavel de paiz a paiz,
diminue consideravelmente nos pequeos
estados ; assim que na Dinamarca 1 depu-
tado est para 15,000 habitantes, >na Suissa
para 19,500, em Portugal para 26,000.
Estas cifras teem um alcance, encerrara
urna verdade; e vem a ser : que nesta ma-
teria nao ha regras in variareis.
As assemblas muito numerosas nao sao
de ordinario, diz aquello avisado escriptor,
as mais favoraveis boa discnsso ; esta ex-
periencia guin os legisladores modernos na
fxago di numero dos deputados.
Amparar-me-hia com este judicioso con-
ceito para oppor-me passagem das emen-
das, se nao temesse offender susceptibilida-
des que respeito ; mas sem contestar que as
revelages estatisticas podem descobrir des-
igualdades que convir opportunamente re-
papar, pens que o paiz est perfeitamente
representado pelo numero actual de seus
mandatarios.
Em urna como em outra das duas casas
do parlamento, espiritos dos mais adianta-
dos, inteligencias das mais cultas, homens
grandemente repujados pelo saber, servem
com um zelo raro os grandes interesses do
paiz, em urna como em outra cmara as
classes esto representadas, e com ellas as
diversas opinies e matizes da poltica na
proporgo de sua forga numrica. (Nao a-
poiados eapartes).
Deixem passar a phrase, nao vai nella a
intengo de julgar cora severidade a qual-
quer opinao.
OSr Piniieiro Guimaraes : -Nao pode-
mos deixa-la passar sem protesto.
O Sr. Gusmao Lobo : O parlamento do
Brasil, muito bein nomeado entre estranhos,
disputa preferencia aos de paizes adiantados.
Em poucas assemblas polticas.despender-
se-ha tanto talento, os direitos da tribuna
serao respeitados com tanta venerago, cor-
rer a palavra to fcil, to abundante, to
desprendida de restriegue.;.
A'ajuizar polas incorrectas informales
pacientemente colligidas pelo nobre Sr.'l*
secretario, o termo medio da representago
no Brasil do 1 deputado para 70,714 habi-
tantes livres, e de 1 senador para 1-8,703,
esta proporgo, que tem um mero valor
arithmetieo, comparada de outros paizes
le grande extensao e actividade poltica, se
nerece ser corrgida depos de indagages
nuito severas e de sua natureza demoradas,
do pe patente seno um defeto da organi-
sago parlamentar, e este que aquella
proporgo soffre na pratica enormes desigual-
dades.
Nao proponho a media citada como regra
immudavel, tanto porque nao quereria su-
bordinar a urna medida infl-xvel interesses
da maior monta, como porque falta de da-
dos dignos de fe aquella proporgo sus-
peitada por sua base.
No estado dos nossos conhecimentos esta-
tisticos ninguem poderia julgar-se compe-
tente para oeste assumito lixar urna regra...
Sr. Pnheiro Guimaraes :Somos to-
dos.
Sr. GusmAo Lobo:... somos todos
competentes e nenhum o ; antes que as
operages do recensoamento estejam regu-
larmente concluidas,^ecolhidos todos os da-
dos, compilados, methodisados, distribuidos
por grupos, tudo quanto se tentar ueste as-
sumpto ser arbitrario e de um arbitrio pe-
rigoso.
Sr. presidente, o grande argumento invo-
cado pelos Ilustres defensores das emendas,
e aqu toco ao ponto mais delicado da ques-
to, a desigualdade que se revela no qua-
dro comparativo eugenhosainente levantado
pelo honrado chefe da repartigo da estatisti-
ca, entre o numero de representantes e a ci-
fra da populago de cada provincia.
Sr. Florencio de Areu d um a-
parte. i^^f
O Su. GusmAo Lobo sP-nao fez nisto in-
sistencia o nobre ib-ptitado, porque a sua
provincia, em que a proporgo presumida
de 1 representante pira 00,000 habitantes,
nao das que desse quadro poderiam colher
bom fundamento reclamago ; mas nao
ajuiza por igual 0 meu Ilustre amigo, depu-
tado pelo Kio-Graude do Norte, que ve a sua
provincia dotada com a proporgo de 1 de-
putado para 110,000 habitantes livres, pro-
porgo. que a respeito do nenhuma outra so
rea lisa.
Quando o nobre deputado pelo Rio-Gran-
de do Norte repousa va sob-cesta base defec-
tiva as suas reflexes, tomei a liberdade de
observar-lho quo o recensoamento da popu-
lago do imperio ainda urna obra por
fazer.
O Sr. Taroui.nio :Menos o da provincia
do Tara 1
O Sr. Gusmao Lobo :A' esta observago
o meu honrado amigo nao quiz ligar o apre-
go que nao Ihc pode ser contestado, insistin-
do em quo fundava a sua reclamago sobre
dados olficiaes, sobre um documento oflicial,
sobre um relatorio.
F0LHETIM

i CORVETA DIANA
HGMAflCSmiTIMO
ORIGINAL BRASILEIRO
POR
A. vou llooulioltz.
(Concluso. )
XI
EPILOCO
Dcpois de procellsa tempestade
Nocturnas sombras, sibilante vento
Vem da manh serena claridade...
(Camoes.)
Ha um mez, pouco mais ou menos, que
urna elegante calga, puxada por dous so-
berbos urcos, parou em frente ao hospital
dos Lazaros, em S. Christovo. Urna senbora
de cerca de 50 annos, urna moga e um mogo,
saltaram do carro, subiram a pequea la-
deira orlada de murta e roseiras, queconduz
do portoao terrago, e atravessaram com o
corago compungido esse pateo onde os in*
felizes morphticos se amontoam tarde em
busca de r puro e da saudosa distraego
qu#)lhes offerece a presenta dos bemaven-
turados que casualmente *wsitam pela frente
O que e o que vale, Sr. presidente, este
tal documento otlicial ? E' sim um trabalho
de merccim'ento, que honra a repartigo de
estatistiea ; elle colligio alguns dados deir-
recusavcl oxactido tocantes diviso admi-
nistrativa, eleitoral o ecclesiastica, receita
e despeza de algumas provincias, popula-
go escolar e outros assumptos deste gene-
ro, que todos pertencem ao dominio da es-
tatistiea. E' sob esta relago que a aquelle
do edificio, e que longe esto de corapre-
hender a infelicidade e miseria dos desgra-
gados entes a quera a amaldigoada elephan-
tiasis tornou horrendos e repugnantes a ponto
de fugirem uns dos outros, receisos de to
horrivel contacto !
Os visitantes dirigiram-lhes palavras con-
soladoras, deposita rain as mos do admi-
nistrador a esrala costumada, e dispuuham-
se a sabir quando um huido de cadeas fe-Ios
volver os olhos para o lado opposto do ter-
rago, onde divisaran um hornera, o qual
pelo movimento brusco com que antes ca-
lora do que se encostara sobre o muro do
parapeito, havia feito Unir to singularmente
urna crrante presa perna direitae suspensa
cintura, por fra da grssa caiga que tra-
java.
Meu Deus! exclamou a moga ; oh,
istouma barbaridade sem nomel pois
ainda carregam de ferros urna creatura que
a natureza por si s j tornou to desgra-
gada ?
Quem aquelle horaem ?perguntou
o mogo.
Aquelle o gal responderam simul-
tneamente alguns morphticos, e affasta-
ram-se mais um passo do infeliz, physica e
moralmante condemnado ao horror e des-
preso da sociedade.
0 administrador contou ento que este
individuo era um criminoso de morte, con-
demnado gales perpetuas, e que, JBfdo
da morpha e nao podendo conjj
casa da correcgo, fra mandada
pital como preso de circumstanol
pelo qual tinha de andar cons
acorreiuado, permittiado-se-lbeapefil
trabalho attribuo valor oflicial e grande va-
lor, porque a estatistiea nao tem por nico
tira o recenseamento da populago, mas pn>
pe-se a exprimir por cifras todos os factos
da ordem social.
Quanto a populago, e a sua natural di-
viso em populago livre e escrava, ez-se o
que se podia fazer, colhendo-se aqu e alli
nformages nos relatorios, nos livros, as
fontes histricas, em todos estes elementos
de urna razoada estimativa. Eis ahi o seu
valor. To pouco podemos fiar dessa esti-
mativa, como de tantas outras que se conhe-
cem, da que se mandn Europa na mona-
graphia intitulada l'Empire du BrSsil d Ex-
posicin Universelle de 1867em que a po-
pulago do imperio calculada em....,......
11,780.000 habitantes, da de Packenham
que a a valia em 10,058.000 ou dado sabi
YYapu'us, conhecido pela raaior autoridade
subre geographia do Brasil, quejulgaria mais
aproximado da verdade quera dsse ao im-
perio 7 milhos do que quemlhettribuisse'
11 milhoes de habitantes. (Ha differentes
apartes..) i
L'ma Voz :Juizo de estrangeiors.
0 Sr. Gusmao Lobo: -E' o auinario de,
Gotha de 1873 que isto diz do Wapdtii*, Go-
mego a desconfiar do juizo deste geogrpho
em cousas do Brasil por saber que trn sua |
obra, to preconisada ua Europa, se diz que
entre nos o numero de brancos nao attiuge'
ao dos osera vos.
O Sr. Pnheiro Guimaraes :V V. Exc.
((llanto sao falsas essas estatisticas, e que,
portanto, nada valem.
O Sr. Gusmao Lobo :Nisto varaos em
pleno accordo. Sao estimativas mais ou
menos autorisadas, nas ao muito de valor
puramente scientifico.
O ludir deputado a quem rae tenho refe-
rido pode tranquillisar-so sobre o papel que
sua provincia resrvalo nestas varias es-
timativas ; todas as que conhego attribuem
ao Rio-Grande do Norte urna populago va-
riavel de 220 a 240,000 almas.
O Sr. Tano.uinio de Souza f por ahi
V. Exc. quo cu tinha razo de recUmar.
L'ma Voz:E o Para?
O Sr. Gusmao Lobo :A estimativa do
Para varia entre 320 a 350,000.
O Sr. Siqueira Mendes : O Sr. Candido
Mondes d 400,000.
O Sr. GusmAo I.OBO:=Nada maisfallivel
mais deficiente e incompleto do que estes
dados ; bastara confronta-los.
Na monographia, que se diz escripia por
um distincto brasileiro, destinada a ser dis-
tribuida aos visitantes da exposigo interna-
cional, as provincias do Sul, a comegar pela
do Km de Janeiro, sao subvencionadas cora
urna larga parte da populago. Assim que
a provincia do Espirito-Santo, que figura
em outras estatisticas com urna populago
variavel deO a 70,000 habitantes figura nes-
ta com a de 100,000 habitantes.
A do Rio de Janeiro, coraprehendo a do
municipio neutro, figura ostentosamente com
a populago de 1,850,000 almas.
Quanto provincia do Rio Grande do Sul,
mais de urna razo conspirava para que a
estatistiea se avisaste em dota-la de modo
conveniente urna provincia liraitrophe, es-
colhida para base de operages militares,
rica de recursos e distincta por seu heros-
mo. Emquanto as estimativas conhecidas
attribuem ao Rio-Grande do Sul urna cifra
de populago em nenhuma excedente a
4*0,000 almas, o escriptor brasileico attri-
bue-lheera 1867,580,000 almas. HJoyaz
nao tem que queixar-so; a sua poptjagao
estimada em 250,000 almas e ado*Matto-
Grosso em 100,000.
O nobre deputado pelo Rio Grande do Sol
que ainda ha pouco oceupava atribuna, pon-
derou que a ajuizar pelos dados j cllu'dos
pelo novo rasenceameut, a populago desua
provincia elevar-se-ha talvez a 800 mil al
mas, isto a nada menos que ao dobro ou
um pouco menos da cifra que lheattribuem
todos os escriptores.
Por mais auspicioso que seja ate facto,
tenho boa razo para desconfiar que a esta-
tistiea nao venha trazer-nos a este respeito
mais urna desilluso. Recordemos o recen-
seamento do municipio neutro de 1870 que
lhe attribuio pouco de 185,000 habitantes
livres em quanto apreciages exageradas
elevavam esta cifra a mais do duplo.
Recordemos que a Inglaterra
annos para ver elevar-se a sua populago de
doze milhoes de habitantes at uma*cifra
pouco superior a vinte sete milhoes; e ad-
verte um notavel estatistico que este aug-
mento de 130 por 100 o raaior prodigio
social realisado pela civilisago moderna
com o concurso de urna agricultura podero-
sa, de urna industria maravilhosa e com o
effeito mgico das liberdades civis e polti-
cas.
A Franga durante o mesrao periodo de
64 anuos vio apenas augmentada a sua po-
pulago na razo de 44 por 100.
O Sr. Pnheiro Guimaraes:Cite o
exemplo dos Estados-Unidos.
O Sr.Gusmao Lobo:Para os Estados
unidos ha urna razo excepcional; a cor-
rente da emigrago que langa todos os an-
duas horas de fresco era todas as tardes
n'aquelle pateo.
Meu filho, disse a senhora ; preciso
que te interesses por este infeliz ; v se podes
obter do monarcha o seu perdo, urna- vez
que Deus seencarregou de puni-lo com tauta
severidade I
Sim, ajuntou a moga, os homens or-
dinariamente sao bem injustos, e quem sabe
se este desgragado nao algum pobre martyr
sacrificado innocente I
Nao sou martyr I bradou o gal com
urna voz rouca e cavernosa, arrastando-se
vagarosamente para junto d'ellas nao sou
tambem innocente, nao I mais repillo os
leus favores, nao quero a tua cempaixo,
Amelia de Carvalho, e em nove annos que
vivo no carcere s um pensamento horrivel
me atormenta sem cessar, euma dr pro-
funda escalda-me o peito como lavas arden-
tes : saber-te feliz e unida por sagrados
vnculos a este verme a quem tanto odeio 1
Ide, e pedi que me enforquem, pois hoje
s o que almejo, a minha nica esperance j
que a infernal molestia devorou um por um
a todos os dedos desta mo com que Dreten-
dia vingar-me um dia 1 Afastai-vos para
longe, malditos, que s agora vos aproxi
maes de mim, quando nem den tes me restam
para rasgar-vos as carnes e afogar minha
sede de vinganga n'esse sanguede viboras I...
arredai-vos d'aqui felizes da trra, que
Dionisio dos Santos nao pode cumprir seu
juramento I
A moga deu um grito agudo,jiegarrou-se
a Alfredo como para amparar-dk a senhora
soltou urna exclamago de espaxdP o o mogo
cou paludo e/attonito sem desprender um
dos n'aquelle immenso territorio 200 a
300,000 emigrantes.
0 Sr. Pnheiro GuimmRes : E' a pros-
perdade da vida.
0 Sn. Gusmao Lobo :E'um conjuncto
de condiges que produz este verdadeiro
milagro da emigrago espontanea mais activa
que j se conheceu. _^dk
Nao contesto ao Rid^Hlc do Sul a sua
importancia; observo i^B cora prazer
que, devido tanto ao genio industrioso de
seus habitantes como a suas naluraes condi-
ges de desenvolviraento, concorreu aquella
provincia para a despeza ger il do imperio
no exercicio de 1868 a I8(i') com a quantia
de 5,132,1745, eestealgansnio naturalmen-
te ter augmentado nos ltimos anuos linan-
ceiros. A sua receita piovincial foi no mes-
mo exercicio de cerca de 1 800*:OOU3>000.
Mas o que averiguado que, era ne-
nhum dos trabalhos ostatisticos al hoje co-
nhecidos, a populago do Ro Grande do
Sul estimada em mais de 450,000 habi-
tantes. Emquanto o recenseamento nao
vier confirmar as nossas communs esperan-
gas ou doslludir nos a nos tolos sobreo an-
nunciado augmento da populago rio-
gran lense. torga concluir pela inoppor-
tunida ;e de augmentar-Ib) a representago.
(Ha um aparte.)
0 nobre deputado parto de um principio
menos verdadeiro, qual odoavaliar por
dados cofp*irativos se a sua provincia est
representada era proporgo inferior a de
qualquer outra, para dahi concluir sem mais
consulla pela n~M:essidade do augmenta. Do
facto presumido de ser a provincia do Espi-
rito-Santo representada na razo de um de-
putado para .6.000 habitantes, nao pode-
mos em rigor concluir que a proporgo do
Rio-Grande do Sul dova ser aceommodada
a esta medida. Com o mesrao fundamento
poder-se-hia concluir que a provincia do Es-
pirito-Santo est representada por um nume-
ro de deputado superior ao de suas noces-
sidades.
Assim a respeito do Rio Grande do Sul
como de varias outras provincias, pode ha-
ver injustiga relativa : isto urna verdade
tanto quanto podemos confiar dos dados
que a demostrara. (Apoiados.)
Na representago de remambuco a pro-
porgo conhecida de 1 deputado para
77,000 habitantes, o que equivale a dizer
que cada deputado de l'eriiambuco represen-
ta mais 17,000 almas do que cada repre-
sentante do Rio-Grande do Sul.
Outra nao foi a impressao que tanto m-
fluio sobre o animo do nobre deputado pelo
Rio-Grande do Norte ao considerar quea sua
provincia esteja a ser repre-entada razo
del deputado para 110,000 habitantes, em-
quanto outras fia no imperio que se fazein
representar razo de I para 30,000 como
Matto-Grosso ou 1 para 25,000 como o Es-
pirito-Santo.
Mas alera do que os tormos da compara-
go sao arbitrarios, nao seinfere daquiuuia
razo decisiva para que se eleve desde j a
deputago do Rio-Grande do Norte.
Os 400:000^ votados s despezas do re-
censeamento, nao o foram sem utilidade.
Applicaram-se a um grande trabalho eminen-
temente til a todos os ramos do servigo,
a todas as exigencias da administrago
Porque nao aguardar o su resultado? O
auginemo da representago, (mando venha
a seraconselhado, nao medida que nao
possa ser adiada. (Apoiados e nao apoiados.)
Das refleges nais de urna vez interrum-
pidas que vou expondo era desalinhb, v o
nobre deputado que. quando me lia com
urna convencida emphaso as rubricas do
relatorio para provar-ine que tratava-se de
urna pega oflicial, de um documento digno
de inteira f, eu tinha razo de sobojo para
observar-lhe que esse documento, nao sen-
do um papel intil, nao podia servir nos de
base para lixago de regras de tamanlia im-
portancia quaes sao as que devera regular a
distribu gao dos mandatarios de cada pro-
vincia.
O Sr. Tarquinio de Souza :=Pego a pa-
lavra para responder.
O Sh. Gusmao Lobo : Mas, Sr. presi-
dente, a Imittiudo a base escolhida pelo no-
W deputado, chegar-se-ha esta nica
concluso : o Rio-Grande do Norte nao est
i -ratado na proporgo em que o sao our
tras po..... Imperio.
Depois de bavui -nonstrado que a po-
pulago nao p le sor a uasc nica para dis
tribuir porporcionalmente a representago
[apoiados), convindo attender outras con-
diges e elementos... K
O Sr. Ueleodoro da Silva: Nao
apoiado.
O Sr. Gusmao Lobo: -... V. Exc. pare-
ce esquecer que a sua provincia a que est
melhorquinhoada. E' aquella em que se
verifica a proporgo era menor escala.
0 Sr. Heleodoro da Silva d um apar-
te.
O Sr. Gusmao Lobo : -0 mesmo docu-
mento a que pedio inspirago o nobre depu-
tado pelo Rio-Grande do Norte, nos offerece
os seguintes dados :
A populago escolar sem duvida um in-
s dos labios entre-abertos. Parecia-lhe
iricrivel o que via, parcia-lhe impossivel
que aquelle ente medonho fosse o orgulhoso
Dionisio dos Santos, o poderoso rival que
tantos desgostos lhe causara e tantas angus-
tias sua querida Amelia, pois este mogo
era o capilo-tenente Alfredo de Ehrenberg:
esposo de D. Amelia de Carvalho. .
Poucos momentos depois, roda va nova-
mente pela ra do Imperador a calega que
conduzao abengoado par e ami de Alfredo,
deixando na maior furia e todo entregue
sua desesperada situago, o feroz condem-
nado que se revolva como um possesso as
i chammas suffocadoras da sua vinganga frus-
trada.
O castigo de Deus manifestara-se em toda
a sua plenitude para com esta malvada
' creatura; aquellas mos sacrilegas que ou-
saram offender sua mi moribunda, apodre-
ceram em vida : a carne desprendeu-se dos
ossos eas phalanges dos dedos foram cahindo
um i a\>s outra pelo effeito destruidor da
elephantiasis ; aquelle jolho que to impa-
mente calcara o peito sagrado que o ama-
' mentara, arrastava pesada corrente que lhe
dilacerara as carnes e tolhia os movimen-
tos; aquella bocea maldita donde vomi-
tara as blasphemias e injurias desventu-
rada que lhe dra o ser, exhalava um hlito
corrupto o insupportavel e tornra-se um'a
parte medouha d'aquella massa informe a
que j nao se podia dar o nomo de rosto.
Emfim, o soberbo e orgulhoso Dionisio
dos Santos, o cynico millionario para quem
nunca houveram virtudes dignas de res-
peito, nem relegio, nem amor, nem honra
dicio certo do desenvolvimento. Onde ha
maior sorama de meuinos que aprendera ha
maior soraraa de homens que sabem lar
fazer urna escolha intelligonte de seus man-
datarios.
0 Sr. Siqueira Mendes : -Muito bem.
O Sr. GusmAo Lobo : Pois bem. Em-
quanto a provincia do Para tom urna po-
pulago escolar de6;569 alumnos...
0 Sr. Siqueira Mendes i De 6,814.
0 Sr. GusmAo Lobo :... que frequen-
to 107 escolas, a provincia do Rio-Grande
do Norte tein uraa populago escolar de
2,805 alumnos que frequento 62 escolas.
Emquanto o l'ar despende com cada um
dos alumnos da sua populago escolar a
quantia do 5154 40, a provincia do Rio-
Grande do Norte despende 225391.
A receita nao est sujeita s variages e
incertezas de outros dados estatisticos ella
assenta em irrecusaveis documentos olficiaes
e segurapente um excedente meio de afe-
rir das condiges de desenvolvimento de urna
populago.
No exercicio de 18GS a 18 9 quo tomo
por base em falta de nformages sobro ou-
tro mais recente, a provincia do Rio-Gran-
de do Norte arrecadou a renda provincial du
357:6005; e a receita geral do 277:4005;
a rica provincia do l'ar arrecadou .
1,600:000)$ do receita provincial o contri-
buid para os encargos do Estado com cerca
do 3,'i00:000500().
O Sr. Siqueira Mendes : Elovaram-se
muito nos posteriores exercicios.
0 Sr. GusmAo Lobo :- Maior despropor-
go offerece a receita municipal. No exerci-
cio de 1870 a 1871 a do l'ar attingio
2S6:0005, emquanto que a do Rio-Grande
iln .Norte, digo-o cot pozar, nao so elevou de
I3:0(fc?000.
E' um contraste cruel, Sr. presidente, que
eu desojara n i ter de recordar, mas de
uma evidencia irrecusavel.
I'ossa o Rio-Grande do Norte, p:lo genio
industrioso que distingue os seus habitantes,
pelodesenvolvimeto dassuas torcas,peloa:iior
das artes, supprir pelo trabalho o que a na-
tureza lhe recusou era dous espontneos.
Sao estes os meus mais ardentes votos.
Mas, sem que das minhas palavras se
possa inferir pouca attengo pelos legtimos
interesso da pequea provincia, nao menos
digna de desvelos do que as mais adianta-
das, nao rao ser ventajosamente contesta-
do que, quanto maior a sorama de interes-
ses, quanto mais largas as relages, tanto
mais numerosa representago os deve defen-
der no parlamento.
Farei um lifftiro reparo com rolaeo
emenda que tende a augmentar o numero
dos deputados e senadoras do Espirito-San-
to.
Antevejo que o nobre deputado, que rae
est a ouvir com attengo paciente...
O Sr. Heleodoro da Silva :Com mui-
to prazer.
L'ma voz Como V. Exc. merece.
0 Sr. Gusmao Lobo : ... nao estar
curioso por conhocer a minha opino, e
assim como eu nao depositar nos dados es-
tatisticos do severo Sr. I. secretario a con-
lianga (riso), que puderam inspirar ao nobre
deputado polo Rio-Grande do Norte. A ra-
zo clara ; emquanto o Rio-Grande do
Norte figura no primeiro lugar do quadro,
o* Espirito-Santo foi hiplacavelmento con-
demnado ao ultimo lugar.
0 Sr. Heleodoro do Silva :Realmen-
te foi a provincia mono;favorecida.
O Sr. GusmAo Lobo : Estabelecida para
0 Espirito-Santo proporgo de um deputa-
do por 26,000 habitantes, desprezadas frac-
ges, o augmento de 2 deputados e con-
sequent senador, firmara a proporgo de
um mandatario por 13,000 habitantes. (Riso
e apartes.)
O que daqui resultara, seria provavel-
mente una nova leva de emendas que
acommodasse a esta commoda proporco
todas as outras represeutages.
Daqui podemos recolher um bom conse-
lho : 0 que ao reparar injustigas e desi-
gualdades, abriramos inargein a rauitas ou-
tras, e se o parlamento fosso consequente
com a regia uma vez acceita, o augmento
das deputages poderia attingir cifra exa-
geradsima. (Ha apartes.)
Quando em reparo da desproporgo que
est a soffrer o Rio-Grande do Norte, elc-
vasse-soa 4 o numero de seus representan-
tes na cmara temporaria, a proporgo seria
para essa provincia nao mais de 1 para
110,000, mas de 1 para 55,000 habitantes.
Teriamos a provincia de S. l'aulo a recla-
mar contra a proporgo do 1 deputado para
85,555 habitantes, e podendo auxiliar a sua
reclamago com argumento tirado de sua
renda, do desenvolvimento de suas estradas,
de seus interesses econmicos a que nenhum
brasileiro pode ser mdilerente (apoiados) ;
Pernambuco r -clamaHa a sua vez contra a
proporgo de 1 deputado,. por 77,000 habi-
tantes e reclamara em nomo de seus gran-
des interesses, em nome da larga contribui-
go com quo coucorre para os encargos do
imperio, era nome do seu largo futuro
(apoiados.) gd
que nao affrontasse com o poder do seu
ouro, esse sceptico estava reduzido, mesmo
em vida, a um corpo asqueroso o repugnante,
que se ainda abrigava uma alma era sopara
sentir n'ella todo o horror da sua sorte mi-
seravel. O mais tenebroso dos seus crimes,
envolvido as dobras do mysterio, nunca
chegra ao conhecimento dos homens, por-
isso os juizes castigaram sunplesmente o
assassino, e Deus puni o feroz matricida I
Tanto pode a justiga di vina......
V V. Exc, Sr. pretideato, ( i
que a Beb* nao tonta augrator a \
putago) que se ha desproporgdw e i
dades na repreeenUgo das provincias, ?
muito de presumir que as naja, nao lem-
po as reparar conveoieoteoMMe; raae
forga esperar que concluida a grande obra
do recenseamento possaraos palo conbeoi-
mento exacto da populago, do seu aovi-
mento, de suasoscillagoes natura, das coa-
ln.oi's econmicas e miel eetuaes de cada
provincia, (ixar regras que dra a rada u a
a parto do influencia que no mecbaniww
parlamentar Ibes deve competir.
E" tambem uma aspiragoj desde muito
sentida a reviso da carta administrativa 4o
imperio (apoiados), mas quem tentara em-
prelien le-lo quando to pouco i oubeceaof
do paiz ?
Toilas as necessidades, Sr. presidente, tem
o seu tem|)o ; saber esperar tanto uioa vir-
tudo particular, como urna virtud"- poli-
tica.
Nao deixarei de referir-me, mas muito de
passagem, provincia da l'arahyba, que
pormais de urna razo me cara. Foi a
emenda que lhe relativa a que abri o pres-
tito das (pie rodeiam o projecto.
Por mais talento e nobre esforgo, que o
meu Ilustre amigo, deputado por essa pro-
vincia, tenha ha tres anuos despendido a ser-
vigo desta idea, nao cheguu a demonstrar a
necessidadee, sobseludo, a opporlunidade,
de a consagrar em medida legislativa.
A populacho da l'arahyba < estimula ern
300,000 almas, e est representada na pro-
porgo de 1 fiara 54,000 habitantes livres.
OSr. Garneiko dx Cuma :O director da
estatistiea lite d a populago de 400,000 al-
mas.
O Su. GrsMvo Lobo :A monographia
escripia, em 1867 sobre o Brasil attriboe a
l'aralivlia igual cifra de populago.
O Su. Carnkiro da Ci'niia:O director
da estatistiea j declarou que a l'arahyba
tem 400,000.
O Sr. Gismao Lobo O nobre deputa-
do iuvesto este fuucciouario de nina autori-
lade que, sem abonar os seus merecidos
crditos de humera de lettras, o elevara pre-
teninisaiiieiite cima de quantos lm escrip-
to sobreest assumptu. .V que dalos acu-
dio-se 0 Ilustra lunii iouari (uses sao os
elementos da sua nova estimativa O pie lo
relatorio ta repartigo d' esl ili>traest pa-
tele, e nisto vai de accordo con opiiu
autorisadas, que a provincia da l'arahvln
nao tem populago superior a 300,000 al-
mas.
O Su. Carnkiro da Cimia iEra aparte
allirmouollcipie i de 00.O00.
O Sii.jfiiSMio Lobo :O nobre 1." secre-
tario, a quem alias recoiihego grandes m-
ritos, nao pude dispensar era algarismo.
Que novos ele.nentos de conviego pode S.
Exc. colligir depois do seu relatorio Nesta
materia nao so modifica um jui/. de aunB
para anuo, Assim que vendo figurar o
Maranlio cora uma cifra de 500,006 alin i-
quaudo auteriores estimativas lhe attribuem
umas 400,000. entrevejo que o nobre Ir.
1. secretario foi pedir inspirago a um livro
publicado cinco annos antes do relatorio, li-
vro que em mais de um ponto aparto-u-
so dos dados presumidos, e isto te/, sem du-
vida para qiioeui documentos brasileiros
nao se lizcs.su sensivel to grande dffereuga.
(Ha diversos apartes.)
Nao basta, por outro la 'o que a provincia
da l'arahyba tenha a populago com que to
liberalmente a presenteia o nobre deputad j.
O Su Caunkiuo da Cimia := Faga ap-
plicago de iguaes rellexcs ao l'ar.
O Su. GusmAo Lobo :V. Exc. estava *-
raramente punco atiento quando me refer
ao l'ar ; recordei ento o movimento de
suas rendas, o movimento da populgo re-
colar, outras tantas razos que a colloro cin
posigo excepcional.
I'mv voz ; Ap iado.
Continuar-te-ha).
VAfilEDADE
Todos os mais personagens dejte romance
anda existera : 0 guarda-raarinha, hoje
primeiro lente Fernando, casado com sua
respectiva namorada, D. Laura, de que n
tem tdo quatro filhos, quo sao ujw verda-
deiros angnhos, para elles bem entendido,
porque segundo n s allirraam, o mais velho
apesar dos sete annos incompletos, prometi,
em artigo travessuras, levar aaflampas ao
seu glorioso tio o amavel Boy Dondon.
Gustavo ha dous annos pedio demisso do
servigo da armada para ir a Santa Catha-
rina tomar conta da fortuna que lhe coube
por morte de seu sogro, o Dr. Carvalho, pai
da ingenua Rosinha, com qdem casara no
mesmodiaera que Alfredo s uni em ma-
trimonio svmpathica Amelia, isto tres
mezes depois de chegar ao Rio a corveta
Diana e o patacbo que trouxera a desconso-
lada sobrinha do nosso amigo Dr. Carvalho.
O Dr. Alberto contina a por em pratica o
seu modo singular de namorar, mas apezar
da theora ser boa, parece-nos que ainda nao
achou uma mulher bem a seu geito, pois
vai-se deixando ficar celibatario.
MORTE DE .M HOMEM ILUSTRE.
O jornal francs a Democracia lo Mtio-dia
d a li isto noticia da morte de Mr. Jolin
Stuart .Mili, h'allecou em Avinho no dia 9
de maio, de idade de 63 annos.
John Stuart .Mili era um dos mais eminea-
tes philosophos e publicistas da Inglaterra,
e uraa das illustrages do presente secul.>.
Sao numerosos os trabalhos litterarios deste
grande escriptor : entre oulros, e como os
primeiros, citaremos o seu Systema de lgi-
ca, Principios de Economa Polttica, A Li-
berdade, i Phlosopltia de Hamilton, Mo-
ral Utilitaria, .\ SujeicCtu da Mullter.
E' um grande espirito que se apaga ; mas
a sua influencia ser duradoura em todos
ps ramos das sciencias sociacs.
Adriano prosegue na senda que tragara d-
carregar com paciencia a sua cruz, e em
nada tem alterado o sen systema de eco-
noma domestica.
Ricardo est padecendo de rheumatismo
articular, e apezar de achar-se quasi inva
lid ', coratudo nao deixa perder uma vasa
de referir alguma historia que record o
seu modo gentil e garboso de dansar, e a
labia e> galanteii >s com que fazia as moga*
do seu tempo ficarem cahidinkas por elle.
Quanto a Octavio, tem sido bem desgra-
gada a sua sina; uma queda desastrosa rou-
bou-lbe a infeliz mulher no Rio de Janeiro,
ao .fosmo tempo que em Santa Catharina
uma paixo violenta, produzida por um
amor impossivel, levara sepultura a pobre
Julieta; triste esta historia que nao re-
cordaremos em attengo ao queaido amige
a quem dedicamos estas paginas. Baste-no*
dizer aosleitores desta memoria que Octavio,
para abafar os remorsos de haver de non.
aleado um amor criminoso, julgado sem
esperanga e que por isso foi a principal causa
d'essa morte que Unto lhe pesa boje no co-
rago, viaja sem interrupgo e sem
para fatigar o corpo e distrahir o
ment da idea fixa que o persegue e que
j o tornou um velho taciturno aos trinta e
poucos annos de idade.
Na corveta Diana as nicas pesaoas qm
ainda restara daguarnigo d'aquelle
sao : o mestre, o escrivo Adriano
pito-tenente Alfredo, que a com manda.
FIM.
i
PYP DO DIARIO KA DUOAIE DE CAJJA
k.M


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E6CQ872YY_5QXYTO INGEST_TIME 2013-09-19T22:51:34Z PACKAGE AA00011611_12957
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES