Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:12916


This item is only available as the following downloads:


Full Text
PW
ii "ww
*,
) .
<*
V
\
AXXO XLIX. NUMERO 116

PARA A CAPITAL E LIGARE O.TDE KlO SE PACA PORTE.
Por tres mezes adiantaddk*
Por seis ditos idem
Por um anuo iilem .
Oda numero avulso
OUARTA FEIRA 21 DE MAIO DE. 1873.

69000
12#000
25000
320

PARA I)i:\TRO E FRA DA PROVINCIA.
Por tree meaofadiantados. ...........
Por seis ditos dem.................
Por nove ditos idem.......... ".......
Por um anuo idem......4..........
18M0
209350
279000

RMMBUCO.
PROPRIEDADE DE MANOEL FICUEIROA DE FAR1A & FILHOS.
Os Srs. Gerardo Antonio Al ves & Filhos, no Tara; Goncaives & Pinto, no Maranhio; Joaquim Jos de Oliveira Filho, uo Cear; Antonio de Leu** Braga, no Aracaty ; Joae aria Julio Chaves, no Ass; Antonio Marques da Silva, no Kalal 5 Im i
Pereira d'Almeida, em Mamanguape ; Augusto Gomes da Silva, na Parahyba j Antonio Jos Gomes, na Villa da Penha; Belarmino dos Santos Bulco, em Santo Anto ; Domingos Jos da Costa Braga, em Nazareth;
Antonio Ferreira de Aguiar,em Goyanna; Francino Tavares da Costa, em Alagoas; Al ves d C, na Bahia ; e Leite, Cerquinho d C. no Rio ,'de Janeiro. _
PARTE OmCIAL.
Ministerio do Imperio.
Por despacho de 28 do mei fiudo o 3 do eor-
runte mez foram nomeados :
Gr.icruz da ordem imperial do cruzeiro S. A.
Real o Sr. Fernando Felippe Mara de Orleans,
duque de Aleneon.
HHamtndador da ordem da Roza Jos do Aojo
Oelho, pelos relevantes serviros prestados ius-
trueco publica
OfHci.iet da mesma ordem :
0 bacharel Antonio Moreira Tavares, pelos re-
levanles servidos prosudos ao estado; o coronel
da guarda nacional da provincia do Piauhy Co-
rioiaao Cesar iSurlamai| vaos prestados coi relacao guerra do Caraguay ;
o ex-* cirurgi 1 l>r. Belchior da (jama Lobo,
pelos relevantes serviros prestados .na guerra do
Paraguay ; o eidado Munccz Hennque Norton
Dreyfus.
. Cavalheiros da dita ordem Prenota de Paula
Antunes, pelos relevanles servidos prestados em
rela;o guerra do Paraguay.
Commend.idor da ordem de Nomo Suulior Jess
Christo o r. TliooJoro Joan Henrique Langaard,
pelos relevante? servidos prestado- ao Estado.
Cavalbeiro da ordem de S. Heuto de Aviz o 1*
leaonte da armada Emilio Augusto de Mello e
Alvim.
Foram natoralisados eidadaos francezes Jos
Julio Augusto B.irgam 3 Alfredo Qaont; os subditos
portuguezes paire Jo> Nuues Fernando* Correa,
Antonio da Silva Bernardo, Mauoel Fernando do
<'.armo Sampaio, Miguel Rodrigues dos Sairos Ta-
vires, Manoel Narciso de Andrade, Jos Martins
C-ardoso Pereira, Antonio Martins da Silva e An-
tonio Goncaives l'ossas, e o allemo Osear Hensch.
Foram concedid.j :
A peuso de Oi mensaes, equivalente ao roldo
da patente de coronal a I) Joseph 1 Mara de Oi-
voira Cunha, m.ii do corouel honorario do exer-
cito Manoel Goncaives da Cunha, fallec Jo em
cuosequeueia de molestia adquirida em compa-
uha ; 'C a de 4U) ruis diarios ao soldado reformado
do exercito Manoel Luiz da .Nascimento, invallido
por feriment) recebido em combate.
As honras de e.mego da capella impenal ao
padre Joo Baptista Soares, viguio collado da
freguezia de S. Miguel de Barraros, diocese de
Olinda, e as de couego da S metropolitana ao
padre Honorato da Cmceieio, vigario collado da
/reguezia de S. Joo da villa de Santa Izabul do
Parguassu' na provincia da Bahia
A medalha humanitaria de i- classe .ios impo-
naos marinheiros Manoel tialdino de Araujo e
Henrique Pernamburano, os quaes, com risco das
pfoprias, salvaran as vidas do capito-tenente
Carlos Balthazar da Silveira e do guarda-inariuha
Affonso Esteves Eduardo Martins, no dia 18 de
agosto de 1871, quando por abalroamento de nina
balandra, virou-sc no porto de Montevideo o es-
caler que os couduzia.
2.* Se poden os juizes de paz julgar.questoes
sobre bens de raiz al 100*000.
3." N'o caso afflrm itivo, se applicavel a toes
demandas o proeesso verbal da le de 13 de oiilu-
bro de I8i7, ou o summaro indicado no arl. 27,
principio, da lei de 20 de selembro de 1871.
ES. M. o Imperador, con formando-se por in-
mediata resilueo deludo mez proxim) findo
com o parecer da mesna seccao, liouve por bem
decidir.
Quanto ai 1 quesito, que na aleada dos juizes
de paz as causas at 50 S licou extracta pela dis-
posicao genrica do citado art. 22 da lei da roforma
judiciaria que, conferindo a taes juizes o jiilga-
tnento das causis cirois at o valor de 100J, com
appeUaeo para os juizes de direito, niio exeeptuou
desse recurso as de 30i ou de quanlia infe-
rior.
Quanto ao 2 quesito, que os juizes de paz so-
roents podem conherer das demandas sobre mo-
veis e dividas e nao das que versaren sobre
bens de raiz, conformo a antiga legislaco, que
nosta parte nao foi alterada pela reforma judiciaria.
a materia do 3o quesito est prejudicada.
O que eommunico a V. Exc., para seu co-
nheciment) e para o fazer conslar ao Juiz de
paz da freguezia de Votuverava, em solucao
consulta remettida poressa presidencia ..om offlcio
n. 122 de 10 de dezembro do anno passado.
Dous guarde a V. Exc. Mtmtt Antonio uar-
te de Azevedo. -Sr. presidente da provincia do Pa-
ran.
15. batilhao dito. Soldado Justiniano de Lima.
Vencendo sold dobrado do voluntario da pa-
tria, na conformidade das disposiedes da ultima
parle dj art.-10 do decreto n. 3,171 de 7 de Ja-
neiro de 1863, visto acharem-se inuulisados por
ferimentos recebidos em combate, as pracas dos
differentes corpos de voluntarios da patru abaixo
mencionadas
28.* corpo.Soldado Raymundo r0rra Frazo.
31.* dito.Cabo de esquadra Saturnino Francis-i
co Jorge. Manoel Thomaz dos Santos. Sim,
47. dito.-Soldado Manoel Pinto de Mendonc^J eibo
Foram nomeados : commandante das armas d^ Secretaria da presidencia de Pernambuco, 19 d*
Jos Antonio de Sanl'Anna. Infonne o Sr. juiz
de direito do Brejo.
Jos Perreira da Silva Chaves. Indeferido.
John Blouni. Informe o Sr. inspector da the-
souraria provincial.
Leopoldo Franciseo da Silva.Nao tem lugar c
qne requer.
Manoel Francisco de Souza Leo. Deferido
com offbio destadata lltesouraria provincial.
Manoel Jos Ferreira Maridado.(>imo requer.
mediante re-
Ai/ a do tlinmo os Srs. Antonio Jos llenrique?,
Pinto Lima e Paula Fouceca.
Verilicando-se nao baver numero legal, o Sr.
presidente mandou proceder chamada e suspen-
deu a sessao.
Ministerio dos negocios da Justina.Illm.
Sr.Para a execoeao do decreto n. 2114 d
MinM(erio da justien
Por decretos de 3 do correnle uiez : Foi a seu
pedido dispensado o juiz de direito Joaquim da
provincia do Maranliao.
Foi designada a segunda vara civel da capital
Oa provincia do Maranhn, de 3' entraucia, para
uella ter exercicio o mesmo juiz de direito Joa-
Foram nomeados :
O juiz de direito Miguel Calmon du Pin e Al-
meida, chele de polica da provincia do Mara-
nhio ; llcando sem effeito a suh nomea^o ante-
rior para igual cargo na provincia de Santa Ca-
tharina.
O juiz de direito Hermino Francisco do Espirito-
Santo, chefe de polica da provincia de Sania Ca-
tbarina.
0 b icharel Francisco Domingues da Silva J-
nior, juiz de direito da somarca da Imperatriz, na
provincia do Maranuio.
O bacharel Fernando Alves de Carvalho, juiz
provincia : licau lo sem effeito a sua nomeacao
anterior para a da Imperatriz.
O bacharel Alfonso Peixoto de Abren c Lima,
quarto juiz substituto do municipio da corle.
Foi reconduzido o bachanl Jos Manoel Pe-
reira Cabra I no lngal de juiz municipal e de
orphaos do termo de liajub, na provincia de M-
nas-Geraes.
Foi concedida ao hachan;! Firmino Barbosa
Cordeiro a demissao que pedio do lugar de juiz
municipal e de orphaos dos termos reunidos de
Cascavel e Aquiraz, na provincia do Cear.
Foram nomeados juizes municipaes o de or-
phaos :
O bacharel Joo Evangelista Monteiro de Cas-
tro, do termo de Villa Formosa de Alienas, na pro-
vincia de Minas Geraes.
0 bacharel Amador Al ves da Silva, do termo
de Pitanguy, na mesma provincia.
0 bacharel Octavio Affonso de Mello, dos termos
reunidos de Cascavel e Aquiraz, na provincia do
Cear.
0 bacharel Francisco Antonio de Oliveira So-
brinho, do termo Jaguaribeuairim, na mesma pro-
vincia. '
Foram nomea los para a guarda nacional :
Jos Manoel de Paira Rocha, teneute-coronel
commandante do batalhao de infamara n. 10 da
provincia do Rio-Grande do Norte.
O tenente Raymundo Ferreira dos Santos Ca-
m.alia. tenente-coronel chefe do estade-maior do
coramaudo superior do municipio do Aracaty, na
provincia do Cear.
O capillo Jos Correa dos Santos Jnior, te-
nentecoronel commaudante do batalhao de infan-
taria n 6 da mesma provincia.
O tenente-coronel Thomaz Altes Maciel, coro-
nel commandante superior dos municipios de Bar-
reiros e Atflia Preta, na provincia de Pernambuco
O tenente-coronel Pedro Francisco de Albuquer-
que, chefe do estado-maior do m -mim comman-
do superior.
O capito Atistreqnilinio de Castro S Brrelo,
tenenlo-coronel commandante do batalhao de in-
fantaria n. 46 da mesma provincia.
Foram concedidas as demissoes que pediram .
Antonio de Lemos JJraga, do exercicio do posto
de lente coronel chefe do estado-maior dj com-
mando superior d) municipio do Aracaty, da pro-
vincia do Ceara, conservando as honras do mesmo
posto.
Foi exonerado do exercicio do respectivo posto
na conformidade do art. 10 do decreto n. 2,029
de 18 di novembro de 1857, o coronel comman-
Oante soponor da provincia do Amazonas, baro de
S. Leonardo. .
Foi perdoada:
Ao reo Jos Romao Rodrigues Al ves Nilo, a
pena de um mei e tres di.is de priso simples a
|ue foi couiteiiinado pelo juiz de direito da com ir-
ca das Alagoas na provincia do inesmo nome. por
crime de detubodieaeia.
2.a sec.-o. Ministerio dos negocios da jtMtica.
Uio de Janeiro em 2 de maio de 1873.
lm. a Exm.Sr.Foi ouvida a sec^ao de jus-
tiea do consolho de estado acerca dos segu 11 tes
oueitos:
1.* Se, em vista do art. 22 da lei n. 2,033 de 20
de aetembro de 1871, est prejudicada a aleada
Ac& juizes de paz as causas at 30*000.
e Exm.
. do de
arco do correte anno, o qual determina que a
matricula dos magistrados ser feita de ora em
diante vista das participarla dirigidas ao supre-
mo tribunal de juslifa jnda secretaria da ju^tica,
presidentes das provincias, thesouro publico e be
sourarias, e que o julgamento da antiguidade dos
magislrados, cargo exclusivo do mesmo tribunal,'
preralecer para todos os actos dependentes delta,
reommendo a V. Exc. que, com a necessara re-
gularidde, participe directamente ao supremo
tribunal de justica ludo que possa interessar a ma-
tricula e antiguidade dos magistrados dessa pro-
vincia.
Deas guarde a V. Exc. Mano I Antonio Batir-
te de Azecedo.Sr. presidente da provincia de.....
MnMtero la fnzenilit.
DBCHCTO N. 5237 DK 3 DK MAIO K 1873.
Hei por bem sanecionar e mandar i|ue se exe-
cute a seguinte resoliico da assembla geral:
Art. i. E" autorisado o governo para facultar a
todas as coinpanhias, pie se organsarem para
cimslruccao de estradas de ferro.no Brasil, isen-
<;o do direitiis de importaco relativos a todo o
material, trem rodante, apparelhos. machinas, fer-
ramenlas e cainbuslivel necessario construeco
e cusleamenlo das mesmas estradas; fixando o
governo previamente a quantidade e qu.ihdade dos
objectis que houverem de ser despachados com
tal isenco.
Art. 2. Ficam revogadas as dispor-i^oes em con-
trario.
O visconde do RioBranco, conselheiro de estado,
senador do imperio, presidente do couselho de mi-
nistros, ministro e secretario de estado dos nego-
cios dafazenda e presidente do tribuna! do thesou-
ro nacional, assim o lenha entendido e f.ica exe-
cutar: palacio do Rio de Janeiro ios 3 de maio
de 1873, quinquagesimo segundo da independen-
cia e do imperio.
Com a rubrica de S. M. o Imperador.
Visconde do Rio Branro.
Por decretos de 3 do correte foram nomeados :
1.* esjrptnrario do thesouro nacin I o 2. dito
Joo Nepomuccno Vicaria.
. escriturario do mesmo thpsouro o olllcial-
maior da secretaria da Ihesouraria de Pernambu-
co, bacharel Manoel Mamede da Silva Costa.
Thesourero da alfandega do Aracajd, provincia
do Sergipe, Bento Jos Pinto Loba >.
Hiiilsterio la guerra.
Por decret de 3 de abril do corrente anno, de
conformidade com a ultima parte do arl. 252 do
regulamentj approvado pelo de n. 3,083 de 28 de
abril de 1863, foi nomeado professer de desenlio
da escola central o adjunto a mesma escola Fran-
cisco Joaquim Bittencourt da Silva.
Por outros decretos de 5 do corrente mei :
De conformidade com o de n. 3,168 de 29 de ou-
tubro de 1663 foram promovidos, na arma de ca-
vallaria, os otllciaes, olciaes inferiores e cadetes
abaixo mencionados :
Corpo de guarnicao de Goyaz. -Para tenente-co-
ronel commandante, o inajor Jos Luiz da Costa
Jnior, por merecimento.
Para capitao : o capito graduado Frasao Go-
mes de Carvalho, para a 4.' companhia, por anti-
guidade.
|. regiment. Para capitao : o capitao gra-
duado, Sebastio Dalisio Carneiro da Fontoura,
para a 8.' companhia, por antiguidade.
3." regiment. -Para major : o major graduado
Joo Jos de Btuce, por antiguidade.
Para tenentes da arma, os tenentes graduados:
Antonio Machado dos Santos, por antiguidade ;
Julio AI ves Chave?, idem ; Lopo de Almeida Hen-
rique Botelho e Mello, idem ; Frederico Rodrigues
de Oliveira Vereza, idem ; Joaquim Barreto da
Gama Lobo Pilta, idem.
Para alferes da arma : os alferes graduados
Antonio Carlos Fernandes Leao e Carlos da Fon-
toura ltarrelo.
t." sargento, Manoel Baptista de Escobar
Bueno.'
2.* cadete I sargento, Boa ventura Magessi de
Castro Pereira.
Sargento ajudanle, Julio Soares de Mello.
De conformidade com as dispoMcoes do art. 22
12. do regulament approva lo pelo decreto n.
772 de 31 de margo de 1851, para cxecucojJa
lei de promocoos n. 583 de 6 de setembro anteSS-
denlc, foi promovido graduado de major o ca-
pilo do corpo de estado-maior de i.' classe, Gur-
rite Eloy Pessoa da Silva.
Na conformidade da immediata c imperial roso-
lucode 20 dejulho de 1870, tomada sobre con-
sulta do conseliio supreno militar, passa a aggre-
gado arma a que perlence o alferes do 3. bata-
lhao de infanlana Candido Gaya Pessanha.
Foram transferidos : para a l companhia do
6. batalhao de intentara, o capito do 7. da mes-
ma arma Auguslo Tiberio Cesar Burlamaque, e
para a 1." companhia deste batalhao o capito da-
quelle Francisco de Paula Argolo.
Foram reformados: .De conformidade com a
immediata c imperial resol ucao de 26 de abril ul-
timo, topiada sobre consulta do conselho supremo
militar, o major graduado aggregado arma-Je
infamara, Helcodoro Francisco de Menezes, visto
achar-se inhabilitado de continuar a prestar ser-
vicos no exercito, por molestia incuravel prove-
niente de feriment reecbdo em ombfile.
Cmn o respectivo sold por inteiro, na confor-
midade das disposie/jes do S 3." do plano que bai-
xou com o decreto de I i de dezembro de 1813,
visto acharem-se imposibilitadas para o servico
do exercito. em onsequencia de feriinehtos rece-
bidos em combate, as soguintes pravas dos dille-
rentes corpos do mesmo exercito :
i. regiment de artilharia a cavallo.Soldado
conductor, Juvencio Leandro Antonio da SHva.
9. batalhao de intentara.Soldado Manoel Eu
genio de Santa Amia.
provincia do Amazonas, o coronel do corpo de es
tado-maior de artilharia, Hermenegildo de Albu
querque Portocarreiro.
2.* cirurgilo do corpo de sade, o doulor ero
medicina Fr ncisco de Paula Arvellos.
Capello da reparticao ecclesiastica do exercito,
o padre Domingos Antonio Hypolito de Jaymes.
Por outro, de 6 do corrente, foi mandada (car
sem effeito a de 18 de julbo do anno prximo lin-
do, nomeando para o lugar de almoxarife do hos-
pital militar provisorio do Andarahy, Ricardo
Goncaives Cordeiro, que assim o requereu.
Ministerio un agricultura.
Em portara de 5 do corrente foi nomeado o Dr.
Antonio Paulino Limpo de Ahreu para o lugar de
engenheiro fiscal do governo junto companhia
de illuminagao a gaz.
Por portara de 6 do corrente foi nomeado
Antonio Thom dos Santos para o lugar de anu-
dante do director das colonias Itajahy e Principe
I) Pedro, na provincia de Santa Catharina, com o
veneimento mensal de 1501.
Por portaras de 30 de aVil :
Foi concedida ao engenheiro Jeronymo Rodn
gues de Moraes Jardim, a exoneracao que pedio
do lugar de ajudante de inspector geral das obra*
publicas da corte.
Foi nomeado o mesmo engenheiro para o lujar
de chefe de asocio da estrada de ferro de D. Pe-
dro II.
Foi concedida ao tenente-coronel Fernando
Luiz Ferreira, a exoneracao que pedio do lugar
de chefe do movimento da mesma estrada de
ferro.
Foi nomeado o tenente-coronel Fernando Luiz
Ferreira para o lugar de ajudaute do inspector
geral das obras publicas da corle.
Ministerio dom negocloM eMtraai-
geireti.
Foram promovidos por decretos de 5 do cor-
rente :
A encarregado de negocios na Confderavto
Suissa e em Hesse Dannstadt, o secretario ae le-
gaco Jlo Pereira de Andrade Jnior.
A t olflcial da secretaria de estado, o 21 offl-
cial Luiz Pedro da Silva Rosa.
A 2 olllcial, o amanuense Frederico Affonso do
Carvalho.
E por portara da mesma dala : -
A amanuense, o presidenta Luiz Pereira Sodni
Jnior. .
Ministerio m Marinhn.
N. 425. -Rio de Janeiro. Quariel-general da
marinha, em 19 de abril de H73.
Illm. e Exm. Sr.Inclusa tanho a honra de le-
var presenca de V. Exc. a informarlo do capi-
tao de mar e guerra Arthur Silveira da Motta, re-
lativa ao exame que foi fazer, conforme a deter-
minaban do aviso de 24 de Janeiro, par* a verifica-
cao da existencia do banco, sobre o qual declara-
ra o commandante da coverta italiana Gnrib-ldi
haver prumado, quando demandava o nosso por-
to. Desta informaco se dignar V. Exc. ver que
na posicao indica la pelo commandante da Gari-
baldi e outras, nessa direceao nao foi encontrado
semelbante banco.
Deus guarde a V. Exc.-Illm. e Exm. Sr. con-
selheiro Joaquim Delfino Ribeiro da Luz, ministro
e secretario de estado dos negocios da marinha.-
Btirao de Igttatemy.
Bordo do vapor Ypironga, no Rio de Janeiro,
19 de abril de 1873.
Illm.e Exm. Sr.Em cumprimento ordem
que de V Exc. recebi, dirigi-me no vapor Bra-
con not, no dia 17 do corrente, posico em que
commandante da fraga'a italiana Gabaldi diz
ter sondado em um banco, na viagem que ultic
mmente fez a este porto.
Na direceo de 42 E, e a "distancia de 13 a
14 militas do Cabo Fri (Paaror Novo), assignala-
das pelo dito mmandante, para a posico do
banco, posso assegurar a V Exc. que a sonda ,
com pequeas var acoes, de 60 brabas e o fundo
de lddo denso e de cor esverdeada. Percorri duas
vezes a linha de marcaco indicada desde a dis-
tancia de 8 milhas do Cabo at a distancia de 20
milhas e as sondas nessa direceao e as prxi-
mas parallelas, assim como a cor da agua e mo-
vimento das ondas nao indicaran! variaco nota-
vel no fundo.
E' possivel que exista alguma lage na zona pr-
xima ao Cabo Fro, em que se obtenha a sonda de
sete braca* ; mas na posico cima indicada e em
suas proximidades a sonda deu-me sessenta bra-
cas (lodo).
Deus guarde a V. Exc. Illm. e Exm. Sr. ba-
ro de Igualemy, chefe de esquadra, encarregado
do quartel general da marinha. Arthur Silreira
da Motta, capito de mar e guerra.
Governo da provincia.
Illm. o Exm. Sr. Nao podendo continuar a
prestar presidencia da provincia os servicos de
que estava encarregado por V. Exc, eommunico
a V. Exc, afim de que se digne de exonerar-me.
Nao devendo conservar em meu poder as pecas
oQJciacs que me foram remettidas por V. Exc. e
aljamias que recebi como presidente da commisso
encarregada por V. Exc. de examinar os appare-
lhos da companhia Recife Drainage, e dizer se es-
tes satisfazem as condicoes do respectivo contracto,
rogo a V. Exc. que me indique a pessoa a quem
me cumpre transmittil-as. Nao devo deixar de
agradecer a V. Exc. as provas de consideraco e
conhanca que sempre me deu, nem dellas me es-
Jueccrei. Deus guarde a V. Exc Recife. 18
e maio de 1873. Illm. e Exm. Sr. commendador
Dr. Henrique Pereira de Lucena, presidente da pro-
vincia.Dr Joaquim de Aquino Fonecca.
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DE 18 DE MAIO DE
1873.
Alexandrina de Lima e Albuquerque. Deferi-
do com offlcio desta data Ihesouraria provin-
cial.
Adolpho Apolinario de Faria.Pagos os direitos
nacionaes, como requer.
Braz Marcelino do Sacramento.Sim, medante
recibo e nao havendo inconveniente.
Francisco Nogueira de Queiroz e outro.0 mu-
nicipio onde residen 09 suppplicantes foi prvido
decollector em 27 de marco ultimo, sendo nomea-
do interinamente pira esse Ingar o respectivo (tro-
motor publico { porianto nada ha que deferir.
Vigario Genuino Gomes Pereira.-Junte o snp-
plicante o orcamento das oBras que tem de fa-
zer.
Ignacio Jos de Souza Medeiros.- W-se a cer-
tdo, entregando os documentos .mediante re-
cibo.
Jos Magalhaes da Silva Porto.Deferido com
officio desta data ao juiz de direito do Buique.
maio de 1873.
O porteiro,
Silcino A. Rodrigues.
- 19
AlexandreSergio de Moraes.-D-so.
Antonio Gandolf. -D-se.
Baro de Goyanna. D-so por certidao.
Vigario Genuino Gomes Pereira. Entregue-se.
O mesmo. Dse, n.io havendo inconveniente.
Gailhermina Basilissa de Oliveira e Silva.-En-
tregue-se.
Jos Caetaoo de Albuquerque. Sim.
Joo Evangelista de l.ima -Deferido com oficio
desta data thesottnria de fazenda.
Jos Huartl de Menezes S. Deferido 0111 of-
flcio desta data Ihesouraria de fatemla.
Joo deJPina Vasconcellos. Inleferido, em vista
da informaran.
Joaquim Theodoro de Albuquerque Maranhn.
Infonne o Sr. Dr. juiz de dirtilo da comarca de
Iguarass.
Jos Jacome de Araujo.Informe o Sr. com-
mandante superior da guarda nacional de Seri-
nhiem.
Lniza Elias da Paixao.-Como requer.
Manoel de Azevedo do Nascimento. Deferido
com ollicio desta data Ihesouraria de fazenda.
Manoel do Nascimento Costa Lima.Deferido
com officio desta data thesonraria de fazenda.
Padre Manoel Ignacio Bezerra do Amaral. -Nos
termos do i I* do art. 1* da lei n. 276 de
abril de 1831, soja o supplicante inspeccionado
pelos Drs. Joaquim de Aquino Fonceca e Luiz
Adri.lo Pereira da Silva, que nesta data nomeio
para tal fin.
Mara das Heves Carneiro da Cunha. Inlorme
o Sr, in*pector da ihesouraria provincial.
Miguel Lniz Correia. Reqeira autndade
competente.
Sevenano Camello Pessoa Ca raleante. Dse.
Urania Nimpha da Silva.Informe o Sr. Dr.
director geral interino da instrneco publica.
Anna de S e Oliveira.Informe o Sr. regedor
do gyinnasio provincial.
Secretaria da presidencia de Pernambuco, 19
de maio de 1873.
O porteiro,
S/lino A. Rodrigues.
Ante>-hontem pela maulla poa termo existencia
Joo Rangel Baptista, calcetciro, nacional, mora-
dor ra do Bom Jardim n. 4.
Foram estn circunstancias que precedern! um
talado de desespero.
Na tarde de 3 do correnle, estando ehV a traba-
Ihar na cmara municipal foi aeeoinmel'tido de um ,|,( dil ,unh:i ,.j| Frin(.iv
ataque de ahenacio, que I e lazia soppor que to- Brusaoe e Manoel Sobral Pind.
dos queriam assassma-lo. Commerri.., industria e arte*. O Srs. : M
Na manha seguinte, Rangel declaro.; a sua mu- Ju9e d(. (^rvalno e Oliveira, Joio Maaor Pereiri
Iher que ta para Guaratiba, onde linha prenles, ,,;i Sl|va ,. AlllllS|0 t^\ j,. MeoMfft
pies Os Sr.
do Ara; igy. Elias Frederico de Akn ida e
Alcofor.iil", Ti istao de Alcncar Araripe e Joaquim
Uii7. Duque-E-trada Teixeira.
"JiistuM criminal Gomes do Castro, Leandro Bezerra Moateire Ig-
nacio Antonio de Assis Maatins.
Diplomacia. -Os Srs. : Jos Maris da Silva Pi-
manos. Candido Jos Rodrigues Torres e tcir>
Kunapio la Silva Deir.
A-semblas provincias.-Os Srs : Cicero Bos-
tas Martins. Antonio Joaquim G Thomaz de Moraes Reg.
Cmaras municipaes. Os Srs : Antomo 1
Carlos ie
. ra Guaratiba, onde linha parales, I fe Sl|va 0 All|fs,0 |^,a| j,.
lia. nao querendo coutrana-lo, accedeu a eme Agricultura, minas e bo
Bepavtleito da pulirla.
il* seceaSecretaria da polica de Pernambuco,
20 de maio de 1873.
N Sil. Illm. e Exm. Sr Levo ao eonheei-
uiento Ae V.-Jxc. jue. segundo consta das partici-
paeftes recebidas hoje nesta reparticjw.foram hen-
tem recolhidf casa de detenco 9 seguin-
tes individuos:
A' ortk d subdelegado do !. distrii-lo de
S. Jos, Rosa Mara de Jess, por embriaguez e
desordem.
A' ordem do de Belem, Gabriel escravo de Ber-
nardino Monteiro, |mr ser encontrado depois de
nove horas da nonte sem bilhele de seu sonhor.
A' ordem do da Varsea, Antonio, escravo de
Jos Antonio de Brito.Bastos,a requerimento deste.
Deus guarde a V. ExcIllm. e Exm. Sr. eoin
mendador Henrique Pereira de Lucena. dignissi-
aw presidente desla provincia.O chefe de polica
interino, Mandil Tertuliano Thomiz Hennques.
EDITAI.
Por esta secretaria se manda publicar para co-
nhecimetto de todos e a finido que ninguem pos
sa alegar ignorancia, osseguintes artigos do cdigo
crimmal com relacao ao crime de ajuntamentos
Ilcitos.
Art. 283.-JuIgar-se-ha eommettdo este crune,
reunindo-se tres ou mais pessoas com a intentan
de se ajudarem mutuamente para commetterem
algum delicio, ou para privarem illegalmente a al-
guem do goso ou exerdcio de algum direito ou
dever.
Os comprehenddos neste artigo sero punidos
com tres a a nove mezes de priso.
Art. 286.-Praticar em ajuntamento Ilcito al-
guns dis actos declarados no artigo antecedente :
Penas de multa de ralo a duzentos mil reis alem
das maisem que ti ver incorrido o reo.
Art. 289. Quando o juiz de paz for Informado
de que existe algum juntamente i Ilcito de mais
di vinle pessoas, ir com o seu escrivo ao lugar,
e, adiando o ajuntamento Ilcito, proclamar seu
carcter, e aleando urna bandeira verde, admoes-
lar aos reunidos para que se rclirein.
As attrbuicoes que acercadas sociedades se-
cretas e a utamentos Ilcitos, concedao as leis
aos juizes de paz, Araram pertencendo aos dieres
do polica em toda a provincia e aos seus delega-
dos nos respectivos districtos. Art. 4. 3.- da lei
de 3 de dezembro de 1841.
Art.. 290.Se d"Juiz d) paz nao fr obodecido
depois da terceira admoestaco, poder empregar
forca para desfazer o ajuntamento e reter em cus-
todia os cabera, se Ihe parecer necessario.
Art 291. -Aquelles que, fazendo parte do ajun-
tamento riicito, se nao tiverim retirado do lugar
um quarto de hora depois da terceira admoesta-
co do juiz de paz, ou que depois de desfeito o
ajuntamento se tornarem a reunir : Penas de
multa de de? a cem mil reis.
Se tiverera commetudo violencias antes da pri-
meira admoestaco d) juiz de paz: Penas de m|u-
ta de vinle quatrocent mil reis, alem das mais
em que o reo tiver incorrido.
Art. 294.Aquelles que commetterem violen-
cias depois da primeira admoestaco do juiz de
piz : Penas de priso cora irabalho por um a tres
annos, alem das mais em que tiverem Incurrido
pela violencia. .
Se a violencia fr feita contri e o juiz de paz,
contra as pessoas enearregadas de desfazer o alan-
tomento : Penas de priso com trabalho por dous
a seis annos, alera das mais em que tiverem in-
corrido pela violencia.
Secretaria de polica de Pernambuco,
maio de 1873.
Pelo secretario
Francisco Gemido da Silv Barrosi.
desejo e acompanhon-
Ao eoefareil a Beata pelas 9 I/i horas da
manda, no lugar em que o rio divide a freguezia
de S. Cbristovio da de Inb nima, o infeliz, que j
levava sem duvida em mente a idea de atlenlar
contra seus dias, parou e disse que quera tomar
um banho e eomecou a despir-se, enlrou n'agua e
mergulhou.
Passando-se alguna minutos sem que voltasse
tona d'agua a inullicr eomecou a gritar |>edndo
socorro. Acudirn alguna* pessoas e o 12" ins-
pector de quarleiro da freguezia de S. Christ-
vo, e, depois do inuilos estfeos, canseguio-se
achr o cadver de Rangel.
Procedeu-se a corpo de delicio |Kr ordem do
subdelegado da freguezia supra referida.
A cmara dos deputados, linntem elegcu para a
commisso de conslituico e poJeres os Srs. Fre-
las Henriquis, Xavier de Brilo e Theodoro da Sil-
va ; para a de orcamento os Sr<. Joo Meo les,
Ilenriques, Diogo Velbo, Rocha Leo, Araujo Gom
Jnior, Tarquiriio d Si'uza, Cuaba Figueiredo J-
nior, Ilcrarljio Graea ; para a de contas es Srs.
Carneiro da Cunha, Cunha Figueiredo Jnior, Wil-
kens de Mallos, Fiel de Carvalho, Leandro Bezer-
ra, bario de Piraninua, Eufrasio Correa, Aleve
do Monteiro, Gomes do Amaral e para a de mari-
nha e guerra os Srs. Mello Reg, Cardoso Jnnior
e Escracnelle Taunay.
Foi aprosentado pelo Sr. ministro da guerra a
seguinte proposta de lixacao de forcas de trra :
o Augustos e digiiissimos Srs. representantes
da naco.Em cumpriuieiito do preceito consti-
tucional e de ordem
bar* 1
querque e iniioeencio Marques de AraajoGe*
Jnior.
EslatMiea, colonisac 1, ralorliese e eivseet
dos indios. -Os Sr-. : 'rtiomai J.w Coomo > Al-
uieid, Jos Ignacio de Barros Cebra e Fraarn
de Paula Oliveira Bnrges.
Instruccao publira Os Sn : ftraaeiso Lo-
poldino dcGu-mo I. dio. Antonio Tetxesta da Ho-
i'ha e Manuel Arthur de llollanda GaMtnale
Obras pnblicasOs Sr. : AneU TkMMU 4"
Amaral. Antonio Ferreira Vianm Jos* Pereira
dos Santos.
Saude publica O- Srs.: Barn da Villa Aa lar-
ra, Martinhn Alvares da Silva Cain|MN e Hele*t-
ro Jos ila Silva.
Negocios eccl.'-ias'ic^. O Srs. : Joaqtiim Pia-
lo de Campas. Manoel Jos de Siqueir Meadee e
Ernesto Camill Raint >
Redacco das |-i*. Os Srs.: Fausto AagaM-
de Airuiar, J0.I0 Manoel de Carvalho e Jos Reato
da Cunha Figueiredo Jnnior.
O Sr. Eduardo Ansparh, sendo recetado ein au-
diencia particular no palacio de S Chrisiovao, eo-
Hagnu a S. M. o Imperador a caria revocatoria u
|hk; termo sua missao de ministro re>idnile V
S. M. o rei dos Belgas nesta corte.
Para substitu! o fica ..crelitado na qaaKd.id-
encarregailo m aflfeataa da legar o Sr. Un'
l.iureys, con Est acreditado no carcter d* encarregado de-
negnos interino do iiiqierio d AuUria Hungra
cnsul geral Sr. Cario Guilherme Gros, o pela relinda do Sr. Conde de Liidolf tirara en-
de S. M. o Imperador, veuho c:irrepa(i simplesmenle da parle adninMMK.
aureseniar-vos a seguinte proposta : d, i,,,^, austro-bungara, im|uuio o-Sr Av
pach fora imumbido da n|ireentari" poltica !
mesmo inerio.
Art. I.* As forjas de Ierra para o anno linan-
ceiro de 1874 a 1875 constarn :
S !. Dos olciaes das differentes classes do
quadro do exercito.
2. De 16,0* pravas de prcl em circums-
tandas ordinarias, e de 32,000 em circum-lancas
extraordinarias. Estas forcas sern completadas
por alistamenlo voluntario ou pelo rerriitouieuto
nos termos das disposicoes vigentes. Na insulli-
ciencia desses meios, as forcas extraordinarias pi-
derao ser preenchidas por corjios destocados da
guarda nacional.
i 3.* Das couipanhias de deposito e de apren-
,lir.. artkoirr.Q, mo .v.-v. I.mi.I.. Je 1,00<) pravas.
Art. 2.' A isenco do servico militar ser re-
gulada pela lei n. 1,220 de 20 de jumo de 1BC>4,
ein seu arl. :i" 3o. .
Art. 3." Ficam rev gadas as disposicoes em
contrario.
a Palacio do Rio de Janeiro, em G de maio de
1873. Joo Jos de Oliveira Junqueira.
res da
O resollado dos exames exlraord nario-
em fi do correte na Escola Central, foi o se-
guinte : ^
Primeira cadeira do S* anno approvado telena
mente com o grao 9, Francisco Delgado MHIa <
com o grao 6. lobo da Silveira \ atina.
Primeira cadeira 1I0 :i* anno, a|tprova mente com o grao 3, Manoel Hijores.d.i >i\"r n
liouve um repmvad.
Primeira cadeira do 4* wno, approv.nlo plena
menle co.n o grao 6, Zeferno Jos de (Miveira.
A parochia de Nossa SenTiora 4a faw .
de I raja tem, segundo os quadn organizado |Ma
directora de cstatistica,92l rasas habitadas ron o
inesinn amen de tagne,
Sua pipulacao de 3.91 individuo.
4,471 livre e 1.439 escravo>.
. 1 t ii'.l
Approvou de|M)is a cmara dous pareceres da Quanto aos |vre sao: *JU9 beanv llM
2- commisso de inquento julgando valida a eiei- ^un,^^ jjgj ^^^N, t tmmm e 2fi mu
cao primaria da par.x-lua do Sacramento e reco- V(IS ,1M,((S (..|,|,|jl.,,< ;\+t} bns|er nhecendo dei.utado pelo distncto do Rio de Ja- ,ran0nw jbem |,.r ,. ..crever 1.2*; ente
neirooSr. Dr. Francisco Pinheiro I iiin.ir.u-s. o UMiphabet! 3 *2 da iMqmiai edar dr a 13
qual achando-se presente prestou juramento e to-
uiou assent,
Foram rejeilados os votos em separado da com-
misso e a emenda do Sr. Cunha Ferreira.
Approvou tambora um parecer da dita corarais-
sao relativo s parochias de Urub e villa da Vic-
toria, dos 4" e 3* districtos da Bahia, licando ada
do o do 3' dislricto de S. Paulo.
Em ultimo lugar oceupou-se com a 3"
do projeclo que crea mais sete relaroes no impe-
rio. Orou o Sr. ministro da juslica.
8 -
A cmara dos deputados approvou honteni o
da 2* commisso de
parecer da 2-commisso de inquento que reco-1!.iren,ini, |t Mga I. hungar
nhcee os poderes dos eleitoresda parochia di u-j Coa-idcrado em relac,*
annos de idade *'4 freq unUui escolas < ni" ni <
frequentom.
Ha na parochia C cgos, 27 jleijados e II de-
mentes.
Quanto aos escravos sao : VN baeMM e i
mnlb.res ; 1.404 solleiros, II &- e 21
vos ; 1,121 bra-ileiros e 318 esfangeiro alem
- J ler e escrevi-r '->, e sao an.ilpliib.Ue; i.4W ba en-
tre elle* 3 Crgo. I Sllrd i-mudo c 3 aleijadoe.
Considerando ..< habiiantes em relario asna
nacionalidade oslrangi-ira. sao iHirlugneie* MI.
afrieanos 3i>7. paraguayos 13, h<*|wnhoes .alia
nos 3, alleme 2, dinanurquezes 2, Iraoeatt 2.
1 e inglez I.
-ofiaies sao r-
metra, 3 distncto de S. Paulo. | |j,wiw ,liU,.s advogao escr.vie I, meir
Occupou se depois com a 3' discussao do pro-:, v\l3rmACA.uuCt 3, pr.fessor.....InMoeas de let-
jecto n. 267 deste anno, qu crea mais sete rela-,trl< 7, pn,pregajspublico- 18, .rtistae%
(fies no imperio. | niS ;ii pi.s(.,|,iri.s 31;, rapitalisU r aeMretario
Orou o Sr. Pinto Lima, o encerrada a discussao J? mannfarturer0!l efabrcame 1. niurdan
a requerimento do Sr. Siqueira Mendes, foi adop- ,ee' oarj.-,.|,Vro eraixeiro 143, nutarriraa KM.
todj o projecto em lodos os seus ariigos e pan- Qp^irto, jhs bvracrM l,:>5l, criado, j-raalri-
graphos, sendo rejeitadas todas as emendas, in
elusivo a seguinte, hoje apresentada :
1 Substitnlivo do art. 2 c seus paragraphos :
Os desembargadores excedentes ao numero
fixado no art. 1 f 2*, que nao requererem as suas
remocoes para as re acoes novamente creadas, sc-
n>s c empregado domestico
tissao 2,423.
1.1*1. en tem pr-
A morlaldade da ridade do Rio de Jaarm na
quinzena de 16 a 30 de abril ultimo foi,. rgand
bolctim organisado pelo Sr. conselhc-o J
rao conservados nos seus lugares e preencherao as rejra K prcsjeiltc ,ia junto de hvgieae, a eo-
vagas que se derera na respectiva relacao.Pinto _uin|p
Lima. -Ferrein liamvi. j rju#as de m(M-,e._Felire amarilla 113. dita* m
O Sr. ministro da marinha apresentou a segura- u,rmiU(ltUes r,.muiites 113. varila 2, rvnapaa-
te proposta de flxacaO de forjas nava.-s : ,iIis (ervs,pe|a!l) t i.rondutes c pn-uiimaia 18. la-
Augustos e dignissimos Srs representantes da ^^ui,^ ,,u|nonares 74, ctmg.-to..
pulmonar 4.
lerias 8. 4u-
naco. -Em cumprimento do preceito cmsUlucio-; )e nal, e de ordem de S. M. o Imperador, veuho apre- rhJ |7 an-0CCoCS j,, fij,^, \n- rongestao eere-
sentarvos a seguinte proposta : |,ral e apoplexia's 20, convuls.V-s II. Maaos dos
Art. 1. A torca naval activa para o ann* h- rPl.,.lll.na?r.i< ji. nhlegmasia ee.-.-bro-epinaa*
Art. 1.* A torca naval activa para o fi-
nanceiro de 1874 a 1873 constar :
1 1 Dos olciaes da armada e das deraais 3
classes que for preciso embarcar nos navios de j Siamonalsuafc
guerra e transportes, conforme suas lotajoes e
as dos estodos-maiores das esquadras e divisoes
navaes.
2.* Era circumstoncias ordinarias de tres
mil pracas de marinhagem e de pret dos corpos
de marinia embarcadas, e de seis mil pracas era
circumstoncias extraordinarias.
3.* Dos corpdFde imperacs marinheiros,
das companhia de aprendizes marinheiros, crea-
das por le, e do batalhao naval, continuando a
autorisaco para eleva-los a seu estado com-
pleto.
Art. 2.' Para preencher a forca designada no
;
recem-nascidos 14. phlcgmasia cerebro-e|
25, desastre 5, homicidio 1, morios de na
outras causas 146. &mmm
naritnae 385, elra(r*iro
262, ignorada l\
Condicao : livre 583, eserava 74. ignorada 3.
Sexo : Masculino 423, fiininino 217
Idades At 7 annos 147, de 7 a 23 anne U
de 25 a 30 anno 158, de 40 a 35 anno KM, mar>
de 53 annos 63, ignorada 34
LiK-alnla.le : Domiiilios 287 ; Kospttae
re 14, hospitac civis 261.
A esta est ilitica accrecenta o
Iheiro as seguinte ohervafoes
romparando este quadro rom
conheci,-se :
29 de
INTERIOR.
RIO DE JANEIRO
6 DK MAIO DK 1873.
A cmara dos deputados oceupou-se
honlem
com a ck'ic,o da mesa, que ficou assim constitui-
da : presidente o Sr. Innoccncio Marques de Arau-
jo Ges, !, t e 3' vice-pr sidentes os Srs. Anto-
nio Jo* ilenriques, loanuim Pires Machado Por-
tella e Antonio Gabriel de Paula Fonceca ; I*, 2*.
3* e 4* secretarios os Srs. Joaquim Jos de Cam-
poada Costa de Medeiros e Albuquerque, Marti-
nho de Preitas Vieira de Mdlo, Luii Eugenio Hor-
ta Barbosa Carlos Peixoto d Mello.
Elegeu depois par a coaupissdo deresposta
/

artigo antecedente o governo autorisado a dar, !. Que a mortalidade geral 1
gratilicacoes aos voluntarios que se apresentarem svamente, que posto seja ainda suotnjr
para o servico, a contratar nacionaes e eslrangei- naria, todava esto milito aqiHin .''*
ros, mediante concessao de premios, e a reerutar anteriores, rogulando a media tliana I
na forma da lei.' I guintement menos 4 do que a da
t Art. 3.* Revogam-se as disposicoes era con- (rior^e inetode da que se deu na
trario. | maro.
Palacio do Rio de Janeiro, em 5 de maio de 2.* Que a da febre amarell 1 cnunaa em
1873 -Joaquim Belfini Ribeiro da Luz. I crescimento, visto romo, sendo ain tatema
Por ultimo tratou a cmara, em 2* discusso, do diaria na ultima quinzena de 0,1 l'A
projeclo vindo do senado, que regula as promo- que o mesmo ocrorre a respeito das eaMras 1
roes na armada. | xias. porque, regulando naauella a media diaria
Oraran sobre o arU 1* os Srs. Bitten-onrt Co- dos fallecunentos por .-Ha determiaudii Vso
trira e ministro da marinha, fteando a discusso' xou nesta a 7.5, sendo o certo que ajada damsaa-
encerrada por nao haver numero legal para vo- ram de forma lyphoide, pois qne dos lia laaeo
lar-se. Os arts. 2 a 16 Acarara tambera encer- dos 60 partenciam a esta dame.
lados. 3.a Que as molestiasagadas do
O Sr. presidente nomeou para a presente scsso piralorio coneorreram para o qnad
legislativa, na forma do regiment, as seguinte deste periodo eom maior qoota do tac a
comniivdes : *.' Que o mesmo succedea cesa ne m a)
Fazenda.Os Sr*. : Joo Cardoso de Menezes e j reino digestivo, porque o exeesso
Souza, Ignacio Joaquim de Souza Leo e Antonio que se n-rta com reJeraada di
Candido da Cruz Machado. I rha deu-.te com outras aaolesiia o 1
PensSes e ordenados.Os Srs. : Anysio Sala- rclr.^
thiel Carneiro da Cunha, Joo Juvencio Ferreira; 5. Finalmente, qne a varen*
de Aguiar e Bernardino da Cu^^Jarreira. misioque lentamente, |raninann.ilen
Justica civil. Os Sr*._: pdo | mez de marco
N tatiuim.nii



Itjf ^e Pernambuco
r
QtW

ta feira 21 de Maio de 1873.
z
o do lis
Art. \.<
por ella, neste a cifra nao passon ee 51, o. Itein
assim que as molestias do apparolli i cit>.-Ih-o-WP^
nltal nao dexaram de ter nolavel inilucneia. na,
cifra mortuaria.
Neste periodo nao doixou ofSlor de'ser bas-'
tante sensivel, embora as mantis c noutes fossem
em geral frescas, perquanto nunca a tempenatu-
ra desceu de 7i, excepto nos das l o 21, sendo
no primeiro de 71,%.ano segundo de 73,94, em
virtude sem duvidjrda aeco de alguma chava
- que cahio as noutes de II e *2. Subid inesmo a
80' nos dias 20 o X c a 83' no da 19.
Clioveu eai quatro noutes, de 21, 12, 28 e 29,
marcando o plurioroctio para sua totalidade ape-
nas 12 rn. Houve m duas noute-, 28 e 29, trovoada
pouco forte de rano de NO, maseom rnuitos relm-
pagos, e sendo liaslauto duradoura na primeira.
Os veutos dominantes nio se afastaram dos com-
muns ; apenas no dia 10 soprou de maali aul e
do tarde sOMiovemio na noate antecedente, e OSO
na man lia de 20 Deranise alguns dias encober-
los em virlude de. cerraran mais ou menos dura-
doura. O dia de inaior mortandade fui o dia 2J
em o qual o numero dos fallecimentos atlingio a
.'7, e o de menor o (Ha 20, em que foi de 33. O
de maior na labre amarclla fui o dia 19 em que
houvc 13, e o de menor o da 2i em o qual so se
tica I,
- 10-
A cmara do deputados approvou honlem, em
2." discusso, o projeeto vindo do senado, que re-
cula as promoj)f na armada, e que havia Qcado
encerrado na sewio antecedente.
Approvou ca 3. discusso o projeeto n. 301
desle anuo, que concede Associaeao Commer-
j'ial da Babia seneo de direitos para as diversas
peijas e material importado para o monumento
rommemorativo da victoria naval d > Itiarhuclo.
rom una emenda do.Sr. Canipos de Medeiros fa-
/.endo igual favor companhia (luana!ara.
Apuro vou em 1." discusso, lieando a segunda
adiada a roflueTimenlo do Sr. I!. Correa, o projeeto
h.2Vj, tambera desle anuo, que autoiisa ogovern i
a conceder ao Dr. Campos de Medeiros, sol) as con-
dieoes que iulgir couvcnieules, a facnldade de
publicar a legislaran brasileira dos aunes de 1808
a 1833.
0 Sr-. presidente do conselho, ministro da fazen-
da, apresentou a proposta de oi\aiii-iiln da receita
' i capaza geral do imperio para 1874 a 187."i.
Occtipnu-se depois acamara com a 3." disenasi)
do projeeto ii 230 de I87J acerca da proposta do
.'i caoienlo, de que traa o art. 13 da le n. 93 do
31 de ou'nbro de 1833, a qual ficou encerrada,
ten lo orado os Srs. Corre 1, Martinlio Campos, mi-
nistro do impeli, Ilenriques, J. de .Menear e mi-
nistro da agricultura.
roram apuese?i todas as seguiules emendas :
n A assrmba geral reswlve :
< Art. I." Para bol exocucao do art. 172 da
roiistiluioib.do imperio se observar as seguate;
Uisposifees Tcvngadas a> que existem em con-
nano :
jj 1* 0 seicii'ii) liuaaceiro corresponder ao
anuo civil.
s 2." Sos cinco primrirjs dias da abertura da
I -1> 1 ogis at.v.i o iHBistru da lascada apresen-
tara ni cmara dos deputados e se distribuir ka-
' proseo as duas rasas do parlamento o balando ge-
ral di recflta e dspota do Ibesoaro nacional do
. auno antecedente. as:iui como o oreamento geral
para o an:i) futuro.
i i.- O iitMittroda (azeuda quo Vivir de cun-
pnr o precito constitucional, reproduzido no arti-
go interior, soca desde logo sujeito a processo de
respon$ablwlae, devondo ser promovida a acen-
sa;! 1 pela camnssao de coatas do s 8.-, ou por
una frac.-.i da mesan .piando se recusemos ou-
lias UlSUllNtlfi
s i1 Se m..* pos-ivel conhecer o eit'eMivoda
i'/a e red-ita de todo o imperio na auno lindo.
,. I ,!i.j ') 1 iuar-8e 11 lialanco, nao obstante ser
He apres 'ntado a> estado nm qa; ostivor, devendo
eooler nucot: tamente o detaue .i despeza ordo-
n.ida por eaiLi secretaria de estado.
c A paito do tia'iuco relativa a despeza
set^ '-pecica 11 por vertas, e em cada verta
!:viiiiuiiaiia parccjla por parrella cora a datado
1. 'kimctito, iiume 1 eutoregad e lempo de ser-
vi'.vj flleclivo OU cus lieen,;a. Kx-ei!:iam-se os
uldosde pracis de pret e ferias.
* s i" Ras v.'litas, coja distribuicao est a cargo
1- rosiiectivu ministros, s mencionar cada or-
detn de pagamento expedida pelas secretarias de
e.-iado ou gabin !. c im lU'cju'icio do servifo e>-
jal, dala, quautiae jiesOTis ijuein se fez o
pagamento.
' i 1. O empresa! 1 que cumplir urna ordem
de pagamento, nao conlendo as declarai;oes uien-
cioiadas no paragrapho anterior, perder o em-
prego e restituir ao Ihesooro as respectivas im
,1 01 .nei.'s. O ministro que nao diuiittir o empre-
galo por este nnvosera responsabdisado.
( S 8," So eome da sessan. kipn il<*n!
-laiposla de onzo
de -ele llouies.
^ 9." Essa c imuiissao lera o direito de requi-
ntar do tlieaourj nacional quaesquer esclarecinien-
t s. que 1 es serio dados no praso de iros da?,
emno seja posstvd.
> =i 10. o f.aieci;' da commi^so do cjalas ser
lido e distribuido pelas cmaras, pelo menos 2i
lloras antes de cunee.ir a discusso doorcameiito.
<( Art 2" A respoit^do orcamcnto so observa-
rio as seguintos dispusieses, rerogadas as que
existem em c mirara :
1 i." ( orea ment ser dividido em Inis de
lespezas especules a cada ministerio; e nina lei
geral de receita "anexa com a despeza dj minis-
terio da fazenda.


X
10 do ministro brasileiro o Sr, bario. *h*e alii com effeito encontrn dous^Bflomho; raftWTd*ls.
loMdraguaya. S. Exc. ao entregar ao |o"e*idojat^da *e afaumtlos daquelles arrcdore, Tuliias Vafeo- E* a
l^gR quatr'o de
-?/'-'.'/"" Osorw.-rrH'. |Hfia. aj ma- credenciaes, proferU fl&*
'leu Maii'.tmeoa-vo SU cu.
X provincia de Mna*-Gehie;> uan -. iitusiiivii;.
wnlt a hwira de entregar a V. Vxc. q
pola qual S.M. o Imperador do Brasil, me
gusto soberano, so dignou acredit r-me no c
Sito. 'ites, palanas ;
-Gehies" drli Sf. presidente
mais quatro deptades odous senadores.
t Art 2.* A sua assoiibla provincial se com~
por de 48 membros.
Art. 3." Fica o goveroo autorisado a modiljcar
a actual circumscripcao eteitoralda mesma prn-
vincia, pondo-a em acord com a presente le.
Paco da cmara dos deputados, 9 de maio da
1873.Antonio Gabriel de hua ftncfr 1.
Artigo addilivo:
a A provincia do Espirito-Santo dar quatro de-
putados e (loas senadores.
Paco da cmara, 9 de maio de l873.-//ifeodd-
iv Silva.-Montes Btgo.M Ozorio.
Addilivo ao projeeto n. 130 de 1871:
r Art. 1." O municipio neutro ?er dividido wu
dous districtos eleitoraes, un urbano c ouiro sub-
urbano.
Art. ?. 0 dislricl) urbano dar :j dejfltados,
o suburbano 2. .
t Art. 9* Ser augmentado o numero dos elec-
tores das diversas parochias, em relaco ao eres-
rimento da nonulaeao de rada una dellas;
. Sala das sessoes, C' 9 de maio de 1873.-Dr.
Pinhelro Gtiiiiviraes. n
- u -
A cmara dos deputados approvou honlem a
emenda substitutiva do Sr. (roz Machado no art
3" Io do projeeto que faz varias concessoes ao
BaniO do Brasil, cuja discusso tinha licado en-
cerrada.
Approvou em uni.-a discusso as emendas do
senado nos projectos de 315 a 327, lendo feito al-
l unas observaeoes os Srs. Correa o Wilkens de
Mallos acerca do do n. 3ii.
Approvou tambem em 3-' discusso, que havia sil 1
mistro piei]
nto pessotr
EK,
Ica na-
vras ao
'esse* da
-.aoawehte
me toea, procureiviam lod.u as octaslOe- serel
inieriifett das jjist-.g i|t.'ii<.i1es.(Io Imperador e
merecer a beuerolekcii e coniUnea de V.
-% plwdePtfl-fJa-l^mblifliT'l'jponTOu :
Sr. ministro.
a a rtaqujjifipresoitaB e pela qa< Sna
Magoftade o Impoj-ajbr do Brasil ves acredita ce-
rno seu enviado extraordinario c ministro plenipo-
-teneiarif em misso especiaf junto do mea gover
no, 6 uma projajjiiHsia*"'
coes que conslftlffaVt4naRl^staLVatover
no iinperil ao povo a governo.paraguavo.
0 povo f o gnvern* paraguayo efflo gempre
rcvesiidos dos sujimeutos qu niaoestaes em
nome flo vosso augusto soberano, e em tal sentido
V. Exc. encontrar eoopera.ao tiol o siuceim da
mlnha parte para (pie a vftssa missao teftha xito
favoravel para ambos os paites.
a Can estes Sriitiincntos me Congratulo em rea
ceber o Exot Sr. bario de .Araguaj'a no caractt
em que acreditado, saudando na iUuslrada o
distincu pessoa de V. Exc. a generosa naci bra;
sileira e a Sua Magcstadc o.Imperador do rtra-
ein, que firrain mmediatamdMe preso
pfiiujSessm a menor resisienna.
sem que
r\hi
^ nonte de 24 para 2.'i do paasade, 1 ni Mogy.-
Ihin. Joaquim Vital, sogro de Alvaro Pires de
--1 a "a cmiuisso de coalas
deputados, eleilos em cdalas
2.- A respectivas leis, lugo depois de apara-
tadas pela cmara, serao reuettidas ao senado.
Nao se poderlo discutir n; mosma cmara dais
ieis de oreamento a nm lempo.
|X* No projeeto de urc.imenlo que orga
a:-ar 0 tribunal do IliCSOUr ni) se admittira 1 3T-
bas^eraes, devendo-se especialisar os serrQas
,- dos diversos ramos ou categoras dos eniprega-
los d- cada 111 aisterio.
o i. No 111 sino projeeto se arbitrara a cada
ininfiferio, com doslguacao expressa das vertas
e das aventualidades, o mximo dos crditos sup-
[demaajares que pude abrir o respectivo ministro;
ticando proluuidos quaesqu r uniros crditos.
Sala das sessoes, em 10 de maio de 1872. -
.'. de kncar.
_ Art. i.* % 1.- Approvado em ultima discus-
so pela cmara dos deputados qaalquer dos pio-
feetos era logo remettido ao senado.
% 2.' (ou onde convier).vA parte relativa 1
despeza ser su^mUMJa sanecao independente-
mente da parte re 1 Uva reedita e s dtsposieoes
jjeracs. Manuel Francisco Concia.
Oecupou-se mais com a 4." discusso do art.
'4.% 1" do projeeto que faz varias eoncessSesao
banco do Brasil, e que tambem Be iu eueerraila.
Foi apresenlada a seguinte emenda :
Heda-se o art. 3' ^ 1. assim :
Os bcus hypotbeeados, que nao ferem licitados
com o abatiaii-nto de vinte por ccnlo, irio de novo
praca, antes de sereai adjudicados ao credor exc-
qaente, com dous sneaessivos abaUrnentos de dea
por ceuto e intervallo de dez dias; salvo ao credor
o direito de requerer a aajndleacao se nao Iiouver
Ikitaote em qualquer das pravas. Cruz Ma-
chado. >
Por ultimo iicciinoa-se com a Z' discusso do
projeeto n. 41 do 1864, qte eleva a represeutacao
da provincia do Para com mais doas senadores e
iros deputados, a qnal fi uu.adiada pela hora. Orou
o Sr. Carneiro da Cuuba. i'.'orain aprsentelas as
saguintat aoMBdaa :
A assembl&feral decreta :
ul. i.' A provincia do J\io-Crande do Norte
dar mais doos deputados e un senador.
Art 2.* Ficam revogadac as disposicCes em
oiit-ari'.
_ l'a^o da cmara, 9 de mate de 187!. Joo
MJnoel. T'.Piw'nio.t'e Souza.
a Art. i.' As provincias da l'ar.ihyba, Pernam-
DU50, Alagas o S. PaIj darao mais uiu.deputado
e um sead r cada 111113.
Art. 2." /) govemo imperial determinar urna
nova divisan Jos distrielos elcitores destas provin- i
ficado eucerrada. o projeeto 11. 80, ((uc providen-
cia MMTM da apresentaciio das propostas de orea-
mento de que trata o art. 13 da le de 31 de ou-
tubro de 1835, com as emendas do Sr. Corroa,
sendo rejeilada a do Sr. 1. de Alencar.
Oceupou-so depols com a 1* discusso do pro-
laato qne cria a nova provincia do Hio de S. Fran-
cisco, llcando a discusio encerrada. Orarnm os
Sr-. Martinho Campos e Cruz Machado.^
Ficou lanibcm encerrada a 3" diseussao do pro-
Jecto n. 351, qne manda admitlir no quadro do
xercilo o lente Jos Ignacio Kiheiw Roma
Foi apresentada a seguinte emenda :
o Artigo. K' tambem autorisado o governo a
mandar admitlir no quadro effectivo do exercito,
no posto de aleles, os tenextas honorarios do exer-
cito Thom Fernandes Castro Madeira c Felippc
Borges Leal.
t Cmara dos depniados, 10 de maio de 1873.
- Hr. Campos de Medeiros.
Per ul imo traton do projeeto que augmenta a
representaran parlamenta^ da provincia do Para,
crun as emendas .qoiadas: Orou o Sr. Candido
Torres.
Foraui o-Tecidas as seguimos emendas:
A provincia do Paran e Sergfol darao Man
dous deputados e um senador cada uma deltas.
Artigo. O governo far a nova divisao oledo-
ra!.
Em 9 de maio de 1873. ~il. de Freilas.ttt-
frtalo Correa.
NVnhtima provincia do imperio dar menos de
quatro de lutados e dous senadores.
t Fin 10 de maio de {%n.-ll.Colrim.-Cmnil-
lo Brrelo.IMeoioro Silva, n
S. M. o Imperador, aeoninanhado de sens sema-
narios, visitn hmiem o extrnalo do imperial
eollegio de Pedro II, assistio s aulas de matheuna-
tieas do o" annn 0 latim do (W e examinou as obras
que se -estn fazendo no eslabeb^imento.
Sua Magestada visitn timhem a galera dos
quadros do Sr. de Martinb, 00 salan do theatro
de S. Podro de Alcntara, demorando-se all das
10 1/i s 11 3/4 horas da manha.
gjob o titulo de Jftmumfaffft refere o fc'<7io Ba-
11 tnilense do 3 de corrente :
t Os Srs. Dr. Antonio Bariwsa da Silva e Suuaa
e tenente coronel Jos Itodrigucs de Toledo t Sil-
va requereram mandado do maniitenrio a favor
de Oft -Travos libertados porD. Ignacia Contal-
ves Penna, c vite 'ratar da competente aeco dn
lib'rdad-.
?. M. o Imperador da Allemanha mandn dar do
seu bolso, por intermedio do seu representante
nesta corte, a quantia de 403 Ihale.rs (cerca de...
SWjtOOO) para auxiliara constrnc-;o Je urna igre-
|a catholica em Potrapotis.
5aH0 O PSTOTllC
RECIPE, 21 l)R MAIO DE 1873.
]%'uSseas Iu ho\ Amanheceu horffim e;n nosso porto o vapor frau-
eex Vlie de !{> de Janeirn, da linha do Havre,
trazando datas : do Rio da Prata .S, do Rio Gran-
de do Sal 3, do Paran 3, de Santa Catliarina3, de
S. Paulo 8, do Rio de Janeiro ti o da llahia 17
di) corrente.
Aleai do que damos sob as rubricas Parte offt-
chtl c Ii.terior, encontramos nos jornaes o que
Relativamente ao movimeulo revolucloaario,
diz um Jornal do Assumpcio, ter cUegado um
chasque do Taooba com a noticia de que Caball -
ro se api'oximava da capital cop 2,.'00 bomens.
Esta noticia, popmi nao se achava confirmada
!.i.i-r,n\.\n.-: do sli..
A sessio da assamUa provincial fora prorogi-
da at ao dia 2 do corrate.
Na noite de 24 nara 23 cabiram alguns raios
em Pelotas ; um delles canaou nao pequeos es-
tragos no edificio da Caridade, radiando as pare
des da capaila, quebrando vidracas e deslruindo
quasi todos os oruatas.
Foram trasladados para a cidade do Rio-Pardo,
onde devem ser encerrados em um rico mauso-
leo, ao lado da igreja matriz os preciosos restos
do tinado batta do TriuDkpho.
Na villa lie l'rugiiayana, a 24 do pausado, ten
tara suicidarse, feriado-se com urna faca no peilo
esqnerdo, o tenenteOsorio (todfgMtt Osleriinen-
tos nao inspiiararn receio.
O Conuntrcial de 3 diz, referindj-sc eseu'ia
inglesa Zonte, que na noite de 22 de abril nau-
fragara as |raas do Estrefto :
Temos noticias do lugar do naafragio; pou-
eos voluaies se tein salvado, e em mo estado e
poderia se ter feito uma boa arreejdaeo de mer-
cadorias quasi perfeitas, se o capitio a o piloto
permiltissem a descarga quando o navio eslava
uuasi cin S3cii, purin as cchenles e mo lempo
eni a 1 ruinado ludo.
Fallecer na Tupiara do Mando-Novo o coin-
mandaofa do cana policial da provincia, coronel
Jos de Olivcira Bueno.
Era um imlitu- di.-tinelo e brioso, e que rele-
vantes serv s prestara na eam()anha do Para-
guay, e onde veio invalido.
L-sc na llenst-i (ahrietense :
Na estancia do Bario de Ibieuby apparecco
fretp.ientemente carneiieoes.feitas pelos tigres, ls-
lu oti i^yu o Sr. bario a recompensar aos que na-
lain IV) iiii'oaim.idos hospedes.
a ltimamente em um da de rodeki seguam
tres peios pela cesta do mato, quando avislaram
seis tigres, dos qaaas iiuu fenea, que alravess;i-
vam de um .-.oa. em baca do mato.
Os peaes nao nesitarara e eeitama a carava-
na, obrigandoa a rucollier-se ao capao e despi-
baram um dos eon|anheos em busca de auxilio
estancia.
Ficaram os dous guardaadj a presa, sendo
as nicas armas de que dis;>unUam titeas e cabo
de relho.
A estancia, porra, eslava distante, demora
pndongava-se e o-tigres tentaran sabir do cap 10;
os dous pees comprehemleram que nao podiadi
evitar a retirada do iniuiigo, c quizeram ao menos
matar Igura para fczei; jos rvc^cusa pr*
mettida. -1
Apciaram;*CV jteJfca a cabo de" relho rf-
coiumeitem os formi.1 aveis adversarios,,oipbar-
gaudollies a sabida do capao. Hataui > | 1_'. h.iii.ni o oguniT'/; nim ,ipcuis acabaram esta
facanlia, a femea se arremessa pelas costas de um
deiles, c derriha-o ; o comp uiheirq carro em seu
auxilio, consegije ferir o animal, qiic soBifi ai ca-
pao.
A poslco tornava-se critica felzineute, p 1
reai, pasma a carreta que iainbeai ia p^ra o ro
doio, ebegou o expedicionario com os auxilias, e
anda conseguirn) matar m filhote de tigre qn.i
se refugiara em cima de urna "arvorc, tendo-se
evadido os outros.
A carreta conduzio para a cstincia os tres li-
seguc : gres morios e o peio mal ferido; gracas porm,
BEMiBLtCA do i-AciFico. Mi soccorros proniptos e acertados escapou mila
Os telagrammas do 'ac.ilici para Buenos Ay- igrosamento desse amplexo femnil, que to fatal
cias, assim COHIJ far a iislribuicio dos membros
das asserabl is provinclacs nos termos dos Sj 2o
' do art i" da.'ei n. I,02 de 18 de agosto d
1860.
- Art 3." Ficaa revogadas as dsposicr>es em
contrario.
-i. S. Carneiro di Cnn'ia -Elias F. de Almei-
da e tuqnfn/ue.J. B. da Cunha Figueiredo Ju-
nior.Mit&oel Wiral Pinto.Diogo Vellto.Pinto
Pessoa.-iir. .1 Teten* ds tocha. .)/. C. A. L
ImaiMl. 0!'j,niio Guitai.-L Cn-uces.:-Olivara
Borgis.
a Ai!. I." A provincia do Rio-Grande do Sul da-
la mais dous Reputado-- e um sena ter, e el 'va-
do a trala e dous o na-ero dos membros da res-
pectiva assembla legislativa provincial.
<< Art. 2." O governo far em virtude da di.spo-
-j-.io do artigo interior urna-nova diviso dos 1I3-
ncios, creando um terceiro, que eleger os depu-1
ados que se augmentara.
Sala das sessoes, em 9 de maio de 1873.
(rtncio de Al ret.Flores.
res nada "referem de importante. Apena", se diz
do Chile qne s eleicoes municipaes se fariam em
boa paz.
IIavia entretanto folhas do Chile, do Perd e de
Guatemala na capital argentina.
As do Chile roi'e.rein o bom resultado de urnas
expadieSas ao rio Patena e ao valle de Nue-
males.
No Per approvou o congresso um projeeto de
lei creando escolas superiores de iustruceio po-
pular em todas as capifaa* das provincias. Essos
estabeieetmentos. (dit o art. i', serio dirigidos
por prdtessores altemios. Contratar-se-bo outros
professorca da mesma nacionalidade para ensina-
rara varias lingual e setnelas as escolas de ins-
truecao inedia de Lima, Cal'uo. Tacna e mitras
cidades.
De Guatemala refere o Boletim Oficial, haver o
presidente Granados entregado interinamente o
poder a I). Rufino Barrios, com o flu de ir visi-
tar alguns departamentos. No mesmo dia foi de-
clarada em estado de sitio toda a repblica, e os
rebeldes atacaran! Escuintla o conseguiram ven-
cer as tropas legaes. 0 presidente interino pro-
clamen dizendo qne ia adoptar remedios radicaes
contra o estado de coalas.
Occorrera tima circumstaneia grave. Chaman
do o dito presidente Barrios .'ligninas pes-oas da
opposico i sua presenta, umi Helias, D. Raphae!
Batres, declarou que s iria armado de um fewoJ-
ver e assim o fez. Na conferencia, pedindo Bar-
rios (jue as ditas pessoas nao se cnvolvessem na
palitiea, antes ajulassem o governo a restabelocer
o -soeego publico, rio-se llatres por tres vetas, c
encolerisaado-se o presidente, laneou-se a elle e
arraiioulhe o revolver. Ordenou depois que
fossem uresas as pessoas presentes e castigado Ba-
tres com tt0 acortes.
8 presidente interino saino nessa noite da cida-
de eoi a Escuintla, onde fez fusilar dous indivi-
duos e prender um hespanhol Todos estes acn
tecmentos trazam agitarla a populacio da capital
onde j se achava Han ios.
RIO DA PRATA.
Rebentwi finalmente a ti > preconsada revoluco
em Eutrc-Bios, e dasta v^i neg ci pareca serio.
Embora Lpez Jordn mWt'.ve-so apparecldo an-
da em campo, persistia-se em ver nolle o chele
dos rebeldes, attrbumdo-se-llie o plano de hincar-
se primeiro sobre Corrientes, onde tinha mais pie-
parado o terreno, e tentar apoderar-se da capital
da provincia.
Entretanto o que sobre os factos j oceorridos
se pretenda saber eoai alaum gr) de ceneza
isto. Foreas rebeldes tmham appare<;ido simul-
taneamente em muitos pontos conseguindo tamar
as cidades da Victoria, Diamante e Pan
Do Paran* e Gunfegaaveliu foram ellas recha-
Ihe ia sendo, ficindo-llie para sempre as costas
e bracos as profundas cicatrices dilaceradoras.
t O faeto pode adiar espiritos. que duvidem
aceita-to; nos o garantimos, por^n firmados ca
honorabilidade da pessja que no-lo traasmit-
tio.
SlSTA-CATIUniX*.
No dia primeiro tomara posse da administrac.ao
da proviucia o Dr. Pedro Aironso Ferreira.
A Sra. D. Mara Keff, moradora na capital
cadas, mas continuavam a sitiar aquellas piara*.
A Concordn preparava-se para sastemar um ata-
que ; aty diz a-se haver sido assassinado o ebefe
i poltico Aquileo Gonzalos.
Capitanea .-am a revolta Benicio Gonzale?, Teca,
Gairumba, os Andersoq e outros.
A' vista do incremento que lomava a revoluco
o governo geral exjiedio de Buenos Ayres par o
Paran a tropa de qt*e de momonto poda dispon,
e em data de-3 promalgmi varios decretos decla-
rando estabelecida a nlervtneao nacional na pro-
vincia de H-itre rtins, oritenando ao eovernador de
Santa Fe que BtoHHlSJssfl l,i)tO guardas nacionaes
e 2,000 o ^e Corrientes c pondo em estado de si-
tio etas referidas tOj provincias.
E' a nica noticia de importancia relativa a
repblica Argeatina; em Montevideo nenbtim >uc-
ceaso occorrera que pos?a interess ir-nos.
A febre amarella decliuava rpidamente.
PM4GOAT.
as folhas a
do Paraguay,
hamos algnmas noticias
bertra nina sua escrava crionla, de nome Italbi-
na; o Sr. Manocl Antonio Victorino de Menezes,
tambem da capital, alforrira urna sua escrava
parda clara, de nome, Mara, e o Sr. Joo Jos da
Rosa, de S. Mguol, etjnsedera liherdade a sua es-
crava crioula de nome Laurentina.
s. PAULO.
A presidencia da provincia devolver assem-
bla provincial nova serie de leis, que nao julgra
dever sanecionar.
No dia 4 reuniram-se em assembla geral os ac-
cionistas da companhia Pauhsta,alim de tratarem
di prolongamento da va-frrea de Campias ao
Rio Claro. Depois de algnma discnsso, foi ap-
provada uniaprspnsta do Dr. Witaker para que
a assembla geral aulorisasse a directora la
companhia a contiatar como governo provin-
cial a construepo da estrada de Campias ao Rio
Claro.
Desde o dia primeiro di corrente, achava se
franqueada ao serrco publico a linha telegraph-
ca entre Sorocaba e a eslavo da linha frrea in-
gleza, na capial. Est, pois, Sorocaba em eora-
municacao instantnea com a capital, S. Roque,
Santos, Jundiahy, Campias, alm das estacos da
linha martima.
L se no Diario de Santos do da 7:
t Reunio-se honlem na capital a companhia
Paulista, c, ror I.Ki votos contra 174, ficou ^
directora ajitortsada a contratar com o governo
da provincia, o pro'ongameato da linha do Cam-
pias^ calado do Rio-Uaro.
Val felizmente reaH-sr-e mais este melho-
ramento. esperado c< m tanta ancedade. A pas
sos largos caminha a fcrliisa provincia, e mais
consolida, sru concert a Uorescente companhia
Paulista, hbilmente encammhada j.nr seu infali-
gaval director o Dr. FalcSo-Filhe, digno paulis-
ta.
O vapor City of to de Janeiro recebeu a seu
Jiordo em Sanios, 14,933 accas-de-caf e 827
fardos de algodo.
Durante o mez de' abr honve o sefuinte mo-
vimento de passagnros e navios ao porto de San-
ios : passageiros entraram 119 aacionaas, 6 es-
trangeros o 7 escrav s, total St; sahiram 119
nacionaes, .15 estrangetros e 13 eseravos, total 187.
Navios: entraram 13 nacionaes e 14strang8ros,
total 27; sahiram 16 nacionaes e 21 eslrangeiros,
total 37.
Beferindo-sa a uma iililigafiria jcaliaaila pelo
juiz municipal ^a.l^ct-feJi./pni o Gm d? bater
alguns quiloutbl,Mtzrima Hk 4a capital: _
cempoata do algnmas (tracas de It e tipiery,
dirigi se AHa^rljUBT OQfu.di^^-M existir um
quilombo tffiTrwro nir!5 Wh*t6 Isftflas. Baten-
do, potm, as natas-do-nferiduilngar, reconheceb
a dita aatoridade- serum telaos Ues aoatos, pois
que apoiiaa em ontroa all um nmeao velho, que
em outro temj foi abrigo Ue quilombalaa.c crid-
nosos, os quaes j foram rapHuratlas, sendo alguns
I"--ie; snbmeltid'is a jalfaineirSo, mas qiw. actual-
mente esta abandnalo.
u Deixando 40 lugar e drfgrado-se ainda
aquella aatoridade para nma utra mata ouaaada
de Capixindavn, pela*! 3 huas da naadmgada,- on-
de tambem conlva existir outro ^juifonibo, dej-
eobrindo no meio oeila vjd roqueo fl^o no inte*
ollas os discursos dejrior de ura rancho, encamiobou se para i> laeamo,
Olveira, fora casa desle com a mulherelim
fllha, estas eom ccele o aquello com uma fonce ;
provocara.ip.ao genro k ul sorte, api-zar dos pe-
didos instantes da liQu para que se retiraasem.
1,0* o provocado, sabido para'fezel-os retirar, foi
fniiara Ofto- aeammettido ao niesnti lempo paios tres e espan-
*o cado ; nto Joaquim Vital recebeu um tira, qe
nao se sabia se fui disparado era defeza ou casual-
mente nos epibates da lula que travaram.
Os praso que estavam na cadea da 111-sma ci-
dade do Motyinirim liaviam tentado evadir-se, fa-
zendo uan buraco no toa I' o e uma mina ; lerara,
porm, presentidos, e passando-se revista minucio-
sa na caneia, tndo se descobrio e mallogrou-se o
plano.
Umaorrespondeaca de S. Boque, dirigida ao
Otario de S. Panto, d as seguiotas.noticiM :
Os Irabalhds da nossa estrada de ferro eslo
em meio. A .eonstrucSo solida ; as obras de
s e^jMiigavais rea- arte nada deixam a desejar.
No rdBcio de quarta-feira do trvas, a msi-
ca executou urna c^mposico de Vicente Proeopio,
cltcia de bellezas anisar. u* aentimentos, tamo
na parte in'Uumental, conn na vocal. Ufas quem
sabe que Vicente Proeopio, irmao do intelligente
professor Joaquim Proeopio, uasueu ua Parnabylia,
Deesa Mili brasileira, onde tamben leve sen ber-
co o pai do maestro Antonio Carlos c tantos ou-
tros msicos celebres ? Queiu sabe, que Vicente
Proeopio, ainda bem joven, se finara ignorado na
cidade do Tiel, estorcendo se entre os horrores da
miseria, triste partir a do geuio, quasi sempre in-
feliz? Ninguem o sabe!
Uma senhora, residente ao largo de Carem -
bejiy, den luz un menino que tinha em cada
mo os dedos mnimo, annular, mximo e ndice,
faltando Ibes os pollegares, que pendura doa liom-
bros em forma de brincos; as nadega io cram
separadas por ilepressao alguma, tlem o mais leve
signal iildicava o ponto em que devia terminar a
espinha dorcal. .\ orreu duas horas depois do
nascimenlo.
a Na noiite de 21, Antonio Piulo, voltindo ines
lradaiiente-d T&tuhy casa da sua residencia,
ra Ce Sania Quiteria surprendera Francisco
Boque no seu leito conjugal I Travada entre am-
bos urna lula- horrivel corpo a corpa, Francisco
Roque re cebera 13 facadas que Ihe prodiiziram a
morle aps 30 horas do mais doloroso solfrimento.
L se no l'uulisla de Taubat :
Felisbina, vulgo Camhla, uma deasas des
gracadas, que tanto abundam em nossa cidade
vive na inais desregrada devasidio, esse estado
de miseria deve inspirar compaixao, < ainda mais
depois do que vamos oxpr, segundo informacoes
que urcstaiain-iius.
<( A infeliz Fe!i-1iina mora em uma casa no lar-
go do convento, cm companla de una inulhcr
Maria Saguii e em uma casa visinha mora urna
mulher Auna de tal, esta votava odio a Felisbina
por motivos que igueranios. No dia 22, segundo
infonnarau-nus, foi Anua casa de Felisbina para
ajusUiem coutas, e adiando esta a dormir, deiti
ralbe fugo rupa. A infeliz Felisbua acha-se
moribunda.
Sao dignos de benemerencia publica e dos mais
loUKaveis agradecimcjitos os Srs. commendador
Antonio Francisco de Gouveia e astro e capitn
Maiioel Gomes Viera, os quaes acabara de. |irestar
a esle municipio um importaiUa servico. A ex-
pensas nicamente do >r. commaadador Castro.
mandou elle abrir a estrada do Panioiii. fazend
um caminho largo, solido e perfeilo, o qual des-
viando-se do morro d inesmo nome tornou aquel-
la passag, in facilima, pudendo agera por abi pas-
sar com toda cofnmo lidade carros e troy|s. Esta
nova eftraua tevo de passar pela fazenda do Sr.
capito Mano! Gomes Viera pelo meio dos scus
cafezaes, e este senhor prestou o seu terreno a es
sa commndidale publica derrubando nao pequeo
numero de pss do caf j carregados de fruetos,
Falle-era em Can o iiegocianle Antouio
"*rlhIero .fe C rvalh 1 e Silva.
pMiThMi.
No dia 18 encerrara se as sessoes da assembla
provincial.
No lagar denominado Lagoa do lasar districto
do Pirsliy, fora barbaiainente assassinada Sever-
na Maria' de Mello, mullicr di^ Manuel GassimiN de
Avila, com quatro lacadas e u na bordoada na ca-
bera (|uc fez saltar os milos. O sulidelcgado de
lialicia. proceddndo ao aulo de corpo de delicio va-
rifleara que a victima havia rauito solivia cistgos,
pois linha o coriweoin diversas cicatiizes novas e
vertas; e rpie o hntor do assassiaaio tinha sido o
proprio maiido, aqMi evadto-sc depois de perpn
Irar o erime.
i< tan ai MNRino.
A mesa e as conunisses do senado licaraui
assim orgaiiisadas :
Para presidente sio recebidas 4?i cdalas, sendo
7 em bra.ieo, e sabe ebito o S.*. viseon le do Abae
t com a maiora absoluta de .'t."i rolos.
Para vire-presidente sao recebidas 15 [cdulas,
sendo quatro em Ufaneo o eleito o Sr. viscoodi
de Jaguar* eom a maiora absoluta de 37 votos.
Sio r;eebidas para a eleico le l. e 3." secre
tirios 44 cdula e sabe eleito i." secretario o Sr.
Almeid.i e Albuquerque |>or 21 votos.
Tendo havdo empate entre os Srs. Dias de Car-
valho e bario de Camargos, que obtivcrain 20 vo
tos, proceds-se ao sortcio e sabe eleito 3. secreta-
rio o Sr. Das de CarvaL.o por 20 votos.
Para a clcirao de 2. e 4.* secretarios sao rece
bijas 4o cdulas, sendo duas era branco, e sio
eleitos 2." o Sr. baro de Maraauguapo r>)r ^' v"'
tos, e 4. o Sr. Figuera de Mello por 32 votos.
Fieim supplen'es os Srs. bario de Camargos
I.rila., da Ciiuha.
Em seguida o Sr. presidente convida o Sr. Al-
raeida e Albuquerque para tomar assento na mesa,
e S. Exc. oceupa o lagar de 1." secretario.
Passando-se eleicao das eommlssoes, sio elei-
tos para a de
Rosposta falla do throno; os Srs. baro de
Cotegipe por 33%otos. Mondes dos Santos por 2
e Teixeira Jnior por 23.
Constituieo e diplomacia ; os Srs. marque/, d
Sapucahy por 36 votos, bario de Cotegipe por 33,
e Cunha Figueiredo- por 32.
Fazenda: os Srs. visconde d Inhomirim por
37 votos, visconde de Souza Franco por 31, e Te-
xeira Jnior por 26.
Legislacao : os Srs. Nabuco per 32 voto?, vis-
coude de Jaguarv por 30 e baro de Pirapama
por 28.
O Si. Nabuco pede dispensa de membro dessa
coinmsso.
0 Sr. presidente consulta o senado so a eleieio
para substituir o Sr. sonador deve ter lugar boje
ou amanh ; vence-se que, deve votar-se hoje e
proeedendo-se eleicao e eto o Sr. Zacaras por
24 votos.
Para a commssio de marinlu e guerra : os Srs
duque de Caxias por 32 votos, visconde de Muri-
liba por 28 e Jaguaribe por 26.
Comraercio, industria e artes : os Srs. Sinirabd
por 28 votos, Anto por 26 e baro do Camargos
por 18.
Empresa*' privilegiadas e obras publicas : os
Srs : conde de Baependy por 26 votos, Barros Bar
reto por 23 e Cavalcante por 22.
Instruccao publica e negocios ccclerasticos : os
Srs. : visconde de Camaragbe por 19 votos, Jo-
bim por 19 e Octaviauo por 18.
Saude publica; os Srs. : Jobra por 31 votos,
Chchorro por 28 e Silveira Lobo por 25.
Bedaccoes das leis i os Srs.: marquez de Sapu-
cahy por 29 vot"s, marquez de S. Viconle por 27,
e Firmino por 22.
Eslatistica, alhjese e colonisago : es Srs. :
Candido Mondes por 27 votos, aro de Maro i m
por 22 e visconde do Rom Retiro por 21.
Assemhlas provinciaes : os Srs : visconde do
Bom Retiro por 28 votos, Saraiva por 26.
Havendo empate entre os Srs. baro de Camar-
gos e Mondes dos Santis, que obtiveram 17 votos,
procede-se ao sortcio e eleito o Tr. Mondes dos
Santos. .
Sieleitoi para a eommssao do oreamento : o
bario de Coletillo por 29 votos, visconde de Inho-
mirim por 18, marquez de S. Vicente por 28, Fer
nandes da Cunta e Anto por 27, viscoime de
Souza Franco por 23 e Paranagu por 20. .
Na sessio dessa cmara, do dia 9, foi appro-
vada em 3." discusso, para subir sancejio im-
perial, a propona de fixaco de foreas do trra
para 1873 1874.
leemos no Jornal do Comtnereio:
Antit-honlem (7) a 8 horas da noute, falleceu
aa ca-a de satide de Santa Thereza o negociante
Joo Yuuds, estabelecido ra deGonQalves Dias
a- 23. Havendo fallecido abintestado, e nao ten-
d familia nesta corte, osubdeiegido do i. dis-
tricto do Sacramento, tomou conhecimento do fac-
i e recebeu as chaves do cofre e da porta da en-
trada da casa da Y'rtais, que Ihe foram entregues
Sor Francisco Araoretti, morador mesma ra n.
i. A mesma auioridade deu tambera as provi-
dencias flua julgoa necessarias para garantir os
jtejsses de quem lenha direito heranca de

s noticias commerciaes da ultima data?
O mercado de cambio estove pouco activo,
mas nao bouve alleraco alguma nos Usas. Ef-
fe.ctuarain-se.lcansaccoes menos que regulare
bre Londres a 2o 3/4 d. papel bancario, 23 7/8 c
26 d. particular, e sobro Fram.a a 363 e 36o rs.
por franco.
Negocioa-se um pequeo loto de soberanos a
9J450 a diabeiro.
As apatices geracs de 6 0/0 tornar .m a mos-
trar meno* finneza de procos, que regularan! hoje
de i:060j a 1:063 a dinneiro.
O movimento do mercado de acedes foi regu-
ar aosprecos seguintes: banco do Brasil 2ui
por aceto, pagamento o entrega no ultimo dia da
transferencia banco nacional 'Oi c 51 poraccao
a dintieiro; companhia locomotora, 2.* emissao,
180 por aeco a dinheiro.
As vendas electuadas hoje no mercado de
producios forum nienus ipie regulares de caf e
pequonas de assucar para consumo.
Sahiram, tambera para consumo, cerca de
4,000 arrobas de carne secca.
Fretaram-se : um navio para Hampton-Roads
ordem, caf, a 23 s. ; ura para o Canal ordem,
dito, a 30 s. ; um para Lisboa ordem dito, a 30
; e ura para Aracaty e Canal ordm, algodo
1/2 d. .
BAHIA.
Prosegua em seus trabalhos a a^embla pro-
vincial.
Pela presidencia da provincia lora o sospenso
secretario respectivo bacharel Mauoel Jesuino Fer-
reira.
Fallecer o coronel Simio Gomes Ferreira
Velloso, abastado agricultor, sogro do coiiselhero
Jos Antonio Saraiva.
Na assembla provincial foi offerecida a se
guiule substitutiva ao projeeto creando um banco
rural e hypothecario:
Art. 0 governo da proviucia fica autorisa-
do a garantir o juro de seis por cento ao anuo
sobre a quantia, nao excdeme a cinco mil contos
de reis, sociedade, que se formar para empres-
tar capitaes aos propietarios sobre t.yjiothoea de
seus immoveis ruraes, na conformldade da lei n.
1237 e do decreto regulamcuiar 11. 3471, com as
seguintes condicoes :
t I." Os mutuarios faro seus pagamentos
por annudades, noexcedendo o juro de KM por
cento ca amortisacao de quatro per cento ao
IMO.
2.' Os mutuario? nao nodetao conlrahir cora
a sociedade divida superior ao terco do valor dos
seus immoveis ruraes, que serio para esse flm
avahados na cmformidade do citado regulanicnto.
3. A soaedade si far emprestimos em di-
nheiro, salvo se os mutuarios preferrem as let-
tras hvpotheearias.
"i." As lettras hyptithecarias nao venceio
juro superior a 6 0/0 ao auno, e serao resgatadas
na conformidade do citado regiilamento, podendo
recabar um prem o na oceasio dj resgate quan-
do fot possivel.
Art. 2." Para salisfazer s despezas do eos-
teio da sociedade, e constituir o seu fundo de re-
serva fica creado o imposto de meio por cento so-
bre o valor de toda a produc-fio-agrcola, qe n
extiorlar, exceptuados os cenaes; sendo o im-
posto entregue pelo governo sociedade medi-
da que fr arreeadado.
g 1." Esses favores cessarao logo que o fundo
de reserva se eleve quantia de mil contos de
reis.
I i.* 9 imposto de que trata este artigo, S
podara ser cobrado depois da organsacao na so-
ciedade, 0 de principiadas as suas operantes.
3. O fundo do reserva ser empregado em
apolices dos govemos provincial e geral, e seus
juros sero reunidos aomesmi fundo de reserva.
a % 4 Com as despezas do costeio peder a so-
ciedade despender at a quantia de trinta cant
de reis.
Art. 3. Quando o capital da sociedade nlili-
ver um juro at dez por cento, exceseo ser le-
vado aa imito de reserva.
Art. *, O governo monear pe-soa de >ua
CoiHianca para lisialisar as operacoes da socie-
dade.
Este fiscal perceber de ordenado o mesmo
que qualquor dos direclures.
Art. .*>." Quando se lenha de di-solver a so-
ciedad depois Je resgatadas todas as Icltras hy-
thecarias, o fundo de reserva ser entregue ao go-
verno da provincia, o qual o empregar na fac-
lu.a de estradas e pontos om lienelicio da lavoura,
Art XL"-Revogam se as disposicoes era e m-
traro.
Ba ia, 14 de maio de 1873. T. Sottrex..If.
Calman. M. Bagiji. B. C. Brnm.
Em seguida tambem orou o Sr. Horta.
Encerrada a discusso, foram aMrovados o
projeeto e a emenda substitutiva e rejeilada una
emendado Sr. Borla.
O cambio regulava sobre Londres 23 3, i :.
23 7/8 d.
A alfaudega renden de I a 16 do c irivnte
UI:A87JJS7.
tno acor
pelo farte de. no Mr,-M de sfaajda-(*ira,
ralilioatPi a i-ui.x'ira aotka ajae lanar.
liad i7 d 1 eorrento, a cerrado hmim-
aconiecimrni.i .1 Entrelanio. n qn (Ihmtms n'r ralifio.-:w *
qnal foi o tira que tivenue em vista ?
Lea-nos quem tiver bam lenso, ven qa* pro-
curamos restabelocer a verdade e. dois pontHaafei
trimeira noticia, verdade qat (oi allenda por aa>.
aseados era narracoes mensa verd.idvira*, nmxt
depois iiih convencaaMt.
As duas ratilicacoas ajoe bm. foram
nio houvc ordem offxial para qoc se ret
jardiui do Campo das Priaeaaas as |hh
alli esta vara na tarde do dia 16.O 2.*
bou ve intimaran pieria para a dfcM|Ko
lamento, que tinha sido cn^iderad-
Kis em s) nthese o que diss
cia de 19.% Como, pois, se nos cfonna de
por que quizemos restabeleccr a verdade *
Quem est livre de ouvir falsas infoima de, tarado por eslas, dizer ao publico nma iaexar'i-
dao 1 E, n'este caes, qual o d>ver dv qnem e-
creve para o pnltiieo, c naT n^tshetercr a tt-
dade dosfacioN*
rt
Un t\m+
loamn-
iki-
I
or ventura a ednrea Aa Pr.rinria rlr*
na nojeiii. -.asura
Nota de ter incorrido
nos fez?
Para demonstrar o conlrario, basta (.- .-*# ur-
nal, sotire ludo confrontar d<\ t- vn< an-
men.s.
Desse confronto resulta a mai- d< conlradicoes em artigas ediesr. 1 -atar
qne em nuito* d.ilcs se encentra ratitiea -m Im-
l .'taal -. Entretanto anda aiug'Hii llie ie i carra
pelas suas raticacdcs!'
Ter a Ptvvincia pilrilefki fwra. <*a. ratif-
1 ar as suas noticias inquinadas fV virio *
Nio; nao corarnctteiuos nenlunoa iadigiii pois que nao indigno, mas sim mnito h>>! a
n-
l.x

REVISTA DIA.RI4.
Assembla proviiicijil. flontem a
assembla provincial funccioiiou coni24Srs dipu-
tados.
Lida a acta da sessi 1 antecedente, o Sr. Ia se-
cretario deu coala do seguinte expediente :
Um oficio do secretario do bspado, communi-
caado haver o Exm. hispo diocesano fica" sum-
mamente agradecido patritica, orthodoxa e il-
lus'radissima assembla, pelo vol de pozar por
ella apresentado ao mesmo Bxm. Sr. era virtude
dos aconteciinentos da tarde do dia 14 do cor-
rente. -In'.eirada.
Outro do secretario do governo da provincia,
commnnicando ter o Bxmt presidente da provin-
cia designado o dia 21 do corrente, a uma hora
da tarde, para recabar a cominisso da assembla
que tein de felicita-lo. Intcirada.
Outro do inesmo, remetiendo o projeeto de pos-
turas da cmara municipal desta cidade, relativas
ao asseio o lirapexa da mesma cidade.-A" eom-
mssao de posturas.
Foram hdos, julgados objecto de deliberacao e
dispensados da inpressaodous projectos: um assi-
gnado polos Srs. Joaquim de Araujo, Ralis 8 Sil-
va e Firmino de Noraes, cometiendo uma lotete
de 110 cutos de rete 4 (groja de Nossa Seubora
da Gloria desta cidade, e outro da- c.mmissio de
negocios ecclesiastcos, approvando o compromte;
so da irmandade de Santo Antonio da povoaeao
de .Beberibe.
Passando orJem do dia foram approvados:
em 1" discusso sem debate, o projeeto 11. 68 des-
le anuo, que aulorisa ao presidente da provincia
a aposentar o ex-lenenle do corpo de polica Joio
Percira Lagos, sendo o mesmo dispensado do in-
tersticio a reqnerimento do Sr. Tolentino de Car-
valho; em 2' discusso as emendas apresculadas
em 3" ao projeeto 11. 21 tambem deste anno ; em
1* o do n. 63, que garante o juro de 7 por rento,
por empreslimo, companhia da estrada de fer-
ro do Itecife a Oliuda e Beberibe, sobre o capital
de 200:090i000, em 2- o de n. 36, sobre a diviso
da fregueza do Pao d'Aliio com a da Glora, e de-
pois de orarem os Srs. Pinto Jnior, padre Tito,
Viera de Araujo, Mello Bego, Oliveira Funceca e
Antonio de Araujo, seudo tambera approvado um
reqnerimento do Sr. Mello Bego, pedindo para
ser de novo ouvido o Exm. diocesano sobre o
kirojecto, sem prejuizo da mesma discus>io, que
terminou alm da hora da primeira parte da or-
dem do da, atrequerimento de urgencia do Sr.
Antonio de Araujo.
Continuando a dscusglo do oreamento proviu-
cia! (art. 13) o reconhee%ndo-se nao haver nume-
ro para votar foi levantada a sesso.
A ordem do dia para hije : alm das malc-
ras j designadas as seguintes.
1* parto -1' discusso dos projectos us. 62, 72
e 73 ; 2' dos ns. 40 e 68, e 3a do.de 23, todos
deste anno, c 34 de 1872. 2* parte continuar'.)
da antecedente.
Jury. Gimparecendo hontcm, 44 Srs. jojana
de facto loi snhmettiih a julgamento-o reo Bento
Sabino, pronunciado no art. 203 do cdigo crimi-
nal.
Cm vista das respostas do jury, foi elle absolvi-
di e mandado por em liberdade.'
Foi seu advogado o Dr. Luiz Emygdio Rodri-
gues Viamia.
Pronuncias Por despacho do juz de di-
reito do 2- (Jisli icio criminal Dr. Quimino Jos de
Miranda, foi pronunciado Jos Mana Itibciro, as
penas do art. 175 do cdigo criminal, combinado
com os arls. 8* e 9o da loi do 3 de outubro de
1819. *
Oulra.-Foi tambera pela Dr. juiz do direito
do 5' districto criminal pronunciado na pena do
ait. 192 do cdigo criminal, Joaquim Martins Go
mes, que em dias demarro ultimo, assassinou o
portuguez Joo Baptista Fernandes.
Com vista a rertat^.i< da. provin-
cia. A dlac-co^aJgiioviNciA taxounnos de in-

digno, lestabelecer a verdade de fftes, in!
te narrados.
Se ha quem loaba sido indigno eaaj tr
aos acoMecimentos de 14 e de 16, e*e a
nao somos nos; e, se a Provincia o pjpjej
pr>cure-o entre os s*'us adeptos, e ir
Ihe que lia-de encontrar genle que, -. 11 -.-
cado areunio de 14. d-rlmou da r> pon jM^>- -
de dos actos praticados m-sse dia, para depois reclamar no immoral protexto eV
dijno e honesto successor do 14 '. t
Iste sim, Srs. da Provincia ; isto qne *> Jrfr**
dimanes, nao s indigno, mas timb m far'
plmente immorallisimo'. '.
Ao >Mimrrrio.-Autur pi>li Hita.
Sr. Dr. chefe de polica interino declramos qoea
.loriara di seuauteceOBirpublicada ha das. >*ri-
gando os cliare n s 8 horas da tarde, est de uenhnm f4Mt>:
ficando assim restahelerido o ro^'iime aniii <
Instituto historien e pliilnsopttiew
Domingo ranaavae eslaAcinlado *l a *
delicia do Sr. liaad ara de Mello.
Foi lida c anprovada a a"la da ses 0 Sr. I." secretario leu varios parw^res n* di-
versas i-niiiinissoes, olire priposlas para *,
balain-i'-ies.Approvado.
Achaudo-se presente o socio pr .p
vado o Sr. Jos Heraclides Kernira, fui intro.tnzi-
lo no recinto com as formalidades depois felicitado pelo orador da rusa
Passando-s<' i |. parte da onleni d.i *a.aS-
eoMpo da neta -o 1 runo ,/ m,:-* sm
patirel rom a liberitie e ndrptndmrin ja ? Oiaram os Srs. S.mt Anua Pi, K. !
a. Befen,
Kncerrada a diseussi d*~-(a tlime, n Sr. Mm
Guedes den o dcsenvolviiucnlo de dis uiflairam grandemente na dadr mc4i-i : fnrnm
uteis aaa pnra, e tireram nmseqMcnons **
fica*.
Pimo o que. foi parteado a tofedM o
Sr. Predecir lurges : Qne Ix-neficx* roaaf c
rlirisliantsmn em retarnu fmitin 1
Foram s.uleados os Sr-. A. M -in. A. CirH- <>
Santos.
Dada a ordem d.. dia da sesso vimkxira, eaeer
raram-se os trababas ns 2 horas datante
Uis|i<> ele Pea'Biiilieii .Caras na diz pie governo nnierial rl.afJINl a ift* *
Exc. Bvma. o Sr. I). Vital.
Ouvira.Pede-se ,10 Sr. laaai da vnamim da
S. Froi Pedro (ion.alvc*| que lanc rifan
para o grande charco que existe na itj-a.1 o
becco lo Pascual, o qual com qnalqa-i rlmva.
loma aquello liecro inlcansilavei.
.leva Harmona Hoje harer sciMw^c
posse nesta sociedade. 110 lugar do rostomr, ao i
horas da larde,
teii-Heio rai hoje cena no titea tr* a>
Santo Antonio a imem coacs >, n Dr. Mar<-
do. distinclolilterrl) bca-ileiro
O producto lqai lo de se e.-p 'a -u!o -
cado a eoaMmaae da obra das ratacuinho" da ir-
mandade da Saiitissim Trindatk, vila do mi*
muilo da esperar que venha tile a et imaitk
concorrdo.
I.oteria.-A que ?e aclu a venda a SI", a
benelicio da m-uriz do Bi Form-uo. a qi c-irao
lio je.
Hospital Pedro II.- O nvivimrafe taate
tabolecimonto, de 12 ao dia 18 de nii>> : !>>"
Uj o seguinta : oxistara 336. entrara! :w. sa^|-
ram 33, fallereraiu I i, existem ^2t,arwte XK -
nicns e M4 mulheres.
Advertencia.
Foram visitadas as enferinariaa BaeM mn 0
1/2, 8, 8 1/2, 8 1,2, 8, 8 1/2. 7 1/2. pe Dr. Bet-
tria, or ausencia do Dr. Bamo- : I 1/2. I. 12,
12 1/2, polo Dr Sarniento ; a- X. X, X l, 1/2.
8, 8 1/2, 9 1/2, pelo Dr. Malaqi-ias ;i 9, pelo Dr. Via una.
Mbadk
Antonia Francisca ; scirroso no fgailn.
Francisco de Camino Lola ; ttano anaeeejliv>>.
Marcelina Mara da Concei.o lubrcalos p-
nionares.
Joscpha Mara ; amoledme*! eerelml.
Maria Joaquina da C'inceiqio ; diarite-a e am'irae.
Francclina llamos de Oliveira ; lH-paU(r ur-
rhea.
Martnho Francisco das Cliagas ; sonecuis
Mai o. I Malinas de Barros Lima broawitiie earo-
nica.
Jos Albino dos Santos ; diarrltea rhroni'-a
Clandina Felippa ; aneurisma cardiaca.
Lniz de Frau.a ; gangrena consecutiva
Casa de ieteueao. Moviiituat o da
19 de maio de 1873 .
Existiam presos 330, entraram 4. leair ,
existem 3M.
A saber :
Nacionaes 236, mnlrures 9, r-trangeirf'* *9,
sscraros 32, esenraa 10.Total 3*6.
Alimentados aeusta dos cofres pubticos W.
Movimento ila enfennaria do di 1 l'. de ataf
de 18/3.
Ti veram alta :
Marcelina, e-.r.ivo de >everino Martin*.
Horacio, escravo, senlenciado.
PavsaTro -Viada dos panal do sal a* *a-
por francez Ville de Rio de Janeiro
Frederick Gust.vo l'ochL
Ceiniterio |mMieo.-(lbi(uaho ao ate 17
do corrente :
Joaquim Dativo Telles de Souza. hranf'\ eje<-
ra-se, i."i anuos. c?s*do, Sanl Aateoie iirte-
nile.
Manoel, branco, Pernambuco, 2 i,k-zes, B*-Vi-
ta ; varilas.
Joanna Francisca das Nevos, parda, Pernasatei-
co, '." anuos, vi uva, S. Jos; pliiyMca.
Clara Mara do Monte, paran/ IVinainlmo. *9
aunos, viuva, S. Jos dvspepcia.
18 .
(.andida Maria da (Jincifia, prela, Peraa
eo,U a.iaos. sollera. ls-Vatt iclehcte.
Domingos, pardo, l'eruainbucc. 7 aaaos.
Vista : asphyxia por sabinersio.
Eugenio, pjj-du, Pernambuco. I anno, tMa-Via>
la denli>;o.
Lui.a branca, 1 ernambuco, tt dias, Kaeit* .
eczema.
Francisca Joo, branco, Portugal, 27 aaaao, a*4-
teiro, Boa-Visla ; f. bre amar ella.
Aleixo, pard v Pernambuco, 21 dias, Saate Aa -
Ionio ; ttano.
Luiz de Franca pardo, l'ernambui-o, SS
solteiro, Boa-Vista ; gangrena.
Boca, escrava, prela, frica, 9a aaaatjri
Sanio Anlonio ; velhiee.
Clementraa Felismina da Silva Late,
l'ernambaco, 29 anuos, casada, Ii-V tte
peritonilo.
Manoel, pardo, IVrnarabuc, i dias, Boa-VrMa
convulsdes.
Aug'isto, pret. Pernambuco, maaas, naa
marani).
c HRoxif a 11 mrn{|.
TSIIIU Vil/ 1>1 RKI.4C1*
SESSO DE 20 DE MAM i>E 1171.
BKSmiNCIA DO KM. g*.
SAXTl'
As to horas da man^, presantes m
Srs. **l
y

N
B#


'
I' "*'

-
Diario de Pemambuco -= %rtiv fera 24 -t.
Dor
embarcadores Lourcnsa SantlafWj
enes Stlv^M|MH|da^o
Soim Lo^JW*'Sraujb Jorge,
dsieinbirgadcr AlmeWa Albujuerque
p*iiado o jary, fo aterta a sessao.
IL8MIENT0S.
> Recorso}, crimas.
Ileeurrente o juizo de direito do Macci, recor-
rida-Jos-Ji:ieio.dos*8antoi. Jaizes oiSradcs-
embargadores Reguaira dula,Louren.-o Santiago,
PM Recrreme o juizo de direito de Mipibd, recorr-
Ofciaajl'i"* /js-dfl Sant'Anna. luitas os frs. des-
embargad ores Hegueira Cota, Doria, Souza Loao
sLourenca Saatiago. -Improcedente.
liecorrsjljw) juizo de direito de Poned >, recr-
rale A atol \ Loureiea flezerra. iuiles os Srs.
desemJ^^&res.Siim Leao, Loronlo Santiago,
Ntti'Waeeo Jorge- e Regaefa Coita,Improce-
dente.
i Habeos corpas.
Melante Francisco llertoo de Medeiros.-r'Man-
in-seeiviroDr cliee d [K-licia para a sessao
do 2i do corren!.).
Appelhiroes crnasv
< Mana Pereira. Apellante o juizo, appell-
do Joao Alves BapiUU.=A novo.jury.
. DeSaboi-iri^-^piHaiie Rajpauado Gomes de
Souza, appdfa esu* original.
- De Nazareth.Apoullante Antonio Jos Ped-osa,
sapallada a justca."*iillo o processo.
saleCatnar. -AopellaiitesJAntonio Francisco de
ijvrae outros, appellada a justr^a.Perempta a
Paula
.lo
\
t D;* Fortaleza. -Ajipell.uite Cirnante de
Sa*| appellada a justiga. -Improcedon'e.
D^^tbociro Ampollante Vicente Adriao
msointento, appebada a justica.-A nov jury.
Do Bojuto. Appellante Francisco Correia de
Abo, a-apellado Pedro atoar de Lima.-Nnllo o
julganeulp.
m Granja. -Appellante Manoel Nunes de An-
rji;Te, appetl;vda ajustica. -A novo jury.
A|>ullanlo o juizo, appellado Manoel Pedro de
Souza. A novo jury.
Appellacoes eiveis.
ito juizo mtyii ip.tl de Baturit. Appellants
Francisco ios Pinto Camurca, appellado Manoel
Antonio da Rnclia Jnior. Reformaran a sen-
tene*.
De oyanna.Appellante Manoel Paulino da
Caoba louveia, appellado Joao Carneiro de Mes-
quita Cmara. -Desprezaram os embargos.
Do Reeife. Appellante D. Thereza Carneiro
Lia* da Miranda, apellado- Dr. Joaquim Antonio
Carneiro da Cunlia Mjrauda. -Conllrmaram asen-
ten^, y
Appellante bacharel miz Rodrigues Villares, ap-
peUadcs Francisco Machado da Cunha Pedrosa e
outros. -Nao tomaran)conhecimento.
wmamwa
Do Sr. di-.sembargadorn)ora :
Do juin de direito do Bonito.Appellante o
joiio, appellado Joao Francisco.
Do Rocife.-Appelkinle Francisco Antonio Al
vs Mascarcnhas, app lado Joao Athanazio Bo-
Ulho.
De Mamanguape.Appellantes Alfredo & Bar-
bosa Jnior, appellado o curador geral.
. Do Sr. oseinbaj-gador Domingues Sijva ao Sr.
dpseoibargador Rcgueira Costa :
Do juizo municipal do Sobral.-Appellaute Do-
niingis Gimes la Frota, appellado Feppe Gantes
da Frota.
Do Sr. desembarcado;- Regueir Costa ao Sr.
deefltbargador Souza Leao:
Ai|icHacoes crimes.
App liante Candido Rodrigaes Bezerra, appel-
.' ida a instiga.
Do Sr. desembarjador Souza Leao ao ?r. des-
embargador Araujo Jorge :
Appela.ao criine.
Appellante Antonio Jos Correia, appellada a
justi.-a.
Do Sr. desembargado!: Xeiva ao Sr. dcspinhar-
gadjr Araujo Jorge :
Do Rui |uv -Appellante Luiz Jos da Silva Cris-
pan, a> i-Hila a justica.
Do St^feseinbargador Araujo Jorge ao Sr. des
embaraamr LoorencP Santiago :
Apellaclo civel.
Do 3! icife.Appellante Joao de Oliveira Pontos,
apellada Maria Adelina da Espirito Santo.
Diligencia eritoB.
i.om vista ao Sr. desembargador promotor da
ju-li'.-.a :
Appellanto Clemeolino Ferroira Liohares, ap-
pellada a justica.
Ao Dr. carador geral :
' | llaute o juizo, appellado Horacio, escravo,
ippoil.iiile Joaquim Ignacio dos Santos, appellada
i-se dia para julgamtnto di appella-
>;o civel:
Dj Reeife.Appellanto Francisco Luiz dos San-
ies, appcliados os herdetros do mesmo.
Disruuiing.V".
Aggravos de petfo
A.>Sr. desembargad ir Domingues Silva :
Vfipravante 1>. Amalia Sampaio da Silva.
.'. i Sr, I '-..'iu'.: irgador Regueir Costa :
Asup-ivante D. Uerea Carneiro Lins de Mi-
ran*.
Recursos crimes^
Ao Sr, desembargador Doria :
Recrreme o juizo de direito de Flores, recor*
rido Germino Francisco da Silva.
Ao Sr. desombargador Reguoira Costa :
Bcprrente o uizo de direito le Mamanguape,
recorrido Jos Pereira da Silva Lepullo.
A i Sr. 'l isembargador Souza Lelo :
Recurrente o juixo de direito da Kscada, recor-
ida Antonio Pereira da Silva.
Ai Sr d.ei)bargadjr Neiva :
Reeurreate o uizo do direito de Curoripo, rc-
irnt'> padre Malhias.Antonio de Mello.
Encerr t-se a sessao : l/ Uora depois do meio
dia.
fjDma letra feito an 1865, 'a/ink'ilo ser resolv la a
lao propia II, Rabello 4 CAdiado.
COM 0 fARRCBfl FISCXL.
Reqnerimento da Jos Antonio de Souza Basto,
.Manoel Joaquim Loureiro e Jos da'Srtva Aiieve-
do, registro do instrumento de prarofafio de u
sociedade. -Seja registrado ha forma do d*rete
n. 4,394.
Processo instaurado en-ofUcio contra o non
reter geral desta praca Henrique GuHr-rmo Stoff
ole. Voltem os aules cam vista ao Sr. dse,
bargador flseal para ofnViar nelles, ssgnndo deler-
mina o ai l. 18 do decreto n. 896, mandado obser-
var nesta praca pelo decreto n. 808.
dem dito contra o corretor geral PrancisSo
Jos Silveira.-Adiado.
dem com defeza do aecusade, o sobredito Hen-
rique Guilherme Stepple, para n,io Ihe serem im-
postas as penas do art 18 do decreto n. 91$ de flj
daiolhode 831.-Adiado.
Proc3sso de "rebabilitacao de Benvenuto Caval-
cauli Buarque de Albuqoerque, com a resposta
dada so'^re a pelico do Carneiro Zeidia dt CO
tribunal resolveu que se convidasse SU aopplente
para o jnlgamento deste nrcesso, vistoeomo nelle
impedido o Sr. deputado Candido ACofoiado.
RESOLl'CAO.
O tribunal resolveu que se exigisse da junta do
corretores iuformacao- acerca fios mUw Pelos
quaes tem dflixado de cumprir a ordera do^ tribu;
nal relativa a remessa mensal das traosaccoes fe-
tas por cada corretor.
Nada mais havendo a despachar, o Esu. Sr.
conselheiro presdeme cncerrou a sessito ao meio
dia.
SESSAO JDIGIARIA EM 19 DE MAIO
DE 1873.
rnE.smB.NciA do exm. su. conselheiro akseuio
KBlNCUUO pbretti.
Secretario interino, o oficial Torres.
Ao meio dia e 23 minutos, presentes os Srs. des-
erabariadores Silva Guimares, Reis e Silva e Ae-
cioli, e os Srs. depulados OlitKo Basus, Candido
Alcoforado, Lopes Macaado, e o Sr. supplente S
Leito, o Exm. Sr. conselheiro presidente abri
a sessao.
Lida, foi approvada a acta da sessao de 13.
Preseutes os livros dos registros dos protestos
de letras. veriGcou-so que o do eserivo Albu-
nuerque tinha o ultimo protesto o 2,779 em 16
do corrente, e o do escrivu Alves do Brito o u.
2,696 em 13 do mesmo mez.
ACCOHDOB.
Foram assignados os que so proferirn) em
sessao de 13 nos autos entre partes :
Appellantes embargantes Raba Schmmettau &
C., appellado en) argado Joao Pereira Moutinho ;
embargantes Joao de Azevedo Ramos e sua mu-
Iher, embargado Antonio GpnQalves Ferreira
Cas cao.
JULGAJIKNTOS.
Appellantes Tass> Irmaos & C, appellado o Dr.
Joao llarbalho Uchoa Cavalcanf, curador do au-
sente Joaquim da Costa Amorim. Mandou-se
descer os autos para se proceder urna dili-
gencia.
Appellantes Tasso Irmaos, appellado Joao Ciiris-
liani. Desprendas os embargos.
ADIAMENTOS.
Appellante Bernardino Jos da Silva, apellados
os curadares Bseaea da massa fallida de Manoel
Jos Lopes & Irmao ; appellante Domingos Pinto
de Frenas, appellado Antonio Ferreira Braga ;, ap-
pellantes Tasso Irmaos, appellados Augusto Mar-
ques Ribeiro da Cunha 4 CForam adiados a
pedido dos Srs. deputados.
Continan) adiados em poder do Sr. deputado
Lopes Machado os seguintes feitos :
appellanles appellados viuva herdeiros -de
Manoel Gangalve's da Silva ; appellantes Sa Amo-
rim & C.rappellado alusliano Severiano Mauricio
de Hollan-la ; appellante Bonifa'-io Adeodato Fon-
tanelle, appellado Singlehurst Neplien k C.
E sobre a mesa os autos de appellacao entre
partes :
Apsellanta a baroueza de Jangua, appellada D
Almirina Fren de Mendnnra,
Encerrou-sc a sessao uinahora da tarde.
^BCACOES A PEOiOB.
Vi'"''.j-i-!l I i'i>ii:ii*.*roio. .
ACTA DA SESSAO ADMINISTRATIVA Dl t9 DE
MAIO DE 1S73.
II6JUESCIA DO K-vM. Sil. CONSELUEmO VN-l'.M'i
rRAKCJSCO l'ERETTI.
A*s 10 horas da nunlia, presentes os Srs. de-
putados, secretario Olinto Bastos, Gandido Alcofo-
rado, Lopes Machado c o Sr. supplente S Lcitao,
o Exm. Sr. c msellieiro presidente abri a sessao.
Foi lida e approvada a acta da sessao pre-
cedente.
expediente.
t:i sobrescripta do presidente da juntados
conretoraf, cobrindo o baletini das colacoes ot-
ciaes ila semana de 12 a 17 do currante.-^) tribu-
nal resolveu que deve continuar como at o prc-
; >nc os seu.s boletins acompanhados de offlcio.
Quicio do corretor Francisco de Miranda Leal
Seve, commuicando ao tribunal nada mais ter a
allegar em sua dc-feza no summario ex-offlcio
ronira cito, alm do que j expendeit em outro
oflcio.-O tribunal resolveu que se juntasse ao
Mimarlo respectivo, ao qual lambem se anne-
xar a informacao da junta de 10 do corrente re
litrva. ao supplicMito.
(> forro da correspoudaneia oiTIcial regularmente
i,turado at o n. 73.
Foi distribuido um ivro copiad->r do New I.on-
doa and Brasilian Bank Limited para^aerrnbn-
ctjda.
DESPACHOS.
Reqtterimentos :
De Adriano Augusto de Almenla Jordio e Joao
de Castro Guimaraes, pediudo que se Ibes man-
de r-'.?i>H^ o documento que juntain, pelo qual
(U cc.ihecimenlo a este tribunal de terem accoi--
iado e re-iolVid) a dissolnclo da sociedade que ti-
,ikim safe a firma de Adriano, Castra 4 CVista
ao Sr. desembargador lisral.
De lonqnin da Silva Costa, commerciante ma-
triculado, pcdin lo moratoria por um, dous o tres
.-limas para pagar-integral mente ai sens credores,
visto para isso ter fundos suffteicntes, como se ve
doTalsnco que junta -Auto-da por Joan Elysio
de gueiredo Cruz, que designado para eserivo
dea processo, o tribnnil noma os credores An
lantf Joaquim de Vasconcelos e Jos Victorino
de R- vn -^ G, afim do verificarem a exactidao
^^Klanc i apresentado vista dos papis e lrvros
do imptrame nos termos do arL 899 do cdigo
coBrraerciai, e manda que se espera a ordem de
que trata o referido artigo ao Dr. juiz de direito
'upecial do commercio, para proceder as diligen-
'iaj de que faz ni mQio o artigo a que se allud.
VaNew London and Brasilian Bank, solicitando
i entrega do original da procuraco quejuntou
paca o registro de soas estatutos, urna vez- que
'xj.ste atralticeao.Entrtgue-se o original pedi-
1 i, Gcanda a copia pedida escripia pelo amanuen-
se Bt-'-rprete do iribuaai.
i.NFoa\i.v;o:s oa sst.retauia
Em addH-imetito mitra informa-io dada sobre
a pretenco do ragtetro dos estaltoB da rompa-
' obia de seguros Utilidade Publica.Volte com
vista ao Sr. desembargador fiscal.
, Jf resentando os papis relativos ao protesto de
Lemos com indigna^o um pasquim quefoi dis-
tribuido c dirigido a guarda nacional, om que se
assognrava ter S. Exc. o Sr. presidente da provin-
cia mandado desarmar a mesma guarda !
Asseguramos, sem receio de ser contestado, que
S. Exc. nao expedio scmelhante ordem, e eremos
que nao expedir ; por quanto S. Exc. nunca pea-
sou em tal. o tem confianca que a guarda nacio-
nal nao faltar sua insiiluico o ao seu jura-
mento.
So pretensSo etpectut com a guarda nacio-
nal para qualquer lm,poiemo sei tempo ; por-
que ella est bem convencida do que sao esses
que sempre querem pescar em aguae turras.
Ns menos miseravel a intriga torpe e infame
d3 dizer-se qu nlguus cominaiidantes de eorpos
se oll'creceram para aquartellar com os seus bata-
llioes; e que, para isso melhoi correr, dirigirn)
insultas, como os que se pozaran) em ortica no
Klia 18 do corrente, quando pela ra da Aurora
passava um aos mesmos commandantes. que leve
o b.am senso de responJer com o mais soberano
de.prso.
wque-sc por tanto sabendo, e para que possam
explorar outra mina, que S. Exc. o Sr. presidente
da provincia, estamos cortos, nao incemmodar a
guarda nacional snjeitando-a aquartellamentos,
e limito menos em desarma-la : porque S. Ese.
nao tem motivo: parasuppor fer ella desmerecido
de sua eonBanca.
Sirva-se quem qnizer da, poltica, para o que
Ihe parecer, mas d -ixem a pobre guarda nacional,
que est farta das palri toes da poca, que s se
lembram della para espccula^oes iguaos as de que
so tem lanzado mo, ou para quando poderem re-
petir, designa-la ou recrutala, para algnm ser-
vido de guerra, e assim poderem os. tae3 patrio-
toes, obter ttulos, condecoracoes e mai? iguma
cansa, coma ja foi visto nesta provincia.
Reeife, 19 de maio de 1873.
guita sequw de satgnej darraiuado, apeos o
oradores licaram levemente contusos.
Nestaa ch-eninelaneias, ctmprioau lb a*>
ridade o seu dever1
Era Iieilo, raconvenrenteao scwgO eirnqn*
lidade publica a contumacia de reumoes, que j
(inham degenerado em irtoftidJo de assaltantes e
perpetradores de actns de vawlaliumo o anaroj?
Nao Nenhui.) carcter redectido, e dedicado
ao bon asta sodac a orlom ptbtka, estfanb'
r o priicediraento da autoridade.
B, eeHo, ningein pensara qne hornns quali-
ficados, e que' traballiam tenazmente iva conquista
do poder1, e que ainda esjieram ser (averno,-
anjusassem approvauo ao acto a que alludyr**f<0
deixassem de estigmatizar o vandalismo e fins il-
legitim is que sgnll\ivam taes reunldes,
Pois uera! p directorio do partidp liberal de
Pernambuco ergue-se, para em Urh Tiolenf ma-
nisfesto, argojr.a autoriu>de, afoiar v *au legili-,
mo proceder, inventar actos que nio so deram, e
assumir a respoasabiliuadu das reunites de 14 o
16 do corrente, fazendo-se assim solidario com as
scente do horror que forom rbpreseatadaB no coi-
legiu dos pajres jesutas e palacio episcopal !
O partido fiberal de Pernainbuco identiftVa-se*
com o vandalismo e cqm-o ince#itlio.de urna typo-
graphia !
Nao se acreditara que elle abrigado a |aiwj-
ra da liberdade, se proclamasse boje liberal da de
vasta-ao e do assalta a cosa alra Hboral-o
ardite incendia3or de typographias !
Eram assim os liberaes' da comman de Parts-...
Pols bem I O manifest do directorio do pa/\
tldo liberal de Prnambueo, distribuido em da-
ta de 18-, tonaagrou os *ogiqte prmcipi* ;
1* o povo tem o direito de por 1 emprear as
medi las inie Ihe parecam jUss e>convenientes.
toda a vez que 6 goverao na^o. d,acida de W"0"!".10
as representacoes populares qde lle forenf lurte-
recadai.
i* o*povo tent direiro de reurifr-w,sfnrt previa
liccnca, para resolver e ezecular os seus intentos.
F. para que nao fi-pie em duviila a p^enitude de
taes direltos, promette o arrojado* dfretorio con-
tar por (artos as suas tlieorias |j <
i) nomc dellas descobre suas quinze Irxcat dt
fogn j de ha muito assestadas eontra o governo ?
Pois bem 1 Circule pelo paiz iuteiro o manifes-
t, ou o sylabo politice, mu qnno directorio libe-'
ral di Peinaiubuco, fima. oa. seas principios f
fins como org le um pwdjp, glorilicado pelo
punhal e pelo ccete, e itlmninnVi pelo ardite'
A opniao publica o julgar. .
Ciiinpriremos nos o dever de pi'ir a verdale em
sua evidencia, e fallaremos aos nossos amigos po-
lticos seria e lealmante.
O manifest mente quanto aos factos.e quanto
aos principios saos de um partido da opinio.
Nio precisava que Q directorio liberal viest
agora assumr a responsabilidade das .deplorav seenas do dia 14.
O curso dos acontecimentos j Ufe dayaui msa
responsabilidade que s agora ostensivamente a
acceitam.
O pronunciamento da imprensa liberal na ques-
tao religiosa, a ultima carta aos jesutas, publi-
cada no Jornal do Reeife, a linguapem concitadora
desle, os discursos de fugo, proferi-los no Gymna-
sio, dirigido a um funecionario publico, c das ja-
nollas de um cstabelecimento de educacao atteta-
vam de sobeio a combinao de um plano que
deu em resudado os alternados sem nome, cdin-
mellidos nesta cidade, naquelle infausto dia.
L'm momento, porem, de recojo e horror, lizeram
os notareis do partido liberal, submetterem-se
nobresa ila palavra de um, dentre ellas, que mes
impoz a deelaraco feta no Joriul do f'cife
de lo.
Mas nao os embaracou de conlribuirem para a
reuniao de 16, (cando espreita, e expondo mo-
gos inexperientes. que nao se apercebiam de que
obravam, em tudo, como instrumento de urna ten-
tativa espicoladora.
Foi niu o successo. Desconcertados e irritados
exhibram-se menos prudentemente, aceitando o
estigma publico pelos horrorosos acontecimentos do
dia 14.
Como andaram errados!
E o errados, qu membros dos mais importan-
te- do directorio, combateram nobre e lealmente o
manileo, e o dexaram de assignar.
A iiivciso dos fados de parren*, com o insulto
esta no manifest sol a assignatura de possoas
qualifcadas!
O delirio detse parto foi tao longe, que at '. le
se diz que e povo foi maulado retirar da jaflim
pir lico, quando o Sr. Buarque de Mace-do d.'!a-
rra em palacio que o Sr. Dr Jos Mariano Ihe
referir ter o povo d'ali sabido voluntariamente,
e para o lm de ouvir o seu discurso I
Os proprios liberaes do testenunhas da IneSnc-
tidui do manifest !
Nio atterram, entretanto nem assustam a auto-
. fem cansa al tima sd ni ? principios
WlmW do partido conservador com. a questo
fHfgtosa, que infelizmente se agita nesta provin-
na A religii pertence a consdencia de cada
individuo e nio a responsabilidade collcctiva do
nm partido. # t .
A questo polilla Ib jartjio {oftervador con-
siste na pureza f vardUeAos sis principios.
Neste terreno jjjie cpi|mjr5o|locem-se os con-
servadores. Nao se deixem ludir nem impras-
slonarcom os manejos e traas da especulagao
nolitica deiieVadnres das asuas rurvas
Abrace-se cada conseryad.jr com as nobres e
venerandas insiguias d sua banfleirA poltica ; e
consrvese fiel s leiraa. tf
Convm naojiormir na acampamento, para nao
ser surprehendido pelo pelo ininiigo.
A' postos !
19 de maio
Herradores.
*tefr
Baueo Commercial de Per-
nambuco.
O banco sacca por todos os paquetes so-
bre as pr.ic.as de Lisboa e Porto.
pdo conr'gtrTr, pru-Mftflfcral: renaBacrcmos-
como-Peitoraldo Aniahuia de etnp'cojo
excollente xarope preparado e composto com o
maravilhoso e baMknico sueco d'uma arvore do
Mxico, conhecida desde ha muitos scalos pelos
aborignes, como remedio excelso para as enfer-
midades pulmonares. Esta magnifica preparacao
curar a tosse dentro, em poucos das, e s vezes
em poucas horas ; alliviar a astbma, curar a Ir-
ritada, membrana da trachea e impedir finalmen-
te o desenvolvimento da phlysica. Ao contrario
de todos ess.es peitoraes e xarnpes de fructas e on-
tras substancias acres e d'uma rtatureza duvidosa,
ella nao encerra em si nenhum acido prus'ico, c
como igualmente nao contm ncnhnma mistura
de antimonio, ingrediente este, que abundantemen-
te se encontra as preparacnes daquelles por
consagunte o seu gost" nio produz nauseas e
suave e agradavel de tomar-se.
ridade as ameacas do manifest.
A forca moral dos actos de justica e energa da
Ai partido coiaiei*vn(lar.
Anda estava no animo da poutaeSo desta ci-
dade bem viva e profunda a triste e dolorosa im
presso do horroroso attcnlr.do de 14 do corrente,
quaado urna nova reuniao, por meio de cartazes
convocad), realison-M na larde de 16, em frente
ao palacio da presidencia.
A autoridade que baria consentido em duas
reunios, para o lim de serem encaminhadas re-
presentacoes ao governo imperial acerca da ques-
to religiosa que se agita nesta cidade, c tambem
na do dia li, que diziam nao ter outro fim seno
prestar ao regador do gymnaso um testcmunho
de condolf ncia pela sospeosao de ordens e exerci-
ci do beneficio ecclesiastico : nio poda, nem
devia mais convr na continuacao de taes reu-
nios, desde que aquella degenerou em um inotim
Beivagean e prejudicial a ordem publiea e ao brio
e dignidade do povo pernambuenno.
Nc poda, nem devia a autoiidade consonlir
em reunies promovidas por aquelles qne. de plauo
rombinado, pozeram cm aeeao o assalto e o in-
cendio da^proiwicdarJc, a injuria, o espaneamento
e o deiTanir.mento do sangue de padres inermes,
c at a nrcfaiacao de objectos sagradog.
Assri, poi, romecando o povo a reunirse no
pateo de palacio no dia 16, nao embaracou a au-
toridad > a sua ag.jiomeracAo, antes que o fim do
ajuntamento fosse conheeido.
Apenas, porra, aonareceram os aradores de pa-
lanque, e o povo se CTncpntrou em frente para ou-
vi-los, cumpra certamenta^atoutoridade mostrar-
se vigilante e activa. ** ''
Por esta razo- o digno chefe de polica e seu
delegado, sem applrato de forrea, metteram-se en-
tre o povo, quando j o Dr. Jos Mariano Carneiro
da Cunha orava s masas, tendo por assumpto os
jesutas.
Enpregados por aquellas autoridades os meios
suasorios para dispersar o povo, foram desattendi
das e pateadas.
A' vista disto leve ordem o general comman-
dante das armas para intimar tres vezes a disper-
sad da reuniao.
Aproxima-se ao ajuntamento, tirando a forca a
distancia, e recebidocom vivas. Asradece-o?, c
fas a nrimeira intimacao, nao attendido; faz
segnnda, responden! Ihe comdesrespeitos.
Manda tocar a aproximaco da torca e faz a
ultima ntiniaco, gritanfoca a forQa,e insultara
o general !
Teve lugar a ordem de dispersan, e esta cum-
prio-se.
O bra'c general cu'Ppfi o sdu dever. Honra
Ihe seja feita.
Entretanto, contmuando os oradores no sen
posto, ainia excitam o povo lnta, o o digna ge-
neral tem nesossidade de ordenar que sejaui "lies
retirados do palanqne 1
A resistencia deu bagar ao empreg-a de meios
que os obrig'assem ao silencio.
Eis tudo, M: 'lo nao resultou urna
administracao, os meios de que dispfie, o apoio que
Ihe presta a maiora da provincia ; tftdo assegura
que o directorio liberal nao tentar viogem cm
mares agitados.
Passad'o o momento do ontbnsiasmo arroiad,
vira a rellexao; e os impulsos da prudencia os
desviar.) do tentar contra a paz e tranqnilidade
publica.
Quanto aos conservadores, que tanto so teem
deslingnido pela dedicacao aos bons principios;
sabor rnostiar-se cerrados e unidos ante o cartel
de desafie, quo Ibes atinan os adversarios.
11 partido conservador nao reconhece nem re-
conbecer nunca o direito do motim e do assalto
popular ; mas acecha e proclama :
1." que o. direito de reuniao pode o d> ve ser
exercido em temos normaos, quando tenham um
fim justo e ietral. e sem carcter hostil vida, e
a pr-.priedado do cidadao.
I.* que esse direito deve ser mantido cmquanto
a> reunies tiverem carcter pacifico.
3J. quo nunca pos bices ao exercicio desse di-
reito, e at o tem doixado sor amplamen'e uzado.
4." pie a reuniao do povo, para resolver e
secutar actos, enja soiuco est subn.enida aas
poderes doE.stado, ou exigir destes medidas extra-
legaes nao um corolla*) d'aquelle direito.
o." que o iroprego da forca para despersar
rcu nioes Ilcitas, destinadas a exercer actos lle-
gaos e tumultuarios, de dever impresceniivel
ila autoridade.
6." que a responsabilidade dessa medida de
torca, e do mais que se seguir, alias nnpossivcl,
do prever e graduar; recabe inteira .sobre
aquelles que promjjvetn e concitam reunioes, por
meio da excitaejki dos nimos, e das predicas
subversivas dos Imns principios fei'as pela im-
prensa q peles discursos.
Nada quer dizer que o directorio liberal se
mostr irritado oontra a antorkkde. E' smento
de deplorar que o seu manifest base publicad o
em neme do seu partido.
A provincia ainda recarda os actos de prepo-
tencia e oppresso ofcial praticadns durante o
dominio em que governaram o !?r. Baro de Villa
Bella e o seus amigos.
A dispersao das reuniSes, as presoes violen-
las e outros factos q_ue occorreram, durante esse
ominoso dominio ; nao estao esquecidos.
Anda est na lembran^a da populaeao desta
cidade o fcto de haver o povo em massa pren-
dido ao meio dia, as nas desta .cidade, um
individuo no acto de peppetror actos delictuosos,
e ser elle aceitado na secretaria da polica at
9 horas da noute. donde sanio ara a casa da
sua residencia.
E como o povo desde o momento da pris se
tivesse accumulado na porta c rua da casa da po-
hcia, cm numero supero a 4 mil possoas; s he-
ras'eni que o dclinqui-nte deveria seguir impune
para sua re-idencia ; e antes das inlimaces le-
gaes, cahio a c.avallaria e a infartara de impro-
vise sobre o povo, pralicando violencias e barba-
ridades inauditas!
Ora, os autores de tao negro altentado, podem
ser acreditados, quando tomados de fingido horror
por um acto legal, legitimo e. necessario; derra-
mara por toda parte um manifest ousado e amea-
jador!
Como mudam-se os tempos !...
O que evidente que m f,e o catele po-
ltico o movel dos actos que pralksam.
Enfraquecido o partida liberal nesii proviocia,
nao s |ielo descrdito em que ficou pe o governo.
dos c/iico annsi, como jieta- juslie, tolerancia e
moderago da situago domiaante ; sur|io-!Ue a^rectorio
questo religiosa como laboa de salva-ao e rehabir
htiica paHtica.
Tomaram-na os seas chefes .p|it4 e por meios
incidiosos animaram os liberaes 4 fomentaram a
grande dircordia'qni circula n* leib da popula-
cio catholira desta provincia.
E nao satisfeilos ainda rom os motios que pre-
moveram, com os attentadas e liorrorea que pra-
caram os seua piquetes de explerace ; vea
aflnal n directorio do fronte erguida, aseeapadore:
arrojado apresenlar-se ante a opiui.o publica !
E sil boraens.qne fe presumen! sensatos, a qua
se arrogara a dreec.ao de um partido, os que as-
sim procedem I
Que vio seu cminho...
<-ii tardas nacluuiieat !! !
Cuidadii*K^
Nao vo^ -loi^cis levar pelas canlIVnas daquel-
les, que com o Dome de liberdade, appellando para
Sr-vosTi f*t jf an ft siljlV'
NoVpretl*) ofeer-vw, os rcfos natMstam.
Cooservai-vos placidos, e nao redis que o
'goverao vn athja, nem desrespeite vossa familia.
Fallei-vos em factos, citar-i um.
Ni* vbnes em lflH ns v** irmo serem
espalderados na questo dos estallantes ?
E por qnem ?
Plo gttverno actual ?
Mi .-.-Polo- aoverao daquelles qne boje ap-
peWas* puravossos bcios, bitas par Ues mesnsoa
mais d* una me nllnjadok,
Nao estis vendo como etlus procedem, couvi-
)dando-Vos houtem, e protestando hoje T
Tomai cuidado pnrnambucanos I O appello
para vossos brios, "par* vossa uonra, para vossos
direitos, nao mais do quam ardil daquelles
qw quereiu 5iib';r vos*a cusU, para depois re
colhidos a* bastidores rirem-se da vossa des-
grana, e eio vosso arrepandim-nto ser tarde
E quando quiseredes por vossa vez protestar con-
tra sem.-Ibante procedmflnto, el es vos mandarao
tambem espalder**yy tit.> .
Tomai este ciaseUu !
E' deum lbaral, velho-pernarabiican), guarda
nacin il a quem a experiencia tem r-nsiuado a
conheleoo^ lagos dbs aao brigam para subir,
fazundv f a ^oSro* iict.
  • .'lK1? .ti ,. tf
    O t -vtriiti'-cjtrsurl l*i>cio ti' %i|iii-
    ni) Foncecii. n publico.
    Copstanlo-rae.que se tem dito para inlri-
    gar-me, que asseguroia a /y acm ter recebiilo
    or.lein de S. Exc. Sr. presidente da pro-
    vincia, para desarmir as pracas to batalho
    do iiieu cotumluilo, venli declarar que
    inl'-iramenlo falsa tal noticia, por quanto
    nao fallei a respailo con pessoa alguma, e
    nem poda fallar, porque S. Exc nenbuma
    ordem deu para 3er desarmada a guarda na-
    cional, e muito menos eu que tenho na maior
    conliauca os meus subordinados.
    E' igualmente falca a noticia jju" outros
    temjeito correr, de que oft'i.-reci s> batalho
    de ineu cornman lo para aquartellar; pois
    meu costuise nrostar-meaoservu.-opara que
    sou nomeado, e nunca offerecer-me; alm de
    que, nao me consta ter S. Ex5. o Sr. presi-
    dente da provincia necessidade de aquartel-
    lar a guarda nacional.
    Reeife, 20 de mai i de 1873.
    lkcio d't/uiio Fonceca.
    A SOCIEDAD,! AM m U--.NSK1CBNCIA D IS TALHADoa*
    DE C\BKtS.VERH9 F. ^ MATItlIX'LA DOS TALIIA-
    D0M8.
    Ao i>iiJ>li-o.
    Nio debalde que se procura as columnas de
    um jornal acreditado para elucidarse quest^es
    importantes, porque 6 pela imprensa, nico orgio
    da opiniao publica, que so deve mostrar o direito
    e a razo que assist a as combatentes de una
    idea ; por i-so vamos boje trazar ao conhecimen-
    to do publico o desenlace das duvidas que se sus
    citam per oeeasio de ter a cmara municipal
    deita cidade de c.-ear una matricula para os ci-
    dados que so queiram dedicar jirtc de talhar
    carnes verdes e sobre a razio de nao ser nella in-
    cluidos os escravo*.
    A sociedade Amor a beneficencia dos tallado-
    res em una petico que enderecou cmara
    municipal, a qual foi presente na sessao de 19 do
    corrente, mostrou-e demonstro!) luz da eviden-
    cia que'os cscravos nao podem ser admit-
    dos nos empregos e aTies necessarios nos estabe-
    leeimen'.iis imblicos, existindo ingenuos ou liber-
    l ,< decreto de 1831 e reg das alfandegas de
    de 1860; demonstrou ainda que os cs'abeleci-
    mentas a cargo das municipalidades sao e |uipa-
    rados aos estabelecimentos pblicos ; entretanto
    a cmara municipal, co tra o voto do Ilustre c
    desinterossado vereador c Sr. commendador Jos
    Pedro das Neves que quera que desde j fossem
    excluidos esses e -ciav s, e a reqnerimento do
    Sr vereador Loyo Jnior maniou que os esciuros
    fv3;e>n excluidos da matricula smente dupois de
    fiadas as nrrematares dos tainos, reeomwendo
    por conseguinte o direito de propriedado allegado
    p r aquelles marchantes pelo simples laclo
    de terem elles arrematado os talhos (crtencentes
    a cmara municipal, t
    Que a razo fundamenta! daquella deciso
    extravagante o contraria aos principios de direito
    mostrar a peticao indi recada por esta sociedade
    a qual nao tendo sido lida na sessao da cmara,
    nao poude ser apreciada sua argumentado jur-
    dica e racional; se o fosse certau.ente outra se-
    ria a deciso dada, porque a cmara teria visto
    3ue sua deliberaeao lomada contraria lei e ao
    reitn, e, como nao eremos que a cmara seja
    infalvel, acreditamos tambem u,uo ella hoje re-
    consideranfo seu acto o leudo aquella peticao,Ja-
    que se achara expend las e mais anda, porque
    tanto corto que o (al direito de propriedade al-
    legado exdruxulo, como certo e anda mais
    vem provar o facto ltimamente acontecido de
    tr sido frita p?la cmara municipal ama despe-
    za com a lavagem c pintura dos acougues, *cndo
    Jueq'uem disso se encarregon foram os seuhores
    esses escravoSj que hoje querem sejam Inlaidos
    ni matricula, [el i fac.'o de" seren arrematantes
    daquelles talhos r por i'so I'es competir o direito
    de pr'priedade deles, ao pase* que se esse direi-
    to fosse urna verdade c I t: asist'sse, parece to-
    ra de duvida que s a files c nao cmara, com-
    peta o fazer aquella despeza.
    Assim, oos, esperamos c consejes aguardamos,
    o resultado, cortos de qoc a sociedade recorrer
    da injnsMp* i]ue Ihe acaba de ser feito se a cma-
    ra niio qnizer tomar em consideracao ?s razoes
    que naquella peticao se acham exarada a mais
    as qneaoiii-junlaoios.
    Reeife, maio He I73 V
    C8MMERCI0.
    PltACA DO
    MAIO
    RECIPE 20 DE
    DE 187.2.
    AS 3 i/X HORAS DA TARDR.
    CotaeSes oltlciae.
    Algodaode Maeei R. 8X7*X) por 15 kilos posto
    a bordo a frele de 7|8 e 5 0)0 hontem.
    Cambio sobre Londres a 90 d|v. 3(8 d. por
    U0"0, hontem c hoje.
    Dito -sobre dito a 8 dp/. 2o lj por li, hontem.
    Leal Seve"
    Pelo presidente.
    A. P. de Lemos
    Pelo secretario.
    ftendimento
    dem do di
    ALFANPEGA
    d., dia I a 19. .
    20 ... .
    Sil : 31V 5819
    20.69GA1I!
    643:090*933
    CAPATAZ1A DAALPAMMMV
    Rendimento do dia 1 |9 9
    dem do dia 20......
    MWI*
    JDLUMBR AHIDOS
    Nodiala 19......
    Pruncira porta no dia .
    Segunda porta.....
    rerecira |wrt*
    Trapiche Couceicao .
    SERVIR MAimno
    Alvar engas descarreiadaa trapica*
    da albodeca ao dia I 19.
    Oitas ditas no dia SO.
    Navios atracados no trap. da alfaadaga
    .\lvarengas........
    No trapiche Conceicao.....
    30.HI
    Jt,7lt
    Vi
    f
    Ti
    RECE.EDORIA DE RENDAS INTERNAS OB-
    RAES DE PKHXAUDUri)
    Rendimento do dia i a I. 36.749**11
    dem do da 20...... WUT
    37:139*911
    CONSULADO PUTINCIAL
    rtendimento do dia 1 a 19. I'l II7J07*
    dem do dia 90...... S >!S.i*
    llli.i'.*lll
    KEC1KK DRAINAr.E.
    Rendimento do dia i a 19. .
    dem do dia 20......
    9:*57*M
    A o partido liberal.
    O directorio do partido liberal deve lembrar ao
    povo, por quem morre hoje de amores, (nao
    or causa de politiea)- quo o esoeldeiraniento da
    rua do Imperador, feito no mesmo. pevo por oc-
    rasiaw fl quesflh dos ostudantes em 1868, foi or-
    denado pelo govorau liberal doj Dr. Abiliio, sem
    preceder a apresentaso da baodeira verde, var-
    rendo-se a popoIacSA espada pela cavallari* na-
    quella rua e adiacentcs.
    E' bom recordar esse feito glorioso em que o
    sangue do innocente tambem proclaraou o brio
    do povo ptrnambucano.
    E' bom lembrar f|ue os offendidos daquella
    poca podiam ao-governa libewl a garanta de
    seus direitos, pela panraBien|o brutal de um
    cidado tambem:'Dcb*rel a collega, em urna das
    portas desta cidade.-esjianctmento feito ainda por
    um liberal 1 I
    , Recordem tudo isto, que agora vem muito, a
    idroposito^
    E vfeicmi! poo*^ atlen^ oiwfln o di-
    dorio do partido liberar as horas amargos
    vira sem duvida com um outro protesto declaran-
    do na haver ntemndo nos acontecimentos, como
    acalxxi de suc eler.
    Cui taflo povo p'rnnibucano !
    Un verdadeUQ [Hffaf-
    PPB*ittir-se>aos-ha x#)ol*'"
    Aulavra sobre as enfermltlades los
    |BlntcVs- a savgaflrtfc. Quando os
    ptihudes so chegam a enfermar, pode-s) dizer que
    O diente se aeha s bordas d*ria enfermldade
    icuravej.a o primejro pattodadoem taopcrigsa
    jtuafao a tosse. Torna-se, pois, da maior impor-
    tancia o atalhar-sa a mosma inuaediaumeata. Se
    por acaso perguutardes de que maneira isso se
    Descarreg;im liojo 21 de maio de 1873
    Vapor france* VXU de Uania (esperado) merca-
    deras para alfandega.
    Patacho ingtez-tfmtu -coke para o trapiche Con-
    ceicao, para despachar.
    Barca brasilea Rpida -farello e alala para o
    trapiche Conceicao, para despachar.
    Paihahole americano Harrete Rein te varios
    gneros para o trapiche Conceicao. para
    despacbar.-
    Brigue austraco-*i4 (ofinofarinba j despachada
    para o caes do Ano lo.
    Lugar ingles Repinto farnha j despachada
    para o caes do Apollo,
    Brigue dinamarquez -Manfarinha j despacha-
    da para o caes do Apollo.
    Patacho americanoLionard Mejus farinha ja
    despachada para o 5o punta.
    lmporlacilo.
    Now-York, hiate americano Harrietl
    Brwnter, consignado a Tasso lrmo A: I'..,
    munifestou :
    Agua florida 100 caixas a M. Haltiday.
    Acido 6 caixas a Henry l.midenhclf. Aduc-
    as 100 rodos a Man el .Maiguer.
    Bren 100 barricas aos consignatarios. P>a-
    nha lOObarris a J. S. Costa, 100 a J. J.
    Lebre, 100 a A. F. Cbrga. 100 a Magalliaes
    A; Irmao, 100 I M. llaldav, .'iO a (lonral-
    vesBeltriod Filho, 100 a' P. daCuub*
    lrmo, 100 aos consignatarios. Iiiscoutos
    50 caixas aos consignatarios, 100 a i', da
    Cunha & Irmao, 100 ordem. Barricas
    abatidas 1,091 volamos ordem.
    Candk-iros e suas perteneas 5 caixas a S.
    S iV. ('.., 5 flS I.. A Coimbra. Cadoiras 1
    volume a S S A C, i a >Vilson Rowe C
    Estopa de calafetar 60 fardos a Goo^lres
    Beltro Filho. Esleirs 11 rolos S I..
    & Coimbra.
    Fariaba de trigo 650 barricas aos consig-
    natarios, -200 a J. Q. Agular.
    Kerosene 700 caixas a Braz J. de Cam-
    ino, 500 a J. J. Lebre, 900 ordem, 200 a
    Goncalves Beltrao Filho, 500 a P. da Cu-
    nbad lrmo, 400 a M. S. Faria, *O0 aos
    consignatarios.
    MazaineoO caixas a P.a Cunha & Irniu.
    Machinismo i volumesaos coiisiguatnrios.
    Medicamentos 1 caixa a Silva Faria.
    Oleo 1 caixa a Siha Faria. Obji?ctos de
    imprensa -2 ;aixas a Beltrao vx Filho.
    l'rogos 30 barris orden.
    Rodas c suas pertencas v lumes aos con-
    signatarios.
    Sanguexiigas 3 a M. Silva Farias. Salsa
    13 caixas ao mesmo.
    Traques 20 caixas ordem, 20 a P. da
    Cunha a Corga. Tcrebentma 10 caixas a M. Silva
    Faria. Tinta de imprimir l caixa a (Ion-
    calves Beltrao Filho. Tnico 5 caixas a
    I). T. Bastos.
    Yidro 1 caixa a b. T. Bastos.
    Rosario da Sania P, barca brasileira la-
    pida, consignada ao Bav.'io do I.ivramento,
    manifestou :
    Farello 500 saecus ao cot^ignaa'-io.
    . llio de Janeiro, brigue ludan le/. 1 ati
    ding, consignado a P. Carneiro C, mani-
    festou ;
    ' Couros 50. Xarque 5,500 quintae? aos
    consignatarios.
    Kio de Janeiro, barca brasileira ClauU;.
    consignada a Amorim lrmo di C-, manifes-
    t* :
    Couros 44. Xarque 1,599 arrobas aos
    consignatarios.
    Rio Grande do Sul, barca brasileira Sonta
    Maria, consignada a Amorim lrmo & C,
    manifestou ;
    Couros60. (iraxa om bexigaa 5,941' kilos
    Xarque. 185,419 kilos aos consignatarios.
    DESPACHOS UE BXFORXACAO .S DU 19 DR
    IMJO i)E 187*.
    Para os partos t exterior
    Na barca allemi SfMftJ, para Liverpool,
    carregaram : G. Neesen 4 C. 239 laceas com
    18,871 kilos de algodao.
    No briguefJglez Jane fiuodycar, para Liver-
    pool, carregaram: M. Lathan 4 C. 301 saoM
    eom 21,241 kilos de algodlo.
    Na barca porlugueza Diana, para e Rio da
    Prata, carregaram : J. S. Lyo < Filho 213 bar-
    ricas com 23,767 kilos de assucar branco.
    Nb patacho hollandez Pleiaden, para o Bio
    da Prata, carregaram : B. Oliveira A L. 120 bar-
    rijas com trjOl-5 kilos de assucar branco.
    No navio alinalo Miranda, para o Mo da
    Prat carregaram : B. Oliveira A C. 200 barricas
    com 24,9*1 kilos de assucar mascavado.
    Para 05 pollos do iniciar.
    .Para Santos,na sumaca haspanhola Preci--sa,
    carregaram : P. Vianna & C. 20 pipas c >m 9,600
    litros de agurdente.
    - Para o Aracaty, no hiate nacbnal D. Lniza,
    carregaram : J. A. II. Vianna 10 pinas com i,30
    litros de agurdente ; F. A, da Costa 2 saceos
    com 150 kilos de assucar branco ; J. J. da Costa
    50 barricas com 3,024. ditos de dito.
    Para o Araeaty, no oate nacional Gracias*,
    carregou : J. D. da Cunha Lagcs 3 barricas
    202 kilos de assucar refinado.
    Para o Bio Grande do Sul, no brigue brasj-
    Itira Veloz, carregaram Amorim Inios | C2W
    saoooi ,com 15,000.kilos de acucar branca.
    Para o Bio Grande do Sl, na encuna nacio-
    qal CysHe, carregaram : Amorim Irmaos A09 rolnmes.com 20,331 kilos de assncar branco.
    Para Jto^or, na baroac* Joo Val/r, carre-
    ara m : Alhejrc^QlHiira* C 10 barricas com
    20 kilos do
    y0V,MEWT0 PO WHTft
    JSaviox entrados na dia V>
    llio Grande do Sul28 (lias, barca brasi-
    leira Santa Mana, de 251 toneladas
    capito, Adi-lino eJos da Costa, equipa
    gem II, carga IH5.00U kil. de carne;
    a Amorim lrmo A C.
    Bio de Janeiro15 das, barca brasileira
    Clandina, de 237 toneladas, capitao.
    Tliomaz Marques da Bocha, equipafen
    12, carga 13,000 arrobas de carne ; a
    Amorim lrmo i\ C.
    Bio de Janeiro10 dias, brigue aUaa**<>
    Yo-Chardiii'j, de 20H toneladas, capta
    T. ('.. Swart, 1 quip u n carr5,50'-
    quintaos de carne; a Pereira t'araeiro
    i C.
    Rio de Janeiro13 dias, lugre |H.rtnguCT
    Almedinn, de 53S t-ludadas, caprt-
    Jos Pereira I'ios, equip,i>tem *, en*
    lastro; a Kuzebio II. Uabello A 1".
    RO de Janeiro e Biliia I dias, vapor
    frailee/. Y lie de lio de Janeiro, de 817
    toneladas, commaiiJ.int" Heun, equi-
    pagem SS, carga v iras raereadoria* ;
    a Augusto Pradericode OKwlNi C
    .New -York 37 lias, hiate Americano fur-
    riel aVenafcr, de 293 toneladas, rpitas*
    S.jiiires, eqiiiuge:u S, ,wi.. 1 I (as-
    neros ; a Tasso Irmao A t'..
    Santos18 dias, brizne inalez Pansa*, i
    292 toneladas, rapa* O. F.vans, eqjni-
    BfajBBj 7, em lastre; a ordem.
    (Han
    Nio liouve sbilas.
    \
    Cdllnln. 193.
    Pe 1 inspectora da alfa I :- '
    nao tendo silo arreiu Tsrrss-
    ca. a mercad iras ;diai\o d-- munci..-
    dis a IdilV) pir editae.- 11-. l l
    pi 1 1 'i.'i'iiu vi".; ni -'ii nts pasi)as II
    horas do dia i\ do r .1 1 : ;
    li'..:...
    Armase o a. I.
    Marca EAB,ii-l'u< 4c H*r
    s.'ille nn navn fr.-inc-' '
    H de .ilirit de IH72. c :.
    cootendo U tita se pin .'
    do p i- l'.'iliOO. .
    dem J PL, n. I. l'm
    no navio franeez Granril'e, de* > a 23 *v
    mai" de 1*72, con-igna-la 1 J P. I--111 i"l adi<
    dous vidros para e-pelho, -, avaha** sor
    66*V 0
    Idi'ni I n P !', n. :.s|.- I' ,.....1'. M-
    vre ii" aatk fraoroi i'u-n lie. de* oeyada *
    29 de maio de 1872, con- h a J 1 I'
    nos. ciintedo fa*. nSaMM
    por 1MO.
    dem Bal-e -chmm II111 .'. 1
    l'm embrulbo rlodi no rap r -'r-
    regad- em H de j-iaeiro d" lf<74, r .n-ipir. I> a Ha-
    ! rOBj : I" '!* **w
    lor.
    IJem Va 4 I. 1!, n. '
    SooJbaropton so rasorinalez Ti o, .-arr-,a**
    em 20 de ini'-!" 1 il ls7-' r imvuSS a Va/ *
    Leal, conten I amostra* >e 11
    Llem loaqaan A. Araujo -v .. >ca
    l'm dito viudo de Lo
    dent. dcscarregado n 30 d i^ieiro > 1871. cu-
    signado a Juaipiiiii A. Araujo 1
    Mam C F. C n '.' I z 1 1 d
    dem, consignado a KeHerA '... ronlinsa sm:c*Wm
    MU valor.
    Alfandega. 0 ,1 .,. S* M
    hii. 1 |. -' <;:, -i'w.i />...
    O lr. Luiz Fereir.? .daciel t'iiiheiru. au
    lo da vara esssszstsW da n !
    Peroaadwee por S. M. I. ana I* >* goarsr nc
    Fac saber pata presente, ase 11 > da It*>
    rente ron *e ha d am matar. "r vemla eaaj
    puldica de.-! j rsapsru-
    va. a quem mais r, u ni ivei* -efatasai :
    duzia ae cadeir a..a*e a> < >
    torneados a \ 5, 4*, : I BMM r4 r
    iraesna masaka par t- ; 2 bancas com |-
    lumna por !'* I d de amareft por .
    I arenosa la msmaa madeira pnr l'H ; 1 eaps
    Ihos grandes asm BaaMura mV, 19* i
    ca.'..-iras de bal I'* *r
    1. |ueno rebtgio de pamlr par M cj)* m
    praca pnreaeoicie deFrassanm *> S3r
    CaoMa Costa centra Jo pertesee dita mor*, e aa I." i- : "
    11 prec" da avaliaco. -> r 1 aSSSSSst
    feil* [^< pre?) d. adjnd
    E para que chegosa* raaswnmsnls *V um*
    ma-dei fazer opresa*e > 1 >8\a*'
    nos lugares do r>sliime r publfud* a*ta*arn*.
    Dad 1 e passado nesla 'id.'ie do Rerlfe dr
    aami! da* di* bmw *V 1873 anerl
    En en Silva.
    /.': Ferr, ra JfanW Piubm*
    Reeife. 13 de i,-, uo de 187 -K--" Km -t-.
    Silva.-Ao sello 303 r*.-V S. I c ,-rana -H*-
    aW Pinheiro.
    Edital 11. 128.
    Pela Inspectora daalfanl.ga -s fa*t_
    s 11 horas di dial) d. l
    rematar, li> >ru deU n
    a 1, as mercadorias :arada* :
    Arruaze-n a m
    5 podras de m-rmore -ara e*s>i>, ene fer* -
    das avahadas por 101, que btiam parte ow-
    Iciid.i da caixa marra G M inan:uli, n. SM. fia-
    da de Hamburgo no aario h OUadei i
    abandonada ans direito* \w: Cuaba 4
    Alfandrga de PTnambuco, II ds sal
    1873.
    O iB F-bo A d* Car albo Rsn.
    L-ua4Ct- 1
    -De ordem do lllm Sr. Dr.*T***Jj"**m'
    no fajo publico para que ctMp'ie ao rasnaetanaa*
    do professor publico da"ead-ira da pir*a(**do
    Vicencia, H loada TV*ml
    iho-director em aeuia da % dj
    (uaaaTaiIdade coeft**rt VI da m
    1
    :--


    _
    Diaria de Pernambuco Quarta fera 21 de Maio de 1873.
    mato Je 185$, resdlveu suspende-lo por un mez
    cjino incurso no art. 96 o. .1 da citad.? le, visto
    nao t>;r ainda assuruido o exereicio do sua cadeira,
    con Ihe cumpria, tendo terminado a 2 do Janei-
    ro do correte anno a suspendo que Ihe tora inv
    Sosta por deliberarlo do mesmo censelho de 23
    e novembro do anuo prximo iiii<% devendo co-
    mecar a contar-so a predita suspeTtsao da data
    emqueo presente cdital for publicado vno jornal
    offlcal, visto continuar a ignorar-se a residencia
    4o mesmo professor que nao est na sedo de sua
    cadeira.
    Secretaria da nstruecaa publica do Pernambu-
    . o, 17 do maio do 1873.
    O secretario,
    ___________ AurdiaHO A. P. de Cwcwfto.
    Arrematado das reacias por tres anuos do
    eugenho Tres Bracos na villa da Escada.
    No dia 23 do corrente, ao moio dia, depois da
    audiencia do Sr. Dr. juiz de orpbaos do termo da
    villa da Escada, vai de novo praija as rendas do
    engenbo Tres Bracos avalladas ca 2:5004 an-
    nuaes, sendo a arrematacao por (res annos, a re
    querimento dos consenhores e o Dr. curador ge
    ral de orpbaos. O engenbo dista aquella villa 2
    leguas, bastaste grande o bem montado, com
    boa casa de vi venda o bons commodos e pw isso
    conveniente a quem vive da agricultura. Os pre-
    tendentes devero apresemarem-se habilitados
    eom seus fiadores livres e desembaracados para
    garantir a arrematarn peles 3 annos, sem o que
    nao poderao offajecer lance algum em jnizo.
    P(ja,
    Pelo joizo de orphos deste termo, escrixo Brillo,
    -vai a praea por tempe- do 3 anuos, na audiencia
    do dia 3% do correte mez, por arrondamento, o
    sitio Alto no lugar da Boa-A-iagein, freguezia
    dos Anegados, servmdo de base mesma arre-
    inatacao a quanlia de oitocentos mil ris, sitio de
    grandes preporcoes, com casa de vivenda, Ierre
    no de plantacao, creado e matas, cabendo ao
    reudeiro o dlreito de receber a renda annua que
    pagam os drveivos moradores d.i mesma sitio,
    cumprindo aos pretendentes examinaren) o Mi
    ripio em poder do portero dos auditorios, onde
    to acba atilxado o edita I respectivo.
    Recife, 18 de maio de 1873.
    No dia siMa-feira 23 do correte mez vio a
    (traca de venda, linda a audiencia do- r. juiz di1
    orpbaos, o dominio e possa. de dous terrenos em
    Beberibe, e a posse com acerees de um terreno
    na travessa do Modada, na freguezia de S. Jos,
    o que tudo consta do eseripto em mo do porteiro
    das audiencias.
    Capitana do porto.
    Para cumprir o que Ihe lora ordenado por a iso
    do secretario de estado dos negocios da marinlia
    de 24 de abril ultimo, determina esta repartirlo a
    todos os senhores eaminandantes e propietarios
    dos navios mercantes nacionaes que tenliam fura
    da bordaos nomes dos ditos navios em caracteres
    betn legVeis, como se acha cstabelecido e geral-
    raente adoptado na navegarn.externa dos portos,
    visto as im eonvir < relat'ocs commerciaes, e ao
    servido da polica e soecorros no litoral, e alto
    mar ; o que quanto antes devem por em exc-
    ucao.
    Capitana dj porto de Pernambuco 10 de maio
    de 1873.
    O cipitio do porto interino
    Decio de A quino Fonceca
    SAMA CASA DA MISERICORDIA DO
    RECIFE.
    A lllma. junta administrativa da santa casa da
    misericordia do Redfa, manda Cazer publico que
    na sala de suai sosaSea, no dia i de maio, pelas
    horas da tarde, tem de ser arrematadas a quem
    mais vantagens ollereeer, polo lempo de um a
    ir s annos, ?s rendas dos predios em seguida
    declarados.
    ESTABELECMEXTOS DE CARIDADE
    Ra da Vira cao.
    Casa terrea n 7 ...*.. 2455000
    Ra do Padre Florano
    dem n. 43........200*000
    Rna da Guia.
    dem n. 29.........200000
    Caas terrea n. 31......loOOOj
    Ra do Amorim.
    Loja do sobrade n. 35.....800OK)
    Ra do Senhor Bom Jess.
    Sobrada de 2 andares n. 20. '. 303000
    PATRIMONIO ItPH DOS GAOS.
    Rna da Sen ala-velha.
    Casa enea n. 10...... 2095000
    O pretendemos de ver 'o aprsenla* no acto da
    arrematacio as suas llancas, oo comparecern
    vtn < panlad d is respectivos Madores, devendo
    pagar alem da renda, o piemio da quantia eci-
    ment conimereiai, assim como o servico da lm-
    peza e procos dos apparelhos.
    3ecre!ana da santa rasa da miseric
    eife, 1 de abril de 1873.
    O escrivo
    ' ) Rodrgua de Souza.
    tivo e passiVO da sociedade.
    Em data de 19 o contrato de. Vicente Coelho de
    Magalhaes e Manoel Coelho de Magalhaes, ambos
    pnrtngaezes, sob a rzao de Magalnies A Irmaos,
    para cOromerciar'em gneros e por tempoTnde-
    torminado com o capital de 28:0o J560, podando
    araboos os socios usar da firma.
    Na mesma data o de Antonio Alves Lebre e
    Martinho Lopes dos Res, sob a firma commer-
    rial de Lebre & Res para a compra e v'edda
    de gneros de estiva, com o capital de 40:0001,
    tendo a gerencia ambos os socios, de cuja firma
    poderao usar.
    Um igual dala o nitrato da sociedade de Men-
    dos C., da quxi eram socios Jos Bernardo
    ileu*cs c Joaquim Pacheco da Silva, retirando-se
    o socio Silva cota a quantia de 7:\4(S?7<) leso-
    nerado de toda a responsabilidade, licando o so-
    cio Mondes com o estaDelecimenlo encarregado da
    liquidacao da firma.
    Em tata de 39 o ontrato de Manoel da Silva
    Maia, brasileiro, residente nesta cidade e Antonio
    da Cosa Corroa Leite, portugneE, na do Rio-
    Grando de Sul, sob a firma de Manoel da Silva
    Maia e C-, para o commercio de ommissoes, por
    temiw de 3 annos, cota o capital de 80:000*. en-
    trando cada um conu (0:000 j, senda o primeiro
    gerente e lesponsaveTe o segundo commandita-
    rio e o nico que poder usar da firma.
    Em igual data o de Luiz Manoel Simdes, por-
    tuguez, Joo Alves Mendes da Silva e Joao Perei-
    ra da Silveira, brasileiros, para o commercio em
    grosso o a retalho de drogas e medicamentos,
    sob a firma de Simdes 4 C., com o capital de
    3: cada um com meiade, e o socio Silveira com sua
    industria, sendo a duragao da sociedade por an-
    im i de cuja firma s nsar o socio Simdes.
    Secretaria do meritissimo tribunal do commer-
    cio de Pernambuco, 80 de malo de 1873.
    O oHlcial-maior interino
    Innocenco Antunes de F. Faras.
    SANTO ANTONIO,
    EMPREZA
    Ouaila-i'ira 21 de Itrio.
    Recita em beneficio da concluso da obra
    das catacumbas da
    liMiandade da SS. Trindadc
    Representar-se-lia a muito applaudida opereta
    burlesca em 3 actos, original do Sr. Dr. Macedo.
    T
    A
    Hnsieadi) maestro C;ls.
    Principiar as 8 1/2 horas.
    A mesa regedora espera do\espeitavel publico
    toda a coadjuvaco, lelo que antecipadamente a
    agradece,% aos Srs. Vicente e seus companheiros:
    se mostra igualmente reconheda, por se terem
    dignado conceder-lhe esse beneficio.
    ca demora o lindo e veleta) Mngar pertuguez tet
    Estev&o, de l' classe, por er ^ maior parta da
    carga engajada, e para o resto oue itw falu trau-
    se com os'consiguaWrtos Iav(|uim Jos Goacalvci
    Beltrao 4 Filho, ni* de Con^nercto n. 5.
    Para o reepi* porto pretendo sefiiir com pen-
    ca demora n patacho portugiicz OliuAa, for ter
    a maior liarte da carga en zajada, para o resi
    que I e-taKU trata-se com os ctuisigoatarios fea
    quim Josf' encalves ReltrAo & FiU*i : a n do
    Conimew* n. o.
    Companhia franceu de navegaco a vapor, Urda
    mensal entre o Havre, Lisboa, Pernambuco, Ba-
    bia, Rio de Janeiro e Santos,
    O vapor francez Ville de Bakit esperado da
    Europa at o da 23 do corrente, seguindo depois
    da demora precisa para os portos do ral.
    Para (retes, encommendas e passageiros, para
    os quaes tem excellenles aeeonunodaeoes e por
    procos rediuiJos, a tratar com os consignatario
    Augusto F. de Oliveira Cl a ruado Commercio
    n. (2, entrada pela rna do Torres.
    (Olll'Wllll
    DE
    NAVEGACAO BAIIIAXA
    Para Hacci. IN-ihmIo. Aracuj
    e Babia.
    E' esperado at o dia 20 ie corrente o vapor
    Mrquez de Caxiat.
    Recebe carga, passageiros e dinheiro a frote pa-
    ra os portos cima a tratar com os sens agen-
    tes Antonio Luiz de Oliveira Azevedo A C., ruado
    Bom Jess n. 57.
    Para o Rio Grande do Sul
    pretende seguir com muita brevidade o patacho
    nacional Arthur, tem parte de seu carregamento
    prompto : para o resto que Ihe falta trata se com
    os seus consignatarios Antonio Luiz de Oliveira
    Azevedo & C, no seu escriptorio ra do Bom
    Jess n. 57, outr'ora ra da Cruz.
    SANTO ANTONIO.
    EMPREZA-VICENTE.
    SabbadJ \ di crranle
    ESTRA DA ACTRIZ
    Joscpltina Ic i Mi-vaEho.
    Representar-se-ha a muilo applaudida comedia
    drama em i actos, ornada de msica
    Para o Porto
    pretende sahir muito breve a gilera portugueza
    yova Fama II por ter grande parte* do seu car-
    regamento prompto. Recebe a carga que Ihe fal-
    ta a prtcos mdicos, e tambe m passageiros, para
    os quaes tem ptimas accommodacocs : trata-se
    com Tito Livio Soares, ra di Vigario n. 17.
    LEILOES.
    cordia do Ru-
    do
    m
    \
    AS. RECORDACOES
    wocdab
    ENOMIXACOES.
    l. acto.O caf das artes'
    2." Urna pandega nocturna.
    3. Os amores da costureira.
    4. Os amigos d'outro tempo.
    A aecao passada em Pare.
    Terminar o espectculo com a primeira re-
    prosentaQo do disparate quasi cmico em 1 acto,
    original do Sr. V. F. Chaves Jnior :
    Em calcas pardas.
    Personagens.
    Maria D.' Jnsephina.
    Mar.?al S". Flavio.
    Gcraldo Sr. Pedro Augusto.
    Meninos e meninas.
    Principiar s 8 1(2 horas.
    O caixa doeta companhia o Sr. CorbinUoo
    l'Aquino Fonceca, acha-se autorisado a pa-
    gnr no sen escriptorio rna do Vigario Teno-
    rio n. 19, das 10 horas s 3 da tarde, o
    50. dividendo da mesma companhia, cor-
    respondente a 3-3000 por apoliee.
    Escriptorio la companhia, 17 de maio
    de 1873.
    O secretario,
    Jote II. 1. TRIBUNAL 1)0 COMMCKCio M i'LR-
    NAMBUCO.
    O ?r. consolheiro Anselmo Prancisco Peretti, com-
    mendador da imperial ordem da Rosa e da de
    Christn, daaembargador e presidente do tribu-
    nal do commercio da provincia de Pernambuco
    por S. M. o Imperador a quem Dos guarde etc.
    Faro saber, que por oficio* da presidencia des-
    ta provincia de (i e I i do crrente me foi eommu-
    nicado acliar-se constituida nesla cidade, or ter-
    mos dos ai lisos 15 .> i do decreto n. 2711 de 19
    de dezembro de 1860, urna agencia do New Lon-
    don and Brasilian Bank Limited, cujos estatutos
    e caria impenal le autorisacio n. 5208 de 31 de
    Janeiro do corrente auno, forana registrados ueste
    tribunal pelas 9 horas da manb do da 23 de
    abril prximo passado sob n. 31, de conformidade
    (Mil o artigo li do diado decreto n. 2711, tendo
    sido nesse mesmo dia publicados no Diario de
    Pernambuco por delibera^o dos interessados.
    E para constar mande paasar o presente edital,
    que ser publicado- pela inpronaa.
    Tribunal do commercio de Pernambuco, 19 de
    maio de 1873.
    E eu Joaquim Olinto Bastos, secretarlo o subs-
    orevi.O presidente
    Anselmo Francisco Peretti.
    avisos martimos..
    c*pir.t\iii.t
    DE
    \AVEGACA0 BRilSILEIRA.
    PORTOS DO NORTE.
    Dos pollos do sul
    esperado at o dia
    22 do corrente o va-
    por Cruzeiro do Sul,
    o qual depois da de--
    mora do costume se-
    guir para os portos do norte.
    Para eanra, encommendas, valores e passagei-
    ros, dirijam-se ao escriptorio da agencia, ra do
    Vigario n. 7.
    AGENTES PEREIRA VIANNA & C.
    PARA
    liquidacao
    No armazem da ra do Impe-
    rador n. 45.
    De candiciros a gaz, de brome e crystal, aran-
    dolas, hnfarizes, lavatorios, porta-chapeos, bom-
    bas para jardim, mesas de ferro, tubos, fogareiros,
    mangas de vidro, barmetros, lamparinas, esta-
    tuas de bronze, ferro e porcellana, C muitos outros
    objectos que estarte ao esame dos concurrentes.
    Hoje
    s 11 horas
    l'or intervenco do agente Pinto, em seu cs-
    griptorio, rna do Bom Jess n. 13.
    roupa, guerda-Testido, 1 piano
    de armario, camas fraucezas de
    Jacaranda, litas ce ama re lio,
    mesas g-am les para jantar, cas
    teiras |ara eferiptorio, berejo-
    para crianujif, toilette de ja can-
    da *oim tairijK de pedra mar-
    inorf, relogn-M de pa*ede, t car-
    teira hoitiropatLica oitai 240
    frutos fe iinti ra, niar^ue/de-,
    sotas, consoles, quaitiiiheir.is
    objectoi deoro e pnla, urna
    porjio de chapeo* para senho-
    ra-, meias conunodas, louca,
    cadeir.is com roscas para piano
    e escriptorio, duzins de ctdeiras
    de junco brauco e p.-eto, cadei
    ras ue abrir, cadeirinhas para
    enancas comer^m mesa, me-
    sas para escriptorio, cabides,
    grande quantidade de trastes
    .>vul?os e muitos objectos do
    uso domestico.
    Quinta-feira 22 de maio
    NA
    F'EIRA SEMANAL
    16=rua do imperador n.16.
    Antizem.
    LEILAO
    DE
    movis louQa vid ros, porcelanas chrustaos,
    prata etc.
    SEXTA-FEIBA 23 DO CORRENTE.
    Pedro R. de Oliveira, tendo de retirar-se com
    sua familia para a Europa a tratar de sua saude,
    far leilo por inleivencao do agente Pestaa de
    toda a sua mobilia e mais objectos existentes, na
    casi de sua residencia, na Capunga, ra do Las
    serr n. 6 casa Je azulejo, consistindo em sofs,
    cadeiras, poltronas, cadeiras de vime com bracos,
    paio, espelho, quadros, camas, guardas vestidos,
    um rico tafilete, urna secretaria gr nde espelho e
    pedra ; mesa elstica, jarros, apparelhos, louca,
    vidros e muitos outr s objectos que sero especi-
    ficados no dia do leilo em um catalogo no Jornal
    do Recift.
    Ter um trem especial s 10 horas da manhno
    arco de Santo Antonio, para os Srs. concurrentes.
    Idilio
    DE
    arraaco, gneros e mais prtenlas da ta-
    verrlh Ja travessa do Livramento n. 28,
    antigo becco do Padre.
    Ityje
    O agente Martins far leilo em lotes, de urna
    excellente armacao de curo, grande qjantidade
    de gneros de primeira qualidade e mais perten
    jas da taverna n. 28 do becco djPadr, cuja ca
    ja se acba bastante afreguezada.
    As 11 horas do dia cima.
    Sexta-teira, 23 de maio
    s 11 horas.
    No armazem da ra da Cruz n. 6.
    A SABER:
    Urna magnfica mobilia de Jacaranda a Luiz XV
    1 dita de mogno, 1 mesa elstica, 1 mesa redon-
    da com pedra, 1 consolo com espelho, I mesa de
    Jacaranda para junto de sof, I guarda louca, ca-
    mas, cadeiras avulsas e muilos outros bjectos
    POR INTERVENCO 1)0 AGENTE PINTO
    ( ao correr do martello )
    sem reserva de preco visto que tem o mesmo
    agente de entregar as chaves do armazem em 24
    horas depois.
    II i lili
    DA
    casa grande, olaria e baixa de capim, parle
    da propriedade e sitio da Porta l'Agua
    SABBAHU 2 i DO CORRENTE
    Ao
    Precisa-se
    y**
    de um caixeiro, brasileiro ou portngnet, que d
    fiador de sua conducta : na roa de Hortas n. 5,
    padaria. ____________
    Antonio Jos de Castro Azevedo
    agradece a todas as pessoas que
    I'xe flzeram o caridoso obMquiu de
    aeompanliar ao cernid rio os restos
    morlaes de sua mili preuda espo-
    sa D. Rila Maria Ropos de Azeve
    do, e de novo r/nivida a todos os
    seus prenles e i-migos para que >e difnein .asis-
    tir as missas que manda rezar por anua da inm-
    uta tinada, quarta-fera i\ do enmate as ti \\i
    lu ras da man a na igreja de Sania Itila desla ci-
    dade e na matriz do Cabo.
    Lievino Themoteo da Con-
    ceico
    convida aos lilbos, prenles e ami-
    gos de seu muito presado amigo e
    collega Vicente Morera da -ilva,
    para a^sistirem nina inn-a pela al-
    ma do mesmo que falleccu no dia
    7 dj abril dcste anno. na cidade do
    Porto, que ser celebrada na igreja
    Santa Casa da Misericordia, s 7 horas da manb
    do dia 26 de maio, e no altar do Senhor Bom Je-
    ss das Chi gas._____________^^ ^__^^_

    Clementina Philomena de
    Souza Leite
    Joo da S Iva Leite, Jos Antonio Fernandes Fra-
    dique, Joanna Iridia da Costa Fradique, Maria Fe-
    lisberta de Souza Cardoso Rabello, Antonio Alves
    de Souza Fradique, Eduardo Daniel de Souza c
    Joo Cardoso Rabello, marido, mi, padrasto, ir-
    maos e cimbado da finada D Clementina Philome-
    na de Souza Leite, extremosamente penhorados
    a todos os seus prenles e amigos, como a todas
    as mais pes-oas que flzeram o caridnso obsequio
    de aeompanliar ao cemiterio publico os reato
    mortaes da mesma finada; de novo os ennvidam
    para a missa do stimo da, sexta-feira 13 do cor-
    rente, que ter lugar na matriz de S. Ir. Pedro
    Goncalves, s 7 horas da manh.____________
    Baro de Amaragy.
    nj A haroneza de Amaragy,
    son gonm e lilhos, convi-
    dam seus amigos c paren
    tes para assistirem urna
    missa, que ser celebrada
    na eapella do engenbo
    Amaragy, na fre.'.iezia da
    Escada, s 10 horas do dia 17 do corrente por
    occasio de seren guardados alli os restos mor-
    tae* do finado Bario de Amaragr.
    *..... *-.'%
    A companhia Recife Diainage recebe pro-
    postas para o fornecimenl de capim para seus
    animaes : a liatar na ra do Imperador n. 26,
    primeiro andar.
    Ajudante de cozinlia.
    Precisa-se de unv e de um criado : no hotel da
    Independencia, ra do Imperador n. 32.
    niel
    O agente Pinto, cumprindo o despaeto do lllm.
    Sr. Dr. juiz de orpbaos, exarado na petico da
    viuva do finado Joaquim Pires Carneiro Mo'nteiro,
    tutora de sens fillios menores, levar a leilo parte
    da propriedado pertencente a aquello casal, sendo
    a casa grande edificada ao lado esquerdo da estra-
    da que vai para Apipucos, assim como a olaria
    e baixa de capim, visto que com esta parle nao
    x>te duvida alguma.
    O leilo ser cfTectuado no escriptorio do refe-
    rido agente, ra do Bom Jess n. 13.
    u \ q n c n u r dc n
    is
    tbesouraria provtocial se faz publico
    dos tnrposlos das comarcas
    Pela
    que has arrematarles
    ueTacarat, Flores, Villa B Ha, Cabrob, Boa-Vis-
    la e Ouricury, tambem comprehendido o dizimo
    do gado vaceum.
    Secretaria da thjaouraria provincial de Pernam-
    buco, 20 de maia de 1873.
    O ofllcial-maior,
    M. A. Ferreira.
    Real companhia de paquetes
    inglezes a vapor.
    At o dia 27 do corrente espera-se da Euro-
    pa o vapor inglez Neva, commandante H. Bax,
    o qual depois da demora do costume, seguir
    para Buenos-Ayres, tocando nos portos da Baha,
    Rio de Janeiro e Montevideo.
    No da 29 do corrente espera-se dos portos do
    sul o vapor nglez Domo, commandante Thwaites,
    o qual depois da demora de costume, seguir para
    Southampton, tocando nos portos de S. Vicente e
    Lisboa.
    Para fretes, passagens etc., trata-se na agencia,
    ra do Commercio n. 40.
    LEILAO
    DE
    ave
    s 11 horas em ponto.
    Por intervenco do agente f into
    Na rna do Imperador n. 45, armazem do Sr.
    Jhaprnan, e por occasio do leilo que alli deve
    'er lugar.
    Por esta subdelegada se faz publico que fo-
    xam appreiendidos dous cavaJios furtados : quem
    portanto se julgar com direito aos mesmos. apre-
    *ente-se, que depois de provar legalmente, Ihes se-
    _ rao entregues.
    Subdelegara do 3" dstriclo do Sernlem. 16 de
    maio de 1873.
    O subdelegado
    A'islidcs F. Cavaleante'de Albuquerque
    Tribunal do Commercio.
    Por esta secretaria se faz publico que em data
    de 15 de marco foram archivados os contratos e
    distratos seguintes :
    0 de Jos Rodrigues de Souza, portugucr, e An-
    tonio da Silva Portella, brasileiro, sob a firma de
    souza 4 Portella, com seu estabelecimento de
    mercaderas a realho na villa de Barrelros, sen-
    do o capital da mesma sociedade da importancia
    dee:2b370, e devendo durar por tempo de 3
    annos, tendo a gerencia do estabelecimento o so-
    ^io Portella, o qual Ufar da firma.
    O distrato de Lima Cora, da qual fariam par-
    te Antonio Eer-eira Lira* e Manoel Joaquim Al-
    m da Costa, retirando-a Costa, com seu cap
    t lucros, Mean lo o socj Lir;'* Brregado do1
    Paeific Sfcaiii \avigalii>n Companj
    itiiyal liiil SloaiikTs.
    LEILAO
    DE
    nagnificos aparaiiores corn armarios
    Bimpos do pedra, obra nova e de
    o,
    SEXTA-FEIRA 23 DE MAIO
    Por intervenco do agente Pinto, ra do Bom
    Jess n. 6.
    Contraria de S. Beredicto.
    Pe ordem do irmo pre>idei,le da mesma con-
    traria, sao convidados lodos os nossos irmos para
    mesa goral domingo 23 do corrente s 10 horas
    da manb para eleger a nova mesa.
    Consistorio, 21 de maio dc 1873.
    O secretario.
    ________________Lbanio Luiz da Cunba,
    O abaixo assiguado declara a quem interes-
    sar possa, que nao assignou documento algum au-
    torisando a venda da casa da ra do Falco n. 12,
    e que falso o documenta que diz a Sra. D. Ruli-
    na Custodia de Luna Cavaleante ter para este fim,
    e desde j pro;esta contra qualquer venda on hv-
    polheca. Recife, 20 de maio de 1873.
    _____ Joaquim Mauricio Accioli Lins.
    Aluga-se
    Quem mais ciMBBwu (iITcreec ?
    Incontestavelinente a loja de calcado estrangei-
    ro que mais commodo offerece emgeral, com sepe-
    cialidade ao bello sexo, o PaHIS NA AMERICA
    ra Duque de Casias n. 59, primeiro andar (an-
    tga do Queimado) e a razo? a razo simples :
    um cavalheiro (amante do cloque) por certu se
    in.'ommoda quando, para comprar um par de bo-
    tinas, v-se toreado a experimenta-la sobre um
    pequeo e pueroso pedazo de tapete (sysiema ma-
    carrnico) nao podendo desla forma conhecer se
    a botina Ihe fica ba, pois, nao lem espapo para
    experimenta-la, ao menos que nao a estrague dan-
    do apenas um passo, que chegarlogo ao immun-
    do ladrilho ; o que nao acontece no Pars na
    A merico, onde pode se passear vontade c desla
    forma conhecer-se se fica bom o calcado : para o
    bello sexo, ento quasi impcssivel, que uuia sc-
    nhora (do bom tom) queira sujeilar-sc a. experi-
    mentar calcado ao lado de um balco, onde en-
    tra qiif m quer, anda mesmo para comprar : o
    Pars na America nao resente-sc desta falta ; tem
    nm bem preparado gabinete reservado, para ai
    Exmas. que all poderao estar em perfeilo comino-
    do para a esculla do calcado.
    Nao terminam a' i as vanlagens ou commodos
    do Pars na America ra Duque de Caxias n.
    59, primeiro andar, consiste tandiem no bom sor-
    timento de botinas para homens, dos melliores c
    mais afamados fabricantes da Europa, romo Me-
    lles, Siier, Polak, etc., etc., c grande variedade de
    cbnellos e sapatos, assim lambem um lindo sor-
    limento de botinas para senbora, c sapalinbos de
    muitas qualidades que poderao salisfazer a aseo*
    lha da mais capichosa senbora (do bom goslo);
    pelo que fica expendido, est claro que a loja de
    calcado estrangeiro, que mais vanlagens olferece,
    o Pars na Americ, ra Duque de Caxias n.
    59, primeiro andar antiga ra do Qucimido.
    En^enho Macan.
    No dia 27 de maio cor-
    rente vai a piuca por tempo
    de nove annos a renda do
    eugenho Macaco, sito no ter-
    mo de Ipojuca, por cxccuqao
    que move Jos Francisco
    Lavra Pnua couta os her-
    deiros do finado Felippe Sm-
    tiago ^leira da Cunha; cuja
    renda 6 avaliada em dous
    contos de ris por anno.
    ilom engenhd.
    Vende-seum engenho moen-
    te e corrente, distante da
    pra^a 4 leguas, com boa
    obras e trras para safrejar
    2,500 paes, vende-sc s ou
    com a safra actual: quem
    pretender dirija-sc acstaty-
    pographia que achara com
    quem tratar.
    Escravos rugidas.
    Contina evadido, desrte fevereiM, o niuUio Sa-
    bino, de 22 annos de idadi*, i>|ki intncla,
    baixo. corpo fornido, testa <> hIhh pe<|uene
    viv.s. (bules iguacs peqnenos c limad*, t maMo
    regrisla e conhece bem o sul e os sertes da pro-
    vincia
    Evadise em fins de abril o escravo Iro. pmoo,
    27 annos, clatura regular, ponra larha, fain
    um tanto mura (. dado a lvi>i gar pelo eogenho Sanl Antonio <: ;iitms da lrv
    gueza da Luz, onde lem prenles e r<.nbccidM.
    Uratificn-se bem a quem rafjttrar ditos escra-
    vos e con .uii-los ra do Corredor do H-po
    37, ou do Marque/, de Olinda n. ft, sepundj aa-
    dar.
    Esta s dc jesuta !
    O Sr. J. C. A. de F. nao mier anda aUend
    aos reclamos da pobre viuva qno exige os ata-
    quis e chaves de sna ca, montando ja os ala-
    guis at 30 de abril a 321)10110 : o que sobra
    ludo se loma revolianle o inquilinn ter a rasa
    fechada ha mais de seis mezes, e nrtn rhaves e
    nem alugueis.
    Medico-ri'urCTirx)
    UA D iMPERAOll X. ;j" f AXDAlt
    0 DR. NUKES DA GOSTA
    MF.DI'O OPRh.AD'MI E lAliTKIKO.
    CSHKClUJ-UiFS.
    Mol fliase tftHJtm df o'hf-v
    Cr.r rrtir.l f n >tnlan<>a It'S
    esireitrineA* oa nr-ti>.
    Consulis : !)?> 7 *< it> hr#
    da mariliS.
    (^aam;
    A verdade
    E' bom dizor a verdade ; ha cemento de lor-
    tland e cemento Portland ; o mesmo artista -> de-
    pois de o baver empregado tem ddle alguma idea,
    se bem que s o lempo o pialiiira : no armazem
    da bola amarella lem de um e de oulrn. ah teta-
    se franqueza na occasiio da venda e MHidalr na.
    entrega.
    l>ortas
    No Rio Grande do Norte, on le ficaram algumas
    Doitas americanas, j se vende por 16 e 200l
    cada urna ; em Pernambuco, porm, com esta
    quantia anda se compra urnas poucas; no arma-
    zem da bola amarella, travessa da ra do Impe-
    rador
    O Sr. Manoel Benundtao VMn Cavalca
    regado a que mande, on iliriia->e i na <*o
    Amorim n. 37, a negocio de mu 11 mtiTi-sse.
    Precisa se de um rozmlii iiti ou eozinheira
    para casa de homem solleim : na na Duque ?
    Caxias n. 91, rival sem seuudo.
    0*0-9e ^et-SMMI
    0
    o;
    m
    m


    Para S. Joao
    Novissimo 1 vio de sortcs ao gosto moderno, e
    brinque los espirituosos, conhecidos por Jagos) do
    cesta : no bazar acadmico, ra da Imucralriz
    . 13.
    LEILAO
    Linlia quinzeual
    E' esperado dos portos do sul al o dia 23 do
    corrente o vapor Cordillera, o qual seguir no
    mesmo da da ehegada para Lisboa e Liverpool.
    Para passagens e mais informaras, dirijam-se
    aos agentes Wilson Rowe & C.
    li Ra doCQminercio.-14.
    ' At o dia 25 do corrente esperado da Europa
    o vapor W-y, e seguir depois para Babia eRio de
    Janeiro.
    J. B.-Emquant durar a quarontena no Riol
    da Prata nao se recebe passageiros nem encom-
    mendas para os portos do sul, e para nformacjoes,
    aos agentes Wilson Rowe & C.
    14 RA DO COMMERCIO -14.
    /isla com seu captol.
    \ jtturregado dBl
    Rio Grande do Sul
    Para o referido porlo pretende seguir'eom pou-
    DE
    urna casa terrea de taipa
    OUNTA-FEIRA 22 DE MAIO
    ICEm d> Imperador-16
    li-iiiiizem
    Os proprietarios da feira semanal, acham
    torisados a vender em leilo 1 casa terrea
    vada do Monteiro, tendo a mesma 2 salas, 3 quar-
    tos e quintal, tendo na frente 1 porta e 2 janollas.
    O banho na porta. Acha-se pintada de_ novo e
    rende ii mensaes.
    urna casa terrea sita i ra do Paysan l n. 3, com
    commodos para familia, com quintal murado e
    agua encanada do Beberibe : a tratar na ra do
    Vigario n. 31.
    Attencao
    Precisa-se de urna ama de leite que nao traga
    filho : na ra da Camba do Carmo n. 20.
    ' Precisa-se
    de urna ama que compre c faca o mais servico de
    urna casa de pouca familia : no largo da Penha
    n. 12, sobrado.
    No dia 15 do corrente mez, pelas 9 loras da
    nsute, apparecen em casa do Baro de Bemlica
    urna crioulnba de nome Francisca, de 9 annos de
    idade, dizendo ter-se perdido de sua mi, e se per-
    guntando o nome da mesma, respondeu nao saber,
    dizendo somente ser lavadeira e moradoura em S.
    Lourenco : quem liver direito mesma, provando,
    Ihe ser entregue.
    Pulseira
    Hontem pelas 7 l|2 horas da noute perdeu-se
    urna pulseira de ouro, da ra da Imperatriz at a
    estaco das offleinas : roga se a quem a tiver
    achadoe quizer entrega-la na ra da Imperatriz
    n. lo, t andar, ou na ra da Cadea n. 33, e a
    pessoa ser bem gratificada.
    iiSiS&^fiSZS CP^jiTrt'* r^*?C*v^C
    Precisa-se de um trabalhador de mas^eira
    na ra das Crioulas, na Capunga, n. 37._______
    Caixeiro
    Precisa-se de um caixeiro com pratica de taver-
    na, que regule 16 annos c que d flanea sna
    conducta : a tratar na ra do Conde d Boa-Vista
    n. 87.
    LEILAO
    bons
    DE
    movis
    Magnificas m bilia de jaca-
    r.i'l com lampos de pedra
    marmore, dita de amarello com
    dito?, lidos aparadores, oom-
    modas de mogno com tampos
    de pedra, guarda Ioui;a de va-
    rios feitio?, mesa e'asticas de
    . rjiffi-rentes taniMiiho?, gqaida -
    *-
    Ha para alugar na ra Nova de Santa Rita
    n. 61, urna preta escrava que lava e engomma.
    DR. FERREIRA
    medico operador, ra larga do Rosa-
    rio n. 20, vaccina gratuitamente as
    quintas-feiras.
    3& ^SSS3fflSS SSS;WIg?SRg S2
    m
    w,
    ALU(iA=SE
    E tambem se vende a excellenie casa da
    ra de Santa Thereza n. 19 (em Olinda) a qual
    tom 3 salas, 6 quartos, sotao, coznha indepen-
    dente, sala para engommado, gahnheiro de pedra
    e cal, estribara para 6 cavallos, coeheira, c quin-
    tal murado ; e um grande viveiro : a tratar na
    casa n. 1, na mesma ra.
    De 10 palmos.
    Sapotiseiros e sapoteiros, e dahi para baixo, pi-
    nheiras, fructa-po, oiti-cor, articum-a-p, aba-
    cate, laranja-cravo, flanboyant ou brillante, pal-
    meira imperial, roseiras de qualidade, alecrinss
    parreiras, coraco da india, romeiras e outra,
    lanas : na Capunga, ra da Ventura numero 20.
    Francisco Jos Cardo-
    so, artista alfaiate, transferio
    sua officina da ra do Barao
    da Victoria n. 46 para a ra
    do Mrquez de Olinda n. 34.
    primeiro andar.
    (iaixeiro
    3 Precisa-se de um menino de 12 a 14 annos, que
    tenha pratica de taverna, e que saiba ler e escre-
    ver: a tratar no becco do Pocinho n. 7.
    MEDICO-CIIU RGICO
    DO
    Dr. J. II. Curio
    OPERADOR K PARTKIKO
    Ra do Mrquez la Olimh n. 2-S, pri-
    Qt ineiio andar.
    J Consulla das 7 horas s 10 da manh.V
    r Chamad is a qualipier hora,
    Ai |ll!lif:.
    Maria Antonia Teixeira de Caslm declara a
    quem interessar po-sa, que o sitio em que mora,
    no Salgadinho, com KiO palmus o> frente, obtens
    por heranca de seu pai n dominio ulil e o direc-
    to, por compra feita a Sania Casa de Misericor-
    dia ; e que sobre dio sitio nao existe tnu< al-
    gn).
    0
    0
    0
    0
    0
    0
    0
    0
    0
    (sOiNSULTOUI
    Do
    Dr. J. M. Seve
    Pnrtcir Rna do Manpiez de i 'linda n. 36, I
    andar.
    Consullas Das II horas da manh as 4 ^
    da tarde. 9
    W, 0000 00^00 00SHR
    a\eiro
    Precisa-se de um com pratica de padaria e qar
    d fiador de sua conducta : na ra de Vidal d*
    Negreiros n. 147.
    Precisa-se de um caixoiro de 14 a 16 anno*-
    na ra do Rangel n. 9.

    Precisa-ce de urna ama forra ou. escrava,
    que saiba cozinhar, e um criado que se'preste ao
    servico de copeiro : a tratar na thesouraria das
    loteras, ou no Monteiro, em casa de Antonio Jos
    Rodrigues de Souza.
    Ignorndole a residencia dos rs. Luiz de Oli-
    veira Lima Jnior e Joo Rufino (este escrivo da
    vida do Cabo), sSo rogados a apparecereni ra
    Duque de Caxiaa b. 73a negocio de seu ulerease.
    Aluga-sc
    o sobrado n. 7 da ra do Commercio e o terceiro
    andar da propriedade n. 13 da ra do Bom Jess:
    na roa da Aurora n. SI.
    Attencao
    Quem precisar de boas amas seccas e de leite:
    di rija-se a o largo de S. Pedro n. 3, loja.
    == Precisa-io um 'aixe'ro
    pateo da Ribeira n. S.
    psra (averna : no
    A casa terrea ra do Coronel
    134, annunciada venda, foreira ao aballe a-
    sgnado, do que se d ciencia aos prctendenti**
    mesma.
    Francisco Jos Lerle.
    0000 000 0000000
    iK O Dr. Joo Maria Seve, medid parteiro ML
    K e operador, mudou a sua residencia para w
    W a ra do Riachuelo (Corredor d Hispo)
    ML sobrado n. 53, onde pode ser procurad)
    5 para o excrcicio de sua profissao, das d
    W. as 9 horas da manh e das S da tarde esn
    0 dinte-
    0000000 0000000
    Avisa-sc
    a quem der noticia da escrava GnisVrtniaa qm
    foi do tenente-coronel Feliciano Jnmansa dos San-
    tos, e oepois comprada ao Bario de NinreSM,
    represento ter 25 annos, tem falta de tarta a
    frente c as mns com cicairizes de a^Haatlwa
    de gaz, secca do corpo e muito regrisla, ene dw-
    appareceu da casa de sobrado n. M, da raa m
    Coelbos, que ser gcacrosameale rrrunanaaaiW).
    Precisa-se alugar orna preta para cosinhar :
    na ra do Rangel n. 9. % <
    Balanceador.
    Joe do Coulo pode ser ser amarado raa da
    Duque de Caxias a. 41 A, anaasea) da poda larga
    m
    4
    j
    '
    \



    i
    Diario de Pernambuco Quarta feira 21 de Maio de 1873.
    =

    )
    **
    s

    AL.TA MOVIDADE
    PIANOS E MSICAS
    t ANTONIO JOSfii 1IR iZEYEHO
    Ra do Barao da Victoria D.ll.armasem, ffl2 1. andar, antiga ra Nova
    rionie o publico em geral'encontr, hempre o maior e mais esplendido sortimento deptauos de
    Pianos, msicas e instrumentos de msicas para banda militar
    e orchestra.
    Acaba de tbrir do primeiro andar do sobrado o. 13 confronte i
    ootic* Usurar, nm grande saiao onda esto exporto* os magnficos
    M.Ai%OS de armar:o, de PleyeL
    de mete canda, do metmo antor.
    Roubo
    Pedo- a quera for eflorecido nm cando de
    chumbo Curiado na noute de 10 do ooMVOle, per
    tence:ili- bomba da cacimba dosillo d# Capunga,
    i'in que eside o abaho a*sjgna4o, n'PPW pa^i'i
    li*.'<' ''' iim'-'ii" i*:mu i cuiiii. >r I. r.i sjovv, vi>ki
    ojUe o canno fui frito pSu.i a dua bomba.
    fcHeeile, 17 ,le mal .bj 187:i.
    V. 6. FeniuUij.
    Francisco LiiuIm-IIio previne as pessoas
    rom quem teiufelares qu- o Sr. Joai|iiim an-
    na, nesta data d;ixoa ! Ittdenaiode 1873._______________
    Vetaravf Contara de Santa Rito de
    [ Caasia.
    ! ^m nome 4a eonsetsto administrativo sao con-
    vidados todos os nosaos etianssisaos irm.'u a as-
    siaflrein a testa a noata Excelsa Matriarcha,
    quiata-feira 1% do Horres** a a iadainha as 7 ho-
    rae da noote.______ ________ :
    O (aveatarianu dos baa do tinado Domin-
    gos JSranr seo Al vea Ferreira, pelo presente cop-
    | vida a todos que forem credores da mesma masca
    | inventariada qoeiram apresetr ao illiii, Sr. Dr
    juiz de orplias os seos requflmentos documeala-
    dos eom seus ttulos de crditos, para seren to-
    mado* aa devida considerado pelo mesmo Sr. Dr.
    juiz de orphlos, conforme a natureza dos mesmos
    ttulos, o que everao fazer no prazo de oilo dias,
    sob pena de nao serem attend dos se nao pela va
    ordinaria. Reeife, Iti de maio de 1873.
    Joaquim Cavalcante Hollanda Alhuquerque.
    Dato W0| sobre peohor em uina escrava :
    na ruado Hortas nr 86, sobrado.
    de H. Henri.
    da Amede Tbibout.
    nico agenta nesta cidade, dos eelebrea afamados
    PIANOS DE ftUCHER FR^RES
    ^miados em diversas exposi;oss om 14 medalhas de ouro e prata.
    Sao os onicos pianos que aqni vem da Europa, perfeitamente afina-
    ees, fettoa eom elegan :fa a solides.
    Tambera receben grande sortimento de mosteas para piano, piano a
    canto e entre ellas as lindas composicS-'S do omito rympathieo maestro
    F. SAETA!
    A SABER :
    Voe me qoer Walsa.
    Olga Marui ka.
    La Separacin! Para cauto.
    A Loa eleetrica, grande Wj1-!.
    Franco Brasileir Polka.
    Tomada de Valleta Glope.
    Joaninha Walsa.
    A Libertadora Polka.
    A Primeira espada Wal-a.
    A Mmha Lyra W*lsa.
    A Natalicia Poka
    Stud>ente Po ka.
    I I tima* paibllc^*e
    Feitas as offleinas de mnsicas
    do annonciante.
    Emilia, polka por I. Soioltt.
    Circaciana, scbotcb, por Smolts.
    Jardim lo Campo das Prieeus,
    quadriibs, por L Popne.
    Chova de Rosas, Walsa, por H. Al-
    b> rtaizi.
    D'aqoi anadiante continuar a annuneiar todas as publicares qne se forem friendo as suas officioss de msicas
    ,Quem avisa ami-
    go .
    Os propietarios da confeitaria do Campos pede
    aos seus amigos e freguszes qne Ihe estao a dever,
    o obsequio de viren saldar suas contas no prazo
    , de oito dias, pois esto resolvios a chamar nonti-
    nalmente por e-te ornal a todos aquelles que nao
    observar a risco este annuncio. Reeife, 19 de
    maio de 1873._______________________________
    " Aluga-se a casa que ifcvia servir para asylo
    das convertidas, em Santo Ara; ro, na ra da
    Lembranca do Gomes, com bastantes commodos
    ! para grande familia e proporcfcs para algum col-
    1 legio : a tratar na ra do Cpibaribe, casa n, 34,
    com Ignacio Barroso.
    No engenho da Sapucaia de Beberibe preci-
    ta-se de un feitor qtie tenha as habilitarles ne
    eessarias : a tratar na rna do Sol n. 31, segando
    andar.
    - A pessoa que tiver em seo poder uns aulos
    de execucio de Joaquim Salvador Pessoa de S-
    qnera Cavalcante contra Salvador de Siqueira Ca-
    valcante, que correm pelo juizo de dreilo da 2*
    vara desta cidade, esrrivio Baptista, queira leva-
    los ao cartorio deste.________________________
    Um rapaz com pratica de cobranca e nego-
    cios de ra, deseja se empregar nestas condi^Ses :
    quem i recisar deseos serviros deixe carta nesta
    imprensa com as iniciaes J. B. para ser procu-
    rado.____________________^____________
    Dase 3:000i a juros sobre hypotheca:
    ypot
    phia
    quem pretender dirlja-s a esta typographia a fal-
    lar com o Sr. Ferreira.
    {/jzinheira
    m. m^ b m a. mm.
    aos compradores do bem conhecido e acreditado rap
    REA PRETA, que reparem nos botes a maios botes,
    pois que os ha de rap de outra fabrica e nome diver-
    so, e com papel da mesma cor, cujo desenlio se pode
    confundir com o d'aquelles.
    Os apreciadores que qrdzerem do verdadeiro REA
    FRETA, devem para nao serem engaados ver que
    os botes tragam o nome de MERON & G, e a desig-
    napao de REA PRETA.
    Ds3
    r2
    Na ra do Imperador n. 75, loja, precisi-se de
    urna cozinheira, quer forra, ou escrava.________
    Ao publico.
    Sociedado em cont de participado.
    Fm consequencia de ter bavido as duas feiras
    desta semana 1,< 0 > bois. a preco de 7OO.) a ar-
    robo, contin a ser vendida cante gorda a "480
    rs. o kilo, na ribeira de S. Jos, onde esta socie-
    dade tem a maiorio de seus tainos.
    AtteiKjo
    D-se costuras de alfaiate e paga-se bem, as-
    siin como, tambem vende-sa urna machina ame-
    ricana, propria para costura : no pateo de S. Pe-
    dro n. 6, 1.' andar.________________________
    Gratifica-se com 20*000'
    Autos perdidos.
    Ainda nao appareceram os autos de inventario,
    que por esquecimento ficaram em um dos wa-
    gons do trem da linha do Reeife Casanga, na
    noute de quinta-feira 8 do correte mez de maio.
    cujo trem parti da estaco do arco de Santo
    Antonio s 9. horas e 1)2 da citada noute, e i
    annonciado desde o dia 9 por esta folha, ainda
    que com erro na data, erro que flea reparado
    no presente annoocio. Sao esses autos os do in-
    ventario que procede-se pelo fallecimento do fi-
    nado los Adriao da Costa Moreira, escrivo Alha-
    hvde" cno qual at o presente estao os interessa-
    dos na maior harmona. Assim, roga-se a quem
    os achou, a bondade de manda-Ios levar ao esta-
    belccimento de molhados do Sr. Antonio Jos
    Pires, caes 22 de Novembro, onde param os trena,
    ou ao dono do hotel de Caxang ; e em qualquer
    das parles pagar se-lia a gratiicacao cima.
    Ao publico.
    MERON a C
    GRABE DESCOSERA
    DO

    Publicaco importante
    DICCIONARIO
    DE
    O abaixo assignado proprietario do engenho Jus-
    sara de Sernhaem, declara s- Exmas. autorida-
    des e respeilavel publico para inteiro conheci-
    mento da verdade, que o engenho Cachoeira do
    termo da Escada, sempre se limitou pelo rio Si-
    bir cima, servindo tambem aquclle rio de limi-
    te aos dous termos e fregurzias do Sernhaem e
    Escada, por cuja razo nao podendo os conse-
    nhores do engenho Cachoeira pelo simples motivo
    de serem consenhores de duas pequeas partes
    de trras nD engenho Jussara do termo de Ser-
    nhaem annexarem ao engenho Cachoeira do ter-
    mo da Escada, terrenos indivisos e pertencentes
    a outro engenho de differente termo e freguezia,
    ! como o abaixo assignado em qualquer tempo pro-
    \ tesla provar se preciso "for.
    Serinhem, 15 de maio de 1873.
    Joo Florentino Cavalcante de Albuquerque.
    Aluga-se o primeiro andar do sobrado na
    ra de-Santa Rita n. 2o : a tratar na loja da ra
    do Duque de Caxias n. 44.
    ROT \ "NTTfl A R"R AfiT /ETRO : Aluga-se urna casa em Santo Amaro das
    JIAjULKjJX. BOABUjriUXXJ gajiw na linha dos bonds, na estrada de Olin
    ; da n. 15, propria para familia, estreada e acha-
    se em bom estado : a tratar no n, 19. *
    dos vegetaes do Brasil, tanto indgenas como acli-, A|uga.s, llllla ^.a granJc cum bom quintal
    d .____ j j j i. c alvoredo fructferos, na Caponga, ra das Per-
    Revista por urna conmusso da sociedade vello- namni,fana n Q tratar ionio inmi
    sianna e aporrada pela faeuldade de medicina da namnucanas n. 9 a tratar jonto a mesma.
    corte. Precisa-se alogar urna preta para cozmhar:
    Contendo : urna descripeo scent(icawda.jcada na ra do Rangel n. 9._______________________
    E' preparado este xarope de manac e mais algumas plantr.s indgenas do Amazoua,, I ^^^^^ ^o Til- '
    Composto de manac ante-rheumatico e depurativo
    PELO
    Ou compendio
    Para sitio.
    Precisa-se de om tralwlliad n pora tratar de um
    pequeo sirio |rto da |>i ara : a failar na rita No-
    va n. 19, l'aidar.
    nfio contm preparadoalgur mercurial. Cura com rapidez rheumatismo, dores nos oswsjpropriedT^^ sua utld Duqoe
    . d
    erupedes syphiliticas dartrosas, oscrofula e todas as molestias que dependerem
    desses virus. A sua composi$ao foi approvada pela junta central de hygiene pu-
    blica.
    A cada garrafa acompanha urna explicado para a forma de usar. Preco
    urna 3^000.
    5* nico deposito nasta provincia ra do Baro da Victoria n. 38, chapellaria de
    Monteiro & Silva.
    as artes, industrias, economa domestica
    ENA VETIRINARIA
    eoordeutaaio e tredfgido
    de cada i*01 g'amteparte sobre os manuscriptos do Dr.
    Anuda Cmara
    POR
    Dinheiro juros.
    andar da roa do Duqoe de Caxi
    ha quem tenha 7UO000 para dar juros.

    AUencito.
    O abaixo assignado faz sciente ao respeilavtl
    corpo do eommerro que nesta data tem admitti-
    do Como seu socio em sua taverna ra do Mar-
    DE
    *
    CABELLEIREIRO
    Ra do Imperador n. 381. andar.
    0 artista Andrade, antigo e acreditado ofcial da casa de Delsuc, participa as Exmas.
    fairias e ao respeitavel publico desta capital, que acaba de abrir este novo saldo, aonde
    se aprompta com perfei^o toda e qualquer encommenda tendente sua arte.
    Prepara-se pimtendeados e postigos, pentea-se coques, cabelleiras e cacbe-peignes,
    concerta-se toda e qualquer obra em cabellos e faz-se com perfeifo toda obra de cabellei-
    reiro sobre encommenda ; tudo 10 por cento mais barato do que em outra qualquer
    parte.
    Aleta desta grande vantagem compromette-se em servir, com pontualidade, perfei-
    io e asseio, para o que tem habilissimos artistas.
    Outro sira, avisa as mesmas ExmaflAmilias que em seu grande salo, ha continua-
    damente sortimente completo de coquJP|ftche-peignes e topetes,' tudo de m|Jernissmos
    gostos,
    Ra do Imperador n. 381. andar.
    Pharaaccutico ^co v-cio .peoiai ue r- a cujo cargo tica todo o activo e passivo
    ns e mandado imprimir por seu irmo o ferida taverna.
    bacbarel Zeferino de Almeida Pinto. Retite, 14 de maio de 1873.
    Acaba de chegar do Rio de Janeiro esta obra' Francico Albino de Souza Pinto,
    recentemen publicada. Roga-se aos illm9. Srs.; Manoel Gon^alves dos Santos Pereira.
    assignantes de procurarem os exemplares de sua ,
    assignatura, na livraria Econmica, ra Primeiro -xf-----\L"--------------------------------------i-------
    de Barco n. 2, onde se acha tambera venda ditaw Vennam Ver para Crer ] lan-
    zinhas finas a 320.
    A Rosa Branca recebeu una porco de las es-
    uia casa terrea eom sitio, na ra do Visconde curas, de quadros e listras, e est queimando a
    de toyanna n. 161 (Estancia) : a tratar no largo 320 rs. o eovado ; fazenda tapada e que se po-
    Alugase
    da matriz de Santo Antonio n. 2, i.* andar.
    Antonio Jos dos Santos retira-se para Por-
    tugal.
    , de lavar : na ra da Imperatriz
    Rosa Branca.
    DOENCAS SECRETAS
    Ch.ALBERT
    onu iudical, nomri nru filo
    TmO Di Munmn,ii I^pigen. I
    slporcas, Dortmlliaa, ulcers* vicios del
    I sangne, debidade, tamores.
    lotos lminos i Oorrimcntos recentes!
    on siltifot; florea brancas, cores peludas-1
    Parlt, 1S, r. Montorgnen. 900>rto gratis-1
    Dtpodto en Ptrnambue, A. &BOORO.I
    *
    n. oti, loja da
    Chapeos de sol iuglezes a
    12^000,
    A Rosa Branca recebeu nova remessa dos bem
    eonbecidos chapeos de sol que co turna a vender
    e continua a vender pelo mesmo preco : na ra
    da Imperatriz n. S6, loja da Rosa Branca.
    Allencii.
    . Aaba-se fgido o escravo Bartholomeu, altura
    | regular, edr preta, grosso do corpo e sem barba;
    ; muito ladino e costuma andar calcado com tima
    ; bolea na mo, vestido de paletot: a qtiem o ap-
    i prebender e cooduzi-lo a ra do Coronel Suassu-
    )na, outr'ora Aogusta, n. 78, gratificar se-ha ge-
    nerosajnent*.

    Precisase de um criado ile 12 a 11 snshh t
    idade, livre nu ocraro, para OMBpnM e uianda-
    dis : qcem liver aniiiinrie por rsle IH-nia, osj ili-
    li|k-su lV.4~.-iy.iiii da Magdalena a enlendirsi
    eom o respectivo prufosor.
    . COXSIITOIUO
    1QDIC0 CIEUE5ICD t
    DO (5
    Dr. Mallos Guerra. Q
    Especialidades : molestias das mu- irx
    Iheres, das criancas, molestias venreas w
    e syphiliticas. v
    Consultas das 8 s 10 horas da ma- w
    Chamados qualquer hora do dia e >u?
    da noute. r%
    Gratis aos pobres. >W
    #Rua da Imncralrz n 3G, primeiro, andar. W
    Aluga-se orna boa casa em JaboaUo, com
    mnitos commodos e fresca : a tratar na roa do
    Mrquez de Olinda. armazem n. 62. ______
    Precisa-se de um caixeiro de ti a 16 anims:
    na rna do Rangel n. 9..______________________
    Escravo fgido.
    Pugram ha dias de hudi do patacho brasil, iro
    .lra../',os escravos marinheiros Joa |ui.n e Antonio
    aquelle alto, magro, [>.'< grandes, levou voaMa
    palitol cinzento, cal .-a igual, chapeo preto baixo;
    este altura regular, falla muito mansa, levot ver-
    tido calca branca e pallot preto. Quem os |>egar
    ou dellcs der noticia no escriptoro de Antieiin
    Luiz Olivcira Azevedo & C. ou abordo do dito na
    vio, ser recompensado.
    Escravo fgido
    Ausentou-se da casa de seu senhor, e vaga pe-
    las ras desta cidade, o escravo Manoel, erioulo,
    cor preta e de 32 annos de idade, altura Iwa, oNsM
    vesgos, bar ado e tem o vicio de embriaguez,
    do qual torna-se muito fcil a prisao por nio oc-
    eultar-se e dedicarse ao servco de descarrego
    de canoas, na Roa-Vista, Santo Amaro c outros
    lugares. Pede-se as autoridades polinaes e cap-
    taes de campo a sua priso, e leva-lo na larga
    do Rosario n. \', I.* andar, que se g.atilicar.
    Escravo fgido
    169000
    No engenho Massuass, fregoezia da Eseada, se
    iar de gratifieacao a quantia cima a quem ap-
    prehender tres cavallos que naquelk engeiilio
    forara furtados na noute do dia M para 30 de no-
    vembro prximo passado : o tem 9 annos,
    ;astanho e castrado, tem a orelha direita bastante
    aseada, urna estrella na testa, e no quarto esquer-
    do tem urna cruz ; o 2. rogo, cun piulas ver-
    melhas nos quartos, grande, gordo, toa o pes-
    :oco fino, castrado, tem os quadris ftidos da
    eangalha, ferrado coma marca-I. R. do lado
    direito, e tem a idade de 9 annos; o 3.* redada
    sanhass claro, curto grosso, um pouco cambito,
    castrado, pequeo, e est ferrado com a marca
    - Ono quarto direito : gratifica-se com 504000
    por cada um em presenca da iwssoa, em cujo po-
    der for encontrado qnalquer dos ditos cavallos.
    AMA
    solteiro : na
    Praia n.j!8,
    Precisase de una ama que
    saba coziuhar, lavar e engom-
    mar para casa de um hornera
    ra de Pedro Alfonso, antiga da
    Ama Precsase deunn ama que eoxiabe
    -Vllt ra Duqoe de Caxias n. 91.
    A
    . Precisa se de urna ama pan
    \ -casi ile duas pessoas : no I
    ifl 1\ do Corpo Santo n. 17, loja.
    Gozinheiro.
    Pnviza-sc A>- nm, li -
    rarregue n tambera
    HsVa>: a tts'.
    , laraes
    de t
    C3XPRA?.
    &O#0G**
    Irstes.

    r erad ir n. VS.
    rnsassn s^ c sntta-sa trastes ? ^
    usado* : no amta i.i da rm Isa-
    lad ir n. VS.
    V'WOAS.
    Boa acquisicio;
    Pi r seu ilMio ttr a RurnrM.on le vai r*silir algj'n
    IcmrM), vrtnle-M um optign predio
    Ilmros luiaii'la l>s ile oi. ,, ,|a |SjjtI se
    descurtira lian s bxln o ocano *\dt o
    i-alio ib- Santo Ayo-uinl.o at muito ales*) da
    ponta '.t
    trra, as litvl ;s |wysar.-ns do > aite e tul ;
    tcndoiTi quintal rotular, rom .irvoraste>
    plantado lia dous a;i:i>is, knrnsjM asvasti*
    til; urna cacinilta |h... d'a^ua p.-.ra o pav
    to diarin, e urna cisterna d a^na pnta-
    tendo oiizu quartos .- ; i ptic,- grande arinazcn o qiu- |m'i i; >ir .le co-
    xcira ou do i.isidenr.a um sidiio, proasriu para I jado eni toda a <[> iiiiiiaeao f}.i/. ; r rtli MqN.i.is de liT S^ul
    caii.dis.idfl. Acha -se i cpants
    tenn'nto, nao s'i dos mov.-is in*lipcpsv.'fi
    qualquer familia, como tos do cosinlia c do tnsa. V- hI> se a .-
    nheiro, mi ro.no se ni ha, mi r. tiran
    Oto veis. Oiioiii quizor ve-lu,
    rara chave na nio do Sr. I.uiz ds) Rf9
    Barros, mgonte do h ispi< o d-- .iIpiuho : o
    a tratar nesta ly|iogra iiia, <[u- 9 hora' -a
    niaulia s 3 d.i t.n ', u i: !'>_ la Pan
    l.-rgo da matriz, p.ilac *
    hora ule 7 e meia da man..;.
    AVISO
    Na taverna n. 22. ra <
    Imperatriz
    VESOS l :
    Rap ap'ia-fina a !Hm n. a libra.
    Rap snnerinr a (.!"'' rs.
    I;.,|k- aie!-|nria a I*' 10
    Manteir'a ingleza a I |Mt.
    Dita franeeza a MI n.
    E outros bons olijertos a |irec.r<
    la
    J chrgaiam os mar.-ivilh.ww H>)ro< asSJsV
    ciaes da China, para erem s.ilto< nos saMVs e jar-
    dins: ciixinli.is eom variado cos desde So 5 si.4 SU i rada raixa ao anawss>
    I do raes da r.lfand WaonRowc G
    era o seu armazeai rna d i ('"..une. eio c
    teem para vender :
    O verdad, iro algodio iznl araencawi d
    peri.r qualii...le.
    Fio de v>la do BtslW.
    Casjaac asares J. Mat
    Violto di- BorsVaRx
    E MU si'iis d.'i- -it < .-..i van Ar podra V \-4u
    ;'rc" as ajiiMins
    i "\ f A l*rccisa-se de una
    A.aLi\. esorava simiente para
    tratar na na do Apollo n. .'ti
    casa de familia
    miilher livre ou
    lavar roupa : a
    ida.
    Engenhos :! xa
    Vende-se os ergeobos : (..mel.'ira, cum
    i' dous inilp.i'-. s tuado no luc;r dfswwasu^i
    -__- Precisa-se com brevidade, jBarra de Panellas a mr.rgew do rio l'.rai.
    A \%m A de urna ama forra ou escrava, la ^leguas da e-ta..'.. dr i na, ntn wwm para
    xm. 1T-sixm. para todo o servieo de una : salrsjar aiiiui.-ilinoiite de i a un) iii-
    ra da Coneeteao i. i5. ; les. 'ni san d.- .1-n- n il pac -iltisdo s sW-
    tricto a Agiia-l'r.-ta eii Km-..- Ja tstsfia de
    l'na : n pr< endente a ambo?, nu i ajMl i : i i
    dos isas refer Isa riii.'. nli >, ai ti'0U-*f coa
    J i.i|iiiiu Rodrigues tasases aa M.-llo. no h
    praoa A (/qm S uto n. I".
    ta Mai"i|iies Dias, n i- viudo t"-
    Yma
    Precisa-se de una mullier que en-
    gointne bem, para casa de familia :
    tratar no principio da estrada des Aftlictos, sitio
    n. 33.
    AMA
    Precisa-se de una asta pira
    andar com meninos : na ra da
    Inqieratriz n. H, I.* andar.
    Ama
    Prccisa-se de urna ama boa enznhei-
    ra : na ra Duque de Caxias n. 75, I ja.
    a
    Aluga-se urna escrava para todo serri-jo
    tratar na ra da Gloria n. 146.
    MOFINA
    Est encouracado !! !
    Roga-se ao Illm. Sr. Ignacio Vieira de Mello,
    escrivo na cidade de Nazareth desta provincia, o
    favor de vir ra Duque de Caxias n. 36, con-
    cluir aquelle negocio que S. S. se comprometteu a
    realisar, pela terceira chamada sate jornal, em
    lins de dezembro de 1871, e depois para Janeiro,
    passou fevereiro e abril de I87,e nada cumprio;
    e por este motivo de novo chamado para dito
    um, pois S. S. se (leve lembrar que e de mais de oito annos, e quando o Sr. seo lilho se
    achava nesta cidads.
    Aluga-se orna ama que cozmhe perfeita-
    mente e engomme, para um hornera solteiro : na
    ra do Fogo n. 18, 2." andar.
    O tachare! Gaspar de Yaseoncellos Menezes
    de Drummond ad'Oga no civel perante os audito-
    rios do termo de Santo Anlo e da Escada, onie
    principalmente reside e pode ser sempre procura-
    do sua casa, junto estaco da e irada de Ierro.
    Para qualquer communicaco, que se nucir diri-
    gir-lhe para all com a maior promptdao, haver
    possibilidade nesta cidade roa da Aurora n. G">,
    ou ra do Imperador n. 80._______________
    Antonio Joaquim da Gama pede aos senho-
    res abaixo mencionados de entender-se com elle a
    negocio que os mesmos senhores nao ignorara :
    Feliuto do Reg Barros Pessoa._______
    Engommadeira
    Precisa-se de urna ama livre ou escrava : no
    Caldeireiro, casa de Francisco Joaquim R. de
    Bntto.
    PENHORES
    Natravessa da ra
    dasCruzes n. 2, pri-
    meiro andar, d-se
    dinheiro sobre pe-
    nhores de ouro, pra-
    ta e brilhantes, seja
    qual for a quantia.
    Na mesma casa
    compra-se os mes-
    mos metaesepedras.
    Silio
    Vende-se o sitio n. VS. a na do \":-.-
    Goyann.i, antiga i na I Ibi : a tratar a
    do Lvramento n. 6, loja._______________
    Vcndc-sc.
    a ca-a n. lili da na do iroiv I
    l Mari -i: a tratar na roa ski Vigario T'.-
    norio'n. 3, i' andar._________________________
    Salsa-parrlha
    damnis nova que ha no nvuead- ::'.
    ra do igario o 7. i" .nlar. ^__________
    Caf de Java
    O Campo*, da tueiuilana, ro.?*e pir sal js
    vaporea o tao (irecmisa lo Caft Viese, n*..-.'
    em latas que vende a 600 r a libra.
    S na ('.onbilaria dol'..iiii|H(S.
    NA RIA IK) I.MPKRADOR S. ii.
    Fiambres preparad, m .
    ASI.IRltAS KINfKlli 1
    Com iis's ousom ella*
    O \erdadeii > eh das
    caravanas chine/.as.
    S na Confeitaria do Campos.
    Rl'A l'O IMIKRADOIl N. i.
    A 280 rs. o eovado
    Caiibraia muito fina e de lindos pseries a
    rs. o eovado, baratsimo : na loja do
    ra I* de Marco n. 7 A. amiga do Cn-qw.
    Vende-se a tavmu da rna lesa erial a 42,
    bem afregnezada para a Ierra e com bastaran
    commodos : a tratar na menina
    V -i A. 11/ J J 1
    o hotel da ma de Lomas Valentinas n. M, sjsaite
    afreguezado : quem nretender dirija se roa a
    Praia n. 47, para Iratar.
    lua canoa.
    a. *,
    Venac-se una canoa de amareUo, qnasi nm,
    35 palmos de comprimento : a tratar ea rae sar-
    ga do Rosario n. t, ou no caes i
    com o Sr. Victorino.
    Cidade da Victoria
    Vende-se nessa cidade urna casa sita Laga
    do Barro, muito propria pan se tasar asa rio
    predio por ter umita largura e graae osmMai, e
    ter a meiarao nos oitdes de pedra e cal, esa lugar
    propro para negocio, cuja casa 4 onde mora a
    Sra. D. Joanna : a tratar em Afogsdos, largo da
    Paz n. 33.
    Vende-se
    ps de larangeira de umbigo e da (Juna, pes ie
    frocU-pao, pinha, sapotase sapoMi, ti '
    tos: na Ponte de Ucha n. id.
    fapassa-se
    A loja da ra | Imperatriz n. 7, com bonita-
    armaf&ve casa pira morar familia : a tratar naJRi
    mi Hn rinsAMSi 14 HaIaI H'filnmn* m
    Vende-se ou trocaee por
    a propriedade Cavalleiro 4a Pora -
    eipi, fregoezia de AfogadM, a
    de Jaboatao. A propriedade tem caca
    assobradaa, teude, boas vaneas,
    fe.
    ra de
    n. 1S, Hotel d'Europa.
    Iguetr
    Setarsae Jes* Fu-



    6
    DUrfo' d Pemambuco A.Quartaiferra 2* de MaiG d 1M3

    Triumpho da
    m *
    &.
    Em tempos modernos nenhum descubri-
    mento opwbu rnaior revoluto uo modo de
    curar anteriormente em voga da que o
    MIL DI AWCAiHA !
    TANTO NO TRTAMENTO
    DA
    Tosse, Grupo,
    Asthma, Thisica,
    Rouquidao, Resfriamentos.
    Broiichiles,
    Tosse Convulsa,
    Dores de Peito,
    Expectttraco de Sanguc.
    Eoino em toda a grande serie de enferme-
    dades da Orgttos iln ri'M|i*n;Ao. que tanto
    atormentam e fazem soffrer a humanidade.
    A maneira mitiga de curar consista gcral-
    mente na applicago do vesicatorios, san-
    gras sarjar ou applicar exteriormente un-
    gentos fortissimos compostos de substan-
    cias vesicantes, alim de produzir empolhas ;
    cujos dilferentes modos de curar, nao faziam
    senao enfraquecer e diminuir as forjas do
    pobre doente, contribu indo por esta forma
    Turna maneira mais fcil c certa para a en-
    fennidade a dcstruigo inivitavel de sua
    victima Ouain difirante pois o elleito
    edmiravel do
    PSI133AL DE mCASUIU!
    Em vez de irritar, mortificar e cauzar inau-
    ditos-solrimentos ao doente,
    Calma, molifica e suavisa a dor,
    Alliviaa irritago,
    Deseavolve o enten limeuto,
    Fortifica o corpo
    e faz com que o syslema
    desalujo d'uma maneira prompta e rpida
    ate o ultimo vestigio da enfermidade. Os
    melhores rolos em medicina da Europa, (os
    lentes dos collegios de medicina do Berlim)
    testificam serem exactas e verdadeiras estas
    relaedes analgicas, e alm disso a expe-
    riencia de minares do pessoas da America
    He6panhola, as quaes foram curadas com
    este m iraiilboso remedio, sao mais que sufli-
    cientes pira sustentaren) aopiniao do
    PSITORAL DE ANACAHUITA!
    u-se notar que este remedio se acha
    inteirami nte sent de venenos, tanto mino-
    ris, como vegetaes, emquanto que aleaos
    ts ltimos, e particularmente aquellos
    '' ladossob a forma de opio, e aci-
    hvdrocianico, formara a base da maior
    >s Xaropes, com os quaes tiio l'a-
    icntc so engaa a redulidade -do pu-
    composigao de anacahuite peito-

    irtiil i cada um, e como adose que se
    I na d'uma colher pequea, basta
    applicacao u'um ou dous fras-
    ff ui.,'.;."i i de qualquer cura.
    ,i \ r la em tolas as b.ticas.
    II. Fro ers & ('.., agentes.
    inda o cariosamente engarrafada
    da m li la de cerca de meio
    A
    Para a boaconsc'vaco
    YOi^O CABELLO
    i SAI 1)0
    um preventivo seguro
    a calvice.
    d e r i laura forra e sani.lade pello da
    c.
    pr trapo faz cessar a queda prema-
    tura '.abolles.
    i"1! I' lie riqueza do lustre aos ca-
    .;!...
    Elle 'o .' i faz preservar os cabellos, em
    quali, forma ou posico que se dse-
    te, n'ui.' estado fangoso, lisoemaeio.
    Elle faz crecr os caballos bastos e compri-
    dos.
    Elle conserva a pelle eo casco da cabera
    limpo e I i vio de toda a especie de caspa.
    Ello previne os cabellos de se lomarcm bran-
    C 5.
    Elle conserva a caboca *i'um estado de fres-
    cura refrigerante e agrdate!.
    Elle nao (' ''emasiadamente oleoso, gordo-
    .; i i pegadizo.
    ;' dtixa o menor ebeiro desagrada-
    o< cabellos das
    no empenho de' beni servir aos seus fregiunes e
    ao publico em geral tem procurado iYovcr-'se do
    ue ha de mellior e da ultima moda nos mrca-
    os de Europa para expodo aqui venda, cer-
    tos de que os seus artigo* sero beni apreciados
    pelos amantes do bom e barato ; passa a ennu
    merar alguns d'entrs elles, como sejain :
    ALU>S, os mais ricos que leu viuda a este
    mercado, com capas de madreperola,
    tartaruga, marfim, velludo e chagrn.
    ADEUECOS pretos e valas proprio para lulo ;
    assim como, um bon.to sortmfltnoW
    ditos de platin, obra tina I niuilo bao*
    acabada.
    BOTES para pnaos, o que w pode desojar de
    melhor em plaqu tartaruga, madre-
    perola, marhtn e sso.
    BOLQAS de velludo, seda, pallia e chagrn, o qtte
    ha de mais moderno e 1 ndas.
    BICOS de seda e de algodao, tauto branco como
    prcto, de variados desenhos
    CASSOLETAS pretas de metal e de madrepe-
    rola.
    CAIXINHAS para costura, muito ricas e de dl-
    verso3 forn tos, com msica e seaa
    ella.
    COQUES a imitado, o que pode haver de mais
    bonito e bom gosto.
    DEADEMA?, neste gertero a Predilecta apre-
    senta um grande e linda sortimento
    capaz de satisfazer os capricho* de
    qualquer senhora por mais exigente
    que seja.
    PORT-BOQUET de madreperola, marfim e osa,
    este um objecto indispensavel s se-
    nhoras do bom tom, allm do aspirar
    o aroma das flores sem o inconvenien-
    te de nodoarem as luvas, ou mancha-
    ren as delicadas roaos.
    PEN'TES de tartaruga, de marfim e de bfalo, pa-
    ra alisar os cabellos e tirar biehos.
    PERFUMARAS. E" sabido do publico que a Pre-
    dilecta sempre conserva uin importan-
    te sortimento de perfumaras de fino
    odor dos mais afamados fabricantes,
    Lubin, Piver, sociedade hygienica, Con-
    dray, Gosnes e Rimel, que incum-
    bido da esculla dos aromas mais bem
    aceitus pela sociedade elegante da
    Europa, e por tanto, aeaam-se na
    possibilidado de bem servir aos aman-
    tes dos perfumes.
    A PREDILECTA deixa de enumerar urna im-
    niensillarte de artigas, alim de nao mas-
    sar aos leitores e se pede a benevo-
    lencia dj respeitavel publico em di-
    rigir-se ra do labug n. 1 A, pa-
    ra convencer-se aonde pode comprar
    o que bom e barato, assira como:
    FACHAS- ricas e modernas de tuquim e gurgurao
    se la
    VESTIMENTOS. Ricos vestimentas para meninos,
    por liaratisimo proco.
    FLORES. A Predilecta prima em conservar um
    bello sortimento de flores ao alcance
    de qualquer bH;a anda que nao es-
    teja bem reptela de dinheiro.
    LFITAS. j bem sabido do publico que s na
    Predilecta que podem encontrar um
    grande sortimento de lilas de setim,
    tafet.i, vello*, linho e de algodao, por
    cnmmtWa prego.
    GUAMPOS de tartaruga, i im i tcito destes, pre-
    tos c c'e eiMs, o que'se pode dtsejar
    de mais moderno e bonito.
    GRAVATAS de seda e de cambraia para senhora,
    Incos e golinhas de bonitas cures, tam-
    bem tem um bom sortimento de gr-
    valas e regatas.para homem.
    JARROS de porcelana e de vidro multe bonitos
    para omatos de sala.
    Mei s de seda, de la e de algodao, pa-
    ra senhora, meninas e homem.
    LEQUES. Rieos leques de madreperola, tartaruga,
    marfim e de sso, os mais modernos e
    pnr barato preco.
    LUVAS de pellica, de seda e de algodao, para
    homem e senhora.
    LIVHOS para mista, a Predilecta aprosenta es-
    collia do respeitavel publico um bello
    sortimento destes livros com capas de
    mailreperola, tartaruga, marfim, sso,
    velludo e chagrn, por procos mui
    razoaveis.
    Novidade.
    A Predilecta, ra do Cabug i n. 1 A, acaba
    Je re eber pelo ultimo paquete ebegado da Eu-
    ropa, um bello sorlimeuto de corpinhos de cam-
    braia bordados para senhoras e meninas, golli-
    nhas e punlios tambem bordados e de pbanlazia,
    Balas bordadas, ditas com cntremeios para senho-
    ras, bonitas calcinitas de diversos lapadnhos
    e transpacutes para meninas, que tudo vende
    por barato preco.
    E' baratissinio
    Basquinas e rasaquinhos de seda ricamente en-
    feitados e em milito bom estado, para sonhoras e
    meninas a 7( O i.
    Pechinchas.
    Chapelinas e chapeos de palha, velludo e seda
    para senioras e meninas, por preces baratssimos
    c If, :i e 4.
    Anda pechincha.
    Balos cm perfeito estado para senhoras e me-
    ninas a lflO.
    . Para acabar.
    Riqusimos cintos com lacos e sem elle e de
    gestos muito chiques a 400 e 5' O- rs.
    Entr.-meios e babadinhos a 400 e 500 rs. a peca.
    Saias de la para senhora, 1 .
    Estas pechinchas s se encontram na loja do
    Passo, ra i. de Marco n. 7 A, antiga do Crpo.
    ro tneVior artigo para
    TIJViC :.
    EMe :i lior
    n :
    amis aprasivcl artig
    cao o arranjo dos ca-
    ' senhoros.
    i' < i artigo proprio para o pentea-
    j aos cabejlos e barbas dos seuhores.
    NENHUM TOUCABOR DE SENHORA SE
    ir K CONSIDERAR COMO|C0M-
    PLETOSEI
    T0.NK10. 0R1KNTAL
    al nresorva, limpa, fortifica c aformosea
    O CABELLO.
    Ada-se venda -nos estabelccimenlos de
    K 'oi.v:,- C., agentes. E em todas as
    pneipMfi lejas do perfumaras e boticas.
    Moretes <* Irmo
    Em seu oscriptorio ra da .Madre Dous
    n. 5, !. a-.idar, l&u para vender por prego
    commodo .
    Vinli dn i'4fel superior engarrafado
    Cerveja Bass.
    TASSOIRMAOS k C.
    Em seus armazens ra do Amorim
    n. 37 e caes do Apollo n. 47,
    tem para vender por presos commodos :
    lijlos encarnados sextavas para ladrilho.
    Canos de barro para esgoto.
    Cnente PorUud
    Cimento Byraubcc
    Machinas de descarocar algodap.
    Machinas de natiaria.'
    Potassa da Riissia em barril.
    l'hosphoros de cera.
    Sag". em garrafies.
    Sevadinha em garrafe*.
    I.entihas em garrafes.
    RhOffl da aJmalca.
    Vinlio da Parto \elho engarrafado.
    Vinho do P"rto superior, di o.
    Vintao e Berdeaox, dito.
    Vinho do Soherry.
    Vinho da Vadeira.
    Potes com lingnas e dobradas inglezas.
    Licores linos sonidos.
    Cognac Gaulhier Freres.
    Latas de toucinho inglez.
    Barris com repr.lho em salmoura___________
    VENDE-SE
    nma boa casa terrrea, quartos, 2 salas, cozioha externa, cacimba, gran-
    de quintal, plantado e mralo, sita na ra das
    Crioulas (Capanga) : i tratar na ra fia Flore -
    tina n. 14.
    Adoreeos de'bri-
    lliantes, esmeraldas
    rubins e perolas,
    voHas de' perolas.
    A.
    Obras de euro e
    prata de todas as
    qualidades.
    BAZAR DA RA DIREITA
    HOJE
    MARCILIO DAS N. Si
    Neste estabelecimento encontrar o respeitavel publico o mais completo aortimeolp
    de miudezas, chapeos, calcado francez e artigos de luxo; e recebendo quasi todos o smm
    artigos de propria encommenda de Europa, acba-sc as condi^es de retalbar mais barate
    do que qualquer outro, e quem duvidar veja :
    Ricos
    N.
    NOV
    2 A-
    LOJA
    Ra do
    DE
    DE
    Cabug
    JOIAS
    -N. 2
    Ifr r
    ;
    Achairdo^-se completamente reformado este estabelecimento, e
    teiidu os sous proprietarios feito uraa importante aequisicao de
    jows as mais modernas! vindas-ao mercado, e de qualidades superio-
    res, convidam o respehavol publica a Aier' uma isita.- ao seu es-
    tabelecknanto, aim de apreciar e comprar uma joia de gosto por
    preo razoavel1.
    GRANDE LIQUIDAGO NO BARATEIRO
    DO

    BAZAR NACIONAL
    Ra da Imperatriz n. 72
    DE
    Lou'reucoPereira lleudesGuiaarcs
    CASEMIRA PRETA A 29500 0 CORTE. I COLXA9 DE FUSTO A 2*800.
    Vende-se cortesde caseroira preta paracal- Vende-se colxas de fusto, do cores,
    ras de homem a 29500, 49500, 59 e 69000.' 29500 cada uma.
    PANNOPRETO FINO A 29500. COBERTORES DE PELLOS A S200.
    Vende-se panno enfestado proprio para Vende-se cobertores de pellos e papado
    caifas e palilts a 29500, 39, 49 e 59000 o a 19200 e 19400.
    covado. SAIAS BRANCAS A 29000.
    ALPAGA PRETA A 500 RS. Vende-se saias brancas e de cores a 2000
    Vende-se alpaca preta fina a 500 e C'0 rs. o 29500.
    o covado. TOALIIAS A 800 RS.
    propnas par
    Vende-se toalhas felpudas
    rosto a 800 rs. cada uma.
    BOLSAS PARA VIAGENS A 39000.
    Vende-se bolsas para viagens a 39, 39500
    CORTES DE BRIM A 19500.
    Vende-se cortes de brim para calcas de
    homem a 19500 e 29000.
    CHITAS BARATAS A240 RS.
    Vende-se chitas francezas largas, para e 49000.
    vestido a 240, 280, 320 o 300 rs. o covado.' LENCOS BRANCOS A 29000 A DL'ZIA.
    CHITAS PARA COBERTA A 280 RS. Vende-se lencos brancos a 29000 a du-
    Vende-se chita finas para cobertas a 280 zia.
    rs. o covado. GROSDENAPLES PRETO A 19800
    MUSSELINA DE CORES A 400 RS. Vende-se grosdenaples preto para vestidos,
    Vende-se musselina finas, de cores para a 19800, 29, 29500, 39, 49000 e 59000 o
    vestidos a 400 rs. o covado.
    FUSTAO BRANCO A 320 RS.
    Vende-se fusto branco para vestidos a
    320 rs. o covado.
    CASSAS FRANCEZAS FINAS A 360 RS.
    Vende-se ce.ssas de cores muito finas a 360
    e 400 rs. o covado.
    CAMBRAIA BAPTISTA A 400 RS.
    Vende-se cambraia baptista para vestidos
    de senhora a 400 rs. o covado.
    covado.
    MADAPOLO FINO A 49000.
    Vende-se pecas de madapolao, a 49000,
    49500, 59, 69, TO000 e 89000.
    ALGODAO A 49000.
    Vende-se pecas de algodao bom a 49,
    49500, 59, e (>?000.
    ALGODAO ENFESTADO A 900 RS.
    Vende-se algodao enfestado a 900 rs. o
    metro.
    SOBERANA E 1NFALLIVEL
    IIUEOCO
    DO

    FOGO
    ut
    CW
    dado.
    ni.idiiho de superior qualir
    Valdivino da plvora, no seu armazem de sal
    ra imperial n. OrTtW sciente ao respeitavel pa-
    "hlco desta ridade, que se acha satisfactoriamente
    prevenido da todo o foga que mislir para 6
    fpstejos de Santo Antonio. S. Joo e S. Pedro ;
    assim como um. excellente sonimenlo de fogo &
    ar, bomba real e pistolas de quatro a seis bal
    ditas de duas e tres balas, unido a urna bi
    eolleCfo de uutros fuguinhos para brinquedos
    \Tiinr*l^ie eostumam divertir-se oc*i a mar-
    'cjlhosM rodinhas de salas.
    atid
    Lxroe.'
    ""''sa batid.', 'i'' l
    i GIO rs. a libn
    "> rs. : rm rn,
    de\aIdWBt>d
    ' flPpide-se 30 > palmos de torra na entrada
    do Lea, lugar dos Remedio* eoii excellente
    barro, para toda qualidade da obra, que delle se
    queira fabricar : qacra pr^lender pode dirigvse
    a tratar com ^;na-io de Souza I^eo, no mesan
    lugar.
    R. MATTKfl
    EJLUTH
    Da faciildle de \m\m\m k Pars, eavafoeiw h L\iio dlionra.
    A blennorrhagia, ou purgac^o, uma inflammaco do Canal da uretra, occasiona-
    da a maior paite das vezes pela oommunicacq impura. Nao uma alYec^o geral, que
    d logar, como a sj phlis a accidentes secundarios. E' uma a(Tecc,ao puramente local.
    Effectivamente, os mediaincfos que ha muito teem sido applicados interiormente con-
    tra este mal, taes como a copahiba, cubobas etc., nao produzem effeito seno coramuni-
    cando s ourinas algumas das suas composic4es, que, pula sua passagem atravez do canal,
    se tornam urna verdadeira injeecao.
    Para quesera necessario carregar o estomago com essas preparacoes nauseabundas e
    repugnantes T Pata que preciso fatigar os intestinos com a sua ac$ irritante ? A res-
    posta simples :Nao se tinha anda descoberto urna mistura que, introdu/.ida directa-
    mente no canal, produzisse os inesmos efeitos sem temer m'os resultados. As injeegoes
    tao falladas at aqui, conseguem fazer parar a purgai;ao, por.n pela irritago consecutiva
    que produzem no canal, sao uma ameaea permanente de aperto, affecao muito mais ter-
    rivel que o mal se pretende curar. Eis aqui porque a maior parte d js mdicos, que recu-
    sain, com razao, de as empregar.
    Presentemente, este fundado temor nao existe. A njeco que nos apresentamos ao
    publico, que conta dez annos de bous resultados, nao interrompidos, nao irritante. E'
    anti-blenno: i bagica em toda a estenso dapalavra* Queremos dizer, a causa do mal,
    que ella destroe dect^mpondo os elementos da purgarao e. tonificando a mucoza cas
    glndulas donde proven a sua origem. A sua applicacao nao dolorosa, e se uma li-
    geira impressao se segu sua introducto, essa impressao de pouca dura, e segue-lhe
    uma sensacao immediata e uao desagradavel. O seu tratamento nao precisa de nenhum
    outro auxiliar para fazer parar era muito pouco tempo as purgarles, ainda as mais re-
    belde^
    Quasi sempre basta um s frasco para a cura, pois nao nos consta quehouvesse pur-
    gado que resistisse ao emprego do dois.
    Afim di chegar a uma pro.npta cura, b doente dever seguir o seguiute
    BECilMG :
    1. De dois cm dois dias, tenar um grande banliu, e permanecer nelle duas horas,
    sendo possivel.
    2. Lavar tres vezes pordia a^iaite doente com agua^ria.
    3. Dar tres injec^es por dia : de manha, ao meio dia, e norte. Aportar ligei-
    ramenteo orificio do canal> afim de conservar nelle x liquido u.n minuto.
    4." Usar m Suspensorio.
    5. Abster-se do uso de bebidas espirituosas, ou alccolicaj durante o trata-
    mento.
    SK\ntHlN.
    Ha muito tempo que as flores brancas, leucorrhas, etc., teem sido consideradas tas
    senhoras come causal, a constuico anmica, que na liuguagem vulgar liies ehamam
    pailitas oftnes, quando ellas sao ao contrario, a causa do enranquecimtiito, e pobreza
    dosangue. D'ahi provem o erro que muitos mdicos commellein ainda, de tratar do
    estado geral, em logar de cuidar do estado local, que' a cansa dos sytnptomas geraes.
    Nao logar proprio este de tartaraios theoricaaiente 0 facto que avaucamos, mas aeredi-
    tamos que basta aponta-lo para que todj o medico consciencioso o reconheca o seu
    valor.
    A nossa ipie gao teuJe sempre a suSpeoder esses currimentos sempre rebeldes a qual-
    quer medcame; a ; mas para c-bter esse resultado preciso que seja dada com o maior
    cuidado, e qu :netroal as n>ais pequeas pregas da mucoza, pois que ao fundo
    da mucoia que <.. l a causa da allecgao, Nos convidamos as pessoas que recorrerem
    nossa njecgdo, a servirem-se, de preferencia a outra qualquer, da seringa deita, forma-
    da d'um tubo de vidro do qual a extremdade redonda tem alguns buracos. Estas se-
    ringas tem sobre as outrfis a vantagem d'abrir largamente a vagina, o por toda a- muco-
    za, em contacto com o liquido injectad, coiiJico indispensavel para cura.
    Duas colbars de sopa da nossa injeecao lanzadas n'uma quantidade (l'agua sufllcientel
    gara encher a sernjja, baetaru para uma injeceyp, cue deve ser repetida tres vezes
    rtor dia.
    A nossa injetdo prophylatift^jito evitifc nial, tina v& in(u9fy wwta, depofc
    d'um contacto su*n*o,. para por ao^Ptgo de to|k o receio de doenec.
    phakmcia i: ittm^atri
    DE
    & C.
    transparentes para janellas, a
    109000.
    Diademas dourados de i3M, a 2500.
    Ditos de tartaruga, a 39.
    Ditos debtalo, a 500 rs. o 19300.
    Gravitas de seda para senhora, a 19100.
    Parares de seda muito finos com 9 lagos,
    do 391 59.
    Fivelas de madreperola, a t9.
    Vesluariaopara baptisados, ricamente en-
    testados, a 259
    Cachos de Afires muito finas, contendo 6
    ramos, por 39-
    Caixinhas com perfumaras, muito pro- 29500 a 39.
    Escovas finas para denles, a 400 rs.
    Ditas mais inferiores, a OHl rs.
    Caas de natal rmuto Kaes con pkt
    arroz, a 19.
    Abefadores finos com lagos, a 19500.
    Ditos ditos, a 29500. ^^M
    Dilotdits sem larr, a 19i0#.
    Rico* esaelbos de diversos tamaaha cerr
    moldura dourada, modeh oval, H*
    129.
    Ditos dito com moldura en-vernisadot,
    29500.
    Ditos dito com columnas de Jacaranda, d
    prias para mimos, de 49t>00 a 09.
    Ricos vasos de p rceHana com fina ba-
    nha, de 19 t 29. A
    Boies com dita dita, a 500 rs.
    Latas grandes com dita, a 200 rs.
    Voltas de veludo para pescogo, com cora-
    ges de madreperola, a 500 rs.
    I.inba de carritel de 200 jardas, a 800 rs.
    a duzia, excellente para machina.
    Dita de dito de cores, de 100 dita, a 320
    rs. a duzia.
    Dita de dito branca, de 60 dita, a 280 rs.
    Entremeios e babadinhos bordados, de
    iOO rs. a 29500 a peca.
    Galoes de seda de 19200 a 29600 a
    pega.
    Ditos de algodao de 100 a 200 rs. a
    pega.
    Trangas brancas de caracol a 40 rs. a
    pega.
    Caixinhas com 4 papis de agulhas fran-
    cezas por 240 rs.
    Ricas cestinhas para o braco, muito bem
    enfeitadas, de 29 a 39.
    Ricas golinhas com manguitos, para se-
    nhoras, a 49.
    Camrlnhas para senhoras, ri:amenteen-
    feitadas, a 49500.
    Casaquinhos de l para ditas, muito bo-
    nitinhos, a 79500.
    Collarinbos bordados para ditas de 500 rs.
    a 19.
    Espartilhos muito finos, a 49 e 55-
    Gravatas para homem, pretas e de cores,
    a 240, 400, 500 rs. e 2?500.
    La para bordar, a 59500 a libra com-
    pleta.
    Finissimos leques de marfim, a 89.
    Ditos dito de dito, a 59-
    Leques de sndalo, a 59-
    Dit s de madeira imitando, a 29.
    Ditos de papel, a 19800.
    Bengalas, a 19.
    Collarinbos de papel a 400 rs., a du-
    zia.
    Chapcosinhos de palha para senhoras,
    69000.
    Ditos de dita para meninas, a 23004.
    Ditos de dita para enancas, a 19280
    Ricos chapos de palha escura para se-
    nhora, a 169000.
    Ditos ditos de Italia para ditas, a 1 ir.
    Gorros de veludo para meninos, a
    49000.
    Chapos do palha inglesa para bomrn-.
    a 39.
    Ditos de eltro finos para ditos, de 39
    49500.
    Hitos de sol de merino, muito lindos, com
    cabo de metal, a 09.
    Ditos do seda com cabos e pegadores d
    marfim, a 109
    Meias chapelinas para senhora a 09.
    Duzia de camisas de crctone de cOres li
    xas, para homens, a 339.
    Botinas francezas para senhoras, alfSOO.
    Ditas ditas finas enieitadas, de cano alto.
    a 69 e 79.
    Sapatos Charlot com salto c sem salu
    para homens e senhoras, de 39 a .19800.
    Sapatos do Porto, de traoca, a irOOO.
    Sapatos de topete, a 19'00.
    Focos para meninos, de 2? a 29500.
    Alfinetes e brincos de podra cravados, a
    19500.
    Ditos ditos de perola e filagran, *
    29000.
    Fassepartouts para n-tratos, a 500 rs.
    Agulhas de crochet com cabos de mar
    fim, a 800 rs. a caixa.
    Granadine com listras de srda, farenda
    para vestidos, a 700 o covado.
    Correntes de plaqut para relogios, de 20
    a 39000.
    E muitos outros artigos que s a vista do comprador poder certificar-se da m->d.
    cidade dos pregos, pjr quanto vende O BAZAR DA RA DIREITA N. 51.
    'ia obter em penco t<:mpo com o uso rio mellior dos licoresa
    MllUJ
    L 4
    Faznoito ancos qne conbecido osia precio.-o tnico, e uiflkil acbsr nmi ftu.
    lando esi'erinientado peisoslmeote, nao falle era sen favor, ji com t-on; etlocara
    qce,
    e apetisador, tomando om calis dalla aiitsa de jsotar, oo cono fici'itader di i'
    tomsndo-M depois
    si:
    da HESPERIDINA a LARANJA AMARGA, n3o ha me s bsbiUoM d> BRASA ftr;r.
    especial das araojas) que cat coaLcca a.-, propriedadea nedicaBaca da dunrada Un
    ora bem, a
    A
    aa *<< aW
    *
    i
    ,i,^ fcfe1
    era seu estado natural tem nm poslo ponco nftilml e o aerito da Hesparidioa ra
    iste em reter snas boas propriedadea, e ao mesmo tempo apraacota-ta orno
    EXQUISITO LICOR
    A HESPERIDINA como INDUSTRIA NACIONAL n3o tem Ma an fj >
    melhores importagSes enrop38 de clbeg-ris aeswIhaalJ, Estas,
    ser gosto3as, porm a Hesperidina a coiribioaglo perfeitl do
    "fit'ic sanilo. t*!'?*
    ACRADAVEL SADDAVEL
    Para prova de que um artigo so qoal pde-se ter in!aira culi upa, p
    e innooeate, basta dizer-se qne lc [iinameola ifiprovada caotorisada pf'a
    JUNTA DE HYGIENE
    do Ro de Jaoeiro, pertniUBdc soa vre elaboragSo do soperl*: ';atr
    PROVA
    ser,
    a s acceitagSo geral que tem em l< das as parles onde apreie&tada. Em 1864 ea: *-
    teceo-se a primeira fabrica em Boenos-Avres; em 1869 a cegurtU em Mor-tetidOo; i
    no dia da cargada de S. M. 0 IMPERADOR inaogorop-so a btftica qoe actcalieeato
    trabniba na corte. EmVa'paraizo e em toda a costa do Pacifico tea f:a M
    tanto que n~a 3 casa que considera completo sea aparador sem uau garrafa de
    O bornea veU-.c toma Haaparidina pan obter
    VIGOR
    0 herntrn doente 'c-2ia Hesperidina para obter
    SA
    T\H?
    J>

    i
    010
    34Ra Larga do
    U
    O homem dbil toma Hcperidioa para o! ter
    Nos baes as doDzeas e os mogos tomam a Hospardiai pir ..ater boa cr<
    wimago durante os ioucos gyros da
    ^7ASiA.
    BARROS JNIOR 4 C, a rna do Vi-ar o Ten-rio o. 7. 1' indar, r**beraa
    grande especifico, e vtaem-ao nos depsitos s^goiatea:
    Joaquim Eerreira Lobo, roa da Imperatriz.
    Zeferino Carne'ro, ra dw Commarek).
    MarceliOb J- GoDffilves da Foata, roa da tm a. 1.
    Antonio Gomes Prea c*. G., raa (k Cabria.
    Antonio Gomes Pires A C., caes 22 de Novembro.
    Gomes & Irmao betel da Faatageok.
    Rival sem segundo.
    Cheg ram agulhas para machinas, do fabricante
    Crowpr & Baker. Duzia por 80n.
    Saceos de estopa
    Avariadjspara miltw e farinba a Jt dada um
    , g g do Cuspo n. 20.
    BSkTDElAHBRGF"
    As mais recentes e melnpres.
    Vendem-se na pha rmaj^i %drogarla de Bar-
    tbolomeu *., ra aia dosario o R. 34.
    4
    Cassas avadadas a 240 re.
    o covado.
    O Pavao vende fin rasaw fraaMWsa
    ores com m mais delicaia padrea, aat Sana*
    um pequeo toque de avaria de agua dora, jfja
    barato preco do doic vintens o corada E uiJn
    cha : na Inja de Pavie, rea da TmpenMi n
    a
    aFarinfia de mandioca.
    A jaafeor do mercada.
    Verte J. F. S. Catatbn, hiariaa : i rea d
    Mrquez de Oli&tta i 3, f. ttKr.


    \
    i
    \
    1
    *

    .
    Diario de Pemambuc QiiUrtalga 21 de Mio de 1873.
    Soaces Ltta Irraos, pedem as.Exmw familias desla cidade,
    de um completo sormoato de miudezaa e perfumaras, por presos
    saber:
    40
    Caixa de linha branca muito boa com
    aoeeHoe, 00 rs.
    dem dem de marea, a 200 rs.
    Maco de fita chiaeza, a OOO rs.
    Duzia de pecas de cordflo imperial, a
    280 s.
    dem em carritel de liaba branca, a 320
    idem idem eerritel 200 jardas, a 1&000.
    Lamparinas gaz, dando urna luz muito
    boa, a 19000.
    AJnMiduras para collete_(sao baratas), a
    20 rs.
    Duafat te poras do trancas caracol branca,
    VOOrs.
    dem idem lisas, a 200 rs.
    Fita de velludo de todas as cores e largu-
    ras.
    de.n idem de sarja idem idem.
    Talberes cabG de viado ( imitaedo) a 3J000
    1 duzia.
    Duzia de baralhos francezes canto doura-
    lo, a 35600.
    dem idembeira lisa, a 2>500.
    'irinaldas para casamento, a 29 e 59000.
    'arrafa de tinta row extra-fina, a 1*000.; 500 rs. e 19000.
    Caixa de botos de osso para calca, a Maco de sabonetes inglezes
    200 rs. riores, a 600 rs.
    Coques modernos, a 39500.
    Maco de tranca lisa do cores, a 2'0 rs.
    Kspelhos-toucadores, a 29000.
    Resma de papel pautado e liso, a 29600, tes, a S
    -29800, 39500, '9000 e 69000.
    Caixa de papel amisade, a 600 rs.
    dem idem idem boira dourada, a 800 rs.
    Caixa de envelopcs forrados, a 700 rs.
    luvas de pellica com pequeo toque, a
    500 rs. e 19000.
    BOLLAS DE BORRACHA
    Orando sortimento de bollas de borracha c calungas por baratissimo proco,
    os objectos que se'tornara longo mencionar.
    28 Rna do Baro da Victoria 28
    n sortir-se
    '"~U5Simo8, a
    preto, a
    'Caixa de pennas Prry, a 800 rs
    tdem idem, a 400 rs.
    Caixa de en velones trajados de
    500 rs.
    Leques para senhoras, a 29000 e 49000
    dem dem de osso, a 69000 e 89000.
    Indispensaveis de couro da Rssia, a
    109000.
    vrospara notas, a 320.
    Redes enfetadas, a 19300.
    Duzia de collarinhos -bordados para ho-
    mem, a 89000.
    dem dem lisos, a 69000.
    PERFUMARAS.
    Garrafa de agua florida verdadeira a 19300
    Idemkananga do.Japao, a ^{200.
    dem divina, a 19000 e 19200.
    dem idem Magdalena (novidade) a 19500.
    Frasco com tnico oriental a 19000.
    dem de oleo Oriza verdadeiro, a 19000.
    dem idem antique muito b mi, a 400 rs.
    Opiata muito boa, a 19, 19500 o 29&00
    o frasco.
    Caia de pos para dentes, a 200 rs.
    dem idem de pos chnez, muito bom, a
    muito supc-
    Duz'ia de sabonetes de amendoa, a 29500
    e 39600.
    dem de sabonetes de anjinho transparen-
    idein de sabonetes com flores, a 19300.
    Lindas e elegantes caixinhas com perfu-
    mes do autor E. Cudray e Gell Frres, pro-
    prias para presentes.
    Sabonetes Glycerino transparentes
    Chapeos para senhoras e meninas.
    I0WE
    SOARES_____
    NICOS AGENTES
    A'
    Ra do Bario da Victoria o. 28
    As mais simples, as mais baratas e as melhores do mundo!
    Na exposicSo de Pars, em 18*7, foi .concedido a
    Elias Uowe Jnior, a-mcdalhadeouro e a condecora-
    cao da fcegio-de Honra, por serera as machinas mais per.
    feitas do mundo.
    A medalha de ouro, conferida a E. Howe Jnior, nos
    Estados-Unidos por ser o inventor da machina de cos-
    tura.
    A medalha de ouro na expoei$8o de'Kondresvacreditan
    estas machinas.
    *!*! # *
    19
    e mu-
    FUNDICAO DO BOWMAN
    RUADO
    52
    A 90S000
    (Passando o
    chafariz)
    agricultores,
    eem prega doren de ni
    novo ortimento
    o qne com a ins
    PEDEM AOS seores de engenho e ontr
    tonismo o favor de orna visita a seta eslabeiecimenio, pira w o
    -omplet) que ahitem; sendo ludo soperior em qoalidade e fortidSo;
    otecao pess >al pdese verificar. ___ ,.
    ESPECIAL ATTENCAO AO NUMERO E LUGAR DE SUA FUNDigAO
    tt _._._.- ,_i -, o.-. dos mais molernos fystemas eem la
    VapOreS Q rOtlaS (Tagua manbos convenientes para as diversas
    ,ircumstancas dos ?e5liores propietarios e para descarocar algodao.
    Momm de caima 08lam3nh03 asmelbores qoe aqn'
    Rodas dentadas p8ra 3Dimae8'agoa evapor'
    Taizas ie ferro faudido, batido g d6 cobre.
    Alambiques 9 fundos de alambiques.
    ^*V l* -^ -__-,_ para mandioca ealgodao,I Podendo todos
    '^lu*LU_3f>IlJtt e para ferrar mideira. Iter movidos a m?o
    DAWkna (Por 5,goa, V3por*
    fOmsJaS de patente, garantidas........ |on anunaes.
    Toda-, as machinas "" d"q,,e se tmam prec,!ar'
    Fas qaalqu&r concert *"*-*>"* -
    Formas Se farro S-"*""mH blrilas tIii,e"lM
    ^rm.-t^.l^ Incumbe-se de mandar vir qnalquer mach-nwmo i von-
    _uG9_llMIltlaiSo tad.e dos clientes, lembrando-tbes a vantagem de lazare rn
    mu compras por intermedio de pessoa entendida, e qoe era qualquer necessidade pode
    bes prestar auxilio.
    Aradas americanos e iM,r"ffieo108 sg"colas-
    C;.bc-nos o York, estabelccea nesta cidade ra doBarao da Victoria n. 28, um deposito e agencia
    geral, para em l'ernamhuco c mais provincias se venderem as afamadas machinas de cos-
    tura de Ilowe. Estas machinas sao justamente apreciadas pela perfeicao de sou trabalho,
    empregando urna ngulha mais curta corn a mosma qualidade de linha que qualquer outra,
    e pela ihtroducco dos mais aperfeicoados apparelhos, estamos actualmente -habilitados a
    olleroccr ao exme publico as melhores machinas do mundo.
    As vatagens destas machinas sao as segtmes:
    Primeira.-O publico sabe quo ellas sao duradouras, para isto prova incontestavel, a
    circumstancia de nunca, terem apparecido uo mercado machinas d Ilowe era segun-
    da mo.
    Segunda.Contcm o material preciso para reparar qualquer desarranco.
    Torceira.Ha nellas menor friego entre as diversas pecas, e menos rpido estrago
    do que rjas outras.
    Quarta.Formam o ponto como se (ora feto mo.
    Quinta.Permitte que se examine o trabalho de ambos os fios, o que se nao consegu
    as outras. ua
    Sexta.Fazem ponto miudo em casemira, atravessando o fio de um outro lado,
    e logo em seguida, sem modilkar-so a tensao da linha, cozem a fazenda mais
    fina. .
    Stima.O compressor levantado com a maiorfacilidade, quando se tem de muda
    de agulha ao come^ar nova costura.
    Oitava. Muitas corapanhias de machinas de costura, tm tido pocas de grandeza e
    decadencia. Machinas outr'ora populares, sao boje quasi desconhecidas, outras soffreram
    mudanzas radicaos para poderem substituir: ontretanto a comj>aiiliia das machinas dt Howe
    adoptando a opiniao de Elias Howe, mostr em artes mochanicas, tem
    augmentado o sou fabrico, e hoje ne atiende a-procura, posto quo ca
    por dia.
    Cada machina acompanha livretos cuna ioetitlCtfOCfi em porluguia.
    COMO S^ieOS!!!
    Osteqaes todos de madreperla,, brancos e de
    cores e que traxem o disticoU.\IAO-em lcllras
    tmbem do madreporJla em alto relevo, tor-
    nando-se por isto apropriados para noiras, a NO-
    VA ESPERANZA i na Duque de Casias n. 63
    (antiga do Queimado) qnem os lem.
    Sao de tartaruga
    Os brincos, brocho?, mcios aderetos, cruzes,
    curacoes e raswfotaa, que estao ox[>ostas Ma
    escolna das Bxmas. (amantes do chique) vende se
    na Nova Esperan..*, ra Duque de Caxias
    n. 63.
    Aos meninos
    A Nova Esperanra ra Duque de Caxias n.
    63, acaba ile receber um lindo sortimento de no-
    necas de nimias quaiidades, vindo entre ellas as
    engracadas bonecas de borracha, assim tambem
    una pequea quantidade de bouecas pretas que
    se tornam apreciailas p0a ma novidade.
    bem vfil
    A Nova Esperanca ra Duque de Caxias n.
    63, ecebeu verdadeiro cimento inglez, prepara
    co para concertar porcelana bem til.
    Vestido perdido
    Muitas vezes um vestido torna-so inteiramente
    feio, somonte por estar mal eufeitado : a Nova Es-
    peranca na Duque de Caxias n. 63, remove
    este nial porque est bem provida dos melhores
    galoes e franjas d todas as cores, onde pode es
    colher-se vontade subrcsahiulo entre estas as
    modernas franjas misaifas, que pela sua varieda-
    de de cores, fiea bem em quasi todas as fmulas.
    A ella antes que se acabem.
    Bolas de borracha
    Vendem-sc de todos os tamanhos ra Duque
    de Caxias n. 63, na Nova Esperanca.
    Cabellos brancos s tem quem
    quer
    A Nova Esperanca ra Duque de Caxias n.
    63, ac' a de recebr a verdadeira tintura de Des-
    nmis para Ungir os cabellos, o que se CMMtgua
    (emprecando a) com muita facilidade, e por osle
    motivo, caliellr.s brancos s tem 'iiiein quer.
    Estao na moda
    Os cinturoes de couro. preprlos para senhoras,
    qne recebi'U a Nova Espoianca a ra Duque de
    Caxias n 63. estao, sim, aanhora, aaMO na onnla !
    Se queris ter ou preparar um rainalhote de
    cheirosos era vos brancos para o vosso casainento,
    ou para outro din apropriado, necessario ir
    Nova Esperanca ra Duque de ixias n. 63,
    que all encontrari-is os nielions part b.vquet$
    que se pode desejar.
    Talagarca
    A NOVA ESPERANCA ra Duque de Caxias
    n. 63, vende Ulagaro*p;,rau ,rJar J Je to(li*s
    grossuras .____________________
    LIQUBaCO
    DE V
    constantemente
    G00 machinas
    A 90^000 A 90^000
    SOARES LEM, IRMAOS
    A'
    ua
    do Barao da Tictoria n. 28.
    Lindos vestidos a $ o corte
    resumido.
    no mcr-
    - Superiores cortes de cassa do edr, de organdy e de percalia com barra e
    saias, acorapanh'ados dos competentes figuninos a9 cada corte. Vendem na
    meiro de Marco (antiga do Crespo) n. i3, luja das cokwuias de Antonio Correa
    cellos.
    de daus
    ra Pri-
    dc Vas-
    Joaquim Jos Gon^alves
    Belirfio & Filhos
    Teem para veadef no sen aaciiplane ra do
    Ci.mmercio n. .">. o seguate :
    AGURDENTE de caj : caixa de 12 garrafas.
    de laran.a, Wem idem,
    ARCOS de pao para barril.
    CAL de Lisboa, receiilemente chegada.
    CHAPEOS de sol, para Inuiom c senhora, cabo
    de marfim e osso.
    FFIXES de ferro, para portr.
    FIO de algoo da Baiia, da fabrica do commen-
    niendador Pedrozo.
    LINHA de roriz.
    08RAS de pal eta.
    PANNO do algodao da Rahia, da fabrica do com
    inendador Pedrozo.
    RETROZ de toda* as qnahdades, das fabricas de
    l'eres e Eduardo Militao.
    ROLHAS proprias para botica.
    SALSAPARRIDHA do Para.
    *ELA> de cera tle todos os tamanhos.
    VINHO engarrafado do Porto, caixas de 12 gar-
    rafas.
    dito Moscatel do Douro, idem dem.
    dito Setnbal, caixas de 1 e 2 duiias.
    da Italia engarrafado, caixas de 6
    rafas,
    de Collares superior, em ancoretas.
    de caj, caixas de 12 gar afas.
    Malvasia do Douro, caras com !2
    rafas.
    Carcavellos, idem idem.
    lya do rass
    A' ra Io de Marco n. 7 A (an-
    tiga do Crespo)
    Resolvemos da' um pequeo resumo das dades e preeos de diversas mercad.irias, aflm do
    que vista delles possam apreciar qne a I qoida-
    cau do no-sas l'azemkts nina pura verdad*.
    Escolhei bem a vontade :
    Chapeliaas, chapeos de palha, vetludo, wJa
    fil para senhoras c meninas de 3* a C|.
    Rasquias e esa piinhos de seda d.' ti a fc">#
    Casaquinhos e romeiras de crocliet preto* e
    brancos de ti a 6|.
    Vestidos de ca ubraia branca comJii:d" bar-
    dados a "i o IOS.
    Camizinhas de rambraia branca a rol t fr'O rs
    Manguitos e gollinhas a *o, 240 ei20 rs.
    Ciatos de tudas as qualidades para senoora de
    5XK) a 1*6-0.
    Lencos bordado- n de labyrinlho de 6O0 a K-/.
    Coque de U a l#M,
    Le<|iies de inadreper"la e marfim de i a ''#
    HaUoa l.
    Chales a imitacao de bornus de m-i ioo (.reto
    de 8 c 01.
    Me* de 11 (le cambraiade M, "i e di.
    Camisas bordadas para senliora, pai i i 1
    pre.os.
    Capellas de cera a 500 rs.
    Redes para ejqu< s a 320 c 5- 0 rs.
    Cortes le raanraia .11.
    I orles de tarUana kordad-is a seda do \i, %
    :ej.
    Cambraia de c*>r cem lindos pairos t vvk)
    i 3M m.
    Alpacas de linda< cores lisa? e com lisia-" de
    sc.!..s de 400 c 600 rs. o .-.ovado.
    Cunde s->rtiuiei!o Crochet brasea a i reto co o a
    File de liaba Kaa arela ebraec 90
    rs a vara
    Vestuarios de fu-l;V> branco v d- r tos para
    BMidam de 'li a 6 -. (
    lli.iv;.!,'C :n:i;.las 11 3S0 5 rala 'i
    Chapeos da rart -i araaeo a 11
    Chapeos de etim e de iinrio prcla RON (ke-
    mem a 3 i.
    Collarin'.ios Jo linbo li.-os e I,, niadu- a 'i o
    i a Anda.
    Peitoa de linho a 600 rs.
    Ditos bordados a l*
    Culos de velludo bordaje- para rolletes a U
    Rimii arelo vara li.
    i frondas de linbo ricamente b rdadas -esud i
    grandes e i nao res \ r 20, e nutro muos ar-
    -.igospi r prcens bara'.issimos.
    l'liH|4M parta crsaira C ie-
    niNHN l eocola.
    Hea-le-se lindos rhnpiMi do v. Iludo, pilbiitlia o
    de seda iicaioonie etotUdos r m lilas -
    de blouJ, pruprws para cuan.-..- e i uas 4e
    escola, pelo baratisim i otepo 1 i o > rada
    um : na loja do Passo, na Jo Crespo, ju.i
    arco de Santo AnUno-i.
    I.oju de P.s -. ;"> rsia 1 l* Mnreoa
    7 A.
    -
    gar-
    gar-
    Vasos de ciystal para toillet. i^J%S^&&~
    A loja da Aguia R anca, a ra do Duque de
    Caxias n. 50, r cebeu bonitas garraliuhas de crys-
    tal em par cora ramagens douradas e mu pro-
    prias para arranjos de toilet, ote,
    Anneis e colares elctricos
    A lo;a d'aguia brnnea ra Duque de Caxias
    n. SO, reo., beu ora remessa dos proveilosoe an- pos, brincos e rozetas
    contina a recebe-los noves diademas de apo, c como seinpre conti-
    provida de na a veude-los por presos razoavet.
    e nteirarrente novas.
    Grampos, brincos e rozetas
    dourados.
    A loja da aguia branca, rna do Duqne de
    Caxias n. 30, recebeu novamente bonitos gram-
    dunrados ; assim como
    RA DO BRUM N. 52
    PASSANDO O CHAFARIZ
    3o araazem de Joaquim Lopes Hachado y C
    Travessa do Corpo
    Santo N. 25.
    Vapores locomoveis de forca de 2 a i cavallos.
    Correias para machinas.
    PoHns de diversos tamanhos.
    Vaquetas para cobertos de carros.
    Solas de lustro para guarda lama.
    #ontas de lanca para cairo.
    Chicotes para carro.
    fialoes largo e estrofa para carro.
    fregos com cabeca de marfim, idem.
    Caixinhas com pos dourados
    neis c colares elctricos, e
    mensalniente, pelo que sempre estar
    taes objectos.
    Diademas dourados nMifln, nc ,.-, ^bollos
    A loja daguia branca raDuquerfe Cnxias n.' e piteaaOS, paj CWWBDW.
    50, recebeu novamente bonitos diademas dolados Veade-se na loja da Aguia Branca a ra do Dn-
    e nfoitados com pedras e aljofares, obras de gos- que de taxas n.O.
    loe phautasia. Tambein recebeu noyos grampos T^jy^ de pellica pi'etaS C UC
    outras cores.
    Toallias a 6|000 a duzia
    pechincha.
    Toalhas alcoxoadas, sao grandes, a 6 a duzia .
    na ra do Crespa n. 0.
    Chitas verdes e de cores a
    200 e 240 o covado.
    Na ra do Crespo n. 20.
    Cassa-L a M rs, o wmkk na
    do Crespa n. 20.
    Todos qnorem.
    Casse-laine, padraos miados, pelo baratissimo
    preco de 200 reis o covado.
    Baptistas lisas
    com I 1|2 palmos de largara a 400 rs. o covado,
    muito barato : na rna do Crespo n. 20-
    Lvros venda
    AosSrs. academic
    Vende-sc 10 Mpsjeae* obras le diroi' :,
    e lieatnra, por eoaarwdoi
    Pardissus: -Uroit ('."Uinieirial.
    Villianno: Rcdutinn franca*so
    L-ui/. Blanc : --IIM- ir 1jt
    Vattel .Dn.it ios -'eos
    Ventura : La Ponn rpublie.
    P. Hora : Cjurs d i -ir.it BBloroL
    Kluber : Dn.it o
    Rogron : Codo de < anjeen
    Nesta lyiiigra|.;iia adM I
    reni vendidas.________________ __
    SEGREDO BUIOHIA K CEI
    Obten-ee eom i ho
    iHJECCio m$\
    nica, hygieniee,ra hoal- i.!..ln
    ra tas sjunurneei, flore* hraivaa -
    toda adpene, wcruioi w '''
    offerece como sjaraotMoVaalal
    a continuada aq>!i< *.A" |n aera.....m a
    maior vantagov se lef lce-
    pitaes do Pina.
    nico deposito para o brasil, f
    4 C, ra Lardado Rosario n. 14
    'I
    fl
    Na ra
    da
    (5,
    Arados para lavrar a trra.
    Carrinhos de mo.
    Camas de ferro.
    Cofres de ferro.
    Cestos d'arame para fi
    Fogesde ferro.
    Baldes de ferro gal vanisado.
    Chapas de ferro galvanisado para cobrir casa
    Pregos americanos.
    Tachos de ferro estanhado.
    Machinas para descarogar algodao.
    Machinas de cortar fumo.
    Cimento.
    Salitre.
    Balanzas, pesos e medidas.
    M CASA DE SHAW HAWKES l C.
    RA DO BOM JESS N. 4.
    T
    I!
    Seda pura a 1|500 o covado.
    Seda de cores de muito lidos e differentes padroes, gostos modero s, pelo baratis-
    oo rcc,o de 13J500 ocovao, vende na ra 1. de'mar$o (antiga do Crespo) n. 13, loja
    dt Columnas de Antonio Correa do Vascoucellos.____________________________
    Sal do Ass i VENDE-SE tm
    tnma casa de taipa com um terreno proprio com
    aOO alqueires a bordo do hiate Mono Amelia, 00 palmos de frente e 4<>0 de fundo, tem 2 fren-
    nndeado confronte ao trapiohe da companhia : tes, nma para o hpeco do E'pinheir outra para
    trata-se a bordo do mesmo hiate, ou na roa do a ra Nova : a tratar na ra laffa do Rosario
    Amorn n. 60. n. ii, fabrica de cigarros.
    pretos ou alflnetes com flores para a
    Leques com bouquets e ou-
    tros chinezes.
    A loja d'aguia branca ra Duque de Caxias
    a. 50, recebeu urna pequea quantidade daquees
    bonitos leques com bouquets e outros chinezes.
    Cold creme para refrescar e
    amaciar a pelle
    A loja d'aguia branca a ri'a Duque de Caxias
    n. 50, recebeu cold creme dos afamados fabrican-
    tes Lubia, Legrara e Condray.
    Diademas e grampos de
    ac.
    A loja da aguia branca, ra do Dnque de
    Caxias n. 50, receben novamente bonitos diade-
    mas e gra>pos de a?o.
    Torre
    A loja da Aguia Branca, ra Duque de Ca-
    xias n. 50, recebeu novo sortimento e luvas de
    pellica, pretis e oe outras ocres._____________
    Vende-se
    barato urna casa em Oh'nda, na rna do Gabra'i
    que preeisa repartir : a tiatar aa ra larga do
    uC ai a. i, ou 4agaise.p
    AosSrs. cigarreiros.
    .Pomo em rolo, fle Govaz e do .Rio Novo, o
    lBhor qoe Um vindo ao-mercado: vendem Bour-
    garfl k C, ra do Mrquez de-Olinda n. 15.
    Bicos de seda pretos eom ^fllHS eSCDCeBS'a 280
    flores de cores.
    A loja da aguia branca, rna do Duque -^e
    Caxias recebeu, como novidade bonitos bicos de
    seda pretos com Boros de cores, sobresahindo mel-
    les o preto com encamado, e todos raui proarios
    para barras e outros enfertes desvestidos de .gra-
    nadme, on raedina, e outras faaendas i*ansfaren-
    tes. Pela eommodidade dos preeos esses bicos tor-
    nam-se mai coiiiniodn.s e pela novidade de gesto,
    preferiveis a quasquer outros enfeites.
    Yos ou mantinhas pretas.
    A loja da araia branca, ra do Duque de ter
    xiasn. 50, recebeu bonitos veos ou mantinhas
    pretas de seda com flores, e outras a ImitarSo de
    croch, e vende as pelos baratos "pretos de 31,
    if o 65000. A fazenda boa >e -est em permito
    estado, pelo que contina a ter ppompta, estraa-
    co
    Diademas e aderecos de ma-
    dreperola.
    A loja da Aguia branca ra do Duque de,
    recebeu urna pequea norco ne
    lerc?os de midreperola,
    apurado gosto
    diademas e aderemos de mdreperola," obras de
    gosto.
    Perfeita novidade.
    Grampos cora borboletas, beaouros e gafa-
    nhotns dourados e coloridos.
    A loja da agnla branca, ra do Do que de
    Caxias n. 50, recebeu novos grampos com bor-
    boletas, bezouros e afanhotos o quo de certo
    perfeita novid ie. A qnantidade pepnena, e
    por isso em breve se acabar.
    Novas gollinhas ornadas com
    pelueia ou arminho
    A loja d'aguia bracea ra- Duque -de Caxias
    - MLucebeu urna pequea quantidade de boui*

    Sitio na
    Vende-sc ou aluga-se por" dous ou tres annos
    um pequeo sitio no ponto mais saudavel e apra-
    zvel do alto da Torre, porto da igreja, bem trata-
    do, com muitas arvores de frueto o muitos comino-
    dos : a fallar na ra Nova n. 19, 1 andar.
    Eigenho para vender
    *5 Vende-so o engenho Pirangy-Assii, si- O
    rs. O'-covado.
    Eua do Crespo n. 20.
    Laeiflhas escocazas, padjoes inteiramente no-
    vos, pelo diminuto preco .de 280 rs. o corado e
    pcthhwha e Mo-se amostras na toja de Uuilr-
    me C.
    ^Xarojxe fl!agiSo do Para
    Aatofoe eeneeiUiado njedicanaento paro
    iuia.uaMnolelias dos igaos respiratorios,
    HQoepblysioa,, beonebites, asthma, ote,
    lad^ainUa.cera(Optimoa.resultados no
    ecarboto. ,
    ymo^sB na.pharmacia e drogara de Bar-
    ihftomeu^^, BuaLarga4AflQsaxo.n.:34,|
    -
    u*to-om urna gi-aiule casa .terrea perfeita-
    menfe^ova, do pedra e cal, contendo 90 palmos
    de fundo, w chao proprio, cora una baixa de ea-
    p1m e com muitas arvores de frueto, em Olinda,
    a -roa da Floresta n. 2 : para-tr e-tratar no mes-
    mo sitio.___________
    tartos k Hvana.
    Novo 'SorUmento e por propos mdicos : ven-
    dem Bonrgard k C. i ra do Mrquez de Olinda
    n. 15.
    . na freguezia de Agna-Preta, a urna
    legua da esterao de Una. novo, de agua, -r
    moQBte e correte, margem do rio Pi- V
    rangv, com Ierras para safrejar mais de \g
    quatr'o mil paes de assucar, com machi- Q
    nismo perfeito e de systema moderno, Q
    um ptimo assentamento, distillacao, etc. A
    A tratar na ra do Bom Jess n. 8, no -
    escriplorio do negociante Joaquim Jos
    Ramos, e ra do Imperador n. 48, pri- W
    meiro andar. Gr
    B I
    . Antonio Domingos Pinto, rna do Bario da
    Victoria n. 57, tem para vender arrotos para dous
    cavlos rom ferragens branca e amarella.______
    Imperad ;:
    loja ne louca de *ebasti^n Mario-
    mtnto. vende-se ,-i\i porfoof erao-l
    Iho t-ido louca existente na ne-ti
    muito diminutos p<>r ter o arsasw
    de fazer urna viagem a F.n-opa a iraUi ..e-ua
    sade; portanto. tt~ os freonew- c.-it
    de se sortir desies aitigos, apreoeaieii; e faaal
    antes._________________________________
    Joaquim I;. d i Sanbw I imlra C
    vende em seu escript tI a ra d" M
    Olinda u. I i.' andar .
    Caf do Ha
    Cha em lata* d? I libra
    Fumo eia lal.i-
    Fariulu de mandioca
    Vinho de Thomar. em kximo*
    "^ m rs.
    Vende-se duzias de hnln- !. -rr
    jardas peo diminu' preco d- .'i O >-
    ao rival do Recife, ra d- ilar-puz u
    mero 'iO A.
    Em Tegipi.
    Vende-se duas" casas, sendo que em urna tem
    todos as pertencas de urna padana, e rendo men
    salmente 25*000 : tratase na ra de SanU Rita
    n. 14>-1.a andar.
    Comsaendador Euzebio Raphael Rabel lo, ten-
    do de wtirar-se para Europa com sua familia,
    vende o seu -sitio no" Caldeireiro com sabida para o
    rio Capjbaribe, chio proprio, murado nos lodos e
    na frente um portio de ferro, boa casa de viven-
    da muita fresca e ventilada, com 3 salas, 3 quar-
    los,80Bdi un nimio raudo, copiar puxado tora.e
    .um sobrado na lado da casa cima, edificado ci-
    ma do nivel da casa junta 6 palmos, eom urna
    graadecozinha, saladejanUr para criados, sala
    deeofommado, despensa e serventa em separado,
    eiO andar superior convenientemente dividido, o

    nper
    da (
    .' de
    Santo Antito, perto da cidade da Virtmii unta legoa, moenle e corroni-. d- m
    capacidade para moer com a^na na ni- oe r-i
    com boas obras o bem p raro.-vl
    lentes trras paracanna. -e lda i\- de 'x
    vouras, boas mau para *ervenia '- h :oo en-
    genho, o seu terreno e A nptm.a |ir-0ec*'
    Umbem se vende com a wra p- i ai-
    maes de roda, se assim eoTier a 'dor :
    Juem preiender |Kide n^sfa prara entea4 r-e otan
    [>io Jos da Silveira. na ciiarte de i ibnda, mn a -
    radouro, o na oid-deda >icioria o-n ;-r rio. no mesmo enpenho com o aliar ;nadn.
    Jos Bar >oi>a de Barr -> ikime.
    7$000
    nV-ojMjp-seum-sobradeiauaia boajua : -atra- corrodor e una sala forrada a estuque. Tem mais
    ur na Tua da Impera'triz n. 8, laja. o mesmo sitio cochaira, estrfbaria, quartos para
    -'^Y '~1 ,or'"'-----~~r~'- criados, tanqne ou deposito de agua, nma grande
    >. 'Vender
    tanqne
    latada de ferro, muitos arvordos do frueto, e urna
    pequea baixa para capim : quem o pretender
    comprar entenda se com o co-rotor geral Goncalo
    Jos Alfonso, encarregado da venda.
    AlleiiCilo.
    Urna peca de chita eom
    toqne de mofo
    Chitas rocha* miadas eom loojae do oaofo. ooaa
    Ji a 36 covados por 7*000. i oMHto baaato : aa>
    ra do Ciespo o. M._____________________
    Grande liquidacaode fazen-
    das, miudezas. ferragens
    e tabeas de louro c ama-
    relio.
    Thomaz Joje de Gusmio, e>rbeen*i cm UM-
    da com toja de rateada* e alindera* e tasaawai
    eom armazem do audeiras o aMUeriaes, iao
    quidacao de todas as orea irio exinoiso *
    cus csubelecimoatos, rom tOg* luoor^i *
    preeos, |ir ter de mudar-so JBHmoi **
    de quantidade de cera em
    Vende-se urna victoria com ponco uso, on ti
    ca-se por um carro fechado; e vende-at ouJB
    muito boa, precisando forrar, para inn 1 ps c
    vellos : para ver e tratar ra do ImpoMner nu-
    mero 87._____________________________
    as nicas e verdadeirss bichas hamburgue-
    l zas que vm este mercado : safendem na roa
    .lo Mrquez deOliada n. 51, i* lar.
    *.

    i


    8

    Diario de Pernambuco Quarta feira 21 de Maio de 1873.
    YAHIEDADE
    \
    \
    )
    !
    JOS IGNACIO DE ABRF.U E LIMA.
    (Conclusa*). )
    Crea V., general, que conservo todas as
    minhas patentes de Colombia, todas as mi-
    uhas jpndecorages que. me losvanego de
    ler sido general na vclha repblica de Co-
    lombia. Tenhoorgulbode chamar-me um
    dos libertadores de Venezuela e dos da Nova
    Granada, e em usar das minbas veneras.
    Faca garbo das uonas cruzes de Bjyac e
    de porto-cabello, o do meu nobre escudo
    do Carabub).
    Tenbo e conservo o busto de ouro do li-
    bertador, que elle mesmuine deu como um
    diploma muito honroso.
    Saiba mais que nunca pretend entrar pa-
    ra o qAlr i do oxorcito do Brasil ; que
    nunca aceitci nem solicite! einprego, conde-
    corago ou misso alguma, quer em mando
    de provincias ou em mssos diplomticas ;
    que apenas o [toder legislativo por duas de-
    clrameos a mea favor ; urna de que estava
    no gozo dos diieitos de cidado brasleiro ;
    Mitra do gozo e uso do meu titulo de gene-
    ral com-todas as honras inherentes. A isto
    seguio-se a perinsso de usar das minhas
    condccorages, nicas de que tenbo usado
    e uso no paiz. A ultima vez que vest far-
    da foi no anuo do 18'tO para cumprimontar
    o imperador pela sua inai ridade dabl por
    diaute enteirei a farda, o apenas uso urna
    que outra vez da placa dos libertadores de
    Venezuela.
    General, nasc ren, e ostou pobro; mas
    vivo independen te do g verao e do todo o
    mundo eom um pequeo capital, que pude
    accumular pelo mea tralulhovivo geral-
    mente estimado em todos meus ami-
    gos e os meus prenles vi o no meio
    da classe mais distnctae sempre lem-
    braudo-me de Colombia e de Caracas.
    Diga-mc : o que feito dessas familias com
    quem eu mantivo as mais estrellas rclagoes,
    como da familia Bolvar (I). Mam* An-
    tonia esuas Ribas, D, Joanna e Benigna)
    de Benigna de quem fui lio amigo, o por
    quem solri por algn anuos aquella furiosa
    intriga com o tio? Mis desde 182b' o li-
    bertador coraegou a tratar-me com muita
    amizadee carinho' que Benigna j esta-
    va casada com o seu protegido Briseno
    Hekdes) a ponto de dar-me as maiores pro-
    vas de amisade e de eonsderago, viudo de
    Barranqtnlla para Santa Marlha, logo que
    soube que eu havia desbaratado os rebeldes
    de Kio Hacha, Desgragadamonto poucos
    das vveu cm Santa Martba on le inorreu a
    17 de dezerabro de 1830. Quer V. saber
    urna muito galante do general Bolvar a
    meu respeito 1 Fallando-se um dia diante
    delie de olficaes e chefes valentes, elle disse
    que eu era um dos mais distiuctos, porque
    o general Paez Ihe havia dito, depois da
    batalba de Carabobo, que eu era mu* guapo*.
    Isto quer dizer >,ue a autoridade de V. era
    decisiva nesse assumpto ; e para ser valent e
    era mister ter a sua approvaro.
    Diga-me mais- o que feito de sua Bar-
    barita, de seus filhos, de suas sobrinhas,
    de UozAKiro que casou coin CaiTIAGI O
    que feito la familia Suuuiki.le, de B. Eu-
    LAIA c de sua Bina, das irms ile Soorlette
    (principalmente Slita mnlher de O'Lea-
    hy ) ; da familia Eocai.ona, de suas lindas
    sobrinhas, do Marfuesito do Valle, da a-
    milia Tovar, da familia do Marques del
    Tobo, del). Melcjuo** Ansa, deAnACLETO,
    da familia Aristk;liseta, das familias SAR-
    raga e IBARRO, o de tantas oulras f em lim
    da familia Maguado, de Pepita e de Jesl-
    sita? (lembca-seV.de Jksusita ?'. lti-
    mamente, o que feito de todas ossas fami-
    lias, com quem viv em to estrellas rola-
    ces ? Nunca esquecerei que, eahindo urna
    vez-muito doente em Maracay, Barrarita
    me tralou como se eu fra seu filho. Ge-
    neral, como diabw tiveram aquellos canalhas
    a habilidade de me separarem ile V. ? E'
    que ellcs sab am que ou tiuha por Colom-
    bia todo o amor de patria, o que morrena
    pela sua integridade ; sabiam das miabas
    relares com SANTANDER ; e talvez suppu-
    zeram que eu fosse uin obstculo p.-ra seus
    planos ; mas essa gente nao ignorava que
    cima de tuda eu idolatra va a V., eque por
    FOLHETIM
    \ COMETA DUM
    ORIGINAL BRASILEIRO
    l'OR
    A. vonBIoonholtz.
    III
    FESTA, BAILE E ORGIA.
    Continuago do n. 115j
    Era bastante para um curioso, Alfredo
    galgou portanto de um salto a distancia
    que o separara dos lutadores e pondo o p
    sobre a mo direita do que empunhra um
    grande garfo, agarrn na golla da jaqueta do
    outro, e dando-lhe um violento empuxo
    arrancou-o de cima do seu antagonista.
    O oficial havia antes tirado a capa, de
    modo que, quando o marinheiro to rude-
    raente interrorapdo na sua faina de metter
    nos rises as ventas do camarada, voltou-se
    ameagador contra o intruso, esbarrou com
    um oficial de marinha, que impassvel,
    esperava-o de sobr'olhos carregados e bra-
    cos cruzados sobre o peito; conteve-se, ou
    por infundir-lhe respeito o olhar firme de
    Alfredo, ou porque depois de to renbido
    combate e de ter perdido tanto sangue as
    forjas o abandonavam ; o cerlo que re-
    cuou, e encostando-se parede principiou
    a limparcom a manga da jaqueta o sangue
    que tambera lhe escorria com abundancia
    das duas faces. As mulheres de ha muito
    j tinham abandonado o campo de batalha,
    deixando o teuente s no meio d'aquelle
    quadro desolador do final d'uma completa
    orgia ; Alfredo curvou-se pois sobre o ma-
    rinheiro mais maltratado e limpando com
    o longo o sangue que lhe cobria todo o
    rosto, examinou as feridas, atou-as com um
    pedago da sua esfarrapada camisa, e des-
    pejou depois em cima um pouco de ca-
    chaba anda existente nos restos do garrafo,
    feito o que .oiidu/.io-o comsigo para o ho-
    tel ; all chamou para o seu quarto o Dr.
    Alberto,q'-UJ a pesar de tor cliega lo n'aquolle
    momento do baile com os seus camaradas
    e estar bastantemente falg.iJoj pr,estou-sc
    de boa vontade pensar as feridas do ho-
    mem e fazer-lhe um curativo em regra.
    Concluida esta obra de earidade o joven
    wmf
    V. eslava prompto a dar a vida. E' verda-|
    de que eu faria tudo pela integridade da re-'
    publica ; verdad* que sempre fugi da guer-
    ra civil ; mas urna fatalidade de inex ora-
    vel me acompanhou sempre em Colombia,
    eafinal nao me pude esquivar de cahr
    nella. .
    Estava cm Bogot, quando se dissolveu a
    Convencao de 1830, e o general Bolvar
    nao consentiu que lhe dessera um voto para
    prosidcnloelle quera sahir do paizelle
    via j que Colombia so a desmoronar e tema
    sublevacoesno Magdalena para Ondoso quo-
    ria retirar lim de embarcar ali para a Eu-
    ropa ; e me mandou adianle para ter mfio
    nasfaccoes como chefe que eu era alli mui-
    to concomalo
    Assisti, portanto, as ultimas agonas de
    Colombia, assisti a sua morte, fiz tudo por
    ella --despedacci as faeges, esmaguei Ga-
    rujo em Rio Hacha, bati-me com os Goa-
    giros corpo corp libertei Santa Martba;
    mas nao pude livrar Carthagena da traico
    do general Luque, e abi suecumbio o gene-
    ral Montilla, e eu com elle. Eu porm.
    Miara preparailo para essa funesta eventual-
    dade-
    I.ogo que morreo Bolvar, ped ao go-
    verno minhas lettras de quartel, e liceuca
    para ir aos Estados-Unidos, a Europa e o
    Brasil pelo tempo que me conviesse, e com
    o competente pissa porte de ida e de volta.
    Assim qiieentrou Luote na praga apresen-
    tei lhe esses documentos, e embarquei para
    os Estados-Unidos.
    Morto BOLVAR, Q separado de V., quo
    fazia eu mais em Colombia? Chegando
    a s Estados-Unidos soube da abdicacao
    do primeiro imperador, e na Europa con-
    trahi com elb> muito boas relages, e sup-
    puz que talvez canviesse ao Brasil a sua vol-
    ta ; porm, Deus o lovou "antes da realisa-
    co desse plano ; e desile ento assentei de
    renunciar a poltica. Hoje, so-i o primeiro
    a confessar que vamos muito mal ; porm,
    nao serei eu o que tomo a menor par-
    te na politica do paizl se avenham as
    laceoseu son liberal do tempo antigo, e
    contento me com as minhas ideas sem o
    desejo do propaganda. O Brasil seria hoje
    tao importante como os Estados-Unidos, se
    nao fossemos' descendentes dos portuguezes.
    So V. coohecesse as no^sas cidades, o nosso
    commercio, a nossa riqueza territorial,, e
    a nossa populacho, se espantara de ver que
    um povo similhante gastasse tres airaos em
    urna guerra, que loria durado quando mui-
    to seis mozos, s tivessemos um bom gene-
    ral, mura almirante siquer-e saiba, ge-
    neral, que os brasileirosso to bous solda-
    dos, e lito valentes como'os Venezuelanos;
    e que a cavallaria do Rio Grande nao infe-
    ferior de Agera.
    Itecebi as suas Memorias 'e as suas Mxi-
    mas. Tenho dado a ler as suas Memorias
    a varias pessoas, e todas esto entusiasma-
    das po" V. ao ler as verdades e as tacan has
    que ellas contera. Eu j tinha feito co-
    nh cido. porque nunca deixo de fallar de
    V., e do contar muitos rasgos de sua vida,
    de que :ui testemunha ocular.General, nao
    me esi[eco um momento de Colombia. Se
    durante 13 anuos que servi naquelles pai-
    zes,.contando com as commissoes fra, ti-
    ve muitos desgostos, soffri muilas intrigas
    como estrangeiro ; por outro lado nenhum
    ollieial mereceu nunca as distinegos e am-
    zade da tudo quanto havia de mais grado
    no paiz como euessa amisade foi sempre
    to distncta entre os borneas, como entre
    as mulheres. General, ainda conservo o
    relogo que Y. me leu, depois da batalha
    de Carabob ha 47 anuos I poJeria eu es-
    '\t ve-lo nunca ?
    Mea General, que feito de Soublette,
    de Uudaneta, de Escalona, de Mariano
    Montiliia, de Marino, de Valdez, de Bri-
    /.eno, Mendes, de Cerveno, de O'Leary,
    deCARABANO.de Citiago e tantos outros?
    General, quando eu considero que V. um
    dos homens mais distinctos da Americ rae-
    ridioml, a quem Venezuela (si nao Colom-
    bia,1 deve tudo ; quando me lembro que V.
    um dos homens mais ricos de Colombia, vai
    na edade de 79 airaos explorar urna em-
    preza em tern estranha para viver, descreio
    dos homens e das cousas da America, o sin-
    to ser Americano. V. cujas ricas proprie-
    tenente fez sigual ao marinheiro para acom-
    panha-lo e dando o braco ao Dr. encami-
    nbou-se para a porta da ra; Jorge, que
    cora tantas dores licra perfeitamente curado
    da embriaguez, tornra-se taciturno, calcu-
    lando os trabalhos e desgostos d'uma prisao,
    e as despezas do processo em que seria
    envolvido, pois necesariamente o oficial
    ira direitinho entroga-lo polica; na
    praca, porm, o mogo dou-lhe alguus con-
    selhos e mandou-o embora, e s ento foi
    que o marinheiro respirou, e vendo-se li-
    vre agarrou com effuso na mo direita do
    tenente, levou-a aos labios e exclamou:
    Sinhor Tinenti, eu lh'agradego com
    horas o buuuficio que acaba de particari
    cumigo, e espero que algum dia ainda
    benha a pagar-lhe o capitali e juros desta
    dibida.
    Nada leus quo agradecer-rae, disse o
    mogo, trata de evitar futuras desavengas
    com os teus camaradas e s feliz.
    Os dous jovens caminharam depois com
    passo rpido para o theatro d'aquella scena
    de pugilato, e quando l chegaram j a
    casa estava cheia de povo; nos aposentos
    interiores os soldados de polica farejavara
    tudo, e em quanto alguus punhara os bofes
    pela bocea intimando a ordem do prisao a
    quatro bebados engolfados as delicias de
    um somno reparador e a um pobre diabo
    todo massado pelas bordoadas, outros, s
    escondidas, passavam revista aos velhos
    trastes de Marcas ou sacudiam as garrafas
    para ver se anda acbavam alguma cousa
    que lhes raolbasse a garganta.
    0 demo confunda estes malditos
    beberres, disse o mais pimpao dos poli-
    ciaeschupara at as rolhas e o peor que
    sempre chegamos tarde para estas festangas,
    mas,contmuou pela bocea pequea
    antes assim do que ser mimoseado com
    alguma churinada ou levar pelos queixos
    algum bom par de sceos.Nisto, para
    descarregar o seu mo humor e fazer algu-
    ma cousa, aproximou-se com cara zan-
    gada a um d'aquelles que mais alto resona-
    vara e agarrando-o por um brago, sacudio-
    o cora empbasis, bradando : Est preso ;
    seu pelintra, levante-se e siga para a cadeia:
    0 marinheiro suspenso por ura brago, dei-
    xou-se cahr sobre a perna do pedestre e
    comccuii a lossir, e este -juerendo a todo
    Ir.ms.'. que fosso executada a sua ordem de
    prisao, abai\ou-se, msteu a cabega no
    peito do !i.Kiit.';n e procuru U.niuta-lo pela
    tintura, mas o bvbiHo, com o np.-rto, fez
    u;n m^vi*oato convulsa e.............ura9
    mi-
    , tudo
    dades era Ocumare, em Maracay
    fazenda do Mrquez do Ca
    Agere, e na lagda de V,"
    havia creado varios Ato{ p
    jos ttulos estiveram por muito te
    nhas maos? V. tao ricoe boje expa
    isto me parece um sonho I Em fim mis-
    ter acabar com esta cajlj, que um testa-
    mento, 'as qLolhetrarmuitas recorlagdes,
    recordacoes"de meio secuto II Adeus meu
    querido-General, Dei;s o aoom()antie na sua
    empivza, o o faga feliz para gosar ios lti-
    mos anuos de vida em paz.
    Entretanto aceito um -abrago beflff aper-
    tado. ***
    Do seu amigo sineero e grate^^
    Josh Ignacio t Abrei; e Lira
    -P. D. Esta carta vai por via do Cnsul
    de Buenos Ajres, residente Resta cidade. -
    Accuse-me a reeepgao porque desejo que
    esta carta nao se perca.
    Tenbo escripto epublicado varias obras no
    Brasil, das quaes possuo um ou outro ejem-
    plar ; o tomo a liberdade de offerecor-lhc 2
    exemplares; um da synopsis dos factos
    prncipaesdo Brasil; eo outro do socialis-
    mo, obra pililos ilica, que publiquei ha an
    nos. Logo que eu pudor haver mo 'uin
    oxemplar da miuha historia do Brasil, lh'o
    enviarei pelo mesmo conducto espero quj
    rae Recose a sua recepgo.
    (Do Xovo Mundo.)
    IIM |>i>r ah al-iini lujgar le
    reilact*r f
    Os jomaos teem introduzido uraa ber-
    narda nos hbitos da mais |>acata de todas
    as gentes, a boa gente Bortu^ueza ; teem
    inoculado sangue de senbras vizinhas no
    systema venoso los typus menos atroitos
    febre da curiosidade.
    Cora que impaciencia sao esperados 1
    Cora qne prazer sio rocebidos I Cora que
    sofreguido sao decorados de fio a pavio,
    desde o titulo at marca da l) pograpbia l
    Ha ainda |uem a eusto soletre; o que
    nao ha quora deixe do se embriagar
    todos os das com as delicias do soalheiro,
    soletrando, mais assim ou mais RHtdo,
    quarteires de noticias, de que os jornaes
    lazein registo cora a mira na utilidade do
    publico.
    E bera empregado tempo I Bera em-
    pregado, porque, sem largarmos os penates
    e termos de encasquetar os penantes, lo-
    gramos a commodidade de sob o influyo do
    ( Olho do cu e tocha do oriente
    ou
    A luz de urna vela
    De cera amarella
    ficarmos ao facto de todas as voltas que o
    inundo d, de todas as scenas quo se pas-
    sam na trra e nos outros planetas.
    E porque 1 Porque os jornaes saben)
    tudo, o badalam tudo e mais alguma cousa
    por essas trras alm: guardando as con-
    veniencias, est" claro, para quera nao es-
    tiver escuro.
    Oual o desgeitoso que deixou de figurar
    alguma vez no cantinho d'este ou d'aquelle
    jornal! liara avia.
    Ento ha maganes to felixes que esto
    constantemente saboreando o gaudio de ve-
    rera o seu appellativo, sbprado por todos os
    canudos da fama, estourando era oiraa de
    todas as povoagdes como bola de sabio, que
    anda assim deixa cahr o pingo I
    E nada mais agradavel do que sentirse
    a gente com um pe no comboyo da posteri-
    dade, para l chegar amanh, d'aqui a dez an-
    uos, a cera, a mil, a troco de una frioleira :
    porque por exemplo, veio nstallar-seTnos
    urna verruga na ponra do nariz, um'callo
    na sola do p, urna friera no dedo mini-
    rao da mo mxima.
    Abcngoada bagatella que d aptido para
    a gente se revestir de uns ares de Bocage
    e pensar cora os seus botes na possibili-
    dade de atirar s bochechas do genero hu-
    mano com a expresso :
    Posteridade s minha
    Depois de nos sabermos lastimados ura
    dia por amigos, conhecidos, e desconheci-
    dos, na trra das alfaces, como na das la-
    ranjas, como na das bananas, nada mais
    apreciavel do qne sermos d'ahi a das sur-
    prehendidos pela noticia de que urna asso-
    ciaco, com um grande capital de affectuo-
    boa caada de vinho precipitou-se sobre a
    cabega do enfatuado pedestre. Urna es-
    troudosa gargalhada resoou pela saleta
    apupando o desastrado policial, que cor-
    rido de vergonha, erabarafustou para a
    porta no momento de entraran justamente
    o Dr. Alberto e o tenente Alfredo.
    O Dr., esquecendo as fadgas d'uma noite
    de baile, peusou o outro frido com toda a
    humanidade e pericia, cozou-lhe o labio
    inferior, que se achava partido, e ligou-lhe
    a mo toda retalhada pelos vidros quebra-
    dos ; este piedoso mistr concluio-se quando
    o sol j vraba penetrando pela janella do
    fundo e inundando com urna luz amarel-
    lenta todo aquelle immundo aposento. A
    turba dos curiosos augmentou-se considera-
    velmeute quando sabio da casa, em direc-
    go praga, o cortejo dos policiaca arres-
    tando cinco bebados e quatro mulheres
    rotas e desgrenhadas, que seguiam'para a
    cadeia fazendo acenos desesperados e con-
    testando com palavras pouco parlamentares
    as pilherias dos circumstantes.
    Os dous oficiaes tomaram por outra ra,
    e chegando ao hotel reuniram-se aos seus
    companheiros, que, affeitos a essas noites
    passadas em claro, achavam-se j sentados
    era torno d'uma grande mesa e tomavam
    chocolate ou caf em quanto esperavara o
    escaler que devia conduzi-los corveta.
    Ora gragas a Deus, exclamou Ricardo,
    finalmente descobrio-se o xarope do bosque ;
    com effeito, os senhores nao contentes eom
    o namoro escandaloso que sustentaran no
    baile, ainda ibram por abi fazer as suas ca-
    vallarias altas I Os camaradas afflic|os qu
    se deixem atormentar pelos cuidados' de to
    longa ausencia e mais que tudo o meu pobre
    estomago que se sujeite aos aprichosmhos
    de dous refinadssimos namoradores.
    Ests hoja de muito mo humor, caro
    commissario, responden o doutor, creio ser
    ainda muito cedo para ter-se o appetite to
    desenvolvido, mas erafira j que tiveram a
    complacencia de esperar, tomaremos tam-
    bera algum confortativo e depois para deci-
    dimos qual o mais santo entre- nos, cada
    um contar sob a f de cavalbairoas suas
    aventuras da noite passada.
    Sim, pois nao, disse Fernando, isto
    seria bom e mesmo muito. do meu agrado,
    se o escaler j nao estivese nossa eapera
    e nao tivcSsmos de apresentar-nos a bordo ;
    o doutor nio sabe que o servido do re mo
    sao ro'ixinhas f
    <( Nao importa, adiaremos as confiden-
    cias para bordo ou para quando voltarmos
    sidade para, comnosco, vai ptwfljj^bra a
    graciosa lerbran
    Te-Detn in
    E e barro ^HH| jfe-
    tinctissrao poeta Damiii lu Hm
    poema em quatro cantfrmjf idtifuudo 1
    mulher de Ctllatino, o maior poeta do
    mundo, um dos escolbidos a quem o anjo
    da poesa acalontou no burgo e com as azas
    lucidas tirou a poeira do bostunto?
    E a scioncia de que o moJeslissimo pintor
    Bellro, uraa das glorias da patria, pialando
    a oleo de ligado do baeallio ou a oleo do
    nico usado polo shab da lVrsia, um painel
    das almas.para a groja da Carrapichana se
    rfesnasearou gonio emobra de tanto pulso,
    rej)rosontando almas grandes e lavadas, 0
    nao almas de chicharro?
    E.......
    Nao ha minas do Per quo possain pa-
    gar este novo methodo le encher o papo.
    E' to diflicil metter um jornal n'um fo-
    lhetim como deve ser difficil metter o mar
    n'uma concha ; ou ento que folhetm, e
    que concha E por isso deixo de me
    referir a millesimas comas urgicas, que tor-
    nara um, dous, tres jomaos, todos utces-
    sarios como o pao nosso de cada lia n'uma
    casa de familia.
    E que inmensa gloria para os reda-
    ctores I
    Ha muito tempo que eu a appotogo e me
    lembro de fazer a segunda aos industriaos,
    que perguntam por essas mas : Ha por
    ah algum sebo, alguus bssos, alguiis co-
    pos quebrados, ou algumas pellos de coe-
    gritar:
    hos? e saltar para as pracas a
    Ha por ah algum lugar de redactor ?
    Modestia aparte, parecia-me que podara
    escrever alguus artigos diroitiuhos, hoje
    que to la a gente escrevo.
    Pos i com tudo estar em erro, e nao me
    admirara de que algum publicista encane-
    cido o aristcrata me amarrotasse os quet-
    xos com auiella phrase, mais ralba do quo
    a S.1: Tu tjnoque Ifrule !
    Muito agradecido ao seu favor, pie nao
    era para levar a mal, se viesse acorapa-
    nha lo da declarago de que este vocativo
    se ataviara cora inicial maiuscula, porque
    em tal caso apenas significaraTambera a
    comadre bebe?
    Nada |>erco entretanto em me offereccr
    para o lugar appetecido; e aqu o fago.
    E, como prova da minha competencia, ou
    incompetencia, para esse lugar, vou dizer
    jual o modo por quo eu dara as noticias de
    tres acontec montos, que mais barulho fazem
    no raelhor dos mundos possiveis o mais se
    ageitam ao dar da taramella :u.n jantar,
    urna recita theatral, e um baile.
    JANTAR.
    Retira-se hoje la capital o abastado agri-
    cultor de batatas, em Paredes do Viadores,
    o Sr. Serapio, que tivemos a fortuna de
    ter no nosso seio, por alguus meaes, o que
    foi o encanto da sociedade da gente alta.
    S. Exc. deu hontem, por despedida, um
    magnifico jantar, de tres talheres, a numerosos amigos.
    O jantar, obra do maior cozinheiro dos
    lempos modernos, foi urna emfiada de pri-
    mores da arte culinaria.
    Eis o men :
    Soupe de pain, aux clwuv de Lombar-
    die.
    Vaclie cuite, au lard.
    Tele ik porc, aux hnricols blancs.
    Mouton roti, aux patulea.
    Fromage de la Serr de iEloile.
    Oranges de la Chine.
    Fin de Colliers.
    Viti de Tours.
    Ao toast o nosso amigo levantou uin
    brinde sade e fortuna dos seus convi-
    vas ; estes brindaram prosperdade o aos
    patacos do amphytrio, o cidado Serapio,
    que tao bizarramente os obsequiava ; e aos
    dous brindes seguiram-se outro o outro, etc.
    Terminado o banquete, cada um dos con-
    vivas se relirou satisfetissmo para casa e foi
    dormir a ssta.
    RECITA THEATRAL
    Vai esta noite scena, pela primera vez,
    no theatro de Santa Engracia, a chistosa en-
    tre as chistosas comedias do nosso amigo
    Serafim : Os macaqciniios no sotAo de
    Cleopatra.
    E' urna fabrica de gargalhadas. Ri-e o
    espectador quffldp sobe p panno ; ri quan-
    do cada tj^H Bra em scena ; ri com os
    monlogos, Ioros, trialogos, totralogos,
    pentalogu ^B| nem poda doixar de
    rir.
    A actriz Clarmunda, a mais nolavel da
    Duropa, desempenha lo um modo, ivcja-
    vel, por inexcedvel, o papel que lhe fot dis-
    tribuido.
    Ningnem na scena lhe chega aos calca-
    nliares. Tom-se levado tanto.nanrte de Mo-
    lilo, que nofugiramos muito da verdado
    se aventassemos que, lignando-se as nu-
    vens oslabelocor colloquiy cbm ella,
    As nuvens disseram : basta.
    T aqu ninguem subi.
    Bravo, Clarimunda, Bravssimo !
    O actor Simfronio, o mais celebre da
    actual i dade, vai admirabilissimamente.
    E ueiiiium dos outros actores e actrizes
    desloara.
    Para as primeiras cincoenta recitas est
    tudo tomado : camarotes, lugares da platea,
    galeras, corredores, o salo do theatro, e
    as jane]las dos predios mais prximos.
    Ouum quizer gozar este incomparavel es-
    pectculo, na quinquagesima primera re-
    presentago, mande amanh, ao toque da
    alvorada, comprar bilhete, quando nao
    boluveruntgalhetas, nao inetle a barba no
    calix. E' conselho do amigos.
    BULE
    Additameuto s mil e uraa noites, ou a
    millesima segunda noite.
    Houve ha dias um baile de se lhe tirar o
    chapeo, no palacio encantado do nosso ami-
    go Paotaleao, na ra do Morca tudo...
    Agora rno lembro de que da minha peri-
    cia na descripgo de um baile j le provas
    n'um folgetira em verso, publicado em o
    numero 118 do Diario Ilustrado, quando
    este jornal era pequeo.
    Remello pois o jury para essa obra.
    Eu dira em prosa urna cousa parecida
    com o que ali escrevi em quadras.
    Devo todava observar que aqnelle meu
    baile nao correu na imprensa como seria
    para desojar. Appareceram alguns versos
    de p coxo, o que ainda agora lastimo.
    Mas dou gragas a Deus por uo rae haver
    succelrTdo cousa parecida com o que succe-
    deu a um poeta, que ou conheci, e quo j l
    vai.
    Tendo elle chamado hroe a um cidado
    prestante d'esta torra, os typos converteram-
    lho a palavra era verme.
    O vate a quo rae refiro, e que nao mui-
    to conhecido, presenteado um lia com prato
    de sonhos, agradeccu o brinde do segrate
    modo :
    Quaes sonhos, nem meios sonhos 1
    Antes erara realidade !
    E era tamanha quantidade
    Oue cnchiam bera dous redonhos !
    E dos mais medonhos
    Ubi
    Se as provas agradaran, cu cestou.
    GastAo da Fonseca.
    r a
    AGRICULTURA.
    trra, com tanto que nao deixe cada um
    de referir as suas primeiras impresses em
    Santa Catharina.
    IV
    C'aufldencias.
    Vem, ronha, junto a mim,
    Vem coular-me teu soffrer ;
    Tendo a mesma condigo,
    O poder da ngralido
    Buscaremos esquecer.
    (A rolaMachado.)
    Na prac,a d'armas da corveta Diana acha-
    vam-se reunidos horas depois, Octavio, Al-
    fredo, Ricardo, Fernando, Adriano, Gustavo,
    e o Dr. Alberto; cada um devia contar as
    suas aventuras da passada noite e por direi-
    to de gerarchia teve Octavio a palavra.
    E' preciso que eu me remonte poca
    da minha infancia, comegou elle, para po-
    der contar-v^s-as impresses que recebi hon-
    tem no baile da presidencia. Ho de haver
    doze ou treze annos que minha familia re-
    sidi algumas semanas em urna chcara pr-
    xima do Jardim Botnico, de onde todos
    os dias sahiamos a passear pelos lugares cir-
    cumvisinbos. Urna tarde eu me tinha afas-
    tado de casa e tirando os sapatos corra e
    saltava pela margem da laga de Rodrigo
    de Freitas, no encalgo dos raagaricos ; mas
    de repente pare envergonzado, e tratei de
    calgar-me s pressas, pois divisara peque-
    a distancia um grupo composto de urna se-
    nhora, um hornera de meia idade, e urna!
    galante menina de 10 a 11 annos, que se di-
    riga para o meu lado; a senhora rio-so
    muito de ver-me to sorprendido e alrapa-
    Ihado, e a menina, aproximando-se, sau-'
    dou-me com um sorriso e correu logo a
    juntar-se a seus pas. Dous dias depois tor-
    nei a ve-los, e querendo fazer dissipar a
    idea pouca favoravel que no primeiro encon-
    tr houvessem feito da minha educago,'
    adiantei-me at elles, cumprimentei polica- J
    mente o hornera e a senhora, e chegando-me
    menina oonvidei-a para brincar na praia ;'
    quando, ao oscurecer, nos despedimos, sen-J
    ti que j a estimara como se fosse minha
    antiga camarade, e d'ento em diante
    nunca se passou umn s tarde que nao es-
    tivr-ssomos juntos.
    U dia la minha volta para a cidade, foj
    do tal serte trist'par nos, quo ao despe-
    dir-nos, abragamo-nos chorando a juramos
    lembrar-nos sempre um do outro e amarin-
    nos como dous verdadeiros irmos.
    Dous anuos decorreram entretanto sem eu
    MOLESTIA DA BATATA.
    O Dr. Julio Kuhn tem procurado saetea
    ltimos annos descubrir so a molestia da ba-
    tata ( Peronospora infestans) se communica
    de turbeculo para turbeculo na trra ou de-
    pois de encelleirada ; ou, se, como querem
    outros, o mal se transmitte aos turberculos
    pelo caule.
    A causa da alforra na batata nao admilte
    j a menor duvida, mas poucos tora o tem-
    po e os meios para, a microscopio, espreitar
    o seu desenvolv ment e marcha. Hoje,
    tera-se como facto averiguado que a moles-
    tia o effeito do referido Funge parasyta,
    cujos ovos penetrara a massa da tubara.
    D'onde procedem estes tomos germinativos,
    ou qual seja a sua natureza e faculdade
    anda um problema, Existe una tal infi-
    nidade de formas noste diminuto organismo,
    saber noticias della, e quando j cursaya o
    pr meiro anuo laaiadeniiade marinha, indo
    um dia de (cenca visitar urna familia conhe-
    cida que morava no largo de Santa Rita, vi
    urna bella mocinha na sacada d'um sobrado
    da ra dos Pescadores; empertguei-me
    todo, tomei esse ar de rapaznho que j na-
    mora, e aventurei uin olhar, mas a menina
    corou, sorrio-sc e me disse um adeus com
    tal desembarago que desapontei devoras.
    Esse procedmento d'uma moga a quem
    nao conheca perturbou-me por talsorte,
    que apenas toquei na pala do bonet, e apres-
    sando o passo dobrei a esquina da primera
    ra, onde s ento recuperei de novo o san-
    gue fri e pude mais tranquilamente fazer
    desfilar pela imaginago o cortejo de todos
    os meus conhecidos, sem comtudo encontrar
    aquellas feges to sympathicas e aquelle
    olhar to cheio de alegra ; grande parte da
    noite levei a scsmar nessa aventura certa-
    mente bem agradavel para um rapaz de
    quiote annos, e j'mo pareca impossivel
    adiar urna solugao a tal problema, quando
    de sbito aclarou-se-me a confusa reminis-
    cencia e por um movimentto involuntario
    saltei da cama e etclameiAh, meu Deus,
    nao seno Julieta I Arrependi-memil ve-
    zes do comportamento incivil que tivera para
    cora ella, rail vezes amaldigoei o meu aca-
    nhamento, e prometti reparar to grande
    falta no primeiro dia de licenga, mas, quan-
    do na primeira quinta-feira me dirig con-
    tente para sua casa resolvido a entrar e pe-
    dir-lhe perdao pela minha fraca memoria,
    um novo golpe de veuto destruio os meus
    castellos e desse dia em diante paguei bem
    cruelmento a grave falta de have-la esqueci-
    do, a maior offensa talvez que se possa fazer
    a urna mulher que nos estima.
    Ella estava na janella e assim que me vio,
    dissimulou e virou o rosto para o outro lado;
    fiquei um tanto desconcertado, e passei
    adante para pouco depois voltar; desta vez
    ella nao teve tempo de voltar-se porm car-
    gou a feigo e quando a cumprimentei, tive
    apenas em retribuigo urnffmperceptivel mo-
    viraento de cabega, to mb" e indiferente
    que fiquei desanimado, O plano *o entrar
    e renovar o antigo conhecimr-nto, foi desde
    logo abandonado, e sem "mais hesitar re-
    gressei lireito para casa.
    Escusado dizer-vos que se at ento
    &^
    urna j,,tanto mais nrdvnte. quanlRj
    niaispjSRjci diminuir a amisade que Julieta
    mejc^^^Eu anuos antes; esses sOfTri-
    que os hornean que tem didioa Maior
    parte da sua vida ao catado deste raaa 4a
    historia natural, pouco mais '
    do que resultados negatrvee.
    A theoria de aue rauitos
    bolores, ou Morras, Ira mi
    orgem, e seus edvogaoa rr teda a la-
    ropa.
    E de focto, oao aada
    a larva leste Fatigoespalbada oei
    ra em certas estaeoea do anno, i
    de se accommodar a determii
    ces c a tomar differentes formal,
    se geralmente que o Fungo nao
    dureza as tuberas infeccionadas e por i
    sequencia, que adoeoga se nao
    te de turbeculo para turbeculo.
    batatas atacadas da molaslia depois de en-
    celleiradas, e as quaes goal alfMl de-
    nuncia va o mal naquHIa occaao. dRTWMi
    conter o germen da doenra antes de sarem
    colindas. As numerosas experieaMRW (eita*
    [telo Dr. kuhn em diflereutes eHar^Pt de-
    nionstram que a peros|iora aofmfam t pro-
    iluz-se com a mesma fcil idade oa trra
    c uno na tu hura depois de rerorbida,
    com) na planta cima da Ierra. A lar-
    va emerge debati da pellica da
    em qualquer parte della, imi[
    te ilas cavidades dos olhos e como e I
    creago abundante, a menor ReORdode
    causa lo desenvolviraento da molestia.
    Ha relatnos dando conta da existencia
    da doenca, sem que a planta afreamtajja
    signaos le bolor, mas provavel ama bou
    vesse algumas pequeas manchas, que i
    pataiu ao observador.
    Esta dtjscoberta induz-no^ a
    maior atton;o nci-ssiUde la
    as trras encharcadas e d<> reculher a
    tata em lugar seco. Itove-ee
    tamben) ao estado da atmosphera,
    rdn se para isso lempo st*cco, ev
    as carnadas espossas e a sua estiva em moo-
    to, de que pode provir a ha nidada, e,
    limitado que seja o nosso oidiecimento a
    este respeito, sabemos que a huimda ura dos priucipaes agentes para o desenv-jl
    vimento da molestia.
    Depois lo apparecimeuto destas okWr-
    wroom do Dr. kuhn, fez-se urna iutereana
    te publicaeao sobre a causa da molestia da
    batata e seu antidoto, por llerr voa SchuU
    tzeusten no Wocbenscbrift, e que limos
    na sua integra. Ver-se-ha que se acka
    diaraetralmenle era op|isico com as ila*
    da maior parte dos phisiolugistas la actua-
    lidade.
    Segundo a opinio do Dr. kuhn, diz el-
    le: a molestia da batata deve-se mleirautenle
    ao tungo paras)U, Peranospora iufestans
    cumprindo por tanto destruir-lhe a larva.
    Desde que Von Martins nos leracstrou a
    presenga d'um Fungo, Fusisporium Solam
    tuberosi, na doenca da batata, e depois da
    puhlicago das memorias de Unger sobre o-
    o exhantema das plantas, em a distribua
    gao do Fungo parasyta, a aUeocao cha-
    mada para o Fungo da batata, e a diffusa
    da molestia para as tuberas altrbue-seu
    sua existencia no caule, pelo qual se Ib
    communicou.
    E esta idea tomn corpo quando se conbe-
    ceu que a larva se desenvolveu em tuberas
    ss depois de cortadas o me, e collocada
    sob campnulas de vidro, n'uma atmosphe-
    ra carregada d'humidadc; mas mesmo as-
    sim nao est provado o mfecrionamriito b*
    grandes quantidades le tubaras em c.ndi
    coes, alias, na tu raes ; e como a presenga e
    o progresso do bolor em batatas doentes uo
    adraitte duvida, nio se prova que a >rig-m
    da molestia se deva attnlMiir ao Fungo, e a
    idea deque a molestia pode ser combatida.
    combateudo-se o Fungo ha le Iludir a quem
    comfiar n'esse systema.
    A molestia da batata consiste na murcio-
    vasos e seu conteudo, o que visivel pela
    desbotadura e separago das cellulas muito
    antes do apparecimeiito lo Fungus. Ros
    tubrculos nota-se primeiro esta podrida*'
    inmediatamente sob a cutcula, que ella es-
    garca, como acontece com urna batata ei-
    posta geada ou | subniettida i aegao
    (Pagua a lerver.
    [Continuar-se-ha,
    eu lhe consigrra apenas uuia simpks alfei
    gaoilc crianga, dessa contr.iried;ia]^^^^B
    mentos moraes exacerbaram-se com o fea
    desprezo o cora a minha recluso nointfrna-
    to, de sorte que era oito mezes s consegu
    ve-la algumas vezes, de relance, e nunca
    uinas palavra sua soara em meusoavidos,
    nem urna s phrase escript.i derramara o
    balsamo da esperanga em meu coragio di-
    lacerado.
    Diz um adagio antigo queNio ha mal
    que sempre dure, nem bem que nao se aca-
    bec com effeito, isto deu-se inleiramente
    comigo, porque, como aproveitasse as ferias
    do segundo anno para passar cinco e seis
    vezes por dia pela casa da dama dos meus
    pensamontos, quiz minha boa estrella que
    n'uma dessas frequentes passagons encon-
    trasse o Dr. Hermogenes, pai da encantadora
    Julieta aproveilci o,sjo, fui direito a
    elle, dei-me a conhecer, e depois de abra-
    garmo-nos mutuamente convitou-me o dou-
    tor para acompanha-lo i sua casa ; por cer-
    to que nao havia de recusar, e tendo a for-
    tuna de ser muito bem recebiilo por sua se-
    nhora, contei-lhe ingenuamente a historia
    da irrefleio que commettera a primeira vez
    que tornara a encontrar a antiga camaradi-
    nha, con quem afnal consegu fazer as p-
    zes, retirando-me satisfeitissimo e promet-
    tendo visita-las sempre que me fosse possi-
    vel. Durante o 2.* e 3.* annos da academia
    tudo correu smil maravilhas, porm como
    Nao ha bem que nio se acabpor isa*,
    assim que sahi guarda marinha, tive novo*
    deveres a cumprir em obediencia i ordem
    do ministro, para urna longa viagem de ins-.
    truego, que arrancou-me do doce f nievo e
    arrojou-me no meio d'uma lozana de ser-
    ros ofciaes e para debaixo da etcota de um
    rispido coraraandante. Na volta da viagem
    tratei logo de procurar o Dr. Hermogenes,
    porque o meu amor por Julieta em vez de
    arrefecer com to longa ausencia, ao contra-
    rio tomara maiores proporcocs, e, pois, eom
    mo trmula e coragio offegante puxeio
    cordel da campanhia de sua casa e fiz-me
    annunciar, mas qual nio fot a minha ser-
    presa quando se me apresentou ama senhora
    desconhecida, que minha perminta, diese
    ter-se mudado o Dr. Hermogenes para S.
    Paulo onde fra procurar sade para sua fr-
    ua que coraegava a soffrer do peito e_raje
    estado sempre melanclico e triste aa;
    serios cuidados a seus pas.
    | Conliniiar^mkt.

    PYP DO 1)!AIU0 i-A DUQt'K t)K CM





  • Full Text
    xml version 1.0 encoding UTF-8
    REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
    INGEST IEID EXJBUWGIL_2NL6RN INGEST_TIME 2013-09-19T22:46:13Z PACKAGE AA00011611_12916
    AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
    FILES